Page 1

Reforma política é um sonho Reforma política, como a sociedade quer, só daqui a 500 anos. Quem faz a previsão, totalmente descrente, é o deputado Givaldo Carimbão (PSB-AL), que defende, pontualmente, o financiamento público das campanhas eleitorais. > A-3

edição PRIMEIRA

Mega-Sena volta a acumular Ninguém ganhou a Mega-Sena deste sábado (9) e o prêmio acumulado desta 4ª feira (14) deverá ser de R$ 7 milhões. Foram sorteadas as dezenas 17, 29, 36, 38, 53 e 56. A Quina teve 66 ganhadores e cada um vai receber R$ 26.165,75.

Ano 9 | Edição 491 | Maceió, Alagoas, 12 a 18 de novembro, 2012 | R$2,00

MP da energia pode render Licenças para saúde mudam apoio de Dilma a Calheiros chefia de poderes no Estado A presidente Dilma quer que a MP que reduz as tarifas de energia elétrica seja aprovada sem alterações. O relator, Renan Calheiros, garante que não cederá a pressões e, com isso, pode ter o apoio do Planalto para suceder o senador José Sarney na presidência do Congresso Nacional. > A-2

Divulgação

Dilma avisou que não aceita emendas à MP que reduz tarifas da energia

Divulgação

O presidente do TJ-AL, Sebastião Costa Filho, assumiu governo do Estado

Com problemas cardíacos, Teotonio Vilela se licenciou, mas quem assumiu foi o presidente do Tribunal de Justiça, Sebastião Costa Filho, porque o vice-governador Thomaz Nonô viajou ao exterior, e o presidente da ALE, Fernando Toledo, também está licenciado por motivo de saúde. > A-4

BANDIDOS DESAFIAM SEGURANÇA ASSALTANDO ÔNIBUS EM MACEIÓ O Plano Brasil Mais Seguro tem um lado positivo - redução do índice de homicídios no Estado - e outro negativo - aumento dos as-

saltos, mormente aos ônibus das linhas urbanas de Maceió. De janeiro a outubro, foram registrados mais de 450 ataques a coleti-

vos. O coronel Gilmar Batinga, chefe do Comando de Policiamento da Capital, revela que os assaltantes - muitos deles menores de

idade - mudam de alvo o tempo todo: farmácias, postos de combustíveis, agências dos Correios, ônibus, sempre fugindo das áreas

mais bem policiadas. A PM agora quer que as empresas de ônibus façam sua parte, equipando os veículos com câmeras. > A-5 Miguel Goes

AMA teme que crise transforme prefeitos bons em fichas-sujas A crise financeira nos municípios, agravada pelos cortes do FPM, pode transformar bons prefeitos em fichas-sujas, por não terem como fechar sua contabilidade - revela o presidente da AMA, Palmery Neto, em entrevista ao Primeira Edição. Ele pede que Teotonio Vilela antecipe a liberação do ICMS para aliviar o sufoco dos gestores. > A-6

CRUZEIROS PROJETAM MACEIÓ NO CENÁRIO TURÍSTICO

Luciana Martins

Palmery Neto, presidente da AMA

Cada ano mais conhecida no Brasil e no exterior, Maceió começa a colher os frutos de mais uma temporada de cruzeiros. Na abertura oficial, autoridades e jornalistas foram recepcionados a bordo do MSC Magnífica, atração contagiante no velho Porto de Jaraguá, na manhã/tarde desta sexta-feira (9). > A-8

Vitória crucial sobre Ceará mantém Galo respirando Divulgação

TURISMO & GASTRONOMIA Divulgação

Palmeiras perde e continua agonizante

Veja as melhores dicas sobre turismo e gastronomia na B-7, espaço exclusivo editado pelo expert Zequinha Maranhão

Em Alagoas, o PMDB elegeu mais prefeitos

> A-7

O Palmeiras foi beneficiado pela derrota da Portuguesa ante o Botafogo, no sábado, mas não fez o dever de casa neste domingo e perdeu (3x2) para o Fluminense, que conquistou o quarto título de campeão brasileiro da Série A

Fale conosco | (82) 3325.2815 | Internet: http://www.primeiraedicao.com.br

A agonia é grande, mas o CRB se mantém vivo na luta contra o rebaixamento, depois de vencer o Ceará por 2x1, em Fortaleza, neste sábado. A situação não mudou (Galo continua em 18º) porque Guaratinguetá (17º) e Bragantino (16º) também venceram. CRB tem a semana para treinar visando ao duelo decisivo com o Guarani, no próximo sábado (17) no Rei Pelé. Último adversário do Regatas será o ASA, no Estádio Municipal de Arapiraca. > ESPORTES


Primeira Edição | 12 a 18 de novembro, 2012

A2 | Política

IA M O N O EC PULAR PO BRASÍLIA - A presidente Dilma Rousseff avisou ao PMDB, durante jantar oferecido no Palácio da Alvorada na noite de terça-feira (6), que não vai intervir ou sugerir nomes para as disputas das mesas diretoras da Câmara e do Senado, em fevereiro. Mas defendeu o rodízio entre o PT e o PMDB para a

Dilma quer MP da energia na íntegra, e Renan garante que não cede a pressões Aprovação da medida pode render ao senador alagoano apoio do Planalto à sua escolha para presidente o Senado presidência da Câmara. "Compromissos existem para serem cumpridos", declarou ela, aliviando a vida do deputado Henrique Eduardo Alves (PMDBRN), sempre assombrado pelo desejo dos petistas de romperem o acordo firmado no passado. No Senado, não existem problemas, já que a regra implícita é

a de que a maior bancada - no caso, o PMDB - tem o direito de indicar o presidente. O pré-candidato peemedebista à sucessão do presidente José Sarney, o alagoano Renan Calheiros, ouviu, no entanto, recomendação de Dilma: a medida provisória que altera as regras das concessionárias de energia deve ser aprova-

da da maneira como foi encaminhada pelo Planalto. Renan é o relator da MP na Comissão Mita, o que a transforma numa espécie de teste de fidelidade do líder ao Planalto. "Não é para aceitar nenhuma emenda que altere o conteúdo da proposta", enfatizou a presidente, segundo apurou a reportagem do jornal

Correio Braziliense. Para analistas políticos, a aprovação da MP tal como o Planalto quer poderá render a Renan Calheiros o apoio pessoal da presidente Dilma ao seu projeto de presidir novamente o Congresso Nacional. Renan tem tratado o tema sucessão no Senado com total

discrição, mas nos bastidores as informações são cada vez mais enfáticas sobre sua indicação para suceder José Sarney. Aqui em Alagoas também se comenta que a virtual eleição de Calheiros para presidente do Congresso poderá tirá-lo da corrida sucessória estadual daqui a dois anos. Divulgação

> SALÁRIOS

Deputados podem derrubar veto a reajuste que beneficia Teotonio Luciana Martins

O veto do governador Teotonio Vilela Filho (PSDB) ao projeto de lei 331/2012, que reajusta os salários do próprio governador, do vice-governador e dos secretários de estado, poderá ser derrubado na Assembleia Legislativa, por dois motivos invocados nos gabinetes dos deputados: 1 - a proposta teria nascido de um acordo, ou seja, com aquiescência do governador; 2 - o reajuste beneficia seletivamente algumas categorias de servidores do Executivo como os delegados de polícia, auditores e fiscais de tributos todos já incluídos entre os mais bem remunerados do Estado. O projeto reajusta os vencimentos em 7%, retroativo ao mês de maio, e foi vetado com o argumento recorrente do Executivo de estrapolação do limite de gastos com pessoal previsto na Lei de Responsabilida- Deputados criticaram veto a projeto que reajusta salários de algumas categorias

de Fiscal (LRF). A proposta de aumentar a remuneração do governador, do vice e dos secretários de estado, além das categorias já mencionadas, foi iniciativa da própria Assembleia Legislativa, mas alguns deputados informaram que ela tinha a aprovação do governador. Segundo o texto do veto governamental, publicado no Diário Oficial de terça-feira (6) o projeto "contraria os ditames da Constituição Federal e fere a responsabilidade na gestão fiscal e pode afetar o equilíbrio das contas públicas". Dados da Secretaria Estadual da Fazenda (Sefaz), expostos no texto oficial, indicam que no período de setembro de 2011 a agosto de 2012, as despesas com pessoal atingiram 47,41% da Receita Corrente Líquida do Estado.

“Aumento fere Responsabilidade Fiscal” Em suas considerações, o governador afirma que foi "levado a vetar totalmente o projeto, por entendê-lo contrário à Lei de Responsabilidade Fiscal". Atualmente, o governador, o vice e os secretários de Estado recebem salários de R$ 18.371,68, R$ 17.288,45 e R$ 16.294,50, respectivamente. Ao contrário do que se comentou, o reajuste salarial do governador e do secretariado não teria reflexo sobre o subsídio dos deputados, cuja remuneração está constitucionalmente atrelada à remuneração dos deputados federais. Alguns deputados, dentre eles Antônio Albuquerque e

Jéferson Morais, se pronunciaram criticando o veto e lembrando que a aprovação do projeto "fazia parte de um acordo entre o governador e os parlamentares". Para servidores da Assembleia, o governador pode ter votado apenas para cumprir orientação da Procuradoria Geral do Estado (PGE), mas sabendo que o veto será derrubado. Esse entendimento se apóia no fato de que o governo terá de aumentar gastos com pessoal para contratar os aprovados nos concursos da Polícia Militar, Polícia Civil e os selecionados para atuar como monitores na rede estadual de educação.

Câmara deverá ter 31 vereadores em janeiro O mandado de segurança ainda não foi julgado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-AL), mas a expectativa é de que seja aprovada a ampliação das vagas na Câmara de Maceió, de 21 para 31. Os adeptos da mudança lembram que a única exigência para se processar o aumento de cadeiras foi cumprida ainda em 2009: a alteração da Lei Orgânica do Município. A mudança adaptou a

LOM ao texto da Emenda 58 (Constituição Federal), que estabeleceu nova composição para as Câmaras Municipais. No caso de Maceió, com quase 1 milhão de habitantes, o texto constitucional prevê um Legislativo com até 31 vereadores. Esse número só não valeu na eleição de outubro porque a Mesa da Câmara preferiu informar ao TRE-AL que as vagas seriam apenas 21.

Presidente Dilma quer MP da energia aprovada sem qualquer alteração

Senador avisa que não vai mudar nada na MP Relator da Medida Provisória 579/12, que reduz o preço das contas de energia elétrica, Renan Calheiros já anunciou que não pretende ceder às pressões contrárias à aprovação da MP. Prometeu todo empenho na busca do consenso para aprovar a proposta do governo de reduzir em média 16,2% na conta de luz das residências e de até 28% nas tarifas dos setores produtivo e industrial. Como líder da maior bancada peemedebista no Senado, a quem caberia designar o relator da MP, Renan decidiu assumir a tarefa para, segundo ele, assegurar a aprovação e manter a essência da medida provisória. A redução proposta pela MP tem uma pré-condição: a renovação antecipada das concessões de energia elétrica, cujos contratos vencem entre 2015 e 2017. Pelo texto da medida, o prazo da renovação das concessões foi antecipado para 2013, por um período de até 30 anos. Para isso, as concessionárias devem concordar em retirar, do preço da tarifa, a remuneração de investimentos já amortizados.

As pressões às quais o relator se refere são, principalmente, em relação a governos estaduais, especificamente, às usinas hidrelétricas da estatal mineira Cemig (duas) e uma da paulista Cesp. Elas querem renovar suas concessões pelas antigas regras do setor. "Não pretendo abrir precedente", avisou o senador. Renan marcou reunião para discutir a MP e informou que vai propor a realização de, no mínimo, três audiências públicas para ouvir representantes dos governos federal e estaduais, das agências reguladoras, das concessionárias e dos trabalhadores do setor elétrico. O líder do PMDB foi escolhido como relator na instalação da comissão mista do Congresso a quem dompete vai examinar a medida. Na reunião, o grupo também elegeu o deputado Jilmar Tatto (PT-SP) como presidente e o senador Delcídio do Amaral (PT-MS) como vice. A previsão de Renan é que o relatório seja votado na comissão ainda nesta primeira quinzena de novembro.


Primeira Edição | 12 a 18 de novembro, 2012

Política | A3

Da Redação

Enfoque Político Rui com os lojistas Foi emblemática a reação de Rui Palmeira após ouvir Wilson Barreto ler um documento contendo sugestões de projetos, obras e ações do futuro prefeito: um sorriso franco e aberto como se quisesse dizer "quem me dera poder atender a tudo isso". Foi na sede da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), em plena manhã de segunda-feira. Depois de um leve café matinal, Rui ouviu indagações de empresários presentes, e não conteve o sorriso diante da avalancha de sugestões apresentadas pelo presidente da instituição. Algum exagero? Nenhum. Em verdade, o que Wilson Barreto expôs, reunido em três laudas de computador, só dizia respeito a medidas que, direta ou indiretamente, se relacionavam com o interesse e as necessidades do setor comercial maceioense. O prefeito, que foi rápido em descer do palanque eleitoral, ouviu tudo com a atenção e prometeu se empenhar para atender o máximo possível do que lhe foi proposto. Ele sabe que os problemas da capital estão muito acima da capacidade de investimento da Prefeitura. Problemas que impõem soluções inadiáveis, questões de médio e de longo prazo. Desafios que, sem exceção, exigem recursos financeiros muito além do que prevê o orçamento municipal. Mas Rui, ainda deputado federal, chegou cedo, na hora, prevista, sinal de seu interesse, da seriedade que o motiva a assumir em janeiro o grande desafio de administrar Maceió. E deve fazê-lo, como disse um dos lojistas presentes, em cooperação com o setor produtivo, todos juntos trabalhando com o mesmo objetivo. SÓ EM DEZEMBRO

SEM INTERFERÊNCIA

O prefeito eleito Rui Palmeira até agora não deixou escapar um nome sequer de seu futuro secretariado. O anúncio da equipe está agendado para dezembro. Portanto, por ora, só especulação...

O governador Teotonio Vilela não pretende sugerir nomes para compor o time de Rui na Prefeitura. Entende que o prefeito tem competência de sobra para formar um elenco de alto gabarito.

CONGRESSO QUER FINANCIAMENTO PÚBLICO Pelo que diz Givaldo Carimbão, como que ecoando a vontade majoritária do Congresso Nacional, uma das raras mudanças que deve acontecer na legislação política é a adoção do financiamento público das campanhas. Não faz mal ao bolso de nenhum parlamentar, já que a conta será remetida ao sofrido contribuinte. PLEITO QUINQUENAL

FIM DA ABERRAÇÃO

Outra proposta tem condições de figurar na pauta do Congresso: a que acaba com eleição a cada dois anos, com altos custos para o País. Haveria eleição geral a cada cinco anos - e fim de conversa.

O Parlamento também pode discutir o fim das coligações nas eleições de vereador e deputado. Assim, seriam eleitos os candidatos com mais votos, sem a muleta do chamado 'voto de legenda'.

POR QUE COLLOR NÃO DISPUTARÁ O GOVERNO EM 2014 São muitas as razões contrárias a hipótese de Collor vir a disputar o governo em 2014, mas uma delas se impõe: o senador mantém vivo seu discurso a favor do parlamentarismo, como fez há 15 dias ao ocupar a tribuna do Senado. Portanto, o expresidente cairia em flagrante e injustificável contradição se, enquanto prega a adoção do sistema parlamentar, quisesse concorrer a um cargo que, por sua natureza, se equivale ao principal do regime presidencialista.

BADERNA TOTAL

FORO PRIVILEGIADO

Rio Largo vive uma situação de baderna institucional. Com o prefeito (Toninho Lins) processado por corrupção, a cidade perdeu o rumo e precisa de socorro. A questão é: quem vai socorrer?

Quem tem motivos para comemorar é o ex-deputado Francisco Tenório. Processado por homicídio, ele sucederá Célia Rocha na Câmara dos Deputados e voltará e ter prerrogativa de foro.

SOBRE A CONTROVÉRSIA DE UM REAJUSTE O imbróglio na Assembleia, por causa de reajuste vetado pelo governador, leva à seguinte questão: as categorias beneficiadas (auditores, fiscais de tributos, delegados de polícia) não já foram contempladas com a reposição inflacionaria linear, concedida pelo governo a todos os servidores do Executivo? BOM SENSO AMERICANO

PODERIO IANQUE

A vitória de Obama só confirmou o bom senso do eleitorado americano. Quando nada, porque a 'derrocada econômica' dos Estados Unidos foi gerada pelo governo do republicano Bush.

Quem pode, pode. A campanha presidencial nos EUA teve um custo astronômico: 6 bilhões de dólares. Isso, diga-se, porque o país do Tio Sam está mergulhado em profunda crise financeira...

GOVERNO NÃO RENEGOCIA DÍVIDA PÚBLICA Teotonio Vilela parece ter perdido a esperança de conseguir renegociar a dívida pública de Alagoas com o governo federal. O governador se contentaria com a simples redução do serviço mensal da dúvida, de R$ 50 milhões para algo em torno de R$ 20 milhões. A sobra seria destinada a projetos de saúde, educação e segurança. O colunista Romero Vieira Belo está em férias e volta no dia 30/11.

> ANÁLISE

Deputado acha que reforma política 'só daqui a 500 anos' Givaldo Carimbão prevê Benedito de Lira e 'Renan ou Collor' na sucessão de Téo Vilela fotos: Márcio Ândrei

Everson Vieira Belo Exclusivo para o PE

"Reforma? Que reforma?". Assim reagiu o deputado federal Givaldo Carimbão (PSB-AL) ao ser provocado pela reportagem do Primeira Edição sobre a tão especulada reforma eleitoral e partidária. "Essa reforma a que você se refere, se sair, será daqui a 500 anos", disse com ironia e em tom de descrédito o parlamentar socialista. Carimbão concorda com a 'tese geral' de que a maioria dos congressistas não se disporia a mudar as regras sob as quais se elegeu. "Você vai convencer alguém de que a situação que o consagrou nas urnas deve mudar? - questionou. O representante do PSB ala-

Givaldo Carimbão não vê chance para aprovação de ampla reforma política

goano defendeu, no entanto, a adoção do financiamento público das campanhas eleitorais, afirmando que ela é mais justa e democrática: "Não nivela os candidatos, porque quem tem, sempre pode gastar mais, contudo garante uma cota certa e igual a quem não tem", comentou. Ele também defendeu a etinção da figura do suplente de senador por considerá-la atentatória ao próprio regime democrático: "É um absurdo alguém assumir um mandato de senador da República sem ter tido um único voto", declarou Carimbão usando um tom que não é sequer de ceticismo, mas de certeza absoluta de que a reforma política tão apregoada não virá.

Sucessão com Biu, Renan ou Collor Cumprindo seu sétimo mandato popular (o quarto de deputado federal), Givaldo Carimbão contraria a opinião da maioria dos observadores políticos sobre a sucessão estadual de 2014, ao considerar pouco provável a candidatura do vice-governador

José Thomaz Nonô (DEM) ao governo do Estado. - Nonô, acho que não. O certo é que o governador Teotonio Vilela (PSDB) deixará o cargo para disputar a eleição de senador, e Nonô se efetivará no governo, mas não endosso a previ-

são de que ele concorrerá à reeleição de qualquer jeito - salientou. Carimbão disse achar muito provável a candidatura do senador Benedito (Biu) de Lira (PP) à sucessão de Teotonio Vilela, pelo bloco governista, enquanto a oposição escolherá entre o se-

nador Renan Calheiros (PMDB) e o também senador Fernando Collor (PTB). Sobre seu futuro político, o deputado adiantou que deverá disputar mais um mandato de federal nas eleições gerais de 2014.

> GESTÃO

Rui tirará guardas municipais das esquinas para fiscalizar o trânsito Preparando-se para encarar os numerosos desafios que lhe serão impostos a partir de janeiro próximo, o prefeito eleito Rui Palmeira antecipa uma das medidas que pretende tomar de imediato visando a minorar os problemas do trânsito maceioense: tirar os guardas municipais das esquinas e colocá-los nas ruas para orientar os motoristas. A medida foi anunciada na manhã de segunda-feira (5) durante encontro na sede da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), onde o prefeito ouviu extensa pauta de reivindicações e sugestões que poderão, dentro das possibilidades do Município, ser implementadas durante sua gestão. - Hoje os guardas estão nas esquinas, multando, mas vou colocá-los nas ruas - disse Palmeira admitindo a necessidade de uma fiscalização mais eficiente para melhorar o trânsito da capital - um dos grandes desafios que terá pela frente.

Rui Palmeira estuda nomes para sua equipe e já adianta medidas para melhorar trânsito no Centro da capital

Para o prefeito eleito, multar é uma providência válida e necessária para punir motoristas

infratores, mas, antes de se aplicar a punição, é preciso educar e orientar, já que o certo e preferí-

vel é que não haja infrações, pois sem elas o trânsito funciona regularmente.

Secretariado somente em dezembro Apesar das especulações, Rui Palmeira ainda não definiu os nomes que comporão o seu secretariado, mas ele já anunciou e reitera que haverá espaço para técnicos e para acomodar aliados que trabalharam pela sua eleição, com um detalhe a prevalecer: os indicados por critério político terão de exercer funções para as quais estejam devidamente habilitados. Priorizando a competência profissional e o compromisso com a causa pública, Palmeira tem afirmado que precisa ter uma equipe de alto nível para realizar a gestão que anunciou durante a campanha, e que esteja à altura das expectativas da sociedade maceioense. Desde o final do processo

eleitoral que o futuro prefeito se dedica a conversar com os diversos segmentos do conjunto social, não apenas para ouvir queixas e reivindicações, mas igualmente para coletar sugestões que possam ajudar na resolução de problemas comuns. Na CDL, ele teve a oportunidade de se familiarizar com um conjunto de propostas que lhe foram apresentadas pelo presidente Wilson Barreto. O prefeito eleito sabe que muitas delas, apesar de relevantes, não poderão ser alvo de atenção imediada, mas há as que precisam e devem ser levadas em conta em curto prazo porque estão dentro da própria visão programática da futura administração.

Zona Azul é caça-níquel e deverá ser descartada Já existe a expectativa de que o futuro prefeito deverá ordenar o arquivamento do projeto de retorno da Zona Azul ao Centro de Maceió, por se tratar de um sistema que em nada contribui para a melhoria do trânsito, funcionando simplesmente como um caça-níquel oficial. Para motoristas habituados a circular pelo Centro, "a Zona Azul não altera em nada os espaços do trânsito, apenas pune o motorista com mais uma cobrança". A cada momento, aonde

chega, o futuro prefeito se depara com queixas, sugestões e cobranças de solução para todo tipo de problema que aflige os moradores da capital. Na CDL, foram tantas as questões expostas pelo presidente Wilson Barreto, que o prefeito apressouse em dizer que vai precisar de ajuda e de apoio para resolver ou minimizar os problemas mais ingentes. O do transporte coletivo deve ser resolvido com concorrência e abertura de linhas para novas empresas.


Primeira Edição | 12 a 18 de novembro, 2012

A4 | Cidades

A Ç N A A D I R U M ORÁ P M E T

Complicações com saúde mudam a chefia dos três poderes em Alagoas Teotonio Vilela se licencia para exames, vice viaja e presidente do Judiciário assume chefia do governo Divulgação

Da Redação

Por motivo de saúde, os três poderes constituídos de Alagoas - Executivo, Legislativo e Judiciário - estão sendo exercidos por substitutos, sendo que o presidente do Tribunal de Justiça, Sebastião Costa Filho, está bem, mas também está fora de seu cargo porque assumiu interinamente o governo estadual. O governador Teotonio Vilela Filho tinha viagem agendada para o Canadá, mas passou mal na madrugada de quinta-feira e, sob recomendação do cardiologista José Wanderley Neto (seu vice-governador no primeiro mandato) cancelou o compromisso internacional para ficar em repouso. Assumiria o vice-governador José Thomaz Nonô, mas ele acabou escalado para representar Alagoas na conferência de negócios nos Estados Unidos e Canadá. Em face disso, no sábado, a chefia do governo foi transmitida ao desembargador Sebastião Costa Filho, presidente do TJ-AL. Pela Constituição, na ausên-

Aconselhado pelos médicos, Teotonio Vilela se licenciou do cargo

cia do governador e do vice, assumiria o cargo o presidente da Assembleia Legislativa, mas o deputado Fernando Toledo também está de licença médica para tratamento de um, tumor bucal,

Primeira Edição

Também em tratamento, Fernando Toledo está afastado da ALE

razão porque o Poder Legislativo está sendo exercido pelo vicepresidente Antônio Albuquerque. Seguindo recomendações do médico José Wanderley e sua equipe, Teotonio Vilela passará

por nova bateria de exames neste início de semana devendo reassumir o cargo somente na próxima segunda-feira (19). O vice José Thomaz Nonô participou da transmissão do

Primeira Edição

Terceiro na sucessão, Sebastião Costa Filho assumiu o governo

cargo na manhã deste sábado e depois embarcou, acompanhado de secretários de estado, para a viagem de negócios aos estados Unidos e Canadá. Em 2010, também devido a

uma licença para fazer uma cirurgia, Teotonio Vilela Filho foi substituído pela desembargadora Elisabeth Carvalho, à época presidente do Poder Judiciário.

> SECA

Governo lança programa de irrigação no NE Ao fazer um balanço das ações do governo contra a seca no Nordeste, a presidente Dilma Rousseff afirmou na sexta-feira (9) que não quer deixar a região "voltar para trás". Ela disse que muitos problemas já foram superados, "mas ainda tem muito a ser feito", ao discursar em Salvador, após encontro com governadores e representantes dos estados da região. "Vamos ajudar o Nordeste, não queremos deixa-lo voltar para trás. Considero que fomos capazes de elencar medidas

que temos certeza que são fundamentais para que a gente supere a seca", afirmou a presidente. Mais cedo, o governo anunciou que começará a investir, 3ainda neste ano, R$ 1,8 bilhão para aumentar o fornecimento de água no Nordeste e no norte de Minas Gerais. Segundo o Ministério da Integração, serão 77 obras nos dez estados contemplados, para construção ou ampliação de adutoras, barragens e sistemas simplificados de abastecimento. O governo também vai in-

vestir nas chamadas "ações emergenciais", para aliviar demandas imediatas da população do semiárido atingida pela estiagem. As medidas incluem envio de carros-pipa para fornecimento de água e recuperação de poços. Além disso, o governo vai repassar mais duas parcelas de R$ 80 para famílias afetadas no Bolsa Estiagem, totalizando R$ 560 no ano. O Garantia-Safra, para pequenos agricultores, também foi ampliado, com mais duas parcelas de R$ 136, alcançando R$ 952.

“Orgulho de carro-pipa” Dilma ressaltou a importância dessas medidas. "Nós nos orgulhamos de usar carro-pipa para combater a seca. Não é a melhor opção para o Nordeste. A falta de chuva vai se prolongar na maioria das cidades afetadas até os primeiros meses de janeiro. Vamos ter que fazer monitoramento, acompanhamento fino da situação para tomarmos

medidas de forma pronta", disse. Nos nove estados do Nordeste e no norte de Minas Gerais, 1.317 municípios decretaram situação de emergência, com mais de 10 milhões de pessoas afetadas. Dilma acrescentou que nesta terça-feira (13) será lançado programa de irrigação no Nordeste, que é a

região mais necessitada, mas que várias outras regiões precisam. O anúncio dos investimentos foi feito pela presidente Dilma Rousseff durante reunião do Conselho Deliberativo da Sudene, em Salvador, evento em que Alagoas esteve representado pelo vice-governador José Thomaz Nonô. Divulgação

Em Salvador, Dilma anunciou R$ 1,8 bilhão para combater efeitos da seca no Nordeste e norte de Minas Gerais


Primeira Edição | 12 a 18 de novembro, 2012

Cidades | A5 fotos: Miguel Goes

Assaltantes preferem atacar coletivos dos bairros mais afastados da capital, onde a fuga se dá com mais facilidade

A I C N Ê L VIO BANA UR

Líderes do Sindicato dos Rodoviários, reunidos 6ª feira na sede do CPC, em busca de mais segurança para os ônibus

Bandidos desafiam Brasil Mais Seguro e batem recorde de assaltos a ônibus De janeiro a outubro, foram mais de 450 ataques; Polícia Militar intensifica ações para localizar e prendes meliantes Luciana Martins Repórter

Com a implantação do Plano Brasil Mais Seguro, a segurança pública de Alagoas tem comemorado a redução nos índices de violência - em especial de homicídios - no Estado. Entretanto, na contramão dessa estatística positiva, aparece a onda de assaltos na capital, principalmente a coletivos urbanos, expondo um índice alarmante: de janeiro a outubro deste ano, já totalizam 453. E, por que tantos assaltos a ônibus? "Dinheiro fácil", responde o comandante do CPC (Comando de Policiamento da Capital), coronel Gilmar Batinga. Mas, segundo ele, há uma sazonalidade e uma mutação na prática desses delitos. "Há período em que os bandidos atacam agências dos Correios, depois vão para as farmácias, postos de combustíveis, de forma que, quando a Polícia vai apertando, eles vão atuar no que está mais fácil". O coronel afirma que a redução desse tipo de delito não é somente de responsabilidade da PM e Polícia Civil, mas também dos empresários que precisam investir em tecnologia e equipamentos para dificultar as ações dos bandidos. "Nós pedimos há dois anos a instalação de cofres, colocação de câmaras, botão de pânico e a criação do cartão de passe para substituir o manuseio do dinheiro", diz ele referindo-se à melhoria da segurança nos ônibus. Quem aderiu às solicitações feitas pelo comando da PM já

Coronel Batinga quer que empresas façam a sua parte

obteve resultados positivos, como é o caso das empresas Veleiro e Tropical que, conforme os registros da PM, foram alvo de apenas 18 assaltos este ano. "Nas empresas que atenderam às recomendações da PM, os números são bem claros: houve uma redução sensível dos assaltos. Já aquelas que não fizeram sua parte, continuam sofrendo assaltos, e mesmo porque acabar de vez com assaltos a ônibus não passa de utopia". Uma das empresas que vem sofrendo com altos índices de assaltos é a São Francisco, que desde janeiro já registrou 48 ataques aos seus carros, com um

Écio Marques diz confiar no trabalho da Polícia Militar

prejuízo em torno de R$ 25 mil. Na opinião de Batinga, os números são preocupantes não somente para a PM, mas também para a sociedade alagoana. "A PM vem desenvolvendo ações, e com o acesso da Corporação ao banco de dados criado pela Secretaria de Defesa Social, estamos redirecionando as nossas operações". Os estudos desenvolvidos pela inteligência da PM identificaram que as linhas que mais sofrem assaltos são aquelas que têm percursos longos, já que existe um fluxo de caixa maior e que ações acontecem, em sua grande maioria, nos terminais

uma vez que o número de pessoas dentro do coletivo é menor, facilitando a prática do delito. Além disso, os terminais normalmente são localizados em pontos ermos o que ajuda na fuga do bandido. O comandante garante que a Polícia está apertando o cerco aos meliantes, identificando e perseguindo cada um deles: "Muitos desses assaltos são praticados pelas mesmas pessoas, algumas já foram presas e outras, por conta da sensação de impunidade, aderem a essa prática de crime. O seja, é preciso ir pra cima desses marginais para que respondam pelos seus atos".

Perfil dos assaltantes de ônibus Quem são eles? O coronel Batinga revela que a maioria é constituída de menores (16, 17 anos) e os registros são mais frequentes nas áreas da periferia de Maceió. "Não posso afirmar que eles estão ligados a outros grupos", frisa o coronel. Somente na área do 1º Batalhão já foram presos oito assaltantes", detalha. De acordo com Batinga, a PM já vinha fazendo operações de bloqueio baseado nas infor-

mações do 190 e agora com o acesso ao novo banco de dados, as ações da corporação serão redirecionadas. "A polícia já vinha fazendo operações, agora nós vamos intensificar e colocar em locais onde não tínhamos essa informação". Batinga descarta totalmente a colocação de policiais nos coletivos. "Isso é utopia, nós não temos hoje efetivo para escalar policiais para viajar nos ônibus.

Se coloco pessoal fardado, não há efetivo, e se coloco um policial a paisana o risco não vale a pena porque coloca em risco a vida do policial e dos próprios passageiros". Écio Marques, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário (SINTTRO-AL) revela que as empresas precisam aparelhar seus veículos com dispositivos para que dificultem as ações dos melian-

tes. "Vamos pedir aos empresários que sigam as recomendações da PM e instalem também o GPS porque assim fica mais fácil combater os assaltos". Para o presidente do Sindicato, o final de ano é o período mais crítico. "Tantos os rodoviários como os usuários ficam a mercê dos marginais, mas acredito que a PM está fazendo o possível para minimizar isso".


Primeira Edição | 12 a 18 de novembro, 2012

A6 | Entrevista

> ENTREVISTA/ PALMERY NETO Geraldo Câmara

Ouvidor Geral geraldocamara@gmail.com

O grande perigo dos presídios Sem dúvida alguma o maior perigo dentro dos presídios está na possibilidade de comunicação que certos presidiários têm de se comunicarem com o mundo exterior. Claro e provado está que muitos deles, traficantes, senhores de grandes negócios com drogas e armas continuam a manipular suas "empresas" de dentro dos presídios, primeiro a partir de uma comunicação verbal eficiente com membros da sua guarda que ainda se deixam levar pelas propostas de facilitação. Segundo, pela obtenção de celulares que os colocam em contato com o mundo exterior numa facilidade absurda e que não se consegue entender. Vivemos em um mundo de alta tecnologia e não conseguimos criar barreiras que tirem do ar os sinais de celulares ao redor e dentro de um presídio? Contem esta para outro porque nós não queremos e não podemos acreditar nessa história da carochinha. Porque, vamos e venhamos, se bloquearmos os sinais podem entrar quantos celulares quiserem porque não valerão absolutamente nada. Então, autoridades deste país, precisamos baixar as cabeças para a realidade, termos a certeza de que nos presídios convivem os bandidos condenados e os bandidos de farda e que a comunicação externa é somente do que todos precisam para que o crime continue em suas mãos do lado de fora daquelas "inexpugnáveis" paredes.

DESTACÔMETRO O vai para o vice-governador, José Thomaz Nonô que, vem demonstrando saber exercer plenamente as difíceis funções de vice, bastante afinado com o governador. Agora mesmo está em missão no Canadá.

PÍLULAS DO OUVIDOR A SMCCU esclarece que atualmente tramitam 11 processos de cassação de licenças de funcionamento de prestadores de serviço (ambulantes), que atuam na orla marítima de Maceió, por ocupação indevida do solo público. O primeiro cruzeiro da temporada 2012/2013 chegou em Maceió na última sexta-feira com mais de 4 mil cruzeiristas. O navio MSC Magnifica saiu da capital alagoana com destino a Salvador. Espera-se 43 mil cruzeiristas este ano. Com o objetivo de acelerar a resolução de processos que tramitam nas varas, segue até a próxima quarta (14) a Semana Nacional de Conciliação, que está sendo realizada, em Alagoas, no Fórum da Justiça, no bairro do Barro Duro. Nos anos 70 e 80 Penedo foi palco de grandes eventos a nível nacional. A UFAL trouxe novamente a mostra de cinema para a cidade com o objetivo de estimular o desenvolvimento e a produção do setor em Alagoas. Algás patrocina. Entre 13 e 17. Baseado em testemunhos em relação ao pequeno desastre que ocorreu o ano passado na Brasken, o deputado Ronaldo Medeiros volta à cena afirmando em alto e bom som que "a Brasken é uma bomba atômica". É bom escutar. Com a iniciativa da Semtabes e das Casas Jardim de se juntarem para um grande projeto, o "Tudo de Cor para Você", das Tintas Coral, está em fase final na pintura do Mercado do Artesanato na Levada. Um novo cartão postal. O verão está chegando e com ele todos os problemas que envolvem uma estação livre, cheia de vida, mas também repleta de problemas como a exposição ao sol, o contato com a poluição das praias, etc, etc, etc. Vem aí mais um feriadão com o natural (natural?) enforcamento de um dia entre ele e o fim de semana. O brasileiro precisa pensar mais em produtividade e menos em descanso. Uma cultura que ainda não nos alcançou. A polícia precisa avaliar essa questão dos "flanelinhas" nesta cidade. Enquanto existem alguns honestos que estão ali para ganhar seu dinheirinho suado outros fazem parte de uma "gang" perigosa e disposta a nos assaltar a todo o preço. Foi profundamente interessante a entrevista que nos concedeu no Bartpapo da TV Mar, o presidente do Iteral, Alan Balbino (foto). Mostrou conhecimento e, sobretudo, garra para administrar um assunto tão complexo.

ABRAÇOS IMPRESSOS Meus abraços impressos, esta semana, vão para dois administradores de primeira linha, meus amigos, gente que merece destaque e, claro, abraços. O secretário de Infraestrutura de Maceió, Daniel Eugênio e o Superintendente da SMCCU, Galvaci Assis.

"Crise já ameaça transformar os prefeitos em fichas-sujas" Líder da AMA quer apoio do governo federal e Congresso Nacional para superar sufoco A crise financeira que atinge os municípios, sobretudo os pequenos (de Alagoas e do Brasil), pode levar gestores honestos a se transformarem em fichas-sujas, segundo o presidente da Associação dos Municípios Alagoanos (AMA), Palmery Neto. A crise decorre, principalmente, do corte de recursos do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), causado pela redução do IPI dos automóveis e produtos da chamada 'linha

branca' doméstica, e que tem sido crucial para a sobrevivência das pequenas cidades. Em entrevista a Luciana Martins, do Primeira Edição, Palmery Neto fala do esforço junto ao governo federal e ao Congresso Nacional em busca de solução para a atual crise que ameaça com demissões nas Prefeituras e pode impedir os gestores de fechar sua contabilidade, colocando-os em situação difícil diante da Lei de Responsabilidade Fiscal. Luciana Martins

Onde está a origem da crise financeira que atinge grande parte das prefeituras alagoanas? A crise que atinge os municípios de Alagoas e de todo o Brasil, resulta da queda dos impostos arrecadados, do governo federal, repassados para os Estados e Municípios, sendo menor que a expectativa do próprio GF para o ano de 2012. Além disso, houve uma redução do IPI dos automóveis e linha branca o que prejudicou diretamente os municípios: até o mês de setembro, o governo deixou de repassar para os municípios cerca de R$ 1 bilhão e 500 milhões, dos quais R$ 164 milhões e 500 mil subtraídos de Alagoas até setembro. Houve outros cortes? Também recebíamos um imposto chamado CID (dos combustíveis) e o governo veio reduzindo tanto que chegou a zerar para os municípios. Em Alagoas a perda da CID foi de R$ 9 milhões e 500 mil. Já a não liberação de emendas de bancadas retirou dos municípios alagoanos R$ 276 milhões. Então, todo esse montante deveria vir e não veio, agravando a crise nos nossos municípios. Ou seja, deixamos de receber R$ 676 milhões e 900 mil, um desequilíbrio de 13,3% em relação ao ano de 2011. Tivemos ainda o aumento do salário mínimo, o aumento do piso do magistério, o aumento do custo da máquina pública municipal e todo esse aumento de despesa, com diminuição de receita, está impactando e criando uma situação em que a grande maioria dos gestores alagoanos e brasileiros, pode se tornar ficha-suja pelo não fechamento de sua contabilidade. Quais os principais compromissos dos gestores municipais que estão sendo atingidos pela falta de recursos? Na verdade o maior compromisso é pagar salário. Nós entendemos que o funcionário que está trabalhando tem que receber o salário e com a queda desses recursos, os municípios estão deixando de pagar o salário dos funcionários no dia preestabelecido pelo calendário e conforme a Lei de Responsabilidade Fiscal. Mas temos a certeza que a maioria dos gestores, a grande parte deles, tem um compromisso com seus funcionários e querem até dezembro quitar os salários para não deixar resto a pagar para os próximos gestores, até porque a lei também não permite isso. Por que a redução do IPI só afeta mais dramaticamente o Fundo de Participação dos Municípios? Porque o IPI, um dos impostos que o governo federal arrecada, é repassado para os municípios. O governo fez a parte dele ajudando as montadoras a não demitir, prevalecendo mais uma vez o interesse do Estado mais rico - São Paulo - onde se concentra o maior número de montadoras e isso conseguiu reduzir e minimizar a demissão em massa. Ao mesmo tempo, contudo, prejudicou os municípios brasileiros e alagoanos. O governo tinha que estar preparado para recompensar os municípios dessa perda e não apenas ajudar um setor e ao mesmo tempo criar um caos econômico afetando a geração de emprego e de renda em todos os municípios do País. O senhor confirma a informação de que, por conta da atual crise, algumas prefeituras já

mo e se no final do ano o município tiver direito de receber a mais, que seja repassado como é o 1% no dia 10. Precisamos ter a certeza de que teremos o mínimo garantido do governo federal. O Congresso Nacional não deveria tomar uma posição, aprovar uma PEC, por exemplo, proibindo mexer com o Fundo de Participação? Passamos aos deputados e senadores o nosso pedido para que possam, junto com a presidente Dilma, resolver essa questão para que os municípios não sejam prejudicados. Sucede que o governo federal monta os programas, os municípios aderem aos programas do governo federal e num futuro próximo os municípios arcam com todos os programas do governo federal. E aí, consequentemente, o gestor municipal pode ser fiscalizado pelo MPF e pelos outros órgãos competentes quando determinado programa não foi criado pelo governo municipal, e sim pelo federal, e passado sos municípios. Palmery Neto teme que cortes no FPM transforme prefeitos em fichas-sujas

estão demitindo pessoal? Nós da AMA, entramos em contato com alguns gestores, e a grande maioria tem feito contenção de despesa com pessoal, preocupados em fechar suas contas agora em dezembro. Infelizmente, até porque nenhum gestor quer demitir ou cortar salário, ao contrário queremos estabelecer o bem estar em nossos municípios. Mas com essa diminuição do repasse, muitos tiveram que tomar uma decisão extrema, decisão que não é pessoal, para poder fechar suas contas e se livrar de enquadramento na ficha-suja. O que a AMA está fazendo para defender os municípios? Divulgando a realidade, mostrando o que está acontecendo nos municípios de Alagoas e do Brasil. Também produzimos um vídeo que foi exibido pelas princi-

do um pouco a situação dos gestores. Sem esse repasse estaríamos numa situação ainda mais preocupante. Agora mesmo, fizemos através da AMA um pedido ao governador para que antecipe em dezembro a última parcela do ICMS para que os gestores possam melhorar o fechamento das contas. Juntos, unidos, os prefeitos de todo o País (ou ao menos a maioria deles) não poderiam pressionar o governo federal para acabar com os cortes no FPM? Esse é um projeto que as associações já levantaram junto com a CNM (Confederação Nacional dos Municípios) e já encaminhamos aos deputados e senadores não só de Alagoas, mas de todo o Brasil; cada um está com sua associação, para que o FPM tenha um

“Fizemos um pedido ao governador para que em dezembro antecipe a última parcela do ICMS para aliviar a crise” pais emissores de TV do Estado, mostrando à sociedade os efeitos da crise, e para que os prefeitos possam, a partir deste momento, tomar decisões que não são positivas para as gestões, mas vão evitar que eles sejam punidos por violação à Lei de Responsabilidade Fiscal. A distribuição do ICMS (arrecadado pela Fazenda Estadual) está sendo feita corretamente, sem prejudicar as prefeituras? Temos que agradecer ao governador Teotonio Vilela porque, desde que ele assumiu o primeiro mandato, o repasse do ICMS aos municípios é feito rigorosamente na data prevista, entra na conta dos municípios alagoanos, independente de partido, de aptidão política, se é simpatizante ou não do governo estadual. O recurso é repassado na íntegra a todos os municípios e é o que está alivian-

parâmetro mínimo para que possa ser estabelecido nos municípios e não ficar nessa dependência de arrecadação do governo federal e do repasse às Prefeituras. Queremos que o governo federal faça o mínimo de acordo com os habitantes do município, do território do município e com as despesas de cada município. O que pedimos também é que o governo faça uma análise diferenciada desse repasse, pensando nos municípios mais pobres; há municípios no Brasil em que o FPM é secundário para as contas dele, no entanto, os municípios mais pobres, principalmente os do Nordeste, e Alagoas está incluída, vivem basicamente da arrecadação do FPM. Agora no dia 10 (sábado) temos uma parcela a receber do FPM e não sabemos quanto o governo vai repassar para os municípios brasileiros, por isso estamos pedindo o míni-

Pelo que é do seu conhecimento, a redução do IPI também está atingindo o Fundo de Participação dos Estados (FPE)? Com certeza, porque são impostos que o governo federal repassa aos municípios através do FPM e aos estados através do FPE, que também teve um decréscimo de receita principalmente nos Estados mais pobres e mais uma vez, nós do Nordeste, somos os sofredores e mais prejudicados em relação aos estados do Sul. Movidos por interesses políticos, os deputados estaduais alagoanos não exageraram na criação de novos municípios ao longo dos últimos 40 anos? Essa é uma questão que a AMA não pode responder porque cada prefeito e cada gestor que é eleito, ou assume interinamente esse município que foi criado, aqui na AMA ele é bem vindo e terá o mesmo tratamento que o prefeito de um município maior. Temos que acolher independente de qualquer decisão dos deputados estaduais, do governador de criar novos municípios ou não. Aqui na AMA nós iremos aceitalos e tratá-los de forma igual porque esta é a nossa função, recepcioná-los e transmitir as informações que temos aqui na AMA para que possam fazer uma boa gestão no seu município. O senhor admite que muitos municípios pequenos são inviáveis e, por isso, deveriam voltar à condição de distritos? Essa pergunta reflete a anterior. É preocupante, sabemos que em Alagoas temos distritos que são maiores que vários municípios, como por exemplo, o distrito de Luziápolis que hoje tem em torno de 18 mil habitantes, maior que muitos municípios alagoanos já criados. Então, é uma questão de bom senso analisar quais são os municípios que são viáveis e os que não são viáveis. O que nos preocupar agora é procurar viabilizar esses municípios que já existem, de trazer recursos, de buscar apoio do governo federal em parceria com o Estado para que essas cidades menores tenham estrutura adequada para atender os anseios da população, da sociedade, anseio de educar seus filhos e jovens, de modo que essas comunidades possam se tornar, senão grandes, pelo menos viáveis com arrecadação própria e gerando emprego e renda.


Primeira Edição | 12 a 18 de novembro, 2012

O H N E P EM RAL S E D EITO EL

Política | A7

PMDB em Alagoas obtém o melhor índice de prefeitos eleitos no Brasil Com eleição de 25, dos 39 candidatos majoritários, partido comemora atuação em encontro em Brasília Divulgação

> SUCESSÃO

Indicado por Cid Gomes, Eduardo Campos prefere desconversar sobre 2014 Depois de ter seu nome defendido pelo governador cearense Cid Gomes (PSB), seu colega de partido, para compor a chapa majoritária de uma eventual candidatura à reeleição da presidente Dilma Rousseff em 2014, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), desconversou. "Não podemos, de maneira nenhuma, encurtar o mandato da presidente Dilma, antecipando o debate eleitoral, esse é um debate que interessa à oposição, não a nós, que integramos o governo", afirmou. "Não estamos conversando organicamente sobre 2014, até porque nenhuma decisão que a gente tomasse hoje teria mais chance de acertar mais do que errar. As circunstâncias são muito importantes em um processo político como este. Nas eleições municipais, muita coisa que foi escrita dois anos antes não teve nenhum valor”, assinalou. Campos participou da 16ª Reunião do Conselho Deliberativo da Superintendência de Desenvolvimento

do Nordeste (Sudene), realizada em um hotel da orla de Salvador, que teve como tema a seca na região. Apesar de não estar na pauta do encontro, a discussão sobre a nova metodologia para a partilha dos royalties do petróleo, aprovada pelo Congresso e enviada para a sanção de Dilma, também fez parte das conversas.Para o governador pernambucano, a votação do projeto foi "precipitada". "Queríamos construir um entendimento, mas não foi o que aconteceu, e os governadores do Rio e do Espírito Santo anunciaram que vão à Justiça, que é o que não desejávamos que acontecesse", disse. "Esta é uma hora de expectativa, sobre o que vai vir da decisão da presidente Dilma. Em campanha para que o PSB integre a chapa majoritária na eventual candidatura à reeleição da presidente Dilma Rousseff, o governador do Ceará, Cid Gomes, disse que "é mais justo" que seu partido indique o candidato a vice-presidente - cargo hoje ocupado por Michel Temer (PMDB).

Alagoas é o Estado em que o PMDB obteve a melhor performance no número de postulantes ao cargo de prefeito que saíram vitoriosos nas urnas de outubro último. De 39 candidatos, 25 foram eleitos, um índice de 64%. Com 56%, o partido registrou o segundo melhor aproveitamento na Paraíba, seguido de Roraima com 53%. Os números foram apresentados no encontro "Tecendo a Rede - Formando um novo cidadão" realizado pela Fundação Ulysses Guimarães (FUG), na quarta e na quinta-feira, em Brasília. A representação alagoana presente ao evento, no Hotel San Marco, ficou feliz com o estudo apresentado pela FUG. "Ficamos regozijados com o desempenho do nosso partido em relação aos demais estados", disse o presidente estadual da FUG, Sabino Fidélis, atribuindo ao senador Renan Calheiros, presidente do partido em Alagoas, e a todos os demais peemedebistas este momento histórico e de aceitação da sociedade vivido pela sigla. O encontro, com a participação de peemedebistas de todo o Brasil, com a presença do presidente nacional do partido, em exercício, Valdir Raupp (PMDBRO), o vice-presidente da República, Michel Temer, o presidente da FUG, deputado Eliseu Padilha (PMDB-RS), entre outras lideranças nacionais, serviu também para um balanço dos cursos da FUG e seus avanços nas eleições municipais, assim como a definição do plano de ações para 2013 e a promoção de palestras e cursos sobre gestão

Sabino, professor Abel, Márcia Marcolina e o deputado Eliseu Padilha na inauguração do busto de Ulysses Guimarães

pública. Antes dos números apresentados pela FUG, a representação do PMDB alagoano no encontro mostrou que o partido conquistou o maior número de prefeituras nas eleições deste ano no Estado: 25, o equivalente a 24,51% das 102 cidades alagoanas. Elegeu ainda 18 viceprefeitos, um avanço de 50% em relação a 2008, quando elegeu 19 prefeituras - 18,63% - e 12 vice-prefeitos, equivalente a 11,76% do Estado. O crescimento no número de vereadores do PMDB foi também acentuado. O partido conquistou 110 cadeiras no legislativo municipal, um acréscimo de 28% em relação a 2008. Fez a maior bancada em Maceió (três vereadores), em Arapiraca (quatro) e Palmeira dos Índios (qua-

tro). Estas cidades representam três dos maiores colégios eleitorais do Estado. Em Japaratinga, um caso singular: das nove vagas, o partido ficou com seis cadeiras. Outros destaques apresentados no encontro da FUG pelo PMDB alagoano foi a criação dos núcleos do PMDB Jovem, PMDB Mulher e a preparação dos candidatos através dos cursos da Fundação Ulysses Guimarães (FUG), considerados de fundamental importância para o êxito do partido nas eleições deste ano. O PMDB Jovem, por exemplo, elegeu os prefeitos de Feliz Deserto, Coité do Nóia, São José da Laje, Novo Lino e Igaci. Fez ainda o vice-prefeito de Arapiraca, com a eleição de Yale Fernandes. A implantação do PMDB Mulher contribuiu

para a eleição de cinco prefeitas, entre elas Juliana Almeida, em Mar Vermelho, presidente estadual do núcleo. O número de vice-prefeitas aumentou 100%, de dois para quatro. A vereadora mais votada em Arapiraca, Aurélia Fernandes, também pertence ao PMDB Mulher. Além do presidente estadual da FUG, participaram do evento nacional, como representantes do PMDB em Alagoas, o viceprefeito eleito de Arapiraca, Yale Fernandes; Márcia Marcolino, secretária administrativa do partido; professor Abel e Josivan Vital, coordenadores da FUG em Alagoas. A comitiva alagoana também participou da inauguração do busto, no Bosque dos Constituintes, em memória aos 20 anos de seu falecimento.


Primeira Edição | 12 a 18 de novembro, 2012

A8 | Nacional

fotos: Divulgação

Marco Aurélio quer que Barbosa respeite as divergências dentro da Corte

Ministro Joaquim Barbosa tem sido implacável com os réus do mensalão

> DEBATE

Ministro quer que Barbosa aja no STF como um ‘igual’ Para Marco Aurélio Mello, estilo do relator do mensalão lembra regime totalitário O ministro Marco Aurélio Mello, do STF, recomendou na sexta-feira (9) ao relator do mensalão, ministro Joaquim Barbosa, que ele entenda que divergências são próprias de colegiados. Os dois têm se desentendido durante as sessões de julgamento da ação do mensalão. Sobre o fato de Barbosa assumir a presidência da Corte, dentro de alguns dias, Marco Aurélio declarou: "Vai dar tudo certo. Deus queira que ele (Barbosa) entenda que o presidente do Supremo coordena e não enfia goela abaixo. Divergência

é própria de colegiado. Ele deve entender que os outros ministros não são vaquinhas de presépio, amém, amém, amém." Marco Aurélio revelou preocupação com o estilo de Barbosa, a quem comparou com um regime totalitário. "Eu continuo preocupado com a ótica exteriorizada, que seria uma ótica de voz única", declarou Marco Aurélio, em São Paulo, onde participa de um ciclo de debates na Escola da Advocacia-Geral da União sobre concessão de rodovias. "No colegiado há divergências, só enriquece o pronunciamento. A dis-

sidência é própria ao regime democrático. A voz única descamba para o totalitarismo." Sobre a medida do relator que mandou apreender os passaportes dos réus do mensalão, Marco Aurélio observou: "cada cabeça, uma sentença". Ele disse que vai se manifestar sobre essa medida se provocado pela defesa. Segundo o ministro, o julgamento sinaliza com prisão em regime fechado para alguns mensaleiros. Ainda sobre a gestão de Barbosa na presidência do STF, Marco Aurélio anotou: "a expec-

tativa é que ele perceba a importância da cadeira ocupada pelo presidente, que o presidente é chefe de um Poder, que o presidente é um coordenador de trabalho desenvolvido por iguais." Marco Aurélio lembrou, ainda, que Barbosa vai acumular a função de presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). "Que ele se preocupe também com o diálogo em termos de presidência do CNJ, já que é um colegiado que tem a participação de pessoas de diversos segmentos, não é um colegiado de iguais como o Supremo."

Mendes: "Há fartura de provas" Já o ministro Gilmar Mendes afirmou, também na sexta-feira, ao ser indagado sobre a dimensão do esquema que ficou conhecido como mensalão, investigado pela Corte, que "o que está submetido ao STF é talvez um pequeno porcentual do que ocorreu". Na avaliação de Mendes, mesmo assim há "uma fartura de provas, como raramente se tem", no processo e foi criada uma "lenda urbana" de que não havia provas suficientes para condenar os réus. Mendes, que participa em São Paulo de um evento da Es-

cola da Advocacia Geral da União (EAGU), admitiu que o julgamento do processo no STF na fase de dosimetria de penas não deve terminar antes da aposentadoria do presidente da Corte, Ayres Britto. Ele deixará a casa compulsoriamente no dia 18, após completar 70 anos. "Nós temos só duas sessões e, por milagre, pode ocorrer (o fim do julgamento)", ironizou. A expectativa de Mendes, contudo, é que o julgamento termine ainda este ano. Passaportes. Questionado sobre as críticas feitas pelo ex-

ministro da Casa Civil José Dirceu, sobre a retenção de passaporte dos condenados no processo, Mendes defendeu a decisão, tomada pelo ministro relator Joaquim Barbosa, e defendeu a cautela adotada pelo colega. "Até porque o juiz que conduz o processo depois fica com a responsabilidade sobre esse tema", afirmou o ministro. Mendes citou como exemplo o caso do médico Roger Abdelmassih, a quem ele próprio concedeu uma liminar para que pudesse em recorrer em liberdade da condenação por estupro e

atentado violento ao pudor. Abdelmassih fugiu no início de 2011, segue desaparecido e procurado pela Interpol e supõe-se que ele tenha saído do País. Ainda sobre as manifestações de Dirceu acerca de um possível cerceamento da liberdade de expressão e sobre a realização de um julgamento político do STF, Mendes rebateu: "não há nenhum julgamento político, o julgamento tem sido extremamente cuidadoso. Raramente vai haver um caso examinado com tanto cuidado", concluiu.

> TURISMO

MSC Magnífica abre temporada de cruzeiros com escala em AL Miguel Goes

O MSC Magnífica, luxuoso transatlântico com capacidade para mais de 4.000 viajantes (passageiros e tripulantes), ancorou na manhã de sexta-feira (9) no Porto de Jaraguá abrindo a temporada 2012/2013 de cruzeiros com escala na capital alagoana. A abertura oficial da temporada aconteceu dentro do cruzeiro com a presença de jornalistas convidados e uma homenagem prestada às secretárias de Turismo do Estado e de Maceió pelo capital Joseph Maresca. Durante a visita os jornalistas puderam conhecer, filmar e fotografar todas as dependências da embarcação. O evento durou das 10:30 às 15h, período Transatlântico MSC Magnífica abriu a temporada de cruzeiros durante escala em Maceió na sexta-feira (9) em que foi oferecido almoço Associação Brasileira de Cru- assegurou Ricardo Amaral, também considerados turistas, aos presentes. Para Danielle Novis, se- zeiros Marítimos, o País teve presidente da Associação Bra- chegando a mais de 60 mil. Passarão pela capital os nacretária estadual de Turismo, uma queda de 15% na oferta sileira de Empresas Marítimas vios: Amadea, Priesendam, "o nome do navio (Magnífica) em relação à temporada anteri- (Abremar). Em Alagoas, o número de Grand Celebration, MSC combina com Maceió, a cidade or. "Trabalhávamos com os mimais magnífica do País e que nicruzeiros, que tem duração navios que visita Maceió vem Magnifica, MSC Orchestra, continua no ranking como a 2ª de 3 a 5 noites, mas entende- crescendo. Na temporada Costa Fascinosa, Costa Favomais procurada do Nordeste mos que os brasileiros prefer- 2011/2012 foram nove cru- losa, Costa Fortuna, Costa Seem cruzeiros mais longos, por zeiros, já na atual serão treze, rena, Grand Holiday, Grand para cruzeiros". Com novas características, a isso reduzimos o número de totalizando 48 mil cruzeiristas. Mistral, Maasdam e Splendour temporada de cruzeiros no Bra- viagens e as tornamos mais O número cresce com a soma Of The Seas. (Com Agência sil sofreu alterações. Segundo a longas, com média de 7 noites", da população de tripulantes, Alagoas)


Esportes

esportes@primeiraedicao.com.br

Primeira Edição | 12 a 18 de novembro, 2012 Diário Oficial dos Municípios - Opinião - Social

> AINDA VIVO

CRB pega Guarani neste sábado no Rei Pelé Galo tem que vencer o Bugre e ainda precisa continuar secando o Bragantino e o Guaratinguetá que atuam fora de casa Marcelo Alves Repórter

O CRB vai fazer a sua “penúltima final” diante de seu torcedor neste próximo sábado (17), às 15h20, no estádio Rei Pelé, contra o time do Guarani. A partida é válida pela 37ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B. O Galo ainda ocupa a zona de rebaixamento, figurando na 18ª colocação com 36 pontos conquistados. Já a equipe do Bugre ocupa a 15ª colocação com 41 pontos obtidos. Diante da realidade das duas equipes em termos de classificação, a partida entre CRB e Guarani é considerada como um jogo de seis pontos. Para a partida contra o time bugrino, o técnico Roberval Davino não poderá contar com o volante Diego Aragão e o atacante Ricardinho. Ambos os jogadores foram punidos com o

Cearasc.com

los e sofreu oito derrotas. Já a equipe do Guarani, que vem de derrota para o Avaí por 1 a 0, na sexta-feira (09) da semana passada, em partida disputada na Ressacada, em Santa Catarina-RS, tenta a reabilitação, bem como visa a acumular mais um vitória em jogos disputados fora de casa. O retrospecto do Bugre longe de seu torcedor não é nada animador. Para se ter uma ideia, a equipe bugrina disputou 18 partidas como visitante, venceu apenas duas, empatou seis duelos e sofreu dez derrotas.

terceiro cartão amarelo na vitória do CRB contra o Ceará por 2 a 1, no sábado passado (10) e terão que cumprir suspensão automática. Em compensação, há a expectativa de Davino poder contar com o retorno do atacante Denílson que deve ser liberado pelo Departamento Médico, onde se trata de uma lesão no joelho direito. Há duas semanas, que Denílson segue se recuperando da contusão.

EM CASA A partida contra o Guarani será a última da Série B que o CRB fará diante de seu torcedor. E uma vitória na despedida, além de melhorar o retrospecto de jogos realizados em casa pode contribuir para aumentar as chances da fuga do rebaixamento. Diante de seu torcedor, o CRB disputou 18 jogos, venceu sete partidas, empatou três due-

CRB X GUARANI

CRB derrotou o Ceará por 2 a 1, em Presidente Vargas, em Fortaleza-CE, e manteve viva esperança da permanência

Para Davino, jogo com Bugre marcará centenário do CRB Asscom/CRB

O CRB só tem dois jogos para definir sua permanência no Campeonato Brasileiro da Série B em 2013, e para isso o time regatiano precisa vencer os duelos que faltam e necessita ainda torcer pelos tropeços de Bragantino e Guaratinguetá. Apesar de ainda fazer seu papel e ter que secar o Braga e o Guará, o técnico Roberval Davino avisa que os jogadores devem esquecer os adversários diretos pelo luta contra o rebaixamento e apenas focar o duelo contra o Guarani neste próximo sábado (17), às 15h20, no Rei Pelé. "O foco é só no Guarani. Ele é a nossa meta. Nós temos que buscar todos os meios para vencer o Guarani", disse Davino. Para o treinador regatiano, uma vitória contra a equipe do Bugre deixa o time regatiano com uma grande chance de se afastar do rebaixamento. Mas para isso, não pode deixar de torcer pelas derrotas do Bragantino contra o Ceará, neste próximo sábado (17), às 15h20, no estádio Presidente Vargas, em Fortaleza-CE, e do Guaratinguetá no confronto com o Ipatinga, também nos mesmos dia e horário, só que em João Lamego, em Ipatinga-MG. "Vamos agora fazer os três pontos contra o Guarani e torcer

Roberval Davino quer que jogadores tenham foco no time do Guarani

contra o Braga e o Guará. Ou a gente ganha este jogo contra o Bugre ou eu não vou agüentar mais torcer por outros times. Só quero torcer pelo CRB", comentou Davino. Davino classifica o jogo como Guarani como o maior partida do CRB no ano do centenário. "Esses pontos não podemos deixar escapar", afirmou.

DENILSON Para o duelo contra o Bugre, o técnico do CRB espera contar com o atacante Denílson, que se

recupera há duas semanas de uma lesão no joelho direito. Mesmo o jogador não estando recuperado, Davino pretende escalar o jogador para jogar ao menos um tempo da partida. "Espero que Denílson esteja recuperado para fazer pelo menos o primeiro tempo", disse. Ainda de acordo com Davino, o volante Diego Aragão e o atacante Ricardinho serão desfalques, pois vão cumprir suspensão automática por terem sido punidos com o terceiro cartão amarelo.

As equipes do CRB e do Guarani já se enfrentaram na Série B, mas a equipe bugrina levou a melhor e goleou o Galo por 4 a 0, no dia 17 agosto, no Brinco de Ouro, em CampinasSP, em partida válida pela 18ª rodada da Segundona Nacional.

“Gol de Geovani contou com ‘deuses do futebol’, diz Davino Arquivo Primeira Edição

Depois de ir do céu ao inferno, o meia Geovani voltou às alturas após marcar o gol da vitória do CRB por 2 a 1 contra o time do Ceará no sábado da semana passada, no estádio Presidente Vargas, em Fortaleza-CE. O tento foi marcado em um lance de falta que contou não só com a técnica do atleta, mas com a ajuda do vento que mudou a trajetória da bola na ida ao gol e acabou enganando o goleiro cearense. Após a partida, Geovani aproveitou para desabafar e mandou um recado aos críticos que o culparam pela derrota para o Paraná por 2 a 0 no último dia 6 de novembro, no Rei Pelé, quando na ocasião perdeu uma penalidade. "Passei uma semana difícil após a derrota para o Paraná. Falo difícil por conta dos comentários maldosos principalmente após o jogo. Isso me chateou bastante. Eu sabia que tinha errado. disseram que eu não tinha responsabilidade. Eu procurei juntar tudo isso e me fortaleci, pois eu precisava mostra para todos eles que eu tenho responsabilidade e consegui", desabafou. Geovani disse que seu gol contra o Guarani serviu para ele provar que tem personali-

Após perder pênalti, Geovani marca de falta e retoma confiança da torcida

dade. "A gente erra em um jogo e já tem que provar no outro. Agradeço aqueles que meincentivaram. Meus companheiros que me deram um força incrível depois do pênalti que eu poderia ajudar e acabei perdendo a cobrança", disse. Quanto ao gol, Goevani disse que contou com a ajuda do vento. "A gente estava a favor do vento e aproveitei para surpreender o goleiro do Guarani. Ainda mais, o jogador do Guarani perdeu um gol em cima da linha", disse.

DEUSES DO FUTEBOL Um dos críticos de Geovani após o atleta ter perdido a penalidade na derrota para o Paraná, o técnico Roberval Davino parabenizou o jogador e não soube explicar o gol da vitória contra o Guarani marcado pelo meia. "É coisa do futebol. Ele é um cara de muita personalidade. Contra o Guarnai foi a sua melhor partida desde que assumi o comandotécnico do Galo. O gol de falta foi fantástico. Só os deuses do futebol fazem uma coisa daquelas", disse.


Primeira Edição | 12 a 18 de novembro, 2012

B2 | Esportes

> RELAXANDO

ASA enfrenta o Paraná nesta sexta-feira Desde que carimbou a permanência na Série B em 2013, a equipe alvinegra só vem amargando derrotas na competição Marcelo Alves Repórter

Depois que garantiu a sua permanência no Campeonato Brasileiro da Série B em 2013, o time do ASA só amarga derrotas na competição nacional. A equipe arapiraquense já acumula duas derrotas consecutivas nesta reta final da Segunda Divisão Nacional, ao contrário do que a comissão técnica e os jogadores pregavam após a garantia na competição no próximo ano, quando prometiam vitórias para melhorar a posição na tabela de classificação. No penúltimo jogo da Série B, o Alvinegro vai encarar o Paraná nesta próxima sexta-feira (16), às 20h, no estádio Durival de Britto, em Curitiba-PR. A partida é válida pela 37ª rodada da Segunda Divisão do Brasileiro.

Para este duelo com o Paraná, o técnico Nedo Xavier vai poder contar com o lateral-esquerdo Thalisson, que deverá ser usado como titular na posição, uma vez que Chiquinho Baiano segue no Departamento Médico se recuperando de lesão. Com a volta de Thalisson, que cumpriu suspensão automática, o treinador do ASA deve contar com praticamente sua força máxima contra o time paranaense. Contra o Tricolor da Vila, o Alvinegro tenta a reabilitação na reta final da Série B, bem como busca se aproximar dos dez melhores times da competição que ocupam a zona intermediária da tabela de classificação. O time do ASA atualmente está ocupando a 12ª posição da Série B com 44 pontos conquistados. O ASA vem de derrotas para o Guarani por 2 a 1, no último

sua permanência na Série B carimbada para o próximo ano. O Tricolor de Aço ocupa a décima colocação com 48 pontos obtidos. A equipe paranaense vem embalada de duas vitórias consecutivas na competição nacional. O Paraná vem de vitórias em cima do CRB no último dia 6 de novembro e para o IpatingaMG, no sábado da semana passada. Ambos os placares das partidas foram 2 a 0.

PARANÁ X ASA

ASA e Paraná já se enfrentaram no Primeiro Turno no dia 18 de agosto e a partida terminou empatada por 1 a 1

dia 6 de novembro, e para o Atlético-PR na sexta-feira da

semana passada por 3 a 2. Já o time do Paraná, que

também vive a mesma situação do ASA, uma vez que está com

As equipes do Paraná e do ASA já se enfrentaram no Primeiro Turno da Série B e a partida terminou empatada por 1 a 1, em partida disputada no Coaracy da Mata Fonseca, em Arapiraca, no último dia 18 agosto, em partida válida pela 18ª rodada da competição nacional.

Thalisson retorna para reforçar Marquinhos Mossoró deve chegar ao CSA nesta quinta lado esquerdo do Alvinegro O setor esquerdo do ASA na derrota para o Atlético-PR por 3 a 2, na sexta-feira da semana passada, em partida disputada no estádio Coaracy da Mata Fonseca, em Arapiraca, foi bastante criticado. O motivo foi a ausência de um jogador nato para atuar na posição e a improvisação do volante Audálio para ocupar àquele espaço do campo. De acordo com o técnico Nedo Xavier, o Furacão soube se aproveitar da deficiência do lado esquerdo do time arapiraquense para vencer a partida. "O lado esquerdo do ASA sentiu muito e esse setor era o lado mais forte do AtléticoPR", disse Nedo Xavier. Apesar do comentário sobre a fragilidade do lado esquerdo

do ASA, Nedo Xavier saiu em defesa de Audálio que atuou pelo setor. "Audálio não tem muita técnica com a perna esquerda", comentou. Apesar de contar com praticamente uma semana de folga na tabela da Série B, Nedo Xavier não tem a esperança de poder contar com o lateralesquerdo Chiquinho Baiano, que é o titular da posição. "Não sei se Chiquinho Baiano vai poder jogar. Ele se submeteu a uma ressonância magnética na semana passada e foi constatado um centímetro e meio de abertura em sua lesão", disse. O treinador alvinegro só espera contar com o jogador na última partida da Série B, que será disputada contra o CRB. Em contrapartida a au-

Resultados / Série B 09/11 09/11 09/11 09/11 10/11 10/11 10/11 10/11 10/11 10/11

São Caetano-SP Bragantino-SP Avaí-SC ASA-AL América-RN Guaratinguetá-SP Goiás-GO América-MG Paraná-PR Ceará-CE

4x2 1x0 1x0 2x3 1x4 1x0 3x0 3x3 2x0 1x2

sência de Chiquinho Baiano, Nedo Xavier já pode contar com o retorno de Thalisson, que é considerado o reserva da posição. "Thalisson deve voltar a posição de origem. Das vezes que jogou na posição, ele não complicou. Thalisson tem força e volúpia para jogar na frente e vai para o jogo", disse. Quanto à derrota para o Atlético-PR, Nedo Xavier criticou a postura dos jogadores alvinegros no primeiro tempo da partida. "Não entramos em campo no primeiro tempo. Desde que estou no comando do ASA, os jogadores atuaram de forma despretensiosa, de forma desligada, deixando o Atlético-PR jogar e marcando errado", criticou.

Essa semana será para colocar em prática os planos de contratação de jogadores para reforçar o elenco do CSA para o Campeonato Alagoano de 2013. De acordo com o presidenteexecutivo do Azulão, Jorge VI, a meta da junta diretiva é de formar um elenco com 29 jogadores. E conforme o presidente do Conselho Deliberativo do clube do Mutange, Rafael Tenório, o diretor de futebol, Marquinhos Mossoró, deve ser apresentado nesta quinta-feira (15). Com a chegada de Marquinhos Mossoró, Jorge VI e Rafael Tenório disseram que a prétemporada terá início na primeira semana de dezembro. E ainda conforme o mandatário azulino, a pré-temporada do Azulão poderá ser realizada no município de Boca da Mata. Jorge VI disse que ida a Boca da

Próximos jogos / Série B Boa Esporte-MG Joinville-SC Guarani-SP Atlético-PR Criciúma-SC Vitória-BA Grêmio Barueri-SP ABC-RN Ipatinga-MG CRB-AL

16/11 - 21h00 16/11 - 21h00 17/11 - 16h20 17/11 - 16h20 17/11 - 16h20 17/11 - 16h20 17/11 - 16h20 17/11 - 16h20 17/11 - 16h20 17/11 - 16h20

América-RN Paraná-PR CRB-AL Criciúma-SC Boa Esporte-MG Joinville-SC Ceará-CE Grêmio Barueri-SP Ipatinga-MG São Caetano-SP

x x x x x x x x x x

América-MG ASA-AL Guarani-SP Atlético-PR ABC-RN Vitória-BA Bragantino-SP Avaí-SC Guaratinguetá-SP Goiás-GO

Mata está adiantada, uma vez que já conversou com o prefeito eleito da cidade, o presidente da Federação Alagoana de Futebol, Gustavo Feijó, que já conseguiu a hospedagem da comissão técnica e do elenco. Jorge VI disse que só falta conseguir o campo para a realização dos treinamentos.

CONTRATAÇÕES De acordo com Rafael Tenónio e Jorge VI, os novos jogadores serão contratados após

análise da junta diretiva, composta por eles e também pelos vices Cícero Eugênio (geral) e Raimundo Tavares (do Conselho Deliberativo). Para se ter uma ideia, não será apenas analisada a qualidade técnica dos jogadores, mas também o extracampo dos atletas. No Alagoano deste ano, o CSA teve de dispensar o ídolo do clube, o meia-atacante Adriano Gabiru por ter sido flagrado por um torcedor azulino em um bar na cidade.

Classificação / Série B 1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º 10º 11º 12º 13º 14º 15º 16º 17º 18º 19º 20º

Goiás-GO Criciúma-SC Atlético-PR Vitória-BA São Caetano-SP Joinville-SC Avaí-SC América-RN América-MG Paraná-PR Ceará-CE ASA-AL ABC-RN Boa Esporte-MG Guarani-SP Bragantino-SP Guaratinguetá-SP CRB-AL Ipatinga-MG Grêmio Barueri-SP

P 74 71 69 69 67 59 58 52 51 48 46 44 43 43 41 38 37 36 31 27

J 36 36 36 36 36 36 36 36 36 36 36 36 36 36 36 36 36 36 36 36

V 22 22 21 21 19 17 18 14 15 13 12 13 11 11 10 10 11 10 8 6

E 8 5 6 6 10 8 4 10 6 9 10 5 10 10 11 8 4 6 7 9

D 6 9 9 9 7 11 14 12 15 14 14 18 15 15 15 18 21 20 21 21

GP 72 77 64 57 55 56 43 57 59 47 49 46 48 51 34 40 36 41 35 35

GS 35 56 36 41 36 37 39 58 56 46 49 50 50 60 43 52 60 64 67 67

SG 37 21 28 16 19 19 4 -1 3 1 0 -4 -2 -9 -9 -12 -24 -23 -32 -32


Primeira Edição | 12 a 18 de novembro, 2012

Publicidade |B3


Primeira Edição | 12 a 18 de novembro, 2012

B4 | Diário Oficial dos Municípios

ESTADO DE ALAGOAS PREFEITURA MUNICIPAL DE ATALAIA HOMOLOGAÇÃO - PREGÃO PRESENCIAL Nº 008/2012 O Prefeito do município de Atalaia HOMOLOGA o presente processo no valor total de R$ 15.710,00 (quinze mil, setecentos e dez reais). EXTRATO DE ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 008/2012 Modalidade: Pregão Presencial nº 008/2012 - Objeto: Aquisição de Urnas Funerárias - CONTRATANTE: Município de Atalaia, CNPJ: 12.200.143/0001-26. DETENTORA: D. C. Bonifácio da Silva ME, CNPJ nº 10.371.236/0001-98. Foro: Atalaia - Data de

Assinatura: 16/07/2012 - Ordenador da despesa: Francisco Luiz de Albuquerque. O conteúdo integral desta Ata de Registro de Preços encontra-se a disposição na sede do município, a Rua Fernando Gondim, nº 114, Centro, Atalaia/AL. Atalaia, 16 de julho de 2012. Francisco Luiz de Albuquerque Prefeito --------------------------------------------------------------ESTADO DE ALAGOAS PREFEITURA MUNICIPAL DE ATALAIA RATIFICAÇÃO - INEXIGIBILIDADE N° 005/2012 O Prefeito do Município de Atalaia ratifica o pre-

sente processo, importando o mesmo o valor total de R$ 113.600,00 (cento e treze mil e seiscentos reais). EXTRATO DO CONTRATO N° 005/2012 - IL CONTRATANTE: Município de Atalaia, CNPJ nº 12.200.143/0001-26. CONTRATADA: ISCIM - Instituto Social e Cultural Integrado aos Municípios, CNPJ nº 11.293.253/0001-17. OBJETO: Capacitação de Profissionais da Educação Infantil. VALOR: R$ 113.600,00 (cento e treze mil e seiscentos reais). Atalaia, 06 de agosto de 2012. Francisco Luiz de Albuquerque Prefeito Municipal

> A EUFORIA E O DRAMA

Fluminense vence o Palmeiras e é tetra Fred arrebenta, participa dos três gols e garante título ao Fluminense em vitória de 3 a 2 sobre o Palmeiras, no domingo fotos: Divulgação

Melhor ataque. Melhor defesa. Maior número de vitórias. Goleador do campeonato. E campeão. Quatro vezes campeão - tantas vezes campeão, como diz seu hino. A contagem regressiva do Fluminense terminou neste domingo, em Presidente Prudente, com a vitória de 3 a 2 sobre um Palmeiras agonizante, que cambaleia rumo à Série B. A supremacia foi tão grande, a campanha foi tão superior, que os tricolores se permitem o luxo de transformar em festa as três rodadas finais do Brasileirão. Fred foi decisivo, destruidor. Fez dois gols e forçou Maurício Ramos, do Palmeiras, a marcar outro contra. De nada adiantaram os gols de Barcos e Patrick Vieira para o Verdão. O rebaixamento é iminente para os paulistas. O título é definitivo para os cariocas. Se Fred tiver uma chance, até pode acontecer de perder. Se tiver uma segunda, vá lá, existe a chance de a bola não entrar. Mas uma terceira há de ser fatal. O primeiro tempo em Presidente Prudente parecia avisar que chegaria o momento em que o centroavante desequilibraria a balança da partida, bastante parelha. Pois chegou.

Resultados / Série A

Atacante Fred comemora título brasileiro do Fluminense conquistado após vitória sobre o Palmeiras, no domingo

O camisa 9, tão decisivo ao longo de todo o campeonato, alcançou todas as variantes em sua luta pelo gol. Na primeira chance, viu Bruno espalmar; na segunda, observou a bola bater na trave; na terceira, finalmente celebrou. Ele fede a gol. Porque o natural seria que o passe matemático de Rafael Sobis, aos 45 minutos, já rendesse gol na conclusão de Wellington Nem. Mas não. Bruno espalmou. E Fred estava lá, munido desse ímã que

parece ter nas chuteiras - sempre hipnotizando a bola na sua direção. A afobação do Palmeiras foi visível. No início do jogo, até conseguiu controlar o jogo, deixar a bola sob seu domínio - mas sempre acelerando as jogadas mais do que a partida pedia. No desespero, exagerou em jogadas aéreas. Tentou otimizar seus ataques, buscou atalhos, correu contra o relógio. Acabou tendo apenas 42% de posse nos 45 minutos iniciais e não mais que

quatro finalizações. O Flu arriscou a gol dez vezes.

O SOFRIMENTO Mal começava o segundo tempo em Presidente Prudente, e o Vasco alcançava o gol de empate com o Atlético-MG em São Januário. A combinação de resultados dava o título ao Fluminense. Não precisava mais nada. Era só esperar o tempo passar, manter tudo como estava. Fred, aquele que fede a gol, aquele que tem ímãs que cha-

Vasco empata com Atlético-MG por 1 a 1 e ajuda o Fluminense a conquistar título O atacante Alecsandro não fazia um gol havia nove jogos, desde o dia 1º de setembro. Neste domingo, o atacante ajudou a decidir o Brasileirão ao garantir a igualdade entre Vasco e Atlético-MG por 1 a 1, em São Januário. Aliado à vitória do Fluminense sobre o time do Palmeiras por 3 a 2, no domingo, o resultado assegurou o título nacional ao Tricolor Carioca com três rodadas de antecedência. Ultrapassado pelo Grêmio, o Atlético-MG caiu para a terceira colocação da tabela de classificação, com 65 pontos. Já os vascaínos, que chegaram a 51 pontos, dependem de um milagre para conquistar uma vaga no G-4, já que somam

não perdoou. Renascia a esperança. Quatro depois, o empate. Novo cruzamento da direita, novo cabeceio, desta vez de Patrick Vieira. E novo gol! I Eram 43 minutos do segundo tempo. Jean, novamente gigantesco, cruzou da direita, e o centroavante fez. Gol do Fluminense, gol do título, gol do campeão, do tetracampeão.

mam bolas nas chuteiras, foi novamente decisivo - involuntariamente, mas foi. Aos oito minutos, ele se deslocou para a ponta direita e decidiu cruzar para a área, onde estava Sobis - que antes, em posição duvidosa, tivera um gol anulado. No meio do caminho, a bola desviou em Maurício Ramos e encobriu Bruno. Após cobrança de escanteio, a bola ficou viva na área e rumou na direção do Pirata. Ele

Ronaldinho celebra gol do Atlético-MG marcado contra a equipe do Vasco

oito pontos a menos do que o São Paulo, atual quarto colocado. O jogo foi marcado por polê-

mica, especialmente no primeiro tempo, quando o árbitro anulou gol de Wendel ao assinalar que o volante gritou "deixa" antes de

finalizar e, pouco depois, marcou pênalti duvidoso de Douglas em Escudero, que originou o gol do Atlético. Além disso, os auxiliares erraram diversos lances de impedimento, para as duas equipes. Depois da saída de Marcelo Oliveira, o empate do Vasco, que foi comandado pelo interino Gaúcho, evitou que o time perdesse a sua sétima partida seguida, o que igualaria a pior marca da história do clube em Brasileiros, estabelecida em 1995. Já o time do Atlético-MG continua com a sua sina de não vencer fora de casa desde o dia 21 de julho, pela 11ª rodada da Série A do Brasileirão, quando goleou a equipe do Sport por 4 a 1, na Ilha do Retiro.

10/11 10/11 10/11 11/11 11/11 11/11 11/11 11/11 11/11 11/11

Atlético-GO Botafogo Corinthians Vasco da Gama Grêmio Palmeiras Cruzeiro Náutico Figueirense Ponte Preta

2x1 3x0 5x1 1x1 2x1 2x3 3x1 0x1 1x1 1x0

Santos Portuguesa Coritiba Atlético-MG São Paulo Fluminense Bahia Flamengo Sport-PE Internacional

Próximos jogos / Série A 17/11 - 19h30 17/11 - 19h30 18/11 - 17h00 18/11 - 17h00 18/11 - 17h00 18/11 - 17h00 18/11 - 17h00 18/11 - 19h30 18/11 - 19h30 18/11 - 19h30

Santos Coritiba Atlético-MG Flamengo Fluminense Bahia São Paulo Internacional Sport-PE Portuguesa

x x x x x x x x x x

Figueirense Vasco da Gama Atlético-GO Palmeiras Cruzeiro Ponte Preta Náutico Corinthians Botafogo Grêmio

Classificação / Série A 1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º 10º 11º 12º 13º 14º 15º 16º 17º 18º 19º 20º

Fluminense Grêmio Atlético-MG São Paulo Botafogo Corinthians Vasco da Gama Internacional Flamengo Cruzeiro Ponte Preta Santos Náutico Coritiba Portuguesa Bahia Sport-PE Palmeiras Figueirense Atlético-GO

P 76 66 65 59 54 53 51 51 47 46 46 46 45 45 40 40 37 33 30 26

J 35 35 35 35 35 35 35 35 35 35 35 35 35 35 35 35 35 35 35 35

V 22 19 18 18 15 14 14 13 12 13 12 11 13 13 9 9 9 9 7 6

E 10 9 11 5 9 11 9 12 11 7 10 13 6 6 13 13 10 6 9 8

D 3 7 6 12 11 10 12 10 12 15 13 11 16 16 13 13 16 20 19 21

GP 59 50 56 54 56 47 40 44 35 41 37 44 41 48 35 34 36 36 37 33

GS 28 29 31 35 43 35 41 36 42 47 43 42 48 56 39 40 54 48 63 63

SG 31 21 25 19 13 12 -1 8 -7 -6 -6 2 -7 -8 -4 -6 -18 -12 -26 -30


Primeira Edição | 12 a 18 de novembro, 2012

Publicidade |B5


Primeira Edição | 12 a 18 de novembro, 2012

B6 | Opinião

Foto da semana

Editorial

A equação automotiva A problemática do trânsito é um dos maiores desafios dos médios e grandes centros urbanos do País. Os grandes - metrópoles como São Paulo e Rio de Janeiro - já convivem com o inevitável: a lentidão permanente das longas filas de automóveis que abarrotam as pistas, as originais, antigas, do mesmo modo que as largas e modernas. Maceió não é ainda uma metrópole, mas se insere no contexto de cidades com trânsito mais do que problemático, especialmente devido a dois fatores: a topografia irregular da cidade e seu vertiginoso crescimento populacional. Mais gente significa mais ônibus e mais veículos particulares rodando nas ruas. Mas a questão do trânsito não se resume ao avanço da frota e à falta de espaço para circulação dos autos. Abrange também o item transporte, sobretudo transporte coletivo, o que na capital alagoana funciona de forma precária, senão crítica. Um sistema de transporte de massa eficiente, ágil seguro e moderno concorre para reduzir a quantidade de carros em circulação, mas custa caro e o poder público (ao menos o nosso) padece da falta de recursos. Então, imperioso indagar: como resolver essa equação? Quem vai responder é o futuro prefeito Rui Palmeira. Terá, em princípio, quatro anos para estudar, planejar e executar ações capazes de melhorar a fluidez nas áreas mais congestionadas. E terá de fazêlo priorizando o transporte coletivo exatamente para desestimular o uso constante do veículo particular. A questão física é relevante, mas é preciso, também, educar e orientar a população. Uma coisa é certa e prescinde de maiores discussões: sem novas avenidas e viadutos, e sem um sistema de transporte coletivo eficiente, Maceió não terá como suportar por muito tempo a expansão ininterrupta de sua frota automotiva.

A imagem é recorrente: o ‘Hemoal móvel’ parado no Calçadão do Comércio, à espera de doadores para reforçar os estoques de sangue, sempre em baixa

A democracia é barata

Obama: uma vitória emblemática

Encerrado o período que en- enxugamento de custos e, volve um debate muito aca- com isso, os gastos com o lorado em torno da última envio de forças federais dieleição municipal, onde to- minuiu quase pela metade. dos encontram argumentos De acordo com os números para se proclamarem vitorio- do TSE, R$ 24,2 milhões fosos, algumas conclusões são ram empenhados nessas incontestáveis e relevantes missões de fiscalização e para o Brasil e sua jovem de- segurança. Isso representou mocracia. A primeira - e mais uma economia de 42% em importante - é que o Brasil, relação aos gastos feitos em outra vez, deu exemplos ao 2008 e de 38% em comparamundo sobre agilidade e ção com os números de confiabilidade do processo 2010. eleitoral. Um dado preocupante no A presidente do Tribunal Su- último pleito foi o percenperior Eleitoral, Cármen Lú- tual da abstenção. É preciso cia Antunes Rocha, anunciou analisar os dados com muita também outra virtude. A cautela e identificar concreeleição municipal deste ano tamente os fatores que levateve o menor ram às altas custo por voto taxas de absdesde 1996, nas ur“A eleição munici- tenção quando conas. No primeçou a fun- pal deste ano teve meiro turno, o cionar no país índice de preo menor custo o sistema elesença foi de por voto desde trônico de vo84,59% dos 1996, segundo tação. Conforeleitores. Na dados do TSE” me os dados segunda votaconsolidados ção, a proporpelo TSE, a ção baixou eleição municipal de 2012 para 80,88%. Ou seja, quase custou R$ 395.270.694,00 20% dos eleitores, um em para os cofres públicos - o cada cinco, deixou de ir que equivale a R$ 2,81 por votar no dia 28 de outubro. eleitor. A coincidência da eleição Esse valor é 27% inferior ao com o feriado do dia do serano de 2010, quando o cus- vidor, a entrada em vigor do to chegou a R$ 3,86 por vo- horário de verão e a falta de to. No ano 2000, o custo do atualização de cadastros em voto tinha sido de R$ 4,45 e determinadas localidades em 2002 de R$ 4,82. Os va- podem ter contribuído para lores são atualizados pelo ín- estes números. Por esse dice da inflação. A queda motivo, o TSE já está fazennos custos é atribuída a fato- do um levantamento sobre res como melhorias no pla- os locais onde será necessánejamento e diminuição dos rio fazer revisões eleitorais e gastos com o envio de forças atualizar os cadastros. Mesfederais para reforçar a se- mo assim, a eleição evidengurança em municípios. cia que a Democracia não No primeiro turno, o tribunal tem preço e, mesmo quando autorizou o envio de tropas calculado o custo, ela e para garantir a segurança a muito barata. um total de 401 cidades em todo o país. No segundo turRenan Calheiros no, apenas para dois municíÉ senador e líder da bancada do PMDB pios. O rigor dos TREs neste quesito proporcionou um

A primeira vitória de Obama, em 2008, por uma margem mais dilatada do que a obtida na atual eleição, foi conseqüência, sobretudo, da rejeição da população americana ao governo Bush. A pior crise econômica desde a década de 1930 e o envolvimento em duas guerras inúteis foram motivos suficientes para esta rejeição. O aparecimento de um senador jovem, brilhante orador, portador de um discurso otimista, sem radicalismo, preencheu o desejo de mudança dos eleitores. A lua de mel dos eleitores com Obama durou pouco. A dificuldade de superação da crise e a forte reação dos setores conservadores da sociedade colocaram o presidente na defensiva. Erros políticos também foram cometidos pelo governo. O maior deles foi ter utilizado os primeiros dois anos, quando tinha maioria no Congresso, na desgastante aprovação da reforma do sistema público de saúde. Embora fosse necessária, esta reforma poderia esperar um pouco mais. A urgência do momento era a redução do desemprego e o equacionamento do déficit público. Se Obama tivesse aproveitado seu capital político para aprovar uma reforma tributária, aumentando os impostos para os mais ricos, ele teria conseguido aumentar a arrecadação do setor público e acelerar o processo de

recuperação da economia. Na segunda metade do mandato, os ânimos acirraram. O partido republicano, com maioria na Câmara dos Deputados, declarou guerra ao Presidente da República. Seus líderes declararam que a prioridade número um do partido seria fazer de Barack Obama presidente de um só mandato. Eles contavam com a lentidão da recuperação econômica, uma vez

“A vitória do presidente Barack Obama foi a constatação de que a velha América saudosista finalmente ficou para trás” que, historicamente, jamais um presidente americano havia conseguido se reeleger numa situação em que a taxa de desemprego estivesse próxima aos 8%. A vitória de Obama, na atual eleição, foi emblemática. Ele ganhou em estados que sofreram muito com a desindustria-

lização, sobretudo nos setores automobilístico e siderúrgico. O plano de ajuda que Obama implantou no início de seu governo, para salvar estes setores industriais, impediu o agravamento do desemprego em estados como Ohio e Pennsylvania. A vitória na Flórida, por margem mínima, foi garantida pelos votos dos imigrantes latinos. A vitória por larga margem nas costas leste e nordeste americanas foi garantida pelo voto liberal cosmopolita. Os setores que apoiaram Obama, que hoje já são maioria nos Estados Unidos, são aqueles que entendem que o mundo mudou. Eles entendem que não é mais possível ao país se comportar como o Xerife do mundo. Não é mais possível sustentar uma mentalidade conservadora, que se recusa a aceitar as diversidades raciais, políticas e culturais. A vitória de Obama foi a constatação de que a velha América saudosista finalmente ficou para trás. Com a eleição de terça-feira passada os Estados Unidos conseguiram virar mais uma página de sua história. O país conseguiu mostrar que ainda é dinâmico e sabe se adaptar às mudanças históricas. Alcides Leite É economista e professor da Trevisan Escola de Negócios

Turquia, uma experiência inesquecível Com 17 de milhões de habitantes, Istambul é a principal cidade da Turquia, localizada no Oriente Médio. Após uma viagem em família, tomei a iniciativa de compartilhar essa experiência inesquecível, numa região marcada por conflitos religiosos e disputas históricas no campo do poder político. Tendo como principais vizinhos o Irã, o Iraque, o Líbano e a Síria, a Turquia abre cada vez mais seu território para o turismo, na busca de novas oportunidades de desenvolvimento. Aliás, os turcos ocupam no planeta a 71ª posição na capacidade de negociação, enquanto que o Brasil, no mesmo ranking, encontra-se em 130º lugar. Após um voo direto de 13 horas e dez mil e quinhentos quilômetros, cheguei a Istambul. Apesar de sua imponência e da posição estratégica, à margem do estreito de Bósforo, que liga o mar Negro, aos mares de Mármara, Egeu e Mediterrâneo, Istambul não é o centro político-administrativo da Turquia, que se tornou uma república a partir de 1923, tendo hoje sua administração na capital, Ankara, que fica praticamente no centro geográfico do País. Até então, o império dos sultões e seus haréns exercia secularmente o domínio sobre o povo. Mesmo com seu perfil cosmopolita, Istambul não perde a tradição, sobretudo pelo ângulo religioso, as novas edificações e os bairros compartilham espaço com 1.700 mesquitas e seus minaretes sonorizados, que diariamente convocam os seguidores do islã para as ora-

ções obrigatórias estabelecidas pelo Alcorão. Mais de 80% dos turcos são muçulmanos. Embora o Estado seja laico, é indiscutível a influência religiosa na condução política, tal como ocorrem nos países ocidentais. Em Istambul, muralhas de dois mil anos, e bazares de frutas cristalizadas e quinquilharias dividem as atenções com os gigantescos transatlânticos e cargueiros que navegam pelo estreito de Bósforo.

“Visitar a Turquia é respirar a própria história da humanidade, é curtir a gastronomia típica da região, com seus temperos marcantes” Seguindo viagem para Ankara, de característica meramente administrativa, mas que ganhou gigantesco memorial em homenagem ao fundador da República, Mustafá Kemal Ataturk. Essa edificação virou atrativo turístico, sobretudo para quem segue em direção à Capadócia, que significa "terra dos cavalos". Antes, uma parada para conhecer o lago de sal, vista única do por do sol. Situada a 700 quilômetros de Istambul, Capadócia é hoje, na verdade, a terra

dos balões, onde os passeios silenciosos e inesquecíveis, ao sol nascer e até mil metros de altitude, revelam a beleza da paisagem e os morros perfurados pelos abrigos construídos por civilizações préhistóricas. Konya é outra cidade turística, mas de peregrinação religiosa, com o museu dos adeptos da filosofia sofista. A partir daí, todo o caminho dos visitantes leva às águas termais de Hierápolis em Pamukkale e Éfesos, esta de origem greco-romana e construída, estima-se, há 500 anos antes de Cristo. Éfesos fica bem próxima do mar Egeu. Divide a atenção de turistas de todo o mundo com a "casa da Virgem Maria", onde Nossa Senhora teria ido morar após a crucificação de Jesus. Visitar a Turquia é respirar a própria história da humanidade, é curtir a gastronomia típica da região, com seus temperos marcantes. É também se relacionar com um povo que aprendeu a negociar e sobreviver no meio da dificuldade. O país não tem petróleo e, por isso, a gasolina custa mais de 4 Liras turcas, moeda praticamente equiparada ao nosso Real. O quilo da carne bovina gira em torno de 35 Liras. De qualquer modo, o custo para o visitante não diferencia muito de nossa realidade. Voltei surpresa ao verificar a tranqüilidade presente nas cidades. O nível de violência urbana na Turquia está abaixo da média européia. Recomendo a experiência. Estela Nascimento É jornalista e repórter da TV Gazeta de Alagoas

> OS ARTIGOS SÃO DE RESPONSABILIDADE DE SEUS AUTORES E NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DESTE JORNAL

Endereço: Rua Moema Cavalcante Basto, 314 - Lot. Barra Mar | CEP 57.180-000 Fone: (82) 3021-5837/ 3021-0563 - Barra de São Miguel | Alagoas

Escritório: PRIMEIRA EDIÇÃO JORNAL ON-LINE IMPRESSA LTDA - ME CNPJ 08.078.664/0001-85 CMC 130003

Rua Godofredo Ferro, nº 215 - Centro - Maceió | Alagoas | CEP 57.020-570 Atendimento ao assinante: (82) 3325-2815

Luiz Carlos Barreto Goes Diretor-Geral

Romero Vieira Belo Diretor Editorial

Alda Sampaio Diretora Comercial

FTPI Representação Publicidade e Marketing Ltda Representante nacional do Primeira Edição Alameda dos Maracatins, nº 508 - 9º andar - Indianópolis/SP CNPJ 03.269.504/0001-08 / Insc. Est. Isenta Tel: (81) 2128-4350 / Cel: (81) 9175-5829 fred.recife@ftpi.com.br


Primeira Edição | 12 a 18 de novembro, 2012

Turismo, Gastronomia & Business |B7


B8 | Social

Primeira Edição | 12 a 18 de novembro, 2012

12112012  

Edição impressa do dia 12 de novembro

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you