Page 1

Texto Dom Phillips Fotos Christian Gaul Tratamento de imagens Jujuba Digital Agradecimentos Nuth Lounge (Cláudio Albuquerque)

JESUS LUZ

58 abril/maio 2010

“acho que me vêem como alguém que sabe aproveitar as oportunidades da vida. As pessoas não me conhecem e rola muito julgamento. Não conhecem tanto minha personalidade.”

www.mixmag.com.br


O RAPAZ

JESUS LUZ

POR TRÁS DA

POLÊMICA O CARNAVAL DE 2010 deve ter sido uma experiência surreal para Jesus Luz. O carioca de 23 anos acomodou-se como VIP dos VIPs no camarote da Sapucaí, com uma cartola cintilante na cabeça. Estava ao lado da namorada, uma certa Madonna, de 51 anos, que segurava Mercy James, sua filha malauiana adotada, nos braços. Sérgio Cabral, governador do Rio, gritava na orelha de Madonna enquanto esta acenava um copo de vinho para a multidão. Dilma Rousseff, candidata à presidência, Eduardo Paes, o prefeito do Estado, e Lourdes, a filha mais velha de Madonna, completavam a turma VIP. Alguém duvida que Jesus estava perplexo?

P

ouco mais de um ano antes disso, Jesus era um modelo desconhecido que morava com a avó no bairro de Humaitá, no Rio. Saía de casa quando conseguia juntar algum dinheiro, não tinha carro e nunca havia namorado uma celebridade. Tudo mudou em dezembro de 2008 ao ser selecionado para participar de um shoot pela revista americana de moda W, no Rio. O fotógrafo era o famoso Steven Klein. O foco, Madonna, no meio da turnê Sticky & Sweet. O clima das fotos era quente. De pegação. Uma química rolava na frente e atrás da câmera. Um namoro inesperado rolou. A vida de Jesus mudou para sempre. Ficou famoso no mundo inteiro. E Jesus nunca falou nada a esse respeito. “Acredito na força de atração das pessoas. Ali, foram duas energias que se encontraram, duas mentes conectadas”, foi seu único comentário sobre esse assunto para a revista Caras. Desde aquele dia, apesar dos boatos de separação, casamento na cabala e adoção, continua sendo o namorado de Madonna. Sua carreira como modelo, claro, cresceu. E, hoje em dia, ele é DJ, tocando em alguns dos clubs mais famosos do Brasil e fomentando notícias e polêmicas em todo lugar. As meninas gritam e tiram fotos dele. Conheceu Paul Oakenfold e Tiësto. No entanto, outros DJs o xingam de “brinquedo” de Madonna e o acusam de usar playback. Tínhamos que ir www.mixmag.com.br

atrás dessa polêmica. Esperamos até às cinco horas numa madrugada para conversar com o Jesus. Até então, ele se comunicara muito pouco com a imprensa. Sua assessoria só permitia conversas por e-mail. Mas a Mixmag solicitou uma entrevista pessoal. A sua primeira. E ele topou. “Já ouviu ele tocar? Acho que ele toca bem. Acho que ele toca muito bem.” Paul Oakenfold falando sobre Jesus Luz

O

RAPAZ por trás da polêmica chegou 15 minutos antes do horário marcado, no Nuth Club da Barra de Tijuca, no Rio. Sem paparazzi e segurança, Jesus Luz se mostrou um cara bacana e educado. Seu sotaque é bem carioca, mas sua atitude, não. Jesus sabe quem é e não está deslumbrado. Diante das câmeras é muito fotogênico. Atrás, quase reservado. “É muito fácil, com toda essa atenção, eu achar que sou melhor que alguém. Então, pra mim, é muito bom que meus amigos achem: ‘Porra, cara, você continua um cara tranquilo, humilde”. Esta entrevista apenas aconteceu depois de combinarmos não conversar sobre Madonna. Nenhum namorado de Madonna tem falado sobre seu relacionamento com ela. Regras da estrela. O namoro improvável rapidamente pegou fogo. Logo depois do shoot de W, no dia 21 de dezembro de 2008, após o último show Sticky & Sweet em São Paulo, rolou uma festa privada no Bar Secreto. Madonna, Steven Klein, Jesus, Guy Oseary (empresário de Madonna) e sua esposa brasileira, Michelle Alves, marcaram presença lá. “Madonna ficou na pista o tempo inteiro, dançando”, contou uma testemunha que trabalhou na turnê. “Ela estava com Jesus o tempo todo. Ele dançou com ela. Quando saíram da pista, ela se sentou no colo dele. Só um pouco. Eles estavam namorando. Foi romântico.” A mídia internacional não pôde resistir a essa história – a mulher mais famosa do mundo e seu namorado desconhecido, 18 anos mais novo. Jesus sabe bem a importância daquele shoot da W. “Foi um trabalho muito top. Muito importante como modelo. Me deu uma visibilidade muito grande.” Mas percebia que sua vida iria mudar?

“Todo mundo me pergunta isso. Óbvio que sentia satisfação e percebia as coisas, mas não lembro um momento em que fiquei viajando nisso. Eu fiquei mais pensando no que eu poderia fazer para poder continuar nesse ritmo. Como eu poderia evoluir - a música - que era um desejo meu”, disse. “Eu só via aquilo com uma porta.”

M

ixmag: Você é ambicioso? Jesus Luz: Tenho ambição, mas tento deixar de pensar em coisas negativas. Tento lidar com minha vida de uma forma saudável, que vá me proporcionar coisas boas. Sempre tento buscar essa balança. 

J

UNHO de 2009. A São Paulo Fashion Week começou com um show cheio de estrelas da Colcci. Nos bastidores, houve tumulto: estilistas zumbiam ao redor das modelos, que esperavam na fila arrumando suas roupas. Presos atrás de uma cerca de metal, um batalhão de fotógrafos gritava perguntas aos três astros da grife, quando estes apareceram para cinco minutos de fotos. Primeiro veio a Gisele Bündchen, garota propaganda de marca e modelo mais bem paga do mundo. O terceiro era Rodrigo Hilbert – ator de novelas e celebridade. Em segundo lugar, o Jesus Luz. Naquela noite, Jesus ofereceu outra atuação na festa privada da Colcci – dessa vez, como DJ, no clube Royal. Chegou tarde, com forte esquema de segurança - e com sua mãe. Tocou um set de electro house com dois ajudantes e a pista se animou. Era um dos astros do primeiro desfile da São Paulo Fashion Week e DJ na festa mais descolada da noite. Tinha evoluído bastante, e tudo começara graças à ligação com Madonna. Não é para menos. Dia 10 de outubro de 2009, o DJ Jesus Luz foi uma das atrações do Ceará Music Festival – com NX Zero e Cláudia Leite. O público vibrou. O DJ alemão Roman Booer, o Tocadisco, teve que alterar seu horário por causa de Jesus. Reclamou. No seu Twitter, xingou Jesus. E a polêmica começou. “Tive que mudar meu horário por causa de “Jesus”, o brinquedo de foder da Madonna, que estava querendo ser DJ tocando um CD mixado! Foda-se ele”, escreveu. Suas reclamações reverberaram pela internet. abril/maio 2010 59


JESUS LUZ

M

as o sucesso de Jesus continuou. Na noite seguinte tocou no clube Green Valley e, quando uma plateia enlouquecida elevou as mãos no ar, subiu na mesa das pick-ups, com os braços abertos em cruz. Já estava fazendo notícias sozinho, sem a Madonna. É como se ele tivesse ganhado um reality show da televisão. Mas, pelo menos, quis fazer alguma coisa com sua fama. Há meninas que participam desses shows, saem, fazem o inevitável ensaio sensual – e somem. Outras conseguem transferir sua popularidade para uma carreira nova – como a atriz e modelo Grazi Massafera, que ficou em segundo lugar do Big Brother e conquistou a afeição do público brasileiro. Será que Jesus poderia fazer a mesma coisa?

J

ESUS Luz nasceu no Rio, no dia 15 de janeiro de 1987. Cresceu em vários bairros no centro e na Zona Sul. Sua família tinha uma casa no bairro da Glória. O pai é funcionário de um hospital, a mãe, Christiane, trabalhava numa clínica de beleza em Ipanema. Ela deu à luz Jesus quando tinha apenas 15 anos. Agora tem 36, 15 a menos do que Madonna. Jesus tem dois irmãos: um de 14 e outro de 10 – Frederico e Douglas. Sua família era bem musical. “Minha família é uma família simples. Por parte de mãe, são pessoas bem trabalhadoras, bem humildes. Mas têm uma essência muito boa. São bem religiosas”, contou. “Evangélicos. Mas não é a razão de o meu nome ser Jesus, né?”, brincou. Pelo lado de seu pai, a coisa é bem diferente. “Elas têm outras influências. São pessoas que moram fora”, disse. “Eu ia pra igreja com minha avó, depois meditava ioga com minha tia. Meu pai sempre me contava seus pensamentos filosóficos. Óbvio, tinha momentos em que eu ficava meio confuso. Mas foi muito bom pro meu futuro, quando entendi mais a vida e pude conectar as coisas.” Quando tinha quatro ou cinco anos, seus pais se separaram. “Para toda criança, passar por isso é difícil. Geralmente os pais não estão num estado emocional muito bom pra administrar o do filho. Graças a Deus eles viraram grandes amigos depois, isso me ajudou muito. Meu pai veio no meu aniversário, junto com a minha mãe. Ele foi com a esposa dele, minha mãe, com o namorado dela.”  60 abril/maio 2010

M

ixmag: Do que você gosta em uma mulher? Jesus Luz: Acho muito importante que uma mulher tenha uma vida espiritual legal e uma mente aberta. Inteligente, é obvio, também. A beleza me atrai muito. Mas não é uma coisa de que preciso. Eu tenho que sentir que eu posso confiar na pessoa. Tem que ter humor. E impossível não ter bom humor comigo. Eu sou palhaço, sabe?

S

ÃO Paulo Fashion Week, domingo, 18 de janeiro de 2009. Em poucas semanas o Jesus já havia virado um vírus na mídia internacional. Chegou para assistir ao desfile da Colcci e causou tumulto. Teve que se esconder no corredor, onde a jornalista Isabelle Mani, do site Glamurama, o achou. “Ele estava preparado para tudo que iria acontecer”, disse Isabelle. Quando Isabelle lhe perguntou sobre Madonna, Jesus disse: “Não vou falar sobre ela”. Ela ainda disse: “Ele estava nervoso com todas as pessoas na cara dele. É difícil”. Os amigos começaram a falar sobre ele. “Ele dança bem. Gosta de hip hop e de música eletrônica”, comentou Verena Sanchez, uma amiga da cena das baladas descoladas do Rio. Jesus saía muito. “Ele gosta de música eletrônica, esporte, praia e balada”, contou Sérgio Mattos, gerente da agência de modelos 40 Graus, que descobriu o Jesus. Como carioca, conheceu bem o outro lado do Rio – as favelas. “Tinha amigos que moravam na favela e, às vezes, quando era criança, eu ia na casa de algum deles e ouvia tiros”, disse. “É bem difícil a gente lidar com essa realidade. Você tem aquele luxo todo ali e, quando olha no outro lado, vê a miséria total na favela.” Jesus estudou hotelaria numa universidade particular. Fez um curso de teatro de seis meses – na prestigiosa Casa das Artes de Laranjeiras. Com 18 anos, foi para Nova Iorque para aprender inglês. Morou seis meses com a irmã caçula do pai. “Eu fiquei tonto quando cheguei na cidade. Olhava muita energia”, disse. “Eu tinha essa vontade de sair do Brasil, conhecer outros lugares.” No Rio, de novo, trabalhou na Osklen como vendedor, como promotor de eventos e com um tio que tem uma empresa de transportes. “Fiz bastantes coisas aleatórias.” Quando conheceu Madonna, morava com a avó na Humaitá. Saía se estivesse trabalhando, ou ficava em casa. Não tinha carro. “Meu pai tinha carro, mas raramente ele me levava em www.mixmag.com.br


JESUS LUZ

“Minha família é uma família simples. Por parte de mãe, são pessoas bem trabalhadoras, bem humildes. Mas têm uma essência muito boa. São bem religiosas”, contou. “Evangélicos. Mas não é a razão de o meu nome ser Jesus”

www.mixmag.com.br

abril/maio 2010 61


JESUS LUZ algum lugar.” Ele decidiu, então, tentar uma carreira de modelo. “Sempre me falavam, ‘Oh, você tem um perfil bom. Tenta conseguir um agente’.” Sérgio Mattos, da agência carioca 40 Graus, ouviu falar de Jesus depois que sua assistente encontrou a mãe, Cristiane, no salão de beleza em Ipanema, onde ela trabalhava como colorista. Christiane falou sobre seu filho bonitão. 40 Graus fechou com Jesus. Desfilou pela grife Reserva. Em fevereiro de 2008, fez seu primeiro shoot editorial para Cabeleireiros.com. A produtora de shoot era Bianca Jahara, colunista da Mixmag. “Ele estava tentando ter uma carreira como modelo há muito tempo”, ela contou. “Ele é quase tímido, tinha muita vontade de trabalhar, nunca reclamou de nada.” No outono de 2008, fez seu primeiro – e único – trabalho como ator, no seriado “As Pegadoras” do Multishow - um seriado “erótico”. Jesus fez um papel pequeno de namorado bêbado, cuja namorada o trai numa festa enquanto este dormia. Ele não tinha nenhuma fala. Apesar disso, a vida de modelo estava indo, mas devagar. “Tava indo mais ou menos.” Jesus teve várias namoradas. “Sempre gostei de namorar”, contou. “Eu ficava muito quando era mais adolescente. Quando fiquei mais velho precisava de uma presença feminina que me trouxesse alguma coisa a mais. Sempre gostei de estar numa relação. Namorei dois anos, namorei seis meses.” E teve namoradas mais velhas. “Uma das minhas namoradas tinha 20 anos. Fiquei um tempo também com uma garota que tinha 30 e poucos. É difícil você conhecer uma garota nova que tenha uma cabeça madura. Então namorei mais velhas. Com mais maturidade.”

J

ANEIRO de 2010. Na São Paulo Fashion Week, Jesus desfilou pela Ellus e tocou de novo no clube Royal, em São Paulo – dessa vez, sem ajudantes. Mixmag estava lá e curtimos um show profissional. Ele melhorou bastante. No Nuth Club, explicou por que virou DJ. Cresceu com rock e descobriu a música eletrônica aos 15 anos quando um amigo lhe enviou um remix de Tiësto. “Foi aí que eu descobri esse mundo”, disse. “Sempre tive amigos DJs, sempre curti muito música eletrônica, queria ir a eventos, festivais, raves, festas privadas, tudo que tivesse música eletrônica.” Gosta de Paul Oakenfold, Tiësto, Deadmau5, Daniel Portman e Wolfgang Gardner. Toca electro house e progressive house, mas curte um pouco de tudo. Madonna já lhe deu alguns conselhos sobre música? “Não. É uma parte minha, mesmo. Eu é que busco mais isso.” Preferia raves na natureza. “Adorei quando conseguiram juntar o prazer de estar na natureza e a festa ao mesmo tempo, sabe? É diferente de uma festa numa boate fechada, bebendo, fumando cigarro, naquele clima de pegação...” Quando ia aos eventos de música eletrônica, Jesus encontrava drogas. “Eu já experimentei drogas, não vou negar”, admitiu. “Mas não foi uma coisa que me deslumbrou nem fez a minha cabeça, sabe? Falei, ‘Nossa, não é pra mim.’ É um risco muito grande que o jovem corre de experimentar - o famoso usuário que usa de vez em quando, só umazinha. Tenho muitos exemplos de amigos que começaram brincando e ficaram presos 62 abril/maio 2010

O próprio Paul Oakenfold também gosta de Jesus. “Em alguns shows, ele ficava atrás de mim e assistia. Nos after-parties, tocamos juntos e eu lhe dei dicas”, disse ao telefone de Los Angeles, onde mora. Ensinou o novo DJ. “Ele tem vontade de escutar e aprender. Acho que ele vai ser um sucesso. Tem a atitude certa, a personalidade certa e bom gosto musical.” Na turnê, observou o casal novo. “Eles estão próximos. Você não pode fuçar, mas parecem bem felizes e isso é o mais importante.” “Hoje o mercado mudou completamente. Música eletrônica virou ‘mainstream’. O DJ virou ‘commodity’. Houve uma banalização da cultura DJ. Com a tecnologia, qualquer pessoa, na teoria, vira DJ. Agências e DJs consagrados tiveram que reinventar o conteúdo para se manter relevantes no mercado.” Edo Van Duyn, sócio da agência de DJ 3Plus, a maior do Brasil, em seu discurso na conferência Summer Music, na Pacha São Paulo, janeiro de 2010. 

V nisso. E, graças a Deus, eu tive a cabeça no lugar.” Experimentou ecstasy? “Eu já experimentei. Mas foi assim: ‘Tá legal, não é pra mim.’ Eu sou muito atleta, sempre gostei muito de correr, malhar, esporte, então não combina comigo.” Em 2009, morando em Nova Iorque com Madonna, fez um curso de DJ. “Eu sempre quis tocar, mas não tinha condições de investir”, disse. “Fiz um curso básico de uns três meses lá, numa escolinha de DJ, produção e mixagem, onde eu aprendi o básico.” Seu amigo Beto Mota, que o conhece desde que era adolescente, é DJ. “Eu ia tocar em festas, ele ficava olhando, porque ele gostava, e ficava perguntando: ‘Como faz isso?’ Eu ensinava tudo”, contou Beto. “Hoje em dia é o contrário, ele tá me ensinando. Ele tinha uma noçãozinha. Fez um curso. Voltou. Treinou muito e evoluiu rápido.”

A

GOSTO de 2009. A turnê da Madonna foi para o leste da Europa. Jesus foi junto e agarrou a oportunidade de aprender com o DJ que abria os shows de Madonna, Paul Oakenfold. “Eu vi a energia de um DJ tocando, como as pessoas gostam, eu fiquei admirado”, disse Jesus. “O Paul é um cara centrado. Ele me deu muita atenção. Até hoje troco e-mails com ele.”

AMOS examinar a polêmica do playback. O Jesus toca com Ableton Live – aprendeu o programa de computador que ajuda a melhorar as possibilidades da mixagem no seu curso em Nova Iorque – e também toca com CD. “Eu poderia tocar com CD numa boa, mas eu prefiro tocar com computador pela qualidade, pelos recursos. Rolou uma coisa num evento, acho que ele [Tocadisco] teve que esperar uma meia hora pra tocar. Eu recebo críticas e estou aberto a elas”, disse. Mas ele faz playback ou não? “Depende do que é playback. Faço os dois. Às vezes eu toco um set mixado no computador e passo para o CD, às vezes toco o CD. Agora tô usando mais o controlador do Ableton”, falou. “Muitos DJs fazem isso.” Ele tem razão. DJs consagrados, como Pete Tong e Sasha, também usam Ableton – descartaram o vinil uns anos atrás. Com o Ableton, o computador pode alinhar tudo. Dá pra fazer um remix na hora. “Posso citar muitos DJs que começaram tocando no Ableton e que antes disso não faziam a melhor mixagem do mundo”, contou Oakenfold. Acha que a polêmica é fruto da inveja. “Não conheço nenhum DJ no mundo que não tem alguma coisa preparada.” Nas pick-ups do Nuth, Jesus mostrou uma mixagem especialmente para Mixmag. Começou tocando uma música em seu notebook, no Ableton: electro house, batida forte. Fez uma mixagem para um CD - uma mixagem boa, nada desafinada e batida em harmonia. Agora precisa mostrar que ele mesmo está tocando para todo mundo. Para ele, a maior satisfação vem da criação de uma música. Jesus já viu a pista vibrar com sua primeira faixa, “We Came From Light” e adorou. “Não é tão difícil você mixar. O desafio maior é na hora de criar a música, fazer a produção”, disse. “Quero produzir música que mexa com a alma das pessoas.” Ninguém pode hoje em dia ignorar o poder das celebridades. Nem Tocadisco, que ganhou uma nova fama quando atacou o Jesus. Na última edição de Mixmag, Tocadisco disse que queria fazer um papel no próximo filme de Quentin Tarantino. www.mixmag.com.br


JESUS LUZ Talvez os atores profissionais que estão dedicando anos em suas carreiras odeiem o fato de que um DJ agora queira virar ator. Ou seja, Tocadisco gostaria de usar sua fama como DJ para começar uma outra carreira, a de ator. O Jesus está usando sua fama como modelo e celebridade também para começar uma outra carreira, como DJ. Qual é a diferença? “O que as pessoas falam é um reflexo de um conflito delas mesmas”, disse Jesus. “Eu não acho que foi muito pra mim.” Como Edo van Duyn falou, um DJ hoje tem que ser mais do que apenas uma pessoa que toca bem. David Guetta é um bom exemplo: ele é DJ, produtor e celebridade. Nesse sentido, Jesus Luz é um DJ moderno – é uma celebridade que toca e está começando a produzir. Os DJs que haviam dedicado anos em suas carreiras talvez odeiem esse modelo que, de repente, está no topo do ranking. Mas desde o início do acid house (como se chamava a música eletrônica, na Inglaterra, em 1987), ambição e capacidade de aproveitar as oportunidades da vida faziam tanto parte do negócio quanto o talento. “Todos nós viemos de famílias de trabalhadores. Todo mundo trabalhava pra caramba”, disse Oakenfold, que era vendedor de roupas e cozinheiro antes de virar DJ. “Éramos caras da classe trabalhadora que

www.mixmag.com.br

tinham uma paixão e queriam sucesso. É por causa disso que eu me identifico com Jesus.”

C

om exceção do DJ Marky, que virou sucesso na Europa com drum n’ bass, o Brasil ainda não produziu um verdadeiro superstar DJ internacional, apesar de ter grandes DJs, como Mau Mau. “Um dos maiores problemas que ele enfrentará é a inveja. Mas ele tem força e personalidade suficiente e vai conquistar isso”, finalizou Paul Oakenfold. “O Brasil deveria ter orgulho dele.” Pois é. E a Madonna? Colocou o namorado no clipe de seu hit “Celebration”, em que ele fez papel do DJ e ganhou uns beijos. Mas Madonna ainda não marcou sua presença – e tudo o que isso significaria – em nenhum show dele no Brasil. Ela estava em seu hotel no Rio, no dia 12 de fevereiro, quando Jesus tocou na festa Vivo Rio, depois do astro francês Bob Sinclar – com o mesmo estilo de carreira que Guetta, outro DJ moderno que brinca muito com essa noção de celebridade. Quando o Jesus estava pronto para tocar, o sistema de som falhou. No lugar da música, houve silêncio, e depois vaias. A pista esvaziou. Jesus se recuperou. Dias após, Madonna foi embora e ele tocou na segunda noite no camarote da Sapucaí. A pista parou, o público tirou fotos – e começou a dançar. Na noite seguinte, o camarote de Salvador vibrou com o som de Jesus. Em abril, ele lança seu primeiro CD pela Warner – um mix com três musicas originais. Jesus Luz, superstar DJ – será? O mercado e o público é que vão decidir. “Muitas vezes eu pergunto pra Deus por que ele me deu tanto”, finalizou Jesus. “Mas eu acho que pode acontecer na vida de qualquer um. Eu aceito isso – tanto o sucesso até os problemas que eu passei. Eu tô aqui pra tentar. Se acontecer ou não, é porque tinha que ser assim. Eu confio muito nisso. Tenho que confiar. É importante para eu manter minha autoconfiança.”

abril/maio 2010 63

Jesus Luz - o Rapaz por Trás da Polêmica  

Matéria Exclusiva produzida pela Mixmag Brasil

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you