Issuu on Google+

Existem 9 classes de eficiência da A+ à G

Sabe quanta energia gasta a casa? O sector dos edifícios é responsável pelo consumo de aproximadamente 40% da energia final na Europa. Porém, mais de 50% deste consumo pode ser reduzido através de medidas eficiência energética, o que pode representar uma redução anual de 400 milhões de toneladas de CO2 – quase a totalidade do compromisso da UE no âmbito do Protocolo de Quioto. Para fazer face a esta situação, os Estados-Membros têm vindo a fomentar várias medidas com vista a promover a melhoria do desempenho energético e das condições de conforto dos edifícios. É neste contexto que surge a diretiva nº 2002/91/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Dezembro, relativa ao desempenho energético dos edifícios. Em Portugal, a ADENE- Agência de Energia - é a entidade gestora do Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios. De acordo com a diretiva, a certificação energética deve permitir aos futuros utentes obter informação sobre os consumos nominais de energia dos edifícios ou frações autónomas, passando o critério dos custos energéticos, durante o funcionamento normal do edifício, a integrar o conjunto dos demais aspetos importantes para a caracterização do edifício. A etiqueta energética dos edifícios classifica o desempenho energético em termos das necessidades de energia primária do mesmo. A etiqueta energética apresenta 9 classes de eficiência energética, sendo a classe A+ a mais eficiente e a classe G a menos eficiente. Na realidade, todos os edifícios construídos desde Julho de 2006 têm que apresentar

uma classe energética igual ou superior a B. A redução das necessidades energéticas entre classes consecutivas compreendidas entre B- e A+ é de 25% (um edifício classificado com etiqueta A terá necessidades energéticas inferiores em pelo menos 25% comparativamente com um edifício com a classificação B). Para as classes de eficiência energética compreendidas entre C e G a diferença é de 50%, isto é, uma fração autónoma com classificação D terá necessidades energéticas superiores em 50% superiores a uma fração com etiqueta energética classe C. Coletores solares obrigatórios O Regulamento das Características de Comportamento Térmico dos Edifícios (RCCTE) veio estabelecer requisitos de qualidade térmica para os novos edifícios de ha-

bitação e de pequenos serviços sem sistemas de climatização, nomeadamente ao nível das características da envolvente (paredes, envidraçados, pavimentos e coberturas), limitando as perdas térmicas e controlando os ganhos solares excessivos. Este regulamento impõe limites aos consumos energéticos da habitação para climatização e produção de águas quentes, num claro incentivo à utilização de sistemas eficientes e de fontes energéticas com menor impacte em termos de consumo de energia primária. A nova legislação determina também a obrigatoriedade da instalação de coletores solares e valoriza a utilização de outras fontes de energia renovável na determinação do desempenho energético do edifício. Fontes: www.eco.edp.pt e www.adene.pt

Etiqueta energética Ao escolher equipamentos energeticamente mais eficientes, está a poupar energia e também o ambiente. No mercado, podemos encontrar variadíssimas opções de equipamentos. Para fazer a escolha mais acertada, consulte a respetiva etiqueta energética e opte por aqueles que apresentam menores consumos energéticos. A etiqueta energética permite comparar fácil e rapidamente a eficiência energética e o consumo dos eletrodomésticos da mesma categoria. A etiqueta energética é obrigatória para as máquinas de lavar e/ou secar roupa, máquinas de lavar loiça, frigoríficos e combinados, fornos elétricos, aparelhos de ar condicionado, iluminação e televisores. A nova etiqueta energética, disponibilizada em 2012, adiciona mais três classes de eficiência (A+, A++ e A+++) e elimina as classes E, F e G à etiqueta anterior. No entanto, por algum tempo irão coexistir produtos com etiqueta nova e com etiqueta antiga. Para a mesma capacidade e características, um aparelho classificado como A+++ é considerado mais eficiente e económico.

pub


26

publica: 16 de janeiro de 2013

publicidade


Climatização

especial

publica: 16 de janeiro de 2013 27

seja inteligente

- As temperaturas consideradas de conforto para uma casa variam entre os 18ºC, no Inverno, e os 25ºC, no Verão. Por cada grau adicional, consumimos entre 7% a 10% da energia necessária para aquecer toda a casa. - Opte por um aparelho de climatização (aquecimento ou arrefecimento) da classe de eficiência mais elevada. - Aqueça apenas as áreas da casa que realmente utiliza e feche as portas das salas e quartos que não estão a ser utilizados. - Quando o aquecimento está ligado, deve manter sempre as janelas e portas fechadas. - No Inverno, maximize a entrada da luz solar, levantando estores e abrindo os cortinados. No Verão, evite a entrada dos raios solares diretos durante o dia e facilite a ventilação natural de noite, abrindo as janelas em la-

dos opostos da casa. - Plante árvores que forneçam sombra no Verão. Uma árvore de folha caduca permite obter sombra apenas nas estações mais quentes. - Prefira soluções que utilizem energias renováveis, nomeadamente as caldeiras a biomassa ou os coletores solares térmicos, capazes de contribuir com cerca de 70% da energia necessária para o aquecimento de água. - De manhã, ao acordar, para arejar o quarto bastam 10 a 15 minutos. Não é necessário deixar a janela aberta mais tempo, evitando assim perdas de calor. - A instalação de válvulas termostáticas nos radiadores é uma boa solução, pois permitem ajustar com precisão a temperatura em cada sala da casa, regulando automaticamente o caudal de água quente com base na temperatura se-

lecionada. - Evite cobrir os radiadores com peças de mobiliário ou cortinas; se o radiador estiver instalado por baixo de uma janela, recomenda-se a instalação de uma placa de material isolador e refletor entre o radiador e a parede. - Uma boa forma de prevenir a entrada de ar frio, implicando uma pequena despesa, consiste em instalar um painel isolante nas caixas dos estores de enrolar para reduzir as entradas de ar frio e evitar desperdícios desnecessários de energia. - À noite, deve manter os estores de enrolar fechados sempre que possível. Nos dias de sol, aproveitar ao máximo a entrada de radiação solar na habitação, para aquecê-la gratuitamente. F on te : w w w . eco . e d p . p t

Maximize a entrada da luz solar pub


OE1080