Page 1

R M

A U L E S O

C P

Ă“ R D O T Ă‚

curadoria Jomard Muniz de Britto

U M

L I

A A



R M

A U L E S O

C P

Ó R D O T Â

05/05/2010 -06/06/2010

U M

L I

A A


Vista do Recife com catarata ∙ fotografi a ∙ 2010



CIDADE DUPLA nas INSTAURAÇÕES de RAUL CÓRDULA Jomard Muniz de Britto Recife, abril de 2010.


Talvez a mais difícil escolha seja evitar a citação de nomes. Por que? Pela indecisão ou vastidão do mundo das nomenclaturas? A trajetória singularmente plural de Raul Córdula nos confunde

a paisagem zero

de tal modo com a sucessão e sobretudo a sincronicidade de gerações e personagens que se torna quase impossível a tentativa de selecionar pessoas, instituições e acontecimentos

pintura de Monteiro, V. do R.

de suas e nossas MEMÓRIAS DO OLHAR. Difícil é dizer pouco: raríssima tarefa em processo. Muito além das celebrações e

A luz de três sóis

dolorosos esquecimentos. Arrisquemo-nos. Vamos de mãos

ilumina as três luas

dadas aos desacatos. Mais adiantemos algumas de nossas

girando sobre a terra

estratégias e cumplicidades. Dentro e fora, tão perto longe

varrida de defuntos.

dos empoderamentos e precariedades. Desafios que se

Varrida de defuntos

desdobram desde que sua obra continua sendo, por abrangência

mas pesada de morte:

e abordagens, uma obra sempre em dobras, perspectivas,

como ág ua parada,

autosuperações. Luzes e sombras caleidoscópicas. Espelhos

a fruta madura.

e especulações sobre imagens em transe de concreções,

Morte a nosso uso

correspondências, concretudes. Palavras escavando territórios

aplicadamente sofrida

e nomadismos. Além dos modismos e modulações etiquetadas.

na luz desses sóis

Memórias nada vaidosamente secretas e já redefinidas por ele mesmo, talvez o melhor intérprete de suas concepções, relendo-se em diálogo com os outros e outras, afins e até dissonantes. Por isso lancemos a hipótese de que sua idéia nucleadora esteja na PAISAGEM ZERO.→ - “Uma pintura filosófica com os ornatos das catedrais góticas, mas uma pintura contemporânea do seu futuro, o eterno agora da arte: uma pintura de 1922 que nos faz pensar, ainda hoje, no amanhã.”

(frios sóis de cego); nas luas de borracha pintadas de branco e preto; nos três eclipses condenando o muro; no duro tempo mineral que afugentou as floras. E a morte ainda no objeto (sem história, substancia,

O que RC escreve sobre Vicente do Rego Monteiro pode ser

sem nome ou lembrança)

revertido e transcriado por ele, além dele e de nós, enquanto

abismando a paisagem,

marco demarcador da melhor empatia no poema fundante de

janela aberta sobre

João Cabral de Melo Neto:

o sonho dos mortos.



A integral transcrição do poema nos sugere mais do que a interação das artes, um dialogismo de semioticidades, além do duplo e múltiplo: um pensamento pensante no abismo das literacidades. Percebe-se um clamor apocalíptico sem misericórdia. Um tremor de barbárie no presente do indicativo. O peso da morte instaurando-se em fruta madura tão luminosa quanto opaca em sonhos. Ou vice-versa: tão decifrável em pesadelos quanto enigmática nos frutos terrestres. Uma fulguração imaginária com certeza es barrando no real: duro tempo mineral. Mortos sem sepultura percorrendo sons cósmicos na agonia dos eclipses. Vislumbremos: urubus sobrevoando no mais alto da Sé de Olinda ao Marco Zero reciferido em mares, mangues, marés. Náufragos de azuis rasos e profundos. Abismando-se em paisagens. Sob o signo terciário, quando João Cabral aponta imageticamente para três sóis iluminando três luas, paira no ar das letras e palavrações a sugestão de que o poema – a obra de arte em sentido mais latente – intenciona um pensar além das dualidades, dicotomias, sístoles/diástoles. O três indicaria um analógico pensamento a partir de uma luz que não se reprime em duas direções, multiplicando-se em perspectivas, horizontes de possibilidade da memória enquanto duração e inventividade. Jamais anulando-se na mera cronologia da linearidade, começo-meio-fim-recomeço, antes-depois, amoródio, passado-futuro. Memória-duração onde a paisagem zero nos remete e compromete com o grau zero da escritura, o texto-telainstauração dentro e fora do contexto, pela mutação do T em D: escridura, o eterno agora da arte transfigurado por Raul Córdula. Paisagem zero: da fome ao desarmamento nuclear zero.



ESCRIDURA: escrevivendo na tela, no texto, no corpo, na página em branco. Na corporalidade instaurando a dureza que se conjuga com duração, finitude que se dispõe e prolonga indefinidamente. Em particípio presente: perdurando. Utopia concreta? Laboratório de criticidades? Sem a escrita automática dos sonhos, lapsos, chistes, livres associações, sem a escrita metalingüística enovelando-se por si mesma, quando a metalinguagem pode recair no mais fascinante dos solipsismos ou na mais obsessiva das erudições. Duas polarizações que os três sóis e três luas desejam erradicar, transcender, transfigurar. Nessa terra varrida de defuntos, clamor de tantas barbáries e apartações, empoderamentos do cínico pragmatismo, a escridura luta pela intencionalidade das INSTAURAÇÕES. Cidade dupla, múltiplas linguagens. Sem a miragem de paraísos perdidos em cidades dilaceradas. Abismando-se, interrogando-se, reinscrevendo-se na PAISAGEM ZERO além da mimese figurativa e do imaginário abstracionista, a escridura na tela-texto-instauração continua apostando na janela aberta das concreções além e aquém das dualidades. Párias brasilíricos pelo mangueterno de fi ssuradas e reinventadas Mesopotâmias. Tudo é paisagem sem decorativismo: do lodo à lama na farda do soldado. Pela presença dos ícones da politicidade na travessia de nossas admirações: Arraes, Gregório Bezerra, Humberto Costa. Pela visão panorâmica do Reciferido em catarata. Mistérios gozosos sem donatários. Desmitificação dos levianos empoderamentos. Eternos bossanovistas, Raul Córdula e Amelinha Couto cantarolando Nietzsche em João Gilberto, relembrando Vanildo



Brito e Jomar Moraes de Souto, símbolos reencarnando gerações...59, Sanhauá, tropicalista, pós quase tudo em modernidades: Porque te amo eternidade... Todos os rótulos, escolas, manifestos, radicalidades programáticas, dissipações cognitivas, todas as dissertações analítico-universitárias, cartografias desejantes, todos os excluídos, sem esquecermos o sentimento trágico do mundo nem o indispensável senso de humor. Todas e todos percorrendo a MEMÓRIA-DURAÇÃO-instauradora na história das artes implodindo em contemporaneidades. Perduração do olhar nas poeticidades. Tudo isso e aquilo e muito mais revisitados por uma antropofagia aglutinadora de perspectivismos antropológicos. Tentando ultrapassar as bossas e boçalidades do intelectualismo. Leque aberto e fechado para os hermetismos que nos apavoram e deliciam. Fecundas contradições da lei do desejo no corpo mutante dessas e outras INSTAURAÇÕES.


















EXPOSIÇÃO PRODUÇÃO Tereza Menezes, Gabriela Fiúzia e Bárbara Collier CURADORIA Jomard Muniz de Britto FOTOGRAFIAS Raul Kawamura PROJETO GRÁFICO Pedro Alb Xavier ORGANIZAÇÃO GERAL Fernando Neves e Luciana Carvalho Recife, maio de 2010



APOIO CULTURAL

REALIZAÇÃO


Millions discover their favorite reads on issuu every month.

Give your content the digital home it deserves. Get it to any device in seconds.