Page 1


Knight Rebels MC River Savage 1.5

01

02

03

04

05


E se

os Knights Rebels não são quem você acha que eles são?

E se um momento em sua vida foi alterado? Ou o caminho que você tomou diverge do que você tinha planejado? Será que a batalha do bem contra o mal se tornará o jogo final? Ou o verdadeiro

amor irá prevalecer?


PRÓLOGO

Nix — Tem certeza que ninguém está aqui? — Pergunto para um dos meus irmãos novamente quando vemos a casa brilhar diante de nós. — Jesus, Nix, ela está longe. — Beau, meu melhor amigo responde o mesmo que as últimas três vezes que eu perguntei, mas algo não parece bem sobre isso. Estamos perdendo alguma coisa. As casas tremem, a explosão balançando a fundação. Chamas lambem contra o céu escuro e eu estou fascinado pela cinza laranja brilhante, como se o incêndio sedutor me chamasse. Hoje à noite é apenas um aviso. Ninguém precisa se machucar. Ainda. — Precisamos sair daqui Nix. — Sy o mais novo irmão começa a entrar em pânico. É o seu primeiro trabalho e todos eles ficam nervosos em seu primeiro. — Sim — eu concordo, observando quando as luzes piscam na casa ao lado da que acabamos de destruir. Precisamos ir antes de sermos vistos. — Dividir. Nos vemos de volta na sede do clube, — Eu instruí, meus olhos ainda fixos no fogo. O barulho das motos quebra meu olhar e me tira do meu torpor. Me virando mais uma última vez, eu juro que eu ouvi um grito, mas eu nego porque eu sei que ela está longe. Eu mesmo verifiquei. Esperando os meninos para ir embora, eu viro a esquina e me forço a não olhar para trás. Agora não é o momento para ter uma consciência. Esta é a vida que eu escolhi. Eu poderia lutar contra isso diariamente, mas é o que eu me tornei. Eu sou Nix Knight, vice-presidente dos Knights Rebels, e mandamos nesta cidade. Então, por que eu sinto que nós somos apenas fodidos?


01

Kadence Sentada na minha mesa, eu fico frustrada. Esta reunião não é como eu queria terminar o meu dia de trabalho. Eu olho através nos olhos castanhos com raiva de um pai muito chateado. Hill se inclina para frente, irritado com a espera. Seu filho, Tommy, senta-se ao seu lado, o olho preto que ele ganhou na classe hoje está fechado, quase inchado. Zayden Knight se senta no lado oposto da sala em silêncio esperando por sua mãe chegar. Seu cabelo escuro, paira sobre a testa, cobrindo um olho. Zayden é a última pessoa que eu esperaria que desse um soco. Se eu não tivesse visto com meus próprios olhos, eu não teria acreditado. Solicitei que ambos os pais me encontrassem as três, agora já passou uma hora. O relógio da sala de aula muda o ponteiro, mais um minuto que ela está atrasada. Hill limpa a garganta e eu olho para cima, prestes a pedir desculpas novamente pelo atraso, quando a porta é empurrada e um homem caminha através dela. Meus olhos fazem uma varredura rápida nele quando ele anda para a frente, o som de suas botas de motociclista rangendo no piso de vinil chama a minha atenção. Mal estar se arrasta lentamente à caminho da minha espinha, quando eu levanto e forço meus olhos sobre o couro de seu colete e direto para o patch1 costurado ao lado que lê VP Knights Rebels. Exalando um suspiro que eu não sabia que estava segurando, meu coração bate forte demais para me acalmar. Eu não sei o que sobre ele, mas apenas ter ele perto de mim me assusta. 1

Patch é num pedaço de tecido, com uma inscrição do nome do clube e/ou símbolo que é preso no colete dos motoqueiros.


Todo mundo em Rushford sabe quem os Knights Rebels são. Nossa pequena cidade teme eles, então as pessoas mantêm distância. Conhecido por trabalhar no lado errado da lei, os Rebels governam esta cidade da forma que entenderem. Armas, drogas e mulheres, eles não têm medo de ir acima e além da lei. — Olá. — Eu mantenho minha voz controlada, embora eu estou enlouquecendo por dentro. Ele me ignora e vai direto para onde Zayden está sentado. — Ei, amigo, como você está? — Ele se abaixa ao nível do Zayden. — Ei, Pai. — Zayden cuidadosamente olha para cima, uma expressão solene no rosto. Eu não tinha ideia que o pai de Zayden estava chegando esta tarde. Quando eu fiz o telefonema mais cedo hoje, eu pedi a senhora Knight pacificamente. A última coisa que eu preciso é ter este homem em minha sala de aula. Sr. Knight finalmente olha para mim, me dando a atenção. Seu olhar atento segue o meu comprimento, antes que ele se levante. Seu cabelo escuro é uma bagunça sexy, como se ele apenas passou a mão através dele. A sombra de barba sobre sua mandíbula tensa mostra sinais de envelhecimento; não em um tipo de homem velho, mas um, quente, sexy cara mais velho. Eu nunca o vi por aqui. Eu gosto de manter minha distância. — Que história é essa? — Ele finalmente me trata como se ele não tivesse ideia do que sua presença aqui faz para mim. — Umm, bem, — eu me atrapalho, perdendo a minha vantagem. — Por favor, sente-se. — Eu aponto para a pequena cadeira ao lado dele. Ele ignora a minha oferta e cruza os braços sobre o peito. — É melhor você ter uma boa razão fodida para me ligar hoje. — Bem, em primeiro lugar, não fale comigo assim. Eu não me importo quem você acha que você é lá fora, mas na minha sala de aula, você não vai falar assim comigo. — Acho minha espinha dorsal e tento colocar ele em seu lugar. Isso é sábio? Provavelmente não, mas eu não seria intimidada em minha própria sala de aula. Ele não diz nada, apenas me dá um pequeno aceno de cabeça. — Certo, tudo bem. — Eu engulo antes de continuar. Eu ignoro o sorriso que ele me dá e mantenho meus olhos focados em seu nariz. — Bem, como eu disse a sua esposa ao telefone, Zayden se envolveu em uma briga com outro


estudante hoje, — digo, antes de olhar para o Senhor Hill e seu filho. — Dando um olho roxo para Tommy. — Ex-esposa, — ele responde em primeiro lugar, seu tom de voz me dizendo que eu preciso lembrar disso. Eu não sei por que uma pequena parte de mim gosta que ele não é casado. Não é como se eu fosse me interessar por ele, este homem é um criminoso. Que diabos há de errado comigo? — Ex-esposa, — repito, deixando ele saber que eu entendi, e que realmente não me importo. Tanto faz. — Isso é verdade, Z? — Ele se vira, olhando para seu filho. — Sim, papai, — Zayden responde, os olhos baixos. — Seu filho é uma ameaça como seu clube Knight, e eu não vou permitir que ele intimide o meu filho na sala de aula. Eu quero algo feito sobre isso! — Grita Hill, levantando de seu assento. Não estou surpresa com a explosão de Hill, ele está sentado na ponta da cadeira, pronto para mastigar a cabeça de alguém durante os últimos vinte minutos. — Desculpe, eu estava conversando com meu filho. Vou falar com você quando ele me explicar porque, ele achou que tudo bem colocar suas mãos sobre o seu filho, — Sr. Knight diz com os dentes cerrados. Percebendo que a situação poderia sair de mão, eu levanto. — Senhor Knight, Senhor Hill, por favor, acalme-se, — Eu exijo, esperando que o leve tremor que eu sinto não apareça. Hill se senta, obviamente percebendo que ele está em cima do motoqueiro quente mauzão. — Você quer me dar um momento para falar com o meu menino? — Senhor Knight pergunta. Eu não sei por que faço isso, mas eu aceno e sento na minha cadeira. Eu vejo ele dar mais um olhar para o senhor Hill, um aviso silencioso para manter sua boca fechada. Jesus, é claro que Nix Knight está no controle agora. — Agora, você quer me dizer por que, você colocou suas mãos sobre alguém, Z? — Ele se agacha na frente da cadeira de seu filho, braços esticados para fora para manter ele estável, os braços musculosos firmes sob a tensão de sua posição. Eu posso ver a grande tatuagem do Knights Rebels. Eu desvio o


olhar envergonhada, por estar secando o homem na frente de seu filho, meu aluno. — Tommy estava puxando o cabelo de Sarah, disse que ela era uma prostituta, como sua mãe. Eu disse para ele parar, mas ele veio para cima de mim. Você sempre disse que se alguém colocar suas mãos sobre mim, eu estou autorizado a bater, — ele responde em voz baixa, com calma, o que faz o grande homem de cócoras na frente dele, franzir o cenho ferozmente. Eu olho para Tommy e vejo seu rosto ficar pálido com a confissão de Zayden. — Isso é verdade? — Senhor Hill volta a olhar para Tommy, que afunda ainda mais em sua cadeira. — Eu estava apenas dizendo o que você me disse, — ele responde de volta. Hill olha para mim, uma pequena quantidade de constrangimento enche suas bochechas enquanto eu levanto as sobrancelhas. A mãe de Sarah trabalha na Bare Assets, o nosso clube de strip local da cidade. Não tenho nenhum problema com o lugar. Holly, minha melhor amiga, gosta de me arrastar para lá, às vezes, para a noite das senhoras. É um estabelecimento muito respeitado, e, tanto quanto eu sei, a mãe de Sarah trabalha no bar, não no pole. Que idiota. Silêncio constrangedor enche a sala quando eu olho entre os dois pais. Hill olha para as mãos enquanto senhor Knight detém o meu olhar. Seus olhos mostram raiva, sem dúvida ao senhor Hill, mas estou atraído para a intensidade da mesma, como uma memória me puxando. Eu afasto meus olhos, precisando quebrar o contato. — Ok, bem, independentemente das razões, ainda temos uma política que proíbe brigas. Porque, ambos os meninos estavam brigando, ambos receberão detenção por cinco dias. Considerando que os dois meninos nunca estiveram em apuros por brigar, eu pensei em dar a eles a chance de resolver isso aqui, antes de levar ao diretor Wilson. Esse cara é um idiota, sem dúvida ele iria suspende-los no primeiro delito. Sim, Z estava defendendo alguém, mas Tommy é o único com um olho inchado. Deixá-los em casa por três dias não vai resolver o problema. — Isso é besteira, — Senhor Knight zomba, claramente não estando feliz com a punição. Ele olha para seu filho, dando a ele uma piscadela antes de voltar para mim. Seu flagrante desrespeito às regras não me surpreende, e eu não posso evitar falar sobre isso.


— Espero que a partir dessa piscadela, senhor Knight, você não esteja tolerando esse comportamento? — Eu desafio, o interrompendo, antes que ele possa começar a discutir a minha decisão. — Ouça, senhora... — Senhorita Turner, — Eu corrijo ele, da mesma forma que ele fez. — Senhorita Turner. — Sua voz profunda e grave exagera na “senhorita”, e eu seguro a necessidade de rolar os olhos para sua insinuação. — Não, eu não tolero violência. Vou, no entanto, estar orgulhoso se meu filho, brigar para defender alguém que não pode. — Eu seguro a minha necessidade de discutir sua opinião sobre a violência e apologia a questão. — Ele deu a outro aluno um olho roxo. Para não mencionar que interrompeu minha aula. Puxar dois meninos de onze anos de idade no meio da sala de aula é mais difícil do que a maioria iria pensar. Por um lado, eles são quase do mesmo tamanho que eu. Meus um metro e sessenta não é páreo para dois garotos irritados, eles quase me colocaram na minha bunda. — Assim? Ele estava defendendo a menina e se defendeu. Eu teria feito o mesmo, — Senhor Knight continua a discordar de mim. Sua raiva me confunde um pouco. O que ele espera que eu diga? Claro, é muito bom o seu filho socar outro estudante e deixar ele com um olho inchado? — Sim, eu não duvido disso. No entanto, a diretoria da escola não vê dessa forma. Usar violência contra os outros nos leva a lugar nenhum. — Eu me impedi de dizer que nossas regras da escola são diferentes das regras que ele segue. Eu levanto da minha cadeira, tentando terminar a conversa antes que tenhamos uma briga. Algo dentro de mim quer discutir com ele, meu temperamento explosivo muitas vezes me deixa em problemas, mas isso é demais. O pensamento de empurrar ele, envia um arrepio que percorre por minha espinha, mesmo sabendo que é perigoso. Eu preciso parar com isso. Eu me forço a não me envolver com ele. As regras são simples, não há nenhum ponto a discutir. Ele, obviamente, vive por seu próprio conjunto de regras. Infelizmente para o seu filho, ele deve respeitar as regras da escola. — Meu filho tem o direito de se defender. Onde você estava quando tudo isso estava acontecendo? — Ele levanta, claramente não cansado desta batalha, agora me questionando.


— Eu estava lidando com outro estudante. — Me encontro na defensiva. — Esses meninos têm onze anos de idade, senhor Knight. Idade suficiente para saber que violência não é a maneira de lidar com as coisas. Usar seus punhos não faz de você um homem. Ele deveria ter saído e vindo me dizer — Eu digo a ele, me sentindo pequena novamente sob a sua altura e olhar. Ele ri alto, seus olhos piscando com aborrecimento, evidentemente, não concordando comigo. — Senhora, você não tem ideia do que faz um homem. Alguém coloca suas mãos sobre mim, eu com certeza vou responder da mesma maneira. Sabendo que eu não vou chegar a lugar nenhum com este homem irritante, eu levanto minha mão para apertar a dele, pronta para estar longe de sua presença. — É minha decisão final, senhor Knight. Os meninos começarão a detenção amanhã. Espero que eles não façam isso novamente. — Eu digo, esperando em não ter que vê-lo novamente. Ele fica em silêncio por um momento, sem se mexer, sem falar, com os olhos silenciosamente me avaliando. A tensão no ar é palpável. Estou desconfortável com a minha mão estendida, mas, em seguida, ele a pega, e o calor de seu aperto envolvendo em torno da minha, é eletrizante. — Bem, a senhora... — Senhorita, — Eu digo entre dentes desta vez e estremeço com o meu tom. — Sim, claro. — Ele sorri, como se ele quisesse ouvir isso novamente. Eu tento puxar minha mão de volta, mas ele aperta, me puxando para frente, a minha mão livre vai para minha mesa enquanto seu polegar afaga o interior da palma da minha mão. O movimento íntimo não é perdido por mim. Oh, Deus, eu sou bipolar, agora eu quero manter a minha mão aqui. — Obrigado pelo seu tempo, senhorita Turner. — Ele se inclina, o calor de sua respiração apenas deslizando o lado do meu ouvido antes de ele soltar e se mover para trás. Eu me equilibro, desequilibrada pela perda. Que diabos foi isso? Estendendo a mão, ele estala os dedos para chamar a atenção de Zayden. — Vamos, Z, — ele diz, esperando para ele ir. Ele, então, segue para fora da porta sem olhar para trás. Seguindo o exemplo do senhor Knight, o senhor Hill está, agora em sua expressão sombria. Por um momento, eu esqueci que ele ainda estava aqui, perdido no impulso que era o senhor Knight.


— Obrigado pelo seu tempo, senhorita Turner. Eu vou ter uma conversa com Tommy sobre o que ele pensa que ele ouviu. — Ele balança a cabeça, não olhando nos olhos. Pelo menos ele tem o bom senso de parecer envergonhado. Agarrando a mochila de Tommy, ele me deseja uma boa noite e então se vira e vai embora, Tommy o seguindo de perto. Caindo para trás em minha cadeira, deixo escapar um suspiro trêmulo, fico feliz que acabou. Eu não posso acreditar que eu deixei o pai de Zayden chegar em mim assim. Nenhum homem jamais incutiu luxúria, medo e raiva só de olhar para mim. Sua presença grita confiança e testosterona, até a maneira como ele correu os olhos em cima de mim. Eu sei que ele provavelmente age assim com todas as mulheres, então por que parecia tão íntimo comigo? Me leva alguns minutos para acalmar a minha respiração e parar todos os pensamentos com o senhor Knight, antes que eu possa sequer começar a arrumar as bolsas e recolher os meus pertences. Desligo as luzes, tranco a sala e caminho pelo corredor até a sala dos professores. Eu paro em meu caminho quando eu olho à frente. De pé perto dos armários, observo senhor Knight ajoelhado em frente a Z. Sua mão estendida, ao redor de seu pescoço, suas cabeças inclinadas, um ao outro, falando baixinho. Zayden balança a cabeça e sorri antes de seu pai se inclinar mais e beijar o topo de seu cabelo. A visão deste homem sendo paternal agita algo em mim, mais do que seu toque fez. Ele exala esse tipo de poder sobre as pessoas com sua presença, mas olhar para ele falando com seu filho o torna vulnerável. Ele é uma contradição, e não tenho o direito de pensar nele assim. O homem está fora dos limites, para não mencionar o espertalhão que é, mas ali de pé à distância, vejo o quanto ele ama o seu filho. A afeição nos olhos dele me deixa com um sentimento de saudade. Eu quero isso. Balanço a cabeça com o pensamento, eu entro na sala dos professores, impaciente para chegar em casa para um copo de vinho, cortando assim todos os pensamentos do senhor Knight, mais conhecido como idiota arrogante, também conhecido como perigoso, motoqueiro quente.


02

Nix — Então o chupador me chamou de ameaça. — Na noite seguinte, eu retransmiti a cena da sala de aula para meus irmãos. Com a menção da senhorita Turner, eles não me deixaram em paz. Não é como se eu falasse com ela muitas vezes. Normalmente, minha ex-mulher lida com a merda da escola, mas Addison me ligou dez minutos antes da reunião agendada, passando a merda para mim. Eu não estava preparado. Foi a primeira vez que eu fui a classe de Z, e eu tenho certeza que não será a última. — Que porra é essa que você fez, então? — Beau pergunta, desfrutando demais desta conversa. — Eu lhe disse para calar a boca enquanto eu falava com Z. Eu não disse que a senhorita Turner brigou comigo pelos palavrões ou o fato de que eu estava me cagando sobre ver ela novamente. Desde que sai da escola, eu não tenho sido capaz de tirar ela da minha mente. Não que isso é incomum. Não passa um dia que eu não pense sobre ela. O que fazer com ela. Mas ontem foi diferente. Ver como ela parecia bem. Inferno, mexeu comigo pra caralho. Aquela pequena boca inteligente dela, a maneira como ela se levantou, me deixou coçando para caminhar até ela, dobra-la sobre a mesa, subir aquela saia lápis que ela estava usando, enterrar fundo e fazer ela chamar meu nome enquanto eu batia na sua apertada bunda. Foda-se, eu tenho que parar de pensar nela. — Ouvi dizer que ela começou a namorar novamente, — provoca Beau, e se ele não estivesse do outro lado da cabine, eu ia socar ele. O fodido sabe como mexer comigo. Mesmo sabendo que seu namoro não é da minha conta, o pensamento torce meu intestino.


— Bem, foda-se, oh que sorte. Olha quem acabou de entrar, — Beau sorri por trás de sua cerveja. Virando a cabeça, eu vejo Kadence Turner entrar em meu bar. As calças jeans que ela está usando é apertada e abraça cada polegada de sua bunda. Sua cintura pequena, a curva de seus quadris e seu cabelo escuro que paira no meio das costas faz dela ainda mais atraente. Porra, se eu queria transar com ela naquela sexy saia apertada e saltos foda-me que ela usava a última vez que a vi, eu estava ainda pior agora em seus jeans pintado em seu corpo hoje. Rapidamente olho pela área para encontrar Tom, Dick e Fucker 2 olhando para ela. Mas ela está alheia a isso. Ela ri de algo antes de finalmente olhar para cima, seus olhos pegando o meu e sua postura oscila apenas por um segundo. É isso baby, você deve ter medo de mim. Ela recupera rapidamente antes de virar e voltar um assento ao lado de sua melhor amiga Holly. Holly McAdams, cabeleireira local, espertinha e não tem medo de dizer o que pensa. — Oh, olha, ela está em um encontro. — Beau ri enquanto eu assisto algum filho da puta burro se inclinar e colocar os lábios em sua bochecha. — Tenha cuidado, Nix, — Jesse, um dos meus irmãos adverte, antes de tomar um gole de cerveja. Eu libero o aperto que eu tenho em minha cerveja antes de fazer algo impulsivo, como jogar ela na cabeça do idiota. — Sim, isso é apenas uma maldita bagunça esperando para acontecer, — Sy concorda, mas eu dou a mínima? Não. Desde aquela noite, há três anos, eu não parei de pensar sobre ela. Mesmo antes da noite que nós fodemos com sua vida, eu a queria. Crescendo em Rushford, você começa a conhecer a todos muito bem, mas Kadence Turner sempre se manteve na dela. Ela era o inatingível. Não ajudou que eu era dez anos mais velho do que ela, mas tudo saiu pela janela, quando ela ficou confusa com seu ex-noivo, Edwards. — Ela nunca vai saber porra. — Eu olho para trás da mesa me certificando de que meu aviso é ouvido. Eu posso não ser Prez dos Rebels ainda, mas eu mantenho o pach de VP3, e eu sei que meus irmãos nunca falariam nada. — Bocetas assim não vão para homens como nós, — diz Sy, olhando para Holly. — Bocetas como aquela não sabe que elas querem homens como nós, até que tenha um gosto, — eu corrijo ele. Kadence pode ser uma cadela arrogante, mas só de olhar para ela, eu sei que uma noite com ela, eu a teria tudo. Tenho apenas aquela noite. 2

É uma expressão idiomática usada para se referir a pessoas comuns em geral, em uma tradução literal seria "fulano, cicrano e beltrano", algo assim, mas achei melhor deixar no original. 3 Vice-presidente.


— Mantenha-se dizendo isso, Nix. — Beau ri, mas eu sei que não estou sonhando. Eu vi um flash de algo em seus olhos quando eu a peguei me assistindo andar em sua sala de aula, mas ela escondeu isso muito rápido. Eu nunca quis uma mulher como essa antes, algo sobre ela me faz querer mais. Poderia ser a minha culpa daquela noite, há três anos. Eu não fodidamente sei, mas a necessidade de proteger ela, até mesmo de mim, é mais forte do que qualquer coisa que eu já senti. Decidindo me divertir um pouco, eu me afasto dos homens, — Basta assistir e aprender meninos. — Eu levanto da cabine e caminho até a mesa onde ela está. O filho da puta burro agora se senta em frente a ela, mas eu não dou a mínima. Eu nivelo os olhos sobre ele e espero que ele perceba. Leva dez segundos para ele estar fora de lá. — Boa noite, damas, — eu comprimento e deslizo para onde o idiota filho da puta estava. — O que você quer? — Pergunta a espertinha, descruzando os braços. Eu vejo quando ela assume uma posição relaxada, mas eu não sou estúpido. Eu sei que eu assusto ela. — O que eu quero? — Eu repeti a pergunta, mas mantenho os olhos treinados em Kadence. — Apenas vim para uma conversa. — Eu sorrio, mas ela não responde. — Bem, como você pode ver estamos ocupadas, por isso, se você nos der licença, — diz Holly, mas eu ignoro ela e mantenho o meu olhar sobre Kadence. — Você está em um encontro, senhorita Turner? — Eu digo a “senhorita” devagar só para irrita-la. Ela balança a cabeça, mas não responde verbalmente. — Com esse idiota? — Eu aponto para aonde o idiota filho da puta estava, ele apenas fugiu. Ela balança a cabeça novamente e seu silêncio começa a me incomodar. Eu preciso ouvir ela falar. — Ele é um filho da puta burro. Venha comigo. Eu vou te mostrar como um homem de verdade leva você em um encontro. — Eu sorrio quando vejo seus olhos incendiar. — Você está pensando sobre isso, não é você? — Por favor! Ela nunca sairia com você, — Holly dispara de volta, ainda fodidamente falando. — Ok, vamos apenas foder. — Tento novamente, sabendo bem e verdadeiramente que minhas chances são pequenas. Só quero mexer com ela agora.


— Você me dá nojo, — ela sussurra e se move para sair. Eu agarro sua mão, parando ela. Ela tenta puxar fora do meu alcance, mas eu me recuso a deixar ela ir. — Você não quer dizer isso. Eu vi a maneira como os seus olhos brilham quando você pensa sobre isso. Aposto que eu poderia fazer você gritar a porra da noite toda também, não poderia, Kadence? — O constrangimento inunda suas bochechas, e por um instante, eu acho que eu poderia estar certo. Será que ela sente essa atração que temos? Eu mantenho a minha expressão vazia, não deixo ela ver o quanto isso me agrada. — Última oportunidade, senhorita Turner. — Eu exagero a senhorita novamente, amando o som disso. — Eu prefiro ser amarrada a uma cama, com milhares de pulgas me comendo viva do que deixar você me tocar, — ela cospe e eu quase rio. Se ela soubesse o quanto sua atitude me excita. — Bem, eu posso te dizer agora, você amarrada a minha cama, comigo comendo você viva, seria um inferno de muito mais gratificante. — Jesus. — Ela balança a cabeça. — Nix, temos que dar o fora. Red acabou de ligar. — Beau vem atrás de mim me impedindo de responder. — Sim. — Eu digo indo para fora da cabine e dando Kadence uma piscadela. Ela revira os olhos, mas não diz nada. — A gente se vê em breve, Kadence, — Eu prometo. — Sim, em seus sonhos, seu babaca, — ela zomba e os meninos riem. Eu balanço a cabeça sem olhar para trás, mas uma pequena parte de mim sabe que ela está assistindo. Ela pode estar com medo de mim e ela tem todo o direito de estar, mas há algo lá. Eu não sei o que é e eu sei que não deveria persegui-la. Mas foda-se, se eu poderia parar.

***

— Você tem certeza que quer fazer isso? — Beau pede ao meu lado enquanto espera na van escura. Sua perna salta em um ritmo irritante, enquanto suas mãos mexem em seu colo. — Não deixe os outros filhos da puta agarrarem ela. — Eu aumento a música da velha van que o clube possui.


— Você gosta dela. — Não é uma pergunta, mas uma observação, que me irrita. Eu gosto dela? Foda-se, mais do que isso, ela está mexendo com a porra da minha cabeça. — Eu não vou foder com ela. Ela é professora do meu filho, — eu explico, mas nós dois sabemos que eu estou mentindo. — Ela é mais do que a professora do Z, — ele me fala, e, novamente, ele está certo. É mais do que isso. Talvez seja a culpa que eu sinto, por ela ter sido pega em nossa merda fodida há três anos. Não era para acontecer assim, mas aconteceu e desde aquela noite, senhorita Turner tem estado na porra da minha mente. — Ela é a porra de um trabalho agora, então cale a boca. — Eu vejo como ele continua a tremer a perna, e se eu não soubesse que ele estava chapado, eu diria a ele para parar com essa porra. Ele não costumava ser assim. Ele mantinha sua merda juntas, antes que a vida do clube e um estilo de vida Rebels fodesse com a gente. É minha culpa que ele se tornou um viciado. Tivemos uma chance de sair, anos atrás. Mas eu não quis. Eu não queria começar a viver uma vida limpa e normal. Meu pai glamourizou este estilo de vida e eu comprei isso. Crescendo na sede do clube, os irmãos eram mais como pais, todo mundo cuidando um do outro como seu próprio. Porra eu adorava. Éramos uma família. Sim, ao longo dos anos, a crença do clube mudou, tudo mudou. Poder e cobiça se tornou a força motriz por trás dos Rebels, que giram fora da lei. No início, eu não concordei, mas com o passar dos anos eu percebi que era a maneira do clube. Ou você vive de acordo com o código, ou você não faz. O clube era a minha família, e isso é tudo que existe para ela. — Você acha que ela está saindo tão cedo? — Ele descansa sua mão em seu joelho para impedir de tremer. Eu não respondo, mas olho para a fotografia de Kadence olhando para mim. Ela está olhando diretamente para mim, mas não percebe que a foto foi tirada. Seu cabelo escuro está empilhado em cima de sua cabeça em uma porra de estilo extravagante e balançando seu corpo em uma roupa apertada na semana passada. Após a noite no bar, as coisas têm sido tensas para os Rebels. Um dos clubes rivais está de volta à cidade, com uma nova tripulação e sem medo de entrar no nosso caminho. Dizer que a merda desceu seria um eufemismo. Temos mantido as coisas baixas, adiando o momento certo para que ela saiba que a ameaça de três anos atrás, ainda está lá.


— Foda-se Beau, pare de ser uma vadia. — Eu coloco a foto de volta para baixo e volto a assistir a porta. Nós estivemos esperando por duas horas aqui, esperando pela nossa chance de levar ela. — Consegui ver ela. — Beau fica um pouco mais reto e meus olhos passam sobre ela. Hoje à noite ela está usando um vestido curto preto e eu tenho que me lembrar do passado. Foda-se, mantenha sua cabeça hein, Nix. — Sim. — Eu viro a chave na ignição pronto para me mover. — Ela tem a amiga loira com ela. — Ele se move para sua arma. — Nós vamos pegar apenas Kadence, — Instrui, em seguida, passo com cuidado para fora do nosso espaço do estacionamento, mantendo em um ritmo lento. — Você tem certeza que quer fazer isso, Nix? — Ele me pergunta novamente, e eu sei que ele está apenas olhando para mim. Eu faria a mesma coisa. Mas foda-se, eu gostaria que ele calasse a boca. — Nós já fodemos sua vida, Beau. Nem faça essa pergunta. — Tomamos a esquina do quarteirão seguinte. Eu sei que esta merda é errada, e a última coisa que o clube precisa é de mais porra de estresse, mas eu não posso evitar, eu preciso estar a par das coisas. — Não foda isso, — eu adverti, mas é mais um lembrete para mim mesmo. — Eu já fiz isso? — Ele pergunta quando nós dois saímos da van. — Não, mas há uma primeira vez para tudo. — Ele não responde, apenas me segue no beco onde esperamos. A rua está vazia, mas isso não impede que a ansiedade torça minhas entranhas. Esta merda é fodida, mas se eu quero ajudar Kadence, eu preciso fazer isso. Um choque de adrenalina que eu não sentia há muito tempo corre através de mim com o som de suas vozes perto. Foda-se. Esta merda está acontecendo. Meus olhos encontram Beau, com um aceno de cabeça, eu passo para fora e agarro ela. — Que porra é essa? — Ela congela sob o meu aperto. — Foda-se, solte ela, idiota, — Holly grita contra o silêncio da noite. — Fodidamente saia gritando, cadela. — Beau se move para levar ela quando eu pego Kadence e puxo ela para a van. — Socorro! Alguém ajude! — Holly grita para ele e por um segundo, eu acho que ela está prestes a derrubar ele, mas ele se vira e agarra ela, dando a ela um aperto. Ela despenca em seus braços, deixando ele sem escolha a não ser deixar ela deslizar para o chão.


— Por favor, por favor, não. — Kadence ainda luta no meu aperto, mas eu sou muito forte para ela. — Basta entrar em silêncio e não vamos te machucar, — eu sussurro perto de seu ouvido. — Foda-se, — ela sussurra, e tanto quanto é fodido, observar sua luta mexe com meu pau. Jesus, de novo não. Ela consegue torcer para fora dos meus braços e proporciona um duro golpe para as minhas bolas. — Foda-se, — Eu resmungo, dobrando na cintura de dor antes de ela dar outro golpe, desta vez na minha têmpora. — Jesus, fodido. — Eu esfrego o local, observando como ela se vira e cai de volta diretamente para os braços de Beau. Antes que ela possa dizer uma palavra, ele tem a boca dela coberta e a puxa para a van. — O que diabos vamos fazer com ela? — Beau pergunta, apontando para uma Holly inconsciente, mas meus olhos estão em Kadence. Ela ainda está lutando, mas congela quando ela finalmente me reconhece. Sim, eu sou um babaca. — Deixe ela, — eu digo quando isso afundar, não há como voltar atrás. — Nós não podemos deixar ela. Pegue ela, — Ofega Beau e me leva um minuto para concordar. A última coisa que precisamos é dela nos identificando. Inclinando-se para baixo, eu a pego e coloco na parte de trás. Em sua queda, ela bateu a cabeça e o pequeno corte em sua testa sangra rápido. — Pegue algo para sua cabeça, — eu digo a ele, já lamentando isso. Não era para ninguém se machucar. — Você pode dizer ao Red, você não poderia parar em um, — ele brinca quando eu deslizo a porta fechada. Eu não sei o que diabos vamos fazer com a sua amiga, mas vamos lidar com isso quando voltarmos ao clube. Eu verifico em volta, me certificando de que ninguém nos viu sequestrar as duas mulheres, em seguida, caminho para o lado do motorista. — Ninguém deveria ter se machucado, — eu digo a ele, e ouço enquanto Kadence ainda luta. — Você tenta pegar a espertinha, — ele rosna, mas eu não respondo. Minha mente já está em como vou lidar com Red. Eu fui contra o meu Prez esta noite. Contra o clube. Uma coisa é foder com meu pai, mas o seu clube? Porra, eu gostaria de não ser por causa dela.


03

Kadence Nós estacionamos na frente do complexo do Knights Rebels, assim que Holly mexe. Eu estive sentada aqui em estado de choque pelos quinze minutos que levou para chegar aqui e eu ainda não consigo pensar direito. Os Knights Rebels me sequestraram. O pai de Z me sequestrou. Isso é real? Nós saímos para uma noite para celebrar. Holly tinha um tempo de férias, enquanto eu terminei meu primeiro ano de ensino em Rushford Elementary School. Nós tínhamos acabado de sair do bar. Indo para casa, nossa rápida caminhada de duas quadras, quando eles saíram do nada, me chocando por um momento e fazendo com que tudo que meu pai tinha me ensinado sobre autodefesa saísse pela janela. Eu congelei. O pensamento de mãos masculinas em mim me deixou em pânico. Até o momento que o meu instinto de luta apareceu, já era tarde demais. Uma vez que Holly estava no chão, não havia nenhuma maneira de deixa-la. — Kadence? — Holly tenta sentar, mas desliza para trás para baixo quando nós passamos por uma calçada esburacada. Seu cabelo loiro com sangue seco na frente, onde ela bateu a cabeça, mas fora isso, ela parece ilesa. — Onde estamos? — Ela parece sonolenta e se eu não tivesse visto o cara grande na parte de trás quase sufocar ela, eu diria que ela estava agindo como se ela estivesse drogada. — Eu não sei, — eu minto, não querendo que ela surte. Ela sabe mais sobre os Rebels do que eu. Se mantendo com todas as fofocas sobre suas atividades ilegais, ela me avisou sobre eles repetidamente. Quando ela perceber aonde eles nos levaram, ela vai pirar. — Fique quieta e mantenha a boca fechada, assim não vamos ter que te machucar. — Nix diz quando ele vira a van. Eu não sei por que estou aqui, ou o que eles querem, mas se ele tem a ver com os Rebels, não pode ser bom. — Você pega ela. Vou levar a loira. — Ele continua como se não estivéssemos aqui e sai


da frente. Penso em fazer uma corrida assim que ele abrir a porta, mas a julgar pelo olhar no rosto de Holly, eu sei que ela não seria capaz de fazer isso também. Eu mantenho minha boca fechada e uso esse tempo para tomar tudo sobre o homem que o ajudou a me raptar. Ele é o mesmo cara da outra noite no bar. Seus olhos escuros não me deixam, e se ele acha que é algum tipo de tática de intimidação, então ele está certo. Seu cabelo escuro é apenas comprido o suficiente para ficar em um rabo de cavalo baixo, e a pequena quantidade de brilho me diz que ele não lava há alguns dias. Ele se contorce em seguida, sorri quando o meu olhar se move sobre seu rosto duro. Rígidos olhos castanhos, nariz reto e forte mandíbula. Eu o chamaria de atraente, mas considerando as circunstâncias isso seria estranho. — Eu sei o que você está fazendo. — Ele sorri e um arrepio percorre na pura maldade que eu vejo por trás dele. — Tudo o que você está pensando, querida. Pense pior, — avisa assim que a porta do fundo da van abre. Holly salta com o ruído, antes de tentar correr para fora. Talvez teria dado certo fazer aquela corrida. — Não fodidamente assuste ela, — Nix adverte o cara quando ele agarra Holly em torno de sua cintura e a puxa para sua frente. Ele não olha para ela quando ele fala, mas mantém os olhos fixos nos meus, me segurando congelada no meu lugar. — Vocês duas irão fazer o que dissermos, e então você pode ir para casa. Você luta contra nós, as coisas não serão fodidamente bonitas. Você entende? — Nix pergunta e eu aceno imediatamente. Seu olhar atento segue meu comprimento antes de parar e voltar para os meus olhos. Eu seguro seu olhar por um minuto antes de seguir seu exemplo, verificando ele. Ele parece diferente hoje à noite, mais duro. Poderia ser porque parece que ele não fez a barba desde que eu o vi na semana passada, ele me sequestrou e estou me sentindo chateada, mas mesmo depois de tudo isso, depois de tudo o que sei sobre ele e o que ele faz para mim, eu ainda acho que ele parece bom. Jesus, o que há de errado comigo? Esse homem me sequestrou e, em vez de lutar com ele, eu estou secando ele? — Palavras, querida, precisamos de palavras. — O cara me cutuca quando eu só dou um aceno de cabeça. — Ss...sim, — eu gaguejo, ainda perdida em seu olhar e o choque do que está acontecendo. — Foda-se, chupadores. — Holly luta, jogando a cabeça para trás e se conectando com o nariz de Nix.


— Jesus, porra. — Ele abaixa a cabeça e aperta a ponte de seu nariz. — Vamos leva-las para dentro, antes de se machucar. — Ele levanta Holly por cima do ombro como se ela não pesasse nada e se move em direção a sede do clube. O cara arrepiante me agarra pelo braço, me puxando para fora da van, seguindo por perto. — Vamos, babacas. Você não tem ideia de quem você está lidando. — Seus punhos batem nas costas de Nix mais e mais. Eu quase quero dizer a ela para parar, para manter a calma para que eu possa pensar, mas conheço minha melhor amiga. Dizer a Holly para ficar quieta seria um desperdício de fôlego. — Vou colocar a espertinha no quarto de hóspedes. Você leva ela para o meu, — Nix diz ao cara me segurando, mas eu não quero ficar separada de Holly assim eu tento negociar com eles. — Por favor, nos mantenha juntas. — Tento parecer doce, mas eu sei que não vai pegar isso. — Não, — ele responde sem olhar para trás para mim. — Por favor, — eu digo, parando antes de ser empurrada com força, caindo de joelhos. — Jesus, Beau. — Nix vira quando eu caio. Beau? Então esse é o nome do idiota. — Ela escorregou porra, — Beau explica. — Sim, porque você me empurrou, idiota. — Eu ignoro a mão e levanto. Eu não preciso dele porra. — Se controla, — adverte Nix, depois se vira. Eu corro minhas mãos sobre os joelhos, tentando esfregar a dor da minha queda e olho ao redor. Dois homens mais velhos ficam perto da porta, fumando cigarros. As pontas vermelhas brilham contra o negro da noite, suas expressões ocultas por trás de suas barbas. Seus olhos me avaliam, mas acenam para Nix quando andamos até eles, deixando a gente passar sem uma palavra. Será que eles não se importam que estamos aqui contra a nossa vontade? Beau me empurra através das portas para o corredor mal iluminado e nós caminhamos para uma grande área aberta. Eu olho ao redor do novo ambiente, o cheiro de couro e fumo enche meu nariz. A longa parede mantém fotos de


membros em seus coletes, alguns em mug shots4, mas mais da família do que qualquer coisa. Insígnia do clube é esculpida em uma grande exposição de madeira que fica no centro da parede, com ‘Knights Rebels’ inscrito acima da cabeça do crânio. Alguns dos jovens que estão em torno da mesa de sinuca olham para cima à medida que passamos pela área aberta, mas, novamente, ninguém diz nada. — Não tenha ideias, — diz Beau quando ele me empurra passando a cozinha. Eu engulo a minha inquietação e mantenho meus olhos à frente. Nix continua por um longo corredor, antes de parar na segunda porta à esquerda. — Fique aqui. Não tente nada estúpido. — Ele coloca Holly em seus pés, e em seguida, empurra ela, antes de fechar a porta trancando-a. Ela imediatamente bate e chuta a porta. — Nós vamos precisar de corda, se você quiser manter essas duas tranquilas, — Diz Beau, e outro nó se forma em meu estomago. Cordas? Oh, Deus. — Eu vou cuidar dela. Você encontra algumas, — diz Nix, andando de volta para nós. Ele pega meu braço e me puxa para longe de Beau. Seu aperto é firme, mas ainda suave, e eu me estapeio mentalmente por sequer pensar que algo sobre este homem é gentil. — Estarei de volta. — Beau balança a cabeça, me deixando sozinha com Nix. — Por favor, não nos amarre, — Eu imploro quando estamos sozinhos. Ele não diz nada, apenas me empurra pelo corredor para outro quarto. O quarto é antigo, como o resto do clube, mas tem um calor familiar nele. Como se ele pudesse dizer mil histórias que você nunca se esqueceria. A cômoda perto da janela me chama a atenção em primeiro lugar. A parte superior do carvalho cedro é coberto com pedaços e peças. Eu vejo um porta retrato de Z e seu pai, e eu imediatamente sei que estou em seu quarto. — Sente-se e não toque em nada. — Suas exigências saem em voz grave e eu faço o que ele diz. Tomando um assento no velho sofá ao lado da porta, eu mantenho o meu olhar sobre ele e tento não mostrar a ele que eu estou enlouquecendo. Eu não sei nada sobre este homem, mas algo parece

4


diferente. Um minuto eu sinto que estou em grande dificuldade, o próximo eu sinto como se ele realmente não iria me machucar. — O que estou fazendo aqui, senhor Knight? — Seu noivo. — Ele se inclina para trás contra a parede e cruza os braços sobre o peito. — Ex-noivo. — Eu me oponho como ele fez comigo na semana passada. Grande, ambos temos ex’s. Eu não tenho ideia por que isso é algo que vem à minha mente, mas tudo sobre este homem provoca algum tipo de reação em mim. — Quando foi a última vez que você o viu? — Não o vejo desde quando me deixou, para queimar na minha casa. — Eu olho para longe, não gostando dele olhando para mim. — Tudo o que ele fez, eu não sou uma parte disso. Eu posso sair agora? — Eu espero por uma resposta, mas ele não me dá, ele continua me olhando. Uma batida na porta me faz saltar no meu lugar, Nix se move para responder. — Tenho a corda, e Red está chamando o clube para uma reunião. — Beau entra, interrompendo a nossa conversa. — Ele nos viu? — Nix pergunta e pega a corda. — Ele não disse. — Ele dá de ombros, como se não fosse grande coisa. Jesus, eu não sei como vamos sair disso. — O que você vai fazer com isso? — Eu pergunto, me movendo para fora do sofá. — Sente-se. — Nix rosna e meu corpo, automaticamente, volta para o local, antes que eu possa discutir. — Eu vou amarra-la e você cuida da outra, — ele ordena a Beau e eu engulo com cuidado, tentando não surtar sobre ser amarrada. — Se você não disser o que está acontecendo agora, eu vou gritar. — Eu não sei porque estou discutindo com ele. Isso não vai me fazer nenhum bem. — Você grita, então terei certeza de lhe dar algo para gritar. — Ele está na minha cara antes que eu possa responder, o seu corpo se inclina sobre mim. Seus olhos com intensidade feroz nos meus, e novamente com um olhar, ele


consegue instalar o medo dentro de mim, que é substituído imediatamente por uma sensação de calma. O que diabos está acontecendo aqui? — Venha comigo. — Ele me agarra pelo pulso e me puxa para cima. Eu não luto com ele, mas eu não torno isso fácil para ele, me certificando de manter o meu corpo rígido. Sua influência sobre mim é áspera agora, mas o toque não é o que me assusta, é o modo como meu corpo reage a ele. Como se ele quisesse mais. Precisasse de mais. — Por favor, não me machuque. — Eu imploro quando ele me arrasta para a cama. — Você faz o que eu digo, então ninguém se machuca. Você me desobedece, tenta escapar, então não terei escolha senão te machucar. — Ele para e espera eu responder. Eu respondo. Eu ainda estou presa no pensamento dele me machucando. — Palavras. — Ele comanda. — Sim. — Eu digo de mau humor, me sentindo como uma criança. — Boa garota. Agora suba na cama. — Eu não discuto, em vez disso, eu viro e faço o que ele diz. A cama é antiga, mas surpreendentemente confortável, cheira como lençóis trocados recentemente. Eu tento encontrar algo próximo, que eu poderia usar como uma arma na minha tentativa de escapar, mas os meus esforços são inúteis quando ele me pega. — Nem sequer pense sobre isso. Confie em mim, isto é apenas para sua proteção, — ele oferece e eu quase rio. Tenho certeza de que ele realmente quer me proteger. — Por favor, não faça isso. Serei boa. Eu prometo. — O calor de seu corpo me aquece enquanto ele sobe em cima de mim e levanta uma mão em meu alcance. Eu tento lutar contra isso, puxando contra seu aperto, mas os meus esforços são inúteis. Ele é muito forte. A corda circunda meu pulso e a frieza das barras de ferro forjado esfriam minha pele. — Eu tenho que fazer isso. — Ele se aproxima, e seu hálito quente bate no meu rosto enquanto ele se concentra no nó. Eu fecho meus olhos, o realismo desta situação se torna muito para minha mente compreender. Ele abaixa e pega minha mão livre, e desta vez, eu não luto contra ele, quando coloca acima de minha cabeça, prendendo. Jesus, na semana passada eu só estava brincando com ele sobre ser amarrado a uma cama, e hoje, aqui estou eu.


— Por favor, — eu sussurro novamente, desta vez segurando seu olhar enquanto ele se ajoelha acima de mim. Eu posso dizer pelo seu olhar que ele não vai desistir, mas algo me diz que ele está lutando com isso. — Só vai ser por pouco, Kadence. — Ele aperta a corda, verificando se eu não posso soltar. — Não fale meu nome. — Eu fervo, odiando a maneira que soa tão íntima com ele em cima de mim. Ele sorri, e tanto quanto eu o odeio agora, eu ainda não posso ignorar o seu sorriso. — Mas eu quero ser seu amigo, Kadence. — Alterando seu comportamento. O homem duro que me amarrou na cama se foi. Agora, estou enfrentando o homem prostituto sedutor da semana passada. — Senhor Knight, você não me conhece muito bem, se você ainda acha que alguma vez seremos amigos. — Eu puxo contra a minha corda, chateada com seu cheiro intoxicante invadindo os meus sentidos. — Eu sei tudo o que há para saber sobre você, Kadence. — Mais uma vez o som do meu nome rolando fora da sua língua parece íntimo e em algum lugar na minha cabeça fodida eu gosto. Algo está errado comigo. É como se eu tivesse uma conexão com ele? Mesmo que ele tenha me jogado na parte traseira de uma van, ainda quero ouvir ele chamar meu nome novamente. É isso que eles chamam de síndrome de Estocolmo? — Você não fez o suficiente? — Eu pergunto, observando seus olhos mudando de cor com a minha pergunta. Eu não sei porque eu disse isso. Será que ele sequer começou a entender o que eu já passei? — Eu gostaria de poder fazer mais. — Assim que as palavras estão fora de sua boca, eu sinto uma mudança nele. Ele reverte para o motoqueiro fodão. Pavor passa no meu intestino com a mudança nele. Não só ele parece quente e frio, o que é cansativo, mas ele envia os meus sentidos em um frenesi. Eu preciso me lembrar que Nix Knight é perigoso e ignorar a força que ele tem sobre mim. Estou tentando o meu melhor para lutar com ele, mas quanto mais eu luto, mais rápido eu pareço cair. Sim, algo em mim está seriamente confuso. Eu me sinto atraída por este homem. O homem que me sequestrou e agora me amarrou a uma cama. A cama dele. Deus me ajude.


04

Nix — Eu gostaria de poder fazer mais. Ela não responde a minha confissão, mas posso dizer que sua mente está a um milhão por segundo. O que eu não faria para saber o que ela está pensando. Eu sei que estou pisando em terreno instável agora, mas eu não consigo parar, mesmo que eu quisesse. — Por favor, me solte e eu não vou contar a ninguém, — ela finalmente sussurra e o desespero em sua voz me faz lutar para permanecer forte e não ceder como um homem desesperado. — E se eu não quiser? — Eu digo a ela, ainda posicionado acima dela. Eu sei que as minhas razões para pega-la não são os melhores, mas na minha mente, isso é melhor do que dar a Edwards uma chance de colocar as mãos sobre ela. Minha mão não se moveu de seu pulso, e eu posso sentir o aumento da sua frequência cardíaca sob meus dedos enquanto seu corpo fica tenso abaixo de mim. Seus seios fartos sobem e descem com cada ingestão aguda na respiração e eu não sei se ela está sentindo o que estou sentindo ou se está assustada. A parte fodida de mim acha que ela está excitada, que ela gosta de estar amarrada e sob o meu comando, mas o meu lado racional sabe que não pode ser verdade. — Nix, — ela implora e eu ignoro a torção no meu intestino em ouvi-la chamar pelo meu nome — Por favor, me solte, Nix, — ela sussurra. — Não é possível fazer isso, Kadence. — Eu libero seu pulso e levanto da cama. — Então por favor, deixe Holly ir, — ela contraria, mas eu não posso fazer isso. Ainda não. — Eu estarei de volta. — Eu ignoro ela e caminho até a porta. Desligo a luz e ela grita instantaneamente.


— Por favor, ligue novamente! — O desespero em sua voz faz minha mão se mover para banhar luz no quarto novamente. — O quê? — Eu pergunto, caminhando de volta. — Eu tenho, humm. Eu tenho medo do escuro. — Ela olha para mim, os olhos arregalados, em busca de minha compreensão. — Nada vai acontecer com você, — eu asseguro, mas eu posso ver o pânico se construindo. — Eu vou fazer o que você pedir. Por favor, deixe a luz acesa. — Eu olho para ela com cuidado e seguro um sorriso a uma mulher adulta que tem medo do escuro. — Ok, Kadence. — Concordo sem hesitação. Eu não sei o que diabos está errado comigo. Eu não deveria ceder ou tentar faze-la se sentir confortável, mas tudo em mim diz para fazer isso. — Obrigado, — ela murmura e eu tenho que me esforçar para virar e sair. Foda-se. Esta foi uma má ideia. Eu não deveria estar fazendo isso, mas o desastre na direção dela era inegável. Ela precisa disso. Ela logo vai perceber que isso é o melhor. É para sua proteção. O que diabos eu estava pensando? Eu olho para trás para ela mais uma vez antes de fechar a porta. Esta foi uma má ideia do caralho. Kadence na minha cama? Foda-se.

***

— Você resolveu com a Holly? — Eu pergunto a Beau quando eu caminho de volta para a cozinha. — Sim, a cadela é mal-humorada. — Ele toma um gole de cerveja e senta para trás, descontraído, como se nós não tivéssemos acabado de sequestrar duas mulheres. — Você viu o seu pai? — Ele desliza uma cerveja na minha frente e eu pego. — Não. — Eu tomo um gole da garrafa e tiro meu telefone. — Você acha que ele sabe? — Pergunto quando eu checo Z. Desde a reunião com Kadence, ele está retraído.


— Foda-se, se eu sei. Algo está acontecendo. — Ele balança a cabeça, vendo como todos os nossos irmãos começam a andar para a reunião do clube. — Foda-se, — Eu amaldiçoo, esperando que as meninas mantenham a boca fechada. — Cuide da sua traseira, Nix. — Beau me dá um tapa na parte de trás para dar ênfase, antes de se levantar e caminhar para a sala onde temos missa5. Aproveito mais da minha cerveja, e, em seguida, deixo o resto em cima do balcão. Eu vou atrás de Beau e encontro meu lugar na mesa de madeira de carvalho velho. — Todos aqui? — O homem duro que eu chamo de pai pergunta da cabeceira da mesa quanto eu sento à sua esquerda. — Sim, — todos nós respondemos. — Certo, nós temos problemas com os Warriors. Outra carga desapareceu. — Ele dá em nossa direção a tempestade de merda. O nosso conselho tem sido o lar de dois clubes de motoqueiros ao longo dos últimos trinta anos. Merda, não é como se isso fosse desconhecido. Durante anos, meu velho mandou nessa cidade e este clube do jeito que ele queria, sem medo, o que causou a maioria dos problemas para os Knights Rebels originais. Os Rebels tinham em suas mãos os comércios da arma, o que nos empurrou para o território dos Warriors of Mayhem, causando um conflito entre os clubes. Durante anos ele correu profundo, causando uma série de sangue derramado entre nós. Depois que um montão de merda aconteceu, o clube decidiu sair do jogo de arma e ficar com as drogas. Nós fechamos um acordo com o King, e desde então as coisas têm sido um mar de rosas. — Eles pensam que somos nós? — Eu pergunto, lançando um suspiro que eu não sabia que estava segurando. Obrigado, foda isto não é sobre Kadence. — Eles fazem. Eles acham que estamos trabalhando com Gunner. — Por que porra eles pensam isso? — Jesse, o sargento de armas6 do clube pergunta. Ele é um filho da puta normalmente calmo, senta e assiste todos os outros, por isso a sua linguagem foi incomum. — Com Gunner Jamieson de volta na cidade, que porra sabe o que eles estão pensando, — responde Red, tão ignorante como eu. 5

Do original church, são as reuniões dos clube.

Sua função é a de manter a ordem nas reuniões e lidar com clube e segurança do clube, liderar o clube nos ataques durante a guerra. 6


— Então? Nós não tivemos nada a ver com Gunner por alguns anos, — eu digo, não tendo certeza onde diabos nós entramos nessa confusão. — Temos laços com Edwards, — Sy fala, ligando os pontos. Zane Edwards. O filho da puta que começou toda essa besteira vindo aqui e se instalando no nosso território. A razão de Kadence estar amarrada à minha cama. Porra, isso é sobre ela. Porra, eu sabia disso. — Você acha que ele planejou isso? — Eu pergunto, sabendo que Edwards voltar para a cidade não foi uma coincidência. — Você viu o sorriso presunçoso na semana passada, quando ele caminhou de volta para a cidade? — Beau pergunta. Eu vi, mas não entendi no momento. Eu estava muito preso nas emoções de saber que o filho da puta estava de volta. A última vez que os Rebels tiveram algo a ver com Edwards foi a noite que colocamos fogo na casa dele. Nós pensamos que era o aviso de que precisava, para empurrar ele para fora da cidade. — Então, nós estamos em alerta. Se eles estão jogando com a gente ou eles estão trabalhando juntos. Nós poderíamos estar olhando para uma enorme tempestade de merda ou duas coisas distintas, o que significa mais dois malditos problemas que nós não precisamos. Temos que ficar em alerta, e ser inteligente, — meu pai continua a emitir o seu aviso. — Brooks, — meu pai chama seu melhor amigo. — Tente marcar um encontro com o King. — Entendi. — Ele balança a cabeça, sabendo o que precisa ser feito. — Todo o resto fiquem firmes até nós descobrirmos o que aconteceu. Fiquem alerta. — Acena Red, em seguida, descarta seus homens. Eu estou com todo mundo, aliviado por ele não ter mais nada para discutir. — Nix, uma palavra, — ele grita. Meus olhos encontram Beau. — Ele pode ficar também, já que vocês dois fizeram essa merda, — acrescenta ele e sei que ele sabe. Foda-se. Nós viramos e tomo um banco, só que desta vez eu não sento no meu lugar de VP. — Quer me dizer por que diabos ela está aqui? — Ele vai direto ao ponto. — Nós precisamos dela.


— Que porra é essa que vamos fazer com ela, Nix? — Edwards está de volta. Nós a pegamos antes que ele possa chegar até ela. — Engraçado, porque eu fodidamente lhe disse que eu não dou a mínima para o que Edwards faz com ela. — Ele se senta para trás me observando. Claro que ele não se importa. — Jesus, Nix. Como diabos eu deveria confiar que você tem o melhor interesse do clube quando você puxar essa merda? — Pops7, eu fodidamente te disse, nós precisamos dela, — eu argumento, mas todos sabemos que se trata de proteger ela. É sobre ter certeza que ela não acabe com o filho da puta novamente. Ouvi ele na semana passada, falando que ele estava partindo para reconquistar ela. Não, se eu tiver alguma coisa a ver com isso. — Nós não precisamos dela, porra. — Ele bate seu punho na mesa. — Quanto mais cedo você acabar com esta maldita culpa que você se agarra, melhor será para esse clube. — Isto não é sobre essa merda. — Eu bloqueio o fogo, não precisando da memória piscando em minha mente agora. — Não? Porque de onde estou sentado, parece que você quer essa vadia, e você está lutando contra a culpa que fode com a sua vida. — Ele diz, mas eu não reajo. Nunca mostre a sua fraqueza, ele diz, e agora, eu não posso me dar ao luxo de deixar que ninguém saiba que Kadence Turner é minha fraqueza. Nem mesmo ela. — A única coisa que você está vendo é o seu filho fazendo o que é certo para o clube. Esse filho da puta tem informações sobre Edwards e temos sua mulher. Parece uma razão para fazer isso falar para mim. — Eu levanto, não estando com disposição para ele mais, muito menos hoje à noite. Eu odeio que eu apenas o incentivei a usa-la, mas foda-se, o que eu devo dizer? Eu quero ela aqui, para tentar faze-la minha antes que ele chegue a ela? — Ela não pode ficar aqui. Não há espaço para ela, ou sua amiga, — ele contrapõe, mas isso não vai me impedir. Ela já está aqui. Ela não está saindo. — Eu vou mantê-la em meu quarto. — Ela é professora do Z pelo amor de Deus, Nix. O que você vai fazer quando ele descobrir?

7

Pai.


— Ela não é mais sua professora, ele começou um novo ano escolar, e ele não vai descobrir. — Eu dou de ombros, esperando que eu esteja certo. — Foda-se, isso é uma bagunça. — Ele se levanta, balançando a cabeça, cansado com nossa briga. Eu sei que ele está certo. Essa coisa toda é uma bagunça do caralho. Kadence no nosso clube só poderia significar problemas, mas eu não vou sentar e assistir Edwards foder com ela novamente. Ele conseguiu a última vez, e sim, a minha culpa pode ser uma força nisso, mas eu não vou ignorar. Ele não vai foder com a gente ou ela novamente, não se eu puder fazer algo sobre isso.


05

Kadence — Ela está aqui? — Eu ouço uma voz profunda através das finas paredes de minha prisão, e por um minuto, eu paro de trabalhar na corda e ouço o que está acontecendo lá fora. — Fodido, você está louco, — diz outra voz. Eu não sei o que diabos está acontecendo lá fora, mas este não é o momento de parar para ouvir as fofocas. Eu preciso chegar a Holly, e dar o fora. Agora. Minhas mãos voltam para a corda e eu me forço a bloquear os sons dos homens conversando. — Você gosta dela, porra. — Eu paro o que estou fazendo, ignorando a queima da corda em mim e tento ouvir. — Foda-se, ela está aqui para o clube, — Nix responde, e é como se todo o sangue drenasse do meu corpo. Para o clube? O que diabos ele quer dizer? — Mantenha-se dizendo isso, cara. — Alguém ri, em seguida, os outros seguem. Eu não ouço qualquer outra coisa, além da música que se torna mais alta, abafando suas vozes. Me concentro na corda e continuo tentando soltar o nó. Eu preciso chegar a Holly, antes que alguém a machuque. Ela não merece ser arrastada para a confusão do Zane. Só eu só posso chegar a ela, eu continuo dizendo a mim mesma uma e outra vez enquanto a corda começa a se mover. Os Knights Rebels são problemas. Precisamos sair agora. Red Knight é um homem duro, mau, irritado e ser amarrada a uma cama por seus homens significa que estamos fodidas. Fodida com um F maiúsculo! Depois do que parece trinta minutos de trabalho na corda, eu consigo ter uma mão livre. Meus pulsos estão sangrando, mas isso não impede de me virar em meu lugar, e trabalhar mais rápido para libertar a minha mão esquerda.


Minha mão treme quando a corda solta e a antecipação da liberdade, parece ao meu alcance. — O que diabos você está fazendo? — A voz de Nix pergunta por trás de mim, assim quando eu me livro da corda. Eu não dou a ele tempo para se preparar quando eu salto para fora da cama e indo diretamente para ele. Eu sei que é provavelmente estúpido, mas a adrenalina que passa por mim não me permite compreender o que é estúpido ou não. Eu preciso sair. Essa é a minha única prioridade. — Pelo amor de Deus, mulher. — Ele me agarra pela cintura e me pega em um movimento rápido. Eu chuto, arranho e faço o que posso para sair de seus braços, mas nada funciona. Ele é muito forte. — Você não vai a lugar nenhum, — diz ele, me jogando de volta na cama. Eu salto sobre o impacto de volta a cama. — Por que estou aqui? — Pergunto de novo, puxando o travesseiro contra mim, na minha tentativa fútil em esconder o meu corpo dele. — Edwards. — Ele dá a sua resposta uma palavra, o mesmo que da última vez. — Eu não o vejo em anos. Eu já disse. — Eu abraço o travesseiro mais apertado. — Eu sei que você não viu e eu já te disse. Você está aqui por proteção. — Ele senta no final da cama, e se eu pudesse descer e ir para longe dele, eu o faria. — A única proteção que eu preciso é de você, — eu jogo de volta em seu rosto. Este homem é delirante, se ele acha que eu vou cair para esta merda. — Há um monte de coisas que você não entende, Kadence. Você só vai ter que confiar em mim. — Você me sequestrou no meio da noite, e você quer que eu confie em você? — Eu nem sequer tento manter o sarcasmo fora do meu tom. — Sim. — Ele balança a cabeça e isso me irrita. — Senhor Knight, a última vez que um homem pediu minha confiança, eu acabei com isso. — Levanto o lado do meu vestido, ligeiramente, expondo a pele deformada que começa na minha coxa. A ingestão dura dele me diz o que eu já sei, a feiura é vista. E isso é por causa do meu ex-noivo. — A última vez que o vi, ele me deixou para morrer, e agora por causa dele, você me sequestrou, me trouxe aqui e me amarrou a uma cama. Você quer que eu confie em você? Você


perdeu sua mente maldita? — Eu puxo o meu vestido para baixo quando percebo seus olhos ainda colados às queimaduras de terceiro grau que desfiguram a minha pele. — Você não vai dizer nada? — Pergunto quando ele permanece em silêncio. Eu não sei porque, mostrei parte da minha cicatriz. Era um mecanismo de sobrevivência ou a necessidade de mostrar a ele que eu já passei por algo? Fosse o que fosse, eu não estava acostumada a isso. — Você tem que confiar em mim, — diz ele, mas eu não posso. Ele e seu clube são tão ruins como Zane, me alimentando com mentiras. — Mais uma vez. Você me amarrou à sua cama! — Isso é para que você não saísse enquanto lidamos com negócios do clube. — Isso não deixa tudo bem, Nix. — Não, mas eu não estava indo deixar você vagar por aí. Alguns filhos da puta achariam você andando por aí, o que diabos você acha que aconteceria? — Você me sequestrou! — Eu grito, ignorando e não tenho certeza do que iria acontecer, e focando na minha irritação. — Bem, se eu batesse à sua porta você viria? — Não. — Exatamente. Ele tem um ponto, mas eu ainda acho que ele é louco. — Você está louco. Isso é loucura. O que eu tenho a ver com isso? — Eu não posso te dizer, ainda, — ele responde, mas isso não é bom o suficiente. — Eu quero saber e eu quero saber disso agora. — Eu estou começando a soar como uma criança petulante, mas eu não me importo. — Algumas coisas você não compreenderia. — Ele passa a mão pelo cabelo, mas ele só me irrita mais. — Compreender? Perdi malditos anos da minha vida por causa de Zane. Me faça entender. — São negócios do clube, querida. Eu não posso fazer isso. —Não me chame de querida — Eu tremo, o carinho parecendo sujo vindo de sua boca.


— Kadence, você está segura aqui. — Segura? — Eu rio de sua ideia de seguro. — Você não vai me dizer por que eu estou aqui. Você me amarrou à sua cama. Pelo que eu sei, você vai querer me prostituir para o seu clube! — Histeria borbulha no meu peito, fluindo livremente. Tão duro quanto eu tentei, não consigo me manter quieta. No começo, ele não responde, apenas olha para mim como se eu tivesse perdido a minha mente, antes de cair em uma alta, risada gutural. — Que diabos é tão engraçado? — Eu estreito meus olhos quando seu rosto se ilumina com diversão. Não sinta atração por ele, Kadence. O homem é fodidamente louco. Este clube é perigoso. — Não é assim que isso funciona. — Ele se empurra ainda mais na cama. — Você está aqui para ajudar o clube, — ele responde, e se ele acha que vai me fazer sentir melhor, então ele está muito errado. — Em caso de ter escapado da sua atenção, eu não gosto de você. Eu te odeio. Por que você acha que eu, de todas as pessoas, iria ajudar você? — Kadence, Zane está de volta na cidade. Podemos ser os caras maus, mas estar aqui é o que vai manter você segura. — Como é que isso ajudaria o clube? — Eu empurro para fora a ideia de que Zane está em casa e me concentro no que eu posso lidar. — Porque eu não teria que me preocupar, se esse filho da puta tem você. — Sua resposta não oferece qualquer tipo de explicação e faz de tudo para me confundir. Por que ele se importa? — Eu não entendo, — eu digo, observando ele se mover para fora da cama. — Você não tem que entender, basta fazer o que eu digo. — Ele caminha de volta para a porta. Seu comportamento mandão retorna com um estalar de dedos, volto a odiá-lo, novamente. — Aonde você está indo? — Pergunto com curiosidade, porque ele está me deixando livre das minhas restrições. — Conseguir algo para seus pulsos. Você abriu eles. Então, depois de cuidar disso, você está indo dormir e falaremos mais na parte da manhã. Olho para meus pulsos e vejo o que ele está falando. A adrenalina correndo pelo meu corpo mascarou a dor, pele aberta crua. Antes que eu possa olhar para


cima, ele se foi. Contemplo ir encontrar uma saída, mas algo me diz para ficar. Preciso de mais informações se eu sair daqui.

***

— Você está acordada? — A voz profunda me puxa de meu sono. — Hmm? — Eu tento me mover, mas um calor intenso me mantém em meu lugar. É quente e reconfortante, e eu me encontro afundando ainda mais nele. — Kadence, para de esfregar em mim assim. — Meu nome é chamado novamente, desta vez eu acordo. Oh, Deus, alguém está na cama comigo. — Nix? — Eu pergunto, lembrando os acontecimentos de ontem, mas com muito medo de virar e olhar. — Você está acordada. — Minha frequência cardíaca aumenta com nossa posição. Ele está na cama comigo. Me segurando, e por razões que não posso explicar, isso parece bom. Oh, Deus, eu me tornei tão sozinha, que Nix Knight me segurando me faz sentir bem. — Por que você está na cama comigo? — Eu olho para as minhas roupas, aliviada ao ver que elas ainda estão no lugar, mas ainda não faço nenhuma tentativa de me mover. É uma sensação muito boa. — Você fodeu seus pulsos tanto que eu não poderia colocar a corda em volta deles, — explica ele, mas isso não responde por que ele está na cama comigo. — Então? — Você acha que eu vou deixar você sozinha? Não posso ter você escapando. Além disso, esta é a minha cama. Eu vou dormir na minha própria cama. Eu não respondo, em vez disso, sento, me movendo fora de seu abraço. — Você deveria ter me colocado no chão. — Você não estava dizendo isso quando eu escalei atrás de você e você se esfregou em cima de mim a noite toda. Me deixando preso à cama, também. — Ele sorri e eu quase morro. — Diga o que quiser, — Eu me oponho, odiando que ele está certo. Mesmo depois de tudo o que aconteceu, eu me encontro muito confortável com ele.


— Oh, eu vou. — Ele sorri, esticando os braços por cima da cabeça. É então que eu noto seu duro, peito nu. Doce Jesus. — Quer um pouco de café da manhã? — Oh, então eu posso sair do meu cativeiro? — Eu digo, antes que eu possa segurar minha língua. — Não seja fofa. Isso me deixa duro. — Ele geme e eu me sinto corar ao ouvir isso. — Não diga coisas como essa para mim. — Eu olho para os meus pés, de repente volto para a realidade de onde estamos e quem ele é. Porque eu tenho que ser atraída por ele? — Não diga o quê? Que você me deixa duro? Isso faz você se sentir desconfortável? — Eu não quero responder, mas aceno com a cabeça. — Bem, quando eu fico duro, isso me deixa desconfortável, — ele brinca e eu tenho que parar de comentar. Eu acordei em um universo paralelo onde Nix Knight está fazendo piadas comigo. — Você quer café? — Ele se levanta e puxa a camisa sobre a cabeça, não me empurrando mais. — Por favor, — Eu concordo, precisando disso mais do que nunca agora. — Ok, vamos lá. — Ele se vira e espera por mim. — I-ir para onde? — Eu gaguejo, sem entender o que ele quer dizer quando diz vamos lá. Ir para a Starbucks, ir até a cidade? — Você quer café da manhã, vamos. — Ele dá um passo para trás para me deixa passar. — Senhor Knight, você já sequestrou alguém antes? — Eu elevo uma sobrancelha, e vejo ele jogar a cabeça para trás em um riso profundo. — Porque eu tenho que lhe dizer, você começou bem, mas agora? Agora você está se perdendo. — Você vai correr? — Pergunta ele, mas eu não estou prestes a dizer o que estou pensando sobre isso. — Não. — Você é uma má mentirosa, Kadence. — Ele sorri, mas eu não reajo. — Você corre, você não vai chegar muito longe. O lugar está em bloqueio. — Eu não sei o que é “estar em bloqueio”, mas parece sério, então eu não comento. — Você é livre para caminhar em torno do complexo embora. Você é minha convidada.


— Você quer dizer prisioneira, — eu estalo, em seguida, percebo que eu não perguntei sobre Holly. — Você pode deixar Holly ir? — Eu espero que eu possa argumentar com ele. — Eu não posso fazer isso, Kadence. — Ela não merece isso. É sobre mim. Eu sou a razão por ela estar aqui. — Eu odeio mendigar, mas não posso evitar. Eu preciso que ele solte ela. — Ela está bem. Vá ver por si mesmo. — Ele faz um gesto para me mover. Eu não sei o que eu estou indo ver, mas a chance de sair desta sala é muito atraente. — Tudo bem, — Eu bufo, minha cabeça girando com tantas possibilidades do que poderia estar esperando por mim lá fora. Eu só queria que com tudo o que estivesse acontecendo agora, eu não me pegasse em tudo o que Nix Knight era. Eu já perdi tanto de mim com Zane. Eu não suportaria me encontrar de volta nessa situação novamente.


06

Nix Ela se move e eu suspiro de alívio. Jesus, tudo é uma luta com esta mulher. Se eu não estivesse tão no limite agora, eu iria gostar de brincar com ela. — Tem certeza que está tudo bem? — Ela pergunta enquanto caminhamos pelo corredor até a cozinha. O clube inteiro sabe que temos duas pessoas do sexo feminino ficando com a gente, e para manter suas mãos para si mesmos. Eles acataram o aviso. Elas não serão tocadas. — Você está segura aqui. Ninguém vai te machucar, — eu digo a ela enquanto nós vamos para a cozinha. A sala fica em silêncio enquanto caminhamos juntos. Meus olhos caem sobre Red e eu posso ver a decepção neles. — Bom dia. — Eu aceno aos meus irmãos e evito o meu pai. Alguns acenam, alguns sorriem, mas ninguém fala. — Kadence? — Holly levanta de sua cadeira ao lado de Sy e corre até onde Kadence espera sem jeito. — Oh, meu Deus, você está bem? — Ambas fazem barulho sem se importar com o público de seis motoqueiros. Deixando elas sozinhas, eu faço meu caminho até o pote de café. Porra, eu preciso dele após o sono de merda que eu tive na noite passada. Depois de sair para encontrar um kit de primeiros socorros para Kadence, voltei e encontrei ela dormindo. Eu tentei limpar seus pulsos até sem acordar ela, mas, eventualmente, eu desisti. Deixei ela por algumas horas para conversar com os meninos, e até mesmo tive a chance de conversar e acalmar Holly. Ela não estava receptiva no início, mas depois de lhe dizer que Zane estava de volta na cidade, com a intenção de reivindicar Kadence novamente, ela logo viu a razão em querer ajudar ela. Se ela soubesse minhas reais intenções.


Até o momento que eu prometi que nada iria acontecer com ela, foi depois da uma da manhã e eu estava exausto. Escalar para a cama com Kadence foi um erro. Eu sabia, seria uma noite fodido com pouco ou nenhum sono. Mas ela era uma tentação. Seu vestido preto curto tinha montado para cima, mostrando a curva de seu traseiro, e se isso não me faz querer subir em reclamá-la, seu cheiro invadindo meu espaço pessoal fez. Eu não estava mentindo quando eu disse que ela praticamente me fodeu em seu sono. Eu fiz ela iniciar o primeiro movimento, mas uma vez que eu a tinha movido, ela estava em cima de mim. Foi muito foda também. A última vez que dormi com uma mulher na minha cama, sem sexo, eu estava com a minha ex-esposa, Addison. E tanto quanto eu não sinto falta dela, eu senti falta da sensação de dormir perto de uma mulher. — Dormiu bem, Nix? — Jesse pergunta sobre a conversa da mesa. — Como um fodido bebê, — eu respondo, minhas costas ainda para eles. Eu sei o que todos estão pensando, mas eu não dou a mínima. — Você quer café, Kadence? — Eu olho para onde ela e Holly estão sussurrando. — Ah, sim, por favor. — Ela olha para cima para me responder e eu sou pego por um minuto. Eu nunca pensei que veria o dia em que Kadence estaria no clube. Certo, eu tive que forçar ela a estar aqui sob circunstâncias hostis, mas eu não poderia estar perto e vê-la se tornar uma vítima da nossa guerra fodida. — Quer me dar um café também? — Beau pergunta, e os meninos começam a rir como colegiais. — Vá se foder. — Eu volto e termino de fazer o café. Eu honestamente não dou a mínima para o que todos pensam. Kadence estar aqui é algo que vai beneficiar o clube. Eles só estão muito presos a situação para ver isso. — O clube estará aqui em quinze. — Red levanta de sua cadeira e eu já sei, o meu dia vai ser fodido com recados do clube e me certificar que os homens do King não façam merda. — Sim, — eu concordo, observando ele sair. — Era para o Z vir hoje. Preciso que você vá até Addison e espere com ele até que eu possa chegar lá, — eu digo ao prospecto 8 quando ele entra. Hunter tem estado com o clube nos últimos meses, e enquanto ele ainda está verde e não ganhou a confiança do clube, eu gosto dele. Z gosta dele também.

Prospect é como um estagiário, ele recebe ordem e não tem direito na votação e em opinar situações até que ele se torne um membro. 8


— Você deixa Z vir aqui? — Kadence pergunta quando eu deslizo a xícara de café para ela cortando a resposta de Hunter, quando ela toma um lugar à mesa. — Por que não? — Pergunto. Meus irmãos acalmam quando ouvem o meu tom. — Bem, é só que, todo o material que você faz aqui, você não acha que isso não é o local apropriado para um garoto de onze anos de idade? Ela faz a mesma pergunta que me faço todos os dias. Foda-se, cada vez que Z vê a merda que fazemos aqui. — Ele é a minha família. Clube é a minha família. Você não é, portanto, cuide da sua porra de seus negócios. — Eu levanto e empurro a cadeira para trás. — Tudo bem.... Eu só estava perguntando. — Ela toma um gole de café o que me irrita ainda mais. — Kadence, não confunda minha bondade de deixar você sair do quarto como um passe livre para desrespeitar a minha família, o meu clube. — Eu vou para a pia e solto meu copo. Eu fodidamente não me importo que ele quebre. Sua atitude arrogante faz a veia na minha têmpora pulsar. Por que eu deixo ela chegar até mim? — Oh, eu não sei. Você acha que me deixar fora de um quarto para a porra do café deve me fazer pensar que você é gentil. Jesus, você está mais fodido do que eu pensava. — Ela se levanta, deixando seu café na mesa. — Onde diabos você está indo? — Eu chamo quando ela caminha de volta através da porta que entramos. Eu não estou preocupado que ela está saindo. Temos todo o perímetro em bloqueio, para que ela não vá chegar a lugar nenhum. — Voltar para a minha prisão. Não quero que você me faça pensar em fazer perguntas que significam que eu esqueci que você me sequestrou, — ela responde, com Holly em seus calcanhares. Foda-se, agora eu tenho um maldito pau duro. — Você quer que eu cuide delas, Nix? — Sy pergunta, em pé. — Deixe elas. — Eu balanço minha cabeça. Elas não estão indo a lugar algum. Holly sabe que este é o melhor lugar para ela. — Nós temos um clube para encontrar. — Eu belisco a ponta do meu nariz, aliviando a tensão.


— Você está fodido, Nix. Você não deveria trazer elas aqui. — Jesse se levanta e caminha até a pia ao meu lado. — Você se importa muito. Não sei por que você faz. Cadelas como ela não valem a pena, — ele zomba antes de sair. — Ele está certo, você sabe? Ela nunca nos entenderá. Nunca vai ter o nosso estilo de vida. Você está desperdiçando seu tempo, — Beau segue Jesse. — Alguém mais quer me dar a sua opinião? — Pergunto a Sy, Hunter e Brooks. — Não. — Sy sai sem outra palavra. — Eu estou bem. — Hunter segue de perto Sy, deixando Brooks e eu sozinhos. — Você gosta dela, — Brooks começa. — Eu fodidamente queria que todo mundo parasse de me dizer isso. — Bem você faz. O que há para não gostar? Mas Nix, você precisa se lembrar, as mulheres como Kadence nunca vão se encaixar. Especialmente depois de tudo o que ela passou. Você acha que ela vai querer você depois de descobrir o que você fez? — Pergunta ele e eu sei que ele está certo. Foda-se, eu sei disso. Mas porque é que temos que voltar a isso? Por que ela tem que saber? — Você precisa manter a cabeça no lugar. Não perder o foco aqui. — Ele me dá um tapa, dando um aviso de que meu pai me daria. Que-porra-é-essa. Todos nesse clube pensam que sabe o que é melhor para mim. Porra, eu sei o que é melhor para mim. Não esses filhos da puta. Chuto uma cadeira no meu caminho, eu deixo minhas frustrações sair e indo para a reunião. Vamos logo acabar com essa merda.

***

— Bem, se não é Nix Knight. — Edwards sorri quando eu entro no bar que ele está sentado naquela noite. Depois do clube se encontrar esta manhã, todos nós fomos para fora para fazer as rondas, nos certificar que todos estão sendo cuidadosos. Brooks e Beau ficaram para trás para garantir que as meninas estavam a salvo, mas todos os outros saíram. Eu não voltei para o meu quarto. Eu não precisava ver Kadence para que ela soubesse que eu estava indo para fora. Eu ainda estava chateado com ela sobre seu comentário sobre Z. Sim, o clube pode estar em merda ilegal, mas eu ainda sou um bom pai de merda. Ela


não sabe o que o meu filho passou. Addison, minha ex-mulher, e eu partilhamos a custodia. Z permanece com sua mãe quatro noites, em seguida, de volta aqui para quatro noites. Eu sei que a merda que eu estou constantemente envolvido não é bom para uma criança, mas eu odeio não ter ele comigo o tempo todo. Minha vida não pode ser uma caminhada na porra do parque, mas a vida na casa de sua mãe não é sol e fodido arco-íris também. Ela nunca vai ser a mãe do ano isso é certo, mas eu não posso puxar ele para longe dela. — O que diabos você está fazendo aqui? — Eu pergunto, saindo dos meus pensamentos. Eu sabia que essa porra estava vindo, só não esperava que ele viesse sozinho, ou em nosso território, o que me diz que ele quer alguma coisa. Ele não estaria aqui arriscando tudo por nada. — O que, sem olá? Eu teria pensado que depois de me ver no outro dia, você estaria animado em me ter de volta. — Eu não estou, então o que você quer? — Eu pergunto, pronto para encerrar a noite. Eu ainda preciso sair com Z. Ele está me esperando o dia todo. — A palavra na rua é que você tem a minha mulher. — Eu ignoro ele ter chamando Kadence de sua mulher e começar a pescar para informação. — E de quem é essa palavra? — Algumas fontes. — Ele dá de ombros, mas eu não acredito nele. Apenas os Rebels sabem que temos Kadence, o que me preocupa. — Então agora nós dois temos algo que cada um quer. — Você tem algo que eu quero? — Eu jogo verde. Eu sei onde ele está indo com isso, e eu não gosto disso. — Uma das cargas do King. — Ele balança a cabeça. — Temos alguns grandes compradores. King já acha que você pegou, então você pode muito bem tirar o dinheiro com elas. — Sua presunção me surpreende. Parece que cresceram algumas bolas no filho da puta em seu tempo longe. — King não sabe de nada, e não queremos nenhuma carga roubada. Fodase o seu negócio, você não está recebendo Kadence. — Bem vai ser desse jeito? Você vai jogar essa merda? — Pergunta ele, e por um minuto, eu acho que ele está chocado. Mas é Edwards e depois de tudo o filho da puta é um jogador. — Você não está recebendo ela. — Eu torno simples para ele. De jeito nenhum ele vai ter ela.


— Ela é minha mulher, — ele contrapõe, e eu tenho que segurar a necessidade de esmagar o rosto do filho da puta. — Não era sua mulher quando eu estava segurando ela enquanto ela dormia noite passada, — Eu insulto. Ela pode não concordar com essa afirmação se ela estivesse aqui, mas ele não sabe disso. — E o que ela diz sobre você queimar ela? Ela sabe que você é o culpado pelo fogo? Por tudo que o clube fez com ela? — Ele dispara de volta e eu tento manter a calma. O fodido me tem lá. — Tudo o que ela sabe, e que ela vai saber é que você a deixou lá. Isso é por você, filho da puta, e você não está recebendo ela. — Eu passo por ele, sua mão sai para me parar, mas eu não deixo ele me tocar. Eu tomo seu pulso e giro até que ele grita de dor. — Se mantenha fora da porra do nosso território e tire Kadence de sua maldita cabeça. Ela é minha agora, filho da puta. — Eu empurro ele de volta. Ele cai em sua bunda e eu continuo caminhando. — No minuto em que ela descobrir sobre o fogo, ela não vai ser sua, — ele grita, mas eu não deixo que suas palavras cheguem a mim. Kadence nunca vai descobrir. Fim de história.

***

— Kadence? — Abro a porta do quarto e espero que meus olhos se ajustem à luz fraca no quarto. Ela não respondeu, mas eu não sei se ela está fingindo dormir ou se ela está fora para a noite. Eu voltei para o clube mais de uma hora atrás, mas eu estive ocupado. Brooks informou que as duas meninas se mantiveram quietas, saindo do quarto para comer no almoço e novamente para o jantar. Enquanto Kadence não parecia impressionada em estar aqui, ela parece ter aceitado o por que ela tinha que estar. Holly ficou tranquila quando eu disse que elas poderiam ter uma bolsa trazida de seu apartamento. Enviei Beau para fazer essa tarefa, me certificando que ele pegasse o que elas queriam. Eu fecho a porta e faço o meu caminho para o banheiro. A porta está entreaberta e uma lasca de luz brilha. Eu não acho que eu já conheci uma mulher com medo do escuro, mas é algo que me intriga sobre ela.


Depois de usar o banheiro, eu mantenho a luz acesa e posiciono a porta como ela tinha feito, antes de passar para o meu lado da cama e soltar meu telefone e as chaves sobre a mesa de cabeceira. Ela não se mexe, então eu tiro minhas botas e solto os meus jeans. Eu não sei o que ela vai dizer pela manhã, quando ela acordar, mas agora eu não dou a mínima. Depois de dormir com ela ontem à noite, a necessidade de senti-la em meus braços novamente é forte demais para ignorar. Levanto o lençol, e deslizo para o seu lado. Ela se vira, deslocando o lençol fora de seu corpo e expondo sua calcinha de renda preta. Jesus, ela está usando uma de minhas camisetas. Esta mulher é um mistério. Um minuto ela está cuspindo veneno, então o próximo, ela está dormindo na minha cama, vestindo minha camiseta do clube, quando eu sei que ela tem pijama em sua bolsa. — Nix, — ela suspira antes que eu possa tocar nela, e meu corpo acalma. Ela está sonhando comigo? Eu sei que não deveria puxar ela para mim. Sabendo que minhas mãos não devem ter o privilégio de segura-la. Mas será que isso me impede? Não. O desespero de tê-la sob meus dedos é demais. — Mmmh, — ela geme, ainda perdida em algum tipo de sonho. Meu punho aperta ao meu lado, quando o meu corpo luta com o meu desejo de levá-la. De reclamá-la. Jesus Cristo. Eu vivi uma existência fodida toda a minha vida, mas eu deito aqui com bondade. Algo que eu não mereço. É como uma punição ter ela tão perto quando eu sei que eu nunca poderia ter ela da maneira que meu corpo anseia. Eu sei que deveria me vestir e sair por aquela porta, mas meu corpo não obedece a ordem, mesmo que eu pergunte a ele. Eu não posso ir embora. Eu preciso mais dela. Vou levar qualquer coisa que ela me der. Mesmo se ela não percebe que ela está dando. Rolando, eu puxo ela para mim, e respiro fundo. Ela tem cheiro de baunilha e tudo que eu sempre quis e nunca poderia ter. Fechando os olhos, eu forço o sono chegar. Eu sei que eu não mereço segura-la em meus braços, mas quando isso acabar, eu nunca vou ter essa chance novamente. Eu sou um idiota.


07

Kadence — Sim, — eu gemo quando prazer constrói a partir de meus dedos do pé, e lentamente me movo em um pulso delicioso. Eu estou dormindo, no fundo de uma névoa, mas o que quer que esteja acontecendo, isso é tão bom. Meus quadris começam a se mover no tempo como a névoa começa a levantar. Jesus, este sonho é incrível. Se eu pudesse alcançar o prazer. — Foda-se, tão fodidamente apertada. — Um rugido profundo ressoa ao meu lado quando o dedo de alguém bombeia dentro de mim. Meu orgasmo me bate duro. Um caleidoscópio de cores explode atrás das minhas pálpebras quando eu percebo o que está acontecendo. Isso não é um sonho. O dedo de Nix está me fodendo, enquanto eu durmo. Minha mente e meu corpo guerreiam um contra o outro quando eu saio fora de um dos orgasmos mais intensos que eu já tive. Meu corpo cantarola na excitação, lentamente ganhando a guerra que está me fazendo querer deter ele. Eu sei que em algum lugar lá no fundo, eu deveria estar surtando. Nix Knight tem o dedo dentro de mim, mas meu corpo não se importa. — Jesus, baby. Eu preciso te provar. — Sua voz soa dolorosa e meu estômago cai na crueza de sua confissão. Assim que minha mente concorda, sua boca está em mim. Sua língua substituindo seu dedo enquanto ele me devora. — Oh, Deus, — Eu suspiro enquanto meus dedos encontram seu cabelo, me aproximando do prazer. Sua língua dança sobre o meu clitóris e eu me perco nisso. Nele. Ele geme contra mim, o som vibrando meu núcleo e eu não quero nunca mais que isso pare. — Mais, — Eu exijo, então seu dedo desliza para dentro de mim novamente. Me bombeando e me trazendo mais prazer. — Abra os olhos, Kadence, — ele exige, mas eu não obedeço. Na minha mente, mantendo eles fechados me mantém em meu sonho. Isto não é real.


— Foda-me, — Eu imploro, perdida no êxtase do meu sonho de faz de conta. Tanto quanto eu o odeio, eu quero ele. Eu preciso dele. — Olhos, Kadence, eu quero te ver enquanto eu faço você gozar, — ele exige de novo, e desta vez eu não posso negar. Meus olhos se abrem, encontrando o seu imediatamente e eu não sei o que eu estava esperando ver, mas encontrar seu rosto, tão próximo entre as minhas pernas, a minha excitação evidente em seu queixo, me empurra. — Foda-se! — Eu grito quando meu segundo orgasmo me bate forte. — É isso aí, baby, foda meu dedo. Dê para mim, — ele rosna, enterrando seu rosto entre as minhas coxas. Suas palavras sujas fazem coisas que nenhum outro homem tem sido capaz de me fazer sentir. Desejável. — Oh, Deus! — Meu punho aperta em torno dele. Rangendo os quadris contra seu rosto, enquanto uma onda de energia passa através de mim. Minha respiração fica presa na minha garganta enquanto eu lentamente começo a voltar para mim. Voltar para o quarto. — Jesus, eu sabia que você ia ter um bom gosto, mas isso é fodidamente divino. — Nix se senta para trás e limpa seu queixo. O olhar complacente pintado em seu rosto me dá um tapa na cara que eu precisava dez minutos atrás. — Como você se atreve! — Eu suspiro, percebendo o que aconteceu. Minha perna chuta para fora, conectando com seu peito e empurro ele para fora da cama. — Que porra é essa, Kadence? — Ele fica de pé e noto sua excitação forçando suas boxers. — Seu babaca. — Eu puxo o cobertor de volta e me cubro. Jesus, eu me sinto suja. — Você não tinha o direito. — Não tinha o direito? Baby, você estava implorando por isso. — Você se aproveitou de mim! — Meus olhos se deslocam de sua ereção para seu rosto. Os efeitos dos dois orgasmos que ele infligiu ainda passam através de mim, me deixando vulnerável ao tamanho de seu pau e o que ele poderia fazer com ele, mas eu não vou ser atraída. — Vantagem? Kadence, eu estava dormindo. Sua bunda estava esfregando contra mim como se o Aladdin precisasse de sua última porra de desejo.


— Eu não estava! — Eu suspiro. Eu nunca faria. — Mulher, você pegou minha mão e a deslizou para a sua calcinha porra. — Eu estava dormindo! — Defendo, ainda não acreditando nele. — Dormindo ou não, nenhum homem jamais iria sobreviver a isso. Você gemendo e implorando para ser tocada, Jesus, Kadence. — Ele se esfrega sobre suas boxers e aquece o meu rosto com suas palavras. O que diabos eu vou dizer sobre isso? — Você ilumina assim para todos? Ou apenas quando você está dormindo e tem alguém em sua bunda? E então ele vai e arruína isso. — Vai se foder. — Eu procuro minha calcinha e tento escapar da cama. — Aonde você vai, Kadence? Eu cuidei do seu. Você não vai me ajudar com o meu? — Eu ignoro ele e bato a porta do banheiro atrás de mim. Como eu poderia deixar isso acontecer? Certo, foi incrível, mas Jesus, eu estava dormindo com o diabo. O que eu fiz? Baixei minhas defesas. Eu deixei ele entrar quando ele era a última pessoa que eu precisava. Uma batida na porta me faz sair dos meus pensamentos. — Vá embora, Nix, — eu grito, virando para o chuveiro. Eu preciso tirar o cheiro dele de cima de mim. O sentimento dele da minha cabeça. — Eu não sei qual é o problema, Kadence, — ele chama de volta, mas eu tenho que expulsar ele. Fecho os olhos e me concentro em lavar ele embora. Eu não sei como eu poderia ser tão descuidada. Eu estou em uma situação fodida, uma que é perigosa o suficiente, e o que aconteceu fez pior.

***

— Aonde você vai? — Nix pergunta quando eu saio do banheiro na noite seguinte. Eu não quero falar com ele, mas eu não vejo como eu vou sair dessa com esse tratamento do silêncio. Eu tentei ignorar ele durante todo o dia. Eu até


tentei empurrar para fora o que aconteceu da minha cabeça, mas eu não consigo parar de pensar sobre como ele me fez gozar em um instante. — Indo encontrar outro lugar para dormir esta noite, — eu digo a ele, secando meu cabelo com a toalha. Eu não posso olhar para ele. Como ele espera que eu durma com ele em sua cama depois de ontem à noite, eu não tenho ideia. Hoje foi duro o suficiente. Depois de passar uma hora no chuveiro na noite passada, eu saí e não encontrei Nix. Eu não sei se eu estava chateada ou aliviada. De qualquer maneira, eu voltei para a cama e forcei os olhos a fechar. Eu não tinha certeza se iria acordar com ele me cutucando na bunda de novo ou não, mas eu tinha me preparado para isso. Então, para dizer que eu estava feliz que eu acordei sozinha, seria uma mentira. Eu senti falta da sensação. Eu só tive duas vezes, mas de alguma forma eu senti falta. — Você não está indo a nenhum lugar, Kadence. — Você não pode me parar. — Eu queria que ele voltasse para o tratamento de silêncio que ele me deu o dia todo. — Tente me. — Ele levanta, mas eu passo para trás. — Nix, — Eu começo, mas eu não acho que eu posso ter um outro momento discutindo com este homem. Minha cabeça cai e eu não posso fazer isso mais. Os acontecimentos dos últimos dois dias voltam, a incerteza do que eu estou fazendo neste clube, do que Zane quer comigo, se torna muito. — Ei, o que está acontecendo? — Ele dá um passo mais perto, mas não me toca. — Nix, o que aconteceu ontem à noite estava errado. Você não deveria ter ido lá. — Minhas emoções estão por todo o lugar. Em uma respiração, eu estou aqui contra a minha vontade, mas na próxima, eu poderia facilmente caminhar até a cama e deixar ele me ter lá. — Eu não deveria ter feito isso. Você está certa, mas foda-se, Kadence, você estava fodidamente maravilhosa. — Meu estômago diminui a sua confissão. — Veja, você não pode fazer isso. — Por que você está lutando contra isso? — Lutando contra o quê? — Não se faça de idiota, mulher. Nós dois sabemos o que está acontecendo aqui. — Eu não posso fazer isso. — Eu deixo escapar a primeira coisa que me vem à mente. — Você e eu. Isso nunca vai funcionar.


— Porque eu sou um criminoso? — Não, porque você é você, e eu sou eu. — Eu me atrapalho, não sabendo o que eu posso dizer. Será que é porque ele é um criminoso? Porque tudo o que ele representa é exatamente o que eu sou contra? Será que eu estaria pensando de forma diferente se ele não fosse um Rebels? — Não é bom o suficiente. — Ele agarra meu pulso e antes que eu possa me opor, sua boca pega a minha. O sabor leve de cerveja em seus lábios e o calor da sua língua entrando exigente em mim me faz perder. Deslizando as mãos no meu cabelo, ele puxa duramente para melhorar o acesso, a sensação me puxando ainda mais para seu ataque. Meu corpo fica mole quando nossas línguas colidem, o pulsar entre as pernas batendo ao seu próprio ritmo. Eu sei que eu deveria me afastar, impedir que isso aconteça como na noite passada, mas, novamente, é como se meu corpo entrasse em modo automático e eu perdesse o controle. O beijo não é doce ou sensual. É duro e rápido, assim como ele, e antes que eu perceba, minhas mãos tomaram conta. Eu puxo seu corpo ao meu. Seu pau duro pressiona em meu estômago, fazendo meus joelhos fracos. Meu cérebro para de funcionar, meu corpo controlando a sua necessidade. Eu sei que o que estamos fazendo é errado, mas o sabor dos seus lábios e da dureza de sua excitação está me dizendo diferente. Eu quero este homem. Quero tudo o que ele está fazendo para mim e depois mais. — Cama, — ele rosna contra meus lábios, e sob seu comando, eu tenciono. Me afasto de seu aperto, e passo para trás. — Nix... — Eu começo, mas ele me para. — Por que, você quer lutar comigo? Eu posso ver que você quer isso. Você me quer tanto quanto eu quero você. Me irrita que ele vê tanto. Que ele me veja e o que eu quero. — Por que você não me deixa em paz? — Pergunto, precisando de algo mais. — Eu não posso. Eu tentei. Foda-se, eu tentei, mas é muito, Kadence. Eu sei que se eu não tiver você em breve, eu vou fodidamente me perder, — ele confessa, e em algum lugar ao longo de sua confissão, eu respiro, engulo e suspiro, ao mesmo tempo, o que acaba me fazendo sufocar. — Jesus, mulher. Não engula a língua. — Ele ri e eu acabo rindo junto com ele.


Como é que eu acabei aqui? Eu deixei este homem que me sequestrou empurrar meus botões, falar sujo, dormir comigo e me trazer ao orgasmo tudo no espaço de duas noites. Eu sei que me envolver com ele vai acabar mal. Eu sei o que homens como ele, e este clube, são capazes de fazer. Então, por que eu quero ele? Eu não sou delirante em pensar que ele vai querer algo mais. Homens como ele não fazem isso, então por que estou pensando sobre isso? O que é sobre ele que me faz desmoronar? Eu acho que é a maneira como ele fala comigo. Ninguém nunca falou comigo do jeito que ele faz, como se eu não pudesse controlar a reação do meu corpo a ele. Não é mesmo sobre o lado mandão dele. Zane costumava ser mandão, mas de um tipo diferente, um tipo que não deixava espaço para discussão. Com Nix, é como se suas exigências inflamassem a parte suja de mim, a parte que está escondida. — Eu posso cheirar o quanto você quer, Kadence. Não lute comigo. — Ele para de rir e eu suspiro na situação que eu me encontro. Ele tem razão. Eu quero isso. Eu quero ele tanto, mas estou disposta a esquecer tudo o que aconteceu nos últimos dois dias? — Eu não posso. — Eu tento lutar quando ele estende a mão e pega a minha, me puxando para ele. — Não há não pode, Kadence. — Ele me vira, me puxando para frente. Eu quero dizer que eu fico tensa, que ter ele no meu espaço me repele, mas eu estaria mentindo. Uma semana atrás, se eu tivesse pensado que eu iria deixar um homem como Nix Knight me tocar do jeito que ele faz agora, eu teria rido. De jeito nenhum. Mas estando no clube dos Rebels, na cama de Nix Knight, eu sei que não é verdade, toda a minha mente está gritando se Deus quiser, faça ele se apressar e me tocar. Então eu desisto. Eu o deixei me levar para tentação. Pode não ser sábio, e poderia ser perigoso, mas por uma noite, eu não estou vivendo no meu passado. Eu estou vivendo no momento. E agora, eu estou deixando este homem assumir a liderança. Onde ele me leva, quem sabe. Eu vou me preocupar com isso depois.


08

Nix Seu corpo relaxa contra mim, e naquela fração de segundo, eu sei que eu a tenho. Eu não posso acreditar que ela se rendeu. Minha mão viaja para baixo e encontra o interior de sua calcinha de renda. Eu sei que tem sido vinte e quatro horas desde que eu tive a minha boca na sua boceta, mas eu ainda posso sentir o cheiro dela em meu rosto. Ainda posso saboreá-la na minha língua. Eu adoraria nada mais do que empurrar ela para baixo e comer ela de novo, mas algo me diz que ela está pendurada por um fio, apenas um deslize e ela vai recuar. Preciso foder com ela agora. — Tem certeza? — Eu não posso deixar de perguntar quando eu deslizo o dedo por seus lábios suaves. Ela não responde, em vez disso ela vira o rosto no meu pescoço, se tornando perdida no sentimento. Quando ela olha para mim de novo, o desejo em seus olhos substituiu a apreensão. Desejo substitui a raiva. Espalhando ela, eu insiro um dedo em seu aperto e me perco em seu calor confortável. Eu retiro lentamente, e em seguida, insiro novamente com um segundo dedo. — Você vai ter que me dar palavras, Kadence, — eu digo a ela, bombeando ela mais forte. Suas mãos envolvem em torno do meu pescoço, suas unhas cavando em minha pele. Eu deixo a picada do seu aperto passar através de mim quando eu a vejo lentamente se desfazendo sob meu controle. — Sim, Nix. — Sua cabeça rola para o lado e meus lábios se deslocam para a pele pálida macia, que está implorando para ser mordida. — Sim, o que? — Eu passo o meu dedo, encontrando seu ponto G e ouvindo ela gritar. — Sim, eu quero você, tanto quanto você me quer. Me foda, — ela rosna, e é o suficiente para eu me mover. Removendo os meus dedos, eu trago eles para


minha boca e lambo, revirando os olhos para o seu doce sabor, seu gosto me questionando minha sanidade. Isso é errado, mas o gosto é tão certo. Minhas mãos se deslocam para minha camisa que cobre ela, a necessidade de ver seu corpo, mas antes que eu possa remover, ela me para. — Isso fica, — ela sussurra. Eu quero discutir com ela, dizer a ela que este é apenas o meu caminho, mas eu não digo. Eu entendo. Eu não gosto disso, mas eu porra entendo. — Deite na cama e mantenha suas mãos acima de sua cabeça. — Eu empurro ela para a frente, para a cama não dando a ela uma chance de discutir. Ela entende e se arrasta para o meio da cama. A visão dela em seus joelhos me faz segui-la de perto. Ela se vira e está na horizontal, com os joelhos dobrados, fechados. Eu me aproximo e pressiono as mãos sobre os joelhos, espalhando aberto. — Tanto quanto eu amo a porra dessa calcinha sexy, ela tem que sair. — Eu pego o lado e puxo ela para baixo de seu corpo. Ela não diz nada, mas mantém os olhos treinados em mim. Movendo para baixo de seu corpo, o desejo incontrolável de prova-la novamente e ter a cabeça entre suas coxas, mas eu acalmo minha respiração, eu não preciso explodir a minha carga antes de tomar ela. Ela olha para baixo de seu corpo para mim, o rosto corado de excitação quando eu inalo seu doce cheiro almiscarado. Corro meu nariz ao longo de sua umidade, toco levemente seu centro, antes de me perder e me banquetear dela como um homem faminto. Deus, ela tem um gosto incrível. Seu corpo se move abaixo de mim, quando ela luta com seu corpo, se aproximando de sua libertação. — Por favor, eu preciso de mais. — Ela geme e eu sei que ela está certa, porque eu preciso de mais também. Minha língua desliza para fora, desenhando pequenos círculos contra sua umidade. Seus gritos suaves me estimulam e meu pau bate contra meu jeans. — Mais, — ela ofega, mas eu não vou dar a ela o que ela quer. Eu preciso tê-la. Reclamá-la. O sabor dela cobrindo minha língua e vê-la, abaixo de mim, me tem pendurado por um fio. Eu empurro para fora da cama e deixo a calça cair. Meu pau negligenciado solta livre, feliz por ser solto e implorando para estar profundamente dentro dela. Eu me inclino e retiro o preservativo da gaveta da cabeceira. Rasgo com meus dentes, levo o meu pau na minha mão e acaricio ele algumas vezes para acalmar a dor. Seus olhos brilham em apreciação em cada carícia áspera. Assistindo Kadence, eu rolo o preservativo e subo de volta a cama. Me alinhando em suas coxas, eu preguiçosamente esfrego a cabeça através de sua umidade.


— Apenas me foda, ok? — Ela engancha seus pés atrás de mim, ávida para que eu a encha. Eu não discuto, precisando disso, tanto como ela. — Kadence, — eu suspiro enquanto eu me alivio dentro dela. Jesus, eu sinto que só encontrei a casa. Eu tento mudar minha mente a não me render à necessidade de perder o controle e colocar minhas bolas profundamente nela. Eu vou para fora, e depois um pouco mais longe, crio uma dinâmica cada vez que eu deslizo em seu calor. Seus joelhos movem para cima, se espalhando mais amplo para me acomodar. — Mais duro. — Sua respiração sai, os olhos ardendo de necessidade. Minha velocidade aumenta. Eu estou mais do que feliz para atender suas demandas quando eu começo a bater nela. Minha contenção de deslizar lentamente enquanto ela coloca os seus pés no colchão, dando o que ela precisa para atender cada um dos meus impulsos. O som dos nossos corpos colidindo, os gemidos suaves deixando sua boca, tudo me faz ir para a frente, em espiral em meu nirvana sexual. — Duro, Nix, — ela insiste e meu corpo responde tornando os movimentos mais fortes, levando ela do jeito que eu quero. — Sim, — ela grita, recebendo tudo o que eu lhe dou enquanto ainda implora por mais. Foda-se, eu estou começando a suspeitar que eu conheci meu par perfeito. Me abaixando entre nós, acho seu clitóris e agito com força, me preocupando que eu não vou leva-la antes de eu explodir a minha carga. — Fodase, tão apertada — Eu grunho com cada impulso. — Eu poderia fodidamente viver aqui. — Eu moo meus quadris mais forte nela. Seu corpo responde às minhas palavras sujas como eu sabia que seria. — Veja como se sente bem — Digo quando ela arqueia para atender cada impulso poderoso. Ela engasga quando eu bato meus quadris mais forte nela. — Porra, meu pau nunca vai ter o suficiente, — eu admito, as palavras saem da minha boca antes que eu possa censurar elas. É a verdade. O pensamento de nunca ter ela de novo faz meu corpo doer em frustração. Seu aconchego é demais para o meu estado. Seus gritos suaves de prazer saem mais altos, me deixando saber que ela está perto. Eu tento pensar em alguma coisa, qualquer coisa que não seja o aperto de sua boceta me ordenhando. — Foda-se, eu não posso mais segurar. — Sua confissão profunda é tudo que eu preciso.


— Venha, — Eu exijo quando ela aperta em torno de mim. Meus olhos seguem as mãos quando ela se move sob sua camisa e agarra os seios dela. Eu não paro, minha mente perdida na necessidade de vê-la se tocar, eu empurro a camisa ao mesmo tempo que eu a vejo apertando os mamilos entre os dedos e gritando sua libertação, batendo abaixo de mim. Um rubor vermelho flutua através de seu pescoço e peito, seu orgasmo evidente em sua pele. A visão de que me leva. Deixo ir, minhas bolas apertam. A sensação passa através de mim quando eu continuo a bater nela, empurrando uma vez, duas vezes, e depois uma terceira vez antes de explodir dentro dela com um gemido profundo. — Foda-me, — eu digo, entre as respirações. — Eu acabei de fazer isso, — ela brinca, e eu olho para baixo, inclinando minha testa na dela. Um leve brilho de suor que reveste ela misturado com o meu. — Foda-se, — eu digo novamente. Parece que eu perdi algumas células do cérebro ou ela apenas fodeu eles para fora. Minha respiração leva um tempo para voltar ao normal, então eu fico enterrado dentro dela. Ela estabelece em silêncio, me observando de perto, um silêncio confortável entre nós. Seu pescoço e peito ainda mostram sinais espalhados de erupção vermelha. Eu pensava que observando ela gozar era lindo. Rapaz, eu estava errado. Não há nada mais bonito do que ela deitada abaixo de mim, os olhos moles após um orgasmo intenso. Eu corro meus dedos ao longo do rubor. — Porra, você está excitada para mim, mais uma vez, — eu digo, e assisto a um novo rubor cobrir suas bochechas. Meu olhar percorre a seu lado para as cicatrizes que ela esconde, mas antes que eu possa ter uma visão adequada, ela se cobre rapidamente. — Não se acostume com isso, — ela diz e eu tenho que esmagar a sensação de que ela está certa. Eu não deveria me acostumar com isso. Não quando suas cicatrizes ficarem entre nós. — Vamos ver, — eu jogo, mas ela não morde. Se eu pudesse ter meu caminho, teríamos nos acostumando com isso.

***

Eu acordo ao som do ronco, e por um segundo eu acho que adormeci ao lado de Jesse, até que um rabo apertado entra em atrito com meu pau duro. Jesus, eu poderia me acostumar com isso.


— Se você se esfregar contra mim vai ganhar uma palmada, — advirto, não tenho certeza se ela está acordada. — Quer dizer, como ontem à noite? — Ela responde e eu seguro minha risada. Jesus, ela é como uma nova mulher atrevida. Dê a ela alguns orgasmos e agora ela quer brincar. — Oh, ontem à noite foi o aquecimento, baby, — eu digo a ela, lembrando do jeito que eu inclinei ela sobre a cama e bati na bunda dela. Já se passaram dois dias desde a noite que Kadence se entregou a mim. Dois dias de fingir que a situação entre nós não era uma merda fodida ou que ela não era uma prisioneira em meu clube. — Graças a Deus, foi apenas um aquecimento. Eu estava ficando preocupada. — Ela se vira me encarando. O sorriso dela quase me mata. — Porra, você é linda, — eu digo a ela, e eu nunca falei algo mais verdadeiro antes. Um leve blush rosa flutua através de seu rosto enquanto ela balança a cabeça em desacordo. — Você não acha que você é linda? — Eu pergunto, sem saber o porquê, ela não é autoconsciente sobre ela mesma. Temos falado muito nos últimos dois dias, mas sempre que eu tento lhe dar um elogio, ela se afasta. — Não é isso. É só que você não tem que dizer isso para mim. Eu já me entreguei. Você não tem que falar doce. — Você acha que eu estou mentindo? Porque eu não estou. — Ela encolhe os ombros como se não fosse grande coisa e por algum motivo isso realmente me irrita. — Por favor, me diga que você não está dizendo isso por causa do seu corpo? — Eu pergunto, não sei por que isso importa. Eu preciso saber que não é isso. Sim, ela pode precisar usar uma camisa quando eu transar com ela, e, tanto quanto isso me incomoda, eu entendo. — Que diabos? — Ela se vira para mim, a confusão pintada em toda a sua expressão. — Isso. — Eu levanto sua camisa, expondo a pele estragada. — Não, Nix. — Ela se vira até se esconder de mim. — Não esconda elas. — Meu tom me surpreende, a demanda não pretendia sair dura quando meus olhos seguem o caminho da cicatriz desagradável. Ela faz o que eu digo, virando para o lado, sem argumento, revelando seu lado esquerdo marcado. Eu fiz isso.


Sua pele de porcelana impecável é marcada vermelha e cru de um lado de sua cintura até o alto da coxa. — Kadence. — Eu não sei o que eu quero dizer, como sequer começar a contar a ela o que aconteceu. Eu só desejo que eu pudesse ter tudo de volta. — Eu não preciso de sua pena. — Ela puxa a perna dela, virando seu corpo, se escondendo de mim. Meus olhos vão para baixo e bloqueiam para a dela, mas, novamente, eu não tenho certeza de como proceder. Dor, raiva e determinação olham para mim, esperando minha reação. Eu sinto um aperto em meu estômago enquanto eu olho para ela, vulnerável, mas eu não reajo. O reconhecimento de que ela sobreviveu a algo violento me incomoda. Quero proteger ela do pesadelo que viveu. A parte fodida é, eu sou a causa do pesadelo. — O que aconteceu? — Eu pergunto, mantendo o meu nível de voz. Eu preciso saber em suas palavras o que eu fiz para ela. — Como você já sabe, eu estava em um incêndio, — ela responde com nenhuma emoção, nenhuma explicação. Suas mãos se movem para se cobrir, mas eu chego para baixo detendo ela. Eu quero que ela me diga cada porra de detalhe, como eu a destruí. Ela rola sobre suas costas, uma respiração escapando em frustração sobre eu empurrando ela. — Isso realmente não é tão excitante, — ela me garante, mas eu duvido disso. É algo que eu penso o tempo todo. — Me tente, — eu empurro. — Eu acordei no meio da noite em uma cama vazia. Zane e eu tínhamos brigado naquela noite, mas eu achei que não era nada até que eu acordei com um barulho. — Ela fecha os olhos por um minuto antes de abri-los e olhar diretamente para mim. — Eu fui à procura dele, pensando que ele ainda estava acordado. Eu não achei que poderia ser qualquer outra pessoa. Foi a fumaça que me bateu primeiro. O cheiro era quase sufocante. — Ela toma uma respiração profunda, ainda olhando para mim, o silêncio no quarto é estranho, esperando pacientemente para ela falar e ela tentando reunir forças para continuar — Quando eu passei no corredor, eu não poderia mesmo compreender que a metade da nossa casa estava queimando na minha frente. Por um momento, eu não tinha certeza do que fazer ou onde Zane estava. Tudo isso aconteceu tão rapidamente. Houve uma explosão, e quando eu tentei sair, a porta estava presa e a fumaça era muito grossa. — Ela para pôr um momento, deixando os detalhes lavar sobre mim. Me inclinando eu acho a mão dela e entrelaço os dedos com os dela. Ela parece tão distante, como se ela estivesse lendo um script, mas eu sei que reviver isso não seria fácil.


— Eu acordei no hospital no dia seguinte, depois de ter a primeira cirurgia. A polícia me disse que o fogo foi iniciado com dois coquetéis molotov através das janelas. Zane estava longe de ser encontrado e eu estava gravemente queimada em dez por cento do meu corpo. Foda-me. Ouvir o que eu fiz para ela é pior do que eu pensava. — Eles me disseram que minha pele estava muito danificada, que não seria capaz de se regenerar por conta própria, de modo que a primeira cirurgia que eu passei foi para proteger as partes mais danificadas antes que eles pudessem enxertar. — Ela se vira um pouco, me mostrando a parte mais suave da queimadura. A pele pálida está tensa, não vermelha e levantada como o resto. Eu acharia que seria a área menos queimada. — Porra, Kadence, — eu digo, tentando colocar minha cabeça em torno do que eu causei. — Sim, foi uma responsabilidade muito grande, a segunda cirurgia foi um enxerto, eles levaram a pele de minha parte traseira e eu realmente não estava preparada para a dor disso. — Um arrepio percorre quando ela revive a dor. — Depois de três semanas, o fluido construído por debaixo da pele do doador, impediu ela de se fixar a ferida. Falhou, então eles tiveram que reenxertar mais pele. Naquela época eles enxertaram de dentro da minha coxa, — diz ela, apontando para o ligeiramente diferente pedaço de pele. Inclinando para a frente eu faço a varredura da área. Devo admitir que eu não percebi. Não que isso importe. — Eu fiquei no hospital por três semanas depois. Eu não estava saudável o suficiente para ser capaz de ir para casa. Eu desisti, mentalmente e fisicamente. Olhando para trás, eu posso ver a fraqueza, no hospital, eu não vejo isso como sobrevivência, apenas o quanto eu havia perdido. — Você é uma das mulheres mais fortes que eu já conheci, — eu interrompo, não tenho certeza se ela entende a honestidade das minhas palavras. Ela balança a cabeça em desacordo, uma chama de indignação queimando furiosamente em seus olhos. — Eu estava tão perturbada por ter perdido minha casa e Zane, com raiva que tudo foi tirado de mim. Eu não queria pensar sobre a quão sortuda eu era ou o quão forte eu era. Pessoas ao meu redor na unidade de queimados estavam morrendo, lutando por suas vidas, e eu estava reclamando sobre esta pequena parte do meu corpo. Eu era egoísta e não tinha ideia do que ser forte realmente era. — Ela deixa tudo para fora, e o quarto em torno de mim se fecha.


Como poderia achar que isso iria funcionar? Que a minha culpa fodida seria facilmente esquecida. Eu fiz isso com ela. Eu. Eu sou o monstro que ela fala. Eu assisti ela de longe por três anos, e quando eu finalmente tive a chance de fazer as coisas certo, tudo que eu poderia pensar era em foder com ela. Eu me movo para fora da cama, precisando de ar. — Aonde você está indo? — Ela senta, mas eu não posso olhar para ela. Eu não posso falar com ela. Não é possível estabelecer aqui e mentir para seu rosto, quando eu era responsável. Eu não sei como eu mesmo pensei que eu poderia conseguir isso. Eu puxo minha calça para cima e agarro a minha camisa, deixando ela seminua na minha cama.


09

Kadence — Aonde você está indo? — Eu pergunto, observando ele se mover para fora da cama e se vestir. O que diabos aconteceu? Ele não olha para trás enquanto ele pega sua camisa e sai batendo a porta. Fico ali por um minuto. Tentando processar o que eu disse, tentando descobrir o que poderia ter feito ele correr para fora da cama mais rápido possível. Nós estávamos falando sobre o fogo, sobre minhas cirurgias, e foi como se um interruptor se acendesse nele e ele se foi. Me movendo para fora da cama, procuro minhas roupas e decido encontrar ele. Eu não tenho certeza se é sábio. Algo me diz para ficar no quarto, para deixalo sozinho com qualquer merda que ele está lidando. Mas eu não escuto. Eu não posso controlar essa atração que ele exerce sobre mim. É uma conexão em um nível mais profundo. Eu não sei como explicar isso a ele, ou a mim mesmo. Meu corpo se sente mais vivo do que ele tem em anos. Meu coração finalmente tem essa batida extra nele e meu estômago se enche com borboletas sempre que ele está perto. Oh, Deus, eu estou me apaixonando por ele. Corro os dedos pelo meu cabelo e ajusto o meu vestido antes de sair para o corredor. — Ela precisa ir, agora. — Eu ouço Nix dizer. Me segurando, eu não entro na cozinha. — Qual é o problema, ela não deu ainda? — Eu ouço Beau perguntar. — Foram duas fodidas noites, eu estou cansado dela, — diz ele, e por um momento, eu não sei como processar isso. — Porra, eu disse que ele conseguiria. — Outra pessoa diz e desta vez, eu posso me sentir corando.


— Ela deu fácil, também, — diz Nix e as borboletas que têm vivido no meu estômago desde o dia em que ele entrou na minha sala de aula, param de voar. Imbecil. — Ela precisa ir, — Nix repete, e eu tenho que segurar na parede para que eu não caia. Eu sabia, porra. — O que, você teve sua foda, então agora eu sou livre para ir? — Eu viro a esquina e cuspo. A sala fica em silêncio quando seis pares de olhos caem sobre mim. Eu não dou a mínima se eu apenas pareço uma puta louca, que não conseguiu o que queria. Isso é sobre esse imbecil. — É o que é, Kadence. — Ele me descarta e derrama um pouco de creme em seu copo. — Você é um filho da puta, merda. Você me pega no meio da noite. Me joga em uma van, me traz a este lugar abandonado por Deus, derruba minhas defesas até que eu deixe você me foder, e depois de tudo isso, você está cansado? — Sim, — ele responde. Minha inquietação retorna, dura e rápida. Eu me sinto violada, novamente. Rejeitada. — Foda-se, Nix. — Eu já fiz isso. Não seja a porra grudenta. — Ele sorri antes de sair da cozinha. Eu estou chocada por um segundo, sem saber o que aconteceu. Eu deixo ele entrar, e agora estou sendo tratada como uma porra de uma perseguidora. — Eu quero ir para casa, agora, — eu digo, mantendo minhas emoções sob controle, quando eu olho para trás para os homens. Ninguém responde, então eu giro no meu calcanhar e sigo Nix de volta para seu quarto. — Então eu posso ir para casa? — Eu pergunto, de pé na porta observando Nix pegar as chaves e telefone. Ele não responde, por isso tenho a minha resposta. — Você é um verdadeiro ator de classe. — Não, — ele adverte, mas neste momento eu não me importo. Eu tive quatro dias da minha vida, tirados de mim. Eu dei o meu corpo a este homem, eu decidi deixar ele entrar, mas em um piscar de olhos, ele está cansado disso. — Eu não posso acreditar que eu pensei que você fosse diferente. Que, por baixo de tudo isso, — faço um movimento para o quarto em torno de nós, — você era diferente.


— Bem, querida, eu te disse que eu era perigoso. — Ele dá de ombros, como se não fosse grande coisa que ele só me fodeu. — Não, você acha que é este homem perigoso, Nix, mas você não é. Você é uma pessoa inútil, solitária. Você traz feiura para as pessoas porque, você não sabe o que é bom e você com certeza não merece qualquer bondade, — digo a ele, e mesmo que eu queira dizer cada palavra que eu estou dizendo, dói. Dói porque, pensei que eu estava começando a me apaixonar por ele. Que ele estava sentindo o mesmo tipo de sentimento que eu estava. Que de alguma forma, quando tudo estivesse acabado eu poderia nos fazer trabalhar. Esta ligação é algo que eu nunca tinha experimentado, mas era tudo uma mentira. Eu deveria ter conhecido melhor. Homens como Nix Knight não pode nunca ser bom. Ele está contaminado e mesmo que eu quisesse salva-lo, ele não pode ser salvo. — Bom, agora você entendeu, portanto, fique porra longe de mim, — ele zomba, antes de passar por mim e sair. A força me empurra para o chão, mas eu não sinto a queda. Humilhação é uma pílula pesada para engolir. Dói dez vezes mais.

***

— Eu digo que devemos fazer uma corrida para ele, — Holly sussurra na manhã seguinte quando nós assistimos os Rebels saírem do complexo do clube. É o dia depois que Nix mostrou suas cores verdadeiras, e cada minuto em que eu tenho que sentar sob o seu olhar, eu quero enrolar e morrer. — Como você pode propor isso? — Eu pergunto quando o último cara sai, nos deixando a sós com Jesse e um homem mais velho que eu não vi antes. Não estou realmente certa de como me sinto sobre Jesse. Por um lado, ele parece bom, mas há algo sobre este homem que me esfrega o caminho errado. Como um menino bonito, aparências enganam. — Você ouviu. Não é seguro. — Eu repito a mesma coisa que eu tenho dito a ela desde que chegamos aqui. Depois que Nix saiu, Holly veio até mim e me deixei chorar. Eu sei que soa estúpido, ou talvez eu sou estúpida, mas isso não tira o fato de que me sinto usada. A ideia de que eu


tenho que ficar neste clube, enquanto ele senta por perto me observando só me confunde mais. Mesmo ontem à noite, quando eu fui para a cama, eu pensei que eu o ouvi entrar, mas após alguns minutos, nada aconteceu. — Você acredita nele depois do que aconteceu? Pelo que sabemos, ele poderia estar mentindo. Podemos não estar em qualquer perigo. Você já ouviu Zane? — Ela se senta para trás e cruza os braços sobre o peito. Eu deveria estar pensando sobre tudo isso. Deveria ter tentado encontrar uma maneira de sair em vez de deixar Nix chegar até mim. Porra, eu realmente sou estúpida. — Eu não sei o que está acontecendo, Holly, — eu estalo quando tudo se torna muito. Ela não responde, apenas desliza a mão na minha e aperta. É por isso que eu a amo. Minha vida fodida não trouxe nada além de drama, mas ela está aqui segurando minha mão. — Eu fodi com Sy ontem à noite, — ela sussurra. — Você o quê? — Me viro, não acreditando no que estou ouvindo. — O quê? Você não é a única que já quis um motoqueiro mau. Além disso, não tem mais nada para fazer aqui. — Ela encolhe os ombros e eu me choco. Jesus, nós somos um grande par. — Bem, e o que aconteceu? — Pergunto, querendo os detalhes. — Nós estávamos jogando sinuca, uma coisa levou a outra. — Ela sorri e eu não posso deixar de rir. Estamos fodidas. — O quê? Ele é sexy como o inferno. Você já viu suas tatuagens e a atitude nenhuma besteira que ele usa? O homem é bom. Ele disse que era um negócio de uma noite, então estou desapontada que não posso ter a segunda rodada, mas eu tenho as minhas memórias. — Ela senta para trás e fecha os olhos. — Oh, meu Deus, pare com isso. — Eu bato em seu braço, precisando dela para querer sair fora daqui. Conhecendo Holly, ela nunca vai querer sair daqui agora. — Tudo bem. — Ela senta para trás quando Jesse entra na área principal. — O que as senhoras estão falando? — Sentando em frente a nós, mas nós não respondemos. — Aww vamos, Kadence, não fique toda tímida comigo agora. — Ele sorri, mostrando os dentes perfeitamente retos, brancos.


— Apenas tentando descobrir um jeito de sair daqui. — Eu dou o que ele quer. Eu não devo nada a ele. — Bem, você está desperdiçando seu tempo. Sem saída, querida. — Eu ignoro o nome dele para mim e viro para Holly. Ele não pega a dica, em vez disso, ele continua sentado lá olhando. — Vamos começar a fazer o almoço. — Eu levanto e puxo Holly junto comigo. É apenas 9:30, e nós acabamos de comer o café da manhã, mas se isso nos leva longe de Jesse, então eu vou fazer isso. — Fiquem perto, meninas. Não quero que nada aconteça com vocês, — ele grita. Sua ameaça velada envia um arrepio percorrendo minha espinha. — O que há com ele? — Holly pergunta quando caminhamos para a cozinha. — Eu não sei, mas ele não irradia boas vibrações. — Eu movo em direção ao conjunto de faca que está no balcão e puxo uma faca pequena. — Porra, por que eu não pensei nisso antes? — Sussurra Holly, em seguida, avança para escolher sua própria faca. Eu deslizo minha faca nas costas da minha calça jeans e espero não ter que usar ela. — Vamos voltar para o quarto de Nix, — eu digo, assim que Jesse entra na cozinha. Rezo para que ele não perceba as facas em nós ou que estão faltando do bloco. — Por que tenho a sensação de que vocês continuam tentando fugir de mim? — Ele para na porta e eu engulo o mal-estar. Isso não é bom. — Nós apenas queremos voltar para nossos quartos, — eu digo, mantendo o meu nível de voz. Jesus Cristo, quando eu pensava que os Rebels não eram tão ruins, somos deixados com um menino bonito de cabelos loiros. — Por todos os meios. — Ele fica de lado e vamos passar por ele. — Oh, você está esquecendo uma coisa, — ele diz e ambas viramos. — Desculpe? — Eu pergunto, agindo indiferente. — As facas, coloquem elas de volta. Meu estômago cai. Oh, Deus.


— Corra, Holly, — eu grito quando eu removo a faca da minha calça jeans e um passo à frente. Imediatamente sei que é uma má jogada quando ele facilmente me domina, tomando a faca da minha mão e segurando ela no meu pescoço. — Eu sugiro que você volte aqui, Holly. — Jesse chama, mas eu não posso vê-la, assim espero que ela se foi. — Nix, me disse que estaria segura aqui, — eu digo, sem saber o que está acontecendo. — Nix, — ele cospe seu nome, — não está aqui agora, não é? — Ele se move para a frente, me levando com ele e rezo para o que quer que ele tem planejado, eu possa sair disso. — Então, agora, nós fazemos o que eu digo. — Antes que eu possa perguntar a ele por que, uma voz que eu esqueci há muito tempo passa sobre mim. Gelo substitui o meu sangue quente, e medo substitui a minha raiva. — Olá, Kadence. — Zane passa por mim, com outros dois homens atrás dele. Oh, meu Deus, como é que ele entrou aqui? — Kadence? — Holly entra a partir do hall quando ela ouve mais vozes e eu quero dizer para ela sair, para pedir ajuda, mas a arma na mão de Zane me mantém quieta. — Holly — Ele se vira para ela com um pequeno sorriso. O rosto de Holly drena toda a cor quando ela percebe que ele está aqui. — O que você quer, Zane? — Pergunto a ele, recebendo a atenção dele. Ele se concentra em mim e um passo à frente em meu espaço. O aperto de Jesse me solta e eu tomo como a minha chance de me libertar, mas quando eu movo o cotovelo, a mão direita de Zane sai rápido. No começo eu acho que ele está prestes a me atacar. Minhas mãos vão para cima para proteger meu rosto, mas sua mão vai para minha garganta. O poder sobre mim é tão intenso que mal posso ouvir os gritos de Holly. — Cale a boca, Holly, — ele grita para ela, — ou eu vou matar ela. — Seus gritos param abruptamente. Ele sorri, olhando de volta para mim. Seu aperto ainda forte em torno da carne macia do meu pescoço, manchas pretas dançam na frente da minha visão quando ele continua a cortar minha via aérea. Meu coração e os pulmões estão trabalhando extras a partir da falta de oxigênio, desesperadamente tentando engolir ar, mas ele escapa de meu alcance. Meus dedos agarram seu aperto, tentando erguer seu aperto de morte em mim. Jesse finalmente me libera de trás quando eu empurro para a frente para o espaço de Zane.


— Você precisa parar de lutar contra mim, Kadence, ou eu vou colocar uma bala em Holly. — O mau cheiro do seu perfume barato ameaça me sufocar enquanto ele me arrasta através do complexo do clube. A escuridão tinha começado lentamente a rastejar enquanto ele solta suas garras. Eu não sei se ele vai seguir com sua ameaça, mas algo dentro de mim grita para continuar lutando, e não desistir. Uma onda de adrenalina lava em cima de mim, me dando forças para lutar. Por que esse idiota está tentando me matar? O que diabos eu fiz para ele? Agarrando a mão de novo, eu uso todas as minhas forças para tentar forçar o aperto longe da minha garganta. Meu joelho volta a ganhar impulso, antes de empurrar para a frente, entregando um golpe duro e rápido entre suas pernas. A conexão é brutal quando o ataque o deixa inconsciente. Seu aperto solta o suficiente para que eu pegue um grande fôlego na minha garganta doendo. Eu giro para a esquerda, quando eu torço minha maneira de sair de seu abraço que me rodeia e passo para fora de seu alcance. Ele é muito rápido, dando um passo à frente e puxando forte meu cabelo, quando sou puxada de volta. Eu sinto a picada do puxão, as sensações de formigamento em minha pele. Meu calcanhar volta em sua virilha, e meu cotovelo conecta com o nariz simultaneamente. Eu não sei onde meus movimentos estão vindo, mas o pensamento de morrer nas mãos deste homem substitui o meu medo e me deixa com uma raiva que tudo consome. Ele explode de mim, me levando a algum lugar que eu nunca conheci. Raiva como este não surgiu do nada. Ela vem do profundo ódio para uma pessoa que tinha tentado tirar tudo de você. Girando, meus dedos para o cabelo escuro. Trancando sobre, eu puxo de volta com toda a minha força. Ele já tomou muito de mim, e agora aqui está ele na minha frente, voltando para mais. Eu não penso assim, idiota.

— Sua puta, — ele cospe, com as mãos vindo para a frente. Holly choraminga atrás de mim, mas eu não posso virar o meu corpo rápido o suficiente para ver se ela está bem. O sangue quente surge através de meu corpo, queimando furiosamente em minhas veias. Eu solto um lado de seu cabelo, fechando os olhos, o meu polegar levanta com toda a força que pode reunir. Uma força dolorosa me empurra para trás, seu joelho entra em contato com meu estômago. Meu diafragma se contrai sob a força e meus joelhos caem sob a pressão, eu caio na superfície áspera do pátio do clube. Ele me dá um pontapé ao meu lado e me deixa com falta de ar,


com cada inalar é como se meu corpo gritasse para eu parar quando um estalo ecoa através do meu corpo. — Você acha que pode me dominar, Kadence? Pegando um punhado do meu cabelo ele me coloca de joelhos, a bile sobe, dor insuportável. Ele sorri, estando a frente do meu corpo ajoelhado. — Porra, você é patética. — Ele ri quando sua mão livre se conecta com o meu rosto. Seguro a vontade de chorar quando a força abre o lado da minha boca. O gosto cobre metálico de sangue invade minha boca, enquanto ele se inclina para frente, fechando a distância. O cheiro de cigarro ultrapassado enche minhas narinas, e as estrelas pretas familiares dançam loucamente atrás de meus olhos. Segurando, eu luto contra a escuridão, não estando pronta para me render. — Foda-se, Zane, — Eu forço para fora após a intensa dor ao meu lado e meu peito, minha voz é áspera, da força que sua mão apertou meu pescoço. Sua mão se estende para dentro do cós da calça, puxando uma arma. — Com prazer, — ele zomba antes de trazer a coronha de sua arma a lateral do meu rosto. Tudo fica preto. O sorriso mal se espalhando em seus lábios é a última coisa que eu vejo.

***

Eu acordo com os sons de homens falando, me puxando para fora da névoa negra. É escuro, mas eu posso ver o brilho da lua que vem através de uma pequena janela. — Holly? — Eu coaxo, minha voz não parecendo minha. — Bem, olha quem está acordada, Edwards. — A voz de Jesse rompe minha neblina e me lembro de imediato o que aconteceu. Tento me sentar no piso de concreto duro, mas meu peito dói demais. Eu fecho meus olhos brevemente, sentindo todas as minhas lesões. Meu rosto está latejando, mas não tanto quanto a dor na minha garganta. Minhas mãos e joelhos picam, mas é meu peito que irradia com a dor.


— Algo está errado com o meu peito, — eu coaxo as palavras e ainda minha respiração irregular. — Onde estamos? — Eu tento concentrar meus olhos, mas eu só posso ver sombras. — Onde está Holly? — Holly está, digamos, ocupada. — Zane passa para a frente, e eu posso dizer pelo seu rosto, ele fez algo. — Se você fodidamente machucar ela, — Eu ameaço. O chiado do meu peito queima depois de cada palavra falada, mas mesmo que ele seja maior, eu não vou parar de lutar. Os dedos ásperos de Zane elevam meu queixo, me forçando a olhar para ele. — Oh, Kadence, veja o que acontece quando você sai com motoqueiros? Você começa a falar como escória de motoqueiro. — Ele balança a cabeça como um pai decepcionado com sua filha. Eu balanço minha cabeça para me livrar de seu alcance, o movimento envia uma dor excruciante pelo lado esquerdo do meu corpo. Sua mão se estende, agarrando o meu cabelo, me fazendo subir em um empurrão forte. Eu grito e a dor aumenta através do meu peito, meus pulmões lutando para aproveitar um pouco de ar. Bile passa até a minha garganta com a pura dor. Forçando ele para baixo, eu digo a mim mesmo para não desistir. Como ele poderia estar fazendo isso? Você acha que conhece alguém, acha que você o ama.... Eu compartilhei minha cama por três anos com este homem, compartilhei meus sonhos, meu corpo, minha vida, mas eu não conheço ele. — Por que você está fazendo isso? — Eu pergunto, nem mesmo tendo certeza se ele tem uma razão. — Eu quero seu namorado fora, baby. — Não me chame assim. — Por quê? Você costumava adorar. Adorava quando eu estava transando com você duro. Talvez pudéssemos ter mais uma rodada, por causa dos velhos tempos? Eu recuo com o pensamento, sabendo que ele provavelmente vai, mas eu preferiria morrer do que ter ele dentro de mim. — Você é um pedaço de merda, idiota, — eu digo, tentando acalmar meu pânico. Eu sei que não deveria incitar ele, mas com aversão em mim eu não posso segurar minha língua. Eu não vou permitir que ele me quebre. — Você está certa, baby, — ele concorda, um sorriso substituindo agora sua carranca decepcionado.


— Diga-me, Kadence. Você gosta do jeito que ele fode você? Eu não respondo a sua pergunta, com medo do resultado, com medo de sua reação. — Responda-me, sua puta! — Ele grita, me batendo no rosto com sua arma novamente. As estrelas pretas estão de volta, e eu luto desesperadamente para afasta-las. Eu não consigo passar por isso. — Sim, Zane, — eu respondo, olhando diretamente nos seus olhos. Ele balança a cabeça, apontando a arma para a minha perna. O som do estrondo é alto em meus ouvidos, meus olhos grudados no sangue vermelho escorrendo do buraco de bala que ele colocou na minha perna. — Foda-se! — Eu grito quando o calor passa através da minha perna. Tudo ao meu redor desacelera quando meu corpo reage ao impacto. Dentes cerrados, me obrigo a não deixar que me leve ao choque. — Eu odeio você, — eu cuspo, limpando minhas lágrimas caindo, sabendo que eu não vou sair dessa viva. — Oh, Kadence, eu odeio você, também. Você não sabia? É por isso que eu fiquei decepcionado que você não queimou no fogo, — ele confessa, sorrindo para mim. — É por isso que eu mal posso esperar para acabar com essa besteira de uma vez por todas. — Eu não vejo o movimento na mão de Zane até ter o barril preto virado para mim de duas polegadas de meu rosto. Vejo brevemente o contorno de seu dedo, tocando levemente o gatilho. A escuridão daquele pequeno buraco negro arrasta meus olhos. Eu quero lutar com ele, alcançar ele, empurrar a arma de suas mãos, fazer alguma coisa para lutar. — Nem sequer pense sobre isso, Kadence, — ele avisa como se ele pudesse ler meus pensamentos. Tudo no pequeno espaço à minha volta desaparece, meu ex noivo segurando uma arma na minha cabeça, a dor na minha perna se foi. Tudo por um momento. Meus olhos ardem, me implorando para piscar, mas a minha vida está presa, fascinada pela forma oca olhando para mim. O pequeno buraco negro se move para frente, a frieza do metal bate na minha testa. Eu não ouço as palavras que vêm de Zane. Vou morrer. Minha respiração retorna quando eu me vejo arrastando e forçando o ar pelos meus pulmões, a dor que engloba me puxando. Eu acho que estou pronta para o que ele está prestes a fazer, mas em vez de disparar, sua bota se conecta


com o meu peito. A força de seu chute me empurra para baixo, e um peso cai sobre mim. Eu acho que isso Ê o que se sente quando morre, tem que ser. Antes de minhas costas atingir a terra, a escuridão me toma mais uma vez.


10

Nix — O que diabos você quer dizer com ela se foi? — Eu pergunto, andando depois de receber uma chamada para voltar. Meu corpo cantarola com medo de que algo fodido aconteceu com Kadence, mas eu não entendo como elas foram capazes de sair. — Você precisa se acalmar, porra, Nix. — Meu pai tenta argumentar comigo, mas eu estou muito longe. Edwards entrou em nosso território e fodidamente a levou. — Eu vou me acalmar quando encontrar ela, porra. — Eu começo a andar, tentando descobrir como chegar a ela. — Ela é uma fodida boceta, filho. Temos o carregamento perdido de King. Isso é tudo o que importa, assim coloque a porra da sua cabeça no lugar. — Ele ordena. Eu quero tirar minha 22 e atirar diretamente em sua cabeça fodida. Não apenas as meninas estão faltando, mas Jesse também. Isso é fodido. — Vou encontrá-la. — Eu olho para ele, odiando ele mais e mais a cada vez que ele fala. Foda-se, o que nós nos transformamos? — Você não vai a lugar nenhum. — Ele balança a cabeça e sei que não vamos chegar a um acordo. — Eu vou, você me apoiando nisso ou não. — Me viro, pronto para levar isso a diante. Eu fodi tudo. Fodi muito e eu preciso fodidamente corrigir. Eu não deveria ter me apavorado sobre Kadence ontem, em seguida, deixar ela sozinha. Eu disse merda que eu não quis dizer, apenas para que eu pudesse


afasta-la. Eu sei que ela sentia tudo o que eu estava sentindo, porque ninguém gasta dois dias na cama com alguém, se eles não sentem essa conexão, como a atração que sinto por Kadence. Mas em vez de me dar um momento para respirar, eu a empurrei para longe. Eu a humilhei. Eu sabia que ela estava ali, sabia que ela iria me seguir. Eu sou um covarde, e se isso não prova, eu não sei o que vai. Agora ela se foi, eu não tenho certeza se eu posso viver comigo ou essa culpa. — Você está ficando porra. — Ele não para. Não cabe a ele a discussão. Então eu não vou ficar aqui e discutir com ele. Me movo em direção à porta, ignorando a sala tranquila. — O clube trocou ela, — diz ele e aquelas quatro palavras me detém. — Você o quê? — Me viro, e é como se a sala estivesse em câmera lenta. Ele trocou ela pelo carregamento. O carregamento que não precisamos, desde que não é nosso comércio. Que porra é essa? — Estamos entregando o carregamento para Headings Charter. — Ele diz como se três horas de carro até Headings não fosse um fodido risco. O fodido jogou comigo. — Ela é a porra da minha mulher! — Eu tento manter a calma, mas meu sangue está fervendo e estou superaquecendo. Ele não vacila, reage apenas com um sorriso. — Não era o que você estava dizendo ontem de manhã. — Alguém diz, mas eu não sei quem é. Minha mente está focada em meu pai quando minha mão encontra a minha arma e os meus pés me levam para onde ele está sentado. — Você é porra de um idiota, — Eu cuspo, observando suas mãos chegar em cada lado dele. A sala se move rápido, todo mundo puxando suas armas. Eu não dou a eles qualquer pensamento. A minha única preocupação é saber onde ela está e como recuperar ela. — Você está caminhando em uma fronteira tênue, filho. — Seu tom pode ser calmo, mas eu posso ver o pânico em seus olhos.


— Você já atravessou. Me diga onde ela está ou eu vou colocar uma bala em sua cabeça. — Filho, você faz isso, você terá um tiro bem na sua, — ele contrapõe. — Vai valer a porra da pena ver você sangrar. — Eu seguro seu olhar, não estando preparado para recuar. — Celeiro velho para fora na fazenda Jackson, — ele responde, mas eu não me movo imediatamente. — Se você está mentindo para mim, eu virei para você. Se ela estiver machucada, então você está fodidamente morto. — Eu passo para trás, mantendo a arma apontada para ele. — Você sai do clube, filho, e está feito! — Ele grita, mas eu não viro e digo a ele que eu não dou a mínima. Ele foi longe demais. Depois de tudo o que a fiz passar, ele dar ela, porra. — Você é um homem morto, — adverte alguém, mas eu não olho para trás. Saio do clube, fora do lugar que eu cresci sabendo que eu nunca vou botar o pé novamente nele. — Espera, Nix, — Beau chama, mas eu não tenho tempo para ouvir ele tentar me convencer a não ir atrás dela. — Beau... — Eu começo, mas ele não me deixou terminar. — Eu não vou deixar você ir sozinho. — Ele passa por mim para sua moto. — Tem certeza que vai comigo? — Pergunto antes de montar a minha. — Irmão, não me faça repetir, — diz ele, e isso é tudo que eu preciso. Ele está comigo. — Vamos pegar a sua mulher. — Ele sorri, mas eu não. Eu poderia querer tomá-la como minha mulher, mas eu sei que nunca vai acontecer. Kadence estava certa. Eu sou uma pessoa sem valor, sozinha, e não há jeito de ela ser minha, mas o mínimo que posso fazer é eliminar Edwards então ela está livre desta merda.


***

— Você está pronto para o que você pode ver? — Beau pergunta quando passamos o perímetro de volta para a antiga fazenda que meu pai me disse que Edwards tinha levado Kadence. — Vamos apenas fodidamente entrar e sair, — digo, não preparado para o que eu estou prestes a ver. Ele balança a cabeça quando nos aproximamos. Eu não sei o que vamos ver quando estourarmos através dessas portas, mas eu não posso pensar nisso agora. A minha única preocupação é levar Kadence fora. Nós continuamos a avançar em um ritmo lento, nos certificando de não fazermos a nossa presença conhecida. A noite negra é calma, e quando avançamos mais perto da porta, um mal-estar se instala em mim. — Dê mais um passo e eu vou estourar a cabeça dele, — diz algum filho da puta assim que nós chegamos até a porta. Eu paro e viro, observando o cano da arma contra a cabeça do meu melhor amigo. Eu sei o que vem a seguir. Beau nunca foi de seguir as regras. Eu vejo como ele se vira, conectando seu cotovelo com o queixo do filho da puta. Ele não vê isso vindo e tropeçando, caindo para trás em sua bunda. — Vai, Nix, — ordena Beau, me deixando saber que ele vai me cobrir. A arma dispara ressoando na noite, mas eu não paro para ver se Beau tem o idiota ou ele pegou Beau. Eu giro e corro para a porta, esperando que não seja muito tarde. Meu ombro se conecta com a porta, rebentando ela aberto. O impacto me abala quando eu tropeço para encontrar meu equilíbrio. — Bem, se não é o filho pródigo, — Edwards cumprimenta, a arma apontada para mim. Antes que eu possa reagir, ele dispara, me atirando no mesmo ombro que eu usei para arrombar a porta. Dor irradia através de mim como um fogo ardente sob a minha pele. Calor irradia do tiro e eu caio de joelhos. — Fodido, — eu digo quando duas mãos passam atrás de mim e me arrastam para o centro do antigo galpão. Eu tento me mover, para combater eles, mas o buraco da ferida de bala me suspende. — Você chegou a tempo, Nix, — Jesse diz no meu ouvido enquanto ele amarra as minhas mãos atrás de mim com uma corda. Jesus, Jesse está trabalhando com ele também.


— Eu vou fodidamente te matar com minhas próprias mãos, — Eu cuspo na cara dele quando ele faz o seu caminho na minha frente. Ele se coloca de joelhos antes de bater com o punho na minha mandíbula. — Você deveria ter deixado isso, Nix. Mas você não podia deixar isso ir. — Ele me empurra para trás novamente quando eu cuspo o acúmulo de sangue na minha boca. — Você não acha que essa merda vai voltar para você? Você é um homem morto, Jesse. Você traiu seu clube, — digo a ele, sem entender por que, ele iria nos foder sobre isso. — Você acha que eu estou preocupado com isso? Seu velho está em um declive para baixo e nada vai salvar esse clube. Eu nem sei como ele está de pé. — Ele continua a falar merdas. Eu tento me manter, mas tudo que eu vejo é um traidor. Ele nos fodeu porque, eu queria ser legítimo. O filho da puta vai pagar. — Seu maldito boceta. — Eu chuto para fora o que me ganha outro punho na mandíbula. — Deixe ele, — Edwards instrui quando o segundo soco de Jesse faz estrelas se formar na minha visão. Em vez de me bater pela terceira vez, ele chuta no meu ombro, depois recua. — Como tem passado, Nix? Muito tempo sem te ver. — Edwards passa para a frente, deixando um caminho aberto para eu ver uma Kadence sem vida no chão. — Seu filho da mãe. — Eu luto com minhas limitações, mas a dor no meu ombro me restringe. — Se acalme. Ela vai acordar em breve. — Ele diz. — Infelizmente para a amiga, ela não vai ter esse luxo. — Ele dá de ombros e eu sento chocado. Ele matou Holly? — Ela não iria calar a boca. A cadela não parava de gritar. Nunca gostei dela de qualquer maneira, — ele diz e eu sei que cheguei muito tarde. Kadence nunca vai se recuperar disso. — Você está morto, Edwards. — Minha voz é atada com gelo, sabendo que vou fazer tudo em meu poder para matar ele. — Eu me lembro da última vez que você me ameaçou. — Ele balança a cabeça, lembrando da última vez que eu o avisei que era melhor ele sair, antes destruir sua casa a chamas.


— Você poderia pensar que o fogo teria lhe ensinado uma lição, mas sua bunda não aprende. — Eu vejo como ele acaricia sua arma com um olhar orgulhoso no rosto. — Você quer dizer aquele que não me matou, mas queimou a minha noiva? — Ele sorri. Minha cabeça se vira para o corpo de Kadence e eu sei que não há nenhuma maneira que ela vai sair dessa sem saber do que eu fiz. — Deixe ela ir. Você me pegou. — Eu argumento com ele. — Eu não quero você. Você é apenas um bônus adicional, — ele zomba. — Nix? — Kadence resmunga, finalmente acordando. — Kadence, você precisa me ouvir com atenção. — Eu ignoro Zane e tento ter a sua atenção. — Sim, Kadence, escute cuidadosamente. — Zane se vira para olhar para mim. — Nix estava prestes a ter o momento de verdade. — Por que você está aqui? — Kadence balança a cabeça, ainda desorientada. — Onde está Holly? — Ela tenta se sentar, mas eu posso ver que ela está ferida gravemente. — Diga a ela, Nix. Diga a ela como o fogo começou, — zomba Edwards, andando mais perto dela e meu corpo dá um solavanco de medo. — Cale a boca, idiota, — eu rosno, mas eu sei que ele não vai escutar. — O que ele está falando, Nix? — Kadence mal fala a frase completa, e posso dizer que cada palavra é atada de dor quando ela finalmente fala. — Não era para você estar lá, baby, — eu sussurro, odiando que ela tem que descobrir assim. — Onde? — Ela resmunga. Entre seu rosto ensanguentado e inchado, eu vejo quando realização se espalha em suas feições. — Naquela noite, não era para você estar lá. Nunca foi para você estar lá, — repito, mas isso não muda o passado. Não traz de volta os anos que ela perdeu reconstruindo sua vida ou tirar a dor que ela tinha vivido. — O que você está dizendo? — Ela ainda não tinha conseguido entender.


— Ele colocou fogo na casa. Ele e o clube que você foi se prostituir. Eles são responsáveis. — Zane move sua arma para mim, mas eu não dou a ele minha atenção. Estou focado em Kadence e observando ela colocar tudo isso junto. — Não. Não, não. — Ela estremece de dor quando ela se senta um pouco mais reta, e eu sei que tudo o que poderíamos ter tido agora está morto. — Você tem que acreditar em mim, Kadence. — Acreditar em você? Você está brincando comigo? Você fez isso comigo. Você tirou tudo de mim, porra, — ela cospe suas palavras em torno de sua agonia. Olha com determinação de volta para mim, quando ela luta com suas restrições. Eu quero dizer a ela para parar, que ela só vai se machucar, mas eu sei que ela não vai escutar. — Você pegou uma parte de mim que eu nunca vou recuperar — Ela para de lutar e apenas olha para mim. Sua voz é crua e rouca e traz lágrimas aos meus olhos. — Não era para você estar lá! — Eu balanço com a vontade de encontrar uma maneira de ir até ela, para fazer ela vê. Mas eu não posso. — Cale a boca! — Ela grita e eu deixo a dor me lavar. — Eu odeio você. — Ela se esforça a respirar. — Eu odeio que eu deixei você ter mais do que você merecia. — Ahhh, vamos lá Kadence. Não é tão ruim. Não é como se sua vida tivesse acabado. Inferno, ele ainda te fodeu com suas cicatrizes, — provocou Edwards e meu corpo cantarola com agonia, porque eu não posso ir até ele. — Foda-se, — ela cospe, e uma pequena parte de mim ama que ela ainda é uma lutadora. Mesmo agora, amarrada ela ainda luta. — Eu já fiz. Eu estive lá, eu fiz isso. — Com sua piada, ela quebra. Ela rompe e eu sei que não é por causa dele, mas pelo que eu disse. Pelo que eu fiz na sede do clube e o fato de estar ouvindo isso novamente. Oh, Deus, quando isso vai acabar? — Apenas me mata, porra. — Eu olho para Edwards e bloqueio os gritos dela. — Deixe ela ir, — eu imploro, sabendo que tudo volta a este momento. O momento em que você sabe que você tomou o caminho errado, e isso é o resultado. Se alguma vez houve um momento que eu iria me questionar, seria este momento. E se naquele dia, quando eu decidi ficar neste caminho, eu mudasse de ideia? Teria uma vida melhor? Será que eu conheceria Kadence? Iria me tornar o


homem que ela precisava? Eu quero dizer que sim, que eu estou preso em meu próprio paradoxo, uma contradição ambulante lutando para ser compreendido. Mas nada disso seria real, então. — Não, eu tenho outra coisa em mente. — Edwards levanta, sem saber da minha batalha interna e caminha até Kadence. Ela olha para cima. A mulher olhando para mim não é a mulher que eu tinha em minha cama. Nem a mulher que eu assisti nos últimos três anos me perguntando se a minha vida seria diferente, se eu poderia ser digno dela. Hoje, ela é a mulher que não é nada além de um acúmulo de decisões erradas que eu fiz. Foda-se, eu finalmente a quebrei quando tudo o que eu queria era consertar ela. — Não machuque ela, seu boceta — eu rosno, mas eu sei que não vai importar. Mesmo que Beau não tivesse tomado um tiro no lado de fora, não há nenhuma maneira de sair disto. — Você quer dizer isso? — Ele aponta a arma para seu peito e antes que eu possa mesmo processar se ele está fodendo comigo ou não, ele puxa o gatilho.


EPÍLOGO

Nix — Kadence! — Minha cabeça sai do travesseiro quando uma mensagem rasga da minha garganta. Meu coração bate rapidamente em meu peito como a neblina do meu sonho, me trazendo de volta para o nosso quarto. — Kadence. — Estendo a mão para ela, puxando ela para mim antes que ela possa responder. Foda-se, foi um pesadelo. — Nix? — Kadence resmunga de seu sono. — O que há de errado? — Ela pergunta, mas eu não posso falar. Eu não posso nem pensar direito. Foi apenas um sonho. Um sonho fodido, mas, mesmo assim, tão real. Ela rola para longe de mim e chega para a luz. Sua silhueta em destaque laranja. — Eu preciso de você, — eu digo a ela, arrastando ela de volta para mim. O desejo de me conectar com a realidade é tão forte que meu corpo assume. Me guindo para o que eu preciso. — Nix, você está me assustando, — ela sussurra quando eu rolo ela em cima de mim. — Preciso de você, baby, preciso de você para me trazer de volta, — Eu admito, empurrando minha camiseta do clube sobre sua cabeça. — Qualquer coisa por você, — ela responde, e é como se uma peça do quebra cabeça fosse colocada de volta onde ela pertence. Minhas mãos encontram seus seios quando meu pau vem para cima, impacientemente da espera de ser guiado para casa. — Leve-me todo, — Eu ordeno e vejo como ela se move, seu corpo deslizando para baixo do meu pau. — Foda-se. — Meus olhos rolam para trás enquanto seus abraços me apertam, me trazendo de volta à vida peça por peça.


— Oh, Deus. — Ela geme quando ela mói sua pélvis contra mim, e, lentamente, pega ritmo. — Eu quero que você monte, baby. Me faça seu. — Peço a ela para tomar o controle. — Eu sou sua, Nix. Sempre, — ela ofega, movendo para cima e para baixo no meu pau. Minha cabeça levanta do travesseiro precisando ver nossa conexão. Meu pau desliza para dentro e para fora de seu calor apertado me trazendo de volta ao presente. Para o agora. Isto é o que é real. Esta conexão. Nós. — É isso aí, baby. Foda-se, sua boceta é tão apertada, — Eu rosno, me sentindo completamente vir a vida debaixo dela. Minhas mãos se deslocam para os mamilos, rolando os botões apertados com os dedos. Eu belisco e puxo, do jeito que ela gosta. — Porra, Nix, eu vou gozar. — Ela geme e o blush doce que minha mulher me dá quando ela vem, se espalha contra sua pele pálida. Jesus. Ela está fodidamente bonita. — Toque em seus peitos, baby. — Assim como a boa menina que ela é, suas mãos se movem sobre a minha, puxando seus mamilos. — Olhos, — eu comando, desta vez, meu pau latejante em antecipação para o que eu estou prestes a testemunhar. Seus olhos saltam abertos e eu estou reunido com sua fome, sua necessidade, seu querer. — A quem você pertence? — Eu pergunto, deixando o prazer me puxar para mais perto dela, me amarrando a ela. — Você, baby, — ela ofega, enviando outro choque direto para o meu pau. — Você goza quando eu lhe digo, você me entende? — Sua cabeça se debate para o lado, buscando desesperadamente sua libertação. — Depressa, — ela implora, me montando mais forte. Mais rápido. — Porra, você é linda, — eu gemo, colocando minhas mãos em sua cintura, batendo com força contra mim cada vez que ela desliza para baixo no meu pau. —


Tão. Fodidamente. Bonita, — eu soco para fora cada palavra, a cada estocada, assim como minhas bolas tensas. — Agora, — Eu ordeno, e nos dois segundos que leva para eu explodir dentro dela ela convulsiona em torno de mim. Me ordenha com sua apertada, boceta gananciosa. — Foda intensa. — Minha respiração sai quebrada, como se eu tivesse apenas corrido uma maratona. Kadence cai para a frente, para o meu peito, sua boceta ainda convulsionando ao redor do meu pau, mas ela não diz nada enquanto ela tenta recuperar o fôlego. — Você está bem? — Eu pergunto, segurando ela para mim. — Apenas me dê um minuto, — ela ofega, ainda sem fôlego enquanto meus dedos trilham ao longo de sua umidade. Apenas tê-la em meus braços novamente é o suficiente para me fazer sentir como se eu pudesse realmente respirar. — Basta voltar a dormir aqui, — eu digo a ela, desejando que ela fizesse isso. Se eu pudesse ficar enterrado nela todo o dia, eu faria. — Quer me dizer o que você estava sonhando? — Ela puxa um pouco para trás. — Nada, baby. — Empurro o cabelo do rosto e movo meus lábios em sua testa. — Hmmm, — ela murmura, e eu sei que ela não vai me empurrar, ela vai me dar o tempo que eu preciso. — Você já pensou onde você estaria se você nunca tivesse encontrado com Zane? — Eu não sei por que, dentre todas as perguntas que eu poderia fazer a ela, eu pergunto isso. Eu pergunto sobre aquele filho da puta. — De onde isso vem, Nix? — Ela se afasta do meu peito, mas eu puxo ela de volta para mim. — Você acha que ainda teríamos nos conhecido? — Pergunto o que estou realmente pensando. Foda-me, esse sonho parecia muito real. — Eu não sei. Eu gostaria de pensar que dois caminhos podem cruzar em momentos diferentes em nossas vidas. Por quê? Onde isso está vindo? — Só tive um sonho fodido, — Eu admito e abraço ela apertado. Ficamos deitados assim por mais alguns minutos e confortáveis no silêncio do nosso


quarto. — Se você pudesse mudar alguma coisa, você mudaria? — Eu não consigo calar a boca hoje à noite. — Eu não gosto de pensar nisso. Nós não podemos mudar isso, então por que me preocupar? — Ela beija meus lábios enquanto se move para me soltar. Eu não protesto, quando assisto seu movimento para fora da cama e ir para o banheiro. — Você sabe que eu quase não consegui limpar o clube? Que poderíamos ter ido de maneira diferente? — Pergunto enquanto ela se lava no banheiro. — Eu tinha acabado de perder minha mãe, a dor de perdê-la me empurrou e eu perdi o meu caminho. — Eu me lembro. — Ela caminha de volta e coloca a minha antiga camiseta do clube novamente. Voltando para a cama, ela sobe. — Eu só não quero viver minha vida na escuridão. A dor, nunca vai embora, mas eu não queria que esse buraco no meu estômago me comesse. Eu queria bondade. Então eu fiz tudo ao meu alcance para chegar lá. — Você fez, Nix. Você não tem que se preocupar com isso. — Mas e se eu não fizesse? Onde você acha que estaríamos? — Eu não sei porque, estou enlouquecendo ou porque, isso significa muito para mim, mas a realidade é, isso poderia ter ido dessa maneira. — Eu não gosto de viver com e se, Nix. Eu vivo no saber, e eu sei que você é uma boa pessoa. Eu sei que eu me apaixonei por você no momento em que me colocou em sua moto. Eu sei que você é um pai incrível para as crianças. Mas o que eu sei, acima de tudo é que se eu nunca tivesse te conhecido, nunca mais teria a chance de ter o seu tipo de bondade, então eu não gostaria de conhecer esse mundo. Que o que e se, seria o mais triste de tudo. — Porra, você me arruína, mulher. — Eu a puxo para mim, me perdendo em seu sorriso. Em sua bondade. — Estou feliz. — Ela ri, e eu deixo os ecos de sua felicidade me trazer de volta para o nosso bom lugar. — Eu amo você, baby. — Eu digo a ela a única verdade que eu sei que seria a mesma, não importa o mundo que eu vivesse. — Eu amo você, também, Sr. Knight.

Profile for oficina_injetcar

Série Knights Rebels MC # 1.5 Paradox RIVER SAVAGE  

Série Knights Rebels MC # 1.5 Paradox RIVER SAVAGE  

Advertisement