Page 1


SOBRE A CAUSA DA FÉ, DA GRAÇA E DA JUSTIÇA: UMA REFUTAÇÃO DE ERROS ARMINIANOS

---------------------------- JOHN OWEN ----------------------------


Facebook.com/oEstandarteDeCristo

Traduzido do original em Inglês

A Display of Arminianism By John Owen

A presente tradução consiste somente no Capítulo X, da obra supracitada.

Of the Cause of Faith, Grace, and Righteousness.

Via: CCEL.org (Christian Classics Ethereal Library)

Traduzido por Camila Almeida Revisão e Capa por William Teixeira

1ª Edição: Março de 2015

Salvo indicação em contrário, as citações bíblicas usadas nesta tradução são da versão Almeida Corrigida Fiel | ACF • Copyright © 1994, 1995, 2007, 2011 Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil.

Traduzido e publicado em Português pelo website oEstandarteDeCristo.com, com a devida permissão de Christian Classics Ethereal Library, sob a licença Creative Commons AttributionNonCommercial-NoDerivatives 4.0 International Public License. Você está autorizado e incentivado a reproduzir e/ou distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, as fontes originais e o tradutor, e que também não altere o seu conteúdo nem o utilize para quaisquer fins comerciais.

OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo

2


Facebook.com/oEstandarteDeCristo

Sobre A Causa Da Fé, Da Graça E Da Justiça: Uma Refutação De Erros Arminianos Por John Owen

[Capítulo 10 do Livro A Display Of Arminianism • Editado]

A segunda parte dessa controvérsia é, em especial, relativa à graça, à fé e à santidade, e obediência sincera aos preceitos da Nova Aliança, todos cujo louvor nós dedicamos ao Altíssimo em razão de um interesse duplo. Em primeiro lugar, pelo mérito de Cristo, que os adquiriu para nós; em segundo lugar, pelo Espírito Santo, que os opera em nós. A morte de Cristo é a causa meritória; o Espírito de Deus e a Sua graça eficaz os fazem eficiente, ao operar instrumentalmente com o poder da Palavra e das Ordenanças. Agora, porque isso privaria o ídolo de sua principal glória, e o exporia à ignomínia, como o pássaro “furtivis coloribus nudata”, os Arminianos avançam em sua discussão, e em nome do seu querido [livre-arbítrio] totalmente excluem tanto o mérito de Cristo quanto do Espírito de Deus em relação a qualquer mérito de Sua realização. Em primeiro lugar, pelo mérito de Cristo. Considerando que nós afirmamos que Deus “nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo”, ou por causa dEle (Efésios 1:3), entre as quais, sem dúvida, a fé não possuía o lugar inferior; que Ele “para nós foi feito por Deus sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção” [1 Coríntios 1:30]; que Ele foi feito “pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus” [2 Coríntios 5:21]; ou seja, “O SENHOR JUSTIÇA NOSSA” [Jeremias 23:6]; e nos gloriamos de sermos chamados por esse Nome (e tudo o que Ele é para nós, é principalmente pela forma de mérito); que para nós “foi concedido ὑπὲρ Χριστοῦ em relação a Cristo, não somente crer nele” (Filipenses 1:29), onde ὑπὲρ Χριστοῦ claramente refere-se a δίδοται, [ἐχαρίσθη,?] “foi concedido”. Como se o apóstolo dissesse: “Cristo é a causa meritória da concessão daqueles bons dons, fé e constância até o martírio, a vós”, quando, eu digo, nós professamos tudo isso como sendo efeitos próprios e imediatos da paixão e sangue de Cristo, esses Davusses turbulentos veem com uma proibição, e completamente O expulsam de ter qualquer participação nisso. “Não há nada mais vão, nada mais tolo”1, dizem eles em sua Apologia, “do que atribuir a nossa regeneração e fé à morte de Cristo; pois se Cristo for dito ter merecido a fé e regeneração por nós, então a fé não pode ser uma condição cujo desempenho Deus deve exigir OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo

3


Facebook.com/oEstandarteDeCristo

das mãos dos pecadores sob pena de condenação eterna”*. E, novamente2: “Se a fé for o efeito do mérito de Cristo, ela não pode ser o nosso dever”. Não? Suponhamos, então, que a igreja deva orar para que fosse do agrado de Deus, por amor de Cristo, chamar para o lar aquelas ovelhas que pertencem ao Seu aprisco, ainda não recolhidas, de forma que Ele concedesse fé e arrependimento, pelo mérito de Seu Filho, para os que ainda estão longe, seria esta uma oração completamente vã e tola? Deixe que os outros pensem o que quiserem, esta é uma tal vaidade da qual eu não desejo ser apartado; nem ninguém, creio eu, que ama o Senhor Jesus com sinceridade. Oh, que os Cristãos devam suportar pacientemente tal diminuição da honra do Seu Salvador, de modo que com um risco de uma caneta Arminiana os principais efeitos de Sua morte e paixão sejam completamente obliterados! Se isto é feito por amor e honra ao Filho de Deus, se isso é uma maneira de expor a preciosidade de Seu sangue, pela negação da sua eficácia em habilitar-nos à fé, para que obtenhamos uma participação na Nova Aliança, a maioria dos Cristãos no mundo estão sob a necessidade de ser novamente catequizados por esses doutores seráficos. Até quando, eles nos deixarão crer, com o apóstolo, que Deus “nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo” (Efésios 1:3); e buscaremos explicar a fé como uma bênção espiritual, e, portanto, concedida a nós por amor de Cristo. Mais uma vez; desde que a nossa regeneração nada é senão uma purificação de nossas “consciências das obras mortas, para servirdes ao Deus vivo” (Hebreus 9:14), a qual é operada pelo “sangue de Cristo”, como o apóstolo testifica em Hebreus 9:14, atribuiremos o nosso novo nascimento, ou regeneração, à virtude da graça que é comprada pelo Seu sangue; este “sangue precioso” é o que “nos resgata da nossa vã maneira de viver” (1 Pedro 1:18-19), por cuja eficácia nós somos resgatados do estado de pecado e natureza corrupta em que nascemos. Os Arminianos têm apenas um argumento, que já pude encontrar, pelo qual eles se esforçam para roubar de Cristo esta glória dos méritos da aquisição para nós da fé e do arrependimento, a saber, porque eles são os atos nossos, como no dever e obediência aos preceitos do evangelho que nós somos obrigados a executar3; e, eles pressionam a isso amplamente, “usque et usque” [de cima a baixo]. Em termos claros, eles não suportarão que o seu ídolo seja considerado defeituoso em qualquer coisa que seja necessária para levar-nos ao céu. Agora, a respeito deste argumento, de que nada que Deus requer de nós pode ser adquirido por Cristo para nós, eu gostaria de observar duas coisas. Em primeiro lugar, que a força disso consiste no fato de que nenhum dom que Deus derramou sobre nós pode ser algo agradável a Ele, como estando em nós, pois todos os Seus preceitos e mandamentos significam apenas o que é agradável a Ele de forma do que devemos ser ou fa__________ * Para que você possa entender melhor a relação entre a ressureição de Cristo e regeneração dos eleitos, leia, o texto “Cristo, Sua Ressurreição e a Nossa Regeneração”, por A. W. Pink. Baixe este texto usando o seguinte link: http://issuu.com/oestandartedecristo/docs/cristo__sua_ressurrei____o_e_a_noss — N. do R.

OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo

4


Facebook.com/oEstandarteDeCristo

zer; e não é o mérito de qualquer coisa por meio de Cristo, mas a concessão Divina disso como o seu efeito, o que o impede de ser uma coisa exigível de nós, como uma parte do nosso dever, o que considerarei a seguir. Apenas observe agora, que não havendo nada em nós, pela forma de hábito ou ato, desde o início da nossa fé até a consumação dela, do nosso novo nascimento até que nos tornemos homens perfeitos em Cristo, pela consumação de nosso caminhar, de forma que não é exigido de nós no evangelho, toda e qualquer graça da qual nós somos participantes nesta vida, pois se assim fosse, negaríamos que elas são dons de Deus. Em segundo lugar, considere a extensão deste argumento em si. Nada cujo desempenho é nosso dever por ter sido concedido a nós por Cristo, em virtude dos méritos dEle. Quando o apóstolo roga que nos “reconciliemos com Deus”, eu gostaria de saber se não faz parte do nosso dever prestar obediência à exortação do apóstolo? Se não, sua exortação é frívola e vã, em caso afirmativo, então, ser reconciliado com Deus é uma parte do nosso dever; e ainda os Arminianos às vezes parecem confessar que Cristo obteve para nós a reconciliação com Deus. Algo semelhante pode ser dito de muitos outros [casos] particulares. Assim, para que esse argumento ou prove que nós não fruímos de nenhum fruto da morte de Cristo nesta vida, ou (o que é a mais pura verdade) que isso prova nada absolutamente; pois nem o mérito de Cristo obtém nem Deus concede qualquer graça de maneira a atrapalhar de qualquer modo, contudo a reconciliação, em seu exercício, pode ser um dever nosso, na medida em que é feito em nós e por nós. Não obstante, esta objeção — que não pode permanecer somente por si mesma, sem a ajuda de alguma outra ainda não descoberta — nós continuaremos nossas orações, como nos é ordenado, em nome de Cristo; isto é, para que Deus nos conceda essas coisas que pedimos por causa de Cristo, e isso por um acesso imediato, sim, mesmo quando clamamos com o pobre penitente: “...Senhor! ajuda a minha incredulidade” [Marcos 9:24], ou com os apóstolos: “Acrescenta-nos a fé” [Lucas 17:5]. Em segundo lugar, o segundo fundamento, em nome de Deus, para provar-Lhe ser o Autor e Consumador de todas as graças em que somos participantes nesta vida, vêm a partir do que a Escritura afirma a respeito de Seu operar estas graças em nós, e isso poderosamente, pela operação eficaz do Seu Espírito Santo. Ao que os Arminianos se opõem a uma necessidade aparente do que eles devem necessariamente ser os nossos próprios atos, distintos de Seus dons, porque eles estão em nós e somos ordenados a praticar tais atos por Ele. O principal, então, desta afirmação entre o nosso Deus e o ídolo deles sobre o vivificado filho da graça é se Ele pode operar em nós o que Ele assim requer de nós. Vamos ouvi-los pleiteando a sua causa: “É mui certo que não deve ser ordenado, aquilo que é operado em nós; e que não pode ser operado em nós o que é comandado, [pois se tal fosse] Ele tolamente ordenaria o que deve ser feito de outras pessoas que trabalharão nelas o que Ele ordena”4, diz a Apologia deles. OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo

5


Facebook.com/oEstandarteDeCristo

O tolo São Próspero** que pensava que isto era tudo uma heresia Pelagiana, disse5 “que não há nem louvor nem valor, como nosso, naquilo que Cristo concede a nós!”. Tolo Santo Agostinho, orando6: “Concede-nos, oh Senhor, o que Tu ordenas e ordena o que quiseres!”. Tolo Benedito, bispo de Roma, que orou como se necessitasse que sua insensatez fosse remida pelo Altíssimo: “Oh, Senhor”7, diz ele, “ensina-nos o que devemos fazer; mostramnos para onde devemos ir; opera em nós o que devemos fazer”; Oh, tolos Pais do segundo Concílio Arausicano que afirmaram8: “Que muitas coisas boas são feitas no homem as quais não é ele mesmo que faz; antes um homem não faz nada de bom que Deus não tenha assim operado para que ele o fizesse!”. E, novamente, “Todas as vezes que fazemos o bem, Deus opera em nós e conosco, para que possamos assim fazer”. Em uma palavra, isso torna tolos todos os doutores da igreja que alguma vez se opuseram à heresia Pelagiana, na medida em que todos eles sustentaram por unanimidade, que não somos participantes de nenhuma coisa boa nisto sem que haja a poderosa operação eficaz da onipotente graça de Deus, e ainda a nossa fé e obediência, devem ser assim operadas em nós, para serem mui aceitáveis a Ele. Sim, o que havemos de dizer ao próprio Senhor, em um lugar ordenando-nos a temê-lO e em outro prometendo que Ele colocará o temor dEle em nossos corações, para que não nos apartemos dEle? É o Seu mandamento tolo, ou a Sua promessa falsa? Os Arminianos devem afirmar um ou renunciar à heresia deles. Mas falaremos sobre isso, após eu ter introduzido um pouco mais sobre esse erro monstruoso a partir das próprias palavras e escritos deles. Dizem eles: “Qualquer um pode, sábia e seriamente prescrever o desempenho de uma condição para outra pessoa, sob a promessa de uma recompensa e ameaça de punição, que afetará isso dentro daquele a quem se dirige esta prescrição? Esta é uma ação ridícula, que malmente é digna de um palco”9, ou seja, considerando que Cristo afirmou que “aquele que crê será salvo; mas quem não crer será condenado” (Marcos 16:16), pelo que a fé é estabelecida como a condição para a salvação, e a incredulidade ameaçada com o inferno, se Deus pelo Seu Espírito Santo gera fé nos corações de alguém, levando-os assim a cumprir a condição, seria uma mera zombaria, vinda de um teatro como uma ficção improvável. O que isso lança sobre todo o Evangelho de Cristo, sim, em todos os lidares de Deus para com os filhos dos homens, desde que, em razão da Queda, eles se tornaram incapazes de cumprir as Suas ordens por si mesmos, eu deixo para o julgamento silencioso de todos os homens. __________ ** Próspero de Aquitânia (390?—465? - 75 anos): Em latim: Prosper Aquitanus. Foi um escritor Cristão e discípulo de Agostinho de Hipona. Próspero era um leigo, mas impôs a si mesmo o ardor das controvérsias religiosas de sua época, defendendo Agostinho e propagando a ortodoxia. Os Pelagianos foram atacados num apaixonante poema de cerca de 1000 linhas, Adversus Ingratos, escrito em cerca de 430 d.C. (Wikipédia).

OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo

6


Facebook.com/oEstandarteDeCristo

Bem, então, vendo que eles devem ser considerados ἀσύστατα, coisas inconsistentes, que Deus seja tão justo a ponto de mostrar-nos o nosso dever, e ainda assim tão bom e misericordioso como a conceder as Suas graças a nós, ouçamos mais isso10: “A fé e a conversão não podem ser a nossa obediência, se elas são operadas por Deus em nós”, dizem eles, em Hague; e Episcopius11: “Isso é algo mui absurdo, a saber, afirmar que Deus ou efetua por Seu poder, ou busca com a Sua sabedoria, que os eleitos façam as coisas que Ele requer deles”. Assim que, quando a Escritura chama a fé de dom e obra de Deus, eles dizem que esta é uma expressão imprópria, pois na medida em que Ele a ordena, propriamente, é um ato ou obra de nós mesmos. E quanto ao renomado dizer de Santo Agostinho, a saber12: “Deus coroou Seus próprios dons em nós”, eles dizem, “isso não deve ser recebido sem um grão de sal”, ou seja, algo assim brilha, com o que eles corrompem a Escritura. A suma do que eles pretendem é afirmar que Deus conceder quaisquer graças sobre nós, ou efetivamente efetuá-las em nós, contradiz a Sua palavra, que ordena a fazê-las como nosso dever e obediência. Pelo que significa que eles têm erguido seu ídolo no trono da livre graça e misericórdia de Deus, e atribuído a ele todo o louvor devido àquelas muitas qualificações celestiais que os servos de Deus são dotados [...]; tudo o que eles têm ou são é apenas [provindo da execução] do seu dever; quão depreciativo isso é ao mérito de Cristo, o que eles mesmos parecem reconhecer, quando afirmam que Ele não é de outro modo dito ser um Salvador mais do que são todos os que confirmam o caminho da salvação através da pregação, milagres, martírio e exemplo. De modo que, tendo quase aniquilado os méritos de Cristo, eles dizem13: “eles nos concedem ser os nossos próprios salvadores em um amplo sentido” — Apologia Remonstrante p. 96. Todas as afirmações as quais são contrárias à Palavra expressa de Deus serão agora demonstradas por mim. Não há um único de todos os textos claros da Escritura — nenhum daqueles argumentos inumeráveis e invencíveis, em que a obra eficaz da graça de Deus na conversão de um pecador, Seu poderoso transportar-nos da morte para a vida, a partir do estado de pecado e escravidão para a liberdade dos filhos de Deus — que não derrube esse erro prodigioso. Contentar-me-ei com a exemplificação em alguns poucos dos que estão diretamente em oposição a este erro, até mesmo aos termos: Primeiro, em Deuteronômio 10:16 o Senhor ordena aos Israelitas: “Circuncidai, pois, o prepúcio do vosso coração, e não mais endureçais a vossa cerviz”, de forma que a circuncisão de seus corações era uma parte de sua obediência; era o dever deles fazer assim, em obediência ao mandamento de Deus. E ainda, no capítulo 30, versículo 6, Ele afirma que: “o Senhor teu Deus circuncidará o teu coração, e o coração de tua descendência, para amares ao Senhor teu Deus com todo o coração”. Assim o que parece a mesma coisa em OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo

7


Facebook.com/oEstandarteDeCristo

diversos aspectos pode ser um ato de Deus em nós e nosso dever para com Ele. E como o Senhor aqui escapa daquela censura Arminiana, que, se Suas palavras são verdade na última afirmação, o Seu comando na primeira é vão e tolo, “ipse viderit” — que Ele pleiteie a Sua causa, e vingue-se daqueles que se levantam contra Ele. Em segundo lugar, Ezequiel 18:31: “Fazei-vos um coração novo e um espírito novo; pois, por que razão morreríeis, ó casa de Israel?”. A feitura de um novo coração e um novo espírito é aqui exigida sob uma promessa de uma recompensa de vida, e uma grande ameaça de morte eterna; de modo que assim o fazer necessariamente deve ser uma parte de seu dever e obediência. E, no entanto, no capítulo 36, versículos 26 e 27, Ele afirma que Ele fará isso mesmo que aqui Ele exige deles: “E dar-vos-ei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo; e tirarei da vossa carne o coração de pedra, e vos darei um coração de carne. E porei dentro de vós o meu Espírito, e farei que andeis nos meus estatutos, e guardeis os meus juízos, e os observeis”. Em quantos lugares, também somos ordenados a “temer ao Senhor!”, o que, quando o fazemos, espero que ninguém negará ser um desempenho de nosso dever; e ainda assim em Jeremias 32:40, Deus promete: “porei o meu temor nos seus corações, para que nunca se apartem de mim”. Em terceiro lugar, esses dois contra os quais eles estabelecem exceções particulares, fé e arrependimento também são atribuídos expressamente à doação gratuita de Deus: “Na verdade até aos gentios deu Deus o arrependimento para a vida” (Atos 11:18), e a fé diretamente: “não vem de vós, é dom de Deus” (Efésios 2:8). A esta afirmação do Espírito Santo, eu assim afirmarei minha crença em vez da dos Arminianos, que afirmam que a fé não é dom de Deus, porque é de nós mesmos; e, embora isso não o impeça, apenas isso pode ser citado: “vossa santíssima fé” (Judas 1:20). Deixem aqueles que quiserem negar que algo que Deus nos concede pode ser propriamente nosso; o profeta não o considera inconsistente quando ele declarou que o Senhor faz “em nós todas as nossas obras” (Isaías 26:12). Elas são as nossas obras, mas feitas por Ele. O apóstolo trabalhou; todavia não ele, “mas a graça de Deus” que estava com ele (1 Coríntios 15:10). Ele “opera em nós καὶ τὸ θέλειν

καὶ τὸ ἐνεργεῖν segundo a sua boa vontade” (Filipenses 2:13); e ainda o desempenho do nosso dever pode consistir nesses atos de nossas vontades e as boas ações, das quais Ele é o autor. De modo que, de acordo com o conselho de Agostinho14, ainda oraremos para que Ele nos conceda o que Ele nos ordena fazer. Em quarto lugar, 1 Coríntios 4:7: “Porque, quem te faz diferente? E que tens tu que não tenhas recebido?”. Tudo o que nos faz diferentes de outros é recebido da parte de Deus; portanto, o fundamento de toda a diferença nas coisas espirituais entre os filhos de Adão, sendo a fé e o arrependimento, eles também devem necessariamente ser recebidos do alto. Em resumo, Deus “circuncidando os nossos corações” (Colossenses 2:11), e Ele também OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo

8


Facebook.com/oEstandarteDeCristo

nos vivifica quando estamos mortos (Efésios 2:1-2), gerando-nos de novo (João 1:13), operando em nós tudo aquilo que Ele quer que sejamos; tudo isto está contido na promessa da nova aliança, Jeremias 32:40: “E farei com eles uma aliança eterna de não me desviar de fazer-lhes o bem; e porei o meu temor nos seus corações, para que nunca se apartem de mim”, e de nenhuma maneira é repugnante à Escritura Sagrada, declarar que o nosso dever seja tudo isso que o Senhor requer que façamos. E agora, que todos os homens julguem se, contra muitos e claros testemunhos do Espírito Santo, as razões Arminianas, emprestadas dos antigos filósofos possuem qualquer valor. A suma de todos eles você pode encontrar em Cícero, em seu terceiro livro De Natura Deorum15: “Cada um”, diz ele, “obtém virtude de si mesmo; nunca nenhum homem sábio agradeceu a Deus por isso, por nossa virtude nós somos elogiados; na virtude nos gloriamos, o que não poderia ocorrer se isso fosse um dom de Deus”. E realmente isso, em termos mais suaves, é a suma dos argumentos Remonstrantes neste caso em particular. Por último, observe que esse erro é aquele que, dentre todos os outros, os pais ortodoxos mais se opuseram aos hereges Pelagianos; sim, e neste tempo16, os escolásticos mais eruditos resolutamente mantêm a verdade aqui contra os inovadores Jesuítas. Com alguns poucos dos testemunhos dos antigos concluirei esse discurso17. “É certo que, quando fazemos qualquer coisa, nós o fazemos”, diz Agostinho, “mas é Deus que opera em nós para que assim o façamos”. E em outro lugar18: “Não consideraremos ser dom de Deus por que isso é exigido de nós sob a promessa da vida eterna? Deus não permita que isso pareça assim, para ambos, participantes ou defensores da graça”, onde alguém rejeita isso, tanto com erro quanto com sofisma ele o sustenta. Assim também Cœlestius, bispo de Roma, em sua epístola aos bispos da França19, diz: “Tão grandiosa é a bondade de Deus para com os homens, que Ele nos concederá essas coisas boas para serem os nossos bons deveres” (ele os chama de mérito, de acordo com a linguagem daqueles dias) “que são os Seus próprios dons”; para o propósito que citei antes dois cânones além do concílcio Arausicano. E São Próspero, em seu tratado contra Cassianus, o semi-Pelagiano, afirma que seria uma queixa tola de homens orgulhosos, dizer “que o livre-arbítrio é destruído, se o início, o progresso e a continuidade no bem forem ditos ser dons de Deus” 20. E assim é com a imputação da insensatez com a qual os Arminianos, em minha primeira citação, acusam os seus opositores, sendo replicada por este erudito pai, eu encaminho você para estes seguintes excertos, para uma conclusão:

Escrituras

Livre-Arbítrio

OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo

9


Facebook.com/oEstandarteDeCristo

“Circuncidai, pois, o prepúcio do vosso coração, e não mais endureçais a vossa cerviz” (Deuteronômio 10:16); “E o Senhor teu Deus circuncidará o teu coração, e o coração de tua descendência” (Deuteronômio 30:6) – “fazei-vos um coração novo e um espírito novo; pois, por que razão morreríeis, ó casa de Israel?” (Ezequiel 18:31); “E dar-vos-ei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo” (Ezequiel 36:26).

“É mui certo que não deve ser ordenado, aquilo que é operado em nós; e que não pode ser operado em nós o que é comandado, [pois se tal fosse] Ele [Deus] tolamente ordenaria o que deve ser feito por outras pessoas que trabalharão nelas o que Ele ordena” (Apologia pro Confessione Remonstrantium)

“Se temerdes ao Senhor, e o servirdes, e derdes ouvidos à sua voz, e não fordes rebeldes ao mandado do Senhor, assim vós, como o rei que reina sobre vós, seguireis o Senhor vosso Deus” (1 Samuel 12:14); “E farei com eles uma aliança eterna de não me desviar de fazer-lhes o bem; e porei o meu temor nos seus corações, para que nunca se apartem de mim” (Jeremias 32:40).

“É um absurdo afirmar que Deus opera por Seu poder, ou busca por Sua sabedoria, que os eleitos devam fazer aquelas coisas que Deus requer deles” (Episcopius, Simon)

“Senhor… tu és o que fizeste em nós todas as nossas obras” (Isaías 26:12); “Porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade” (Filipenses 2:13).

“A fé e a conversão não podem ser atos de nossa obediência se elas são operadas por Deus em nós” (Collatio Hagiensis); “Que Deus deve requerer de nós o que Ele mesmo operará em nós é uma ação ridícula, escassamente digna de um palco” (Apologia pro Confessione Remonstrantium)

“Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as

“Essa frase de Agostinho, que ‘Deus coroou os Seus dons em nós’, não

bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo” (Efésios 1:3).

deve ser admitida facilmente” (Idem)

“Porque a vós vos foi concedido, em relação a Cristo, não somente crer nele, como também padecer por ele” (Filipenses 1:29); “Quanto mais o sangue de Cristo, que pelo Espírito eterno se ofereceu a si mesmo imaculado a Deus, purificará as vossas consciências das obras

“Não há nada mais inútil e tolo do que atribuir a Fé e regeneração aos méritos de Cristo” (Ibidem)

OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo

10


Facebook.com/oEstandarteDeCristo

mortas, para servirdes ao Deus vivo?� (Hebreus 9:14).

OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo

11


Facebook.com/oEstandarteDeCristo

*** Notas: [1] “Nihil ineptius, nihil vanius, quam regenerationem et fidem merito Christi tribuere; si enim Christus nobis meritus dicatur fidem et regenerationem, tum fides conditio esse non poterat quam a peccatoribus Deus sub comminatione morris aeternae exigeret.” — Rem. Apol., cap. 8. p. 95. [2] “Si fides sit effectum meriti Christi, non potest esse actus officii nostri.” — Idem. [3] Rem. Apol., ubi sup.; Corv. ad Molin., cap. 28. sect. 9. [4] “Illud certissimum est, nec jubendum esse quod efficitur, nec efiiciendum quod jubetur. Stulte jubet et vult ab alio fieri aliquid, qui ipse quod jubet in eo efficere vult.” — Rem. Apol., cap. 9. p. 105, a. [5] “At exigua conclusione pene tu totum Pelagianum dogma confirmas, dicendo, nullius laudis esse ac meriti; si id in eo Christus quod ipse donaverat praetulisset.” — Prosp. ad Collat., cap. 36. [6] “Da, Domine, quod jubes, et jube quod vis.” — Aug. [7] “O Domine, doce nos quid agamus; quo gradiamur ostende; quid efficiamus operare.” — Ben. Pap. in Concil. Legunstad. [8] “Multa in homine bona fiunt. quae non facit homo: nulla vero facit homo bona, quae non Deus praestet ut faciat.” — Consil. Arau. 2. can. 20. “Quoties enim bona agimus, Deus in nobis et nobiscum, ut operemur, operatur.” — Can. 9. [9] “Anne conditionem quis serio et sapienter praescribet alteri, sub promisso praemii et poenae gravissimae comminatione, qui eam, in eo cui praescribit efficere vult! Haec actio tota ludicra, et vix scena digna est.” — Rem. Apol., cap. 9. p. 105, a. [10] “Fides et conversio non possunt esse obedientia, si tantum ab aliquo, in alio, efficiantur.” — Rem. Coll. Hag., p. 196. [11] “Absurdem est statuere Deum ant efficere per potentiam, aut procurare per sapientiam, ut electi ea faciant, quae ab ipsis, ut ipsi ea faciant, exigit et postulat.” — Episcop., Disp. Pri. 8. thes. 7. [12] Apol., cap. 9. ubi. sup. — “Deum dona sua in nobis coronare, dictum hoc Augustini nisi cum grano salis accipiatur, neutiquam est admittendum.” — Idem, ibid p. 115. [13] “Atqui dices, sic servatores nostri essent omnes,” — eodem sensu quo Christus, — “saltem ex parte qui praeconio, miraculis, et exemplo salutis viam, confirmant; esto, quid tum?” — Rem. Apol., cap. 8. [p. 94.] [14] “Petamus ut det quod ut habeamus jubet.” — Aug. [15] “Virtutem autem nemo unquam acceptam deo retulit. Nimirum recte: propter virtutem enim jure laudamur, et in virtute recte gloriamur. Quod non contingeret, si id donum a Deo, non a nobis haberemus.” — Cicero De Nat. Deor. 3. 36, [16] Alvarez, Disput. 81., ubi Aug., Thom., alios, citat.

OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo

12


Facebook.com/oEstandarteDeCristo

[17] “Certum est nos facere cum facimus; sed ille facit ut faciamus.” — Aug. de Grat., et Lib. Arbit., cap. xvi. [18] “ — Neque id donum Dei esse fateamur, quoniam exigi audivimus a nobis, praemio vitae si hoc fecerimus oblato? Absit, ut hoc placeat participibus et defensoribus gratiae.” — Aug, de Praedest. Sanc., cap. 20. [19] “Tanta est erga homines bonitas Dei, ut nostra velit esse merita quae sunt ipsius dona.” — Coelest. Epist. ad Ep. Gal., cap. 12. [20] “Non enim conturbat nos superbientium inepta querimonia; quia liberum arbitrium causantur auferri: si et principia, et profectus, et perseverantia in bonis usque ad finem Dei dona esse dicantur.” — Prosp. ad Collat., p. 404.

Sola Scriptura! Sola Gratia! Sola Fide! Solus Christus! Soli Deo Gloria!

OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo

13


OUTRAS LEITURAS QUE RECOMENDAMOS Facebook.com/oEstandarteDeCristo Baixe estes e outros e-books gratuitamente no site oEstandarteDeCristo.com.                                     

10 Sermões — R. M. M’Cheyne  Natureza e a Necessidade da Nova Criatura, Sobre a — Adoração — A. W. Pink John Flavel Agonia de Cristo — J. Edwards  Necessário Vos é Nascer de Novo — Thomas Boston Batismo, O — John Gill  Necessidade de Decidir-se Pela Verdade, A — C. H. Batismo de Crentes por Imersão, Um Distintivo Spurgeon Neotestamentário e Batista — William R. Downing  Objeções à Soberania de Deus Respondidas — A. W. Bênçãos do Pacto — C. H. Spurgeon Pink Biografia de A. W. Pink, Uma — Erroll Hulse  Oração — Thomas Watson Carta de George Whitefield a John Wesley Sobre a  Pacto da Graça, O — Mike Renihan Doutrina da Eleição  Paixão de Cristo, A — Thomas Adams Cessacionismo, Provando que os Dons Carismáticos  Pecadores nas Mãos de Um Deus Irado — J. Edwards Cessaram — Peter Masters  Pecaminosidade do Homem em Seu Estado Natural — Como Saber se Sou um Eleito? ou A Percepção da Thomas Boston Eleição — A. W. Pink  Plenitude do Mediador, A — John Gill Como Ser uma Mulher de Deus? — Paul Washer  Porção do Ímpios, A — J. Edwards Como Toda a Doutrina da Predestinação é corrompida  Pregação Chocante — Paul Washer pelos Arminianos — J. Owen  Prerrogativa Real, A — C. H. Spurgeon Confissão de Fé Batista de 1689  Queda, a Depravação Total do Homem em seu Estado Conversão — John Gill Natural..., A, Edição Comemorativa de Nº 200 Cristo É Tudo Em Todos — Jeremiah Burroughs  Quem Deve Ser Batizado? — C. H. Spurgeon Cristo, Totalmente Desejável — John Flavel  Quem São Os Eleitos? — C. H. Spurgeon Defesa do Calvinismo, Uma — C. H. Spurgeon  Reformação Pessoal & na Oração Secreta — R. M. Deus Salva Quem Ele Quer! — J. Edwards M'Cheyne Discipulado no T empo dos Puritanos, O — W. Bevins  Regeneração ou Decisionismo? — Paul Washer Doutrina da Eleição, A — A. W. Pink  Salvação Pertence Ao Senhor, A — C. H. Spurgeon Eleição & Vocação — R. M. M’Cheyne  Sangue, O — C. H. Spurgeon Eleição Particular — C. H. Spurgeon  Semper Idem — Thomas Adams Especial Origem da Instituição da Igreja Evangélica, A —  Sermões de Páscoa — Adams, Pink, Spurgeon, Gill, J. Owen Owen e Charnock Evangelismo Moderno — A. W. Pink  Sermões Graciosos (15 Sermões sobre a Graça de Excelência de Cristo, A — J. Edwards Deus) — C. H. Spurgeon Gloriosa Predestinação, A — C. H. Spurgeon  Soberania da Deus na Salvação dos Homens, A — J. Guia Para a Oração Fervorosa, Um — A. W. Pink Edwards Igrejas do Novo Testamento — A. W. Pink  Sobre a Nossa Conversão a Deus e Como Essa Doutrina In Memoriam, a Canção dos Suspiros — Susannah é Totalmente Corrompida Pelos Arminianos — J. Owen Spurgeon  Somente as Igrejas Congregacionais se Adequam aos Incomparável Excelência e Santidade de Deus, A — Propósitos de Cristo na Instituição de Sua Igreja — J. Jeremiah Burroughs Owen Infinita Sabedoria de Deus Demonstrada na Salvação  Supremacia e o Poder de Deus, A — A. W. Pink dos Pecadores, A — A. W. Pink  Teologia Pactual e Dispensacionalismo — William R. Jesus! – C. H. Spurgeon Downing Justificação, Propiciação e Declaração — C. H. Spurgeon  Tratado Sobre a Oração, Um — John Bunyan Livre Graça, A — C. H. Spurgeon  Tratado Sobre o Amor de Deus, Um — Bernardo de Marcas de Uma Verdadeira Conversão — G. Whitefield Claraval Mito do Livre-Arbítrio, O — Walter J. Chantry  Um Cordão de Pérolas Soltas, Uma Jornada Teológica Natureza da Igreja Evangélica, A — John Gill no Batismo de Crentes — Fred Malone OEstandarteDeCristo.com 14 Issuu.com/oEstandarteDeCristo

Sola Fide • Sola Scriptura • Sola Gratia • Solus Christus • Soli Deo Gloria


Facebook.com/oEstandarteDeCristo

Ao conhecimento salvador de JESUS CRISTO.

Sola Scriptura! Sola Gratia!

2 Coríntios 4 1

Sola Fide! Solus Christus! Soli Deo Gloria

Por isso, tendo este ministério, segundo a misericórdia que nos foi feita, não desfalecemos; Antes, rejeitamos as coisas que por vergonha se ocultam, não andando com astúcia nem falsificando a palavra de Deus; e assim nos recomendamos à consciência de todo o homem, 3 na presença de Deus, pela manifestação da verdade. Mas, se ainda o nosso evangelho está 4 encoberto, para os que se perdem está encoberto. Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória 5 de Cristo, que é a imagem de Deus. Porque não nos pregamos a nós mesmos, mas a Cristo 6 Jesus, o Senhor; e nós mesmos somos vossos servos por amor de Jesus. Porque Deus, que disse que das trevas resplandecesse a luz, é quem resplandeceu em nossos corações, 7 para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo. Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós. 8 Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados. 9 10 Perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos; Trazendo sempre por toda a parte a mortificação do Senhor Jesus no nosso corpo, para que a vida de Jesus 11 se manifeste também nos nossos corpos; E assim nós, que vivemos, estamos sempre entregues à morte por amor de Jesus, para que a vida de Jesus se manifeste também na 12 13 nossa carne mortal. De maneira que em nós opera a morte, mas em vós a vida. E temos portanto o mesmo espírito de fé, como está escrito: Cri, por isso falei; nós cremos também, 14 por isso também falamos. Sabendo que o que ressuscitou o Senhor Jesus nos ressuscitará 15 também por Jesus, e nos apresentará convosco. Porque tudo isto é por amor de vós, para que a graça, multiplicada por meio de muitos, faça abundar a ação de graças para glória de 16 Deus. Por isso não desfalecemos; mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o 17 interior, contudo, se renova de dia em dia. Porque a nossa leve e momentânea tribulação 18 produz para nós um peso eterno de glória mui excelente; Não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se 15 OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo não veem são eternas. 2

Sobre a Causa da Fé, da Graça e da Justiça, Uma Refutação de Erros Arminianos por John Owen  
Sobre a Causa da Fé, da Graça e da Justiça, Uma Refutação de Erros Arminianos por John Owen  
Advertisement