Issuu on Google+

PUB

8 de setembro de 2011 N.º 337 ano 9 | 0,50 euros | Semanário

Diretor Hermano Martins

PUB

Suplemento pág. 07

Especial “Regresso às Aulas” Atualidade pág. 20

Trofenses na corrida mais louca do mundo Política pág. 19

90 anos do PCP em exposição Basquetebol pág. 18

Atualidade pág. 05

Vigorosa faz S. Mamede ConVida primeirotreino mostrouvalores Incêndio provocou da época da freguesia preocupação de moradores


2 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

8 de setembro de 2011

| O Notícias da Trofa

Banda de Música da Trofa em terras limianas

Agenda Dia 9 21 horas: Sessão Ordinária

No sábado, 27 de agosto, a Banda de Música da Trofa foi abrilhantar as bonitas festas em honra de Nossa Senhora dos Remédios, na lindíssima freguesia de Fontão – Ponte de Lima, com a Banda de Música de Pevidém. Deram entrada as duas categorizadas Bandas, por volta das 15 horas desse bonito sábado, onde durante a tarde, foi proporcionado um excelente concerto por ambas

as filarmónicas que executaram um repertório cheio de obras clássicas. Ao sol-posto, houve um intervalo para jantar, onde se reativou o concerto, por volta das 22 horas e que se prolongou até à uma hora da madrugada. Finalizou-se com as habituais cerimónias das despedidas, de ambas as Bandas, da Comissão de Festas e de Nossa Senhora dos Remédios.

da Assembleia de Freguesia de Covelas, na sede da Junta de Freguesia Dia 10 9-12.30 horas: Colheita de sangue, nos Bombeiros Voluntários da Trofa, em S. Banda da Trofa esteve em Ponte de Lima

E assim terminaram estas lindíssimas festas que a nos-

Martinho de Bougado

sa querida Banda abrilhantou. Valdemar Silva

14 horas: Arraial da Lousei-

Inscrições para Caça Municipal terminam dia 16

Livro de Eduardo Reis lançadobrevemente “Mulher Fatal e Paradoxais 3 Religiosas-Contradições” é o nome do livro que está prestes a ser lançado por Eduardo Reis. O NT está a divulgar alguns trechos deste trabalho, que também podem ser vistos em placas que ornamentam a sua residência, em Santiago de Bougado. Do Nada Viemos e para Lá Partimos. Já Nascemos Condenados à Morte!

As inscrições para os interessados em caçar na Zona de Caça Municipal estão abertas até ao dia 16 de setembro, informaram os responsáveis do Clube de Caçadores da Trofa. Já as autorizações podem ser levantadas

a partir do dia 26 de setembro. O horário de atendimento do Clube, este mês, é de terça a sexta-feira, das 21 às 23.30 horas, e aos sábados, das 9.30 às 12 horas. C.V.

Os seniores trofenses vão a Espinho, no dia 19 de setembro. A Câmara Municipal da Trofa organiza mais uma vez o Passeio Anual Sénior. “A realização deste passeio de confraternização visa aproximar todos os que vivem no concelho da Trofa criando laços entre os munícipes, ao mesmo tempo que quebra o isolamento em que muitos se

Já tudo o vento levou para os confins do nada. Atrás ficaram os caminhos e passos perdidos; Atalhos que me conduziram a nenhuma parte! Não sei já de onde venho, nem para onde vou, Como nunca saberá o vento quem o empurra; (mas sei, sim, que o que fui não volto a ser…) Me aterra a solidão de um novo amanhecer, Porque é lei da vida, cada dia estar mais só, E sentir-se mais pesado que o próprio peso! Pela atrofia mental e névoa na fraca vista, Estes meus passos, cada vez menos vigorosos, São como as raízes que mal se fixam ao solo, E até a brisa cambaleia o meu trémulo andar!

encontram”, explica fonte da autarquia. A partida rumo a Espinho está marcada para as 8 horas e o regresso será por volta das 17.30 horas. O objetivo é “diminuir o isolamento dos idosos, fomentando o intercâmbio entre os trofenses das oito freguesias, procurando, simultaneamente, um aumento da qualidade de vida”. R.M.

Nota de redação Na edição nº 334, do dia 11 de Agosto de 2011, na página 9, na notícia intitulada "Escolhidos finalistas para o Festival da Canção", nos candidatos que participaram por S. Martinho de Bougado faltou referir o nome de João Viana.

De mirada triste, ausente, fixa, mas perdida; Perdida no passado e na dor dos pensamentos. Pressinto que a terra atrai e por mim clama! A vida como a morte são para nós o mesmo mal, E como qualquer animal, acaba o homem igual! Já em estado senil, até a desgraça tem graça! Das fantasias, sonhos e ilusões, já nada resta; Sendo assim, logo tudo o que tem fim não presta! Eduardo Reis

Ficha Técnica Fundadora: Magda Araújo Diretor: Hermano Martins (T.E.774) Sub-diretora: Cátia Veloso (C.O. 742) Editor: O Notícias da Trofa, Publicações Periódicas Lda. Publicidade: Maria dos Anjos Azevedo Redação: Cátia Veloso (C.O. 742), Rita Maia, Diana Pimentel Setor desportivo: Cátia Veloso (C.O. 742), Diana Azevedo, Marco Monteiro (C.O. 744), Miguel Mascarenhas (C.O. 741) Colaboradores: Afonso Paixão, Atanagildo Lobo, Jaime Toga, José Moreira da Silva (C.O. 864), Tiago Vasconcelos, Valdemar Silva Fotografia: A.Costa, Miguel Trofa Pereira (C.O. 865)

Composição: Magda Araújo, Cátia Veloso, Ana Assunção Impressão: Gráfica do Diário do Minho, Lda, Assinatura anual: Continente: 20 Euros; Extra europa: 59,30 Euros; Europa: 42,40 Euros; Avulso: 0,50 Euros E-mail: jornal@onoticiasdatrofa.pt Sede e Redação: Rua das Aldeias de Cima, 280 r/c 4785 - 699 Trofa Telf. e Fax: 252 414 714 Propriedade: O Notícias da Trofa - Publicações Periódicas, Lda. NIF.: 506 529 002 Registo ICS: 124105 Nº Exemplares: 5000

Recreativa da Abelheira 15 horas: Exposição dos 90 anos do PCP, na Casa da Cultura 21 horas: Festival de Folclore da Trofa, no Parque Nossa Senhora das Dores

Idosos vão passear a 19 de setembro

Já o tempo cobriu de neve os meus cabelos, E estes, como folhas de Outono, foram caindo!

ra, na Associação Cultural e

Dia 11 15 horas: Trofense x Quarteirense, no Estádio do CD Trofense 16 horas: Festival de Folclore da Trofa, no Parque Nossa Senhora das Dores

Farmácias de Serviço Dia 8 Farmácia Barreto Dia 9 Farmácia Nova Dia 10 Farmácia Sanches Dia 11 Farmácia Moreira Padrão Dia 12 Farmácia Trofense Dia 13 Farmácia Barreto Dia 14 Farmácia Nova

Números Úteis Depósito legal: 324719/11 Detentores de 50 % do capital ou mais: Magda Araújo

Nota de redação Os artigos publicados nesta edição do jornal “O Notícias da Trofa” são da inteira responsabilidade dos seus subscritores e não veiculam obrigatoriamente a opinião da direção. O Notícias da Trofa respeita a opinião dos seus leitores e não pretende de modo algum ferir suscetibilidades. Todos os textos e anúncios publicados neste jornal estão escritos ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

Bombeiros Voluntários da Trofa 252 400 700 GNR da Trofa 252 499 180 Polícia Municipal da Trofa 252 428 109/10


O Notícias da Trofa | 8 de setembro de 2011

www.onoticiasdatrofa.pt

Atualidade 3

Curso de formação

Cruz Vermelha dá “novo sentido” à vida contra-se desempregado há nove anos. Este foi um dos motivos que o levou a freNovo Sentido é o curso quentar o curso juntamente promovido pela Cruz Vercom a esposa: “Estou desemmelha da Trofa e que prepregado e não estou a fazer tende dar novo rumo aos nada, pelo menos assim posdesempregados. so distrair-me e aprender alguma coisa mais e no futuro “Os desempregados de espero conseguir trabalho se longa duração, maiores de 18 alguém precisar”. Este hoanos e com baixas competênmem de 57 anos encontra-se cias” têm agora a oportunida“pensativo”, relativamente ao de de darem um “Novo Sentiinício deste curso, uma vez do” às suas vidas, através do que já não vai à escola há 47 curso da Cruz Vermelha que anos: “Vou ver se isto aqui se iniciou a 5 de setembro. ainda funciona”, brincou, Formandos e formadores começaram curso na segunda-feira Este projeto surgiu com o apontando para a cabeça. objetivo de incluir estas pesres, que a maioria também não colaridade existentes no con- técnica da Cruz Vermelha. O Já Cristina Sampaio, outra soas na sociedade. sabe”. A par destes módulos, celho. Segundo Carla Lima, apoio a estas pessoas passa formanda, espera vir a “ter Vera Campos, coordena- os alunos falarão de “projetos técnica da Cruz Vermelha, “a por “ajudas na área da eduuma vida melhor” após condora pedagógica do “Novo de vida” e vão aprender a pro- Trofa é um concelho com uma cação”, dando “algumas com- cluir o curso. “Acho que me Sentido”, admite que a maio- curar emprego. escolaridade muito baixa”. petências”. vai trazer novas oportunidaria destas pessoas “não são “Este curso vai incidir, prin- “Estamos a falar de cerca de “Estamos a falar de um gru- des de emprego”, afiançou eschamadas para entrevistas de cipalmente, nas lacunas que 50 por cento da população, po que já não tem contacto perançada. emprego e não têm colocação estas pessoas têm e sentem onde estão incluídas crianças, com a escola, em alguns caEste curso terá a duração no mercado de trabalho”. na capacidade de procurar que tem menos que a 4ª clas- sos, há mais de 30 anos e que de 309 horas, cerca de cinco “Muitas delas na casa dos 50 emprego, tendo já em conta se. É um nível muito baixo”, nunca foram melhorando as meses, e será lecionado por e 60 anos sentem ainda mais as situações em que estão in- referiu. suas competências. Atualmen- cinco formadores. dificuldades em encontrar um seridas”, salientou a coordeUma vez que esta institui- te, as exigências do mercado As aulas vão ser dadas de emprego”, acrescentou. nadora do curso. ção fornece apoio alimentar a de trabalho são outras. Assim, segunda a sexta-feira, das 10 Neste curso, os 12 formanA Cruz Vermelha baseou- pessoas carenciadas e tem é muito complicado consegui- às 13 horas, nas instalações dos terão a oportunidade de se no provérbio “não dês o contacto com as necessida- rem competir a outro nível”, da Cruz Vermelha, à exceção aprender “competências de peixe, ensina-os a pescar” pa- des destes utentes, esta foi salientou Carla Lima. das aulas de informática, às leitura, matemática e aprender ra criar este curso e acabar “uma forma de quebrar este Júlio Guedes é um dos quartas-feiras, que serão no a trabalhar com computado- com os níveis baixos de esciclo de pobreza”, adiantou a formandos deste curso e en- Espaço t. Diana Pimentel diana@onoticiasdatrofa.pt


4 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

8 de setembro de 2011

| O Notícias da Trofa

Jornadas Europeias do Património na Trofa Diana Pimentel diana@onoticiasdatrofa.pt

A Câmara Municipal da Trofa está a organizar as Jornadas Europeias do Património que vão decorrer a 23 e 25 de setembro com o objetivo de valorizar o património e a paisagem urbana.

Seja Belíssima com unhas de gel A loja Belíssima abriu para todas as mulheres que se querem sentir bonitas e vaidosas. Porque hoje em dia “não há mulheres feias”, a Belíssima – Unhas de Gel quer ajudar a que todas se sintam bonitas e vaidosas. A loja abriu no dia 1 de setembro e promete ajudar todas as mulheres que querem ter umas unhas de sonho. Para isso, Marina Ferreira, gerente da loja, aplica preços reduzidos. A primeira aplicação de unhas de gel tem o custo de 25 euros e a manutenção, aconselhada de mês a mês, tem o custo de 20 euros. Mas também pode optar por aderir

à novidade da manicure – o verniz gel – cuja aplicação custa 11 euros. Além disso, a Belíssima disponibiliza os serviços normais de manicure e pedicure. Marina Ferreira não pretende “competir com ninguém”, apenas cimentar um “negócio” que lhe pareceu “uma boa aposta”. “Criatividade” e alguma “arte” são os segredos de Marina Ferreira para um serviço diferenciado e de qualidade. A Belíssima – Unhas de Gel está na Rua D. Pedro V, no Edifício Panorama, (perto da florista Fatinha). Se tiver crianças pode levá-las consigo, pois a loja tem um espaço onde os mais pequenos se podem divertir.

As Jornadas Europeias do Património são realizadas, anualmente, pelo conselho da Europa e contam por isso com o apoio da União Europeia. Este ano a autarquia trofense decidiu assinalar estas jornadas, preparando um programa especial para os dias 23 e 25 de setembro. Assim, no dia 23 será inaugurada, na sala de exposições da Casa da Cultura, pelas 21.15 horas, a exposição “Turismo e Sociabilidades na Ilustração Portuguesa”. Pelas 21.45 horas haverá uma palestra sobre “As estradas nacionais, o desenvolvimento rodoviário e a cidade da Trofa”. Estas duas iniciativas assinalam o Dia Mundial do Turismo na Trofa. Já no dia 25 de setembro, serão feitas pela manhã

algumas visitas às instalações urbanas e industriais do concelho tais como a Oficina “Paulino e Filho, Lda”. Os interessados em fazerem esta visita terão de comparecer na Casa da Cultura pelas 9.30 horas. De tarde a visita continua ao Museu Nacional Ferroviário Núcleo de Lousado. A concentração está marcada para as 14.30 horas no Largo Costa Ferreira e o regresso está previsto para as 17 horas. Para participar nas actividades do dia 25 deve fazer a sua inscrição até ao dia 19 de setembro na Casa da Cultura, através do telefone 252 400 090, do fax 252 400 099 ou do email patrimoniocultural@mun-trofa.pt. As atividades e o transporte são gratuitos, com exceção do almoço. Esta atividade promovida pela Câmara Municipal da Trofa, pelo Conselho da Europa e IGESPAR conta ainda com o apoio das Câmaras Municipais da Maia e de Vila Nova de Famalicão, do Museu Nacional Ferroviário – Núcleo de Lousado, do Instituto Superior da Maia e do engenheiro Júlio Maia.

Rota do Castro de Alvarelhos

Castro vai ser visitado por caminheiros

Estar em contacto com a natureza, a cultura e a história é o objetivo da segunda Rota do Castro de Alvarelhos. Já tem planos para o dia 18 de setembro? Se ainda não tem, pode sempre passar uma manhã de domingo diferente ao participar na segunda Rota do Castro de Alvarelhos. Os participantes partem do Parque de S. Pedro de Avioso, na Maia. Pela frente e vão ter a possibilidade de contactar com a natureza, a história e a cultura das freguesias de Guidões e Alvarelhos. Irão passar pelo Castro, pelas quintas do Arco e do Paiço, pela Igreja de Guidões, pelos diversos Fontanários da freguesia e pela Capela da Santa Eufémia, já em Alvarelhos. Esta rota começa às 9 e termina

às 14 horas com o almoço convívio: “Traz o teu, come o de todos”. Esta é uma iniciativa organizada pelo pelouro do Desporto e da Juventude da Câmara Municipal da Trofa e pelo Clube de Campismo da Trofa – Pedestrianismo. Os interessados em participarem deverão levar calçado cómodo, meias macias e consoante o tempo devem levar um impermeável ou um agasalho. Este é um percurso de dificuldade média e que terá aproximadamente 13 quilómetros. Para saber mais informações ou inscrever-se pode contactar a organização através dos telemóveis 914 163 951 (Serafim Teixeira) ou 917 531 913 (António Sá), dos emails ccampis motrofa@gmail.com, ddg@mun-trof a.pt ou ainda pelo blogue cctpedestria nismo.blogspot.com. D.P.


O Notícias da Trofa | 8 de setembro de 2011

Atualidade 5

www.onoticiasdatrofa.pt

S. Mamede ConVida

“Fazer uma festa da freguesia, para a nossa freguesia” Rita Maia rita@onoticiasdatrofa.pt

Junta de Freguesia promoveu “S. Mamede ConVida”, uma iniciativa que pretendeu dar a conhecer a freguesia aos mamedenses. Os brinquedos de madeira artesanais, os produtos à base de mel ou as imagens religiosas são já conhecidos da maioria dos mamedendes. E muitos são também os que sabem que a origem destes produtos é S. Mamede do Coronado. O que desconheciam era a quantidade de artistas e artesãos que existem na freguesia. A pensar em todos eles, o executivo mamedense organizou o certame “S. Mamede ConVida”, que decorreu entre 1 e 4 de setembro, no Largo do Divino Espírito Santo. Emília Araújo é pintora e um dos exemplos de talento escondido na freguesia. Começou a pintar em 2007, depois de se ter despedido. “Para não ficar deprimida, peguei nos pincéis. Gostei e entusiasmei-me imenso. Para muitas pessoas é uma surpresa, pois mesmo as que já sabiam

Feirantes foram vestidos a rigor

que pintava, não conheciam as obras”, explicou. Também os trabalhos em “trapilho” de Sandra Barbosa são uma novidade. A mamedense faz “reciclagem com restos de tecidos e papel, para além de croché, bordados, bijuteria, tapetes, candeeiros, cortinas e bonecos”, recorrendo, no caso dos tapetes, a um tear manual, pouco comum nos dias de hoje. As duas mamedenses defendem que a iniciativa “deve continuar”. Juntamente com os artesãos, as associações e alguns estabelecimentos de restauração completavam o espaço e davam-se a conhecer às pessoas que passaram pelo centro da freguesia. A Associação de Protecção do Vale do Coronado (APVC) foi uma das várias que marcou presença no certame. O presidente da coletividade, Joaquim Maia, afirmou que “S. Mamede ConVida” foi “bem aceite por todos”: “Mostra as associações que existem na freguesia e, ao mesmo tempo, dá a conhecer o que de bom e menos bom poderá existir”. A APVC tem como objetivo “fazer a defesa do património natural e rural do Vale do Co-

Espétaculos atraíram população

ronado”. “As pessoas têm aderido. Não se vê muita participação, mas dizem que a APVC é precisa e, aos poucos, vão aderindo cada vez mais à causa. Temos feito algumas atividades, incluindo várias caminhadas no Coronado”, explicou o responsável. Embora o projeto da Plataforma Logística Maia-Trofa esteja, indefinidamente, na gaveta, o futuro da associação “a Deus pertence” e “vão ser os elementos que a compõem que o vão fazer”. Recorde-se que este projeto foi um dos motivos que suscitou o aparecimento da APVC, cujo sucesso passa “pela defesa do património natural”. “O Vale do Coronado é uma zona que é importante preservar”, defendeu Joaquim Maia. Artistas locais animavam as diversas noites e nem a chuva desmoralizava público e participantes do certame. Paralelamente, decorreu também a Feira do Livro. Se nos primeiros dois dias, S. Mamede e S. Pedro pareciam desavindos, no fim de semana, as tréguas resultaram numa melhoria de tempo que transformou a iniciativa num “sucesso”. “A ideia surgiu já há algum tempo. Queríamos promover a nossa freguesia e nada melhor que fazê-lo desta maneira, dando destaque ao artesanato, onde incluímos a arte sacra. Para além disso, divulgamos os nossos restaurantes, feirantes e artistas”, explicou José Ferreira, presidente da Junta de Freguesia de S. Mamede. O edil mamedense reconhece que a iniciativa “é algo que ainda não foi feito na fre-

guesia” e que, por isso “não havia referências”. “Fazer uma festa da freguesia, para a nossa freguesia”. Este era o mote e para o concretizar, a Junta contou com a ajuda de vários jovens mamedenses, que se voluntariaram e “trabalharam em torno da organização”. “Os jovens são a garantia do futuro e estes têm imensa qualidade e capacidade, com ideias novas, ousadia e muita irreverência própria da juventude”, sublinhou José Ferreira, que deixou uma “palavra de agradecimento e parabéns” a todos. Apesar de reconhecer que é necessário fazer algumas melhorias, o autarca garantiu que esta é uma iniciativa para continuar e pretende que, no próximo ano, “S. Mamede ConVida” seja um certame ainda maior e que mostre mais da freguesia. Feira Franca comemorou centenário “S. Mamede ConVida” foi também a iniciativa escolhida para assinalar o centenário da Feira Franca local, que se comemora este ano. Na quinta-feira de manhã, dia 1 de setembro, os feirantes vestiramse a rigor e recuaram no tempo para participar na Feira à Moda Antiga. Ermelinda Moreira não precisa de andar muito para chegar ao largo do Divino Espírito Santo. Vive no lugar das Fontes, em S. Mamede, e já faz a Feira “há mais de dez anos”. Vende “hortaliças, batatas, cebolas e cenouras” e, de lenço minhoto pelas costas, não escondia o orgulho pela iniciativa: “É bonito e dá

que ver”. E até os mais novos entraram no espírito... como foi o caso da pequena Joana Nogueira, de oito anos. Veio de Gondomar, pela “primeira vez” a S. Mamede do Coronado, trajada a rigor, com lenço pelas costas, saia comprida e avental. A cesta de vime, quase vazia, guardava os rebuçados que não conseguiu vender e os balões que não ofereceu. Joana confessou que “gostou de participar”, ainda que o tenha feito porque “a menina Gusta e a avó obrigaram”, mas ela também “quis”, apressou-se a corrigir. “Foi divertido”, reconheceu. Os feirantes acreditam que a iniciativa pode ser uma forma de divulgar a feira semanal, que decorre à quintafeira. Maria Magalhães também veio de Gondomar, como faz “todas as semanas”, para vender “artigos de vestuário de homem, senhora e criança”. “Hoje em dia, compensa pouco vir de Gondomar para S. Mamede, mas está mau em todo o lado e o que compensa aqui é igual nos outros lados. Embora a feira seja pequenina, eu gosto”, afirmou. Sobre o “dia para a história”, a feirante garante que “é bonito divulgarem a terra”. “Mesmo para a nossa feira, se calhar vai ser bom”, acrescentou. O presidente da Junta explicou que “não há uma data precisa” para o início da feira em S. Mamede. “O centenário comemorase ao longo deste ano. Fizemos os possíveis para que os feirantes que participam na feira viessem trajados a rigor”, informou ainda.


6 Atualidade 4 Actualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

8 de setembro de 2011

| O Notícias da Trofa

Orquestra Ritmos Ligeiros atuou no Palácio de Cristal

Festas de S. Gens com balanço positivo Diana Pimentel diana@onoticiasdatrofa.pt

realizou-se uma missa que teve a particularidade de ceA comissão fez um balebrar a oração das mães e a lanço positivo do início das consagração das crianças a festas de S. Gens. A adesão Nossa Senhora da Alegria. por parte dos devotos foi Já o domingo, 4 de setemmuita, deixando a organiza- bro, começou com a missa ção satisfeita. seguindo-se a peregrinação do Facho até ao santuário. “Quer no sábado, quer no Nesta procissão participaram domingo tivemos uma adesão muitos devotos, que fizeram muito grande, com quase o questão de cumprir com as dobro dos visitantes que cos- suas promessas. Pelas 11.30 tumamos ter em qualquer ano. horas, celebrou-se outra misFoi mesmo positivo”, salientou sa em louvor a S. Gens. Manuel Ramalho, vice-presiDa parte da tarde, os rodente da comissão de festas. meiros tiveram a oportunidaA romaria de S. Gens teve de de assistir ao Festival de os pontos altos no sábado e Folclore, que contou com a no domingo, dia de Nossa participação de seis ranchos Senhora da Alegria e de S. folclóricos. Este dia terminou Gens, respetivamente. com a celebração de uma misNo sábado, 3 de setembro, sa.

As festas vão continuar no dia 19 de setembro, segundafeira. Neste dia são esperados muitos fiéis no monte de S. Gens para assistirem às celebrações do dia da Gente do Mar. “Há 60 anos que este dia se realiza” e por isso a organização espera que este seja “um dia muito forte”. O vice-presidente da comissão de festas refere que o monte de S. Gens é um local “propício para os peregrinos” uma vez que “é um sítio muito agradável e que possui um grande miradouro”. Manuel Ramalho, em jeito de convite, salientou que: “Só quem cá vem, tem contacto com o mais belo local do nosso concelho”.

Cerca de 200 pessoas assistiram ao concerto da Orquestra Ritmos Ligeiros, no Palácio de Cristal, no Porto, no dia 3 de setembro.

“Um concerto, no qual a Orquestra esteve à altura, como tem habituado os ouvintes”, frisou fonte do grupo.C.V.

Arraial anima Louseira A ACRABE (Associação Cultural e Recreativa da Abelheira) vai promover o Arraial da Louseira, no sábado, 10 de setembro. A festa começa às 14 horas, com o torneio de malhas e com “comes e bebes”, que incluem “o melhor vinho da re-

gião”. À noite, o Rancho Folclórico de Santa Maria de Lousado vai animar o público a partir das 21 horas, seguindo-se a atuação do grupo “Os Cavaquinhos da Borga”. À meia-noite está programada uma surpresa. R.M.

A delegação do Espaço t da Trofa vai promover mais um curso de formação de formadores, nas suas instalações, na Rua Infante D. Henrique, em S. Martinho de Bougado. O curso tem início previsto para o dia 19 de setembro, devendo terminar em meados de novembro. Com a duração de 123 horas, a formação decorre em horário pós-laboral (20 às 23 horas), de segunda a sexta-feira.

Podem frequentar este curso “todas as pessoas com habilitações mínimas ao nível do 9º ano de escolaridade ou experiência relevante numa área profissional”. O custo total da ação são 250 euros, sendo que 50 euros devem ser pagos no ato de inscrição e o restante valor em datas a combinar para cada um dos casos. Caso a inscrição seja feita em grupo, o valor total da formação será de 200 euros. R.M.

Formação no Espaço t

Cupão de Assinatura Sim, desejo receber o Jornal O Notícias da Trofa Nome: Morada: Telefone: C.Postal: N.º Contribuinte: A assinatura da edição em papel (enviada pelos correios) tem o valor anual de: 20.00 euros ( Portugal ) 42.40 euros ( Europa) 59.30 euros ( Resto do Mundo ) A assinatura da edição eletrónica (jornal em pdf, com acesso restrito e registado no nosso site) tem o valor anual de 15 euros (valor igual para Portugal ou outro·qualquer país) Pague por: Transferência bancária (N.I.B.): 0007 0605 0039952000684 Cheque, enviando-o para: O Noticias da Trofa, Rua das Aldeias de Cima, nº 280 r/ch 4785 - 699 Trofa Portugal Pessoalmente nas nossas instalações (próximo da rotunda do Continente e Pingo Doce).


O Notícias da Trofa | 8 de setembro de 2011

O regresso às aulas é sempre um momento especial na vida dos estudantes. Cada ano, o aroma dos novos cadernos, os livros que nunca foram abertos, as mochilas e os porta-lápis do super-herói do momento invadem a casa das famílias e os mais novos preparam tudo ao pormenor para que nada falhe no primeiro dia de aulas. As roupas que

www.onoticiasdatrofa.pt

Regresso às aulas 7

enchem os armários são escolhidas e alguma novas peças reclamam por um lugar nas prateleiras. Mas a magia do primeiro dia de aulas deve ser feita com cautela, preocupação e contenção. O NT deixa-lhe algumas dicas, conselhos e alertas para que tudo corra bem neste regresso às aulas.

Concelho unido, bom ensino garantido Diana Pimentel diana@onoticiasdatrofa.pt

A primeira edição das Jornadas do Projeto Educativo Municipal decorreu com sucesso. Estiveram presentes mais de duas centenas de pessoas, incluindo professores para ouvir falar de educação. “É preciso toda uma aldeia para educar uma criança”. Este provérbio moçambicano foi um mote para a intervenção de José Matias Alves, docente da Universidade Católica Portuguesa. O professor abriu o primeiro painel das Jornadas do Projeto Educativo Municipal (PEM), que decorreram nos dias 5 e 6 de setembro, no auditório da Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado. Mais de duas centenas de pessoas estiveram presentes nestas jornadas, pelo que o balanço “foi excelente”, referiu Teresa Fernandes, vereadora da Educação da Câmara Municipal da Trofa.

Auditório cheio em dia de Jornadas Educativas

“Houve uma excelente adesão, é sinal que as pessoas estão recetivas a partilharem connosco as experiências e a construírem o PEM”, salientou. A autarquia da Trofa tem vindo a “apostar na educação” e, por isso, decidiu criar o PEM. “A partir do momento em que houve a discussão para a criação deste projeto no conselho de vereadores

da Área Metropolitana do Porto, a Trofa assumiu-o como sendo seu também”, afirmou Joana Lima, presidente da Câmara Municipal da Trofa. Já a vereadora da Educação defende que a criação deste Projeto Educativo é “uma prioridade do município”, que vai envolver “todos os agentes que fazem parte da escola, direta e indiretamente”. O PEM visa refletir, “não só a realidade do concelho”, mas também “a estratégia para os próximos anos em ter-

mos de educação e formação”. Foram muitos os que passaram pela mesa de oradores destas jornadas, entre os quais os vários diretores dos agrupamentos de escolas do concelho da Trofa, o presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais, Albino Almeida, ou Elisa Chagas, do Gabinete de Estudos Sociais da Câmara Municipal de Sesimbra. Entre os temas abordados, destaque para o contributo

dos diferentes parceiros, frisando o papel dos pais e dos professores, bem como a promoção da saúde escolar, as políticas de proximidade e os atores empresariais e sociais. Esta é uma iniciativa que o executivo da Câmara Municipal da Trofa quer repetir. “Penso que estas jornadas são para continuar, uma vez que o sucesso foi tanto, a autarquia tem todo o interesse em continuar a promover este tipo de iniciativas”, afirmou, com convicção a autarca.


8 Regresso às aulas

www.onoticiasdatrofa.pt

8 de setembro de 2011

| O Notícias da Trofa

Acordo ortográfico entra em vigor este ano letivo A entrada em vigor do novo acordo ortográfico tem causado alguma polémica, mas este ano letivo os alunos já vão aprender a escrever com as novas regras.

no alfabeto (k, w e y), eliminação de alguns acentos gráficos ou alteração no emprego de iniciais maiúsculas. Para aqueles que em tempos aprenderam a escrever com as regras do ortográfico, esta será uma tarefa Datava o ano de 1911 quando se difícil: “reaprenderem” a escrever o deu a primeira reforma ortográfica por- português. Para aqueles que vão pela tuguesa. Seguiram-se algumas tenta- primeira vez para a escola, será uma tivas de aproximação ortográfica entarefa fácil, pois os novos livros escotre Portugal e Brasil. Em 1986, foi ne- lares já vêm escritos com o novo acorgociado um acordo ortográfico entre do ortográfico. Se ainda não está a os dois países, aprovado em 1990. par das mudanças do novo acordo orCriar uma ortografia unificada a ser tográfico, ficam aqui alguns exemplos usada por todos os países de língua para se ir habituando a escrever com oficial portuguesa é o objetivo deste o “novo português”: letivo, minissaia, acordo ortográfico que entrou em vicor de rosa, ótimo ou Egito. Abrir um centro de estudos direcio- que está junto “há seis anos”. A selegor em 2009. A partir de 1 de janeiro de 2012, nado para os alunos do Secundário ção para os novos professores está a As principais mudanças ortográfi- todos os serviços, organismos e entiera “um sonho antigo” de Susana ser feita tendo em conta o pressuposto cas passam pela supressão de condades do Governo, bem como as puCruz. Depois de cimentar o projeto de que “não se perde a qualidade”. A Acasoantes mudas, reformulação do uso blicações do Diário da República, tevida com um espaço de explicações demia de Estudos está habilitada para do hífen, introdução de novas letras rão a sua grafia adaptada. perto da Escola Básica 2/3 Professor explicações desde o 1º ano de escoNapoleão Sousa Marques, conseguiu laridade até o Ensino Superior. Mas abrir a Academia de Estudos 2 perto desengane-se quem pense que na da Escola Secundária. Para além de Academia de Estudos 2 só se fazem sentir que “os alunos do Secundário os trabalhos de casa e se estuda para eram um público que estava a faltar” os testes e exames. Há festas ao lone que estes “não tinham uma oferta à go do ano e “tarefas que possam esaltura”, Susana Cruz decidiu abrir um timular o raciocínio” e que podem novo espaço, para prestar um serviser desenvolvidas no piso inferior da ço “adequado às necessidades”. Academia, que terá um espaço para Um ponto forte desta Academia é explicações individuais e uma área de a larga experiência e sucesso no ramo reflexão e entretenimento. Na área das explicações. Susana Cruz lidera principal de acompanhamento diário, um grupo de dez professores, que já “haverá sempre, pelo menos, dois Acordo entra em vigor, oficialmente, em 2012 trabalha “em piloto automático”, porprofessores”, garantiu.

Academia de Estudos 2 perto da Escola Secundária


O Notícias da Trofa | 8 de setembro de 2011

Regresso às aulas 9

www.onoticiasdatrofa.pt

Cuidado com as costas Pais ligados à escola para do seu filho boa integração das crianças Uma mochila pesada, mal concebida e transportada de forma incorreta pode ser prejudicial para a coluna vertebral dos mais pequenos. Acabaram-se as férias. Os mais pequenos preparam-se para a sua nova rotina escolar: é tempo de comprar os livros, os lápis, os cadernos e… a mochila. Há algo que se possa fazer para que o regresso às aulas não implique uma sobrecarga para as costas dos seus filhos? Sim: comprar uma mochila adequada, assegurar-se de que a levam bem colocada nos ombros e ensiná-los a adquirir uma postura correta. O seu filho vai certamente insistir para escolher uma mochila com cores bonitas e com os seus heróis favoritos estampados. Mas o importante é escolher um modelo confortável. Certifique-se de que o tamanho é adequado para a estatura da criança e que não é demasiado pesada: uma mochila para criança, vazia, não deve pesar mais de meio quilo. Opte por uma que possua alças largas e procure um modelo “anatómico”, com alças e costas acolchoadas. Leve a criança consigo, para que possa experimentar a mochila. Carregá-la e transportá-la corretamente Verifique, com o seu filho, que apenas leva, na mochila, coisas de que vai realmente precisar. Pese a mochila do seu filho, com o material necessário para ir à escola. Não deverá pesar mais de dez por cento do peso corporal (ou seja, se a criança pesa 30 quilos, não deverá carregar uma mochila com mais de três quilos). Se o peso da mochila for superior, não é aconselhável que a carregue às costas. Nesse caso, opte por uma mochila com rodas. Ao arrumar o material na mochila, coloque os objetos mais pesados e volumosos (geralmente, os livros) na vertical, o mais próximo possível das costas. O peso deve estar bem repartido, colocando as alças da mochila nos dois ombros. Para poupar as costas, nunca se deve levar a mochila pela mão ou num só ombro (como tantas crianças fazem). Ajuste as alças para que a mochila fique sempre acima das ancas. Se optou por uma mochila com rodas, escolha um modelo com pega regulável, para que se adapte à estatura da criança (não deverá dobrar o braço ao puxar a mochila). É importante ensinar as crianças a manterem-se direitas nas aulas, com a coluna vertebral bem encostada às costas do assento. Deverá aproximar a cadeira da mesa, para que não tenha de se inclinar demasiado. Quando a criança está a estudar, também não se deve inclinar para ler. É, por isso, necessário ter cuidado com a distância entre a cadeira e a mesa. Para prevenir posturas incorretas e eventuais dores nas costas, o ideal é colocar o livro sobre um suporte, para que fique na vertical. Fonte: www.deco.proteste.pt

Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

Com o aproximar do início do ano letivo surgem as dúvidas e incertezas do começo de uma nova etapa, que transformará inequivocamente a vida da criança e dos seus familiares. O NT falou com uma psicóloga para perceber que mudanças haverá na nova fase da vida de muitas crianças. O primeiro contacto com a escola e, em alguns casos, a transição do pré-escolar para o ensino primário constituem “dois grandes momentos” da vida de uma criança. De acordo com Diana Pereira, licenciada em Ciências Psicológicas, estas etapas “exigem adaptação quer das crianças, quer dos pais, face a novos horários, a um novo espaço, a novas regras, diferentes atividades, aprendizagens e interações”. De acordo com a personalidade de cada um, há quem encare estes momentos “como uma experiência de descoberta e mundo cheio de possibilidades”. Mas no reverso da medalha, há crianças que “lidam mal com a separação, choram e ficam tristes e podem mesmo exigir voltar para casa com os pais”. Nestes casos, Diana Pereira aconselha atenção redobrada. “Quando a criança entra para o ensino primário, é fundamental que os pais estabeleçam um vínculo com a escola”, referiu, acrescentando que os encarregados de educação “devem estar atentos ao grau de satisfação da criança, observar as suas carências, de modo a colaborarem com os professores para um processo de ensino/ aprendizagem que considere as verdadeiras necessidades dos alunos”. A psicóloga enunciou um estudo realizado por Grolnick e Slowiaczeck, em 1994, que refere que, “se os professores perceberem que os pais estão envolvidos e comprometidos com a vida escolar dos filhos, atendem melhor o aluno na escola”. “Por outro lado, se os pais estão envolvidos, os filhos são influenciados por essa atitude e desempenham melhor as suas tarefas escolares”, explicou.

Crianças podem estranhar transição para o ensino primário

Este vínculo deve estender-se com os outros pais. “Os familiares devem aproveitar para trocar opiniões sobre a vivência desta nova experiência. Verificarão que outros pais e crianças poderão estar a passar pelas mesmas angústias e podem, em conjunto, encontrar novas formas de gerir a situação”, afiançou. A escola também tem um papel fundamental no estabelecimento desta ligação, pois na ausência de iniciativa por parte da família, cabe ao estabelecimento garantir esse vínculo: “A escola deve proporcionar aos pais o conhecimento da estrutura, da metodologia de ensino/aprendizagem que a escola oferece, de modo a amenizar a ansiedade dos pais e fortalecer o vínculo da criança com a família e, consequentemente, da criança com a escola”. Ritmo da criança deve ser respeitado Diana Pereira alerta ainda que mesmo as crianças que frequentaram o pré-escolar, a adaptação ao primeiro ciclo “pode demorar o seu tempo”, já que muitas delas refugiamse na “falta de um ambiente mais lúdico, das idas ao parque e das brincadeiras”. Não será estranho se houver crianças a sentirem-se “cansa-

das no final do dia pela quantidade de tarefas realizadas”. Por isso, “o lúdico precisa de dar suporte à ação pedagógica, dado que as funções psicológicas da criança ainda estão em formação”, salientou. No momento de deixar a criança na escola, mesmo que seja difícil, o pai terá que ter firmeza: “Devem agir com serenidade e segurança, transmitindo à criança a ideia de que tudo correrá bem e de que no final do dia estarão novamente juntos. Se os pais permanecerem hesitantes, a criança ganhará poder neste jogo e nos dias seguintes o mesmo esquema repetir-seá”. A psicóloga aconselha a que os encarregados de educação “estejam conscientes de que a adaptação da criança à escola é um processo que exige transformação, quer da criança que tem de se adaptar a uma nova realidade, quer da escola que tem de estar preparada para receber a criança e a família, quer dos próprios pais”. Por ser um processo “que exige tempo”, o ritmo da criança “deve ser respeitado”. No entanto, afirma a psicóloga, “se as dificuldades persistirem, os pais devem procurar ajuda”.“Podem comunicar as dificuldades aos professores e eventualmente ao psicólogo da escola”, concluiu.


10 Regresso às aulas

www.onoticiasdatrofa.pt

8 de setembro de 2011

| O Notícias da Trofa

Aulas no concelho estão a arrancar Se algumas escolas do concelho esperam pela próxima semana para abrir as portas do conhecimento aos alunos, algumas há que já estão em pleno funcionamento. É o caso do Colégio da Trofa, em S. Martinho de Bougado. No ensino pré-escolar, os meninos e as meninas entraram na sala de aulas no dia 5 de setembro. Na mesma altura, começou também mais um ano letivo para os alunos do 1º ciclo do Ensino Básico. No dia seguinte, começaram as aulas para os alunos do 5º

e 6º anos. A 7 de setembro, foi a vez dos alunos do 7º, 8º e 9º anos regressarem à escola. Os últimos a começarem as aulas no Colégio da Trofa são os alunos do Ensino Secundário, que começam a 9 de setembro. Na Escola Secundária, a receção aos alunos do 3º ciclo, do Ensino Secundário, dos Cursos Profissionais, dos CEF e do ensino noturno está marcada para 12 de setembro. No dia seguinte, iniciam todas as atividades letivas. Na próxima semana, os

agrupamentos de escolas do concelho também vão receber, mais uma vez, os alunos. O Agrupamento Vertical de Escolas da Trofa vai abrir as escolas do 1º Ciclo no dia 14 de setembro. Este é também o primeiro dia de aulas para os alunos que vão começar um novo ciclo, no 5º ano de escolaridade. No dia seguinte, começa o ano letivo para os restantes alunos. Também no Agrupamento Vertical de Escolas do Castro as aulas começam nos dias 14 e 15. O 1º Ciclo e o 5º ano regressam, ou entram pela primeira vez na escola, na quarta-feira, enquanto que os restantes anos iniciam o 1º período a 15 de setembro. Já o Agrupamento Vertical de Escolas de Coronado e Covelas vai ter um início de

Escola de Covelas vai receber alunos este ano letivo

ano letivo especial, já que a EB1 de Querelêdo vai abrir as portas, depois de dois anos fechada para obras. Nos últimos dois anos letivos, os alunos frequentaram as aulas no Salão Paroquial da freguesia.

O estabelecimento de ensino sofreu uma requalificação profunda. No agrupamento de Coronado e Covelas, todos os estudantes iniciam as aulas no dia 15 de setembro. R.M.


O NotĂ­cias da Trofa | 8 de setembro de 2011

www.onoticiasdatrofa.pt

Publicidade 11


12 Regresso às aulas

www.onoticiasdatrofa.pt

Dicas para poupar

| O Notícias da Trofa

Poupe divertindo-se com o seu filho

Com o regresso às aulas, muitos pais fazem contas à vida para equilibrar o orçamento familiar, ao mesmo tempo que não privam os seus filhos de nada que lhes possa fazer falta. Com setembro, chega também o regresso às aulas, que implica gastar dinheiro, por vezes, muito dinheiro, com roupa nova, calçado novo, mochila nova e mil e uma coisas novas para a escola. Num mês que pode ser particularmente difícil para os pais em termos financeiros, descubra como pode poupar dinheiro no regresso às aulas. Comece com uma lista. Deve fazer uma para cada criança, onde enumera tudo aquilo que vai precisar para o novo ano letivo, desde roupa e calçado, passando pelo material escolar. É muito mais fácil não ultrapassar o orçamento, e evitar aquisições impulsivas e supérfluas, quando se sabe exatamente aquilo que é necessário comprar. Faça um inventário de roupa e calçado. Com a lista em mãos, não vá a correr para o centro comercial, comece as compras em casa! Faça uma limpeza geral a armários e gavetas: veja que roupas ou sapatos ainda servem à criança e analise se pode aproveitar algumas coisas que já não servem ao filho mais velho para o mais novo; pode até fazer uma “troca de roupa” com familiares, amigos ou vizinhos que também tenham crianças. Faça um inventário de material escolar. Procure nas gavetas onde guarda todas as canetas oferecidas e nas mochilas do ano passado e reúna todo o material escolar que possa ter sobrado de anos anteriores e que possa ser reutilizado. Para além de poder começar a riscar itens da sua lista, já começou a

8 de setembro de 2011

É quase certo a ânsia das crianças para terem cadernos coloridos com os desenhos animados, que lhes preenchem o imaginário. Se não tem possibilidade de os comprar pode oferecer, igualmente, cadernos do género ao seu filho. Basta ter criatividade. Adquira cadernos com capa preta e inicie um projeto “artístico” com a criança… ou crianças, no caso de ter mais filhos na escola. Pesquisem na internet imagens dos bonecos ou personagens favoritas dos miúdos e imprimam. Depois, é só colá-los nos cadernos e encapá-los para garantir que os desenhos não saem nem se rasgam. Para além de poupar, tem oportunidade de passar um bom momento com o seu filho que, com certeza, vai adorar divertir-se e ter cadernos personalizados. C.V. Faça uma lista de material antes de ir às compras

poupar dinheiro. Comece a comprar material escolar o mais cedo possível, pois, quanto mais nos aproximarmos do regresso às aulas, mais elevados são os preços. Aproveite os saldos de verão para adquirir roupa e calçado novo para o outono e não se esqueça das lojas outlet, que oferecem grandes descontos em vestuário e sapatos – mesmo que sejam de coleções passadas, o importante é investir em tons básicos para as crianças. Qualquer supermercado ou loja disponibiliza, hoje em dia, material escolar. Antes de comprar, pesquise vários locais de compra – desde a loja especializada em material escolar e de escritório até ao seu supermercado habitual. Esteja atento a todos os folhetos promocionais que recebe no correio e faça uma lista com cabazes do material escolar que necessita de comprar com base em duas ou três lojas diferentes para determinar qual aquela que mais dinheiro permite poupar no regresso às aulas. Regra geral, os livros escolares são renovados anualmente, mas não custa nada averiguar, antes de comprar, se o seu filho mais velho, um primo ou vizinho não terá esse

livro e o pode emprestar durante o próximo ano letivo. Uma maneira fácil de poupar dinheiro no regresso às aulas. Não é raro os professores entregarem aos alunos uma lista do material escolar que vão necessitar para o novo ano letivo. Antes de ir comprar tudo o que estiver na lista, certifique-se se já tem algum desse material escolar em casa, depois compre apenas o que falta, cingindo-se exatamente àquilo que o professor pediu – caso contrário, pode gastar dinheiro desnecessariamente ao comprar algo parecido, só para depois ter de comprar o que o professor solicitou. Existem certas coisas em que vale a pena investir se pretende poupar dinheiro no regresso às aulas: uma boa mochila, lancheira, porta-lápis, tesoura, casaco de inverno, botas e sapatilhas são apenas algumas das coisas que as crianças vão precisar todos os anos, ou seja, em vez de ter de comprar um novinho em folha a cada ano letivo, invista em peças de qualidade, sem seguir tendências, para que durem, no mínimo, dois ou três anos. Depois de ter riscado todos os itens da lista de compras para o regresso às aulas, analise cada um dos talões de compra, no sentido de averiguar se efetivamente poupou dinheiro ou se poderia ter poupado mais e em quê. Aproveite para elaborar o seu orçamento ideal para o regresso às aulas e guarde-o juntamente com os recibos para o próximo ano. Poupar dinheiro também é um processo de aprendizagem e de prática! Fonte: saberpoupar.com

A caminho da escola

Pais devem conhecer o trajeto que os filhos fazem

A viagem entre a casa e a escola pode, em muitos casos, ser feita a pé. Se vive perto da escola, o seu filho pode ir e regressar a pé e em segurança. Para isso é preciso que os pais e educadores tenham em atenção “os horários escolares das crianças, bem como de todas as atividades extracurriculares”, explica o site www.tinoni.com. No início do ano letivo, “ajude a definir o melhor percurso de ida e volta para a escola, evitando locais descampados” e “aconselhe o seu filho a ir para a escola com um colega ou amigo, que more na vizinhança”. Os pais devem ainda combinar com os filhos para que eles façam um telefonema “logo que cheguem a casa”. Saber o nome e o contacto dos colegas também é importante. O mesmo site deixa ainda o alerta: “Conheça os locais onde ele costuma brincar e quais são os ‘pontos de interesse’ que, no percurso casa/escola, lhe possam desviar a atenção (lojas, parques ou outros locais)”. Quando for buscar o seu filho à escola não altere o percurso utilizado habitualmente e não o deixe transportar muito dinheiro ou objetos de valor como telemóveis, leitores de mp3, consolas de jogos ou outros. Além disso, os pais devem conversar “frequentemente com o filho, no sentido de identificar possíveis problemas e reforçar a importância do cumprimento” de algumas regras elementares que os mais novos devem conhecer: - Não aceitar boleias de desconhecidos; - Não exibir dinheiro ou objetos de valor; - Não aceitar guloseimas, dinheiro ou quaisquer outras ofertas de estranhos; - Não alterar o percurso casa/escola; - Não brincar em zonas descampadas ou com pouco movimento e, sempre que possível, deslocar-se em grupo; - Informar os pais sobre qualquer contacto ou acontecimento estranho; - Em caso de necessidade, pedir de imediato ajuda. Cumprindo estes conselhos, os pais podem ficar descansados quando os mais novos fizerem o trajeto entre a casa e a escola a pé.


O Notícias da Trofa | 8 de setembro de 2011

www.onoticiasdatrofa.pt

Regresso às aulas 13

Entrevista à vereadora da Educação da Câmara Municipal da Trofa, Teresa Fernandes

“A articulação com os agrupamentos de escolas tem sido contínua” Juntamente com os agrupamentos de escolas e associações parceiras, a autarquia está a trabalhar para que o ano letivo “arranque com normalidade”, referiu Teresa Fernandes. Em entrevista ao NT, a vereadora da Educação explicou que a oferta dos livros escolares no 1º ciclo é um “compromisso”.

existente fosse ultrapassado. Idênticos esforços foram desenvolvidos relativamente às intervenções de fundo noutras escolas, mas ainda não foi possível dá-las como concluídas a tempo do início do ano letivo. Espera-se que, ao longo dos próximos meses, o processo esteja concluído. Foi também necessário encontrar soluções alternativas para fazer face aos constrangimenNT: De que forma foi pla- tos financeiros que afetam a neado o início do ano letiCâmara Municipal, cujos convo por parte da Câmara tornos são do domínio públiMunicipal? co. Tudo foi e está a ser feito Teresa Fernandes (TF): para que o ano arranque com O ano letivo foi planeado normalidade, nomeadamente Teresa Fernandes prevê que arranque do ano letivo decorra com normalidade atempadamente, tendo vista ao nível da concretização da garantir o arranque das ativi- Escola a Tempo Inteiro. cessário recorrer a outros sumiu o compromisso de ofe- lias e há pobreza que não dades no calendário definido está espelhada nos escalões parceiros e aproveitar todas recer os manuais a todas as pelo Ministério da Educação NT: Com que parcerias as disponibilidades. Nessa li- crianças do 1.º Ciclo e esse de atribuição do abono de fae pelos agrupamentos de es- vão contar ao longo do nha, o papel da FAPTROFA compromisso é para cumprir. mília, base da concessão dos colas. Naturalmente que foi ano? apoios sociais aos nossos alu(Federação de Associações Mas não podemos deixar de necessário ultrapassar alguns TF: A educação das nos- de Pais da Trofa) é meritório aproveitar os instrumentos nos. constrangimentos relaciona- sas crianças exige uma gran- pois permite ir mais longe na que temos ao nosso alcance dos com as obras de requalifi- de mobilização e recursos qualidade do serviço educa- para trabalharmos com as NT: Há alterações regiscação de algumas escolas. materiais, financeiros, huma- tivo prestado pelas nossas es- escolas e os pais, ao nível da tadas para este ano letivo, Em Covelas, as obras estão nos e institucionais. Nas Jor- colas, mas também proporci- educação para os valores. Por nomeadamente nas AEC? prontas a tempo do arranque nadas de lançamento do Pro- onar outras ferramentas para isso lançamos o projeto “MUITF: No essencial, nada das atividades. Foi necessá- jeto Educativo Municipal foi que as crianças tenham meTO +”, visando reaproveitar muda. A Câmara Municipal rio um grande esforço, deter- possível constatar que há uma lhores condições de aprendi- os manuais escolares. Valo- continua a assegurar essa diminação e capacidade de ne- mobilização social em torno zagem. Também as associa- res de cidadania, nomeada- mensão da Escola a Tempo gociação junto de outras endesse objetivo e para além mente respeito pelo que é do Inteiro no 1.º Ciclo. Apenas ções de pais dos diferentes tidades para que o impasse dos atores do sistema é nepelos constrangimentos a que estabelecimentos estão a dar outro e pelo ambiente, são um contributo inestimável caros a este projeto que que- já aludimos e que não são da para que nada falte às nosremos estender a outros níresponsabilidade deste executivo municipal, fomos obrisas crianças. Para a Atividade veis de ensino. gados a alterar procedimende Desenvolvimento CurricuNT: Qual o investimento tos e a celebrar um protocolo lar, no 1º Ciclo, foi celebrado um protocolo com a ADRAVE feito por parte da Câmara? com a ADRAVE para poderTF: A oferta de livros esco- mos assegurar o arranque (Agência de DesenvolvimenAprender uma língua, praticar dança ou outro desporto letivo com normalidade. to Regional do Vale do Ave), lares contará com o apoio são apenas algumas das atividades que existem em vários logístico da FATROFA com que permitirá garantir o seu estabelecimentos de ensino e espaços ATL (Atividades Tem- funcionamento no quadro dos quem será celebrado um proNT: Confirma-se o encerpos Livres). Estas opções são um complemento do ensino constrangimentos já referidos. tocolo de colaboração. É tam- ramento da escola de curricular e, para além de aumentarem a formação das criA articulação com os agrupa- bém uma oportunidade para Giesta 2, na freguesia de anças, são uma excelente forma de as manter ocupadas, em mentos de escolas tem sido dinamizar o comércio local. Alvarelhos? convívio e criando hábitos saudáveis. TF: A Escola de Giesta 2 contínua, traduzindo-se na Todas as crianças terão os Também os centros de estudo são uma possibilidade na celebração de protocolos, vi- seus manuais a tempo do iní- manter-se-á aberta. A Câmahora de decidir a melhor maneira de manter os filhos ocupa- sando garantir as melhores cio das atividades. Desta for- ra Municipal ouviu todos os dos até que saia do trabalho. parceiros e fez o que tinha a condições de funcionamento ma estamos a combater um No momento de escolher tenha sempre em atenção os estigma e uma descriminação. fazer, sempre a pensar no indos respetivos jardins de ingostos e a vontade dos mais novos. Além disso, é fundaAcreditamos ser esta a melhor teresse das crianças. Jamais fância e escolas. mental optar pela solução que melhor se adapta a cada caso. opção, aquela que melhor ser- sinalizou junto da DREN (DirecPor exemplo, saber se o ATL tem transporte desde o estabeção Regional de Educação do NT: A autarquia vai con- ve os interesses das nossas lecimento de ensino, até que horas as crianças estão vigiatinuar a oferecer os manucrianças, tanto mais que hoje Norte) a sua concordância com das e se fica próximo de casa ou do local de trabalho dos ais? assistimos a um empobreci- o encerramento da Escola. O pais. TF: A Câmara Municipal as- mento generalizado das famí- resto é já do domínio público.

Ocuparotempo depois da escola


14 Regresso às aulas

www.onoticiasdatrofa.pt

Dia Internacional da Alfabetização

8 de setembro de 2011

| O Notícias da Trofa

Investir no desenvolvimento deprojectos para as empresas Na escola profissional Forave o regresso às aulas será no dia 9 de setembro, sexta-feira, com a receção aos novos alunos dos cursos profissionais e dos cursos de educação e formação.

Aprender a ler a felicidade Diana Pimentel diana@onotociasdatrofa.pt

Esta quinta-feira, 8 de setembro, comemora-se o Dia Internacional da Alfabetização e o NT foi até à escola “Aprender a ler, escrever e contar”. São aproximadamente 100 os alunos que frequentam o curso do TCA que promove a alfabetização. “Hoje cheguei de novo à minha escola, onde estou a aprender a escrever, a ler, a contar e também a ser feliz. Foi aqui que conheci novos amigos e novos companheiros. Sinto que a minha vida mudou para melhor”. Ao ditar da professora Maria Rosa Lage, Alfredo Alves escrevia no quadro, enquanto os outros colegas, sentados nas secretárias, copiavam para os cadernos. Dava-se então início a mais uma aula do curso “Aprender a ler, escrever e contar”, promovido pelo Trofa Comunidade de Aprendentes (TCA). Maria Ferreira da Silva está prestes a completar 78 anos e o que a fez ingressar neste curso foi a necessidade de querer ler “os muitos livros religiosos” que possui em casa. No primeiro dia de aulas, esta aluna avisou logo a professora que “não ia conseguir aprender” com facilidade pois “não encaixava” na cabeça ser possível “falar os gatafunhos que escrevia no papel”. Perante as dificuldades, Maria não desistiu e prova disso é que já anda no curso há três anos. É certo que ainda não fez o exame da 4ª classe, mas mesmo assim já deixa os netos cheios de orgulho. “A minha neta disse à mãe que eu sabia aplicar melhor as pala-

vras do que ela e que, por isso, já tinha valido a pena eu ter vindo para o curso”, referiu de sorriso aberto e orgulhoso. António Faria, reformado de 66 anos, é a prova viva de que se pode completar o Ensino Primário em qualquer altura, basta ter força de vontade. “Já pego no jornal e leio as notícias e, por exemplo, quando vou a um passeio já sei ler o que está nas montras, o que é muito bom para mim”, adiantou o aluno. No Centro de Aprendizagem do TCA, de S. Mamede do Coronado, a sala de aula acolhe 14 formandos. Estes alunos têm idades compreendidas entre os 37 e os 88 anos e a sua maioria nunca foi à escola. “Estão a ter contacto pela primeira vez com as letras e os números”, frisou Rosa Lage. Estes alunos são o orgulho da professora a quem coube a tarefa de ensinar a escrever, ler e contar. “Sinto-me muito orgulhosa por eles, porque achavam que não conseguiam, que não eram capazes e foram. No dia do exame eu estava mais nervosa que eles, numa mistura de sentimentos. Estava feliz por vê-los a fazer o exame, porque finalmente foi uma meta que também eu atingi e, ao fim e ao cabo, este foi o dia que lhes mudou a vida. Novas portas podem abrir-se daqui para a frente”, confessou. Rosa Lage acompanha de perto o desenvolvimento dos formandos de S. Mamede do Coronado, Covelas e Muro e defende que, embora com “algumas diferenças”, “é praticamente a mesma coisa” ensinar crianças e pessoas mais velhas. Ensinar a ler, escrever e contar a quem já tanto apren-

deu com a vida não é uma tarefa fácil: “Este é um processo lento e moroso, em que é preciso um acompanhamento diferente”. “Por isso mesmo, os alunos não têm aulas de segunda a sexta-feira, mas apenas uma ou duas vezes por semana durante cerca de três horas”, referiu Cindy Vaz, educadora social e técnica do TCA. O curso nasceu em 2005 para fazer face ao elevado número de analfabetos no concelho da Trofa. Atualmente, existem 12 grupos de alfabetização (dois em S. Romão do Coronado, dois em S. Mamede do Coronado, três em S. Martinho de Bougado, um em Covelas, outro no Muro, um em Alvarelhos e, finalmente, um em Guidões) dos quais fazem parte nove formadores, todos eles “voluntários”, “sejam eles professores do 1º ciclo aposentados ou aqueles que ainda se encontram no ativo”. “Temos também outras pessoas com outras formações que dispõem do seu tempo para estarem aqui com todas estas pessoas que têm estas necessidades formativas”, afirmou Cindy Vaz. Esta instituição já levou, através deste curso, sete alunos a exame de 4ª classe, através do processo de RVCC (Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências) e esperam, até ao final do ano, levar mais 12. E se conhece alguém que ainda não é capaz de ler esta notícia, ofereça-lhe a possibilidade de ser mais feliz, apresente-lhe este projeto e relembre-o de que “nunca é tarde para aprender”...

A reposição das turmas dos cursos de Gestão, Eletrónica, Automação e Comando, Processamento e Controlo da Qualidade Alimentar, Manutenção Industrial/Eletromecânica e Apoio Familiar e à Comunidade, permitirá manter o mesmo número de alunos e a estabilidade do corpo docente. Relativamente à formação de adultos, os responsáveis esperam a abertura de candidaturas para avançar com os Cursos de Educação e Formação de Adultos e com as Formações Modulares Certificadas. Nos Cursos de Especialização Tecnológica, nível V, também são aguardadas respostas aos pedidos de criação e autorização de funcionamento de novos cursos, podendo ser esta uma área de crescimento e de resposta aos jovens e adultos que pretendam enveredar por uma especialização após o Ensino Secundário. O grande investimento da Forave tem sido em equipamento de apoio à formação, apetrechando os laboratórios e oficinas à altura da exigência do perfil de saída dos cursos. No entanto, este ano, foram introduzidas algumas alterações nos espaços exteriores da escola, que ainda não estão totalmente concretizadas, mas que permitirão melhorar as condições dos edifícios. No próximo ano letivo, a escola profissional contará com mais projetos de intercâmbio ao abrigo do Programa Comenius, estando já aprovadas três ações que envolvem Itália, Letónia, Roménia, Polónia, Bulgária, Espanha, Suécia e República Checa. Estão, também, aprovados estágios para 23 alunos, em Espanha. Desta forma, a Forave pretende abrir os horizontes de alunos e professores para outras realidades e promover a internacionalização da escola. O desenvolvimento de novos projetos para as empresas da região é uma área em que a Forave pretende investir, fazendo um enquadramento nas PAP (Provas de Aptidão Profissional) dos alunos finalistas, sendo esta “uma oportunidade ao empreendedorismo através da procura de soluções à medida dos desafios que nos são colocados pelas empresas e entidades parceiras”.

Escola com novos projetos


O Notícias da Trofa | 8 de setembro de 2011

Região 15

www.onoticiasdatrofa.pt

Santo Tirso

Vila do Conde The Style Outlets

Crise aumenta vendas O Vila do Conde The Style Outlets registou entre janeiro e agosto um aumento de 15 por cento na faturação, quando comparado com o mesmo período de 2010.

Parque da Rabada com novos equipamentos O Parque Urbano da Rabada, em Santo Tirso, é “um espaço verde de excelência, com 96 274 metros quadrados e assente numa mata de carvalhos e sobreiros sobranceira ao Rio Ave”. Com o investimento municipal de 500 mil euros, este cenário vai ser completado com novos equipamentos. A empreitada “Parque Urbano da Rabada – Áreas de Recreio e Lazer” contempla a criação de “mais dois parques infantis, um circuito de manutenção, sanitários públicos, nova

sinalética e o reforço da iluminação”, de acordo com fonte da autarquia tirsense. As obras arrancam em setembro e vão prolongar-se por 240 dias. O objetivo é “potenciar as características naturais existentes no parque, criando infraestruturas e equipamentos que permitam a fruição dum espaço verde público inserido na Estrutura Verde Urbana da cidade de Santo Tirso e no plano de Recuperação das Margens do Rio Ave”. R.M.

Numa época em que muitos se queixam de problemas financeiros, o Vila do Conde The Style Outlets é o espelho do oposto. Entre janeiro e agosto, este espaço comercial teve um aumento de 15 por cento na faturação. “Estes resultados vêm mostrar que, numa altura de crise, os portugueses têm optado pela compra inteligente, escolhendo o Vila do Conde The Style Outlets e aproveitando os descontos, entre os 30 e os 70 por cento, que o centro oferece durante todo o ano”, explica fonte do empreendimento. De referir ainda que o Complexo Comercial Nassica, que inclui o Vila do Conde The Style Outlets e o Bricor,

recebeu em julho e agosto a visita de cerca de um milhão e trezentas mil pessoas. “Para além dos preços atrativos e da boa localização, a qualidade da oferta que apresenta é uma das mais-valias do Vila do Conde The Style Outlets. A mais recente abertura de marcas como a Geox, Hello Kitty, Knot e ASICS aliada ao excelente conjunto de marcas já existente como a Polo Ralph Lauren, Carolina Herrera ou a Nike, contribuiu também para os bons resultados registados até ao momento”, refere a mesma fonte, como justificação para o sucesso. Para além dos descontos habituais, pode encontrar “campanhas especiais e inovadoras, que incluem descontos adicionais entre os 40 e os 70 por cento, em produtos ou lojas específicos com campanhas distintas para as lojas de Criança, Lar, Homem e Senhora, e até 18 de setembro, a Campanha do Regresso à Escola”.

O bufete de domingo regressa ao Hotel Cidnay Em setembro regressa ao Hotel Cidnay o bufete de domingo. Durante este mês, o Hotel Cidnay preparou também uma nova carta de restaurante e carta de vinhos. O restaurante encontra-se aberto todos os dias da semana e o seu horário de funcionamento é o seguinte: pequenos-almoços, durante a sema-

na, entre as 7 e as 10.30 horas e aos domingos, entre as 8 e as 10.30 horas, almoços, entre as 12.30 e as 15 horas, e jantares, entre as 19.30 e as 22 horas. Para mais informações ou reservas contacte o Hotel Cidnay através do telefone 252 859 300 ou do email reservas@hotel-cidnay.pt.

VMER de Famalicão comemora 2 anos A comemoração do 2º aniversário da Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) do Centro Hospitalar do Médio Ave (CHMA) inclui um Simulacro de Acidente Multivítimas, que decorrerá nas antigas instalações da fábrica ATMA, em Avidos, Vila Nova de Famalicão. Este exercício vai decorrer no dia 10 de setembro, às 16 horas, e en-

volve os meios operacionais de emergência pré-hospitalar dos concelhos de Vila Nova de Famalicão, Santo Tirso e Trofa. Na sequência do simulacro pode ocorrer “um fluxo maior de ambulâncias e sirenes, bem como a limitação rodoviária na Estrada Nacional 204, durante o período da tarde”, informa a organização. R.M.

Abraços grátis em Famalicão O Dia Internacional da Paz comemora-se a 21 de setembro e no âmbito das suas comemorações vai ser realizada uma campanha pela paz e solidariedade. Neste dia, nas ruas de 50 cidades espalhadas por 20 países estarão três mil pessoas a distribuir abraços grátis. Esta iniciativa também chegou a Vila Nova de Famalicão pelas mãos de Diogo Rodrigues e Duarte Pinho, dois jovens que decidiram aderir à iniciativa como forma de demonstrar a

união e fraternidade mundiais através de abraços. “Free Hugs For World Peace” foi um movimento que surgiu no Facebook e que levaram estes dois famalicenses a aderir a esta iniciativa. Fazem parte também da organização deste evento Vincent Marx, Edwin Bustos e Fernando Moinho. Todos os interessados em dar ou receber abraços grátis devem deslocar-se a Famalicão, no dia 21 de setembro, pelas 15 horas. D.P.


www.onoticiasdatrofa.pt

16 Desporto

8 de setembro de 2011

| O Notícias da Trofa

Equilíbrio dá empate Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

Trofense somou o segundo ponto na Liga Orangina, ao empatar a zero com a Oliveirense. Ainda não foi desta que o Trofense conseguiu estrearse nas vitórias na época 2011/ 2012. O grupo orientado por António Sousa não foi além de um nulo caseiro com a Oliveirense, numa partida que teve sol quente, mas um futebol sem grandes motivos de interesse. Ambas as equipas procuram encontrar a forma perfeita para encarar o campeonato, sendo que o Trofense assume-se como o que está mais atrasado nesse trabalho e as palavras do treinador no final do jogo – “a nossa préépoca está a ser feita em competição” – são espelho disso mesmo. Aos 25 minutos, Zé Manel “apimentou” o jogo com um remate que obrigou a um esforço redobrado do guardião Bruno Vale e, juntamente com esta oportunidade, a tentativa de Ivan Santos, que acabou caído na grande área a reclamar grande penalidade (que não foi concedida por Cosme Machado), constitui os lances de perigo da primeira parte. Do lado trofense, o processo de entrosamento ainda está “verde”, mas já há bons indicadores, como a vontade

Trofense Oliveirense

0 0

Local: Estádio CD Trofense Árbitro: Cosme Machado (AF Braga) Marco Bruno Vale David Nuno Lopes Pedro Araújo Laranjeira Santos Diego Pedro Santos Vítor Tiago Zé Pedro 66’ Edu Oliveira Janderson 55’ Ivan Santos 62’ Feliz 79’ Rui Lima Zé Manel Pedrinho 61’ Fábio Fortes 66’ Clemente T. António Sousa T. Pedro Miguel

Moreilândia 55’ Sassa 61’ Reguila 66’ Barge 62’ And. Carvalhas 79’ Adriano 66’ Cartões amarelos: Oliveira (20’), Zé Manel (21’), Zé Pedro (52’), Pedro Santos (57’), Rui Lima (70’) e Pedro Araújo (87’)

demonstrada por Feliz dentro de campo e a disciplina tática de Edu. O último começa a estar para o Trofense como João Moutinho para o Futebol Clube do Porto. Este médio de 19 anos, curiosamente emprestado pelos “dragões” ao clube da Trofa, raramente falha um passe e em campo mostra uma sobriedade e maturidade fora do normal para a idade. Juntamente com Tiago, Edu constitui uma pedra basilar no meio-campo trofense. Janderson e Fábio Fortes também mostraram ser combativos, mas a falta de golos e assertividade no ataque obrigam a que mostrem mais argumentos para merecerem a titularidade. A equipa da casa entrou melhor na etapa complementar e foi a única que assumiu

Santos, em esforço, tenta aliviar a bola

o controlo do jogo, enquanto a Oliveirense limitou-se a explorar o contra-ataque. Apesar de atacarem mais, os atletas da Trofa não mostraram discernimento na hora de atirar à baliza. Que o digam Zé Manel e Fortes que viram todos os remates saírem desenquadrados ou sem perigo. Pedro Santos, que substituiu Elvis (castigado) no eixo da defesa trofense, fez com Santos uma dupla intransponível, anulando todas as investidas do adversário. Aos 62 minutos, Zé Manel quase inaugurou o marcador, mas Bruno Vale segurou à segunda. A apatia na partida levou os treinadores a mexerem nas equipas, mas pouco mais se alterou. Até ao fim da partida, des-

ainda que “a equipa está a crescer” e conseguirá a primeira vitória “o mais rápido possível”. Já Pedro Miguel, treinador da Oliveirense, afirmou que, na primeira parte, os atletas “correram muito e jogaram “A equipa está a crescer” pouco”. “Na etapa compleAntónio Sousa considerou mentar tentámos melhorar. O que o jogo “foi equilibrado” e jogo começou a ficar partido “sem grandes situações de e sentimos que naquela altuperigo”. O treinador do Trofen- ra quem fizesse um golo pose admitiu que na segunda deria ganhar e foi com esse parte, os atletas acusaram intuito que fizemos as substi“desgaste físico e falta de rit- tuições”, frisou. mo competitivo”, pelo que a O Trofense soma dois ponparagem no campeonato – tos e está no penúltimo lugar domingo joga-se a segunda do campeonato, enquanto a eliminatória da Taça de Por- formação de Oliveira de tugal – é considerada positiAzeméis tem quatro e ocupa va. “Para alguns jovens é ex- o 5º posto. celente para ganharem ritNo domingo, o emblema da mo”, frisou. Trofa recebe o Quarteirense António Sousa sublinhou para a Taça de Portugal. taque para as investidas, sem sucesso, de Reguila (aos 77 minutos) e Zé Manel (90), para o Trofense, e de Adriano (85) e Oliveira (89), para a Oliveirense.

Inscrições abertas para a Aquaplace Desde 29 de agosto que as portas da Academia Municipal da Trofa – Aquaplace reabriram para os utentes.

abriu ao público, com os horários habituais, no dia 1 deste mês. As inscrições/renovações, podem ser efetuadas na receção do Aquaplace, com Encerrada, desde 1 de atenção especial para as insagosto, para obras de melho- crições da Escola de Natação, ramento e manutenção, a Aca- que são limitadas ao número demia Municipal da Trofa re- de alunos por turma e esca-

lão. “Mais modalidades, mais horários e mais aulas, além de muitos melhoramentos nas instalações” é a promessa feita pelos responsáveis. A Academia Municipal tem ao dispor dos utentes uma lista variada de atividades como “Body Pump, Body Vive, Body

Combat, Pilates, Yoga, Localizada, Step, Hip-Hop, Capoeira, Danças de Salão, Spinning e Personal Trainers”. Os utentes que possuam Cartão Jovem, Cartão Estudante, Cartão Sénior ou um cartão de alguma instituição/ associação que tenha protocolo com a Aquaplace têm

descontos. Para mais informações, sobre os horários específicos ou inscrições, os interessados devem dirigir-se à Academia ou consultar os horários em www.mun-trofa.pt – Serviços Municipais – Aquaplace. R.M.


O Notícias da Trofa | 8 de setembro de 2011

www.onoticiasdatrofa.pt

Associação Recreativa Juventude do Muro

Associação Recreativa Juventude do Muro

1ª Divisão de futsal sénior masculino da Associação de Futebol do Porto - Série 1

2ª Divisão de futsal

de Futebol do Porto - Série 1

1ª jornada (30-09-11) 16ª jornada (27-01-12) A. D. Polenenses- Muro

1ª jornada (30-09-11) 16ª jornada (27-01-12) Muro-Junqueira

2ª jornada (07-10-11) 17ª jornada (03-02-12) Muro-CDC Biquinha

2ª jornada (07-10-11) 17ª jornada (03-02-12) Arcozelo-Muro

3ª jornada (14-10-11) 18ª jornada (10-02-12) Os Amigos da Cave-Muro

3ª jornada (14-10-11) 18ª jornada (10-02-12) Muro-Regatas Flamengo

4ª jornada (21-10-11) 19ª jornada (17-02-12) Muro-Grupo S. Sebastião

4ª jornada (21-10-11) 19ª jornada (17-02-12) Modicus-Muro

júnior masculino da Associação

5ª jornada (28-10-11) 20ª jornada (24-02-12) Ass.DR Araújo-Muro

5ª jornada (28-10-11) 20ª jornada (24-02-12) Muro-Guifonense

6ª jornada (04-11-11) 21ª jornada (02-03-12) Muro-ACDB Falcão

6ª jornada (04-11-11) 21ª jornada (02-03-12) Santa Isabel-Muro

7ª jornada (11-11-11) 22ª jornada (09-03-12) ADCR Caxinas-Muro

7ª jornada (11-11-11) 22ª jornada (09-03-12) Muro-Os Amigos Cave 94

8ª jornada (18-11-11) 23ª jornada (16-03-12) Muro-Alfa AC

8ª jornada (18-11-11) 23ª jornada (16-03-12) Juv. Desp. de Gaia- Muro

9ª jornada (25-11-11) 24ª jornada (23-03-12) GDC E. Banco BPI-Muro

9ª jornada (25-11-11) 24ª jornada (23-03-12) Muro-Póvoa Futsal Clube

10ª jornada (02-12-11) 25ª jornada (30-03-12) Muro-União Progresso

10ª jornada (02-12-11) 25ª jornada (30-03-12) União Custóias-Muro

11ª jornada (09-12-11) 26ª jornada (13-04-12) Juv. Desp. Gaia-Muro

11ª jornada (09-12-11) 26ª jornada (13-04-12) Real Club. Senhorense- Muro

Desporto 17

Grupo Desportivo de Covelas e Futebol Clube S. Romão 1ª Divisão de futsal sénior feminino da Associação de Futebol do Porto - Série 1

1ª jornada (23-09-11) 14ª jornada (16-12-11) S. Salvador Campo-Covelas S. Romão-C. Juv. Malta 2ª jornada (30-09-11) 15ª jornada (06-01-12) Covelas-Alfenense Penamaior-S. Romão 3ª jornada (05-10-11) 16ª jornada (13-01-12) Mindelo “A”-Covelas S. Romão-Amigos Corim 4ª jornada (07-10-11) 17ª jornada (20-01-12) Covelas-Rest.Avintenses Par. Carvalhosa-S. Romão 5ª jornada (14-10-11) 18ª jornada (27-01-12) Baião-Covelas S. Romão folga 6ª jornada (21-11-11) 19ª jornada (03-02-12) Covelas folga S. Romão-Esc. Arreigada 7ª jornada (28-10-11) 20ª jornada (10-02-12) Covelas-Escola Gondomar S. Salv. Campo-S. Romão 8ª jornada (04-11-11) 21ª jornada (17-02-12) C. Juv. Malta-Covelas S. Romão-Alfenense 9ª jornada (11-11-11) 22ª jornada (24-02-12) Covelas-Penamaior Mindelo “A”-S. Romão 10ª jornada (18-11-11) 23ª jornada (02-03-12) Amigos de Corim- Covelas S. Romão-Rest. Avintenses

12ª jornada (16-12-11) 27ª jornada (20-04-12) Muro-Jaca FC

12ª jornada (16-12-11) 27ª jornada (20-04-12) Muro-Jaca FC

13ª jornada (06-01-12) 28ª jornada (27-04-12) Mocidade Invicta FC- Muro

13ª jornada (06-01-12) 28ª jornada (27-04-12) Barranha SC-Muro

11ª jornada (25-11-11) 24ª jornada (09-03-12) Covelas-Par. Carvalhosa Baião-S. Romão

14ª jornada (13-01-12) 29ª jornada (05-05-12) Juv. D. Águas Santas- Muro

14ª jornada (13-01-12) 29ª jornada (05-05-12) Muro-Alfa Académico Clube

12ª jornada (02-12-11) 25ª jornada (17-03-12) S. Romão-Covelas

15ª jornada (20-01-12) 30ª jornada (12-05-12) Muro-Associação “O Amanhã Criança”

15ª jornada (20-01-12) 30ª jornada (12-05-12) Balio Futsal Clube- Muro

13ª jornada (09-12-11) 26ª jornada (24-03-12) Covelas-Escolas Arreigada Escola Gondomar-S. Romão

Atiradora trofense revalida título nacional Cátia Veloso catia@onoticiasdatrofa.pt

A atiradora trofense Mariana Serra voltou a sagrarse campeã nacional de fosso universal e conquistou o 3º posto na Copa do Mundo. Mariana Serra sagrou-se, mais uma vez, campeã nacional na modalidade de fosso universal, no tiro ao prato. A atleta da Trofa participou também no campeonato do mundo na mesma modalidade, em Ychoux, França, de 25 a 28 de agosto, alcançando depois o 3º lugar na Copa do Mundo. Esta competição é composta por três provas, o prémio FITASC, o campeonato da Europa e o campeonato do Mundo. A atiradora participou em todas as provas, na categoria de damas, sendo que no prémio FITASC, que decorreu em Pevidem, sagrou-se campeã. Mariana venceu ainda o Double Trap 2011 e a Taça de Portugal de Trap 2011 e foi 3ª classificada no prémio FEDE CAT, no campeonato de tiro ao voo (tiro aos pombos). Em declarações ao NT, Mariana Serra mostrou-se “muito feliz e orgulhosa” por ter alcançado o objetivo de ser campeã nacional. “Foi uma experiência muito enriquecedora pela qual passei, não só este ano, mas também no ano anterior e espero que assim o seja nos próximos anos. Vou continuar a dar o meu melhor para que mais vitórias destas sejam alcançadas”, referiu.

Nas competições estrangeiras - o campeonato da Europa realizou-se na Eslovénia e o do Mundo em França -, Mariana Serra sentiu “um ambiente de grande tensão, muito competitivo e com grandes atletas de todo o mundo, que tinham ambição de alcançar o título”. Num desporto (ainda) dominado por homens – havia 40 damas inscritas, num total de 539 atiradores – Mariana conseguiu o 10º posto no campeonato do Mundo. Quanto ao 3º lugar alcançado na Copa do Mundo, a atiradora sentiu “um grande orgulho” e esta foi uma “realização pessoal”. Nos 539 participantes, cerca de 20 eram portugueses. “Os portugueses não aderem muito às competições estrangeiras, pois é um desporto bastante dispendioso a nível nacional e muito mais a nível internacional. O facto de não termos quase nenhum apoio faz com que haja escassez de atiradores portugueses a participar nessas competições”, explicou. Mariana Serra tem 16 anos e há três deu o primeiro tiro. Entre os estudos, a jovem alimenta este hobby, que nasceu quando ainda era criança. “Desde muito pequena que via armas, pois o meu pai é caçador e ele sempre me incentivou para ser atiradora. Por volta dos 13 anos, dei o meu primeiro tiro e a partir daí comecei a treinar”, revelou em declarações ao NT, em agosto de 2010.


18 Desporto

www.onoticiasdatrofa.pt

8 de setembro de 2011

| O Notícias da Trofa

Vigorosa faz primeiro treino da época de basquetebol Diana Pimentel diana@onoticiasdatrofa.pt

Até ao momento, a Vigorosa já tem três equipas de basquetebol femininas e cinco masculinas para levar aos campeonatos. A um mês do início da temporada, os atletas começaram a trabalhar. O primeiro treino decorreu no Colégio da Trofa, a 1 de setembro. Antes de entrar em campo a agitação é muita. Ao apito do treinador os atletas iniciaram o treino. Começou a pré-época desportiva do basquetebol da Associação Cultural e Recreativa Vigorosa. O bater das bolas no chão e o chiar das sapatilhas no pavilhão desportivo do Colégio da Trofa mostravam o quão animados estavam os jovens. Até ao momento, a Vigorosa já tem equipas em diversos escalões, mas Pedro Moreira, coordenador técnico da Vigorosa e treinador dos minis e sub-16, admite que ainda podem ser criadas mais, uma vez que há sempre atletas que surgem à última hora. “Neste momento temos três equipas femininas e cinco masculinas, fora as que poderão ser criadas devido aos atletas que normalmente costumam aparecer e que obrigam a abrir mais

Atletas da Vigorosa preparam-se para mais uma época desportiva

escalões. É normal durante os meses de setembro ou outubro comparecerem mais 30 ou 40 elementos, portanto, estamos à espera de terminar o ano com cerca de 120 atletas”, afirmou o coordenador. Todos os escalões vão iniciar os campeonatos em outubro, à exceção

dos minis “que só começarão em novembro”. Os primeiros escalões a arrancar serão os “sub-16 femininos e masculinos, sub-18 masculinos e ainda os sub-14 femininos e masculinos”. Mais tarde será a vez dos “sub-13 masculinos e femininos, mini-10 e mini12”. Os atletas da Vigorosa treinam duas vezes por semana no Colégio da Trofa e no pavilhão desportivo da EB 2/3 de S. Romão do Coronado. Rita Correia veste as cores da associação há quatro anos e relembra com um sorriso o dia em que veio parar �� Vigorosa: “Estava na escola e tinha um professor de Educação Física que treinava a equipa. Ele deu-me a conhecer o basquetebol aqui na Trofa, através da Vigorosa, e eu como não praticava nenhum desporto decidi experimentar”. Francisco Amorim também é basquetebolista da Vigorosa. Chegou até à associação pelas mãos de um amigo. “Foi, na altura, um colega meu da escola, que já andava no clube e que me falou destes treinos de basquetebol. Eu andava no futebol, mas não estava satisfeito e então resolvi experimentar o basquete e fiquei”, referiu o atleta. Os dois atletas decidiram praticar esta modalidade por ser diferente das outras e por dar mais importância à componente intelectual. Rita defende que nesta modalidade se joga “mais com a cabeça do que propriamente com a técnica”. Já para Francisco, este é um desporto “muito mais tático, tem de se pensar muito mais, é muito mais rápido, nunca há tempos mortos, pode parecer por causa das faltas e das paragens de jogo, mas é sempre muito intenso. O facto de sermos cinco contra cinco é muito melhor do que sermos 11 como é o caso do futebol”, completou.

Este atleta tem o sonho de “chegar um dia à NBA (campeonato de basquetebol dos Estados Unidos) e quem sabe vir a ser um dos melhores jogadores do mundo”. Para isso conta com a experiência que vai adquirir na Vigorosa. Os objetivos da associação para esta época, segundo Paulo Queirós, responsável pela secção de basquetebol, “não é ganhar nada em concreto, mas proporcionar a prática desportiva aos seus atletas”. O diretor admite querer “continuar a crescer de forma sustentada”, como “têm feito até agora e levar a bom porto este barco”. Tal como muitas outras coletividades, a Vigorosa não é exceção e por isso mesmo tem falta de apoios. Para colmatar esta lacuna, decidiram “implementar uma comissão de pais que funcione como suporte à secção, que procure criar alguns mecanismos para a angariação de dinheiro”. Paulo Queirós salientou o facto de serem precisos “15 mil euros” para uma época como esta. “Baixar os braços” é a expressão que esta associação não conhece e prova disso é que ainda este ano vai abrir uma escola de xadrez com o objetivo de proporcionar bons momentos “àqueles que gostam de jogar xadrez, de o fazerem na Vigorosa”, referiu o responsável. Uma vez que os campeonatos ainda não começaram e que as inscrições para a prática de basquetebol ainda se encontram abertas, Pedro Moreira apela aos jovens para a prática desportiva: “Se quiserem vir praticar basquetebol, fomentar o desporto e divertirem-se um bocadinho apareçam. Para terem acesso aos espaços, aos horários e às equipas basta procurarem no Facebook por ‘Vigorosa Basquetebol’”.


O Notícias da Trofa | 8 de setembro de 2011

www.onoticiasdatrofa.pt

Atualidade 19

Crise? Qual crise? É opinião quase generalizada, que Portugal suporta uma grave e duradoura crise económica e financeira, que poderá originar fenómenos sociais muito graves. Todos os estudos económicos, nacionais e internacionais, indicam isso mesmo. Mas, como se poderá falar de crise, se Portugal foi o sétimo país europeu que, desde o início do ano, mais dinheiro gastou em transferência de futebolistas? Futebol foi sempre uma modalidade desportiva que arrastou, e arrasta, multidões. No tempo que durou a “noite escura do Estado Novo”, era considerado pela oposição, o “ópio do povo”, que conjuntamente com Fátima e o Fado, formava a trilogia dos 3F’s. E nunca estes 3F’s estiveram tão fortes, como estão nestes tempos de liberdade, mas também, de grave recessão económica. A quebra constante no crescimento da economia portuguesa e os défices das contas públicas, que são cada vez mais elevados, contribuíram para a maior crise económica de sempre, em Portugal. Estes últimos anos têm sido particularmente preocupantes. Portugal, em 1995, quase não tinha dívida externa, depois começou a endividar-se sem controlo e, simultaneamente, a ter uma quebra no crescimento económico até se atingir a grave crise que nos toca a todos. Mas toca mesmo a todos? Parece que não, pois os clubes da liga portuguesa de futebol gastaram, segundo a agência de notícias “Lusa”, mais de 126 mil milhões de euros, situando-se no sétimo lugar do ranking dos países mais gastadores em transferências de jogadores de futebol. Foi muito dinheiro que saiu do país, não para comprar máquinas ou matérias-primas para produzir bens que ajudem no crescimento e desenvolvimento económico do país, mas para comprar futebolistas! Portugal tem excelentes jogadores “fabricados cá dentro”, que não têm possibilidade de jogar nos clubes nacionais. Há pouco tempo sagramo-nos vice-campeões do mundo nos escalões mais jovens, de sub-20. Os jogadores e, também, treinadores portugueses são tão bons, que estão constantemente a ser “assediados” por muitos clubes estrangeiros. Alguns desses clubes até são considerados dos melhores clubes do mundo. Esse “produto de excelência”, que é o futebolista português, ao ir para o estrangeiro, tem ajudado ao aumento das exportações, contribuindo assim para um melhor equilíbrio da nossa balança de pagamento. Nos últimos anos, tem sido uma constante, a saída de jogadores e treinadores para o estrangeiro. São muitos os portugueses a jogar e a treinar em clubes estrangeiros. Não há justificação plausível, para neste momento de crise gastarmos tanto dinheiro com a “importação” de tantos futebolistas, alguns bem caros e outros de qualidade duvidosa. É mesmo muito dinheiro gasto na “importação” de jogadores de futebol. É um “balúrdio”! É preciso, com urgência, todos os portugueses, a começar pelos decisores políticos, empregadores e empregados, ver e rever o que pode ser melhorado para depois fazer o país mudar de métodos, processos e mentalidades. E, amanhã já será tarde!

Hugo Oliveira líder no Masters de bilhar da Trofa Na terceira prova do Masters de brilhar da Trofa o vencedor foi Hugo Oliveira. O atleta está em 1º lugar na tabela de classificações, com 200 pontos. O Clube Slotcar da Trofa / GMLUX abriu as portas, durante os dias 2, 3 e 4 de setembro, para acolher a prova Masters de bilhar da Trofa. Nesta iniciativa estiveram presentes 16 atletas para disputarem a terceira de cinco provas do Campeonato de Duplos

KO´s. Os momentos altos desta competição foram protagonizados por Hugo Oliveira que acabou por vencer Victor Andrade na finalíssima por 4-2. Na classificação geral, Hugo Oliveira encontra-se em 1º lugar, com 200 pontos, seguindo-se Rogério Oliveira, com 192, Victor Andrade, com 166, e Filipe Cruz, com 164 pontos. A próxima prova é disputada entre os dias 22 e 24 de setembro. D.P.

Folclore anima Parque

O Parque Nossa Senhora das Dores vai acolher o 13º Festival de Folclore da Trofa. A tradição vai ganhar vida nos dias 10 e 11 de setembro, na inciativa promovida pela Câmara Municipal da Trofa. No dia 10 de Setembro, a partir das 21 horas, o palco vai receber o Grupo Etnográfico de Santiago de Bougado, o Rancho Folclórico “As Florinhas” de Caldas de S. Jorge – Santa Maria da Feira, o Rancho Folclórico moreira.da.silva@sapo.pt da Trofa, o Rancho Folclórico Podas www.moreiradasilva.pt e Vindimas de Arruda dos Vinhos, o Rancho Folclórico do Cartaxo e o Rancho das Lavradeiras da Trofa. O segundo dia do Festival traz à Trofa, depois das 16 horas, o Rancho Folclórico de S. Romão, o Rancho A 6 de março de 2011, o Partido Comunista Português comemorou o seu Folclórico Rosas da Alegria – Sesmarias, Leiria, o Rancho Folclóri90º aniversário. “São 90 anos de luta heroica ao serviço da classe operária co de Alvarelhos, o Rancho da Casa e dos trabalhadores, do povo e do país. São nove décadas de vida e luta de do Povo de Godim – Régua, o Grupo um partido que, orgulhoso da sua história, aprendendo com a sua própria de Danças e Cantares de Barcelos e experiência, firme e determinado no presente, assume com energia, audácia o Grupo de Danças e Cantares de e confiança as exigências do futuro”, afirma fonte da Comissão Concelhia do Santiago de Bougado. partido. O objetivo da autarquia é “manter Os 90 anos do PCP vão ser assinalados na Trofa com uma exposição, na viva a tradição no concelho, onde além Casa da Cultura. A mostra estará patente de 10 a 17 de setembro e a cerimónia de promover os grupos existentes na Costumes e tradições em destaque de inauguração está agendada para as 15 horas de sábado, contando com Trofa, convida, anualmente, centenas distintas regiões de Portugal”, explica a presença de José Casanova, membro do Comité Central do PCP. R.M. de dançarinos provenientes das mais fonte da autarquia. R.M.

História do PCP em exposição


20 Atualidade

www.onoticiasdatrofa.pt

8 de setembro de 2011

| O Notícias da Trofa

Trofenses entre os mais loucos do mundo Diana Pimentel Rita Maia

Lisboa acolheu a 2ª edição da corrida mais louca do mundo da Red Bull que contou com a participação de três equipas trofenses. Love Boat, Wildcats e Barca Louka desfilaram no Parque Eduardo VII com muita originalidade. Os olhares curiosos dos 60 mil espectadores que estavam no Parque Eduardo VII, em Lisboa, no dia 4 de setembro, faziam antever um dia com muita diversão. Era o dia da corrida mais louca do mundo, patrocinada pela Red Bull. A Trofa não podia deixar de estar presente nesta iniciativa e fez-se representar por três equipas para mos-

Barca Louka “navegou” até Lisboa

trar a originalidade trofense: Love Boat, Wildcats e Barca Louka. “Isto é o barco do amor e vamos construi-lo com muito amor. Vai ser um amor de corrida”. Foi desta forma que os criadores do Love Boat (Barco do Amor, em português) se apresentaram ao O noticias da Trofa. São aproximadamente dez os elementos envolvidos na construção deste protótipo, uns de S. Romão do Coronado e outros do Muro e de Guidões. Esta é a segunda vez que esta equipa participa na corrida da Red Bull. Já participaram em 2004 no Flugtag, dia de voo, com uma abelha, e desta vez vão participar com o barco do amor. “Sempre que aparecem Wildcats encantaram o público eventos da Red Bull, nós gostamos de decidimos levar um barco”, adiantou participar e desta vez não foi exceção. um dos elementos da equipa. Como não vamos saltar para a água, A menos de 48 horas da prova, o Love Boat parecia longe de estar concluído. Havia ainda muito trabalho pela frente, mas os criadores do protótipo não estavam minimamente preocupados. Acreditavam, piamente, que no “domingo (dia da prova) por volta das 12 horas”, o barco estaria pronto. O objetivo da equipa não era ganhar a prova, mas “divertirem-se muito”. “Tencionamos ter o melhor acidente do dia. Vamos levar connosco não uma mala de primeiros socorros mas um bombeiro”, afirmou, referindo-se a um dos elementos do grupo. Desengane-se quem julga que estas atividades são coisas de homens. As meninas pertencentes a este grupo de amigos decidiram também elas participar na corrida com o carro das Wildcats. “Este é o carro da Penélope da Wacky Races, das Wildcats, que somos nós. Temos a Vânia Louro, a copiloto, Sofia Costa, as mecânicas Vera e Ana Maia e eu que sou a piloto”, afirmou Diana Costa. Inspiraram-se nas Wacky Races, desenhos animados que marcaram as suas infâncias e decidiram criar este carro em homenagem à Penélope. Este é um carro mais feminino, mas igualmente divertido. Apresenta-se sob a forma de lábios, em tons de cor de rosa e vermelho. Duas semanas foi o tempo necessário para a construção deste protótipo que foi realizado essencialmente com “materiais reciclados”. “Fomos buscar ferro e esponja para moldar o

carro”, relembrou a piloto. Medo é coisa que não lhes assiste. “Eu estou confiante. O meu pai diz que eu não vou passar da primeira curva, mas espero chegar ao fim e trazer o carro para andar com ele nos montes”, garantiu Diana, com uma ponta de ironia por entre as gargalhadas. Para completar o leque de equipas trofenses na corrida mais louca do mundo, a Barca Louka juntou-se ao Love Boat e às Wildcats e “navegou” até Lisboa. “A ideia surgiu entre um grupo de amigos, que normalmente se junta para falar de vários assuntos, até de carros de rolamentos, e foi aí que surgiu a ideia de participar neste concurso da Red Bull. Inicialmente, pensámos fazer o carro dos Flinstones, mas depois amadurecemos a ideia e decidimos fazer a caravela portuguesa, à qual demos o nome de Barca Louca”, adiantou Augusto Ferreira um dos elementos da equipa. A construção deste “carro-barco” obedeceu a três materiais: “Madeira, ferro e plástico”. Mas tal como nas outras equipas, nesta também não faltou diversão. A decoração do barco levou “manchas negras pela caravela toda” para dar a ideia de “vaca louca”. A equipa feminina terminou na 11ª posição e foi a melhor classificada das três. Já os marinheiros da Barca Louka ficaram no 25º lugar. O Barco do Amor cortou a meta no 42º posto, num total de 62 finalistas.

Love Boat “distribuiu amor” durante a corrida


Edição 3377