Issuu on Google+

J. C. Macedo

BARCELOS & EU

Temas Lusos & Luso-Americanos

Edicon / TerraNova


Índice

Apresentação Maria Augusta de Castro e Souza

Villa de Barcellos Do Cávado Ao Rio Negro

Portugal, o Galo e Eu. João Macedo Correia Do Barro Sou E Faço

O Salazarismo e a Farra do Galo Poesia Em Barcelos


J. C. Macedo a pluralidade singular que faz a militância sócio-cultural

A pessoa que se diz na sua plenitude social e cultural é aquela que carrega o acto civilizacional na consciência objectiva, não obstante a abstração da mítica nacionalista; mas, esta (ou seja: o nacionalismo) não impede a liberdade feita na batalha pela cidadania. Habituado desde muito moço a olhar o mundo, seja a observar o regionalismo multi-cultural da feira de Barcelos, ou a própria percepção nos filmes de Cantinflas e de Charlot, no cine-teatro Gil Vicente, ou ainda as partidas de bola no Campo Adelino Ribeiro Novo, seja em redacções escolares, além de muita poesia nos sacos de papel e bilhetes de autocarro, no que mais tarde Johanne Liffey arquivou como “cadernos de barcelos”, o jornalista, cineclubista e poeta João Carlos Macedo, ou mais simplesmente J. C. Macedo, e mesmo João Barcellos [nome que adoptou para assinar escritos clandestinos mimeografados e distribuídos pela Turma de Jovens Intelectuais Anarquistas], e que também aparece nas capas de vários livros, é essa pessoa que assume conscientemente a liberdade de batalhar por uma civilização mais humana, mais crítica e construtiva. Depois das actividades políticas (e digo históricas) na fundação da Turma de Jovens Intelectuais Anarquistas (tjia), em 1972, quando conheci o poeta de Barcelos que trabalhava e morava em Guimarães, conheci também a pessoa que entregava a sua juventude à causa da liberdade, e nessa época a sua produção jornalística era lida como se tivesse sido “escrita por alguém de idade avançada e cheia de experiência”, como ouvi várias vezes. Não. Era um jovem de 18 anos que, desde moço, aprendia a ler o mundo a cada dia que passava. E com uma angústia: mesmo a poucos quilômetros de distância, sentia-se muito longe da sua terra mátria, do barro do avô paterno e dos actos culturais dos tios, e também da jornada rural-urbana do avô materno. A imagem da cidade de Barcelos moldava-lhe cada instante, dos primeiros amores aos poemas feitos com a profundidade regionalista que o mestre transforma em mensagem mundana. “No dia em que eu deixar de respirar, dentro ou fora de Portugal, queimem a carcaça imunda e soltem as cinzas puras da minh´alma poética em Barcelos”, escreveu ele um bilhete no auge das atividades da TJIA,


em 1973 – bilhete que repassei, no verão de 1974, para a sua paixão de então, a professora e militante libertária irlandesa Hanne Liffey. Fora de Portugal, muitos anos depois, iniciei a tarefa de organizar toda a papelada, fotos e recortes de imprensa, produzida de 1972 a 1974, e sem muito espanto para mim a maioria dos textos tinha a assinatura de Eolo, Alex e Barcellos, sendo todos a mesma pessoa. Sabia que, desde 2005, Johanne, filha de Hanne Liffey, buscava toda a documentação disponível do pai João: “Preciso reunir a história que me trouxe a este mundo para me entender e viver comigo mesma”, escreveu num e-mail, ao qual respondi “a porta da minha casa está aberta, vem”. Tinha os grandes e belos olhos da mãe e exalava a fragrância da poesia do pai em tudo o que fazia e dizia. Inconfundível. Nascera poeta e batalhadora. Durante uma semana, Johanne ajudou-me a seccionar os arquivos e organizá-los. E de repente, a jovem enfermeira-paraquedista e fotógrafa, a estudar medicina, tinha nas mãos a sua própria história. Só poderia ser filha de quem era. Fiquei fascinada com a humildade e com a cultura daquela menina-mulher, encantada em seguir os passos do pai poeta e libertário. O mais impressionante documento que recebi dele, em Setembro de 1976, era um panflo mimeografado (as matrizes de carbono e a primeira edição) a analisar a novembrada militar do dia 25, sobre a qual ele teve notícia ao se apresentar naquele dia no quartel-general de Coimbra; no verão de 76 ele foi detido e mandado para um presídio militar em Caldas da Rainha a cumprir pena disciplinar por desobediência à hierarquia e, com receio de perder a papelada que mantinha na caserna, enviou-me o que pôde antes de deixar aquela Coimbra onde fizera várias palestras, cursos de alfabetização e publicara textos vários. Ali fizera várias amizades, a mais duradoira dá pelo nome Céline Abdullah, uma moçambicana que se formou em bioquímica e é, até hoje, sua admiradora e colaboradora. Ainda em 1975, em Lisboa, teve acesso a documentos recentes que haviam dado entrada na Torre do Tombo e pôde vasculhar vários temas reunidos em Papeis do Brasil: noticiário muito variado, mas que o catapultou para a figura de um Affonso Sardinha (o Velho), senhor de minas e escravos e político em São Paulo. Mais de 30 anos depois ele pôde vasculhar no espaço próprio a história desse Affonso Sardinha (o Velho) e a verdadeira história da colonização luso-americana. Amigo e colaborador do filósofo Manuel Reis, fundador do Centro de Estudos do Humanismo Crítico, em Guimarães, montou duas colecções literárias de grande interesse historiográfico e social para a lusofonia (utilizo este termo porque não gosto de portugalidade): Debates Paralelos e Palavras Essenciais. Tudo isso com apoio de Valentina Lyubtschenko, da Edicon. Paralelamente, havia desenvolvido com a professora e artista plástica Tereza Oliveira, o Grupo Granja, que veio a fundir-se no Grupo de Debates Noética, braço latinoamericano do CEHC. Não cheguei a conhecer o Mestre Reis, li e leio os seus


livros, e percebo nessa produção por que o J. C. Macedo diz-se “discípulo e companheiro de um mestre que vive na e com a sabedoria”. Nas primeiras semanas de 2013, quando o papa Bento XVI (leia-se padre Ratzinger) diz publicamente da sua renúncia e espanta as pessoas menos avisadas sobre a turbulência política e económica do Vaticano, e já eu tinha lido o volume nono da colecção Palavras Essenciais, sobre O Átrio Dos Gentios, recebi via internet um conjunto de textos e poemas enviados pela Johanne: “Meu pai João aceitou a reunião que fiz e vai publicar o material em homenagem a Barcelos. Devo a ti esta possibilidade e gostaria (ele concorda) que escrevesses a apresentação”. Sempre um encanto e sempre objectiva. Fico lisonjeada. Emociono-me. Com exceção de um ensaio acerca da ligação da Villa Barcellos lusa à Barcellos brasileira (na Amazónia), eu já conhecia os textos e os poemas. Por isso, “não vou escrever sobre eles”, decidi. Pois, “escrever acerca de J. C. Macedo é mais difícil e é mais um desafio”. Por mais que se conheça este poeta e jornalista (“É um gajo minho-galaico cuja mente libertária facilmente se encontra, mas é difícil penetrar-lhe a alma que se resguarda como lapa em rochedo”, escreveu o editor e poeta catalão Ruy Hernández, em 1981), parece que a cada instante ele revela-se outro, vive a experimentar a própria existência. Vivi com ele momentos de precário isolamento na angústia da possível prisão política, tortura, e o diálogo que mantínhamos era de uma linguagem tão intimamente fraternal que sabíamos o que queríamos só de olharmo-nos. Uma experiência quase desumana, porque estávamos nús diante do mundo que queríamos derrubar e modificar. Ao vasculhar aquela papelada, em 2003, e ao ler um poeminha dele dedicado a Barcelos, é que me dei conta que aquele seu apego histórico e maternal a Barcelos foi a grande baliza que o ajudou a manter uma linha de raciocínio diante de tanta precariedade humana na sociedade arregimentada como gado e tangida por meia dúzia de políticos e religiosos corruptos. Vivi outras experiências na Irlanda, no Afeganistão e no País Basco, mas aqueles dois intensos e perigosos anos, no meio da cinza policialesca e ideológica do salazarismo mantido pelo caetanismo, foram uma aula de sobrevivência e de solidariedade só possível pela dedicação e a poesia libertária do barcelense J. C. Macedo. Eis o que posso (e devo) escrever como testemunho da camaradagem política e intelectual do poeta e jornalista J. C. Macedo. Maria Augusta de Castro e Souza (macs) Profª de História. Berlin-De. Carnaval de 2013.


J. C. Macedo Escritor / Conferencista / Jornalista


VILLA DE BARCELLOS Do Cรกvado Ao Rio Negro

2008


Introdução O meados do Séc. XVIII, quer em Portugal quer no Brasil, é uma novela diplomática cujos contornos se encontram em actos de maçons nos “[...] bastidores políticos da Europa que os ingleses querem para si, mas a cobiçar ainda, como os holandeses, o vasto território colonial português na Floresta Amazônica” [Liffey, 1972-73], e actos de maçons explicitados em vasta correspondência portuguesa, inglesa, castelhana e francesa coeva. Sobre esta correspondência ainda existe muita carta para pesquisar, e isso é notório, como “[...] é notório o desinteresse académico neste tipo objectivo social e pedagógico” [Macedo, 1973], porque não existe interesse em dizer da História como ele é e foi... como, por exemplo, a participação activa e humilhante do Conde bragantino de Barcelos no assassinato do infante-regente Pedro, e da própria Casa de Bragança no do seu neto e rei João II, e como já no início dos Anos 60 um missionário dizia, “ainda veremos Águias e Gaivotas a fazerem um novo Portugal, aquele que foi enterrado em Alfarrobeira” [1]. Quando, em encontros clandestinos no litoral da Costa Verde minhota, fiz a “Breve palestra entre anarquistas, a partir da História de Barcelos e do barcelense Manoel José, que encontrou ouro no Arraial do Rio das Mortes, nas Minas Gerais” [2], tive a sorte de ter conhecido uma artista plástica brasileira que me falou “da luso-brasilidade dos bandeirantes e dos colonos-mineradores que já viam, lá na frente do imenso continente amazónico, o esboço da raça brasileira” [Costa, 1972], e foi quando eu soube que “a Amazônia teve como primeira capital uma Villa chamada Barcellos”. A partir daí, o meu interesse pela História, que já era grande por causa do conflito das casas de Avis e Bragança, passou ter um foco chamado “Barcelos: o maior Concelho português e o maior Município brasileiro, e o segundo do mundo”. E beijando as duas Barcelos dois rios, o Cávado e o Rio Negro, separados pelo Oceano Atlântico.

1 Da Idéia De Res Publica Da Casa de Coimbra Ao Desassossego Feudal Da Casa De Bragança

Entre os caminhos ibéricos da galega Santiago de Compostela, a região banhada pelo Rio Cávado passa a ser denominada Barcellos [de Barc + Ellus, q.s. Barca Pequena] por ser um dos portos fluviais de chegada e partida dos


peregrinos católicos de entre o Minho e a Galiza. Os registos arqueológicos apontam para uma ocupação romana, e a planta urbana da villa apresenta-se assim mesmo, mas deve-se considerar que a passagem de tribos celtas [principalmente visigodos] e muçulmanas, antes e depois dos romanos, significa que já existia uma primitiva vila nas margens do rio. Estratégica, a vila deve ter servido de pouso e de abastecimento para todo o tipo de viajantes no velho território galego, e já com trabalhos cerâmicos, o que é comum às povoações ribeirinhas ibéricas. E é esta região que o rei Afonso Henriques chama de “minha villa”, em documentos datados de meados do Séc. XII, pois que antes havia sido conquistada pelos reis de Leão, quando da reconquista católica da Península Ibérica. Já no Séc. XIII, a vila chama-se Santa Maria de Barcellos, e em 1298 o rei Dinis dá-lhe as regalias administrativas de Condado, e tem como primeiro conde, o fidalgo João Afonso Telo de Menezes. Neste condado, vamos encontrar um 8º Conde de Barcellos, Afonso [o filho bastardo do rei João], também o 1º Duque de Bragança, e que vem a iniciar na vila as obras do Palácio dos Duques de Bragança, destruído no terramoto de 1755. Pela transferência da Casa bragantina, de Chaves para Barcellos, é que se percebe como as gentes da vila têm de lutar ao lado dos seus senhores feudais contra as políticas de abertura política da Casa coimbrã – parte da Casa de Aviz, e onde, no Séc. XV, tem início aquele olhar marítimo na percepção mundana e política do infante-regente Pedro, Conde de Coimbra. Precisamente aquele olhar que o leva a pôr nas Ordenações Afonsinas um conceito de Res Publica que faz tremer os feudais bragantinos e os bispos católicos – e estes, que acusam a óptica progressista pela ponta da espada, fazem um acto de esmagamento político e social e convocam uma cruzada lusa contra esse primeiro grande estadista português. Resultado: o Portugal progressista é derrotado e deixado para as aves de rapina no campo de Alfarrobeira. Aliados dos feudais bragantinos e dos bispos católicos, a Ordem templária de Cristo, dirigida pelo infante Henrique [irmão de Pedro], e todas as casa feudais. Portugal só retornará ao espírito republicano e às navegações no período do rei João II... neto de Pedro!

2 João II: O Espírito Republicano Que Põe Portugal No Mundo E Onde Barcellos Embarca No Novo Olhar Com o espírito republicano do avô, João II põe os portugueses a par de si mesmos e da aventura que dos portos litorâneos do centro e do norte, e numa afirmação galego-portuguesa de suma importância para os anos vindouros; traçado o Plano da Índia a partir do Mapa de Fra Mauro, que Pedro havia mandado traçar, Portugal faz do Mar a sua obra maior – obra na qual está muita gente de Barcellos, e de toda a região do Minho. Esquecer o desastre


político de Alfarrobeira é um motivo forte para as gentes de Barcellos, que são “bragantinas por circunstâncias alheias”, e a villa-condado & porto fluvial ganha a chance de ser e estar Portugal. Deste novo olhar, ainda no Séc. XV, que na verdade é um retorno àquele processo fluvial da barc ellus do Séc. XII, na sua primitiva condição de villa anfitriã do mundo, é que Barcellos traja as cores do bravo rosto português... quer em Portugal quer no Brasil.

3 Villa de Barcellos: Do Cávado Ao Rio Negro A travessia quinhentista e seiscentista dos mares leva portugueses e galegos aos rincões do Novo Mundo, e entre eles a gente de Barcellos. Por todas as capitanias hereditárias do Brasil espalham-se barcelenses, mas é nos portos, marítimos e fluviais, que as gentes de Barcellos encontram a sua alma mundana, até por que respiram – como diriam os professores Alfredo Pinheiro Marques e Jaime Cortesão – de porto em porto a construção desse Outro Portugal ultramarino [Barcellos, 1990]; mas há quem vá ao sertam, quer pelo velho Piabiyu guarani, quer pelo Vale do Tietê, para galgar, de um lado, os paranás até à Amazônia, e do outro, as Gerais. Entre outros, nas Gerais, eis que um Manoel José encontra ouro no Tejuco, e é um barcelense que, entre 1704 e 1707, faz fortuna e por aqui fica..., ou seja, aquele Outro Portugal começa a ter um nome: Brasil. O nome Barcellos, grafado com ll ou com l, expande-se de tal maneira pelo continente, entre colonizadores, nativos e escravos, que se torna comum a muitas famílias brasileiras. Se nas regiões paulistas o sertam é o destino da maioria dos barcelenses, no Rio de Janeiro o cenário não é diferente, mas aí até o Conde Barcellos tem terras próprias, como “o Morro da Rocinha, mais tarde ocupado por todo o tipo de retirantes e transformado em favela, um quilombo moderno [3]. Já na Amazônia e no Pará, o nome Barcellos surge através de colonos, sim, mas as regiões que recebem o mesmo nome da villa-condado do Cávado é porque um serviço oficial de nomeações o exige, pois que desde os Anos 40 do Séc. XVIII é exigido dar nome de vilas e cidades portuguesas às povoações a fundar nos novos territórios do Império, e por isso, surgem Alcântara, Oeiras, Olivença, Coimbra, Queluz, Bragança, Belém, Altamira, Santarém, etc e etc..., e, na região amazônica do Rio Negro é dado o nome de Villa de Barcellos à velha aldeia Mariúra, dos nativos Manaus.


[Barcelos / Amazonas – Brasil]

Francisco Xavier de Mendonça Furtado, irmão do Marquês de Pombal, solicita a criação da Capitania de São José do Rio Negro que logo é chefiada por Manuel da Gama Lobo d´Almada, e é este fidalgo, nascido na África, que cria sobre a aldeia nativa Mariúra a capital, em 6 de maio de 1758: Villa de Barcellos. Importante porto fluvial, pela sua posição estratégica no Rio Negro, Mariúra/Barcellos passa a ser uma capital conhecida e reconhecida por todos os colonos e aventureiros, mas, principalmente, é o ponto de onde saem as linhas mestras da administração imperial que transformam, humana e economicamente, a região amazônica.

A Finalizar Este muito breve ensaio esconde muitas pesquisas que, obviamente, não cabem num artigo de jornalista cultural. Mas é, quiçá, uma janela aberta para outros olhares...

Notas [1] J. C. Macedo pertenceu ao “Grupo Façanhudos”, organizado por um missionário e que tinha as dependências [umas vezes a Sacristia, outras a Torre dos Sinos] da Matriz como sede; o grupo, infanto-juvenil, participava de brincadeiras, jogos lúdico-pedagógicos, acampamentos, e muita conversa sobre História e Sociedade. [2] Manoel José, natural de Barcellos, chegou a Minas Gerais para ganhar fortuna, e ele encontrou ouro na encosta sul da Serra do Lenheiro, no Tejuco, nos primeiros anos do Setecentos; o Tejuco deu origem ao Arraial Novo do Rio das Mortes e, mais tarde, a São João d´El-Rey. [3] O romancista e pesquisador João Barcellos diz que “na Rocinha, o ponto principal é o Bairro Barcelos, o que mostra uma preocupação com a origem histórica colonial do morro”.


Alfarrobeira: Região de Vila Franca de Xira, perto de Lisboa. Batalha que colocou as casas de Avis e de Bragança em confronto directo. A batalha aconteceu em 20 de Maio de 1449. Barcelos / Pt: cortada pelo Rio Cávado, é uma região com 378,9 km2 e tem 89 freguesias [o maior de Portugal]. Tem parque industrial, uma boa produção rural e na área artesanal [cerâmica] destaca-se o famoso Galo de Barcelos. Barcelos / Br: na margem direita do Rio Negro é o maior município do Estado do Amazonas, com uma área territorial de 89.572 km², está localizado a 396 km em linha reta de Manaus e 496 km por via fluvial. Grande produtora de peixes ornamentais. Em Portugal: CONCELHO = Município. FREGUESIA = Bairro. DISTRITO = Capital administrativa de uma Província, que engloba os Concelhos. Paranás: canais fluviais. Páramo: deserto. Piabiyu: do Guarani m´byano, q.s. Caminho do Peru. Rio Cavado: Norte de Portugal, com nascente na Serra do Larouco, a c. De 1250 m de altitude; passa por Braga, Barcelos, e depois de um percurso de 118 kms tem foz no Oceano Atlântico junto a Esposende. A capacidade total dos recursos hídricos da Bacia do Cavado é de cerca de 1180 hm3, quase 30% do total existente em Portugal. Rio Negro: nasce na região pré-andina da Colômbia e corre ao encontro do Solimões, logo abaixo de Manaus, para formar o Amazonas. Em seu curso, percorre 1700 quilômetros. Da nascente à foz, a viagem dura um mês e meio. Na longa jornada, a água carrega folhas e outras matérias orgânicas que a tingem de âmbar.

Bibliografia A CRIAÇÃO DA AMÉRICA FEUDAL. Ensaio. João Barcellos & Tereza de Oliveira. Rio de Janeiro / Br., 1996. A MALDIÇÃO DA MEMÓRIA DO INFANTE DOM PEDRO E AS ORIGENS DOS DESCOBRIMENTOS PORTUGUESES. Estudos. Alfredo Pinheiro Marques. Centro de Estudos do Mar, Buarcos/Pt, 1994. CAUSAS DA INDEPENDÊNCIA DE PORTUGAL E DA FORMAÇÃO PORTUGUESA DO BRASIL. In “Os Factores Democráticos Na Formação De Portugal”. Jaime Cortesão. Lisboa/Pt, 1978. DE QUANTOS BRASIS É FEITO O OLHAR OCEÂNICO PORTUGUÊS?. “Breve palestra entre anarquistas, a partir da História de Barcelos e do barcelense Manoel José, que encontrou ouro no Arraial do Rio das Mortes, nas Minas Gerais”. J. C. Macedo, Apúlia e Esposende / Pt, 1973. ÉLITISME ET ABONDANCE: BRESIL. Essai. Tereza de Oliveira. Paris/Fr., 1967. IMAGENS DE VILAS E CIDADES DO BRASIL COLONIAL. Registro Histórico. Nestor G. Reis. Edusp, São Paulo / Br., 2001. MITO-HISTÓRIA & ÉPICA. Vários Autores. CEMAR, CEHC, GG, c/ Ed Edicon, São Paulo / Br., 2004. MORGADO DE MATHEUS / Um Fidalgo Português Na Casa Bandeirante. Ensaio. João Barcellos, 1ª Ediç, 1993; 2ª Ediç, 2004 [Prêmio Clio de História], Ed Edicon / Br. O OUTRO PORTUGAL / Questões Históricas. Crônica. João Barcellos. Jornal Jeroglífo, Buenos Aires, Argentina, 1990. OS PORTUGUESES CRIARAM NO BRASIL UM OUTRO PORTUGAL. Artigo. Izabel Rodrigues da Costa, artista plástica brasileira, do Rio de Janeiro. A artista, em viagem pelo norte de Portugal, conheceu o poeta J. C Macedo em Guimarães, e escreveu um pequeno artigo que ele utilizou em diversos encontros minho-galaicos, mas também em encontros de anarquistas sobre “A reciprocidade ideológica dos fascismos estabelecidos em Portugal e no Brasil”. As informações da artista foram de muita valia para o poeta quando ele foi conhecer o Brasil e a Argentina, em 1987. THE U.K. AND THE MANSORY IN BRAZIL. Pamphlet. Hanne Liffey, Dublin/Ie – 1972; Braga/Pt – 1973.


Portugal, o Galo e Eu.

COIMBRA 1975


J. C. Macedo / militar

Que sei de mim? Ai, este Portugal que m´anima e faz-me ser pede acção, pede a alquimia da revolução e eu não sou galo de quebrar na esquina da vida: minh´alma é estopim! Eis que a liberdade m´anima. A poesia molda a revolta em mim!

[Coimbra, 1975.]


As palavras comunicam sensações e comunicam ideias, mas o actos realizam sonhos e perspectivam possibilidades. Entre a óptima ideia e o sonho eis que a acção civilizatória. Entre o metálico barulho dos tanques de guerra e do silvo dos aviões que anunciam o estado de sítio, em mais uma quartelada, a casa portuguesa parece desconhecer os próprios alicerces sócio-culturais para ser palco do drama internacional cuja cortina é fronteira entre o capitalismo da livre iniciativa e o capitalismo estatal, como se em ambos os sectores do palco assinalado as diversas ideologias não pecassem pelo mesmo erro que é cercear a liberdade das pessoas no seu ir e vir...! “– Ó, ó Barcelos, parece que querem quebrar Portugal, mas o teu galo continua a cantar!”, escutei no meio de uma tarde cinza.

Hoje é 25 de Novembro, e estamos a pouco mais de um ano do movimento militar de 25 de Abril de 1974 que substituiu um poder por outro de igual dimensão ideológica, mas disfarçada com a roupagem de democracia que os liberais (civis e militares) vomitam a cada discurso. E, pois então, a polícia política (a PIDE) foi encarcerada, embora a grande maioria dos agentes sanguinários esteja à solta por falta de informações sobre os mesmos, e os guardas republicanos (a GNR) aparecem agora como garantia da república.

[Retirada de um quadro de Salazar e prisão de um ´pide´]

Mas, será que o salazarismo (as políticas governamentais de António Salazar) foi posto de lado? Foi mesmo?


Ao escutar “querem quebrar Portugal, mas o teu galo continua a cantar”, olhei ao meu redor e vi-me cercado de uma malta tão miliciana quanto eu. Tinha-me apresentado no quartel-general da região centro (Coimbra) e o oficial de plantão atirou aquela frase numa galhofa que não escondeu a sua consciência política. “– Sim, tenente, parece-me que é mais do mesmo, pois, Portugal não vai deixar de ser o que é e o (meu) galo vai continuar a cantar para dizer de um povo que defende tradições próprias...”, respondi. No silêncio que se fez pensei que do q-g iria de imediato para um presídio militar. “– Tens razão, ó Barcelos, e tu que és foto-cine e atirador especial, e então, mexes com sensações, sabes muito bem que se não cortaram a cabeça do salazarismo tudo será como dantes no quartel d´Abrantes...”, disse o oficial.

Escrevo isto três depois da quartelada novembrista (o eanismo spinolista contra o otelismo cubano, ou, o capitalismo liberal versus marxismo-leninismo) para lembrar que as possibilidades de tirar Portugal das garras católicocapitalistas passam não por uma troca de chefes militares, mas por um golpe d´Estado que decrete uma democracia de facto e de direito, pois, o fascismo vai continuar a chupar o sangue da manada, como diz a canção do Zeca Afonso. Sabemos que o general Spínola foi importante, e que Eanes e Otelo já se haviam movimentado para uma quartelada a partir do q-g spinolista, ainda na Guiné, entretanto, não se pode esquecer que Spínola foi e é um general do Estado Novo salazarista, e mesmo assim os capitães d´Abril entregaram-lhe o poder na quartelada abrilista de 1974...! Sim, porque de uma quartelada se tratou, e nada mais. Falar de revolução dos cravos é falar de entreguismo ideológico. Só isso e nada mais.


[Spínola na Junta de Salvação Nacional, 1974]

Tanto anarquistas quanto marxistas-leninistas sabem muito bem que o marxismo de Mário Soares, por exemplo, é puro liberalismo capitalista, e este soarismo está engajado no Movimento das Forças Armadas (o MFA) para orientar ideologicamente o traçado político da nova república, porque já fomentou acordos que entregaram Angola e Moçambique às políticas de partido único só para o Estado português lavar as mãos de séculos de colonialismo! Qual será o próximo passo do soarismo? A quartelada novembrista já insinua que Portugal não será uma Cuba no oceano europeu, e então, eis que o liberalismo capitalista vai dotar a nova república com os seus conceitos políticos, e até o general Spínola não ficará na nova ilhota segura pelos banqueiros e as multinacionais. Quando os oleiros de Barcelos iniciaram a produção do (famoso) galo de barro rinham em mente a representação de um figurado relativo a um galo que, depenado e assado, ressuscitou na travessa para dar liberdade a um condenado inocente. Tal figurado foi aproveitado pelo ideólogo salazarista António Ferro que dele fez símbolo do Portugal popular para turista ver e comprar. No entanto, Ferro soube esquecer politicamente a proposta de liberdade que o galo de Barcellos representa, mas o povo continuou a olhar aquela peça cerâmica como um sinal da liberdade que, perdida uma vez, pode ser reconquistada pela ousadia da criatividade. A interpretação do oficial de plantão no q-g de Coimbra, diante de um cidadão de Barcelos, foi exemplar – e explico: o galo só quebra no forno quando a moldagem não foi feita de maneira certa, e se quebra, o galo de não canta para celebrar a reconquista da liberdade. A liberdade não é uma doação nem uma aquisição, porque não é produto. A liberdade é um acto de coragem em prol da urbanidade e da livre expressão de cada pessoa; e cada pessoa, consciente disto, é parte do todo civilizatório, em cada aldeia, em cada nação.


Não me obriguem a vir para a rua Gritar Que é já tempo d' embalar a trouxa E zarpar

Zeca Afonso – in Venham Mais Cinco (canção)

É verdade que os capitães d´Abril abriram caminhos novos para Portugal, mas cabe aos povos de Portugal determinar como será esta Nação depois do salazarismo a que eles mesmos deram suporte, principalmente através da igreja católica. O galo não canta a liberdade para todas as pessoas, apenas para aquelas que ousam o acto libertário!

J. C. Macedo / poeta e jornalista

Que este breve ensaio político sirva para uma reflexão social e cultural acerca do que somos e do que queremos ser.

Novembro de 1975 Obs.: material recuperado e digitalizado pela fotógrafa e médica Johanne Liffey, que possui, em Londres (UK), a maioria dos originais das peças escritas por J. C. Macedo, do período de 1968 a 1981.


JOÃO MACEDO CORREIA do barro sou e faço

Uma Crónica De

J. C. Macedo

O que se escuta é o som de um violino. Uma menina ´arranha´ as cordas, mas já demonstra mais leveza após duas semanas junto do mestre. Às vezes, a poucos metros, ele deixa a futura violinista para me dar ´dicas´ sobre perspectiva nos traços entre uma árvore e um jarro que eu havia imaginado na beira dum rio. Estamos na sala de jantar (que é também do pequeno almoço, do almoço e das conversas entre leitura de jornais e audição de peças fonográficas), e ele ainda comunica com a empregada criando o som dum sino com a batida da faca num copo de cristal. É o homem da casa e é o mestre a preencher no quotidiano um espaço seccionado por tempos diversos de actuação. No piso inferior, várias mulheres retocam a pintura nas louças e outros objetos utilitários e decorativos a serem embarcados para lojistas ingleses. Dá continuidade à saga de comércio internacional iniciada pelo pai Joaquim Macedo, ceramista e comerciante (importador) de produtos brasileiros para lojistas do Porto. Das aulas de desenho e música ao acabamento artístico dos seus produtos cerâmicos, aqui está o meu avô Macedo. “O acabamento de um


produto mostra a sua qualidade”, diz para as mulheres. Está entusiasmado com o esmero delas, pois, aprendera na tradição das Caldas da Rainha, que “o esmero traduz a poética das linhas que no cérebro constroem desenhos e recriam objetos”. E entre as Caldas da Rainha e Barcelos ele reconstrói a humanidade no imaginário próprio – ora, é ele-mesmo massa d´argila a dizer do mundo.

Através dele e do meu pai José, percebo a importância da dedicação a um ideal, e dos meus tios, a certeza de que a vida se recria a cada instante, como nos filmes de Chaplin que eles fazem rodar manualmente no minúsculo projector de cinéfilo amador. Entre isto tudo, o olhar plenamente poético da minha mãe completa a minha introdução na vida. Do meu convívio (e escrevo-lhe quando estou longe, como fazia em relação ao bisavô Joaquim) com o avô ceramista, músico e professor, tenho uma lição: “Viver a alma que somos é fazer arte”. Demoro a achar a profundidade da sua afirmação, mas eis que a percebo no meu primeiro amor e, nele, os meus primeiros versos... Um dia, lendo os folhetos turísticos sobre Barcelos, resolvo escrever eu mesmo sobre a minha terra: um texto e uma colagem de fotos e desenhos. “Ah, acho que vais ser jornalista!”, exclama o meu avô quando lhe ponho a ´arte´ na frente. “É isso: do barro sou e faço!”, respondo. Ele olha para a ´madrinha´ Mimi, a sua segunda esposa, sorri, abre os braços e diz: “Ora, ora vejam: um intelectual...!”. As mulheres, sentadas no corredor e no quintal (aqui, a minha tia faz movimentos com o ´bambolé´) sorriem e uma quer pintar-me “de Eça”. Deste convívio com o avô Macedo – que a todo o momento lembra-me os instantes que passei com o bisavô Joaquim, na cerâmica e na casa de Areias de S. Vicente, com quem aprendi a ler o jornal O Commércio e a fazer palavras cruzadas, entre histórias do Brasil – é que nasce em mim o ideal do eu-que-é para ser-o-que-é num amplexo político e sócio-cultural telúrico e cósmico.


Na óptica da crítica que constrói, pelo seccionamento do olhar culturalmente treinado e do cérebro que determina as acções, eis-me um Eu que reconhece no convívio familiar a raiz ética e estética. É o que sou, é o que me move. Como em cada pedaço d´argila que o meu avô Macedo transforma em algo novo, o meu olhar fixa e sinaliza caminhos de vida. Escrever sobre o meu avô Macedo é dizer da vida plenamente vivida, algo que eu já havia apreendido do seu pai Joaquim, e, de outra maneira, do meu avô Faria (do lado materno) no meio de burocracias cartoriais e projectos agrícolas para a própria quinta (em Abade do Neiva). Estilos diferentes, vidas vividas. Uma escola dentro da família em cuja lousa imaginária escrevi: “Eu sou o que quero ser e ninguém me dirá o que fazer”. Dos meus avós, o Faria e o Macedo, aprendi o valor da independência, até em relação à família. E com o Macedo, outra variante: “Aprende a escutar e a ver, a vida boa depende de leituras que iluminam a nossa mente”. Sempre e agora. Quando observo o avô ceramista a mover a roda d´oleiro para dar forma a um suporte de objeto, eu vejo a recriação humana; e até nas margens do claroescuro dos seus desenhos (“...foi nas Caldas da Rainha que aprendi a arte do desenho”, diz) vislumbro o fantástico colorido que daí brota, tal a sensibilidade poética da sua acção artística.

Caldas da Rainha Março de 1975

Observação de Johanne Liffey: O então militar João Carlos Macedo, neto do ceramista João Macedo Correia, dactilografou e mimeografou, na caserna, a crónica que depois circulou entre os camaradas. Na nota de rodapé do rascunho, p.3, lê-se: “Depois de um apelo de camaradas militares caldenses para eu explicar “O Objectivo Da Arte”, achei mais interessante, entre a observância do ´zé povinho, do caralho e das louças das caldas´, escrever uma crónica sobre a minha própria estrutura sócio-cultural cuja escola de liberdade artística está na minha família.” Outra anotação, na p.1, informa “enviado ao jornal”, mas é uma referência não pesquisada e nem o autor sabe, hoje, se a crónica foi ou não publicada. Ao certo, sabe-se que foram feitas “25 cópias em mimeógrafo” e está guardado o ´carbono´ original. // Colecção Particular. Material digitalizado. London/UK, 2009.


Barcelos ea Cerâmica Ibérica

“[...] pois é, e nesta banda galaico-portuguesa, da comida à louça vivemos uma cultura herdada dos fenícios, árabes e celtas com refinamento comercial romano.” – João Carlos Macedo, 1968.

“A cerâmica que temos é material que aprendemos a modelar e a queimar com os povos que civilizaram a Península Ibérica [...]. Tanto a louça como o galo, em Barcelos, são figuração de um povo que revela a sua alma com arte pura.” – João Macedo Correia, 1968.


Uma das atividades mais antigas da civilização que nos é berço é “a Cerâmica que, após experimentada, foi repassada de região em região pela migração dos povos, ora em busca de pastos ora em conquista de terras e escravos” [João Macedo Correia, 1968]. O que entendemos por cerâmica é a atividade artística e industrial para a produção de peças utilitárias ou figuração. Também podemos afirmar que “cerâmica é material (sílica, feldspato, argila, etc.) que após modelado e sob altas temperaturas [acima de 500ºC] resulta numa peça para ser pintada, vidrada ou não” [idem]. A cerâmica incorpora tecnologias de aplicação e, por isso, divide-se a sua produção em função do material – a saber: a) Grês. Peça refratária, de tom cinza, que mistura argila, areia, quartzo e feldspato, sendo vidrada e nem sempre pintada; b) Terracota. Argila cozida a baixa temperatura e raramente pintada; c) Faiança. Uma pasta porosa queimada habitualmente a 540ºC. É com esta pasta que se produz a louça, que pode ser revestida com esmalte no qual se aplica a pintura; d) Porcelana. É uma massa dura composta por caulim (um tipo de argila), feldspato, quartzo e alabastro. Todas estas substâncias devem ser pulverizadas e misturadas com água para formar uma papa densa e leitosa que, sob temperaturas entre 1.250 °C e 1.350 °C, vira uma massa vítrea, dura, densa, branca, impermeável e translúcida que ressoa ao ser tocada. É interessante não esquecermos que “enquanto os povos antigos levantavam pedras grandes (menires) e com elas formavam círculos de fé pagã (cromeleques), já então trabalhavam principalmente a argila na produção de artefactos cerâmicos, paralelamente às casas neolíticas (dólmens) em toda a Península Ibérica” [Santos Simões, 1978]. Especializados na sobrevivência, celtas e árabes difundiram no espaço ibérico técnicas e aplicações, de sorte que quando o Reino português foi proclamado já os gregos e os romanos também haviam introduzido as suas culturas; e Portugal, muito particularmente na região do Minho, bebeu todas essas influências, e mais ainda pela proximidade física com a Galiza, onde a olaria e a metalurgia do ferro tinham conquistado grande popularidade na passagem de fenícios e gregos. É a era das migrações da cultura indo-europeia que proporciona a industrialização dos povos ibéricos em torno do aproveitamento das águas, da roda d´oleiro, o cultivo de sementes, o vinho e o azeite. E se o ferro vai ao forno para virar utensílio, o mesmo é feito com o barro... Obviamente, a fundação das cidades-


estados fenícias influencia o mundo de tribos que, subitamente, encara as próprias realidades socioculturais, e então os povos agem politicamente para assentarem as suas raízes. Todo o espaço ibérico sai da ignorância para o ciclo iniciático da urbanidade. E pelos artesãos árabes, inclui-se aqui o azulejo, enquanto a porcelana só surge ao olhar europeu durante as viagens marítimas para o oriente, mais de um milênio depois. Em cada peça cerâmica os povos dizem de si, mostram-se. Diga-se a verdade histórica: a roda d´oleiro fez o mundo girar em si mesmo para achar o lugar de cada povo. E lembro... “O meu avô está a estrear uma roda d´oleiro, hoje. Ele pega no barro que ficou n´água nos últimos dias, tira um pedaço e põe na mesa que gira, impulsionada pelo seu pé. Em poucos minutos as suas mãos moldam uma massa da qual um novo objeto vai surgir. Não sei se um galo, se um gato, se uma vasilha... Sei que toda a civilização que somos está resumida neste refazer a vida que gira na roda d´oleiro” [João Carlos Macedo, 1968]. O meu avô, o ceramista João Macedo Correia, filho do também ceramista e comerciante Joaquim Macedo, ensinou-me os primeiros movimentos para o desenho em perspectiva, ensinou-me que “uma alma não se muda, mas pode ser moldada na roda d´amor”, e também punha o jornal diário na minha frente para me fazer ver (“com olhos de ler”, como dizia) o que o mundo tinha para me oferecer. Desce criança o mundo esteve sempre no meu olhar e aprendi a moldá-lo na roda da minh´alma, tal e qual a massa d´argila na qual aprendi a exprimir uma ideia, um sentimento. Ali mesmo, em Barcelos... A região denominada Barcelos, cujo topónimo, diz-se, vem de barca celi [q.s. barca pequena, utilizada na travessia do Rio Cávado, que corta a cidade] e também de barcellus [q.s. barquinho, este, utilizado na pesca da lampreia], recebe diretamente da Galiza a influência indo-europeia, uma vez que é ponto de passagem estratégico, quer militar quer comercial. Tanto que se diz, sem comprovação historiográfica, que Barcelos é uma vila fundada por Amílcar (o pai de Aníbal) em 230 antes do dito calendário da cristandade, por causa da sua geografia; e, pela mesma razão estratégica, o nome Barcelos vem a ser utilizado para fundar a primeira capital da Amazônia, no Brasil... Ora, de Barcelos fala-se do galo de barro, feito com tal engenho que parece falar! Por trilhas ideológicas que nunca se sabe por quem mais vai trilhá-las, o Galo de Barcelos transforma-se em figuração turística pelas mãos salazaristas do ideólogo António Ferro, que se havia iniciado no campo intelectual pela mão do poeta esotérico Fernando Pessoa, em sua Tipographia a Vapor, naquela


Lisboa de sombras. Ele [Ferro] idealiza uma cobertura turística para as políticas do Estado Novo e aparece com o evento Aldeias de Portugal, e é neste período que o Galo de Barcelos passa a ser símbolo de Portugal no mundo. Como acontece?... “[...] O primeiro galo tinha sido modelado pelo Emílio do Parral, irmão do mudo do Parral, para o qual Francisco de Sousa, ainda muito novo, apenas abriu na roda o pedestal e o corpo” [João Macedo Correia, 1960]. Na verdade, Francisco de Sousa (o Ti Francisco do Monte) não se consola de ver os seus galos quebrarem ainda no forno. A roda d´oleiro é a solução. Entretanto, a produção do galo de barro alcança outras famílias, como a de João Domingos Rocha, conhecida como dos Cotas e das Cotas. E é esta peça que encanta António Ferro e o faz exibi-la como ´trofeu´ de um povo sob o ideário do Estado Novo. Obviamente, a arte dos ceramistas barcelenses está além das questiúnculas ideológicas, e, saiba-se, o Galo de Barcelos é uma peça portuguesa com certeza! Como situar a olaria em Barcelos? A olaria passa a predominar em Barcelos já na “passagem dos povos celtas, cujos castros evidenciam uma civilização dotada de artífices de metalurgia e cerâmica” [Santos Simões, idem], o que continua com a passagem dos romanos que descem pelas serranias do Gerês e assentam a Bracara Augusta [Braga], e também pela Aquae Flaviae [Chaves] numa conquista que deixa marcas urbanas para o futuro Reino de Portugal. Não por acaso, Barcelos vem a ser o primeiro condado do novo reino ibérico. Quando o galo de barro começa a ser produzido, já toda a região ibérica possui uma indústria de olarias que abastece os mercados com objetos domésticos e decorativos. Entretanto, no Século XVI, surge uma história que agita a pacata Vila de Barcelos... Um crime ficou impune e esquecido, até que um peregrino galego, que se dirigia a Sant´Iago, parou para passar a noite em Barcelos. Enquanto ceava, reparou que alguém o observava fixamente, mas não fez caso e continuou a sua refeição. O observador saiu do albergue, dirigiu-se a casa do juiz e acusou o peregrino da autoria do crime. Preso, o galego não conseguia apresentar provas da sua inocência, e foi levado para as masmorras, julgado e condenado à forca. No dia do enforcamento, o peregrino pediu, como sua última vontade, que o levassem à presença do juiz. O juiz, que se preparava para trinchar um magnífico galo assado, recebeu o condenado, que mais uma vez se disse inocente. Vendo que o juiz não se comovia, o galego invocou a ajuda de Sant´Iago e perante todos afirmou que era tão certo estar inocente como o galo


assado cantar antes do dia acabar. Risada geral. Mas, supersticiosamente, não tocaram no galo. À noite, observaram com espanto que o galo se cobria de penas novas, levantava e batia asas para cantar com energia. Correram todos para o lugar da forca e encheram-se de espanto ao ver o peregrino vivo, com uma corda lassa à volta do pescoço, apesar de estar pendurado. Atemorizados pelo facto insólito, libertaram o galego, que seguiu o seu caminho. A figuração do galo na memória perpetua-se de tal maneira que não pode ficar fora da arte popular. Com uma pujança comercial razoável, as olarias de Barcelos carecem ainda de um objeto-padrão que lhes dê uma publicidade nacional. Por isso, o pensamento de Ti Francisco do Monte volta-se para a lenda do galo e percebe, logo com o primeiro galo de barro, que Barcelos tem na cerâmica a sua identidade cultural. Assim foi e assim é. Adelino Macedo, também neto de João Macedo Correia, médico de formação, mas com nata vocação para o artesanato, ao cursar Fotografia e Serigrafia, na Cooperativa Árvore, observa que “a cerâmica é tão importante que já foi base para a escrita suméria e agora é base para painéis decorativos de alto nível cultural, assim como já sinaliza (e temos o Galo de Barcelos como exemplo) uma identidade popular e até uma identidade religiosa (e lembro, como exemplo, o ´cristo´ de Rosa Ramalho)” [1981]. Ou seja: a matéria-prima que é o barro transforma-se na plataforma que carreia mensagens, ideias, culturas e regista obras artísticas. No caso de Barcelos existe uma particularidade: a olaria é parte da sobrevivência do povo, mas também é o meio que lhe permite dizer “eu sou quem trabalha e por este barro me anuncio a Portugal e ao Mundo”. É um facto que objectivamente sai do ponto localizado para se dispersar e ser encontrado para outros diálogos além Portugal. E não apenas, como antes, a Península Ibérica. E [a]noto: quando é apenas parte da cultura minho-galaico, o artesanato de Barcelos circula, a partir do Século XVI, nas mãos dos peregrinos que desembarcam no Cávado e seguem a pé para Sant´Iago de Compostela, e no átrio da grande catedral as peças da figuração barcelense alcançam o mundo nas mãos de outros peregrinos cristãos. Entretanto é um negócio pequeno e nem chega a fazer frente à famosa feira franca que se realiza toda a semana na vila dos oleiros. E são ceramistas com visão de mundo, como Joaquim Macedo (sediado em Areias de S. Vicente) e o seu filho João Macedo Correia (em Barcelos), entre outros industriais, que iniciam transações internacionais a par do sucesso político do evento Aldeias de Portugal. A ibérica e galaica missão da olaria barcelense é o suporte cultural de um Portugal profundamente regional que se revisita em cada peça de barro. A cerâmica barcelense não é mais um foco do Portugal contido politicamente: é a raiz de Barcelos a dizer-se Portugal em embarques culturais e que encontra porto seguro em muitos outros países.


Bibliografia A CULTURA QUE HERDAMOS – Joaquim Santos Simões. Palestra na Citânia de Briteiros no âmbito dos Encontros Minho-Galaicos. Guimarães/Portugal, 1978. Anotações de J. C. Macedo, que participou também da palestra proferida pelo mesmo professor no Museu Martins Sarmento, em Guimarães, sob a égide do Cine-Clube de Guimarães. A NOSSA CIVILIZAÇÃO ATRAVÉS DA CERÂMICA – João Carlos Macedo. Trabalho escolar [premiado pelo Rotary Club] com base em entrevista concedida pelo ceramista João Macedo Correia. Guimarães/Portugal, 1968. AS LOUÇAS DE BARCELOS – João Macedo Correia. Museu Regional da Cerâmica. Portugal, 1965. ACHEGAS PARA O ESTUDO DAS LOUÇAS DE BARCELOS – João Macedo Correia, in Boletim informativo do Museu Regional da Cerâmica, pp. 45-55. Barcelos/Portugal, 1968-1969. CERÂMICA & CULTURA – João Carlos Macedo, in artigos p/ jornais O Povo de Guimarães e Barcelos Popular, 1981. Obs.: Adelino Macedo montou a base tecnológica, com o irmão Toni Macedo, da empresa de decoração em azulejo, dirigida pela mãe Maria Helena, em Guimarães. O SALAZARISMO E A FARRA DO GALO – J. C. Macedo. Artigo in ´site´ noetica.com.br, 2011. PORTUGAL, O GALO E EU – J. C. Macedo. [Ensaio sobre a essência de uma Nação profunda em cada Alma portuguesa.] Opúsculo mimeografado no Q-G do Exército, três dias depois do golpe de 25 de Novembro e distribuído a partir da ´República dos Cágados´ entre militares, estudantes e professores. Coimbra/Portugal, 1975.


O SALAZARISMO E A FARRA DO GALO [a propósito da integração do Galo de Barcelos na barbárie ideológica de António Ferro]

E assim, de repente, a Rosa Ramalho surge na telinha da televisão a assinar o livro pela convalescência do ditador Salazar. Ela não tem nas mãos o seu famoso ´cristo´ de barro, mas representa no momento a tradição ceramista de Barcelos, a cidade banhada pelo rio Cávado, ao norte de Portugal. Ela, nos Anos 60, é uma das filhas mais gloriosas das olarias de Areias de S. Vivente, e o seu ´cristo´ muito disputado. Vejo-a às vezes na feira franca de Barcelos, às quintas-feiras, entre as barracas de outros ceramistas.


É, diz-se, a maior feira aberta de Portugal. Mas, Barcelos é o município com maior número de freguesias, o que também explica a grande festa semanal. E o que Rosa Ramalho faz em Lisboa, perto do já quase amortalhado Salazar? A idosa ceramista pode não ter consciência total do acto, mas a ´esperta´ turma do António Ferro sabe muito bem que a presença dela ao lado do ditador, via telinha da televisão, é uma chamada popular de alto interesse para a cultura fascista imposta no país: quanto mais ´popular´ o instante televiso junto de Salazar, mais comovente será a recepção do sinal pela população abandonada à própria sorte, mas bem tangida pelos políticos e pelos padres católicos com os seus cajados ideológicos.

[o ideólogo António Ferro observa Salazar em pose para um artista]

Entre as várias manifestações promovidas institucionalmente pelo astuto intelectual António Ferro, está o estabelecimento do Secretariado de Propaganda Nacional [SPN] e a promoção das riquezas folclóricas portugueses, do tipo “a aldeia mais portuguesa”, etc. Ele havia trabalhado com o poeta Fernando Pessoa, na ´Orpheu´, e só alguém com inteligência e fadado a fazer ´algo e mais´ poderia trabalhar editorialmente junto da alma pessoana. E foi aí, nas decisões sobre a revista ´Orpheu´, que ele forjou a sua máxima para o Governo de Salazar: trabalhar com e por uma ´Política de Espírito´. E talvez por isso, e para homenagear Pessoa, ele tenha pressionado a entregar o 2º lugar no concurso literário do SPN ao poema ´Mensagem´, pois, sabia muito bem das dificuldades financeiras daquele grande intelectual. [De outra maneira, o trabalho pessoano nem seria considerado sob o princípio da ´Política de Espírito´.] Entretanto, Ferro precisa instituir um prémio nacional para a sua ´aldeia mais portuguesa´. Segundo o ceramista João Macedo Correia, meu avô, “[...] a história do Galo de Barcelos como peça a representar turisticamente Portugal começa quando o Ferro vislumbra, no âmbito do programa ´aldeias portuguesas´, não um prémio, mas a simbologia da tradição popular, e fez do Galo de Barcelos, já então adaptado pelo artista Gonçalves


Torres, a grande imagem lusa no mundo. Li num jornal daqui que o nosso artista aperaltou o nosso galinho que agora está em todo o mundo cheio de estilo e muitas cores”. E assim, o homem da propaganda salazarista transforma uma peça do artesanato cerâmico barcelense em peça que, por si só, diz da grandeza artística popular e diz do regime político que chefia o povo, humilde e manso, mas criativo. É neste enquadramento político e folclórico que se lê e interpreta o momento da ceramista popular Rosa Ramalho a ´abrilhantar´ o amortalhado Salazar. Mas, diga-se: é óbvio que a sua arte é maior que as artimanhas do ideólogo salazarista, e tal como o seu ´cristo´, o ´galo de barcelos´ é também o objeto-imagem de um povo com as suas crença e suas leituras entre o pagão místico e o dogma institucional. O que é o Galo de Barcelos? Lembro que nas férias pascais de 1968, depois de uma fornada de peças que vendera para a Alemanha e a Inglaterra, o meu avô João Macedo Correia, que vai experimentar uma roda de ceramista na sua oficina, diz-me: “Vem, vou mostrar-te como o Emílio do Parral modelou o primeiro dos nossos galos”. Enquanto enfrenta a roda e modela uma porção de barro, continua: “Na verdade, João, quem abriu na roda o pedestal e o corpo do galo, foi o Francisco de Sousa (lembras?, é o ´ti´ Francisco do monte...), e talvez tivesse ele a tua idade, 14 ou 16 anos, não sei, mas sei que quem teve a ideia do galo foi o Emílio, e é o ´dele´, o galo do parral, que vamos refazer agora...”. Assim eu tomei conhecimento da história do galo de barro, pois que o da lenda mística do galego, que se salva ao dizer que um galo assado vai cantar depois do seu enforcamento, está na boca do povo cristão, principalmente o que faz a peregrinação no Caminho de Santiago.


Um texto meu, publicado em 2006, relata: “[...] decidi conhecer outra história, outra Villa Barcellos, no Rio Negro e capital da Amazônia. Uma família de pescadores, idosa, especializada em peixes ornamentais. ´Aqui, meu senhor, temos o galo de barro e o peixinho de aquário, e ambas as coisas têm a ver com aquela Barcelos das gentes que fazem bonito com o barro´, ouço a idosa falar do maior arquipélago da terra e da sua ligação com a ´terrinha´ lusa. ´Ai, o galego teve sorte, foi abençoado por Deus e ainda deu motivo para as gentes do barro fazerem o galo...´. Eis que a crônica deixa-nos mais um tema: O que o Galo de Barro tem a ver com a Festa Religiosa?

Enquanto que para os políticos do Estado Novo português o objecto de barro é o que posso denominar como farra do galo, e as implicações são apenas ideológicas, porque o Galo de Barcelos é um objecto da tradição ceramista que pode ser trabalhado turística e culturalmente no mundo de várias maneiras... sem servir interesses governamentais, já no campo mítico da cristandade católica, a acção de ceramistas barcelenses na projecção de um galo a representar a lenda do galego é religiosa e é mercantil, pelo que na sua representação da lenda o Galo de Barcelos passa a ser mais um objecto na identificação do Caminho de Santiago e do Catolicismo. “O galinho de barro diz da nossa fé na santa igreja em qualquer lugar que ele esteja” [Barcellos, op. cit.]. E é verdade: em qualquer parte do mundo o Galo de Barcelos tem essa representação, e é como que um altar informal para a crença da cristandade, mas é também o objecto que diz [apesar do SPN de Salazar e de Ferro] da criatividade do Povo português.

NOTAS BARCELOS [Amazônia, Brasil] – Situado no Rio Negro, é o maior município-arquipélago do Estado do Amazonas, com 89.572 Km2, a 496 Km de Manaus por via fluvial. Foi a primeira capital do Amazonas. No âmbito da colonização do Programa Grão-Pará para a mudança de


Portugal para o Brasil, chefiado pelo Marquês de Pombal, no Séc. XVIII, as vilas da região amazônica deveriam tomar o nome de localidades portuguesas, e a Missão de Nª Sª da Conceição de Mariuá recebeu o nome de Barcelos. BARCELOS [Minho, Portugal] – Cidade portuguesa no Distrito de Braga, região Norte e subregião do Cávado, com cerca de 20.625 habitantes. As origens da localidade de Barcelos são bem antigas, remontando a povoados pré-históricos e tendo sido habitada por diversos povos como Cartagineses ou Romanos. Em 1140 recebia já foral do primeiro Rei Português, D. Afonso Henriques, atestando desde logo a importância do local que desde sempre assumiu uma posição estratégica na comunicação entre o litoral e interior, Portugal e Castela. É sede de um município com 378,70 km² de área e 124 555 habitantes (2008), subdividido em 89 freguesias (é o concelho com maior número de freguesias em todo o país). BARCELLOS, João – Pesquisador luso-brasileiro, autor de vários livros sobre a lusobrasilidade, porta e conferencista. CORREIA, João Macedo [1908-1987] – Professor de artes, músico e ceramista, autor de ‘As louças de Barcelos´, entre outros opúsculos. FERRO, António [1895-1956] – Jornalista e político, chefiou o Secretariado de Propaganda Nacional [SPN], órgão de difusão do ideal fascista assumido pelo Governo de António de Oliveira Salazar. GALO DE BARCELOS – Peça de cerâmica, com origem no tradicional figurado de barro feito em Barcelos, na Província do Minho, norte de Portugal. Especula-se que a primeira peça tenha sido modelada por volta de 1925 até chegar ao formato apresentado em 1927, numa feira de artesanato em Braga. Da Lenda do Galo – A Villa de Barcellos andava alarmada por causa de um crime. Quem foi? Como foi?, etc., até surgiu um galego que gerou suspeitas. Resolveram detê-lo, mesmo com o homem a dizer não e não, porque não. “Estou em peregrinação para Santiago”, dizia. O nome Barcellos vem de Barca Celli, porque muitas barcas atracavam no rio Cávado cheias de peregrinos. Condenado à forca, o galego solicitou a presença do juiz que, na hora, jantava com amigos. Ao ver um galo bem cozinhado na mesa, o galego atirou: “É tão certo estar eu inocente que esse galo vai cantar quando me enforcarem”. Todos riram e o galego foi levado para a forca. Ao apertarem a corda no pescoço dele, o galo assado levantou-se e cantou diante do juiz assustado e perplexo. “Cancelem o enforcamento!”, ordenou o juiz. Teve sorte: o galego só estava com a corda no pescoço porque um dos nós estava mal feito. Anos depois, o galego voltou à Villa Barcellos onde esculpiu o Cruzeiro do Senhor do Galo. MACEDO. J. C. [1954] – Jornalista e escritor. As anotações sob o título ´o galo do parral´ foram transformadas numa redacção escolar, que deu ao autor o primeiro lugar num concurso acadêmico em Guimarães, em 1968. No ano 1983, o material serviu para um documentário cinematográfico [no modelo Super 8 mm sonoro] feito pelo autor, para ser apresentado no Festival Internacional do Cinema Amador de Guimarães [FICAG], com o titulo ´A Farra do Galo´. ORPHEU, revista [1915] – Revista luso-brasileira que reuniu intelectuais ´modernistas´ como Luiz de Montalvor, António Ferro, Ronald de Carvalho, Fernando Pessoa, Almada-Negreiros e Mário de Sá-carneiro. A revista teve apenas duas edições no mesmo ano. PESSOA, Fernando [1888-1935] – Tradutor, gráfico e poeta, autor de ´Mensagem´. Deu emprego a António Ferro, na Revista Orpheu, mas como editor, porque era menor de idade. A


fantástica e esotérica produção literária pessoana só veio a ser conhecida depois da sua morte com a descoberta do seu baú de escritos. RAMALHO, Rosa [Rosa Barbosa Lopes, 1889-1990] – Uma ceramista da tradição mística do norte português. O estudioso Mário Cláudio escreveu sobre ´Rosa´, em 1988, e o cineasta Nuno Paulo Bouça dirigiu o curta-metragem ´À Volta De Rosa Ramalho´, em 1996. SALAZAR, António de Oliveira [1889-1970] – Estabeleceu em Portugal uma ditadura fascista, entre 1932 e 1968, no âmbito nacionalista do conceito Estado Novo, já conhecido na Itália e exportado também para o Brasil e outros países. TORRES, Gonçalves [1909-1987] – Caricaturista, paisagista e retratista, foi o maior pintor barcelecense do Séc. XX.


Poesia Em Barcelos (poemas manuscritos, pinçados de “cadernos de barcelos”)


galo de barro das mãos que em magia dão forma ao objeto escorre um querer de liberdade a massa vira que vira a gente d´argila não sabe nem mais a idade não quer é ser mero objeto mas da vida a pura alegria a massa vira que vira e um galo canta para a vida

barcelos em festa pelas velhas ruas soltam os zés-pereiras gaitas-de-fole e tambores entre gigantes de papel e tecido as trupes ocupam a cidade é a festa do povo as almas são poesia e fogo é a festa do povo cantares que dizem da vida em jogo


luar em barcelos do palácio nunca feito ouço as águas do cávado e vejo nelas calmas margens e quero mais e subo na torre dos sinos da matriz e deixo-me banhar pelo luar num cântico de paz e em mim a luz faz a imagem de um profundo amar brota de mim qual chafariz a ânsia d´encontrar nova fonte para este rio d´eu que não sabe de margens ouço as águas do cávado mas não sou senhor sem amor eleito

o campo da bola a alegria corre solta o fiscal abre a porta do campo adelino ribeiro novo a petizada só tem olhos para a bola não há fado nem querer que imite o vira-vira de uma bola nas tardes do gil vicente eis que barcelos respira o novo n´alegria de uma petizada que corre solta


as lampreias do cávado boias de cortiça e redes estão no rio dos barca cellus pescadores aguardam a bela e boa enguia que as mulheres querem no bom farnel para o domingo na praia d´apúlia ou na franqueira dia de um novo olhar para os filhos ou de um anel a celebrar a noiva que já se vê em nova eira como se como na peregrinação d´amor faltasse farnel ai que a vida é isca d´alegria e por ela também a enguia faz juz à gula dos pescadores de barcelos

o moinho e a ponte a grande mó gira a moer os grãos e nós junto do eixo da roda d´água espiamos a ponte a vez primeira é um olhar d´água ais e beijos e mãos sob o cântico da mó somos o moinho a fabricar emoção somos a ponte da nova geração


juventude façanhuda é preciso mostrar ao que viemos diz o missionário ora na sacristia ora na torre dos sinos a igreja matriz é a casa dos nacos de gente eles querem aprender a ser eles querem estar façanha mais homem que santo o missionário diz aos filhos que cada sentimento mostra ao que viemos

o que vemos é o que lemos no campo das cruzes ou na fonte de baixo na ponte romana ou na canoa rio abaixo vivemos o mundo que lemos

os jovens façanhudos acampam nas areias d´apúlia e nos matos da franqueira jogam bola e olham o mundo querem ir muito além da sacristia e da torre dos sinos eles querem provar o ser eles querem mostrar façanha não interessa se são santinhos ou se fazem asneira eles são os façanhudos


amores jovens a pé ou na magrela da tia professora até ao ferreiro da estrada d´apúlia era eu o rapaz que ia e vinha da quinta d´abade do neiva ó e os poemas que a menina lia atrás da forja enquanto eu buscava guarida no quintal do oleiro a moldar outro cântico para ela nos olhos da bela a fragrância d´alfazema era rasto que eu seguia de quinta em quinta a pé ou na magrela


linguagem da vida do fole da gaita vem a frase a viola pontua em cada corda a caixa cadencia é barcelos a acordar e já a malta moça namora entre longos cabelos que é hora d´inteligência na busca d´amor com a liberdade que nele aflora batalha pela vida é a frase soprada na gaita


nas sortes da guerra já mostraram os corpos os médicos da guerra olharam e disseram “aptos!” os jovens ora caem na folia vinho verde e viola concertina e pandeiro tiraram a sorte e choram n´alegria que os crueis senhores da guerra disseram “aptos!” ora a morte quer os moços

que chorem as namoradas que chorem as esposas e as outras a guerra é feita de saudade e o amor é flor d´eternidade entre tudo e coisas loucas ficam na guerra vidas enamoradas

tiraram a sorte e choram n´alegria jovens encantam a morte na mortalha da folia


barcelos d´olhar novo a braçada jovem não domina as águas do cávado sinto n´alma o querer d´algo novo as margens do rio não m´agridem sou livre sou livre para amar sem imagens que iludem não vislumbro as margens do rio sou barcelos d´olhar cântico dum novo querer que tem a força do cávado livre e sempre jovem


feira das quintas 1 e depois das flores na mesa do café do galo o homem da feira traz a mim o frescor d´água e este gajo faz-me beber todas as flores

2 tecidos e couros gado e louças de barro cru e vidrado ó tantas cores emoção em frutas e licores ó feira d´ilusões e ouros


sempre barcelos o que me traz a barcelos tantos anos depois? na esplanada do café olho barcelinhos e do lado de cá o palácio em ruinas a matriz e eu sim e eu o chamado da raiz é eco de velhas minas que em nós descobrimos tantos anos depois e é por ela que venho a barcelos

o que me traz a barcelos tantos anos depois? mesmo longe do barro e do vinho e dos bois e dos amores idos eu sempre serei barcelos

[Cadernos de Barcelos. Originais digitalizados por Johanne Liffey, que guarda a maioria dos escritos de J. C. Macedo de 1968 a 1981.]


Barcelos & Eu