Issuu on Google+

Revista


Comunicar é preciso. Imagine o planeta, essa enorme esfera que chamamos de Terra. Agora, pense nas incontáveis culturas, hábitos e idiomas que nele existem. Partindo desse pensamento, pergunte como essas multidões se relacionam? É intrínseco e inerente a qualquer ser – e não me refiro somente ao ser humano – que comunicar é essencial à existência e perpetuação das espécies. Ao nascer, já nos comunicamos com o ambiente que nos cerca. Se um bebê sente fome, ele chora. A mãe, por instinto, logo imagina que seu filho necessita de algo. A própria natureza, por meio de relâmpagos e trovões, por diversas vezes, nos comunica que vai chover. Então, não saímos de casa sem um guarda-chuva. Entender o processo de comunicação é tão essencial quanto respirar. Esse ato, simples e complexo ao mesmo tempo, é o oxigênio que mantém nossa relação com o meio em que vivemos.

Uma comunicação eficaz faz toda a diferença. Palavras, imagens e gestos, quando bem utilizados, constroem um cenário favorável às nossas ações, assim como o contrário do mesmo pode nos causar sérios problemas. E é nesse ponto que queremos chegar com a nossa publicação. A comunicação como objeto de relacionamento. Partindo deste tema, iremos abordar suas mais variadas formas, desde a comunicação interpessoal até o ambiente de nossa existência, incluindo, é claro, a comunicação como profissão, seja ela jornalística, publicitária e artística. Pegando carona no processo, e atendendo a região em que a revista é veiculada, trazemos até você um divertido dicionário de “mineirês”, com as formas de expressão e linguagem que há no estado de Minas Gerais. Sem mais delongas, tenham todos uma ótima leitura e, como já dizia Chacrinha: quem não se comunica, se trumbica!

Um forte abraço, A redação. Comunicação, do Latim: Communicare. Do Dicionário : s.f. Ação de comunicar: estar em comunicação com alguém. / Aviso, mensagem, informação: comunicação de uma notícia. / Psicologia Transmissão da informação no interior de um grupo, considerada em suas conexões com a estrutura desse grupo. / Meio de ligação: vias de comunicação.


Comunicação: um risco que precisamos correr! Alguém já deve ter ouvido a frase que só há apenas dois tipos de música: a boa e a ruim. Essa afirmação se mostra um tanto contraditória, já que o que é bom para um pode ser ruim para outro, dependendo da percepção de cada um. Assim também é com a comunicação. Você diz algo com o risco das pessoas entenderem outra coisa. Quantas vezes nos deparamos com uma frase que, ao mesmo tempo em que nos deprime, faz a alegria de tantos outros? Isso pode acontecer devido ao que o receptor da mensagem tem como crença ou entendimento enquanto indivíduo. O profissional de comunicação precisa estar sempre atento para perceber todas as possíveis variáveis e os diferentes entendimentos que o seu trabalho pode gerar. É imperativo um olhar mais apurado para um texto ou imagem para notar todas as possibilidades, sejam elas positivas ou negativas. Sem querer citar culpados, até porque esse não é o intuito desse artigo, quantas vezes uma propaganda bem bolada, bem produzida e altamente criativa foi retirada do ar por ferir “valores éticos da sociedade”? A liberdade de expressão é algo que

todo artista genuíno busca com a sua arte, porém essa liberdade pode lhe causar danos e lhe custar muito caro. Durante a ditadura militar, muitos brasileiros deixaram o país e seguiram para o exterior. Era o início do exílio. Caetano Veloso e Gilberto Gil, líderes do tropicalismo, que através de músicas de protesto e do próprio movimento musical em que estavam inseridos, agitaram a opinião pública, sendo então enquadrados na lei de segurança nacional e expulsos do país. Nesse caso, sua forma de comunicação era um grito de liberdade à opressão em que o Brasil estava mergulhado. Podemos citar diversos casos em que comunicar é um ato de risco, mas a lição que aprendemos na história humana é que devemos saber como, quando e para quem realizar essa nobre tarefa, para que não sejamos reféns de nossas próprias palavras.

Infelizmente, muitos ainda fazem vista grossa para essa lição. Edivandro J. Silva Segunda, 23 de Abril de 2012


Libras: quando as palavras não são ditas. Adaptação é a palavra de ordem para diversas circunstâncias em que nos encontramos ao longo da vida. Na comunicação não é diferente. Muitas vezes, nos comunicar com alguém exige certo conhecimento e esforço maior que o comum. Para muitas pessoas isso não é uma opção. É o caso dos deficientes auditivos, que pela falta dos sentidos de audição e fala, precisam encontrar outros meios para se comunicarem. As comunidades que não possuem tais sentidos utilizam a linguagem de sinais para realizarem suas mais básicas formas de comunicação. Essa linguagem não representa sim-

plesmente gestos ou mímicas, pois ela possui estruturas gramaticais próprias, sendo classificada como língua, pois a mesma é composta pelos diversos níveis linguísticos, sendo eles o fonológico, o morfológico, o sintático e o semântico. Sendo assim, a linguagem de sinais não é universal. Cada país possui a sua própria língua de sinais, com expressões que variam de região para região, como os próprios regionalismos da língua portuguesa, por exemplo. No Brasil ela é chamada de LIBRAS, que é a sigla para Língua Brasileira de Sinais.

Edivandro J. Silva 24 de Abril de 2012

Telefone sem fio O telefone sem fio é uma tradicional brincadeira popular, que é utilizada para mostrar as crianças que “quem conta um conto aumenta um ponto”, ou seja, no final a informação inicial já foi totalmente modificada. A brincadeira é realizada da seguinte forma: 1° Passo: Geralmente forma-se um circulo com 5 ou mais pessoas e uma delas fala qualquer frase no ouvido

do colega ao lado,sem que as demais escutem. Ex: “ Um prato de trigo para um tigre”. 2° Passo: Vai passando até que chegue no último participante que vai anunciar a frase final ,que com certeza vai ser diferente da que foi dita no início. Pode parecer uma brincadeira “boba”, que serve apenas para distrair as crianças, mas a verdade é que essa simplória brincadeira nós mostra o poder


que a comunicação possui, pois a partir de uma comunicação mal feita ou mal interpretada pode se causas vários problemas dentro da empresa, da faculdade, ou em qualquer lugar que estamos inseridos.

Por isso os profissionais de comunicação,deve aprimorar a cada dia que passa sua capacidade de disseminar a informação para evitar o máximo possível o efeito “Telefone sem fio”.

Suellen Silva

Rosebud – A palavra que ainda busca um significado! A ascensão de um mito da imprensa americana, de garoto pobre no interior a magnata de um império dos meios de comunicação. Ao ler essa pequena sinopse, você talvez não se interesse tanto em ver o filme. Sem dúvida, ela não resgata todos os elementos dessa obra cinematográfica que fez história, mudou a forma de se fazer cinema e de como nós percebemos a força da mídia. “Cidadão Kane”, dirigido pelo genial Orson Welles, e lançado em 1941, foi considerado o melhor filme de todos os tempos, sendo tema das mais diversas discussões a respeito da força da mídia e o seu impacto na sociedade. O filme retrata a vida do magnata da imprensa Charles Foster Kane (interpretado pelo próprio Welles) e ao mesmo tempo critica a mídia e o capiEdivandro J. Silva Terça, 24 de Abril de 2012

talismo americano. A comunicação é o principal objeto da mídia e nenhuma outra obra poderia expressar tão bem essa vertente quanto este filme. Em seu leito de morte, o personagem principal pronuncia a palavra “rosebud”, que aparentemente não tem nenhum significado, e é nesse ponto que surge a figura de um repórter que busca de forma obsessiva a resposta para esse enigma, que o mesmo acredita ser a resposta para a vida atribulada de Kane. Portanto, se você estuda jornalismo, publicidade ou qualquer outro curso de Comunicação Social, é sua obrigação assistir esse filme. Caso não estude, é altamente recomendável conferi-lo, seja pela sua audácia frente ao seu tempo, seja pela genialidade de sua narrativa.


Ferramentas úteis para desenvolvedores web Existem milhares de ferramentas que nos auxiliam nos projetos de páginas web. Complementam as atividades e podem facilitar no quesito TEMPO. Trouxemos cinco ferramentas, entre softwares e geradores, que lhe auxiliarão muito bem em seus projetos.

para tais e o código fonte é gerado automaticamente.

• Markup Validation Service Ferramenta da W3C que permite aos usuários verificarem a marcação de seus códigos fonte, que ajuda na qualidade técnica das páginas. Com alerta para erros, e proposta de solução.

• Favicon.cc Crie facilmente ícones para a barra de navegação de seu site através dessa ferramenta online.

• CSS3 Generator O CSS3 generator vem com os seletores e propriedades semi estruturadas e você só precisa entrar com os valores Thiago Almeida (via chocoladesign.com)

• Color Schemer Uma ferramenta escelente para visualização de cores e seus respectivos valores em RGB e Hexadecial.

• Notepad++ O Notepad++ é meu editor de código-fonte preferido, por causa da sua abrangência em diversos tipos de linguagens. As marcações e identações são melhores de visualizar. É um programa leve e de fácil instalação, infelizmente, disponível apenas para Windows.

Como transformar ideias em produtos! Uma das coisas mais difíceis na vida de um designer é transformar suas ideias em produtos de verdade. Sabemos bem como desenvolver os projetos mas colocar um produto no mercado é outra história. Existem alguns sites que podem ajudar…

O QUIRKY é um deles. Você submete sua ideia e a comunidade ligada ao site irá dar sua opinião sobre seu produto. Os melhores conceitos são escolhidos a cada semana. Se sua ideia for selecionada, eles desenvolvem o produto, colocam no mercado e você ganhará royalties eternos sobre ele. É


uma forma simples de colocar os projetos em prática e começar a ganhar dinheiro com suas ideias. Acesse http:// www.quirky.com/ Claudia Facca (via chocoladesign.com)

Curiosidades da publicidade Vocês sabem o porque do galo ser o símbolo da publicidade?!

O galo acorda bem cedo e dá o seu grito antes que todos os outros animais. Ele que canta e faz alarde desde o amanhecer para anunciar o dia. Ele representa o comunicador há várias décadas por ser o grande propagandista do raiar do dia. A mesma coisa é com a publicidade. Deve-se anunciar antes e de forma eficiente que os concorrentes.

Conheça o Haddon Sundblom, o ilustrador que mudou a cara do Papai Noel!!! Embora não tenha sido Haddon Sundblom o primeiro artista em recriar a imagem do Papai Noel para a Coca-Cola, foi o seu design o que se tornou mais famoso, mudando a percepção do mundo sobre o célebre habitante do Pólo Norte. Nos anos vinte, a Coca-Cola começou a promover nas revistas norte-americanas o consumo da bebida durante as férias de inverno. Nesses primeiros anúncios, Papai Noel aparecia magro e com olhar severo. Mas em 1931, a agência de publicidade da

Coca-Cola quis mostrar na próxima campanha um Papai Noel saudável e alegre, e comissionaram o ilustrador Haddon Sundblom para desenvolver as novas imagens. Através dos anos, as cativantes campanhas de Natal da Coca-Cola levaram pelo mundo a nova imagem do Papai Noel. A parceria da Coca-Cola e Haddon Sundblom durou por décadas. Durante 33 anos, Haddon Sundblom pintou versões imaginativas do “Papai Noel Coca-Cola” para anúncios, displays nas lojas e cartazes.

Avião no estacionamento da Agência Publicis A Embraer completou 10 anos como cliente Publicis. Pra comemorar, eles adesivaram o portão da garagem, fazendo parecer que tem um avião lá dentro. A ideia é lembrar que, não importa como o cliente chegue até a agência, tem sempre uma vaga reservaga pra ele.


O estado de Minas Gerais é incrível, possui ampla diversidade cultural, além de lindas cidades que fizeram e fazem parte da historia do Brasil. O mineiro, que com sua fala mansa e tímida, puxa o “r” ao pronunciar as palavras, e cativa a todos com seu jeito “queto” de ser. E quando rola

um queijo não perde tempo e corre atrás. Pra você que quer conhecer melhor o universo da comunicação mineira trazemos até você um pequeno e prático dicionário mineirês, que te dará suporte para compreender alguns dos ditos populares mais usados aqui em nossa região.

Dicionário Mineirês A B

C

Ái - tempero usado com o óleo nas refeições Ansdionti - antes de ontem Asmininxegaro - as meninas chegaram Abroba - abobora Ajandirado - efeminado Aspá - enfezar, ralhar Banhin - banho Bão dimais da conta - algo muito bom Badacama - debaixo da cama Bestá - cometer uma besteira. Ex: Cê tá bestando, sô? Belrizonte - Belo Horizonte Bicicreta - bicicleta Badulaquêra - amontoado de coisas sem serventia definida Balangâno - dependurado e balançando Berrêro - choro escandaloso Bicharêdo - muito bom naquilo que faz, exímio Bisaví - par Boia-de-sal - todo tipo de comida que leva sal, mais precisamente arroz,feijão, carne etc. Briquitô - pelejou Bugaiáu - coisa sem valor Buléu - arranco Burrái - cinza quente, misturada com brasa Butela - grande, exagerada Caga - defecar Ex: Joãozin cago ditrais das bananeira. Cadiquê - por causa de quê Cadiquim - um pouquinho Casgô na Braquiaran - fugiu Causo - Caso, história Caisopô - caixa de isopor Cambada - bando de homens Capanga - sacola pra carregar coisas Cê/Ocê - você Conforfo - conforme for Conzinha - cozinha


Cacunda - costas, lombo, costado Cadóiz - mal pagador Cafangô - foi embora, saiu rápido de algum lugar, sumiu de repente Cafuçu - bobo, tolo Cainágua - zé ninguém Cambêto - torto Campiá - campear, procurar por um animal no campo ou mato Campô inrríba - foi atrás Capado - porco castrado para engordar Cascano o minduím - a pele de um amendoim torrado sai facilmente quando este é colocado sobre a palma da mão e esfregado com a outra Catira - negócio Catacráge - falcatrua Catuêro - toco Chacota - humilhação Chibante - elegante, exibido Chuliâno - entremeando, andar dando volta Cipiô - escorregou Cólca - cólica Croada - movimento volteado da peneira do garimpeiro ao lavar o cascalho, semelhante ao rebolado da mulher durante o ato sexual.que, ao ser acionado, gira forte e provoca o som de um assovio Currutéla - vilarejo, povoado

D E F

Digero - anda depressa. Ex: Anda digero. Destrambeiado - homem dos miôlo mole, faltando uns parafuso na cachola Dácençapreu - me dá licença Dáumtiquinho - me dá um pedacinho Dendapia - dentro da pia Denduforno - dentro do forno Dentifrisso - dentifrício Desceuprusgrugumio - desceu pela goela abaixo Deumemo - de mim mesmo Deusdiqui - desde que Dôdestongo - dor de estômago Doidimais - doido demais Doncovim - de onde que eu vim Dosséis - de vocês Dotrabanda - do outro lado Emribadora - em cima da hora Estrupício - trem esquisito Fromoso - muito bonito. Ex.: Ê, muié fromosa! Fií - filho ou fio Ex: Ô Jão é seu fií? Cuidado cum esse fií nu chãum. Fumoevortemo - nós fomos e voltamos Forrobodó - festa Fréjo - movimento festivo e barulhento Froxá - cansar Fulobé - rifle calibre vinte e dois


G

Galfo – garfo Gotêra - gota de chuva que cai do telhado Giriza - raiva Grujêta - gorjeta Guêitada - risada, gargalhada

H

Humiá - desfazer se de outro. Ex.: Só

I J K L M

Indostrudia - ainda outro dia Iscodidente - escova de dente Issoquipómoiá - isso aqui pode molhar Istrudia - outro dia Indiota - sujeito idiota, Trocha Imaná - andar junto Incômudo - doença Ingüiá - enjoar, dar vômito Inhambado - enrolado, compromissado Inredá - contar para outras pessoas, espalhar, denunciar Intêro - animal macho sem ser castrado, reprodutor Intôjo - antipatia Isbafurido - afobado, apavorado, apressado Iscanchelado - desmazelado, desarrumado Istâmbo - estômago Istrudo - esquisito Istrumbicô - enguiçou, atrapalhou Istrupiço - coisa feia, desajeitada, esquisita

Jiboiá - ficá sem fazê nada o dia int��ro

Kidicarne - quilo de carne Lesma - gente lenta, quais parando. Ex.: vê se avia, ô lesma! Lúmia - iluminar Lidiarco - litro de álcool Lidileite - litro de leite Lacêi - folga Leréia - muita conversa, muito barulho Lubrinado - embaçado Mií - Milho Maravia - coisa maravilhosa. Ex.: a lavôra tá uma buniteza, uma maravia! Mãodivaca - sujeito avarento Mardusfigo - mal do fígado Mastumate - massa de tomate Midipipoca - milho de pipoca Madorrinha - sesta, soneca rápida, cochilo Mainô - pode ser pensou ou diminuiu Mamparra - segunda intenção, tramóia


Mata-burro - pequena ponte sobre um buraco seco, colocada em estradas, geralmente na sequência de cercas de divisas, para impedir o trânsito de animais Matume - monte de mato ou cabelo Meganha - soldado raso Merréca - coisa pouca, pequena, sem importância Mido - antiga marca de relógio Mingüá - diminuir, reduzir Mundéu - armadilha Murundunzím - pequeno monte, protuberância Mutrêco - coisa feia, esquisita

N

Nuuuu - É quando você vê uma coisa, um acontecimento muito impressionante Némermo - não é mesmo? Nimim - em mim Nóistrupicamanumcái - nos tropeçamos, mas não caímos Nóissinvai - nós já vamos Nóistamuino - nós estamos indo Nossinhora - nossa senhora Nunquinha - negação. Ex.: cê acha que eu ponho os pé lá? Nunquinha!

O

Ói - oléo Orêia - é por onde a gente iscuita, uai! Onquié - onde que é? Óprocê - ó!, pra você Ostrudia / Istudia - outro dia Óiprocevê - para você ver! Óiquí sô - olha aqui, meu amigo Óiuchero - olha o cheiro! Óncêfoi - aonde você foi? Óncotô - onde que estou

P

Pó pô pó? - Pode por ô pó? Porva - aquilo que a gente põe no cartucho da espingarda, pra dá tiro Peraí – espere ae, só um minuto Pandiquejo - pão de queijo Pédiboi - homem muito trabalhador Pincumel - pinga com mel Pondiônsbi - ponto de ônibus Pópegakasmão - pode pegar com as mãos Pópicáuaio - pode picar o alho Pópô - pode por Pópômapoquimdipó - pode por mais um pouquinho de pó Pôpurbaxo - colocar por baixo Pradaliberdade - praça da liberdade Praonostamuinu - para onde nos estamos indo? Prarribadeu - pra cima de mim Prestenção - preste atenção Procevê - para você ver Proncovô - pra onde que eu vou Prosseis - para vocês

Q

Quaisnaora - quase na hora Quascaí - quase caí Quédele - cadê ele Quingresia! - que confusão! Quiçaça - miudeza que a gente carrega no bolso, na capanga, ticéteira Quiçassa - quinquilharia, objetos usados e velhos


R

S

T

Raxa o bicu - dar muita risada Regu - cofrinho Ex: Tião agaxo e mostro u regu. Rugoiais - rua Goiás Rumbud - cabeçudo, roliço. Ex.: tentei enfiá o parafuso, mais o bicho é rumbudo dimáis... Regatêro - saliente, exibido, brincalhão Reinâno - pensando, imaginando Remedâno - imitando Rênca - punhado Strupiciu - pessoa acabada de feia Sustança - energia. Ex.: feijão é bão e dá sustança... Sinhora dabadia - fica impressionado com alguma coisa Sô - senhor Sá - senhora Sadona - minha senhora Sápassado - sábado passado Secopassado - século passado Séssetembro - sete de setembro Sóumcadiquinho - só um pouquinho Sugigado - obrigado, sobrecarregado Ticétera - etecetera Toma banhin na soda - é quando você que manda um caboco ir se fu... Tó - oferece alguma coisa para alguém. Ex: Tó a lamparina, pro cê lúmia. Táinzonando - está demorando Tálascado - está em má situação Taveu - estava eu Tidiguerra: tiro de guerra Tissodaí - tira isso daí Tradaporta - atrás da porta Trem: qualquer coisa ou objeto, menos aquela coisa que a gente pega na estação Tranzantonti / Antionti - no dia anterior ao dia de ontem Trembão - qualquer coisa boa Teiado - telhado Tafuiô - enfiou Táia - talha, pedaço, naco Tamburêtim - banco, cadeira sem encosto Tapume - cerca, tampa Tilângo - roupa velha e desgastada Tolda - ambiente coberto apenas com uma lona, local improvisado para a realização de um evento Topá - encontrar

Torête - pedaço de alguma coisa que é redonda, como um pedaço de fumo, um pedaço de corda etc. Trêta - alguma coisa Tretêro - inconfiável, desonesto Trií - trilho, caminho Tribuzama - bagunça, confusão, coisa esquisita

U V X Z

Uai - é coisa que a gente fala toda hora, mais num tem explicação. Uai é uai,uai... Ugáscabô - o gás acabou Usmininxegaro - os meninos chegaram Usvididentro - os vidros de dentro Usvidifora - os vidros de fora Uviumbaruim - ouvir barulho Veío(a) - velho(a) Vanssimbora - vamos embora Vidiperfumi - vidro de perfume Vimdiapé - vim caminhando Vorta - é o contrário da ida. Girar sobre o próprio eixo Vergáio - vergalho, membro sexual masculino. X.P.T.O. - coisa chique. Ex.: fiz um frango com angu e quiabo que ficou x.p.t.o. Xibíu - diamante pequeno e também é usado para designar o órgão sexual

Zureta - aluado, doido da cabeça

Colaboradores : Marcelo Aguiar, Wellington Aguiar Fontes de pesquisa: www.mineirasuai.blogspot.com, www.desvendar.com www.fernandodannemann.recantodasletras.com.br

Arthur Botelho


Revista

Uberl창ndia - MG Abril 2012


Revista Ícone