Page 1

31 de maio de 2012 N.º 375 ano 10 | 0,50 euros | Semanário

Diretor Hermano Martins

PUB

Reforma Administrativa pág. 3

Aprovadalei dafusãodasfreguesias Atualidade pág. 10

Funcionários reclamam salários em atraso

Política pág. 4

Louçã na apresentação do BE da Trofa


2 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

31 de maio de 2012

ASAS apresenta livro No Dia da Criança, 1 de junho, a ASAS (Associação de Solidariedade e Ação Social de Santo Tirso) apresenta o seu mais recente projeto, sob forma de um livro titulado como “As viagens da Asinhas pelo mundo da adoção: uma história de descobertas e sentimentos”. Este livro pretende abordar a complexidade de uma adoção,

corre melhor”, afiançou. Na feira, os visitantes puderam encontrar uma variedade de produtos desde fumeiro, artesanato, vestuário, doçaria tradicional e calçado. O objetivo da feira era “esgotar os stocks das empresas”, sendo estas de diversos pontos do país como “da Trofa, Estremoz, Coimbra e Valença”, afirmou António Azevedo. T.S.

Mais de 100 colheitas de sangue em Ribeirão As colheitas de sangue promovidas pelo Lions Clube da Trofa, no sábado, 26 de maio, em Ribeirão, Vila Nova de Famalicão, resultaram em 123 recolhas,

dando oportunidade às crianças de partilharem os seus medos, preocupações, esperanças e otimismos. A apresentação do livro decorre no auditório da Associação Empresarial do Baixo Ave (AEBA), no Centro Comercial Nova Trofa, pelas 21 horas, e é aberto ao público. S.C.

Uma paróquia em Festa do Chapéu

Deceção na 1º Feira de Stock da Trofa Foi com algum desalento que António Azevedo fez o balanço da primeira Feira de Stocks da Trofa, que teve lugar no pavilhão dos Bombeiros Voluntários da Trofa, entre os dias 25 e 27 de maio. O responsável por esta iniciativa confessou ao NT, no sábado, que esperava melhorias nas vendas no último dia da Feira. “Está a correr muito mal. Vamos ver se amanhã (domingo)

Agenda

num total de 130 presenças. Esta atividade, realizada na EB 2/3 de Ribeirão, destinou-se aos doentes do Hospital de S. João, do Porto. S.C.

“Boné, chapéu de pena, plástico, palha, lã. Não importa o material do acessório, venha com o seu chapéu e participe num concurso”. Este é o convite do Grupo de Caridade de Covelas, que está a promover uma festa dedicada ao chapéu, onde a música ao vivo não pode faltar. Celebrar a estação mais quente do ano, o verão, ao mesmo tempo qua angaria verbas para a instituição é o objetivo do Grupo ao protagonizar esta festa no domingo, dia 3 de junho, na sede da Junta de Freguesia. Para a atividade, que tem início pelas 15 horas, o Grupo de Caridade espera que os participantes apareçam com os chapéus mais divertidos e participem no concurso, onde um júri espe-

ra encontrar o chapéu “mais bonito, mais engraçado e mais original”. “Abusem da criatividade. E mesmo que não concorram, façam por trazer o vosso chapéu”, apela membro da organização. Para os vencedores haverá prémios, desde viagem de comboio a Guimarães, almoços e uma viagem, sempre para duas pessoas, dependendo da sua faixa etária (três-12 anos, 13-18, 19-50 e dos 51 aos 93 anos, respetivamente). Para se inscrever, pode dirigir-se aos membros do Grupo de Caridade ou então através do número 918 296 628. A entrada tem um custo de um euro e meio. P.P.

Dia 1 10.30 horas: Inauguração da nova biblioteca escolar na EB1 de Querelêdo 21 horas: Apresentação do livro da ASAS, no auditório da AEBA Dia 2 Jornadas Geriatricas, na TrofaSenior Residências 15 horas: Inauguração da exposição Re-use, na Casa da Cultura da Trofa 16 horas: Final da Super Taças de futebol amador, no pavilhão gimnodesportivo da EB 2/3 de S. Romão do Coronado 21.30 horas: Um violino no telhado, no salão paroquial de S. José, em S. Mamede do Coronado Dia 3 10 horas: Fitness solidário da ASAS, na Praça 25 de Abril, em Santo Tirso 15 horas: Festa do Chapéu, em Covelas 15.20 horas: Início da atividade Futebol Solidário, na Academia de Futebol da Louseira, em Abelheira, S. Martinho de Bougado

fonte: party night

Farmácias de Serviço

Festa realiza-se no auditório da Junta de Freguesia de Covelas

Ficha Técnica Fundadora: Magda Araújo Diretor: Hermano Martins (T.E.774) Sub-diretora: Cátia Veloso (T.P. 1639) Editor: O Notícias da Trofa, Publicações Periódicas Lda. Publicidade: Maria dos Anjos Azevedo Redação: Patrícia Pereira (T.P. 1637), Cátia Veloso Setor desportivo: Diana Azevedo, Marco Monteiro (C.O. 744), Miguel Mascarenhas (C.O. 741) Colaboradores: Atanagildo Lobo, Jaime Toga, José Moreira da Silva (C.O. 864),

Tiago Vasconcelos, Valdemar Silva Fotografia: A.Costa, Miguel Trofa Pereira (C.O. 865) Composição: Magda Araújo, Cátia Veloso, Ana Assunção (T.P.E 155) Impressão: Gráfica do Diário do Minho, Lda, Assinatura anual: Continente: 20 euros; Extra europa: 59,30 euros; Europa: 42,40 euros; Assinatura em formato digital PDF: 15 euros NIB: 0007 0605 0039952000684 Avulso: 0,50 Euros

E-mail: jornal@onoticiasdatrofa.pt Sede e Redação:Rua das Aldeias de Cima, 280 r/c - 4785 - 699 Trofa Telf. e Fax: 252 414 714 Propriedade: O Notícias da Trofa Publicações Periódicas, Lda. NIF.: 506 529 002 Registo ICS: 124105 Nº Exemplares: 5000 Depósito legal: 324719/11 Detentores de 50 % do capital ou mais: Magda Araújo

Nota de redação Os artigos publicados nesta edição do jornal “O Notícias da Trofa” são da inteira responsabilidade dos seus subscritores e não veiculam obrigatoriamente a opinião da direção. O Notícias da Trofa respeita a opinião dos seus leitores e não pretende de modo algum ferir suscetibilidades. Todos os textos e anúncios publicados neste jornal estão escritos ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

Dia 31 Farmácia Nova Dia 1 Farmácia Moreira Padrão Dia 2 Farmácia Sanches Dia 3 Farmácia Trofense Dia 4 Farmácia Barreto Dia 5 Farmácia Nova Dia 6 Farmácia Moreira Padrão Telefones úteis Bombeiros Voluntários da Trofa 252 400 700 GNR da Trofa 252 499 180 Polícia Municipal da Trofa 252 428 109/10


Atualidade 3

www.onoticiasdatrofa.pt

31 de maio de 2012

Aprovada lei da fusão das freguesias Hermano Martins

Com a lei aprovada, o concelho da Trofa poderá passar para cinco freguesias. Foi publicado esta quarta-feira em Diário da República o regime jurídico da reorganização administrativa das freguesias. A lei nº 22/2012 apresenta ligeiras diferenças, relativamente à proposta de lei aprovada pelo Conselho de Ministros, a dia 2 de fevereiro. Recorde-se que a proposta apresentada pelo Governo, no início do ano, previa a redução das freguesias no concelho da Trofa para apenas duas. Agora, a lei diz que “nos casos em que o cumprimento dos parâmetros de agregação definidos determine a existência de um número de freguesias inferior a quatro, a pronúncia da assembleia municipal pode contemplar a existência de quatro freguesias no território do respetivo município. Os municípios de nível 2 (no qual a Trofa está inserida), terão que reduzir, no mínimo, 50 por cento do número de freguesias pertencentes à malha urbana (ou lugar urbano), tendo de ficar com um total de 15 mil habitantes, e de 30 por cento do número das outras freguesias, tendo de ficar com o mínimo de três mil habitantes por freguesia. De acordo com a lei agora publicada, a cidade da Trofa - composta pelas freguesias de Santiago de Bougado (6395 habitantes) e S. Martinho de Bougado (15.152 habitantes) - é um lugar urbano. Para cumprir a redução de 50 por cento, as freguesias terão que se agregar, totalizando 21.547 habitantes. A Vila do Coronado – composta por S. Mamede (4252 habitan-

tes) e S. Romão (4785 habitantes) - também é considerada pelo Governo como lugar urbano, pelo que as freguesias terão que se “fundir”, totalizando 9037 habitantes. Mesmo assim ficará longe dos 15 mil habitantes a que a lei obriga. Perante isto, a fusão com mais freguesias com as quais façam fronteira será o cenário que se adivinha. Para a agregação, “a sede do município deve ser, preferencialmente, considerada como polo de atração das freguesias que lhe sejam contíguas, independentemente de nestas se situarem ou não lugares urbanos, de modo a promover as respetivas dinâmicas económicas e sociais”, pode ler-se na lei agora aprovada. As freguesias com um índice de desenvolvimento económico e social mais elevado, um maior número de habitantes e uma maior concentração de equipamentos coletivos, devem ser consideradas, no quadro da prestação de serviços públicos de proximidade, como preferenciais polos de atração das freguesias contíguas, sem prejuízo da consagração de soluções diferenciadas em função de razões de natureza histórica, cultural, social ou outras. Nome das freguesias poderá gerar polémicas Muita tinta já correu sobre que designação dar às novas freguesias, no entanto, a lei agora aprovada diz que “a freguesia criada por efeito da agregação tem a faculdade de incluir na respetiva denominação a expressão «União das Freguesias», seguida das denominações de todas as freguesias anteriores que nela se agregam”. Contudo, poderão ser apresentadas propostas para outro nome.

Assembleia Municipal pode permitir existência de quatro ou cinco freguesias No caso em que o cumprimento dos parâmetros de agregação resulte num número de freguesias inferior a quatro – o que se verifica no concelho da Trofa a Assembleia Municipal (AM) pode pronunciar-se, após consulta ou proposta da Câmara Municipal - e contemplar a existência de quatro freguesias no território da Trofa. Contudo, o concelho poderá também ficar com cinco freguesias, uma vez que “no exercício da respetiva pronúncia prevista no artigo 11.º da presente lei, a AM goza de uma margem de flexibilidade que lhe permite, em casos devidamente fundamentados, propor uma redução do número de freguesias do respetivo município até 20 por cento inferior ao número global de freguesias a reduzir resultante da aplicação das percentagens. Em casos devidamente fundamentados, a AM pode alcançar a redução global do número de freguesias prevista na presente lei, aplicando proporções diferentes das consagradas no n.º 1 do artigo 6.º da lei 22/ 2012, de 30 de maio, publicada esta quarta-feira em Diário da República (50 por cento na malha urbana e 30 por cento nas outras freguesias). A pronúncia da AM deve ser entregue à Assembleia da Repú-

Assembleia Municipal deverá definir as fusões

blica (AR) até 23 de agosto, acompanhada, quando emitidos, dos pareceres das assembleias de freguesia. Caso se verifique a ausência de pronúncia das assembleias municipais, cabe à Unidade Técnica (composta por cinco técnicos designados pela Assembleia da República, um técnico designado pela Direção Geral da Administração Local, um técnico designado pela Direção Geral do Território, cinco técnicos designados pelas comissões de coordenação e desenvolvimento regional, dois representantes designados pela Associação Nacional de Municípios Portugueses e dois representantes designados pela Associação Nacional de Freguesias) apresentar à AR propostas concretas de reorganiza-

ção administrativa do território. A reorganização administrativa é acompanhada de um novo regime de atribuições e competências, que reforça as competências próprias dos órgãos das freguesias e amplia as competências delegáveis previstas na lei, em termos a definir em diploma próprio nas áreas de manutenção de instalações e equipamentos educativos, construção, gestão e conservação de espaços e equipamentos coletivos, licenciamento de atividades económicas, apoio social e promoção do desenvolvimento local. A agregação que resulte de proposta pela AM passará a receber mais 15 por cento de valores do Fundo de Financiamento das Freguesias (FFF) até ao final do mandato seguinte à agregação.

Teresa Fernandes candidata ao Departamento Federativo das Mulheres Socialistas do Porto “Unidas para o futuro”. Este é o slogan da candidatura de Teresa Fernandes, ao Departamento Federativo das Mulheres Socialistas do Porto. A apresentação da candidatura decorreu na segunda-feira, 28 de maio, na sede da Federação Distrital do Porto do PS. As eleições decorrem no dia 16 de junho. Teresa Fernandes tem 33 anos, é de S. Romão do Coronado, no concelho da Trofa, e é membro da Comissão Nacional do PS, membro da Comissão Política Distrital e da Comissão Política da Concelhia da Trofa. Pertence ao Secretariado da Secção de S. Romão do Coronado do Partido Socialista,

Eleições decorrem a 16 de junho

integra o Departamento Nacional das Mulheres Socialistas e é

membro do Secretariado Distrital das Mulheres Socialistas. C.V.


4 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

31 de maio de 2012

Francisco Louçã “apadrinha” apresentação do núcleo do Bloco de Esquerda na Trofa Cátia Veloso Patrícia Pereira

A comissão política concelhia do Bloco de Esquerda da Trofa apresentou-se à população e contou com o apoio do líder do partido, Francisco Louçã. Emprego, reabilitação urbana e ação social são áreas de intervenção. Francisco Louçã esteve na Trofa para apoiar a nova comissão política concelhia do Bloco de Esquerda, que nasce com o objetivo de “estimular a criação de emprego”. Esta é uma das áreas mais proeminentes do manifesto de Gualter Costa, líder da concelhia bloquista, que tenciona ter a estrutura “pronta a trabalhar a cem por cento até ao final do ano”. “Estamos em fase de angariação de novos militantes. Temos tido muito boa recetividade. Quer nos meios digitais, quer presencialmente temos tido vários contactos”. A sessão de apresentação da comissão política, na sexta-fei-

ra, 25 de maio, no auditório da Junta de Freguesia de Santiago de Bougado, foi “o primeiro passo” para “trabalhar em prol do concelho”. A ação da estrutura concelhia do Bloco de Esquerda vai incidir no emprego. Gualter Costa afirmou que “já foram identificados vários fatores causadores do desemprego na Trofa”. “Muitos mais haverá e outros também assumem-se como supralocais e não dependem diretamente do concelho para os resolver. Queremos criar condições para que sejam criados novos empregos, estimulando as empresas para que não fujam para concelhos limítrofes”, explicou. A “reabilitação urbana” também será uma das áreas de incidência do Bloco de Esquerda na Trofa: “Queremos promover a mancha urbana no concelho, que a requalificação do Parque Nossa Senhora das Dores se não for de luxo, que seja low cost, mas que permita devolver aquele espaço aos trofenses. Requalificar

Gualter Costa é o líder concelhio do Bloco de Esquerda

a Rua Conde S. Bento e a ligação ao Largo Costa Ferreira para potenciar o comércio”. Para além disso, Gualter Costa desenvolver “atividades” ligadas ao ambiente e, simultaneamente, “promover o turismo”.

“Também tencionamos fomentar o apoio social na Trofa, de uma forma diferente do que está a ser feito. Gostaríamos que fosse uma intervenção mais humana, mais voltada para as pessoas e menos a procurar o

mediatismo”. O líder da comissão política concelhia do Bloco de Esquerda admitiu que “foi excelente” contar com “o apoio” de Francisco Louçã e de toda a estrutura nacional e distrital, com “pessoas bem conhecedoras da realidade portuguesa”. O núcleo trofense do Bloco de Esquerda vai começar a trabalhar e tenciona, “em breve”, promover “um debate sobre alguns pontos importantes para o concelho”, para que, depois, a estrutura concelhia do partido “possa apresentar publicamente todas as propostas que tem para a Trofa”. Gualter Costa não se compromete a apresentar uma lista para as próximas eleições autárquicas, porque “primeiro, há que analisar a recetividade dos trofenses ao projeto do Bloco de Esquerda na Trofa”. Mesmo que não concorra, o líder do núcleo trofense do partido promete “ser sempre uma voz ativa”.

Juventude Popular promove ação de sensibilização Patrícia Pereira patricia@onoticiasdatrofa.pt

A Juventude Popular da Trofa protagoniza ações de angariação para ajudar os mais desfavorecidos. Caixa Amiga é o nome da primeira iniciativa da Juventude Popular da Trofa (JPT), que pretende “sensibilizar a população jovem para a presença da Juventude Popular e, acima de tudo, angariar fundos, bens materiais, brinquedos e também alimentos que não caduquem”, para doar às “instituições de abrigo e apoio infantil da Trofa”, de forma a participar com as instituições que

apoiam, de várias formas, os jovens e que são “bastante carenciadas e com poucas verbas da parte do município”. Aquando da formação da Comissão Concelhia da Trofa, os jovens decidiram que a sua primeira atividade deveria ser no âmbito social, contando com o gesto de solidariedade da comunidade, na contribuição de bens alimentares, materiais e têxteis. Também material didático e pequenos eletrodomésticos são “bem vindos”, sendo depois doados às entidades carenciadas e referenciadas pelos serviços sociais da autarquia. Caso queira participar nesta atividade pode deslocar-se às EB1 JI de Paranho e Finzes,

em S. Martinho de Bougado, à EB 2/3 Napoleão Sousa Marques e à Escola Secundária da Trofa, onde encontrará uma caixa, devidamente identificada, onde poderá colocar os bens com que quer contribuir. “Assente em valores como solidariedade e bondade, a Juventude Popular da Trofa tem estes contentores polarizados pela cidade, fazendo a ponte entre quem quer dar e quem precisa de saber. Por isso, quem tiver roupa ou brinquedos que já nem use ou sirva, dirija-se a uma das Caixas Amigas e ajude estas instituições carenciadas do concelho, que tanto fazem pelo saudável equilíbrio da nossa cidade”, apelou Ana Margarida Padrão. Além destas Caixas Amigas, existem ainda umas caixinhas nas farmácias Trofense e Moreira Padrão, onde a comunidade pode contribuir com “uma ajuda monetária”. Este dinheiro será usado para ajudar as famílias mais carenciadas na compra de “produtos ligados às crianças, por exemplo leite materno”. A Comissão Concelhia da Juventude Popular da Trofa, “apoiante do pensamento políti-

co do CDS-PP”, foi formada em outubro de 2011, sendo encabeçada por Ana Margarida de Sá Padrão, presidente, João Penha Ferreira, vice-presidente, Luísa Oliveira, secretária-geral, Joana Areal e Diana Pires, vogal e segunda vogal, respetivamente. Trata-se de uma organização juvenil, sem fins lucrativos e autónoma, com o “interesse pioneiro de

dar uma resposta jovem à dinâmica política democrata-cristã”, presente no concelho. Nos planos da comissão concelhia está já prevista uma campanha direcionada para os mais jovens, com o intuito de sensibilizá-los para “a importância de terem uma participação política mais ativa na nossa sociedade”.

Caixa Amiga estará espalhada pelas escolas de S. Martinho


Atualidade 5

www.onoticiasdatrofa.pt

31 de maio de 2012

Bombeiros da Trofa têm 15 elementos novos Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

A corporação dos Bombeiros Voluntários da Trofa conta com 15 novos elementos. Na sexta-feira, 25 de maio, os 15 estagiários foram aprovados na última fase da prova de conhecimentos, que consiste em dois testes, um teórico e um prático. O primeiro foi composto por 40 perguntas de escolha múltipla, incidindo sobre o conteúdo funcional da carreira e categoria a prover, e no prático, os estagiários foram avaliados nos seguintes itens: ordem unida, ARICA (Aparelho Respiratório Isolante de Circuito Aberto), extintores e progressão com linhas de água. O júri do concurso de ingres-

so na carreira de Bombeiro Voluntário era composto pelo presidente, comandante do Quadro de Honra João Silva, e pelos vogais efetivos, o 2º comandante Filipe Coutinho e o adjunto do comando, Daniel Azevedo. Os 15 estagiários dos Bombeiros Voluntários da Trofa iniciaram o Curso Instrução Inicial de Bombeiro, a 1 de maio de 2011, com a duração de 350 horas, composto por seis módulos: Introdução ao Serviço dos Bombeiros; Técnicas de Socorrismo; Equipamentos, Manobras e Veículos; Técnicas de Salvamento e Desencarceramento; Operação de Extinção de Incêndios Florestais. O curso foi ministrado por dez instrutores e um formador, todos elementos dos Bombeiros da Trofa.

Estagiários foram aprovados na última fase da prova de conhecimentos

Três carros furtados na Trofa

Homem baleado em Santiago de Bougado

Patrícia Pereira patricia@onoticiasdatrofa.pt

Patrícia Pereira patricia@onoticiasdatrofa.pt

Em dois dias três carros foram furtados no concelho da Trofa. Nos dias 25 e 26 de maio, sexta-feira e sábado respetivamente, três carros foram furtados no concelho da Trofa. O primeiro furto decorreu no Parque Doutor Lima Carneiro, em S. Martinho de Bougado, entre as 12 e as 16 horas. O proprietário tinha aí estacionado a sua viatura, um Renault Megane cinzento, quando regressou já não a encontrou. O mesmo aconteceu na Rua Vale do Coronado, em S. Mamede do Coronado, entre as 15 e as 20 horas, tendo desta vez sido furtado um Fiat Uno. Já no sábado, na Rua S. João, em Guidões, o proprietário deixou a sua viatura ligeira de passageiros, uma Toyota azul, estacionada à porta de casa durante a noite. De manhã, quando a foi buscar o carro, já não a encontrou. Também durante esta semana, três automóveis foram alvo do amigo do alheio. O assaltante remexeu o interior das viaturas, furtando o que de valor encontrou.

Homem baleado enquanto comia junto a uma rulote de bebidas. O INEM alertou os Bombeiros Voluntários da Trofa (BVT) para uma queda, que tinha ocorrido junto a uma rulote na Rua Moinhos da Lagoa, em Santiago de Bougado, na madrugada de quinta-feira, dia 24 de maio. Quando os bombeiros chegaram ao local encontraram uma realidade diferente. Um homem, de 30 anos, foi encontrado com uma bala alojada entre os dedos do pé. Tudo terá acontecido enquanto a víti-

PS Trofa vai a votos Este sábado, 2 de junho, realizam-se as eleições para os órgãos locais e concelhios do Partido Socialista. Joana Lima, Lista A, e Carla Azevedo, Lista B, vão a votos para liderar a Comissão Política Concelhia do partido no concelho da Trofa. No mesmo dia, decorre o sufrágio para os núcleos do PS. Para o dia 16 de junho estão marcadas eleições para a Federação Distrital do PS Porto, cujos candidatos são José Luís Carneiro e Guilherme Pinto. C.V.

ma comia junto à rulote. Vários indivíduos que aí se encontravam terão entrado numa viatura para saírem do local tendo um deles disparado um tiro para o chão, perto do cliente que ali se encontrava. O certo é que a bala entrou no calcanhar da vítima, atravessando o pé até ficar alojada junto aos dedos. Os BVT avisaram o INEM de que se tratava de uma agressão, para que fossem acionadas as autoridades competentes. A vítima, a residir em Vila Nova de Famalicão, foi transportada para o Centro Hospitalar Médio Ave (CHMA) de Vila Nova de Famalicão. O caso está entregue à Polícia Judiciária.


6 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

31 de maio de 2012

Extinção do Espaço t “não é cenário que se coloca” Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

Jorge Oliveira criou o Espaço t há 18 anos, mas desde 2007 tem-se deparado com vários problemas financeiros. A instituição, com filial na Trofa, pondera despedir 13 pessoas para contenção de despesas. Desde que Jorge Oliveira divulgou os problemas financeiros com que a associação que preside o Espaço t tem-se deparado ultimamente, a sociedade parece reconhecer o valor social deste projeto e já contribuiu com doações que reuniram cerca de 11 mil euros. Foi através de uma carta aberta que Jorge Oliveira deu a conhecer a realidade “cinzenta” que o Espaço t tem vivido e pediu “um euro” a cada um. “As pessoas têm sido extremamente generosas, tendo manifestado a sua solidariedade, quer através de mensagens de apoio quer através de donativos. Também algumas empresas nos têm abordado para nos ajudar a sair deste impasse”, sublinhou, em entrevista ao NT. Apesar de o valor das doações ser já significativo, a verdade é que ainda é uma pequena parcela de todo o montante que a instituição tem em dívida: são 150 mil euros de débito a instituições bancárias, aos quais acrescem 50 mil euros de juros. De acordo com o presidente do Espaço t, deste valor, 70 mil referem-se “à penalização, aplicada pelo Estado, por nem todos os alunos terem acabado os cursos”. “Gastamos dinheiro com formadores e material, mas tendo em conta o perfil dos alunos dos Cursos de Educação e Formação (CEF) não conseguimos

Jorge Oliveira criou o Espaço t há 18 anos

evitar que, por exemplo, que nem todos cheguem ao fim, porque trata-se de uma franja social muito problemática. Mas os que acabaram criaram um projeto de vida”, explicou. O restante montante da dívida, 80 mil euros, resulta “de créditos, incluindo impostos e juros, pedidos à banca para financiar obras na sede e na filial da Trofa, devido aos atrasos do Estado nos pagamentos”. Apesar destes problemas, Jorge Oliveira garantiu que “a extinção do Espaço t é um cenário que não se coloca, já que a comunidade de inserção do Porto e da Trofa são financiadas pela Segurança Social através de uma subvenção”, explicitou. No entanto, salvaguardou, “face à conjuntura, a instituição terá de se readaptar à realidade financei-

ra do País, redimensionando-se com necessidade ao recurso de despedimentos de 13 pessoas”. Enquanto aguarda “desenvolvimentos de decisões importantes” por parte das “instituições públicas”, Jorge Oliveira tem encetado esforços para pedir ajuda. Para além da carta aberta, foi lançada uma petição online (http://www.peticaopublica.com/ ?pi=P2012N24288), com o objetivo de chegar à Assembleia da República e que, reuniu, até agora mais de mil assinaturas. Mais, os responsáveis da instituição estão “a desenvolver uma estratégia de sustentabilidade, com várias iniciativas que procuram encontrar soluções de financiamento próprio”. “Queremos demostrar que não baixaremos os braços e que não desistimos. A crise trouxe-nos ainda

mais força para lutar e mostrar à sociedade que apesar de todas as contrariedades financeiras, o Espaço t vai continuar a servir todos aqueles que nos procuram e a oferecer um serviço de excelência”, frisou. No dia 28 de maio, a instituição apresentou, no pequeno auditório do Rivoli Teatro Municipal, o 14º Corpo Evento – Ciclo de Espetáculos em Teatro e Dança, que decorre até ao dia 8 de junho.

do ou em alguns casos verificaram-se atrasos na ordem dos dois anos para processar o referido pagamento”. “Ora, isto implica existência de juros e taxas bancárias”, asseverou. Jorge Oliveira contou ainda que, na filial da Trofa, a instituição foi obrigada “por lei” a “instalar uma plataforma elevatória que custou 18 mil euros e nunca foi utilizada, porque o elevador é suficiente para transportar cadeiras de rodas”.

Problemas surgiram em 2007

Filial da Trofa tem 62 utentes

Esta situação de insustentabilidade financeira agravou-se recentemente, mas o problema surgiu “em 2007”, contou Jorge Oliveira, quando o Espaço t, atualmente com 18 anos, “recebeu fundos comunitários e do Estado para construir a sede na Rua do Vilar, no Porto”. “A obra custou um milhão de euros, sendo o projeto financiado pelo Estado e pela União Europeia em 90 por cento, no entanto, nessa altura tivemos de criar uma linha de crédito para fazer face ao processo de compra e restauro do edifício, pois o financiamento público só era reembolsado após o pagamento integral do investimento. Por outro lado, pelo facto de o Espaço t não ter fins lucrativos, este investimento deixou-nos fragilizados financeiramente”, adiantou. Também os projetos desenvolvidos em parceria com o Estado “eram reembolsados após a sua conclusão”, facto que obrigou a instituição “a recorrer ao crédito para fazer face às suas necessidades de implementação”. Mas, “o Estado ou cortou no financiamento acorda-

É a partir de nove ateliês, teatro, informática, expressão plástica, fotografia, sensibilização para as artes, guitarra, escrita criativa, artes decorativas e competências para reinserção profissional, que a filial do Espaço t na Trofa ocupa os 62 utentes. O espaço dispõe ainda de um gabinete que disponibiliza consultas de psicologia e de apoio jurídico, abertos à comunidade. “Há poucos dias, vimos aprovado o Gabinete de Inserção Profissional, financiado pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional, que tem como objetivo prestar o apoio a pessoas na resolução dos seus problemas de inserção ou reinserção profissional, em cooperação com os centros de emprego”, acrescentou Jorge Oliveira. Este serviço destina-se a todos os desempregados à procura do primeiro emprego, com dificuldades de orientação profissional ou todos os que procuram formação profissional. “Não é condição obrigatória ser utente do Espaço t, pois trata-se de um serviço público aberto a toda a população”, explicou.

Secundária da Trofa termina o ano em festa O fim do ano letivo vai ser assinalado com festa na Escola Secundária da Trofa. A 8 de junho, durante todo o dia, há espetáculos musicais e outras atividades lúdicas e desportivas. Poesia, cinema, exposições, jogos, palestras e desfiles são apenas alguns dos exemplos do que vai acontecer no recinto da Secundária da Trofa. O eurodeputado do CDS, Nuno Melo, vai estar presente no estabelecimento de ensino para

participar numa palestra, às 11 horas. Mas, as atividades começam logo às 9 horas, com as aulas livres de fitness e um treino militar. De tarde, no bar da escola, um desfile de moda, karaoke e a realização da peça de teatro de Gil Vicente, “O Auto da Barca do Inferno”, dão o mote para o arraial organizado pelo organismo da escola e pela associação de pais. O evento será acompanhado por bandas de garagem, dança e

fogo de artifício. Todas as atividades singulares serão acompanhadas por vários eventos que decorrem durante todo o dia, como um torneio de trackmania, atividades de robótica e quatro exposições, “A poesia está no ar”, “O quarto”, “Retratos” e “Casa do Sonho”. A festa é aberta a toda a comunidade educativa e tem como principal mensagem “depois de muito trabalho e dedicação, há sempre lugar para um momento de descontração”. A.A.


Atualidade 7

www.onoticiasdatrofa.pt

31 de maio de 2012

Centro de Novas Oportunidades

Adultos receberam diplomas de certificação Patrícia Pereira patricia@onoticiasdatrofa.pt

Mais de 150 adultos do Centro Novas Oportunidades da Escola Secundária da Trofa receberam, na sexta-feira, dia 25 de maio, diplomas por terem completado o Ensino Básico ou Secundário. O novo auditório da Escola Secundária da Trofa (EST) foi pequeno para receber os mais de 150 adultos que, juntamente com os seus familiares, participaram na cerimónia de entrega de diplomas, por terem concluído o Ensino Básico ou Secundário do Centro Novas Oportunidades (CNO). Cerca de 130 adultos completaram esta etapa através do portefólio RVCC (Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências), sendo que os restantes 25 terminaram através dos Cursos de Educação e Formação para Adultos (EFA). Além de terem recebido, pelas mãos de Teresa Fernandes, vereadora do pelouro da Educação, o diploma, os adultos também recebe-

Mais de 150 adultos receberam diplomas de certificação

ram uma rosa. Em vez do habitual lanche-convívio no final, a organização optou por apresentar as novas instalações da Escola Secundária. Estrela Silva, coordenadora do CNO da EST, contava com a presença de todos os adultos, mas um jogo de futebol e o pouco espaço no auditório podem ter sido as razões para algumas ausências. “Eles foram avisados que pri-

meiro entrariam eles e depois é que entraria a família para lhes assegurarmos os lugares sentados. E isso certamente motivou alguns a ficar em casa. Mas, mesmo assim, o auditório estava cheio e tinha muita gente cá fora a espera”, assegurou a coordenadora. Devido às últimas notícias sobre o encerramento de muitos CNO, Estrela Silva explicou que apenas fecharam os que “não vi-

ram as suas candidaturas aprovadas em 31 de dezembro de 2011”. Relativamente ao da Trofa, com a candidatura financeira e pedagógica aprovada até 31 de agosto de 2012, a coordenadora está com expectativas que este CNO se mantenha, até porque lhes foi dito que vão “entrar numa próxima candidatura”. Além disso, já foram contactados pela DREN (Direcção Regional de Educação do Norte), que os

questionou sobre quais “as formações modelares” a que se iam candidatar. “Continuamos a ter as inscrições dos formandos quer para EFA quer para RVCC. Já sabemos que vamos ter o curso EFA para o ano. E também temos adultos, que vieram de centros da zona que fecharam a 31 de dezembro, para pegarmos neles e darmos continuidade ao processo”, frisou Estrela Silva, denotando que “neste momento” têm cerca de 200 pessoas inscritas, sem contar com os adultos que têm sessões individuais, visto já estarem a finalizar o processo. Também o facto de um representante da ANQEP (Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional) ter elogiado a “boa qualificação” do CNO na última candidatura, deixa a coordenadora com boas esperanças. Esta semana foi aberto mais um grupo em Covelas, estando também previsto abrir um grupo em S. Romão do Coronado, em junho.


8 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

31 de maio de 2012

Jornadas de Ciências, Engenharias e Tecnologias na CICCOPN Patrícia Pereira patricia@onoticiasdatrofa.pt

O CICCOPN, em parceria com a Faculdade de Ciências Naturais, Engenharias e Tecnologias (FCNET) da Universidade Lusófona do Porto organizou mais um Dia das Engenharias, no dia 24 de maio, quinta-feira. O auditório do CICCOPN (Centro de Formação Profissional da Indústria da Construção Civil e Obras Públicas do Norte) recebeu mais uma edição das Jornadas de Ciências Naturais, Engenharias e Tecnologias. A atividade, que tem sido desenvolvida em parceria com a FCNET, da Universidade Lusófona do Porto, decorreu nonstop ao longo de todo o dia, tendo sido ocupada com temas da ciência, investigação, desporto, gastronomia e convívio da comunidade escolar. Durante o dia, foram apresentadas 15 comunicações técnicas e científicas, da autoria de estudantes, professores e especialistas convidados. Como Amílcar Rodrigues, diretor do CICCOPN, referiu, as jornadas tiveram apresentações de

“temas atuais” e “muito diversos, desde reabilitação, à segurança no trabalho e questões de ambiente”. “Abordar as várias vertentes dos cursos que a Lusófona tem e as várias possibilidades que os alunos do CICCOPN, que estão a terminar o secundário, possam vir a ter na sua evolução a nível académico, e dos cursos que possam vir a querer a nível superior” é o principal objetivo destas apresentações. Amílcar Rodrigues afirmou ser “ótimo” toda esta parceria, pois, além do envolvimento de muitas pessoas, os formandos do CICCOPN, interessados por enveredar por uma licenciatura, ficam a conhecer melhor a oferta da FCNET. Uma aproximação que, segundo o mesmo, só dá “bons resultados”, estando “muito satisfeito” com esta parceria. “Nós precisamos de ajudar as pessoas a crescer. Isto são caminhos abertos, portas abertas e tudo isto permite que as pessoas convivam, que saibam quais são as oportunidades, para que possam enveredar para as licenciaturas nas áreas em que tiraram aqui uma especialização”, asseverou.

Jornadas contaram com apresentações desde reabilitação a questões de ambiente

Artur Costa, diretor da FCNET, contou que esta parceria já existe há cerca de três anos, quando surgiu a “oportunidade de celebrar um protocolo de cooperação entre a Universidade Lusófona do Porto e o CICCOPN”, devido à existência de “áreas de atuação comuns”, entre as escolas. O diretor da faculdade garante que as atividades têm “corrido muitíssimo bem e a melhorar”, salientando como uma “mais-valia” a “partilha de saberes e experiências”, ao mesmo tempo que se promove a imagem do esta-

belecimento de ensino. “Estas 3ª Jornadas de Ciências Naturais, Engenharias e Tecnologias, pertencem a uma atividade mais vasta, intitulada Dia de Engenharia FCNET 2012, que é um dia de celebração e convívio saudável entre estudantes, professores e entidades, digamos, associadas. É neste conceito que surge também a ligação ao CICCOPN, que assim, como nosso amigo, também se junta a nós neste dia para partilharmos conhecimentos, experiências e interajudas”, referiu, mencionando que “mais de metade da

Alunos viajam até Albufeira

Agrupamento deEscolas doCastro apresenta autoavaliação

Patrícia Pereira patricia@onoticiasdatrofa.pt

Alunos da EB1 JI de Lagoa viajaram de avião até Albufeira, Algarve, onde fizeram a sua inesquecível viagem de finalistas. ZooMarine, em Albufeira, foi o destino escolhido pelos pais dos 23 alunos do 4º ano da EB1 JI da Lagoa, para a viagem de finalistas. Durante o domingo, as crianças visitaram e divertiramse no parque temático mais conhecido do País. Além disso, viveram a experiência de andar de avião. Foi desta forma, que os pais protagonizaram um “convívio entre miúdos”, que serviu para comemorar o “final de um ano e de um ciclo”. As crianças, acompanhadas pelo professor da turma e por oito pais, chegaram a Albufeira na tarde de sábado, dia 26 de maio.

faculdade está envolvida nesta iniciativa”, desde estudantes a professores. O Centro de Formação, situado na Maia, oferece um vasto leque de cursos profissionais ligados à construção civil, tanto para jovens como para desempregados, trabalhando “essencialmente na valorização” da qualificação de empregados como na dos jovens. O CICCOPN tem à disposição cursos de formação, com saídas profissionais, que permite aos jovens obterem “competências profissionais, quer para trabalhar no país ou no estrangeiro”.

O Agrupamento de Escolas do Castro, realiza hoje, 31 de maio, pelas 21 horas, a apresentação e discussão pública do relatório de Autoavaliação. Esta sessão aborda opções estratégicas dos respetivos EiCrianças divertiram-se no Zoomarine

O dia de domingo foi todo passado no Zoomarine, onde puderam assistir a apresentações com golfinhos, focas e leões-marinhos, com aves tropicais e aves de rapina e visitar um aquário com os incríveis tubarões. Além disso, os mais pequenos puderam divertir-se nas várias atra-

ções, diversões e piscinas. Para proporcionar este fim de semana inesquecível, os pais dos alunos organizaram, ao longo do ano, várias atividades de angariação de verbas, tendo também a Associação de Pais da escola dado “uma ajuda”. “A viagem decorreu sem ne-

xos de Melhoria do Agrupamento e conta com a presença do nhum problema, onde chegamos todos muito cansados. As crianças ficaram muito satisfeitas com a viagem e regressaram felizes”, contou Pedro Rebelo, pai de uma das crianças. Uma experiência que as crianças jamais esquecerão.

Professor Matias Alves, da Universidade Católica Portuguesa. S.C.


Atualidade 9

www.onoticiasdatrofa.pt

31 de maio de 2012

Creche Padre Joaquim Ribeiro promove jantar Stefanie Correia A. Costa

Pela primeira vez, a Creche Padre Joaquim Ribeiro reuniu crianças, familiares e funcionários num jantar-convívio, na Quinta da Azenha. “Um clima harmonioso, de confiança e com momentos de prazer, alegria e diversão”. Foi desta forma que Mariana Azevedo, coordenadora pedagógica da Creche Padre Joaquim Ribeiro, descreveu o encontro entre responsáveis, crianças e familiares do estabelecimento num jantarconvívio, na sexta-feira, 25 de maio. A Quinta da Azenha, em Guidões, recebeu este jantar, que

reuniu “funcionários, elementos da direção e também pais, encarregados de educação e restantes familiares” para “em conjunto conviverem e socializarem”, contou a coordenadora ao NT. Este encontro “de família” foi o primeiro em três anos de funcionamento desta creche, e partiu da iniciativa dos pais que pediam algo “mais demorado e formal”, em complemento às festas habituais da instituição, explicou Mariana Azevedo. Perto do final das aulas para férias de verão, Mariana Azevedo sublinhou ainda tratar-se de uma forma de fazer um balanço do ano letivo, que foi “muito positivo”, quer a nível da educação das crianças, quer a nível do apoio da direção. “A direção está

Convívio juntou colaboradores, pais e crianças

de parabéns. Deixam-nos fazer as nossas ideias, cumprir os nossos ideais e dão-nos margem para fazer o que pretendemos com os nossos meninos”, frisou, relativamente aos projetos apre-

sentados no início de cada ano letivo. Neste momento, a Creche Padre Joaquim Ribeiro conta com “lotação máxima”: 51 crianças e dez funcionários.

“Informática para todos” na EB 1 de Fonteleite

Vítor Macedo expõe no GaiaShopping

“Informática para Todos” é o nome da ação de formação que a Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica e Jardim de Infância de Fonteleite está a promover. “Juntar os pais à escola numa perspetiva de dar a conhecer aos mais velhos a tecnologia do computador” é o principal objetivo da Associação de Pais e Encarregados de Educação da EB1 JI de Fonteleite, de S. Romão do Coronado. A escola recebe, duas vezes por semana, cerca de 15 elementos, entre alunos, pais e avós, para adquirirem “competências básicas na utilização de um computador”. “Queremos que todos tenham o mínimo de conhecimento de como se utiliza o computador, como saber criar e utilizar um email, fazer pesquisas na internet, entre outras vertentes, para deixarem de ter medo dele e dar asas aos dedos para trabalhar”, afirmou Carlos Fernandes, presidente da associação, que garante que o grupo está “bastante interessado” em aprender a trabalhar com o computador nos sistemas operativos de base. Desta forma, escrever, imprimir e guardar um texto, pesquisar informação na internet, criar um endereço eletrónico, receber e enviar uma mensagem de correio eletrónico e trabalhar com os programas Software livre e web 2.0 e Windows Movie Maker são as competências que um docente transmite aos seus “alunos”. A iniciativa destina-se aos pais, familiares de alunos e restante comunidade escolar de Fonteleite. A associação já abriu novas inscrições para formar outros grupos, que estejam interessados em adquirir conhecimentos básicos em tecnologias da informação e comunicação, com o custo de cinco euros.

Entre os dias 1 a 20 de junho, Vítor Macedo estará no GaiaShopping com uma nova exposição, dedicada aos brinquedos antigos. Brinquedos Antigos é o nome da exposição do trofense Vítor Macedo, que vai estar patente no GaiaShopping. “Relembrar aos pais e avós os tempos de infância, ao mesmo tempo que partilham as suas histórias com os filhos ou netos” é o objetivo desta iniciativa. Na exposição pode encontrar desde brinquedos dos anos 30 até aos dos dias de hoje, passando, desta forma, pelas “várias gerações”, sendo que cada “cenário foi recriado consoante o tema”. Além disso, Vítor Macedo vai promover vários workshops destinados aos pais e crianças, para que possam “reviver os tempos

de antigamente”. Nos dias 2, 3 e 7 de junho, sábado, domingo e quinta-feira respetivamente, os participantes podem “recriar os seus próprios brinquedos”, um carro de madeira ou uma boneca de trapos. Já nos dias 9 e 10 de junho, vão aprender a fazer uma ventoinha e a pintar vários modelos de loiça de barro e andorinhas, nos dias 16 e 17. Paralelamente, vai existir uma exposição de triciclos e carrinhos de bebé, desde os anos 30. A parte lúdico-desportiva não foi esquecida, visto que o artista trofense está a construir um recinto para os visitantes poderem jogar ao peão e à esfera, que consiste em acertar num buraco e depois nas restantes esferas. Haverá ainda um Torneio de Caricas, em que o vencedor vai receber, como prémio, uma peça em madeira. P.P.

Crianças de Querelêdo “ganham”biblioteca A Escola Básica de Querelêdo, na freguesia de Covelas, juntase, a partir de sexta-feira, 1 de junho, pelas 10.30 horas, às 11 escolas com bibliotecas escolares, no concelho da Trofa. No Dia da Criança, os alunos deste estabelecimento de ensino podem enriquecer os seus conhecimentos nesta nova sala, onde vão encontrar novos “amigos”: os livros. Dotar as escolas das oito freguesias com infraestruturas, fomentando o “gosto pela leitura” é o objetivo da Câmara Municipal da Trofa. S.C.

“Brinquedos Antigos” é o nome da nova exposição


10 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

31 de maio de 2012

Funcionários reclamam salários em atraso Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

Funcionários das Confeções Têxteis da Maganha reclamam o pagamento de salários em atraso e temem ficar sem trabalho. Cândida Maia não esconde o desalento por viver momentos de incerteza. Funcionária das Confeções Têxteis da Maganha (CTM) há 17 anos “nunca” pensou que a empresa fosse enfrentar problemas financeiros. De lágrimas nos olhos, esta mulher de meia-idade confessa que, para além de “precisar”, gosta de trabalhar. Apologista da velha

máxima do mercado de que “é nova para a reforma e velha para trabalhar”, Cândida Maia não escondeu o medo de ficar no desemprego: “Se isso acontecer serei muito prejudicada, porque tenho poucos anos de desconto. Tenho o meu marido reformado e preciso de trabalhar”. Assim como ela, dezenas de funcionários reuniram-se à frente da CTM, na manhã de terçafeira, para reclamar os seus direitos. Maria Moreira explicou que até agora só apenas parte do ordenado de março foi pago. De acordo com a funcionária, “no dia 23 de abril, foram depositados 125 euros em quem não fal-

tou e 117 euros para quem faltou”. “Vieram com palavras mansas e pediram paciência, mas já a tivemos o suficiente. Já vamos a caminho de três meses sem receber e a situação está a ficar muito complicada”, afirmou. Os funcionários começaram a suspeitar que algo não corria bem quando “deixaram de pagar ao dia certo”, assim como “o subsídio de Natal que chegou tardíssimo”. “Já esperávamos que mais tarde ou mais cedo isto podia acontecer”, desabafou Maria Moreira, funcionária da CTM há 19 anos. A empresa, que emprega cerca de uma centena de pessoas, ainda está a laborar e, segundo Maria, “na sexta-feira, chegaram mil ou duas mil peças para as embalagens”. Esse dia foi o último dia de trabalho antes de Maria e as outras funcionárias entrarem no período de suspensão do contrato de trabalho, acionado por falta de pagamento pontual dos salários. De acordo com a funcionária, a empresa terá mergulhado em dificuldades financeiras: “Disseram-me que íamos ter muitas

Funcionários estão no período de suspensão do contrato de trabalho

encomendas, mas foi tudo cancelado. Na semana passada estivemos paradas sem trabalho. Consta-se que há muito dinheiro da Segurança Social em dívida, mais de um milhão e meio (de euros)”. Os colaboradores da CTM acreditam que o desfecho mais provável é o encerramento da empresa. “Na última reunião que tiveram connosco, asseguraramnos que os nossos postos de trabalho estavam assegurados, mas isso é mentira”, frisou Ma-

ria Moreira. Carolina Serra trabalha na CTM há 31 anos. Foi o seu “primeiro” e único emprego. Agora, encara “mal” esta situação e teme ficar sem um meio de sustento e ver as condições de vida piorarem. “O que eu precisava era de trabalhar”, sublinhou. O NT e a TrofaTv tentaram obter esclarecimentos da gerência da empresa, mas a pessoa que recebeu a equipa de reportagem alegou que ninguém estava disponível para falar.


Desporto 11

www.onoticiasdatrofa.pt

31 de maio de 2012

Presidente do AC Bougadense em entrevista

Temporada difícil, mas positiva Pedro Talaia Cátia Veloso

Adalberto Maia fez um balanço positivo da época, que culminou com a manutenção da equipa sénior e com o pagamento de boa parte do passivo. “Foi uma época positiva, dentro do previsto”. Esta é a convicção de Adalberto Maia, presidente do Atlético Clube Bougadense, que, em entrevista ao NT, se mostrou “satisfeito” com o cumprimento do principal objetivo, a manutenção na 1ª Divisão distrital, garantida a quatro jogos do fim. Apesar da “chicotada psicológica” com a saída do treinador Luciano Simões, a direção faz um balanço positivo do campeonato, que foi “salvo” pelo técnico-adjunto Pedro Pontes. “Gostei do trabalho dele. É um miúdo competente, conhecia a equipa, conhecia os atletas. Vê-se que quer aprender, tem muita vontade e com o saber que tem conseguiu levar o barco a bom porto. Não valia a pena estar a mexer muito, pois ficava caro e assim mantivemos o mesmo grupo e o orçamento ainda mais baixo”, explicou. A decisão é unânime e a garantia é a de que Pedro Pontes será o treinador do Bougadense na temporada 2012/2013. Aliás,

a direção do Bougadense não só quer garantir a continuidade do “mister” como também a do “núcleo duro” do plantel. Depois, é só completar o plantel com “cinco ou seis” jovens oriundos das camadas jovens. Outro dos obstáculos vividos pelo clube de Santiago de Bougado foi gerir o “escasso” número de jogadores disponíveis para competir, tendo o clube “pescado” alguns jogadores dos juniores que, sublinhou Adalberto Maia, “é o maior suporte” do emblema. O feedback dos atuais jogadores para a continuidade, frisou, foi positivo: “Eles mostraram interesse, desde que cumpramos com o acordado, mas podem estar descansados, porque é para cumprir. Não vamos entrar em loucuras nem trabalhar com valores como há tempos”. A continuidade de Pedro Pontes também está bem encaminhada, até pelas declarações que o treinador prestou ao NT, recentemente. Quanto à próxima época, Adalberto Maia afirmou que não vai enjeitar uma possível subida de divisão, no entanto, sublinha, “o mais importante é garantir a estabilidade do clube e geri-lo da melhor forma, assegurando os salários em dia e o corte nas dívidas que o clube ainda tem”. O responsável pelo emblema

Plantel assegurou manutenção a quatro jogos do fim

bougadense garantiu que o clube já conseguiu cumprir com grande parte do passivo que acumulou nos últimos anos e que, neste momento, faltam liquidar “entre 30 a 40 mil euros”. O relvado sintético, que obrigou a um enorme esforço financeiro do Bougadense, “está pago”, assegurou Adalberto Maia, e para isso “contou com a ajuda de muita gente, como de mecenas, da Câmara Municipal, da Junta de Freguesia e até do pároco”. As verbas que estão em dívida prendem-se, fundamentalmente, com “casos de rescisão de jogadores, equipamentos e dois meses de ordenados em atraso”. O presidente do clube espera liquidar grande parte do

que falta com o apoio da autar- trar em pormenores, mas referiu quia, que também “dará para pre- a importância que essa parceria parar a próxima temporada”. representava não só para o Bougadense como para o Trofense: É “difícil” uma parceria “Ter aqui dois clubes unidos era bom, porque a força seria maior com o Trofense para ultrapassar as dificuldades”. É uma história antiga, mas nunca conheceu desenvolvimen- “Alguém tem de dar o primeiro passo”, desabafou, encerrando o tos. A parceria entre o Atlético Clube Bougadense e Clube Des- assunto. O presidente do clube portivo Trofense nunca se consu- espera que os sócios “apareçam” mou e para Adalberto Maia são e apoiem o Bougadense: “As coos sócios que não querem. “Já tas baixaram bastante. Os temhá uma certa rivalidade entre a pos são diferentes e nós percemassa associativa. Com as dire- bemos as dificuldades das pesções as relações são as melho- soas. Mas esperamos que os asres. Eu sou amigo do presidente sociados voltem em força para do Trofense”, garantiu o presiden- apoiar a equipa. Muitos clubes te do emblema de Santiago de vão fechar as portas e nós estamos a fazer um esforço para Bougado. Adalberto Maia não quis en- manter o Bougadense vivo”.

CD Trofense

Infantis 11 vencem, iniciados B perdem A equipa de iniciados B do Clube Desportivo Trofense foi goleada pelo Vilanovense por 0-5 em mais um jogo da fase dos primeiros da 2ª Divisão da Associação de Futebol do Porto, mas manteve o 9º lugar, com 12 pontos. Já a formação de infantis 11 A, a competir na Taça Joaquim Piedade, bateu a Aliança de Gandra por 2-0 e ocupa o 5º posto, com 12 pontos. A equipa B do mesmo escalão, a militar na fase dos oitavos da 2ª Divisão distrital, goleou o Caldas por 4-1 e com dez pontos ocupa o 2º lugar.C.V.


12 Desporto

www.onoticiasdatrofa.pt

31 de maio de 2012

FC S. Romão assina protocolo com Savinor Patrícia Pereira patricia@onoticiasdatrofa.pt

Com o intuito de apoiar as camadas jovens do F.C. S. Romão, a Savinor assinou, no sábado, dia 26, um protocolo com o clube, durante um Torneio Desportivo. O pavilhão gimnodesportivo da EB 2/3 de S. Romão do Coronado foi palco de um Torneio Desportivo em que as quatro equipas das camadas jovens do S. Romão, se defrontaram amigavelmente, tendo recebido, no final, lembranças, para que não se esqueçam daquele dia. A atividade marcou a assinatura de um protocolo entre o clube e a Savinor que, na próxima época, vai “apoiar em algumas questões muito básicas”. Um protocolo “muito simples” que, segundo João Pedro Azevedo, presidente da Savinor, tem como propósito que os jovens continuem a “praticar desporto e a representar a freguesia”. João Pedro Azevedo afirmou que apoia tudo o que tenha a ver

Protocolo assinado na presença dos atletas das camadas jovens

com a educação, sendo que “o desporto é uma componente absolutamente fundamental da educação, visto ser um jogo de equipa e desenvolvimento físico”. A ideia partiu de Rui Damasceno, presidente do clube, que, conhecendo o apoio prestado pela Savinor no desporto nas camadas jovens, tomou a iniciativa de

falar com João Pedro Azevedo, que de imediato decidiu “apoiar”. “A Savinor, com muito prazer, desde o início que esteve ao nosso lado. Sem a ajuda da empresa era muito difícil fazer um trabalho digno, porque quase nenhuma empresa neste momento patrocina os clubes. Portanto é importante que empresas co-

mo a Savinor ajudem as associações”, asseverou Rui Damasceno, agradecendo à empresa pelos apoios. O patrocínio, destinado aos iniciados de futebol de salão e aos juvenis de futebol de 11, consiste em equipamentos e “apoio monetário”. Rui Damasceno afirmou que o clube também se preocupa

com a educação dos jovens. Por essa razão, no final dos períodos escolares vai inteirar-se das notas, para poder premiar os jogadores que conseguirem cumprir os objetivos. Relativamente às camadas jovens, o presidente garante que o clube tem “a necessidade de mais atletas”. O facto de o recinto não ter as condições necessárias parece ser a causa que leva os jovens a “fugirem” para os clubes vizinhos. “Peço apoio a todas as instituições e comunidade para que nos ajudem a ter um recinto novo, que tanto precisamos, para depois podermos ter mais atletas, mais escalões e assim potencializar o futebol”, apelou. O clube vai lançar, brevemente, uma campanha de captação de jogadores. Caso gostem de praticar futebol, os jovens podem inscrever-se nas camadas jovens do S. Romão. A inscrição é gratuita, bastando apenas dirigir-se ao Departamento Jovem, aberto todos os dias de tarde, ou então falar com algum dirigente do clube.

Futebolistas profissionais no Futebol Solidário Patrícia Pereira patricia@onoticiasdatrofa.pt

Futebol Solidário conta com estrelas do futebol profissional, para ajudar a APPACDM da Trofa, no dia 3 de junho. Fábio Meireles (ex-Guimarães), Renato Queirós (ex-Paços de Ferreira), Rui Barros (ex-FC Porto), César Peixoto (Gil Vicente), Bandeirinha (ex-FC Porto), Lucas (ex-Boavista) são alguns dos futebolistas profissionais que vão marcar presença no Futebol Solidário, com o objetivo de angariar verbas para a APPACDM (Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental) da Trofa, ao mesmo tempo que se dá “visibilidade ao trabalho desenvolvido pela instituição”. Futebol Solidário é o nome da iniciativa promovida pela empresa Desporserv, Lda, que procura intervir socialmente junto das instituições sociais do concelho. Desta forma, a Academia de Futebol da Louseira, na Abelheira, em S. Martinho de Bougado,

abre portas a toda a comunidade, para participar nesta angariação de verbas. A festa começa com uma atuação do Grupo Folclórico da APPACDM, pelas 15.20 horas, seguindo-se o primeiro jogo de futebol da tarde, entre a equipa da APPACDM e a Escola de Futebol New Team, pelas 15.30 horas. O momento alto da tarde será o jogo de futebol, arbitrado pelos árbitros Jorge Ferreira e Cosme Machado, que colocará frente a frente antigos e atuais jogadores profissionais de futebol e tem início marcado para as 16 horas. As equipas, sob a alçada dos treinadores Mário Reis (ex- Boavista) e Ilídio Vale (seleção sub20 de Portugal), também são constituídas por Tiago (Trofense), Gaspar (Rio Ave), Luís Manuel (ex-Boavista), Paulo Sousa (ex-Paços de Ferreira), Petit (Colónia), André Cunha (Gil Vicente), Paulo Lopes (Feirense), Barroso (ex-Braga), Abílio (ex-Salgueiros), Manuel José (Paços de Ferreira), Folha (ex-Tirsense), Jorge Silva (ex-Boavista), Serginho (Beira Mar), Constantino (ex-

Iniciativa serve para angariar verbas para a APPACDM

Leça), Vital (ex-Sporting), Paredão (ex-Benfica), Marcelo (exBenfica), Jorge Couto (ex-FC Porto), José Nuno Azevedo (exBraga), Miguel Maia (voleibol), o antigo jogador Jorge Silva, agora cabeleireiro, Manuel Fernandes Silva (jornalista – RTP) e o treinador José Mota (Vit. Setúbal).

No final do jogo, decorre uma sessão de autógrafos, terminando com um convívio, onde vai haver porco no espeto para todos os presentes. “Vamos ter algumas iniciativas que vão decorrer durante o evento, que vão permitir às pessoas colaborar, da forma que lhes

for possível, com a instituição, para que possa continuar a desenvolver um trabalho de grande mérito e ultrapassar algumas dificuldades que neste momento sente”, afirmou Luís Cardoso, responsável pela empresa Desporserv, Lda. Para ajudar, basta adquirir uma “pulseira do evento, em que cada um dá aquilo que quer”, ou então participando no sorteio das rifas, em que o prémio é uma estadia num hotel em Lisboa. Além disso, o responsável espera conseguir apoios de alguns empresários trofenses. Proporcionar um “dia único junto de alguns dos seus ídolos do futebol, onde se sintam integrados numa sociedade que muitas vezes lhes cria algumas barreiras, infelizmente por preconceito” é outro dos principais objetivos deste Futebol Solidário. Por esta razão, Luís Cardoso apela à comunidade que marque presença neste evento, onde possa “participar de forma ativa”, ao mesmo tempo que “dá um colorido diferente, com uma presença animada e com muita alegria e satisfação”.


Desporto 13

www.onoticiasdatrofa.pt

31 de maio de 2012

Bilhar é aposta do Clube de Slotcar da Trofa Cátia Veloso Patrícia Pereira

As instalações do Clube Slotcar da Trofa receberam uma prova regional de bilhar e um open sub-21. Equipas trofenses também dão cartas nas provas nacionais. O Clube Slotcar da Trofa recebeu a sétima e penúltima prova regional da Liga dos Campeões, Bilharmania. A equipa que representou a associação trofense não conseguiu ir além do 7º lugar, enquanto a AM Pool, de Rio Tinto, conseguiu vencer e já é campeã antecipada. As instalações do clube foram pequenas para albergar as 16 equipas inscritas na prova, pelo que a associação teve de pedir o apoio a outros dois estabelecimentos para cumpri-la em três dias. Apesar de carregar no nome o peso de uma modalidade, que motivou o seu nascimento, a verdade é que o Clube Slotcar da Trofa há muito que deixou de ser apenas um ponto de encontro de amantes de miniaturas de quatro rodas. O bilhar é outra das modalidades que está a ganhar força e quem a pratica não tem dúvidas que não há na região condições como a que a associação oferece. “Temos bons cafés, mas a nível de espaço e dos próprios bilhares, não há melhor

João Costa é um dos atletas juniores do Clube Slotcar da Trofa

do que o Clube Slotcar da Trofa. Inclusive, temos um bilhar de nove pés, que não existe na zona da Trofa, Santo Tirso, Famalicão”, explicou Vítor Andrade, atleta sénior, que compôs uma equipa do clube trofense com Filipe Cruz “Briguel”, Rui Pinho, José Souto “Mota” e Paulo Sousa “Polux”. No domingo, foi a vez dos mais novos competirem, no Open de Sub-21, que também decorreu nas instalações do Clube. Paulo Sousa “Polux” conseguiu o 3º lugar, enquanto João Costa “Cenoura” alcançou o 9º posto. Este atleta ganhou o gosto pela competição na associação trofense e elogia “as condi-

ções” oferecidas que permitiram “lançar” a sua carreira no bilhar. “Como forma de lazer, tem um espaço muito agradável, um bar espetacular e um ambiente onde param pessoas espetaculares. Isto é mesmo uma academia. Para pessoas que queiram competir, existem três bilhares iguais e dois diferentes e os sócios têm bastantes descontos e regalias”, explicou. Até a forma “evoluída” como fala da modalidade aprendeu neste clube: “Já a percebo um pouco acima do que um jovem da minha idade podia saber”. “Cenoura”, como é conhecido entre amigos, quer seguir uma carreira desportiva no bilhar. Este

é o objetivo do Clube Slotcar da Trofa ao promover a modalidade. O presidente, João Pedro Costa, explicou ao NT e TrofaTv que a intenção “é fazer com que os mais novos possam apostar numa carreira de bilhar e que possam praticar durante 20 ou 30 anos a nível nacional”. A regalia de possibilitar “jogar gratuitamente” é uma das “armas” que a associação utiliza para captar a atenção dos jovens. Objetivo é ocupar os tempos livres dos jovens Ao marcar a diferença por explorar novas modalidades, o Clube Slotcar da Trofa quer man-

ter ocupados os jovens de uma forma saudável. João Pedro Costa sublinhou que grande parte das mais de 50 semanas do ano “estão ocupadas com atividades de grande importância”. As instalações do Clube Slotcar da Trofa estão abertas para receber novos atletas e associados. “Os bilhares do clube, em primeira linha, são para utilização dos sócios do clube. A direção procura, permanentemente, o aumento de associados, incutindo descontos interessantes para a utilização dos equipamentos. Por exemplo, um jogador até aos 16 anos, que seja nosso associado, não paga qualquer tipo de cota e para jogar uma hora de bilhar, paga apenas 50 cêntimos. É um valor irrisório, porque encaramos isto como uma aposta desportiva. As instalações estão abertas a toda a comunidade trofense e não só, pois, felizmente, conseguimos trazer muita gente de concelhos limítrofes à Trofa. Não há lugares semelhantes a este para jogar bilhar”, asseverou. As equipas de bilhar da Trofa também dão cartas nas provas nacionais promovidas pela Federação Portuguesa de Bilhar. Uma delas assegurou a subida à 2ª Divisão no pool português e outra vai lutar pelo título de campeã nacional no pool, numa prova a disputar em Oeiras.

GCR Alvarelhos cumpre objetivo Após uma época “irregular”, o Grupo Cultural Recreativo Alvarelhos (GCRA) alcançou o seu principal objetivo ao chegar às finais nacionais da 1ª divisão da modalidade de setas, que se realizam nos dias 31 de maio e 1, 2 e 3 de junho, em Vila das Aves,

Santo Tirso. Depois de ter subido pela primeira vez à 1ª Divisão Nacional, o GCRA conseguiu o apuramento, ficando em 4º lugar, após ter efetuado 24 jogos. Os responsáveis da associação consideram que este feito é um “enorme êxi-

to”. A equipa responsável por este feito é constituída por António Lopes, Domingos Salgado, Carlos Reis, Idalina faria, Marta Faria, Carlos Silva, Raúl Paiva, David Silva, Vítor Azevedo, José Ruivo, Mário Maia, Nilton Maia e João Lomba. P.T.

Atleta da PombalRol “vice” no Campeonato

GCR Alvarelhos garantiu presença nos nacionais

O atleta da PombalRol (Associação de Desportos de Inércia Coronado e Covelas), José Eduardo Silva, é o mais bem classificado da equipa no Campeonato Nacional de Fórmula Rol, corrida de rolamentos. O jovem soma 27 pontos depois de mais uma prova, a quarta, realizada no domingo, em Sande, Marco de Canave-

ses, onde conseguiu o 2º posto. João Mota, também atleta da PombalRol, conseguiu o último lugar do pódio, e segue na mesma posição, na classificação geral. Recorde-se que a freguesia de Covelas, na Trofa, recebeu a 3ª prova deste campeonato, no dia 20 de maio, contando com cerca de 70 participantes. C.V.


14 Desporto

www.onoticiasdatrofa.pt

31 de maio de 2012

Campeonato Regional do Norte

Cavaleiros da Trofa com bons resultados Patrícia Pereira patricia@onoticiasdatrofa.pt

João Paulo Cardoso e Joana Pinheiro, cavaleiros do Centro Equestre da Trofa, participam no Campeonato Regional do Norte de Equitação de Trabalho, ocupando o pódio. A paixão pelos cavalos levou João Paulo Cardoso e Joana Pinheiro a frequentar o mundo equestre, estando neste momento a participar no 4º Campeonato Regional do Norte de Equitação de Trabalho. João Paulo Cardoso, responsável pelo Centro Equestre da Trofa, participa no escalão de Cavalos Debutantes, tendo ficado em 2º lugar na primeira jornada, que se realizou na Feira Anual da Trofa, em 5º na segunda jornada, no Centro Hípico do Porto e Matosinhos e, no domingo, dia 13 de maio, ficou em 2º no Centro Hípico Vale do Lima. O cavaleiro afirma que os resultados obtidos têm correspondido às suas expectativas. A prova está “a correr muito bem” e denota a evolução do seu cavalo, Barao da Lagoalva, adquirido na Coudelaria Vale do Ave, de prova para prova. “Apesar de o cavalo ser jovem e ser o primeiro ano de provas, está a começar a manter a regularidade nos exercícios e a ficar mais atento a tudo o que lhe peço. Logo mais concentrado para obter pontuações mais elevadas”, garantiu. Este é o segundo ano em que participa neste campeonato, sendo que no primeiro acabou por desistir devido ao pouco tempo que tinha disponível. Este ano, sendo a primeira vez que está a

competir com o seu cavalo, o objetivo passa por “terminar o campeonato e preparar o conjunto (compreende o cavalo mais o cavaleiro) para a participação no campeonato nacional”. A viver em Ferreiró, Vila do Conde, João Paulo Cardoso descobriu o gosto por esta modalidade há 20 anos. Ao “completar o 12º ano” percebeu que ser profissional no ramo equestre era o que queria para a sua vida. O facto de se divertir com o seu cavalo todos os fins de semana também ajudou nesta sua decisão. “Fui passar as férias de verão ao Centro Equestre de Lezíria Grande do mestre Luís Valença, onde acabei por permanecer durante seis anos. Aí tive a felicidade de trabalhar com grandes cavaleiros, além do mestre Luís Valença e filhas, com o cavaleiro internacional Nuno Palma e Santos e com o filho do mestre Nuno de Oliveira, que é o ‘pai’ da equitação clássica”, contou. Depois desta “longa, emotiva e produtiva passagem” pelo Centro Equestre de Lezíria Grande, o cavaleiro foi responsável por uma coudelaria no Alentejo e em mais dois centros hípicos. Há já quatro anos que é responsável pelo Centro Equestre da Trofa, dando ainda apoio “a várias coudelarias”. João Paulo Cardoso escolheu esta região para continuar o seu trabalho, por achar que “a cultura equestre está a desenvolver-se muito rápido e com uma qualidade elevada, onde as pessoas procuram a qualidade e não quantidade”. Já o gosto pela equitação de trabalho surgiu devido às “excelentes aptidões” dos cavalos lusitanos, já que estes foram criados “para trabalhar no campo”.

João Paulo Cardoso é responsável no Centro Equestre da Trofa

Esta modalidade acaba por retratar “exatamente o dia a dia do seu trabalho”. João Paulo Cardoso já participou em várias provas, tais como dressage, saltos, modelo e andamentos e em muitos espetáculos equestres, incluindo na europeia “Royal Horse Gala”. Joana Pinheiro é líder no Campeonato Regional Também Joana Pinheiro participa neste Campeonato Regional, encontrando-se neste momento em 1º lugar no escalão Cavaleiros Juniores. Com a 3ª jornada completa, a amazona assevera que a sua primeira competição tem corrido “muito bem”, tendo obtido o 3º lugar, na primeira jornada, o 2º lugar, no Centro Hípico do Porto e Matosinhos, e o 1º na última jornada, realizada no Centro Hípico Vale do Lima. Joana Pinheiro destaca a “excelente experiência” deste campeonato, que muito tem contribuído para a sua formação e evolução enquanto amazona e para o “aperfeiçoamento dos vários andamentos e ritmos” do seu cavalo Roedor, que se tem mostrado “o companheiro ideal para esta caminhada”. O objetivo neste campeonato passa por demonstrar “sempre o melhor conjunto” que forma com o seu cavalo, melhorando no final de cada jornada os “pontos apontados como menos positivos”. “As expectativas resumiamse a um aperfeiçoamento a todos os níveis do conjunto, pelo que tudo o que tem acontecido tem superado imenso as mesmas. Apesar das classificações serem bastante superiores ao que esperava, o meu objetivo continua a ser treinar para melhorar a minha apresentação” declarou, frisando que nada disto seria possível sem o “apoio incondicional” do equitador João Paulo Cardoso, da sua família e do “excelente cavalo” de que se faz sempre acompanhar e em quem confia “plenamente”. A sua paixão pelos cavalos começou desde tenra idade, tendo montado pela primeira vez com sete anos. Uma experiência que durou pouco tempo e que foi retomada com 12 anos. Por sentir que “não existia um objetivo concreto ou uma meta a alcançar” voltou a desistir das aulas. Joana Pinheiro frequentou “diversos centros hípicos”, nun-

Joana Pinheiro participa no campeonato regional

ca chegando a “sentir-se realmente satisfeita” com a modalidade. Quatro anos mais tarde, voltou a frequentar um Centro Equestre mas, desta vez, o da Trofa. Foi aí e com a ajuda do equitador João Paulo Cardoso, que percebeu “quão importantes eram os cavalos” na sua vida. A cavaleira, que vive em Santiago de Bougado, começou a “desenvolver um carinho especial pelos cavalos lusitanos”, através do contacto que o Centro Equestre proporciona com as coudelarias A. Serra Neves e Pedro Silva (Coudelaria Vale do Ave). Há cerca de três anos, os seus pais ofereceram-lhe um cavalo, o Roedor, puro-sangue lusitano, criado na Coudelaria Xavier de Lima. Foi a partir desse momento, que “realmente” começou a praticar equitação, tendo treinos diários, que fizeram crescer de dia para dia a sua paixão. Nunca lhe passou pela cabeça que um dia fosse competir. A sua ideia era “evoluir o máximo possível”, tornando-se amazona e ganhando “a confiança do cavalo”. Quando se sentiu preparada, João Paulo Cardoso começou a dar-lhe aulas no picadeiro exterior com obstáculos de equitação de trabalho. Ao sentir-se “capaz de entrar em competições”, Joana Pinheiro tornou isso numa meta a atingir. Inicialmente pensou em competir na dressage, contundo, ao ver algumas provas de Equitação de Trabalho, o seu pensamento mudou. Apaixonouse por esta modalidade equestre, por ser baseada na “equitação tradicional de cada país, nomeadamente no uso de trajes

e arreios”, sendo uma forma “de reunir gerações e costumes do nosso país, em prol de uma paixão comum a todos, o cavalo lusitano”. Quando deu por si, já estava na 1ª jornada, do Campeonato Regional do Norte, realizada na Feira Anual da Trofa. Este ano, o Campeonato Regional do Norte de Equitação de Trabalho conta com cinco jornadas. As últimas duas disputamse na Coudelaria Quinta da Oliveira, nos dias 9 e 10 de junho, e no Centro Hípico Assinatura de Mestre, nos dias 7 e 8 de julho. O que é Equitação de Trabalho? As provas de equitação de trabalho dividem-se em três etapas, que decorrem ao longo de dois dias. A primeira é a prova de ensino, onde o cavaleiro tem de executar determinados exercícios (pré-definidos para cada escalão) num retângulo 40 x 20 m, julgado por um júri. A prova de maneabilidade é o nome da segunda etapa, que consiste numa prova onde se simulam diversos obstáculos que o cavaleiro poderia encontrar no dia a dia de trabalho no campo, que têm que ser ultrapassados pelo cavalo. Nesta prova, julgam-se essencialmente, a atitude, confiança e a forma natural como o conjunto consegue transpor os obstáculos. A última etapa destas provas é a de velocidade. Esta desenrola-se sobre um percurso idêntico ao da maneabilidade, onde é avaliada apenas a velocidade com que a prova é superada, num sistema contrarelógio.


31 de maio de 2012

Desporto 15

www.onoticiasdatrofa.pt

Ginásio da Trofa com campeãs nacionais classificada. Em iniciados, Tiago Silva (7º classificado), Tiago Moreira (14º), Ana Ribeiro (8º), Sara Barradas (15ª) e Kristyna Paylyur (18ª) representaram o Ginásio da Trofa. As atletas deste escalão conseguiram o 3º lugar coletivo. João Ferreira, juvenil, foi 5º classificado. No próximo fim de semana, Elsa Maia e Andreia Rodrigues viajam a Fátima para defender o título nacional do Olímpico Jovem. Andreia Rodrigues e Elsa Maia foram premiadas em Vendas Novas

O Ginásio da Trofa esteve em Vendas Novas, representado por Elsa Maia e Andreia Rodrigues no Campeo-nato Nacional de Atletismo do Desporto Escolar, e conseguiu alguns títulos nacionais.

atletas voltaram a brilhar. Nos 800 metros, Elsa Maia foi 1ª classificada regional e 2ª na zona Norte e conquistou o 1º lugar nos 400 metros, com o tempo de 58 segundos e 46 centésimos. Andreia Rodrigues foi campeã da zona Norte nos três mil Elsa Maia sagrou-se campeã metros, com o tempo de dez minacional no salto em comprimen- nutos e 44 segundos, e 2ª clasto, com 5,24 metros, e também sificada nos 1500 metros com o venceu na estafeta de 4x100 tempo de quatro minutos e 45 semetros. gundos. Andreia Rodrigues seguiu-lhe Também no domingo alguns as pisadas na prova de 1500 atletas participaram no grande metros e sagrou-se campeã na- prémio de Codessos. José Silcional da modalidade. va, em benjamins, conquistou o Nos campeonatos de junio- 2º lugar e Paulo Neto, em infanres da zona Norte, realizado em tis, terminou no 6º lugar. No mesViana do Castelo, as mesmas mo escalão Sara Teixeira foi 9ª

Soltem os pombos Foi na cidade de Granada, precisamente em Avis, terra de “nuestros hermanos”, a 254 quilómetros da Trofa, que a Sociedade Columbófila Trofense realizou mais um concurso de largada de pombos, no sábado, 26 de maio. O evento estava programado para se realizar em Antequera, contudo as condições climatéricas provocaram uma mudança de planos. Durante a prova foram soltos 286 pombos, que percorreram 601 quilómetros. Após nove horas e quatro minutos de voo, eis que chegou o primeiro pombo, pertencente a José M&PauloM, seguido do de António Serra Cruz e do que pertence a Araújo & filhos, respetivamente. Na classificação geral, o 1º posto é ocupado por Carvalheira SAC, seguindo-lhe Araújo&filhos e JoséM & PauloM. Está previsto para domingo mais um concurso para a categoria de velocidade. P.T.

Deolinda Oliveira e Ana Oliveira “vice” pela Vigorosa

deu-se também ao dia seguinte, domingo, no Grande Prémio de Atletismo de Codessos Paços de Ferreira, no qual, a benjamin Joana Martins e a veterana Conceição Correia alcançaram os 4º lugares, nos respetivos escalões. Destaque também, para a 6ª posição de Goreti Sá, veterana, e a 7ª da infantil Alice Oliveira. As restantes infantis em prova foram Ana Lopes (22º lugar), Patrícia Moreira (28º), Maria Maia (30º) e Ana Soares (31º). No mesmo escalão, Tiago Sá obteve o 10º posto e Ivan Hirskyy o 19º. Ainda na classificação individual, o benjamin Paulo Noronha, o veterano +50 Abílio Marques e

A atleta veterana Deolinda Oliveira subiu em “dose dupla” ao pódio no fim de semana. Desta vez, conquistou o 2º lugar na prova de Corrida de Montanha, em Guimarães, no sábado, 26 de maio, e o 3º lugar no Grande Prémio de Atletismo de Codessos, Paços de Ferreira, no domingo, 27 de maio. Também Ana Oliveira, iniciada, alcançou a 2ª posição, na mesma prova. Na mesma prova, o 15º lugar de veteranos masculinos pertenceu à Associação Vigorosa com o empenho de Abílio Marques. Deolinda e Ana subiram ao pódio A boa forma atlética esten-

o veterano +55 António Neto alcançaram as 14ª, 17ª e 18ª posições, respetivamente. Já na coletividade, as infantis femininas conquistaram o 6º lugar e as juniores/seniores/veteranas femininas o 4º posto. Joaquim Figueiredo, atleta júnior, representou a Vigorosa no Campeonato do Norte de pista, que se realizou em Viana do Castelo, classificando-se em 13º lugar nas provas de 400 e 800 metros planos. O atleta junior, Joaquim Figueiredo competiu, este fim de semana, no campeonato do norte de pista que se realizou na cidade de Viana do Castelo. S.C.

Trofenses nos nacionais de kickboxing Patrícia Pereira patricia@onoticiasdatrofa.pt

Atletas trofenses do kick boxing participam no Campeonato Nacional, nos dias 2 e 3 de junho, em Mirandela. Mais de 700 atletas do kick boxing vão marcar presença no Campeonato Nacional da modalidade, sendo que seis são trofenses. Os participantes vão concorrer pela Escola deKickboxing Life Combat, que vai ser representada nos diferentes escalões e variantes e por mais dez atletas, apurados nos campeonatos regionais. Os irmãos João Paulo, de 11 anos, e Tiago André, de 10, que são os mais novos trofenses participantes, sagraram-se campeões regionais e esperam agora “trazer mais uma medalha e ficar entre os dois melhores a nível nacional”. Com apenas dois meses de prática, representam a escola nas variantes Light Contact, escalão iniciados, - de

50 kg e Semi Contact , escalão cadetes, + de 40 kg, respetivamente. Na variante deSemi Contact, os atletas Pedro Bacelo (- 69 kg), Tiago Sousa (-79 Kg) e Tiago Canito (- 84 Kg), que também se consagraram Campeões Regionais, esperam conseguir “um bom resultado” no Campeonato Nacional. Já nas disciplinas de KO, a escola conta com Diogo Freitas,

Hulk, de S. Martinho de Bougado, que é vice-campeão regional na categoria de + de 91 Kg. O atleta está “confiante” e encontra-se a “trabalhar arduamente para esta competição”, almejando assim um lugar no pódio. O treinador Luís Ferreira tem muita esperança nos seus atletas trofenses e está certo de que irão ter uma boa prestação nesta importante prova de nível nacional.

Finais da Supertaça concelhia O pavilhão da escola de S.Romão vai receber este sábado, 2 de junho, as grandes finais da Supertaça concelhia. - Infantis - Guidões FC vs CR Bougado - 15 horas - Juvenis - Guidões FC vs AMU Barca - 16 horas - Seniores Femininos - N. Sporting vs ACD Vigorosa - 17.15 horas - Veteranos – CA Bairros vs ARS Pedro da Maganha - 18.30 horas


16 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

31 de maio de 2012

Feira da Cereja no Parque Nª Sra. das Dores Cátia Veloso Patrícia Pereira

Feira da Cereja foi um dos pontos altos das celebrações do Divino Espírito Santo, na Trofa.

A cereja foi “rainha”, no domingo, 27 de maio, no Parque Nossa Senhora das Dores. Mulheres, vestidas a rigor, largavam pregões mais ou menos contidos, não fossem estar à frente da capela, para vender um dos frutos mais apetecidos da primavera. A Feira da Cereja foi um dos pontos altos das festas em honra do Divino Espírito Santo, organizada pela Comissão de Festas em honra de Nossa Senhora das Dores. vem sendo habitual nas festas do Com o calor a espreitar, muiDivino Espírito Santo, durante a tos foram aqueles que não pertarde houve a atuação de duas deram a oportunidade de combandas, a Banda de Música de Fajões e da Banda de Música de Paramos, Espinho, depois de terem percorrido alguns pontos da freguesia. Já o Rancho Folclórico da Trofa e o Rancho de S. Romão do Coronado abrilhantaram a noite de domingo. A animação do último dia das festas esteve a cargo de Vítor Rodrigues. Miguel Teixeira, vice-presidente da Comissão de Festas, fez um balanço bastante positivo das festas, tendo as suas expectativas sido “superadas”. O fogo de artifício, que houve no sábado e na segunda-feira, foi muito aplaudido pela comunidade, que o classificou como “estrondoso”. O vice-presidente estava agradado por terem conseguido “angariar as verbas necessárias” Cereja foi rainha no domingo para a festa que pretendiam fazer, salientando que o cartaz foi Banco Alimentar feito consoante o dinheiro que tinham. A última atividade desta Comissão de Festas será a segunda volta do Jogo Amizade, que vai decorrer no dia 3 de junho, domingo, pelas 15.30 horas, no O Banco Alimentar Contra a Fome voltou a apelar à generosiCampo de Jogos Carlos Alves, dade da população em mais uma campanha de recolha de alimenem S. Romão do Coronado, onde tos, que decorreu durante o fim de semana, nos dias 26 e 27 de as Comissões de Festas do Dimaio, em superfícies comerciais. vino Espírito Santo e a de S. Na Trofa, foram angariados um total de 5.816,5 quilos de alimenBartolomeu decidiram “medir fortos, angariação que contou com o apoio dos diferentes agrupamenças, novamente, num duelo de futebol”. “Venham encher o es- tos dos escuteiros do concelho da Trofa. As recolhas foram realizadas no Pingo Doce, do TrofaShopping, com 1039 quilos, no Pingo tádio com as cores da Vila do Coronado e apoiar esta festa”, é Doce, em Santiago de Bougado, com cerca 1221 quilos, no Intermarché com cerca de 932.5 quilos, no Minipreço com cerca de o apelo deixado pelas comis770 e no Continente, onde foram angariados cerca de 1854.P.P. sões.

Muita afluência nas festas de S. Mamede Patrícia Pereira patricia@onoticiasdatrofa.pt

A Festa do Divino Espírito Santo, em S. Mamede do Coronado, atraiu milhares de pessoas. Durante quatro dias, milhares de pessoas passaram pelo Largo do Feira Nova, em S. Mamede do Coronado, onde estava concentrado o palco para os espetáculos musicais. As festividades começaram na sexta-feira, dia 25 de maio, com a atuação dos vencedores do concurso de

karaoke, organizado pela Comissão de Festas e Grupo Paroquial Jovens Unidos. Já a noite de sábado estava reservada para a atuação de António, vencedor da primeira edição da Casa dos Segredos, e da banda Nemano. Um espetáculo que “superou as expectativas” da Comissão de Festas, devido à “grande adesão” da comunidade, que “gostou imenso”. No domingo, celebrou-se a Profissão de Fé das crianças, à qual se seguiu a procissão, sempre acompanhada pelos devotos do Divino Espírito Santo. Como

prar este fruto. A Feira da Cereja foi “uma das novidades” que a Comissão de Festas integrou este ano, explicou José Sá, e teve “êxito”. “Está a correr lindamente”, acrescentou. Para além de o folclore estar representado nesta atividade, também a colaboração dos elementos da Comissão de Festas não foi esquecida: “Contamos com o apoio incondicional da força de homens e mulheres que integram esta comissão de festas, que nos brindam sempre com muito trabalho e dedicação”. À tarde, os ranchos participantes realizaram uma merenda à moda antiga, onde não faltou o vinho, o pão e os enchidos. A realização da Feira da Cereja, para além de dinamizar o parque da cidade, também teve como objetivo angariar fundos para as festas em honra a Nossa Senhora das Dores.

Quase 6000 quilos recolhidosnaTrofa


Atualidade 17

www.onoticiasdatrofa.pt

31 de maio de 2012

Trofa foi a capital do jazz Zigle Quarteto e Rita Martins Quarteto foram as bandas que participaram em mais uma edição do RotaJazz, que decorreu nos dias 25 e 26 de maio. Durante dois dias, a comunidade sentiu-se atraída pelo som das melodias do jazz, o que a levou visitar o Bar da Capela, na noite de sexta-feira, ou o cafébar Tentações à Fatia, em Santiago de Bougado, na noite de sábado. Num concerto intimista, Zigle Quarteto, com Hugo Ciríaco Lopes, no saxofone, Miguel Pedrosa, na guitarra, Pedro Silva, no contrabaixo, e André No, na bateria, inaugurou o festival anual de jazz, proporcionando um serão agradável aos presentes.

Zigle Quarteto animou a primeira noite no bar da Capela

“Escolhemos alguns temas dos anos 60 e outros mais contemporâneos de anos 80 ou 90, que eram importantes e marcan-

tes no nosso desenvolvimento. Resolvemos fazer as nossas versões e visões desses temas”, afirmou Miguel Pedrosa.

Para o guitarrista, as atividades como o RotaJazz são “muito importantes” para a dinamização da cultura, desafiando a

Câmara Municipal da Trofa a “continuar a insistir para que seja possível levar este tipo de projeto e som às pessoas”. Assis Serra Neves, vereador do pelouro da Cultura, fez um balanço positivo deste festival, onde nem o frio afastou o público destas noites diferentes. Uma vez mais, a autarquia da Trofa tenta promover a descentralização, ao levar estas atividades “ao encontro do público”. O vereador frisou ainda o aspeto económico, visto que esta iniciativa teve “custos mais reduzidos”. Já Rita Martins Quarteto, com Rita Martins, na voz, Nuno Ferreira, na guitarra, Manuel Brito, no contrabaixo, e José Marrucho, na bateria, marcaram presença no Tentações à Fatia. P.P.

Festival de Teatro Amador na Trofa “Um Violino no Telhado”, “O Urso” e “A Maluquinha de Arroios” vão estar em cena, na Trofa, no Festival de Teatro Amador nos dias 2, 9 e 16 de junho. Fomentar o gosto pelo teatro, procurando levar estas iniciativas até à sua população e às suas freguesias, é o objetivo da Câmara Municipal da Trofa ao dedicar o mês de junho ao teatro. Por essa razão, a autarquia realiza, ao longo do mês, atividades enquadradas no Festival de Teatro Amador da Trofa. As freguesias de S. Mamede do Coronado, S. Martinho de Bougado e Alvarelhos vão acolher, nos três primeiros sábados de junho, as peças de teatro “Um Violino no Telhado”, “O Urso” e “A Maluquinha de Arroios”. A primeira peça, encenada por Fernando Duarte, vai ser interpretada pelo Grupo de Jovens Unidos de S. Mamede do Coronado, no dia 2 de junho, pelas

21.30 horas, no salão paroquial de S. Mamede do Coronado, intitulada “Um Violino no Telhado”. De salientar que este musical já foi apresentado, pelo mesmo grupo, no início do ano. No sábado seguinte, dia 9 de junho, sobe ao palco a peça “O Urso”, de Tchekov, interpretado pela Companhia de Teatro “Os Quatro Ventos”, sob encenação de Pedro Ribeiro. O palco será o Bar da Capela do Parque Nossa Senhora das Dores, pelas 21.30 horas. A última peça de teatro em cena será “A Maluquinha de Arroios”, no dia 16 de junho, pelas 21.30 horas, no auditório da Junta de Freguesia de Alvarelhos, interpretada pelo Teatro Popular de Carapeços e encenada por José Fernandes. Esta peça representada, pela primeira vez em 1916, é uma comédia de André Brun. Desta forma, a autarquia “procura descentralizar a sua oferta cultural e levar este género de iniciativas às freguesias”.

Um violino no telhado vai estar em cena no salão paroquial


18 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

31 de maio de 2012

Buraco na Rua da Guiné preocupa moradores

Situação arrasta-se há dois meses

Um buraco na Rua da Guiné, em S. Martinho de Bougado, está a preocupar os moradores. Um deles alega que dali “saem maus cheiros” à noite e que a situação se afigura “perigosa” para as crianças. António Martins não sabe o que mais fazer para resolver o problema que tem à porta de sua casa. Segundo o morador na Rua da Guiné, em S. Martinho de Bougado, “há três semanas” que um buraco o tem preocupado não só pelo “perigo” que representa para as crianças como pelo “mau cheiro” que de lá sai “à noite”.

O problema surgiu “há dois meses”, afirmou ao NT, altura em que “um tubo das águas pluviais partiu, abrindo-se um buraco”. Elementos da Junta de Freguesia estiveram no local, acrescentou António Martins, mas “taparam o buraco sem consertar o tubo”. “A partir daí, as águas começaram a sair pela tampa e passado um mês o solo voltou a aluir”, contou. O morador acrescentou que elementos da Trofáguas “vieram analisar a situação”, mas “concluíram que se tratava das águas pluviais e mandaram o assunto para a Câmara Municipal”. “Estiveram lá a averiguar, mas não fi-

zeram nada. Um dos funcionários chegou ao ponto de ter dito que era necessário uma máquina para reparar a situação e que no dia seguinte voltariam. Mas nunca mais apareceram”, contou. A causa para o mau cheiro, segundo António Martins, “é a mistura de águas chocas com as águas pluviais”. António Martins alega que contactou a autarquia “mais do que uma vez” e que “na última, na terça-feira, disseram que não havia empreiteiros para fazer o serviço, pois tinham entrado em contacto com alguns, mas ninguém dava respostas”. “Nem me deram uma data certa para resolver o problema. Eu até disse que se o problema fosse o dinheiro para me enviarem a fatura para casa, porque o que eu quero é ver este problema resolvido. Mas disseram-me que não era possível”, afirmou. Por seu lado fonte da Câmara Municipal da Trofa adiantou que “neste momento está a decorrer o processo de contratação do serviço de desobstrução do coletor para se poder resolver a situação”, adiantando que espera “conseguir solucioná-la com a maior brevidade possível”. C.V.

ACRESCI promoveu Montra de Espantalhos Jogos tradicionais, concursos e atuações marcaram mais uma edição da Montra de Espantalhos que decorreu na tarde de domingo, dia 27 de maio, em Cidai. “Manter vivas algumas tradições”, ao mesmo tempo que angaria verbas, foi o principal objetivo da Associação Cultural Recreativa e Social de Cidai (ACRESCI), ao protagonizar mais uma edição de Montra de Espantalhos. Jogo da malha, Sai Sapo, Malha ao Meco, Campeonato da Sueca e Salto ao panelo foram os jogos tradicionais que marcaram o início da atividade, que contou com as atuações do Grupo de Tradições Infantis e Amigos da Borga. Durante a tarde, também houve os concursos Apanha do porco ensebado e o melhor espantalho tradicional, que foram premiados. Numa tarde de festa, onde a animação não faltou, a comunidade pôde ainda ajudar a associação ao petiscar na Barraquinha de Comes e Bebes, que a

ACRESCI tinha à disposição. Relativamente ao ano passado, José Carlos Costa, presidente da ACRESCI, considerou que a atividade deste ano contou com “mais visitantes e participantes”, sendo que o balanço só poderia ser “bastante positivo”. Esta foi a segunda vez que a associação organizou a Montra de Espantalhos, para dar “continuidade” à atividade que foi desenvolvida na extinta EB1 de Cidai. “Um dos objetivos da ACRESCI é manter vivas algumas tradições e continuar a passar estes testemunhos, como os jogos tra-

dicionais. Também é importante a sobrevivência da própria associação, que no fundo vive sempre destas iniciativas, para que depois tenha verbas para a realização de outras atividades”, explicou o presidente. O Arraial do S. João, na noite de 23 de junho, é o próximo evento desta associação. Dado o sucesso desta noitada, que contou com um “balanço bastante positivo” devido à boa afluência da comunidade, a ACRESCI decidiu repetir a proeza de organizar mais uma edição do Largo Manuel Canejo até à Rua da Fonte da Gregossa.

ARJ Muro em festa Os elementos da Associação Recreativa e Juvenil do Muro (ARJ Muro) comemoraram, no sábado, dia 26 de maio, o 34º aniversário da coletividade. Jogo das malhas, matraquilhos, sueca e tiro às latas foram alguns dos jogos que animaram a tarde de festa da ARJ Muro, que serviu não só para a come-

moração do aniversário, mas também para o encerramento da época desportiva. No final do dia estava preparado um churrasco, que contou com a participação de cerca de 60 pessoas. Segundo José Lima, presidente da associação, “o churrasco teve uma adesão que superou as expectativas”.

Necrologia S. Martinho do Bougado Manuel Carvalho Braga Faleceu no dia 22 de maio, com 102 anos. Viúvo de Firmina da Costa Ferreira Fausto António da Costa Araújo Faleceu no dia 22 de maio, com 50 anos. Casado com Maria Augusta de Sousa e Silva Joaquim Reis dos Santos Faleceu no dia 26 de maio, com

51 anos. Casado com Maria Rosalina Correia de Macedo Santos Vermoim - Maia Mário Pinto da Cunha Faleceu no dia 26 de maio, com 80 anos. Casado com Gracinda da Costa Couto Cunha Funerais realizados por Agência Funerária Trofense, Lda. Gerência de João Silva

Clube Desportivo Trofense Assembleia-geral Extraordinária

Convocatória José Manuel Lima da Costa, Presidente da Comissão Administrativa do Clube Desportivo Trofense, ao abrigo do artigo 54.º dos Estatutos, convoca os senhores Associados para reunirem em Assembleia-geral extraordinária, no próximo dia 8 de Junho de 2012, pelas 20:30 horas, no salão da Junta de Freguesia de São Martinho de Bougado, com a seguinte ordem de trabalhos: 1. Discussão e votação do relatório de contas relativo ao período de 1 de Julho de 2011 a 31 de Maio de 2012, época desportiva de 2011/2012; 2. Assuntos de interesse para a vida do Clube; 3. Eleição de corpos sociais para o biénio 2012/2014. Se à hora designada não se encontrar reunida maioria dos associados para o funcionamento da Assembleia-geral, a mesma funcionará em segunda convocatória, uma hora mais tarde, com qualquer número de associados presentes, nos termos do Parágrafo Único do artigo 51.º dos Estatutos.

Animação foi uma constante

O Presidente da Comissão Administrativa. Trofa, 28 de Maio de 2012


Atualidade 19

www.onoticiasdatrofa.pt

31 de maio de 2012

arquivo

Extinção de Freguesias: sim ou não

Banda de Música da Trofa no Divino Espírito Santo A Banda de Música da Trofa abrilhantou as festas do Divino Espírito Santo, na Trofa, com um concerto noturno, que principiou às 22 horas de sábado, 26 de maio, e terminou, já passava da meia-noite. A temperatura no Parque Nossa Senhora das Dores estava bastante baixa, o que desmotivou as pessoas de estarem presentes neste evento musical, no entanto, cerca de trezentas pessoas assistiram à atuação. O repertório escolhido pelo talentoso Maestro da nossa Banda, Luís Campos foi o seguinte: Agarrate Saxo-Tannauser-Principe IgorNoches de Granada-Abba Mia-Xutos e Desfolhando Cantigas. No final, a nossa Banda prostrou-se em frente do Bar da Comissão de Festas de Nossa Senhora das Dores, honrou a sua presença perante o presidente da Comissão de Festas de 2012, José Sá, e vários membros da mesma. Mais uma vez, o Comendador J. Serra, esteve presente, assim como o presidente da Banda, Luís Lima, que ouviram com perfeição, as lindíssimas marchas “J. Serra” e “João Lima”, esta a título póstumo. Foi um excelente concerto e, só foi pena, que no domingo seguinte (27 de maio) não estivesse outra banda ou mesmo a nossa banda, a atuar nestas festividades do Divino Espírito Santo aqui na nossa Trofa. Nesse domingo, a Banda viajou à vizinha freguesia de Fradelos para ouvir duas bandas: Banda Marcial de Fermentelos e Associação Recreativa e Musical de Vilela - Paredes. É de lamentar, que a nossa Trofa, não dê o devido valor a esta instituição que é a Banda da Trofa. Fradelos, freguesia muito rural, dá lições culturais a este nível, pois a nossa Trofa tem potencialidades financeiras muito maiores que a dita freguesia de Fradelos, que este ano de 2012, honrou estas festividades religiosas com duas bandas de música e a Trofa deu só duas horas de música, o que lamentamos sinceramente. Seja-me perdoado este lamento, mas tenho que dizer isto com bastante mágoa, pois, ultimamente, a Trofa tem um défice de cultura muito grande. Temos uma excelente Banda, a melhor do País, e só fora de portas é que lhe é reconhecido o real valor como embaixatriz da nossa terra, onde todos os fins de semana leva o nome da Trofa para fora de portas e até no estrangeiro como aconteceu no passado. Nota final: quero fazer um apelo a todos os trofenses que procurem ser sócios desta bem dirigida coletividade para que continue a projetar esta novissíma cidade e jovem concelho. A Banda de Música vai atuar no próximo dia 8 de junho, pelas 21 horas, no âmbito das comemorações do 12º aniversário da AEBA Associação Empresarial do Baixo Ave. O concerto realiza-se no auditório da associação empresarial, no Centro Comercial Nova Trofa. Valdemar Silva

A Freguesia, durante muitos séculos, teve apenas um papel religioso. Só com o século XIX, em Portugal, depois da Revolução Liberal, é que começaram a ser atribuídas algumas funções civis à Freguesia. Mesmo assim, durante grande parte do século XIX, o poder político hesitou muito se devia ou não reconhecer um papel, na administração pública civil, à Freguesia. Foi com a Reforma Administrativa de 1835, que surgiu a estrutura civil da Junta de Paróquia, autonomizada da estrutura eclesiástica; os seus limites territoriais, no entanto, eram geralmente coincidentes com os das paróquias eclesiásticas que vinham desde a Idade Média. A Junta da Paróquia tinha funções ao nível da administração das fábricas das igrejas e bens da paróquia. É na Primeira República, que as paróquias civis são criadas pela lei n.º 88 de 7 de agosto de 1913. A lei n.º 624 de 25 de junho designa-as por Juntas de Freguesia. Deixam de ter competências de carácter religioso. As suas novas funções são de carácter civil: administração dos bens paroquiais móveis e imóveis, elaborar posturas do âmbito da Freguesia. Com a Lei n.º 621, de 23 de junho de 1916, as paróquias civis passam a designar-se Freguesias (e a Junta de Paróquia passa a designar-se Junta de Freguesia), fixando-se assim a diferença entre a estrutura civil (Freguesia) e a estrutura eclesiástica (paróquia). O quadro administrativo das Juntas de Freguesia só foi fixado definitivamente pelo Código Administrativo de 1940. Mas, a Freguesia só se consolida no sistema português de Autarquias Locais, a partir de 1978. De então para cá, nunca mais foi posta em causa e, com algumas variantes, foi-se mantendo como Autarquia Local, mas sempre com escassa autonomia financeira. A Reforma Administrativa, proposta, pelo atual Governo, no “Documento Verde da Reforma da Administração Local”, com a eliminação drástica de Freguesias, mais de um milhar, reduz a participação política, elimina a proximidade entre os titulares dos órgãos públicos e os cidadãos, retira expressão aos interesses locais. É necessário rever a divisão administrativa do País e o financiamento às Freguesias. A alteração à divisão administrativa e à lei das finanças locais existente em Portugal, é matéria urgente que, apesar de necessária, tem sido adiada sucessivamente porque mexe com paixões e direitos adquiridos e mobiliza multidões. É preciso reduzir despesas ao nível do aparelho do Estado, para libertar verbas e melhor aplicá-las. A revisão da divisão administrativa do País, feita na perspectiva de rentabilizar meios técnicos, humanos e financeiros, que possibilitem uma melhor prestação de serviços às populações, certamente que levará à redução do número de Autarquias em Portugal e consequente redução de despesas com a estrutura, meios de comunicação, encargos com eleitos e pessoal. Freguesias: sim ou não, é a decisão que se espera do poder político e não quantas Freguesias. Se a decisão política for positiva quanto à existência de Freguesias, quais as suas atribuições e competências e os seus recursos financeiros, que devem ser ampliados e reforçados. A não se verificarem estes pressupostos, a extinção deste tipo de Autarquia será uma solução, provavelmente, com menor resistência e menos ruturas sociais violentas. moreira.da.silva@sapo.pt www.moreiradasilva.pt


20 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

31 de maio de 2012

2ª Assembleia Municipal Jovem da Trofa

Skateland e Circuito de Manutenção foram os projetos escolhidos Patrícia Pereira patricia@onoticiasdatrofa.pt

Mais de 250 jovens contribuíram ativamente para o futuro do concelho. Ao apresentarem projetos para a Trofa foram eleitos dois projetos na 2ª Assembleia Municipal Jovem, no dia 26 de maio, sábado. Pelo segundo ano consecutivo, mais de 250 jovens trofenses reuniram-se em Assembleia Municipal Jovem, para decidirem quais os projetos que deveriam fazer parte do orçamento municipal do próximo ano. O salão nobre dos Bombeiros Voluntários da Trofa foi pequeno para receber as centenas de jovens interessados em participar, ativamente, no futuro do concelho. A presidir aos trabalhos esteve uma mesa constituída por jovens trofenses, que participaram já na primeira edição do Orçamento Participativo Jovem (OPJ), Jorge Alexandre Silva, Vanessa Andreia Ramos e Joana Dias Silva. Em discussão e votação estiveram 15 projetos, três de âmbito escolar e 12 de âmbito geral, sendo que apenas foram apresentados 14, que duran-

te oito minutos cada tentaram convencer os membros da assembleia a votarem em si. Acolher um Animal é ter um Amigo, iTrofa - Eu, Trofa, Recinto Desportivo, Da Cultura à Trofa e Sob o Céu Estrelado eram alguns dos projetos concorrentes no âmbito do concelho, onde Skateland sagrou-se vencedor com um total de 358 pontos. O projeto, que precisou de duas semanas até estar concluído, visa a construção de um Skate Park junto à nova Estação da CP da Trofa, em S. Martinho de Bougado. “O projeto surgiu de uma fusão de dois projetos idênticos que apareceram no OPJ. Além do meu, também tinha um dos miúdos da EB 2/3 Napoleão Sousa Marques, que mais tarde vão praticar no Skate Park da Trofa o que é ótimo”, afirmou Ricardo Lamas, um dos responsáveis pelo projeto, frisando que a alegria apenas será plena, quando o projeto estiver concluído e possam desfrutar desse espaço. Ricardo Lamas e Inês Santos, outra das responsáveis, asseveraram que “fazia todo o sentido haver uma união dos dois projetos”, conseguindo “ter um maior número de votos”.

EB 2/3 de Alvarelhos ganhou com circuito de manutenção

Já no âmbito escolar, o vencedor foi o projeto do Desporto à Escola e da Escola ao Desporto, da EB 2/3 de Alvarelhos, que concorreu à categoria das escolas, e propôs a concretização de um circuito de manutenção com equipamentos apropriados, no recinto do estabelecimento de ensino, no valor de 7500 euros. Já há “alguns projetos em paralelo” que consistem na formação de uma série de atividades, que faça a comunidade escolar comparecer mais na escola e a “dar o seu exemplo, contribuindo para a formação” dos alunos. Filipe Barbosa, professor de Língua Portuguesa da EB 2/3 de Alvarelhos, contou que foi com “uma emoção muito forte”, que ouviu o projeto da escola ser proclamado vencedor, pois foi um trabalho desenvolvido pelos alunos em dois meses. “É também uma forma de lhes mostrar que vale a pena participar, ainda vale a pena acreditar em coisas boas, numa altura em que o país treme e ficam um bocadinho tristes com as notícias que vão surgindo. O mérito é dos alunos, sem dúvida, é uma mais-valia para a escola, e, tal como os alunos disseram, é também uma mais valia para toda a unidade de Alvarelhos e da Trofa”, denotou. Teresa Fernandes, vereadora do pelouro da Educação, felicitou os vencedores pelos “excelentes projetos”, prometendo que “serão executados no orçamento do próximo ano”. A vereadora estava agradada pelo resultado final desta iniciativa, que, em relação ao ano passado, teve um aumento não só na quantidade de projetos, teve mais dez, mas também na participação, que tinha 700 jovens inscritos. Relativamente aos projetos, Teresa Fernandes elogiou

Skateland venceu no âmbito do concelho

a “grande capacidade de elaboração” e a “qualidade” dos mesmos, salientando que é “importante saberem defender as suas próprias ideias”. A vereadora felicitou ainda os professores e diretores dos agrupamentos, que desde o início se envolveram no OPJ, sem esquecer os técnicos da autarquia e os “Centros de estudos sociais da Universidade de Coimbra, na pessoa do professor Alegretti,” que apoiou no que foi necessário. Giovani Alegretti, professor do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, contou que foi contactado por “alguns técnicos” da autarquia, pedindo colaboração para criarem um OPJ na Trofa, que fosse “levemente diferente dos outros com características peculiares”. O professor acha “bastante normal” que neste segundo ano haja “um reforço” nas participações dos jovens. Giovani Alegretti denotou que o Skate Park é dos projetos que “sai em todo o Mundo” no OPJ, o que o deixa a refletir sobre o porquê de os “políticos não colocarem como uma prioridade a construção de um Skate Park ,

visto ser um dos principais desejos dos pais dos jovens”. A iniciativa contou ainda com a presença e a participação ativa de Julien Talpin da Universidade de Lille (França) e Patricia Garcia Leiva, da Universidade de Málaga (Espanha). De recordar que o Orçamento Participativo Jovem foi lançado pela Câmara Municipal da Trofa em 2010 e representa uma forte aposta na área da promoção e fomento da cidadania ativa da população. Desta forma, a elaboração do Orçamento Municipal passa, com o OPJ, a ser partilhada com os jovens, que são convidados a participar sobre a definição de prioridades, nas mais diversas áreas, como por exemplo: equipamentos sociais, projetos escolares, espaços verdes, desporto, ambiente, entre outras. A Câmara Municipal da Trofa emprega assim um mecanismo de democracia participativa em que o contributo de cada um é essencial para o futuro do Concelho. Devido “ao grande sucesso” desta iniciativa, a autarquia pretende continuar a apostar no Orçamento Participativo Jovem.


Edição 375  

Edição de 31 de maio de 2012

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you