Issuu on Google+

18 de abril de 2013 N.º 419 ano 11 | 0,60 euros | Semanário

Diretor Hermano Martins

PUB

Desporto pág. 14

Trofense obrigado a criar sociedade desportiva

Atualidade pág. 9

Tribunal de Contas confirma legalidade da obra dos Parques Atualidade pág. 5

Assembleiaunidaparaencerramentodeescola Atualidade pág. 11

Jovens dão vida às festas da Senhora do Desterro

Polícia pág. 3

Homemdetido por injúrias e posse de arma ilegal


2 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

18 de abril de 2013

Estatuto Editorial

Trofáguas constrói 51 ramais para ligação ao saneamento Com um investimento de “aproximadamente de 30 mil euros”, a Trofáguas iniciou a construção de 51 ramais domiciliários de ligação ao coletor de saneamento, nas freguesias de Guidões, Muro, Alvarelhos, Santiago e S. Martinho de Bougado e S. Mamede e S. Romão do Coronado. A empresa municipal vai fazer a intervenção durante os próximos dois meses para que 51 habitações tenham acesso à rede pública de saneamento. “Seguindo uma política estratégica de desenvolvimento, a Trofáguas tem-se empenhado em proporcionar aos munícipes o acesso aos serviços com vista a satisfazer as necessidades básicas. Inicialmente com a redução

de 50 por cento da tarifa de ligação ao coletor e mais tarde com mais uma obra de expansão da rede de saneamento, a execução destes ramais domiciliários é mais um investimento da Trofáguas para que mais munícipes fiquem servidos pela rede pública de saneamento”, refere fonte da empresa municipal. A construção dos ramais é considerada como um “passo importante” para “proteger o meio ambiente”. “Temos à disposição dos munícipes facilidades de acesso e apoios sociais para a execução das respetivas ligações, e que poderão ser consultados junto dos nossos serviços”, acrescentou a mesma fonte. C.V.

O Notícias da Trofa é um jornal semanal de informação geral e de carácter regional, sem dependências de ordem política, ideológica ou mesmo económica. O Notícias da Trofa aposta na informação diversificada, abrangendo assim os mais variados campos de atividade correspondendo ao interesse dos leitores em geral. O Notícias da Trofa estabelece as suas opções editoriais sem pressões hierárquicas nos factos semanalmente noticiados e comentados. O Notícias da Trofa defende que uma opinião pública informada e interveniente é condição fundamental para a existência da democracia, fomentando assim uma maior intervenção do público nas questões ligadas à sociedade em geral. Nas suas edições online e escrita, este periódico publica as opiniões dos leitores e cidadãos em geral desde que estes não desrespeitem, através dos seus escritos, terceiros. O Notícias da Trofa participa ativamente no debate de questões fundamentais que se colocam quer a nível local, regional e nacional. O Notícias da Trofa respeita um conjunto de regras técnicas e deontológicas que se inspiram em critérios de bom-senso, ética e rigor profissional. O rigor de uma informação completa e fundamentada – sobre factos e não sobre rumores -, a imparcialidade da atitude jornalística, a correção, clareza e concisão da escrita são, para O Notícias da Trofa, regras essenciais. Os leitores, quer da edição papel quer da edição online, sejam cidadãos residentes em Portugal ou em qualquer parte do mundo têm acesso à mais completa e rigorosa informação sobre o que se passa na Trofa e na região. O Diretor

Informação Vem o presidente da direção do Clube Slotcar da Trofa, de acordo com o nº 6 do artigo 8º dos estatutos, informar que no dia 11 de maio de 2013 será efetuada uma renumeração da lista de associados. Todos os que não possuam as quotas atualizadas, de acordo com o previsto nos estatutos, serão retirados da lista de associados, com consequente perda de direitos. Será emitido um novo modelo de cartão a vigorar a partir do mês de junho. Trofa, 11 de abril de 2013 João Pedro Costa (Presidente da Direção)

Ficha Técnica Fundadora: Magda Araújo Diretor: Hermano Martins (T.E.774) Sub-diretora: Cátia Veloso (9699) Editor: O Notícias da Trofa, Publicações Periódicas Lda. Publicidade: Maria dos Anjos Azevedo Redação: Patrícia Pereira (9687), Cátia Veloso (9699) Setor desportivo: Diana Azevedo, Marco Monteiro (C.O. 744), Miguel Mascarenhas (C.O. 741) Colaboradores: Atanagildo Lobo, Jaime Toga, José Moreira da Silva (C.O. 864), Tiago

Agenda

Nota de redação Vasconcelos, Valdemar Silva, Gualter Costa Fotografia: A.Costa, Miguel Trofa Pereira (C.O. 865) Composição: Magda Araújo, Cátia Veloso Impressão: Gráfica do Diário do Minho, Lda, Assinatura anual: Continente: 22,50 euros; Extra europa: 88,50 euros; Europa: 69,50 euros; Assinatura em formato digital PDF: 15 euros NIB: 0007 0605 0039952000684 Avulso: 0,60 Euros E-mail: jornal@onoticiasdatrofa.pt

Sede e Redação: Rua das Aldeias de Cima, 280 r/c 4785 - 699 Trofa Telf. e Fax: 252 414 714 Propriedade: O Notícias da Trofa - Publicações Periódicas, Lda. NIF.: 506 529 002 Registo ICS: 124105 | Nº Exemplares: 5000 Depósito legal: 324719/11 Detentores de 50 % do capital ou mais: Magda Araújo

Os artigos publicados nesta edição do jornal “O Notícias da Trofa” são da inteira responsabilidade dos seus subscritores e não veiculam obrigatoriamente a opinião da direção. O Notícias da Trofa respeita a opinião dos seus leitores e não pretende de modo algum ferir suscetibilidades. Todos os textos e anúncios publicados neste jornal estão escritos ao abrigo do novo Acordo Ortográfico. É totalmente proibida a cópia e reprodução de fotografias, textos e demais conteúdos, sem autorização escrita.

Dia 18 10.30 horas: Assinatura do Protocolo de Colaboração para a Investigação do Castro de Alvarelhos, na Casa da Cultura 21 horas: Assembleia de Freguesia de Guidões, na Junta de Freguesia - Reunião e Inauguração da sede da APVC – Associação para a Protecção do Vale do Coronado, na antiga Escola Primária de Mendões, em S. Mamede do Coronado 21.30 horas: Assembleia de Freguesia de Santiago de Bougado, no auditório da Junta de Freguesia - Assembleia de Freguesia de S. Romão do Coronado, no auditório da Junta de Freguesia Dia 20 12 horas: Início das 12 horas Solidárias, na Academia Municipal – Aquaplace 14 horas: Assembleia do Clube Desportivo Trofense, no auditório da Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado 16 horas: Sporting S. Vítor-FC S. Romão Dia 21 16 horas: Trofense-Braga B - Bougadense-Progresso Dia 23 21.30 horas: Sessão Ordinária da Assembleia de Freguesia de S. Mamede do Coronado, no auditório da Junta de Freguesia

Farmácias de Serviço Dia 18 Farmácia de Ribeirão Dia 19 Farmácia Trofense Dia 20 Farmácia Barreto Dia 21 Farmácia Nova Dia 22 Farmácia Moreira Padrão Dia 23 Farmácia de Ribeirão Dia 24 Farmácia Trofense Dia 25 Farmácia Trofense

Telefones úteis Bombeiros Voluntários da Trofa 252 400 700 GNR da Trofa 252 499 180 Polícia Municipal da Trofa 252 428 109/10 Jornal O Notícias da Trofa 252 414 714


Polícia 3

www.onoticiasdatrofa.pt

18 de abril de 2013

Detido por injúrias e posse de arma Patrícia Pereira Hermano Martins

Guarda Nacional Republicana da Trofa deteve um indivíduo que, alegadamente, terá injuriado e ameaçado os militares. Além disso, o homem tinha na sua posse uma arma que não está licenciada. Quando os militares da Guarda Nacional Republicana (GNR) da Trofa foram chamados para um desentendimento familiar, não estavam à espera da receção que tiveram, nem de apreenderem diversos materiais ferrosos, alegadamente, furtados. Tudo terá acontecido na tarde de sábado, cerca das 15 horas, quando a GNR foi chamada para um desentendimento familiar em Covelas. Ao chegarem à moradia, os militares terão sido injuriados e ameaçados por um indivíduo. Perante esta situação, os militares da GNR deram voz de detenção e terão efetuado uma busca

DR

Revólver foi um dos objetivos apreendidos

domiciliária, onde apreenderam quatro O homem foi detido e pernoitou no quilos de cobre, nove de ferro, 25 de alu- posto da GNR, no sábado e domingo, 13 mínio alegadamente furtados e um revol- e 14 de abril, tendo sido presente em triver, que não estava licenciado. bunal na manhã de segunda-feira. O indi-

víduo, que já tem antecedentes criminais, está a aguardar o julgamento, marcado para o dia 24 de abril, com termo de identidade e residência.

Dois indivíduos foram detidos por conduzir, com uma taxa de álcool superior ao permitido pelo Código da Estrada. Um homem, morador em Guidões, foi intercetado, em Alvarelhos, pelos militares da GNR da Trofa, pelas 19 horas de segunda-feira, 15 de abril. O homem conduzia um veículo ligeiro de passageiros com uma taxa de 1,81 gramas de álcool por litro de sangue. O condutor foi detido e notificado para comparecer em tribunal na manhã de terça-feira, onde lhe foi aplicada como medi-

da de coação uma pena de seis meses de inibição de condução e uma coima no valor de 450 euros. Já pelas 2 horas de quarta-feira, mas desta vez na freguesia de S. Romão do Coronado, um homem foi detido por conduzir com uma taxa de 1,44 gramas de álcool por litro de sangue. O indivíduo foi notificado para comparecer em tribunal, na manhã do mesmo dia, tendo-lhe sido aplicada como medida de coação a pena de quatro meses de inibição de condução e uma multa no valor de 300 euros.P.P.

Funcionária impede assalto a loja de ouro Um homem tentou furtar a loja de ouro Memórias Preciosas, situada na Rua Camilo Castelo Branco, em S. Martinho de Bougado. A tentativa de assalto aconteceu cerca das 11 horas de sexta-feira, dia 12 de abril. Ao que o NT conseguiu apurar, o indivíduo, com cerca de 25 anos, estava com

uma camisola azul e capuz na cabeça, quando tentou consumar o assalto. Ao ameaçar a funcionária da loja com uma faca, esta acionou o alarme sonoro e o jovem colocou-se de imediato em fuga para a antiga linha, sem roubar nada. A GNR da Trofa registou a ocorrência e informou a Polícia Judiciária.P.P.

Detidos com taxa de álcool superior ao permitido por lei

Veículos na mira dos assaltantes Um veículo foi furtado, quando estava estacionado na via pública. O furto ocorreu na Rua do Horizonte, em S. Romão do Coronado, na madrugada de 10 de abril. Só de manhã, é que o proprietário deu pela falta da viatura, Fiat Punto, de cor preta. Também em S. Romão do Coronado, mas na Rua de Lousada, o interior de uma

viatura foi alvo de roubo por parte dos amigos do alheio, que, na madrugada de segunda-feira, dia 15 de abril, furtaram um computador portátil, um par de óculos de sol e o painel de um autorrádio. A viatura estava estacionada na via pública, quando, durante a noite, os indivíduos acederam ao seu interior, partindo um vidro lateral. O prejuízo do furto ronda os 600 euros. P.P.


4 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

18 de abril de 2013

Assembleia Municipal da Trofa EDITAL SESSÃO ORDINÁRIA DE 29 DE ABRIL DE 2013 JOÃO LUÍS FERNANDES, Presidente da Assembleia Municipal da Trofa TORNA PÚBLICO, que no uso da competência que lhe é conferida pelo disposto na alínea b), n.º 1, do artigo 54º da Lei nº 169/99, de 18 de Setembro, alterada pela Lei nº 5-A/2002, de 11 de Janeiro, conjugado com a alínea) b, do artigo 14º, do REGIMENTO DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL se encontra convocado o Plenário desta Assembleia Municipal da Trofa, para uma Sessão Ordinária, que se realizará nesta Cidade, no próximo dia 29 de abril de 2013, pelas 21:30 horas, no Salão Nobre da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Trofa, com a seguinte Ordem de Trabalhos: PERÍODO DE ANTES DA ORDEM DO DIA 1. Votação da ata número vinte e cinco, relativa à Sessão Ordinária de Assembleia Municipal, de 28 de fevereiro de 2013; 2. Leitura do expediente; 3. Novo parecer do Fiscal Único sobre o Contrato-Programa celebrado com a Trofáguas – Serviços Ambientais, EEM, na sequência do pedido de esclarecimentos formulado pelo Tribunal de Contas no âmbito do processo n.º 283/2013; 4. Outros assuntos de interesse geral para o Município.

Idosos atropelados quando seguiam de bicicleta Patrícia Pereira Cátia Veloso

Dois idosos foram atropelados na EN 14, em Santiago de Bougado, quando seguiam de bicicleta. Em dois dias, dois idosos foram atropelados, quando seguiam de bicicleta na Estrada Nacional 14, em Santiago de Bougado. Na segunda-feira, dia 15 de abril, um homem, com 70 anos, foi assistido na Rua das Indústrias, sobre a ponte do rio Trofa, no sentido Trofa-Maia, depois de ter sofrido um embate por parte de um veículo, cerca das 12 horas, e ter caído da bicicleta. Segundo o que o NT conseguiu apurar, o sénior não sabe o que lhe bateu, apenas sentiu uma pancada forte nas costas e depois caiu. Uma testemunha no local, ouvida pelo NT, afirmou que o homem estava ao telemóvel quando o acidente ocorreu. O homem foi assistido por dois ele-

mentos dos Bombeiros Voluntários da Trofa (BVT), que se deslocaram numa ambulância de socorro, que transportou o idoso com ferimentos ligeiros, para a unidade de Vila Nova de Famalicão do Centro Hospitalar Médio Ave. Já na terça-feira, um homem, com 74 anos, foi atropelado, cerca das 16 horas, quando seguia de bicicleta na mesma rua, mas perto da churrascaria Santa Luzia. O sénior saiu da faixa de rodagem, no sentido Trofa-Maia, e ao atravessar para o sentido contrário chocou com uma viatura, que seguia no mesmo sentido. A distância do veículo terá sido mal calculada pelo homem. No local estiveram uma ambulância de socorro, com dois elementos dos BVT, a SIV (Suporte Imediato de Vida) de Vila do Conde e a VMER de S. João do Porto. O sénior, que apresentava ferimentos ligeiros, foi transportado para o Hospital de S. João do Porto, uma vez que fazia controlo de sangue.

PERÍODO DA ORDEM DO DIA 1. Apreciação da Informação escrita da Senhora Presidente da Câmara, acerca da atividade municipal, bem como, da situação financeira do Município; 2. Proposta de retificação e alteração parcial da deliberação tomada na reunião do executivo municipal de 19 de dezembro de 2012 relativa ao contrato de parceria pública entre o Estado Português e diversos municípios; 3. Alteração ao contrato-programa celebrado em 21 de dezembro de 2011, alterado em 2 de março de 2012 entre a Câmara Municipal da Trofa e a empresa Trofáguas – Serviços Ambientais, E.E.M., para o ano de 2012; 4. Alteração ao contrato-programa celebrado em 29 de dezembro de 2011 entre a Câmara Municipal da Trofa e a empresa Trofa-Park - Empresa de Reabilitação Urbana, Desenvolvimento Económico, Inovação Empresarial e Gestão de Equipamentos, EEM., para o ano de 2012; 5. Relatório de Gestão e Contas do Município da Trofa relativo ao ano de 2012 e Relatório de Gestão e Contas Consolidadas relativo ao ano de 2012; 6. Aprovação do Plano Municipal de Segurança Rodoviária; 7. Ordenamento do Trânsito do Município da Trofa - Colocação de sinalização (passagem de peões), na freguesia de S. Martinho de Bougado; 8. Regulamento de Trânsito e Estacionamento do Município da Trofa – Ordenamento do Trânsito - Colocação de sinalização de dois lugares de estacionamento de apoio à Unidade de Cuidados à Comunidade na Rua D. Pedro V (EN14), na freguesia de São Martinho de Bougado; 9. Regulamento de Trânsito e Estacionamento do Município da Trofa – Ordenamento do Trânsito - Colocação de sinalização de paragem de veículos de transporte coletivo de passageiros na Rua António Augusto Pires de Lima, na freguesia de São Martinho de Bougado; 10. Regulamento de Trânsito e Estacionamento do Município da Trofa – Ordenamento do Trânsito - Colocação de sinalização de proibição de estacionamento na Rua de Santiago, na freguesia de Santiago de Bougado; 11. Regulamento de Trânsito e Estacionamento do Município da Trofa – Alteração provisória ao Ordenamento do Trânsito na EN 104, no Lugar de Ervosa, na freguesia de São Martinho de Bougado; 12. Regulamento de Trânsito e Estacionamento do Município da Trofa – Ordenamento do Trânsito – Regulação de estacionamento na Rua da Lagoa, na freguesia de Santiago de Bougado; PERÍODO DE INTERVENÇ��O DO PÚBLICO Em conformidade com o disposto no n.º 1 e n.º 4, do Artigo 27º, do REGIMENTO, uma vez encerrada a Ordem do Dia, será aberto ao público, um período de tempo até 30 minutos, destinado a eventuais intervenções para solicitação de esclarecimentos. Mais se publicita e de acordo com o artigo 13º do REGIMENTO DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL que, na impossibilidade de terminar os trabalhos nesta data, os mesmos prosseguem no dia 3 de maio de 2013, pelas 21:30 horas. Para constar, se publica este e outros de igual teor, que vão ser afixados nos lugares públicos habituais. Assembleia Municipal da Trofa, 17 de abril de 2013 O Presidente da Assembleia Municipal, João Luís Fernandes


Atualidade 5

www.onoticiasdatrofa.pt

18 de abril de 2013

Infiltrações na escola de Querelêdo leva Associação à Assembleia Patrícia Pereira patricia@onoticiasdatrofa.pt

Assembleia de Freguesia de Covelas uniu-se a favor do encerramento da Escola Básica de Querelêdo, devido à alegada “falta de condições”. Câmara garante que empreiteiro vai corrigir problemas de infiltração assim que a chuva pare. Na sessão ordinária da Assembleia de Freguesia de Covelas, dedicada à votação da Conta de Gerência do ano de 2012 e da 1ª Revisão Orçamental, foi no período de intervenção do público, que os ânimos estiveram mais exaltados. O tema foi a alegada falta de condições da Escola Básica de Querelêdo. Rui Silva, presidente da Associação de Pais, interveio para perguntar ao autarca covelense, Fernando Moreira, “o que é que a Junta pode fazer” quanto às “infiltrações” que a escola tem. Para Rui Silva, a situação em que a Escola Básica de Querelêdo se encontra é “grave”, afirmando que “em todos os espaços da escola, à exceção da cantina, chove”. “Já mandei emails para a Câmara e tudo mais, mas o que é certo é que ninguém dá resposta”, concluiu. Fernando Moreira afirmou que um dos “deveres da Junta é defender os alunos e as crianças” e, por isso, e apesar de “custar muito dizer, se tivesse filhos na escola, fechava-a”. “Não se admite chover como chove em todas as salas. É claro que a Câmara não gosta de ouvir isto de fechar a escola, mas comigo era isso que acontecia. E a direção do agrupamento também me disse a mesma coisa. Uma escola nova naquele estado, com tanto engenheiro que ali esteve? O que

é que estiveram a fazer?”, questionou. O autarca referiu ainda que contactou a Câmara sobre o assunto e que a resposta foi que “iam resolver o problema”. Também Domingos Faria (PS) interveio para sugerir a Rui Silva o “fecho da escola”. À questão do presidente da Associação de Pais, sobre “as consequências” que esta ação teria, Domingos Faria respondeu: “A consequência é reparar a escola”. O membro do Partido Socialista questionou Fernando Moreira sobre se “a obra já está paga na totalidade” e se “foi dada por concluída”. Quanto à primeira questão, o presidente da Junta admitiu que não pode “confirmar”, já que “ela (Câmara) diz que está (paga), o empreiteiro diz que não”. Já quanto à segunda questão, Alexandra Ferreira, tesoureira do executivo da Junta, respondeu que a empreitada “não” está concluída”, frisando a presença do “quadro” (placa da empreitada). Além disso, denotou que a Junta não pode intervir na obra, pois se o fizer, “depois o empreiteiro limpa as mãos e já não é da responsabilidade dele”. Manuel de Sá, do CDS, (substituto de Nicolau Silva, que “suspendeu o mandato, por motivos de saúde”) afirmou que Fernando Moreira, “como representante da freguesia”, devia fazer pressão “para resolver o problema”. O presidente da Junta adiantou que não se vai sobrepor “à Associação de Pais”, acrescentando que já falou com “o agrupamento” e que tem “apertado com a Câmara forte e feio”. “Só tenho de fazer sentir à Câmara, que não estou satisfeito com a escola de Covelas e que por mim fechava-a. Não concordo com esta situação, mas quando a

Assembleia mostrou-se solidária com associação de pais

Associação de Pais me pedir apoio, podem contar comigo”, justificou-se. Laurinda Martins, presidente da Mesa da Assembleia, interveio, garantindo apoio à Associação de Pais. A representante da Assembleia solicitou ainda a Rui Silva que “alerte os pais para os riscos que os filhos estão a ter” e depois, “se necessário, fechar a escola”. Câmara aciona garantia da primeira empreitada Contactada a Câmara da Trofa sobre esta situação, esta fez saber que da “primeira empreitada” na escola básica resultaram “defeitos ao nível da impermeabilização das fachadas do edifício pré-existente e de partes da cobertura plana”, o que veio a provocar, “recentemente, algumas infiltrações de água, agravadas pelo inverno rigoroso” deste ano. “A correção desses defeitos é da responsabilidade da construtora, estando já programada, mas dependente de procedimento de empreitada, com recurso ao valor da garantia”, avançou. Já da “segunda empreitada”, que diz respeito à ampliação e requalificação daquela escola (inaugurada a 15 de outubro de 2011", persistem “alguns defeitos de obra”, ao nível da “impermeabilização de parte das coberturas, da instalação elétrica, das serralharias e da rede de abastecimento de água”. Estas questões estão “devidamente elencadas” e a “ser acompanhadas”, tendo em vista “a sua célere resolução”, estando a “correção desses defeitos em

fase de realização pelo adjudicatário, com a ressalva do facto das correções nas impermeabilizações da cobertura, dependerem para a sua concretização, da melhoria definitiva das condições climatéricas, o que só aconteceu esta semana”. A autarquia da Trofa está também a preparar o “procedimento de uma empreitada de execução de baixada elétrica, cujo plano está em fase de aprovação pela CERTIEL”. “Serão ainda introduzidos outros trabalhos adicionais, nomeadamente uma cabine para tratamento de águas, o que representará uma mais-valia para a EB1/JI de Querelêdo”, referiu. A Câmara da Trofa avançou ainda que foram “os próprios técnicos da autarquia a alertar o executivo municipal das deficiências de impermeabilização da cobertura do edifício”. Teresa Fernandes, vereadora do pelouro da Educação, deslocou-se à escola com os técnicos, para “se inteirarem de todos os factos”, tendo de seguida contactado “o empreiteiro para proceder imediatamente ao levantamento de todas as irregularidades, no sentido de proceder à sua resolução”. “A vereadora da Educação informou o presidente da Associação de Pais da Escola de Querelêdo, Rui Silva, da situação em causa e do ponto da situação das iniciativas de resolução dos problemas identificados, explicando, que só com a melhoria definitiva das condições atmosféricas, seria possível iniciar as intervenções necessárias. Posteriormente, Joana Lima, falou telefonicamente com Rui Silva, in-

formando-o, mais uma vez, de todos os procedimentos que a Câmara Trofa está a desenvolver, com o objetivo de resolver as complicações encontradas na construção da Escola”, concluiu. Documentos aprovados por PSD e CDS No período da ordem do dia, foram aprovados por maioria a Conta de Gerência do ano de 2012 e a 1ª Revisão Orçamental. No primeiro documento, não houve nenhuma questão relativa às contas da Junta de Freguesia, mas o socialista Domingos Faria votou contra, enquanto os seis elementos do PSD e o elemento do CDS votaram a favor. Na apresentação da 1ª Revisão Orçamental, a Junta de Freguesia, pela voz de Alexandra Ferreira justificou-a com a introdução do saldo de 2012 “no valor de 43 mil euros” no orçamento deste ano, concretamente na rubrica dos “viadutos e construções”. Também sem merecer questões da Assembleia, o documento foi posto à votação e aprovado com seis votos favoráveis dos elementos do PSD e CDS e dois contra de Domingos Faria e Filipe Dias, que compareceu na sessão só a tempo de participar nesta votação. Fernando Moreira ainda foi questionado por Domingos Faria sobre se “vai fazer” alguma intervenção no largo da Carreira “antes de sair” da presidência da Junta. O autarca respondeu que “tudo” fará para realizar essa obra. “O largo da Carreira está no meu coração”, concluiu.


6 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

18 de abril de 2013

Paula Canossa está “A Descobrir o Fado” Patrícia Pereira patricia@onoticiasdatrofa.pt

A fadista trofense Paula Canossa apresentou o seu primeiro trabalho discográfico, num concerto dinamizado no auditório da Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado. “A Descobrir o Fado”. Este é o nome do primeiro trabalho discográfico de Paula Canossa. Composto por “12 faixas”, o “primeiro trabalho” retrata que “tipo de artista” a trofense quer ser, onde está evidenciado os fadistas que a “influenciaram”, como “Amália Rodrigues, Aldina Duarte, Celeste Rodrigues, entre outras”. “Os fados vão desde o primeiro fado que aprendi a cantar, que se intitula Minha Mãe, até ao fado que, de certa forma, mostra as influências culturais que recebi desde pequena como o Hortelã Mourisca. Todos os fados que canto têm algo de mim, têm algo de todos nós”, contou Paula Canossa, natural da freguesia de S. Martinho de Bougado. Esta aventura começou em “jeito de brincadeira” em 2010, onde a fadista cantou, pela “primeira vez”, na sede do Rancho Folclórico da Trofa. Só em 2011, é que “José Maria Paiva e o senhor Joaquim” deram-lhe “um empurrão”, convidando-a para

cantar em sua casa, tendo-se seguido um convite, por parte do primeiro, para “ensaiar e aprender”. “O fado estranha-se e depois entranha-se, e como disseram, o fado tem que estar dentro de nós, simplesmente precisa de um empurrão para deixar sair cá para fora”, declarou. Foi em 2012 que começou a “cantar fado mais a sério” e, a partir daí, andou por “casas de fado no Porto” e em espetáculos, “nomeadamente pelo Norte, na zona de Coimbra e Viana do Castelo”, onde lhe era “pedido” o seu CD, o que motivou a gravação do mesmo, apesar de Paula Canossa “não pensar em gravar tão cedo”. Seguiram-se “muitos meses” de preparação da gravação deste CD, onde a fadista estudou “as músicas que melhor se adequavam à sua voz” e o “significado” que estas têm para si e que “poderia significar para o público”. Já a gravação, que decorreu em dezembro de 2012, durou “cerca de um dia”, graças ao trabalho dos “excelentes profissionais, que tocaram uma perfeição”. “A editora Conquista Estúdios, situada na cidade do Porto, tem técnicos muito profissionais e que fazem acima de tudo, o seu trabalho com gosto. Foi o concretizar de um sonho, especialmente com músicos excelentes como os que me acompanham, uma maneira fantástica de

A decoração do cenário do palco foi preparado pela fadista

celebrar o meu ano de descobertas, de novos sons e de novas amizades”, afirmou. Duas dessas amizades, os fadistas portuenses Eduardo Pinto e Manuel Salé, estiveram presentes nesta “noite especial” para a fadista, que, acompanhada por Samuel Cabral, na guitarra portuguesa, Paulo Faria de Carvalho, na guitarra clássica, e Susana Castro Santos, no violoncelo, apresentou o lançamento do seu primeiro trabalho discográfico, que decorreu na noite de sábado, dia 13 de abril, no auditório da Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado. O facto da apresentação do trabalho ter sido na “sua terra” teve um “significado diferente”, pois a “maior parte dos cidadãos trofenses não a conheciam e são

SMED organiza concerto de rock “A não perder mais uma grande noite de festa: boa música, boa exposição e bom ambiente num espaço espetacular!” É desta forma, que a SMED - Quebra Sentidos Associação Cultural anuncia o próximo evento, que

está a preparar para o próximo sábado, dia 20 de abril, nas antigas instalações da Fábrica Pesafil, em S. Mamede do Coronado. A partir das 22 horas, o “SMED Museu” volta a abrir as

portas para um concerto de rock dos Blind Charge (www.blindchar ge.com). No mesmo espaço, haverá uma exposição de “um dos maiores artistas criativos do grafiti, mais conhecido pelas ‘streets’ por DOC” (www.cost ah.net), que vai apresentar a “Exposição de ilustração e Street Art de Nuno Doc Costah”. Pela noite dentro, haverá ainda “um after concert” do DJ RP. A entrada tem um custo de três euros, com oferta de uma bebida de pressão. “Em nome do SMED, aproveito para vos convidar a visitarem o nosso espaço que muito tem agradado a todos os que por lá têm passado. Apareçam para mais uma noite de boa música e bom ambiente”, convidou Vítor Ferreira, elemento da associação cultural. P.P.

muito apreciadores de fado”. Paula Canossa ficou “muito feliz” por ter sido “muito bem recebida”, contando com “sala cheia e aplausos de todos”. “O público ajudou bastante, foi fantástico. As pessoas adquiriram o meu trabalho e fiquei realmente muito comovida. Espero sinceramente que todos tenham gostado desta noite de fado diferente”, denotou. A fadista está muito feliz por já ter percorrido “tanto” em “um ano de fado”. “Não fazia ideia de que num curto espaço de tempo que ia ter a visibilidade que estou a ter agora. Estou grata a Deus, à minha família e a todos os meus amigos pelo apoio que me tem dado, porque tem sido uma aventura”, frisou. A fadista trofense fez ainda

“uns agradecimentos especiais” à Câmara Municipal da Trofa, pelo “apoio logístico e divulgação do concerto”, à Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado, pela “cedência do espaço”, à AclaveAudio Publicidade, pelo “som acústico fantástico”, bem como a “todos os que estiveram presentes para a “ouvir e apoiar”, desde familiares, amigos e público em geral”. Paula Canossa já tem “alguns espetáculos marcados para maio”. Na cidade da Trofa, vai atuar no dia 23 de junho, na festa da Nossa Senhora do Rosário, que se vai realizar no lugar de Lagoa, em Santiago de Bougado. “Espero que toda a gente compareça em massa, porque vai ser um espetáculo muito bonito, onde vou estar presente, juntamente com Eduardo Pinto e um grupo de fados de Coimbra. Acho que vai ser um espetáculo ainda mais cheio do que este”, concluiu. Quem também esteve na plateia foi Assis Serra Neves, vereador do pelouro da Cultura da autarquia trofense, que referiu que esta foi “mais uma iniciativa da Câmara Municipal da Trofa de apoio aos artistas e criadores locais, prática que tem sido seguida nos últimos três anos, de incentivo e fomento à arte e à produção dos autores do Município”.

ASCOR – Associação de Solidariedade Social do Coronado IPSS – Pub.Diário da Rep. – III Série n.º 159 de 08/07/2004 – NIPC 506129136 Tel. 229863767 – Rua do Horizonte, 1008 – 4745-532 S. Romão do Coronado – Trofa

ASSEMBLEIA-GERAL ORDINÁRIA CONVOCATÓRIA Dr. Jaime Carlos Assunção Moreira, Presidente da Mesa da Assembleia Geral da ASCOR – Associação de Solidariedade Social do Coronado, vem nos termos do nº 2 do Artº. 30 dos Estatutos, convocar todos os associados para a ASSEMBLEIA-GERAL ORDINÁRIA a realizar no próximo dia 23 de abril (terça-feira), pelas 21 horas, com a seguinte ORDEM DE TRABALHOS 1 – Apreciação e votação do Relatório de Atividades do ano de 2012; 2 – Apreciação e votação das Contas de Gerência do ano de 2012; 3 – Outros assuntos de interesse para a Instituição NOTA: Se no dia e hora designados não se verificar a presença da maioria legal, a reunião terá lugar meia hora depois com qualquer número de associados. S. Romão do Coronado, 9 de abril de 2013 O Presidente da Assembleia-Geral Dr. Jaime Carlos Assunção Moreira


18 de abril de 2013

Cruz Vermelha recolhe alimentos A Cruz Vermelha Portuguesa (CVP) está a organizar um pedido de alimentos que decorre sábado e domingo, 20 e 21 de abril, nos supermercados Continente. Esta iniciativa pretende ajudar quem mais necessita e colmatar os pedidos diários de ajuda que chegam à CVP. D.F

Lions da Trofa angariou 141 colheitas de sangue Cento e quarenta e um. Este foi o número de colheitas de sangue, que o Lions Clube da Trofa conseguiu angariar em três iniciativas. Na primeira, que decorreu, na sexta-feira, 12 de abril, no salão paroquial de Fradelos, a instituição teve 39 inscritos, dos quais 37 doaram as suas colheitas a favor do Instituto Português do Sangue, do Porto. Já no sábado, decorreram duas colheitas a favor do Hospital de S. João, do Porto. No infantário da associação Mundos de Vida, em Lousado, dos 50 inscritos, foram feitas 45 colheitas. Já na empresa Eurico Ferreira, dos 78 inscritos, houve 57 colheitas.P.P.

CorridadaMulhersolidária “Tudo por uma causa: ajudar o Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto”. Este é o propósito da Corrida da Mulher, que está a ser organizada pela RunPorto.com, para o dia 26 de maio. Com partida na Avenida da França, junto à Praça Mouzinho de Albuquerque (Rotunda da Boavista), pelas 10 horas, as participantes vão percorrer cinco quilómetros até chegarem à Avenida dos Aliados. A inscrição tem um custo de cinco euros, dos quais dois revertem a favor do IPO do Porto, para “o combate ao cancro da Mama”. Na Trofa, um grupo de mulheres está a formar um grupo, convidando todas as mulheres trofenses a participar nesta atividade solidária. Além dos cinco euros de inscrição, as participantes têm que pagar mais cinco euros, para o transporte. O autocarro parte, pelas 8 horas, do Parque Doutor Lima Carneiro, estando prevista a sua chegada à Trofa, por volta das 13.30 horas. As inscrições estão abertas até ao dia 30 de abril e podem ser feitas na Prodoce, no Centro Comercial da Vinha, na Rua Conde de S. Bento, ou no café Doce Amanhecer, situado no Edifíco Araújos, na Rua Abade Inácio Pimentel. O levantamento das tshirts e bonés será no dia 25 de maio, no café Doce Amanhecer. P.P.

Atualidade 7

www.onoticiasdatrofa.pt

Jornadas Vicariais da Fé enchem Igreja Nova A Igreja Nova de S. Martinho de Bougado encheu para receber as Jornadas Vicariais da Fé, assinaladas no âmbito do Ano da Fé, lançado em outubro de 2012 pelo então Papa Bento XVI para toda a comunidade cristã. As jornadas têm sido realizadas pelas vigararias da diocese do Porto e o fim de semana de 13 e 14 de abril foi dedicado ao de Trofa/Vila do Conde. Depois das atividades realizadas na tarde e noite de sábado, em Mindelo e Azurara, no domingo foi a vez de a Trofa “redescobrir a fé”. D. Manuel Clemente, bispo do Porto, liderou as jornadas numa Igreja Nova repleta de fieis. Presentes estavam todos os movimentos paroquiais e a música estava a cargo de um grande coro com todas as paróquias envolvidas, que interpretou “Te Deum” e “Credo Domine”, o Hino do Ano da Fé. As Jornadas Vicariais contam com a “colaboração ativa” de “dezenas de milhares de pessoas, das 22 vigararias da diocese, das 477 paróquias e de todos os movimentos e associações, com enorme presença, pujança, dinamismo e persistência”, assinalou o bispo do Porto. “O Concílio quis relançar a Igreja. A fé cristã é vermos que existimos como comunidade de discípulos de Cristo, para Deus e para o Mundo”, afirmou, em declarações ao NT.

Igreja Nova estava repleta

Manuel Clemente adiantou que tem sido “muito interessante” ouvir os testemunhos daqueles que “conseguem levar por diante na força e em nome da fé”, fazendo jus ao que diz o Novo Testamento de que “a fé sem obras é morta”. “As pessoas aparecem, quer do mundo paroquial, como da vida das famílias, da vida das empresas e da vida das escolas”, afiançou. “Proximidade” e “motivação” são as palavras que, para o bispo do Porto, definem o papel da Igreja. “A igreja em Portugal, com uma rede de milhares de paróquias, é um exercício de proximidade local, pois através dessas comunidades cristãs as pessoas encontram-se e ajudam-se.

E o que é que acontece nessas paróquias? Fala-se de Cristo e do evangelho e não há nada mais motivador do que isso viver em comunidade e ajudarmos os outros em tudo o que pudermos”, sustentou. Ricardo Silva, vice-vigário da Vigararia Trofa/Vila do Conde, fez um balanço positivo das jornadas, essencialmente “pelo trabalho em conjunto” dos diversos movimentos paroquiais, que “participaram ativamente”. Para o pároco de Árvore, Azurara e Tougues, estas jornadas representam “a tomada de consciência” para a “necessidade de vivermos em comunhão”, rejeitando uma “sociedade de individualistas”. C.V./A.C.


8 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

Câmara assina protocolos com juntas de freguesia A Câmara Municipal da Trofa e as juntas de freguesia do concelho assinaram na sexta-feira, 12 de abril, os Protocolos de Delegação de Competências. Documento representa quase quatro por cento do orçamento da autarquia. Para 2013, as juntas de freguesia do concelho da Trofa vão contar com 700 mil euros, provenientes do orçamento da Câmara Municipal graças ao protocolo de delegação de competências assinado. Apesar das “dificuldades económicofinanceiras” que a Câmara da Trofa enfrenta, o executivo municipal decidiu manter os protocolos, porque é preciso “continuar a trabalhar e fazer mais e melhor com menos”, valorizando “o trabalho de proximidade” das juntas de freguesia, que estão “mais próximas dos problemas e de os resolver mais rapidamente”, adiantou Joana Lima, presidente da autarquia. “Espero que os senhores presidentes de junta assumam as suas responsabilidades, quer na transferência de competências, quer nas verbas que lhes são acompanhadas, e que façam valer este protocolo, porque é muito importante que a população perceba que a maior parte dos buracos do nosso concelho efetivamente não são da responsabilidade da Câmara Municipal da Trofa”, referiu, explicando que “com os protocolos as juntas de freguesia são responsáveis por tapar buracos existentes nas estradas e caminhos”. A transferência de “cerca de 700 mil euros”, por ano, é “um grande esforço para a autarquia trofense, que, todos os meses, transfere “cerca de 60 mil euros” para as juntas de freguesia. “Iremos fazer todos os possíveis para, até ao final do mês, pagarmos dois meses deste protocolo a todas as juntas de freguesia”, adiantou Joana Lima. Os critérios para a atribuição das verbas foram “definidos”, tendo em conta a “densidade populacional” de cada freguesia, ou seja, “o território, a população e as transferências do Estado”. O ano passado, o executivo municipal “entendeu que devia fazer um novo cálculo, tendo em vista o aumento e a diminuição da população, para atribuir as verbas de uma

forma correta”. A autarca deu como exemplo S.Romão do Coronado que viu a sua verba aumentada, face à atualização do protocolo, assim como todas as outras que, em 2012, viram as suas verbas recalculadas e atualizadas. Para o presidente da Junta de Freguesia de Covelas, Fernando Moreira, o protocolo “é bom para todos”, pois assim, todos sabem os seus “deveres e obrigações”. Estando a freguesia “numa situação bastante má”, Fernando Moreira vai utilizar “tostão a tostão” para fazer o que “mais necessita”. “Já estou no fim do mandato e tenho promessas para cumprir”, afirmou. Já para José Ferreira, presidente da Junta de Freguesia de S. Mamede do Coronado, a verba que lhe é atribuída “é sempre insuficiente”, para as necessidades que são “muitas”. “Temos um parque escolar, por exemplo, maior que qualquer um das outras freguesias, passando muitas das pequenas reparações dos parques escolares para a responsabilidade da Junta. É evidente que isso é um acréscimo de despesa muito significativo”, denotou. Com a “despesa extra” que a freguesia tem, José Ferreira tem que fazer “uma ginástica financeira muito criteriosa e rigorosa”, estabelecendo “prioridades muito amiúdo”, para poder fazer “face a todas as necessidades, sem nunca ultrapassar a verba que é atribuída”. Ausentes da cerimonia de assinatura estiveram os presidentes de junta de Alvarelhos e do Muro, que justificaram o impedimento de marcar presença, e que, de acordo com a presidente da Câmara, “vão assinar o protocolo noutro dia”.P.P.

Competências transferidas para as Juntas A Câmara da Trofa delega nas juntas de freguesia a prática de “todos os atos necessários ao exercício de competências como manutenção, reparação e conservação de escolas do ensino básico e pré-escolar, manutenção e conservação de zonas verdes e espaços ajardinados, bem como pequenas obras de conservação e limpeza de valetas, bermas, caminhos, vias e de passeios”.

18 de abril de 2013


Atualidade 9

www.onoticiasdatrofa.pt

18 de abril de 2013

Tribunal de Contas visou Requalificação dos Parques Patrícia Pereira patricia@onoticiasdatrofa.pt

As obras de requalificação dos Parques vão começar já em maio. Em conferência de imprensa, o executivo socialista comunicou que o Tribunal de Contas deu luz verde ao Procedimento de Adjudicação da Empreitada de Requalificação dos Parques Nossa Senhora das Dores e Dr. Lima Carneiro. Obra foi adjudicada, no dia 1 de março deste ano, por seis milhões e 473 mil euros. O fax do Tribunal de Contas (TC) para a Câmara Municipal da Trofa foi tornado público pelo executivo camarário e não deixa margem para dúvidas. A presidente da autarquia Joana Lima leu-o, em voz alta, durante uma conferência de imprensa, que decorreu no dia 12 de abril: “Informamos Vossa Excelência de que o Tribunal de Contas em sessão diária de visto de 10-042013, deliberou conceder visto ao processo acima indicado”. Esta é a decisão do TC que contraria as alegadas irregularidades veiculadas nas últimas semanas e que justificaram o voto contra dos vereadores do PSD relativamente à adjudicação da empreitada de requalificação urbana dos parques à empresa Europa Ar-Lindo. Joana Lima afirmou que o “processo está com toda a legalidade e regularidade para prosseguir” e que o visto do TC é “o garante de todo o processo, que está em condições de arrancar com a obra”. A autarquia trofense tem, no “prazo máximo de 30 dias”, que assinar o auto de consignação para dar início à empreitada, dispondo de “210 dias para a concretizar”. A edil trofense declarou que a autarquia fez “história” ao

dar “mais um passo rumo ao início efetivo das obras, que vão mudar para sempre o centro da Trofa”, tendo a “certeza inabalável que esta obra será uma realidade”. “Todo o executivo municipal tem diligenciado nestes últimos meses a celeridade de todo este processo, para que, por fim, tenhamos os nossos parques unidos e renovados. Esta é para nós, a obra que vai mudar a forma como a Trofa é vista interna e externamente. Esta é a obra que vai trazer uma nova esperança de um futuro melhor para as gerações mais jovens”, acrescentou. Este projeto, que segundo a autarca é considerado como “um bom exemplo de requalificação urbana”, tem “vários parceiros executores” como é o caso da empresa municipal Trofáguas e da AEBA - Associação Empresarial do Baixo Ave. Também as associações do concelho vão ser “parceiras ativas e empenhadas neste projeto”, pois vão ser “chamadas a dar o seu contributo em todas as ações e iniciativas imateriais”, que vão ser desenvolvidas e concretizadas ao longo deste ano. A empresa Metro do Porto é também uma “parceira ativa desta grande empreitada”, tendo a “responsabilidade da obra de união dos dois parques, com a construção de uma vasta praça em frente à Capela Nossa Senhora das Dores”, que constituirá uma enorme “mais-valia para o futuro”. A autarquia ressalvou “a disponibilidade, o empenho e a compreensão sempre demonstradas” por Sérgio Silva Monteiro, secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, e por João Velez de Carvalho, presidente da Metro do Porto, que estão “convictos e perseverantes na concretização deste projeto crucial para a Trofa e para os trofenses”.

Presidente da Câmara leu, em voz alta, fax do Tribunal de Contas

Mesmo com as obras a decorrer, a presidente avançou que a concretização das festas em honra de Nossa Senhora das Dores está “absoluta e definitivamente assegurada”, adiantando que vai desenvolver, juntamente com a comissão de festas e o empreiteiro, “um plano alternativo de forma a encontrar a melhor solução para manter a dignidade e a grandeza das festas”. “Tanto a Câmara Municipal como a nossa população dão muito valor a estas festividades religiosas, cruciais para a preservação da nossa identidade, pelo que tudo estamos a fazer, e tudo faremos, para que as festas em honra de Nossa Senhora das Dores se realizem com a dimensão e a sobriedade que lhe são características, apesar das obras estarem já a decorrer em agosto próximo”, concluiu. A candidatura tem o valor total de “mais de nove milhões de euros” e é financiada por Fundos

Comunitários em 85 por cento. A obra foi adjudicada por “6 mi-

Nove mil e setecentos euros. É este o valor total que a Câmara Municipal da Trofa vai destinar aos alunos mais carenciados da área geográfica do concelho da Trofa, que frequentem o Ensino Superior no presente ano letivo. No total, foram atribuídas seis bolsas de estudo no valor

de 1616,67 euros que visam ajudar e premiar a excelência e o mérito dos alunos do concelho com maiores dificuldades financeiras, de forma a incentivá-los a prosseguirem os estudos. Com a intenção de colaborar para a formação de quadros técnicos superiores residentes na

lhões e 473 mil euros”, no dia 1 de março deste ano.

Visto prévio sem recomendações O Tribunal de Contas é, de acordo com a Constituição da República Portuguesa, o órgão de soberania que exerce o controlo externo supremo da atividade financeira do Estado português. O controlo financeiro exercido pode ser, quanto ao momento do seu exercício, prévio, concomitante ou sucessivo. No caso da obra de Requalificação dos Parques foi pedido o visto prévio sem o qual a empreitada não poderia ser iniciada. O controlo prévio, que é umas das formas de controlo do TC, consiste no exame da legalidade e do cabimento orçamental dos atos, contratos ou outros instrumentos geradores de despesa ou representativos de responsabilidades financeiras diretas ou indiretas para as entidades da Administração Pública. O controlo prévio exerce-se mediante a concessão ou a recusa de visto. Constituem fundamento para a recusa de visto a ilegalidade dos atos que implique nulidade, encargos sem cabimento em verba orçamental própria ou violação direta de normas financeiras e a ilegalidade que altere ou possa alterar o respetivo resultado financeiro. Nesta última situação, o tribunal, mediante decisão fundamentada, pode conceder o visto e fazer recomendações às entidades, no sentido de suprir ou evitar no futuro tais ilegalidades. Ora no caso desta empreitada o visto foi concedido sem recomendações, atestando assim a legalidade de todo o procedimento, que levou à adjudicação da empreitada.

Município da Trofa atribui seis bolsas de estudo

Trofa, a Educação tem sido uma aposta estratégica da gestão camarária do executivo municipal, que considera que “estas bolsas de estudo são uma aposta na juventude, constituindo essencialmente um investimento no futuro do concelho”.L.A.


10 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

18 de abril de 2013

SenrasDairy na Alimentaria&Horexpo SenrasDairy-Fabrico Artesanal de Queijo, de Ribeirão, foi uma das “mais de 800 empresas” que esteve presente na Alimentaria&Horexpo Lisboa 2013. Com o intuito de “mostrar o melhor da produ-

ção nacional e estrangeira”, o Salão Internacional da Alimentação, Hotelaria e Tecnologia para a Indústria Alimentar esteve aberto ao público entre os dias 14 e 17 de abril. P.P.

Inscrições para Concurso Literário terminam a 27 de abril Os interessados em participar no Concurso Lusófono da Trofa – Prémio Matilde Rosa Araújo, podem fazê-lo até ao dia 27 de abril. Alargado a todos os países de língua oficial portuguesa (Portugal, Angola, Brasil, Moçambique, Cabo Verde, S. Tomé e Príncipe, Guiné Bissau e Timor), o concurso visa “incentivar a criatividade, fomentando o gosto pela escrita expressiva de todos os participantes”. “A cada ano, a Câmara Municipal da Trofa procura divulgar autores de língua

portuguesa, que não tenham mais que três obras publicadas na área da literatura infantil, incitando a valorização da expressão literária e da cultura lusófona”, explicou fonte da autarquia. Os interessados devem entregar os seus contos na Casa da Cultura da Trofa ou enviar por correio, com “carta registada e dirigida ao Senhor Vereador da Cultura, Assis Serra Neves”, Câmara Municipal da Trofa, Edifício Sede, Pólo I, Rua das Indústrias, 393, Apartado 65, 4785624 Trofa. C.V. pub


Atualidade 11

www.onoticiasdatrofa.pt

18 de abril de 2013

Jovens dão vida às festas de Bairros Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

Uma feira de saúde e a procissão de velas são algumas das novidades da festa de Nossa Senhora do Desterro, de 25 a 28 de abril. Para evitar que as festas de Nossa Senhora do Desterro definhassem ainda mais, os jovens da aldeia de Bairros, em Santiago de Bougado, puseram pés ao caminho, arregaçaram as mangas e deram o exemplo. Márcia Azevedo teve a iniciativa e falou com João Nogueira, que já tinha experiência em comissões de festas. Os dois, numa reunião, decidiram avançar com o projeto e constituir um grupo para dar vitalidade às festividades. “Contactamos potenciais elementos que nos podiam ajudar e acabaram por aceitar de bom grado, porque todos gostavam que as festas fossem realizadas”, conta João Nogueira, juiz da festa. O núcleo da Comissão de Festas, cujo elemento mais velho tem 25 anos, é composto por João, Márcia (tesoureira) e Sofia

Salgueirinho (secretária). O arrojo é uma característica presente na juventude e, por isso, o programa das festas de Nossa Senhora do Desterro contam com algumas novidades. Uma delas é a feira de saúde, que se realiza no sábado, 27 de abril, com rastreios à diabetes, colesterol, hipertensão, visão e osteoporose e pequenas consultas de saúde oral, visão e nutrição. A par da promoção de uma vida saudável, durante a romaria, também haverá demonstração das modalidades da Academia Municipal Aquaplace. Outra das novidades é a procissão de velas, marcada para as 21 horas de sábado. Quanto à música, o destaque vai para as atuações da Orquestra Ritmos Ligeiros (quinta-feira, 25 de abril), da orquestra Xystema (sábado, 27 de abril), da Banda de Música da Trofa (domingo, 28 de abril) e dos grupos folclóricos (domingo, 28 de abril). O grupo de dança Alvadance, também vai animar o recinto da festa, na noite de sexta-feira, 26 de abril. “A nossa ideia foi elaborar um

Jovens arregaçaram as mangas para preparar as festas de Nossa Senhora do Desterro

cartaz que abrangesse todas as faixas etárias”, explicou Márcia Azevedo. Outro dos pontos altos das festividades é a tradicional procissão, na tarde de domingo, “com andores carregados por homens, mulheres e jovens”, revelou João Nogueira. Ao longo dos dias de festa, a

comissão de festas vai promover jogos tradicionais e explorar “barraquinhas” para “angariar fundos”. O orçamento total da festa ainda não foi contabilizado. Quanto ao peditório realizado por Bairros e aldeias vizinhas, João Nogueira fez um balanço positivo, “tendo em conta o momento de crise”. “Não se pode

comparar com os anos anteriores, porque atualmente há muitas pessoas no desemprego e que não puderam dar o que costumavam”, sublinhou. O encerramento das festas está marcado para 1 de maio, Dia do Trabalhador, com um almoço-convívio no Flor do Ave, que tem o valor de 35 euros.


12 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

18 de abril de 2013

Trofa assinala Dia do Livro

Crianças visitam moinho Daniela Ferreira Hermano Martins

No âmbito do Dia Nacional dos Moinhos, os alunos de S. Martinho visitaram o da Abelheira, para aprender o seu funcionamento. José Campos estava impressionado com “a coisa que gira” dentro do moinho. A “coisa” era a mó, que moía o milho para o transformar em farinha. No moinho da Abelheira, o aluno da Escola Básica de Finzes também aprendeu que “a água, ao cair, faz força e faz mexer a roda”. A lição ao ar livre, no moinho da Abelheira, era mesmo para atrair a atenção dos mais pequenos, que tiveram oportunidade de aprender o processo de

produção de farinha, que se fazia noutros tempos. Para comemorar o Dia Nacional dos Moinhos (assinalado a 7 de abril), a Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado organizou uma visita de estudo cultural aos alunos do primeiro ano das escolas básicas da freguesia. Cerca de 150 crianças visitaram o moinho da Abelheira numa atividade que o executivo da Junta considera “importante” e, por isso, tem repetido ao longo do mandato. O presidente, José Sá, acredita que a visita a este “monumento histórico” deveria estender-se a “todas as crianças do concelho”, devido ao conteúdo didático que possui. José Sá afirmou que “de ano

para ano, as crianças sentemse felizes e bem dispostas ao fazer esta visita”. Maria Costa, aluna presente, no final da visita mostrou ter aprendido a lição: “O milho cai e transforma-se em farinha”. Para testar os conhecimentos adquiridos, os alunos foram desafiados a fazer um desenho sobre o moinho. O concurso também é uma atividade repetida pela Junta, que vai premiar o melhor desenho de cada escola. Já a pensar no desafio, José Campos assegurou que vai desenhar “o moinho, as rochas, a casa e a água com o tubinho em cima”. Por outro lado, Maria Costa adiantou que vai desenhar o interior do moinho, porque foi a parte que gostou mais.

Muro acolhe Festival de Coros Grupo Coral da Juventude Sem Fronteiras do Muro está a ultimar o Festival de Coros, que vai decorrer no dia 27 de abril, no salão paroquial Nossa Senhora de Fátima. Galegos de Santa Maria, Kyrios, Ser Contraste e Giofrater. Estes são os quatro coros que vão estar a concurso na primeira edição do Festival de Coros, a realizar-se no Muro. O festival, com início pelas 21 horas, vai contar ainda com a atuação dos meloDios – Coro Paroquial de S. Cristóvão do Muro.

Com a perspetiva de criar “um projeto sólido a ser repetido” e com a vontade de mostrar “a versatilidade” que têm, o Grupo Coral da Juventude Sem Fronteiras do Muro decidiu “começar algo novo”, como a organização do Festival de Coros, onde vão ser “atribuídos prémios para várias categorias”. A “principal característica” dos participantes é a de serem “grupos corais associados a grupos de jovens, que partilhem um gosto particular pela música, enquadrando-a no trabalho nas suas comunidades”.

O espetáculo, que está aberto a toda a comunidade, tem uma “entrada simbólica”, que vai “reverter para a remodelação do salão paroquial”. Segundo Pedro Santos, presidente do grupo de jovens, esta recolha servirá para “criar um fundo”, para que depois sejam feitos alguns melhoramentos no salão, como a nível de palco e som. “Esperamos que seja um grande encontro e acima de tudo um grande convívio, onde todos os coros terão a oportunidade de se conhecerem. De certeza que vai correr tudo pelo melhor, até porque a comunidade está empenhada. Esperemos que seja um sucesso, uma vez que estamos a fazer uma coisa nova, que aqui na zona não existe muito”, mencionou. Com “36 elementos”, o meloDios - Grupo Coral da Juventude Sem Fronteiras do Muro surgiu como o “culminar da vertente de música de mensagem já desenvolvida desde a formação como grupo coral”, acabando “por ficar apenas nos casamentos”.

Promover o prazer pela leitura, a publicação de livros e a proteção dos direitos do autor é a meta que a Câmara Municipal da Trofa quer atingir ao comemorar o Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor, assinalado a 23 de abril. Em parceria com o projeto da Área Metropolitana do Porto “Vem conhecer a minha Biblioteca”, a autarquia está a promover atividades nas escolas do concelho. A Biblioteca Municipal Professor Dr. António Cruz está a participar na primeira fase deste projeto, desenvolvendo quatro sessões de leitura de um conto no sistema de “estafeta de leituras”. A 19 de abril, cabe aos alunos da Escola Básica de Bairros deslocarem-se à biblioteca e protagonizarem a leitura e interpretação de um conto, entre as 10 e as 11.30 horas. A segunda fase do projeto decorre no dia 23 de abril, às 10.30 horas. A Biblioteca Municipal recebe a Casa da Juventude de Gondomar para realizar a leitura do conto “S. Cosme e S. Damião” a turmas do Colégio da Trofa e do pré-escolar do Centro Social e Paroquial Padre Joaquim Ribeiro de S. Martinho de Bougado. Em simultâneo, estará um representante da Trofa na Biblioteca Municipal de Santo Tirso a protagonizar uma leitura do conto “Lola na quinta” de Ilse Loodts. As atividades desta iniciativa começaram a 9 de abril, com as crianças do Jardim de Infância da Lagoa, enquanto que a segunda sessão ocorreu a 10 de abril, com a Biblioteca Municipal da Trofa a deslocar-se à Escola Básica de Finzes. A 12 de abril, os alunos de Finzes deslocaram-se à Escola Básica de Bairros, para contarem um conto à escolha. D.F.

Queima das Fitas em Famalicão O Lago Discount vai ser novamente o palco da festa estudantil de Famalicão. De 23 a 27 de abril, pelo palco da Queima das Fitas de Famalicão vão passar nomes como Buraka Som Sistema, Orelha Negra, Mundo Secreto, Miguel Rendeiro, Cosmo Klein, José Malhoa, entre muitos outros. O feedback do cartaz 2013 tem sido “bastante positivo”. “O melhor cartaz de que me lembro” é um dos muitos comentários que surgiram no Facebook. A Semana Académica de Famalicão 2013 é um evento organizado em parceria entre o Lago Discount, as Associações Académicas da Universidade Lusíada, a Escola Superior de Saúde do Vale do Ave (ESSVA) e a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão. O Lago Discount é, desde 2005, palco da Receção ao Caloiro e da Queima das Fitas das Universidades de Famalicão. O transporte é gratuito entre o centro de Famalicão e o Lago Discount, sendo assegurado pela organização para evitar que os estudantes tenham de conduzir. D.F.

Festival internacional de Guitarra de regresso a Santo Tirso Como já é tradição, a cidade de Santo Tirso volta a abrir as “portas” ao Festival Internacional de Guitarra que conta já com 20 edições. Promovido pela Câmara Municipal de Santo Tirso, com o apoio artístico da ARTAVE, Escola Profissional Artística do Vale do Ave, a edição de 2013, que se realiza de 10 a 25 de maio, traz alguns dos melhores guitarristas mundiais e nacionais da atualidade, como o escocês David Russel e o eslovaco Andreas Varady de apenas 15 anos de idade. Para o presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso, Castro Fernandes, é um “orgulho” continuar a receber esta iniciativa que, “só ainda não acabou por já ser uma referência nacional e internacional”. O autarca lamentou a “dificuldade” em obter “qualquer tipo de apoio” para o festival. O evento é composto por seis concertos, dirigidos por Andreas Varady Trio (Eslováquia), Pedro Rodrigues (Portugal), Joseph Tawadros (Egito), Peter Finger (Alemanha), Johannes Möller (Suécia) e David Russell (Escócia), dois master class (cursos para professores de guitarra e alunos em fase de conclusão de estudos) e uma exposição comemorativa dos 20 anos do festival. Os preços variam entre os 7,5 euros (quatro concertos) e os dez euros (primeiro e último concerto). Haverá descontos de 50 por cento para portadores do Cartão Jovem e do Cartão + Vida (seniores). L.A.


18 de abril de 2013

www.onoticiasdatrofa.pt

Atualidade 13

Alunos do Paranho plantam árvores “Uma árvore, um amigo // Que devemos bem tratar// Um amigo de verdade // Tão fiel como a amizade // Que devemos cultivar”. Foi com esta canção, que os alunos da Escola Básica e Jardim de Infância do Paranho agradeceram à Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado, pela atividade promovida, que serviu para assinalar o Dia da Árvore. Munidos de pás, ancinhos e baldes, as crianças plantaram árvores e arbustos sob a supervisão dos jardineiros da Câmara Municipal da Trofa, que lhes explicaram como as espécies deviam ser plantadas e regadas. Os alunos da turma do 3º ano

aceitaram a sugestão da professora e trouxeram de casa as pás, ancinhos, baldes e luvas, que os ajudou nesta plantação. Esta não foi a primeira vez que Francisca Andrade, Carolina Ribeiro, Gonçalo Araújo e Diogo Silva participavam numa plantação de árvores. Para eles, a atividade foi “uma boa ação”, porque através da plantação de “árvores e arbustos” geraram “mais oxigénio”. Diogo Silva gostou desta aula diferente, pois, além de se “divertirem, puderam ver como é que eram as plantas e como se plantavam”. “Assim quando formos maiores até podemos ser agri- Crianças contribuíram para a preservação da Natureza cultores”, mencionou. sente foi Duarte Araújo, presiden- dim de infância esteve em obras. Quem também esteve prete da Associação de Pais, que “No Dia da Árvore já era costuvê “com agrado” este tipo de ini- me limpar o jardim, mas agora ciativas, que são “sempre bas- era preciso novas plantações e tantes importantes”, pois assim com a colaboração da Junta con“as crianças começam a ter, des- seguimos”, acrescentou. de cedo, uma cultura ambientaA Junta de Freguesia de S. lista”, percebendo “a premência Martinho de Bougado “ofereceu que as árvores têm no desenvol- as plantas”, assinalando tamvimento deles”. bém o Dia da Árvore. José Sá, A coordenadora da Escola presidente da Junta, denotou que Básica, Fátima Vinhal, contou esta iniciativa já era para ter sido que houve “a necessidade de re- realizado no dia 21 de março, construir o jardim”, que estava mas como os alunos “se encon“muito estragado” devido à exis- travam em férias de Páscoa” e tência “de contentores durante alguns deles a participar no Tordois anos”, tempo em que o jar- neio de futebol Inter-Escolas, es-

ta foi adiada para terça-feira. “Hoje o dia ajudou, mais do que nessa altura. Correu muito bem e estamos todos de parabéns”, frisou. Enquanto na Escola Básica de Paranho decorreu uma plantação de árvores, na Escola Básica de Paradela, o Dia da Árvore foi assinalado com uma horta biológica, onde os alunos plantaram “feijão, cenouras, tomates, hortaliças”, entre outros legumes. Para José Sá, estas atividades são de “extrema importância para as crianças”, que ficaram “muito satisfeitas”. P.P.


14 Desporto

www.onoticiasdatrofa.pt

18 de abril de 2013

Assembleia-geral marcada para sábado, às 14 horas

PER pode reduzir passivo do Trofense em 60 % Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

Assembleia-geral do Clube Desportivo Trofense vai discutir o Processo Especial de Revitalização (PER) e a constituição de uma Sociedade Desportiva. O NT explica-lhe o que vai estar em cima da mesa. “Não teríamos agarrado este projeto nem estaríamos com todo este esforço a construir o futuro se não acreditássemos que isto era para continuar”. Este é o pensamento que justifica todos os processos que estão a ser levados a cabo pela direção no Clube Desportivo Trofense rumo à viabilização económica. O “esforço” referido pelo presidente Paulo Melro só fará sentido se o emblema garantir a manutenção no futebol profissional, ou seja, evitar a descida de divisão da 2ª Liga. O dado ainda não é adquirido e a certeza só poderá chegar na última jornada. Mas o timing dos diretores não é o mesmo dos jogadores e, por isso, ainda antes do final do campeonato, há que garantir a continuidade do clube na liga profissional, ou seja, conseguir a viabilização do Processo Especial de Revitalização (PER) e concluir o processo de criação da Sociedade Desportiva Unipessoal por Cotas (SDUC). Antes de estes assuntos serem discutidos na Assembleiageral, marcada para as 14 horas de sábado (20 de abril), o NT e a TrofaTv entrevistaram Paulo Melro, que fez um balanço de pouco mais de meio ano de mandato. Os primeiros passos desta direção, quando tomou posse, foram pôr-se ao corrente da situação financeira do clube, “reorganizar métodos” e dar seguimento ao Processo Especial de

Contas da época passada vão ser apresentadas na Assembleia-geral

Revitalização (PER), que poderá reduzir o passivo do Trofense em cerca de 60 por cento, que representa a média de perdão dos credores. Segundo Paulo Melro, atualmente, o saldo negativo “anda por volta dos sete milhões de euros”, mas com a aprovação do PER, “sofrerá uma redução muito grande para a ordem dos dois milhões”. No plano de recuperação económica – onde estão descritas todas as dívidas do clube e através do qual se processa uma negociação com todos os credores – está previsto um prazo de pagamento de “pelo menos 12 anos de alguns créditos”. As primeiras dívidas a serem saldadas serão as “dos funcionários e jogadores, depois aos fornecedores e, em paralelo, as que estão relacionadas com o fisco e a Segurança Social”, cumprindo “o que está estipulado na lei”. Os últimos créditos a saldar serão “os empréstimos” de Rui Silva, antigo presidente do Trofense, e da sua empresa Quinta dos Miguéis. Na negociação, Rui Sil-

SDUC pode ser transformada em SAD “Na SDUC, a cota é indivisível, ou seja, o clube não pode vender parte dela a ninguém, mas pode alargar o número de associados, constituindo, dessa maneira uma SAD”, explicou Paulo Melro. Esta é a intenção do presidente do clube que decidiu optar pela “decisão intermédia” antes de dar um passo “muito importante” na vida do clube. A SDUC conta apenas com um sócio – o clube -, ao passo que a SAD tem de ter, pelo menos, cinco sócios (o clube tem de ter, no mínimo, 10 por cento das cotas, direito de veto e poder de decisão na cor de equipamento, hino, bandeira, etc.).

va foi o credor que garantiu a percentagem de “perdão” mais elevada. “Rondará os 80 por cento”, asseverou Paulo Melro. Neste momento, o atual modelo do PER espera a viabilização do tribunal, uma vez que “foi feita a votação, em janeiro”, mas entretanto apareceu outro credor a reclamar uma dívida, cuja reclassificação não recolheu o acordo “da direção, dos advogados e do administrador de insolvência”. Paulo Melro espera agora pela homologação do documento, salvaguardando que se o tribunal não der providência ao recurso, existem “vários caminhos para retomar a negociação”. Clube obrigado por lei a constituir sociedade desportiva Uma das “bandeiras” da lista de Paulo Melro à direção do Trofense era constituir uma SAD (Sociedade Anónima Desportiva) a médio prazo. No entanto, alterações legais anteciparam, com algumas adaptações, um passo que os responsáveis do clube só queriam tomar em dois anos. Sempre acreditando que o emblema conseguirá a manutenção

da 2ª Liga, a direção do Trofense terá que constituir uma Sociedade Desportiva para conseguir inscrever a equipa nos campeonatos profissionais. A opção da direção é a criação de uma Sociedade Desportiva Unipessoal por Cotas (SDUC), que apresenta algumas diferenças relativas à SAD, desde logo o capital necessário: enquanto a primeira pode ser constituída com 50 mil euros, a SAD obriga à injeção de 200 mil euros. A SDUC, cujo único sócio é o clube e o diretor executivo será o presidente do clube, é “uma forma mais portátil” de resolver o problema do direito de inscrição. Para esta entidade serão transferidos todos os contratos profissionais e semiprofissionais (eventuais jogadores de camadas jovens) de futebol. O resto, jogadores da formação sem contrato, estádio e complexo desportivo, continuam na posse do clube. “Mesmo o modelo de SAD que estamos a tentar negociar, já contempla este princípio, ou seja, os investidores só estarão interessados na gestão do futebol não na gestão imobiliária”, salvaguardou

Paulo Melro acredita na equipa Tendo em conta a “saúde financeira do clube” e para “pagar atempadamente os salários”, a direção teve de optar por “privar” os jogadores de “algumas condições”, como estágios e viagens de véspera. No entanto, o presidente acredita na capacidade do grupo: “Conseguimos, dentro das nossas possibilidades e da disponibilidade do mercado, contratar jogadores que pudessem fazer os pontos que nos garantam a manutenção.

Paulo Melro. Apesar de os estatutos do clube permitirem a constituição da sociedade desportiva sem a aprovação dos sócios, “não passou pela cabeça” dos responsáveis da direção não discutir o assunto com a massa associativa. “O Trofense é de todos os sócios, por isso, todas as decisões fundamentais têm que passar por eles”, sublinhou. O PER e a SDUC serão temas que estarão em cima da mesa da Assembleia-geral de sábado e que, pela sua natureza, mostram a esperança dos responsáveis do clube na continuidade nos campeonatos profissionais. “Será incompatível manter um PER (Processo Especial de Revitalização) ou fazer um projeto futuro entre investidores se não estivermos numa liga profissional. Por isso, a nossa luta é deitarmo-nos e acordarmos a pensar como manter os jogadores motivados dentro daquilo que são as nossas possibilidades, para ter o grupo unido para, no fim, termos uma grande alegria”, concluiu.

Votação do relatório de contas da época 2011/2012 Na Assembleia-geral também será colocado à discussão o relatório de gerência da temporada 2011/2012. Segundo Paulo Melro, apesar “da grande redução dos custos”, registou-se “um aumento do passivo” (atualmente situa-se nos “sete milhões de euros”), devido ao “acerto” de algumas situações que têm a ver “com algum saldo a nível fiscal daquela época que não se conseguiu liquidar e também de processos relativos a jogadores, como os do Milton do Ó e do Charles Chad”. “Os resultados vêm, mais ou menos, em linha com que os que têm sido nos últimos anos. Nós fizemos um grande esforço de investimento e seu custo vai sendo diluído nas épocas subsequentes”, justificou. O presidente do Trofense quis ressalvar que o PER dará a “possibilidade de uma redução desse passivo” e que, “no final da outra época haverá um resultado extraordinário que, de alguma forma, vai compensar”, frisou.


Resultados Camadas Jovens CD Trofense Juniores 2ª Divisão Nacional Fase promoção Merelinense 3-2 Trofense (6º lugar, 3 pontos) Juvenis A 1ª Divisão Nacional Fase manutenção Trofense 4-0 Bragança (6º lugar, 32 pontos) Juvenis B 2ª Divisão distrital - série 5ºs Sobreirense 2-2 Trofense (4º lugar, 17 pontos) Iniciados A 1ª Divisão Nacional Fase manutenção Penafiel 1-0 Trofense (2º lugar, 46 pontos) Iniciados B Taça José Bacelar – zona B Trofense 2-Pedras Rubras 1 (5º lugar, 3 pontos) Infantis 11 Taça Joaq. Piedade - Zona B Trofense 2-5 Gondomar (8º lugar, 0 pontos) Infantis 7 Campeonato dist. - série 2 Desp. Aves 0-6 Trofense (2º lugar, 44 pontos) Escolas A Campeonato Dist.- série 9 Trofense 8-1 Foz (2º lugar, 57 pontos) Escolas B Arcozelo 4-6 Trofense (9º lugar, 21 pontos) Escolas C Valonguense 3-1 Trofense (6º lugar, 26 pontos) AC Bougadense Juvenis Camp. Dist. - série 6ºs Paredes 2-4 Bougadense (5º lugar, 16 pontos) Infantis 2ª Divisão dist. - série 3ºs Grijó 3-1 Bougadense (7º lugar, 20 pontos) Série 8ºs Bougadense 0-3 Leça B (10º lugar, 10 pontos) FC S. Romão Juvenis 2ª Divisão dist. - Série 10ºs Frazão 3-1 S. Romão (6º lugar, 10 pontos)

Desporto 15

www.onoticiasdatrofa.pt

18 de abril de 2013

Alterações foram receita para a vitória Com sete alterações na equipa titular, o Trofense conseguiu vencer o FC Porto B, na 35ª jornada da 2ª Liga. Micael Sequeira operou uma pequena revolução no “onze” inicial do Trofense, no jogo com o Futebol Clube do Porto B, na sexta-feira, 12 de abril. Sete foi o número de alterações que o técnico trofense fez na equipa, ao colocar de início Conrado, Tiago Lopes, Aires, João Amorim, Magique, Leandro e Paulinho. No banco ficaram os habituais titulares Marco Gonçalves, João Viana, Moisés, Gomis e Rateira. O avançado Romeu Torres, que tinha feito oito jogos consecutivos sem nenhum golo, nem constou da lista de convocados. Luiz Alberto foi o único indisponível, por castigo. A ameaça de S. Pedro amedrontou os adeptos e o estádio esteve despido para um jogo que, pela emoção que teve durante os 90 minutos, merecia estar bem mais composto. O remate de Tozé, aos quatro minutos, à figura de Conrado foi pouco para a reação trofense. Aos nove minutos, Paulinho e Leandro justificaram a titularidade com o golo inaugural da partida. O primeiro cruzou e o segundo encostou para o fundo das redes. A resposta portista voltou a ser insuficiente. Caballero tentou fazer jus ao estatuto de grande promessa do futebol paraguaio, mas o remate foi travado por Conrado. Já depois de Tozé ter atirado

ao lado, na sequência de um pontapé livre, Magique, do outro lado, rematou em arco e obrigou Stefanovic a esticar-se. Os dragões queixaram-se de uma suposta grande penalidade por falta de Tiago Lopes sobre Tozé, mas o árbitro Nuno Almeida, considerou que o avançado portista simulou, mostrando-lhe cartão amarelo. Antes do intervalo, o Trofense chegou ao 2-0. Depois de recuperar a bola, Leandro (que os portistas queixam-se de tocar a bola com a mão) retribui a assistência a Paulinho que, diante de Stefanovic, picou a bola, assinando o oitavo golo ao serviço do Trofense. Aos 50 minutos, Maurito Caballero reduziu a desvantagem ao fazer um “chapéu” a Conrado. O jogo parecia relançado até que aos 55 minutos o Porto B ficou reduzido a dez unidades, por expulsão de Michael Seri. Para piorar o cenário dos dragões, um minuto volvido, Nuno Almeida assinalou grande penalidade por alegada falta sobre João Amorim e Hélder Sousa voltou a dar tranquilidade às hostes trofenses. Mas a vitória nunca foi um dado adquirido antes do tempo. O médio azul e branco Edú, que a época passada teve um papel importante no Trofense, também tentou a sorte de longe, mas viu Conrado afastar o remate com as pontas das luvas. Aos 81 minutos, num lance infeliz, Tiago Lopes tentou afastar a bola de Delatorre e introdu-

Leandro deu trabalho à defesa do Porto B

ziu-a na própria baliza, dando alento aos dragões. Em cima do minuto 90, Quiño quase dava um balde de água fria aos adeptos do Trofense, quando rematou para excelente intervenção de Conrado, que segurou a vantagem. No tempo de compensação, o triunfo trofense ficou carimbado com o golo do estreante Guilherme. O atleta brasileiro entrou para jogar os últimos 15 minutos e concluiu da melhor forma uma assistência de João Amorim, fixando o resultado em 4-2. Com 32 pontos, O Trofense ocupa o 19º lugar, a três pontos da zona de descida, ocupada por Covilhã (29), Vitória de Guimarães B (27) e Freamunde (27). Para Rui Gomes, técnico azul e branco, o Porto B “não merecia este resultado”, pois entende que a equipa “fez o suficiente para conseguir, no mínimo, o empate”. O treinador destacou ainda que “houve más decisões” da equipa de arbitragem que “condicionaram demasiado o

Rui Pedro Silva vence Corrida do Benfica O atleta trofense Rui Pedro Silva venceu a 8ª Corrida do Benfica António Leitão, realizada nas imediações do Estádio da Luz, no domingo. O fundista, que veste a camisola encarnada, isolou-se ao sétimo quilómetro da prova e concluiu-a em 29 minutos e 59 segundos. Para trás ficaram os colegas de equipa José Moreira (com mais sete segundos) e Ricardo Ribas (com mais 23 segundos). Em 4º ficou o atleta brasileiro Paulo Palma, que foi 8º classificado na maratona dos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012. No setor feminino, Marisa Barros, também atleta do Benfica, fez a prova sempre na frente e venceu com um tempo de 34 minutos e quatro segundos, com larga vantagem sobre Daniela Cunha, do Maratona, e Susana

DR

Rui Pedro Silva e Marisa Barros foram os vencedores

Godinho, do Benfica. Cerca de 13 mil concorrentes participaram na corrida de dez quilómetros e na “mini” de cinco. Este número é, para Luís Filipe Vieira, presidente do Benfica, um “sinal” que a prova “se vai manter e que vai crescer cada

vez mais”. “A secção de atletismo é para se manter e, se possível, para reforçar. Queremos liderar, as nossas origens são essas e vamos mantê-las de certeza. Todos nós devemos sentir orgulho nesta prova”, assinalou. C.V.

jogo”, como o lance que precedeu o segundo golo do Trofense no qual, sublinha, “existe falta” e uma grande penalidade a favor dos dragões “na segunda parte”. Por seu lado, Micael Sequeira frisou a entrega da equipa da Trofa: “Fomos grandes em termos de atitude e capacidade de sofrimento, porque tivemos algumas quebras físicas, o que é natural, tendo em conta as sete alterações relativamente ao último jogo. É natural que jogadores com menos ritmo quebrassem, com muito mérito do FC Porto, que tem uma dinâmica ofensiva muito forte”. “Era determinante conquistar estes três pontos para nos mantermos acima da linha de água. Quero reforçar o apoio do público, porque não era fácil vir cá ao estádio numa sexta-feira ao final do dia, mas os trofenses compareceram e sentimos o apoio. A vitória também é para eles”, reforçou. No fecho de edição, o Trofense jogava com o Santa Clara, para a 36ª jornada da 2ª Liga. C.V.

Futsal: CR Bougado goleia A equipa de infantis do Centro Recreativo de Bougado goleou o Penafiel por 4-0, na 28ª jornada da série 2 da 2ª Divisão de futsal da Associação de Futebol do Porto. Quando faltam seis jogos para o final do campeonato, a formação bougadense ocupa o 12º lugar, com 28 pontos. Já na série 1 da 1ª Divisão distrital, a turma sénior da Associação Recreativa Juventude do Muro bateu o JD Gaia por 30, fugindo assim da zona de despromoção, da qual está a dois pontos de distância. A formação de juniores da mesma coletividade, a militar na série 2 da 2ª Divisão distrital perdeu 5-2 com a ARC Moinhos e ocupa a 9ª posição, com 33 pontos. C.V.


16 Desporto

www.onoticiasdatrofa.pt

18 de abril de 2013

Vitória polémica salva líder de vergonha com Bougadense

Caminhada contou com 40 participantes “Cerca de 40 pessoas” participaram na caminhada, dinamizada pelo Dojo Murakami e escola de aeróbica da Associação Recreativa Juventude do Muro (ARJM). O relógio marcava 9.45 horas, quando “pouco mais que 40 pessoas” saíram a pé do ginásio da ARJM em direção ao Parque de S. Pedro de Avioso. Quando lá chegaram, deram “três voltas no percurso mais longo”, onde “alguns caminheiros aproveitaram para conhecer o parque”. No final, o grupo seguiu em caminhada, mas desta vez o destino era o ginásio Este foi o percurso da caminhada, que o Dojo Murakami e escola de aeróbica da Associação Recreativa Juventude do Muro (ARJM) organizaram na manhã de domingo, dia 14 de abril, com o intuito de “proporcionar manhãs de domingo diferentes, através do convívio e do desporto ao ar livre e sem qualquer custo”. Para Arlindo Ferreira, mestre do Dojo Murakami, esta ideia “será para continuar”. “Nos tempos que vivemos, de crise e tantos problemas sociais, este tipo de iniciativa vai fazer bem, se não for a toda a gente, pelo menos a um bom número de pessoas”, afirmou.

Para o mestre, esta atividade correu “muito bem” e contou com a presença de “pessoas interessantes dos vários pontos da cidade da Trofa e com bastante experiência em caminhadas”. Filipe Armada era exemplo disso. O caminheiro levava uma vara trabalhada e feita pelo próprio, com “uns dizeres da Trofa”. Os participantes visitaram o Dojo Murakami, mostrando “vontade em experimentar as aulas de karaté”. Dojo do Muro com atividades no dia 27 de abril O Dojo Murakami da ARJM está a ultimar os preparativos para as atividades, que estão programadas para o dia 27 de abril, sábado. Jogos e aulas de karaté, que decorrem entre as 15.15 e as 17.15 horas, têm ���entrada e participação gratuita”. Já entre as 17.30 e as 18.30 horas, vão decorrer exames de graduação aos alunos do Dojo Murakami do Muro e da Póvoa de Varzim. Não é permitido assistir aos exames, em beneficio dos alunos, porque “as crianças com os familiares e amigos presentes perdem o sentido e a concentração”. P.P.

O Bougadense perdeu 4-2 com o Gulpilhares, na 29ª jornada da 1ª Divisão distrital. Os números finais enganam na avaliação da partida. Se é certo que o Gulpilhares – que vai lançado para vencer o campeonato da 1ª Divisão distrital – inaugurou o marcador cedo, também não se pode esquecer que o Bougadense equilibrou a partida e ainda na primeira parte teve uma oportunidade para igualar o resultado, por intermédio de Tó Maia. O jogo repartiu-se e o Gulpilhares puxou dos galões de líder e usufruiu de mais dois lances perigosos, sem sucesso. A falta de eficácia acabaria por ser penalizada com o tento de igualdade já depois do intervalo, aos 55 minutos, na sequência de uma jogada de Tó Maia, concluída com o remate certeiro de Mário. O golo deu emoção à partida e espicaçou o Gulpilhares que não tardou a responder à altura. Aos 65 minutos, na conversão de um livre direto, Luís fez um remate de belo efeito, devolvendo a vantagem à formação da casa. Mas “o jogo do gato e do rato” continuou e o Bougadense voltou a empatar, por Dani II, depois de uma jogada de en-

tendimento entre Tó Maia e Gonzaga. A partida continuou emocionante e mais ficou quando o Gulpilhares chegou ao 3-2, num lance polémico. Num choque com um adversário, o guarda-redes do Bougadense, Jonas, caiu na grande área, queixando-se de lesão, mas o árbitro não interrompeu o jogo. Fabinho aproveitou e rematou do meio campo para a baliza, desfazendo o empate, num lance que o técnico bougadense, Pedro Pontes, considera “um ato condenável, não revelando fairplay”. Já nos descontos, em cima do derradeiro apito do árbitro, o Gulpilhares fixou o resultado em 4-2, na sequência de um contra-ataque concluído por Valente. “Quero salientar a grande atitude dos meus atletas e a qualidade de jogo que demonstraram, apesar das muitas contrariedades que temos tido. Tudo o que nos tem sucedido só nos torna cada vez mais fortes. Acredito plenamente que quem é honesto e dá tudo o que pode, no final é sempre premiado”, referiu o treinador da turma de Santiago de Bougado, em declarações ao NT. O próximo jogo é uma das últimas oportunidades para salvar a temporada. C.V.

S. Romão perde em casa Diana Azevedo

O S. Romão perdeu com o Marechal Gomes da Costa por 2-3. O grupo comandado por Pedro Ribeiro, entrou nas quatro linhas confiante, a acreditar que podia tirar o melhor partido do seu campo, com dimensões difíceis e pouco habituais para os visitantes. Renato progrediu até à baliza do Marechal Gomes da Costa e, aos seis minutos, fez o primeiro golo da tarde. Com o tento madrugador, o S. Romão ganhou mais ânimo e não perdeu o foco da baliza adversária. Assim, aos 25 minutos, Renato voltou a fazer a bola beijar as redes, na sequência de um excelente remate. Depois da meia hora de jogo, os visitantes começaram a responder e reagiram da forma mais eficaz. Aos 35 minutos, Beto quase marcou, mas a bola foi aliviada pela defesa romanense. Na sequência do lance, o canto foi marcado e Chico fez o 2-1. Em cima dos 45 minutos, mais uma bola parada prejudicou o resultado dos da casa, com o livre marcado por Espírito Santo a estabelecer a igualdade no marcador. No segundo tempo houve aumento da agressividade ofensiva por parte das duas equipas e, consequentemente, mais tentativas de finalização, no entanto a concretização não foi conseguida como na primeira parte. O Marechal Gomes da Costa mostrouse mais adaptado ao terreno na segunda parte e foi um “osso duro de roer” para a casa. Aos 66 minutos, Luís fez o golpe final na baliza do adversário e estabeleceu o resultado final de 2-3.

O resultado já era negativo para o S. Romão, mas em cima do apito final o jogo tornou-se ainda mais amargo, com a expulsão de Bruninho, que cometeu falta sobre Luís, num lance de golo iminente. Pedro Ribeiro referiu ao NT que não estava “à espera de perder os três pontos” e que o S. Romão entrou com “grande querer e humildade”. Mas foram “as bolas paradas que acabaram por nos trair”. “A equipa do Marechal é muito bem constituída, bastante forte, e foi um adversário difícil. Sabemos o que a equipa vale e jogamos com uma equipa jovem, com média de idade de 21 ou 22 anos. São aprendizagens e é com os erros que se aprende e com certeza que este ano servirá para aprender, para o próximo ano teremos outras expectativas”, confessou o treinador. Alcino Lopes, treinador do Marechal, estava claramente satisfeito com a capacidade de adaptação da sua equipa “a um campo difícil, completamente diferente” do que com o “relvado sintético e de grandes dimensões” que a equipa possui. “O tipo de futebol que se pratica é diferente, obriga a uma enorme entrega da equipa e a uma prestação técnica muito mais exigente, que penso que conseguimos cumprir. Sabíamos que em casa o S. Romão tem, na maior parte das vezes, pontuado, pelo que estávamos mentalizados que seria um jogo difícil, mas pela prestação que conseguimos acredito que fomos um justo vencedor”, concluiu. Rumo a Campanhã no próximo domingo, dia 21 de abril, o S. Romão irá defrontar o Sporting S. Vítor.


Desporto 17

www.onoticiasdatrofa.pt

18 de abril de 2013

Clube de Ténis da Trofa nasceu há um ano Daniela Ferreira Hermano Martins

Escola de ténis criada na Trofa para “reavivar a modalidade no concelho”. Promover a modalidade e torná-la acessível à população do concelho é um dos pilares que sustentam o projeto do Clube de Ténis da Trofa. No 2º Torneio desta coletividade, o NT foi descobrir como tudo começou. A escola de ténis iniciou a sua atividade em março de 2012 e a ideia surgiu através “de um projeto intitulado por “Cresce com Ténis”, que começou num colégio de Santo Tirso e no Colégio da Trofa”, revelou António Monteiro, diretor técnico do clube.

Os treinos decorrem nas instalações da Escola Básica 2/3 Professor Napoleão Sousa Marques, que “gentilmente” foram cedidas através de um “protocolo em que o clube comparticipa nas despesas dos treinos que se realizam de segunda a sábado das 19 às 21 horas e sábados de manhã”. O Clube de Ténis da Trofa é uma escola privada que está inscrita na Associação de Ténis do Porto e tem os seus alunos inscritos na Federação Portuguesa de Ténis. Miguel Pereira foi o primeiro aluno deste clube. “Eu conhecia o professor já há muitos anos do (Clube Desportivo) Trofense, porque tinha sido meu treinador. Eu gostei da ideia dele de formar um

clube de ténis e segui com ele para cá”, contou. Depois de trocar o futebol pelo ténis, Miguel Pereira revela que a principal diferença entre os desportos é que “o futebol é coletivo o ténis é individual”. “Cada vez que erramos a culpa é nossa e não temos de culpar os outros pelos nossos erros”, confirmou. O tenista demonstrou ainda o entusiasmo por pertencer a esta escola: “O clube tem estado bem, tem melhorado e aumentado a popularidade”. O ténis é um desporto individual que cativa pessoas de várias idades. “Neste momento, temos 32 atletas a frequentar o clube dos cinco aos 56 anos de idade. O ténis é um desporto que tem vários níveis de aperfeiçoa-

Clube de Ténis tem objetivo de reavivar modalidade no concelho

mento e de ensino”, asseverou António Monteiro. No entanto, para se inscrever nesta escola de ténis “basta aparecer” e “jogar desde o primeiro dia através do ‘play and stay’, o método internacional utilizado

pela Federação Portuguesa de Ténis e pelo Clube de Ténis da Trofa”. Atualmente, os alunos treinam para adquirir habilidades técnicas para que um dia possam entrar numa competição oficial.

ções no Polo, conseguiu debelar os problemas e prosseguir rumo à vitória, já Latvala com problemas de transmissão (tinha apenas tração às rodas traseiras) perdeu mais de dois minutos e cedeu o 2º lugar a Hirvonen. Além de ter garantido a terceira vitória em Portugal, Ogier ainda venceu a Power Stage e amealhou mais três pontos, mantendo assim a liderança do campeonato do mundo de rallys. Hirvonen segurou o 2º lugar, enquanto Latvala teve que se contentar com o 3º lugar. O russo Novikov (Ford Fiesta WRC) garantiu o 4º lugar, en-

quanto o simpático Nasser AlAttiah, também ele em Ford, fechou o Top 5. Na classe WRC2 a vitória sorriu ao jovem finlandês Lappy Esapekka, num Skoda Fabia S2000 e no WRC3 foi a jovem promessa da Citroën Brian Bouffier a vencer num Citroën DS3 R3. Quanto aos portugueses, a surpresa veio do famalicense Miguel Barbosa (Mitsubishi Lancer) que aproveitou a desistência dos principais candidatos (Ricardo Moura e Pedro Meireles) para vencer a prova que teve um final dramático para Bruno Magalhães (Peugeot 207 S200) que já com o Estádio do Algarve em pano de fundo desistiu com uma roda traseira totalmente destruída. Para finalizar, uma palavra para o trofense Jorge Carvalho que não teve um rali muito feliz já que, enquanto rodava na 4ª posição entre os portugueses, um erro do jovem Diogo Gago levou a que o pequeno Citroën saísse de estrada para logo de seguida capotar quatro vezes, felizmente sem consequências físicas para os pilotos.

“Tri para Ogier” Miguel Mascarenhas Marco Monteiro

Apesar de debilitado fisicamente, o francês Sébastien Ogier venceu pela terceira vez o Vodafone Rally de Portugal, naquela que foi a terceira vitória desta época. Nos portugueses, a vitória sorriu ao famalicense Miguel Barbosa. Depois do estrondoso sucesso do Fafe Rally Sprint, onde o espanhol Dani Sordo voou para a vitória, a caravana rumou a sul para a realização de mais uma edição do Vodafone Rally de Portugal. Como vem sendo hábito, toda a estrutura inerente ao rali ficou instalada no Estádio do Algarve que oferece todas as condições para a realização de um evento desta envergadura. A prova começou na quintafeira com a realização da Qualifying Stage que foi ganha por Dani Sordo ao volante de um Citroën DS3 WRC, agora com as cores da Abu Dhabi. Na manhã de sexta-feira, os concorrentes tinham pela frente quatro especiais muito duras que desde logo

fizeram a diferença. O dia terminou com a realização da Super Especial em Lisboa com direito a transmissão em direto na RTP2. Sebastien Ogier (Volskswagen Polo R WRC) terminou o dia apenas com quatro segundos de vantagem para Sordo. O azarado do dia foi Mads Ostberg (Ford Fiesta WRC) que foi obrigado a desistir, vítima de um “capotanço” quando liderava a prova. O piloto norueguês voltou, no dia seguinte, ao abrigo do Rally 2 e ainda conseguiu chegar ao 8º lugar final depois de ter escalado 48 posições na geral. No sábado, com mais seis especiais pela frente, pensou-se que a luta entre Ogier e Sordo ia ser intensa, mas problemas mecânicos a nível de transmissão no Citroën de Sordo logo na 1ª especial do dia deixaram Ogier sozinho na frente, secundado pelo seu colega de equipa Jari Matti Latvala a 34 segundos, enquanto Mikko Hirvonen em Citroën DS3 WRC ocupava a 3º posição a um minuto e quatro segundos. Para domingo estavam reservadas mais quatro especiais

Ogier venceu prova

com destaque para o troço de Almodôvar que tinha nada mais, nada menos do que 52 quilómetros, o que faz desta especial a segunda maior de todo o campeonato do mundo sendo apenas suplantada por uma especial do Rally do México com 54 quilómetros. Almodôvar tinha ainda a particularidade de ser a Power Stage que atribui pontos aos três melhores “cronos”. O dia começou mal para os homens da Volskswagen. Ogier, na especial de Silves, teve problemas de embraiagem e perdeu mais de 20 segundos. Mas se Ogier, fruto de pequenas repara-


18 Necrologia

Necrologia S. Martinho de Bougado Isabel Constância Guimarães de Sousa Faleceu no dia 11 de abril, com 83 anos. Viúva de Herculano Dias da Cunha. Maria Cândida Sousa Marques Faleceu no dia 11 de abril, com 96 anos. Viúva de Cândido de Alpolim Menezes.

www.onoticiasdatrofa.pt

Santiago de Bougado Fradelos Joaquim da Silva Pereira Faleceu no dia 12 de abril, com 76 anos. Deolinda Azevedo Araújo dos SanViúvo de Armandina da Silva Pereira. tos Faleceu no dia 9 de abril, com 76 anos. Viúva de Artur Azevedo Vila Verde. Funerais realizados por Agência Funerária Trofense, Lda. Gerência de João Silva

18 de abril de 2013

Santiago de Bougado Rosa Ferreira da Cunha Faleceu no dia 12 de abril, com 83 anos. Viúva de António Dias do Couto Padrão. Funerais realizados por Funerária Ribeirense, Paiva e Irmão, Lda.


Atualidade 19

www.onoticiasdatrofa.pt

18 de abril de 2013

Correio do Leitor Crónica do reino III Terras de Bougado, ano da graça de dois mil e treze. A soberana impôs o seu dinamismo, determinação e a sua força, contra tudo e todos fez valer a sua argumentação no tribunal de contas. Foi enfim firmado pelos escribas a reunificação dos parques e de um cercado à beira-rio. Luta renhida teve a nossa soberana, a devoção aos seus súbditos é enorme ao seu reino descomunal. Gerações vindouras prestar-lhe-ão vassalagem, nunca outros alcançaram tal feito. Por cá, no nosso pequeno burgo, os trovadores de cantigas de escárnio e maledicência praguejam agora excomunhões. Passaram de anónimos jograis a conhecidos bobos, continuam o jogo dos panfletos anónimos, é um passatempo de moços apalhaçados que o povo repudia. Cavaleiro e pajem uniram armas contra as conquistas da soberana, do cavaleiro pouco se sabe, apenas que já esteve naquela guerra, e de lá saiu sem honra e sem glória. O pajem; esse ficará para as sobras, dizem os filiados no mesmo brasão. Nas cortes do reino, em Lisboa, a coligação devota à cruzada da troika está desmembrada e já dá coices de moribundo. Precedentes crónicas já pressagiavam esse abismo, não vou repisar. Por graça de nosso Senhor, temos uma soberana de ferro, por obra do diabo temos uns ministros de pau. Deus abençoe a nossa soberana presidente de câmara. Joaquim Soares

Câmara Municipal da Trofa EDITAL Nº 29/2013 JOANA FERNANDA FERREIRA DE LIMA, Presidente da Câmara Municipal da Trofa: Torna público, nos termos e para os efeitos do n.º 3 do artigo 84.º da Lei n.º 169/ 99, de 18 de setembro, alterada pela Lei n.º 5-A/2002, de 11 de janeiro, conjugado com o n.º 5 do artigo 6.º do Regimento da Câmara Municipal, que, a Câmara Municipal da Trofa, em sua Reunião Ordinária Pública, realizada em 12 de abril de 2013, deliberou, nos termos do disposto no nº 1 do artigo 1º do Regimento da Câmara Municipal da Trofa, conjugado com a alínea a) do nº 1do artigo 64º da referida Lei nº 169/99, de 18 de setembro, com as alterações introduzidas pela Lei nº 5-A/2002, de 11 de junho, que a próxima Reunião Ordinária Pública do Órgão Executivo será realizada no dia 26 de abril de 2012, pelas 09:00 horas, nas instalações da Junta de Freguesia de Santiago de Bougado, sitas na Rua 16 de maio, daquela freguesia, deste concelho. Para constar e para os devidos efeitos legais, publica-se o presente edital e outros com igual teor, que vão ser afixados no átrio dos Paços do Município e demais lugares de estilo, no jornal “O Notícias da Trofa”, bem como no sítio da Internet – www.mun-trofa.pt. E eu, Filipa Guimarães da Costa, Chefe da Divisão Jurídica e Secretária das Reuniões de Câmara, o subscrevo.

Uma nova telenovela: “a narrativa socrática” Os canais televisivos exploram, até à exaustão, o filão das telenovelas, que com sotaque ou sem sotaque vão apresentando periodicamente histórias de ficção e enredos de fácil aceitação pelo público. A telenovela tem a característica de ser dividida em capítulos periódicos, em que o capítulo seguinte é a continuação do anterior e o sentido geral do enredo é previsto logo de início, mas o desenrolar e o epílogo não. Assim não é com a nova telenovela, com que a televisão pública brinda os portugueses todas as semanas, “a narrativa socrática”. José Sócrates, que acumula muitos epítetos mais ou menos “honrosos” e que se pode orgulhar de ser ex-muita coisa, como por exemplo: ex-jsd; ex-dirigente socialista; ex-primeiro ministro; ex-funcionário da Câmara Municipal da Guarda, afastado por desleixo; ex-acusado no processo “Freeport”; ex-acusado no processo “caso Cova da Beira” e na licenciatura “domingueira”; ex-estudante parisiense e agora comentador televisivo, aliás que já o foi num passado não muito longínquo e que serviu para o catapultar a secretário-geral do partido socialista. E agora para que vai servir? Obviamente para ser o candidato socialista às eleições presidenciais. Quando este “ator pexote”, estiver a debitar os seus “bitaites” na telenovela que passa na televisão pública todas as semanas e para se entender mais claramente a sua “narrativa socrática” é bom que os portugueses tenham sempre em mente a forma como ele (des)governou o país ao longo de seis anos e como deixou as finanças públicas. Estamos todos a pagar, e vamos continuar a pagar, por muito mais tempo, esse descalabro da sua má governação. As políticas socráticas expansionistas agressivas, que levaram à quase bancarrota do país, aconteceram porque os governantes socialistas acreditavam que a crise económica e financeira seria passageira e de “curta duração”. Viu-se e está a sentirse! Essas políticas levaram a níveis de défice públicos desmesuradamente elevados e a um crescimento muito rápido da dívida pública. As más decisões políticas dos governantes socialistas conduziram a uma situação insustentável, com uma deterioração completa na confiança e credibilidade dos mercados e dos nossos parceiros internacionais, que originaram a impossibilidade de nos financiarmos nos mercados de obrigações. Portugal foi um mau exemplo de como o excesso de despesa não leva a um crescimento sustentado e que o recurso a políticas orçamentais expansionistas, quando não se cria margem orçamental suficiente nos exercícios anteriores leva a situações de instabilidade muito graves. O excesso de despesa não esteve associado a um crescimento sustentado. Foi por tudo isto que o governo socialista teve de pedir ajuda internacional para evitar a bancarrota. E assim, cá entrou a “troika”. É bom não se esquecer, que foi o governo de José Sócrates que pediu para “eles” cá entrarem e começarem a “dar ordens”. Eu não esqueci! Eu não esqueço! moreira.da.silva@sapo.pt www.moreiradasilva.pt

Banda de Música da Trofa Assembleia Geral Ordinária Convocatória Nos termos do Art. 24º dos Estatutos da Associação, convoco os Associados para se reunirem em Assembleia Geral ordinária no dia 27 de abril de 2013 pelas 20:30 horas na Sede da Banda, sita na Rua Dr. António Cruz, nº 17 na cidade da Trofa, com a seguinte ordem de trabalhos: 1º – Leitura da Acta da última Assembleia Geral; 2º – Discussão e votação do Relatório e Contas da Direção relativo ao ano de 2012; 3º – Parecer do Conselho Fiscal sobre o Relatório e Contas apresentado; 4º – Trinta minutos para tratar de assuntos com interesse para a Associação; 5º - Eleição dos Corpos Gerentes para o biénio 2013 – 2015. Se à hora marcada não estiver presente na sala, o número mínimo de Associados previsto pelos Estatutos, a Assembleia funcionará uma hora depois com os presentes, nos termos do disposto no respetivo artigo.

Sede do Município, 12 de abril de 2013. A Presidente da Câmara Municipal Joana Lima

Trofa, 05 de abril de 2013 O Presidente da Mesa da Assembleia Geral Manuel da Silva Pontes


20 Reportagem

www.onoticiasdatrofa.pt

18 de abril de 2013

Bailarinas da Trofa com boa prestação na audição Trofenses Mariana Ribeiro e Mafalda Diogo realizaram a audição para a Northern Ballet School e foram distinguidas pelo seu desempenho. “Quase como por brincadeira” e pela “experiência”, Mariana Ribeiro e Mafalda Diogo, ambas residentes em S. Martinho de Bougado, decidiram fazer a audição de acesso a um curso de três anos, a começar em setembro de 2013, na Northern Ballet School, “uma prestigiada escola de ballet” no Reino Unido. Foi através de Márcia Ferreira, professora da Passos de Dança da Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado, que as alunas souberam da audição que ia decorrer no dia 26 de março, numa escola do Porto e que consistia numa “aula de ballet clássico”, com a duração de “uma hora”, e “ exercícios em pontas”, terminando com “um solo de jazz”, em que cada aluna tinha que apresentar aos membros do júri uma coreografia previamente preparada. Como “sempre soube” que queria “seguir dança”, Mariana Ribei-

ro, de 16 anos, decidiu fazer a audição, com o intuito de “experimentar e ver o que a escola exigia”, pois fazia parte dos seus planos “entrar” nesta escola “daqui a dois anos”. “Fomos mais descontraídas, fomos para experimentar basicamente”, frisou. Na entrevista individual, Mariana informou que “não se estava a candidatar para já, mas sim para daqui a dois anos”. Mas quando o júri afirmou que “muito provavelmente teria a oportunidade de ingressar na escola em setembro deste ano”, Mariana foi apanhada de surpresa. “Eu não estava a espera de entrar, muito menos ter as notas dos 20 melhores do mundo, foi algo completamente inesperado, mas foi muito bom mesmo”, salientou. A sua ida para o Reino Unido, está dependente do valor da bolsa de estudo. “Se for suportável” para os seus pais, Mariana ingressa na Northern Ballet School, em setembro. As expectativas para esta nova etapa estão “altas”, pois esta “escola tem um nível incrível”. Esta é uma oportunidade que “não pode desperdiçar” e, por

essa razão, decidiu “não terminar o curso de Línguas e Humanidades, na Escola Secundária da Trofa. “Desta vez, consegui a bolsa e ninguém me garante que, no próximo ano, consiga outra vez”, acrescentou. O facto de ir para um país com uma cultura, hábitos e língua diferentes não a “assusta”, sabendo que o seu futuro profissional passa pelo estrangeiro, porque, “infelizmente”, em “ballet não há grandes oportunidades em Portugal”. Mariana Ribeiro, que conta com o apoio da sua família, narrou que o gosto pelo ballet começou com “uma brincadeira”, quando entrou, com dez anos de idade, na escola Passos de Dança. Na altura iniciou-se na vertente de jazz, porque a turma de ballet “só tinha alunas mais novas” e, como era “mais velha”, sentiu-se “melhor integrada” na turma de jazz. “Três anos depois”, ao ver as coreografias da aula de ballet, a sua “curiosidade aumentou” e decidiu “experimentar”, de forma a “melhorar” a sua “prestação no jazz”, uma vez que o ballet é a “base de todas as técnicas”. Mafalda Diogo quer ingressar na escola no próximo ano Mafalda Diogo, também de 16 anos, decidiu participar para ter uma “perspetiva diferente sobre o ballet”. A sua audição “correu bem”, tendo-se “divertido”. “Gostei imenso da experiência, foi uma coisa diferente. Acho que todos estávamos mais preocupados em dançar, em divertimo-nos e a mostrarmos aquilo que somos enquanto bailarinos, e não

pub

Alunas brilharam numa audição de acesso à Northern Ballet School

apenas demonstrar passos e técnica”, descreveu. Por parte do júri, a jovem bailarina teve uma nota positiva: “Disseram-me que tinham gostado, que tinha bom físico, que tinha muito potencial e à vontade, bem como uma parte artística boa”. Apesar das notas positivas, Mafalda Diogo decidiu, juntamente com os pais, terminar o curso de Línguas e Humanidade, que está a frequentar na Escola Secundária da Trofa, e, para o ano, vai “repetir a audição”. “Desde pequenina”, que a jovem dizia que “queria fazer ballet”, mas como na Trofa “não tinha nada” foi adiando o sonho de “ser bailarina”, até que, aos 11 anos, descobriu a Passos de Dança, onde experimentou ballet clássico e depois começou a aprender jazz. Do currículo destas jovens destaca-se a segunda participação no International Dance Theatre Awards, em Manchester, em fevereiro de 2013, nas modalidades de ballet clássico e dança jazz. Mariana foi uma das seis bailarinas de ballet clássico que, entre 70 participantes, recebeu a distin-

ção “Special Commendation”. Já em 2012, Mariana Ribeiro e Mafalda Diogo foram as únicas representantes portuguesas, dos 300 bailarinos em competição, que apenas recebe bailarinos convidados da International Dance Teachers Association (IDTA). Antes desta prova, as alunas participaram numa no Porto, de onde trouxeram “dois terceiros lugares e um segundo”. Paralelamente, as jovens bailarinas estão a fazer um “curso de professora de ballet” na Passos de Dança, onde dão aulas de ballet clássico às crianças, com idades entre os três e os oito anos. Para a professora Márcia Ferreira, a segunda nomeação para o IDTA, bem como as notas positivas na audição para a Northern Ballet School é “um feito muito importante”, principalmente, porque “nunca nenhuma portuguesa” esteve na competição do IDTA. “São miúdas muito empenhadas, muito trabalhadoras, muito dadas à dança e ao seu sonho. São a prova viva de que vale a pena sonhar e que quando se trabalha, 90 por cento das vezes atinge-se o sonho”, concluiu. P.P.


Edição 419