Page 1

17 de novembro de 2011 N.º 347 ano 9 | 0,50 euros | Semanário

Diretor Hermano Martins

PUB

Livro Verde págs. 2 e 13

Guidões diz “não” à fusão S. Martinho e Alvarelhos também discutem Reforma Administrativa

Derrocada Derrocada provocou provocou susto susto Acidente pág. 03

Tentaram assaltar multibanco emAlvarelhos

Polícia pág. 21

Câmara recorre aoreequilíbrio financeiro

Finanças pág. 11


2 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

17 de novembro de 2011

Ajude a Sara Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

A Sara tem síndrome mielodisplásico e precisa de ajuda. Todas as colheitas de sangue são importantes para se descobrir um dador compatível com a menina. A pequena Sara tem sete anos. Foi-lhe diagnosticado um síndrome mielodisplásico e precisa de um transplante de medula óssea para ficar curada. Para isso, esta criança conta com a participação de todos na colheita de sangue que se realiza no dia 22 de novembro, terça-feira, entre as 14 e as 17 horas, na escola profissional Cenfim, em S. Martinho de Bougado. Pode participar na colheita qualquer pessoa saudável, dos 18 aos 45 anos. “Basta uma simples recolha de sangue para se

tornar um dador de medula óssea”, refere fonte do Lions Clube da Trofa, associação que está a promover a colheita, na Trofa. É aconselhável a inscrição através dos contactos telefónicos da instituição, 252 412 074 ou 917 226 898. Os interessados podem ainda contactar os pais da menina através do 965 075 439 ou 965 641 186. Os apelos para ajudar esta menina multiplicaram-se nos últimos dias um pouco por todo o Norte do País. Paralelamente, o Lions Clube da Trofa continua a cumprir o calendário lionístico e no sábado, 12 de novembro, organizou mais uma colheita de sangue, no Muro, onde marcaram presença 70 pessoas e foram recolhidas 66 dádivas. No dia 26 de novembro realiza-se uma nova colheita, desta feita na Escola Básica 2/3 da Vila

Agenda

Sara tem sete anos e precisa de um dador de medula óssea

de Ribeirão, entre as 9 e as 12.30 horas, a favor dos doentes do Hospital de S. João, no Porto. No mesmo dia, o Lions Clube da Trofa realiza um jantar, na Casa da Agra, na Ribela, concelho da Maia, cujas receitas reverterão a

favor das obras de solidariedade social e beneficência da associação. As inscrições podem ser feitas através dos contactos 968 104 805, 911 506 588 ou 926 685 373.

S. Martinho e Alvarelhos discutem fusões A Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado vai realizar um debate público sobre a possível agregação da freguesia. A população de Alvarelhos também terá a oportunidade de se manifestar acerca da reforma admi-

nistrativa, numa Assembleia Extraordinária. Ambas as sessões vão decorrer na segunda-feira, dia 21 de novembro, pelas 21 horas, nos edifícios das Juntas de Freguesia. D.P.

Gota d’Água promove evento na ASCOR A Associação Gota d’Água vai realizar na segunda-feira, dia 2, a primeira iniciativa do “Projeto Auto Estima” no Salão de Cabeleireiro da ASCOR (Associação de Solidariedade Social do Coronado). Neste dia um cabeleireiro da Trofa vai levar a beleza à comunidade carenciada de São Romão do Coronado. Inicialmente esta iniciativa vai iniciar-se em

Romão do Coronado, mas a intenção da Associação Gota d’Água é alargá-la a todo o concelho da Trofa. A Gota d’Água convida todos os voluntários profissionais a participarem nesta iniciativa que tem como objetivo principal contribuir para o aumento da dignidade e da integração social destas pessoas carenciadas. D.P.

Fundadora: Magda Araújo Diretor: Hermano Martins (T.E.774) Sub-diretora: Cátia Veloso (C.O. 742) Editor: O Notícias da Trofa, Publicações Periódicas Lda. Publicidade: Maria dos Anjos Azevedo Redação: Cátia Veloso (C.O. 742), Diana Pimentel Setor desportivo: Cátia Veloso (C.O. 742), Diana Azevedo, Marco Monteiro (C.O. 744), Miguel Mascarenhas (C.O. 741) Colaboradores: Afonso Paixão, Atanagildo Lobo, Jaime Toga, José Moreira da Silva (C.O. 864), Tiago Vasconcelos, Valdemar Silva Fotografia: A.Costa, Miguel Trofa Pereira (C.O. 865) Composição: Magda Araújo, Cátia Veloso, Ana

pub

Câmara Municipal da Trofa Correção do Edital nº 90/2011 publicado em 10/11/2011 Onde se lê “TOTAL DE APOIO FINANCEIRO CAPITAL € 3.161.971,29” deverá ler-se “TOTAL DE APOIO FINANCEIRO CAPITAL € 575.493,93” e onde se lê “TOTAL GERAL DE APOIOS FINANCEIROS - 1º SEMESTRE DE 2011 € 4.479.781,04” deverá ler-se “TOTAL GERAL DE APOIOS FINANCEIROS – 1º SEMESTRE DE 2011 € 1.893.303,68”.

Assunção Impressão: Gráfica do Diário do Minho, Lda, Assinatura anual: Continente: 20 Euros; Extra europa: 59,30 Euros; Europa: 42,40 Euros; Avulso: 0,50 Euros E-mail: jornal@onoticiasdatrofa.pt Sede e Redação: Rua das Aldeias de Cima, 280 r/c 4785 - 699 Trofa Telf. e Fax: 252 414 714 Propriedade: O Notícias da Trofa - Publicações Periódicas, Lda. NIF.: 506 529 002 Registo ICS: 124105 Nº Exemplares: 5000 Depósito legal: 324719/11

Detentores de 50 % do capital ou mais: Magda Araújo

Nota de redação Os artigos publicados nesta edição do jornal “O Notícias da Trofa” são da inteira responsabilidade dos seus subscritores e não veiculam obrigatoriamente a opinião da direção. O Notícias da Trofa respeita a opinião dos seus leitores e não pretende de modo algum ferir suscetibilidades. Todos os textos e anúncios publicados neste jornal estão escritos ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

Dia 19 10 horas: Hastear das bandeiras, no edifício da Câmara Municipal da Trofa 11 horas: Missa solene em memória dos combatentes trofenses tombados no ultramar, na igreja paroquial de Guidões 14.30 horas: Inauguração da Exposição “Trofa Criativa” seguindo-se a entrega de certificados de participação nas “Feiras Francas”, bem como dos prémios do concurso lusófono da Trofa, na Casa da Cultura 17 horas: Sessão solene do 13º aniversário, no salão nobre dos Bombeiros Voluntários da Trofa 19 horas: Tradicional vitela assada, no Parque Nossa Senhora das Dores 19 horas: Festa da Fraternidade Escutista, na Casa da Montanha, em S. Gens 20.30 horas: Magusto da comissão de festas de S. Bartolomeu, no Lugar do Seixinho, em S. Romão do Coronado 21 horas: Estreia do musical “Amílcar, consertador de búzios calados”, na Junta de S. Martinho de Bougado Dia 20 15 horas: Balasar-Bougadense 15 horas: Maia-FC S. Romão 15 horas: Belenenses-CAT 15 horas: Atuação dos Alvadance, no Salão Paroquial de Alvarelhos 18 horas: Concerto dado pelos vencedores do 2º festival da canção da Trofa, no auditório da Junta de Freguesia de Santiago de Bougado Dia 21 21 horas: Debate público sobre fusão das freguesias, na Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado 21 horas: Assembleia Extraordinária sobre fusão das freguesias, na Junta de Freguesia de Alvarelhos Dia 22 14 às 17 horas: Colheita de sangue promovida pelos Lions Clube da Trofa a favor da Sara, no Cenfim Dia 23 14.30 horas: Conferência “Boas práticas na gestão do orçamento familiar e no crédito ao consumo”, no auditório da Junta de Freguesia de Santiago de Bougado, com Camilo Lourenço.

Farmácias de Serviço Dia 17 Farmácia Barreto Dia 18 Farmácia Sanches Dia 19 Farmácia Trofense Dia 20 Farmácia Nova Dia 21 Farmácia Trofense Dia 22 Farmácia Barreto Dia 23 Farmácia Nova


Atualidade 3

www.onoticiasdatrofa.pt

17 de novembro de 2011

Derrocada em S. Mamede causou susto Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

Um muro e parte de um terreno desabaram para o interior de uma habitação, em S. Mamede do Coronado. Rui Sá não ganhou para o susto. Ao início da noite estava em casa, junto ao campo dos mamedense, na freguesia de S. Mamede do Coronado, na cozinha, com o filho de seis anos, quando “a casa começou a tremer”. Depois, um estrondo indicava que algo tinha batido com força na porta do exterior. Quando a abriu, nem queria acreditar no cenário com que se deparava. O muro de suporte do terreno da habitação contígua tinha derrocado e destruído parte da

Moradores tiveram de ser realojados em casa de familiares

sua casa. Uma manilha cimento foi o objeto que provocou o estrondo na porta da cozinha. Rui Sá apressou-se a chamar os bombeiros da Trofa e a GNR para “saber o que se pode fazer”.

O primeiro passo foi desabitar a moradia. “A minha família já cá não está, pois fomos alertados pelos bombeiros de que há falta de segurança neste momento”, afirmou. Os três habitantes da

casa atingida ficaram alojados em casa de familiares. Ainda a “digerir” o susto, Rui Sá contava que “achava estranho uma construção tão perto” da sua, no entanto “presumia” que

“as pessoas que estavam a fazêla tinham a certeza de que havia segurança”. O morador quer “pôr a casa habitável o mais rápido possível” e ainda não consegue quantificar o valor dos prejuízos. No local esteve a Proteção Civil da Trofa que solicitou a colaboração da Comissão deApoio ao Serviço Municipal de Proteção Civil para avaliar a segurança da habitação atingida. Na manhã seguinte, o proprietário do terreno que desabou lamentou o sucedido e encontrava-se a avaliar a situação com um engenheiro enquanto aguardava por técnicos da autarquia. Acrescentou que quer resolver a situação “o mais rápido possível” para “construir um muro novo”.


4 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

17 de novembro de 2011

Acidente de trabalho

Homem morreu esmagado numa mini-escavadora Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

Um mecânico perdeu a vida, na freguesia do Muro, quando procedia à reparação de uma mini-escavadora. Um erro humano poderá estar na origem da morte de um homem de 61 anos, no lugar de Quintão, no Muro, no dia 10 de novembro. O mecânico, de Valongo, foi chamado por uma empresa contratada pela Rede Gás para a reparação de uma mini-escavadora, que estava avariada há três dias, numa obra para instalação de gás natural da responsabilidade da EDP Gás. Ao que o NT conseguiu apurar, os dois homens tentavam ativar a cavilha de segurança para travar os braços do balde. No en-

tanto, o mecânico estava debruçado dentro da máquina a averiguar o sistema hidráulico quando os braços da mini-escavadora cederam, esmagando-o na zona do tórax. Os trabalhadores da Rede Gás pediram auxílio aos moradores, que alertaram os bombeiros cerca das 12.40 horas. Segundo uma moradora, Palmira Paiva, o homem foi socorrido pelos trabalhadores da Rede Gás, que utilizaram uma máquina para levantar os braços da mini-escavadora (Bobcat), mas sem sucesso. Foi então que usaram um “macaco” para elevar a estrutura e retirar o mecânico. Quando os bombeiros chegaram, o homem já tinha sido retirado da máquina. Apesar das manobras de reanimação, o mecânico, que era reformado e fazia “biscates”, acabou por fale-

Homem não resistiu aos ferimentos

cer. Para o local deslocou-se ainda uma Viatura Médica de Emergência e Reanimação, que confirmou o óbito devido a uma paragem cardiorrespiratória com traumatismo grave. Dos Bombeiros da Trofa deslocaram-se sete elementos, com uma ambulância de socorro, uma viatura de desencarceramento e outra que deslocou o corpo para

o Instituto Médico-Legal de Guimarães. O caso está agora sob alçada da Inspeção do Trabalho, que está a averiguar em que condições ocorreu o acidente e se houve erro humano. Segundo o encarregado geral da Rede Gás, António Teixeira, o eletricista procedia à substituição de uma centralina queimada quando solicitou

os serviços do mecânico. Para aceder ao sistema hidráulico da máquina é necessário ligá-la para elevar o balde. Terá sido a realizar esta manobra, que o mecânico terá sido apanhado pelos braços da estrutura, causandolhe a morte. No local estiveram ainda a Polícia Municipal e a Guarda Nacional Republicana, que tomou conta da ocorrência.

EDUARDO MAIA DA COSTA REIS Discurso de Entrega da Nova Ambulância, à Corporação dos Bombeiros Voluntários da Trofa 12.Novembro.2011 “Ex.ma Sra. Presidente, Dra. Joana Lima Sua Ex.º Reverendo Padre Luciano e Padre Bruno Ex.mo. Sr. Comendador Dom Amadeu de Castro Ex.mo Sr. Presidente, Comandante, e demais membros desta Corporação. Dig.mos, abnegados, Humanistas, todos integrantes dos Bombeiros Voluntários da Trofa. Caríssimas Damas e Cavalheiros, com V.as Ex.as, Eduardo Reis Hoje e aqui, no Quartel dos Bombeiros Voluntários da Trofa, estamos perante um momento transcendente; eu diria até, de Santa Elevação Espiritual. Com todo o respeito que nos merece este acto, até mesmo comovente pelo seu altruísmo, acabamos de presenciar e até aplaudir tão solene efeméride, como assim o

foi este baptizado, felizmente realizado pelo nossos tão queridos como Dig.mos Reverendo Padre Luciano e Padre Bruno, que, com a sua espiritual benção, com a sua Bendita Água-Benta, como santificadas gotas caídas do Céu, abençoou esta Nova Ambulância, gentil e abnegadamente oferecida pelos irmãos Luciano e Eduardo Reis, porque dela estavam mui carênciados a nossa Humanista Corporação dos Bombeiros. Sinceramente, felizmente sinto mesmo muita satisfação, por ter praticado esta tão pequena, mas meritória Boa-Acção! Esta satisfação, sei que me irá perdurar pelo pouco tempo de vida que me resta; porque esta Ambulância, como divino transporte de socorro, como um pequeno Posto Ambulatório, como se ela fosse parte do meu ser, uma pequena parte de mim, ela irá percorrer todas as ruas da Trofa, assim como eventuais

sinistrados de outras localidades; socorrendo, minorando o sofrimento, salvando vidas, dando alegria e esperança de salvação ao moribundo! Como é bom, dá mesmo muita satisfação, praticar o bem, sem nenhuma adversa intenção! Como homens sensatos que somos, cremos que : “A única e melhor recompensa de uma boa acção, é têla praticado.” Caríssimos conterrâneos presentes e ausentes, aproveitando este tão dignificante acontecimento, quero aqui deixar constância da minha reconhecida admiração, sinceras felicitações aos Membros Directores desta tão Nobre Corporação. Dr. Pedro Ortiga, Dr. Dom Valeriano Guedes, Dom Alberto Maia, Dra. Olinda Cardoso, Dra. Helena Fontes, Dom Luís Silva, Dom Pedro Goulart, como também extensiva a todos os tão Humanistas como abnegados Bombeiros

Voluntários desta tão louvável como altruísta Associação, para os quais, peço a todos os presentes, <agora mesmo>, um merecido cálido aplauso de elogioso incentivo e agradecimento... E porque assim creio, considero que estes Dig.mos Directores desta Bomberil Corporação, são os que merecem todo o mérito por agora possuirmos esta nossa Nova Ambulância. A eles o devemos, pela sua eloquente exposição de carência imediata, pela esmerada educação, pelo respeito e elegância no fino trato com o seu Próximo, factores estes que muito nos sensibilizou, e tão facilmente com imensa satisfação cedemos ao seu pedido, e até agradecemos a oportunidade que nos brindaram de praticar mais outra boa acção... Caríssima Presidente Dra. Joana Lima, quem muito admiro e respeito, queria publi-

camente sugerir-lhe uma posterior reflexão: Por mais de 20 anos, fui fundador e Rotário Activo, logo fiquei honorário e condecorado com a medalha de Mérito Paul Harris, seu fundador. Referi este acto anterior, apenas e tão somente para dar mais ênfase, justificação, mais relevância ao que queria expôr-lhe como um acto de merecida justiça: Dra. Joana Lima, sinceramente considero, que a Câmara que tão dignamente preside V. Ex.a, deveria por justíssima causa, atribuir o BotãoMedalha-Camarária de Mérito, aos tão Humanitários como abnegados Presidente e demais Membros da Direcção desta Corporação que Humanisticamente labutam por bondosa dedicação e amor ao Próximo, dando muito de si, antes que pensar tanto em si... Por ser louvável e justificadamente certo demais: “Honremos a quem Honra merece.” QUE ASSIM SEJA” pub


Atualidade 5

www.onoticiasdatrofa.pt

17 de novembro de 2011

Três Reis beneméritos ajudam Bombeiros Diana Pimentel diana@onoticiasdatrofa.pt

Os Bombeiros Voluntários da Trofa receberam um presente de Natal antecipado. Três Reis beneméritos contribuíram com uma ambulância de transporte de doentes e com uma quantia monetária para a nova central de comunicações. Apesar de ainda não estarmos no Natal e de faltarem quase dois meses para a festa dos Reis, os Bombeiros Voluntários da Trofa já começaram a receber as prendas. Os três irmãos Reis que não vieram do Oriente guiados por uma estrela, mas de Santiago de Bougado, guiados pelo humanismo de mulheres e homens bombeiros e decididos a apoiar a corporação trofense. Eduardo e Luciano Reis ofereceram, no sábado passado, uma ambulância no valor de 30 mil euros aos soldados da paz do concelho, enquanto Manuel Reis ofereceu 15.150 euros em dinheiro para ajudar a cobrir as despesas da nova central de comunicações. Numa reunião entre a direção dos Bombeiros e o sócio benemérito Eduardo Reis, onde estava presente o seu irmão Luciano, foi-lhes dado a conhecer a ca-

rência que a corporação tinha relativamente a transportes múltiplos de doentes. Perante tal situação os dois irmãos Reis decidiram prontamente abraçar esta causa e doar aos Bombeiros da Trofa uma ambulância. Deste modo, Luciano Reis concretizou um sonho antigo de ajudar os soldados da paz trofenses. “É uma causa nobre ajudar os Bombeiros da Trofa e ao mesmo tempo uma satisfação. Desde há muito que queria contribuir para com esta associação e sempre estive à espera que a oportunidade surgisse e ela surgiu quando menos esperava. Entre mim e o meu irmão Eduardo pensámos que devíamos dar a ambulância completa aos Bombeiros, e assim foi”, asseverou Luciano Reis. Mas como não há dois sem três, Manuel Reis também quis ofertar aos soldados da paz, contribuindo monetariamente para o pagamento das despesas da nova central de comunicações. “Em toda a minha vida tenho perdido e tenho sido enganado, mas contento-me em ajudar, portanto quanto mais tenho perdido mais tenho ganho. Sinto-me feliz, porque juntamente com os meus irmãos sou sócio benemérito desta associação que está ao serviço de todos os trofenses. Sempre que os soldados da paz precisarem eu estarei aqui para ajudar”, afirmou Manuel Reis. Assembleia Geral Extraordinária de Pais e Encarregados de Educação da Escola Secundária apest.trofa@gmail.com

Convocatória

Eduardo e Luciano Reis (no meio) ofereceram uma ambulância de transporte de doentes

Para Eduardo Reis este é um ato solidário que pode servir de lição para outros trofenses. “A união faz a força e, por isso, mesmo decidimos abraçar esta causa. Sinto-me muito satisfeito, mas o mérito é dos Bombeiros e não nosso, pois foi a sensibilidade dos soldados da paz e a sua educação que nos fez não hesitar na hora de ajudar”. O comandante da corporação, João Goulart, estava satisfeito com a oferta da ambulância de transporte de doentes à AHBVT. “Esta oferta é sem dúvida uma solução para um problema com que nós nos estamos a deparar que tem haver com a falta de ambulâncias de transporte múltiplo. Com os anos começam a ficar degradadas, começam a não ter alguma qualidade para o transporte de doentes. Por isso este veículo veio substituir os veículos existentes “, asseverou. João Goulart considerou que esta oferta foi mais um reconhecimento do trabalho realizado pelos Bombeiros junto da população. “Podemos dizer que este é o reconhecimento de todo o trabalho que temos vindo a desenvolver”, afirmou.

O sorriso de felicidade estava estampado na cara do presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Trofa (AHBVT). Pedro Ortiga mostrou-se satisfeito com a oferta dos três irmãos Reis, mas não deixou passar a oportunidade de referir que os Bombeiros Voluntários da Trofa continuam a precisar do contributo de toda a população trofense. “Nós continuamos ainda com necessidades vultuosas em termos de apoios financeiros para fazer face a todos os investimentos que realizamos e, por isso mesmo, continuamos à procura de novos beneméritos que possam contribuir para o socorro da população. Estamos muito satisfeitos por termos tido a colaboração deste três beneméritos, num contexto económico difícil, mas ainda falta pois continuamos a ter necessidade de mais uma ambulância, de fazermos o pagamento de todos estes investimentos. Por isso não podemos dizer que temos missão cumprida como gostaríamos, porque ainda não é uma realidade”, afirmou Pedro Ortiga. O próximo investimento a ser feito pela AHBVT passa pela re-

forma do edifício desta instituição. “Outros investimentos se avizinham a muito curto prazo, infelizmente, pela dimensão que tem a casa, ostenta um quartel com grandes dimensões, uma frota muito significativa, mas isto requer um suporte financeiro muito expressivo e consequentemente faz com que as necessidades sejam grandes. Estamos agora com novas necessidades a abeirarem-se em termos de manutenção do edifício. Porque enquanto elementos da proteção civil não podemos descurar a segurança de um edifício que tem funcionamento público. Temos o trabalho voluntário de todos, mas sem o apoio financeiro não me adianta ter homens a trabalhar de graça, pois não tenho equipamentos para lhes dar, viaturas para eles se deslocarem”, asseverou o presidente da instituição. Belchior, Baltasar e Gaspar ficaram na história como os três reis magos que levaram ouro, incenso e mirra ao menino Jesus, quando este nasceu. Mas também Manuel, Eduardo e Luciano Reis vão ficar na história das estórias dos Bombeiros Voluntários da Trofa.

Conforme estatuído no nr.1 do art.º 15º dos estatutos desta Associação, e para cumprimento do disposto nos art.os 12º, 14º e 16º do Decreto-Lei nº75/2008 de 22 de Abril, e nos art.os 14º, 16º e 18º do Regulamento Interno da Escola Secundária da Trofa, convoco todos os Pais e Encarregados de Educação dos alunos desta Escola, para uma Assembleia Geral Extraordinária, a realizar no próximo dia 25 de Novembro de 2011 pelas 21.00H, no auditório da escola, com a seguinte ordem de trabalhos: Ponto único - Eleição dos Representantes dos Pais, ao Conselho Geral da Escola Secundária da Trofa. Nota: As listas candidatas devem ser entregues na escola ao cuidado do Presidente da Assembleia Geral da Associação de Pais, até 48 horas antes da realização da Assembleia. Trofa, 14 de Novembro de 2011 O Presidente da Assembleia-geral Manuel Reis (2º à esquerda) doou 15.150 euros aos Bombeiros da Trofa


6 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

17 de novembro de 2011

Banda de Música comemorou 60 anos Diana Pimentel António Costa

Banda de Música fez 60 anos e atuou no salão dos Bombeiros. Jantar juntou diretores e amigos do grupo. A Banda de Música da Trofa deu um concerto no domingo, dia 13, no salão polivalente dos Bombeiros Voluntários da Trofa, para comemorar um duplo aniversário: o 13º aniversário do concelho da Trofa e os 60 anos da Banda. Este concerto foi composto por um vasto repertório musical que incluiu temas como: Hipânico; 1812; Inferno; Suite Alentejana; Abba Mia; Xutos e Canções da Tradição. A Banda de Música da Trofa nasceu em 1951 e segundo Luís Lima, presidente da direção da Associação Musical e Cultural da Trofa, esta é uma das melhores

e mais antigas bandas do país. “A Banda de Música da Trofa tem vindo a subir o número de serviços ano após ano. Temos uma banda de primeira qualidade, temos ótimos músicos e temos um jovem maestro que tem vindo a dar tudo por tudo por este grupo”, asseverou. Foi homenageado neste concerto o músico Oliveira, que acabou por receber uma lembrança das mãos do presidente. Para completar esta comemoração, a direção da Banda de Música da Trofa promoveu um jantar que contou com a presença de convidados especiais como músicos, benfeitores e amigos da associação musical. Também Joana Lima, presidente da Câmara Municipal da Trofa, fez questão de salientar a boa prestação desta banda. “Foi esta longevidade notável que me

Amigos da Banda cantaram os “Parabéns” à associação

trouxe aqui para festejar com todos os presentes e para reconhecer publicamente o valor da nossa banda de música para o engrandecimento do nosso município. Esta associação permitiu

o desenvolvimento sociocultural dos jovens da Trofa possibilitando-lhes o acesso à música e à cultura, por isso mesmo decidimos associar uma vez mais a Banda de Música da Trofa às

comemorações do município”, afirmou a autarca. Os amantes da música tiveram a oportunidade de se deliciarem com mais um concerto notável da Banda.

TrofaSenior Residências comemorou S. Martinho

6 anos de Rancho Etnográfico Foi em 2005 que nasceu o Rancho Etnográfico de Santiago de Bougado. Há seis anos que este grupo vem mantendo as tradições e os cantares existentes na freguesia bougadense. A data escolhida pela associação para a comemoração do 6º aniversário foi o dia 12 de novembro. As atividades comemorativas iniciaram-se com uma missa, pelas 20 horas, na igreja paroquial de Santiago de Bougado e de seguida todos os elementos do Rancho deslocaramse para Cedões a fim de participarem no magusto que foi preparado naquela escola e que contou com a animação do grupo típico “Sons e Cantares do Ave”.

O presidente da associação, Fernando Monteiro, defende que esta associação deve continuar a existir para manter os costumes da freguesia. “Lançámo-nos há seis anos e esperamos que continuem a ser mantidas as raízes dos nossos antepassados. Estamos federados na Associação Nacional de Folclore, vamos a todos os fóruns, porque procuramos manter toda a vivência das raízes do nosso povo e da etnografia da nossa freguesia”. No dia 2 de dezembro, realiza-se uma assembleia para eleger a nova direção do Rancho. As próximas atividades do grupo folclórico vão prender-se com as festas natalícias. “Depois de

elegermos a nova direção, vamos dar início às boas festas, este ano não prometemos ir a todas as casas, mas vamos tentar fazer o nosso melhor para ir a algumas aldeias. No dia 15 de janeiro vamos ter o encontro das janeiras na Junta de Freguesia de Santiago de Bougado com outros três grupos”, afirmou Fernando Monteiro. Já no final da noite foram cantados os parabéns ao Rancho Etnográfico de Santiago de Bougado. A presidente da autarquia, Joana Lima, e a vereadora Teresa Fernandes também se associaram à comemoração deste dia tão especial para a associação bougadense. D.P.

O dia de S. Martinho comemora-se a 11 de novembro, mas a TrofaSenior Residencias decidiu realizar um magusto no sábado, dia 12, com o propósito de proporcionar mais um momento de festa e de alegria aos seus residentes. Este magusto iniciou-se com uma celebração eucarística presidida pelo Padre Marcus, seguiu-se uma peça encenada pelos residentes e pela animadora sociocultural, intitulada “A Lenda de S. Martinho”. Esta atuação foi acompanhada por uma canção alusiva ao tema que animou e encantou os residentes e os seus familiares. Neste magusto não faltaram as castanhas nem a jeropiga. Para que as castanhas fossem “Quentes e Boas” a organização contratou um vendedor de castanhas de rua. O presidente do conselho de

administração da TrofaSenior Residências, Alfredo Carriço, admite que esta iniciativa foi pensada ao pormenor para interligar os residentes e as respetivas famílias. “É com este princípio que projetamos o futuro de todos os nossos residentes, alicerçados no respeito por alguns dos valores humanos inalienáveis, como a individualidade, a independência e a liberdade. Para que o processo de integração dos nossos residentes, seja o mais facilitado possível, o Clube Residencial procura incentivar a realização de eventos e atividades conjuntas com os familiares e amigos dos residentes”, asseverou. Já Marta Paulino, diretora técnica da TrofaSenior Residências, admitiu que sendo o futuro “incerto e imprevisível” e que por isso mesmo há que “prestar serviços de excelência aos residentes deste clube residencial”. D.P.

TrofaSenior Residências promoveu festa de S. Martinho


Atualidade 7

www.onoticiasdatrofa.pt

17 de novembro de 2011

Inaugurado novo Largo José Martins da Cunha Cátia Veloso Diana Pimentel

O Largo do Nicho, em Paradela, tem uma nova designação. Desde 12 de novembro que se chama Largo José Martins da Cunha, em homenagem ao soldado que tombou na Guerra Colonial em março de 1974, na Guiné, com apenas 22 anos. Joana Lima, presidente da Câmara Municipal, com a voz embargada e a lágrima no canto do olho recordou aquele fatídico dia “como se fosse hoje”, em que a notícia chegou a Paradela: “Morreu o José da senhora Cândida”. José Martins da Cunha foi destacado para a Guerra Colonial. Aos 22 anos, o destino pregou-lhe uma partida. Em combate, na Guiné, foi atraiçoado por uma mina “anticarro” que fez com que o veículo que conduzia explodisse. Corria o dia 6 de março de 1974. Hoje, a memória de familiares e amigos ainda permanece viva e desde 12 de novembro com

Monumento de homenagem embeleza o largo

mais significado, porque o até então Largo do Nicho, em Paradela, adotou uma nova designação com o nome do combatente que tombou na Guerra Colonial. No ano em que fazem 50 anos do despontar desta guerra, José Martins da Cunha foi homenageado por uma comissão organizadora, na qual figura o seu primo, Manuel Pinto, também ex-

combatente. “É um sentimento que me marca muito, porque há muito tempo desejava realizar esta homenagem. Trabalhei para isto juntamente com mais quatro elementos, pelo que o mérito não é só meu”, frisou. Esta homenagem foi idealizada para também estender-se a todos os combatentes falecidos

ao serviço da pátria. “Quando a preparei disse que não queria desprezar os outros que também tombaram ao serviço da pátria, mas outros como eu têm que saber onde estão essas pessoas e trabalhar nas suas freguesias”, acrescentou Manuel Pinto. A comissão organizadora da homenagem considera que, apesar de falecer aos 22 anos, José

Martins da Cunha “merece ficar na história da freguesia de S. Martinho de Bougado”. Joana Lima, que descerrou a nova placa toponímica do Largo com o presidente da Junta de S. Martinho de Bougado, José Sá, afirmou que esta homenagem vai “associar para sempre o nome de José Martins da Cunha ao concelho da Trofa”. Esta homenagem, segundo a edil trofense, surge como “sentimento de gratidão e a vivência interior do que foi o esforço pedido às gerações de 60 e 70”. Joana Lima defende que “é necessário assumir a história sem complexos, com o sentimento de um dever cumprido e reconhecendo o valor e saudade dos que já partiram” Para além de ser descerrada uma placa com a nova designação do largo, foi ainda inaugurado um monumento de homenagem ao “José da senhora Cândida”, como era conhecido em Paradela, e lida uma carta enviada pelo padre Alberto Vieira, camarada de armas na Guiné.

Ex-combatentes relembram Guerra Colonial Cátia Veloso Diana Pimentel

A Casa da Cultura encontrou sete trofenses, que estiveram em sete colónias e viveram a Guerra Colonial de várias formas. Sangue, suor e lágrimas. Esta expressão pode ser um bom espelho do cenário de guerra. Mas nem sempre é esta a realidade que os soldados vivem. Que o diga Manuel Pinto, excombatente no Ultramar, que esteve mais de dois anos na Guiné-Bissau e não viu sangue derramado. Mas o suor escorreulhe pela face todos os dias, tais eram as temperaturas altas que se faziam sentir e o esforço empenhado na construção das “tabancas” (habitações dos nati-

vos), uma das tarefas que lhe foi confiava enquanto esteve mobilizado. Esta e outras histórias de outros seis homens estão documentadas numa exposição na Casa da Cultura que estará patente ao público até 31 de dezembro. A evocação dos 50 anos da Guerra Colonial não podia passar ao lado do concelho da Trofa, que teve muitos “filhos da terra” ao serviço da pátria. Para Manuel Pinto, a estadia na Guiné durante mais de dois anos ainda traz muitas recordações. As melhores constroem-se de gestos humanitários: “Quando me deslocava para esse trabalho (construção das tabancas), levava dois ‘casqueiros’, que era o pão que sobrava no quartel nos bolsos das calças do camuflado, para repartir com os

Exposição está patente na Casa da Cultura até 31 de dezembro

africanos, tal era a miséria”. Para além de enfrentar as temperaturas altas, Manuel Pinto teve que aguentar as saudades de casa. No entanto, as memórias ainda levam a que derrame algumas lágrimas. Cinco vídeos, três livros e várias fotografias. Joaquim Sousa contribuiu com muito material, que relata a sua estadia em Angola. Muitas são também as histórias que o ex-combatente guarda daqueles tempos. A última passou-se já quando regressava

a casa. Depois de apanhar um comboio de mercadorias, juntamente com um colega de Ribeirão, chegou cedo à Trofa e teve de passar a noite na estação. “No dia seguinte, que era de S. Martinho, houve uma missa e quando rebentou um foguete, o meu colega, que estava mais habituado à ‘porrada’ do que eu, caiu e bateu com a cabeça”, contou. Esta exposição surge integrada no programa de comemorações dos 13 anos do concelho

da Trofa. Na mostra intitulada “Sete colónias, sete homens e três guerras e meia” pode ver-se o caso particular de Júlio Reis que esteve na apelidada de “meia-guerra”. Maqueiro em Pondá, na Índia, tal como outros quatro trofenses, encontrava-se neste território quando as forças armadas indianas o invadiram, ficando como prisioneiro de guerra durante seis meses até à sua deportação para Portugal, via Paquistão.


8 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

17 de novembro de 2011

Sérgio Humberto reconduzido na liderança do PSD Trofa Cátia Veloso Hermano Martins

Sérgio Humberto foi reeleito líder da Comissão Política Concelhia do PSD da Trofa. Social-democrata não se assume como candidato à Câmara Municipal. Não restaram dúvidas quanto à pretensão dos militantes do PSD Trofa. Sérgio Humberto continua a liderar os destinos da Comissão Política Concelhia (CPC) do partido, depois de nas eleições ter sido eleito com 386 votos, sem brancos nem nulos. Num universo de 973 militantes com capacidade eleitoral, mais de um terço disseram “sim” à lista apresentada pelo socialdemocrata. Sérgio Humberto foi eleito para um mandato cujo tempo de duração será utilizado na “preparação de um projeto para apresentar aos trofenses” nas próximas autárquicas, em 2013, para “devolver a voz e o poder à popula-

ção”, referiu o líder da CPC, em entrevista ao NT e à TrofaTv. No entanto, ter sido eleito “comandante” dos destinos do partido no concelho não é sinónimo de candidatura assumida à Câmara Municipal da Trofa: “Eu vou ter a responsabilidade, enquanto presidente da CPC, de liderar os destinos desse órgão, que no fundo vai indicar o futuro candidato à Câmara Municipal”. Sérgio Humberto justificou que essa decisão tem de ser tomada depois de auscultada “a população”, obedecendo aos “princípios que sustentam o partido”. O social-democrata é reeleito numa estrutura que sofreu um duro golpe, em 2009, nas eleições autárquicas: “Na altura, muitos militantes pensavam que o partido esteve quase para fechar portas. Tivemos um longo caminho para percorrer, com muito trabalho visível no exterior, mas também interior, no sentido de reorganizarmos o partido”. Hoje, as pessoas que integram os novos órgãos políticos

Sérgio Humberto continua a liderar partido “laranja”

da CPC do PSD da Trofa “são nomes muito válidos e que vão acrescentar valor em experiência, capacidade e, acima de tudo, motivação”, justificou. Sérgio Humberto está na lista candidata do partido pelo distrito do Porto e pode ser chamado, a qualquer altura, para integrar um lugar no Parlamento. Apesar disso, o social-democrata garante que vestirá sempre a camisola da Trofa por cima da do

partido. “Nasci, cresci e vivo na Trofa, por isso estou aqui para defender os interesses do concelho, mesmo se tiver de ir contra o partido. Tentaremos sempre demonstrar ao partido a sensibilidade pela causa trofense, mas se não houver anuição defenderei a Trofa em primeiro lugar”, garantiu. Aquando da eleição do líder da CPC, foram ainda compostos os núcleos de freguesia de S.

Martinho de Bougado (liderado por Jorge Campos), Santiago de Bougado (Filipe Couto Reis), Alvarelhos (Joaquim Oliveira), Guidões (Joaquim Ferreira) e Muro (Armando Sanches). Apesar da tinta que corre todos os dias sobre a Reforma Administrativa, que sugere a fusão das freguesias, Sérgio Humberto afasta euforias, frisando que “o Livro Verde não é um documento fechado” e que “incentiva as próprias câmaras municipais a promoveram a discussão pública e a apresentarem as suas propostas ao Governo Central”. “Era fundamental que as câmaras desenvolvessem esse processo de discussão, que ouvissem os órgãos, as assembleias de freguesia, a assembleia municipal e a população da Trofa, relativamente à fusão das freguesias”, sublinhou. Para a mesa de plenário do partido foi eleito Jaime Moreira, com 375 votos, nove brancos e dois nulos.

Marco Ferreira recandidata-se à JS Trofa Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

JS Trofa vai a votos no dia 27 de novembro. Marco Ferreira quer prosseguir projeto, apoiando medidas do executivo camarário. “Responsabilidade, acreditar e fazer acreditar”. Estes são os principais propósitos da recandidatura de Marco Ferreira à concelhia da Juventude Socialista da Trofa, que foi oficializada na segunda-feira, 14 de novembro, num café em Alvarelhos. O jovem socialista explicou que a responsabilidade é dirigida à própria estrutura partidária, “já que cresceu muito nos últimos anos”. “Mais do que duplicar o número de militantes, conseguiu chegar a todo o concelho através dos núcleos de freguesia. É um dos trabalhos que temos mais orgulho e, por isso, esta proposta de candidatura conjunta entre os núcleos e a concelhia”, explicou. Em segundo lugar, a candidatura de Marco Ferreira “acredita que a luta travada em 2009 está a valer a pena”, apesar “de todas

Marco Ferreira (em pé) e candidatos aos núcleos de freguesia da JS querem uma juventude forte

as dificuldades no contexto nacional e local, que tem prejudicado muitos dos projetos que se pretendiam realizar”. O socialista confia no caminho trilhado pelo executivo camarário, que “aposta na educação, na cultura e na qualidade de vida dos jovens, dando-lhes condições para que se sintam atraídos para viver na Trofa”. Marco Ferreira exemplifica com as medidas da “atribuição das bolsas de estudo” e a “oferta de manuais escolares, que favoreceu muitos casais jovens”. A JS não esquece que, pela

frente, tem dois anos “de luta muito intensa até às próximas eleições”, na qual o objetivo é “fazer os jovens acreditar em que o caminho que está a ser seguido vale a pena”. No capítulo da juventude, o socialista defende as medidas tomadas pelo executivo de “garantir que haja várias atividades ao longo do ano, em todas as freguesias, para todos os jovens”. As eleições para a concelhia da JS Trofa realizam-se no dia 27 de novembro. De algumas dezenas de núcleos de freguesia da JS que exis-

tem no País, cinco pertencem à Trofa. Marco Ferreira considera o “número interessante”, pois “demonstra bem a entrega dos jovens da Trofa e o amor que sentem pelo concelho”. No dia 20 de novembro, vão a votos as listas candidatas para os núcleos de freguesia de S. Romão do Coronado, Alvarelhos, Santiago de Bougado, Guidões e Covelas. Pedro Teixeira é o candidato por Alvarelhos e considera que “é importante não deixar morrer a juventude”. “Não podemos prometer fazer tudo, mas tentar fa-

zer o máximo possível”, frisou. Já José Santos, candidato por Covelas, pretende dar continuidade ao projeto que iniciou há um ano, elaborando “um manifesto e ouvir os anseios dos jovens, para depois entregar o documento ao presidente da Junta”. Para o núcleo de S. Romão do Coronado, José Pereira ainda não tem equipa formada, mas manifestou vontade de fazer algo contra o desinteresse da juventude da freguesia pelos problemas de S. Romão e do concelho. Depois de um período de estagnação, o núcleo de Santiago de Bougado parece ganhar novo fôlego com Armindo Azevedo. “Vamos desenvolver políticas que nos façam inteirar das atividades da freguesia e na vida do concelho”, referiu. Nuno Moreira recandidata-se ao núcleo de Guidões. Abraçando o movimento contra a fusão das freguesias, o guidoense apelou a todos os militantes socialistas: “Lutem pelas freguesias como nós vamos lutar por Guidões”.


Atualidade 9

www.onoticiasdatrofa.pt

17 de novembro de 2011

Escola de Cedões promove magusto A Associação de Pais da Escola Básica de Cedões não deixou passar ao lado o dia de S. Martinho e realizou um magusto, no dia 11 de novembro. Abrir a escola à comunidade foi o objetivo pretendido e alcançado pela organização. “O magusto foi realizado para promover a confraternização e o convívio entre os encarregados de educação da escola de Cedões. Estiveram presentes mais de uma centena de pessoas, por isso afirmamos que o balanço foi positivo”, afirmou Vitor Barra, presidente da Associação de Pais. O Rancho Etnográfico de Santiago de Bougado e o Rancho Etnográfico do Orfeão do

Porto estiveram presentes no magusto para animar esta festividade. Não faltaram os comes e bebes nem a presença de personalidades ilustres trofenses. Esta Associação de Pais pretende continuar a realizar outras atividades sempre com o mesmo objetivo: “envolver mais a comunidade com a escola, principalmente os pais dos alunos. Por isso, já temos prevista uma festa de Natal em dezembro, para assinalar o final de 2011, e em janeiro já está calendarizado um cantar das janeiras. Ao longo do ano letivo seguir-se-ão outras atividades que também já estão agendadas, como o caso do Dia da Mãe e do Pai”. D.P.

Festa do Padroeiro em S. Martinho de Bougado Janine Mouta

Freguesia de S. Martinho celebrou o padroeiro numa comemoração onde o convívio e a animação foram uma constante.

Rancho Etnográfico animou magusto da EB 1 de Cedões

Magusto do PS promovido em S. Romão A Quinta de S. Romão foi o local escolhido pelo Partido Socialista da Trofa para promover um magusto com os militantes, no sábado, 12 de novembro. No evento, onde não faltaram as tão solicitadas castanhas,

Socialistas festejaram S. Martinho

marcaram presença, entre muitos outros socialistas, Joana Lima, presidente da Comissão Política Concelhia do Partido, e José Luís Carneiro, secretário nacional do PS. C.V.

A tradição voltou a cumprirse e, na sexta-feira, dia 11 de novembro, os trofenses comemoraram o S. Martinho. Pelas 17 horas, no Parque Nossa Senhora das Dores, a população juntou-se para momentos de animação, música e convívio. Entre os trofenses, a opinião é geral: “As pessoas co-

nhecem-se e quando isso acontece dão um bocadinho de si. É um tradição linda e deve continuar sempre”. A iniciativa promovida pela Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado juntou muita gente e o “ambiente era muito bom”, afirmavam os populares. As castanhas, o bom vinho e o porco no espeto foram iguarias que marcaram presença e fizeram as delícias dos presentes. As filas de espera demonstravam a vontade da população em participar em mais um ano desta comemoração.

Entre conversas à mesa e encontros ocasionais, o certo é que todos defendem que a tradição deve continuar nos próximos anos. O presidente da Junta de Freguesia, José Sá, afirmou que “a tradição é para continuar, assinalando desta forma o dia do padroeiro de S. Martinho”. A festa prosseguiu e, pelas 19 horas, realizou-se na Capela de Nossa Senhora das Dores, uma missa solene. Já no domingo, dia 13, pelas 11 horas, foi celebrada uma missa em honra do padroeiro, seguida de uma procissão.

S. Martinho comemorado na Maganha Todos os anos a história repete-se. A Associação Recreativa de S. Pedro da Maganha comemora, no domingo a seguir ao dia 11 de novembro, o S. Martinho. Esta data é assinalada com um magusto realizado na sede da associação. Este ano a iniciativa contou com uma presença especial. “Temos aqui o duo Lírio Roxo que veio de propósito para animar o magusto. Os participantes pagaram um valor simbólico, de três euros, para estarem presentes neste magusto e tiveram a oportunidade de comer e beber à discrição “, afirmou António Castro, presidente da coletividade. A “tasquinha de S. Pedro” encheu-se no domingo, dia 13, para o habitual magusto onde não faltaram castanhas. Esta é uma iniciativa que a organização preten-

Associação de S. Pedro da Maganha comemorou S. Martinho

de continuar a levar a cabo a fim de manter a tradição. Durante todo o ano, a associação realiza eventos para angariar fundos. “A Associação S. Pedro da Maganha engloba a parte desportiva, recreativa e cultural e durante o ano trabalha

para angariar fundos para as festas e eventos que organiza. Atualmente, encontramo-nos empenhados na construção da sede, uma vez que o terreno já se encontra pago e só nos falta começar as obras”, admitiu o presidente da associação. D.P.


10 Trofa - 13 anos de concelho

www.onoticiasdatrofa.pt

17 de novembro de 2011

Como tudo começou.... Apesar de a independência ter acontecido a 19 de novembro de 1998, a ver-

Maia: S. Martinho de Bougado, Santiago de Bougado, São Romão do Coronado,

que pertenciam a outros núcleos concelhios (Maia, Refojos, Landim,

a ver com as gentes maiatas. A pouco e pouco, nas casas, nas ruas e em locais

dade é que mesmo antes de pertencer a Santo Tirso, o concelho já fazia parte do

São Mamede do Coronado, Covelas, Guidões, Muro e Alvarelhos foram anexadas

Negrelos e Famalicão). Assinalava-se assim o início da revolta do povo destas

de convívio, o desejo de fazer algo que contrariasse a situação, fervilhava entre

território maiato. Em 1833, as oito freguesias do sul da

a Santo Tirso. Em simultâneo, foram sendo anexadas também outras freguesias

freguesias que passavam a estar integradas numa área geográfica que nada tinha

todos. Santo Tirso deveria proporcionar à Trofa os meios necessários para avançar com os melhoramentos desejados, caso contrário a Trofa governar-se-ia com os seus próprios recursos. O desejo de emancipação era cada vez maior e já nada contrariava os interesses dos trofenses. A população estava empenhada e não podia cruzar os braços. A 14 de Dezembro de 1990, criouse uma comissão para estudar a possibilidade de se criar o concelho da Trofa. No ano seguinte, 1991, muitas foram as iniciativas realizadas entre os elementos da comissão promotora e os autarcas de outras freguesias. O primeiro contacto entre os membros teve como objetivo limar algumas arestas que existiam entre S. Martinho de Bougado e Santiago de Bougado. Foi elaborado um protocolo, posteriormente assinado por todos, sujeito a aprovação das respectivas freguesias. Na primeira reunião oficial, dois temas principais estiveram na ordem do dia. Foi feita uma retrospetiva de tudo o que já tinha sido feito pela Comissão desde a sua criação, sendo aplaudida a decisão da Assembleia de Freguesia de Guidões em aderir ao processo. Ainda na reunião foi aprovado que o processo de criação do concelho da Trofa avançaria mesmo apenas com as freguesias de S. Martinho de Bougado, Santiago de Bougado e Guidões. No entanto, todos queriam que o Concelho fosse integrado pelas oito freguesias. Depois desta “demarche” foi elaborada uma petição qe foi entregue na Assembleia da República, em 1992: a criação do concelho da Trofa estava cada vez mais próxima.

www. trofa. tv


17 de novembro de 2011

Câmara da Trofa anuncia plano para reequilíbrio financeiro A autarquia da Trofa está a preparar uma reunião com todas as associações e instituições do concelho para apresentar a situação da dívida da Câmara, assim como os diferentes cenários possíveis para implementar a recuperação financeira. Segundo o jornal O Notícias da Trofa conseguiu apurar a autarquia pretende dar a conhecer a real situação financeira do município e deverá anunciar de que forma pretende levar a cabo a consolidação orçamental. No entanto é previsível que esta se faça através de cortes profundos na despesa, uma vez que não há possibilidade de aumentar as receitas já que os valores dos impostos municipais estão já no máximo possível. O NT tentou obter esclarecimentos junto da Câmara da Trofa, mas fonte da autarquia remeteu as explicações para a reunião da próxima quarta-feira, 23 de novembro, que vai decorrer nas instalações da Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado, a partir das 21 horas e à qual poderão comparecer todos os interessados.

www.onoticiasdatrofa.pt

Trofa - 13 anos de concelho 11

O dia da Independência A criação do concelho da Trofa não teve origem numa luta de séculos ou na exposição mediática como aconteceu com outras situações semelhantes. Em 1836, iniciava-se um período de 170 anos recheado pelo descontentamento. Um decreto lei tinha retirado oito freguesias da Maia anexando-as a Santo Tirso. Uma comissão formada por sete pessoas de Santiago de Bougado, três de S. Martinho e uma do Muro começaram a trabalhar para criar o concelho da Trofa. A 15 de julho de 1992, a Comissão Promotora do Concelho da Trofa desloca-se a Lisboa para entregar uma petição que permitisse a criação do concelho. Em fevereiro de 1998, deu-se um passo decisivo que consistia na entrega ao Parlamento de vários projetos de lei para a criação de novos concelhos. O dia da Indepêndencia. É assim que, para os trofenses, vai ficar para a história o dia 19 de novembro de 1998. Depois de vários anos dependentes de Santo Tirso, a população da Trofa

Milhares de pessoas gritavam “Viva a Trofa”

rumou a Lisboa para tornar o seu sonho numa realidade. Mais de 10 mil trofenses invadiram a capital para ir “buscar” o concelho. Há 13 anos atrás o sonho comandava os trofenses. Logo pela manhã, o êxtase era grande e os altifalantes nos carros, anunciavam a hora da partida. Uma autêntica massa de pessoas acompanhada por ranchos e estandartes de várias associações trofenses proclamavam em alta voz, o concelho da Trofa. Foi este o cenário que coloriu a cidade de Lisboa com bandeiras brancas com o mapa da Trofa, em forma de coração, manifestando a vontade de um novo mu-

nicípio. Acompanhados pela PSP e ao som do hino da Trofa, os trofenses marcharam rumo a S. Bento. Já em frente ao palácio, a Banda de Música da Trofa, a Fanfarra dos Escuteiros e os ranchos folclóricos animavam as ruas da capital enquanto esperavam, ansiosamente, por uma decisão. Eram 17.57 horas quando a Trofa passou a concelho. O “fumo branco” anunciava a criação de um dos mais jovens municípios do país. Entre gritos de euforia, abraços e muitas lágrimas nunca ninguém se separou das bandeiras agitadas nem dos gritos “ Viva a Trofa”.


12 Trofa - 13 anos de concelho

www.onoticiasdatrofa.pt

Concelho da Trofa festeja 13º aniversário Diana Pimentel diana@onoticiasdatrofa.pt

O concelho da Trofa está a celebrar 13 anos com muitas iniciativas. Feriado municipal é dia grande das comemorações. Rui Rio é a figura de destaque das Comemorações do 13º aniversário da elevação de Trofa a concelho. O presidente da Junta Metropolitana do Porto e presidente da autarquia portuense vai estar presente no dia do feriado municipal, dia 19, no Salão Nobre dos Bombeiros Voluntários da Trofa, pelas 17 horas, para falar ao mais jovem concelho do País. O dia vai começar com o habitual hastear das bandeiras, pelas 10 horas, no edifício da sede da Câmara Municipal da Trofa, seguindo-se uma missa solene, na Igreja Paroquial de Guidões, em memória dos combatentes trofenses tombados no ultramar. No início da tarde vai ser inaugurada na Casa da Cultura a exposição “Trofa Criativa”, seguindo-se a entrega dos certificados de participação nas “Feiras Francas” bem como a entrega dos pré-

mios do Concurso Lusófono da Trofa. Posteriormente à sessão solene vai decorrer no Parque Nossa Senhora das Dores a iniciativa “Boom Fitness” promovida pelo Aquaplace. Pelas 19 horas no mesmo local vai ser servida a tradicional vitela assada ao som do grupo “Sons e Cantares do Ave”. No final do dia, pelas 21 horas, o auditório da Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado vai ser palco para a estreia do musical “Amílcar, consertador de búzios calados”. Já no dia seguinte, domingo, as comemorações continuam e pelas 15 horas o grupo Alvadance vai atuar no salão paroquial deAlvarelhos. Para terminar em grande este 13º aniversário do concelho trofense vai ser realizado um concerto pelos vencedores do 2º festival da canção da Trofa no auditório da Junta de Santiago de Bougado. Recorde-se que as comemorações do aniversário tiveram início a 11 de Novembro com o concerto realizado pelo coro paroquial de S. Cristóvão do Muro e pelo orfeão de Santhyago, na igreja de S. Cristóvão do Muro.

17 de novembro de 2011


Atualidade 13

www.onoticiasdatrofa.pt

17 de novembro de 2011

“Viva Guidões” Diana Pimentel diana@onoticiasdatrofa.pt

Assembleia de Guidões realizou a 11 de novembro uma sessão extraordinária para discutir a fusão da freguesia. “Viva Guidões” foi a expressão mais ouvida nesta assembleia. A Escola do Viso foi o local escolhido pela Assembleia de Guidões para uma sessão extraordinária, que decorreu no dia 11 de novembro e que teve como ponto único a discussão da reforma administrativa. Nesta assembleia foram apresentadas duas moções, uma pela CDU e outra pelo PS, aprovadas por unanimidade. O Partido Comunista Português (PCP)defende que esta reforma administrativa não vai ser significativa para os cofres do Estado. “A extinção de autarquias, nomeadamente a de Guidões, em nada contribuirá para reduzir a despesa pública e, não só acarretará novos e maiores gastos, como conduzirá a um pior serviço às populações e constituirá um fator de empobrecimento da vida de-

mocrática local”, asseverou Atanagildo Lobo. Já a moção apresentada pelo Partido Socialista (PS) defende que esta reforma autárquica “deve ser feita de acordo com as necessidades de cada comunidade e não tendo em conta o número de eleitores ou a dimensão da freguesia”. “O que é necessário é que as freguesias sejam dotadas de competências e recursos próprios, para exercer um melhor poder local, sem perderem a identidade da terra que representam”, afirmou Silvino Silva. Nesta sessão extraordinária, a CDU apresentou uma proposta à mesa da assembleia para que Guidões integre o movimento “Freguesias Sempre”. “Sabendo-se que já existem movimentos em marcha, nomeadamente o «Movimento Freguesias Sempre», e que já realizou duas reuniões e que agendou uma manifestação na baixa do Porto na Praça D. João I, para as 15 horas, do próximo dia 20 de novembro, a CDU recomenda à Junta de Freguesia a integração de Guidões no «Movimento Freguesias Sempre» e solicita a organização e a disponibilização,

Guidões diz “não” à fusão da freguesia

segundo as possibilidades da Junta, dos meios possíveis para a participação mais numerosa e ativa possível dos guidoenses nessa manifestação”, adiantou o elemento da CDU. A proposta foi aprovada com os votos favoráveis do PS e CDU e a abstenção do PSD. Manuel Araújo, presidente da Junta de Freguesia, acolheu as recomendações de Atanagildo Lobo. “Não vejo qualquer impedimento e farei tudo para que Guidões continue a manter-se conforme está. Fazer com que Guidões integre este «Movimento Freguesias Sempre» penso que será fácil, já no dia 20 de novembro iremos tentar levar o maior número de pessoas ao Porto,

daremos todo o apoio necessário, logístico também”, asseverou o presidente da Junta. Já no final da reunião extraordinária foi dada a palavra ao público, e das várias intervenções salientou-se a de Bernardino Maia, que suspendeu o mandato de presidente da Junta de Guidões a 11 de agosto deste ano. “Não estranho que façam essas fusões de freguesias nas grandes cidades, agora nas nossas três freguesias já não concordo. Por exemplo, as questões de acessibilidades, pela informação que tenho a poupança é quase zero, isto vai mexer com o bolso de todos os guidoenses, pois para irmos à Junta de Guidões fazemos um quilómetro,

mas para irmos à de Alvarelhos gastamos o dobro. Não, isso não. Eu orgulho-me muito de ser de Guidões e gostava que esta mensagem fosse a de todos os guidoenses: Viva Guidões”, exclamou Bernardino Maia. António Lopes também interveio para defender a terra onde cresceu. “Isto não passa de uma imposição da ‘troika’. Há países que estão a decidir isto da reforma administrativa, eles ainda nem nacionalidade tinham e Guidões já era freguesia. Nós somos dos países mais velhos da Europa e a nossa freguesia já é centenária. Eles também não queriam o concelho da Trofa nem de Vizela, mas o povo quis e conseguiu e por isso o melhor é eles terem cuidado pois as imposições são a pior coisa que podem fazer contra o povo. A vitória final é sempre do povo”, asseverou António Lopes. Na manhã de sexta-feira, dia 11, apareceram colocadas pela freguesia de Guidões quatro telas que contestavam a fusão da freguesia. Vai continuar a circular por Guidões, até final do ano, o abaixo-assinado com o mesmo propósito.


14 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

17 de novembro de 2011

Dia do Agrupamento do Coronado e Covelas EB 2/3 de S. Romão do Coronado comemorou o Dia do Agrupamento com algumas atividades. A escola básica 2/3 de S. Romão do Coronado comemorou na sexta-feira, 11 de novembro, o Dia do Agrupamento de Coronado e Covelas. O estabelecimento esteve aberto à comunidade escolar e contou com um vasto programa de atividades internas e externas, que foi pensado ao pormenor para agradar aos alunos, professores e encarregados de educação. Na plateia a assistir aos trabalhos dos alunos estavam figuras importantes para os alunos. O Diretor Regional de Educação do Norte (DREN), João Grancho e a Diretora Regional Adjunta, Isabel Cruz, a presidente da Câmara Municipal da Trofa, Joana Lima, acompanhada pelos vereadores Teresa Fernandes, da Educação e Assis Serra Neves, do Ambiente, e um dos parceiros mais importantes da escola, João Pedro Azevedo, presidente do conselho de administração da Savinor, além de muitos outros convidados. José Magalhães, presidente do Agrupamento do Coronado e Covelas, considera que este dia serve para aproximar toda a comunidade à escola. “Os agrupamentos são constituídos por unidades pedagógicas, situadas

EB 2/3 de S. Romão do Coronado celebrou Dia do Agrupamento do Coronado e Covelas

geograficamente em termos de quilómetros, e nós precisamos de demonstrar pelo menos num dia que essas unidades se transformam numa unidade orgânica única”, asseverou. Na sessão solene de abertura deste dia, José Magalhães fez questão de salientar que existem algumas escolas do seu Agrupamento que permanecem em estado de degradação, o que o entristece. “Temos escolas, herdadas do concelho de Santo Tirso, que continuam a degradar-se. Sempre defendi que a requalificação do parque escolar deveria começar pelo pré e pelo 1º Ciclo, porque é aí que nós conseguimos obter os pilares e a base para as nossas aprendizagens

futuras, mas infelizmente a estratégia foi começar pelo telhado deste sistema educativo das escolas secundárias e reconheço que muitas delas ainda estariam em ótimas condições. Conheço algumas em que foram construídos auditórios há dois anos, que até estivemos a tentar recuperálos para esta escola, mas não conseguimos”, adiantou. No que respeita à questão da requalificação escolar a vereadora da Educação, Teresa Fernandes, admite que ainda há muito trabalho a ser feito no Agrupamento de Coronado e Covelas. “Em S. Mamede do Coronado existem algumas escolas como é o caso de Casal e jardim de infância de Fonteleite que têm condições

difíceis para albergar as nossas crianças. O momento não é oportuno para fazermos grandes obras e, portanto, nós estamos a aguardar respostas por parte da DREN e do Ministério da Educação no sentido de perceber como vamos fazer a gestão do parque escolar no próximo ano”, asseverou a vereadora. Caso fechem algumas escolas no concelho no próximo ano, a vereadora admite que a autarquia vai concentrar todos os esforços de modo a fornecer as melhores condições de aprendizagem aos alunos trofenses. “Os tempos em que vivemos são de grandes dificuldades, temos de otimizar os nossos recursos e temos de dar às nossas crianças

as melhores condições de aprendizagem, por isso se encerrarem algumas escolas teremos de fazer alguns sacrifícios e transferir as crianças das escolas mais debilitadas para aquelas que apresentam as melhores condições”, afirmou Teresa Fernandes. Já João Grancho, diretor da DREN, admitiu que esta reforma que está a ser implementada na instituição pretende levar a cabo uma proposta de proximidade para com as escolas. “O momento que nós atravessamos de reconfiguração, simplificação e de alteração da própria lei orgânica significa um passo importante no reforço da autonomia das escolas, mas não é uma autonomia que se pretenda aparente, mas sim efetiva”, adiantou. O diretor da DREN acredita que esta reforma escolar vai ser implementada em todas os estabelecimentos, desde os jardins de infância até às escolas secundárias de forma racional. “O que nós temos hoje é 90 por cento de escolas de excelência em termos de edificado e estamos agora a tentar investir naquilo que é o mais urgente, mas o grande problema é que temos de investir de forma racional e não podemos entrar no ‘desvario’ que foi feito na Parque Escolar”, asseverou. D.P.

Crianças aprenderam a comunicar por língua gestual Diana Pimentel diana@onoticiasdatrofa.pt

A Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado não deixou passar ao lado o Dia da Língua Gestual Portuguesa nem as comemorações dos 202 anos das invasões francesas. Associou-se a estas comemorações a creche e jardim de infância da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Trofa (AHBVT). Comunicar por gestos não está ao alcance da maioria das pessoas, principalmente dos mais novos. E para quebrar esta barreira comunicativa, que ainda está muito presente na sociedade, a Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado decidiu levar até aos alunos da creche e jardim de infância da AHBVT uma convidada especial: Felícia Peixoto. Esta trofense é uma mu-

lher como tantas outras, tem uma família, um emprego, contudo comunica por gestos uma vez que sofre de problemas auditivos. Felícia, sempre com um sorriso no rosto, tentou ensinar às crianças algumas palavras através da língua gestual portuguesa. Cores, objetos e frutos foram algumas das expressões que os mais novos aprenderam neste dia com Felícia. Os alunos prepararam uma apresentação especial para o organizador do evento: José Sá. “O meu chapéu tem três bicos”, foi com esta música, interpretada gestualmente, que os alunos da sala três brindaram o presidente da Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado. Este foi um dia especial para o autarca que realizou três objetivos num só espaço: visitou o infantário pela primeira vez, aprendeu a comunicar por língua gestual e assinalou as comemorações dos

202 anos das invasões francesas na Barca. José Sá considera que é importante o ensino da língua gestual portuguesa não só às crianças como também aos adultos. “Assisti pela primeira vez a uma aula de língua gestual e fiquei surpreendido e ao mesmo tempo maravilhado porque percebi que este tipo de língua é importantíssimo para quem é surdo e também para quem é ouvinte, uma vez que este é um meio de comunicação entre pessoas que falam línguas diferentes”, asseverou. Já Felícia Peixoto mostrou-se “muito orgulhosa” neste dia da língua gestual portuguesa. Enquanto Felícia comunicava por gestos, a diretora da instituição, Adelaide Pires, traduzia. “Ainda há muitas barreiras na comunicação e por isso considero que é preciso que hajam mais intérpretes nas escolas. O surdo

Junta de S. Martinho celebrou Dia da Língua Gestual

ouve, tem a sua comunicação e pode ensinar os demais a comunicarem por língua gestual, mas tem de aprender desde pequenino essa língua”. Nas comemorações dos 202 anos das invasões francesas foi hasteada a bandeira nacional jun-

to do monumento evocativo a todos os trofenses que pereceram na defesa da Barca da Trofa contra as invasões francesas, localizado junto ao infantário, e cantado o hino pelos alunos da creche e jardim de infância da AHBVT.


www.onoticiasdatrofa.pt

17 de novembro de 2011

Comissão de festas de S. Bartolomeu promove magusto A Comissão de Festas em honra de S. Bartolomeu 2012 vai realizar um magusto para comemorar o dia do padroeiro da freguesia (S. Romão). A iniciativa vai decorrer no sábado, 19 de novembro, no Largo do Seixinho, em S. Romão do

Coronado, a partir das 20.30 horas. Neste magusto não vão faltar castanhas, petiscos e vinho. A animação musical vai ficar a cargo do duo “Mistura Fina” e no final da noite haverá uma sessão de fogo de artifício. D.P.

Atualidade 15


16 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

17 de novembro de 2011

Trofíadas do Ambiente com balanço positivo Diana Pimentel diana@onoticiasdatrofa.pt

A Trofáguas através das Trofíadas do Ambiente sensibilizou os jovens para as questões ambientais. Iniciativas “verdes” decorreram em algumas escolas do concelho. Na sexta-feira, dia 11, a animação era muita entre os alunos da Escola Básica 2/3 de S. Romão do Coronado. O entusiasmo de uns e a curiosidade de outros faziam antever a vontade de participarem nas Trofíadas do Ambiente. Esta iniciativa promovida pela Trofáguas, em parceria com a autarquia trofense, passou por algumas escolas básicas do concelho nos dias 9, 10 e 11 de novembro. As Trofíadas do Ambiente pretendiam incutir nos mais jovens a sensibilização para as questões ambientais. “Esta iniciativa consiste na tentativa de sensibilizar as populações mais jovens para a preservação do

ambiente. Sabemos que a mudança de comportamentos é muito difícil, pelo que escolhemos as escolas para atingirmos o nosso objetivo, uma vez que consideramos que os jovens assimilam mais facilmente as alterações de comportamentos e atitudes”, asseverou Luís Rebelo, presidente do Conselho de Administração da Trofáguas. Esta iniciativa abrangeu alunos do 5º ano das EB 2/3 Professor Napoleão Sousa Marques, de Alvarelhos e de S. Romão do Coronado. O presidente do Conselho de Administração da Trofáguas admite que esta iniciativa vai passar por outras escolas. “Até ao final do ano vamos fazer mais atividades deste género junto de outras escolas, uma vez que este é o projeto Trofa Viva no qual somos parceiros com a Câmara Municipal da Trofa e que se vai prolongar até final de 2012”, adiantou. A recetividade das crianças contribuiu para o sucesso desta

Trofíadas do Ambiente alertaram jovens para questões ambientais

iniciativa. “Já esperávamos que a recetividade fosse ótima, uma vez que a população jovem é a mais recetiva a esta mudança e por isso termos apostado nesta ação de sensibilização”. Os alunos romanenses através das Trofíadas do Ambiente puderam testar os seus conhecimentos relativamente à recicla-

gem, às energias alternativas e a outras questões ambientais. Esta iniciativa está integrada na Requalificação Urbana dos Parques Nossa Senhora das Dores e Dr. Lima Carneiro abrangida pela Candidatura ao Programa de Acção (PRU/2/ 2008) – Grandes Centros” no âmbito do instrumento de Politica

“Parcerias e Regeneração Urbana”, inscrito no Eixo IV – Qualificação do Sistema Urbano do Programa Operacional Regional do Norte, com um investimento elegível total de 9.383.500,00 euros, cujo financiamento FEDER corresponde a 80 por cento e uma Contrapartida Local correspondente a 20 por cento.

Crónica - Rota das Terras férteis

Ovelhas não são para mato! A eco-caminhada “Rota das Terras Férteis em Perigo” aconteceu, no passado domingo, dia 13, organizada pelo Agrupamento de Escutas 635 de São Romão do Coronado e pela Associação para a Protecção do Vale do Coronado. Dez quilómetros percorridos nas freguesias de São Romão e São Mamede, às voltas por carreiros florestais, quelhas e campos agrícolas. Oportunidade para, mais uma vez - e nunca é de mais! - sensibilizar e fazer compreender a riqueza do património rural e paisagístico do (ainda ameaçado) Vale do Coronado. Em fim de semana dominado por um tal de São Martinho, já São Pedro não deve ter achado muito graça e fez das suas: a chuva que antecedeu a caminhada provocou muitas desistências, mas, na verdade, “ovelhas não são para mato”. Sessenta e um caminhantes participaram, cheios de garra, provando que, afinal, a chuva teve medo deles! Curiosamente, alguns vindos do Porto, Vila Nova de Gaia e Matosinhos ficaram a conhecer o mundo rural bem ativo desta zona e pasmaram com a possibilidade da outrora badalada Pla-

Mais de 60 pessoas participaram na caminhada

taforma Logística Maia-Trofa ali ser implantada! Após a época de colheitas com destaque para as vindimas, as desfolhadas e a lufa-lufa da ensilagem do milho-forragem - o Vale do Coronado ainda apresenta as derradeiras sementeiras outono-invernais. A caminhada seguiu as pistas das belas-e-lustrosas pencas e, principalmente, as primeiras aventuras dos recém-semeados azevém e aveia, tudo isto bem “pintado” de verde, muito verde, nos terrenos agrícolas da Gondão, Fontes, Calçada, Vila, Paiço e Cegonheira, à boleia da Quinta de São Romão, do Ribeiro da Mamoa,

do Caminho de Santiago, da Fonte do Vilarinho e da breve lição de História Local dada pelo gigante Professor António Maia. Cabras, vacas e até os elegantes cavalos Lusitanos da Quinta das Arcas completaram a animação do evento. Tudo isto, um regalo para os olhos, às portas do Porto, hein! Na (ga)linha do horizonte, seguem-se mais atividades, abertas a todos os trofenses, até mesmo aos mais… distraídos! Siga a página facebookiana do bio-agradável Vale do Coronado: basta fazer “gosto” em http:/ /facebook.com/valedocoronado Vítor Assunção e Sá


Desporto 17

www.onoticiasdatrofa.pt

17 de novembro de 2011

Bougadense soma mais um empate Diana Pimentel diana@onoticiasdatrofa.pt

Bougadense continua em último lugar na tabela classificativa. No jogo com o Labruge, ao intervalo, o Bougadense vencia por 1-0, mas acabou por ceder o empate. As condições climatéricas adversas que se fizeram sentir no domingo à tarde, dia 13 de novembro, no Parque de Jogos da Ribeira, em Santiago de Bougado, faziam antever um fraco jogo. Contudo, as duas equipas esforçaram-se e muito para darem o seu melhor neste jogo da 10ª jornada da série 1 da 1ª divisão da Associação de Futebol do Porto. Logo aos 16 minutos, depois de uma falha de João Alves, Amílcar teve tudo para colocar o Labruge a vencer mas, permitiu a defesa do Bougadense. Pouco depois surge a resposta de Nené que descaído para a direita no interior da área, rematou para o corpo de Ademar. Aos 19 minutos, Adriano num remate de longe com o pé esquerdo tentou

Bougadense 1 Labruge 1 Local: Parque de Jogos da Ribeira Árbitro: Fábio Melo Tinoco Madeira Jota Fontes 74' João Alves Toni Sanches Miguel Adriano Ricardo Azevedo Simões Ricardo Santos Álvaro Ademar Nené 80' Rui Miguel Tó Maia Marino 59' Pedro Costa Amilcar Zé Paulo 77' Cardoso T. Pedro Pontes T. Artur Gomes Ricardinho 77' Stefano 59' Nélson 80' Seabra 74' Cartões amarelos: Zé Paulo (33'), Miguel (85'), Coelho (94') Resultado ao intervalo: 1-0 Marcadores: Zé Paulo (32') e Rui Miguel (80')

fazer o primeiro golo do Bougadense, mas acabou por não conseguir, uma vez que a bola raspou no poste esquerdo da baliza de Madeira. Aos 32 minutos, num cruzamento de Adriano, Madeira ficou mal na fotografia e Zé Paulo aproveitou para empurrar a bola para o fundo da baliza,

Bougadense esteve a vencer, mas deixou-se empatar

colocando o Bougadense em vantagem sobre o Labruge. A equipa de Santiago de Bougado foi para o intervalo a vencer por 1-0. Mas na etapa complementar do jogo as condições climatéricas agravaram-se não permitindo a prática de bom futebol. A bola encontrava-se sistematicamente fora das quatro linhas e o Labruge como estava a jogar a favor do vento esteve quase sempre perto da grande área do Bougadense. A dez minutos do final da partida, Rui Miguel esta-

beleceu a igualdade do jogo com um golo que resultou de um cruzamento com Coelho do lado direito. A dois minutos dos 90, Ricardinho teve no pé direito a oportunidade de fazer o golo da vitória, pois a baliza de Madeira estava desguarnecida, mas o jogador do Bougadense atirou a bola ao poste esquerdo e o jogo acabou por ficar empatado a uma bola. Para Pedro Pontes, treinador do Bougadense, este foi um jogo favorável à equipa adversária.

“Nas últimas duas jornadas, o Bougadense lutou muito, contudo a intempérie que se fez sentir na segunda parte do jogo proporcionou ao Labruge a oportunidade de marcar um golo, uma vez que a bola não saía da nossa grande área. Nos últimos três jogos já fizemos dois pontos, e ponto a ponto acredito que vamos alcançar os nossos objetivos”, asseverou. Já Artur Gomes, treinador do Labruge, admitiu que este foi um jogo difícil, pois o Bougadense esteve à altura, mesmo com as adversidades climatéricas. “Este foi um jogo difícil pois nós já sabíamos de antemão que o Bougadense ia querer vencer, para motivar a sua equipa. Na primeira parte tivemos uma grande infelicidade, quando o Bougadense marcou o golo, contudo na segunda parte fomos superiores e mesmo com o mau tempo conseguimos fazer o golo da igualdade. O Bougadense foi um adversário à altura”, afirmou. Na 11ª jornada o Bougadense deslocase a Balasar, terra de fé, para tentar vencer este adversário.

S. Romão amealhou um ponto Diana Azevedo

Várias foram as tentativas de finalização que o S. Romão fez contra a baliza do Inter de Milheirós, mas com a destreza do guarda-redes Cláudio e muita sorte à mistura, a formação romanense não chegou ao golo. O jogo entre o S. Romão e o Inter de Milheirós, na 2ª Divisão distrital não começou da melhor forma, no domingo, pois o guardião Paulo lesionou-se logo aos quatro minutos, após uma defesa, que ao que tudo indica provocou a fratura no braço do defensor da baliza visitante. Forçado a deixar o campo, Cláudio ocupou o lugar e parece ter trazido consigo a “estrelinha” da sorte e uma barreira instransponível para a sua baliza. A primeira prova foi dada aos seis minutos. A arbitragem decidiu uma grande penalidade a favor do S. Romão e Salvador foi chamado a marcar, mas Cláudio conseguiu adivinhar o lado do remate e intercetou a bola. Da parte do S. Romão sentia-se alguma frustração pelo

S. Romão I. Milheirós

0 0

Local: Campo Carlos Alves Árbitro: António Pereira Marafona Paulo 4' Rui Moreira Pedro Salvador Teixeira Chico Fonseca Martins Cuta Hugo Pepe PT Esquerdinha Sérgio Paulinho 77’ Ivo Gil Ricardinho 75' Mário 66’ Zé Miguel 46' Filipe 58’ Ricas T. Pedro Ribeiro

T. Joaquim Canário

Ferraz 58’ Bifes 66’ Bicheiro 77’

Cláudio 4’ Vítor Hugo 46’ Douglas 75’

Cartões amarelos: Salvador (43’), Ivo (53’), Filipe (55’), Teixeira (67’), Vítor Hugo (70’), Marafona (83’), Zé Miguel (85’) e Douglas (89’) Resultado ao intervalo: 0-0

“desperdício” da oportunidade, pelo que os esforços em aumentar as finalizações passaram a ser bem visíveis do lado dos visitados. Pouco depois dos 15 minutos, Salvador tentou redimir-se do golo não marcado e fez o remate, mas o esférico chocou contra a trave. Pouco depois, o livre marcado por Chico Fonseca teve

igual desfecho, para descontentamento da equipa e apoiantes romanenses. Na segunda parte, o S. Romão continuou bem focado no alvo e as finalizações repetiam-se, já o golo, nem vê-lo. Aos 54 minutos, mais uma tentativa perigosa da casa, com Cuta a conduzir a bola até bem perto da pequena área, pelo corredor central, passando depois para o lado direito onde Paulinho finalizou, mas o esférico passou pouco acima da trave dos forasteiros. Já nos últimos minutos da partida, o desespero tomava conta do S. Romão, que estava incrédulo com tantas finalizações sem sucesso. O cronómetro marcava 83 quando Rui Moreira levou a bola até ao canto direito e depois centrou para o segundo poste, onde estava Bifes que, apesar da proximidade, não conseguiu dar o “toquezinho”. “Não era este o resultado esperado, mas um campo pequeno e condições climatéricas adversas obrigaram-nos a fazer um jogo diferente e acabamos por não conseguir chegar aos três pontos”, referiu o treinador-adjunto do Inter de Milheirós. Pedro Ribeiro, técnico roma-

S. Romão somou mais um ponto

nense, apresentou-se com um resultado que não foi o esperado. “A equipa do S.Romão apresentou uma grande atitude, com todos os jogadores empenhados para vencer. Fizemos de tudo, jogou-se pelo lado direito, pelo lado esquerdo, pelo centro, várias finalizações mas não conseguimos o golo”. Quanto ao futuro, o treinador garantiu: “O que vimos aqui hoje, este empenho, é um indicador da qualidade deste grupo. O S. Romão tem um plantel que dá muitas garantias para quem os vier treinar. Essencialmente, o que esta equipa precisa é de muita motivação, porque são jogadores

de longe e pode ser complicado estarem presentes em todos os treinos, pelo que penso que a equipa motivada e unida é garantia de trabalho e mais facilmente de sucesso”. Pedro Ribeiro forma equipa técnica com Agostinho Lima e Ricardo Silva e quanto a objectivos o treinador principal é realista: “O meu compromisso com o clube é treino a treino, não vou dizer que subo de divisão nem que vamos ficar em 1º lugar, proponho-me sim a conseguirmos melhorar jogo após jogo”. O próximo domingo tem uma folga inabitual, um vez que o clube da Maia não tem equipa, pelo que o jogo não será realizado.


18 Desporto

www.onoticiasdatrofa.pt

17 de novembro de 2011

IniciadosdoBougadense vencem “rivais” do Trofense

Murakami recebeu 10º estágio nacional de Karaté Diana Pimentel diana@onoticiasdatrofa.pt

O Dojo Murakami do Muro recebeu o 10º estágio nacional de Karaté – Do Shotokai. O estágio foi orientado pelo responsável máximo da Associação de Shotokai de Portugal. O 10º estágio nacional Karate - Do Shotokai realizou-se no sábado, dia 12, nas instalações da Associação Recreativa Juventude do Muro. Mais de meia centena de participantes oriundos de todas as partes do País, desde miúdos a graúdos, estiveram presentes neste estágio que teve como principal objetivo a troca de aprendizagem e o convívio entre todos os participantes. O estágio foi orientado pelo responsável máximo da Associ-

ação de Shotokai de Portugal. José Patrão tentou transmitir movimentos harmoniosos aos participantes. “No Shotokai praticamos um Karaté não muito competitivo, baseamo-nos numa linha de Karaté tradicional - marcial, onde procuramos a harmonia. Por isso, um dos objetivos presentes deste estágio foi conseguir que os praticantes tivessem movimentos harmoniosos e não somente eficazes”. Este tipo de Karaté é desconhecido por poucos e praticado por muitos. Arlindo Ferreira, responsável pelo Dojo - Murakami do Muro, admitiu que a procura tem vindo a crescer junto da instituição. “Estamos a crescer, tem havido cada vez mais pessoas que nos procuram e querem conhecer este tipo de Karaté e isso é gratificante, pois mostra que as

pessoas reconhecem o nosso trabalho e a nossa instituição”, asseverou. No próximo ano, o Murakami vai comemorar o 10º aniversário e o 11º estágio do Dojo – Murakami e Arlindo Ferreira já está a preparar uma grande comemoração. “Dentro das nossas possibilidades, estamos a pensar fazer uma coisa grandiosa. Ao longo de todo o ano de 2012, vamos tentar não fazer muitos eventos, mas fazer pelo menos um grandioso para assinalar o nosso aniversário em conjunto com o 11º estágio nacional”, admitiu. Ao longo do dia, os participantes estiveram a aprender novas técnicas junto dos mestres, mas também tiveram tempo para conviver na hora do almoço. No encerramento do estágio não faltaram as lembranças.

O Bougadense soma e segue no escalão de iniciados A. Na última jornada, a equipa de Santiago de Bougado venceu o Trofense por 2-4, liderando o campeonato distrital com 19 pontos. Já a equipa B não conseguiu somar pontos, na derrota diante do Rio Tinto por 2-0, ocupando agora o 10º posto, com nove pontos. Os juvenis do Bougadense também não tiveram uma jornada auspiciosa, pois perderam com o Folgosa da Maia por 3-1, mantendo a 8ª posição, com seis pontos. Igual sina teve a equipa de juniores, que perderam com o Rio Tinto por 2-1 e seguraram o 7º lugar, com 12 pontos. No escalão de infantis, as sortes foram distintas: a equipa A foi goleada pelo Foz por 19-1 e ainda não pontuou, enquanto a formação B goleou o Montezêlo por 16-0, partilhando a liderança com o FC Porto, com 12 pontos. C.V.

Juvenis e iniciados continuam a liderar Os juniores do Trofense não conseguiram somar pontos no duelo com o Merelinense na 10ª jornada da 2ª Divisão Nacional. A formação da Trofa ocupa o 8º lugar, com dez pontos. Já os juvenis A impuseram a “chapa três” ao Rebordosa, cimentando o 1º lugar, com 26 pontos, na divisão distrital. A equipa B do mesmo escalão goleou o Macieira da Maia por 6-0, segurando a vice-liderança com 18 pontos. No escalão de iniciados, a equipa A empatou pela primeira vez no campeonato, desta feita diante do Folgosa, a zero bolas. No entanto, segurou o 1º lugar, com 28 pontos. A formação B perdeu com o Bougadense por 2-4, descendo ao 5º posto, com 12 pontos. Em infantis 11, o Trofense bateu o Desportivo das Aves por 2-0 e manteve o 3º lugar, com 23 pontos. A formação de infantis 7 goleou o Mocidade Sangemil por 14-2, somando os primeiros pontos. No escalão de escolas, a formação A perdeu com o FC Porto por 0-10, ocupando o 12º lugar, e a equipa B venceu o Macieira da Maia, mantendo o 2º posto, com nove pontos. Já o grupo C não evitou o desaire frente ao Tirsense por 7-0 e com três pontos ocupam o 8º lugar. As escolas D perderam com o Rio Ave por 2-6 e ainda não pontuou no campeonato. C.V.

Slotcar da Trofa/GMLUX entre os melhores de Espanha Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

Slotcar da Trofa classificou-se em 11º lugar na final do Campeonato de Espanha. 3ª edição das “24 Horas de Slotcar da Trofa” já tem data marcada para início de dezembro. O Clube Slotcar da Trofa/ GMLUX conseguiu elevar, mais uma vez, o nome do concelho na modalidade de slotcar, na Espanha. Nos dias 5 e 6 de novembro, na final do Campeonato de Espanha, na vertente de clássicos, a equipa trofense competiu com 35

participantes, terminando no 11º lugar. A prova durou 12 horas e contou com 32 equipas espanholas e quatro portuguesas. No universo luso, o Clube de Slotcar da Trofa era um sério candidato, já que venceu na prova de apuramento em Portugal. Por isso, não foi com espanto que a equipa formada por Filipe Cruz, José Manuel, António Portela e João Vilas Boas foi a melhor entre as representantes portuguesas. 3ª prova “24 Horas de Slotcar da Trofa” em dezembro A 3ª edição das “24 Horas de Slotcar da Trofa” já tem data mar-

cada para 2, 3 e 4 de dezembro. Esta prova é considerada como uma das mais importantes da modalidade a nível nacional e contará com cerca de 20 equipas, entre as quais formações espanholas. Este ano, a iniciativa realiza-se no salão polivalente dos Bombeiros Voluntários da Trofa. A prova deste ano nasceu da parceria entre o clube trofense e a Câmara Municipal da Trofa, que “procuram em conjunto promover a prova, para que alcance êxito idêntico ao do ano transato, demonstrando a capacidade dos trofenses em liderar iniciativas”, adiantou João Pedro Costa, presidente da direção do Clube Slotcar da Trofa.

Equipa trofense foi a melhor representante portuguesa


Desporto 19

www.onoticiasdatrofa.pt

17 de novembro de 2011

Ginásio da Trofa e Vigorosa obtêm lugares de relevo Janine Mouta

Atletas trofenses participam em corta-mato obtendo boas classificações, reforçando a ideia de um futuro promissor. O concelho de Felgueiras foi palco do primeiro Corta-mato oficial da Época de 2011/2012, no passado sábado, dia 12. De entre dos clubes pertencentes à Associação Distrital do Porto, o Ginásio da Trofa e o Vigorosa marcaram presença. Também estiveram outros clubes do País. Os atletas do Ginásio da Trofa obtiveram bons resultados e continuam a mostrar um futuro promissor. No escalão dos Infantis Masculinos, Rui Rocha obteve o 1º lugar. Já no escalão dos Juvenis Femininos, as estreantes Elsa Maia e Andreia Rodrigues, arrecadaram o 2º e 3º, respetivamente. Nos infantis femininos, Sara Teixeira ficou em 8º lugar, enquanto que Daniela Pontes foi a

11ª classificada. Os iniciados masculinos também arrecadaram boas classificações. Fábio Rodrigues ficou em 7º lugar, seguido de João Rocha no 13º, Tiago Moreira em 16º e Tiago Silva na 18ª posição. Nos juvenis masculinos, João Ferreira obteve o 13º lugar. O ginásio da Trofa continua a afirmar-se como uma da melhores escolas de meio fundo jovem do país. Quanto ao vigorosa, nos infantis femininos, Alice Oliveira ficou em 5º lugar, seguida de Ana Lopes no 22º, Patrícia Moreira no 25º e Jéssica Faria na 29ª posição. Em relação aos infantis masculinos, o 10º lugar foi conquistado por Tiago Sá. Nas classificações dos iniciados masculinos, Vítor Martins ficou em 24º lugar e André Barbosa em 29º. Nos júniores femininos, Ana Martins arrecadou o 7º lugar e nos júniores masculinos, a 13ª posição foi obtida por Joaquim Figueiredo.

Vigorosa assinou protocolo com Escola de Alvarelhos Associação Cultural Recreativa Vigorosa (ACR Vigorosa) assinou um protocolo com a Escola EB 2/3 de Alvarelhos a fim de permitir aos seus alunos a prática de atletismo nas instalações desta infraestrutura. Os alunos da Escola E.B. 2/ 3 de Alvarelhos participaram esta quarta-feira, dia 16 de novembro, no corta-mato escolar e simultaneamente assistiram à assinatura do protocolo entre a escola e a ACR Vigorosa. Neste dia a escola recebeu ilustres personalidades do atletismo, como Sara Moreira e Luís Sá, que fizeram questão de entregar as medalhas aos vencedores desta prova escolar. A ideia de criar este protocolo surgiu do incremento que a Classificações

Andreia Rodrigues e Elsa Maia estrearam-se no escalão de juvenis

Covelas foi o único a vencer Das equipas que participam nos campeonatos federados da Associação de Futebol do Porto (AFP), apenas a formação feminina do Grupo Desportivo de Covelas venceu no fim de semana. O grupo goleou o Penamaior na 9ª jornada da 1ª Divisão, mantendo o 7º lugar, com 12 pontos. No mesmo campeonato, o S. Romão perdeu, pela terceira vez consecutiva, desta feita com o Mindelo A, por 4-0, descendo ao

6º posto, com 15 pontos. Os seniores masculinos da Associação Recreativa Juventude do Muro perderam pela primeira vez na série 1 da 1ª Divisão da AFP, esta temporada, na 7ª ronda, diante do Caxinas por 2-0. Mantém a vice-liderança, com 16 pontos. Os juniores do Muro, por sua vez, perderam com osAmigos da Cave por 1-2 e com seis pontos ocupam o 13º lugar. C.V.

Juvenis A- Femininos 1º lugar- Tatiana 5º A 2º lugar- Filipa 5ºB 3º lugar- Ana Rita 5ºC Juvenis A- Masculinos 1º lugar- Miguel 5ºB 2º lugar- Gonçalo Costa 5ºB 3º lugar- Francisco Ribas- 5º C Juvenis B- Femininos 1º lugar- Ana Lopes 6ºD 2º lugar- Rita Rocha 7º D 3º lugar- Maria Maia 7º A Juvenis B- Masculinos 1º lugar- Jorge Gabriel 7ºC 2º lugar- Paulo 6º C 3º lugar- Marco Carneiro 7º C Iniciados Femininos 1º lugar- Ana Isabel Santos 9ºA 2º lugar- Joana Castro 8º B 3º lugar- Francisca Sá 8º B Iniciados Masculinos 1º lugar-Tiago Teixeira 8º C 2º lugar- Justino Santos 9º A 3º lugar- José Azevedo 9º A Juvenis Femininos 1º lugar- Elsa Maia Juvenis Masculinos 1º lugar- Fábio Fonseca CEF 2 (2º ano) 2º lugar- Sérgio Silva 8º C 3º lugar- Fábio Cruz 9º C

instituição quer dar à modalidade de atletismo. “O Vigorosa tem ido ao encontro dos atletas, das populações das várias freguesias do concelho, já que as escolas são um excelente meio para captar mais atletas”, asseverou o presidente da instituição Carlos Portela. Já o responsável pelo atletismo, Pedro Sá, considera que estes protocolos entre instituições desportivas e escolas são importantíssimos. “Como não temos grandes condições no concelho da Trofa para a prática desportiva é importante recorrermos às infraestruturas das escolas para permitir às crianças que pratiquem desporto”, adiantou. Com este protocolo agora assinado os alunos da Escola E.B. 2/3 de Alvarelhos vão poder realizar treinos de atletismo duas vezes por semana, às terças e quintas-feiras, depois das aulas terminarem. Pedro Sá espera angariar mais atletas para a modalidade de atletismo do Vigorosa. “O ano passado captamos sete atletas de Alvarelhos para a ACR Vigorosa e o ideal seria termos 15, mas acredito que vai ser possível concretizar esse objetivo”, admitiu o responsável do atletismo. Já o diretor da escola, Renato Carneiro, considera que este protocolo vai ser uma mais valia para os alunos da sua escola. “Este protocolo vai possibilitar aos alunos a prática de mais uma modalidade desportiva. Os nossos alunos já usufruíam de outras modalidades como o badminton, voleibol e danças rítmicas e expressivas e agora passam a poder fazer atletismo duas vezes por semana. Isto surge no seguimento do diagnóstico que foi feito quando elaboramos o nosso projeto educativo e em que se verificou que havia uma prati-

ca reduzida de desporto, e a que havia era ligada ao futebol, então tentamos alterar isso e passamos a incutir nos alunos a prática de outras modalidades desportivas”, afirmou Renato Carneiro. A atleta Sara Teixeira começou a dar os primeiros passos no atletismo com nove anos e até hoje tem-se mantido em competição e os seus próximos passos passam pela participação nos Jogos Olímpicos de 2012. Esta atleta tirsense já venceu muitas medalhas quer a nível nacional quer internacional e considera que para haver boa prática de atletismo têm de existir boas condições para treinar. “Lembro-me quando me iniciei no atletismo que tinha alguém que me levava aos treinos, mas depois foram surgindo complicações a nível de transporte e por vezes não conseguia ir aos treinos por causa disso. Por isso mesmo considero importantíssimo que associações como o Vigorosa que promove os treinos nas escolas tirando assim aos alunos o trabalho de se deslocarem ao clube”, afirmou a atleta. O atleta Luís Sá está prestes a terminar a sua carreira no atletismo, mas admite continuar a apoiar causas como esta. “Já estou em final de carreira e por isso vou abandonar o desporto de alta competição brevemente, mas irei continuar a apoiar causas como esta que incentivam a prática desportiva nos mais jovens”, asseverou.


20 Região

www.onoticiasdatrofa.pt

17 de novembro de 2011

Campanha de solidariedade social A escola de Kickboxing - Life Combat - está a realizar uma campanha de angariação de bens com vista a apoiar a Instituição Socialis (Associação de Solidariedade Social da Maia), mais concretamente o projeto Semente. Através deste centro de apoio à vida Semente a instituição maiata pretende apoiar grávidas e/ou mães adolescentes. Contudo tem algumas carências nomeadamente a nível de bens alimentares (leites e papas), enxovais para bebés (carrinhos, caminhas, cadeirinhas, baby-cok), fraldas e produtos de higiene (toalhitas, gel de banho). Se pretende ajudar esta causa pode fazê-lo até ao dia 20 de dezembro, entregando os bens nas Juntas de Freguesias da Maia, de S. Pedro de Fins e da Carreira (Santo Tirso), ou ainda no estabelecimento de restauração “O Nosso Kafé” na Rua dos Casais, na Carreira, em Santo Tirso. D.P.

Alunos da Cior juntam-se à Amnistia Internacional A Pousada da Juventude de Almada foi o palco escolhido para receber o 12º Campo de trabalho da Amnistia Internacional, que decorreu de 29 de outubro a 1 de novembro. Este ano nove alunos do 12º ano da Escola Profissional CIOR participaram nesta iniciativa dedicada ao tema “Vamos defender os Direitos Humanos”. Este evento visa “despertar a atenção dos jovens para os princípios consagrados na Declaração Universal dos Direitos Humanos, de modo a mobilizá-los para projetos e atividades de promoção e defesa desses mesmos direitos”. pub

Durante estes quatro dias, os jovens tiveram a oportunidade de conhecer o trabalho da Amnistia Internacional e o papel dos jovens no ativismo. Entre outras atividades, debateram os problemas mais concretos de Direitos Humanos e participaram em diversas sessões de trabalho alusivas aos temas da discriminação de género, discriminação com base na orientação sexual e tolerância e diálogo intercultural. Esta assembleia de jovens serviu ainda de palco para a comemoração do 50º aniversário da Amnistia Internacional e dos 30 anos de Amnistia Internacional, em Portugal. D.P.

Cooperativa dos Agricultores dos Concelhos de Santo Tirso e Trofa, C.R.L.

Convocatória Nos termos do disposto no artigo 23º dos Estatutos da Cooperativa dos Agricultores dos Concelhos de Santo Tirso e Trofa, C.R.L., convoco a Assembleia - geral a reunir em Sessão Ordinária, na nossa Sede, sita na Rua Prof. Dr. António Faria Carneiro Pacheco, em Santo Tirso, no dia 2 de dezembro de 2011, pelas 14 horas com a seguinte ordem de trabalhos: Assembleia Sectorial – às 14 horas 1a) b) 2a) b) 3a) b)

Secção Leiteira: – Orçamento e Plano de Atividades desta secção para o exercício de 2012 – Informações Secção de Higiene e Sanidade Animal (O.P.P.) : – Orçamento e Plano de Atividades desta secção para o exercício de 2012 – Informações Secção Compra e Venda: – Orçamento e Plano de Atividades desta secção para o exercício de 2012 – Informações Assembleia Geral- às 15 horas a) – Leitura da Ata da Reunião anterior b) – Apreciação e votação do Orçamento e Plano de Atividades para o exercício de 2012 c) – Informações As Assembleias reunirão à hora marcada na convocatória se estiverem presentes mais de metade dos Cooperadores com direito a voto. Se à hora marcada não se verificar o número de presenças previsto no número anterior, as Assembleias reunirão com qualquer número de Cooperadores, uma hora depois. Santo Tirso, 10 de novembro de 2011. O presidente da Assembleia - Geral Abílio Moreira de Oliveira

Santo Tirso capital do presépio De 25 de novembro a 2 de janeiro Santo Tirso recebe a VI Exposição Internacional de Presépios. A VI Exposição Internacional de Presépios de Santo Tirso vai ser inaugurada no átrio da Câmara Municipal no dia 25 e vai estar aberta ao público até dia 2 de janeiro. Cerca de 400 presépios pertencentes a vários colecionadores e artesãos europeus vão estar em exposição nos Paços do Concelho, enquanto cerca de 800 presépios vão estar espalhados pelo concelho designadamente nas sedes dos Bombeiros, do Clube Tirsense e da Junta de Freguesia. Santo Tirso durante mês e meio vai tornar-se na capital nacional do presépio o que deixa o presidente da autarquia tirsense satisfeito. “Este evento ajuda a consagrar o presépio como um dos mais importantes costumes natalícios e permite um riquíssimo intercâmbio de culturas e artes de todo o Mundo”, afirmou. Esta exposição internacional de presépios coincide também com VI feira nacional de presépios que vai decorrer nos dias 25,26 e 27 de novembro onde pode ver e comprar produtos natalícios. Também no fim de semana de 26 e 27 Santo Tirso vai receber o VI Encontro Internacional de Confrarias. D.P. pub

Câmara Municipal da Trofa EDITAL Nº 94/2011 JOANA FERNANDA FERREIRA LIMA, Presidente da Câmara Municipal da Trofa: Torna público, nos termos e para os efeitos do artigo 91.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, alterada pela Lei n.º 5-A/2002, de 11 de Janeiro, e do n.º 2 do artigo 37.º do Código do Procedimento Administrativo, que o Executivo Camarário, em sua Reunião Ordinária de 04 de Novembro de 2011, deliberou, ao abrigo do artigo 65.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com as alterações introduzidas pela Lei nº 5-A/ 2002, de 11 de Janeiro, conjugado com os artigos 35.º, 36.º e 37.º do Código do Procedimento Administrativo, delegar na Presidente da Câmara e autorizar a sua subdelegação nos Senhores Vereadores, nos termos do disposto no n.º 2 dos artigos 65.º e 69.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com as alterações introduzidas pela Lei nº 5-A/2002, de 11 de Janeiro, a competência para autorizar despesas inerentes à contratação de empreitadas de obras públicas, conforme resulta do artigo 64.º, n.º 7, alínea d) da referida Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, até ao limite de €748.000,00, incluindo tal autorização, nos termos do n.º 3 do artigo 109.º do Código dos Contratos Públicos, a delegação das demais competências, atribuídas por este Código à Câmara Municipal, na qualidade de órgão competente para a decisão de contratar nesta matéria. Para constar e para os devidos efeitos legais, publica-se o presente edital e outros com igual teor, que vão ser afixados no átrio dos Paços do Município e demais lugares de estilo, bem como no sítio da Internet – www.mun-trofa.pt e no Jornal Local. E eu, Filipa Guimarães da Costa, Chefe da Divisão Jurídica e Secretária das Reuniões de Câmara Municipal, o subscrevo. Sede do Município, 08 de Novembro de 2011. A PRESIDENTE DA CÂMARA JOANA FERNANDA FERREIRA LIMA


17 de novembro de 2011

Polícia 21

www.onoticiasdatrofa.pt

Tentaram assaltar a caixa multibanco pôr em fuga sem concretizar o roubo. Os larápios faziam-se transportar num veículo ligeiro e até agora ainda não foram identificados. A Junta de Freguesia de Alvarelhos já disponibilizou as imagens das câmaras de videovigilância à Guarda Nacional Republicana que tomou conta da ocorrência. Multados por conduzir com excesso de álcool Um homem de 43 anos de idade foi detido pela GNR da Trofa no dia 12 de novembro na freguesia de S. Romão do

arquivo

Dois indivíduos encapuzados tentaram assaltar a caixa multibanco instalada na Junta de Freguesia de Alvarelhos. Foi na madrugada de sábado, cerca das 4 horas que os dois indivíduos partiram o vidro da porta e com a ajuda de um cabo de vassoura desviaram a câmara de vigilância que recolhe imagens da zona frontal do edifício. Os larápios acabaram por ser apanhados por uma outra câmara existente na Junta de Freguesia, que captou a entrada dos indivíduos no edifício. Cerca de três minutos que foi o tempo que permaneceram na Junta e talvez afugentados pelo alarme acabaram por se

Multibanco está instalado na Junta de Freguesia

Coronado. O indivíduo conduzia com 2,57 gramas de álcool no sangue e foi presente ao Tribunal de Santo Tirso que lhe aplicou como medida de coação inibição de conduzir por um período de quatro meses e 450 euros de multa, acrescidos das despesas processuais. A Guarda Nacional Republicana apanhou um outro condutor com excesso de álcool. Foi na Rua 1º de Maio, na freguesia de Guidões que durante uma operação de fiscalização de trânsito os militares mandaram parar o condutor, de 42 anos de idade, que não obedeceu à ordem dos militares e pôs-se em fuga. O homem acabou por ser travado pelos mi-

litares da guarda, acusando 3,42 gramas de álcool por litro de sangue. Foi presente ao Tribunal de Santo Tirso, que lhe aplicou como medida de coação dez meses de inibição de conduzir e condenou-o a pagar uma multa de 690 euros, acrescidos de custas processuais. Já esta segunda-feira, na zona industrial da Abelheira, em S. Martinho de Bougado, os militares da GNR apanharam em flagrante uma mulher que conduzia sem habilitação legal para o fazer. A condutora foi presente ao tribunal que lhe aplicou uma multa de 600 euros acrescida de custas processuais. H.M.


22 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

17 de novembro de 2011

Casamento de sonho com a Noivíssima e Quinta d’Alegria A Quinta d’Alegria e a Noivíssima juntaram-se para mostrar aos noivos de 2012 as melhores sugestões para um casamento de sonho. Todas as opções para ter um casamento de sonho foram apresentadas num só local, numa noite recheada de romantismo. A Quinta d’Alegria, em Ribeirão, Vila Nova de Famalicão, embelezou-se para receber os futuros noivos que vão dar o nó no próximo ano. Cá fora, uma limousine branca dava as boas-vindas aos convidados que, aos poucos, encheram o salão com uma decoração harmoniosa e convidativa. O primeiro terço do espaço estava reservado às empresas que se associaram ao evento organizado pela Quinta d’Alegria em parceria com a Noivíssima. Decoração de interiores, convites, e boquês faziam parte de uma lista de opções na qual também figurava a fotografia, através da

empresa Estúdio Sá. A Noivíssima, por Laura Ferreira, quis proporcionar às noivas que casaram este ano a oportunidade de passearem o vestido mais uma vez, aproveitando também para mostrar as novas sugestões para 2012: a próxima coleção é idêntica à atual, “mas a tendência do vestido muito justo está ultrapassada”. “Voltaram os vestidos princesa, com muitos tules, bem armados e vaporosos”; explicou Ana Ferreira. Foi ainda possível apreciar as tendências de vestidos de gala, que também podem ser vistos na loja. A Quinta d’Alegria apresentou “ementas mais acessíveis, atendendo à situação atual e para os noivos que querem casar poderem dar continuidade a esse desejo neste espaço, onde podem optar na mesma por um serviço de qualidade, mas a um preço mais económico”, adiantou Andreia Costa. Por outro lado, os noivos pu-

Noivíssima apresentou as tendências para o ano de 2012

deram ainda conhecer outras soluções para o casamento como o Estúdio Sá, que promete “um excelente trabalho de reportagem para que possam ficar com uma recordação do dia mais feliz das suas vidas”. “Não há como visitarem o Estúdio Sá ou navegarem no site para verem o tipo de trabalho que fazemos, porque hoje em dia um casamento necessita de um ano para ser

preparado”, explicou Serafim Sá. A ideia de que eventos destes trazem mais-valias para comerciantes e clientes é unânime. Andreia Costa revelou que o objetivo “é proporcionar ao comércio local dos concelhos de Vila Nova de Famalicão, Trofa e Santo Tirso a oportunidade de venderem os produtos e serviços aos noivos da Quinta d’Alegria e da Noivíssima”. E Ana Ferreira concor-

Vestidos num estilo princesa são a tendência para 2012

da: “Como a união faz a força, todos juntos conseguimos algo que um sozinho dificilmente conseguia, que é uma festa muito mais bonita”. Os cerca de 250 convidados puderam ainda assistir a uma demonstração de penteados para noivas, numa noite onde não podia faltar a tradicional animação na pista de dança.


Atualidade 23

www.onoticiasdatrofa.pt

17 de novembro de 2011

O Notícias da Trofa_ 17/10/2011 _ n.º 347_ 1ª Publicação

Serviço de Finanças da Trofa-4219

Anúncio VENDA E CONVOCAÇÃO DE CREDORES

N.º da Venda: 4219.2011.74 – Prédio urbano: 1/8 (herança indivisa) de Prédio em Prop. Total sem Andares nem Div. Susc. de Utiliz. Independente, afecto a habitação, constituído por casa com dois pavimentos, 3 divisões com quintal, área coberta de 38 m2 e área descoberta de 69 m2, sito na Rua Padre Lino da Silva Araújo, n.º 658, Lugar de Caminho Largo, Freguesia de Balazar, Concelho de Póvoa de Varzim, inscrito na matriz predial urbana do Serv. Finanças Póvoa de Varzim (1872) sob o artigo n.º 1410 e descrito na competente Conservatória do Registo Predial sob o registo 1168/20050901. Processo de execução fiscal n.º 4219200901052756 Teor do Edital: José Fernando Matos, Chefe de Finanças do Serviço de Finanças TROFA-4219, sito em RUA DA SAUDADE N. 51, TROFA, faz saber que irá proceder à venda por meio de leilão electrónico, nos termos dos artigos 248.º e seguintes do Cógido de Procedimento e de Processo Tributário (CPPT), e da portaria n.º 219/2011 de 1 de Junho, do bem acima melhor identificado, penhorado ao executado infra indicado, para pagamento de dívida constante em processo(s) de execução fiscal. É fiel depositário(a) o(a) Sr(a) MARIA MANUELA OLIVEIRA DA SILVA, residente em BALAZAR PVZ, o(a) qual deverá mostrar o bem acima identificado a qualquer potencial interessado (249.º/6 CPPT), entre as 10:30 horas do dia 2011-12-19 e as 18:30 horas do dia 2012-01-03. O valor base da venda (250.º CPPT) é de 1.387,67 euros. As propostas deverão ser apresentadas via Internet, mediante acesso ao “Portal das Finanças”, e autenticação enquanto utilizador registado, em www.portaldasfinancas.gov.pt na opção “Venda de bens penhorados”, ou seguindo consecutivamente as opções “Cidadãos”, “Outros Serviços”, “Venda Electrónica de Bens” e “Leilão Electrónico”. A licitação a apresentar deve ser de valor igual ou superior ao valor base da venda e superior a qualquer das licitações anteriormente apresentadas para essa venda. O prazo para licitação tem início no dia 2011-12-20, pelas 10:30 horas, e termina no dia 2012-01-04 às 10:30. As propostas, uma vez submetidas, não podem ser retiradas, salvo disposição legal em contrário. No dia e hora designados para o termo do leilão, o Chefe do Serviço de Finanças decide sobre a adjudicação do bem (artigo 6.º da portaria n.º 219/2011). A totalidade do preço deverá ser depositada, à ordem do órgão de execução fiscal, no prazo de 15 dias, contados do termo do prazo de entrega das propostas, mediante guia a solicitar junto do órgão de execução fiscal, sob pena das sanções previstas (256.º/1/e) CPPT). No caso de montante superior a 500 unidades de conta, e mediante requerimento fundamentado, entregue no prazo de 5 dias, contados do termo do prazo de entrega de propostas, poderá ser autorizado o depósito, no prazo mencionado no parágrafo anterior, de apenas uma parte do preço, não inferior a um terço, e o restante em até 8 meses (256.º/1/f) CPPT). A venda pode ainda estar sujeita ao pagamento dos impostos que se mostrem devidos, nomeadamente o Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis, o Imposto de Selo, o Imposto Sobre o Valor Acrescentado ou outros. Mais, correm anúncios e éditos de 20 dias (239.º/2 e 242.º/1 CPPT), contados da 2.ª publicação (242.º/2), citando os credores desconhecidos e os sucessores dos credores preferentes para reclamarem, no prazo de 15 dias, contados da data da citação, o pagamento dos seus créditos que gozem de garantia real, sobre o bem penhorado acima indicado (240º/CPPT). Identificação do Executado: N.º de Processo de Execução Fiscal: 4219200901052756 NIF/NIPC: 224392646 Nome: Manuel António Oliveira da Silva Campos Morada: R LAGOA, 4 AP F LAGOA – SANTIAGO BOUGADO - TROFA

Concelho da Trofa: 13 anos a ver carneiros nas nuvens A divisão administrativa do país teve poucas alterações no decorrer do último século. Só foram criados 12 novos Concelhos, desde o início do século passado: oito na Primeira República; só um no Estado Novo (Vendas Novas, em 1962); também só um, em duas décadas e meia de democracia, de 1974 a 1998 (Amadora, em 1979); três no decorrer do ano de 1998. Neste ano, profícuo na criação de novos municípios, foram criados: Vizela, em 19 de março; Odivelas e Trofa em 19 de novembro. A criação de um novo Concelho é sempre um facto marcante na vida dos munícipes desse Concelho. Os sonhos, muitos deles bem antigos, são concretizados e a esperança de uma vida melhor nasce no interior de cada um. Foi assim em todos os novos Concelhos; foi assim, com muito maior força e vigor, no Concelho da Trofa. Sonhos e esperança, uma legitimidade dos Trofenses. Já lá vão 13 anos!?! Os outros Concelhos, criados no mesmo ano em que foi criado o Concelho da Trofa, tiveram uma dinâmica e um desenvolvimento interessante com a construção de equipamentos e atividades permanentes na área da cultura e do desporto. O mesmo não aconteceu no Concelho da Trofa, que quando nasceu como Concelho, os Trofenses estavam cheios de sonhos e esperança que depressa se desvaneceram. Era a esperança na construção de um Concelho harmonioso e solidário com saneamento básico e água ao domicílio em todo o Concelho, equipamentos culturais e desportivos distribuídos por todas a Freguesias, novas redes viárias (variantes à EN14 e EN104 e circular à Trofa); parque escolar com qualidade; Metro de Superfície; realização de eventos de nível superior, construção do edifício dos Paços do Concelho. Ou seja: a construção de um Concelho modelo, um Concelho exemplar. E o que se passa 13 anos depois e mais de trezentos milhões de euros (mais de sessenta milhões de contos) desbaratados? Muito marasmo e pouco ou nada em termos de obras, muita tristeza e uma dívida colossal de “bradar aos céus”. Um passado para esquecer, um presente sem chama e sem ideias e um futuro hipotecado. Não foi para isto que milhares e milhares de Trofenses, naquele histórico dia 19 de novembro de 1998, desceram às ruas de Lisboa para “Ir Buscar o Concelho”. Os Trofenses continuam a ver carneiros nas nuvens, como vêem obras feitas na Trofa; não porque estejam lá, mas porque procuram vê-las. Foram 13 anos a defraudar as muitas expectativas. O Concelho da Trofa, em tempo de “vacas anoréticas”, é gerido com uma vacuidade absoluta, que é uma forma peculiar de nada fazer. A gestão municipal, tem sido um vazio total de ideias e obras e tem estado mais preocupada com a poda das anonas do que com o desenvolvimento do Concelho. Uma Câmara Municipal deve ser gerida por pessoas com ideias e capacidade de trabalho e terem a nobre missão de servir o Concelho e não estarem só preocupadas com um futuro melhor para si, para os seus filhos, enteados, irmãos, sobrinhos, amigos e amigos dos amigos. O Concelho da Trofa depara-se com a sua própria “decapitude” neste estado de entropia em que se encontra, pois em tão pouco tempo chegou a um estado de decadência e laxismo tal, que perdeu massa crítica, inteligência, força anímica e até já se fala em desmembrar-se. A desilusão tem sido uma constante. Não parece, nem é, a Trofa de há 13 anos atrás. Os Trofenses mereciam muito mais e melhor! Mesmo assim, a falta de obras que justifiquem tanto dinheiro desperdiçado, as desilusões, as dívidas, o atoleiro em que se encontra e a falta de rumo não eliminou, nos Trofenses, a capacidade de sonhar e continuar a ter esperança em dias melhores. Pode viver-se sem obra e sem dinheiro. Mas é impossível viver-se sem sonhos nem esperança. Os Trofenses são assim. O futuro vai ser melhor. O futuro tem de ser melhor! A Trofa merece! moreira.da.silva@sapo.pt www.moreiradasilva.pt

Equipas de basquetebol com sortes diferentes As equipas de sub-14 da Associação Cultural e Recreativa de Vigorosa tiveram sortes diferentes. Enquanto a masculina perdeu com o Paroquial Oliveira do Douro por 43-28, já as raparigas bateram o Académico por 54-64. C.V.


24 Publicidade

www.onoticiasdatrofa.pt

17 de novembro de 2011

edição 347  

edição de 17 de novembro de 2011

Advertisement