Issuu on Google+

ANO II Nº10 JANEIRO/FEVEREIRO 2011

www.oconfeccionista.com.br

Tecidos profissionais Evolução e Tecnologia

Preview Verão 2012

Tecidos e looks

Vendas on-line

Lojas virtuais em expansão

A alma brasileira Outono inverno 2011 Grife Francesca Romana no Rio Fashion Business O Confeccionista JAN/FEV 2011

1


2

O Confeccionista JAN/FEV 2011


O Confeccionista JAN/FEV 2011

3


sumÁrio

o

FOTO: pedrita junkes

FOTO DE CAPA: murillo tinoco

34

Artigos 16 Normatização 30 Mercado 50 Vida Executiva 56 Modelagem 58 Manutenção

4

capa Preview

Primavera/Verão 2012

38

Passarela

52

Vendas on-line

76

Tecidos profissionais

14

Mercado Infantil

20

Gestão

44

Negócios/Rio-à-Porter/Fashion Business

62

Mercado

64

Logística

72

Denim

74

Lavanderia

Seções 8 Em dia 60 Estante 80 Em pauta

ANO II • NÚMERO 10 • JAN/FEV • 2011

O Confeccionista JAN/FEV 2011

Outono/Inverno 2011 em grande estilo

O poder do e-commerce Compras num click

Evolução e Tecnologia

Qual é a sua tribo?

Crescimento sustentado Inspiração oriental Projeção Internacional Alquimia fashion

Fáceis de vestir Eficiência garantida

Verão 2012

Qualidade reforçada


O Confeccionista JAN/FEV 2011

5


editorial

Brasil brasileiro

N

Linha Direta

redação O Confeccionista editora@oconfeccionista.com.br (11) 2769-0399 www.oconfeccionista.com.br

este início de ano, regado, como sempre, pelas fortes chuvas no Sudeste, as cidades de São Paulo e Rio de Janeiro foram palco dos já tradicionais eventos têxteis e de moda Rio Fashion, Rio-a-Porter, Senac Fashion Business, Encontro de Moda, São Paulo Prêt-a-Porter, Fit016, São Paulo Fashion Week e Première Brasil. Mas, afinal, vamos vender bem este ano? Com faturamento estimado de US$ 52 bilhões, cerca de 10% maior que o de 2009, segundo a Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecções), o setor continuou enfrentando em 2010 a concorrência dos importados e sofrendo com a valorização do Real. Isso colaborou para que a balança comercial brasileira acumulasse um déficit de 75% no ano em relação a 2009, ao pular de US$ 2 bilhões para US$ 3,5 bilhões. Enquanto a indústria do vestuário cresceu 7,5% de janeiro a novembro, as vendas do varejo aumentaram 11,09% no mesmo período, o que comprova o avanço das peças estrangeiras. As importações de vestuário vêm num crescente nos últimos anos. Passaram de US$ 100 milhões FOB em 2003

o Diretor-Geral - Júlio César Mello juliocesar@oconfeccionista.com.br Diretora de Relações com o Mercado Bernadete Pelosini bernadete@oconfeccionista.com.br Editora - Vera Campos (Mtb 12003) editora@oconfeccionista.com.br Repórteres - Camila Guesa camila@oconfeccionista.com.br Laura Navajas laura@oconfeccionista.com.br Editora de Arte - Marisa Corazza marisacorazza@gmail.com Designer - Leandro Neves leneves@oconfeccionista.com.br

6

para US$ 1,7 bilhão FOB em 2010. Será que o Brasil está condenado a seguir os passos dos Estados Unidos e dos países da Europa, que deixaram de ser produtores de confecções para se tornarem meros consumidores? Se isso ocorrer, o que será feito de nosso parque industrial e dos milhares de empregos que o setor gera? O cenário que se apresenta para 2011 é este, agravado pela elevação dos preços de suprimentos como o algodão, por gargalos logísticos e pelo peso da energia elétrica. Há oportunidades em vista, como os mega eventos esportivos, o aumento de renda da população, o PAC e o Pré-Sal. Vale também exigir das entidades de classe que briguem junto ao Governo em prol de seus associados. E cabe aos confeccionistas procurarem fazer a sua parte, buscando a qualidade e a eficiência na produção, com produtividade, lembrando sempre que é impossível competir com os asiáticos em preços. Bom 2011!

Vera Campos Editora editora@oconfeccionista.com.br

Colaboraram nesta edição: Marcelo Mariaca, Moisés José Abreu, Soeli de Oliveira e Sonia Duarte (textos) Internet - Mulisha rafael@mulisha.com.br Financeiro - Mauro Gonçalves financeiro@oconfeccionista.com.br Circulação - Ana Paula Candermo anapaula@oconfeccionista.com.br Publicidade comercial@oconfeccionista.com.br Executivos de Negócios Juliana Coutinho juliana@oconfeccionista.com.br Leandro Galhardi leandro@oconfeccionista.com.br Simone Rodrigues simone@oconfeccionista.com.br Assinaturas assine@oconfeccionista.com.br

O Confeccionista JAN/FEV 2011

Impressão - Prol Gráfica Tiragem - 22.000 exemplares. Distribuição Nacional O Confeccionista é uma publicação bimestral da Impressão Editora e Publicidade Ltda., distribuída aos empresários da indústria de confecção. É vedada a reprodução total ou em parte das matérias desta revista sem a autorização prévia da editora. Todas opiniões e comentários dos articulistas e anunciantes são de responsabilidade dos mesmos.

Redação - Rua Teodureto Souto, 208, Cambuci – São Paulo – SP. CEP: 01539-000 - Fone: (11) 2769-0399

www.oconfeccionista.com.br


A mais

e ECONÔMICA linha de produtos para fixação e marcação de etiquetas.

Jet Form

Jet Form

Composição de tecidos em: Resi-Jet, Jet-Laser, Tyvek, FA, Formulários contínuos, Rótulos, Etiquetas adesivas jato de tinta, laser matricial, código de barras, aplicadores, agulha, Fast-Pim, cordão de encaixe Ribbon, Nylon resinado. Jet Form

Jet Form

(11)

3714-5482 Rua Marselha, 755 - Jaguaré SP Cep: 05332-000

O Confeccionista JAN/FEV 2011

7


em dia A 30ª edição da São Paulo Fashion Week veio com tudo. Entre 28 de janeiro e 2 de fevereiro, os amantes da moda puderam conhecer as tendências e os lançamentos de estilistas renomados para o outono/ inverno de 2011. A grife Neon, por exemplo, de Dudu Bertholini e Rita Comparato, apresentou uma coleção baseada no universo feminino, com o tema “Perfumes, batom e surrealismo”. Já a Maria Bonita, de Danielle Jensen, mostrou peças inspiradas em fotos históricas da construção de Brasília, numa coleção dominada pelo branco e preto. Fause Haten usou o tema “Simplicidade, liberdade”, apresentando uma coleção elegante e com muito estilo. Os 15 anos da SPFW serão recontados em um documentário de nove episódios, com transmissão prevista para setembro, no canal GNT.

Imposto de máquinas

Empresários do setor de máquinas têxteis podem aproveitar até março de 2011 a suspensão do ICMS – Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços. O benefício, que havia sido concedido em junho de 2010 com término previsto para 31 de dezembro, foi prorrogado para 31 de março de 2011, conforme o Decreto nº 56.457, assinado pelo então governador Alberto Goldman. O decreto determina a prorrogação da suspensão do imposto cobrado às máquinas têxteis novas fabricadas no estado de São Paulo e também para máquinas importadas novas ou usadas sem similar nacional.

8

O Confeccionista JAN/FEV 2011

A nova cara da Colcci

FOTOs: Pedrita Junkes

Os 15 anos da SPFW

O ator norte-americano Ashton Kutcher foi o escolhido para a campanha outono-inverno 2011 da Colcci. Segundo o marketing da grife, o público deve se identificar com Kutcher pelo seu estilo de vida versátil e moderno, de um jovem que consegue ser chique casual ao mesmo tempo. Considerado uma imagem forte, por despertar a admiração das mulheres e o respeito masculino, o ator foi fotografado por Steven Klein, responsável, entre outros trabalhos, pela direção de clipes de Madonna e Lady Gaga, ao lado da top brasileira Alessandra Ambrosio, uma das angels da Victoria’s Secret.

Texfair Home 2011

A cidade de Blumenau, em Santa Catarina, irá abrigar, entre 22 e 25 de fevereiro, a edição de 2011 da Texfair Home – Feira Internacional de Produtos Têxteis para o Lar, principal evento latino-americano do setor. Cerca de 400 marcas formadoras de opinião e lançadoras de tendências do segmento de têxteis para o lar já confirmaram presença no evento. São aguardados mais de vinte mil compradores do Brasil e do exterior. Eles poderão conferir os lançamentos de fabricantes de cama, mesa, banho, cortina, tapete e decoração. Nos 26 mil m² de área de exposição, os lojistas especializados em artigos para o lar, decoração e presentes poderão reforçar seus estoques com as últimas tendências em almofadas, edredons, mantas, tapetes, toalhas, lençóis, cortinas e acessórios, entre outros artigos.

2


O Confeccionista JAN/FEV 2011

9


em dia O ano de 2010 foi bastante aquecido para o setor têxtil em São Paulo, maior produtor e consumidor do país. As informações foram anunciadas pelo Sinditêxtil – SP, que representa a cadeia produtiva no Estado. Segundo a entidade, as vendas de têxteis cresceram 7, 69% de janeiro a setembro, em relação ao mesmo período de 2009, enquanto a indústria do vestuário vendeu 13,02% a mais. Neste ano, a previsão é de aumento de 4% na produção e de 5,5% nas vendas. Para assegurar este crescimento, as empresas têxteis de São Paulo estão investindo bastante. Só na importação de máquinas, os gastos de 2010 devem totalizar US$ 310,9 milhões. O BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, emprestou ao setor cerca de US$ 437 milhões, dos quais US$ 317 mi foram para as indústrias e US$ 120 mi para as confecções. A expectativa é que, em 2011, esses investimentos continuem e alcancem a marca de US$ 1 bilhão. Alfredo Emílio Bodunki, presidente da Linhas Bonfio, substitui Rafael Cervone Netto na presidência da entidade no mandato dos próximos dois anos.

Provador virtual

Para quem quer comprar, mas gosta de conferir o look e pedir a opinião dos amigos, a Maria.Valentina, marca do grupo Morena Rosa, lançou um provador virtual em seu site www.mariavalentina.com.br. A ferramenta permite que as pessoas provem as roupas pelo computador e postem fotos em redes sociais, como twitter e facebook. É um sistema inédito, que usa detecção de movimento e realidade aumentada para gerar a prova das peças, com opções de ampliar ou reduzir a imagem e tirar fotos. Para usar, basta um computador conectado à internet e uma webcam.

10

O Confeccionista JAN/FEV 2011

Feimaco em março

Entre 29 de março a 01 de abril, o Pavilhão de Exposições do Anhembi abrigará um dos principais eventos da indústria de confecções da América Latina: a sexta edição da Feimaco - Feira Internacional de Máquinas e Componentes para a Indústria de Confecções. Este ano, a feira traz uma novidade: incluirá também os setores de tecidos e aviamentos, com palestras de interesse do setor. Expositores de máquinas para modelagem, corte, costura e para bordar, além de Equipamentos para Passadoria, componentes (partes e peças) e acessórios (para acabamento e aviamentos) estarão reunidos para apresentar o que há de melhor no segmento

FOTOS: divulgação

São Paulo investe


O Confeccionista JAN/FEV 2011

11


12

O Confeccionista JAN/FEV 2011


O Confeccionista JAN/FEV 2011

13


mercado infantil

Qual é a sua

Reflexo do comportamento e da identidade de um grupo, a moda infantil segue os passos da adulta. Onde se inspirar para criar as coleções?

FOTOS: DIVULGACÃO

POR VERA CAMPOS

tribo?

Elian: conforto e boa modelagem

14

O Confeccionista JAN/FEV 2011

F

oi-se o tempo em que o presente favorito para o público infantil era o brinquedo: carrinho para os meninos, boneca para as meninas. Hoje, as crianças estão cada vez mais autônomas, logo criam um estilo próprio de se vestir e sabem muito bem o que querem. Estão atentas à moda e à boa aparência, mais informadas, vaidosas e exigentes. Da mesma forma como os pequenos, evoluíram os canais de pesquisa. Pesquisar moda hoje, sobretudo infantojuvenil, é bem diferente da década passada, afirmam os confeccionistas, cientes da importância de fazer um trabalho de busca específico sobre o universo dos pequenos consumidores. Não há como negar que os formatos das pesquisas mudaram muito, surgiram diversas ferramentas e novos canais de informação. “Com a globalização, fortalecida pelas redes de relacionamento e a difusão de informações feitas pelos blogueiros, pode-se pes


quisar moda diariamente”, assegura Veruska Cândido, gerente de Produto e Marketing da Banana Danger, desde 1982 no mercado de roupas infantis e infantojuvenis. No caso da empresa, viagens de pesquisa para a Europa e os Estados Unidos servem apenas para busca de novas tecnologias, desenvolvimento de novas matérias-primas e como suporte ao direcionamento dos investimentos. “Temas, formas e detalhes-chave, impostos por birôs de tendência, a meu ver, estão completamente defasados para os nossos dias”, afirma Veruska, para quem “a observação e a intuição tornaram-se a principal fonte de pesquisa”. Já Lela Barbosa Torre, uma das sócias e fundadoras da Chicletaria, grife voltada a crianças de zero a 12 anos e há mais de três décadas no mercado, avalia ser “fundamental estar sempre a par das tendências de moda mundiais, já que hoje as pessoas viajam mais e são influenciadas por tudo o que veem em outros países”. E se a moda reflete o comportamento de certos grupos, a moda infantil também bebe dessa fonte. Além disso, o fastfashion determina que a identidade das coleções esteja cada vez mais ligada ao estilo de vida do público-alvo. “Por isso, antes de tudo, é importante, no cotidiano, ter contato com o universo infantil, compreender o que influencia cada geração”, ressalta Lela. Os pais são os primeiros ídolos e forte referência das crianças. “Assim, é preciso estar atento também ao estilo e à forma de viver da família a que a criança ou o jovem pertence, para melhor desenvolver as coleções”, completa. Mas, antes de definir o estilo das coleções, deve-se perguntar: “Que tribo eu me proponho a vestir?”. A partir dessa referência, a imersão no mundo da moda segue de modo criativo, acrescenta a sócia da Chicletaria.

Mundo adulto

O processo de criação de moda infantil hoje se iguala ao da moda adulta em termos de pesquisa de cores, tendências e comportamento, e também segue os mesmos processos, seja na criação, na produção e, por que não, na modelagem. “Mas o produto final deve procurar

Chicletaria e Banana Danger: de olho em pesquisas

expressar o mundo lúdico da criança e oferecer conforto”, destaca Eliete Caviguioli, diretora da Elian Têxtil, dona de marcas que atendem desde bebês até moda jovem adulta. Mas, qualquer que seja a faixa etária ou a tribo, antes de desenvolver as coleções, é preciso identificar “sinais” que ajudem a identificar visualmente a marca e que possam ser agregados ao projeto. Outros passos são: eleger as ma-térias-primas, as formas e proporções e a linguagem do produto. Vale lembrar que a criança, o pré-adolescente e o adolescente estão em pleno crescimento e cada fase é muito distinta da outra. Isso significa que as informações sobre tendências devem ser absorvidas de acordo com cada faixa etária, o que vale também para a modelagem. Esse cuidado deve ser tomado também por quem atende os menores: “bebês e primeiros-passos pertencem a faixas etárias diferentes, com necessidades específicas”, diz Marcio Gonçalves, diretor da Zig Mundi, confecção voltada a crianças de zero a três anos das classes A e B. Segundo ele, é preciso observar a anatomia da criança nessas diferentes faixas etárias, entender as necessidades de cada fase e, na modelagem, desenvolver formas e linhas que agreguem conforto e elegância à peça, além de coordená-la ao projeto de criação para dar força à comunicação do produto na coleção.# O Confeccionista JAN/FEV 2011

15


dica do especialista Normatização

Diferencial Competitivo A adoção de normas técnicas para o vestuário acarreta benefícios como a padronização dos processo produtivos, melhoria da qualidade e aumento da produtividade, entre outros

16

Vivemos um momento de acirrada competição no segmento de vestuário brasileiro. O número cada vez maior de novas empresas no mercado e o crescimento das importações acabam por levar os empresários do setor a uma verdadeira guerra de preços, comprometendo margens de lucro e colocando em risco a saúde financeira dos negócios. Parte da nossa pequena participaç��o no mercado externo se deve à grande capacidade produtiva da China, que responde por quase 47% da produção mundial de vestuário a um custo baixíssimo. Isso é agravado pela falta de incentivos fiscais do governo brasileiro, o que contribui para encarecer nossos produtos, e pela quantidade reduzida de empresas aptas a atender as exigências de qualidade e pontualidade dos clientes no exterior, inclusive no que diz respeito à adequação a normas técnicas. Nesse cenário tão concorrido, a normatização do vestuário aparece como uma forma de agregar valor aos produtos e às empresas fabricantes, gerando um diferencial através da inovação e da qualidade, trazendo benefícios duradouros. As normas técnicas contribuem para o desenvolvimento de toda a cadeia produtiva têxtil e de confecção, garantindo produtos e serviços mais eficientes e seguros. A normatização tem como

O Confeccionista JAN/FEV 2011

Alexandre Gonçalves de Melo é sócio diretor da Parra e Melo Solutions e diretor de Depto de Tecnologia do IBV – Instituto Brasileiro do Vestuário

objetivos principais proporcionar economia às empresas, reduzindo variedades de produtos e procedimentos, além de promover uma comunicação eficaz entre fornecedores e clientes através da padronização de procedimentos e produtos, e prover meios eficazes para o consumidor aferir a qualidade. Trata-se também de um importante argumento de vendas que pode ser explorado tanto no mercado interno quanto no externo, agregando valor ao produto final. As normas também contribuem para regular a importação de produtos que não estejam em conformidade com as normas do país importador, garantindo igualdade de condições entre os fabricantes. Diversas instituições, como Associação Brasileira da Indústria do Vestuário (Abravest), Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), Senai e Sebrae, trabalham para viabilizar e disseminar normas ABNT para o segmento de vestuário brasileiro. Entre as ações mais recentes, destacam-se as normas para meias e medidas para vestuário infantil (15.525/15.800, já concluídas) e masculino (em andamento), normas de desempenho para uniformes escolares (15.778), e atualização das normas NBR com o conteúdo da ISO, que garantem que um produto certificado aqui tenha os mesmos padrões adotados no exterior. #


PLOTTERS

Sinal + 12 vezes sem JUROS Temos outros planos em até 36 meses e aceitamos Cartão BNDES

UltraJet

Para quem precisa de muita velocidade com muita precisão

Plotter jato de tinta com 2 cartuchos HP e sem roletes de borracha

TR-1900 Compatíveis com os principais CAD’s do mercado

A plotter da canetinha comum !!!

Nosso carro-chefe (desde 1991) Campeã de economia e robustez

INFORMAÇÕES E VENDAS 21-2439-7005 www.moda01.com.brO Confeccionista JAN/FEV 2011

17


MERCADO

Vento a favor

FOTOS: divulgação

Vendas das confecções devem crescer 4% em 2011 e 40 mil novos postos de trabalho serão criados

F

aturamento de US$ 54 bilhões, com crescimento de 3,5% no setor têxtil e de 4% em confecções. Geração de 40 mil novos postos formais de trabalho. Essa é a projeção da Abit – Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecções para 2011, tomando como base PIB de 4%, inflação de 5%, câmbio de US$ 1,78, juros/Selic final em 11,75% e crescimento real da renda de 3,2%. O cenário macroeconômico de 2011, segundo a entidade, será caracterizado por fatores como: aceleração do investimento, desaceleração moderada da renda e do crédito, câmbio apreciado e concorrência acirrada, e expansão moderada da demanda externa. Os riscos estão

18

atrelados ainda à elevação de preços dos suprimentos, em especial do algodão, aos gargalos setoriais e ao custo da energia elétrica. Já as oportunidades poderão vir de investimentos, do PAC, dos multieventos esportivos e do pré-sal. Entre os temas a serem abordados pela Abit para aumentar a competitividade do setor em 2011 estão: redução da carga tributária, suspensão dos incentivos estaduais para importação, assinatura de acordos internacionais, desoneração da exportação, linhas de financiamento de bens de capital por parte do BNDES a juros compatíveis com o mercado mundial e ampliação do programa “Educação Costurando o Futuro”. #

O Confeccionista JAN/FEV 2011

Ano bom

Em 2010, o setor têxtil e de confecções faturou US$ 52 bilhões (estimativas Abit). As importações somaram US$ 4,9 bilhões, enquanto as exportações chegaram a US$ 1,4 bilhão. A diferença entre os dólares que entraram e os que saíram resultou em déficit de US$ 3,5 bilhões, 75% maior que o de 2010, de US$ 2 bilhões. As vendas do vestuário registraram crescimento de 7,5% (de janeiro a novembro). Já as do varejo, no mesmo período, atingiram 11,09%. Isso sem falar que, em 2009, as vendas no varejo apresentaram retração de 2,72% e as de vestuário de 7,86%. O consumo de têxteis ao ano por habitante, que vinha num crescente desde 2003 (passou de 8,3 kg/ano para 12,8 kg/ano em 2010), deve atingir os 19,8 kg/ano em 2014, acompanhando a evolução da renda da população. Não é à toa que os investimentos em toda a cadeia têxtil, que haviam sofrido queda em 2009, voltaram a subir em 2010 e, neste ano, devem crescer mais ainda e alcançar U$ 2 bilhões. Só em máquinas de costura foram investidos no Brasil, até outubro de 2010, cerca de US$ 200 milhões, quase o dobro do valor de 2009.


O Confeccionista JAN/FEV 2011

19


gestão/case

Crescimento Sustentado Serviço de consultoria profissionaliza gestão da produção de confecção de enxovais para o quarto do bebê no interior de São Paulo Por Vera Campos

Organização da produção aumenta a produtividade da Bruna Baby

20

O Confeccionista JAN/FEV 2011

FOTOS: DIVULGACÃO

O

desejo de ter o próprio negócio leva muitas pessoas a se enveredarem pelo mundo dos negócios e abrir uma pequena confecção, não sem muito esforço e sacrifício. Quantos confeccionistas não começaram dentro da própria casa, fazendo um pouco de tudo: criando, costurando, cortando, vendendo, pagando contas? Mas logo vêm os problemas: atrasos nas entregas, devoluções por conta de defeitos, baixa produtividade, baixa rentabilidade… Enquanto o volume de pedidos ou de clientes não é muito grande, muitos conseguem conviver com essa situação e vão empurrando com a barriga. Mas como vender mais e ampliar mercados, enfrentando todas essas dificuldades que só tendem a aumentar com o crescimento do negócio? Afinal, todo empresário quer ver seu empreendimento prosperar. Pior ainda – o que não é raro – é que muitos donos de confecção nem conseguem enxergar o que vai mal na empresa, por que vai mal e de que forma implementar melhorias.


O Confeccionista JAN/FEV 2011

21


Com o casal Maria Helena e Claudemir Travessolo, donos da marca Bruna Baby, de enxovais para o quarto do bebê, não foi diferente. Em 1992, Maria Helena, então com 22 anos, começou a confeccionar peças avulsas, como lençóis e mantas. O trabalho era desenvolvido com mais duas colaboradoras num cômodo de sua própria casa, em Itápolis, a pouco mais de 300 km da capital paulista.

Mão na massa

Até alguns anos atrás, o casal fazia de tudo um pouco, desde atender ao telefone até acompanhar a produção, cortando ou costurando. Não havia um encarregado de produção, por exemplo, que os liberasse de uma série de tarefas. “Com isso, não podíamos nos ausentar da empresa, tirar férias, pois sem nós a coisa não funcionaria sozinha”, recorda Claudemir. A produção era meio “embolada”, causada pela má disposição dos setores e das máquinas, o que reduzia a produtividade. As matérias-primas ficavam esparramadas pelo salão, algumas pelo chão (caso dos rolos de tecidos), outras em caixas de papelão”. Além disso, cada colaborador realizava o trabalho no seu tempo e não no tempo do produto. “Assim, a produtividade não era tão alta e as entregas dos pedidos atrasavam. Nós mesmos cuidávamos da expedição, tínhamos as datas de entregas na cabeça”, conta o empresário. Dessa forma, como continuar crescendo? “Sem organizar a produção, não poderíamos vender mais, pois não teríamos como entregar os pedidos no prazo – e isso nos queimaria junto aos clientes”, ressalta Claudemir. Por esse motivo, os proprietários da Bruna Baby contrataram, há alguns anos,

22

“Sem organizar a produção, não poderíamos vender mais, pois não teríamos como entregar os pedidos no prazo – e isso nos queimaria junto aos clientes”, ressalta o proprietário da Bruna Baby os serviços de uma consultoria especializada, visando melhorar aspectos organizacionais, operacionais e comportamentais dos colaboradores.

Pensar a empresa

“A consultoria nos mostrou que a função dos donos na empresa é pensar e tomar decisões, e não ficar colocando a ‘mão na massa’ no chão de fábrica”, lembra Claudemir. Segundo ele, a produtividade e a qualidade da produção melhoraram com a adoção de prateleiras e de plataformas de trabalho mais adequadas, rearranjo da linha de produção, só para citar algumas das modificações realizadas. Dessa forma, foi possível produzir mais e melhor – e com planejamento. Já no primeiro ano da consultoria, as vendas cresceram aproximadamente 52% em faturamento. “E conseguimos entregar a grande maioria

O Confeccionista JAN/FEV 2011

dos pedidos em dia”, assegura o empresário. Em junho de 2010, a Bruna Baby se mudou para um prédio próprio, maior, com 2.100 m2 de área construída. Hoje, a empresa conta com 60 colaboradores diretos e 170 indiretos, tem representantes de vendas em São Paulo, Goiás e Paraná. Nas novas instalações, a consultoria auxiliou na elaboração de um layout de fábrica funcional, com um fluxo lógico do processo e armazenamento correto das matérias-primas. Máquinas convencionais de bordar e corte para final de enfesto, entre outras, foram substituídas por eletrônicas.

Melhoria contínua

Como o processo de melhoria deve ser contínuo, a consultora voltará em 2011 para implementar novas ferramentas, tais como cronoanálise, regulamento interno e, futuramente, visar uma produção mais limpa, com aumento da eficiência no uso de matérias-primas, água e energia, por meio da não geração, minimização ou reciclagem de resíduos produzidos, trazendo benefícios ambientais e econômicos para os processos produtivos Claudemir avalia a consultoria como indispensável. “Ela fornece uma base sólida para o andamento dos processos, de como as coisas devem funcionar. Se não, crescer com problemas é o mesmo que ir abrindo uma cratera e, uma certa hora, a gente afunda dentro dela”, finaliza.

2


O Confeccionista JAN/FEV 2011

23


Adequação do layout, limpeza e organização

Inspiração Oriental

A metodologia dos 5 “S”, criada no Japão há mais de vinte anos, foi a ferramenta que possibilitou que a Bruna Baby se organizasse para poder crescer

24

P

ara melhorar a organização e a produtividade da Bruna Baby, foi preciso estabelecer métodos próprios, gerenciar melhor o tempo e espaço de trabalho, abrir-se para novas tecnologias, reciclar habilidades pessoais e operacionais e trabalhar relacionamentos interpessoais. A tarefa não era fácil, mas os donos da empresa aceitaram os argumentos da consultora Miriam de Jesus Rocha, da MJESRocha Consultoria e Treinamento Profissional e não se arrependem. Mas “99% do sucesso de uma consultoria depende do cliente e apenas 1% da consultora”, afirma Miriam, ex-consultora do Senai e há mais de 40 anos atuando no setor de confecções. A ferramenta utilizada desde os anos 90 para melhorar a qualidade

O Confeccionista JAN/FEV 2011

e produtividade das confecções é o programa conhecido como os 5 “S”, que propõe que sejam adotados e praticados pelos colaboradores os “sensos” de Utilização, Ordenação, Limpeza, Asseio e Autodisciplina. Coisa de oriental, uma vez que a metodologia foi desenvolvida no Japão. No entanto, vem sendo aplicada com sucesso em muitas organizações pelo mundo.

De dentro para fora

De acordo com Miriam, “a ordem, a limpeza, o asseio e a autodisciplina são essenciais para a produtividade e, nos 5 ‘S’, esses conceitos são trabalhados pessoa a pessoa. E os donos têm de dar o exemplo.” Melhorando-se nesses aspectos e com planejamento, a empresa tem condições de avaliar me-

2


O Confeccionista JAN/FEV 2011

25


Produtos prontos e tecidos: tudo em seu lugar

Conheça os 5 “S” 1) SEIRI – Senso de Utilização: separar o útil do inútil, eliminando o desnecessário.

lhor o quanto é capaz de produzir e, a partir daí, traçar suas metas. Porém, segundo a consultora, o programa sozinho não assegura a eficiência da Qualidade. “É necessário haver melhorias contínuas, treinamentos e conscientização do pessoal quanto à filosofia da qualidade”, coloca. A implantação dos 5 “S” determina uma mudança “de dentro para fora” no comportamento de cada um dos profissionais da empresa. É quase um trabalho de formiguinha, no qual a habilidade do consultor em lidar com o ser humano é decisiva para obter a adesão de todos e as mudanças desejadas. “Procuramos estimular a motivação, mostrando que viemos para melhorar aquilo que eles já fazem bem,” conta a consultora. Ou seja, é preciso que eles aprendam a realizar seu trabalho de forma técnica e não como cada um acha que deve ser feito. “As peças devem ter um tempo determinado para serem feitas, caso contrário, isso gera gargalos”, acrescenta Miriam.

26

Tecnicamente correto

A prática dos 5 “S” possibilitou mudanças de comportamento e atitudes no ambiente de trabalho, trazendo benefícios no campo profissional e pessoal. “Esse foi o início do trabalho: primeiro conscientizar os colaboradores de que teríamos de fazer o certo, ou melhor, o que é tecnicamente correto, não o que cada um achava que tinha que fazer”, explica Miriam. Cada fase é intimamente ligada à outra, sendo também um “prérequisito” para a consolidação da fase seguinte. Uma vez iniciado o processo, fica mais fácil dar continuidade à implantação do método. Assim, haverá consolidação do Sistema da Qualidade e melhoria do desempenho geral no setor. “Fizemos também uma avaliação do arranjo físico por setores da produção. Desenvolvemos um layout funcional, que possibilitou o fluxo lógico do processo, com armazenamento correto das matériasprimas, dentre outras medidas”, conta a consultora. (V.C.) #

O Confeccionista JAN/FEV 2011

2) SEITON – Senso de Ordenação: identificar e arrumar tudo, para que qualquer pessoa possa localizar facilmente o que deseja. Deixar mais próximo de si aquilo que será utilizado e não mais que isso. 3) SEISO – Senso de Limpeza: manter um ambiente sempre limpo, eliminando as causas da sujeira e aprendendo a não sujar. Nada de comer sobre aquilo no qual se está trabalhando, por exemplo. 4) SEIKETSU – Senso de Asseio: manter um ambiente de trabalho sempre favorável à saúde e higiene. Isso implica, até mesmo, cuidados no asseio pessoal. 5) SHITSUKE – Senso de Autodisciplina: “fazer dessas atitudes, ou seja, da metodologia, um hábito, transformando os 5 'S' num modo de vida.”


Modelo J

Anos

Modelo J

Máquina para revisar, medir, alinhar e enrolar tecido plano em diâmetro de até 800mm

Máquina para revisar, medir, alinhar e enrolar tecido plano em diâmetro de até 800mm

Modelo J Modelo J

Máquina para revisar, medir, alinhar e enrolar tecido plano em diâmetro de até 800mm Máquina para revisar, medir, alinhar e enrolar tecido plano em diâmetro de até 800mm

Modelo J

Modelo J

Máquina para revisar, medir, alinhar e enrolar tecido plano em diâmetro de até 800mm

alista i c e p s E uinas q á m em le de o r t n o para c dade quali

Modelo J

WALTER PORTEIRO INDÚSTRIA DE MÁQUINAS.

Máquina para revisar, medir, alinhar e enrolar tecido plano em diâmetro de até 800mm

Máquina para revisar, medir, alinhar e enrolar tecido plano em diâmetro de até 800mm

WALTER PORTEIRO INDÚSTRIA DE MÁQUINAS.

Rua Imigrantes, 211 - Jd. Ipiranga - Americana - SP

Fone/Fax: (19) 3475.9999 www.walterporteiro.com.br

O Confeccionista JAN/FEV 2011

27


28

O Confeccionista JAN/FEV 2011


O Confeccionista JAN/FEV 2011

29


dica do especialista MERCADO

Hoje melhor do que ontem Para permanecer no mercado, é preciso estar atento às oportunidades e agir rapidamente para aproveitar cada uma delas. Mas como identificá-las?

30

Uma ideia somente é uma oportunidade quando o que é proposto satisfaz alguma necessidade insatisfeita ou mal satisfeita do mercado comprador. Em outras palavras, quando existem clientes potenciais. Uma empresa somente permanece no mercado se, no decorrer do tempo, aproveita as oportunidades que se apresentam. Fazer isso requer um comportamento empreendedor, atento ao que está acontecendo no ambiente. Na prática, significa circular dentro e, principalmente, fora da empresa, procurando falar com clientes, colaboradores, fornecedores e concorrentes. Marcar presença em feiras, exposições e eventos relacionados com o seu setor de negócios, ler revistas e jornais do seu segmento, participar de reuniões e encontros em associações e sindicatos, buscando compreender as tendências de mercado e os impactos dos fatores econômicos, políticos e sociais. Essa postura se desenvolve com o tempo e ajuda o empreendedor a ter muitas ideias para agregar valor ao seu negócio. É pouco provável que se possa obter lucros comercializando produtos ou serviços sem atratividade. Se a empresa se destaca das demais concorrentes, tem grande chance de ganhar a preferência dos clientes na

O Confeccionista JAN/FEV 2011

Soeli de Oliveira é consultora e Palestrante do Instituto Tecnológico de Negócios, nas áreas de Varejo, Vendas, Motivação e Atendimento

hora da decisão de compra, mesmo que esteja praticando preços superiores.    O que fazer para minimizar o risco do novo e do desconhecido? Realizar uma pesquisa de mercado junto aos clientes potenciais, mesmo que em pequena escala, procurando entender seus hábitos e preferências, serve para testar a aceitação de novos produtos, serviços e ideias, possibilitando fazer os ajustes necessários que diminuirão os riscos e aumentarão a probabilidade de darem certo. Para ser competitivo, perceber as oportunidades não é suficiente, também é preciso eficiência no planejamento, acompanhamento e controle da implantação. De uma forma simplificada, planejar significa responder: o que será feito; por que será feito; quem fará; quando será feito; como será feito, quanto irá custar. Já o acompanhamento e o controle requerem o registro das informações, o que permite a comparação do planejado com o que foi executado, para que decisões sejam tomadas em relação à continuidade das ações. Agora, mãos à obra! O que sua empresa poderia fazer – e não está fazendo – para gerar uma tremenda alteração para melhor se feito de maneira constante? #  


O Confeccionista JAN/FEV 2011

31


32

O Confeccionista JAN/FEV 2011


O Confeccionista JAN/FEV 2011

33


preview

Primavera-Verão 2012 Inspirada na cobertura das semanas de moda de Nova Iorque, Milão e Paris, a consultora de moda internacional Aissa Basile listou oito principais apostas e temas apresentados durante o Senac Moda Informação. Confira!

Alexander McQueen

Hippie Chic As túnicas – estampadas, com barrados, bordados ou safari - prometem ser o hit da estação. Vestidos vaporosos, mais longos, com frente única também devem marcar presença. Calças trompete e boca de sino, com cintura bem baixa, aparecerão em versões atuais.

34

O Confeccionista JAN/FEV 2011


Flash Back Anos 70 Apoiado nos subtemas Rock Fever, Glamour Sexy, Snob e Hedonista, o tema traz vestidos com fendas vertiginosas, bainhas assimétricas, decotes (um ombro só e frente única), macacões frente única - com e sem pregas - e calças retas, cenoura e palazzo (pijama). Ombros valorizados, skinnys e jaqueta biker, com tachas, matelassês e comprimentos variados.

Louis Vuitton

Giambattista Vali

FOTOS: DIVULGACÃO/MARINA SPROGI

Sensualidade minimal Sobreposições, transparências, estampas, rococós, tons flúor e listras e espaço para volumes, cores e shapes, junto a detalhes metalizados e contraste óptico.

Giambattista Vali

Romance bucólico Fresco e delicado como um jardim na primavera. Destaque para vestidos com alças cruzadas nas costas e pantacourts (calças mais curtas), microvestidos e longuetes com babados ao lado de túnicas e vestidos ombro a ombro com mangas bufantes. O Confeccionista JAN/FEV 2011

35


Sport City Leggings e joggers com bastante mistura de matérias e sobreposições. Inspirações nos trajes dos judocas e em jaquetas moles desestruturadas, amarração paraquedas e cadarços no tom são as apostas.

Louis Vuitton

Perfume Oriental Neste tema, vestidos de gueixa e a túnica mandarim reforçam a feminilidade. Quimonos, transpasses e faixas também marcam presença.

Stella McCartney

36

O Confeccionista JAN/FEV 2011

Stella McCartney

Sedução Andrógina Mesclando o universo deles e delas, aqui figuram os terninhos dos anos 1970 e as calças pijama, com frente flatch e algumas pregas, assim como o smoking da mesma década. Destaque também para as camisas, mais curtas na frente alongando em cauda nas costas.


59 O Confeccionista mai/jun 201037 O Confeccionista JAN/FEV 2011


Passarela/ Rio Fashion

Outono Inverno em grande estilo Na semana dos dias 11 a 15 de janeiro os fashionistas cariocas curtiram um evento que teve moda, música e muito glamour. A 18ª edição da Fashion Rio marcou o início da temporada outono-inverno no Brasil. Brilho, peles, franjas e mistura de cores fortes ao branco, preto e xadrez marcaram as coleções. Para acompanhar a badalação, os convidados puderam alternar desfiles com shows de músicos como Tulipa Ruiz. Confira, a seguir, alguns destaques.

Alessa

Abrindo os desfiles, Alessa investiu no tema Doce Lar, com modelagens confortáveis, babados, cintura marcada, cores como chocolate, cereja e caramelo. Nos tecidos, apostou no brilho do cetim, no crepe de seda, tule, malha, renda, tweed e jacquard, além da pelúcia nos casaquinhos. Estampas com desenhos de confeti, bombons e cupcakes, algumas transparências.

38

O Confeccionista JAN/FEV 2011

Fotos: Agência Fotosite / Ze Takahashi

POR Laura Navajas

2


O Confeccionista JAN/FEV 2011

39


Passarela/ Rio Fashion

TNG

Levando às passarelas os globais Mayana Moura e Reynaldo Gianecchini, a TNG inspirou-se no movimento beatnik e apostou no denim, que figurou nas calças tipo boyfriend para elas e nas retas com a barra dobrada para eles. A alfaiataria aparece misturando xadrezes em looks com cintura alta e boca de sino, e tradicional, com blazer boyfriendsize para elas e calça de cavalo mais baixo e folgado para eles.

40

Acquastudio

A oposição entre natureza e lifestyle das grandes cidades foi o tema do desfile da grife, que apresentou peças com tecidos como a lã, a organza estampada e crinol em pregas, espirais e formas arquitetônicas. Na cartela de cores predominaram o gelo, o camel, a prata, o grafite e o preto. A marca também exibiu peças xadrezes e lisas, sempre com laços, dobras e camadas, que valorizaram a silhueta feminina, outro objetivo da coleção.

O Confeccionista JAN/FEV 2011

Patachou

Peças sóbrias e elegantes marcaram o desfile da grife mineira, que privilegiou transparências, brilho e texturas variadas, com franjas, drapeados e pregas desconstruídas, além de rendas e paetês. Lãs, seda e tule foram usados para criar vestidos, calças, saias e coletes, com predomínio de looks monocromáticos entre cinza, grafite, marinho e preto.

2


O Confeccionista JAN/FEV 2011

41


Passarela/ Rio Fashion

Coven

Uma coleção que explora o universo da tecelagem e tapeçaria, ao misturar fios e técnicas. A aposta foi em uma silheta elegante, com vestidos retos, saias justas e calças mais curtas. Lurex, flame, buclé e chenille foram os tecidos escolhidos, com prevalência de preto e branco, mas com muito xadrez e argyle nas estampas, além de azul, rosa e verde. A franja também apareceu em vários looks.

42

Maria Bonita Extra

A ultrafeminina Maria Bonita Extra uniu os mundos da dança e da moda, com looks leves em tons pastéis, versões light do streetwear e sportswear, com segundas peles rosadas nas mangas e bermudas ciclistas sob shorts curtos. Moletom, organza, camadas de tule, laços, corações e babados foram bastante usados na coleção da marca comandada pela estilista Ana Magalhães.

O Confeccionista JAN/FEV 2011

Walter Rodrigues

Looks parecem sóbrios, monocromáticos e pretos, suavizados vez por outra pelo off white. Zíperes dão forma aos bolsos e finas listras estampam algumas peças. Optando por silhuetas simples, o estilista apresentou saias e vestidos longos, além de calças, casacos e trench coats mais estruturados. Cetim, cerruti, crepe, malha, musseline e tricoline estão entre as matérias primas.


O Confeccionista JAN/FEV 2011

43


negócios

Projeção internacional

Salão de Negócios do Rio-à-Porter atrai compradores nacionais e estrangeiros POR Camila Guesa

C

FOTOs: agência fotosite

roupas, acessórios, jóias e calçaompradores nacionais e dos. Para conferir as tendências internacionais invadiram para o outono-inverno 2011, foram o Cais do Porto, no Rio de convidados executivos da Itália, Janeiro, entre 10 e 13 de janeiro, para Espanha, Estados Unidos, Nova participar da 17ª edição do Rio-àZelândia e Irlanda. Porter, o salão de negócios da moda A programação foi aberta com o e design que ocorreu em paralelo ao Rio Moda Hype, desfile que apreRio Fashion. sentou peças de dez jovens estilisContando com um número de tas. Desse concurso, promovido expositores equivalante à edição pelo Instituto Brasileiro de Cultura, passada da temporada de inverno Moda e Design (Imbracultmode), (169), o Rio-à-Porter ocupou uma com patrocínio do Sebrae no Rio área de 8 mil metros quadrados do de Janeiro e Ministério da Cultura, Píer Mauá e ofereceu aos visitantes participaram 200 candidatos de topalestras exclusivas, programas de do o País. fidelidade e espaço para vivenciar Junto a isso, dez marcas mostranovas experiências. ram suas coleções em um espaço Uma das novidades do evento, proque incentivava o público a vivenduzido pelo Grupo Luminosidade em ciar outras experiências, como gasparceria com a Francal Feiras, foi a tronomia, música e design. Entre as criação do Comitê de Grifes, um grugrifes que desfilaram, dirigidas por po formado pelas marcas que partiRuy Furtado, com trilha da Rádio ciparam do salão e que buscam aproIbiza, figuram: Ellus 2nd Floor, My fundar o processo de consolidação e Philosophy, Basthianna, Armadillo, desenvolvimento da moda. Entre as Reffinata, o Grupo Natural Cotton Desfile propostas do Comitê, está o Clube Natural Cotton Color Color e Bianca Marques. VIP, um programa de fidelização que O salão contou também com palestras exclusivas do oferecerá benefícios diferenciados aos compradores, Senai Moda e do site internacional de tendências WGSN. com validade já a partir desta edição da feira. E, para fechar com grande estilo, as personalidades da moda brasileira - Costanza Pascolato e Gloria Kalil – Do mundo participaram de um bate-papo descontraído, mediado Sob o mote “A alma carioca, que traduz o jeito de pelo escritor, roteirista e diretor, Alberto Renault.# viver da cidade”, os expositores trouxeram, além de

44

O Confeccionista JAN/FEV 2011


O Confeccionista JAN/FEV 2011

45


46

O Confeccionista JAN/FEV 2011


O Confeccionista JAN/FEV 2011

47


negócios

Patricia Vieira

Carlos Miele Victor Dzenk

Combinação de elementos garante sucesso de vendas no Senac Rio Fashion Business por Laura Navajas

A

união entre estilo, inovação, sustentabilidade, cultura e outros elementos foi a nova proposta de fazer negócios no mundo da moda, apresentada durante a 17ª edição do Senac Rio Fashion Business, que aconteceu entre os dias 10 e 13 de janeiro, na Marina da Glória. Totalizando investimentos de R$ 16 milhões, 310 expositores e vinte mil lojistas convidados dividiram as atenções de mais de 50 mil visitantes.

48

Com o tema “Alquimia”, o evento, que já é considerado a maior bolsa de negócios da América Latina, promoveu palestras, fóruns e desfiles, além de apresentar soluções tecnológicas e estratégias para desenvolver o mercado de moda. Tudo isso para reforçar a necessidade de adaptação à nova realidade mundial, instantânea, ágil, atenta ao que o consumidor precisa, de acordo com a diretora geral do Fashion Business, Eloysa Simão.

O Confeccionista JAN/FEV 2011

Vendas

Segundo os organizadores, nos dois primeiros dias do evento 60% das marcas já haviam superado as cotas de vendas estipuladas para a edição outono-inverno 2011. Caso de Cavendish, Mara Mac, Verty, Afghan, Botswana, Patrícia Viera, Cholet, Victor Dzenk, Chow e Datskat. Compradores dos Estados Unidos e a Europa ficaram de fora porque, segundo Eloysa, ainda não superaram a crise e já não

FOTOS: DIVULGACÃO / MURILLO TINOCO

Alquimia fashion


mercado tão importante. “Com o dólar desvalorizado, nossa roupa está cara. O Brasil é a bola da vez para investimentos estrangeiros. A concorrência no mercado interno será acirrada e o governo terá de optar entre impostos ou empregos, sendo que a moda é o segundo setor que mais gera postos no país”, lembra. Na “Ethical Fashion Show”, a produtora francesa Isabelle Quehé explicou que a Moda Ética deve levar em consideração as pessoas por trás das suas roupas, assim com o meio am­biente; daí a importância da sustentabilidade.

Desfiles

Já nos desfiles, destaque para a estilista Patricia Vieira, que abriu a temporada no Copacabana

Salão de tecnologia O mundo moderno usa e abusa da tecnologia. O universo fashion, portanto, não podia ficar de fora. Nesta edição, o Senac Fashion Business, apresentou o Salão Tech, para mostrar aos lojistas os lançamentos de produtos e serviços que agregam tecnologia. Um dos destaques foi a vitrine interativa, que permite que as pessoas provem as roupas virtualmente, além de interagir com os compradores. Outro foi um sistema que rastreia o cliente, assim que ele entra na loja, identificando as compras que ele fez, qual setor preferido, a fim de facilitar o atendimento. Foram, ao todo, 60 expositores, todos com materiais interessantes para se ver.

Palace para 300 convidados, com uma coleção inspirada nos anos 60, com silhueta mais ajustada ao corpo e calças cigarette. O estilista Victor Dzenk mostrou as luzes, brilhos e o mundo de sonhos da cidade de Las Vegas. Já Carlos Miele apresentou 11 modelos masculinos, dos 38 looks, pro-

vando o espaço que os homens ganharam no mundo fashion. Ainda participaram do evento muitas outras marcas importantes, trazendo aos visitantes as últimas novidades em moda e tecnologia. Entre elas, Agilitá, Ellus Second Floor, Folic, Herchcovitch e Carmim, num total de 43 marcas. #

Quer novidades para valorizar ainda mais a sua coleção?

Nós temos!

Aviamentos O Armarinhos 25 está cada vez melhor. A loja recém inaugurada, o Armarinhos 25 Fashion, oferece aviamentos que estão na moda. Aviamentos que acompanham as tendências de cada coleção. É pensando em você que estamos nos tornando o mais completo revendedor de aviamentos. Aqui tem. Qualidade, variedade e comprometimento.

Dry Propaganda Floripa

Conheça nossa nova loja e se surpreenda

BRÁS Rua João Boemer, 805

11

49 O Confeccionista JAN/FEV 2011 11 3224-2525

Aviamentos

BOM RETIRO • Rua Júlio Conceição, 455 • 11

2790-2525

BOM RETIRO Rua Júlio Conceição, 411

3313-2525

www.armarinhos25.com.br


dica do especialista vida executiva

Entre erros e acertos Aprendi, ao longo do tempo, que é importante arriscar e se permitir errar; que não temos o que temer ao nos lançarmos ao desconhecido, ainda que o medo nos ronde o tempo todo

50

Quando, aos seis anos de idade, me mudei com minha família da Bolívia, onde nasci, para Troy, nos Estados Unidos, logo tive de me acostumar com a casa, o idioma, a cultura e os amigos. Tudo novo. Além do fato de eu não ser loiro e de olhos azuis, como a maioria das pessoas do local, lá pelos 16 anos, percebi que, conforme o tempo passava, minhas calças continuavam me servindo, não ficavam curtas como a de todos os outros garotos. Conclusão: eu seria um baixinho. Já que não cresceria em altura, seria, então, um grande profissional. Aquela determinação precoce pode soar engraçada agora. No entanto, também demonstra que podemos, a qualquer momento, encarar o desafio de mudar o rumo da nossa trajetória para chegarmos aonde desejamos, desde que o medo de errar não nos impeça de ousar. Hoje, quase meio século depois daquela, digamos, implacável constatação, lanço meu primeiro livro, Erre Mais, no qual dou 65 conselhos sobre liderança, relacionamento, demissão, autoimagem, empreendedorismo e aposentadoria, entre outros assuntos relacionados ao universo profissional. São 65 porque é a minha idade atual, com a qual me sinto bem e feliz, preparado para aprender e contribuir com o bem-estar e a evolução das pessoas.

O Confeccionista JAN/FEV 2011

Marcelo Mariaca é presidente do Conselho de Sócios da Mariaca e professor da Brazilian Business School

Mas por que aconselhar as pessoas a errarem mais? Porque acredito que é praticamente impossível chegar ao sucesso sem passar por algum fracasso. E esse pensamento não se resume somente ao universo corporativo. Aprendi, ao longo do tempo, que é importante arriscar e se permitir errar; que não temos o que temer ao nos lançarmos ao desconhecido, ainda que o medo nos ronde o tempo todo. Executivos, como todos os seres humanos, não estão imunes aos erros, muitas vezes, fatais para o negócio. Mesmo os mais bem-preparados podem cometer deslizes históricos. Guardadas as devidas proporções, o erro faz parte dos avanços, das descobertas e das invenções, e é fundamental no processo da aprendizagem. Para ter sucesso, a empresa deve desenvolver a cultura da inovação e, para isso, precisa incentivar entre os gestores a ousadia, a criatividade, a autonomia na tomada de decisões e a capacidade de correr riscos. A maneira como enfrentará esses riscos e obstáculos é que determinará o sucesso ou o fracasso da empreitada. Mais humildes que os executivos, os cientistas admitem que só chegam à certeza por meio de um interminável processo de tentativa e erro. A humanidade agradece.# 


PLOTAG

UM SEJAUEADO Q N A R F

FAÇA O MELHOR SEMPRE,

E MAIS RÁPIDO MO

D

GRA

GE A L E

M

Ã Ç A DU

O

T U A XE I A ENC

O

IC T Á M

O

d a c Style por

use cida , e r de mp *Co 0 dias e 9

Tecnologia Economia Rapidez Desempenho Papéis Branco e Kraft

Etiquetas Especiais

Pathfinder K3000

www.plotag.com.br

11.3339-6824 *Condição exclusiva para Stylecad com redução dos custos de venda e treinamento.

vendas@plotag.com.br O Confeccionista JAN/FEV 2011 51

inovdesign.com.br

SISTEMAS E SUPRIMENTOS


CAPA

O poder do

e-commerce

O

hábito de comprar roupas pela internet ainda é pouco comum no Brasil, se comparado com outros países, mas a evolução do ecommerce e o aumento das marcas e lojas de vestuário que apostam nesse canal está mudando esse cenário. Prova disso é que, entre 2008 e 2009, o segmento de moda e acessórios registrou um crescimento de 108% no número de pedidos feitos em sites, com alta de 115% no faturamento, segundo a E-bit, empresa especialista em informações do comércio eletrônico. “Nessa equação, deve-se levar em conta vários fatores, desde as alternativas da macroeconomia global até as mudanças financeiras e sociais da população. Há também o aumento dos índices de renda e emprego, a retomada de crédito e o crescente domínio das classes C e D nas compras on-line”, afirma o diretor geral da E-bit, Pedro Guasti. E várias são as razões que levam os consumidores a transferir o há-

52

Pontos falhos

As vendas de confecções pela internet crescem, mas ainda enfrentam a resistência dos consumidores em relação ao tamanho e caimento das peças e à segurança da operação POR Camila Guesa

bito de compras das lojas para o meio eletrônico. Entre elas, a difusão da banda larga, que permite velocidades maiores de navegação, melhores ferramentas (como o zoom e a rotação de imagens) e políticas mais liberais de devolução de pedidos. Isso sem contar a facilidade de comprar sem sair de casa, sentado comodamente à frente do computador.

O Confeccionista JAN/FEV 2011

Mas nem tudo são flores no negócio on-line. Na venda de vestuário pela internet, as empresas ainda têm de enfrentar certa resistência do consumidor, que prefere vestir, sentir e experimentar a roupa antes de comprá-la. “O consumidor gosta e quer interagir, tocar a peça, ver os mínimos detalhes. Por isso, vender roupas que não possam ser provadas antes da finalização da compra é sempre um desafio, pois o comprador quer garantir que de fato o produto servirá”, avalia o diretor comercial da KR3_ Bugbee, Rafael Amorim. Sediada em Jaraguá do Sul/SC, a KR3 produz roupas para meninas e, desde maio de 2009, comercializa seus produtos pelo canal exclusivo no portal de ecommerce Posthaus. Outro ponto a ser alinhado no mercado de moda brasileiro é a falta de padrão no tamanho das peças, o que faz com que as pessoas corram o risco de comprar uma roupa que não lhes serve. Pensando nisso, a


Associação Brasileira do Vestuário (Abravest), junto à Associação Brasileira de Normas e Técnicas (ABNT), está se mobilizando para definir o padrão de medidas para roupas adultas a ser seguido pela indústria. Tal padronização já foi alcançada no caso das meias e roupas infantis.

Como fazer?

Ciente da propensão dos brasileiros em comprar pela web, cabe ao confeccionista saber como lucrar com a rede. “O e-commerce é um varejo e deve ser tratado com igual seriedade. Tal qual uma loja física, tem de apresentar variedades de modelos, administrar estoques, entregas, atendimento etc”, ensina a superintendente de marketing da ACSP e VP de Marketing da Associação Brasileira das Relações Empresa Cliente (Abrarec), Sandra Turchi. Ela destaca que é importante selecionar muito bem os parceiros, tanto no desenvolvimento do site quanto no que se refere a pagamentos e entrega dos produtos, para dar segurança ao comprador. Na elaboração do site, o empresário deve buscar referências de lojas na rede e montar a sua com o maior detalhamento possível, especificando seções, modelos, tamanhos das roupas e materiais, prazos de entrega, custo e tempo de frete, formas de pagamento. O investimento a ser feito depende do montante que o confeccionista separou para a loja virtual; “É possível começar, por exemplo, montando páginas em shoppings virtuais, pagando a partir de R$ 50 por mês, com personalização restrita. Para algo mais customizado, é preciso um investimento na casa dos R$ 10 mil, em média”, ressalta Sandra.

E-consumidores: Como e o que compram? Pesquisa feita no primeiro semestre de 2010 pelo portal byMK com 1.193 pessoas revela que, dos que compram moda pela internet, 21% adquirem roupas, 30% maquiagem, 16% joias, 26% acessórios, 19% calçados e 9% adquirem peças de lingerie e praia. 61% dos entrevistados efetuam o pagamento com algum tipo de operação de crédito. Entre as formas de compra, 31% pagam à vista, 28% parcelam se não houver juros, 15% parcelam com ou sem juros, 18% compram com cartão de crédito e apenas 8% usam débito on-line ou boleto. Entre os principais fatores que pesam na compra de roupas pela web estão as dúvidas sobre o caimento da peça (25%), desconfiança da troca (21%) e a segurança ao colocar dados de cartão de débito ou crédito na loja virtual (21%). Quase 12% não adquirem produtos por não saberem suas medidas. Fonte: portal byMK

Garantias

Para pagamentos, é aconselhável buscar parcerias com empresas como o PagSeguro e o Mercado Seguro, que garantem proteção dos dados e do pagamento, tanto do consumidor quanto do lojista. Caso a empresa opte por não fazer esse tipo de parceria, é importante oferecer opções de pagamento ao consumidor, para que ele possa escolher aquela que melhor lhe convier, seja boleto bancário, débito em conta ou cartão de crédito. Vale lembrar que as diferentes bandeiras de cartões cobram taxas que devem ser incluídas no orçamento reservado aos gastos com o site. Os Correios são um dos meios logísticos mais utilizados e de melhor garantia para entrega das peças, segundo consultores, pois, além de ter um custo menor, cobrem todo território nacional. Mas a consultora da ASCP recomenda ter mais de uma opção de operador logístico para o caso de os Correios entrarem em greve.

Redes sociais

Para divulgação e disseminação da marca, as redes sociais são um apoio importante para o negócio virtual. “Participar dessas redes é necessário para todas as empresas, mas isso exige amadurecimento da marca”, aponta a consultora de gestão e moda e coparceira da B2Brasil, Mônica Frossad. “Para se ter uma ideia, o que se gasta fazendo um catálogo é quase dez vezes mais do que fazer uma página da empresa na web”, exemplifica. Além disso, as redes sociais ajudam a confecção com um feedback melhor e mais rápido dos seus produtos, como, por exemplo, conhecer a opinião dos consumidores logo que as coleções são lançadas. “É uma comunicação mais direta e que transforma os consumidores em coautores das coleções, e não só espectadores. E isso exige o amadurecimento da marca”, reforça Mônica, que conclui: “O que for superficial se mata quando chega nas redes”.

O Confeccionista JAN/FEV 2011

53

2


CAPA

Compras num Com faturamento de R$ 13 bilhões (segundo estimativas) em 2010 e crescimento de 30% em relação ao ano anterior, o varejo on-line continua atraindo mais e mais consumidores.

I

númeras são as confecções que aproveitam esta crescente demanda e, entre elas, a KR3 Confecções. Presente em todas as regiões do País por meio de lojas multimarcas, a detentora da marca infantil Bugbee, foi fundada em Santa Catarina em 2009, com foco em vestuário para meninas de 2 a 10 anos e, desde maio de 2010, possui uma página personalizada no portal Poshaus. “Resolvemos investir no e-commerce porque a internet está cada vez mais presente na vida das pessoas. É uma forte tendência”, observa o diretor comercial da empresa, Rafael Amorim. Para ele, entre as principais vantagens de se vender pela internet estão a maior margem de lucro, menores custos de propaganda e maior interação com o consumidor final. “Além disso, a web é um importante meio de divulgação da marca, podendo atingir diferentes públicos nas mais variadas regiões”, completa.

Questão de escolha

Também sediada no sul do País, a Kula, confecção de roupas sensuais para mulheres, foi criada em junho de 2007 em fase de testes e em novembro do mesmo ano se lançou no mercado virtual, sem dispor de loja física. “Optamos pelo e-commerce pelo fato desse tipo de venda não exigir uma estrutura física, e tam-

54

O Confeccionista JAN/FEV 2011

click

bém porque queremos vender somente para o consumidor final”, explica o diretor administrativo da empresa, Sérgio Piole. Para elaborar sua loja virtual, a Kula optou por um sistema pronto, de empresas especializadas em montagem de sites. Para tanto, pagou uma taxa de cadastro de 800 reais, e se incumbe apenas de alimentar o site com fotos, descrições e meios de recebimento. “Optamos pela parceria com a administradora Pagseguro, que trabalha com todas as formas de pagamento e ainda Camú Camú: Negócio virtual exige mesma dedicação da loja física


faz os acertos em 14 dias, deduzidas taxas; diferentes dos cartões que são até 30 dias”, diz Piole.

Sem fronteiras

A grife de roupas infantis Camú Camú, em setembro de 2010, também entrou para o comércio virtual. “É um projeto bem recente e que estamos aprimorando”, diz a diretora de Marketing Josiane Scudeler. A executiva diz que a empresa resolveu investir nesse canal por conta da capilaridade que a internet proporciona. “Temos loja própria em São Paulo e em outras praças trabalhamos com multimarcas, mas a web possibilita ampliarmos nosso campo de atuação”, diz. Josiane afirma que uma loja virtual precisa da mesma dedicação de uma loja física quanto à divulgação, treinamento e visual atrativo, além de tudo o que possa substituir a falta do toque e da experiência de compra pessoal, que é, segunda ela, é o maior obstáculo à venda pela internet. Para dar apoio às vendas, a Camú Camú mantém perfis nas redes sociais twitter, facebook e Orkut, além de um blog. #

Shopping on-line

Criada em 1983, com o objetivo de comercializar vestuário e utilidades domésticas por meio de catálogos para a região de Santa Catarina, a Posthaus figura hoje entre os maiores portais de comércio eletrônico de vestuário do Brasil, com mais de 2 milhões de acessos por mês. De vendas por reembolso postal e pelo sistema porta-a-porta, a Posthaus migrou, em 1997, para o e-commerce, de olho no futuro. Hoje, de todos os produtos que disponibiliza, 60% são da própria Posthaus e/ou sem marcas, de produtos mais populares, e 40% de parceiros que possuem páginas personalizadas no próprio portal. Nesse último caso, a marca é quem define o preço e como irá disponibilizar seus produtos no site. E comissiona o portal sobre o montante que vender. A vantagem é que a Posthaus se responsabiliza por toda estrutura logística de atender, cobrar, trocar, entregar etc.

O Confeccionista JAN/FEV 2011

55


dica do especialista modelagem

Peça essencial Saia, coisa de criança, mocinha e mulher. Que peça é essa que nos cobre com pudor e, que, com uma simples fenda, torna as mulheres mais sensuais?

Sonia Duarte é pesquisadora, professora e autora do livro MIB –Modelagem Industrial Brasileira

Saia, um substantivo feminino que ora mostra, ora esconde, e que faz parte do guarda-roupa de todas as mulheres que vivem no planeta Terra. As saias têm uma gama de recursos e estilos que as tornam infinitamente diferenciadas e criativas. Os estilistas se apoiam nela para direcionar a silhueta da estação. Nas últimas temporadas, os volumes estiveram direcionados para a cintura em efeitos tulipa, o que fez com que também ressuscitassem as pregas e até mesmo os franzidos, estes nem sempre bemaceitos pela mulher brasileira por realçar, ainda mais, o tão famoso volume dos quadris. Segundo Ruth Joffily, jornalista e professora de Moda, “míni, micro, comprimento na altura dos joelhos, midi, longa, saia-calça, saia rodada, saia justa... não importa o tamanho ou a modelagem: saia é coisa de mulher.

Que tal ousar mais no modelito? Desloque a cintura para cima ou para baixo, subindo ou descendo a linha da cintura. Aumente a roda do último babado, acrescentando alguns centímetros a mais na largura. Use tecidos diferentes em cada babado. Coloque entremeios divertidos entre eles. 56

O Confeccionista JAN/FEV 2011


Modelagem Visual da Saia

C.F.

Modelagem Visual da Saia

Centro Frente

Sobre a modelagem

A saia com babados franzidos tem a construção sobre as bases da peça. Siga os passos indicados no croqui e modele uma linda saia que também pode ser na versão bem curtinha. • Trace a base da frente e defina o comprimento alongando ou encurtando a base. • Divida o comprimento da saia em três partes iguais: a primeira, junto à cintura, é rente ao corpo e pode ser substituída por pala quando cortada dupla. As outras duas partes são os babados. • 2ª parte, babado 1 = o dobro da largura da base. • 3ª parte, babado 2 = o dobro da largura do babado 1. • Feche a pence da parte 1. • Anote a leitura dos moldes e marque o símbolo de franzido. • Repita todos os passos com a base das costas. #

O Confeccionista JAN/FEV 2011

Fio

Cortar 1 X 2.º babado

57

C.F. Dobra C.F. Dobra

Fio

Cortar 1 X 1.º babado

C.F. Dobra

Cortar 1 X Pala Frente

Fio

Moldes


dicas do mecânico Moisés José Abreu é técnicomecânico, professor de Mecânica de Máquina de Costura da escola Senai Eng. José Marchini, em SP

Como evitar problemas com máquinas de costura Iniciamos aqui uma série de artigos que visam auxiliar o operador de máquina e o empresário da confecção a obterem melhor aproveitamento de seus equipamentos e, consequentemente, aumentar a produtividade e reduzir custos

P

1

ara manter a vida útil da máquina de costura, é necessário respeitar algumas regras como: manutenção, limpeza e conservação. Quando se fala em máquinas de costura, há um número muito grande de modelos, tipos e marcas. Nesta matéria, vamos falar somente sobre máquinas básicas: Reta e Overloque.

2

Trocar o filtro de óleo para obter maior absorção de resíduos e impurezas a cada 12 meses ou a cada troca de óleo, em média

Para aumentar a vida útil da lançadeira, uma boa dica é observar se ela está sempre lubrificada. Em geral, em todas as máquinas retas, existe um parafuso de regulagem do fluxo do óleo. Quando girado para a direita, aumenta o fluxo, quando girado para esquerda, diminui. A bomba de óleo deve estar sempre limpa para realizar uma boa sucção.

3

Limpar o dente (transportado) com auxílio do pincel para garantir mais qualidade ao transportar o material, principalmente, nos retrocessos, e evitar a quebra da chapa fixa por excesso de sujeira.

58

O Confeccionista JAN/FEV 2011


mdavid

i’m

fashion MAIS DE 30 CURSOS DE MODA ESPECIALIZADA EM MODA

Desenho de Moda Estilo - Designer de Moda Corte e Costura Modelagem Industrial Técnico de Moda Personal Stylist Malharia Produção de Moda Visual Merchandising e Vitrine acesse nosso site e veja todos os cursos

[ cursos de moda ]

UNIDADES Vila Mariana / F. 5904 6461 Santo Amaro / F. 5523 5340 Tatuapé / F. 2092 8641 Santana / F. 2977 2502 Lapa / F. 3873 4005 Brás / F. 2694 1554 Artur Alvim / F. 2749 8935 Santo André-ABC / F. 4427 7933 Campinas-SP / F.19 3234 9897

sigbol.com.br

Seja um franqueado sigbolfashion / F. 11 5904 6461 O Confeccionista JAN/FEV 2011

59


estante Marcia Disitzer & Silvia Vieira

er e Silvia produção

o país, os

ecialização

se campo.

a moda COMO ELA É

o mercado

Marcia Disitzer Silvia Vieira

a moda

egredos de

s de moda

COMO ELA É Bastidores, criação e profissionalização

Guia completo

8/18/10 4:57 PM

O livro mostra a rotina de trabalho nos diferentes segmentos da moda e revela o dia a dia das personalidades no mundo fashion, desde as etapas de desenvolvimento de uma coleção, passando pela história de algumas marcas, até a comercialização das peças. Traça o perfil de quem está no cotidiano dos salões de costura, das mesas de corte e das passarelas. E aborda sete importantes segmentos da produção de moda: luxo e exclusividade, tecido plano, moda íntima, moda praia, tricô e malharia, jeans e acessórios. Traz também alguns aspectos do varejo e da comercialização, comenta as perspectivas para o mercado de moda e fala da irreversível exigência de profissionalização e especialização desse mercado. Ao final do livro, o leitor encontra ainda um guia de feiras, eventos e semanas de moda no Brasil e no exterior. Livro: A Moda como ela é Autoras: Marcia Disitzer e Silvia Vieira Editora: Senac

60

O Confeccionista JAN/FEV 2011

Consumidor O livro Metaconsumidor, analisa e discute as mudanças que o aumento da relevância de temas como sustentabilidade e consumo consciente terão sobre o comportamento dos consumidores e as estratégias das empresas. Apresenta cases exemplares de varejistas e indústrias de bens de consumo de várias partes do mundo que adotaram estratégias de sustentabilidade. Outro destaque do livro é a apresentação do estudo Metaconsumidor, que aponta importantes insights sobre o comportamento de compra. Livro: Metaconsumidor Autores: Marcos Gouvêa de Souza, Alberto Serrentino, Cristiane Osso, Daniela Siaulys, Eduardo Macedo, Ivan Correa, Juliana Benchimol, Luiz Goes, Marina Mazzon, Regina Valle, Renato Müller, Roberto Caldeira e Rodrigo Catani Editora: GS&MD - Gouvêa de Souza

Marketing Jack Trout defende que uma estratégia de marketing tem de ser objetiva, simples e óbvia para ser compreendida e assimilada pelos clientes, consumidores e pelos protagonistas das empresas. O autor, presidente da Trout & Partners, uma das empresas de marketing de maior prestígio nos EUA, orienta os profissionais a assumirem posições firmes de simplificação, necessárias não só à sua própria sobrevivência profissional, mas também a de suas marcas, produtos e empresas. Ter foco no que realmente interessa, ou seja, fazer um marketing competente, comunicar-se e não “se distrair” muito com internet, Bolsa de Valores, pesquisas e até com divagações acerca do futuro. Livro: Marketing – Em busca do óbvio Autor: Jack Tout Editora: M. Books


Empreender Por que algumas regiões são empreendedoras, enquanto outras, ainda que vizinhas, encontram dificuldade para acompanhar o desenvolvimento econômico geral ou chegam até mesmo a regredir? Essa é a questão essencial que norteia este livro. A obra constitui material extremamente valioso para empreendedorismo, gestão de PMEs e desenvolvimento regional em cursos de graduação e pós-graduação. Além disso, pode servir como elemento norteador para que gestores da esfera pública e privada promovam o desenvolvimento local, ao discutir caminhos para a inovação, para a troca de conhecimento e formação de redes sociais. Livro: Empreendedorismo Regional e Economia do Conhecimento Autor: Pierre-André Julien Editora: Saraiva

De pedaço em pedaço A ideia de sustentabilidade, reciclagem e reaproveitamento de materiais ganha cada vez mais espaço no mundo da moda. Partindo desta premissa, chega ao Brasil o livro Um Pedaço de Tecido, da estilista baiana Lena Santana. Lançada no início de 2010 na Inglaterra e em outros países, a obra mostra como a estilista se vale, em suas criações, apenas de materiais sustentáveis como algodão orgânico ou tecidos antigos, até centenários. Ela ensina ainda a fazer quinze peças de roupas e acessórios de maneira simples, a partir de um corte de tecido, como sugere o título. A tarefa é compatível até mesmo com as habilidades de quem não estudou costura ou moda. Livro: Um pedaço de Tecido Autora: Lena Santana Editora: Cobogó

MODA ESPECIAL

PLANEJAMENTO

Com a falta de estudos que determinem as vestimentas adequadas para os deficientes hemiplégicos (aqueles com paralisia de um lado do corpo), esse público tornou-se carente de roupas apropriadas. Por isso, após conversas com profissionais das áreas de antropologia, medicina, filosofia e outras, e de diversas pesquisas com deficientes sobre a postura de seu corpo, a autora criou protótipos ergonomicamente ajustados. São roupas que, além de vestir, dão conforto ao usuário e o fazem sentir-se ajustado aos padrões sociais das pessoas com as quais convive. Livro: A Moda-vestuário e a ergonomia do hemiplégico Autor: Fátima Grave Editora: Belas Artes

O sucesso de uma organização depende, em grande parte, da capacidade de planejamento e implementação de estratégias. É então fundamental que os gestores (e futuros gestores) tenham habilidades para analisar ambientes, estabelecer diretrizes e formular estratégias. Estruturado de modo a facilitar a compreensão do assunto, o livro apresenta fundamentações teóricas sobre esses temas, de forma que o leitor entenda o “o quê” e o “por quê” das etapas do processo. Com estudos de caso atualizados, esta nova edição do livro disseca como as questões estratégicas se conectam às operacionais e evidencia os desafios dos administradores da corporação como um todo. Livro: Administração estratégica: planejamento e implantação de estratégias, 3a ed. Autor: Reynaldo Marcondes; Ana Maria Roux, J. Paul Peter e Samuel Certo Editora: Pearson Education O Confeccionista JAN/FEV 2011

61


mercado

Fáceis de vestir Chega este ano a pontos de venda especiais de São Paulo a linha Easy Put, moda inclusiva, direcionada a deficientes visuais e cadeirantes POR VERA CAMPOS

A

VISTA-SE!

iniciativa é fruto de uma parceria entre o Instituto Mara Gabrilli (IMG) e a marca Hey!U. Recém-empossada deputada federal e ex-vereadora por São Paulo, Mara Gabrilli é a fundadora do instituto que leva seu nome, uma organização sem fins lucrativos que desenvolve e executa projetos visando contribuir para a melhoria da qualidade de vida de pessoas com deficiência. Tetraplégica e cadeirante desde 1994, Mara tornou-se um símbolo da luta pelos deficientes físicos. Já a marca Hey!U foi criada há cerca de um ano pela jovem estilista Cristiane Soares para vestir adolescentes, pessoas antenadas e descoladas. Formada em Design de Moda pelo Senac e uma das finalistas do projeto Ponto Zero 2009, que tem como foco a descoberta de novos profissionais de moda na categoria Estilista Empreendedor, Cristiane não só tem uma veia empreendedora e criativa, mas traz em seu DNA a consciência da sustentabilidade, que deve orientar empresários – e por que não – os estilistas do século 21.

FOTOS: DIVULGACÃO

A renda arrecada com a venda das camisetas será revertida para o Instituto Mara Gabrilli, que desenvolve projetos para melhorar a vida das pessoas com deficiência.

Camisetas descoladas, confortáveis e com caracteres em braile

62

O Confeccionista JAN/FEV 2011


Mara Gabrilli dirige um instituto que leva o seu nome

“Ações sustentáveis vão além de cuidados com o meio ambiente, envolvem também preocupação com o social e o retorno financeiro”, diz a estilista, que já tem em seu portfólio uma linha de roupas denominada “Ecológico sim, ecochato não”, produzida a partir do reaproveitamento de tecidos de looks antigos.

Sensível ao toque

No lançamento do projeto, em dezembro, foram lançados cinco modelos de camiseta, todas acessíveis a deficientes visuais que, por meio de caracteres em braile colocados em cada peça, podem identificar a cor, tamanho e estamparia delas. “Os caracteres braile, em tags ou estampados nas peças, tornam a vida dos deficientes mais fácil, uma

iniciativa simples que deveria ser seguida pelos estilistas do mercado”, sugere Cristiane. Inicialmente, a coleção Easy Put está sendo vendida em São Paulo na Galeria Mundo Mix, no Sonique Bar e no Instituto Mara Gabrilli. Toda a renda das vendas será revertida para o Instituto. “Procurávamos alguém com criatividade e senso de democracia, e foi uma surpresa, pois a Cristiane na hora concordou que hoje o mercado das pessoas com deficiência é praticamente ignorado.  Bastou isso para fecharmos esta parceria com ela”, disse Mara Gabrilli. Como qualquer mulher vaidosa, ela gosta de se vestir bem, mas sempre se depara com problemas nas peças que compra. “Minhas saias, por exemplo, têm de ser de um tecido grosso e firme, com fecho prático. Por eu ser cadeirante, minha roupa fica em contato direto com a cadeira o tempo todo e as saias costumam durar poucos meses e logo ficam todas esgarçadas”, completa. Mara acrescenta que nenhuma deficiência subtrai o senso estético. “O belo é aquilo que se reflete pelo nosso olhar. Aqui eu dou mais um passinho em busca de romper com esse mundo que cultua o esteticamente perfeito. Continuo apreciando a beleza onde a vejo e é na diversidade que ela mais me atrai.” #

O Confeccionista JAN/FEV 2011

63


logística

Preparação de mercadorias no CD do operador logístico

Terceirizar a armazenagem, o controle e a gestão de estoques, e todas as operações de entrega é a opção das grifes que desejam profissionalizar a gestão POR Vera Campos

64

O Confeccionista JAN/FEV 2011

A

virada de coleção é um momento crítico para as confecções, não só no que se refere ao desenvolvimento e à produção, mas também às entregas. Isso porque é preciso preparar as peças (separar, passar, etiquetar etc), selecionar o que vai ser exposto nas vitrines, programar as datas de chegada dos produtos conforme a exigência dos lojistas e cuidar da expedição. Pior ainda quando os lançamentos são complementados por desfiles, exposição em showroom, feiras ou eventos do gênero. Essas demandas, além de tomarem muito tempo, desviam o foco das empresas de seu negócio principal, que é produzir e vender. Assim, algumas grifes começam a perceber que o melhor é transferir essas operações para empresas especializadas. É o caso da La Martina, marca de origem argentina que traduziu o sofisticado mundo do polo para o vestuário casual. Além de ser fornecedora oficial da

FOTOS: DIVULGACÃO

Eficiência garantida


Federação Internacional de Polo, oferece ao mercado as camisas utilizadas pelas equipes nos torneios (o seu carro-chefe), jaquetas, agasalhos, blusões e até uma linha infantil. A empresa chegou ao Brasil em 2002, importa boa parte de seus produtos (50%) e terceiriza aqui a produção da outra parte. Suas coleções são direcionadas a elegantes lojas multimarcas das capitais, e há planos de lançar um programa de franquias neste ano.

Eficiência nas entregas

Como associa sua imagem ao estilo de vida de quem pratica essa modalidade esportiva, ter pontualidade nas entregas é parte da comunicação da marca e um compromisso da La Martina. “O segredo para seduzir o lojista é fazer uma boa entrega, da forma como ele quer e até mesmo surpreendê-lo”, revela o diretor executivo da empresa no Brasil, Tomás Lanzillotta. Tudo isso demanda uma programação antecipada e a reorganização dos estoques, separação do mix a ser entregue, expedição, etc. “Como essas operações são críticas para nós, fabricantes, optamos por transferi-las

Marcelo, da Log FASHION: expansão ainda este ano

para parceiros de alto nível, com expertise em logística têxtil”, diz o diretor, acrescentando que as entregas da coleção de inverno da La Martina começarão a ser feitas antes do Carnaval, já em meados de fevereiro.

Foco no negócio

Assim, desde 2010, a estocagem, manuseio de peças, entradas, conferência, saídas e, por vezes, a distribuição dos produtos da marca estão a cargo da LOG Fashion, provedora logística sediada em São Paulo. “Esses serviços nos são essenciais o ano todo,

O Confeccionista JAN/FEV 2011

65

2


sobretudo porque trabalhamos com um volume grande de importados e produtos vindos de outras praças”, reforça o diretor da La Martina. Criada no ano passado, a LOG Fashion é uma provedora especializada em operações logísticas para grifes de prestígio e magazines de médio porte que atuam no segmento têxtil e de confecções. É capitaneada pelo CEO Marcelo Flório, há doze anos no mercado têxtil, com passagens por empresas como Forum, Triton, Siberian e Crawford. Segundo Flório, as grifes mais sofisticadas estão preocupadas em profissionalizar a gestão e focar mais no seu core business (negócio principal, na tradução). “E, para ter maior qualidade e eficiência nas operações logísticas, terceirizam esses serviços”, diz.

La Martina: linha de produtos para os aficcionados em polo

Qualidade nas operações

Recebimento de mercadorias, armazenamento de peças de vestuário em caixas ou em cabides, controle de estoques, separação, expedição, entrega e retirada nas lojas de produtos a serem devolvidos ao fabricante (logística reversa) são os serviços básicos oferecidos pela LOG Fashion em seu Centro de Distribuição com 2 mil m2 de área, localizado na Granja Viana. Para as entregas, a empresa conta com uma frota de 80 caminhões equipados com rastreadores. Oferece ainda serviços de maior valor agregado, como colocação de etiquetas e alarmes nas peças, e passadoria. Todas as operações são controladas por um sistema de gestão específico. Em menos de um ano de operações, a LOG Fashion conquistou quase duas dezenas de clientes, entre eles La Martina, Hanes, Zorba, Wonderbra, Kendal, Lojas Caedu, Lojas Besni, Fatal Surf, Jezzian e New Captain. O rápido crescimento do negócio motivou a empresa a programar a expansão do CD para o segundo semestre de 2011, agregando mais 4 mil m2 de área construída, isto é, triplicando a área atual. #

66

O Confeccionista JAN/FEV 2011

Serviços diferenciados As empresas prestadoras de serviços de armazenamento, controle de estoques e entrega já perceberam que para se tornarem mais competitivas precisam oferecer diferenciais, além do tradicional “feijão com arroz”. Assim é com a LOG Fashion. Além das operações tradicionais, a empresa disponibiliza serviços de montagem de lojas novas para magazines de médio porte e se encarrega também da logística de eventos de moda, entre outros.


arço 29 de m abril a 01 de

2011

midiatre.com.br

Feira Internacional de Máquinas e Componentes para a Indústria de Confecções

O MAIOR CENTRO GERADOR DE NEGÓCIOS DA INDÚSTRIA DE CONFECÇÕES NA AMÉRICA LATINA

A FEIMACO 2011 reunirá em um só espaço os mais recentes lançamentos de alta tecnologia em máquinas para modelagem, corte, costura, bordados, passadoria como também seus componentes, acessórios, partes e peças. IMPERDIVEL!

TRANSPORTE GRATUITO

ÔNIBUS CIRCULAR

AGILIZE A SUA ENTRADA

NO METRÔ PORTUGUESA TIETÊ

FAÇA O SEU CREDENCIAMENTO ONLINE GRATUITO NO SITE

Local:

www.feimaco.com.br VISITAÇÃO

Pavilhão de Exposições do Anhembi Av. Olavo Fontoura, 1.209 Santana - São Paulo/SP

Proibida a entrada para menores de 16 anos, mesmo que acompanhados.

Organização e Promoção:

Afiliada à:

Anhembi São Paulo Horário: das 13h às 20h

Apoio:

Patrocínio:

Local :

O Confeccionista JAN/FEV 2011

67


MUNDO TêXTIL

Texturas, cores e nuances FOTOS: DIVULGACÃO



Público comparece e supera edição anterior

Première Brasil reúne em São Paulo 107 expositores nacionais e internacionais que apresentaram as novidades em tecidos e aviamentos para a Primavera/ Verão 2012 POR Camila Guesa

D

epois do sucesso da segunda edição, que recebeu aproximadamente 4.600 visitantes, a Fagga/GL Events e o Première Vision promoveram, entre 19 e 20 de janeiro, a terceira edição da Première Brasil, no Transamerica Expo Center, em São Paulo. Desta vez, os visitantes puderam conferir o que será tendência em tecidos e aviamentos para a próxima temporada Primavera/ Verão 2012.

68

O Confeccionista JAN/FEV 2011

De acordo com Jacques Brunel, diretor geral da Première Vision de Paris, a meta do evento brasileiro é sempre proporcionar aos países latino-americanos um alinhamento com o calendário de moda internacional, mostrando cores e tecidos com um ano de antecedência para cada temporada. E, segundo números, esse objetivo tem sido alcançado. Isso porque, a cada evento, cresce o número de participantes internacionais (tanto expositores como visitantes), interessados no evento. Prova disso é que, dos 107 expositores desta edição, cerca de 40% vieram de outros países: Bulgária, Chile, Espanha, França, Holanda, Inglaterra, Itália, Turquia e Uruguai.


Em detalhes

Na Conferência de Moda, a diretora de moda da Première Vision, Pascaline Wilhelm, revelou as cores, tecidos e tendências da temporada por temas de moda e por mercado, com apresentação de combinações de cores e produtos para os mercados feminino, masculino, sportswear e beachwear. E para atender a expectativas de todos, o Première Brasil reuniu no Fórum as criações dos expositores do salão através de uma seleção criteriosa feita pela equipe de moda do Première Vision, apresentando os destaques em fios, tecidos e acessórios para a estação. Além disso, os visitantes puderam conferir a Cartela de Cores das estações mais quentes de 2012.

Do simples à alta tecnologia

Listras, rendados e a maciez do algodão ganham espaço entre os lançamentos em tecidos das expositoras da 3ª Première Brasil, além da aposta em alta tecnologia, mescla de fios e degradê. Confira o que apresentaram alguns deles:

Marilua A catarinense Marilua trouxe a coleção ‘Essense’, inspirada nas referências do melange e composta das mais diversificadas misturas de fios e texturas. Os visitantes puderam conferir a combinação de fios naturais e rústicos, como o linho unido ao brilho e à sofisticação dos fios fantasia e metalizados das malhas das linhas Seducci, Supreme, Precious e Soft Stripes e das gazes de linho, as grandes apostas da coleção. “Decidimos participar do evento para estar mais próximo de nossos clientes. E, como esta é uma das feiras mais conceituadas do setor, optamos também por lançar nossa coleção de produtos mais elaborados e voltados para moda”, revelou a responsável pelo setor de produtos Adriana Borchardt.

Farbe

FOTOS: DIVULGACÃO

Tecelagem Panamericana Fabricante de tecidos para moda e decoração, a Tecelagem Panamericana lançou na feira duas novas linhas: Búzios e Maresias, de tecidos 100% algodão. Efeitos degradê e de estonagem no próprio fio imitam efeitos de lavagem em lavanderia. Os tecidos são produzidos com fio tinto, o que demanda menor impacto ambiental. “Participamos da Première Brasil como expositores porque boa parte dos nossos clientes visita a feira, e aqui podemos apresentar nossos lançamentos. Além disso, o evento é muito importante para todo o setor”, explica a responsável pelo Marketing da tecelagem, Ana Rita Di Bernardo.

Especializada na fabricação de malhas circulares para moda feminina íntima e esportiva, a Farbe destacou malhas de superfície trabalhada e as listradas, entre elas a Linha Fashion com Floral Art (3D), rendas em degradê de cor e/ou com aspecto rústico. Para a Linha Lingerie, os visitantes encontraram tules flocados, estampados e rendados. “Com estes lançamentos, temos a expectativa de atender a demanda de nossos clientes  por produtos diferenciados”, destaca a responsável de marketing, Evilin Lima Tabaldi.

O Confeccionista JAN/FEV 2011

2 69


MUNDO TêXTIL  Dalila Têxtil

FOTOS: DIVULGACÃO

FOTOS: DIVULGACÃO

DuBorsatto

Para o Verão 2012 a Dalila Têxtil buscou na rusticidade e no artesanal as referências para construir os tecidos. São malhas com estrutura delicadamente ondulada, encrespada, frisada ou plissada. Outras são estruturadas com renda, gaze e crochê com tramas esgarçadas e irregulares ou microtrabalhados, que lembram tecidos de laise. No índigo, o rústico, o sofisticado e as listras vêm com força e em diversas opções, especialmente nas combinações de cores mais claras. Completam o leque malhas com efeito melange, brinel colorido, mescla com listras, botonê com bolinhas na cor cru, flamê em malha fina cru ou na cor do tecido. Para o consumidor mais exigente, malhas sofisticadas com fios nobres como seda e modal.

RVB Malhas A coleção Energia, cheia de frescor, foi o destaque da empresa. O algodão traz conforto a produtos básicos como a meia-malha, o piquet, as ribanas e o cotton. Combinado com outras fibras, dá origem a produtos com características distintas, passíveis de receber efeitos devorê ou mesmo tingimentos bicolores formando listrados ou rajados. Na sua versão mais rústica, malhas flamês com bom toque e resistência à torção. A RVB Malhas apresentou ainda, na linha esportiva Sport Dry, malhas de poliamida opaca e com função antibactericida natural, graças ao dióxido de titânio presente no fio.

70

O Confeccionista JAN/FEV 2011

Canatiba A Canatiba trouxe a pesquisadora de tendências da moda e comportamento Bia Aidar, para falar sobre os principais conceitos para a estação Primavera -Verão, com foco nas tendências jeanswear na Europa e nos Estados Unidos. Os tecidos da marca foram apresentados sob os conceitos: Farma Style, com ares bucólicos num toque romântico, para uso em uma atmosfera hippie, de looks boho retrós; Color Resort, para shapes mais sóbrios e baseados em linhas geométricas e detalhes funcionais; Seventy Times, inspirado no glamour disco dos anos 70 e nos festivais hippies; Active Line, que traduz o conforto das roupas de ginástica e artes marciais para o dia-a-dia; Rocker Forever, um misto de rock chic e androginia.


Sultextil

FOTOS: DIVULGACÃO

A Sultextil, fabricante de tecidos de malha com sede em Caxias do Sul (RS), apresentou o Évora, tecido de poliamida rendada e com tema floral, com relevos produzidos por meio da tecnologia eletrônica. Outro destaque foi o tecido de malha Jaia, elaborado em 100% algodão penteado, com todos os atributos de conforto térmico e tátil do algodão agregados à alta qualidade da matéria-prima, que imprime no tecido a leveza da estação. Na cartela de cores, tons intensos e puros, encontrados nas frutas e flores e uma gama contemporânea, inspirada na cultura urbana.

Paraguaçu Têxtil

VERÃO PLUGADO

FOTOS: DIVULGACÃO

“Every Denim” é o nome da coleção Primavera/Verão 2011/12 que a Paraguaçu Têxtil apresentou em sua primeira participação na Première Brasil. A coleção está dividida em quatro categorias e cada uma delas reúne denims com diferentes características. Na Liberty Denim, predominam tecidos com elastano; as versões mais básicas e que priorizam conforto estão agregadas na Funtional Denim. Já na Pretencious Denim, as matérias-primas são diferenciadas, com valor agregado para atender ao perfil fashion, e apresentam particularidades no tingimento, nos fios e na construção. O maior destaque na feira, no entanto, coube aos tecidos da Unique Denim, que pertencerem à categoria Premium, por atenderem especificidades mais ousadas e exigentes do mundo da moda. São denims com acabamentos especiais produzidos com resinas que conferem aspecto limpo ao tecido, maior variedade de lavagens, brilho especial e maior fixação do tingimento.

A coleção de fios tintos e lisos e jacquards da RenauxView chegou em primeira mão ao estande da Première Brasil, com mais de 60 bases em algodão em diversos padrões e variantes. Sucessos de mercado, como as tradicionais tricolines fio tinto ganharam novas e modernas versões. Dentre os novos desenvolvimentos, destaque para os maquinetados e os jacquards, além dos tecidos com fios multicoloridos e das estampas. Produzidos pela primeira vez com foco em moda, os jacquards chegam em padronagens florais e borboletas inspiradas nos papéis de parede dos motéis de Palm Beach dos anos 50. Chamam atenção os fios navalhados no verso do tecido, que pode ser usado no avesso para dar um efeito de tridimensionalidade. Esse efeito também pode ser encontrado na linha Fluter, no jogo de brilho e opaco dos fios de algodão e poliéster. A linha Jacquard inspirou Alexandre Herchcovitch e Ronaldo Fraga no desenvolvimento de tecidos especiais, mostrados ao público no São Paulo Fashion Week.

O Confeccionista JAN/FEV 2011

71


Mundo Têxtil

Práticos e Sustentáveis E

specialistas em moda da Tavex acompanharam as principais semanas fashion do mundo inteiro, além de observar diretamente nas ruas como as pessoas se comportam. A partir desta pesquisa, três tendências e três diferentes sugestões de coleção foram apresentadas pela gerente de moda e design Sueli Pereira a clientes, parceiros e profissionais da cadeia têxtil, no Bureau Tavex Verão 2012.

Artisan

A volta do ‘Naturalmente simples’, inspirada pelo mundo oriental, em que valores como tradição, as necessidades físicas e espirituais, o contemplacionismo e a observação e respeito à natureza ficam em alta. As peças são simples, com

72

O Confeccionista JAN/FEV 2011

pouca costura, baseadas em uniformes de trabalho, com muitos macacões, aventais, jalecos. Detalhes em couro, madeira e metal enferrujado enfeitaram as peças apresentadas. O índigo é valorizado na sua pureza, com tecidos maleáveis, com formas levemente ajustadas. Os lançamentos Nyx, Star, e mais Dusty, Epic, Click, Falls, Compact Paper, Eagle e Fields, se encaixam neste tema.

Urban Swop

O princípio básico desta direção é ‘Inovação ascendente’, em que todas as coisas são elaboradas a partir da união de pessoas diferentes. A expressão dream and heart storming indica a necessidade de usar mais a emoção no lugar da razão, ao mesmo tempo em que valoriza uma ética verde e ícones familiares.

FOTOS: DIVULGACÃO

Novas coleções e tendências de denim para o Verão de 2012 foram apresentadas em evento promovido pela Tavex


Acabamento natural A partir da coleção 2012, a Tavex amplia a utilização do Alsoft Amazontex para 80% de sua produção de denim. O acabamento natural, lançado em 2009, é obtido do cupuaçu e utilizado no lugar dos amaciantes sintéticos, e aumenta o conforto, por absorver a umidade e os raios solares. As lavagens são outro diferencial da empresa. “Oferecemos aos nossos clientes opções desenvolvidas na Universidade Tavex, um laboratório em nossa fábrica onde podemos experimentar lavagens diversas e dar a receita exata desejada”, conta a gerente de marketing Maria José Orione.

As peças são práticas, com tecidos ultrastretch, leves e fluidos, tencel, por exemplo. Calças saruel e camisas e jaquetas boyfriend, além de cintura alta e shorts curtos estão em alta. O acabamento é ágil, colorido, com bordados, detalhes, franzidos, mix de tecidos, reservas e

puídos. Os novos Star, Dream, Link e Spacy da Tavex, além de Angel, Fantasy, Jump, Petit e Vulcan, se aplicam bem a este tema.

Industrial

Baseada nas ‘Sensações ampliadas’, corrente de comportamento que evidencia a busca por uma nova modernidade. A valorização dos sentidos, o equilíbrio, o bem-estar,

são o mote de uma coleção com tecidos limpos, em stretch, funcionais. Fechos invisíveis, bolsos orgânicos, acabamentos emborrachados, peças com partes de tecido colado, efeito de giz, desbotados remetem à revolução industrial. Os novos tecidos Army, Capuccino e Link são indicados para o tema, assim como Aquarius, Lady, Glass Fit, Carbon e Ibiza Gloss.#

O Confeccionista JAN/FEV 2011

73


MUNDO TêXTIL

Principais objetivos do certificado: • Oferecer, numa única certificação, três normas consagradas no mercado (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS SAS 18001) adaptadas ao segmento de lavanderia. • Disponibilizar aos associados uma ferramenta de gestão única que atenda, de forma imediata, os requisitos de fornecimento estabelecidos pelo mercado e que facilite negociações e obtenção de contratos. • Ampliar as gestões da qualidade, ambiental e de SSO das lavanderias participantes, melhorando sua competitividade, desempenho, reduzindo custos operacionais e, consequentemente, ampliando sua margem de lucro. • Melhorar a imagem das lavanderias e do segmento junto ao mercado comprador.

74

Qualidade reforçada A ANEL lança certificação para lavanderias que estão em dia com o meio ambiente, com a qualidade e a saúde e segurança do trabalhador

B

uscando aprimorar a qualidade dos serviços das lavanderias, a Associação Nacional das Empresas de Lanvanderia do Brasil (ANEL) lançou, no final de 2010, o SQS, Selo de Qualidade de Sustentabilidade, uma certificação que visa atestar não só a qualidade e cuidados das lavanderias com o meio ambiente, mas também o zelo pela saúde e segurança dos seus trabalhadores. A adesão ao Selo é voluntária, e lavanderias de todo o País, que desejem estar em dia com o meio ambiente e adotar processos de trabalho menos agressivos, podem buscá-lo. Estruturada conforme parâmetros internacionais e preparada pela consultoria LCN Gestão Empresarial junto à Certificadora Internacional RINA, sob supervisão do Sindicato de Lavanderias e Similares do Município de São Paulo e Região (Sindilav) em parceria com a ANEL, a certificação faz parte do Programa de Qualidade, Meio Ambiente e Segurança em Lavanderias (PQMS-L). “Esta certificação foi desenvol-

O Confeccionista JAN/FEV 2011

vida por exigência do mercado, pois hoje muitas empresas estão dando prioridade a fornecedores que sejam ecossustentáveis”, justifica o presidente do Sindilav, José Carlos Larocca. “Além do que, quando as lavanderias adotam programas de redução de resíduos, de consumo consciente e de práticas trabalhistas legais, ganham com diminuição de custos e de desperdícios”, ressalta.

Comprovação

De acordo com Larocca, as exigências para as lavanderias obterem o certificado são bastante complexas e abrangentes, e incluem desde a adequação e comprovação do cumprimento dos requisitos legais do Programa até a manutenção dos níveis da qualidade de serviços prestados. “No caso das que atuam nos segmentos industrial, hospitalar e hoteleiro, são avaliadas também a gestão apropriada de consumo, a reutilização de recursos, como água e energia, e a destinação adequada de resíduos do processo industrial”, completa.


As lavanderias que quiserem se adequar serão auditadas pela certificadora RINA. A aprovação permitirá a emissão do certificado e a obtenção o selo SQS - Selo de Qualidade e Sustentabilidade. Há três níveis de certificação: ouro, prata e bronze. O primeiro indica que a lavanderia aplicou integralmente os requisitos do Referencial Normativo (PQMS-L). O segundo é concedido quando alguns itens considerados necessários para demonstrar a melhoria e desempenho do Sistema de Gestão da lavanderia foram implementados. Já o selo bronze indica que somente os requisitos considerados obrigatórios para a operação básica das lavanderias – como atendimento a exigências legais, manual de gestão e recursos mínimillennium_anuncio_nfe.pdf 1 22/2/2010 13:47:12 mos – foram atendidos.

Larocca, do Sindilav: redução de custos é um dos benefícios

Adesão

Uma das primeiras empresas a conseguir o selo foi a Magnus Lavanderia Industrial, de São Paulo, especializada no atendimento do setor industrial de autopeças e montadoras de automóveis. Certificada anteriormente pela ISO 14001, relativa a processos de desempenho ambiental, a empresa teve que

adaptar áreas, como qualidade, saúde e segurança ocupacional para conquistar o novo selo. Os associados interessados poderão obter todos os detalhes do PQMS-L acessando um ícone específico no site do Sindilav (www. sindilav.com.br) ou contatando diretamente o sindicato.#

Nota Fiscal Eletrônica é com a Millennium. • Software utilizado em mais de 700 empresas do mercado; • Com as funcionalidades exigidas pela Receita Federal;

Infantil // Feminino // Masculino // Surfwear // Moda Praia// Esportes // Jeanswear// Calçados//

• NF-e e SPED (Sistema Público de Escrituração Digital); • Soluções para qualquer tamanho de empresa;

Acessórios // Homewear //

• Acesse a demo do sistema: www.millennium.com.br/demo

Presentes//

Conheça o sistema de gestão completo – da produção ao ponto de venda. Ligue (11) 2114-1710 ou escreva para comercial@millennium.com.br Rua Mamoré, 200 • Bom Retiro • São Paulo/SP CEP 01128-020 • Fone/Fax: 55 (11) 2114-1700 www.millennium.com.br

O Confeccionista JAN/FEV 2011

75


mundo têxtil Santista: tecidos com repelência a mosquitos e chamas

Conheça as novidades das tecelagens para deixar uniformes profissionais mais bonitos, confortáveis e eficientes POR Camila Guesa

Uniformes profissionais

tecnologia e eficiência A

uniformização tornou-se elemento importante para empresas que se preocupam não só com a proteção de seus funcionários como também com a imagem da corporação e sua diferenciação no mercado. Quando utilizada de maneira correta, com tecidos e modelagens próprias para tal finalidade, influencia o estado de ânimo do usuário ao transmitir uma boa imagem da empresa, além de agregar segurança e conforto ao trabalhador. “Os uniformes e a limpeza do local são o cartão de visita de qualquer estabelecimento. Um funcionário com um uniforme feio, desalinhado e desgastado causará ao cliente uma impressão ruim”, enfatiza o diretor-comercial da feira de hotelaria e gastronomia Equipotel, Marcelo Vital Brazil.

76

O Confeccionista JAN/FEV 2011

Para atender às exigências da indústria e do comércio, tecelagens têm disponibilizado matérias-primas específicas que visam atender às diversas necessidades dos usuários e dos seus confeccionistas. A Cia. Tecidos Santanense, por exemplo, traz como suas principais novidades o tecido Unicomfort com fibra elastpoli, indicado para uniformes que precisam de bom caimento e elasticidade permanentes, mesmo após sucessivos tratamentos térmicos e lavagens, o que assegura o conforto e a boa relação custo/ benefício, de acordo com a gerente de marketing Juliane Whyte. “A elastpoli é uma fibra de poliéster de alta elasticidade que oferece o conforto das fibras elastizadas e a durabilidade e resistência do poliéster”, define.


Buscando alinhar-se às tendências ecológicas mundiais, a Santanense criou também a linha Ecopoli, que utiliza materiais reaproveitados e reciclados. “Segundo cálculos, a cada dez metros de tecido fabricados pela Santanense na linha Ecopoli, são aproveitadas quatro garrafas PET; ao longo de um ano, retiramos do meio ambiente 1,4 milhão de garrafas”, informa Juliane.

Proteção

Na Santista Workwear, além dos tradicionais brim 100% algodão e misto algodão poliéster, as novidades ficam por conta dos tecidos técnicos, que atendem à norma NR10 para atividades com riscos de arco elétrico e fogo repentino. Além disso, a empresa do grupo Tavex Corporation produz uma linha de tecidos para camisaria com acabamento antimicrobial, para proporcionar maior conforto no uso de uniformes. “Temos também tecidos com acabamento

em nanoconfort e oferecemos em alguns artigos acabamento para repelência a agentes químicos, à água e a óleo, proteção antimosquito, acabamento antiestático e proteção a metal liquido”, explica Mauricio Vasques, gerente de Workwear da Tavex Corporation. Entre as novidades para o segmento, a Tecelagem Panamericana oferece o tecido Lótus com proteção antimicrobiana permanente. Destinado a profissionais da área da saúde, tem estrutura de íons de prata incorporada no próprio polímero de poliéster, o que confere ação bactericida eficiente e permanente ao tecido. Resistente a lavagens por toda vida útil do produto, o Lótus impede o desenvolvimento de bactérias e fungos, o que reduz a transmissão de alérgenos e evita o odor. A Panamericana disponibiliza também o tecido Bangkok, produzido com fios que possuem propriedades bacteriostáticas, que atuam no combate às principais

bactérias causadoras de intoxicação gastrointestinal e infecções respiratórias. Isso porque, segundo Ana Di Bernado, responsável pelo marketing da empresa, o fio presente na estrutura do tecido contém biocerâmicas que emitem raios infravermelhos com comprimento de ondas idêntico ao do corpo humano, o que acelera o metabolismo e fortalece o sistema imunológico do usuário, provocando a expansão dos vasos sanguíneos, estimulando a circulação do sangue e promovendo a regeneração das células.

FotoS: DIVULGAÇÃO

Santanense: Para tecidos especiais, os cuidados e as instruções devem ser ainda mais rigorosos

Orientações específicas

Para evitar equívocos na hora de costurar um uniforme, a orientação é sempre consultar as informações técnicas de cada produto utilizado. “Para os tecidos com acabamentos especiais, como, por exemplo, retardante a chamas, os cuidados e as instruções de confecção são ainda mais rigorosos e específicos”, diz a gerente de marketing

O Confeccionista JAN/FEV 2011

77

2


mundo têxtil da Santanense. É preciso estar atento também às instruções referentes a lavagens, à exposição ao calor, à conservação, a tipos de linha, entre outros pontos a serem considerados. O confeccionista também deve escolher com cuidado o tipo de agulha e  de linha de costura. Tecidos mais grossos e pesados, como os denims, requerem agulhas também mais grossas e linhas  de costura mais resistentes. Já os tecidos mais leves, como as telas, devem ser confeccionados com agulhas e linhas mais finas. Outro aspecto a ser observado refere-se ao encolhimento do tecido após a lavagem. “Os tecidos naturalmente possuem um encolhimento de aproximadamente 1,5%. Dessa forma, é necessário cortar a peça com 3% a 5% a mais em sua dimensão, a fim de evitar o encolhimento excessivo da roupa e garantir o conforto do usuário”, ressalta Juliane.

Adequação

Junto a isso, é preciso utilizar modelagens adequadas quanto às medidas, pois um uniforme como roupa de trabalho não pode impedir movimentos. “As medidas devem estar adequadas ao corpo e ter um look de modernidade, tal qual uma roupa que nós compraríamos em uma vitrine de uma loja, e devem priorizar o conforto e bem-estar do funcionário”, afirma Vasques, da Santista Workwear. Outra dica é saber bem a que tipo de ambiente o usuário do uniforme estará exposto para aí definir o tipo de tecido. Em um ambiente industrial, por exemplo, em que o uniforme está mais propício a sofrer rasgos, furos e cortes, o tecido deve ser mais resistente, para que possa ser utilizado por mais tempo.

78

Panamericana: voltado para profissionais da saúde, o tecido Lótus oferece proteção antimicrobiana

“As sarjas são as mais indicadas para este  tipo de atividade.  Já em  ambientes onde, além da qualidade do tecido, a aparência também tem grande importância, os uniformes devem apresentar bom caimento e visual moderno. Neste caso, as telas são a melhor opção”, recomenda a gerente de marketing e produtos workwear da Santanense. Ana Rita Di Bernardo, da Tecelagem Panamericana, ressalta a importância de, ao escolher o fornecedor, garantir atendimento futuro de cores e produtos com a finalidade de manter a padronização e segurança do processo de uniformização para futuras reposições. #

Para confeccionar roupas profissionais: • Conhecer a empresa, avaliar suas necessidades, estudar, planejar e adaptar às exigências dos usuários. • Identificar qual imagem a empresa pretende passar: arrojada, clássica, conservadora ou descontraída. • Criar modelagens modernas que não limitem a utilização de algumas vestimentas, criando alternativas de uso (calças e saias). • Utilizar tecidos específicos para uniformização que proporcionem maior durabilidade e não comprometam a imagem da empresa com artigos pouco duráveis, de baixa resistência e aparência inadequada. • Verificar o ambiente de trabalho e as condições a que os usuários estarão expostos. • Evitar acessórios (muitos botões, estampas, dourados) e outros que dificultem a conservação de uma peça. • Alinhar a modelagem às diferentes formas do corpo humano, projetando uniformes que se adaptem aos diversos biótipos, favorecendo altos, baixos, magros e gordos. • Integrar o uniforme com o ambiente da empresa: é aconselhável estudar cores e identificações (bordados) para que haja uma padronização da identidade visual. • Orientar o usuário quanto às instruções de uso e conservação do uniforme. Fonte: Ana Di Bernardo - Tecelagem Panamericana

O Confeccionista JAN/FEV 2011


O Confeccionista JAN/FEV 2011

79


em pauta

Trabalho digno Confecção infantil auxilia detentos a aprenderem um ofício e a resgatarem sua dignidade, reduzindo suas penas em troca de trabalho

80

Detalhes são aplicados nas peças infantis

envio de resíduos e sobras de tecido para a confecção manual de tapetes, com renda revertida para as entidades. A ação representa uma forma de colaboração não só para a integração social, mas também para reduzir a poluição ambiental. “Foi em decorrência desse trabalho que o delegado de Terra Roxa sugeriu que fizéssemos o convênio com o Ministério Público”, comentou o diretor da empresa.  A ZigMundi iniciou suas atividades há pouco mais de um ano e

O Confeccionista JAN/FEV 2011

tem como público-alvo crianças de zero a três anos, das classes A e B. Lança duas coleções anuais que incluem macacões, linha jeans, camisas, camisetas, bodies, jaquetas, conjuntos e acessórios. A marca não tem lojas próprias e seus produtos são encontrados nas principais lojas do segmento, em todo o território brasileiro. Trabalhando com matéria-prima de primeira qualidade, conta com uma linha confeccionada em algodão ecológico e fibra de bambu, o que confirma sua preocupação com o meio ambiente e o conforto dos pequeninos. Utiliza também fibras de garrafas PET recicladas.    

FOTOS: divulgação

M

ais uma confecção passa a contar com a mão de obra de presidiários para produzir seus artigos. A ZigMundi, confecção de roupas para bebês e primeiros-passos, por meio de acordo com o Ministério Público do Paraná, contratou detentos de Terra Roxa, município que abriga uma de suas fábricas, para aplicar manualmente detalhes em patchwork em peças infantis. No início de dezembro, pouco mais de um mês antes do início da operação, 17 dos 40 presos da cidade paranaense aderiram voluntariamente à proposta da fabricante. Em troca, eles recebem a redução de um dia de pena para cada três dias trabalhados, além de pagamento em dinheiro por cada peça confeccionada. A ZigMundi encarrega-se de treiná-los para o trabalho.  A atividade ajuda os presidiários a ocuparem o tempo e colabora auxiliando no sustento da família deles. “É também uma forma de reintegrar os detentos à sociedade, dando a eles a oportunidade de aprenderem um novo ofício”, observa Márcio Gonçalves, um dos sócios da grife.  Agora, a ZigMundi pretende estender essa iniciativa para a unidade fabril situada em Eldorado, no Mato Grosso do Sul, a partir do início do próximo ano. Até então, nas duas unidades, e empresa já fazia um trabalho com ONGs locais, de


prodv

12 a 15 de Abril de 2011 Expo Center Norte - São Paulo - SP - Brasil Das 14 às 21 horas

SEMINÁRIO TECNOLÓGICO COORDENAÇÃO: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TÉCNICOS TÊXTEIS

EXPOSITORES CONFIRMADOS: Abit - Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção ABTT - Associação Braileira de Técnicos Têxteis ABIMAQ - Associção Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos Adar Agabê Albeza Ampla Audaces Auge Automatisa Belém Máquinas Belldri Be-hype Bianco Blutérmica Bomval Bordatex Cedro Têxtil

Correias Schneider Dubuit Paint Embaplan Enfesmak Erhardt + Leimer F1 Suprimentos Gênesis Guia Têxtil Havir Hi-tech Ibasatec Iberlaser Icaterm Imatec Ivape J-Teck Jornal O Serigráfico Longo Máquinas Maclen Marbor Mathis Metalsete

Mogk Nova Dampex Nova Silk NS Importação e Comércio Panmatic Peker Pilotelli/TRM Plenicor PR Sul Máquinas Quinprint Revista All Modas Revista Costura Perfeita Revista Empresário Serigráfico Revista Impressão & Cores Revista Moda Agreste Revista Multiservicios Revista O Confeccionista Revista Têxtil Revista Textília RGL Roland Brasil São Roque

Sell Mac Sefar Serv Mak Sign Suply Silmaq Sily Sinditec - Sindicato das Indústrias de Tecelagem de Americana, Nova Odessa, Santa Bárbara D´Oeste e Sumaré Sinditêxtil - SP Sun Special Sun Star Systêxtil Takmak Tavex Tingimaq Trinox Totvs Vicunha Weko América Latina Welttec Yitai América

Informações:

www.tecnotextilbrasil.com.br

(51) 3338.0800 • (11) 5589.2880

• (48) 3322.4427

O Confeccionista JAN/FEV 2011

81


82

O Confeccionista JAN/FEV 2011


Surpreenda-se com o bom gosto e a economia da Ultra Manequins. A mel hor r el a ç ã o c usto -b enefício p ara q uem q uer mo ntar u ma v i t r i ne boni t a e m o d er na está na U ltra Maneq uins. Os p rodu tos a gr ega m a l t a t ec nolo g ia e d esig n sup erio r p ara q uem p rocu ra uma s ol uç ã o v ended o ra e d e b aixo investimento.

w w w. u l t r a m a n e q u i n s. c o m . b r Ru a Mille r, 6 1 3 - Brás - São Paulo - SP - CEP : 03011- 011 Te l: 5 5 1 1 3 8 89- 7692 - vendas@ult ramanequins.com.br s . do uzi idade d pro bil is, dura . e v am lá or cic . Mai o risc e r nã ns ica qui plást am e e n r b Ma esina JAN/FEV O Confeccionista 2011 83 que r o m ã N co


84

O Confeccionista JAN/FEV 2011


O Confeccionista - Ed10