Page 1

PUB

Semanário | 15 de dezembro de 2016 | Nº 601 Ano 15 | Diretor Hermano Martins | 0,60 €

//PÁG. 04

//PÁG. 3

Feira de Natal envolve comunidade no Coronado //PÁG. 7

Crianças de Bougado criaram presépios

//PÁG. 13

//PÁG. 8

14 anos a informar Inaugurado o Polo “Insultos” do árbitro fazem Trofense Cultural Professor abandonar jogo Moutinho Duarte

//PÁG. 9

pub


2

www.ONOTICIASDATROFA.pt

O NOTÍCIAS DA TROFA 15 DEZEMBRO 2016

Atualidade

Executivo e oposição com versões diferentes sobre relatório da DGAL ao orçamento de 2017

Um orçamento de 36,5 milhões de euros para 2017 e um plano de investimentos que prioriza a execução da Alameda da Estação, da construção de uma rede de ciclovias urbanas, da requalificação da EB 2/3 Professor Napoleão Sousa Marques e da reabilitação do antigo edifício das Rações Trofense. CÁTIA VELOSO

A

Assembleia Municipal da Trofa discutiu os documentos previsionais para a gestão autárquica em 2017 e aprovou-os com votos favoráveis dos elementos eleitos pelo PSD e CDS-PP e Carlos Martins, presidente da Junta de Freguesia do Muro. Paulo Queirós, eleito pela CDU, votou contra e José Ferreira, presidente da Junta de Freguesia do Coronado, absteve-se. A discussão deste assunto marcou a sessão da Assembleia Municipal, que levou ao abandono dos elementos eleitos pelo Partido Socialista, em protesto com a conduta do executivo municipal e da presidente da Assembleia, Isabel Cruz. O abandono verificou-se depois de António Azevedo, vice-presidente da Câmara e responsável pelo pelouro das Finanças, ter considerado a intervenção do socialista

Marco Ferreira sobre o orçamento vo camarário “não consegue oferecer um orçamento progressisuma “burrice”. Marco Ferreira acusou o executi- ta, que atraia gente, investimenvo de “estar a falhar pontos essen- to e que aumente a qualidade de ciais do Plano de Ajustamento Fi- vida”, mesmo com o trunfo de ter nanceiro assinado em 2013”, por- “a banca com taxas de juro historique “não está a reduzir a dívida camente baixas”. Marco Ferreira afirmou ainda com que se comprometeu”. O socialista afirmou basear a crí- que “não foi só a DGAL a deixar tica com o relatório enviado pela alertas” quanto às contas muniDireção Geral das Autarquias Lo- cipais. Em contraponto, defendeu que cais (DGAL), que analisou os documentos previsionais. “As conclu- as propostas do PS para 2017 “censões são de uma entidade externa tram-se na construção de um cone vêm destapar o malabarismo em celho justo”. “Compensar as famítorno das contas municipais, mas o lias pelo aumento dos impostos malabarismo continua, e agora em através de tarifários sociais, apoios forma de power points e gráficos”, ao arrendamento e de um plano de acusou Marco Ferreira, que subli- emergência social” é para os sonhou que o município, no mandato cialistas “um eixo fundamental”, da coligação PSD/CDS-PP, “vai re- assim como “políticas de coesão colher mais 12 milhões de euros de territorial” e “prioridade à educaimpostos que no mandato do PS ”. ção, não só pela oferta dos manuE para o eleito do PS, o executi- ais escolares, como também pela melhoria da oferta formativa”. Numa análise diferente, António Azevedo afirmou que a DGAL assinalou que “o orçamento apresenta valores superiores aos previstos no Plano de Ajustamento Financeiro (PAF)”, porque o executivo municipal liderado pelo PS “foi pouco ambicioso” quando o elaborou, em 2012.

“Prevemos um orçamento superior ao previsto, porque vamos receber mais 4,5 milhões de euros. Em receitas de capital, temos 13 milhões a mais, enquanto o PAF previa receber até 2033, todos os anos, uma média de dois milhões de euros”. Quanto à chamada de atenção da DGAL para a “transição de elevados valores de dívida”, António Azevedo afirmou que “foram emprestados 31 milhões de euros” – ao abrigo do Programa de Apoio à Economia Local e Plano de Reequilíbrio Financeiro – “mas a dívida da Câmara em 2013 era de 45,5 milhões”. “Temos de colocar essas dívidas em orçamento para as poder pagar”, acrescentou. Já depois de os socialistas terem abandonado a sessão, António Azevedo afirmou “compreender” a decisão. “Só pode ficar atarantado quem teve a prática reiterada no quadriénio 2010-2013, de elevado empolamento da previsão das receitas, criando de forma artificial a possibilidade de realização do elevado valor de despesa, produziu aumento da dívida de dez milhões de euros, sem que existissem meios para poder pagar e vê hoje a previsão das receitas a metade daquilo que fez em 2013 e a apresentação de um plano de investimentos em curso e a realizar com verba garantida pelo Portugal 2020 e poupança corrente, diminuindo, ao mesmo tempo, a dívida de 45 para 32 milhões de euros”, defendeu.

diminuição de juros e de algum bom trabalho deste executivo”, Paulo Queirós, da CDU, votou contra o orçamento e plano de investimentos, sublinhando que a autarquia “deveria ter uma atenção ainda maior à cultura, desporto e lazer sem esquecer a área social”. “É um orçamento centralista, com uma visão muito limitada do concelho, não havendo nele sinais que nos permitam pensar que as assimetrias concelhias serão reduzidas. Não conseguimos vislumbrar mudanças significativas na área de apoio à infância e terceira idade”, sublinhou. Paulo Queirós defende ainda que “o orçamento fica excessivamente dependente dos Planos Estratégicos de Desenvolvimento Urbano”, uma vez que “90 por cento das receitas de capital vêm de compartições comunitárias”. “Na receita de capital há um aumento de dois milhões de euros face a 2016, no entanto a taxa de execução está nos seis por cento. Há um empolamento claro da receita de capital para permitir orçamentar projetos que só terão visibilidade nos jornais e nos discursos”, advogou. O elemento eleito pela CDU chamou ainda a atenção para a inexistência de uma política que combata “o excessivo plantio de eucaliptos no concelho”, assim como “a falta de reconhecimento e valorização do património cultural”. Paulo Queirós defendeu “a potenciação de zonas como S. Gens, S. Pantaleão, Santa EuféCDU votou contra mia”, considerando que este executivo municipal dá “pouca atenApesar de considerar que “hou- ção à “criação de condições para ve uma inversão do passivo mu- o aumento da capacidade produnicipal”, fruto “de uma conjuntu- tiva do concelho. ra económica mais favorável, da

Trofenses doaram mais 250 quilos de bens do que em 2015 O Banco Alimentar Contra a Fome levou a cabo uma campanha de recolha de alimentos, no fim de semana de 3 e 4 de dezembro, por todo país. No total foram recolhidas, por 42 mil voluntários, 2129 toneladas de géneros alimentares. Na Trofa foram recolhidos no total, em seis superfícies comerciais, 5901,5 quilogramas de bens. Os escuteiros de S. Martinho e Santiago de Bougado, de Alvarelhos, S. Romão do Coronado e os Vicentinos de Santiago de Bougado juntaram-se a esta causa e

estiveram a receber as ofertas dos trofenses que, este ano, comparativamente a novembro de 2015, na generalidade, aumentaram. Se em 2015 haviam sido recolhidos 5650 quilogramas de bens alimentares e de higiene, feitas as contas, os números deste ano permitem perceber que na Trofa foram recolhidos mais 251,5 quilogramas. O Continente é a superfície comercial trofense melhor posicionada no ranking distrital, que envolve 266 espaços, aparecendo na 116.ª posição. L.O./C.V


www.ONOTICIASDATROFA.pt

3

15 DEZEMBRO 2016 O NOTÍCIAS DA TROFA

Atualidade

Frigorífico Solidário inaugurado no Muro “O supérfluo para uns é fundamental para outros”. O lema é do projeto de intervenção comunitária da Delegação da Trofa da Cruz Vermelha Portuguesa, que visa combater o desperdício alimentar, colocando um frigorífico que será abastecido, voluntariamente, por todos aqueles que tiveram excedentes de comida. A Junta de Freguesia do Muro associou-se ao projeto, sendo a primeira a instalar o frigorífico no seu espaço exterior, que estará disponível “24 horas por dia”. O Frigorífico Solidário vai ser inaugurado pelas 11 horas de sábado, 17 de dezembro. Esta medida vai permitir que “muitas pessoas que têm vergonha de se dirigir aos serviços possam, de forma anónima, ver suprida uma necessidade básica, que é a alimentação”. Qualquer pessoa pode contribuir com a colocação de alimentos no frigorífico, sabendo que estes têm de estar fechados e dentro do prazo de validade”. Não é permitido colocar bebidas alcoólicas ou embalagens de carne e peixe abertos. “Queremos uma comunidade mais unida, mais consciente e com menos desperdício”, adiantou fonte da Delegação da Trofa da Cruz Vermelha Portuguesa. P.P.

Feira de Natal envolve comunidade da vila do Coronado

Já vai na sua 7.ª edição e reúne, num só espaço, artesanato, associativismo, animação e bons petiscos. De 9 a 11 de dezembro, a antiga fábrica da Pesafil, em S. Mamede do Coronado, foi palco de mais uma Feira de Natal do Coronado, o local ideal para encontrar o seu presente para oferecer nesta quadra natalícia. PATRÍCIA PEREIRA

O

Feira de Natal “já é um marco na freguesia”, considera o presidente da Junta

certame começou na sexta-feira, com as festas de atuação de Rafaela Santos. Natal das escolas da Vila e as A novidade desta edição foi atuações de Ballet da Asso- o desfile de moda em “colaciação de Solidariedade So- boração” com “as diversas cial do Coronado (ASCOR) e lojas de vestuário, calçado da Universidade Sénior. No e cabeleireiros”, encerrando sábado, também houve fes- com uma noite de folclore. ta de Natal da Creche e JarO presidente da Junta dim de Infância da Santa de Freguesia do Coronado, Casa da Misericórdia da Tro- José Ferreira, asseverou que fa, do lançamento do livro “A a Feira de Natal do CoronaVila do Coronado” do mame- do “já é um marco na freguedense Adalberto Costa e da sia”, sendo que, neste mo-

mento, “está proporcional” à “dimensão de vila”. “Faz todo o sentido nesta altura do ano, nesta quadra natalícia, proporcionar às nossas associações de carácter social a possibilidade de também se mostrarem e de conseguirem angariar alguns bens e dinheiro para apoiar quem mais precisa”, referiu. No certame havia cerca de 50 expositores, entre as co-

missões de festas de Santa Eulália e do Divino Espírito Santo, associações de pais das escolas, artesões e outras individualidades, que, segundo José Ferreira, trouxeram “um ambiente de alegria à vila e que, no fundo, é o que motiva, ano após ano, a Junta a tentar melhorar, para que haja alguma dinâmica na vila”.

pub


4

www.ONOTICIASDATROFA.pt

O NOTÍCIAS DA TROFA 15 DEZEMBRO 2016

Atualidade “Obesidade curricular” e flexibilização dos currículos marcaram Encontro Nacional das Associações de Pais

CONFAP reúne-se na Trofa

“Se em Portugal existe obesidade curricular, então é preciso fazer dieta”. Esta foi a premissa defendida pelo secretário de Estado da Educação, João Costa, no Encontro Nacional das Associações de Pais, que se realizou na Trofa, no dia 10 de dezembro.

CRÓNICA

Uma proposta honesta para o nome da Alameda

R

CÁTIA VELOSO/PATRÍCIA PEREIRA

O

governante acredita que é “consensual” que as escolas “têm tido dificuldade” em “cumprir os programas curriculares”, por isso é necessária uma “flexibilização”, adequando os currículos ao meio onde as crianças e jovens estão inseridos. “Este não é um problema nacional, mas também de muitos outros países, que passa pela tradição de construir currículos por empilhamento de factos, dados e conteúdos, que fazem falta, mas que depois não se conseguem usar. Temos de cortar algures, mas isso não significa deixar de lecionar. Por exemplo, numa escola onde se vive num contexto em que há uns sepulcros neolíticos, pode ser mais importante aprofundar a Pré-história, mas noutra, que está junto ao mar e onde há um navio afundado, pode ser melhor aprofundar a História Moderna”, explicou João Costa. Esta flexibilização que o Governo quer colocar em prática, pelo menos em parte, no próximo ano letivo, prevê dar “25 por cento de autonomia às escolas para gerir os currículos”. Uma percentagem que, para o presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais, é “insuficiente”. Para Jorge Ascenção, cada escola tem que, “a partir de uma matriz nacional estabelecida, ter a possibilidade de

Encontro foi organizado pela FAPTrofa

implementar os seus projetos e encarregados de educação são depois prestar contas por eles”. E comuns às que ecoam a nível naisto implica dar às escolas “auto- cional, por isso, a intervenção do nomia para adquirir e ter os recur- presidente da Federação das Assos necessários para desenvolver sociação de Pais da Trofa (FAPTroos projetos que tencionam imple- fa) centrou-se no presente das esmentar”, como “equipas multidis- colas. “Habitualmente, perdemos ciplinares” que tenham uma “in- muito tempo a projetar o futuro tervenção precoce tão cedo quan- com diagnósticos e esquecemoto possível” para evitar que os alu- -nos do presente. nos reprovem. Sabemos que há ciclos políticos, Em consonância com o que de- quando um governo muda, vem fende a tutela, Jorge Ascenção outro ciclo, mudam as pessoas concorda com a adequação dos que estão à frente da Educação a programas curriculares com o nível nacional, mudam novamenmeio em que as escolas estão in- te as políticas e andamos nisto. Deseridas. “O país, apesar de peque- vemos pensar mais no presente, no, tem muitas diferenças e não sabendo nós que uma boa medipodemos ter todos a aprender o da adaptada no presente, traduzmesmo da mesma forma. Temos -se num futuro melhor”, defendeu. de ter, de facto, uma resposta adeE as dificuldades vividas nas esquada a cada um”, argumentou, colas da Trofa? Duarte Araújo arsem deixar de frisar a importância gumenta que são as mesmas que do “envolvimento das famílias” e a nível nacional: “As crianças pasaté das próprias autarquias. “Sei sam demasiado tempo nas esos riscos que corremos em termos colas. As metas vieram dificultar político-partidários, mas temos aquilo que é o processo educatique lutar por isso, para que os pró- vo, há demasiada quantidade de prios políticos percebam que é im- trabalhos para casa e as crianças portante desenvolver uma políti- perdem muito tempo a estudar e ca educativa e fixar as famílias nos perdem a oportunidade de serem seus municípios”, acrescentou. crianças e jovens”. Na Trofa, as preocupações dos

Trofense expõe coleção de brinquedos A aldeia de Natal dos Smurfs (Estrumpfes), o habitat de animais de neve e um cenário para diversas personagens da Disney compõem a exposição que o trofense Vítor Macedo tem patente no centro comercial 8.ª Avenida, em S. João da Madeira. As três vitrines onde se dividem os três temas da mostra estão animadas por elementos luminosos e prometem dar um brilho especial a quem passar naquele es-

José Maria Moreira da Silva

tabelecimento durante esta época festiva. A exposição está localizada na Ala Sul, no piso 0 do Centro Comercial, perto da 8.ª AvenidaLand. Além da exposição, Vítor Macedo vai promover ateliês infantis todos os fins de semana até 8 de janeiro, das 11 às 19 horas, ensinando os mais pequenos a pintarem figuras do presépio e a elaborar vários elementos decorativos alusivos ao Natal. C.V.

ecentemente foi apresentado o Projeto de Requalificação do Corredor Central, a popularmente chamada Alameda da Estação, que para ser efetuada terão que ser aprovados os projetos apresentados em programas de apoio, concretamente ao programa Norte2020, ao programa Portugal2020, à CCDR (Comissão de Coordenação de Desenvolvimento Regional) e à U. E. (União Europeia). É uma obra importante e mais que necessária, para a requalificação de uma zona central da cidade da Trofa. A referida obra do Corredor Central, a vir a ser construída será, conjuntamente com o Parque Nossa Senhora das Dores, a nossa sala de estar e a nossa sala de visitas dos forasteiros, que passem ou venham visitar o nosso concelho. Que se espera, e deseja, que sejam mesmo muitos, para o bem da nossa economia, para o bem do comércio local, para bem da nossa felicidade! A Alameda terá que ter um nome dignificante, que nada tenha a ver com factos que, neste tempo de crispação exacerbada, não dividam ainda mais os trofenses, mas que tenha um forte vínculo ao Município, aos trofenses, pois a Trofa precisa é de uma verdadeira e forte união, para poder avançar em direção a um futuro próspero e risonho. O que a Trofa precisa é de restabelecer o «trofismo» perdido e qualquer ideia menos positiva para batizar a Alameda, com um nome pouco ou nada consensual é uma enorme asneira, pois só irá criar ainda mais divisão e crispação. Isso nunca! Já temos quanto baste. É verdade que já estamos em pré-campanha eleitoral, para as eleições autárquicas do próximo ano, e este tempo é convidativo para propostas eleitoralistas. Esse tipo de aproveitamento, para batizar o nome da Alameda com um nome não consensual pode criar fissuras graves nos trofenses. Peço a «todos os santos e santas», para

que os decisores não caiam nesse eleitoralismo fácil, que lhes pode sair muito caro, em termos de simpatia e votos. É meu dever como cidadão trofense opinar e apresentar publicamente uma proposta honesta, para o nome da Alameda. O Concelho da Trofa, já atingiu a sua maioridade. Foi há pouco tempo, bem sei, pois festejou no passado dia 19 de novembro o seu 18º aniversário. Foi no glorioso dia 19 de novembro de 1998, que fomos a Lisboa buscar o Concelho. Foi no vitorioso dia 19 de novembro de 1998, que foi criado o Concelho da Trofa. Por tudo isto o nosso feriado concelhio, que foi bastante consensual, é o dia 19 de novembro. Esse mês de novembro e esse dia 19 caminham para dentro de nós, para que possamos ser nós próprios a gerir o nosso destino. Foi no dia 19 de novembro que conquistamos a nossa «carta de alforria». Já não dependemos de outros. Somos donos do nosso próprio destino. Agora temos o futuro nas nossas mãos. Uma sala de estar, uma sala de visitas, um espaço agradável por onde se passa e onde se recebe os visitantes, os turistas, um local que enfeita a cidade, que embeleza a cidade, um local de referência e de vaidade dos trofenses deve ter um nome nobre, um nome condizente com o local, um nome que tenha uma forte afetividade com os trofenses. Por tudo isto proponho que a Alameda se chame “Alameda 19 de novembro”. É este nome tão dignificante que encontrei, para se batizar a Alameda e não criar qualquer tipo de divisões nos trofenses. Bem pelo contrário! É um nome consensual, pois são poucos os trofenses que estão contra a criação do Concelho da Trofa, que estão contra o dia 19 de novembro. Espero, e desejo, que haja boa-fé e bom senso, para o bem de todos. moreira.da.silva@sapo.pt www.moreiradasilva.pt

Colheita de sangue nos Bombeiros O Lions Clube da Trofa está a promover mais uma colheita de sangue, que decorre entre as 9 e as 12.30 horas deste sábado, 17 de dezembro, no salão polivalente dos Bombeiros Voluntários da Trofa. A colheita será realizada pelo Instituto Português do Sangue e da Transplantação. P.P.


www.ONOTICIASDATROFA.pt

24 anos de Grupo de Jovens de Alvarelhos “Ninguém é uma ilha” é o lema do Grupo de Jovens de Santa Maria de Alvarelhos e seguir Aquele que é “O Caminho, a Verdade e a Vida” é o seu anseio. O Grupo celebrou o seu 24.º aniversário, com uma missa de Ação de Graças, a 27 de novembro. PATRÍCIA PEREIRA

15 DEZEMBRO 2016 O NOTÍCIAS DA TROFA

5

Atualidade

Manuel Dias reconduzido na presidência da Associação Humanitária A lista encabeçada por Manuel Dias foi eleita na Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Trofa para o próximo biénio. O presidente foi reconduzido no cargo, assim como grande parte dos elementos que fizeram parte do mandato anterior. CÁTIA VELOSO

E

Jovens homenagearam fundadores do grupo

m assembleia eleitoral realizada a 7 de dezembro, Manuel Dias mostrou-se “muito agradado” com o voto de confiança deManuel Dias foi reeleito monstrado pelos 30 sócios que participaram no sufrágio à qual precisamos de mais. Infelizmen- centagem das verbas é proveniensó uma lista concorreu. “Quan- te, parece estar instituído que as te de fundos comunitários, mas a do pensamos em renovar a nossa pessoas só se lembram dos bom- restante terá de sair dos cofres da comissão por mais dois anos, tive beiros quando precisam deles, Associação. A este esforço cressempre a convicção que não apa- mas quantos mais sócios tiver- cente, junta-se o esforço para alrecia mais nenhuma lista, porque mos, mais podemos valer à comu- cançar poupança, como é exemsenti que a direção está a fazer nidade”, argumentou Manuel Dias. plo “a implementação de lâmpaMas, a “primeira necessidade” a das LED e aquisição de painéis um trabalho do agrado de toda a gente, dos bombeiros e das po- colmatar será “a aquisição de ca- solares” para reduzir na conta de pulações”, afirmou Manuel Dias, cifos para os bombeiros”, numa energia elétrica. Já na vertente cultural, é sabique também considera que “se despesa que pode chegar “aos aparecesse mais uma lista, seria 30 mil euros”. A isso poderá se- da a aposta desta direção no muguir-se a compra de equipamen- seu e biblioteca da Associação, bem-vinda”. Depois da eleição, os órgãos so- to para os efetivos, como “casa- que nos últimos meses tem conciais da Associação Humanitária cos de abafo” que, segundo Ma- tado com alguma dinâmica. Ainprosseguiram com a apresenta- nuel Dias, foi proposta apresen- da assim, defende Manuel Dias, é necessário “chamar a população” ção e aprovação do orçamento e tada pelo comando. Depois de, em 2016, conseguir a visitar estas valências. “Infelizplano de atividades para 2017. Um dos principais objetivos é, segun- uma “almofada financeira” para mente, as pessoas da Trofa dão do o presidente, aumentar o nú- acorrer “a algum imprevisto ou pouca importância a estas coisas, mero de associados, que permi- fatalidade”, a direção prepara-se mas tenho a certeza que se viestirá “uma redução de custos de agora para “gastar mais dinhei- sem cá, iam ficar surpreendidas serviços prestados à população”. ro que em anos anteriores”, para com a riqueza que temos dentro “Temos quase seis mil sócios, mas executar obras na sede. Uma per- de portas”, vaticinou.

Todos os anos, o Grupo de Jo- va na comunidade social e parovens de Santa Maria de Alvarelhos quial de Alvarelhos”. Atualmente, escolhe um tema para a celebra- são “24 elementos”, com idades ção do seu aniversário, além de entre “os 16 e os 28 anos”, sendo ter “gosto” de participar através que “a maior parte é natural e redos cânticos e das leituras. Este sidente em Alvarelhos” e “alguns ano, decidiram “homenagear os são de outras freguesias e concefundadores do Grupo, oferecendo lhos”, mas que, neste grupo, “algo um quadro com a primeira foto- os cativou e chamou”. “O nosso grafia existente ao padre José Ra- projeto principal é sempre catimos, para o colocar no salão pa- var o máximo de elementos posroquial de Alvarelhos como recor- sível para que este grupo continue dação daquela época”. Depois da sempre unido baseando-se semmissa de Ação de Graças, seguiu- pre no nosso lema”, completou. Os Jovens reúnem-se todos -se o habitual cantar de parabéns e bolo de aniversário, terminan- os sábados pelas 21 horas, para, do com um almoço-convívio, que “com “alegria, rezarem, aprendefoi “prolongado pela tarde toda”. rem uns com os outros, partilhaEm declarações ao NT, os res- rem experiências e brincarem, forponsáveis pelo Grupo recordaram talecendo com isto os laços de que foi a 14 de novembro de 1992 amizade entre eles”. “Nem em toque “um grupo de jovens que ha- dos os momentos nos sentimos via acabado o seu percurso dou- fortes para continuar, porque nem trinal, recebendo o crisma, resol- sempre nos sentimos aptos para veu juntar-se semanalmente para ajudar este grupo, mas com a forMarta Almeida sucede a Sofia compartilhar ideias e aprofunda- ça de vontade e fé de todos aque- Matos na liderança da Comissão rem ainda mais a sua Fé”. Vinte e les que por cá já passaram e os Política Concelhia da Juventude quatro anos depois, já passaram que estão neste momento, o ba- Social Democrata (JSD) da Tropor este Grupo “diversas persona- lanço só pode ser positivo, pois a fa, que foi a votos no dia 2 de delidades, pessoas com várias histó- base fundamental é essa”, men- zembro. Após as eleições, os mirias de vida e que deram parte de cionaram. litantes deslocaram-se ao busAlém das reuniões semanais, o to de Francisco Sá Carneiro, para, si para compor a Paróquia de Alvarelhos”. “Foram vários os mo- grupo tem “outras atividades pre- segundo a página oficial do Famentos passados e vividos neste vistas”, como a realização da via- cebook, “refletir sobre a vida e a pedaço de história a que chama- -sacra ao vivo, prevista para o dia obra” de quem “fundou o parti14 de abril de 2017 (sexta-feira san- do mais português de todos e que mos ‘família’”, afirmaram. O grupo nasceu com “quatro ta), uma peregrinação ao santu- partiu demasiado cedo”. elementos”, tendo, ao longo des- ário de Fátima, recitação do terNum texto assinado pela presites anos, “crescendo e cativando ço do mês de Maria e encenação dente da JSD Trofa, é declarado cada vez mais jovens da freguesia”, de quadros ao vivo no seu encer- que este ato marca “o início de tornando-se num “grupo sólido ramento. nova liderança e de novas caras e com uma acentuada parte atina estrutura”, que está de “alma

Marta Almeida é presidente da JSD e coração para trabalhar sempre zes, chegar à fala com a nova prepara o nosso concelho”. sidente da JSD, que esteve inconO NT tentou, por diversas ve- tactável. P.P. pub


6

www.ONOTICIASDATROFA.pt

O NOTÍCIAS DA TROFA 15 DEZEMBRO 2016

Atualidade

AEBA lança campanha “O Natal é aqui - Trofa”

Iluminação já começou a ser ligada

O espírito natalício promete chegar às principais ruas do centro da cidade da Trofa, para transmitir à comunidade um ambiente propício na hora de escolher os melhores presentes para quem gostamos. PATRÍCIA PEREIRA

A

promessa é da Associação Empresarial do Baixo Ave (AEBA), que está a ultimar a campanha “O Natal é aqui – Trofa”. O primeiro passo foi dado com a colocação da iluminação de Natal, estando já concluído nas freguesias do concelho. Mafalda Cunha, vice-presidente Executiva da AEBA, contou que “só será necessária intervenção na correção de anomalias”, encerrando “este processo com a colocação de iluminação no

Catulo”, previsto para “14 de dezembro”. “As iluminações deveriam ter ficado concluídas mais cedo e a data 19 de novembro seria adequada como era intenção. Os trabalhos foram desenvolvidos nesse sentido, mas a execução do serviço não aconteceu de acordo com o cronograma desejado e o resultado foi o atraso que se verificou”, referiu Mafalda Cunha. A animação de rua começa este fim de semana, com música ao vivo. “O momento mais alto”, contou, acontece na tarde de domingo, 18 de dezembro, com a chegada e passeio do Pai Natal pelas ruas, pelas 14 horas ao Parque. “Mais de uma centena de Pais Natais distribuirão surpresas e guloseimas a todos quantos andarem nas compras”, completou. Segue-se o concerto de Natal pelo Orfeão de Santhyago, a decorrer pelas 16 horas, na praça da alimentação do TrofaShopping, e um lanche de Bolo-rei, pelas 18 horas, no Parque Nossa Senhora das Dores e Dr. Lima Carneiro. O orçamento da campanha de Natal é de “32750 euros”, sendo que “as iluminações de rua absorvem uma parte muito significativa do valor disponível”, esclareceu Mafalda Cunha. E face à “realidade económica e financeira que vivemos”, a AEBA optou por “promover as iniciativas individuais das lojas associadas junto de toda a comunidade empresarial que a associação abarca em toda a região”. “No comércio na cidade da Trofa, a AEBA integrou e articulou as iniciativas com outras entidades do concelho que irão animar as principais ruas do comércio nos próximos fins de semana”, adiantou, referindo que, apesar de “a decoração e a iluminação das ruas no Natal serem muito importantes pelo espírito positivo que imprimem nas pessoas”, o “verdadeiro estímulo às lojas de rua passa pelas condições de conforto que as autarquias forem capazes de criar”, considerando como “fundamentais” para se fazer compras no centro da Trofa “o estacionamento”, a “requalificação do centro e o projeto da Alameda da Estação”.

Família dos Bombeiros reúne-se em ceia de Natal Assim como o Natal acontece todos os anos, também a família dos Bombeiros Voluntários da Trofa reúne-se num jantar anual nesta época, onde os laços se estreitam e a amizade se fortalece. A ceia de Natal é já uma tradição, condimentada com muito companheirismo e regada com boa disposição. “É a festa da família e um momento no qual nos reunimos para partilhar todo este espírito fraterno e mantermos unido todo este grupo que constitui a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Trofa”, evidenciou João Pedro Goulart, comandante da corporação. Como agentes de Proteção Civil, que protegem pessoas e bens, os bombeiros fazem

do trabalho de equipa a fórmula de sucesso para a prestação de socorro. Estas iniciativas são, por isso, também um contributo para reforçar as relações de confiança. “Precisamos de nos conhecer uns aos outros e de fomentar as relações de confiança entre os elementos que constituem a equipa. É sempre bom que nestes eventos possamos confraternizar sem qualquer ressentimento”, sublinhou João Pedro Goulart. Na ceia de Natal, onde as famílias dos soldados da paz também se juntam para um convívio salutar, participam todos os elementos do quadro ativo, do quadro de honra e do quadro de reserva, assim como os órgãos sociais e os amigos da Associação Humanitária. C.V.

Passos de Dança apresentou espetáculo de Natal

Espetáculo marca fim do 1.º período

Dizem que quem dança é mais feliz e no espetáculo de Natal da Escola Passos de Dança felicidade não faltou. O auditório do edifício sede da Junta de Freguesia de Bougado lotou para assistir à apresentação inspirada no ‘Quebra- Nozes”. Os alunos da Passos de Dança brindaram o público presente com belas coreografias, acompanhadas por músicas propícias à época, tornando-se também o momento oportuno para mostrarem aquilo que ao longo deste primeiro período foram aprendendo. “Deu para ver neste espetáculo aquilo que

temos vindo a trabalhar e a grande evolução que eles têm tido. A disciplina nova que introduzimos de teatro musical funcionou às mil maravilhas”, acrescentou a responsável, Márcia Ferreira. O saldo do primeiro período “foi bastante positivo” e o do espetáculo de Natal também, já que para a professora Márcia “correu bastante bem”. A Escola Passos de Dança conta neste momento com cerca de “80 alunos” de ballet, chegando aos “cerca de 120 se contar as modalidades de adultos, pilates e zumba”. L.O./C.V.


www.ONOTICIASDATROFA.pt

15 DEZEMBRO 2016 O NOTÍCIAS DA TROFA

7

Atualidade

Escolas de Bougado criam Presépios de Natal

Mariana Salgueirinho estreou-se no pop/rock Mariana Salgueirinho desco- biam que sou professora de múbriu o gosto pela música ainda sica e que atualmente me dedimuito jovem. Tinha apenas oito co a escrever músicas originais anos quando começou a entoar em português para a banda ‘Sleas primeiras notas, interpretan- eping Forest’ que integro como do essencialmente fado. Agora, compositora e pianista”, acresaos 15 anos apresentou-se ofi- centou. E foi acompanhada por alguns cialmente ao público como intérelementos dos Sleeping Forest prete pop/rock. No sábado, 10 de dezembro, o que Mariana Salgueirinho subiu Restaurante Lina foi o local es- ao palco para interpretar temas colhido para o primeiro concer- de autores nacionais e internato da jovem. Com lotação esgota- cionais, como por exemplo Pedro da e uma sala cheia de familiares Abrunhosa e Rui Veloso. A professora, que começou a e amigos apoio não faltou a esta trofense que vai traçando o seu trabalhar com Mariana “apenas na última semana de setembro caminho no mundo da música. Os pais de Mariana desde sem- em covers de músicas da sua pre têm apoiado o sonho da filha. preferência” considera a jovem Carla Neves é professora de mú- “multifacetada”. “Sei que gossica e conheceu Mariana em ju- ta imenso dos Sleeping Forest e lho deste ano. “A mãe conhecia- adora as minhas letras”, revelou -me e sabia que eu estava a for- Carla Neves, que considera que mar e a direccionar bandas de “com toda a certeza que a Mariagénero pop/rock e veio falar co- na terá um futuro muito promismigo para ver a possibilidade da sor como vocalista numa banda Mariana integrar um projeto mu- de pop/rock”. “Fez a sua primeisical sob a minha orientação”, ex- ra apresentação no sábado e proplicou a professora. Estava dado vou ser uma revelação com enoro primeiro passo da caminhada. me potencial vocal”, concluiu a “Quando vieram falar comigo sa- professora. L.O./C.V.

Projetos do Orçamento Participativo vão a votos É já este sábado que se fica a lhães e Quebra Sentidos – Associaconhecer os dois projetos vence- ção Cultural, “Polo I9”, de Alexandores do Orçamento Participati- dra Freitas e Juventude Sem Fronteiras do Muro, e “Agarra Trofa”, de vo Jovem 2016. A Assembleia Municipal Jovem Diana Ferreira e atletas Escolinha realiza-se pelas 14 horas de sába- de Rugby da Trofa, são os projedo, 17 de dezembro, no auditório tos candidatos ao âmbito Geral, Fórum Trofa XXI, onde serão apre- no valor de 17500 euros, enquanto sentados os cinco projetos a dis- “Uma Giesta Renovada”, do Jardim cussão e votação. Os jovens entre de Infância de Giesta, e “Leitur@s os dez e os 30 anos são chamados Alternativas”, da Escola Básica do a participar e a escolher os proje- Paranho e da Escola Secundária tos que consideram mais perti- da Trofa candidatam-se ao projenentes para o futuro do concelho. to de âmbito Escolar, no valor de “Smed Fest 2017”, de Luís Maga- 7500 euros. P.P.

Crianças foram ver os presépios

A

Junta de Freguesia de Bougado convidou todos os jardins de infância das escolas de S. Martinho e Santiago de Bougado a construirem Presépios de Natal, que agora estão em exposição no jardim em frente à Junta de Freguesia. Na visita aos seus presépios, os alunos das escolas tiveram ainda a oportunidade de andar de cavalo com o Pai Natal.

“A Junta quando decidiu fazer ta de Freguesia de Bougado foi esta atividade, decidiu que de- aceite com bastante alegria pevia fazer alguma coisa para ani- las escolas. mar o Natal das nossas crianças. Na visita aos presépios, no dia Então, neste sentido, decidiu dar 12 de dezembro, as cerca de 400 um presentinho com este passeio crianças das escolas tiveram ainde cavalinho e ver os presépios da a oportunidade de andar de que elas fizeram”, informou Mar- na charrete do Pai Natal. Esta foi garida Calado, responsável pelas uma oportunidade de ter um dia escolas de S. Martinho e Santiago diferente e de viver ainda mais a de Bougado. magia do Natal. O convite lançado pela JunA.M./C.V.

Mais de cem pessoas no almoço de Natal da Escola de Bairros serviu ainda para “angariar fundos para a viagem de finalistas” dos alunos do 4.º ano da escola. “A pedido dos pais dos finalistas” foi colocado um cabaz de Natal que foi sorteado e que permitiu amealhar alguns euros para o passeio de final de ano. O Pai Natal também passou pelo almoço e distribuiu “alguns miminhos pelas crianças presentes”, deixando a promessa de voltar a 16 de dezembro para distribuir Almoço reuniu comunidade educativa “lembranças por todos os alunos da “Com intuito de confraternizar enA atividade, que “tem vindo a escola”, finalizou o presidente da tre pais, professores, alunos e fa- crescer de ano para ano”, este ano Associação de Pais. L.O./C.V. miliares e festejar a época natalícia”, a Associação de Pais da Escola Básica e Jardim de Infância de Bairros promoveu um almoço de Natal, a 10 de dezembro, na Casa da Agra. Além do convívio, este é o momento oportuno para “os alunos apresentarem aos familiares o que fazem na atividade extracurricular de dança”, explicou o presidente da Associação de Pais, Pedro Pereira. “Entre adultos e crianças estiveram presentes 184 pessoas”, adiantou o presidente. Um número que “superou as expectativas”, mas, ainda assim, deixa “o desejo de chegar perto das 300 pessoas, que era sinal que estava a comunidade escolar toda”, asseverou Pedro Pereira.


8

www.ONOTICIASDATROFA.pt

O NOTÍCIAS DA TROFA 15 DEZEMBRO 2016

Atualidade

14 anos a informar os trofenses Mais um ano se passou, com mais de mil páginas de informação impressas e muitas mais horas de trabalho de uma equipa sempre atenta e dinâmica, a postos 24 horas por dia, 365 dias por ano.

O

Notícias da Trofa comemorou o 14.º aniversário na segunda-feira, 12 de dezembro, e numa festa intimista, alguns profissionais e colaboradores reuniram-se para celebrar o sucesso deste periódico. E, por acaso, ainda a festa se fazia e o Rancho Folclórico da Trofa entrava pela redação para dar

as boas festas. Durante todo o dia, o NT recebeu felicitações por mais um ano cumprido de “informação clara, isenta e sem tabus”. Os votos de sucesso vieram de todas as formas, em gestos que nos fazem crer que este projeto jornalístico está no bom caminho, rumo a dar a todos os trofenses a melhor informação. Equipa do NT festejou mais um aniversário do periódico

Rancho Folclórico foi cantar as boas festas à redação

Editado pela primeira vez em 12 de dezembro de 2002, o NT começou por ser uma pequeno jornal local, com apenas 12 páginas, mas com muita vontade de crescer. A edição 0 saiu para as bancas a título gratuito, graças à colaboração de algumas empresas que desde a primeira hora acreditaram neste projeto, implementado por uma jornalista recém-licenciada, Vera Araújo, e por uma estudante universitária, Magda Araújo. Com apenas dois

computadores, uma máquina fotografia e um gravador, as edições iam saindo quinzenalmente e iam sendo aperfeiçoadas. Poucos acreditavam que este jornal sobrevivesse mais que uma meia dúzia de meses mas, a verdade é que 14 anos depois o NT é o único jornal do concelho da Trofa e classificado pela Entidade Reguladora da Comunicação Social como jornal de âmbito regional, sai semanalmente e mantém ainda uma edição onli-

ne, atualizada diariamente. Este projeto foi ainda responsável pelo nascimento da TrofaTv, o único canal de televisão no concelho. Profissionalismo, espírito de sacrifício, entreajuda e muita boa disposição nunca faltam no dia a dia desta equipa jovem, mas dinâmica, que se recusa baixar os braços ou desistir de levar todas as semanas a casa dos trofenses os acontecimentos mais relevantes no concelho.


PUB

www.jornaldoave.pt

15 DEZEMBRO 2016 JORNAL DO AVE

1

Semanário 15 de dezembro de 2016 Nº 62 Ano 3 | Diretora Magda Machado de Araújo | 0,70 €

//PÁG. 9

Natal regressa à Praça 25 de Abril

//PÁG. 5

Um milhão para reformular “Nó do Barreiro”

//PÁG. 10

3600 cabazes para famílias carenciadas //PÁG. 11

“Porto de Encontro” para unir famalicenses //PÁG. 2

Jovem tirsense no The Voice alemão

//PÁG. 5

Ferido grave na EN 105

//PÁG. 4

//PÁG. 3

Apresentado projeto do Parque Urbano de Geão Pai Natal visita Famalicão

//PÁG. 8

pub PUB


2

JORNAL DO AVE 15 DEZEMBRO 2016

www.jornaldoave.pt

Atualidade

// Santo Tirso

Tirsense no The Voice alemão Flávio Martins tem 25 anos, é natural de Roriz, concelho de Santo Tirso, e deu que falar num programa de talentos musicais alemão. Liliana Oliveira/ Cátia Veloso

O

gosto pela música levou-o ao palco do The Voice of Germany e na prova cega a mentora Yvonne Catterfeld abriu as portas ao jovem português. Flávio passou a fase das batalhas, mas no tira-teimas acabou por não conseguir seguir em frente. Ainda assim, a experiência do emigrante português parece ter sido positiva. Flávio Martins é natural de Roriz Ao Jornal do Ave, Flávio Martins disse que a ligação à música co- tins considera que a participação grama português com a pretensão meçou desde muito cedo. Aos oito no programa lhe deu “mais força de ser a próxima voz de Portugal. anos começou a tocar piano e aos para acreditar no seu talento e ser Justin Timberlake é a sua inspi11 começou a cantar. O jovem de mais confiante”. “Conheci pessoas ração musical e o R&B parece ser Roriz emigrou com apenas quatro que marcaram a minha vida e me a sua ‘praia’. Se por enquanto esmeses de idade e vive atualmente deram muitas dicas e cresci como tuda Economia, no futuro espe“em Bamberg, perto de Nürnberg, músico”, acrescentou. ra fazer da música profissão, ainno sul da Alemanha”. Já a sua mentora, a cantora ale- da assim pretende “aproveitar ao Apesar de estar ligado à músi- mã Yvonne Catterfeld, tem-no aju- máximo todas as oportunidades”. ca desde cedo, foi a primeira vez dado “no aspeto de nervosismo, Flávio Martins até já tem planos: que participou num programa de entoação e confiança”. “É uma “a minha próxima meta era partitalentos, porque achou que “era pessoa muito querida”, afirmou cipar por Portugal na Eurovisão”, a hora certa”. “As pessoas, princi- Flávio. O tirsense pôs a hipótese de desvendou. palmente os meus amigos e fami- cantar em português no programa A participação de Flávio Martins liares, costumavam dizer-me que alemão e até sugeriu, mas “as mú- no The Voice of Germany terminou devia participar, mas primeiro quis sicas portuguesas não são conhe- recentemente. O jovem ficou pelo terminar o meu curso” de Econo- cidas” na Alemanha, “são mais as caminho na fase dos “Tira-teimas”, mia, confidenciou ao JA o cantor, espanholas. “Se cantasse em ou- mas foi recebendo muito apoio, que vê nesta participação no The tra língua só o faria em português”, principalmente dos “portugueses Voice da Alemanha “a maior ex- justificou o jovem, que pondera que estão na Alemanha”, o que o periência da sua vida”. Flávio Mar- “participar no próximo ano” no pro- deixa “muito contente”.

Lançamento do livro “A Princesa Mariana” “Era uma vez, uma menina mui- trador a Diana Alexandrino, será to bela, doce, sensível e humilde. apresentado pelas 15.30 horas O seu nome era Mariana”. Este é o de domingo, 18 de dezembro, na início da história “A Princesa Ma- Casa de Chá, do Parque D. Maria II, riana”, um conto de fadas que fala em Santo Tirso. O lançamento do livro infantode príncipes e princesas, com “a peculiar característica de come- -juvenil contará com uma breve ençar pelo final feliz”. O livro, da au- cenação a cargo de Andreia Figueitoria de Simão Machado e da ilus- redo. A apresentação do autor está

a cargo de José Pedro Moreda Miranda, enquanto a obra será apresentada pelo próprio autor. Segundo nota de imprensa, a história tem “uma lição para descobrir” sobre “solidariedade e respeito pelo próximo”, que será para “todas as idades e para todos os príncipes e não príncipes do mundo”. P.P.

Instituições de solidariedade apresentam tapetes artesanais Os tapetes artesanais vão estar de Turismo, entre os dias 16 e 30 em destaque no programa “Amos- de dezembro. A Casa de Acolhimento Sol Nastra”, que apresenta os trabalhos artesanais realizados pelos uten- cente (Monte Córdova), o Centro tes de algumas instituições de so- Social de São Rosendo (Santo Tirlidariedade social de Santo Tirso. so), o Centro Social de Burgães, a A mostra de tapetes confeciona- Irmandade da Santa Casa da Midos manualmente vai estar aber- sericórdia de Santo Tirso, a Assota ao público, na Loja Interativa ciação de Solidariedade Huma-

nitária de Monte Córdova, a Associação de Solidariedade Social de São Martinho (S. Martinho do Campo) e a Cooperativa de Apoio à Integração do Deficiente-CAID são as instituições que participam neste programa e que terão “cinco tapetes em exposição e 13 para venda”. P.P.

Agora todas as semanas nas bancas A oito de dezembro uma nova dicidade quinzenal e, mais recenpágina foi escrita na história de temente, assumimos o novo desavida do Jornal do Ave. A data mar- fio de o fazer sair para as bancas cou a passagem do jornal a sema- todas as semanas. nário, uma aposta que resulta do Além disso, mantemos a edição sucesso deste projeto jornalístico online (www.jornaldoave.pt) atuae que foi ao encontro das solicita- lizada, incluindo com a publicação ções dos leitores. de reportagens em vídeo. Assim, a partir daquela data, toEm simultâneo com a nova pedas as semanas, à quinta-feira, po- riodicidade do jornal, lançamos derá encontrar o Jornal do Ave nas uma campanha, em parceria com bancas, beneficiando de uma edi- o semanário O Notícias da Trofa, ção informativa que beneficiará de de incentivo à leitura. maior atualidade. Assim e até ao final de fevereiro O Jornal do Ave nasceu a 4 de ju- de 2017, quem fizer a assinatura nho de 2014 e cedo se tornou numa anual do jornal O Notícias da Troreferência regional, principalmen- fa, que tem um custo de apenas te nos concelhos de Santo Tirso, 22,50 euros, recebe de forma gratuita o Jornal do Ave, durante seis Vila Nova de Famalicão e Trofa. O Jornal do Ave começou por ter meses. Se já é assinante d’O Notíperiodicidade bimensal e, rapida- cias da Trofa e pretende passar a mente, a projeção do projeto jun- receber também o Jornal do Ave to do público obrigou a aumentar tem um desconto de 50 por cena frequência da saída para as ban- to no valor da assinatura anual do cas. Correspondemos com a perio- Jornal do Ave no ano 2017.

A DECO aconselha...

A DECO recebe muitas recla- tos, por serem realizados fora do mações de consumidores que, a estabelecimento comercial, popropósito da realização de ras- dem ser cancelados no prazo de treios de saúde gratuitos, são 14 dias, devendo essa intenção alvo de práticas comerciais des- ser manifestada junto da entileais e enganosas. O público-al- dade, através de carta registada vo destas campanhas são, ge- com aviso de receção, devendoralmente, pessoas com mais de -se guardar cópia da carta e dos 50 anos. registos de envio. Caso a situação não seja reA abordagem é feita pelo te- solvida, com o cancelamento do lefone, sendo os consumidores contrato e a devolução dos monconvidados a deslocarem-se a tantes que tenham sido pagos, determinado local para efetu- pode recorrer ao apoio da DECO. arem exames clínicos gratuitos. Pela gritante importância desHabitualmente, são locais que te tema e pelo número de reclanão levantam suspeita, como co- mações recebidas, a DECO está letividades. a desenvolver um conjunto de Na verdade, um rastreio de sessões abertas à comunidade saúde que seria gratuito revela- em todo o país através da Cam-se uma armadilha do consumo. panha SÉNIOR+ATIVO através do Os consumidores são influencia- projeto DECOForma. dos a adquirir determinados produtos e/ou tratamentos de valor Para mais informações consulbastante elevado, acabando por te a página www.decoforma.pt ou, assinar um contrato de forma para pedidos de apoio, dirija-se à precipitada. DECO, na Rua da Torrinha, 228H, É importante que os consumi- 5º, 4050-610 Porto ou através do dores saibam que estes contra- endereço deco.norte@deco.pt


www.jornaldoave.pt

15 DEZEMBRO 2016 JORNAL DO AVE

3

Atualidade // Santo Tirso

Novo equipamento prevê ligação à Escola, Ginásio e Sanguinhedo

Apresentado projeto do Parque Urbano de Geão Veja a reportagem vídeo em www.jornaldoave.pt

Um projeto orçado em dois milhões de euros, que propõe uma intervenção em 70 mil metros quadrados, criando um parque urbano que esteja ligado à Escola Básica e Secundária D. Dinis e ao Ginásio Clube Santo Tirso e enquandrado com a Biblioteca Municipal e o rio Sanguinhedo. CÁTIA VELOSO

E

stas são as traves mestras do Parque Urbano de Geão, um projeto apresentado pelo executivo camarário tirsense, na manhã de segunda-feira, 12 de dezembro, na Escola D. Dinis. Joaquim Couto quer colocar a obra no terreno “o mais rápido possível”, prevendo que a duração desta seja “superior a um ano”. O autarca sublinhou que esta nova “estrutura verde”, que se soma às já existentes na cidade, “permitirá uma melhoria significativa da qualidade de vida da população desta área” e “surge no enquadramento do Plano de Por-

menor da Quinta de Geão, onde já existem alguns equipamentos como os Bombeiros, a Misericórdia, a Biblioteca e a GNR”. “O projeto foi desenvolvido e reformulado pela Câmara Municipal e vai para concurso público de imediato”, sublinhou. Além da extensa área verde, o parque contempla vários equipamentos de jogo e recreio, como um parque infantil, uma zona para a prática de streetworkout e um skatepark, que era, segundo Joaquim Couto, um “compromisso” eleitoral deste executivo municipal. O projeto vai ainda incluir um

Projeto está orçado em dois milhões de euros

percurso pedonal e ciclável de cerca de um quilómetro e meio e a estabilização do rio Sanguinhedo, permitindo a integração da sede da Associação Amigos do Sanguinhedo.

Projeto foi apresentado na Escola D. Dinis

Ligação à Escola Uma das potencialidades mais vincadas neste projeto é a ligação do Parque à Escola Básica e Secundária D. Dinis que, para Joaquim Couto, “fazia todo o sentido”. “Desta forma, toda a comunidade

escolar pode aceder ao parque e a partir dele desenvolver diversas atividades e até aceder à Biblioteca Municipal”, acrescentou. Requalificação da zona frontal da Escola A Câmara Municipal anunciou ainda a requalificação da área frontal à Escola, com a criação de uma praça, num investimento na ordem dos cem mil euros. “Na requalificação geral da escola, a zona frontal não foi contem-

plada e ainda não sei porquê. Por isso, a Câmara Municipal vai executar essa obra, que é indispensável para a melhoria não só da vista geral da escola, mas também por uma questão funcional para os alunos que chegam e saem da escola, incluindo a articulação com os transportes públicos”, explicou Joaquim Couto. A data de conclusão desta intervenção está, segundo Joaquim Couto, prevista para o fim do primeiro semestre de 2017.


4

JORNAL DO AVE 15 DEZEMBRO 2016

www.jornaldoave.pt

Atualidade

// Santo Tirso

Curvas da EN 105 voltam a ser palco de aparatoso acidente A

Aumento de passageiros com o Alfa

Estrada Nacional 105, em São Tiago da Carreira, no concelho de Santo Tirso, voltou a ser palco de um aparatoso acidente. Depois de a 6 de novembro dois jovens terem perdido a vida neste troço, “exatamente no mesmo local”, um homem de 29 anos sofreu ferimentos graves após Os dados são da CP – Comuma colisão entre a viatura ligeiboios de Portugal e merecera, onde seguia, e um pesado de ram eco da Câmara Municipal: mercadorias. desde o início da paragem do O alerta foi dado “cerca das 7 Alfa Pendular em Santo TirVítima sofreu ferimentos graves horas” de 10 de dezembro aos so que o número de viajantes Bombeiros Voluntários de Santo lizado, cheio de sangue e incons- tada para o Hospital de S. João, que partem ou chegam à ciTirso.” O ferido estava encarcera- ciente”, descreveu a testemunha, no Porto. dade “aumentou 45 por cendo e, além de ser a prioridade no adiantando também que pouco A prestar socorro estiveram to, comparativamente o messocorro, era uma situação compli- tempo depois de si chegou um ca- “quatro viaturas dos Bombeiros mo período do ano anterior”. cada”, afirmou o comandante dos mião conduzido por um “bombei- Voluntários de Santo Tirso, com CÁTIA VELOSO Bombeiros Voluntários de Santo ro voluntário que prestou os pri- doze elementos, três viaturas dos Tirso, Joaquim Souto. meiros socorros à vítima”. Segun- Bombeiros Voluntários Tirsenses, Estes dados referem-se ao períDaniel Quintão terá sido a pri- do o comandante dos Bombeiros, com nove elementos, o Suporte odo entre 1 de maio e 31 de outumeira pessoa a chegar ao local e “foi um trabalho relativamente de- Imediato de Vida (SIV) de Santo bro e referem-se a passageiros do deparou-se com “a viatura imobi- morado, porque (o homem) esta- Tirso e a Viatura Médica de Emer- Alfa Pendular e Intercidades na lilizada no centro da estrada”. “Ten- va mesmo bastante preso e o car- gência e Reanimação de Famali- gação Lisboa/Guimarães e Guimatei abrir a porta do condutor e de- ro ficou muito danificado”. cão e a GNR” a registar a ocorrên- rães/Lisboa. “Somos um municíparei-me com o condutor imobiA vítima de 29 anos foi transpor- cia. L.O./C.V. pio estrategicamente bem localizado, que para além das autoestradas que o servem, da proximidade ao aeroporto do Porto e ao porto de Leixões, tem agora ligação ferroviária direta à capital do país”, destacou Joaquim Couto, presidente da autarquia de Santo Tirso, que considera que a para“Dois homens vestidos com um se que “já o ano passado se verifi- das as missas durante o fim de se- gem do Alfa na cidade “beneficia mana”, esclareceu Carlos Valente. muito o tecido empresarial sediacasaco de ‘Bombeiros’ andam caram situações destas”. O presidente da AHBVVA aler- do no concelho”, assim como “tem a fazer um peditório, a cobrar O alerta foi dado aos Bombeiquotas e a vender rifas pelas fre- ros de Vila das Aves quando os su- tou ainda que “neste momento impacto na economia local, noguesias da nossa área de inter- postos cobradores dos Bombeiros não há nada porta a porta, nem meadamente ao nível do turismo”. venção (Vilarinho, Vila Nova do “foram a casa de alguém que tem campanhas, nem quotas” e, re“É um número muito positivo e Campo (S.Mamede de Negrelos/ familiares” na AHBVVA, adiantou lembrou que “não há qualquer que vem confirmar as expectatiS.Salvador do Campo/S.Marti- o presidente. À parte do comuni- cobrador na rua para as quotas”. vas que tínhamos quando lutánho do Campo), Roriz, S.Tomé de cado na página oficial, que contou “Foi enviada uma carta com os cóNegrelos, Lordelo, Rebordões e “com mais de 52 mil visualizações digos” e o pagamento deve ser feiVila das Aves)”, lia-se num comu- e 800 partilhas em menos de 24 to através de Multibanco, Payshop nicado emitido, a 11 de dezem- horas”, a direção da Associação ou ao balcão” da Associação. Asbro, pela Associação Humanitá- Humanitária dos Bombeiros Vo- sim sendo, “toda a gente que aparia dos Bombeiros Voluntários de luntários de Vila das Aves “já aler- recer em nome dos Bombeiros das Vila das Aves (AHBVVA). Contacta- tou a GNR” e “todos os párocos de Aves está a vigarizar a Associação Poderá estar para breve a chedo pelo Jornal do Ave, o presiden- freguesia da área de intervenção, e as pessoas”, finalizou. te da AHBVVA, Carlos Valente, dis- com uma carta que foi lida em toL.O./C.V. gada do “Andante” a Santo Tirso. A extensão do zonamento do título de transporte deverá entrar // Vila Nova de Famalicão em vigor em 2017, após a aprovação pelo Conselho Metropolitano do Porto. Assim como Santo Tirso, Paredes e outros concelhos a sul do Douro deverão ser abrangiUma mulher, com cerca de 80 de Joane, por volta das 15.10 ho- ca de Emergência e Reanimação dos pelo novo mapa do “Andante”, anos, faleceu vítima de um atro- ras de sexta-feira, 9 de dezembro. (VMER) da unidade de Famalicão o que irá permitir estender este pelamento em Joane, concelho A prestar socorro estiveram do Centro Hospitalar do Médio título a toda a Área Metropolitade Vila Nova de Famalicão. O aci- os Bombeiros Voluntários de Fa- Ave. A Guarda Nacional Republica- na do Porto. dente ocorreu na Rua dos Labo- malicão e dos Famalicenses, as- na também esteve no local. Antes disso, a extensão do zorins, próximo do recinto da feira sim como de uma Viatura MédiP.P. namento “Andante” implica “uma

Fazem-se passar pelos Bombeiros das Aves para cobrança de quotas

mos pela passagem do Alfa Pendular no concelho. Assumimos a melhoria da qualidade de transportes na região e sub-região do Vale do Ave como um compromisso eleitoral e os resultados com este serviço, em apenas seis meses, comprovam a melhoria na mobilidade da população e tudo o que daí advém”, destacou Joaquim Couto. Mas o autarca não quer ficar por aqui e aponta para uma “melhoria do interface entre as estações de comboios e os transportes rodoviários que servem os municípios de Santo Tirso, Guimarães e Famalicão”. O Alfa Pendular sai da estação de Santa Apolónia, todos os dias, às 8 horas, para em Santo Tirso pelas 11.30 horas, e chega a Guimarães às 11.53 horas. No sentido inverso, parte de Guimarães às 16.55 horas, para em Santo Tirso às 17.19 horas e chega a Lisboa, Santa Apolónia, às 20.40 horas. Uma viagem entre Lisboa e Santo Tirso custa 45,50 euros em classe conforto e 31,80 euros em classe turística. Se forem adquiridos uma semana antes, podem ficar por 27,50 euros (conforto) e 19,50 (turística).

“Andante” em Santo Tirso a partir de 2017

Idosa morre atropelada

discussão com a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT) e com o Ministério das Finanças”, responsáveis pela validação da proposta, considerando o apoio social que o Governo dá aos transportes públicos, salientou Avelino Oliveira, da comissão executiva do Conselho Metropolitano do Porto. “Assim, quando alguém de um desses concelhos usar o 'Andante' poderá beneficiar parcialmente de descontos”, acrescentou. C.V.


www.jornaldoave.pt

15 DEZEMBRO 2016 JORNAL DO AVE

5

Atualidade

“Nó do Barreiro” vai ser intervencionado

// Santo Tirso

“O homem sonha e a obra nasce”. O verso de Fernando Pessoa assenta na perfeição na apresentação da empreitada de reformulação do entroncamento conhecido como “Nó do Barreiro”, em S. Tomé de Negrelos, concelho de Santo Tirso, que pretende eliminar os constrangimentos rodoviários e pedonais. PATRÍCIA PEREIRA

A

empreitada da reformulação do “Nó do Barreiro” implica um investimento de “um milhão de euros” e Joaquim Couto, presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso, espera que esteja concluída “em setembro de 2017”. Segundo a apresentação do projeto, que decorreu na noite de sexta-feira, 9 de dezembro, na Junta de Freguesia de S. Tomé de Negrelos, na Estrada Nacional 105 será criada uma rotunda e uma zona de circulação pedonal, serão intervencionados os arruamentos e a rede de drenagem de águas pluviais e iluminação pública e retificado o traçado. Já na Estrada Municipal 209-2, a circulação automóvel será alargada para seis metros de largura e serão construídos passeios em ambas as bermas e o futuro acesso ao centro escolar pela Rua D. Maria II. Na Rua do Espírito Santo será criado um percurso pedonal e construída uma rampa e escadaria, enquanto no cruzamen-

to junto à Casa do Povo haverá um melhoramento do estacionamento e da circulação pedonal, bem como uma intervenção para facilitar a manobra de veículos, principalmente de pesados. O presidente da Junta de Freguesia de S. Tomé de Negrelos, Roberto Figueiredo, salientou que esta obra é “o culminar de um sonho de décadas”, que surgiu num “momento possível”, uma vez que “o projeto nunca foi executado, porque infelizmente nunca houve diálogo por parte da Junta com os proprietários”. Depois de falar com os proprietários dos terrenos, tendo sido “bem aceite por todos”, o presidente da Junta apresentou “as legítimas ambições dos negrelenses ao presidente da Câmara, o qual aceitou”. “Se tudo correr como previsto, as obras vão começar em março, para que de uma vez por todas possamos ter os acessos condignos e que toda a população negrelense merece, deseja e anseia diariamente”, completou, adian-

Veja a reportagem vídeo em www.jornaldoave.pt

Empreitada cumpre reivindicação de décadas

tando que “milhares de pessoas” utilizam esta via “diariamente”. Já Joaquim Couto, presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso, considera que esta é “uma obra estruturante”, que levou “a algum encolhimento do desenvolvimento desta freguesia e das freguesias envolventes”, uma vez que “as vias de comunicação são as mesmas de há 30, 40 ou 50 anos”. “Não houve

melhoramentos significativos ao longo do tempo que permitissem uma segurança dos peões, circulação rodoviária e de outros meios alternativos de transporte. Esta obra irá alterar significativamente o desenvolvimento desta freguesia e das vizinhas, como Vila das Aves, Vila Nova do Campo, Roriz e Rebordões”, considerou. O autarca esclareceu que o pro-

jeto desta obra “é muito complexo, pela geologia do terreno e pela situação atual entupida com a construção, que envolve vários proprietários”. Contudo, acredita que este projeto vai “resolver o problema da situação rodoviária e pedonal e que irá dar um contributo muito importante ao desenvolvimento e à urbanização da vila de S. Tomé de Negrelos”. pub


6

JORNAL DO AVE 15 DEZEMBRO 2016

www.jornaldoave.pt

Atualidade

// Santo Tirso

Santo Tirso tem mais candidaturas Distrital do PS valida candidatura aprovadas pelo Norte2020 Santo Tirso é o concelho da Área Metropolitana do Porto com mais candidaturas aprovadas no âmbito do NORTE2020 e aquele com “maior volume de financiamento aprovado”. PATRÍCIA PEREIRA

de Joaquim Couto

Foi por “unanimidade e aclamação” que a Comissão Po“um dos dois concelhos da Área lítica Distrital do Partido SoMetropolitana do Porto que está cialista do Porto confirmou o em condições de beneficiar dos nome de Joaquim Couto, líder incentivos financeiros atribuídos da Comissão Política Conceaos municípios que cumpram os lhia do PS/Santo Tirso e presirequisitos do Acelerador de In- dente da Câmara Municipal de vestimento Municipal, lançado Santo Tirso, como cabeça de pelo Governo com vista a acele- lista à Câmara Municipal nas rar a execução dos fundos comu- eleições autárquicas de 2017.

O

da a construção da ciclovia central anúncio foi feito no perío- entre a rotunda de Timor Lorosae do antes da ordem do dia, na reu- e o Juncal. Já no âmbito do Pacnião do executivo da Câmara Mu- to para o Desenvolvimento e Coenicipal de Santo Tirso, a 12 de de- são Territorial (PDCT), Santo Tirso zembro, onde foi dito que, até no- tem, até ao momento, três candivembro de 2016, o Município viu a daturas aprovadas: a requalificaentidade gestora dos fundos co- ção das escolas básicas Conde S. munitários dar “luz verde” a “dez Bento e de S. Martinho do Campo propostas apresentadas pela Câ- e o projeto de modernização ad- nitários”. PATRÍCIA PEREIRA Para o presidente da Câmara, mara”, reunindo “as condições ne- ministrativa da Câmara Municipal. cessárias para beneficiar de incen- Em face das candidaturas já apre- Joaquim Couto, estes dados resulA proposta foi apresentada a 5 tivos financeiros com vista a acele- sentadas e aprovadas, o Municí- tam de um trabalho de preocupa- de dezembro, na reunião ordinárar a execução dos projetos”. pio de Santo Tirso será “majorado ção constante por parte do execu- ria da Comissão Política Distrital Entre as propostas aprovadas, em cerca de um milhão de euros”. tivo, que acompanha “de perto o e mereceu o voto favorável de tono âmbito do Plano Estratégico de Até novembro de 2016, Santo desenvolvimento do quadro co- dos os membros daquele órgão Desenvolvimento Urbano (PEDU) Tirso foi também o Município da munitário”, tendo “conseguido ter federativo, depois de, a 25 de ouda Área Metropolitana do Porto, Área Metropolitana do Porto com o ‘trabalho de casa’ feito a tempo tubro, a Comissão Política Conceestão a primeira fase da requali- “maior volume de financiamento e horas”. “Um dos nossos objeti- lhia ter escolhido Joaquim Couto ficação da Avenida Manuel Dias aprovado, na ordem dos oito mi- vos é melhorar a qualidade de vida como candidato à Câmara MuniMachado (Vila Nova do Campo), a lhões de euros”. Em fase de pre- da população do concelho de San- cipal por 96 por cento dos votos. requalificação da Praça Vasco da paração/aprovação, estão ainda to Tirso e promover a coesão terO presidente do PS/Santo TirGama, a ampliação do Parque Ur- outras cinco candidaturas, três ritorial. Para isso, é fundamental so, Joaquim Couto, congratulabano de Geão, a criação do Cen- no âmbito do PDCT e duas no âm- estar em condições de apresentar -se “com a votação expressa pela tro de Artes Alberto Carneiro, a re- bito do PEDU, no valor de 2,7 mi- as candidaturas e, tão cedo quan- Comissão Política Distrital”, que to possível, ter os investimentos aprovou por unanimidade a requalificação do Conjunto Habita- lhões de euros. cional de Argemil, o alargamento Santo Tirso pode ainda orgu- no terreno”, mencionou. candidatura ao cargo de presidenda ponte sobre o rio Vizela e ain- lhar-se de, até ao momento, ser te da Câmara Municipal de Santo Tirso, o que demonstra que o partido “está unido e coeso em termos concelhios e federativos”. “O PS tem de se mobilizar para as eleições autárquicas de 2017, que, ao contrário do que se possa penA Unidade de Santo Tirso do sar, vão obrigar a um grande emCentro Hospitalar do Médio Ave penho e esforço de todos os mifez um investimento de “cerca de litantes e simpatizantes. Não se 70 mil euros” na reabilitação da pense que será uma tarefa fácil. infraestrutura técnica, dispondo Bem pelo contrário. A direita, afasagora de uma nova central de gás tada do poder a nível nacional, vai medicinal. apostar tudo nas Autárquicas”, suEste equipamento permite à blinhou o líder socialista. unidade hospitalar uma autonoPara além dos nomes de Joamia na produção de gás medicinal e vai permitir que se poupe cerca de 30 por cento de energia em re- Administração do CHMA investiu “cerca de 70 mil euros” em Santo Tirso lação ao equipamento anterior. pitalar de Santo Tirso investiu, re- central de vácuo e de um conjunAinda para a reabilitação da infra- centemente, na aquisição de dois to de outros equipamentos para estrutura técnica, a unidade hos- ventiladores de anestesia, de uma cirurgia. A.M./C.V.

CHMA reabilitou infraestrutura técnica

// Vila Nova de Famalicão

Eleitos corpos sociais da Associação de Diabéticos A Associação de Diabéticos de Vila Nova de Famalicão foi a votos a 3 de dezembro para a eleição dos novos corpos sociais da Associação, para o biénio 2016/2017. Assim sendo, foi eleito presiden-

te da Assembleia Geral, Francisco Freitas, e primeira secretária, Maria de Lurdes da Silva. O novo presidente da direção é César Ferreira, a secretária é Maria da Conceição Lopes, e a tesoureira Car-

la Carvalho. António Ribeiro foi eleito presidente do concelho fiscal, Maria de Lurdes Cardoso, primeira vogal, e Maria Adelaide Silva, segunda vogal. L.O./C.V.

quim Couto e Rui Ribeiro como recandidatos a presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso e da Assembleia Municipal, respetivamente, a Comissão Política Concelhia do PS/Santo Tirso indigitou José Silva (Monte Córdova), Elsa Mota (Rebordões), Márcio Pinho (Reguenga), Moisés Andrade (Roriz), Roberto Figueiredo (S. Tomé de Negrelos), Luciano Cruz (União de Freguesias de Carreira e Refojos), Jorge Gomes (União de Freguesias de Santo Tirso, Couto Santa Cristina e S. Miguel e Burgães), Eurico Tavares (União de Freguesias de Areias, Sequeirô, Lama e Palmeira), Lurdes Santos (União de Freguesias de Lamelas e Guimarei), Marco Cunha (Vila Nova do Campo), Jorge Faria (Vilarinho) e Joaquim Faria (Vila das Aves) como candidatos às assembleias de freguesia. Na freguesia de Água Longa, o PS/Santo Tirso vai apoiar o movimento independente “Água Longa é de Todos”, liderado pelo atual presidente de Junta, José Pacheco, ao passo que, na freguesia de Agrela, apoiará o independente Carlos Vieira.

Armazéns da Cooperativa dos Agricultores encerrados para inventário

Devido ao inventário anual de mercadorias, a Cooperativa dos Agricultores dos concelhos de Santo Tirso e Trofa informa que os armazéns centrais da Giesteira , em Santa Cristina do Couto, estarão encerrados a 28 de dezembro e o armazém da sede, em Santo Tirso, a 29. Recorde-se que a Cooperativa fornece uma grande variedade de produtos: batata de semente, árvores florestais, ornamentais, frutíferas, plantas hortícolas e flores, ração para bovinos, suínos, aves, coelhos, cavalos, cães e gatos, ferramentas, máquinas agrícolas e florestais, diversos artigos para construção civil, baterias auto e filtros de óleo e gasóleo, lubrificantes, gasóleo, gasolina e gás.


www.jornaldoave.pt

15 DEZEMBRO 2016 JORNAL DO AVE

7

Atualidade

Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

O Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses é publicado pela Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas, que analisa as contas de 308 municípios, 185 empresas municipais e 25 serviços municipalizados através da consulta dos sites das entidades e da consulta da plataforma do Tribunal de Contas. Neste Anuário é analisada a execução orçamental dos municípios, estabelecendo rankings dos que apresentam melhores e piores resultados em 2015. CÁTIA VELOSO

Santo Tirso

Em nota enviada à comunicação social, a autarquia de Santo Tirso regozija-se por ser “o concelho da Área Metropolitana do Porto em que a despesa com pessoal menos pesa no orçamento camarário”. A afirmação surge sustentada numa tabela constante do Anuário, que coloca o município no 20.º lugar a nível nacional dos que têm a despesa mais baixa com pessoal. Se contarmos apenas os concelhos da Área Metropolitana, Santo Tirso surge no 1.º lugar. Em 2014, as despesas com o pessoal tinham um peso de 23,6 por cento no orçamento municipal de Santo Tirso, percentagem que desceu para os 20,3 por cento em 2015. “Um valor contrastante com os 30 por cento da média nacional”, destacou ainda a autarquia. Outro dado sublinhado pela Câmara Municipal é a diminuição da dívida. Santo Tirso aparece na 47.ª posição do ranking dos municípios com maior passivo exigível, num valor de 30,5 milhões de euros, menos 1,3 milhões do registado em 2014. Este valor confirma ainda a tendência descendente do pas-

Vn Famalicão Em 2015, Vila Nova de Famalicão foi o 29.º município do país que mais cobrou de IMT, num valor de cerca de 3,4 milhões de euros, que representa um aumento de 18,1 por cento relativamente a 2014. Já na tabela de maior volume de despesas assumidas com transferências correntes e capital e subsídios, Vila Nova de Famalicão surge no 22.º lugar a nível nacional, com Famalicão é 13.º classificado, com 7,5 milhões de euros assumidos, 27,8 milhões de euros, um acréscimo de 5,9 relativamente a 2014. sivo exigível tirsense, pelo quarto tendo sido pagos 95,1 por cento. Na tabela que ordena os muniano consecutivo. Em 2009, o pasJá no ranking de volume de insivo era de 36,4 milhões. vestimento assumido, o municí- cípios com maior passivo exigível, A autarquia destaca ainda a me- pio famalicense surge em 27.º lu- Famalicão surge no 38.º lugar, com lhoria registada no tempo de pa- gar, com 10,6 milhões de euros. 36,8 milhões, mais 3,4 milhões que gamento de compromissos “que Um valor menor que em 2014, que em 2014. Por conseguinte, é o 20.º passou de 111 dias, em 2014, para registou 13,7 milhões. município que mais piorou no índi78, em 2015”. “Em Santo Tirso, os Na aquisição de bens e serviços, ce de dívida total, de 0,54 para 0,57. compromissos para com os seus fornecedores são honrados em menos de 30 dias”, garante o exerofa cutivo camarário. No ranking de municípios com A Trofa, que várias vezes surgiu maior volume de investimento nos piores rankings deste Anuáassumido, Santo Tirso surge na rio, registou algumas melhorias, 30.ª posição a nível nacional (9.º graças ao apoio concedido pelo na Área Metropolitana do Porto), Programa de Apoio às Autarquias com dez milhões de euros investi- Locais. Em 2015, o município é destados em bens de capital. Um valor que desceu relativamente a 2014, cado pela diminuição do volume que registou 12,7 milhões de euros. de juros, tendo diminuído 63,4 por Já em aquisição de bens e servi- cento de 2014 (28,8 milhões) para ros relativamente a 2014. ços, Santo Tirso é 20.º no ranking 2015 (10,6 milhões). Ainda assim, em 2015, era o 24.º nacional, com 18,4 milhões de euE se, por um lado, ainda conti- com maior índice de dívida total, ros, uma subida de 51,8 por cento nua a figurar no ranking dos muni- 2,11. Neste capítulo, a Trofa surge, relativamente a 2014. cípios com maior passivo exigível, em contraponto, no 17.º lugar dos O município surge ainda na 11.ª no 37.º lugar, com 37,36 milhões de que melhoraram o índice de díviposição a nível nacional relativa- euros, por outro, é o 35.º municí- da total, que era de 2,61 em 2014. mente ao indicador “Municípios pio do país com maior diminuição Na tabela que ordena os municom maior dívida a receber”, na de passivo, apresentando um va- cípios com maior diferença entre ordem dos 12,8 milhões de euros. lor de menos 3,98 milhões de eu- o grau de execução de receitas li-

Este concelho é ainda o 20.º com maior despesa paga em pessoal em 2015, com cerca de 19,98 milhões, mais 10,7 por cento que em 2014. O Anuário destaca ainda Vila Nova de Famalicão como um dos municípios que, em 2015, saíram do ranking de maior independência financeira.

T

quidadas (81,4 por cento) e grau de execução de despesas comprometidas (65,9 por cento), a Trofa surge em 31.º lugar. Este município é ainda o 29.º com maiores resultados económicos, uma vez que apresentou um resultado líquido de 4,5 milhões de euros em 2015 (em 2014 foi de dois milhões).

Famalicão congratula nova Bastonária da Ordem dos Contabilistas A famalicense Filomena Moreira é a nova bastonária da Ordem dos Contabilistas Certificados e a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão aprovou um voto de congratulação pela sua nomeação, em reunião do executivo municipal. Filomena Moreira é a primeira mulher a ocupar o cargo e sucede ao famalicense António Domingues de Azevedo, falecido a 11

e combate à pobreza”. de setembro. Filomena Maria Abreu Lima FelPara Paulo Cunha, presidente da Câmara Municipal de Vila Nova gueiras Moreira, de 44 anos, é nade Famalicão, “a vasta experiên- tural de Vila Nova de Famalicão cia política de Filomena Morei- e é licenciada, pela Universidara será certamente um contribu- de Lusíada de Vila Nova de Famato valioso para as novas funções licão, em Contabilidade Superior executivas a nível internacional, de Gestão. Contabilista certificaregressando à participação ativa da desde 1997, está ligada aos órnas políticas de desenvolvimento gãos diretivos da Ordem desde e cooperação, proteção ambiental 2002. A.M./C.V.

www. jornaldoave.pt


8

JORNAL DO AVE 15 DEZEMBRO 2016

www.jornaldoave.pt

Atualidade

// Vila Nova de Famalicão

Multidão na chegada do Pai Natal A magia do Natal chegou a Vila Nova de Famalicão. Depois da abertura do Mercadinho de Natal e da pista de gelo, foi a vez do senhor de barbas brancas reforçar o espírito natalício, na tarde de domingo, 11 de dezembro. PATRÍCIA PEREIRA

Veja a reportagem vídeo em www.jornaldoave.pt

A

“repercutir-se no nível económichegada do Pai Natal a Vila co no tipo de compras e de venNova de Famalicão aconteceu em das por parte dos comerciantes ambiente de festa e trouxe um e dos famalicenses”. “Isto satismaior colorido e animação à Al- faz muito a ACIF, porque produdeia Natal, instalada na Praça D. zir riqueza na nossa cidade e aos Maria II. Escoltado por um grupo nossos associados é a forma cerde cerca de 30 motards e acom- ta de terminarmos o ano e comepanhado por várias personagens çarmos também a época natalícia. do imaginário infantil, o Pai Natal Este evento ajuda-nos muito neschegou com a sua rena e os duen- ta matéria”, denotou. des, esperado na Cabana SolidáXavier Ferreira salientou “o feria pelas crianças que o queriam edback positivo” que tem rececumprimentar. Até ao dia 24 de bido por parte dos comerciandezembro, duendes e Pai Natal re- tes. “Vermos a cidade com milhacebem os visitantes e para os mais res de pessoas ajuda naturalmennovos há pinturas faciais, mode- te a que o ânimo, que ao longo do lagem de balões e muita anima- ano não tenha sido o melhor, seja ção, entre as 10 e as 12.30 horas mais propício a esta época natalíe as 14.30 e as 18 horas. Já entre cia”, declarou, apelando à comuos dias 20 e 23 de dezembro, a ini- nidade que “continue a comprar ciativa estende-se até às 20 horas. no comércio tradicional”. A visita do Pai Natal é uma das Segundo nota de imprensa da várias atividades inseridas na pro- Câmara Municipal de Vila Nova de gramação da Campanha de Natal Famalicão, a Aldeia Natal foi reco2016 promovida pela Associação mendada pelos sites Sapo Viagens Comercial e Industrial de Fama- e TripAdvisor como um dos 11 lolicão (ACIF) e Unidade de Gestão cais mais carismáticos para visitar do Centro Urbano, com o apoio da neste Natal. Para Pedro Sena, veCâmara Municipal. O presidente reador do Turismo da Câmara Muda ACIF, Xavier Ferreira, afirmou nicipal de Vila Nova de Famalicão, que esta parceria “funcionou mui- o “upgrade” que foi feito este ano to bem, de forma a ter dimensão com o Mercado e a Aldeia Natal e a e de poder ter uma grande quali- pista de gelo fez com que a popudade” na programação, o que vai lação tivesse “aderido em massa”

Pai Natal passou por Vila Nova de Famalicão

e conseguido “trazer dezenas de milhares de pessoas para a cidade”, o que é “uma mais-valia quer para os famalicenses como para os comerciantes”. Pai Natal recebe prendas na Cabana Solidária até 24 de dezembro Natal também é solidariedade e, por isso, até ao dia 24 de dezembro, a Cabana Solidária será um ponto de recolha de produtos alimentares e de higiene, que depois serão distribuídos pelas famílias carenciadas do concelho, através

da Loja Social de Famalicão. A ini- as individualmente a fazerem um ciativa é promovida pela Câmara ‘cachecol diferente’ (ou vários)”, Municipal, em parceria com a Uni- que depois devem ser entregues dade de Gestão do Centro Urbano. no gabinete do Voluntariado da É também imbuída deste espí- Câmara Municipal. Os cachecóis rito de partilha que a Associação vão estar expostos no Museu da Milho D’Oiro, de Gavião, se asso- Indústria Têxtil, entre os dias 18 ciou a esta iniciativa, recolhen- de dezembro e 14 de janeiro, sendo mantas e gorros para “aque- do que “ao mais original será atricer o Natal” de quem mais preci- buído um prémio”. sa. Além disso, a associação está Qualquer dúvida, pode cona promover um concurso de Ca- tactar a organização através dos checóis de Natal, num “apelo a email milhodoirogaviao@gmail. que toda a gente contribua para com ou voluntariado@vilanovaa construção de uma sociedade defamalicao.org, ou ainda pelos diferente”. A Milho D’Oiro convi- números 969 024 388, 936 977 133 da “todas as instituições e pesso- ou 252 320 900.

Mercadinho de Natal da AFPAD tem “redonditas” como novidade

Campanha do Barrete Azul ajuda associações

O mercadinho de Natal da Associação Famalicense de Prevenção e Apoio à Deficiência (AFPAD) está aberto à comunidade até ao final do mês de dezembro, nas suas instalações, na Rua António Sérgio, em Vila Nova de Famalicão. Este ano, o mercadinho tem uma novidade: as “redonditas”, uns biscoitos de côco e amêndoa, que custam dois euros, e que são confecionadas pelos utentes do Centro de Atividades Ocupacionais (CAO). Artigos para o lar, sacos do pão, pinturas e almofadas são alguns dos artigos que podem ser adquiridos no “mercadinho de Natal” da AFPAD, onde grande parte dos produtos são confecionados pelos utentes do CAO e do Lar de

O vermelho costuma ser a cor que habitualmente associamos ao Natal. Desde 2015, que a época natalícia ganhou uma nova cor para muitas pessoas: azul. A campanha solidária do Barrete Azul, promovida pela Associação Salvador, voltou em 2016 pronta para bater o sucesso da do ano passado. “Este ano (a campanha) beneficiará cerca de 60 instituições de todo o país ligadas à deficiência”, unindo “pela primeira vez instituições ligadas a todos os tipos de deficiência (cegueira, surdez, deficiência motora e intelectual)”, afirmou fonte da Associação. Entre elas estão duas famalicenses: Centro Social e Paroquial de Ribeirão e Comunidade Paroquial de Famalicão.

Mercadinho está aberto até ao fim de dezembro

Idosos nos seus ateliês de artes e ofícios. Uma parte do dinheiro an-

gariado vai reverter para os autores dos produtos. A.M./C.V.

Até ao próximo dia 23, ao adquirir, por dois euros, um barrete azul estará a ajudar a colorir o Natal de muitas pessoas. Além da venda dos barretes, que “reverte inteiramente para os projetos das instituições destas áreas”, disponíveis “em vários pontos do país”, como “restaurantes H3, centros comerciais, escolas e nas 60 instituições parceiras”, poderá ainda juntar-se a esta causa através da linha telefónica 760 105 060, ajudando com 50 cêntimos. “O objetivo é simples e a causa nobre: tornar mais fácil a vida das pessoas com deficiência visual, auditiva, motora e intelectual”, afirmou o presidenta da Associação, Salvador Mendes de Almeida. L.O./C.V.


www.jornaldoave.pt

15 DEZEMBRO 2016 JORNAL DO AVE

9

Atualidade // Santo Tirso

A Igreja Matriz de Santo Tirso é o palco escolhido para o concerto de Natal protagonizado pela Orquestra ARTAVE e pelo Coro do Centro de Cultura Musical, num espetáculo que integra a Temporada de Música de Santo Tirso. O espetáculo, dirigido pelo vimarenense Hugo Ribeiro, tem início pelas 21.30 horas desta sexta-feira, dia 16 de dezembro. Já no dia seguinte, à mesma hora, é a vez do Centro Cultural Municipal de Vila das Aves ser palco do concerto de Natal protagonizado pelo Grupo Coral Infantil e Juvenil de Vila das Aves e pela Oficina de Música de Vila das Aves, que prometem um espetáculo recheado de clássicos natalícios. “Oh! Holly Night”, de Adolphe Charles Adams, “Noite Feliz”, de Franz Gruber, “Natal de Elvas”, de Mário Sampayo Ribeiro, ou “Let it Snow”, de Jule Styne, são alguns dos clássicos do Natal que poderá ouvir na noite de sábado, 17 de dezembro. A entrada nos espetáculos é gratuita. P.P.

Festa de Natal da CAID A peça “A Estrela Prateada” e o musical “Natal Gelado” vão ser os espetáculos apresentados pelos utentes da Cooperativa de Apoio à Integração do Deficiente (CAID) na sua Festa de Natal. O loteamento industrial municipal de Fontiscos, em Santo Tirso, vai acolher o evento que tem início marcado para as 14 horas desta sexta-feira, 16 de dezembro. Além de se celebrar a época natalícia este é também o momento de conviver com parceiros, famílias e a comunidade. O espetáculo é gratuito e aberto ao público em geral. L.O./C.V.

A magia do “Natal na Praça” O espírito natalício está de regresso à Praça 25 de Abril, em Santo Tirso, com mais uma edição do “Natal na Praça”. Ateliês, teatro, cinema e horas do conto prometem momentos de alegria e diversão, entre os dias 16 de dezembro e 1 de janeiro. PATRÍCIA PEREIRA

A

iniciativa é da Câmara Municipal de Santo Tirso, em colaboração com diversas instituições do concelho. A abertura oficial das atividades está marcada para as 14 horas desta sexta-feira, 16 de dezembro, e, até ao dia 1 de janeiro, miúdos e graúdos vão poder usufruir de um vasto conjunto de atividades gratuitas. A Casa do Pai Natal estará aberta a todos os que queiram conhecer o senhor das barbas brancas, um espaço que é um verdadeiro mundo de sonho, cheio de presentes e histórias, onde todos podem pedir desejos de Natal e tirar fotografias, para mais tarde recordar. Os doces típicos desta época festiva também não vão pub

faltar e podem ser encontrados na “Cozinha da Maria”, onde crianças e adultos são convidados a cheirar, confecionar e provar, bem como a aprender e experimentar alguns “truques” sobre gastronomia e decorações de Natal. Mas há muito mais para descobrir. O Pátio das Oficinas convida os mais pequenos a pôr mãos à obra, num espaço onde podem brincar, desenhar, construir e pôr a imaginação a funcionar, com a promessa de que muitas surpresas podem acontecer. E como Natal sem música não é Natal, o Cantinho dos Reis Magos junta às diferentes atrações um conjunto de várias atividades, que passam não só pelas canções, mas tam-

arquivo

Concertos na Igreja Matriz e em Vila das Aves

Estão previstas várias atividades para os mais pequenos

bém pela dança, cinema, te- para oferecer. No dia de arranque do atro, magia e ilusionismo. Para os mais aventurei- “Natal na Praça”, todas as ros, há especialmente uma atrações natalícias vão funzona de Recreio, o espaço cionar entre as 14 e as 19 hoideal para muitas traves- ras. De 17 a 23 de dezembro suras, com insufláveis para e de 26 a 30 de dezembro, as saltos gigantescos, e outras diferentes atividades decorrem entre as 10 e as 19 hosurpresas. O ambiente natalício de ras. Na véspera de Natal, os Santo Tirso estará ainda locais mágicos estão ao disrepresentado numa Cas- por dos visitantes entre as cata de Natal, onde os vi- 10 e as 16 horas, estando sitantes são convidados a encerrados no dia de Natal. conhecer de perto os edifí- No último dia do ano, o “Nacios emblemáticos da cida- tal na Praça” funciona entre de, retratados em miniatu- as 10 e as 16 horas, reabrinra, que aludem à grandiosa do no dia 1 de janeiro entre paisagem que a cidade tem as 14 e as 19 horas. pub


10 JORNAL DO AVE 15 DEZEMBRO 2016

www.jornaldoave.pt

Atualidade

// Vila Nova de Famalicão

3600 cabazes de Natal entregues a famílias carenciadas O bacalhau, o azeite e a aletria já foram encaixotados e estão prontos a ser entregues às famílias carenciadas do concelho de Vila Nova de Famalicão. CÁTIA VELOSO

A

doação é da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão e reforçada graças ao envolvimento das juntas de freguesia e outras instituições, que contribuem com outros bens alimentares, apetrechando os cabazes que visam dar algum conforto a quem vive dificuldades socioeconómicas. Paulo Cunha, edil famalicense, entregou, simbolicamente, cabazes aos presidentes de Junta de Freguesia de Riba de Ave e Joane, que, assim como os restantes autarcas de freguesia, terão a responsabilidade de os fazer chegar aos destinatários. Ao todo, serão entregues 3600 cabazes, numa medida política promovida no âmbito da dinamização da Rede So-

cial de Famalicão, que também conta com a colaboração de Conferências Vicentinas e diversos agentes sociais. E “só com a interação destas entidades é possível fazer um trabalho bem feito”, defendeu o autarca que, mais do que “conceder o apoio” e olhar a números, valoriza a “perceção” de que esta ação “tem retorno de chegar aos destinatários”. “Temos de ir ao encontro daqueles que evidenciam essa necessidade, mas também temos de conhecer aquelas famílias que, tendo necessidades, por razões múltiplas não nos abordam”, frisou. Quanto ao número de cabazes atribuídos, similar aos que foram entregues o ano passado, Pau-

Veja a reportagem vídeo em www.jornaldoave.pt

Cabazes de Natal vão ser distribuídos pelas juntas de freguesia

Famalicão é “Autarquia Mais Familiarmente Responsável” pela quinta vez Políticas como a oferta dos manuais escolares a todos os alunos do concelho e a criação de um terceiro escalão social de apoio, o programa “Casa Feliz” que ajuda famílias carenciadas a fazer reparações nas suas habitações ou a fixação da taxa do IMI próxima do mínimo legal (0,35 por cento) valeram a Vila Nova de Famalicão, pela quinta vez, o título de “Autarquia Mais Familiarmente Responsável”. CÁTIA VELOSO A distinção, atribuída pelo Observatório das Autarquias Familiarmente Responsáveis - criado pela Associação Portuguesa de Famílias Numerosas -, visa destacar as autarquias que adotem as melhores práticas com vista à maior qualidade de vida dos munícipes. Por receber o título pelo quinto ano consecutivo, Vila Nova de Famalicão recebeu a “Bandeira com Palma”. Sofia Fernandes, vereadora com o pelouro da Família, repre-

sentou o município na cerimónia de entrega da distinção, a 7 de dezembro, no Auditório da Fundação CEFA, em Coimbra, e reconheceu que este é mais “um motivo de orgulho” para Famalicão. “Esta bandeira representa a continuidade e o reforço das políticas que temos vindo a desenvolver em prol da qualidade de vidas das famílias famalicenses”, asseverou. A autarquia destaca como principais medidas de apoio às famílias, na educação, “a existência de um terceiro escalão social de apoio às famílias com crianças no pré-escolar e 1.º Ciclo de Ensino Básico (que acresce aos dois escalões nacionais), a oferta dos manuais escolares gratuitos para os mesmos níveis de ensino, o Banco de Livros Escolares, os transportes gratuitos, o apoio à aquisição de material didático por parte das famílias mais carenciadas e as bolsas de estudo aos estudantes universitários do concelho”. Na vertente social, o executivo camarário refere-se ao programa “Casa Feliz”, que “ajuda as famílias

“É preciso não esquecer que na esmagadora maioria das situações as pessoas que recebem agora um cabaz, ao longo do ano recebem apoios, muitos apoios, não só a nível alimentar como a outros níveis, como a ação social escolar. A Câmara Municipal tem tido um papel de vigilância, mas também de iniciativa e de capacidade de ação, convocando as entidades, onde em primeira instância aparecem as Juntas de Freguesia, mas onde também se incluem as IPSS, as misericórdias, as conferências vicentinas e os escuteiros”. Paulo Cunha, Presidente da CM de Vila Nova de Famalicão

mais carenciadas do concelho a realizarem obras de renovação das suas habitações”, e ao apoio às que “mais precisam no pagamento das rendas, assim como os descontos e isenções nas tarifas de água e saneamento para as famílias numerosas e para as mais necessitadas”. A taxa do IMI – fixada em 0,35 por cento – e os descontos no pagamento deste imposto de 40 euros para as famílias com dois filhos e de 70 euros para as famílias com três ou mais dependentes são as medidas destacadas em matéria fiscal. “O acesso das famílias à fruição cultural e à prática desportiva tem também merecido uma atenção especial da autarquia que tem instituído o Cartão Jovem Municipal, o Cartão Sénior Feliz e o Cartão do Voluntário com descontos significativos em diversas atividades e no acesso aos transportes públicos no concelho, para além de outros benefícios”, sublinhou ainda o executivo municipal famalicense.

lo Cunha considera ser reflexo da “permanência ao nível das necessidades sociais”. Em Joane, os cabazes da autarquia serão apetrechados com outros artigos, graças à participação “da comunidade”. “Além das inscrições que temos, conhecemos as pessoas que precisam e que, por vergonha, não se inscrevem. A Junta de Freguesia entrega os cabazes, de forma escondida, porque as famílias não precisam de ser conhecidas pelo contexto social em que vivem”, sublinhou António Oliveira, presidente da Junta de Freguesia de Joane. Também o executivo de Riba de Ave procede à entrega dos cabazes “de forma discreta”, num momento sempre carregado de “emoção”, testemunhou a autarca Susana Pereira. “É uma iniciativa que toca muito as pessoas”, sustentou.

pub


11

www.jornaldoave.pt

15 DEZEMBRO 2016 JORNAL DO AVE

Atualidade

// Vila Nova de Famalicão

“Porto de Encontro” para unir famalicenses

Ao longo dos anos, os famalicenses começaram-se a juntar nos bares no final do comércio e das compras, antes da ceia de Natal, onde o vinho do Porto era a bebida de eleição. Um momento de encontro e de partilha entre amigos e comerciantes, onde a Associação Comercial e Industrial de Famalicão (ACIF) se inspirou para criar a iniciativa Famalicão Porto de Encontro. PATRÍCIA PEREIRA

O

presidente Xavier Ferreira pretende que o Famalicão Porto de Encontro “una, de uma forma mais simpática e coordenada, os famalicenses numa iniciativa que já é comum em alguns”. “O objetivo é conseguirmos dinamizar de uma forma organizada para que as pessoas se encontrem e partilhem bons momentos nesta época natalícia”, afirmou. Assim, até ao dia 24 de dezembro, os restaurantes aderentes oferecem um cálice de vinho do Porto a quem pedir uma rabanada como sobremesa, numa ação de valorização do património gastronómico. Já no dia 24 de dezembro, vão ser dinamizadas atividades no centro da cidade, com ofertas especiais dos bares aderentes, em que os famalicenses são convidados a sair à rua e a celebrar esta quadra com amigos e familiares à volta de um cálice de Porto. O presidente da ACIF considerou que a adesão dos estabeleci-

mentos foi “muito interessante”, sendo que “cerca de 45 associados” se juntaram a esta campanha, que foi iniciada “há bem pouco tempo”. “Foi ganha a aposta e vamos ter aqui bons momentos de Natal”, completou. E como o consumo de álcool deve ser feito com moderação e todos devem ser responsáveis ao consumirem, a campanha visa ainda ações de sensibilização de segurança, para que esta quadra seja de celebração e decorra sem incidentes. As ações vão ser dinamizadas pela Polícia de Segurança Pública, a Guarda Nacional Republicana e os Bombeiros Voluntários de Vila Nova de Famalicão e os Famalicenses. E estando numa época do ano em que se apelam aos sentimentos mais nobres, o Clube Motard Escorpiões vai entregar, na noite de consoada, Bolo Rei e vinho do Porto a trabalhadores de 21 instituições do concelho. Paulo Cunha, edil famalicense,

Veja a reportagem vídeo em www.jornaldoave.pt

Iniciativa é da Associação Comercial e Industrial de Famalicão

mencionou que a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão “apoia e encoraja esta iniciativa, felicitando a ACIF por a ter tomado”, uma vez que esta é “uma forma muito genuína e interessante de dar uma dimensão mais estru-

turada a uma iniciativa que tem tradição”. “Felicito a ACIF por ter conseguido congregar tantos estabelecimentos em torno deste projeto, que é muito bem-vindo, porque ajuda a fortalecer laços de pertença a uma comunidade. Nós

queremos que as pessoas convivam, confraternizem e aprofundem laços de relacionamento interpessoal e esta é uma iniciativa onde o relacionamento é o mote principal”, adiantou.

António Diniz

Empresas lideram rankings Concerto solidário do Rotary Famalicão das maiores e melhores a nível nacional

Concerto realizou-se no auditório da Fundação Cupertino de Miranda

O auditório da Fundação Cupertino de Miranda, em Vila Nova de Famalicão, foi palco do quarto concerto solidário do Rotary Clube famalicense. As receitas conseguidas com o espetáculo ‘Memórias de Inverno IV’ “reverteram a favor das causas e projetos sociais do clube rotário” e foram ainda oferecidas “quatro cadeiras de rodas” a quatro instituições: Centro Social de Castelões; de Avidos; de Oliveira São Mateus (Instituto São José) e de Landim. Paulo Gaio Lima, Sofia Gomes,

João Matos e Ricardo Mota brilharam no violoncelo e o público disse mais uma vez ‘presente’ a uma iniciativa solidária. “Embalados pelo som dos violoncelos, intercalados por textos de autores consagrados, evocaram-se lembranças, cheiros e sabores, que transportaram o auditório, completamente lotado, até às memórias de infância e às tradições imemoriais dum passado nostalgicamente feliz”, afirmou fonte do Rotary Clube de Vila Nova de Famalicão. L.O./C.V.

Chegaram em forma de presente antecipado as boas notícias para o setor industrial e empresarial do concelho de Vila Nova de Famalicão. Nos rankings das “500 maiores e melhores empresas em Portugal” e das “100 melhores empresas para trabalhar”, levado a cabo pela revista Exame (relativamente a indicadores de 2015), constam nomes de empresas famalicenses. Continental Mabor e Tiffosi “são as melhores dos setores Químico e Têxtil, Vestuário e Couro em Portugal”, enquanto a KW Business e ACA “estão entre as melhores para trabalhar”, adiantou fonte do município. No ranking das “500 maiores e melhores e empresas em Portugal” aparecem dez empresas famalicenses: “Continental Mabor (22.º), Coindu (135.º), Construções Gabriel A.S. Couto (343.º), TMG Automotive (353.º), RNM (388.º), Con-

tinental ITA (404.º), Riopele (439.º), Cofemel (450.º) e Continental Pneus (456.º) ”. A Cofemel, proprietária da marca Tiffosi, “é considerada a melhor empresa nacional do segmento Têxtil, Vestuário e Couro”. Entre as cinco melhores estão ainda TMG Automotive (2.º) e Continental ITA (5.º). No ranking das “100 melhores

empresas para trabalhar”, a KW Business ocupa o terceiro lugar, sendo “a melhor do setor imobiliário”. Nesta lista encontra-se ainda o grupo ACA. “A redução de trabalho no mercado da construção civil nos últimos anos não abalou a estrutura do Grupo Alberto Couto Alves, centrado essencialmente nesta atividade”, informou fonte da autarquia. L.O./C.V.


12 JORNAL DO AVE 15 DEZEMBRO 2016

www.jornaldoave.pt

Atualidade

// Vila Nova de Famalicão

Reconhecido o mérito dos primeiros autarcas N

o dia 12 de dezembro de 1976, eram eleitos em Portugal os primeiros autarcas do país, na sequência da instauração do processo democrático. Quatro décadas depois, a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão decidiu prestar uma homenagem aos “autarcas eleitos nas eleições de 1976”, com a gravação dos seus nomes numa placa que está agora numa das paredes do salão nobre da Assembleia Municipal. Antero Martins, vice-presidente da autarquia entre 1976-1980 e presidente entre 1980-1982, foi um dos ex-autarcas presentes na cerimónia comemorativa do Poder Local Democrático promovida pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, na segunda-feira. O ex-edil, que hoje olha com agrado para o crescimento do concelho, recordou que assumir os destinos da autarquia “foi bastante difícil mas que todos tinham um grande entusiasmo”. Paulo Cunha, edil famalicense,

Arranjo do adro da Igreja de Portela Antigos autarcas foram homenageados

considerou que esta foi uma homenagem “justa e merecida”, salientando os “contributos genuínos e importantes” que os autarcas de então deram para o fortalecimento da democracia em Portugal, lembrando que Vila Nova de Famalicão é hoje “o somatório do trabalho de todos”. Paulo Cunha apelou a um maior envolvimento dos cidadãos na definição do futuro do concelho e voltou a salientar a urgência e importância da regionalização. “O país ganharia se houvesse um fortalecimento do poder local”, disse.

As comemorações dos 40 anos de Poder Local Democrático inserem-se no âmbito do projeto “Conta-me a História”, que a Câmara Municipal está a desenvolver sobre o processo de consolidação democrática em Portugal. O trabalho desenvolvido ao longo deste processo tem trazido à luz do dia novos documentos e tem despertado o interesse e a adesão de importantes testemunhas que viveram e tiveram participação ativa nos principais acontecimentos políticos e sociais que ocorrerem em Portugal entre 1974 e 1976. P.P.

BE em contacto com a população Ouvir “as preocupações e anseios das populações” e divulgar “as principais opções e contributos” do Bloco de Esquerda para o Orçamento de Estado de 2017. Foi com estes objetivos que a Concelhia de Vila Nova de Famalicão do Bloco de Esquerda (BE) esteve em contacto com a população famalicense, durante a feira semanal na cidade, a 7 de dezembro, e na feira de Joane, no sábado, 10 de dezembro. Em nota de imprensa, a concelhia famalicense referiu que o contributo do BE foi “decisivo para que se concretize uma real e efetiva recuperação dos rendimentos, nomedamente no Salário Mínimo Nacional, o fim da sobretaxa ou o

Os adros das igrejas são “es- A intervenção acabou por servir paços de acolhimento, encontro de mote ao arranjo urbanístico do e partida para as comunidades”. adro e espaço envolvente, embeFoi desta forma que D. Jorge Or- lezando o local e aproximando-o tiga, Arcebispo de Braga, desta- ainda mais da população. cou a importância dos adros das Para Paulo Cunha, autarca faigrejas, no seguimento da inau- malicense, “o envolvimento da coguração do arranjo urbanístico munidade na concretização do ardo adro da Igreja de Portela, con- ranjo urbanístico do adro da igrecelho de Vila Nova de Famalicão, ja foi decisivo para a concretizaque decorreu na tarde de domin- ção desta obra”. “Esta comunidago, 11 de dezembro. A inaugura- de soube unir-se em torno deste ção do arranjo urbanístico foi abri- objetivo o que fez com que ele se lhantada pela realização da Mos- realizasse”, acrescentou. tra Associativa, que atraiu muitas Também o presidente da Juncentenas de pessoas a esta loca- ta da União das Freguesias de S. lidade, uma das mais pequenas Cosme, Telhado e Portela, Antódo concelho. nio Matos, lembrou o “esforço de As obras, que contaram com toda a população na concretiza“um apoio municipal de cerca de ção da obra”, mencionando que 50 mil euros”, centraram-se prin- estão “todos muito satisfeitos cipalmente na necessidade de pa- com esta obra que dignifica a frevimentação e melhoria dos aces- guesia, a paróquia e toda a comusos, tanto viários como pedonais. nidade”. P.P.

Improbabilidades Criativas exibe Mulholland Drive Bloquistas em conversa com eleitores na feira semanal

aumento de pensões”. “O BE continuará empenhado em cumprir os seus compromissos com a população e a lutar por uma sociedade mais desenvolvida, com mais e

melhores serviços públicos e com maior justiça fiscal”, adiantou. Os contributos do BE para o Orçamento de Estado podem ser vistos em www.bloco.org. P.P.

“Improbabilidades Criativas” aposta agora no cinema e exibe o filme “Mulholland Drive” de David Lynch. A quinta sessão da iniciativa promovida pelo Gabinete das Indústrias Criativas da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão realiza-se a 17 de dezembro, n'A Casa ao Lado, entre as 14 e as 17.30 horas. O programador Vítor Ribeiro é convidado e a en-

trada é gratuita. Após a exibição do filme, os participantes vão ser convidados a analisar algumas cenas do filme, escrevendo um pequeno texto-análise sobre o mesmo. As inscrições são gratuitas, mas são limitadas, pelo que os interessados em participar devem enviar um e-mail para industriascriativas@vilanovadefamalicao.org. A.M./C.V.

Deputados do PSD alertam para dificuldades no ensino profissional Os deputados do PSD à Assem- letivo e tem também em atraso bleia da República, eleitos pelo pagamentos relativos ao ano leCírculo Eleitoral de Braga, reuni- tivo anterior”. Uma situação que, de acordo ram-se com os responsáveis da Escola Profissional Cior, em Vila com Amadeu Dinis, diretor da Cior, Nova de Famalicão, que, tal como obrigou a recorrer a crédito ban“todos os estabelecimentos de en- cário para cumprir compromissino profissional do país, ainda sos, situação que classifica como não recebeu qualquer verba de fi- “muito difícil” e até “aflitiva” ao nanciamento referente a este ano ponto de ter já comprometido sa-

lários a docentes e subsídios aos no profissional. alunos. Presente na reunião, que Os deputados deslocaram-se se realizou na segunda-feira, 12 ainda ao Centro de Emprego de de dezembro, esteve o vereador Famalicão para uma reunião com do pelouro da Educação da autar- os seus responsáveis que teve quia famalicense, Leonel Rocha, como “tema central a suspensão que destacou que “mais de meta- das medidas ativas de emprego”. de dos jovens inscritos no 10.º ano “Têm chegado até nós denúncias de escolaridade (num universo de de que essas políticas, implemencerca de três mil) opta” pelo ensi- tadas com sucesso pelo anterior

Governo e que contribuíram para a descida do desemprego no nosso concelho e no nosso distrito, estão suspensas desde junho, prova de que a degradação dos serviços públicos é extensível a todos os setores da administração pública”, concluiu o deputado Fernando Negrão. P.P.


13

www.jornaldoave.pt

15 DEZEMBRO 2016 JORNAL DO AVE

Desporto // Modalidades

Trofense abandona jogo em protesto contra “insultos” do árbitro

A equipa da Trofa, em 4.º lugar na série B do Campeonato de Portugal, defrontava o 3.º classificado, de quem estava a quatro pontos de distância. Na mesma jornada, defrontavam-se Felgueiras e Marítimo B, 1.º e 2.º classificados respetivamente, o que conferia à partida de Amarante uma importância acrescida. A formação amarantina conseguiu chegar ao 3-0, enquanto o Trofense foi vendo a equipa reduzida a nove unidades, até que aos 75 minutos, após Pedro Miguel Maia mostrar o cartão vermelho direto ao avançado Carter, os jogadores decidiram abandonar o relvado, numa decisão apoiada pela equipa técnica e comissão administrativa. Hélder Sousa, capitão do Trofense, garante que o árbitro “começou a insultar e intimidar os jogadores desde o primeiro minuto” e que, inclusive, “festejou o segundo golo”. “Ele virou-se para mim e disse ‘mama, filho da p…’. Eu fiquei perplexo”, testemunha o jogador, que admitiu “nunca” ter vivido episódio semelhante a este na longa carreira como jogador de futebol. “Eu não sou nenhum santo, já contestei árbitros, se calhar já fui

Badminton

O

Desportivo das Aves deu errado para com alguns e alguns um passo importante rumo à projá o foram comigo, mas são mo- moção, ao vencer o União da Mamentos. Naquela situação, foi o deira por 3-1, na 18.ª jornada da jogo todo com a má intenção dele 2.ª Liga. (árbitro) de amachucar e isso não A jogar em casa, os avenses supodemos admitir a ninguém”, afir- periorizaram-se ao adversário e mou Hélder Sousa. aos dez minutos já podiam estar O Trofense vinha de três golea- a vencer, não fosse Guedes ter fadas impostas ao Aliança de Gan- lhado a conclusão ao cruzamendra, Pedras Rubras e Marítimo B, o to de Balogun. Mas o tento haveque para o treinador, Bruno Perei- ria de aparecer, 14 minutos volvira, terá “incomodado alguém”. O dos, já quando o União da Madeira técnico “não tem dúvidas” de que tinha Tony na baliza, dada a lesão este episódio teve que ver com de Nilson. O lance foi, novamente, uma ação deliberada para preju- conduzido por Balogun, que à vondicar o Trofense. tade na ala esquerda serviu Zé TiaAvenses isolaram-se no 2.º lugar da 2.ª Liga Na mesma linha, o presidente da go para o golo inaugural. comissão administrativa do clube, Fruto da hegemonia demons- pouco atuante no ataque. Por isso, no marcador, apesar de ter incoLuís Lima, admite que Pedro Mi- trada dentro de campo, o Aves com naturalidade, aos 51 minutos, modado mais o adversário. guel Maia “foi encomendado por ampliou a vantagem ainda na pri- o Aves chegou ao 3-0, com o “bis” O Desportivo das Aves ocupa o alguém”. O dirigente quer que o ár- meira parte, por intermédio de de Guedes, num remate que dá a 2.º lugar, com 39 pontos, menos bitro “seja irradiado do futebol” e Guedes, numa jogada iniciada sensação que o guarda-redes Tony quatro que o líder Portimonense. vai expor o caso à Federação Por- por Pedró. podia ter feito mais. Abaixo, surge o Santa Clara e Cova tuguesa de Futebol. O União da Madeira só reagiu à da Piedade, com 31 pontos. Na etapa complementar, apeCom a derrota, o Trofense desceu sar de menos fulgurante, o Aves desvantagem aos 68 minutos, com No domingo, 18 de dezembro, os ao 5.º lugar, com 19 pontos, e está conseguiu impor-se a um adver- o golo de Mica, mas “acordou” tar- avenses cumprem a jornada em mais longe da zona de promoção, sário inseguro no setor defensivo e de e foi incapaz de voltar a mexer Penafiel, pelas 15 horas. agora disputada por Marítimo B, Felgueiras e Amarante (26 pontos). Na mesma série, o S. Martinho venceu, fora de portas, o Camacha e manteve a 6.ª posição, com 18 pontos. Na próxima jornada, o O cenário começou a mudar aos O resultado não agradou as hos- a desperdiçar um lance em que se Trofense recebe o Camacha, en- tes famalicenses, pelos contornos isolou perante Victor Braga. Tre- 74 minutos, quando Lamelas reduquanto o S. Martinho mede forças que ditaram a reviravolta de uma ze minutos volvidos, nova perdi- ziu a desvantagem para o Vizela e, com o Caniçal. equipa que já não vencia há oito da flagrante dos vizelenses, com nove minutos depois, conquistou Na série A, a AD Oliveirense ven- jornadas. A vencer por 2-0 ao in- Kukula também isolado a não o empate. Já com o Famalicão reduzido ceu o último classificado, Ponte da tervalo, o Futebol Clube Famali- acertar na baliza. Enquanto uns desperdiçavam, a dez unidades, por expulsão de Barca, por 2-1, e segurou a vice-li- cão permitiu que o Vizela desse a derança, com 30 pontos, a três de “cambalhota” ao marcador na eta- outros mostravam uma elevada Joel aos 86 minutos, o Vizela chedistância para o líder Merelinen- pa complementar, num resultado eficácia. Carlão deu o 2-0 ao Fama- garia ao 3-2 em cima do minuto 90, se. O Mirandela é o próximo ad- que atira a formação famalicen- licão, na sequência de um desvio a por intermédio de Kukula. Com 21 pontos, o Famalicão versário. se para a 17.ª posição da 2.ª Liga. um cruzamento junto da linha de ocupa o 17.º lugar, mas está em No terreno do Vizela, os “azuis fundo de Jorge Miguel. Na etapa complementar, o Fa- igualdade pontual com Varzim, e brancos” até começaram melhor a partida, chegando ao 1-0 malicão continuou a dar traba- Gil Vicente, Vitória de Guimarães aos nove minutos, por intermé- lho à defesa do Vizela, com Car- B e Braga B. Na próxima jornada, os famalidio de Kisley, que respondeu de lão a assumir um papel de descabeça ao canto cobrado por Dio- taque, com duas oportunidades censes recebem o Varzim, numa falhadas, uma das quais com um partida marcada para as 16 horas go Cunha. A resposta do Vizela surgiu aos cabeceamento que fez a bola ba- de sábado, 17 de dezembro. ves venceu em singulares, Adriana 11 minutos, com Mário Mendonça ter na barra. Gonçalves chegou aos quartos-de-final e Catarina Martins foi finalista. Já em pares senhoras, Sónia e Adriana Gonçalves foram finalistas. Na categoria D, Joana Oliveira venUm passeio de cicloturismo para todo o tipo de bicicletas e idades, em que os participantes se vestem ceu e Maria de Fátima foi finalista de Pai Natal e contribuem com um bem alimentar que será doado a uma instituição de solidariedade soem singulares, enquanto Rui Carcial do concelho. Este é o desígnio do Natal Bike, uma iniciativa promovida pela Associação Abram Alas valho foi finalista e Manuel PinheiBTT e da Junta de Freguesia de São Tomé de Negrelos, com o apoio da Câmara Municipal de Santo Tirso. ro atingiu a meia-final na vertente Com partida de S. Tomé de Negrelos, pelas 9 horas deste domingo, 18 de dezembro, o passeio termina masculina. Esta dupla venceu em na Praça 25 de Abril, junto aos Paços do Concelho, com o regresso a ser feito pelo mesmo trajeto. pares Homens e Manuel Pinheiro As inscrições podem ser feitas junto da Associação Abram Alas BTT, onde é solicitado, “simbolicamene Joana Oliveira venceram a final te”, que cada participante contribua com um bem alimentar. P.P. de pares mistos. P.P. Vasco Oliveira

Numa decisão pouco vista no futebol português, o Clube Desportivo Trofense abandonou o jogo com o Amarante no domingo, 11 de dezembro, em protesto com a conduta do árbitro Pedro Miguel Maia. CÁTIA VELOSO

Aves vence União da Madeira e isola-se na vice-liderança

Famalicão permite reviravolta

Famalicenses convocadas para estágio da Seleção Catarina Martins e Adriana Gonçalves, atletas do Famalicense Atlético Clube, fazem parte da lista de convocados pela Federação Portuguesa de Badminton, para participar no estágio de seleções nacionais de não seniores, que decorrem de 27 a 29 de dezembro, no Centro de Alto Rendimento das Caldas da Rainha. Já no fim de semana, a Nave Desportiva de Espinho recebeu mais uma prova de Badminton. Em seniores absolutos, Sónia Gonçal-

“Natal Bike” com cariz solidário


14 JORNAL DO AVE 15 DEZEMBRO 2016

www.jornaldoave.pt

Desporto

// Modalidades

Veja a reportagem vídeo em www.jornaldoave.pt

GD Natação com 11 medalhas nos Nacionais

Famalicenses com bons resultados

Mais de 2000 na S. Silvestre A

promovida pela Câmara Municis ruas da cidade de Santo pal e pelo Centro de Atletismo de Tirso foram o epicentro do despor- Santo Tirso. Para o autarca Joto, mais propriamente da prática aquim Couto, a S. Silvestre “vai do atletismo, com mais de duas granjeando popularidade”, senmil pessoas a participarem na 19.ª do “já reconhecida na região noredição da S. Silvestre de Santo Tir- te”. “Este ano teve uma participaso. A atividade, que se realizou na ção forte. Correu com normalidatarde de sábado, 10 de dezembro, de, sendo que, para nós, é muito contou com provas de Corrida Jo- importante que esta prova estevem, a caminhada de Pais Natais ja já agendada no modo fixo no e uma corrida de dez quilómetros. calendário desportivo e com isso A S. Silvestre de Santo Tirso foi promovemos o nosso município”,

completou. Já Bernardino Alves, presidente da Associação de Atletismo do Porto, denotou que “as pessoas aderiram, tanto os atletas como o público a assistir”, fazendo, por isso, um balanço “excelente” desta 19.ª edição. “Vê-se muitos atletas de Santo Tirso a participarem e muitos grupos de ginásio. Acho que o atletismo está a crescer em Santo Tirso”, mencionou. P.P.

S. Silvestre da Juventude de Castelões com “várias novidades”

Três títulos de campeões nacio- ze nas provas de 50 e 200 metros nais, três de vice-campeões nacio- mariposa. Beatriz Martins sagrou-se vicenais, cinco medalhas de bronze e muitos recordes pessoais. Estes -campeã nacional em 400 metros foram os troféus que os nadado- estilos e 200 metros mariposa. O treinador, Pedro Faia, consires do Grupo Desportivo de Natação de Famalicão trouxeram na dera que “Famalicão esteve mais bagagem dos Campeonatos Na- uma vez representado ao mais cionais de Juniores e Seniores que alto nível”. “Para conseguir resulse realizaram no Funchal, na ilha tados de nível é preciso trabalhar da Madeira, de 9 a 11 de dezembro. também de forma distinta, pois João Tinoco, Miguel Santos, Ma- nestas idades só há sucesso se teus Carvalho e José Freitas sa- houver trabalho prévio, sistemágraram-se campeões nacionais tico e ambicioso. Foi um excelennas provas de 4x50 livres, 4x100 te momento de consagração de livres e 4x50 estilos. Além deste quem mais trabalhou, uma motitítulo, Mateus Carvalho conquis- vação adicional para investir mais tou ainda o vice-campeonato na- ainda na modalidade e uma escional nos 100 metros mariposa sencial aprendizagem para todos”, e conquistou a medalha de bron- acrescentou. L.O./C.V.

Hóquei em Patins

Riba d’ Ave HC traz vitória dos Açores O Riba d’Ave HC (RAHC) conse- etapa complementar. Ao minuto 10, Hugo Azevedo repunha a igualdade a dois golos no Pico e aos 13, do Candelária Sport Clube, da Ilha Vitor Hugo faturava o seu segundo do Pico, nos Açores, em encontro golo da noite e colocava o RAHC da 10.ª jornada do Campeonato a vencer pela primeira vez no enNacional da 1.ª Divisão. A equipa contro. A três do final, Hugo Azeribadavense foi treinada de forma vedo bisava também no enconinterina pelo treinador-adjunto Ri- tro e elevava a vantagem para 2-4. O Nacional da 1.ª Divisão dá lucardo Couto, no banco, e de Hugo gar às competições europeias e Azevedo, em pista. A equipa açoriana foi a primei- sofre uma paragem competitiva ra a chegar ao golo, aos 13 minu- de três semanas. O próximo jogo tos, por André Moreira assistido do RAHC acontece a 7 de janeiro por Pedro Afonso. Aos 16 minu- de 2017 no Parque das Tílias com tos, o famalicense Vitor Hugo re- o CD Paço de Arcos. Já no campeonato nacional da dimiu-se ao estabelecer o empate a um golo, após ser servido de 2.ª divisão, na 9.ª jornada, o Famafeição por Hugo Azevedo. À entra- license Atlético Clube (FAC) desda do último minuto da 1.ª par- locou-se ao reduto do Carvalhos, te, Tiago Resende colocava a sua onde perdeu por 3-2, descendo ao equipa a vencer por 2-1 em tempo 8.º lugar, com 12 pontos. Este sábado, pelas 21 horas, o FAC recede intervalo. Apesar da desvantagem em be a Académica de Espinho, que tempo de descanso, o RAHC con- ocupa o 2.º posto. P.P. tinuou a dar boa conta de si na

Pela “primeira vez na história da S. Silvestre de Castelões”, completo. As inscrições na corri- guiu um importante triunfo, por da popular têm um custo de três 2-4, frente à experiente formação vão ser atribuídas classificações por cada um dos escalões. PATRÍCIA PEREIRA

A novidade foi apresentada pelo presidente da Associação Desportiva de Castelões, João Martins, que, em parceria com a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Associação de Atletismo de Braga e a Junta de Freguesia de Castelões, organiza a 14.ª edição da S. Silvestre da Juventude, na tarde deste sábado, 17 de dezembro. A partir das 15 horas, a prova, com “foco nos escalões de formação”, decorre na zona envolvente às instalações da Associação Desportiva de Castelões, onde são esperadas “centenas de atletas em representação de grupos e coletividades dos vários pontos da região norte”. O atleta Rui Pedro Silva, do Sporting Clube de Portugal,

já confirmou a sua presença, juntando-se aos padrinhos residentes da prova, Rosa Oliveira e André Silva. Na S. Silvestre da Juventude de Castelões podem participar atletas de ambos os sexos, desde benjamins (A e B), infantis, iniciados e juvenis. A corrida popular, de cerca de oito quilómetros, encerra o evento, agregando os escalões de juniores, seniores e veteranos. As inscrições podem ser feitas em correfamalicao@vilanovadefamalicao.org ou na página da Associação de Atletismo de Braga (www.aabraga.pt), devendo efetuar o pagamento no NIB 0018 0003 16993438020 44 e enviar o comprovativo para adcasteloes@gmail.com com o nome

euros para atletas federados e de quatro euros para os restantes. Na prova da juventude, como em juniores, seniores e veteranos vão ser atribuídos prémios individuais aos três primeiros classificados de cada escalão. Já os prémios coletivos estão divididos em duas categorias: de benjamins a juvenis e de juniores aos veteranos. Há “um medalhão” para todos os atletas que terminem a prova, a par de uma senha com direito a bifana, caldo verde e uma bebida. Será ainda sorteada uma bicicleta pelo escalão de juvenis, troféu para o atleta mais idoso e o sorteio de um presunto pelos atletas da corrida popular. Já as três equipas com mais atletas a terminar a prova recebem também um presunto.


15

www.jornaldoave.pt

15 DEZEMBRO 2016 JORNAL DO AVE

Desporto // Modalidades

Avense é ‘Ás’ do rali

Francisco Azevedo é natural de Vila das Aves e ao volante de um Peugeot 205 GTI, navegado por Diogo Matos, sagrou-se, este ano, campeão da classe 2000 do CIN e vice-campeão do grupo X2 do campeonato regional de ralis norte. Liliana Oliveira/ Cátia Veloso

H

tente e regular, comprovando-o á mais de uma década que com quatro títulos nos últimos este jovem ganhou gosto pelo au- três anos”, afirmou a mesma fonte. tomobilismo e desde então tem “Estamos muito satisfeitos e orsomado várias conquistas e mui- gulhosos com o que fizemos e contos troféus. Em 2005, foi “vice- seguimos esta época. Divertimo-campeão nacional de ralis- jú- -nos bastante, andamos no liminior”. Nos últimos três anos, “par- te muitas vezes, gerimos noutras ticipou no Campeonato Intermu- e, com humildade e plena consnicípios Norte (CIN), Masters de ciência do carro limitado que teRalis Sprint Norte e Regional Nor- mos, fizemos com que todo este te, conseguindo em 2014 vencer a trabalho desse os seus frutos no sua classe no CIN, em 2015 sagrou- final”, disse Francisco Azevedo. -se campeão absoluto e do grupo O jovem considera que a equipa SX1 do Masters Ralis Sprint Norte”, “foi bastante consistente ao lonafirmou fonte da equipa de Fran- go da temporada”, uma vez que cisco Azevedo. “das sete provas do campeonato, “Francisco Azevedo tem-se de- obtiveram cinco pódios”. “O que monstrado muito rápido, consis- nós gostamos mesmo é de fazer pub

ralis e esse será sempre o nosso primeiro objetivo, conseguir reunir as condições mínimas para estarmos presentes”, acrescentou. Para 2017, as metas estão traçadas, mas, por enquanto, a jovem promessa do automobilismo prefere “festejar e saborear todos os excelentes momentos” que passa nos diferentes ralis e com tudo o que os rodeia: “Os treinos, os troços, as paisagens, a competição, os amigos, os adversários, as organizações e as terras”, finalizou. Por enquanto está tudo sobre rodas na carreira deste jovem de Vila das Aves, que dedica o título “ao pai, pela ajuda incondicional nas provas, à família e à Fagi

Francisco Azevedo sagrou-se campeão da classe 2000 do CIN

competições”, não esquecendo o companheiro de prova, Guilherme

Coelho, que o navegou no primeiro rali do ano, e os patrocinadores.

Voleibol

Famalicão AVC continua na Taça Fim de Semana Solidário O Famalicão Atlético Volei- final da Challenge Cup frente ao bol Clube (AVC) garantiu a con- Club Voleibol Logroño. Já no sáAproveitando os jogos de voleitinuidade na Taça de Portugal, bado, pelas 15 horas, o AVC, que bol em casa, o Famalicão AVC proao vencer a AA José Moreira, na está em 3.º lugar com 18 pontos, move um Fim de Semana Solidánoite de sexta-feira, 9 de dezem- recebe o Castêlo da Maia, e no rio, nos dias 17 e 18 de dezembro. bro. No jogo, a contar para os oi- domingo, pelas 17 horas, o GCD Assim, durante os dois jogos do tavos-de-final, o Famalicão AVC Gueifães, no pavilhão municipal campeonato nacional da 1.ª divisão e o do campeonato intervenceu por 3-0, com os parciais das Lameiras. Já em encontro da 8.ª jornada -regional de iniciadas, pelas 15 de 25-14, 27-25 e 25-14. Já na segunda-feira decorreu, na sede da da série A do Campeonato Regio- horas de domingo com a AD LiFederação Portuguesa de Volei- nal Feminino, o Clube Desportivo miana, realiza-se uma recolha de bol, o sorteio dos quartos-de-fi- das Aves venceu o Vila Real, por bens alimentares, roupa, calçanal da Taça de Portugal que di- 3-0, com os parciais de 25-9, 25-7 do e brinquedos. Os bens recolhitou que o Famalicão AVC defron- e 25-10, mantendo-se em 1.º lu- dos serão entregues à Associação tasse o Porto Vólei, a 7 de janei- gar, com 23 pontos. Este domin- Dar as Mãos, que tem como objego, 18 de dezembro, pelas 15 ho- tivo “promover e contribuir para ro de 2017. Durante o fecho de edição, a ras, a equipa avense recebe o CD a proteção e apoio a grupos mais equipa famalicense disputava a IPP, que ocupa em 2.º lugar, com carenciados e desfavorecidos da população do município”. P.P. primeira mão dos 1/16 avos de 19 pontos.

Patinagem Artística

A Branca de Neve e os Sete Anões em patins

A história da Disney, “A Bran- em Riba de Ave. Segundo fonte do clube, os bica de Neve e os Sete Anões”, vai ser contada na pista de gelo, lhetes para a sessão de sábado pela secção de Patinagem Artís- “estão esgotados, mas ainda restica do Riba d’Ave Hóquei Clube. tam bilhetes disponíveis para a Os espetáculos estão marcados edição de domingo”, sendo que para as 21 horas de sábado, 17 os mesmos podem ser reservade dezembro, e as 15 horas de dos através do contacto 914 527 domingo, no Parque das Tílias 911. Crianças até aos três anos

Ficha Técnica

têm entrada gratuita e até aos 12 anos pagam um euro, sendo que o preço da entrada para adultos é de dois euros. O clube ribadavense vai realizar mais duas sessões na sexta-feira, dedicadas às escolas, infantários e centros de dia da região. P.P.

Próxima edição do JA é publicada a 22 de dezembro

Diretora: Magda Machado de Araújo (TE 1022) Sub-diretora: Patrícia Pereira (9687) Editor: Justbrands – Consultoria e Comunicação Unipessoal, Lda | e-mail: geral@jornaldoave.pt; publicidade@jornaldoave.pt | Redação: Cátia Veloso (9699), Patrícia Pereira (9687), Hermano Martins (TE 774), Liliana Oliveira (TP 2436) | Colaboração: António Costa, Rui Couto (CO 1403) | Composição: Cátia Veloso | Impressão: Gráfica do Diário do Minho | Assinatura Anual: Continente 22,5 €; Europa: 34,75 €; Extra europa: 44,25 €; PDF 16 € (IVA Incluído) | Avulso: 0,70 € | Nib: PT 50 0038 0000 39909808771 50 | Telefone: 252 414 714 | Sede e Redação: Rua Aldeias de Cima, 280 Trofa | Telm. 969848258 | Redação 925 496 905 | Propriedade: Justbrands – Consultoria e Comunicação Unipessoal, Lda | Nif. 510170269 | ERC: 126524 | ISSN 2183-4601 | Nota de redação: Os artigos publicados nesta edição do Jornal do Ave são da inteira responsabilidade dos seus subscritores e não veiculam obrigatoriamente a opinião da direção. O Jornal do Ave respeita a opinião dos seus leitores e não pretende de modo algum ferir suscetibilidades. Todos os textos e anúncios publicados neste jornal estão escritos ao abrigo do novo Acordo Ortográfico. É totalmente proibida a cópia e reprodução de fotografias, textos e demais conteúdos, sem autorização escrita.


16 JORNAL DO AVE 15 DEZEMBRO 2016

www.jornaldoave.pt www.jornaldoave.pt

Atualidade

JING-SHE é campeã nacional absoluta de Wushu Kung-Fu A

Associação Desportiva de Wushu JING-SHE foi a equipa portuguesa que mais pontos obteve no Campeonato Nacional Esperanças de Wushu Kung-Fu Moderno, que se realizou no domingo, 11 de dezembro, no Porto, com os dez atletas famalicenses a alcançarem 25 pódios num total de 25 provas individuais. Nos Infantis masculinos (7-9 anos), Francisco Pereira sagrou-se campeão nacional em Changquan (Punhos Longos) e vencedor de medalha de Ouro em Daoshu (Sabre) e Gunshu (Bastão). Tomás Nunes ganhou a medalha de Ouro em Nanquan, enquanto Dominik Azevedo conseguiu a medalha de Prata em Chanquan. Já em Juvenis masculinos (10-12 anos), Bernardo Vieira foi campeão nacional em Changquan e Jianshu (Espada) e venceu a medalha de Ouro em Qiangshu (Lança). Tomás Marques é campeão nacional em Nanquan (Punhos Curtos), Nandao (Sabre) e Nangun (Bastão), enquanto Duarte Pinto é vice-campeão nacional de Nandao e bronze em Nan-

ACV realizou Gala de Natal

Equipa foi a que mais pontos obteve no Campeonato de Esperanças

quan e Nangun, João Teixeira é vice-campeão nacional de Nanquan e Nangun e bronze em Nandao e José Henrique Silva foi medalha de prata em Changquan e Jianshu e venceu a medalha de Ouro em Gunshu. Nos Juniores (13-15 anos), Ca-

tarina Teixeira foi campeã nacional em Changquan e vencedora da medalha de Ouro em Qiangshu e José Amorim sagrou-se campeão nacional em Changquan e vencedor da medalha Ouro em Daoshu e Gunshu. P.P.

A Associação Cultural de Vermoim (ACV) realizou a sua habitual gala de Natal, a 7 de dezembro, juntando todas as secções e patrocinadores. Numa noite “memorável, plena de alegria e festejos”, a ACV reconheceu ainda as “Personalidades do Ano” em cada secção e todos os que a apoiam ao longo do ano. A juntar às sete secções que compõem a associação, estiveram os “patrocinadores e mecenas”, Mário Passos, vereador do Desporto da Câmara Municipal

de Vila Nova de Famalicão, e Licínio Pinto, da Junta de Freguesia de Vermoim. “O resultado foi uma noite com centenas de pessoas em torno da máxima comum e princípio basilar da coletividade - a Promoção do Desporto e da Cultura na região”, revelou fonte da ACV. No próximo ano, a ACV completa 40 anos e esta gala serviu para mostrar que está “viva” e que tem “fundadas expectativas para o futuro”. A.M./C.V.

Parfois da Trofa assinala 1.º aniversário

Há um ano que a marca Parfois regressou à Rua Conde S. Bento, no centro da cidade da Trofa, e é já um local de paragem obrigatória para os apreciadores de acessórios de moda. As cores da estação marcam a vitrina da loja número 162 e chamam a atenção dos que passam e não resistem a entrar. A oferta é variada, desde as echarpes (pashminas) e as malas, passando pelos colares, brincos e pelas

capas para o frio. Os chapéus, os óculos de sol e o calçado também não faltam na oferta que a Parfois tem à disposição dos clientes. Na Parfois, encontra uma paleta de cores em todos os acessórios de moda.

Loja está situada no coração da cidade da Trofa, na Rua Conde S. Bento

A oferta é variada nos acessórios de moda

Depois de algum tempo de interregno de atividade no concelho da Trofa, Marisa Reis decidiu instalar de novo a marca Parfois na Rua Conde de S. Bento, a 8 de dezembro de 2015. Um ano depois, a responsável pela loja recordou que, apesar das dificuldades que a economia em ge-

ral e o comércio tradicional em particular atravessavam, decidiu investir na Rua Conde S. Bento, para “poder apoiar os trofenses e os que os visitam na hora de comprar acessórios de moda e vestuário para si e para oferecer aos seus”. E agora com o Natal à por-

ta, pode encontrar na Parfois da Trofa o presente ideal para oferecer. O horário não pode ser vir como desculpas para não comprar no comércio tradicional e local da Trofa, uma vez que a Parfois da Trofa está aberta das 9.30 e às 19.30 horas.


www.ONOTICIASDATROFA.pt

15 DEZEMBRO 2016 O NOTÍCIAS DA TROFA

Inaugurado o Polo Cultural Professor Moutinho Duarte

9

Cultura

Escreveu-se mais uma página na história do edifício da Junta de Freguesia do Muro, existente há 104 anos, através do tributo prestado a Manuel Moutinho Duarte: a criação do Polo Cultural Professor Moutinho Duarte. PATRÍCIA PEREIRA

A

nhecido, contou que decidiu doar ideia de criar esta nova va- o seu acervo para “tentar correslência cultural surgiu quando o mu- ponder” aos pedidos da comunirense Moutinho Duarte manifestou dade, “nomeadamente dos estuvontade de doar todo o seu acervo, dantes, que pretendiam saber alnomeadamente 12 cadernos cultu- guma coisa sobre o passado desrais, que reúnem 50 anos dedica- ta terra”. Assim, em vez de se didos à investigação e ao conheci- rigirem a sua casa, a comunidade mento da história local, juntamen- tem agora “à disposição” um local te com quatro dezenas de obras re- onde podem consultar para fazer lacionadas com a história da Tro- “alguns trabalhos que são pedidos fa e de Santo Tirso. O Polo Cultu- para a escola”. ral foi inaugurado no dia 8 de deCom o seu trabalho de 50 anos, zembro e o auditório da Junta de Moutinho Duarte espera que “as Freguesia foi pequeno para aco- pessoas conheçam e reconheçam lher as muitas famílias que quise- o interesse que as coisas do passaram conhecer um pouco mais so- do têm”, para que estejam “mais bre a sua história. motivadas para as defenderem e Para Moutinho Duarte, o execu- preservarem”. O professor esclativo da Junta de Freguesia do Muro receu ainda que vai precisar de deu “uma projeção, uma amplitu- “mais 50 anos para concluir aquilo de, um tratamento e uma visua- que pretende” na investigação da lidade” ao seu trabalho que “não nossa história. pretendia”, mas que “enriqueceu O presidente da Junta de Freos cadernos culturais”. O profes- guesia do Muro, Carlos Martins, sor, como é carinhosamente co- mencionou que nesta cerimónia,

mílias de onde vieram e criar um trabalho que fique para as gerações existentes e vindouras, para que, daqui a 50, cem ou 200 anos, percebam de onde é que vieram e preservarem este património, que de facto é cultural e enriquecedor, principalmente para a freguesia do Muro, para o concelho e para a região”, frisou. Carlos Martins acredita que a comunidade vai ter “curiosidade de ver” o Polo Cultural e, prova disso, é que esgotaram a venda dos cadernos sobre as famílias. “É um bom sítio para que as pessoas possam vir consultar os cadernos e os livros relacionados com a freguesia e com os concelhos da Trofa e Santo Tirso. É enriquecedor para a nossa Junta e é um legado que o professor Moutinho nos deixa a todos nós”, concluiu, informando Moutinho Duarte doou acervo à Junta de Freguesia que é possível adquirir os caderMoutinho Duarte conseguiu alte- podem mudar: o ontem e o ama- nos culturais, que “só têm o custo rar “dois dias do ano que não se nhã”. “Conseguiu mostrar às fa- de encadernação e das fotocópias”.


10

www.ONOTICIASDATROFA.pt

O NOTÍCIAS DA TROFA 15 DEZEMBRO 2016

Atualidade Atanagildo Lobo

“Não se pode estar direito quando se tem a espinha torta”

CRÓNICA

Da canção «Portugal, Portugal» de Jorge Palma

A

da antiga freguesia de Guidões: «se isto depenCMT (Câmara Municipal da Trofa) rece- der de um despacho do presidente da câmara, beu um questionário de um grupo técnico do Guidões terá a sua junta de freguesia amanhã. governo que pretende elaborar um relatório so- É claro que nós estamos a favor.». Esta afirmabre a alteração das freguesias operada pela re- ção foi renovada pelo mesmo nesta última asforma administrativa do PSD/CDS que extinguiu sembleia municipal de 30.11.2016. Pelo que o P. as freguesias de Alvarelhos, Guidões, S. Marti- da CMT diz uma coisa mas faz o seu contrário. O P. da CMT foge muito à verdade. Ao abonho e Santiago de Bougado, S. Romão e S. Mamede do Coronado através de agregações. Nes- nar que « …o PCP está metido no meio, porse «questionário», no primeiro grupo, depois de que houve uma promessa para com os camaordenar de 1 a 6, consoante o grau de importân- radas que as freguesias iam ser desagregadas cia, sendo o 1 o mais importante e o 6 o menos, antes de 2017 das eleições autárquicas», está a os critérios enumerados através das alíneas A., mentir. Ao afirmar «…esta gente…», referindoB., C., D., E., e F., tinha de lhes atribuir um grau -se ao PS e ao PCP, «… andou a enganar a pode importância, que ia do «nada» ao «muitís- pulação» porque terão andado a dizer: «Estesimo». A CMT, deslumbrada, não ordenou os jam descansados, isto vai voltar tudo ao mesmencionados critérios de 1 a 6, classificando- mo, isto vai ser tudo desagregado…», também -os a todos com um «1» e de seguida, não lhes está a mentir. A desagregação de freguesias não Pastoral Familiar, realiza-se por esta altura atribuiu qualquer grau de importância. Se aqui faz parte, infelizmente, da posição conjunta ene ainda no Dia da Mãe, numa cerimónia que, a trapalhada foi de caracter técnico, as respos- tre o PS e o PCP. É só lê-la. E saiba o P. da CMT que para os Guidoenalém da bênção, fica marcada pela entrega tas no grupo seguinte, e as suas justificações em plena assembleia municipal, representam ses, sim, é importante, voltar a ter a sua indede rosas brancas a Nossa Senhora. “É um momento muito emocionante e a profundo paradoxo e inverdades gritantes que pendência e a sua autonomia. Caso contrário, cada ano que passa tem vindo a ter mais carecem de denúncia. Foi o Vice-Presidente da continuarão, e cada vez mais, a perder valênadesão”, afirmou Helena Areal, elemento CMT o autor das respostas, que revelam inepti- cias, como o «Espaço do Cidadão», o «Posto dão no preenchimento do questionário. No en- dos Correios» e o «Centro de atendimento da da equipa da Pastoral Familiar. C.V. tanto, cheio de soberba, disse estar certo, e as- Rede Local de Intervenção Social», que foram sumiu-se como o “educador” da esquerda re- todas para Alvarelhos, e agora também vai a presentada na assembleia municipal. Veio, por «requalificação das ruas central de Arrabalde conseguinte, substituir o «grande educador da e Padre Aires de Amorim». Por fim, o P. da CMT classe operária» há mais de 40 anos oriundo das não deve confundir autarquias locais com pahostes do MRPP – Arnaldo de Matos. Além dis- róquias, como faz com frequência. Uma autarso, ainda recorreu à falsidade. Nas últimas ques- quia local é uma pessoa coletiva territorial que tões a CMT teria de, entre um «sim, um «não» ou pertence à organização democrática do Estaum «não houve decisões tomadas», responder do dotada de órgãos representativos, que visa se o município esteve de acordo com a agrega- a prossecução de interesses próprios da sua poção das freguesias nas Uniões de Freguesias e pulação. Se duas ou mais freguesias se juntam se no momento presente existe acordo do mu- por imposição de uma nova lei administrativa, nicípio para se manterem essas mesmas Uni- como aconteceu com a lei do PSD/CDS, significa ões de Freguesias. Embora se aceite que todo que estamos perante uma nova autarquia local, o questionário é demasiado rebuscado e com- com um novo território, novos órgãos represenplique coisas simples, não é menos verdade que tativos, uma nova entidade política e adminisa CMT sabe da finalidade do dito questionário trativa. Por isso, sim, a Lei do PSD/CDS extinguiu de promover correções e alterações à dita re- milhares de freguesias neste país. Por isso, sim, forma a fim de serem restauradas situações de Alvarelhos, enquanto autarquia local/freguesia, injustiça. Pelo que sabe muito bem que o ques- morreu. Guidões, enquanto autarquia local/fretionário debruçava-se sobre a agregação/extin- guesia, morreu. E há uma nova autarquia local/ ção/criação de freguesias. Se à primeira ques- freguesia: A União das freguesias de Alvarelhos tão sobre a posição do município em 2012, a e Guidões, que é muito prejudicial para os GuiCMT respondeu com verdade devolvendo um doenses, pois estes constituem a parte mais «não», à segunda questão, afirmou existir «acor- fraca e assim, além de paulatinamente perdedo do município» para se manterem as atuais rem a sua identidade cultural, já perderam a Uniões de Freguesias, o que não é verdade. Em sua representatividade e vontade política, já relação à primeira sabemos que em 2012 hou- perderam na eficácia da gestão pública e muive uma posição formal que resultou de reuni- to na prestação de serviços. De facto, a CMT e ões da CMT e da AMT. Relativamente à segunda, o seu Presidente, com as explicações dadas e não existe qualquer decisão politicamente váli- com o dito preenchimento do questionário, saiu da do município nesse sentido, pelo que é falsa da «beira da estrada» e entrou na «estrada da a resposta da CMT nesse inquérito ao responder Beira», estrada sinuosa, onde se diz uma coisa «sim», quando deveria responder «não há deci- e faz-se o seu contrário, com mau piso, muitos sões tomadas». Politicamente, também pode- solavancos, péssima para a coluna vertebral, remos dizer que a resposta contraria o que o P. com consequências irreparáveis. Depois…as da CMT afirmou na assembleia municipal de 17 mazelas ditam… de que «não se pode estar dide Junho deste ano sobre a luta pela devolução reito quando se tem a espinha torta».

Bênção das Grávidas na paróquia de S. Martinho A

contece duas vezes no ano como forma de “agradecimento a Deus pelo dom da vida” e já se tornou tradição na paróquia de S. Martinho de Bougado. A bênção das grávidas cumpriu-se no Dia da Imaculada Conceição, com a presença de cerca de 25 mulheres, na manhã de 8 de dezembro. A iniciativa, organizada pela equipa da


www.ONOTICIASDATROFA.pt

15 DEZEMBRO 2016 O NOTÍCIAS DA TROFA

Atualidade

11

Uma viagem pela viragem de ex-dependentes

“Vi(r)agem” é um livro que reúne emoções, memórias e projetos passados e futuros, pelas mãos e pelo olhar de quem acredita sempre num virar da página da história de cada um. PATRÍCIA PEREIRA

E

de vida” é “um sucesso e uma vitóste trabalho editorial surgiu ria”. Além disso, estes testemunhos no âmbito do projeto (Re)Inserir “são importantíssimos” para quem na Trofa, desenvolvido pela Asso- esteja a viver com dependência, ciação de Solidariedade e Ação So- uma vez que lhes é “difícil de acrecial (ASAS) de Santo Tirso, que tra- ditar que se pode recuperar”. “Nebalha para reintegrar, socialmen- nhum de nós, nem a nossa famíte, ex-dependentes, e financiado lia ou amigos, está livre e, às vezes, pelo SICAD (Serviço de Intervenção há pequeninas coisas no momento de Comportamentos Aditivos e De- que fazem tropeçar. E são mesmo pendências). Vi(r)agem compila 23 lições de vida. Aliás, pelos testemutextos de escritores, pensadores e nhos que deram, são coisas muito jornalistas que aceitaram o desa- complicadas que às vezes não safio de reescrever o trajeto de vida bemos onde está a pedrinha que dos utentes, através da sua biogra- vai fazer o comboio descarrilar”, fia. Um livro que nos convida a via- completou. jar pelas histórias de cada um deles. Também Domingos Claro, utenNo lançamento do livro, que te no projeto (Re)Inserir na Trofa, é aconteceu a 6 de dezembro, no da opinião que este livro pode inspiauditório Fórum Trofa XXI, Hele- rar a comunidade, “principalmente na Oliveira, presidente da direção esta camada mais jovem, que está a da ASAS, explicou o título do livro, iniciar as suas primeiras curtes nas mencionando que os utentes tive- discotecas”. “Acho que devia de ser ram “projetos de vida sinuosos” e lido por eles, para verem que o que que “tentaram reerguer-se”. “Uns nos aconteceu, um dia pode aconconseguiram, outros estão ainda a tecer a eles”, alertou. Domingos conseguir, outros já saíram do com- Claro não acreditava muito que boio. Mas, a maior parte está a se- o livro se tornasse realidade, porguir a viagem”, completou. que o grupo que frequentava o A presidente da ASAS declarou projeto estava “muito fragilizado que para os utentes a existência de e debilitado”, em que “as pessoas um livro que conta “a sua história não acreditavam nelas próprias”.

Livro é o mais recente projeto da ASAS

Mas o Vi(r)agem é hoje uma realidade e será distribuído pelo SICAD por “todos os núcleos regionais”, pela Associação Regional de Saúde e pelas “entidades que colaboram com a ASAS”, contou Helena Oliveira. Para João Golão, diretor geral do SICAD, o livro é “uma ideia extremamente original e curiosa”, devido aos “testemunhos na primeira pessoa, ainda que interposta por outra pessoa”. “Esses testemunhos são importantíssimos para que as pessoas mantenham acesa a chama da esperança e que vejam, pelos exemplos dos outros, que é possível mudar e construir novos trajetos de vida”, salientou.

Projeto tem futuro? O projeto (Re)Inserir na Trofa já vai na sua “3.ª geração”. A ASAS apresentou à SICAD nova proposta, esperando que “seja homologada” para que o projeto continue a ser financiado. Helena Oliveira congratula-se de que dos “23” utentes “dez estão empregados”, querendo continuar “a recuperar e a reinserir” as pessoas na comunidade. O diretor geral do SICAD afirmou que este projeto de reinserção social, que “é uma componente fundamental no processo de recuperação de dependentes de álcool ou de drogas”, tem sido “extrema-

mente bem-sucedido” e, por isso, “congratula-se” por se ter “associado através do financiamento, numa perspetiva de complementaridade entre as respostas públicas e privadas”. Quanto à candidatura da ASAS, João Golão esclareceu que “está disponível para avaliá-la”, “não podendo garantir a eternização de qualquer projeto a nível nacional”, por se tratar de “uma área extremamente notável”. “Temos de fazer sempre avaliações, para ver se continuam a ser prioritários. Mas quero crer que, pelos bons resultados obtidos, será possível dar continuidade a este projeto”, concluiu.

Super Mega Feira Dacar com mais de 300 viaturas A segunda Super Mega Feira com carimbo Dacar Automóveis, que se realizou entre 9 e 11 de dezembro, teve como objetivo “posicionar e destacar a empresa no setor automóvel, mais nos usados, com a realização das vendas”, explicou Eliana Lima, administrativa da Dacar Automóveis. A empresa de venda de viaturas usadas apresentou a frota automóvel, “com mais de 300 viaturas em stock”, e reduções que rondaram “os cem e os seis mil euros”. Mas na Dacar, os preços competitivos duram o ano todo, além “do

para que todas as pessoas saiam satisfeitas”, afirmou Eliana Lima. “Por norma, no final do ano civil, o mercado agita-se de uma forma particular, em primeiro lugar porque o grande número de empresas ligadas ao setor realizam eventos desta natureza, mas também porque é uma altura do ano em que muitas empresas clientes procuram renovar, reforçar ou simplesmente trocar as suas frotas. Também no segmento dos automóveis Feira tem como objetivo posicionar e destacar a empresa no setor automóvel comerciais apresentamos uma leque de viaturas para todas as o selo de garantia. “Temos imen- considero muito competitivos em oferta melhorada e mais compepessoas” e carteiras sempre com sas viaturas em stock, preços que todo o país e profissionalismo, titiva”, acrescentou. Ainda não terminamos 2016 e a pub Dacar Automóveis já prepara o ano de 2017. Uma das novidades já foi desvendada: “investimos em um novo espaço, que será também na Trofa. Já estamos a trabalhar para poder abri-lo em janeiro de 2017”, adiantou Eliana Lima, que garante “ainda mais oferta ao cliente”. Com mais um espaço comercial, mais oferta e preços competitivos, motivos não vão faltar para visitar a Dacar e quem sabe encontrar aqui o seu presente de Natal. L.O./C.V.


12

www.ONOTICIASDATROFA.pt

O NOTÍCIAS DA TROFA 15 DEZEMBRO 2016

Atualidade Disse Jesus

Sou a luz do Mundo Esta é a obra de Deus Espírito e vida Acreditai e sois salvos JO.8.12,23-24,51.C.6.29,63

Vila do Coronado em livro “O

s habitantes da Vila do Coronado têm agora um instrumento que os auxilia a conhecer e aprofundar as origens da sua própria identidade e os sentidos das suas vivências como reflexão do conhecimento que agora e por esta publicação se propicia”. O excerto do prefácio escrito por Alberto Carneiro desvenda um pouco daquilo que se pode encontrar na obra “A Vila de Coronado”, escrita pelo mamedense Adalberto Costa, que a apresentou durante a Feira de Natal do Coronado, na noite de sábado, 10 de dezembro. Segundo o autor, com este livro pretendia “retratar no passado e no presente a Vila do Coronado”. Terá sido há cerca de dois anos quando começou a escrever o livro, tendo sido “muitas, várias e diversas as razões” para o ter feito, mas “sobretudo para lembrar que no Co-

ronado existe uma vila”. “Podem encontrar elementos que justificam e que, de alguma maneira, comprovam a origem e o percurso da vila do Coronado”, denotou. Para a publicação deste livro, o autor contou com o apoio de vários patrocínios. Por essa razão, o livro “não entra na rede de distribuição normal” e, por isso, quem o quiser adquirir pode fazê-lo através do autor ou então pela editora Scribe. Presente no lançamento do livro, José Ferreira, presidente da Junta de Freguesia do Coronado, afirmou que este será, “acima de tudo, um instrumento de pesquisa que traz ao de cima muito daquilo que somos hoje, enquanto comunidade, freguesia e agora e sobretudo enquanto vila”. “É uma obra muito abrangente nas mais diversas áreas, desde a religião, a política e das questões pessoais”, referiu.

Para a vida eterna não ser só para alguns, a Jeová pertenceu as saídas da morte. SaL.102.18-20 e 68.20. Para isso Jeová rompeu e desfez o velho pacto concluído com todos os povos, para entrar novo pacto. Is.5.7,24-26.Za.11.10-11. Mat.21.4244. Lu.16.16.Is.42.6.C.55.3-4.C.61-8. A ssim os f iéis de Jeo vá são livres de seguir o eterno reino do Pai Celestial no novo pacto.Dan.2.44.C.7.13-14,18.Lu.1.33.C.12.32.C.16.16.C.17.20-21. CoL.1.13.2Pe.1.11. Para Jeová remir o povo da morte, Os.13.14. Is.25.8 e ser conhecido por todos na terra como as águas cobrem o mar disse ao Pai. Eis-me aqui, envia-me, vai. Jo.12.41.47.Is.6.5,8-9.C.9.6.C.11.9.C.17.7.C.25.8-9.C.40.3-5,9.C.53.1-12.Os.6.2-3.C.13.14. Jer.31.33-34.Za.2.10 -11MaL .1.5.C.3.Jo.1.19 -23, 29 -30.Mat.3 -3.C.11.2-6.C.27.46.Sal.22.e.69.9-21. No novo pacto Jeová recebeu um nome que está acima de todos os nomes, nele está a salvação do mundo, sem ele nada se pode fazer. Is.9.6.C.52.6.C.62.2.Za.14.9Ma t.1.21.1Cor 1.2-3.Fi.2.8-11.At.26.18.C.4.12.Jo.20.31.C.15.5.C.12.45-47.C.3.35-36. Ap.22.16.Is.55.3-4. Vivos sempre pela fé no único nome dado por Deus para toda a humanidade, felizes todos disse o Pai os que se refugiam nele, chamado o Deus de toda a Terra. Sal.2.6-9,12.Is.25.8-9.C.35.4.C.40.9.C.54.5,13. Jo.6.45. C.8.51. C.20.27-29.C.1.14. Ap.19.11-13. Tito.2.13. Is.9.6. At.4.12. S ó J e sus dá vida eterna aos mortos, e os santifica pela fé no seu nome. Dan.7.18.Jo.20.31. At.4.12. C.16.30-31. C.26.18.1Cor.1-2.CoL.1.12-14. 1Pe.2.9. Ap.20.6. Jo.5.21-24. C.8.51. C.11.26. C.17.17-19. C.14.6,23. SaL.101.6. Santos filhos de Deus e da luz pela fé em Jesus. Ga.3.26. Jo.1.9-13. C.12.36. Todos herdeiros AT.26.18. da nova terra da felicidade eterna, nela não há mar, morte, dor, tristeza, fome, sede, nem sol. Há rios e árvores da vida, a luz é Deus e o cordeiro e todos os seus fiéis são luz no reino eterno do Pai. Is.33.15,17. 2 Cor.12.2-4. Ap.7.9-10,16. C.21-27. C.22-2. Mat.17.2. C.13.43. Com todos os sacrifícios do corpo e com tudo o que há no mundo ninguém pode resgatar a alma das pessoas da morte, só o sacrifício de Jesus salva por Fé nele SaL. 49.7-8 C.50.3-6 OSE.6.6 Mat.9.13 JO.17.3-8, 15-21 AT.26.18 HE.10.4-18 Mat.26.26-28. Dinheiro anula e ofende o pacto aliança que santifica por meio de sangue e sacrifício de Jesus todos os seus Fieis SaL.50.5 Is.42.6.C.49.6 Mat.10.6-8 EF.2.8.AT.8.18-24 HE.10.4-18, 26-31 Mat.26.26-28.2Pe.2-6Ap.17.14. Batismo só para crentes com Fé em Jesus At.8.18-24.3639.2Pe.2-6. Mat.19.13-14. Religiões e ateus engnados por enganador de Eva, Santos Ler Dan.12.7 Gê.3.13 Ap.12.9.C.13.7.C.3.10C.17.14 2COR.11.14 2Tes.2.9-12 SaL.135.15-18 EX.20.4-6 RO.1.25 MAT.7.19 C.12.30 C.24.51. Neste século a terra e todos os Fiéis à mentira, e não à verdade que deu a sua vida para os salvar a todos, ingratos, infiéis, hipócritas, só no Fogo há lugar para todos JO.14.6 C.C.15.11-14C.10.9-18.C.9.39 Ro.1.25.2Tes.2.9-12 Ap.20.11-15 C.21.8 Mat.21.42-44 C.7.19 C.13.40-42 Is.33.12 SOF.1.18 C.3.8.2 Pe.3.7-12 Mat.24.10-14,51 Dan.12-7. Antes 3ª mãe de todas, o céu desaparece com tudo o que tem, e dá lugar à escuridão como luto por fim dos seus semelhantes Ap.6.4,16-17 HE.10.26-31 Lu.21.22 EZ.32.38 Dan.12-2 Mat.24.6-8,21-22 Mar.13.3-8,19-20,31 Ap.20.11 Is.51.6 Gê.1.26 C.3.22 Jo.9.39. João 10.10-11.C.8.12,51. Vida na Terra é ilusão da carne e dos olhos, depressa passa como o vento 1.ª João2.15-17 Muito Breve todos os falsos e descrentes estão no Fogo a ranger os dentes sem perdão até ao pó. 2.ª Pedro2.1-6 Hebreus 10.26-31 Apocalipse20.11-15 Mateus 7.13-14,19,22-23C.13.41-42C.21.43-44 Isaias33.12.


www.ONOTICIASDATROFA.pt

15 DEZEMBRO 2016 O NOTÍCIAS DA TROFA

“Insultos” do árbitro fizeram jogadores abandonar relvado aos 75 minutos

13

Desporto

“Mama, filho da p…”. Estas foram as palavras que, segundo o capitão do Trofense Hélder Sousa, o árbitro lhe dirigiu logo após o segundo golo do Amarante, na partida em que a equipa da Trofa abandonou o relvado aos 75 minutos, em protesto pela conduta de Pedro Miguel Maia. CÁTIA VELOSO

A

formação trofense perdia por 3-0 e quando o árbitro mostrou o quarto cartão vermelho à equipa, os jogadores decidiram abandonar o terreno de jogo. “Foi um ato coletivo, ninguém nos mandou sair do campo. Foi uma atitude espontânea, porque não aguentávamos mais. Naquela situação sentimo-nos impotentes.

Pela primeira vez na minha vida estou de acordo com esta situação. Eu era incapaz de abandonar um terreno de jogo, mas desta vez senti que estava com os meus colegas”, confessou, em declarações ao NT e à TrofaTv. Hélder Sousa garante que nunca viveu episódio semelhante ao de Amarante: “Eu não sou nenhum santo. Já contestei árbitros, se ca-

Memórias e Histórias da Trofa por José Pedro Maia Reis

Clube Desportivo Trofense - O esboço de uma história Aproveitando o bom momento desportivo do Clube Desportivo Trofense, o tema da crónica desta quinzena centra-se na maior coletividade desportiva do concelho. O C. D. Trofense oficialmente nasceu em 1930 e a sua fundação, não teve apenas propósitos desportivos, o cunho social era imenso, previam a tentativa da criação de uma corporação de bombeiros para a Trofa e também a construção de um espaço para servir de apoio cultural aos turistas que visitavam a localidade. Os jogos eram de cariz amigável, o Trofense não podia disputar jogos oficiais porque não possuía campo de jogos vedados. Uma situação que foi resolvida após o aluguer de um terreno que englobava os atuais terrenos, Hipermercado Minipreço e da fábrica Pinheiro que após várias obras se tornou num campo de jogos. O nome do recinto desportivo era “Campo de Catulo”. Alguns dos adversários dos desafios amigáveis são clubes de renome na atualidade: Vitória de Guimarães, Gil Vicente, Varzim, enquanto outros acabaram por desaparecer. A prática desportiva na Trofa era tímida, havia apenas um clube, ao contrário de Santo Tirso, onde havia vários clubes que praticavam futebol, a Liga Desportiva Tirsense, Sport Clube Tirsense, etc. Também em Famalicão existiam vários clubes a praticar futebol. Os jogadores do Trofense eram jovens, alguns membros da burguesia que crescia à bolina da evolução industrial, contudo, alguns faziam enormes sacríficos, inclusive um atleta, Santinho, vinha ao fim de semana de bicicleta de Viana do Castelo para jogar futebol. Durante a semana era operário da construção civil. Nos primeiros anos de prática desportiva o Clube Desportivo Trofense conseguiu colocar vários jogadores em vários clubes, alguns de topo do futebol nacional, Neca é transferido para o S. C. de Braga. O clube conquistou várias vezes o Campeonato Concelhio, disputando o campeonato de promoção para competir na época seguinte nos campeonatos distritais, contudo nesse patamar desportivo os resultados não foram os desejados surgindo o fracasso. Vários jogadores abandonaram o clube, procurando melhores condições financeiras, uma vez que o clube tinha permanentes dificuldades de tesouraria. Acrescentar ainda um castigo de seis meses aplicado pela A.F. Porto que impediu de competir em partidas oficiais, por não ter jogado contra o C.D. Aves, alegando falta de condições de segurança, o clube praticamente desapareceu, sobrevivendo até 1950.

Jornal O Jogo

“Não aguentamos mais” lhar já fui errado para com alguns e alguns já o foram comigo, mas são momentos. Naquela situação foi o jogo todo com a má intenção de amachucar e isso não podemos admitir a ninguém”. Mas, vamos às incidências de jogo. Nesta jornada, a 13.ª da série B do Campeonato de Portugal, defrontavam-se Trofense, 4.º classificado, e Amarante, 3.º, à partida se- Hélder Sousa afirmou que jogadores “não aguentaram mais” os “insultos” parados por quatro pontos. Horas de o primeiro minuto de jogo”. “Ao Luís Lima admitiu que a situaantes, já tinha havido o confronto Ricardo Fernandes, no minuto um, ção do clube fica muito difícil deentre os dois primeiros classifica- por reclamar de uma falta, o árbi- pois dos últimos acontecimentos: dos – Felgueiras e Marítimo – que tro chamou-lhe de tudo e mais al- “O clube atravessa uma situação os colocou em igualdade pontu- guma coisa durante 30 ou 40 me- grave financeira. Com esta situaal e a sete pontos de distância da tros”, relatou. ção, como vamos captar patrociequipa da Trofa. Para as aspiraBruno Pereira, treinador do Tro- nadores? As vitórias é que fazem ções trofenses, a vitória em Ama- fense, referiu que “o não marcar os clubes. Só tenho que apelar ao rante era essencial para chegar uma falta ou mostrar mal um car- povo da Trofa, que nos continuem perto da zona de promoção, mas tão amarelo é admissível, mas o a ajudar, para não termos que feo jogo começou mal para a equi- mesmo não se pode dizer do com- char as portas”. pa, que se viu em desvantagem aos portamento de um árbitro que está Esta era a primeira vez que Pe11 minutos, com um golo de Bada- constantemente a ameaçar e a in- dro Miguel Maia arbitrava o Trofenrá. As queixas do Trofense come- sultar os jogadores”. “Só posso es- se esta época. Depois deste caso, çaram cedo e incluíram o lance do tar orgulhoso dos meus jogadores a comissão administrativa vai exgolo, que para a equipa é precedi- de terem terminado o jogo sem o por o caso à Federação Portuguedo de falta. agredir, porque realmente até eu e sa de Futebol, com envio do vídeo Cinco minutos volvidos o segun- toda a equipa técnica tivemos que do jogo. do golo do Amarante e a primeira ser homens de ferro, porque era expulsão da partida. muito difícil estar a assistir a tudo Jogadores pedem desculpa O delegado do Trofense, Pedro aquilo”, sublinhou. pelos distúrbios Carvalho, dirigiu-se ao fiscal de liNo final do jogo, dirigentes do nha e rapidamente recebeu ordem “Ele foi encomendado” Amarante queixaram-se de disde expulsão por Pedro Miguel Maia. Treinador e presidente têm pou- túrbios provocados pelos jogadoNa segunda parte, o Trofense fi- cas dúvidas de que este episódio res do Trofense, que resultaram cou reduzido a dez unidades por não surgiu por acaso. Bruno Perei- em portas danificadas e uma maexpulsão de Cléber e, logo a seguir, ra considera que as três goleadas quete do estádio destruída. Hélder viu-se a perder por 3-0. impostas pelo Trofense nos três jo- Sousa admite que os atletas se exNos 25 minutos que se seguiram, gos anteriores, ao Aliança da Gan- cederam. “Não devíamos ter feito foram ainda expulsos Mika e Carter, dra, ao Pedras Rubras e ao Maríti- aquilo, porque estávamos contra que estavam em campo, e Kadu, o mo B “incomodaram muita gente”. o árbitro e não contra o Amarante, guarda-redes suplente. Foi o “ver- “Evidentemente que a sequência de mas foi um ato de revolta, vínhamelho” mostrado a Carter que pro- bons resultados e boas exibições mos condicionados por uma situvocou a decisão da equipa da Trofa que temos vindo a fazer nos últi- ação que nunca nos aconteceu ande não continuar a jogar. “O Carter mos tempos acabou por criar al- teriormente”, justificou. é australiano e nem fala bem por- gum incómodo. Talvez por isso, tetuguês. Ele só se virou para o ár- nhamos pago a fatura por esse pasTreinador não desiste de lutar bitro e perguntou o porquê e ele sado recente”, afiançou, depois de Se vencesse o Amarante, o Troexpulsou-o logo”, advogou Hél- frisar que o Trofense “é a melhor fense ficaria apenas a um ponto der Sousa. equipa da série e a que merecia es- do adversário e a quatro do 1.º lutar em primeiro lugar”. gar. Com a derrota, mantém os 19 “Insultos e ameaças” Já Luís Lima, presidente da co- pontos, menos sete que AmaranPior que as decisões polémicas missão administrativa, considera te, Felgueiras e Marítimo B. Apeem lances de falta e amostragem que Pedro Miguel Maia “foi enco- sar de ter uma tarefa difícil, Bruno de cartões, jogadores, equipa téc- mendado por alguém”. “Este ho- Pereira não atira a toalha ao chão. nica e direção do Trofense conde- mem veio com um objetivo, des- “Difícil não é igual a impossível. Ennam a forma como Pedro Miguel truir o Trofense. Na sexta-feira, pe- quanto for matematicamente posMaia tratou os atletas. guei no meu telemóvel e vi a lista sível e enquanto nos deixarem, vaHélder Sousa afirmou que o cli- de árbitros nomeados, vi este indi- mos fazer o que estiver ao nosso alma de intimidação do árbitro “co- víduo e a primeira coisa que fiz foi cance para cumprir o nosso objetimeçou logo no túnel de acesso ao transmitir à equipa técnica para vo”, salientou. relvado” pela forma “agressiva” ter cuidado, porque este homem O Trofense recebe, no domingo, com que tratou os jogadores. De- ia para destruir o Trofense. Dito e pelas 15 horas, o Camacha, que pois, a postura manteve-se “des- feito”, sublinhou. ocupa o 8.º lugar, com 15 pontos.


14

www.ONOTICIASDATROFA.pt

O NOTÍCIAS DA TROFA 15 DEZEMBRO 2016

Desporto

Bougadense B venceu mas não convenceu

Bougadense vence e dedica vitória a Tó

A equipa B do Atlético Clube Bougadense deslocou-se a Paços de Ferreira para a partida a contar para a 10.ª jornada da série 2 da 2.ª divisão distrital. Para Santiago de Bougado trouxe uma vitória apesar da exibição pouco convincente. O Bougadense B derrotou por 2-1 o GDC Ferreira, com Ferreira a bisar. Liliana Oli-

O Atlético Clube Bougadense mente o Bougadense à frente no venceu em casa o São Vítor, por marcador, resultado que se manduas bolas a uma, em jogo a con- teve até ao apito final. De realçar a tar para a 10.ª jornada da série 1 da lesão grave de Tó, a quem os cole1.ª divisão distrital. gas dedicaram a vitória. “Foi pena Foi a equipa da casa a inaugurar um jogador nosso ter saído lesioo marcador, 11 minutos depois do nado gravemente, o que também apito inicial, com Tó Maia a mar- transtornou um bocado os noscar. As oportunidades de aumen- sos jogadores que conseguiram tar a vantagem continuaram, mas dar a volta e dedicar a vitória ao veira/ Cátia Veloso a formação de Santiago de Bou- Tó, que neste momento deve esgado não as soube aproveitar e tar a ser operado a uma fratura na ao minuto 45 viu o São Vítor igua- face”, explicou o treinador. Sobre pesar de resolver a partida lar a partida, com “um livre fora da a equipa comandada por si, Agos- logo nos primeiros cinco minutos área, com alguma responsabilida- tinho Lima considera que “se tem de jogo, depois de Ferreira marde para o setor defensivo” do Bou- portado bem e têm estado à altu- car aos dois e quatro minutos da gadense. Com o marcador empa- ra dos acontecimentos”. A forma- primeira parte, o Bougadense B tado a um, “criou-se uma certa an- ção de Santiago de Bougado se- não convenceu. Mas vamos por siedade e muitas vezes com a equi- gue em 7.º lugar, com 17 pontos. Na partes. O primeiro golo da formapa a não conseguir jogar bem, mas próxima jornada o AC Bougadense ção de Bougado surge de um cru“com a atitude correta”, explicou o desloca-se ao reduto do Arcozelo. zamento para área, com a equitécnico do Bougadense, Agostinho O apito inicial está marcado para pa da casa a tentar aliviar, mas, Lima. Já perto do apito final, aos as 15 horas de domingo, 18 de de- na segunda vaga, a bola sobrou 80 minutos, Pisco colocou nova- zembro. L.O./C.V. para Ferreira que não desperdiçou a oportunidade de colocar a pub formação de Santiago de Bouga-

A

do em vantagem. Dois minutos experiência do jogador mais exdepois, Ferreira voltou a marcar. periente da equipa, Ferreira, que Desta vez, num lance estudado, fez a diferença não só por ter marque “mais uma vez surtiu efeito”, cado os dois golos, mas pela posafirmou José Manel, treinador da tura e forma de estar em campo equipa B do AC Bougadense. Aos e também por tentar passar essa 13 minutos, o GDC Ferreira redu- experiência para o resto dos jogaziu a desvantagem, com golo de dores que são muito jovens”. Com a vitória sobre o FerreiHugo Leal. Mas não foi suficiente. O Bougadense B venceu mas ra, a equipa B do AC Bougadennão convenceu, com o técnico da se soma 14 pontos e ocupa o 7.º formação de Santiago de Bouga- lugar da tabela classificativa. Na do a considerar “o resultado fi- próxima jornada a formação de nal um bocado injusto”. “A equi- Santiago de Bougado recebe o pa da casa teve muitas oportuni- FC Parada, pelas 15 horas do dia dades de golo, podia ter levado 17 de dezembro. “As vitórias trazem motivao jogo de vencida ou empatado. Acabou por perder e nós tivemos ção”, mas os objetivos vão-se dea sorte de ter marcado logo dois finindo “ jogo a jogo”. “A equipa golos de início. Durante o resto que vai jogar este fim de semado jogo foi um futebol sem gran- na contra nós está em terceiro de qualidade”, afirmou José Ma- lugar, vem de uma vitória de 5-0, nuel. “A sorte que nós tivemos também está moralizada e proneste jogo vem compensar o azar mete ser um bom jogo. São duas que tivemos noutros e vai ser as- equipas que vão tentar terminar sim mais vezes de certeza ao lon- o ano com uma vitória”, finalizou go do campeonato”, acrescentou. o técnico. O treinador destaca ainda “a

Futsal federado

Seniores do S. Romão goleiam

pub

pub

Foi com um triunfo folgado de No campeonato da 1.ª Divisão da No escalão de juvenis, na 1.ª Di2-7 diante do Luso Académico, que visão da AFP, o CR Bougado empa- AFP de seniores femininos, o FC S. o Futebol Clube S. Romão cumpriu tou a três bolas com o Santa Isa- Romão foi derrotado pelo Santana, a 10.ª jornada do campeonato de bel, segurando o 8.º posto, com por 0-2. Com 14 jornadas cumpriseniores da 2.ª Divisão da Associa- 20 pontos, quando estão cumpri- das, a formação romanense manção de Futebol do Porto (AFP). Os das 16 rondas. O próximo adversá- tém o último lugar, com dois ponromanenses somam nove pontos, rio é o Retorta. tos, e na próxima partida mede forocupam a 7.ª posição e na próxima Em juniores, a mesma coletivi- ças com a Juventus Triana. ronda defrontam o Penafiel. Em infantis, o FC S. Romão perdade não evitou o desaire com o Na 10.ª jornada da 1.ª Divisão da Gondomar Futsal por 2-1, na 13.ª deu por 3-2 com o Restauradores AFP, série 2, o Centro Recreativo jornada da série 2 da 2.ª Divisão da Brás Oleiro, em jogo a contar para Bougado venceu por 2-4 o Esco- AFP. Na 7.ª posição, com 19 pontos, a 12.ª jornada da série 2 da 2.ª Divilas Modelos, subindo ao 3.º lugar, a formação bougadense defronta são da AFP. Com 18 pontos que lhe valem o 3.º lugar, a equipa romacom 18 pontos, enquanto o Gru- o Magrelos no próximo jogo. po Desportivo Covelas bateu o EsTambém sem uma jornada aus- nense defronta, na próxima ronda, trelas Susanenses por 3-4, soman- piciosa, os iniciados do CR Bouga- o CSRC S. Pedro de Avioso. No campeonato distrital de bendo agora 12 pontos que o permi- do perderam com o Vila Boa do tem estar na 12.ª posição. Na pró- Bispo, na 12.ª jornada da série 2 jamins, série 2, o FC S. Romão perxima jornada, os bougadenses re- da 2.ª Divisão da AFP, descendo deu com a Cohaemato por 12-1 e cebem o Aliviada, enquanto a for- ao 3.º lugar, com 28 pontos. O Es- ainda não pontuou ao fim de 12 mação de Covelas recebe o Esco- colas Modelos é o adversário que jornadas. O Boavista é o próximo se segue. adversário. C.V. las Modelos.

Campeonatos Concelhios de Futsal Seniores Masculinos 3.ª Jornada E. Rol. Miguel 4-0 S. P. Maganha Team Lantemil 3-3 CA Bairros CRB-ARD Coronado (Adiado - 16 dezembro) GD Covelas 7-0 GCR Alvarelhos

ACRABE 1-2 Guidões Seniores Feminino - 2.ª Jornada EF Rol. Miguel 0-6 Team Lantemil ARD Coronado 2-3 Casa FCP da Trofa Guidões FC 0-7 CD Trofense

Veteranos Masculinos 2.ª Jornada S. Pedro Maganha-ACRABE (Adiado - 30 de dezembro) ARDCoronado 0-10 Team Lantemil Club Slotcar da Trofa-Guidões FC (Adiado - a definir)


www.ONOTICIASDATROFA.pt

Agenda Dia 17 11 horas: Inauguração do 1.º Frigorífico Solidário, na Junte de Freguesia do Muro 14 horas: Assembleia Municipal Jovem do Orçamento Participativo Jovem, no auditório Fórum Trofa XXI 15 horas: Bougadense B-FC Parada

15 DEZEMBRO 2016 O NOTÍCIAS DA TROFA

António Neto em 24.º na S. Silvestre de Santo Tirso António Neto, atleta da Trifitrofa, voltou a participar em provas de atletismo. No dia 10 de dezembro, foi a vez de ir a Santo Tirso, onde participou na 19.ª São Silvestre, de 10 quilómetros, obtendo o 24.º lugar em Veteranos M-60. Anteriormente, no dia 8 de dezembro, participou no Correio na 59.ª Volta a Salgueiros, no Porto, numa prova de 10 quilómetros, onde se classificou em 26.º lugar em Veteranos M-60. A.M./C.V.

Dia 18 15 horas: Trofense-Camacha 15 horas: Arcozelo-Bougadense Dia 19 21 horas: Assembleia de Freguesia do Bougado, no auditório da Junta de Freguesia, em Santiago 21 horas: Assembleia de Freguesia de Covelas, no auditório da Junta

Farmácias Dia 15 Farmácia Barreto Dia 16 Farmácia Nova Dia 17 Farmácia Moreira Padrão Dia 18 Farmácia Ribeirão Dia 19 Farmácia Trofense Dia 20 Farmácia Barreto Dia 21 Farmácia Nova Dia 22 Farmácia Moreira Padrão

Salvador Monteiro chamado para estágio Salvador Monteiro, atleta sub 8 do Clube de Ténis da Trofa, integra a convocatória sub 10 para estágio entre atletas da Associação de Ténis do Porto e Asso-

Necrologia S. Martinho de Bougado Emília de Oliveira Faleceu no dia 8 de dezembro, com 90 anos. Viúva de Joaquim da Silva Moreira Maria Manuela da Silva Rodrigues Faleceu no dia 9 de dezembro, com 68 anos. Viúva de Alberto Mário Matos de Oliveira Maria da Conceição Rodrigues da Silva Faleceu no dia 11 de dezembro, com 88 anos. Viúva de António de Sá Ferreira Albina Moreira de Sousa Faleceu no dia 14 de dezembro, com 86 anos. Viúva de Armindo Campos da Silva Funerais realizados pela Agência Funerária Trofense, Lda. Gerência de João Silva

Ficha Técnica

ciação de Ténis de Lisboa, entre os dias 16 e 18 de dezembro, no Complexo de Ténis de Lousada. A.M./C.V.

15

Atualidade Crónica

Literária mente César Alves

Escreve… Mesmo que não voltes a ler Esta semana “tropecei” num artigo que continha algumas dicas sobre como ser mais organizado diariamente, na nossa vida. Um dos conselhos falava, precisamente, da escrita. Dizia o ponto do tal artigo para escrevermos o que vamos fazer, mesmo que não voltemos a lê-lo. A ideia por trás desta atitude é a de que, quando escrevemos o que pensamos, conseguimos memorizar mais facilmente, fazer uma espécie de uma nota mental mais forte do que o simples “tenho de me lembrar de…”. Como é hábito, tentei levar esta questão ao extremo e pensar em mais utilidades desta atitude, assumindo que é verdadeira. A mais simples que me surgiu prende-se com o estudo, com a aquisição de conhecimento. A forma mais básica de estudarmos algo, quer na escola, quer na vida em geral, será a fazer resumos. Muitos podem questionar a utilidade, em termos de tempo perdido (como eu), mas não tenho dúvidas de que ajudará a memorizar. Tudo isto me parece, no entanto, demasiado simplista para aquilo que acho que a escrita pode fazer por nós. Conversava com uma amiga recentemente (obrigado, Inês) sobre a escrita e a leitura e falávamos de como, provavelmente, escrever poderá ajudar pessoas que tenham graves problemas psicológicos, como, por exemplo, a depressão. Não que cure a doença, como é óbvio, mas que ajude. Que torne as coisas mais leves. E eu acredito que haja mesmo alguma verdade nisto. Vejamos. Não conheço os números atuais sobre a depressão, quer a nível nacional, quer a nível mundial. Mas não preciso para me focar no ponto que acho mais essencial: somos cada vez mais queixosos. Estamos constantemente a emitir juízos de valor negativos sobre as pessoas que nos rodeiam, sobre o meio em que esta-

mos inseridos, sobre o mundo em que vivemos. E, quando as coisas correm mal, arranjamos uma mão cheia de bodes expiatórios. O leitor pense comigo: se pudesse ter acesso a todos os seus pensamentos diários, sobre tudo e mais alguma coisa, sobre as pessoas, sobre o trabalho, sobre as notícias, essa leitura seria deprimente ou feliz? Haverá as exceções, como sempre. Mas na grande maioria (e contra mim falo, muitas vezes) teria uma leitura deprimente. Não podemos desvalorizar os efeitos que um permanente queixume traz às nossas vidas. É um ciclo vicioso e, quando damos por nós, estamos presos. Presos numa espécie de tornado de pensamentos e de acontecimentos negativos. Quando podemos ter – por mínimo que seja – um impacto nisso. Portanto, caro leitor, escreva os seus pensamentos. Quando estiver irritado, escreva. Mesmo que não volte a ler. Livro da Quinzena:

O Matemático Disfarçado, Michael Starbird. Sou completamente a favor de sairmos da nossa zona de conforto na vida em geral e… na leitura em particular. O último livro que li alia a matemática ao humor inteligente e quebra alguns dogmas e alguns conceitos demasiado profundos que temos sobre os números e sobre a matemática. Vale a pena! Literariamente, estamos conversados.

Diretor: Hermano Martins (T.E.774) Sub-diretora: Cátia Veloso (9699) Editor: O Notícias da Trofa Publicações Periódicas Lda. Redação: Patrícia Pereira (9687), Cátia Veloso (9699), Magda Machado de Araújo (TE1022) , Liliana Oliveira (TP 2436) | Setor desportivo: Marco Monteiro (C.O. 744), Miguel Mascarenhas (C.O. 741) Colaboradores: Atanagildo Lobo, Jaime Toga, José Moreira da Silva (C.O. 864), João Pedro Costa, João Mendes | Fotografia: A.Costa, Miguel Trofa Pereira (C.O. 865) Composição: Cátia Veloso | Impressão: Gráfica do Diário do Minho, Lda. | Assinatura anual: Continente: 22,50 euros; Extra europa: 88,50 euros; Europa: 69,50 euros; | Assinatura em formato digital PDF: 15 euros IBAN: PT50 0007 0605 0039952000684 | Avulso: 0,60 Euros | E-mail: jornal@onoticiasdatrofa.pt | Sede e Redação: Rua das Aldeias de Cima, 280 r/c 4785 - 699 Trofa Telf. e Fax: 252 414 714 Propriedade: O Notícias da Trofa - Publicações Periódicas, Lda. NIF.: 506 529 002 Registo ICS: 124105 | Nº Exemplares: 5000 | Depósito legal: 324719/11 | ISSN 2183-4598 | Detentores de 50 % do capital ou mais: Magda Araújo | Estatuto Editorial pode ser consultado em www.onoticiasdatrofa.pt | Nota de redação: Os artigos publicados nesta edição do jornal “O Notícias da Trofa” são da inteira responsabilidade dos seus subscritores e não veiculam obrigatoriamente a opinião da direção. O Notícias da Trofa respeita a opinião dos seus leitores e não pretende de modo algum ferir suscetibilidades. Todos os textos e anúncios publicados neste jornal estão escritos ao abrigo do novo Acordo Ortográfico. É totalmente proibida a cópia e reprodução de fotografias, textos e demais conteúdos, sem autorização escrita.


16 O NOTÍCIAS DA TROFA 15 DEZEMBRO 2016

www.ONOTICIASDATROFA.pt

Atualidade

Marca low cost de maquilhagem aposta na qualidade

It Style abriu portas na Trofa e em Guimarães A

It Style chegou à Trofa. A loja, situada na Rua Conde S. Bento, no coração da cidade, abriu as portas no primeiro dia de dezembro. Uma marca que se insere “num segmento de maquilhagem low cost, com uma excelente qualidade”. Ana Sá é trofense e achou que era uma lacuna da Trofa não ter nenhum espaço comercial “com este conceito exclusivo de maquilhagem”. Um batom, um rimel ou uma sombra são pormenores que todas as meninas se habituam a ver desde pequenas ou porque a mãe usa diariamente ou porque a avó não sai à rua sem o tal ‘pó de arroz’. Na It Style “todos os artigos têm ótima pigmentação, bem como longa duração e altas coberturas”, afirmou Ana Sá.

Baixo custo e alta qualidade são os padrões que definem a It Style que na Trofa tem ao dispor de todos os clientes, além de uma vasta gama de produtos, “serviços de maquilhagem (flash, dia, noite e para noivas), executadas por uma maquilhadora profissional, bem como de workshops de maquilhagem”. A imagem é uma preocupação para a generalidade das mulheres. As da Trofa não são exceção. Para Ana Sá, “o conceito de beleza cada vez mais se aproxima de bem-estar e saúde, uma vez que a maquilhagem pode ser usada como forma de embelezamento, mas também como forma corretiva e aí já falamos de conceito de saúde e bem estar”, realçou a gerente. Com produtos a custar entre os 3.95 euros, como batons,

sombras ou lápis, e os 6.90 euros, por exemplo serviço de maquilhagem flash, na It Style poderá encontrar alguns dos seus presentes de Natal. Porque não oferecer a alguém especial um workshop de maquilhagem? Na It Style tem workshops a partir de 9.90 euros. Aproveite ainda as campanhas promocionais de Natal e “na compra de 50 euros em artigos pode usufruir do workshop de automaquilhagem por 9.90 euros, sendo que este tem o valor de 29.90 euros”, informou Ana Sá. Além disso, muitos dos artigos encontram-se neste momento em promoção. Visite o novo espaço comercial da Trofa e “este Natal ofereça beleza”. Paletas de sombras e novidades para esta data especial podem ser encontradas na sua loja de eleição. Enquanto a equipa da It Sty-

It Style abriu na Rua Conde S. Bento

le aguarda a sua visita, deixa-lhe as tendências para esta estação: “Neste inverno voltamos à década de 90 e ao estilo gótico sexy (batons escuros e pestanas longas). Daremos ênfase à técnica strobing (iluminar os pontos altos do rosto), os batons mate cores de vinho, ameixa, cereja e o arrojado e clássico vermelho serão tendência este inverno. Para um look mais dramático poderá recorrer ao batom preto. Para os olhos, o eyeliner nunca sai da moda e este inverno a tendência será desenhar dois em vez de um, tornando o olhar mais sexy. O glitter, para fazer a alegria das mais exuberantes e em várias cores, o esfumado e smokey eyes metálicos serão também tendência”. Mas as novidades não ficam por aqui. A loja da Trofa não foi caso único, porque a marca também

viajou para a cidade Berço. O Largo Navarros de Andrade, em Guimarães, conta também, desde 19 de novembro, com uma loja It Style. Por gostar muito da cidade e por pretender “projetar a marca na zona Norte”, Ana Sá viu em Guimarães uma boa opção “para começar este projeto”. Na loja de Guimarães poderá encontrar diversos serviços: design sobrencelhas, microblading, permanente e extensão de pestanas, maquilhagem ao domicílio, tratamento de corpo e rosto, manicure, pedicure, epilação, depilação, massagens ou cavitação são algumas das opções. Visite as lojas da Trofa e Guimarães e sinta-se mais bonita. Para mais informações pode visitar as páginas do Facebook da It Style Trofa e It Style Guimarães ou contacte o 912 023 085.

Conferência “Treino de Guarda-Redes” O Clube Desportivo Trofense, através do Departamento de Formação, organiza mais uma edição do “Defender+”, que se divide em duas iniciativas: Conferência de Treino de Guarda-Redes e o Campo de Treino. A Conferência de Treino de Guarda-Redes realiza-se pelas 18.15 horas do dia 22 de dezembro, no auditório Fórum Trofa XXI, onde vão ser “apresentadas metodologias de treino de guarda-redes de excelência a nível nacional e o melhor que se faz no nosso país no que toca ao treino de guarda-redes”. A sessão vai contar com a presença de Fernando Ferreira, treinador com passagens pelo Sporting CP e SL Benfica, que vai apresentar o projeto “Eagle One”, referente à formação de guarda-redes do Benfica. Também Daniel Araújo, ao serviço do Trofense pela sua quinta época, vai apresentar a metodologia de treino de guarda-redes da formação da Trofa, desde os Sub10 ao plantel sénior. Já para o dia 27 de dezembro está previsto o Campo de Treino, onde os guarda-redes vão poder trabalhar segundo a metodologia de treino de guarda-redes do Trofense, com análise de vídeos e dinâmicas de grupo. A inscrição tem um custo de dez euros e deve ser feita através do Facebook (defendermais) ou do email defendermais@gmail.com. No dia serão sorteados “artigos de guarda-redes de nível Mundial entre os participantes”. P.P.

Edição 601 do jornal O Notícias da Trofa  

Edição de 15 de Dezembro de 2016