Page 1

12 de setembro de 2013 N.º 438 ano 11 | 0,60 euros | Semanário

Diretor Hermano Martins

PUB

Atualidade pág. 3

Mulher encontrada sem vida Barca inaugura elevadores 23 anos depois

Atualidade pág. 10 Autárquicas págs. 7 e 8

Atualidade pág. 3

Candidatos a Bougado em entrevista Autárquicas pág. 16

Constitucional aceita Guilherme Ramos e recusa Acidente provocou ferido grave JoaquimOliveira


2 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

12 de setembro de 2013

Quinta de S. Romão recua a 1890 O Grupo Danças e Cantares Vale do Coronado vai organizar a 1ª Feira do Século XIX, recriando as vivências de S. Romão do Coronado em 1890. A Quinta de S. Romão vai transformar-se na aldeia de S. Romão do Coronado no ano de 1890. Durante os dias 14 e 15 de setembro, pode encontrar reproduções da Capela de Santa Eulália, da Igreja Matriz, do Hotel de S. Romão, da estação de caminhos de ferro e casas de lavoura e de pasto. Durante o dia de sábado, os trajes de trabalho vão executar os afazeres do dia a dia. Uma situação que não se repete no domingo, pois este é o dia reservado ao Senhor e, por isso, para ir à missa. Com os

“trajes mais ricos”, as pessoas vão estar a passear pelas imediações da Igreja Matriz. Estas situações são dois dos “quadros vivos” que pode encontrar durante a 1ª Feira do Século XIX, que o Grupo Danças e Cantares Vale do Coronado está a organizar para este fim de semana e que promete “muita animação”. A Feira vai estar aberta entre as 10 e as 24 horas. No sábado, decorre o primeiro festival de folclore do Grupo, pelas 21 horas, com as atuações do Grupo Danças e Cantares Vale do Coronado, Rancho Folclórico da Trofa e de Alvarelhos e do Grupo Folclórico de Santa Marta de Portuzelo. Já no domingo, a animação vai estar entregue ao Grupo de Concertinas, pelas 15 horas, ao Conjunto Típico Novo Dia, pelas 18 horas, e Pedro Carvalho, pelas 22 horas. Ao início da noite, pelas 20.30 horas, há uma des-

Ministério da Economia e do Emprego Direção Regional da Economia do Norte Contribuinte n.º 600 065 367

Edital CAC/430 Faço saber que CEPSA PORTUGUESA PETRÓLEOS, S.A., pretende obter licença para uma instalação de combustíveis, constituída por posto de Abastecimento destinada a Venda Público, sita em E.N. 105 Rua da Ramada, freguesia e concelho de Santo Tirso no distrito do Porto. A referida instalação encontra-se abrangida pelas disposições do Decreto-Lei n.º 267/2002, de 26 de Novembro e Portaria n.º 1188/2003, de 10 de Novembro, que estabelecem os procedimentos de licenciamento das instalações de armazenamento de produtos derivados do petróleo e postos de abastecimento de combustíveis e pelos respectivos regulamentos de segurança. Em Conformidade com as disposições da referida Portaria, convidam-se as entidades singulares ou colectivas a apresentar por escrito, dentro do prazo de 20 dias contados da data de publicação deste edital, as suas reclamações contra a concessão da licença requerida.

arquivo

Patrícia Pereira patricia@onoticiasdatrofa.pt

Quinta de S. Romão será palco da 1ª Feira

folhada tradicional. Durante os dois dias, trajados a rigor, os elementos do Grupo, que vão “interagindo normalmente como se estivessem no ano de 1890”, vão guiar os visitantes pelos stands, mostrando o artesanato e tasquinhas, e pelas reproduções de pontos emblemáticos da freguesia, onde pode presenciar a recriação de “alguns quadros vivos”, como “o namoriscar, as romarias, a desfolhada e o festival de folclore”, em que o desfile será feito em forma de rusga. Ou seja, os grupos e ranchos participantes vão surgindo de lados distintos, demonstrando como se fazia no tempo de romaria à Santa Eulália. Já nos stands de artesanato, pode encontrar os trajes de feirar e de santeiro. Este último “apenas existe no Danças e Cantares do Vale do Coronado”, afirmou o presidente do Grupo Danças e Cantares Vale do Coronado, Ricardo Oliveira. O responsável contou que a ideia de dinamizar este certame, surgiu quando o grupo pensava em organizar o primeiro festival de folclore. Como o âmbito do Grupo é também “recriar e estudar toda a etnografia e folclore da região do Vale do Coronado” optaram pela promoção da Feira do Século XIX, que, este ano, re-

trata “as vivências da aldeia de S. Romão do Coronado em 1890”. Os “principais objetivos” do certame passam pela “dinamização da Quinta de S. Romão” e pela “demonstração de todas as vivências do século XIX”, mostrando “à população o que deu origem a S. Romão de hoje”. Para Ricardo Oliveira, as “expectativas são altas”, pois o Grupo já “há muito tempo” que está a trabalhar na organização deste certame, que será aproveitado para o portfólio de “pedido de adesão à Federação do Folclore Português”. “Estamos convencidos que na noite de folclore teremos bastante adesão. Daquilo que temos recolhido junto das pessoas mais antigas, para nos basearmos nos nossos trajes, muitos estão expectantes para aquilo que vai ser feito neste fim de semana”, referiu. O presidente da direção agradeceu a “incansável colaboração” da Junta de Freguesia de S. Romão do Coronado e do comércio local que também apoiou, por verem que esta era “uma maneira de fomentar o turismo na freguesia e demonstrar as vivências do nosso passado”. Um agradecimento que estende à Câmara Municipal da Trofa, que disponibilizou material para “proteger e resguardar as imediações da Feira”.

Nota de redação

Porto, 29-07-2013 Chefe de Divisão de Combustíveis Sérgio Ernesto Oliveira Ferreira

Na edição número 432 d’O Notícias da Trofa, no texto intitulado “Andreia Rodrigues no top 10 mundial”, erradamente publicamos que a atleta Andreia Rodrigues era residente em Alvarelhos, quando na realidade é residente em S. Martinho de Bougado.

Ficha Técnica Fundadora: Magda Araújo Diretor: Hermano Martins (T.E.774) Sub-diretora: Cátia Veloso (9699) Editor: O Notícias da Trofa Publicações Periódicas Lda. Publicidade: Maria dos Anjos Azevedo Redação: Patrícia Pereira (9687), Cátia Veloso (9699) Setor desportivo: Diana Azevedo, Marco Monteiro (C.O. 744), Miguel Mascarenhas (C.O. 741) Colaboradores: Atanagildo Lobo, Jaime Toga, José Moreira da Silva (C.O. 864), Tiago

Agenda

Nota de redação

Vasconcelos, Valdemar Silva, Gualter Costa Fotografia: A.Costa, Miguel Trofa Pereira (C.O. 865) Composição: Magda Araújo, Cátia Veloso Impressão: Gráfica do Diário do Minho, Lda, Assinatura anual: Continente: 22,50 euros; Extra europa: 88,50 euros; Europa: 69,50 euros; Assinatura em formato digital PDF: 15 euros NIB: 0007 0605 0039952000684 Avulso: 0,60 Euros E-mail: jornal@onoticiasdatrofa.pt

Sede e Redação:Rua das Aldeias de Cima, 280 r/c 4785 - 699 Trofa Telf. e Fax:252 414 714 Propriedade: O Notícias da Trofa - Publicações Periódicas, Lda. NIF.: 506 529 002 Registo ICS: 124105 | Nº Exemplares: 5000 Depósito legal: 324719/11 Detentores de 50 % do capital ou mais: Magda Araújo

Os artigos publicados nesta edição do jornal “O Notícias da Trofa” são da inteira responsabilidade dos seus subscritores e não veiculam obrigatoriamente a opinião da direção. O Notícias da Trofa respeita a opinião dos seus leitores e não pretende de modo algum ferir suscetibilidades. Todos os textos e anúncios publicados neste jornal estão escritos ao abrigo do novo Acordo Ortográfico. É totalmente proibida a cópia e reprodução de fotografias, textos e demais conteúdos, sem autorização escrita.

Dia 13 20 horas: Jantar/comício concelhio do PSD/CDS, nas antigas instalações da Litel 21.30 horas: Inauguração da exposição “Vida, Pensamento e Luta: Exemplo que se projeta na atualidade e no futuro”, na Casa da Cultura Dia 14 Festas de Santa Eufémia, em Alvarelhos 9-12.30 horas: Colheita de sangue, no salão polivalente dos Bombeiros Voluntários da Trofa 10 horas: Abertura da 1ª Feira do Século XIX, na Quinta de S. Romão - Encontro Regional de Karatédo Shotokai, na ARJMuro 17 horas: Inauguração da Escola Básica de Finzes - Comício do Bloco de Esquerda da Trofa, no Largo Costa Ferreira 19 horas: Desfolhada à moda antiga, no Lago da Serra 20 horas: Apresentação dos membros da lista do PSD/CDS à Assembleia de Freguesia de Covelas, no Largo da Capela de S. Gonçalo - Jantar de Mulheres, nos armazéns junto ao Intermarché 21 horas: Festival de Folclore do Danças e Cantares do Vale do Coronado, Quinta de S. Romão Dia 15 Festas de Santa Eufémia 1ª Feira do Século XIX, na Quinta de S. Romão 10 horas: Inauguração do Parque das Azenhas, na entrada nascente do Parque, junto às instalações do Aquaplace 16 horas: Trofense-Penafiel - S. Romão-Frazão 19 horas: Apresentação dos membros da lista do PS à Assembleia da União de Freguesias de S. Martinho e Santiago de Bougado, na Senhora da Livração 20.30 horas: Desfolhada tradicional, na Quinta de S. Romão

Farmácias de Serviço Dia 12 Farmácia Barreto Dia 13 Farmácia Nova Dia 14 Farmácia Moreira Padrão Dia 15 Farmácia de Ribeirão Dia 16 Farmácia Trofense Dia 17 Farmácia Barreto Dia 18 Farmácia Nova Dia 19 Farmácia Moreira Padrão

Telefones úteis Bombeiros Voluntários da Trofa 252 400 700 GNR da Trofa 252 499 180 Polícia Municipal da Trofa 252 428 109/10 Jornal O Notícias da Trofa 252 414 714


12 de setembro de 2013

www.onoticiasdatrofa.pt

Atualidade 3

Mulher encontrada sem vida Hermano Martins

Vítima estava a viver sozinha há várias semanas, uma vez que o marido emigrou para Alemanha para trabalhar. Polícia Judiciária está a investigar. Uma mulher de 53 anos de idade residente na Rua da Samogueira, em Santiago de Bougado, foi encontrada sem vida no interior da sua casa, esta quarta-feira. De acordo com testemunho de vizinhos e familiares, a vítima, que já não era vista desde segunda-feira, estaria a viver sozinha desde que o marido emigrou há algumas semanas para a Alemanha, onde está a trabalhar. A mãe da mulher estaria a tentar contactá-la desde terça-feira via telefone mas nunca conseguiu. As tentativas continuaram na quarta-feira durante o dia e já

ao final da tarde terá pedido a um familiar, que mora na casa ao lado para tentar saber notícias da filha. O homem, terá acedido à casa da vítima pela varanda e encontrou um cenário macabro. A mulher estava despida da cintura para baixo, apresentava ferimentos e estaria deitada no chão de uma das divisões da casa, numa poça de sangue. Os vizinhos terão alertado os Bombeiros da Trofa cerca das 18.50 horas mas quando chegaram ao local já nada puderam fazer, porque a mulher já estaria sem vida. De acordo com os vizinhos, o computador da mulher estaria ligado e ninguém se apercebeu de nada estranho. A GNR da Trofa esteve no local e foi chamada a Polícia Judiciária (PJ) para recolher indícios que possam levar ao apuramento das causas da morte. À hora do fecho desta edição a PJ ainda proceMulher já não era vista desde segunda-feira dia a investigações no local. pub

Ferido grave em acidente

Acidente condicionou Estrada Nacional 104

Um homem sofreu um traumatismo crânio-encefálico num acidente de viação entre um ciclomotor e um motociclo, que ocorreu pelas 7.40 horas de quinta-feira, 5 de setembro, na Rua 16 de Maio, em Santiago de Bougado, na Estrada Nacional 104. Segundo testemunhas no local, o condutor do ciclomotor, que seguia no sentido Trofa-Vila do Conde, estaria a mudar de direção para entrar num parque de estacionamento de um café, quando o motociclo, que seguia no mesmo sentido, estaria a efetuar várias ultrapassagens, quando acabou por colidir com o ciclomotor. O condutor do ciclomotor, de 29 anos e residente na freguesia de Burgães, Santo Tirso, sofreu um traumatismo crânio-encefálico e esteve a ser assistido

no local durante cerca de 1.30 horas, pelo médico da VMER (Viatura Médica de Emergência e Reanimação) de Vila Nova de Famalicão, tendo sido transportado para o Hospital de S. João, do Porto. Já o condutor do motociclo sofreu ferimentos ligeiros e foi transportado para a unidade de Vila Nova de Famalicão do Centro Hospitalar Médio Ave. Os homens, que eram colegas de trabalho, não possuíam habilitação para a condução de veículos com estas características. No local estiveram ainda duas ambulâncias de socorro, com quatro bombeiros da Corporação da Trofa, e um veículo ligeiro de combate a incêndios, com dois bombeiros, para lavagem de pavimento. P.P./H.M. pub


4 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

12 de setembro de 2013

Centro histórico de Amarante “invadido” por 1200 trofenses Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

A autarquia da Trofa promoveu o passeio anual sénior e levou 1200 pessoas a Amarante, no sábado, 7 de setembro. O concelho de Amarante foi “invadido” por trofenses, durante o dia de sábado. De cada um dos lados da ponte sobre o rio Tâmega, cerca de 1200 seniores, identificados por bonés verdes, dispersavam-se por várias zonas do centro histórico. Enquanto uns aproveitavam as sombras das árvores para conversar e comer um gelado, outros apreciavam monumentos e edifícios, como mosteiro de S. Gonçalo. Joaquim Costa, de S. Mamede do Coronado, era um dos que passeava por uma das ruas do centro. Em tempos idos, enquanto trabalhava, passou mui-

viver com outras pessoas, passear e conhecer terras”, opinião que é corroborada pela guidoense Laurinda Carvalho. No parque florestal, mesmo junto ao rio, a Câmara Municipal colocou mesas para que os participantes pudessem almoçar e estarem confortáveis enquanto o Rancho Folclórico de Santa Cruz, de Vila Meã, atuava. Joana Lima, presidente da autarquia, agradeceu “o civismo e a forma de estar” dos seniores e explicou que o passeio anual, desde que este executivo camarário tomou posse, “é organizado num lugar aprazível e próximo da Trofa, porque os seniores não podem fazer muitos quilómetros e para não ficar muito caro Seniores divertiram-se no parque florestal de Amarante ao erário trofense”. “Desta forma, tas vezes por Amarante, mas já Vieira aproveita todos os passei- S. Gonçalo, que é muito bonita”, conseguimos conciliar a cultura, o bem-estar das pessoas e a sentia o local “estranho” pelo tem- os e convívios proporcionados relatou. po que passou. “Adoro as paisa- pela autarquia para “passear”, De Santiago de Bougado, Ja- contenção financeira da Câmagens e os monumentos”, afirmou sob pena de “nunca sair de casa”. cinta Cruz explicou que partici- ra”, sublinhou. ao NT. Já a conterrânea Maria “Vim ver aquela igreja, onde tem pa no passeio sénior para “con-

Semana da Juventude com atividades desportivas e culturais Patrícia Pereira Cátia Veloso

A zona envolvente da estação de comboios da Trofa transformou-se num quartelgeneral da juventude, com várias atividades permanentes para todos os gostos. O Campo de Futebol insuflável, o Campo de Street Basket, Air Bungee e o Paintball eram os espaços mais requisitados pelos jovens, enquanto que as crianças optavam pelos os insufláveis infantis. Pela zona envolvente à estação de comboios, também

não faltou a Torre Multi-Aventura (Slide e Escalada), Parkour, Airsoft, Skate, Touro Mecânico, Animação de Rua (circense), Espaço Exposição em Sombra com Pintura, Ilustração e Técnicas de Impressão e Ilustração e Pintura, Espaço Finger Board com tenda de demonstrações, Competição Best Trick e Competição Game Of Skate. Os bares do concelho não foram esquecidos, existindo no local espaço para os seis aderentes. Estava assim preparado o cenário para a Semana da Juventude, que prometia muita animação e atividades radicais. Conpub

Alvadance foi um dos grupos que atuaram na Semana da Juventude

tudo, o número de visitantes ficou aquém das expectativas. A iniciativa foi dinamizada pela Câmara Municipal da Trofa, que preparou uma semana recheada de atividades na zona envolvente à estação, entre os dias um e oito de setembro. Durante toda a semana, as portas do Aquaplace estiveram abertas para os jovens do concelho, que puderam usufruir de aulas grátis. Na quinta-feira, a Associação Cicloturismo da Trofa e o Centro Recreativo de Bougado dinamizaram o Bike Paper

Noturno, com partida e chegada da estação. Já o dia seguinte foi dedicado à música, com atuações do Quinteto da Orquestra Sinfónica da Trofa, das bandas de garagem Or Eleven, Libelinha e Hyponitc Wall, e do DJ Miguel Rendeiro. No sábado, houve Teatro, a atuação do DJ Robotic Seassions, o espetáculo de dança e música, Talentos Unidos, numa organização Alva, e a atuação do conhecido DJ. Fernando Alvim, apresentador, animador de rádio e escritor. A Semana da Juventude encerrou no domingo,

com uma maratona de DJ’s trofenses e um Stand Up Comedy de Miguel 7 Estacas e João Seabra. A presidente da autarquia, Joana Lima, referiu que a zona envolvente à estação era “o melhor espaço” para a realização deste evento e “sem muito barulho” para as habitações. “Esta Semana da Juventude surge no âmbito da candidatura do PRU aos Parques Nossa Senhora das Dores e Dr Lima Carneiro. Como os Parques estão em obras, o sítio mais próximo e com capacidade para fazermos um evento deste género é sem dúvida alguma o parque da estação, que tem sido um sítio especial para fazer vários eventos de qualquer natureza”, afirmou, salientando que esta atividade foi “comparticipada em 85 por cento a fundo perdido” e os restantes “15 por cento é a Câmara Municipal que acautela”. Relativamente às acusações que têm sido feitas pelos opositores, Joana Lima declarou que vai “desvalorizar”, pois “não sabem o que estão a dizer”. “O que quero é que os jovens estejam bem, estejam felizes e que sintam que a Trofa é um lugar aprazível para estar, para vir, para se divertir. É isso que nós queremos para a Trofa e é isso que está aqui em causa”, concluiu.


Publireportagem 5

www.onoticiasdatrofa.pt

12 de setembro de 2013

Parque das Azenhas inaugurado a 15 de setembro

Um “diamante em bruto” com muito para explorar Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

vestimento para a inauguração da infraestrutura. Estão ainda previstas uma caminhada e uma prova de aeromodelismo, organizadas em concertação com o movimento associativo do concelho. “Já ouvi alguém dizer que 32 mil euros para uma inauguração eram dinheiro a mais, mas todo o dinheiro que é gasto na Câmara, é gasto com muito rigor e, neste caso, conta com uma comparticipação de 85 por cento de fundos comunitários. Não temos dinheiro para gastar aos 150 e aos 200 mil euros como se gastava em inaugurações, como aconteceu com o Aquaplace”, frisou.

Está prestes a ser inaugurada uma das obras mais emblemáticas do concelho da Trofa. Oficialmente, o Parque das Azenhas abre a 15 de setembro, às 10 horas, mas ainda a obra estava em terra batida e muitas eram as pessoas que aproveitavam para caminhar pelo percurso que devolve o Rio Ave à população. São quatro quilómetros e cem metros de corredor que abre as margens e oferece um sem número de paisagens e perspetivas que estavam escondidas e agora podem ser descobertas. Ainda assim, muito mais pode ser feito. Para Joana Lima, presidente da Câmara Municipal da Trofa, o Parque das Azenhas é um “diamante em bruto” que ainda pode ser “aperfeiçoado”. “Depois da estrutura feita, vamos dinamizar o Parque através das nossas associações ligadas ao ambiente e ao património e, sobretudo, às escolas. Temos centros interpretativos, que disponibilizam informação aos jovens para os sensibilizar para a preservação da Natureza e bem-estar das pessoas. A mudança de mentalidades começa nos mais novos, pelo que creio que daqui a uns anos vamos ser mais amigos do ambi-

2ª fase do projeto já em equação

Percurso de quatro quilómetros e cem metros devolve o rio à população

ente”, frisou. Ao possibilitar “o convívio intergeracional” e ser “transversal” a vários setores, como “desporto, cultura, património e ambiente”, o Parque das Azenhas também se assume como um “espaço multidisciplinar”, onde o enlace com o rio – e a fauna e flora a ele associados - é inevitável. “Aqui vamos fomentar o tu-

rismo, aproveitando as potencialidades do rio, como, por exemplo, promover passeios de barco. Não me falem é em fazer novas pontes sobre o rio, porque uma já será feita na futura variante e já tem projeto aprovado do ponto de vista do impacto ambiental. Temos que ter um ambiente sustentável e reforçar a qualidade de vida que foi

afetada com a industrialização há anos atrás”, defendeu. Também a pesca desportiva, ressalvou, “foi minimamente acautelada”, ao garantir-se espaços de sete metros entre árvores para a realização de provas, até do campeonato nacional. Na sua totalidade, o Parque vai englobar mais de quatro quilómetros de percurso na margem esquerda do Rio Ave, numa área de 108 hectares, cujo investimento infraestrutural ronda os 2.176 834,62 euros, no âmbito de uma Candidatura a Fundos Comunitários comparticipados a 85 por cento, inscritos no Eixo Prioritário III – Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial – Gestão Ativa de Espaços Protegidos e Classificados-ON2. Crianças com direito a maletas pedagógicas

Muitas pessoas não conhecem esta perspetiva da ponte sobre o Rio Ave

No dia da inauguração do Parque das Azenhas, a autarquia vai oferecer parte das 2500 maletas pedagógicas que adquiriu para as crianças poderem estudar o rio, assim como a fauna e a flora a ele associado. Com os objetos que estarão no interior das maletas, os mais pequenos poderão “verificar a qualidade da água e fazer experiências”. A aquisição destes materiais constitui “o grande bolo” do in-

Para além de haver quase outro tanto comprimento de margem que deve ser requalificado, Joana Lima considera que este projeto deve incluir a reabilitação das azenhas, que estão degradadas. Isso só será possível, sublinhou, a partir de um novo projeto candidato a fundos comunitários, que já está a ser estudado. “Queremos continuar o percurso existente até Guidões e até ao limite de Santo Tirso e criar no nosso roteiro cultural, a Rota das Azenhas, valorizando aquilo que temos do ponto de vista patrimonial tão importante que não podemos esquecer”, concluiu.

Riscos da obra “acautelados” Sobre o risco que a obra corre devido às cheias que podem acontecer, Joana Lima asseverou que “a obra foi acompanhada e projetada por técnicos de grande qualidade”. “Este piso tem uma característica importante, é muito permeável e poroso, ou seja, a água passa o piso e não corremos o risco que estanque e empurre o piso. O enrocamento das margens é feito com madeira e pedra solta, permitindo que a água entre por um lado e saia por outro”, referiu a autarca que não enjeita a possibilidade de ter “que se fazer uma limpeza a seguir a uma cheia”.


6 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

12 de setembro de 2013

Vítor Rocha apresenta equipa à União de Freguesias de Alvarelhos e Guidões Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

“Servir a população de uma forma próxima, competente com sustentabilidade”. Foi desta forma que Vítor Rocha, candidato do PS à União de Freguesias de Alvarelhos e Guidões, se comprometeu com a população. Depois de, em agosto, ter apresentado a equipa que o acompanha nas eleições em Alvarelhos, o candidato fez o mesmo em Guidões, no largo da Igreja, na noite de sexta-feira. Na festa de campanha, Vítor Rocha assumiu fazer parte de uma “nova geração” com um “projeto reforçado por pessoas das duas freguesias”, que têm “sensibilidade social, empenho, competência, seriedade e dinamismo”. O candidato socialista garantiu que, na área social, se vai “empenhar” na “conclusão do lar e centro de dia” e “no atendimento, encaminhamento e apoio à população, articulando a resolução dos prolemas com os serviços da Câmara”. Sobre o associativismo, Vítor Rocha comprometeu-se a “promover e apoiar” as coletividades de cada freguesia e a “não descurar os jovens que, em Alvarelhos, foram um pouco esquecidos pela Junta de Freguesia”. “Queremos potenciar também programas ou iniciativas que promovam a prática desportiva, fomentando o contacto com a natureza, atividades culturais e apoio aos artistas locais”, revelou. Vítor Rocha asseverou que vai “trabalhar” para que obras como a extensão do Parque das Azenhas ao Bicho, com “reabilitação da praia fluvial”, e como “o arranjo das Urbanizações de Vilar e dos Casais”, sejam “executadas”. Na área da Segurança e Proteção Civil, o candidato propõe um “protocolo com o município, de modo a assumir a construção e manutenção direta de passeios e de bermas e resolução de problemas

Vítor Rocha define equipa como “dinâmica e empenhada”

de iluminação pública e sinalização de trânsito”. “Manter os serviços de atendimento” e “realizar reuniões públicas de executivo” nas duas freguesias foram outras propostas apresentadas por Vítor Rocha. “Queremos que a União de Freguesias tenha um bom relacionamento e convívio com a Câmara Municipal, algo que não aconteceu com o presidente de Alvarelhos, uma vez que este esteve sempre de costas voltadas”, referiu. O candidato também quis explicar a declaração que fez à TrofaTv quando referiu que em Guidões “já estava tudo feito”. “Eu queria dizer que Guidões teve um presidente, Bernardino Maia, que trabalhou, fez muito pela sua freguesia e temos que lhe agradecer por isso”, afirmou, admitindo que “ainda existem algumas ruas por concluir”.

A equipa do PS à União de Freguesias é, para Joana Lima, candidata à autarquia, “responsável e tem provas dadas de estar à altura dos desafios”, contraponto com a lista da coligação que, referiu, “nunca respeitou Guidões”. “Em Alvarelhos, tenho sido muito maltratada, felizmente por poucos, mas o problema é que quem assume a liderança tem que assumir as funções que exerce e respeitar institucionalmente. A Câmara sempre respeitou as Juntas, mesmo não estando de acordo”, afirmou, exemplificando com a atribuição “ao mesmo tempo” das verbas do protocolo de delegação de competências às oito freguesias. Sobre o concelho, a candidata atacou o opositor da coligação, referindo que “pontes sobre o Rio Ave, rotundas na Carriça e diminuição do IMI (Imposto Municipal sobre Imóveis)” não passam de “promes-

sas”, dada a situação financeira do município. “Qualquer obra que a Trofa possa fazer no futuro, tem que ser financiada em mais de 80 por cento por fundos comunitários, como vamos fazer com o Parque das Azenhas”, referiu. Joana Lima garante que só esse modelo será possível a partir do momento que a autarquia começar a pagar “o encargo mensal de 400 mil euros, durante 15 anos”, para fazer face ao pedido de empréstimo para pagar dívidas a fornecedores que foi sendo acumulada ao longo dos anos. A socialista respondeu à crítica do opositor, sobre a contratação de ajustes diretos: “Fizemos um de 50 mil euros para formação transversal a todas as áreas, mas é financiado a cem por cento. Não gastamos um cêntimo e ficamos com os serviços com formação atualizada. É esta a gestão com rigor”, frisou.

“Vem dar sangue”. O convite é feito pelo Lions Clube da Trofa, que está a organizar para o próximo sábado, 14 de setembro, mais uma colheita de sangue, a decorrer no salão polivalente dos Bombeiros Voluntários da Trofa. “Quem ama a vida sabe que esta é melhor quando se partilha. Partilhar a nossa saúde com alguém que a perdeu é um dever cívico, mas simultaneamente muito gratificante, pois o sentimento de

dar e ajudar alguém enche-nos de orgulho. Partilhe o melhor de si, dê Sangue, ofereça sorrisos e alegria”, mencionou fonte da organização. A colheita, que se vai realizar entre as 9 e as 12.30 horas, destina-se aos doentes do Hospital de S. João, do Porto. Para participar deve ser saudável, ter mais de 50 quilos, ter mais de 18 e menos de 65 anos de idade. P.P.

Colheita de sangue no quartel dos bombeiros voluntários


Atualidade 7

www.onoticiasdatrofa.pt

12 de setembro de 2013

Entrevista a Manuel Carvalho, candidato à União de Freguesias de Bougado

“O meu principal projeto é as pessoas” Manuel Carvalho candidata-se à União de Freguesias de S. Martinho e Santiago de Bougado, com a prioridade de ajudar as pessoas, cujos “agregados familiares se encontrem no limiar da pobreza”.

monstraram, deixando-se arrastar no presente, para a situação incómoda e desconfortável, devido às más e levianas políticas que o têm governado de forma tão superficial e pouco ou nada sustentada.

O Notícias da Trofa (NT): O que o leva a candidatar-se à União de Freguesias de Bougado? Manuel Carvalho (MC): Sempre fui e sou uma pessoa que me empenhei, trabalhei e lutei por causas públicas, ajudando pessoas e instituições no seu desenvolvimento. Não podia dizer não a este projeto e desafio, participando nele de modo ativo e empenhado. Tenho o dever e a honra de ajudar e contribuir este concelho a catapultar-se para a ribalta, pois tão arredado tem andado dos seus direitos sociais, cívicos e económicos. Acredito no seu desenvolvimento e nas capacidades empreendedoras que as pessoas possuem, pois já em tempos pretéritos o de-

NT: Quais são os projetos que vai apresentar para o mandato? MC: O Bloco de Esquerda, assenta a sua política autárquica em três grandes pilares de governação.O primeiro e em primeiro lugar, são as pessoas, pois ninguém é feliz no local onde vive, quando os políticos eleitos não os veem como a primeira razão de ser, nada fazendo com que estas possam participar na construção e consolidação de um modelo de vida mais concordante com os seus anseios. O segundo pilar, tem como pano de fundo o reforço dos direitos dos cidadãos. O terceiro pilar, tem como objetivo integrar as pessoas e organizações de todas vertentes

nomas e ou faraónicas e que em nada engrandecem os políticos.

Manuel Carvalho quer “reforçar direitos dos cidadãos”

cívicas e sociais na elaboração e concretização do orçamento participativo, para que dele, todos sem exceção, possam e venham a ser contempladas, fazendo-se, desta forma maior justiça social. NT: Qual o projeto/área

prioritário (a) caso seja eleito? MC: Sendo eleito, o meu principal projeto, é sem dúvida alguma, as pessoas, as mais carenciadas, os mais idosos, as crianças e jovens cujos agregados familiares se encontrem junto do limiar da pobreza. Que interessa a estas pessoas, obras megaló-

NT: Considera importante que a Câmara e a Junta de Freguesia sejam governadas pelo mesmo partido político? Porquê? MC: Sim. As “Família Políticas” são como as organizações familiares tradicionais. Logo considero que, em política é benéfico para as populações que, estas sejam governadas pelo mesmo partido político, pois os consensos serão mais abrangentes e em caso de existirem projetos comuns e não só. Para que haja transparência e não se instale um clima de dúvidas sobre este tema, todos os partidos políticos e coligações admitidos a eleições, deveriam no seu programam eleitoral, plasmar todos os projetos de relevo, obrigando-se a si próprio e em comunhão com os eleitores, cumpri-los ao longo do mandato para que são eleitos.

Entrevista a Miguel Alexandre, candidato da CDU à União de Freguesias de Bougado

“Cabe à Junta ter um papel protetor e de incentivo às famílias fragilizadas” Caso seja eleito, Miguel Alexandre garante que o salário como presidente da União de Freguesias de Bougado será disponibilizado para “emergências social”. O candidato da CDU também defende construção de capela mortuária em Santiago. O Notícias da Trofa (NT): O que o leva a candidatar-se à União de Freguesias de Bougado? Miguel Alexandre (MA): O principal motivo que me levou a aceitar a minha candidatura foi o de sentir que poderia contribuir para uma elevação da qualidade de vida das agora agregadas freguesias dos Bougados, pois toda a minha vida estive ao lado dos mais desfavorecidos e dos mais fracos, e sinto que poderei acrescentar uma visão nova sobre os problemas atuais da freguesia, dando oportunidade a que a voz do povo seja ouvida. Desde sempre pugnei pela justiça e igualdade, princípios que irei

manter na Junta de Freguesia. NT: Quais sãos os projetos que vai apresentar para o mandato? MA: A valorização e proteção dos espaços públicos, a criação de gabinetes e valências de apoio aos mais desfavorecidos, como a criação de Centro de Dia, nos espaços desativados dos edifícios das juntas, manter um gabinete de apoio aos cidadãos no atual edifício da Junta de Santiago, para evitar deslocações dos bougadenses sempre que necessitem de algum serviço da Junta, a construção de uma capela mortuária junto à igreja de Santiago de Bougado, requalificação das ruas e caminhos com todas as condições de segurança, e sem barreiras arquitetónicas para os cidadãos de mobilidade reduzida, apoio efetivo e equitativo às associações desportivas, culturais e de solidariedade social, reivindicar espaços desportivos condignos para toda a população. Isto são algumas

pel da “caridadezinha”, que outras candidaturas apregoam. Para isso disponibilizarei o salário do presidente para emergências sociais, procurando, sempre em conjunto com as estruturas existentes, melhorar a resposta a situações de carência. Como sempre dissemos só temos uma cara e uma voz. Não atacamos em Lisboa e defendemos na Trofa.

Miguel Alexandre disponibiliza salário para “emergências sociais”

das propostas que temos para o destaque no programa desta canexecutivo da junta. didatura, pois as famílias e os trabalhadores sofrem pesadas perNT: Qual o projeto/área das de rendimento que põem em prioritário(a) caso seja eleito? causa a sua própria sobrevivênMA: Neste momento de gra- cia. Numa altura destas, as pove ataque às condições de vida pulações encontram-se mais frade toda a população, por parte gilizadas e será aqui que caberá deste governo PSD e CDS/PP, à Junta ter um papel protetor e claro que a área social terá um de incentivo, mas sem ser o pa-

NT: Considera importante que a Câmara e a Junta de Freguesia sejam governadas pelo mesmo partido político? Porquê? MA: Ao defender a importância de uma situação destas estaríamos implicitamente a defender o compadrio e o nepotismo, coisa que infelizmente grassa no Poder Local. Uma Junta íntegra sempre terá a mesma postura, seja quem for que governe a Câmara, pelo que não podemos considerar importante que seja o mesmo partido a governar a Câmara e a Junta.


8 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

12 de setembro de 2013

Entrevista a Luís Paulo, candidato do PSD/CDS à União de Freguesias de Bougado

“A área social tem de ser a nossa prioridade” Luís Paulo é o candidato da coligação do PSD/CDS à União de Freguesias de Bougado. A área social é a prioridade do candidato, que também promete manter em funcionamento os serviços das duas freguesias. O Notícias da Trofa (NT): O que o leva a candidatar-se à União de Freguesias de Bougado? Luís Paulo (LP): As pessoas. A mudança de atores políticos, com novas ideias e novas atitudes é urgente e imperioso para salvaguarda do desenvolvimento e da melhoria da qualidade de vida da população destas duas Freguesias. A Junta de Freguesia deve ser o primeiro defensor dos direitos dos cidadãos no diálogo com o poder autárquico, o poder central, o setor empresarial ou qualquer outro interlocutor, apoiando dentro das competências da Junta, a superação das dificuldades, no momento difícil que atravessamos. NT: Quais sãos os projetos que vai apresentar para o

mandato? LP: As propostas da coligação Unidos Pela Trofa assentam em cinco áreas principais. Na ação social, assumimos o compromisso de investir no apoio social, apoiando as pessoas em situações de insuficiência económica, e estimular o Voluntariado Social. Ao nível da organização dos serviços, comprometemo-nos a manter abertos os dois edifícios das Juntas de Freguesia de Santiago e S. Martinho de Bougado e respetivos serviços, de forma a manterem-se os serviços de proximidade e o do apoio direto às populações. No associativismo, queremos um apoio efetivo e anual às associações, através de protocolo para todas atividades apresentadas e de reconhecido interesse para a Freguesia, bem como o apoio administrativo em possíveis candidaturas a fundos para a requalificação ou ampliação de instalações. Ao nível das infraestruturas e equipamentos, comprometemonos a acabar com as ruas em terra batida; manter e conservar

ciência económica, devidamente comprovadas pela Comissão Social de Freguesia. Por outro lado, é igualmente importante estimular o Voluntariado Social, permitindo que essa ajuda chegue de forma mais rápida e mais eficiente à população.

Luís Paulo propõe-se a apoiar as associações, anualmente

os espaços verdes, passeios e arruamentos; criar uma rede de parques infantis e de manutenção física; ampliar a casa Mortuária de S. Martinho de Bougado; construir a Casa Mortuária e Centro de Dia de Santiago de Bougado; e solucionar a falta de espaço no cemitério de S. Martinho de Bougado. Por fim, pretendemos revitalizar o Mercado/Feira e projetar uma nova via de acesso ao Mercado/Feira com exten-

são à Zona Industrial do Vau. NT: Qual o projeto/área prioritário(a) caso seja eleito? LP: Perante a situação económica e social que a população atravessa, a área social tem de ser a nossa prioridade. Consideramos imperioso investir uma parte significativa do orçamento da Junta de Freguesia ao serviço do apoio social imediato à população em situações de insufi-

NT: Considera importante que a Câmara e a Junta de Freguesia sejam governadas pelo mesmo partido político? Porquê? LP: Sabendo que a nova unidade territorial que une Santiago a S. Martinho de Bougado representa cerca de 50 por cento da população e do território do Concelho da Trofa, consideramos que é importante para o desenvolvimento das duas freguesias haver um projeto comum às freguesias e à Câmara Municipal. Por isso, o manifesto eleitoral da coligação Unidos Pela Trofa (PSD-CDS/PP) à União das Freguesias de Bougado e à Câmara Municipal foi pensado e elaborado de forma a complementarem-se, tendo sempre o bem-estar e a qualidade de vida das populações como prioridades.

Entrevista a José Sá, candidato do PS à União de Freguesias de Bougado

“Projeto vai ao encontro das necessidades das pessoas” José Sá é o candidato do Partido Socialista à União de Freguesias de S. Martinho e Santiago de Bougado. Para o mandato, propõe-se a colocar as pessoas “em primeiro lugar”. O Notícias da Trofa (NT): O que leva a candidatar-se à União de Freguesias de Bougado? José Sá (JS): Foram os bougadenses de S. Martinho e de Santiago que me levaram a aceitar o desafio de me candidatar à União de Freguesias de Bougado (S. Martinho e Santiago). Por força da agregação imposta pelo governo, entendi colocar a minha experiência, entrega e disponibilidade de trabalho ao serviço de todos. A nossa equipa é coesa e nenhum dos seus elementos se move por interesses pessoais, e eu, vou cumprir os quatro anos de mandato como presidente da União de Freguesias. Apesar do desafio que se coloca a mim e à minha equipa, ser muito exigente, considero que com a experiência que adquiri durante toda a minha vida, quer co-

mo empresário, quer nas associações onde já dou o meu contributo, quer na Junta de S. Martinho, ao longo dos últimos oito anos, são o espelho do meu carácter e do meu empenho pelas duas freguesias.

Vamos trabalhar afincadamente na conservação e recuperação da rede viária, pavimentando ruas e construindo passeios, vamos fazer a ligação do “Bairro da Capela” ao “Castelo. Também nos comprometemos a apoiar a construção de um Centro de Dia em Santiago, a resolver o problema da falta de espaço no cemitério de S. Martinho, levar a cabo a ampliação da Casa Mortuária

de São Martinho e a construção da Casa Mortuária de Santiago. Os espaços verdes das duas freguesias não serão esquecidos e vamos promover a instalação de parques infantis e melhorar as acessibilidades ao Mercado e à Feira. Pretendemos constituir o “Gabinete do Associativismo”, e o “Gabinete para a Cultura” para apoiar as associações. Potenciar a criação de um

NT: Quais são os projetos para o mandato? JS: Temos um projeto bem definido, com linhas orientadoras que vão de encontro às necessidades dos habitantes de S. Martinho e de Santiago. A área social e o apoio aos mais frágeis são a prioridade. O trabalho que a Junta de S. Martinho desenvolveu nestes últimos quatro anos nesta área tem sido notável e portanto pretendemos manter essa linha orientadora. As pessoas estão em primeiro lugar e por isso, vamos manter em funcionamento os dois edifícios que são sede de junta para que os nossos serviços sejam de proximidade, com rapidez, qualidade e rigor, de forma a apoiar todos de igual forma. Só um executivo próximo pode garantir a qualidade de vida das pessoas. José Sá garante manter os serviços nas duas freguesias

Museu de Nossa Senhora das Dores da Trofa, assinalando as comemorações dos 250 anos das festas, assim como impulsionar a criação de um Museu Etnográfico de Bougado para valorizar toda a riqueza e espólio existente. NT: Qual o projeto/área prioritário(a) caso seja eleito? JS: Para nós todos os projetos são prioritários mas no contexto económico e social que atravessamos torna-se imperioso eleger o apoio social como área a intervir em primeiro lugar. No entanto a construção da Casa Mortuária de Santiago de Bougado, o Centro de Dia e a ampliação da Casa Mortuária de S. Martinho são também projetos a desenvolver com urgência. NT: Considera importante que a Câmara e a Junta de Freguesia sejam governadas pelo mesmo partido político? JS: Se as duas forem governadas por pessoas do mesmo partido haverá uma melhor articulação na implementação dos projetos.


12 de setembro de 2013

Atualidade 9

www.onoticiasdatrofa.pt

Assembleia Municipal da Trofa EDITAL SESSÃO ORDINÁRIA DE 18 DE SETEMBRO DE 2013 JOÃO LUÍS FERNANDES, Presidente da Assembleia Municipal da Trofa TORNA PÚBLICO, que no uso da competência que lhe é conferida pelo disposto na alínea b), n.º 1, do artigo 54º da Lei nº 169/99, de 18 de Setembro, alterada pela Lei nº 5-A/2002, de 11 de Janeiro, conjugado com a alínea) b, do artigo 14º, do REGIMENTO DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL seencontra convocado o Plenário desta Assembleia Municipal da Trofa, para uma Sessão Ordinária, que se realizará nesta Cidade, no próximo dia 18 de setembro de 2013,pelas 21:30 horas, no Salão Nobre da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Trofa, com a seguinte Ordem de Trabalhos: PERÍODO DE ANTES DA ORDEM DO DIA 1. Votação da ata número vinte e sete, relativa à Sessão Ordinária da Assembleia Municipal, de 27 de junho de 2013; 2. Votação da ata número vinte e oito, relativa à Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal, de 8 de agosto de 2013; 3. Plano de Sinalização de obra da Indáqua Santo Tirso/Trofa – Gestão de Águas de Santo Tirso e Trofa, S.A., na Rua da Igreja, Freguesia do Muro; 4. Outros assuntos de interesse geral do Município.

António Correia com equipa “para trabalhar durante todo o mandato” no Muro

PERÍODO DA ORDEM DO DIA 1. Apreciação da Informação escrita da Senhora Presidente da Câmara, acerca da atividade municipal, bem como, da situação financeira do Município; 2. Modificação Orçamental n.º 21, 4.ª Revisão ao Orçamento de Despesa, 2.ª Revisão ao Plano de Atividades Municipais; 3. 3.ª Alteração ao Mapa de Pessoal para 2013 – Criação de um lugar na carreira e categoria de assistente técnico e um lugar na carreira e categoria de técnico superior; 4. Reconhecimento do interesse económico para o concelho – Cátia Veloso Requerente: Dias, Martins & Lopes, Lda. (Confeitaria Torres); catia@onoticiasdatrofa.pt 5. Reconhecimento de interesse concelhio à Quinta da Terrosa; 6. Atribuição de lugar de estacionamento para pessoa com moA equipa que acompanha bilidade reduzida – Requerente: Cristina Maria do Couto Silva OliveiAntónio Correia na corrida à ra; 7. Atribuição de lugar de estacionamento para pessoa com mo- Assembleia de Freguesia do bilidade reduzida – Requerente: Simão Pedro Fernandes Sampaio; Muro foi apresentada à população na sexta-feira, 6 de setembro. Candidato comproPERÍODO DE INTERVENÇÃO DO PÚBLICO Em conformidade com o disposto no n.º 1 e n.º 4, do Artigo meteu-se a trabalhar “duran27º, do REGIMENTO, uma vez encerrada a Ordem do Dia, será te todo o mandato”. aberto ao público, um período de tempo até 30 minutos, destinado a eventuais intervenções para solicitação de esclarecimentos. Foi com um churrasco e múPara constar, se publica este e outros de igual sica popular que a coligação Uniteor, que vão ser afixados nos lugares públicos habituais. dos pela Trofa, do PSD e CDSPP, apresentou António Correia Assembleia Municipal da Trofa, 11 de setembro de 2013 e a restante equipa candidata à Assembleia de Freguesia do Muro. O largo da estação, há muito O Presidente da Assembleia Municipal, desativada pela retirada do comJoão Luís Fernandes boio e disponível há mais de uma década para receber o metro foi o local escolhido para a festaconvívio, na qual o cabeça de lista à freguesia falou das propostas que sustentam a candidatura. Na apresentação das prioridades, António Correia criticou o atual executivo camarário. “E os milhões gastos nos parques Nossa Senhora das Dores e Dr. Lima Carneiro, quantas obras de requalificação não poderiam ser feitas por todas as freguesias do

concelho? Quantos parques infantis daria para construir? Na nossa freguesia não temos um. Quantas ruas, como a da igreja que liga o Muro a S. Mamede, daria para alargar? E quantas estradas como a 318 daria para requalificar?”, atirou, referindo que “parte do investimento” nos parques da cidade “deve ao Muro”, porque “serve para compensar a falta da vinda do metro à Trofa”. “Estas pequenas obras há muito que estão prometidas, argumenta-se que não há dinheiro, mas agora repavimentam-se estradas e tapam-se buracos para nos taparem os olhos”. António Coreia garantiu ter construído uma equipa “para trabalhar todos os meses do mandato e não só para se preocupar com a freguesia um mês antes das eleições como alguns candidatos”. O candidato da coligação afirmou ainda que fará “tudo” para que a construção da sede da Muro de Abrigo seja uma realidade, acusando os executivos da Junta e da Câmara de não terem “vontade política” para desbloquear e apoiar no processo. O candidato à autarquia pela coligação, Sérgio Humberto,

considera que “o Muro, a par de outras freguesias, foi a que menos evoluiu com a criação do concelho” e para contrariar este cenário comprometeu-se a lutar, “nos próximos quatro anos”, pela vinda do metro, numa primeira fase até ao Muro. “Não houve força nem vontade política da atual presidente (da Câmara), que faz parte da administração da Metro do Porto, para que o metro chegasse ao Muro”, asseverou. Defendendo que “é importante haver um trabalho de articulação entre a Câmara e a Junta”, Sérgio Humberto considera que António Correia tem “o perfil correto” para defender os interesses da população, por “ter os dois pés na freguesia”. Sobre a gestão camarária, Sérgio Humberto referiu que “quando vencer as eleições” vai encontrar dois problemas: “Ela (Joana Lima) conseguiu gastar mais de 85 milhoes de euros e não fez absolutamente nada, aumentando a dívida sem fazer obra. Por outro lado, ao contrário dela, que teve cinco escolas e o Parque das Azenhas, não vamos herdar nenhum projeto do atual executivo”.


10 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

12 de setembro de 2013

Inaugurados 16 elevadores na Urbanização da Barca Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

“Posso dizer que vivo no melhor lugar da Trofa”. O sentimento do presidente da associação Barca Social, Miguel Veloso, parece ser consonante com os dos moradores que, no domingo, se juntaram para festejar a inauguração de 16 elevadores na Urbanização da Barca, em S. Martinho de Bougado. Carla Festa, moradora no 4º andar num dos empreendimentos “há 18 anos”, destaca a “mais-valia” de um equipamento que a população “já esperava há muito tempo”. “Agora temos o gás canalizado, mas já tivemos que levar botijas para o quarto andar. O meu filho já partiu uma perna e o meu marido um pé e tiveram que subir e descer as escadas de moletas. Acho que os elevadores valorizam muito a zona, que parecia estar um pouco esquecida”, afirmou.

Já Manuel Maia recorda os tempos em que, quando recebia a visita da mãe, já idosa, a tinha de levar “ao colo”, com a ajuda do filho mais velho, para o 4º andar. A colocação dos elevadores era um anseio dos moradores, que remontava há mais de duas décadas, ainda em tempos de governação tirsense, quando a urbanização foi construída. Na altura, só ficaram “as caixas” para lá serem colocados e, a partir daí, começou um longo processo de reivindicação que só voltou a estar em cima da mesa “em 2008”, quando, já com a Trofa como concelho, o presidente de então, Bernardino Vasconcelos, revelou que “havia uma luz ao fundo do túnel”, contou Miguel Veloso. Foi nessa altura que nasceu a Barca Social, com “estatutos específicos para celebrar contratos com entidades públicas e privadas”. “Estávamos quase em pré-campanha e avançou-se com o projeto, na altura no valor de

280 mil euros, mais IVA (Imposto sobre Valor Acrescentado). Perto de setembro, põem-se nove elevadores a funcionar. Há mudança de presidente da Câmara e eu assumo a presidência da direção da Barca Social no início de 2010 e é aí que me deparo com uma dívida à Liftirso de 57 mil euros e com outras questões burocráticas com a empresa Escrivães, resposável pela área da construção que não concluiu a obra e reclamava mais verbas”, contou. A empresa instaurou um processo em tribunal, que Miguel Veloso enjeita por considerar que “a firma recebeu o dinheiro da obra toda, não a completou e ainda se acha no direito de ser paga por uns trabalhos extra que não foram realizados e que constavam no caderno de encargos”. Com este impasse, a Barca Social necessitou de mais “5800 euros”, subsidiados pela Câmara Municipal, e ainda contou com “a pressão da presidente” junto da EDP, para a “certificação da

Equipamento foi testado

eletricidade trifásica”. “Agora sim, os elevadores estão a funcionar sem o mínimo de problemas. Espero que os administradores de condomínio zelem por eles”, frisou. Nove elevadores estavam a funcionar “sem a devida certificação”

População da Urbanização associou-se à inauguração

Apesar de nove dos 16 elevadores já estarem a funcionar, só a partir da inauguração é que cumpriam os requisitos legais, destacou Miguel Veloso. O presidente da Barca Social explicou que “não estavam devidamente certificados”. “Foi sempre dito aos administradores de condomínio que os elevadores estavam em risco. Não fui eu que os pus a funcionar, por isso era muito difícil para mim chegar lá e fechálos. As pessoas sentiam-se no direito de os usar”, afirmou. Joana Lima destacou que “fez-se justiça” ao inaugurar-se

“todos os elevadores com a garantia de segurança prevista na legislação”. “Estou muito feliz por ter conseguido concluir este processo. Em 2005, vim cá prometer os elevadores e, hoje (domingo) estou aqui a inaugurá-los”, frisou. A Liftirso, empresa que montou os elevadores, passou por “algumas dificuldades financeiras” durante este processo, quando ficou “com verbas congeladas” na “passagem de executivos de Câmara”, referiu o sócio gerente, Tiago Martins. “Depois, conseguimos concluir e receber a totalidade da obra, que era o nosso grande objetivo. Esta obra fez com que ganhássemos mais clientes, por isso vai ser a mais emblemática”, concluiu. Além dos elevadores, os moradores da Urbanização da Barca usufruem de saneamento, gás canalizado e do parque infantil, que deverá ser inaugurado brevemente. pub


Atualidade 11

www.onoticiasdatrofa.pt

12 de setembro de 2013

FAPTROFA lança cartão que dá descontos aos alunos Patrícia Pereira patricia@onoticiasdatrofa.pt

A Federação das Associações de Pais do Concelho da Trofa, em parceria com a Câmara Municipal, desenvolve o projeto “pioneiro” Cartão Escola +, que dá descontos imediatos aos alunos do concelho na compra de produtos ou de serviços. O Cartão Escola + dá descontos nas compras de produtos ou de serviços, sempre que é apresentado nos estabelecimentos aderentes. Estamos a falar de um cartão que pode ser utilizado nas mais diversas áreas, como educação, desporto, saúde, bem-estar, vestuário e acessórios. Ao contrário do que acontece em certos hipermercados, o desconto não é acumu-

lado em cartão, mas descontado de imediato na hora de pagar. Neste momento, o Cartão Escola + será fornecido a todos os alunos que estejam matriculados nos jardins de infância e escolas básicas do 1º ciclo no concelho, no ano letivo 2013/2014. O Cartão Escola + é um projeto que está a ser desenvolvido pela FAPTROFA – Federação das Associações de Pais do Concelho da Trofa, em parceria com a Câmara Municipal, que ajudou na “compra do equipamento” necessário para desenvolver o projeto. Segundo José Maria Oliveira, presidente da FAPTROFA, este projeto nasceu com o intuito de “responder às necessidades crescentes das famílias do concelho, bem como de tentar dinamizar o comércio e serviços locais”. Pensado para ser “um elo de ligação entre a pub

pub

Cartão dá descontos imediatos aos alunos do 1º ciclo

comunidade escolar do concelho”, o projeto fomenta “o benefício mútuo entre os vários elementos da economia e abre novas possibilidades de atração de clientes e poupança para as famílias”. Uma aposta que, acredita a FAPTROFA, “propicia a criação de riqueza e emprego, bem como o desenvolvimento”. Inicialmente, o Cartão Escola + será fornecido a um universo de “cerca de 2500 crianças”, mas ainda este ano, a FAPTRO FA pretende fazê-lo chegar, “a curto prazo”, aos alunos matriculados nas escolas básicas do 2º e 3º ciclos e secundárias, o que aumentaria para “cerca de cinco mil” jovens. No futuro, a ideia será alargar estas ofertas a toda a comunidade escolar, como pais e encarregados de educação, professores e auxiliares. Para usufruir deste cartão, os encarregados de educação têm de pagar uma quota anual de 20

euros ou, se preferirem, podem pagá-la semestralmente, ficando a serem sócios da Associação de Pais da escola que os alunos frequentam. No ato do pagamento, será emitida uma vinheta para ser colocada no cartão, que indicará a sua validade. As lojas aderentes vão ter autocolantes identificativos. O projeto foi pensado há “alguns meses” devido às “dificuldades que as famílias estão a passar”. Na hora de procurar parceiros, a FAPTROFA começou pelas papelarias, por ser algo “importante no imediato” para os alunos que começam a preparar o material escolar para o regresso às aulas, tendo sido feito um “levantamento exaustivo para que nenhuma fosse deixada de fora”. De todas as papelarias contactadas, “apenas uma” recusou aderir ao projeto. Agora, estão a contactar empresas ligadas à

saúde e bem-estar, escolas de outras atividades, como danças e línguas, entre outras áreas. “Neste momento, estamos a procurar parceiros para aderir e acreditamos que, no futuro, seja ao contrário”, asseverou. O presidente contou que “as primeiras impressões têm sido excelentes” e que os comerciantes têm “recebido bem” o projeto, por acharem “uma ideia fantástica”. A federação acredita que o projeto também traz “vantagens” para as empresas aderentes, como o “aumento do volume de negócios”, “fidelização de clientes” e “publicidade do negócio”. Paralelamente, a FAPTROFA está a desenvolver uma parceria com a “empresa que ganhou a gestão do Complemento de Apoio à Família (CAF) e as Necessidades Educativas Especiais (NEE)”, de forma a regulamentar os preços das refeições e do ATL em período não letivo. “Isto é um décimo daquilo que poderá ser, não sabemos onde poderá chegar. Este projeto não é estático, está sempre em evolução. Para o ano ainda vai ser mais dinamizado. Na sua estrutura o projeto poderá abranger mais áreas do que se está a pensar”, concluiu. Para ficar a conhecer melhor o projeto, bem como a lista atualizada das empresas aderentes, pode consultar o Facebook da FAPTROFA e d’ O Cartão Escola +.


12 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

12 de setembro de 2013

Elogios e contributos para o Projeto Educativo Municipal Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

A visão dos atores locais sobre o Projeto Educativo Municipal (PEM) da Trofa foi o último painel das terceiras jornadas do PEM, que teve lugar no dia 5 de setembro. Depois de vários especialistas nacionais na área educativa intervirem durante a tarde de quinta-feira, dando o seu contributo para a construção do Projeto Educativo Municipal, à noite foi a vez de individualidades ligadas ao concelho pronunciarem-se, sugerindo ações conciliadoras com o mundo do trabalho, instituições e cidadania ativa. José Manuel Fernandes, em representação do Grupo Frezite, elogiou o conteúdo do PEM, anotando “as assimetrias” existentes no concelho no que toca às taxas de analfabetismo, concretamente nas freguesias de Covelas e Guidões. Números que o empresário considera serem “uma base de trabalho importantíssima”. Intervenientes elogiaram conteúdo do Projeto Educativo Municipal Outro dos “contributos” de José Ma- tre a escola e as empresas, com a suensino devem preparar os jovens para que nuel Fernandes cingiu-se na relação en- gestão de que as novas metodologias de sejam capazes de “pensar, planear, decidir e executar” e ter “autorresponsabilidade”. “Cada vez mais, temos que ter condições de receber jovens que se sintam sincronizados com as empresas. Houve uma evolução muito grande, no tratamento de base de dados, com informação automática e na qual a primeira reação é do cérebro. As metodologias absorvidas nas empresas devem estar no sistema de ensino”, defendeu. Também Duarte Araújo, em representação da Federação das Associações Pais da Trofa, considerou o PEM “uma ferramenta fundamental” para o sucesso escolar, valorizando a participação dos encarregados de educação na sua construção. As associações de pais, sublinhou, “tentam estar inseridas no ambiente escolar” e dispõem-se a “aumentar as parcerias” com os vários atores educativos. Para Paulino Macedo, diretor do Agrupamento de Escolas da Trofa, o PEM tem que responder às perguntas “O que somos? O Que temos? O que queremos ser?”. Uma das lacunas que, segundo Paulino Macedo, é necessário colmatar é cultivar a autoavaliação dos estabelecimentos, assim como “ajudar a fazer uma boa orientação vocacional aos alunos”. No campo da interação, frisou, a palavra “ouvir” está “gasta” e “deve ser substituída” pela palavra “escutar”. No entanto, as escolas, que tentam inverter a fama de sistema fechado, enfrenta algumas dificuldades: “A comunidade não entra nem nos escuta. Se na cantina um prato de sopa aparece com um cabelo, toda a Trofa sabe, mas se fizermos uma grande ati-

vidade ninguém a conhece. Às vezes parece que temos vergonha de mostrar aquilo que fazemos de bom”, sustentou. O diretor mostrou-se preocupado com a diminuição de cerca de 200 alunos matriculados – o que fez com que o Agrupamento perdesse o estatuto de maior do país -, crendo que estes números refletem “as dificuldades económicas que as famílias atravessam”. Já Renato Carneiro, diretor do Agrupamento de Escolas do Coronado e Covelas, salientou que o PEM “é um documento devidamente estruturado, com diagnósticos, soluções, aponta caminhos e permite desenvolver ações tendo em conta as necessidades dos alunos”. Com este projeto, continuou, “evita-se duplicar projetos para o mesmo público”. No campo da cidadania ativa, Luís Elias, em representação das associações do concelho, denotou a conclusão do estudo de que não existe “um vínculo identitário” das pessoas com o município. “Ao não existir esse vínculo, as pessoas não se identificam com o concelho e não se integram facilmente nas associações”, referiu. Luís Elias considera que a entrega de subsídios às associações devia obedecer a “critérios rigorosos” e que “devia haver um programa” municipal com “metas traçadas” para “estimular, motivar e ligar as coletividades às escolas, com o patrocínio da Câmara Municipal”. Já Gilda Torrão, em representação das IPSS (Instituições Particulares de Segurança Social), evocou a importância da “atitude” no trabalho de parceria entre os vários agentes educativos. “Quantas vezes as redes estabelecidas não são verdadeiras parcerias”, evidenciou.


Atualidade 13

www.onoticiasdatrofa.pt

12 de setembro de 2013

Livros escolares usados podem ser entregues na Câmara Municipal Tem livros escolares na prateleira e não sabe qual o destino a dar-lhes? O banco de livros escolares do projeto Muito + pode ser uma boa solução, “principalmente devido às dificuldades económicas de muitas famílias, mas também face à escassez de respostas para o encaminhamento de manuais escolares usados”. A recolha de manuais escolares ainda continua e estes podem ser entregues na Divisão de Educação, Desporto e Juventu-

de, no polo 2 da Câmara Municipal da Trofa, de segunda a quinta-feira, entre as 9 e as 17 horas e à sexta-feira, entre as 9 e as 12 horas. A Câmara Municipal da Trofa apela ao “sentido de responsabilidade social dos cidadãos, para que o projeto possa persistir e continuar a apoiar cada vez mais jovens estudantes, pais e educadores”. A promoção da reutilização de livros escolares fomenta “a criação e divulgação da partilha gratuita de livros espub

Livros escolares que já não são utilizados podem ser entregues no polo 2 da Câmara Municipal

colares e manuais de apoio ao estudo já usados”, tais como dicionários, disponibilizando-os gratuitamente a quem deles necessite numa perspetiva que de-

fende que “reutilizar é ainda melhor que reciclar”. Na fase de entrega de manuais escolares aos alunos, que se iniciou no dia 26 de agosto, a

autarquia tinha recebido “centenas de manuais escolares”, tendo já entregue “274 manuais reutilizados, ajudando 34 famílias”. P.P.


14 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

12 de setembro de 2013

Candidatos apresentam propostas para o ambiente e património Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

“À Conversa Com” foi a denominação dada pela ADA PTA – Associação de Defesa do Ambiente e Património da Trofa – para um ciclo de debates com os cinco candidatos à Câmara Municipal. Durante uma semana, José Moreira da Silva, elemento da direção da coletividade questionou-os sobre que propostas têm para o ambiente e património do concelho. Pedro Costa, presidente da ADAPTA, afirmou que o objetivo de conhecer as propostas dos candidatos “foi plenamente conseguido”. “Houve várias ideias que nos agradaram, agora vamos esperar que ponham em prática”, sublinhou. Moreira da Silva fez um “balanço positivo”, já que “ultrapassou em grande as expectativas” criadas. “Foi agradável para nós haver adesão das pessoas. Também foi muito satisfatório termos a aceitação de todos os candidatos”, ressalvou. O moderador das conversas considera que os candidatos “precisam de amadurecer bastante” o entendimento que têm do ambiente e património, já que “parece que os secundarizam”. Confira as propostas apresentadas pelos candidatos. Conceição Silva - CDU A candidata da CDU defende a “despoluição do Rio Ave” e a “requalificação das suas margens”. Para Conceição Silva, “é premente fazer ver às pessoas a importância de fazer a limpeza das matas e dos rios”. Nestes locais, sugere, devem ser criados “espaços de atividade ao ar livre”. A candidata propõe ainda a “assinatura de protocolos com universidades” tendo em vista “a preservação do património junto às margens ribeirinhas”. Para prevenir a ocorrência de incêndios, Conceição Silva propõe “a limpeza das matas” e a “reflorestação com espécies autóctones”. A mata “deve ser encarada de outra forma que não um simples negócio”, por isso, a candidata sugere que “deve haver regulamentação” que limite a área de eucaliptos. Conceição Silva defendeu ainda as áreas de reserva natural e agrícola, relembrando a oposição

à construção da Plataforma Logística, no vale do Coronado. Já a água, assegura, “é um bem público”, pelo que a instalação da rede de abastecimento, assim como do saneamento, “deve ser concluída o mais rápido possível”. Gualter Costa - Bloco de Esquerda A reabilitação urbana é uma “prioridade” para Gualter Costa. Para além de defender a transformação de vários acessos, como a Rua Conde S. Bento, em zonas pedonais e de convívio, o candidato do Bloco de Esquerda considera premente “reforçar a ligação com as associações” e “fazer uma avaliação estratégica do ambiente”. O bloquista, que é adepto de “eventos e percursos pedonais e ciclísticos”, propõe também a “proliferação de zonas verdes” no concelho, assim como o trabalho de “despoluição do Rio Ave e ribeiros” e “monitorização da qualidade da água, solos e ar”. Neste sentido, defende uma rede de transportes públicos, como “o metro” e “pequenos autocarros”. Do ponto de vista patrimonial, Gualter Costa sugere a “proteção” do Castro de Alvarelhos, vale da Sardoeira e estações de comboio desativadas. Estas podem servir de Centro Municipal da Juventude (na da Trofa) e de “um polo” da Casa da Cultura (na do Muro). Para a defesa das florestas contra os incêndios, Gualter Costa considera importante “a identificação dos pontos negros, ou seja, de áreas que ardem normalmente”, reforçando aí “o patrulhamento” e fazendo “o planeamento de acessos, zonas corta-fogo e charcas”. A reflorestação com espécies que “ardem com mais dificuldade” é outra das propostas do candidato do BE para prevenir os fogos. Sobre os edifícios, devem existir “identificação das matérias perigosas existentes e tipo de revestimento”. “Identificar todas as empresas poluentes”, “fazer planos de emergência”, “prevenir os riscos ambientais nas estradas” e “desenvolver práticas municipais respeitadoras dos direitos dos animais” são outras das sugestões do bloquista. Em caso de inundações, Gualter Costa propõe a “identificação e inventariação das zonas suscetíveis à ocorrência de chei-

ção dos fogos, “há dificuldade” em fazer com que “todos os proprietários limpem os seus terrenos”, no entanto, ressalva que na autarquia existe praticamente um setor “disponível para notificar os proprietários”. Joana Lima destacou ainda a existência da cartografia de risco florestal, “que foi implementada neste mandato autárquico juntamente com o Plano Diretor Municipal”, e que pode ser usado “em modelos de simulação de comportamento de fogo e em infraestruturas de defesa da floresta”, nomeadamente “as faixas de gestão de combustível, pertencentes à rede municipal”. Já o Castro de Alvarelhos pode ser potenciado, sublinha, “através de um projeto de dinamização da população escolar”. Outra das propostas da socialista é a “candidatura” rumo aos “85 por cento de comparticipaPedro Costa e Moreira da Silva fizeram balanço positivo da atividade ção” para “a construção de um as, correção de zonas com gran- fogos, Sérgio Humberto apontou museu de Arte Sacra”, que “reflide impermeabilização dos solos para a necessidade de “substi- ta as tradições deste ofício” e e elaboração de um plano de lim- tuir os eucaliptos por outro tipo “projete a Trofa a nível nacional e peza contínua das sarjetas e de árvores”, assim como “fiscali- internacional”. O objetivo é, encursos de água”. zar” os “terrenos privados” de tre outras medidas, “recriar uma “loteamentos”, que “não são de- visita virtual às oficinas dos Sérgio Humberto - PSD/CDS vidamente limpos”. santeiros”. O candidato pela coligação O candidato sugeriu, do pondo PSD/CDS, Unidos Pela Trofa, to de vista patrimonial, “potenciar Joaquim Azevedo - MIT propõe a criação de um grupo de as rotas dos caminhos de SantiA “diminuição do trânsito na voluntários e do cargo de diretor ago, dos santeiros e dos agricul- cidade com a construção das da Proteção Civil Municipal. Para tores”. No que toca à defesa dos variantes”, o “embelezamento da Sérgio Humberto, esta figura, que animais, propõe a criação de um Rua Conde S. Bento”, através de “não ficaria cara” à autarquia, “é “canil intermunicipal”. “plantas verdes e esplanadas”, a de extrema importância” para a “limpeza da cidade” e a “recupesegurança e salvaguarda do amJoana Lima - PS ração de fontanários” são algubiente e património do concelho, Joana Lima aponta o ano de mas das “prioridades” do candipor “estar disponível 24 horas em 2014 para a conclusão da rede dato do Movimento Independencontacto com a população e as- de saneamento e abastecimen- te pela Trofa (MIT). sociações”. Também “a criação to de água. Sobre as propostas para a de uma carta de riscos”, afirmou, Como prioridades ambientais, prevenção dos fogos, Joaquim “é de extrema necessidade”. a socialista elencou a 2ª fase do Azevedo afirmou que tem que No plano ambiental, o candi- Parque das Azenhas, através de saber “as condições financeiras dato considera premente “a re- uma “nova candidatura” a fundos em que se encontra a Câmara qualificação das margens do Rio comunitários, requalificando “aze- Municipal” para poder atuar, diAve”, ação que tem que também nhas” e estendendo o percurso vulgando que uma das medidas contemplar a despoluição dos até Guidões e Santo Tirso. pretendidas é “criar uma rede de cursos de água. Paralelamente, explicou que água para combater os incêndiO “ataque à poluição sonora pretende “criar a Rota das Aze- os”. e atmosférica”, assim como a cri- nhas”, num “percurso pedestre No que toca aos pilares que ação de uma “política de trans- que permite, além do contacto devem sustentar a Proteção Ciportes públicos”, com o “possível” com a natureza, a visita às aze- vil, o candidato independente envolvimento de “uma ou mais nhas, com a sua história devida- considera “necessário” o “planeempresas privadas” foram outras mente contada”, e “o Prémio Jo- amento florestal”, para saber das propostas apresentadas. vem Biológico”, para “desafiar os “onde e quais as árvores a planSérgio Humberto apontou ain- jovens a conhecerem a fauna e tar”, e “fazer cumprir a legislação da para a “potenciação” dos par- flora junto ao Rio”. em vigor”. ques e zonas verdes do conceJoana Lima quer dar continuiConvidado a analisar a imporlho, denotando que, por exemplo, dade ao projeto “100.000 árvo- tância da carta de riscos para o o Monte de Paradela e a Quinta res”, que já permitiu “a plantação concelho, Joaquim Azevedo afirde S. Romão, “têm um potencial de mais de cinco mil árvores” e, mou ser importante “fazer um enorme”. por conseguinte, “a regeneração estudo para analisar as condiJá do ponto de vista da organi- da área ardida”. A candidata afir- ções em que nos encontramos zação florestal e prevenção dos mou que, no campo da preven- atualmente”.


12 de setembro de 2013

www.onoticiasdatrofa.pt

Publicidade 15


16 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

12 de setembro de 2013

TC aceita recurso de Guilherme Ramos e recusa o de Joaquim Oliveira Cátia Veloso Hermano Martins

Tribunal diz que Guilherme Ramos pode ser candidato, mas recusa candidatura de Joaquim Oliveira. O Tribunal Constitucional (TC) aceitou o recurso interposto pelo mandatário da coligação PSD/ CDS, depois de o Tribunal de Santo Tirso ter declarado inelegível a candidatura de Guilherme Ramos à União de Freguesias do Coronado, em virtude da impugnação apresentada pelo mandatário do PS, justificada com a lei da limitação de mandatos. Perante a decisão do Tribunal de Santo Tirso, de “rejeitar a candidatura de Guilherme Ramos uma vez que este já cumpriu três mandatos consecutivos como presidente da Junta de S. Romão do Coronado...” e perante a notificação da decisão e publicitação das listas admitidas, o mandatário da coligação interpôs recurso no tribunal constitucio-

nal na mesma data em que foram publicadas as listas, por considerar que o tribunal de Santo Tirso não aguardou o prazo legal de apresentação de reclamações, antes de proceder à sua afixação. Em função da admissibilidade do recurso pelo tribunal constitucional, Guilherme Ramos pode ser candidato à União de Freguesias do Coronado, uma vez que o TC considera que “dúvidas não há de que uma freguesia criada na sequência da fusão de freguesias empreendida pela Lei n.22/2012 é uma nova autarquia local, constituindo uma realidade jurídica e materialmente distinta das freguesias extintas em consequência dessa união de freguesias” e que “a freguesia criada por efeito da agregação de freguesias ‘constitui uma nova pessoa coletiva territorial’, isto é, uma outra autarquia local”. O tribunal declara ainda que “as estruturas orgânicas representativas da nova freguesia resultante de agregação são, ne-

Joaquim Oliveira “apanhado de surpresa” com decisão do TC

Inscrições abertas para o Triatlo Varzim Lazer

cessariamente, também distintas das assembleias de freguesia e juntas de freguesia das freguesias originais agregadas”. Guilherme Ramos referiu ao NT que a coligação “sempre trabalhou e acreditou que não podia haver outro desfecho que não este”. “Em função do que estava aprovado em lei, tinha a ver com o território e, neste caso, estamos a falar de um território e entidade diferentes. Ou havia alguma equidade entre todos os candidatos ou então ninguém compreenderia como poderia haver uma decisão para uns que não fosse idêntica para os outros”, sublinhou. Acórdão do TC não aceita recurso de Joaquim Oliveira Esta decisão é, por enquanto, contrária à que o TC apresentou à candidatura de Joaquim Oliveira à União de Freguesias de Alvarelhos e Guidões. A diferença dos acórdãos poderá ter origem nas interpretações no Tribunal, relativas aos recursos apresentados pelo mandatário da coligação, bem como com as datas para serem efetuados. Segundo o acórdão nº 491, relativo ao caso de Joaquim Oliveira, o recurso devia ter sido dirigido, primeiramente, “ao juiz que proferiu a decisão”, ou seja, no Tribunal de Santo Tirso, e “só do despacho que decidir esta reclamação, é que é admissível a interposição do recurso para o Tribunal que se pretende impugnar “. “Tendo o recorrente deduzido logo para o Tribunal Constitucio-

Guilherme Ramos pode ser candidato à União do Coronado

nal da decisão de não admissão duma candidatura às eleições autárquicas, sem previamente reclamar da mesma para o juiz que a proferiu, não é este recurso admissível, pelo que o Tribunal Constitucional não pode conhecer do seu mérito”, refere o acórdão. Em declarações ao NT, Joaquim Oliveira afirmou que o acórdão apanhou-o “completamente de surpresa”, mas crê que “há um equívoco” por parte do TC, alegando que “toda a tramitação foi cumprida e dentro do prazo legal”. “O TC está a incorrer num erro, relativamente à documentação que o tribunal da primeira instância enviou para Lisboa. Brevemente, vai receber toda a documentação e, naturalmente, vai corrigir o erro”, afirmou.

Mesmo assim, Joaquim Oliveira sustenta que, “independentemente do recurso”, a decisão do TC favorável a que os candidatos, com mais de três mandatos numa junta, possam candidatarse a uniões de freguesias, “deita por terra todas as decisões tomadas até aí”, considerando, por isso, que pode ser candidato. Contactado Jaime Moreira, mandatário da coligação Unidos pela Trofa, recusou-se a prestar declarações até este processo estar concluído. No entanto, o NT sabe que no dia 9 de setembro deu entrada na comarca de Santo Tirso um auto de recurso em que o mandatário da coligação requer “a reforma ou aclaração” da decisão proferida relativamente à inelegibilidade de Joaquim Oliveira.

3000 euros de prémio em maratona fotográfica

“Valorizar a arte pela fotografia, incentivar a descoberta e a promover novos talentos nesta área” são os principais objetivos Até ao dia 29 de setembro pode efetuar a sua inscrição na 5ª do evento anual de fotografia deedição do Triatlo Varzim Lazer, que vai decorrer pelas 10.30 hosignado Maratona Fotográfica. ras do dia 5 de outubro. A 3ª edição desta Maratona O percurso de natação realiza-se nas Piscinas Municipais, decorre no dia 28 de setembro, com “300 metros a nadar com saídas da água a cada cem meestando a receção aos particitros”. Daí, os atletas devem partir para dez quilómetros de ciclispantes marcada para as 8.30 homo, num “percurso plano”. Por último, a corrida. Os atletas deras, na Praça Dª Maria II, junto à vem percorrer 2200 metros junto à Marginal da Póvoa de Varzim. Fundação Cupertino de Miranda. Pode participar individualmente ou juntar um ou dois amigos e A Maratona Fotográfica, núcompetir em equipas ou estafetas. Neste sítio (http://www.cmcleo de fotografia da Associação pvarzim.pt/desporto-na-povoa/2012-2013/v-triatlo-varzim-lazer/), Artes de Movimento, propõe que pode conhecer o regulamento e obter a ficha de inscrição, que durante 12 horas, o participante, deve entregá-la na receção das piscinas ou do pavilhão municipal através da objetiva e da sua ou então inscrever-se no sítio da Federação de Triatlo de Portucriatividade, faça uma abordagem gal. P.P. à cidade nas várias vertentes que

esta tem para oferecer. A iniciativa desenrola-se ao longo de três etapas, com duração de quatro horas cada, versando quatro temas que serão apresentados no início de cada uma das etapas. Durante o dia, os participantes têm a oportunidade de visitar espaços emblemáticos e que fazem parte da história da cidade e de, nos locais, conhecer em pormenor as raízes desses mesmos locais. As inscrições decorrem até ao dia 25 de setembro, sendo que a inscrição tem o custo de “dez euros”. A participação está aberta a todos aqueles que se reveem no gosto pela fotografia.

Todo o percurso será feito a pé, permitindo o convívio e a troca de ideias ao longo do dia entre os participantes. Toda a informação está disponível no sítio www.maratonafotografica.pt ou http://facebook.com/ maratonafoto. Os trabalhos resultantes vão ser submetidos à apreciação de um júri, que vai eleger o vencedor que, no conjunto das 12 fotografias, obtiver a melhor avaliação, que vai receber um prémio monetário no valor de três mil euros. Será ainda atribuída uma menção honrosa à melhor fotografia de cada um dos 12 temas. P.P.


Atualidade 17

www.onoticiasdatrofa.pt

12 de setembro de 2013

Festival de Folclore divulgou usos e tradições Patrícia Pereira A.Costa

A Trofa foi a Capital do Folclore, com a realização da 15ª edição do festival concelhio, que decorreu nos dias 7 e 8 de setembro. Dezasseis grupos e ranchos folclóricos, oito concelhios e os restantes vindos de vários pontos do País, passaram pelo palco do Festival de Folclore do concelho da Trofa, onde reviveram as tradições, usos e costumes dos nossos antepassados. Pela primeira vez, o festival realizou-se no Souto da Lagoa, em Santiago de Bougado, devido às obras de requalificação que estão a decorrer no Parque Nossa Senhora das Dores. Durante os dois dias, passaram pelo palco o Rancho Folclórico de S. Romão do Coronado, Rancho Folclórico “Os Pastores de S. Romão” (Seia), Grupo de Danças e Cantares do Vale do Coronado, Rancho Folclórico da Fatela (Fundão), Grupo Etnográfico de Santiago de Bougado,

Grupo Danças e Cantares do Vale do Coronado estreou-se no Festival

Rancho Folclórico de S. Cipriano de Tabuadelo (Guimarães), Rancho Folclórico de Paranhos (Porto), Rancho das Lavradeiras da Trofa, Rancho Folclórico de Alvarelhos, Rancho Divino Salvador de Delães (V.N. Famalicão), Rancho Folclórico da Trofa, Rancho Típico Social Recreativo e Cultural de S. Pedro de Avioso (Maia), Rancho Folclórico do Di-

Desfolhada à moda antiga no Muro

vino Espírito Santo, Rancho Etnográfico de Santa Maria de Touguinha (Vila do Conde), Rancho Regional de Fânzeres (Gondomar) e Grupo de Danças e Cantares de Santiago de Bouga-do. Para Assis Serra Neves, vereador do pelouro da Cultura da Câmara Municipal da Trofa, este fim de semana foi de “festa e de momentos memoráveis”, onde se

pôde “reviver a tradição e a vivacidade do folclore português”. O autarca denotou que a autarquia está “ciente que a cultura é um fator valorativo que introduz conhecimento, credibilidade e autoestima nos cidadãos, diligentes em salvaguardar o seu património e os seus valores culturais”. Por isso, “continua a apoiar e a promover o folclore local,

pois considera que a qualidade dos grupos e ranchos folclóricos existentes no concelho transformaram já a Trofa numa referência nacional nesta área das tradições locais e da etnografia”, referiu. Assis Serra Neves deixou uma mensagem de alento e incentivo aos grupos e ranchos folclóricos presentes, pedindo para que “nunca descurem a enorme missão que lhes cabe de não esquecerem a sua responsabilidade em manter sempre presente o nosso passado, deixando assim um legado para as gerações vindouras”. Também para Fernando Monteiro, conselheiro técnico da Federação do Folclore Português, é “sempre bom” que as autarquias “mantenham a cultura”, para que os vindouros conheçam os usos e costumes das regiões. “São com estas pequenas coisas que se juntam as culturas dos povos e que apraz ver as diferenças que há de umas culturas para as outras. O final torna-se muito rico para a cultura da Trofa”, concluiu.

Produtos trofenses no Festival Gastronómico A´Gosto

O Largo da Serra, no Muro, vai recuar no tempo para a reprodução de uma desfolhada à moda antiga. Esta é a 8ª edição desta iniciativa que a Junta de Freguesia do Muro está a realizar para este sábado, dia 14 de setembro, com início pelas 20 horas. A desfolhada será animada com cantigas populares tradicionais, contando com a participação do Rancho Folclórico de Alvarelhos e do Rancho Típico S. Pedro do Avioso. O presidente da Junta, Carlos Martins, contou que a ideia da desfolhada é “promover um ato cultural que já se realizou há muitos anos como atividade económica e que tem sido, ao longo destes anos, revitalizada” para que “os mais novos saibam o que era a nossa economia e os nossos viveres do antigamente”. Carlos Martins convida toda a comunidade a marcar presença nesta “noite de convívio”, esperando que se divirta e ajude a desfolhar o milho”. P.P.

Conheça as Flores Comestíveis

Produtos trofenses expostos na Alfândega do Porto

O Bolo da Trofa, o vinho Castro Trofa e alguns trabalhos de Depois das ações sobre Orquídeas de Interior e Plantas Aro- artesanato divulgaram o nome do máticas, a DAPALNOR – Defesa do Ambiente e do Património do concelho numa campanha de Litoral Norte está a preparar para este sábado, 14 de setembro, promoção no Festival Gastronómais uma ação de formação, desta vez sobre Flores Comestíveis. mico A’Gosto, que decorreu na Ministrada por Jaime Vieira, a palestra, com início pelas 15 Alfândega do Porto. horas, decorre na antiga escola básica de Mendões, em S. Mamede “Apostando na divulgação das do Coronado. P.P. potencialidades do concelho”, a Câmara Municipal da Trofa, atra-

vés da Entidade Regional de Turismo do Porto e Norte de Portugal, aderiu à iniciativa, marcando presença na mostra no dia 29 de agosto, onde foram promovidos “o património cultural da Trofa, a gastronomia local, bem como os eventos culturais de maior relevância”. “Esta foi mais uma atividade

de promoção turística do Concelho, tendo em vista a dinamização cultural, social e económica na perspetiva de captação de novos turistas, uma vez que o investimento no turismo é também uma aposta estratégica do Executivo Municipal para a Trofa”, avançou fonte da autarquia. P.P.


18 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

12 de setembro de 2013

Frei Hermano da Câmara falha concerto de beneficência Patrícia Pereira Cátia Veloso

Frei Hermano da Câmara era cabeça de cartaz do espetáculo de beneficência, marcado para as 21.30 horas de sábado, 7 de setembro. No entanto, o artista não compareceu e metade da assistência pediu a devolução do dinheiro, que seria revertido na totalidade para a Pediatria do Instituto Português de Oncologia do Porto. Uma promessa feita à pequena Sara Marques, que faleceu em dezembro de 2012, devido a “complicações na doença” por falta de um transplante de medula óssea, motivou Fernando Costa a organizar um espetáculo de beneficência, em que as verbas angariadas, com a venda de bilhetes, eram revertidas para a Pediatria do Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto. Por admirar Frei Hermano da Câmara, Fernando Costa telefonou-lhe no dia em que completou “51 anos de carreira”, explicando-lhe qual era o objetivo do espetáculo e que este seria de beneficência, “não tendo possibilidades económicas” para lhe pagar. O artista acedeu ao convite e reencaminhou o assunto para o seu empresário, Jorge Dinis, com quem teria que “acertar os pormenores”. Fernando entrou em contacto com o empresário para “saber as datas disponíveis” para o espetáculo, tendo ficado marcado para “o dia 9

de março”. Pouco tempo depois de começar a organizar o ato benemérito, recebeu uma chamada de Jorge Dinis a desmarcar, pois nesse dia “já tinha um espetáculo agendado”. O espetáculo já estava a ser preparado “há mais de um ano”, quando Fernando voltou a questionar o empresário relativamente aos dias em que estaria disponível para o espetáculo. Foi avançado o dia 7 de setembro e assim ficou marcado. Como “não tem muitos conhecimentos de internet”, nem tinha impressora para “imprimir o contrato, assinar e voltar a enviar por email”, Fernando pediu se o mesmo podia ser assinado no dia do espetáculo, referindo que pagaria adiantado “metade” dos “5300 euros” do som. O empresário aceitou, declarando que pagasse “tudo” no dia do espetáculo. Foram distribuídos cartazes e anunciado nas missas e boletins o espetáculo de beneficência e os bilhetes foram-se vendendo na totalidade, cerca de 1200. No dia 5 de setembro, Frei Hermano da Câmara entrou em contacto com Fernando, para dizer “a que horas chegava”, pedindo que os párocos de S. Martinho e Santiago de Bougado, Luciano Lagoa e Bruno Ferreira, respetivamente, estivessem presentes, pois gostaria de os conhecer. Já na manhã de sábado, numa chamada que Fernando fez para Jorge Dinis, foi informado que “estavam a chegar”. Eram “13.30 horas” e ainda não tinham aparecido. Às “16.30 horas” re-

Fernando Costa contou que ficou “desesperado”

cebe um telefonema do empresário que avisou que “por motivos de força maior não podemos estar presentes”. Aflito, Fernando questionou o que é que faria com os bilhetes vendidos e reservados, com o dinheiro que tinha e o que iria dizer “ao presidente do IPO, Laranja Pontes, e ao responsável pela Liga Contra o Cancro, Artur Fernandes”. Jorge Dinis terá respondido “arranja-te” e desligou a chamada. “Nunca mais” obteve uma resposta, mesmo contactando-os através de “outros” números. “(Frei Hermano) sempre se mostrou uma pessoa acessível e daí não entender o que é que se passou. Não sei se foi com medo de eu não ter dinheiro”, questiona. Naquele momento, o “desespero” tomou conta de Fernando

Costa, que não sabia o que fazer perante as centenas de pessoas que tinham comprado o convite e dos apoios que tinha recebido de uma unidade hoteleira e de um restaurante, que se comprometeram a receber o artista. Mesmo assim enfrentou as pessoas, explicando-lhes o que se estava a passar. A “maioria das pessoas compreenderam e ficaram” para a atuação de fado de Fernando, mas outras não ficaram satisfeitas e sentiam-se burladas, exigindo o dinheiro de volta. “Compreendo a reação das pessoas que compraram os bilhetes, de na hora chegarem e terem a notícia que o Frei Hermano não vem. Se fosse burlão não estava a dar a cara e tinha fugido, mas não, estou a dar a cara pelo homem sincero que

sou”, acrescentou. Ainda hoje, Fernando Costa “não sabe onde foi arranjar forças” para a atuação que fez. Talvez a vontade de “ajudar o IPO” e de cumprir a promessa que fez foi mais forte que a própria situação. Foram angariados “cerca de dois mil euros”, que vão ser entregues “em mãos” ao presidente do IPO. Fernando Costa agradece “muito” a quem o ajudou, como empresas, alguns particulares, pessoas da organização, como é o caso de “Armando Martins, que muito ajudou e compartilhou a dor”, Luciano Lagoa, pároco de S. Martinho de Bougado, Bruno Ferreira, pároco de Santiago de Bougado, e Rui Alves, pároco do Muro, S. Mamede e S. Romão do Coronado. Na tarde desta terça-feira, o NT contactou o empresário Jorge Dinis, que se recusou a prestar declarações, remetendo as explicações para Fernando Costa, com quem já teria entrado em contacto. Fernando contou que o empresário pediu “imensas desculpas” e declarou que deve ter havido “falhas nos contactos”, pois não tinha nada previsto para este sábado. Quando confrontado com o telefonema que recebeu a dizer que estavam a caminho, o empresário negou ter realizado essa chamada, avançando que “alguém o deve ter feito em nome deles”. “O empresário declarou que o Frei Hermano está disposto a marcar uma nova data para vir à Trofa dar um espetáculo totalmente gratuito”, concluiu.

Concerto musical do Golden Teens “Promover a cultura e a arte na comunidade através de relevância cultural e social” é o principal objetivo da formação do Grupo Golden Teens, que nasceu na Associação Gota D’Água, em S. Romão do Coronado, e foi divulgado no Orçamento Participativo Jovem, promovido pela Câmara Municipal da Trofa. Nestas férias e com o “incentivo da família”, o grupo que dedica o seu tempo livre à música teve uma “agenda considerável”. No dia 23 de agosto atuou num café em Avelar de Luz, no dia 30 num café em S. Romão do Coro-

nado e no dia 2 de setembro no auditório da Junta de Freguesia de Santiago de Bougado. Este último tratou-se de um convívio “familiar e bastante caloroso e agradável”. “Em cada participação a alegria estava estampada no olhar dos jovens. Teve momentos que nós adultos através de lindas canções infantis nos sentimos crianças. Um momento mágico com aplausos e muitas emoções por parte de todos ali presentes, o que constitui um grande incentivo para a continuidade do mesmo”, avançou fonte da associação.

No dia 5 de setembro, o grupo atuou nas Jornadas do Projeto Educativo Municipal, que decorreram no auditório da Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado. Formado por jovens e crianças, “alguns com conhecimentos musicais”, o grupo mantém “viva a raiz cultural da comunidade e pretende interpretar diferentes géneros musicais”. Cada elemento sente e expressa a música através do canto e/ou do instrumento, para o qual está mais vocacionado P.P.


Desporto 19

www.onoticiasdatrofa.pt

12 de setembro de 2013

Trofense perde com Leixões por 1-0 Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

Trofense perdeu com o Leixões por 1-0, com um golo marcado por Moreira, aos 80 minutos. Equipa da Trofa está no 20º lugar, com três pontos. Em jogo antecipado da 7ª jornada da 2ª Liga, o Trofense viajou a Matosinhos para defrontar o moralizado Leixões. Luís Diogo, técnico do Trofense, fez duas alterações no onze inicial, relativamente ao jogo com o BeiraMar, e escolheu Neves para o lugar do lesionado Rateira e Viafara rendeu o avançado João Jesus. A jogar em casa, o Leixões criou mais perigo na primeira parte. Aos cinco minutos, Mailo ganhou o ressalto por entre Tiago Mesquita e Luiz Alberto, mas não conseguiu bater Conrado, que fechou o ângulo e cortou pela linha de fundo. Em resposta, Hélder Sousa, na sequência de um livre, causou mossa na área leixonense, mas Luiz Alberto fez falta sobre

o guarda-redes. A equipa da casa esteve mais perto da baliza contrária e por muitas ocasiões encontrou um guarda-redes seguro, mas nem sempre. Num lançamento longo, Conrado pensou que chegaria primeiro à bola que Moreira, mas o avançado leixonense tirou-o do caminho, não conseguindo, porém, marcar, graças ao corte, em esforço, de Márcio. A equipa trofense mostrou mais uma vez estar desinspirada no jogo, com remates desenquadrados de Tiago e de Viafara. Na segunda parte, o Leixões continuou mais atacante, mas nem sempre assertivo. Menos ainda era o Trofense, que nunca foi capaz de mostrar superioridade junto da baliza adversária. À medida que a partida se aproximava do fim, o Leixões foi criando mais perigo, como no lance em que João Pedro, no lado esquerdo, tirou Tiago Mesquita do caminho e fez um cruzamento-remate que saiu ao lado da baliza. Depois de várias tentativas, a

Preciado controla a bola, vigiado por um adversário

formação da casa lá conseguiu chegar à vitória. Aos 80 minutos, Cadinha serviu Talles que, por sua vez, assistiu Moreira para o único golo do jogo. Luís Diogo considerou que “o resultado mais justo seria o empate”. “Chegamos a criar situações de golo. Sabíamos que o

Leixões tem transições ofensivas bastante fortes e penso que conseguimos equilibrar”, frisou. Para o técnico, o jogo “foi equilibrado” e que o golo leixonense penalizou “uma desatenção”. Quanto à ausência de vitória, com seis jogos realizados, Luís Diogo admitiu que “é normal que

a ansiedade exista”, mas crê que “com o trabalho que está a ser feito e que com um pouco mais de sorte, a vitória acabará por acontecer, certamente na próxima jornada”. Já João Costa, treinador adjunto do Leixões, afirmou que o Trofense “veio jogar para o empate”, ao “temporizar demasiado as jogadas desde o início”, com “jogadores que se mandavam para o chão”. “A nossa equipa, mesmo com ascendente ofensivo constante, demonstrou uma maturidade muito elevada para o nível de época que estamos a atravessar. Não se enervou, continuou com os nossos princípios de jogo e mostrou serenidade no jogo, por isso penso que o resultado peca por insuficiente”, referiu. Com este resultado, o Trofense segue no 20º lugar, com três pontos, enquanto o Leixões divide a liderança com Moreirense e Porto B. O próximo jogo da formação da Trofa acontece em casa, a 14 de setembro, às 17 horas, com o Penafiel.

Presidente do CD Trofense em entrevista

“As dificuldades continuam” Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

Apesar da aparente tranquilidade que o Clube Desportivo Trofense fez transparecer com a inscrição atempada da equipa na 2ª Liga, o certo é que a direção tem enfrentado várias dificuldades para garantir a estabilidade do emblema. O presidente, Paulo Melro, afirmou em entrevista ao NT que “as dificuldades continuam”, admitindo que há incumprimentos financeiros relativos a jogadores do plantel da época passada. “Não conseguimos cumprir na totalidade, temos situações com jogadores por resolver, mas estamos a tentar encontrar soluções. Com base naquilo que eram as expectativas que tínhamos de receitas, estávamos à espera de conseguir cumprir, mas até hoje as situações mantêm-se”, referiu. Cerca de 76 mil euros que a autarquia deve ao clube, no âmbito de um contrato-programa, estão inscritas no Programa de Apoio à Economia Local (PAEL) e só quando este for aprovado pelo Tribunal de Contas é que se-

rão desbloqueadas. Estas verbas, frisou Paulo Melro, “permitiriam ultrapassar estas dificuldades”, assim como se o clube “recebesse o subsídio relativo ao protocolo de apoio que não é celebrado desde 2011”. “A nossa preocupação é que, estando nós a atravessar um processo de recuperação em que a pressão começa a ser demasiada, possa de alguma forma trazer problemas adicionais que não seriam desejáveis. É uma luta diária, e se somarmos a isto as dificuldades que as empresas atravessam e por conseguinte a diminuição de patrocínios, mesmo com um orçamento contido é difícil arranjar as verbas para fazer face àquilo que são as necessidades da vida de um clube”, frisou. O presidente espera que a chegada da verba do PAEL esteja “para breve”, até porque “começa a ser difícil” enfrentar os jogadores que ainda têm verbas por receber. Por outro lado, com o chumbo do Plano Especial de Revitalização, o clube avançou com o processo de insolvência, no qual “a possibilidade de recuperação” superou o outro caminho, que era

a liquidação. “Neste momento, já ocorreu uma assembleia de credores, em que ficou aprovado o caminho da recuperação e a manutenção da direção do clube com acompanhamento, por força da lei, do administrador de insolvência. Falta agora validar e votar o plano no âmbito da recuperação, que sofreu adaptações, face a uma realidade diferente de setembro de 2012 para junho de 2013”, explicou. Também no plano desportivo, os resultados ainda não contemplam triunfos, cenário que a direção já esperava. Paulo Melro é pragmático e relembra que “o objetivo para esta época é a manutenção”. “Em linhas fáceis, esta meta corresponde a ter, sensivelmente, um ponto por jornada. Quarenta e dois pontos serão suficientes para conseguirmos o objetivo e se fôssemos por essa lógica estaríamos com três pontos a menos, facilmente recuperáveis”, asseverou. O presidente está esperançado que a sorte do grupo vai mudar brevemente: “Temos agora uma série de jogos em casa, sendo que um deles é para a Taça de Portugal, e a equipa vai, certamente, conseguir dar uma

Paulo Melro admitiu que há verbas em atraso da época passada

resposta ainda mais consistente e os resultados vão aparecer”. Mesmo assim, o presidente relembra que houve jogos onde o desfecho poderia ter sido diferente, como na derrota com o Porto B, com um golo sofrido no último minuto, e no desaire diante do Sporting B, no qual o Trofense viu um golo ser invalidado. “Também temos alguns elementos que chegaram recentemente, que podem ajudar os que já estavam a fazer coisas melho-

res, dando satisfação aos adeptos, que compreendo se não estiverem satisfeitos. Mas têm que ter paciência e continuar a apoiar a equipa, principalmente nos jogos em casa, para ultrapassar da melhor forma este arranque de época”, concluiu. Recorde-se que, com seis jogos disputados, o Trofense está no 20º lugar, com três pontos, fruto dos três empates e outras tantas derrotas.


20 Desporto

www.onoticiasdatrofa.pt

12 de setembro de 2013

Super Especial da Trofa à noite

Prova foi mais dinâmica e atraiu muito público Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

Velocidade, drift… e imprevistos. Todos os ingredientes do desporto automóvel estiveram presentes na Super Especial da Trofa. A edição 2013, que esteve na estrada a 7 de setembro, junto à estação de comboios da Trofa, distinguiu-se pela prova noturna e pelo maior dinamismo, que evitou tempos mortos na pista. Pelo percurso passaram 45 pilotos e muitas máquinas de quatro rodas distintas, quer pelo arrojo do design, quer pelos efeitos luminosos e sonoros que deram um cunho especial à Super Especial da Trofa. Na realidade, o som estridente dos motores não deixava indiferentes os espectadores que se reuniram à volta do percurso para assistir à prova. Para os amantes do drift, a surpresa estava reservada para o fim, com as mano-

bras perigosas de Firmino Peixoto e Isac Pedroso, ao volante de dois Toyota Corolla, que ficarão marcadas no asfalto junto à estação de comboios da Trofa. A piloto Cátia Faria, que conduzia um Datsun 1200 Coupé, protagonizou o acidente mais aparatoso da prova, mas não sofreu quaisquer ferimentos. Para a história, ficou o derrube de um poste e de colunas do som. Também Pedro Dias perdeu o controlo do Renault Clio da AMOB Racing e mesmo perdendo um pneu, cumpriu o resto do percurso, perante a ovação do público. Se por um lado, a AMOB Racing lamentou a perda de um carro pouco depois do início da prova, por outro lado festejou a vitória de Luís Delgado, o piloto mais rápido do circuito. Ao volante do pequeno, mas ágil Daihatsu Fellow, “voou” rumo ao triunfo, cumprindo o percurso em um minuto e dois segundos. Ao NT, o piloto, que se estreou numa competição com estas características, confessou

Prova recheada de manobras perigosas

Vencedores satisfeitos com prova

que “esperava ganhar”, já que veio “propositadamente” para chegar ao lugar mais alto do pódio. Luís Delgado teceu elogios à organização, destacando a realização da prova à noite, que evitou que as pessoas “sofressem com o calor”, e quanto à pista, defendeu que deviam ser feitas “algumas alterações, para cortar a velocidade e aumentar a técnica, visto que há muitos principiantes que participam nestas corridas”. Luís Silva, num BMW M3, foi 2º classificado (um minuto e três segundos), à frente de Fernando Cabral (um minuto e quatro segundos), que completou o pódio e distinguiu-se como o melhor trofense em prova. “Pela primeira vez foi uma prova noturna, gostei bastante da experiência. O público estava muito animado, foi

Sociedade Columbófila distinguiu premiados A Sociedade Columbófila Trofense realizou a sua entrega anual de prémios e o leilão de borrachos, numa festa que contou com a presença de “grande parte dos sócios”. Além do convívio, a iniciativa foi aproveitada para premiar “todos os sócios viajantes e destacar os campeões”. Na categoria de velocidade, Asas de Rindo foi o primeiro classificado, seguido de Domingos Silva (2º), Araújo & Filhos (3º), Rui & Paulo (4º) e Daniel Moreira (5º). Já na de meio-fundo, o campeão foi Domingos Silva. Os restantes lugares foram distribuídos por Araújo & Filhos (2º), Asas de Rindo (3º), Daniel Moreira (4º) e Rui & Paulo (5º). José M & Paulo M foi o

campeão da categoria de fundo, seguido de Domingos Silva (2º), Asas de Rindo (3º), Araújo & Filhos (4º) e Renato Couto (5º). Na geral, Domingos Silva foi o campeão, à frente de Asas de

Rindo (2º), Araújo & Filhos (3º), José M& Paulo M (4º), Renato Couto (5º), Daniel Moreira (6º), Rui & Paulo (7º), Alcino Silva (8º), VTS Padrão (9º) e Carvalheira SAC (10º). P.P.

muito agradável”, referiu. O 3º lugar foi “uma surpresa” para Fernando Cabral, que apenas “estava a contar” com uma posição no top 10. O piloto, com 27 anos, começou a competir oficialmente quando atingiu a maioridade, mas a paixão pelas quatro rodas nasceu por herança do pai, que o pôs ao volante de um karting “aos cinco anos”. O ponto alto da carreira desportiva aconteceu quando ficou em 3º lugar no campeonato nacional e Taça de Portugal de karting, em 1998, na categoria de iniciados.

go que foi do agrado de toda a gente, inclusive todos os espectadores, que viram uma jornada que não foi maçadora e que divertiu durante duas horas. Foi uma espécie de prova de perseguição, em que não havia pontos mortos e com carros na pista cerca de 30 a 40 segundos”, explicou. Também o executivo camarário fez um balanço positivo da iniciativa. A presidente, Joana Lima, considera que foi “uma aposta ganha” pelos “aplausos” e pela “emoção” do público. “Eu, pessoalmente, gostei muito da Super Especial à noite Organização satisfeita e também me parece que o púcom iniciativa blico gostou, porque não apaO diretor da prova, Carlos nhou tanto calor e porque a proCruz, destacou o facto de, nes- va tem outra adrenalina, por isso, ta edição, a frequência de car- vamos continuar a realizá-la nesros em pista ter aumentado. “Jul- tes moldes”, referiu.

Resultados Departamento de Formação CD Trofense Juniores A 2ª Divisão Nacional CD Aves 2-1 CD Trofense (4º lugar, 3 pontos) Iniciados A Campeonato Nacional Série B CD Trofense 1-1Moreirense (9º lugar, 1 ponto)

Atletas foram distinguidos pela associação


www.onoticiasdatrofa.pt

12 de setembro de 2013

Atualidade 21

Dojo Murakami recebe encontroregional

50 participam na Rota daLouseira “Cinquenta” pessoas aceitaram o desafio proposto pelo Clube de Campismo da Trofa e percorreram os “cerca de 12 quilómetros” entre as freguesias de S. Martinho e Santiago de Bougado. A “novidade” desta caminhada foi a passagem pelo Parque das Azenhas. Foi assim que, pelo “segundo ano consecutivo”, o Clube de Campismo da Trofa (CCT), em parceria com a Associação Cul-

tural e Recreativa da Abelheira (ACRABE) e os Restauradores da Granja de Fafe, proporcionou “uma tarde agradável” ao dinamizar mais uma Rota da Louseira na tarde de sábado, 7 de setembro, inserida no Arraial da Louseira, que é organizado “há muitos anos”. Segundo Daniel Sá do CCT, após a partida, era visível “a alegria e o entusiasmo estampados no rosto” de todos os participan-

tes. “Muitos dos participantes ficaram pela festa, que depois de um jantar de partilha, assistiram ao espetáculo proporcionado pelo Rancho Folclórico de Lousado e pelo Pedro Sousa e as suas Bailarinas”, contou. Para os elementos do CCT foi “gratificante” ouvir “elogios de satisfação” por parte dos participantes, que prometeram voltar à Trofa para uma próxima atividade. P.P.

O Dojo Murakami da Associação Recreativa Juventude do Muro (ARJM) está a preparar o 13º Encontro Regional de Karaté-do Shotokai, que vai decorrer no próximo sábado, 14 de setembro, e será orientado pelo Mestre José Patrão. O estágio começa pelas 10 horas com treino para todas as graduações, seguido de um treino de cintos castanhos e negros, pelas 11.30 horas. Depois de um almoço convívio, vai ser ministrado o Curso Cafika, com aula teórica e história do Japão, a partir das 15 horas. Há novos treinos para todas as graduações, seguido de um para cintos castanhos e negros. Já no dia 21 de setembro, sábado, o Dojo Murakami vai proporcionar uma tarde de convívio com uma aula de karaté e exames aos alunos do Dojo ARJM e Póvoa de Varzim, com início pelas 15 horas. Caso esteja interessado em participar no encontro regional ou na tarde de convívio, deve inscrever-se através do número 911 102 689 e do e-mail senseiferreira@sapo.pt.P.P.

Polícia

Burlava pessoas pedindo donativos para associações De crachá ao peito, um homem andava a fazer uma angariação de fundos para uma instituição de crianças situada em Lousado, Vila Nova de Famalicão. O peditório já duraria há mais de um ano, no entanto, tudo não passava de uma tentativa de burla, uma vez que não existia nenhuma campanha de angariação de fundos, muito menos a tal instituição que tanto apregoava. O desfecho da história aconteceu na noite de quinta-feira, 5 de setembro, quando a Guarda Nacional Republicana (GNR) da Trofa deteve o homem em flagrante, graças à denúncia de uma pessoa, que terá desconfiado da história do burlão. O homem, de 42 anos, foi detido por dois militares à civil, que se deslocaram ao local e surpreenderam o homem a receber três euros de um morador da zona de

Esprela, em S. Martinho de Bougado. Com ele tinha 15 euros em dinheiro, um crachá com identidade falsa, com o qual enganava as vítimas, e ainda um outro da PSP, falsificado, que as autoridades presumem que possa ter sido usado noutras investidas, fazendo-se passar por agente da polícia. Além da zona da Esprela, o suspeito, desempregado e de Lustosa, Lousada, já tinha tentado a sua sorte na Rua Pinheiro Chagas. Segundos informações avançadas pela GNR, o homem, sem antecedentes criminais, fazia-se também passar por um colaborador de uma associação fictícia de apoio a toxicodependentes. Não são conhecidas queixas por burlas semelhantes. O suspeito foi notificado para comparecer em Tribunal na manhã de sexta-feira, tendo o caso baixado a inquérito.

Casal burla idosa em 15 mil euros Uma idosa foi burlada por um casal, que lhe levou ouro no valor global de 15 mil euros. O casal deslocou-se à casa da idosa, residente em Covelas, pelas 14 horas do dia 3 de setembro, fazendo-se passar por familiares, pedindo-lhe o ouro que tinha para fazer chegar à nora. Como tem idade avançada e dificuldades de locomoção, a sénior terá dito onde tinha o cofre, de onde o homem tirou diversos objetos de ouro, nomeadamente fios, pulseiras, anéis e alianças, totalizando cerca de meio quilo de ouro no valor global de 15 mil euros. Apesar de não conhecer o casal, nem se lembrar de os ter visto, a mulher não desconfiou de que se tratava de uma burla. Só depois em conversas posteriores com os familiares é

que a sénior se terá apercebido habilitação para a condução. O do roubo. homem foi presente em Tribunal no mesmo dia, tendo ficado com Detidos por infração a pena suspensa. do Código da Estrada GNR da Trofa tem novo comandante Um homem foi detido por militares da GNR da Trofa, por conSargento Ajudante Manuel duzir sob o efeito de álcool. A detenção ocorreu pelas 1.20 ho- Pinto é, desde o dia 20 de agosras do dia 6 de setembro, quan- to, o novo comandante do posto do o homem, de 50 anos, seguia da GNR da Trofa. Com 46 anos, Sargento Ajuna Avenida da Trofa Velha, em Santiago de Bougado, com 1.63 dante Manuel Pinto comandou gramas de álcool por litro de san- durante 11 anos o posto da GNR gue. O homem foi apresentado de Vila das Aves, durante dois no mesmo dia em Tribunal, des- anos o posto da GNR de Felgueiconhecendo-se até à hora do fe- ras e, neste último ano, esteve no Comando Geral do Comando cho da edição, a medida de da Administração de Recursos coação aplicada. Internos da GNR, em Lisboa. Já pelas 6.45 horas desta Recorde-se que nos últimos quarta-feira, um homem, de 35 anos, foi detido pela GNR na Rua três anos, o posto da GNR da D. Pedro V, em S. Martinho de Trofa esteva sob o comando do Bougado, por conduzir uma via- Sargento Chefe João Carvalho. tura ligeira de passageiros sem P.P./H.M.


22 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

12 de setembro de 2013

Grupo de Jovens C’a Fé fizeram viagem espiritual a Taizé No dia 14 de agosto, o Grupo de Jovens C’a Fé, da Paróquia de S. Martinho de Bougado, partiu numa grande viagem espiritual rumo a Taizé, uma pequena aldeia de Borgonha, em França. Iniciamos esta viagem sem qualquer tipo de expectativa em concreto, pensávamos apenas que seria um recinto fechado, muito pequeno, cheio de pó e com poucas condições. Quando lá chegamos, a primeira coisa que nos passou pela cabeça foi “de onde é que esta gente saiu?”, 3000 pessoas é um número bastante grande, mas na nossa cabeça, parecia um número relativamente pequeno. Para além disso, tudo nos chamou a atenção e quanto mais andávamos, mais nos surpreendíamos, pela positiva. Em Taizé, a oração é composta principalmente por cânticos, que chegam a ser frases muito curtas, fáceis de repetir e de entrar no ouvido. E é através do cântico que uma pessoa consegue conectar-se, e de certa forma, falar ao Senhor. Se entrarmos no compasso, sentimo-nos embalados num ambiente muito especial porque é marcante sermos um dos três milhares de jovens que cantam com Fé! São emoções únicas e

só por quem lá passa entende. O momento de maior entrega a Deus foi na sexta-feira à noite, durante a oração e a adoração à cruz. Não conseguimos explicar aquilo que sentimos e aquilo que vivemos! Naquele momento não era preciso falar, Ele entendia tudo o que lhe queríamos dizer. Entregando nos seus braços, confiando e sentindo o seu amor, tivemos uma das experiências mais marcantes da ínfima vivência vocacional. Com a testa colada à cruz (literalmente colada) sentimos a Sua proteção, amor e sobretudo compreensão. Ali, mais que nunca, tivemos a certeza que apesar dos obstáculos que se colocam na nossa vida e muitas vezes nos fazem questionar um emaranhar de ideias, Ele estará sempre a nosso lado. Foi neste dia que percebemos a magia deste lugar algures em França, a que todos se referem com um brilho no olhar. Foi inesquecível. Taizé é uma comunidade cheia de vida, de partilha. A cada momento, a cada oração, a cada tocar dos sinos, sentimos a vida desta comunidade sobretudo quando esquecendo as diferenças culturais, os diferentes idiomas seguimos o som dos sinos e nos entregamos ao verdadeiro

Necrologia S. Martinho de Bougado Maria da Conceição Machado da Silva Faleceu no dia 7 de setembro, com 62 anos. Casada com Casimiro Rodrigues Costa. Manuel Araújo Gonçalves Macedo Faleceu no dia 9 de setembro, com 50 anos. Casado com Laurinda Matias da Silva Macedo. Funerais realizados por Agência Funerária Trofense, Lda. Gerência de João Silva

Grupo de jovens C’a Fé viveu “emoções únicas”

Deus, aquele que nos ama acima de tudo, com cada defeito demonstrado ou muitas vezes submerso nas intermináveis vivências quotidianas. Tudo nesta comunidade é tão intenso, tão memorável, tão inexplicável e inesquecível. Todos nós sentimos essa vida quando numa igreja com aquelas dimensões se enche, e em silêncio (um silêncio total) crianças, jovens e adultos se juntam para adorar e contemplar o nosso Deus. É impossível descrever o que lá vivemos durante quatro dias. Esta comunidade transforma-se, semana a semana, num lugar diferente. São inúmeras as pessoas que chegam pela primeira vez sem perceber muito bem o que as leva lá, sem saber os

segredos que esta comunidade guarda. Por outro lado, são tantas as pessoas que voltam porque sentem falta da paz que esta comunidade transmite. Taizé é assim, uma comunidade surpreendente, cheia de vida, de partilha...que é impossível deixar alguém indiferente. Vir a Taizé foi, sem dúvida, o melhor que nos podia ter acontecido neste momento! A ideia era partir à descoberta de uma nova realidade, um pouco diferente do que estamos habituados embora tendo sempre como base aquilo que unia todos os povos que lá se encontravam: Deus! Sabem uma coisa? Vamos ter saudades de tudo em Taizé...desde a comida (sim da

comida!) à dureza do nosso colchão, passando pelo som dos sinos, dos cânticos, das conversas com todos aqueles que fomos conhecendo. E porquê? Porque tudo isso é vida em Taizé. Balanços são mais que positivos. Não poderia ter corrido melhor a nossa experiência em Taizé, e que venham mais oportunidades de viver-vos intensamente a fé enquanto grupo de jovens. “Taizé, uma comunidade, uma aldeia, uma vida… Mais que uma comunidade ou aldeia, Taizé, é um local de partilha e de interseções de vidas, de experiências espirituais vividas momento a momento de uma forma tão intensa, tão pessoal.” Grupo de Jovens C’aFé


12 de setembro de 2013

Atualidade 23

www.onoticiasdatrofa.pt

Câmara Municipal da Trofa Edital n.º 73/2013

Banda de Música da Trofa em Valinhas Juntamente com a Banda de Música de Vilela, Paredes, as duas categorizadas filarmónicas, atuaram nas festas de Nossa Senhora da Misericórdia de Valinhas, no Monte Córdova, Santo Tirso, no passado domingo, dia 8/SET/2013, dia consagrado à Natividade da Virgem Santa Maria. A Banda de Música da Trofa, deu entrada depois das 14Horas, apresentandose ao maravilhoso público presente, executando várias marchas, do seu excelente repertório. Depois de acompanharem a procissão, as duas bandas, iniciaram um grande concerto, o qual, deliciou o vastíssimo público, prolongando-se durante a tarde, até às despedidas finais! Foi uma bela tarde musical, onde as duas filarmónicas exibiram a sua “classe”, com um excelente cardápio musical, até ao sol-posto. O “Parque das Merendas” local, muito aprazível e paradisíaco, dadas as suas características naturais, com bastante arvoredo, proporcionou ao público presente, desfrutar de umas esplêndidas sombras!

Já passava das 17 Horas, quando foi feito um intervalo para degustar um excelente piquenique, oferecido pela Direção da Banda a todos os músicos. A última Banda a despedir-se da Comissão de Festas e de toda esta moldura humana, foi a nossa Banda, dado que não era a “Banda da Festa”. Chegamos à Trofa, já passava das 22 Horas. NOTA FINAL: Registamos uma vez mais, com muito agrado, a presença do Comendador J. Serra nestas Festas de Valinhas. As próximas saídas da Banda de Música da Trofa, serão as seguintes: Dia 14/SET/2013, já no próximo sábado, a TOMIÑO – Galiza – Espanha, com a Banda de Valadares de Vigo. No dia 16/SET/2013, 2ªfeira, a nossa Banda vai atuar nas grandiosas festas de Santa Eufémia, na Carriça, no nosso concelho, com a Banda Musical de Paços de Ferreira, das 14 Horas até ao pôr-dosol. Comparece e apoia a nossa Banda!

Joana Fernanda Ferreira de Lima, presidente da Câmara Municipal da Trofa: Torna Público, nos termos e para os efeitos do artigo 91º da lei n.º 169/99, de 18 de setembro, alterada pela Lei n.º 5-A/2002, de 11 de janeiro, e do n.º 2 do artigo 37º, do Código do procedimento administrativo, que, por seu Despacho n.º 42/P/ 2013, datado de 21 de agosto de 2013, foi delegada na chefe do seu gabinete de Apoio Pessoal, a Srº Drª Elsa Cristina Maia Moreira, como Chefe de Gabinete de Apoio Pessoal, a prárica dos seguintes atos de administração ordinária: 1, Praticar atos complementares das decisões da Presidente da Câmara, tendo em vista a sua adequada execução, podendo, nomeadamente, assinar correspondencia e documentos de mero expediente: 2. Praticar atos de gestão ordinária no que respeita ao pessoal do Gabinete de Apoio Pessoal, nas seguintes áreas: a) Visar os planos de pedidos de férias, para posterior aprovação; b) Visar as participações de falta, bem como as folhas de assiduidade. 3. Proceder à abertura, análise e distribuição de correspondencia e demais expediente, dirigidas à Presidente da Câmara, cabendo-lhe despachar tal expediente, promover as diligências ou praticar quaisquer atos destinados à instrução, pelos serviços respetivos, dos procedimentos administrativos a que respeitem. Para constar e para os devidos efeitos legais, publica-se o presente edital e outros com igual teor, que vão ser afixados no átrio dos Paços do Município e demais lugares de estilo, bem como no sitio da internet – www.mun-trofa.pt e ainda no jornal local. E eu, Eduardo Dixo, chefe da Divisão Jurídica em Regime de Substituição e secretário das Reuniões de Câmara, o subscrevo. Sede do Municipio, 21 de Agosto de 2013 A presidente da Câmara Municipal Joana Lima

Valdemar Silva

Inauguração da EB1/JI de Finzes marca arranque do ano letivo Duzentas e oitenta crianças vão entrar com o pé direito neste ano letivo. Neste sábado, dia 14 de setembro, pelas 17 horas, a Câmara Municipal da Trofa, o Agrupamento de Escolas da Trofa e a Associação de Pais da Escola Básica e Jardim de Infância de Finzes vão inaugurar a ampliação e a requalificação da escola. A empreitada, que ficou “orçada em quase três milhões de euros”, criou “condições para que este estabelecimento de ensino acolha cerca de 500 alunos, com salas de aula devidamente apetrechadas, biblioteca, sala de informática e audiovi-

suais, diversos gabinetes e áreas de apoio, polivalentes, cozinha e cantina, parque infantil, horta biológica, pomar, campos de jogos e um vasto jardim”. Neste momento, são “280 as crianças” que frequentam este estabelecimento de ensino, o quinto inaugurado no concelho, nos últimos dois anos, a par das EB1/JI de Querelêdo, em Covelas, de Paranho e Paradela, em S. Martinho de Bougado, e Estação, no Muro, encerrando “um ciclo de investimento global de mais de sete milhões e meio de euros, cofinanciados por uma Candidatura a Fundos Europeus”. P.P.

Já abriu o Agente de Seguros Sisenando Costa “Porque o melhor cliente merece o melhor serviço”. Este é o lema do Agente de Seguros Sisenando Costa, que nesta quarta-feira, 11 de setembro, abriu as suas portas na Rua Gil Vicente, frente ao Restaurante Regalo. Apesar de o agente preferencial ser a

Liberty Seguros, a agência também trabalha com outras companhias, como a Generali, Lusitânia, Açoreana, Allianz e Zurich. Caso esteja interessado em contactar a agência pode fazê-lo através do número 916 207 846 ou do email scc.seguros@gmail.com.


24 Publicidade

www.onoticiasdatrofa.pt

12 de setembro de 2013

Edicao 438  

Edição de 12 de setembro de 2013

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you