Page 1

Esp. Pedro Henrique Veloso Biomédico CRBM 6831


Anatomia da Pele

Figura 1 – Anatomia da pele. Fonte: http://www.saudetotal.com.br/


Estresse Oxidativo • Exposição aos radicais livres

(SIES, 1986);

Figura 2 – Célula normal sendo intoxicada por RL. Fonte: horadotreino.com.br

Figura 3 – Maçã oxidada. Fonte: horadotreino.com.br


Estresse Oxidativo • Excesso de radicais livres

(HALLIWELL, 1991);

Figura 4 – Formação de RL. Fonte: www.lookfordiagnosis.com


Estresse Oxidativo

Figura 4.1 – Fatores causais do EO. Fonte: www.negocioestetica.com.br


Envelhecimento • Pode resultar de fatores genéticos e dos processos de envelhecimento intrínseco e extrínseco (SIES, 1986).

Figura 5 – Processo de degradação dos telômeros. Fonte: http://www.saudetotal.com.br/


Coloração da Pele • Melanina: A melanina é uma proteína que garante a coloração da pele e evita danos da radiação ultravioleta ao nosso DNA; – Eumelanina: alto peso molecular, de cor marrom a negra; – Feomelanina: amarela ou vermelha; • Hemoglobina: é uma proteína de coloração vermelha que carrega oxigênio; • Carotenóides: é o pigmento amarelo-alaranjado da gordura subcutâne (STAMATAS, 2004)


Microagulhamento

Figura 6 – Microagulhamento. Fonte: larafortunato.com.br


Microagulhamento • Consiste na indução da produção de colágeno pela pele; • Estímulo mecânico gerado por microagulhas sobre a pele; •

Inicia-se um processo inflamatório que resulta na proliferação celular e remodelação tecidual. (FERNANDES, 2008)


História • 1995 – Orentreich e Orentreich – iniciou estudos com indução de colágeno através da técnica de subcisão (ORENTREICH, 1995).

Figura 7 – Subcisão. Fonte: bioplastiariodejaneiro.com.br


História • 1995 – Desmond Fernandes – foi o primeiro a chamar a técnica de microagulhamento ou TIPC (FERNANDES, 2008).

Figura 8 – Fibras Colágenas. Fonte: anatpat.unicamp.br


História • 1997 – Camirand e Doucet - realizou avaliação em rugas e cicatrizes que melhoraram com o uso de equipamento de tatuagem (FERNANDES, 2008).

Figura 9 – Cicatrizes de Acne. Fonte: Pharma Special


História • 2004 – Desenvolvimento do primeiro equipamento com 200 agulhas na Alemanha (FERNANDES, 2008).

Figura 10 – Roller. Fonte: www.dermarollershop.com


História • 2012 – Microagulhador automático (FERNANDES, 2008).

Figura 10 – 1º microagulhador automático. Fonte: www.faceworks.ie


Microagulhamento Automรกtico


Microagulhamento AutomĂĄtico

Figura 11 – Microagulhamento. Fonte: anatpat.unicamp.br


Microagulhamento Automático  0,20 0,25

0,3 0,5

EVENTUALMENTE NECESSITA DE ANESTÉSICO TÓPICO

1,0

1,5 2,0 2,5

3,0

NECESSITA DE BLOQUEIO ANESTÉSICO


Microagulhamento Automรกtico


Microagulhamento Automático  Perfuração da epiderme gerando canais que podem permanecer até 24 horas após a aplicação;

 Aumento da permeação em cerca de 40 vezes; Processo de inflamação controlado. (FERNANDES, 2008)


Microagulhamento Automático

Figura 12 – Permeação de ativos. Fonte: anatpat.unicamp.br

 As principais funções do microagulhamento é induzir colágeno e criar microcanais para permeação de ativos. (FERNANDES, 2008)


Microagulhamento Automático

Figura 13 – Microcanais para permeação de ativos. Fonte: anatpat.unicamp.br


Microagulhamento Automรกtico


Microagulhamento Automático

Formação de quelóide.


Microagulhamento Automático

Acne Cosmética

Hiperpigmentação


Microagulhamento Automático

Equimose e Hematomas

Infecções


Mecanismo de Ação •

INFLAMAÇÃO: Liberação de neutrófilos e Fator de

Crescimento, aumentando o infiltrado de fibroblastos; •

PROLIFERAÇÃO TECIDUAL: Liberação de fatores de

crescimento, formação de fibras elásticas e colágenas, reepitelização e angiogênese; •

MATURAÇÃO

E

REMODELAGEM:

Ajustamento

da

arquitetura da pele com melhora da aparência. (FERNANDES, 2008)


Fatores de Crescimento •

Os fatores de crescimento são proteínas de pequeno

porte (CITOQUINAS);

Atuam no processo de reparo e regeneração;

Ligam-se a receptores da membrana para ativar ou inibir

as funções celulares.

Figura 14 – Receptores na membrana da célula. Fonte: anatpat.unicamp.br


Fatores de Crescimento

Figura 15 – Fatores de crescimento envolvidos no microagulhamento.


EGF: FC Epidermal •

Atua em células da epiderme;

Reduz e previne rugas por ativação de novas células;

Devolve a uniformidade ao tom da pele;

Auxilia na cicatrização.

Figura 16 – Alteração da morfologia celular após incubação de EGF. Fonte: anatpat.unicamp.br


IGF-1: FC Insulínico •

Estimula a mitose celular;

Melhora a aparência de linhas e rugas de expressão;

Aumenta a produção de colágeno e elastina;

Estimula folículos capilares a produzirem fios mais

densos e fortes.

Figura 17 – Microagulhamento Capilar.


VEGF: FC Endotelial Venoso •

Estímulo do crescimento capilar;

Facilitação da nutrição do folículo capilar;

Indução da angiogênese;

Aumenta a permeabilidade.

Figura 18 – Auxilia no crescimento dos cílios.


bFGF: FC Fibroblástico básico •

Reduz e previne linhas e rugas pela ativação de novas

células da derme;

Acelera o processo de cicatrização em feridas abertas;

Melhora a elasticidade da pele;

Melhora a circulação periférica.

Figura 19 – Microagulhamento + Blue Diamond™. Fonte: Pharma Special


TGP2: Peptídeo derivado do TGF

Figura 20 – Ação do TGP2. Fonte: Pharma Special


MICROAGULHAMENTO CLÍNICO


Microagulhamento Automático

Figura 22 – Microagulhamento + Despigmentação.


Microagulhamento para Estrias

Figura 23 – Estrias.


Microagulhamento para Estrias


Microagulhamento para Estrias • O grau de significância (p) deste estudo foi de p =

0,00000001. Grau de Significância (p) p> 0,05 p de 0,01 a 0,05 p de 0,001 a 0,01 p < 0,001

Significância Não significante Significante Muito Significante Extremamente Significante

Tabela 1 – Análise Estatística dos Dados. Fonte: LEARSON, 2007.


Indicações •

Homens e mulheres sem limite de idade;

Facial, corporal e capilar.


Indicações •

Veículos ideais gel, sérum ou gel creme;

Quanto melhor for o produto melhor será o resultado;

Diversos ativos podem ser utilizados.

Figura 22 – Microagulhamento + princípio ativo. Fonte: Pharma Special


Alguns Ativos Usados • • • • • • • • • • • •

Ácido Glicólico 4% pH4 Ácido Hialuronico Ácido Lático Aminoácidos Biopeptide® Diamond Sirt® Elastonyl® Extrato de acerola Extrato de algas transparentes Extrato de Bambu Glyco Repair Hidroxiprolisine®

• • • • • • • • • • •

Multivitamin® Nano LPS’s Nanofactor® BFGF Peptídeos do algodão Polifenois da uva Regestril® Retinol Uréia Vitamina A Vitamina C Vitamina E


Referências Bibliográficas JAFFE L. Control of development proceedings1981;40:125-127.

by

steady

ionic

currents.

Federation

FERNANDES D., SIGNORINIM. Combating photoagingwith percutaneou scollagen induction. ClinDermatol2008;26:192-199 HALLIWELL B. Reactive oxygen species in living systems: source, bochemistry, and role in human disease. The American Journal of Medicine. 1991;9(3):14-22 Veloso - Clínica Biomédica SIES H. Biochemistry of oxidative stress. Angew Chem Int Ed Ingl. 1986;25:1058-1071.

STAMATAS GN, KOLLIAS N. Blood stasis contributions to the perception of skin pigmentation. J Biomed Opt. 2004 9(2):315-22. ORENTREICH DS, ORENTREICH N. Subcutaneous incisionless (subcision) surgery for the correction of depressed scars and wrinkles. Dermatol Surg 1995;21:543-549.


“Superação é se levantar quando todos achavam que você não conseguiria”. (Fadi Faraj)

drpedroveloso @pedrohenriqueveloso pedro.henrique.veloso@gmail.com

AULA 8 MICROAGULHAMENTO  
AULA 8 MICROAGULHAMENTO  
Advertisement