Page 1

Que friiiiio! Proteja-se! As temperaturas têm descido nos últimos dias, por isso a Direção Geral de Saúde (DGS) recomenda alguns cuidados com o frio.

Cuidados para as pessoas sozinhas Os familiares, amigos e vizinhos têm um papel importante no que diz respeito às pessoas sozinhas. Faça um telefonema ou contacte pelo menos uma vez por dia com pessoas sós/isoladas. Certifiquese que eles se encontram de boa saúde e em condições de conforto.

• Verifique os equipamentos de aquecimento da sua casa e mantenha a casa arejada, abrindo um pouco a janela/porta para evitar acumulação de gases; nunca use fogareiro a carvão; • Calafete janelas e portas para evitar a entrada de ar frio e a saída do calor acumulado; • Mantenha a temperatura da sua casa entre os 19 ºC e os 22ºC; instale um termómetro em local visível; • No caso de prever-se a aproximação de um período de grande frio ou neve forte, faça as suas compras alimentares e outras que cheguem para um período de 2 a 3 dias para evitar ter de sair de casa. Verifique se tem medicamentos suficientes; • Confirme ainda a necessidade de botijas de gás suplementares; • Não fique descalço no chão frio ou molhado por muito tempo; • Evite dormir/descansar muito perto do aquecimento e promova boa circulação de ar, principalmente durante a noite, não fechando completamente os aposentos, mas evitando correntes de ar frio; • Utilize os aparelhos elétricos de forma criteriosa devido ao risco de sobrecarga do quadro; • A utilização de botijas de água quente deve ser feita sempre sob vigilância para evitar o risco de queimadura. • No que respeita à roupa, use roupas folgadas e calçado adequados à temperatura ambiente, protegendo as extremidades (mãos, pés e cabeça); • Não use roupas justas que dificultam a circulação sanguínea; use várias camadas de roupa em vez de uma única muito grossa; • No Inverno, tome banho com água morna: água muito quente remove a camada protetora natural da pele; mantenha a pele hidratada; hidrate todo o corpo não esquecendo mãos, pés, cara e lábios; • Quando tomar banho, embrulhe-se na toalha e tenha a divisão aquecida; • No âmbito da alimentação, coma com mais frequência. Deve comer mesmo que não sinta muita fome, em especial sopas e bebidas quentes (leite, chá); • Se a sua saúde o permitir, inclua na sua alimentação alimentos calóricos como chocolates, azeite, frutos secos; coma alimentos ricos em vitaminas e sais que protegem contra infeções; • Evite bebidas alcoólicas, que causam aquecimento, mas provocam vasodilatação com perda de calor e arrefecimento do corpo; • Abstenha-se de produtos nocivos como o cigarro, bebidas alcoólicas e drogas. • Nos dias de frio, pode manter a prática de exercício físico, mas deve fazê-lo, de forma intensa, ao ar livre. Continue a beber água durante a atividade física para evitar a desidratação. • Evite caminhar sobre o gelo devido ao risco de lesões por queda • No caso de andar de carro tenha em conta que pode ficar bloqueado. Previna-se: leve um mapa, roupas quentes, mantas e roupa para troca bem como comida e bebidas quentes. • Evite entrar e permanecer em locais fechados e com grande concentração de pessoas, onde se transmitem os vírus, em particular, a gripe.

pub


12

ESPECIAL

opiniãopública: 30 de novembro de 2016 pub

Direção Geral de Saúde tem 1,2 milhões de vacinas gratuitas

A campanha de vacinação contra a gripe 2016/2017 que decorre no outono e no inverno. Pela primeira vez, os doentes a aguardar transplante e sob quimioterapia, entre outros, estão a receber gratuitamente a vacina, informa a Direção Geral de Saúde (DGS). Segundo a DGS, a campanha de vacinação contra a gripe 2016/2017, que decorre no outono e no inverno, tem disponíveis cerca de 1,2 milhões de doses de vacinas para distribuição gratuita, para além das existentes nas farmácias. Nunca é demais lembrar que idosos com 65 ou mais anos, doentes crónicos e imunodeprimidos, grávidas e profissionais de saúde são grupos prioritários. A vacinação continua a ser gratuita para pessoas a partir dos 65 anos e para internados em instituições. Pela primeira vez, os doentes a aguardar transplante, sob quimioterapia, com trissomia 21, fibrose quística, doença neuromuscular e com défice de alfa-1 antitripsina, recebem gratuitamente a pub

vacina contra a gripe, sem necessidade de receita médica ou de pagamento de taxa moderadora, informa a DGS. “As receitas médicas nas quais seja prescrita, exclusivamente, a vacina contra a gripe, emitidas a partir de 1 de julho de 2016, são válidas até 31 de dezembro de 2016”, revela ainda uma nota divulgada pela Direção Geral de Saúde. A vacinação é feita nos Centros de Saúde da área de residência. Em caso de dúvida, deve-se ligar para o ‘Saúde 24’, através do número 800242424. “Faça chuva ou faça sol, vacine-se de outubro até ao final do inverno”, alerta um vídeo promocional divulgado pela DGS. As vacinas gratuitas foram selecionadas em concurso e são de marcas comerciais que também estarão disponíveis em farmácias, mediante receita médica e com comparticipação. Entre 1 de outubro e 4 de novembro, foram administradas 560 mil nos centros de saúde. pub


opiniãopública: 30 de novembro de 2016

ESPECIAL

13

Higiene oral é fundamental Sorrir é algo que fazemos, por norma, diariamente. Por isso, a conservação dos nossos dentes é fundamental para uma melhor qualidade de vida. Aqui ficam alguns conselhos.  Escove os dentes pelo menos duas/três vezes por dia, preferencialmente após as refeições e antes de se deitar.  Utilize uma escova de tamanho adequado, macia e com uma cabeça pequena, para evitar lesões nos dentes e gengivas.  Procure utilizar sempre um dentífrico com 1.000 a 1.500 ppm de flúor.  Evite escovar os dentes na horizontal. Coloque a escova ligeiramente inclinada, na passagem pelos dentes, para que estes não se desgastem com o tempo.  Utilize diariamente fio dentário, antes da escovagem, para retirar restos alimentares e bactérias dos espaços que existem entre os dentes e entre estes e as gengivas.  Siga as recomendações do seu profissional de saúde oral na utilização de elixir para bochecho.  Procure manter os dentes bem limpos, sobretudo junto à linha gengival, evitando a placa bacteriana e tártaro.  Efetue uma revisão dentária regular, preferencialmente de 6 em 6 meses, e um check-up oral pelo menos uma vez durante o ano.  Mantenha uma dieta equilibrada e procure substituir os doces por alimentos mais nutritivos como o queijo, frutos ou vegetais frescos.  Se tem sensibilidade dentária visite o seu dentista porque pode ser um indicador de uma cárie dentária, um dente fraturado.

Há açúcar escondidos nos alimentos O desejo pelo sabor doce é natural e comum a todas as idades, raças e culturas. Mesmo antes do nascimento, parece haver uma capacidade para detetar o sabor doce aquando do consumo de açúcares pela mãe. Assim, a dieta materna durante a gestação, bem como durante o período de aleitamento materno, pode influenciar o desenvolvimento de preferências alimentares nas crianças. No que respeita ao impacto destes alimentos na saúde, tem-se verificado uma forte relação entre o consumo de açúcar e o aumento do risco de desenvolvimento de doenças crónicas não transmissíveis, como obesidade, diabetes mellitus tipo 2, dislipidemias, inflamação, doenças cardiovasculares e caries dentárias. Assim, por forma a diminuir a quantidade de açúcar da alimentação aconselha-se limitar o consumo de alimentos e bebidas açucaradas; ingerir frutas e vegetais crus em vez de lanches açucarados; reduzir a quantidade de açúcar adicionado a receitas e preparações culinárias; preferir sabores naturais como iogurte natural e leite simples; evitar o consumo de guloseimas (gomas, rebuçados, chocolates…); optar por fruta como sobremesa do dia a dia; comparar alimentos considerando os rótulos alimentares e preferir os que contêm menos açúcar ou outros substitutos. Sabia que….. uma colher de chá de ketchup contém 4 gramas de açúcar livre? E que uma única lata de refrigerante tem até 40 gramas?

Olhe para o rótulo! Sacarose, glicose, maltose, galactose, frutose… sabe o significado de cada uma das palavras? Todos significam açúcar. Quando pegar numa embalagem de um alimento tem de ter em mente que qualquer palavra que termine em “ose” é provavelmente um açúcar. Além dos ingredientes, olhe também para a informação nutricional. Uma das parcelas é a dos hidratos de carbono e, na linha de baixo, tem a continuação: “dos quais açúcares”. É esta linha que lhe diz a quantidade de açúcar. A Organização Mundial da Saúde (OMS) diz que o consumo diário de açúcares adicionados seja na ordem dos 25 gramas por dia. Porque, na realidade, já consumimos mais açúcar, natural e não adicionado, por exemplo na fruta, nos legumes e leite, valores que não estão incluídos nestas contas. pub


14

ESPECIAL

opiniãopública: 30 de novembro de 2016 pub

Alimente-se bem pela sua saúde!

 Coma, no mínimo, cinco refeições por dia. Se estiver muito tempo em jejum, na refeição seguinte irá comer mais e terá tendência para selecionar alimentos menos saudáveis.

 Opte pelas carnes brancas. O peru e o frango têm menor teor de gordura que as carnes vermelhas, como a de vaca. Quando estiver a comer retire qualquer gordura que esteja visível.

 Comece bem o dia com um bom pequeno-almoço. É a refeição principal pois quebra longas horas de jejum e fornece-lhe energia para todo o dia.

pub

 Ingira peixe branco e azul. São ricos em ácidos gordos essenciais (ómega 3), que diminuem os níveis elevados de colesterol e são fundamentais ao bom funcionamento do cérebro. O salmão, a sardinha e o atum  Reduza o tamanho das porções ingeri- são uma excelente alternativa. das, pois comer em demasia origina a obesidade e esta traz consigo variadíssimas  Evite os fritos, que são muito ricos em doenças. gordura. Cozinhar de forma saudável é fácil, para isso basta que aposte em ali Dê preferência aos vegetais e à fruta. São mentos cozidos, grelhados ou assados no ricos em nutrientes essenciais para o orga- forno ou então cozinhados a vapor ou esnismo, como as fibras, vitaminas e minerais, calfados. Nenhuma destas formas de cozie não fornecem muitas calorias, visto serem nhar necessita de adição de gordura na sua pobres em gordura e em açúcar. Recomenda- confeção. se a ingestão de três a cinco porções por dia.  Opte pelos cereais integrais. O pão,  Coma sopa antes do prato principal. Ge- massa, arroz e cereais têm mais fibra. Esta ralmente, a sua base são os legumes e é faz com que sejam digeridos de forma lenta pobre em gordura. pelo organismo e induz a saciedade.  Prefira as gorduras insaturadas, como o azeite e as que estão presentes no peixe e nos frutos secos, uma vez que estas têm propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes. Por sua vez, as gorduras saturadas, que existem sobretudo nos enchidos e na carne vermelha, estão relacionadas com o desenvolvimento de doenças cardiovasculares e também de alguns tipos de cancro. Também muito prejudiciais para a saúde são as gorduras vegetais hidrogenadas ou trans, presentes nas margarinas, nas bolachas e nos fritos.  Escolha laticínios magros em vez de gordos ou meio gordos, reduzindo assim a ingestão de gorduras e ingerindo a mesma quantidade de cálcio.

 Substitua as bebidas gaseificadas e bebidas alcoólicas pela água, sumos naturais ou chá, mas sempre sem adicionar açúcar.  Reduza a quantidade de sal que usa para temperar a comida e evite refeições pré-cozinhadas, muito ricas em sódio e em gordura. A OMS recomenda que não se ingira mais de 5 g por dia, pois o sal está associado à hipertensão e, consequentemente, às doenças cardiovasculares, para além de provocar a retenção de líquidos.  Mastigue lentamente todos os alimentos. Assim, melhora o processo digestivo e dá tempo ao cérebro de receber a informação de saciedade. Em média, este processo demora 20 minutos desde o início da refeição.

Europeus estão a viver mais, mas não com boa saúde A proporção de pessoas com mais de 65 anos na União Europeia passou de menos de 10% em 1960 para cerca de 20% em 2015, e pode chegar a 30% em 2060, de acordo com as projeções. Em 18 estados do bloco (só um do leste, a Eslovénia), a esperança média de vida é superior a 80 anos. Porém, isso nem sempre é sinal de boa saúde, visto que na União Europeia há cerca de 50 milhões de pessoas com doenças crónicas, indica o relatório. Além disso, cerca de meio milhão de europeus em idade ativa morrem todos os anos por doenças crónicas, o que gera perdas de cerca de 115 mil milhões de euros. Os gastos de saúde na União Europeia representam 9,9% do PIB em 2015, em comparação com 8,7% em 2005.

Oe 1282  
Advertisement