Page 1

CATÁLOGO 2017 www.motociclismoonline.com.br

189

❚ Custom

MOTOS

❚ Esportiva

DO BRASIL

TESTES, AVALIAÇÕES E MATÉRIAS ESPECIAIS PARA VOCÊ FAZER UM BOM NEGÓCIO EM 2017

Maxitrail ❚

❚ Trail ❚ Cub ❚ City ❚ Scooter

❚ Touring Anuário 2017

ISSN 2236-5613 R$ 15,50 00017

9 772236 561006

Naked ❚


SUMÁRIO ESPECIAL

ARTIGOS

A Família Honda 500

Nº 17 Q 2017

CATÁLOGO

Comparativo Trail de 9 a 18 mil

Apresentação das Honda CBF. CBX e CBR .....12

Duas Honda e duas Yamaha frente a frente . 86

Cub .........................................................................112

Superteste com a nova Honda CB 500F ...... 20

Os principais produtos Pirelli e Metzeller.... 96

City ......................................................................... 117

Teste da nova aventureira da Honda ........... 30

60 anos de tradição em pneus.................. 98

O scooter mais vendido do Brasil ................ 40

Taurus apresenta sua mais nova marca .. 100

A surpreendente alternativa .......................... 46

A líder em reforma lança linha de pneu ... 102

Um superteste com a BMW X-Tudo............. 52

Compromisso, segurança e satisfação ..... 104

Adrenalina Scrambler .................................... 62

Liderança e qualidade..................................106

Comparativo racional ..................................... 66

Tecnologia da MotoGP para as ruas ............ 08

300 motivos para ter uma delas .................. 74

Indicado por quem entende ........................ 110

Honda CB 500 F

Honda CRF 1000 L Africa Twin

Honda PCX

Honda XRE 190

BMW S 1000 XR BMW R Nine T

Yamaha NMax x Honda PCX Ninja 300 x YZF-R3 Yamaha Neo 125

O surpreendente retorno ............................... 82

4 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Pneus - Pirelli e Metzeler

Casa Fernandes de Pneus

Capacetes - Bullitz

Trail ...................................................................... 125

Pneus - Vipal

Scooter ......................................................... 128

Equipamentos - Givi

Naked ............................................................. 134

Baterias - Heliar

Maxitrail ....................................................142

Pneus - Michelin

Esportiva ................................................ 149

Lubrificantes - MobilR

Touring ......................................................... 155 Custom ........................................................ 159


/MobilSuperMoto

mobil.cosan.com

©2016. Todos os direitos reservados a Cosan Lubrificantes e Especialidades S.A. Proibida reprodução ou distribuição sem autorização. Mobil, Mobil 1 Racing 4T, o ícone e Mobil Super Moto são marcas ou marcas registradas da Exxon Mobil Corporation ou uma de suas subsidiárias, utilizadas por Cosan Lubrificantes e Especialidades S.A., ou uma de suas subsidiárias, sob licença. Outras marcas ou nomes de produtos utilizados neste material são de propriedades de seus respectivos donos.


Confiança em dobro para seu dia a dia

Mobil garante: Performance, maior durabilidade e motor limpo por mais tempo. Honda garante: Mobil Super Moto 4T MX 10W30 Authentic é testado, aprovado e recomendado pela Honda.

A Tecnologia que faz a diferença: ¨([FHOHQWHOLPSH]DGRPRWRU ¨%DL[RFRQVXPRGHÆOHR ¨'XUDELOLGDGHGRPRWRUWUDQVPLVV‰RHHPEUHDJHP ¨&RQWUROHGDYLVFRVLGDGHHGDIRUPDŽ‰RGHERUUD ¨3UHVHUYDDSRWÂQFLDHGHVHPSHQKRGRPRWRU


INTRODUÇÃO www.motociclismoonline.com.br www.motorpressbrasil.com.br

/motociclismomagazine @motociclismo_br

Ainda somos fortes

E

sta décima nona edição do Motocatálogo é apenas um lembrete para os mais desavisados de que o Brasil segue como um dos principais mercados de motocicletas do mundo e que nós, motociclistas brasileiros, somos um dos poucos no mundo a poder contar com uma gama tão ampla de produtos em nossas lojas. Verdade que estes não tem sido anos fáceis mas, ainda assim, as marcas presentes em nosso mercado seguem acreditando no potencial do público brasileiro. Prova disso são as 189 motos apresentadas nesta edição, a luta constante pela readequação de preços e produtos e a velocidade com que lançamentos mundias chegam ao nosso país. Mais uma vez estamos inovando ao apresentar, além das principais motos disponíveis no Brasil e de algumas das nossas reportagens exclusivas, novos e exclusivos Informes Publicitários de alguns dos principais fabricantes de equipamentos e acessórios do mercado brasileiro. Aproveite sem moderação! Equipe Motociclismo

Presidente Adrian Lualdi Vice-presidente Isabel Reis

MOTORPRESS INTERNACIONAL

Presidentes Dr. Volker Breid / Norbert Lehmann CEOs Dr. Volker Breid / Henry Allgaier Diretor Editorial Internacional Robert Wiljan Jornalista Responsável

Isabel Reis (MTB 17311)

REDAÇÃO motociclismo@motorpressbrasil.com.br

Tel. t (11) 2165-8711 / 2165-8758 Fax t (11) 2165-8719

PUBLICIDADE publicidade@motorpressbrasil.com.br

Telefones t (11) 2165-8749 / 8740 / 8731 Fax t (11) 2165-8723

MARKETING marketing@motorpressbrasil.com.br

Telefones t (11) 2165-8751 Fax t (11) 2165-8719

ADMINISTRAÇÃO financeiro@motorpressbrasil.com.br

Telefones t (11) 2165-8722 / 8755 Fax t (11) 2165-8723

ASSINATURAS www.assinemotorpress.com.br/faleconosco

Tel. São Paulo t (11) 3512-9476 Tel. Rio de Janeiro t (21) 4063-5064 Tel. Belo Horizonte t (31) 4063-9245 Demais localidades t 0800 707 8701

EDIÇÕES ANTERIORES OU COMPRA EM LOTE

celia@motorpressbrasil.com.br / Tel. t (11) 2165-8737 ENDEREÇO Rua Barão do Triunfo, 1318

CEP 04602-005 t São Paulo, SP PABX t (11) 2165-8700

DISTRIBUIÇÃO t Dinap Ltda. – Distribuidora Nacional de

Publicações, R. Doutor Kenkiti Shimomoto, 1678 CEP 06045-390 / Osasco, SP GRÁFICA t Log & Print Gráfica e Logística S.A. Tel. (19) 3876-7300, Rua Joana Foresto Storani, 676 CEP 13280-000, Distrito Industrial / Vinhedo, SP Motociclismo Especial ISSN 2236-5613. Publicação da Motorpress Brasil Editora Ltda. © Direitos reservados.

Moto de Ouro 2017

Autoridade em jornalismo automotor As publicações da Motorpress Mídia têm reputação mundial de precisão técnica e qualidade editorial. Essa é a característica da Motorpress Internacional, que atua em 18 países de Europa, América Latina e Ásia, com mais de 130 revistas. Na área de motocicletas, a Motorpress é o maior grupo de revistas especializadas do mundo. Revistas de motociclismo do grupo MOTORPRESS

ALEMANHA Motorrad

ARGENTINA La Moto

BRASIL Motociclismo

CROÁCIA Motorevija

DINAMARCA Motorrad

ESPANHA Motociclismo

HOLANDA Moto plus

HUNGRIA Motorrevü

MÉXICO Motociclismo

POLÔNIA Motocyckl

PORTUGAL Motociclismo

REP. TCHECA Motocyckl

SUÉCIA Motorrad

SUÍÇA Toff


APRESENTAÇÃO Honda CB 500F Q CB 500X Q CBR 500R

Classe média-alta

A família Honda 500 recebe sua primeira grande atualização. Elas deixam a caretice de lado e ganham porte e status, sem perder a característica eficiência Texto Fotos

Gabriel Berardi Honda

CBR 500R

12 motociclismo

CATÁLOGO 2017


D

epois de ser apresentada no salão de Milão, em novembro do ano passado, chegou a vez da família CB 500 linha 2016 chegar ao Brasil. Uma atualização que chega no momento certo e com a missão de dar novo fôlego aos modelos que, juntos, venderam quase 8 000 unidades em 2015. Praticamente a metade só com a versão X. Os três modelos — a naked CB 500F, a esportiva CBR 500R e a crossover CB 500X — ganharam novidades, contudo, é nas versões F e R que as mudanças surtiram mais efeito. Nelas, o resultado causado pela profunda renovação visual não as deixou apenas mais atuais e modernas, mas trouxe aos modelos uma imagem de categoria superior. Além do novo design, outras novida-

CB 500X

des encontradas no trio versão 2016 são o farol e lanterna de LED, nova pinça de freio dianteira, capacidade e bocal do tanque, chave tipo wave e calibragem das suspensões. Só a F e a R ganharam alças embutidas na rabeta, um novo assento e uma nova ponteira de escape (mais bonita no visual e também no ronco que emite). Por sua vez, a X conta agora com um para-brisa maior, ajustável em duas posições e que efetivamente proporciona uma proteção aerodinâmica superior ao anterior. O painel de instrumentos não muda. É completo e bem legível, mas a marca poderia ter aproveitado para incluir um indicador de marcha. Visualmente, a CBR 500R dá um salto que poderia ser medido em décadas. Agora, se não repararmos que há apenas dois tubos de escape sain-

CLASSE MÉDIA A reformulação no design chegou em boa hora e trouxe um novo fôlego à eficiente família 500

CB 500F

CATÁLOGO 2017

motociclismo 13


APRESENTAÇÃO Honda CB 500F Q CB 500X Q CBR 500R

NAKED A CB 500F segue sendo uma moto perfeitamente válida para o dia a dia, mas agora com um visual notadamente mais esportivo

do do motor, ela é facilmente confundida com uma das irmãs RR. No mesmo caminho, podemos dizer que a naked 500F abandonou o estilo mais urbano que identificava o modelo desde seu lançamento, no final de 2013, para assumir uma identidade mais sport. É como se ela deixasse de ser uma “CB Twister grande” para ser uma “CB 1000R menor”. Se a Honda a renomeasse para CB 500R não seria nenhum exagero. Possivelmente o “R” tenha ficado de fora justamente porque, apesar do novo estilo ter ficado bem mais esportivo, não houve qualquer alteração significativa na mecânica e na ciclística. Segue o bom motor bicilíndrico em paralelo de 471 cm³, com arrefecimento a líquido, duplo comando no cabeçote e acionamento das suas oito válvulas por balancins roletados. Segundo a Honda, a potência e o torque máximos seguem

Fáceis de pilotar e sem potência em excesso, qualquer uma delas pode ser uma excelente escola. Basta escolher o seu estilo! 14 motociclismo

CATÁLOGO 2017

os mesmos de antes para os três modelos: respectivamente 50,4 cv a 8 500 rpm e 4,55 kgf.m a 7 000 rpm. Ainda segundo a marca, o novo catalisador da crossover e a nova ponteira que equipa os modelos F e R produzem maior contrapressão no sistema de escape, o que favorece o torque em baixa rotação e deixa a curva de torque mais plana em toda a faixa de rotações. Algo a se verificar quando tivermos uma unidade disponível para um teste completo e uma “visita” ao nosso dinamômetro. Mantendo-se os números de potência e torque e considerando que o peso não mudou, o aumento do tamanho dos tanques significa maior autonomia. Os modelos 500F e 500R ganharam um litro de capacidade e chegam agora aos 16,7 litros. Por sua vez, o tanque da 500X cresceu 0,4 litro e passa a comportar 17,7 litros de gasolina (já que eles não são flex). O chassi de tubos de aço tipo Diamond, que depende do motor acoplado para completar a estrutura, também é o mesmo. Nas suspensões, a novidade é que agora é possível ajustar a pré-carga do garfo por meio de um parafuso no topo das bengalas. Atrás, segue o eficiente sistema de monoamortecedor ligado à balança por três pontos


móveis de fixação, o famoso Pro-Link da Honda. O amortecedor traseiro segue com as mesmas nove posições de ajuste da pré-carga (o acesso é bem chato), mas foi recalibrado para que cada um desses ajustes surta mais efeito e também para que o conjunto de suspensões acompanhe a nova “veia esportiva” dos modelos. As rodas de liga leve de 17” e as medidas dos pneus (120/70 na dianteira e 160/60 na traseira) também são comuns às três. A esportiva e a naked adotam um modelo de pneu 100% on-road, enquanto a crossover chega equipada com um pneu mais apropriado para pequenas incursões em piso sem pavimentação, mas nada radical. Por falar em pneus, toda a linha 500 passa a adotar a marca Dunlop, uma decisão global da Honda que afetou também o Brasil. No sistema de freios a novidade é a nova pinça dianteira (Nissin), que trouxe uma sensível melhora no tato de acionamento e na rapidez de resposta. O novo manete de freio com distância ajustável em cinco posições colabora ainda mais para a sensibilidade na frenagem. As três motos contam com um único e grande disco de 320 mm na dianteira e um de 240 mm atrás. Apesar do aspecto bem mais moderno e esporti-

vo, a versatilidade e a facilidade de pilotar que caracterizam essas motos como uma boa opção até para iniciantes foram preservadas. Continuam sendo motos confortáveis, com uma ótima posição de pilotagem e sem radicalismos, mesmo a CBR. Além da proposta dos pneus, naturalmente há outras diferenças da crossover X para as irmãs quando o assunto são dimensões e curso das suspensões. A X tem maior altura livre do solo (167 mm contra 156 mm da F e da R) e um assento mais alto (812 mm contra 789 mm). Ela ainda é um pouco mais longa (2 098 mm contra 2 081 mm) e tem maior distância entre-eixos (1 421 mm contra 1 409 mm da F e R). Para fazer jus à denominação crossover, a suspensão dianteira da X conta com 20 mm a mais de curso (são 140 mm), mas, curiosamente, a sua ficha técnica

ESPORTIVA A CBR deu um salto muito grande em impacto visual e agora é facilmente confundida com as grandes RR da marca

Mesmo carenada, a R é a mais leve das três. São 176 kg a seco contra 178 kg da F e 183 kg da versão X. Todas com ABS

CATÁLOGO 2017

motociclismo 15


APRESENTAÇÃO Honda CB 500F Q CB 500X Q CBR 500R

Dados de fábrica (500F) Motor bicilíndrico em paralelo, arrefecido a líquido DOHC I 8 válvulas I câmbio de 6 velocidades Cilindrada Potência máxima Torque máximo Diâmetro x curso do pistão Taxa de compressão Quadro Cáster Trail Suspensão dianteira Suspensão traseira Freio dianteiro Freio traseiro Modelo do pneu Roda dianteira Roda traseira MEDIDAS

Comprimento t 2 081 mm Altura do assento t 789 mm Tanque t 16,7 litros

16 motociclismo

CATÁLOGO 2017

471 cm³ 50,4 cv a 8 500 rpm 4,55 kgf.m a 7 000 rpm 67 mm x 66,8 mm 10,7:1 Tubular de aço tipo diamond 26,5° 104 mm Garfo telescópico com 120 mm de curso, ajuste de pré-carga Monoamortecedor com curso de 119 mm, ajuste de pré-carga Disco de 320 mm, pinça de 2 pistões (ABS) Disco de 240 mm, pinça de 1 pistão (ABS) Dunlop D 222 120/70 - 17" 160/60 - 17" Largura t 791 mm Entre-eixos t 1 409 mm Peso seco t 178 kg (ABS)

CROSSOVER A mais vendida da família foi a que menos mudou. O novo escape, por exemplo, não chegou à versátil X

indica curso de 118 mm na suspensão traseira, contra exatos 119 mm das outras duas da família. Poucos dias após esta breve apresentação no CETH da marca em Indaiatuba, a Honda promoveu o lançamento oficial da linha CB 500 2016 no autódromo Velo Città, também no interior paulista. Como essa segunda apresentação ocorreu após o fechamento desta edição, fizemos uma avaliação completa destes novos modelos na edição de agosto da revista Motociclismo. Outra novidade é que a linha CB 500 passa a contar com três anos de garantia, sem limite de quilometragem, e com o serviço Honda Assistance pelo mesmo período. O programa de assistência da marca vale em todo o território nacional e nos países do Mercosul, uma exclusividade da Honda nessa categoria de motocicletas. A linha 2016 chegou às concessionárias no mês de julho com um aumento de preços médio de 13,4% em relação à linha 2015. Disponível nas cores preto fosco, vermelho e branco, a CB 500F passa a ser a única com versões sem e com ABS. O preço é de R$ 26 000 (std) ou R$ 28 000 com ABS. A CBR 500R ABS chega nas cores preto ou vermelho por R$ 29 000, enquanto a CB 500X pode ser vermelha ou branca e custa R$ 29 900 também com o sistema antitravamento dos freios. de série.


Perfeito para o uso diário, o pneu Pirelli Super City apresenta um novo nível de rendimento quilométrico para motos de baixa cilindrada. Conforto, aderência e segurança em pisos secos e molhados.


DURA ATÉ O DO CONCORRENTE*. *Comprovado por testes acompanhados pelo L.A. FALCÃO BAUER CENTRO TECNOLÓGICO DE CONTROLE DA QUALIDADE LTDA.


SUPERTESTE Honda CB 500F

Texto Fotos

Gabriel Berardi Renato Durães

Tudo o que você p

20 motociclismo

CATÁLOGO 2017


recisa

Estilo atual, economia, conforto e uma performance sem excessos, mas mais que suficiente. O que mais você precisa para curtir os prazeres do motociclismo? CATÁLOGO 2017

motociclismo 21


SUPERTESTE Honda CB 500F

1

2

1 O painel é bonito e de fácil leitura. Para ser completo, falta apenas o indicador de marcha

2 O assento do piloto é muito mais confortável do que parece. Com o novo design, as alças do garupa foram para baixo da rabeta. Mais bonito, mas menos funcional

22 motociclismo

CATÁLOGO 2017

L

ançada em 2013, a linha 500 chegava ao mercado com a “filosofia” de ser uma moto racional. As premissas eram: ser barata de produzir para a fabricante — tecnicamente simples e compartilhando toda a base entre três versões (“F”, “X” e “R”) —, acessível, fácil de pilotar e econômica para o consumidor. Seus números de vendas indicam que foram bem aceitas, no entanto, a marca esperava mais, especialmente da 500F. Claro que não com a mesma intensidade, mas, assim como acontece com a NC, grande parcela do potencial mercado ainda não “entendeu” a proposta das 500. Somado a isso, a concorrência no segmento ganhou novos e fortes participantes. Enfim, era hora da Honda dar novo fôlego à sua “F”. Assim, a marca fez uma reformulação visual completa e introduziu algumas mudanças técnicas na CB 500F 2016. Não só para continuar disputando a liderança em sua categoria, mas também para fazer com que um novo público olhasse para a sua naked. As novidades começam com as care-

nagens. A grande tampa lateral preta que ia debaixo do tanque até a metade do assento deu lugar a outra, bem menor e mais estilizada. As aletas do tanque que cobriam quase todas as laterais do radiador também estão menores e agora dispõem de canais que as atravessam para reduzir ao máximo o “efeito vela”. Essas entradas de ar também estão na nova e curta rabeta, que, nesse caso, alimentam a caixa do filtro de ar. Farol e lanterna também ganharam novo design e agora são de LED. O resultado final é realmente muito bom, e trouxe à moto um estilo muito mais imponente, atual e esportivo. Junto com a nova “cara”, a Honda introduziu ainda uma tampa de tanque de combustível fixa, novo manete de freio com ajuste em cinco posições (a pinça dianteira também é nova), bengalas com regulagem de pré-carga e uma ponteira de escape que, além de ser muito mais bonita, é mais leve que a anterior. A CB 500F sempre se caracterizou por sua agilidade e facilidade de pilotar, e essa característica está absolutamente preservada na linha 2016.


Ajuste da pré-carga das bengalas. Novidade da linha CB 500 2016

Antes mesmo de partirmos para os 1 000 km de estrada, passamos alguns dias rodando com com a 500F no dia a dia urbano, e, como esperado, ela se saiu muito bem. Apesar da cilindrada e do impacto visual de “moto grande”, essa CB é bem compacta e, na ponta do lápis, suas medidas ficam muito próximas às de modelos de 250/300 cm³. Os 791 mm de largura do guidão nos permitem circular pelos corredores acompanhando as motos menores sem dificuldade e, nas paradas ou no momento de manobrar, a facilidade de alcançar o chão com os dois pés (mesmo para quem tem menos de 1,80 m) facilita nossa vida. Ela não esterça como as pequenas city, mas mesmo assim é difícil encontrar alguma situação em que ficamos enroscados ou que exija mais de uma manobra para seguir caminho entre o trânsito parado. Mas não é só por ser compacta que ela tira de letra as cidades. Junte a isso uma embreagem de acionamento suave, um câmbio preciso e um motor que, além de mostrar muita disposição em baixas e

O MOTOR bicilíndrico de 471 cm³ preza muito mais pela suavidade de funcionamento e economia do que pela performance CATÁLOGO 2017

motociclismo 23


SUPERTESTE Honda CB 500F

ERGONOMIA Note como a posição de pilotagem é bem natural, mesmo para um piloto de 1,85 m. Foram 1 000 km sem dor (em nenhum lugar)

24 motociclismo

CATÁLOGO 2017

médias rotações (faixa que utilizamos em 90% do tempo na cidade) praticamente não vibra e gasta pouco. Não é comum uma bicilíndrica de 500 cm³ fazer 25 km/l na cidade! Nem mesmo a colcha de remendos mal-feitos, buracos e lombadas — que ao menos em São Paulo chamam de “asfalto” — pesou contra a naked. Com os ajustes de pré-carga na configuração de fábrica, as suspensões são confortáveis, absorvendo todas essas irregularidades com uma eficiência e maciez que é raro encontrar em uma naked. Somando tudo, o resultado é que a CB 500F é uma moto perfeitamente viável como transporte no cada vez mais caótico trânsito urbano, inclusive nas grandes cidades. O único ponto que exige algum tempo de adaptação é a inversão dos comandos de seta e buzina, uma solução que a Honda adotou em todos os seus modelos ultimamente e que não traz vantagem nenhuma. Por outro lado, é de se elogiar a presença de lampejador de farol e pisca-alerta, itens que deveriam ser obrigatórios em todas as motos. Ponto positivo também para os retrovisores, que estão bem posicionados, têm um tamanho adequado e, assim, cumprem bem a sua função. Mais que aprovada na cidade, era hora de levar a renovada naked da marca para a estrada. Descendo a serra que nos leva de São Paulo ao litoral, já notamos a ótima posição de pilotagem, com guidão e pedaleiras em excelente posição. À primeira vista, até pelo novo recorte do assento, parece que ele ficou menos confortável para

o piloto, mas não. Após dois dias direto na moto, não sentimos qualquer “sequela” física da viagem. O garupa, sim, perdeu um pouco. Nem tanto pelo espaço ou assento, mas principalmente pela perda das alças, que em função do novo estilo, foram parar sob a rabeta. Apesar de ser uma naked, o painel mostrou uma sensível ação aerodinâmica, desviando boa parte do vento do nosso peito. O abas-

LED Junto com o novo estilo chegou a iluminação por LED no farol e lanterna. A carenagem do farol tem função aerodinâmica


tecimento em Cubatão indicou ótimos 27,8 km/l. A média foi de 24,2 km/l, o que significa autonomia de 400 km com o novo tanque de 16,7 litros. Depois da descida para o litoral, começam as intermináveis curvas, subidas e descidas de nosso roteiro, e era hora de avaliar a performance mecânica e a dinâmica da CB. O motor agrada pela elasticidade, funciona com muita suavidade e quase não vibra, mas não espere dele um colosso em desempenho. Claro que se sairmos de uma praça de pedágio como um alucinado e levando todas as marchas à faixa vermelha do conta-giros o desempenho aparece, mas essa não é a proposta, e o modelo não tem essa pretensão. Lembre-se que a CB 500F não é uma sport-naked. Seu foco é economia e facilidade de pilotar, o que cumpre com maestria. Pilotando mais esportivamente, o que perdemos em performance ganhamos em intuitividade, já que a ciclística da CB é muito comunicativa, permitindo ao piloto ter total ciência do que está acontecendo e nos dando tempo de antecipar qualquer situação. É uma moto que temos de deixar correr, sem perder velocidade, sem descompensar as suspensões nas frenagens e sem necessitar abusar do motor. Uma filosofia que, quando praticada, nos entrega o que a CB 500F tem de melhor. As suspensões, que se mostraram confortáveis na cidade, são macias demais em estradas sinuosas e em curvas mais rápidas. Nesse caso, en-

durecer a pré-carga é primordial. A moto muda da água para o vinho. Pena que o ajuste do amortecedor traseiro seja de difícil acesso, o que muitas vezes nos faz desistir de buscar a melhor regulagem, o qual é fundamental para o equilíbrio da moto, especialmente com garupa. O chassi, que usa o motor como parte estrutural está bem dimensionado para os limites da moto, mostrando um comportamento neutro em qualquer situação. No entanto, quando o assunto é ciclística o destaque vai para o excelente sistema de freios. A nova pinça dianteira trouxe melhor tato e mais progressividade à frenagem, enquanto o ABS funciona impecavelmente. Mesmo com um único (e grande) disco na dianteira, o poder de frenagem da CB 500F é excelente. Dentro da linha 500, a naked é a única que ainda tem opção sem ABS, e a razão disso é a possibilidade de anunciar um preço inicial mais baixo. Você está pensando em uma 500F? Não abra mão de levar uma ABS para casa. A básica é uma economia tola.

QUASE UMA R A renovação visual fez muito bem à CB 500F. Nesse sentido, se distanciou da Twister e se aproximou da CB 1000R

Nova ponteira trouxe mais estilo e um som mais grave e agradável

CATÁLOGO 2017

motociclismo 25


SUPERTESTE Honda CB 500F

CICLÍSTICA Sem soluções técnicas mirabolantes, o conjunto de chassi e suspensões está bem dimensionado à proposta da moto. Os freios se destacam

Foi possível testar a eficiência do novo e belo farol de LED ao subir a travada serra entre Ubatuba e Taubaté no início da noite. Se durante o dia a nova iluminação destaca a moto das demais e a deixa bem visível para os demais veículos, à noite o resultado não foi tão bom quanto esperávamos. Ficou a impressão de que falta potência e uma melhor distribuição do facho de luz ao farol da CB, especialmente para as laterais da pista. Até checamos se era um problema de regulagem, mas aparentemente estava tudo certo. Uma novidade tão ou mais importante que questões técnicas ou de estilo da CB 500F (que também vale para as versões 500X e 500R) é a garantia de três anos, sem limite de quilometragem, e o serviço de assistência Honda Assistance 24h, que é válido em todo o território nacional e em países do Mercosul durante todo o período de vigência da garantia. Nenhuma marca oferece um serviço assim pelo mesmo período no Brasil. Vale desta-

car também que, apesar de ser uma moto de média cilindrada, os preços das principais peças de reposição da CB estão bem próximos aos de modelos de categorias inferiores (exceto pneus), uma promessa que a marca fez no lançamento em 2013 e vem cumprindo: a proposta foi de que motociclistas oriundos de segmentos inferiores não sintam um impacto tão grande nos custos de manutenção. A Honda CB 500F é uma moto tranquila, com um toque de picardia, mas, sobretudo, uma moto desenvolvida para tornar as coisas fáceis e baratas no dia a dia. Ainda que muitos desejem motos espetaculares, tecnológicas, esportivas e emocionais, essa naked se adapta como poucas às necessidades da grande maioria dos motociclistas, especialmente neste momento em que grande parcela das pessoas conta as moedas no fim do mês. Agora basta escolher a cor, desembolsar os R$ 28 000 pedidos pela versão com ABS (esqueça a standard, de R$ 26 000) e bom divertimento.

Em 4 palavras CIDADE Ela é apenas 2 cm mais longa e 4 cm mais larga que uma Twister, ou seja, encara corredores e espaços estreitos sem nenhum problema. Só não ganha nota máxima porque não esterça como as city.

ESTRADA Desempenho mais que suficiente, ótima posição de pilotagem e ainda é econômica. A falta de proteção é notada em velocidades de autoestrada ou com vento contrário. Encara viagens numa boa.

GARUPA Para percursos curtos, o garupa vai bem, mas o banco é pequeno, as pedaleiras são altas e as alças embutidas na rabeta não são a melhor opção em ergonomia. Melhor que uma esportiva, mas não muito.

EMOÇÃO Ainda que não seja uma moto insossa, o seu visual sugere muito mais esportividade do que ela realmente entrega. Empolga quem vem de uma 250/300, mas não quem já está habituado a motos maiores.









26 motociclismo

CATÁLOGO 2017


MAIS RESISTÊNCIA PARA VOCÊ CONQUISTAR NOVOS CAMINHOS. A Vipal Pneus de Moto sabe dos desafios do dia a dia e por isso segue oferecendo os melhores produtos para você rodar mais e gastar menos.

ST500

Desenvolvido com compostos de alta tecnologia e sem câmara de ar; Possui desenho arrojado e agressivo, focado em maior desempenho quilométrico.

ST200

ST300

ST400

TR300

CR300

www.vipal.com.br


SUPERTESTE Honda CB 500F FICHA TÉCNICA Alternativas O estilo naked apresenta vårias opçþes, que atendem gostos bem diferentes

Percurso do teste Santa Bårbara d’Oeste

Campos do JordĂŁo

70

Monteiro Lobato

km/h

80 km/h

100 km/h

LEGENDA

120

Sol

100

km/h

km/h

Encoberto

SĂŁo JosĂŠ dos Campos

Nublado Chuva leve

90

Chuva intensa

Kawasaki ER-6n ABS

km/h

Direção noturna

Ubatuba

Abastecimento

SĂŁo Paulo

40 km/h

R$ 30 990 Q  DWQLH

100 km/h

120

Conjunto Preço

km/h

80 km/h

CubatĂŁo

1 SĂŁo Paulo 2 $VCBUĂ?P 3 6CBUVCB 4 $+PSEĂ?P 5 4+$BNQPT 6 /0EFTTB 7 SĂŁo Paulo

KTM 390 Duke

t$VCBUĂ?P

t6CBUVCB

t$EP+PSEĂ?P

t4+$BNQPT

t/PWB0EFTTB t4Ă?P1BVMP

tVSCBOP

65 km

235 km

155 km

112 km

150 km

180 km

70 km

"VUPFTUSBEB FEFTDJEB EFTFSSB

&TUSBEBT TJNQMFT  OĂ“WFMEPNBS

&TUSBEBT WJDJOBJTF TVCJEBEFTFSSB

&TUSBEBT WJDJOBJT

&TUSBEBT TJNQMFTF BVUPFTUSBEB

"VUPFTUSBEB

$FOUSPF NBSHJOBJT

27,8 km/l

25,0 km/l

21,9 km/l

28,8 km/l

18,9 km/l

23,2 km/l

23,9 km/l

R$ 21 990 Q DW Q LH TFDP

Equipamentos e diversĂŁo Rede limitada

Suzuki Bandit 650 R$ 27 930 Q DWQLH

Conforto e preço Peso

O nosso carro de apoio nesse mĂŞs foi um Peugeot 208 GT THP. SĂŁo 173 cv de pura diversĂŁo!

Yamaha XJ6 N ABS R$ 33 190 Q  DWQLH

Liquidez e motor Preço

28 motociclismo

CATĂ LOGO 2017

Equipamentos AtÊ por sua proposta de baixo custo e economia, a Honda CB 500F não se destaca pelos equipamentos. Ela Ê a única da família 500 em que o ABS Ê opcional. Na linha 2016, ela recebeu ajuste da prÊ-carga das bengalas (de sÊrie) e nova pinça de freio dianteira, que continua sendo da marca Nissin.


Dados de fåbrica Motor bicilíndrico em paralelo, DOHC A líquido 8 Injeção eletrônica 471 cm³ 67 x 66,8 mm 10,7:1 50,4 cv a 8 500 rpm 4,55 kgf.m a 7 000 rpm

.PUPS "SSFGFDJNFOUP 7ĂˆMWVMBT "MJNFOUBĂŽĂ?P $JMJOESBEB %JÉNFUSPYDVSTP 5BYBEFDPNQSFTTĂ?P 1PUĂ?ODJB 5PSRVF TRANSMISSĂƒO &NCSFBHFN $ÉNCJP 4FDVOEĂˆSJB

Multidisco em óleo Mecânico, 6 velocidades Por corrente

CHASSI 5JQP #BMBOĂŽB $ĂˆTUFSUSBJM

Diamond de aço Duplo braço de aço 25,5°/102 mm

SUSPENSĂƒO %JBOUFJSB #BSSBT $VSTP 3FHVMBHFOT 5SBTFJSB $VSTP 3FHVMBHFOT

Garfo telescĂłpico 41 mm 120 mm PrĂŠ-carga da mola Monoamortecedor, PrĂł-link 119 mm PrĂŠ-carga da mola

FREIOS 'SFJPEJBOUFJSP 1JOĂŽB 'SFJPUSBTFJSP 1JOĂŽB

Disco de 320 mm 2 pistĂľes (ABS opc.) Disco de 240 mm 1 pistĂŁo (ABS opc.)

PNEUS E RODAS %JBOUFJSB 5SBTFJSB .PEFMPEFQOFV

120/70 – 17" 160/60 – 17" Dunlop Sportmax D222

DADOS VERIFICADOS 1PUĂ?ODJBFTQFDĂ“mDB 3FMBĂŽĂ?PQFTPQPUĂ?ODJB $POTVNPNĂ?EJP "VUPOPNJBNĂ?EJB

91,8 cv/l 1,9 kg/cv 24,2 km/l 404 km

$PNQSJNFOUP -BSHVSB &OUSFFJYPT "MUVSBEPBTTFOUP $BQBDJEBEFEPUBORVF 1FTPTFDP $BQBDJEBEFNĂˆYJNBEFDBSHB %JTUÉODJBNĂ“OJNBEPTPMP ÂťMFPEPNPUPS

CORES

2 081 mm 791 mm 1 409 mm 789 mm 16,7 litros 178 kg (ABS) 180 kg 156 mm 3,2 litros

RENDIMENTO 10%

7,5 7,5 7,5

7FMPDJEBEFNĂˆYJNB "DFMFSBĂŽĂ?P 3FUPNBEB MOTOR 15%

&OUSFHBEFQPUĂ?ODJB 3FTQPTUBBPBDFMFSBEPS /Ă“WFMEFWJCSBĂŽĂ?P "TQFSF[B TRANSMISSĂƒO 5%

8,0 8,0 8,5 9,0

5BUPFQSFDJT�PEPDÉNCJP 9,5 3FMBÎ�PEFNBSDIBT 8,5

CHASSI &TUBCJMJEBEFFNSFUBT &TUBCJMJEBEFFNDVSWBT 1SFDJTĂ?PEBEJSFĂŽĂ?P "HJMJEBEF 4VTQFOTĂœFTDPNQJMPUP 4VTQFOTĂœFTDPNHBSVQB %JTUÉODJBMJWSFEPTPMP $PNQPSUBNFOUPGSFOBHFN FREIOS 10%

8,0 7,5 8,0 8,5 8,0 7,5 8,0 9,0 9,0 9,0

1PUĂ?ODJBEPTGSFJPT %PTBHFNEPTGSFJPT

USUĂ RIO

40

4

35 30

3

25 20

2

10 5 0

1

43,24 cv a 8 100 rpm 4,15 kgf.m a 6 490 rpm

1

2

!

3

4

5

6

7

8

0

RPM X 1000

A entrega da potĂŞncia e torque ĂŠ bem linear e os nĂşmeros sĂŁo suďŹ cientes, mas nĂŁo assustam. Os valores repetiram os da 500F anterior.

Velocidade por marcha no dinamĂ´metro

USO DIĂ RIO 20%

'BDJMJEBEFQBSBNBOPCSBS 1PTJĂŽĂ?PEFQJMPUBHFN $POGPSUPEPQJMPUP $POGPSUPEPHBSVQB 4FOTBĂŽĂ?PEFRVBMJEBEF 1SB[FSBPQJMPUBS "VUPOPNJB &RVJQBNFOUPT "DBCBNFOUP 1SFĂŽPEFBRVJTJĂŽĂ?P (BSBOUJB $POTVNPNĂ?EJP

TÉCNICA

45

15

COMPORTAMENTO 20%

MĂŠdia ďŹ nal

KGF.M

CV

MOTOR

ECONOMIA 20%

Medidas

3FTVMUBEPTPCUJEPTOP EJOBNÙNFUSPEPDFOUSPU�DOJDP EBSFWJTUB.050$*$-*4.0

Banco de potĂŞncia

Nossa avaliação

8,0 9,0 8,5 7,0 8,5 7,5 8,5 7,5 8,5 7,0 10,0 8,5

8,3

Preços e custos PREÇO R$ 28 000 (com ABS) 1BTUJMIBEFGSFJPEJBOUFJSP R$ 370 1BTUJMIBEFGSFJPUSBTFJSP R$ 141 3FUSPWJTPSEJSFJUP R$ 212 4FUBEJSFJUBEJBOUFJSB R$ 156 .BOFUFEFGSFJP R$ 57 1OFVUSBTFJSPPSJH R$ 852 1OFVEJBOUFJSPPSJH R$ 706 'BSPM R$ 295

13*.&*3"

62

tkm/h

4&(6/%"

105

5&3$&*3"

140

26"35"

175

26*/5"

198

SEXTA

216

CONCLUSĂƒO por GABRIEL BERARDI

O

superteste com a CB 500F me fez lembrar de como nĂŁo precisamos ter uma moto com mais de 100 cv e uma inďŹ nidade de recursos e controles eletrĂ´nicos para usufruir dos prazeres do motociclismo. Ela ĂŠ uma moto que transmite muita conďŹ ança na pilotagem, ĂŠ segura, pode ser usada tanto no dia a dia quanto na estrada. Muito mais para curtir o passeio do que para chegar rĂĄpido ao destino, mas ela nĂŁo desaponta se provocada. Inclusive, para alguĂŠm vindo das 250/300 cmÂł o desempenho parecerĂĄ excepcional. Ah, ainda ĂŠ fĂĄcil e barata de manter. Racionalmente, ĂŠ tudo o que precisamos.

QSFĂŽPTVHFSJEPTFNGSFUFFTFNTFHVSP

CATĂ LOGO 2017

motociclismo 29


TESTE Honda CRF 1000L Africa Twin

Texto Gabriel Berardi e Victor Gancedo Fotos Juan Sanz

O mundo ao seu alcance Você gosta de escolher um destino e partir sem se preocupar com que tipo de estrada ou caminho há até lá? Comemore, a Africa Twin está chegando

30 motociclismo

CATÁLOGO 2017


CATĂ LOGO 2017

motociclismo 31


TESTE Honda CRF 1000L Africa Twin

APRUMO Apesar de contar com uma roda dianteira de 21”, esta Honda surpreende pela estabilidade e pelo equilíbrio do trem dianteiro

A

inda que 2016 tenha sido um ano de muitas novidades no mercado, sem dúvida, uma das motos mais aguardadas foi a Honda CRF1000L Africa Twin. Na Europa, onde já está à venda há alguns meses, o número de emplacamentos mostra claramente que essa grande moto chegou pisando forte. Desde que foi apresentada como um protótipo no Intermot, no final de 2014, essa Honda passou a fazer parte dos sonhos de muita gente... e seus primeiros proprietários estão falando muito bem dela. Está claro que a nova CRF 1000L é uma digna herdeira das míticas XRV 650 e XRV 750, por isso, mesmo que não compartilhe uma única peça com elas, exibe com orgulho o nome Africa Twin. Se por um lado ela traz o espírito aventureiro de suas antepassadas, é preciso reconhecer que, por outro lado, ela está consideravelmente maior e mais pesada, “culpa” da maior robustez de muitos de seus componentes, o que é necessário dado seu de-

Equipamentos O painel traz marcador de combustível e luz de reserva, relógio, duplo hodômetro parcial, aviso de revisão programada, temperatura do motor, temperatura ambiente e indicador de marcha. O assento pode ser regulado em duas alturas (850-870 mm) e o guidão em duas posições. Tem protetores de mão e comando remoto do ajuste de pré-carga da mola

32 motociclismo

CATÁLOGO 2017

sempenho superior. Apresentações feitas, vamos ver como ela se saiu.

Característica únicas O primeiro ponto importante: A CRF1000L não chega para ser uma rival direta das últimas maxitrail na faixa de 1 200 cm³ que chegaram ao mercado. Com uma cilindrada próxima aos 1 000 cm³, o motor bicilíndrico em paralelo de 95 cv entrega uma performance ligeiramente inferior a modelos como, por exemplo, BMW R 1200 GS e Triumph Tiger Explorer. Por um lado, se considerarmos motor e preço (13 600 euros na Europa) a CRF 1000L rivaliza com Suzuki V-Strom 1000, enquanto que, se considerarmos suas aspirações off-road e algumas características técnicas como as rodas de 21” na frente e 18” atrás ou o curso das suspensões, ela torna-se uma concorrente direta de modelos como BMW F 800 GS, Triumph Tiger 800 XCx e até da KTM 1190 Adventure. Fica claro que a nova Africa Twin cobre um espectro muito amplo. Assim que começamos a pilotar, a primeira coisa que se destaca é o fantástico tato do motor. O bicilíndrico está perfeitamente equilibrado e as vibrações brilham por sua total ausência. Seja em marcha lenta, em velocidade de cruzeiro ou já perto da


faixa vermelha do conta-giros, ele mantém a mesma e fabulosa suavidade. Além disso, desde rotações baixíssimas ele já responde de forma linear e constante. Os 86 cv a 7 600 rpm obtidos no dinamômetro (na embreagem) podem parecer pouco no papel, mas, na prática, proporcionam à CRF um desempenho irrepreensível. Em rotações intermediárias o motor se mostra sempre “cheio”, as retomadas são rápidas mesmo na últimas marchas e, verdadeiramente, são raríssimos os momentos em que sentimos falta de alguns cavalinhos a mais. A Honda queria que a Africa Twin se adaptasse bem aos mais diferentes tipos de utilização e ambientes, e, com esse motor, ela acertou o tiro na mosca. Não custa lembrar que o modelo foi apresentado em duas versões: com câmbio “normal” e com o sistema DCT (Dual Clutch Transmission) de última geração, mas esta última já foi oficialmente descartada no Brasil por uma questão de custo. Um equipamento interessante nesta nova Honda é o controle de tração desligável. Quando ele entra em ação nota-se de imediato, mas de maneira geral funciona muito bem e, em muitos momentos, pode ser realmente de grande utilidade. Cada vez que damos a partida no motor o controle de tração passa automaticamente para seu modo mais atu-

ante e seguro, mas ele pode ser ajustado, inclusive em movimento. Também é possível desligar o ABS da roda traseira para rodar na terra.

Monumental Ainda que já estejamos acostumados ao volume e dimensões das maxitrail, a Africa Twin se coloca como uma das maiores, especialmente no que se refere à sua altura. Entretanto, essa sensação de que estamos montando em um mastodonte quando passamos a perna por cima do banco para subir

DNA Conseguiram criar uma moto moderna com todo o impacto visual típico das primeiras África Twin

PAINEL Completo, conta com duas telas superpostas de ótima legibilidade PARA-BRISA A bolha tem um desenho curioso, cheio de aberturas, mas a proteção que oferece é muito boa na parte superior do nosso corpo

CATÁLOGO 2017

motociclismo


TESTE Honda CRF 1000L Africa Twin

OFF-ROAD PERMITIDO As suspensões com vários ajustes funcionam muito bem e permitem certos abusos quando saímos do asfalto

POSITIVO Tecnologia t Tato geral t Suspensões t Estilo NEGATIVO t Preço tPeso

nela desaparece assim que as rodas começam a girar. É surpreendente a facilidade com que conseguimos manter o equilibrio a baixa velocidade e a relativa facilidade com que nos permite fazer manobras, claro, considerando que estamos em uma moto de 250 kg em ordem de marcha e cujo assento está a, no mínimo, 850 mm do solo. Com tanto tamanho, há espaço e conforto de sobra para todo tipo de piloto, todos os comandos estão bem acessíveis e, como é estreita entre as pernas, não é difícil apoiar um pé no chão — ou a ponta dos dois se você passou dos 1,80m. A proteção aerodinâmica é muito boa da cintura para cima e até nossos joelhos ficam bem protegidos pelas tampas do radiador. Graças a essas características, a qualidade de rodagem e a uma autonomia ótima, é possível rodar muito com a Africa Twin antes de pensarmos em parar. Se somarmos ainda tudo isso a uma boa estabilidade em vias rápidas e à qualidade das suspensões, encontramos uma motocicleta extremamente agradável para longas viagens.

Dinâmica

t

34 motociclismo

CATÁLOGO 2017

PUNHOS São modernos e, como o resto da moto, bem acabados. A Honda insiste em usar o botão da buzina acima do pisca TRASEIRA Toda a iluminação é por LED. O bagageiro traz boas alças

Com tanta altura, uma roda dianteira de grande diâmetro e bengalas que declaram 230 mm de curso, o esperado é que em estradas lentas e com muitas curvas as coisas se tornem um pouco mais difíceis... mas nada mais distante da realidade. Obviamente que não é uma moto para ser pilotada com agressividade extrema e que é convenien-


LENDÁRIA A Honda CRF 1000L Africa Twin causou enorme expectativa antes de sua chegada. E não foi por acaso te adiantar um pouco as frenagens, mas essa Honda surpreendeu mais uma vez pela capacidade de inclinação, pela facilidade com que mantém o traçado escolhido e porque realiza as mudanças de direção sem muito esforço de nossa parte. Se utilizarmos a nova “África” com passageiro e bagagens, é conveniente ajustar o amortecedor traseiro, tanto na pré-carga quanto no hidráulico. Passageiro este que, aliás, encontrará “boas acomodações” com um grande e macio assento, generosas alças e pedaleiras bem posicionadas. Andando com ela no fora de estrada entendemos a razão da sigla CRF em sua nomenclatura. As suspensões trabalham muito bem e, considerando seu significativo peso, não é difícil pilotá-la em terrenos com muitas irregularidades. A altura livre do solo também é boa, e isso faz com que o conjunto possa ser considerado verdadeiramente capaz e eficiente para trafegar longe do asfalto — lembra das diferenças para as “concorrentes” de 1 200 cm³ que comentamos lá no início? Outro fator que ajuda muito no off-road é o sistema de freios, que funciona de maneira progressiva e é fácil de dosar, o que é muito bem-vindo quando estamos rodando na terra. Por outro lado, no asfalto, os mais radicais podem sentir falta de um pouco mais de potência. O fato inegável é que, com o resurgimento da Africa Twin, a forma de entender as maxitrail volta em grande parte as suas origens, e não será nenhuma surpresa se outras marcas seguirem por esse caminho. Ela deve desembarcar no Brasil nos próximos meses, esperamos, por um preço competitivo. como o que foi apresentado no mercado europeu.

EVOLUÇÃO

1988

647 cm³ | 57 cv | 185 kg

1990

742 cm³ | 62 cv | 185 kg

1993

742 cm³ | 60 cv | 207 kg

A primeira Africa Twin derivava, em parte, da Transalp da época, mas estava mais capacitada para rodar fora do asfalto graças à maior altura livre do solo, às suspensões de maior curso e ao diâmetro das rodas. Tinha um visual muito “africano” e suas cores eram as oficiais da HRC. A base era muito parecida com sua antecessora, mas trazia um motor de maior cilindrada e, portanto, com desempenho superior. O chassi também era reforçado em alguns pontos e incorporava um segundo disco de freio na dianteira e um de maior diâmetro atrás. Chassi e subchassi são modificados para rebaixar a altura e o centro de gravidade. O assento é mais baixo e o tanque recebe um novo desenho. O peso aumenta de forma considerável. Em 1996 ganhou algumas mudanças que reforçaram seu aspecto touring e, em 2003, deixou de ser fabricada

CATÁLOGO 2017

motociclismo 35


TESTE Honda CRF 1000L Africa Twin FICHA TÉCNICA Dados de fåbrica Motor bicilíndrico em paralelo I 4T I arrefecimento a líquido, OHC I 8 vålvulas I injeção eletrônica I Cilindrada Diâmetro x curso Taxa de compressão Potência Torque

998 cmÂł 92 x 75,1 mm 10,0:1 95 cv a 7 500 rpm 10 kgf.m a 6 000 rpm

TRANSMISSĂƒO

Embreagem Câmbio Secundåria

Multidisco em Ăłleo Manual, 6 velocidades Por corrente

CHASSI

Tipo Balança Cåster / trail

Berço semiduplo de aço Duplo braço de alumínio 27,5°/113 mm

SUSPENSĂƒO

Dianteira Barras Curso Regulagens Traseira Curso Regulagens

TelescĂłpica invertida 45 mm 230 mm 3 vias Monoamortecedor 220 mm 3 vias

FREIOS

Freio dianteiro Pinça Freio traseiro Pinça

Banco de potĂŞncia

Nossa avaliação

2 discos de 310 mm 4 pistþes radiais (ABS) 1 disco de 256 mm 1 pistão (ABS) 90/90 – 21"- 2,15" 150/70 – 18"- 4,0" Dunlop Trailmax

OUTROS DADOS VERIFICADOS

PotĂŞncia especĂ­ďŹ ca Relação peso/potĂŞncia Rotação mĂĄxima Veloc. pistĂŁo Ă rotação mĂĄxima

86 cv/litro 2,7 kg/cv 8 270 rpm 20,7 m/seg

MEDIDAS Comprimento t 2 330 mm Largura t 930 mm Entre-eixos t 1 585 mm Alt. do assento t 875 mm Capac. tanque t 18,8 litros Peso cheio t 232 kg Capacidade måxima de carga t n/d Distância mínima do solo t n/d Raio mínimo de giro t n/d

Potência/Desempenho Resposta ao acelerador Nível de vibração Câmbio CHASSI 25%

8,0 8,5 9,0 9,0

Estabilidade Agilidade SuspensĂŁo dianteira SuspensĂŁo traseira Freios

8,0 7,5 9,5 8,5 8,0

Posição de pilotagem Posição garupa Proteção da carenagem Sensação de qualidade Equipamentos Ajudas eletrônicas Maneabilidade Consumo Autonomia Capacidade de carga Acabamento Iluminação

9,0 8,0 8,5 9,0 9,5 8,0 7,0 8,5 9,0 8,0 8,5 9,0

QUALID./PREÇO 20%

8,0

USO DIĂ RIO 30%

8,4

MĂŠdia ďŹ nal

TÉCNICA

70 12

60 50 40

8

30 4

20 rpm

10 0

0

2

4

6

Mediçþes ACELERAĂ‡ĂƒO

0-100 km/h 4s4 – 62 m 0-120 km/h 6s0 – 114 m 0-150 km/h 9s6 – 247 m 0-180 km/h 17s3 – 610 m 0-200 km/h 26s7 – 1 150 m 0-400 m 12s9 – 168 km/h 0-1 000 m 24s9 – 188 km/h

RETOMADAS 60-100 km/h 60-140 km/h 60-160 km/h

4s8 – 106 m 11s9 – 338 m 15s2 – 481 m

VELOCIDADE MĂ XIMA

210/230 km/h

CONSUMO

16,7 km/l 20,0 km/l 18,8 litros 376 km

Seco Cheio Distribuição peso

220 kg 235 kg 49,9 / 50,1

0

8 RPM X 1000

!

A curva de potĂŞncia mĂĄxima (na embreagem) ĂŠ absolutamente linear. O melhor desse motor aparece entre 4 000 e 6 000 rpm.

Velocidade por marcha (km/h) SEGUNDA

112

TERCEIRA

143

QUARTA

172

tWFMPDJEBEFQPSNBSDIBPCUJEBOPEJOBNÙNFUSP

PESO seco/cheio (veriďŹ cado)

CATĂ LOGO 2017

16

80

74

120 km/h MĂŠdio no teste Tanque Autonomia mĂŠdia

36 motociclismo

90

PRIMEIRA

Real/Indicada CORES

KGF.M

CV

MOTOR 25%

RODAS E PNEUS

Dianteira Traseira Modelo de pneu

Resultados obtidos no dinamĂ´metro do centro tĂŠcnico da revista MOTOCICLISMO ESPANHA

QUINTA

194

SEXTA

222

CONCLUSĂƒO por GABRIEL BERARDI

A

nova Africa Twin jå Ê um sucesso na Europa e tem tudo para triunfar tambÊm por aqui. Bonita, moderna, confortåvel, se comporta corretamente em qualquer ambiente e ainda tem o logo da asa no tanque, o que, especialmente no Brasil, jå a coloca em vantagem pela força que a Honda tem nos aspectos mercadológicos. Não Ê potente em excesso, mas responde de forma råpida em baixas e mÊdias rotaçþes e o desempenho geral estå longe de desapontar. Vem bem equipada de sÊrie, mas, por questão de custo, a versão DCT não serå oferecida por aqui. Se o preço for realista, deve brigar com a R 1200 GS pelo topo do ranking.


NÃO IMPORTA A ESTACÃO. NÃO IMPORTA O CLIMA.

COM

ROADTEC ™ 01

O ROADTEC 01 É O NOVO PNEU SPORT TOURING RADIAL DA FAMÍLIA METZELER. COM EXCELENTE ADERÊNCIA EM TODAS AS SUPERFÍCIES E DURABILIDADE INCRÍVEL, O ROADTEC 01 VAI SER O PARCEIRO OFICIAL DA SUA MOTO. NA CIDADE OU EM UMA ESTRADA BEM DISTANTE. APROVEITE A JORNADA EM METZELER.COM

METZ ELER.COM


TESTE Honda PCX

NA PASSARELA!

O scooter mais vendido do Brasil está de roupa nova. A Honda melhorou exatamente onde o PCX precisava e, assim, ele segue disparado na liderança Texto Fotos

Edu Zampieri Renato Durães

40 motociclismo

CATÁLOGO 2017


N

ão demorou para o PCX cair no gosto dos brasileiros. Na verdade, seu sucesso não veio rápido, ele chegou na metade de 2013, e aos poucos a campanha boca a boca funcionou mais do que o marketing da Honda. O brasileiro era um pouco reticente em relação ao scooter antes da chegada do PCX 150. Os modelos que vieram antes dele eram frágeis, tinham aquele ar de brinquedos e realmente não aguentavam o tranco do dia a dia. O Le-

ad faz um pouco de sucesso, tem como principal atributo o grande espaço embaixo do banco e o assoalho plano, mas seu desempenho é limitado e as rodas pequenas assustam novos usuários. O Honda PCX chegou imponente, com ar de scooter bem maior do que a cilindrada anuncia. Equipado com rodas de 14 polegadas, superesperto de arrancadas e acelerações e com velocidade final por volta de 110 km/h, ele aos poucos foi conseguindo seu espaço. Quem comprou CATÁLOGO 2017

motociclismo 41


TESTE Honda PCX A nova versão também ganhou botão para acionar o pisca-alerta

POSITIVO t Economia t Agilidade t Design NEGATIVO t Suspensão traseira t Preço

PAINEL Ainda mais moderno, agora traz informação de consumo e relógio MOTOR Mudou o diâmetro do pistão, mas o desempenho é o mesmo

42 motociclismo

CATÁLOGO 2017

só elogiou e assim vieram novos usuários. Dentro das grandes capitais ele deixou de ser “a segunda moto” para ser o único veículo de muitas pessoas. De estudantes a diretores de empresas, o PCX veste como uma luva. Fácil de pilotar, seguro, econômico, bonito e quase zero manutenção. O executivo não se sente envergonhado de chegar a uma reunião com ele. Muito pelo contrário, ele faz com que os usuários de grandes carros fiquem morrendo de inveja da agilidade, da economia e da facilidade para estacionar. A nova versão 2016 foi totalmente redesenhada, perdeu aquele ar de moto asiática e passou a ser mais, digamos, europeu. Todas as luzes agora

são em LED, com atenção especial ao novo farol, que aparenta o de uma grande moto esportiva. Bolha, banco e rabeta também sofreram atualização. Na verdade, todos os plásticos são novos. Mecanicamente ele é igual, mas a cilindrada passou de 153 cm³ para 149 cm³. Segundo a Honda, acertaram o mapa de injeção de modo tal que essa alteração volumétrica melhorou o consumo sem perder desempenho. Não percebemos isso de uma maneira tão nítida assim. Na prática, essa alteração não mudou nada ou, se mudou, não é facilmente perceptível. O consumo manteve-se na casa dos 30 km/ litro. Agora há um indicador de consumo no painel, mas que não é muito preciso. Sempre rouba


uns dois ou três quilômetros. Bom mesmo é ter a certeza de que agora podemos ultrapassar os 200 km de autonomia com o tanque de 8 litros. O antigo tanque com quase 6 litros pedia comida pouco depois dos 150 km rodados. Com um japonesinho de 50 kg, no plano e com vento a favor, talvez o PCX consiga fazer os 37 km/l que o marcador indica, mas com a equipe da MOTOCICLISMO (todos com mais de 90 kg e acelerador sempre virado) ele marca 30 km/litro, às vezes menos, dentro da cidade. Fomos até o litoral paulista e conferimos 115 km/h de velocidade final no painel, mas no GPS eram 106 km/h reais. Sabemos que ele não foi feito para autoestrada, mas é bom saber que é possível viajar com ele, especialmente em feriados prolongados quando as estradas ficam lotadas. Na verdade, a grande vantagem do PCX é a praticidade. O porta-luvas novo traz, além de maior capacidade volumétrica, uma tomada 12 V para você poder carregar a bateria do seu smartphone ou ligar um GPS. O novo PCX é lindinho, sem dúvidas, e agora também ganhou novas cores. Há o preto, o cinza e o branco fosco com rodas douradas, que custa R$ 400 a mais. Se há pontos negativos no PCX, digamos que o preço e os amortecedores traseiros não são nada inte-

ressantes. A versão testada custa R$ 10 814 e você ainda tem que licenciar e talvez colocar no seguro. Não é barato. Já os amortecedores traseiros, segundo a Honda, foram revisados, mas continuam fraquinhos para um produto tão bom como é o PCX. Quando estamos sozinhos, não sentimos tanto problema, mas, quando levamos alguém na garupa, percebemos que falta curso e também força de retorno. Agora eles não batem seco no final de curso, mas se você for levar acompanhante, perceberá que o PCX merecia amortecedores melhores. E, já que colocaram tudo que ele precisava, poderiam ter pensado também em um freio de estacionamento. Tome cuidado quando for estacionar na rampa: como ele não tem marcha, é comum ver alguns escorregando e caindo nas portas de lojas e padarias.

BANCO Não tem mais o encostinho do piloto e, agora, trava aberto PORTA-LUVAS Está maior e conta com uma tomada de 12 V

Equipamentos O novo PCX agora vem com todas as luzes em LED, ganhou pisca-alerta, tomada 12 V e painel com computador de bordo e relógio. Todavia, o grande diferencial do modelo é o sistema Idling Stop, que desliga o motor automaticamante quando a moto para por mais de 3 segundos. Basta acelerar e o motor dá a partida.

CATÁLOGO 2017

motociclismo 43


TESTE Honda PCX FICHA TÉCNICA Dados de fábrica Motor monocilíndrico I 4T I arrefecimento a líquido, OHC I 2 válvulas I injeção eletrônica I CVT Cilindrada Diâmetro x curso Taxa de compressão Potência Torque

149,3 cm³ 57,3 mm x 57,9 mm 10,6:1 13,1 cv a 8 500 rpm 1,36 kgfm a 5 000 rpm

TRANSMISSÃO

automática centrífuga CVT correia

Embreagem Câmbio Secundária CHASSI

Tipo Balança Cáster / trail

Tubular de aço Braço de alumínio lado dir. 27°/86 mm

SUSPENSÃO

Dianteira Barras Curso Regulagens Traseira Curso Regulagens

Telescópica 31 mm 100 mm Não possui Duplo amortecedor 85 mm Não possui

FREIOS

Freio dianteiro Pinça Freio traseiro Pinça

Disco de 220 mm 2 pistões paralelos CBS Tambor 130 mm -

RODAS E PNEUS

Dianteira Traseira Modelo de pneu

90/90 – 14" 100/90 – 14" Pirelli Diablo Scooter

DADOS VERIFICADOS

Potência específica Relação peso/potência Consumo médio Óleo do motor

63 cv/litro 13,6 kg/cv 31,6 km/l 800 ml

MEDIDAS Comprimento t 1 931 mm Largura t 737 mm Entre-eixos t 1 315 mm Alt. do assento t 761 mm Capac. tanque t 8,0 litros Peso cheio t 130 kg Capacidade máxima de carga t 180 kg Distância mínima do solo t 145 mm Raio mínimo de giro t 1,98 m

CORES

CATÁLOGO 2017

Resultados obtidos no dinamômetro do centro técnico da revista MOTOCICLISMO

KGF.M

CV

MOTOR RENDIMENTO 10%

Vel. máxima Aceleração Retomada

7,5 8,0 7,5

MOTOR 15%

Entrega de potência Resposta ao acelerador Nível de vibração Aspereza TRANSMISSÃO 5%

7,5 7,5 8,5 9,5

Tato e precisão do câmbio Relação de marchas

-

CHASSIS

9 4

8 7 6

3

5 4

2

3

COMPORTAMENTO 20%

Estabilidade em retas Estabilidade em curvas Precisão da direção Agilidade Suspensões com piloto Suspensões com garupa Distância livre do solo Comportamento frenagem

8,5 8,0 8,0 9,0 7,5 4,0 7,5 8,5

Potência dos freios Dosagem dos freios

8,5 8,5

FREIOS 10%

2

1

1 0

24

42

!

60

72

90

102

0 KM/H

Marcou 9,48 cv na roda e atingiu 108 km/h no dinamômetro. A versão testada estava somente com 100 km rodados. Ainda estava amaciando.

USUÁRIO USO DIÁRIO 20%

Facilidade para manobrar Posição de pilotagem Conforto do piloto Conforto do garupa Sensação de qualidade Prazer ao pilotar Autonomia Equipamentos Acabamento

9,0 8,0 8,5 5,0 9,0 8,5 8,5 8,5 9,0

Preço de aquisição Garantia Consumo médio

6,5 9,0 9,0

ECONOMIA 20%

Média final

TÉCNICA

7,7

Preços e custos PREÇO

R$ 10 814

Pastilha de freio Farol Manete de freio Sapata de freio Filtro de ar Filtro de tela Vela de ignição Kit transmissão Retrovisor direito Amortecedor tras.

55,00 R$ 705,00 R$ 18,00 R$ 33,00 R$ 85,00 R$ 15,00 R$ 37,00 R$ 55,00 R$ 110,00

* preço sugerido sem frete e sem seguro

44 motociclismo

Banco de potência

Nossa avaliação

CONCLUSÃO por EDU ZAMPIERI

C

omo proprietário de um PCX 150 modelo 2014, tenho bastante parâmetro para afirmar que o novo modelo chegou em boa hora. Na verdade ele já existia desde o início de 2014 na Europa, mas a Honda Brasil esperou o modelo antigo decolar primeiro. E como decolou! Era um produto sem defeitos, mas que carecia de algumas correções, como a trava do banco, maior capacidade no tanque e um porta-luvas maior e com tomada 12 volts. As mudanças visuais vieram de brinde e realmente deram resultado. Exceto a suspensão traseira, que é pobre demais. Não combina com o excelente produto que é o PCX.


      


APRESENTAÇÃO Honda XRE 190

Raio-XRE Para suprir uma demanda comercial, a Honda supreende ao revelar a XRE 190, trail inspirada no que a XRE 300 tem de melhor e com o diferencial do ABS Texto

Marcelo de Barros Fotos

Honda

46 motociclismo

CATÁLOGO 2017


CATĂ LOGO 2017

motociclismo 47


APRESENTAÇÃO Honda XRE 190

SUPER BROS? Nada disso! Apesar do desempenho próximo, ela tem identidade própria, oferecendo mais ao motociclista

48 motociclismo

CATÁLOGO 2017

N

o começo de maio, pouco após revelar a terceira geração da crossover NC 750X, a Honda surpreendeu a todos com uma novidade, a inédita XRE 190. Isso mesmo, XRE! A nova motocicleta, que chegou em versão única nas cores vermelho, verde ou preto (perolizados), foi apresentada como “trail urbana, ideal para as cidades brasileiras” e tem um propósito muito simples. A Honda apurou que os usuários da Bros 160 não tinham tanta facilidade para trocar a pequena trail pela XRE 300, uma melhoria ‘natural’ dentro da linha trail da marca. O motivo: a diferença de preço entre elas é grande. A Bros 160 ESDD, com freio a disco na roda traseira, custa (em out/2016) R$ 11 257, a XRE 300, R$ 15 560, uma diferença de R$ 4 303. Se o dono da Bros 160 tiver interesse na versão com C-ABS, a diferença sobe para R$ 6 493! Custando R$ 13 300, a XRE 190 diminui esse ‘abismo’ para R$ 2 043, uma diferença de 18,1%, tornando mais natural e fácil a evolução do usuário da Bros 160 dentro da linha Honda. Todos os preços citados aqui são os divulgados pela marca sem frete e sem seguro. Consulte a concessionária mais próxima para ter o preço exato.

A XRE 190 tem visual mais encorpado, com destaque para a frente, que ficou linda! As linhas do farol lembram a CB 500F e o ‘bico’ incorporado a ele também agrada. Design é questão de gosto, sabemos disso, mas dificilmente veremos críticas sobre o seu visual. A Honda caprichou! O grande diferencial é o ABS de série. Desenvolvido pela Nissin, é de um canal e atua apenas na roda dianteira de 19”, de aço, na cor cromo escuro. Na roda traseira, de 17”, o eficiente freio a disco é de série. Mas como funciona? Um sensor de velocidade está na roda dianteira, e o outro sensor, que estaria na roda traseira, para medir a diferença de velocidade das duas rodas e calcular a modulação ideal da pressão do fluido de freio para as pinças, está no câmbio. Esse sistema funciona bem e faz com que o custo seja mais acessível. Veremos mais motocicletas usando esse sistema de canal único em breve. Temos certeza disso. Os punhos seguem o novo padrão da marca — e reparamos a falta do lampejador do farol, item que consideramos de segurança. O tanque tem tampa fixa e capacidade de 13,5 litros, inclusos 3,1 litros da reserva. O conjunto é bem harmonioso e com ótimo acabamento.


Eficiência e requinte, focos do projeto

A XRE 190 é uma grata surpresa, pois, em qualquer ponto dela, seu olhar vai encontrar acabamento de alto nível, somado ao design moderno e muito bem resolvido. O motor se parece com o 160 da Bros, mas na verdade foi apenas projetado com essa aparência na mesma época. Ou seja, é um erro afirmar que ele “é um 160 aumentado”. As tampas laterais pintadas de grafite mostram a preocupação do HRB (Honda Research Brazil), departamento da marca que desenvolve todos os produtos duas rodas e seus detalhes. A Honda declarou que em testes realizados pelo Instituto Mauá, ela foi mais econômica que a Bros 160, com média próxima de 38 km/l. O painel digital é inédito e quase completo: faltou o indicador de marcha, mas tem relógio fixo, conta-giros, hodômetros total e parcial e informações de consumo instantâneo e médio. Diferencial que ajuda a buscar médias mais baixas e economia no orçamento. Outro destaque é o ABS na roda dianteira, desenvolvido pela Nissin. A legislação não exige ABS nesta faixa de cilindrada, porém a Honda concluiu que o freio combinado (CBS) não daria tanta segurança na terra. Como a moto é leve (127 kg de peso seco), o ABS só na frente já garante a segurança nas frenagens.

COMPACTA A frente é extremamente compacta e leve. O tanque, o motor e o banco seguem o mesmo caminho

CATÁLOGO 2017

motociclismo 49


APRESENTAÇÃO Honda XRE 190

TUDO NOVO O conjunto ficou bem atrativo. Apesar do nome XRE, tudo é inédito!

Na apresentação do inédito modelo, a Honda afirmou que o foco no desenvolvimento da XRE 190 foi ser uma moto confortável, segura e fácil de pilotar. Em resumo, ela traz o DNA Honda. Na apresentação, a marca apontou os potenciais clientes da XRE 190: usuários das motos 150 e 160 cm³ da própria Honda e de outras marcas. Para quem procura a primeira moto, podemos afirmar que ela atende perfeitamente. Assim como as demais motos de baixa cilindrada da Honda, a XRE 190 tem três anos de garantia, com troca de óleo gratuita em sete revisões.

Primeiras impressões Em um dia ensolarado, no circuito do Haras Tuiuti, no interior de São Paulo, tivemos a oportunidade de extrair as primeiras impressões sobre a XRE 190. Com 836 mm de altura do assento, ao

“Pelo volume de vendas, este é o lançamento mais importante do ano”, afirmou Alexandre Cury, gerente comercial da Honda 50 motociclismo

CATÁLOGO 2017

subir nela, sentimos como se ela tivesse sido feita sob medida. Com guidão alto, a posição de pilotagem é ereta, bem natural e confortável, para rodar muitos quilômetros diariamente, sem cansar. No asfalto (quase perfeito) do circuito, a moto respondeu bem, mostrando que o pouco que falta de desempenho na Bros 160 (para os motociclistas mais exigentes) a XRE 190 tem, mas sem sobra, como na XRE 300. Na reta principal do circuito, buscamos a velocidade máxima, e, apesar do conjunto encorpado, o desempenho é racional. A Honda declara potência de 16,3 cv a 8 500 rpm com torque de 1,65 kgf.m a 6 000 rpm, quando abastecida com gasolina, e 16,4 cv a 8 500 rpm e torque de 1,66 kgf.m a 6 000 rpm com etanol. Em um teste posterior poderemos afirmar com mais precisão sobre seu rendimento. A ciclística é bem acertada e os pneus mistos Pirelli MT60 funcionam muito bem, permitindo algum abuso nas inclinações em curvas de diferentes ângulos, com estabilidade e segurança. Aproveitamos o ambiente controlado para realizar várias frenagens emergenciais e avaliar a eficiência do inédito freio ABS com ação apenas na roda dianteira. Realmente, ele tem uma eficiência que supreende. Por maiores que fossem a velo-


Dados de fábrica

cidade e a força aplicada, a moto se manteve estável e sem travar a roda traseira. Aprovado! Zeramos o hodômetro parcial no início do test-ride para saber qual seria a média de consumo. Buscando os limites da moto, terminamos o primeiro contato com uma média de 32 km/l, abastecida com gasolina. Na cidade, com seus limites de velocidade baixos, o consumo será menor. Com o paralama baixo e o aro 19” na dianteira, o projeto não é totalmente off-road — como motos com paralama alto e roda de 21” na frente —, mas desde o momento em que ela foi revelada, sabíamos que muitos usuários vão sim se aventurar com ela nas estradas e trilhas do Brasil. Por isso, queriamos saber como é acelerar ela nessa condição. Em um pequeno roteiro por uma estrada vicinal, com muitas pedras soltas, ela mostrou que as suspensões são bem calibradas e que dá sim para rodar no fora de estrada com segurança. Novamente, realizamos frenagens para testar o ABS e a eficiência se manteve.

VERSÁTIL Apesar do paralama baixo e da roda dianteira de 19”, a XRE 190 permite aventuras com segurança quando acaba o asfalto

Cilindrada 184,4 cm³ Potência máxima 16,4 cv a 8 500 rpm (com etanol) Torque máximo 1,66 kgf.m a 6 000 rpm (com etanol) Diâmetro x curso do pistão 61 mm x 63,1 mm Taxa de compressão 9,5:1 Quadro Berço semiduplo de aço Cáster 27° 45’ Trail 103 mm Suspensão dianteira Garfo telescópico com 160 mm de curso, sem ajustes Suspensão traseira Monoamortecedor com curso de 150 mm, sem ajustes Freio dianteiro Disco de 240 mm, pinça de 2 pistões (ABS) Freio traseiro Disco de 220 mm, pinça de 1 pistão Modelo do pneu Pirelli MT60 ou Levorin Dual Sport Roda dianteira 90/90 - 19" Roda traseira 110/90 - 17" MEDIDAS

Comprimento t 2 075 mm Altura do assento t 836 mm Tanque t 13,5 litros

Como fica o mercado com a XRE 190? Quem tem uma Bros 160 (ou 150) vai ficar satisfeito com a inédita XRE. Quem tem interesse ou já possui a Yamaha Crosser 150 poderá migrar para a XRE, pelo estilo que se assemelha e pelo ABS. A Honda precisa trabalhar na divulgação da eficiência do ABS, pois este é o motivo do seu preço final estar próximo ao da Yamaha XTZ 250 Lander. A XRE 190 tem tudo para ser um sucesso da Honda, mas ainda esperamos por uma trail 250 com chassi leve, derivada da CB Twister...

Motor monocilíndrico, flex, arrefecido a ar OHC I 2 válvulas I câmbio de 5 velocidades

Largura t 821 mm Entre-eixos t 1 358 mm Peso seco t 127 kg

CAPRICHADA Você queria uma frente nova na XRE 300? Nós também. Parece que a Honda guardou ela para a XRE 190. Linda! CATÁLOGO 2017


SUPERTESTE BMW S 1000 XR

S 1000 X-TUDO

52 motociclismo

CATÁLOGO 2017


A BMW S 1000 XR não tem muito de trail, mas o que ela tem de excelência em outros quesitos a classifica como a Maxtudo mais versátil da atualidade

Texto Fotos

Edu Zampieri Renato Durães CATÁLOGO 2017

motociclismo 53


SUPERTESTE BMW S 1000 XR

ESTILO Inevitável não a comparar com a Ducati Multistrada. Ambas herdaram motores de superesportiva

54 motociclismo

CATÁLOGO 2017

R

ecentemente publicamos um comparativo realizado na Espanha (edição n° 217), entre a BMW S 1000 XR e a nova Ducati Multistrada 1200S que vem com comando de válvulas variável, mas que ainda não chegou ao Brasil. Na ocasião, ficou claro que a S 1000 XR é uma superbike disfarçada de maxitrail. Agora foi a vez de levá-la para nosso roteiro do superteste e analisar como ela se comporta em um ambiente que conhecemos como a palma da mão. De fato, visualmente ela se parece com uma maxitrail, bigtrail ou crossover, tem um pouco de GT, uma pitada de sport-touring e evidentemente muito de superbike. Entretanto, ainda que ela possa se enquadrar em muitas categorias, não tem nada a ver com trail, porque está equipada com pneus esportivos de 17” e leves rodas de liga, e é isso que, basicamente, a define como crossover. A altura geral da moto, com guidão largo, bolha para-brisa na vertical e uma significante distância entre o pneu traseiro e o banco, até poderia indicar um certo apelo off-road, mas o radiador de óleo pertinho do chão e o grande catalisador de escapamento bem embaixo da moto intimidam qualquer incursão em estradas de ter-

ra ou passagens por pedras ou riachos. Por outro lado, a potência que ela é capaz de oferecer no asfalto, junto a segurança, estabilidade e conforto, é realmente extraordinária e compensa sua timidez na hora de enfrentar a terra. A posição de pilotagem é ultraconfortável para várias horas de estrada, o banco é anatômico, com bastante espuma, as pedaleiras contam com borrachinhas e o guidão é bem recuado em relação à mesa, ou seja, apesar do imenso volume que o tanque e a caixa de ar oferecem entre as pernas do piloto, o guidão não fica longe, apesar de pilotos baixinhos terem que se esticar no momento de esterçar totalmente em manobras. Em linha reta, o piloto fica bem sentado, com as costas bem eretas e os braços bem relaxados. A ergonomia também foi muito bem cuidada e os

O som que sai do escape chama a atenção pelo tom grave e pelo volume


1

2

diversos comandos ficam sempre à mão, ao melhor estilo R 1200 GS. O painel está na vertical e a grande bolha também. Essa visão, unida à posição de pilotagem, nos leva a crer que estamos sobre uma maxitrail, mas basta acionar o botão de partida e ouvir o estrondo do quatro-cilindros em linha para já perceber que o lugar desta alemã montada em Manaus é no asfalto. O urro que sai pelo escape é igual ao da irmã superesportiva S 1000 RR, afinal de contas é o mesmo motor, apenas amansado para priorizar torque em baixa e não pico de potência em alta. A ausência da boca coletora de ar, entre os faróis, já indica que a proposta do motor da S 1000 XR não é trabalhar em altas rotações e sim oferecer força abundante, independentemente da marcha e da velocidade. Antes de começar a falar da emoção que é pilotar esse confortável míssil, temos a obrigação de chamar a atenção para a luz diurna automática. Um risco de LED entre os faróis redondos fica aceso durante o dia e automaticamente se apaga quando há necessidade do farol. Coisa de BMW 1. Recomendamos, antes de engatar a primeira marcha, escolher um dos quatro mapas de injeção disponíveis e a maciez desejada da suspen-

APELO As rodas de 17 polegadas entregam o caráter esportivo 3 1

Esqueça as ferramentas, para regular as suspensões basta apertar um botão 2 As molas do cavalete central destoam totalmente do conjunto 3 O amortecedor de direção fica embaixo da mesa inferior

MOTOR É o mesmo da S 1000 RR, mas foi amansado para 160 cv e ganhou torque em baixa CATÁLOGO 2017

motociclismo 55


SUPERTESTE BMW S 1000 XR

CURVA Apesar da ponteira de escapamento baixa, é muito difícil raspar algo no solo. A altura geral evita sustos

COMANDOS Igual ao da 1200 GS, está tudo à mão. A rodinha do punho esquerdo é só para controlar o GPS... que é acessório

56 motociclismo

CATÁLOGO 2017

são eletrônica. Os mapas se dividem em Rain, Road, Dynamic e Dynamic Pro. Já as suspensões podem ser mais macias, no modo Road, ou mais firmes, optando pelo modo Dynamic. O sistema ABS e o controle de tração podem ser desabilitados, mas já adiantamos que eles estão muito bem calibrados para cada mapa de injeção, ou seja, no modo Rain, por exemplo, eles estão bem atuantes e no Dynamic Pro o ABS está calibrado para trabalhar em uma espécie de modo Racing, sendo mais efetivo na dianteira inclusive em curvas, pois o sistema entende quando a moto está inclinada. Coisa de BMW 2! Imediatamente, percebemos que, mesmo no modo Road, o motor em marcha lenta fica muito acelerado, algo em torno de 1200 rpm, e é evidente que isso faz com que a primeira marcha entre com um sonoro e nada discreto tranco. Sintoma comum em motos superesportivas.

No primeiro trecho do nosso roteiro, uma autoestrada de cinco faixas, notamos que, a 120 km/h em sexta marcha, o giro é alto, algo em torno de 5 000 rpm. Não tem nada a ver com o motor bicilíndrico boxer da R 1200 GS, que trabalha bem mais suave. Nesse ritmo fica impossível não perceber um considerável nível de vibração nas manoplas. E olha que há coxins e borrachinhas por toda parte, na mesa do guidão, nas pedaleiras e nos diversos encaixes do banco, mas não adianta, um quatro cilindros em linha de 160 cv, que sobe de giros em velocidade “supersônica”, será sempre um motor vibrante. Mas a emoção de acelerar de 0 a 100 Km/h em menos de 4 segundos ou atingir com absurda rapidez mais de 220 km/h compensam qualquer tipo de vibração, e isso deixa bem explicado que a S 1000 XR não está voltada para os donos de R 1200 GS. Outra prova disso está no momento de abaste-


OFF NÃO Apesar do estilo, os pneus esportivos não vão bem fora do asfalto

PAINEL Tem informação até demais. Não falta nem cronômetro de voltas

cer. Onde já se viu uma maxitrail que pede gasolina com pouco mais de 200 km rodados? O tanque é grande, 20 litros, mas a média de consumo da nossa viagem foi 16 km/litro. Ela pode fazer 19 km/litro, mas para isso você precisa viajar em sexta a 80 km/h. Subindo a serra velha de Taubaté, SP, e freando e retomando com vigor nas saídas de curvas, até chegar a Campos do Jordão, SP, ela marcou 14,8 km/litro. Definitivamente ela não é uma maxitrail e sim uma superbike confortável para duas pessoas. Chama a atenção como podemos ir rápido sem precisar se mexer no banco e principalmente sem ficar com dores nas costas no final da viagem. Em motos superesportivas temos que deslocar o centro de gravidade para dentro da curva, e fazemos isso tirando a bunda do lugar e abrindo os joelhos, é praticamente como pilotar pendurado na moto. Já com a S 1000 XR, fazemos

as mesmas curvas, quase tão rápido quanto, sem nos mover um milímetro sequer no banco. E, curiosamente, nada raspa no chão. Até a ponteira de escapamento, que parece baixa demais à primeira vista, nem sequer chega perto do asfalto, mesmo em curvas mais abusadas. Diferentemente da principal rival, a Ducati Multistrada, a S 1000 XR vem com pneus 100% voltados para asfalto, o nosso conhecido Diablo Rosso II (Scorpion Trail na Multistrada). Isso somado ao tradicional chassi tipo dupla trave de alumínio é o que dá à XR a dirigibilidade de moto esportiva, porém é evidente que, para suportar carga na traseira, os engenheiros reforçaram bem o subchassi e a balança da suspensão. É visível a preocupação com a carga a mais que ela pode levar, quando notamos o tamanho avantajado do eixo traseiro e como a balança é nitidamente mais comprida. Todas as motos comercializadas no Brasil virão de série com bagageiro e suportes para malas laterais, ou seja, prontinhas para fixar malas. Um item curioso que notamos também é um para-lama maior instalado embaixo do para-lama original onde está a placa de licença. Parece acessório, mas nas XR comercializadas no Brasil isso também é de série. Voltando a falar da ciclística, é importante ressaltar que os mapas de injeção podem ser alterados com a moto em movimento e que são bem distintos um do outro. Talvez um pouco menos entre Dynamic e Dynamic Pro, em que a principal diferença está quando a usamos no limite extremo de pilotagem, mas entre Dynamic e Road ou CATÁLOGO 2017

motociclismo 57


SUPERTESTE BMW S 1000 XR

BAGAGEIRO No Brasil todas virão com bagageiro e suportes para malas laterais

Road e Rain há uma imensa diferença de reação de aceleração, controle de tração e ABS. Resumidamente, recomendamos o Road para a maioria das situações e o Dynamic Pro para pilotos experientes que querem usar a XR na pista. Em caso de chuva extrema, coloque no Rain e viaje tranquilo. É realmente impressionante a sensação de segurança transmitida ao piloto em qualquer condição. Mérito da dupla ciclística e tecnologia. Como toda superesportiva, não falta nada na S 1000 XR, até amortecedor de direção ela tem. Quer mais? Ela já sai de fábrica com quickshifter bidirecional, ou seja, só usamos a embreagem para arrancar em primeira marcha. Funciona? Muito bem, uma maravilha. Pode parecer redundante, mas mesmo assim, vamos repetir: a S 1000 XR não tem nada de trail, é uma superbike confortável. Isso significa que não é só porque a posição de pilotagem é boa que qualquer perfil de motociclista se adaptará a esta moto. Ela é violenta, o motor é áspero, o ronco é alto e ela reclama quando andamos devagar. Se você ficou

Pela foto, não há dúvidas. É uma pura superesportiva

já se imaginando sobre uma depois de ler esta matéria, vá fundo. Foi possível fazer uma foto na areia da praia, mas não recomendamos. Para enfrentar terrenos assim há muitas outras opções. Depois de 1 000 km (de muita chuva), podemos afirmar que, resumidamente, a S 1000 XR é para aquele dono de S 1000 RR cujo médico disse: “Venda essa moto, ela está acabando com a sua coluna”. E nós assinamos embaixo: ela custa cerca de R$ 3 000 a menos e, se a ideia for viajar, não tem por que comprar a RR. Uma moto para poucos, mas que proporciona sensações únicas e que viciam.

Em 4 palavras CIDADE É até possível, mas é evidente que há opções melhores. Todavia, o bom torque em baixos giros e as suspensões podem colaborar caso você seja um piloto experiente. O volume geral também atrapalha

ESTRADA A pouca autonomia e um pouco de vibração nas mãos em velocidade constante não lhe garantem nota máxima, mas para os donos de superesportivas achamos que isso não será problema

GARUPA É ligeiramente complicado para uma namorada baixinha conseguir subir, mas depois o conforto está garantido. Há bom espaço e excelentes alças de apoio, apesar da posição nas alturas

EMOÇÃO Impossível não levar nota máxima nesse quesito. Ela chega a 100 km/h em 3,2 segundos e ultrapassa os 240 km/h. Tudo com muita estabilidade, segurança e proteção aerodinâmica









58 motociclismo

CATÁLOGO 2017


SUPERTESTE BMW S 1000 XR FICHA TÉCNICA Alternativas Maxitrail ou crossover? Antes de fazer o cheque, considere essas opçþes

Percurso do teste Santa Bårbara d’Oeste

Campos do JordĂŁo

70

Monteiro Lobato

km/h

80 km/h

100 km/h

LEGENDA

120

Sol

100

km/h

km/h

Encoberto

SĂŁo JosĂŠ dos Campos

Nublado Chuva leve

90

Chuva intensa

BMW R 1200 GS Sport

km/h

Direção noturna

Ubatuba

Abastecimento

SĂŁo Paulo

40 km/h

R$ 63 900 Q DWQLH

100 km/h

120

Robustez Peso

km/h

80 km/h

CubatĂŁo

1 SĂŁo Paulo 2 $VCBUĂ?P 3 6CBUVCB 4 $+PSEĂ?P 5 +PBOĂ˜QPMJT 6 /0EFTTB 7 SĂŁo Paulo t$VCBUĂ?P

DUCATI Multistrada 1200S

t6CBUVCB

t$EP+PSEĂ?P

t+PBOĂ˜QPMJT

t/PWB0EFTTB t4Ă?P1BVMP

tVSCBOP

65 km

235 km

155 km

145 km

150 km

180 km

70 km

"VUPFTUSBEB FEFTDJEB EFTFSSB

&TUSBEBT TJNQMFT  OĂ“WFMEPNBS

&TUSBEBT WJDJOBJTF TVCJEBEFTFSSB

&TUSBEBT WJDJOBJT

&TUSBEBT TJNQMFTF BVUPFTUSBEB

"VUPFTUSBEB

$FOUSPF NBSHJOBJT

17,5 km/l

16,0 km/l

14,8 km/l

17,5 km/l

18,0 km/l

18,5 km/l

16,0 km/l

R$ 81 100 Q 1DW Q LH

Peso e motor Manutenção

KAWASAKI Versys 1000 R$ 53 990 Q DWQLH

Motor e preço Liquidez

Um completĂ­ssimo e econĂ´mico FIAT Uno Way estava de prontidĂŁo para auxiliar no nosso teste

TRIUMPH Explorer 1200 R$ 58 500 Q DWQLH

Motor e conforto Design

60 motociclismo

CATĂ LOGO 2017

Equipamentos A BMW S 1000 XR tem tudo que hĂĄ de mais soďŹ sticado em motos de sĂŠrie hoje em dia. Assim como a sua irmĂŁ carenada, ela vem de sĂŠrie com ABS, controle de tração e diferentes mapas de injeção eletrĂ´nica. As suspensĂľes sĂŁo regulĂĄveis eletronicamente e ela tambĂŠm jĂĄ vem preparada para receber malas laterais e top-case


Dados de fåbrica Motor tetracilíndrico em linha, DOHC A líquido 16 Injeção eletrônica 999 cm³ 80 x 49,7 mm 12:1 160 cv a 11 000 rpm 11,4 kgf.m a 9 250 rpm

.PUPS "SSFGFDJNFOUP 7ĂˆMWVMBT "MJNFOUBĂŽĂ?P $JMJOESBEB %JÉNFUSPYDVSTP 5BYBEFDPNQSFTTĂ?P 1PUĂ?ODJB 5PSRVF TRANSMISSĂƒO &NCSFBHFN $ÉNCJP 4FDVOEĂˆSJB

Multidisco em óleo Mecânico, 6 velocidades Por corrente

CHASSI 5JQP #BMBOĂŽB $ĂˆTUFSUSBJM

Dupla viga de alumínio Duplo braço de alumínio 25,5°/117 mm

SUSPENSĂƒO %JBOUFJSB #BSSBT $VSTP 3FHVMBHFOT 5SBTFJSB $VSTP 3FHVMBHFOT

TelescĂłpica invertida 46 mm 150 mm 3 vias, DDC Monoamortecedor 140 mm 3 vias, DDC

FREIOS 'SFJPEJBOUFJSP 1JOĂŽB 'SFJPUSBTFJSP 1JOĂŽB

2 discos de 320 mm Brembo 4 pistĂľes (ABS) 1 disco de 265 mm Brembo 2 pistĂľes (ABS)

RODAS E PNEUS %JBOUFJSB 5SBTFJSB .PEFMPEFQOFV

120/70– 17" 190/55 – 17" Pirelli Diablo Rosso II

DADOS VERIFICADOS 1PUĂ?ODJBFTQFDĂ“mDB 3FMBĂŽĂ?PQFTPQPUĂ?ODJB 3FMBĂŽĂ?PQFTPUPSRVF ĂŽ $POTVNPNĂ?EJP

145,5 cv/l 1,57 kg/cv 20 kg/kgf.m 16,5 km/l

$PNQSJNFOUP -BSHVSB &OUSFFJYPT "MUVSBEPBTTFOUP $BQBDJEBEFEPUBORVF 1FTPDIFJP $BQBDJEBEFNĂˆYJNBEFDBSHB %JTUÉODJBNĂ“OJNBEPTPMP ÂťMFPEPNPUPS

CORES

2 183 mm 960 mm 1 548 mm 840 mm 20 litros 228 kg 206 kg 155 mm 3,5 l

KGF.M

CV

MOTOR RENDIMENTO 10%

11 9,5 9,5 9,5

7FMPDJEBEFNĂˆYJNB "DFMFSBĂŽĂ?P 3FUPNBEB MOTOR 15%

&OUSFHBEFQPUĂ?ODJB 3FTQPTUBBPBDFMFSBEPS /Ă“WFMEFWJCSBĂŽĂ?P "TQFSF[B TRANSMISSĂƒO 5%

9,0 9,5 7,5 8,5

5BUPFQSFDJT�PEPDÉNCJP 8,5 3FMBÎ�PEFNBSDIBT 8,5

CHASSIS COMPORTAMENTO 20%

&TUBCJMJEBEFFNSFUBT &TUBCJMJEBEFFNDVSWBT 1SFDJTĂ?PEBEJSFĂŽĂ?P "HJMJEBEF 4VTQFOTĂœFTDPNQJMPUP 4VTQFOTĂœFTDPNHBSVQB %JTUÉODJBMJWSFEPTPMP $PNQPSUBNFOUPGSFOBHFN FREIOS 10%

9,5 9,0 9,0 8,5 9,0 8,0 8,0 9,0 9,5 9,0

1PUĂ?ODJBEPTGSFJPT %PTBHFNEPTGSFJPT

USUĂ RIO 'BDJMJEBEFQBSBNBOPCSBS 1PTJĂŽĂ?PEFQJMPUBHFN $POGPSUPEPQJMPUP $POGPSUPEPHBSVQB 4FOTBĂŽĂ?PEFRVBMJEBEF 1SB[FSBPQJMPUBS "VUPOPNJB &RVJQBNFOUPT "DBCBNFOUP

7,5 9,5 9,0 8,0 9,0 9,5 7,0 9,5 9,0 7,5 8,5 8,0

1SFĂŽPEFBRVJTJĂŽĂ?P (BSBOUJB $POTVNPNĂ?EJP

TÉCNICA

8,7

Preços e custos PREÇO

10 9

120

8 100 7 6

80

5 4

40

3

145,53 cv a 10 000 rpm 11,45 kgf.m a 8 000 rpm

20

2 1

0

2

3

!

4

5

6

7

8

9

10

0

RPM X 1000

Que bela curva. É ou não Ê uma superesportiva? Repare tambÊm na quantidade de torque disponível a somente 8 000 rpm

Velocidade por marcha (km/h)

USO DIĂ RIO 20%

MĂŠdia ďŹ nal

140

60

ECONOMIA 20%

Medidas

3FTVMUBEPTPCUJEPTOP EJOBNÙNFUSPEPDFOUSPU�DOJDP EBSFWJTUB.050$*$-*4.0

Banco de potĂŞncia

Nossa avaliação

R$ 72 900

1BTUJMIBEFGSFJPEJBOUFJSP R$ 551 'JMUSPEFĂ˜MFP R$ 120 3FUSPWJTPSEJSFJUP R$ 436 4FUBEJSFJUBEJBOUFJSB R$ 304 .BOFUFEFGSFJP R$ 478 1JOIĂ?P R$ 362 $PSPB R$ 691 7BMPSEB‹SFWJTĂ?P R$ 662

13*.&*3"

144

4&(6/%"

184

5&3$&*3"

224

26"35"

259

t7FMPDJEBEFQPSNBSDIBPCUJEBOPEJOBNÙNFUSP

26*/5"

286

SEXTA

301

CONCLUSĂƒO por EDUARDO ZAMPIERI

Q

ue motor! Que versatilidade! A BMW S 1000 XR Ê tudo aquilo com que sempre sonhamos. O.k., ela não tem muita autonomia e não Ê tão silenciosa, mas, para quem jå teve muitas superesportivas na vida e hoje quer se manter viajando råpido, sem deixar de lado a emoção e ainda contar com total segurança que os muitos recursos eletrônicos oferecem, essa Ê a sua moto. A R 1200 GS pode atÊ acompanhar, se o piloto for experiente e o ritmo for de viagem, mas no cronômetro a XR Ê muito mais efetiva. Ela Ê a explicação simples e clara de por que se vendem menos motos superesportivas a cada dia.

QSFĂŽPTVHFSJEPTFNGSFUFFTFNTFHVSP

CATĂ LOGO 2017

motociclismo 61


ADRENALINA BMW R NineT Scrambler

Tendências neces

Texto

Edu Zampieri e Pepe Burgaleta Fotos

Markus Jahn

62 motociclismo

CATÁLOGO 2017

A

bela R NineT lançada dois anos atrás trazia herança das motos esportivas da década de 1970, porém, vinha equipada com certo grau de sofisticação, como as suspensões dianteiras, reguláveis e invertidas, freios poderosos com pinças de encaixe radial e painel completo. Evidente que esse pequeno apelo esportivo resultava em um preço não muito atraente, apesar de ela não estar tão equipada quanto outros modelos que vinham com este mesmo boxer de dois cilindros, refrigerado a ar. A tendência Scram-

bler foi a tônica do Salão de Milão de 2015, quase todos os fabricantes quiseram surfar essa onda, e a BMW, espertamente, não perdeu tempo e também mostrou a sua versão. Apesar de certa semelhança e de ter até a mesma base, não é fácil transformar uma R NineT convencional em uma versão R NineT Scrambler original. Começando pelo chassi, na Scrambler, a suspensão dianteira é convencional e não possui regulagens. Esqueça o sistema Telelever que equipou a linha R desde meados dos anos 90. A ideia principal com a Scrambler foi simplificar


sárias

Uma nova versão da BMW R nine T, mais simples, sem pinças de freio radiais e suspensões invertidas, era o que procuravam alguns amantes do motor boxer

no que fosse possível, e, assim, aquele nosso velho conhecido boxer refrigerado a ar, que compartilhava o mesmo cárter para motor e transmissão, se mantém na linha. A versão Scrambler é mecanicamente igual a R NineT convencional, tem aquela mesma tendência de cair para o lado quando aceleramos parada, mas sua proposta de uso é mais versátil e também oferece mais conforto. Porém, a lista de modificações é extensa, começando por toda a parte dianteira que resultou também em diferenças de geometria de chassis. Por causa das novas me-

sas, o ângulo de cáster está ligeiramente mais aberto, facilitando, portanto, a condução em terrenos irregulares. A posição de pilotagem também mudou, adaptando-se a suas novas possibilidades, e consequentemente está mais cômoda. A Scrambler também traz uma alteração importante no ruído do escapamento, em relação a sua irmã. A BMW trabalhou em parceria com a Akrapovic para desenhar um escapamento com duas ponteiras altas, de titânio e com um som muito mais grave que o da R nine T padrão. Esse escape conta com uma válvula CATÁLOGO 2017

motociclismo 63


ADRENALINA BMW R NineT Scrambler

ACIMA Proteção de aço inox embaixo do motor é um acessório vital para enfrentar terrenos off-road. ABAIXO A dupla ponteira alta, entrega melhor a identidade Scrambler. O sistema de escape leva a assinatura da Akrapovic PAINEL Ele é propositalmente simples, mas a marca oferece outras opções como acessório

64 motociclismo

CATÁLOGO 2017

localizada no coletor central, que tem a função de conter os decibéis em baixos giros, porém, quando este motor ganha rotações, a orquestra toca todos os seus instrumentos mais graves, e torna-se inevitável a vontade de acelerar cada vez mais. Em movimento, esta nova BMW mostrou-se bem equilibrada em baixas velocidades. Por um lado, é estável e baixa, favorecendo manobras e a utilização dentro da cidade. Por outro, seu motor é vigoroso e com respostas imediatas para diversão em estradas recheadas de curvas. Não tem a roda dianteira com aro de 17 polegadas, mas faz curvas com muita intuição, mesmo equipada com aro de 19. A fabricante alemã trabalhou com muita dedicação no mapa de injeção, para que esse velho/novo motor, passasse com folga pela novas normas antipoluição Euro 4 (PROMOT 4 no Brasil). A maior preocupação foi evitar que o piloto percebesse alguma perda de potência em altos giros, apesar de o melhor dessa Scrambler estar em médias rotações, onde o torque máximo está mais presente. Ela pode, sim, atingir mais de 200 km/h,


1 2

3

4 5

WCORAÇÃO A BMW manteve o propulsor, mas trabalhou muito para deixar a Scrambler exatamente como queria

mas é evidente que uma moto dessa categoria, com guidão alto e sem bolha para-brisa, se torna bastante incômoda de pilotar em alta velocidade. Na verdade, essa moto é toda estilo, pois assim que assumimos o posto de comando, percebemos que a BMW seguiu à risca o conceito. O painel, por exemplo, surpreende pela sua simplicidade, trazendo apenas um mostrador redondo com velocímetro e um pequeno retângulo digital internamen-

OPÇÕES NO MUNDO SCRAMBLER BMW R NINE T SCRAMBLER

1 O painel não é nada mais que um simples mostrador circular, com velocímetro e hodômetros digitais 2 O tanque, diferentemente da R NineT convencional, é de aço. O banco tem muito menos espuma, porém, combina com o guidão mais alto para oferecer uma posição mais relaxada 3 O quadro tubular sustenta a parte dianteira e o subchassis para o banco. A roda traseira está fixada diretamente no motor 4 O motor não traz nenhuma diferença em relação ao da R NineT. Boxer, bicilíndrico, DOHC de 115 cv, arrefecido a ar 5 A roda dianteira é de 19” e as bengalas da suspensão são convencionais, com sanfonas de borracha para protegê-las

te, nada de conta-giros. Interessante também notar que as pedaleiras são do melhor estilo off-road e as do acompanhante podem ser facilmente removidas. A própria BMW declara que a Scrambler não é uma moto definitiva, ou seja, a lista de acessórios é extensa para que o proprietário a personalize da maneira que melhor lhe convier. Exemplo disso é a opção de equipá-la com rodas raiadas e pneus off-road, banco pequeno, somente para o piloto, e até acrescentar um number plate lateral. Ainda não temos notícias sobre a chegada do modelo ao Brasil, mas como acontece na Europa, ela custaria menos que a R NineT convencional.

BMW R NINE T

Dados de fábrica Bicilíndrico boxer I 4T I arrefecido a ar DOHC I 8 válvulas I injeção eletrônica I 6 marchas transmissão por cardã

230 km/h | 110 cv | 220 kg DUCATI SCRAMBLER

203 km/h | 75 cv | 192 kg

230 km/h | 110 cv | 222 kg TRIUMPH SCRAMBLER

165 km/h | 59 cv | 234 kg

As Scrambler estão em fase de expansão e a BMW acaba de entrar em um segmento com integrantes bem distintas, tanto no apelo visual quanto na motorização. A Triumph todavia se coloca como a BMW, utilizando como base um modelo emblemático, mas com alterações ciclísticas e visuais para deixá-las mais simples e versátil, com declarada intenção de enfrentar a terra com certa desenvontura.

Cilindrada 1 170 cm³ Potência máxima 110 cv a 7 750 rpm Torque máximo 11,8 kgf.m a 6 000 rpm Diâmetro x curso 101 x 73 mm Taxa de compressão 12,0:1 Quadro Multitubular de aço Cáster / Trail 28,5° / 110 mm Suspensão dianteira Telescópica convencional 43 mm Suspensão traseira BMW Paralelever Curso dianteiro / traseiro 125 mm / 140 mm Regulagens não possui / pré-carga Freio dianteiro 2 discos de 320 mm Freio traseiro 1 disco de 265 mm Pinça dianteira Brembo de 4 pistões (ABS) Pinça traseira 2 pistões (ABS) Pneu / roda dianteira 120/70-19”/ 3,0” Pneu / roda traseira 170/60-17”/ 4,5” MEDIDAS

Comprimento t 2 175 mm Altura do assento t 820 mm Peso cheia t 220 kg

Largura t 880 mm Entre-eixos t 1 527 mm Tanque t 17 litros

Preço 14 800 euros (na Espanha)

CATÁLOGO 2017

motociclismo 65


COMPARATIVO Honda PCX 150 x Yamaha NMAX160

Rival a altura

A Yamaha tarda, mas não falha. O Honda PCX 150 não está mais sozinho no segmento. Chegou o NMAX 160. Um scooter repleto de personalidade Texto Fotos

Edu Zampieri Renato Durães

66 motociclismo

CATÁLOGO 2017


CATĂ LOGO 2017

motociclismo 67


COMPARATIVO Honda PCX 150 x Yamaha NMAX160

HONDA O PCX conta com uma trava de miolo de contato e botões para o tanque e para abrir o espaço embaixo do banco

C

omo lançar um scooter melhor que o Honda PCX 150? Tarefa quase impossível, pois o PCX está em plena ascensão, entrando cada vez mais no gosto dos brasileiros. Vende cerca de 2 000 unidades por mês e, recentemente recebeu melhorias, que o deixou mais bonito e prático. Em outros mercados, como e europeu e o asiático, vende barbaridade, chegando a liderar a comercialização de motocicletas. Suas qualidades superam a versatilidade de um scooter padrão, pois além da estética agradável, é econômico, tem excelente desempenho e traz tecnologia inovadora, como o sistema Idling Stop, recurso que desliga o motor quando paramos e o liga novamente apenas com o movimento do acelerador. A nova versão ganhou mais capacidade no tanque (oito litros) e tomada USB no porta luvas. Definitivamente é um produto a prova de críticas. A Yamaha tinha obrigação de fazer alguma coisa. E fez. Está lançando no mercado brasileiro o NMAX 160. Que espantosamente tem armas suficientes para brigar em pé de igualdade com o PCX. Um filho legítimo da família de scooters MAX. O grande TMAX 530, por exemplo, é um raro scooter que pilotamos como uma moto. Sua configuração de chassi, com quadro de traves laterais de alumínio e o motor fazendo parte da estrutura faz com que a pilotagem seja bem diferencia-

68 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Honda

O novo painel tem herança genética de outros veículos da marca, seja de duas ou quatro rodas. Na traseria o freio é a tambor


YAMAHA O NMAX também conta com trava de miolo de contato. Para abrir o compartimento, basta girar para o outro sentido

Yamaha

Traz painel 100% digital e com muito mais informações. Na traseira, um grande disco de freio de 230 mm de diâmetro

da da maioria dos scooters. Assim é o pequeno NMAX 160, que também traz essas características, apesar de o quadro ser tubular de aço. Com apelo mais esportivo do que o PCX e visual ao melhor estilo Yamaha, as diferenças começam logo na posição de pilotagem. Diferentemente do scooter da Honda, onde pilotamos praticamente como se estivéssemos sentados em uma cadeira, no NMAX há mais espaço no banco, o tanque e o motor ficam exatamente entre os tornozelos do piloto, fazendo com que nossos pés fiquem mais bem encaixados se estiverem lá na frente no escudo frontal. É possível colocar os pés no assoalho, mas o espaço é pequeno e a posição não é a mais agradável. Aí está a maior surpresa do NMAX, pois, apesar da posição diferenciada, ele é extremamente ágil, há mais espaço na altura dos joelhos e o ângulo de esterço do guidão é um absurdo, chega a 50°. Difícil de acreditar, mas o NMAX é mais ágil que o PCX. Antes de realçar sobre suas maravilhas tecnológicas e seu desempenho, não podemos deixar de comentar sobre os detalhes visuais. Pelo menos aqui na Motorpress, teve quem preferisse o PCX. Quem gosta de esportividade gostou dos largos pneus do scooter Yamaha, do acabamento que cobre o guidão e do painel 100% digital. Quem prefere certo grau de luxo gosta mais do CATÁLOGO 2017

motociclismo 69


COMPARATIVO Honda PCX 150 x Yamaha NMAX160

HondaŁ

O PCX conta com bagageiro que serve de alças de apoio e LED em todo conjunto óptico traseiro

EstiloŁ Iluminação por LED é regra obrigatória hoje em dia, mas cada

um tem a sua personalidade. Rodas maiores com pneus estreitos no PCX e roda pequena com pneus gordos no NMAX. As bolhas para-brisas são puros enfeites visuais, não protegem em nada o piloto do vento

Mesmo com sistema de freio ABS e comando de válvulas variável, o NMAX 160 custa pouco mais que o PCX 150. Briga da boa!

YamahaŁ A lanterna e os piscas contam lâmpadas comuns, somente a luz de freio é LED

PCX. Assim como o scooter da Honda, o NMAX também traz LED no farol e na luz de freio traseira, bolha pequena e espaço em baixo do banco, porém um capacete integral só cabe se for de cabeça para baixo. Todavia, o NMAX compensa por contar com disco de freio na traseira (tambor no PCX) e vir equipado com sistema ABS de série.

Na prática De imediato chama atenção a saúde do motor do NMAX. O PCX nos agrada por ser esperto e ter ótimo desempenho, mas o NMAX é ainda mais ágil. Equipado com quatro válvulas (duas no PCX) e um exclusivo sistema que varia o tempo de abertura das mesmas, o monocilíndrico de exatos 155,09 cm³ consegue a façanha de ter imediata resposta em baixa e não perder força conforme a velocidade vai aumentando. Segundo a fábrica, é exatamente

70 motociclismo

CATÁLOGO 2017

a 6 000 rpm que entra um outro tempo de abertura das válvulas. É como se o motor estivesse sempre cheio, independentemente da velocidade. Scooters não foram feitos para serem usados em velocidade máxima ou constante durante muito tempo. O câmbio CVT e a própria proposta de utilização urbana pedem acelerações e retomadas a todo instante, sempre na casa entre 20 e 80 km/h e, nessa faixa, apesar de o PCX ser esperto, o NMAX é ainda mais vigoroso. A Yamaha declara 15 cv a 8 000 rpm e torque máximo de 1,4 kgf.m a 6 000 rpm, no nosso dinamômetro ele marcou 11,13 cv na roda com a velocidade de 93 km/h, já o PCX marcou 9,48 cv com a velocidade de 92,7 km/h. Então o NMax deve gastar mais? Errado. No mesmo trecho urbano e com o mesmo piloto, o NMAX fez 42 km/l contra 36 km/l do PCX. Com um consumo desses, os 6,6 litros do tanque são suficientes.


HondaŁ Não é todo

YamahaŁ Cabe um

capacete integral que cabe — verifique o tamanho do seu. Sobra espaço para a capa de chuva. Na frente, pinça de dois pistões e CBS

capacete integral, mas de cabeça para baixo, pois a parte côncava está no assoalho do compartimento. Na frente, disco de 230 mm e ABS de série

Sim, o NMAX é mais esperto e mais econômico, mas o que chama mais atenção é a ótima dirigibilidade, semelhante à de uma moto. Mérito das suspensões ligeiramente mais progressivas e dos pneus gordos. O pneu traseiro tem medida 130/70-13 (100/90-14 no PCX) e na dianteira um 110/70-13 (90/90-14 no PCX). Tudo isso somado a um eficiente sistema ABS e dois discos ventilados de 230 mm. Os painéis são completamente diferentes e também causam discussão a respeito do visual. O do PCX é muito bonito, com um ponteiro de velocímetro que viaja por cima dos números, mas o do NMAX, apesar de ser monocromático, é mais rico nas informações. Ele traz hodômetros parciais, consumo médio e instantâneo, quilômetros rodados desde à última troca de óleo e hodômetro relacionado à vida da correia dentada. Além do marcador de combustível há ainda um econômetro.

Como todos os produtos Yamaha que chegaram para incomodar um grande sucesso da Honda, a escolha vai depender mais do gosto visual do que para critérios técnicos. O NMAX pode ser um pouco mais veloz e também mais econômico, mas não acreditamos que ele roubará clientes que já possuem um PCX. Acreditamos que há espaço para os dois no mercado. As diferenças visuais são fatores de extrema importância na decisão de compra, mas é muito mais provável um cliente fã de Yamaha deixar de comprar uma moto da marca e optar por um NMAX do que esse scooter Yamaha roubar a liderança da Honda. Assim é com a Fazer 150 e com a CG Titan. Mesmo contando com ABS, o Yamaha NMAX custa somente R$ 200 a mais que o Honda PCX 150. Ui! Porém com maior rede de concessionárias a Honda não teme a liderança. No final, o verdadeiro ganhador é o consumidor.

Em 4 palavras CIDADE Tanto o PCX 150 como NMAX 160 são exemplares para o dia a dia dentro da cidade. Ágeis, econômicos e com extrema confiabilidade mecânica. Cabem em qualquer lugar e se mostram como a melhor saída para deixar o carro em casa. Empate.

MOTOR A maior potência e a variação do tempo de abertura das válvulas faz com que o NMAX seja mais esperto, veloz e surpreendentemente ele é também mais econômico. O PCX se defende com o sistema Idiling Stop, mas perde nesse quesito

SEGURANÇA Ambos são muito bons em frenagens, mas o sistema ABS, que vem como item de série no NMAX, dá vantagem ao scooter da Yamaha. Discos de freios maiores, inclusive na traseira, também favorecem a marca dos diapasões

CONFORTO Apesar das suspensões mais bem calibradas do scooter da Yamaha, o PCX 150 é ligeiramente mais macio, conta com mais espaço no compartimento embaixo do banco e vem com uma entrada USB no porta-luvas. O NMAX é mais esportivo

1º Honda PCX 150 1º Yamaha NMAX 160

1º Yamaha NMAX 160 2º Honda PCX 150

1º Yamaha NMAX 160 2º Honda PCX 150

1º Honda PCX 150 2º Yamaha NMAX 160 CATÁLOGO 2017

motociclismo 71


COMPARATIVO Honda PCX 150 x Yamaha NMAX160 ANÁLISE TÉCNICA Dados de fábrica

Banco de potência

Honda PCX 150

Yamaha NMAX 160

Motor monocilíndrico, OHC, 4T A líquido 2 Injeção eletrônica 149,3 cm³ 57,3 x 57,9 mm 10,6:1 13,1 cv a 8 500 rpm 1,36 kgf.m a 5 000 rpm

Motor monocilíndrico OHC, 4T A líquido 4 Injeção eletrônica 155 cm³ 58 x 58,7 mm 11,2:1 15 cv a 8 000 rpm 1,46 kgf.m a 6 000 rpm

Centrífuga CVT Por correia

Centrífuga CVT Por correia

CHASSI Tipo Balança Cáster / trail

ç Tubular de aço Monobraço de alumínio 27°/86 mm

Tubular de aço Monobraço de alumínio N.D.

4

SUSPENSÃO Dianteira Barras Curso Regulagens Traseira Curso Regulagens

Telescópica 31 mm 100 mm Não possui Duplo amortecedor 85 mm Não possui

Telescópica 31 mm 100 mm Não possui Duplo amortecedor 86 mm Não possui

2

Motor Arrefecimento Válvulas Alimentação Cilindrada Diâmetro x curso Taxa de compressão Potência Torque

FREIOS Freio dianteiro Pinça Freio traseiro Pinça

1 disco de 220 mm 2 pistões paralelos (CBS) tambor de 130 mm 1 pistão (CBS)

1 disco de 230 mm 1 pistão (ABS) 1 disco de 230 mm 1 pistão (ABS)

90/90 - 14" 100/90 - 14" Pirelli Diablo Scooter

110/70 - 13" 130/70 - 13" IRC SS 570

68 cv/litro 13,7 kg/cv 36 km/l 106 km/h

73 cv/litro 11,4 kg/cv 42 km/l 123,0 km/h

RODAS E PNEUS Dianteira Traseira Modelo de pneu DADOS VERIFICADOS Potência específica Relação peso/potência Consumo (cidade) Velocidade máxima (no dinamômetro)

Comprimento Largura Entre-eixos Alt. do assento Cap. tanque Peso cheio

Honda PCX 150

1 931 mm 737 mm 1 315 mm 761 mm 8 litros 130 kg

Yamaha NMAX 160

1 955 mm 740 mm 1 350 mm 765 mm 6,6 litros 127 kg

Nossa avaliação

Honda PCX 150

11 10

4

9 8 3

MOTOR Potência Transmissão

8 9

9 9

8 8 8 6 8

9 9 8 7 9

8 7 5 9

8 7 5 9

7

7

CHASSI Estabilidade Maneabilidade Suspensão dianteira Suspensão traseira Freios Posição do piloto Posição do passageiro Proteção aerodinâmica Acabamento

PREÇO Avaliação do preço

Média final

TÉCNICA CATÁLOGO 2017

6 5

2

3 1

1 0

28

42

7,5 8,0

56

70

84

98

112

126

Honda

9,48 cv a 8 350 rpm 1,0 kgf.m a 4 900 rpm

Yamaha

11,13 cv a 8 000 rpm 1,8 kgf.m a 3 540 rpm

!

CONCLUSÃO

NMAX 160 1º RSYamaha 11 390 - ABS de série PCX 150 2º R$Honda 11 230

I

nteressante como são produtos diretamente rivais, mas conseguem, ao mesmo tempo, ser tão diferentes. Visualmente e praticamente eles não têm nada a ver um com o outro. Enquanto o PCX 150 preza por conforto e versatilidade, o NMAX 160 tem caráter muito mais esportivo. O NMAX vence esse comparativo porque, além de mais potente, é mais econômico e traz ABS de série.

0

KM/H

O NMax não deixou que a curva fluísse no dinamômetro. Um limitador eletrônico de rotações e velocidade cortava a ignição, mas a reativava imediatamente, desenhando uma curva como se ele tivesse quatro marchas, antes de atingir a velocidade máxima de 123 km/h. Na mesma hora, o PCX desenhou uma curva normal e só cortou a ignição uma vez, quando atingiu 106 km/h.

Yamaha NMAX 160

USUÁRIO

72 motociclismo

KGF.M

CV

7

TRANSMISSÃO Embreagem Câmbio Secundária

Medidas

Resultados obtidos no dinamômetro do centro técnico da revista MOTOCICLISMO


A História da Motocicleta no Brasil

Uma História de pionerismo, paixão e dedicação... a nossa história contada como nunca se viu!

Pesquisa - Documentação - Catalogação - Digitalização Exposições Encontros

Livros Centro de Cultura de Duas Rodas

Patrocício:

Co - patrocício:

Apoio de midia:

WWW.MOTOSTORY.COM.BR


COMPARATIVO Kawasaki Ninja 300 x Yamaha YZF-R3

Texto

Gabriel Berardi e Begona Calvo Fotos

Juan Sanz

300 MOTIVOS

Kawasaki Ninja 300

Yamaha YZF-R3

Evolução da primeira “Ninjinha” 250, ela foi a responsável por fazer a categoria nascer no Brasil. Custa R$ 18 990 na versão standard ou R$ 21 990 com o recomendado ABS

Lançada em 2015, a R3 é a aposta da marca dos diapasões nesse nicho que vem conquistando o consumidor. O modelo custa R$ 20 790 (std.) ou R$ 22 890 com ABS

74 motociclismo

CATÁLOGO 2017


Há muitas razões para ter em casa uma destas duas pequenas esportivas, possivelmente mais de 300... Não se apresentam como uma “motoescola” perfeita, mas também são garantia de diversão para quem busca uma moto ágil, econômica e cheia de estilo

CATÁLOGO 2017

motociclismo 75


COMPARATIVO Kawasaki Ninja 300 x Yamaha YZF-R3

NINJA 300 A moto da Kawasaki mostra-se muito divertida e fácil de pilotar, tanto na cidade quanto na estrada

A

Ł,BXBTBLJ O painel é compacto e de excelente leitura, mas falta indicar a temperatura e a marcha engatada. Garupa? Só por curtas distâncias

76 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Kawasaki Ninja 300 chegou ao Brasil em dezembro de 2012, apenas três meses depois de ser apresentada mundialmente. Com um visual profundamente atualizado, mais equipada e potente, ela chegava para substituir a “Ninjinha” 250R, até então a moto líder de vendas em um segmento que contava ainda com a Honda CBR 250R, Kasinski Comet GTR 250 GTR e Dafra Roadwin 250. A Ninja 300 manteve a hegemonia entre as pequenas esportivas e reinava tranquila... até que em agosto de 2015 a Yamaha chegou com a inédita YZF-R3. Curiosamente, nenhum dos dois modelos tem exatos 300 cm³. São 296 cm³ na Ninja e 320,6 cm³ na R3, e essa pequena distância entre elas na capacidade do motor significa uma diferença de apenas 1 km/h na velocidade máxima, dois quilos na balança com ambas as motos abastecidas e apenas dois décimos na aceleração de 0 a 100 km/h. Evidentemente que encontramos diferenças entre as duas, mas dizer que a diferença na performance entre elas seja algo decisivo é um exagero. Os três cavalos que as separam segundo as fichas técnicas oficiais, ou a diferença na forma com que potência e torque se apresentam durante toda a faixa de giros não é tão perceptível na prática quando rodamos com elas nas ruas ou estradas.


YZF-R3 Com um som de escape mais alto e grave, a Yamaha faz-se notar mais que a Ninja. Até demais quando sobe de giro Quando a Yamaha decidiu entrar nesse segmento das “esportivas peso-pena”, apostou nessa diferenciação na cilindrada, mas manteve a Essência da família YZF com carenagens frontais bem afiladas, uma bolha minimalista e, contrariamente ao que sua imagem radical faz supor, uma posição de pilotagem ligeiramente mais confortável que a da Ninja. Nesse sentido, a diferença entre elas também não é muito grande, a não ser pela proteção aerodinâmica proporcionada pela bolha mais alta e larga da Kawasaki. Ainda no aspecto da “comodidade”, apenas a Ninja traz dois pequenos recortes sob a rabeta para o garupa se segurar. Longe do ideal, mas melhor que a R3, que nem isso tem.

Herança Ninja A saga Ninja começou na década de 1980 com a GPZ 900, depois vieram as ZZR e, finalmente, chegamos às ZX-R, geração que deu um salto definitivo em direção à esportividade e à tecnologia. E é desse ponto que a nossa Ninja 300 tomou o impulso necessário para lançar-se ao mercado: frente, rodas, freios, tanque... Tudo é claramente inspirado na ZX-10R e na ZX-636R. Ainda que seu estilo chame a atenção por onde passa, o som que sai do escape da Kawasaki é muito mais discreto que o da sua rival. Em marcha

Ł:BNBIB

O painel da R3 é mais completo, ainda que menos compacto. A rabeta lembra as irmãs R6 e R1 e não traz nenhum tipo de suporte para o garupa se segurar CATÁLOGO 2017

motociclismo 77


COMPARATIVO Kawasaki Ninja 300 x Yamaha YZF-R3

NÃO SE ENGANE Apesar do visual agressivo, ambas são motos confortáveis a nada cansativas no dia a dia

Ł,BXBTBLJ

O disco dianteiro “margarida” faz referência às superbikes da marca. Ainda que tenha ABS como opcional, a simplicidade domina o conjunto, mas o rendimento é bom

Por gostar de giros mais elevados, a Kawasaki acaba exigindo mais trabalho com o câmbio, que, por sua vez, funciona com perfeição

78 motociclismo

CATÁLOGO 2017

lenta a Ninja mal se ouve, e, mesmo quando arrancamos forte explorando todo o conta-giros ela não chega a fazer as pessoas virarem a cabeça. A embreagem com pouco curso dificulta um pouco a dosagem do manete esquerdo nessas situações (não é uma questão de regulagem), mas logo nos habituamos às suas respostas. Ainda que seja muito provável que uma Ninja 300 passe grande parte de seu tempo circulando pela cidade, nós não só rodamos com ela em ruas e avenidas como também em algumas estradas vicinais, e a moto surpreende. É muito difícil apontar um ponto negativo, independentemente do ambiente em que rodarmos. Além do banco não ser alto, ela é bem leve e esterça bem, o que facilita muito a nossa vida nas manobras entre os carros. As suspensões da pequena Ninja também mostram sua vocação urbana, absorvendo as irregularidades do asfalto melhor do que se poderia esperar para um modelo com pretensões “esportivas”. O melhor é que mesmo com uma calibragem que privilegia o conforto, as bengalas não afundam exageradamente em frenagens mais fortes. Freios, aliás, que também funcionam de maneira irrepreensível, no tato ou na potência.


PROFESSORAS Apesar de muito divertidas, elas não vão assustar por excesso de potência. Excelente porta de entrada

Uma legítima YZF Como comentamos, a R3 capta a essencia da casta YZF, incluindo a identidade visual e a escassa proteção aerodinâmica, entretanto, fica nítido que na hora de definir a ergonomia, posição de pilotagem e “temperamento” de sua menor esportiva, a Yamaha seguiu a mesma receita que a Kawasaki usou na Ninja 300. Afinal, se já estava aprovada pelo mercado, por que radicalizar? Isso significa que a R3 é um modelo com uma posição de pilotagem bem natural (ainda mais que a Kawa) e que lembra muito mais uma city tradicional do que uma esportiva pura. Além do estilo bem resolvido e agressivo, o ponto onde a moto da Yamaha mais sugere esportividade é no ronco do motor bicilíndrico, bem grave e até elevado à medida que vamos subindo de giro. O comportamento do propulsor Yamaha é mais linear que o da Kawasaki, ainda que em altas roteções ele perca um pouco de contundência em relação ao da Ninja. Para ajudar o piloto, o painel da R3 traz indicador de marcha (que não está presente na rival) e a cada vez mais usual shift-light que avisa a proximidade do corte de giro. Encontramos na R3 um disco de freio dian-

Ł:BNBIB

Na R3 o disco dianteiro tem dimensões maiores e o funcionamento do conjunto também agrada. Uma bomba de maior capacidade exigiria menos pressão sobre o manete

A Yamaha estudou as concorrentes e criou uma moto surpreendente. A R3 mescla com maestria versatilidade e esportividade

CATÁLOGO 2017

motociclismo 79


COMPARATIVO Kawasaki Ninja 300 x Yamaha YZF-R3 Ł,BXBTBLJ

1

2

3

4

1 Em relação à antiga 250, a Ninja 300 deu salto enorme, especialmente no visual ao assumir a identidade das “ZX” 2 No motor, destacam-se a injeção com dupla borboleta e a embreagem antibloqueio 3 Os raios das rodas são muito finos, o pneu traseiro é um 140 mm e é assistido pelo eficiente sistema de suspensão Uni Track 4 O ABS desenvolvido pela Nissin é compacto e leve, mas acrescenta R$ 3 000 ao preço da moto

Ł:BNBIB

1 2 3 4

teiro com dimensões ligeiramente maiores que o que equipa a Ninja 300, mas isso não faz com que ela freie melhor que a rival quado exigimos o máximo desempenho do sistema. Nesse sentido a Kawasaki é melhor já que exige menos pressão no manete para frear com o máximo de eficiência. O ABS é opcional em ambas. As suspensões também mostram muito bom equilíbrio entre conforto e eficiência, lidando bem com o castigado asfalto das cidades e transmitindo segurança nas curvas de estradas sinuosas. Aliás, explorando bem a faixa superior do conta-giros, nessas estradinhas apertadas e cheias de curvas, qualquer uma destas incrivelmente ágeis e leves “300” pode surpreender motos com o dobro de cilindrada e potência. Se você ainda acha que estas motos são para aqueles que “não podem” ter uma esportiva ou naked maior, reveja seus conceitos. Ela são muito mais que uma alternativa barata.

80 motociclismo

CATÁLOGO 2017

1 Com frente e traseira bem afilados, a estética é inspirada nas linhas angulosas das demais YZF-R 2 O chassi não apresenta nada extraordinário, e, assim como na Ninja, fica bem escondido sob as carenagens 3 O motor segue a mesma receita da rival: bicilíndrico em linha, 8 válvulas, injeção, mas com 25 cm³ a mais 4 O sistema de freios também se equivale ao da rival. Na frente há só um disco, mas de maior diâmetro que o da Ninja

Ainda que parecidas, a Yamaha agrada mais pela ergonomia, especialmente para pilotos altos, já que ela é mais confortável e espaçosa em todos os sentidos. Por outro lado, gostamos mais do câmbio da Ninja, mais preciso, especialmente em trocas rápidas perto do giro de corte. E como ela empurra mais que a Yamaha em alta, quando o assunto é andar rápido a Kawa transmite mais prazer e esportividade. A natural aptidão de encarar tranquilamente o trânsito do dia a dia mais a capacidade que estas motos têm de mover-se com rapidez por qualquer tipo de estrada as transformam sim em pequenas esportivas, e não simples utilitárias carenadas. São motos que podem ser aproveitadas em sua plenitude por grande parte dos usuários que pretendem não apenas aprender a andar de moto, mas também fazê-lo com potência e muito estilo. Experimente uma e você encontrará 300 razões para levar uma delas para casa.


ANà LISE TÉCNICA Dados de fåbrica

Kawasaki Ninja 300

Yamaha YZF-R3

Motor bicilíndrico em linha, 4T A líquido DOHC, 8 Injeção eletrônica 296 cm³ 62,0 x 49,0 mm 10,6:1 39 cv a 11 000 rpm 2,8 kgf.m a 10 000 rpm

Motor bicilíndrico em linha, 4T A líquido DOHC, 8 Injeção eletrônica 321 cm³ 68 x 44,1 mm 11,2:1 42 cv a 10 750 rpm 3,02 kgf.m a 9 000 rpm

Multidisco em Ăłleo, cabo Manual, 6 velocidades Por corrente

Multidisco em Ăłleo, cabo Manual, 6 velocidades Por corrente

CHASSI Tipo Balança Cåster / trail

p diamante,, de aço ç Tipo Duplo braço de aço 27°/93 mm

Tipo diamante, de aço Duplo braço de aço 25°/95 mm

SUSPENSĂƒO Dianteira Barras Curso Regulagens Traseira Curso Regulagens

TelescĂłpica convencional 37 mm 120 mm NĂŁo possui Monoamortecedor 132 mm PrĂŠ-carga da mola

TelescĂłpica convencional 41 mm 130 mm NĂŁo possui Monoamortecedor 125 mm PrĂŠ-carga da mola

Motor Arrefecimento VĂĄlvulas Alimentação Cilindrada Diâmetro x curso Taxa de compressĂŁo PotĂŞncia Torque TRANSMISSĂƒO Embreagem Câmbio SecundĂĄria

FREIOS Freio dianteiro Pinça Freio traseiro Pinça

1 disco de 290 mm 2 pistĂľes (ABS opcional) 1 disco de 220 mm 2 pistĂľes (ABS opcional)

1 disco de 298 mm 2 pistĂľes (ABS opcional) 1 disco de 220 mm 1 pistĂŁo (ABS opcional)

110/70 - 17" 140/70 - 17" Pirelli

110/70 - 17" 140/70 - 17" Metzeler Sportec M5

128 cv/litro 4,6 kg/cv 20 / 365 km 174 / 181 km/h

122 cv/litro 4,4 kg/cv 27,8 / 388 km 173 / 183 km/h

RODAS E PNEUS Dianteira Traseira Modelo de pneu DADOS VERIFICADOS PotĂŞncia especĂ­ďŹ ca Relação peso/potĂŞncia Consumo mĂŠdio (km/l) / autonomia Vel. mĂĄxima (real/indicada)

Medidas

Kawasaki Ninja 300

Mediçþes

Kawasaki Ninja 300

Yamaha YZF-R3

ACELERAĂ‡ĂƒO 0-100 km/h 0-400 m 0-1 000 m

6s8 15s1 28s5

6s6 15s1 28s7

6s9 15s3

9s5 21s9

159 kg 173 kg 46-54%

160 kg 171 kg 45-55%

RETOMADAS 60-100 km/h 60-140 km/h

PESO (veriďŹ cado) Seco Cheio Distrib. peso

Resultados na roda, obtidos no dinamĂ´metro da revista MOTOCICLISMO ESPANHA

CV

KGF.M

35

50

30

45

25

40

20

35

15

30

10

25

5

20

0

15

-5

1 2

3

4

5 6

7 8

9 10 11 12

Kawasaki

38 cv a 11 300 rpm 2,4 kgf.m a 8 200 rpm

Yamaha

39 cv a 10 700 rpm

10 RPM X 1000

2,8 kgf.m a 9 200 rpm

!

Os dois motores nĂŁo mostram grandes diferenças entre si. A maior cilindrada da Yamaha se reete em um comportamento mais linear e “elĂŠtricoâ€?, alcançando rotaçþes um pouco mais baixas que o Kawasaki (12 200 rpm na R3 contra 12 700 rpm na Ninja), mas demonstrando maior disponibilidade de potĂŞncia e torque especialmente entre 6 000 e 9 000 rotaçþes. Detalhes pequenos, que nĂŁo devem ser responsĂĄveis por decidir entre uma ou outra.

CONCLUSĂƒO

Yamaha YZF-R3

2 015 mm 2 090 mm Comprimento 715 mm 720 mm Largura 1 405 mm 1 390 mm Entre-eixos 785 mm 780 mm Alt. do assento 17 litros 14 litros Capac. tanque 174 kg (ABS) 170 kg (ABS) Peso cheio

Banco de potĂŞncia

1Âş R$:BNBIB:;'3"#4 22 890

A

mbas sĂŁo perfeitamente capazes de levar vocĂŞ ao trabalho todos os dias e, nos ďŹ ns de semana, proporcionar muito prazer vestindo um macacĂŁo. E, ainda por cima, gastando pouco combustĂ­vel. A Kawasaki tem um motor mais “raivosoâ€? em alta, mas perde em baixas e mĂŠdias rotaçþes, justamente as que utilizamos em 90% do tempo no dia a dia urbano. O tato proporcionado por seu câmbio e sistema de freios ĂŠ melhor, no entanto, a

2Âş R$,BXBTBLJ/JOKB"#4 22 990 Yamaha nĂŁo ďŹ ca quase nada atrĂĄs nesses aspectos e mostra um equilĂ­brio geral que a concorrente nĂŁo consegue igualar. A R3 talvez seja um dos modelos de custo-benefĂ­cio mais interessantes do mercado, porque, ainda que tecnicamente nĂŁo tenha nada de muito especial, ela oferece agilidade e economia de uma legĂ­tima city no trânsito urbano com um desempenho que nĂŁo desaponta em qualquer estrada. Tudo isso com um visual de superbike.

CATĂ LOGO 2017

motociclismo 81


APRESENTAÇÃO Yamaha Neo 125

82 motociclismo

CATÁLOGO 2017


Grata surpresa

A Yamaha ressuscitou a Neo, porém nenhum parafuso foi aproveitado da versão anterior. Agora, além de ter motor 125 cm³, tem ótimas suspensões Texto Edu Zampieri Fotos Renato Durães

NO ALTO Painel simples e funcional. Faltou hodômetro parcial ACIMA Agora a chave de contato tem códico de segurança para abrir o miolo

P

or essa a gente não esperava. Depois do sucesso do scooter NMax 160, não imaginávamos que a Yamaha Brasil fosse lançar tão repentinamente outro scooter. E jamais iríamos adivinhar que seria uma nova Neo. Gostávamos da versão anterior. Era, além de visualmente muito mais agradável que seus concorrentes, dinamicamente muito mais interessante também, pois as rodas eram maiores, o que nos remetia a um grau de pilotagem semelhante ao de uma moto. Porém, ela tinha seus pontos negativos também. Faltava assoalho plano para levar bugigangas entre as pernas, a suspensão traseira praticamente não tinha hidráulico, funcionava só com a mola e a autonomia deixava a desejar. Recordamos também que ela tinha um marcador de combustível que funcionava irregular, indo de cheio a vazio em poucos quilômetros, sendo comum deixar o piloto a pé. Mas não foi por esses motivos que ela saiu de linha, pois as qualidades eram muito mais expressivas. Ela era alimentada por carburador e, portanto, para atender as novas fases do atual programa antipoluição, o motor ficaria muito estrangulado e, consequentemente, fraco. Foi embora e deixou saudades. Mas de repente! Shazam! Eis que a Yamaha levanta o pano e nos mostra a NEO 125 2017. Linda, tão moderna e ousada visualmente quanto foi a outra. Faróis de LED, carenagem repleta de vincos, assoalho plano, freios combinados, espaço embaixo do banco, chave codificada e obviamente alimentada por injeção eletrônica. Mas muito mais que o belo visual, temos que elogiar os recursos utiliCATÁLOGO 2017

motociclismo 83


APRESENTAÇÃO Yamaha Neo 125

CHASSI Totalmente novo, não aproveitou um parafuso sequer da antiga versão. Agora permite assoalho plano e o motor se ancaixa nele através de links

ACIMA O pequeno baú de 14 litros comporta um capacete jet À DIREITA Praticidade, economia e, por que não, elegância? A nova Neo é, sem sombra de dúvidas, lindinha

84 motociclismo

CATÁLOGO 2017

zados no novo motor de 125 cm³. Não tem nada a ver com o antigo. Permanece um monocilíndrico, SOHC, refrigerado a ar com câmbio CVT, porém, agora o cilindro é de DIASIL (fundido com alumínio e silício). Internamente, ele recebe todos os tratamentos antifricção das atuais Yamaha de maior cilindrada. Até cilindro deslocado em relação ao virabrequim ela possui para diminuir atrito. Uma grande novidade é um descompressor automático, que na prática extingue o delay entre acelerar e realmente sentir o scooter arrancar. Com 9,8 cv e 0,98 kgf.m de torque, esse motor tem potência e força de sobra para empurrar com muita saúde os 96 kg da nova Neo, mais o piloto. O tanque de gasolina continua pequeno, somente

4,2 litros de capacidade, mas a Yamaha declarou que é possível fazer mais de 40 km/litro. Veremos! Outra grande novidade são as rodas de 14 polegadas e os pneus Metzeler Feel Free de medidas 90/80 na traseira e 80/80 na dianteira. Mas o melhor de tudo isso, além do belo e moderno scooter que a engenharia produziu, é o trabalho que a área comercial da Yamaha Brasil fez para convencer você a levar uma Neo 125 para casa. O preço de R$ 7 990 é atraente frente à concorrência e ela ainda conta com assistência 24 horas para os primeiros 12 meses. A única pena é a ausência da cor azul. Por enquanto, somente vermelha, branca ou cinza. No breve contato que tivemos com ela, fica-


ESPAÇO Os porta-luvas localizados no escudo não contam com tampas, mas são espaçosos

Dados de fábrica mos surpresos com as retomadas e as suspensões. O novo motor de 125 cm³ realmente mostrou na prática toda sua evolução tecnológica de baixo atrito. Está mais silencioso e sentimos as rotações subirem sem o mínimo esforço. Boa para arrancar no semáforo e boa para retomar velocidade, não tem nada a ver com a antiga Neo. Agora percebemos que as bengalas dianteiras e o único amortecedor traseiro realmente trabalham a parte hidráulica e freiam a ação da mola. Atenção borracheiros! Agora para trocar o pneu traseiro da Neo só é preciso soltar a ponteira de escape, não é mais necessário desmontar metade da moto. Só há um amortecedor na traseira e não há mais a balancinha do lado direito. Agora a roda fica totalmente exposta. Freios? Melhorou consideravelmente, pois agora eles são combinados, mas temos de considerar também que os pneus melhoraram. Enfim, adoramos a novidade. É tão boa que deixará o cliente em dúvida quando entrar na concessionária, pois o Nmax 160 é mais caro e tem a mesma proposta de utilização. Mas isso não é um problema para a Yamaha e sim para a concorrência. Resumidamente, a nova Neo 125 é um produto à prova de críticas e com precinho justo. Fará sucesso com certeza!

CONFORTO Um piloto de 1,88 m de altura é o limite para as pernas não baterem no escudo

Motor monocilíndrico, arrefecido a ar OHC I 2 válvulas I câmbio CVT Cilindrada Potência máxima Torque máximo Diâmetro x curso do pistão Taxa de compressão Quadro Cáster Trail Suspensão dianteira Suspensão traseira Freio dianteiro Freio traseiro

Tambor de 130 mm – UBS

Modelo do pneu Roda dianteira Roda traseira MEDIDAS

125 cm³ 9,8 cv a 8 000 rpm 0,98 kgf.m a 5 500 rpm 52,4 mm x 57,9 mm 9,5:1 Underborne de aço Não declarado 100 mm Garfo telescópico com 90 mm de curso, sem ajustes Monoamortecedor com curso de 80 mm, sem ajustes Disco de 200 mm – UBS

Metzeler Feel Free 80/80 - 14" 90/80 - 14"

Comprimento t 1 870 mm Altura do assento t 775 mm Tanque t 4,2 litros

Largura t 685 mm Entre-eixos t 1 260 mm Peso cheio t 96 kg

Preço R$ 7.990,00

GRATA SOLUÇÃO a antiga Neo era o terror dos borracheiros. Trocar um pneu traseiro eram cobradas horas de mão de obra, pois tínhamos que desmontar “metade da moto”. Agora, ela não tem mais aquela “balancinha” do lado direito e o escape fica fixado diretamente no motor. Ainda temos que retirar a ponteira para tirar a roda, mas é mais fácil e prático

CATÁLOGO 2017


COMPARATIVO Honda Bros 160 x Honda XRE 190 x Honda XRE 300 x Yamaha

Trail de 9 mil a 18 Com a chegada da Honda XRE 190 ficou ainda mais difícil escolher uma trail de baixa cilindrada. Três Honda e três Yamaha, todas com a mesma proposta. Qual é a sua? Texto Fotos

Edu Zampieri Renato Durães

Honda XRE 300 É a mais cara de todas. Custa R$ 17 750 na versão com ABS e R$ 15 650 sem o sistema. A nova versão ganhou novo painel e nova tampa do tanque, mas o motor é um velho conhecido

86 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Yamaha XTZ 250 Lander

Honda XRE 190 Acabou de chegar. É 100% nova. O motor é um monocilíndrico de exatos 184,4 cm³, refrigerado a ar. A maior novidade é o sistema ABS na roda dianteira. Custa R$ 13 300

É praticamente a mesma moto desde que foi lançada em 2006, mas este ano ganhou sistema flex e novo painel. O preço para a versão modelo 2017 chega aos incríveis RS 15 627


Crosser 150 x Yamaha Lander 250 x Yamaha Ténéré 250

mil

Yamaha XTZ 250 Ténéré Com tanque de combustível maior e bolha para-brisa, é a mais prepada para viajar. Recentemente ganhou novo painel e nova lanterna traseira. Na versão 2016 custa R$ 15 490

Yamaha XTZ 150 Crosser ED Tem o mesmo econômico motor da Fazer 150, mas com mais curso de suspensões. Surpreende pela ergonomia confortável. É a única sem disco de freio na traseira. Custa R$ 10 515

Honda NXR 160 Bros ESDD Resumidamente uma CG Titan, porém mais preparada para a terra e bem mais confortável para pilotos mais pesados. Enfrenta os buracos da cidade com maestria. Custa R$ 11 257

CATÁLOGO 2017

motociclismo 87


COMPARATIVO Honda Bros 160 x Honda XRE 190 x Honda XRE 300 x Yamaha

DESEMPENHO Os motores e suas respectivas potências justificam a performance de cada uma

NXR 160 BROS Ł

A proposta da Honda é oferecer uma moto mais apropriada que a CG no momento de enfrentar a terra

88 motociclismo

CATÁLOGO 2017

A

chegada da nova Honda XRE 190 está deixando o consumidor indeciso no momento de escolher a sua trail de baixa cilindrada. As opções até um mês atrás eram bem conhecidas e já causavavam dúvidas. A Honda Bros 160 é uma excelente moto, tem o mesmo motor da ótima CG Titan 160, mas vem com pneus mais robustos, maior curso de suspensões e um banco bem confortável. Ela enfrenta como principal rival a Yamaha XTZ 150 Crosser, que também utiliza como base o motor de uma utilitária, no caso, o da Fazer 150, mas ela tem mais curso de suspensões

e uma posição de pilotagem invejável. Se você já tinha uma 150/160, muito provavelmente você queria dar um passo maior e aí tanto Honda quanto Yamaha oferecem excelentes opções. A veterana XRE 300 é cara, mas é a única que conta com sistema ABS nos dois eixos, rodas e balança da suspensão traseira de alumínio, ou seja, tem por que custar mais caro (sem contar o motor maior). As XTZ 250, seja Lander, seja Ténére, apresentam um motor à prova de bombas e econômicos. Quer diversão, principalmente na terra? Opte pela Lander. Quer viajar, inclusive acompanhado? Fique com a Ténéré 250. As seis motos deste comparativo são bicombustível, todas têm cinco marchas e, se comparadas com motos de média e alta cilindrada, elas dão aula de economia no momento em que precisarmos abastecer ou comprar alguma peça de reposição. São versáteis ao extremo, servem para tudo, desde trânsito dentro da cidade até viagens curtas, no asfalto ou na terra. Na Ténére encontramos o maior tanque e a melhor proteção aerodinâmica. A Lander não mudou muito desde 2006, mas agora seu motor é flex e o painel está mais atualizado. Dos R$ 9 350 que é o valor da Yamaha Crosser E (sem freio a disco) até os R$ 17 750 da XRE 300 com ABS, esperávamos que não coubesse mais nenhuma


Crosser 150 x Yamaha Lander 250 x Yamaha Ténéré 250

XRE 190 Ł

Chega com mais potência e torque que a Bros 160, mas com o visual da XRE 300. A proposta é mais urbana e para viagens curtas do que off-road

XRE 300Ł Seu motor está no limite da homologação,

mas o visual e o sistema ABS ainda cativam muitos usuários. Nota 10 para as suspensões dentro da cidade

NXR 160 BROS

XRE 190

XRE 300

XTZ 150 CROSSER

XTZ 250 LANDER

XTZ 250 TÉNÉRÉ

PAINÉIS A Crosser é a única que manteve indicação analógica, porém conta com indicador de marchas, o que nem uma outra moto desse comparativo possui. Lander e Ténéré pecam nos números do conta-giros

concorrente, principalmente da Honda, mas não é que a marca lançou a XRE 190? A mais nova atração da Honda é uma miniXRE 300. Ela também não vira o farol quando esterçamos o guidão e também conta com aquele nariz em cima da roda dianteira. Uns gostam, outros odeiam, mas na 190 ele é menos proeminente que na 300. Muitos perguntam por que não fizeram logo uma 200 cm³, mas pilote primeiro para perceber que, apesar da pouca diferença de centímetros cúbicos em relação à Bros 160, a “XREzinha” é muito mais vigorosa, principalmente quando chegamos a uma subida. Viajamos até Tuiuti, interior de São Paulo, com as seis motos juntas. Abastecemos todas nos mesmos postos de gasolina e trocamos constantemente os pilotos. Chegando ao Haras Tuiuti, onde há uma bela pista de testes, trocamos comentários, elogios

e críticas sobre as seis motos. Houve unanimidade quanto à ergonomia muito bem acertada da Crosser, à aptidão da Ténéré para viajar, à agilidade da Lander, aos freios da XRE 300 e, principalmente, quanto a como a nova XRE 190 é bem mais forte que a Crosser e a Bros. Quando chegam as subidas, a Crosser e a Bros pedem redução de marcha para manter o giro alto e não perder muita velocidade. Já a XRE 190 mantém o ritmo mesmo em quinta marcha. Com um piloto de 85 kg o velocímetro da nova XRE marcou 129 km/h no plano, mas nosso GPS indicou que ela “rouba” 5 km/h. A Crosser, que marca 125 km/h, rouba 10 km/h. A Bros também alcançou 129 km/h no velocímetro, mas, quando ela atingiu essa velocidade, a XRE já estava bem longe. A Lander pula na frente de todas, mas logo a XRE 300 a ultrapassa. A Ténére com CATÁLOGO 2017

motociclismo 89


COMPARATIVO Honda Bros 160 x Honda XRE 190 x Honda XRE 300 x Yamaha

BRIGA BOA A XRE 190 surpreendeu. Com mais potência e maior autonomia, vai dar trabalho para a concorrência

Crosser 150Ł

Quem a pilota logo se apaixona pela ergonomia. A posição de pilotagem foi muito bem acertada

90 motociclismo

CATÁLOGO 2017

tanque cheio não consegue andar junto e, se bobear, pode perder para a XRE 190. As 250 e a XRE 300 passam dos 130 km/h, mas não muito. A Lander não tem proteção aerodinâmica e tem o para-lama alto. A Ténéré, além da maior área frontal, é mais pesada com o tanque cheio. Já o ABS da XRE não é o que podemos chamar de leve, por isso, as velocidades finais são bem contidas, lembrando sempre que as três são equipadas com rodas de 21 polegadas na dianteira, o que pode ser ótimo para buracos, mas não muito eficiente para altas velocidades.

Todavia, o que vale cada centavo nessas motos são as suspensões. Principalmente em um país como o nosso, onde as ruas são deixadas ao completo descaso, contar com pneus robustos, rodas grandes e suspensões de longo curso é uma dádiva. A XRE 300 na cidade encara qualquer desafio com muita maciez, a Lander e a Ténéré também não temem as tampas de bueiros e buracos, e as pequenas Bros, Crosser e XRE 190 também não se intimidam com lombadas. Dentro da pista de testes, fizemos medições de frenagem a 50 km/h e nos surpreendemos. A Bros, por ser leve e com freio a disco na traseira, foi a vencedora nesse quesito: parou em 9,5 metros. A XRE 190, com ABS só na dianteira, parou em 9,6 metros e a Crosser parou em 9,9 metros. Tudo no seco e com o mesmo piloto de 85 kg. Já a XRE 300 levou 10,25 metros para parar, mas com total estabilidade graças ao seu eficiente ABS. A Lander marcou 10,5 e a Ténéré foi a que percorreu mais espaço, 11,8 metros. Óbvio que aquela que tem ABS oferece mais segurança no momento de alicatar com vontade o freio dianteiro. Já a que não tem exige um piloto afiado e mesmo assim quase sempre trava a roda traseira. Já é hora da Yamaha oferecer o sistema, pelo menos nos seus modelos de 250 cm³. No quesito embreagem e câmbio, as Honda levam pequena


Crosser 150 x Yamaha Lander 250 x Yamaha Ténéré 250

XTZ 250 Lander Ł Ainda está no páreo. Para os pilotos de motocross ou enduro, é a mais divertida, mas o banco estreito e duro e o tanque pequeno afastam candidatos

XTZ 250 Ténéré Ł

Com um motor à prova de bombas, excelente autonomia e maior proteção aerodinâmica, a Ténéré vai longe com excelente conforto

NXR 160 BROS

XRE 190

XRE 300

XTZ 150 CROSSER

XTZ 250 LANDER

XTZ 250 TÉNÉRÉ

FREIO Todas contam com excelente poder de frenagem. A 50 km/h a Bros parou em menor espaço e a Ténéré parou no maior, mas a diferença entre elas foi de apenas 1,7 metro. Óbvio que ABS oferece mais segurança

vantagem. Todos os pilotos sentiram que os da Yamaha são um pouco mais durinhos, mas nada que possamos chamar de defeito, apenas características. Para inverter curvas, todas são excelentes, leves e precisas até encostar as pedaleiras no asfalto, mas é evidente que as motos com aro 19” na dianteira são ainda mais leves e rápidas. A moto mais exigida por todos foi a nova XRE 190. Todos queriam saber se os R$ 13 300 valem a pena. Em matéria de ergonomia, mesmo com uma gama de pilotos de diferentes alturas e pesos, todos preferiram a posição de pilotagem da Crosser — mas queriam o motor da XRE 190! No dia do teste, estava muito frio, algo em torno de 10°C, e, nessa condição, tanto a Bros quanto a XRE 300 demoraram um pouco mais para dar a partida, além de mostrar um funcionamento mais irregular nos primeiros minutos em comparação

com as outras, inclusive em relação a XRE 190. Vale lembrar que todas as motos estavam abastecidas com gasolina. Pilotando à noite na estrada, o painel da XRE 300 se sobressai. É o mais completo e bonito de todos. O da XRE 190 conta com informação de consumo instântaneo e, melhor, a indicação bateu com as nossas medições de consumo. A novidade da Honda marcou excelentes 36 km/litro. A Ténéré e a Lander contam com a indicação ECO no painel, o que nos ajuda a adotar uma pilotagem mais econômica. A Lander foi um pouco mais econômica que a sua irmã de tanque grande, mas, na média, elas fazem 27 km/l. A menor potência da Crosser entregou o melhor consumo: média de 37,5 km/litro, mesmo tentando acompanhar as outras motos. Mérito da XRE 190, que anda bem mais que a 150 da Yamaha sem neCATÁLOGO 2017

motociclismo 91


COMPARATIVO Honda Bros 160 x Honda XRE 190 x Honda XRE 300 x Yamaha

NXR BROS 160

XRE 190

XRE 300

XTZ 150 CROSSER

XTZ 250 LANDER

XTZ 250 TÉNÉRÉ

DESEMPENHO Na prova de arrancada, evidentemente a XRE 300 foi a mais veloz, mas a Lander surpreende, afinal de contas ela é bem leve. Todavia, a XRE 190 chega a incomodar a Ténéré 250. Escolha difícil

92 motociclismo

CATÁLOGO 2017

cessariamente consumir muito mais combustível. Na verdade, todas as seis motos são excelentes e cumprem muito bem a proposta de serem motos versáteis que servem para quase tudo. Não são grandes turing de 1 000 cm³, mas podem levá-lo de uma capital para outra com muita economia e ainda enfrentar o trânsito do dia a dia com muita facilidade. É difícil encontrar defeitos nessas motos, a não ser os preços praticados. Entendemos que a situação da economia atual, o preço do dólar e consequentemente os impostos para a produção de componentes, não cooperam com as fábricas, mas comprar uma dessas motos e tirar do bolso mais de R$ 10 000 para levá-la para casa e ainda gastar no licenciamento e muito provavelmente no seguro é uma ideia um tanto quanto discutível. Será que vale tudo isso? A XRE 190 custa

R$ 13 300. A Lander 2017 custa salgadíssimos R$ 15 627. Nesse caso, não há dúvidas de que a XRE 190 apesar de menos potente é a melhor opção pelo ABS e pela economia de combustível. Aliás, em nossa avaliação, ela é melhor economicamente que a própria Bros 160, pois, ao menos na versão ESDD, gastar R$ 11 257 em uma 160 parece um tanto quanto fora do normal. Agora, entre a Ténéré e a XRE 300 será mais uma questão de gosto visual do que de tecnologia e performance. Entendemos que a moto da Honda tem ABS, rodas e balança de alumínio, mas a Ténéré rebate com maior autonomia e mais conforto para viajar. De todas as formas, deixando a questão econômica de lado e pensando somente em prazer de pilotagem, todas têm seu valor e a ordem de potência ditou o resultado, com exceção da Honda XRE 190, que venceu a Lander 250.


Crosser 150 x Yamaha Lander 250 x Yamaha TÊnÊrÊ 250 ANà LISE TÉCNICA Banco de potência

Resultados obtidos no dinamĂ´metro do centro tĂŠcnico da revista MOTOCICLISMO

Velocidade por marcha KGF.M

CV

tWFMPDJEBEFQPSNBSDIBPCUJEBOPEJOBNÙNFUSP

Honda XRE 300

18

PRIMEIRA

38

4

16

SEGUNDA

61

TERCEIRA

88

QUARTA

114

QUINTA

SEXTA

QUINTA

SEXTA

QUINTA

SEXTA

QUINTA

SEXTA

QUINTA

SEXTA

QUINTA

SEXTA

142

-

Yamaha XTZ 250 Lander PRIMEIRA

14

40

12

SEGUNDA

66

TERCEIRA

88

QUARTA

109

136

-

Yamaha XTZ 250 TĂŠnĂŠrĂŠ

3

PRIMEIRA

45

10

SEGUNDA

66

TERCEIRA

88

QUARTA

108

133

-

Honda XRE 190 PRIMEIRA

2

8

38

6

SEGUNDA

61

TERCEIRA

QUARTA

81

104

TERCEIRA

QUARTA

124

-

Honda NXR 160 Bros PRIMEIRA

37

1

4

SEGUNDA

58

78

99

118

-

Yamaha XTZ 150 Crosser PRIMEIRA

2 0

37

3

4

5

6

7

8

9

SEGUNDA

58

TERCEIRA

80

QUARTA

102

123

-

0

RPM X 1000

XRE 190

14,2 cv a 7 600 rpm 1,6 kgf.m a 5 450 rpm

XRE 300

18,7 cv a 6 800 rpm 2,1 kgf.m a 5 700 rpm

Bros 160

11,7 cv a 7 790 rpm 1,2 kgf.m a 5 900 rpm

Crosser

10,2 cv a 6 900 rpm 1,2 kgf.m a 5 600 rpm

Lander

17,7 cv a 7 370pm

TĂŠnĂŠrĂŠ

17,2 cv a 7 300 rpm 1,8 kgf.m a 6 210 rpm

!

Impressionante como a Honda descobriu uma brecha de desempenho entre a Bros 160 e a XRE 300. Repare que nas velocidades por marchas, obtidas no dinamĂ´metro, a XRE 190 ďŹ ca longe das grandes. Ao menos atĂŠ 100 km/h, elas andam juntas. NotĂĄvel tambĂŠm a potĂŞncia na roda oferecida pela Lander 250,

1,8 kgf.m a 6 800 rpm

Medidas

Honda XRE 300

2 171 mm 838 mm 1 417 mm 860 mm 13,8 litros 1 181 mm

$PNQSJNFOUP Largura &OUSFFJYPT "MUEPBTTFOUP $BQBDUBORVF Altura

Mediçþes

Honda XRE 300

Honda XRE 190

Honda Bros 160

2 075 mm 821 mm 1 358 mm 836 mm 13,5 litros 1 179 mm

Honda XRE 190

praticamente só 1 cv a menos que a XRE 300. A Lander Ê mais veloz e freia em menos espaço que a TÊnÊrÊ 250, demonstrando ainda ser uma moto competitiva. A Crosser Ê a menos potente, no dinamômetro e na pråtica, mas em compensação Ê a mais econômica de todas. Todas foram testadas somente com gasolina no tanque de combustível.

Yamaha Lander 250

2 067 mm 809 mm 1 356 mm 842 mm 12,0 litros 1 158 mm

Honda Bros 160

2 125 mm 830 mm 1 390 mm 875 mm 11,0 litros 1 180 mm

Yamaha Lander 250

Yamaha TĂŠnĂŠrĂŠ 250

2 135 mm 830 mm 1 390 mm 865 mm 16,0 litros 1 375 mm

Yamaha TĂŠnĂŠrĂŠ 250

Yamaha Crosser 150

2 050 mm 825 mm 1 350 mm 836 mm 12,0 litros 1 140 mm

Yamaha Crosser 150

ACELERAĂ‡ĂƒO LNI 8s2 0-200 metros 10s0 7FMNĂˆYJNB LNI  133

9s5 10s5 125

10s5 12s5 122

8s0 9s7 130

8s5 10s5 132

11s9 14s5 118

28,0 372

35,8 486

34,5 408

26,0 286

27,0 432

37,5 444

153 (ABS)

127

121

143 -

154 -

131 -

CONSUMO .Ă?EJP LNM

"VUPOPNJB LN

PESO (KG) $IFJP Seco

CATĂ LOGO 2017

motociclismo 93


COMPARATIVO Honda Bros 160 x Honda XRE 190 x Honda XRE 300 x Yamaha ANÁLISE TÉCNICA Dados de fábrica

Honda Bros 160

Honda XRE 190

Honda XRE 300

Yamaha Crosser 150

Motor monocilíndrico 4T a ar 2 injeção eletrônica 162,7 cm³ 57,3 x 63 mm 9,5:1 14,5 cv a 8500 rpm 1,46 kgf.m a 5 500 rpm

Motor monocilíndrico 4T a ar 2 injeção eletrônica 184,4 cm³ 61 x 63,1 mm 9,5:1 16,4 cv a 8 000 rpm 1,66 kgf.m a 6 000 rpm

Motor monocilíndrico 4T a ar 4 injeção eletrônica 291,6 cm³ 79 x 59,5 mm 9,0:1 25,4 cv a 7 500 rpm 2,76 kgf.m a 6 000 rpm

Motor monocilíndrico 4T a ar 2 injeção eletrônica 149 cm³ 57,3 x 57,9 mm 9,5:1 12,4 cv a 7 500 rpm 1,29 kgf.m a 6 000 rpm

Multidisco em óleo Mecânico, 5 velocidades Por corrente

Multidisco em óleo Mecânico, 5 velocidades Por corrente

Multidisco em óleo Mecânico, 5 velocidades Por corrente

Multidisco em óleo Mecânico, 5 velocidades Por corrente

CHASSI 5JQP Balança $ÈTUFSUSBJM

Tubular de aço Duplo braço de aço 26°34´/95 mm

Tubular de aço Duplo braço de aço 27°45´/103 mm

Tubular de aço Duplo braço de alumínio não declarado

Tubular de aço Duplo braço de aço 26°/92 mm

SUSPENSÃO Diant Barras Curso Regulagens Traseira Curso Regulagens

Telescópica 38 mm 180 mm Não possui Monoamortecedor 150 mm Pré-carga

Telescópica não declarada 160 mm Não possui Monoamortecedor 150 mm Pré-carga

Telescópica 41 mm 245 mm Não possui Monoamortecedor 225 mm Pré-carga

Telescópica 38 mm 180 mm Não possui Monoamortecedor 150 mm Pré-carga

FREIOS Freio dianteiro Pinça Freio traseiro Pinça

Disco de 240 mm 2 pistões paralelos 1 disco de 220 mm 1 pistão

Disco de 240 mm 2 pistões paralelos (ABS) 1 disco de 220 mm 1 pistão

Disco de 256 mm 3 pistões paralelos (ABS) 1 disco de 220 mm 1 pistão (ABS)

Disco de 230 mm 2 pistões paralelos Tambor de 130 mm 1 pistão

90/90 – 19" 110/90 – 17" Pirelli MT 60

90/90 – 19" 110/90 – 17" Pirelli MT 60

90/90 – 21" 120/80 – 18" Metzeler Enduro 3

90/90 – 19" 110/90 – 17" Metzeler Tourance

73 cv/litro 11,19 kg/cv 34,5 km/l 1,2 litro

74 cv/litro 9,64 kg/cv 35,8 km/l 1,2 litro

62 cv/litro 8,71 kg/cv 28,0 km/l 2,0 litro

68 cv/litro 12,8 kg/cv 37,5 km/l 1,25 litro

Motor Refrigeração 7ÈMWVMBT Alimentação Cilindrada %JÉNFUSPYDVSTP 5BYBEFDPNQSFTTÍP Potência 5PSRVF TRANSMISSÃO Embreagem Câmbio 4FDVOEÈSJB

RODAS E PNEUS Dianteira Traseira .PEFMPEFQOFV DADOS VERIFICADOS 1PUÐODJBFTQFDÓmDB 3FMBÎÍPQFTPQPUÐODJB $POTVNP DJEBEFFTUSBEB (BTPMJOB Óleo do motor

Nossa avaliação

Yamaha Crosser 150

Yamaha Lander 250

Yamaha Ténéré 250

Honda Bros 160

Honda XRE 190

Honda XRE 300

7,0 9,0

7,5 9,0

8,0 9,0

6,5 8,0

8,0 8,5

8,0 8,5

8,5 9,0 8,0 8,0 8,5

8,5 9,0 8,0 8,0 8,5

8,5 9,0 9,0 9,0 9,0

8,5 9,0 8,0 8,0 8,0

8,5 9,0 9,0 9,0 8,5

8,5 9,0 9,0 9,5 8,5

9,0 8,0 7,0 8,0

8,5 8,0 7,5 8,0

8,5 8,5 8,0 8,0

9,5 8,0 7,0 7,0

8,5 7,0 7,0 7,0

9,5 8,5 8,5 8,0

5,0

6,0

5,5

5,0

5,0

5,0

7,9

8,0

8,3

7,7

7,9

8,3

MOTOR Potência Transmissão

CHASSI Estabilidade Maneabilidade 4VTQFOTÍPEJBOUFJSB 4VTQFOTÍPUSBTFJSB Freios

USUÁRIO 1PTJÎÍPEPQJMPUP 1PTJÎÍPEPQBTTBHFJSP Proteção aerodinâmica Acabamento

Honda Bros 160 Honda XRE 190 Honda XRE 300 Yamaha Crosser 150 Yamaha Lander 250 Yamaha Ténéré 250

Pontos POSITIVOS Agilidade Banco Mecânica

Pontos NEGATIVOS Preço Poucas cores Conta-giros

Acabamento Motor Consumo Conforto ABS Motor Conforto Ergonomia Consumo Agilidade Freio Motor Conforto Autonomia Motor

Ergonomia Preço Aros de aço Peso Preço Sistema flex Freio traseiro Acabamento Performance Preço Autonomia Aros de aço Preço Grafismo Aros de aço

PREÇO "WBMJBÎÍPEPQSFÎP

Média final

TÉCNICA 94 motociclismo

CATÁLOGO 2017

!

Para fazer o cálculo da relação peso/potência das Honda, somamos 10 kg ao peso seco declarado de cada uma delas


Crosser 150 x Yamaha Lander 250 x Yamaha Ténéré 250 Yamaha Lander 250

Yamaha Ténéré 250

Motor monocilíndrico 4T a ar 2 injeção eletrônica 249 cm³ 74 x 58 mm 9,8:1 20,9 cv a 8 000 rpm 2,1 kgfm a 6 500 rpm

Motor monocilíndrico 4T a ar 2 injeção eletrônica 249cm³ 74 x 58 mm 9,8:1 20,9 cv a 8 000 rpm 2,1 kgfm a 6 500 rpm

Multidisco em óleo Mecânico, 5 velocidades Por corrente

Multidisco em óleo Mecânico, 5 velocidades Por corrente

Tubular de aço Duplo braço de aço 26°/103 mm

Tubular de aço Duplo braço de aço 26°/103 mm

Telescópica 41 mm 240 mm Não possui Monoamortecedor 220 mm Pré-carga

Telescópica 41 mm 220 mm Não possui Monoamortecedor 200 mm Pré-carga

Disco de 245 mm 2 pistões paralelos 1 disco de 245 mm 1 pistão

Disco de 245 mm 2 pistões paralelos 1 disco de 245 mm 1 pistão

80/90 – 21" 120/80 – 18" Metzeler Enduro 3

80/90 – 21" 120/80 –18" Metzeler Tourance

70,8 cv/litro 8,07 kg/cv 26,0 km/l 1,55 litro

68,8 cv/litro 8,95 kg/cv 27,0 km/l 1,55 litro

CONCLUSÃO por EDU ZAMPIERI I Editor de Testes

1º Yamaha Ténéré 250

R$ 15 490

2º Honda XRE 300

3º Honda XRE 190

4º Honda Bros 160

5º Yamaha Lander 250

R$ 17 750 - ABS

R$ 11 257 - ESDD

R$ 13 300

R$ 15 627 - 2017

P

ode não parecer muito justo comparar motos de 150, 160 cm³ com motos de 250, 300 cm³, porém, neste caso, uma Bros 160 ou Crosser 150 0 km, mais licenciamento, pode custar o mesmo que uma Lander 250 ou XRE 300 seminova. Todavia, o mais importante desse teste foi verificar que a XRE 190 encontrou um espaço interessante e dificultou nossa decisão na hora da compra. Ela anda mais que a Bros 160, quase não fica para trás da Lander 250, faz fácil

6º Yamaha Crosser R$ 10 515 - ED

36 km/litro e tem uma injeção muito mais bem acertada para o sistema Flex One que a XRE 300. Pena que não é muito off-road e custa caro, mas mesmo assim é surpreendente.

CATÁLOGO 2017

motociclismo 95


PIRELLI Pneus Q Catálogo 2017

PIRELLI SCORPION™ TRAIL II Novo pneu de enduro urbano da Pirelli, o produto é a síntese do encontro entre dois mundos: off road e turismo de estrada. Desenvolvido pelos mais exigentes motociclistas, o SCORPION™ Trail II apresenta características como alta quilometragem e performance consistente durante sua vida útil, alcançadas graças a utilização de diversas inovações tecnológicas. Pioneira na utilização da solução bi-composto, a Pirelli aplica na linha SCORPION™ Trail II inteira este conceito, fato que resulta diretamente em um produto mais resistente sem comprometer a performance, inclusive mantendo excelente comportamento em pisos molhados. O SCORPION™ Trail II já está disponível ao mercado desde o fim de 2015.

PIRELLI SUPER CITY A evolução das últimas gerações para o segmento commuting: esta é a melhor definição para o novo Super City, pneu feito pela Pirelli para motos de baixa cilindrada. Feito com perfil de raio duplo, o produto possui área de contato com o solo 17% mais larga e 11% mais curta, garantindo maior nível de aderência. Além disso, os sulcos foram redesenhados e reposicionados, deixando a região central do pneu ainda mais lisa. Isso resulta em um pneu que dura mais que o dobro* em relação ao seu principal concorrente. Este dado, no mercado mais representativo da América Latina, o de motos de baixa cilindrada, significa uma enorme economia para o proprietário da moto. Tudo isso mantendo alto desempenho e segurança durante toda a vida útil do produto. *Comprovado por testes acompanhados pelo L.A. FALCÃO BAUER CENTRO TECNOLÓGICO DE CONTROLE DA QUALIDADE LTDA.

PIRELLI DIABLO ROSSO™ III O DIABLO ROSSO™ III redefine o conceito de pilotagem esportiva, levando-a a um novo patamar em termos de aderência e dirigibilidade com performance duradoura. Inspirada na filosofia “Nós vendemos o que corremos, nós corremos com o que vendemos”, o DIABLO ROSSO™ III é um pneu nascido nas pistas de corrida e levado para as ruas, trazendo como vantagem toda a pesquisa e know-how adquiridos pela Pirelli no FIM Superbike World Championship. Desenvolvido para equipar motos potentes de rua, com sistemas de controle eletrônicos, o DIABLO ROSSO™ III é destinado para os donos de motos naked, supersport e supertourer, que são usadas em todos os contextos sempre buscando inclinação e alto desempenho.

PIRELLI SCORPION MX EXTRA X Perfeito para treinos de motocross ou enduro, o Scorpion MX Extra X traz desenho renovado, desenvolvido com a contribuição dos mais prestigiados pilotos do Campeonato Mundial de Motocross (MXWC). Seu desenvolvimento e seu composto garantem performance e durabilidade estendida, tanto em terrenos médio-macios quanto em médio-duros. O pneu dianteiro do Scorpion MX Extra X, com desenho em V e sulcos laterais, proporcionam melhor aceleração, com uma recuperação rápida e uma trajetória precisa. A carcaça de múltiplas camadas oferece absorção das forças durantes os saltos e obstáculos. Além disso, a grande área de superfície e a estrutura de composto em carbono negro garantem alta durabilidade.

96 motociclismo

CATÁLOGO 2017


METZLER Pneus Q Catálogo 2017

METZELER ME 888 MARATHON™ ULTRA Feito para o segmento das motos V-Twins e do mundo custom, o ME 888 MARATHON™ Ultra chega ao mercado substituindo o ME 888 MARATHON™, mantendo suas principais qualidades como a alta aderência em pisos secos e molhados, porém ganhando significativamente em quilometragem de uso. Para alcançar este resultado, os engenheiros trabalharam em novos materiais e aprimoraram todas as suas características, passando desde o composto até estrutura e perfil. As melhorias mais significativas foram em materiais e na estrutura da carcaça, além da geometria das camadas, maior e mais ampla do que usada na construção convencional. Assim os apaixonados pela Metzeler podem continuar aproveitando o que a marca oferece de melhor: estabilidade, agilidade, aderência e excelente conforto.

METZLER TOURANCE™ NEXT O Tourance™ Next é o pneu da Metzeler para o segmento enduro street, projetado especificamente para as mais modernas motos Maxitrail. Para obter a melhor performance possível em superfícies molhadas, com especial atenção às situações cruciais de condução, como aceleração, aderência e frenagem de emergência, os engenheiros da Metzeler utilizaram sílica com polímeros sintéticos de alto desempenho, novas resinas e agentes plastificantes. Essa combinação de polímeros de tecnologia de ponta nos permitiu alcançar uma nova geração de compostos que estão no topo da categoria em termos de desempenho e proporcionam um nível elevado de dispersão uniforme dos componentes na matriz polimérica, resultando em um desgaste regular como nunca antes visto.

METZELER RACETEC™ RR Com origem nas pistas de corrida, o RACETEC™ RR da METZELER está disponível nos compostos K1, K2 e K3 e tem, como sua principal característica, o elevado nível de aderência em todas as condições de pilotagem. Sempre mantendo a precisão, excelente estabilidade e desempenho, o pneu alcança este resultado ao usar materiais inovadores na sua carcaça, elevando a rigidez lateral e tendo perfil desenhado para absorver impactos diminuindo deformações. Todas as versões são índice de velocidade (W) e podem ser utilizadas em vias públicas. Para desenvolver o RACETEC™ RR, a METZELER foi até as grandes competições de moto como a North West 200, a Metzeler Ulster Grand Prix e a disputa na Isle of Man TT.

METZELER ROADTEC 01 O Metzeler ROADTEC 01 é o mais novo produto da marca alemã para o segmento Sport Touring de alta performance. Desenvolvido para pilotos de motos de alta cilindrada e tecnologia de ponta que desejam máxima quilometragem e segurança em pisos molhados, o pneu é extremamente versátil e atende praticamente todas as motos de 600cc ou mais do mercado nacional. O ROADTEC 01 apresenta um desenho totalmente inovador criado para garantir níveis inéditos de segurança no molhado e para reduzir o movimento lateral da carcaça durante frenagem, oferecendo máxima estabilidade. Todas as medidas traseiras são produzidas com 2 compostos e o novo produto entrega 10% mais rendimento quilométrico que seu antecessor, o Metzeler Roadtec Z8.

* conteúdo patrocinado por um anunciante e desenvolvido por uma equipe de especialistas que não fazem parte da redação da MOTOCICLISMO

CATÁLOGO 2017

motociclismo 97


CASA FERNANDES PNEUS 60 ANOS Q (1957 – 2017)

60 ANOS DE CASA FERNANDES: PIONEIRISMO E LIDERANÇA Neste 2017 a Casa Fernandes Pneus completa 60 anos de existência. A data poderia passar despercebida por se tratar de uma empresa que simplesmente vende pneus. Entretanto, sua relevância no segmento de motocicletas deve ser considerada. Numa época em que não se fabricavam pneus de moto no Brasil e nem mesmo existiam as tradicionais montadoras que se instalaram posteriormente no país, a Casa Fernandes comercializava pneus importados para atender as poucas motos que circulavam em São Paulo. pioneirismo se estendeu à formação de profissionais para substituição de pneus de motocicleta numa época em que tudo era feito manualmente. Os borracheiros eram treinados com a marreta de borracha para tirar e colocar os pneus e câmaras de ar novos. Verdadeiros profissionais, não podiam errar, pois as motos eram como joias que praticamente só o dono podia tocar, sem contar que os pneus e as peças de reposição eram caros por natureza. Passados vários anos o processo foi automatizado facilitando a vida dos borracheiros, agora também chamados de operadores de máquinas. O responsável por fazer o mercado de reposição de pneus acompanhar a demanda dos novos motociclistas por pneus foi em grande parte o empresário Eduardo Fernandes de Freitas, sucessor de Manoel Fernandes, seu pai, fundador da empresa que leva seu nome há seis décadas. Hoje, com orgulho, atende a terceira geração dos clientes que frequentavam a empresa na sua primeira sede na Avenida Santo Amaro no bairro do Brooklin em São Paulo.

O

OUTROS TEMPOS Quando a Casa Fernandes de Pneus surgiu, a realidade dos veículos e da cidade eram diferentes, mas desde os primeiros ano, a empresa primou pela qualidade e bom atendimento

98 motociclismo

CATÁLOGO 2017


Fotos Reprodução / Acervo Motostory

MOTOCICLISMO DOS ANOS 50 No ano da fundação da Casa Fernandes de Pneus, o Motociclismo Brasileiro pulsava. Os clubes, as competições e os grandes ídlos da época estampavam as manchetes dos principais jornais brasileiros, atraindo a atenção do Sr. Manoel Fernandes, nosso fundador.

Nos anos 70 já estava instalada no bairro Campo Belo na Zona Sul de São Paulo firmando-se como importante centro automotivo da região oferecendo os renomados pneus Pirelli. A visão empreendedora do Sr. Eduardo detectou a iminente expansão do mercado de motocicletas e, apostando nesse crescimento, a Casa Fernandes Pneus passou a, não só vender os pneus para motos na loja, como também, no atacado abrangendo praticamente todo o território nacional. Com isso, tornou a empresa uma das maiores distribuidoras de pneus para duas rodas do país, Nos anos 80, com o início das atividades fora-deestrada a Casa Fernandes foi pioneira no patrocínio das competições de Enduro, Rallye e até Trial, além de apoiar equipes e pilotos. Várias vezes os organizadores de provas utilizaram o estacionamento da loja Campo Belo para a distribuição de kits para pilotos e outros eventos. Muitas vezes se formavam filas dias antes das competições para a substituição dos pneus das motos. O mercado cresceu a passos largos e existem

hoje muitos pontos de venda com várias marcas disputando a preferencia do consumidor. Mesmo com essa expansão, a Casa Fernandes Pneus continua sendo referência no segmento de pneus para motos, pois mantem sempre preços justos e mão-de-obra especializada, com uma linha de pneus que atende toda a diversidade do parque circulante, contando hoje na sua linha com pneus Pirelli e Metzeler para todos os usos e modalidades motociclísticas. Desde pneus para os rallyes mais desafiadores do mundo até as esportivas mais velozes; dos menores ciclomotores até os scooter de alto desempenho a empresa mantém estoque de praticamente todos os modelos e medidas. Com o crescimento da região sul da Capital e a solidez da empresa foram inauguradas filiais em Santo Amaro e Brooklin e, para atender o litoral paulista, em Santos, Guarujá e Praia Grande. Atualmente são seis unidades que perpetuam o sonho do Sr. Manoel Fernandes, mantendo a premissa de atender sempre muito bem, com agilidade, cordialidade e bons preços.

* conteúdo patrocinado por um anunciante e desenvolvido por uma equipe de especialistas que não fazem parte da redação da MOTOCICLISMO

CATÁLOGO 2017

motociclismo 99


BULLITZ Capacetes Q Catálogo 2017

UM NACIONAL COM QUALIDADE EXPORTAÇÃO A nova marca de capacetes Bullitz, nasceu do desejo da Taurus Helmets, em oferecer aos motociclistas um produto de fabricação nacional com uma qualidade e acabamento tipo exportação. Apostando em grafismos modernos e design clássico, a Bullitz vai dominar o mercado com uma proposta jamais apresentada.

ZARREF CLASSIC O modelo clássico da linha Zarref popularmente conhecido como robocop, é o capacete mais versátil da linha Bullitz. O Zarref Classic é um capacete modular/escamoteável. Com o acionamento do botão central, o usuário tem abertura fácil da queixeira. Com casco injetado em ABS, possui viseira cristal em policarbonato com tratamento antirrisco e dupla curvatura em 2,0 mm, proporcionando maior resistência e uma préadequação a uma futura norma do Inmetro. Capacete leve e confortável que oferece forração interna com tecido antialérgico e espuma de densidade D26, proporcionando uma maior durabilidade. Suas “bochecheiras” são removíveis, facilitando a limpeza, e sua cinta jugular é de engate rápido. Disponível nas cores Branco, Preto, Preto Fosco e Vermelho. Tamanhos: 56 | 58 | 60.

BOLT BLESS Lançada recentemente, a linha de capacetes Bolt é a grande aposta em grafismos modernos, design clássico e decoração aplicada em decal. Com casco injetado em ABS, possui viseira cristal em policarbonato com tratamento antirrisco e dupla curvatura em 2,0 mm que proporciona maior resistência e uma pré-adequação a uma futura norma do Inmetro, além do prático sistema de troca rápida. Capacete leve e confortável oferece forração removível e lavável e encaixes através de sistema exclusivo, que proporcionam uma melhor acoplagem dos elementos

100 motociclismo

CATÁLOGO 2017

que a compõe. Confeccionada em tecido pluma (cinza) e detalhes em tecido especial com poros, todos antialérgicos e com maior densidade. Ventilação frontal inferior, com abertura direta que facilita e melhora a respiração do usuário e diminui a possibilidade de embaçamento da viseira. Disponível nas cores: Branco, Grafite e Preto. Decorações: Bless Branco/Rosa | Bless Preto/Gold | Bless Preto/Pink | Bless Preto/Verde| Bless Preto/ Vermelho. Tamanhos: 56 | 58 | 60 | 62.


ZARREF MAGIC O modelo mais recente da linha Zarref, tem seu diferencial devido à aplicação em verniz importado que proporciona efeito furta-cor. O Zarref Magic é um capacete modular/escamoteável. Com o acionamento do botão central, o usuário tem abertura fácil da queixeira. Com casco injetado em ABS, possui viseira cristal em policarbonato com tratamento antirrisco e dupla curvatura em 2,0 mm, proporcionando maior resistência e uma pré-adequação a uma futura norma do Inmetro. Capacete leve e confortável que oferece forração interna em espuma densidade D26 e tecido angorá na cor bege, um charme e qualidade à parte. Suas “bochecheiras” são removíveis facilitando a limpeza, e sua cinta jugular é de engate rápido. Disponível nas cores Verde e Roxo. Tamanhos: 56 | 58 | 60.

BOLT COMMANDO Lançada recentemente, a linha de capacetes Bolt é a grande aposta em grafismos modernos, design clássico e adesivos decorativos em decal. Com casco injetado em ABS, possui viseira cristal em policarbonato com tratamento antirrisco e dupla curvatura em 2,0 mm que proporciona maior resistência e uma pré-adequação a uma futura norma do Inmetro, além do prático sistema de troca rápida. Capacete leve e confortável oferece forração removível e lavável e encaixes através de sistema exclusivo, que proporcionam uma melhor acoplagem dos elementos

que a compõe. Confeccionada em tecido pluma (cinza) e detalhes em tecido especial com poros, todos antialérgicos e com maior densidade. Ventilação frontal inferior, com abertura direta que facilita e melhora a respiração do usuário e diminui a possibilidade de embaçamento da viseira. Disponível nas cores: Branco, Grafite e Preto. Decorações: Commando Branco/Azul | Commando Branco/Pink | Commando Branco/Vinho | Commando Grafite/Preto.

* conteúdo patrocinado por um anunciante e desenvolvido por uma equipe de especialistas que não fazem parte da redação da MOTOCICLISMO

CATÁLOGO 2017

motociclismo 101


VIPAL Pneus Q Catálogo 2017

VIPAL PNEUS DE MOTO A Vipal sabe que, quando o assunto é pneu, o melhor modo de aprender é mesmo na prática. Com know-how de mais de 40 anos, a líder em reforma de pneus na América Latina e uma das mais importantes fabricantes mundiais de borracha investe, desde 2012, na fabricação de pneus novos para moto. Para isso, vale-se de toda sua estrutura fabril, incluindo laboratórios de alta tecnologia. Porém, mais do que isso, foi rodando pelas ruas que a Vipal foi capaz de desenvolver a linha de pneus mais resistente do mercado. Conheça os modelos de linha de pneus de moto da marca:

ST200 E ST300 Com o melhor custo-benefício do mercado, a linha ST200 é ideal para quem quer aliar economia com desempenho. Proporciona grande conforto ao rodar e uma dirigibilidade precisa e uniforme. Já a ST300 é projetada para maximizar a área de contato com o piso, conferindo excelente aderência em pista seca e molhada. Apresenta alta durabilidade, principalmente em uso severo (cidade), além de grande resistência a furos e impactos e desgaste uniforme da banda de rodagem.

ST400 Linha Premium da Vipal, para motos de baixa cilindrada, é a campeã dentre as opções do mercado no quesito rendimento quilométrico, graças à sua banda de rodagem com desenho arrojado e um composto especialmente formulado para garantir o máximo de durabilidade. Este pneu da linha street é comprovadamente 15% mais resistente que os concorrentes. Com grande estabilidade em diferentes ângulos de inclinação, a linha ST400 é a preferida dos clientes que não abrem mão da alta performance.

ST500 Imbatível na linha de média cilindrada (250cc – 300cc), os pneus ST500 sem câmara aliam alta performance, segurança e excepcional dirigibilidade. Apresentam estrutura reforçada e compostos de alto grau tecnológico. Apresentam ainda desenho arrojado e agressivo da banda de rodagem, o que lhe confere esportividade e garante maior estabilidade e aderência em curvas. Amplamente aprovado, é um pneu muito requisitado por pilotos que correm em autódromos e competições, comprovando sua alta performance. Assim como os pneus ST400, são 15% mais resistente em comparação a todos os modelos similares das marcas concorrentes.

102 motociclismo

CATÁLOGO 2017


TR300 Linha enduro street da Vipal especialmente projetado para oferecer uma excelente dirigibilidade em qualquer tipo de terreno. Isso se deve à estrutura reforçada do produto, a qual proporciona conforto e estabilidade. Em seu desenho, possui grandes blocos centrais, visando maior estabilidade e distribuição em “V” para a obtenção do máximo grip em tração e frenagem. Conta com um composto de alta durabilidade, que lhe confere grande performance em asfalto e pisos não pavimentados. Em qualquer estrada que se rode, a TR300 é segurança certa.

CR300 O pneu campeão em pistas de motocross, o CR300 foi especialmente desenvolvido para este propósito. Apresenta alto poder de tração e autolimpeza graças ao desenho de sua banda de rodagem com blocos espaçados, os quais asseguram, igualmente, ótima adaptabilidade em curvas. Apresenta também grande resistência e desgaste uniforme ao longo de toda sua vida útil. A qualidade do CR300 vem sendo comprovada pelos próprios pilotos de MotoCross. Em testes de desempenho realizados, os mesmos foram elogiados, tendo em vista ser um pneu versátil e ideal para aqueles que buscam velocidade, desafio, aventura e superação.

CÂMARAS DE AR Lançadas em 2016 pela Vipal Pneus de Moto, as câmaras de ar ampliam a gama de produtos oferecidos pela marca ao segmento. São desenvolvidas com matérias-primas de alta qualidade, o que as torna excelentes para uso diário on e off-road. São sete modelos que passam por rigorosos testes em laboratório, com equipamentos modernos e controles constantes no processo produtivo, complementados pelos testes práticos dos motociclistas que atestam a resistência, o alto desempenho e a economia do pneu Vipal.

LANÇAMENTOS 2017 - CR400 E TR400 No primeiro semestre, a Vipal Pneus de Moto lançará no mercado a nova linha CR400, desenvolvida para utilização em pisos intermediários e duros, especialmente para trilhas. Este novo modelo da linha cross possui desenho dos blocos com menor distância entre gomos e amarrações nas laterais que oferecem máxima durabilidade e resistência. Para o segundo semestre, a Vipal Pneus de Moto guarda o lançamento de outra linha: a TR400. O pneu vai unir desempenho em longos percursos e trechos levemente off-road, sendo indicado para estrada. No entanto, o TR400 é eficiente também em trechos não asfaltados. O desenho da banda de rodagem traz um design moderno, que proporciona excelente dirigibilidade em todos os tipos de superfície e condições climáticas.

* conteúdo patrocinado por um anunciante e desenvolvido por uma equipe de especialistas que não fazem parte da redação da MOTOCICLISMO

CATÁLOGO 2017

motociclismo 103


GIVI Equipamentos Q CatĂĄlogo 2017

GIVI: COMPROMETIMENTO, SEGURANÇA E SATISFAĂ‡ĂƒO Nossa missĂŁo ĂŠ o comprometimento com as melhores tecnologias, para proporcionar segurança e grande satisfação aos apaixonados pelo motociclismo ao redor do mundo e aquelas que adotam este universo como um estilo de vida.

MT502 Alforje com alças extraíveis que podem ser convertidos em uma mochila multi-função. Expansível, com uma capacidade de 30 litros. Pode ser montado com MT503. Feita em EVA, termoformado e coberto com NBUFSJBJTSFTJTUFOUFT67$BSBDUFSÓTUJDBTt3FnFUPSFTMBUFSBJTt$BQBEF DIVWBt"MÎBTSFNPWÓWFJTQBSBUSBOTGPSNBÎ�PFNVNBNPDIJMBt;JQQFS projetado para ser usado com uma trava de segurança

DLM36A PACK2 Par de baĂşs laterais com volume de 36 litros e capacidade de carga de 10 kg. Produzido em alumĂ­nio, possui fechadura cilĂ­ndrica todas abertas com a mesma chave. Para ser montado em suportes laterais 1-F1-3

ST602 Bolsa Tanklock com capacidade de 4 litros. Materiais: feita em EVA, termoformado e coberto com materiais resistentes UV. CaracterĂ­sticas: t3FnFUPSFTMBUFSBJTt"MĂŽBQBSBUSBOTQPSUFt$PNQBSUJNFOUPQBSBĂ˜DVMPT EFTPMt"MĂŽBEFPNCSPBKVTUĂˆWFMQBSBUSBOTQPSUFt+BOFMBUSBOTQBSFOUFQBSB BSNB[FOBSFVUJMJ[BSVNTNBSUQIPOFt$BQBEFDIVWBEFBMUBWJTJCJMJEBEFQBSB BVNFOUBSBTFHVSBOĂŽBt;JQQFSQSPKFUBEPQBSBTFSVTBEPDPNVNBUSBWBEF TFHVSBOĂŽBt1PSUBEFDBCPQBSBEJTQPTJUJWPTFMFUSĂ™OJDPT

104 motociclismo

CATĂ LOGO 2017


GRT703 #PMTBDJMJOESJDBEFDBSHBĂ‹QSPWBEFĂˆHVBDPNDBQBDJEBEFEF MJUSPT1PEFTFSNPOUBEPDPNP(35'FJUPTEF% Nylon TPU, 840D Nylon duplo TPU, de alta frequĂŞncia selada, TFNDPTUVSBTQBSBBSFTJTUĂ?ODJBĂ‹ĂˆHVB$BSBDUFSĂ“TUJDBT t1BSEFDJOUBTFMĂˆTUJDBTDPNHBODIPQMĂˆTUJDPQBSBDPOFDUBS Ă‹NPUPDJDMFUBt"MĂŽBMBUFSBM%VQMBBDPMDIPBEBt&7"BKVTUĂˆWFM BDPMDIPBEPtBMĂŽBEFPNCSPQBSBUSBOTQPSUFtEFUBMIFT SFnFUPSFTt7ĂˆMWVMBEFMJCFSBĂŽĂ?PEFBS

DLM46A Trekker Dolomiti Monokey baĂş em acabamento em alumĂ­nio natural, 46 litros t#BTFFUBNQBFNCVUJEBT SFCJUFTFNBĂŽPJOPYJEĂˆWFMt'FDIBEVSBEFTFHV SBOĂŽBDPNDPCFSUVSBEFQĂ˜QBESĂ?Pt(BODIPTQBSBmYBSVNBSFEFEFDBSHB FMĂˆTUJDBOBQBSUFJOGFSJPSEBUBNQBt2VBUSPBMĂŽBTEFDPSSFJBEFOZMPOOBUBNQB  que permitem a montagem de bolsas adicionais usando correias Trekker t$BQBDJEBEFQBSBBSNB[FOBSVNDBQBDFUFJOUFHSBMPVVNDBQBDFUFNPEVMBS  ou dois capacetes de jato

S320 'BSĂ˜JTEFMFEVOJWFSTBJT IPNPMPHBEPT6& DPNVNDPSQPEFBMVNĂ“OJPRVFQPEFTFS facilmente montado em todos os protetores do motor com diâmetro tubular entre os EJÉNFUSPTNNFNN0TGBSĂ˜JTEFOFWPB4TĂ?PEF-&% GVODJPOBJTFDPNUFD nologia de baixo consumo de energia, que os torna capazes de serem instalados mesmo FNNPUPTDPNVNNPUPSQFRVFOPUBNBOIP TFNPSJTDPEFESFOBHFNEBCBUFSJB0LJUEFDBCP com o relĂŠ e o fusĂ­vel para ligação direta Ă bateria sĂŁo fornecidos de sĂŠrie, assim como o interruptor JNQFSNFĂˆWFMQBSBPHVJEĂ?PFPDBCPQBSBMJHBSOBJHOJĂŽĂ?P FWJUBOEPRVFBTMV[FTmRVFNMJHBEBT

GRT702 20 LITROS #PMTBEFDBSHBĂ‹QSPWBEFĂˆHVB BDBQBDJEBEFEFMJUSPT 1PEFTFSNPOUBEPDPNP(35t1BSEFDJOUBTFMĂˆTUJDBT DPNHBODIPQMĂˆTUJDPQBSBDPOFDUBSĂ‹NPUPDJDMFUBt5JSBT FTQFDĂ“mDBTQBSBNPOUBHFNNPEVMBSDPNPNPEFMP(35 t1FHBEJBOUFJSBDPNJOTFSĂŽĂ?PEFCPSSBDIBt"MĂŽBMBUFSBM 5SBOTQPSUFTt&7"BKVTUĂˆWFMBDPMDIPBEPBMĂŽBEFPNCSPQBSB USBOTQPSUFt*OTFSĂŽĂœFTSFnFUPSBTt7ĂˆMWVMBEFMJCFSBĂŽĂ?PEFBS

* conteúdo patrocinado por um anunciante e desenvolvido por uma equipe de especialistas que não fazem parte da redação da MOTOCICLISMO

CATĂ LOGO 2017

motociclismo 105


HELIAR Baterias Q Catálogo 2017 HELIAR EXTREME Líder absoluta nas montadoras possui 12 meses de garantia, qualidade superior e grades de alta resistência a corrosão, garantindo mais durabilidade. Ideal para quem busca o melhor para sua moto.

HELIAR POWERSPORTS DRY CHARGED Heliar PowerSports Dry – Charged foi desenvolvida para motos de alta cilindrada, para atender o apaixonado por duas rodas que busca a alta performance. A combinação da tecnologia Dry-charged e componentes mais robustos garantem alta performance e durabilidade, suportando as mais altas vibrações em seu caminho. A tecnologia AGM garante maior autonomia da bateria nos arranques e retomadas.

HELIAR POWERSPORTS A Heliar Powersports é a mais indicada para as motos usadas no dia a dia. Produzida com tecnologia AGM, que garante partidas e retomadas ágeis para quem não tem tempo a perder. É original de fábrica em diversos modelos, produzida no Brasil e ainda mostra sua confiança e qualidade nos seus 6 meses de garantia, sendo totalmente selada e livre de manutenção.

Além de toda a linha Heliar ser certificada pelo INMETRO, conta com a tecnologia Strusion Fusion de conexões desenvolvida no Brasil, que garante maior corrente elétrica na partida e menor auto descarga.

Produzida pela Johnson Controls, a maior fabricante mundial de baterias, a bateria Heliar é a líder nas montadoras.

106 motociclismo

CATÁLOGO 2017

As baterias AGM (Absorbent Glass Mat), contém uma tecnologia que impede que as mesmas derramem líquido, sulfatem ou se degradem como ocorre nas baterias inundadas. Resultando na maior eficiência e durabilidade, que garantem melhor desempenho elétrico do veículo.

06 MESES

BATERIAS HELIAR, MUITO ALÉM DA PARTIDA

* conteúdo patrocinado por um anunciante e desenvolvido por uma equipe de especialistas que não fazem parte da redação da MOTOCICLISMO


MICHELIN Pneus Q CatĂĄlogo 2017

PARA SEGUIR AVANÇANDO O ano de 2016 marcou o grande retorno da Michelin para o torneio MotoGP e o lançamento de novos produtos em diversos segmentos. A decisão de participar novamente de corridas Ê motivada pelo desejo da Michelin de continuar realizando avanços tecnológicos para o maior público possível.

108 motociclismo

CATĂ LOGO 2017

PILOT POWER 3

PILOT ROAD 4

t"%&3Âł/$*"&1*-05"(&. &9$&1$*0/"*4 t"%&3Âł/$*".ÂŤ9*."&. 1*40.0-)"%0 t%63""."*4 $0.1"3"%0"0.*$)&-*/ 1*-05108&3$5

t"."*4%& %63"#*-*%"%&26&01/&6 .*$)&-*/1*-0530"% t"%&3³/$*"&9$&1$*0/"- .&4.0&.$0/%*¹¿&4 %*'œ$&*4 t%*410/œ7&-&. 7&34¿&445"/%"3%&(5

PILOT STREET

ANAKEE III

t%&4*(/&41035*70 %&3*7"%0%041/&64%& "-5"1&3'03."/$& t"."*4%& %63"#*-*%"%&$0.1"3"%0 "0.*$)&-*/1*-0541035: t&9$&-&/5&"(*-*%"%&& 13";&3&.1*-05"3

t%63"#*-*%"%& &9$&1$*0/"-1"3" 04&(.&/5053"*- t%&4*(/Ă /*$0 t"1307"%0& %*410/Âś7&-1"3""#/8 3(4 3(4 "%7&/563&&'(4


SCORCHER, A SÉRIE ESPECIAL PARA A HARLEY-DAVIDSON Os pneus Michelin Scorcher 11, Michelin Scorcher 31 e Michelin Scorcher 32 são utilizados como equipamento original em muitos modelos de motocicletas deste fabricante. A Michelin adquiriu vasta experiência atravÊs da parceria com a Harley no desenvolvimento desta gama exclusiva e hoje a linha Scorcher estå disponível em todas as redes distribuidoras de pneus.

SCORCHER 11

SCORCHER 31

01/&63"%*"- .*$)&-*/%&4&/70-7*%0 &9$-64*7".&/5&1"3"" )"3-&:%"7*%40/730%  4103545&3 '"5#0: &50%0404.0%&-04 453&&5

4²3*&"1307"%"1"3" ")"3-&:%"7*%40/ &-&$53"(-*%& 30"% (-*%&&453&&5(-*%& &26*1".&/5003*(*/"- 1"3"26"4&50%"4"4 )"3-&:4103545&3& %:/".0%&-4

SCORCHER 32 01/&6.*$)&-*/ %&4&/70-7*%0 &9$-64*7".&/5&1"3" ")"3-&:%"7*%40/ '"5#0#

* conteúdo patrocinado por um anunciante e desenvolvido por uma equipe de especialistas que não fazem parte da redação da MOTOCICLISMO

CATĂ LOGO 2017

motociclismo 109


MOBIL Lubrificantes Q Catálogo 2017

QUEM ENTENDE DE MOTOS, RECOMENDA MOBIL Não é uma coincidência a Mobil ser a marca mais lembrada entre os mecânicos e usuários de motos. Quem conhece motocicleta sabe que a Mobil possui uma linha completa de lubrificantes para todas as motos do mercado brasileiro.

MOBIL 1 RACING 2T Óleo 100% sintético que proporciona excepcional desempenho para motores 2T desenvolvido para exceder as especificações das motocicletas de mais alta performance. Proporciona excelente limpeza do motor e proteção contra corrosão e desgaste mesmo a altas temperaturas, evitando a formação de fumaça, além de excepcional controle de emissões. Atende ou excede: API TC, ISO E-GC / E-GD, JASO FC / FD, SAE Grade 1 / Grade 2

MOBIL 1 RACING 4T 10W-40 Melhora a aceleração e potência para motocicletas de alta velocidade e alta aceleração. Garante um excelente fluxo do óleo por todas as partes do motor e em todas as condições de uso e temperatura, mesmo as mais severas, como frio e calor extremos ou trânsito intermitent. Especialmente indicado para: Kawasaki, Suzuki e Triumph. Atende ou excede: JASO MA2; API SH.

MOBIL 1 RACING 4T 15W-50 Óleo sintético que possui alta estabilidade térmica e viscométrica para motocicletas de alto desempenho. Proporciona excepcional proteção ao motor e à transmissão e ajuda a estender o período de troca. Reduz a aderência dos anéis, elimina a pré-ignição e a fumaça no escapamento, garantindo o perfeito funcionamento da motocicleta. Especialmente indicado para: Harley-Davidson, Dafra, Triumph e Yamaha. Atende ou excede: JASO MA2; API SH.

110 motociclismo

CATÁLOGO 2017


MOBIL SUPER MOTO AUTHENTIC 10W-30 Lubrificante semissintético resistente à oxidação, que evita a formação de depósitos e proporciona maior vida útil para o motor devido à formação de uma película de lubrificação resistente. Mobil Super Moto Authentic 10W-30 é recomendado pela Honda. Atende ou excede: JASO MA Recomendado pela Exxonmobil para aplicações que requerem: API SL. Especialmente indicado para: Honda.

MOBIL SUPER MOTO EXTREME 15W-50 Lubrificante semissintético que oferece proteção superior em condições severas e temperaturas elevadas. Proteção contra o desgaste para proporcionar baixos custos de manutenção. Especialmente indicado para: HarleyDavidson, Suzuki, Dafra, Triumph e Yamaha. Atende ou excede: JASO MA, JASO MA2, API SL

MOBIL SUPER MOTO POWER 10W-40 Alta performance, proteção superior e a viscosidade mais recomendada pelas principais montadoras. Permite extensão do período de troca. Mobil Super Moto Power 10W-40 é usado e recomendado pela Dafra, Kawasaki e Suzuki. Especialmente indicado para: Triumph. Atende ou excede: JASO MA, MA2, API SL

MOBIL SUPER MOTO 4T 20W-50 Lubrificante mineral com fórmula desenvolvida para dar o melhor rendimento e proteger ao mesmo tempo, o motor, a transmissão e a embreagem. Agora com fórmula turbinada com a especificação API SL. Atende ou excede: JASO MA, JASO MA2, API SL

* conteúdo patrocinado por um anunciante e desenvolvido por uma equipe de especialistas que não fazem parte da redação da MOTOCICLISMO

CATÁLOGO 2017

motociclismo 111


CUB Dafra Q Super 100

Super City e ME22

Dianteiro 2.50-17” Traseiro 2.75-17”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 4 marchas, transm. corrente I carburador Cilindrada 97,2 cm³ Potência máxima 6 cv a 7 500 rpm Torque máximo 0,61 kgf.m a 5 000 rpm Quadro Monobloco Suspensão dianteira Garfo telescópico Suspensão traseira Duplo amortecedor Freio dianteiro Tambor Freio traseiro Tambor

Dafra Q Super 50

Super City e ME22

Dianteiro 2.50-17” Traseiro 2.75-17”

Dianteiro 2.50-17” Traseiro 2.75-17”

m 112 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Dianteiro 2.50-17” Traseiro 2.75-17”

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50 Mobil Super Moto 4T 20W-50

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 4 marchas, transm. corrente I carburador Cilindrada 101,8 cm³ Potência máxima 7 cv a 7 500 rpm Torque máximo 0,71 kgf.m a 6 000 rpm Quadro Monobloco Suspensão dianteira Garfo telescópico Suspensão traseira Duplo amortecedor Freio dianteiro Disco Freio traseiro Tambor

Dafra Q Zig 50

Super City e ME22

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50 Mobil Super Moto 4T 20W-50

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 4 marchas, transm. corrente I carburador Cilindrada 49,5 cm³ Potência máxima 3,2 cv a 7 500 rpm Torque máximo 0,32 kgf.m a 4 600 rpm Quadro Monobloco Suspensão dianteira Garfo telescópico Suspensão traseira Duplo amortecedor Freio dianteiro Tambor Freio traseiro Tambor

Dafra Q Zig +

Super City e ME22

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50 Mobil Super Moto 4T 20W-50

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50 Mobil Super Moto 4T 20W-50

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 4 marchas, transm. corrente I carburador Cilindrada 49,5 cm³ Potência máxima 3,2 cv a 8 500 rpm Torque máximo 0,32 kgf.m a 5 800 rpm Quadro Monobloco Suspensão dianteira Garfo telescópico Suspensão traseira Duplo amortecedor Freio dianteiro Tambor Freio traseiro Tambor


Honda Q Pop 110i

MT 15 e ME22

Dianteiro 60/100-17” Traseiro 80/100-14”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 4 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 109,1 cm³ Potência máxima 7,9 cv a 7 250 rpm Torque máximo 0,9 kgf.m a 5 000 rpm Quadro Monobloco Suspensão dianteira Bengalas Convencionais 100 mm Suspensão traseira Duplo amortecedor 83 mm Freio dianteiro Tambor 110 mm Freio traseiro Tambor 110 mm

Honda Q Biz 100 i

MT 15 e ME22

Dianteiro 60/100-17” Traseiro 80/100-14”

Dianteiro 60/100-17” Traseiro 80/100-14”

Mobil Super Moto 4T MX Authentic 10W-30

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 4 marchas, transm. corrente I Injeção eletrônica Cilindrada 97,1 cm³ Potência máxima 8,3 cv a 7 250 rpm Torque máximo 0,89 kgf.m a 5500 rpm Quadro Monobloco Suspensão dianteira Bengalas Convencionais 100 mm Suspensão traseira Duplo amortecedor 86 mm Freio dianteiro Tambor 130 mm Freio traseiro Tambor 110 mm

Honda Q Biz 125

MT 15 e ME22

Mobil Super Moto 4T MX Authentic 10W-30

Mobil Super Moto 4T MX Authentic 10W-30

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 4 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 124,9 cm³ Potência máxima 9,2 cv a 7 500 rpm Torque máximo 1,01 kgf.m a 3 500 rpm Quadro Monobloco Suspensão dianteira Bengalas Convencionais 100 mm Suspensão traseira Duplo amortecedor 86 mm Freio dianteiro Disco 220 mm Freio traseiro Tambor 110 mm

Shineray Q Cross 50

Super City e ME22

Dianteiro 2.50-17” Traseiro 2.75-17”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 4 marchas, transm. corrente I carburador Cilindrada 47,9 cm³ Potência máxima 2,7 cv a 8 000 rpm Torque máximo 0,27 kgf.m a 6 000 rpm Quadro Monobloco Suspensão dianteira Bengalas convencionais Suspensão traseira Duplo amortecedor Freio dianteiro Tambor 170 mm Freio traseiro Tambor 140 mm

CATÁLOGO 2017

motociclismoo 113


CUB Shineray Q Phoenix 50

Super City e ME22

Dianteiro 2.50-17” Traseiro 2.75-17”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 4 marchas, transm. corrente I carburador Cilindrada 47,9 cm³ Potência máxima 2,7 cv a 8 000 rpm Torque máximo 0,27 kgf.m a 6 000 rpm Quadro Monobloco Suspensão dianteira Garfo telescópico Suspensão traseira Duplo amortecedor Freio dianteiro Tambor 111 mm Freio traseiro Tambor 111 mm

Shineray Q Phoenix S 50 Wuyang

Super City e ME22

Dianteiro 2.50-17” Traseiro 2.75-17”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 4 marchas, transm. corrente I carburador Cilindrada 47,9 cm³ Potência máxima 2,7 cv a 8 000 rpm Torque máximo 0,27 kgf.m a 6 000 rpm Quadro Monobloco Suspensão dianteira Garfo telescópico Suspensão traseira Duplo amortecedor Freio dianteiro Disco 210 mm Freio traseiro Tambor 145 mm

Shineray Q Phoenix + 50 Wuyang

Super City e ME22

Dianteiro 2.50-17” Traseiro 2.75-17”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 4 marchas, transm. corrente I carburador Cilindrada 47,9 cm³ Potência máxima 2,7 cv a 8 000 rpm Torque máximo 0,27 kgf.m a 6 000 rpm Quadro Monobloco Suspensão dianteira Garfo telescópico Suspensão traseira Duplo amortecedor Freio dianteiro Disco 210 mm Freio traseiro Tambor 145 mm

Shineray Q Jet 50

MT 15 e ME22

m 114 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Dianteiro 60/100-17” Traseiro 80/100-14”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 4 marchas, transm. corrente I carburador Cilindrada 47,9 cm³ Potência máxima 2,7 cv a 8 000 rpm Torque máximo 0,27 kgf.m a 6 000 rpm Quadro Monobloco Suspensão dianteira Garfo telescópico Suspensão traseira Duplo amortecedor Freio dianteiro Disco 219 mm Freio traseiro Tambor 120 mm


Shineray Q Jet + 50 Wuyang

Super City e ME22

Dianteiro 60/100-17” Traseiro 80/100-14”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 4 marchas, transm. corrente I carburador Cilindrada 47,9 cm³ Potência máxima 2,7 cv a 8 000 rpm Torque máximo 0,27 kgf.m a 6 000 rpm Quadro Monobloco Suspensão dianteira Bengalas convencionais Suspensão traseira Duplo amortecedor Freio dianteiro Disco 219 mm Freio traseiro Tambor 120 mm

Shineray Q Jet 125

Super City e ME22

Dianteiro 60/100-17” Traseiro 80/100-14”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 4 marchas, transm. corrente I carburador Cilindrada 119,6 cm³ Potência máxima 7,2 cv a 7 500 rpm Torque máximo 0,81 kgf.m a 6 000 rpm Quadro Monobloco Suspensão dianteira Bengalas convencionais Suspensão traseira Duplo amortecedor Freio dianteiro Disco 220 mm Freio traseiro Tambor 111 mm

Suzuki Q GS 120

Super City e ME22

Dianteiro 2.50-17” Traseiro 2.75-17”

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 4 marchas, transm. corrente I carburador Cilindrada 113 cm³ Potência máxima 8,5 cv a 8 000 rpm Torque máximo 0,88 kgf.m a 5 500 rpm Quadro Monobloco Suspensão dianteira Bengalas convencionais Suspensão traseira Duplo amortecedor Freio dianteiro Tambor Freio traseiro Tambor

Traxx Q Moby 50

Super City e ME22

Dianteiro 2.50-17” Traseiro 2.75-17”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 4 marchas, transm. corrente I carburador Cilindrada 49,5 cm³ Potência máxima 2,45 cv a 6 500 rpm Torque máximo 0,3 kgf.m a 5 500 rpm Quadro Monobloco Suspensão dianteira Bengalas convencionais 90 mm Suspensão traseira Duplo amortecedor 80 mm Freio dianteiro Tambor Freio traseiro Tambor

CATÁLOGO 2017

motociclismoo 115


CUB Traxx Q Star 50

Super City e ME22

Dianteiro 2.50-17” Traseiro 2.75-17”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 4 marchas, transm. corrente I carburador Cilindrada 49,5 cm³ Potência máxima 2,45 cv a 6 500 rpm Torque máximo 0,3 kgf.m a 5 500 rpm Quadro Monobloco Suspensão dianteira Garfo telescópico 38 mm Suspensão traseira Duplo amortecedor 33 mm Freio dianteiro Tambor Freio traseiro Tambor

Traxx Q Sky 50 Plus / STD

MT 15 e ME22

Dianteiro 60/100-17” Traseiro 80/100-14”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 4 marchas, transm. corrente I carburador Cilindrada 49,5 cm³ Potência máxima 2,73 cv a 8 000 rpm Torque máximo 0,3 kgf.m a 5 500 rpm Quadro Monobloco Suspensão dianteira Garfo telescópico 90 mm Suspensão traseira Duplo amortecedor 80 mm Freio dianteiro Disco Freio traseiro Tambor

Traxx Q Sky 125

MT 15 e ME22

m 116 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Dianteiro 60/100-17” Traseiro 80/100-14”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 4 marchas, transm. corrente I carburador Cilindrada 124 cm³ Potência máxima 8,8 cv a 7 000 rpm Torque máximo 1 kgf.m a 5 000 rpm Quadro Monobloco Suspensão dianteira BGarfo telescópico 90 mm Suspensão traseira Duplo amortecedor 80 mm Freio dianteiro Disco Freio traseiro Tambor


CITY BMW Q G 310 R

Diablo Rosso II

Dianteiro 110/70-17” Traseiro 150/60-17”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a água, I 4 válvulas 6 marchas, transm. corrente I Injeção eletrônica Cilindrada 313 cm³ Potência máxima 34 cv a 9 500 rpm Torque máximo 2,8 kgf.m a 7 500 rpm Quadro Tubular de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 140 mm Suspensão traseira Mono amortecedor 131 mm Freio dianteiro Disco 300 mm Freio traseiro Disco 240 mm

Dafra Q Apache RTR 150

MOBIL 1 Racing 4T 15W-50 MOBIL Super Moto 4T MX Power 10W-40 MOBIL Super Moto 4T 20W-50

Sport Demon

Dianteiro 90/90-17” Traseiro 100/80-18”

MOBIL 1 Racing 4T 15W-50 MOBIL Super Moto 4T MX Power 10W-40 MOBIL Super Moto 4T 20W-50

City Demon e Dianteiro 3.00-18” Perfect ME77 Traseiro 130/90-15”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 5 marchas, transm. corrente I carburador Cilindrada 147,5 cm³ Potência máxima 14 cv a 8 000 rpm Torque máximo 1,26 kgf.m a 5 000 rpm Quadro Berço duplo de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico Suspensão traseira Duplo amortecedor Freio dianteiro Disco 270 mm Freio traseiro Tambor

Dafra Q Horizon 150 Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 5 marchas, transm. corrente I carburador Cilindrada 149 cm³ Potência máxima 12,8 cv a 7 000 rpm Torque máximo 1,37 kgf.m a 5 500 rpm Quadro Berço semiduplo Suspensão dianteira Garfo telescópico 130 mm Suspensão traseira Duplo amortecedor 70 mm Freio dianteiro Disco 267 mm Freio traseiro Tambor 130 mm

Dafra Q Horizon 250

City Demon e Dianteiro 3.00-18” Perfect ME77 Traseiro 130/90-15”

MOBIL 1 Racing 4T 10W-40 MOBIL Super Moto 4T MX Power 10W-40

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 4 válvulas 5 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 250,2 cm³ Potência máxima 23,1 cv a 8 000 rpm Torque máximo 2,18 kgf.m a 7 000 rpm Quadro Berço duplo Suspensão dianteira Garfo telescópico Suspensão traseira Duplo amortecedor Freio dianteiro 2 discos Freio traseiro Disco

CATÁLOGO 2017

motociclismoo 117


CITY Dafra Q Next 250

Diablo Rosso II

Dianteiro 110/70-17” Traseiro 130/70-17”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a água, OHC I 4 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 249,4 cm³ Potência máxima 25 cv a 7 500 rpm Torque máximo 2,7 kgf.m a 6 500 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Bengalas convencionais Suspensão traseira Monoamortecedor Freio dianteiro Disco Freio traseiro Disco

Dafra Q Riva 150

City Demon e Dianteiro 2.75-18” ME 22 Traseiro 90/90-18”

m 118 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Dianteiro 80/100-18” Traseiro 90/90-18”

Mobil Super Moto 4T MX Authentic 10W-30

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 4 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 249,5 cm³ Potência máxima 22,6 cv a 7 500 rpm Torque máximo 2,28 kgf.m a 6 000 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Bengalas convencionais 130 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 108 mm Freio dianteiro Disco 276 mm Freio traseiro Disco 220 mm

Honda Q CG 125i Cargo

City Dragon e ME Street

MOBIL 1 Racing 4T 15W-50 MOBIL Super Moto 4T MX Power 10W-40 MOBIL Super Moto 4T 20W-50

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 5 marchas, transm. corrente I carburador Cilindrada 149,4 cm³ Potência máxima 12,1 cv a 8 250 rpm Torque máximo 1,1 kgf.m a 6 600 rpm Quadro Tubular de aço Suspensão dianteira Bengalas convencionais Suspensão traseira Duplo amortecedor Freio dianteiro Disco Freio traseiro Tambor

Honda Q CB Twister / ABS

Diablo Rosso II Dianteiro 110/70-17” e Sportec M5 Traseiro 140/70-17”

MOBIL 1 Racing 4T 10W-40 MOBIL Super Moto 4T MX Power 10W-40

Mobil Super Moto 4T MX Authentic 10W-30

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 5 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 124,7 cm³ Potência máxima 11,8 cv a 8 500 rpm Torque máximo 1,06 kgf.m a 5 000 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Bengalas convencionais 115 mm Suspensão traseira Duplo amortecedor 82 mm Freio dianteiro Tambor Freio traseiro Tambor


Honda Q CG 125i Fan

City Demon e Dianteiro 80/100-18” ME Street Traseiro 90/90-18”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHV I 2 válvulas 5 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 124,7 cm³ Potência máxima 11,8 cv a 8 500 rpm Torque máximo 1,06 kgf.m a 5 000 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Garfo telescópico115 mm Suspensão traseira Duplo amortecedor 82 mm Freio dianteiro Tambor Freio traseiro Tambor

Honda Q CG 160 Cargo ESDi

City Dragon e ME Street

Dianteiro 80/100-18” Traseiro 100/80-18”

Dianteiro 80/100-18” Traseiro 100/80-18”

Dianteiro 80/100-18” Traseiro 90/90-18”

Mobil Super Moto 4T MX Authentic 10W-30

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 5 marchas, transm. corrente I Injeção eletrônica Cilindrada 162,7 cm³ Potência máxima 15,1 cv a 8 000 rpm Torque máximo 1,54 kgf.m a 6 000 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Garfo telescópico 135mm Suspensão traseira Duplo amortecedor 106 mm Freio dianteiro Disco 240 mm Freio traseiro Tambor 130 mm

Honda Q CG 160 Fan ESDi

City Dragon e ME Street

Mobil Super Moto 4T MX Authentic 10W-30

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 5 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 162,7 cm³ Potência máxima 15,1 cv a 8 000 rpm Torque máximo 1,54 kgf.m a 6 000 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Garfo telescópico 135mm Suspensão traseira Duplo amortecedor 106 mm Freio dianteiro Disco 240 mm Freio traseiro Tambor 130 mm

Honda Q CG 160 Start

City Dragon e ME Street

Mobil Super Moto 4T MX Authentic 10W-30

Mobil Super Moto 4T MX Authentic 10W-30

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 5 marchas, transm. corrente I Injeção eletrônica Cilindrada 162,7 cm³ Potência máxima 15,1 cv a 8 000 rpm Torque máximo 1,54 kgf.m a 6 000 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Garfo telescópico135mm Suspensão traseira Duplo amortecedor 106 mm Freio dianteiro Disco 240 mm Freio traseiro Tambor 130 mm

CATÁLOGO 2017

motociclismoo 119


CITY Honda Q CG 160 Titan EX

City Dragon e ME Street

Dianteiro 80/100-18” Traseiro 100/80-18”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 5 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 162,7 cm³ Potência máxima 15,1 cv a 8 000 rpm Torque máximo 1,54 kgf.m a 6 000 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Bengalas convencionais 135mm Suspensão traseira Duplo amortecedor 106 mm Freio dianteiro Disco 240 mm Freio traseiro Tambor 130 mm

Kawasaki Q Z 300 ABS / STD

Diablo Rosso II Dianteiro 110/70-17” e Sportec M5 Traseiro 140/70-17”

Mobil Super Moto 4T MX Authentic 10W-30

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Bicilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 296 cm³ Potência máxima 39 cv a 11 000 rpm Torque máximo 2,8 kgf.m a 10 000 rpm Quadro Diamond de aço Suspensão dianteira Bengalas convencionais Suspensão traseira Monoamortecedor Freio dianteiro Disco 290 mm Freio traseiro Disco 220 mm

Kawasaki Q Ninja 300 ABS / STD

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Diablo Rosso II Dianteiro 110/70-17” e Sportec M5 Traseiro 140/70-17”

Bicilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 296 cm³ Potência máxima 39 cv a 11 000 rpm Torque máximo 2,8 kgf.m a 10 000 rpm Quadro Diamond de aço Suspensão dianteira Bengalas convencionais Suspensão traseira Monoamortecedor Freio dianteiro Disco 290 mm Freio traseiro Disco 220 mm

KTM Q 200 Duke

Diablo Rosso II

m 120 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Dianteiro 110/70-17” Traseiro 150/60-17”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 4 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 199,5 cm³ Potência máxima 26 cv a 10 000 rpm Torque máximo 2,0 kgf.m a 8 000 rpm Quadro Treliça de aço Suspensão dianteira Bengalas invertidas WP 150 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 150 mm Freio dianteiro Disco 300 mm Freio traseiro Disco 230 mm


KTM Q Duke 390

Diablo Rosso II

Dianteiro 110/70-17” Traseiro 150/60-17”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 4 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 373,2 cm³ Potência máxima 44 cv a 9 500 rpm Torque máximo 3,7 kgf.m a 5 750 rpm Quadro Treliça de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 150 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 150 mm Freio dianteiro Disco 300 mm Freio traseiro Disco 230 mm

Shineray Q Bolt 250

City Demon

Dianteiro 90/90-18” Traseiro 130/90-15”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 5 marchas, transm. corrente I carburador Cilindrada 232,6 cm³ Potência máxima 12,4 cv a 7 500 rpm Torque máximo 1,8 kgf.m a 6 000 rpm Quadro Berço simples Suspensão dianteira Garfo telescópico Suspensão traseira Duplo amortecedor Freio dianteiro Disco 270 mm Freio traseiro Disco 230 mm

Shineray Q Fire 150

Metzeler ME22

Dianteiro 80/100-18” Traseiro 90/90-18”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 5 marchas, transm. corrente I carburador Cilindrada 150 cm³ Potência máxima 11,3 cv a 7 500 rpm Torque máximo 1,15 kgf.m a 6 000 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Garfo telescópico Suspensão traseira Duplo amortecedor Freio dianteiro Disco 240 mm Freio traseiro Tambor 130 mm

Suzuki Q Intruder

City Demon

Dianteiro 2.75-18” Traseiro 3.50-16”

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 5 marchas, transm. corrente I carburador Cilindrada 125 cm³ Potência máxima 11 cv a 9 000 rpm Torque máximo 0,98 kg.m a 7 000 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Garfo telescópico Suspensão traseira Duplo amortecedor Freio dianteiro Disco Freio traseiro Tambor

CATÁLOGO 2017

motociclismoo 121


CITY Suzuki Q Yes SE

City Demon e Dianteiro 80/80-18” ME 22 Traseiro 90/90-18”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 5 marchas, transm. corrente I carburador Cilindrada 125 cm³ Potência máxima 12 cv a 9 000 rpm Torque máximo 1,14 kgf.m a 7 000 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Bengalas convencionais Suspensão traseira Duplo amortecedor Freio dianteiro Disco Freio traseiro Tambor

Suzuki Q Inazuma

Diablo Rosso II

Dianteiro 110/80-17” Traseiro 140/70-17”

m 122 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 5 marchas, transm. corrente I carburador Cilindrada 125 cm³ Potência máxima 10,9 cv a 9 000 rpm Torque máximo 0,95 kgf.m a 6 000 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Bengalas convencionais Suspensão traseira Duplo amortecedor Freio dianteiro Disco Freio traseiro Tambor

Suzuki Q GSR 150i

City Demon e Dianteiro 80/80-18” ME 22 Traseiro 90/90-18”

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Bicilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, OHC I 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 248 cm³ Potência máxima 24,5 cv a 8 500 rpm Torque máximo 2,24 kgf.m a 6 500 rpm Quadro Diamond de aço Suspensão dianteira Bengalas convencionais Suspensão traseira Monoamortecedor Freio dianteiro Disco Freio traseiro Disco

Suzuki Q GSR 125 S / STD

City Demon e Dianteiro 80/80-18” ME 22 Traseiro 90/90-18”

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 149,5 cm³ Potência máxima 12,1 cv a 8 000 rpm Torque máximo 1,08 kgf.m a 6 000 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Bengalas convencionais Suspensão traseira Duplo amortecedor Freio dianteiro Disco Freio traseiro Tambor


Traxx Q TSS 150

City Demon

Dianteiro 2.75-18” Traseiro 3.25-18”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 5 marchas, transm. corrente I carburador Cilindrada 149 cm³ Potência máxima 12,2 cv a 8 000 rpm Torque máximo 1,17 kgf.m a 6 000 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Garfo telescópico Suspensão traseira Duplo amortecedor Freio dianteiro Disco Freio traseiro Tambor

Traxx Q TSS 250

Diablo Rosso II

Dianteiro 110/70-17” Traseiro 130/70-17”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 223 cm³ Potência máxima 16 cv a 7 500 rpm Torque máximo 1,7 kgf.m a 6 000 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Garfo telescópico 115 mm Suspensão traseira Duplo amortecedor 35 mm Freio dianteiro Disco 276 mm Freio traseiro Tambor 220 mm

Yamaha Q Factor 125i ED

City Dragon e Dianteiro 2.75-18” ME Street Traseiro 90/90-18”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, SOHC I 2 válvulas 5 marchas, transm. corrente I Injeção eletronica Cilindrada 124,9 cm³ Potência máxima 11,1 cv a 7 500 rpm Torque máximo 1,153 kgf.m a 6 000 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Garfo telescópico 120 mm Suspensão traseira Duplo amortecedor 92 mm Freio dianteiro Disco 245 mm Freio traseiro Tambor 130 mm

Yamaha Q Factor 150 E

City Dragon e Dianteiro 2.75-18” ME Street Traseiro 90/90-18”

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 5 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 149,3 cm³ Potência máxima 12,4 cv a 7 500 rpm Torque máximo 1,29 kgf.m a 5 500 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Garfo telescópico 120 mm Suspensão traseira Duplo amortecedor 192 mm Freio dianteiro Tambor 130 mm Freio traseiro Tambor 130 mm

CATÁLOGO 2017

motociclismoo 123


CITY Yamaha Q Factor 150 ED

City Dragon e Dianteiro 2.75-18” ME Street Traseiro 90/90-18”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 5 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 149,3 cm³ Potência máxima 12,4 cv a 7 500 rpm Torque máximo 1,29 kgf.m a 5 500 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Garfo telescópico 120 mm Suspensão traseira Duplo amortecedor 192 mm Freio dianteiro Disco 245 mm Freio traseiro Tambor 130 mm

Yamaha Q Fazer 150 SED UBS

City Dragon e Dianteiro 2.75-18” ME Street Traseiro 100/80-18”

m 124 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, SOHC I 2 válvulas 5 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 249,5 cm³ Potência máxima 20,9 cv a 8 000 rpm Torque máximo 2,1 kgf.m a 6 500 rpm Quadro Berço duplo Suspensão dianteira Garfo telescópico 120 mm Suspensão traseira Mono amortecedor 120 mm Freio dianteiro Disco 282 mm Freio traseiro Disco 220 mm

Yamaha Q R3

Diablo Rosso II Dianteiro 110/70-17” e Sportec M5 Traseiro 140/70-17”

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, SOHC I 2 válvulas 5 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 149,3 cm³ Potência máxima 12,3 cv a 7 500 rpm Torque máximo 1,29 kgf.m a 5 550 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Garfo telescópico 120 mm Suspensão traseira Duplo amortecedor 112 mm Freio dianteiro Disco 254 mm Freio traseiro Tambor 130 mm

Yamaha Q Fazer 250 Blueflex

Sport Demon Dianteiro 100/80-17” e ME Speed Traseiro 130/70-17”

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Bicilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 321 cm³ Potência máxima 42 cv a 10 750 rpm Torque máximo 3,02 kgf.m a 9 000 rpm Quadro Diamond de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico 130 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 145 mm Freio dianteiro Disco 298 mm Freio traseiro Disco 220 mm


TRAIL Honda Q Bros 160 ESDD / ESD

MT 60 e Tourance

Dianteiro 90/90-19” Traseiro 110/90-17”

Mobil Super Moto 4T MX Authentic 10W-30

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 5 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 162,7 cm³ Potência máxima 14,6 cv a 8 500 rpm Torque máximo 1,46 kgf.m a 5 500 rpm Quadro Berço semiduplo Suspensão dianteira Garfo telescópico 180 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 150,3 mm Freio dianteiro Disco 240 mm / Tambor 130 mm Freio traseiro Disco 220 mm / Tambor 110 mm

Honda Q XRE 190

Mobil Super Moto 4T MX Authentic 10W-30

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC 5 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica

MT 60 e Tourance

Dianteiro 90/90-19” Traseiro 110/90-17”

Cilindrada Potência máxima Torque máximo Quadro Suspensão dianteira Suspensão traseira Freio dianteiro Freio traseiro

Honda Q XRE 300

Scorpion MT 90 Dianteiro 90/90-21” AT e Enduro 3 Traseiro 120/80-18”

184,4 cm³ 13,3 cv a 8 500 rpm 1,68 kgf.m a 6 000 rpm Berço semiduplo Garfo telescópico 180 mm Monoamortecedor 150 mm Disco 240 mm Disco 220 mm

Mobil Super Moto 4T MX Authentic 10W-30

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, DOHC I 4 válvulas 5 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 291,6 cm³ Potência máxima 25,4 cv a 7 500 rpm Torque máximo 2,76 kgf.m a 6 500 rpm Quadro Berço semiduplo Suspensão dianteira Garfo telescópico 245 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 225 mm Freio dianteiro Disco 256 mm Freio traseiro Disco 220 mm

Royal Enfield Q Himalayan Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, SOHC 5 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica

Route MT 66 Dianteiro 90/90-21” Traseiro 120/90-17”

Cilindrada Potência máxima Torque máximo Quadro Suspensão dianteira Suspensão traseira Freio dianteiro Freio traseiro

411 cm³ 24,5 cv a 6 500 rpm 3,2 kgf.m a 4 500 rpm Berço semiduplo Garfo telescópico 200 mm Monoamortecedor 180 mm Disco 300 mm Disco 240 mm

CATÁLOGO 2017

motociclismoo 125


TRAIL Shineray Q Explorer 150

MT 60 e Tourance

Dianteiro 90/90-19” Traseiro 110/90-17”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 5 marchas, transm. corrente I carburador Cilindrada 149 cm³ Potência máxima 11,3 cv a 7 500 rpm Torque máximo 1,25 kgf.m a 6 000 rpm Quadro Berço simples Suspensão dianteira Garfo telescópico Suspensão traseira Monoamortecedor Freio dianteiro Disco 260 mm Freio traseiro Disco 240 mm

Shineray Q Discover 250

MT 60 e Tourance

Dianteiro 90/90-19” Traseiro 110/80-17”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 5 marchas, transm. corrente I carburador Cilindrada 250 cm³ Potência máxima 12 cv a 8 500 rpm Torque máximo 2,0 kgf.m a 7 500 rpm Quadro Berço simples Suspensão dianteira Garfo telescópico Suspensão traseira Monoamortecedor Freio dianteiro Disco 240 mm Freio traseiro Disco 240 mm

Traxx Q Fly 250

MT 60 e Tourance

Dianteiro 90/90-19” Traseiro 110/90-17”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 250 cm³ Potência máxima 16 cv a 7 500 rpm Torque máximo 1,7 kgf.m a 6 000 rpm Quadro Berço simples Suspensão dianteira Garfo telescópico Invertido 185 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 56 mm Freio dianteiro Disco 240 mm Freio traseiro Disco 220 mm

Traxx Q Fly 150

MT 60 e Tourance

m 126 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Dianteiro 90/90-19” Traseiro 110/90-17”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 5 marchas, transm. corrente I carburador Cilindrada 159 cm³ Potência máxima 12,3 cv a 8 000 rpm Torque máximo 1,1 kgf.m a 6 000 rpm Quadro Berço simples Suspensão dianteira Garfo telescópico Suspensão traseira Monoamortecedor Freio dianteiro Disco Freio traseiro Disco


Yamaha Q XTZ 150 Crosser E

MT 60 e Tourance

Dianteiro 90/90-19” Traseiro 110/90-17”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, SOHC I 2 válvulas 5 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 149,3 cm³ Potência máxima 12,4 cv a 7 500 rpm Torque máximo 1,29 kgf.m a 6 000 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Garfo telescópico 180 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 160 mm Freio dianteiro Tambor 130 mm Freio traseiro Tambor 130 mm

Yamaha Q XTZ 150 Crosser ED

MT 60 e Tourance

Dianteiro 90/90-19” Traseiro 110/90-17”

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 5 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 249,4 cm³ Potência máxima 20,9 cv a 8 000 rpm Torque máximo 2,1 kgf.m a 6 500 rpm Quadro Berço semiduplo Suspensão dianteira Garfo telescópico 240 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 220 mm Freio dianteiro Disco 245 mm Freio traseiro Disco 203 mm

Yamaha Q XTZ 250 Ténéré

Scorpion MT 90 Dianteiro 80/90-21” AT e Enduro 3 Traseiro 120/80-18”

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, SOHC I 2 válvulas 5 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 149,3 cm³ Potência máxima 12,2 cv a 7 500 rpm Torque máximo 1,28 kgf.m a 6 000 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Garfo telescópico 180 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 160 mm Freio dianteiro Disco 230 mm Freio traseiro Tambor 130 mm

Yamaha Q XTZ 250 Lander

Scorpion MT 90 Dianteiro 80/90-21” AT e Enduro 3 Traseiro 120/80-18”

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas 5 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 249,4 cm³ Potência máxima 20,9 cv a 8 000 rpm Torque máximo 2,1 kgf.m a 6 500 rpm Quadro Berço semiduplo Suspensão dianteira Garfo telescópico 220 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 200 mm Freio dianteiro Disco 245 mm Freio traseiro Disco 203 mm

CATÁLOGO 2017

motociclismoo 127


SCOOTER SSCOOTER CO OT E R Dafra Q Cityclass 200i

Diablo Scooter

Dianteiro 100/80-16” Traseiro 120/80-16”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas CVT I injeção eletrônica Cilindrada 199,1 cm³ Potência máxima 13,8 cv a 7 500 rpm Torque máximo 1,4 kgf.m a 6 000 rpm Quadro Underbone Suspensão dianteira Bengalas convencionais 87 mm Suspensão traseira Duplo amortecedor 65,6 mm Freio dianteiro Disco 240 mm Freio traseiro Disco 220 mm

Dafra Q Citycom S 300i

Metzeler Fell Free

Dianteiro 110/70-16” Traseiro 130/70-16”

Dianteiro 110/70-12” Traseiro 120/70-12”

m 128 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Dianteiro 120/70-15” Traseiro 150/70-14”

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas CVT I carburador Cilindrada 124,6 cm³ Potência máxima n/d Torque máximo n/d Quadro Underbone Suspensão dianteira Bengalas convencionais Suspensão traseira Monoamortecedor Freio dianteiro Disco 190 mm Freio traseiro Tambor

Dafra Q Maxsym 400i

Diablo Scooter

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas CVT I injeção eletrônica Cilindrada 263,7 cm³ Potência máxima 23 cv a 7 500 rpm Torque máximo 2,35 kgf.m a 5 500 rpm Quadro Monobloco Suspensão dianteira Bengalas convencionais Suspensão traseira Duplo amortecedor Freio dianteiro Disco Freio traseiro Disco

Dafra Q Fiddle III

EVO 21/22

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a água, OHC I 2 válvulas CVT I injeção eletrônica Cilindrada 399,9 cm³ Potência máxima 33,3 cv a 7 500 rpm Torque máximo 3,2 kgf.m a 5 500 rpm Quadro Underbone Suspensão dianteira Bengalas convencionais 106 mm Suspensão traseira Duplo amortecedor 112 mm Freio dianteiro 2 discos Freio traseiro Disco


Honda Q PCX

Diablo Scooter

Dianteiro 90/90-14” Traseiro 100/90-14”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a água, OHC I 2 válvulas CVT I injeção eletrônica Cilindrada 149,3 cm³ Potência máxima 13,1 cv a 8 500 rpm Torque máximo 1,36 kgf.m a 5 000 rpm Quadro Monobloco Suspensão dianteira Bengalas convencionais 100 mm Suspensão traseira Duplo amortecedor 85 mm Freio dianteiro Disco 220 mm Freio traseiro Tambor 130 mm

Honda Q SH 300i

Metzeler Fell Free

Dianteiro 110/70-16” Traseiro 130/70R16

Mobil Super Moto 4T MX Authentic 10W-30

Mobil Super Moto 4T MX Authentic 10W-30

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a água, OHC I 2 válvulas CVT I injeção eletrônica Cilindrada 279,1 cm³ Potência máxima 25,2 cv a 7 500 rpm Torque máximo 2,55 kgf.m a 5 000 rpm Quadro Monobloco Suspensão dianteira Bengalas convencionais 102 mm Suspensão traseira Duplo amortecedor 83 mm Freio dianteiro Disco 256 mm Freio traseiro Disco 256 mm

Shineray Q Retrô 50 EX

EVO 21/22

Dianteiro 120/70-12” Traseiro 120/70-12”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas CVT I carburador Cilindrada 49 cm³ Potência máxima 2,95 cv a 7 500 rpm Torque máximo 0,34 kgf.m a 5 500 rpm Quadro Monobloco Suspensão dianteira Bengalas convencionais Suspensão traseira Duplo amortecedor Freio dianteiro Disco 190 mm Freio traseiro Tambor 145 mm

Shineray Q Retrô 50

EVO 21/22

Dianteiro 3.5 -10” Traseiro 3.5 -10”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas CVT I carburador Cilindrada 49 cm³ Potência máxima 3 cv a 7 500 rpm Torque máximo 0,34 kgf.m a 5 500 rpm Quadro Monobloco Suspensão dianteira Bengalas convencionais Suspensão traseira Duplo amortecedor Freio dianteiro Disco 155 mm Freio traseiro Tambor 111 mm

CATÁLOGO 2017

motociclismoo 129


SCOOTER Suzuki Q Burgman 125i

SL26

Dianteiro 90/90-10” Traseiro 100/90-10”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 2 válvulas CVT I injeção eletrônica Cilindrada 124 cm³ Potência máxima 9,2 cv a 7 500 rpm Torque máximo 0,95 kgf.m a 6 000 rpm Quadro Underbone Suspensão dianteira Garfo telescópico Suspensão traseira Duplo amortecedor Freio dianteiro Disco Freio traseiro Tambor

Suzuki Q Burgman 400

Diablo Scooter

Dianteiro 120/80-14” Traseiro 150/70-13”

Dianteiro 120/70-15” Traseiro 160/60R14

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 4 válvulas CVT I injeção eletrônica Cilindrada 400 cm³ Potência máxima 35 cv a 7 300 rpm Torque máximo 3,7 kgf.m a 5 800 rpm Quadro Underbone Suspensão dianteira Garfo telescópico Suspensão traseira Monoamortecedor Freio dianteiro 2 discos Freio traseiro Disco

Suzuki Q Burgman 650

Diablo Scooter

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Bicilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 8 válvulas CVT I injeção eletrônica Cilindrada 638 cm³ Potência máxima 55 cv a 7 000 rpm Torque máximo 6,32 kgfm a 10 500 rpm Quadro Underbone Suspensão dianteira Garfo telescópico Suspensão traseira Duplo amortecedor Freio dianteiro 2 discos Freio traseiro Disco

Vespa Q GTS 300 Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a água CVT com conversor de torque I injeção eletrônica

Metzeler Fell Free

m 130 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Dianteiro 120/70-12” Traseiro 130/70-12”

Cilindrada Potência máxima Torque máximo Quadro Suspensão dianteira Suspensão traseira Freio dianteiro Freio traseiro

278 cm³ 22 cv a 7 500 rpm 2,23 kgf.m a 6 000 rpm Underbone Garfo articulado de único lado Duplo amortecedor de dupla ação Disco 200 mm ABS Disco 200 mm ABS | ASR


Vespa Q Primavera 125 | 150

Dianteiro 110/70-11” Traseiro 120/70-11”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, SOHC I 3 válvulas CVT I injeção eletrônica PFI Cilindrada 124,5 cm³ | 154,8 cm³ Potência máxima 10,5 cv a 7 700 rpm | 12,9 cv a 7 750 rpm Torque máximo 1,06 kgf.m a 6 000 rpm | 1,3 kgf.m a 6 500 rpm Quadro Tubular de aço Suspensão dianteira Garfo articulado único lado 78 mm Suspensão traseira Duplo amortecedor Dupla ação 70 mm Freio dianteiro Disco de 200 mm ABS Freio traseiro Tambor

Vespa Q Sprint 125 | 150

Dianteiro 110/70-12” Traseiro 120/70-12”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, SOHC I 3 válvulas CVT I injeção eletrônica Cilindrada 124,5 cm³ | 154,8 cm³ Potência máxima 10,7 cv a 7 700 rpm | 12,9 cv a 7 750 rpm Torque máximo 1,06 kgf.m a 6 000 rpm | 1,3 kgf.m a 6 500 rpm Quadro Underbone Suspensão dianteira Garfo telescópico 90 mm Suspensão traseira Motor balança 80 mm Freio dianteiro Disco 200 mm Freio traseiro Tambor 130 mm

Yamaha Q Neo 125 UBS

Metzeler Fell Free

Dianteiro 80/80-14” Traseiro 90/80-14”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a ar, SOHC I 2 válvulas CVT I injeção eletrônica Cilindrada 125 cm³ Potência máxima 9,8 cv a 8 000 rpm Torque máximo 0,98 kgf.m a 5 500 rpm Quadro Underbone Suspensão dianteira Garfo telescópico 90 mm Suspensão traseira Motor balança 80 mm Freio dianteiro Disco 200 mm ABS Freio traseiro Tambor 130 mm

Yamaha Q NMAX 160 ABS

Diablo Scooter

Dianteiro 110/70-13” Traseiro 130/70-13”

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a água, SOHC I 4 válvulas CVT I injeção eletrônica Cilindrada 155,09 cm³ Potência máxima 15,1 cv a 8 000 rpm Torque máximo 1,4 kgf.m a 6 000 rpm Quadro Underbone Suspensão dianteira Garfo telescópico 100 mm Suspensão traseira Motor balança 90 mm Freio dianteiro Disco 230 mm Freio traseiro Disco 230 mm

CATÁLOGO 2017

motociclismoo 131


SCOOTER Yamaha Q T-Max

Diablo Scooter

m 132 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Dianteiro 120/70R15 Traseiro 160/60R15

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Bicilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 8 válvulas CVT I injeção eletrônica Cilindrada 530,22 cm³ Potência máxima 46,5 cv a 6 750 rpm Torque máximo 5,3 kgf.m a 5 250 rpm Quadro Backbone de alumínio Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 119 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 117 mm Freio dianteiro Disco duplo de 267 mm ABS Freio traseiro Disco 282 mm ABS


Siga a sua revista especializada no universo automotivo e fique por dentro de todas as novidades

facebook/revistacarro

@revistacarro

www.motorpress.com.br/carro

youtube/carroonline

@carroonline

www.assinemotorpress.com.br


NAKED NNAKED AKED BMW Q F 800 R / Premium

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Angel GT ou Roadtec 01

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 180/55ZR17

Bicilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 798 cm³ Potência máxima 90 cv a 8 000 rpm Torque máximo 8,6 kgf.m a 5 800 rpm Quadro Dupla viga de alumínio Suspensão dianteira Bengalas invertidas 125 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 125 mm Freio dianteiro 2 discos 320 mm Freio traseiro Disco 265 mm

BMW Q S 1000 R

Diablo Rosso Dianteiro 120/70ZR17 Corsa Traseiro 190/55ZR17

Tetracilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 16 válvulas I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 999 cm³ Potência máxima 160 cv a 11 000 rpm Torque máximo 11,2 kgf.m a 9 250 rpm Quadro Diamond de alumínio Suspensão dianteira Bengalas invertidas 120 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 120 mm Freio dianteiro 2 discos 320 mm Freio traseiro Disco 220 mm

Ducati Q Diavel Dark

Diablo Rosso II

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 240/45ZR17

m 134 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 180/60ZR17

Mobil 1 Racing 4T 15W-50

Bicilíndrico em L I 4T I arrefecimento a água, DESMO I 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 1 198,4 cm³ Potência máxima 162 cv a 9 250 rpm Torque máximo 12,7 kgf.m a 8 000 rpm Quadro Treliça de aço Suspensão dianteira Bengalas invertidas 120 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 120 mm Freio dianteiro 2 discos de 320 mm Freio traseiro Disco de 245 mm

Ducati Q Monster 821

Diablo Rosso II

Mobil 1 Racing 4T 10W-40

Mobil 1 Racing 4T 15W-50

Bicilíndrico em L I 4T I arrefecimento a água I DESMO 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 821 cm³ Potência máxima 110 cv a 9 250 rpm Torque máximo 8,9 kgf.m a 7 750 rpm Quadro Treliça de aço Suspensão dianteira Bengalas invertidas 130 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 130 mm Freio dianteiro 2 discos de 320 mm Freio traseiro Disco de 245 mm


Ducati Q Monster 1200 / S

Diablo Rosso II

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 190/55ZR17

Bicilíndrico em L I 4T I arrefecimento a água I DESMO 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 1 198,4 cm³ Potência máxima 145 cv a 8 750 rpm Torque máximo 12,4 kgf.m a 7 250 rpm Quadro Treliça de aço Suspensão dianteira Bengalas invertidas 130 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 152 mm Freio dianteiro 2 discos de 330 mm Freio traseiro Disco de 245 mm

Ducati Q Scrambler

MT 60 RS

Dianteiro 110/80R18 Traseiro 180/55R17

Mobil 1 Racing 4T 15W-50

Mobil 1 Racing 4T 15W-50

Bicilíndrico em L I 4T I arrefecimento a ar I DESMO 4 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 803 cm³ Potência máxima 75 cv a 8 250 rpm Torque máximo 6,8 kgf.m a 5 750 rpm Quadro Treliça de aço Suspensão dianteira Bengalas invertidas 150 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 150 mm Freio dianteiro Disco de 330 mm Freio traseiro Disco de 245 mm

Ducati Q Scrambler Full Throttle

Mobil 1 Racing 4T 15W-50

MT 60 RS

Dianteiro 110/80R18 Traseiro 180/55R17

Bicilíndrico em L I 4T I arrefecimento a ar I DESMO 4 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 803 cm³ Potência máxima 75 cv a 8 250 rpm Torque máximo 68kgf.m a 5 750 rpm Quadro Treliça de aço Suspensão dianteira Bengalas invertidas 150 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 150 mm Freio dianteiro Disco de 330 mm Freio traseiro Disco de 245 mm

Ducati Q Scrambler Classic

MT 60 RS

Dianteiro 110/80R18 Traseiro 180/55R17

Mobil 1 Racing 4T 15W-50

Bicilíndrico em L I 4T I arrefecimento a ar I DESMO 4 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 803 cm³ Potência máxima 75 cv a 8 250 rpm Torque máximo 68kgf.m a 5 750 rpm Quadro Treliça de aço Suspensão dianteira Bengalas invertidas 150 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 150 mm Freio dianteiro Disco de 330 mm Freio traseiro Disco de 245 mm

CATÁLOGO 2017

motociclismoo 135


NAKED Ducati Q Scrambler Urban Enduro

Mobil 1 Racing 4T 15W-50

MT 60 RS

Dianteiro 110/80R18 Traseiro 180/55R17

Bicilíndrico em L I 4T I arrefecimento a ar I DESMO 4 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 803 cm³ Potência máxima 75 cv a 8 250 rpm Torque máximo 68kgf.m a 5 750 rpm Quadro Treliça de aço Suspensão dianteira Bengalas invertidas 150 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 150 mm Freio dianteiro Disco de 330 mm Freio traseiro Disco de 245 mm

Honda Q CB 500F ABS / STD

Angel GT ou Roadtec 01

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 160/60ZR17

Bicilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, OHC I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 471 cm³ Potência máxima 50,4 cv a 8 500 rpm Torque máximo 4,55 kgf.m a 7 000 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Bengalas convencionais 120 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 119 mm Freio dianteiro Disco 320 mm Freio traseiro Disco 240 mm

Honda Q CB 650F ABS / STD

Angel GT ou Roadtec 01

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 180/55ZR17

m 136 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 160/60ZR17

Mobil Super Moto 4T MX Authentic 10W-30

Tetracilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 649 cm³ Potência máxima 87 cv a 11 000 rpm Torque máximo 6,4 kgf.m a 8 000 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Bengalas convencionais 120 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 128 mm Freio dianteiro 2 discos de 320 mm Freio traseiro Disco de 240 mm

Kawasaki Q ER-6n ABS / STD

Angel GT ou Roadtec 01

Mobil Super Moto 4T MX Authentic 10W-30

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Bicilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 649 cm³ Potência máxima 72,1 cv a 8 500 rpm Torque máximo 6,5 kgf.m a 7 000 rpm Quadro Perimetral de aço Suspensão dianteira Bengalas convencionais 125 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 135 mm Freio dianteiro 2 discos de 300 mm Freio traseiro Disco de 220 mm


Kawasaki Q Z 800 ABS / STD

Angel GT ou Roadtec 01

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 180/55ZR17

Tetracilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 16 válvulas I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 806 cm³ Potência máxima 113 cv a 10 200 rpm Torque máximo 8,5 kgf.m a 8 000 rpm Quadro Tubular de alumínio Suspensão dianteira Bengalas invertidas 120 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 137 mm Freio dianteiro 2 discos de 310 mm Freio traseiro Disco de 250 mm

Kawasaki Q Z 1000 ABS / STD

Angel GT ou Roadtec 01

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 190/50ZR17

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Tetracilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 16 válvulas I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 1 043 cm³ Potência máxima 142 cv a 10 000 rpm Torque máximo 11,3 kgf.m a 7 300 rpm Quadro Tubular de alumínio Suspensão dianteira Bengalas invertidas 120 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 122 mm Freio dianteiro 2 discos de 310 mm Freio traseiro Disco de 250 mm

KTM Q 1290 Super Duke R

Diablo Super Corsa SP Dianteiro 120/70ZR17 Racetec RR K3 Traseiro 190/55ZR17

Bicilíndrico em V I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 1 301 cm³ Potência máxima 180 cv a 9 250 rpm Torque máximo 14,7 kgf.m a 8 300 rpm Quadro Treliça de alumínio Suspensão dianteira Bengalas invertidas WP 125 mm Suspensão traseira Monoamortecedor WP 156 mm Freio dianteiro 2 discos de 320 mm Freio traseiro Disco de 240 mm

Royal Enfield Q Bullet 500 l ABS Monociclindro I 4T I arrefecimento a ar 5 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica

Dianteiro 90/90-18” Traseiro 110/80-18”

Cilindrada Potência máxima Torque máximo Quadro Suspensão dianteira Suspensão traseira Freio dianteiro Freio traseiro

499 cm³ 27.2 cv a 5 250 rpm 4,13 kgf.m a 4 000 rpm Berço duplo de aço Garfo telescópico 130 mm Duplo amortecedor 80 mm Discos 280 mm Tambor 153 mm

CATÁLOGO 2017

motociclismoo 137


NAKED Royal Enfield Q Classic l ABS Monociclindro I 4T I arrefecimento a ar 5 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica

Dianteiro 90/90-18” Traseiro 110/80-18”

Cilindrada Potência máxima Torque máximo Quadro Suspensão dianteira Suspensão traseira Freio dianteiro Freio traseiro

499 cm³ 27.2 cv a 5 250 rpm 4,13 kgf.m a 4 000 rpm Berço duplo de aço Garfo telescópico 130 mm Duplo amortecedor 80 mm Discos 280 mm Tambor 153 mm

Royal Enfield Q Continental GT ABS Monociclindro I 4T I arrefecimento a ar 5 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica

Sport Demon Dianteiro 100/90-18” Traseiro 130/70-18”

Cilindrada Potência máxima Torque máximo Quadro Suspensão dianteira Suspensão traseira Freio dianteiro Freio traseiro

Suzuki Q B-King 1300

Diablo Rosso II Dianteiro 120/70ZR17 e Sportec M5 Traseiro 200/50ZR17

m 138 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Tetracilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 16 válvulas I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 1 340 cm³ Potência máxima 186,5 cv a 9 500 rpm Torque máximo 14,89 kgf.m a 7 200 rpm Quadro Dupla viga de alumínio Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 120 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 137 mm Freio dianteiro 2 discos 310 mm Freio traseiro Disco 260 mm

Suzuki Q Gladius

Sport Demon Dianteiro 120/70-17” Traseiro 150/70-17”

535 cm³ 29 cv a 5 100 rpm 4,4 kgf.m a 4 000 rpm Berço duplo de aço Garfo telescópico 110 mm Duplo amortecedor 80 mm Discos 300 mm Disco 240 mm

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power

Bicilíndrico em V I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 645 cm³ Potência máxima 72,9 cv a 8 400 rpm Torque máximo 6,53 kgf.m a 6 400 rpm Quadro Treliça de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico Suspensão traseira Monoamortecedor Freio dianteiro 2 discos Freio traseiro Disco


Suzuki Q GSR 750 ZA / A / STD

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power

Diablo Super Corsa SP Dianteiro 120/70ZR17 Racetec RR K3 Traseiro 180/55ZR17

Tetracilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC 16 válvulas I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 750 cm³ Potência máxima 107,4 cv a 10 000 rpm Torque máximo 8,16 kgfm a 9 000 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Bengalas invertidas Suspensão traseira Monoamortecedor Freio dianteiro 2 discos Freio traseiro Disco

Suzuki Q GSX-S1000 A

Diablo Super Corsa SP Dianteiro 120/70ZR17 Racetec RR K3 Traseiro 190/50ZR17

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power

Tetracilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC 16 válvulas I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 999 cm³ Potência máxima 147 cv a 10 000 rpm Torque máximo 10,8 kgf.m a 9 500 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Bengalas invertidas Suspensão traseira Monoamortecedor Freio dianteiro 2 discos de 310 mm Freio traseiro Disco

Triumph Q Bonneville T 120 | B

Phantom Sportscomp

Dianteiro 100/90-18” Traseiro 150/70-17”

Bicilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, SOHC I 8 válvulas 5 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 865 cm³ Potência máxima 80 cv a 6 550 rpm Torque máximo 10,5 kgf.m a 3 100 rpm Quadro Tubular de aço Suspensão dianteira Bengalas convencionais Kayaba 120 mm Suspensão traseira Duplo amortecedor Kayaba 120 mm Freio dianteiro Disco Duplo ABS 310 mm Freio traseiro Disco ABS 255 mm

Triumph Q Thruxton 1200 R

Diablo Rosso Dianteiro 120/70ZR17 Corsa Traseiro 160/60ZR17

Mobil 1 Racing 4T 10W40 e 4T 15W-50 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40 e MX Extreme 15W-50

Mobil 1 Racing 4T 10W40 e 4T 15W-50 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40 e MX Extreme 15W-50

Bicilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, SOHC I 8 válvulas 5 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 1 200 cm³ Potência máxima 96 cv a 6 750 rpm Torque máximo 11,2 kgf.m a 4 950 rpm Quadro Tubular de aço Suspensão dianteira Bengalas Invertidas Showa 120 mm Suspensão traseira Duplo amortecedor Ohlins 106 mm Freio dianteiro Duplo disco Brembo 310 mm Freio traseiro Disco 220 mm

CATÁLOGO 2017

motociclismoo 139


NAKED Triumph Q Street Triple R ABS

Diablo Rosso Dianteiro 120/70ZR17 Corsa Traseiro 180/55ZR17

Tricilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 12 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 675 cm³ Potência máxima 85 cv a 11 200 rpm Torque máximo 6,3 kgf.m a 8 400 rpm Quadro Dupla viga de alumínio Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 115 mm / 110 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 135 mm / 125 mm Freio dianteiro 2 discos de 310 mm Freio traseiro Disco 220 mm

Triumph Q Speed Triple R

Diablo Super Dianteiro 120/70ZR17 Corsa SP Traseiro 190/55ZR17

Dianteiro 150/80R17 Traseiro 240/50R16

m 140 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 180/55ZR17

Mobil 1 Racing 4T 10W40 e 4T 15W-50 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40 e MX Extreme 15W-50

Tricilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 12 válvulas 5 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 2 294 cm³ Potência máxima 148 cv a 5 750 rpm Torque máximo 22,3 kgf.m a 2 750 rpm Quadro Berço duplo de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 120 mm Suspensão traseira Duplo amortecedor 105 mm Freio dianteiro 2 discos de 320 mm Freio traseiro Disco 316 mm

Yamaha Q MT-07 ABS / STD

Angel GT ou Roadtec 01

Mobil 1 Racing 4T 10W40 e 4T 15W-50 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40 e MX Extreme 15W-50

Tricilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 12 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 1 050 cm³ Potência máxima 135 cv a 9 400 rpm Torque máximo 12,3 kgf.m a 7 750 rpm Quadro Dupla viga de alumínio Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 120 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 130 mm Freio dianteiro 2 discos de 310 mm Freio traseiro Disco 220 mm

Triumph Q Rocket III Roadster

Metzeler ME880

Mobil 1 Racing 4T 10W40 e 4T 15W-50 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40 e MX Extreme 15W-50

Mobil 1 Racing 4T 10W40 e 4T 15W-50 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40 e MX Extreme 15W-50

Bicilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 689 cm³ Potência máxima 74,8 cv a 9 000 rpm Torque máximo 6,9 kgf.m a 6 500 rpm Quadro Treliça de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico 130 mm Suspensão traseira Duplo amortecedor 55 mm Freio dianteiro 2 discos 282 mm Freio traseiro Disco 245 mm


Yamaha Q MT-09 ABS / STD

Angel GT ou Roadtec 01

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 180/55ZR17

Mobil 1 Racing 4T 10W40 e 4T 15W-50 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40 e MX Extreme 15W-50

Tricilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 12 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 849 cm³ Potência máxima 115 cv a 10 000 rpm Torque máximo 8,92 kgf.m a 8 500 rpm Quadro Duplo berço de alumínio Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 137 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 130 mm Freio dianteiro 2 discos 298 mm Freio traseiro Disco 245 mm

Yamaha Q XJ6-N ABS / STD

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Angel GT ou Roadtec 01

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 160/60ZR17

Tetracilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC 16 válvulas I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 600 cm³ Potência máxima 77,5 cv a 10 000 rpm Torque máximo 6,08 kgf.m a 8 500 rpm Quadro Diamond de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico 130 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 42 mm Freio dianteiro 2 discos de 298 mm Freio traseiro Disco de 245 mm

Yamaha Q VMax

Metzeler ME880

Dianteiro 120/70R18 Traseiro 200/50R18

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Tetracilíndrico em V I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 16 válvulas 6 marchas, transm. cardã I injeção eletrônica Cilindrada 1 679 cm³ Potência máxima 200 cv a 9 000 rpm Torque máximo 17,01 kgf.m a 6 500 rpm Quadro Diamond de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 120 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 50 mm Freio dianteiro 2 discos de 320 mm Freio traseiro Disco de 298 mm

CATÁLOGO 2017

motociclismoo 141


MAXITRAIL MAXITRAIL M A XITRAIL BMW Q G 650 GS

Scorpion Trail Dianteiro 120/80R19 II e Tourance Traseiro 140/80R17

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 4 válvulas 5 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 652 cm³ Potência máxima 48,6 cv a 6 500 rpm Torque máximo 6,1 kgf.m a 5 000 rpm Quadro Dupla viga de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico 170 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 165 mm Freio dianteiro Disco de 300 mm Freio traseiro Disco de 240 mm

BMW Q F 700 GS

Scorpion Trail Dianteiro 120/80R19 II e Tourance Traseiro 150/70R17

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Bicilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 798 cm³ Potência máxima 75 cv a 7 000 rpm Torque máximo 8,3 kgf.m a 5 300 rpm Quadro Tubular de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico 170 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 170 mm Freio dianteiro 2 discos de 300 mm Freio traseiro Disco de 265 mm

BMW Q F 800 GS I Adventure

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Scorpion Trail II Dianteiro 90/90-21” e Tourance Next Traseiro 150/70R17

Bicilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 798 cm³ Potência máxima 83 cv a 7 500 rpm Torque máximo 8,3 kgf.m a 5 750 rpm Quadro Tubular de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 230 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 215 mm Freio dianteiro 2 discos de 300 mm Freio traseiro Disco de 265 mm

BMW Q R 1200 GS ADV / Premium / Sport Mobil 1 Racing 4T 10W-40

Scorpion Trail II Dianteiro 120/70R19 e Tourance Next Traseiro 170/60R17

m 142 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Bicilíndrico Boxer I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 8 válvulas 6 marchas, transm. cardã I injeção eletrônica Cilindrada 1 170 cm³ Potência máxima 126,7 cv a 7 750 rpm Torque máximo 12,5 kgfm a 6 500 rpm Quadro Treliça de aço Suspensão dianteira Garfoinvertido Telelever 210 mm Suspensão traseira Paralever 220 mm Freio dianteiro 2 discos de 305 mm Freio traseiro Disco de 276 mm


BMW Q S 1000 XR

Diablo Rosso II

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 190/55ZR17

Tetracilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC 16 válvulas I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 999 cm³ Potência máxima 160 cv a 11 000 rpm Torque máximo 11,2 kgfm a 9 250 rpm Quadro Diamond de alumínio Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 150 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 140 mm Freio dianteiro 2 discos de 320 mm Freio traseiro Disco de 265 mm

Ducati Q Hypermotard

Diablo Rosso II

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 180/55ZR17

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 180/55ZR17

Mobil 1 Racing 4T 15W-50

Bicilíndrico em L I 4T I arrefecimento a água I 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 821,1 cm³ Potência máxima 110 cv a 9 250 rpm Torque máximo 8,9 kgf.m a 7 750 rpm Quadro Treliça de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 170 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 150 mm Freio dianteiro 2 discos de 320 mm Freio traseiro Disco de 245 mm

Ducati Q Hyperstrada

Scorpion Trail

Mobil 1 Racing 4T 10W-40

Mobil 1 Racing 4T 15W-50

Bicilíndrico em L I 4T I arrefecimento a água I 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 821,1 cm³ Potência máxima 110 cv a 9 250 rpm Torque máximo 8,9 kgf.m a 7 750 rpm Quadro Treliça de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 130 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 130 mm Freio dianteiro 2 discos de 320 mm Freio traseiro Disco de 245 mm

Ducati Q Multistrada 1200 S / TOUR

Mobil 1 Racing 4T 15W-50

Scorpion Trail II

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 190/55ZR17

Bicilíndrico em L I 4T I arrefecimento a água I 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 1 198 cm³ Potência máxima 160 cv a 9 500 rpm Torque máximo 13,6 kgf.m a 7 500 rpm Quadro Treliça de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 170 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 170 mm Freio dianteiro 2 discos de 320 mm Freio traseiro Disco de 245 mm

CATÁLOGO 2017

motociclismoo 143


MAXITRAIL Ducati Q Multistrada 1200 ENDURO

Mobil 1 Racing 4T 15W-50

Scorpion Trail II

Dianteiro 120/7OZR19 Traseiro 170/6ZR17

Bicilíndrico em L I 4T I arrefecimento a água I Desmo 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 1 198,4 cm³ Potência máxima 160 cv a 9 500 rpm Torque máximo 13,6 kgf.m a 7 500 rpm Quadro Treliça de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 200 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 200 mm Freio dianteiro 2 discos de 320 mm Freio traseiro Disco de 265 mm

Honda Q CB 500X

Scorpion Trail

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 160/60ZR17

Bicilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, OHC I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 471 cm³ Potência máxima 50,4 cv a 8 500 rpm Torque máximo 4,55 kgf.m a 7 000 rpm Quadro Diamond de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico 140 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 118 mm Freio dianteiro Disco 320 mm Freio traseiro Disco 240 mm

Honda Q NC 750X

Scorpion Trail

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 160/60ZR17

Mobil Super Moto 4T MX Authentic 10W-30

Mobil Super Moto 4T MX Authentic 10W-30

Bicilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, SOHC I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 745 cm³ Potência máxima 54,8 cv a 6 250 rpm Torque máximo 6,94 kgf.m a 4 750 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Garfo telescópico 153,5 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 150 mm Freio dianteiro Disco 320 mm Freio traseiro Disco 240 mm

Honda Q CRF 1000 L AFRICA TWIN / TE

Mobil Super Moto 4T MX Authentic 10W-30

Bicilíndrico em L I 4T I arrefecimento a água, OHC I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica

Scorpion MT 90 A / T

m 144 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Dianteiro 90/90-21” Traseiro 150/70R18

Cilindrada Potência máxima Torque máximo Quadro Suspensão dianteira Suspensão traseira Freio dianteiro Freio traseiro

745 cm³ 90,2 cv a 7 500 rpm 9,3 kgf.m a 6 000 rpm Semi berço duplo Garfo telescópico inveretido 230 mm Monoamortecedor 94 mm Disco 310 mm Disco 256 mm


Kawasaki Q Versys 650 ABS / STD

Scorpion Trail

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 160/60ZR17

Bicilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 649 cm³ Potência máxima 69 cv a 8 000 rpm Torque máximo 6,5 kgf.m a 7 000 rpm Quadro Diamond de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 150 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 145 mm Freio dianteiro 2 discos de 300 mm Freio traseiro Disco de 220 mm

Kawasaki Q Versys 650 ABS TOUR

Scorpion Trail

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 160/60ZR17

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 180/55ZR17

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 180/55ZR17

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Tetracilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 16 válvulas I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 1 043 cm³ Potência máxima 120 cv a 9 000 rpm Torque máximo 10,4 kgf.m a 7 500 rpm Quadro Monocoque de alumínio Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 150 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 150 mm Freio dianteiro 2 discos de 310 mm Freio traseiro Disco de 250 mm

Kawasaki Q Versys 1000 GT

Scorpion Trail

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Bicilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 649 cm³ Potência máxima 69 cv a 8 500 rpm Torque máximo 6,5 kgf.m a 7 000 rpm Quadro Diamond de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 150 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 145 mm Freio dianteiro 2 discos de 300 mm Freio traseiro Disco de 220 mm

Kawasaki Q Versys 1000

Scorpion Trail

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Tetracilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 16 válvulas I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 1 043 cm³ Potência máxima 118 cv a 9 000 rpm Torque máximo 10,4 kgf.m a 7 700 rpm Quadro Monocoque de alumínio Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 150 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 150 mm Freio dianteiro 2 discos de 300 mm Freio traseiro Disco de 250 mm

CATÁLOGO 2017

motociclismoo 145


MAXITRAIL KTM Q 1190 Adventure R

Scorpion MT 90 A / T

Dianteiro 90/90-21” Traseiro 150/70R18

Bicilíndrico em V I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 1 195 cm³ Potência máxima 150 cv a 9 500 rpm Torque máximo 12,75 kgf.m a 7 500 rpm Quadro Treliça de alumínio Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 220 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 220 mm Freio dianteiro 2 discos de 320 mm Freio traseiro Disco de 267 mm

KTM Q 1290 Super Adventure

Scorpion Trail II

Dianteiro 120/70ZR19 Traseiro 170/60ZR17

Bicilíndrico em V I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 1 195 cm³ Potência máxima 160 cv a 8 750 rpm Torque máximo 14 kgf.m a 6 750 rpm Quadro Treliça de Cromo Molibdenio Suspensão dianteira Garfo telescópico invertidas Semi Ativo 200 mm Suspensão traseira Monoamortecedor Semi Ativo 200 mm Freio dianteiro 2 discos de 320 mm Freio traseiro Disco de 267 mm

Suzuki Q V-Strom 1000

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Scorpion Trail II

Dianteiro 110/80R19 Traseiro 150/70R17

Bicilíndrico em V I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 1 037 cm³ Potência máxima 102,4 cv a 8 000 rpm Torque máximo 10,5 kgf.m a 4 000 rpm Quadro Dupla viga de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico Suspensão traseira Monoamortecedor Freio dianteiro 2 discos Freio traseiro Disco

Suzuki Q V-Strom 650XT ABS

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Scorpion Trail II

m 146 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Dianteiro 110/80R19 Traseiro 150/70R17

Bicilíndrico em V I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 645 cm³ Potência máxima 69,9 cv a 8 800 rpm Torque máximo 6,12 kgf.m a 6 400 rpm Quadro Treliça de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico Suspensão traseira Monoamortecedor Freio dianteiro 2 discos Freio traseiro Disco


Triumph Q Tiger 800 XCA/XCx/XC

Scorpion Trail II

Dianteiro 90/90-21” Traseiro 150/70R17

Tricilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 12 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 800 cm³ Potência máxima 95 cv a 9 250 rpm Torque máximo 7,9 kgf.m a 7 850 rpm Quadro Treliça de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 220 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 215 mm Freio dianteiro 2 discos de 308 mm Freio traseiro Disco 255 mm

Triumph Q Tiger 800 XRx / LS

Scorpion Trail II

Dianteiro 100/90-19” Traseiro 150/70R17

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 180/55ZR17

Dianteiro 120/70ZR19 Traseiro 170/60ZR17

Mobil 1 Racing 4T 10W40 e 4T 15W-50 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40 e MX Extreme 15W-50

Tricilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 12 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 1 050 cm³ Potência máxima 126cv a 9 475 rpm Torque máximo 10,6 kgf.m a 7 000 rpm Quadro Dupla viga de alumínio Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 140 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 155 mm Freio dianteiro 2 discos de 320 mm Freio traseiro Disco 225 mm

Triumph Q Tiger Explorer XR/XCA

Scorpion Trail II

Mobil 1 Racing 4T 10W40 e 4T 15W-50 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40 e MX Extreme 15W-50

Tricilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 12 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 800 cm³ Potência máxima 95 cv a 9 250 rpm Torque máximo 7,9 kgf.m a 7 850 rpm Quadro Treliça de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico 180 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 170 mm Freio dianteiro 2 discos de 308 mm Freio traseiro Disco 255 mm

Triumph Q Tiger Sport

Angel GT ou Roadtec 01

Mobil 1 Racing 4T 10W40 e 4T 15W-50 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40 e MX Extreme 15W-50

Mobil 1 Racing 4T 10W40 e 4T 15W-50 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40 e MX Extreme 15W-50

Tricilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 12 válvulas 6 marchas, transm. cardã I injeção eletrônica Cilindrada 1 215 cm³ Potência máxima 139 cv a 9 300 rpm Torque máximo 12,3 kgf.m a 6 400 rpm Quadro Treliça de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 190 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 193 mm Freio dianteiro 2 discos de 305 mm Freio traseiro Disco 282 mm

CATÁLOGO 2017

motociclismoo 147


MAXITRAIL Yamaha Q XT 660R

Scorpion Trail Dianteiro 90/90-21” e Tourance Traseiro 130/80-17”

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a água, OHC I 4 válvulas 5 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 659,7 cm³ Potência máxima 48 cv a 6 000 rpm Torque máximo 5,95 kgf.m a 5 250 rpm Quadro Diamond de aço Suspensão dianteira Bengalas convencionais 225 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 220 mm Freio dianteiro Disco 298 mm Freio traseiro Disco 245 mm

Yamaha Q XT 660Z Ténéré ABS

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Scorpion Trail Dianteiro 90/90-21” e Tourance Traseiro 130/80-17”

Monocilíndrico I 4T I arrefecimento a água, OHC I 4 válvulas 5 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 659,7 cm³ Potência máxima 48 cv a 6 000 rpm Torque máximo 5,92 kgf.m a 5 500 rpm Quadro Diamond de aço Suspensão dianteira Bengalas convencionais 160 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 145 mm Freio dianteiro Disco 298 mm Freio traseiro Disco 245 mm

Yamaha Q MT09 TRACER

Scorpion Trail II

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 180/55ZR17

Mobil 1 Racing 4T 10W40 e 4T 15W-50 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40 e MX Extreme 15W-50

Tricilíndrico I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 12 válvulas 5 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 846,63 cm³ Potência máxima 115 cv a 10 000 rpm Torque máximo 8,92 kgf.m a 8 500 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Bengalas invertidas 137 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 130 mm Freio dianteiro Disco 298 mm Freio traseiro Disco 245 mm

Yamaha Q Super Ténéré DX / STD

Scorpion Trail II Dianteiro 110/80R19 e Tourance Next Traseiro 150/70R17

m 148 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Bicilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 8 válvulas 6 marchas, transm. cardã I injeção eletrônica Cilindrada 1 199 cm³ Potência máxima 112 cv a 7 250 rpm Torque máximo 11,9 kgf.m a 6 000 rpm Quadro Backbone de aço Suspensão dianteira Bengalas invertidas 190 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 89 mm / 70 mm Freio dianteiro 2 discos 310 mm Freio traseiro Disco 282 mm


ESPORTIVA BMW Q S 1000 RR

Diablo Super Corsa Dianteiro 120/70ZR17 SP e Racetec RR K3 Traseiro 190/55ZR17

Tetracilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 16 válvulas I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 999 cm³ Potência máxima 199 cv a 13 500 rpm Torque máximo 11,3 kgf.m a 10 500 rpm Quadro Diamond de alumínio Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 120 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 120 mm Freio dianteiro 2 discos 320 mm Freio traseiro Disco 220 mm

Ducati Q Panigale 959

Diablo Super Dianteiro 120/70ZR17 Corsa SP Traseiro 180/60ZR17

Mobil 1 Racing 4T 15W-50

Bicilíndrico em L I 4T I arrefecimento a água I DESMO 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 1 285 cm³ Potência máxima 205 cv a 10 500 rpm Torque máximo 14,4 kgf.m a 7 750 rpm Quadro Monocoque de alumínio Suspensão dianteira Garfo telescópico invertidas 120 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 130 mm Freio dianteiro 2 discos de 330 mm Freio traseiro 1 disco de 245 mm

Ducati Q Panigale 1299 S

Diablo Super Dianteiro 120/70ZR17 Corsa SP Traseiro 200/55ZR17

Mobil 1 Racing 4T 15W-50

Bicilíndrico em L I 4T I arrefecimento a água I DESMO 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 959 cm³ Potência máxima 157 cv a 10 500 rpm Torque máximo 10,74 kgf.m a 9 000 rpm Quadro Monocoque de alumínio Suspensão dianteira Garfo telescópico invertidas 120 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 130 mm Freio dianteiro 2 discos de 320 mm Freio traseiro 1 disco de 245 mm

Ducati Q Panigale 1299

Diablo Super Dianteiro 120/70ZR17 Corsa SP Traseiro 200/55ZR17

Mobil 1 Racing 4T 10W-40

Mobil 1 Racing 4T 15W-50

Bicilíndrico em L I 4T I arrefecimento a água I 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 1 285 cm³ Potência máxima 205 cv a 10 500 rpm Torque máximo 14,4 kgf.m a 8 750 rpm Quadro Monocoque de alumínio Suspensão dianteira Garfo telescópico invertidas 120 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 130 mm Freio dianteiro 2 discos de 330 mm Freio traseiro 1 disco de 245 mm

CATÁLOGO 2017

motociclismoo 149


ESPORTIVA Honda Q CBR 500R

Angel GT ou Roadtec 01

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 160/60ZR17

Bicilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 471 cm³ Potência máxima 50,4 cv a 8 500 rpm Torque máximo 4,55 kgf.m a 7 000 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Garfo telescópico 120 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 119 mm Freio dianteiro Disco 320 mm Freio traseiro Disco 240 mm

Honda Q CBR 600 RR

Diablo Super Dianteiro 120/70ZR17 Corsa SP Traseiro 180/55ZR17

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 180/55ZR17

m 150 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Mobil Super Moto 4T MX Authentic 10W-30

Tetracilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 649 cm³ Potência máxima 87 cv a 11 000 rpm Torque máximo 6,4 kgf.m a 8 000 rpm Quadro Diamond de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico 120 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 128 mm Freio dianteiro 2 discos de 320 mm Freio traseiro Disco de 240 mm

Honda Q CBR 1000RR

Diablo Super Dianteiro 120/70ZR17 Corsa SP Traseiro 200/55ZR17

Mobil Super Moto 4T MX Authentic 10W-30

Tetracilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 16 válvulas I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 599 cm³ Potência máxima 120 cv a 13 500 rpm Torque máximo 6,73 kgf.m a 11 250 rpm Quadro Diamond de alumínio Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 120 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 129 mm Freio dianteiro 2 discos de 310 mm Freio traseiro Disco de 220 mm

Honda Q CBR 650F

Angel GT ou Roadtec 01

Mobil Super Moto 4T MX Authentic 10W-30

Mobil Super Moto 4T MX Authentic 10W-30

Tetracilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 16 válvulas I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 998,8 cm³ Potência máxima 180,8 cv a 12 250 rpm Torque máximo 11,6 kgf.m a 10 500 rpm Quadro Diamond de alumínio Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 120 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 138 mm Freio dianteiro 2 discos de 320 mm Freio traseiro Disco de 220 mm


Kawasaki Q Ninja 650 ABS

Angel GT ou Roadtec 01

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 160/60ZR17

Bicilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 649 cm³ Potência máxima 72,1 cv a 8 500 rpm Torque máximo 6,7 kgf.m a 7 000 rpm Quadro Perimetral de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico 120 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 125 mm Freio dianteiro 2 discos de 300 mm Freio traseiro Disco de 220 mm

Kawasaki Q ZX-10R ABS

Diablo Super Dianteiro 120/70ZR17 Corsa SP Traseiro 190/55ZR17

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 190/55ZR17

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Tetracilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 16 válvulas I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 998 cm³ Potência máxima 310 cv a 14 000 rpm Torque máximo 16,8 kgf.m a 12 500 rpm Quadro Tubular de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 120 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 135 mm Freio dianteiro 2 discos de 330 mm Freio traseiro Disco de 250 mm

Suzuki Q GSX 650F

Angel GT ou Roadtec 01

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Tetracilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 16 válvulas I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 998 cm³ Potência máxima 210 cv a 13 000 rpm Torque máximo 11,6 kgf.m a 11 500 rpm Quadro Dupla viga de alumínio Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido120 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 114 mm Freio dianteiro 2 discos de 330 mm Freio traseiro Disco de 220 mm

Kawasaki Q Ninja H2 / R

Diablo Super Dianteiro 120/70ZR17 Corsa SP Traseiro 200/55ZR17

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Tetracilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 16 válvulas I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 656 cm³ Potência máxima 87 cv a 10 500 rpm Torque máximo 6,27 kgf.m a 8 900 rpm Quadro Tubular de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico Suspensão traseira Monoamortecedor Freio dianteiro 2 discos Freio traseiro Disco

CATÁLOGO 2017

motociclismoo 151


ESPORTIVA Suzuki Q GSX-R 750 GP / STD

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Diablo Super Dianteiro 120/70ZR17 Corsa SP Traseiro 180/55ZR17

Tetracilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 16 válvulas I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 750 cm³ Potência máxima 152 cv a 13 200 rpm Torque máximo 8,8 kgf.m a 11 200 rpm Quadro Diamond de alumínio Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido Suspensão traseira Monoamortecedor Freio dianteiro 2 discos Freio traseiro Disco

Suzuki Q GSX-S1000 FA

Diablo Super Dianteiro 120/70ZR17 Corsa SP Traseiro 190/50ZR17

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Tetracilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC 16 válvulas I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 999 cm³ Potência máxima 147 cv a 10 000 rpm Torque máximo 10,8 kgf.m a 9 500 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido Suspensão traseira Monoamortecedor Freio dianteiro 2 discos de 310 mm Freio traseiro Disco

Suzuki Q GSX-R 1000 GP / STD

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Diablo Super Dianteiro 120/70ZR17 Corsa SP Traseiro 190/50ZR17

Tetracilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 16 válvulas I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 999 cm³ Potência máxima 187,5 cv a 11 500 rpm Torque máximo 11,9 kgfm a 10 000 rpm Quadro Dupla viga de alumínio Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido Suspensão traseira Monoamortecedor Freio dianteiro 2 discos Freio traseiro Disco

Suzuki Q GSX 1250 FA

Angel GT ou Roadtec Z8

m 152 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 180/55ZR17

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Tetracilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 16 válvulas I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 1 255 cm³ Potência máxima 99,3 cv a 7 500 rpm Torque máximo 11,01 kgf.m a 3 700 rpm Quadro Tubular de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico Suspensão traseira Monoamortecedor Freio dianteiro 2 discos Freio traseiro Disco


Suzuki Q GSX-R 1300 HAYABUSA

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Angel GT ou Roadtec 01

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 190/50ZR17

Tetracilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 16 válvulas I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 1 340 cm³ Potência máxima 199,7 cv a 9 500 rpm Torque máximo 15,81 kgf.m a 7 200 rpm Quadro Dupla viga de alumínio Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido Suspensão traseira Monoamortecedor Freio dianteiro 2 discos Freio traseiro Disco

Triumph Q Daytona 675 R / STD

Diablo Super Dianteiro 120/70ZR17 Corsa SP Traseiro 180/55ZR17

Mobil 1 Racing 4T 10W40 e 4T 15W-50 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40 e MX Extreme 15W-50

Tricilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 12 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 675 cm³ Potência máxima 128 cv a 12 500 rpm Torque máximo 7,4 kgf.m a 11 900 rpm Quadro Dupla viga de alumínio Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 120 mm / 110 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 133 mm / 130 mm Freio dianteiro 2 discos de 310 mm Freio traseiro Disco 220 mm

Yamaha Q XJ6-F ABS / STD

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Angel GT ou Roadtec 01

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 160/60ZR17

Tetracilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 16 válvulas I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 600 cm³ Potência máxima 77,5 cv a 10 000 rpm Torque máximo 6,08 kgf.m a 8 500 rpm Quadro Diamond de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico 130 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 42 mm Freio dianteiro 2 discos de 298 mm Freio traseiro Disco de 245 mm

Yamaha Q YZ-F R1

Diablo Super Dianteiro 120/70ZR17 Corsa SP Traseiro 190/55ZR17

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Tetracilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 16 válvulas I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 998 cm³ Potência máxima 200 cv a 13 500 rpm Torque máximo 11,46 kgfm a 11 500 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 120 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 159 mm Freio dianteiro 2 discos de 320 mm Freio traseiro Disco 220 mm

CATÁLOGO 2017

motociclismoo 153


ESPORTIVA Yamaha Q YZ-F R1 M

Diablo Super Dianteiro 120/70ZR17 Corsa SP Traseiro 190/55ZR17

m 154 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Tetracilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 16 válvulas I 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 998 cm³ Potência máxima 200 cv a 13 500 rpm Torque máximo 11,46 kgfm a 11 500 rpm Quadro Diamond Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido eletronica 120 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 159 mm Freio dianteiro 2 discos de 320 mm Freio traseiro Disco 220 mm


TOURING BMW Q K 1600 GTL Executive / STD

Angel GT ou Roadtec Z8

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 190/55ZR17

Seis cilindros em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC 24 válvulas I 6 marchas, transm. cardã I injeção eletrônica Cilindrada 1 649 cm³ Potência máxima 162,2 cv a 7 750 rpm Torque máximo 17,8 kgf.m a 5 250 rpm Quadro Dupla viga de alumínio Suspensão dianteira Garfo telescópico Duolever 125 mm Suspensão traseira Monoamortecedor Paralever 135 mm Freio dianteiro 2 discos de 320 mm Freio traseiro Disco 320 mm

BRP Q CAN-AM Spyder F3 S

Dianteiro 166/55-15” Traseiro 255/50-15”

Tricilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, I CVT Transm. Semi Automática / Manual I injeção eletrônica Cilindrada 1 330 cm³ Potência máxima 115 cv a 7 250 rpm Torque máximo 13,01 kgf.m a 5 000 rpm Quadro nd Suspensão dianteira Duplo braço FOX PODIUM 129 mm Suspensão traseira Monoamortecedor SACHS 132 mm Freio dianteiro 2 discos de 270 mm Freio traseiro Disco de 270 mm

BRP Q CAN-AM Spyder F3 S Daytona

Dianteiro 166/55-15” Traseiro 225/50-15”

Tricilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, I CVT Transm. Semi Automática / Manual I injeção eletrônica Cilindrada 1 330 cm³ Potência máxima 115 cv a 7 250 rpm Torque máximo 13,01 kgf.m a 5 000 rpm Quadro nd Suspensão dianteira Duplo braço FOX PODIUM 129 mm Suspensão traseira Monoamortecedor SACHS 132 mm Freio dianteiro 2 discos de 270 mm Freio traseiro Disco de 270 mm

Harley-Davidson Q CVO Limited

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Bicilíndrico em V I 4T I arrefecimento a ar I 6 marchas, transm. correia I injeção eletrônica

Night Dragon Dianteiro 130/80B17 ou ME888 Traseiro 180/65B16

Cilindrada Potência máxima Torque máximo Quadro Suspensão dianteira Suspensão traseira Freio dianteiro Freio traseiro

1 868 cm³ n/d 16,0 kgf.m a 3 250 rpm Tubular de aço Garfo telescópico Duplo amortecedor 2 discos ABS Disco ABS

CATÁLOGO 2017

motociclismoo 155


TOURING Harley-Davidson Q CVO Street Glide

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Bicilíndrico em V I 4T I arrefecimento a ar I 6 marchas, transm. correia I injeção eletrônica

Night Dragon Dianteiro 130/60B19 ou ME888 Traseiro 180/55B18

Cilindrada Potência máxima Torque máximo Quadro Suspensão dianteira Suspensão traseira Freio dianteiro Freio traseiro

Harley-Davidson Q Heritage Classic

1 868 cm³ n/d 16 kgf.m a 3 250 rpm Tubular de aço Garfo telescópico Duplo amortecedor 2 discos ABS Disco ABS

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Bicilíndrico em V I 4T I arrefecimento a ar I 6 marchas, transm. correia I injeção eletrônica

Night Dragon Dianteiro 130/90-16” ou ME888 Traseiro 180/65B16

Cilindrada Potência máxima Torque máximo Quadro Suspensão dianteira Suspensão traseira Freio dianteiro Freio traseiro

Harley-Davidson Q Road King Classic

1 690 cm³ n/d 11,8 kgf.m a 2 750 rpm Tubular de aço Garfo telescópico Monoamortecedor Disco Disco

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Bicilíndrico em V I 4T I arrefecimento a ar I 6 marchas, transm. correia I injeção eletrônica

Night Dragon Dianteiro 130/80B17 ou ME888 Traseiro 180/65B16

Cilindrada Potência máxima Torque máximo Quadro Suspensão dianteira Suspensão traseira Freio dianteiro Freio traseiro

Harley-Davidson Q Street Glide Special

1 753 cm³ n/d 15,1 kgf.m a 3 250 rpm Tubular de aço Garfo telescópico Duplo amortecedor 2 discos Disco

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Bicilíndrico em V I 4T I arrefecimento a ar I 6 marchas, transm. correia I injeção eletrônica

Night Dragon Dianteiro 130/60B19 ou ME888 Traseiro 180/65B16

m 156 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Cilindrada Potência máxima Torque máximo Quadro Suspensão dianteira Suspensão traseira Freio dianteiro Freio traseiro

1 753 cm³ n/d 15,1 kgf.m a 3 250 rpm Tubular de aço Garfo telescópico Duplo amortecedor 2 discos Disco


Harley-Davidson Q Ultra Limited

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Bicilíndrico em V I 4T I arrefecimento a ar I 6 marchas, transm. correia I injeção eletrônica

Night Dragon Dianteiro 130/80B17 ou ME888 Traseiro 180/65B16

Cilindrada Potência máxima Torque máximo Quadro Suspensão dianteira Suspensão traseira Freio dianteiro Freio traseiro

Honda Q GL 1800 Gold Wing

Night Dragon Dianteiro 130/70R18 ou ME888 Traseiro 180/60R16

1 690 cm³ nd 14,3 kgf.m a 3 750 rpm Tubular de aço Garfo telescópico Duplo amortecedor 2 discos Disco

Mobil Super Moto 4T MX Authentic 10W-30

Seis cilindros em linha I 4T I arrefecimento a água, OHC 24 válvulas I 5 marchas, transm. cardã I injeção eletrônica Cilindrada 1 832 cm³ Potência máxima 118 cv a 5 500 rpm Torque máximo 17 kgf.m a 4 000 rpm Quadro Diamond alumínio Suspensão dianteira Garfo telescópico 140 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 105 mm Freio dianteiro 2 discos de 296 mm Freio traseiro Disco 316 mm

Indian Q Chief Vintage Bicilíndrico em V I 4T I arrefecimento a ar I 6 marchas, transm. correia I injeção eletrônica

Night Dragon Dianteiro 130/90B16 ou ME888 Traseiro 180/65B16

Cilindrada Potência máxima Torque máximo Quadro Suspensão dianteira Suspensão traseira Freio dianteiro Freio traseiro

1 811 cm³ nd 16,4 kgf.m Tubular de alumínio Garfo telescópico 119 mm Monoamortecedor 94 mm 2 discos de 300 mm ABS Disco de 300 mm ABS

Indian Q Chieftain Bicilíndrico em V I 4T I arrefecimento a ar I 6 marchas, transm. correia I injeção eletrônica

Night Dragon Dianteiro 130/90B16 ou ME888 Traseiro 180/65B16

Cilindrada Potência máxima Torque máximo Quadro Suspensão dianteira Suspensão traseira Freio dianteiro Freio traseiro

1 811 cm³ nd 16,4 kgf.m Tubular de alumínio Garfo telescópico 119 mm Monoamortecedor 114 mm 2 discos de 300 mm ABS Disco de 300 mm ABS

CATÁLOGO 2017

motociclismoo 157


TOURING Indian Q Roadmaster Bicilíndrico em V I 4T I arrefecimento a ar I 6 marchas, transm. correia I injeção eletrônica

Night Dragon Dianteiro 130/90B16 ou ME888 Traseiro 180/60R16

m 158 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Cilindrada Potência máxima Torque máximo Quadro Suspensão dianteira Suspensão traseira Freio dianteiro Freio traseiro

1 811 cm³ n/d 16,4 kgf.m Tubular de alumínio Garfo telescópico 119 mm Monoamortecedor 114 mm 2 discos de 300 mm ABS Disco de 300 mm ABS


CUSTOM Ducati Q X Diavel / S

Diablo Rosso II

Dianteiro 120/70ZR17 Traseiro 240/45ZR17

Mobil 1 Racing 4T 15W-50

Bicilíndrico em L I 4T I arrefecimento a água, DESMO I 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 1 262 cm³ Potência máxima 156 cv a 9 500 rpm Torque máximo 12,8 kgf.m a 5 000 rpm Quadro Treliça de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido 120 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 110 mm Freio dianteiro 2 discos de 320 mm Freio traseiro Disco de 265 mm

Harley-Davidson Q Iron 883

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Bicilíndrico em V I 4T I arrefecimento a ar I 5 marchas, transm. correia I injeção eletrônica

Night Dragon Dianteiro 100/90-19” ou ME888 Traseiro 150/80B16

Cilindrada Potência máxima Torque máximo Quadro Suspensão dianteira Suspensão traseira Freio dianteiro Freio traseiro

Harley-Davidson Q Forty-Eight

883 cm³ nd 6,7 kgf.m a 3 750 rpm Tubular de aço Garfo telescópico Duplo amortecedor Disco Disco

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Bicilíndrico em V I 4T I arrefecimento a ar I 5 marchas, transm. correia I injeção eletrônica

Night Dragon Dianteiro 130/90B16 ou ME888 Traseiro 150/80B16

Cilindrada Potência máxima Torque máximo Quadro Suspensão dianteira Suspensão traseira Freio dianteiro Freio traseiro

Harley-Davidson Q Fat Bob

1 202 cm³ nd 8,97 kgf.m a 3 500 rpm Tubular de aço Garfo telescópico Duplo amortecedor Disco Disco

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Bicilíndrico em V I 4T I arrefecimento a ar I 6 marchas, transm. correia I injeção eletrônica

Night Dragon Dianteiro 130/90B16 ou ME888 Traseiro 180/70R16

Cilindrada Potência máxima Torque máximo Quadro Suspensão dianteira Suspensão traseira Freio dianteiro Freio traseiro

1 585 cm³ nd 12,0 kgf.m a 3 500 rpm Tubular de aço Garfo telescópico Duplo amortecedor Disco Disco

CATÁLOGO 2017

motociclismoo 159


CUSTOM Harley-Davidson Q Low Rider

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Bicilíndrico em V I 4T I arrefecimento a ar I 6 marchas transm. correia I injeção eletrônica

Night Dragon Dianteiro 100/90-19” ou ME888 Traseiro 160/70B17

Cilindrada Potência máxima Torque máximo Quadro Suspensão dianteira Suspensão traseira Freio dianteiro Freio traseiro

Harley-Davidson Q Street Bob

1 585 cm³ nd 11,83 kgf.m a 3 750 rpm Tubular de aço Garfo telescópico Duplo amortecedor 2 discos Disco

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Bicilíndrico em V I 4T I arrefecimento a ar I 6 marchas, transm. correia I injeção eletrônica

Night Dragon Dianteiro 100/90-19” ou ME888 Traseiro 160/70B17

Cilindrada Potência máxima Torque máximo Quadro Suspensão dianteira Suspensão traseira Freio dianteiro Freio traseiro

Harley-Davidson Q Breakout

1 585 cm³ nd 11,9 kgf.m a 3 250 rpm Tubular de aço Garfo telescópico Duplo amortecedor Disco Disco

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Bicilíndrico em V I 4T I arrefecimento a ar I 6 marchas, transm. correia I injeção eletrônica

Dianteiro 130/60-21” Traseiro 240/40R18

Cilindrada Potência máxima Torque máximo Quadro Suspensão dianteira Suspensão traseira Freio dianteiro Freio traseiro

Harley-Davidson Q Roadster

1 690 cm³ nd 11,8 kgf.m a 2 750 rpm Tubular de aço Garfo telescópico Monoamortecedor Disco Disco

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Bicilíndrico em V I 4T I arrefecimento a ar I 6 marchas, transm. correia I injeção eletrônica

Night Dragon Dianteiro 100/90-19” ou ME880 Traseiro 150/80B16

m 160 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Cilindrada Potência máxima Torque máximo Quadro Suspensão dianteira Suspensão traseira Freio dianteiro Freio traseiro

1 202 cm³ nd 9,6 kgf.m a 4 000 rpm Tubular de aço Garfo telescópico Monoamortecedor Disco Disco


Harley-Davidson Q Fat Boy I Special

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Bicilíndrico em V I 4T I arrefecimento a ar I 6 marchas, transm. correia I injeção eletrônica

Night Dragon Dianteiro 140/70ZR17 ou ME880 Traseiro 200/55ZR17

Cilindrada Potência máxima Torque máximo Quadro Suspensão dianteira Suspensão traseira Freio dianteiro Freio traseiro

Harley-Davidson Q Softail Deluxe

1 690 cm³ nd 12,44 kgf.m a 3 250 rpm Tubular de aço Garfo telescópico Monoamortecedor Disco Disco

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Bicilíndrico em V I 4T I arrefecimento a ar I 6 marchas, transm. correia I injeção eletrônica

Night Dragon Dianteiro 130/90B16 ou ME888 Traseiro 180/70R16

Cilindrada Potência máxima Torque máximo Quadro Suspensão dianteira Suspensão traseira Freio dianteiro Freio traseiro

1 690 cm³ nd 12,44 kgf.m a 3 250 rpm Tubular de aço Garfo telescópico Monoamortecedor Disco Disco

Indian Q Scout Bicilíndrico em V I 4T I arrefecimento a água I 6 marchas, transm. correia I injeção eletrônica

Night Dragon Dianteiro 130/90B16 ou ME888 Traseiro 150/80B16

Cilindrada Potência máxima Torque máximo Quadro Suspensão dianteira Suspensão traseira Freio dianteiro Freio traseiro

1 133 cm³ nd 9,96 kgf.m a 5 900 rpm Estrutura mista alumínio/aço Garfo telescópico 120 mm Duplo amortecedor 76 mm Disco de 298 mm ABS Disco de 298 mm ABS

Indian Q Chief Classic Bicilíndrico em V I 4T I arrefecimento a ar I 6 marchas, transm. correia I injeção eletrônica

Night Dragon Dianteiro 130/90B16 ou ME888 Traseiro 180/65B16

Cilindrada Potência máxima Torque máximo Quadro Suspensão dianteira Suspensão traseira Freio dianteiro Freio traseiro

1 811 cm³ nd 16,4 kgf.m Tubular de alumínio Garfo telescópico 119 mm Monoamortecedor 94 mm 2 discos de 300 mm ABS Disco de 300 mm ABS

CATÁLOGO 2017

motociclismoo 161


CUSTOM Kawasaki Q Vulcan S

Angel GT ou Roadtec Z8

Dianteiro 130/90B16 Traseiro 170/70B16

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Bicilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 8 válvulas 6 marchas, transm. corrente I injeção eletrônica Cilindrada 649 cm³ Potência máxima 61 cv a 7 500 rpm Torque máximo 6,4 kgf.m a 6 600 rpm Quadro Perimetral de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico 130 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 80 mm Freio dianteiro Disco 300 mm Freio traseiro Disco 250 mm

Suzuki Q M1800R Boulevard I Boss

Mobil 1 Racing 4T 10W-40 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40

Night Dragon Dianteiro 130/70R18 ou ME888 Traseiro 240/40VR18

Triumph Q Thunderbird Commander

Mobil 1 Racing 4T 10W-40e 4T 15W-50 Mobil Super Moto 4T MX Power 10W40 e MX Extreme 15W-50

Metzeler ME880

Bicilíndrico em V I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 8 válvulas 5 marchas, transm. cardã I injeção eletrônica Cilindrada 1 783 cm³ Potência máxima 125 cv a 6 200 rpm Torque máximo 16,31 kgf.m a 3 200 rpm Quadro Tubular de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico Invertido Suspensão traseira Monoamortecedor Freio dianteiro 2 discos Freio traseiro Disco

Dianteiro 140/75ZR17 Traseiro 200/50ZR17

Bicilíndrico em linha I 4T I arrefecimento a água, DOHC I 8 válvulas 6 marchas, transm. cardã I injeção eletrônica Cilindrada 1 699 cm³ Potência máxima 94 cv a 5 408 rpm Torque máximo 15 kgf.m a 3 350 rpm Quadro Tubular de aço Suspensão dianteira Garfo telescópico 120 mm Suspensão traseira Duplo amortecedor 108,5 mm Freio dianteiro 2 discos de 310 mm Freio traseiro Disco de 310 mm

Yamaha Q Midnight Star

Metzeler ME888

m 162 motociclismo

CATÁLOGO 2017

Dianteiro 140/75ZR17 Traseiro 170/70B16

Mobil 1 Racing 4T 15W-50 Mobil Super Moto MX Extreme 15W-50

Bicilíndrico em V I 4T I arrefecimento a ar, OHC I 8 válvulas 5 marchas, transm. correia I injeção eletrônica Cilindrada 942 cm³ Potência máxima 53,5 cv a 6 000 rpm Torque máximo 7,83 kgf.m a 3 000 rpm Quadro Berço duplo Suspensão dianteira Garfo telescópico 135 mm Suspensão traseira Monoamortecedor 110 mm Freio dianteiro Discos de 320 mm Freio traseiro Disco de 298 mm


pirelli.com/moto

Respeite a sinalização de trânsito.

DESAFIE AS LEIS DA FÍSICA. E DA ECONOMIA.

A MELHOR OPÇÃO PARA SUA MOTO DE MÉDIA CILINDRADA

MEDIDAS TAMBÉM DISPONÍVEIS PARA: Honda CBR 250R, Honda CB 300R, Yamaha R3, Kawasaki Ninja 250R, Kawasaki D-Tracker 250, Suzuki Inazuma 250, Kasinski Comet 250R, Dafra Roadwin 250R. Foto: Kawasaki Ninja 300 com Equipamento Original Diablo Rosso II nas medidas 110/70 R 17 dianteiro e 140/70 R 17 traseiro.

EI

RO

PNEU R AD

PR I

BR

SI

L

A

F

EQUIPAMENTO ORIGINAL DAS MOTOCICLETAS: Kawasaki Ninja 300, Kawasaki Z300, KTM Duke 390, KTM Duke 200, Dafra Next 250, Honda CB 250F Twister.

M

L IA

MAIS DURABILIDADE. MAIS SEGURANÇA. MAIS PERFORMANCE.

I CA

A D O N O BR


164 motociclismo

JUNHO 2014

Profile for Motor Midia

Motocatálogo 2017  

New
Advertisement