Page 1

19 de julho de 2012 N.º 382 ano 10 | 0,50 euros | Semanário

Diretor Hermano Martins

PUB

Desporto pág. 14

Trofense foi inscrito

Atualidade pág. 8

Tourada causa polémica Bombeiros pág. 8

Atualidade pág. 10

Incêndio destruiu camião

Santiago põe Juventude em Festa


2 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

19 de julho de 2012

Seniores trofenses vão à praia Patrícia Pereira patricia@onoticiasdatrofa.pt

Já arrancou a segunda quinzena das Colónias Balneares para seniores. Estes dias de praia serão repletos de atividades. O mês de julho é sinónimo das Colónias Balneares Seniores, promovidas pela Câmara Municipal da Trofa. Finda a primeira quinzena, começou esta segunda-feira, dia 16 de julho, mais uma quinzena dedicada aos seniores trofenses. Desta forma a praia Leixão, na Póvoa de Varzim, vai acolher todos os seniores que, nos próximos dias, vão poder participar em diversas atividade na praia, tais

como caminhadas e ginástica de manutenção. Para uma manhã de convívio com os seniores trofenses participantes nas colónias, Joana Lima, presidente da Câmara Municipal da Trofa, e o vereador da Ação Social Magalhães Moreira deslocam-se na segunda-feira, dia 23, à praia do Leixão. As colónias balneares terminam no dia 28 de julho, que, este ano, coincide com o dia de encerramento do ano letivo da Academia Municipal da Trofa – Aquaplace. Por essa razão, esperase um mega convívio, entre todos os seniores participantes, onde a festa vai decorrer com muita animação, música e divertimento entre todos os participantes.

participantes e a entrega das respetivas lembranças. De seguida, tem início o festival que, além do grupo da casa, conta com a atuação do Rancho Folclórico de S. Pedro de Rates, da Póvoa de Varzim, Grupo Folclórico da Casa do Povo de Santa Cruz do Bispo, de Matosinhos, Grupo Regional Folclórico e Agrícola de Pevidém, de Guimarães, e o Rancho Folclórico e Etnográfico de Ponte da Barca. P.P.

S. Martinho discute reorganização administrativa A Assembleia de Freguesia de S. Martinho de Bougado vai promover, no próximo dia 27 de julho, sexta-feira, uma sessão extraordinária com um único ponto no período na ordem do dia: a discussão da reorganização ad-

Joana Lima visita seniores na praia

Festas de Nossa Senhora das Dores

Rancho Etnográfico promove Festival Etno-Folclórico O Rancho Etnográfico de Santiago de Bougado está a promover o seu sétimo Festival EtnoFolclórico, contando com o apoio da Fundação Inatel. Como vem sendo habitual, o adro da Capela de Nossa Senhora da Livração, em Lantemil, foi o local escolhido para acolher este espetáculo, que se realiza no dia 21 de julho. O programa, com início marcado para as 21.30 horas, começa com a entrada dos grupos

ministrativa territorial autárquica. A sessão, com início marcado para as 21.30 horas no salão nobre da Junta, conta ainda com o período de intervenção do público. P.P.

Os Deolinda são cabeça de cartaz das festas Com o mês de agosto à porta, o parque Nossa Senhora das Dores transforma-se num local de concertos e muita animação noturna, a cargo da Comissão de Festas, que pretende, desta forma, atrair milhares de pessoas para as festas em honra de Nossa Senhora das Dores. O programa de festas já foi divulgado, e conta com atuações de vários artistas conhecidos, como o Zé Amaro, Augusto Canário e amigos, e artistas locais, como o Lírio Roxo, Sons e Cantares do Ave, A Rapaziada e o

Ficha Técnica Fundadora: Magda Araújo Diretor: Hermano Martins (T.E.774) Sub-diretora: Cátia Veloso (T.P. 1639) Editor: O Notícias da Trofa, Publicações Periódicas Lda. Publicidade: Maria dos Anjos Azevedo Redação: Patrícia Pereira (T.P. 1637), Cátia Veloso Setor desportivo: Diana Azevedo, Marco Monteiro (C.O. 744), Miguel Mascarenhas (C.O. 741) Colaboradores: Atanagildo Lobo, Jaime Toga, José Moreira da Silva (C.O. 864),

Agenda

Tiago Vasconcelos, Valdemar Silva Fotografia: A.Costa, Miguel Trofa Pereira (C.O. 865) Composição: Magda Araújo, Cátia Veloso, Ana Assunção (T.P.E 155) Impressão: Gráfica do Diário do Minho, Lda, Assinatura anual: Continente: 20 euros; Extra europa: 59,30 euros; Europa: 42,40 euros; Assinatura em formato digital PDF: 15 euros NIB: 0007 0605 0039952000684 Avulso: 0,50 Euros

E-mail: jornal@onoticiasdatrofa.pt Sede e Redação: Rua das Aldeias de Cima, 280 r/c - 4785 - 699 Trofa Telf. e Fax: 252 414 714 Propriedade: O Notícias da Trofa Publicações Periódicas, Lda. NIF.: 506 529 002 Registo ICS: 124105 Nº Exemplares: 5000 Depósito legal: 324719/11 Detentores de 50 % do capital ou mais: Magda Araújo

Dia 20 Juventude em Festa, em Bairros 22 horas: Eliminatória do Concurso de Bandas de Garagem, no Parque Nª Srª das Dores Dia 21 17 horas: Juventude em Festa, em Bairros 21.30 horas: Festival do Rancho Etnográfico de Santiago de Bougado, no adro da Capela de Nossa Senhora da Livração 22 horas: Eliminatória do Concurso de Bandas de Garagem, no Parque Nª Srª das Dores 22.45 horas: Desfile de Moda na Juventude em Festa em Bairros Dia 22 22 horas: Eliminatória do Concurso de Bandas de Garagem, no Parque Nª Srª das Dores Dia 23 22 horas: Eliminatória do Concurso de Bandas de Garagem, no Parque Nª Srª das Dores Dia 24 22 horas: Eliminatória do Festival da Canção, no Parque Nª Srª das Dores Dia 25 22 horas: Eliminatória do Festival da Canção, no Parque Nª Srª das Dores Dia 26 22 horas: Eliminatória do Festival da Canção, no Parque Nª Srª das Dores Farmácias de Serviço

Conjunto Típico do Val. Mas o “grande espetáculo musical” estará a cargo do grupo “os Deolinda”, que vai atuar na sexta-feira, dia 17, pelas 22 horas. Este é um grupo de música popular portuguesa, inspirado pelo fado e suas origens tradicionais, que surgiu, em 2006, pelos irmãos Pedro da Silva Martins e Luís José Martins (ex-Bicho de 7 Cabeças), que convidaram a sua prima Ana Bacalhau e, mais tarde, José Pedro Leitão. P.P.

Dia 19 Farmácia Barreto Dia 20 Farmácia Nova Dia 21 Farmácia Moreira Padrão Dia 22 Farmácia Trofense Dia 23 Farmácia Sanches Dia 24 Farmácia Barreto Dia 25 Farmácia Nova Dia 26 Farmácia Moreira Padrão

Nota de redação

Telefones úteis

Os artigos publicados nesta edição do jornal “O Notícias da Trofa” são da inteira responsabilidade dos seus subscritores e não veiculam obrigatoriamente a opinião da direção. O Notícias da Trofa respeita a opinião dos seus leitores e não pretende de modo algum ferir suscetibilidades. Todos os textos e anúncios publicados neste jornal estão escritos ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

Bombeiros Voluntários da Trofa 252 400 700 GNR da Trofa 252 499 180 Polícia Municipal da Trofa 252 428 109/10


Atualidade 3

www.onoticiasdatrofa.pt

19 de julho de 2012

“À partida, ExpoTrofa continua” na zona da estação Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

Câmara Municipal e Comissão de Festas de Nossa Senhora das Dores fizeram um balanço positivo do certame. Joana Lima abriu porta à possibilidade de ExpoTrofa continuar a ser realizada na zona da estação da CP. “Hoje (domingo) não ouvi nenhuma voz crítica em relação ao espaço. Com certeza se calaram”. Esta era a convicção de Joana Lima, presidente da Câmara Municipal da Trofa, perto do final de mais uma edição da ExpoTrofa. Este ano, o certame ficou marcado por algumas novidades, a maior foi a localização, que foi alvo de críticas e até houve juntas de freguesia que não se fizeram representar como forma de protesto. No entanto, na hora de fazer o balanço, Joana Lima garante que ofeedback dos participantes e visitantes foi que “a aposta foi ganha”. “As pessoas estão muito contentes, é um espaço amplo, aberto e limpo, que dá uma dimensão de feira internacional. Tenho a certeza

A animação do último dia esteve a cargo de vários grupos multiculturais

que daqui para a frente será outra etapa com a ExpoTrofa sempre a crescer. Isto vem demonstrar a nossa dinâmica, o nosso associativismo, mundo empresarial, que precisam de um empurrão e foi o caso com a mudança de local”, afirmou. A edil trofense garantiu que “se tivesse que decidir hoje” onde iria ser a próxima edição da ExpoTrofa, voltava a escolher a zona da estação da CP. “O futuro a Deus pertence e amanhã logo se

vê, mas à partida vai continuar neste espaço”, adiantou. A “obrigação” de “criar uma dinâmica empresarial e associativa” faz com que o executivo camarário continue a defender a realização deste certame. Joana Lima também quis felicitar “todas as freguesias” por terem participado na ExpoTrofa, com ou sem representantes. “Houve alguns presidentes de junta que não quiseram participar, mas a animação esteve a cargo das popula-

ções de cada freguesia”, sublinhou. Este evento é fruto de uma organização conjunta entre a autarquia e a Comissão de Festas em honra de Nossa Senhora das Dores. O presidente desta, José Sá, fez um balanço “positivo” da ExpoTrofa, pois “ultrapassou as expectativas previstas”. Para José Sá, também a nova localização “contribuiu” para o “êxito”: “Foi muito participado tanto a nível de expositores, como

nas tasquinhas, stands e associações. A população acorreu a este recinto, inclusivamente, até os velhos do Restelo vieram a esta Expo 2012”, frisou. Finda esta iniciativa, as energias canalizam-se para preparar as festas de Nossa Senhora das Dores. O presidente da Comissão de Festas afirmou que a população “pode esperar uma festa como uma das melhores organizações”. “Estamos a primar para que se realizem festas ao nível de antigamente, quando se apelidava como grandiosas festas, muito embora surgisse algum receio devido à crise que se vive atualmente, mas a população tem aderido nas atividades, o que permite antever que vai ser uma romaria que vai dignificar a Trofa”, asseverou. A tarde do último dia de certame esteve a cargo de vários grupos multiculturais, fazendo jus ao novo epíteto “Feira dos Povos”, com a atuação de danças de música tradicionais guineenses, dança do ventre, entre outras. À noite, foi o Grupo Sons e Cantares do Ave que deram música aos visitantes.


4 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

19 de julho de 2012

Dia do Muro foi dos mais concorridos Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

Milhares de pessoas acorreram ao recinto da ExpoTrofa para ver a animação programada pela Junta de Freguesia do Muro. O penúltimo dia de ExpoTrofa foi um dos mais concorridos. Milhares de pessoas encheram o recinto, no sábado à noite, para ver a animação programada pela Junta de Freguesia do Muro, que se associou ao certame e levou a “prata da casa”, que além de música, dada pela banda de garagem Hipnotic Wall, arrancou

várias gargalhadas ao público com a peça de teatro que fez uma sátira a um programa de televisão, mas na versão “A Tua Cara é Tão Estranha”. Carlos Martins, presidente da Junta de Freguesia, participou nesta atuação do grupo de jovens Juventude Sem Fronteiras e fez parte do “júri” que avaliou “a participação”, ou melhor, a imitação de várias caras conhecidas da praça portuguesa como José Raposo, Maria João Abreu, Cristiano Ronaldo, Paulo Portas e Cavaco Silva. O autarca murense afirmou ao NT e à TrofaTv que a Junta de Freguesia “faz questão de, todos os anos, levar as forças vivas”,

Animação de sábado agradou aos visitantes

Penúltimo dia da ExpoTrofa foi um dos mais concorridos

da Associação Recreativa Juventude do Muro, Muro d’Abrigo e grupo de jovens para “tentar preencher os espaços e o horário da animação”. “Independentemente de o tempo não estar muito quente, é final de semana, a iniciativa está num novo local e teve muita adesão, porque as pessoas gostam deste certame. O Muro faz parte do concelho e a finalidade deste evento é divulgar o que o nosso concelho tem, desde a parte económica à indústria e gastronomia, sem esquecer as associações. É importante divulgar o que melhor tem o nosso concelho”, afirmou Carlos Martins. Relativamente ao novo espaço da ExpoTrofa, o presidente da Junta considerou “bastante positivo”. “É evidente que aqui tem aspetos muito bons, mas onde estava (Parque Nossa Senhora das Dores) também tinha as suas potencialidades. Aqui, a mobilidade para pessoas idosas,

crianças, deficientes é muito mais fácil. A nível logístico, mesmo para os próprios stands consegue-se fazer um layot apropriado, assim como ao nível da segurança. Agora, há um problema a surgir que é esta centralidade o que se fazer à centralidade que sempre foi conhecida pela Senhora das Dores e Catulo. Neste caso, disseram que isto ia ser provisório por causa das obras do Parque. Não sei se depois

desta experiência, vão entender continuar aqui ou não. Vamos ver”, afirmou Carlos Martins. A animação do dia dedicado à freguesia do Muro contou com a participação do grupo de Karaté da Associação Recreativa Juventude do Muro, que também levou o grupo de aeróbica. A Muro d’Abrigo também levou os seus utentes, que fizeram relembrar outros tempos, com cantigas tradicionais.

A tua cara é tão estranha arrancou várias gargalhadas

A Rapaziada e Marchas da Maganha animaram noite de Santiago Marchas da Maganha e grupo musical A Rapaziada animaram o dia de quarta-feira na ExpoTrofa. A animação da quinta noite da ExpoTrofa, quarta-feira, dia 11 de julho, esteve reservada às gentes de Santiago de Bougado que, este ano, não estiveram representadas pela Junta de Freguesia. Num dia em que a Câmara Municipal da Trofa prestou uma

homenagem a Rui Pedro Silva, atleta bougadense que vai participar nos Jogos Olímpicos em Londres, a animação de quartafeira esteve a cargo dos grupos das terras de Bougado. O primeiro a subir ao palco foi A Rapaziada, que presenteou os visitantes com a tradicional música portuguesa. A animação deste dia fechou em beleza, com a atuação dos três grupos das Marchas de S. Pedro da Maganha. P.P.

Grupo musical A Rapaziada presenteou visitantes com música tradicional portuguesa


19 de julho de 2012

Atualidade 5

www.onoticiasdatrofa.pt

Guidões animou 6º dia da ExpoTrofa Patrícia pereira patricia@onoticiasdatrofa.pt

O 6º dia da Expotrofa esteve reservado à freguesia de Guidões. A animação esteve a cargo da “prata da casa”.

S. Mamede inovou com tributo a Michael Jackson e um Rancho renascido Cátia Veloso catia@onoticiadatrofa.pt

S. Mamede do Coronado animou o dia de sexta-feira na ExpoTrofa. Animação esteve a cargo de um jovem da freguesia e do Rancho do Divino Espírito Santo, que se estrearam no certame. O dia de sexta-feira acordou chuvoso e foi motivo de receio para quem protagonizava o sétimo dia de ExpoTrofa. No entanto, para o final do dia, S. Pedro lá deu uma ajudinha e afastou as nuvens negras para que os visitantes pudessem passear pelo recinto do certame. O programa de animação do dia dedicado a S. Mamede do Coronado começou com uma demonstração da Bodytone, nas modalidades de cicle e zumba fitness que contaram com a participação dos alunos do centro de treinos e atraíram a atenção de vários curiosos. À noite, enquanto uns passavam pelo stand d’O Notícias da Trofa para se manterem informados, outros assistiram à atuação de Júnior Jackson, que levou as

Michael Jackson foi homenageado

coreografias celebrizadas pelo cantor norte-americano Michael Jackson. O bailarino foi uma das escolhas do executivo da Junta de Freguesia, que estava “satisfeito” com a afluência da população mamedende ao certame. “Uns vêm porque gostam do Júnior Jackson e outros vieram porque gostam do Rancho e seguem-no para onde ele vai e isso é extraordinário e movimenta a nossa freguesia. O tempo assustou um bocadinho, já parece tradição, porque o ano passado foi igual, mas compôs-se no fim do dia e estou satisfeito com o público que aqui está”, afirmou o presidente José Ferreira. O autarca defende a realização de eventos como a ExpoTrofa, até porque é o mentor do S. Mamede Convida, um certame similar que teve a primeira edição em 2011. “São sempre boas iniciativas de promoção das freguesias, coletividades, empresas, aquilo que de bom tem o nosso concelho. Sou da opinião que deve continuar e melhorar cada vez mais”, acrescentou. E quanto à localização da ExpoTrofa, que tem dado muito que falar, o autarca de S. Mamede defende que um evento como este devia “percorrer todo o concelho, uma vez que envolve todas as juntas”. “Reconheço que nem todas as freguesias têm capacidade para albergar um evento desta natureza, por outro lado, se houvesse um esforço nesse sentido criar-se-iam todas as condições para que se pudesse realizar um evento destes em cada uma delas. De qualquer das formas, independentemente da localização, que não me causa nenhuma angústia, tenho sempre muito gosto em participar e representar a freguesia de S. Mamede do Coronado”, frisou. Depois do tributo a Mickael Jackson, foi a vez do Rancho do Divino Espírito Santo estrear-se na ExpoTrofa. Este grupo esteve desativado durante cerca de duas décadas e nunca teve oportunidade de participar neste certame.

Na noite dedicada à freguesia de Guidões, 12 de julho, a animação esteve a cargo da “prata da casa”. Além da presença habitual de Elsa Carneiro, que abrilhantou o início da noite com músicas bem conhecidas, este ano a freguesia contou com uma novidade na sua programação, a atuação do grupo Guidoesdance. O stand dedicado às juntas de freguesia, estava “ornamentado com carinho”, onde é dada visibilidade a Guidões durante a sua passagem pela ExpoTrofa. Quem o visitou pôde encontrar o brasão da freguesia em tela de arraiolos acom-

panhado por um poema, feitos por Isaura Maia, e a réplica da Igreja de Guidões, feita, através de “pequenas coisas recicladas”, pelo artesão Vasco Silva. Recordese que a tela de arraiolos foi oferecida à Junta de Freguesia durante a atuação da Marcha da Póvoa nas festas de S. João, que decorreram na noite de 23 de junho. Bernardino Maia, presidente da Junta de Freguesia, afirmou que Guidões continua a apostar na “prata da casa”, mas com algo “sempre diferente”, onde se nota uma “grande união” dos guidoenses em trabalhar em prol da freguesia. Também a nova localização do certame foi alvo de elogios por parte do autarca, que considera este novo espaço (zona envolvente à estação CP) “lindíssimo”, onde há “melhores condições, higiene e mais espaço”. O facto de ser um local onde as “acessibilidades são melhores” é mais um ponto forte.

Guidoesdance foi a novidade da freguesia de Guidões


6 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

19 de julho de 2012

Maioria dos imigrantes da Trofa dependem do trabalho para sobreviver Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

Uma das conclusões de um estudo de diagnóstico da população imigrante no concelho da Trofa é que a maioria dos indivíduos estrangeiros depende do trabalho, e não de subsídios e apoios sociais, para subsistir. Quantos imigrantes existem no concelho? Qual a nacionalidade mais representativa? Qual o principal meio de vida? Que nível de escolaridade apresentam? Estas e muitas outras questões têm agora resposta no livro apresentado pela Câmara Municipal da Trofa em colaboração com o Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural (ACIDI) e foi elaborado por uma equipa da universidade do Minho, orientada pelo professor Manuel Carlos Silva. Perante um público de várias nacionalidades, e tendo como palco a Feira dos Povos, na ExpoTrofa, o vice-presidente da autarquia e vereador da Ação Social apresentou o “Diagnóstico da População Imigrante no Concelho da Trofa” que nasceu da “vontade de conhecer melhor a comunidade imigrante estabelecida no concelho”. Os últimos resultados, datados de 2009, apontam que a Trofa tinha 694 imigrantes registados e destes 462 procuraram os serviços do Centro Local de Apoio à Integração de Imigrantes desde a sua fundação, novembro de 2007. O estudo, que incidiu na aplicação de inquéritos a 185 imigrantes no concelho e recolha de

informação sobre 477 indivíduos, concluiu que a maioria dos imigrantes são oriundos da Ucrânia (49,2 por cento), do Brasil (18,4 por cento), do Paquistão (12,4 por cento) e da Rússia (8,1 por cento), verificando-se ainda outras nacionalidades menos expressivas como Moldávia (3,8 por cento), enquanto os restantes oito por cento estão distribuídos por indivíduos de Angola, Cazaquistão, China, Índia, Nepal, outros países africanos, Colômbia, Cuba, Venezuela e Canadá. Os imigrantes que estão instalados na Trofa são, essencialmente, “adultos jovens em plena capacidade de trabalho”, com 50 por cento dos inquiridos a pertencer à faixa etária até aos 37 anos, enquanto 75 por cento não ultrapassa os 43 anos de idade. Relativamente à habitação, 21,2 por cento dos imigrantes residentes na Trofa dividem o alojamento com outros indivíduos e quanto aos casamentos celebrados entre indivíduos de nacionalidade portuguesa e estrangeira não ultrapassam os 6,4 por cento dos registados no concelho. Um dos “mitos” que o estudo ajuda a quebrar tem a ver com o principal meio de vida dos imigrantes. A maioria dos inquiridos, bem como os membros que constituem os agregados destes, com igual ou superior a 16 anos (54 por cento), vivem do trabalho para subsistir e não do Rendimento Social de Inserção ou outro apoio social. O estudo aponta ainda que “os imigrantes desempenham profissões pouco qualificadas” e, salvo uma ou outra exceção de quadros superiores ou empresá-

Diagnóstico da população imigrante no concelho da Trofa apresentado na Feira dos Povos

rios, a esmagadora maioria trabalha como operário (21,5 por cento) ou possui trabalho não qualificado (37,4 por cento). Em 2009, o imigrante médio sem contrato de trabalho era ucraniano (38 por cento), com idade compreendida entre os 35 e 39 anos de idade (25 por cento) e habilitações ao nível do secundário (38 por cento). No entanto, os investigadores alertam que “entre os que obtiveram trabalho, a sua atividade profissional real situa-se abaixo das suas habilitações ou qualificações, o que por vezes provoca um sentimento de injustiça e mesmo de discriminação”. Já para os que estão no desemprego, “as situações de vulnerabilidade social vêm ao de cima, por vezes de forma dramática” como “a pobreza e privação; as situações de saúde, as dificuldades de acesso à educação, entre outras”. Por isso, os investigadores apelam à autarquia que “tome nota destes problemas e

encontre formas de proporcionar condições aos cidadãos”. De acordo com o documento, é notório que o ano em que entraram um maior número de imigrantes foi 2001. Os valores foram decrescendo até meados de 2006, para voltar a ter tendência ascendente até 2009. Uma das conclusões do estudo é que “a imigração tem contribuído para o rejuvenescimento da população do município e, em parte, para o crescimento efetivo da população”. Na apresentação do estudo, Magalhães Moreira, vereador do pelouro da Ação Social, afirmou que o executivo camarário “considera que a imigração deve ser vista como uma oportunidade de desenvolvimento”, pelo que é importante potenciar a integração harmoniosa e sustentável” dos imigrantes. “Queremos continuar a criar as condições necessárias para que as migrações contribuam efetivamente para o desenvolvimento económico e social garantindo um acolhimento dos imigrantes sem descriminações, em igualdades de direitos e de dever”, acrescentou. O autarca acrescentou ainda que “a verdade é que a população imigrante obtém no nosso concelho o seu sustento mas em simultâneo contribui para o desenvolvimento da nossa economia e da nossa região”. O estudo foi realizado entre dezembro de 2009 e maio de 2010, através do Centro de Investigação em Ciências Sociais da Universidade do Minho, com a aplicação de inquéritos por questionário, entrevistas semi-estruturadas, para recolher resultados qualitativos sobre as comunidades imigrantes, e focus group,

que “permitiram a análise de questões referentes às relações sociais intra e interétnicas”. Manuel Carlos Silva, que lidera o Centro de Investigação, agradeceu à autarquia por realizar este estudo, sublinhando que “mesmo não sendo assunto que lhes possam render votos em termos imediatos, é importante que tenham visto e entendido que este é um problema que afeta a sociedade portuguesa e que há de ter essa abertura para conviver, conhecer e intervir da melhor maneira para que seja mais eficaz a intervenção a nível político, social e educativo”.

Números

694 eram os imigrantes registados com residência no concelho da Trofa, em 2009 462 imigrantes solicitaram os serviços do CLAII da Trofa, desde novembro de 2007 49 por cento dos imigrantes são oriundos da Ucrânia 18 por cento dos imigrantes são oriundos do Brasil 12 por cento dos imigrantes são oriundos do Paquistão 75 por cento dos inquiridos não ultrapassam os 43 anos de idade 6 por cento é a percentagem de casamentos celebrados no concelho entre indivíduos de nacionalidade portuguesa e estrangeira 58 por cento dos inquiridos vivem do trabalho para subsistir 58,9 por cento é a percentagem de imigrantes inquiridos que trabalham como operário ou trabalhador não qualificado 21,2 por cento dos imigrantes inquiridos dividem alojamentos com outros indivíduos


Atualidade 7

www.onoticiasdatrofa.pt

19 de julho de 2012

Bandas de Garagem e Festival da Canção

Animação noturna regressa ao Parque Nossa Senhora das Dores Patrícia Pereira patricia@onoticiasdatrofa.pt

Arquivo

Animação do parque Nossa Senhora das Dores está garantida através do Concurso de Bandas de Garagem e do Festival da Canção, que decorrem entre os dias 20 e 29 de julho. A ExpoTrofa já terminou, mas o trabalho da Comissão de Festas de Nossa Senhora das Dores ainda está a começar. Com o intuito de demonstrar e dar a conhecer o talento da comunidade trofense, a Comissão de festas em Honra de Nossa Senhora das Dores, este ano a cargo de Finzes, Padrão, Castêlo e Bairro da Capela, decidiram continuar com o concurso de Bandas de Garagem e o Festival da Canção. Por essa razão, esta sexta-feira, o parque Nossa Senhora das Dores será invadido por artistas trofenses, que vão participar na segunda edição do Concurso de Bandas de Garagem. Mais de seis bandas vão

Eliminatórias decorrem no parque Nossa Senhora das Dores

participar nas três eliminatórias, que vão decorrer entre os dias 20 e 23 de julho, sexta e segunda-feira, onde vão tentar impressionar os júris com os seus dotes musicais, para conseguirem um lugar na finalíssima, que se realiza no dia 27 de julho. Também o Festival da Canção, que já vai na terceira edição, conta com quatro dias no programa, em vez de nove dos anos anteriores. Nas eliminatórias, que decorrem de 24 a 26 de julho, cerca de 15 jovens vão mostrar o seu valor, para se apu-

rarem para a finalíssima, no dia 29 de julho. Estas iniciativas estão previstas começar pelas 22 horas, no Parque Nossa Senhora das Dores. Apesar de “alguns problemas” que tenham existido inicialmente, a Comissão de Festas está “muito agradada e grata” pelos participantes nestes concursos. Para que houvesse uma grande participação por parte da comunidade trofense, a Comissão de Festas colocou, atempada-

mente, cartazes e pediram o apoio das juntas de freguesia, para que as pessoas fossem motivadas “a envolverem-se nesta importante ação de motivação”. Apesar de ter recebido “umfeedback positivo”, “inexplicavelmente alguns resolvem estar à parte daquilo que é envolvência concelhia”. António Costa, responsável pelos concursos, não entende qual poderá ser a razão para estas ausências, considerando “uma perda de oportunidade” para os jovens das freguesias não participativas. “Há muito

pouca coisa que é promovida a nível concelhio em termos culturais e locais. O Festival da Canção e as Bandas de Garagem são uma promoção local, pelo que não é entendível as pessoas arredaram-se das suas responsabilidades perante aquilo que é a juventude deste concelho”, justificou, frisando que a Comissão está empenhada em ultrapassar as dificuldades que têm surgindo. Contrariamente ao que aconteceu nas duas edições, este ano o Festival da Canção vai decorrer em apenas quatro dias, havendo para isso uma “junção das freguesias”, para que o espetáculo “possa ser adequado”. Contundo, esta decisão não tem recebido um “ feedback positivo” por parte de algumas juntas. No final da entrevista, o responsável salientou a “forma proativa” dos jovens, que têm estado envolvidos em várias atividades da festa, desde a dinamização do site, página do Facebook e animações que têm acontecido, nos últimos meses, no bar da Capela.

EB 2/3 de S. Romão distingue melhores alunos A explicação para o sucesso parece simples: “Esforço-me”, dizia, enquanto complementava Escola Básica 2/3 de S. que “era como os outros alunos”, Romão do Coronado distinpois estuda “antes dos testes”. guiu os melhores alunos do O acréscimo é o estudo “duranúltimo ano letivo, numa inici- te as férias para relembrar matéativa que contou com o apoio rias para o próximo ano”. da Savinor. Como disciplinas favoritas, Diogo elege a Educação Visual Diogo Sousa é um exemplo e Tecnológica e a Música. Assua seguir. A estudar na EB 2/3 de me-se, portanto, como “um hoS. Romão do Coronado, termi- mem das artes” que ainda não nou o 5º ano com a nota máxi- decidiu o que quer ser quando ma a quase todas as disciplinas. crescer mas das duas, uma: “Ou Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

Savinor apoiou a iniciativa

artista plástico ou professor de arte”. Este aspirante a artista foi um dos alunos que receberam prémios de mérito escolar pelos resultados obtidos no ano letivo. José Magalhães, diretor da EB 2/3 de S. Romão do Coronado, afirmou que se trata do “reconhecimento do trabalho que fizeram durante o ano escolar”. “São alunos excecionais, já dotados de capacidades que potenciaram

com trabalho e empenho”, acrescentou. O diretor da escola está “satisfeito” com “bons” resultados da escola, que colocam escola “acima da média nacional”. No momento de classificar a escola, Diogo Sousa é perentório: “É boa. Tem boas iniciativas, o espaço é bom e os professores acompanham os alunos”. A iniciativa é promovida pelo segundo ano consecutivo, com

o apoio da Savinor, que “faz todo o sentido dar continuidade”, afirmou o administrador da empresa, João Pedro Azevedo, que admitiu que “já estão programadas uma série de iniciativas” num plano “que será reforçado para o próximo ano letivo”. Depois da entrega dos diplomas, os alunos reuniram-se para a foto de família que vai ganhar lugar de destaque no álbum de recordações da escola.


8 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

19 de julho de 2012

Camião destruído pelas chamas Patrícia Pereira Hermano Martins

Um camião de transporte de viaturas, estacionado no interior de uma empresa de peças de automóveis, situada na Maganha, em Santiago de Bougado, ficou destruído pelas chamas. A origem do incêndio está a ser averiguada pelas autoridades. Um incêndio numa viatura, numa empresa de peças de automóveis, situada na Maganha, em Santiago de Bougado, deixou os vizinhos em alerta. Tudo terá acontecido durante a madrugada de quarta-feira, cerca das 4 horas, quando as chamas deflagraram, destruindo um camião de transporte de viaturas. Segundo testemunhos de vizinhos, antes de terem ouvido alguns estrondos, que se julgam serem dos vidros a que-

mentos dos Bombeiros Voluntários da Trofa, que conseguiram extinguir o fogo. O camião e peças de automóveis, que se encontravam na zona envolvente, foram destruídos pelas chamas. Segundo Pedro Dias, responsável pela empresa, a viatura encontrava-se em perfeito estado de circulação, no entanto esteve parada durante o dia de terça-feira. Por essa razão, pode excluir-se que a causa do incêndio tenha sido o sobreaquecimento do camião. O responsável não tem “nenhuma suspeita” do que terá acontecido, não se tendo apercebido de nada anormal que tenha ocorrido nestes últimos dias. Apesar de achar “prematuro” avaliar os valores do prejuízo, Pedro Dias adiantou que só o valor do camião andará “na ordem dos 20 a 30 mil euros”. Camião foi destruído pelas chamas O caso está entregue às autoridades, brar, terão, alegadamente, ouvido um carro Para o local dirigiram-se quatro viatu- que estão a averiguar todos os indícios a arrancar. ras de combate a incêndios com 13 ele- recolhidos.

Tourada na Trofa envolta em polémica Cátia Veloso Hermano Martins

A realização de uma tourada na Trofa, a 29 de julho, está a levantar um movimento contestatário. Comissão de Festas de Nossa Senhora das Dores, parceira na realização do espetáculo, espera angariar oito mil euros para reverter para a romaria. A poeira levantou e promete não assentar tão cedo. Mal começaram a circular os primeiros rumores da realização de uma tourada na Trofa, um movimento de contestação surgiu, multiplicando mensagens de oposição tanto em redes sociais como nos correios eletrónicos. A tourada está agendada para 29 de julho, frente à EB 2/3 Professor Napoleão Sousa Marques, e é organizada pela empresa Touros é Cultura, em parceria com a Comissão de Festas em honra de Nossa Senhora das Dores. O presidente desta, José Sá, explicou que a ideia de organizar este espetáculo surgiu “naturalmente como qualquer outro evento de animação”, considerando que este será “memorável” e dará “uma oportunidade às gentes da Trofa ver ao vivo uma corrida de touros”. A comissão de festas espera angariar cerca de “oito mil euros”, que reverterão para a realização das festas. Porém, não será a maior receita, mas sim “o sorteio de uma moto4 e a exploração do bar da capela”. No entanto, a realização da corrida de touros está longe de ser pacífica, uma vez que já se levantou um grupo contestatário que vai mobilizar-se no sentido de “mostrar a sua indignação contra as touradas”, adiantou Sílvia Coutinho, ex-presidente da

AUAUA, ex-associação concelhia de proteção dos animais. “Vamos chamar os órgãos de comunicação social para fazerem reportagem deste triste acontecimento”, adiantou, sublinhando que a Trofa “não tem tradição neste tipo de eventos”. O movimento anti-tourada está a tentar sensibilizar as pessoas através das redes sociais e “já centenas delas manifestam-se a nível nacional, pois não percebem como se consente uma cena triste desta”. Silvia Coutinho promete uma manifestação “pacífica”, até porque “as pessoas estarão lá contra a violência”. “A Câmara Municipal da Trofa também está a ser bombardeada com emails e telefonemas de contestação”, frisou. José Sá considera que a tourada “não é motivo para alguém se sentir desgostoso”, no entanto crê que são mais as vozes que elogiam do que as que contestam. “As opiniões que tenho ouvido é de pessoas que me perguntam onde se vendem os bilhetes e quanto é que custam e me dizem que foi uma bela ideia. Ainda não apareceu uma pessoa a contestar. Eu não acredito que hajam contestatários publicamente, mas se existirem são residuais face às pessoas que vão assistir ao espetáculo”, frisou. A não ser que “algo de maior impeça”, José Sá garantiu que vai assistir à tourada. Segundo a lei, o licenciamento de instalação de recintos para a tourada é feito através de um requerimento junto da Câmara Municipal, enquanto a realização do espetáculo tauromáquico tem de ser licenciado pela Inspeção Geral das Atividades Culturais. José Sá afirmou que o processo de licenciamento “compete à empresa organizadora”, que “se não conseguir não

poderá realizar o espetáculo na Trofa”. “À comissão coube apenas a ideia e o convite”, complementou. Contactada, fonte da autarquia garantiu que “não recebeu nenhum pedido de licenciamento para o evento em questão”. “Informamos ainda que Câmara Municipal da Trofa irá cumprir a Lei”, acrescentou. Paulo Pessoa de Carvalho, da empresa Touros é Cultura, garante um espetáculo “com bons touros, bons toureiros e bons forcados”, ao nível dos que se realizam “no sul do País”. O responsável adiantou que a Trofa segue a tendência que se verifica pelo “aumento de corridas na zona Norte”. Os movimentos contestatários, contou Pedro Pessoa de Carvalho, são mais usuais no Norte e, nos últimos anos, em Lisboa, e apesar de respeitar as opiniões de quem não gosta deste tipo de espetáculo, o porta-voz da empresa salientou que “todos os procedimentos legais são cumpri-

dos” ao “abrigo daquilo que é a cultura do nosso país há séculos”. “Cumprimos regras de segurança, de bem-estar animal e às vezes vamos um bocadinho mais longe para melhorar alguns aspetos que achamos que não estiveram tão bem. Quando esgotamos praças no Norte com duas mil ou três mil pessoas e temos dez nas ruas a manifestar-se, daí consigo tirar a relação real e justa do que é este diferencial de opiniões”, acrescentou. A organização espera encher o recinto amovível e tem à venda cerca de 2600 bilhetes, com o valor médio unitário de 25 euros. Na Trofa a ultima tourada foi realizada em 1997, no Centro Equestre, em Santiago de Bougado. Em 1995 foi também realizada uma no mesmo local. Anos antes tinha sido realizada uma no campo de jogos do C.D.Trofense, cuja receita terá também na altura revertido a favor das Festas em Honra de Nossa Senhora das Dores.


www.onoticiasdatrofa.pt

19 de julho de 2012

Atualidade 9

37 anos de escutismo em Santiago de Bougado Patrícia Pereira A.Costa

O Agrupamento 447 de Santiago de Bougado festejou 37 anos de escutismo, com um acampamento no lugar do Talho, em Cidai, Santiago de Bougado. De forma a comemorar 37 anos de vida escutista em Santiago de Bougado, o Agrupamento 447 do Corpo Nacional de Escutas promoveu o habitual acampamento no lugar do Talho, em Cidai, que juntou os elementos escutistas, antigos escuteiros e a Fraternidade Nuno Álvares. O acampamento iniciou-se no sábado, com um conselho de Guias, seguido de atividades relacionadas com a temática da sustentabilidade. Já é habitual o agrupamento aproveitar estes eventos, para “dar alguma formação aos miúdos”. Depois do jantar decorreu o “arrear da bandeira”, seguido do fogo do conselho. O dia de domingo começou com o hastear da bandeira, sendo que, de seguida, os escuteiros partiram em direção à Capela Nossa Senhora do Desterro, em Bairros, onde foi celebrada a eucaristia pelo novo padre José Ricardo Dias. Foi ao som dos tambores e das cornetas que, no final da cerimónia, os escuteiros homenagearam “o doutor Padrão e a esposa”, que são os padrinhos deste agrupa-

Escuteiros participaram na eucaristia celebrada pelo padre José Ricardo Dias

mento. No local do acampamento, houve o tradicional almoço convívio, que contou com a presença dos respetivos familiares e amigos do agrupamento, seguido de uma festa de campo, cheia de atividades. Agrupamento prepara 24 horas em comunidade O Agrupamento 447 está a preparar uma iniciativa, denominada 24 horas em comunidade, que se realiza no dia 28 de

Apanha do Porco em S. Mamede

julho, contando com o apoio da Junta de Freguesia de Santiago de Bougado. O Souto da Lagoa foi o local escolhido para acolher esta iniciativa, que vai contar com várias atividades, desde palestras, exposições, pedi paper, torneios, música ao vivo e jantar convívio. As primeiras atividades têm início às 15 horas, com uma exposição de artes do concelho e um pedi paper, concurso de fotografia, até às 16 horas, em que cada equipa participante tem que levar uma máquina fotográfica. Já às 16 horas, realizam-se torneios de malha e sueca.

Depois de um jantar convívio, pelas 20 horas, onde não vão faltar as fêveras, as barriguinhas e o caldo verde, as atividades retomam, uma hora depois, com uma palestra sobre a história do concelho. A iniciativa termina com a atuação d’A Rapaziada e Lírio Roxo e com a entrega de prémios aos três primeiros classificados. Para mais informações ou inscrições pode contactar Rui Ferreira, através do número 916 604 277, ou de Ricardo Gil, com o email ricardogil@ua.pt. A inscrição tem um custo de 2,5 euros por pessoa e por atividade. Pub. Inst.

“Apanha-me se puderes”. É desta forma que a comissão de festas de S. Bartolomeu, que se realizam em agosto, em S. Romão do Coronado, desafia a comunidade para uma apanha do porco, que se realiza no domingo, dia 22, frisando que “mais vale um porco na mão, do que a cara no chão”. O Largo de S. Bartolomeu acolhe esta apanha, que tem início marcado para as 14.30 horas. Caso queira participar nesta iniciativa ou obter mais informações pode contactar o Ricardo, através do número 962 567 065, ou o Germano, através do 914 979 173. Já no dia 12 de agosto, está programado um passeio a Samil, Espanha. A comissão pede a todos os interessados em participar, ou até para mais informações, para contactarem os membros da comissão de festas, através dos contactos já mencionados. Como refere fonte da comissão, estas iniciativas têm o objetivo de “angariar fundos para a realização das festas”. P.P. Pub. Inst.


10 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

19 de julho de 2012

Areeiro de Bairros prepara-se para Juventude em Festa Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

para a animação das iniciativas. “Eu considero este valor despendido como um investimento e não como uma despesa corrente, porque os jovens estando aqui não estão noutros locais. A par do benefício que traz, se gastarmos seis ou sete mil euros no Juventude em Festa é insignificante para o orçamento da Junta”, sublinhou.

A Juventude em Festa promete proporcionar dois dias de animação no areeiro de Bairros. Junta de Freguesia prevê gastar menos de 20 mil euros com esta e outras iniciativas no verão. O areeiro de Bairros está a ser preparado para mais uma edição da Juventude em Festa, uma iniciativa da Junta de Freguesia de Santiago de Bougado que, este ano, baixou nos custos para poder dar continuidade à política de apoio aos jovens. “Normalmente, estas festas populares nunca são dirigidas para eles. Estes dois dias são uma forma de a Junta de Freguesia agradecer e apoiá-los, para se lembrarem que as autarquias locais fazem alguma coisa pela juventude”, explicou o presidente António Azevedo, que se dirigiu ao areeiro para ver o andamento dos preparativos para a festa. No primeiro dia, sexta-feira (20 de julho), a animação será assegurada por uma discoteca de Santo Tirso, com a presença de Dj’s, pelo que sairá gratuita à Junta de Freguesia. No sábado, o público-alvo alarga-se, já que miúdos e graúdos, à semelhança de anos anteriores, prometem juntar-se no espaço para ver a passagem de modelos, que contará com a participação especial dos atores Joana

Bougado em Festa e Concurso do Melão já têm datas

Areeiro de Bairros acolhe festa dedicada aos jovens

Duarte e Francisco Côrte Real, que representaram na novela juvenil “Morangos com Açúcar”. António Camelier, colocará de lado a representação e vestirá a pele de Dj. No mesmo dia, à tarde, o centro de treinos Bodytone fará uma demonstração das atividades que disponibiliza aos clientes. O orçamento é mais baixo que o ano passado, garantiu António Azevedo, salvaguardando que “apesar de mais modesto, terá a mesma dignidade”. Aliada à organização estará a meteorologia, que prevê temperaturas condizentes com o verão para as noites de sexta-feira e sábado. Outro dos pontos fortes desta iniciati-

va é a potenciação de um local emblemático, entretanto esquecido devido à poluição do rio Ave: “Esta festa obriga-nos a limpar o local, pois antes isto era só ervas e lixo. Assim fica preparado para o verão para que as pessoas venham cá visitá-lo e conviver. Este ano, o executivo da Junta de Freguesia estabeleceu um orçamento de “20 mil euros” para todas as festas de verão de Santiago de Bougado, onde também se inclui o Bougado em Festa, Dia de Santiago e Festa do Melão. António Azevedo pretende não atingir esse valor, por isso está a apostar na “prata da casa”

A Juventude em Festa é o “preâmbulo” para um verão recheado de atividades em Santiago de Bougado. O Dia de Santiago será, como sempre, no dia 25 de julho, e terá como atração a Orquestra Ritmos Ligeiros, seguida de uma sessão de fogo de artifício. Para os dias 3, 4 e 5 de agosto está agendado o Bougado em Festa que “vai ter animação cultural da terra”, com dança e música, onde caberá uma gala de fados. O dia 5 ficará marcado pela Feira à Moda Antiga e, ao contrário dos anos anteriores, não terá o Concurso do Melão, porque nessas datas o fruto ainda não estará maduro realizando-se assim o concurso a 15 de agosto. O Bougado em Festa terá como novidades “diferentes tipos de artesanato como é o caso da pintura” e uma exposição “de carros e motas antigas de pessoas de Santiago” e mantêm-se as tasquinhas exploradas pelos ranchos da freguesia.

Urgência de Santo Tirso pode fechar Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

Um relatório disponibilizado no site do Ministério da saúde propõe o encerramento do serviço de urgência básica de Santo Tirso, que serve cerca de 110 mil utentes do concelho tirsense e da Trofa. “Continuamos a achar que se justifica mantê-la”. Foi esta a reação de José Maria Dias, presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar do Médio Ave (CHMA), relativamente à proposta de encerramento do serviço de urgência básica de Santo Tirso, assim como de outros 11 (Macedo de Cavaleiros, Fafe, Oliveira de Azeméis, Valongo, Peniche, Tomar, Montijo, Montemor-o-Novo, Serpa, Lagos e Loulé), apresentada pela Comissão de Reavaliação da Rede Nacional de Emergência/Urgência (CRRNEU). Apesar de ter sido concluído em fevereiro de 2010, o documento apenas foi disponibilizado pelo Ministério da Saúde na terça-feira, 17 de julho, o mesmo dia que o conselho de administração do CHMA ficou a conhecer o veredicto do estudo dos peritos que “há uns tempos” foi “consultado acerca de algumas matérias relacionadas com o serviço de urgên-

cia”, adiantou José Maria Dias, em declarações ao NT. Sobre a possível extinção do serviço, José Maria Dias alegou ser “uma posição técnica”, que justificará “uma atitude política”, a qual espera que seja a manutenção da urgência em Santo Tirso. “Estou nesta atividade há cerca de 12 anos e relativamente a estas matérias têm sido feito vários estudos e, felizmente, a nossa urgência tem-se mantido sempre aberta”. Este serviço foi alvo de um investimento de “um milhão e meio de euros”, pelo que “tem excelentes condições físicas” e que serve a população de Santo Tirso e Trofa, com “cerca de 110 mil” utentes. “É evidente que são instalações que ficam sempre e que poderiam ser utilizadas para outras áreas”, afirmou, salvaguardando que a decisão da extinção seria “mal pensada”. “Em termos técnicos tudo indica que os serviços que estejam concentrados trabalharão com melhor qualidade e com mais massa crítica, pelo que a concentração de serviços nas áreas clínicas tem de ser ponderada. A acessibilidade das pessoas aos meios necessários nos centros de saúde e hospitais também tem melhorado bastante, por isso entendemos que estas coisas são dinâmicas e é natural que haja necessidade de fazer algu-

mas alterações em termos estratégicos”, frisou. José Maria Dias considera “natural” a concentração de recursos, desde que não ponha em causa a qualidade do acesso, até porque foi o que aconteceu aquando da criação do CHMA, mas com a manutenção dos serviços de urgência em Santo Tirso (urgência básica) e em Vila Nova de Famalicão (urgência médico-cirúrgica). Mas admite: “Se a tutela entender que na presença destes estudos há que fazer alguma alteração,nesta altura teremos que perceber e assumir”. No documento, a CRRNEU sugere que, em caso de extinção, a ambulância de Suporte Imediato de Vida (SIV) deve manter-se na mesma unidade, ou seja, neste caso, a SIV deverá ficar em Santo Tirso, mesmo sem o serviço urgência a funcionar. Sobre esta questão, José Maria Dias não teceu quaisquer comentários.

do”, considerando “lamentável a CRRNEU não ter ouvido ninguém de Santo Tirso, quando o Ministro da Saúde garantiu à Câmara Municipal de Santo Tirso, em novembro de 2011, que as câmaras municipais seriam chamadas a pronunciaremse brevemente”. “Esta proposta, de carácter meramente economicista, é um verdadeiro ataque aos utentes do Serviço Nacional de Saúde, feito por tecnocratas centralistas, alheados da realidade e distantes dos problemas”, frisou. O autarca espera que o ministro da Saúde, Paulo Macedo, seja “sensato e não permita a concretização desta proposta”. Castro Fernandes referiu ainda que esta proposta “insere-se numa estratégia de esvaziamento progressivo dos serviços públicos disponibilizados no concelho”, onde já se verificou “o encerramento da maternidade”, permanecendo “a ameaça sobre o Hospital, o Tribunal, as Escolas e as Juntas de Freguesia”. Segundo o assessor do ministro da Saúde, citado no Presidente da Câmara “indignado” Expresso, “em princípio vão ocorrer encom cenário de encerramento cerramentos, mas ainda não se sabe Em nota de imprensa, o executivo da quais” e que o se trata “apenas de uma Câmara Municipal de Santo Tirso reagiu proposta”, que “poderá ser assumida incom desagrado à proposta de extinção tegral ou parcialmente pelo Ministério, da urgência de Santo Tirso. O presidente mas só será decidido mais tarde”. Castro Fernandes afirmou estar “indigna-


19 de julho de 2012

www.onoticiasdatrofa.pt

Publicidade 11


12 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

19 de julho de 2012

Nunca é tarde para aprender

Alunos certificados com 4º ano de escolaridade Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

Oito pessoas viram certificada a experiência de vida e as competências adquiridas no extinto projeto TCA, que a professora Maria Rosa Lage deu continuidade. “Hoje é o dia mais feliz da minha vida”. A frase saía de quando em vez das bocas daqueles que há uns anos não sonhavam com a possibilidade de serem certificados com o 4º ano de escolaridade, depois de as privações do passado lhes terem roubado a infância. Depois do exame, realizado na Escola Secundária da Trofa, Rosa Pereira era uma das mais entusiastas, que depois deste desafio já só pensa em enriquecer a sua formação: “Se Deus me der saúde, pelo menos até ao 6º ano queria fazer e se a minha cabeça deixar até ao 9º ano. Nunca é tarde

para aprender”. Rosa quer esquecer os momentos em que não se “desenrascava” e dependia da ajuda de “familiares”, principalmente da filha. Esta trofense foi uma das oito pessoas que viram certificadas as suas competências ao nível do 4º ano, através de uma avaliação feita pelo Centro Novas Oportunidades da Escola Secundária da Trofa e validada pela DREN (Direção Regional de Educação do Norte), na manhã de terça-feira. A concretização deste sonho a muito se deve à persistência de Maria Rosa Lage, professora voluntária, que não desistiu com o encerramento do Trofa Comunidade de Aprendentes (TCA) e continuou a ensinar as pessoas que através daquele projeto aprendiam a ler, escrever e contar. “O TCA acabou em setembro e eu achei que era uma pena este grupo não conseguir fazer o exame, por isso assumi o pro-

jeto sozinha com a ajuda das juntas de freguesia de Santiago de Bougado, S. Romão do Coronado, Muro e S. Mamede do Coronado, que continuaram a ceder os espaços para as aulas, para além do material, como cadernos, lápis, fotocópias. Foram o meu apoio. Achei que não podia morrer na praia”, contou ao NT, logo após o exame que aprovou os oito alunos avaliados e que a deixaram “muito orgulhosa”. A professora, que mora no Porto, perto do Hospital de S. João, viaja todos os dias para a Trofa a título gracioso para ajudar as pessoas a quem deu uma nova perspetiva de vida. Há dois anos, depois de ficar desempregada, então com 51 anos, Rosa Pereira decidiu ingressar no TCA para concretizar um sonho antigo. Na terça-feira, exibia, orgulhosamente, o portfólio, onde constava um texto em que contava a sua experiência na horta social da Santa Casa da Miseri-

Rosa Pereira

córdia. Aurora Quelhas, com 74 anos, também viu a infância fugir cedo demais, porque teve que prescindir da formação para cuidar dos irmãos. “Não estava nervosa” na hora do exame, contou, até porque a experiência de vida assim o permite: “Como catequista, ministra extraordinária da comunhão, leitora na igreja, voluntária da conferência vicentina e na Muro d’Abrigo gostei muito de partilhar as minhas coisas com os outros. Correu muito bem o exame. As pessoas foram um espetáculo e a professora Rosa nem se fala, está sempre disposta a tudo”. Quem não deixou fugir este projeto foi a associação Muro d’Abrigo que, desde há quase sete anos desenvolve a atividade “Aprender a ler, escrever e contar”, também com o trabalho voluntário de Maria Rosa Lage, mas só agora viu os primeiros alunos a serem certificados: “No início, este projeto não era para certificá-los, mas apenas para lhes dar competências. Depois surgiu o TCA e como os utentes estavam evoluídos, também vieram para fazer o 4º ano. Dois utentes da associação viram as suas competências certificadas. Falta um que poderá concretizar o sonho, assim como outros dez que a Maria Rosa Lage quer levar a exame, em setembro. “Gostava que eles acabassem agora, caso contrário ficariam tristes”, sublinhou.

“Hoje é o dia mais feliz da minha vida. Leio, escrevo e faço contas, coisa que não conseguia fazer. Até numeração romana, que nunca fiz, sei até ao 500. Dantes não me desenrascava e tinha de pedir ajuda a familiares. Para ir ao supermercado, pedia ajuda à minha filha, para ver os preços e os produtos de marca branca. Agora, já faço isso tudo sozinha” Aurora Quelhas

Quando era pequena não tive ocasião de fazer, porque tinha muitos irmãos e cuidava deles, enquanto o meu pai ia trabalhar e a minha mãe ia para o campo. Depois, quando conheci a professora Rosa fui incentivada a fazer a 4ª classe. Não estava nervosa. Gostei muito de partilhar as minhas coisas com os outros. As pessoas foram um espetáculo e a professora Rosa nem se fala, está sempre disposta a tudo”.

Ex-combatentes reuniram-se em almoço convívio Patrícia Pereira A.Costa

De forma a continuar com uma tradição de 23 anos, os ex-combatentes no Ultramar reuniram-se no sábado, dia 14 de julho, para um almoço convívio. A pensar nos ex-combatentes de rendição individual, que não tinham acesso aos convívios das companhias, Fernando Azevedo, já falecido e mais conhecido por chefe, propôs a Abel Ferreira e Américo Azevedo a organização de um convívio. O primeiro decorreu em 1989 e que, até aos dias de hoje, temse mantido. Foi no seguimento desta tradição que, no sábado, realizouse o 23º convívio, que se iniciou

com uma pequena homenagem ao chefe Fernando Azevedo, tendo sido entregue um ramo de flores na sua campa, seguindo-se de um almoço convívio, que contou com a participação de 18 pessoas. Abel Ferreira e Américo Azevedo recordaram o início desta tradição, que chegou a contar com a participação de cerca de 200 pessoas. “Ao longo dos anos foi esmorecendo um pouco e agora somos praticamente nós que nos vamos mantendo fiéis. Sendo que, nestes últimos anos, apenas cerca de 25 pessoas participam neste convívio”, contaram, frisando que o “grande mentor” destes encontros foi o chefe, a quem prometeram continuar com estes eventos enquanto tivessem “vida e saúde”.

Os responsáveis já estão a pensar na festa de comemoração dos 25 anos destes encontros, daqui a dois anos, onde esperam contar com o apoio da Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado e da Câmara Municipal da Trofa, para o ajudarem a fazer “qualquer coisa de mais grandioso”.

Lima, presidente da autarquia, que “se mostrou recetiva quanto a esta homenagem”. A petição contou com cerca de 175 assinaturas, uma vez que os responsáveis não tiveram “hipótese” de calcorrear o concelho da Trofa. Neste momento, o grupo

aguarda que a petição seja bem aceite pela autarquia e Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado, para que possa organizar essa homenagem. Os elementos apenas pretendem “um monumento que perpetue” a memória dos ex-combatentes.

Ex-combatentes querem monumento de homenagem No mês de maio, três elementos do grupo de ex-combatentes entregaram na Câmara Municipal da Trofa um abaixoassinado com uma petição, onde apelam que seja feita uma homenagem a todos os soldados da Trofa, que “honraram a Bandeira Portuguesa no Ultramar”. O grupo foi recebido por Joana

Ex-combatentes cumprem tradição de 23 anos


19 de julho de 2012

www.onoticiasdatrofa.pt

Desporto 13

24 horas de Slotcar da Trofa cada vez mais internacional Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

24 horas de Sloctar contou com seis equipas espanholas, afirmandose cada vez mais no panorama internacional. O Clube Slotcar da Trofa organizou a quarta edição da prova de 24 horas, que contou com 22 equipas participantes, seis delas espanholas, catapultando-a para o panorama internacional. A equipa da casa não conseguiu repetir o feito da edição anterior que era vencer a competição, devido a problemas técnicos que hipotecaram o objetivo logo nas primeiras horas. Nos últimos minutos, os trofenses protagonizaram uma luta intensa pela 3ª posição, com o GT Team, de Braga, mas venceram o duelo. Filipe Cruz explicou que o problema, que “também aconteceu às outras equipas”, surgiu “à terceira hora de prova”, mas “o facto de ter acontecido logo no início permitiu ter tempo para recuperar”. “O 3º lugar, a partir da quinta hora, era um lugar que não estava dentro das nossas expectativas, mas a noite correu bem e, por isso, foi excelente”, contou. Com a equipa da Trofa para trás, quem aproveitou foi a espanhola Team Alloy Shop que não deu grande margem de manobra aos concorrentes, com 8723 voltas, que permitiram uma distância confortável para a vice-campeã Cric Crac Sport. Dino Rossi, da equipa vencedora, afirmou que a prova “correu muito bem”, apesar do “problemazinho” que surgiu. “Foi tudo perfeito. Não pensávamos ganhar, pois há muitos anos que já não vencíamos uma prova, mas tivemos sorte”, frisou. Esta edição contou com um novo palco. Através de uma parceria entre as duas coletividades, o pavilhão do Centro Recreativo de Bougado (CRB) transformou-se para receber a prova. Luís Neves, presidente do CRB, estava “maravilhado” com uma competição que “não conhecia”. “Fui contactado pelos responsáveis do Clube Slotcar, que vieram cá ver as instalações e foi aí que

me propuseram fazer a prova”. Em “contrapartida”, quem cedeu o espaço teve oportunidade de explorar o bar e angariar fundos para continuar as obras no pavilhão. João Pedro Costa, presidente do Clube Slotcar da Trofa, explicou que “as condicionantes que surgiram”, nomeadamente o facto de “a Câmara não ter apoiado o evento”, colocou a associação “numa posição de extrema fragilidade”, pelo que teve que “se socorrer de uma associação”. Mesmo sendo “numa das extremidades da Trofa” não foi um problema para João Pedro Costa, que acredita que “o público do Clube acompanha-o”. “Fizemos chegar a este pavilhão qualquer coisa como cem pilotos e cerca de 300 simpatizantes da modalidade. Acabamos por arrastar as pessoas para onde queremos, porque há uma relação de proximidade com as pessoas”, explicou. Quem também fez questão de apoiar o evento foi a Junta de Freguesia de Santiago de Bougado. O presidente, António Azevedo, explicou que é “política” do executivo “o apoio ao movimento associativo” que tenha “atividade de interesse para a população”. “Estabelecemos uma comparticipação de 600 euros. Esta é uma prova de nível europeu. E não é só o slotcar, este clube também tem o bilhar e outras modalidades que merecem o apoio da Junta. João Pedro Costa louvou o apoio dado pelo executivo bougadense e criticou a autarquia, justificando: “Atuou no sentido inverso, pois tinha estado presente nas edições anteriores e apesar dos nossos esforços, acabamos por não conseguir passar a nossa mensagem, mas não conseguimos tão-pouco falar com eles nem sermos recebidos para que a prova pudesse ser apoiada. Provavelmente, já será um reflexo da extinção da divisão de desporto e juventude, porque não conseguimos ter um interlocutor do outro lado e sentimo-nos muito desacompanhados”. E se a nível institucional, os organizadores “estavam meio satisfeitos”, a nível associativo, estavam “muito satisfeitos”. “Conseguimos uma classificação boa e chegar ao pódio com uma das nos-

xxx

Equipa trofense alcançou 3º lugar

sas equipas, logo atrás das equipas espanholas, que é um motivo de satisfação. É óbvio que a parte desportiva nesta modalidade é importante, mas mais importante é a parte associativa. Já conseguimos uma dinâmica de grupo em que conseguimos fazer a preparação desta atividade, a montagem das pistas e trazer equipas, sobretudo as espanholas, tornando a prova ainda mais internacional”, frisou. A preparação da prova começa muito

antes da montagem das calhas, quando “a equipa tem de se deslocar a outros países, como Espanha e Itália, para conseguir ter equipas internacionais”. “Depois, a associação tem muita gente a trabalhar, procurando dividir tarefas, como montagem dos carros e pista. O trabalho é feito durante a semana com noites mal dormidas. Mas fazêmo-lo com satisfação, pois chegamos a esta altura e dizemos que a prova foi um sucesso”.


14 Desporto

www.onoticiasdatrofa.pt

19 de julho de 2012

Trofense consegue inscrever equipa na 2ª Liga Trofense está inscrito na 2ª Liga com 12 jogadores. O fax, que oficializou a participação da equipa nesta competição chegou ao clube às 23.53 horas desta quarta-feira. Os abraços emocionados denunciaram o “fumo branco” depois de cinco dias a correr contra o tempo. Esta quarta-feira, a “comissão gestora” composta por cinco associados (Alfredo Gomes, André Crispim, Bruno Ferreira, Leonardo Costa e Vasco Sampaio), propostos na última assembleia-geral no dia 13 de julho, conseguiu assegurar a inscrição do Clube Desportivo Trofense na 2ª Liga. Para reunir os pressupostos para ter uma equipa nesta liga profissional, os sócios tiveram que contestar a dívida ao fisco e obter a respetiva declaração para conseguir inscrever a equipa até às 18 horas. Foram inscritos 12 jogadores entre os quais Tiago (37 anos), André Viana (19), Ricardo (19) e Gabriel Viana (19), que renovaram contrato, os exjuniores João Gouveia (19) e Fábio Daniel Carvalho (19), Dani Costa (21), ex-Oliveirense, que

passou pelo Trofense há duas épocas, tendo estado na equipa júnior que subiu à 2ª Divisão Nacional, Eduardo Augusto Cameselle Machado (22), exFão, e Matheus Merlo Zouain (20), ex-Vizela, que tem dupla nacionalidade brasileira e italiana. Quanto à equipa técnica, o NT sabe que poderão ter havido contactos com Daniel Ramos, que foi treinador do clube nas épocas de 2005/2006 (subiu o clube à 2ª Liga), 2006/2007 e 2009/2010. De acordo com os elementos da “comissão gestora”, os documentos foram entregues na Liga Portuguesa de Futebol Profissional pouco depois das 17.30 horas. No entanto, a conferência de imprensa que estava marcada para as 19 horas acabou por se realizar às 23.53 horas, altura em que chegou o fax que oficializou a inscrição do Trofense, assim como do Vitória Sport Club e do Leixões Sport Club. O mesmo não aconteceu ao Varzim Sport Club, por não reunir cerca de 600 mil euros para saldar uma dívida junto das finanças. Leonardo Costa foi o primeiro a intervir em nome da “comis-

definida”. Esta opção foi dada a conhecer por José Leitão, na assembleia-geral de 13 de julho, que pediu a intervenção do advogado do clube, Luís Cameirão, que mostrou algum desconhecimento acerca deste procedimento. O próximo passo da comissão administrativa será “tentar constituir uma direção e em termos desportivos continuar o trabalho que tem sido desenvolvido”, adiantou André Crispim. Entretanto, foi agendada uma assembleia-geral por 25 sócios, como mandam os estatutos, para a eleição dos corpos gerentes. A sessão está marcada para sexta-feira, 20 de julho, em local a definir, contudo deverá ser nas instalações dos Bombeiros Vo-

luntários da Trofa ou no estádio. O tempo urge, no entanto, apesar de ter um jogo marcado para o dia 29 de julho, a contar para a primeira jornada da Taça da Liga, o Trofense poderá ter em cima da mesa a possibilidade de adiar a partida e ter mais algum tempo de preparação. “O nosso objetivo era não deixar o clube morrer até ao dia 18, agora temos de continuar o nosso grito de revolta à Trofa, para que acorde, pois é preciso eleger uma direção ou comissão administrativa. Espero que não deixem o Trofense morrer”, referiu, por sua vez, Alfredo Gomes, que acrescentou: “Isto não acaba aqui. O pior está para vir”. Este sócio fez parte da primeira “comissão gestora” que não conseguiu nenhum resultado no sentido de conseguir inscrever a equipa na 2ª Liga, porque, adiantou, “desmotivou-se ao ver tanta porta fechada”. Sobre as portas que se abriram e que permitiram reunir os pressupostos para a inscrição da equipa, Alfredo Gomes não quis responder, remetendo para “dentro de alguns dias, alguém irá falar e pôr tudo preto no branco”. C.V.

na 2ª divisão da AFP. Esta época subiu à 3ª Divisão Nacional. A equipa sénior do Salgueiros 08 joga no campo do Senhora da Hora, uma vez que o clube não possui terreno próprio. O caso do Futebol Clube da Maia ainda decorre, depois do pedido de insolvência publicado em Diário da República, em abril de 2011. Em 2007/2008, o clube tinha uma equipa sénior na 3ª Divisão Nacional, que teve de extinguir devido à impossibilidade de usar as instalações do estádio municipal, por possuir dívida às Finanças e à Segurança Social, que impossibilitavam que a

autarquia pudesse protocolar a cedências das instalações desportivas. Em 2009, o Maia Lidador foi criado para que a formação do FC Maia pudesse utilizar o estádio municipal. As equipas de formação foram sendo transferidas para o novo emblema, assim como foi criada uma equipa sénior, que joga no mesmo local. Atualmente, a dívida do FC Maia é de cerca de cinco milhões de euros. Ao fisco serão mais de dois milhões. O concelho da Maia tem cerca de 120 mil habitantes. C.V. / H.M.

“Comissão gestora” conseguiu inscrever equipa na 2ª Liga

são gestora” para fazer agradecimentos: “A todos os trofenses que neste momento difícil nos ajudaram. Também não podemos deixar de enaltecer o especial e imprescindível apoio que o presidente da comissão administrativa cessante (José Leitão) desempenhou neste período. Depois de sucessivas reuniões com diversas entidades, foi possível como todos desejavam”. André Crispim, neto do sócio nº 1 do clube, explicou depois que, nas opções possíveis para inscrever a equipa, a “comissão gestora” enveredou pela contestação da dívida que, acrescentou, “não é válida para toda a época desportiva” e que “a data de pagamento ainda não está

Acumulação de dívidas pode levar à extinção do clube NT investigou os fatores que levaram à extinção de clubes de futebol emblemáticos. Este pode ser o destino do CD Trofense, se as dívidas não forem saldadas. O caso do Clube Desportivo Trofense pode ser comparado com outros que levaram à extinção de clubes que também chegaram a atingir a Primeira Liga, como o Futebol Clube Felgueiras e o emblemático Sport Comércio e Salgueiros. O Futebol Clube Maia foi alvo de um processo de insolvência, publicado em Diário da República, em abril de 2011. O NT elaborou uma investigação para perceber quais os cenários que levaram ao desaparecimento destes clubes emblemáticos, com contornos muito semelhantes ao que está a acontecer ao emblema da Trofa. O único elemento diferente é que um destes clubes jogavam nos estádios municipais, enquanto o Trofense é proprietário do estádio e do complexo desportivo. Em agosto de 2005, o FC Felgueiras, que tinha terminado o

campeonato da 2ª Liga no 11º lugar, apresentava uma dívida de quase cinco milhões de euros e face à incapacidade de angariar dois milhões para reunir os pressupostos para a inscrição na 2ª Liga, acabou por ser extinto em assembleia-geral e com ele desapareceram a equipa profissional e camadas jovens. O passivo reunia verbas a jogadores, fisco, Segurança Social e vários fornecedores. Na altura da extinção, e segundo Pedro Alves, jornalista da Rádio Felgueiras, o clube acabou e “curiosamente, apesar da paixão grande pelo futebol, os sócios acabaram por receber a notícia de uma forma quase natural”. Nos últimos anos tinha sido injectado algum capital no clube e para a época 2005/2006 tinha, inclusive, uma equipa formada para competir na 2ª Liga, com alguma qualidade, mas em vão. Em 2006, foi criado o Clube Académico de Felgueiras (CAF), que tem equipas jovens e uma sénior que, depois de uma caminhada pelas divisões da Asso-

ciação de Futebol do Porto (AFP), subiu à 3ª Divisão Nacional, esta época. Mais tarde, surgiu tambem o FCFFelgueiras, que possui apenas departamento de formação. As atuais equipas de Felgueiras, concelho com 60 mil habitantes, continuam a utilizar o Estádio Municipal de Felgueiras, que já era utilizado pelo clube extinto. O Sport Comercio e Salgueiros apenas acabou com a equipa sénior de futebol, que não pôde ser inscrita em 2004/2005, devido à existência de dívidas a jogadores. O clube tinha a situação totalmente regularizada com as finanças e segurança social e os problemas de inscrição limitaram-se apenas aos campeonatos profissionais de futebol sobre alçada da Liga de Clubes. Continuou com todas as equipas de futebol de formação, assim como do polo aquático e andebol nas divisões em que estavam. Em julho de 2008, foi criado o Salgueiros 08, que começou

Jovens não querem que acabem com “o sonho” O penúltimo dia de ExpoTrofa, sábado, ficou, inevitavelmente marcado por uma marcha protagonizada pelos atletas jovens do Clube Desportivo Trofense, que desfilaram pelo recinto do certame com duas tarjas, onde se podia ler “Não acabem com o nosso sonho”, numa alusão à possibilidade de o emblema da Trofa se extinguir ou não poder dar continuidade ao trabalho do departamento de formação. A acompanhar os jovens estiveram os pais, membros da nova comissão gestora e outros elementos ligados ao clube. C.V.


Desporto 15

www.onoticiasdatrofa.pt

19 de julho de 2012

Rui Pedro Silva leva bandeira da Trofa para Londres Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

A pouco mais de 15 dias para o início dos Jogos Olímpicos de Londres, a Trofa não quis deixar de homenagear o único atleta que vai representar o concelho e o país na maratona olímpica. Na ExpoTrofa, no dia dedicado à freguesia que o viu nascer, Santiago de Bougado, no dia 11 de julho, Rui Pedro Silva recebeu das mãos da presidente da Câmara Municipal, Joana Lima, a bandeira da Trofa que o vai acompanhar na aventura olímpica. Esta é a segunda vez que o atleta trofense participa nas olimpíadas, depois de em 2008 ter ficado em 34º lugar nos dez mil metros. Desta vez, Rui Pedro Silva apostou na maratona, pois é uma modalidade “na qual os europeus ainda conseguem fazer frente aos atletas de África”. “Ir a

Rui Pedro Silva não vai esquecer as suas raízes na hora de festejar

uma competição como os Jogos Olímpicos só por ir não valia a pena, por isso decidi pela maratona, que é uma corrida onde tudo pode acontecer, pois uma pessoa chega a uma certa altura em que o corpo tanto pode reagir bem como podem surgir dores”, explicou. Rui Pedro Silva, que foi o úni-

co de oito atletas que conseguiu atingir os mínimos para participar nas olimpíadas, vai com o objetivo de ficar “entre os 15 primeiros”, pois não quer colocar “a fasquia muito alta nem elevar a pressão”. “Tenho treinado bem e sei do que sou capaz de fazer, mas no dia 12 (de agosto) tem que estar tudo bem e a pessoa

nem sabe sequer como vai dormir na noite anterior”, referiu. Mas como dizia o poeta, “Deus quer, o homem sonha e a obra nasce” e se Rui Pedro Silva conseguir atingir o pódio, não vai esquecer as raízes na hora de festejar. “No pódio não sei se será possível ter a bandeira, mas na pista aí sim, andarei com ela. E

para qualquer país que vá, levando ou não a bandeira comigo, ela irá estar sempre no meu coração”, admitiu o atleta. Com ou sem bandeira, Joana Lima considera que é Rui Pedro Silva que melhor representa o concelho: “Gostava mais de ver o Rui subir ao pódio, porque é ele que vai mostrar a força e o carácter das gentes da Trofa”. A edil trofense explicou que a ExpoTrofa é um evento privilegiado para homenagear o atleta, já que “como é uma mostra das empresas e associações, também deve servir para dar a conhecer as potencialidades dos atletas do concelho a nível individual”. Apesar de ser “difícil” apoiar institucionalmente o atleta, por não pertencer a nenhuma associação do concelho, Joana Lima garantiu empenhar-se “pessoalmente” para “ajudar o Rui, independentemente do resultado” obtido em Londres.

ACR do Vigorosa Ginásio da Trofa com “época desportiva dourada” na milha urbana Arquivo

Elsa Maia e Andreia Rodrigues representaram a Seleção Nacional Patrícia Pereira patricia@onoticiasdatrofa.pt

O Ginásio da Trofa aproxima-se do término da época desportiva com bons resultados nas várias modalidades. O Ginásio da Trofa aproximase do término de uma “época desportiva dourada”, tendo conseguido atletas campeões regionais, em vários escalões etários, campeões da Zona Norte, e campeãs no Olímpico Jovem Nacional. O Ginásio da Trofa viu ainda “o valor dos seus atletas reconhecido”, através da convocação das atletas Elsa Maia e Andreia Rodrigues que representaram a Seleção Nacional nos Jogos PA

LOP (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa), nos dias 5 e 16 de julho. Elsa Maia, que participou nos 400 metros planos e na estafeta 4x100, conquistou o 1º e 2º lugar, respetivamente, e na primeira prova obteve uma “extraordinária marca de 57 segundos e 28 centésimos”. Já Andreia Rodrigues foi medalha de prata nos 800 metros, tendo “perdido para a vencedora por apenas alguns décimos”. É a festejar que a associação se aproxima do término da sua época, com a “consciência de dever cumprido”. “Oferecemos aos trofenses os nossos prémios e a nossa glória com o orgulho de sermos um clube de referên-

cia e que, apesar das adversidades de que temos sido vítimas, temos conseguido os feitos que são largamente reconhecidos”, afirmou Botelho da Costa, vicepresidente do Ginásio da Trofa. Relembra-se que o Ginásio da Trofa vai a eleições no dia 3 de agosto, pelas 21 horas, na sede do clube, havendo já uma lista candidata para a direção do clube. Botelho da Costa espera que esta seja “o virar da página”, dando “luz verde à concretização de sonho com cerca de 30 anos de esperança”: a construção de uma sede própria. Atletas participaram na Milha Urbana de Santo Tirso O Ginásio da Trofa esteve representado na 12ª Milha Urbana de Santo Tirso, que decorreu no sábado, dia 14 de julho. José Silva conseguiu a medalha de bronze no escalão de benjamins. Já em infantis, Sara Teixeira alcançou o 7º posto. Ana Ribeiro e Tiago Silva, que participaram nos iniciados, ocuparam o 5º e 8º lugar, respetivamente. Em juvenis masculinos, João Ferreira cortou a meta em 7º.

de Santo Tirso A Associação Cultural e Recreativa Vigorosa participou na milha urbana de Santo Tirso que se realizou no dia 14 de julho. Nos benjamins femininos Joana Martins alcançou o 8º lugar e Paulo Noronha o 13º nos benjamins masculinos. Nos infantis femininos, Alice Oliveira, Patrícia Moreira e Juliana Teixeira obtiveram o 4º, 29º e 34º lugar, respetivamente. O grupo de infantis femininos conseguiu o 4º lugar coletivo. No que diz respeito ao mesmo escalão mas versão masculina Tiago Sá obteve o 13º lugar. Nos iniciados femininos Ana Oliveira aparece no 24º lugar, sendo que nos masculinos Alexandre Sá ficou em 27º da classifi-

cação. Joaquim Figueiredo participou na vertente juniores/seniores masculinos tendo alcançado o 10º lugar. Nos juniores/ seniores/veteranos femininos participaram a Deolinda Oliveira (13º) e Conceição Correia (25º). Nos veteranos para + 55 anos encontramos o António Neto a ocupar o 5º lugar. Na classificação das provas organizadas pela empresa Desportave, que decorre durante a época 2011/2012, as atletas do Vigorosa obtiveram o 1º lugar individual nos infantis femininos representado por Alice Oliveira, nos juniores femininos com Ana Martins e Deolinda Oliveira na vertente Veterano feminino. T.S.


16 Publicidade

www.onoticiasdatrofa.pt

19 de julho de 2012


Região 17

www.onoticiasdatrofa.pt

19 de julho de 2012

“Proteja o seu coração” foi tema do congresso A Associação das Testemunhas de Jeová promoveu, durante três dias, um congresso subordinado ao tema: Proteja o seu coração. O pavilhão Multiusos, em Guimarães, acolheu 5 347 pessoas, que assistiram ao último dia do congresso de três dias, que teve início na sexta-feira, dia 13. A iniciativa, que juntou as Testemunhas de Jeová do Minho, Alto Minho e Douro Litoral, resumiu-se a um programa dedicado ao estudo da Bíblia sob a temática Proteja o seu coração. Na manhã de domingo, um orador convidado, com “argumentos retirados das Escrituras Sagradas”, conduziu a assistência, através do tema “as coisas anteriores não subirão ao coração”, para uma “mensagem positiva”. Segundo o palestrante, apesar das “dificuldades reais que muitos vivem na atualidade, sejam quais forem os problemas enfrentados pela humanidade, o futuro validará aquela frase retirada da Bíblia: quando a terra for governada pelo Reino de Deus”. Houve ainda uma representação teatral, onde a assistência acompanhou, segundo o gabinete de informação pública, com “expectativa o drama” da pergunta Como saber se é amor verdadeiro?, onde procuraram incutir “o valor de fazer boas escolhas na vida no que diz respeito ao casamento”. “Nunca deixe o seu coração ficar aterrorizado” foi o tema do último discurso, que deu “atenção ao valor da coragem na vida do cristão”, onde a assistência foi “motivada a demonstrar a mesma coragem que outros adoradores de Jeová Deus do passado tiveram, e que foram recordados exemplarmente nesta palestra”. O congresso ficou ainda marcado pelo lançamento de um DVD, com o tema “Ande pela fé, não pela vista”, que retrata acontecimentos descritos na Bíblia e historicamente comprovados, e pela nova literatura bíblica, na forma de uma animação, onde os pais possam incutir nos filhos valores morais. “Foram lançadas duas novas brochuras para que as Testemunhas de Jeová possam transmitir Boas Notícias de Deus para você e ajudar o público sobre Quem está fazendo a vontade de Jeová hoje”, pode ler-se no comunicado enviado. P.P.

Cheiro dos Livros inaugurada Patrícia Pereira patricia@onoticiasdatrofa.pt

A Cheiro dos Livros foi inaugurada oficialmente, na quinta-feira, dia 12, no Café Del Rock, em Santo Tirso. “Mudar a forma como olhamos para a cultura através dos livros” foi o que motivou Miguel Ferreira, mentor do projeto Cheiro dos Livros, a criar uma plataforma online de compra e venda de livros usados, transformando “um bem precioso, o livro, num bem que se valoriza com o uso e cria novas oportunidades de negócio, fomentando a economia que tanto precisa de se reinventar”. “Todos temos livros em casa que compramos, lemos e pousamos na prateleira. Quem sabe um dia voltamos a ler de novo ou emprestamos a alguém. Entretanto, o tempo passa e juntamente com aquele livro acumulamse muitos mais. A Cheiro dos Livros quer resolver esse problema”, asseverou, explicando como funciona o projeto. Depois de os clientes/fornecedores selecionarem os livros

que já não lhes interessam podem entregar à Cheiro dos Livros, que os promove e vende, repartindo, em partes iguais, os lucros que obtiverem das vendas. Além disso, os preços dos livros serão decididos entre as duas partes. Para isso, a Cheiro dos Livros dispõe de uma loja online, onde se pode comprar “a preços mais em conta” aqueles livros que tanto queremos. “Quem compra beneficia de preços mais atrativos dos livros que sempre quis ter e quem vende aproveita para ter algum retorno financeiro daqueles livros que comprou, leu e colocou na estan-

te”, afirmou, frisando que o objetivo é criar uma “comunidade que se envolve na compra e venda de livros usados, contribuindo para um ambiente melhor e para espalhar a cultura de uma forma acessível e sustentável”. Com o lema comprar-ler-vender, Miguel Ferreira pretende “eventar o mais possível”, que significa “inventar eventos e realizá-los com todo o amor”, onde possa haver partilha de conhecimento da cultura, dos povos e do mundo. Caso tenha ficado interessado neste projeto, pode visitar a loja online através da página www.cheirodoslivros.com.

Miguel Ferreira apresentou projeto no café Del Rock

BTT citadino noturno animou Famalicão Foi com entusiasmo e dinâmica que Vila Nova de Famalicão viveu a noite de 14 de julho. O centro da cidade acolheu um público numeroso que se deslocou para acompanhar as 330 bicicletas dos atletas que disputaram as três horas de Resistência BTT. Esta prova foi organizada pela “Associação Amigos do Pedal” em parceria com o “Eugénios Health & SPA Club” e com o apoio da Câmara Munici-

pal e da Associação Comercial e Industrial de Vila Nova de Famalicão. O facto de a prova de BTT ter sido realizada num ambiente noturno citadino explica o elevado interesse por parte dos atletas, que esgotaram o número de inscrições. Contudo, o enorme interesse que houve por parte do público deve-se à organização absolutamente extraordinária conforme se pode perceber pelas pala-

vras do atleta Nuno Freitas: “A nota está muito alta. Realmente colocaram a qualidade dos eventos em patamares que roçam a excelência. Não há paralelo em nenhuma prova de BTT”. Todos os participantes classificaram a organização com nota alta, sendo reconhecida pelo desenho do circuito, pelo controlo dos tempos em tempo real e pela enorme operação de segurança montada e que contou com a pre-

sença de 38 bombeiros, a que se juntavam as mais de 20 pessoas da organização. No que diz respeito aos vencedores, o grande destaque vai para o Campeão Nacional de Veteranos de Estrada, José Rodrigues que alcançou o 1º lugar ao percorrer em três horas uma distância total de 93,6 quilómetros, a uma impressionante média de 31,3 quilómetro por hora. Em femininos, Carla Seiceira da equi-

pa Biciatus obteve o 1º lugar do pódio, com 62,4 quilómetros percorridos à média de 20,8 quilómetros por hora. Entretanto “Os Amigos do Pedal” lançaram o próximo desafio que se irá realizar no dia 8 e 9 de setembro. A Quinta do Outeirinho, na freguesia do Louro, volta a ser palco das 24 Horas BTT de Vila Nova de Famalicão . As inscrições estão desde já abertas em www.24h orasbttfamalicao.com.T.S.


18 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

19 de julho de 2012

Pedro Rodrigues e José Ricardo Dias celebraram Missa Nova Patrícia Pereira A.Costa

Os dois novos presbíteros celebraram a Missa Nova, na Igreja de S. Martinho de Bougado. Movimentos da paróquia prepararam grande “festa sacerdotal”. Depois de terem sido ordenados presbíteros, no dia 8 de julho na Sé do Porto, Pedro Miguel Rodrigues, natural de S. Martinho de Bougado, e José Ricardo Dias, que estagiou durante três anos em S. Martinho de Bougado, celebraram a Missa Nova no domingo, 15 de julho, na Igreja Nova da paróquia. O início da festividade começou na Gandra, onde Pedro Rodrigues, rodeado de familiares, amigos e do padre Luciano Lagoa, seguiu ao som da Banda da Música da Trofa até ao Lar Padre Joaquim Ribeiro. Pelo caminho houve ainda uma largada de pombas. A cerimónia religiosa teve início no Lar Padre Joaquim Ribeiro, de onde saiu a procissão de entrada, com os dois neosacerdotes e párocos do concelho, em direção à Igreja Nova para a celebração da Missa Nova, que contou com a presença de todos os movimentos da paróquia. Já a animação da eucaristia solene esteve a cargo dos três coros paroquiais e da orquestra.

Neo-sacerdotes cortaram o bolo

A cerimónia terminou com o “beija mão”, onde os fiéis dão um beijo nas mãos do neo-sacerdote. Esta é uma tradição antiga e que acontece sempre quando há uma Missa Nova. Já cá fora, no átrio da Igreja Nova, estavam dois grandes bolos, que, depois de se cantarem os parabéns aos novos padres, foram cortados pelos próprios. A festa seguiu-se até à noite, contando com a atuação do Rancho Folclórico da Trofa. Pedro Rodrigues encontravase “muito feliz” com esta “festa sacerdotal muito bonita”, elogiando a comunidade, que muito se empenhou na organização, demonstrando o quanto “gostam” de si. “Muito obrigado às pessoas de S. Martinho, meus conterrâneos, que são pessoas que quando fazem, fazem. Dou graças a Deus por ser daqui e do pároco que tenho, o senhor padre Luciano Lagoa, de quem sou muitíssimo amigo e que me ajudou muito. S. Martinho de Bougado está muito bem servido com o padre Luciano”, enalteceu. Pedro Rodrigues gostava “muito de ser pároco”, pois é para isso que se sente “chamado”, mas, com “total liberdade e disponibilidade”, vai responder ao “apelo de Deus” e dos seus superiores. A sua vocação, conta, esteve presente “desde novo”,

Pedro Rodrigues proferindo a homilia

estando contente por ter concretizado o seu “sonho de criança”. O neo-sacerdote elogiou ainda a comunidade de S. Martinho de Bougado, por ser “um povo muito cristão, muito terra a terra e com muitos valores cristãos”, afirmando que devemos “viver um dia de cada vez e com a graça de Deus”. Para José Ricardo Dias estes três dias (ordenação, Missa Nova em S. Martinho e em Vandoma, terra natal) são “especiais”, por poder celebrar com a comunidade que o acolheu, com os amigos e familiares este novo percurso, salientando que o “dia mais especial” foi o da ordenação. Para si, estes dias significam um “término de um percurso” e o iniciar de “um novo caminho com muita alegria e algumas tristezas”, mas, acima de tudo com “muita alegria, na certeza que será um caminho duro”, pois sentir-se-á muito realizado por concretizar algo que “sempre ansiou”: poder dizer “Senhor estou aqui, faz de mim o que quiseres”. Apesar de “não conhecer a realidade da paróquia”, José Ricardo Dias asseverou que aprendeu a gostar e a lidar com esta comunidade, que levará consigo no seu coração. “Tive sempre um grande apoio de todas as pessoas. Todos os grupos, de uma forma ou de outra, acolheram-me de uma forma muito positiva. Surpreenderam-me, porque não contava com este acolhimento caloroso e, sem dúvida, foi uma realidade que aprendi a gostar e que vou sentir saudades”, acrescentou. O neo-sacerdote, que à par-

tida não permanece na paróquia, contou que a sua vocação tem “muitos momentos” que o trouxeram até aos dias de hoje. A sua primeira experiência foi com os missionários dehoniamos que, numa visita à sua escola, convidaram os alunos a passar o fim de semana com eles. O padre José Ricardo Dias aceitou o convite e gostou da experiência, mas que “certamente naquela altura não era o momento para ir para o seminário”. Quando estava a terminar o curso de Economia, e com o “contacto com alguns senhores padres”, sentiu que “faltava algo” que o preenchesse totalmente. Decidido a “ir à procura e entrar em contacto com o seminário”, o novo padre fez um “período de discernimento”, que foi o “suficiente” para saber que o que queria era seguir o caminho sacerdotal, que culminou com a sua ordenação. A festa de domingo contou com a organização de todos os movimentos da paróquia. Na cerimónia também estiveram representadas a Câmara Municipal da Trofa, através da presidente, Joana Lima, vereadores, João Fernandes, presidente da Assembleia Municipal, e o presidente da Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado, José Sá. Paróquia de S. Martinho de Bougado fez balanço Luciano Lagoa, pároco da freguesia de S. Martinho de Bougado, afirmou que este foi um “ano em cheio e muito importante” a nível vocacional, que contou com “uma série de acontecimentos,

que pode despertar muito a nova comunidade”. “Começou com a ordenação de diácono do Marco Cunha, em Roma, que se está a preparar para o presbiterado na Ordem dos Jesuítas. Depois continuou com os primeiros votos do Ricardo, a seguir com os 50 anos de profissão religiosa da irmã Fernanda (Campos) e, agora, com a ordenação e Missa Nova do padre José Ricardo e do padre Pedro”, enumerou. O pároco acredita que a comunidade “correspondeu muito bem”, onde as pessoas sentiram as atividades “como algo delas”, levando-as a empenharem-se muito na sua concretização. A organização da Missa Nova contou com a colaboração de “muita gente, que se esforçou para que tudo corresse bem”. “O resultado está à vista. Com o empenho de todos e sem profissionais, conseguimos realmente fazer uma festa, na minha perspetiva, muito bonita, comunitária e muito interessante”, denotou. Luciano Lagoa referiu que agora a comunidade está voltada para a realização de um “grande acontecimento”, que envolve “muita gente”, que é a organização das Festas em Honra de Nossa Senhora das Dores, que tem contado com “uma comissão muito dinâmica”. O pároco espera, além da romaria, que haja um “trabalho mais profundo na dinamização dos grupos, em procurar que haja uma maior interação e que, sobretudo, se sintam animados na tarefa de anunciar Jesus Cristo”. Uma tarefa que espera que incentive cada vez mais a comunhão na comunidade.


Atualidade 19

www.onoticiasdatrofa.pt

19 de julho de 2012

Assembleia de Freguesia de S. Martinho de Bougado

Correio do Leitor O estado do sítio Não é novidade para ninguém que o nosso dia a dia está povoado de disparates no que concerne à nossa qualidade de conversadores. Seja por laxismo, seja por ignorância, damos pontapés na gramática a torto e a direito. Mas havia como que uma aceitação tácita de que o ato de escrever nos impunha outro rigor, outro cuidado no que ficava impresso no papel. Havia, mas já não há! Veio-me parar às mãos há algum tempo uma brochura, promovendo a venda de “casas germinadas”. Antes de mais devo dizer que elas, as casas, não mereciam tal humilhação. Conheço-as, são bonitas, bem construidas e situadas num dos mais belos locais do nosso concelho. Mas, meus senhores, as casas são geminadas ou “germinadas”? A diferença? Tão só esta: Casas geminadas são as que sendo construidas com uma parede adjacente, nascem aos pares, são gémeas umas das outras. E “germinadas”? São todas as casas do mundo. Grandes e pequenas, barracas ou palácios, hospitais ou prisões, em banda ou de quatro frentes, são todas germinadas. Porquê? Porque se existem é porque foram construidas, porque nasceram, porque germinaram! As palavras, tal como o papel ou o computador, são uma ferramenta basilar nalgumas profissões. Não é concebível que um jornalista ou um profissional de publicidade as tratem mal. Ainda não vale tudo. Mas como chegamos até aqui? Décadas de facilitismo no ensino e o abandono por parte dos alunos de qualquer ambição cultural trouxeram-nos a este estado. Um dos retratos mais tristes desta situação é-nos dado por dois ministros deste governo. Um, o Álvaro, passa a vida a falar em competividade, como se nós fôssemos competivos e não competitivos. O outro tem um canudo certificado por equivalências. Como disse há algum tempo o primeiro ministro, referindo-se às novas opurtunidades, de que este senhor foi um hábil pioneiro, foi certificada a ignorância. É este o estado do nosso sítio. Manuel de Sousa Pereira Muro

Necrologia

EDITAL

Laurinda da Silva Torres Faleceu no dia 5 de julho, com 94 anos Viúva de Heliodoro Vaz e Silva Irmã Maria Assunção Correia Rodrigues (Franciscana hospitaleira da Imaculada Conceição)

Faleceu no dia 12 de julho, com 73 anos Solteira Mário Rego Lima Faleceu no dia 14 de julho, com 75 anos Divorciado Santiago de Bougado Jorge Dias Correia Faleceu no dia 9 de julho, com 54 anos Solteiro Funerais realizados por Agência Funerária Trofense, Lda. Gerência de João Silva

Assembleia-Geral Eleitoral

Convocatória

Sessão Extraordinária 27 de Julho 2012 Delbarque da Costa Dias, Presidente da Mesa da Assembleia de Freguesia de S. Martinho de Bougado: Torna público, que convoca o Plenário da Assembleia de Freguesia, para uma sessão extraordinária que se realizará no Salão Nobre da Junta de Freguesia, no próximo dia 27 de Julho com início às 21 horas e 30 minutos, com a seguinte ordem de trabalhos: Período de Intervenção do Público: Período da ordem do dia: - Discussão da Reorganização Administrativa Territorial Autárquica

De harmonia com o disposto nos Estatutos e no exercício das competências consignadas nos artigos 48.º e 50.º, convoco a Assembleia Geral Eleitoral da Associação “GINÁSIO DA TROFA” para o dia 3 de agosto de 2012, com a seguinte Ordem de Trabalhos: 1- Eleição dos órgãos Sociais da Associação; 2- Tomada de posse. A Assembleia-Geral Eleitoral decorrerá no dia indicado entre as 21 horas e as 23 horas, horário de abertura e de encerramento da Mesa de Voto, localizada na Sede da Associação, sita na Rua Infante Dom Henrique, Edifício Mário Ferreira, 1.º Andar, Apartamento 233, na Freguesia de S. Martinho de Bougado, Concelho da Trofa.

Mesa da Assembleia de Freguesia de S. Martinho de Bougado, aos 16 de Julho 2012

A apresentação das listas de candidatos decorre até às 18 horas do dia 20 de julho de 2012. Os associados poderão consultar as Listas e os Regulamentos na Sede da Associação.

O Presidente

Trofa, em 2 de julho de 2012 (assinatura ilegível)

Delbarque da Costa Dias Pub.

Irmandade da Santa Casa da Misericórdia da Trofa

Edital Eu, Manuel da Silva Pontes, presidente da Assembleia Geral da Santa Casa da Misericordia da Trofa, convoco os Irmãos desta Irmandade a reunirem em Assemblria Geral Extraordinária a realizar no próximo dia 31 de Julho de 2012, pelas 20.00 horas nas instalações desta Santa Casa sitas na Rua José Régio n.º 3, Carqueijoso, nesta cidade da Trofa. ORDEM DE TRABALHOS

S. Martinho de Bougado Maria da Conceição Gomes da Silva Pedrosa Faleceu no dia 4 de julho, com 87 anos Viúva de Augusto Moreira Maia Júnior

Ginásio da Trofa

1.º Aprovação de um pedido de empréstimo bancário e suas garantias 2.º Aprovação do regulamento de concessão honoríficas Se no dia e hora designados não se verificar a presença da maioria legal, a reunião terá lugar uma hora depois, ou seja às 21,00 horas com qualquer número de Irmãos. Trofa, 12 de Julho de 2012 O presidente da Assembleia geral Manuel da Silva Pontes


20 Publicidade

www.onoticiasdatrofa.pt

19 de julho de 2012

Edição 382  

de 19 de julho de 2012

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you