Page 1

FC Famalicão isola-se no comando da série B da 3ª divisão

Ribeirão cai de forma digna 4-3 (após prolongamento)

Estádio do Varzim Árbitro: Diogo Santos (Aveiro) Auxiliares: Bruno Silva e José Oliveira

Varzim Ribeirão Avelino Hugo Costa Pedro Santos Neto Campinho Tito André Carvalho (62’ Tito Silva) Tiago Terroso Gonçalo Graça (51’ Salvador) Tiago Carneiro (77’ Rui André) Rafael

Leonardo Tiago Moreira João Faria Paulo Rola Augusto Júlio Alves Miguel Vaz Vítor Bruno (75’ Cardoso) Ricardo Martins (67’ Forbes) Feliz Gilmar (45’ Hector)

Treinadores Eduardo Esteves

José Lemos

Golos: 4’ Rafael (1-0); 20’ Ricardo Martins (1-1); 21’ Tiago Terroso (2-1); 89’ Júlio Alves (2-2); 91’ Salvador (32); 94’ Feliz (3-3); 103’ Rui André (4-3). C artõ es Amarelos: 53’ Pedro Santos; 63’ Ricardo Martins; 64’ Salvador; 76’ Tiago Terroso; 82’ e 90’ Júlio Alves; 105’ Avelino; 109’ Tito Silva; 117’ Leonardo. C artõ es Vermelho s: 90’ Júlio Alves; 99’ Neto.

Bruno Marques Em jogo em atraso da quarta eliminatória da Taça de Portugal, Varzim e Ribeirão proporcionaram um bom espectáculo de futebol, com muitos golos e emoção até ao último minuto. Os poveiros eram favoritos a seguir em frente, por jogarem em casa e um escalão acima, mas tiveram de suar bastante para ultrapassar um Ribeirão aguerrido e que tudo fez para alcançar glória. Os ribeirenses acabaram por sucumbir no prolongamento com um golo muito consentido apontado por Rui André. Logo aos quatro minutos, os locais colocaram-se em vantagem. Rafael apareceu no interior da área, na marca da grande penalidade, e atirou a contar após cruzamento da direita. A partir do golo, os visitantes pegaram nas rédeas da partida e começaram a incomodar Avelino.

Tantas foram as tentativas que os homens do Passal conseguiram mesma igualar a contenda. Em lance de insistência, Ricardo Martins recolheu uma sobra à entrada da área e colocou a bola no ângulo da baliza varzinista. Durou pouco a festa do Ribeirão já que um minuto volvido, Tiago Terroso devolveu a vantagem ao Varzim. Ainda antes do intervalo, Avelino negou o golo a João Faria após cabeçada perfeita do central ribeirense na sequência de um canto. No final dos 45 minutos, o resultado mais ajustado seria a igualdade. A segunda parte foi mais do mesmo. Os forasteiros a correr atrás do prejuízo perante um Varzim na expectativa e à procura de aproveitar um deslize adversário. O marcador só voltou a funcionar praticamente em cima do minuto 90. Júlio Alves recebeu a bola à entrada da área e num remate espectacular fez um grande golo, forçando o prolongamento. Nos festejos, o jovem jogador excedeu-se e viu o segundo cartão amarelo, sendo expulso. No prolongamento, Salvador, de livre, deu nova vantagem ao Varzim, mas três minutos volvidos Feliz fez o 3-3, num lance confuso na área local. Depois Neto foi expulso por palavras dirigidas a um adversário e ainda na primeira parte do prolongamento Rui André aproveitou um mau atraso de Miguel Vaz para estabelecer o 4-3 final. A segunda metade do prolongamento teve mais coração e menos cabeça e por isso o resultado não mais se alterou. Pelo empenho e atitude demonstradas, o Ribeirão merecia algo mais, caindo por isso de cabeça bem levantada. O Varzim vai agora defrontar o Merelinense nos oitavos-de-final da Taça de Portugal e quem vencer esse encontro receberá o V. Guimarães nos “quartos” da competição. veja a reportagem www.famatv.pt

Equipa já está qualificada para a próxima fase

Voleibol do FAC afunda Santo Tirso Em Santo Tirso, a equipa de voleibol sénior do FAC, liderada por Allan Cocato, demonstrou toda a sua superioridade e venceu categoricamente o GC Santo Tirso por 3-0. Para além de consolidarem a liderança na série B da 2ª divisão, os famalicenses colocaram o seu adversário fora da segunda fase, relegando-o para a 3ª divisão. Os parciais (25-27, 23-25 e 20-25) não evidenciam a diferença entre os dois conjuntos. O primeiro set foi o mais equilibrado e nem as más decisões da dupla de arbitragem foram suficientes para contrariar a equipa de Famalicão. Neste momento ainda falta uma jornada nesta fase do campeonato, que se realizará no sábado, com o FAC a receber o Alto Douro (Régua), às 17 horas. O sorteio da segunda fase realiza-se no dia 18 de Janeiro e a primeira jornada é no último fim-de-semana de Janeiro. Recorde-se que além do FAC estarão

Arquivo

Varzim precisou do prolongamento para seguir em frente na Taça

Equipa sénior de voleibol do FAC

nesta fase o Vitória B, Marinhense, Ginástica (Parede-Lisboa), Anreade (Resende) e Póvoa ou Madalena (Gaia). Entretanto, Miguel Ferreira foi integrado no plantel sénior de voleibol do Famalicense Atlético Clube. Este jogador é um produto da formação do FAC e volta à prática da modalidade após um curto

interregno motivado pela vida académica. O atleta já efectuou diversos treinos com o plantel sénior e convenceu a equipa técnica, vendo assim premiado o seu esforço e dedicação. Classificação: 1º FAC, 19 pts; 2º V. Guimarães B, 16 pts; 3º GC Santo Tirso, 12 pts; 4º CCP Régua, 4 pts; 5º UTAD Vila Real, 3 pts.

Júlio Alves regressa ao Rio Ave O médio Júlio Alves, que estava emprestado ao Ribeirão pelo Rio Ave, foi chamado de volta e vai integrar o plantel comandado por Carlos Brito ainda no decorrer do presente mês de Janeiro. As boas exibições do jovem jogador ao serviço dos ribeirenses acabaram por convencer os responsáveis vilacondenses a fazê-lo regressar a casa, onde vai ficar às ordens de Carlos Brito no plantel sénior da equipa que actua na Liga Zon/Sagres. O jogador será uma baixa importante no meio campo ribeirense para o que resta da presente temporada na 2ª divisão. O jogador, irmão do internacional português Bruno Alves, tem 19 anos e cumpre a sua primeira época de sénior.

Taça Inatel cumpriu 2ª jornada Realizou-se no fim-de-semana a 2ª jornada da Taça Inatel, com os resultados: Lírio Gerês 1-2 Marrancos; S. Cláudio 2-0 Set Fontes; Meães 4-2 Mikaelense; Aboim Nóbrega 2-4 Juventude Académico. Classificação: 1º Juv.Académico, 6 pts; 2º Marrancos, 4 pts; 3º Meães, 3

pts; 4º Mikaelense, 3 pts; 5º Lírio Gerês, 3 pts; 6º S. Cláudio, 3 pts; 7º Sete Fontes, um ponto; 8º Aboim Nóbrega, 0 pts. A 3ª jornada terá os encontros: Juv. Académico-Lírio Gerês; Mikaelense-Aboim Nóbrega; Sete Fontes-Meães; Marrancos-S. Cláudio.

Liberdade tem campeões distritais No passado domingo teve lugar na Pista de Crosse Gémeos Castro, em Guimarães, o campeonato regional de corta mato curto, com a presença de toas as equipas de atletismo do distrito de Braga. O Liberdade Futebol Clube esteve em destaque, com Óscar Mendes a sagrar-se campeão distrital absoluto, Susana Malheiro a vencer em infantis femininos e André Filipe a garantir o título de campeão distrital de juniores masculinos. Para além disso, Tânia Silva foi vice-campeã em seniores femininos e o iniciado Rafael Silva e a juvenil Jéssica Lopes também foram vicecampeões distritais dos respectivos escalões. Entretanto, no passado sábado, Tânia Silva, em preparação para os campeonatos de pista coberta de Portugal, venceu a prova de 1.500 metros. pub.


14

sport: 12 de Janeiro de 2011

futebol

Dominar na primeira parte e perder na segunda

Ribeirenses deixaram-se surpreender 3-2 Estádio Municipal de Lousada Árbitro: Sílvio Gouveia (Bragança) Auxiliares: Carlos Melo e João Paulo Sá

Lousada Ribeirão Miguel Pisco Marinho (45’ Quim) Gonçalo Diogo Dinis Cristiano Miguel Moreira Rafa Oseias (62’ Bruno Alves) Nelson (85’ Ginho)

Hugo Magalhães Tiago Moreira João Faria Paulo Rola (77’ Hector) Augusto Miguel Vaz Ricardo Martins Feliz Cardoso Gilmar (67’ Marcelo) Forbes

Treinadores António Carvalho

José Lemos

Golos: 2’ Rafa (1-0); 10’ Forbes (1-1); 38’ Cardoso (1-2); 53’ Oseias (2-2); 69’ Miguel Moreira (3-2). Cartões Amarelos: 22’ Diogo; 43’ e 92’ Augusto; 58’ Rafa; 63’ Miguel Vaz; 67’ Ricardo Martins; 77’ Nelson; 86’ Marcelo. C artõ es Vermelho s: 92’ Augusto e 93’ Forbes.

Bruno Marques Merecia mais o Ribeirão nesta deslocação ao terreno do Lousada. Depois de uma primeira

ARPO presente no regional de corta mato A secção de atletismo da Associação Recreativa Pousadense (ARPO) participou no passado fim-desemana no campeonato regional de corta mato de 4.000 metros. As classificações foram as seguintes: 6º lugar, Ricardo Rodrigues; 14º lugar, Joaquim Silva; 16º posto, Joaquim Costa; 17ª posição, Joaquim Coelho; 21º lugar, Álvaro Sousa; 24º lugar, Raúl Carvalho; 25ª posição, José Silva. Por equipas, a ARPO classificou-se no 3º lugar. Entretanto, também este fim-de-semana, José Magalhães participou no Grande Prémio dos Reis, em Esmeriz, e classificouse em 4º lugar.

parte de grande nível, em que podia ter saído para o descanso com uma margem muito confortável, os ribeirenses permitiram a reacção dos locais na etapa complementar e acabaram derrotados por 3-2. Um resultado que espelha a maior eficácia ofensiva do Lousada. Começou melhor a equipa da casa que logo aos dois minutos se adiantou no marcador. Rafa fugiu pelo lado esquerdo, entrou na área e à saída de Hugo Magalhães atirou para o 1-0. Assistiuse depois à reacção dos visitantes que chegaram à igualdade ao minuto dez. Forbes recebeu à entrada da área e num remate à meia volta fez o 1-1. A partir daqui, os ribeirenses tomaram conta do encontro e assistiu-se a um festival de oportunidades criadas por parte dos comandados de José Lemos. Aos 12 minutos, Gilmar cabeceou ao primeiro poste, após canto de Feliz na direita, e um defensor do Lousada salvou o golo em cima da linha de baliza. Pouco depois, Ricardo Martins, de livre, acertou em cheio na

barra da baliza de Miguel. À passagem do minuto 32, Gilmar correu isolado para a grande área e à saída de Miguel fez um chapéu, com Gonçalo a evitar o golo também em cima da linha. Ficou ainda a dúvida para um toque com a mão do defesa local. Dois minutos depois, novamente na sequência de um canto apontado por Feliz, foi a vez de João Faria ver Pisco evitar o segundo golo, depois de um cabeceamento quase perfeito. Finalmente ao minuto 38, o Ribeirão conseguiu o tão merecido golo da vantagem. Numa jogada confusa, a bola sobrou para Cardoso, à entrada da área e sob o lado esquerdo, que rematou rasteiro e colocado para o 1-2. Um tento que trouxe justiça ao marcador e que levou os forasteiros em vantagem para o descanso. Resultado justo, mas escasso face às inúmeras oportunidades de golo criadas. Na segunda parte tudo se alterou. António Carvalho lançou Quim na partida e o Lousada ficou a jogar com dois pontas de lança muito possantes na frente

de ataque. Os da casa foram crescendo no jogo e chegaram à igualdade aos 53 minutos. A defensiva ribeirense demorou a tirar a bola de zona perigosa e no meio da confusão Oseias voltou a igualar a contenda. Motivados pelo golo do empate, os jogadores do Lousada partiram para cima do adversário e ao minuto 69 voltaram à vantagem. Passe para as costas da defensiva do Ribeirão, com Miguel Moreira a receber no peito e a rematar para o 3-2. No lance ficam dúvidas para a posição do capitão do Lousada. Em desvantagem, os ho-

II DI VI SÃO

Sé rie A

R E S U LTA D O S

Andorinha, 0; União, 4 Camacha, 2; Fafe, 2 Marítimo B, 0; Merelinens, 1 M Cavaleiros, 2; Tirsense, 1

Caniçal, 2; Oliveirense, 1 Vizela, 1; Bragança, 0 Lousada, 3; Ribeirão, 2 Chaves, 0; Pontassolense, 0

PRÓXIMA JORNADA União - Camacha Fafe - Marítimo B Merelinense - M. Cavaleiros Tirsense - Caniçal

Oliveirense - Vizela Bragança - Lousada Ribeirão - Chaves Pontassolense - Andorinha

mens do Passal tudo tentaram para conquistar pelo menos um ponto no Municipal de Lousada, mas jogando mais com o coração do que com a cabeça nunca conseguiram incomodar verdadeiramente o último reduto local. Excepção feita a uma jogada de Forbes, que rematou para intervenção atenta de Miguel. Até ao final, referência ainda para duas expulsões no Ribeirão. Augusto e Forbes foram expulsos em período de compensação, este último com um vermelho directo que pareceu demasiado rigoroso por parte de Sílvio Gouveia. CLASSIFICAÇÃO

1. União 2. Tirsense 3. Chaves 4. Camacha 5. Fafe 6. Vizela 7. M. Cavaleiros 8. Merelinense 9. Oliveirense 10. Ribeirão 11. Lousada 12. Andorinha 13. Caniçal 14. Marítimo B 15. Bragança 16. Pontassolense

V

E

D

F

C

P

13 10 13 8 14 7 14 6 13 6 14 4 14 4 13 5 14 5 14 3 13 4 13 4 13 4 13 3 14 2 12 0

J

2 3 5 4 3 7 6 3 3 8 4 4 2 4 2 4

1 2 2 4 4 3 4 5 6 3 5 5 7 6 10 8

27 19 17 16 19 15 16 15 13 15 14 12 10 10 12 8

5 11 10 16 16 12 15 14 19 14 16 22 15 11 20 22

32 27 26 22 21 19 18 18 18 17 16 16 14 13 8 4

Oliveirense merecia melhor sorte na deslocação à Madeira

Duelo pela manutenção favorável aos madeirenses 2-1 Campo Municipal do Caniçal Árbitro: Eugénio Arez (Algarve) Auxiliares: João Ferreira e Carlos Cabral

Caniçal Oliveirense Ricardo Quaresma Varandas Pedro Dinarte Nuno Oliveira Thierry Valter (79’ Tiago) Alexandre Duarte Nuno (37’ Prioste) Jony Marcelo (67’ Paulinho) Flávio Neves

Vila Cova Nuno Guimarães João Duarte Flávio Nuno Sousa (67’ P. Moreira) Fifas (59’ Meira) Leal Nuno Silva (74’ Ismael) João Cruz Cadete Capela

Treinadores António Remelgado

Golos: 23’ Pedro Dinarte (1-0); 46’ Thierry (2-0); 50’ Cadete (2-1). Cartõ es Amare los: Não houve. Cartõ es Vermelho s: Não houve.

No regresso à competição, a Oliveirense não foi feliz em mais uma deslocação a território insular. Desta feita, a equipa de Oliveira Santa Maria defrontou o Caniçal e depois de uma exibição muito esforçada por parte dos seus jogadores merecia ter trazido pelo menos um ponto da ilha da Madeira. Num jogo entre equipas com os mesmos objectivos, a manutenção, acabou por ser a formação da casa a levar a melhor. O Caniçal entrou melhor no encontro, impondo uma maior dinâmica e apresentando um futebol mais consistente e elaborado. Ainda assim, foi a equipa forasteira a criar a primeira ocasião de golo. Capela surgiu solto na cara do guarda-redes Ricardo, mas não conseguiu ultrapassar o guardião local e inaugurar o marcador, corria o minuto sete da partida. A resposta dos madeirenses não se fez esperar e à passagem

do minuto 22, Valter rematou de longe para uma intervenção atenta de Vila Cova. Não foi à primeira, mas surgiu à segunda o golo da equipa da casa. Um minuto depois, na sequência de um pontapé de canto, Valter colocou a bola em Pedro Dinarte que só teve de empurrar para o fundo das redes da Oliveirense, já no interior da pequena área. Os famalicenses sentiram o golo e só depois da meia hora é que reagiram, valendo intervenções atentas de Ricardo. Na etapa complementar, o Caniçal entrou disposto a chegar rapidamente ao golo da tranquilidade, algo que iria acontecer ao minuto 46. Novamente de canto apontado por Valter, desta feita foi a vez de Thierry surgir no sítio certo e de cabeça fazer o 2-0. Desta vez, a Oliveirense conseguiu reagir de imediato ao golo sofrido e quatro minutos depois Cadete relançou a discussão pelo

resultado final. Mais rápido que os defesas adversários, Cadete aproveitou uma bola perdida na área dos da casa, após remate de João Cruz à barra, para reduzir para 2-1. Animada pelo golo, a equipa visitante tentou o tudo por tudo para empatar o encontro, mas do outro lado encontrou uma defesa bastante organizada e a dar poucos espaços. A melhor oportunidade para a igualdade surgiu ao minuto 83. A Oliveirense dispôs de uma grande penalidade que João Duarte não conseguiu converter, atirando ao lado da baliza do Caniçal. Os madeirenses acabaram por ficar com os três pontos, num jogo em que pelo empenho demonstrado a formação de Oliveira Santa Maria merecia melhor sorte. Desta forma, a Oliveirense entra com o pé esquerdo no ano de 2011. pub.


sport: 12 de Janeiro de 2011 15

futebol

pub.

3-1

Três pontos e liderança isolada

Estádio Municipal de Famalicão Árbitro : António Ferreira (Aveiro) Auxiliares: Cristiano Ferreira e Rafael Ferreira

FC Famalicão

Amarante

Rui Forte Luís Miguel (72’ Samuel) Palheiras China Talocha Arturinho Fina (76’ Tozé) Nelson Diop (53’ Ruizinho) André Claro Cícero

Celso Pedro Carneiro Marquinhos (64’ Pedro Melo) Tiago Martins (83’ João Alves) Miguel Rochinha Jussane Paulo Pereira (75’ Filipe) Tiago Silva Bruno Teixeira Bispo

Famalicão vence e convence

Treinadores José Augusto

Arlindo Gomes

Golos: 12’ André Claro (1-0); 35’ Diop (2-0); 50’ Rochinha (2-1); 55’ Cícero (3-1). C artõ es Amarelos: 27’ Rochinha; 48’ Bispo; 52’ Pedro Carneiro. Carlos Alberto

C artõ es Vermelho s: Não houve.

José Clemente O Famalicão recebeu na segunda jornada da segunda volta a formação do Amarante que se apresentou com a nítida intenção de conquistar pontos, mas a equipa da casa entrou no jogo com a firme disposição de cedo chegar ao golo e conseguiu-o. Foi numa boa jogada pelo lado esquerdo, com Talocha a ir à linha de fundo e com um centro remate para o interior da pequena área a bola bateu no corpo de um defensor do Amarante e depois foi ter com o pé direito de André Claro que colocaria desta maneira o Famalicão na frente do marcador. Estavam decorridos 12 minutos de jogo e com este golo esperava-se uma reacção da equipa do Amarante, só que a mesma não aconteceu e isto mais por culpa da equipa da casa que depois do golo continuou com a mesma toada. O Famalicão jogava muito bem pelas alas e o segundo golo poderia acontecer a qualquer momento. À passagem do minuto 35 e na transformação de um pontapé de canto, Diop, mais alto do que toda a defensiva do Amarante, marcou o segundo para a sua equipa. O intervalo chegaria pouco depois, com o Famalicão na frente do marcador.

Diop a cabecear para o segundo golo dos famalicenses

Para a segunda parte, o Famalicão entrou um pouco adormecido e disso se aproveitaria a equipa do Amarante que até tinha entrado muito bem na segunda parte para reduzir para a margem mínima. Estavam decorridos cinco minutos da segunda parte. Com este golo do Amarante temeu-se o pior no Estádio Municipal, só que o Famalicão muito bem organizado e com muita personalidade, em especial no seu sector mais recuado, não deu qualquer veleidade ao Amarante para tentar chegar com mais perigo junto da baliza de Rui Forte. Aos 55 minutos, Cícero iria acabar com o jogo ao marcar o terceiro para a formação da casa. Foi mais uma jogada de grande nível pelo lado esquerdo, onde Ruizinho centrou e Cícero fez o terceiro para os famalicenses. A partir daqui, o Amarante foi uma equipa muito mais perigosa, atacou muito, mas o Famalicão ia gerindo a vantagem de dois golos. No final foram mais três pontos para a melhor equipa em campo e um resultado que não sofre qualquer contestação. Entretanto, no intervalo do jogo do

passado domingo realizou-se o sorteio do cabaz do FC Famalicão e o número vencedor foi o 0288.

III DI VI SÃO CLASSIFICAÇÃO

1. Famalicão 2. Candal 3. Joane 4. Paredes 5. Sousense 6. Amarante 7. Leça 8. Serzedelo 9. Rebordosa 10. Vila Meã 11. Mondinense 12. Oliveira Douro

J

V

E

13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13

7 6 6 6 5 5 4 4 4 3 2 0

3 5 4 4 4 4 6 6 5 4 6 1

Sé rie B D

F

C

P

3 2 3 3 4 4 3 3 4 6 5 12

15 21 21 18 15 12 16 20 23 11 17 9

12 15 12 15 11 10 11 20 17 18 22 35

24 23 22 22 19 19 18 18 17 13 12 1

R E S U LTA D O S Oliveira Douro, 0; Joane, 2

Rebordosa, 0; Paredes, 0

Famalicão, 3; Amarante, 1

Vila Meã, 0; Candal, 1

Serzedelo, 3; Leça, 2

Mondinense, 2; Sousense, 2

PRÓXIMA JORNADA Amarante - Joane

Candal - Rebordosa

Leça - Famalicão

Sousense - Vila Meã

Paredes - Serzedelo

Mondinense - Oliveira Douro

Na deslocação ao terreno do lanterna vermelha Oliveira Douro

Joane com triunfo tranquilo 0-2 Estádio Parque da Cidade de Gaia Árbitro: Luís Silva (Madeira) Auxiliares: Luís Costa e Amândio Pereira

Oliveira Douro GD Joane Ricardo Morais (60’ Galeão) Ricardo Pinheiro Rómulo Nuno Cardoso Fernando Castro (82’ Miguelito) Dudu Zézé Figueiredo Jardel (45’ Rabaça)

Sérgio Zé Pedro Bruno André Campos Pedro Pinto (78’ Hélder) Sócrates (90’ Vidal) Hugo Matos Pedro Borges Carlos Manuel Álvaro Vítor Hugo (69’ Miguel Lemos)

Treinadores António Pereira

Jorge Baptista

Golos: 54’ Vítor Hugo (0-1); 88’ Miguel Lemos (0-2). Cartões Amarelos: 15’ e 83’ Fernando; 29’ Morais; 41’ Dudu; 44’ Ricardo Pinheiro; 49’ André Campos; 68’ Nuno Cardoso; 77’ Miguel Lemos. C artõ es Vermelho s: 81’ António Pereira; 83’ Fernando.

Aristides Ferreira O Joane foi até ao terreno do último classificado do campeonato e como

era de esperar os três pontos vieram na bagagem dos forasteiros. Golos só na segunda metade, um a abrir a etapa complementar e outro a fechar o jogo que ditaram uma vitória justa da melhor equipa em campo. A equipa da casa, que ainda não conheceu a vitória neste campeonato, reforçou-se neste início de ano, daí o Joane ter entrado no jogo com algumas cautelas. Os primeiros 25 minutos de jogo foram equilibrados, mas sem grandes atractivos. A partir daqui, o Joane sentiu que tinha de imprimir mais velocidade no jogo e a primeira grande situação surgiu aos 27 minutos com Vítor Hugo a cruzar e Sócrates a chegar atrasado para a emenda. O domínio era do Joane e Vítor Hugo aos 30 minutos fugiu aos adversários, só que na cara de Ricardo não conseguiu desviar para o fundo da baliza. A equipa da casa também tentava mostrar alguns argumentos e um minuto depois foi Jardel a chegar atrasado a um cruzamento vindo da esquerda. A fechar a primeira metade foi a vez de Sócrates aparecer sozinho na área,

mas mais uma vez a não conseguir bater o guarda-redes. Na segunda metade o jogo foi mais atractivo, com os joanenses a entrarem mais determinados na procura do golo. Aos 54 minutos, Pedro Pinto bateu um canto na direita e Vítor Hugo, de cabeça, inaugurou o marcador. Finalmente a vencer, os forasteiros foram à procura do golo da tranquilidade e estiveram muito perto de o conseguir aos 57 e 58 minutos. O domínio era pleno dos homens de Jorge Batista, mas o golo da tranquilidade teimava em não aparecer. As coisas ainda ficaram mais facilitadas aos 82 minutos. Fernando viu o segundo cartão amarelo e o Joane ia chegar ao segundo golo já muito perto do apito final. Num bom desenho do meio campo joanense, a bola caiu na direita do ataque, onde surgiu Sócrates a servir Miguel Lemos, sem marcação no interior da área, para o 0-2. Uma vitória justa da melhor equipa em campo que continua na perseguição ao primeiro lugar da tabela classificativa. Bom trabalho do árbitro Luís Silva.


16

sport: 12 de Janeiro de 2011

especial pub

António Pereira, presidente da Associação Recreativa e Cultural de Antas

“É difícil manter um clube sem apoios”

Bruno Marques* Depois da descida de divisão na última temporada, esta época a equipa da Associação Recreativa e Cultural de Antas (ARCA) não criou grandes expectativas para o campeonato distrital de futsal. Primeiro estão os objectivos financeiros, onde a redução dos custos e estabilização financeira são a principal preocupação do presidente António Pereira. “É difícil manter um clube sem apoios, sem sede social e num mundo de dificuldades”, diz o responsável da colectividade. Por isso, ficar a meio da tabela é o desejo dos responsáveis da associação, que para 2010/2011 não traçaram objectivos ambiciosos no plano desportivo. António Pereira chegou a presidente numa altura difícil para a ARCA e o seu mandato já vai em três anos. A partir de agora, o presidente espera que o futuro seja mais risonho e não fecha a porta a um regresso a médio prazo à 3ª divisão nacional. “Encontrei um passivo muito grande e mui-

tas dificuldades financeiras, mas esforcei-me para não deixar a associação cair num vazio e num impasse. Ao longo destes três anos conseguimos reduzir o passivo e ainda adquirir duas carrinhas para o transporte de jogadores. O futuro passa por ter infra-estruturas próprias, como por exemplo uma sede social”, refere. António Pereira chegou a equacionar não formar uma equipa sénior para competir na presente temporada e apostar apenas em mais do que uma camada de formação. A ARCA acabou, ainda assim, por competir na 1ª divisão distrital sénior, apesar do presidente considerar que “é quase insustentável ter seniores”. Assumindo que o apoio da Câmara, com a cedência do Pavilhão das Lameiras para treinos, é importante, António Pereira considera, no entanto, que os horários não são os mais indicados para os jovens trabalhar e por isso também a ARCA não tem mais atletas para formação. Com o mandato a terminar no mês de Julho, o actual presidente da colectividade de S. Tiago de Antas espera que surja sucessão no comando da direcção: “Começam-me a faltar forças, são muitos anos de dedicação e espero deixar a ARCA com zero de passivo para que qualquer sócio seja capaz de assumir os destinos da associação e a partir daí definir o rumo que pretende seguir”. A realidade actual da ARCA passa pela distrital de futsal, depois de há uns anos atrás ter andado entre os grandes do futsal português, apostando nos jovens da terra para servir o clube. É com a tentativa de devolver alguma mística e bairrismo à colectividade que a direcção espera recuperar o prestígio perdido. *com José Clemente

pub

Paulo Viana quer recuperar o tempo perdido

“Tentar melhorar a cada dia que passa” Bruno Marques* A Associação Recreativa e Cultural de Antas (ARCA) mudou de treinador durante o mês de Dezembro, com Paulo Viana, um técnico experiente e com largo currículo na orientação de equipas de futsal, a assumir as rédeas da equipa sénior. O objectivo é melhorar a classificação actual e alcançar um lugar mais condizente com os pergaminhos da associação e com o real valor da equipa. “Queremos fazer melhor a cada dia que passa e ficar ao máximo dentro das ideias do próprio clube. Treino a treino e jogo a jogo, vamos vendo”, revela o treinador, que diz também não ter encontrado o grupo de trabalho numa “situação muito vantajosa”. “A equipa estava um bocado quebrada, também pela muita juventude existente no grupo de trabalho e pelo facto de ter descido de divisão e os resultados não terem aparecido no início do campeonato”, esclarece. A ARCA está neste momento no 13º lugar da tabela classificativa, com dez pontos, e na ronda do passado fim-de-semana foi até ao terreno do Apulienses conquistar um ponto, depois de uma igualdade a três bolas. A tentativa é que a equipa ainda chegue a um lugar dentro da primeira metade da tabela, mas a distância é considerável apesar de faltarem ainda muitas jornadas para o final do campeonato. O próximo confronto é um dérbi concelhio com a Mocidade Alegre de Landim. O novo treinador não está bem identificado com o campeonato que a ARCA disputa, uma vez que apenas se inteirou das equipas e da competição aquando do convite endereçado pela direcção da colectividade de Antas. Paulo Viana acredita ainda assim que “não

andará muito longe daquilo que foi na última época e daquilo que registei das equipas durante o campeonato passado em que estive no activo ao comando de uma formação”. Paulo Viana deseja a chegada de jogadores que possam ajudar a equipa, nomeadamente alguns que trouxessem maior experiência ao plantel, que é bastante jovem. Essa possibilidade deverá manter-se em aberto, mesmo tendo em conta que a ARCA não vive uma situação desafogada em termos financeiros. “Não quero mais jogadores, em termos de número, quero sim é alguém que possa vir acrescentar qualquer coisa ao grupo de trabalho e trazer algo de bom para a equipa”, explica. Viana assume de braços abertos o desafio que lhe foi lançado, consciente do “trabalho árduo” que o espera, mas confiante numa melhoria classificativa por parte da equipa que agora orienta. A experiência acumulada nesta divisão poderá ser importante para levar a nau a bom porto. *com José Clemente


especial

pub.

sport: 12 de Janeiro de 2011 17

pub.


18

sport: 12 de Janeiro de 2011

especial pub.

Presidente da Mocidade Alegre Landim acredita que a equipa vai melhorar

João Machado quer os cinco primeiros lugares Bruno Marques* A equipa sénior de futsal da Mocidade Alegre Landim (MAL) iniciou o campeonato da 1ª divisão distrital de forma discreta, ocupando o 12º lugar da classificação com 16 pontos conquistados, ao cabo de 13 jornadas. Mesmo ocupando a parte baixa da tabela, João Machado, presidente do MAL, acredita que a formação de Landim vai começar a crescer em termos exibicionais e começar a conquistar lugares. O responsável máximo do clube aponta mesmo aos cinco primeiros postos da tabela classificativa. “Não começámos bem o campeonato, também realizámos agora alguns jogos que estavam em atraso, numa situação que não nos favoreceu em nada, mas a prova ainda não chegou sequer a meio e estamos convencidos que vamos alcançar o nosso objectivo para este ano”, destaca João Machado. O objectivo é precisamente fechar a época 2010/2011 no lote dos cinco da frente. Neste momento, são oito os pontos que separam o MAL do quinto classificado, o Cabeçudense. A equipa foi reforçada

com a entrada de alguns jogadores e foi também operada uma mudança na equipa técnica, chegando Vítor Varela para orientar o conjunto landinense. As alterações acontecerem em Novembro e a esperança da direcção é que sejam decisivas para a melhoria qualitativa da equipa, nomeadamente em termos de resultados. O plantel é constituído por 16 elementos e segundo o presidente “dá garantias para o que resta cumprir da temporada”. Num escalão com cinco formações famalicenses, João Machado considera que a si-

tuação é de salutar para a competição, lamentando apenas que não sejam mais as colectividades do concelho a estarem representadas no campeonato e a apostarem no futsal em termos distritais. Numa colectividade com largos pergaminhos na prática da modalidade, o desejo da actual direcção e levar o nome do MAL até a um escalão nacional. “Desde o início que o nosso objectivo é consolidar o projecto para tentarmos ir mais longe e chegar a uma divisão com outra dimensão e isso deverá acontecer a partir da próxima época, apostando seriamente nessa promoção. Julgamos que nessa altura estaremos em condições de assumir essa candidatura”, aponta. Os aspectos ainda a melhorar passam por conseguir mais apoios financeiros e reunir outras condições em termos de infra-estruturas. O orçamento do MAL para 2010/2011 ronda os dez mil euros, um valor que é gerido de forma rigorosa por parte da direcção e que é suficiente para uma temporada sem sobressaltos. *com José Clemente

pub.

Vítor Varela, treinador da Mocidade Alegre Landim

“Queremos chegar o mais acima possível” Bruno Marques* Num campeonato em que apenas se luta para subir, uma vez que na Associação de Futebol de Braga não existe um escalão distrital de futsal para além da primeira, Vítor Varela, treinador da Mocidade Alegre Landim (MAL), considera que neste momento a sua equipa terá apenas que lutar pela melhor classificação possível. Chegado a Landim durante o mês de Novembro, o técnico acredita que ainda é possível melhorar e fechar o campeonato num lugar mais condizente com o real valor do grupo de trabalho que comanda. Quando Vítor Varela chegou, o MAL ocupava o penúltimo lugar da classificação e neste momento está na 12ª posição em 16 equipas participantes. “A direcção pediu-me para melhorar a classificação da equipa, já conseguimos isso, mas pretendemos continuar a subir mais e chegar o mais acima possível”, adianta, referindo que encontrou uma “equipa de rastos”. Actualmente existem sinais positivos, com os jogadores a reagirem bem, algo que tem ficado patente nas recentes exibições. “Não conhecia a equipa, já que também não foi formada por mim e aquilo que estou a tentar fazer é estruturar e melhorar, tornandoa mais forte e competente”. Outro intuito é que os adversários olhem para o MAL como um conjunto difícil de ultrapassar e pelo qual sintam respeito. “Penso que neste momento já todos olham para nós de uma outra maneira”, destaca. Vítor Varela reconhece que ainda não está totalmente identificado com a valia de todos os adversários desta divisão, mas sempre adianta que o Priscos, líder da prova, é a formação mais forte. Santo Adrião e Taipense também

merecem elogios por parte do técnico do MAL porque são, juntamente com o Priscos, as formações com maior experiência, melhores jogadores e estruturas directivas fortes. As condições de treino não são totalmente satisfatórias para o treinador que pretendia ter um dia diferente para treinar. “Só podemos treinar às segundas e quartas-feiras, algo que não é o ideal para este tipo de competição, mas de resto tudo o que pedi aos dirigentes do MAL de forma a desenvolver correctamente o meu trabalho foi realizado. Essencial seria mesmo conseguir o pavilhão para treinar noutros dias”. Tudo porque os jogos se realizam habitualmente aos sábados e domingos e a distância entre treinos e partidas não é a ideal. Na ronda do passado fim-de-semana, a 13ª da 1ª divisão distrital, a equipa de Landim conseguiu um empate a quatro bolas na recepção ao Santo Adrião, terceiro classificado da prova. *com José Clemente


especial

pub.

sport: 12 de Janeiro de 2011 19

pub.


20

sport: 12 de Janeiro de 2011

especial pub.

Marco Freitas, presidente do Mouquim Associação Unida

“O objectivo é a melhor classificação possível” Bruno Marques* Das cinco equipas famalicenses que militam na 1ª divisão distrital de futsal, o Mouquim Associação Unida (MAU) é o clube que está melhor classificado. Actualmente, a formação de Mouquim ocupa o 4º lugar, com 27 pontos, menos cinco que o líder Priscos. Mesmo ocupando os primeiros lugares e estando perto da discussão pela subida de divisão, os responsáveis do clube rejeitam que o objectivo para a presente época passe pela promoção. Segundo o presidente do MAU, Marco Freitas, o desejo passa por realizar uma temporada tranquila e alcançar a melhor classificação possível. “Temos plena consciência das condições que temos para trabalhar e mediante isso não nos é possível ir mais longe do que um escalão distrital”, refere, acrescentando que pretendem “andar nos lugares cimeiros a chatear os primeiros e ter algum protagonismo neste campeonato”. Admitindo que o facto do Mouquim ter estado no primeiro lugar da classificação durante as primeiras dez jor-

nadas acabou por levar a que se falasse na subida, Marco Freitas revela que essa esperança não passa disso mesmo, sendo necessário manter “os pés bem assentes na terra”. O presidente teve mesmo a necessidade de ir ao balneário resfriar os ânimos do grupo de trabalho, muito motivado para lutar pela subida. A satisfação pelo trabalho desenvolvido até ao momento pelo plantel e equipa técnica é também notória. “Temos um grande lote

de jogadores, muito unido e que até esta fase está a ultrapassar as expectativas”, diz. O responsável da colectividade de Mouquim deixa ainda algumas críticas às arbitragens, referindo que a equipa “tem sofrido as consequências de andar nos lugares cimeiros”. Confrontado com o facto de existirem muitos representantes do concelho de Famalicão nesta divisão, o presidente considera o facto como “muito positivo”, dizendo que quem fica a ganhar é o futsal e lamentando até a desistência de outros clubes do concelho que permitiriam “ainda mais jogos interessantes entre associações vizinhas”. Apesar de nesta época não pretender subir de divisão, Marco Freitas não esconde que é possível a colectividade de Mouquim chegar aos nacionais da modalidade, sendo para isso preciso melhorar as suas condições de trabalho. É nesse sentido que a actual direcção da associação pretende trabalhar, procurando desenvolver as suas infra-estruturas desportivas. *com José Clemente

pub

Treinador do Mouquim está satisfeito com o grupo de trabalho

No centro da cidade, com óptimas áreas, Fica no 3º andar, tem um sótão, Excelente negócio. Valor: 65.000,00 €

Como nova Em Antas. Equipada com ar condicionado e aquecimento central, Cozinha mobilada e equipada, alarme, sistema de som em toda a casa, Janelas eléctricas, três quartos, duas casas de banho, uma suite com quarto de vestir e armários embutidos. Garagem para dois carros. Valor: 175.000,00 € (negociáveis)

Para venda ou para arrendamento. Perto do centro e com bons acessos.

Com a área de 145 m2, dois lugares de garagem e arrumos. Cozinha mobilada, sala com lareira, uma casa de banho completa e uma suite, tem seis armários embutidos, soalho em carvalho, ar condicionado e aquecimento central, tectos falsos com iluminação em focos e com duas varandas. Valor: 150.000,00 €

Tem a área de 95 m2, garagem fechada para um carro, quartos com armários embutidos, uma casa de banho e uma suite, cozinha, lavandaria e despensa, iluminação em focos, tem ar condicionado, uma varanda, pavimento em cerâmica e taco e garagem fechada para um carro. Valor: 90.000,00 €

Como novo. Quartos com armários embutidos, uma suite. Cozinha mobilada e equipada, lavandariaTem tectos falsos com iluminação em focos. Vidros duplos, aquecimento central. Uma varanda. O chão do hall de entrada é em mármore. Tem porta de segurança, vídeo - porteiro.

Com garagem e arrumos. Novo e com óptimas áreas. Perto do Parque da cidade. Tem cozinha mobilada, duas casas de banho. Com aquecimento central e aspiração.

Excelente apartamento, só visto. Valor: 117.500,00 €

Como novo. Perto do centro. Tem garagem fechada. Opção de venda com mobília. Tem três frentes. Cozinha mobilada e equipada com electrodomésticos, sala comum, quarto com suite, Um armário embutido. Aspiração central, aquecimento central, gás canalizado,

Valor: 100.000,00 €

Ainda em projecto numa zona sossegada, com excelente exposição solar. Moradia com uma área de 360m2, tem 3 quartos, 1 suite, 3 casas de banho, 1 sala de estar com lareira, sala de jantar, cozinha, piscina, aquecimento central, ar condicionado, garagem, ainda com possibilidades de adaptar o projecto ao seu gosto, venha conhecer.

Valor: 105.000,00 €

Loja no Edifício Sagres. Para arrendar: 500,00 € Com a área de 106 m2, tem duas casas de banho. Escritório junto aos correios. Para arrendar: 225,00 € Tem a área de 40 m2, fica no 1º andar, em muito bom estado. Escritório na Rua de Sto. António. Para arrendar: 1.250,00 € Com dois pisos e um recuado. Com possibilidade de lugar de estacionamento privado. Está como novo, uma casa de banho remodelada e com sensores. Varanda na frente da rua principal. Lote Terreno No centro da cidade. Valor: Desde 58.000€

Apartamento T1 – No centro da cidade. Condomínio incluído. 260,00 €

César Dantas procura maior regularidade Bruno Marques* César Dantas é o treinador do Mouquim Associação Unida (MAU) e não está surpreendido com a temporada que a equipa que orienta está a realizar. O técnico está satisfeito com as prestações do seu grupo de trabalho, mas diz que ainda existem coisas a melhorar, sendo que gostava que o MAU fosse mais regular em termos de resultados e exibições. Esse é o principal objectivo para o que resta do campeonato, uma vez que a subida não é prioritária. “Necessitamos de ser mais regulares com as equipas que teoricamente são mais acessíveis”, adianta César Dantas. O Mouquim dáse melhor diante de equipas que “apresentam um futsal mais elaborado”, sentindo mais dificuldades “com formações do meio e do final da tabela”. Tirando esse facto, “o campeonato está a corresponder às expectativas iniciais e nesta fase existe ainda um grupo de quatro equipas muito próximas umas das outras e a lutar pelos primeiros lugares, criando uma grande

distância para os restantes clubes”. Na opinião do treinador, os quatro primeiros classificados são os conjuntos mais fortes da 1ª divisão de futsal da Associação de Futebol de Braga e será daí que sairá o vencedor deste escalão e promovido ao campeonato nacional da 3ª divisão. O papel do Mouquim será baralhar as contas e tentar também a sua sorte. Dantas refere que “é difícil saber em que lugar vai terminar, mas deverá ser num dos quatro primeiros lugares”, sendo “ainda muito cedo para se conhecer o desfecho desta prova”. “Temos consciência das nossas dificuldades, das nossas qualidades e das dos nossos adversários e vamos trabalhar para sermos sempre cada vez melhores, de jogo para jogo, sabendo também que muitas coisas que tentamos de rectificar não serão conseguidas”, acrescenta. Questionado sobre o que poderia ser melhor em termos de treinos, César Dantas gostava de poder ter outro dia para preparar a equipa já que as sextas-feiras não são do

agrado do técnico. No passado fim-desemana, a equipa orientada por César Dantas perdeu em casa frente ao Taipense por 32, tendo estado a ganhar até minuto e meio do final da partida. Algumas más decisões da dupla de arbitragem possibilitaram esse desfecho favorável ao segundo classificado da prova. No próximo sábado, pelas 21 horas, o Mouquim joga com o IPCA. *com José Clemente


especial

pub.

sport: 12 de Janeiro de 2011 21

pub.


sport: 12 de Janeiro de 2011

CLASSIFICAÇÃO

J

V

E

9 8 6 6 6 5 4 4 5 4 4 4 2 2 3 2

3 1 20 9 30 4 1 21 10 28 4 3 23 15 22 3 4 18 14 21 2 5 15 14 20 4 4 14 8 19 5 4 19 16 17 5 4 14 13 17 2 6 19 24 17 4 5 12 14 16 4 5 14 19 16 3 6 15 18 15 6 5 12 18 12 5 6 13 17 11 2 8 14 25 11 4 7 17 26 10 Celoricense - Forjães Santa Eulália - Vilaverdense Prado -Arões Porto d'Ave - Ronfe

PRÓXIMA

1. Marinhas 13 2. Vilaverdense 13 3. Arões 13 4. Prado 13 5. Martim 13 6. Terras Bouro 13 7. Ronfe 13 8. Torcatense 13 9. Celoricense 13 10. Polvoreira 13 11. Santa Eulália 13 12. Porto d'Ave 13 13. Ninense 13 14. Forjães 13 15. Pevidém 13 16. Louro 13 Marinhas - Polvoreira Martim - Pevidém Terras Bouro - Ninense Louro - Torcatense

R E S U L TA D O S

AFB I DIVISÃO

D

F

C

P

Série B

Brito, 1; Lagense, 0 Tabuadelo, 0;Antime, 2 S. Cosme, 2; Travassos, 1 Ruivanense, 0; Bairro, 0

Cabeceirense, 1; Silvares, 2 Fermilense, 1; Campelos, 1 Arco Baulhe, 0; Guilhofrei, 0 Este, 3; Pica, 3

J

V

E

1. Pica 13 2. Travassos 13 3. Antime 13 4. Ruivanense 13 5. Brito 12 6. S. Cosme 12 7. Silvares 13 8. Guilhofrei 13 9. Arco Baulhe 13 10. Lagense 13 11. Fermilense 13 12. Este 12 13. Cabeceirense 13 14. Bairro 13 15. Tabuadelo 13 16. Campelos 12 Este - Lagense Antime - Brito Travassos - Tabuadelo Bairro - S. Cosme

9 9 9 7 7 7 4 5 4 4 5 2 3 1 2 0

3 1 24 8 30 2 2 19 7 29 2 2 19 9 29 4 2 16 10 25 2 3 18 14 23 0 5 18 15 21 6 3 17 18 18 2 6 15 15 17 4 5 14 16 16 4 5 9 12 16 1 7 16 19 16 5 5 17 21 11 2 8 13 21 11 6 6 9 17 9 2 9 8 20 8 3 9 10 20 3 Silvares - Ruivanense Campelos - Cabeceirense Guilhofrei - Fermilense Pica -Arco Baulhe

PRÓXIMA

CLASSIFICAÇÃO

Série 1

Forjães, 2; Santa Eulália, 3 Arões, 3; Celoricense, 2 Ronfe, 1; Prado, 1 Marinhas, 0; Porto d'Ave, 0

R E S U L TA D O S

AFB II DIVISÃO

J

PRÓXIMA

1. Antas 12 2. Cabreiros 12 3. Sequeirense 12 4. Delães 12 5. Arentim 12 6. J. Mouquim 12 7. Gondifelos 12 8. Operário 12 9. Granja 12 10. Arnoso 12 11. MARCA 12 12. Ucha 12 13. Necessidades 12 Arentim - Cabreiros Necessidades - Delães Granja - Gondifelos Sequeirense - Arnoso

F

C

Necessida, 1; Gondifelos, 1 Arentim, 2; Delães, 2 FOLGA-Cabreiros V

E

8 6 6 5 5 4 4 4 5 3 2 2 0

4 0 20 7 4 2 24 12 3 3 21 12 6 1 24 17 5 2 25 17 5 3 18 17 4 4 24 19 4 4 15 10 1 6 15 27 2 7 15 21 4 6 15 19 3 7 13 24 3 9 12 39 Ucha - Antas MARCA - Operário J. Mouquim - FOLGA

D

F

C

O Ninense empatou no passado domingo a uma bola frente a um dos históricos da competição. Assistiu-se a um bom espectáculo entre duas equipas que traziam a ambição pelos três pontos. Começou melhor o Martim que logo aos dez minutos por intermédio de Bié obrigou João a defender. Se a primeira parte foi escassa em situações de golo, o facto é que o intervalo fez bem aos de Nine e a segunda metade começou com algumas arrancadas de Gera que havia rendido o lesionado Luís Tiago. Pouco depois, o avançado ninense Torres não conseguiu inaugurar o marcador após um cruzamento de Francês pela direita. Minutos volvidos aconteceria o primeiro caso do jogo, com o árbitro a marcar grande penalidade por falta de João que receberia ordem de expulsão. O guarda-redes Mesquita faria assim os primeiros minutos

P

28 22 21 21 20 17 16 16 16 11 10 9 3

A equipa da casa dominou a maior parte do tempo e aos 12 minutos Stephane teve a primeira oportunidade do jogo, mas não conseguiu concretizar. Sete minutos depois é o Bairro que leva perigo à baliza de Berto. No minuto 23, após passe de Rui, Hélder isola-se, mas o guardaredes adversário não permitiu a abertura do marcador. Aos 33 minutos, Vítor Hugo não conseguiu finalizar, após passe de Carriço. A fechar o primeiro tempo, o Bairro quase abriu o marcador. Aos 53 minutos, na marcação de um livre indirecto, o Ruivanense voltou a levar perigo à área adversária. Passados cinco minutos, os adeptos da equipa da casa gritam golo, mas o árbitro entendeu que existiu falta sobre o guarda-redes. No minuto 66, Márcio, com um grande remate, põe o guarda-redes do Bairro a mostrar o seu valor. Termina assim a partida com o nulo no resultado. Quanto à equipa de arbitragem, nada a referenciar. O Ruivanense alinhou com: Berto, Ricardo, Tuka (75’ Sarilho), Rui, Macedo, Anísio (78’ Ricardo Sá), Hélder (63’ Vitor Hugo), Carriço, Vítor Hugo I, Stephane e Márcio.

Vilaverdense 2-1 Louro Nos primeiros dez minutos foi o Louro que esteve a dominar, mas depois desse período os homens da casa equilibraram o jogo e Alexandre na sequência de um canto quase inaugurou o marcador, com Rafa, junto ao poste, a evitar o golo. Aos 29 minutos, numa boa jogada, Morgado foge à defesa mas já na área permite o corte de um defesa. À passagem do minuto 39, Manaus, no lance de maior perigo do Vilaverdense na primeira parte, atirou ao poste da baliza de Rafa. No minuto seguinte, Alexandre atrasa de cabeça para o seu guarda-redes, mas Álvaro antecipa-se, desvia a bola e obriga Miguel à defesa da tarde, negando o golo ao jogador do Louso. Na segunda parte, o Vilaverdense aproveitou dois erros defensivos e adiantouse no marcador. Primeiro, aos 50 minutos, Rafa defende o primeiro remate de Matias, mas a bola cai na cabeça de Armando que

quistar os três pontos. No jogo frente ao Abambres o Famalicão alinhou com: Maia, Bruninho, Carlos, João Carlos, Amaral, Adriano, Fredy, Cláudio, Pinheiro, Álvaro e Hélder. Jogaram ainda: Luís, Gil e Afonso. José Clemente

RE SULTA DOS

JUNIORES

1. Paços Ferreira 2. Gil Vicente 3. Fafe 4. Aves 5. Penafiel 6. Paredes 7. Famalicão 8. Trofense 9. Barroselas 10. Palmeiras 11. Abambres 12. Limianos PRÓXIMA

II Divisão

Palmeiras, 1; Gil Vicente, 1 Trofense, 2; Aves, 2 Abambre, 0; Famalicão, 0 P. Ferreira, 2; Paredes, 0 Limianos, 2; Barroselas, 0 Penafiel, 1; Fafe, 1

CLASSIFICAÇÃO

J

V

18 14 18 11 18 9 18 9 18 8 18 8 18 7 18 5 18 4 18 4 18 3 18 3

Fafe - Palmeiras Gil Vicente - Abambres Famalicão - Limianos

E

D

sem oposição faz o golo. Aos 53 minutos, Matias aproveita a falha da defesa e sozinho não desperdiça, fazendo o 2-0. O Louro continuou a procurar o resultado mais favorável. Aos 70 minutos, num bom lance do Louro, Álvaro assiste Edu que permite a defesa de Miguel já dentro da pequena área. Dez minutos depois, a defensiva da casa foi apanhada desprevenida e André, isolado, faz um chapéu e reduz para 2-1. O Vilaverdense alinhou com: Miguel, Alexandre, Saviola, Bruno, Agostinho, Meira, Pedro (65’ Russo), Manaus (45’ Hugo), Ribeirinho, Matias, Armando (85’ Lima). Já o Louro jogou com: Rafa, Quim, Rui, Bi, Moura, Nuno (68’ Gijo), Morgado, Rui II (68’ Vilela), André, Edu, Chica (25’ Álvaro). Amarelos: 14’ e 60’ Alexandre; 81’ Hugo; 83’ Gijo. Tiago Gomes

S. Cláudio 2-0 Sete Fontes Após o interregno do campeonato para a quadra natalícia, no passado sábado voltou o futebol à freguesia de Antas com a 2ª jornada da Taça Fundação Inatel, tendo a equipa de São Cláudio recebido o Sete Fontes e vencido por 2-0. O jogo começou com o domínio do S. Cláudio que à passagem do minuto 20, na sequência de um canto, viu Pedrinho desviar a bola ao primeiro poste e Miguel surgir de cabeça para o primeiro golo. Em duas situações o S. Cláudio poderia ter ampliado o marcador. Primeiro por Miguel que após bom passe de João apareceu isolado, mas permitiu a defesa do guarda-redes. Logo de seguida, Pedro surgiu isolado mas rematou para fora. A segunda parte começou com o Sete Fontes a tentar chegar ao empate, mas o S. Cláudio não o permitiu, continuando a mandar na partida. À passagem dos 60 minutos, Miguel rouba a bola a um defesa, isola-se e frente ao guarda-redes atirou para o 2-0. O S. Cláudio alinhou com: Zé Carlos, Mix, Zeca, Luca, Ginho, Salgado, Peneda, Avelino, João, Luís (62’ Ferreira), Pedrinho (70’ Vi Bogas e Miguel (75’ Rafa). Entretanto, o sorteio do cabaz de Natal foi realizado no final do jogo. Foi sorteado o número 80 que como não foi comprado fez o cabaz reverter à associação de S. Cláudio.

Brito 1-0 Lagense Na 13ª jornada da 1ª divisão, série B, o Lagense visitou o Brito e perdeu por 1-0. A primeira parte deste jogo foi muito disputada a meio campo e nenhuma das equipas se conseguiu impor. A única oportunidade de golo foi desperdiçada pelo Lagense aos 30 minutos por intermédio de Vítor II. A segunda parte trouxe um Brito mais pressionante, mas foi uma vez mais o Lagense, através de Sérgio, que aos 65 minutos obrigou o guarda-redes da casa a aplicar-se. Na jogada seguinte, o Brito chegou ao golo. O guarda-redes do Lagense, Hélder, ainda defendeu à primeira, mas o avançado vimaranense foi rápido a reagir e na recarga fez o 1-0. Três minutos volvidos, os da casa tiveram mais uma boa oportunidade para marcar, depois de um cruzamento para a área que terminou no poste da baliza. Aos 85 minutos, o Lagense ficou reduzido a dez unidades depois de Vítor I ter sido expulso por acumulação de amarelos. O Lagense bem tentou nos últimos minutos chegar à baliza contrária, mas nada mais havia a fazer e a vitória sorriu aos da casa. A equipa de arbitragem esteve bem, mas abusou de uma dualidade de critérios que beneficiou a equipa da casa. Os técnicos Mesquita e Rui Faria fizeram alinhar: Hélder, Mansilhas, Maia, Vítor Hugo, Vitinha (80’ Bruno), Vitor I, Dani, Sérgio, Seara (75’ Morais), Tiago (70’ Sampaio) e Vítor II. O próximo jogo será no sábado, com o Lagense a visitar o Este FC. Barroselas. No final o mais importante foi conseguido, os três pontos, mas mesmo assim o resultado sabe a pouco e é escasso. Nesta partida, o Famalicão alinhou com: Miguel, Daniel, Dany, Tigas, Rui, Viana, Simão, Silva, Rafa, Carlos e Jota. Jogaram ainda: Hugo Morais e Cadete. O Barroselas jogou com: Ruben, Faria, Pinto, Cunha, Gaby, Bruno, China, Júnior, Hélder, Fabrício e Rui Sousa. Jogaram ainda: João Nuno, Sandro e João Pedro. José Clemente

Iniciados vencem pela margem mínima

Juniores com nulo em Abambres Os juniores do Famalicão deslocou-se no passado sábado a Abambres, um dos últimos classificados do campeonato, e não foi além de um empate a zero bolas. Numa partida com o terreno de jogo impróprio para a prática do futebol, dado existir muita lama. Mesmo assim ainda foi o Famalicão a equipa que durante toda a partida conseguiu criar as melhores oportunidades para poder marcar e a melhor foi mesmo já no final do jogo, com Hélder, de baliza completamente escancarada, rematou ao poste da baliza do Abambres. Neste jogo estava escrito que o Famalicão não conseguiria trazer os três pontos consigo e caso conseguisse trazer a vitória a formação famalicense colava-se ao quarto lugar, com menos dois pontos que o Desportivo das Aves. Na próxima jornada, a equipa famalicense recebe o lanterna vermelha, o Limianos, numa partida em que o Famalicão é favorito a con-

pelo Ninense e na cobrança do penálti o avançado rematou ao lado. Mas os melhores momentos eram do Ninense a jogar com dez, com Borralho em grande a ganhar o meio campo e a municiar Francês e Gera que criavam muitas dificuldades aos defesas forasteiros. Num desses lances, Gera foi rasteirado dentro da área e na conversão do penálti Hélder Guimarães fez o 1-0 aos 75 minutos. A poucos minutos do final da partida, Mesquita deixou escapar a bola e o avançado Ricardo Cruz faz o tento da igualdade. Mesmo assim, os de Nine não baixaram os braços e ao cair do pano Nelsinho rematou ao lado. Entretanto, realizou-se o sorteio de Reis levado a cabo pela AD Ninense que teve como premiados os seguintes números: 6628 (1º prémio); 2600 (2º prémio); 9128 (3º prémio). Alberto Barbosa

Ruivanense 0-0 Bairro

P

Série A

MARCA, 3; Mouquim, 4 Ucha, 1; Operário, 0 Sequeirense, 0; Antas, 1 Granja, 2; Arnoso, 0

CLASSIFICAÇÃO

D

Ninense 1-1 Martim

F

1 3 48 3 4 34 5 4 28 2 7 33 4 6 29 2 8 26 4 7 22 8 5 32 8 6 17 5 9 18 4 11 18 0 15 14

A equipa de iniciados do Famalicão recebeu no passado domingo a formação do Barroselas e venceu por uma bola a zero, numa partida em que os famalicenses foram sempre superiores ao seu adversário. Jogaram e remataram mais, assim como tiveram maior posse de bola. Foi um autêntico massacre junto da baliza do guarda-redes do Bar-

roselas, mas em especial durante a segunda parte porque na primeira e por sinal na parte onde o Famalicão marcou o seu único golo por intermédio de Jota o jogo em períodos até foi equilibrado. Só que na segunda parte o Famalicão remeteu o seu adversário para a sua defensiva e as jogadas de perigo eram uma constante junto da baliza do INICIADOS RE SULTA DOS

Pevidém, 0; Polvoreira, 1 Ninense, 1; Martim, 1 Torcatense, 1; T. Bouro, 0 Vilaverdense, 2; Louro, 1

C

P

CLASSIFICAÇÃO

43 36 32 29 28 26 25 23 20 17 13 9

1. Braga 2. Varzim 3. V. Guimarães 4. Merelinense 5. Gil Vicente 6. Barroselas 7. Vizela 8. Famalicão 9. Marinhas 10. Limianos 11. Mirandela 12. Bragança

Barroselas - Trofense Aves - Paços Ferreira Paredes - Penafiel

Famalicão dominou todo o encontro

I Divisão

Gil Vicente, 1; Braga, 4 Vizela, 2; Merelinense, 3 Mirandela, 0; Limianos, 1

13 17 18 25 23 26 23 30 26 28 54 36

Carlos Alberto

R E S U L TA D O S

AFB DIVISÃO HONRA

futebol

PRÓXIMA

22

J

Varzim, 3; Marinhas, 0 Bragança, 0; Guimarães, 6 Famalicão, 1; Barroselas, 0 V

E

D

F

C

P

17 17 17 15 17 13 17 9 17 7 17 7 17 7 17 4 17 4 17 4 17 4 17 1

0 0 2 2 4 3 0 5 2 2 0 0

0 2 2 6 6 7 10 8 11 11 13 16

83 61 61 34 21 20 23 15 18 17 11 12

8 18 9 28 31 25 30 28 30 44 46 79

51 45 41 29 25 24 21 17 14 14 12 3

Merelinense - Braga Limianos - Vizela Marinhas - Mirandela

V. Guimarães - Varzim Barroselas - Bragança Famalicão - Gil Vicente


sport: 12 de Janeiro de 2011 23

modalidades

Atletismo Rosa Oliveira esteve em Guimarães A Associação Escola de Atletismo Rosa Oliveira participou no campeonato regional de corta mato curto em Guimarães, no passado fim-de-semana, tendo os seus atletas conseguido bons resultados. Em infantis femininas, Vânia Ribeiro foi 7ª classificada, em iniciadas, Sílvia Oliveira fez uma boa prova, ficando no 5ª lugar, Sara Oliveira foi 10ª e Sara Fernandes 12ª. Em juvenis femininas, Jéssica Pontes terminou a sua prova no 5º posto enquanto no sector masculino José Pereira foi 11º. Já no escalão sénior feminino, Rosa Oliveira foi terceira da geral e Hermínia Pereira terminou no 5º lugar. Entretanto, a equipa da Escola Rosa Oliveira marcou ainda presença com dois

Ângelo Ribeiro é vice-campeão regional de corta mato A Associação Moinho de Vermoim participou em mais uma edição do campeonato regional de corta mato curto e obteve resultados positivos. O atleta do escalão júnior, Ângelo Ribeiro, sagrou-se vice-campeão regional de corta mato curto, em Guimarães. Esta foi mais uma boa prova do atleta que tem conquistado pódios atrás de pódios. De realçar que em breve Ângelo Ribeiro irá participar nos nacionais de pista coberta que vão decorrer no Pombal. Na prova de Guimarães, realizada no passado fim-de-semana, participaram mais três atletas da Moinho Vermoim, sendo que Adelino Fernandes ficou no 7º lugar do escalão sénior masculino e Augusto Antunes, no mesmo escalão, terminou no 8º posto. Luís Faria lesionou-se no decorrer da prova e não conseguiu concluir.

atletas no Grande Prémio dos Reis, em Gaia, tendo obtido os resultados: Henrique Paredes foi 3º classificado em veteranos III e André Machado conseguiu também uma prova positiva. Já na 23ª S. Silvestre de Esmeriz, a equipa famalicense conseguiu cinco pó-

dios. Rosa Oliveira venceu em seniores femininas e Hermínia Pereira venceu em veteranas. Américo Oliveira triunfou em veteranos, Paulo Oliveira ficou em 2º lugar e Jorge Paulo Oliveira terminou no 3º posto. André Machado fez a prova em ritmo de treino.

Empates para equipa do FAC As equipas de bilhar do FAC conquistaram dois empates na última jornada da primeira fase do torneio de abertura da Federação Portuguesa de Bilhar. A equipa A deslocou-se a Leça e as dificuldades esperadas foram reais, tendo Artur Figueiredo virado o resultado de forma brilhante e vencido por 40-39. O mesmo sucedeu com Jorge Bastos que fez também uma caminhada fenomenal. Já Adolfo Pereira e Carlos Veloso não dominaram os seus encontros e os desfechos aconteceram naturalmente. O segundo lugar final qualifica o FAC para a liguilha que vai definir o úl-

timo dos participantes na discussão do troféu. A equipa famalicense que contabiliza já dez jogos sem conhecer o sabor da derrota. Quanto à equipa B despediu-se da competição com um empate frente ao BC Porto, deixando boas indicações para o nacional da 2ª divisão, onde o FAC se vai apresentar com duas formações e onde será o principal candidato à subida de escalão. O campeonato nacional inicia-se já no próximo fim-desemana. A equipa A vai ao Porto defrontar a Casa do Porto Trofa e o conjunto B recebe a Casa do Porto Espinho.

Fase final sem atletas do FAC Jorge Bastos não conseguiu o apuramento para a fase final do 2º open da 2ª divisão de bulhar que decorreu no último fim-de-semana na Academia de Bilhar do FAC. Na derradeira jornada da fase de apuramento, Bastos não conseguiu suplantar Luís Cunha (Fenianos) e perdeu por 38-33. Assim, nenhum atleta do FAC esteve presente na derradeira fase, já que Carlos Veloso foi também afastado da competição precocemente.

Promessas brilham no bilhar A primeira jornada do 2º open da 3ª divisão teve resultados inesperados para os atletas do FAC. Carlos Sampaio destacou-se na sua estreia absoluta e venceu R. Castro por 9-8.O jogador do FAC acusou o nervosismo da estreia, mas conseguiu manter a liderança da partida e no final conquistou um saboroso triunfo. O único atleta do FAC que jogou em casa, J.M. Silva, triunfou por 14-12 sobre P.

Vieira. O resultado demonstra o grande equilíbrio que existiu, mas o atleta famalicense liderou a partida desde a entrada inicial, sabendo gerir a magra vantagem adquirida.Por seu turno, Frederico Figueiredo fez um jogo muito bom para a sua estreia, mas perdeu em Matosinhos por 28-22. Paulo Oliveira, no Porto, não esteve ao seu nível e perdeu com J. Guimarães (Fenianos) por 30-12.

S. Cosme conquista pódios na S. Silvestre de Esmeriz A secção de duatlo da Associação Recreativa Cultural S. Cosme fez-se representar no passado sábado na S. Silvestre de Esmeriz, obtendo os seguintes resultados: 2º lugar, Paulo Costa; 3º lugar, Vítor Ferreira, no escalão sénior.

Infantis do FAC sempre a subir No início da segunda volta do campeonato regional de voleibol, a equipa de infantis do FAC foi jogar a Gueifães e venceu por 3-2. No final de Outubro, esta mesma equipa havia jogado no Pavilhão Municipal, vencendo por 3-0. Desta vez a vitória sorriu à formação do FAC. Esta equipa está a subir de jogo para jogo e voltou a demonstrar isso mesmo na partida realizada no passado fim-de-semana. O FAC

venceu o primeiro set por 25-13, permitindo depois da recuperação do adversário que venceu os sets seguintes por 25-23 e 29-27. Após as correcções efectuadas pelo técnico famalicense tudo melhorou. Com mais e melhor atitude perante o jogo, o FAC venceu o quarto set por 25-22 e na negra por 15-10. Foi a terceira vitória nos últimos quatro jogos. A próxima jornada é sábado na Póvoa.

Cumprida mais uma ronda na AFSA Jogou-se no passado fim-de-semana mais uma jornada dos campeonatos concelhios de futebol de salão amador de Famalicão (AFSA) e na 1ª divisão a jornada foi a 9ª, com os resultados: ACURA 7-3 S. Martinho; Carril 3-5 Covense; JASP 5-4 Floresta; Carreira 5-2 Outeirense; Castelões 4-0 São Cosme; Pedome 3-2 Landim; Lameiras 6-3 Bairrense. Comanda o Pedome com 27 pontos. Na 2ª divisão a jornada foi a 10ª, com os resultados: ADESPO 0-5 Bente; Flor Monte 6-4 Louredo; Requionense 3-4 Colina Ave; Gente Fantástica 1-4 Barrimau; 1º Maio 1-5 ADERM; Novais 7-6 Ramil; Vermoim 1-3 Esmeriz. Comandam as equipas da ADERM e Bente, ambas com 27 pontos. No escalão feminino, a jornada foi a 5ª, com os resultados: Esmeriz 3-5 Pe-

dome; Oliveirense 8-0 Lousado; S. Martinho 6-3 Outeirense; Juv. Académico 012 ADERM; Barrimau 1-5 Covense. Comandam duas equipas, Pedome e ADERM, ambas com 15 pontos. Em juvenis, a jornada foi a 2ª, com os resultados: Cabeçudense 2-5 Carreira; ADERM 2-1 Louredo; Pedome 10-8 Lameiras; Landim 3-1 Outeirense; Barrimau 7-0 Esmeriz. São três os líderes: Carreira, Landim e Pedome, todos com seis pontos. Em iniciados, os resultados foram: Lameiras 6-1 Landim; Outeirense 3-2 Cabeçudense; Juv. Académico 6-4 ADERM; Barrimau 6-1 Esmeriz; Castelões 11-2 Pedome. Neste escalão são quatro os líderes: Juv. Académico, Castelões, Lameiras e Barrimau, todos com seis pontos.

Liga Futsal Famalicão cumpriu 4ª jornada Jogou-se no fim-de-semana a 4ª jornada do escalão de pré-escolas da Liga Futsal Famalicão, com os resultados: Barrimau 1-6 Geração Benfica; Juv. Académico 5-3 Sportfut. A próxima jornada decorrerá no Pavilhão Municipal de Vermoim, no escalão de infantis, com os jogos: Artes Movimento-Barrimau (14h30); Covense-Sportfut (15h30); Juv. Joane-Vermoim (16h30).

Equipas do AVC voltaram à competição A equipa sénior do Atlético Voliebol Clube (AVC) voltou a competir e recebeu no domingo a formação do CD Póvoa, vencendo por 3-0. Neste campeonato, a formação famalicense ainda não sofreu qualquer set e nesta segunda volta do campeonato as equipas adversárias tentam quebrar esse feito. O grande objectivo do AVC é subir de divisão. No próximo sábado deslocam-se a Esmoriz para defrontar a equipa local, pelas 19 horas, e no domingo defrontam a Académica de S. Mamede, em S. Mamede Infesta, pelas 15 horas. No escalão júnior, a equipa famalicense recebeu no passado sábado a formação do Gueifães, tendo perdido

por 3-1. As equipas bateram-se de igual para igual e a formação da Maia consegui vencer no 1º e 2º sets. No 3º set, o AVC reduziu para 2-1 e lançou a discussão pelo resultado final. Depois voltaram os nervos e os muitos erros e assim a equipa da Maia venceu o 4º set e o encontro. No próximo domingo, a equipa júnior desloca-se a Lisboa para defrontar os Maristas, às 15 horas. Em infantis, o AVC recebeu o Lamaçães e perdeu por 3-0 na abertura da segunda fase do campeonato inter-regional. Na próxima jornada, as infantis deslocam-se a Paços Ferreira para defrontar a equipa local, em jogo marcado para domingo, às 19 horas.

Andebol da Didáxis volta a ter dupla vitória As duas equipas de andebol da Didáxis voltaram a vencer os jogos do passado fimde-semana. As infantis receberam e venceram o Raposinhas por 31-4. No próximo fim-de-semana realiza-se, na Maia, o último jogo da 1ª fase do campeonato nacional de infantis, onde a Didáxis vai defrontar a Maiastars. Quanto às iniciadas venceram a Associação Desportiva de Godim, no seu reduto, por 32-16, e encontram-se no 3º lugar do campeonato nacional da 2ª divisão da modalidade. No próximo jogo, a Didáxis recebe o Moimenta da Beira que actualmente conta por vitórias todos os jogos disputados. Esta equipa terá grandes possibilidades de ser apurada para a próxima fase do campeonato, onde terá a oportunidade de discutir a subida de divisão, pelo que se espera um jogo complicado para a formação de andebol jovem da Didáxis.


24

sport: 12 de Janeiro de 2011

modalidades

Clube Rugby Famalicão triunfa em Espanha O Clube Rugby Famalicão (CRF) deslocou-se no passado fim-desemana a terras espanholas para defrontar o Mareantes Rugby Clube Pontevedra, em jogo a contar para o torneio internacional de Rugby de San Sebastián. Os famalicenses venceram por 29-0. Com uma primeira parte muito equilibrada, os famalicenses chegaram ao intervalo com uma vantagem de 0-7, apesar da equipa de Pontevedra ter uma filosofia de jogo dura e praticar um jogo muito fechado. Com uma segunda parte em ataque constante nos primeiros 30 minutos, fruto de uma superior forma física, os de Famalicão fixaram o resultado final em 0-29. Alinharam pelo CRF: César, Peniche e Costa, Carlos, Alex, Sousa, Pedro Vieira, Chiquinho, Ed, Obi, Barquero, Bruno Pinheiro, Óscar, Laranja e Libório. O CRF está ainda em todas as frentes, campeonato e taça, e o próximo jogo está marcado

Riba d’Ave perde pela segunda vez no campeonato Em jogo a contar para a 13ª jornada do campeonato nacional da 2ª divisão, o Riba d’Ave Hóquei Clube deslocou-se no passado fim-de-semana à Mealhada e não foi feliz, perdendo pela segunda vez no campeonato, desta feita por 6-3, frente a uma equipa que está na 10ª posição da tabela classificativa. Com esta derrota, os ribadavenses mantêm-se mesmo assim na luta pela subida de divisão, isto porque têm neste momento 28 pontos conquistados, menos três do que o líder Infante Sagres, só que esta equipa tem mais dois jogos disputados que o Riba d’Ave. No jogo do passado fim-de-semana, e pelo Riba d’Ave, marcaram os golos Tó Cruz, Arnaldo Queirós e André Alves. Pelo Mealhada marcaram: André Castanheira, Pedro Coelho, Luís Ferreira e Gonçalo Louzada. Na próxima jornada, o Riba d’Ave recebe no Parque das Tílias a equipa da Fundação Nortecoope.

FAC com vitória incontestada para domingo, com uma deslocação a Aveiro para defrontar a equipa da Associação Académica da Universidade de Aveiro. Entretanto, os jovens sub-18 do CRF deslocaram-se a Guimarães para defrontar a equipa local, num

jogo onde entraram bastante desfalcados. O encontro foi muito complicado para os famalicenses e o saldo acabou por ser demasiado penalizador para aquilo que apresentaram em campo. No final 87-5 favorável aos vimaranenses.

Juventude Académico inicia ano com vitória A Juventude Académico alcançou a segunda vitória consecutiva no campeonato do Inatel ao vencer o Aboim da Nóbrega por 4-2. Entrou melhor a equipa da casa e inaugurou o marcador aos dez minutos na sequência de um livre. Ao minuto 30, Tiago restabeleceu a igualdade. Na segunda parte, os famalicenses entraram mais fortes e cedo marcaram num cabeceamento de João. Respondeu a equipa visitada e de novo com o empate. Depois teve mais sorte o Académico que beneficiou de um autogolo e a cinco minutos do fim sentenciou por Zaralho. O Académico actuou com: Matos, Mário, Patrício, Zé, Pica, Zaralho, Gualtar, Hugo, Ivo, Pedro e Tiago Coelho. Jogaram ainda: João, Filipe, Victor e Fábio. Entretanto, na Liga Futsal Famalicão o Académico venceu o Sportfut por 5-3 e lidera a competição com três vitórias. Já no campeonato distrital de infantis, a Juventude Académico deslocou-se a Lousado para a 9ª jornada do campeonato e venceu por 7-3.

Geração Benfica cada vez mais líder

A equipa sub-9 da Escola do Benfica de Famalicão obteve no passado domingo um triunfo por 6-1 diante da equipa do Barrimau e reforçaram a liderança na Liga Futsal Famalicão. Já no sábado, os sub-7 viajaram até Braga para vencer o Oboladas por 4-3, em jogo a contar para a Liga Mini do Futuro. Num relvado completamente inundado devido às fortes chuvas, foi difícil circular a

bola com o atleta Rui Camilo Costa a liderar uma verdadeira batalha pela conquista dos três pontos. Já os sub-13 perderam na deslocação à Escola Miguel Roriz por 5-4. Os sub-9 também não conseguiram vencer em Alfena, saindo derrotados por 3-1. Elias Pinto, coordenador técnico das escolas do Benfica, diz-se satisfeito pela qualidade das suas equipas. “Estamos no bom caminho, temos atletas a evoluir de uma forma muito satisfatória, o que nos permite ter equipas bastante competitivas, principalmente nos escalões mais jovens”, destaca, concluindo que “nesta fase a Escola do Benfica tem a capacidade de proporcionar competição a todos os seus praticantes com níveis de jogo distintos”. Entretanto, no próximo dia 22 de Janeiro, a Escola do Benfica de Famalicão vai marcar mais uma vez presença no Estádio da Luz, com os jogadores da escola a entrarem em campo e a assistirem ao encontro entre Benfica e Nacional, a contar para mais uma ronda da Liga Zon/Sagres.

O Famalicense Atlético Clube (FAC) terminou a primeira volta do campeonato nacional da 3ª divisão com mais um triunfo incontestado. No Porto, frente ao Académico, cedo se percebeu que a vitória seria dilatada e acabou por se cifrar nos 7-1. Sempre a controlar o jogo, com Marinho em evidência na finalização, o FAC marcou muito cedo e jogou bom hóquei. Ao intervalo, o marcador assinalava 3-0. A segunda parte continuou no mesmo sentido e com mais golos na baliza adversária. Os marcadores dos

golos foram: Marinho (3), Pedro Lei, André Barbosa, Paulo Morais e Rafael Almeida. Com estes três pontos, o FAC termina a primeira volta com 30 pontos, mais cinco que o 2º classificado (Paço Rei) e mais nove que o 3º (Sobreira). Na próxima jornada, o FAC desloca-se a Sobreira (Paredes), no sábado, pelas 21h15. O FAC alinhou com: Ricardo Cunha, Paulo Morais, José Marinho, André Barbosa e Pedro Lei. Jogaram ainda: Jonathan Oliveira, Nuno Alves, Hugo Pereira e Rafael Almeida.

NAJ competiu em Gaia O Núcleo de Atletismo de Joane (NAJ) marcou presença no passado domingo no Grande Prémio dos Reis, em Gaia, com Manuel Magalhães a obter o 3º lugar nos 10.000 metros do escalão sénior masculino. Em femininos, Patrícia Pereira, do NAJ, terminou no 2º lugar, apenas superada pela vencedora Fernanda Ribeiro.

Dois primeiros lugares para o karaté famalicense A Federação Nacional de Karaté realizou no passado fim-desemana, no Pavilhão da Cidade Universitária de Lisboa, o campeonato nacional de karaté por equipas. Do concelho de Famalicão competiram atletas da Associação Desportiva de S. Mateus e Escola de Karaté de Delães, fazendo equipa com atletas de Vila das Aves, Lordelo e Guimarães. Os melhores resultados foram alcançados por Paula Monteiro (Delães) e por Diana Ribeiro (S. Mateus) que conseguiram primeiros lugares. As classificações foram as seguintes: juvenis, Paula Monteiro (Delães), 1ª classificada,

campeã nacional na prova de kumite e 3ª classificada na prova de kata; João Miranda (S. Mateus), 3º classificado na prova de kumite e 5º classificado na prova de kata; cadetes, Diana Ribeiro (S. Mateus), 1ª classificada e campeã nacional na prova de kumite; João Batista (Delães), 3º classificado na prova de kumite; juniores, Ricardo Oliveira (S. Mateus), 3º classificado na prova de kumite; Miguel Dinis (Delães), 3º classificado na prova de kumite -76; seniores, António Oliveira (S. Mateus), 2º classificado e vicecampeão nacional na prova de kumite.

José Figueiredo pub.

pub.

OS975  

4 4 - - 3 3 nesta fase o Vitória B, Marinhense, Ginástica (Parede-Lisboa), An- reade (Resende) e Póvoa ou Mada- lena (Gaia). Entretanto, Mig...