Issuu on Google+

ANO ANO 16 15 / Número / Número 272 261 / Edição / Edição de de Fevereiro Março de de 2013 2014 / New / New York York - USA - USA


7

2

ONDE ESTIVER UM BRASILEIRO, ALI ESTARĂ O MENSAGEIRO! MARILYN MONROE:

Editorial DE DEUS NĂƒO SE ZOMBA Na BĂ­blia estĂĄ escrito: "NĂŁo vos enganeis, de Deus nĂŁo se zomba, pois tudo o que o homem semear, isto tambĂŠm ceifarĂĄ". (GĂĄlatas 6:7) JOHN LENNON: Ao dar uma entrevista a uma revista americana, disse: "O cristianismo vai se acabar, vai se encolher, desaparecer. Eu nĂŁo preciso discutir sobre isso. Eu estou certo. Jesus era legal, mas suas disciplinas sĂŁo muito simples. Hoje, nĂłs somos mais populares que Jesus Cristo". (1966) Lennon foi baleado por um dos seus fĂŁs. TANCREDO NEVES: Na ocasiĂŁo da campanha presidencial, disse que se tivesse 500 votos do seu partido (MDB), nem Deus o tiraria da presidĂŞncia da repĂşblica. Os votos ele conseguiu, mas o trono lhe foi tirado um dia antes de tomar posse. BRIZOLA: No ano de 1990, na campanha presidencial, disse que aceitava atĂŠ o apoio do demĂ´nio para se tornar presidente. A campanha, quando acabou, apontou Collor como presidente e nĂŁo mostrou Brizola nem em segundo lugar. O CONSTRUTOR DO NAVIO TITANIC: O construtor do maior navio de passageiros de sua ĂŠpoca, no dia de lançå-lo ao mar, respondeu o seguinte, para uma repĂłrter que lhe perguntou a resSHLWRGDVHJXUDQoDGRQDYLR0LQKDÂżOKDQHP'HXV afunda este navio". O Titanic afundou apĂłs bater num iceberg, matando centenas de passageiros. Foi o maior naufrĂĄgio de um navio de passageiros no mundo.

Expediente:

Autor & Editor: Helio Dos Santos Filho Design GrĂĄfico: Carlos Fernandes RevisĂŁo de Textos: Dora Garcia

Foi visitada por Billy Graham durante a apresentação de um show. Ele, um pregador do Evangelho, na Êpoca havia sido mandado pelo Espírito Santo àquele lugar, para pregar a Marilyn. PorÊm ela, depois de ouvir a mensagem do Evangelho, disse: "Não preciso do seu Jesus."

COLUNAS NO MENSAGEIRO7 ADORAĂ‡ĂƒO E LOUVOR BĂ?BLIA CRĂ”NICA CURIOSIDADES DEVOCIONAL DISCIPULADO ECONOMIA EDITORIAL

Uma semana depois foi encontrada morta em seu apartamento.

EDUCAĂ‡ĂƒO

BON SCOTT:

ENTREVISTA

Ex-vocalista do conjunto AC/DC. Cantava no ano de 1979 uma música com a seguinte frase: "Don´t stop me, I´m going down all the way, on the highway to hell" (Não me impeça... Vou seguir o caminho atÊ o ¿PQDDXWRHVWUDGDSDUDRLQIHUQR 

ESPORTES

No dia 19 de fevereiro de 1980, Bon Scott foi enconWUDGRPRUWRDVÂż[LDGRSHORSUySULRY{PLWR

HOMENS DA BĂ­BLIA

Outros:

EMPRESĂ RIOS ESCATOLOGIA EVANGELISMO FAMĂ?LIA FONOAUDIOLOGIA GOTA DE ENCORAJAMENTO HISTĂ“RIA IDOSO IGREJA IMIGRAĂ‡ĂƒO

Certa jovem estava saindo com seus amigos para um ¿QDOGHVHPDQDQDSUDLD6XDPmHSUHRFXSDGDFRP a excessiva empolgação dos jovens, disse-lhe: "Vai FRP'HXVPLQKD¿OKD$PRoDFRPLURQLDUHVSRQdeu: "Só se Ele for no porta-malas, mãe, pois no carro não cabe mais nada". E saíram rindo.

JORNALISMO JUVENTUDE MATÉRIA MENSAGEM MISSÕES MULHER MÚSICA PASTOR

Na viagem de ida, envolveram-se num grave acidente. Todos morreram, porÊm, nada do que estava no porta-malas sofreu qualquer dano. Nem mesmo um só ovo se quebrou na caixa de ovos que eles estavam levando. Ş Autor desconhecido - É desconhecido, porÊm os episódios aqui, todos são bem conhecidos.

PASTORAL POLĂ?TICA PRAZER DA PALAVRA PREVENĂ‡ĂƒO CONTRA AS DROGAS PROFECIAS PSICOLOGIA REPORTAGEM SAĂšDE FĂ?SICA

Receba esta mensagem, e saiba que se vocĂŞ estĂĄ brincando com Deus, muito cuidado, pois Dele nĂŁo se zomba ou se brinca.

SAĂšDE ORAL

Helio Dos Santos Filho - Editor

VIDA CRISTĂƒ

CONTATOS COM NOSSA REDAĂ‡ĂƒO: Cartas ao Editor Helio dos Santos Filho 38-05 Broadway, Suite 200-B Astoria- New York, 11103 Tel: (347) 239-6700 (347) 600-5347 (347) 985-9251 website: www.omensageiro7.com e-mail: omensageiro7@aol.com Š2013 by Santos Production All Rights Reserved

SEGUROS TOCHA - COMUNICANDO A LUZ TURISMO

O Mensageiro7 newspaper is a monthly publication in Portuguese. Reproduction in whole or in part without permission is strictly prohibited. The Publisher makes every effort to ensure the accuracy of the information given in the editorial and advertising pages of O Mensageiro7 newspaper; but accepts no responsibility for erros or omissions for claims made in any section of this newspaper. Printed in the United States of America. O Jormal O Mensageiro7 Ê uma publicação mensal em Português. Reprodução parcial ou total do contexto da publicação sem a devida permissão Ê expressamente proibida. O Jornal O Mensageiro7 não se responsabiliza por inserção de fotos, logos, slogans, erros ou omissþes por parte dos anunciantes ou informaçþes fornecidas por terceiros, editadas em qualquer parte desta publicação. Impresso nos Estados Unidos da AmÊrica do Norte.

Os artigos, mensagens e estudos publicados neste Jornal, por cada autor, nĂŁo UHĂ€HWHPDLGpLDGDGLUHomR deste Jornal. Cada escritor pUHVSRQViYHOSRUVHXV DVVXQWRVHLGpLDV$VVLP VHQGRFDGDDXWRU D HVWij GLVSRVLomRSDUDUHVSRQGHU DVG~YLGDVGRDPLJROHLWRU


FAMÍLIA Para umas famílias (a maioria ?) a caminhada da vida é penosa, muito difícil. Para outras, nem tanto. Umas, aprenderam facilmente as regras básicas, as soluções. Outras percorrem até hoje uma estrada esburacada, que torna a jornada muito tumultuada e sem prazer. A umas e outras recomendo, com frequência, este ou aquele livro de Gary Chapman. Dele, talvez o livro mais conhecido seja “As cinco linguagens do amor”. Como conselheiro cristão, tais livros me têm sido muito úteis. Recomendo todos. D E S P E R AT E M A R R I A G E S (Zondervan, 1998), para minha surpresa, não parece ser tão conhecido. É uma pena, pois trata de assuntos importantíssimos; no fundo, todo o conteúdo é um convite para que os casais aprendam a movimentar-se na direção da esperança e cura no ralacionamento. A verdade é que TODOS os casamentos, por mais feridos e desmoronados que se encontrem, têm disponível a chance de ser

7

Moura Gonçalves

Casamentos Desesperados

3

curados e reconstruídos. Resta saber até onde chega a vontade para que isto aconteça. Aceitar a realidade da existência de problemas é o primeiro passo para a cura. Você sabe: um doente só poderá vir a ser curado, quando ele reconhecer que está doente. Só assim aceitará ser medicado. Os passos que conduzam a soluções dentro de uma família ou casamento desajustados, problemáticos, não são fáceis. Com frequência, as pessoas se tornam especialistas em machucar mais e mais, cavando mais fundo o poço da desgraça. São raros, mas muito honrosos, os casos daqueles que se esforçam na busca de soluções amorosas, dentro de um quadro de guerra. Admiro a maneira curta e objetiva como G. Chapman expôe mitos e fatos a este respeito. Estes mitos são, na maioria das vezes, (in)verdades da nossa cultura, que amordaçam e escravizam as SHVVRDV2EVHUYHTXDWUR  D¿Umações a seguir (G. Chapman, Desperate Marriages, pág. 18): Continua na página 4


4

FAMÍLIA

7

&RQWLQXDomRGDSiJLQD 1 – O ambiente onde me encontro determina meu estado de espírito; 2 – As pessoas não podem mudar; 3 – Num casamento em desespero, tenho apenas duas opções: resignar-me com uma vida miserável... ou pular fora do casamento; 4 – Para algumas situações não há solução – e a minha situação é uma delas.

³XPDYLGDPLVHUiYHOGHFRQYLYrQFLDGRHQWLD´28(17­2XPGLYyUFLR VHMD ³DPLJiYHO´RX OLWLJLRVR p H[FOXLU D VL PHVPR GH XP OHTXH 9RFrQmRWHPSRGHUVREUHRJUL- GH RSo}HV PXLWR PDLV YDVWR GR WRGRRXWUR0DVYRFrWHPSRGHU TXHSDUHFH VREUHVXDSUySULDUHDomRDRJULWR 9RFrV$,1'$ WrP FKDQFH GH UHGRRXWUR FRQVWUXLU$,1'$ SRGHP YLU D WHU $FHUFD GD 6(*81'$ UHFRQKH- RFDVDPHQWRGHVRQKR5HVWDVDFHPRVTXHpFRPXPDVSHVVRDV EHU 6( 5($/0(17( 48(5(0 SDUWLUHPGRSULQFtSLRTXHRRXWUR 1mRFRORTXHPDVLPHVPRVQXP QmRPXGD4XHYDLPRUUHUDVVLP QtYHOWmREDL[RRQGHVRPHQWHHVWmRGLVSRQtYHLVXPDYLGDPLVHUiTXHQmRWHPMHLWR 4XHPDVVLPSHQVDHDJHFRQGH- YHORX³SXODUIRUD´ TXDGUR TXH HVWRX HQIUHQWDQGR 0DLVVLPSOHVDLQGDYRFrQmRWHP SRGHUVREUHRRXWURPDVWHPSRGHUVREUHYRFrPHVPR

QDDVLPHVPRDXPDYLGDGHPXLWDWULVWH]DHGHVLOXVmR$YHUGDGH 9RFrSHQVDTXHHVWDVD¿UPDo}HV pTXH08'$1d$HVWiGLVSRQtYHO VmRYHUGDGHLUDV"1mRVmR(ODV SRGH DFRQWHFHU H jV YH]HV WDO WrPDOJXQVPLWRVFRPREDVH PXGDQoDpEHPUDGLFDO $FHUFDGD35,0(,5$DFHLWDPRV $FHUFD GD7(5&(,5$ D SHVVRD TXH R DPELHQWH ,1)/8(1&,$ QmRWHPIRUoRVDPHQWHGHHQWUHTXHP YRFr p PDV QmR '(7(5- JDUVH D XPD RX RXWUD GHFLVmR 0,1$ TXHP YRFr p 1mR WH FRQ- FRPR VH VRPHQWH UHVWDVVH XPD WUROD YLGD PLVHUiYHO FRQWLQXDU FRP R /HPEUDGDYHOKD³SpUROD´"9RFr FDVDPHQWR  RX HQWmR SXODU IRUD QmR p XPD DPEXOkQFLD SRUTXH GHOH QDVFHXGHQWURGHXPD 4XDOTXHU GHVWD DOWHUQDWLYDV p PXLWRSREUH(PVLPHVPDTXDOTXHUXPDGHVWDVGHFLV}HVpXPD SULVmRMiTXHDSHVVRDWHUiTXH YLYHU FRP DV FRQVHTXrQFLDV GH 5HVXOWDHQWmRTXHQmRpRDP- XPD GHFLVmR HVW~SLGD WRPDGD ELHQWHPDV(8TXHPGHWHUPLQD HPFLPDGHXPPLWR TXHP '(&,'( R TXH ID]HU QR $ YHUGDGH p TXH UHVLJQDUVH D (P RXWUDV SDODYUDV R DPELHQWH HP TXH PH HQFRQWUR Vy LPS{H VREUHPLPRTXHTXHUTXHVHMD 6((83(50,7,5

3 – Num casamento em desespero, APENAS

NÃO

DUAS

TENHO OPÇÕES:

resignar-me com uma vida miserável... ou pular fora do casamento; existem outras... 4 – HÁ SOLUÇÃO, SIM - e a minha situação é uma delas. 9ROWDUHLDRDVVXQWRž

0RXUD*RQoDOYHV3DVWRU&HUWL¿HG $FHUFD GD 48$57$ YRFr RXYLX Counselor GH TXHP TXH VHX FDVDPHQWR HVWi DOpP GH TXDOTXHU HVSHUDQoDTXHPRUUHXTXHDFDERX" 6H YRFr RXYLX RXWUD SHVVRD GL]HULVWRRXYRFrWHPGLWRLVWRDVL PHVPR D XPHRXWURPHQWLUDP 9RFr WHP HP FDVD PXLWRV PDWHULDLVGHVFDUWiYHLVPDVRVHXFDVDPHQWRQmRpXPGHOHV 5(680,'$0(17( HLV DV YHUGDGHV TXH GHUUXEDP RV PLWRV FXOWXUDLVVRFLDLVDFHUFDGHFDVDPHQWRVHPGHVHVSHUR 1 – O ambiente onde me encontro NÃO DETERMINA meu estado de espírito; 2 – As pessoas PODEM MUDAR;


FINANÇAS "Eu segurei muitas coisas em minhas mĂŁos, e eu perdi tudo; mas tudo que eu coloquei nas mĂŁos de Deus eu ainda possuo." Recentemente uma jornalista apareceu com esta intrigante pergunta que nĂŁo quer calar: “pode XP FULVWmR YLYHU ÂżQDQFHLUDPHQWH prĂłspero?â€? Antes de tocar nesta pergunta preciso abordar sobre alguns conselhos venenosos que vĂŞm sendo lançados aos ouvidos de muitos inocentes e ingĂŞnuos na Palavra de Deus. $OJXQVDÂżUPDPYHHPHQWHPHQWH Âł1mRpLPSRVVtYHOUHODFLRQDUDIp FRP DV ÂżQDQoDV 2X YRFr ÂľYLYH SHODIpÂśRXYLYHSHORGLQKHLUR 8VD DWp -HVXV FRPR H[HPSOR TXDQGRIDORX“ou vocĂŞ vive para Deus ou ao deus ‘Mamom’, MT. 6.24. 2XWURV SUHJDGRUHV ÂľIDPRVRVÂś DUgumentam que se todos semeDUHP GH XPD PDQHLUD RX RXWUD ÂżFDUmRULFRV &RP LVVR RV FDUURV PDLV OX[XRVRV DV PDQV}HV H FRQGRPtQLRV IHFKDGRV YLUmR FRPR WDPEpP toda a dinheirama. 3RU ÂżP DLQGD Ki KRPHQV GH

Ivonildo Teixeira

Viva melhor com suas Finanças e seja feliz

7

5

$FUHGLWDUHP'HXV$EUDmRFUHXH REHGHFHXHLVVROKHIRLLPSXWDGR para justiça Gn. 12.1-4; Deus o prosperou como as estrelas dos FpXV Gn.13.2) Trabalhar com toda honestidade. -iOLHMiRXYLTXHRWUDEDOKRYHLR GHSRLVGDTXHGD2TXH" (PTXDOEtEOLD"$GmRRSULPHLUR KRPHP FULDGR SRU 'HXV Mi WUDEDOKDYD DQWHV GR SHFDGR VXUJLU Gn. 2.15). 6HP WUDEDOKR QmR Ki SURVSHULGDGH 2 JrQLR $OEHUW (LQVWHLQ D¿UPRX TXH R ~QLFR OXJDU RQGH HQFRQWUDPRV r[LWR SURVSHULGDGH DQWHVGRWUDEDOKRpQRGLFLRQiULR Saber repartir com amor e alegria. $TXL Ki GRLV EHORV SULQFtSLRV D VHUHP SUDWLFDGRV SULPHLUR VHMD XP GL]LPLVWD ¿HO GH WXGR R TXH YRFrJDQKDGR(WHUQR PV.3.8-9).

(QWUHJXH WRGRV RV Gt]LPRV RQGH vocĂŞ congrega e se alimenta esSLULWXDOPHQWH DTXL QmR Ki OXJDU SDUD TXHP HVWi DVVLVWLQGR RV FXOWRV GHQWUR GH FDVD  H GHSRLV Deus que pregam como os cren- QDV iUHDV ItVLFD HPRFLRQDO HV- HQYLDU RV Gt]LPRV FRPR FRODERSLULWXDO PDV WDPEpP ÂżQDQFHLUD- UDo}HVHRIHUWDVSDUDSURJUDPDV WHVGH%HUHLD Atos 17. 10-12). SHVFDUHPDTXiULRpIiFLOGHPDLV $OpP GH OHU D 3DODYUD HVWXGDP mente. WDOSUiWLFDpDQWLpWLFDHGHVRQHVa Palavra. Tais pregadores Bere- &RPR YLYHU XPD YLGD SUyVSHUD ta. DQRV DFUHGLWDP TXH RV ÂżOKRV GH ÂżQDQFHLUDPHQWH VDXGiYHO H VHU Deus podem viver dignamente IHOL]jOX]GD%tEOLD" Continua na pĂĄgina 7


6

7

ONDE ESTIVER UM BRASILEIRO, ALI ESTARÁ O MENSAGEIRO!


FINANÇAS Segundo, Tenha um coração generoso!

Agradecer a Deus pelas dådivas e por todas as adversidades, se porventura vier! Em tudo daí Graças, (I Tess.5.18).

Compartilhar o pão, a roupa, o calçado, obras missionårias dentro de suas posses, (PV.11.24-25. LC. 6.38).

"Quando se perde riqueza, dinheiro, nada se perde; quando se perde saĂşde, perde-se muito; quando se perde o carĂĄter, perde-se tudo." Atente para isso, viva saudĂĄvel e feliz com Jesus e com VXDVÂżQDQoDVĹž

Ofertar a quem Deus colocar em seu coração, começando, claro em“JerusalĂŠmâ€?, sua casa com sua famĂ­lia, sua igreja, instituiçþes, depois, “JudĂŠia, Samaria e DWpDRV&RQÂżQV At. 1.8). Viva dignamente com a sua famĂ­lia. Aproveite viajar, passear, conhecer novos lugares, saboreie os pratos deliciosos tĂŁo sonhados, cuide bem da sua casa e do vestuĂĄrio, mas nunca façam deles “um altar a Mamomâ€?, (MT.6.24).

Ivonildo Teixeira: Pastor e Especialista na årea de Finanças Bíblicas

Aplicar. O que sobrar deposite. Se der, faça uma aplicação.

Colocar a Jesus como o Senhor do seu coração. Nunca coloque o dinheiro como o tesouro da sua vida! Todos personagens que quebraram esse princípios (Judas, Acã, o jovem rico, Elimas, o mågico) e

7

tantos outros foram tĂŁo infelizes e sucumbiram!

Continuação da pågina 5

PoderĂŁo aparecer algumas “surpresasâ€? em sua casa, doenças, viagem de ultima hora, alguĂŠm faleceu, desemprego, etc.

7

"Quando se perde riqueza, dinheiro, nada se perde; quando se perde saĂşde, perde-se muito; quando se perde o carĂĄter, perde-se tudo." Atente para isso, viva saudĂĄvel e feliz com Jesus HFRPVXDVĂ€QDQoDV


8

7

A velhice é um dos períodos mais difíceis da vida. Além de uma maior vulnerabilidade às doenças e de ter de depender mais de outras pessoas, muitos idosos sofrem com a solidão e com o senso de inutilidade. Não são poucos os velhos abandonados num asilo por seus próSULRV¿OKRV Hoje em dia existe uma conscientização social maior quanto aos que alcançaram a terceira idade. Existem programas e projetos de atividades envolvendo idosos, com o objetivo de vencer a solidão e a ociosidade. Mas por melhor que sejam, nem sempre conseguem trazer alguma felicidade a quem já viveu muito. A Bíblia nos traz vários exemplos de pessoas que chegaram a uma idade avançada e que morreram felizes e realizadas. Uma delas é o patriarca Abraão. Lemos no livro de Gênesis que Abraão "morreu em ditosa velhice, avançado em anos" (Gênesis 25.8). Uma velhice "ditosa" quer dizer uma velhice feliz, satisfeita, venturosa, afortunada. Quando le-

IDOSO

Augustus Nicodemos Lopes Idoso, mas Feliz

mos o que a Bíblia diz sobre a YLGDGH$EUDmR¿FDIiFLOGHVFREULU o segredo de sua felicidade. Há pelo menos 3 coisas que contribuíram para ela: 1) Abraão foi um homem de FÉ toda a sua vida. Desde o dia em que Deus o chamou para sair de sua terra e ir peregrinar em uma terra distante, Abraão aprendeu DFRQ¿DUHP'HXVHDGHSHQGHU das Suas promessas. 1mR p HP YmR TXH$EUDmR ¿FRX conhecido como o pai da fé e "amigo de Deus" (Tiago 2.23; Hebreus 11.8-19). Quando uma pessoa aprende FHGR QD YLGD D FRQ¿DU HP 'HXV e a depender dele, terá melhores condições de enfrentar as incertezas e sofrimentos da velhice, como Abraão. 2) Abraão foi um homem OBEDIENTE a Deus toda a sua vida. Fé e obediência andam juntas. Abraão cria em Deus e, portanto, obedeceu-o. A maior demonstração que deu disso foi quando se dispôs a saFUL¿FDU VHX SUySULR ¿OKR ,VDTXH por determinação de Deus (Gênesis 22.1-14). Continua na página 9


IDOSO

7

9

Continuação da pågina 8

Se aprendemos desde cedo na vida a obedecer a Deus incondicionalmente, quando atingirmos a velhice teremos uma consciĂŞncia tranqĂźila de que Deus, a quem procuramos servir durante nossa vida, jamais nos desampararĂĄ.

entender Sua vontade e segui-la. AbraĂŁo compartilhava continuamente com Deus as alegrias e GLÂżFXOGDGHV Basta ler a histĂłria de sua vida para ver como isso ĂŠ verdade. NĂŁo pensemos que AbraĂŁo foi um privilegiado que diariamente tinha uma visĂŁo onde Deus lhe aparecia e falava diretamente com ele.

3) Abraão ANDOU COM DEUS toda a sua vida. AtravÊs dos anos, ele desenvolveu um relacionaPHQWRSHVVRDOHVLJQL¿FDWLYRFRP Pelo que lemos na Bíblia, as visþes Deus. Deus fazia parte integrante que Abraão teve foram poucas e da sua vida. muito espaçadas entre si, as vezes Diariamente Abraão orava, fala- SRUDQRVD¿R$EUDmRDSUHQGHXD va com Deus, procurava ouvir e andar com Deus pela fÊ.

4XDQGR ÂżFRX YHOKR Mi KDYLD DQGDGRRVXÂżFLHQWHFRP'HXVSDUD saber que o Senhor estava ali, ao seu lado. Que conforto extraordinĂĄrio nos momentos de solidĂŁo!

velhos. Passaremos pelo mesmo

O Salmo 71 Ê a oração de um velho, pedindo a Deus que o socorresse e auxiliasse nos dias de sua velhice. Não sabemos quem a escreveu, provavelmente foi o rei Davi.

com Ele durante a sua vida toda

Nela, o autor revela profundo conhecimento de Deus e certeza de que Ele haverĂĄ de atender a seu pedido. Um dia todos seremos

vale de lĂĄgrimas que muitos passam nesse momento. 4XHPFRQÂżRXHP'HXVHDQGRX poderĂĄ ter uma ditosa velhice, frutĂ­fera e cheia de sentido. Comecemos hoje! Ĺž Augustus Nicodemus Lopes: Bacharel em teologia, Mestrado em Novo Testamento, Professor, Doutor em HermenĂŞutica, Autor de diversos livros e comentĂĄrios ao Novo Testamento-Brasil


10

7

Há tanto sofrimento neste mundo. Muitos vivem na miséria e na pobreza. A falência da noite para o dia fez milhares de pessoas perderem o emprego, a moradia, e muitos nem têm o que comer; e a cada dia lares estão sendo destruídos. Crianças são abandonadas, jovens estão seguindo o caminho da criminalidade, das drogas, da prostituição e da imoralidade. E não são poucos os que estão sofrendo nas prisões, e nos leitos de um hospital. 0XLWRV ¿FDP LQGDJDQGR H argumentando, procurando encontrar a razão para tanto sofrimento no mundo, e muitos colocam a culpa em alguém, nisto ou naquilo, mas quase ninguém assume a culpa. Há poucos dias quando me encontrava no Brasil, e me preparava para participar pelo telefone com os irmãos da Igreja da Fé da nossa oração matinal, as quartas-feiras às 5 da manhã, recebi uma revelação de DEUS que quero tam-

EVANGELISMO

Marcos Nascimento A Escolha Certa!

bém compartilhar com você: No Evangelho de Lucas 10:3842, onde as Escrituras Sagradas nos revelam sobre a história de quando JESUS entrou na casa de duas mulheres Marta e Maria. E assim, como muitos têm feito a cada dia, elas receberam a JESUS. Porém, Marta andava distraída e preocupada com muito serviços, enquanto Maria quedava aos pés do SENHOR, para ouvir - e ainda por cima, Marta chamou a atenção de JESUS, por estar impedindo Maria de ajudá-la. Mas o SENHOR a repreendeu e disse: Marta, Marta, estás ansiosa e preocupada com muitas coisas, mas uma só é necessária. Maria fez a escolha certa. Observe que JESUS está dizendo que Marta havia feito a ESCOLHA ERRADA. Continua na página 11


EVANGELISMO Continuação da pågina 10 Então o Espírito Santo me fez olhar para Gênesis 2:15-17 e 3:17, onde encontramos que desde Adão e Eva, nós temos que tomar decisþes em nossas vidas. Todos nós teremos que fazer ESCOLHAS, e ainda que Adão e (YDIRUDPLQÀXHQFLDGRVSRUVDWDnås, coube a cada um deles fazer DHVFROKD(¿]HUDPDESCOLHA ERRADA. E esta Ê a razão do sofrimento na vida de cada uma de nós, conseqßências das ESCOLHAS ERRADASTXH¿]HPRV Peço-lhe, com carinho, para prestar bastante atenção em tudo isto. Pois infelizmente, mesmo as pessoas, assim como eu e você, que quem sabe, receberam a JESUS como Salvador, e têm comunhão com DEUS como tinham Adão e Eva, antes da desobediência, e tambÊm Marta, podemos sofrer amargamente em conseqßência das ESCOLHAS ERRADAS que ¿]HUPRV Você jå ouviu falar na história de Sansão? O Poder de DEUS estava sobre a vida dele e fazia dele o homem mais forte da face terra,

Era um Juiz para o povo de Israel, e foi usado para defender e liberWDU R SRYR GD RSUHVVmR GRV ¿OLVteus. O livro de Juízes 16 nos revela que ele escolheu se relacionar com prostitutas e se afeiçoou a uma mulher chamada Dalila. E por causa desta ESCOLHA ERRADA, ele perdeu a sua força! O SENHOR se retirou dele, enWmR RV ¿OLVWHXV R pegaram, arrancaram-lhe os olhos e o puseram a girar um moinho no cårcere, sendo humilhado por todos. Assim tambÊm, tslvez a razão deste sofrimento, quem sabe na sua vida, na sua família, na vida GRVHX¿OKRRX¿OKDVHMDSRUFDXsa das ESCOLHAS ERRADAS. E foi isto mesmo que tambÊm sucedeu com Davi, o homem segundo o coração de DEUS como nos revela II Samuel 11 e 12. Observe que ele escolheu cobiçar, e viver em adultÊrio com a mulher de Urias, o seu melhor soldado.E depois, ainda por cima, mandou matå-lo. E esta foi a razão de tanto sofri-

7 11

mento para vida dele, no seu reinado e para toda sua famĂ­lia.

guntarmos primeiro para DEUS antes de agir. Mas precisamos 6HX¿OKR$PQRPHVWXSUDHDEXVD obedecer a VOZ de DEUS. sexualmente da meia irmã Tamar; O SENHOR falou para Adão e Absalão mata Amnom e se torna Eva, para Caim, para Abrão, para inimigo do próprio pai e depois Ê Davi, para seu povo, para Marta e morto. fala para cada um de nós, e nos Você pode ver que mesmo as mostra como fazermos a ESCOpessoas de DEUS podem LHA CERTA. Mas a decisão vai cair no grande erro de depender de cada um de nós. fazer ESCOLHAS ERRADAS. Serå que isto não tem acontecido na sua vida? Em Gênesis 13, as Escrituras nos revelam que uma contenda entre os empregados de Abrão e de Ló trouxe separação entre eles, E infelizmente Ló ESCOLHEU ir para um lugar que parecia muito bonito e muito bom. Ele foi para Sodoma e Gomorra, que posteriormente foi totalmente destruída e sua mulher virou uma eståtua de sal. Quanto sofrimento pra ele e para VXDV ¿OKDV 0DV '(86 PRVWUD pra Abrão tudo o que ELE tinha escolhido para ele. Olha, assim como Maria irmã de Marta, nós tambÊm podemos fazer a ESCOLHA CERTA, se per-

Uma certa ocasiĂŁo, as Escrituras Sagradas nos revelam, em GĂŞnesis 24, que um empregado de FRQÂżDQoD GH $EUDmR IRL GHVLJnado para escolher a esposa de Isaque. Uma missĂŁo muito difĂ­cil, para a prĂłpria pessoa que quer se casar, quanto mais para um estranho. Mas, ele fez o que cada um de nĂłs devemos fazer - pediu em ORAĂ‡ĂƒO para DEUS ESCOLHER, e antes que ele acabasse de orar, apareceu Rebeca, uma moça formosa, escolhida pelo SENHOR. VocĂŞ quer fazer a ESCOLHA CERTA? EntĂŁo, antes de tomar qualquer decisĂŁo: Fale primeiro com DEUS! Ĺž

Marcos Roberto Do Nascimento: Pastor da Igreja da FĂŠ em Yonkers New York, Escritor, Autor do Livro: Deus Quer Falar Com VocĂŞ, USA


12

7

DIRETÓRIO PASTORAL


DIRETÓRIO PASTORAL & CLASSIFICADOS

7 13


14

7

VALENTINE'S DAY & CLASSIFICADOS quem defenda a tradição romana, cada uma em vårias versþes, mas independente da origem, a data Ê sinônimo de amor.

MRYHPFHJD$VWHULXVÂżOKDGRFDUcereiro a qual conseguiu a permissĂŁo do pai para visitar Valentim.

Durante o governo do imperador Claudius II, este proibiu a realização de casamentos em seu reino, com o objetivo de formar um grande e poderoso exÊrcito.

Os dois apaixonaram-se e Asterius, milagrosamente, recuperou a visĂŁo.

Claudius acreditava que se os jovens não tivessem família, alistar-se-iam com maior facilidade. No entanto, Valentim, sacerdote cristão contemporâneo do imperador Clåudio II, revoltado com a imposição do imperador, continuou a celebrar casamentos em segredo. O Valentine’s Day Ê a data especial comemorada em vårias partes do mundo para celebrar o amor e a união das pessoas que se amam. No Brasil o Dia dos Namorados Ê comemorado em 12 de Junho, vÊspera do dia dedicado a Santo Antônio, mas em

outros países a comemoração ocorre em 14 de fevereiro, no dia de Dia de São Valentim. As comemoraçþes do dia de São Valentim, como Dia dos Namorados, têm vårias explicaçþes que vão desde tradição cristã, e hå

Valentim chegou a escrever uma carta de amor para a jovem com a seguinte assinatura: “De seu Valentineâ€?, expressĂŁo que atĂŠ hoje ainda ĂŠ utilizada. Valentim foi decapitado em 14 de Fevereiro de 270 d.C. A tradicional troca de cartĂľes, cartas e bilhetes apaixonados no dia 14 de Fevereiro teve origem na altura da prĂłpria lenda de SĂŁo Valentim, no entanto, nĂŁo hĂĄ qualquer fato que comprove esta lenda.

A pråtica foi descoberta e Valentim foi preso e condenado à morte. Enquanto estava preso, PXLWRV MRYHQV MRJDYDP ÀRUHV H PorÊm, Ê certo que, no sÊculo bilhetes dizendo que os jovens XV, Charles, o jovem duque de ainda acreditavam no amor. Orleães, teria sido o primeiro a Entre as pessoas que jogaram utilizar cartþes de São Valentim. mensagens ao bispo estava uma

Continua na pĂĄgina 15


VALENTINE'S DAY Continuação da pågina 14 Isto porque, enquanto esteve aprisionado na Tower of London, após a batalha de Agincourt em 1645, teria enviado, por volta do dia de São Valentim, vårios poemas e bilhetes de amor à sua mulher que se encontrava em França. Durante o sÊculo XVII sabe-se que era costume os enamorados escreverem poemas originais, ou não, em pequenos cartþes que enviavam às pessoas por quem estavam apaixonados. Mas, foi a partir de 1840, na Inglaterra vitoriana, que as mensagens de São Valentim passaram a ser uniformizadas. Os cartþes passaram a VHU HQIHLWDGRV FRP ¿WDV GH WHFLdo e papel especial e continham escritos que ainda hoje nos são familiares, como Ê o caso de "Would You Be My Valentine".

7 15

ximadamente um bilhão de cartþes com mensagens românticas, são enviados a cada ano, tornando esse dia um dos mais lucrativos do ano — perdendo apenas para o Natal e o Dia das Mães.

de fevereiro, quando as mulheres dĂŁo presentes e chocolates para amigos, namorados e parentes.

durante o ano sĂŁo “valentinesâ€?, nome dado aos cartĂľes de SĂŁo Valentim.

O segundo Ê 14 de março, quando os homens retribuem a elas os presentes recebidos.

Nem todos os paĂ­ses comemoram o dia dos namorados como fazemos, assim alguns paĂ­ses tĂŞm suas prĂłprias formas de celebrar o SĂŁo Valentim.

No dia 7 de julho, hĂĄ tambĂŠm outra festa - o Tanabata - que celebra o encontro de duas estrelas, que simbolizam o encontro dos apaixonados.

Na China, o sĂŠtimo dia do sĂŠtimo mĂŞs do calendĂĄrio lunar chinĂŞs ĂŠ o Qi iao Jie, "A noite dos sete", que ĂŠ equivalente ao Dia do Amor.

Os Estados Unidos representam talvez, o expoente mĂĄximo da vertente comercial do dia de SĂŁo Valentim. Nos meses que antecedem esta data, as lojas abasteFHPVHGHFDUW}HVJLIWVĂ€RUHVH chocolates para que os enamorados possam mimarem-se uns aos outros, no dia 14 de Fevereiro.

No Brasil, a data Ê comemorada no dia 12 de junho, às vÊsperas do dia 13 de junho — Dia de Santo Antônio — Santo português com tradição de santo casamenteiro, provavelmente devido suas pregaçþes a respeito da importância da união familiar que era combatida pela heresia da Êpoca chamada Catarismo.

Na Dinamarca, a tradição diz que GHYHP VHU HQYLDGDV ÀRUHV SUHQsadas umas às outras, chamadas ÀRFRVGHQHYH Em Itålia, as pequenas comunidades fazem um grande banquete neste dia.

Na Inglaterra, era costume as crianças andarem a cantar de Com o tempo, o dia 14 de Feveporta em porta vestidas de adulUHLUR ¿FRX PDUFDGR FRPR D GDWD tos. Ainda na ilha britânica, no de troca de mensagens amoroPaís de Gales, os apaixonados sas entre namorados, sobretudo trocavam presentes como colhena Inglaterra e na França e, mais res de pau com coraçþes gravatarde, nos Estados Unidos. dos, e chaves e fechaduras simAcredita-se que a pråtica de re- bolizando que um tinha a chave cados manuscritos — iniciada no para o coração do outro. sÊculo XIX — deu lugar à troca de No Japão, o amor Ê comemoracartþes de felicitação produzidos do em dois dias. O primeiro Ê 14 em massa e, estima-se que apro-

A proximidade das datas Ê apenas coincidência, pois tudo começou em 1949, em São Paulo, quando o publicitårio João Dório trouxe a ideia do exterior como uma possível alternativa para melhorar as vendas de junho — que na Êpoca era o mês mais fraPara os norte-americanos, a co para o comÊrcio. Com o apoio grande tradição Ê o envio de car- da Confederação do ComÊrcio de tþes às pessoas que amam, se- São Paulo, Dória instituiu a data jam namorados, amigos, vizinhos com o slogan "Não Ê só de beijos e colegas de trabalho. que se prova o amor". Para feliEm meados do sÊc. XIX, Esther cidade geral dos comerciantes a A. Howland, foi a pioneira desta moda pegou e desde então, o dia SURGXomRPDVVL¿FDGDGHFDUW}HV 12 de junho, tornou-se O Dia dos de São Valentim, seguindo a tra- Namorados no Brasil. dição vinda de Inglaterra para as O amor Ê um dos sentimentos colônias americanas, permitindo mais belos que podemos ter. Que que hoje seja essa a forma prefe- tal aproveitar esta data para exrida de manifestar o amor no Dia pressar esse sentimento? Ş dos Namorados. Cerca de 25% de todos os cartþes enviados Jornal O Mensageiro7


16

FONOAUDIOLOGIA

7

Gersonita Leguizamon Malafaia Fonoaudiologia

COPIANDO O MODELO I – FONOAUDIOLOGIA E PREVENÇÃO

CUIDANDO DA VOZ DESDE CRIANÇA Existem padrões sistemáticos de aprendizagem, que estão disponíveis para que a qualquer hora, mesmo de formas diferentes possamos aprender.

A forma principal e mais rápida de se aprender é através da imitação. As crianças aprendem copiando, não só a letra do professor, mas, principalmente, as atitudes dos adultos que a rodeiam.

7XGR TXH ID]HPRV p ¿OPDGR SHlos nossos pequenos vigias, que estão sempre atentos. Quais são as imagens que eles têm gravado de nos como pais, tios, etc?

6HX ¿OPLQKR JUDYRX SHVVRDV GH FDUiWHU ¿UPH H LUUHSUHHQVtYHO RX aquelas do tipo, “faça o que eu falo, mas não faça o que eu faço”? Continua na página 17


FONOAUDIOLOGIA Continuação da pågina 16 Eu sei que as crianças aprendem o certo, mas todos concordam que elas preferem absorver as informaçþes e posturas negativas.

desconhecendo o que seria uma voz normal, por falta de modelo adequado deixando que essa postura errada faça parte dela.

Quero admitir que as vezes ĂŠ ineYLWiYHO GDUPRV QRVVDV EURQFDV mas ĂŠ preciso diferenciar grito de voz de autoridade.

/HPEURPH GH PHX ÂżOKR DRV  anos, quando me falou que estava com dĂł de um amiguinho que estava doente. Naquela semana PHX ÂżOKR FRPHoRX D IDODU FRP voz rouca e chequei vendo que estava tudo bem.

O grito vai para o agudo e causa XPD SHUWXUEDomR QR PXQGR VRnoro que incomoda todo mundo, SULQFLSDOPHQWH DTXHOHV TXH QmR WrPQDGDKDYHUFRPDTXHVWmR

7 17 e a qualidade, que devem estar DGHTXDGRV SDUD D FRPXQLFDomR e apropriados para a pessoa em particular.

$IDOKDHVWDUiDRVHXVDUXPWRP muito agudo ou muito grave, muiPor que ĂŠ que as pessoas passam tanta vergonha quando seu to forte ou muito suave, aspirado ÂżOKRIDODXPSDODYUmR" ou nasal. Sem contar com a rouÉ porque existe uma grande pos-i D YR] GH DXWRULGDGH p ÂżUPH TXLGmRTXHMiIRUDPHQFLRQDGD sibilidade de que ela esteja rePDVQmRpHVFDQGDORVDHRVHP- Saiba que existe algum problema produzindo o que vive e ouve em Comentei com a professora que blante nos ajuda a comunicar. Soquando o que se diz chama mecasa. E atĂŠ explicar que focinho me falou que o amiguinho estava mos mais compassados e decidiGHSRUFRQmRpWRPDGDMiSDVVD- muito rouco, requerendo a aten- dos em cada sĂ­laba, mas no grito, QRVDWHQomRGRTXHDVRQRULGDGH mos vergonha. omR GHOD H QmR SHUFHEHX QDGD escolhemos um trecho e boca no do que se diz, afetando o tom, o volume ou a qualidade da voz. Quando os pais falam alto, con- HP PHX ÂżOKR &RPR QXP HVWDOR trombone: versam gritando entre si, ou se percebi que ele estava agindo )222225$GDTXLLL-iDYR]GH Com base nessas informaçþes sĂł se discute e se grita ao invĂŠs daquela forma, pois viu que seu autoridade seria mais ou menos QmRGHL[HGHVHUXPPRGHORDGHde conversar, a criança observa e DPLJRHUDRFHQWURGDDWHQomRGH XP )25$ '$48, 6HP FRQWDU quado para quem te cerca, mas, tem aquele modelo como um pa- todos e quis usar essa arma para TXHVRPRVHGXFDGRVHQmRSROXL- SRUIDYRUQmRVyQDYR]PDVQRV GRUHVGRPXQGRVRQRURQmRp" GUmRSRLVOKHIDOWDDLQGDRSRGHU VHXEHQHÂżFLR valores de vida. Conversei com ele explicando de julgamento que vai aparecer 0XLWDVYH]HVUHFHELSHVVRDVTXH que quem fala rouco estraga a SUHFLVDYDP GH DMXGD SURÂżVVLRQDO E caso perceba que as coisas ao longo de sua infância. maquininha da voz que Deus HTXDQGRTXHVWLRQDGDVKiTXDQ- QmR YmR FRPR GHYHULDP SURFXUH Em primeira instância, ela vai ĂŠ colocou na nossa garganta para to tempo sua voz estava assim, XP SURÂżVVRQDO H QmR VH HVTXHcopiar. Pensa que ĂŠ assim que se falarmos, cantarmos e conversar- eu ouvia: ça de que Deus conta com a tua faz. mos com Jesus e que se formos (MiTXHRDVVXQWRp)RQRDXGLR- ERQV jV SHVVRDV WDPEpP YmR “Sempre foi assim, sempre tive voz. Ĺž logia, saiba que a laringe de seu JRVWDUGHQyVHQRVGDUDWHQomR voz rouca, desde criançaâ€?. Gersonita LeguizamĂłn Silva ÂżOKRHVWiHPIRUPDomRHSRGHVH ePXLWRLPSRUWDQWHYRFrQmRSHUMalafaia: Escritora, Logo ele abandonou aquele paGHVYLDUGRSDGUmRQRUPDOGHYLGR GUmR0DVVHYRFrIDODFRPXPD der o referencial do que ĂŠ certo e Professora, Especialista em D SUREOHPDV QmR VXSRUWDQGR R voz rouca por puro charme, ou VDXGiYHO GHYLGR DR FRVWXPH GD voz ( fala e lĂ­nguagem), abuso vocal. Liderança e Aconselhamento JULWDMDPDLVYDLSHUFHEHUVHHVWi vida. Ao falar com esforço a criança WXGR EHP FRP D YR] GH VHXV Âż- Saiba que a voz normal se julga na Comunidade evangĂŠlica. de acordo com o tom, o volume USA pode desenvolver uma disfonia, lhos.


18

MULHER

7

(QWmR VHP WHPSR SDUD UHFRQVL- ¿P ³9RFr WHP XPD SHUVRQDOLGDGHUDo}HV±]DS±HXQDVFLHDTXL GH~QLFD9RFrHVWiEHP´ estou. ³2TXHVLJQL¿FDLVVR"´PLQKDYR] Uma vez eu perguntei ao meu ir- FUHVFHX³2TXHYRFrHVWiGL]HQ,PDJLQHLXPDQMRJUDQGHFRPLP- PmRVHHOHPHDFKDYDERQLWDHOH GRpTXHVRXXPDJRUGDTXHDJH SRQHQWHVDVDVPHGL]HQGR³YRFr PH ROKRX SRU WUiV GD SDUWLWXUD H FRPRXPDLGLRWD"´ LUi VH WRUQDU XPD PXOKHU 0XLWR GLVVHSDUDHXVDLU³'DUQHOOpVp- ³1mRIRLLVVRRTXHHXGLVVH´IDEHPRTXHYRFrJRVWDULDGHWHU" ULR´ ORXFDOPDPHQWHHYROWRXDWRFDU 3HUQDV ERQLWDV" )DPD" 'LQKHL- (QWmR FRPHFHL D FKRUDPLQJDU ³1mR p LVVR R TXH YRFr GLVVH" UR" ³(XVRXERQLWD"´$~QLFDIRUPDGH eH[DWDPHQWHLVVRRTXHYRFrGLV,QRFHQWHPHQWH UHVSRQGL D HOH PHWLUDUGDOLHUDPHUHVSRQGHQGR VH´DtHXFXVSLQHOH³9RFrGLVVH ³VH IRU SRVVtYHO VHQKRU HX TXH- HOHWRPRXI{OHJRROKRXQRVPHXV que nenhum homem vai me queULD WHU« XPD SHUVRQDOLGDGH SH- ROKRVHFRPHoRXDWRFDU UHUSRUTXHHXVRXIHLDHHVW~SLGD Quando eu era uma menininha, SHQVDYD TXH D JHQWH ¿FDYD HP XPD ¿OD QR FpX SDUD UHTXHUHU D nossa vida.

FXOLDU´

³6HX URVWR HVWi EHP´ GLVVH HQ-

(XTXHURYHUYRFrMXUDUHQWmR´

Bem, esta foi minha vida. Eu semSUHOXWHLFRQWUDFRPSOH[RVGHIHL~UD H LQDGHTXDomR 0LQKDV DPLJDVWLQKDPERDDSDUrQFLDWLQKDP EHODVSHUQDVHGHQWHVERQLWRV (ODVPHFRQYLGDYDPSDUDDJHQte se reunir. Eu me reunia era na EDQGHMDGHIUXWDGH1DWDO (ODVVHWRUQDUDPUDLQKDVGHIHVWD H OtGHUHV GH WRUFLGD HQTXDQWR HX PH DIXQGDYD FDGD YH] PDLV VRQKDQGRVHUPRGHORHVSHUDQGR DFRUGDUERQLWD Continua na página 19


MULHER

7 19 colate. Eu corri para casa e entrei QR TXDUWR PH GHVSL H ÂżTXHL DOL nua na frente do espelho.

Continuação da pågina 18 AtÊ que um dia conheci Jesus. Uma amiga tinha me convidado para ir à igreja.

Depois do choque inicial, eu examinei meu corpo por cada ângulo que se possa imaginar, procurando encontrar minha melhor parte.

Enquanto eu cantava em coral com outras pessoas, fui tomada por um sentimento de culpa e indignidade. Como esse Deus sobre quem eu estava cantando podia amar uma gorda feia como eu?

³6HHXFRQVHJXLUDFHQWXDURTXH tenho de melhor, serei chamada para sair a todo tempo�, pensei FRPLJR &RQWXGR ¿QDOPHQWH PH vesti, prestando um favor à humanidade.

Mas durante o culto descobri que Deus verdadeiramente me amava – exatamente como eu sou. Naquele dia aceitei o amor e o sacrifĂ­cio de Deus por mim. Por vĂĄrias vezes tive a certeza de que Ele me amava mais do que eu podia imaginar e que eu era bonita do modo que mais importava – por dentro. Mas meus sentimentos negativos nĂŁo desapareceram imediatamente. Ă€s vezes, eles surgiam intensamente, mas eu lutava para expulsĂĄ-los, encontrava com as minhas amigas Diana e Leona para almoçar, por exemplo. Eu tinha trinta e poucos anos, tendo minhas primeiras experiĂŞncias sexuais, solteira, e doente. Aquele nĂŁo foi um bom dia. NĂłs almoçamos num restaurante local e o tema da conversa logo mudou para homem. “E entĂŁo, como o Eugenio estĂĄ?â€?, perguntou a Diana. Leona gesticulou a mĂŁo. “Oh, por favor, nĂŁoâ€?, ela respondeu. “VocĂŞ nĂŁo tem mais visto ele?â€?, perguntei.

Por vĂĄrias vezes tive a certeza de que Deus me amava mais do que eu podia imaginar e que eu era bonita do modo que mais importava - por dentro. Mas meus sentimentos negativos nĂŁo desapareceram imediatamente. “Por favor , responda a perguntaâ€?, pensei comigo. Estava segurando minha respiração. Meu pensamento pendia entre a resposta da Leona e o bife no prato. Ela demorou muito. Peguei e coloquei seu prato no outro lado da mesa. “Conta tudo!â€?, falei. Leona se irritou como se eu estivesse querendo machucar seus sentimentos, atĂŠ que ela virou seus olhos.

“Oh�, dissemos Diana e eu juntas.

Ela nunca teve aquele olhar antes. Era feio. Meu olhar exalava inveja. Isso expĂ´s meu desespero e meu anseio, sentimentos que toda mulher cristĂŁ necessita para crescer.

“NĂŁo, mesmo.â€?, enfatizou Leona, e começou a listar os homens que ela conheceu recentemente.

Eu jĂĄ estava cansada de ser uma pessoa de hĂĄbitos estranhos. Eu queria um homem.

“O que eu queria saber ĂŠ quando e onde vocĂŞ conheceu esses caras?â€?, perguntou Diane.

“Onde estĂŁo os homens? Como arranjar um?â€?, cochichei.

“Garota, isso foi hĂĄ duas semanasâ€?, ela respondeu. “E nĂŁo estĂĄvamos apaixonados, estĂĄvamos sĂł nos conhecendoâ€?.

Leona olhou seriamente, como se não estivesse gostando daquilo ali. Eu jå estava na borda da minha cadeira, pronta para fazer algumas anotaçþes. Na primeira oportunidade, eu corri pro banheiro e anotei tudo em um papel de banheiro. Ela pegou um pedaço do seu sanduíche e o comeu com concentração.

“VocĂŞs sabem como sĂŁo essas coisasâ€?, continuou Leona. “Hoje em dia vocĂŞ nĂŁo pode sair andando por aĂ­ que um homem pĂĄra pra falar com vocĂŞâ€?. “NĂŁo, Leonaâ€?, disse, “eu nĂŁo sei como sĂŁo essas coisasâ€?. “Ah, vocĂŞs sabem simâ€?, ela insistiu. Eu reparei em Leona. Ela estava toda bonita da cabeça aos pĂŠs. 6HXV PRYLPHQWRV HUDP VXDYHV e naturais, sua voz macia e sutil. 6HXFDEHORHVWDYDWRGRQROXJDU e suas roupas caiam muito bem. Eu tentei lembrar a Ăşltima vez que fui ao salĂŁo e pensei no sutiĂŁ velho que eu estava usando, preso FRPXPDOÂżQHWH$FKHLPXLWRLQDdequado. “Os homens te chamam pra sair toda vez que anda na rua?â€? perguntei a Diane, enquanto voltĂĄvamos pra casa.

Leona lambeu os beiços, mas me PDQWLYH ÂżUPH 6HP LQIRUPDomR “NĂŁoâ€?. sem sanduĂ­che. “Nem a mim. VocĂŞ acha que eu Eu venci. deveria mudar de rua?â€? “VocĂŞs sabem como isso ĂŠâ€?, ela Minha amiga me olhou com atendisse, “vocĂŞ sai para a rua e um ção. Aquele olhar me lembrou homem te convida para sairâ€?. muito meu irmĂŁo. “Humâ€?, respondi. Obviamente, eu morava no bairro errado. Olhei para Diane. Ela lembrou que estava de boca cheia e fechou.

Ao nos despedirmos, tive uma idĂŠia. Isso me surgiu do nada, como uma vontade de comer cho-

Com a auto-estima abalada, curvei minha cabeça e estava pronta para me jogar na cama em desespero, quando vi minha bĂ­blia perto do travesseiro. Eu abri no Salmo 139, “por modo assombrosamente maravilhoso me formasteâ€?, versĂ­culo 14. “Eu sei Deus, mas‌â€?, comecei a protestar. Depois, as palavras de 1 Samuel 16 me vieram Ă  mente, “O homem vĂŞ o exterior, porĂŠm o SENHOR, o coraçãoâ€?. Fiquei pensativa por alguns momentos, depois, hesitante. Levantei e tornei a me reparar no espelho. Âł%HP 6HQKRU´ HX GLVVH ROKDQGR para o meu nem tĂŁo perfeito corpo, aquela ampla imagem, “a tua palavra diz que eu sou especial, entĂŁo devo ser mesmoâ€?. Fiz uma pequena oração de agradecimento e fui fazer a melhor coisa que poderia fazer naquele momento. Fui fazer compras. Leona estĂĄ casada agora. Ela diz que estava simplesmente andando na rua. “VocĂŞs sabem como ĂŠ o centro da cidade, vocĂŞ passa por uma loja e os rapazes saem, eles te chamam para sair; te chamam para casar. EntĂŁo, um dia‌â€? Eu andei por aquela rua centenas de vezes e nenhum dono de loja ou balconista me perguntou alguma coisa, nem mesmo que horas eram. Foi difĂ­cil, mas acostumei o meu ser a encarar a realidade. Eles deviam estar ocupados com clientes quando eu passava por lĂĄ. Com certeza, eles nunca tinham lido 1 Samuel antes. Perguntei ao meu irmĂŁo recentemente. “Darnell, eu sou bonita?â€? Ele sorriu. “VocĂŞ ĂŠ uma pĂŠrola preciosa, uma linda e adorĂĄvel mulherâ€?, ele disse. VocĂŞ nĂŁo tem ideia do quanto nĂłs melhoramos nesses anos. Ĺž


20

CRÔNICA

7

Dona Morte entrou pela porta da minha casa e se instalou confortavelmente em algum dos meus sofĂĄs. “Essa senhora sinistraâ€? começou com o meu jardim.

Yvelise de Oliveira

A Morte entrou pela porta e sentou na minha sala

A casa foi feita para o jardim. Toda FHUFDGD GH Ă€RUHV coloridas, as singelas “Marias sem vergonhaâ€? abraçavam tudo como em um buquĂŞ.

Enquanto o dia ia ÂżQGDQGR H R VRO tornava o cĂŠu rosa em tons de pĂşrpura HOLOiVPHXÂżOKRIRL aterrizar seu aviĂŁo, pequeno, leve como um brinquedo mortal. O vento, sim, o vento que ele tanto amava virou o aviĂŁo. CaĂ­ram na lagoa e morreram os dois na mesma hora.

Mas as plantas foram morrendo sem motivo e o jardim WRGR ÀRULGR IRL ¿cando sem vida e sem cor‌

Tantos planos, tantos sonhos, tanta juventude assim cortada, desperdiçada.

do porque minha sogra viveu 91 anos, jovial e saudĂĄvel.

Nesse ano que passou, nós a (Q¿PSODQWHLWXGRGHQRYRPDV vencemos quando meu marido o jardim nunca mais foi o mesmo. teve um câncer e pensei que iria Minhas orquídeas morreram aos perdê-lo. montes no orquidårio branco que Mas a mesma fÊ que o curou ¿]SDUDFXLGiODV$PRSODQWDV completamente não conseguiu tiIndo mais fundo, Dona Morte ma- rar o medo que veio morar dentro de mim. tou minha gata Sara. A porta foi esquecida aberta e ela pulou para a casa da vizinha – morreu na hora. Os cachorros quebraram seu frågil pescocinho.

Eram muito diferentes, mas tinham em comum a camaradagem. Nesse dia claro e cheio de sol, Dona Morte resolveu dar um golpe fatal.

Por dentro da casa e pelo lado de fora junto dos muros, o FRORULGRGDVÀRUHV na rua, aconchegava a frondosa amendoeira em um abraço carinhoso em frente à casa.

Se foi o sol, o calor, muita ĂĄgua, o jardineiro mesmo nĂŁo sabia dizer‌ Mas lutei. Comprei terra adubada e centenas de mudas de “Maria sem vergonhaâ€?, lilases, grama inglesa.

zes. O SÊrgio, meu genro, com sua måquina super Nikon pendendo do pescoço. Alto, magro e sorridente como seu cunhado.

/RJRHXWmRVHJXUDWmRFRQÂżDQte, tĂŁo cheia de planos, passei a temer o confronto com ela: a “Sinistra Senhoraâ€?.

0RUWR PHX ¿OKR os bombeiros o ti%HQRQLPHX¿OKRWLQKDDJRUDXP raram da lagoa, o novo hobby: voar de ultraleve, um coloquei no meu colo. Pareceu avião monomotor. dormir. Tão lindo. Todos jå tinham voado com ele: meus netos, sua esposa, meu marido e as centenas de amigos que ele, com seu jeito de menino grande e coração doce, conquistava. Nesse såbado, ele me convidou animado:

Vamos, mĂŁe. Vamos voar, ĂŠ lindo. A gente se sente um pĂĄssaro – emocionava a forma como ele descrevia o vĂ´o, uma aventura Lamentei por dias sua morte e Depois passei a desconsiderĂĄ-la: Ăşnica, um prazer indescritĂ­vel. Ver chorei sentida a sua falta. “NĂŁo. JĂĄ perdi gente demais, um o Rio assim, de cima, sua cidade Mas a gente nĂŁo sabe o futuro e ÂżOKR SHTXHQR  PLQKD PmH PHX que ele tanto amava. esperei sempre que tudo fosse pai, minha amiga querida. Vou enjoar, respondi, acabei de melhorar. Perdas que fazem parte da vida almoçar. Vou amanhĂŁ, eu promeSem doença, sem nada, a mĂŁe quando se ĂŠ jovem.â€? to. do meu marido, D. Margarida, Mas Dona Morte se instalou. MiMeu genro, um jovem homem morreu. Uma morte serena. nha casa grande, branca e bela amĂĄvel e tranquilo, nada dado a Dormiu e nĂŁo acordou. Sua jorna- tornou-se sua morada predileta. aventuras perigosas disse: da tinha acabado. Em um sĂĄbado de cĂŠu azul e o Eu vou. Vou fotografar todo o Rio, Foi uma tristeza grande. O conso- sol brilhando, um dia tipicamente o Cristo. O dia estĂĄ claro como ORÂżFRXDSHQDVQDVXDYLGDGHFRP carioca, a famĂ­lia se reuniu para cristal. Meu genro era um grande que Dona Morte agiu. almoçar. fotĂłgrafo, tinha uma visĂŁo artĂ­stiAssim a gente começa a respi- Na mesa, sorriso e comida farta, ca peculiar de luz e sombra. rar mais aliviado, o consolo vin- muito papo jogado fora. Assim os dois saĂ­ram rindo feli-

Um garrote me apertou a alma. Uma dor assim não se limita, não se escreve, não se consegue sabotar. Perplexa, vi que era verdade‌ 0HX¿OKRDPDGRPHX¿OKRPRUWR em meus braços eu embalei. A dor Ê muito particular, íntima e, para mim, incuråvel. Não vou superar, jå estou velha, cansada. Vou apenas suportar enquanto der, lutando para preservar a minha fÊ, manter o meu coração em Cristo, desejando que Deus permita que meu tempo aqui na Terra não seja tão longo. Como não pude te dizer, meu Deus: Ainda não, ainda não. E rogar: Por favor, não o deixe ir agora. Não me lance nessa noite tenebrosa. Ş Yvelise De Oliveira, hå 25 anos tem sido uma das forças motrizes que tornaram a MK Music e a Rådio 93FM. Mãe da cantora Marina de Oliveira, esposa de Aroldo de Oliveira,escritora de vårias Crônicas, presidente do Grupo MK de Comunicação. Brasil


MATÉRIA “Nada ĂŠ tĂŁo seguro como a morte, e nada ĂŠ tĂŁo inseguro como a hora da morteâ€?, disse o famoso Agostinho.

7 21

Dr. Russel Shedd A Morte

Ainda que nĂŁo tenhamos muito prazer em contemplar essa hora desconhecida, todos nĂłs devemos aproveitar o ensejo de meditar sobre nossa partida.

debilitada em santo e indizĂ­vel triunfo, gritou; “O melhor de tudo ĂŠ que Deus estĂĄ conoscoâ€? (Imortalidade, p. 253). John Bunyan, autor do Peregrino, declarou, “Ainda nos encontraremos para sempre, para cantar a nova canção e estarmos felizes eternamente num mundo VHP ÂżP 7RPHPH pois estou indo para Tiâ€? (Imortalidade, p. 256).

Para muitos a hora da morte inspira temores acima de qualquer confronto com poderes invisĂ­veis, ou a experiĂŞncia de entrar na presença de um rei ou imperador. Diante da morte, passam pela cabeça, como relâmpago, os deslizes e tropeços da vida, os erros e pecados nĂŁo confessados ou perdoados. Invade a mente, antes de a chama apagar, um pressentimento de assombro, de juĂ­zo e de pavor. Âł7XGRpHVFXURHLQFHUWR´DÂżUPRX o historiador e escritor Edward Gibbon. Francis Spira, advogado italiano de renome, foi persuadido a aceitar as doutrinas da Reforma. Pregou o Evangelho com convicção e poder no estilo de Savanarola, de maneira que houve possibilidade de a ItĂĄlia aderir ao movimento evangĂŠlico que sacudia e transformava o norte da Europa. Mas o poder da Igreja foi tal que os representantes do papa o prenderam e o ameaçaram de morte, a nĂŁo ser que se retratasse. O papel na sua frente demandava apenas uma assinatura para ele ser livre, enquanto o EspĂ­rito Santo lutava em sua alma dizendo: “NĂŁo assine!â€? 3RUpP 6SLUD DÂż[RX VXD DVVLQDtura naquela folha. Salvou a vida terrena por poucos anos, mas perdeu sua alma. Na hora da morte disse: “Meu pecado ĂŠ maior do que a misericĂłrdia de Deus. Eu neguei a Cristo, voluntariamente. Sinto que Ele nĂŁo me reserva nenhuma esperançaâ€? (Imortalidade, p. 252). Uma das verdades mais importantes na BĂ­blia ĂŠ o modo que a vida neste mundo impacta a vida no mundo vindouro. A parĂĄbola

CONCLUSĂƒO

Uma das verdades mais importantes na BĂ­blia ĂŠ o modo que a vida neste mundo impacta a vida no mundo vindouro. A parĂĄbola dos talentos transmite uma mensagem inegĂĄvel. dos talentos transmite uma mensagem inegĂĄvel. Os privilĂŠgios que ganhamos agora serĂŁo cobrados no encontro com Deus. O servo que recebeu cinco talentos ganhou mais cinco. Na volta do seu senhor, ele ouviu palavras dĂłceis:

se seria de Deus ou de si mesmo, ou coisas criadas, mortas ou vivas... Aquele que indaga essas realidades com real cuidado, seguramente, saberå à qual ele pertence; não serå apenas uma suposição� (A diary of readings, Editora J. Baillie).

Ainda que seja impossĂ­vel descrever como sentiremos nesses Ăşltimos instantes em que nosso cĂŠrebro pararĂĄ de funcionar, acredito que seria vĂĄlido escutar as vozes dos que surgem das sombras da morte. A morte de um ateu, como o conhecido francĂŞs Voltaire, tem uma mensagem sombria para nĂłs reĂ€HWLUPRV DQWHV GR PRPHQWR GH partir. “Foi abandonado por Deus e pelos homensâ€?, e entĂŁo disse: “Doutor, dar-te-ei metade do que possuo se me deres mais seis meses de vidaâ€?. O mĂŠdico respondeu: “Senhor, nĂŁo podes viver nem seis semanasâ€?. Voltaire respondeu: “EntĂŁo vou para o infernoâ€?, e logo depois expirou. O temor ĂŠ o princĂ­pio da sabeGRULD 8PD UHĂ€H[mR VDGLD VREUH como serĂĄ a Ăşltima hora de sua vida na terra poderĂĄ ser um sĂĄbio exercĂ­cio de inteligĂŞncia preventiva.

3DUD RV TXH ÂżHOPHQWH DQGDUDP Graças Ă  bondade de Deus, os nos passos do seu Deus, a morte que se entregam a Ele pela fĂŠ, reÂł0XLWR EHP VHUYR ERP H ÂżHO perdeu seu terror. cebendo sua oferta de perdĂŁo em 9RFrIRLÂżHOQRSRXFRHXRSRUHLVREUHRPXLWRYHQKDHSDUWL- Paulo chegou a questionar o que Cristo, morrem com esperança e FLSHGDDOHJULDGRVHXVHQKRU´ ĂŠ que preferiria – sobreviver ou paz. Ĺž morrer. Disse: 0DWHXVÂą19,  )RQWH Observou Johann Tauler (1300– Âł(VWRX SUHVVLRQDGR GRV GRLV ZZZUHYLVWDHQIRTXHFRPEU 1361): “Tudo o que negligencia- ODGRVGHVHMRSDUWLUHHVWDUFRP 5XVVHOO36KHGG3K'HP1RYR mos aqui serĂĄ perdido para toda &ULVWR R TXH p PXLWR PHOKRU´ 7HVWDPHQWRIXQGRXD(GLo}HV a eternidade... Por isso, todo ho- )LOLSHQVHVÂą19,  9LGD1RYDKiPDLVGHDQRVH mem deve freqĂźentemente son- John Wesley, incansĂĄvel prega- DWXDOPHQWHpFRQVXOWRUGD6KHGG dar seu prĂłprio coração e procu- dor do sĂŠculo 18 e fundador da 3XEOLFDo}HVePLVVLRQiULRGD rar diligentemente atĂŠ descobrir denominação Metodista, ergueu 0LVVmR%DWLVWD&RQVHUYDGRUDQR a quem ele pertence, o que ele seus braços enfraquecidos num 6XOGR%UDVLOeDXWRUGHYiULRV OLYURV mais ama e em que mais pensa, gesto de vitĂłria, e elevando a voz


22

MENSAGEM

7

II Sm 12:1 a 7: “O Senhor enviou NatĂŁ a Davi. Entrando ele a ter com Davi, disse-lhe: - Havia numa cidade dois homens, um rico e outro pobre.

Ubirajara Chagas

Quando alguĂŠm acha que jĂĄ pode tudo

O rico tinha ovelhas e gado em grande número, mas o pobre não tinha coisa nenhuma, senão uma pequena cordeira que comprara e criara, e que em sua casa crescera, junto com seus filhos. Do seu bocado comia do seu copo bebia, e dormia em seu regaço. Ele a WLQKDFRPR¿OKD Chegando um viajante ao homem rico, não quis este tomar das suas ovelhas e do gado para dar de comer ao viajante que viera a ele. Em vez disso, tomou a cordeira do pobre, e a preparou para o homem que lhe havia chegado. Então o furor de Davi se acendeu sobremaneira contra aquele homem, e disse a Natã: -Tão certo como vive o Senhor, digno de morte Ê o homem que fez isso. Pela cordeira restituirå o quådruplo, porque fez tal coisa, e não se compadeceu. Então disse Natã a Davi: -Tu Ês esse homem.� O texto acima nos relata o juízo de Deus para com o rei Davi após ter pecado. Aquele que havia defendido suas ovelhas do leão e do urso. O valente e corajoso que vencera Golias por blasfemar de seu Deus quando era ainda um rapazinho. Preocupava-se com o seu povo e importava-se com os mais oprimidos.

nhor me guarde de que eu faça tal coisa ao meu senhor, ao ungido do Senhor, que eu estenda a minha mão contra ele; pois Ê ungido do Senhor� – I Sm 24:6. Mas... foi numa tarde... quando... DR OHYDQWDU GH VHX OHLWR R UHL 'DYLDRSDVVHDUHPVHXWHUUDoR UHDODYLVWRX%DWH6HEDDIRUPRVD HVSRVD GH 8ULDV (OH SDURX olhou. Continuou olhando e apreciando. 'HSRLV PDQGRX TXH D LQYHVWLJDVVHP(HQWmRDFKDPRX (QTXDQWR LVVR DFRQWHFLD VHXV VROGDGRV LQFOXLQGR 8ULDV HVWDYDP JXHUUHDQGR HP $PRP H 5DEiGHVWUXLQGRVLWLDQGRHYHQcendo em nome do Senhor e do rei. Davi que era um homem tão esSHFLDO DJLX FRP D IULH]D GH XP mundano qualquer. Possuiu a mulher de Urias e depois mandou TXHHVWHIRVVHJXHUUHDUQXPSRQWR HVWUDWpJLFR GH IRUPD TXH QmR voltaria vivo da batalha.

LVVR GLPLQXLULD D VXD FXOSD HVconderia seu pecado e passaria impune.

4XDQGRDOJXpPDFKDTXHMiSRGH WXGRSDVVDDGHVFRQKHFHUVXSHriores. O seu desejo de possuir e vencer ĂŠ que o domina. AlĂŠm de ofender DRVTXHOKHDPDP DSHVVRDFRQVHJXH prejudicar a si mesmo. Comete quase sempre o erro de ajuntar-se com SHVVRDVTXHDJRUD querem desfrutar das conquistas e a desprezar as que lhe foram leais e que lhe ajudaram a FKHJDUDRVXFHVVR 1R FDVR GH 'DYL houve deslealdaGH PHQWLUD RPLVVmRHQJDQRDGXO W p U L R   P R U W H  D W p FKHJDUDRSRQWRGD SXQLomR GLYLQD LQFOXLQGR JUDQGH YHUJRQKD SURYRFDGD SRUVHXVSUySULRVÂżOKRVHWF

Assim como Davi enfrentou a GoOLDVTXHHUDXPOXWDGRUJLJDQWHH Urias era um homem temente QmR WHPHQGR R YHQFHX SRLV OXD 'HXV ÂżHO DR UHL 'DYL H FRPWDUD HP QRPH GR 6HQKRU DVVLP panheiros de seus soldados. tambĂŠm NatĂŁ nĂŁo temeu a Davi 4XDQGR IRL PRUWR QD EDWDOKD RV TXH HUD R UHL PDV VDELDPHQWH PHQVDJHLURV ÂżFDUDP WULVWHV H HQWUHJRXDUHSUHHQVmRGR6HQKRU preocupados em como dariam a TXHVHHQFDUUHJRXGHID]HUFXPnotĂ­cia a Davi. prir a Sua palavra. 1R HQWDQWR YHMD TXDO IRL D VXD $PERV HUDP XQJLGRV FRQVDJUDUHVSRVWD “NĂŁo te pareça isto dos e separados por Deus. Deus mal aos teus olhos; a espada FRUULJLX D 'DYL SRUTXH R DPDYD tanto devora este como aquele. muito. AlĂŠm do mais ele havia Redobra (...agora...) o ataque escandalizado o Seu santo Nome contra a cidade, e derrota-aâ€? II perante todo o Israel. Sam 11:25. Davi era um ser humano sujeito 'HXV WDPEpP DPDYD D 8ULDV H as mesmas paixĂľes que os de- da mesma forma que aquele foi PDLV PDV R GLItFLO HP DFHLWDU D HQYHUJRQKDGR HP YLGD  'DYL IRL sua falta ĂŠ em saber que ele era exposto perante todo o Israel. FRQVLGHUDGRRKRPHPVHJXQGRR coração de Deus e de ter feito isto apĂłs conquistar muitas vitĂłrias em nome do Senhor.

Isto tambĂŠm me faz meditar sobre duas coisas.

3ULPHLUR GH FRPR Ki SHVVRDV TXH QLQJXpP Gi QDGD SRU HODV Isto me faz meditar sobre como PDVSRUDPRUDXPGHVWHV'HXV RVXFHVVRQDFDUUHLUDGHDOJXpP pode tornar a honra em desonra pode vir atrapalhar a sua comu- e para que todos saibam e vejam. Tinha tantos sĂşditos Ă s suas or- )H] LVVR SRLV DR HQJUDYLGDU D nhĂŁo com Deus e trazer dissaboGHQV&KHÂżDYDVROGDGRVJXHUUHL- %DWH6HEDWURX[H8ULDVGRFDP- res para o resto da vida e atĂŠ para 6HJXQGRTXHD3DODYUDGH'HXV QmR VRPHQWH GHYH VHU SUHJDros. Por que Davi se portou da- po de batalha na esperança que DVJHUDo}HVIXWXUDV GD PDV DSOLFDGD FRP HPSHQKR quela maneira? VHGHLWDVVHFRPVXDHVSRVDPDV Mesmo quando o sucesso ĂŠ dado como fez NatĂŁ ao repreendĂŞ-lo. $ÂżQDO HOH VHPSUH IRUD WmR OHDO este se recusou em solidariedade SRU'HXVRKRPHPSRGHWRPDUD Quantas oportunidades ele teve aos seus companheiros que esta- JOyULDTXHGHYHULDVHUGDGDD(OH 6HQGR DVVLP QmR p ERP XVDUPRVGHHVWUDWpJLDVVLPSOHVPHQWH GHDQLTXLODUD6DXOHVWHMiUHMHL- YDPJXHUUHDQGR SDUDVLHDFKDUTXHMiSRGHWXGR humanas para se cuidar do povo WDGRSRU'HXVHQmRRIH] (QWmR'DYLRWUDWRXFRPDOJXPDV ,QIHOL]PHQWHLVVRpPXLWRFRPXP de Deus. Por causa do temor que havia em ‘honrarias’ enquanto arquitetava H HVWi GLUHWDPHQWH UHODFLRQDGR Continua na pĂĄgina 23 VHXFRUDomRDQWHVGL]LD“O Se- seu plano. Talvez pensasse que com o exercĂ­cio do poder.


MENSAGEM & IMIGRAĂ‡ĂƒO Continuação da pĂĄgina 22 NĂŁo tentemos dar jeitinhos, tapar brechas, negociar ou jogar a sujeira debaixo do tapete. Cuidado! Deus estĂĄ nos vendo. Usemos o caminho certo. A Palavra de Deus aliada Ă  oração ĂŠ Ăşnico caminho de direção divina. NĂŁo descansemos enquanto nĂŁo tivermos de Deus a resposta. \ NĂŁo ouçamos de ninguĂŠm aquilo que sĂł Deus pode nos responder e, nĂŁo compactuemos com o erro de ninguĂŠm. Embora tudo tivesse sido arquitetado por Davi, este procurava agir com naturalidade como se fossem casualidades. Ele deixou que seu desejo o vencesse. Ele lançou Urias Ă  sorte propositalmente, e se esqueceu

que estava sendo observado bem de pertinho por Deus. Veja qual foi a sentença de Deus a Davi atravÊs do profeta Natã:

JUDQGHV SUREOHPDV FRP VHXV Âżlhos, principalmente com AbsalĂŁo.

Posteriormente, o Senhor lhes “Eu (o Senhor) suscitarei da SHUPLWLXRXWURÂżOKRFKDPDGR6Dtua prĂłpria casa o mal sobre lomĂŁo, o qual veio a ser abençoWL7XRÂż]HVWHHPRFXOWRPDV ado por Deus e que tambĂŠm foi eu farei este negĂłcio perante rei, mas que tambĂŠm teve sĂŠrios todo o Israel e Ă  plena luz do problemas com seus irmĂŁos. diaâ€? II Sm 12:12. AtravĂŠs deste relato bĂ­blico aprenOculto para os olhos dos ho- demos que devemos renunciar mens, ĂŠ claro, pois quem pode ao egocentrismo e as paixĂľes porque trazem inimizade contra esconder-se de Deus? Deus (Tm 2:11,12) e com o prĂłComo foi triste a vergonha e as ximo e que nĂŁo devemos usar humilhaçþes que Davi sofreu. a nossa liberdade como tropeço Ele se arrependeu. Chorou muito, orou e jejuou, mas, Deus nĂŁo (I Cor 8:9). SHUPLWLXYLYHURVHXSULPHLURÂżOKR No Salmo 139: 1 ao 5, o prĂłprio salmista Davi relata a onisciĂŞncia com Bate-Seba. Ele “pagou um alto preçoâ€? por e onipotĂŞncia de Deus: achar que jĂĄ podia tudo e nĂŁo ter renunciado ao seu ego. Davi teve

“SENHOR, tu me sondaste, e me conheces. Tu sabes o meu

7 23 assentar e o meu levantar; de longe entendes o meu pensamento. Cercas o meu andar, e o meu deitar; e conheces todos os meus caminhos. NĂŁo havendo ainda palavra alguma na minha lĂ­ngua, eis que logo, Ăł SENHOR, tudo conheces. Tu me cercaste por detrĂĄs e por diante, e puseste sobre mim a tua mĂŁo. Tal ciĂŞncia ĂŠ para mim maravilhosĂ­ssima; tĂŁo alta que nĂŁo a posso atingir". Assim, ĂŠ bom que nunca nos esqueçamos: Estamos sendo observados, nĂŁo sĂł pelas pessoas que nos cercam, mas “bem de pertinhoâ€? pelo prĂłprio Deus. Ĺž Pastor – Escritor – Conselheiro Matrimonial - ConferĂŞncista Internacional – Brasil

ADVOGADO MOISES APSAN OFERECE PALESTRAS SOBRE LEIS DE IMIGRAĂ‡ĂƒO Caro Pastor,

Dr.Moises Apsan, Advogado, imigrou do Brasil em 1955. Foi o Presidente da Ordem Federal dos Advogados, em New Jersey (de 1997-2002). É graduado pela New York Law School , com um grau de Juris Doctor, com honras, e foi membro da Junta Editorial da New York Law School. Ele escreve para jornais, e tem um Programa Semanal de Televisão sobre Imigração, todas as terças-feiras às 8:30 horas da noite na Televisão SPT (Portuguesa) em Newark. Ele escreve e edita web sites sobre questþes legais. Tem autorização para praticar sua advogacia em todas as Cortes Federais e Estaduais de New York e New Jersey, na Terceira Vara da Corte de Apelaçþes dos Estados Unidos e na Diretoria de Apelaçþes de Imigração. Ele fala Português e Espanhol.

Tenho o prazer de anunciar que mudei meu escritĂłrio central de Manhattan para Astoria, em Nova York. Este movimento foi por praticidade, uma vez que quase 60% dos meus clientes residem em Queens e no total deste grupo 85% sĂŁo brasileiros. Nos Ăşltimos 30 anos tenho auxiliado muitos pastores a obterem seu status legal, de Visto especial de imigrante para trabalha-

dores religiosos das leis de imigração, bem como auxiliado milhares de membros da igreja nos EUA na obtenção de residência legal. As leis de imigração são complicadas e em constante mudança. Atualmente estamos em um período único, onde o Congresso pode aprovar uma reforma abrangente da imigração. A comunidade imigrante estå confusa sobre as mudanças propostas e o

que fazer para se preparar. AlÊm disso, estou sempre preocupado que pessoas inocentes possam ser vítimas de gente sem escrúpulos, sem licença, como Notårio Público ou consultores de imigração. Por estas razþes, proponho uma palestra gratuita para os membros da sua ,JUHMD GXUDQWH R ¿P GH semana, de preferência após o culto. Atenciosamente, MoisÊs Apsan

A PALESTRA VAI DISCUTIR: 1. O atual estado das leis de imigração 2. As recentes mudanças que estão ajudando a comunidade 3. As atuais propostas no Senado e da Câmara dos Deputados. 4. O que fazer para estar pronto para a nova lei. A palestra Ê seguida de um forum de perguntas abertas e respostas. 6HYRFrDFUHGLWDTXHVXDLJUHMDYDLVHEHQH¿FLDUFRPXPDSDOHVWUDSRUIDYRUHQWUHHPFRQWDWRFRPD minha assistente:

Cristina Natividade (212) 346-9068 32-07 30th Avenue, Astoria, NY 11102


24

7

ONDE ESTIVER UM BRASILEIRO, ALI ESTARÁ O MENSAGEIRO!


Edição 272