Page 1

PUB

Semanário | 8 de dezembro de 2016 | Nº 600 Ano 14 | Diretor Hermano Martins | 0,60 € //PÁG. 3

//PÁG. 04

//PÁG. 3

Mecânico detido pela PSP

//PÁG. 5

Clonagem de cartões multibanco na Trofa

PS abandona Assembleia em protesto com “insultos”

//PÁG. 2

Trofense sugere NT lança campanha “Assina um bloquear linhas recebe dois” do metro no Porto pub


2

O NOTÍCIAS DA TROFA 8 DEZEMBRO 2016

www.ONOTICIASDATROFA.pt

Atualidade Novos assinantes d’O Notícias da Trofa recebem Jornal do Ave gratuitamente

B.Loft recebe exposição de artista Campanha “Assina trofense até ao final de janeiro J

um e recebe dois”

oana Leite Pinto tem 31 anos, é de S. Martinho de Bougado, arquiteta de profissão e uma amanNão é uma promoção de descontos, mas um incentivo à leitura. te de pintura. Deixa nas telas a sua “Assina um recebe dois” é o nome da campanha lançada esta semamarca e mais de 30 estão agora na pelo jornal O Notícias da Trofa, em parceria com o Jornal do Ave. em exposição, até 31 de janeiro, Os objetivos desta campanha passam por fomentar os hábitos de na loja de decoração B.Loft, situleitura dos cidadãos da região do Ave e da Área Metropolitana do ada na Rua Cesário Verde, em S. Porto e o conhecimento da realidade da sua freguesia, do seu conMartinho de Bougado. “Os trabacelho e da região. lhos, tecnicamente, são à base de Durante as próximas semanas, para que possa conhecer este procaneta e aguarelas”, explicou a jeto jornalístico, os leitores recebem gratuitamente o Jornal do Ave. artista. Alguns dos desenhos são Assim e até ao final de fevereiro de 2017, quem fizer a assinatura anu“obsessões” feitas “com uma lial do jornal O Notícias da Trofa, que tem um custo de apenas 22,50 nha única, contínua, sem nunca euros, recebe de forma gratuita o Jornal do Ave, durante seis meses. levantar a caneta”. “Se eu estiver Joana Pinto Leite expõe na B.Loft Se já é assinante d’O Notícias da Trofa e pretende passar a receber muito concentrada eu consigo fatambém o Jornal do Ave tem um desconto de 50 por cento no valor zer uma fila enorme de caras e to- to “sempre gostou de desenhar”. lha entre a arquitetura e a pintuFoi na arquitetura que viu o seu ra: “vou conjugar as duas”, afir- da assinatura anual do Jornal do Ave no ano 2017. das muito bem proporcionadas”, A campanha lançada esta semana coincide com a passagem do explicou Joana Leite Pinto. Além percurso profissional, mas aquan- mou. Esta não é a primeira exdestas obsessões, Joana tem em do a sua passagem pela capital posição de Joana. Em maio des- Jornal do Ave a semanário, que passa a sair para as bancas todas as exposição alguns desenhos que alemã, Berlim, Joana Leite Pinto, te ano expôs “em Berna, na Suíça” quintas-feiras de cada semana. intitula de “Guerreiras”. “Dese- “não estando a trabalhar em ar- e “as pessoas gostaram”. Agora é Já o jornal O Noticias da Trofa mantém-se semanário sendo o dia de nho muitas vezes a figura femini- quitetura”, teve “algum tempo li- ‘em casa’ que tem os seus traba- fecho de edição a quarta-feira, o mesmo acontece com o Jornal do na e é a forma como vejo a mulher vre” e começou a desenhar. “Des- lhos expostos. Com valores entre Ave. Recorde-se que esta publicação é distribuída via CTT ou através nos dias de hoje, a precisar de cli- de aí foi só encher cadernos”, afir- os 70 e os 230 euros, pode encon- da venda em banca, maioritariamente nos concelhos da Trofa, Sanmas tropicais, de relaxar um bo- mou a trofense. Encontra na mú- trar as obras desta trofense até ao to Tirso e Vila Nova de Famalicão. cadinho, inteligentes e diferentes sica a inspiração e nas telas um final do mês de janeiro na loja de “Assina um recebe dois”! Fica lançado o desafio de se manter inforporque têm quatro olhos, muitas gosto. Por isso, quanto ao futu- decoração B.Loft. mado sobre toda a região. L.O./C.V. vezes”, justificou. Joana Leite Pin- ro não consegue fazer uma escopub


www.ONOTICIASDATROFA.pt

Detido por furto e desmantelamento de viaturas

8 DEZEMBRO 2016 O NOTÍCIAS DA TROFA

3

Atualidade

Clonagem de cartões na Trofa

“Por questões de segurança, o seu cartão encontra-se bloqueado. Queira por favor contactar o Banco”. Esta mensagem apanhou de surpresa várias pessoas que viram o seu cartão de multibanco cancelado pelo banco, por existirem suspeitas de que tenha sido clonado. PATRÍCIA PEREIRA

F

Mecânico da Trofa foi detido pela PSP do Porto

Um homem de 28 anos, “mecâni- constituiu arguidos “três homens e co e residente na Trofa”, foi detido uma mulher” e apreenderam “oito pela Polícia de Segurança Pública viaturas automóveis que consta(PSP) do Porto, por furto e desman- vam para apreensão por terem sido telamento de automóveis, e pre- furtadas, sendo que duas já se ensente às autoridades judiciárias a contravam parcialmente desman2 de dezembro. teladas”. Foram ainda apreendiA detenção foi o resultado da rea- dos “documentação de viaturas lização de “uma busca domiciliária que constam para apreensão por na Trofa e de duas buscas não do- terem sido furtadas, diversas peças miciliárias na Trofa e em Braga”, no de automóveis e equipamentos”. âmbito do combate aos crimes conA ação, que decorreu entre o tra o património, cujas “práticas ilí- dia 30 de novembro e 2 de dezemcitas” do furto e desmantelamento bro, visou “a identificação e dede automóveis resultaram “prejuí- tenção dos autores do ilícito em zos na ordem dos milhares de eu- foco, apreensão de meios de proros”, segundo adiantou a PSP, em va, assim como a recuperação de comunicado. artigos e viaturas automóveis alSegundo o mesmo documento, gumas de gama alta e furtadas na na conclusão desta operação po- Maia, Vila do Conde, Póvoa de Varlicial, a PSP do Porto identificou e zim e Porto”.

nestes últimos dias registaram-se oi o caso dos cartões de mul- na Trofa “muitas queixas” de cartibanco de Maria Ferreira e Jorge tões clonados e, por essa razão, a Oliveira, residentes em S. Marti- senhora decidiu contar a sua hisnho de Bougado, que, na manhã tória, como forma de alertar a code segunda-feira, foram surpreen- munidade para ter cuidado na utididos com esta mensagem no te- lização do cartão multibanco. A clonagem do seu cartão multilemóvel. Ao estabelecerem uma chamada para o número indica- banco pode ser feita sem a pessoa do, foi-lhes explicado que o car- dar conta. Os larápios colocam tão multibanco tinha sido cance- dispositivos nas máquinas ATM lado, sendo necessário dirigir-se a que permitam a leitura da banda uma agência bancária, para rece- magnética dos cartões introduber um cartão provisório enquan- zidos, bem como a gravação dos Houve queixas de clonagem na Trofa respetivos códigos secretos quanto não recebem o novo. Maria Ferreira contou que lhe do digitados pelos titulares dos certifique-se de que a leitura é efedisseram que o seu cartão teria verdadeiros cartões, durante a re- tuada num único equipamento e, sido clonado, tendo na noite de alização das operações. Depois é ao digitar o código pessoal (PIN), domingo existido uma “tentati- feita a clonagem dos cartões com cubra o teclado com a outra mão, va” de transferirem o seu dinhei- base na leitura dos dados recolhi- protegendo a digitação de olhares ro para “uma conta estrangeira”. O dos, conseguindo, posteriormen- ou de câmaras. Além disso, não permita que repitam a operação mesmo aconteceu com Jorge Oli- te, levantamentos indevidos. E na época natalícia, em que sem que o terminal indique que a veira, mas já na manhã de segunda-feira. Em ambos os casos, as é mais fácil a utilização do car- primeira tentativa falhou, certifivítimas tinham feito levantamen- tão multibanco para as compras que-se de que o cartão que lhe é tos de máquinas ATM, no concelho. de Natal, recomenda-se prudên- devolvido é mesmo o seu e exija Quando esteve na agência ban- cia na utilização do sistema de le- sempre comprovativo da operacária, o funcionário que atendeu vantamento automático. Assim, ção, para se assegurar que não Maria Ferreira ter-lhe-á dito que quando utilizar uma máquina ATM, houve acessos não autorizados. pub

pub


4

www.ONOTICIASDATROFA.pt

O NOTÍCIAS DA TROFA 8 DEZEMBRO 2016

Atualidade

PS abandona Assembleia em protesto com “insultos” do executivo municipal

Não admira que estejam vazias

“Tanta burrice”. As palavras de António Azevedo, vice-presidente da Câmara Municipal da Trofa, em retaliação à intervenção do socialista Marco Ferreira, fizeram o caldo entornar na sessão de 30 de novembro da Assembleia Municipal. CÁTIA VELOSO

A

João Mendes

Q

Socialistas apontam dedo ao executivo municipal e à presidente da Assembleia

reação do autarca surgiu quando o membro eleito pelo Pedro Ortiga assinalou que a ses- agora instrumento de uma queiPS acusava o executivo de “fa- são de 30 de novembro “constitui xa que a concelhia socialista vai lhar pontos essenciais do Plano o culminar de três anos de perse- apresentar “à Direção Geral das de Ajustamento Financeiro”, du- guição política ao PS”. “Às interven- Autarquias Locais (DGAL), através rante a discussão do orçamento ções políticas do PS, o presidente do envio do vídeo da sessão da Aspara 2017. e o vice-presidente da Câmara res- sembleia”. Considerando que António Aze- pondem com ataques pessoais de Para os socialistas, o “desconvedo “desrespeitou” os eleitos e o uma inqualificável baixeza”, asse- trolo emocional dos líderes muórgão da Assembleia Municipal, os verou o socialista, que também nicipais” justifica-se com o facto elementos da bancada do PS aban- apontou o dedo a Isabel Cruz. “A de a oposição ter “demonstrado o donaram a sessão. presidente da Assembleia foi, por malabarismo político em torno das O primeiro a “desertar” após diversas vezes, a líder da perse- contas municipais”. Pedro Ortiga esta reação foi Pedro Ortiga, que já guição ao PS, incentivando a ban- referiu-se a um relatório da DGAL, tinha protagonizado um momento cada do PSD a ‘protestar as inter- citado por Marco Ferreira durante “quente” com a presidente da As- venções do PS, comentando inter- a intervenção na Assembleia Munisembleia, Isabel Cruz, durante um venções do PS, fazendo juízos de cipal e que, segundo os socialistas, pedido de ordem à Mesa (ver caixa). valor extemporâneos e com o fim “denuncia a incapacidade do MuniApós a intervenção de Marco Fer- de condicionar as intervenções”. cípio de cumprir o plano de redureira e antes que António Azevedo Magalhães Moreira, vereador do ção de dívida combinado”. começasse a responder, os restan- PS, foi mais longe e afirmou que O PS Trofa considera ainda que tes elementos seguiram o exemplo “nunca” viu em “50 anos de inter- “a democracia está doente na Trofa” e abandonaram a sessão. venção política” uma assembleia e que o presidente da Câmara tem Momentos mais tarde, Concei- “a ser gerida nos termos que está a assumido “um papel de descredibição Paixão, do PS, regressou à sala ser dirigida atualmente a Assem- lização do poder político” no conpara reiterar que a saída dos ele- bleia Municipal da Trofa”. “Nunca celho. “É um presidente que envermentos se deveu “à falta de res- na minha vida vi um presidente de gonhou os trofenses quando, em peito”. “Se queremos que os mais uma Assembleia, perante a inércia tribunal, aceitou pagar para não novos procedam com correção, os do grupo parlamentar do partido ser julgado por agressão a um camais velhos têm de dar o exemplo”, a que pertence, incentivá-lo a rea- sal à porta de uma discoteca, quanafirmou a socialista. gir de determinada forma sem se do, em tribunal, admite que, menIsabel Cruz prosseguiu os traba- levantar da cadeira de presidente”, tindo, exagerou nos valores de gaslhos, sublinhando que “não houve afirmou, referindo-se a Isabel Cruz, tos do anterior executivo relativos nenhum pedido de protesto por a quem criticou “a arrogância com a publicidade e quando demoliu parte do líder da bancada que, an- que fala”. “Não tem formação de- secretamente uma ponte histórites de se ausentar, podia ter feito”. mocrática”, continuou. ca no concelho, depois de, meses Os acontecimentos que ditaram antes, ter prometido um referendo Em jeito de justificação pela reação assumida, António Azeve- o abandono dos elementos do PS sobre a demolição da ponte”, frisado afirmou que “burrice é um ad- da Assembleia Municipal serão ram os socialistas. jetivo, não um substantivo, o que quer dizer que ao chamar burrice foi àquilo que ele (Marco Ferreira) afirmou e não a classificá-lo”. O au“A presidente sou eu e quem decide sou eu”. Foi desta forma que tarca afirmou ainda “compreender Isabel Cruz respondeu a uma reclamação do socialista Pedro Ortiga, esta vergonha que eles (PS) têm”, que invocou o regimento para justificar a legitimidade de Marco Ferporque “o líder diz tanta asneira”. reira para protestar a intervenção da social-democrata Sofia Matos, que foi criticar as propostas do partido de oposição para o plano de PS vai fazer queixa à DGAL atividades da autarquia. “Então ensine-me que eu tenho a humildaEsta terça-feira, a concelhia do de de aprender, enquanto vocês não têm”, afirmou Isabel Cruz, que Partido Socialista convocou uma logo a seguir foi questionada por Pedro Ortiga a razão pela qual esconferência de imprensa para contava a “fazer juízos de valor”. “Vai-me desculpar, mas o senhor vaidenar o comportamento do execu-se calar e não o vou ouvir. Faça por escrito”, respondeu a presidentivo municipal e da presidente da te da Assembleia. Assembleia Municipal.

“O senhor vai-se calar”

uando um membro do executivo camarário se refere a uma intervenção, em plena Assembleia Municipal, como sendo “uma burrice”, estamos perante um insulto e uma falta de respeito, para com a pessoa em causa e para com a própria Assembleia no seu todo. Parece-me uma premissa válida, ainda que não veja nela a gravidade que alguns lhe quiseram atribuir. Dizer que um argumento é “uma burrice” não faz parte do discurso que espero do nº 2 da autarquia, é certo, mas não insulta aquele que o apresenta. Claro que o visado se pode sentir lesado, uma vez que o argumento é da sua autoria, mas não dramatizemos: dizem-se ali coisas bem piores. Impunemente. Já vi o presidente da câmara dizer, por exemplo, que “a ditadura aqui na Trofa também já acabou em 28 de Setembro de 2013”, o que a meu ver é incomparavelmente mais grave, e a bancada do PS ali ficou, imóvel, sem que a mesma indignação que os tomou na passada semana se tivesse manifestado. Terá sido o timing ou algum copo que transbordou? Não me choca que um partido tome uma posição como a de abandonar uma assembleia municipal. É uma forma de protesto que, podendo não ser consensual, me parece ser legítima. Podemos concordar, ou não, com os factos que levaram à decisão, mas o protesto é parte integrante e indissociável da democracia. Tal como são os excessos, que sendo condenáveis, em função do seu grau de gravidade, abundam nestas manifestações de democracia, como o são as assembleias municipais. Sim, o insulto é comum. Sim, provocação truculenta é comum. Sim, abuso de poder manifesta-se sob diversas formas. Não admira que estejam vazias. O PS abandonou a assembleia na semana passada, tal como o PSD o fez em 2013. Tiveram razão para o fazer? Cabe a cada um julgar por si. Podem ser alegados motivos ideológicos e de justiça, podem ser feitas acusações de manipulação e eleitoralismo, mas a decisão é legítima, feita às claras e, graças à tecnologia e àque-

CRÓNICA

les que se dedicam com seriedade ao seu trabalho, disponível online para ver, rever, consultar e esclarecer. A mesma dose de política e arrufo no conforto do seu lar, com o controlo sobre o volume da sua TV. Para não ferir os tímpanos com histerismos desnecessários. Agora verdadeiramente grave é colar o que ali se passou, de forma descontextualizada, ao facto do PS nacional ter chumbado a criação do concelho da Trofa em 98. É descer ao grau zero da política. É de tal forma miserável que nem vale a pena tentar explicar a “burrice” de tal associação, tão óbvia que é. Mas diz muito sobre quem a faz. E relembra-nos que poucos são os limites das guerras de propaganda a que bloco central local há muito nos habituou. Instrumentalização de sentimentos de pertença, pirraças variadas, insultos e difamações. É escolher a pouca-vergonha que preferir. Não admira, repito, que as assembleias estejam vazias. Quando Pedro Ortiga abandonou o auditório Trofa XXI, após o alegado insulto de António Azevedo a Marco Ferreira, passavam poucos minutos de um momento no mínimo insólito. Numa troca acesa de palavras, a presidente da Assembleia Municipal interrompe o socialista, que questionava o seu conhecimento do regimento, para lhe dizer “Então ensine-me que eu tenho a humildade de aprender, enquanto vocês não têm”. Pedro Ortiga questionou Isabel Cruz sobre o motivo por trás desse juízo de valor, evidente e que abarcou uma quantidade indeterminada de socialistas e não apenas, como seria de esperar de alguém que dirige os trabalhos de forma imparcial, o seu interlocutor, sendo a reacção da presidente um categórico “Vai-me desculpar, o senhor vai-se calar e eu não o vou ouvir. Faça por escrito”. No espaço de poucos segundos, intervalado por um simples “Está a fazer juízos de valor porquê, senhora presidente?”, Isabel Cruz deu, interrompeu e retirou a palavra a Pedro Ortiga. Não faz sentido. Como não faz sentido, para a esmagadora maioria dos trofenses, ir às assembleias. Não admira, insisto, que estejam vazias.


www.ONOTICIASDATROFA.pt

8 DEZEMBRO 2016 O NOTÍCIAS DA TROFA

Trofense sugere bloquear linhas do Metro no Porto como protesto

5

Atualidade

Foi uma das intervenções mais marcantes da Assembleia Municipal e não teve a assinatura de nenhum político eleito naquele órgão. Antes, foi uma posição assumida por um trofense, durante o período de intervenção do público, já a sessão corria pela madrugada. CÁTIA VELOSO

P

aulo Martins subiu ao púlpito e surpreendeu pelo discurso em defesa da construção da linha do metro até à Trofa, deixando uma sugestão arrojada: “Há 18 anos, levamos cerca de dez mil trofenses a Lisboa buscar o concelho. Penso que não serão precisos tantos para, de forma ordeira e pacífica, bloquear as principais linhas do Metro no centro do Porto. Chamem-me radical, louco, mas não desisto de lutar pela nossa Trofa e por aquilo que nos foi prometido há anos”. Não deixando de assinalar a falta de resultados apesar de “executivo após executivo camarário, dizerem que estão em conversações com a tutela”, o jovem da Trofa, enfermeiro de profissão, deixou, assim, o desafio à “presidente da Assembleia Municipal, executivo e vereação, deputados e respetivos

elementos partidários” para que “se mude a forma de luta” e que “se deixe a camisola dos partidos em casa para usar uma só, a da Trofa”. “Formemos uma comissão organizadora com elementos de todos os partidos e cidadãos anónimos. Eu próprio estou pronto para trabalhar nesta iniciativa, mas para isso é necessário que haja vontade de todos”, referiu ainda Paulo Martins, que defendeu ainda que a luta não pode ser apenas da população da freguesia do Muro, porque “o projeto do Metro é até ao centro da cidade da Trofa”. O trofense pediu ao presidente da Câmara, Sérgio Humberto, que se pronunciasse “sobre uma iniciativa deste género”, mas o autarca foi evasivo na resposta: “Não posso responder, posso ter vontade, mas não posso fazê-lo enquanto presidente de Câmara”. Sobre o pedido concreto do tro-

fense, Sérgio Humberto afirmou que a autarquia tem de “ponderar com a população um conjunto de iniciativas para demonstrar a insatisfação e a injustiça” de a obra não se concretizar. Variante “é muito mais exequível que o metro” Mas antes, o tema já tinha estado em debate, quando introPaulo Martins defende que é preciso mudar forma de luta duzido por Alberto Fonseca, elemento eleito pelo PSD, para criti- ao concelho da Trofa”, afirmou o por Alberto Fonseca para acusar o Governo do PS de inoperância, car a postura do Partido Socialis- social-democrata. Na sequência desta interven- Sérgio Humberto afiançou que ta no Governo nos assuntos que têm que ver com a Trofa. “Foi com ção, Sérgio Humberto afirmou “está tudo pronto, falta a empresa perplexidade que ficamos a saber que “com este ministro podem Infraestruturas de Portugal querer pelo ministro do Ambiente que a ter a certeza que não há metro avançar com a primeira fase, que construção da linha até à Trofa es- até à Trofa” e que a construção liga o nó do Jumbo até à estação tava em paridade de circunstân- da variante à Estrada Nacional 14 da Trofa, na ordem dos 26 milhões cias com as obras de segunda e “é muito mais exequível” que a li- de euros”. “As máquinas já deviam estar no terreno. Se não avançaterceira fase do projeto e que mais, nha do metro. recentemente, tenha declarado a E no que respeita à variante, ou- rem, só pode ser por perseguição”, sentença de morte do metro até tra “arma de arremesso” atirada acrescentou. pub

pub


6

O NOTÍCIAS DA TROFA 8 DEZEMBRO 2016

www.ONOTICIASDATROFA.pt

Atualidade

Obras nas freguesias Oposição contra tomada de posição da autarquia sobre agregação de freguesias Elementos da Coligação Democrática Unitária (CDU) e do Partido Socialista criticaram a tomada de posição do executivo da Câmara Municipal da Trofa no inquérito em que o Governo questiona sobre as implicações da agregação de freguesias. CÁTIA VELOSO

O

primeiro a reagir foi Paulo Queirós. Para o elemento eleito pela CDU, o executivo camarário assumiu uma “posição ridícula” na forma como respondeu ao inquérito, que visava perceber as implicações da agregação das freguesias. “Sobre os critérios expostos para aferir os resultados da alteração, fruto da agregação/extinção das freguesias, que deviam ser classificados de um a seis, sendo o um o mais importante e o seis o menos importante, a Câmara Municipal correu-os todos com um e depois não lhes atribuiu grau de importância. Uma trapalhada e um absurdo. Primeiro, dizem que nada permite aferir dos resultados da reforma, depois dizem que houve vantagens genéricas e infundadas e desvantagens também genéricas e infundadas, terminando dizendo que acha bem”, afirmou Paulo Queirós. Mas as críticas não se ficaram por aqui. O eleito pela CDU considera que a autarquia “se contradisse” quando elencou como principal vantagem da agregação “o maior poder reivindicativo” das freguesias e como principal desvantagem “a não delegação de transferências

Na sessão da Assembleia Muni- presa responsável pela construcipal foram aprovados, por una- ção de uma nova unidade de pronimidade, apoios financeiros da dução da Brasmar, em Guidões, autarquia às freguesias de Alva- corrija os estragos que provocou relhos e Guidões e Muro. durante a empreitada. Em Alvarelhos e Guidões o conSérgio Humberto assumiu “estrato de delegação de competên- tar atento” a este assunto, garancias foi celebrado com vista à re- tindo que “existe a preocupação qualificação das ruas Central de da empresa que fez a obra de reArrabalde e Padre Aires de Amo- por” os “passeios que foram darim, enquanto no Muro os fundos nificados”. disponibilizados serão canalizaO presidente da Câmara refedos na construção de uma pérgu- riu-se ainda às obras que estão a la na Casa Mortuária e na primei- ser executadas na Estrada Naciora fase do alargamento do cemi- nal 318, no Coronado, para justifitério da freguesia. car que a reposição do piso podeOposição criticou respostas do município ao inquérito Ainda no que concerne a em- rá demorar mais tempo que o prede mais competências e verbas”. ção de Alvarelhos e Guidões, o se- preitadas em freguesias, Adelino visto, uma vez que “foi descoberPaulo Queirós considera ainda nhor era o primeiro a dar esse pas- Maia, presidente da Junta de Fre- ta uma mina junto ao armazém que a Câmara “faltou à verdade” so. Disse que se Guidões precisasse guesia de Alvarelhos e Guidões, da Transmaia, que está a causar quando respondeu que “existe de um despacho da Câmara para solicitou a intervenção do presi- algum transtorno”. C.V. acordo do município para se man- voltar a ser independente, amanhã dente da Câmara para que a emterem os atuais limites das uniões assinava-o”, referiu Nuno Moreira, de freguesia”. “Pelo menos, não se que acusou o edil da Trofa de “diconhece qualquer posição do mu- zer uma coisa e fazer outra”. nicípio sobre esta matéria, nem da Em resposta, António Azevedo, Assembleia Municipal nem da Câ- vice-presidente da Câmara Municimara. Mas a Câmara sabe que na pal, defendeu-se com o argumenAssembleia de Freguesia da União to de que o inquérito foi preenchide Freguesias de Alvarelhos e Gui- do “em conjunto com os presidendões, a 16 de dezembro de 2015, foi tes de Junta das freguesias agreaprovada uma moção por unanimi- gadas”, acusando a oposição de dade de restituição às suas popu- “não” terem “percebido o inquérilações das freguesias autónomas”, to”. Ao facto de ter atribuído um acrescentou. a todos os critérios apresentados, Esta mesma moção foi invoca- António Azevedo respondeu com a da por Nuno Moreira, eleito pelo importância de todos eles: “PresPS, que ainda lembrou a tentativa tação de serviços à população; Efide os membros eleitos pelo mes- cácia e eficiência da função públimo partido na Assembleia de Fre- ca; Responsabilidade e vontade guesia de Bougado levarem a dis- política da população; População, cussão um documento semelhante. área e meio físico; História e idenE tanto Paulo Queirós como tidade cultural”. Nuno Moreira lembraram palavras Já no que respeita à questão soproferidas por Sérgio Humberto, bre se existe acordo do município Atividade contou com participação da deputada Isabel Moreira presidente da autarquia trofense, para se manterem os limites atu“JS Trofa à conversa com Isabel tura, sem tabus em qualquer mana Assembleia Municipal de 17 de ais das uniões de freguesias, Antójunho. “O senhor presidente da Câ- nio Azevedo respondeu que “não Moreira – combater as desigual- téria”, informou fonte da juventumara afirmou que se dependesse há guerra de limites entre Santia- dades” foi o mote para uma con- de partidária. A JS Trofa pretende manter esda Câmara Municipal a desagrega- go e S. Martinho, nem entre Alvare- versa de café que decorreu, a 3 de dezembro, no Malte Taberna. Fo- tas iniciativas e procura “mais parlhos e Guidões”. As justificações não agradaram ram muitos os jovens que quise- ticipação e contributos dos troaos elementos da oposição, que ram marcar presença, registan- fenses” para “apresentar solumesmo assim consideram que o do-se casa cheia para receber a ções que melhorem a qualidade executivo municipal não soube in- deputada socialista à Assembleia de vida de todos”. Ainda nesse fim de semana, da República. terpretar o inquérito. “A iniciativa foi um verdadeiro uma comitiva da Juventude SociaDepois de delegar no vice-presidente a responsabilidade pela res- sucesso”, adiantou o líder da Ju- lista da Trofa viajou até Olhão para posta às críticas, Sérgio Humber- ventude Socialista (JS) da Trofa, participar na segunda edição do Fórum Europa, a 3 e 4 de dezemto também quis intervir para asse- Amadeu Dias. Quanto à escolha de Isabel Mo- bro, organizado pela Juventude gurar que a resposta ao inquérito “não mudou nada daquilo que dis- reira prendeu-se com o facto de Socialista. A crise dos refugiados e se” e para sustentar que este as- ser “um rosto jovem, com um dis- “Do Brexit a Donald Trump” foram sunto “é um colete de forças” para curso sincero e realista, mas que alguns dos assuntos abordados. Para a JS Trofa, “o know-how o Governo PS, porque “disse que é igualmente desprovido de qualiria existir uma desagregação an- quer limitação institucional” e adquirido e a partilha de experites de 2017 e, pasme-se, quando o pelo “seu percurso político, par- ências entre camaradas dos difeprimeiro-ministro, em reunião de ticipação cívica na luta contra as rentes pontos do país” foram ponconcertação social, disse que, afi- desigualdades, enquadramento tos importantes a registar da pardentro do associativismo e pos- ticipação na iniciativa. nal, não ia ser assim”.

JS Trofa à conversa com Isabel Moreira


www.ONOTICIASDATROFA.pt

8 DEZEMBRO 2016 O NOTÍCIAS DA TROFA

7

Atualidade

Pedro Ortiga

CRÓNICA Executivo Camarário na Trofa: A diferença entre DIZER e FAZER

C

aros Conterrâneos, numa semana em que ficou uma vez mais patente a prepotência e falta de respeito por parte de quem nos dirige, e que tal como o executivo trofense, foi legitimamente eleito para questionar, analisar e escrutinar a forma como o Nosso Município é gerido, no âmbito das competências da Assembleia Municipal, não posso deixar que passe em branco um tema que poderá para os menos atentos parecer secundário, mas que a meu ver merece realce pela importância que poderá vir a ter no desenvolvimento futuro de alguns anseios da Nossa População. O Governo da Nação no âmbito da posição publicamente assumida aquando da última campanha eleitoral, de rever a reorganização territorial das freguesias, realizada a regra e esquadro no período de vigência do anterior governo PSD/CDS, sem que este tenha demonstrado estudos públicos dos ganhos financeiros, de eficiência e eficácia dos serviços prestados pelas freguesias com a referida reorganização, promoveu através de um grupo técnico constituído para o efeito, um questionário para municípios e freguesias sobre esta matéria. Mais do que a política do “destruo tudo o que os outros fizeram” importa avaliar caso a caso as vontades de reverter ou manter a organização administrativa atual das freguesias. Pois bem, mais do que defender neste artigo de opinião a minha visão do tema, que a propósito se mantêm de forma coerente para todas as freguesias que foram alvo de fusão, passando por dar Voz aos fregueses das freguesias em causa (S.Martinho e Santiago; Alvarelhos e Guidões; S, Mamede e S. Romão) para que tenham oportunidade de exprimir o seu sentir, validando a reorganização realizada ou em alternativa demonstrar a sua pretensão de reversão do então implementado. Assim sim, teríamos a democracia a funcionar sem verdades ocas e deturpadas. Mas, indo mais além desta falta de oportunidade de debater opiniões distintas e fundamentar posições contrárias, num ambiente de construção participada da população, gostaria de realçar a diferença que detemos entre DIZER e FAZER de quem dirige os destinos do nosso Município, não algo que me surpreenda infelizmente, face a acontecimentos recentes de todos conhecidos, mas pela forma “cândida” e sentida como afirmam algo e fazem o oposto. Ora vejamos: Na Assembleia de Freguesia realizada a 17 de junho deste ano em Guidões na ata da referida Assembleia pode-se ler as afirmações do Sr. Presidente da Câmara, Dr. Sérgio Humberto, acerca desta matéria, e passo a citar: “(…)

Não obstante não concordar, facto que foi demonstrado à data em que foi efetuada a agregação, é certo que se deve olhar para o interesse das populações, e não deve ser visto quer sob o ponto de vista clubístico quer partidário, ou como dá jeito!(…)”, tendo ainda sido afirmado publicamente por este “Se isto depender de um despacho do Presidente da Câmara, Guidões terá a sua junta de freguesia amanhã. É claro que nos estamos a favor”. Mas se desta forma CLARA E POPULAR o afirma, vejamos agora o que faz quando questionado pelo grupo técnico criado para o efeito, para posterior envio à DGAL (Direção Geral Autarquias Locais): No questionário é solicitado “Tendo presente a agregação/extinção/criação das freguesias operada em 2013, indique de entre os vários critérios constantes no quadro abaixo quais considera ser mais adequados para aferir os resultados da alteração ocorrida” acrescentando ainda que cada critério devera ainda “ser classificado de 1 a 6” quanto à sua importância. Pois bem, segundo o Executivo, “e bem”, afirmam estes, todos tem igual

Concerto a favor da Cruz Vermelha rendeu “3000 euros”

questionário que se reproduz, e chamo a atenção à questão 4, onde o município com a conivência do Sr. Presidentes de Junta das freguesias agregadas responde SIM. Existe acordo do município para se manterem os limites atuais das Uniões de Freguesias. Muito claro, mas totalmente contraditório, dado que o que se pretendia saber era se o Município estava de acordo com as agregações realizadas mantendo os seus atu- Salão polivalente encheu para o concerto ais limites, ou se existia motivos de ser analisadas possíveis reversões. Silva, “é gratificante e importante” Se existem populações nestas frenoite estava fria mas o con- participar em iniciativas deste géguesias agregadas que não se fizeram certo solidário ‘Sorrisos de Natal’ nero. “Não queríamos nada para ouvir publicamente até este momento, aqueceu o coração das “cerca de nós, queríamos que este concerto este executivo escamoteia, desrespei300 pessoas” que marcaram pre- fosse para ajudar”, adiantou. A Cruz ta, faz tábua rasa, de moções como a sença no salão polivalente da As- Vermelha da Trofa foi a associação aprovada na união de freguesia de Alvarelhos/Guidões por unanimidade, a so- sociação Humanitária dos Bombei- escolhida, para quem as verbas anlicitar a reversão dessa agregação. Em ros Voluntários da Trofa, a 30 de no- gariadas reverteram na totalidade. Bougado existiram já diversas iniciati- vembro. Os Cão Voador e os Meni- “Achamos que era uma forma de vas na Assembleia de freguesia acerca nos Cantores do Município da Tro- contribuirmos para o fantástico tradeste tema, tendo o Sr. Presidente da fa subiram juntos ao palco e ante- balho que eles fazem todos os dias. Assembleia de freguesia assumido pu- ciparam o Natal com temas como Foi o nosso pequeno contributo”, fiblicamente compromisso de realizar “All I Want for Christmas is you” ou nalizou João Marques da Silva. Mas uma Assembleia Extraordinária para “Jingle bells”. O voo da banda e dos a banda não voou sozinha. Em paldebater este tema, e influenciado pe- Meninos Cantores valeu à Delega- co, os Meninos Cantores do Munilos seus pares de coligação, dá o dito ção da Trofa da Cruz Vermelha Por- cípio da Trofa juntaram as suas vopor não dito e não permite o eficaz de-

A

tuguesa “cerca de três mil euros”. zes à música dos Cão Voador e pro“O saldo mais positivo que temos porcionaram um verdadeiro espenão é o valor propriamente apura- táculo musical. Para Antónia Serra, do, é a energia e o sentimento que maestrina do Coro, além de se trase criou. Fez-se magia”, afirmou a tar “de músicos trofenses de uma presidente da Delegação da Trofa qualidade incrível, associar este da Cruz Vermelha Portuguesa (CVP), concerto a um concerto solidário Daniela Esteves. para a Cruz Vermelha foi fantástico”. Num concerto onde a maior me- Aqueles que gostavam de ter marlodia foi a solidariedade o objetivo cado presença, mas não tiveram era “lembrar às pessoas que o Na- oportunidade, têm ainda possibital é quando quisermos juntar a lidade de adquirir, nas instalações arte musical a uma iniciativa soli- da Delegação da Trofa da CVP, uma dária” e, mais uma vez, “unir a ge- pen com as músicas interpretadas nerosidade das pessoas”, referiu pelos dois grupos, no valor de cinDaniela Esteves. Para o vocalista co euros, que revertem na totalidados Cão Voador, João Marques da de a favor da associação. L.O./C.V.

Duarte Araújo reeleito presidente da FAP Trofa adequação para aferir os resultados da alteração ocorrida, correndo-os todos com adequação 1 (um). Relativamente ao grau de importância de cada um dos critérios, não apresentam qualquer resposta. Mas se a interpretação aqui podia pecar por menor clareza na formulação, as questões seguintes são bem mais objectivas, como podem verificar no

bate desse tema. Meus caros, sendo favorável a agregação realizada ou não, uma coisa fica uma vez mais provado. O Sr. Presidente da Câmara, Dr. Sérgio Humberto, hoje afirma uma coisa e amanha faz outra, com o despudor de afirmar que em nada alterou a sua posição. EIS A DIFERENÇA DE DIZER E FAZER para este executivo.

A Federação das Associações de ximo ano será um enorme desaPais (FAP) do concelho da Trofa re- fio, dado estarem previstas algualizou, a 22 de novembro, a assem- mas atividades importantes para bleia geral, “com a participação de as crianças e jovens da Trofa, mas cerca de 50 elementos”, para a elei- também para a Federação”, afirção dos novos corpos sociais para mou Duarte Araújo. Uma das atividades decorre já este sábado, dia o ano letivo 2016/2017. Duarte Araújo foi reeleito presi- 10 de dezembro, com o Encontro dente, por unanimidade, enquan- Nacional das Associações de Pais a to como António Ramalhete foi realizar-se na Trofa. O auditório Fóeleito vice-presidente, Lara San- rum Trofa XXI vai acolher o encontos tesoureira, Nuno Silva secretá- tro que tem início marcado para as rio e David Martins vogal. “O pró- 9.30 horas. L.O./C.V.


8

www.ONOTICIASDATROFA.pt

O NOTÍCIAS DA TROFA 8 DEZEMBRO 2016

Atualidade

A magia do Natal em Finzes

Fado para apoiar APPACDM

O Pai Natal, a rena Rodolfo, um duende e um boneco de neve estão à porta da Escola Básica e Jardim de Infância de Finzes, em S. Martinho de Bougado, para receber os jovens estudantes e levá-los a caminhar pelo mundo mágico do Natal. PATRÍCIA PEREIRA

O

espírito natalício chegou à Escola na manhã de segunda-feira, 5 de dezembro, surpreendendo as crianças que iniciavam mais uma semana de aulas. Logo à entrada, encontravam uma pequena sala do Pai Natal, com o seu cadeirão e lareira para aquecer os corações neste Natal. O corredor também foi tomado de “assalto”, passando a dispor de uma caixa de correio para as crianças poderem fazer os seus pedidos para este Natal. Assim, quando o Pai Natal for à escola entregar os presentes, no dia 16 de dezembro, já pode levar as cartas das crianças. O presépio com a sua cascata de água tem sido um chamariz, juntando alunos ao seu redor. Uma família de bonecos de neve, construída a partir de copos de plásticos, assim como o comboio expresso dão outra cor aos corredores da Escola. Já não é a primeira vez que a Associação de Pais da EB1/JI de Finzes decora a escola para o Natal. O objetivo, segundo o presiden-

Escola ganhou brilho e cor para celebrar o Natal

te Paulo Moreira, é “tentar trazer a magia do Natal para junto das crianças”, que ficaram “extasiadas, muito alegres e contentes” quando se depararam com esta decoração. “Muitas das vezes, em casa não têm nada decorado e é também uma forma de eles quererem vir para a escola e de gostarem de cá estar”, completou. Para decorar a escola para o Natal, a Associação de Pais teve “um mês de trabalho”, sendo que neste fim de semana foram “horas e horas e noites sem dormir”, para que na segunda-feira estivesse tudo a postos. Um trabalho que é

sempre compensado pelo “sorriso das crianças”. Aliás, são elas o principal motor de a Associação ter “tanto trabalho”. Paulo Moreira aproveitou para “agradecer” à sua equipa, funcionários, corpo docente e patrocinadores, pois “sem eles nada disto era possível”. Na segunda-feira, 12 de dezembro, a EB1/JI de Finzes vai estar aberta a toda a população que queira apreciar a decoração natalícia. A visita pode ser feita entre as 17.30 e as 19 horas.

“Mais de 140 pessoas” aceitaram a proposta do Lions Clube da Trofa para a noite de 2 de dezembro. Um jantar de Fados com um objetivo solidário: ajudar a APPACDM (Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental) da Trofa. O jantar, servido num restaurante em Santiago de Bougado, teve como fadistas Conceição Brito, Joaquina Rodrigues, Paula Canossa, Jaime Martins e Mário Costa, acompanhados por Carlos Santos, à viola, e João Martins, na guitarra. A presidente do Lions Clube da Trofa, Fernanda Costa, afirmou que o jantar correu “muito bem” e que “excedeu as expectativas”, estimando que tenham conseguido “atingir os 1400 euros”. Com a verba angariada, Fer-

nanda Costa quer “cumprir o objetivo de angariar verbas para apoiar a APPACDM da Trofa de duas formas”. Uma delas será a entrega de “um mimo de Natal aos funcionários” da instituição, que será um cabaz com “alguns produtos dentro das possibilidades” do Lions. A outra forma de ajudar a associação surgiu durante uma reunião com Conceição Leitão, diretora da APPACDM, quando referiu a “necessidade de pintar e tirar a humidade” de “quatro salas” que estão “algo degradadas”. “Temos também algum dinheirinho nosso e vamos tentar cumprir os dois objetivos. Ainda não sei qual será a percentagem dos valores, porque ainda estamos a aguardar o orçamento para as quatro salas”, completou. P.P.

Coronado apresenta Feira de Natal este fim de semana

Na Vila do Coronado já se pensa na 7.ª edição da Feira de Natal, uma iniciativa da Junta de Freguesia que tem como objetivo “angariar e sensibilizar a população para as causas solidárias”, como “a recolha de alimentos, de roupas e de materiais que possam ser úteis a quem não tem nada”, disse ao NT o presidente da Junta de Freguesia do Coronado, José Ferreira. De 9 a 11 de dezembro, vão passar pela antiga fábrica da Pesafil “60 expositores”, as festas de Natal das escolas e jardins de infância, a Universidade Sénior do Coronado, o Ballet da ASCOR e a Creche e Jardim de Infância da Santa Casa da Misericórdia da Trofa. Há ainda a apresentação do livro “A Vila do Coronado de Adalberto Costa”, muita música popular portuguesa, Rafaela Santos, um desfile de moda, promovido pelo comércio local, e um momento dedicado ao folclore. Para José Ferreira esta é “uma forma (das associações) angariarem algum dinheiro para as suas atividades”. Apesar do decréscimo do número de expositores em relação à primeira edição (de 80 para 60), “propositada para que se conseguisse maior qualidade para os expositores”, que participam com o intuito de “fazer negócio”. “As condições são ex-

celentes e este ano melhoradas, para que saiam satisfeitos”. Assim sendo, “as expectativas são sempre elevadas”, garantiu José Ferreira. Adalberto Costa apresenta livro sobre o Coronado este sábado Adalberto Costa nasceu no Coronado e foi autarca em S. Mamede. Com percurso profissional ligado ao direito, Adalberto Costa lança agora mais uma obra, desta vez sobre a sua terra natal. Depois de ter apresentado “A Comarca de Santo Thirso”, em 2016, e “A partilha em inventário”, em 2015, o livro “A Vila de Coronado – S. Mamede e S. Romão de Coronado - Elementos da sua história antiga e moderna”, editado pela Scribe, vai ser apresentado por Aida Araújo Duarte, este sábado, 10 de dezembro, pelas 21 horas, no recinto da Feira de Natal. A mais recente obra de Adalberto Costa permite aos habitantes da Vila ter um conhecimento aprofundado sobre “as origens da sua própria identidade e os sentidos das suas vivências como reflexão do conhecimento que agora e por esta publicação se propicia”, escreveu o autor no prefácio. L.O./P.P.


PUB

www.jornaldoave.pt

8 DEZEMBRO 2016 JORNAL DO AVE

1

Semanário 8 de dezembro de 2016 Nº 62 Ano 3 | Diretora Magda Machado de Araújo | 0,70 € //PÁG. 4

Câmara apoia Doentes oncológicos

//PÁG. 4

Cubo à espera de brinquedos solidários

//PÁG. 8 15

Bombeiros Tirsenses reativam Equipa de Intervenção

//PÁG. 5

//PÁG. 2

//PÁGs. 2,3 e 5

Famalicão e Santo Tirso iluminados para o Natal //PÁG. 14

Ivo Oliveira chefe nacional de Escutas pub PUB


2

JORNAL DO AVE 8 DEZEMBRO 2016

www.jornaldoave.pt

Atualidade

// Santo Tirso

Iluminação de Natal “presenteia” a cidade Foi em forma de “presente” que a iluminação de Natal chegou a Santo Tirso, na noite de 25 de novembro, numa performance envolta em magia. PATRÍCIA PEREIRA

Veja a reportagem vídeo em www.jornaldoave.pt

U

aquim Couto, afirmou que este m presente de Natal com ano quiseram “presentear a cida“dez metros”, no cruzamento das de e o concelho com um pequeno ruas Dr. António Augusto Pires presente”, que poderá tornar-se de Lina, Sousa Trepa e José Luís “grande se isso significar maior de Andrade, é um dos pontos de dinamização do comércio local, destaque da iluminação natalí- com mais vendas”. “Se isso aconcia de Santo Tirso que, até ao dia tecer o nosso objetivo está conse8 de janeiro, vai dar outro brilho e guido. A Câmara e a ACIST estão cor às ruas do concelho. No total, irmanadas nesta função de criar são “mais de 650 mil lâmpadas melhores condições para o invesLED” que compõem a iluminação timento e para a dinamização do de Natal, que vai estar espalhada comércio local”, completou. por “18 artérias da cidade”. Outro Já Miguel Rossi, presidente da ponto de interesse é “um pinhei- ACIST, destacou que esta iluminaro de 14 metros” que está colo- ção de Natal “é diferente do usucado na Praça 25 de Abril, junto al”, representando “o maior inaos também iluminados Paços vestimento nas iniciativas de Nado Concelho. tal nos últimos anos”. O objetivo, A iluminação de Natal surge de contou, é “dinamizar o comércio, uma parceria entre a Câmara Mu- que os comerciantes tirem proveinicipal de Santo Tirso e a ACIST - to, que as pessoas comprem em Associação Comercial e Industrial Santo Tirso e sintam prazer em de Santo Tirso. O edil tirsense, Jo- passear vendo também esta ilu-

Iluminação foi ligada na noite de 25 de novembro

minação e que se crie valor para do com que “as pessoas venham vários setores de atividade desos lojistas do centro da cidade”. ao comércio, que saibam que há de o calçado, vestuário às merE além das várias iniciativas comércio e que Santo Tirso está cearias, com bom atendimento e com avenidas e centralidade da previstas para este mês, o presi- presente”. Nesse sentido, Miguel Rossi sa- cidade muito bonitas”. “Temos dente da ACIST mencionou que vão ser feitos “apelos” para se lientou que as pessoas devem todos os ingredientes para que o comprar no comércio local, atra- comprar em Santo Tirso porque comércio tradicional consiga tirar vés de “mupis, outdoors e nos “têm de tudo, desde comércio tra- proveito destas iniciativas que a autocarros municipais”, fazen- dicional e lojas de qualidade em ACIST quer promover”, denotou.

Presépios de todas as regiões de Portugal em exposição As regiões de Portugal Continental e Ilhas são o tema da 11.ª edição da Exposição Internacional de Presépios de Santo Tirso, patente no átrio dos Paços do Concelho até ao dia 2 de janeiro. PATRÍCIA PEREIRA São “mais de 200 peças, de alguns dos maiores artesãos portugueses”, que podem ser visitadas diariamente no átrio dos Paços do Concelho. Trata-se de uma exposição que reúne peças de vários tipos de materiais, como cerâmica, tecido ou cortiça, e que nos levam a viajar para diversas partes do país, como um bairro típi-

co de Lisboa decorado para acolher as festas populares. Paralelamente, pode visualizar uma coleção de livros sobre presépios, o mais antigo a datar do século XIX, e uma valiosa coleção de telegramas com mensagens de Natal, correspondência trocada, entre militares e familiares, durante o período da Guerra do Ultramar. A Exposição Internacional de Presépios pode ser visitada de segunda a quinta-feira, das 10 às 22 horas, às sextas-feiras e sábados das 10 às 23 horas e aos domingos das 10 às 20 horas. Nos dias 24, 25 e 31 de dezembro, a exposição vai

Cultura

Veja a reportagem vídeo em www.jornaldoave.pt

Exposição está patente até 2 de janeiro

estar encerrada. Para Joaquim Couto, presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso, “é um orgulho” o concelho receber “um espólio de peças tão significativo”. “Para nós esta é uma exposição com grande significado. Temos procurado, em conjunto com a Confraria do Caco, encontrar formas de promover o artesanato. Esta exposição, que temos vindo a organizar anualmente é, provavelmente, a face mais visível desse trabalho”, completou. Já Delfim Manuel, presidente da

Confraria do Caco, denotou que o espólio em exposição “é extraordinário por ser representativo da diversidade e da riqueza do nosso artesanato”. Além da Exposição Internacional, o átrio dos Paços do Concelho acolheu, entre os dias 25 e 27 de novembro, a Feira de Artesanato de Presépios, que reuniu os melhores artesãos do país, que apresentaram trabalhos diversificados em vários tipos de materiais, como cerâmica, tecido, couro, granito ou vitral.

Bonecas do Mundo em exposição

A exposição “Bonecas do Mundo”, que tem cerca de cem bonecas de mais de 50 países da Europa, Ásia, América e África, vestidas com trajes típicos, está patente até ao dia 21 de janeiro, no Centro Cultural Municipal de Vila das Aves. O espólio chegou do Museu de Ovar e a entrada é gratuita. A.M./C.V.

Biblioteca com “O Baile dos Pirilampos” “O Baile dos Pirilampos” é uma peça de teatro de Lucília Raimundo e Vera Alvelos, que vai estar presente na Biblioteca Municipal de Santo Tirso, no dia 10 de dezembro, às 10.30 horas. O espetáculo, que tem entrada gratuita, destina-se ao público infantojuvenil e vai ser acompanhado de um mini-ateliê de construção de pirilampos e de uma dança de despedida. A.M./C.V.


www.jornaldoave.pt

8 DEZEMBRO 2016 JORNAL DO AVE

3

Atualidade

Pai Natal visitou Santo Tirso

// Santo Tirso

Já não dá para não reparar. A cidade está iluminada. As montras enfeitadas com bolas e fitas alusivas à época. As músicas não escondem: é Natal. LILIANA OLIVEIRA/ CÁTIA VELOSO

E

Disponíveis pinheiros naturais para decorar o Natal Por mais um ano, a Câmara Municipal de Santo Tirso oferece pinheiros naturais para a decoração de Natal. No âmbito do projeto “1000 Pinheiros de Natal”, desenvolvido em parceria com o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas, a autarquia cede os pinheiros para evitar o corte indiscriminado destas árvores durante esta época festiva. Os pinheiros podem ser levantados, gratuitamente, nas traseiras da Câmara Municipal, a qualquer dia. “Os pinheiros oferecidos pelo Município para a decoração de Natal são cortados e transportados pela autarquia, sob orientação técnica do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas, e resultam de operações de silvicultura preventiva”, explicou fonte da autarquia. C.V.

como não poderia deixar de ser, há um velhinho de barbas brancas que, ano após ano, geração após geração, faz as delícias dos mais novos na noite de 24 de dezembro. A música bem diz “Santa Claus is coming to town” e chegou mesmo. Na manhã de sábado, 3 de dezembro, o Pai Natal chegou a Santo Tirso. A timidez deu lugar aos abraços e beijinhos e as cartas que ainda não lhe haviam sido enviadas foram entregues ali mesmo, no meio da rua, para que esteja tudo a postos para a noite mais mágica do ano. O Pai Natal chegou de Tuk Tuk à cidade e com um objetivo bem definido: promover o comércio local. André Gonçalves, diretor da Associação Comercial e Industrial de Santo Tirso, acha que com estas iniciativas e “com a cidade Pai Natal fez visita a Santo Tirso iluminada e animada” se consegue “trazer mais gente à cidade”. sas que a Câmara Municipal de Santo Tirso”. Já na serimónia da Este ano “é um bocadinho dife- Santo Tirso preparou para os tir- ligação da iluminação natalícia, o rente dos anos anteriores, por- sense e todos os que queiram vi- edil tirsense fez referência às “ofique antigamente o Pai Natal fica- sitar Santo Tirso”. Tiago Araújo, cinas e à distribuição de bilhetes va na Câmara, mas agora quise- vereador da Cultura e do Turismo para as crianças e para os comermos que chegasse à cidade e com da Câmara Municipal de Santo ciantes oferecerem aos clientes”, isso trouxesse mais gente ao cen- Tirso, já desvendou algumas: “um acreditando que sirva de incentro da cidade”, explicou. O pró- carrossel típico de Natal, que vai tivo “para que mais pessoas veprio Pai Natal deixou um recado fazer a delícia dos mais pequenos, nham à cidade e acrescente valor a todos aqueles que passam pela e tendas temáticas”, em que uma ao comércio local”. “O desejo da Câmara Municipal cidade: “É importante que toda a delas apresenta Santo Tirso em gente faça compras no comércio miniatura”. Além disso, há ainda de Santo Tirso para este Natal é espaço na agenda cultural nata- que todos os tirsenses tenham de Santo Tirso”. O Natal na Praça está a chegar. lícia para os “concertos de natal, um Bom Natal, vivam o Natal em No próximo dia 16, vão ser des- no Centro Cultural e Municipal de família e obviamente entrem em vendadas algumas das “surpre- Vila das Aves e na Igreja Matriz de 2017 com muita alegria e muito

Veja a reportagem vídeo em www.jornaldoave.pt

gosto”, asseverou Tiago Araújo. O velhinho das barbas brancas esteve de passagem por Santo Tirso, mas apressou-se a voltar para a Lapónia onde os sonhos ganham vida. Não sem antes deixar o seu desejo para este Natal: “O meu desejo para este Natal é que toda a gente consiga pelo menos nesta altura ser muito feliz. Os votos mais importantes do Natal têm a ver com isso: amor, amizade e partilha. Muita alegria, felicidade, muitas prendas e muito amor”, desejou o Pai Natal.


4

JORNAL DO AVE 8 DEZEMBRO 2016

www.jornaldoave.pt

Atualidade

// Santo Tirso

Campanha “Unir Sorrisos” apela à solidariedade

Veja a reportagem vídeo em www.jornaldoave.pt

“Neste Natal ofereça um brinquedo a quem mais precisa”. O lema é do cubo solidário, uma das iniciativas propostas pela Junta da União de Freguesias de Santo Tirso, Couto (Santa Cristina e S. Miguel) e Burgães no âmbito da campanha “Unir Sorrisos”. PATRÍCIA PEREIRA

D

servir a ceia de Natal na noite de esde segunda-feira, 5 de de- 24 de dezembro, na sede, em Sanzembro, o cubo solidário regres- to Tirso. O autarca lamentou que sou à Rua Dr. António Augusto Pi- nessa noite de Natal, que “deveres de Lima, junto à Caixa Geral de ria ser tão especial”, haja “pessoDepósitos, e “convida-o” a contri- as que estão isoladas e necessibuir com um brinquedo que será tadas” e que “não tenham um faentregue às crianças de famílias miliar, um amigo ou vizinho que o carenciadas. Jorge Gomes, pre- acolha”, tendo que recorrer à ceia sidente da Junta da União de Fre- da Junta. Um número que, “infeguesias, apela à sociedade que lizmente, tem vindo a aumentar” ofereça brinquedos com “o mí- e que “preocupa cada vez mais” nimo de condições e de dignida- o executivo. de”, porque será entregue a “uma Por essa razão, com o objeticriança que não tem possibilida- vo de “promover a consciencialides de o adquirir”, para que “pos- zação das pessoas para os aspesa brincar com ele de uma forma tos sociais”, o executivo da Juncondigna”. ta da União de Freguesias promoE a pensar naqueles que “não ve, pelo quarto ano consecutivo, têm suporte familiar”, o executivo a campanha “Unir Sorrisos”, que da Junta da União de Freguesias foi apresentada a 25 de noveme “um grupo de voluntários” vão bro. Trata-se de “um conjunto de

Junta de Freguesia volta a apostar no cubo solidário para dar Natal feliz às crianças desfavorecidas

iniciativas” que pretende “chegar às pessoas de uma forma mais direta, prática e eficaz”. A Junta conta com o apoio das empresas Grandes Planos, Carfast, Opticenter e Finieco. Além do cubo solidário e da ceia de Natal, a campanha vai promover um Encontro

de Coros com todos os grupos das ços Educativos Sénior, na sede do paróquias, a 6 de janeiro no audi- Grupo Folclórico Infantil e Juvetório Eng. Eurico de Melo, e o En- nil da Ermida. Já com o apoio da contro de Reis, a 8 de janeiro, no Opticenter, será possível oferecer edifício da Junta em Santa Cristi- 20 pares de óculos a pessoas cana do Couto. renciadas. Mas antes, a 22 de dezembro, decorrem atividades dos Servi-

Santo Tirso com apoio emocional Loja Social recolhe gratuito a doentes oncológicos alimentos no E.Leclerc // Vila Nova de Famalicão

Os doentes oncológicos de Santo Tirso vão ter, pela primeira vez, consultas de apoio emocional gratuito, nos serviços de Ação Social do município. ANA MIRANDA/CÁTIA VELOSO

O protocolo entre a Câmara Municipal de Santo Tirso e o Núcleo Regional do Norte da Liga Portuguesa Contra o Cancro foi aprovado, por unanimidade, no dia 24 de novembro, na reunião do executivo municipal. “É uma ação que contribiuirá decisivamente para a melhoria da qualidade de vida dos doentes oncológicos residentes no concelho, que a partir de agora, deixam de ter de se deslocar ao

Porto, com os benefícios económicos e físicos que daí advêm”, esclareceu Joaquim Couto, presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso. Os serviços de Ação Social do concelho vão passar a ter um gabinete destinado a sessões de psicoterapia, lideradas por equipas técnicas especializadas da Liga Portuguesa Contra o Cancro - Núcleo Regional Norte. O serviço deverá estar dispo-

nível a partir de janeiro do próximo ano. “O apoio ao nível oncológico é um importante avanço no sentido de fazer de Santo Tirso um município mais justo, mais solidário e mais coeso. Ao longo do mandato temos apostado, e continuaremos a apostar, em criar uma rede de prestação de cuidados de saúde tão abrangente quanto necessária”, concluiu Joaquim Couto.

A Loja Social do Município de Vila Nova de Famalicão promove mais uma recolha de bens alimentares. Desta vez, a iniciativa tem lugar nos dias 17 e 18 de dezembro, no supermercado E.Leclerc, e conta com o apoio do Banco Local de Voluntariado de Vila Nova de Famalicão. É com este tipo de ações de solidariedade, promovidas em todo o concelho, que a Loja Social de Famalicão consegue dar resposta e ajudar várias famílias economicamente desfavorecidas do concelho. A.M./C.V.

pub


www.jornaldoave.pt

8 DEZEMBRO 2016 JORNAL DO AVE

5

Atualidade

Milhares já visitaram a Aldeia Natal A cidade de Vila Nova de Famalicão ganhou cor e vida. A Praça D. Maria II transformou-se numa Aldeia de Natal e assim vai continuar até à altura dos Reis. LILIANA OLIVEIRA/ CÁTIA VELOSO

Veja a reportagem vídeo em www.jornaldoave.pt

D

epois da iluminação, o coração da cidade conta agora com um carrossel, um comboio e uma charrete turísticos, um mercado com 25 cabanas que apresentam o artesanato local, onde pode encontrar alguns presentes originais para as suas ofertas de Natal, uma pista de gelo e uma árvore de Natal. As atividades natalícias que estão a ser levadas a cabo em Vila Nova de Famalicão, durante o mês de dezembro, inserem-se na Campanha de Natal 2016, promovida pela Associação Comercial e Industrial de Famalicão (ACIF) e Unidade de Gestão do Centro Urbano, com o apoio da Câmara Municipal, sob o lema “Famalicão tem um presente para Si”. À semelhança de anos anteriores, o objetivo é “aprofundar o espírito natalício no concelho, a tra-

Pista de gelo tem atraído muitos curiosos

dição, a memória e alguns aspetos que são muito característicos desta época. Mas um dos grandes objetivos é, também, atrair pessoas no contexto de proximidade do co-

mércio (local) que precisa de esO espírito natalício que recaiu tímulos para que seja cada vez sobre Famalicão “é uma maismais frequentado”, afirmou o -valia para a cidade e para os presidente da Câmara Municipal comerciantes, porque trazendo de Vila Nova de Famalicão, Pau- mais gente traz mais potenciais lo Cunha. clientes”, considerou o presiden-

// Vila Nova de Famalicão

te da ACIF, Fernando Xavier. Joane, Ribeirão e Riba D’Ave também vão entrar no espírito natalício e, além da iluminação, vão também receber a chegada do Pai Natal. Foi a forma que a ACIF encontrou de “chegar, dentro daquilo que são as suas possibilidades e orçamento, ao maior número de associados e famalicenses”, afirmou Fernando Xavier. Mas a solidariedade não ficou esquecida. A cabana solidária do Pai Natal está pronta para receber géneros alimentares e de higiene para distribuir pelos mais desfavorecidos. “O Natal também é solidariedade, mas isso não significa que é só nesta altura que devemos olhar para os outros. Significa que nesta altura devemos estimular cada vez mais as pessoas para que olhem para os outros o ano todo”, afirmou Paulo Cunha. O Natal chegou indiscutivelmente à cidade e logo no fim de semana de abertura da Aldeia Natal foram “milhares os famalicenses que visitaram” a Praça D. Maria II. pub


6

JORNAL DO AVE 8 DEZEMBRO 2016

www.jornaldoave.pt

Atualidade

// Santo Tirso

Associação S. Tiago celebra 20.º aniversário Assume-se como uma instituição que “trabalha com o intuito de minimizar os efeitos de exclusão social, através da prestação de serviços no âmbito do apoio social” à população sénior de Areias, Palmeira, Lama e Sequeirô, no concelho de Santo Tirso e, hoje, com 20 anos de existência é uma das entidades mais respeitadas daquela União de Freguesias. CÁTIA VELOSO

A

S. Tiago - Associação de Solidariedade Social de Areias (STASSA) nasceu em novembro de 1996 e adquiriu uma experiência no apoio social que foi motivo de celebração. Os 20 anos da constituição da STASSA foram assinalados com um jantar que contou com mais de 60 pessoas e que teve como um dos momentos marcantes a homenagem ao fundador e atual presidente da direção, Luís Freitas. “São 20 anos de alegrias e tristezas, mas acima de tudo temos a consciência de dever cumprido por mantermos em atividade as três valências de apoio social, o centro de dia, o apoio ao domicílio e a estrutura residencial. É uma prestação de serviços que considero importantes para a popula-

ção”, sublinhou Luís Freitas, que não escondeu o desejo de ver concretizado o próximo projeto da STASSA. Trata-se do projeto de ampliação do Lar de Idosos. O primeiro passo, que era a aquisição de um terreno contíguo às instalações da instituição, já foi dado. Pela frente, há um “processo” que contará com o apoio da Câmara Municipal. Presente nas comemorações, José Pedro Machado, vereador da Câmara Municipal de Santo Tirso, afiançou que a autarquia “vai apoiar na construção da nova valência”. “Esta complementaridade do trabalho feito pela Câmara e por estas associações são uma simbiose muito importante para o concelho”, destacou o autarca. Quem também enalteceu os

Cerca de 60 pessoas festejaram 20.º aniversário da STASSA

serviços prestados pela STASSA foi Eurico Tavares, presidente da União de Freguesias de Areias, Palmeira, Lama e Sequeirô. “É uma associação que faz falta e

Obras de requalificação junto à Igreja da Palmeira As obras de requalificação na área envolvente à Igreja da Palmeira, Santo Tirso, já começaram. A intervenção, onde a Câmara Municipal de Santo Tirso vai investir cerca de “180 mil euros”, vai permitir a criação de um troço de via de circulação automóvel com área de estacionamento e a pavimentação da zona. Joaquim Couto, presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso, visitou as obras, a 18 de novembro, juntamente com o presidente da Junta, Eurico Tavares, e outros elementos do executivo da União de Freguesias de Areias, Sequeirô, Lama e Palmeira. Apesar de não ser uma obra muito grande, Joaquim Couto reconhece a importância da sua realização. “É uma intervenção há muito reclamada pela população e que permitirá um melhor acesso a um dos lo-

Executivo visitou obras

cais de maior afluência na freguesia, já que serão criadas zonas de circulação pedonal e áreas de estacionamento”, explicou. Esta intervenção dá continuidade às obras realizadas na zona do adro e vai criar um troço de via de circulação automóvel, que terá estacionamento para 35 lugares, sendo um deles destinado a pessoas com mobilidade con-

dicionada. A juntar à pavimentação dos passeios e da faixa de rodagem com cubos de granito, vão ser ainda plantadas árvores para sombrear o estacionamento. Na intervenção vai ser executada a rede pública de drenagem de águas pluviais e vão ser substituídas as luminárias existentes por armaduras de iluminação LED. A.M./C.V.

Santo Tirso é município ecológico pelo 9.º ano O Galardão Município ECOXXI, atribuído pela Associação Bandeira Azul da Europa, já não é uma novidade para Santo Tirso. Pelo nono ano consecutivo, o concelho vê a implementação de “medidas verdes” a valerem-lhe uma distinção que premeia as boas práticas de desenvolvimento sustentável nos municípios portugueses. A cerimónia de entrega do Galardão decorreu a 25 de novembro, em Coimbra, e Santo Tirso foi, uma vez mais, um dos municípios premiados com o Galardão Município ECOXXI. O concelho obteve a melhor pontuação entre todos os participantes nos indicadores “Cooperação com a Sociedade Civil” e “Qualidade do Ar e Informação ao Público”.

presta um bom serviço não só na União de Freguesias como fora dela”, frisou. Atualmente, a STASSA presta apoio a cem pessoas. Em abril de

2015, a primeira valência a entrar em funcionamento foi o centro de dia, seguindo-se, no mês seguinte, o apoio domiciliário. Em 2013, abriu o Lar de Idosos. pub


www.jornaldoave.pt

8 DEZEMBRO 2016 JORNAL DO AVE

7

Atualidade

Santo Tirso nos últimos lugares do ranking de equidade das tarifas de água

// Santo Tirso

A Associação Portuguesa de Famílias Numerosas (APFN) divulgou um estudo que revela que a água é mais cara para famílias alargadas, mostrando falta de equidade nos tarifários de abastecimento de água. Na hora de pagar a fatura da água, os valores são díspares dependendo da dimensão da familía e do município onde vivem, havendo agregados maiores a pagar mais por pessoa do que um membro isolado.

água; as famílias são discriminadas em função da região em que vivem, porque existem igualmente diferenças significativas no preço da água entre municípios; apesar de mais de metade dos municípios portugueses utilizar tarifários familiares, com diferentes modelações, para mitigar a discriminação das famílias à medida que vão crescendo, os resultados são muito díspares e ainda pouco expressivos”. Em 308 municípios, Santo Tirso aparece na 304.ª posição, entranLiliana Oliveira/Patrícia Pereira do no top 5 dos piores tarifários, “tendo em conta as discriminações introduzidas em função da dimenestudo que a APFN levou a são e da localização das famílias”. cabo mostra que “a maioria dos municípios portugueses não tem Joaquim Couto discorda em conta a dimensão do agregados resultados do estudo do familiar na altura de taxar os consumos de água, penalizando O presidente da autarquia tirfortemente as famílias com mais sense já reagiu ao estudo, através filhos”, pode ler-se no documento. de um artigo de opinião publicaDa análise aos 308 municípios do no Jornal de Notícias. Joaquim portugueses, a APFN concluiu Couto esclareceu que “o foco desque: “As famílias são discrimina- tes estudos é exclusivamente a tadas em função da sua dimensão rifa em vigor, levando-se aos abexistindo, num mesmo municí- surdos exemplos de ‘uma família pio para famílias com um mesmo média composta por 10 pessoas’”. consumo per capita, diferenças Joaquim Couto fala ainda da imsubstanciais no preço por litro de portância “da contextualização

O

Estudo da APEN coloca Santo Tirso no top 5 dos piores tarifários

histórica da rede pública de água” para analisar os “números sobre o atual tarifário da água”. E, prossegue, explicando que “nos anos 90, muitos municípios portugueses viram-se impedidos de se candidatar a fundos comunitários para a construção da rede pública de água domiciliária nos seus concelhos. Outros não. Até hoje, são

BE quer tarifa social da água em todos os municípios A tarifa familiar de que se fala é aplicada em 144 dos 308 municípios (cerca de 45 por cento), “embora com resultados muito díspares ao nível da equidade no acesso à água pelas famílias”. O tarifário surgiu em 2002 e recentemente o Bloco de Esquerda fez aprovar no Orçamento de Estado para 2017 “a aplicação automática da tarifa social da água”, significa isto que “as autarquias mantêm as suas responsabilidades - decidem a aplicação da tarifa social e definem o valor do desconto”. “Esta é uma prática já levada a cabo em diversas autarquias e que estará agora instituída pelo Orçamento de Estado para 2017 e deverá ser aplicada em todos os municípios”, informou o Bloco de Esquerda em comunicado. O BE referiu-se a uma publicação de 14 de novembro do jornal Diário de Notícias, para mencionar que “no

distrito do Porto três autarquias Acresce ainda a dificuldade “de o não aplicam ainda este automa- sistema estar dimensionado para tismo e entre elas encontra-se a 24 mil consumidores, mas apeCâmara de Santo Tirso. A aplica- nas 17 mil estarem ligados à rede, ção deste automatismo permiti- não obstante ser obrigatório por ria que neste concelho 3.964 fa- lei. Esta situação, naturalmente, mílias passassem a beneficiar de causa ineficiências económicas e uma redução automática nos pre- financeiras no sistema”, explicou fonte do município. “A rede públiços da água”. ca de água do concelho de Santo Tirso é nova, pelo que a taxa de Câmara está a dialogar com Indaqua para reduzir tari- perdas na rede é muito mais baixa do que a média nacional, o que fa da água e criar tarifa social permitirá, através dessa via, conO Jornal do Ave contactou o duzir à redução da tarifa geral da município tirsense que adiantou água e à criação de uma tarifa soque “a Câmara Municipal de San- cial”, acrescentou. to Tirso tem um sistema de conO Jornal do Ave conseguiu apucessão diferente da maior par- rar que a Câmara de Santo Tirso te dos Municípios, pelo que não está a estabelecer um diálogo é automática a criação da tari- com a Indaqua, “esperando-se fa social da água”. Assim, “a au- que até maio de 2017 sejam obtarquia está a trabalhar com a tidos resultados positivos, quer Indaqua no sentido da empresa na redução da taifa geral de água, assumir o custo da tarifa social”. quer na criação da tarifa social”.

desconhecidas as razões, ou os engenhos, que levaram a esta desigualdade de oportunidades. Alguns conseguiram milhões vindos de fora para investir. Outros tiveram de arranjar alternativas a um Estado que não entendia que a necessidade de uma rede pública de água era da sua competência. As assimetrias começaram nesse momento. Santo Tirso foi, exatamente, um dos vários municípios que ficou de fora dos fundos comunitários”. Perante esta situação, “o orçamento municipal não poderia comportar investimentos de milhões de euros. Se assim

fosse, o que aconteceria à educação, aos apoios sociais, ao desporto ou à cultura?”, questionou o autarca. E ele próprio avançou a resposta: “a solução foi concessionar, por pressão do Estado”. Assim, “a empresa privada seria responsável pelo investimento de milhões de euros na construção da rede pública de água, valor que seria ressarcido a longo prazo, através do pagamento das tarifas. Só assim foi possível avançar e antecipar a construção de vários quilómetros de rede em Santo Tirso”, explanou o autarca.

pub


8

JORNAL DO AVE 8 DEZEMBRO 2016

www.jornaldoave.pt

Atualidade

// Santo Tirso

Bombeiros Tirsenses reativam Equipa de Intervenção Permanente

F

ruto desse diálogo, a Câmara Municipal de Santo Tirso, a Autoridade Nacional de Proteção Civil e a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários Tirsenses vão assinar, “brevemente”, um protocolo que prevê a reativação de uma equipa de cinco bombeiros em regime de permanência. Assim, a autarquia vai “comparticipar em 50 por cento os

custos da criação da EIP”, sendo qualidade da prevenção e do soque “a outra metade fica a cargo corro prestados à população de do Ministério da Administração Santo Tirso”, afirmou Joaquim Interna”. A comparticipação da Couto, presidente da Câmara MuCâmara será de “cerca de 30 mil nicipal de Santo Tirso. Para o edil tirsense houve dois euros por ano”. Segundo nota de imprensa da aspetos decisivos para o desfecho autarquia, a EIP dos Bombeiros do processo concluído por este Voluntários Tirsenses será cons- Governo, o facto de o secretário tituída por “cinco bombeiros em de Estado da Administração Interregime de permanência, todos na ter tido “um papel fundamenos dias úteis” e terá como mis- tal” ao acompanhar, “desde a prisão “garantir o socorro à popu- meira hora, o processo de diálogo, lação do concelho de Santo Tir- demonstrando uma grande preBombeiros e Câmara vão assinar protocolo para reativação da EIP so, numa área de atuação que re- ocupação para com as questões presenta 34 por cento da área to- da melhoria da proteção civil e do verno, de chamar a atenção da tu- Bombeiros Voluntários de Santo tal do Município, abrangendo 32 socorro prestado à população”. O tela para a importância da valori- Tirso e de Vila das Aves, num inmil dos cerca de 71 mil residen- segundo aspeto teve a ver com o zação dos corpos de bombeiros vestimento de “mais cerca de 60 mil euros por ano”. Em matéria de tes em Santo Tirso”. “É mais um facto de a Câmara Municipal ter voluntários”. A par da EIP que vai ser reativa- apoios atribuídos aos bombeiros exemplo do esforço que a Câma- feito “um esforço financeiro com ra Municipal tem vindo a desen- vista a tornar possível o objetivo da nos Bombeiros Tirsenses, a Câ- e à proteção civil, a Câmara Munivolver com vista a apoiar os bom- dos bombeiros”, sem “nunca de- mara Municipal também já finan- cipal tem encargos assumidos na beiros do concelho e a melhorar a sistir, com o anterior e o atual Go- cia as equipas permanentes nos “ordem dos 200 mil euros por ano”. arquivo

Sabendo da “pretensão” dos Bombeiros Voluntários Tirsenses em reativar a Equipa de Intervenção Permanente (EIP), a Câmara Municipal de Santo Tirso desenvolveu um conjunto de “démarches” junto do secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes. PATRÍCIA PEREIRA

Autarquia lança programa para reparar habitações de carenciados “SOS Casa” é o nome do mais recente projeto social lançado pela Câmara Municipal de Santo Tirso. CÁTIA VELOSO Dar oportunidade às famílias carenciadas de executarem pequenas reparações nas habitações, num apoio que pode chegar aos cinco mil euros, é o objetivo da autarquia com este plano, cujo regulamento se encontra em discussão pública e cuja entrada em vigor está prevista para o início de 2017. Segundo a autarquia, o “SOS Casa” visa possibilitar reparações em áreas como carpintaria, eletricidade, eletrónica, serralharia, construção civil e canalização e ainda eliminar barreiras arquitetónicas. O executivo camarário defende que esta ação “assume tripla dimensão”, porque vai bene-

ficiar “seniores isolados e adultos das outras medidas como “o Subdependentes sem retaguarda fa- sídio Municipal ao Arrendamento, miliar” e “pessoas com mobilida- que chegou a mais 28 por cento das famílias do concelho em 2015 de reduzida”. “Estamos atentos às fragilidades e o Fundo Municipal de Emergênsocioeconómicas das nossas fa- cia Social, que abrangeu já 108 famílias, nomeadamente das pesso- mílias até ao primeiro semestre de as com deficiência e dos seniores. 2016”. Atendimento descentralizaEste é um programa que se soma do dos serviços sociais, a oferta das às medidas de carácter social que vacinas para a primeira infância e temos tomado mas que vai mais o “Desperdício Zero”, no âmbito longe, porque tem um grande al- do qual já foram distribuídas pecance social”, postulou Joaquim las famílias 37 toneladas de bens alimentares recolhidas em hiperCouto, edil tirsense. O autarca reiterou que a coesão mercados do concelho, também social foi “uma das prioridades do fazem parte do pacote de apoio executivo municipal desde o início social prestado pela Câmara Mude mandato”, tendo sido já adota- nicipal. C.V.

Alunos do ensino articulado com transporte escolar gratuito A Câmara Municipal de Santo Tirso vai estender o transporte escolar gratuito a alunos do ensino articulado, que frequentem o Centro de Cultura Musical, no Colégio das Caldinhas, em Areias. Assim, mais 110 famílias do concelho vão ser abrangidas por uma medi-

da de caráter social, a partir de ja- para aquisição de livros ou manuneiro do próximo ano. ais escolares. Apostamos em criar“É mais uma das inúmeras políti- -lhes as melhores condições de cas que temos implementado no acesso a uma educação de qualiapoio a alunos que frequentam as dade no concelho”, explicou Joaescolas do Município, e que se jun- quim Couto, presidente da Câmata, por exemplo, ao alargamento a ra Municipal de Santo Tirso. mais alunos e famílias dos apoios A.M./C.V.

pub


www.jornaldoave.pt

8 DEZEMBRO 2016 JORNAL DO AVE

9

Atualidade // Santo Tirso

Orçamento municipal para 2017 é de 47,7 milhões O documento Grandes Opções do Plano e Orçamento para 2017 foi aprovado em sessão or- do, ser prejudicado o investimento, presariais e a outros já instalados dinária da Assembleia Municipal de Santo Tirso, a 29 de novembro, com os votos favoráveis do um dos eixos prioritários definidos no concelho. Em 2017, o Município prevê pouPS, as abstenções do PSD/PPM e o voto contra do movimento independente “P’rá Frente San- no início do mandato”. O Orçamento para 2017 cresceu par “cinco milhões de euros” que to Tirso”. PATRÍCIA PEREIRA

E

ste orçamento, no valor de 47,7 milhões de euros, tem como “três grandes pilares” o “aumento do rendimento disponível das fa-

mílias para relançar a economia, resolver o problema do financiamento das empresas e promover o emprego e combater a precariedade”. O documento foi apresenpub

tado em conferência de imprensa, a 16 de novembro, onde o edil tirsense, Joaquim Couto, enfatizou o facto de este ter sido “elaborado com base no diálogo e contributo de todos os agentes que intervêm na vida da comunidade”, representando “um compromisso de rigor e de responsabilidade e, ao mesmo tempo, de ambição em relação ao futuro do concelho de Santo Tirso”. Joaquim Couto afirmou que neste documento previsional “impera o equilíbrio orçamental e a consolidação das contas municipais, sem recurso a operações de cosmética ou engenharias para acomodar artificialmente despesa, sem, contu-

“28 por cento face ao de 2016”, sen- serão canalizados para “investido que “75 por cento do orçamen- mento”. Uma poupança que, seto para 2017 (36 milhões) estão gundo a autarquia, é o resultado de destinados a funções sociais e 67 “contas equilibradas, uma vez que por cento (32 milhões) abrangem o Município gasta em despesa cora economia local”. O investimen- rente menos do que recebe para a to “sobe 210 por cento, por via do suportar”. O executivo vai “reforçar desbloqueamento dos fundos co- em cinco por cento as transferênmunitários e a despesa corrente cias para as freguesias”, com o obdesce 3,2 por cento”, acrescentou. jetivo de “dar autonomia financeiJá as Grandes Opções do Plano ra às juntas e dignificar o papel de têm como denominador comum proximidade dos presidentes”. O as questões relacionadas com a executivo considera que este orçaCoesão Social, através de um con- mento é “equilibrado e justo”, que junto de medidas políticas tenden- “alivia a carga fiscal sobre as famítes a amortecer o impacto da cri- lias e as empresas, atrai o investise, e com o investimento, por via mento privado e consolida as prede um pacote de incentivos fiscais ocupações com a coesão social”. destinados a novos projetos em-

“Oito mil” já passaram pelo Museu de Escultura Contemporânea Os números foram avançados pela autarquia de Santo Tirso e sustentam a tese de que o Museu Internacional de Escultura Contemporânea (MIEC) “tem ajudado a promover Santo Tirso em todo o mundo”. CÁTIA VELOSO Segundo os dados anunciados, “oito mil visitantes, de 18 origens diferentes, desde o Japão aos Estados Unidos”, já passaram pelo MIEC. O equipamento cultural, projetado por Souto de Moura e Sede do MIEC abriu há meio ano Siza Vieira e inaugurado há meio Ainda segundo a autarquia, o ano, tem servido de ponto de partida para as visitas de todos os MIEC tem prendido a atenção de curiosos que partem à descoberta muitos estudiosos, pelo que são já das 54 esculturas que estão espa- corriqueiras as visitas guiadas solhadas pela cidade de Santo Tirso. licitadas por instituições internaMas há quem vá à procura das pe- cionais, como “a Universidade de ças sem sequer passar pela sede Arquitetura de Nova Iorque, a Unido Museu, o que pode fazer com versidade de Arquitetura da Norque o número de visitantes “seja mandia ou a École d'Architecture muito maior”, assinalou Álvaro de Clermont-Ferrand”. O MIEC nasceu depois de um deMoreira, diretor do MIEC. De entre os forasteiros que pas- safio lançado pelo escultor portusam pela cidade tirsense com interesse cultural, “os franceses e os espanhóis” estão em maioria, assinalou Joaquim Couto, presidente da Câmara Municipal, que destacou ainda os registos de visitantes oriundos “da Coreia do Sul, dos Estados Unidos, da Finlândia, do Japão, da Noruega e da Rússia”.

guês Alberto Carneiro à Câmara Municipal, em 1990, para a realização de simpósios de escultura. Joaquim Couto, na altura presidente da autarquia, abraçou o projeto e, seis anos volvidos, foi aprovada a constituição do MIEC. Desde então, vários pontos da cidade passaram a contar com obras de artistas de renome, até chegar às 54 esculturas. Um dos pontos altos do MIEC foi a inauguração da sede, paredes meias com o Mosteiro de S. Bento, em maio deste ano. Este edifício conta com um centro interpretativo dotado de bibliografia e recursos tecnológicos, permitindo a que o visitante, durante o momento de contemplação de cada peça, possa ouvir, através de auriculares, uma explicação sobre a mesma. Na sede do MIEC há também um centro de exposições de arte contemporânea, onde, atualmente, está patente uma mostra do escultor espanhol Miquel Navarro.


10 JORNAL DO AVE 8 DEZEMBRO 2016

www.jornaldoave.pt

Atualidade

// Vila Nova de Famalicão

Ex-combatentes homenageados com mural em dia da Restauração “M

ãe! Eu entendi a tua mensagem,/ Prometo desistir galhardamente/ A pátria exige valentia e coragem/ Tudo farei para regressar em breve”. São palavras simples, mas carregadas de emoção e que podem ser lidas por todos aqueles que passem pela vila de Ribeirão. A coragem de todos os que juraram amor à pátria está eternizada num monumento em homenagem aos heróis do Ultramar, da “Emboscada na picada entre Nango – Mite-

da”. Catorze de março de 1966 é a data que todos os que viveram no limiar da vida e da morte não esquecem. Na cerimónia de homenagem foram entregues medalhas “aos combatentes que há 50 anos as deviam ter recebido”, afirmou o presidente do Núcleo de Ribeirão da Liga dos Ex-combatentes, José Santos. “Muitos partiram sem as conhecer” , completou. Desta vez foram condecorados 60 homens que escaparam à emboscada retratada no painel de

azulejos. “Fui dos que escapei a essa emboscada em Moçambique. Matei para não ser morto”, recordou o presidente do Núcleo de Ribeirão. José Santos disse ainda sentir “gratidão e revolta, por aqueles que politicamente servem e não conseguem recordar-se” daqueles que deram o corpo às balas. “Foi uma cerimónia simples, mas carregada de simbolismo patriótico”, terminou o presidente do Núcleo de Ribeirão da Liga dos Ex-combatentes. L.O./C.V.

Espetáculo para mostrar que “não é estranho ser diferente” No dia 3 de dezembro, o preconceito ficou à porta e o palco do grande auditório da Casa das Artes, em Vila Nova de Famalicão, transformou-se num lugar onde a máxima “todos diferentes, todos iguais” imperou. A ACIP, a APPACDM e o Centro Social e Paroquial de Ribeirão, instituições que prestam apoio a pessoas com deficiência em Vila Nova de Famalicão, participaram no “Espetáculo dos Sonhos”, que foi dinamizado pelo encenador João Negreiros. A iniciativa serviu para assinalar o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, este ano sob

o lema “não é estranho ser diferente, o estranho é ser indiferente”. No “Espetáculo dos Sonhos” foi possível ver jovens e adultos a mostrar que competências adquirem nas instituições, no âmbito do projeto municipal “EnvolvArte”, com performances musicais e teatrais. Outra das atividades que assinalou o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência aconteceu esta quarta-feira, na Escola Secundária Camilo Castelo Branco, com um desfile de moda, promovido no âmbito do projeto Contrato Local de Desenvolvimento Social – CLDS 3G. C.V. pub


11

www.jornaldoave.pt

8 DEZEMBRO 2016 JORNAL DO AVE

Atualidade

// Vila Nova de Famalicão

Espetáculos para crianças na Casa das Artes A pensar nos mais novos, a Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão vai acolher dois espetáculos. O bailado “A Bela Adormecida” é o primeiro a subir ao palco, a 9 de dezembro, às 21.30 horas. O bilhete tem o custo de 18 euros, reduzindo para metade para estudantes e portadores do Cartão Quadrilátero Cultural. Já “Pinóquio: Um Musical para Sonhar” vai estar em exibição nos dias 15 e 16 de dezembro. No dia 15, o espetáculo está em cena às 10.30 horas e às 14.30 horas e, no dia 16, às 14.30 horas e às 21.30 horas. O bilhete tem o custo de quatro euros, reduzindo para metade para estudantes e portadores do Cartão Quadrilátero Cultural. A Casa das Artes de Famalicão vai exibir ainda uma sessão de cinema infantil, com a nova princesa da Disney – Vaiana, a 17 de dezembro, às 15 horas, às 18 horas e às 21.30 horas. A.M./C.V.

ASAS Weekend “cresce” e ganha estatuto Um casaco para o sobrinho, um conjunto de toalhas para a mãe, um brinquedo para o filho… e mil sorrisos para todas as crianças e jovens que são apoiadas pela ASAS. CÁTIA VELOSO

O

s presentes que se puderam adquirir na feira de solidariedade ASAS Weekend, a 3 e 4 de dezembro, no Mercado Ferreira Borges, no Porto, representaram fundos que são essenciais para a continuidade da ação da ASAS, que tem atividade nos concelhos da Trofa e de Santo Tirso. Pelo terceiro ano consecutivo, a associação montou uma feira de solidariedade em pleno coração da Invicta e até mereceu a visita do autarca local, Rui Moreira. “Antes de abrir já tínhamos muitas pessoas à espera. Já começa a ser tradição, já faz parte da agenda do Porto Lazer, já faz parte das festividades do Natal desta cidade, as pessoas habituaram-se e nós já estamos com isto na nossa rotina anual”, adiantou Helena Oliveira, presidente da ASAS. Este ano, o espaço do Mercado Ferreira Borges parece ter encolhido tal a dimensão que a ASAS Weekend atingiu, sublinhou a responsável, graças ao aumento de doações feitas por empresas.

Veja a reportagem vídeo em www.jornaldoave.pt

ASAS Weekend realizou-se pela terceira vez no Mercado Ferreira Borges

“Umas chamaram outras, as pessoas amigas que estiveram cá nos outros anos, vieram ver e trouxeram outros amigos e ficaram com a consciência que os produtos são bem trabalhados e que a feira é muito bem divulgada, enquanto as pessoas que nos dão as coisas verificam que a ASAS merece essa credibilidade”, sustentou. Ainda assim, sublinhou Helena pub

Oliveira, o Mercado Ferreira Borges continua a ser o local de eleição para a realização desta atividade, promovida por colaboradores e voluntários da ASAS. Angariação de fundos é o objetivo principal da ASAS Weekend, que ajuda igualmente a projetar a ação da ASAS. “Além de continuarmos a manifestar a necessidade de prestar o apoio às crian-

ças e jovens em risco e de divulgar o que é uma instituição destas, a carência de fundos para estas instituições é visível, não há suporte estatal na totalidade para o seu financiamento, pelo que estas iniciativas são necessárias”, asseverou. Segundo a associação, com a ASAS Weekend foi possível angariar 19 mil euros. pub


12 JORNAL DO AVE 8 DEZEMBRO 2016

www.jornaldoave.pt

Atualidade

// Santo Tirso

Projeto “No Poupar Está o Ganho” valeu lugares de destaque a alunos tirsenses

Jovens assinalam Dia das Cidades Educadoras Veja a reportagem vídeo em www.jornaldoave.pt

Secretário de Estado falou de Educação no Café do Rio

Crianças tirsenses assinalaram Dia das Cidades Educadoras

“No Poupar Está o Ganho” é um projeto de educação financeira, que valeu a alguns alunos de escolas de Santo Tirso, logo na primeira oportunidade de participação, um primeiro lugar e uma menção honrosa. Os trabalhos levados a concurso foram apresentados a 30 de novembro, na Fábrica de Santo Thyrso, no âmbito das comemorações do Dia Internacional das Cidades Educadoras. Liliana Oliveira/Cátia veloso

“V

amos juntando muito dinheiro e depois, quando formos mais velhos, vamos alcançar os nossos sonhos”. A fórmula de Afonso Bailão, da Escola Básica de Santo Tirso, parece fácil. Embora na realidade saibamos que não é tudo tão linear, para os alunos da EB 1 de Santo Tirso os sonhos crescem das árvores, numa ilha cujos habitantes são porquinhos mealheiros, “A ilha dos sonhos”. Já nas Escolas Básicas de Parade-

la, Olival e S. Martinho, “O Poupadinho”, uma espécie de Jogo da Glória, “permite poupar em tudo, menos na inteligência”, explicou Maria João Sousa. Os dois trabalhos valeram às escolas tirsenses uma menção honrosa e o primeiro lugar, respetivamente. Foi a pensar no futuro que a Fundação Dr. António Cupertino de Miranda lançou o projeto de educação financeira “No Poupar está o Ganho” que tem como objetivo “criar uma relação saudável com o dinheiro e mudar hábitos e alterar comportamentos”, algo que para a presidente da Fundação, Maria Amélia Cupertino de Miranda, “não se ensina num ano”. “O desenvolvimento de competências vai-se fazendo através dos múltiplos recursos que o Museu disponibiliza aos professores todos os anos”, afirmou. O dia da apresentação dos trabalhos dos alunos tirsenses não foi escolhido ao acaso, 30 de novembro é o dia Internacional das cidades educadoras. E como Santo Tirso integra a Associação Inter-

nacional das Cidades Educadoras, o dia foi o pretexto perfeito para a apresentação dos trabalhos de todas as turmas participantes e entrega de diplomas de participação. Em Santo Tirso, os projetos são trabalhados “de acordo com os princípios da Carta Educadora sempre numa perspetiva de melhorar, transformando a cidade de Santo Tirso, cada vez mais, numa cidade educadora e não sendo só numa perspetiva de educação mas transversal a todas as áreas”, explicou a vice-presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso, Ana Maria Ferreira, que pretende “continuar a trabalhar para o futuro destes jovens, que mais tarde vão também contribuir para que a cidade continue a ser ainda mais educadora”. Pais, professores e alunos juntaram-se na Fábrica de Santo Thyrso numa tarde dedicada à educação financeira e onde todos aprenderam um bocadinho mais a economizar, porque afinal ‘no poupar é que está o ganho’.

Famalicenses também promoveram iniciativas Pintura de murais, peças de teatro, workshops, pintura de uma parede da paragem do autocarro e leitura pública do manifesto pelo vereador da Educação, Conhecimento e Empreendedorismo, Leonel Rocha. Foi desta forma que mais de “um milhar de crianças e jovens” famalicenses assinalaram o Dia Internacional das Cidades Educadoras, 30 de novembro, não fosse Vila Nova de

Famalicão uma Cidade Educadora e membro da Associação Internacional das Cidades Educadoras. As escolas dos Agrupamentos de Escolas de Ribeirão e Camilo Castelo Branco juntaram-se às comemorações e junto na Praça e Alameda D. Maria II, além de uma exposição em movimento sobre os princípios das cidades educadoras, em que os alunos entregavam às pessoas que passa-

vam na rua pequenos prospetos e explicavam o conceito de cidade educadora, houve uma exposição de estátuas vivas, que retratou os diversos contextos e vivências de uma cidade. À parte estas atividades realizadas pela Escola de Artes de Famalicão, a Companhia de Teatro ADN da PASEC realizou uma peça de teatro intitulada “À procura de uma escola para o Ismael”.

João Costa, secretário de Estado da Educação, esteve em Santo Tirso para participar em mais uma edição do JS Café. Promovida pela Federação do Porto da Juventude Socialista, em parceria com a JS de Santo Tirso, a atividade encheu um dos espaços do Café Rio, no Parque da Rabada, no dia 2 de

dezembro. “Compreendemos que a educação e a formação são pilares fundamentais para o desenvolvimento de uma sociedade, daí a importância do debate sobre esta temática”, explicaram os jovens socialistas tirsenses. C.V. pub


13

www.jornaldoave.pt

8 DEZEMBRO 2016 JORNAL DO AVE

Atualidade // Santo Tirso

Gabinete de Apoio ao Emigrante com nova dinâmica

A Câmara Municipal de Santo Tirso e a Direção Geral dos Assuntos Consulares e Comunidades Portuguesas assinaram, a 28 de novembro, no Museu Internacional de Escultura Contemporânea, um protocolo de colaboração para constituição do Gabinete de Apoio ao Emigrante de Segunda Geração. Liliana Oliveira/ Cátia Veloso

O

se definiu como objetivo aumentar s últimos anos foram tempo em “30 por cento” os Gabinetes de de partida para muitos portugue- Apoio ao Emigrante. Por essa alses. Muitos são os que partiram tura, contavam-se cem. Agora, já com a intenção de voltar em breve. são 131. Santo Tirso faz parte desDe acordo com o secretário de te número. Estado das Comunidades Portu“A Câmara Municipal de Sanguesas, José Luís Carneiro, “mais to Tirso tem uma porta de entrade 90 por cento dos emigrantes da na rede consular que Portuque tencionam regressar às suas gal tem em todo o mundo. Semterras fazem-no por via das fre- pre que qualquer tirsense queiguesias e dos municípios”, por isso ra ir a qualquer país do mundo e quando este Governo tomou pos- se queira informar dos cuidados pub

Veja a reportagem vídeo em www.jornaldoave.pt

Joaquim Couto explicou vantagens da nova valência

que há que ter, da documentação que há que levar, das condições para investir, pode fazê-lo no Gabinete de Apoio ao Emigrante da Câmara Municipal de Santo Tirso”, informou o secretário de Estado. Por outro lado, “há muitos portugueses que por força de vidas de trabalho conseguiram fazer muita poupança e que as enviam para Portugal e, muitas vezes, investem cá, mas se houver investidores de Santo Tirso do têxtil, do calçado ou dos produtos regionais que queiram fazer uma mostra de produtos lá fora vão ao Gabinete

de Apoio ao Emigrante e os nossos serviços consulares e diplomáticos, com o apoio da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação, Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, Turismo de Portugal e Instituto Camões acompanham os tirsenses que queiram ir para o exterior e apoiam quem queira investir nas comunidades portuguesas”. Para o presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso, Joaquim Couto, “está criada uma dinâmica

nova, com uma nova expectativa e um horizonte determinado num médio prazo para que seja mutuamente vantajoso para os emigrantes que regressam e fizeram alguma poupança, podendo ser melhor acompanhados para os seus investimentos”. Mas também “o município acaba por ter um conjunto de investimentos que de outro modo não teria se este acompanhamento não se fizesse”. Em Santo Tirso já houve quem recorresse a ele e o considerasse bastante útil. Maria José Miranda foi emigrante na Alemanha e na hora de pedir a reforma o pouco alemão que fala não era suficiente “para preencher os formulários”. “Recorri a este Gabinete, fui ajudada e estou a receber a minha reforma. Se não fosse este Gabinete talvez tivesse que recorrer a alguém e pagar e assim não paguei”, comentou a emigrante. O Gabinete de Apoio ao Emigrante funciona no Edifício do Ambiente e será descentralizado, contando com sete postos ao nível do território do município.

// Vila Nova de Famalicão

Voluntários com descontos no desporto e na cultura

No Dia Mundial do Voluntariado, a 5 de dezembro, o café-concerto da Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão foi palco do “Chá do Voluntário”, uma conversa descontraída sobre as múltiplas formas de ser voluntário. PATRÍCIA PEREIRA O momento foi aproveitado pelo presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha, para apresentar o Cartão do Voluntário, que permite “um conjunto de benefícios municipais para os detentores do cartão, nomeadamente descontos no acesso às piscinas e espetáculos na Casa das Artes”. “Estamos a construir um concelho estimulador e amigo da prática do voluntariado”, referiu o autarca, salientando que o objetivo deste cartão é ,“por um lado, incentivar o voluntariado e, por outro, tornar-nos mais justos com essas pessoas, criando um conjunto de regalias sociais”. “Porque uma pessoa que tenha um tributo

Veja a reportagem vídeo em www.jornaldoave.pt

Paulo Cunha elencou benefícios municipais para quem pratica voluntariado

para a comunidade deve receber por parte da comunidade um gesto de reconhecimento”, justificou. O autarca lançou ainda “um desafio à comunidade, nomeadamente ao comércio e aos serviços”, para que incentive o voluntariado através da concessão de descontos aos voluntários do concelho. Para além dos benefícios, o Cartão do Voluntário vai permitir identificar todos os voluntários do concelho, não só os “cerca de mil” que estão inscritos no Banco Municipal de Voluntariado, mas quem

de uma forma anónima e natural ajuda e apoia pessoas e instituições, como por exemplo os dadores de sangue, os escuteiros e os vicentinos. O “Chá do Voluntário”, promovido pelo pelouro do Voluntariado da Câmara Municipal, contou com a realização de uma palestra de Isabel Areias, da Nova Acrópole, sobre “a diversidade de ação no voluntariado” e com a entrega de diplomas a cidadãos famalicenses que participaram recentemente em iniciativas de voluntariado.


14 JORNAL DO AVE 8 DEZEMBRO 2016

www.jornaldoave.pt

Atualidade

// Vila Nova de Famalicão

Ivo Oliveira chefe nacional do Corpo de Escutas

Ivo Faria de Oliveira, do Agrupamento 291 de Calendário, concelho de Vila Nova de Famalicão, foi eleito Chefe Nacional do Corpo Nacional de Escutas (CNE) para o triénio 2017-2020. A sufrágio, que decorreu no domingo, 4 de dezembro, estiveram duas listas. PATRÍCIA PEREIRA

I

vo Oliveira afirmou que “não Ivo Oliveira pertence ao Agrupamento de Escuteiros de Calendário pensou muito dessa forma” de se candidatar a chefe nacional, mas terna e o envolvimento de toda a cão, Ivo sente que o escutismo no sim em “refletir sobre o que são associação”. Os objetivos, que es- concelho vai de “muito boa saúde os desafios atuais da associação” e tão explanados em www.nosqueu- e recomenda-se”, contando com de que “forma podia ajudar a dis- nem.pt, vão “agora ser enriqueci- “uma Junta de Núcleo renovada e cuti-los, a dar-lhes relevo e a aju- dos e apresentados a discussão jovem, com uma forma ambição dar a resolvê-los”. Foi nesta troca para toda a Associação os aprovar de fazer (ainda) mais e melhor o excelente trabalho daqueles que nos de ideias com “algumas pessoas no próximo Conselho Nacional”. mais chegadas”, que “percebem Quanto a desafios, a lista de Ivo antecederam”. “Temos mais de 40 que têm o dever e a responsabi- Oliveira pretende “projetar o CNE- agrupamentos, onde se pratica lidade de apresentar propostas”. -ECP para além do seu mandato” um escutismo de qualidade, que “E é assim que uma equipa se vai e de alcançar os “cem mil escutei- vive, e bem, alguns dos desafios formando. É quase um apelo inte- ros em sete anos”. Para isso, a lis- que nos motivaram a apresentar rior que sentimos, tanto eu, como ta propõe-se a “pensar nas condi- o nosso projeto. Muito do que nos os restantes membros da equipa”, ções que têm, para tornar a oferta move parte da experiência de tercompletou. pedagógica do CNE mais atraente reno que temos nos agrupamentos A proposta de Ivo Oliveira teve e desafiante para dotar todos os locais”, acrescentou. O famalicense destacou “o apoio como “ideia de base” responder agrupamentos de condições que à questão “que crianças e jovens permitam que essa oferta se con- e carinho que sempre tiveram no queremos para o futuro”. Assim, o cretize, preparando cada um dos seu núcleo, das autarquias e instiprojeto assenta em “seis eixos prin- dirigentes para desempenharem tuições, que todos os dias colabocipais”, como “o Programa Educati- o seu papel sempre melhor, para ram com os escuteiros”. “É nesse vo que oferecem para as crianças e que as regiões possam integrar nos sentido de comunidade que ajudajovens, a capacitação dos adultos seus próprios planos este projeto mos as crianças e os jovens a cresvoluntários, a simplificação dos de crescimento e de relevância, ga- cer e a tornarem-se membros ativos na construção de um mundo processos, a comunicação inter- rantindo a qualidade”. na e externa, a representação exE sendo de Vila Nova de Famali- melhor”, terminou.

Famalicão com primeiro crematório do distrito A empresa Tiajo e a Agência Funerária da Lagoa foram os mais recentes contemplados com incentivos fiscais no município de Vila Nova de Famalicão. Em causa está o lançamento de dois projetos, que totalizam um investimento de 2,5 milhões de euros. A Agência Funerária da Lagoa vai avançar com o aumento de instalações, num projeto que contempla a construção do primeiro crematório do distrito de Braga, na Rua da Agra, na União de Freguesia de Avidos e Lagoa. Este investimento ronda, segundo dados da Câmara, “300 mil euros”. Já o maior investimento, de 2,2 milhões de euros, pertence à Tiajo, sediada em Esmeriz, mas que vai

mudar de instalações para o lugar vados por unanimidade, em reude Cambães, na União de Fregue- nião de executivo municipal a 24 sias de Avidos e Lagoa, para uma de novembro. Entrou em vigor em outubro de unidade com “mais 3400 metros quadrados”, permitindo “incorpo- 2015 e, segundo a Câmara Munirar novos equipamentos”, aumen- cipal, permitiu que “26 novos intar a “capacidade de resposta” e vestimentos empresariais”, que criar “cinco novos postos de traba- representam “95,5 milhões de eulho”, afiançou fonte da autarquia. ros” e “840 novos” postos de traA Tiajo, que neste momento em- balho, fossem reconhecidos como prega 12 pessoas, é uma empresa de interesse municipal. O Regulamento de Projetos de fornecedora de tecidos para uniformes e workwear, que se assu- Investimento de Interesse Munime como “líder de mercado em cipal – Made 2IN concede apoios que podem ir desde a isenção toPortugal”. Os benefícios fiscais atribuí- tal ou parcial do IMI e do IMT até dos a estas empresas encaixam à redução de 50 por cento do vano Regulamento de Projetos de lor das taxas das operações urbaInvestimento de Interesse Muni- nísticas. cipal – Made 2IN e foram aproC.V.

Iluminação LED para espaços públicos “A melhoria da eficiência energé- nárias em todo o concelho, abrantica é o objetivo do Plano Nacional gendo inicialmente a zona urbade Ação para a Eficiência Energéti- na, as estradas nacionais e a VIM e ca, reduzindo uma ameaça preo- ainda várias estradas e caminhos cupante para o país e para os mu- municipais”, vão ser substituídas. nicípios do ponto de vista econóAlém da poupança dos consumico, social e ambiental”. As pa- mos energéticos, verificar-se-á lavras do presidente Paulo Cunha “uma redução efetiva da percensurgem na sequência do anúncio tagem de emissão de dióxido de da Câmara Municipal de Vila Nova carbono para a atmosfera”, conde Famalicão para o investimento firmou a mesma fonte. Esta “poude 950 mil euros com vista à subs- pança ambiental” é, para Paulo tituição de luminárias com lâmpa- Cunha, igualmente importante. das convencionais por umas com “Estamos empenhados em tornar iluminação LED. Vila Nova de Famalicão num conEsta aposta permitirá poupar, celho cada vez mais amigo do amanualmente, “355 mil euros” na biente e eficiente do ponto de visconta da eletricidade, assegurou ta energético”. fonte do município, que prevê que O concurso público para a reao investimento será amortizado lização da 1.ª fase da empreitada “em três anos”. foi aprovado durante a última reu“Para já, cerca de cinco mil lumi- nião do executivo municipal. C.V. pub


15

www.jornaldoave.pt

8 DEZEMBRO 2016 JORNAL DO AVE

Atualidade

// Vila Nova de Famalicão

Advogados em liberdade mas obrigados a apresentação diária em posto policial Jovem ferido em despiste na EN206 O alerta chegou ao quartel dos Bombeiros Voluntários Famalicenses na noite de terça-feira, 6 de dezembro: um automóvel tinha-se despistado na Estrada Nacional 206, em Requião, no concelho de Vila Nova de Famalicão, e em-

F

atividade profissional, não poernando Costa Salgado e Er- dendo ausentar-se para o estrannesto Salgado, dois irmãos advo- geiro, ficando ainda proibidos de gados e famalicenses, foram deti- frequentar o seu escritório profisdos a 28 de novembro, depois de sional, quaisquer empresas, gauma busca realizada pela Polícia binetes de contabilidade ou conJudiciária de Braga, com o intui- servatórias de registo comercial. to de desmantelar um grupo que Além disso, não podem contacbatido contra um café, danifican- terá lesado o Estado em 15 mi- tar entre eles nem com os restando uma janela. lhões de euros, em sede de IVA, tes arguidos no processo e outras O jovem de 21 anos que seguia IRC e contribuições para a Segu- pessoas classificadas pelo tribuno veículo sofreu ferimentos e foi rança Social. nal como “testas de ferro”. transportado para a unidade de Além dos dois advogados, mais As medidas de coação foram as Vila Nova de Famalicão do Cen- seis pessoas foram detidas: “três mesmas para os outros seis artro Hospitalar do Médio Ave. C.V. técnicos oficiais de contas, dois guidos, à exceção da apresentaempresários e um empregado de ção em posto policial que, nespub escritório”, especificou a PJ em te caso, deve ser bissemanal. Os comunicado. No âmbito da mes- Técnicos Oficiais de Contas foram ma operação foram ainda consti- obrigados a suspender o exercítuídas arguidas 20 pessoas singu- cio da profissão de contabilista lares e coletivas. certificado. Na operação batizada por “TraDepois de apresentados às autoridades judiciárias, o juiz de pos Soltos”, o nome de uma eminstrução criminal do Tribunal presa de Serzedelo, concelho de de Braga deixou em liberdade os Guimarães, que estaria associada oito arguidos. à atuação dos arguidos, foram reOs dois irmãos ficaram obriga- alizadas cem buscas domiciliárias dos a apresentações diárias em e não domiciliárias, em várias reposto policial e a suspender a sua giões do continente e ilhas, estanDR

do em causa crimes de associação criminosa, fraude fiscal qualificada, burla tributária à Segurança Social, burla qualificada, insolvência dolosa, corrupção e branqueamento de capitais. Segundo adiantou a Sic Notícias, “os arguidos usavam empresas falidas, sobretudo têxteis, para criar faturação fictícia e forjar carreiras contributivas, burlando o Estado”. Além da PJ de Braga, a investigação, que durava há cerca de um ano e meio, contou com a intervenção do Gabinete de Recuperação de Ativos na Diretoria do Norte, em equipa mista com a Direção de Finanças de Braga. O advogado famalicense, Fernando Costa Salgado, foi diretor da delegação de Braga do Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social e, em julho de 2011, foi condenado a quatro anos de prisão pelo Tribunal de Famalicão, por se ter apoderado de 187 mil euros destinados ao pagamento de uma dívida ao Estado.

ASAE apreende material contrafeito no Vale do Ave Cerca de 57 mil artigos contra- de produção a operar para o merfeitos, avaliados em 18 mil euros, cado paralelo, com vista a abasteforam apreendidos pela ASAE (Au- cer feiras e lojas. toridade de Segurança AlimenOs inspetores da ASAE estivetar e Económica) durante a Ope- ram numa tipografia que produz ração Fora d’Horas, realizada em etiquetas, que se assumem como empresas gráficas e estamparias “elemento distintivo que caracterida região do Vale do Ave. za um produto contrafeito”, expliPor acontecer “fora do horário cou à CMTV Domingos Antunes, dide laboração”, a ação de fiscaliza- retor de informações e investigação permitiu apanhar as unidades ção da ASAE.

Num dos locais inspecionados, foi encontrado material contrafeito. “É surpreendente, sendo empresas que estão cotadas no mercado, enveredam por uma outra economia paralela que acabamos de constatar, com a produção flagrante de material contrafeito, de marcas protegidas”, afirmou Domingos Antunes. C.V.

Morreu a jogar futebol com os amigos Podia ter sido apenas mais um cola Básica de Viatodos. Aos 36 jogo de futebol entre amigos, mas anos, um ataque cardíaco fulmineste não houve vitórias. Sérgio nante roubou-lhe a vida. De acorBrito, natural do Louro, Vila Nova do com o relato dos amigos, Sérde Famalicão, mas a residir no gio Brito jogou toda a partida e já concelho de Barcelos, morreu, a perto do apito final caiu inanima5 de dezembro, enquanto joga- do. Entre os colegas encontravava futebol com os amigos, na Es- -se um médico e um enfermeiro,

que, apesar das tentativas de reanimação, não conseguiram evitar o pior. Sérgio Brito tinha uma filha de cinco anos e a mulher está à espera do segundo filho. No imperdoável jogo da vida, a cor dos cartões deu lugar ao luto nesta partida de amigos. L.O./C.V.


16 JORNAL DO AVE 8 DEZEMBRO 2016

www.jornaldoave.pt

Desporto

Gindança com vários Cerca de 3000 na Meia Maratona prémios na final da Taça de Portugal

// Modalidades

Veja a reportagem vídeo em www.jornaldoave.pt

Prova realizou-se pela cidade de Famalicão

A correr ou a caminhar, cerca de três mil pessoas enfrentaram o frio e participaram na Meia Maratona de Vila Nova de Famalicão, que se realizou na manhã de 27 de novembro. Patrícia Pereira

O

rganizada pela Runporto em parceria com a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão e a Associação de Atletismo de Braga, a 3.ª edição da Meia Maratona confirmou o concelho como “uma cidade do desporto, em particular no que diz respeito à prática do atletismo”. Nuno Lopes, do Centro de Atletismo de Seia, foi o primeiro atleta a cortar a meta, com uma hora, cinco minutos e 58 segundos, seguindo-se Hélder Santos e Rui Tei-

xeira, ambos do Sporting CP, a ter- “é importante que as pessoas se minarem a prova em 2.º e 3.º lugar, consciencializem do que signifirespetivamente. No setor femini- ca fazer desporto para a qualidano, Cláudia Pereira, do GFD Run- de de vida e também para a proning, foi a grande vencedora, com teção do território”. “Foi feita uma uma hora, 15 minutos e 38 segun- demonstração que Famalicão tem dos, seguindo-se Filomena Costa condições para a prática de des(ACD Jardim da Serra) e Daniela porto”, completou. Cunha (Sporting CP). Já Jorge Teixeira, diretor geA encabeçar os milhares de par- ral da Runporto, estava “satisfeiticipantes estava o presidente da to” com a realização desta prova, Câmara Municipal, Paulo Cunha, mencionando que Vila Nova de que voltou a percorrer os 21 qui- Famalicão “merece ter esta Meia lómetros da prova. No final da pro- Maratona”. va, o edil famalicense afirmou que

Famalicão recebeu exposição regional com mais de duas mil aves Aves para todos os gostos, para quase todas as cores e feitios. Diamante de Gould, agapornis, canários, psitacídeos, papagaios e aves exóticas foram algumas das espécies que fizeram as delícias dos amantes de aves que este fim de semana passaram pelo Lago Discount, em Ribeirão, Vila Nova de Famalicão, para visitar a 7.ª Expo Aves Regional “Portas do Minho”. Segundo adiantou José Caldeira, presidente do Clube Ornitológico de Vila Nova de Famalicão, esta “é considerada como uma das melhores exposições regionais de todo o país, tanto em quantidade como em qualidade de aves”. Falamos de “cerca de 2100 aves”, de “largas dezenas de espécies”. A maioria delas foram a concurso e avaliadas “em dez parâmetros, desde posição, plumagem, cor, melanina, porte em si”. Depois são pontuadas “de um a dez” e podem chegar a uma pontuação máxima de “cem”, sendo já considerada “uma ave perfeita”,

Academia famalicense conquistou vários prémios

A Gindança participou na final da Taça de Portugal de Dança Desportiva, em Setúbal, e vários dos seus dançarinos alcançaram o pódio. O par Tomás Gomes/Gabriela Teixeira foram vice-campeões de juvenis 1 standard e conseguiram também o 4.º lugar em latinas. Já Filipe Gomes/Lara Batista sagraram-se vice-campeões juniores 1 open standard em latinas, enquanto Gonçalo Conde/ Bruna Matos conseguiram alcançar o título de vice-campeões juniores 2 iniciados standard e fica-

ram em 5.º lugar em latinas. Também Telmo Teixeira/Sara Teixeira destacaram-se em juventude iniciados com o 7.º lugar em standard e o 9.º lugar em latinas e Rafael Almeida/Sara Peixoto na categoria de adultos open standard conseguiram o 3.º lugar e o 4.º lugar em adultos pre-open. Os pares Sérgio Costa/Rita Almeida e Rafael Almeida/Sara Peixoto foram distinguidos com Honra de Mérito da Federação Portuguesa de Dança Desportiva, que homenageou todos os dançarinos da seleção nacional. A.M./C.V.

Voleibol

Famalicão AVC vence dupla jornada O Famalicão Atlético Voleibol deslocou-se ao reduto do VilaClube (AVC) deslocou-se, no fim condense, tendo sido derrotado de semana, aos Açores, para dis- por 3-1, com os parciais de 21-25, putar uma dupla jornada do Cam- 25-15, 25-21 e 25-18. A equipa tirClubes ornitológicos satisfeitos com afluência à exposição peonato Nacional de Voleibol Fe- sense está em 2.º lugar com oito algo que de acordo com Bernardi- os troféus aos donos das melhores minino da 1.ª divisão. No sábado, pontos, a quatro do líder GC Vino Leal, presidente do Clube Orni- aves levadas a concurso. 3 de dezembro, o AVC venceu o Ri- lacondense. No mesmo campeonato, o FaDois dos campeonatos nacio- beirense, por 0-3, com os parciais tológico da Trofa, “é muito difícil”. Durante os três dias, a exposição nais já se realizaram em Vila Nova de 25-22, 25-17 e 25-22. Já no dia malicense Atlético Clube venceu, (2 a 4 de dezembro) correu “bem”, de Famalicão, “um deles conside- seguinte, frente ao Clube K, con- por 3-0, o GDC Gueifães, com os sendo que “domingo foi o pico de rado o maior de todos os tempos quistou mais uma vitória, por 2-3, de 25-16, 25-22 e 25-19. Já na série A do Campeonato afluência”, com muitos visitantes em Portugal, que foi em 2007”, com os parciais de 22-25, 23-25, e amantes de aves a visitar a ex- desvendou o presidente do Clu- 25-17, 25-17 e 15-9. A equipa fa- Regional Feminino, o Clube Desposição. Além das aves, encontra- be Ornitológico de Vila Nova de malicense encontra-se em 3.º lu- portivo das Aves venceu por 1-3 vam-se no recinto “164 exposito- Famalicão. “Agora vamos fazer gar, com 18 pontos, a dois do Por- o CCD Matosinhos, com os parres” que aproveitam para vender um (campeonato) nacional em to Vólei 2014 e a três do Leixões, ciais de 11-25, 15-25, 25-23 e 11os seus produtos, incluindo aves. 2017 e esperamos que venha a que ainda têm um jogo em atraso. 25. A equipa, que está em 1.º lu“As pessoas adoram”, afirmou José ser um êxito”, adiantaram os dois Já no Campeonato Nacional gar com 20 pontos, joga pelas 15 Caldeira. Durante os três dias de presidentes. Feminino da 2.ª Divisão da série horas de domingo, 11 de dezemexposição foram sendo entregues L.O./C.V. A, o Ginásio Clube de Santo Tirso bro, o SC Vila Real. P.P.


www.jornaldoave.pt

17

8 DEZEMBRO 2016 JORNAL DO AVE

pub


18 JORNAL DO AVE 8 DEZEMBRO 2016

www.jornaldoave.pt

Desporto

// Modalidades

Famalicão e Aves empatam P

erante uma moldura humana de fazer inveja a muitas equipas da 1.ª Liga, o Estádio Municipal de Famalicão foi palco de um “dérbi” interconcelhio que colocou frente a frente o 14.º e o 2.º classificados. Mas dentro das quatro linhas, a diferença pontual não se notou e até foi o Famalicão que dispôs das melhores oportunidades para marcar. O primeiro aviso foi deixado por Carlão, aos 25 minutos, num remate que foi travado em cima da linha de baliza pelo defesa João Pedro. A resposta surgiu nos pés de Pedró, aos 40 minutos, que viu Victor Braga seguro entre os postes. Ainda antes do intervalo, Medeiros dispôs de uma das melhores ocasiões para colocar o Famalicão em vantagem, mas isolado

permitiu a defesa de Quim. Começava aqui a saga do guarda-redes avense que, muitas vezes solicitado, respondeu sempre com grande qualidade. Como aos 47 minutos, quando foi obrigado a travar o remate de Diogo Cunha e, logo a seguir, a recarga de Correia. Apesar de pouco acutilante no ataque, o Aves também podia ter inaugurado o marcador aos 53 minutos, mas Pedró falhou a baliza por centímetros. A tarefa ofensiva avense complicou-se aos 61 minutos, quando Romaric viu o cartão vermelho direto, na sequência de uma suposta falta sobre Medeiros, assinalada pelo árbitro João Capela, à entrada da grande área, do lado esquerdo. Em superioridade numérica, o Famalicão intensificou as investidas no ataque, só que pela fren-

Vasco Oliveira

Acabou 0-0, mas o resultado não representa poucas oportunidades de golo. Famalicão e Desportivo das Aves protagonizaram uma partida dinâmica, na 17.ª jornada da 2.ª Liga, e se o marcador não sofreu alterações a isso se deve a falta de eficácia dos avançados ou a inspiração do guarda-redes Quim, que mostrou estar em excelente forma aos 41 anos. CÁTIA VELOSO

Famalicenses e avenses anularam-se

te encontrou um Quim inspirado, que voltou a brilhar ao travar os remates de Correia, aos 69 minutos, e de Diogo Cunha, aos 71. Já depois de o Aves ter desperdiçado uma oportunidade para marcar, quando Guedes isolado atirou à figura de Braga, o Famali-

cão reclamou uma grande penalidade. Correia caiu na grande área, mas João Capela nada assinalou. A equipa famalicense acabou o jogo com nove jogadores, após as expulsões de Nera e Feliz, aos 82 e 92 minutos. Com a igualdade, o Famalicão

Mais condições de segurança e saúde para os futebolistas famalicenses Um protocolo de cooperação que assegura mais condições de segurança e saúde aos “cerca de 1100 futebolistas famalicenses” que competem na Liga de Futsal de Famalicão e no Campeonato Concelhio de Futebol de Cinco. PATRÍCIA PEREIRA

O documento foi assinado a 24 de novembro, entre a Federação Portuguesa de Futebol (FPF), a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, a Associação de Futebol de Braga (AFB), a Liga de Futebol de Famalicão (LFF) e a Associação de Futebol de Salão Amador de Famalicão (AFSA). Segundo o protocolo de cooperação, a prática da modalidade, ainda que de forma amadora, vai passar a ser balizada pelos critérios da Federação Portuguesa de Futebol que incluem a

obrigatoriedade de seguro desportivo e exame médico. O protocolo resulta do disposto no DL 45/2015 de 9 de Abril, que define os direitos exclusivos das federações com utilidade pública desportiva, através da emissão de parecer prévio (homologação) por parte das federações (neste caso, a FPF), relativamente às suas atividades desportivas. O presidente da FPF, Fernando Gomes, afirmou que “este tipo de protocolo tem uma importância fundamental” dentro das definições estratégicas deste mandato, que passa por “crescer o número de atletas federados até 200 mil”. “Numa preocupação muito grande da segurança da prática, procurar sensibilizar as diversas entidades que organizam este tipo de competições de recriação e lazer para a importância de estarem integradas numa

desceu ao 14.º posto, com 21 pontos, enquanto o Aves manteve o 2.º lugar, com 36. No sábado, pelas 15 horas, os avenses recebem o União da Madeira, enquanto o Famalicão desloca-se ao terreno do Vizela, no domingo, pelas 15 horas.

Trofense goleia Marítimo B e acalenta zona de promoção

Com treze golos marcados em três jogos, o Clube Desportivo Trofense surgiu implacável na segunda volta da série B do Campeonato de Portugal. As goleadas ao Aliança da Gandra (4-1) e ao Pedras Rubras (0-4) não foram resultados de ocasião e deram estatuto depois de, no domingo, a formação da Trofa ter vulgarizado o 2.º classificado, Marítimo B, com um resultaCampeonatos concelhios têm de cumprir critérios da Federação do de 5-0. As boas prestafederação”, declarou, re- acordo “vem dar um apoio ções na segunda metade ferindo que “é fundamen- enorme às associações do do campeonato já lhe vatal alargar a base de prati- concelho que diariamente leram a subida ao 4.º lugar, cantes para que a partir da se mobilizam para cativar com 19 pontos, e apenas quantidade consigamos cada vez mais praticantes”. quatro pontos o separam criar equipas competitivas Para Paulo Cunha, este pro- da zona de subida. com qualidade”. tocolo vem reforçar o esforNa mesma série, o S. MarNa opinião do presiden- ço que a Câmara Municipal tinho segue na 6.ª posição, te da Câmara Municipal tem feito no sentido de dar com 15 pontos, após emde Vila Nova de Famalicão, cada vez mais condições pate a um golo com o AmaPaulo Cunha, este novo aos atletas do concelho. rante, 3.º classificado, com

23 pontos. O Felgueiras lidera, com 26 pontos, enquanto na outra ponta da tabela o Torre Moncorvo é cada vez mais último, tendo conquistado apenas um ponto em 12 jogos. Na próxima jornada, o Trofense viaja ao reduto do Amarante, pelas 15 horas de domingo, enquanto o S. Martinho defronta, na Madeira, o Camacha. Na série A, a famalicense AD Oliveirense perdeu com o líder Merelinense por 3-1, mas segurou o 2.º lugar, com 27 pontos, estando agora a cinco pontos do topo e a cinco do 3.º lugar, ocupado pelo Vilaverdense. No domingo, pelas 15 horas, a Oliveirense recebe o último classificado, Ponte da Barca. C.V.


19

www.jornaldoave.pt

8 DEZEMBRO 2016 JORNAL DO AVE

Desporto

pub

// Modalidades

Diogo Pereira deixa equipa técnica do Riba d’Ave HC O

Riba d’ Ave Hóquei Clube (RAHC) anunciou “a cessação do vínculo do treinador Diogo Pereira do cargo de treinador principal da equipa sénior de Hóquei em Patins, com efeitos imediatos”. O comunicado foi emitido na segunda-feira, 5 de dezembro, e, segundo o mesmo, a saída do treinador deve-se “a um conjunto de circunstâncias externas, que abalaram de forma irremediável as condições de trabalho no seio da equipa”.

Contudo, no comunicado, o RAHC mostrou-se “agradecido pelo enorme contributo dado por Diogo Pereira no período em que esteve ligado ao clube”, mencionando que “o episódio que levou a este desfecho não apagará a consideração e estima que têm” por ele. A direção técnica da equipa sénior será “assumida interinamente”, até à “resolução da situação”. Já no fim de semana, o RAHC tinha regressado às vitórias fren-

te ao Valença HC, por 6-3, em encontro do Campeonato Nacional de Hóquei Patins da 1.ª divisão. Este sábado, dia 10 de dezembro, a equipa famalicense desloca-se à ilha do Pico, nos Açores, para defrontar o Candelária. Já no Campeonato Nacional da 2.ª divisão, o Famalicense Atlético Clube (FAC) venceu a ADJ Vila Praia, por 7-5. Este sábado, o FAC defronta o atual 5.º classificado, o Carvalhos, pelas 18 horas. P.P.

FAC vence em Basquetebol O Famalicense Atlético Clube/ Crédito Agrícola conquistou mais um triunfo na zona Norte do campeonato nacional da primeira divi-

são, ao vencer por 66-44 a equipa secundária do Vitória SC. Quando falta apenas uma jornada para o fim da primeira volta, o FAC/Crédi-

to Agrícola ocupa o 2.º lugar. Já este sábado, pelas 18 horas, o FAC recebe o SC Braga. P.P.

Negrelense e karaté de Vilarinho com pódios na Taça Nacional Cinco atletas da Associação Recreativa Cultural Desportiva Negrelense e a Associação de Karaté de Vilarinho (AKV) conquistaram cinco pódios na Taça Nacional do Centro Português de karaté dirigido aos escalões cadetes, juniores e seniores, que decorreu em Lisboa, no dia 1 de dezembro. Pelo ARCD Negrelense, Bruno Fernandes foi 3.º em Kata, Pedro Pinto terminou em 3.º em kumite e Ricardo Baptista foi 3.º em kumi-

www. jornaldoave. pt Ficha Técnica

te. Já pela AKV, Mariana Faria e Rui Faria terminaram, respetivamen-

te, em 2.º lugar em kumite.

P.P.

Inscrições abertas para “Manhãs Desportivas” de Santo Tirso Os jovens do concelho que te- andebol, voleibol, ténis, badPara incentivar os jovens à prática de exercício físico e promo- nham entre os dez e os 16 anos minton, ténis de mesa e natação. ver o convívio, a Câmara Muni- podem participar nas “Manhãs As atividades decorrem entre as cipal de Santo Tirso volta a pro- Desportivas”, onde podem reali- 9.30 e as 12.30 horas. As inscrimover as “Manhãs Desportivas”, zar várias atividades para ocupar ções são gratuitas, mas obrigano Complexo Desportivo Munici- os tempos da interrupção letiva tórias e devem ser feitas no site pal, entre os dias 19 e 30 de de- de Natal. Os jovens podem esco- www.manhas.santotirso.pt. lher entre futebol, basquetebol, A.M./C.V. zembro.

Próxima edição do JA é publicada a 15 de dezembro

Diretora: Magda Machado de Araújo (TE 1022) Sub-diretora: Patrícia Pereira (9687) Editor: Justbrands – Consultoria e Comunicação Unipessoal, Lda | e-mail: geral@jornaldoave.pt; publicidade@jornaldoave.pt | Redação: Cátia Veloso (9699), Patrícia Pereira (9687), Hermano Martins (TE 774), Liliana Oliveira (TP 2436) | Colaboração: António Costa, Rui Couto (CO 1403) | Composição: Cátia Veloso | Impressão: Gráfica do Diário do Minho | Assinatura Anual: Continente 22,5 €; Europa: 34,75 €; Extra europa: 44,25 €; PDF 16 € (IVA Incluído) | Avulso: 0,70 € | Nib: PT 50 0038 0000 39909808771 50 | Telefone: 252 414 714 | Sede e Redação: Rua Aldeias de Cima, 280 Trofa | Telm. 969848258 | Redação 925 496 905 | Propriedade: Justbrands – Consultoria e Comunicação Unipessoal, Lda | Nif. 510170269 | ERC: 126524 | ISSN 2183-4601 | Nota de redação: Os artigos publicados nesta edição do Jornal do Ave são da inteira responsabilidade dos seus subscritores e não veiculam obrigatoriamente a opinião da direção. O Jornal do Ave respeita a opinião dos seus leitores e não pretende de modo algum ferir suscetibilidades. Todos os textos e anúncios publicados neste jornal estão escritos ao abrigo do novo Acordo Ortográfico. É totalmente proibida a cópia e reprodução de fotografias, textos e demais conteúdos, sem autorização escrita.


20JORNAL DO AVE 8 DEZEMBRO 2016

www.jornaldoave.pt www.jornaldoave.pt

Atualidade

// Santo Tirso

// Vila Nova de Famalicão Veja a reportagem vídeo em www.jornaldoave.pt

Produtores de caracóis constituem cooperativa

1.ª Caminhada Solidária da CAID atrai 500 pessoas Cerca de 500 pessoas quiseram ajudar a Cooperativa de Apoio à Integração do Deficiente (CAID) e participaram na sua 1.ª Caminhada Solidária. Na manhã de 1 de dezembro, várias ruas de Santo Tirso encheram-se de pessoas, que caminharam da Câmara Municipal até ao Parque da Rabada, para ajudar a angariar fundos. ANA MIRANDA/CÁTIA VELOSO

A

1.ª Caminhada Solidária da CAID, que começou com uma aula de ginástica, na Praça 25 de Abril, e seguiu até ao Parque

da Rabada, tinha como objetivo consciencializar a população para o apoio às pessoas com deficiência. “Temos no futuro projetos e objetivos ambiciosos e só com a ajuda de toda a sociedade tirsense e de outros municípios é que nós conseguimos atingir os nossos objetivos”, informou Alberto Costa, presidente da direção da CAID. Um desses objetivos é o novo polo em S. Salvador do Campo, que surge como resposta “às listas de espera” e que vai servir de apoio também “aos municípios vizinhos”. A caminhada serviu ainda para assinalar o Dia da Pessoa com De-

ficiência, que se celebra a 5 de dezembro. Para Alberto Costa, o número de pessoas que participaram não é o mais importante, mas sim saber que conseguiram chegar “ao maior número de pessoas”. “Há uma coisa que eu digo sempre: esta causa, a causa da deficiência, é uma coisa que nunca ninguém pode dizer que não vai ter dentro de portas, porque não é algo que surge só no nascimento da pessoa, mas pode aparecer no decurso da nossa vida”, explicou. Assim, a CAID espera sensibilizar e “envolver toda a comunidade tirsense em volta desta causa”.

// Vila Nova de Famalicão

Assembleia envia voto de recomendação ao Governo para requalificar EN 206 “Urge implementar medidas de acalmia de tráfego nos troços com ocupação urbana contínua dos dois lados da via, comércio e serviços e ainda naqueles com índices de sinistralidade”. O argumento faz parte de um voto de recomendação que será enviado ao Governo, para a

requalificação da Estrada Nacional 206. A proposta foi apresentada pelo PSD, na última sessão da Assembleia Municipal de Vila Nova de Famalicão, e foi aprovada por unanimidade. “A implementação de passeios e ciclovias”, a “beneficiação de pelo menos cinco cruzamentos

e a construção de duas rotundas” foram soluções apresentadas à Administração Central. O voto de recomendação foi enviado para a presidência da Assembleia da República, presidência do Conselho de Ministros, grupos parlamentares e Infraestruturas de Portugal. C.V.

A Widehelix é uma cooperativa de helicicultores, que nasceu da “vontade e da união de sinergias” de 14 produtores de caracóis da região. A cooperativa foi inaugurada a 25 de novembro, nas instalações da Frutivinhos, em Ribeirão, Vila Nova de Famalicão. Apesar de a primeira cooperativa de produtores de caracóis do Norte de Portugal estar sediada em Vila Nova de Famalicão, nenhum dos 14 produtores é deste concelho. Exemplo disso é o principal impulsionador desta cooperativa, Miguel Oliveira, que é natural do Porto e reside atualmente na Trofa. Com 45 anos, Miguel Oliveira começou esta aventura pela criação de caracóis para fins comerciais “há cinco anos”, numa “exploração própria”. Ciente de que “o caminho tinha que ser outro e mais arrojado”, Miguel decidiu convidar outros produtores para “a criação de um projeto para dar escala ao negócio e enfrentar principalmente o mercado externo”. É assim que nasce a Widehelix, a única cooperativa de helicicultores no Norte de Portugal. A cooperativa tem como objetivos “valorizar o setor da helicicultura, garantir mais qualidade ao produto e impulsionar a produção e o volume de vendas”. A escolha do espaço recaiu em Vila Nova de Famalicão, porque foi onde Miguel Oliveira encontrou “resposta para a ambição que este projeto empresarial incorpora, tendo sido acompanhado desde a primeira hora pela Câmara Municipal”.

A Widehelix controla todo o processo do negócio, desde a produção e transformação à comercialização, e ainda dá formações e consultadoria. “Criamos os caracóis bebés (alevins), que vão para estufas, parrais ou parques ao ar livre para engorda, e depois apanhamo-los. Cerca de 95 por cento vendemos para o exterior e os restantes usamos e vendemos como reprodutores”, esclareceu Miguel Oliveira. Nestes primeiros três meses, a cooperativa já comercializou 12 toneladas de caracóis (ultracongelados, cozidos e frescos), que tiveram como destino Itália, França e Espanha. Impulsionar as vendas para o exterior é a principal meta para 2017, com previsões de vendas na ordem das 120 toneladas, a que se junta o aumento do número de associados. Miguel Oliveira tem na manga alguns subprodutos, como paté e caviar de caracol, que pretende começar a comercializar no próximo ano. A cooperativa desenhou a sua fórmula de farinha para a engorda dos caracóis e também a vende. O presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha, ficou “muito satisfeito, por estar perante a concretização das intenções que estão na base deste projeto”. E porque a imaginação não tem limites para esta iguaria, que se adora ou odeia, a Widehelix promove este fim de semana, 10 e 11 de dezembro, nas suas instalações, um festival do caracol (assado e cozinhado). pub


www.ONOTICIASDATROFA.pt

Meninos Cantores atuam no Fórum Trofa XXI Os Meninos Cantores do Município da Trofa não param. Depois de terem atuado em vários pontos do Convento de Cristo, em Tomar, a 4 de dezembro, a propósito de uma atividade denominada “Domingo em família”, seguiram viagem até Lousado, em Vila Nova de Famalicão, onde, a 8 de dezembro, deram música à abertura da exposição “Presépio e Família”, de Isabel Ferreira. Este sábado, voltam a casa e atuam no Fórum Trofa XXI, pelas 15 horas, a propósito do Encontro Nacional das Associações de Pais. O ano de 2016 ainda não terminou, mas o Coro já tem concertos marcados para 2017. A 20 e 21 de janeiro, a Casa da Música do Porto recebe os Meninos Cantores para aquele que o coro espera que seja “um grande momento”, afirmou a maestrina, Antónia Serra. L.O./C.V.

8 DEZEMBRO 2016 O NOTÍCIAS DA TROFA

Utentes recordam infância em workshop de bolachas húngaras Inicialmente, os utentes estavam “um bocadinho reticentes” quanto à sua participação no workshop de bolachas húngaras, ministrado pela SweetCake. Mas à medida que a massa ia ganhando forma, cor e sabor, ficavam mais recetivos a participar e, claro, a saboreá-las. PATRÍCIA PEREIRA

O

workshop de bolachas húngaras foi pensado por Patrícia Maia, proprietária da SweetCake, que achou que seria “uma ideia engraçada”, uma vez que promove vários workshops na sua loja, ao longo do ano. Devido à “pouca mobilidade” dos utentes, Patrícia Maia optou por usar o seu “dia de folga” para se deslocar até ao Lar Padre Joaquim Ribeiro, em S. Martinho de Bougado. “Como estamos na época natalícia, acho que devemos ajudar e colaborar naquilo que pudermos”, completou. Patrícia optou por fazer as bolachas através dos preparados que tem à venda na sua loja, em que só era necessário “acrescentar mar-

garina e água”. Depois de amassar e estender a massa, os utentes utilizaram “vários cortantes diferentes” para dar forma às bolachas. “Essa foi a parte que gostaram bastante”, contou. E depois de cozidas, estava na altura da decoração, onde podiam utilizar o chocolate ou pepitas ou granulados de várias cores. Era ver a alegria com que os utentes decoravam as suas bolachas, por vezes sem resistir e provando-as de seguida. Patrícia Maia contou que apesar de “inicialmente estarem um bocadinho reticentes” quanto à sua participação no workshop, “as senhoras adoraram” e ficaram “tão contentes que não queriam sair daqui”. “Em conversa com uma das senhoras, perguntei se estava aprovado e se poderíamos passar novamente por cá e disse que sim, que estavam aptas a voltar a repetir o workshop”, referiu. Já Virgínia Araújo, diretora técnica do Lar e Centro de Dia Padre Joaquim Ribeiro, mencionou que “é sempre importante” que os idosos tenham “algumas atividades

9

Atualidade

Utentes participaram em workshop de pastelaria

que os estimulem a nível de mo- ras faziam antigamente”, denotou. bilidade e de criatividade”, sendo Instalada na loja 45 na Rua 16 que “este tipo de iniciativa é sem- de Maio, em Santiago de Bougapre muito importante para diversi- do, a SweetCake promove esta ficar um bocadinho as atividades sexta-feira, 9 de dezembro, um que têm e também para mostrar workshop de Bombons Artesaàs pessoas que vêm de fora algu- nais e peças decorativas em chomas habilidades que eles têm e colate com o chef Ruan. Patrícia que às vezes estavam um boca- Maia promete que “haverá oudinho apagadas”. “Foi uma ativi- tros” workshops, podendo estar dade bastante interessante para atento à sua página do Facebook relembrar um bocadinho aquilo (www.facebook.com/sweetcake. que, principalmente, as senho- by.patriciamaia). pub


10

www.ONOTICIASDATROFA.pt

O NOTÍCIAS DA TROFA 8 DEZEMBRO 2016

Atualidade

Trofenses recebem Há quatro anos ao dispor Troféu Intermunicípios Norte Dia Internacional do Voluntariado

dos amigos de quatro patas

De uma forma desinteressada, as pessoas colocam-se ao serviço da comunidade, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida e do bem-estar do outro, sem pedir nada em troca. É assim que se caracteriza o trabalho do voluntário, que, anualmente, ganha mais ênfase com a comemoração do Dia Internacional do Voluntariado, a 5 de dezembro. PATRÍCIA PEREIRA

Filipe Moreira foi premiado

“M

co melhores da classificação geral final do ais de 300 pessoas” marcaram Troféu Intermunicípios CIN de 2016. No Grupresença na 9.ª Gala do Desporto Motori- po X1 da Classe 8, o trofense Cláudio Sanzado, promovida pelo Team Baia, com o tos ficou em 3.º lugar, antecedido de José intuito de premiar os vencedores do Tro- Senra (2.º) e de Victor Hugo Oliveira (1.º). Já féu Intermunicípios do Norte. A Gala decor- no Grupo X6 de Viaturas Tração Traseira, o reu no dia 27 de novembro, onde “homena- trofense Filipe Moreira, da Talho 2005/CSJ gens, prémios, música e espetáculo foram team racing, classificou-se no 3.º posto, ano condimento” para um dia que “marcou a tecedido por Luís Ferrete (2.º) e Rui Fonsetemporada 2016”, segundo adiantou fonte ca (1.º). Em nota de imprensa, Filipe Moreida organização. ra dedicou este prémio “a toda a sua famíNo final da festa, subiram ao pódio os cin- lia, amigos e patrocinadores”. P.P. pub

CONVOCATÓRIA DA ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA Nos termos do nº 2 do artigo 22º e dos artigos 23º e 24º dos Estatutos da Caixa de Crédito Agrícola Mútuo do Médio Ave, C.R.L., pessoa colectiva nº 500948658, com sede na Rua José Luís de Andrade, número 65, rés-do-chão, na cidade e concelho de Santo Tirso, matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Santo Tirso sob o mesmo número, com o capital social realizado de € 9.164.910 (variável), convoco todos os Associados no pleno gozo dos seus direitos, a reunirem-se, em Assembleia Geral Ordinária, no dia 29 de Dezembro de 2016, pelas 14:30 horas, na Sede Social da Instituição (Santo Tirso), para discutir e votar as matérias da seguinte Ordem de Trabalhos:

E de forma a não deixar passar esta data em branco, o NT foi conhecer a história de Marisa Pinho, que “há quatro anos” se tornou voluntária na Associação Um Animal Um Amigo (AUAUA). O desafio surgiu durante a Feira Anual da Trofa, em março, quando Marisa foi convidada a “jogar numa rifa” no stand da associação. “Quando me aproximei do stand, perguntaram-me se gostaria de ser voluntária e eu aceitei, pois adoro animais”, recordou. Enquanto os animais “não encontram uma família”, Marisa quer lhes proporcionar todos os cuidados que necessitam, desde “limpeza, carinho e passeios”. Neste momento, a voluntária encontra-se “desempregada” e, por isso, dedica-se a “cem por cento à associação”. “Enquanto não arranjar trabalho, prefiro dedicar-me aos animais e fazer algo útil”, mencionou. Marisa afirmou que no voluntariado, “in-

felizmente tem várias desilusões”. Mas são os seus “meninos de quatro patas” quem a “motiva a continuar no voluntariado”, pois eles “precisam de nós e nós temos que os ajudar”. “Alguém tem de dar a voz por eles e de os defender”, salientou, desafiando a comunidade a passar “um dia” no canil “a tratar dos animais”. Para Marisa, “é sempre bom” ser recebida pelos animais com a sua “alegria” quando a veem, pois dá-lhe “força para continuar a fazer voluntariado”. Mas nesta caminhada do voluntariado, também há momentos menos bons. “O mais difícil”, conta a voluntária, é quando “não” consegue “ajudar todos os animais, devido à falta de espaço”. Ou então quando “resgatam animais atropelados”, que acabam por “não resistir”. “Acabamos por ficar de coração partido”, frisou.

120 pessoas juntaram-se para ajudar a ASCOR

1. Discussão e votação da proposta de plano de actividades e de orçamento da Caixa Agrícola para 2017; 2. Deliberação sobre a política de remuneração dos órgãos de administração e fiscalização da Caixa Agrícola para 2017; 3. Apreciação de outros assuntos de interesse colectivo. Se, à hora marcada, não se encontrar presente mais de metade dos Associados, a Assembleia Geral reunirá, em segunda convocatória, meia hora depois, com qualquer número. Nota: Não será admitido nesta Assembleia Geral o voto por correspondência, nem o voto por representação, por força do disposto no nº 1 do Artigo 42º e do nº 1 do Artigo 43º do Novo Código Cooperativo, aprovado pela Lei nº 119/2015, de 31 de Agosto, que entrou em vigor no passado dia 30 de Setembro. Vila Nova de Famalicão, 2 de Dezembro de 2016 O Presidente da Mesa da Assembleia Geral (José Luís Araújo de Carvalho, Eng.º)

Associação promoveu mais um jantar solidário

A ASCOR – Associação de Solidariedade So- servida solidariedade. Juntaram-se “cerca cial do Coronado - organizou mais um jantar de 120 pessoas” à mesa para ajudar a assolidário, a 3 de dezembro, com o intuito de sociação a dar mais um passo em relação angariar fundos para “uma obra” necessá- à concretização da obra. Para animar a fesria devido a “problemas graves de humida- ta, a ASCOR contou com a participação da de”. Orçada em valores “superiores a 50 mil Tuna da Faculdade de Letras da Universidaeuros”, a obra representa uma “luta muito de do Porto que, “de forma gratuita”, “teve grande para poder arranjar o dinheiro”. Es- a amabilidade de cantar alguns dos seus fates convívios solidários são “uma forma que dos”. Contando, essencialmente, “com o a associação encontrou de angariar fundos, apoio dos sócios, donativos e das iniciatiuma vez que não goza de apoio nem da Segu- vas” em que participam estes jantares são rança Social, nem das entidades locais”, ex- uma forma de angariar fundos. O próximo plicou a presidente da ASCOR, Joana Ramos. jantar solidário da ASCOR deve acontecer À parte o bacalhau, alusivo à época, foi já em 2017, por altura do Carnaval.L.O./C.V.


www.ONOTICIASDATROFA.pt

8 DEZEMBRO 2016 O NOTÍCIAS DA TROFA

11

Desporto Resultados Departamento de Formação Atlético Clube Bougadense Juniores 2.ª Divisão distrital – série 4 Bougadense 1-0 UDS Roriz (2.º lugar, 22 pontos) Próxima jornada 10/12 às 15 horas E.Futebol 115-Bougadense Juvenis B 2.ª Divisão distrital – série 6 Bougadense 1-3 Macieira Maia (4.º lugar, 23 pontos) Próxima jornada 11/12 às 9 horas Castêlo da Maia-Bougadense Iniciados 2.ª Divisão distrital – série 5 Valonguense 3-0 Bougadense (8.º lugar, 9 pontos) Próxima jornada 11/12 às 11 horas Bougadense-CD Aves Infantis 2.ª Divisão distrital – série 3 Pedrouços 1-3 Bougadense (11.º lugar, 4 ponto) Próxima jornada 10/12 às 15 horas Bougadense-Varzim Benjamins Campeon. Dist. Fut.7 – série 3 Col. Ermesinde 4-2 Bougadense (7.º lugar, 6 pontos) Próxima jornada 10/12 às 9 horas Bougadense-CD Aves Escola Sub10 Campeon. Dist. Fut.7 – série 4 Bougadense 2-3 Padroense (9.º lugar, 6 pontos) 10/12 às 19 horas FC Porto-Bougadense Clube Desportivo Trofense Juniores 1.ª Divisão distrital – série 2 Trofense 4-1 Paredes (3.º lugar, 22 pontos) Próxima jornada 10/12 às 15 horas Trofense-Lixa Juvenis A 1.º Divisão distrital – série 2 Gondomar 1-1 Trofense (5.º lugar, 26 pontos) Próxima jornada 11/12 às 9 horas Trofense-Amarante Juvenis B 2.º Divisão distrital – série 6 Leça do Balio 1-3 Trofense (6.º lugar, 21 pontos) Próxima jornada - 11/12 às 11H Trofense-Nogueirense

Iniciados A 1.º divisão distrital – série 2 Trofense 1-0 Penafiel (9.º lugar, 16 pontos) Próxima jornada 11/12 às 11 horas Trofense-Sousense Iniciados B 2.º divisão distrital – série 2 Salgueiros 5-2 Trofense (8.º lugar, 8 pontos) Próxima jornada 18/12 às 9 horas Trofense-Sousense Infantis 11 1.º Divisão distrital – série 2 AD Várzea 0-1 Trofense (3.º lugar, 30 pontos) Próxima jornada 10/12 às 13.15 horas Trofense-Alfenense Infantis 7 Campeon. Dist. Fut. 7 – série 2 Trofense 4-1 Perafita (6.º lugar, 10 pontos) Próxima jornada 10/12 às 13.30 horas FC Porto-Trofense Campeon. Dist. Fut. 7 – série 3 Trofense 8-0 Escola Futebol 115 (5.º lugar, 12 pontos) Próxima jornada 10/12 às 13.15 horas ARC Areias-Trofense Escolas Sub11 A Campeon. Dist. Fut. 7 - série 2 Trofense 17-0 Ataense (1.º lugar, 21 pontos) Próxima jornada 10/12 Rio Tinto-Trofense Campeon. Dist. Fut. 7 – série 4 Baltar 4-1 Trofense (4.º lugar, 12 pontos) Próxima jornada 10/12 Trofense-Paredes Escolas Sub 10 Campeon. Dist. Fut.7 – série 4 Oliv.Douro 2-3 Trofense (10.º lugar, 3 pontos) Próxima jornada 10/12 Trofense-Macieira da Maia Futebol Clube S. Romão Juniores 2.ª Divisão distrital – série 4 S. Romão 1-0 Escola Futebol 115 (10.º lugar, 6 pontos) Próxima jornada 10/12 às 15 horas Balasar-S. Romão

Cinco passos para impor primeira derrota após um ano O Trofense recebeu o Marítimo B e venceu por 5-0, dando um passo de gigante rumo à zona de promoção do Campeonato de Portugal. CÁTIA VELOSO

“A

mensagem dos jogadores dentro de campo leva-me a acreditar que é possível”. As palavras foram do treinador do Clube Desportivo Trofense, Bruno Pedro Matos marcou dois golos Pereira, antes do arranque da seE em contra-ataque, a equipa com naturalidade, construiu uma gunda volta da série B do Campe- da casa aproveitou para fazer o goleada, para a qual contribuíram onato de Portugal, momento em segundo golo. Ricardo Fernandes ainda João Neto e João Santos, joque a equipa estava a nove pon- “descobriu” Carter na ala direita e gadores lançados durante a etatos da zona de promoção. A dis- o francês, após galgar alguns me- pa complementar e que sententância pontual não desmoraliza- tros, rematou cruzado já dentro ciaram a partida em 5-0. Com 19 pontos, o Trofense está va o técnico, que projetava para a da área, não dando hipóteses de no 4.º lugar, a quatro de distânsegunda metade do campeonato defesa a Edgar Mendonça. uma postura vencedora da equipa. O intervalo chegou com o 3-0, cia do Amarante, próximo adverOra, três jogos cumpridos da se- assinado por Pedro Matos. O jo- sário (domingo, pelas 15 horas), e gunda volta e três vitórias expres- vem trofense aproveitou o espaço do Marítimo B, que ocupa o 2.º lusivas, que resultaram em 13 golos concedido pelos opositores e con- gar. O Felgueiras lidera o campemarcados. Uma goleada por 4-1 tou com a “ajuda” de Edgar Men- onato, com 26 pontos. Logo abaixo da equipa da Troao Aliança da Gandra, outra por donça que, numa má abordagem 4-0 ao Pedras Rubras e, no domin- ao remate, deixou escapar a bola fa está o Aliança da Gandra, com go, um motivador 5-0 ao Marítimo que só parou no fundo das redes. 17 pontos, seguindo-se o S. MarB. Este último resultado vale dose Na segunda parte, o Trofense tinho e o Camacha, com 15, Caniextra de motivação ao plantel tro- continuou dominador perante a çal, com 12, Pedras Rubras, com fense, uma vez que foi consegui- “presa” fácil que era o Marítimo B. E 11, e Torre de Moncorvo, com um. do diante do então líder da série B, que já não perdia desde dezembro de 2015. Agora, quatro pontos separam Trofense da zona de promoção, cenário pouco provável há uns tempos, mas que a equipa fez questão de tornar possível. A jogar em casa, o Trofense brindou os adeptos com uma exibição segura e bem esclarecida. A primeira oportunidade surgiu quando, numa tentativa de cruzamento, Pedro Matos obrigou o guarda-redes insular, Edgar Mendonça, a intervir. Na recarga, Ricardo Fernandes viu, novamente, o guardião do Marítimo B a afastar o perigo. Num erro de Edu Silva, o Marítimo B teve oportunidade de inaugurar o marcador, mas Aldair Neto pub rematou ao lado da baliza defendida por Murta. Aos 18 minutos, Alexandre serviu Carter que, já no coração da área dos madeirenses, permitiu o corte da defesa adversária, porém, a bola foi ter aos pés do jovem Pedro Matos, que num remate em jeito atirou para dentro da baliza, fazendo o primeiro golo da tarde. Sem mostrar argumentos que sustentem a posição que ocupa, o Marítimo B tentava a sorte com remates de longe, mas sem sucesso.


12

www.ONOTICIASDATROFA.pt

O NOTÍCIAS DA TROFA 8 DEZEMBRO 2016 pub

Desporto

Bougadense vence em campo “muito difícil” Na viagem ao complexo des- to difícil”. portivo do Futebol Clube PedroO único golo da partida só surso, em Vila Nova de Gaia, o Atlé- giu aos 73 minutos, com Luís Leal tico Clube Bougadense encon- a dar a vitória ao Bougadense, trou “uma equipa muito aguerri- numa jogada de contra-ataque. da e bem organizada”, o que tor- A formação de Santiago de Bounou a 9.ª jornada da série 1 da 1.ª gado está assim em 8.º lugar, com divisão distrital num “jogo mui- 14 pontos.

Segundo o treinador Agostinho Lima, enquanto na “primeira parte o jogo foi disputado de igual para igual”, na segunda parte o Bougadense foi “superior até ao golo”, tendo tido “o domínio do jogo e conseguido criar uma ou duas oportunidades que não

concretizaram”. A partir do golo, a equipa, contou o técnico, “conseguiu gerir a vantagem e controlar bem o adversário”. Este domingo, 11 de dezembro, pelas 15 horas, o Bougadense recebe o Sporting S. Vítor. P.P.

Bougadense B goleia Zebreirense Pinheiro esteve em destaque tida pertenceu a Ferreira, aos 50 muito agressivo da parte do ad- sas e eles estão a crescer obviana partida que opôs o Bougaden- minutos, fechando a vitória do versário”, que, na sua opinião, mente. Não é só quando perdese B e o Zebreirense, em encontro Bougadense B em 3-0, quando jo- “não jogava futebol”. E a juventu- mos que temos que tirar as ilada 9.ª jornada da série 2 da 2.ª di- gava com menos um jogador. Até de que caracteriza o plantel do ções, também as temos que tirar visão distrital. O jogador da equi- ao final da partida, a formação de Bougadense B foi “mais uma vez quando ganhamos, porque não pa B do Atlético Clube Bougaden- Santiago de Bougado teve que levada por essa pressão”, aca- é só a vitória que interessa, mas se foi o autor dos dois primeiros “gerir as emoções e o resultado”. bando por ver Márcio Gomes “ex- aquilo que se treina e o que é imgolos, que foram marcados aos Apesar do “óbvio de que cada pulso sem necessidade”. Márcio, portante para os próximos jogos”, dois minutos e aos oito, este últi- equipa joga aquilo que a outra de “19 anos”, viu o segundo car- completou. O Bougadense B, que está em mo de grande penalidade. deixa jogar”, José Manuel afir- tão amarelo por “inexperiência Segundo o técnico José Manuel, mou que estiveram “muito bem e pressão que sofreu do adver- 9.º lugar com 11 pontos, deslocao facto de a equipa ter pontuado naquilo que treinaram durante a sário”, que, além dos jogadores, -se, pelas 15 horas de sábado, 10 “muito cedo” acabou por “marcar semana”, sendo “o primeiro golo também “pressionava a equipa de dezembro, ao reduto do GDC de arbitragem”. “Mais uma vez Ferreira. o resto do jogo”. exemplo disso”. O terceiro e último golo da parP.P. O treinador mencionou o “jogo temos que crescer com estas coi-

Bougadense apresentou primeiras jornadas O Atlético Clube Bougadense equipa de arbitragem, para parti(ACB) iniciou o mês de dezembro lhar algumas situações de arbitracom as suas primeiras jornadas, gem, expor o que é uma semana que decorreram no auditório de de trabalho, a sua preparação e as Santiago da Junta de Freguesia leis de jogo”, enumerou. de Bougado, entre os dias 1 a 3 Além disso, houve ainda temde dezembro. po para se falar sobre o “futuro Segundo Jorge Almeida, coor- do Atlético Clube Bougadense” e denador do departamento de for- para apresentar os serviços do demação do Bougadense, durante partamento de formação, como as jornadas foi feita “uma análise “as festas de aniversário ou as féao último ano e meio” do clube e rias desportivas” que estão previs- tem”. “Cada vez mais o ACB vai ser mais forte”, considerou o coordepromovida uma formação com tas “para a próxima época”. Com estas jornadas, Jorge Al- nador da formação, que realçou “uma nutricionista, uma osteopata, um coordenador técnico, um meida espera elucidar os jovens que a formação do Bougadense ex-jogador e um diretor desporti- atletas sobre “o que é o futebol de “passou de 40 para 130 atletas” e vo”, que partilharam a sua experi- formação e para os juniores sabe- que a média de idades da equipa ência com aqueles que ainda es- rem o que é o futebol sénior”. Mas B de seniores é de “20 anos”, o que tão no início da caminhada. Hou- este não é o único pretexto. O Bou- significa que estão “a dar muitas ve ainda um debate entre “treina- gadense também pretende mos- hipóteses aos jovens atletas de dores de futebol de todos os esca- trar “a todos os trofenses o que de concretizarem o seu sonho de selões e atletas” e outra com “uma bom o Atlético Clube Bougadense rem jogadores de futebol”. “Além

de atletas, continuamos a formar homens”, completou. Para o dia 24 de dezembro está prevista a apresentação e presença do padrinho da formação do Bougadense, André Moreira, guarda-redes da Seleção sub-21, a apresentação da mascote oficial do clube, o ‘Bougas’, e o lançamento da Caderneta de Cromos. L.O./C.V.


www.ONOTICIASDATROFA.pt pub

8 DEZEMBRO 2016 O NOTÍCIAS DA TROFA

13


14

www.ONOTICIASDATROFA.pt

O NOTÍCIAS DA TROFA 8 DEZEMBRO 2016

Desporto

Alice Oliveira garante mínimos para os campeonatos nacionais

Rottweilers Villa Zadones no National Dog Show Os rottweilers do canil Villa Zadones participaram no 23.º National Santarém Dog Show, que se realizou no sábado, 3 de dezembro. A avaliar a raça de Rottweiler esteve o juiz português Pedro Delerue, enquanto o juiz do grupo foi o italiano Pierluigi Buratti. Ciro da Villa Zadones venceu a sua classe a sua classe com a qualificação de excelen-

Atletas da EAT em bom plano

te e foi considerado o Melhor Rottweiler da Exposição e o 3.º Melhor cão da exposição. Também Nuriah da Villa Zadones venceu a sua classe e foi considerada a Melhor Fêmea, enquanto Qhora da Villa Zadones foi o Melhor Cachorro da Raça. O canil Villa Zadones, situado em Santiago de Bougado, dedica-se à criação seletiva de rottweillers. P.P. pub

No Torneio de Abertura de Pista Coberta Dr. Braga dos Anjos, Alice Oliveira, da Escola de Atletismo da Trofa, obteve os míninos para os Campeonatos Nacionais de Pista Coberta para Juvenis e Juniores, em 800 metros. PATRÍCIA PEREIRA

N

o torneio, que decorreu no sábado, 3 de dezembro, no parque municipal de exposições de Braga, a atleta conseguiu os mínimos, ao terminar a prova de 800 metros em 3.º lugar, no escalão de juvenil feminino. Já nos 3000 Metros, Deolinda Oliveira (Veterana +45 anos) e Helena Mourão (Veterana + 55 anos) classificaram-se em 1.º lugar, enquanto o sénior André Coimbra foi 11.º lugar. Nos 400 Metros, o júnior Luís Silva terminou em 3.º posto, enquanto no Salto em Altura António Morais (Veterano +35 anos) foi 1.º classificado. No Lançamento do Peso, a Escola esteve representada pela júnior Joana Santos (1.º lugar), pelo sénior Bruno Moreira (5.º) e pelo veterano +35 anos Rui Martins (3.º). Já nos 60 Metros Planos correram António Morais e Rui Martins, que se classificaram em 1.º e 2.º posto, respetivamente, em veterano +35 anos. Na mesma prova participaram os juniores Sara Faria (2.º), Joana Santos (8.º) e Alexandre Sá (12.º) e os juvenis Miguel Miranda (5.º), André Oliveira (6.º) e Bernardo Carvalho (7.º). Ainda no sábado, a Escola esteve representada na 1.ª Corrida Solidária da Tesco, em Ribeirão, Vila Nova de Famalicão, onde participaram os veteranos Rosália Silva (1.º) e Tony Silva (4.º). Mas antes, no dia 1 de dezembro, André Coimbra (sénior) e Helena Mourão (veterana +50 anos) representaram a Escola na Meia Maratona de Valongo, onde se classificaram em 41.º e 1.º lugar, respetivamente. Neste sábado, 10 de dezembro, os iniciados e juvenis da Escola de Atletismo vão participar no Torneio Juvenil do Norte de Pista Coberta em Braga, enquanto “os res-

tantes atletas” participam na S. Silvestre de Santo Tirso. Torneio Jovem de Pista Coberta Já no domingo, a Escola esteve presente no Torneio Jovem de Pista Coberta, no Parque Municipal de Exposições de Braga. Nos 60 Metros Planos participaram os juvenis Mónia Rodrigues (7.º), Sandra Sá (9.º), Diana Rodrigues (12.º) e João Abreu (13.º), os iniciados Ricardo Dias (21.º) e Ana Mota (25.º), os infantis Tatiana Soares (4.º), Mariana Costa (5.º), Katarina Strukov (12.º), Sofia Alves (20.º), Fábio Ramos (7.º), Luís Oliveira (11.º) e Rúben Pinto (18.º), os benjamins B Isabel Martins (2.º), Ana Duarte (7.º) e Afonso Oliveira (3.º) e os benjamins A Carolina Martins (9.º), Bruno Silva (3.º), Hélder Dias (9.º) e Denis Tsybriuskyy (14.º). Também nos 150 Metros Planos correram os iniciados Ana Mota (7.º), Beatriz Maia (14.º) e Ricardo Dias (8.º), os infantis Vânia Sousa (7.º), Katarina Strukov (12.º), Fábio Ramos (6.º) e Nuno Costa (9.º), os benjamins B Ana Duarte (2.º), Pedro Arantes (2.º), Bruno Sá (3.º) e Miguel Santos (5.º) e os benjamins A Carolina Martins (3.º), Bruno Silva (2.º), Henrique Costa (3.º) e Hélder Dias (4.º). Já nos 250 Metros Planos correram as juvenis Sandra Sá (3.º) e Mónica Rodrigues (6.º), enquanto no Lançamento do Peso participaram as iniciadas Sofia Santos (1.º) e Beatriz Maia (5.º), os infantis Vânia Sousa (3.º), Sofia Alves (6.º) e Nuno Costa (3.º) e o benjamim B Miguel Santos (1.º). No Salto em Comprimento, a Escola esteve representada pelos juvenis Diana Rodrigues (6.º) e João Abreu (10.º), pela iniciada Sofia Santos (11.º), pelas infantis Tatiana Soares (4.º) e Mariana Costa (10.º), pelos benjamins B Isabel Martins (2.º), Pedro Arantes (2.º) e Bruno Sá (3.º) e pelo benjamim A Henrique Costa (2.º). Já nos 600 Metros correram o infantil Luís Oliveira (8.º), o benjamim B Afonso Oliveira (6.º) e o benjamim A Hélder Dias (6.º), enquanto nos 1000 Metros participaram os infantis Joana Martins (20.º) e Rúben Pinto (11.º).


www.ONOTICIASDATROFA.pt

Agenda Dia 09 Feira de Natal Coronado, na antiga fábrica Pesafil, em S. Mamede Dia 10 Feira de Natal Coronado, na antiga fábrica Pesafil, em S. Mamede 9.30 horas: Encontro Nacional das Associações de Pais, no auditório Fórum Trofa XXI 15 horas: Ferreira-Bougadense B Dia 11 Feira de Natal Coronado, na antiga fábrica Pesafil, em S. Mamede 15 horas: Bougadense-S. Vítor 15 horas: Amarante-Trofense 17 horas: Espetáculo de Natal da Escola Passos de Dança, no auditório do edifício sede da Junta de Freguesia de Bougado, em S. Martinho

Farmácias Dia 09 Farmácia Trofense Dia 10 Farmácia Barreto Dia 11 Farmácia Nova Dia 12 Farmácia Moreira Padrão Dia 13 Farmácia Ribeirão Dia 14 Farmácia Trofense Dia 15 Farmácia Barreto Dia 16 Farmácia Nova

Necrologia S. Martinho de Bougado Margarida Marques de Oliveira Faleceu no dia 27 de novembro, com 90 anos. Casada com Mário Esteves Gomes Ana Maria da Silva Carvalho Martins Batista Faleceu no dia 1 de dezembro, com 55 anos Casada com António Manuel de Carvalho Martins Batista Lousado – Vila Nova de Famalicão Antonieta Maria Correia Gonçalves Melro Silva Faleceu no dia 1 de dezembro, com 55 anos Casada com José Manuel da Costa e Silva Funerais realizados pela Agência Funerária Trofense, Lda. Gerência de João Silva

8 DEZEMBRO 2016 O NOTÍCIAS DA TROFA

15

Desporto

Três anos de UCT “com balanço positivo” A

União de Ciclismo da Trofa (UCT) deu por terminada a época 2016, no sábado, dia 3 de dezembro, numa gala que serve para “elogiar os atletas”. “Foi dada uma pequena lembrança da UCT (aos atletas e diretor desportivo) que mencionava o nome das pessoas como reconhecimento da UCT” pelo trabalho realizado, assegurou o presidente da União, Jorge Silva. “Cerca de 80 pessoas” marcaram presença no evento que deu por encerrada mais uma época “muito positiva”. Terminada uma etapa já se pensa na próxima, que se espera que seja, pelo menos, “igual”. “Quando começamos a trabalhar com toda esta garra o nosso objetivo é sempre fazer melhor”, adiantou Jorge Silva que já definiu objetivos para 2017: “angariar novos atletas e ter uma equipa mais forte ainda”. A UCT segue, literalmente, sobre rodas. Três anos depois de

Corredores da UCT em gala de fim de época

iniciar atividade, “o balanço é positivo”, afirmou o presidente da UCT, com os “16 atletas” a conseguirem resultados satisfatórios. “Os pódios que temos conquistado são fruto de um bom trabalho”, disse ao jornal O Notícias da Trofa o presidente, que realça o empenho de atletas, direção e pais. A comemorar o ter-

ceiro aniversário, a UCT lançou uma campanha para atrair novos atletas. Aos jovens entre os seis e os 15 anos, que gostem de andar de bicicleta, aventura, fazer novos amigos, conhecer novos lugares e competir, a UCT deixa o convite para se juntarem à equipa. Mas, Jorge Silva realça o facto de as portas estarem abertas

até àqueles que não gostem muito da competição propriamente dita, já que “a UCT não é só competição é um grupo de amigos”. Em forma de presente de aniversário, a União conseguiu a nova sede, que fica “junto à Igreja Nova de S. Martinho de Bougado, em frente ao Lar Padre Joaquim Ribeiro” e “uma nova viatura de nove lugares para poder ter o transporte assegurado para algumas provas a fazer fora”, afirmou o presidente. O novo espaço, que servirá “para convívios e reuniões semanais”, será inaugurado “no próximo mês”, momento em que devem também “ser apresentados os novos atletas e patrocinadores para a próxima época”, asseverou Jorge Silva. “Acredito que a UCT tem um grande futuro pela frente. Queremos pôr a UCT lá em cima e vamos trabalhar para que as coisas aconteçam”, finalizou o presidente. L.O./C.V.

Futsal federado

Seniores do CR Bougado sobem ao 4.º lugar Ao vencer por 4-2 o Estrelas Susanenses, a equipa sénior do Centro Recreativo Bougado subiu ao 4.º lugar da série 2 da 1.ª Divisão da Associação de Futebol do Porto (AFP). Com 15 pontos em nove jogos disputados, a formação bougadense defronta, na próxima ronda, o Escolas Modelos. No mesmo campeonato, o Grupo Desportivo Covelas foi derrotado pelo ARC Moinhos por 1-3, estando agora no 12.º posto, com nove pontos. O Estrelas Susanenses é o próximo adversário. Na 2.ª Divisão da AFP, o Futebol Clube S. Romão perdeu com o Vila Futsal por 8-2, ocupando o 8.º lugar, com seis pontos. Na 10.ª jornada, os romanenses medem forças com o último classificado, Luso Académico. Em seniores femininos, o FC S. Romão não evitou o desaire diante do líder Póvoa Futsal por 3-0, continuando no último posto, com dois pontos conquistados ao fim de 13 jornadas na 1.ª Divisão da AFP. Na próxima, defronta o Santana. Ficha Técnica

Já a equipa júnior feminina da mesma coletividade está na 6.ª posição, com 18 pontos, após vitória diante do Modicus Sandim por 0-2, em jogo a contar para a 14.ª jornada. O Lusitânia Lourosa é o próximo adversário. No escalão de juniores masculinos, na 12.ª jornada da série 2 da 2.ª Divisão da AFP, o CR Bougado não foi além de um empate a três bolas com o ARC Moinhos, segurando o 7.º posto, com 19 pontos, antes de viajar ao reduto do Gondomar Futsal. Já a formação de juvenis da mesma coletividade, a militar na 1.ª Divisão da AFP, conquistou um importante triunfo na fuga à despromoção, batendo o Escolas Modelos por 7-2. Na próxima jornada, 15.ª, defronta o Santa Isabel. Depois de um começo fulgurante, com nove vitórias consecutivas, os iniciados do CR Bougado “abrandaram” na série 2 da 2.ª Divisão da AFP. Após derrota com o Mosteiro, que o fez perder o 1.º lugar, o grupo de Bougado empatou a três bolas com o Retorta, se-

gurando a vice-liderança, com 28 pontos. Na próxima jornada, recebe o Vila Boa do Bispo. Já os infantis do FC S. Romão, que competem na série 2 da 2.ª Divisão da AFP, bateram o Teibas por 4-1, “roubando” o 3.º lugar ao adversário. Com 18 pontos em 11 jornadas disputadas (mas menos um jogo realizado), a equipa romanense vai tentar manter o ciclo de triunfos na próxima partida diante do Restauradores Brás Oleiro. Quem ainda não pontuou esta

época foi a equipa de juvenis do FC S. Romão, que joga na série 2 da 2.ª Divisão da AFP. Na 12.ª jornada, perdeu com o Núcleo Valongo por 0-5. No próximo fim de semana, a equipa folga. Na mesma situação está a formação de benjamins da mesma coletividade, que na 11.ª jornada somou mais um desaire, desta vez diante do Académico Pedras Rubras, por 2-12. A Cohaemato é a próxima adversária. C.V.

Diretor: Hermano Martins (T.E.774) Sub-diretora: Cátia Veloso (9699) Editor: O Notícias da Trofa Publicações Periódicas Lda. Redação: Patrícia Pereira (9687), Cátia Veloso (9699), Magda Machado de Araújo (TE1022) , Liliana Oliveira (TP 2436) | Setor desportivo: Marco Monteiro (C.O. 744), Miguel Mascarenhas (C.O. 741) Colaboradores: Atanagildo Lobo, Jaime Toga, José Moreira da Silva (C.O. 864), João Pedro Costa, João Mendes | Fotografia: A.Costa, Miguel Trofa Pereira (C.O. 865) Composição: Cátia Veloso | Impressão: Gráfica do Diário do Minho, Lda. | Assinatura anual: Continente: 22,50 euros; Extra europa: 88,50 euros; Europa: 69,50 euros; | Assinatura em formato digital PDF: 15 euros IBAN: PT50 0007 0605 0039952000684 | Avulso: 0,60 Euros | E-mail: jornal@onoticiasdatrofa.pt | Sede e Redação: Rua das Aldeias de Cima, 280 r/c 4785 - 699 Trofa Telf. e Fax: 252 414 714 Propriedade: O Notícias da Trofa - Publicações Periódicas, Lda. NIF.: 506 529 002 Registo ICS: 124105 | Nº Exemplares: 5000 | Depósito legal: 324719/11 | ISSN 2183-4598 | Detentores de 50 % do capital ou mais: Magda Araújo | Estatuto Editorial pode ser consultado em www.onoticiasdatrofa.pt | Nota de redação: Os artigos publicados nesta edição do jornal “O Notícias da Trofa” são da inteira responsabilidade dos seus subscritores e não veiculam obrigatoriamente a opinião da direção. O Notícias da Trofa respeita a opinião dos seus leitores e não pretende de modo algum ferir suscetibilidades. Todos os textos e anúncios publicados neste jornal estão escritos ao abrigo do novo Acordo Ortográfico. É totalmente proibida a cópia e reprodução de fotografias, textos e demais conteúdos, sem autorização escrita.


16 O NOTÍCIAS DA TROFA 8 DEZEMBRO 2016

www.ONOTICIASDATROFA.pt

Atualidade

Lírio Amarelo comemorou bodas de prata A

padaria e pastelaria Lírio Amarelo está a comemorar as bodas de prata. O dia 7 de dezembro foi de festa para todos aqueles que fazem do Lírio Amarelo um lugar que prima “pela arte de bem servir”. Há 25 anos, Isabel Oliveira, a proprietária do espaço, começava a sua aventura neste recanto da Trofa. O caminho nem sempre foi fácil, principalmente desde que o comboio deixou de passar do outro lado da estrada. Mas os clientes mantiveram-se fiéis e ainda hoje por lá passam para tomar o café, comprar pão ou comer um doce. Vinte e cinco anos depois, Isabel Oliveira faz um balanço positivo. “Foram anos muito bons, com muito esforço e dedicação”, afirmou a proprietária. É a pensar no cliente, que a pada-

ria e pastelaria Lírio Amarelo trabalha praticamente todos os dias do ano. “Só encerramos duas vezes no ano, tem que se gostar muito do que se faz e tentamos sempre o melhor para a satisfação do cliente”, afirmou a proprietária. E da porta para dentro é o cliente que interessa. “A qualidade, o bem servir e o conforto” são as principais preocupações desta casa. A tarte especial folhada é um dos destaques desta pastelaria da Trofa. “Destacamos o pão de ló, que é o melhor que anda por aqui, o nosso doce de gema, que faz fila lá fora, o bolo rei e as natas”, assegurou Isabel Oliveira. Mas, entre os mais pequenos, são as bolachas húngaras que lideram a tabela das preferências. “Os filhos dos nossos clientes diferenciam, pelo sabor, se a bola-

Isabel Oliveira é a proprietária do Lírio Amarelo

cha é do Lírio ou da concorrência”, desvendou a proprietária da padaria. O Natal já bate à porta e o Lírio Amarelo já tem tudo preparado para o receber. A par dos clientes

diários, por esta altura são muitos “os clientes festivos de Famalicão, Santo Tirso, Maia e de entre outros locais” que procuram a Lírio Amarelo para adquirir as “deliciosas rabanadas, o bolo-rei nor-

mal, chocolate ou o escangalhado e o pão de ló normal e húmido”. “Trabalhamos muito de forma artesanal, por isso é tudo muito fresco”, assegurou Isabel Oliveira. “Não enganar o cliente” é a política de uma casa que serve os trofenses há 25 anos. “O cliente é mais importante do que o dinheiro, porque se tivermos o cliente temos o dinheiro”, considerou a proprietária do Lírio Amarelo, que não esquece a equipa que a ajuda a manter as portas abertas, alguns deles desde o início. Com duas lojas a funcionar, uma na Rua de S. Martinho e outra no Largo de Santo António, na Gandra, no concelho da Trofa, pode contactar a padaria e pastelaria Lírio Amarelo através do telefone 252 416 300 ou 252 418 056 ou do e-mail confeitaria-lirioamarelo@ hotmail.com .

Passos de Dança apresenta Feira e espetáculo de Natal

Feira de Natal serve para angariar fundos

O Natal chegou à Escola Passos de Dança. Até este sábado, dia 10 de dezembro, a escola transformou as suas instalações, em S. Martinho de Bougado, numa Feira de Natal. Artigos decorativos, material escolar, bijuteria, postais de Natal, peças de roupa ou biscoitos e compotas caseiros são alguns exemplos daquilo que se pode encontrar. A Feira de Natal é uma iniciativa da escola em parceria com os pais dos alunos, que tem como objetivo “angariar fundos para financiar os projetos que têm a concurso nacionais e internacionais” numa tentativa de “colmatar algumas despesas”, explicou Márcia Ferreira, responsável pela Passos de Dança. Foram várias as empresas que se juntaram à Passos de Dança nesta feira solidária, sendo que uma percentagem das vendas

será precisamente para a escola. Se ainda não terminou as suas compras de Natal talvez esta seja uma boa sugestão. “As prendinhas são embrulhadas e ajudam os nossos alunos a atingir os seus sonhos”, referiu Márcia Ferreira. A Feira de Natal da Passos de Dança está disponível até ao dia 10, entre as 15 e as 21 horas. No domingo, a escola apresenta, no auditório do edifício sede da Junta de Freguesia de Bougado, em S. Martinho, pelas 17 horas, o seu espetáculo de Natal, que, este ano, será “uma adaptação do Quebra-Nozes”. Além disso, a Passos de Dança tem ainda a sorteio “um cabaz de Natal bastante apelativo com vinhos, massas ,queijo e bacalhau”, que “foram oferecidos pelos pais e amigos”, e que vai ser sorteado no domingo. L.O./C.V.

Edição 600 do Jornal O Noticias da Trofa  

Edição de 8 de dezembro de 2016

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you