Page 1

REVISTA

SUPERE UMA PUBLICAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE MINAS

R$ 14,50 - Nº 17

Especial

SUPERE 2008

Empresários e gestores se atualizam no maior evento do empreendedorismo mineiro Pág. 24

Balanço 2008: avalanche financeira globalizada? Olhares sobre o ano que se encerra em meio aos abalos da crise internacional

NOVEMBRO/DEZEMBRO DE 2008

Mais excelência reconhecida O que há de especial nas empresas que entraram na lista 2008 das melhores para se trabalhar? Pág. 8

Biocombustíveis Demanda, perspectivas de mercado, impactos na economia e no meio ambiente Pág. 58

Pág. 40

Excelência reconhecida Charles Lotfi é reeleito para a presidência da AC Minas Pág. 18


Entre o mundo dos negócios e o mundo das pessoas, ficamos com os dois. Cemig, 9 anos como a única empresa de energia da América Latina no Índice Dow Jones de Sustentabilidade.

Em 2000, ano em que a Joana e o Davi nasceram, a Cemig esteve pela primeira vez presente no Índice Dow Jones de Sustentabilidade – DJSI World. Desde então, a Cemig é uma das duas únicas empresas do setor elétrico no mundo listadas no Índice. É que, ao gerar energia, a Cemig preserva, para a vida das pessoas, valores essenciais como ética, respeito, transparência e conservação do meio ambiente. Valores que nos inspiram a ser uma Empresa cada vez melhor. Produzir energia para mais de 17 milhões de pessoas é o nosso negócio. Criar valor para clientes e acionistas, empregados e parceiros e para esta e as futuras gerações é o nosso compromisso.


w

co

es

er

ar

o.

www.cemig.com.br


A palavra do presidente

Expediente Charles Lotfi, Presidente da ACMinas

A crise do medo Esta “Palavra do Presidente” está um pouco diferente daquelas que, em ocasiões anteriores, eu tenho dirigido aos nossos leitores, comentando os principais temas tratados em cada edição. A razão se justifica: este número da Revista Supere traz uma matéria de grande importância abordando causas e efeitos da crise que, dos Estados Unidos, se esparramou pelo mundo afora, chegando também ao Brasil. Aqui, até agora ela afetou de maneira clara, perceptível apenas o mercado financeiro, que passa por uma instabilidade fora do comum, e alguns setores mais dependentes de crédito ao consumidor, como o automobilístico, além de grandes exportadores. É claro que também entre nós a crise existe, mas estou convencido de que ela é inflada por um componente psicológico, emocional e perverso: o medo. Tenho conversado com vários empresários, dos mais diversos segmentos econômicos, que, aguardando há dois, três meses pelos anunciados efeitos catastróficos, deixaram em compasso de espera investimentos programados. Hoje, ao verem que o mundo não acabou, estão retomando seus negócios, com prudência, é claro, mas sem se contagiar pelo pessimismo que, pouco tempo atrás, se generalizou. Na verdade, acredito que muita gente supervalorizou a crise, e é perfeitamente possível que fatos novos a tornem visível, palpável. Mas se formos hoje ao centro de Belo Horizonte, aos shopping centers, observaremos que o movimento de consumidores está normal para esta época do ano, em que se aproxima o Natal. Há, de novo, um certo clima de otimismo, o que, a meu ver, é a última coisa a esmorecer no enfrentamento de uma crise – e não o primeiro, como aconteceu. Recentes medidas adotadas pelo governo estadual, dilatando prazos de recolhimento de impostos e abrindo linhas de crédito para as indústrias na aquisição de máquinas e equipamentos representam, sem dúvida, uma ajuda efetiva. Mas o efeito mais benéfico que trará será o de afastar, ou pelo menos atenuar, aqueles compontentes psicológicos a que me referi. Outra medida do governo de Minas que está sendo comemorada pelo comércio é a antecipação integral do décimo-terceiro salário do funcionalismo público. Será uma substancial injeção de recursos no mercado que certamente se refletirá em boas vendas, embora o consumidor de hoje não seja mais aquele pré-crise: ele está mais comedido, passou a dar importância às taxas de juros, e não mais somente ao valor da prestação, e se preocupa em evitar endividar-se. Está, em suma, mais “maduro” – e isto, pelo menos, não deixa de inspirar uma leitura positiva da crise. Boa leitura.

PS: Apesar de estar tratando de uma única matéria nesta edição, não posso deixar de recomendar a leitura da cobertura do Supere, evento que, mais uma vez, foi um sucesso.

4

SUPERE

Diretor / Editor responsável Ângelo Roberto de Lima Reg. Profissional: 3033/MG Editor adjunto João Henrique Faria Reg. Profissional: 3546/MG Editora adjunta Dinorá Oliveira Reg. Profissional: MG 05458 JP Diretor de Criação Pablo T. Quezada Arte Final Luciano Garbazza Produção Gráfica Raquel Pacheco Coordenação Wagner Sá / Marcelo Valadares Colaboradores Luciana Sampaio / Thaniara Carvalho Selma Tomé / Generosa Gonçalves Alessandra Costa / Wangela Jacinto Jornalismo Luciana Sampaio Reg. Profissional: MG 05203 JP Comercial / Atendimento Dimichelly Pinel dimi@verobrasil.com.br Projetos Especiais Paulo Henrique Costa Gerência Jurídica José Nonato Costa de Lima Gerência Administrativa Cátia Cilene Publicidade Vero Brasil Comunicação Periodicidade Bimestral Impressão / Tiragem Gráfica e Editora Lastro / 10.000 exemplares Atendimento ao Leitor supere@verobrasil.com.br / 55 31 3344-2844 A revista Supere não se responsabiliza pelo conteúdo dos anúncios e artigos assinados. As pessoas que constam no expediente não têm autorização para falar em nome da Revista Supere ou de retirar qualquer tipo de material se não tiver em seu poder autorização formal do editor responsável constante do expediente. A revista Supere é uma publicação da ACMinas, localizada à Av. Afonso Pena, 372 - 2º andar +55 31 3048 9555. Editada e produzida por Vero Brasil Comunicação. Av. Prudente de Morais, 44 3º andar, Tel.: +55 31 3344 2844 20123 Milão - Via Maurizio Gonzaga, 5, Tel.: +39 02.89 09 88 61


Caderno Especial Supere 2008 Uma pequena amostra do maior evento do empreendedorismo mineiro

Biocombustíveis Novas fontes de energia para mover o futuro

Foto: Fábio Ortolan

Sumário

Capa “Savoir Faire”

Gestão séria e competente reconduz Charles Lotfi à presidência da AC Minas Pág 18

08

Excelência reconhecida Empresas que entraram na lista 2008 das melhores para se trabalhar. O que elas têm de especial?

40

Lições de 2008 Olhares sobre o ano marcado pela crise econômica iniciada nos EUA

24

58

Mais 12.................................Antena Supere 48......................................... Negócios 51...............................................Livros 52.............................................Gestão 64.............................................Cultura 68........................... Sommelier Supere

Coluna Mário Mateus

Artigos

14

*Especial: Palestrantes do Evento SUPERE

Alberto Dell’Isola Allynson Lymer Bernardo Leite Gilcler Regina Jerônimo Mendes

30 31 32 33 34

Junior Portare 35 Karol Meyer 36 Marcelo Caetano 37 Prof. Osmar Coutinho 38 Paulo Kretly 39

SUPERE

5


Cartas

Caros editores, Meu nome é José Roberto e, como um apaixonado por São João del-Rei, quero parabenizar a revista SUPERE pela matéria sobre a cidade. São João merece ser destaque e é bom saber que há publicações em Minas Gerais que valorizam , de fato, a cultura e tradições mineiras. Parabéns!

Olá, pessoal da SUPERE, Geralmente, só tenho elogios para fazer à revista. Entretanto, na edição de setembro, vocês exageraram no número de artigos e achei que ficou cansativo. Sugiro que exista mais equilíbrio na dosagem. Fábio Moura Microempresário

José Roberto Dias Advogado

Resposta SUPERE

Escrevo para me queixar. Na coluna do Sommelier há um endereço de email disponível. É natural, então, supormos que ele está ali para que o leitor possa se corresponder com o sommelier Arilton. Diante dessa conclusão óbvia, eu enviei um email ao endereço indicado, solicitando sugestões para presentear um amigo com um vinho. Infelizmente, não recebi qualquer resposta. Acho que se não existe a intenção de atender aos leitores, o endereço deveria ser retirado da revista. Andréia Palhares Relações Públicas

Caro Fábio, A edição a que você se refere, assim como esta que está lendo agora, realmente contou com um número maior de colunistas. Mas isso aconteceu porque ambas saíram ligadas ao evento SUPERE, ocorrido em 29 e 30 de setembro, e queríamos mostrar na revista um pouco da qualidade dos palestrantes do evento. Assim, optamos por abrir espaço para eles nessas duas revistas (uma antecedendo e a outra sucedendo o evento). A partir da próxima edição, o número de colunistas volta ao normal. Contamos com a sua compreensão e ressaltamos que vamos considerar sua observação ao planejar as próximas edições. Obrigado,

Senhores editores,

Resposta SUPERE

Equipe editorial Erramos:

Cara Andréia, Lamentamos o ocorrido. O sommelier será comunicado sobre a sua reclamação e veremos o que aconteceu. Aguarde, para breve, uma resposta e aceite as nossas desculpas. Atenciosamente, Equipe editorial

Charge

6

SUPERE

Na edição 16, na coluna de Mário Mateus (Matur Contabilidade), houve dois equívocos: na citação, a palavra NESSE foi erroneamente grafada Nese; e a última linha do texto foi cortada. O final correto é: “ouviremos respostas bem diversas daquelas que disseram ou ouviram nossos pais ...” (esse trecho foi suprimido). Pedimos desculpas ao autor e aos leitores pelas falhas. Envie suas críticas e sugestões para esta coluna. End.: Av. Prudente de Morais, 44 - 3º andar Cidade Jardim - CEP 30380-000 - BH - MG ou para o e-mail: supere@verobrasil.com.br


SUPERE

7


Destaque

RH: retorno Selma TomĂŠ

garantido Pesquisa anual comprova: as empresas que investem em qualidade no ambiente de trabalho podem apresentar melhores resultados

8

SUPERE


Administração das Organizações, a qualidade do ambiente de trabalho melhora a imagem das empresas junto aos seus stakeholters – públicos interessados -. “Quando melhoramos a imagem da empresa por meio de fatos reais como o ambiente de trabalho, atendemos não só as expectativas dos funcionários como de todo o grupo de stakeholters. Melhorando a imagem da empresa atraímos mais pessoas que queiram trabalhar na organização”, avalia. Para ele, ao contrário do que muitas empresas ainda acreditam, o investimento em qualificação e qualidade no ambiente de trabalho não prepara o profissional para empresas concorrentes, mas estabelece uma relação de fidelidade entre colaboradores e empresas. “Os funcionários fixam-se por mais tempo, pois estão mais satisfeitos”, observa. Olney, que também é Gestor do Núcleo de Empreendedorismo

da Fundação de Ensino Superior de Passos e Consultor do Centro de Desenvolvimento Humano e Organizacional – CDHO, explica que as empresas que estão classificadas como “Melhores Empresas para se trabalhar” normalmente dão muito valor aos aspectos da experiência do trabalho, como estilo de gestão, liberdade e autonomia para tomar decisões, ambiente de trabalho agradável, segurança no emprego, horas adequadas de trabalho e tarefas significativas e agradáveis. Para tal, elas procuram estruturar o trabalho e o ambiente no sentido de satisfazer a maioria das necessidades individuais das pessoas e tornar a organização um local desejável e atraente. A confiança das pessoas na administração também é fundamental para a retenção e a fixação de talentos, provocando ganhos com a redução do absenteísmo e “tour nover”.

Foto: iStock

O Guia das 150 melhores empresas para se trabalhar, feito pela revista Exame, mostra, mais uma vez, que o investimento em recursos humanos tem retorno garantido. De acordo com o guia de 2008, divulgado em setembro, na revista Você S/A EXAME, 95% das empresas que formam a lista das 150 melhores adotam modelo educacional corporativo para apoiar o desenvolvimento pessoal e profissional de seus empregados. O retorno para a empresa vem através do rendimento das equipes cada vez mais qualificadas. D e acordo com administrador Olney Bruno da Silveira Junior, especialista em Gestão de Pessoas e Mestrando em

SUPERE

9


Destaque

Para o administrador Olney Silveira Junior, as empresas consideradas melhores pela pesquisa apresentam diversos fatores positivos com relação à qualidade do ambiente de trabalho. Desde fatores higiênicos, relacionados à luminosidade, ruído, umidade e odores - que, em condições desfavoráveis

“O reconhecimento por competência e resultado potencializa a capacidade humana de superação”

Foto: arquivo pessoal

podem ocasionar doenças ocupacionais –, à segurança de trabalho; da boa relação com os superiores à estabilidade que a empresa proporciona. “O empregado precisa ter a certeza de que seu emprego não desaparecerá de uma hora para outra e a sua boa relação com seus superiores e com seus pares tem influência direta na sua percepção do ambiente de trabalho” enumera.

Olney Silveira Junior

10SUPERE

F a t o r psicológico O estado emocional dos funcionários também influencia. Para a psicóloga clinica e organizacional Carmem Cardoso Maia Camargo, a satisfação do empregado chega a ser mais importante do que o salário que ele recebe. “A questão salarial já não é tão importante. Cada vez mais a empresa deve se preocupar principalmente com a qualidade de vida do funcionário e propiciar um bom clima organizacional”, argumenta. Carmem, que também é professora na FAP, Faculdade de Administração de Passos, acres-

centa que uma empresa considerada boa para se trabalhar tem que adotar a cultura empresarial de enxergar o funcionário como investimento. “Procurar a satisfação interna do profissional é uma questão de sobrevivência. Para tal, ela deve ter políticas de Gestão de Pessoas e Recursos Humanos que possam gerar valorização do colaborador”, avalia. Para a psicóloga, a gestão de recursos humanos deve receber investimento contínuo. “A empresa deve encarar o funcionário não como despesa, mas como recurso sobre o qual o investimento deve ser contínuo. Gerar estratégias para tornar o ambiente de trabalho adequado e favorável é um bom negocio. É preciso estabelecer uma relação de parceria entre colaborador e empresa”, afirma.

Comunicação A comunicação também é cotada como fator primordial entre empresas que desenvolvem programas de melhoria de ambiente de trabalho ou QVT (Qualidade de Vida no Trabalho). “A comunicação clara e transparente é fundamental para a credibilidade da relação construída entre a liderança e seus funcionários”. Fazer parte de um ranking dos melhores lugares para se trabalhar favorece a imagem da organização. Os benefícios de marketing que a empresa obtém através do investimento em um melhor ambiente de trabalho também são visíveis. De acordo Vanessa Braz Cassoli, Relações Públicas, Pós-Graduada em Marketing e Mestranda em Administração, figurar em uma lista desta natureza favorece sim a imagem da empresa perante seus públicos de interesse. “As pessoas têm acesso

cada vez maior à informação, em vários tipos de mídia, e quanto mais informação positiva a respeito da empresa, igualmente positiva será a percepção da sociedade em relação ao seu produto ou serviço. O contrário também é verdadeiro: se um fato negativo sobre a empresa cai no domínio da opinião pública, sua imagem poderá ser seriamente afetada”, afirma. Vanessa salienta que além da disseminação instantânea da informação, que dá aos consumidores o poder de investigar a conduta e os princípios éticos dos fabricantes e prestadores de serviços, deve-se ressaltar o papel das organizações não-governamentais e entidades similares que incentivam o consumidor a comprar de empresas socialmente corretas. “Um produto de uma empresa acusada de explorar sua mão-de-obra ou de fornecer ambiente de trabalho insalubre, não vai longe. Já o cliente que fica sabendo que a empresa da qual compra o tênis, ou a roupa, ou o eletrodoméstico, é reconhecida por ser um ótimo local de trabalho, aumentará sua simpatia e admiração pela marca”, explica, acrescentando que a mera publicidade não mais garante que uma marca se sobressaia no mercado. A percepção que o cliente tem de uma marca é, hoje, muito mais abrangente, envolve o relacionamento da empresa com seus públicos e seu papel na sociedade. Deve-se ressaltar, ainda, que o funcionário é o primeiro cliente da empresa. Se ele não aprovar o produto ou serviço, se não confiar na empresa, como é que os consumidores vão confiar? E, atrás do funcionário, vêm seus familiares, seus amigos e conhecidos. Enfim, o funcionário é um importante formador de opinião sobre a


empresa. Desse modo, investir em um melhor ambiente de trabalho para - através de promoção da saúde, segurança, transparência no relacionamento, possibilidade de crescimento, entre outras ações – traz um círculo virtuoso de benefícios de marketing. São os funcionários - mesmo que não atuem em contato com o cliente – que fazem a empresa funcionar. Ao trabalhar seguros e motivados, contribuirão para a empresa ofertar um produto, um atendimento, e uma comunicação melhores. Em 2008, 550 empresas se inscreveram para participar da pesquisa. Número recorde nos 12 anos em que ela é realizada. Os resultados apontam a tendência das empresas em adequar seus ambientes de trabalho, valorizando cada vez mais o ser humano. “Nenhum programa de QVT ou Melhoria no ambiente de trabalho nasce pronto, precisamos adaptar todas as tendências à realidade da empresa. Alguns valores podem ser pensados e aplicados de inicio como, credibilidade; respeito e imparcialidade”, avalia o administrador Olney Bruno da Silveira Junior, especialista em Gestão de Pessoas.

A Pesquisa O Guia da revista EXAME é feito em seis etapas (veja quadro nesta página). Após a inscrição, feita gratuitamente através do hotsite do Guia, as empresas têm de escolher os funcionários que responderão a um questionário sobre a organização, enquanto um responsável pelo RH preenche outro questionário, em que declara as práticas para gerir pessoas. Todos os questionários são processados pela Fundação Instituto de Administração. Em 2008, mais de 143 mil pessoas responderam aos questionários. Outra etapa da pesquisa é feita através de jornalistas, que visitam todas as empresas pré-classificadas, checando instalações, entrevistando profissionais do RH e acompanhando reuniões com o nível operacional e gerencial. Os dados são examinados e, cerca de dois meses depois, é publicado o resultado da pesquisa. A empresa que liderou o ranking das 150 melhores foi a fabricante de chassis de ônibus Volvo, que atingiu uma pontuação de 90,6 no Índice de “Felicidade no Trabalho”. A multinacional sueca, instalada em Curitiba (PR), destacou-se pelas

1 As inscrições, que são gratuitas, começam em fevereiro. Para se inscrever, a empresa acessa o hotsite do Guia e dá OK no Termo de Compromisso (documento em que constam as regras do processo). A própria companhia define como os funcionários vão responder ao questionário: pelo cartão de leitura óptica ou pela internet. 2 De acordo com a data de inscrição de cada empresa, os funcionários (escolhidos aleatoriamente) recebem um prazo para responder a pesquisa. Enquanto suas percepções sobre a organização são registradas, o responsável pelo RH preenche outro questionário, em que declara as práticas para gerir pessoas. Além disso, toda empresa deve enviar um Book de Evidências, relatando tais práticas por escrito. As que não enviam são desclassificadas. 3 Todos os questionários respondidos são processados pela Fundação Instituto de Administração. Neste ano, houve 143 227 questionários. A partir daí, são definidas as empresas pré-classificadas, aquelas que atingem um

políticas globais de gestão, com equipes auto-gerenciáveis, cujos colaboradores apresentam índice de satisfação e motivação de 92,2%.

“Fazer parte de um ranking dos melhores lugares para se trabalhar favorece a imagem da organização” Em reportagem publicada na edição especial de 2008 da Você S/A EXAME, o diretor de RH e assuntos corporativos da Volvo, Carlos Morassutti, definiu como o maior desafio do RH: “Ser o guardião das condutas em geral, além de alinhar as políticas de RH às estratégias e objetivos da corporação”. O administrador Olney Silveira também destaca a importância do reconhecimento dos resultados obtidos por um profissional. “O reconhecimento por competência e resultado potencializa a capacidade humana de superação fazendo com que o empregado perceba que sua contribuição é importante para a empresa”, explica.•

mínimo de respostas e a nota de corte — neste ano foi de 75,4. 4 Entre os meses de junho e julho, uma equipe de jornalistas roda por todo o País para visitar as empresas pré-classificadas. Eles checam as instalações das companhias, entrevistam profissionais do RH e participam de reuniões com o nível operacional e gerencial. Somadas, essas visitas consumiram 880 horas. 5 Em meados do mês de julho, os jornalistas da VOCÊ S/A e a equipe da FIA comparam os dados da pesquisa com a percepção das visitas. Nessa reunião — denominada de consenso e que dura o dia inteiro —, definem as 150 melhores empresas do ano. A FIA gera, então, a análise técnica dos dados. 6 Até o final de agosto, o material editorial do Guia é preparado: 225 páginas de reportagens sobre as 150 melhores. A redação da VOCÊ S/A produz, nesse tempo, uma média de 45 matérias por semana.

FONTE: http://vocesa.abril.uol.com.br/melhoresempresas/

11

SUPERE


Segundo dados da Fundação João Pinheiro, entre janeiro e setembro de 2008, as exportações mineiras cresceram 39%, comparadas ao mesmo período de 2007. O crescimento foi acima da média nacional (29,4%). No total das vendas brasileiras, a participação relativa de Minas Gerais avançou: em 2007, foram 11,5% e, neste 2008, passaram para 12,4%. Essa diferença corresponde a US$.5,224 bilhões adicionais de vendas externas do Estado. A liderança no o ranking das empresas exportadoras de Minas é da Vale do Rio Doce (US$ 5,042 bilhões). Entre os quatro principais mercados compradores de produtos mineiros, três deles expandiram as compras no Estado: Ásia (62,8%), União

Foto: stockxpert

Antena Supere

Minas no mundo

Européia (33,3%) e Mercosul (59,6%). Apenas as vendas para o Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta) mantiveram-se quase inalteradas (1,5%). Também houve um forte crescimento nas compras efetuadas pela Liga Árabe (60,3%), mercado não tradicional de compras de produtos mineiros.

Negócios com prazer

Foto: Arquivo Vero

Visando consolidar Belo Horizonte como destino turístico de negócios, o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) assinou um termo de cooperação com o Instituto Euvaldo Lodi (IEL). O propósito é promover o desenvolvimento econômico empresarial de BH no circuito desse segmento turístico. A iniciativa prevê desenvolvimento de uma metodologia para captação de eventos de negócios para a capital mineira; a articulação do setor de turismo com setores econômicos estratégicos e com o artesanato; e o desenvolvimento de iniciativas público-privadas para a melhoria da competitividade territorial da cidade. A operação será executada no período de três anos e conta US$ 2,75 milhões do BID, por meio do Fundo Multilateral de Investimentos (Fumin).

12SUPERE


o desenho final do instrumento não tenha atendido integralmente às preocupações do Brasil, o resultado já está sendo considerado como uma vitória do Brasil em prol da modernização dos organismos financeiros internacionais.

Arte: Pablo T. Quezada

No final de outubro, o Fundo Monetário Internacional (FMI) aprovou uma linha de financiamento baseada em uma proposta brasileira. A informação é do Ministério da Fazenda (MF). A “Short-Term Liquidity Facility” (SLF, na sigla em inglês), ou Linha de Liquidez de Curto Prazo, é um novo instrumento para suprir liquidez externa de curto prazo, como conseqüência de problemas de escassez no sistema interbancário internacional (destinado aos países integrados ao mercado global de capitais que têm solidez macroeconômica). A SLF se baseia na proposta lançada originalmente pelo Ministro da Fazenda do Brasil, Guido Mantega, em abril deste ano, na reunião de primavera do FMI. Desde então, a cadeira brasileira na diretoria, ocupada pelo economista Paulo Nogueira Batista Jr., vinha trabalhando para detalhar a proposta e obter o apoio de outras cadeiras. Embora

Foto: M. Azevedo

Brasil modelo

Foto: Arquivo AC Minas

Bienal do Automóvel A Associação Comercial de Minas Gerais (ACMinas) já firmou contrato com a empresa Entreposto de Comunicação para a realização da 2ª Bienal do Automóvel de Minas Gerais. A primeira edição do evento, organizada pela mesma empresa em 2007, atraiu mais de 100 mil pessoas ao Expominas. A 2ª Bienal será realizada em dezembro de 2009, novamente no Expominas.

13

SUPERE


Mário Mateus

Coluna

Matur Contabilidade

A mitologia e a gestão empresarial A mitologia grega, bela e grandiosa, atravessa o tempo e continua

um “executivo” do Olimpo, onde

exercendo extraordinário fascínio sobre o homem moderno. O Olimpo,

as tensões e as relações entre

a morada dos deuses, é palco de acontecimentos fantásticos e fanta-

os deuses muito freqüentemente

siosos. A luta travada entre deuses e semideuses, as paixões vividas

atingiam os limites da ruptura.

no Olimpo entre deuses, semideuses e humanos compõem o vasto Por saber manter a harmonia e a

painel de lendas e mitos.

Autor: Donato Creti

estabilidade, Mercúrio, muito jusConquistados pelos romanos, os gregos acaba-

tamente, era tido “oficialmente”

ram influenciando os conquistadores, impondo-

como o mensageiro. Eloqüente,

se pela beleza de sua literatura e pela mag-

convincente, negociador. Assim

nificência da mitologia, duas, dentre outras,

era o deus do comércio na mito-

expressivas manifestações de sua civilização

logia greco-romana. Um expert

superior.

em comunicação.

Os gregos eram politeístas. Havia um deus

Acrescente-se ainda outro atributo

para quase todas as atividades exercidas pelo

de Mercúrio: segundo a mitologia,

homem. Os romanos, de civilização inferior,

estava sempre alerta. Não dormia,

adotaram a mitologia grega, com pequenas

dizem, para que não lhe escapas-

modificações, dando nomes latinos aos deuses

sem as informações importantes.

do Olimpo. O comércio, por exemplo, era prote-

Era representado, como dissemos,

gido por Mercúrio, o deus Hermes dos gregos.

com pequenas asas – símbolo de sua velocidade –, conduzindo um

No Olimpo, Júpiter (o Zeus dos gregos) era o deus dos deuses. Mercúrio,

caduceu, isto é, uma varinha com

o deus do comércio, gozava de muito prestígio. Filho de Júpiter, era o

poderes mágicos.

mensageiro do Olimpo e o deus de confiança do pai, que a ele atribuía as tarefas mais delicadas, pois o sabia habilidoso e eloqüente, capaz

Citando Tassilo Orpheu Spalding,

de, como nenhum outro, solucionar problemas e crises.

“a mitologia é um maravilhoso

Sem vaidades, devem-se traçar novos objetivos, reestruturando-se continuamente

14SUPERE

tecido de quimeras e fantasias, verossímeis algumas, absurdas, ilógicas ou abstratas outras”. O mito de Mercúrio é verossímil. Assim, o que se depreende dessa figura mitológica é, no

Mercúrio tinha mais atribuições que os outros deuses. Sua “agenda”

mínimo, interessante para quem

estava sempre cheia. Talvez por isso o representem com pequenas

está no mercado e pretende

asas, o que lhe dava agilidade e dinamismo na solução dos negó-

continuar no mercado. Vejamos

cios. Era, para falar a linguagem da moderna gestão empresarial,

por quê.


Coluna

Foto: stockxpert

O deus estava constantemente quistas de hoje – resultantes do know-how adquirido – não devem e alerta. Não queria que a informa- não podem ser consideradas como definitivas, porque tudo muda, ção lhe escapasse. Informação é tudo existe em constante transformação. conhecimento. E quem conhece pode. Por isso, Mercúrio ficava Quem se fia na posição conquistada pode incorrer em erro e sair do atento, reunindo dados e fazen- mercado. O que se conquista hoje tem de ser incorporado à cultura do inteligentes associações para da empresa, mas sem que se percam os objetivos traçados. Nada a solução dos problemas a ele de se vangloriar com as conquistas do presente ou do passado. Não apresentados por Júpiter, o deus se pode correr o risco da vaidade, tal qual aconteceu com o galo da dos deuses. E para os problemas fábula de La Fontaine, que vale a pena relembrar. que lhe eram apresentados, digase de passagem, Mercúrio tinha Conta La Fontaine que dois galos, disputando um terreiro, brigaram sempre uma solução.

entre si. Um golpe aqui, outro ali, e o vitorioso, cheio de vaidade e vanglória, fez de tudo que pôde até atingir um telhado. Lá, no alto, abriu

Como sabemos, não basta ape- as asas e, com repetidos cantos, anunciou a vitória. Para azar dele, nas reunir informação. Mercúrio uma águia voava pelas imediações e, ao ver o vitorioso tão fragilmente detinha a informação, mas ficava exposto a ataques, não hesitou: desceu em vôo magnífico e – zás! – atento. Ela é fundamental, todavia levou entre as garras o senhor do terreiro... é essencial saber o que se faz com o que se sabe. É preciso Moral da história: é melhor ficar alerta, como o deus Mercúrio, e se deter, preservar e aplicar a infor- informar constantemente para que, no mercado, sejam atingidos os mação. Para isso, a empresa tem objetivos traçados. E depois de atingi-los, sem vaidades, devem-se de ter uma cultura identificada traçar novos objetivos, reestruturando-se continuamente, para acomcom o mundo moderno. As con- panhar a marcha do tempo e o rumo de nossos negócios. •

Mário Mateus Sócio da MATUR Organização Contábil, Diretor da ACMinas, Conselheiro do Conselho Federal de Contabilidade, Contabilista, Bacharel em Direito, pós-graduado em Ciências Contábeis e eleito Jovem Líder Empresarial 2001. mariomateus@matur.com.br

SUPERE

15


Capa

Texto: Dinorá Oliveira Fotos: Fábio Ortolan

Charles Lotfi é reeleito para a presidência da Associação Comercial de Minas

” Fotos: Fábio Ortolan

18SUPERE

Savoir Faire


“Révolution est précisement le contraire de revolte” Victor Hugo: Les Misérables

Revolucionar, sem qualquer traço de revolta, mas com generosas pinceladas de sabedoria, visão e determinação. Seria esse o segredo da vitoriosa carreira de Charles Lotfi? Ou esse é somente um dos ingredientes que, mais uma vez, colocam tal homem à frente da, igualmente vencedora, Associação Comercial de Minas? Seja qual for a resposta, ela traz a mesma certeza: a Casa do Empresário mineiro está em muito boas mãos. Palmas calejadas pelo trabalho, a energia e o empenho que, por mais dois anos, voltarão a conduzir a batuta que já vinha regendo a AC Minas desde 2007.

O futuro é aqui e agora Os projetos da gestão anterior de Lotfi, iniciada em 2007 e “encerrada” neste 2008, com o seu reingresso no cargo máximo da ACMinas, terão continuidade e novas idéias revolucionárias já começam a ser lançadas. Uma dessas proposições é a “Conspiração Mineira pela Educação”, projeto que Charles Lotfi idealizava desde que estava à frente da Fundação ACMinas, e que foi pauta de conversas e articulações com outros dirigentes

da Associação e educadores, como a educadora e empresária Ângela Pace, o Padre Geraldo Magela (atual reitor da UNA) e o professor Evando Neiva. Neste ano, a primeira “Conspiração” estreou, na região de Venda Nova (entorno do novo Centro Administrativo do Governo de Minas), com foco no Ensino Fundamental. A proposta desta “Conspiração” tramada na AC Minas, e que deve se propagar para muito além, é cooperar para corrigir distorções na formação dos jovens brasileiros, ajudando-os a chegar adequadamente preparados às etapas escolares posteriores e ao mercado de trabalho. Com isso, a ACMinas, a exemplo de muitas outras iniciativas nascidas nas Alterosas, une a classe empresarial mineira num projeto pioneiro e valoroso em prol da Educação, que poderá servir de modelo para o restante do País. Mas o olhar arguto, que vislumbra além do hoje, não para aí. A idéia do presidente é utilizar o tempo desta nova ges-

tão para aperfeiçoar e fortalecer os projetos que já fazem da ACMinas uma Casa exemplar e, embora centenária, moderna e futurista. Lotfi considera que tudo o que a Associação tem feito é valioso e deve ser preservado, mas não dispensa inovações. Trabalhará para manter a força da Casa institucionalmente e em sua estrutura administrativa, intenciona fortalecer e incentivar o trabalho dos Conselhos da ACMinas e, em parceria com o empresariado mineiro, “conspirar” bastante, a fim de dar continuidade às revoluções que a Associação tem afiançado.

Fotos: Fábio Ortolan

O “novo” presidente da ACMinas, reeleito em setembro, é velho conhecido do empresariado, e também de quem espera um Brasil melhor (leia-se, LITERALMENTE, mais educado). Aqueles que confiam na força do trabalho feito com boa vontade e bom senso, ou que crescem com os eventos e programas assinados pela Associação, também sabem quem é o homem que volta para dar continuidade aos projetos que, hoje, engrandecem ainda mais a Casa.

19

SUPERE


Charles Lotfi: Tudo na Associação Comercial de Minas é importante. Esta é uma casa centenária, com uma história admirável, e deve ser preservada e fortalecida. Na gestão 2007/2008, eu destacaria a “Conspiração Mineira pela Educação” como um grande projeto, nascido e articulado dentro da AC Minas. Há anos, desde a época em que eu estava na presidência da Fundação ACMinas, preocupava-me muito com a educação formal dos jovens brasileiros. Algumas vezes, vinham me solicitar oportunidades e, mesmo diante de solicitações simples, como escrever uma carta, narrando o que desejavam ou sabiam fazer, eu testemunhei um total despreparo. Eu sempre discutia essa

Educação, com foco no Ensino Fundamental. Cláudio de Moura Castro foi convidado a conspirar conosco e a fazer um projeto nesse sentido: nascia a “Conspiração pela Educação”. Minas Gerais tem tradição de pioneirismo em diversos movimentos. Creio que essa Conspiração vai ser modelo

para o Brasil. É a classe empresarial mineira consciente de que o País não chegará a lugar algum

“Tudo na Associação Comercial de Minas é importante. Esta é uma casa centenária, com uma história admirável, e deve ser preservada e fortalecida” situação com a Ângela Pace. Em 2005, convidei o professor Evando Neiva e o Padre Geraldo Magela para, juntos, pensarmos sobre a

20SUPERE

fatores de motivação para os estudantes e afins. O projeto-piloto da “Conspiração” já está sendo implementado em 69 escolas públicas localizadas no entorno do futuro Centro Administrativo do Governo. Revista SUPERE: Cite um momento marcante da sua gestão. Charles Lotfi: Houve muitos, mas eu diria que o “Movimento Mineiro pela Ética” foi uma ação especial, uma grande contribuição da AC Minas em prol da ética em todos os setores. Nosso propósito foi o de abrir uma verdadeira guerra contra a falta de ética, queremos que seja um trabalho diuturno, sem prazo determinado, envolvendo todos que prezam a conduta lícita, respeitosa e responsável. Fotos: Fábio Ortolan

Capa

Revista SUPERE: O que o senhor considera mais importante na gestão que está encerrando?

sem investimento na Educação, com qualificação de professores, melhoria na remuneração, participação das famílias, criação de

Revista SUPERE: Vamos falar de inovação? Que novidades houve nessa última gestão? Charles Lotfi: Um importante aprimoramento dos veículos de comunicação da entidade e a ampliação da interlocução com os nossos públicos. O jornal AC Minas, por exemplo, foi renovado no formato; o número de páginas foi ampliado. O foco das pautas também foi expandido, passando a abordar, além de questões institucionais, outros assuntos, principalmente matérias de serviço para


Ações e eventos da primeira gestão de Charles Lotfi Porte”. Os certificados foram entregues • Rodas de Negócio: durante a gestão aos concluintes do curso em abril deste do presidente Charles Lotfi, o departaano. mento comercial da ACMinas expandiu o projeto Rodas de Negócios, promovendo a interface entre empresas vendedoras • Segurança: a ACMinas Promoveu o Congresso de Segurança Pública em e compradoras, de modo a alavancar maio de 2007, que proporciou à societransações. dade pronunciar-se sobre os motivos da violência e sugerir formar de solucioná-las. • Central de Seguros: a ACMinas investiu As conclusões foram encaminhadas às no aprimoramento da sua Central de autoridades oficiais do setor. Seguros, promovendo reuniões de treinamento entre os consultores de vendas da entidade e representantes das principais • Cristo Redentor: A ACMinas apoiou a campanha de eleger o Cristo Redentor companhias de seguros de Minas. como uma das sete maravilhas do Mundo. Junho /2007 • Seminário “Competitividade Brasil X China: Obstáculos e Desafios à Economia Brasileira”: em abril de 2007, a ACMinas • Ética: Em agosto de 2007 teve início, com um seminário de que participou o promoveu um amplo debate sobre os senador Pedro Simon, o Movimento impactos da economia chinesa no mercaMineiro pela Ética, uma iniciativa da classe do brasileiro. O evento, que contou com empresarial contra a corrupção em todos a participação da ex-ministra Dorothéa os seus níveis. Em seqüência, houve Werneck, deu início a uma reflexão sobre diversos outros eventos, de que particio futuro das relações comerciais entre param, entre outros políticos, os senadores Brasil e China e sobre os efeitos da Jefferson Peres e Demóstenes Torres. concorrência chinesa sobre a economia nacional. • Encontro do subsecretario de Assuntos Internacionais da Secretaria de Estado de • Referência internacional: para apresenDesenvolvimento Econômico, Luiz Antônio tar o potencial de Minas para a captação Athayde, e do superintendente da Infraero de investimentos à colônia brasileira no em Confins, José Wilson Bastos de Souza Japão, a TV japonesa IPC-TV escolheu Massa, com empresários. Na ocasião, agosto a Associação Comercial de Minas para de 2007 – auge da crise aérea - foram discutiancorar o quadro “Pesquisar e Investir”, das ações destinadas à captação de novos parte do programa “Brasil Responde”. vôos para o Aeroporto Tancredo Neves e sua A gravação do programa aconteceu em efetiva caracterização como hub. fevereiro de 2007.

dades ligadas ao comércio, do “Natal no Centro”, série de eventos (shows, prêmios) visando a atrair o consumidor para a área central. Dezembro de 2007. • Realização, em parceria com a Federaminas, da Bienal do Automóvel, exposição de produtos do setor automotivo que contou com a presença de mais 100 mil pessoas no Expominas. Dezembro de 2007. • Engajamento da Associação Comercial pelo fim da CPMF, durante todo o 2º semestre de 2007. • Mobilização pela Reforma Tributária. • Março /2008 realizada Missão Multisetorial que reuniu empresários mineiros e argentinos de mais de 80 segmentos.

• Café Parlamentar: durante a sua gestão, o presidente Charles Lotfi dedicou várias edições do Café Parlamentar para o debate de assuntos de ordem político-econômica que interferem direta e indiretamente nos interesses da classe empresarial. O Café Parlamentar também foi palco para homenagens a empresas e instituições que contribuíram para o fortalecimento de Minas Gerais. Dentre os convidados, destacam-se o prefeito Fernando Pimentel, senador Demóstenes Torres, o vice-governador Antônio Augusto Anastasia, senador Pedro Simo,; a secretária de Estado de Educação, Vanessa Guimarães, o ex-pres• Lançamento das agendas natalinas das idente do Atlético Mineiro, Ziza Valadares, cidades de Ouro Preto e Belo Horizonte, o presidente da TAP, Fernando Pinto, e os em dezembro de 2007, iniciativa do diretores do jornal Estado de Minas Álvaro Conselho Empresarial de Turismo Texeira da Costa e Édson Zenóbio.

• Capacitação: a ACMinas, em parceria com os Correios, a Coordenação do Comércio Exterior de Minas Gerais e o Banco do Brasil promoveu o curso “Agente de Comércio Exterior e Exportação para Empresas de Pequeno • Promoção, em parceria com outras enti- • Duas edições do Supere

21

SUPERE


Capa

para avaliar a realidade da capital, suas necessidades e perspectivas. Essa atividade objetivou elencar idéias e propostas que pudessem ter utilidade para o novo

os associados. O site também foi reformulado e foram criadas duas novas ferramentas eletrônicas, via email: um boletim diário, com resumos de matérias publicadas

“ Minas Gerais tem tradição de pioneirismo em diversos movimentos. Creio que a “Conspiração pela Educação da ACMinas” vai ser modelo para o Brasil.” prefeito da cidade. Desse debate resultou o jornal Metrópolis, em que os especialistas apontam, em artigos, caminhos para uma BH melhor. Houve, ainda, uma intensa preocupação com a recuperação de empresas que não vão bem; em aperfeiçoar o relacionamento da AC Minas com seus públicos; com aprimoramento de serviços e novas abordagens aos associados. Houve ênfase às Rodas de Negócios, com cobrança de resultados, num processo bastante efetivo em termos de fechamento de negócios. Outra pre-

Fotos: Fábio Ortolan

pela mídia impressa, destacando questões de interesse do empresariado; e outro que segue às quintas-feiras, levando aos associados uma síntese das reuniões plenárias da AC Minas, que são realizadas às quartas-feiras. Também promovemos um grande seminário sobre segurança. Desse debate emergiram propostas sintetizadas numa cartilha. Essa atividade foi fruto de uma parceria com o Instituto dos Advogados de Minas Gerais. Outra novidade que merece destaque é o debate sobre Belo Horizonte, que trouxe grandes especialistas

22SUPERE

ocupação que ocupou lugar de honra foi a importância de trabalharmos pela internacionalização de BH e de Minas Gerais. Nesse sentido, estabelecemos relações inéditas (com a China, por exemplo) e realizamos atividades com foco no mercado externo. Revista SUPERE: Propostas para a nova gestão... Charles Lotfi: Aprimorar ainda mais o relacionamento com os associados, consolidar a Associação como a Casa do Empresário – seja do comércio, da indústria, do agronegócio, dos serviços - tornar essa Casa ainda mais abrangente, reforçando o pluralismo; fortalecer os conselhos empresariais, investindo muito neles e dando apoio para que criem novos eventos que – sob a égide da AC Minas – fortaleçam as relações dos empreendedores; ampliar a parceria com a Associação Comercial de São Paulo, com a apresentação de um projeto de redação para uma Reforma Tributária que realmente diminua a carga de impostos. Essa medida, aliás, deverá, na verdade, ampliar a arrecadação, e não diminuí-la, como se pensa, uma vez que atrairá para a legalidade os empresários informais, reduzindo substancialmente a sonegação. Continuar a investir nos eventos vitoriosos: palestras, debates, SUPERE, Bienal do Automóvel (cuja 2ª edição será em 2009) etc. Há muitas outras propostas, e muitas idéias para agigantar ainda mais a Associação Comercial de Minas. E há, sobretudo, abertura para a constante troca de idéias com os empresários de Minas.


Artigo

Equilíbrio que valoriza a vida

Fotos: arquivo Mater Dei

Aparecida Queiroga Coordenadora de Comunicação

Buscar uma instituição de saúde para realizar algum procedimento, seja de prevenção, diagnóstico ou tratamento, requer confiança nos serviços prestados. Por isso é tão importante avaliar as referências e a credibilidade da assistência oferecida, dos recursos tecnológicos disponíveis e da competência do corpo clínico. O Hospital Mater Dei sabe como é grande a responsabilidade em lidar com vidas e por isso está sempre adotando ações inovadoras e seguras, no âmbito tecnológico e de melhores práticas médicas. O empenho é contínuo para manter o alto padrão de qualidade e oferecer soluções personalizadas para proporcionar o melhor resultado aos clientes. A atenção é voltada para a assistência humanizada que valoriza a proximidade com os pacientes. O compromisso com a qualidade pela vida permeia o desempenho do Mater Dei e está presente na política de gestão que abrange metas focadas em excelência e envolve estratégias como: • atenção completa à saúde, com equipes assistenciais multidisciplinares compostas por profissionais das diversas áreas, como medicina, psicologia; fisioterapia e fonoaudiologia; • planejamento estratégico do corpo clínico e gerencial, com metas desafiadoras; o que foi determinante para o Hospital alcançar o nível máximo de acreditação, em serviços de saúde, pela ONA - Organização Nacional de Acreditação – reconhecida pelo Ministério da Saúde. Sendo o 1º Hospital privado de BH a conseguir tal título; • pesquisa de satisfação do cliente, instrumento gerenciado e mensurado pelo SAC, Serviço de Apoio ao Cliente, que recebe as sugestões que contribuem para o Hospital aprimorar; • capacitação permanente visando melhorar a performance dos profissionais da instituição, atribuindo a devida valorização às pessoas. Há o incentivo à pesquisa, produção científica e ao crescimento profissional; • controle de Infecção Hospitalar com equipe multidisciplinar que atua para garantir a segurança dos pacientes e assegurar a redução do índice de transmissão de infecções; • tecnologia de alta performance, fruto dos investimentos constantes na modernização dos equipamentos. Segurança predial com instalações automatizadas e aconchegantes; infraestrutura ampla e confortável, com 335 apartamentos distribuídos em dois blocos.

O Mater Dei foi o 1º hospital de Minas Gerais a fazer parte da campanha “5 Milhões de Vidas” do Institute for Healthcare Improvement’s (IHI), que visa reduzir os níveis de eventos adversos nos hospitais de todo o mundo. A Campanha traçou como meta o desafio de preservar 5 milhões de vidas, num período de 24 meses, aumentando os cuidados e a segurança da assistência médica. Ainda, integra a Anahp, Associação Nacional de Hospitais Privados, que congrega instituições conceituadas

e são uma fonte de referência para compartilhar experiências em gestão e melhores práticas.

Vocação para cuidar Mesmo havendo as pressões e dificuldades peculiares do segmento de saúde, por meio de decisões e ações sólidas, há perspectivas bastante positivas. Lembrando sempre que o Mater Dei tem vocação para cuidar e para prestar assistência médico-hospitalar, dentro do nível de exigência dos clientes; o que é possível graças à estreita sintonia

entre direção, equipes gerenciais, médicas e de apoio. Confiança se conquista com o tempo. O Mater Dei, ao longo de 28 anos de atuação, tem construído uma trajetória marcada por inovações e reconhecimento. E quer continuar marcando a trajetória das pessoas e ser lembrado pelas vidas que ajuda a preservar, pelos tratamentos que oferece e pelos nascimentos que ajuda concretizar. Nossa reputação é construída à base de integridade e humanização e de ações responsáveis.•

23

SUPERE


Especial

Especial

Textos: Dinorá Oliveira Fotos: Fábio Ortolan

SUPERE Sucesso 2008 Em sua sexta edição, o já tradicional evento da AC Minas é novamente aclamado por empresários e gestores que visitaram o Expominas

Nos dias 29 e 30 de setembro, foi realizada edição 2008 dessa verdadeira celebração do empreendedorismo. O Supere 2008 trouxe à capital mineira quase 30 nomes de relevo no universo do mundo empresarial, com palestras abrangendo diferentes áreas e propósitos. Nas palestras Magnas, realizadas às 20h, as incentivadoras histórias de vida do Maestro João Carlos Martins e do criador da Turma da Mônica, Maurício de Sousa; além das sábias palavras do consultor norte-americano Blaine Lee. Houve ainda feira de negócios, encontro de empresários e bate-papo com palestrantes.

24SUPERE


Em prática A importância da aplicabilidade dos ensinamentos no cotidiano profissional, aliás, parece

ser ponto pacífico entre os freqüentadores do evento. Flávio M. Pinheiro, gerente do Apart Promenade Visconti, hotel localizado em Ipanema, no Rio de Janeiro, também ressalta o fato de os palestrantes mostrarem que “as mudanças estão bem perto e são aplicáveis no dia-a-dia”. Ele também enfoca que a diversidade de segmentos empresariais presentes à feira de negócios enriquece o evento. Por falar em riqueza, outra fortuna destacada pelos participantes é a possibilidade de troca e de contatos, como ressaltou Thiago Concer, um dos palestrantes (proferiu a palestra “Vendas não ocorrem por acaso”, no dia 29, às 18h). Para ele, eventos como o SUPERE permitem “contatos com pessoas que tomam decisões nas empresas”. Fator que o consultor considera ajudar na mudança de postura, no despertar para determinadas questões que, sem essa troca, essa diversidade de visões, não seriam percebidas. Concer também elogiou a quantidade e a simultaneidade de palestras, que permite mais diversidade de temas e oferece aos empresários/gestores a possibilidade de espalhar colaboradores em diferentes salas que,

Especial

“A Associação Comercial de Minas está oferecendo aos empresários e gestores brasileiros uma organização de primeiro mundo. Eu vivi algum tempo em Nova Iorque e posso afirmar que, em termos gerais, o evento SUPERE não deixa nada a desejar: a escolha dos temas e dos palestrantes, a organização, a localização, as comodidades em termos de estacionamento e alimentação, tudo muito bom. Eu ainda não havia participado, mas estou certa de que é a primeira de muitas vezes. Aliás, não pretendo mais deixar de vir”. A enfática opinião é de Lourdes Carvalho, profissional da área de vendas da Policard Ltda. Para ela, todas as palestras a que assistiu foram “maravilhosas”. Mas achou os ensinamentos repassados em “Os 10 mandamentos da Motivação” (palestra de Rudson Borges, ocorrida dia 29/9, às 18h) facilmente aplicáveis dia-a-dia. Por isso, considerou-a uma das mais proveitosas palestras. Ela só fez ressalvas em relação aos preços da lanchonete, sugerindo que existam mais opções de lanche, e mais fornecedores. A visão de Lourdes encontra eco nas palavras de Ana Maria R. Soares, gerente administrativa da Locguel – do Grupo Orguel. Para Ana, os temas do SUPERE são “muito pertinentes e em consonância com a realidade, com o momento atual”. Ela afirma que freqüenta o SUPERE desde a primeira edição, destacando que além do aprendizado angariado nas palestras, o evento é uma oportunidade de trocas e de importantes contatos. A colega de trabalho de Ana Maria, Cláudia B. Guimarães, concorda com tal opinião acrescentando que as “palestras são dinâmicas e bastante proveitosas no dia-a-dia do trabalho.”

posteriormente, podem repassar o conteúdo a colegas e a outros empresários. Outra troca que o especialista considera excelente.

Feira

Relax e cultura Mas não é apenas na parte prática que o SUPERE encontra aprovação, as atividades culturais e de qualidade de vida também recebem resposta positiva. A Life Planner da Prudential do Brasil Seguros de Vida, Karymi Maluf,

elogiou também as massagens e os exames oftalmológicos oferecidos no estande da Golden Cross, ressaltando que espera reencontrálos em pleno funcionamento nos próximos SUPERE. Ela havia feito a massagem na máquina de pressão d’água, que considerou “uma delícia”. Para Karymi, atividades como as massagens e também as apresentações culturais quebram o estresse e ampliam a qualidade de vida. “Hoje, não temos tempo para nada; a vida é sempre uma correria. Vir a um evento empresarial e encontrar alguns momentos de relax e cultura é muito bom mesmo. Por isso, acho que os organizado-

Espaço cultural

25

SUPERE


Especial

Palestra Magna

res devem manter essas atividades sempre”, aconselha ela.

“A ACMinas está oferecendo uma organização de primeiro mundo.” Conselho aplaudido por Marisa Tavares, estudante de administração, que veio “apenas passear”, aconselhada por professores. Marisa se impressionou com a diversidade de estandes, achou ótimo “cruzar com pessoas como

apresentado no momento em que começaria a palestra do Maurício de Sousa, que eu queria acompanhar. Com isso, não pude ver toda a apresentação de músicas que me lembram tempos muito bons”, lamentou saudosista.

Espaços abertos ao mundo

Massagem no estande da Golden Cross

a Beth Pimenta, a quem admiro muito” e confessa que “aproveitou tudo o que estande da Golden Cross oferecia” (exames e massagens). “Eu ainda tenho muito a aprender antes de me formar, daqui a um ano e meio. Mas, com certeza, como profissional da área administrativa, não perderei nenhum SUPERE”, entusiasmase a futura empreendedora e/ou gestora. José Carlos Borges, gerente de vendas aposentado, também aprovou as atividades de relaxamento, mas gostou mesmo foi das atrações culturais. “Achei muito bonitas as danças e apresentações, pena que a banda que cantou “Os Beatles” tenha se

Por falar nesses momentos relax, é preciso ressaltar o sucesso de diversos estandes, como os da Associação Comercial, que ofereceu um espaço confortável para conversas e trocas entre empresários; o da Golden Cross que, com suas massagens e atividades de qualidade de vida, “bombou”, segundo a estudante Marisa; e também a charmosa sala de batepapo, disponível para que alguns sortudos do público conversassem com palestrantes, logo após as palestras.

tar o corpo e/ou a alma. Para quem preferiu “esticar as pernas”, havia estandes para todos os gostos e negócios. E como empresários não podem ficar desinformados ou “out”, no espaço da feira, terminais de computador, com acesso à internet, estavam disponíveis a qualquer participante durante todo o tempo do evento.

Palestras Magnas Nos dois dias do SUPERE 2008, houve três palestras magnas. As duas primeiras foram na abertura do evento, dia 29, às 20h, e trouxeram o maestro João Carlos Martins e o consultor norte-americano Blaine Lee para se apresentar. O maestro contou um pouco de sua história

“ Superação e sucesso nas palestras Magnas.” A praça de shows e a praça de alimentação também foram espaços muito visitados. Afinal, entre uma palestra e outra, não faltava disposição e conforto para alimenBlane Lee

26SUPERE


Especial

de vida, marcada por infortúnio e superação. Reconhecido internacionalmente como um dos maiores interpretes de Bach [o alemão Johann Sebastian Bach - músico e compositor do período Barroco da música erudita, notável organista] ao piano, João Carlos perdeu a mobilidade das mãos e precisou se “reinventar”. A palestra do maestro emocionou a platéia. Com a difícil tarefa de satisfazer a um público ainda maravilhado com a coragem e a força de João Carlos, Blaine Lee teve disposição para chamar todos à razão, abordando com clareza questões afetas à liderança. Com simpatia e conhecimento de causa, Lee mostrou que ser líder não é algo simples, mas pode ser compensador. Ele também deixou clara a importância da equipe e, sobretudo, de se saber liderá-la. Esclarecendo bem

nagens: “são sempre baseados em alguém de verdade”, alguém que faz parte da vida do artista, de familiares a amigos/vizinhos etc. Ao abordar os desafios da carreira e o sucesso, Maurício de Sousa disse que “não foi fácil”, completando que “nada na vida é muito fácil”. Mas uma característica que o teria ajudado foi a confiança que tinha em seu propósito de “criar personagens e narrativas de suas histórias”. Essa firmeza fez com que ele não desse muita atenção àqueles que tentavam dissuadi-lo, e continuasse insistindo. O resultado dessa determinação todos conhecem: sucesso em âmbito mundial.

Fórum empresarial Maurício de Sousa

o nome de sua palestra: “Grandes líderes, grandes equipes, grandes resultados”. No último dia, 30, a palestra Magna foi proferida pelo pai da Mônica, da Magali, do Cebolinha e do Cascão, entre outros. Aliás, falando em família grande, Maurício de Sousa se supera: na “vida real”, ele tem 10 filhos, e garante que Mônica, Magali e Maria Cebolinha, por exemplo, foram inspiradas nas próprias filhas. Essa, aliás, segundo Maurício, é uma característica própria dele na criação de perso-

O SUPERE 2008 não poderia deixar de aproveitar a oportunidade para reunir representantes do empreendedorismo. Com o propósito de ampliar ainda mais as trocas e também de debater o desenvolvimento mineiro, foi realizado o “Fórum Empresarial” – encontro que reuniu cerca de 100 empresários. Além dos empresários, o “Fórum” contou com a participação dos secretários de estado Gilman Viana Rodrigues (Agricultura); Raphael Guimarães Andrade (Desenvolvimento); Evaldo Ferreira Viana (adjunto de Ciência e Tecnologia), além do presidente do Conselho Regional de Economia de Minas, Wilson Benício Siqueira.

O foco central do encontro foi a crise, que teve início no EUA e se alastrou pelo mundo, e suas conseqüências para o Brasil. Entre outras questões, os empresários avaliaram a situação e ouviram palestras sobre formas de enfrentar

Fórum empresarial

a crise e também sobre a economia mineira neste momento delicado. O “Fórum” foi promovido pela

Fórum

“ O Fórum Empresarial reuniu cerca de 100 representantes do empeendedorismo.” Associação Comercial de Minas, em parceria com a Associação de Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil, que acaba de instalar sua Seção Minas.•

27

SUPERE


Entrevista

Exclusiva

Palestras Magnas Conheça um pouco melhor o olhar de dois empreendedores, dois mestres, dois visionários que marcaram a edição 2008 do SUPERE Dinorá Oliveira

João Carlos

Fotos: Dimmi Pinel

Na abertura do evento, dia 29, às 20h, o maestro João Carlos Gandra da Silva Martins emocionou a platéia com sua História de vida. João Carlos fez a abertura oficial do SUPERE 2008, narrando alguns dos percalços que enfrentou e que, com firmeza de propósitos, conseguiu superar. A palestra dele transmitiu a todos a idéia de que não há barreira intransponível para aqueles que, realmente, querem vencer.

O regente de emoções

Revista SUPERE: E como o maestro utiliza essa trajetória de vida nas palestras? Maestro João Carlos:

28SUPERE

Grande especialista e intérprete do músico alemão Johan Sebastian Bach, João Carlos Martins começou a estudar piano na infância. Desde o início, dedicava a maior parte do dia aos estudos musicais, venceu concursos, inclusive internacionais e, na juventude, foi aclamado mundialmente. Aos vinte anos, estreou no Carnegie Hall (uma das mais famosas salas de espetáculos dos Estados Unidos, localizada em Nova iorque). Seguiu estudando e se dedicando ao piano com paixão. Tocou em grandes orquestras norte-americanas e gravou a obra completa de Bach para piano. Veio, então, o primeiro golpe: em um acidente, num jogo de futebol em Nova Iorque, ele perdeu os movimentos da mão direita. Fez tratamento e recuperou os movimentos, mas novamente os perdeu devido a uma lesão nos nervos da mão. Nesse momento, quase desistiu, chegou a se afastar da música, a vender pianos, mas a paixão o chamou de volta. E, superando dores e dificuldades, achou uma forma de tocar novamente. Mas sofreu outro baque: durante um assalto, foi golpeado na cabeça e perdeu novamente os movimentos das mãos. Por várias vezes, teve de parar. Passou por vários tratamentos, por cirurgia, e insistiu em tocar, utilizando os dedos que podia em cada mão, com bastante dificuldade. Hoje, João Carlos coordena projetos sociais que visam levar música à periferia e a jovens infratores “a música para vencer o crime”, nas palavras dele. “Eu não me considero um palestrante. Apenas conto a minha História e percebo que as pessoas se inspiram com tudo o que

aconteceu em minha vida. Afinal, o meu trabalho é especificamente com as mãos e eu perdi justamente a mobilidade delas,

passei por tratamentos e cirurgias, toquei sentindo muita dor, mas insisti em ser músico. Hoje, costumo receber cerca de 70


Ajuda os jovens a ter um rumo, um propósito, eles aprendem a cooperar, a interagir.” R.S.: O SUPERE é evento empresarial. O que há em comum entre música e vida empresarial? Maestro: “Disciplina, dedicação, conquista de resultados e emoção. Assim como na música, na vida empresarial tam-

Blaine Lee

Logo após a palestra do maestro, o público pode compartilhar da experiência de mais de 30 anos de ensino, mentoring e coaching do norte-americano Blane Lee, um dos mais requisitados consultores da FranklinCovey Co. Especialista em comportamento organizacional, Lee ressaltou porque “Grandes líderes = Grandes equipes = Grandes resultados”. Revista SUPERE: O que Blaine Lee: “Liderança metas, envolvendo todos é ser um grande líder não é uma ‘posição’, mas os escalões, de forma que para Blaine Lee?

um papel que se execu- todos saibam o que está

Blaine Lee: “É ser como ta. Há quatro coisas que sendo feito e por que se

Entrevista

Bachianinha, de dez em dez dias, faz apresentações na periferia de São Paulo, regiões que nunca haviam tido acesso à música clássica. Nesses locais, descobrimos crianças que têm interesse em estudar música e algumas delas começam a estudar conosco. Acho que a música é um excelente mediador de conflitos.

bém existe emoção. Hoje, mais do que nunca, o empresariado precisa ter responsabilidades social e ambiental, e isso está diretamente ligado à emoção. Quando o empresário transmite uma mensagem, ou empreende uma ação influenciado pelo coração, ele consegue unir razão e emoção: isso é música”.

Fotos: Dimmi Pinel

emails por dia, geralmente de gente que se se diz incentivada ao conhecer essa minha insistência”. R. S.: Como é a história da música contra o crime? Maestro: “São projetos sociais através da música. Eu tenho duas orquestras: a Bachiana Filarmônica e a Bachiana Jovem (Bachianinha). A

O orquestrador de talentos

Mahatma Gandhi. Ele é o líder de sucesso deve está fazendo isso) e ter o maior líder da História conseguir fazer: inspirar capacidade de despertar lugares adequados”. Moderna: Gandhi nunca confiança; ter visão/foco potenciais (mostrar como R.S.: Qual é o maior teve posição político-par- sobre meta, futuro, razões fazer, investindo no cres- erro que líderes podem tidária; não ofereceu nada (ser capaz de mostrar aos cimento das pessoas). cometer? além de esperança, e as demais qual é o objetivo Ninguém age sozinho e Blaine Lee: “Achar que pessoas o seguiam com mais importante do tra- bom líder sabe disso. Ele ‘EU SOU O LÍDER’! Ou balho e como atingi-lo a precisa do time, mas pre- seja, assumir uma postura

prazer”. R.S.:

Que

caracte- despeito dos desafios); cisa também de ter dis- prepotente em razão do

rísticas fazem o líder fazer acontecer (ter pro- cernimento para colocar cargo ocupado. Não é o bem-sucedido?

jetos, alinhados com as as pessoas certas nos cargo que faz o líder”.•

29

SUPERE


Fotos: arquivo pessoal

Artigo Palestrante do Evento SUPERE 2008

Alberto Dell’Isola

Lembrando de tudo

que se lê

É inegável a importância de treinamentos in company.

de apenas 5 minutos para “reativar” o

Existem pesquisas e mais pesquisas mostrando o quanto eles

mesmo material, elevando a curva para

aumentam a lucratividade e a saúde mental dos funcionários.

100% mais uma vez. Ao final de 30 dias,

No entanto, não é incomum que, poucos dias depois do treina-

você precisará de apenas de 2 a 4 minu-

mento, funcionários e empresários se esqueçam daquilo que foi

tos para obter novamente os 100% da

ensinado. Como criar gatilhos de memória fortes o suficiente para

curva de aprendizagem.

todo esse treinamento não ser em vão? Como memorizar tudo aquilo que se lê? Para responder a essa pergunta, é importante descrevermos como funciona o esquecimento. Logo após assistir a uma palestra ou ler um livro, o empresário sabe algo próximo de 0% do assunto ensinado. Mas, ao final da palestra, ele saberá 100% do assunto ensinado (ao menos saberá o máximo que tem condições de aprender, dado o conhecimento prévio sobre o assunto). Assim, após a palestra, a curva do entendimento chega a seu ponto máximo. No segundo dia, se o empresário não tiver feito qualquer revisão do assunto (ler, pensar sobre ele, discutir sobre os tópi-

Alguns empresários dizem não ter tempo para esse tipo de revisão. No entan-

“É preciso criar códigos (gatilhos de memória) que lhe remetam ao assunto estudado”

cos aprendidos...) ele provavelmente se esquecerá de 50%, 80%

to, nada justifica essa alegação, visto que

daquilo que foi aprendido. Perceba que nos esquecemos mais

o maior ganho com as revisões se refere

nas primeiras 24 horas após a aquisição do que ao longo de 30

principalmente ao tempo. Se ao longo

dias. Desse modo, ao final dos 30 dias, restarão apenas 2% ou

dos 30 dias os empresários e funcionários

3% de toda informação adquirida no primeiro dia. Assim, ao final

não fizerem qualquer tipo de revisão, eles

dos 30 dias, você terá a impressão de que nunca ouviu falar do

precisarão de mais 50 minutos de estudo

assunto estudado, precisando estudar tudo desde o inicio.

para cada hora de treinamento in company

No entanto, é possível que mudemos essa realidade. Nossos

– prejuízo de tempo e dinheiro. Dado o ine-

cérebros constantemente gravam informações de maneira tem-

vitável acúmulo de leituras, provavelmente

porária: conversas no corredor da faculdade, a roupa que você

o empresário ou funcionário dispensará

estava usando no dia anterior, o nome de amigos apresentados

muito mais tempo do que se tivesse sim-

em uma reunião, a música que acabou de tocar no rádio... No

plesmente feito um bom calendário de revi-

entanto, se você não criar códigos de memória importantes (gati-

sões. Além disso, como todos sabem, a

Alberto Dell’Lsola

lhos que lhe remetam ao assunto lido ou estudado), toda essa

memória não costuma trabalhar bem com

é autor de três livros

informação será descartada. A cada revisão, você cria novos

sobrecarga e pouco tempo disponível.

“Super-memória:

códigos de memória, fixando a informação cada vez mais.

você também

É claro que não existem regras rígi-

Uma fórmula interessante de revisão seria a seguinte: para

das sobre as revisões, já que essa rigidez

pode ter uma”,

cada hora de leitura, faça uma revisão de 10 minutos. Observe

esbarra em outras variáveis, como diferen-

“Super-memória

que essa revisão deve ser feita nas primeiras 24 horas após a

ças individuais e densidade do material a

para concursos”

aquisição – período em que ocorre maior parte do esquecimento.

ser estudado. No entanto, é preciso que

e “Leitura dinâmica

Essa revisão será o suficiente para “segurar” em sua memória

você estabeleça um sistema eficiente de

para concursos”.

toda a informação aprendida em sala de aula. Uma semana

revisões, caso realmente queira ser cada

depois (dia 7), para cada hora de aula expositiva, você precisará

vez mais bem sucedido.•

30SUPERE


O Caminho para o Sucesso em Vendas

Artigo

Fotos: arquivo pessoal

Allynson Lymer

1. Resgate seus Sonhos... E estabeleça Objetivos: Não são raras as citações de especialistas, no mundo todo, sobre a importância de resgatar nossos sonhos. O verdadeiro combustível para nossa jornada, que nos dará a força necessária para conseguir superar nossos obstáculos e desafios. Agora, de nada adianta apenas sonhar! É preciso realizar. Atingir objetivos é uma questão de programação mental. Lembre-se de que os objetivos devem possuir as seguintes características: positivos, datados (por escrito!), mensuráveis, específicos e realizáveis. 2. Seja expert em seu produto, empresa e concorrência: Existe coisa pior do que um vendedor que não entende de seu produto e empresa? Hoje, não é mais questão de diferencial, e sim de sobrevivência. Portanto, dedique-se muito a conhecer todos os detalhes de seu produto/serviço, sua empresa e também sua concorrência. E, em vez de criticar, modele-os nos que são bons! 3. Identifique seu nicho de mercado e foco nele: Ao longo dos anos de minha carreira em vendas, e também com empresários e empreendedores em geral, venho aprendendo o poder do foco. Amigo vendedor, aprenda esta lição: “Foco é força, distração é destruição”. 4. Invista imediatamente em seu Marketing Pessoal: pesquisas recentes mostram que a primeira impressão é tão importante quanto formação ou experiência profissional. E são apenas dois segundos para que a primeira impressão seja formada. Portanto, capriche no visual sem exagerar; mantenha o asseio; um bom hálito e as mãos sem suor. Ah... Investir no Português é também marketing pessoal. 5. Aprenda que vender é uma questão de números: quer aumentar suas vendas? Ótimo, aumente o número de contatos e visitas. O próximo passo? Aumente sua

taxa de reversão (de cada 10 apresentações, quantas você efetivamente fecha?). Para isso registre tudo: visitas, informações, métricas... Faça sua lição de casa, veja onde precisa melhorar, e ação! 6. Entenda seu cliente... Entendendo de gente: um bom vendedor gosta de pessoas, entende que as necessidades do cliente estão em primeiro lugar, é hábil em comunicar e principalmente, em ouvir. Pergunte, pergunte, pergunte. O foco é o cliente antes da venda! 7. Estabeleça acompanhamento constante (follow up): Você sabia que, de acordo com uma recente pesquisa, foi constatado que mais de 80% das vendas acontece após o quinto contato? E que mais de 90% dos vendedores desistem no primeiro contato? Mas, por favor, encontre maneiras que agreguem valor ao seu cliente, com assuntos de seu interesse, criatividade e elegância, para não se tornar chato. 8. Aprimore-se sempre e desenvolva sua Inteligência Emocional: pesquisas revelam: vendedores com capacidade de gestão das emoções são mais valiosos para as empresas, conseguindo inspirar melhor seus clientes, levando-os a comprar mais. Quantos livros você leu nos últimos 12 meses? Qual foi o último curso de vendas do qual você participou? E palestra? Você lida bem com suas emoções, momentos de estresse e adversidades? O mundo está mudando, e você? 9. Fortaleça seu espírito: ore, medite, agradeça! Não estamos falando sobre religião e sim sobre espiritualidade. O ser humano é corpo, mente e espírito. Se um deles não estiver bem, afeta todo o resto. O espírito, seja lá qual for sua crença religiosa, é o que vai dar suporte para que você possa enfrentar seu maior inimigo: você mesmo! Além disso, conheço uma porção de gente com muito dinheiro e infeliz (você também deve conhecer). O que será que falta para essas pessoas serem felizes? Pense bem! Ah... E agradeça tudo o que você tem. Esse ato é o sinal verde para o universo te dar mais! 10. Adquira uma convicção inabalável: se eu tivesse que escolher apenas um desses passos, escolheria este, sem dúvidas. A convicção, a certeza, a fé inabalável, de alguém que crê infalivelmente que conseguirá alguma coisa em sua vida, tem o poder vai atingir tal objetivo? A maioria das pessoas não faria isto e está ai a diferença entre sucesso e fracasso. Obter o sucesso em vendas (ou na vida) não é um passeio pelo parque. Requer dedicação, coragem, preparo constante, muita atitude e a convicção inabalável de que você vai conquistar. Você precisa acreditar piamente que conseguirá e que merece! Portanto, mãos a obra e ótimas vendas!•

Palestrante do Evento SUPERE 2008

Há modelos de sucesso baseados na estrutura dos pensamentos, habilidades, comportamentos e atitudes dos principais e melhores vendedores do mundo. Seguir esses passos pode tornar seu caminho para o sucesso em vendas mais seguro, rápido e garantido!

Allynson Lymer é Palestrante e Treinador Comportamental em Vendas, Trainer e Master Practitioner em PNL com 14 anos de vivência na área comercial. site: www .tecnicasdevendas. com.br

31

SUPERE


Eficiência e eficácia

1) Eficiência é: fazer certo; o meio para se atingir um resultado; é a

Palestrante do Evento SUPERE 2008

atividade, ou, aquilo que se faz.

Bernardo Leite Moreira é psicólogo com pós-graduação em Administração de Empresas, atua em consultoria desde 1980. Professor em nível de Pós-Graduação em diversas universidades

32SUPERE

Fotos: arquivo pessoal

Artigo

Bernardo Leite Moreira

2) Eficácia é: a coisa certa; o resultado; o objetivo: aquilo para que se faz, isto é, a sua Missão! Esses são dois conceitos muitos antigos, mas implacavelmente atuais. Principalmente nos dias de hoje. Não compreendê-los ou, o que é muito pior, confundi-los provoca, sem dúvida, grandes danos à performance e aos resultados. As diferenças entre esses dois conceitos podem até parecer sutis, mas realmente são extremamente importantes. Peter Drucker, que dispensa apresentações, é enfático em afirmar: eficiência é fazer certo as coisas, eficácia são as coisas certas. E complementa: o resultado depende de “fazer certo as coisas certas”. Permita-me apresentar cada um desses conceitos com alguns detalhes a mais: Eficiência é: fazer certo; é o meio para se atingir um resultado; é a atividade, ou, aquilo que se faz. Eficácia é: a coisa certa; é o resultado; o objetivo: é aquilo para que se faz, isto é, a sua Missão. Considerando-se o exposto, vamos checar algumas percepções organizacionais muito naturais e... erradas! Iniciando: qual é a Missão da área de Treinamento? A resposta natural poderia ser: treinar pessoas; reciclar; desenvolver ou algo parecido. Certo? Não, errado! Percebam que as respostas estão representadas por verbos e se dirigem à ação. Portanto, referem-se àquilo que se faz, ou à atividade, ou o MEIO para se atingir o resultado. Esse resultado, ou a chamada Missão poderia ser consignado como: PESSOAS APTAS às necessidades da organização! Esse é o objetivo. A área de treinamento treina, ou desenvolve suas atividades para alcançar esse resultado. Porém, na prática, utiliza-se, com freqüência, o indicador de “homens/horas/treinamento” para medir o resultado de treinamento, quando se está medindo, apenas, o seu esforço. Ou seja, a sua eficiência no desenvolvimento da ação, mas não a sua eficácia. Afinal, qual foi o resultado desse esforço em treinamento? Para ficar mais claro, vamos a outro exemplo: qual é a Missão da área de manutenção de ar condicionado? Mais uma vez, a resposta natural seria: consertar ar condicionado, que é uma resposta também errada. Consertar ar condicionado é o que a área de manutenção faz para alcançar a sua Missão que é:

Ar condicionado funcionando! O que isso quer dizer? Quer dizer que se provoca um grande desvio na qualidade da contribuição das pessoas, fortalecendose a atividade muitas vezes distanciada do objetivo. Freqüentemente, a área de manutenção de ar condicionado é medida pelo tempo que gasta consertando ar condicionado, quando deveria ser medida pelo tempo que não gasta consertando. Ou seja, pelo tempo de funcionamento do equipamento. Essa é a medida da sua eficácia. Percebam, então, o enorme dano que essa situação causa nos resultados individuais e globais das organizações. Ao se privilegiar as medidas que acompanham o esforço da realização, pode-se perder a relação com o resultado desse esforço. Em nome disso, muitas realizações, dentro das organizações, são o que costumamos chamar de “olhar o próprio umbigo”, perdendo-se a avaliação do nível de agregação de valor aos objetivos da organização. E o que conta, cada vez mais, é exatamente o nível de agregação de valor de cada profissional, de cada departamento, de cada organização. Para isso, é fundamental se trabalhar com indicadores! E esse viés, infelizmente, ocorre em diversas áreas das empresas, provocando um enorme desvio nos resultados e na agregação de valor dessas áreas, e das pessoas que se esforçam para atender as expectativas para o desenvolvimento dos negócios. Preciso reforçar que essa preocupação é função indelegável dos níveis de chefia das empresas! Apenas como lembrete: novos conceitos são importantes para a modernização e o desenvolvimento dos negócios, mas de nada adiantam se não praticamos (ou entendemos) nem sequer os antigos. Até mais.•


O Medo é o Maior Ladrão de

O ser humano possui duas escolhas na vida: ficar onde está, sem evoluir um único centímetro, ou ir em busca de suas conquistas e alcançar objetivos pessoais e profissionais. Para alguns, isso é chamado “livre arbítrio”, para outros “arregaçar as mangas e correr contra o tempo”. Não importa que denominação receba a força que move as pessoas. A motivação é algo que se alimenta do interior de cada indivíduo, e cabe a cada um fazer o seu papel. O momento para começar a fazer a coisa certa é agora. Não se permita ficar paralisado pela indecisão. Chega uma hora em que é necessário agir. Certa vez ouvi a seguinte frase: “A vida é composta

Warren Buffet, atualmente o homem mais rico do mundo, disse certa vez: “Tenho um amigo que esperou vinte anos para encontrar a mulher certa... O dia que ele a encontrou, ela não o quis porque ela também estava esperando vinte anos para encontrar o homem certo, e não era ele”. Se você fica em dúvida muito tempo, ela irá aumentar e se transformar em medo. Sim, você pode tropeçar. Sim, você pode ser rejeitado. Sim, você pode falhar. Isso é a vida! Os vitoriosos aceitam que, durante suas tentativas, eles podem ter de fazer ajustes e de começar novamente. A isso, nós damos o nome de planejamento. Existe um oceano entre o saber e o fazer. O sucesso é de quem faz. Inteligente não é quem sabe tudo... É quem aplica aquilo que sabe. Quem ficar esperando para ver o que vai acontecer será simplesmente atropelado... Não vai dar nem tempo de saber se foi atropelado por uma carreta ou por uma locomotiva. Conhecimento destrói incertezas. Conhecimento com motivação constrói resultados. A pergunta que se faz é: como trabalhar a motivação nas empresas? Em primeiro lugar, perceber que se trabalha com pessoas e elas são, na sua essência, muito diferentes. O que fazer? Saber aceitar as diferenças individuais e ao mesmo tempo trabalhar o potencial de cada um. Em segundo lugar, reconhecer o que a maioria das lideranças no mundo reconhece. Isto é, entender que o grande desafio para se atingir metas e objetivos passa por uma equipe motivada. Não se pode construir uma empresa 100% em excelência e resultados com uma equipe 50% em comprometimento com metas, qualidade, ou na aceitação dos desafios. A melhor receita para “perder mercados e oportunidades” é: fazer as mesmas coisas do mesmo jeito, sempre. A regra única que constrói os melhores resultados na vida de todo bom profissional é: Surpreender. Sim, surpreender o mercado. Surpreender no trabalho, na iniciativa, nas ações. Nada será mais importante que isso. Tem um ditado que diz: “Quem não arrisca, não petisca”. Ou seja, o medo é o maior ladrão de oportunidades. São idéias que nascem do nada para o estrelato! Pense nisso, um forte abraço!•

Palestrante do Evento SUPERE 2008

Oportunidades!

“ A regra única que constrói os melhores resultados na vida de todo bom profissional é: surpreender” por novos ricos que são ex-pobres e novos pobres que são ex-ricos”. O dinheiro não acaba, apenas muda de mão. Percebi que os personagens mudam... A história continua a mesma. Ou seja, muitos naufragaram, outros emergiram. E continua prevalecendo a idéia de inovar ou morrer. As empresas possuem uma importante parcela de colaboração para motivar suas equipes. A questão em si não é o quanto investir, mas que ações realmente fazem os indivíduos se sentirem parte da realidade corporativa e não apenas meros espectadores. As grandes transformações continuam acontecendo numa velocidade cada vez maior, mesmo porque, os caminhos que nos trouxeram até hoje não serão os mesmos que nos levarão ao futuro.

Artigo

Fotos: arquivo pessoal

Gilclér Regina

Gilcler Regina Palestrante de sucesso, escritor de vários livros, entre eles os best sellers “No Topo do Mundo” e “Idéias que nascem do nada para o Estrelato”. Já realizou mais de 1500 palestras. Tem clientes como General Motors, ZF do Brasil, ABAD, ABIN, Beauty Color, Pernod Ricard, Basf, Avon, Bacardi, Souza Cruz. Tem experiência internacional com palestras no Japão, Estados Unidos, Alemanha, Espanha, Portugal e outros países. site: www.ceag.com.br ceag@ceag.com.br

33

SUPERE


Fotos: arquivo pessoal

Artigo Palestrante do Evento SUPERE 2008

Jerônimo Mendes

A incrível arte de

Empreender Conheço inúmeros candidatos a empreendedores, ou mesmo empreendedores bem-sucedidos no mundo dos negócios, mas a realidade é cruel. A maioria apostou todas as fichas em negócios por conta própria e, em questão de meses, perdeu o pouco que conseguiu amealhar durante uma vida inteira de trabalho. Empreendedorismo é uma palavra bonita, não se pode negar. Mas aplicá-la no sentido literal requer muito mais do que força de vontade e capital. No Brasil, a palavra ainda se assemelha mais com trabalhar por conta própria do que com empreender por vontade própria, inovar ou ser criativo, conceber algo diferente, olhar uma demanda oculta no mercado com olhos de quem já percebeu uma maneira diferente de oferecer um novo produto ou serviço. Quem não sonha em, um dia, ser dono do próprio nariz? Quantos passam boa parte da vida arquitetando planos mirabolantes que nunca saem do papel? Somos filhos da geração diploma, acostumada, desde pequena, a direcionar esforços para a conquista de um título em qualquer profissão. Nem nos perguntaram se realmente queríamos fazer o curso que nos indicaram, o importante era obter o diploma. Gostar se aprende com o tempo, diziam os mais experientes. Infelizmente, as escolas do século passado não se preocuparam com duas premissas muito importantes no mundo do empreendedorismo: lidar com dinheiro e lidar com gente. Ou seja, saber conviver com o excesso ou a falta de dinheiro e saber se relacionar com pessoas. Habilidades não faltam a nenhum indivíduo na face da Terra. Todos são munidos de algum dom especial, que pode ser estimulado de alguma forma, ou ficar adormecido sem nunca ter sido descoberto. O mundo está recheado de exemplos de grandes empreendedores que dedicaram a vida a uma causa nobre, a serviço da humanidade. Esse é apenas um dos segredos do empreendedor de verdade. Ser útil e criativo significa contribuir para um mundo melhor, assim como fizeram Edison, Einstein, Graham Bell e milhares de outros empreendedores. Empreender significa criar valor, inovar, conceber algo inesquecível, útil, digno de louvor e apreciação, o que, em geral, é retribuído pela natureza com valor monetário e reconhecimento. O empreendedorismo não pode ser visto apenas como

“Todos são munidos de algum dom especial, que pode ser estimulado de alguma forma, ou ficar adormecido sem nunca ter sido descoberto”

Jerônimo Mendes Administrador, Escritor e Palestrante Mestre em Organizações e Desenvolvimento Local Site: www.jeronimos.com.br

34SUPERE

uma ciência que transforma bens e serviços em dinheiro. Mas deve, principalmente, ser avaliado pelo sentido de realização provocado nas pessoas que arriscam tudo em busca de uma vida melhor para si e para o mundo ao seu redor. Imagine-se capaz de criar soluções, ter idéias próprias, empregar apenas duas, ou então milhares de pessoas, dar sentido à vida por alguma razão específica, deixar um legado, uma história de fracassos seguida de sucessos. Isso é empreendedorismo, na prática, o verdadeiro sentido da realização. O Brasil é uma terra de oportunidades. Fico triste quando as pessoas vêm argumentar comigo que o País não tem jeito e que, por essa razão, estão indo embora para outros países em busca de uma vida melhor. Isso é lamentável. Somos imediatistas, falta-nos a paciência do japonês que sabe a hora de plantar, regar e colher, tudo a seu tempo. Enquanto milhares deixam o Brasil, outros milhares procuram o país pelos mesmos motivos. O que muda é a percepção com relação ao ambiente. Empreender é algo que transcende a lógica do mercado. Quem não conhece algum empreendedor que, contrariando todos os prognósticos, se deu bem na vida por ter reunido qualidades não ensinadas nas escolas? Persistência, foco e relacionamento interpessoal são características imprescindíveis para quem quer vencer como patrão, e isso somente o tempo é capaz de ensinar. Lamentar durante uma vida toda, sem ter coragem de tentar algo novo, é uma atitude inaceitável. Por essas e outras razões “a maioria das pessoas prefere a escravidão na segurança, ao risco na independência”, segundo Emmanuel Mouniere. Pense nisso, acredite na sua vocação, planeje, crie a sua própria visão e missão e seja o “dono do seu próprio nariz.”•


COMPETÊNCIAS das empresas no século XXII

“Nosso sistema de Educação não contempla o ensino da matéria finanças pessoais” Você já parou para pensar em quantas vezes durante sua infância ouviu mentiras do tipo: dinheiro é sujo, o dinheiro é a raiz de todo o mal, quem é rico não vai para o céu, etc?! Porém, de todos esses atentados contra o futuro financeiro das pessoas, o que

mais me choca é a idéia de que dinheiro não traz felicidade. Ora, existe pobre infeliz e rico infeliz. Existe pobre feliz e rico feliz. Então, que tal ser um rico feliz? Posso lhe garantir quem entre viver sem dinheiro – ou com pouco dinheiro – e viver com dinheiro no bolso, a segunda opção é muito mais agradável. Se alguém lhe disser que dinheiro não é impor-

Palestrante do Evento SUPERE 2008

Querido (a) amigo (a), Durante toda a sua vida, ninguém lhe disse que era possível ter uma vida financeira próspera e abundante, muito pelo contrário, as pessoas lhe incentivaram – ainda que involuntariamente - a não ter dinheiro. Houve uma verdadeira campanha emocional contra o seu futuro financeiro. E para complicar ainda mais, nosso sistema de educação não contempla o ensino da matéria finanças pessoais. Na sua casa, você não ouviu falar de guardar dinheiro, não ouviu sobre isso na escola, não lhe falaram sobre ter mais dinheiro na universidade e também não falam sobre isso nas empresas. Por sorte, nós e outros profissionais da área, temos despertado a atenção das empresas, escolas e universidades, e já se ouve falar desta necessidade em vários lugares. Mais ainda é muito pouco, em um país onde 76% das pessoas têm dívidas, segundo várias pesquisas.

“Você já parou para pensar em quanto dinheiro já passou por suas mãos até hoje? Quanto dele você conseguiu guardar?” tante em sua vida, provavelmente essa pessoa mente sobre muitas outras coisas também. As crenças negativas sobre ter dinheiro, e a falta de educação financeira das pessoas são dois dos causadores da grande diferença econômica entre uma ínfima minoria - que realmente tem dinheiro no País -; e a absoluta maioria - que vive assistindo ao salário acabar bem antes do fim do mês. E não pense que estamos falando apenas de quem ganha pouco, não, na verdade, quem ganha bem também tem seus problemas financeiros. Escuto, com muita freqüência, gerentes, executivos e até diretores de empresas dizerem que quanto mais ganham, mais gastam, e não conseguem guardar dinheiro mesmo ganhando muito bem. Robert T. Kiyosaki diz em seu livro “Pai Rico Pai Pobre” que não importa quanto você ganha, e sim, quanto você guarda. A boa nova é que o País já tem mais de 140 mil milionários e, seguramente, você pode ser um deles, basta começar a trabalhar para isso. Em nosso site, você encontrará bom material a esse respeito para download. O objetivo deste texto é provocar, em você, uma reflexão sobre o assunto, e termino lhe perguntando: você já parou para pensar em quanto dinheiro já passou por suas mãos até hoje? Quanto dele você conseguiu guardar?•

Artigo

Fotos: arquivo pessoal

Junior Portare

Junior Portare conferencista, empresário, professor e palestrante site: www.juniorportare. com.br

35

SUPERE


Karol Meyer conferencista e consultora sobre Criatividade e Inovação. www.karolmeyer.com palestras@karolmeyer.com

36SUPERE

Fotos: arquivo pessoal

Artigo Palestrante do Evento SUPERE 2008

Karol Meyer

Mergulhando no

Sucesso Karol Meyer é considerada, internacionalmente, uma das maiores atletas do mergulho livre da História do esporte. Alcançou diversas façanhas, entre elas a de permanecer 7minutos e 18 segundos submersa e mergulhar a 91metros de profundidade. Fora da água, além de palestrante, é instrutora de mergulho e de Yoga, formada em Direito pela UFSC, pós-graduada na Escola da Magistratura do Tribunal de Justiça de SC e em Direito Empresarial. Desde pequena tive grande atração pelo mar... E foi desse mar, das experiências que adquiri ao longo de minha carreira como atleta de mergulho em apnéia (somente com o ar dos pulmões), que pude, literalmente, mergulhar no verdadeiro “sucesso”. Os recordes ficam registrados, têm o seu significado. Porém nada se equipara à jornada, à experiência adquirida através dos momentos bons e ruins, do autoconhecimento. Na busca por me tornar a melhor mergulhadora do mundo, eu percebi que para o ser, eu precisaria, necessariamente, de ser a melhor Karol para eu mesma, dentro e fora da água. Sem querer, na busca por melhores performances, eu me vi envolvida por atividades que deram uma guinada em minha vida, entre elas a prática do Yoga. Acredito que nosso maior desafio seja a conquista de um campo de pura potencialidade, rico em criatividade, auto-estima, produtividade, inteligência e saúde. Uma vida mais liberta e feliz, sem insatisfações, sem medos fictícios, sem angústias, sem viver do passado, ou tentando prever o futuro, mantendo-se aberto e consciente. Na busca desenfreada por ser o melhor, pelo “sucesso” momentâneo e parcial, muitas vezes, esquecemos do todo, de nós mesmos, vivemos com míseros 5% de nosso potencial. Eu sempre fui uma pessoa exagerada em tudo o que fazia, não vivia em sintonia com a minha natureza, um desequilíbrio de tal forma que, por várias vezes, custou minha saúde. De um lado, temos a sociedade, impondo regras de competição, metas, concorrência. Mas, do outro lado, temos a íntima necessidade de sermos naturais, de resgatar aquela criança que vive lá dentro de nós. Que vive sem medo, que sorri em paz, que observa sem julgamentos, que tenta, que aceita. É preciso gerar “sattwa guna” que, no Yoga, significa: equilíbrio corpo, mente e espírito. Sem competição, sem concorrência, com o objetivo único de evolução, de sua pura potencialidade, porque “somos todos o melhor”. É viver constantemente em estado de união, de cooperação. Por isto, costumo dizer, àqueles que me questionam como eu consigo ficar mais de sete minutos sem respirar, que: “Eu não

mergulho com o pulmão, eu mergulho com meu coração.” Quando estou bem, em equilíbrio, sinto o peito aberto, o coração expandido, uma energia imensa que extrapola o físico, eu simplesmente consigo respirar melhor e alcançar meus objetivos com maior facilidade. No último Supere2008, além da honra de compor o banco de palestrantes, pude apreciar os colegas, entre eles o ilustre maestro e pianista João Carlos Martins, que encerrou a sua palestra afirmando: “É preciso ter a disciplina de uma atleta e a alma de um músico”. Naquele exato momento, veio em minha mente a resposta do meu treinador a uma indagação que eu lhe fizera: o que era necessário para conseguir descer à grandes profundidades? E ele simplesmente me disse: “Ton sprit doit vaguer sur les océans, comme celui des autres hommes sur la musique” (Teu espírito deverá vagar pelos oceanos, como o espírito dos homens sobre a música”). Mergulhar no sucesso é mergulhar na vida, focar no seu verdadeiro propósito; é ouvir a voz do coração, da intuição; é compreender que somos responsáveis pelos nossos atos, porém não podemos controlar os resultados de nossas ações; é compreender e aceitar a lei maior da natureza, vivendo sem medo, sem préjulgamentos, sem compulsão para controlar, sem dependência para ser aprovado ou para dominar, como se vivessemos presos num mundo hostil; é afogar o ego e a turbulência mental e se deixar levar pelas águas do oceano, com competência, trabalho e atitude pró-ativa.•


Como fazer

Artigo

Fotos: arquivo pessoal

Marcelo Caetano

minha equipe deixar de dar descontos

“Somente treinamento não adianta. Ele deve vir como um ajuste no foco da remuneração do vendedor. Isso significa ter uma comissão participativa” Se você parar para pensar seriamente no assunto, notará que passa boa parte do seu tempo negociando com sua própria equipe, e o pior, fazendo papel de vilão. Afinal, todos nós sabemos que quanto mais desconto você dá, mais eles pedem. Isso vale tanto para os clientes quanto para a equipe. Precisamos sair dessa situação. Para isso, temos um caminho: treinamento e um ajuste nos modelos de remuneração. Os treinamentos, você já sabe, têm a função de conscientizar a equipe do valor do produto ou serviço vendido: ensinar a fazer uma proposta de valor; ouvir os clientes para vender uma solução (e não apenas preço); relacionar-se com o cliente. Afinal, para quem não se relaciona, toda venda é uma cotação de preços. Entretanto, somente treinamento não adianta. Ele deve vir como um ajuste no foco da remuneração do vendedor. Isso significa ter uma comissão participativa. Resumindo: quanto mais desconto você der, menor será sua comissão. Garanto para você, essa decisão, ainda que possa

ser complexa de tomar em um primeiro momento, vai resolver o problema de ter o tempo todo a equipe negociando com você. Veja esse exemplo prático: se o preço do produto é R$100, a comissão é de 5% e o produto tem uma margem de lucro de 20% - se o vendedor der 5% de desconto, sua comissão será automaticamente reduzida para 2,5%. Cada empresa deve criar seu próprio cálculo, de acordo com suas necessidades. Isso significa que você abrirá mão do seu lucro, e o vendedor de sua comissão. Assim acabará aquela conversa: “se eu der 4% de desconto para esse cliente venderei pelo menos 30% mais”. A partir do momento que você implantar esse modelo, ele realmente poderá negociar, se acreditar, no resultado de longo prazo. Nos sistemas antigos, só a empresa apostava. Agora, é a hora do vendedor. Por isso, a importância de aliar esse trabalho com treinamento de forma complementar, a fim de alertar quanto aos riscos do excesso de descontos, e ensinar a vender valor. Outra vantagem é que você incentivará o empreendedorismo da sua equipe de vendas, porque eles tomarão as decisões baseadas em perspectivas futuras, e serão forçados a fazer contas para isso.

Palestrante do Evento SUPERE 2008

Líder, pense como anda a produtividade do seu dia-a-dia. Dos vários telefonemas que você recebe, grande parte é de membros da sua equipe de vendas pedindo descontos.

“Com muito treinamento, e um novo sistema de remuneração, sua equipe de vendas e seu processo de liderança entrarão em um novo momento” Essa nova ordem se contrapõe diretamente ao, já arcaico, sistema de remuneração por volume de vendas. Atenção! Cuidado com a armadilha em que algumas empresas estão entrando, dizendo para os vendedores que, caso vendam com preço acima da tabela, sua comissão também será aumentada. Com muito treinamento, e um novo sistema de remuneração, sua equipe de vendas e seu processo de liderança entrarão em um novo momento. Dentro dessa nova realidade, você, líder, também terá que abrir mão daquele desconto que sempre guardou na manga, e alguns utilizam como forma de poder. Caso contrário, estará incentivando a volta do velho modelo. Se você puder abrir, com transparência, os números, como margem de lucro e etc., no momento da implantação da nova remuneração, tenho certeza que reforçará muito o seu discurso. Assim, a transparência dará lugar às enfadonhas negociações internas por mais descontos.•

Marcelo Caetano é sócio-diretor dos Eventos VendaMais, autor do Livro “Vendedor Fiel Cliente Fiel” e desenvolve treinamentos in company desde 1998.

37

SUPERE


Comprometimento

Palestrante do Evento SUPERE 2008

“ Somos uma empresa de facção com mais de 100 colabo-

Prof. Osmar Coutinho conferencista e palestrante site: www.osmarcoutinho. com.br

38SUPERE

Fotos: arquivo pessoal

Artigo

Prof. Osmar Coutinho

radores divididos entre os vários setores e trabalhamos para várias lojas espalhadas pelo Brasil. Se um colaborador da linha de produção falhar no processo da costura, ou do acabamento, teremos prejuízos, pois, logo, o setor de Controle de Qualidade fará as peças voltarem, para o devido conserto ou acabamento final, gerando, assim, prejuízo de tempo e até de dinheiro. Já tivemos diversas reuniões, mas sentimos que a falta de comprometimento é clara, e sempre atrapalha o resultado final. As costureiras se defendem, dizendo sempre que fazem a sua parte corretamente e que o problema é de outro setor.” No caso narrado acima, perguntariam: Prof. Osmar Coutinho, como agir nesse caso, o que devo fazer? Meu caro amigo, esse problema é muito comum nas empresas, porém existe solução. Vou contar uma história, a qual lhe fará compreender que, sem o comprometimento e todos, o resultado poderá ser fatal, tanto para a empresa quanto para cada costureira em questão. “O réu estava sendo julgado por assassinato. Havia fortes evidências sobre a sua culpa, mas o corpo da vítima ainda não havia sido localizado. Sem muita esperança, o advogado, em comum acordo com o seu cliente: o réu, resolve arriscar uma última estratégia desesperadora. - Tenho uma surpresa! Dentro de um minuto, a vítima presumidamente assassinada entrará neste tribunal andando e nos relatará o mal entendido ocorrido. E olha para porta principal. Os jurados, e o juiz inclusive, surpresos, repetem o mesmo gesto. Findado o prazo, o advogado comenta: - Realmente, ninguém entrou. No entanto, por vossas expectativas, concluímos que o júri não tem certeza plena, ou alguma, de que o réu é mesmo o culpado. Se não há corpo, não há assassinato. Os jurados, aconselhados pelo juiz, retiram-se para a decisão final. E vem o veredicto: culpado. - Culpado? Mas como? – pergunta o advogado. - Vocês estavam em dúvida. Eu vi todos olharem para a porta principal! E o juiz, antes de decretar a sentença, completa: é verdade, todos nós olhamos para a porta principal, menos o seu cliente: o réu”.

Conclusão Não adianta simplesmente se envolver no processo, é preciso se comprometer com o resultado final. Não teremos sempre, em nossa vida profissional, um setor de “Controle de Qualidade” que nos ajudará a descobrir nossas falhas e a salvar a situação a tempo.

“Imaginem se a empresa fosse um barco com todos dentro e, de repente, surgisse um buraco, fazendo com que esse barco começasse a afundar. Nessa hora, não importa em qual lado ou setor o buraco se encontra, a água está entrando e é preciso fazer algo urgentemente” Todos os colaboradores são responsáveis por tudo, independentemente de quem falhou no processo. Imaginem se a empresa fosse um barco com todos dentro e, de repente, surgisse um buraco, fazendo com que esse barco começasse a afundar. Nessa hora, não importa em qual lado ou setor o buraco se encontra, a água está entrando e é preciso fazer algo urgentemente. Ou consertamos o buraco, independentemente de quem o causou ou descobriu, ou deixamos o barco afundar e, conseqüentemente, todos morreremos. Somos responsáveis pelo que fazemos e principalmente pelo que deixamos de fazer.•


Artigo

Fotos: arquivo pessoal

Paulo Kretly

PRODUTIVIDADE Você quer ser mais produtivo? Mais eficiente? Para melhorar sua performance, é preciso ter em mente que produtividade está associada à mensuração de tempo. O melhor caminho para chegar lá é saber priorizar, organizar e desempenhar. Um dos problemas de hoje é a falta de tempo, ou melhor, a idéia de que devemos fazer tudo. De acordo com Stephen Covey, autor do livro Os 7 Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes, é preciso saber dizer sim e não. Devemos dizer não para aquelas coisas que não são prioritárias e dizer um sim contundente para aquilo que é realmente importante. Passamos a maior parte do tempo resolvendo questões urgentes. Para evitar esse comportamento, que não é produtivo, é preciso selecionar as ações. Os líderes eficazes sabem focar nos assuntos prioritários e realmente importantes, mas não necessariamente urgentes. Para agir dessa maneira é preciso ter iniciativa, planejamento, manutenção preventiva e comunicação interpessoal. Em geral, as pessoas só tomam uma atitude diante de uma crise ou um problema. Os profissionais bem-sucedidos trabalham naquilo que mais importa e conduzem suas ações a resultados sustentados a longo prazo. Todos dispõem da mesma quantidade de tempo, porém uns aproveitam melhor do que outros. É preciso ter coragem para mudar. Na medida em que alguém muda seu comportamento, descobre que sobra mais tempo para realizar trabalhos importantes e criativos. As mudanças não são complicadas e sempre vale a pena tentar. O segredo está em ter disciplina para adotar uma nova rotina. Então, siga os seguintes passos e mãos à obra:

1 Seja pró-ativo. Com freqüência, sentimo-nos vítimas da tecnologia e nos tornamos escravos dela. Da próxima vez em que receber um email, porém, considere como você pode gerenciar a tecnologia em sua vida. Podemos decidir, por exemplo, realizar trabalhos mais importantes e criativos nas primeiras horas da manhã, deixando para responder mensagens ao longo do dia. Você pode ainda avisar seus amigos que não responderá mensagens até uma determinada hora do dia. Em casa, desencoraje ligações sobre trabalho e dê mais atenção à família. 2 Comece com seus objetivos em mente. Pergunte-se “O que eu quero escrito em meu túmulo quando morrer? O que dá direção e significado à minha vida? Estou fazendo alguma coisa para atingi-los?” Muitas pessoas decidem não só ter uma lista de objetivos pessoais como também uma que inclua a família. A tecnologia pode facilitar essa tarefa, porque torna a comunicação mais fácil entre as pessoas distantes. Saber das novidades via email é uma ótima forma de não perder contato com quem está longe. 3 Primeiro o mais importante. Sentimo-nos compelidos a parar tudo para atender a um telefonema. O problema é que, geralmente, essas interrupções são inúteis. A tecnologia pode nos ajudar a organizar a vida e nos manter atualizados com nossos compromissos. 4 Pense Ganha-Ganha. Lembre-se de que a tecnologia pode fazer a comunicação mais eficiente – mas não necessariamente mais efetiva. Para construir relacionamentos de alta qualidade, é importante manter contatos com as pessoas. A segunda melhor alternativa é conversar por telefone. Só em seguida vêm o email e as mensagens de voz. 5 Procure primeiro compreender para depois ser compreendido. Aprenda a ouvir. Se você conhece tecnologia profundamente, não seja intransigente com aqueles que têm dificuldade no assunto. Assim, você estará se distanciando das pessoas. Ajude-as a aprender. 6 Crie sinergia. Quando as pessoas não podem se reunir pessoalmente para resolver um problema, videoconferência e mensagens instantâneas permitem que elas interajam em tempo real. 7 Afine o Instrumento. O mau uso da tecnologia, geralmente, significa perder contato com a natureza. Por isso, de vez em quando, dê um tempo no computador e no celular para um passeio em algum parque.•

Palestrante do Evento SUPERE 2008

Definição de prioridades

Paulo Kretly Presidente da Franklin Covey Brasil e reconhecido palestrante em liderança, gestão e produtividade pessoal e interpessoal, é especialista em gerenciamento do tempo e vem cativando milhares de pessoas e organizações que o procuram com o desejo de manter suas vidas pessoal e profissional equilibradas.e-mail: fernandes@ franklincovey.com.br

39

SUPERE


Foto: Agência Brasil

Atualidade

Balanço-geral:

2008 Dinorá Oliveira

um ano, muitas lições

Este 2008 já está registrado na História. As veias financeiras da maior economia mundial obstruídas por uma crise de fazer medo em todo o mundo; um presidente jovem e com um perfil nada conservador assumindo a “batata quente” e que, a despeito dos abalos, enche o Planeta de esperanças. Economias emergentes dando lições de equilíbrio; enquanto gigantes financeiros desmoronam. É verdade! Este ano surpreendeu mesmo! Positiva e negativamente. “Este foi um ano de muitas lições, mas eu diria que a maior de todas é: aposte mais no que é sólido. Ou, em outras palavras, mais produção e menos especulação”. Essas palavras da empre-

40SUPERE

sária Magda Rocha encontram eco em opiniões balizadas. O próprio presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, criticou a especulação internacional, que classificou como um desserviço à economia

global. Assim como o governante brasileiro e a empresária mineira, há muita gente sábia que questiona os abusos especulativos que, afirmam, seria a verdadeira bruxa dessa e de outras crises.


Arte: Flávio Faustino

Não que os investimentos nas bolsas sejam os únicos vilões, eles fazem parte da engrenagem. O problema está na gana em querer ganhar demais sem produzir nada. O economista José Carlos de Assis descreve bem o que é essa especulação abusiva: “A bolsa é uma instituição típica do capitalismo, mas se tornou inteiramente disfuncional nos tempos atuais. Virou um cassino”. O problema é que há muitas apostas nesse jogo e elas têm envolvido muito dinheiro que não pertence aos jogadores. E como dizia o saudoso economista brasileiro Celso Furtado “a economia é algo sério demais para ficar nas mãos de especuladores”. Mas se, como dita a sabedoria popular, depois da tormenta vem a bonança, o momento é de apostar em uma nova ordem mundial que, ao que tudo indica, coloca o Brasil bem na fita: “a médio prazo, essa crise favorecerá a migração de recursos para a economia real (produção de bens e serviços), esse fato é histórico. A maioria dos investidores abandona os investimentos produtivos em função das altas taxas de retorno do mercado financeiro. E isso tende a mudar nos períodos pós-crises”, afirma o economista Adelmo Belchior, no site “Democracia e Política”.

Brasil 2008: quase tudo de bom! No balanço geral do ano, a despeito da quase trombose nas artérias econômicas das grandes nações, há saldo positivo, sobretudo para economias emergentes: olha o Brasil aí mais uma vez, gente! Fazendo uma avaliação da situação brasileira, é possível verifi-

car que os impactos aqui são bem mais amenos, embora não deixem de preocupar. Mas, preocupações e abalos à parte, o certo é que a economia real brasileira, em 2008, foi positiva. Os especialistas apostam no equilíbrio do País, e garantem: a tendência é, sim, de redução do crescimento; mas não em níveis preocupantes. As ações do governo brasileiro, grosso modo, têm sido bem avaliadas. Uma das mais aplaudidas foi a do governo de Minas, em oferecer ajuda para financiamento a micro e pequenas empresas: importantes motores da economia e com valiosos impactos em indicadores sociais. Aliás, indicadores que também surpreenderam positivamente neste 2008. A economista Maria da

Desentupir o sistema de crédito. O Banco Central deve obrigar os bancos a repassar, de fato, os recursos liberados do compulsório para irrigar a economia. Eles têm de emprestar a quem precisa. Se eles insistirem em segurar recursos, o governo deve impor uma penalização forte sobre o volume retido. Já demos a cenoura - se a mula empaca é hora do stick (porrete)”. A análise de Miriam Leitão também vai nessa direção. Ou seja, a economia real brasileira será pouco

“Este foi um ano de muitas lições, mas eu diria que a maior de todas é: aposte mais no que é sólido. Ou, em outras palavras, mais produção e menos especulação” Conceição Tavares, em recente entrevista à Agência Carta Maior, declarou que o Brasil tem vantagens importantes em relação a outros países emergentes, e que o governo precisa saber usá-las. Primeiro, afirmou ela, “nós não somos exportadores de petróleo e metais – nesse sentido a crise pega a Venezuela e o Chile de frente (...). Nós vendemos comida e isso deve se manter em bom nível. Segundo: temos três fortes bancos estatais, o que dá ao governo instrumentos para intervir fortemente no mercado. Mais ainda, temos pelo menos três grandes empresas públicas de peso (...).O que é preciso, portanto, é agir com rapidez e contundência.

contaminada, e a atual desaceleração no crescimento é razoável, nada que assuste demais. As altas nos juros, porém, continuam a ser questionadas por diversos especialistas e empresários. Como já foi dito, em relação aos aspectos positivos do balanço anual brasileiro, há mais a se celebrar do que o contrário: houve lucratividade empresarial, a economia cresceu, o desemprego e a desigualdade diminuíram. Diante desse quadro, e dos acenos que o País tem dado, os especialistas são quase unânimes em acreditar que Barack Obama tem muito mais com o que se preocupar do que Lula.

41

SUPERE


Atualidade

Alessandra Costa

A bola de neve (que já era grande, mas estava escondida) começou a rolar morro abaixo, em agosto, nos Estados Unidos, e provocou uma forte avalanche, arrastando mercados de vários cantos do mundo. Houve boatos, tensão e certo pânico. No Brasil, como vimos, tudo leva a crer que o estrago é menor e os impactos mais suaves. Eusébio da Rocha se diz apavorado. Frederico Martini ainda não havia vivido tempos como estes. Antônio Gamaliel não perde as esperanças. Em comum, esses empresários brasileiros vivem sob a sensação de um futuro incerto. A crise que abalou os EUA e contaminou o mercado financeiro mundial causa reações diferentes, mas sempre marcadas pela incerteza.

“Com um sistema financeiro atuante e bem regulado, e reservas para sustentar políticas monetárias, tudo indica que o Brasil será menos afetado do que outros países” Ainda não se sabe o tamanho do estrago, mas uma coisa é certa: “a crise é global e já afetou todo o mundo”, garan-

42SUPERE

te o economista do Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis de Minas Gerais (Ipead), Renato Mogiz. Mas nada de pânico. Segundo o professor de Finanças da Fundação Getúlio Vargas, Ricardo Araújo, há indícios de que a crise chegou às empresas brasileiras, mas isso não caracteriza uma recessão. “O País tem perspectivas de crescimento”, analisa. As expectativas de um cenário menos dramático para o Brasil não trazem calma para o empresário Eusébio da Rocha, que atua na área de geradores de energia. “Não estou com medo; estou apavorado”, desabafa. Além de perder cerca de 70% das economias pessoais com a queda da Bolsa de Valores, Rocha teme pelos prejuízos em sua empresa. “Muitas negociações já foram interrompidas ou suspensas. Eu acho que a recessão vai chegar ao Brasil”, lamenta.

Foto: Gláucia Rodrigues

Vestígios e olhares

Operadores da bolsa

O importador Frederico Martini, diretor da Domus Ceva Importação e Exportação, comenta que a empresa já sobreviveu a outras crises, mas desta vez o desafio é maior. “Esta crise é mais forte porque pega numa parte muito global. Já enfrentamos momentos difíceis, mas desta vez o cenário é pior”, comenta. Segundo o empresário, a variação no dólar tem causado o cancelamento de alguns pedidos e o aumento dos valores dos fretes e serviços, que são pagos na taxa do dia. “Muita gente está com receio de fazer novos pedidos até que se saiba sobre os riscos”, conclui. Outro ponto de vista

Mais otimista, o diretor de negócios corporativos do grupo Jorlan Orca BH, Antônio Gamaliel, diz que ainda não tem motivos para se preocupar. “O impacto foi passageiro, apenas nos primeiros dias. Continuamos pensando


Foto: Agência Brasil Foto: arquivo pessoal

em expansão”, aposta. Mas Gamaliel não nega que o momento é tenso. “Ainda está cedo para dizer como isso vai impactar o setor”, avalia. Segundo o economista do Ipead, é plausível que o Brasil enfrente um cenário de redução nas exportações, no comércio e na geração de empregos. Mas, para ele, os impactos no País não serão tão significativos. “Com um sistema financeiro atuante e bem regulado, com reservas para sustentar determinadas políticas monetárias, tudo indica que seremos menos afetados que muitos outros países”, argumenta.

As previsões para as micro e pequenas empresas brasileiras também são positivas. De acordo com o gerente da Unidade de Educação, Empreendedorismo e Cooperativismo do SEBRAEMG, Ricardo Pereira, o impacto da crise nessas empresas, com a redução de oferta de crédito e a elevação das taxas de juros, ocorre apenas no curto prazo [em novembro, o governador Aécio Neves anunciou medidas para ampliar o crédito ao setor produtivo no Estado, incluindo financiamento direto e ampliação do prazo de recolhimento de impostos]. “A partir do momento em que as coisas vão se consolidando, os efeitos se reduzem”, aposta Pereira. Ele aconselha que os micro e pequenos empresários mantenham a calma e sigam três passos importantes: “fazer um monitoramento constante, com planejamento estratégico a longo prazo e uma gestão ainda mais aprimorada”. Lições de uma crise O presidente Lula afirmou, recentemente, que os EUA não fizeram o dever de casa. Parece ter acertado no diagnóstico. O professor de Finanças da Fundação Getúlio Vargas, Ricardo Araújo, é contundente na análise. Para ele, “o único país que não seguiu as regras de gerenciamento de risco foi a maior economia do mundo”, afirma. Ele explica: “a grande lição dessa crise é que a economia liberal é eficiente no mundo empresarial, mas Ricardo Pereira SEBRAE

“É importantíssima a atuação segura e prudente dos órgãos reguladores do sistema financeiro, como é o caso do Brasil. Tudo indica que os EUA pecaram nesse ponto” precisa de um órgão de supervisão bancária austero. Não há como evitar crises se não houver uma intervenção do Estado para limitar a ganância através de uma regulação”, esclarece o professor, citando as teorias econômicas keynesianas. O economista Renato Mogiz concorda com essa avaliação. “É importantíssima a atuação segura e prudente dos órgãos reguladores do sistema financeiro, como é o caso do Brasil. Tudo indica que os EUA pecaram nesse ponto”, frisa. Para o especialista, o pacote do governo Bush, que aportou US$ 700 bilhões em socorro à economia estadunidense, pode ser classificado como a maior intervenção do governo nos mercados financeiros desde a Grande Depressão de 1930 (leia box). Mas ele alerta que essa ação não será suficiente para reverter ou frear a crise. “O mundo já percebeu isso e tivemos a maior ação conjunta entre os principais bancos centrais do mundo”, comenta. Como e onde investir? O clima de insegurança tem como base a economia globalizada. Em outras palavras, se falta dinheiro nos EUA, o mundo todo é afetado. No

43

SUPERE


Atualidade

Brasil, alguns índices revelam essa dinâmica: em agosto, a produção industrial caiu 1,3% e o Risco País subiu 48% no mês seguinte; e as taxas de juros subiram. O governo tem frisado seu esforço para garantir o financiamento das empresas nacionais e manter o crédito, inclusive para pessoas físicas. Em todo caso, vale a máxima: “todo cuidado é pouco”. A dica dos especialistas é evitar empréstimos a longo prazo,

priorizar compras à vista e ter muita cautela na hora de aplicar o dinheiro. “Neste contexto de incertezas e riscos, certamente investimentos em renda fixa são os mais recomendados”, sugere Mogiz. Para Araújo, o momento também é de aplicações em renda fixa. “Aos poucos, pode ser interessante comprar fundos de ações, mas lentamente e observando a dinâmica do mercado”, recomenda. Aos “marinheiros de primeira viagem”, interessados na atratividade dos ativos financeiros, o analista de investimentos, Eduardo Machado, aconselha: “esta não é a hora certa para o

“As ações e intervenções dos governos e dos bancos centrais indicam que não chegaremos a proporções semelhantes às de 1929”

investidor leigo. Quem atua, hoje, são investidores mais qualificados, com mais experiência para lidar de uma forma mais especulativa. A atuação dessas pessoas é que caracteriza essa volatilidade da Bolsa. Esse ‘nervosismo’ vai persistir no curto prazo. Por isso, não é hora de dar esse primeiro passo”, argumenta. Àqueles que já se aventuraram por este mundo, resta aguardar e, se possível, manter a aplicação. “Pode ser que em um ou dois anos haja uma recuperação. Por isso, é bom ter paciência. Se os investimentos foram feitos em empresas sólidas, com bom histórico e bagagem para enfrentar crises, não há o que temer”, afirma o especialista.•

Crise de 1929: há semelhanças? Não foi numa “quinta-feira negra”, como ficou conhecido o fatídico dia 24 de outubro de 1929 - quando a Bolsa de Valores de Nova Iorque quebrou, dando origem à Grande Depressão de 1930. Mas a crise atual, iniciada em agosto nos Estados Unidos, também gerou pânico por causa de comparações com o passado. O vínculo entre os dois momentos históricos é tão equivalente?

anúncio proveniente da crise ou da reação dos governos à crise”, explica. Para Machado, o capital especulativo foi um dos principais desencadeadores da crise. “Havia um excesso de liquidez na economia dos EUA. Os bancos queriam gerar lucros e assumiram riscos. Houve uma bolha imobiliária em função de um processo especulativo”, avalia.

Para Mogiz, a resposta é negativa. “As ações e intervenções dos governos e dos bancos centrais indicam que não chegaremos a proporções semelhantes às de 1929. A economia já mostrou sinais de que todos estão unidos e dispostos, dentro das possibilidades, a remediar a crise”, opina. Araújo ressalta que a ação dos bancos centrais no mundo inteiro tem sido eficiente e coordenada, o que minimiza os problemas.

Essa dinâmica ocorre porque o capital especulativo encontra mecanismos para produzir lucros rápidos, como explica Mogiz. “Através de atividades de especulação, compra e venda de moedas, commodities agropecuários, ativos financeiros, metais preciosos e outros instrumentos financeiros, em negociações de curto prazo”, esclarece. De acordo com o especialista, é um capital que não aumenta a riqueza de um país, ao contrário do capital produtivo, que cria empregos, aumenta a produção e o Produto Interno Bruto (PIB).

Mas ele dispara: “a crise atual é pior do que a de 1929. Trata-se de volumes maiores e reflexos mais imediatos em outros países”, argumenta. As raízes dessa análise estão em no ‘mundo globalizado’. “Não há uma barreira entre os países e, por isso, o efeito é universalizado muito mais rapidamente, atingido a economia mundial”, destaca Eduardo Machado, analista de investimentos. A volatilidade do mercado financeiro também é influenciada pelo cenário globalizado. Segundo Mogiz, “em minutos, o capital especulativo pode reagir às notícias, entrando ou saindo das aplicações e, conseqüentemente, aumentando ou derrubando os preços pelo mundo. Foi o que ocorreu e vem ocorrendo a cada

44SUPERE

Mas, para Araújo, “Especular é apostar numa tendência de preços, não é uma coisa ruim. O capital especulativo é produtivo também. Comprar ativos financeiros é o que dá liquidez às empresas e crescimento ao mercado de capitais”, argumenta. O professor não acredita que esse é o vilão da crise. “O cidadão estadunidense está pagando a conta da falta de regulação do mercado. Houve um exagero que gerou essa bolha, que já estourou, e os mercados estão sangrando. Agora, é esperar que a produtividade norte-americana cresça e se restabeleça a confiança no crédito”, conclui.


Tecnologia

Foto: stockxpert

Microcity

oferece computador semi-novo até 40% mais barato A Microcity - uma das maiores empresas de Outsourcing de infra-estrutura em Tecnologia da Informação do Brasil – está consolidando sua atuação no mercado de semi-novos. A empresa vem crescendo a passos largos neste segmento e projeta um aumento de 50% nas vendas deste ano, atingindo R$ 2 milhões em faturamento e a marca de mais de 10 mil computadores

vendidos em todo o País. Os equipamentos oferecidos pela Microcity são das melhores marcas, como HP, Compaq, Dell, IBM, Lexmark, Xerox e Samsung, com preços atraentes, que podem ser até 40% mais barato, se comparado a equipamentos montados e a 50%, se comparados a equipamentos ditos de 1ª linha. Todos são legalizados, com sistema operacional O&M, com

arquitetura corporativa que permite longo tempo de uso ininterrupto,apropriados à frente de loja, caixas; apto a ligações em rede e ainda com um valor de imobilização bem mais baixo, obtendo-se o mesmo resultado final e às vezes até performance superior a equipamentos novos, principalmente se comparados a equipamentos montados.

Perfil Microcity Com 24 anos de atuação em todo Brasil, a Microcity é uma das principais empresas de Outsourcing de infraestrutura de Tecnologia da Informação do Brasil. No segmento de terceirização de Lan & Desktops, é a maior do país com uma base própria instalada de mais de 80 mil equipamentos. Sediada em Nova Lima, na Grande Belo Horizonte (MG), oferece soluções inteligentes de negócios em TI sempre customizadas e de acordo com a necessidade dos seus clientes. A estratégia de ser uma empresa diferente e única resulta na sua solidez financeira e a torna reconhecida e respeitada nacionalmente.• Informações para a imprensa Medialink Comunicação Fone: (11) 3817-2131 Raul Fagundes, raul.fagundes@medialink.com.br Renata Saud, renata.saud@medialink.com.br

45

SUPERE


T

ranqüilidade e conforto com a melhor hospitalidade mineira O Hotel Senac Grogotó, localizado em Barbacena, é um recanto de paz e tranqüilidade, com o melhor da comida mineira e internacional e a hospitalidade característica de nossa terra. Com estrutura completa e ambientes confortáveis para a hospedagem de sua família ou para a realização de eventos empresariais, o Hotel Senac Grogotó é o lugar ideal para você aproveitar a natureza com uma vista privilegiada da Serra da Mantiqueira.


BIG

Estrutura e facilidades: 84 apartamentos e 5 suítes Centro de Convenções com: ■ amplo auditório ■ salas moduláveis ■ ar-condicionado ■ isolamento acústico ■ tecnologia avançada Lazer completo: ■ piscina adulto e criança ■ piscina interna climatizada com cascata ■ playground ■ salão de jogos com bilhar e xadrez ■ sauna seca e a vapor ■ sala de ginástica ■ trilha para caminhada ■ quadra de esportes ■ ofurô ■ salões de estar e de leitura ■ biblioteca Estacionamento Room service até as 22h Scoth bar Salões de festas para até 300 pessoas

Rua Cruz das Almas, s/nº Caiçaras – Barbacena/MG – CEP 36205-126 Tel.: (32) 3339-3100 – Fax: (32) 3331-4430

Informações:

0800 724 4440

www.mg.senac.br/hotelgrogoto


Negócios

Wângela Jacinto

Uberlândia

prepara-se para receber o entreposto da Zona Franca de Manaus

Exemplo de aplicação prática da expressão popular “a união faz a força”, é a demonstração dada pelos empresários e pela classe política de Uberlândia, conquistando para o município a futura instalação do entreposto da Zona Franca da Manaus. O protocolo de intenções para a implantação do entreposto foi assinado no dia 30 de julho desse ano, em Uberlândia, pelos Governos do Estado de Minas e do Amazonas, com o apoio da Prefeitura Municipal, Associação Comercial e Industrial de Uberlândia (Aciub) e empresariado amazonense. O protocolo foi homologado pelo Conselho Nacional de Política Fazendária, em Brasília, e publicado no Diário Oficial da União, no dia 1º de outubro. A vigência é por 10 anos e o Governo do Estado do Amazonas elabora o edital para a instalação do entreposto em Uberlândia. Para chegar a essa etapa de definição do projeto para a instalação do entreposto na cidade, um longo caminho foi percorrido. A idéia nasceu há seis anos, mas foi em 2005 que ganhou consistência, com o empenho da Associação Comercial e Industrial de Uberlândia (Aciub), políticos locais e do Governo de Minas Gerais. Os desafios foram vencidos e Uberlândia foi à cidade eleita para sediar o entreposto da Zona Franca de Manaus. “Houve uma potencialização das competências políticas e empresarias de Uberlândia, com

48SUPERE

seus vínculos, tanto no governo de Minas, junto ao governador Aécio Neves, como também com o governo do Amazonas e de seu governador, Eduardo Braga”, confirma o esforço o secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo de Uberlândia, Dílson Dalpiaz Dias. Vários fatores levaram à escolha de Uberlândia, por parte do Governo do Amazonas, entre eles: a sua localização geográfica estratégica, sua malha viária interligando quase todas as regiões do País e sua vocação de pólo distribuidor de mercadorias e produtos (na cidade estão instaladas as maiores empresas distribuidoras atacadistas do Brasil). Mesmo estando ainda na fase das intenções, os impactos do projeto começam a ser sentidos, principalmente pela movimentação das empresas logísticas e transportadoras. “Grandes empresas que

não operavam em nossa cidade já se interessam e outras, que já operavam, estão ampliando suas instalações e também há uma afluência bastante significativa de empresas, tanto ligadas ao setor logístico como outras, solicitando informações sobre Uberlândia”, confirma o secretário Dílson Dalpiaz. Com a instalação do entreposto, Uberlândia passará a receber remessas de produtos industrializados da Zona Franca, para depósito em um armazém geral, destinados à comercialização em qualquer ponto do território nacional, ou até mesmo para exportação. “Seremos responsáveis por toda a logística de distribuição destes produtos, contribuindo para a geração de empregos, renda, arrecadação de tributos, além de tornar Uberlândia e região em um centro atrativo para outros projetos industriais”, ressalta Rosalina Cardoso Vilela, presidente da Aciub.


Foto: Araípedez Luz

Foto: Araípedez Luz

O Governador do Amazonas, Eduardo Braga assina o protocolo, observado pelo Governador Aécio Neves e pelo Prefeito de Uberlândia Odelmo Leão Carneiro

Foto: Carlos Guimarães Coelho

Os produtos chegarão ao entreposto como uma simples remessa e, ao serem faturados em Uberlândia, a indústria não perderá o benefício fiscal que tem em Manaus. Para as empresas instaladas na Zona Franca, a vantagem de fazer parte de um entreposto é o adiamento do pagamento de tributos. O recolhimento do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) ao Governo do Amazonas só é feito quando os produtos chegam à base. Por outro lado, o Estado que recebe o entreposto fica com o ICMS sobre o transporte da mercadoria, além, é claro, dos empregos gerados pela instalação de empresas de logística na região. A redução do tempo de chegada do produto da zona franca ao seu destino é outra vantagem, o que levaria até 20 dias para algumas regiões do Brasil, com o entreposto pode levar algumas horas. [Veja, no quadro da pág. 50, outros benefícios que o entreposto

Rosalina Vilela

da Zona Franca de Manaus, a ser instalado em Uberlândia, trará para os Estados de Minas Gerais e do Amazonas]. De acordo com a empresária Rosalina Vilela, esse pólo logístico representará um grande salto para a economia do município, mudando o panorama econômico de toda a região do Triângulo Mineiro. “Estamos aptos e preparados para desempenhar o programa de distribuição e cumprir a missão a nós confiada pelas indústrias de Manaus. Esta sempre foi, e continuará sendo, a luta da Associação Comercial, que é unir para crescer sempre”, afirma Rosalina.

Criação do Núcleo Integrado de Logística Para otimizar essa preparação, a Aciub criou o Núcleo Integrado de Logística de Uberlândia (NIL), com o objetivo de equalizar e balizar os interesses públicos e privados, e sociedade organizada para poder atender as expectativas da Zona Franca de Manaus. O superintendente do NIL e idealizador do projeto, Wilder Ferreira Cunha, aponta alguns pilares que sustentam o projeto e que merecem atenção e ações permanentes. O primeiro, segundo ele, é a

educação voltada para a formação de mão-de-obra futura para alicerçar o desenvolvimento. Nessa direção, a Universidade Federal de Uberlândia, que faz parte do núcleo, já se movimenta no sentido criar e oferecer cursos voltados para o setor de logística e gestão empresarial, segundo informa Wilder Ferreira. O Sebrae também já soma esforços nesse sentido. Um curso de capacitação para 34 pequenos e micro empresários do setor de transporte já está em desenvolvimento pelo órgão, visando prepará-los para atender às demandas (esse segmento recebe hoje, no País, cerca de 60% do volume total de cargas para transporte). Outro fundamento do projeto, apontado pelo superintendente do NIL, é o Poder Público criando condições de infra-estrutura, o que já vem ocorrendo. Várias obras estão em andamento, a exemplo do anel viário no entorno de Uberlândia em fase de complementação e a duplicação de rodovias que passam pela cidade. A Infraero, também já sinalizou pára a Prefeitura de Uberlândia, a realização de estudos de viabilidade técnica para a instalação de um aeroporto de cargas na cidade, com aduana. Isso se confirmando, o município passaria a contar com dois sistemas alfandegários (o instalado no município é da Estação Aduaneira do Interior (Eadi), que é

Dilson Dalpeiz

49

SUPERE


Foto: Claiton M Ramos

Negócios

Wilder Cunha, Superintendente do NIL

A crise internacional

operado pela Companhia Vale do Rio Doce). “Pelo segmento empresarial é a geração de negócios em cadeia, compreendendo desde o setor logístico, como também o ramo de hotelaria, imobiliário e outros, de forma organizada para trazer o desenvolvimento sustentável”, explica Wilder sobre o último pilar de sustentação do projeto.

Para os representantes do Poder Público e do empresariado local a crise financeira internacional é mais um desafio na implantação do projeto, mas também pode ser vista como uma oportunidade. “Nesse momento de crise, a Aciub tem mais uma missão: de trabalhar bastante e estar próxima aos empresários de Manaus. Temos que nos organizar para fazermos com que essa crise transforme-se em oportunidade, para não retroagir no projeto”, acredita o diretor

da Aciub e superintendente do NIL, Wilder Ferreira Cunha. Apesar de avaliar que esse período de turbulência financeira internacional já traz e trará efeitos em todas as atividades econômicas no mundo, o secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo de Uberlândia, Dílson Dalpiaz, afirma otimista: “Crise é também oportunidade. Como esse é um projeto que reduz custos e aumenta a competitividade, nós entendemos que nesse momento vai propiciar oportunidades”.•

Vantagens do Entreposto Para Minas Gerais • Os investimentos na instalação do entreposto e no pólo de distribuição, como um todo, podem superar a casa de bilhões de reais, gerando milhares de empregos diretos e centenas de indiretos. • O entreposto terá efeito multiplicado, pela atração de outras empresas de logística e centros de distribuição de mercadorias. Calcula-se que pelo menos 50 empresas poderão se instalar na área da plataforma logística e nas imediações, complementando o complexo do entreposto e aproveitando a logística favorável para distribuição de produtos. • Atração de outras empresas no segmento de serviços,

de Vitória, no Espírito Santo) como restaurantes, seguran- ferroviário. Para o Amazonas ça, limpeza, conservação e • Formação de estoque estra- • Postergação do recolhimenhotéis. tégico, possibilitando maior to de tributos (ICMS, FTI e • Aumento progressivo do controle sobre agendamentos EMPES por até 180 dias) e volume de cargas recebidas, e programações, conseqüen- PIS/Confins até a venda ao armazenadas e distribuída por temente, reduzindo o prazo de cliente final a partir do entremeio dos diversos modais de entrega. - Maior facilidade posto. transporte (aéreo, rodoviário e na administração das devolu- • Preservação de incentivos do ferroviário), aumentando, con- ções e recusas, aumentando ICMS. A venda a partir do seqüentemente, a geração de a flexibilidade comercial com Entreposto de Anápolis será postos de trabalho com refle- redução de custos. comparada à venda direta de xos em toda a economia do • Melhor gerenciamento de Manaus, mesmo para quanEstado. avarias (danos em mercado- tidades fracionadas (ICMS gerado continua favorável ao • Viabilização de uma plataforma rias). logística em Uberlândia com • Exportação facilitada pela Estado do Amazonas). infra-estrutura proximidade do Porto Seco • Agilidade burocrática (posto • Integração com o Porto Seco e ligações ferroviárias com a fiscal da Sefaz do Amazonas (Eadi), aumentando as expor- chegada da futura Ferrovia no próprio entreposto). Norte-Sul (Porto de Itaqui, no • Emissão de nota fiscal por tações de produtos. • Aumento do volume de cargas Maranhão) e Ferrovia Centro- equipamento remoto instalado a ser transportado pelo modal Atlântica (portos de Tubarão e diretamente no entreposto.

Fonte: Assessoria de Comunicação da Aciub

Zona Franca de Manaus Criada em 1957, como área de livre comércio para desenvolver a Amazônia Ocidental, a Zona Franca de Manaus rapidamente se tornou um pólo de intensa atividade comercial e industrial, garantindo incentivos fiscais nos âmbitos federal, estadual e municipal. O Pólo Industrial de Manaus abriga, atualmente, cerca de 500 empresas, que, juntas faturaram US$ 25,6 bilhões em 2007, um recorde da Zona Franca. O valor foi 12,3% maior que o registrado em 2006.

50SUPERE


Livros

Indicações Os 7 Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes Autor: Stephen Covey Editora Best Seller R$ 39 (preço-médio)

Blogs Corporativos - Modismo ou Tendência Autora: Carolina Frazon Terra Difusao Editora -1ª Edição – 2008 R$ 18,00 (preço-médio) Será que o empresariado brasileiro sabe bem o que é um Blog (espécie de diário eletrônico, em que os interlocutores podem trocar idéias e afins)? Como funciona essa ferramenta e de que forma ela pode ser utilizada nas empresas? A resposta mais provável é a de que poucos já se deram conta do poder e da importância de blogs. E mais: o número daqueles que, mesmo tendo se dado conta disso, já os utilizam provavelmente é ainda menor. Essa constatação já seria uma boa razão para que todos lessem “Blogs Corporativos - Modismo ou Tendência”, da jornalista e doutoranda pela USP, Carolina Frazon Terra. O blog ainda é marginal no processo comunicativo. Essa realidade preocupou a profissional de comunicação. Considerando a importância do diálogo para gestores e organizações, Frazon tenta mostrar que os blogs corporativos podem ampliar a interação e a transparência nas organizações.

Palestrante do Evento SUPERE 2008

O livro do escritor Stephen R. Covey, “Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes”, resultado de uma aprofundada pesquisa do autor, foi a base de uma das palestras de sucesso do SUPERE 2008. Quem acompanhou a atividade e ficou interessado em se aprofundar mais pode recorrer ao best seller, que já vendeu mais de 15 milhões de cópias desde a primeira edição (em 1989). Os sete hábitos que, de acordo com Covey , melhoram o desempenho profissional e ainda ajudam a conquistar satisfação pessoal são: ser pró-ativo (fazendo além do que esperam de você); ter metas e as perseguir; estabelecer prioridades; pensar ganha-ganha (todos ganhando); aprender a ouvir e compreender; criar sinergias (sendo agregador); e buscar equilíbrio e renovação sempre.

51

SUPERE


Gestão

O feedback como Thaniara Carvalho

instrumento de gestão

A “crítica que acrescenta” é a bola da vez no desenvolvimento de pessoas. Cada vez mais, empresários e gestores inteligentes fazem dela uma ferramenta de crescimento e alinhamento de expectativas.

52SUPERE


Foto: Stockxpert

No mundo contemporâneo, o vocábulo trabalho, na maioria dos casos, significa execução de tarefas em equipe. Isso implica seguir normas e procedimentos determinados; compartilhar idéias e opiniões, dando o melhor de si para superar expectativas e atingir os melhores índices de desempenho. Indiferentemente da profissão ou da área de atuação, você trabalha perto de alguém e, certamente, está sendo observado (e observando também, é claro!). Seja chefe ou não, no ambiente corporativo, ninguém fica invisível. E, cedo ou tarde, críticas ou elogios são direcionados a alguém e/ou por alguém. Eles podem vir informalmente, durante um almoço ou bate-papo, ou mesmo através da indiscrição de um terceiro. Mas também podem ocorrer em situações formais, como em uma reunião. Na medida em que há interação, a sinergia

dispensada passará por processos de adequação. E, com o propósito de ajustar e obter êxito na realização de qualquer atividade, o feedback entra em cena. Ele calça como luvas as mãos dos que buscam o desenvolvimento do profissional. Em sua idéia básica, no jargão corporativo, o feedback é conhecido como o “retorno”. São informações ou críticas a respeito de comportamentos ou tarefas realizadas, apontando qualidades ou deficiências na execução de um dado trabalho; ou indicando novas formas de execução e sugerindo mudanças. Além de colaborar para que se revejam atitudes inadequadas, essa “crítica construtiva” é ferramenta eficaz no reforço de comportamentos positivos, atitudes criativas e inovadoras. Mas, embora reconheçam a importância do retorno, não é

raro que gestores e líderes apresentem dificuldades na aplicabilidade do feedback. Isso pode ocorrer em razão de visões equivocadas, seja pela resistência nos relacionamentos, ou pela cultura da organização e o modo como ela é administrada. A crítica que visa melhorar não pode ser privilégio de líderes, deve se estender também aos liderados. E é aí que mora o perigo: se feitas sem o devido cuidado, as observações podem ser interpretadas erroneamente, tendo efeito de críticas negativas, que tornam os relacionamentos mais difíceis. Isso pode privar as organizações dos benefícios da troca de feedbacks.

O como é primordial De acordo com a gestora de pessoas Liliane Cerqueira, sempre que for detectada necessidade de se fazer um ajuste na empresa, as pessoas envolvidas

53

SUPERE


Gestão

Foto: Arquivo pessoal

Bernadete Amado

devem ter um retorno, receber informações/avaliações a respeito da “novidade”. “O objetivo deve ser de sempre melhorar o desempenho da pessoa, contribuir para seu crescimento e melhorar resultados no time”, aponta. Liliane conta que, para que atinja seu principal objetivo, o feedback deve ser mais descritivo do que avaliativo. Isto é, deve descrever

aspectos que tenham sido realmente observados no comportamento da pessoa. “Quem for dar o feedback não deve se ater a julgar o comportamento do outro, mas informá-lo sobre como ele é percebido”, completa ela. A gestora avalia que, dessa forma, diminuem-se consideravelmente os riscos de a pessoa assumir uma postura defensiva e rígida, que prejudica a função educativa do feedback. Ela ressalta também a responsabilidade que os líderes assumem ao transmitir retornos aos seus subordinados, sejam eles positivos ou negativos. Segundo Liliane, é preciso saber como verbalizar. “O segredo de um bom feedback é a presença de uma relação de cumplicidade entre líder e liderado. Tanto em aspectos técnicos como nos comportamentais, se houver uma relação de confiança entre as partes, o fim sempre é

54SUPERE

mais proveitoso”, enfatiza. Antes de se reunirem com seus colaboradores para dar retornos, os líderes devem se perguntar: O que posso fazer para ajudá-lo a vencer essa dificuldade? Em que momento devo abordá-lo? Estou com dificuldades de elogiar? Por quê?

Em ordem inversa Geralmente o feedback é dado pela liderança imediata, que assume a iniciativa em primeira mão. Mas nada impede que o retorno venha hierarquicamente invertido. Foi assim com Danielle Vinte de Andrade Veiga Martins, analista de Recursos Humanos de uma empresa do ramo automotivo, em Belo Horizonte (MG). A analista conta que, em sua experiência de um retorno negativo, a iniciativa partiu de um funcionário coordenado por ela. “Na ocasião, a pessoa me chamou para uma conversa e, ali, pontuou questões sobre o meu próprio comportamento como chefe. Acabou me abrindo os olhos para uma situação que até então eu não havia identificado”, conta. Danielle defende a prática e diz que o alcance da percepção de que algo vai mal é fundamental para a trajetória de qualquer profissional. “Para mim, o feedback desempenha uma função primordial: promover mudanças no indivíduo”.

A forma como se fala e a maneira de se executar procedimentos de rotina são continuamente observados, nos diversos ambientes e funções existentes, e em qualquer local de trabalho. Ainda que indiretamente, e sem que se dê conta, qualquer profissional está constantemente sendo testado. Luiz Gonzaga de Oliveira Júnior é jornalista trainee, numa agência de comunicação em Belo Horizonte, e confessa que, a cada dia de trabalho, tem aprendido a importância dos feedbacks. Em sua atividade de redação intensa, os retornos costumam ser mais constantes, devido aos processos de revisão de textos pelos quais passa diariamente. Isso sem falar na questão comportamental, no tratamento que dedica aos clientes, já que a agência é uma prestadora de serviços em Comunicação Integrada. Consciente de que está sob cotidiana avaliação, Luiz vê com bons olhos o retorno sobre seu trabalho. “Nós, jornalistas, que trabalhamos muitas vezes em ritmo frenético, precisamos ter consciência de que os erros existem e devem ser corrigidos. Ainda estou em fase de aprendizagem, e os feedbacks, sejam positivos ou negativos, são sempre muito bem vindos”, avalia. Luiz, que era estagiário, foi recentemente promovido a trai-

“Além de colaborar para que se revejam atitudes inadequadas, a “crítica construtiva” é ferramenta eficaz no reforço de comportamentos positivos, atitudes criativas e inovadoras”


nee, o queconsiderou como um feedback positivo, e uma prova de que os desafios de superação estão sendo encarados e vencidos por ele. Liliane Cerqueira alerta, porém, que se não for aplicado de forma correta, o feedback pode dar mais dor de cabeça do que gerar benefícios. “É importante o preparo do ambiente, bem como um diagnóstico, buscando identificar possíveis barreiras para os retornos a serem dados. Características negativas do grupo, como por exemplo,

uma insatisfação coletiva, ou também as positivas, como relacionamentos saudáveis e busca por melhorias contínuas, devem ser destacadas e trabalhadas a partir daí”, conclui. Bernadete Campos Amado é funcionária pública há 22 anos e coordena uma equipe de 10 pessoas em um órgão do governo do estado de Minas Gerais. Ela observa que administrar as diferenças não é tarefa fácil, mas garante que busca partir do exercício da confiança e da gestão participativa, a fim de desenvolver o grupo e otimizar os resultados. Pelo menos uma vez por mês, ela reúne sua equipe para um feedback coletivo. “Duas ou mais cabeças sempre pensam melhor do que uma. Nas reuniões todos sempre saem ganhando”,

pondera. Para ela, quando colocada na dose certa e com educação e respeito, a crítica se torna um importante instrumento de gestão. “Quando bem conduzida, promovendo o aprimoramento Foto: Arquivo pessoal

“Ainda que indiretamente, e sem que se dê conta, qualquer profissional está constantemente sendo testado”

do indivíduo, sem exageros ou ofensas, a crítica soma e dá bons frutos”, garante. “O funcionário não precisa ficar esperando que seu líder o

Daniele Martins

Especialização Pós-Graduação Lato Sensu Inscrições abertas. Áreas:

Mais informações: (31) 3280 5000

0800 300 200 / www.fumec.br anuncio_PosFumec2009.indd 1

Arquitetura Computação Design Exatas Gerenciais Humanas Sáude Tecnologia Turismo

55

SUPERE

17/11/2008 11:52:04


Gestão

Dicas para dar e receber feedbacks Dar

Receber

Evitar

• Diga o que a pessoa fez de certo; • Sugira o que pode ser melhorado; • Finalize avaliando positivamente. • • • • • •

Escute atentamente; Mostre-se receptivo; Pergunte para esclarecer dúvidas; Faça uma auto-avaliação; Peça opinião a outras pessoas; Agradeça.

• Direto; • Específico; • Descritivo sempre; em detrimento do avaliativo; • Oportuno; • Claro; • Educado.

• Não discuta; • Não se oponha; • Não se justifique.

chame em uma sala, feche a porta e comece a tecer comentários a seu respeito. Cada um pode e deve buscar retornos sobre seu trabalho”, ressalta a gestora. Ela observa que o pri-

56SUPERE

O Feedback deve ser

meiro a desejar o crescimento deve ser o próprio indivíduo, mas adverte que ele precisa estar preparado para ouvir a percepção do outro (com atenção) e, a partir daí, se vir que é necessário,

deve desenvolver mudanças em seu comportamento e/ou ações. Segundo a gestora Liliane, ignorar o feedback é, no mínimo, sintoma de comportamento acomodado e egocêntrico”. •


Sua empresa precisa reduzir custos e ter atendimento diferenciado?

A EMBRATEL TEM UMA SOLUÇÃO COMPLETA DE BANDA LARGA E TELEFONIA NA MEDIDA CERTA. E mais! CONTRATO SEM PERMANÊNCIA MÍNIMA. Internet Banda Larga com velocidade de até 2 Mega e você não precisa contratar um provedor de acesso, nem alugar ou comprar um modem.

Você só fica com o Embratel PME pelo tempo que quiser. Isso significa total liberdade para a sua empresa.

Pacotes disponíveis com 4 ou 8 linhas telefônicas. Franquia Telefônica de R$ 100,00, totalmente revertida em qualquer tipo de ligação: local, DDD, DDI e celular. Central de Atendimento exclusiva. Os atendentes tiram suas dúvidas e apresentam soluções de maneira prática e eficiente, sem gravações ou transferências.

0800 701 01 21 www.embratelpme.com.br

embratel lideranca.indd 1

57

SUPERE

8/8/2008 13:34:47


Novos Rumos

Biocombustível

Generosa Gonçalves

O Brasil é o maior produtor mundial de etanol, substância que, como combustível automotor, representa, hoje, a mais cotada alternativa à gasolina. Dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) revelam que a projeção para a produção de álcool, da safra 2008/09, é superior a 27 bilhões de litros. Pesquisas realizadas para a ONG Repórter Brasil mostram que a produção do biodiesel para 2008 é de 1,2 bilhões de litros.

58SUPERE


Novos Rumos

Diante de dados como esses, vêm algumas inevitáveis interrogações: como aliar essa realidade a crescimento econômico, qualidade de vida do trabalhador e cuidados com o meio-ambiente? Vamos tentar elucidar esses e outros questionamentos, além buscar compreender melhor o crescente, e ainda pouco conhecido, universo de possibilidades dos biocombustíveis.

Foto: André Valentim

O biocombustível, fonte de energia renovável de origem orgânica, é produzido por meio da mistura de uma ou mais plantas, como a cana-de-açucar, a mamona, a soja, a semente de girassol, o milho, entre outras. Há variações na produção desses ecocombustíveis. Os mais conhecidos e utilizados no País são o etanol e o biodiesel. No Brasil, o etanol é produzido, sobretudo, a partir da cana de açucar e costuma ser misturado à gasolina, a fim de reduzir a emissão de poluentes, além de ser o combustível dominante nos veículos flex e/ou à alcool. Já o biodiesel é uma alternativa (ou aditivo) para o óleo diesel tradicional. Ele é atóxico e pode ser feito de óleos vegetais ou de gordura animal, por meio da reciclagem e da agricultura. Nesse sentido, a abudância de sementes oleaginosas existentes no Brasil é promissora. O presidente da Petrobrás Biocombustíveis, Alan Kardec, sabe disso. Razão pela qual a empresa que ele comanda vem investindo em pesquisas de produção de biodiesel, com uso intensivo dessas sementes da flora nacional. Ao ser questionado sobre impacto ambiental, Kardec ressalta que os protutos desenvolvidos pela companhia são provenientes de diversas espécies de plantas que, no processo de

fotossíntese, absorvem o carbono emitido na atmosfera. “Por se tratar de uma energia renovável, seguramente são parte importante da solução do problema do aquecimento global”, atesta ele. A avaliação positiva em relação ao meio ambiente é compartilhada, mas com ressalvas, por Marcel Gomes, coordenador do Centro de Monitoramento de Agrocombustíveis da ONG

“A monocultura da cana e a derrubada de áreas de floresta são riscos apontados na produção de biocombustíveis” Repórter Brasil. Marcel tem receio de que essas vantagens se percam, devido à possibilidade de derrubada de áreas de floresta, a fim de dar espaço para plantações de grãos destinados aos biocombustíveis. “No Brasil, infelizmente, isso ainda é muito comum”, lamenta. Ele alerta que, no nosso País, ainda há quem amplie a produção de cana para o etanol e de soja para o biodiesel à custa do avanço de plantações sobre matas

Alan Kardec, presidente da Petrobrás

Foto: Agência Petrobras Somafoto

Energia renovável

SUPERE

59


Novos Rumos

nativas. “A economia pode até crescer muito, mas sem nenhuma sustentabilidade e, conseqüentemente, sem melhoria na qualidade de vida dos brasileiros”, enfatiza. O presidente da Petrobrás Biocombustíveis é mais otimista.

“O uso não compulsório de energia proveniente de fonte renovável gera créditos de carbono, que podem ser comercializados em bolsas de valores” Além da visão positiva em relação à questão ambiental Kardec vê outros benefícios. Segundo ele, a produção de biocombustíveis também permitirá maior autonomia no suprimento de óleo diesel e menos dependência ao mercado externo. Com isso, diz Kardec, o País consegue reduzir o volume de importações, fator que contribui para a melhoria do resultado da balança comercial brasileira.

Mais prós e contras

das. Isso abriria as portas do mercado para os sojicultores. Por outro lado, entretanto, Marcel destaca situações que podem comprometer o lado bom da produção de biocombustíveis: superexploração de trabalhadores mais humildes; queimadas (que poluem o ar e deterioram a terra); monocultura da cana (que enfraquece o solo e atenta contra a biodiversidade). Justificando suas preocupações, Marcel relembra distorções no programa de biodiesel do governo federal, que nasceu há cinco anos como uma forma de, entre outros benefícios à comunidade brasileira, fortalecer a agricultura familiar. Ele destaca que não foi isso o que aconteceu: “Hoje, a cadeia de produção é dominada por megaprodutores de soja. É dessa produção que vêm 80% do biodiesel produzido no País. A meta era agregar ao programa 200 mil famílias, mas, até hoje, apenas 37 mil participam dele”, conclui. O professor e pesquisador

“O Brasil tem sol, água, agricultura desenvolvida, tecnologia para produção, logística e mercado estabelecido” dependência ao petrodiesel e a possibilidade de controle do preço de commoditys, com a utilização do excedente da produção (soja - regulação do mercado – oferta/ demanda). Ao abordar falhas na produção, o professor chama a atenção para a falta de controle de qualidade no processo produtivo e a monocultura, advertindo que essa plantação em grandes áreas é mais vulnerável às pragas.•

Foto: arquivo pessoal

No momento, há grande demanda mundial. Por isso, a produção de energias provenientes de fontes biológicas renova também oportunidades empresariais. Além disso, ressalta Alan Kardec, esse novo filão amplia a inclusão social – devido à geração de emprego e renda no campo – e, como já se disse antes, pode trazer benefícios ao meio ambiente. Para Marcel Gomes, apostar nesse segmento pode mesmo trazer crescimento nas exportações, além de ampliar recursos nas cidades onde as usinas estão localizaInácio Loiola Campos, professor - UFMG

60SUPERE

de biocombustíveis Inácio Loiola Campos, do Departamento de Engenharia Nuclear da UFMG, acredita que esses produtos contribuem também para a melhoria da logística de transporte. E, assim como Kardec, ele destaca o desenvolvimento sustentável como um dos pontos positivos. Loiola elenca ainda como ganhos: a redução da


O Brasil nesse cenário Na produção de biocombustíveis, o Brasil apresenta condições que poucas nações no mundo têm. O País possui 350 milhões de hectares de terras agriculturáveis. Dessas, apenas 1,7% são utilizadas para a atual fabicação de biodiesel e etanol. “O país tem sol, água, agricultura desenvolvida, tecnologia para produção, logística e mercado estabelecido (devido à obrigatoriedade de adição obrigatória de biodiesel no óleo diesel), além de vocação natural para o plantio de oleaginosas próprias para a produção”, acrescenta o presidente da Petrobras Biocombustíveis. Em relação a questões de ordem técnica, o professor Inácio Loiola diz que para atender às especificações da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) é necessário que o País invista no processo produtivo. “Os laboratórios para a certificação do biodiesel devem ser montados e disponibilizados em maior número”. Ele ressalta ainda que a disponibilidade de óleo vegetal para a produção de biodiesel está abaixo da capacidade. Quanto ao etanol, o Brasil desponta na produção.

Nichos de mercado • Comercialização de polietileno obtido a partir do etanol da cana-de-açúcar; • Instalação de pólos gliceroquímicos para a produção de acrilatos, tendo como matéria prima a glicerina produzida na reação de transesterificação para produção do biodiesel; • Implementação de logística de transporte para produção e escoamento até centros consumidores; • Uso da “torta” proveniente do processo de prensagem para fabricação de óleo, como insumo na produção de alimentos ou ração; • O uso não compulsório de energia proveniente de fonte renovável, bem como os cultivos perenes, gera créditos de carbono, que podem ser comercializados em bolsas de valores; Fonte: Inácio Loiola (UFMG)

Aceleração na venda de modelos flex O etanol, também conhecido simplesmente como álcool, contribui para a aceleração das vendas num segmento específico do mercado automobilístico. É que, com o advento dos motores flex - surgidos recentemente no Brasil (2003) -, o número de pessoas que procuram por esse modelo de carro chega perto dos 80%. Segundo o diretor da concessionária Forlan (antiga Jorlan), em Belo Horizonte, Leonardo Mello, em agosto de 2008, mais de 77% dos veículos produzidos no Brasil tinham motor flex. E mais: automóveis flex já representam 23% de toda frota nacional. SUPERE: Os carros flex são mais propensos a problemas? Deve-se ter algum cuidado especial? L.M: Não existe nenhum problema. Os carros são projetados para a utilização dos dois combustíveis e não existe nenhum cuidado especial. Basta seguir as recomendações do manual do fabricante quanto ao plano de manutenção. Foto: arquivo pessoal

SUPERE: Como é hoje, no Brasil, a demanda por carros flex? Leonardo Mello: Nos carros populares, é quase que uma obrigação, já que o apelo é a economia. Nos carros de categoria superior, como os sedans médios e grandes, por exemplo, os Sport Utility Vehicle (SUV’s) que são os jipes maiores, não chegam a ser uma necessidade. O cliente não deixa de comprar um carro de luxo por não ser flex. SUPERE: E m relação à economia, o que se pode esperar de um motor flex? L.M: A grande vantagem é poder optar pelo combustível mais em conta. Como o carro com álcool consome 30% a mais, deve-se fazer a conta, de acordo com o preço dos dois combustíveis.

Leonardo Mello, Forlan Ford

61

SUPERE


A produção da fábrica de calçados de Rodinei da Silva e Érika Souza, em Guaxupé/MG, era de 150 pares por mês. Hoje, a fábrica produz 400 pares por dia.

A rede de padarias dos irmãos Ricardo Alencar e Carlos Alberto Dias Alencar começou com um faturamento mensal de 30 mil. Hoje, a rede fatura 1 milhão por mês.


Com foco em gestão de qualidade, a empresa de software do engenheiro Ian Campos Martins conquistou a certificação ISO 9001:2000, e está crescendo 25% ao ano.

Com o Sebrae, sua história também pode virar sucesso. 0800 570 0800 - www.sebraemg.com.br


Cultura

Texto e fotos: Luciana Sampaio

Mi

Buenos

Aires Querida Logo ali, ao lado, a cerca de três horas de vôo, os brasileiros podem saborear uma cidade que mescla o charme da Europa com o gingado latino: hermanos, bienvenidos à Paris do Cone Sul!

64SUPERE


Quem ganha uma caixa de Alfajores, de algum amigo que está retornando de Buenos Aires nem imagina que o sabor desse doce, assim como as inúmeras versões de Adiós Nonino, tango de Astor Piazzola considerado o segundo hino oficial do país, não fazem muito sentido longe da sua terra natal. Na verdade, são apenas indícios do muito que a capital argentina tem a oferecer às pessoas de todo o mundo que a visitam, seja para fazer negócios, participar de eventos ou mesmo para viagens de férias. O clima europeu, a arquitetura magnífica e imponente, as aveni-

das amplas e seus monumentos maravilhosos, bem como as inúmeras áreas verdes, são algumas das atrações que o turista vai perceber logo na primeira impressão, naquela primeira saída para reconhecimento de área. Buenos Aires tem opções de hospedagem para todos os bolsos e gostos, dos hotéis de luxo – Four Seasons, Emperador e Sheraton até a rede mundial de albergues da juventude (hostels) que têm atraído não apenas os mochileiros tradicionais, mas também jovens profissionais e executivos que preferem substituir o famoso “serviço de quarto” pela oportunidade de fazer

networking e sair da rotina, mesmo que seja por um ou dois dias antes do retorno às atividades. O consultor Frank Fraga, 37 anos, morador de Goiânia, foi a Buenos Aires para fazer um trabalho, mas não resistiu à idéia de conhecer a cidade. Bemhumorado, ele soube desfrutar os roteiros variados e aproveitou também o bar do hostel, onde se reúnem os grupos de brasileiros que estão chegando da rua, e aqueles que se preparam para a programação da noite. Inicialmente, Frank ficaria apenas dois dias, mas já havia renovado sua estadia por três vezes.

65

SUPERE


Cultura

Obelisco

José Júnior, 23 anos, pernambucano, deixou a confecção da família por um mês para conhecer Buenos Aires e região. Mesmo sozinho, ele não teve dificuldades em conhecer gente nova e se divertir muito. A advogada paulista Ana Paula Nigro, 32 anos,

foi a Buenos Aires para participar de um congresso da área de Farmacovigilância. Terminado o trabalho, ele abandonou o terno e a gravata para andar e conhecer a cidade. Os irmãos cariocas Bruno, 23, Júlia, 20, e Felipe, 17 saíram pela primeira vez de férias sem os pais.

Roteiro

Praça de Maio

“Buenos Aires tem opções de hospedagem para todos os gostos e bolsos”

Convite à caminhada

foi acompanhada pelo namorado Diogo e pela cunhada, Izabela. “É a minha primeira vez em um hostel. A experiência é diferente porque não sei muito bem como dividir o meu espaço, mas a cidade é muito bonita e compensa tudo isso”, destacou ela. O farmacêutico paulista Pedro Seckler Yoshikawa, 25 anos,

66SUPERE

Começando pela Praça de Maio, onde fica a Casa Rosada e os principais monumentos históricos da capital, ou pelo Obelisco que marca a união das avenidas 9 de Julho e Corrientes, é possível chegar a qualquer ponto da cidade. Sapatos confortáveis nos pés, telefone celular desligado, máquina fotográfica em perfeitas condições de uso são companheiros indispensáveis para qualquer passeio. A passagem de metrô custa 0,90 pesos, as corridas de táxi também têm preços interessantes, mas o convite à caminhada é quase irresistível, já que, além de bela, a cidade é totalmente plana.

Para a refeição matinal e também nas pausas, vale visitar os Cafés. O Havana e o Martinez, que têm filiais espalhadas por toda cidade são espaços com menos turistas, quem freqüenta mais esses espaços é a população - que se permite parar 15 minutos a cada tarde para um café ou chá. Na hora do almoço, há dois

tipos de cardápios básicos. O primeiro é o Bife de Chorizo com batatas, ou alguma especialidade de massa. Os preços variam de acordo com o bolso do turista. O melhor é que, diferentemente do Brasil, os menus podem ser consultados antes de a pessoa entrar

Charme nos detalhes

no restaurante. No Los Immortales, fundado há 60 anos, há três opções de pratos executivos para o almoço. No Suipacha, o menu inclui também carne de cordeiro, uma especialidade da região. Para quem quer algo mais chique, o Puerto Madero também oferece opções como o Carletto Ristorante, Sorriento e o Cabana


des Lilas. Uma variação pode ser o japonês Itamae Sushi, em Palermo e também na Recoleta.

povo da terra é bastante animado. Em La Recoleta, fica o cemitério mais famoso de Buenos Aires, bastante visitado. Além do túmulo de Evita Perón, o local abriga outras personalidades públicas e intelectuais da cidade. Praças verdes, pubs e o Hard Rock Café são algumas opções de lazer para quem se dispõe a caminhar. San Telmo, principalmente aos domingos, quando acontece a famosa feira de artesanato, também vale uma visita com tempo livre. Nada corrido, para ver as construções do antigo bairro. Completando o circuito básico, inclusive para quem não gosta, entende ou ama futebol, ir a Buenos Aires e não conhecer La Boca é simplesmente não ter passado pela cidade. Há quem diga que a Caminito, como é conhecida a área de casas coloridas, e que mereceu inclusive um famoso tango, é um país à parte, movido à paixão pelo futebol do Club Atlético Boca Juniors e de seu principal ícone, Diego Armando Maradona. Antes de voltar para o hotel, uma parada no bar La Perla, com seus móveis originais do final do Século XIX, completa o passeio. Para quem acredita que viagem é sinônimo de compras, há a tradicional Flórida, no Centro da

“Buenos Aires está logo ali, a sua espera!” Para a noite, há diversas opções de shows de tango. Esquina de Gardel e Sr. Tango são algumas delas, com direito a orquestras e dançarinos de primeira linha. O Café Tortoni, fundado no final do século XIX e considerado um dos 500 lugares mais amados de Buenos Aires, também oferece esse tipo de programação, em um ambiente tradicional. Para atender aos turistas brasileiros, há o garçom paranaense Sérgio, que foi a Buenos Aires para ficar 15 dias e já completou 25 anos morando na cidade. A região dos bares fica no charmoso Palermo. “Acabar” oferece aos visitantes jogos de todos os estilos e espaço para muita conversa. O Jackie O., na mesma região, tem restaurante, mesas de bilhar e música. As casas noturnas também “fervem”. A Roxy tem música eletrônica, mas há outras casas onde se tocam os ritmos da terra como salsa e reggaeton. Engana-se quem pensa que esses locais são apenas para turistas. O

cidade, com lojas variadíssimas, e shoppings onde se encontra desde Armani até produtos populares. Na Rua Bolívar, há uma fila de lojas de marcas famosas que praticam preços mais competitivos. Para todos esses casos, pergunte se há Tax Free, o que significa ter de volta uma parcela do dinheiro, aquela destinada aos impostos. No mais, Buenos Aires está logo ali, à sua espera. •

Cenários sedutores por toda a parte

67

SUPERE


Sommelier Supere

Vinhos

A classificação dos vinhos

franceses Por Arilton Soares* Todos os produtos precisam de uma identificação, a fim de se saber a qual

Logo abaixo, fica a categoria VDQS (Vin Delimité

categoria pertencem: os vinhos não são diferentes, principalmente os france-

de Qualité Supérieur). Tal categoria abrange

ses. Cada país possui legislação específica e parte dela é transmitida para o

vinhos de menor status, porém é definida e

consumidor, através do rótulo, que é uma valiosa fonte de informações sobre

controlada, cobrindo pouco mais 1% dos vinhos

o conteúdo das garrafas. Não podemos julgar um vinho pelo rótulo, mas sim

do país. É uma categoria que está diminuindo,

pelas informações que ele contém. Precisamos saber o significado exato dos

com muitos dos vinhos nela classificados sendo

termos utilizados nos rótulos. As primeiras dicas sobre um vinho estão na

elevados para AOC.

classificação encontrada no rótulo: região, uva permitida, grau alcoólico etc... Em seguida, há a categoria Vin de Pays, que surEntre as duas Grandes Guerras, a França criou a primeira categoria: a

giu da necessidade de se controlar a superpro-

Appelation d’Origine Controlée (AOC), nascida da necessidade de se com-

dução de vinhos, especialmente os provenientes

bater fraudes de alguns vinicultores. Outro aspecto que também influenciou

do Sul da França. São considerados vinhos de

a criação das apelações foi a campanha pela erradicação de videiras híbridas

mesa superiores e elaborados com uvas prove-

(provenientes do cruzamento de vitis viníferas com videiras americanas) resis-

nientes de uma região específica, que têm sua

tentes à filoxera (purgão que ataca as vitis viniveras pela raiz). Para ter direito

procedência determinada. A regulamentação

a ostentar o nome da apelação, a produção do vinho deve observar critérios

não é tão rigorosa como uma AOC ou um

específicos para a AOC. As leis francesas sobre os vinhos asseguram a

VDQS. Permite aos vitivinicultores experimentos

importância da origem das uvas, rendimento máximo por hectare, grau míni-

com diferentes variedades de uvas e métodos

mo e máximo de álcool, sistema de vinificação, sistema de poda e plantio dos

de produção, prática não permitida para uma

vinhedos, e exigências de afinamento na barrica e envelhecimento na garrafa.

Appellation Controlée.

Passam, ainda, por análises químicas e testes de degustação. Por último, o vinho de mesa (Vin de Table): a Na França, os vinhos de origem controlada não incluem, no rótulo, a variedade

quarta e maior categoria. Cerca de 60% da pro-

da uva, exceto na Alsácia. Além da origem das uvas, os vinicultores estão

dução estão nessa categoria, que é a “menos”

conscientes de que algumas vinícolas produzem vinho melhor do que outras.

importante. A maioria desses vinhos de mesa é

Isso se deve, também, ao solo, cuja composição pode diferir de um lado de

proveniente do Midi, de Provence e da Córsega.

um rio para o outro; ou de uma colina para outra; da altitude; da forma de

São os vinhos do dia-a-dia, com pouca indi-

plantio e do microclima. Com a cooperação de produtores e negociantes de

cação de procedência. Podem, inclusive, não

cada região, as apelações foram estabelecidas e aperfeiçoadas, refletindo,

indicar a safra. Muitos deles são vendidos sob

dessa forma, as tradições locais. Em Bordeaux, uma AOC cobre totalmen-

uma marca registrada, podendo até ter vindo

te uma comuna ou, como no caso de Margaux, cinco comunas inteiras.

de outro país da Comunidade Européia e fazer

Vinhedos específicos não são considerados. Na Borgonha, o vinhedo é o

um “corte” com vinho francês, apenas para

fator determinante, sendo caracterizado pela grande quantidade e pequena

engarrafar.

extensão. O nome da região, comuna, ou vila deve vir acompanhado da menção “Appelation Controlée”, por exemplo: Appelation Bordeaux Controlée, ou

Mas o melhor vinho é aquele que você gosta.

Appelation Saint-Émillion Controlée.

Então, Saúde!•

* Professor da ABS-Minas e Sommelier da Pizzaria Olegário: Av. Olegário Maciel, 1748 Lourdes - BH - MG - Tel.: 31 3292 4692 - ariltonsommelier@pizzariaolegario.com.br

68SUPERE


S

Sommelier Supere

ommelier upere Indica Indica

Inédito – 2003

Tipo: Tinto País: Chile Região: Vale do Cachapoal Produtor: Calyptra Castas: 85% Cabernet Sauvignon e 15% Merlot Graduação Alcoólica: 13,5º GL

Cave Geisse Brut – 1998 Tipo: Espumante Branco País: Brasil Região: Bento Gonçalves Produtor: Cave de Amadeu Castas: Chardonnay e Pinot Noir Graduação Alcoólica: 12,5º GL

Quinta do Ribeirinho – 2005 Tipo: tinto País: Portugal Região: Beiras Produtor: Luis Pato Castas: Baga Graduação Alcoólica: 13º GL

Crimson - 2006

Sassoalloro - 2004

Tipo: Tinto País: Nova Zelândia Região: Martinborough Produtor: Ata Rangi Castas: Pinot Noir Graduação Alcoólica: 13,5º GL

Tipo: Tinto País: Itália Região: Toscana Produtor: Jacopo Biondi Santi Castas: Sangiovese Grosso Graduação Alcoólica: 13º GL

Envie suas sugestões para esta coluna. End.: Av. Prudente de Morais, 44 - 3º andar Cidade Jardim - CEP 30380-000 - BH - MG ou para o e-mail: supere@verobrasil.com.br

69

SUPERE


A gente continua fazendo o que sabe melhor: acelerar o desenvolvimento do Estado e da sua gente.

Esta é a história do INDI. uma Minas 40 anos trabalhando para fazer de. do tamanho dos mineiros: gran O INDI - Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais -, desde a sua criação, é uma eficiente porta de entrada para investidores nacionais e internacionais, bem como para a promoção do crescimento econômico e social no Estado. Nestas quatro décadas, negociou a vinda para Minas de grandes empresas e empreendedores, que trouxeram emprego e renda, gerando bem-estar social e aumento na qualidade de vida de todos os mineiros. E isso é só o começo: com o crescimento acelerado de Minas e o trabalho do INDI, muito mais está por vir. Porque, para nós, contribuir para o Estado ser ainda melhor é mais do que um desejo. É uma vocação.

www.indi.mg.gov.br

Revista Supere 17 Saída_baixa  

Balanço 2008: avalanche financeira globalizada? Charles Lotfi é reeleito para a presidência da AC Minas Demanda, perspectivas de mercado, im...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you