Page 1


Projeto Gráfico e Editoração – Márcio Bertachini Digitação – Leontina Lobianco

Composição – 2012 Revisão – 2016 Atibaia – São Paulo

ministerioescrito@hotmail.com wattpad.com/user/CRISTOescrito


Referências As citações bíblicas foram extraídas da Edição Revista e Corrigida (ERC) da Sociedade Bíblica do Brasil de 1994, salvo menção específica: ERA (Edição Revista e Atualizada da SBB de 1997); NTLH (Nova Tradução na Linguagem de Hoje da SBB de 2000); SBTB (Edição Corrigida e Revisada Fiel ao Texto Original da Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil de 1995). As citações bíblicas com “duplas” aspas são literais (como em “Persiste em ler” na ERC), enquanto as com aspas ‘simples’ são uma adaptação do texto original (como em ‘persistindo em ler’). Os textos demarcados por [colchetes] dentro das citações bíblicas são acréscimos do autor para uma melhor compreensão do texto. Os verbetes enfatizados foram consultados no Dicionário Brasileiro Melhoramentos, 4ª Edição, de 1968. O texto grego do Novo Testamento examinado foi o da “Trinitarian Bible Society, England, 1987 – H KΑINH ΔIAΘHKH”.


Imagens da capa

Maquete do propiciatório da arca do concerto Tampo em madeira pintado em dourado Querubins em massa caseira de ‘biscuit’ pintado em dourado, modelados por Lourdes Bertachini.


Tudo serรก medido pelo padrรฃo do Santuรกrio


Índice

Prólogo

A sequência da montagem do tabernáculo Sua tripla divisão

A Arca

9

10 15

18

As 4 argolas

20

As duas varas

21

O Véu – O 1º impedimento

22

O Propiciatório – O 2º impedimento

24

O Maná, a Lei e a Vara florescida

28

Os dois anjos do propiciatório

37

A Mesa com os pães

39


O Candelabro

44

Atai a vítima da festa... levai-a!

46

As prescrições da Páscoa

48

O endurecimento de Israel e seus ramos

54

A desconcertante escolha de Caifás

57

O Altar do Incenso O Sangue e a Nuvem

O Altar do Holocausto Cobre ou Bronze?

O Dia da Expiação

60 64

68 68

72


Prólogo O presente trabalho é parte do Livro “O Princípio da Substituição dos Mordomos desde a Esfera Celeste”, também exposto em ‘Clube de autores’. Agimos assim, pois sabemos do profundo interesse a respeito da mais impressionante simbologia usada por Deus, e apesar de tantos estudos já propagados por inúmeros autores pelos séculos de vivência cristã, o leitor e leitora verificarão que sempre ainda resta algo a aprender, tamanha força desta sombra. O estudo que fazemos tem um objetivo nobre. Analisando o templo do Senhor nos seus pormenores, poderemos aquilatar a grandiosidade da Graça, do caráter e da sabedoria de nosso Deus, proposta em Cristo. No dia de nossa angústia, teremos onde nos esconder, no Templo, “como âncora da alma segura e firme, e que penetra até ao interior do véu” (Hb 6.19), e onde descansar, na Rocha: Cristo.

9


A sequência da montagem do Tabernáculo Tenhamos uma visão panorâmica do templo em primeiro lugar, sob uma descrição do Novo Testamento, coisas estas que ‘foram escritas para nosso proveito’.

“Porque um tabernáculo estava preparado, o primeiro, em que havia o candeeiro e a mesa, e os pães da proposição; ao que se chama o santuário. Mas depois do segundo véu estava o tabernáculo que se chama o santo dos santos. Que tinha o incensário de ouro, e a arca do concerto, coberta de ouro toda em redor: em que estava um vaso de ouro, que continha o maná, e a vara de Aarão, que tinha florescido; e sobre a arca os querubins da glória, que faziam sombra no propiciatório...” (Hb 9.2-5), das quais coisas falaremos agora pormenorizadamente. Aqui, o escritor de Hebreus visa somente a parte coberta do tabernáculo, que é dividida em duas partes pelo véu. A parte externa da tenda que ficava ao relento foi omitida propositalmente, onde continha o altar do holocausto e a pia de cobre. Ele omite este detalhe, pois espera dos Hebreus, a quem se dirige, “coisas melhores, e coisas que acompanham a salvação” (Hb 6.9). Ele não quer ‘lançar de novo o fundamento do arrependimento de obras mortas e de fé em Deus’, mas que ‘deixem os rudimentos da doutrina de Cristo, e prossigam até a perfeição’ (Hb 6.1). É isto também uma realidade para você, irmão e irmã em Cristo? Como tudo na Escritura, todos os utensílios têm uma finalidade, e a forma como foram dispostos não é aleatório. Já dissemos que a constituição deste tabernáculo é segundo um modelo visto por Moisés no Monte Sinai, como está escrito: “E me farão um santuário, e habitarei no meio deles. Conforme a tudo a que eu te mostrar para modelo do taberná10


culo, e par a modelo de todos os seus vasos, assim mesmo o fareis” (Êx 25.8-9). Todos os componentes aqui descritos se encontram no santuário celestial, naquela antecipação de Deus, quando Ele já tinha por objetivo substituir os Ministros revoltosos por ministros de carne e que necessitariam de perdão e purificação no seu devido tempo para poderem adentrar com “ousadia no santuário, pelo sangue” (Hb 10.19). O Tabernáculo erigido tinha como função primordial intermediar o relacionamento entre Deus e o seu povo, através dos sacerdotes levíticos que apresentariam “dons e sacrifícios pelos pecados... a favor dos homens...” (Hb 5.1). Lembre-se de que vimos um tabernáculo celestial contaminado pelo pecado de Lúcifer, e que precisava ser purificado, da mesma maneira que seriam purificados os ministros substitutos, que também foram contaminados pelo mesmo anjo caído. Para os anjos não houve perdão, por isto a Palavra de Deus diz: “Porque, na verdade, ele não tomou os anjos, mas tomou a descendência de Abraão. Pelo que convinha que em tudo fosse semelhante aos irmãos, para ser misericordioso e fiel sumo sacerdote naquilo que é de Deus, para expiar os pecados do povo. Porque naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados” (Hb 2.1618). Como aprouve a Deus socorrer ao homem em pecado, para que este fosse purificado e assim habilitado para a substituição prevista, alguém teria de oferecer aquilo que o homem tinha de mais nobre: a vida. “Pois o salário do pecado é a morte” (Rm 3.23). Por isto está escrito dele: “Pelo que, entrando no mundo, diz: Sacrifício e oferta não quiseste, mas corpo me preparaste; holocaustos e oblações pelo pecado não te agradaram. Então disse: Eis aqui venho... para fazer, ó Deus, a tua vontade” (Hb 10.5-7).

11


Um corpo seria preparado ao Filho de Deus, para que pudesse experimentar a morte pelo homem, e com seu sacrifício purificasse todos os que nele viessem a crer. Pois o princípio da substituição é: “vida por vida, olho por olho, dente por dente, mão por mão, pé por pé” (Dt 19.21). “Mas, antes que a fé viesse, estávamos [os judeus, pois Paulo se inclui] guardados debaixo da lei, e encerrados para aquela fé que se havia de manifestar. Mas a Escritura encerrou tudo debaixo do pecado, para que a promessa pela fé em Jesus Cristo fosse dada aos crentes. De maneira que a lei nos serviu de aio [ou instrutor], para nos conduzir a Cristo, para que pela fé fôssemos justificados” (Gl 3.22-24). A lei e todas as “ordenanças de culto divino” dadas a Israel eram o meio instrutor, a preparação, a condução, a sombra que viria ser a luz, e que seria propagada não só para Israel, mas para o mundo todo, visto a rejeição de Israel. Tudo que há no tabernáculo, tanto utensílios inanimados como os ofertantes, representam a Cristo que viria. Analisemos então a sombra, a começar pela ordem Divina na montagem do tabernáculo. “E aconteceu no mês primeiro, no ano segundo, ao primeiro do mês, que o tabernáculo foi levantado; porque Moisés levantou o tabernáculo, e pôs as suas bases, e armou as suas tábuas, e meteu nele os seus varais, e levantou as suas colunas; e estendeu a sua tenda sobre o tabernáculo, e pôs a coberta da tenda sobre ela, em cima, como o Senhor ordenara a Moisés. E tomou o testemunho e pô-lo na arca, e meteu os varais à arca; e pôs o propiciatório sobre a arca, em cima. E levou a arca ao tabernáculo, e pendurou o véu da cobertura, e cobriu a arca do testemunho, como o Senhor ordenara a Moisés. Pôs também a mesa na tenda da congregação, ao lado do tabernáculo para o norte, fora do véu. E sobre ela pôs em ordem o pão perante o Senhor, como o Senhor ordenara a Moisés. Pôs também na tenda da congregação o castiçal defronte 12


da mesa ao lado do tabernáculo para o sul, e acendeu as lâmpadas perante o Senhor, como o Senhor ordenara a Moisés. E pôs o altar de ouro na tenda da congregação, diante do véu. E acendeu sobre ele o incenso de especiarias aromáticas, como o Senhor ordenara a Moisés. Pendurou também a coberta da porta do tabernáculo, e pôs o altar do holocausto à porta do tabernáculo na tenda da congregação, e ofereceu sobre ele holocausto e oferta de manjares, como o Senhor ordenara a Moisés. Pôs também a pia entre a tenda da congregação e o altar, e derramou água nela, para lavar. E Moisés, e Aarão e seus filhos lavaram nela as suas mãos e seus pés. Quando entravam na tenda da congregação, e quando chegavam ao altar, lavavam-se, como o Senhor ordenara a Moisés. Levantou também o pátio ao redor do tabernáculo e do altar, e pendurou a coberta da porta do pátio. Assim Moisés acabou a obra” (Êx 40.17-33). Todas as vezes que o tabernáculo era desmontado e montado nas suas constantes andanças pelo deserto, a sequência não podia ser alterada. Começa pela arca dentro do lugar Santíssimo, que representa a habitação celeste, e vai indo até chegar ao relento, lugar do homem, onde estava o altar do holocausto e a pia de cobre. “Não há ninguém que busque a Deus” (Rm 3.11). “Nós o amamos a ele porque ele nos amou primeiro” (1 Jo 4.19). A sequência de dentro para fora representa Deus vindo em nosso socorro, e Sua busca é segundo a Sua vontade e segundo os Seus meios. O relento representa a situação do homem perante Deus: “um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu” (Ap 3.17). “E não há criatura alguma encoberta diante dele; antes 13


todas as coisas estão nuas e patentes aos olhos daquele com quem temos de tratar” (Hb 4.13). É aí que o cordeiro é sacrificado em favor dos homens. O altar do holocausto está dentro do pátio, porém descoberto, às intempéries da vida. O “Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (Jo 1.29), se quisesse participar da natureza humana, tinha de participar com todos os seus elementos: sol, chuva, frio, calor. “E, visto como os filhos participam da carne e do sangue, também ele participou das mesmas coisas” (Hb 2.14). “Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado” (Hb 4.15).

14


Sua tripla divisão As três divisões do tabernáculo significam várias coisas simultaneamente. Ela tem relação com o próprio Deus, por abranger Ele três Pessoas distintas, porém idênticas. O Santo dos Santos, lugar da habitação da Glória do Senhor, tem a ver com a pessoa do Pai. “Então a nuvem cobriu a tenda da congregação, e a Glória do Senhor encheu o tabernáculo: de maneira que Moisés não podia entrar na tenda da congregação porquanto a nuvem ficava sobre ele, e a glória do Senhor enchia o tabernáculo” (Êx 40.34-35). Depois do lugar Santíssimo, separado pelo véu, o lugar Santo corresponde ao Filho, como veremos em breve. O pátio externo, em que qualquer homem podia se achegar, é o lugar de atuação do Espírito Santo, representando o mundo perdido. “... se eu não for, o Consolador não virá a vós... E, quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, e da justiça e do juízo” (Jo l6.7-8). A tripla divisão também revela o nome completo de Jesus. No Santo dos Santos Ele é o Senhor. A arca, que veremos a seguir, está rodeada da glória do Senhor. No lugar Santo, vê -se o homem Jesus. “Eu sou a luz do mundo” e “Eu sou o pão da vida” (Jo 8.12; 6.14), simbolizados pelo candelabro e pelos pães da proposição. O altar do incenso fala da oração eficaz do homem Jesus, atendida pelo Pai, e também da sua ressurreição, comentada mais a frente. “E Jesus levantando os olhos para o céu, disse: Pai, graças te dou, por haveres me ouvido. Eu bem sei que sempre me 15


ouves, mas eu disse isto por causa da multidão que está em redor, para que creiam que tu me enviaste” (Jo 11.41-42). No pátio, Ele é o Cristo. A designação Cristo significa “o enviado, o messias, o ungido” para determinada tarefa. O objetivo final de Cristo é se oferecer na cruz. É o altar do holocausto que representa o ofício maior de Cristo. “Expondo e demonstrando que convinha que o Cristo padecesse e ressuscitasse dos mortos. E este Jesus, que vos anuncio, dizia ele, é o Cristo” (At 17.3). “Agora a minha alma está perturbada; e que direi eu? Pai, salva-me desta hora; mas para isto vim a esta hora” (Jo 12.27). Eis o nome completo do Filho de Deus, mostrando sua Divindade, sua Humanidade e seu Ofício: Senhor Jesus Cristo. “Graças damos a Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo” (Cl 1.3). A divisão tripla representa também o homem regenerado como templo cheio do Espírito Santo. “E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo, sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo” (1 Ts 5.23). “Não sabeis vós que sois o templo de Deus, e que o Espírito de Deus habita em vós?” (1 Co 3.16). A mesma divisão que representa o homem regenerado, representa o processo de salvação do homem durante o tempo de sua vida. No pátio, através do altar do holocausto e da pia de cobre, vemos a justificação do homem em Cristo. No Santo, o processo de santificação pelo alimento do pão, pela iluminação do candelabro e pela constante oração e advocacia 16


simbolizadas pelo incenso. No Santíssimo, a redenção ou glorificação, destino eterno dos redimidos pelo Senhor. “Mas vós sois Dele, em Jesus Cristo, o qual para nós foi feito sabedoria, e justiça, e santificação e redenção” (1 Co 1.30). Também podemos relacionar as três divisões com a obra consumada de Cristo, sua redenção, reconciliação e propiciação. Passemos então para a mobília santa. Conforme a sequência na montagem do tabernáculo, começaremos pelo lugar Santíssimo.

17


A Arca

No Santíssimo encontramos a arca do testemunho, ou arca da aliança.

“Também farão uma arca de madeira de cetim: o seu comprimento será de dois côvados e meio, e a sua largura dum côvado e meio, e dum côvado e meio a sua altura. E cobri-la-ás de ouro puro, por dentro e por fora a cobrirás: e farás sobre ela uma coroa de ouro ao redor; e fundirás para ela quatro argolas de ouro, e as por ás nos quatr o cantos dela: duas argolas num lado dela, e duas argolas noutro lado dela. E farás varas de madeira de cetim, e as cobrirás com ouro, e meterás as varas nas argolas, aos lados da arca, para se levar com elas a arca. As varas estarão nas argolas da arca, não se tirarão dela. Depois por ás na ar ca o testemunho, que eu te darei” (Êx 25.10-16). A arca feita em madeira e revestida em ouro fala claramente da humanidade de Cristo e sua realeza. De Jesus se diz: “Porque foi subindo como renovo perante ele, e como raiz duma terra seca; não tinha parecer nem formosura; e, olhando nós para ele, nenhuma beleza víamos para que o desejássemos. Era desprezado, e o mais indigno entre os homens, homem de dores, e exper imentado nos tr abalhos...” (Is 53.2-3). “O trabalho de sua alma ele verá, e ficará satisfeito... Pelo que lhe darei a parte de muitos, e com os poderosos repartirá ele o despojo...” (Is 53.11-12). “E no vestido e na sua coxa tem escrito este nome: Rei dos reis, e Senhor dos senhor es” (Ap 19.16). 18


A arca, sendo do testemunho, lembra-nos do testemunho maior de Deus. “Se recebemos o testemunho dos homens, o testemunho de Deus é maior; porque o testemunho de Deus é este, que de seu Filho testificou: quem a Deus não crê mentiroso o fez; porquanto não creu no testemunho que Deus do seu Filho deu” (1 Jo 5.9-10). Leia também João 5.30-37.

19


As quatro argolas A arca tinha também quatro argolas de ouro puro, que eram fundidas separadamente e depois fixadas nos cantos da mesma. Talvez mostre o testemunho quádruplo dos Evangelhos de Mateus, Marcos, Lucas e João. São de ouro puro, pois elevam seu testemunho humano ao patamar divino, formando a Palavra de Deus. Somente a fé pode enxergar as argolas celestes. “As quais também falamos, não com palavras de sabedoria humana, mas com as que o Espírito Santo ensina...” (1 Co 2.13). “Pelo que também damos sem cessar graças a Deus, pois, havendo recebido de nós a palavra da pregação de Deus, a recebestes, não como palavra de homens, mas (segundo é, na verdade), como Palavra de Deus, a qual também oper a em vós, os que crestes” (1 Ts 2.13). Também sabemos que “pela boca de duas testemunhas, ou pela boca de três testemunhas, se estabelecerá o negócio” (Dt l9.15). Deus fundiu quatro argolas que sustentam até hoje o testemunho da vida, morte e ressurreição de Jesus Cristo.

20


As duas varas Mas pelas quatro argolas passavam duas varas de madeira revestidas de ouro que não poderiam ser retiradas das argolas. As duas varas representam um padrão, uma mesma medida, denotando a uniformidade, a canonicidade do testemunho. Aqui há a madeira representando a parte humana com sua cobertura de ouro, que é a parte celestial, imprescindível para um testemunho coerente entre os profetas. É interessante que só as quatro pontas destas duas varas poderiam ser vistas pelo povo comum quando a arca era transportada, no demais tudo estava coberto, como veremos logo mais. “Sabendo primeiramente isto: que nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação. Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo” (2 Pe 1.21). As duas varas talvez simbolizem a verdade e o Espírito, pois “os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade” (Jo 4.23). O testemunho, mesmo sendo verdadeiro, sem o Espírito que lhe confere vida, passa a ser palavra meramente humana, carecendo do caráter e sanção divinos. “O espírito é o que vivifica, a carne para nada aproveita, as palavras que eu vos disse são espírito e vida” (Jo 6.63).

21


O Véu – O 1º Impedimento Estes elementos, no entanto, somam apenas a parte externa da arca. Seu volume e forma poderiam ser aquilatados pelo povo simples nos seus muitos momentos de viagem. Quando o tabernáculo era transportado pelo deserto, observe o cuidado do Senhor para com o símbolo de seu Filho. “Quando partir o arraial, Aarão e seus filhos virão, e tirarão o véu da coberta, e com ele cobrirão a arca do testemunho... Havendo pois Aarão e seus filhos, ao partir do arraial, acabado de cobrir o santuário, e todos os instrumentos do santuário, então os filhos de Coate virão para levá-lo; mas no santuário não tocarão para que não morram... Porém não entrarão a ver, quando cobrirem o santuário, para que não morram” (Nm 4.5,15,20). Comentaremos depois a distinção entre Aarão e seus filhos dos levitas. Observemos que os levitas que carregavam os utensílios do santuário não podiam tocar ou mesmo vê-los. Aarão e seus filhos cobriam os instrumentos santos primeiro, para depois os levitas os transportarem. Ninguém conhecia “por vista” a arca do testemunho a não ser o sumo sacerdote Aarão. É extremamente simbólico que o mesmo “véu de azul e púrpura, e carmesim, e de linho fino retorcido; com querubins de obra prima” (Êx 26.33), além de fazer “separação entre o santuário e o lugar santíssimo” (v.34), cobrisse também a arca quando transportada pelos levitas. O que impedia o acesso dos sacerdotes comuns à arca e ao seu conteúdo era o véu, “isto é, sua carne”. Conforme descrição de Hebreus 10.l9-20, 22


o véu assim disposto representa a carne de Jesus sendo oferecida por holocausto de cheiro suave ao Senhor. Se o véu fala de sua carne, a arca coberta falava de sua alma e espírito, sua essência Divina. “Dando nisto a entender o Espírito Santo que ainda o caminho do santuário não estava descoberto [ou manifestado, do grego] enquanto se conservava em pé o primeiro tabernáculo” (Hb 9.8). Apesar de ser uma ordenança de culto Divino, não passava da sombra. A primeira divisão do santuário era livre para todos os sacerdotes, mas na segunda parte só o sumo sacerdote Aarão. O que impedia era a lei, visto que estava enfer ma pela car ne que a não podia cumprir (Rm 7.14), e os “sacrifícios que quanto à consciência, não podem aperfeiçoar aquele que faz o serviço; consistindo somente em manjares, e bebidas, e várias abluções e justificação da carne, impostas até ao tempo da correção” (Hb 9.9-10). “Porque é impossível que o sangue dos touros e dos bodes tire os pecados” (Hb 10.4).

23


O Propiciatório – O 2º Impedimento Mas além deste véu que impedia que os sacerdotes enxergassem a arca, havia um outro empecilho para o próprio sumo sacerdote avistar seu conteúdo mais íntimo. Os três objetos ali depositados para testemunho, embora fossem conhecidos do povo, jamais foram vistos novamente – pelo povo, pelos levitas, pelos sacerdotes, nem pelo sumo sacerdote Aarão e nem por Moisés – depois que o peso do propiciatório de ouro puro selou a arca. Estes três símbolos escondidos na arca no Santíssimo lugar, que representava a habitação de Deus, denotam “o eterno propósito que fez em Cristo Jesus nosso Senhor” (Ef 3.11). O propósito eterno de Deus estava guardado em seu coração, esperando somente o momento oportuno para sua manifestação. Vimos que, antes mesmo de Lúcifer pecar, ele já sacrificava no altar celeste a sombra do ‘sangue conhecido ainda antes da fundação do mundo’. O contexto do Provérbio 8 que fala da sabedoria, explica a par tir do ver sículo 22: “O Senhor me possuiu no princípio de seus caminhos, e antes de suas obras mais antigas. Desde a eternidade fui ungida, desde o pr incípio, antes do começo da ter r a. Antes de haver abismo fui gerada...”; e ainda: “A sabedoria já edificou a sua casa, já lavrou as sua sete colunas. Já sacrificou as suas vítimas, mistur ou o seu vinho: e já preparou a sua mesa” (Pv 9.1-2). O Espírito Santo nos apresenta a personificação desta sabedoria. “Mas falamos a sabedoria de Deus oculta em mistério, a qual Deus ordenou antes dos séculos para nossa glória; a qual 24


nenhum dos príncipes deste mundo conheceu, porque se a conhecessem, nunca crucificariam ao Senhor da Glória” (1 Co 2.7-8). “Mas para os que são chamados, tanto judeus como gregos, lhes pregamos a Cristo, poder de Deus, e sabedoria de Deus” (1 Co 1.24). “E crescia Jesus em sabedoria, e em estatura, e em graça para com Deus e os homens” (Lc 2.52). E quais são as sete colunas lavradas em sua casa? Não seriam porventura a arca do testemunho, o propiciatório, o altar do incenso, o candelabro, a mesa dos pães da proposição, a bacia de cobre e o altar do holocausto? Assim como o tabernáculo terrestre se fundamentava nestes sete instrumentos, também o celestial, visto que é o modelo. Por isto o autor é convicto na sua explanação de que a substituição dos ministrantes celestiais é o “dedo de Deus” desde a eternidade passada. Tudo foi meticulosamente preparado, arquitetado, desenvolvido, manifestado e prestes a ser concluído. E quais as vítimas sacrificadas pela Sabedoria Eterna? Não seriam a sombra do seu sangue “conhecido ainda antes da fundação do mundo” pelo sacerdote angélico? E assim como era oculto aos sacerdotes levíticos que faziam parte da sombra, também era oculto aos anjos sacerdotes o conteúdo da arca. Este conteúdo é a personificação da misericórdia e da graça de Deus, que tanto os anjos, santos e rebeldes, como os sacerdotes humanos desconheciam. Ouça mais o que se diz daqueles que receberam a lei, e de seu pai, Moisés: “Porque não chegastes ao monte palpável, aceso em 25


fogo, e à escuridão, e às trevas, e à tempestade, e ao sonido da trombeta, e à voz das palavras, a qual os que a ouviram pediram que se lhes não falasse mais; porque não podiam suportar o que se lhes mandava: se até um animal tocar o monte, será apedrejado. E tão terrível era a visão que Moisés disse: Estou todo assombrado e tremendo” (Hb 12.18-21). lei?

Onde está a manifestação da misericórdia e da graça na

Até se um animal tocasse no monte em que se recebia a lei morreria impiedosamente apedrejado. “Quebrantando alguém a lei de Moisés, morre sem misericórdia, só pela palavr a de duas ou tr ês testemunhas” (Hb 10.28). “Todos aqueles pois que são das obras da lei estão debaixo da maldição; porque está escrito: Maldito todo aquele que não permanecer em todas as coisas que estão escritas no livro da lei, para fazê-las” (Gl 3.10). Tanto a lei se torna em maldição para o homem corrompido pelo pecado, que Jesus foi crucificado injustamente para se cumprir a lei, diante de inúmeros testemunhos falsos em seu julgamento. “Responderam-lhe os judeus: Temos uma lei, e de conformidade com a lei, ele deve mor r er , por que a si mesmo se fez Filho de Deus” (Jo 19.7). A lei só podia julgar segundo a aparência externa, e não no segredo do coração. Vê-se então que a sombra em que Israel descansava era mui sombria. Tinham uma lei que desvendava “o pleno conhecimento do pecado”, e pelo pecado “a morte”, e um sacerdócio levítico que, ‘quanto à consciência, não pode aperfeiçoar aquele que faz o serviço’.

26


Não estamos, em absoluto, dizendo que Israel não tinha salvação. A palavra de Deus é clara quanto a isto. Israel saiu do Egito como povo salvo do Senhor, mas não pela lei, mas debaixo do sangue do cordeiro colocado nas portas em sinal de fé. “E quem há como o teu povo Israel, única gente na terra, a quem Deus foi remir para seu povo...?” (1 Cr 17.21). “Crede no Senhor nosso Deus, e estareis seguros; crede nos seus profetas, e sereis prosperados” (2 Cr 20.20). “Deixe o ímpio o seu caminho... e se converta ao Senhor, que se compadecerá dele; torne para o nosso Deus, porque é grande em perdoar” (Is 55.7). O que sempre salvou, e salvará o homem, judeu ou grego, é a fé na Palavra de Deus, “sem as obras da lei”. “Mas o justo viverá da fé” (Hb 2.4 e Rm 1.17). Abramos então a arca, levantando respeitosamente o propiciatório de ouro puro, e com os olhos espirituais abertos pela fé vejamos o corpo, alma e espírito de Deus.

27


O Maná, a Lei e a Vara Florescida Se a arca, como bem se sabe, é a Pessoa de Cristo, então seus ingredientes muito mais. 1. Primeiramente o maná. “Disseram-lhe, pois: Que sinal pois fazes tu, para que o vejamos, e creiamos em ti? Que operas tu? Nossos pais comeram o maná no deserto, como está escrito: Deu-lhes a comer o pão do céu. Disse-lhes pois Jesus: Na verdade, na verdade vos digo: Moisés não vos deu o pão do céu, mas meu Pai vos dá o verdadeiro pão do céu. Porque o pão de Deus é o que desce do céu e dá a vida ao mundo... Eu sou o pão da vida; aquele que vem a mim não terá fome; e quem crê em mim nunca terá sede... Eu sou o pão da vida... Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém comer deste pão, viver á par a sempr e; e o pão que eu der é a minha carne, que eu dar ei pela vida do mundo... Porque a minha carne verdadeiramente é comida...” (Jo 6.30-58). O pão aqui representado é o corpo que seria preparado para o Filho de Deus a fim de alimentar toda a humanidade, embora primeiramente oferecido para a casa de Israel. 2. Depois vemos a Lei, em suas duas tábuas de pedra gravadas. A lei, que mostra o que o homem deveria ser, é cumprida literalmente por Jesus. “Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas: não vim ab-rogar, mas cumprir. Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nenhum jota ou til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido” (Mt 5:17-18). Se Jesus veio para cumprir a lei, e Ele veio para buscar 28


o homem jurado de morte pela lei, só lhe restava a morte como cumprimento cabal da lei. “Vemos, porém, coroado de glória e de honra aquele Jesus... para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todos” (Hb 2.9). O Senhor Jesus provou a morte que nos era devida pelos nossos pecados. A lei, portanto, ao pecador, fala de morte. Ou do próprio pecador, ou de um substituto. Louvado seja nosso Senhor Jesus, Ele escolheu ser o nosso substituto. 3. E a vara de Aarão que florescera? Se o leitor se lembra de Números 16 e 17, quando alguns levitas e rubenitas (16.1) intentaram “ocupar o sacerdócio” que era restrito aos filhos de Aarão (16.9-10), após o castigo dos rebeldes, Deus ordena que cada tribo coloque uma vara “perante o testemunho” (17.1-4), para demonstrar que “a vara do homem que eu tiver escolhido florescerá” (17:5). A vara, em toda a Escritura, reflete um símbolo de importância incomensurável, terno e poderoso. Foi com ela que Jacó multiplicou seu rebanho (Gn 30). Foi com ela que Moisés fez os sinais mais claros da autoridade e do poder de Deus ao devastar econômica e moralmente o maior império da época, o Egito. Foi com ela que este servo santo retirou água para o povo rebelde, porém sedento, pelas suas jornadas no deserto. Foi por ela que Josué venceu os amalequitas quando Moisés “levantava a mão”, numa figura estupenda de que aquela vara não era fruto da capacidade humana, mas era “a vara de Deus” (Êx 17.8-13). Mas neste caso que estamos a analisar, a vara de Aarão que fora arrancada de algum arbusto vivo, estando agora morta, já que foi cortada da seiva da árvore que a alimentava, ressuscitou milagrosamente ante o testemunho do Senhor. Ela veio de um ambiente físico, como Cristo que nasceu da semente de Davi, relacionado àquilo que era humano e natural. 29


Mas o seu florescimento fala de algo totalmente sobrenatural e Divino, pois a nova seiva da vida veio de algo novo e surpreendente. “Lembra-te de que Jesus Cristo, que é da descendência de Davi, ressuscitou dos mortos” (2 Tm 2.8). “O Deus de nossos pais ressuscitou a Jesus, ao qual vós matastes, suspendendo-o no madeiro. Deus com a sua destra o elevou a Príncipe e Salvador, para dar a Israel o arrependimento e remissão dos pecados” (At 5.30-31). O sacerdócio corrompido pela descendência de Aarão será restabelecido definitivamente, e mais, universalmente, tendo como base eficaz a morte do substituto “pelos pecados do povo” e a sua ressurreição, esta representada na aceitação do Pai ao aspirar “a oferta de cheiro suave”. “... e o sacerdote tudo oferecerá, e o queimará sobre o altar; holocausto é, oferta queimada, de cheiro suave ao Senhor” (Lv 1.13). “Todavia, ao Senhor agradou o moê-lo, fazendo-o enfermar; quando a sua alma se puser por expiação do pecado [morte], verá a sua posteridade, prolongará os dias [ressurreição]; e o bom prazer do Senhor prosperará na sua mão” (Is 53.10). Por causa desta vitoriosa ressurreição, a Igreja comprada com o sangue de Deus pode aguardar segura, ansiosa, porém pacientemente, a maior e inigualável bem-aventurança. “Ora o Deus, que também ressuscitou o Senhor, nos ressuscitará a nós pelo seu poder” (1 Co 6.14). Assim, nestes três símbolos vemos o corpo preparado por Deus descendo do céu (o maná), sua morte representada pela lei, ao cumpri-la cabalmente, e sua ressurreição bendita 30


na vara florescida de Aarão. “Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras, e que foi sepultado, e que ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras” (1 Co 15.3-4). Mas perceba a simbologia. Estes três elementos que davam testemunho da vida, morte e ressurreição do Filho Eterno, estavam escondidos dentro da arca, selada pelo propiciatório de ouro, e que ninguém mais poderia vê-los. Isto desvenda, como dissemos, o “eterno propósito que fez em Cristo Jesus nosso Senhor” e a “dispensação do mistério, que desde os séculos esteve oculto em Deus” (Ef 3.9,11). E se estava oculto ao povo de Israel e aos seus sacerdotes, muitíssimo mais oculto estava aos olhos de Lúcifer e seus companheiros sacerdotes que sacrificavam no altar celeste a sombra daquilo que lhes não pertencia e de que jamais participariam. E o que separava – vamos revisar – este testemunho da vista dos sacerdotes e do povo, e de Lúcifer e dos demais anjos por analogia? Primeiramente o propiciatório que cobria a arca. E depois o véu que fazia “separação entre o santuário e o lugar santíssimo”. O propiciatório, como insinua a palavra, é a propiciação de Cristo, ou seja, dele querer ser propício ou a favor de nós, pecadores. A propiciação resolve o problema do Deus santo que foi ofendido pelo pecado, quando Cristo se oferece no lugar do pecador. Essa propiciação depende de sua misericórdia e de sua graça em nosso favor. “Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que, segundo sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo, dentre os mortos” (1 Pe 1.3). 31


“Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou, estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos), e nos r essuscitou juntamente com ele” (Ef 2.4-6). “Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo para que não pequeis: e se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo. E ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo” (1 Jo 2.1-2). Mas o Filho de Deus poderia querer ser propício a nós, sem, contudo, ter os meios necessários para tal. Ou poderia ter condições de realizá-lo, sem, no entanto, querer. O propiciatório fala de sua vontade a nosso favor. O “véu, isto é, pela sua carne” (Hb 10.20), fala do meio necessário para tal propiciação, pois “corpo me preparaste”. Estes dois componentes, vontade e humilhação, são comentados em Filipenses 2.6-8. “Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus. Mas aniquilou-se a si mesmo...” Até aqui vemos sua vontade, pois, existindo em forma Divina, não se envergonhou de descer à esfera humana por amor de nós, pecadores. “... tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz”. E aqui vemos a necessidade do corpo para que “em tudo fosse semelhante aos irmãos, para ser misericordioso e fiel sumo sacerdote naquilo que é de Deus, para expiar os pecados do povo” (Hb 2.17). “A quem enviarei, e quem há de ir por nós? Então disse eu: Eis-me aqui, envia-me a mim” (Is 6.8). 32


“Eis aqui venho (no princípio do livro está escrito de mim), para fazer, ó Deus, a tua vontade” (Hb 10.7). Eis o maior dos milagres de Deus, “o amor de Cristo que excede todo o entendimento” (Ef 3.19). O Filho Eterno, sendo Deus, e habitando nos “lugares celestiais” na “forma de Deus”, “pelo seu muito amor com que nos amou” e “riquíssimo em misericórdia” (Ef 2:4), “humilhou-se” ao abandonar o seu lugar legítimo de habitação com toda honra e louvor devidos, “e o verbo se fez carne, e habitou entre nós” (Jo 1.14). Com a condescendência do Filho Eterno até nós, ou seja, sua manifestação humana entre nós, sua morte e ressurreição representadas por todos os elementos do tabernáculo terrestre e celestial em sombra, “o mistério que esteve oculto desde todos os séculos, desde todas as gerações... agora foi manifesto aos seus santos” (Cl 1.26). Este mistério vai muito além de “que os gentios são coherdeiros, e de um mesmo corpo, e participantes da promessa em Cristo pelo evangelho” (Ef 3.5-6) de que Paulo fala. “A mim, o mínimo de todos os santos [Paulo], me foi dada esta graça de anunciar entre os gentios, por meio do evangelho, as riquezas incompreensíveis de Cristo. E demonstrar a todos qual seja a dispensação do mistério, que desde os séculos esteve oculto em Deus, que tudo cr iou; par a que agora, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus, seja conhecida dos principados e potestades nos céus, segundo o eterno propósito que fez em Cristo Jesus nosso Senhor” (Ef 3.8-11). Observe, caro leitor, a força de tais palavras. As riquezas incompreensíveis de Cristo, oculta desde os séculos, antes de tudo ser criado, já que se trata de um eterno propósito em Cristo, que consiste da salvação perfeita, única e suficiente 33


pelo cordeiro imaculado oferecido na cruz do calvário para gentios e judeus, é para que “a multiforme sabedoria de Deus seja conhecida dos principados e potestades nos céus”, ou seja, dos anjos. Já vimos que Lúcifer e sua quadrilha celeste, ao pecar, foram banidos irremediavelmente de seu posto. Não viram a misericórdia e a graça demonstradas, embora participassem no altar celeste dos sacrifícios que representavam o “eterno propósito em Cristo”. Por isto se diz dos anjos quando da morte e ressurreição de Cristo: “E, quando vós [gentios] estáveis mortos nos pecados, e na incircuncisão da vossa carne, vos vivificou juntamente com ele, perdoando-vos todas as ofensas, havendo riscado a cédula que era contra nós [judeus] nas suas ordenanças [a Lei], a qual de alguma maneira nos era contraria, e a tirou do meio de nós [judeus], cravando-a na cruz. E, despojando os principados e potestades, os expôs publicamente e deles triunfou em si mesmo” (Cl 2.13-15). A derrota cabal de Satanás, embora seja ainda futura, parte deste ponto, em que, pela morte de Cristo, “aniquilasse o que tinha o império da morte, isto é, o diabo: e livrasse todos os que, com medo da morte, estavam por toda a vida sujeitos à servidão” (Hb 2.14-15). Nisto se vê a humilhação de Satanás. Estando em posição muito mais elevada em relação ao homem, não houve lugar de arrependimento para ele. Mas, para os pequenos seres que ele mesmo corrompera com sua própria doença, houve não só perdão (misericórdia), mas ainda somos colocados, falando agora da Igreja, na mesma posição de Jesus como coherdeiros e irmãos (graça). “Veio para o que era seu, e os seus não o receberam. Mas, a todos quantos o receberam [Jesus, como Senhor e Salvador], deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; aos 34


que creem no seu nome... e, se nós somos filhos, somos logo herdeiros também, herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo... Por que convinha que aquele, par a quem são todas as coisas, e mediante quem tudo existe, trazendo muitos filhos à glória, consagrasse pelas aflições o príncipe da salvação deles. Porque assim o que santifica, como os que são santificados, são todos de um; por cuja causa não se envergonha de lhes chamar irmãos” (Jo 1.12 / Rm 8.17 / Hb 2.10-11). E o que herdaremos? “Sendo justificados pela sua graça, sejamos feitos herdeiros segundo a esperança da vida eterna” (Tt 3.7). E mais ainda. “Seja Paulo, seja Apolos, seja Cefas, seja o mundo, seja a vida, seja a morte, seja o presente, seja o futuro, tudo é vosso. E vós de Cr isto, e Cr isto de Deus” (1 Co 3.22-23). “A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, e dele nunca sairá: e escr ever ei sobr e ele o nome do meu Deus, e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, do meu Deus, e também o meu novo nome” (Ap 3.12). “Quem vencer, herdará todas as coisas; e eu serei seu Deus, e ele será meu filho” (Ap 21.7). “Quem é que vence o mundo, senão aquele que crê que Jesus é o filho de Deus?” (1 Jo 5.5). “Portanto convém-nos atentar com mais diligência para as coisas que já temos ouvido, para que em tempo algum nos desviemos delas... Como escaparemos nós, se não atentarmos para uma tão grande salvação, a qual, começando a ser anunciada pelo Senhor [Jesus], foi-nos depois confirma35


da pelos que a ouviram; testificando também Deus com eles, por sinais, e milagres, e várias maravilhas e dons do Espírito Santo, distribuídos por sua vontade? Porque não foi aos anjos que sujeitou o mundo futuro [e gr aças a Deus por isto!], de que falamos. Mas em certo lugar testificou alguém, dizendo: Que é o homem, para que dele te lembres? Ou o filho do homem, para que o visites?” (Hb 2.1-6). “Ao que está assentado sobre o trono, e ao Cordeiro, sejam dadas ações de graça, e honra, e glória, e poder para todo o sempre”, por ter escolhido “as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias”, e as “coisas fracas deste mundo para confundir as fortes”, e as “coisas vis deste mundo, e as desprezíveis, e as que não são, para aniquilar as que são” (1 Co 1.27-28). Voltemos ao tabernáculo, interrompido momentaneamente pela empolgação do autor. Portanto, o propiciatório fala da vontade do Filho em nos ser propício, e o véu mostra a humanidade de Cristo, o instrumento eficaz da propiciação, para que, através dos três testemunhos escondidos dentro da arca – vida, morte e ressurreição – pudesse “mostrar nos séculos vindouros as abundantes riquezas da sua graça... que desde os séculos esteve oculto em Deus” (Ef 2.7; 3.9).

36


Os dois anjos do Propiciatório Mas sobre o propiciatório, feito também de ouro puro e fundido juntamente com ele, dois anjos estendiam suas asas num olhar inquiridor para a tampa da arca. Parece óbvio que os dois anjos cabisbaixos representem Miguel e Gabriel olhando para o anjo do Senhor que substituíra Lúcifer e estava ali representado pelo propiciatório, como que “indagando que tempo ou que ocasião de tempo o Espírito de Cristo indicava, anteriormente testificando os sofrimentos que a Cristo haviam de vir... para as quais coisas os anjos desejam bem atentar” (1 Pe 1.11-12). E se no Santíssimo, a habitação de Deus, encontramos escondidos em simbologia aquilo que era o eterno propósito de Deus em Cristo – a vida santa, a morte sacrificial e a ressurreição gloriosa de Cristo –, passando Ele pelo véu, isto é, em se fazendo o Verbo “carne”, deveremos encontrar os mesmos testemunhos no Lugar Santo, pois que este representava o mundo judaico sob a lei, onde Jesus atuou. Perceba, leitor! No Santíssimo habitava a Glória do Senhor: esta mesma Glória ofuscada pelo espesso véu representa a Glória de Deus ‘presa’ no invólucro humano do corpo de Jesus.

“E o verbo se fez carne, e habitou entre nós [judeus], e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai” (Jo 1.14). Só Pedro, Tiago e João tiveram o bendito privilégio de testemunhar o homem Jesus transfigurar-se em Glória, ainda que parcialmente. “Porque nele habita corporalmente toda a plenitude da 37


divindade” (Cl 2.9). “... olhando nós para ele, nenhuma beleza víamos, para que o desejássemos” (Is 53.2). Quando da descida do Filho de Deus em carne, este “veio para o que era seu”, ou seja, para a nação de Israel, pois como bem disse Paulo: “São israelitas, dos quais é a adoção de filhos, e a glória, e os concertos, e a lei, e o culto, e as promessas, dos quais são os pais, e dos quais é Cristo segundo a carne, o qual é sobre todos, Deus bendito eternamente: Amém” (Rm 9.4-5). Se Jesus veio para cumprir o eterno propósito que estava em Deus oculto em mistério desde as gerações, o mesmo testemunho que estava na arca deve ser encontrado no Lugar Santo, onde os sacerdotes ministravam continuamente. Se não, vejamos.

38


A Mesa com os Pães

Entrando no Santo, à direita da porta, notaríamos a mesa com os doze pães da proposição. Sua descrição se encontra em Êxodo 25.23-30. Quanto à disposição dos pães na mesa, assim lemos em Levítico 24.5-9. “Também tomarás da flor de farinha, e dela cozerás doze bolos: cada bolo ser á de duas dízimas. E os por ás em duas fileiras, seis em cada fileir a, sobr e a mesa pur a, perante o Senhor. E sobr e cada fileir a por ás incenso puro que será para o pão por oferta memorial; oferta queimada é ao Senhor. Em cada dia de sábado, isto se porá em ordem perante o Senhor continuamente, pelos filhos de Israel, por concerto perpétuo. E ser á de Aar ão e de seus filhos, os quais o comerão no lugar Santo, porque uma cousa santíssima é para ele das ofertas queimadas ao Senhor, por estatuto perpétuo”. Devemos observar em que o concerto é “perpétuo” “pelos filhos de Israel”, embora a nação passe por dificuldades com seus vizinhos, não possua Templo algum e a própria Igreja de Cristo despreze Israel, desejando substituí-la. Já dissemos. Mas repetiremos. “Não me aborreço de escrever-vos as mesmas coisas, e é segurança para vós”.

“... o endurecimento veio em parte sobre Israel, até que a plenitude dos gentios haja entrado” (Rm 11.25). “De Sião virá o Libertador... e assim todo o Israel será salvo... e desviará de Jacó as impiedades” (Rm 11.26). A mesa trata desta fidelidade do Senhor que desposou sua amada, Israel, para sempre. 39


“Eis que dias vêm, diz o Senhor, em que farei um concerto novo com a casa de Israel e com a casa de Judá. Não conforme o concerto que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para tirá-los do Egito; porquanto eles invalidaram o meu concerto apesar de Eu os haver desposado, diz o Senhor” (Jr 31.32). A fidelidade do Senhor não lhe permite dar carta de divórcio a Israel, ou nossa segurança em Cristo também é mentirosa e arrogante. “Porque o Senhor Deus de Israel diz que aborrece o repúdio” (Ml 2.16). Israel está “perante o Senhor” para sempre, ainda que o mundo os odeie. O incenso puro fala deste velar constante no zelo de Deus por seu povo. “E será que como velei sobre eles para arrancar, e para derribar, e para transtornar, e para destruir, e para afligir, assim velarei sobre eles, para edificar e para plantar diz o Senhor” (Jr 31.28). Se o coração outrora cicatrizado de ódio e homicídio de Paulo pôde se derramar desta maneira: “... tenho grande tristeza e contínua dor no meu coração. Porque eu mesmo poderia ser separado de Cristo, por amor de meus irmãos, que são meus parentes segundo a carne” (Rm 9.2-3), quanto mais o Senhor que os formou desde o ventre! “Porque aquele que tocar em vós toca na menina do seu olho” (Zc 2.8). Os doze pães estavam continuamente perante a face do Senhor; e a cada sábado, símbolo áureo do pacto de Deus com Israel, este pão era renovado. “As misericórdias do Senhor são a causa de não sermos [nós, judeus] consumidos; porque as suas misericórdias não têm fim. Novas são a cada manhã; grande é a tua fidelida40


de” (Lm 3.22-23). Mas devemos lembrar também que o tabernáculo fala a nosso respeito, aos que já se agregaram a Cristo dentre os gentios “Hoje”. Pois quando Paulo fala aos cristãos fiéis: “Não sabeis vós que sois o Templo de Deus, e que o espírito de Deus habita em vós?”; e, “ou não sabeis que o vosso corpo é o Templo do Espírito Santo que habita em vós, proveniente de Deus?” (1 Co 3.16; 6.19), a que templo ele se refere? Além dos doze pães representarem as doze tribos de Israel apresentadas ao Senhor, este tipo fica mais claro ainda para a Igreja, já que somos uma “nova massa”, sem fermento, par a ser mos apr esentados ao Senhor cheios da justiça de Deus, e cujo fundamento são os doze apóstolos do Cor deiro. “Assim que já não sois estrangeiros, nem forasteiros, mas concidadãos dos santos, e da família de Deus; edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra de esquina; no qual todo o edifício bem ajustado, cresce para templo santo no Senhor. No qual também vós juntamente sois edificados para morada de Deus em espírito” (Ef 2.19-22). “Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos cor pos em sacr ifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional” (Rm 12.1). “Alimpai-vos pois do fermento velho, para que sejais uma nova massa, assim como estais sem fermento. Porque Cristo, nossa Páscoa, foi sacrificado por nós. Pelo que façamos festa, não com o fermento velho, nem com o fermento da maldade e da malícia, mas com os asmos da sinceridade e da verdade” (1 Co 5.7-8).

41


E por que cada bolo era de duas dízimas de farinha? Pode-se ver um sentido imediato e outro mediato (mais à frente). Apesar da lei e do culto divino terem sido dados a Israel, o estrangeiro que se achegasse ao Senhor teria os mesmos direitos dos naturais. “Uma mesma lei tereis: assim será o estrangeiro como o natural; pois eu sou o Senhor vosso Deus” (Lv 24.22). “Uma mesma lei e um mesmo direito haverá para vós e para o estrangeiro que peregrina convosco” (Nm 15.16). Este tipo é límpido em sentido mediato para a Igreja. Mostra a junção dos naturais (judeus) e gentios numa mesma massa. Já mostramos a questão do enxerto em Romanos 11. “Portanto, lembrai-vos de que vós noutro tempo éreis gentios na carne, e chamados incircuncisão pelos que na carne se chamam circuncisão [judeus] feita pelas mãos dos homens; que naquele tempo estáveis sem Cristo, separados da comunidade de Israel, e estranhos aos concertos da promessa, não tendo esperança, e sem Deus no mundo. Mas agora em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis longe, já pelo sangue de Cristo chegastes perto. Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos os povos fez um [uma só Igr eja, não denominacional, for mando o corpo único dos crentes]; e, derribando a parede de separação que estava no meio, na sua carne desfez a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos, que consistia em ordenanças, para criar em si mesmo dos dois um novo homem, fazendo a paz, e pela cruz reconciliar ambos com Deus em um corpo, matando com ela as inimizades. E, vindo, ele evangelizou a paz, a vós que estáveis longe, e aos que estavam perto; porque por ele ambos temos acesso ao Pai em um mesmo Espírito” (Ef 2.11-18). Assim, os doze pães da proposição relacionam-se em 42


seu caráter com o maná dentro da arca, simbolizando Cristo como alimento para todo aquele que se achega a Ele. “Porventura o cálice de bênção, que abençoamos, não é a comunhão do sangue de Cristo? O pão que partimos não é porventura a comunhão do corpo de Cristo? Porque nós, sendo muitos, somos um só pão e um só corpo: porque todos participamos do mesmo pão” (1 Co 10.16-17).

43


O Candelabro

Diametralmente oposto à mesa ficava o “candelabro de ouro puro batido” com suas sete pontas iluminadas. Leia Êxodo 25.31-40. A única luz que havia no Santo era esta luz que emanava de Cristo: “enquanto estou no mundo, sou a luz do mundo” (Jo 9.5). O azeite que corria por suas veias (Lv 24.1-4) era a plenitude do Espírito que habitava em Cristo em obediência à vontade soberana de seu Pai. E as sete lâmpadas eram os sete espíritos que repousavam sobre Ele: “o espírito do Senhor, o espírito de sabedoria e de inteligência, o espírito de conselho e fortaleza, o espírito de conhecimento e de temor ao Senhor. E deleitar-se-á no temor do Senhor” (Is 11.2-3). É só por este motivo que a luz natural é constituída em seu espectro por sete cores, vistas no arco-íris quando decomposta pelos infinitos cristais de chuva. Mas o candelabro diz algo mais profundo. A luz que emanava de Cristo vinha daquilo que o preenchia naturalmente: a Palavra de Deus. “Lâmpada para os meus pés é tua palavra e luz para o meu caminho... Maravilhosos são os seus testemunhos: por isso a minha alma os guarda. A exposição das tuas palavras dá luz, dá entendimento aos símplices” (Sl 119.105,129130). “Manifestei o teu nome aos homens... Porque lhes dei as palavras que tu me deste... a tua palavra é a verdade” (Jo 44


17.6,8,17). “E que é manifesta agora pela aparição de nosso Salvador Jesus Cristo, o qual aboliu a morte, e trouxe à luz a vida e a incorrupção pelo evangelho...” (2 Tm 1.10). A luz do candeeiro, portanto, está em harmonia com as tábuas da lei na arca, pois “a boca fala do que está cheio o coração”. A essência perfeita da Lei de Deus era emanada em todo o seu vigor na vida exemplar, idônea e celestial do Mestre. E se a lei termina com a morte, a luz que a manifesta também. “E a condenação é esta: que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más. Porque todo aquele que faz o mal aborrece a luz, e não vem para a luz para que as suas obras não sejam reprovadas” (Jo 3.19-20).

45


Atai a vítima da festa... levai-a aos ângulos do altar! Notemos agora uma passagem intrigante no Salmo 118.22-27, em conexão com a pedra principal de esquina e o clamor de Israel por seu Messias – “a luz verdadeira”. “A pedra que os edificadores rejeitaram tornou-se cabeça de esquina. Foi o Senhor que fez isto, e é cousa maravilhosa aos nossos olhos. Este é o dia que fez o Senhor: regozijemo-nos, e alegremo-nos nele. Oh! Salva, Senhor, nós te pedimos; ó Senhor, nós te pedimos, prospera. Bendito aquele que vem em nome do Senhor: nós vos bem dizemos desde a casa do Senhor. Deus é o Senhor que nos deu a luz: atai a vítima da festa com cordas, e levai-a até aos ângulos do altar”. Glorioso será determo-nos um pouco mais neste ponto. Achado um rico veio, tolice seria desprezá-lo. “Folgo com a tua palavra, como aquele que acha um grande despojo” (Sl 119.162). A versão que acabamos de ler vem da Edição Revista e Corrigida. Da outra versão, a Edição Revista e Atualizada, extraímos na sua última parte. “O Senhor é Deus, ele é nossa luz; adornai a festa com ramos até as pontas do altar”. Há uma diferença gritante entre as interpretações. Uma fala de uma vítima amarrada nos ângulos do altar e outra de ramos nesta mesma ponta. Desnecessário dizer que uma não representa o que o Espírito da Escritura queria ensinar. E não é necessário o conhecimento da língua original para se 46


resolver a questão. Temos todo um contexto bíblico a nosso favor. Pergunto: nos ângulos de um altar para holocaustos caberiam sangue ou ramos? Procure alguma outra passagem na Escritura em que se relacionam ramos com os ângulos do altar. Nem perca seu tempo. O altar do holocausto fala invariavelmente de sangue, em toda a sua extensão bíblica; não há lugar para ramos. Vejamos somente uma demonstração. “E degolarás o novilho perante o Senhor à porta da tenda da congregação. Depois tomarás o sangue do novilho, e o porás com o teu dedo sobre as pontas do altar, e todo o sangue restante derramarás à base do altar” (Êx 29.11-12). No entanto, não devemos desprezar a outra versão, pois seu erro representa o mesmo erro de Israel diante do Cordeiro, conforme veremos a frente. Creio que foi proposital da parte do Espírito Santo duas interpretações diferentes. A primeira, sua Vontade santa, a segunda, sua Permissão santa. Devemos notar que ambas falam de uma festa. Qual será? É só observarmos o contexto. Qual a única ocasião em que os judeus declararam: “Bendito Aquele que vem em nome do Senhor”? “Foi pois Jesus seis dias antes da Páscoa a Betânia... No dia seguinte, ouvindo uma grande multidão, que viera à festa, que Jesus vinha a Jerusalém, tomaram ramos de palmeiras, e saíram-lhe ao encontro, e clamaram: Hosana: Bendito o Rei d’Israel que vem em nome do Senhor...” (Jo 12.1,12-13).

47


As prescrições da Páscoa Neste pequeno trecho podemos retirar grandes e preciosas pedras. A primeira, que nos diga que se trate da Páscoa. É a única ocasião em que se associa o clamor pelo Rei a uma festa. Mas se Jesus se apresenta para a Páscoa, devemos entender o que realmente estava em jogo. Percebe-se a importância de tal acontecimento ao analisarmos as forças das palavras usadas para esta ocasião. “E aconteceu que, ao se completarem os dias em que devia ele ser assunto ao céu, manifestou, no semblante, a intrépida resolução de ir para Jerusalém” (Lc 9.51 – ERA) Observe que diante da necessidade dele ser recebido ao céu, deveria passar pela morte em Jerusalém. Disto, Ele mesmo sofre e antecipa. “E Jesus lhes respondeu dizendo: É chegada a hora em que o Filho do homem há de ser glorificado. Na verdade, na verdade vos digo que se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas se morrer, dá muito fruto... Agora a minha alma está perturbada; e que direi eu? Pai, salva-me desta hora; mas para isto vim a esta hora” (Jo 12.23-24,27). E o tipo de morte pela qual Ele passaria já estava profetizado também. “Bem sabeis que daqui a dois dias é a Páscoa: e o Filho do homem será entregue para ser crucificado” (Mt 26.2). Agora peço a atenção e a compreensão redobradas do leitor. 48


“A minha boca falará da sabedoria; e a meditação do meu coração será de entendimento. Inclinarei os meus ouvidos a uma parábola: decifrarei o meu enigma na harpa” (Sl 49.3-4). Analisemos em primeiro lugar a festa. Para tanto, devemos retornar à primeira festa na qual são dadas as ordens relativas a ela para as eternas gerações seguintes. “E falou o Senhor a Moisés e a Aarão na terra do Egito, dizendo: Este mês vos será o princípio dos meses: este vos será o primeiro dos meses do ano. Falai a toda a congregação de Israel: Aos dez deste mês tome cada um para si um cordeiro, segundo as casas dos pais um cordeiro para cada casa... O cordeiro, ou cabrito, será sem mácula, um macho de um ano, o qual tomareis das ovelhas ou das cabras. E o guardareis até ao décimo quarto dia deste mês, e todo o ajuntamento de Israel o sacrificará à tarde” (Êx 12.1-6). Observe que o coração da Páscoa é o cordeiro. Eis “a vítima” de que nos falava o Salmo 118. Sem cordeiro, sem Páscoa. Perceba também que esta festa marca o início dos meses, significando que todas as demais festas prescritas, e que podem ser lidas em Levítico 23, têm por base a Páscoa. O direito à entrada no descanso, tanto no caso de Israel, que entraria numa terra física, quanto à Igreja, que entra num verdadeiro descanso espiritual, depende do sacrifício de um cordeiro, na Páscoa, sem mácula. Observe ainda mais que este cordeiro deveria ser tomado no dia dez e vistoriado até o dia treze; comprovado que nele não havia defeito algum, era sacrificado no dia quatorze. Portanto, são quatro dias de vistoria (dias dez, onze, doze e treze), e no quinto dia (dia quatorze), o sacrifício do cordeiro. Se Jesus era o “Cordeiro de Deus” anunciado por João Batista, então ele deveria cumprir a lei a respeito da Páscoa. Retor49


nemos então a João 12 um pouco acima, em que o apóstolo coloca que “seis dias antes da Páscoa” Jesus estava em Betânia. “No dia seguinte” significa que Ele chega em Jerusalém faltando cinco dias para a festa propriamente. Portanto aquele dia, em que Jesus entra “triunfantemente” em Jerusalém montado num jumentinho, conforme a profecia de Zacarias 9.9, debaixo das “hosanas” da “multidão de discípulos”, aquele dia era o dia dez correspondente ao início da vistoria do “nosso Cordeiro pascal”. E realmente assim foi. Ele andou por Jerusalém e pelo templo por quatro dias, conforme a lei, esperando que fosse reconhecido como Messias de Israel, bem como o “Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”. Jesus cumpriu seu papel como cordeiro apresentando-se aos sacerdotes e ao povo de Israel. Mas o que era devido à Nação? Qual sua obrigação diante de seu Cordeiro Messiânico? Se a Lei dava ordens quanto ao Cordeiro, também dava ordens “a todo o ajuntamento de Israel”. Devemos voltar novamente à Lei. “Guarda o mês de Abibe, e celebra a Páscoa ao Senhor teu Deus: porque no mês de Abibe o Senhor teu Deus te tirou do Egito, de noite. Então sacrificarás a Páscoa ao Senhor teu Deus, ovelhas e vacas, no lugar que o Senhor escolher para ali fazer habitar o seu nome... Não poderás sacrificar a Páscoa em nenhuma das tuas portas que te dá o Senhor teu Deus. Senão no lugar que escolher o Senhor teu Deus, para habitar o seu nome, ali sacrificarás a Páscoa à tarde” (Dt 16.1-2,5-6). Deste lugar, Deus responde a Salomão: “E o Senhor lhe disse: Ouvi a tua oração, e a tua súplica que suplicando fizeste perante mim; santifiquei a casa que edificaste, a fim de pôr ali o meu nome para sempre: e os meus olhos e o meu coração estarão ali todos os dias” (1 Re 9.3). “Este será o holocausto contínuo por vossas gerações, à porta da tenda da congregação, perante o Senhor, onde vos 50


encontrarei para falar contigo ali. E ali virei aos filhos de Israel, para que por minha glória sejam santificados. E santificarei a tenda da congregação e o altar; também santificarei a Aarão e seus filhos, para que me administrem o sacerdócio. E habitarei no meio dos filhos de Israel, e lhes serei por Deus” (Êx 29.42-45). “Porei o meu tabernáculo no meio de vós...” (Lv 26.11). Este era o lugar para sacrificar a Páscoa. No templo do Senhor. Quando Israel saiu do Egito, sacrificou às suas portas, pois ainda seu templo seria construído. Mas instalada a ordem sacerdotal e o templo, os sacrifícios só poderiam ser realizados pelos sacerdotes, no lugar Santo. Este era o seu ofício sagrado, inconfundível e bem-aventurado. E como sacrificá-lo? Retornemos à lei. Temos alguns aspectos importantes neste ponto. Na Páscoa comemorativa, tanto no deserto, quanto depois já em Canaã, um cordeiro era suficiente para cada família. “Falai a toda a congregação de Israel, dizendo: Aos dez deste mês tome cada um para si um cordeiro, segundo as casas dos pais, um cordeiro para cada casa. Mas se a família for pequena para um cordeiro, então tome um só com seu vizinho perto de sua casa, conforme ao número das almas: conforme o comer de cada um, fareis a conta para o cordeiro” (Êx 12.34). Não há lugar para desperdício ou miséria no Reino de Deus. No caso do Cordeiro Divino-Humano, seu único sacrifício seria suficiente não só para Israel, mas pelo mundo todo, e ainda o resto do Universo e do Reino de Deus. Mas acontece que aquela festa era exclusivamente judaica. Os incircuncisos romanos, bem como qualquer outra nação debaixo do céu, por mais influente, poderosa e civilizada que fosse, não tinham direito a ela. 51


“Disse mais o Senhor a Moisés e a Aarão: Esta é a ordenança da Páscoa; nenhum filho de estrangeiro comerá dela. Porém todo o servo de qualquer, comprado por dinheiro, depois que o houverdes circuncidado então comerá dela. O estrangeiro e o assalariado não comerão dela. Numa casa se comerá; não levarás daquela carne fora da casa, nem dela quebrareis osso. Toda a congregação de Israel o fará. Porém se algum estrangeiro se hospedar contigo, e quiser celebrar a Páscoa ao Senhor, seja-lhe circuncidado todo o macho, e então chegará a celebrá-la, e será como o natural da terra; mas nenhum incircunciso comerá dela” (Êx 12.43-48). O sacrifício completo assim consistia. “... e todo o ajuntamento da congregação de Israel o sacrificará à tarde. E tomarão do sangue, e pô-lo-ão em ambas as ombreiras, e na verga da porta, nas casas em que o comerem. E naquela noite comerão a carne assada no fogo, com pães asmos; com ervas amargosas a comerão. Não comereis dele nada cru, nem cozido em água, senão assado ao fogo: a cabeça com os pés e com a fressura. E nada dele deixareis até amanhã: mas o que dele ficar até amanhã, queimareis no fogo” (Êx 12.6-10). Apreciemos um memorial da Páscoa realizado pelo rei Josias, há pelo menos 600 anos antes de Cristo e pelo menos 800 após sua instituição por Moisés. “Então Josias celebrou a Páscoa ao Senhor em Jerusalém; e mataram o cordeiro da Páscoa no décimo quarto dia do mês primeiro. E estabeleceu os sacerdotes nos seus cargos, e os animou ao ministério da casa do Senhor. E disse... E imolai a Páscoa: e santificai-vos, e preparai-a para vossos irmãos, fazendo conforme a palavra do Senhor, dada pela mão de Moisés... Assim se preparou o serviço; e puseram-se os sacerdotes nos seus postos, e os levitas nas suas turmas, conforme ao mandado do rei. Então imolaram a páscoa; e os sacerdotes espargiam o sangue recebido nas suas mãos, e os levitas esfo52


lavam as reses. E puseram de parte os holocaustos para os darem aos filhos do povo, segundo as divisões das casas paternas, para o oferecerem ao Senhor, como está escrito no livro de Moisés; e assim fizeram com os bois. E assaram a Páscoa no fogo, segundo o rito...” (2 Cr 35.1-2,6,10-13). Quando Jesus entra em Jerusalém para ser vistoriado, o povo cumpre a primeira parte do Salmo 118 clamando: “Bendito aquele que vem em nome do Senhor”.

53


O endurecimento de Israel e seus ramos de palmas Mas “o endurecimento veio em parte sobre Israel” (Rm 11.25) para não cumprir a maior das honras: “atai a vítima da festa com cordas, e levai-a até aos ângulos do altar”. O próprio Messias, ao olhar Jerusalém do Monte das Oliveiras, já profetizara esta negligência. “E, quando já chegava perto da descida do monte das Oliveiras, toda a multidão dos discípulos, regozijando-se, começou a dar louvores a Deus em alta voz, por todas as maravilhas que tinham visto, dizendo: Bendito o Rei que vem em nome do Senhor; paz no céu e glória nas alturas. E disseramlhe dentre a multidão alguns dos fariseus: Mestre, repreende os teus discípulos. E respondendo ele, disse-lhes: Digo-vos que, se estes se calarem, as próprias pedras clamarão. E, quando ia chegando, vendo a cidade, chorou sobre ela, dizendo: Ah! Se tu conhecesses também, ao menos neste teu dia, o que à tua paz pertence! Mas agora isto está encoberto aos teus olhos. Porque dias virão sobre ti, em que os teus inimigos te cercarão de trincheiras, e te sitiarão, e te estreitarão de todas as bandas; e te derribarão, a ti e a teus filhos que dentro de ti estiverem; e não deixarão em ti pedra sobre pedra, pois que não conheceste o tempo da sua visitação” (Lc 19.37-44). Israel cometeu um erro crasso, abominável e inigualável. Aquela festa a que Jesus se submetia era a Páscoa, e como bom Cordeiro celeste que era, deveria ser vistoriado por todos eles e ser conduzido aos “ângulos do altar” do holocausto para ser imolado pelo sumo sacerdote Caifás, “que era o sumo sacerdote daquele ano” (Jo 18.13). 54


Ao invés disto, como já lemos, estendem ramos de palmeiras para sua entrada, numa clara alusão à festa dos tabernáculos. Esta festa pode ser vista em Levítico 23.34-43. Vamos transpor somente a parte de interesse. “Fala aos filhos de Israel, dizendo: Aos quinze dias deste mês sétimo será a festa dos tabernáculos ao Senhor Deus por sete dias... E ao primeiro dia tomareis para vós ramos de formosas árvores, ramos de palmas, ramos de árvores espessas e salgueiros de ribeiras; e vos alegrareis perante o Senhor vosso Deus por sete dias...” A festa dos tabernáculos é a última das festas do calendário judaico, representando o reinado do Messias sobre Israel. Esqueceram-se de que esta festa prometida no futuro estava ligada e dependia do cumprimento literal da primeira festa: a Páscoa. A morte do Cordeiro, atado e sacrificado no altar do holocausto, deveria estar em conformidade com o sacrifício, como um tipo a ser confirmado, de Isaque por seu pai, Abraão. O que Deus exigia de Israel na ocasião era o mesmo exemplo de fé e obediência de Abraão ao oferecer o que ele tinha de mais precioso. A única diferença era que Isaque tinha um substituto “travado pelas suas pontas num mato” (Gn 22.13); mas Jesus era o próprio substituto. Ele estaria sozinho, como dele está escrito: “E viu que ninguém havia, e maravilhou-se de que não houvesse um intercessor; pelo que o seu próprio braço lhe trouxe a salvação, e a sua própria justiça o susteve” (Is 59.16). Assim como Abraão “considerou que Deus era poderoso para até dos mortos o ressuscitar” (Hb 11.18), Israel tinha a obrigação moral e exemplar da mesma fé. Consumida a carne do Cordeiro no fogo, como prescreve a lei, e já insinuava a lenha carregada pelo próprio Isaque (Gn 22.6), Jesus ressuscitaria ao terceiro dia das cinzas como dele estava profetizado, 55


e aí sim, poderia restaurar o reino a Israel, conforme os discípulos o interrogaram em Atos 1.6: “Senhor, restaurarás tu neste tempo o reino a Israel?”. Talvez a única porção no ritual Pascal que não pudesse ser concretizado fosse o comer da carne do cordeiro como vimos em Êxodo 12. Porque além de Jesus ser o cordeiro Pascal, era também ele a expiação da culpa e do pecado. E destes sacrifícios se diz: “Porém nenhuma expiação do pecado, cujo sangue se traz à tenda da congregação, para expiar no santuário, se comerá: no fogo será queimado” (Lv 6.30). E no livro de Hebreus encontramos mais claramente: “Temos um altar, de que não têm direito de comer os que servem ao tabernáculo. Porque os corpos dos animais, cujo sangue é, pelo pecado, trazido pelo sumo sacerdote para o santuário, são queimados fora do arraial” (Hb 13.10-11). Como Jesus adentraria ao santuário celeste para purificar as coisas celestiais, como veremos à frente, sua carne não poderia ser comida, mas somente queimada no fogo. Embora vejamos este comer da sua carne e o beber do seu sangue simbolicamente na ceia instituída pelo próprio Senhor aos discípulos. “Tomai, comei, isto é o meu corpo. E, tomando o cálice, e dando graças, deu-lho, dizendo: Bebei dele todos; porque isto é o meu sangue, o sangue do Novo Testamento, que é derramado por muitos, para remissão dos pecados” (Mt 26.26 -28).

56


A desconcertante escolha de Caifás Pareceria duro demais imaginar Caifás, sumo sacerdote, imolando o Deus-Homem no altar do holocausto e queimando suas carnes? Não era isto que ele mesmo fazia todos os anos como sombra nas comemorações sucessivas da Páscoa? Não era ele o representante máximo da “adoção de filhos, e a glória, e os concertos, e a lei, e o culto, e as promessas” (Rm 9.4)? Não conhecia ele o exemplo santo da maior figura de um holocausto humano, o submisso Isaque? Ele mesmo não havia profetizado um pouco antes que ‘convinha que um homem morresse pelo povo, e que não perecesse toda a nação’ (Jo 11.50)? “Mas disse eu [o Senhor]: Ouvi agora vós, chefes de Jacó, e vós, príncipes da casa de Israel: não é a vós que pertence saber o direito? A vós que aborreceis o bem, e amais o mal... que abominais o juízo e perverteis tudo o que é direito. Edificando a Sião com sangue, e a Jerusalém com injustiça. Os seus chefes dão as sentenças por presentes, e os seus sacerdotes ensinam por interesse, e os seus profetas adivinham por dinheiro; e ainda se encostam no Senhor, dizendo: Não está o Senhor no meio de nós? Nenhum mal nos sobrevirá. Portanto, por causa de vós, Sião será lavrado como um campo, e Jerusalém se tornará em montões de pedras, e o monte desta casa em lugares altos de um bosque” (Mq 3.1-2,9-12). “Depois os príncipes dos sacerdotes, e os escribas, e os anciãos do povo reuniram-se na sala do sumo sacerdote, o qual se chamava Caifás, e consultaram-se mutuamente para prenderem Jesus com dolo e o matarem. Mas dizia: Não durante a festa para que não haja alvoroço entre o povo” (Mt 26.3-5). A intenção dos sacerdotes era incriminar injustamente a 57


Jesus, visto que “testemunho contra Jesus... não achavam” (Mc 14.55), para o matarem depois da festa da Páscoa, sem a participação de “toda a congregação de Israel”. Ao invés de um sacrifício pacífico proposto por Deus, temos um homicídio hediondo perpetrado por homens ímpios. E em vez de uma morte rápida e honrosa num lugar santo, temos uma agonia vergonhosa de seis horas na maldição da cruz, visto ser “maldito todo aquele que for pendurado no madeiro” (Dt 21.23 / Gl 3.13). Desta morte pagã na cruz, Pedro declara: “A Jesus Nazareno, varão aprovado por Deus entre nós com maravilhas, prodígios e sinais... A este que vos foi entregue pelo determinado conselho e presciência de Deus, tomando-o vós, o crucificastes e matastes pelas mãos de injustos” (At 2.22-23). Sob o ponto de vista de interesse de Israel, o Cordeiro de Deus não poderia morrer daquela forma pelas mãos dos gentios, fora de sua casa, embora assim fosse profetizado. Israel desdenhou o privilégio bendito de cumprir os desígnios santos do Eterno ao desprezar o seu Cordeiro Messiânico, para nossa alegria e bênção, o privilégio aos gentios. Daí que também o Senhor passou todas as bem aventuranças do evangelho à Igreja e momentaneamente escondeu a sua face do seu povo. Podemos também enxergar esta necessidade da morte do cordeiro no altar do holocausto no tabernáculo santo terreno, partindo da premissa que, se “o cordeiro foi morto desde a fundação do mundo” e seu sangue já era conhecido “ainda antes da fundação”, onde, como já refletimos, poderia ter sido Ele sacrificado simbolicamente nos céus? É mais que óbvio e natural tudo ter ocorrido no altar verdadeiro, no santuário da presença de Deus. Daí que também, na sombra, o único lugar plausível para o seu sacrifício seria no “lugar que o Senhor 58


escolher para habitar seu nome”. Mas não foi assim. Israel encheu o cálice de sua negligência, rebeldia e depravação. O Senhor “padeceu fora da porta; saiamos pois a ele fora do arraial, levando o seu vitupério” (Hb 13.12-13). No entanto, mostraremos a frente, que seu sacrifício na cruz pagã foi tão aceito quanto seria se houvesse ocorrido no altar santo. Completamos assim a questão de que o candelabro com suas sete lâmpadas relaciona-se com a lei das duas tábuas na arca, cumpridas na morte de Jesus. Há talvez uma única diferença crucial entre estas figuras, e isto em relação aos seus beneficiários. A Lei era implacável em suas ordenanças, gerando inevitavelmente morte para aqueles que a ouviam, enquanto a luz do candelabro só podia gerar vida, pois sua personificação, o Filho de Deus em carne, só Ele cumpriu literal e cabalmente a mesma Lei, cumprindo-a em vida e na sua morte substitutiva. “Deus é o Senhor que nos deu a luz: atai a vítima da festa com cordas, e levai-a até aos ângulos do altar” (Sl 118.27). E “o cumprimento da lei é o amor” (Rm 13.10). O clímax absoluto desta intensidade de luz amorosa está em que, o Filho, “sendo em forma de Deus, aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, e achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até a morte, e morte de cruz” (Fp 2.6-9). “Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores” (Rm 5.8). “Eu sou o bom Pastor: o bom Pastor dá a sua vida pelas ovelhas” (Jo 10.11). Em verdade, em verdade podemos dizer, profundamente agradecidos e vergonhosamente sem meios de retribuir, que “o amor de Cristo excede a todo o entendimento” (Ef 3.19). 59


O Altar do Incenso

Toda e qualquer peça que se encontrava no tabernáculo era celeste em sua concepção. Mas este, o altar do incenso, falava de algo totalmente novo, inusitado e solene. Inicialmente por sua posição. Ficava em frente ao véu. “E farás um altar para queimar o incenso: de madeira de cetim o farás... E com ouro puro o forrarás... E o porás diante do véu que está diante da arca do testemunho, diante do propiciatório, que está sobre o testemunho, onde me ajuntarei contigo. E Aarão sobre ele queimará o incenso das especiarias; cada manhã, quando põe em ordem as lâmpadas, o queimará” (Êx 30.1-7). Não havia meio de Aarão entrar no lugar Santíssimo sem passar por ele. E todas as vezes que os sacerdotes, filhos de Aarão, que não poderiam jamais entrar no Santo dos Santos, mirassem em direção do véu, o incensário ali colocado já os avisava de que algo ainda faltava e os impedia de lá entrar. Mas devemos notar algo bem peculiar. Este altar de ouro estava no lugar Santo juntamente com o candelabro e a mesa com os pães, mas não era considerado como mobília deste recinto. Preste atenção agora o que diz o escritor de Hebreus, em seu capítulo 9.2-4, a este respeito. “Um tabernáculo estava preparado, o primeiro, em que havia o candeeiro, e a mesa, e os pães da proposição; ao que se chama o santuário”. Onde está a descrição do altar conforme vimos acima, em Êxodo 30? “Mas depois do segundo véu estava o tabernáculo que 60


se chama o Santo dos Santos, que tinha o incensário de ouro, e a arca do concerto...” O incensário estava no Santo, mas não era do Santo. É contado juntamente com a arca que estava debaixo da glória de Deus, no Lugar Santíssimo. Alguns, por não terem ainda se aprofundado nesta questão, simplificam a interpretação destas coisas, alegando que o escritor de Hebreus se referia ao altar do incenso depois de Jesus morto, com o véu rasgado, fazendo-nos crer que o caminho para o Santo dos Santos ficou livre, pois o “véu do templo se rasgou em dois”, levando o escritor a contar este altar como pertencente ao Lugar Santíssimo. E bendito seja Deus, realmente o véu se rasgou, e podemos entrar com “ousadia no santuário, pelo sangue de Jesus, pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou, pelo véu, isto é, pela sua carne” (Hb 10.19-20). Mas há um contexto que não deve ser desprezado. O último versículo do capítulo 8 de Hebreus e o primeiro versículo do capítulo 9 nos fornecem a base para a interpretação que fazemos. “Dizendo Novo Concerto, envelheceu o primeiro. Ora, o que foi tornado velho, e se envelhece, perto está de acabar. Ora também o primeiro [concerto] tinha ordenanças de culto divino, e um santuário terrestre.” A descrição do tabernáculo que se segue, portanto, refere-se ao período do primeiro concerto, o período da lei, cujo término dependia da “morte do testador”. Além do mais, o leitor atento verificará a descrição dos três elementos que compunham o testemunho, dentro da arca: “um vaso de ouro que continha o maná, e a vara de Aarão, que tinha florescido, e as tábuas do concerto” (Hb 9.4). 61


Mas se avançarmos um pouco mais no tempo, quando Salomão edificou um templo para o Senhor, “trouxeram os sacerdotes a arca do concerto do Senhor ao seu lugar, ao oráculo da casa, ao lugar santíssimo, até debaixo das asas dos querubins”, mas “na arca nada havia, senão só as duas tábuas de pedra, que Moisés ali puser a junto a Hor ebe, quando o Senhor fez aliança com os filhos de Israel” (1 Re 8.6-9). Portanto, quando Hebreus descreve o lugar Santíssimo, e a ele pertencendo o altar do incenso, que estava fisicamente no lugar Santo, separado pelo véu, o escritor inspirado considerou o tabernáculo num período ainda anterior a Salomão, quando ainda o véu estava inviolado e os três elementos da arca ainda estavam lá. Retornemos. Será que o leitor já percebeu o significado destas coisas? Ouçamos uma indicação similar. “Vós sois de baixo, eu sou de cima; vós sois deste mundo, eu não sou deste mundo” (Jo 8.23). 9.5).

“Enquanto estou no mundo, sou a luz do mundo” (Jo

“Não são do mundo, como eu do mundo não sou” (Jo 17.16). “Respondeu Jesus: O meu reino não é deste mundo...” (Jo 18.36). “Saí do Pai, e vim ao mundo: outra vez deixo o mundo, e vou para o Pai” (Jo 16.28). O Senhor Jesus saiu de seu trono, a habitação com o Pai nos céus, simbolizado pela arca dentro do Santíssimo, e veio ao nosso mundo através do “véu” de sua carne, encobrindo a sua Glória. Daria sua vida pelo mundo no altar do holocausto, 62


mas como retornaria para seu Pai, nos símbolos do santuário? Pela fumaça do incenso no incensário, ou seja, pela sua ressurreição. Por isto este altar é contado como fazendo parte do Lugar Santíssimo, pois que representa seu retorno ao Pai em glória. Estando entre nós, no entanto, sabia que não era deste mundo, e deveria retornar ao seu lar para junto de seu Pai. Falamos muito de morte e sangue até agora, pois Israel só isto conheceria de Deus, visto sua negligência. Mas os sinais da grandiosa glorificação já estavam lá. Pergunto ao leitor. A base do perdão dos nossos pecados não está na morte de Cristo em nosso lugar? Sim, é claro. Mas que valor teria a morte sem o poder da ressurreição? Quem não nasce? Quem não morre? Mas quem ressuscita pelo próprio poder e ainda podendo dizer: “Tragada foi a morte na vitória?” (1 Co 15.54). 6.4).

“Cristo ressuscitou dos mortos, pela glória do Pai” (Rm

“E, se não há ressurreição de mortos, também Cristo não ressuscitou. E, se Cristo não ressuscitou, logo é vã a nossa pregação, e também é vã a vossa fé... E se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados” (1 Co 15.13-14,17). “Ora o Deus de paz, que pelo sangue do concerto eterno tornou a trazer dos mortos o nosso Senhor J esus Cr isto...” (Hb 13.20).

63


O Sangue e a Nuvem Se o sangue de Cristo fosse o único ingrediente necessário para a nossa salvação, sem o poder da ressurreição, então Aarão poderia passar pelo véu somente com o sangue de um cordeiro. Mas o que diz a Palavra? “E Aarão fará chegar o novilho da expiação, que será para ele, e fará expiação por si e pela sua casa; e degolará o novilho da expiação, que é para ele. Tomará também o incensário cheio de brasas de fogo do altar, de diante do Senhor, e os seus punhos cheios de incenso aromático moído, e o meterá dentro do véu. E por á o incenso sobr e o fogo per ante o Senhor, e a nuvem do incenso cobrirá o propiciatório, que está sobre o testemunho, para que não morra” (Lv 16.11-13). Façamos um breve diagnóstico desta celestial nuvem. “E o Senhor ia diante deles, de dia numa coluna de nuvem, par a guiá-los pelo caminho” (Êx 13.21). “E Moisés entrou no meio da nuvem, depois que subiu ao monte: e Moisés esteve no monte quarenta dias e quarenta noites” (Êx 24.18). “E o Senhor desceu numa nuvem, e se pôs ali junto a ele [Moisés]: e ele apregoou o nome do Senhor” (Êx 34.5). O Senhor nunca aparecia a Israel em sua essência, mas sempre a sua Glória estava envolta numa nuvem, ou ainda outros elementos que insinuassem outras facetas suas. Na visão gloriosa de Ezequiel, o profeta vê uma nuvem a se aproximar, e “do meio dela saía a semelhança de quatro animais [ou criaturas viventes]; e esta era a sua aparência: tinham a semelhança de um homem. E cada um tinha quatro 64


rostos... E a semelhança dos seus rostos era como o rosto do homem; e à mão dir eita todos os quatr o tinham r osto de leão, e à mão esquer da todos os quatr o tinham r osto de boi, e também r osto de águia todos os quatr o” (Ez 1.46,10). Para os que são íntimos do Evangelho, os quatro animais descritos coincidem com as quatro faces de Cristo descritas pelos quatro evangelistas: Rei, Servo, Homem e Deus – leão, boi, homem e águia – Mateus, Marcos, Lucas e João. Na transfiguração de Cristo, seis dias após sua promessa aos apóstolos, a nuvem reaparece. “Porque o Filho do homem virá na glória de seu Pai, com os seus anjos... Em verdade vos digo que alguns há, dos que aqui estão, que não provarão a morte até que vejam vir o Filho do homem no seu reino. Seis dias depois, tomou Jesus consigo a Pedro, e a Tiago, e a João... E transfigurou-se diante deles; e o seu rosto resplandeceu como o sol, e os seus vestidos se tornaram brancos como a luz... E, estando ele ainda a falar, eis que uma nuvem luminosa os cobriu. E da nuvem saiu uma voz que dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo: escutai-o” (Mt 16.27-28; 17.1-5). Conclui-se, portanto, que a nuvem é a glória do Senhor, é o Senhor Jesus, “um com o Pai”. A Glória de Deus é a manifestação de Jesus Cristo. A nuvem produzida pelo incensário para cobrir o propiciatório, portanto, mostra o regresso em glória daquele que saiu do céu para viver entre os homens e morrer por eles. E mostra indubitavelmente a aceitação do Pai de todo o serviço executado pelo Filho na sua infinita graça e propiciação pelos nossos pecados. “... o qual por nossos pecados foi entregue, e ressusci65


tou por causa da justificação” (Rm 4.25). Como o próprio Filho disse na cruz: “Está consumado”. E antes: “Eu glorifiquei-te na terra, tendo consumado a obra que me deste a fazer. E agora, glorifica-me, ó Pai, junto de ti mesmo, com aquela glória que tinha contigo antes que o mundo existisse” (Jo 17.4-5). O incensário também mostra “o firme fundamento das coisas que se esperam” (Hb 11.1). A vitória de Cristo, tanto na vida quanto na morte, estava já prevista e assegurada pela fumaça do incensário que representava seu retorno ao Pai em Glória. Este tipo de certeza da ressurreição pode ser vista em Abraão e Isaque. “Pela fé ofereceu Abraão a Isaque, quando foi provado, sim, aquele que recebera as promessas ofereceu o seu unigênito. Sendo-lhe dito: Em Isaque será chamada a tua descendência, considerou que Deus era poderoso para até dos mortos o ressuscitar. E daí também em figura ele o recobrou” (Hb 11.17-19). Além de o incensário mostrar a glorificação de Jesus, mostra também toda a sua submissão e intercessão em favor dos pecadores. Observe como o incenso santo deveria ser misturado: “E dele moendo o pisarás” (Êx 30.36). De Cristo se diz: “Todavia, ao Senhor agradou o moê-lo” (Is 53.10). O incenso moído mostra a vontade de Cristo sendo moída na mesma proporção para satisfazer os desígnios Santos de seu Pai. “Meu Pai, se é possível, passa de mim este cálice; todavia, não seja como eu quero, mas como tu queres” (Mt 26.39). “Ainda que era Filho, aprendeu a obediência, por aquilo que padeceu” (Hb 5.8). 66


“Jesus disse-lhes: A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou, e realizar a sua obra... Porque eu desci do céu, não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou” (Jo 4.34; 6.38). Resumindo de forma simples, a glória que habitava entre os querubins se fez carne através do símbolo do véu, que lhe encobria a glória; padeceu fora da porta, simbolizado pelo altar do holocausto no pátio, ao relento; retorna aos céus pela fumaça do incensário no dia da expiação anual, pelas mãos de Aarão, sumo sacerdote. Também concluímos que os três testemunhos escondidos dentro da arca – o maná, a lei e a vara de Aarão florescida –, representando a vida, morte e ressurreição de Cristo, simbolizavam na verdade o “beneplácito que propusera em si mesmo... conforme o propósito daquele que faz todas as coisas, segundo o conselho da sua vontade... para louvor da sua glória” (Ef 1.9,11,14), pois estavam ocultos aos olhos dos sacerdotes e do povo pelo peso do propiciatório e pelo véu, e que, por reflexo, impediam os anjos de compreenderem todo o propósito do coração de Deus, na eternidade passada. O propiciatório nos fala da vontade do Filho em nos querer ser propício, o véu, do fundamento da sua obra: sua carne. “Achado na forma de homem”, ou seja, saindo do Pai, manifestará este mesmo “firme propósito” através dos elementos do Lugar Santo: a mesa com os pães, o candelabro e o altar do incenso. Na salutar presciência do Pai, os herdeiros originais desprezariam a sua luz, crucificando-o “pelas mãos de injustos”, “fora da porta”. “Saiamos pois a ele fora do arraial... tendo por maiores riquezas o vitupério de Cristo do que os tesouros do Egito” (Hb 13.13; 11.26), “de sorte que haja o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus... para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis no meio de uma geração corrompida e perversa... retendo a palavra da vida” (Fp 2.5,15-16). 67


O Altar do Holocausto

Lá fora, ao relento, vemos a bacia, que não abordaremos, e o altar do holocausto, onde eram sacrificados os animais limpos.

Cobre ou Bronze? De acordo com as versões para o português, ora trazem como cobertura o bronze, ora o cobre. Podemos comprovar, com convicção serena e plena, que o material utilizado para a confecção do altar do holocausto, e também da pia, era o cobre, e jamais o bronze. Essencialmente, porque o cobre é um minério encontrado de forma bruta na natureza, assim como o ouro e a prata, os dois outros minérios encontrados no tabernáculo. O bronze é uma liga composta em sua maior parte de cobre, em associação ao estanho e outros materiais. É material produzido pelo homem através da mistura de pelo menos dois elementos diferentes.

A Palavra de Deus é muito clara quanto a misturas. “Não semearás a tua vinha de diferentes espécies de semente, para que não se profane o fruto da semente que semeares, e a novidade da vinha. Com boi e com jumento juntamente não lavrarás. Não te vestirás de diversos estofos de lã e linho juntamente” (Dt 22.9-11). Assim como o ouro e a prata eram materiais puros, sem 68


mistura, somente o cobre poderia ser utilizado na construção do tabernáculo. E se pensarmos nas características físicas destes materiais, o cobre seria o material de eleição. Ele é altamente maleável e passível de ser trabalhado plasticamente, ou seja, capaz de ser batido ou forjado sobre as superfícies. Além do mais, o cobre se funde, ou se derrete, a 1083 graus Centígrados, enquanto o bronze, dependendo da sua concentração de estanho, suporta um calor máximo aproximado de 1000 graus. Não devemos nos esquecer de que no altar do holocausto o fogo era contínuo. Como última observação, e das mais interessantes, o cobre, a prata e o ouro estão localizados na mesma coluna da Tabela Periódica dos Elementos, devido às suas semelhanças de comportamento, que simbolizariam a Uniformidade dos Ministérios de Deus. Voltando ao altar dos sacrifícios, de cobre, ali, todo pecador podia se achegar. Era a parte que lhe cabia. Oferecer os sacrifícios pacíficos, ofertas e oblações por seus pecados, porquanto não tinham acesso às coisas celestiais enquanto não fossem lavados pelo sangue do verdadeiro Cordeiro. Está fora do tabernáculo protegido, pois Israel, como nação, rejeitaria seu Messias, e assim este direito passaria aos gentios. Por isto que Ele “padeceu fora da porta”, fora dos muros de Jerusalém. E também porque, segundo a lei, os “corpos dos animais, cujo sangue é, pelo pecado, trazido pelo sumo sacerdote para o Santuário, são queimados fora do arraial. E por isso também Jesus, para santificar o povo pelo seu próprio sangue, padeceu fora da porta” (Hb 13.11-12). Mas embora o altar de cobre estivesse fora, ele era o único meio do pecador gentio ou judeu se achegar a Deus. Quando o judeu comum passasse a primeira porta do átrio, veria inevitavelmente à sua frente aquele instrumento fúnebre. 69


Ali o sangue escorria invariavelmente, todos os dias, duas vezes ao dia, no mínimo; isso se mais ninguém da nação pecasse ou não quisesse ofertar nada. O fogo ardia ininterruptamente, pois Deus está pronto para julgar o pecado do miserável a qualquer momento. “Isto pois é o que oferecereis sobre o altar: dois cordeiros dum ano cada dia continuamente. Um cordeiro oferecerás pela manhã e o outro cordeiro oferecerás à tardinha” (Êx 29.38-39). “O fogo arderá continuamente sobre o altar; não se apagará” (Lv 6.13). O Senhor Jesus cumpriu este sacrifício contínuo ao ser crucificado desde a hora do primeiro sacrifício até sua morte no momento do segundo sacrifício, perfazendo um total de seis horas de tormento por nossas culpas e pecados, no dia da Páscoa. A respeito desses intermináveis sacrifícios, o gigante de Hebreus declara: “E na verdade, aqueles foram feitos sacerdotes em grande número, porque pela morte foram impedidos de permanecer. Mas este [Jesus], porque permanece eternamente, tem um sacerdócio perpétuo... Porque nos convinha tal sumo sacerdote, santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores, e feito mais excelente que os céus; que não necessitasse, como os sumos sacerdotes, de oferecer cada dia sacrifícios, primeiramente por seus próprios pecados, e depois pelo povo; porque isto fez ele, uma vez, oferecendo-se a si mesmo” (Hb 7.2327). O corpo de Cristo oferecido no calvário substitui e inutiliza todos os instrumentos do santuário com perfeição Sublime e Infinita.

70


Não obstante neste altar verifiquemos que vários tipos de sacrifícios podiam ser oferecidos, tais como o de culpa, de ignorância, de manjares, de paz e de ofertas voluntárias, descritos no início do livro de Levítico, todos tinham por base aquele sacrifício anual oferecido na Páscoa. Sem o sangue da Páscoa, Israel ainda estaria sob as mãos do Egito. Assim como se o “nosso Cordeiro Pascal” não tivesse sido sacrificado na cruz do Calvário, estaríamos irremediavelmente perdidos por causa dos nossos pecados e de nossa natureza pecaminosa. “Porque Cristo, nossa Páscoa, foi sacrificado por nós” (1 Co 5.7). Neste altar precioso também se comemoravam as sete festas solenes de Israel, descritas em Levítico 23, com suas ofertas queimadas, que descrevem como sombra a história de Israel, desde a saída do Egito sob a Páscoa até o Reino Milenial na festa dos Tabernáculos, passando pela ressurreição de Cristo na festa das Primícias, a reunião do corpo de Cristo em Pentecostes, arrebatamento desta Igreja nas Trombetas e o perdão final de Israel no Dia da Expiação. Todo cristão deveria conhecer a fundo estas sete festas, pois a nós nos diz respeito. Um excelente comentário sobre elas pode ser encontrado nas anotações da Bíblia de Scofield. Comentaremos agora somente a festa anual do Dia de Expiação, pois esta tem a ver diretamente com o templo celeste.

71


O Dia da Expiação Nesse dia especial, descrito em Levítico 16, Aarão oferecia ao Senhor o sangue de novilhos e bodes primeiramente “por si mesmo” e depois “pelas culpas do povo”, trazendo este “sangue para dentro do véu”. À parte a sublimidade do sacrifício do bode do Senhor e da liberdade do bode emissário, representando respectivamente a justificação do homem no sangue de Cristo e a santificação das novas vidas pela confissão constante dos pecados, o que nos interessa aqui é sabermos duas coisas. Inicialmente que o sangue do novilho que era para Aarão mesmo, este encenando Cristo, o verdadeiro Sumo Sacerdote, era levado para dentro do véu juntamente com incenso, e com ele espargido o propiciatório. Assim vemos. “E Aarão fará chegar o novilho da expiação, que será para ele, e fará expiação por si e pela sua casa; e degolará o novilho da expiação, que é para ele. Tomará também o incensário cheio de brasas de fogo do altar de diante do Senhor, e os seus punhos cheios de incenso aromático moído, e o meterá dentro do véu. E por á o incenso sobr e o fogo per ante o Senhor, e a nuvem do incenso cobrirá o propiciatório, que está sobre o testemunho, para que não morra. E tomará do sangue do novilho, e com o seu dedo espargirá sobre a face do propiciatório, par a a banda do or iente; e perante o propiciatório espargirá sete vezes do sangue com o dedo” (Lv 16.11-14). Se Cristo havia saído do céu, passando pelo véu, e com isto se encarnado, Cristo retorna simbolicamente ao céu neste momento. O sangue fala de sua morte lá fora, no altar do ho72


locausto, a fumaça do incenso mostra sua ressurreição vitoriosa e sua entrada nos céus. Significa também que todo o trabalho Maravilhoso de sua cruz foi aceito pelo Pai, e nada mais nos resta fazer, a não ser crer neste sacrifício bendito a nosso favor. Sobre isto já havíamos comentado um pouco antes. Mas preste atenção agora. O segundo ponto fala da purificação do santuário por causa dos pecados do povo. Observe: “Depois degolará o bode da expiação, que será para o povo, e trará o seu sangue para dentro do véu; e fará com o seu sangue como fez com o sangue do novilho, e o espargirá sobre o propiciatório, e perante a face do propiciatório. Assim fará expiação pelo santuário por causa das imundícias dos filhos de Israel e das suas transgressões, segundo todos os seus pecados: e assim far á par a a tenda da congr egação que mora com eles no meio das suas imundícias... Então sairá ao altar, que está perante o Senhor [altar do incenso], e fará expiação por ele; e tomará do sangue do novilho, e do sangue do bode, e porá sobre as pontas ao redor. E daquele sangue espargirá sobre ele com o seu dedo sete vezes, e o purificará das imundícias dos filhos de Israel, e o santificará” (Lv 16.15-19). Esta é a questão que estamos debatendo desde o início deste livro. Este santuário terreno precisava ser santificado com sangue de bodes e novilhos; com que sangue se purificaria o tabernáculo celeste após sua contaminação por Lúcifer? “De sorte que era bem necessário que as figuras das coisas que estão no céu assim se purificassem; mas as próprias coisas celestiais com sacrifícios melhores do que estes. Porque Cristo não entrou num santuário feito por mãos, figura do verdadeiro, porém no mesmo céu, para agora comparecer por nós perante a face de Deus” (Hb 9.23-24). 73


Assim como Aarão entrava com sangue alheio para santificar o tabernáculo terrestre contaminado pelo povo em redor, Cristo “entrou por nós, nosso precursor, feito eternamente sumo sacerdote” (Hb 6.20) e que “está assentado nos céus à destra do trono da majestade, ministro do santuário e do verdadeiro tabernáculo” (Hb 8.1-2), levando seu precioso sangue, e com ele santificando cada peça contaminada pelo anjo rebelde. E se cada peça do santuário, e o próprio santuário como um todo, foram santificados com o sangue de Jesus, os ministrantes e sacerdotes substitutos, nós, os que temos crido nas promessas do Pai celeste, fomos “aperfeiçoados para sempre com uma só oblação” (Hb 10.14). Destarte, “Jesus, Filho de Deus, grande sumo sacerdote, penetrou nos céus” (Hb 4.14) e “está assentado para sempre à destra de Deus. Daqui em diante esperando até que os seus inimigos sejam postos por escabelo de seus pés” (Hb 10.1213), e esperando também que o grande exército da “geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido” (1 Pe 2.9) se “revista da incorruptibilidade e da imortalidade” (1 Co15.53), e possa entrar na nova Jerusalém e completar o número dos anjos expulsos. É por isto mesmo que nos parece lógico crer que o número de homens escolhidos por Deus naquela eleição eterna no sangue do Cordeiro, é exatamente o mesmo dos anjos caídos. Se Lúcifer foi substituído por um, o Filho Eterno, então a miríade de anjos caídos, o terço das estrelas do céu, deverá ser substituída uma por uma. Graças a Deus que o número está se completando. Em breve o período da Igreja se findará, e o período de tribulação de sete anos governada pelo anticristo, filho primogênito da globalização, se instaurará; e somente mais mil anos do Reinado do Messias no trono, em Jerusalém, nos separarão, como um todo, da bendita esperança e herança a nós guardada nos céus. “Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que, segundo a sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo, dentre os mortos, para uma herança incorruptível, incontami74


nável, e que se não pode murchar, guardada nos céus para vós” (1 Pe 1.3-4). Deus ainda está chamando as pequenas pedras da grande construção espiritual para completar o sacerdócio caído, e podermos rememorar como sacerdotes constituídos o sacrifício que mudou o rumo de nossas pobres vidas. A Palavra de Deus diz que o “salário do pecado é a morte” (Rm 6.23), não só física, mas sobretudo espiritual. E Deus nos oferece vida eterna na morte de Jesus Cristo. “E o testemunho é este: que Deus nos deu a vida eterna; e esta vida está em seu Filho. Quem tem o Filho tem a vida: quem não tem o Filho de Deus não tem a vida. Estas coisas vos escrevi, para que saibais que tendes a vida eterna, e para que creiais no nome do Filho de Deus” (1 Jo 5.11-13). Se o leitor ainda não O aceitou como Salvador e Senhor, não despreze esta tamanha oferta que é de graça. Se “Hoje ouvirdes a sua voz, não endureçais os vossos corações” (Hb 4.7). Porque “o Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para convosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se” (2 Pe 3.9). E é muito fácil. “Não digas em teu coração: Quem subirá ao céu? (Isto é, a trazer do alto a Cristo). Ou: Quem descerá ao abismo? (Isto é, a tornar a trazer dentre os mortos a Cristo). Mas que diz? A palavra está junto de ti, na tua boca, e no teu coração; esta é a palavr a de fé, que pr egamos; a saber : Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dos mortos, serás salvo... Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor Jesus será salvo” (Rm 10.6-13).

75


“Bem aventurados aqueles que lavam as suas vestiduras no sangue do Cordeiro, para que tenham direito à arvore da vida, e possam entrar na cidade pelas portas” (Ap 22.14). Em Cristo você tem a oportunidade de ser tirado da “potestade das trevas” e ser “transportado para o Reino do Filho do seu amor, em quem temos a redenção pelo seu sangue, a saber, a remissão dos pecados” (Cl 1.13-14). Admita e confesse que você é pecador, peça perdão pelos seus pecados e invoque de uma vez por todas o “nome que está acima de todo o nome” (Fp 2.9). “Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem” (1 Tm 2.5). E se você já tem Cristo, aproprie-se da realidade do seu sacerdócio eterno e “sede sóbrios. E esperai inteiramente na graça que se vos ofereceu na revelação de Jesus Cristo” (1 Pe 1.13). Pois, em breve, entraremos no Verdadeiro.

76

Profile for CRISTOescrito

O Tabernáculo em pormenores  

Que tal uma visão mais espiritual e pormenorizada do Tabernáculo do Senhor?!

O Tabernáculo em pormenores  

Que tal uma visão mais espiritual e pormenorizada do Tabernáculo do Senhor?!

Advertisement