Issuu on Google+

PUB

Semanário | 2 de fevereiro de 2017 | Nº 608 Ano 15 | Diretor Hermano Martins | 0,60 € //PÁG. 12

Pedro Matos assina pelo Sporting de Braga //PÁG. 9

GNR da Trofa apreende armas //PÁG. 4

Grupos e ranchos folclóricos encerram mês das janeiras

//PÁG. 5

//PÁG. 3

Trofense lidera Associação dos Produtores de Leite

//PÁG. 16

Sampaio da Nóvoa cumpriu promessa e regressou à Trofa

Miguel 7 Estacas sobe ao palco esta sexta-feira pub


2

www.ONOTICIASDATROFA.pt

O NOTÍCIAS DA TROFA 2 FEVEREIRO 2017

Atualidade

Paróquia de S. Martinho com festa religiosa em honra a São Sebastião Paula Canossa canta fado solidário A voz de Paula Canossa entoou na cripta da Igreja Nova de S. Martinho de Bougado, na noite de 28 de janeiro. A fadista trofense aceitou o convite do Grupo de Pais de Apoio à Catequese e protagonizou um concerto, acompanhada por Rogério Rocha e João Martins,

à guitarra e viola. Esta iniciativa tinha cariz solidário, pelo que o bilhete de entrada era um bem alimentar, a entregar a associações para posterior distribuição pelos mais necessitados. C.V.

Associação de Protecção do Vale do Coronado ASSEMBLEIA-GERAL

No fim da eucaristia, foi dada a beijar a imagem de São Sebastião

A

primeira festa religiosa do ano com alguma solenidade na paróquia de S. Martinho de Bougado é dedicada ao Martir São Sebastião. A confraria de São Sebastião é das mais antigas da paróquia e, anualmente, é designada uma comissão para a realização desta festa, cujas comemorações começaram na passada semana, com a novena preparatória, seguindo-se uma missa cantada, na Igreja Matriz de S. Martinho de Bougado, na tarde de sábado, 28 de janeiro. No fim, houve uma procissão de velas que começou e terminou na Igreja, pas-

sando pelo cruzeiro mais antigo da paróquia. No fim desta eucaristia, e, seguindo uma tradição muito antiga, foi dada a beijar a imagem de São Sebastião. No domingo, pelas 11 horas realizou-se a missa solene em honra do mesmo Santo, seguida da procissão. S. Sebastião De acordo com os atos apócrifos, Sebastião era um soldado que se teria alistado como capitão no exército romano, por volta de 283 D.C., com a única intenção de afirmar a sua fé. Era querido dos imperadores Diocleciano

e Maximiano, embora estes desconhecessem a sua vida e prática cristã. Cerca do ano 286, quando o imperador verificou que o tratamento de Sebastião para com os prisioneiros era brando, o imperador mandou julgá-lo sumariamente como traidor, tendo ordenado a sua execução por meio de flechas. Foi dado como morto e atirado a um rio, no entanto, Sebastião não faleceu. Foi encontrado e socorrido por Santa Irene e apresentou-se, novamente, ao imperador Diocleciano, que ordenou que fosse espancado até à morte. C.V./A.C.

Meteorologia na Trofa de 2 a 8 de fevereiro

Convocatória Nos termos estatutários e regulamentares, convocam-se os associados da APVC – Associação para a Protecção do Vale do Coronado – para a Assembleia-Geral ordinária que terá lugar no dia 11 de Fevereiro, pelas 11h00, na sede [Rua da Escola de Mendões, s/nº, Coronado], com a seguinte ordem de trabalhos: 1. Discussão e aprovação do Relatório de Actividades e Contas de 2016; 2. Discussão e aprovação do Plano de Actividades e Orçamento para 2017; 3. Eleição dos Órgãos Sociais 2017-2019; 4. Outros assuntos de interesse para a associação. No caso de não estarem presentes, em primeira convocatória, o número suficiente de associados com direito a voto, nos termos regulamentares, a Assembleia reunirá em segunda convocatória, 30 minutos depois da hora marcada, no mesmo local, com os associados presentes. Com saudações ambientalistas, O Presidente da Mesa da Assembleia-Geral Joaquim António Campos Maia

Nota de Redação Na edição número 607 d'O Notícias da Trofa, no texto intitulado “Aprovada candidatura para requalificação da EB 2/3 Napoleão Sousa Marques”, foi erradamente referido que o edifício escolar tem quase 45 anos, quando na verdade este foi construído em 1982/1983, tendo, por isso, 35 anos.


www.ONOTICIASDATROFA.pt

2 FEVEREIRO 2017 O NOTÍCIAS DA TROFA

3

Atualidade

Jorge Oliveira lidera Associação dos Produtores de Leite para “lutar pela dignidade do agricultor” O trofense Jorge Oliveira assumiu a presidência da APROLEP, Associação dos Produtores de Leite de Portugal. CÁTIA VELOSO

A

associados mais pró-ativos, para s eleições decorreram em ganharmos força e conseguirmos Ovar, a 25 de janeiro, e ditaram ser mais reivindicativos na luta peque o responsável pela Quinta los nossos interesses”, argumenSanto Isidro, localizada na Maga- tou em declarações ao NT. nha, Santiago de Bougado, suceE os interesses, nos últimos de a Carlos Neves, de Vila do Con- anos, convergem no preço do leide, que atingiu o limite de man- te e nas dificuldades daí decordatos definido para a Associação. rentes e que fizeram os produtoJorge Oliveira, que já fazia parte res sair à rua em diversos protesdo conselho consultivo da APRO- tos. Jorge Oliveira confirma que LEP, assume o mandato com o ob- “os últimos anos têm sido muito jetivo de fazer crescer a Associa- difíceis”, devido “ao preço do lição, com a captação de mais só- tro de leite” que “está abaixo do cios, e “continuar a lutar pela dig- custo de produção”. nidade do agricultor”. “Queremos Apesar de uma pequena melhoria, com efeitos desde 1 de fevereiro, o novo presidente da APROLEP assegura que é insuficiente. “Vamos receber 31 cêntimos por litro de leite, mas, ainda assim, o preço está quatro cêntimos abaixo do que precisamos para trabalhar com alguma segurança e não olhar o futuro com incertezas. Ao fim do mês, é muito dinheiro”, explicou. A subvalorização do produto fez Jorge Oliveira preside à APROLEP com que produtores “desistissem”

Jorge Oliveira é o responsável pela Quinta Santo Isidro

das explorações, mas muitos ou- tir na quantidade de leite produ- neta, mas esquecem-se de que tros há que “não conseguem de- zido no concelho. “O ano passa- são eles que alimentam a popusistir, porque têm encargos e pe- do houve uma diminuição”, asse- lação e metem comida na mesa, nhoraram todos os seus bens para gurou Jorge Oliveira. ao pequeno-almoço, ao almoço conseguir trabalhar”. Na Trofa, reO presidente da APROLEP afir- e ao jantar”, sublinhou. feriu, “nota-se que os agriculto- mou ainda que vai assumir o carNa direção, Jorge Oliveira é res estão a desinvestir e uma das go com o intuito de contribuir para acompanhado por Marisa Cosmaiores preocupações é o facto “inverter a imagem que a socieda- ta (Póvoa de Varzim), Jorge Silva de não haver jovens disponíveis de tem do agricultor”. “Fazem pas- (Alcobaça), Eusébio Viana (Odemipara continuar com as explora- sar a imagem de que são poluido- ra) e Carlos Neves (Vila do Conde). ções”. Esta tendência já se fez sen- res e que estão a dar cabo do pla-

Autarca da Maia defende linha do Metro até à Trofa va integrado na primeira fase da rede, “é uma questão de justiça”. “Tem de haver solidariedade, ética e justiça”, avançou o autarca que adiantou que “devemos ser todos tratados por igual”. Estas declarações surgem poucos dias antes de o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, anunciar quais as linhas que vão ser construídas no âmbito do pacote de 280 milhões de euros disponíveis para investir na rede da Metro do Porto. O governante anunciou que no dia 7 vai revelar quais os projetos que vão avançar, sendo quase certo as ligações entre S. Bento e a Casa da Música, no Porto, e entre Santo Ovídio e Vila d’Este, em Vila Nova de Gaia. A confirmar-se, a linha da Trofa continuará na gaveta, depois de em 2002 ter sido desativada a Ministro vai anunciar novas linhas do Metro a 7 de fevereiro linha ferroviária que ligava a TrinA construção da linha de me- Bragança Fernandes, presidente dade a Guimarães, passando pelo tro desde o ISMAI à Trofa “tem de da Câmara Municipal da Maia, que território da Trofa. ser feita”. A afirmação pertence a sublinhou que o projeto, que estaO assunto esteve na mesa da

reunião do Conselho Metropolita- autarcas já defenderam, em Conno do Porto, depois de introduzi- selho Metropolitano, que a análise do por Marco Martins, autarca de custo/benefício que seria feita às Gondomar, que quis saber qual linhas possíveis de avançarem “iria será o papel da Área Metropolitana prevalecer” na decisão de quais as do Porto como acionista na admi- linhas que seriam para construir. A nistração da Metro do Porto. Sér- posição foi corroborada pelo novo gio Humberto, presidente da Câ- presidente do Conselho Metropolimara Municipal da Trofa, segun- tano do Porto, Emídio Sousa (predo o JN, reagiu desta forma: “Eu sidente da Câmara de Santa Maria não sei se o que se vai lá votar (no da Feira), que afirmou ser “consenconselho de administração da Me- sual” entre todos os autarcas da tro) vai tornar as coisas diferentes; Área Metropolitana que os estuo que vão lá fazer é zero”. Por sua dos realizados sobre a viabilidade vez, o presidente da Câmara do financeira das linhas é que devem Porto, Rui Moreira, afirmou que os pesar na escolha do Governo. C.V.


4

www.ONOTICIASDATROFA.pt

O NOTÍCIAS DA TROFA 2 FEVEREIRO 2017

Atualidade

Grupos e Ranchos Folclóricos encerram mês das janeiras

O auditório do Fórum Trofa XXI, no Parque Nossa Senhora das Dores e Dr. Lima Carneiro, foi palco para a atuação dos sete grupos e ranchos folclóricos existentes no concelho, que encerraram o mês com cantares das janeiras e boas festas. CÁTIA VELOSO

A

tradição dos cantares das janeiras e das boas festas continua a ser, para muitos dos grupos e ranchos folclóricos, uma importante fonte de angariação de fundos que sustentam a época, como confirmou Mário Andrade, diretor do Rancho Folclórico de Alvarelhos: “A questão monetária relacionada com esta atividade ajuda o grupo durante a época toda”. Também o Rancho das Lavradeiras da Trofa “procura obter alguns rendimentos financeiros” com o cantar das janeiras no porta a porta. E este ano, assinalou o presidente Luís Elias, “foram muito bons”. “A população de S. Martinho de Bougado é sempre muito pródiga na sua comparticipação”, acrescentou. Da mesma forma, o Rancho Folclórico da Trofa agradece “a todos os trofenses que abriram as portas e às empresas que deram donativos”. Na noite de 28 de janeiro, a convite da autarquia, os grupos exaltaram as tradições, com cantigas já bem conhecidas do público, algumas das quais já com uma longa história, como uma do Rancho Folclórico da Trofa, que “é cantada

há mais de 50 anos”. “Penso que foi uma música recolhida antes de o grupo iniciar atividade, de uma recolha feita, eventualmente, pela dona Augusta Reis. É uma música que vamos preservando no nosso repertório”, contou Fernando Jesus, presidente do Rancho. Época com várias iniciativas As Reisadas protagonizadas pelos grupos e ranchos folclóricos do concelho são uma forma de encerrar o mês das janeiras e de iniciar uma época com várias saídas e iniciativas de relevo. O Rancho Folclórico de S. Romão do Coronado, confirmou o vice-presidente Domingos Almeida, “já tem muitos contratos” para este ano e, em princípio, contará com “quatro ranchos no Festival” anual. “Também vamos participar na festa em honra de Santa Eulália”, acrescentou. Já o Rancho Folclórico do Divino Espírito Santo destacou o festival anual e os Cantares ao Menino, que se realizam na Igreja de S. Mamede. “Este ano tivemos um Presépio ao Vivo e para o ano teremos uma surpresa ainda maior”, assegurou o presidente Carlos Ferreira. O Rancho Etnográfico de San-

Rancho Folclórico de Alvarelhos

tiago de Bougado, contou o presidente Joaquim Martins, tem “cerca de 15 saídas agendadas”, a par da participação “na Feira Anual da Trofa” e promoção do “Festival da Primavera, em abril”. Por sua vez, o Rancho Folclóri-

co da Trofa fará dois festivais, um bro, incluído nas festas de S. Gens inserido na Feira Anual, e outro de Cidai. no mês de julho, enquanto o Grupo de Danças e Cantares de Santiago de Bougado tem como ponto alto o festival, que ocorrerá no primeiro fim de semana de setem-


www.ONOTICIASDATROFA.pt

2 FEVEREIRO 2017 O NOTÍCIAS DA TROFA

5

Atualidade

Rancho das Lavradeiras da Trofa

Rancho Folclórico do Divino Espírito Santo

Grupo de Danças e Cantares de Santiago de Bougado

Rancho Folclórico de S. Romão do Coronado

Rancho Etnográfico de Santiago de Bougado

Rancho Folclórico da Trofa


6

www.ONOTICIASDATROFA.pt

O NOTÍCIAS DA TROFA 2 FEVEREIRO 2017

Atualidade

M. Moutinho Duarte

NO PÓ DOS ARQUIVOS

Rita Carmo

Do Arquivo do Governo Civil do Porto

Hugo Lima inaugura exposição coletiva É

ço e as inscrições estão abertas. Hugo Lima interessou-se pela inaugurada, na sexta-feira, pelas 22.30 horas, uma expo- fotografia “em meados de 2002” e sição coletiva de fotografia resul- três anos depois assumiu-a como tante dos trabalhos realizados pe- atividade principal, reunindo tralos alunos do fotógrafo trofense balhos em diversas áreas, princiHugo Lima. O Hard Club, no Mer- palmente ligados à música, com cado Ferreira Borges, na cidade do mais de 500 espetáculo fotograPorto, acolhe a mostra que con- fados. Atualmente, é o fotógrafo tém 267 fotografias dos alunos oficial do Festival Paredes de Coudas seis turmas da 14.ª edição do ra e já viu imagens publicadas em curso básico de fotografia minis- vários órgãos de comunicação natrado por Hugo Lima, entre outu- cionais. Conta ainda com particibro de 2016 e janeiro de 2017, no pação na edição de álbuns musicais das bandas Perfume e BlasEstudio151. A entrada para ver a exposi- ted Mechanism. Distinguido com o prémio “Joção é livre e os trabalhos podem ser apreciados todos os dias das vem Artista” pelo município da 10.30 horas à meia-noite, até 28 Trofa, em 2007, Hugo Lima concretizou o sonho de fotografar em de fevereiro. A próxima edição do curso bási- viagem, quando rumou à Índia, no co de fotografia inicia a 27 de mar- fim de 2008. C.V.

ADAPALNOR festeja 3.º aniversário A Associação para a Defesa do Salão Nobre da Junta de FregueAmbiente e do Património do Li- sia do Coronado, em S. Romão do toral Norte (ADAPALNOR) vai fes- Coronado, às 15 horas. Durante o tejar o seu 3.º aniversário, no dia evento vão ser dadas a conhecer 11 de fevereiro. Assim, abre as co- as iniciativas da ADAPALNOR para memorações a toda a população o resto do ano. A.M./C.V. e convida todos a aparecerem no

Documentação avulsa. M. 609 – 1850 (Maço contendo correspondência recebida) - Ao Governador Civil do Porto Diz Manuel de Sousa Prata, Abade de S. Romão de Coronado, freguesia deste distrito de que V. Ex.cia é digno Governador Civil, que a casa em que deve residir está inteiramente arruinada e que em um tão deplorável estado que não pode ser habitada, como o mesmo suplicante já examinou. E como o suplicante consultasse a junta de paróquia sobre este objecto ela entendeu que a reedificação daquela residência não seria mui dispendiosa nem vexativa para o povo, por isso que podia vender-se parte da pedra daquele edifício, visto ser bastante grande e com o seu produto e alguma madeira do passal e com pouco mais compor-se a outra parte cuja seria suficiente para residir o Abade. E como esteja próxima a desobriga e o suplicante deva e deseje cumprir estes deveres paroquiais tão obrigatórios, Pede, portanto, a V. Ex.cia se digne dar as devidas providências para se compor a dita residência com a brevidade possível e sem vexame dos seus paroquianos, E. R. M.cê Administração do Concelho

de Santo Tirso, 18 de Fevereiro de 1850 Do Arquivo Municipal de Santo Tirso Correspondência expedida – Copiador Geral Livro n.º 778 (1885 – 1890) N.º 21 – Presidente da Junta de Paróquia de São Romão do Coronado Encarrega-me o Exmo Governador Civil de lhe remeter o adjunto orçamento suplementar da junta de paróquia de S. Romão de Coronado e a planta em duplicado dos terrenos expropriados para alargamento do adro da igreja paroquial, a fim de que V. S.ª faça saber à junta da sua presidência que não pode o mesmo ser aprovado sem que se mostre que existem efectivamente os donativos constantes do mesmo orçamento, ou porque deram entrada no cofre da junta ou porque os doadores se comprometessem por documento a entrar com eles no referido cofre para os mencionados fins. Santo Tirso, 9 de Fevereiro de 1889 O Administrador, Rodrigues Ferreira N.º 35 – Presidente da Junta de

Paróquia de São Romão Constando-me que a capela-mor da igreja paroquial dessa freguesia ameaça eminente ruína e não podendo, por isso, permitir-se a continuação dos actos religiosos nela, sirva-se V. S.ª convocar a junta de paróquia da sua presidência para uma sessão extraordinária que deve efectuar-se no prazo de três dias, a fim de que essa corporação delibere acerca da despesa que tem de se fazer com o reparo da referida capela-mor e confeccionar o orçamento suplementar para o mesmo fim. Santo Tirso, 11 de Março de 1889 O Administrador, Rodrigues Ferreira Livro n.º 780 (1893 – 1896) N.º 18 – Presidente da Junta de Paróquia de São Romão Chegando ao meu conhecimento que nessa freguesia se estão fazendo os enterramentos dum modo contrário às leis, é urgente que a junta de paróquia da digna presidência de V. S.ª delibere sobre a escolha do terreno em que tem de ser construído o cemitério dessa paróquia, dignando-se V. S.ª declarar-me o nome e situação do terreno escolhido, para ser competentemente vistoriado. Santo Tirso, 7 de Fevereiro de 1896 O Administrador, A. Machado


www.ONOTICIASDATROFA.pt

2 FEVEREIRO 2017 O NOTÍCIAS DA TROFA

Alimentação saudável faz-se com “comida simples”

7

Atualidade

A palestra “Viagem da Comida Saudável” foi uma autêntica ode aos hábitos passados e ao regresso às compras nas feiras tradicionais. CÁTIA VELOSO

D

parte de nós de alguma forma, ou aniela Ricardo e Luís Baião, vai nutrir as nossas células ou vai promotores do projeto Zen Fami- construir o nosso corpo”, explicou ly, estiveram na Escola Secundá- a terapeuta em declarações ao NT ria da Trofa, a convite da Associa- e à TrofaTv, no final da palestra. ção de Pais, para exaltar os beneE neste processo de “naturalizafícios de uma alimentação cons- ção” da dieta alimentar, é imperaciente e naturalmente saudável, tivo ter atenção redobrada nos ródeclarando guerra aos alimentos tulos dos produtos. E se na comprocessados. posição desses alimentos houver Daniela Ricardo, chef de cozi- “nomes impronunciáveis, elemennha natural e terapeuta, partilhou tos desconhecidos ou o açúcar alguns dos conhecimentos que nos dois primeiros lugares”, não adquiriu sobre este tema com di- devem ser adquiridos. versas viagens pelo mundo, e deAo argumento de que os alimenfendeu a tese que o segredo para tos biológicos são mais caros, Dater uma alimentação saudável é niela Ricardo responde que “é pre“comer de forma mais simples”. Ou ferível pagar uma vez” e não faseja, ter como base os produtos zer com que as consequências de biológicos, privilegiando os vege- uma má alimentação obriguem “a tais, as leguminosas e os cereais pagar, depois, a cura de doenças”. integrais. Estes são, para Daniela Uma das dicas para obter artigos Ricardo, a “verdadeira comida”, naturais mais fidedignos a preem contraponto com os alimentos ços baixos é “comprá-los nas feiprocessados e refeições pré-pre- ras tradicionais”, porque dessa paradas. “A nossa alimentação forma a aquisição está a ser feita vai ter influência na forma como diretamente ao produtor. “Devenos sentimos, como pensamos e mos comer, essencialmente, proaté como interagimos com o meio dutos locais e sazonais, porque ambiente. Basta pensar que tudo eles crescem em determinado síaquilo que nós comemos vai fazer tio e em determinada altura do

Daniela Ricardo e Luís Baião exaltaram benefícios de uma alimentação consciente e naturalmente saudável

ano e estão mais adaptados para quem vive nesse sítio e nessa época do ano. São aqueles produtos que nos vão nutrir com a energia necessária para nos adaptarmos ao meio onde estamos inseridos”, explicou. A ingestão de carne e peixe não é proibida, defendeu Daniela Ricardo, mas as quantidades devem ser restringidas. E as “asnei-

ras”, continuou, também podem acontecer, mas só “em situações excecionais e não diariamente”. A palestra organizada pela Associação de Pais da Escola Secundária da Trofa surgiu como resposta às várias interpelações feitas por encarregados de educação nas reuniões e assembleias-gerais. “É um tema recorrente, por isso, decidimos promover esta

iniciativa. Com a troca de contactos surgiu a oportunidade de termos na Trofa a Daniela Ricardo, a dar luzes saborosas sobre o que é uma alimentação saudável”, explicu Nuno Tedim, presidente da Associação de Pais, que já está a preparar outras atrividades do género sobre este e outros temas, como “a adolescência e o cyberbullying”.

Miguel 7 Estacas volta à comédia

Comediante estreia espetáculo esta sexta-feira

É já esta sexta-feira que Miguel peração foi precisamente a cola7 Estacas regressa aos palcos. O gem da retina”, contou numa encomediante trofense apresen- trevista recente ao NT e à TrofaTv. Depois, será a vez do público do ta-se no Coliseu de Lisboa, mas não vai sozinho. Eduardo Madei- Porto ter a oportunidade de ver ra, António Raminho, Luís Filipe Miguel 7 Estacas de novo em ação. Borges, Quim Roscas e Zeca Es- O espetáculo, no Coliseu do Portacionâncio são alguns dos no- to, está marcado para 17 de fevemes que o acompanharão no es- reiro e terá Nilton, Fernando Ropetáculo “Fugir à Retina”. O títu- cha, Aldo Lima e João Seabra no lo faz alusão ao período de re- lote de humoristas convidados. Miguel 7 Estacas, que depois cuperação que Miguel 7 Estacas atravessou depois de ter sofrido da entrevista ao NT e à TrofaTv um grave acidente, em agosto de já fez várias aparições na televi2015, numa corrida de carrinhos são generalista, adiantou estar de rolamentos, em Laúndos, Pó- “ansioso” para “voltar a fazer rir”. voa de Varzim. “Fiquei na dúvi- Quando questionado sobre se alda de colocar um título que brincasse com a gravidade da minha situação ou que fosse outra forma mais intuitiva para a comédia, mas toda a gente que sondei achou mais piada à sátira que fiz de mim mesmo. Então, foi esse o eleito, porque o maior problema que tive durante a minha recu-

guma vez temeu não voltar aos palcos, o comediante respondeu que “nunca” duvidou que “um dia estaria de regresso”. “Houve um impacto inicial que foi questionar-me onde estava e o que é que me aconteceu. Logo depois disso, tive uma força enorme de voltar ao ativo”, afiançou. Entre os espetáculos que se realizam nos coliseus, o humorista da Trofa atua no Luxemburgo e nos próximos tempos tem a agenda preenchida, com deslocações ao Canadá e aos Estados Unidos da América. C.V.


8

www.ONOTICIASDATROFA.pt

O NOTÍCIAS DA TROFA 2 FEVEREIRO 2017

Atualidade

Dois feridos em acidente na EN318

Mulher foi atropelada por mota

U

vel, que estava parado no sentido ma mulher, de 69 anos, e S. Romão-S. Mamede, e atravesum homem, de 51, ficaram feri- sou a estrada, tendo sido colhida dos na sequência de um aciden- por uma mota, que circulava no te, na Estrada Nacional 318, em S. sentido contrário. O condutor do Mamede do Coronado, cerca das veículo motorizado também so18.25 horas de 27 de janeiro. Se- freu ferimentos. gundo testemunhas no local, a As vítimas foram assistidas pemulher terá saído de um automó- los Bombeiros Voluntários da Tro-

fa, que se deslocaram para o local com duas ambulâncias. Mais tarde, transportaram os feridos para a unidade de Vila Nova de Famalicão do Centro Hospitalar do Médio Ave. A Guarda Nacional Republicana também esteve no local a registar a ocorrência. C.V.

Frigorífico ardeu Uma família não ganhou para o susto quando um incêndio deflagrou num frigorífico, na habitação situada na Rua Vasco da Gama, em S. Romão do Coronado, na manhã de sábado, 28 de janeiro. Quando os Bombeiros Voluntários da Trofa chegaram ao local,

já o aparelho estava no exterior da casa, tendo sido retirado por populares. A corporação da Trofa deslocou-se para o local com um veículo urbano de combate a incêndios e uma ambulância, mas não houve feridos. C.V.

Condutora ferida em despiste

Veículo despistou-se em Covelas

Um veículo ligeiro de passageiros despistou-se na Rua da Liberdade, próximo da Rotunda Fer-

nando Moreira, em Covelas, ficando imobilizado na berma da estrada em cima do muro. A viatu-

ra seguia no sentido S. Romão do Coronado-Trofa. O piso molhado poderá ter estado na origem do acidente. Eram cerca das 10.40 horas do dia 26 de janeiro, quando uma de uma viatura de Transporte de Doentes dos Bombeiros Voluntários da Trofa passou no local do acidente, prestou os primeiros cuidados e alertou o quartel. Para o local foram mobilizados sete soldados da paz, apoiados por um veículo de desencarceramento e uma ambulância de socorro. A condutora da viatura, com cerca de 45 anos, sofreu ferimentos ligeiros e foi transportada ao Hospital de S. João, no Porto. P.P.

Mulher atropelada no centro da Trofa Uma mulher, com cerca de 65 ram os Bombeiros Voluntários da anos, sofreu escoriações na cabe- Trofa, apoiados por uma ambuça e estalou a clavícula depois de lância de socorro, e a GNR da Troter sido atropelada na Rua Costa fa. A mulher foi transportada para Ferreira, no centro da Trofa, cerca a unidade de Famalicão do Centro das 19.30 horas desta quarta-fei- Hospitalar do Médio Ave. ra, 1 de fevereiro. No local estive-


PUB

www.jornaldoave.pt

26 JANEIRO 2016 JORNAL DO AVE

1

Semanário 2 de fevereiro de 2017 Nº 70 Ano 3 | Diretora Magda Machado de Araújo | 0,70 € //PÁG. 5

Apreendidas armas em S. Tomé de Negrelos

//PÁG. 9

//PÁG. 8

//PÁG. 6

Tribunal diz que IEFP “não enunciou razões suficientes” para afastamento de diretor

Santo Tirso vai ter Praia Urbana //PÁG. 3

//PÁG. 8

Autarquia desenvolve aplicação para a prevenção do risco de cheias

“Nós de Dança” exalta tradições lusas

//PÁG. 8

Mundos de Vida com Marcelo no Palácio de Belém

pub PUB


2

JORNAL DO AVE 2 FEVEREIRO 2017

www.jornaldoave.pt

Atualidade

// Santo Tirso

CDU reafirma lema para eleições autárquicas A Comissão Concelhia de Santo Tirso do Partido Comunista Português organizou o Encontro Concelhio da CDU, a 21 de janeiro, no salão nobre da sede de Junta da União de Freguesias de Santo Tirso, Couto (Santa Cristina e S. Miguel) e Burgães. PATRÍCIA PEREIRA

O

encontro teve como “principais objetivos avaliar a intervenção dos eleitos, analisar a gestão das demais forças políticas na Câmara Municipal e juntas de freguesia e refletir sobre os problemas das populações a que não têm sido dadas respostas”. Além disso, ficou assumido como objetivo para as próximas eleições autárquicas concorrer sob o lema “‘Trabalho, Honestidade e Competência’ aos órgãos municipais, uniões e juntas de freguesia do concelho”. Até porque a CDU está “consciente da diferença do seu projeto e do trabalho”, que se “bate pelos valores de Abril defendendo serviços públicos, o direito a um trabalho com direitos,

assumindo uma política de combate à especulação e ao favorecimento de interesses de grupo, a promoção do ambiente, da cultura, do desporto e da qualidade de vida”. Em nota de imprensa, a CDU reafirmou que a sua “voz faz falta nos órgãos autárquicos de Santo Tirso” e, por isso, este encontro constituiu-se como “um primeiro passo para o desenvolvimento de todo um trabalho de contacto com ativistas, apoiantes e candidatos em anteriores atos eleitorais, reforçando o carácter unitário da coligação CDU, bem como para auscultação de problemas e anseios da população”. O Encontro serviu ainda para “um olhar reflexivo” ao que “foi/

não foi conseguido pela atual gestão municipal”, tendo sido salientado “necessidades básicas que continuam por cumprir, nomeadamente a cobertura total do concelho em termos de saneamento e água da rede pública, bem como a cobertura total e de maior qualidade em termos de transportes”. “Foi ainda assinalado o dispêndio de verbas com festas e propaganA OFICINA esteve presente no ABAE, José Archer. da em desfavor de obras há mui- Seminário Nacional Eco-EscoO professor Fernando Félix, parto consideradas prioritárias, como las, promovido pela Associação ticipou no seminário como coorseja o caso de reparação de várias da Bandeira Azul (ABAE), entre os denador do programa Eco-Escoestradas, passeios e arruamen- dias 20 e 22 de janeiro, em Ílha- las e referiu que os encontros natos”, adiantou a estrutura políti- vo. Este ano , os temas aborda- cionais promovidos pela ABAE, ca em comunicado. dos foram sobre a estratégia de têm contribuído para o aprofun“Não ignorando as dificuldades”, Educação Nacional de Educação damento das principais linhas de a CDU confirmou, durante o en- Ambiental e sobre os 17 objetivos atuação e estratégias nacionais contro, “a confiança e reconheci- do Desenvolvimento Sustentável. e internacionais em prol do ammento pelo seu percurso de traOs alunos da OFICINA estiveram biente. balho, honestidade e competên- presentes juntamente com a Ecocia pela sua intervenção pronta e logical Film Festival, (Bgreen) que A OFICINA visita a empresa coerente em defesa dos interes- integrou o último painel de sábaPrimavera BBS ses e direitos dos trabalhadores e do, onde a ABAE apresentou os A OFICINA – Escola Profissional das populações”. seus parceiros e quais os desafios do Instituto Nun’Alvres, levou ale concursos que são lançados às guns alunos do 3º ano a visitar a Eco-Escolas. Os alunos Janin Car- Primavera BBS em Braga, uma inidoso, Carlos Martins, João Cabral, ciativa onde o desafio para os aluAndré Maia e Teresa Ferreira, jun- nos era notificar o funcionamentamente com a psicóloga Sofia to da empresa bem, como ficar a Mendes e o técnico Tiago Couto, par de novos mercados de trabaestiveram a representar a escola. lho, quer na área de programaA iniciativa conseguiu reunir cer- ção como também a área do maca de 400 participantes e contou rketing digital. “Ver como as emcom a presença do ministro do presas trabalham, sentir o pulso Ambiente, João Pedro Fernandes, a uma empresa desta dimensão do secretário de estado da Educa- permite aos alunos percepcioção, João Costa, do diretor do De- nar os desafios que os esperam.” partamento de Comunicação e afirma Ricardo Barros, coordenaCidadania Ambiental da Agência dor do curso Técnico de ComuniPortuguesa do Ambiente, Fran- cação/Marketing, Relações Públicisco Teixeira e do presidente da cas e Publicidade. S.J./C.V.

Alunos da OFICINA no seminário Eco-Escolas

AR Negrelos comemorou 80 anos

AR Negrelos comemorou 80 anos de atividade

Sopraram-se as velas aos 80 anos da Associação Recreativa de Negrelos. Juntaram-se os talentos da terra à festa e animação não faltou à noite de sábado, 28 de janeiro. Pelo palco da sede da Asso-

ciação passaram Rute Lopes, Inês Coutinho e Filipa Martins. Joaquim Couto ajudou a cortar o bolo e congratulou a associação por mais um aniversário, considerando que esta “contribui imenso para a par-

ticipação e o aprofundamento da democracia na freguesia e na região”. Os tempos não são fáceis mas os amigos juntaram-se à festa e comemoraram os 80 anos de atividade da AR Negrelos.

Biblioteca cria ateliês para as crianças Todas as crianças de Santo Tirso vão poder celebrar o espírito carnavalesco e o S. Valentim de forma diferente, com a iniciativa “Mãos à Obra”, lançada pela Biblioteca Municipal de Santo Tirso. A iniciativa conta com ateliês, nos dias 7,14 e 21 de fevereiro.

Nos dias 7 e 21 de fevereiro, pe- nária, para a celebração do Dia las 10 horas, todas as crianças po- dos Namorados. derão criar “Máscaras de CarnaA iniciativa é para todas as crianval” para festejar de forma diver- ças com idade superior a quatro tida e diferente o Entrudo. Já no anos, tem entrada gratuita, mas dia 14 de fevereiro, pelas 10 ho- sujeita a marcação prévia atraras, a proposta é criar “Docinhos vés do número de telefone 252 233 d´amor”, através do ateliê de culi- 428. J.L./C.V.

Vida e obra de Mário Dionísio em exposição Poeta, crítico, pintor, romancista e professor são algumas das facetas da personalidade de Mário Dionísio, uma das figuras de maior relevo da cultura portuguesa do século XX. A vida e a obra de Mário Dionísio vão estar em destaque na Biblioteca Municipal de Santo Tirso, através de uma exposição documental, patente entre os dias 6 de fevereiro e 3 de março. Mário Dionísio nasceu em 1916 e faleceu em 1993. Licenciou-se em Filologia Românica na Faculdade de Letras, em Lisboa, foi professor do ensino secundário, e, depois do 25 de abril, da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Foi autor de uma obra literária autónoma, entre poesia, conto e romance. Fez crítica literária e de artes plásticas, usando os pseudónimos Leandro Gil e José Alfredo Chaves enquanto artista plástico. Sendo um teórico do neorrealismo português, partilhava a ideia da reforma cultural através da aproximação da arte ao público, tendo participado em inúmeras palestras e ações culturais por todo o país. P.P.


www.jornaldoave.pt

2 FEVEREIRO 2017 JORNAL DO AVE

3

Atualidade

// Vila Nova de Famalicão

// Santo Tirso

Autarca apoia Governo Autarquia desenvolve na descentralização aplicação para a prevenção de competências do risco de cheias

Joaquim Couto apoia proposta do Governo de descentralizar competências para autarquias e entidades intermunicipais. CÁTIA VELOSO Joaquim Couto liderou a primeira reunião do Conselho Metropolitano do Porto (CmP) de 2017. Após a demissão de Hermínio Loureiro do cargo de presidente, o autarca de Santo Tirso, vice-presidente daquele órgão, presidiu à sessão que teve como um dos temas mais debatidos a proposta de Lei, apresentada pelo Governo, sobre transferência de competências da Administração Central para os Municípios e Entidades Intermunicipais. Em causa está a possibilidade de o Governo descentralizar competências nas áreas da saúde, segurança social, educação, proteção civil e planeamento não só para as autarquias como para as áreas metropolitanas e comunidades intermunicipais. Durante a reunião, foi percetível uma dissonância entre autarcas socialistas e sociais-democratas sobre o tema. Ao JA, Joaquim Couto afirmou que o assunto “não acolhe a unanimidade”, porque “tem natureza política e uma componente partidária muito grande”. Para o autarca, “o tempo tem dito que os estados são mais bem governados se o poder estiver distribuído a nível central, regional e local”. “Este Governo pretende dar um passo em frente na descentralização e desconcentração do poder político que está essencialmente concentrado em Lisboa. Uns (autarcas) dizem que é muito, outros dizem que é pouco. Eu defendo a opinião de que devem ser transferidas capacidades para os

municípios e, parte de outras devem ser descentralizadas para as áreas metropolitanas e comunidades intermunicipais, para equilibrar o sistema”, argumentou. Outra das questões abordadas na reunião do CmP foi “o pacote financeiro para a gestão da atribuição de competências” que, segundo Joaquim Couto, “nem deveria estar em cima da mesa”. “O Governo já se comprometeu que, para o exercício das competências que vierem a ser descentralizadas, terá que transferir os meios financeiros adequados para as executar. Caso contrário, não seria possível. Mas essa questão nem deveria estar em cima da mesa, já que o que está em discussão atualmente é a questão jurídico-legal-administrativa da proposta”, afiançou.

Sessão serviu para conhecer a realidade do concelho

O Município de Vila Nova de Famalicão vai desenvolver uma aplicação para a prevenção do risco de cheias no concelho. PATRÍCIA PEREIRA

I

Emídio Sousa é o novo sto porque o Município é o parpresidente do CmP No final do debate deste as- ceiro piloto de Portugal no projesunto, Emídio Sousa, presiden- to Flood-serv, onde será testada te da Câmara de Santa Maria da e desenvolvida uma Consola de Feira, foi eleito novo presidente Gestão de Emergências direciodo CmP. Com 52 anos, o autarca nada para o risco de inundação. tem já um vasto currículo no ser- O projeto FLOOD-serv, que teve viço público, tendo sido responsá- início em setembro de 2016 e tervel pela requalificação e reabilita- mina em julho de 2019, é finanção das ribeiras e linhas de água ciado através do Programa Horie pela gestão da orla marítima de zonte 2020 da União Europeia. O Vila Nova de Gaia, e vereador da principal objetivo deste projeto Câmara Municipal de Santa Maria passa por “promover uma aplicada Feira, com os pelouros do Am- ção de serviço público que incenbiente, Obras Municipais e Prote- tive e capacite os cidadãos a conção Civil. Foi ainda vice-presiden- tribuírem com informações e date desta autarquia antes de vencer dos relacionados com a possibilidade de inundações, de forma as eleições, em 2013. C.V.

a ajudar ações de resposta mais da problemática das cheias no rio rápidas e eficientes, por parte das Ave e no rio Este, das infraestrutuautoridades públicas e pessoal de ras técnicas e humanas e das expetativas em relação à implemenemergência”. Além do Municipio de Vila Nova tação do projeto”. Para além da presença do vicede Famalicão, o projeto será desenvolvido com Bilbao, a região -presidente da Câmara Municipal do Delta do Danúbio, Génova e a de Vila Nova de Famalicão e vereador da Proteção Civil, Ricardo região de Bratislava. E no âmbito do projeto europeu Mendes, a iniciativa contou ainFLOOD-serv: Inundação, Emer- da com as presenças de Susanne gência e Serviço Público, decor- Sonntagbauer da Cellent Ag, umas reu na Casa do Território de Vila das empresas de tecnologias enNova de Famalicão um workshop volvidas que fez uma descrição que reuniu “diversos parceiros”. geral do projeto e dos seus objeOs principais objetivos desta ses- tivos, Pedro Faria que descreveu são foram “a divulgação do proje- o caso de estudo do concelho de to junto dos agentes de proteção Vila Nova de Famalicão, e Pedro civil e entidades municipais e dis- Leite, em representação da Ano, tritais envolvidas na gestão do ris- uma empresa de tecnologia porco de inundação, bem como, dar a tuguesa parceira do projeto que conhecer aos parceiros europeus descreveu dois componentes técdo projeto a realidade existente nicos que estão a ser desenvolvino concelho famalicense, ao ní- dos que vão fazer parte da Consovel das caraterísticas do território, la de Emergência.

// Santo Tirso

“Palheta Bendita” reinventa a música portuguesa e do mundo Através de um encontro de música e dança, promove-se a reinvenção da música tradicional portuguesa e de sonoridades de outros cantos do mundo. PATRÍCIA PEREIRA E ANA MIRANDA Estes são os principais objetivos da 11.ª edição da Palheta Bendita, promovida pelos Gaiteiros da Ponte Velha, a Associação Cultural Tirsense e a Câmara Municipal de Santo Tirso. A Palheta Bendita começa no dia 3 de fevereiro, com uma oficina de instrumentos musicais singelos nas escolas do concelho, entre as 10 e as 15 horas. À noite, a Fábrica de Santo Thyrso será palco

da apresentação da série “O Povo que Ainda Canta (RTP)”, com José Moças, pelas 21.30 horas, e a projeção do programa dedicado ao Baixo Minho, parcialmente rodado em Santo Tirso, pelas 22 horas. A noite termina com música, com um concerto da Orquestra de Foles, pelas 22.30 horas, e com o DJ Gaiteirinho e Chega na Hora, pelas 24 horas, no Carpe Diem Bar.

No sábado, a Fábrica de Santo Thyrso recebe, entre as 14 e as 23.15 horas, uma feira de instrumentos musicais. Já entre as 10 e as 17.30 horas decorre um conjunto de oficinas de instrumentos musicais, de afinação e execução da gaita de fole, cantigas do entrudo, viola braguesa e de construção de canas rachadas, enquanto entre as 15 e as 17.30 horas os Chu-

las de Santo Tirso com o Núcleo de Etnografia e Folclore da Universidade do Porto, bem como alguns Grupos Folclóricos do concelho, protagonizam oficinas de dança, abertas ao público em geral. A noite conta também com um programa recheado, que inclui a apresentação do Curso Técnico Profissional de Gaita de Fole pela Academia de Chaves (21 horas), Concerto do Coro da Escola de Música Tradicional Portuguesa “Cardo Amarelo” (22 horas) e Concerto Escola de Gai-

tas da Ponte Velha, pelas 22.30 horas. A sede da Associação Amigos do Sanguinhedo será lugar de festa, com um Baile improvisado, foliada e jam session entre as 23.30 e as 2 horas. No domingo, último dia de “Palheta Bendita”, continua patente a feira de instrumentos musicais na Fábrica de Santo Thyrso, entre as 14 e as 18 horas, e, a partir das 15.30 horas, há baile com os Grupos Folclóricos do concelho, com a Chulada da Ponte Velha e a Associação Popolomondo.


4

JORNAL DO AVE 2 FEVEREIRO 2017

www.jornaldoave.pt

Atualidade

// Santo Tirso

Veja a reportagem vídeo em www.jornaldoave.pt

TAC criou 14 empregos em 2016 e pode voltar a contratar Situada no número oito da zona industrial Várzea do Monte, em Santo Tirso, a TAC – Creative Manufacturing abriu as portas a 17 de fevereiro de 1988. LILIANA OLIVEIRA E CÁTIA VELOSO

A

serão as relações do novo presi- empresarial”, avançou o autarca. Para Josef Pulz um dos pontos empresa que fabrica e ex- dente americano com a Europa. porta vestuário em malha cirA escolha de Santo Tirso para que merecem a atenção do mucular exterior, especializada em instalar a empresa deveu-se es- nicípio é a zona disponível para materiais finos e delicados pro- sencialmente com “a mão-de- estacionamento. Quanto a esta questão Joaduz por ano “cerca de 300 mil pe- -obra”, explicou o CEO. ças”, quase todas para exportaO presidente da autarquia, Jo- quim Couto foi claro: “Penso que ção para mercados como o ame- aquim Couto, visitou as instala- será fácil de resolver. Vamos dar ricano, japonês e europeu. ções da TAC, a 25 de janeiro, no uma vista de olhos mais alargaA TAC conta atualmente com 60 âmbito do Invest Santo Tirso, e da a este loteamento industrial, trabalhadores, um número que mostrou-se disponível para “ten- onde estão 25 ou 30 empresas aumentou o ano passado e que tar corrigir e melhorar” alguns as- instaladas, e vamos fazer o ponpode voltar a crescer no futuro. petos de “uma área industrial que to de situação. Se a questão do “Fomos buscar 14 pessoas ao foi construída na década de 90”. estacionamento for de facto uma fundo de desemprego o ano pas“Temos uma candidatura ao questão fundamental, como pasado. Agora estamos a virar-nos 2020, muito volumosa, que se rece que é, a Câmara tem um terpara um novo produto ligado ao chama “Melhoramento empresa- reno aqui ao lado e fará uso dele”, desporto. Temos que comprar rial no município”, que inclui me- garantiu o presidente tirsense. equipamento e se calhar vamos lhoramentos na rede viária não só Santo Tirso foi “dos concelhos aumentar também o pessoal”, desta como das outras zonas in- mais exportadores do país” em adiantou Josef Pulz, CEO da em- dustriais, no sentido de propor- 2015, exportando “cerca de 540 presa, que anseia por ver como cionar um melhor acolhimento milhões de euros”, e a TAC contribuiu para os números do concelho, já que a empresa exporta “98 por cento daquilo que produz”.

Portugal 2020 financia obras na rede de saneamento e de água

Obras vão ser comparticipadas por fundos comunitários

Em outubro de 2016, a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão lançou um conjunto de obras de saneamento e distribuição de água, sem a garantia de que fosse comparticipada. PATRÍCIA PEREIRA Agora, a autarquia famalicense menhe e Jesufrei, no “montanviu aprovada a candidatura para te de 2,5 milhões de euros”. Tamo “Fecho da rede de drenagem bém para este conjunto de obras de águas residuais das sub-ba- foi apresentada uma candidatura cias do Pelhe, Pele e Ave”, em seis que está neste momento à espera freguesias do concelho, represen- da respetiva aprovação. Para o presidente da Câmara tando “um investimento total no montante de 1,2 milhão de euros Municipal, Paulo Cunha, “estas (1.276.160,72 euros) e cofinancia- obras são essenciais para as poda em 621.829,48 euros pelo Fun- pulações e para a sua qualidade do de Coesão (FCOES), no âmbi- de vida”. “São obras que não poto do Programa Operacional Sus- dem esperar, por isso, decidimos tentabilidade e Eficiência no Uso avançar para a sua concretização de Recursos (POSEUR), do Portu- o mais rapidamente possível. Entretanto, as boas notícias comegal 2020”. As obras, que já estão no terre- çam a chegar”, completou. A frente de obras abrange “17 no, abrangem as populações residentes nas freguesias de Vale S. freguesias do concelho e cerca de Cosme, Telhado e Portela, Frade- 30 quilómetros de rede de água e los, Vilarinho das Cambas e Re- 60 quilómetros de rede de saneaquião. Entretanto, a autarquia tem mento básico, que vão servir ditambém em andamento mais um retamente mais de três mil habiconjunto de obras que abrangem tações com água potável e perto a rede de drenagem de águas re- de sete mil habitações com o sasiduais e abastecimento de água neamento”. Com estes novos inno Vale do Rio Este, nomeadamen- vestimentos prevê-se que “a cote as freguesias de Louro, Gondi- bertura de água no concelho pasfelos, Cavalões e Outiz, Nine, Ar- se para 95,9 por cento e a cobernoso Santa Eulália, Arnoso Santa tura de saneamento chegue aos Maria e Sezures e Mouquim, Le- 82,7 por cento”.

Riopele aposta em têxteis sustentáveis Sediada em Pousada de Saramagos, concelho de Vila Nova de Famalicão, a Riopele vai desenvolver têxteis sustentáveis. Através do projeto R4Textiles, a empresa famalicense vai por em prá-

tica esta medida sustentável com base na valorização de rejeitados têxteis e agro-alimentares. Com um investimento de “cerca de 978 mil euros”, cofinanciado pelo Compete 2020, o objetivo é capi-

talizar as oportunidades associadas à economia circular. O Citeve, o CeNTI e a Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica são parceiros do projeto. L.O./C.V.


www.jornaldoave.pt

2 FEVEREIRO 2017 JORNAL DO AVE

5

Atualidade

// Vila Nova de Famalicão

// Trofa & Santo Tirso

GNR apreende armas ilegais

GNR encontrou várias armas na residência

Violador de Joane condenado a 7 anos e meio de prisão Sete anos e seis meses de prisão para o homem que violou jovem em Joane. Liliana Oliveira/ Cátia Veloso O caso remonta a 2 de setembro de 2013, data em que um homem terá abordado uma jovem, que completava 14 anos nesse mesmo dia, na Vila de Joane, concelho de Vila Nova de Famalicão, acabando por violá-la. O homem, agora com 32 anos, "abordou a menor que caminhava sozinha por um caminho de terra batida, agarrou-a, puxou-a para o interior de um milheiral, aí a forçando a manter consigo relações sexuais de cópula completa", pode ler-se no site da Procuradoria-Geral Distrital do Porto. De acordo com dados avançados pelo Correio da Manhã, o arguido “começou por abordar a menor e pedir-lhe o número de telemóvel. Como esta recusou, o arguido empurrou-a para o campo de milho e com uma mão a tapar- -lhe a boca violou-a. ‘Só te largo quando acabar o serviço’, terá dito à vítima, que ainda tentou gritar por socorro”. Segundo adiantou o mesmo jor-

cleo de Investigação Criminal da noite de terça-feira, 31 de GNR de Matosinhos e do posto janeiro, foi atribulada para os mo- territorial de Alfena, nove efetiradores da Rua da Samogueira, vos deslocaram-se para o local e, à em Bougado, no concelho da Tro- porta da casa, confirmaram a defa. Cerca das 23 horas, veículos núncia, apanhando, em flagrandescaracterizados e vários agen- te, um indivíduo a vender a arma. tes à civil, armados, cercaram uma Na sequência da detenção, e das habitações daquela rua para com a autorização do suspeito, apanhar, em flagrante, um indiví- os militares procederam a busduo a vender uma caçadeira que cas na habitação, tendo encontinha sido furtada num assalto trado ainda duas armas pressão perpetrado numa outra residên- de ar, um revólver antigo mas funcia do concelho. cional, duas pistolas de ornamenA ação policial foi desencadea- tação, cerca de 20 cartuchos de 12 da pela Guarda Nacional Republi- mm e uma caixa de chumbos de cana da Trofa e partiu de uma de- 4,5. Todo o material foi apreennúncia de que, alegadamente, na- dido e o indivíduo, com 62 anos quele local estava prestes a ser anos, constituído arguido. O caso efetivada a venda de uma arma. baixou a inquérito pelo Ministério Com o apoio dos militares do Nú- Público, que vai prosseguir a in-

vestigação. Na mesma noite, em S. Tomé de Negrelos, foi desencadeada uma ação policial que também resultou na apreensão de duas armas de fogo. Militares do posto territorial de Vila das Aves da GNR procederam a uma busca domiciliária e apreenderam uma caçadeira, uma arma de calibre 4,5 mm e um livrete de manifesto de arma. O suspeito, um homem de 72 anos, já se encontrava constituído arguido no processo que decorre no Departamento de Investigação e Ação Penal de Santo Tirso. A ação foi desencadeada depois de da apresentação de uma queixa de dois filhos do suspeito, que alegadamente os ameaçava com as armas. C.V./H.M.

nal, depois da violação, “o arguido abandonou o local e a vítima procurou auxílio junto à estrada onde havia sido sequestrada, vindo a ser socorrida por uma mulher que entretanto aí circulava de automóvel”. Volvidos mais de três anos, o Tribunal da Relação de Guimarães confirmou a pena de 7 anos e meio // Vila Nova de Famalicão de prisão, pela prática de crime de violação agravado, para o arguido, informou a Procuradoria-Geral Distrital do Porto. Recorde-se Será no “decorrer do primeiro semestre” deste ano que terá “início o projeto de execução” que o julgamento só começou em da Esquadra da PSP em Vila Nova de Famalicão. PATRÍCIA PEREIRA outubro de 2015 e o homem esteve sempre em liberdade, apenas A informação foi avançada pelo no para quando está prevista “o de Esquerda, o edifício onde está com termos de identidade e resi- Gabinete da Ministra da Adminis- início das obras de remodelação localizada a Esquadra tem “mais dência. “E é assim que ainda conti- tração Interna, a 20 de janeiro, de- do edifício onde está localizada de 30 anos e, salvo algumas repanua, mesmo após esta decisão da pois de ter sido questionado pelos a Esquadra da PSP de Famalicão”, rações esporádicas, nunca foi suRelação, que julgou improceden- deputados do Grupo Parlamentar em que “data prevê concluir as jeito a quaisquer obras de recupete o recurso que tinha interpos- do Bloco de Esquerda. Na sua res- obras” e que “medidas imediatas ração e reabilitação”. “Em conseto”, pode ler-se no mesmo jornal. posta, o Ministério da Administra- pensa adotar para atenuar os pro- quência, os profissionais da PSP Ao que se sabe o arguido, com ção Interna esclareceu que, “ao blemas advenientes do estado de que lá desempenham as suas funduas filhas, já estava referencia- longo dos últimos meses”, realizou degradação” do edifício, de forma ções deparam-se diariamente com do localmente por situações de “um levantamento exaustivo do es- a “assegurar que, até à conclusão infiltrações nas múltiplas divisões assédio e tentativas de abuso se- tado das instalações das forças de das obras, são garantidas as me- da esquadra, sendo mesmo conxual de outras jovens e mulheres. segurança”, o que permitiu verifi- lhores condições para o exercício frontados, nos dias de chuva intencar a “degradação do imóvel” da das suas funções aos profissionais sa, com água no posto de atendiEsquadra da PSP de Vila Nova de da PSP da Esquadra de Famalicão”. mento e nas camaratas. Além disA Comissão Concelhia de Vila so, a cobertura do edifício é feita Famalicão, que “carece de uma intervenção para reabilitação abran- Nova de Famalicão do Bloco de com placas que contêm amianto, gente de forma a continuar a ga- Esquerda espera que “estas obras o que constitui uma violação da rantir o exercício das funções po- avancem o quanto antes, que de- legislação comunitária. A aludiliciais com dignidade, que salva- corram em tempo útil, minimiza- da esquadra da PSP não cumpre guarde a operacionalidade das do o seu impacto no funcionamen- as regras de acessibilidade para Forças de Segurança e que assegu- to da PSP e que possibilitem que pessoas com mobilidade condiausentes. Mas sem esperar, o ami- re a proteção da liberdade e da se- o edifício passe a cumprir integral- cionada, previstas no Decreto-Lei mente todos os requisitos legais, n.º163/2006, de 8 de agosto, uma go do alheio foi ‘apanhado’ em fla- gurança de pessoas e bens”. Recorde-se que em dezembro que dignifique a missão da PSP e vez que o acesso àquela esquadra grante pelos vizinhos que o retiveram até à chegada da GNR de Fa- de 2016, os deputados Pedro So- dos seus agentes e que assim be- é garantido, exclusivamente, por uma escadaria”, pode ainda ler-se malicão. O homem foi detido por ares, Sandra Cunha e Jorge Falca- neficie a população”. Segundo o documento do Bloco no documento. to Simões questionaram o Govertentativa de furto. L.O./C.V.

Detido por populares enquanto tentava roubar moradia Um homem de 46 anos saltou o muro de uma propriedade, na tentativa de a furtar, em Ribeirão, concelho de Vila Nova de Famalicão, na noite de 28 de janeiro, quando os proprietários estavam

A

Obras na Esquadra da PSP no 1.º semestre


6

JORNAL DO AVE 2 FEVEREIRO 2017

www.jornaldoave.pt

Atualidade

// Vila Nova de Famalicão

Tribunal diz que IEFP “não enunciou razões suficientes” para afastamento de diretor

Foto: UGT reunida com autarquia famalicense Legenda: Estruturas sindicais conheceram realidade económica do concelho

danças que justificam a cessação da comissão de serviço do Autor”. O tribunal argumentou ainda que a decisão “padece ostensivamente do vício de forma, por falta de fundamentação”. Na sequência do afastamento do Centro de Emprego de Vila Nova de Famalicão, Domingos Sousa passou a exercer funções como técnico consultor no Porto.

Tribunal de Penafiel deu razão a Domingos Sousa

Domingos Sousa assumiu o cargo de diretor do Centro de Emprego de Famalicão em 2015 e deveria cessar funções em 2018, mas IEFP deliberou a cessão da comissão de serviço em 2016. Tribunal considera que a decisão “padece ostensivamente do vício de forma, por falta de fundamentação”. Liliana Oliveira/ Cátia Veloso

A

história começou a 19 de fevereiro de 2016, quando o Conselho Diretivo do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) deliberou a cessão da comissão de serviço de Domingos Sousa, então, diretor do Centro de Emprego famalicense, remetendo a cessão para dois dias depois, a 21 de fevereiro. Domingos Sousa, que só cessaria a comissão de serviço em outubro de 2018, soube da decisão do seu afastamento a 18 de fevereiro e contestou. Apesar de concordar com os objetivos do Governo, já liderado por António Costa, para a área do emprego, Domingos Sousa realçou a sua experiencia e capacidade para os cumprir, e apresentou como facto os bons resultados da sua direção no Centro de Emprego famalicense. Ainda assim foi em vão. O Conselho Diretivo do IEFP argumentou a necessidade de “imprimir uma nova linha à gestão do serviço dirigido pelo Autor”, mas não esclareceu as razões pelas quais Domingos Sousa não reunia as condições. O Tribunal Administrativo e Fiscal de Penafiel (TAFP) considerou ilegal o despacho que determinou a cessão da comissão de serviço de Domingos Sousa. A mesma

instância judicial recusou, no entanto, o pedido de indemnização no valor de 22 mil euros de danos patrimoniais, resultantes da diferença de vencimento mensal entre a função que exercia como diretor em Famalicão e como técnico consultor no Porto bem como das viagens entre Santo Tirso- Porto, e 20 mil euros de danos não patrimoniais, pela “angústia, desapontamento e vergonha”, e o pedido de reintegração apresentados pelo ex-diretor do Centro de Emprego de Famalicão. No que diz respeito ao pedido de reintegração diz o TAFP que o despacho de cessão é passível de ser renovado em termos que saneiem o vício detetado pelo tribunal. Domingos Sousa vai recorrer da decisão. O advogado de Domingos Sousa, Durval Ferreira, alega que se trata de uma certa “censura política” a forma como o Governo substitui os dirigentes dos centros de emprego, uma vez que estes só cessariam funções em 2018. A sentença do Tribunal deixa a exoneração do ex-diretor dependente de novo despacho que deverá fundamentar motivos concretos que justifiquem que Domingos Sousa não se enquadra no perfil estratégico do Governo, afirmando que o Conselho Diretivo do IEFP “não enunciou razões de facto e de direito suficientes (…) limitando-se a reproduzir o Programa do XXI Governo Constitucional no âmbito da promoção do emprego e combate à precariedade, fazendo um salto lógico para a cessação da comissão de serviço, não se vislumbrando as razões pelas quais o Autor (Domingos Sousa) não está em condições de levar a cabo as mu-

PSD de Famalicão fala de “partidarização da administração pública” A concelhia do Partido Social Democrata (PSD) já reagiu, afirmando que a decisão do Tribunal Administrativo e Fiscal de Penafiel no que diz respeito à “ilegalidade na exoneração” de Domingos Sousa “não surpreende o Partido Social Democrata”. Em comunicado enviado às redações o PSD de Famalicão afirma que “com apenas um mês de vida o novo Governo iniciava, desde logo, um feroz processo de estatização e partidarização da administração pública procedendo a demissões em catadupa e subsequentes novas nomeações de pessoas com ligações partidárias explícitas”. Para os sociais-democratas famalicenses “a verdadeira razão do afastamento do Dr. Domingos Sousa adveio da circunstância de ser dirigente no tempo do governo do PSD/CDS-PP”, considerando ter sido esse “o pecado e o único e exclusivo fundamento para a sua indecorosa demissão” de Domingos Sousa. “O ex-Diretor do Centro de Emprego foi vítima desta política de saneamento, agora sancionada também judicialmente e concretizada com uma voracidade tal que, no caso do Dr. Domingos Sousa, não cuidou de observar que a sua nomeação para o cargo ocorrera no longínquo mês de maio de 2010, ou seja, no tempo de um governo socialista e nele permanecerá até 2016 por indiscutível mérito”, pode ainda ler-se. O PSD de Famalicão considera ainda que Governo “esmaga e prescinde de dirigentes, como o Dr. Domingos Sousa que, como legado da sua gestão, nos deixou uma assinalável diminuição da taxa de desemprego no concelho de Vila Nova de Famalicão”.

UGT elogia dinâmica económica do concelho Após “uma visita de trabalho à Continental Mabor”, o SINDEQ – Sindicato das Indústrias e Afins e a UGT – União Geral de Trabalhadores reuniram-se com o edil famalicense, Paulo Cunha. PATRÍCIA PEREIRA A reunião, que aconteceu na segunda-feira, 30 de janeiro, aconteceu “a convite” do presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, para dar “a realidade económica do concelho, abordando temas como as exportações, o desemprego e a qualificação de recursos humanos”. No final, Carlos Silva, Secretário-geral da UGT, afirmou que “encontrar neste concelho uma taxa de desemprego muito inferior à média nacional é sinal de que há aqui uma forte industrialização”. “Reindustrializar é voltar a industrializar e em Famalicão essa questão não se coloca, e muito bem. É um concelho que continua a apostar na indústria, a criar emprego e a permitir que as pessoas se fixem, sejam naturais ou não de Famalicão. Como é que isso é possível? Com investimento, com apoios estruturais, nomeadamente por parte do município, que faz todo o seu trabalho político junto da Administração Central, como nós fazemos”, completou. O líder da UGT falou também do problema das acessibilidades para afirmar que “não é compreensível que este concelho, com fortíssima componente industrial e empresarial, com empre-

sas com grande capacidade exportadora, tenha ainda estradas que são praticamente do início do século XX”. Carlos Silva referiu ainda que “a grande capacidade exportadora do concelho famalicense e até os trabalhadores saem prejudicados” com a ausência de alternativa à Nacional 14. “A Continental Mabor tem centenas de camiões, todos os dias, a passarem por estradas estreitíssimas”, observou, garantindo que a “Câmara de Famalicão tem na UGT mais uma voz para, com o Governo, discutir e aprofundar a necessidade de uma aposta do Estado ao nível das acessibilidades”. Carlos Silva considerou esta jornada em Famalicão “muito positiva e proveitosa”, até porque “ajudou a preparar melhor os combates sempre difíceis com o Governo e as confederações empresariais” em sede da concertação social. Já Paulo Cunha destacou que na reunião partilharam “formas que devem ser utilizadas para uma abordagem direta e positiva ao desemprego no concelho”, que, “felizmente, passou a fazer parte do número reduzido de municípios que é notícia por estarem abaixo da média nacional”. “Nós – concelho, Câmara Municipal, empresas, entidades de formação, trabalhadores, empresários – conseguimos, em apenas três anos, passar de uma taxa de desemprego de 15 por cento em 2013 para cerca de oito por cento em 2016”, salientou.


www.jornaldoave.pt

2 FEVEREIRO 2017 JORNAL DO AVE

7

Atualidade

// Vila Nova de Famalicão

Centro de formação e treino e base logística em Outiz sem luz verde do Governo N

ão é de agora o objetivo dos Bombeiros Voluntários Famalicenses de ter em Outiz um centro de formação e treino e uma base de apoio logístico que sirva todas as corporações da região norte. Tratam-se de nove mil e quatrocentos metros e um investimento de cerca de dois milhões de euros que, por enquanto, não passam de um “sonho”. O projeto já foi apresentado a vários governantes mas até ao momento nenhum aprovou o apoio estatal à obra. O secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, esteve reunido com os Famalicenses a 28 de janeiro, e, apesar de não ter dado a tão an-

siada luz verde, também não fe- les, presidente da Associação Huchou as portas à possibilidade do manitária dos B.V. Famalicenses, projeto se tornar realidade. As ba- “enquanto não houver uma decises de apoio logístico “terão que são em termos governamentais ser construídas pelo próprio Es- relativamente ao financiamentado” mas ainda não estão defi- to deste tipo de projetos obvianidas pela tutela, podendo a zona mente que ele não pode avannorte contar “até com mais do çar”. “Está feito, orçamentado e que uma”. “Entendemos perfeita- as diversas entidades já se promente que a Associação Humani- nunciaram tecnicamente acerca tária dos Bombeiros Voluntários dele”, mas, “atendendo à verba Famalicenses tenha esta preten- que está envolvida, mesmo com são, mas vai ainda demorar al- a ajuda da Câmara não dá para gum tempo até que a decisão seja avançarmos sozinhos. Vamos ter tomada se será aqui ou noutro lo- que continuar a aguardar”, assecal”, afirmou o secretário de Esta- verou o presidente, que garantiu do. “Vou tratar do assunto, pen- que “este tipo de equipamentos sar e darei uma resposta o mais não tem que ser forçosamente do breve possível”, assegurou Jor- Governo, podem ser equipamenge Gomes. Para António Meire- tos particulares”. “Pode fazer-se uma parceria com as indústrias pub da região no sentido de darmos formação e apoio e serem nossas parceiras na criação deste tipo de investimentos”, explicou António Meireles, apesar de admitir que a ligação �� tutela era a opção que

Governo não garante apoio ao centro de formação

mais lhe “agradava”. e a modernização do comando Mas nem tudo foram más notí- dos B.V. Famalicenses, orçado em cias ou ausência de decisão. O se- “175 mil euros”, tem luz verde do cretário de Estado garantiu nes- Governo e pode avançar, tendo te encontro que o projeto que en- a corporação que assegurar apevolve a instalação de camaratas nas 15 por cento do valor total.

Caça legal à raposa gera onda de indignação Uma publicação nas redes sociais despoletou uma onda de indignação. O motivo está relacionado com uma caça à raposa que o Clube de Caça e Pesca de Santa Tecla, de Vila Nova de Famalicão, está a organizar para o dia 26 de fevereiro nas freguesias de Sezures, Vale S. Cosme, Telhado e Portela, no concelho de Vila Nova de Famalicão. Liliana Oliveira/ Cátia Veloso

Apesar da legalidade da prática, foram muitos os cibernautas que se mostraram indignados. Tal como acontece com outras tradições que envolvem violência para com os animais, como é o caso das touradas, há vozes contra e a favor. Alguns argumentam a ligação histórica ao passado ou associam a prática ao desporto, outros há que consideram intolerável e injustificável a violência para com os animais. Uma partilha na página de Facebook da IRA – Intervenção e Regate Animal sobre a caça à raposa promovida pelo clube famalicense resultou, em poucos dias, em quase 900 partilhas e mais de 300

comentários, maioritariamente te pressionado pelo setor da caça, contra a caça à raposa. da tauromaquia e da indústria peO Jornal do Ave tentou con- cuária intensiva”, sendo “estes tactar o Clube de Caça e Pesca muros reforçados” sempre que de Santa Tecla que se recusou a se leva “ao debate político temas prestar declarações. No entan- e propostas que abordam formas to, o presidente do Clube já ha- de entretenimento com recurso à via dito ao Jornal de Notícias que utilização de animais”. Apesar da a caça à raposa se trata de “um legalidade da atividade, “diz-nos desporto como outro qualquer”. a história da Humanidade que “É como ir à pesca, também não uma das maiores manifestações se reclama por causa dos peixes", de violência são leis injustas que e assegura que “está tudo legal”. subjugam os mais fracos e indefeO presidente do Clube aconselha sos aos interesses dos que detêm ainda os críticos a fazerem quei- o poder”, defendeu o deputado. xa “no Ministério da AgricultuDe acordo com a Portaria n.º ra, que foi a entidade que licen- 142/2015, emitida pelo Ministério ciou”. A batida à raposa aconte- da Agricultura e do Mar, “nas époce em todo o país e trata-se de cas venatórias 2015-2016, 2016“uma tradição que vem do tem- 2017 e 2017-2018 é permitido o po dos reis, que iam a cavalo", exercício da caça” a várias espéacrescentou. cies entre elas a raposa. Sobre o assunto, André Silva, A caça à raposa é legal de 1 de deputado do Partido Animais Na- outubro a até ao final do mês de tureza (PAN), já se pronunciou. O fevereiro, em terreno ordenado, deputado considera a caça à ra- havendo um limite diário de aniposa “um ato de violência injus- mais abatidos por caçador de tificada sobre os animais e etica- três, exceto quando o método é mente inaceitável”, já que “con- a ‘batida’. tinua a contribuir para o desapaApesar da legalidade, mais de recimento de espécies raras do 3.500 pessoas assinaram já uma planeta”. André Silva afirma ain- petição pública online pelo fim da que “o parlamento é fortemen- da caça à raposa.


8

JORNAL DO AVE 2 FEVEREIRO 2017

www.jornaldoave.pt

Atualidade

// Santo Tirso

“Nós de Dança” exalta tradições lusas

Veja a reportagem vídeo em www.jornaldoave.pt

Com o tema alusivo ao mar, os utentes da Cooperativa de Apoio à Integração do Deficiente (CAID) fez as honras de abertura do “Nós de Dança”, que se realizou na tarde de 29 de janeiro, na Fábrica de Santo Thyrso. CÁTIA VELOSO

O

“Nós de Dança”, promovido pela União de Freguesias de Santo Tirso, Couto (Santa Cristina e S. Miguel) e Burgães, é um dos pontos altos da Semana dedicada ao Mártir Tirso. Paulo Machado, coreógrafo da CAID, adianta que trabalhar com os utentes “é muito fácil”, porque estes demonstram “muita vontade e empenho naquilo que fazem”. A coreografia que apresentaram no “Nós de Dança”, além de transmitir uma mensagem alusiva ao tema, também mostrou ao público uma outra que tem que ver com a natureza da CAID: “Transmitimos ao público que é sempre possível fazer trabalhos muito interessantes, quando há empenho de todos”. Também as atletas de ginástica rítmica do Ginásio Clube Santo Tirso subiram ao palco para mostrarem que a modalidade casa bem com a dança, apresentando uma coreografia que prepararam sobre o tema dos vinhos. As jovens vestiram-se a rigor, em homenagem

às vindimas, e dançaram ao som das antigas “Vinho Verde”, de Paulo Alexandre, “Vinho do Porto”, de Carlos Paião, e “Oiça Lá ó Senhor Vinho”, de Amália Rodrigues, mas com a voz de Mariza. “NO início houve um bocadinho de relutância das meninas, porque não conheciam as músicas, mas depois o que elas queriam era dançar. Isto acaba por contribuir para o enriquecimento da cultura portuguesa”, explicou Miguela Carriço, responsável pela modalidade de ginástica rítmica do clube tirsense. As tradições portuguesas deram o mote para mais uma edição do “Nós de Dança”, que ainda juntou várias dezenas de bailarinos do Palco Academias de Dança, My Way, Escola de Ballet do Ginásio Clube Santo Tirso, Escola Daniel Carneiro, Trevo do Sucesso e Keep on Dancing. Programa cultural recheado O Nós de Dança é, segundo Jorge Gomes, presidente da União de Freguesias, “o momento grande

CAID fez as honras de abertura do espetáculo

da Semana do Mártir Tirso” e “um dos grandes eventos criados neste mandato”. Mas a semana dedicada ao Mártir Tirso já conta com várias atividades realizadas, como o concerto da Banda de Música de Riba d’Ave, que atuou no auditório Engenheiro Eurico de Melo, na noite de 28 de janeiro. Ao mesmo tempo, decorreu no Centro Social em S. Miguel do Couto uma recriação teatral e cantares das janeiras. Na segunda e terça-feira, o executivo visitou as escolas do 1.º ci-

clo para dar a conhecer o livro de -se uma caminhada noturna. A Semana do Mártir Tirso foi Ricardo Santos e Isabel Couto “Beatriz usa o Nariz” e, na quarta-feira, uma forma que o executivo da inaugurou uma exposição com tra- União de Freguesias encontrou balhos feitos pelos utentes dos cen- para envolver as associações em tros de dias da União de Freguesias. várias atividades e não fazer esCom esta iniciativa, o executivo li- quecer a história do santo que dá derado por Jorge Gomes também nome à cidade e ao concelho. “Deaproveita para promover os jesuí- vemos ter orgulho e marcar o motas e o vinho verde, marcas gastro- mento, pois a vida dele é um exemnómicas do concelho, numa mos- plo para todos nós e transmite a tra que se realiza pelas 14.30 horas mensagem de que não nos devede 3 de fevereiro, na sede da União mos subjugar àquilo que a sociede Freguesias, em Santo Tirso. No dade nos impõe”, sublinhou Jormesmo dia, pelas 21 horas, realiza- ge Gomes.

// Vila Nova de Famalicão

Crianças da Mundos de Vida com Marcelo no Palácio de Belém Cerca de 50 crianças do colégio bilingue Mundos de Vida viajaram até Lisboa para participar no programa “Escritores no Palácio de Belém”, onde conheceram Marcelo Rebelo de Sousa, Isabel Alçada e Júlio Isidro. CÁTIA VELOSO

Saíram de Vila Nova de Famali- gio bilingue Mundos de Vida terem cão às cinco da manhã rumo a Lis- sido convidados pelo Chefe de Esboa. Chegados à capital, foram re- tado para participar no programa cebidos junto ao Palácio de Belém, “Escritores no Palácio de Belém”. no espaço do antigo Museu dos Co- Nesta iniciativa, idealizada pela ches, por Isabel Alçada e Júlio Isi- Presidência da República, alunos dro. Depois, apareceu Marcelo Re- de vários pontos do país enconbelo de Sousa, Presidente da Repú- tram-se com escritores que têm blica. Tal receção deveu-se ao fac- obras recomendadas pelo Plano to de as cerca de 50 crianças do 1.º Nacional de Leitura. “Durante quase duas horas, Júe 2.º ano de escolaridade do colé-

Crianças conheceram Presidente da República

lio Isidro leu duas das suas histórias e as crianças famalicenses fizeram-lhe muitas perguntas, querendo saber como se inspirava, se gostava mais de ser apresentador ou escritor, numa conversa descontraída e animada”, relatou fonte do colégio bilingue, sediado em Lousado. Os meninos retribuíram com a oferta de “um postal com frases de cada um sobre o que fariam se fossem escritores” e com duas canções, uma em inglês e outra

em português. Mas também MarJá para Manuel Araújo, presidencelo Rebelo de Sousa recebeu um te da Mundos de Vida, “foi uma alepostal com a opinião dos mais pe- gria” saber que a Mundos de Vida quenos sobre “Se eu fosse Presi- “tinha sido escolhida entre milhadente…”. res de escolas portuguesas, para “Com bandeiras de Portugal em representar os alunos do 1.º e do 2.º miniatura, na varanda da Presidên- ano do 1.º Ciclo do Ensino Básico”. A escola famalicense não quis cia da República, as crianças cantaram o Hino Nacional, momentos perder a oportunidade e foi por antes de o Chefe de Estado se au- isso que “as crianças do colégio sentar para um almoço com o Pre- se levantaram às cindo da manhã sidente da Sérvia que, naquele dia, para poderem, à hora marcada, seestava de visita oficial ao nosso rem recebidos pelo Presidente da país”, acrescentou fonte do colégio. República”, referiu Manuel Araújo.


www.jornaldoave.pt

2 FEVEREIRO 2017 JORNAL DO AVE

9

Atualidade

Praia Urbana de Santo Tirso vence OPJ

Rafael Rocha, André Paiva, Paulo Ribeiro, e Tiago Gonçalves, da Escola Tomaz Pelayo, participaram pela primeira vez no Orçamento Participativo Jovem (OPJ) e venceram. A ideia de dotar Santo Tirso de uma praia urbana vai passar de maquete a realidade. Liliana Oliveira/ Cátia Veloso

O

troço que ainda não está reabilitado do Parque da Rabada, junto ao Mosteiro de S. Bento, no terreno junto ao passadiço, vai transformar-se numa Praia Urbana ao nível das de Madrid, Paris ou Colónia. Desenganem-se os que acham que o espaço se vai limitar à areia junto ao Rio. Rafael Rocha, André Paiva, Paulo Ribeiro, e Tiago Gonçalves elevaram o nível das suas inspirações europeias e querem que a Praia Urbana de Santo Tirso inclua espaço para guarda-sóis, serviço de bar e biblioteca. Os jovens pretendem dotar os cerca de dez mil metros quadrados com pulverizadores, uma vez que não se pode usar a água do rio, esplanada informal, sem mesas e com pufes e camas de rede, música ambiente, e trazer à praia a cultura concelhia e momentos de atividade física, com espetáculos, ginástica ao ar livre ou festas temáticas. Depois das Hortas Urbanas e

do projeto de Desporto Adaptado, a Praia Urbana, orçada em “cerca de 100 mil euros”, foi a ideia vencedora da terceira edição do Orçamento Participativo Jovem de Santo Tirso. A ideia surgiu da importância de aproximar “a população ao rio Ave e de capacitar a cidade com cada vez mais instrumentos para que os jovens possam ocupar os tempos livres e desenvolver novas atividades culturais”, já que o espaço vai contemplar “a troca de livros, o programa Toupeira, sunsets, aulas de aeróbica e kizomba, e vai ter acesso a pessoas de mobilidade reduzida”, explicou Rafael Rocha, um dos mentores da Praia Urbana. Foi pela voz de Joaquim Couto que se conheceu o vencedor desta edição e para o presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso esta ideia além de “muito interessante” vai permitir “outras alternativas de as pessoas permanecerem na cidade e atrair outras pessoas dos concelhos vizinhos

// Santo Tirso

Veja a reportagem vídeo em www.jornaldoave.pt

Praia Urbana dos alunos da Tomaz Pelayo venceu OPJ 2016

para este espaço”, essencialmente durante a época de verão. “Tudo faremos para conseguir concretizar o projeto ainda este ano, mas estamos dependente de outras entidades”, salvaguardou o autarca e, continuou, “se conseguirmos isso, e em julho estiver a funcionar, a Praia Urbana terá um grande impacto na cidade e será uma mais valia”. A Praia Urbana foi o melhor dos cinco projetos finalistas da terceira edição do OPJ, uma das mais participadas de sempre, que pas-

savam pela renovação do Coreto no Parque D. Maria II, um telefone SOS para idosos do Vale do Leça, bibliotecas de jardim ou uma ciclovia. Joaquim Couto defende que “a metodologia para escolher os projetos do OPJ, o respetivo valor e a certeza que os participantes têm de que o projeto se vai executar” pode estar na base da crescente motivação dos jovens tirsenses em participar nesta iniciativa da autarquia. Para Rafael Rocha “é importante que os jovens e toda a população

comecem a participar na ação social”. O mentor do projeto vencedor de 2016 acredita que “muitas vezes os jovens se podem sentir excluídos das decisões camarárias” e vê no OPJ “uma iniciativa que pode ligar mais os jovens à vida social e à Câmara”. Recorde-se que o objetivo desta iniciativa é “reunir opiniões e contributos da população jovem de Santo Tirso, permitindo adequar as políticas públicas e municipais às suas expectativas, e reforçando a qualidade da democracia”.

Mais de 2000 beneficiam de títulos de transporte gratuitos Para “dar resposta a situações de exclusão social”, a Câmara Municipal de Santo Tirso vai atribuir títulos gratuitos dos Transportes Urbanos de Santo Tirso (TUST). PATRÍCIA PEREIRA A medida foi apresentada na reunião de Câmara Municipal de Santo Tirso, a 26 de janeiro, e aprovada por unanimidade, abrangendo já “2150 munícipes, um número que quase duplicou em relação a 2013”. Esta medida destina-se a pessoas portadoras de deficiência com pelo menos 60 por cento de incapacidade, aos beneficiários do Rendimento Social de Inserção e aos utentes do Cartão +Vida (maiores de 60 anos). Dos 2150 be-

neficiários desta ação, posta em prática pelo executivo municipal, cerca de 1500 são seniores (Cartão +Vida), 600 são pessoas carenciadas e 50 são pessoas portadoras de deficiência. O presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso, Joaquim Couto, afirmou que esta é “uma medida que se integra na aposta na área da Coesão Social e à qual querem dar continuidade”. “Este apoio permite continuar a dar resposta a algumas situações de ex-

Dos 2150 beneficiários desta medida, 1500 são seniores

clusão social no concelho, e contribui, simultaneamente, para o envelhecimento ativo da popula-

ção de Santo Tirso, porque promove a mobilidade e o acesso a um conjunto de serviços e ativida-

des que, porventura de outra forma, estes beneficiários não usufruiriam”, completou o autarca. pub


10 JORNAL DO AVE 2 FEVEREIRO 2017

www.jornaldoave.pt

Atualidade

// Vila Nova de Famalicão

Padre Lino Maia debate sobre “terceiro setor e poder local”

EB de Ruivães com obras de reabilitação e ampliação “Era a obra que faltava para conseguirmos um parque escolar do 1.º ciclo de excelência”. Quem o disse foi Paulo Cunha, presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, referindo-se à proposta para a abertura de concurso público para a realização de obras de requalificação e ampliação da Escola Básica de Ruivães. PATRÍCIA PEREIRA

A

proposta para a abertura de concurso público para a realização da empreitada foi aprovada na segunda-feira, 30 de janeiro, em reunião do executivo municipal. As obras têm “um valor base de cerca de 900 mil euros e um prazo de execução de um ano”. Para além da beneficiação e reabilitação do edifício, o projeto implica ainda a ampliação e execução de arranjos exteriores. Para o autarca, com esta intervenção “encerra o ciclo das grandes obras de requalificação no parque escolar, nomeadamente no ensino pré-escolar e 1.º ciclo”. Para além da EB de Ruivães, decorrem neste momento os concursos públicos para as intervenções nas Escolas Básicas Conde S. Cosme, em Vila Nova de Famalicão, Esmeriz e em Riba de Ave. “Estamos a terminar um ciclo de grandes obras no parque escolar do

concelho, criando condições para que todas as crianças tenham as mesmas oportunidades de ensino, para uma educação harmoniosa e de qualidade”, salientou o edil famalicense. As obras na Escola Básica de Ruivães devem arrancar ainda durante este ano letivo e ficar concluídas no próximo. No total, as empreitadas envolvem “um investimento estimado de quase três milhões de euros, sendo que está já assegurada a comparticipação de quase de 1,3 milhão de euros”, no âmbito dos investimentos previstos no “Pacto para o Desenvolvimento e Coesão Territorial da Comunidade Intermunicipal do Ave”, sendo cofinanciadas pelo Programa Operacional Regional, Norte 2020, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER). O objetivo geral destas intervenções passa essencialmente por “obras de ampliação, remode-

lação e modernização dos espaços, com a requalificação dos edifícios e zonas exteriores, adequando às atuais necessidades pedagógicas e de segurança e higiene, melhorando as condições de conforto e aumentando a eficiência energética”. Para além das remodelações das salas de aula, as diferentes intervenções implicam “a instalação ou remodelação de novas salas, salas polivalentes, salas de professores, bibliotecas, refeitórios e copas, recreios cobertos e campos de jogos”. Refira-se que neste ano letivo, beneficiaram de requalificação as escolas de Requião, Telhado, Meães e Louredo na freguesia de Calendário num total superior a 700 mil euros, depois de em 2014-2015, a autarquia ter investido mais de dois milhões de euros nas escolas de Lousado, Oliveira Santa Maria, Bairro, Gondifelos e Pousada de Saramagos.

FORAVE associou-se ao projeto “os Nossos Rios” O projeto “Os Nossos Rios” continua a chamar a atenção da população e instituições do concelho e a escola profissional FORAVE passou a ser a responsável pela manutenção de um dos troços do rio Ave. Os alunos da escola profissional de Lousado receberam os primeiros kits didáticos na quarta-feira, 25 de janeiro, que contêm uma ficha de observação da fauna e flora e vários instrumentos para avaliarem a qualidade da água

do rio Ave. A mesma data ficou marcada pela continuação dos trabalhos junto ao rio Guizande e pelo começo da modelação das margens do rio Este, que vai contar com a remoção de silvas, acácias e videiras e com a plantação de árvores ribeirinhas autóctones. “Os Nossos Rios” é um projeto municipal lançado em maio de 2016, com a colaboração da Agência Portuguesa do Ambiente. O principal objetivo é a requalifica-

ção e reabilitação dos rios e das suas margens ribeirinhas, onde a população pode participar através de ações de sensibilização e educação para a limpeza, preservação e manutenção dos espaços. Num contexto de responsabilidade cívica e de voluntariado é possível recriar a figura dos guarda-rios. Com este projeto vai ser possível a criação de corredores ecológicos nas margens dos rios, que respeitem a fauna e flora existentes. A.M./C.V.

O “Ciclo de Conferências Dr. Carlos Bacelar”, promovido pela Comissão Política Concelhia do PSD de Famalicão, que procura contribuir para o debate de ideias, partilhando opiniões e convocando a população para o exercício de uma cidadania ativa, conta, na próxima sessão, a 3 de feverei-

ro, pelas 21 horas, com a presença do Padre Lino Maia, presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade. A sessão, sobre “o terceiro sector e o poder local”, vai ter lugar na Engenho – Associação de Desenvolvimento Local do Vale do Este, em Arnoso Santa Maria.

Nuno Sá procura soluções para Famalicão

Candidato à Câmara procura influência do Governo em Famalicão

Nuno Sá é candidato à Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, nas autárquicas deste ano, e não tem parado. Reuniu recentemente com o secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, procurando influenciar a intervenção do Governo em Vila Nova de Famalicão, nomeadamente na área da Proteção Civil. Nuno Sá considera que é “importante ter autarcas que saibam dialogar e criar pontes com o Governo e não estar numa postura de crispação permanente e

falta de entendimento”. O socialista reuniu ainda com os autarcas e militantes do Partido Socialista de Lousado e Fradelos na tentativa de perceber a realidade e os problemas das freguesias. O presidente da Comissão Política do PS de Famalicão, Luís Andrade Moniz, adiantou que o partido vai, em abril, na freguesia de Fradelos, prestar homenagem a António Domingues Azevedo, distinto famalicense recentemente falecido. L.O./C.V.

Presidente da JS no Secretariado Nacional Márcia Nunes, presidente da Juventude Socialista (JS) Famalicão, foi eleita para o Secretariado Nacional da JS. A eleição decorreu a 28 de janeiro, na primeira Comissão Nacional da JS do mandato 2016-2018, na sede nacional do PS. “Ser secretária nacional da JS é um dos mais altos cargos da JS e é com muito orgulho que o Secretariado e a Mesa da Comissão Politica Concelhia vê a presidente da JS Famalicão assumir tal cargo”, fez saber a JS Famalicão em

comunicado, que “faz votos que este novo mandato seja cumprido com a determinação e afinco que já é reconhecido na Márcia, certos que ela no Secretariado Nacional, será mais uma voz a levar o nome da JS Famalicão bem longe, na linha da frente pela luta de um futuro melhor para todos os jovens do nosso Concelho”. A representar a JS famalicense esteve ainda o comissário nacional eleito no último congresso, Joel Oliveira. L.O./C.V.


11

www.jornaldoave.pt

2 FEVEREIRO 2017 JORNAL DO AVE

Cultura

// Vila Nova de Famalicão

Famalicão com espaço de leitura para os mais novos Em Vila Nova de Famalicão as crianças têm um espaço onde podem, desde cedo, começar o seu contacto com os livros. A Biblioteca Municipal Camilo Castelo Branco criou a Bebéteca, um espaço de leitura para crianças até aos dois anos, que já é um êxito. O espaço decorado a pensar nos mais pequenos, com mobiliário colorido, almofadas e puffs, conta com uma coleção de livros infantis, onde muitas crianças exploram pela primeira vez um livro. Os alunos da cresce “Mais Plural” tiveram a oportunidade de conhecer este local, na quinta-feira, 26 de janeiro. “Nós valorizamos muito o contacto das crianças desde tenra ida-

Famalicense dirige 250 músicos no Europarque

de com os livros e com a leitura e proporcionar-lhes estes momentos fora da instituição acaba também por ser muito importante, até para eles conhecerem novos espaços”, afirmou Cátia Araújo, educadora da “Mais Plural”. Em 2016, mais de meio milhar de crianças participaram em atividades da Biblioteca Municipal. As sessões da Bebéteca decorrem uma vez por mês para instituições Famalicense Diamantino Monteiro com a banda “Harmonic 4 Concept” do concelho e famílias. Cada sessão tem lugar para 12 bebés que O jovem maestro Diamantino Monteiro, natural de Vila Nova de Famalicão, dirigiu cerca de só podem entrar no espaço acom- 250 músicos das bandas de música de Lobão, Souto, Vale e Arrifana. PATRÍCIA PEREIRA panhados por uma adulto. Os interessados podem obter mais inforEm nota de imprensa, Diaman- mensão musical”, completou. mações através do número de tes bandas executaram a obra tino Monteiro, jovem maestro faMas o que mais o satisfez, salienlefone 252 312 699. A.M./C.V. o “Pequeno T2”, que o antigo voca- malicense que tem a seu cargo a tou, foram as palavras do pianista lista dos EZ Special, Ricardo Azeve- direção artística da Banda de S. Zé Tó Lemos, que, dirigindo-se a do, acompanhou com a guitarra e Tiago de Lobão, afirmou ter fica- Manuel Luís Azevedo e Diamantino pub a sua inconfundível voz. do “muito satisfeito com a experi- Monteiro, mencionou ser um “praO concerto juntou quatro ban- ência, não conseguindo esconder zer ouvir tanta pressão acústica didas filarmónicas e quatro ban- a sua felicidade por ter participado rigida tão bem e por quem sabe”. das pop-rock do concelho de San- neste evento”. “Não imaginava que “Estas palavras vindas de um músita Maria da Feira, que subiram ao um dia viesse a dirigir num concer- co como o Zé Tó sabem muito bem, palco do Europarque, na noite de to desta grandiosidade, onde fi- mas também nos obrigam a trabasábado, 28 de janeiro, integrado larmonia e pop-rock se harmoni- lhar cada vez mais. É isso que faço no encerramento das festas das zaram tão bem e proporcionaram todos os dias”, sublinhou o maesFogaceiras. um espetáculo duma enorme di- tro famalicense.

A

Encontro reuniu 500 catequistas

Cerca de 500 catequistas de diferentes paróquias do arciprestado de Vila Nova de Famalicão reuniram-se a 28 de janeiro, no Encontro Arciprestal de Catequistas que decorreu no Santuário Mariano de Nossa Senhora do Carmo, em Lemenhe. “Fazei tudo o que ele vos disser”, em consonância com a temática “Fé Contemplada”, proposta pela arquidiocese de Braga para o ano pastoral, diretamente relacionados com o ano Mariano que se vive foram a inspiração para uma tarde de muita fé e atividade.

“O catequista é aquele que procura que os seus catequizandos façam o que Jesus nos diz”, afirmou durante a sessão o Bispo Auxiliar de Braga, D. Nuno Almeida. O catequista é feliz, porque, entre outras razões, “imita Maria na escuta da Palavra, na decisão e na acção, vive em comunidade, celebra a Fé, promove o perdão e procura responder à Palavra de Deus, com a vocação a que foi chamado, sendo enviado em missão para anunciar a Alegria do Evangelho”, completou o Bispo. Depois da conferência, houve

ainda tempo para a distribuição de uma lembrança que incluía um terço, que foi benzido por D. Nuno Almeida. Seguiu-se um momento de meditação e um momento de reunião de catequistas, por paróquias, que escreveram uma prece a Deus, por intercessão de Maria, que foram presas a um grande terço, construído com balões, que os catequistas viram elevar-se ao céu no exterior do Santuário. A tarde terminou com o lanche convívio, num ambiente de festa e partilha. L.O./C.V.


12 JORNAL DO AVE 2 FEVEREIRO 2017

www.jornaldoave.pt

Cultura

// Vila Nova de Famalicão

Sugestões da Casa das Artes para o mês de fevereiro

“Esperamos a oportunidade para gravar temas em estúdio” Deram os primeiros passos na música na década de 80. Devido a “incompatibilidades pessoais e profissionais” acabaram por estar inativos durante alguns anos. A banda de rock voltou a juntar-se em 2007 e, desde então, não têm parado. Os Gin Fizz estiveram à conversa com o Jornal do Ave e falaram sobre o passado, o presente e o futuro. Liliana Oliveira/ Cátia Veloso

Jornal do Ave (JA): Como e quando nasce o projeto Gin Fizz? Gin Fizz (GF): O projeto GIN FIZZ nasce na Trofa (na altura pertencente ao concelho de Santo Tirso), em 1980, inicialmente com a designação de ULTIMATUM. O nome foi posteriormente alterado porque já haveria um outro projeto como o mesmo nome. Na altura, o projeto de originais interpretados em português era composto por quatro elementos: Afonso na voz e guitarra, Carlos Lima na guitarra, Carlos Marques no baixo e Jorge Gabina na bateria. JA: O nome da banda tem alguma história a ele associado? GF: GIN FIZZ é o nome de um cocktail que era popular no principio dos anos 80, e esse nome foi sugerido por Carlos Marques, membro do grupo, e foi unanimemente aceite. JA: Como definem o vosso projeto? GF: Na sua essência, os GIN FIZZ são uma banda Rock, mas com influencias Pop, Blues e Latino. Cada elemento completa os GIN FIZZ com as suas preferências musicais que podem fugir até um pouco ao Rock. O repertório dos GIN FIZZ é original e todo interpretado

em português, no entanto, em algumas exceções, em performances ao vivo, gostamos de homenagear algumas das nossas referências interpretando alguns temas em língua estrangeira. JA: Estiveram alguns anos inativos. O que vos levou a retomar o projeto? Como foi preparado o regresso? GF: Ainda no final dos anos 80, devido a incompatibilidades profissionais e pessoais o projeto desmembrou-se. Durante os seguintes anos, Carlos Lima continuou a escrever músicas e letras, e incentivou Carlos Marques, membro da formação inicial, a regressar aos palcos. Nesta fase o grupo volta a apresentar-se com quatro elementos mas um pouco diferente – Carlos Lima assume a voz principal e guitarra ritmo, Carlos Marques na guitarra solo, Ruben no baixo e Quim Amaro na Bateria. O regresso do grupo ficou marcado em 2007 na 1ª edição do festival ST CULTERRA no Parque da Rabada, em Santo Tirso. Os anos seguintes foram de diversas alterações na formação, mas atualmente os Gin Fizz continuam sem sair do seu formato original de quatro elementos, com Carlos Lima na voz e guitarra, Carlos Marques na guitarra,

O mês de Fevereiro está repleto de sugestões na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão. O grande destaque vai para o regresso das conversas da treta com o espetáculo “Filho da Treta” que vai estar em cena no grande auditório nos dias 17 e 18 de fevereiro. Zezé interpretado por José Pedro Gomes e António Machado no papel de Júnior são os atores que “Numa comovente irritação entre duas gerações perdidas, discutem tascas gourmet, os refugiados, os paus de selfie, as novas famílias e outras pragas

que assolam o mundo moderno”. Em datas anteriores e não menos importantes é de destacar ainda no mês de fevereiro a peça “Miséria” apresentada pela Academia do Espetáculo de Famalicão nos dias 3 e 4, ainda no dia 4 pode ver o filme “Silêncio” de Martin Scorsese. No dia 10 sobe ao palco o espetáculo “In-Shell-Side”. Na música destacam-se dois concertos, o da banda Portuguesa Sean Riley & The Slowriders no dia 11 e de PZ no dia 18. Por fim no dia 25, a Casa das Artes vai exibir o filme “La La Land – Melodia de Amor”. S.J./C.V.

GF: O concerto no Centro Cultural Municipal de Vila das Aves correu bem, trabalhamos imenso para proporJA: Só têm músicas origi- cionar um bom espetáculo. nais interpretadas em por- O feedback que obtivemos foi bastante positivo, o pútuguês. Se sim porquê? GF: O projeto foi inspira- blico presente fez questão do na música Rock portu- de nos saudar pelo agradáguesa que se fazia na altura, vel momento que conseguino entanto, a ideia era criar mos criar. e partilhar as próprias influJA: Consideram que o ências e gostos sem esquecer a nossa cultura e a nos- município apoia suficiensa língua. Fazemos música temente os projetos musiporque gostamos de música cais do concelho? GF: Nós achamos que o e cantamos em português município está atento à culporque é a nossa língua. tura que se cria e pratica JA: Quais são as vossas dentro do concelho, e que fazem por dar condições e inspirações musicais? GF: Cada elemento do oportunidades à cultura de grupo tem diversas inspira- modo geral. Dentro da múções, cada um acrescenta o sica, há muitos e bons proque sente, e o resultado ob- jetos no concelho de Santo tido nos GIN FIZZ é a diver- Tirso, e cremos que o musidade musical das verten- nicípio deveria dar oportunidade, senão preferêntes do Rock. cia, pela cultura musical JA: Sendo que fazem da tirsense. Tomo da Obra Política de Machado lançado no Museu música um hobby, como JA: O que esperam para conseguem conciliar as viSão quase 700 páginas do e os contra argumentos das pessoais e profissio- o futuro? que mostram duas face- dos adversários, o que perGF: Esperamos continu- tas de Bernardino Macha- mite contextualizar a sua arnais com os ensaios, espear a trabalhar, a criar e a ter do. A obra, que conta com gumentação e, assim, o leitáculos, etc.? GF: Como se costuma di- mais oportunidades para uma introdução de Norber- tor pode prescindir de fazer zer, “quem corre por gosto divulgar a nossa música. to Cunha, apresenta numa consultas sobre aquilo que não cansa”. A música é de As pessoas que se identifi- primeira instância o pensa- os opositores disseram”, exfacto um hobby, no entan- quem com o projeto, que mento de Bernardino Ma- plicou o autor. Depois de um to também é uma liberta- gostem da nossa música e chado durante o ano de volume dedicado à Ciência, ção. Dá-nos gosto tocar e que queiram estar a par das 1920, e numa segunda par- um segundo volume, conscriar novas musicalidades. novidades podem acompa- te um conjunto de textos tituído por três tomos, dediPor certo, diversas vezes é nhar-nos no canal do you- das suas intervenções par- cado à Pedagogia, e o terceinecessário abdicar de mo- tube e na página oficial do lamentares, desde os fins ro volume reservado à Polímentos familiares ou ou- Facebook com o nome “Gin de 1919 até ao final de 1920. tica, que conta já com seis tros hobbies, mas a famí- Fizz”. O lançamento do tomo tomos, será lançado, até ao lia é compreensiva e apoiaseis da Obra Política do an- final do ano, o sétimo tomo. “A riqueza do que está esJA: Há novos projetos em tigo Presidente da Repúbli-nos sempre. mente? ca Portuguesa decorreu a crito é demasiado grande GF: Temos diversos temas 28 de janeiro, no Museu Ber- para ficar apenas nas gaveJA: Estiveram recentetas nas bibliotecas”, salienmente a atuar em Vila das feitos recentemente que es- nardino Machado. Aves. Como correu? Qual o peramos a oportunidade “Pode ler-se a argumenta- tou o vereador da Educação, para os gravar em estúdio. feedback do público? ção de Bernardino Macha- Leonel Rocha. L.O./C.V. Hugo Marques (filho de Carlos Marques) no baixo e Zé Rodrigues na bateria.

Pensamento político de Bernardino Machado em livro


13

www.jornaldoave.pt

2 FEVEREIRO 2017 JORNAL DO AVE

Desporto

Aves perde 19 jogos depois D

ezanove jogos depois, o Motivos não faltaram à Associa- pela derrota do Marítimo B frente Desportivo das Aves cedeu frente ção Desportiva Oliveirense para ao Camacha, não teve o mesmo fi- ao Vizela. Em jogo a contar para a festejar, este fim de semana. A nal feliz. A equipa da Trofa perdeu 24.ª jornada da 2.ª Liga, o Vizela informação famalicense não facili- por duas bolas a zero e o Marítimo terrompeu a boa fase do Aves ao tou frente ao Pedras Salgadas e B venceu o Camacha por 1-0. O CD vencer, em casa, por 3-1. a vitória por 1-2 garantiu-lhes o Trofense falhou, assim, a presença O Desportivo das Aves entrou 2.º lugar da série A do Campeona- na Fase de Subida e vai ter de lutar melhor na partida mas desperdito de Portugal, que coloca a equi- pela Manutenção, assim como o S. çou uma série de boas oportunipa de Oliveira Santa Maria na Fase Martinho, que frente o Aliança de dades e, como diz o ditado, quem Gandra, perdeu por 2-0, terminan- não marca sofre. Assim foi. O Vizede Subida. Já o Clube Desportivo Trofen- do a Primeira Fase no 6.º lugar da la marcou no primeiro e único rese, na Série B, que se via obrigado tabela classificativa, com 25 pon- mate até ao intervalo. Luís Ferraz a vencer o Felgueiras e a esperar tos, menos quatro que os trofenses. inaugurou o marcador na cobrança de um livre direto, que saiu ao ângulo superior esquerdo da baliza de Quim, que ainda tocou na bola, mas não conseguiu impedir o golo. O Aves respondeu de imediato mas viu Renato Reis, sozinho na área, falhar o empate. E ao minutos 23 o guardião do Vizela voltou a negar o empate, depois de um remate livre de marcação, novamente protagonizado por Renato Reis. Pedro Albergaria, guarda-redes do Vizela, voltou a dar nas vistas, primeiro num desvio de Guedes que desviou para canto, e, na sequência desABCD venceu a AD Tarrio por 1-7 te, João Pedro falhou o alvo. Em Com quatro vitórias e um empa- por 1-7, a AD Tarrio, que se encon- cima do tempo de intervalo, nota te, a equipa de Sanguinhedo lide- tra em 6.º lugar, com um ponto. para um lance que gera alguma ra a classificação do campeonato Em 3.º lugar, com 12 pontos, polémica. O Vizela reclama falta de futsal de veteranos Liga Tou- está o AB 92, que, esta jornada, na grande área, depois de João peira OptiCenter 2016/2017. Na 5.ª venceu por 6-3 o FC Tirsense, 4.º Pedro alegadamente ter empurjornada, que se disputou no fim classificado, com nove pontos. rado Helinho, mas o árbitro nada Já o 7.º classificado, a AR Are- assinalou. A segunda parte mosde semana, inserida na Semana de Santo Tirso, a Associação Ami- al derrotou o lanterna vermelha, trava duas equipas mais dinâmigos de Sanguinhedo venceu, por Núcleo do Sporting de Santo Tir- cas, com dois golos em quatro 1-6, a AUSBB, estando em 1.º lu- so, por 3-9. minutos. Helinho, aos 47 minuA 5.ª jornada realizou-se no Po- tos, aumenta a vantagem do Vizegar, com 13 pontos. Já a AUSBB está em 5.º lugar, com seis pontos. lidesportivo do Juncal e no Pavi- la e logo depois, aos 51, acabado No 2.º lugar, também com 13 lhão da Escola Secundária D. Di- de entrar, Theo Mendy, de cabeça, pontos, está a ABCD, que venceu, nis. P.P. marca pelo Aves, que ainda viu a

Amigos do Sanguinhedo lideram Liga Toupeira

Vasco Oliveira

AD Oliveirense vence e está na Fase de Subida

// Modalidades

Avenses perderam no jogo com o Vizela

oportunidade de igual a partida, mas João Pedro, aos 55 e aos 69 minutos, acertou no poste e, depois, na barra. Kukula fechou as contas, depois de uma assistência de Ferraz, de livre, e, aos 75 minutos, atirou por baixo de Quim, garantindo a vitória do Vizela e interrompendo uma série de cinco jogos sem vencer. Santa Clara rouba pontos ao Famalicão com golo aos 89 Um golo ao minuto 89 caiu como um balde de água fria em Famalicão. O Futebol Clube Famalicão perdeu pela margem mínima, frente ao Santa Clara, em jogo a contar para a 24.ª jornada da 2.ª Liga. Uma primeira parte pouco emotiva e com poucas situações de perigo para ambas as equipas. Só ao minuto 39 se assistiu ao primeiro lance perigoso protagonizado pelo Santa Clara, mas que não deu em nada. Primeiro Clemente e depois Diogo Santos atiraram à

Fokobo chega ao Famalicão por empréstimo do Sporting O Futebol Clube de Famalicão tem aproveitado o mercado de inverno para reforçar o seu plantel. Por empréstimo do Sporting CP, chega Fabrice Fokobo, um médio defensivo de 23 anos, que vai representar o Famalicão até ao final da temporada. Fabrice Fokobo fez formação no Sporting CP e chegou à equipa principal na temporada de 2012/2013, tendo representado ainda o Arouca. Na última época fez 26 jogos ao serviço da equipa B do Sporting. Já o avançado Tozé Marreco, melhor marcador da 2.ª Liga na temporada 2014/2015, chega ao Fama-

Jogador representa o Famalicão até ao final da temporada

licão, por cedência da Académica da temporada. O jogador cumpriu de Coimbra, tendo rubricado con- a primeira parte desta época na trato com o Famalicão até ao final Académica de Coimbra, onde mar-

cou seis golos. Já por empréstimo do CS Marítimo chega o avançado Gevaro Nopumuceno, de 24 anos, que vai jogar no Famalicão até ao final da temporada. Gevaro Nopumuceno representou a seleção da Ilha de Curaçau em 22 ocasiões tendo marcado três golos. O jogador representava o CS Marítimo desde a temporada 2015/2016 e antes esteve ao serviço do FC Petrolul Ploiesti da Roménia e do Fortuna Sittard da Holanda. Já de saída está o avançado Diego Medeiros, de 23 anos, que assinou pelo Paços de Ferreira. P.P.

figura do guarda-redes famalicense. A equipa da casa respondeu. Perre rematou forte, aos 41 minutos, mas para fora, e Feliz, aos 45, após passe de Medeiros, desperdiçou a oportunidade e também atirou para fora. O Santa Clara trocava melhor a bola e o Famalicão mostrava-se mais organizado defensivamente, por isso as equipas foram para o intervalo com o marcador igualado a zero. Na segunda parte, aos 48 minutos, Clemente volta a tentar a sorte mas Victor Braga estava atento. Só ao minuto 80 se volta a sentir perigo, desta vez por parte do Famalicão, com Mendes a cruzar para Correia que rematou forte, mas Serginho, numa defesa difícil e por instinto, impediu o golo do Famalicão. Quase no final da partida, com 89 minutos jogados, o Santa Clara, num lance de contra-ataque, chegou ao golo depois de um passe recuado de João Reis que Ruben Saldanha não desperdiçou.

Informação na internet em www. jornaldo ave.pt


14 JORNAL DO AVE 2 FEVEREIRO 2017

www.jornaldoave.pt

Desporto

// Modalidades

Juniores do Famalicão com torneio de recolha de bens

Equipa derrotada contribuía com bens alimentares

C

visão, realizou na última semana omo forma de “ajudar a Loja uma competição interna, em que Social de Famalicão”, a equipa de “cada equipa derrotada contribuía juniores do Futebol Clube de Fa- com bens alimentares que agora malicão, que terminou a 1.ª fase vão ser entregues na loja social”. do Campeonato Nacional da 2.ª DiO treinador da equipa Rui Bap-

tista, afirmou que no Futebol Clube de Famalicão e nos escalões de formação procuram, “todos os dias, transmitir valores e formar jovens para a cidadania”. “Esta competição é exemplo disso e foi realizada com entusiasmo. Todos jogadores encaram a derrota com a satisfação de poder contribuir para a loja social de Famalicão. É uma ação de responsabilização da equipa e de retribuição do apoio que todos recebemos ao longo desta primeira fase de competição”, completou. A 2.ª fase do Campeonato Nacional de Juniores começa a 18 de fevereiro. P.P.

Voleibol

DR

Famalicão AVC venceu jornada dupla

Famalicão AVC derrotou açorianas por 3-2

O Famalicão Atlético Voleibol Clube (AVC) disputou duas jornadas da 1.ª fase do Campeonato Nacional de Voleibol Feminino. No sábado, venceu por 0-3 o Escola Pedro Eanes Lobato, com os parciais 24-26, 16-25 e 12-25. Já no domingo, derrotou o CD Ribeirense, por 3-2, com os parciais 25-21, 1925, 25-16, 26-28 e 15-10. O AVC, que está em 3.º lugar com 38 pontos, desloca-se ao campo do GDC Gueifães, pelas 16 horas

deste domingo, 5 de fevereiro. Já no último jogo da 1.ª fase da série A da 2.ª Divisão Nacional de Voleibol de Seniores Femininos, o Ginásio Clube de Santo Tirso perdeu, por 2-3, com o GC Vilacondense, com os parciais 19-25, 2025, 25-21, 25-18 e 11-15. O Ginásio Clube terminou a 1.ª fase em 2.º lugar, com 13 pontos. Já na 2.ª Divisão Nacional de Voleibol de Seniores Masculinos, o Famalicense Atlético Clube dis-

putou a última jornada da 1.ª fase da Série A frente ao GDC Gueifães, tendo vencido por 3-2, com os parciais de 28-26, 25-23, 23-25, 21-25 e 10-15. Com esta vitória, o Famalicense terminou em 3.º lugar e, por isso, vai disputar a fase dos últimos, para alcançar a manutenção nesta divisão. A fase será disputada pela ALA Gondomar, GDC Gueifães, CD Fiães, Académica Coimbra, CV Lisboa e SC Marítimo, sendo que a primeira jornada está agendada para o dia 11 de fevereiro. Enquanto na 2.ª fase da série 1 do Campeonato Regional Seniores Femininas, o Clube Desportivo das Aves venceu, por 0-3, o CA Madalena, com os parciais 12-25, 13-25 e 22-25, liderando a tabela com seis pontos. Na próxima jornada, pelas 17 horas de domingo, 5 de fevereiro, o Aves recebe o SC Arcozelo. P.P.

Famalicenses no Campeonato Nacional de Juniores de Pista Coberta

Miguel Torres e Bruna Ortiga

Após lesão e com poucos treinos, a júnior Susana Malheiro, atleta do Liberdade Futebol Clube, participou no Campeonato Nacional de Juniores, que se realizou no sábado, 28 de janeiro, no Parque de Exposições de Braga. A atleta, que integra a equipa famalicense de Calendário, classificou-se em 3.º lugar, na sua série e a 11.ª da geral na distância dos 1500 metros.

Nesta prova participaram ainda Bruna Ortiga e Miguel Torres, da Escola de Atletismo Rosa Oliveira. A atleta juvenil Bruna Ortiga correu 800 metros e conseguiu o 11.º lugar na geral, enquanto que o atleta júnior Miguel Torres correu os 800 e 1500 metros. Já este sábado, o Liberdade FC marca presença no 7.º Corta Mato do Calçado, na cidade de Felgueiras. P.P.

FAC sagra-se vice-campeão nacional Badminton A equipa Sub19 do Famalicense Atlético Clube (FAC) sagrou-se vice-campeã Nacional de equipas senhoras, no Centro de Alto Rendimento das Caldas da Rainha. A equipa, constituída por Catarina Martins, Joana Miranda, Carolina Veloso, Maria Moreira, Daniela Ribeiro e Adriana Gonçalves, foi comandada pelo treinador Bruno Gomes.

No primeiro jogo, a CHEL (Lagoa-Algarve) foi melhor e venceu o FAC, por 5-2. Depois, o FAC venceu o Desportivo de Castelo Branco, por 6-1, e a Académica de Coimbra, por 4-0. Segundo fonte do clube, o FAC demonstrou, “mais uma vez, que é uma potência do badminton no feminino”. P.P.

Natação

Ginásio Clube com pódio no Open de Inverno

Ginásio Clube ficou em 15.º lugar entre os 62 participantes

O Ginásio Clube de Santo Tir- metros Livres Esc. A), Sandra Bárso participou com 13 nadadores bara (200 metros Mariposa Esc. no XI Open de Inverno de Masters, D) e pelo conjunto Rute Teixeira, que se realizou ao longo do fim de Maria José, Helena José e Ana Lísemana, em Sines. rio em Estafeta feminina 4x50 meOs nadadores conquistaram tros Livres. Na classificação final do Open, três primeiros lugares, três segundos lugares e seis terceiros luga- o Ginásio Clube classificou-se no res. Os primeiros lugares foram 15.º lugar entre os 62 participanalcançados por Helena José (50 tes. P.P.

Sabe de alguma história que merece ser notícia? Dê-nos a sua sugestão! geral@jornaldoave.pt


15

www.jornaldoave.pt

2 FEVEREIRO 2017 JORNAL DO AVE

Desporto // Modalidades

Hóquei em Patins:

FC Porto goleia Riba d’ Ave HC

Paulo Cunha visitou a Bushido

vava para 2-8. A formação portista foi dilatando a vantagem, com Vítor Hugo a bisar (13 e 21 minutos) e com Reinaldo Garcia a chegar ao seu segundo golo e fixar o resultado final a poucos segundos do soar da buzina. O Campeonato sofre nova paragem de uma semana em virtude dos jogos das competições europeias. O RACH volta a jogar, a 11 de fevereiro, recebendo a visita da União Desportiva Oliveirense, no início da 2.ª volta da competição. Campeonato Nacional da 1.ª Divisão sofre nova paragem

N

o dia do seu 45.º aniversáNo âmbito das comemorações sagem Shiatsu, o projeto Bushi- rio, o Riba d’ Ave HC recebeu a vido 40.º aniversário da União Des- do Zen Dojo é um lugar não só re- sita de um grande do hóquei em portiva Bairrense, Paulo Cunha, servado às práticas quotidianas, patins nacional e mundial, o Fupresidente da Câmara Municipal mas também à reflexão dos tem- tebol Clube do Porto. Em enconde Vila Nova de Famalicão, visi- pos presentes, à troca de ideias e tro da 13.ª e última jornada da 1.ª tou o Dojo Central da Bushido. A ao diálogo entre diferentes cultu- volta do Campeonato Nacional da parceria entre a União Desporti- ras e civilizações. Para o fundador, 1.ª Divisão de Hóquei em Patins, o va Bairrense e a associação Bushi- a proximidade e apoio de Paulo FC Porto venceu o Riba d’Ave HC do Zen Portugal é já “muito anti- Cunha “é frutífero” para a Bushi- (RAHC) por 2-11. ga”. “A Bushido tem 20 escolas a do. O interesse por estas atividaAos sete minutos, a equipa pornível nacional, uma delas, que é a des tem sido “crescente, justifi- tista já vencia por 0-2, com gosede regional norte, é em Gavião, cando-se assim as várias escolas los de Jorge Silva e Hélder Nunes na União Desportiva” , explicou por todo o país”, considerou Vítor (dois minutos), com o jovem capio fundador da Bushido, Vítor Sil- Silva que, adiantou, só em Gavião tão azul e branco a apontar o terva. Dedicada às artes do Budo, ao andarão à volta das “seis dezenas ceiro golo aos 11 minutos. Dois miBushido Karaté-Zen, Yoga, Medita- de elementos”. nutos depois, Tiago Pimenta fazia L.O./C.V. falta sobre a grande figura da parção Zen, Defesa Pessoal e à Mastida do lado dos “dragões”, e era sancionado com a cartolina azul. No livre direto, João Gomes defendia o primeiro remate de Hél-

der Nunes, mas na recarga sofria o 0-4, num poker do jovem internacional português. Aos 17 minutos, Hugo Azevedo no “coração” da área finalizava com mestria uma boa jogada da sua equipa e reduzia para 1-4. A cerca de um minuto do intervalo, o RAHC conseguia o 2-4 num forte disparo de meia distância, com a assinatura de Bruno “Serôdio”. O relógio contava o penúltimo minuto da primeira parte, mas ainda houve tempo para a resposta do FC Porto, num belo tento do argentino Reinaldo Garcia, que estabelecia o 2-5 em tempo de intervalo. Na 2.ª parte, o sexto golo surgiu pelo Hélder Nunes, que, no minuto seguinte, na sequência de um livre direto pela 10.ª falta ribadavense, apontava o 2-7. Já aos 13 minutos, Jorge Silva bisava e ele-

Rui Gomes falha fase final da 1.ª divisão de Bilhar CX A2D foi Top 10 Nacional

Na conclusão do apuramento do Grupo A – 1.ª divisão, para a fase final, Rui Gomes e Adolfo Pereira defrontaram-se pela segunda vez. Rui Gomes ganhou o direito de jogar o jogo final de apuramento, mas não o conseguiu vencer. Assim, o FAC só será representado na fase final por Artur Figueiredo. A prova realiza-se neste fim de semana, dias 4 e 5 de fevereiro, na sala do Famalicense AC, e será ainda disputada por Rui Manuel Costa, João Ferreira, Santos Oliveira, Hugo Cunha, Alípio Jorge e Jorge Costa (todos FC Porto), Ricardo Madalena (Leixões SC), Joaquim Alves e Joaquim Correia (ambos Sporting), Alexandre Vitorino

Ficha Técnica

e Mário Azevedo (ambos Ginásio Sul - Almada), Mário Chaves, Fernando Silva, Vasco Gomes e Fernando Tomás (todos SL Benfica). Já a equipa B do Famalicense Atlético Clube disputou mais um jogo do Campeonato Nacional da 2.ª divisão, onde empatou a dois com o BC Porto B. O FAC jogou com Camilo Silva, Miguel Silva, Jorge Lopes e Carlos Sampaio, com estes dois últimos a alcançar as vitórias. Com este empate, o FAC ocupa a quarta posição, no final da quarta jornada. O próximo jogo é no dia 7 de fevereiro, com o FAC a receber o líder CNM (Coimbra). P.P.

FAC vence Pessegueiro do Vouga Foi frente ao Pessegueiro do Vouga que o Famalicense Atlético Clube (FAC) disputou o último jogo da primeira volta do Campeonato Nacional da 2.ª Divisão - zona Norte. O FAC venceu por 4-2, subindo ao 8.º posto. O primeiro golo surgiu à passagem do quinto minuto por André Ferreira. O Pessegueiro acabou por empatar ainda na primeira parte. Aos oito minutos do fim da 2.ª parte, o Pessegueiro ampliou a vantagem, ao marcar uma grande penalidade. Mas Álvaro Pinto, do FAC, consumou a reviravolta no resultado, ao fazer um hat-trick, aos 21, 22 (grande penalidade) e 24 (livre direto) minutos. Na próxima jornada, o FAC desloca-se ao campo da Póvoa, 11.º classificado, pelas 18.30 horas de sábado, 4 de fevereiro. P.P.

O Clube de Xadrez A2D foi “a única equipa” do distrito de Braga que participou no Campeonato Nacional Semirrápidas por Equipas, tendo alcançado o Top 10 Nacional com “uma equipa bastante jovem”, com “média de idades igual a 17 anos”. Na prova, que se realizou no sábado, 28 de janeiro, nas instalaClube participou com equipa bastante jovem ções do Sport Operário Marinhense, na Marinha Grande, serviu tam- pa A2D foi “uma agradável surpre- sentado por João Romano (1.º Tabém para assinalar o 28.º Torneio sa, pois classificou-se em 9.º lugar buleiro: 6 pontos em 8 jogos), Made Xadrez Memorial Dr. José Va- ex-aqueo, quando à partida era o riana Silva (2.º Tabuleiro: 6,5 ponreda. Em prova estiveram 320 jo- 28.º cabeça de série”. O Clube ob- tos em 8 jogos), Bruno Ribeiro (3.º gadores de um total de 79 equi- teve “21,5 pontos em 32 possíveis, Tabuleiro: 6,5 pontos em 8 jogos) com cinco vitórias, um empate e e Simão Barroso (4.º tabuleiro: 2,5 pas inscritas. Segundo fonte do clube, a equi- duas derrotas”, tendo sido repre- pontos em 8 jogos). P.P.

Próxima edição do JA é publicada a 9 de fevereiro

Diretora: Magda Machado de Araújo (TE 1022) Sub-diretora: Patrícia Pereira (9687) Editor: Justbrands – Consultoria e Comunicação Unipessoal, Lda | e-mail: geral@jornaldoave.pt; publicidade@jornaldoave.pt | Redação: Cátia Veloso (9699), Patrícia Pereira (9687), Hermano Martins (TE 774), Liliana Oliveira (TP 2436) | Colaboração: António Costa, Rui Couto (CO 1403) | Composição: Cátia Veloso | Impressão: Gráfica do Diário do Minho | Assinatura Anual: Continente 22,5 €; Europa: 34,75 €; Extra europa: 44,25 €; PDF 16 € (IVA Incluído) | Avulso: 0,70 € | Nib: PT 50 0038 0000 39909808771 50 | Telefone: 252 414 714 | Sede e Redação: Rua Aldeias de Cima, 280 Trofa | Telm. 969848258 | Redação 925 496 905 | Propriedade: Justbrands – Consultoria e Comunicação Unipessoal, Lda | Nif. 510170269 | ERC: 126524 | ISSN 2183-4601 | Nota de redação: Os artigos publicados nesta edição do Jornal do Ave são da inteira responsabilidade dos seus subscritores e não veiculam obrigatoriamente a opinião da direção. O Jornal do Ave respeita a opinião dos seus leitores e não pretende de modo algum ferir suscetibilidades. Todos os textos e anúncios publicados neste jornal estão escritos ao abrigo do novo Acordo Ortográfico. É totalmente proibida a cópia e reprodução de fotografias, textos e demais conteúdos, sem autorização escrita.


16 JORNAL DO AVE 2 FEVEREIRO 2017

www.jornaldoave.pt www.jornaldoave.pt

Desporto

// Modalidades

Tirsense é campeã nacional de Halterofilismo

A atleta Maria Lagoa, natural de Santo Tirso, sagrou-se campeã Nacional de Halterofilismo de Masters, na categoria W40 em 58 kg. PATRÍCIA PEREIRA

O

vido aos pontos obtidos, C amp e o nato Na - a tirsense foi ainda consicional de Masters realizou- derada, na geral, a “Atleta -se no sábado, 28 de janei- mais destacada”. ro, em Coimbra. Contactada, Maria Lagoa A atleta, que competiu afirmou que “não pensava em nome individual, fez 47 que ia ficar em 1.º lugar”, kg no movimento de arran- uma vez que fez os exercíque e 63 kg no movimento cios “muito a medo” e fez de arremesso, perfazen- “muito pouco” em termos do no total 110 kg, com de peso. “Já não me lem161,440 pontos sinclair. De- brava ter feito tão pouco

numa prova, mas arrisquei vantamento de Peso Olímmais um bocadinho do que pico, que decorreu na Aleestava a pensar, porque ti- manha. Na prova, a tirsennha a oportunidade de ti- se lesionou-se no ombro e rar um geral”, contou. ainda se encontrava “a faRecorde-se que a 2 de zer musculação para recuoutubro de 2016, Maria perá-lo”, tendo decidido “à Lagoa conquistou a me- última da hora em arriscar” dalha de ouro na catego- e inscreveu-se no Campeoria W40 em -53kg no Cam- nato Nacional para “ver o peonato Mundial de Mas- que ia dar”. ter, na modalidade de Le-

Maria Lagoa considerada a “Atleta mais destacada”

FC Vermoim goleia o Canidelo

FC Vermoim venceu por 1-7

O Futebol Clube de Ver- cia (28 minutos) e Maria (39 moim, de Vila Nova de Fa- minutos). malicão, goleou o SC CaO FC Vermoim está em nidelo, por 1-7, em encon- 2.º lugar com 27 pontos, a tro da 11.ª jornada da 1.ª um do líder Novasemenfase do Campeonato Na- te Cavalinho e a quatro de cional de Futsal Feminino. distância do 3.º lugar EDC No jogo, que se realizou no de Gondomar, com quem sábado, 28 de janeiro, mar- vai jogar, em casa, pelas caram as famalicenses Tel- 17.30 horas do dia 11 de ma (15 e 29 minutos), Ana fevereiro. (17, 23 e 28 minutos), PatríP.P.

Colheita de sangue nos Bombeiros de Famalicão O Quartel dos Bombeiros Voluntários de Famalicão vão ser palco, no próximo domingo, 5 de fevereiro, de uma colheita de sangue, promovida pela Associação de Dadores de Sangue de Vila Nova de Famalicão. Aberta ao público em geral, a colheita vai ser feita pelo Instituto Português do Sangue e da Transplantação e vai-se realizar entre as 9 e as 12.30 horas. A.M./C.V.


www.ONOTICIASDATROFA.pt

2 FEVEREIRO 2017 O NOTÍCIAS DA TROFA

Homem apanhado pela GNR a vender arma furtada

9

Atualidade

A GNR da Trofa desencadeou uma operação que resultou na detenção, em flagrante, de um indivíduo que tentava vender uma arma furtada. CÁTIA VELOSO/HERMANO MARTINS

L

iliana Machado não ganhou para o susto quando, na noite de terça-feira, se deparou com um cenário “digno de um filme”. Acompanhada pela irmã e da sobrinha menor, circulava de automóvel na Rua da Samogueira, em Santiago de Bougado, cerca das 23 horas, quando ao passar “junto de uma habitação” se deparou com “uma viatura descaracterizada a barrar a passagem e vários agentes à civil, armados”. “Pediram para desligar o carro, porque naquele local decorria uma operação policial”, contou ao NT, momentos depois, já refeita do acontecimento. A operação, desencadeada pela Guarda Nacional Republicana da Trofa, incidia sobre a suspeita de existirem armas ilegais guardadas numa habitação situada naquela rua. A ação policial partiu de uma denúncia feita na GNR de que, alegadamente, naquele local estava prestes a ser efetivada

Guarda Nacional Republicana apreendeu várias armas

a venda de uma arma. Com o apoio do Núcleo de Investigação Criminal da GNR de Matosinhos e de militares do posto territorial de Alfena, nove efetivos deslocaram-se para o local e, à porta da casa, apanharam em flagrante um indivíduo a vender uma caçadeira calibre 12, que depois foi identificada como tendo sido furtada num assal-

Detido por recusar fazer teste do álcool no S. Gonçalo Um homem com cerca de 30 anos foi detido pela Guarda Nacional Republicana, na noite de 21 de janeiro, em Covelas, durante a festa de S. Gonçalo. Segundo fonte policial, o indivíduo conduzia um automóvel junto ao recinto da festa de forma perigosa, pondo em risco a segurança dos romeiros que por lá circulavam. Depois de ver recusada a ordem de paragem, os militares da GNR forçaram a imobilização do veículo e solicitaram o teste de alcoolemia, que o indivíduo também se recusou a fazer, tendo

sido detido e constituído arguido. Foi notificado para comparecer em tribunal dois dias depois. Já no dia 26 de janeiro, numa operação de fiscalização de rotina, militares da GNR apreenderam artigos que suspeitam estarem relacionados com jogos de fortuna ou azar, num café, em Covelas. Os artigos foram levados para a respetiva perícia policial e o proprietário do estabelecimento identificado. C.V./H.M.

Militares suspeitaram que artigos estavam relacionados com jogos de fortuna ou azar

to realizado numa habitação no concelho cerca de 20 cartuchos de 12 miímetros m da Trofa, no final do ano de 2016. e uma caixa de chumbos 4,5, num total de Na sequência da detenção, e com a auto- 250 munições. Todo o material foi apreenrização do suspeito, os militares procede- dido e o indivíduo, com 62 anos, constituram a buscas na habitação, tendo encon- ído arguido e sujeito a termo de identidatrado ainda duas armas de ar comprimi- de e residência. O caso baixou a inquérito do, um revólver antigo mas funcional ca- pelo Ministério Público, que vai prosseguir libre 0.32, duas pistolas de ornamentação, a investigação.


10

www.ONOTICIASDATROFA.pt

O NOTÍCIAS DA TROFA 2 FEVEREIRO 2017

Atualidade

Desporto

Trofense preside Associação que recordou Revolta de 31 de Janeiro

Daniel Santos prepara-se para a competição O

ciclista trofense Daniel Santos começou a preparação para a competição com a participação nas 3 Horas Resistência da Junqueira, em Vila do Conde. O corredor da Ruprec Team Cycling conseguiu alcançar o 2.º lugar no escalão de elite, que lhe valeu o 5.º posto na classificação geral. Os grandes objetivos de Daniel Santos para a temporada passam por discutir o pódio no Regional Minho e do Porto de XCM Maratonas. C.V.

Ciclista trofense foi 5.º classificado nas 3 Horas de Resistência da Junqueira

Atletismo da Trofa no Nacional Júnior de Pista Coberta

O

primeiro movimento revolucionário para a implantação do regime republicano em Portugal não foi esquecido. A revolta de 31 de Janeiro de 1891 aconteceu no Porto, com um levantamento militar contra as cedências do Governo ao ultimato britânico de 1890, que pretendia ligar, por terra, Angola a Moçambique. Cento e vinte e seis anos depois, a Associação Cívica e Cultural 31 de Janeiro assinalou a data com atividades comemorativas, que começaram, pelas 15 horas, no Cemitério do Prado do Repouso, no Porto, de onde seguiram em direção ao monumento aos Heróis 31 de Janeiro de 1891. Aí cantou-se o Hino Nacional, depositou-se coroas de flores e evocou-se os heróis de 31 de Janeiro de 1891. O trofense Luís Cameirão preside à Associação, “de matriz republicana, que promove os valores da liberdade, da democracia e da

A Escola de Atletismo da Trofa mo conseguiram bons resultados. ana Santos, Mónica Rodrigues, participou no Campeonato Na- Sara Faria conseguiu o 11.º lugar Diana Rodrigues e Ana Lopes alcional Júnior de Pista Coberta, a em 600 metros planos e o 17.º lu- cançaram o 13.º lugar no esca28 e 29 de janeiro, no Parque de gar em 200 metros, Alice Oliveira lão feminino de estafetas 4x200 igualdade, que estiveram subja- Exposições, em Braga. o 13.º lugar em 1500 metros e o metros. centes à Revolta do 31 de JaneiOs atletas da Escola de Atletis- 14.º lugar em três mil metros. JoA.M./C.V. ro, na cidade do Porto”, recordou. Assim, “tendo por missão a defesa destes valores, faz todo o sentido continuar e celebrar uma data e os heróis dessa Revolta, porque são valores atuais e que, em grande Durante os meses de feverei- manhãs livres de usufruir de aulas o Dojo da Associação Recreativa e medida, se encontram por cum- ro e março, o Dojo da Associação nesse período do dia. Inicialmen- Juventude do Muro/ Trofa é a esprir”, considerou Luís Cameirão. Recreativa e Juventude do Muro/ te, às terças-feiras de manhã, en- cola de karaté “com mais anos de Para o presidente da Associa- Trofa disponibiliza, no ginásio da tre as 10.30 e as 12 horas, junta-se prática, na Associação Shotokai ção, o dia 31 de janeiro deve ser A.R.J. Muro/ Trofa, aulas experi- a atividade desportiva ao convívio, de Portugal”. relembrado “a cada ano, porque mentais gratuitas de ginástica e algo que se traduz em benefícios Para mais informações pode olhamos para a sociedade e para karate-do. para saúde. Às segundas, quartas contactar o 911 102 689 ou o email o estado da Democracia e perceA associação proporciona ago- e sextas-feiras, as aulas decorrem senseiferreira@sapo.pt. bemos que nos atropelamos to- ra a possibilidade a quem tem as às 19.30 horas. De relembrar que dos os dias face à liberdade dos cidadãos e que a sociedade portuguesa é, cada vez mais, desigual”. Trinta e um de janeiro é uma data “esquecida para a maioria dos portugueses” mas que relembra que “no passado alguém morreu na defesa destes valores”, por isso “nunca é demais recordar”, conclui Luís Cameirão.

Dojo da ARJ Muro com aulas grátis

Ténis da Trofa representado no Programa Nacional de Deteção de Talentos

Quatro atletas do Clube de Té- xo de Ténis da Maia. nis da Trofa estiveram presentes Maria Pinto, Leonor Dias, Ana no domingo, 29 de janeiro, na 1.ª Figueiredo e Salvador Monteijornada do Programa Nacional de ro representaram o clube trofenDeteção de Talentos 2017 – Zona se numa ação destinada a jovens Norte, que se realizou no Comple- Sub 8 e Sub 10. Durante a iniciati-

va, os atletas tiveram oportunidade de jogar e conviver com outros clubes, onde se realizaram várias tarefas e jogos lúdico-desportivos adaptados às várias situações do jogo. A.M./C.V.


www.ONOTICIASDATROFA.pt

01 – Felgueiras – 9 pontos 02 – Aliança de Gandra – 8 pontos 03 – Trofense – 8 pontos 04 – S. Martinho – 7 pontos 05 – Mirandela – 5 pontos 06 – Pedras Salgadas – 5 pontos 07 – Ponte da Barca – 3 pontos 08 – Limianos – 3 pontos

Apurados para a Fase de Subida Série A Merelinense AD Oliveirense Série B Amarante Marítimo B Série C UD Oliveirense Salgueiros Série D Gafanha Lusitano Vildemoinhos Série E Fátima Operário Série F Praiense Torreense Série G Real SC Sacavenense Série H Farense Louletano

Trofense na Fase de Manutenção do Campeonato de Portugal

11

Desporto

O sonho do Clube Desportivo Trofense persistiu até à derradeira jornada. A presença na Fase de Subida do Campeonato de Portugal podia ser uma realidade se a equipa conseguisse triunfar diante do Felgueiras e o Marítimo B perdesse com o Camacha. Mas nenhum destes cenários se confirmou. CÁTIA VELOSO

A

equipa ao longo da época. Depois formação da Trofa caiu em de uma primeira volta sem conFelgueiras, perdendo por 2-0, en- vencer, a formação da Trofa surquanto o Marítimo B triunfou por giu na segunda metade do cam1-0, garantindo a vaga que falta- peonato com postura vencedora, va para a Fase de Subida, com 35 carimbando três goleadas consepontos. A acompanhar os madei- cutivas, ao Aliança da Gandra (4renses vai o Amarante, líder com 1), ao Pedras Rubras (0-4) e ao Marítimo B (5-0). 41 pontos. Esta série vitoriosa foi, porém, A equipa da Trofa acabou no 5.º lugar, com 29 pontos, atrás do interrompida pelo jogo no reduto Aliança da Gandra (32 pontos) e do do Amarante. A derrota e as consequências resultantes da arbitraFelgueiras (35). Para a história do Trofense nes- gem de Pedro Miguel Maia acabata Fase ficam as oito vitórias, os ram por sentir-se na partida secinco empates e as cinco derro- guinte, que acabou com um emtas. Uma delas administrativa, na pate a zero diante do Camacha. A tarefa de chegar a um dos lu1.ª jornada, quando foi impedido de jogar com o Aliança de Gandra, gares do play-off de promoção torperdendo na “secretaria” por 3-0. nou-se mais difícil, mas a equipa No ar ficará, para sempre, a dú- não atirou a toalha ao chão. Venvida se, em condições normais, ceu o Caniçal, o S. Martinho e o a formação da Trofa conseguiria Torre Moncorvo, vendo os advervencer em Paredes, pois com es- sários diretos escorregar. Ainda Jogo em Felgueiras acabou com derrota do Trofense por 2-0 ses três pontos garantiria o 2.º lu- assim, na última jornada, além de gar e a presença na Fase de Subi- si, dependia de um resultado ne- cento dos pontos conquistados últimos classificados (7.º e 8.º) de gativo do Marítimo B, que não se na Primeira Fase, os mesmos que cada série, sendo que os sextos da à 2.ª Liga. Aliança de Gandra e menos um posicionados terão de realizar Outro resultado que os trofen- confirmou. Ao fim de 18 jogos, o Trofense que o Felgueiras. O S. Martinho uma eliminatória, cujo empareses nunca vão “engolir” é a derrota no reduto do Amarante por assumiu-se como o melhor ata- é a outra equipa que se mantém lhamento é determinado através 3-0, num jogo que ficou marcado que da serie B, com 35 golos mar- na Série B, já que os últimos qua- da realização de um sorteio, que pelo abandono da formação da cados, e a quinta melhor defesa tro classificados (Camacha, Pe- consiste em dois jogos, por ponTrofa, aos 70 minutos, por alega- (21 golos sofridos), atrás de Ama- dras Rubras, Caniçal e Torre Mon- tos, um na qualidade de visitante dos insultos do árbitro Pedro Mi- rante (9), Felgueiras (12), Maritimo corvo) transitaram para a Série A e outro na de visitado. Os quatro e, vice-versa, pelo que Mirandela, clubes vencidos nessas eliminatóB (16) e S. Martinho (20). guel Maia. Pedras Salgadas, Ponte da Barca rias também descem aos distritais. Esta será uma das histórias que e Limianos são os clubes que miO sorteio dos jogos da Fase de A próxima fase do Trofense marcará a prestação do Trofense Manutenção e Subida realiza-se Na Fase de Manutenção, o Tro- graram para a Série B. neste Campeonato de Portugal, No fim desta Fase, descem aos no sábado, 4 de fevereiro. mas ninguém ficará, igualmen- fense vai começar no 3.º lugar, te, indiferente ao crescimento da com oito pontos, ou seja 25 por campeonatos distritais os dois

Todos os Resultados na 1.ª Fase Aliança de Gandra 3-0 Trofense (derrota administrativa) Trofense 1-1 Pedras Rubras Marítimo B 1-1 Trofense Trofense 0-0 Amarante Camacha 2-1 Trofense Trofense 2-0 Caniçal S. Martinho 4-2 Trofense Torre Moncorvo 0-5 Trofense Trofense 1-1 Felgueiras Trofense 4-1 Aliança Gandra Pedras Rubras 0-4 Trofense Trofense 5-0 Marítimo B Amarante 3-0 Trofense Trofense 0-0 Camacha Caniçal 1-2 Trofense Trofense 3-2 S. Martinho Trofense 4-0 Torre Moncorvo Felgueiras 2-0 Trofense

Global Imagens

Classificação à partida para a Fase de Manutenção Série B

2 FEVEREIRO 2017 O NOTÍCIAS DA TROFA


12

www.ONOTICIASDATROFA.pt

O NOTÍCIAS DA TROFA 2 FEVEREIRO 2017

Desporto

Pedro Matos assina pelo Sporting de Braga Na Trofa, a novidade chegou já quase nos últimos suspiros do mercado de inverno. Pedro Matos, jogador do Clube Desportivo Trofense, assinou contrato com o Sporting de Braga por duas temporadas e meia. CÁTIA VELOSO

D

epois de cumprir parte da formação na Trofa e de se ter destacado nos juniores do Rio Ave, Pedro Matos regressou, esta época, ao clube da terra Natal para fazer parte do plantel sénior que disputa a série B do Campeonato de Portugal. As boas exibições do jovem de 19 anos com a camisola do Trofense não passaram despercebidas aos “guerreiros do Minho”, que o vão integrar, de imediato, no plantel da equipa B, que milita na 2.ª Liga. Financeiramente, esta contratação vai valer ao Trofense apenas direitos de formação. “É uma nova etapa que espero que seja mais um momento de aprendizagem. É mais um sonho tornado realidade jogar num grande clube como o Braga”, confessou o jogador em declarações ao NT. Pedro Matos não vai esquecer a oportunidade concedida pelo clube da Trofa de ingressar no plantel sénior: “Desde o presidente Luís Lima aos técnicos de equipamentos Fernando Ferreira e Mota, passando, claro está, pelos jogadores e treinadores. É com enorme orgulho que digo que joguei no clube da minha terra e poder pisar o relvado com grande jogadores como o Hélder e o Ricardo Fernandes foi um privilégio”. O jogador considera que fez uma “boa prestação” na meia época em que representou o Tro-

Resultados Camadas Jovens Atlético Clube Bougadense Juniores 2.ª Divisão distrital – série 4 (2.º lugar, 34 pontos) Próxima jornada 04/02 às 15 horas S. Pedro Fins-Bougadense Juvenis B 2.ª Divisão distrital – série 6 Bougadense 8-1 CA Rio Tinto (5.º lugar, 31 pontos) Próxima jornada 04/02 às 15 horas Leça-Bougadense

Pedro Matos tem contrato com os minhotos por duas épocas e meia

fense, comprovada pelos “cinco que vai discutir a Fase de Manugolos, tantas ou mais assistên- tenção na mesma série do Trocias e chamada à Seleção Sub-20”. fense. Assim como Hugo Silva, tam“Melhor era impossível”, confessou. Pedro Matos segue-se a Simão- bém o guarda-redes Murta abanzinho, como jogador natural da donou o plantel do Trofense para Trofa que rumou do clube da ter- assinar pela Associação Desportiva Oliveirense, que vai lutar pela ra ao Sporting de Braga. Hugo Silva foi outra das saídas subida à 2.ª Liga. Já o avançado do plantel do Clube Desportivo João Santos rumou ao Caniçal, Trofense, no mercado de inverno. que vai disputar a Fase de ManuO jogador, natural de Cidai, deixou tenção do Campeonato de Porde ser opção para o treinador Bru- tugal, enquanto Hugo Obama reno Pereira e já não jogava desde forçou o Eléctrico, que milita na 30 de outubro, quando cumpriu 1.ª Divisão da Associação de Fu90 minutos diante da goleada da tebol de Portalegre. Rafael Silveiequipa da Trofa ao Torre Moncor- ra regressou ao Brasil, para fazer vo por 0-5. Com a camisola trofen- parte da equipa do Prudentópose, o jovem de 19 anos fez seis jo- lis, que vai começar a competição gos, quatro no Campeonato e dois no Campeonato Paranaense. Mika na Taça de Portugal, somando 540 rumou ao Freamunde, da 2.ª Liga. Estas transferências não dão neminutos jogados. O jovem de 19 anos abraça um nhuma contrapartida financeira novo desafio no Pedras Salgadas, ao clube da Trofa. Noutro plano, Jorge Inocêncio, jovem que tinha uma ligação de 15 anos no clube, abandonou a equipa, depois de decidir abandonar o futebol profissional.

Iniciados 2.ª Divisão distrital – série 5 Ermesinde 1936 1-1 Bougadense (8.º lugar, 14 pontos) Próxima jornada 05/02 às 10 horas Bougadense-Vilar Pinheiro Infantis 2.ª Divisão distrital – série 3 Bougadense 0-1 Ermesinde 1936 (12.º lugar, 4 pontos) Próxima jornada 04/02 às 13.15 horas Castêlo da Maia-Bougadense Benjamins Campeonato Distrital Fut.7 série 3 Alfenense 0-4 Bougadense (7.º lugar, 19 pontos) Vai disputar a Divisão de Honra

Clube Desportivo Trofense Juniores 1.ª Divisão distrital – série 2 Felgueiras 1932 2-4 Trofense (2.º lugar, 39 pontos) Próxima jornada 04/02 às 15 horas Trofense-Gondomar Juvenis A 1.º Divisão distrital – série 2 Rebordosa 1-4 Trofense (5.º lugar, 36 pontos) Próxima jornada 05/02 às 10 horas Trofense-Paredes Juvenis B 2.º Divisão distrital – série 6 Trofense 0-1 Alfenense (7.º lugar, 30 pontos) Próxima jornada

Hugo Silva ruma ao Pedras Salgadas

Inocêncio abandona o futebol

04/02 às 15 horas Desp. Aves-Trofense Iniciados A 1.º divisão distrital – série 2 Trofense 3-0 Tuías (7.º lugar, 28 pontos) Próxima jornada 05/02 às 11 horas Tirsense-Trofense Iniciados B 2.º divisão distrital – série 2 Trofense 2-1 Hernâni Gonçalves (9.º lugar, 12 pontos) Próxima jornada 05/02 às 11 horas Várzea FC-Trofense Infantis 11 1.º Divisão distrital – série 2 Trofense 4-0 ACDFC Calçada (2.º lugar, 43 pontos) Próxima jornada 04/02 às 17.15 horas Estrelas Fânzeres-Trofense Infantis 7 Campeonato Distrital Futebol 7 – série 2 Trofense 4-3 Infesta (3.º lugar, 26 pontos) Vai disputar a Divisão de Elite Campeonato Distrital Futebol 7 – série 3 Padroense 6-0 Trofense (7.º lugar, 18 pontos) Vai disputar Divisão de Honra Escolas Sub11 A Campeonato Distrital Fut. 7 série 2 Gondomar 0-13 Trofense (1.º lugar, 36 pontos) Vai disputar a Divisão de Elite Campeonato Distrital Futebol 7 – série 4 Barrosas 6-3 Trofense (6.º lugar, 19 pontos) Vai disputar a Divisão de Honra

Futebol Clube S. Romão Juniores 2.ª Divisão distrital – série 4 S. Romão 3-2 S. Pedro de Fins (10.º lugar, 9 pontos) Próxima jornada 04/02 às 15 horas Mocidade Sangemil-S. Romão


www.ONOTICIASDATROFA.pt

2 FEVEREIRO 2017 O NOTÍCIAS DA TROFA

Desporto

Escola de Futebol Trofintas: a primeira etapa da formação Cinquenta crianças frequentam a Escola de Futebol Trofintas do Clube Desportivo Trofense. Aqui competição não é palavra de ordem, porque o mais importante é “cultivar o gosto pela prática do jogo”. O NT falou com o coordenador desta escola, Henrique Santos, que revelou como está a decorrer a temporada. CÁTIA VELOSO O Notícias da Trofa (NT): Como está a correr a época? Henrique Santos (HS): Estamos neste momento a meio desta época e podemos dizer que o nosso trabalho tem decorrido dentro da nossa expectativa. Quando iniciamos mais um ano, temos sempre como intenção proporcionar ao maior número de meninos a possibilidade de jogar futebol, respeitando princípios e comportamentos que para nós são essenciais para a formação do jovem jogador. Neste momento, temos aproximadamente 50 meninos, nascidos entre 2011 e 2007 e é um número em crescimento, o que nos deixa felizes, pois é sinal que as pessoas confiam no nosso trabalho. NT: Quais os objetivos da EF Trofintas? HS: Acima de tudo tentamos cultivar o gosto pela prática do jogo. Esta é a primeira etapa de formação dos atletas do departamento de formação do CD Trofense. Apesar de sermos uma escola com carácter mais recreativo e aberta a todos os interessados, existe uma preocupação da nossa parte em ajustar o modelo de jogo do departamento de formação à escola, para facilitar o futuro daqueles que vão ingressar na vertente de competição,

ou seja, temos a preocupação de formar meninos que irão alimentar as nossas equipas de competição. Não existe uma preocupação muito grande com o aspeto tático, mas sim com o pormenor técnico. A relação com bola é parte dominante na organização da nossa unidade de treino. Além do “jogar”, também nos preocupamos com outras vertentes. O percurso escolar do nosso atleta é para nós muito importante e, no sentido de potencializar as suas capacidades, criamos estratégias, entre elas, a caderneta do jogador, permite uma relação Trofintas-Pais-Escola. Com este documento, conseguimos acompanhar melhor o percurso e as notas dos nossos meninos nas respetivas escolas, permitindo estarmos atentos a casos mais “preocupantes”, bem como premiar casos de sucesso. Outro dos objetivos passa por criar um gosto e uma relação com o Clube Desportivo Trofense. Tentamos criar com os nossos meninos, uma “segunda” família, onde tentamos acompanhar o plantel sénior bem como outros escalões do departamento de formação. O lema “Nós Somos Trofense” também faz parte da nossa Escola Trofintas. NT: Quais as principais dificuldades neste escalão/competição? HS: O principal obstáculo é a heterogeneidade dos meninos. Duas crianças nascidas no mesmo ano têm estados maturacionais completamente diferentes e a postura do treinador tem de ser ajustada, não em função de um ou dois mas sim do grupo de trabalho todo.

13

Nesta etapa da formação, o mais importante é “cultivar o gosto pela prática do jogo”

É um desafio que enfrentamos todos os treinos, mas que acabam por trazer frutos, pois a evolução individual deles na procura de um comportamento coletivo é evidente e crescente todos os treinos. NT: Que atividades são desenvolvidas ao longo da época na Trofintas? HS: O nosso principal foco é o futebol e maioritariamente as nossas atividades estão relacionadas com o jogo. Neste sentido, somos afiliados na Associação Portuguesa de Escolas de Futebol, em que uma vez por mês participamos num encontro com outros associados. Procuramos também convívios particulares com outras escolas/clubes da zona da Trofa e concelhos limítrofes e temos também em vista a participação nas Trofíadas 2017. Como forma de potenciar a li-

Ajudar, pedalando pelo concelho “Este mês, vamos ajudar quem vereiro, no Parque Nossa Senho- dário. Todo e qualquer contribuajuda, angariando alimentos para ra das Dores e Dr. Lima Carneiro. A to recolhido irá certamente fazer duas instituições”. O convite é do recolha de alimentos será feita no a diferença na melhoria do bemClube Cicloturismo da Trofa/BTT, local e no próprio dia e, posterior- -estar destas instituições”, adianresponsável por guiar a Bicicleta- mente, distribuídos pela Associa- tou fonte da organização. A Bicicletada Trofense é um pasda Trofense do mês de fevereiro, ção de Solidariedade e Ação Social que convida a sociedade a entre- (ASAS) e os Vicentinos de S. Mar- seio de bicicleta, que se realiza no gar “pelo menos um alimento não tinho de Bougado. “Consideran- primeiro domingo de cada mês, perecível” para participar neste do os tempos difíceis que temos com um percurso de cerca de 25 vindo a atravessar, fruto da con- quilómetros, de dificuldade baixa, passeio solidário. O início do passeio está previsto juntura de crise económica o pas- acessível a todas as idades. P.P. para as 9.15 horas do dia 5 de fe- seio deste mês será de cariz soli-

gação entre os meninos e o clube, organizamos momentos de convívios com os seniores do clube e promovemos também a entrada dos meninos no relvado nos jogos em casa a acompanhar os jogadores. Festejamos também datas importantes, como Dia do Pai e da Mãe, em que os pais são convidados a jogar/treinar com os filhos e ainda o Dia da Criança com

uma manhã bem passada a jogar futebol na praia. Para além destas, temos outro tipo de atividades a serem programadas até ao final da época, finalizando em julho com o nosso Mega Acampamento, onde existem inúmeras atividades, desde futebol, insufláveis, escorregas de água, piscina, caminhadas, etc.

pub

Ministério da Educação Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares

Agrupamento de Escolas da Trofa Concurso para assistentes operacionais O Agrupamento de Escolas da Trofa torna público que se encontra aberto o Procedimento Concursal Comum para recrutamento de 2 Assistentes Operacionais, em regime de contrato de trabalho em funções públicas, a termo resolutivo certo (até 16 de junho 2017) a tempo parcial (m/f). O procedimento Concursal encontra-se aberto pelo período de 10 dias úteis, a contar da data de publicação do Aviso n.º 1027/2017, no Diário da República n.º 18, 2.ª Série, de 25/01/2017 e onde se encontram enunciadas as regras referentes ao mesmo. Este concurso é válido para eventuais contratações que ocorram durante o ano escolar 2016/2017. 25 de janeiro de 2017. — O Diretor do Agrupamento de Escolas da Trofa, Paulino Rodrigues Macedo.


14

www.ONOTICIASDATROFA.pt

O NOTÍCIAS DA TROFA 2 FEVEREIRO 2017

Desporto

Bougadense regressa às vitórias

O Bougadense recebeu em casa o Foz, em partida a contar para a 15.ª jornada da série 1 da 1.ª divisão da Associação de Futebol do Porto, e regressou às vitórias, ao vencer pela margem mínima. A formação de Santiago de Bougado ocupa assim o 7.º lugar da tabela classificativa com 23 pontos. Liliana Oliveira/ Cátia Veloso

P

ara Agostinho Lima, técnico do Atlético Clube Bougadense, “foi um jogo equilibrado, que podia ter dado para qualquer lado”. “Os jogadores tiveram entrega máxima e conseguimos um resultado

positivo que era isso que estávamos à procura”, acrescentou. Apesar disso, a equipa de Santiago de Bougado conseguiu “controlar, fazer um golo e ter a capacidade de sofrimento para poder levar o resultado até ao fim”. O técnico do Bougadense deixou ainda elogios ao Foz que considera “uma equipa muito forte”. Depois de duas baixas na equipa, a formação de Santiago de Bougado volta a estar na máxima força para o jogo que se segue, frente ao Gulpilhares FC, 14.º classificado. A partida decorre em Santiago de Bougado, pelas 15 horas de 5 de fevereiro.

Bougadense venceu o Foz por uma bola a zero

Bougadense B empata com o líder A equipa B do Atlético Clube Bougadense foi ao terreno do Mocidade Sangemil, 1.º classificado com 29 pontos, pontuar. A formação de Santiago de Bougado empatou a uma bola e encontra-se agora em 6.º lugar na classificação, com 22 pontos.

nada da 2.ª divisão da série 2 da Bougadense. O técnico da formaAssociação de Futebol do Porto, ção de Santiago de Bougado tece a equipa B do Bougadense até en- largos elogios à equipa do Sangetrou melhor na partida com João mil, que “justifica plenamente o Vieira a inaugurar o marcador, ao lugar que ocupa na classificação”. minuto 25. Onze minutos depois, “É uma equipa muito forte, agresTiaguinho, do Mocidade Sangemil, siva no bom sentido, joga muito estabeleceu a igualdade. O empa- bem a bola e põe a bola no chão”. te a um manteve-se até ao apito fiDestaque ainda para um lance nal. “Um jogo bom e interessante”, que resultou na expulsão de Latas, Liliana Oliveira/ Cátia Veloso considerou José Manuel, treina- do Sangemil, que, para José MaEm jogo a contar para a 15.º jor- dor da equipa B do Atlético Clube nuel, é “um lance completamen-

te normal e típico neste tipo de joga sábado, 4 de fevereiro, pelas campeonato”, mas, ainda assim, 15 horas, o Bougadense B recebe não afetou a equipa da casa. “Jo- em casa o Penamaior. “Na primeigar contra 10 ou 11 é igual, o San- ra volta o Penamaior foi a equigemil é sempre forte”. “No global, pa que eu gostei mais. Penso que pela nossa força de vontade, pelo será uma equipa que nos poderá espírito de sacrifício e capacidade criar algumas dificuldades mas de sofrimento e pela qualidade também temos as nossas armas e, do Sangemil, acho que o resulta- obviamente, queremos continuar do acaba por ser justo”, finalizou a fazer melhor do que fizemos na o treinador. primeira volta”, afirmou o técniNa próxima jornada, que se co da equipa B do AC Bougadense.

Futsal federado

Infantis do S. Romão e iniciados do CR Bougado goleiam A equipa de infantis do Futebol Clube S. Romão segurou o 3.º lugar da série 2 da 2.ª Divisão da Associação de Futebol do Porto (AFP), ao golear o JD Águas Santas/AC Teibas por 14-0, na penúltima jornada. Com 30 pontos, a formação romanense termina esta fase no próximo fim de semana, diante do Académico Sangemil. No escalão de iniciados, a equipa do Centro Recreativo bateu o Rebordosafut por 3-9 e consolidou o 5.º posto, com 37 pontos, quando estão cumpridas 17 jornadas na série 2 da 2.ª Divisão da AFP. O ACD O Amador é o próximo adversário. Em seniores, o Grupo Desportivo venceu, fora de portas, o Mosteiro por 3-5, na 15.ª jornada da série 2 da 1.ª Divisão da AFP, subindo, à condição, ao 5.º lugar. O Alpendorada é o próximo ad-

Iniciados do CR Bougado golearam

versário. No mesmo campeonato, o jogo

entre o CR Bougado e o Alpendorada foi adiado, devido ao piso es-

corregadio do pavilhão da coletividade bougadense. O mesmo aconteceu ao jogo dos juniores do CR Bougado, diante da Casa do FCP de Rio Tinto, que foi interrompido aos 20 minutos, quando estava empatado a zero, na 18.ª jornada da série 2 da 2.ª Divisão da AFP. Também a equipa de juvenis da coletividade de Bougado viu interrompido o jogo com o Restauradores Brás Oleiro, a contar para a 22.ª jornada da 1.ª Divisão da AFP, quando o marcador assinalava um empate a um golo. Estes jogos vão realizar-se ou prosseguir em datas a definir. Entretanto, no próximo fim de semana, os seniores do CR Bougado defrontam o Núcleo Valongo, enquanto os juniores viajam ao reduto do Estrelas Susanenses. Já os juvenis bougadenses recebem o Desportivo das Aves.

No escalão de juvenis, na série 2 da 2.ª Divisão da AFP, o FC S. Romão foi goleado por 14-0, na 18.ª jornada. A equipa romanense segue em último lugar, com quatro pontos, e na próxima ronda defronta a Ordem. Já as juniores da mesma coletividade perderam com o Barranha por 7-1, em jogo a contar para a 21.ª ronda do Campeonato Interdistrital. A equipa romanense segue na 6.ª posição, com 27 pontos, e na próxima jornada defronta o Póvoa Futsal. Em benjamins, na 17.ª jornada da série 2 do Campeonato Distrital, o S. Romão perdeu com o Canidelo por 6-2. Ainda sem pontuar na época, os pupilos romanenses fecham esta fase no próximo fim de semana, diante do Freixieiro. C.V.


www.ONOTICIASDATROFA.pt

2 FEVEREIRO 2017 O NOTÍCIAS DA TROFA

pub

EXTRATO PARA PUBLICAÇÃO ESCRITURA DE JUSTIFICAÇÃO

Agenda Dia 4 8 horas: Raid Extreme Enduro, com início junto ao campo de jogos de S. Mamede do Coronado 15 horas: Bougadense B-Penamaior Dia 5 9.15 horas: Bicicletada Trofense Solidária, com início no Parque Nossa Senhora das Dores e Dr. Lima Carneiro 15 horas: Bougadense-Gulpilhares

Farmácias Dia 2 Farmácia Trofense Dia 3 Farmácia Barreto Dia 4 Farmácia Nova Dia 5 Farmácia Moreira Padrão Dia 6 Farmácia de Ribeirão Dia 7 Farmácia Trofense Dia 8 Farmácia Barreto Dia 9 Farmácia Nova

Telefones úteis Bombeiros Voluntários Trofa 252 400 700 GNR da Trofa 252 499 180 Polícia Municipal da Trofa 252 428 109/10 Jornal O Notícias da Trofa 252 414 714 Centro de Saúde da Trofa 252 416 763 // 252 415 520 Centro de Saúde S. Romão 229 825 429 Centro de Saúde Alvarelhos 229 867 060

Certifico narrativamente para efeitos e seguintes do Livro de Notas para Escritude publicação, que, por escritura pública ras Diversas número Cento e Seis, que dede justificação notarial outorgada, hoje, clararam: neste Cartório Notarial em Vila do ConQue a herança ilíquida e indivisa aberta de a cargo da Notária, Alexandra Patrícia por óbito de JOAQUIM DE OLIVEIRA DUARLima Arriscado, sito na Avenida Doutor Ar- TE, dos quais eles primeiros outorgantes tur da Cunha Araújo, número 269, na cida- são únicos e universais herdeiros, é dona de e concelho de Vila do Conde, exarada e legítima possuidora, com exclusão de oua folhas setenta e cinco e seguintes do Li- trem, do seguinte imóvel: vro de Notas Para Escrituras Diversas núPrédio urbano, composto atualmente mero DOIS-C, compareceram como ou- de casa de morada térrea, com horta e ratorgantes: mada, destinada a habitação, sito na Rua A) ROSA MARIA NUNES DUARTE, divor- Camilo Castelo Branco, número 3 (antigo ciada de Vítor Ramos de Azevedo, com lugar do Serro ou Cerro), na União de Frequem foi casada sob o regime da comu- guesias de Alvarelhos e Guidões, concelho nhão de adquiridos, natural da extinta fre- da Trofa, com a área total de terreno de quiguesia de Guidões, à data pertencente ao nhentos e sessenta e cinco metros quadraconcelho de Santo Tirso (atualmente per- dos, sendo desta sessenta e cinco metros tencente ao concelho da Trofa), residente quadrados a sua área de implantação do na rua Urbanização Nova, número 31, pri- edifício e a sua bruta privativa, com uma meiro andar esquerdo, na União das Fre- superfície descoberta de quinhentos meguesias de Bougado (S. Martinho e Santia- tros quadrados, descrito na Conservatória go), concelho da Trofa, por si e na qualida- do Registo Predial da Trofa sob o número de de procuradora e em representação de mil, trezentos e quarenta e três – Guidões, sua mãe, MARIA DA CONCEIÇÃO CERQUEI- ali inscrito em nome de Joaquim José Luís RA NUNES, viúva de Joaquim de Oliveira da Silva, o qual foi casado com Ana Rosa de Duarte, natural da extinta freguesia de No- Jesus, sob o regime da comunhão geral de gueira, concelho de Lousada, com a ora ou- bens, residentes que foram no antigo lugar torgante residente na dita rua Urbanização de Serro, da extinta freguesia de Guidões, Nova, número 31, primeiro andar esquerdo, atual União de Freguesias de Alvarelhos e com suficiência de poderes para este ato, Guidões, concelho da Trofa, pela inscrição conforme procuração, outorgada no Car- da Apresentação UM, de vinte e nove de Setório Notarial na Trofa, a cargo da Notária tembro de mil novecentos e vinte e um, esAlexandra Patrícia Lima Arriscado, que exi- tes entretanto falecidos, e posteriormenbiu e que arquivo; B) MANUEL NUNES DU- te inscrita “metade indivisa” em nome de ARTE, e mulher MARIA ISABEL MAIA DE SOU- Júlio Silva Duarte, que também usava era SA DUARTE, casados sob o regime da co- conhecido como Júlio da Fonseca Duarte, munhão de adquiridos, ambos naturais da casado que foi com Emília de Oliveira Madita extinta freguesia de Guidões, residen- tos, sob o regime da comunhão geral de tes no Lugar da Igreja, número 6, da referi- bens, residentes que foram no mesmo luda atual União de freguesias de Alvarelhos gar de Serro, entretanto também já falecie Guidões; C) MARIA GORETI NUNES DUAR- dos, conforme inscrição da apresentação TE FERREIRA, que também usa e é conhe- número UM, de quatro de abril de mil, nocida como MARIA GORETI NUNES DUARTE, vecentos e quarenta e quatro, por compra e marido CARLOS GOMES FERREIRA, casa- da meação ou direito e ação que o referidos sob o regime da comunhão de adquiri- do Joaquim José Luís da Silva tinha, já no dos, ela natural da mesma extinta fregue- estado de viúvo daquela Ana Rosa, sobre sia de Guidões, ele natural da freguesia de este prédio, tal como resulta da mencionaÁrvore, concelho de Vila do Conde, residen- da inscrição constante do Livro Quarenta e tes na Rua Camilo Castelo Branco, número Oito (descrição número vinte mil, quatro3, da mencionada União das freguesias de centos e vinte e três), prédio urbano este Alvarelhos e Guidões;D) MANUEL FERNAN- inscrito na respetiva matriz predial urbana, DO NUNES DUARTE, divorciado de Maria da referida União de Freguesias de Alvareda Conceição Fernandes da Silva Nunes, lhos e Guidões, em nome da herança ilíquicom quem foi casado sob o regime da co- da e indivisa aberta por óbito de Joaquim munhão de adquiridos, natural da referida de Oliveira Duarte (dos quais os ora primeiextinta freguesia de Guidões, residente na ros outorgantes são os únicos e universais Rua Camilo Castelo Branco, número 3, da herdeiros), sob o artigo 3477.º, o qual teve referida União das freguesias de Alvarelhos origem no artigo 145.º da anterior e extine Guidões; e E) MARIA EMILÍA NUNES DUAR- ta freguesia de Guidões, conforme declaraTE, divorciada de Manuel Joaquim Ferreira ram e conforme eu Notária também verifida Cruz, com quem foi casada sob o regi- quei por análise da caderneta predial, infra me da comunhão de adquiridos, natural da identificada, com o valor patrimonial atureferida extinta freguesia de Guidões, resi- al de onze mil, novecentos e sessenta eudente na Rua Costa Ferreira, Bloco A, Apar- ros, ao qual atribuem igual valor. tado 203, segundo andar - centro, Edifício Que os referidos titulares inscritos, JúCosta Ferreira, da atual União das Freguesias de Bougado (São Martinho e Santiago), lio Silva Duarte e mulher Emília de Oliveira Matos, adquiriram por compra ao titular concelho da Trofa; Todos na qualidade de únicos e univer- inscrito Joaquim José Luís da Silva, este já sais herdeiros e, assim, em representação no estado de viúvo de Ana Rosa de Jesus, da HERANÇA ILIQUIDA E INDIVISA ABERTA a meação deste no identificado prédio urPOR ÓBITO DO FALECIDO JOAQUIM DE OLI- bano ou como é referido na escritura, infra VEIRA DUARTE, herança com o NIF 709 494 identificada, “Que, consequentemente tira 700, com suficiência de poderes, conforme e demite de si, seus herdeiros e sucessores, consta da escritura pública de Habilitação todo o direito, acção, domínio, posse, uso de Herdeiros, lavrada no Cartório Notarial e fruição, que até agora tem tido no prédio na cidade e concelho da Trofa, também a alienado (…)” e como também é referido cargo da Notária Alexandra Patrícia Lima na inscrição da apresentação número UM, Arriscado, ora signatária, em regime de de quatro de abril de mil, novecentos e quasubstituição legal, de folhas cento e treze renta e quatro, constante do registo em Li-

Ficha Técnica

vro número Quarenta e Oito (descrição número vinte mil, quatrocentos e vinte e três), inscrição da qual consta que “Fica inscrito a favor de Júlio Silva Duarte, casado, (…) a transmissão do direito e ação que Joaquim José Luís da Silva, viúvo, (…) tinha à meação do prédio inscrito sob o n.º 20 423 (…)”, compra esta titulada através de escritura de compra e venda, lavrada no Cartório Notarial em Santo Tirso, à data a cargo do Notário Dr. Francisco Coelho de Andrade, em cinco de Agosto de mil, novecentos e quarenta e um, de folhas cinquenta e dois verso e seguintes do Livro de Notas para Escrituras Diversas número Duzentos e Vinte e Oito, conforme também eu Notária verifiquei pela análise da certidão da dita escritura, infra identificada. Que poucos anos depois, ainda na década de quarenta, os referidos titulares inscritos, Júlio Silva Duarte e mulher Emília de Oliveira Matos, já titulares da meação que ao identificado Joaquim José Luís da Silva pertencia, adquiriram por compra, titulada em escritura de compra e venda aos herdeiros de Ana Rosa de Jesus, a meação desta Ana Rosa de Jesus no identificado prédio urbano, em data e Cartório Notarial concretos que se desconhecem, apesar das múltiplas buscas em diversas entidades, herdeiros de Ana Rosa estes apenas conhecidos de Júlio Silva Duarte e cuja identidade exata os ora outorgantes desconhecem, apesar das múltiplas buscas em diversas entidades. Pelo que a partir da década de cinquenta, até talvez uns anos antes, eram já estes, Júlio Silva Duarte e mulher Emília de Oliveira Matos, os únicos e legítimos possuidores da totalidade do identificado prédio urbano. E exatamente por não terem encontrado a escritura de compra e venda daquela meação pertencente à falecida Ana Rosa de Jesus e vendida pelos herdeiros desta, que sabem que foi outorgada, também não conseguiram localizar a habilitação de herdeiros da herança aberta por óbito da mesma Ana Rosa de Jesus, falecida em data precisa que se desconhece, mas sempre antes cinco de agosto de mil, novecentos e quarenta e um, data em que o seu marido Joaquim José Luís da Silva outorga a escritura de compra e venda, supra identificada, no estado de viúvo daquela sua única esposa, escritura de habilitação de herdeiros esta, que foi lavrada também em Cartório e data que se desconhece, apesar das múltiplas buscas em diversas entidades. Que em dezasseis de Novembro de mil, novecentos e oitenta e dois, através da escritura de Habilitações e Partilha, lavrada na extinta Secretaria Notarial de Santo Tirso, de folhas catorze verso a folhas dezassete do Livro de Notas para Escrituras Diversas número Cento e Sessenta e Oito – A, foram partilhados os bens da herança do falecido JÚLIO DA FONSECA DUARTE, que também usava e era conhecido como Júlio Silva Duarte e da herança da falecida mulher deste EMÍLIA DE OLIVEIRA MATOS, e o prédio urbano, ora em questão e supra descrito, ficou adjudicado, na totalidade, ao filho herdeiro destes falecidos, Joaquim de Oliveira Duarte, no estado de casado com a representada Maria da Conceição Cerqueira Nunes, sob o regime da comunhão geral de bens, conforme certidão da dita escritura de Habilitações de Herdeiros e Partilha, infra identificada, que também eu No-

15

tária Verifiquei. Que, por fim, conforme consta da já referida escritura de Habilitação de herdeiros, lavrada em nove de Outubro de dois mil e quinze, de folhas cento e treze e seguintes do Livro de Notas para Escrituras Diversas número Cento e Seis, no Cartório Notarial na cidade e concelho da Trofa, também a cargo da Notária Alexandra Patrícia Lima Arriscado, ora signatária, em regime de substituição legal, como eu Notária verifiquei pela análise da certidão da mesma, infra identificada, no dia trinta de março de dois mil e três, na referida extinta freguesia de Guidões, de onde era natural e onde teve última residência na Rua de S. José, número 24, faleceu Joaquim de Oliveira Duarte, herança com o NIF 709 494 700, no estado de casado com a representada da primeira outorgante supra identificada sob a alínea A), Maria da Conceição, em primeiras núpcias de ambos, sob o regime da comunhão geral de bens, sem ter deixado testamento ou qualquer outra disposição de última vontade, tendo-lhe sucedido como únicos e universais herdeiros, sua mulher, MARIA DA CONCEIÇÃO CERQUEIRA NUNES, supra identificada, que dele se mantém no estado de viúva e ainda cinco filhos, os ora primeiros outorgantes, MANUEL NUNES DUARTE, MARIA GORETI NUNES DUARTE FERREIRA, MANUEL FERNANDO NUNES DUARTE, ROSA MARIA NUNES DUARTE e MARIA EMILÍA NUNES DUARTE, todos supra identificados. Assim, que o identificado prédio urbano esteve na posse primeiramente do extinto casal constituído por JOAQUIM JOSÉ LUÍS DA SILVA e mulher ANA ROSA DE JESUS, depois pelo extinto casal constituído por JÚLIO DA FONSECA DUARTE, que também usava e era conhecido como Júlio Silva Duarte e mulher deste EMÍLIA DE OLIVEIRA MATOS, todos já falecidos e por fim na posse do extinto casal constituído por JOAQUIM DE OLIVEIRA DUARTE e mulher MARIA DA CONCEIÇÃO CERQUEIRA NUNES, ele também já falecido, ela ora representada, e agora pela HERANÇA ILÍQUIDA E INDIVISA ABERTA POR ÓBITO DE JOAQUIM DE OLIVEIRA DUARTE, ora justificante, de que os ora primeiros outorgantes são únicos e universais herdeiros. MAIS DECLARARAM OS PRIMEIROS OUTORGANTES, NAS INVOCADAS QUALIDADES: Que a referida ANA ROSA DE JESUS faleceu em data que se desconhece, mas sempre antes de cinco de agosto de mil, novecentos e quarenta e um e o marido desta, JOAQUIM JOSÉ LUÍS DA SILVA faleceu em data que se desconhece, mas sempre antes da década de cinquenta, pelo que atendendo assim que ambos faleceram antes de mil, novecentos e cinquenta não se conseguiu localizar, após muitas buscas, as respetivas certidões de óbito, que comprovem os respetivos decessos. Tais declarações foram confirmadas por três declarantes, devidamente identificados. Está conforme o original na parte transcrita. Cartório Notarial em Vila do Conde, da Notária Alexandra Patrícia Lima Arriscado, aos vinte e oito de janeiro de dois mil e dezassete. A Notária, Alexandra Patrícia Lima Arriscado

Diretor: Hermano Martins (T.E.774) Sub-diretora: Cátia Veloso (9699) Editor: O Notícias da Trofa Publicações Periódicas Lda. Redação: Patrícia Pereira (9687), Cátia Veloso (9699), Magda Machado de Araújo (TE1022) , Liliana Oliveira (TP 2436) | Setor desportivo: Marco Monteiro (C.O. 744), Miguel Mascarenhas (C.O. 741) Colaboradores: Atanagildo Lobo, Jaime Toga, José Moreira da Silva (C.O. 864), João Pedro Costa, João Mendes | Fotografia: A.Costa, Miguel Trofa Pereira (C.O. 865) Composição: Cátia Veloso | Impressão: Gráfica do Diário do Minho, Lda. | Assinatura anual: Continente: 22,50 euros; Extra europa: 88,50 euros; Europa: 69,50 euros; | Assinatura em formato digital PDF: 15 euros IBAN: PT50 0007 0605 0039952000684 | Avulso: 0,60 Euros | E-mail: jornal@onoticiasdatrofa.pt | Sede e Redação: Rua das Aldeias de Cima, 280 r/c 4785 - 699 Trofa Telf. e Fax: 252 414 714 Propriedade: O Notícias da Trofa - Publicações Periódicas, Lda. NIF.: 506 529 002 Registo ICS: 124105 | Nº Exemplares: 5000 | Depósito legal: 324719/11 | ISSN 2183-4598 | Detentores de 50 % do capital ou mais: Magda Araújo | Estatuto Editorial pode ser consultado em www.onoticiasdatrofa.pt | Nota de redação: Os artigos publicados nesta edição do jornal “O Notícias da Trofa” são da inteira responsabilidade dos seus subscritores e não veiculam obrigatoriamente a opinião da direção. O Notícias da Trofa respeita a opinião dos seus leitores e não pretende de modo algum ferir suscetibilidades. Todos os textos e anúncios publicados neste jornal estão escritos ao abrigo do novo Acordo Ortográfico. É totalmente proibida a cópia e reprodução de fotografias, textos e demais conteúdos, sem autorização escrita.


16 O NOTÍCIAS DA TROFA 2 FEVEREIRO 2017 16 O NOTÍCIAS DA TROFA 2 FEVEREIRO 2017

www.ONOTICIASDATROFA.pt www.ONOTICIASDATROFA.pt

Atualidade

Sampaio da Nóvoa cumpriu promessa e regressou à Trofa Um ano depois de ter estado em campanha eleitoral para as presidenciais, Sampaio de Nóvoa regressou à Trofa. CÁTIA VELOSO

J

á sem estrutura de campanha, o professor universitário esteve, de novo, na Escola Secundária para cumprir a promessa que fez “há um ano” quando ainda era candidato. “Aqui tive um momento muito interessante de conversa com os alunos e disse que voltava, quer ganhasse, quer perdesse as eleições”, afirmou ao NT, depois de uma tarde quase toda dedicada à escola. Sampaio da Nóvoa esteve reunido, em privado, com alunos e professores, para uma conversa que incidiu sobre a participação cívica, mas numa “dimensão filosófica”, para discutir “como nos podemos inscrever na vida cidadã”. Paulino Macedo, diretor do Agrupamento de Escolas da Trofa, afirmou que tanto alunos como professores “concordaram” com a ideia de Sampaio da Nóvoa regressar à escola. “Vou satisfeito e de alma cheia por aquilo que eu vi pela participação quer dos alunos, quer da comunidade”, afiançou. É que, depois da aula com os alunos, o professor universitário participou numa palestra dinamizada pela Juventude Socialista para falar de democracia representativa e participativa, conceitos que, segundo Sampaio da Nóvoa, “não se substituem”. “Democracia representativa é matricial para a democracia, mas ela tem de ser completada e aprofundada com

Sampaio da Nóvoa falou de democraia representativa e democracia participativa

uma dinâmica de participação na e no governo da vida das cidades, no plano local e nas diversas esferas da nossa vida. É isso que enriquece a democracia”, argumentou. Durante a intervenção, Sampaio da Nóvoa mostrou-se apreensivo com o clima de alívio que se vive em torno do estado do país e com a aparente despreocupação com o futuro. E usando uma metá-

fora defendeu que é preciso ter um bom barco para enfrentar o mar de incertezas que pode surgir. E o jovem, acrescentou, “pode preparar-se fazendo um trabalho sobre ele próprio, de cultura, de formação, de conhecimento e de curiosidade científica”. “É bom que tenha consciência crítica sobre as coisas e de preocupação pelo outro. Não podemos ser humanos se não

nos preocuparmos com os outros humanos. Essa ideia do cuidar do outro e do trabalho de reflexão vai-nos tornar mais capazes de enfrentar o mar de incertezas que por aí vem”, asseverou. Para José Amadeu Dias, presidente da JS Trofa, “o trabalho” que esta juventude partidária “tem desenvolvido centra-se muito na diversidade”. “Tentamos enriquecer os nossos quadros com oradores dos diversos quadrantes e nada melhor que o professor Sampaio da Nóvoa para um tema como “Educar para a participação cívica”. “E educar para a participação cívica passa, não só mas também, pela escola e pelos atores educativos”, defendeu. Para o líder da Juventude Socialista, Sampaio da Nóvoa incorpora a personagem política que deve ser replicada na comunidade: “É fundamental acreditarmos que o serviço púlbico faz-se de bons políticos e bons políticos são cidadãos que têm um percurso exemplar. O professor Sampaio da Nóvoa foi um candidato que partiu do seu percurso académico, da sua formação enquanto pessoa e chegou às eleições da Presidência da República sem apoios formais de um partido, sem uma máquina a suportar e conseguiu criar um movimento de cidadãos dos vários quadrantes políticos. Ele é um exemplo que deve ser replicado em Portugal, na Europa e no Mundo”.

Rotunda do Catulo “ganha” peça escultórica Uma peça escultórica simbólica, em forma de “T” de Trofa, foi instalada na Rotunda do Catulo. A obra de arte está integrada na requalificação do Parque Nossa Senhora das Dores e Dr. Lima Carneiro, que foi inaugurada a 19 de novembro de 2015. Para a colocação da peça, foi necessá-

rio que a saída da Rotunda do Catulo em direção ao Porto (EN14) estivesse interdita ao trânsito, entre as 20 horas do dia 25 de janeiro e as 6 horas do dia 26 de janeiro. No entanto, ainda não é possível admirar a peça lá colocada, uma vez que a rotunda ainda se encontra vedada e, ao iní-

Peça escultórica tem dado muito que falar

cio da tarde desta quarta-feira, 1 de fevereiro, era visível a presença de funcionários a trabalhar a peça. Mas há quem já tenha “espreitado” a

peça e divulgado fotografias da mesma, levando a que surjam vários tipos de opinião sobre o formato da mesma ou a sua designação. P.P.


Edição 608 do Jornal O Notícias da Trofa