Page 1


Bom Jesus - PI 2012


Capa Aline Santiago Ribeiro Magalhães Pedro Leonardo de Sousa Magalhães Diagramação / Arte Final Pedro Leonardo de Sousa Magalhães Ilustração / Projeto Gráfico Aline Santiago Ribeiro Magalhães

C853h

Autores Janailton Coutinho, Lilian Silva Catenacci, Leandro Pinto Xavier, Sinevaldo Gonçalves de Moura, Daiara, Maria Selma da Aires, Vivian Silva Catenacci, Júlio Cesar Galdino de Sousa. Revisores Lilian Silva Catenacci, Leandro Pinto Xavier, Sinevaldo Gonçalves de Moura, Cláudia da Silva Magalhães, Edneide Ferreira de Sousa, Maria Elizabeth Borges Zanon , Vivian Silva Catenacci

Coutinho, Janailton Uma horta na Gruta, que Bela horta / Janailton Coutinho; [et. al.]. — Bom Jesus, 2012. 48f .: il. Inclui Bibliografia. 1. Agricultura - Cartilha. 2. Educação Rural – Bom Jesus Piauí. 3. Agricultura Orgânica. 4. Agroecologia. I. Catenacci, Lilian Silva. II. Xavier, Leandro Pinto. III. Moura, Sinevaldo Gonçalves de. IV. Porto, Dayara Lins. V. Aires, Maria Selma da Cruz. VI. Sousa, Júlio Cesar Galdino de. VII. Título. CDD 630.715


Universidade Federal do Piauí Reitor Prof. Dr. Luiz de Sousa Santos Júnior Vice-reitor Prof. Dr. Edwar de Alencar Castelo Branco Pro-reitoria de Ensino de Graduação Profa. Dra. Regina Ferraz Mendes Pro-reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Prof. Dr. Saulo Cunha de Serta Brandão Pro-Reitoria de Extensão Profa. Dra. Maria da Glória Carvalho Moura Diretor do Campus Professora Cinobelina Elvas - CPCE Prof. Dr. José Lindenberg Rocha Sarmento Diretor Administrativo do CPCE Prof. Dr. Ítalo Hebert Lucena Cavalcanti Assessora de Pesquisa - CPCE Profa. Dra. Leilane Rocha Barros Sarmento Assessor de Extensão Universitária -CPCE Prof. M. Sc. Janailton Coutinho Pro-Reitoria de Assuntos Estudantis e Comunitários Profa. Dra. Nadir do Nascimento Nogueira Pro-reitor de Adminsitração Prof. Dr. Fábio Napoleão Rego Paiva Dias Pro-reitor de Planejamento Prof. Dr. José Arimateia Dantas Lopes

Prefeitura de Bom Jesus Prefeito Alcindo Piauilino Benvindo Rosal Vice – Prefeito Joabes Campos da Silva Secretário de Fazenda, Gestão Pública e Estratégica Claudiomar Pereira Lopes Secretário de Educação Alcilene Maria Ferreira Secretário de Saúde Nadja Moreno Benvindo Secretária de Ação Social Márcia Fonseca Leal Lustosa Secretário de Esporte, Lazer e Juventude Anízio Albano Secretária de Cultura Francisca de Jesus Íris Piauilino Secretária de Agricultura Telma Manganelli Secretário de Obras e Serviços Alberto Torres Secretário Meio Ambiente Cremildes Martins Nunes Piauilino Chefe de Gabinete Marilda Cristina de Lima

5


Equipe técnica Janailton Coutinho, Lilian Silva Catenacci, Leandro Pinto Xavier, Sinevaldo Gonçalves de Moura, Elizabeth Zanon, Ana Cláudia Alves Pereira,Ana Marta Martins de Sousa,Arlete Leite Lima, Charles Moura Lopes, Danubia Rodrigues Pinto, Eloisa Alves Gomes, Juscelina Fernandes de Castro, Larice Matos Fonseca, Maria das Mercês Barros Santiago, Milena Ilma Matos da Luz, Pamella Fernandes dos Santos, Shirlley Souza, Leidiane Negreiros da Rocha, Débora Ferreira da Silva, Ithauany Rodrigues Sousa, Luã Carvalho Resplandes, Frnaklin Eduardo Melo Santiago, Betiara Dias Guarino, Danilo Dias de Araújo, José Raimundo Luduvico de Sousa, Juvenal Pereira a Silva Júnior, Rodrigo Avelino Cirqueira, Victor Bruno Barbosa Neves, Maria das Mercês dos Anjos Leal, Raissa Brenda Soares Silva, Tamires Rodrigues da Silva, Hiêgo dos Santos Silva, Raimunda Nonata Ferreira da Silva, Tais Paula Martins Nunes, Deilane Alves de Jesus, Adalberto Carvalho, Alcilane Arnaldo da Silva, Eudinete Ribeiro de Sousa, Keilane Menês da Silva. Equipe gestora da Escola Marco Júlio Maria Elizabeth Borges Zanon, Elza Dias dos Santos de Castro, Tamires Ribeiro Oliveira, Antônio Alberto Vieira de Sousa, Hélio Donizete Araújo Sousa, Joelma de Sousa Brito, Junival Rodrigues de Castro Equipe de professores da Escola Marco Júlio Cledno Araújo de Castro, Clotildes Rodrigues da Silva, Débora Guimarães Pereira, Edneide Ferreira de Sousa, José Messias Santiago, Kátia Silene Nunes, Késia Aparecida Coelho, Lourismar Semírames , Maria Madalena dos Santos, Maria do Perpétuo Socorro Miranda,Lucineia Lopes da Silva.


Agradecimentos: SENAR, Comunidade rural Gruta Bela, Assentamentos envolvidos, Prefeitura Municipal de Bom Jesus, Pro-reitoria de ExtensĂŁo/UFPI e Universidade Federal do PiauĂ­.


Apresentação De um sonho de brincar, estudar, aprender, trocar e contar saiu esta Cartilha. Depois de mais de dois anos trabalhando numa comunidade rural do Sertão do Piaui, em um município chamado Bom Jesus, apresentamos a todos vocês nossas experiências sobre como é possível alimentar sonhos e bocas de uma maneira fácil, agradável e com muita diversão e coletividade. Agradecemos desde já cada pessoa de 0 a 290 anos de idade que fizeram com que as ações na Comunidade Gruta Bela acontecessem de maneira tão prazerosa e repleta de amizades. Um “xêro” mais que especial aos alunos, diretores e professores da Escola Municipal Marco Julio, que sempre acreditaram no nosso trabalho. E um abraço “bem dado” aos alunos da Universidade Federal do Piauí que saíram dos muros da Universidade para ensinar e aprender com a sociedade. E um abraço “bem dado” a Secretaria de Ação Social da Prefeitura Municipal de Bom Jesus e aos alunos da Universidade Federal do Piauí que saíram dos muros da Universidade para ensinar e aprender com a sociedade.

Os autores...

8


10


Nilton,

que todos em casa chamam de Niltinho, mora na cidade de Bom Jesus, no sertão do Piauí e estuda na Escola Marco Júlio. Ele sempre se perguntava por que na sua escola não havia uma horta.

11


12


Niltinho mora em um assentamento da reforma agrĂĄria e lĂĄ seu pai e seus vizinhos cultivam hortas. Eles produzem tanto que vendem seus produtos na comunidade de Bom Jesus e tambĂŠm em outras cidades.

13


Niltinho ficava bastante sempre pensado:

14


“Meu pai tem uma horta em casa e todo dia na merenda, no almoço e no jantar comemos muitos alimentos vindos do nosso quintal. Lá tem macaxeira, alface, coentro, cenoura, beterraba, cebolinha, rúcula e muitas outras hortaliças que planto, colho e como. Mas, quando chego na escola, não vejo um pé de planta e muito menos aquelas que eu adoro comer em casa todos os dias.”

15


16


Quando ele perguntava para a professora porque não tinha uma horta na escola, ela dizia que não tinha nada a ver com o que ela ensinava na sala de aula. Então ele se perguntava: “Para que estou aqui, se o que a professora vai me ensinar não serve pra mim?” Muito angustiado, Niltinho insistiu com a professora e ela disse que ele precisava pensar grande! Que horta que nada. Tinha que pensar em arranjar emprego na cidade e ganhar bastante dinheiro. O menino não entendia nada, pois seus pais e todos os pais dos seus coleguinhas trabalhavam nas suas próprias terras e, apesar de não ganharem muito dinheiro, eram tão ricos!

17


18


Por sorte, nessa escola, existe uma equipe muito legal de professores, diretores e funcionários. E, quando a Universidade Federal do Piauí chegou para realizar algumas atividades dentro da escola todos se divertiram muito. Niltinho falou aos seus novos amigos universitários sobre o desejo de cultivar hortaliças na escola, como faziam no quintal de casa, e todos, inclusive a professora, entenderam que seria importante construir aquela tão sonhada horta juntos!

19


Como primeira brincadeira todos foram, visitar a horta do Niltinho. Então, as crianças e seus pais participaram de alguns cursos sobre coisas que nunca tinham ouvido falar, mas que depois viram que já usavam há muito tempo: AGROECOLOGIA E AGRICULTURA ORGÂNICA.

20


Eles brincaram e aprenderam de montรฃo! Niltinho ficou encantado com o que aprendia todos os dias nos cursos, pois percebia que jรก colocava muita coisa em prรกtica em sua horta, mas que sempre dava para melhorar!

21


Um dia, ele juntou todos os seus amigos no pátio da escola para compartilharem o que tinham aprendido: “Agricultura orgânica é um sistema de produção que evita ou exclui amplamente o uso de fertilizantes, agrotóxicos e outros produtos químicos”, começou Niltinho. “Isso mesmo! E também depende de rotações de culturas, restos de plantas, esterco de animais, adubos verdes e respeita ao meio ambiente”, completou Antônio.

22


“Assim, não chegam muitas lagartas e outros insetos para comerem nossa horta!”, disse Niltinho. “Ah, e tem ainda uma tal de AGROECOLOGIA! Ela é uma mistura de tudo que queremos de bom para a nossa comunidade e para todo o nosso planeta.”

23


“Muito bem Niltinho! Com respeito ao meio ambiente, alimento de qualidade, educação voltada para realidade de cada um e saúde para todos vamos conseguir criar um mundo economicamente viável, socialmente justo, ambientalmente sustentável e uma vida no campo culturalmente aceita”, disse empolgada a diretora da escola. “Não vai ter como alguém não gostar desta tal agroecologia!”, Niltinho acrescentou sorrindo. “E agora, meus amigos, mãos na massa!!”

24


Niltinho convidou sua melhor amiga, Gracileia, a diretora, os professores e os demais estudantes para montarem a horta na escola. VAMOS FAZER? Todos disseram:

OOOOOO VAMOOOOO S!!! OOOOOSSSS

OOOOOOO

25


Os novos amigos da universidade tambÊm aceitaram aquele desafio e, animados com a iniciativa das crianças, passaram algumas dicas para que aquele sonho se tornasse realidade. Acompanhe com a gente e crie tambÊm uma horta na sua escola!

26


27


28


29


cal da horta;

idade o lo n u m o c a m o c o t lher jun

1a Passo: Esco

orta, ara fazer a h p l a c lo m u er sa ou a oderá fornec tal da sua ca de reunida p in a u id q n o u u m o o , c A não utilizado fica exposto espaço que r um terreno se m u o r d n te e d ve o e p quanto cal d nho, porém, ade. Este lo a id m n ta u o m o a c rt a o escola d dia. Não imp rá plantar. te durante o n e lm ia rc s você pode a ta p n la p e ao sol d e ersidad aço, mais div maior o esp

30


muitas m o c a t r o h a d zar o espaço e agradável; le e b m E : a o ss a P 2 e se torn st e e u q a r a p s a plant

ntado, al a ser pla c lo o u e lh ais, e já esco comunidad tas medicin n e u la q p : ra m o o g c A esmo, ixbelezar o m e bonita, de m h e c e a u ê q c s o v o e tem ntas qu e. e outras pla s re o rv comunidad á , a s ra a flore p re g ale agradável e ando-o bem

31


eiros;

s cant o d o ã ç u r t s n sso: Co

3a Pa

do o preparo s ó p a o g o uídos lo ser constr e verificar u m q e v m e te d s o o scolhid Os canteir tros irão do local e o d n e antos me d u n q e p m e o D c . r o terren ra sabe 0 m para ento de 1 nteiros pa a m c ri s p o m d o o c de de zar um tamanh ponibilida de-se utili o is d P . a d m u e a d ficar cad ho depen se taman s E . o ir te ível. cada can m dispon te ê c o v e terreno qu

32


4a Passo: Preparar a filhos, ou seja, as sem terra para receber seus entes, futuras plant as;

A terra deve se r preparada co m adubos que a terra e para as dêem mais ener plantas. Podem gia para ser, esterco (co galinhas, aves cô ) d e boi, cabras, e cascas de frut as. Também ut culturais, como ili za -s e palha de rest ,(cana, milho, b os anana, arroz). A nos canteiros um lé m d is so , d ev pouco de areia. e-se colocar Em seguida, co um dos tipos d lo ca -s e sobre o canteiro e adubos que você escolheu de areia, mexen e m is tu ra co m um pouco do bem, deixa ndo a terra solta canteiros com e fo fa . Por fim, molhe água. Assim co os mo você gosta gostam mais ai d e b eb er água, as pla nda. Sabia? ntas

33


lantas p s a d a iv t le o c a 5a Passo: Esccoolhmunidade; adequadas Ă

orta cadas na h lo o c r e s o rã s que deve dores da As hortaliça dos os mora to r o p s a as. escolhid s conhecid devem ser ta n la p r e s e e devem comunidad

34


35


6a Passo: Cuidar t odo

s os dias para que

a planta cresça lin

da e saudável;

Normalmente , não se verifi ca problemas canteiros, da com doenças s plantinhas. se cuidarmos bem dos Se a gente fo r todos os dia s nos canteiro se elas estão s dar uma olh todas bem sa adinha nas p d ia lantas, observ s, mas se algum planta toda fu ando d ia você for ao c radinha, é po anteiro e vê a rque teve alg estiver murch lguma uma formiga inha ou triste que fez isso. , vo O u c ê a in d e d ve a , se ela que evite a en retirá-la do ca trada de inse nteiro ou aplic to a s r e p re d o p enças no corp aro natural Por isso temo o da planta. E s que cuidar n te b n e m d e d u ? a limpeza, da devemos faze saúde das pla r com a gente ntinhas como , andar bem lim também pinhos, e com saúde.

36


er água c e n r o f á r Você deveas plantinhas; : o s a s a P 7 para e t n e m r la regu nhã ou

la ma ados pe ig r ir r e ador. s devem com reg s o o d ir a e t s, lh n o Os ca s horário o ser m o d n m e s d e o m ha. P , nos a as à tardin os dias s o d o nto, par t a t o r s o is P o o er. Fazend ua, com g ão morr á ir e o d ã n cisam tinhas er. elas pre as plan m e r e a cresc r c a s e p r c a u s a de ág plantinh recisam p s ê c o v também

a com t r o h a d s s planta fiquem livres de a a j e t o r P 8a Passola: ntas para que elaoss; outras p e ataque de inset tais doenças a contra t r o h a r

os rotege ixando e oderá p D p . s e d le , a p nid os dias em sim s b o A comu a d ir o e t n o a rigaçã as de m do o sua ir d n problem e z , evitan s a f o , ir s e o t n p s lim r os ca tas. canteiro ncharca e o às plan ã s n o a n a a ar ir d e causar er e deix de man g e e d t o o r p p o as de les. Iss das form pisar ne a m u é ável. o, essa te agrad n Portant ie b m a em um a horta

37


s folhas, a d n li r e lh o c á r , você pode entar você, sua família, so is o d u t e d is 9a Passo: Depsoe sementes que poderão alim frutos, raízecomunidade; rá a escola e a idade pode a, a comun

38

s acim sim a ssos citado a p s o Fazendo as s o r. e d c to re e fe d o o e ã lizaç tem a lh Após a rea mi-los. que a horta s to u d uida consu ro g p e s s o m d e r ia ra c ntes, pa se benefi ízes e seme ra , s to u fr s colheita do


39


40


memorar e . o c a r a p a st e f uma linda ue a terra lhe ofereceu a ç a F : a o ss a P 10 uezas q iq r e s n o d s o r agradece rduras

, ve m os frutos o c ta s fe a m ma lind rnização be unida faz u te re a e fr d n a o id c n a u m A com colhido Fazem u nto que foi s na horta. e o d m ti li a b o o s d e to e legum um pra liz, e rma bem fe pessoa leva fo a e d d a c to e n d e n bonita, o iam o alim nidos aprec u a um. re s o d o T vida de cad a n s na horta. te n a rt po eles são im vêem como

41


42


01º Passo: Escolher junto com a comunidade o local da horta; 02° Passo: Embelezar o espaço da horta com muitas plantas para que este se torne agradável; 03º Passo: Construção dos canteiros; 04º Passo: Preparar a terra para receber seus filhos, ou seja, as sementes, futuras plantas; 05º Passo: Escolha coletiva das plantas adequadas à comunidade; 06º Passo: Cuidar todos os dias para que a planta cresça linda e saudável; 07º Passo: Você deverá fornecer água regularmente para as plantinhas; 08º Passo: Proteja as plantas da horta com outras plantas para que elas fiquem livres de doenças e ataque de insetos; 09º Passo: Depois de tudo isso, você poderá colher lindas folhas, frutos, raízes e sementes que poderão alimentar você, sua família, a escola e a comunidade; 10º Passo: Faça uma linda festa para comemorar e agradecer os dons e riquezas que a terra lhe ofereceu.

Conclusão Conclui-se com tudo isso que mesmo numa comunidade onde as pessoas não tenham conhecimentos suficientes para a implantação de uma horta, elas souberam o quanto é importante ter em sua casa, ou na escola uma horta orgânica. O alimento é indispensável na vida do ser humano, pois ele que fornece todas as substâncias necessárias para a manutenção da vida, ou seja, minerais, vitaminas, proteínas, açúcares, e gorduras. Com isso a horta trouxe grandes benefícios para a comunidade, ajudando os moradores a desenvolver práticas de cuidados com a horta e com o meio ambiente. Todos cuidaram da horta e daquele dia em diante cuidaram melhor também da sua escola.

43


O que é Gruta Bela? Gruta Bela é uma comunidade que está a 12 Km da sede do município de Bom Jesus-PI. Foi criada na década de 70, pelo então prefeito Antônio Pinheiro, que comprou aquela gleba de terra do Coronel Marcos Júlio e doou às famílias que ali viviam e eram trabalhadoras dos fazendeiros locais. Tem um total de aproximadamente 400 habitantes e a maioria vive do cultivo da terra, o qual é feito em propriedades de fazendeiros locais, através de arrendamentos. Os principais produtos cultivados são: feijão, arroz, milho, mandioca, dentre outros, os quais são comercializados na própria localidade e no município de Bom Jesus, aos sábados, quando acontece

44

a feira. Também fazem parte da Associação Colônia de Pescadores, onde uma vez ao ano recebem auxílio e ajuda para vender seu pescado. A escola é um importante meio de socialização de crianças, adolescentes e adultos; sua fundação em 1975 foi um marco para a comunidade que até então dependia de pagar professor particulares para alfabetizar seus filhos. Atualmente a escola é um ponto de referência; é nela que acontecem reuniões de associações, encontros religiosos, capacitações, cursos profissionalizantes e momentos lúdicos para a comunidade. Gruta Bela possui dois Padroeiros: São Sebastião (janeiro) e Santo Antônio (junho), trazendo nessas festividades uma nova opção de renda para as famílias locais.


O que é LABOER?

convidada para apresentar sua “cara”, ou seja, as principais atividades culturais da localidade, finalizando com um lanche coletivo, com alimentos saudáveis, preparado pelo LABOER e pela comunidade.

O Laboratório de Estudos Rurais – LABOER, foi criado no ano de 2010 com o intuito de estudar as diversas instituições, movimentos e grupos que fazem parte do meio rural na região Sul do estado do Piauí. Ao longo dos anos vem promovendo encontros semanais com alunos que são bolsistas dos inúmeros projetos desenvolvidos pelo grupo. Com o objetivo de aproximar-se dos agentes locais são proporcionados constantes diálogos, visitas e a participação do grupo em diversas atividades dentro e fora da Universidade Federal do Piauí – UFPI. Um bom exemplo é o “Café com segurança alimentar”, momento em que uma comunidade é

O LABOER vem identificando os agentes, os órgãos e as instituições que estão vinculadas direta ou indiretamente com a questão agrária no Sul do Piauí. Assim, dialogamos diretamente com a Comissão Pastoral da Terra (CPT), Movimento dos Sem terra (MST), Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais, Movimento da Pedagogia da Alternância e outros que podem contribuir na construção de novos saberes. Desta maneira, o Laboratório de Estudos Rurais é um instrumento de formação e aprendizado, não apenas dentro da Universidade, mas também dos grupos sociais organizados, visando o entendimento e a compreensão da dinâmica agrária no estado do Piauí.

45


Gruta Bela e UFPI: Projetos e aprendizados

Esta cartilha faz parte de projetos de extensão e pesquisa desenvolvidos pelo Campus professora Cinobelina Elvas da Universidade Federal do Piauí em Bom Jesus que discute os temas do meio ambiente e cidadania no campo. Quando chegamos em Bom Jesus percebemos que havia uma BELA GRUTA na área rural de Bom Jesus chamada de GRUTA BELA. Criamos o Laboratório de Estudos Rurais em maio de 2010 para discutir e entender as questões inerentes ao mundo rural brasileiro e piauiense.

46

Começamos a realizar visitas na Gruta Bela e entendê-la como problema de pesquisa e espaço de extensão universitária com demandas específicas de uma comunidade que demanda inúmeras políticas públicas e atividades de extensão universitária. Assim, foram criados projetos de extensão e de pesquisa para dialogar com a comunidade e poder aprender novas práticas educativas. Estes projetos desenvolvidos e em desenvolvimento criaram um ambiente de entrozamento e troca de saberes entre estudantes e professores da UFPI e as comunidades envolvidas, especialmente a Gruta Bela.


Assim, estão sendo realizados os seguintes projetos: • “Implantação de horta comunitária na comunidade Gruta Bela, Bom Jesus- PI.” • “Movimentos sociais e Agroecologia: novos aprendizados a partir das organizações camponesas.” • “Educação ambiental nas comunidades rurais de Bom Jesus.” • “Uso sustentável dos recursos ambientais no meio rural.” • “Uso da tecnologia da informação em práticas sustentáveis com a juventude da agricultura familiar.” • “Universidade e mobilização social: comunicação e interação.” • “Saúde alternativa com remédios caseiros e cultura popular sobre o uso de plantas medicinais no assentamento taboca, Currais- PI.” • “Aplicações e manejo do uso de Agrotóxico no Assentamento Taboca, Currais-Piauí.” • “Aí acabou”; razões da evasão escolar no mundo rural de Palmeira do Piauí. • “Educação do campo: práticas educativas.” • “A relação da aprendizagem com o conforto da sala de aula.” • “O uso da tecnologia como ferramenta de ensino”

Estes projetos desenvolvidos e em desenvolvimento criaram um ambiente de entrosamento e troca de saberes entre estudantes e professores da UFPI e as comunidades envolvidas, especialmente a Gruta Bela.

47


Gente E Árvores

Vanessa Sá Dos Santos - 8 Série A

Na Gruta Bela tem muitas árvores: Árvores que plantam árvores que brotam Árvores que dão sombra; Gente que gosta de estar debaixo de árvores Tem árvores de todo jeito aqui. Tem árvores pequenas; Árvores grandes; Árvores bonitas; Árvores feias; Tem de todo jeito, e assim também têm as pessoas.

48

Muitas pessoas daqui gostam de ir para roça plantar arroz, feijão, milho e depois os colhe. Tem gente também de todo jeito: Tem gente que planta: Gente que colhe; Gente esperta; Gente preguiçosa; Gente bonita; Gente feia; Gente legal; Tem gente de todo jeito.


cartilha Gruta Bela  

cartilha Gruta Bela

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you