Page 1

PEGUE

GRÁTIS

SEU EXEMPLAR

TAKE IT FREE Março de 2017 - Ano XVII - Edição 215

Abraão, Ilha Grande, Angra dos Reis - RJ

APTR ILHA GRANDE 2017 Uma demonstração de garra, cidadania e confraternização

Foto: Enepê

PÁGINA 09

TURISMO

COISAS DA REGIÃO

Gourmet especial na Pousada Nautilus PÁGINA

08

Por que manter o ECOMUSEU aberto ao público PÁGINA

20

INTERESSANTE Ilha Grande recebe novos equipamentos para a coleta de lixo PÁGINA

22


EDITORIAL SÃTIRA

COMO NÃO SE PERDER NA ILHA GRANDE

Nos últimos tempos, aumentou o número de turistas que se perdem nas trilhas da Ilha Grande. Atribuo ao aumento de inconsequentes no mundo, pois perder-se na Ilha é tema de sátira, pois não vejo razão para isto. A Ilha é uma cordilheira em forma de um teto, se acompanhar qualquer riacho, com no máximo três km, chega-se ao mar por um lado ou pelo outro, onde há trilhas que rapidamente o conduzem a um vilarejo. Nesta semana um turista ocasionou, por inconsequência, vários dias de buscas com helicóptero e pessoas especializadas. Um enorme trabalho para o Parque, Bombeiros e Policia. “Como não se perder”: 1 – fazer um exame médico verificando se as faculdades mentais podem distinguir o norte e o sul; se consegue entender que a água corre para baixo, ser capaz de entender o “não pode ir” quando assim lhe é informado. 2 – contratar um guia, ele sabe o que pode e o que não pode.

3- ser prudente e respeitar os fenômenos da natureza (chuva, tempestade, frio, calor e escuridão). Eu nasci na selva, me criei na selva, conheço muito bem a Amazônia, contudo me nego a fazer trilhas à noite. O índio ao escurecer não dá mais um passo, ele para, se nega caminhar a noite. Ele conhece o risco e é prudente. Sem observar nada disso e se julgando um super-homem, vem um urbanoide da Europa e vai ao Pico do Papagaio sabendo que a noite o alcançaria na trilha. Foi mais que avisado de sua imprudência, mas foi, para desafiar seu potencial! Perdeu-se!!! Encontrado com esforço sobre-humano, após vários dias de buscas, mais ralado que salada de cenoura, pelos espinhos, escorregadas, mordido pelas formigas e ardido pelas ortigas. Os espinhos dos arranha-gatos fizeram a festa nele. Mas atingiu seu objetivo: dar trabalho, produzir pânico na família, nos moradores, preocupação na embaixada e um enorme

trabalho para as instituições de salvamento. Declarou em seu depoimento que a sinalização é precária! Mas de que adianta sinalização, para um indivíduo que não consegue perceber o que é para cima e o que é para baixo? Ou, que sua imprudência não consegue definir o risco? Suponho que em seu destorcido conceito, agora estará voltando para a Europa como super-herói salvo na selva. “Eu o chamaria de Tarzan falido e se não fosse a Jane (instituições) nas buscas de salvamento, teria se tornado estudo arqueológico no futuro – para saber como um neanderthal veio parar na Ilha Grande em 2017”. Caro leitor, você deve achar um exagero a forma como estou satirizando o fato, mas não há outra maneira, pois sempre escrevemos de forma persuasiva, educativa com recomendações usando toda a suavidade da persuasão, mas nunca teve efeito, continuam se perdendo. Agora vamos tentar pelo choque, satirizando seu ego, e aterrorizando seu psique, para ver se a conduta muda. Este tipo de turista custa muito caro ao estado, ao emocional dos envolvidos, depõe contra o bom turismo e ao seu próprio país. Sugiro às pousadas fixarem este editorial em suas informações, como campanha de alerta para o risco que correm os urbanoides imprudentes.

O EDITOR Este jornal é de uma comunidade. Nós optamos pelo nosso jeito de ser e nosso dia a dia, portanto, algumas coisas poderão fazer sentido somente para quem vivencia nosso cotidiano. Esta é a razão de nossas desculpas por não seguir certas formalidades acadêmicas do jornalismo. Sintetizando: “É de todos para todos e do jeito de cada um”!

Sumário 08

QUESTÃO AMBIENTAL

09

TURISMO

12

COISAS DA REGIÃO

16

INTERESSANTE

21

TEXTOS E OPINIÕES

22

COLUNISTAS

Expediente DIRETOR EDITOR: Nelson Palma CHEFE DE REDAÇÃO: Núbia Reis CONSELHO EDITORIAL: Núbia Reis, Hilda Maria, Karen Garcia, Raíssa Jardim. COLABORADORES: Adriano Fabio da Guia, Alba Costa Maciel, Amanda Hadama, Andrea Varga, Angélica Liaño, Bebel Saravi Cisneros, Érica Mota, Fabio Sendim, Iordan Rosário, Heitor Scalabrini, Hilda Maria, José Zaganelli, Karen Garcia, Lauro Eduardo Bacca, Ligia Fonseca, Maria Rachel, Neuseli Cardoso, Núbia Reis, Pedro Paulo Vieira, Pedro Veludo, Ricardo Yabrudi, Renato Buys, Roberto Pugliese, Raíssa Jardim, Sabrina Matos, Sandor Buys. DIAGRAMAÇÃO Karen Garcia DADOS DA EMPRESA: Palma Editora LTDA. Rua Amâncio Felício de Souza, 110 Abraão, Ilha Grande-RJ CEP: 23968-000 CNPJ: 06.008.574/0001-92 INSC. MUN. 19.818 - INSC. EST. 77.647.546 Telefone: (24) 3361-5410 E-mail: oecojornal@gmail.com Site: www.oecoilhagrande.com.br Blog:www.oecoilhagrande.com.br/blog

As matérias escritas neste jornal, não necessariamente expressam a opinião do jornal. São de responsabilidade de seus autores.


GUIA TURÍSTICO - Vila do Abraão HOSPEDAGEM

06 07 08 09 11 14 15 16

63

TV

Pousada Mara e Claude Rua da Praia, 331 | Telefone: (24) 3361-5922 E-mail: ilhamara@ilhagrande.org

18

Pousada Acalanto Rua Getúlio Vargas, 20 Telefone: (24) 3361-5911

19

Pousada Mata Nativa - 16 chalés e 12 suítes Rua das Flores, 44 | Telefone (24) 3361-5852 Inscrição Municipal: 18424 E-mail: matanativa@uol.com.br

20

Pousada Bugio - 16 suítes Av. Getúlio Vargas, 225 | Telefone (24) 3361-5473

65

TV

Restaurante Dom Mario Bouganville, s/n Telefone: (24) 3361-5349 Bar e Restaurante Lua e Mar Rua da Praia, s/n – Praia do Canto Telefone: (24) 3361-5113 Restaurante O Pescador Rua da Praia, s/n Telefone: (24) 3361-5114 Restaurante Jorge Grego – Centro Rua da Praia, 30 Telefone: (24) 9 9904-7820 Bier Garten - Self Service - Bar e Restaurante Rua Getúlio Vargas, 161 Telefone: (24) 3361-5583

SERVIÇOS

TV 81

TV TV

82

AMC Marlin Camisetas e Souvenirs Rua da Praia, s/n Telefone: (24) 3361-5281 Olé Olé Presente e Artesanatos No final do Shopping Bouganville Telefone: (24) 3361-5044

TV

TURISMO

TV

SAUNA

Código Internacional: 00 – Brasil 55 Posto de Saúde – Health Center (24) 3361-5523 Bombeiros – Fire Station (24) 3361-9557 DPO – Police Station (24) 3361-5527 PEIG – (24) 3361-5540 falecompeig@gmail.com Polícia Florestal (24) 3361-9580 Subprefeitura (24) 3361-9977 Escola Brigadeiro Nóbrega (24) 3361-5514 Brigada Mirim Ecológica (24) 3361-5301

65

TV

Pousada Pedacinho do Céu – 11 aptos Travessa Bouganville, 78 | Telefone: (24) 3361-5099 Inscrição Municipal: 14.920 Pousada Sanhaço – 10 aptos Rua Santana, 120 | Telefone: (24) 3361-5102 Inscrição Municipal: 19.003

17

62

SAUNA

Pousada Recreio da Praia Rua da Praia, s/n | Telefone: (24) 3361-5266 Inscrição Municipal: 19.110

Pousada Anambé Rua Amâncio Felício de Souza, s/n Telefone: (24) 3361-5642 Inscrição Municipal: 22.173 Pousada Recanto dos Tiês – 09 aptos Rua do Bicão, 299 | Telefone: (24) 3361-5253 Inscrição: 18.424 Pousada Guapuruvu Rua do Bicão, 299 | Telefone: (24) 3361-5081 Inscirção Municipal: 018.562 Pousada Riacho dos Cambucás Rua Dona Romana, 218 | Telefone: (24) 3361-5104 www.riachodoscambucas.com.br

61

TV

M

04

Pousada Caiçara – frente ao mar – 09 apartamentos Rua da Praia, 133 | Telefone: (24) 3361-9658 Inscrição Municipal: 21.535 Pousada Manacá – frente ao mar – 06 aptos Rua da Praia, 333 | Telefone: (24) 3361-5404 Inscrição Municipal: 018.543 Pousada Água Viva Rua da Praia, 26 | Telefone: (24) 3361-5166 E-mail: ilhagrande.org@pousadaaguaviva.com.br

TV

SA GE

03

Pousada Ancoradouro - frente ao mar - 08 aptos Rua da Praia, 121 | Telefone: (24) 3361-5153 Inscrição Municipal: 018.270

M AS

02

RESTAURANTES

TV TV

91

Avant Tour Rua da Praia, 703 Telefone: (24) 3361-5822

94

Centro de Visitantes do Parque Estadual da Ilha Grande

95

O Verde Eco & Adventure Tour Shopping Alfa – Rua da Praia Telefone: +55 (24) 99989-0682 info@overde.com | www.overde.com

TV

TELEFONES ÚTEIS Correios – Post Office (24) 3361-5303 CCR Barcas Turisangra (24) 3367-7866S CIT – Angra (24) 3367-7826 Centro de Informações Turísticas Rodoviária de Angra (24) 3365-0565 Estação Rodoviária do Tietê – SP (11) 3866-1100 Rodoviária Novo Rio (21) 3213-1800

Cais de Santa Luzia - (24)3365-6421 Aeroporto Internacional Tom Jobim (21) 3398-5050 Aeroporto Internacional São Paulo (11) 2445-2945 CIT - Paraty (24) 3371-1222 Centro de Informações Turísticas Farmácia – Vila do Abraão (24) 3361-9696 Polícia Militar – Disque Denúncia (24) 3362-3565 O Eco Jornal (24) 3361-5410

TELEFONES ÚTEIS


Mapa Vila do Abraão

A - Cais da Barca B - D.P.O. C - Correios D - Igreja E - Posto de Saúde F - Cemitério G - Casa de Cultura H - Cais de Turismo I - Bombeiros J - PEIG - Sede K - Subprefeitura

11

a oman ona R Rua D

18

16

ouza

o itéri Cem

Bicão

E 61

09

a tan San de Rua

82

63

67

08

91

81

D 65

H

06

07

R. Prof Alice a Kury da Silv

und aim

20

ville gan Bou Rua

es Flor das Rua

R Vila

a éi bl em ss aA ad Ru

Rua

as arg V o túli Ge

F

do Rua

19

13

S cio F. mân Rua A

15

do Rua

14

C K B

95

Rua da Praia

62

02

03

04

Cais da Barca Cais de Turismo

94

G

Av. Beira Mar A

62

17

I

J

Praça Cândido Mendes


QUESTÃO AMBIENTAL

A TERRA PERDE DOIS TERÇOS DOS ANIMAIS SELVAGENS EM 50 ANOS “Cada pôr-do-sol que vejo me inspira o desejo de partir para um oeste tão distante e belo quanto aquele onde o sol sumiu” Henry Thoreau (200 anos de seu nascimento) O Antropoceno (Era da dominação humana sobre o Planeta) tem sido péssimo para a sobrevivência das espécies não humanas e para os ecossistemas. Quanto mais crescem as atividades antrópicas mais diminuem as áreas selvagens e a biodiversidade. O relatório Planeta Vivo 2016, da World Wild Foundation (WWF) mostra que o Índice Global Planeta Vivo apresentou uma queda de 58% na população de animais selvagens no mundo entre 1970 e 2012. Até 2020, a perda pode alcançar a impressionante cifra de dois terços. Ou seja, 2 em cada 3 animais serão extintos num prazo de 50 anos. As espécies que vivem em lagos, rios e pântanos foram as que mais sofreram reduções e que continuarão sofrendo até 2020. Segundo o relatório, as principais causas desse declínio são as atividades antrópicas, como a destruição de habitats, o tráfico de animais selvagens, a poluição e as mudanças climáticas. A pesquisa pede mudanças imediatas na maneira como exploramos as fontes de energia e alimento do planeta, proteção da biodiversidade e apoio a modelos de desenvolvimento sustentável. Desde 1970, relatório estudou 3,7 mil espécies de aves, peixes, mamíferos, anfíbios e répteis – o que representa 6% do número total de vertebrados existentes no mundo. No estudo anterior, publicado em 2014, havia uma estimativa de que a população de animais selvagens tinha diminuído em 50% em 40 anos. Agora, a estimativa foi 58%, devendo chegar a 66% em 2020. O homo sapiens utilizou o cérebro para construir uma avançada civilização planetária, mas tem utilizado a sua inteligência de maneira instrumental e egoísta. O impacto humano já ultrapas-

6

Março de 2017, O ECO

|

Acesse a versão online: www.oecoilhagrande.com.br


QUESTÃO AMBIENTAL sou a capacidade de regeneração de todos os continentes. Não há mais fronteiras para novas migrações e para a ampliação das atividades antrópicas. O mundo está em uma situação de déficit ambiental. E o desequilíbrio entre a Pegada Ecológica e a Biocapacidade cresce a cada dia. O tempo passa e o dia da Sobrecarga acontece cada vez mais cedo. O gráfico abaixo mostra que o processo de extinção de espécies se acelerou com o aumento da presença humana na Terra. A população mundial estava em torno de 2,5 bilhões de habitantes em 1950 e passou para 7,5 bilhões em 2017. Um aumento de 3 vezes em menos de 70 anos. No mesmo período a perda de biodiversidade foi catastrófica. A correlação entre o progresso humano e o regresso da biodiversidade é enorme. Como escrevi em outro artigo: “é impossível uma espécie ser feliz sozinha”. Estudo publicado na revista Science, em julho 2016, mostra que a dimensão da perda de biodiversidade no mundo todo ameaça o funcionamento dos ecossistemas da Terra e inclusive a sobrevivência dos seres humanos. Em 58% da superfície terrestre, onde vive 71% da população mundial, “o nível de perda de biodiversidade é substancial o suficiente para questionar a capacidade dos ecossistemas de suportar as sociedades humanas”. O relatório Planeta Vivo 2016 reforça a tese do holocausto biológico. Parece que o ser humano está em guerra contra as demais espécies do Planeta. Mas o especismo e o ecocídio poderão ser também o início do suicídio da espécie dominante do Antropoceno. Um passo institucional importante ocorreu em março de 2017, quando o Parlamento da Nova Zelândia que aprovou uma lei que afirma que o rio Whanganui é “um todo indivisível e vivo”, tornando-se o primeiro rio do mundo a receber o mesmo status legal de um ser humano. Logo em seguida, o Tribunal Supremo do Estado de Uttarakhand, nos Himalaias, conferiu aos rios Ganges e Yamuna, no norte da Índia, o estatuto de “entidade humana viva”. O manifesto do Dia Mundial pelo Fim do Especismo (DMFE) e contra a perda de biodiversidade diz: “Nossa sociedade deve evoluir para incluir os animais no nosso círculo de consideração moral”. O holocausto biológico é imoral.

Referências:

O EXTERMINADOR DO FUTURO

ALVES, JED. O mundo com 10 bilhões de habitantes em 2053, Ecodebate, RJ, 28/09/2016 https://w w w.ecodebate.com. br/2016/09/28/o-mundo-com-10-bilhoes-de-habitantes-em-2053-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/ ALVES, JED. Um rio com o mesmo status legal de um ser humano, Ecodebate, RJ, 20/03/2017 https://www.ecodebate.com.br/2017/03/20/ um-rio-com-o-mesmo-status-legal-de-um-ser-humano-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/ Dia Mundial pelo Fim do Especismo http://www.end-of-speciesism.org/pt/reivindicacoes/ Greenovel. Loss of biodiversity, 05/04/2016 http://www.greenovel.com/biodiversity-loss-reasons-remedies/ Javier Salas. David Nogués: “Ser o parasita da Terra nos levará à autodestruição”, El País, 11/02/2017 http://brasil.elpais.com/brasil/2017/02/07/ ia/1486478847_147568.html WWF. Living Planet Report 2016 http://www.footprintnetwork.org /documents/2016_Living_Planet_Report_Lo.pdf José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br Este artigo foi publicado originalmente no Ecodebate. Disponível no link: https://goo.gl/k0YHfu

Os Estados Unidos tornaram-se o único país do mundo a estimular abertamente a produção de energia a partir do carvão mineral, o mais poluente dos combustíveis fósseis. Todos os países signatários do Acordo de Paris (principalmente os maiores poluidores do planeta) seguem na contramão do decreto assinado hoje por Donald Trump, que revogou várias regulações do governo anterior que reduziam as emissões de gases estufa. Trump justificou a medida alegando a necessidade de gerar empregos e fortalecer a geração de energia, sem levar em conta que as fontes limpas e renováveis respondem hoje pelo maior número de vagas abertas no setor elétrico daquele país. Numa canetada, Trump posicionou os Estados Unidos no século XIX (apogeu do carvão mineral), desconsiderou o que dizem mais de 90% dos cientistas do clima, e rasgou o Acordo de Paris. O problema é que não existe uma atmosfera exclusiva dos Estados Unidos. O que o segundo maior poluidor do planeta faz ou deixa de fazer em relação às emissões de gases estufa alcança a todos nós. O decreto de Trump abala os esforços internacionais para evitar os piores cenários climáticos (que em alguns casos, como o degelo das calotas polares, acontecem mais rápido que o esperado) e abre espaço para uma intensa batalha nos tribunais americanos. O decreto contém uma nítida e indisfarçável subserviência aos interesses da indústria mais atrasada e suja dos Estados Unidos. O século XXI será marcado pela decadência do petróleo e pela drástica redução do carvão mineral na matriz elétrica dos países. Trump sinalizou o futuro de olho no retrovisor da História. Infelizmente, muitos de nós pagaremos por esse erro. André Trigueiro

Acesse a versão online: www.oecoilhagrande.com.br

|

Março de 2017, O ECO

7


INFORMATIVO DA OSIG 2. TURISMO

1. ADMINISTRATIVO MOVIMENTAÇÃO FINANCEIRA BALANCETE DE MARÇO 2017 RECEITA Saldo mês anterior R$ 1.034,00 Saldo em caixa R$ 1.034,00 Não houve movimentação financeira. (1) Permanece em aberto um déficit nosso de R$ 10.547,59, coberto por empréstimo. RECEBEMOS NESTE MÊS como apoio à castração: Isven (tropicana) 200,00 Cabeça 150,00 Pousada Ancoradouro 100,00 Pousada Aratinga 200,00 * Será contabilizado no próximo mês visto o evento ocorrer em 28 e 29 de abril. Obs: necessitamos de mais apoio, para fazer frente ao custo dos medicamentos, transporte, material cirúrgico etc. Ainda acreditamos no trade.

CASTRAÇÃO DE ANIMAIS A próxima castração de animais será realizada nos dias 29 e 30 de Abril na sede da OSIG (Rua Amâncio Felício de Souza, 110 - Vila do Abraão). Informações: 024 3361-5094

CALENDÁRIO PARA O FORUM DE TURISMO DE 2017

Do Jornal

28 de Abril 26 de Maio - A PAUTA SERÁ SPU COM PRESENÇA DE ESPECIALISTA 23 de Junho 21 de Julho 25 de Agosto 15 de Setembro 20 de Outubro

Grande parceiro Kazuo, parabéns pela iniciativa e desejamos sucesso total. A Ilha Grande, ou melhor, seus empreendedores não se dão conta do potencial que temos para grandes e requintadas festas nos mais diversos focos. Com um cenário tendo como pano de fundo montanhas e mata atlântica, espelhando num mar de todos os matizes, um povo hospitaleiro e acepipes de inigualáveis sabores. O mundo inteiro quer participar! Nossos cumprimentos e nosso apoio! O Eco Jornal e OSIG

24 de Novembro Salve as datas e participe! Março de 2017, O ECO

A Pousada Nautilus, situada na Enseada do Bananal na Ilha Grande, promoverá um encontro gastronômico no feriado de Páscoa. Os sushiman’s Hirotoshi Ogawa e Shin Koike irão preparar um jantar especial para hóspedes e convidados que poderão desfrutar de pratos orientais e o melhor da comida japonesa. Hirotoshi, diretor-geral da AJSA Sushi Skills Institute, é uma das maiores autoridades em sushi do mundo. E Shin Koike, comandou durante anos o minúsculo restaurante A1, depois, criou o Aizomê, nos Jardins, eleito o melhor da sua categoria em 2008 e 2009 pela edição especial “Comer & Beber”. Atualmente, ele pilota também o Sakagura A1. O evento é promovido em parceria com a organização Maricultura Costa Verde e terá decoração temática especial para a ocasião. Aberto aos hospedes da Pousada Nautilus e a todos que tenham interesse em participar. Faça já sua reserva - quartos e mesas limitadas. Pousada Nautilus: (24)3365-5769 falecom@nautilus.tur.br

As próximas datas do Fórum de Turismo da Ilha Grande serão as seguintes:

8

GOURMET ESPECIAL NA POUSADA NAUTILUS

|

Acesse a versão online: www.oecoilhagrande.com.br


MATÉRIA DE CAPA CORRIDA DE AVENTURA

AP TRAIL RUN ILHA GRANDE 2017

No dia 25 de março, a Vila do Abraão foi palco da 5ª edição da AP TRAIL RUN Ilha Grande. A corrida de aventura proporcionou uma emoção contagiante e o sucesso foi absoluto! Cerca de trezentos competidores se fizeram presentes e a participação do nosso morador foi sem precedentes. Uma festa para a garotada, autoestima e pertencimento para os todos. Foi uma

grande confraternização. A corrida constou de 25 km, 12 km e 4 km. Para as crianças foi de 500m. Todas As idades participaram e a premiação foi por faixa etária. A euforia da largada era grande, mas ainda maior a do pódio. O pódio retrata a gloria de vencer e o quanto eleva a auto estima, acredito que trazemos na genética a sentimento superior de ser vencedor.

Enfim, tudo transcorreu em clima de harmonia e confraternização, sem nenhum acidente ou incidente. O lixo produzido não passou de um saco plástico de 200 litros. Podemos afirmar que o evento tem como meta a preservação e a educação ambiental. Nossos agradecimentos ao INEA, em especial ao PEIG, e pessoalmente ao Diretor do PEIG e sua equipe que muito nos

apoiaram em todos os sentidos, desde a licença para a realização da corrida. Um obrigado também à Policia Militar, ao Corpo de Bombeiros, à Polícia Civil e à 1ª Vara da Família, Infância, da Juventude e do Idoso. Para 2018, se tudo correr bem será ainda melhor. Mas vamos às fotos que são interessantes! N. Palma

As crianças deram um show de participação na corrida! Muitos moradores participaram e ganharam nota 10 no espírito esportivo Acesse a versão online: www.oecoilhagrande.com.br

|

Março de 2017, O ECO

9


MATÉRIA DE CAPA

Passeios náuticos, transfers e estacionamento

contato@vilanovatour.com.br +55 21 99745-5548 (Vivo) +55 21 98539-3702 (Oi)

Rua da Praia, 157 Conceição de Jacareí Mangaratiba - Rio de Janeiro - RJ

Conceição de Jacareí x Abraão

Abraão x Conceição de Jacareí

08:30 10:00 11:00 13:00

09:30 10:30 12:00 14:00

14:30 16:30 18:00 21:00*

16:00 17:30 18:30

* Somente às sextas-feiras 10 Março de 2017, O ECO

|

Acesse a versão online: www.oecoilhagrande.com.br


MATÉRIA DE CAPA

Acesse a versão online: www.oecoilhagrande.com.br

|

Março de 2017, O ECO 11


MATÉRIA DE CAPA

12 Março de 2017, O ECO

|

Acesse a versão online: www.oecoilhagrande.com.br


MATÉRIA DE CAPA APTR ILHA GRANDE 2017

OS RESULTADOS

Geral 21km Masculino

Geral 12km Masculino

Relatório Geral - 21 KM - Masculino

Coloc.

Nome

Id.

Fx.Et.

Cl.Fx.

Sx.

1

Numero 21059

RENATO CAMPOS

28

M1829

-

M

C.

Equipe

2

21088

MARCUS PAULO ESCRIVANI

27

M1829

-

M

3

21081

ADAEL CARNEIRO DA ROCHA

53

M5059

-

M

STUDIO RASTER

4

21023

FELIPE CARVALHO SORIA MARTINEZ

38

M3039

-

M

FOCA

5

21047

MATEUS SOUTO M TEIXEIRA

29

M1829

-

M

ML

6

21078

CRISTIANO DE OLIVEIRA ANDRADE

34

M3039

1

M

RESENDE ECO RUNNERS

7

21035

JOSE ALEXANDRE LOUREIRO MATTA

44

M4049

1

M

8

21032

JAIRO HERCULANO SOARES DOS SANTOS

52

M5059

1

M

JARBAS CARVALHO

9

21006

ALEX BORGES

45

M4049

2

M

10

21077

JOÃO PEDRO CADINELLI

19

M1829

1

M

MARCIA FERREIRA TRIATHLON ADEVAN PEREIRA IV CLIMA AVENTURA

AVULSO

11

21054

PAULO GUILHERME CORDEIRO

45

M4049

3

M

12

21015

DANIEL COSTA SOARES

38

M3039

2

M

VO2 ADVENTURE

13

21041

MARCOS VINICIOS RODRIGUES PERES

32

M3039

3

M

NAIARA BALDUINO

14

21065

SAMIR ABITBOL NOGUEIRA DO AMARAL

39

M3039

4

M

15

21026

GERALDO LOUREIRO MUNIZ

44

M4049

4

M

16

21030

HENRY RIBEIRO ALVES

39

M3039

5

M

17

21037

LUIZ AUGUSTUS

40

M4049

5

M

DEFAVERI RUNNERS

18

21060

RICARDO FARIAS

52

M5059

2

M

IV CLIMA AVENTURA

19

21008

ALEXANDRE SANTOS FERREIRA

46

M4049

6

M

20

21039

MARCELLO TEIXEIRA DE OLIVEIRA

45

M4049

7

M

21

21085

LAURENT TRAN

53

M5059

3

M

22

21063

ROBERTO FUMIAN SIMAS DE MAGALHÃES

30

M3039

6

M

23

21069

TIAGO JOÃO DA SILVA

34

M3039

7

M

24

21066

SEBASTIÃO DE BARROS FIGUEIRA

57

M5059

4

M

25

21002

ADILSON PESSANHA

50

M5059

5

M

GURUÇÁ RUNNUING

26

21043

37

M3039

8

M

DEFAVERI RUNNERS

27

21076

MARCUS VINICIUS PARREIRA LEMGRUBER KROPF FLÁVIO BARRA ROCHA

44

M4049

8

M

SAUDEPERFORMANCE

28

21007

ALEXANDRE MENDES MACHADO

51

M5059

6

M

VIDATIVA

29

21087

MAGNO SIQUEIRA

29

M1829

2

M

30

21031

JACKSON CRUZ DA FONSECA

38

M3039

9

M

31

21072

WALTER VICENTE SALLES DOS REIS FILHO

52

M5059

7

M

FOCA NA CORRIDA

32

21053

PAULO CEZAR CORTEZ PAULA

50

M5059

8

M

DEFAVERI RUNNERS

33

21013

COSME SARAIVA

50

M5059

9

M

34

21034

JOAO PAULO TORRES DE SOUZA

36

M3039

10

M

35

21084

STANLEY DA COSTA PÓVOA

26

M1829

3

M

ML MIX RUN

CORREDORES DO FOGO

PROJETO JIU JITSU ILHA GRANDE CORREDORES DE VALENÇA

DEFAVERI RUNNERS

RASTER

Geral 4km Masculino

Página : 1

Acesse a versão online: www.oecoilhagrande.com.br

|

Março de 2017, O ECO 13


MATÉRIA DE CAPA

OS RESULTADOS - PARTE 2 Geral 21km Feminino

Geral 4km Feminino

Geral 12km Feminino

Faixa etária 21km Feminino Descrição Faixa

Coloc.

Num.

Nome

Idd.

Equipe

Tempo

Feminino de 18 até 29 anos 1

21025 BRUNA NAPOLI

28

MEXA-SE

03:51:18

1

21083 NOEMI SILVEIRA

39

MD RUNNERS

03:03:46

2

21067 SHAO LAYN GUEDES CHANG

31

NAIARA BALDUINO

04:24:30

1

21045 MARISA DE PAULA GONÇALVES FIGUEIRA

49

CORREDORES DE VALENÇA

03:11:25

2

21033 JANE COELHO DA SILVA LOUREIRO

49

DEFAVERI RUNNERS

03:34:13

3

21003 ADRIANA CRISTINA DE OLIVEIRA

44

CORREDORES DE VALENÇA

03:52:03

4

21027 GISLENE LEPRI DE MEDEIROS

40

K2 RUNNING CLUB

04:15:36

1

21061 RITA DE CASSIA DE PAULA

53

DEFAVERI RUNNERS

03:37:02

1

21044 MARIA APARECIDA BORGES DE FRIAS

65

DEFAVERI RUNNERS

04:26:37

Feminino de 30 até 39 anos

Feminino de 40 até 49 anos

Feminino de 50 até 59 anos Feminino de 60 anos acima

14 Março de 2017, O ECO

|

Acesse a versão online: www.oecoilhagrande.com.br


MATÉRIA DE CAPA Faixa etária 12km Feminino Descrição Faixa

Coloc.

Num.

Nome

Idd.

Equipe

Tempo

Feminino de 30 até 39 anos 1

12055 ERIKA DA S. ARAUJO

30

01:54:20

2

12057 LEANDRA DUARTE

37

3

12017 INGRID VANESÇA FOSCA DA SILVA

36

CORREDORES DO FOGO

02:09:47

4

12005 CLAUDIA MARCIA PEREIRA CORDEIRO

34

MORRO DE SAUDADE

02:10:37

1

12018 JANINE SANTANA GONÇALVES

41

PONTO CORRIDO

01:52:01

2

12006 CRISTIANE

44

3

12046 ALESSANDRA B. DE OLIVEIRA

44

RASTER

02:13:15

4

12009 DENISE CHARPENEL PEQUENO

48

DEFAVERI RUNNERS

02:19:33

5

12026 LUCILA TAKIZAWA

43

1

12003 ADRIANA DIAS DE OLIVEIRA BUENO

53

2

12029 MARCIA ALCANTARA

50

02:08:10

Feminino de 40 até 49 anos 02:03:24

03:12:31

Feminino de 50 até 59 anos CANELAS DE FERRO

02:15:53 02:35:20

Faixa etária 4km Feminino

Acesse a versão online: www.oecoilhagrande.com.br

|

Março de 2017, O ECO 15


Faixa etรกria 12km Masculino

Faixa etรกria 4km Masculino

16 Marรงo de 2017, O ECO

|

Acesse a versรฃo online: www.oecoilhagrande.com.br


MATÉRIA DE CAPA

Meus queridos companheiros de sala de aula do pré II participaram do APTR Ilha Grande, promovido pela OSIG. Nos preparamos a semana inteira para ter os vencedores em companheirismo, cooperação e espirito esportivo! “Uma das tarefas mais importantes da direção da instituição infantil consiste em organizar uma perspectiva próxima, isto é, uma aspiração coletiva para o dia de amanhã repleto de esforço e de êxitos coletivos” Makarenko, in 'Metodologia para a organização do processo educativo' Inscrevi as crianças que estão comigo em sala de aula, pré II, na corrida anual do APTrail, aqui no Abraão, organizado pela OSIG. Os familiares ajudaram muito pra estarmos ali. Fizemos treino a semana toda, inclusive conversando sobre o cuidado com os amiguinhos, sobre como ajudar se alguém cair, etc. Acho importantíssimo algo que o educador Freinet fala e, que aprendi com a edu-

cadora Isabel Oliveira, que temos que trazer a vida pra dentro da ala de aula. Como fazer isso? Levando as crianças para os acontecimentos da vida, da coletividade, da comunidade.... Depois, produzimos em sala as impressões do vivido. Fico muito emocionada em ver as crianças vivendo!

A CORRIDA A corrida foi sábado. A corrida foi perto da Casa de Cultura. Salomão, Abner, Silvana, Misael, Sophia Oliveira, Bernardo, Isabella, Lorena, Bianca, Maria Alanna, Athens, DIOGO, Nathan, Davi Lucas e Mariana participaram da corrida. Na corrida nos temos que correr. Foi muito legal! Alunos do pre II Professora Érica 30/03/2017

Érica Mota Professora de Séries Iniciais

Acesse a versão online: www.oecoilhagrande.com.br

|

Março de 2017, O ECO 17


EVENTOS DE FÉ

O TEMPO DA QUARESMA A liturgia quaresmal dispõe tanto os catecúmenos, pelos diversos graus da iniciação cristã, como os fiéis, pela comemoração do batismo e da penitência, a celebrarem o mistério pascal.

1. Origem da Palavra "Quaresma" provém do latim "Quadragésima" e significa "quarenta dias" ou, talvez mais apropriadamente, o "quadragésimo dia". Outras línguas de origem latina expressam essa idéia, como "Carême" em francês, "Quaresima" em italiano, e "Cuaresma" em espanhol. O termo latino, por sua vez, é a tradução do termo grego "Tessarakoste" (=quadragésimo), com certa ligação ao termo "Pentekoste" (Pentecostes = qüinquagésimo), cuja celebração se dá no 50º dia após a Páscoa. Já os países anglo-saxões, usam o termo "Lent", de origem teutônica.

2. Conceito de Quaresma A Quaresma é o período de preparação para a Páscoa do Senhor, cuja duração é de 40 dias. Tal período, portanto, inicia-se na Quarta-Feira de Cinzas e se estende até o Domingo de Ramos, uma semana antes da Páscoa. O período é, assim, marcado pela penitência, pela realização constante de jejuns, pela conversão e pela preparação dos catecúmenos para o batismo. No início da Quaresma, na Quarta-Feira de Cinzas, os fiéis têm suas frontes marcadas com cinzas, como os primitivos penitentes públicos, excluídos temporariamente da assembléia (lembrando Adão expulso do Paraíso, de onde vem a fórmula litúrgica: "Lembra-te de que és pó..."). Nos dias que se seguem, redescobrem o significado do batismo e se esforçam para tomar a cruz e seguir fielmente a Cristo. Aprofundam, então, o ódio que sentem pelo pecado e são ajudados em seus esforços pelas orações em comum. Esse tempo de penitência é bem recordado pela liturgia: as vestes e os paramentos usados são da cor roxa (no quarto domingo da Quaresma, pode-se usar o rosa,

18 Março de 2017, O ECO

|

representando a alegria pela proximidade do término da tristeza, pela Páscoa); o Hino de Louvor não é recitado; a aclamação do "Aleluia" também não é feita; não se enfeitam os templos com flores; o uso de instrumentos musicais torna-se moderado, apenas sustentando o canto, etc.

3. Origem do Costume Ainda que alguns Padres da Igreja, como São Jerônimo (+420), Sócrates historiador (+433) e São Leão Magno (+461) creditem aos Apóstolos a instituição dos quarenta dias de jejum antes da Páscoa, o fato é que o jejum pré-pascal era observado somente em alguns dias, pois nenhum Padre do período pré-Nicéia (325) parece ter conhecimento de tal tradição. Em outras palavras, ainda que o jejum pré-pascal fosse praticado desde os primórdios do Cristianismo, o que denota a existência de uma tradição apostólica sobre o assunto, não existe segurança para afirmar que tal jejum durasse realmente quarenta dias, como dá a entender a quaresma. Prova disso temos em Tertuliano que, ao trocar o Catolicismo pela heresia Montanista, passou a achar deficitário o jejum dos católicos, uma vez que os montanistas jejuavam por 15 dias (de Jejunio II e XIV; de Orat. XVIII); também Santo Ireneu, em uma carta dirigida ao papa São Vítor, sobre a controvérsia da data da Páscoa, diz que "alguns acham qu e devem jejuar por um dia, outros por dois

dias, outros por vários dias, e ainda há outros que calculam 40 horas do dia e da noite para realizarem o jejum"; a Didascália dos Apóstolos (250) e S. Dionísio de Alexandria também mencionam o jejum pascal de forma difusa. Parece que a primeira menção à Quaresma, como período de jejum de 40 dias, pode ser encontrada nas Cartas Festais de Santo Atanásio (331) e depois, em 339, da pena do mesmo santo, ao se dirigir à comunidade de Alexandria, pedindo para que esta observe o costume dos 40 dias conforme praticado pela Igreja de Roma e grande parte da Europa.

4. Os Quarenta Dias Indubitavelmente, o período de tentação de Cristo no deserto, bem como os exemplos de Noé (40 dias na Arca), Moisés (40 anos vagando no deserto) e Elias, exerceram grande influência na determinação do tempo de duração da Quaresma. É ainda possível que o fato de Cristo ter permanecido por volta de 40 horas no sepulcro, tenha também sido levado em conta... O historiador Sócrates nos informa, no séc. V, que a Quaresma durava seis semanas em Roma, mas apenas três destas semanas eram dedicadas ao jejum: a primeira, a quarta e a sexta. Tendo, porém, o número de 40 dias se estabelecido solidamente, outra alteração acabou por se introduzir: deixou-se de se fazer alguns jejuns durante o período de 40 dias e pas-

Acesse a versão online: www.oecoilhagrande.com.br

sou-se a jejuar durante todo o período de 40 dias... Em Peregrinação de Etéria, fala-se de um jejum de oito semanas praticado pela comunidade de Jerusalém, excluídos os sábados e domingos; temos, assim, oito semanas de cinco dias, o que totaliza os 40 dias de jejum. Já no tempo de São Gregório Magno (590-604), Roma observa seis semanas de seis dias, totalizando 36 dias, a décima parte de um ano completo (365 dias). Contudo, algum tempo depois, o desejo de manter-se os 40 dias fez com que se esticasse o período até a Quarta-Feira de Cinzas, como ainda hoje é praticado.

5. Natureza do Jejum Também não são poucas as posições sobre este tema. Sócrates, ao se referir em sua História Eclesiástica (V,22) sobre a prática do séc. V, nos informa que "alguns se abstêm de todo tipo de criatura que tenha vida, outros comem somente peixe. Alguns comem pássaros e peixes [...]; outros se abstêm dos frutos de casca dura e de ovos. Alguns comem somente pão; outros nem isso. Há também os que se fartam de comida após a hora nona". Epifânio, Paládio e o autor de "Vida de São Melânio o Jovem" eram mais rigorosos, defendendo um jejum completo de 24 horas ou mais, especialmente durante


EVENTOS DE FÉ a Semana Santa. Entretanto, São Gregório, escrevendo para Santo Agostinho da Inglaterra, dita a regra: "nós nos abstemos da carne fresca e de todas as coisas que vêm da carne fresca, como o leite, o queijo e os ovos". Foi essa decisão que mais tarde passou a figurar no "Corpus Iuris", tornando-se a regra comum da Igreja, ainda que algumas exceções e dispensas, especialmente quanto aos laticínios, fossem permitidas. Quanto ao relaxamento dos jejuns, vemos que já desde os tempos do historiador Sócrates (séc. V) havia cristãos que praticavam o jejum até a hora nona, isto é, até às três horas da tarde; já por volta do ano 800, passou-se a praticar até às duas horas da tarde. As regras atuais da Igreja para o jejum, bem como para a Quaresma podem ser encontradas nos cânones 1249 à 1253 do Código de Direito Canônico, conforme transcrito abaixo: "Cân.1249 - Todos os fiéis, cada qual a seu modo, estão obrigados por lei divina

a fazer penitência; mas, para que todos sejam unidos mediante certa observância comum da penitência, são prescritos dias penitenciais, em que os fiéis se dediquem de modo especial à oração, façam obras de piedade e caridade, renunciem a si mesmos, cumprindo ainda mais fielmente as próprias obrigações e observando principalmente o jejum e a abstinência, de acordo com os cânones seguintes. Cân.1250 - Os dias e tempos penitenciais, em toda a Igreja, são todas as sextas-feiras do ano e o tempo da Quaresma. Cân.1251 - Observe-se a abstinência de carne ou de outro alimento, segundo as prescrições da Conferência dos Bispos, em todas as sextas-feiras do ano, a não ser que coincidam com algum dia enumerado entre as solenidades; observem-se a abstinência e o jejum na Quarta-Feira de Cinzas e na Sexta-Feira da Paixão e Morte de Nosso Senhor Jesus Cristo. Cân.1252 - Estão obrigados à lei da abstinência aqueles que tiverem completado

catorze anos de idade; estão obrigados à lei do jejum todos os maiores de idade até os sessenta anos começados. Todavia, os pastores de almas e os pais cuidem que sejam formados para o genuíno sentido da penitência também os que não estão obrigados à lei do jejum e da abstinência, em razão da pouca idade. Cân. 1253 - A Conferência dos Bispos pode determinar mais exatamente a observância do jejum e da abstinência, como também substituí-los total ou parcialmente, por outras formas de penitência, principalmente por obras de caridade e exercícios de piedade". Isto colocado, observamos, segundo a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, o seguinte: a.. A abstinência começa aos catorze anos e vai até o final da vida. b.. O jejum se inicia aos dezoito anos e vai até os cinqüenta e nove anos completos. c.. Tradicionalmente, o jejum consiste em

Acesse a versão online: www.oecoilhagrande.com.br

não se tomar mais que uma refeição completa ao dia ou, então, em ingerir alguma quantidade de alimento até duas vezes ao dia. d.. A CNBB determinou que, exceto na Sexta-Feira Santa, todas as outras sextas-feiras, inclusive as da Quaresma, têm sua abstinência convertida em "outras formas de penitência, principalmente em obras de caridade e exercícios de piedade". Para finalizar, existem documentos do Magistério que abordam o assunto, principalmente quanto a abstinência e o jejum, tão ligados à Quaresma, de uma forma mais exaustiva. São eles: 1.. Constituição Apostólica "Paenitemini", de Paulo VI; 2.. Exortação Apostólica "Reconciliatio et Paenitentia", de João Paulo II. Fonte: Portal Católico Colaboração: Neuseli Cardoso

|

Março de 2017, O ECO 19


COISAS DA REGIÃO - ECOMUSEU

POR QUE MANTER O ECOMUSEU ILHA GRANDE ABERTO AO PÚBLICO? Gelsom Rozentino de Almeida Coordenador Geral do Ecomuseu Ilha Grande O Ecomuseu Ilha Grande é uma unidade da Universidade do Estado do Rio de Janeiro e como tal tem sofrido profundamente com a crise do governo estadual e a falta de recursos para custeio. A instituição passou mais de um ano sem receber nenhum centavo do Estado, o que continua a ocorrer em 2017. Apesar disso, através de restos de recursos de projetos ou de desembolso pessoal da equipe, desenvolveu várias atividades ao longo de 2016, inaugurando a Biblioteca Comunitária de Enseada de Palmas, realizando oficinas em Vila Dois Rios e na Vila do Abraão, participando de reuniões sobre Cultura, Turismo, Meio Ambiente, GT Ilha Grande, Prodetur, PPP, tanto na Ilha Grande como em Angra dos Reis. Além disso, a sua equipe tem elaborado o Plano Museológico ou Plano Diretor do Ecomuseu, realizado pesquisas, produzido artigos e participando de congressos e fóruns com outros museus. Todavia, não obstante os esforços, esteve fechado à visitação pública em boa parte do ano. Mesmo com divulgação da situação através dos meios de comunicação e cartazes no Abraão, a maioria dos turistas não sabia do que estava acontecendo e percebíamos em suas faces a decepção por não poderem conhecer nossas instalações após horas de caminhada. E mais do que isso, a frustração também para a equipe e a comunidade, pois o Ecomuseu Ilha Grande é, ao mesmo tempo, um museu universitário e um museu que se vê crescentemente incorporando e incorporado pela comunidade e território da Ilha Grande. Diante desse quadro, a direção do museu logrou esforços para obter recursos que possibilitassem a reabertura do Ecomuseu ao público, o que ocorreu efetivamente em dezembro passado. Desde então o Museu do Cárcere e o Museu do Meio Ambiente receberam, entre 15/12/2016 e 20/03/2017, o expressivo número de 4.211 visitantes! Mas, até quando conseguiremos manter o Ecomuseu com essas condições precárias? Precariedade que atinge não só o museu, mas toda a UERJ. Teremos que fechar de novo? E a comunidade, os turistas, a sociedade em geral, sabem dessa ameaça? O que fazem a respeito? #somosecomuseuilhagrande #somosuerj

20 Março de 2017, O ECO

|

Acesse o site do ECOMUSEU ecomuseuilhagrande.eco.br Acesse a versão online: www.oecoilhagrande.com.br


COISAS DA REGIÃO ERVA DE SANTA MARIA

APROVADO PROJETO QUE GARANTE A MORADIA AOS SERVIDORES DA ILHA GRANDE

Aprovado em primeira discussão projeto de lei 1733/2012, que regulariza a situação de 130 famílias de ex-funcionários ou herdeiros legais de funcionários do presídio de Ilha Grande, que moram há mais de 40 anos no local. O deputado estadual Gilberto Palmares apresentou este projeto solidário a luta dos funcionários que foram para lá trabalhar, grande parte como servidor do sistema prisional, há mais de quatro décadas. A grande maioria já está aposentada e viveu a vida toda nesse espaço. Eles preservam os imóveis. “Por isso não é justo que o estado queira cobrar a conta agora destas pessoas”, explicou Palmares. O PL orienta que eles comprem os

imóveis através do programa minha casa, minha vida. Assim eles não poderão vender, nem promover a especulação imobiliária. “Esperamos aprovar o projeto em segunda discussão e contamos com a sensibilidade do governador Pezão que sancione a lei e garanta o direito à moradia destas famílias”, argumentou Palmares. Representantes de algumas associações de moradores da Ilha Grande e moradores do local estiveram na Alerj acompanhando a votação e comemoram a aprovação do projeto em primeira discussão. O projeto retornará a pauta para mais uma votação e depois vai para a sanção do governador.

Dysphania ambrosioides (L.) Mosyakin & Clemants Família botânica: Amaranthaceae A folha da erva de Santa Maria é utilizada no preparo de chá como vermífugo.

CRÉDITOS: Texto de Tatiane Gomes Machado Fotografias: acervo Ecomuseu Ilha Grande, Chaumeton, F.P., Flore médicale, vol. 3: t. 123bis (1830). Acesse a versão online: www.oecoilhagrande.com.br

|

Março de 2017, O ECO 21


COISAS DA REGIÃO RESÍDUOS SÓLIDOS

ILHA GRANDE RECEBE NOVOS EQUIPAMENTOS PARA APOIO NAS OPERAÇÕES DE RECOLHIMENTO DE LIXO

No dia 12 de março, a equipe de limpeza da empresa recém contratada para a coleta de lixo na cidade, Inova Ambiental, recebeu na Vila do Abraão, Ilha Grande, novos equipamentos para o apoio nas operações de retirada de resíduos sólidos e entre eles estão uma pá carregadeira, um micro-trator com carreta e outros menores, que auxiliarão, e muito, no trabalho de coleta e carregamento do lixo para os barcos. O Provetá também receberá um novo trator para ajudar na coleta do lixo na comunidade. “Podemos dizer que na Ilha Grande, a coleta de lixo já foi solucionada, e podemos afirmar que o serviço, hoje, é satisfatório, e é um quadro totalmente diferente do que encontramos no início do governo, quando

nos deparamos com um acumulo de 150 toneladas de lixo. A limpeza urbana no Abraão e na Ilha Grande de maneira geral, está caminhando bem”, disse Felipe Larrosa, secretário Executivo de Serviço Público. Já no continente, Centro e nos bairros, segundo Larrosa, a empresa ainda está no processo de adaptação, e haverá mudanças nos horários da coleta, mas serão mantidas as mesmas rotas. “Vamos divulgar amplamente para as comunidades e faremos um trabalho de mobilização para conscientizar os moradores, sobre a importância de disciplinar a colocação do lixo nas portas de suas casas, dentro dos horários em que os caminhões passam”, concluiu o secretário de Serviço Público.

2016

Capoeira | Ciranda | Literatura Artesanato | Cinema Av. Beira Mar, s/n arenacultural.og@gmail.com (24) 99999-4520

Secretaria da Ministério da Cidadania e da Cultura Diversidade Cultural

22 Março de 2017, O ECO

|

Acesse a versão online: www.oecoilhagrande.com.br


COISAS DA REGIÃO

XI CONCURSO DE PINTURA JÁ TEM SEUS PREMIADOS Os trabalhos estão expostos na Casa de Cultura Poeta Brasil dos Reis, Centro. Com o tema “Caminho”, Ivo dos Remédios ficou com o 1º lugar. Concurso é uma realização do Ateneu Angrense de Letras e Artes

A noite da última sexta-feira, 24, foi de confraternização das artes plásticas de Angra dos Reis. A Casa de Cultura Poeta Brasil dos Reis abriu suas portas para a abertura da exposição do XI Concurso de Pintura, realizado pelo Ateneu Angrense de Letras e Artes. O concurso, assim como o local da mostra, que abriga a exposição, também recebe o nome de Brasil dos Reis, em homenagem ao poeta angrense, que ao lado do historiador Alípio Mendes, fundou, em 1973, o Ateneu Angrense de Letras e Artes, entidade cultural sem fins lucrativos, que tem como objetivo preservar e divulgar a cultura. O concurso contou com a participação de um total de quinze obras concorrentes de diferentes artistas de Angra e região. Quem assina a curadoria da exposição é o artista e sócio do Ateneu, Marcelo Ramos, que a partir da desconstrução do mosaico do artista plástico Júlio Garcia, ambientou o espaço para receber os quadros classificados. Em sessão exclusiva, aberta às 16h, a comissão de jurados composta pelos artistas plásticos Silvio Cavalhei-

ro, Pati Faedo, Elenira de Vasconcelos e Adel Gonzaga, apresentaram ao público os seguintes resultados: 3º lugar o artista Carlos Franca, com o tema “Ciranda”, o 2º lugar ficou com Rafaela Maia, com a obra denominada “Morada”, e 1º lugar com o artista Ivo dos Remédios, com o tema “Caminho”. A noite de abertura ainda reservou surpresas, com o quadro oferecido ao Ateneu Angrense de Letras e Artes pela artista Elenira de Vasconcelos, com uma tela que retrata de forma brilhante, o patrono do concurso Brasil dos Reis. Na exposição, que fica aberta ao público até o dia 23 de Abril, o público poderá conferir as demais colocações. A Casa de Cultura Poeta Brasil dos Reis fica situada na Avenida Raul Pompéia, Centro de Angra dos Reis, seu funcionamento é de terça a sexta-feira das 10h às 18h, sábado e domingo das 10h às 14h. Subsecretaria de Comunicação

Acesse a versão online: www.oecoilhagrande.com.br

|

Março de 2017, O ECO 23


COLUNISTAS A CULTURA EQUILIBRADA O equilíbrio é um fator que muitos grupos étnicos buscam. A própria filosofia e doutrinas orientais tem o objetivo de não exagerar, porém, deixar fluir naturalmente as tendências de seu pensamento vivo. O desequilíbrio cultural ocorre quando existe um ataque maciço, um bombardeamento em muitas áreas, por exemplo: na língua, na culinária e nas crenças. Talvez sejam estas as principais, não excluindo outras. Essa tríade nos remete primeiramente à fala, nossa comunicação e expressão filosófica. Num segundo nível, o ato de nos alimentarmos, no caso o sustento do corpo e geração de energia para os movimentos e pensamentos. No terceiro nível, estariam as crenças que cria um mundo metafísico paralelo ao nosso mundo real; indispensável para a análise e o relaxamento da visão dura da vida corpórea e real. O primeiro exemplo dessa tríade pode ser encontrado na África dos séculos passados que principiou a falar principalmente o inglês e o francês; a Europa principiou a conquista desse continente. A corrida para sua colonização deformou seu povo assim que os colonizadores se instalaram. Se para bem ou para mal é um longo questionamento. É difícil poder mensurar as perdas que uma etnia tem em ter que trocar os nomes de seus objetos de alguma língua nativa pelo inglês, por exemplo. Na culinária hoje, nosso segundo exemplo, incorporar atualmente o “fast food” em sua dieta desequilibraria todo o processo bioquímico de um individuo, em uma visão antropológica nutricional; este processo levou milênios em uma alimentação de raízes e hoje é trocado passivamente e “subitamente” por hambúrgueres quando estes tomam o lugar de modo súbito nas sociedades modernas, por processos colonizatórios e ideológicos. Os nutricionistas alertam para o cuidado que devemos ter em aderirmos a esse tipo de alimentação. Devemos, porém, também por outro lado, ter em mente que hambúrgueres gourmet têm, às vezes, em sua receita ingredientes saudáveis como cogumelos, queijos

24 Março de 2017, O ECO

|

especiais e pães integrais, tão benéficos a quem deseja a longevidade. Nas crenças, nosso terceiro exemplo é mais complexo, porque o desequilíbrio vem de influências múltiplas, principalmente dos atos colonizatórios que desenvolvem o sincretismo, e suas afirmações religiosas ficam embriagadas por trocas místicas. O fenômeno religioso é extremamente complexo porque em toda a história humana não está só em questão as manifestações espirituais, contudo, as instituições religiosas. Kant se preocupou muito com esse assunto; ele bem as explanou em seu trabalho intitulado, “A Religião nos Limites da Simples Razão”. A questão é que pelo ato colonizador são destronadas crenças inteiras. O legítimo brasileiro é o índio, dono do pau Brasil que deu o nome à nossa terra, porém, pouco estudamos suas crenças nas escolas, sendo o brasileiro um europeu em terras tupiniquins. A colonização principiada no final do século XV pelos portugueses e espanhóis, iniciou um desequilíbrio por onde passaram ou se instalaram. Todas as três Américas foram afetadas e seus povos receberam um “choque cultural”. É bem verdade que houve trocas entre culturas, porém a da Europa permaneceu praticamente incólume. Aqui nas Américas, foram desequilibradas a cultura dos Incas, Astecas, Maias, os povos da floresta Amazônica, a grande nação Tupi, os Peles Vermelhas americanos e muitas outras etnias. O desequilíbrio apaga a cultura anterior, pois esta assume outra forma. Muitas de suas belezas estão expostas apenas em museus e não mais em suas tribos; só possuímos sua memória. Alguns rituais, no entanto, foram ressuscitados mediante os arquivamentos. Bancos de grãos estão catalogados e guardados; mais de cem tipos de grãos de milho estão preservados, porém não mais nas lavouras indígenas brasileiras, pois muitas delas foram extintas e alguns povos se curvaram à alimentação dos colonizadores. O equilíbrio dependerá primordialmente de uma estagnação “benéfica”.

A conservação das tradições deverá permanecer nas festas daquele país ou etnia, ou região. Nosso nordeste tem um perfil reconhecível, como o sul do Brasil e outras regiões. Isso se deve principalmente à continuação dos costumes e vontade de preservá-los por serem “bons”; alegando a tradição como valor em “virtude”. O chimarrão é um bom exemplo, pois é visto, sendo bebido em ocasiões onde o refrigerante poderia estar em seu lugar. O equilíbrio também poderá estar presente quando a “resistência” a outros elementos forem preteridos mediante a força popular e o desejo de um povo. A opinião forte de uma etnia, no entanto, poderá ajudar a esta preservação. Querer, enfim, talvez não tenha a força do poder. Como poderá uma cultura resistir ao bombardeamento de mídias estrangeiras e costumes alienígenas? Gerações mais tenras poderão transmutar valores já enraizados ao nível de um país. A geração dos anos 70 sofreu influências americanas. A música americana invadiu as rádios, por sua vez, a década de 80 respondeu criando o grande rock nacional. A cultura ataca e se defende como num processo de ação e reação. A reatividade vem de grupos e lideranças que possuem uma visão talvez mais profunda dos peri-

gos da desculturalização. Esses baluartes e heróis, defensores da cultura e tradição são as últimas ancoras de um porto seguro e genuinamente brasileiro. Valorizar suas propostas, metas e opiniões seguindo seus conselhos é aceitar a paternidade de progenitores conscientes, atentos e sensíveis às perdas culturais. Sermos fortes, conscientes e críticos ajudaria nossa nação a manter tradições valiosas para nossa futura geração. Viver só o momento sem pensar numa hecatombe cultural é desprezar a criação da terra e do universo, criando para nós um mundo finito, egoísta, momentâneo e único de uma geração. Dar a chance de nos tornarmos brasileiros legítimos é resgatar e preservar as tênues manifestações culturais que não temos ainda o poder de avaliar definitivamente. Deveríamos observar cada parte da cultura para ajudar no todo que é inavaliável como verdade absoluta social. Como não existe verdade filosófica poderíamos nos ater às manifestações do povo e respeitá-las. A função de um filósofo social e da cultura é lutar pelo equilíbrio, não apenas mantendo o que é “benéfico”, como incorporando o que não “deforma”. Ricardo Yabrudi

CANTINHO DA SABEDORIA “Quanto mais boa vontade tiver para servir, mais feliz você será” – Yogananda “ A tarefa mais importante na vida é dar nascimento a si mesmo” – Erich Fromim “ O leme da natureza humana é o livre-arbítrio; o piloto é a razão; mas quão poucas vezes obedecem à razão os ímpetos precipitados da vontade própria?” – Padre Antonio Vieira

Acesse a versão online: www.oecoilhagrande.com.br

Colaboração: Tuler


TEXTOS, NOTÍCIAS E OPINIÕES VISITA EM ANGRA DOS REIS

VISITA PELO ORDENAMENTO TURÍSTICO

Secretária de Turismo de Capitólio, em Minas Gerais, veio à Angra conhecer de perto as ações da TurisAngra na fiscalização do ordenamento turístico

A Fundação de Turismo de Angra dos Reis (TurisAngra) recebeu nesta quarta-feira, 22, a visita da secretária de Turismo e Lazer de Capitólio (MG), Andréia Rodrigues Silva, que veio conhecer a experiência positiva sobre o ordenamento do turismo em Angra dos Reis na gestão do prefeito Fernando Jordão. Acompanhada de assessora jurídica, Emiliana Ferreira Soares de Oliveira, a secretária recebeu do superintendente da fundação, Tadeu da Silva Barbosa, explicações sobre a atuação da fiscalização para o ordenamento do cais de Santa Luzia, a “Lei do Churras-

co” e o fluxo de entrada de ônibus na cidade, através do Projeto SOS Costa Verde. Este último, reduziu em 70% a entrada de ônibus com situações irregulares. Andréia Silva contou que descobriu a atuação da TurisAngra pesquisando sobre turismo legal na página do Sebrae. Segundo ela, o município mineiro quer ordenar a chegada de visitantes ao Lago de Furnas, principal atração turística. Atualmente, eles chegam pela manhã e vão embora no final do dia, aproveitando os passeios feitos pelas duas mil lanchas que circulam diariamente pela atração.

QUEM É MAIS RICO? O BRASIL OU OS EUA ? Carta recebida por Alexandre Garcia (comentarista da rede Globo) enviada por um amigo Americano. Segue a carta: “Caros amigos brasileiros e ricaços“: Vocês, brasileiros, pagam o dobro do que os americanos pagam pela água que consomem, embora tenham água doce disponível. Aproximadamente 25% da reserva mundial de água doce está no Brasil. Vocês brasileiros pagam 60% a mais nas tarifas de telefone e eletricidade, embora 95% da produção de energia em seu país seja hidroelétrica (mais barata e não poluente). Enquanto nós, pobres americanos, somente podemos pagar pela energia altamente poluente, produzidas por usinas termelétricas à base de carvão e petróleo e as perigosas usinas nucleares. E por falar em petróleo… Vocês brasileiros pagam o dobro pela gasolina, que ainda por cima é de má qualidade, que acabam com os motores dos carros, misturas para beneficiar os usineiros de álcool. Não dá para entender, seu país é quase auto suficiente em produção de petróleo (75% é produzido aí) e ainda assim tem preços tão elevados. Aqui nos EUA nós defendemos com unhas e dentes o preço do combustível que está estabilizado a vários anos US$ 0,30 ou seja R$ 0,90 Obs: gasolina pura, sem mistura. E por falar em carro… Vocês brasileiros pagam R$ 40 mil por um carro que nos nos EUA pagamos R$ 20 mil. Vocês dão de presente para seu governo R$ 20 mil para gastar não se sabe com quê e nem aonde, já que os serviços públicos no Brasil são um lixo perto dos serviços prestados pelo setor público nos EUA. Na Flórida, caros brasileiros, nós somos muito pobres; o governo estadual cobra apenas 2% de imposto sobre o valor agregado (equivalente ao ICMS no Brasil), e mais 4% de imposto federal, o que dá um total de 6%. No Brasil vocês são muito ricos, já que afinal concordam em pagar 18% só de ICMS. E já que falamos de impostos… Eu não entendo porque vocês alegam serem pobres, se, afinal, vocês não se importam em pagar, além desse absurdo ICMS, mais PIS, CONFINS, CPMF, ISS, IPTU, IR, ITR e outras dezenas de impostos, taxas e contribuições, em geral com efeito cascata, de imposto sobre imposto, e ainda assim fazem festa em estádios de futebol e nas passarelas de Carnaval. Sinal de que não se incomodam com esse confisco maligno que o governo promove, lhes

tirando 4 meses por ano de seu suado trabalho. De acordo com estudos realizados, um brasileiro trabalha mais de 4 meses por ano somente para pagar a carga tributária de impostos diretos e indiretos. Segue… Nós americanos lembramos que somos extremamente pobres, tanto que o governo isenta de pagar imposto de renda todos que ganham menos de US$ 3 mil dólares por mês (equivalente a R$ 9.300,00), enquanto aí no Brasil os assalariados devem viver muito bem, pois pagam imposto de renda todos que ganham a partir de R$ 1.800,00. Além disso, vocês tem desconto retido na fonte, ou seja, ainda antecipam o imposto para o governo, sem saber se vão ter renda até o final do ano. Aqui nos EUA nos declaramos o imposto de renda apenas no final do ano, e caso tenhamos tido renda, aí sim, recolhemos o valor devido aos cofres públicos. Essa certeza nos bons resultados futuros torna o Brasil um país insuperável. Aí no Brasil vocês pagam escolas e livros para seus filhos, porque afinal, devem nadar em dinheiro, e aqui nos EUA, nós, pobres de país americano, como não temos toda essa fortuna, mandamos nossos filhos para as excelentes escolas públicas com livros gratuitos. Vocês, ricaços do Brasil, quando tomam no banco um empréstimo pessoal, pagam POR MÊS o que nós pobres americanos pagamos POR ANO. E por falar em pagamentos… Caro amigo brasileiro, quando você me contou que pagou R$ 2,500.00 pelo seguro de seu carro, ai sim eu confirmei a minha tese: vocês são podres de ricos!!!!!!!! Nós nunca poderíamos pagar tudo isso por um simples seguro de automóvel. Por meu carro grande e lxuoso, eu pago US$ 345,00. Quando você me disse que também paga R$ 1.700,00 de IPVA pelo seu carro, não tive mais dúvidas. Nós pagamos apenas US$ 15,00 de licenciamento anual, não importando qual tipo de veiculo seja. Afinal, quem é rico e quem é pobre? Aí no Brasil, 20% da população economicamente ativa não trabalha. Aqui, não podemos nos dar ao luxo de sustentar além de 4% da população que está desempregada. Não é mais rico quem pode sustentar mais gente que não trabalha ???

Acesse a versão online: www.oecoilhagrande.com.br

Assina: Alexandre Garcia.

|

Março de 2017, O ECO 25


INTERESSANTE OPORTUNIDADE

FUNDAÇÃO PRINCIPE TRUST CONTRATA PROFISSIONAL

Job Title: Director, Fundação Príncipe Trust Reporting to: Fundação Príncipe Trust Board / Line managed by: FFI Working with: The position holder will work closely with FPT colleagues and national counterparts and other stakeholders on all aspects of the job. Responsible for: Principe Trust staff The position holder will work closely with FPT colleagues and national counterparts and other stakeholders on all aspects of the job. Responsible for: Principe Trust staff PRÍNCIPE With important forest and marine ecosystems and levels of endemism comparable to the Galapagos Islands, Príncipe is recognised world-wide for its high biodiversity and is designated as a UNESCO Biosphere Reserve. The Fundação Príncipe Trust (FPT) is one of the few established NGOs operating on the island. It was established in 2015 to promote sustainable development and biodiversity conservation, through projects that strongly focus on supporting the local community and building local capacity. This work aligns with the purposes of the Biosphere Reserve and the FPT works closely with government to support their commitment to safeguard the island’s natural and cultural heritage. FPT’s projects currently focus on sea turtle conservation, establishing and strengthening protected areas (marine and terrestrial), promoting community livelihood, ecotourism and environmental sustainability. THE OPPORTUNITY This is an exciting opportunity to lead the FPT’s small team (2 expatriate and 15 local staff) through a period of change in a challenging working environment on the island of Príncipe. Established by the company HBD, and after 3 years of direct support and sponsorship, the FPT is now transitioning towards being a fully selfsufficient organisation. The FPT is seeking a visionary, experienced and dynamic Director to lead the organisation through this period of change and beyond. Reporting to the FPT Board and with direct support from partner organisations,

26 Março de 2017, O ECO

|

the Director will lead on organisational direction and all aspects of management including forward strategy, the evolution of operational systems, staff management and fundraising and development. Initially, and until the organisation’s capacity has been built, you will also provide technical oversight of the FPT’s marine programme. You will be a qualified and experienced manager, able to provide strong leadership and take responsibility for the management and development of the organisation from the outset. An effective communicator with strong people management skills, you will have the skills and experience required to build a supportive working environment and effective team. You will also have technical experience in a relevant field including biodiversity conservation and/or social development. You will have a proven track record in all aspects of programme and/or project management and will be skilled in providing advice and technical input to the design, development, implementation and evaluation of projects. Príncipe is a small remote island; this position will suit an individual who is solutions-oriented and who enjoys working in a dynamic and challenging environment . TERMS AND CONDITIONS

 Relocation flight on commencement of employment (if applicable)  Repatriation flight on termination of employment (if applicable)

ficer, Eurasia at: Fauna & Flora International, The David Attenborough Building, Pembroke Street, Cambridge, CB2 3QZ, United Kingdom

NB: This is an unaccompanied position

Please mark your application ‘Director, Fundação Príncipe Trust and indicate in your covering letter where you saw this position advertised.

Hours of Work: This is a full-time position requiring flexible working. HOW TO APPLY Applications, consisting of a covering letter explaining why you are applying for the position and relating your experience and skills to the role, a full CV, and contact details for two referees (who will not be approached without your permission) should be submitted via email to Eurasia@fauna-flora.org or by post to Rebecca Plant, Programme Finance Of-

Start Date: 1st June or as soon as possible Duration of contract: One-year fixed term contract, with potential to extend subject to business need and funding availability Probation Period: Four months Salary range: EUR 31,500 - EUR 36,500 depending on skills and experience (cost of living on Principe estimated at €500 per month) Location: Fundação Príncipe Trust, Santo Antonio, Príncipe, São Tomé & Príncipe Benefits: For international appointments, FFI expatriate benefits apply:  30 working days’ annual leave entitlement plus national public holidays observed in Príncipe  Accommodation allowance of EUR 370 per month  Medical insurance

Acesse a versão online: www.oecoilhagrande.com.br

Check full job description and application instructions on the attached application pack. The closing date for applications is Sunday 30 April 2017. Find out more about Principe Island at: http://www.fauna-flora.org/principeisland-a-tiny-biodiversity-wonder-in-thegulf-of-guinea/


INTERESSANTE

DIREITO À COMUNICAÇÃO NO BRASIL Fonte: Intervozes Colaboração: Karen Garcia “Ao longo de 2016, pôde-se observar o grande impacto de a comunicação não ter alcançado, no Brasil, o patamar de direito humano fundamental. Em uma conjuntura de crise que atinge diversas dimensões da vida pública, os meios de comunicação tiveram papel central na construção da percepção da realidade, a partir de uma disputa de narrativas e da proposição de sentidos em um contexto no qual brasileiras e brasileiros estavam imersos. O papel dos grupos de mídia hegemônicos no país, na condução ou pelo menos na consolidação do processo que levou ao impedimento da presidenta Dilma Rousseff, foi deveras reconhecido e discutido. Enquanto a crise política se acirrava, o Brasil se preparava para receber os Jogos Olímpicos Rio 2016. Neste contexto, as violações de direitos humanos em

geral e do direito à liberdade de expressão e manifestação, em particular, foram recorrentes. A cerimônia de abertura, transmitida em TV aberta pela única emissora oficial dos Jogos no Brasil – a Rede Globo – trouxe uma narrativa de diversidade cultural e coesão de classe. Enquanto cerca de 250 mil pessoas, segundo dados da Articulação Nacional dos Comitês Populares da Copa (Ancop), foram removidas de suas casas pelas obras olímpicas, na cerimônia, samba e bossa nova, favela e asfalto se encontravam em festa. Ainda hoje, o valor investido pelo Grupo Globo para arrematar a exclusividade nas transmissões não foi divulgado. Com o fim dos Jogos, a crise política atingia seu ápice. No segundo semestre, o andamento das investigações da Operação Lava Jato e o anúncio do governo de instituir uma reforma previdenciária e a promulgação da Proposta de Emenda à Constituição 55 elevou a ebulição das

forças sociais à máxima potência. Neste contexto de acirramento, o direito à comunicação virou novamente instrumento de barganha do Executivo na busca por garantir mínima estabilidade política. É exemplo disso o fato de um dos primeiros atos do governo de Michel Temer, ainda interino, ter sido a demissão do diretor-presidente da Empresa Brasil de Comunicação (EBC). Consolidado o golpe, Temer editou a Medida Provisória 744, que modifica a lei que criou a EBC, extinguindo o Conselho Curador da empresa, espaço participativo criado para garantir o cumprimento dos princípios da comunicação pública. O plenário da Câmara aprovou a medida em 14/12/2016. Ao mesmo tempo, com um discurso de austeridade, Temer acabou com o Ministério das Comunicações integrando a pasta ao que viria a ser o Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. No âmbito do legislativo,

atendendo ao poderoso lobby das empresas de telefonia, algumas iniciativas apontaram para uma maior flexibilização do regime público de prestação de serviço de acesso à telefonia e internet e para a renúncia, por parte do Estado, de 17 bilhões em bens reversíveis. Após ser enviado para sanção de Temer, o projeto de Lei 79/2016, que modifica a Lei Geral de Telecomunicações nos termos

colocados acima, foi objeto de liminar do Supremo Tribunal Federal (STF) em fevereiro de 2017, retornando ao Senado para análise de recursos. Além disso, em comissões da Câmara e do Senado, tramitam projetos que avançam na contramão da garantia da privacidade dos/as internautas e da neutralidade de rede, princípios basilares do Marco Civil da Internet. (continua na próxima página) ...

Enquanto cerca de 250 mil pessoas foram removidas de suas casas pelas obras olímpicas, na cerimônia, samba e bossa nova, favela e asfalto se encontravam em festa. Ainda hoje, o valor investido pelo Grupo Globo para arrematar a exclusividade nas transmissões não foi divulgado.

Acesse a versão online: www.oecoilhagrande.com.br

|

Março de 2017, O ECO 27


INTERESSANTE No campo da radiodifusão, à concentração de mercado se soma o avanço de grupos econômicos ligados a entidades religiosas. Através da posse direta de canais e/ou por meio de práticas questionáveis de arrendamento ou transferência das outorgas, grupos religiosos poderosos têm ocupado a radiodifusão para a conversão de fiéis e para a propagação de mensagens ideológicas condizentes com seus interesses culturais, políticos e econômicos. Ainda nesse âmbito, a posse de políticos em mandatos eletivos de canais de rádio e televisão também não mostra sinais de fraqueza, pelo contrário. No Congresso nacional essa lógica de apropriação também segue expressiva. Hoje, 40 parlamentares são alvo de ação no Supremo Tribunal Federal por, a despeito do artigo 54 da Constituição Federal, serem concessionários de serviços de radiodifusão. Neste cenário em que os meios de comunicação consolidam-se como atores centrais nas definições dos ru-

mos políticos do país, as políticas públicas na área tornam-se alvo de disputas entre empresas, sociedade civil e o Estado no âmbito Legislativo, Judiciário e Executivo. Em geral, o interesse público segue sendo ignorado a despeito dos interesses de lucro e/ou de capital político de grupos econômicos que compreendem a comunicação tão somente como um negócio(...)”. Com apoio da Friedrich Ebert Stiftung, o Intervozes lançou a publicação “Direito à comunicação no Brasil 2016” que reúne reportagens que foram publicadas ao longo de 2016 no Observatório do direito à Comunicação e buscam apresentar um panorama dos principais fatos que marcaram o ano no campo do direito à comunicação. O material está disponível para download gratuito neste link: https:// goo.gl/743bH1 Nas próximas edições iremos reproduzir algumas das reportagens que compõe a publicação. Boa leitura!


INTERESSANTE

COMO O MUNDO ESTÁ REDESCOBRINDO ELIZABETH BISHOP Uma biografia e uma peça de teatro recuperam a figura da poeta norte-americana, que construiu parte de sua obra no Rio Marta Rébon Em 1951, aos 40 anos, a poeta norte-americana Elizabeth Bishop parte de Nova York em um cargueiro com o desejo de dar a volta ao mundo. Não é uma simples turista em busca de prazeres e inspiração. Ao se expatriar, deseja soltar lastro, escapar de um pesado fardo cheio de episódios de depressão e alcoolismo, alternados com fortes ataques de asma e surtos de eczemas, que ameaçam truncar sua carreira como escritora. A competitiva cena literária nova-iorquina, somada à solidão que ali a invade, choca-se com seu extremado acanhamento e fragilidade emocional, marcados pela ausência de um pai que, morto prematuramente, não chegou a presenciar seu primeiro aniversário, e de uma mãe que, afundada pela dor, não tardou a ser internada num manicômio e a desaparecer por completo da sua vida. A partir de então, Elizabeth ficará às vezes sob os cuidados da família paterna, e às vezes da materna, sem chegar a encontrar o calor de um verdadeiro lar. Na verdade, quando vive com as irmãs de sua mãe, seu “sádico” tio a submete a abusos que só confessará, décadas mais tarde, ao seu psiquiatra, como revela a recente biografia Miracle for Breakfast (“milagre no café da manhã”), de Megan Marshall. Não é de estranhar que, numa

entrevista à The Paris Review, Bishop tenha confessado que quando menina se sentia como uma convidada. “Acho que sempre me senti assim”, dizia. Marshall, ex-aspirante a jovem poeta e ex-aluna dela em Harvard em 1976, conta por email que Bishop “não acreditava que se pudesse ensinar a escrever, e dizia que os poemas, no seu caso, começavam como um mistério e uma surpresa, e que os concluía à base um de grande esforço e de árduo trabalho”. O navio SS Bowplate, cujo destino era a Terra do Fogo, faz sua primeira escala no porto de Santos, e a escritora a aproveita para visitar, no Rio do Janeiro, um compatriota dela e sua mulher, Maria Carlota Costallat de Macedo Soares, a quem havia conhecido quatro anos antes em Manhattan. A viagem toma então uma direção imprevista: obrigada a passar semanas de cama por causa de uma intoxicação virulenta, acabará por permanecer mais de quinze anos no Brasil. Sua anfitriã, a quem todos chamam de Lotta, nascera em Paris e era filha de um magnata da imprensa carioca. Cosmopolita e envolvida na vida cultural e política do seu país, abre-lhe de par em par as portas da sua impressionante fazenda Samambaia, em Petrópolis, 70 quilômetros ao norte do Rio. Quando a relação entre ambas se estrei-

ilhamara.ilhagrande@gmail.com

Elizabeth Bishop, fotografada aos 43 anos na fazenda Samambaia. ta, Lotta, arquiteta e paisagista autodidata, manda construir um estúdio para a poeta. Suspenso no ar como um mirante de vidro, ergue-se de costas para a casa, alheio à azáfama doméstica e arrulhado pelas águas de um riacho. O escritor Michael Sledge reconstrói em A Arte de Perder (Leya, 2011) a relação sentimental entre as duas mulheres. Uma história vivida com intensidade e com desenlace trágico: Lotta morreu de overdose – não se sabe se acidental – durante uma visita à sua já ex-amante em Nova York, em 1967. Durante os 14 anos de vida comum, a escritora cria memoráveis peças em prosa, nas quais

recupera, por exemplo, os ecos da sua difícil infância na Nova Escócia (Canadá) e em Massachusetts; publica sua segunda coletânea poética, Uma Primavera Fria, prêmio Pulitzer em 1956, e concebe um terceiro, Questões de Viagem (1965), no qual lança a pergunta: “É falta de imaginação o que nos obriga a vir / a lugares imaginados, em vez de ficar em casa?”. A paisagista carioca, por sua vez, trabalha infatigável, durante os últimos anos do relacionamento, para dar à sua cidade o imponente Aterro do Flamengo: um projeto exaustivo, que cobrará um alto preço pessoal. Tudo o que Lotta tem de expansiva e


INTERESSANTE segura, Bishop tem de tímida e introspectiva, mas da combinação desses polos opostos surge um vínculo que transformará a vida e a obra de ambas. Para Bishop, isso representou fincar raízes pela primeira vez em um lugar e se permitir ser merecedora do amor de alguém: “Às vezes, parece que só as pessoas inteligentes são estúpidas o suficiente para se apaixonar, e que só as estúpidas são inteligentes o suficiente para se permitirem ser amadas”, escreveu em um caderno. Quando seus caminhos se cruzam -- Bishop já havia publicado um primeiro livro de poemas, Norte e Sul. Sledge observa que sua “escrita era um trabalho tão rigoroso que deixar um poema em um ponto aceitável podia levar anos”. Mais do que criar um mundo, como fazem muitos poetas, Bishop descreve com sobriedade o que vê, sem nunca ceder ao sentimentalismo, que detestava, e parece encorajar sossegadamente o leitor ao observá-lo mais de perto. Sua poesia é de percepção, na qual as palavras transmitem uma verdade transitória, nunca absoluta, sem entrar em detalhes em confissões ou verter frases categóricas. Em sua obra convergem, estranhamente, o impessoal com o íntimo. Bishop evitava os rótulos, quaisquer fossem eles: mulher, lésbica, modernista ou norte-americana. Sua dúzia de histórias e quatro livros de poemas, um por década desde seu começo, são um bom exemplo da exigência com a qual

30 Março de 2017, O ECO

|

enfrentava cada composição. Megan Marshall, sua biógrafa, acredita que a popularidade da escritora continuará aumentando e menciona, entre outros exemplos, a recente obra de teatro de Sarah Ruhl, Dear Elizabeth, que condensa 800 páginas de relacionamento epistolar entre Bishop e o também poeta Robert Lowell. Em um de seus melhores poemas, Bishop nos lembra de algo muito simples, embora essencial, que viver é aprender a conjugar o verbo perder: “Perca um pouco a cada dia. / Aceite austero, a chave perdida, a hora gasta bestamente. / A arte de perder não é nenhum mistério”. Marshall aponta que Bishop nos “mostra que a perda é uma experiência universal, e, ao escrever tão bem sobre esse tema, consegue criar, paradoxalmente, algo que perdura”. Acrescenta que a poeta era amante do espanhol, idioma que aprendeu quando adulta e ao qual se sentia unida “já que passou vários meses durante a Segunda Guerra Mundial no México, onde conheceu Pablo Neruda, e foi então que deve ter sabido da existência do poeta Miguel Hernández, cuja Elegia tentou traduzir em 1970, e que certamente influenciou a composição de seu imortal Uma Arte, sua elegia”. Fonte: El País Colaboração: Karen Garcia

Acesse a versão online: www.oecoilhagrande.com.br

A poetisa com a cozinheira e escritora culinária Rosemary Manell.


O Eco Jornal - Edição 215  

Edição de Março de 2016

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you