Page 1

ANO 14 / Número 258 / 2a edição de Dezembro de 2012 / New York - USA


2

ONDE ESTIVER UM BRASILEIRO, ALI ESTARĂ O MENSAGEIRO!

Editorial: O QUE DEUS PENSA SOBRE O NATAL?

Jeremias Silva

Olå nobre leitor. Quero te apresentar esta matÊria como editorial. Vale à pena ler e observar. Autoridades históricas demonstram que, durante os primeiros três sÊculos da nossa era, os cristãos não celebraram o Natal. Esta festa só começou a ser introduzida após o início da formação daquele sistema que hoje Ê conhecido como Igreja Romana (isto Ê, no sÊculo 4o). Somente no sÊculo 5o foi R¿FLDOPHQWHRUGHQDGRTXHR1DWDOIRVse observado para sempre, como festa cristã, no mesmo dia da secular festividade romana em honra ao nascimento do deus Sol, jå que não se conhecia a data exata do nascimento de Cristo.

O que Ê a celebração do Natal? Serå que Jesus tem alguma coisa a ver com o Natal, ou o Natal tem haver com Jesus ? Onde estå Cristo no Natal? A EnciclopÊdia Católica diz: "A festa do Natal não estava incluída entre as primeiras festividades da Igreja... os primeiros indícios dela são provenientes do Egito... os costumes pagãos relacionados com o princípio do ano se concentravam na festa do Natal". Orígenes, um dos chamados pais da Igreja disse: "... não vemos nas Escrituras ninguÊm que haja celebrado uma festa ou celebrado um grande banquete no dia do seu natalício. Somente os pecadores (como Faraó e Herodes) celebraram com grande regozijo o dia em que nasceram neste mundo".

A atual data de 25 de dezembro aceita como a data do nascimento de Jesus, IRL¿[DGDHPG&(VWDGDWDIRL¿xada para cristianizar grandes festas pagãs realizadas neste dia: a festa "mitraica" (religião persa que rivalizava com o cristianismo nos primeiros sÊculos), que celebrava o "natalis invicti Solis" ("nascimento do vitorioso Sol") e vårias outras festividades decorrentes do solstício do inverno, como os "saturnålia" em Roma e os "cultos solares" entre os celtas e os germânicos. O Natal Ê uma das principais tradiçþes do sistema corrupto chamado Babilônia, fundado por Nimrode, neto GH&DP¿OKRGH1Rp2QRPH1LPURGHVHGHULYDGD SDODYUD PDUDG TXH VLJQL¿FD UHEHODU 1LPURGH IRL SRGHURVR FDoDGRU &2175$ 'HXV *Q   3DUD combater a ordem de espalhar-se: - criou a instituição de ajuntamentos (cidades); Continua na pågina 4

Expediente: Autor & Editor: Helio Dos Santos Filho Design Gråfico: Carlos Fernandes Colunistas: Aloisio Campanha Andre Gonçalves Fernandes Antonio Lazarino Neto Augusto Nicodemos Lopes Dora Helena Garcia Edison Terci (OHQ\9DVVmRGH3DXOD$LWNHQ Eli Fernandes de Oliveira Elizabete Bifano Estevam Fernandes de Oliveira Gersonita Malafaia Gilsom Bifano Guilhermino Cunha Hernandes Dias Lopes Israel Belo de Azevedo Ivonildo Teixeira Jandir Silva Jeremias Silva JosÊ Francisco Veloso -XDQ3DEOR/HJXL]DPRQ Kleber de Oliveira LÊcio Dornas Luiz Carlos Lima

CONTATOS COM NOSSA REDAĂ‡ĂƒO: Cartas ao Editor Helio dos Santos Filho 38-05 Broadway, Suite 200-B Astoria- New York, 11103 Tel: (347) 239.6700 / (347) 985.9251

website: www.omensageiro7.com e-mail: omensageiro7@aol.com ‹E\6DQWRV3URGXFWLRQ$OO5LJKWV5HVHUYHG

Sites que colaboram Artigos Cepal Atletas de Cristo Chamada da Meia Noite Click FamĂ­lia Gospel Prime Gotas de Encorajamento

conosco: ManĂĄ da Segunda MinistĂŠrio Oikos 0LQLVWpULR3DUD5HĂ€HWLU Portal Da FamĂ­lia Portas Abertas

Os artigos, mensagens e estudos publicados neste Jornal, por cada autor, nĂŁo UHĂ€HWHPDLGpLDGDGLUHomRGHVWH-RUQDO &DGDHVFULWRUpUHVSRQViYHOSRUVHXVDVVXQWRVHLGpLDV$VVLPVHQGRFDGDDXWRU D  HVWijGLVSRVLomRSDUDUHVSRQGHUDVG~YLGDVGRDPLJROHLWRU

20HQVDJHLURQHZVSDSHULVDELZHHNO\SXEOLFDWLRQLQ3RUWXJXHVH Reproduction in whole or in part without permission is strictly SURKLELWHG7KH3XEOLVKHUPDNHVHYHU\HIIRUWWRHQVXUHWKHDFFXUDF\ RIWKHLQIRUPDWLRQJLYHQLQWKHHGLWRULDODQGDGYHUWLVLQJSDJHVRI2 0HQVDJHLUR QHZVSDSHU EXW DFFHSWV QR UHVSRQVLELOLW\ IRU HUURV RU RPLVVLRQV IRU FODLPV PDGH LQ DQ\ VHFWLRQ RI WKLV QHZVSDSHU 3ULQWHGLQWKH8QLWHG6WDWHVRI$PHULFD 2 -RUPDO 2 0HQVDJHLUR p XPD SXEOLFDomR TXLQ]HQDO HP 3RUWXJXrV 5HSURGXomRSDUFLDORXWRWDOGRFRQWH[WRGDSXEOLFDomRVHPDGHYLGD SHUPLVVmRpH[SUHVVDPHQWHSURLELGD2-RUQDO20HQVDJHLURQmR VHUHVSRQVDELOL]DSRULQVHUomRGHIRWRVORJRVVORJDQVHUURVRX RPLVV}HVSRUSDUWHGRVDQXQFLDQWHVRXLQIRUPDo}HVIRUQHFLGDVSRU WHUFHLURVHGLWDGDVHPTXDOTXHUSDUWHGHVWDSXEOLFDomR,PSUHVVR QRV(VWDGRV8QLGRVGD$PpULFDGR1RUWH

Marcos Roberto Nascimento NĂŠlio da Silva 1HXVD(WLRNLD 3DXOR'RV6DQWRV1HWR 3DXOR5REHUWR%DUERVD Renato Rubin 5HXHO3HUHLUD)HLWRVD RR Soares Soeli De Oliveira Theodomiro JosĂŠ de Freitas


ONDE ESTIVER UM BRASILEIRO, ALI ESTARÁ O MENSAGEIRO!

3


4

ONDE ESTIVER UM BRASILEIRO, ALI ESTARร O MENSAGEIRO!

Continuaรงรฃo da pรกgina 2 - construiu a torre de Babel (a Babilรดnia original) como um quรกdruSORGHVDยฟRD'HXV DMXQWDPHQWR WRFDUDRVFpXVIDPDHWHUQDDGRraรงรฃo aos astros);  IXQGRX 1tQLYH H PXLWDV RXWUDV cidades; - organizou o primeiro reino deste mundo. A Babilรดnia รฉ um sistema orgaQL]DGR GH LPSpULRV H JRYHUQRV KXPDQRVGHH[SORUDo}HVHFRQ{PLFDVHGHWRGRVRVPDWL]HVGH idolatria e ocultismo. 1LPURGH HUD WmR SHUYHUWLGR TXH VHJXQGR RV HVFULWRV DQWLJRV FDVRXVH FRP VXD SUySULD PmH FXMRQRPHHUD6HPLUDPLV'HSRLV GH SUHPDWXUDPHQWH PRUWR VXD PmHHVSRVD SURSDJRX D SHUYHUsa doutrina da reencarnaรงรฃo de 1LPURGHHPVHXยฟOKR7DPX](OD GHFODURX TXH HP FDGD DQLYHUViULR GH VHX QDWDO QDVFLPHQWR  1LPURGH GHVHMDULD SUHVHQWHV HP XPDiUYRUH$GDWDGHVHXQDVFLmento era 25 de dezembro. Aqui HVWiDYHUGDGHLUDRULJHPGDiUYRUHGH1DWDO 6HPLUDPLV VH FRQYHUWHX QD UDLQKD GR FpX H 1LPURGH VRE GL-

YHUVRVQRPHVVHWRUQRXRGLYLQR ยฟOKR GR FpX 'HSRLV GH YiULDV JHUDo}HV GHVWD DGRUDomR LGyODWUD 1LPURGH WDPEpP VH WRUQRX XPIDOVRPHVVLDVยฟOKRGH%DDOR GHXVVRO1HVWHIDOVRVLVWHPDEDELO{QLFRDPmHHRยฟOKR 6HPLUDPLVH1LPURGHHQFDUQDGRHPVHX ยฟOKR7DPX]  VH FRQYHUWHUDP QRV SULQFLSDLV REMHWRV GH DGRUDomR (VWD YHQHUDomR GH D 0DGRQD H 6HX )LOKR R SDU PmH LQร€XHQ-

WH  ยฟOKR SRGHURVR H REHGLHQWH j PmH  VH HVWHQGHX SRU WRGR R PXQGR FRP YDULDomR GH QRPHV VHJXQGRRVSDtVHVHOtQJXDV3RU VXUSUHHQGHQWHPHQWHTXHSDUHoD HQFRQWUDPRV R HTXLYDOHQWH GD 0DGRQD GD 0DULRODWULD PXLWR antes do nascimento de Jesus Cristo! 1RVVpFXORVo e 5o os pagรฃos do PXQGRURPDQRVHFRQYHUWHUDP

HP PDVVD DR FULVWLDQLVPR OHYDQGRFRQVLJRVXDVDQWLJDVFUHQoDVHFRVWXPHVSDJmRVGLVVLPXODQGRRVVREQRPHVFULVWmRV)RL quando se popularizou tambรฉm D LGpLD GH D 0DGRQD H 6HX )LOKRHVSHFLDOPHQWHQDpSRFDGR 1DWDO2VFDUW}HVGH1DWDODVGHFRUDo}HVHDVFHQDVGRSUHVpSLR UHร€HWHPHVWHPHVPRWHPD Continua na pรกgina 5


ONDE ESTIVER UM BRASILEIRO, ALI ESTARà O MENSAGEIRO! Continuação da pågina 4

coraçþes dos milhares e milhares que se entregam a Ele em todos os dias do ano.

A verdadeira origem do Natal estå na antiga Babilônia. Estå envolvida na apostasia organizada que tem mantido o mundo no engano desde hå muitos sÊculos! No EgiWRVHPSUHVHFUHXTXHR¿OKRGH �sis (nome egípcio da "rainha do cÊu") nasceu em 25 de dezembro. Os pagãos em todo o mundo conhecido jå celebravam esta data sÊculos antes do nascimento de Cristo. As noites eram mais longas e frias, pelo que, em todos esses ritos, se ofereciam sacrifícios propiciatórios e se suplicava pelo retorno da luz. $ 3DODYUD GH 'HXV LGHQWL¿FD -Hsus Cristo com a verdadeira luz do mundo. Só Ele tem poder para salvar e Libertar. Existe outra estória da à rvore de Natal de origem germânica, datando do tempo de São Bonifåcio que viveu no VI SÊculo. Foi adotada para substituir os sacrifícios que eram feitos ao "Carvalho Sagrado de Odin" (uma årvore) quando adorava-se uma årvore, em homenagem ao Deus-menino.

5

A årvore, no entanto teve sua origem em uma festa pagã, contudo Bonifåcio derrubou a årvore objeto da adoração e houve conversþes. A årvore de Natal foi introduzida na festividade do nasFLPHQWR GH -HVXV SHOD WUDGLomR católica. Para nós a à rvore de Natal jamais SRGHUi VXEVWLWXLU -HVXV QXQFD foi, e não Ê objeto de culto, nem de adoração. Este carvalho sagrado de Odin, tambÊm conhecido como o carvalho sagrado de Tor, foi cortado por Bonifåcio (missionårio cristão), na cidade Germânica de Geismar na tentativa de acabar com este culto pagão.

e com ela construiu uma capela.

Os pagãos que cultuavam ao carvalho, acreditavam que "Tor" um deus em quem eles criam, destruiria o missionårio atrevido; porÊm, não foi isso que se viu, mas um vento forte começou a soprar e derrubou a årvore, e muitos destes adoradores do carvalho, se converteram ao cristianismo. Bonifåcio aproveitou então a madeira

Lucas 2:8: "Ora, havia no mesmo paĂ­s pastores que vivem nos campos e guardavam o seu rebanho durante a noite."

A BĂ­blia nĂŁo menciona nada sobre o Natal, muito menos sobre ĂĄrvore de Natal, e papai Noel. E nĂŁo apresenta nenhuma referĂŞncia dos apĂłstolos comemorando o Natal.

2~QLFRGLJQRGHDGRUDomRp-Hsus. Uma årvore cheia de luzes com uma estrela na ponta, nada mais Ê senão um objeto de decoração. POR QUE OS MAGOS LEVARAM PRESENTES PARA JESUS CRISTO?

Seria porque era o dia de seu nascimento? Não! De maneira nenhuma! Porque eles chegaram muitas semanas ou meses dePara o povo de Deus não importa pois do seu nascimento (Mt 2:16). R GLD TXH -HVXV QDVFHX 3RUTXH Ao contrårio do que mostram os Ele estå vivo em nosso coração. SUHVpSLRV-HVXVMiHVWDYDQXPD Na verdade Ele renasce todos os casa, não numa estrebaria. Continua na pågina 6 dias em nossos coraçþes e nos


6

ONDE ESTIVER UM BRASILEIRO, ALI ESTARÁ O MENSAGEIRO!

Continuação da página 5

Nas festividades de Natal deveriam ser realizados grandes eventos de evangelização pelo mundo DIRUD 3RUTXH D¿QDO GH FRQWDV R aniversariante é o Único Salvador do ser humano. Nosso desejo é que todos os povos pudessem reconhecer que Jesus Nasceu e por isso devemos render-lhe louvores e ação de Graças. Esteja alegre, não porque vai ganhar presentes no natal, mas porque Jesus nos salvou e o nosso nome está escrito no livro da vida.

Então, os magos deram presentes uns aos outros para deixarnos exemplo a ser imitado? Não! Eles não trocaram nenhum presente com seus amigos e familiares, nem entre si, mas sim presentearam unicamente a JESUS CRISTO, o Filho de Deus. Por quê? O mencionado comentário bíblico de Adan Clarke, vol. 5, pg.46, diz: "Versículo 11 ("ofereceram-lhe presentes"). No Oriente não se costuma entrar na presença de reis ou pessoas importantes com as mãos vazias. Este costume ocorre com frequência no Velho Testamento e ainda persiste no Oriente e em alJXPDVLOKDVGR3DFt¿FR6XO Os magos não estavam instituindo um novo costume cristão de troca-troca de presentes para honrar o nascimento de Jesus Cristo! Procederam de acordo com um antigo costume Oriental que consistia em levar presentes ao rei ao apresentarem-se a ele. Eles foram pessoalmente à presença do Rei dos Reis e Rei dos Judeus. Portanto, levaram presentes, da mesma maneira que a rainha de Sabá levou a Salomão,

e assim como levam aqueles que hoje visitam um chefe de estado. O costume de trocas de presentes de Natal nada tem a ver com o nascimento de Jesus Cristo, o Filho de Deus, é apenas a continuação de um costume pagão. Para o povo de Deus, Natal é muito mais que isso. Não é troca de presentes, árvores decoradas e coloridas, papai noel, etc...

vos nasceu na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor" (Lucas 2:10-11). É mais uma prova que Deus é soberano, nos céus e na terra. Natal é a evidencia que o Salvador chegou e bate a porta do nosso coração dizendo: "Eis que estou à porta e bato..."

A alegria da chegada de Jesus é o que deve invadir o nosso coração 1DWDO VLJQL¿FD TXH DV SURIHFLDV de Alegria. A alegria não deve essobre o Messias, foram cumpri- tar no presente, nem na comida, das. "...eis aqui vos trago boa nem na bebida, mas centrada no nova de grande alegria que o presente de Deus aos homens: será para todo o povo: é que hoje JESUS CRISTO.

Se você não tem esta certeza, ainda há tempo de apresentar sua vida ao Senhor Jesus, e dizer-lhe: "Senhor perdoa os meus pecados, e escreve o meu nome no livro da vida". Então você vai experimentar a verdadeira alegria. Que é a Alegria da Salvação, que somente o Salvador Jesus Cristo pode conceder. Não podemos viver sem esta alegria. Aqueles que não conhecem Jesus buscam objetos de adoração, e estão ausentes desta alegria que nos envolve. ž Excelente, não? Feliz Natal e um Ano 2013 repleto de bênçãos. Helio Dos Santos Filho Editor


EVANGELISMO A cada ano, quando se aproxima do mĂŞs de dezembro, tudo muda ao nosso redor;

UM MENINO NOS NASCEU! UM FILHO SE NOS DEU; O PRINCIPADO ESTĂ SOBRE OS SEUS OMBROS.

$V UXDV DV FDVDV ÂżFDP LOXPLnadas e enfeitadas, como que DQXQFLDQGRTXHDOJRHVSHFLDOYDL acontecer.

(HVWH0(1,12pR6(1+25-(686 TXH YHLR SDUD VDOYDU D KXmanidade.

$VORMDVVHRUQDPHQWDP de todas as maneiras e procuram oferecer uma YDULHGDGH GH SURGXWRV TXH LQFHQWLYDP D SRSXODomR D GHVHMDU SUHVHQWHDU DOJXpP VHMD R F{QMXJH R SDL D PmH RV ¿OKRV RV DPLJRV R YL]LQKR R SDWUmR HQ¿P WRGRVQyVVRPRVHQYROYLGRV QHVWH SURFHVVR PDUDYLOKRVRGHVWHFOLPD de festa. É NATAL! Apesar de PXLWRV DLQGD QmR FRPSUHHQGHUHPHQmRDFUHGLWDUHP QR YHUGDGHLUR VHQWLGR GHVWD GDWD WmR VXEOLPH WRGRV QyV SRGHPRV YHU TXH D 0HQVDJHP GH '(86 UHYHODGD QDV (VFULWXUDV 6DJUDGDV em Isaías 9: 1-7, de uma forma VLPSOHVHVLQJHODHVWiVHQGRQRYDPHQWHHQWUHJXHjKXPDQLGDGH

7

6DEHPRV TXH H[LVWH SHOR PXQGR DIRUD D FDGD DQR 2 1$7$/ 6(0 -(686 &KHLR GH JOXWRQDULDV H EHEHGHLUDVHTXHQRÂżQDODFDED HP LQWULJDV H GLVVROXo}HV 8P1$7$/VHPRDQLYHUsariante, sem o menino -(686 3RLV R YHUGDdeiro NATAL acontece TXDQGR -(686 QDVFH GHQWUR GH XP FRUDomR QXPODUQXPDIDPtOLD 6HUi TXH R YHUGDGHLUR 1$7$/ Mi DFRQWHFHX QD VXDYLGD"

Apesar de muitos ainda nĂŁo compreenderem e nĂŁo acreditarem no verdadeiro sentido desta data tĂŁo sublime, todos nĂłs podemos ver que a Mensagem de DEUS revelada nas Escrituras Sagradas

9RFrMiREVHUYRXTXHWXGRPXGD QHVWD pSRFD GH IHVWLYLGDGH" ,VWR TXHU GL]HU TXH TXDQGR -(686 FKHJD QXPD YLGD WXGR PXGD WXGRVHID]1292 Continua na pĂĄgina 8


8

EVANGELISMO

Continuação da pågina 7

alguÊm? Quem sabe dando uma B�BLIA, UM CD OU DVD, OU UM LIVRO EVANGÉLICO; Ou atÊ mesmo UM SIMPLES FOLHETO DA PALAVRA DE DEUS.

Você não estå precisando desta mudança? Saiba que esta promessa Divina pode se cumprir agora mesmo na sua vida, no seu lar, na sua família.

VocĂŞ gostaria de dar JESUS de presente para alguĂŠm? JĂĄ imaginou como tudo pode mudar, se o SENHOR JESUS entrar nesta famĂ­lia, ou na vida desta pessoa que tanto vocĂŞ ama e quer bem?

Olha! Nós podemos declarar olhando para os relatos bíblicos no Evangelho de Lucas 1:4656 que o primeiro Natal aconteceu na vida de Maria, a mãe de JESUS, pois ela mesma fez MINHA esta declaração: ALMA ENGRANDECE AO SENHOR ( que estå sendo gerado dentro do meu ventre) E O MEU ESP�RITO SE ALEGRA EM DEUS, MEU SALVADOR! E assim tambÊm tem sucedido na vida de cada pessoa que aceita e permite o nascimento de JESUS em seu coração. E alÊm de aceitå-lo como SALVADOR, permite que ELE seja SENHOR da sua vida.

Infelizmente, ainda hoje existem muitos reis Herodes por aí, que querem matar, e impedir JESUS de nascer. Mas Graças a DEUS que esta meditação chegou atÊ você, e atravÊs de cada um de nós poderå chegar atÊ aqueles ONDE JESUS PRECISA NASCER! E O VERDADEIRO NATAL $&217(&(5 FRQ¿UPDQGR D PROMESSA DIVINA.

NATAL sem o nascimento de JESUS, nĂŁo existe, ĂŠ como uma festa cultural, e apenas algo que sucede anualmente, uma data cheia de interesses secundĂĄrios de comerciantes, polĂ­ticos e de muitos de nĂłs.

de Lucas 2:1-7, nos revela que quando JESUS nasceu, NĂƒO HAVIA LUGAR PARA ELE NASCER, e entĂŁo, ele nasceu numa manjedoura. E serĂĄ que nĂŁo ĂŠ o mesmo que tem acontecido ainda hoje nos dias atuais, no meio de nĂłs? Qual ĂŠ o lugar de JESUS em nossas vidas?

A Palavra de DEUS no Evangelho

Se ELE ĂŠ o aniversariante, que

presente nĂłs compramos para QUEM veio ao mundo para morrer na cruz do CalvĂĄrio, no meu e no seu lugar? SerĂĄ que na nossa lista de nomes de pessoas que nĂłs vamos presentear o SENHOR pode contemplar o nome DELE tambĂŠm? Por que nestas festas, nĂŁo damos JESUS de PRESENTE para

O FELIZ NATAL só pode existir com o NASCIMENTO DE JESUS em nossos coraçþes! E se isto jå aconteceu na sua vida eu tenho certeza que você terå UM NATAL MUITO FELIZ! Ş Marcos Roberto Do Nascimento: Pastor da Igreja da FÊ em Yonkers New York, Escritor, Autor do Livro: Deus Quer Falar Com Você, USA


MATÉRIA

9 Quantas vezes jĂĄ sentimos grande M~ELORHSURIXQGRDOtYLRTXDQGRVXperamos um fracasso!

A festa de Natal Ê uma das mais populares do mundo. Muitos aproveitam a oportunidade para dar e receber presentes, mas quem mais usufrui dessa data Ê o comÊrcio, que a cada ano começa mais cedo com a decoração natalina e sugere presentes para todos os bolsos e gostos. Mas serå que ainda se sabe a verdadeira razão do Natal?

Mas quando nos achegamos a Jesus, nos livramos de toda a culpa e das nuvens escuras da desesperança que pairam sobre nossa vida. Quando recebemos a Jesus, os raios do amor divino nos alcançam WUD]HQGR M~ELOR H DOHJULD PDLRUHV que qualquer sofrimento, culpa ou frustração.

Quem conhece sua origem? Serå que Ê apenas uma festa de família, um momento de celebrar laços de amor e amizade?

-HVXVpDOX]QR¿PGRW~QHODOLbertação da escravidão do pecado HD~QLFDJDUDQWLDGHIXWXUR

3DUD PXLWRV R 1DWDO VLJQLÂżFD HVtresse, para outros representa solidĂŁo e um tempo onde o vazio interior ĂŠ percebido com mais intensidade. SerĂĄ que essa festa perdeu todo o seu sentido?

Quem encontra Jesus ĂŠ alguĂŠm TXH DQGRX HUUDQWH H ÂżQDOPHQWH achou o caminho de volta ao lar. E isso ĂŠ motivo de intensa alegria, da maior alegria!

Vejamos porque devemos celebrar o Natal: O Natal ĂŠ a maior alegria que um sus, Maria jĂĄ exclamou: “o meu ser humano pode encontrar espĂ­rito se alegrou em Deus, Encontramos este testemunho em meu Salvadorâ€? (Lc 1.47). Mateus 2.10-11: “E, vendo eles E o anjo falou aos pastores de [os magos] a estrela, alegra- BelĂŠm: “NĂŁo temais; eis aqui ram-se com grande e intenso vos trago boa-nova de grande jĂşbilo. Entrando na casa, vi- alegria, que o serĂĄ para todo o ram o menino com Maria, sua povoâ€? (Lc 2.10). mĂŁe...â€? -HVXVpDOX]QRÂżPGRW~QHODOL-

HD~QLFDJDUDQWLDGHIXWXUR

Ainda antes do nascimento de Je- bertação da escravidão do pecado

sus ĂŠ incomparavelmente maior.

O Natal Ê a maior ação de busca e salvamento da história da humanidade!

Quem encontra Jesus ĂŠ alguĂŠm TXH DQGRX HUUDQWH H ÂżQDOPHQWH Lemos no Evangelho de Mateus: achou o caminho de volta ao lar. “Ela [Maria] darĂĄ Ă luz um filho E isso ĂŠ motivo de intensa alegria, e lhe porĂĄs o nome de Jesus, da maior alegria! porque ele [Jesus] salvarĂĄ o A desgraça do pecado ĂŠ imensa, seu povo dos pecados delesâ€? mas a alegria pela salvação em Je- (Mt 1.21). Continua na pĂĄgina 10


10

MATÉRIA

Continuação da página 9

bra da morte, e dirigir os nossos pés pelo caminho da paz” (Lc 1.78-79).

E no Evangelho de Lucas está escrito que “hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor” (Lc 2.11).

Como clama por paz o nosso mundo! Os grandes e poderosos estão empenhados por ela, mas enquanto cada um, pessoalmente, não tiver paz dentro de si, o mundo continuará agitado. Trevas e sombras de morte caracterizam a imagem dos nossos dias.

Levantar a bandeira da paz, fazer marchas, passeatas e demonstrações em prol da paz igualmente será em vão. Agostinho, um dos pais da Igreja, formulou de maneira muito adequada o que traz paz ao coração: ³1RVVRFRUDomR¿FD inquieto até encontrar a paz em Ti, Senhor!”

Todas as guerras e revoltas, todos RFRQÀLWRVIDPLOLDUHVHLQWHUSHVVRais são expressões da inquietação que habita em nossos corações.

A maior catástrofe da humanidade foi sua queda em pecado. Ela foi tão terrível que não havia outra possibilidade de salvação a não ser Jesus Cristo tornar-se homem. Deus, o Criador, tornou-se homem em Jesus e morreu por nós. Ele deu Seu sangue e Sua vida para termos o perdão. A grandeza dessa operação de salvamento manifesta a enormidade de nossa culpa e a grandiosidade do amor de Deus. Quem não consegue ou não quer crer nessa verdade é como alguém que se acidentou por sua própria culpa, mas não quer aceitar ajuda de ninguém e permanece preso às ferragens do carro.

O grande pintor Michelângelo já dizia: “Não é a pintura nem a escultura que saciam a alma sedenta”. 7RGR R HPSHQKR HP HGL¿FDU H construir a paz não trará ao mundo essa tão esperada dádiva. Levantar a bandeira da paz, fazer marchas, passeatas e demonstrações em prol da paz igualmente será em vão.

O Natal é a maior paz que podemos usufruir A base do Natal está alicerçada na misericórdia de Deus: “graças à entranhável mi-

sericórdia de nosso Deus, pela qual nos visitará o sol nascente das alturas, para alumiar os que jazem nas trevas e na som-

Agostinho, um dos pais da Igreja, formulou de maneira muito adequada o que traz paz ao coração: ³1RVVRFRUDomR¿FDLQTXLHWRDWp encontrar a paz em Ti, Senhor!” Contina na página 11


12

ONDE ESTIVER UM BRASILEIRO, ALI ESTARÁ O MENSAGEIRO!


ONDE ESTIVER UM BRASILEIRO, ALI ESTARÁ O MENSAGEIRO!

13


14

TURISMO

No dia 5 de Novembro realizei um sonho muito antigo que eu tinha de ir Ă Terra Santa, Israel.

o jardim onde Ele falou com Maria Madalena depois de haver ressuscitado!

Quando pisei em Israel, dia 6 de Novembro, foi como se começasse a caminhar nas påginas das Escrituras Sagradas, pois foi esse lugar que o Senhor prometeu a Abraão, a Isaque e a Jacó.

Na porta do sepulcro estĂĄ escrito: “Ele nĂŁo estĂĄ aqui porque Ele ressuscitou!"

Foi ali que o nosso Senhor Jesus escolheu para nascer, o Verbo se tornando carne e habitando entre nós. Ele morreu e ressuscitou, subindo para o cÊu e prometendo voltar para nos buscar! Foi ali que tudo começou e ali que tudo vai terminar. Ali estava eu, sentindo-me parte dos textos bíblicos, especialmente no Jardim das Oliveiras, onde o Senhor Jesus orou pelos Seus discípulos, e tambÊm por mim, quando disse que orava não somente por aqueles, mas por todos aqueles que ainda iam crer (João 17). Minha viagem começou em Tel Aviv , com suas avenidas cheias GH ÀRUHV DSHVDU GH HVWDU WHUPLnando o outono. Jå não chovia por muitos dias e

Naveguei de barco pelo mar da Galileia, aonde louvei a Deus e renovei a minha fÊ em pleno mar. Foi ali que o barco onde Jesus seguia com os apóstolos foi castigado por uma violenta tempestade, tendo Jesus acalmado as åguas. Foi ali tambÊm que Jesus encontrou AndrÊ e Pedro a pescar, e vendo que não tinham pescado os rios estavam muito baixos, te das Oliveiras, o Getsêmani, a nada, lhes disse para lançarem a quando chegamos. Onde Gideão &DVDGH&DLIiVRQGH-HVXV¿FRX rede para o outro lado. escolheu os 300, estava fechado a noite à espera do Seu verediFoi ali que Jesus caminhou sobre pois o lago estava seco. to, enquanto Pedro o negava por as åguas, tendo sido reconhecido Fui à Jope, cidade onde o Espíri- três vezes. de imediato por João, o discípulo to Santo foi derramado sobre os Dali, fui para o Poço de Betesda. amado. Pedro atirou-se de imegentios. Visitei o Domo da Rocha onde diato às åguas, rumo a Cristo, e Dali, partimos para cidades de atÊ hoje tem a pedra (Rocha) que sentindo-se a afundar pediu ajuCesarÊia, Tiberíades, Mar da GaDeus testou a fÊ de Abraão ao pe- da a Jesus, que pela fÊ o fez tamlileia, Cafarnaum, Betsaida, MonGLURVDFULItFLRGHVHX¿OKR,VDTXH bÊm caminhar sobre as åguas... te Carmelo, Monte da Tentação, -HULFy0DU0RUWRH¿QDOPHQWHD Finalmente, percorri todo o cami- Eu realmente não tenho palavras nho da Via Dolorosa, rumo ao lu- para descrever o que esta viagem linda JerusalÊm! VLJQL¿FRXSDUDPLP)RLWXGRSHUAli em JerusalÊm, visitei a cidade gar do Calvårio. e o túmulo de Davi; Visitei o Mon- Visitei o túmulo vazio de Jesus e IHLWRGRLQtFLRDR¿PŞ


TURISMO

Monte Moriah, sobre a pedra onde Deus testou a fĂŠ de AbraĂŁo

Fomos num grupo de 12 pessoas, mistĂŠrio de Deus! Esse lugar ĂŠ do lado Ă rabe, uma parada para o cafezinho.

15

A BĂ­blia claramente chama todos os cristĂŁos a orar por JerusalĂŠm . $DWXDOFULVHHP-HUXVDOpPWHPUDPLÂżFDo}HVHLPSDFWRVJOREDLV e somente Deus pode plenamente resolver, DWUDYpVGDVRUDo}HVGR6HXSRYR

"Estatua da FÊ" apresentando relevos de três passagens bíblicas, do sonho de Jacó, o sacrifício de Isaque e a destruição do muro de Jericó


16

TURISMO

O Mar da Galiléia lugar onde Jesus fez a maioria dos seus milagres e onde eu mais senti a presença D’ele

Mesquita Domo da Rocha um lugar sagrado tanto para os judeus, muçulmanos e cristãos.

Não podia faltar o Menorá, símbolo do Judaísmo. Original feito por Moisés para ser colocado dentro do Santo Lugar

BETSAIDA, onde provavelmente Jesus fez o milagre da multiplicação dos 2 e peixinhos e 5 pães


17

TURISMO

Monte das Bem-Aventuranças, onde Jesus pronunciou o Sermão da Montanha

Jesus montou numa jumentinha como essa, e o povo gritava Hosana!

1mRWHQKRSDODYUDVSDUDGHVFUHYHURTXHHVWDYLDJHPVLJQL¿FRXSDUDPLP


18

MENSAGEM

O nascimento de Jesus foi o DFRQWHFLPHQWR PDLV VLJQLÂżFDWLYR GD+LVWyULD&RP6XDYLQGDDHVWH PXQGR FRQÂżUPRXVH D HVSHUDQ oD GH VDOYDomR D SURPHVVD GH OX]VREUHDVWUHYDVHDFHUWH]DGH TXH 'HXV QmR VH HVTXHFHUD GD humanidade.

apresentarem ao Senhor, conforme o que estå escrito na lei do Senhor: Todo primogênito ao Senhor serå consagrado; e para oferecer um sacrifício, segundo o que estå escrito na referida Lei: Um par de rolas ou dois pombinhos� YHMD WDPEpP Levítico 12.8).

Jesus, como legítimo menino ju deu, foi submetido a todos os ri WXDLVH[LJLGRVSHOD/HLGH0RLVpV $FRPSDQKDQGR RV DFRQWHFLPHQ WRVLQLFLDLVGH6XDYLGDSRGHPRV WHUXPDLGHLDPDLVFODUDGDLPSRU tância deles e do cuidado extre mo de Deus em fazer com que 6HXSUySULR)LOKRFXPSULVVHWXGR TXH(OHKDYLDRUGHQDGRDRSRYR de Israel.

$/HLGR6HQKRURUGHQDYD“Consagra-me todo primogĂŞnito; todo que abre a madre [1] de sua mĂŁe entre os filhos de Israel, tanto de homens como de animais, ĂŠ meuâ€? (ĂŠxodo 13.2). OFERTA DE PESSOAS POBRES

O SACRIFĂ?CIO DE PURIFICAĂ‡ĂƒO DE MARIA Maria e as ordenanças da TorĂĄ para mĂŁes no perĂ­odo pĂłs-parto 'HSRLV GR QDVFLPHQWR GH -HVXV HP %HOpP UHODWDGR HP Mateus 2.1ss., Lucas 2.1ss.  0DULD IRL FRQVLGHUDGD ULWXDOPHQWH LPSXUD SRU  GLDV VHJXQGR D OHL SDUD SDUWXULHQWHV HP LevĂ­tico 12.1-8 YHMD WDPEpP Lv 15.5-8). Sete GLDVGHSRLVGHGDUjOX]QRÂżQDO GRGLDHODGHYHULDLPHUJLUHPXP banho ritual. Normalmente uma

SHVVRD TXH VH VXEPHWLD D HVVD FHULP{QLD HUD FRQVLGHUDGD SXUD na noite do dia seguinte, mas no FDVR GR SDUWR DV QRUPDV HUDP RXWUDV$SDUWXULHQWHVRPHQWHSR GHULD VHU FRQVLGHUDGD SXULÂżFDGD SHOREDQKRULWXDOQDQRLWHGRž GLD>DSyVRSDUWR@RXVHMDQRÂż nal de um “longo diaâ€? de 33 dias FRQIRUPH FLWDGR QR &RPHQWiULR

GH5DVKLHUXGLWRMXGHXVREUH/H YtWLFR   1R GLD VHJXLQWH HOD SRGLD DSUHVHQWDU VXD RIHUWD GH SXULÂżFDomR QR7HPSOR 3DUD LVVR 0DULD H -RVp VH GLULJLUDP FRP R EHErD-HUXVDOpPDR7HPSORGR 6HQKRU Lucas 2.22-24): “Passados os dias da purificação deles segundo a Lei de MoisĂŠs, levaram-no a JerusalĂŠm para o

$7RUiH[LJHTXHDPmHTXHWHYH XP¿OKRWUDJDXPFRUGHLURGHXP DQRSDUDRKRORFDXVWRHXPDUROD [2] RXXPSRPELQKR[3]SDUDRVD FULItFLR SHORV SHFDGRV Levítico 12.6 0DVVHDOJXpPIRVVHPXLWR SREUHHQmRSXGHVVHWUD]HUHVVH VDFULItFLR D /HL SHUPLWLD WUD]HU DSHQDV GXDV URODV RX GRLV SRP ELQKRVXPSDUDRKRORFDXVWRHR RXWUR SDUD D RIHUWD SHOR SHFDGR Levítico 12.8). $ SDODYUD ³UROD´ VLJQL¿FD ³SRPED DGXOWD´ GLIHUHQWH GRV ³SRPEL QKRV´GDPHVPDHVSpFLH[4] Continua na pågina 19


19

MENSAGEM Continuação da pågina 18 MARIA NO à TRIO DAS MULHERES

A MĂƒE IMPURA E A CRIANÇA PURA

Nesse contexto, prestemos atenomR DR VHJXLQWH VHJXQGR D /HL Maria e JosĂŠ viviam em pobreza, apĂłs o nascimento a criança nĂŁo de modo que nĂŁo tinham condiera considerada impura, somente o}HV ÂżQDQFHLUDV SDUD DSUHVHQWDU a mĂŁe o era. Por isso, apenas a os sacrifĂ­cios usuais.[5] PmH WLQKD GH VHU SXULÂżFDGD SHOR Maria dirigiu-se ao ĂĄtrio das mu- banho ritual e pelos sacrifĂ­cios no lheres e depositou o valor cor- Templo. Esses detalhes nas presrespondente ao seu sacrifĂ­cio de FULo}HVGRVULWXDLVGHSXULÂżFDomR DYHVQRVJD]RÂżOiFLRVQ~PHUR,,,H nos trazem liçþes espirituais bem ,9TXHWLQKDPDLQVFULomR PDLV SURIXQGDV 0DULD HUD SHFD“Ofertas de Avesâ€? e “Pombas dora como todas as outras pessoas (Romanos 3.23). Ela tambĂŠm Para o Holocaustoâ€?. (QTXDQWRXPVDFHUGRWHVDFULÂżFD- precisava de um Salvador, o que va as pombas no altar e as apre- WHVWLÂżFRX PDUDYLOKRVDPHQWH QR sentava como sacrifĂ­cio, seguin- seu cântico em Lucas 1 (v. 47). do prescriçþes detalhadas, Maria, Somente a criança, Jesus, era depois de subir a escadaria de imaculada e perfeita em todos quinze degraus, encontrava-se os aspectos (2 CorĂ­ntios 5.21; 1 JoĂŁo 3.5). diante da porta de Nicanor.[6] Como nĂŁo estava trazendo sacri- CUMPRIMENTO DA fĂ­cios que exigissem a imposição PROFECIA DE MALAQUIAS de mĂŁos, ela nĂŁo precisava pas- RELATIVA AO TEMPLO

A PROFETISA ANA NO TEMPLO Para uma mulher judia, a visita ao åtrio das mulheres era um acontecimento extraordinårio. Ela não podia se aproximar do Templo alÊm desse ponto, a não ser que o sacrifício que queria trazer ao Senhor exigisse a imposição de mãos, para o que teria de entrar SHOD SRUWD GDV PXOKHUHV TXH ¿cava no åtrio interno ao Norte, dirigindo-se ao lugar do holocausto no altar. Quando as mulheres iam DR 7HPSOR SDUD RUDU ¿FDYDP QR åtrio das mulheres.

/XFDV DR UHODWDU R QDVFLPHQWR GH -HVXV H D SXULÂżFDomR ULWXDO de Maria que aconteceu mais de um mĂŞs depois, fala tambĂŠm de uma profetisa que sempre podia VHUHQFRQWUDGDQR7HPSORDYL~YD$QDGDWULERGH$VHU“Havia uma profetisa, chamada Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser, avançada em dias, que vivera VDUSHODSRUWDTXHÂżFDYDDRQRUWH Esse foi um dia extremamente com seu marido sete anos desnem pela ĂĄrea da ShekinĂĄ (ĂĄtrio especial dentro do contexto do de que se casara e que era viinterno) para chegar ao local de Plano de Salvação. Nessa ocaĂşva de oitenta e quatro anos. siĂŁo cumpria-se pela primeira vez sacrifĂ­cio no altar. Esta nĂŁo deixava o templo, mas ApĂłs a apresentação do sacrifĂ­- D SURIHFLD GR ~OWLPR SURIHWD GR adorava noite e dia em jejuns e cio, Maria estava ritualmente lim- Antigo Testamento, que havia dito oraçþes. E, chegando naqueque o Messias viria “de repenteâ€? pa (LevĂ­tico 12.8). la hora, dava graças a Deus e ao seu Templo (Malaquias 3.1). falava a respeito do menino a

todos os que esperavam a redenção de JerusalĂŠmâ€? (Lucas 2.36-38). ANA E O PRIMEIRO SÉCULO ANTES DE CRISTO Por ocasiĂŁo do nascimento de Jesus, Ana tinha 84 anos de idade. ConcluĂ­mos que ela vivenciou pessoalmente a maior parte da histĂłria emocionante e turbulenWD GR SRYR GH ,VUDHO QR SULPHLUR sĂŠculo antes de Cristo, perĂ­odo marcado por forte expectativa pela vinda do Messias. O NASCIMENTO DE ANA (ODQDVFHXQRÂżQDOGRUHLQDGRGH Alexandre Janeu (103-76 a.C.). Este era descendente da dinastia dos macabeus e assumiu indevidamente o tĂ­tulo de rei. Como seu irmĂŁo AristĂłbulo (104-103 a.C.), ele tambĂŠm transgrediu o princĂ­pio bĂ­blico da separação de podeUHVHXQLÂżFRXRUHLQDGRHRVDFHUdĂłcio, o que sĂł deveria acontecer na pessoa do Messias. INVASĂƒO ROMANA DE JERUSALÉM ApĂłs a morte de Janeu, AlexanGUDVXDYL~YDDVVXPLXRJRYHUno (76-67 a.C.). Continua na pĂĄgina 20


20

MENSAGEM

WXEUR GH  D& QR GLD GR<RP Foi uma era dourada muito breve. .LSSXU $QWtJRQR IRL H[HFXWDGR 2V¿OKRVGH$OH[DQGUD+LUFDQR,, &RPHoDYD R GRPtQLR VDQJUHQWR UHLQRXHPHGHDD&  GH (VD~ DWUDYpV GH VHXV GHV H$ULVWyEXOR,, D& GLVSX FHQGHQWHVRVHGRPLWDV VREUHR WDUDP R SRGHU GDQGR DRV URPD SRYRGH-DFy QRVSUHWH[WRSDUDPDUFKDUVREUH O PRIMEIRO ENCONTRO -HUXVDOpP SDUD UHVWDEHOHFHU D COM O MESSIAS ordem. NO TEMPLO OS EDOMITAS TOMAM 'HSRLV GH DSHQDV VHWH DQRV GH O PODER FDVDPHQWR$QD WRUQRXVH YL~YD 3RUYROWDGHD&-~OLR&pVDU (OD WLQKD XPD SHUFHSomR EHP IH] GH $QWLSDWHU SURFXUDGRU GD QtWLGD GD pSRFD HP TXH YLYLD H -XGpLD 0DV HVWH IRL PRUWR HP WRUQRXVHXPDPXOKHUGHRUDomR  D& 6HXV ¿OKRV +HURGHV H 2 6HJXQGR 7HPSOR HUD SRU DV )DVDHOGHUDPFRQWLQXLGDGHjVXD VLP GL]HU VXD VHJXQGD FDVD SROtWLFD$SyVDYLWyULDGH2WDYLD RQGHHODHVSHUDYDSHOR&RQVROD QR ¿OKR DGRWLYR GH &pVDU R IX GRUSURPHWLGRD,VUDHO[7] WXUR LPSHUDGRU &pVDU $XJXVWR  'HSRLVGHGpFDGDVGHHVSHUDDQ VREUHRVLQLPLJRVGHVHXSDLHP VLRVDSHODLQWHUIHUrQFLDGH'HXV  D& HP )LOLSRV QD 0DFHG{ HODWHYHRSULYLOpJLRGHVHHQFRQ QLD )DVDHOH+HURGHVIRUDPQR WUDUSHVVRDOPHQWHFRPR0HVVLDV PHDGRV³7HWUDUFDVGD-XGpLD´ TXDQGRHVWHFRPSRXFDVVHPD 1R DQR GH  D& D -XGpLD IRL QDVGHYLGDIH]VXDSULPHLUDYLVLWD RFXSDGDSHORVSDUWDV(VWHV¿]H DR 7HPSOR (VVH DFRQWHFLPHQWR UDPGH$QWtJRQR D&¿OKR D TXH SRXFRV GmR DWHQomR WHP GH$ULVWyEXOR,, UHLVDFHUGRWHHP JUDQGH VLJQL¿FDGR QR 3ODQR GH -HUXVDOpP (P 5RPD +HURGHV 6DOYDomRHFDXVRXQRFRUDomRGH IRL QRPHDGR “Rei dos Judeus” $QD XPD JUDWLGmR PXLWR SURIXQ SHOR6HQDGR GD SDUD FRP 'HXV 4XDQGR YLX $SyV WUrV PHVHV GH VtWLR +HUR R EHEr HOD FRPHoRX D IDODU VR GHVFRQVHJXLXFRQTXLVWDU-HUXVD EUHRFXPSULPHQWRGDVSURIHFLDV OpPFRPWURSDVURPDQDVHPRX PHVVLkQLFDV GDGDV SHOR 6HQKRU Continuação da página 19

QR$QWLJR7HVWDPHQWRDWRGRVRV PRUDGRUHV GD FLGDGH GH -HUXVD OpPTXHWDPEpPHVSHUDYDPSHOR 6DOYDGRUSURPHWLGR[8] NA PORTA DOS PRIMOGÊNITOS A apresentação dos ¿OKRVSULPRJrQLWRV 'HSRLV GR QDVFLPHQWR GR 6DOYD GRUHP%HOpP0DULDHVWDYDULWX DOPHQWH LPSXUD SRU PDLV GH XP PrV(ODWHYHGHSXUL¿FDUVHDWUD YpV GH XP EDQKR GH LPHUVmR H DWUDYpV GRV VDFULItFLRV SUHVFULWRV QD/HL 1R ž GLD DSyV R QDVFLPHQWR HOD -RVp H R PHQLQR YLHUDP DR 7HPSORHP-HUXVDOpPSDUDDSUH VHQWDU RV VDFULItFLRV H[LJLGRV HP Levítico 12. (VVHPRPHQWRHUDRSRUWXQRSDUD UHVJDWDU R ¿OKR SULPRJrQLWR DWUD YpV GR ULWXDO GH 3LGMRQ +D%HQ HPKHEUDLFRVLJQL¿FDUHVJDWHGR ¿OKR [9] O SIGNIFICADO DA PRIMOGENITURA EM ISRAEL 3DUDHQWHQGHURVLJQL¿FDGRGHVVH SURFHGLPHQWR VmR QHFHVViULDV DOJXPDVREVHUYDo}HVSUpYLDV $SyV D H[HFXomR GR MXt]R GLYLQR

VREUHRVSULPRJrQLWRVHJtSFLRVR 6HQKRUGHFODURXSURSULHGDGHHV SHFLDO6XDWRGRVRVSULPRJrQLWRV LVUDHOLWDVXPDYH]TXHHVWHVKD YLDPVLGRSRXSDGRVSRUFDXVDGR VDQJXH GR FRUGHLUR LPRODGR HP VHXOXJDU$SDUWLUGHHQWmRRV¿ OKRVPDLVYHOKRVSDVVDUDPDVHU FRQVDJUDGRVSDUDRPLQLVWpULRGR 6HQKRU[10] A TRIBO DE LEVI EM LUGAR DOS PRIMOGÊNITOS 'HSRLV GH WHU UHFHELGR RUDOPHQ WH D OHL QR PRQWH 6LQDL D QDomR GH ,VUDHO IDOKRX WUDJLFDPHQWH DR adorar o bezerro de ouro (Êxodo 32  1HVVD VLWXDomR GH FULVH D WULERGH/HYLGHPRQVWURXHVSHFLDO ¿GHOLGDGH H GHGLFDomR D 'HXV (Êxodo 32.26-29 (PUD]mRGHV VDDWLWXGHR'HXV(WHUQRHOHJHX HVVD WULER SDUD H[HUFHU R VDFHU GyFLRHSDUDPLQLVWUDUQRVDQWXi ULR RFXSDQGR D SRVLomR TXH HUD GRV SULPRJrQLWRV GH WRGDV DV GR]H WULERV GH ,VUDHO 1~PHURV 3.12; 8.16,18 [11] 2V SULPRJr QLWRV GRV OHYLWDV QmR SUHFLVDYDP VHU UHVJDWDGRV ORJR DSyV VHX QDVFLPHQWRPDVRVSULPRJrQLWRV GDVRXWUDVRQ]HWULERVWLQKDPGH VHUUHVJDWDGRVSRUFLQFRVLFORVGH SUDWD Continua na página 21


21

MENSAGEM Continuação da pågina 20

o mandamento do Pidjon-HaBen?

VIAGEM A JERUSALĂ&#x2030;M

â&#x20AC;&#x153;Passados os dias da purifica6DEHPRVTXHDSRUWDGRPHLRGD ção segundo a Lei de MoisĂŠs, HGLÂżFDomR GH DFHVVR DR 7HPSOR [13] levaram-no a JerusalĂŠm QR ODGR 6XO GR iWULR HUD FKDPD- para o apresentarem ao Seda de â&#x20AC;&#x153;Porta dos PrimogĂŞnitosâ&#x20AC;? nhor, conforme o que estĂĄ es(shaâ&#x20AC;&#x2122;ar ha-bekhoroth).[12] Por- crito na Lei do Senhor: Todo tanto, Maria e JosĂŠ vieram do Sul primogĂŞnito [14] ao Senhor HVXELUDPSHODVHVFDGDVHQWUDQ- serĂĄ consagrado [Ă&#x160;xodo 13.2]; O DINHEIRO DO RESGATE GRSHODSRUWDGRPHLRHPGLUHomR e para oferecer um sacrifĂ­cio, Esse ritual ĂŠ praticado ainda hoje jiUHDGD6KHTXLQi segundo o que estĂĄ escrito na no judaĂ­smo. Nos Estados Unidos referida Lei: Um par de rolas ĂŠ costume dar os cinco siclos na O MESSIAS NOS BRAĂ&#x2021;OS ou dois pombinhosâ&#x20AC;? [LevĂ­tico forma de cinco dĂłlares de prata. DO SACERDOTE 12.8] (Lucas 2.22-24). $SUiWLFDGHKRMHpFRPRQDTXH- 1R PHVPR GLD HP TXH 0DULD H SIMEĂ&#x192;O O JUSTO la ĂŠpoca: os pais escolhem o sa- -RVpWLQKDPGHFXPSULUVXDVREULFHUGRWHTXHUHFHEHUiRGLQKHLURH JDo}HV QR 6DQWXiULR 6LPHmR R â&#x20AC;&#x153;Havia em JerusalĂŠm um hoSURIHULUiDErQomRVREUHRUHFpP- -XVWRWDPEpPYHLRDR7HPSOR1D mem chamado SimeĂŁo; homem 3RUWDGRV3ULPRJrQLWRVHOHWRPRX este justo e piedoso que espenascido. rava a consolação de Israel; Maria e JosĂŠ cumpriram as duas R PHQLQR QRV EUDoRV Âą FRPR VH [15] e o EspĂ­rito Santo estava RUGHQDQoDV QD PHVPD RSRUWXQL- costumava fazer por ocasiĂŁo do sobre ele. Revelara-lhe o EsGDGH D DSUHVHQWDomR GR SULPR- UHVJDWH GRV SULPRJrQLWRV 6HJX- pĂ­rito Santo que nĂŁo passaria JrQLWR H D SXULÂżFDomR GD PmH ramente SimeĂŁo era um sacer- pela morte antes de ver o CrisapĂłs o parto. Assim, no 41Âş dia de GRWH TXH PRYLGR SHOR (VStULWR to do Senhor. Movido pelo Esvida do menino Jesus, realizaram 6DQWRYHLRDR7HPSORMXVWDPHQWH pĂ­rito, foi ao templo...â&#x20AC;? (Lucas os dois rituais exigidos pela Lei nesse momento, tendo a oportu- 2.25-27a). nidade de praticar com o Messias de MoisĂŠs. a cerimĂ´nia de Pidjon Ha-Ben. ORAĂ&#x2021;Ă&#x192;O NA PORTA ENTRADA PELA (OHMiKDYLDHVSHUDGRFRPPXLWD DOS PRIMOGĂ&#x160;NITOS PORTA DO MEIO ansiedade a chegada do Salva- â&#x20AC;&#x153;...e, quando os pais trouxeram 2WH[WRGH/XFDVGL]TXHRVSDLV dor prometido, e foi o escolhido o menino Jesus para fazerem levaram o menino a JerusalĂŠm e para cumprir a tarefa sacerdotal com ele o que a Lei ordenava, o apresentaram ao Senhor. Por GHUHVJDWDURSULPRJrQLWR Lucas SimeĂŁo o tomou nos braços e onde eles entraram para cumprir 2.22-35). louvou a Deus, dizendo: AgoEsse valor destinava-se ao sustento dos sacerdotes. O resgate podia ser efetuado a partir do 31Âş dia apĂłs o nascimento (NĂşmeros 18.16). PorĂŠm R GLD HVSHFtÂżFR SDUD HVVH ULWXDO QmRpGHÂżQLGRSHOD7RUi

ra, Senhor, podes despedir [16] em paz o teu servo, segundo a tua palavra; porque os meus olhos jĂĄ viram a tua salvação, [17] a qual preparaste diante de todos os povos: luz para revelação aos gentios, e para glĂłria do teu povo Israel. E estavam o pai e a mĂŁe do menino admirados do que dele se diziaâ&#x20AC;? (Lucas 2.27b-33). BĂ&#x160;NĂ&#x2021;Ă&#x192;O SOBRE OS PAIS â&#x20AC;&#x153;SimeĂŁo os abençoou e disse a Maria, mĂŁe do menino: Eis que este menino serĂĄ destinado tanto para ruĂ­na como para levantamento de muitos em Israel e para ser alvo de contradição (tambĂŠm uma espada traspassarĂĄ a tua prĂłpria alma), para que se manifestem os pensamentos de muitos coraçþesâ&#x20AC;? (Lucas 2.34-35). O MENINO NĂ&#x192;O RECEBEU BĂ&#x160;NĂ&#x2021;Ă&#x192;O Que singular cerimĂ´nia de Pidjon Ha-Ben! Normalmente o sacerdote designado para proferir D ErQomR DEHQoRDYD D FULDQoD SimeĂŁo, propositalmente, nĂŁo o IH](POXJDUGDFULDQoDHOHDEHQoRRXRVSDLV Lucas 2.34). Continua na pĂĄgina 22


22 Continuação da pĂĄgina 21 Ele estava observando o princĂ­pio espiritual expresso em Hebreus 7.7: â&#x20AC;&#x153;Evidentemente, ĂŠ fora de qualquer dĂşvida que o inferior ĂŠ abençoado pelo superiorâ&#x20AC;?. O velho SimeĂŁo nĂŁo tinha o direito de abençoar o Messias. Diante de Deus, ele era inferior ao menino de 41 dias de idade, pois este era o eterno Filho de Deus que se tornara homem. Maria e JosĂŠ, sim, podiam ser abençoados por ele. Maria, como mĂŁe de Jesus, e JosĂŠ como pai de criação do Messias, eram pessoas normais como todos nĂłs. Eles simplesmente haviam sido escolhidos pelos desĂ­gnios soberanos de Deus SDUDUHDOL]DUWDUHIDVHVSHFtÂżFDV O MESSIAS E O SACERDĂ&#x201C;CIO LEVĂ?TICO Os cinco siclos de prata entregues a SimeĂŁo, que certamente iria morrer em breve, foram a contribuição do Messias com o sacerdĂłcio levĂ­tico, que por sua vez era uma sombra do futuro ministĂŠrio messiânico, que viria a ter nEle seu cumprimento pleno. O Messias nasceu para morrer. Na cruz Ele iria oferecer a Si mesmo como sacrifĂ­cio, para nos

MENSAGEM consideradas â&#x20AC;&#x153;pombas jovensâ&#x20AC;? (bnei jonah em hebraico) enquanto suas penas nĂŁo adquirissem um brilho dourado. Assim que elas bri$LGHQWLÂżFDomRGH-HVXVFRP6HX lhassem, passavam a ser chamadas prĂłprio povo, sua submissĂŁo aos de thorim (â&#x20AC;&#x153;pombas-rolasâ&#x20AC;?).

resgatar sem o uso de â&#x20AC;&#x153;coisas corruptĂ­veis, como prata ou ouro... mas pelo [Seu] precioso sangueâ&#x20AC;? (1 Pedro 1.18-19).

rituais e ordenanças da Lei, tudo isso nos comove e enche nosso coração de gratidão. Ele se idenWL¿FDFRQRVFRVDEHTXHPVRPRV conhece nossas dores e nossos anseios. Neste tempo de Natal, só nos resta agradecer de todo o coração a Ele, por ter se feito homem por nós e por ter assumido como Sua a nossa culpa. Ş (Dr. Roger Liebi - http://www. beth-shalom.com.br) NOTAS:

[1]- ,VWRpRSULPHLURÂżOKRTXHQDV-

[5]- Essas consideraçþes nos levam a concluir que os såbios do Oriente, os populares Reis Magos, com seus preciosos presentes em forma de ouro, incenso e mirra ainda não haviam chegado nessa ocasião, ou seja, 41 dias após o nascimento do Salvador (Mt 2.1ss.). [6]- Talmude Babilônico, Tamid V 6. [7]- Lucas relata que Ana não se afastava do Templo nem de dia nem de noite. Pelo visto ela tinha um alojamento na årea anexa ao Templo herodiano.

[8]- A forma imperfeita do durativo [2]- WU\JRQVLJQLÂżFDSRPEDURODHP elalei (= falava) que aparece em Lucas 2.38 expressa uma ação consgrego. tante e rotineira. [3]- Em grego nossoi peristĂŞron sigQLÂżFD ÂżOKRWH GH SRPED (P /XFDV [9]- Em hebraico pidjon ha-ben, res2.24 essa expressĂŁo ĂŠ usada para JDWHGRÂżOKR traduzir o conceito hebraico bnei [10]- Ă&#x160;x 13.1-2,11-16,22,29b; 24.5; MRQDKTXHVLJQLÂżFDÂłSRPEDMRYHP´ 34.19-20; Nm 3.13. OLWHUDOPHQWH³¿OKRVGHSRPED´ [11]- Os primogĂŞnitos da tribo de ce de parto normal.

[4]- TB Chulin 22a-22b (TB ĂŠ o Talmude BabilĂ´nico). Essas aves eram

Levi nĂŁo precisavam ser resgatados (veja CHILL: Die Mitzwoth, Zurique,

1991, p. 51). [12]- Talmude BabilĂ´nico, Middoth I, 4; bekhoroth ĂŠ o plural de bekhoUDKTXHVLJQLÂżFDSULPRJHQLWXUDRX direito de primogenitura. [13]- Conforme LevĂ­tico 12.7, mais 33 dias. [14]- Isto ĂŠ, que nasce de modo natural, onde a criança rompe o canal vaginal atravĂŠs das contraçþes do parto. No judaĂ­smo atĂŠ hoje as crianças que nascem atravĂŠs de operação cesariana nĂŁo sĂŁo submetidas ao ritual de resgate porque nesse caso o bebĂŞ nĂŁo â&#x20AC;&#x153;rompeu a madreâ&#x20AC;? (veja CHILL: Die Mitzwoth, ibid, p. 51). [15]- Designação para o Messias, que deveria trazer consolo por toda a opressĂŁo que o povo de Israel enfrentou durante sua histĂłria. Em referĂŞncia a Lamentaçþes 1.16 o Messias ĂŠ chamado de â&#x20AC;&#x153;Menachemâ&#x20AC;? (= Consolo) no Talmude BabilĂ´nico, em Sanhedrin 98b. [16]- Em grego apolyĂ´, deixar morrer. [17]- Nessa declaração encontra-se uma relação com o nome â&#x20AC;&#x153;Jesusâ&#x20AC;?. (OHVLJQLÂżFDÂł26HQKRUpVDOYDomR´ (em hebraico Yeshua ou Yehoshua).


ONDE ESTIVER UM BRASILEIRO, ALI ESTARÁ O MENSAGEIRO!

23


24

ONDE ESTIVER UM BRASILEIRO, ALI ESTARÁ O MENSAGEIRO!

Número 258  

2a. Edição Dezembro 2012

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you