Page 1

P – Demos graças ao Senhor, nosso Deus. T – É nosso dever e nossa salvação. P – Nós te damos graças, ó Deus da vida, porque renovas o universo com a energia amorosa do teu Espírito e convocas toda a criação a se libertar do cativeiro e a participar da liberdade dos filhos e filhas de Deus. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor. P – Nós te bendizemos porque Jesus, compadecendo-se das fraquezas da humanidade, tornou-se Senhor do universo, bendito para sempre. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor. P – Por este sinal do corpo do teu Filho, expressamos nosso desejo de corresponder com mais fidelidade à missão que nos deste e invocamos sobre nós o teu Espírito. Apressa o tempo da vinda do teu reino, e recebe o louvor de todo

o universo e de todas as pessoas que te buscam. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor. P – Toda a nossa louvação chegue a ti em nome de Jesus, por quem oramos com as palavras que ele nos ensinou: T – Pai Nosso... pois vosso é o reino, o poder e a glória para sempre.

27. ABRAÇO DA PAZ

P – Irmãos e irmãs, por sua morte e ressurreição, o Cristo nos reconciliou. Demo-nos uns aos outros o abraço da paz!

28. RITO DA COMUNHÃO

(Após o Pai-Nosso, quem preside convida a comunidade a partilhar o pão, dizendo:) P – Assim disse Jesus: “Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim nunca mais terá fome e o que crê em mim nunca mais terá sede”.

Mostrando o pão consagrado: P – Eis o Cordeiro de Deus, aquele que tira o pecado do mundo! T – Senhor, eu não sou digno(a)... (Distribuição da comunhão: canto n. 18 A e B deste folheto).

Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo – Ano A

29. ORAÇÃO FINAL

P – Senhor, Deus dos pequeninos, que esta celebração derrame sobre nós o teu Espírito, para que possamos reconhecer-te presente nos marginalizados e sofredores e a eles doar nossa vida, tal como Jesus, servidor fiel no teu reino, por quem te pedimos, na unidade do Espírito Santo. O roteiro de “onde não houver missa” encontra-se no livro “Dia do Senhor”: de M. Guimarães e P. Carpanedo, Paulinas: Apostolado Litúrgico.

CRISTO: REI E PASTOR

O mistério que celebramos hoje

mundo no “ reino da verdade e da vida, reino da santidade e da graça, reino da justiça, do amor e da paz”. (cf. Prefácio Encerrando o Ano Litúrgico, celebramos a realeza e da festa de Cristo Rei). o senhorio de Jesus, proclamando-o Rei e Senhor do Celebramos hoje o Dia da Consciência Negra. Universo. Celebramos a páscoa de Jesus que se manifesta em todas as pessoas e comunidades que realizam ações concretas a favor dos famintos, dos presos, dos sem-moradia, dos semterra, dos enfermos, de todos os que sofrem. Nesta celebração o Senhor vem a nós como Rei e Pastor, identificado com os pequeninos e os necessitados. Ele deseja o despojamento de todo o tipo de triunfalismo que possa dominar o nosso ser, o nosso trabalho e nossa Igreja. Quer que nos tornemos mais sensíveis e comprometidos com os pequeninos. Eles são a “coroa do nosso Rei!” Hoje é também o Dia do Leigo(a), chamado à missão profética, sacerdotal e régia de Cristo pata transformar o

Arquidiocese de Goiânia

Sugestões para a equipe de celebração: 1. Preparar o espaço celebrativo, destacando a pia batismal, além da mesa da Palavra e da Eucaristia. A cor litúrgica de hoje é o branco. 2. Retomar, no início da celebração, os acontecimentos que marcaram o ano litúrgico que termina, ligando-os com a festa de Cristo Rei e identificando neles os sinais do Reino de Cristo que vence o reino deste mundo. 3. Dar o abraço da paz com sentido de reconciliação entre as pessoas, como expressão do Reino. 4. Lembrar que hoje, em todas as dioceses do Brasil, iniciase a Campanha para a Evangelização.

LEITURAS BÍBLICAS: 2ª-f.: Zc 2,14-17; Mt 12,46-50. 3ª-f.: Dn 2,31-45; Lc 21,5-11. 4ª-f.: Dn,1-6.13-14.16-17.23-28; Lc 21, 12-19. 5ª-f.: Dn 6,12-28; Lc 21, 20-28. 6ª-f.: Dn 7,2-14; Lc 21,29-33. Sábado: Dn 7,15-27; Lc 21,34-36. Domingo: lº Domingo do Advento – Is 63,16b-17.19b;64,2b-7; 1Cor 1,3-9; Mc 13,33-37.

CÚRIA ARQUIDIOCESANA Praça Dom Emanuel, s/n - Centro - Caixa postal 174 CEP 74001-970 - Goiânia - Goiás Fone: (62) 3223-0759 - curia@arquidiocesedegoiania.org.br

EM UM MUNDO DE DIFERENÇAS ENXERGUE A IGUALDADE

20 de novembro de 2011 - Ano XXVIII - N.º 1637

1. MOTIVAÇÃO

CRISTO: REI E PASTOR

A – Hoje aclamamos Jesus Cristo como nosso Rei. Ele nos reúne aqui para ouvirmos sua Palavra e recebermos sua vida, para vivermos sua lei, que é a lei do amor. Dispostos a acolhê-lo, iniciemos nossa celebração, cantando.

2. CANTO DE ABERTURA (40º Curso: 04.11)

Jesus Cristo, / ontem, hoje e sempre! / Ontem, hoje e sempre, aleluia! 1. Ele é a imagem do Deus invisível, / o Primogênito da Criação. / Tudo o que existe foi nele criado, / nele encontramos a Redenção. 2. Ele é a cabeça da Igreja, seu corpo, / o Primogênito entre os mortais. / Que nele habite a vida mais plena, / foi do agrado de nosso Pai. 3. Reconciliou todas as criaturas, / dando-nos paz pelo Sangue da cruz. / Deus nos tirou do império das trevas, / e nos chamou a viver na luz.

3. ACOLHIDA

P – Em nome do Pai... T – Amém. P – A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam convosco. T – Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

P – Deus todo-poderoso tenha compaixão de nós, perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna. T – Amém.

5. HINO DE LOUVOR (30º Curso: 10.11)

Glória a Deus nos altos céus! / Paz na terra a seus amados! / A vós louvam, Rei celeste, / os que foram libertados! 1. Deus e Pai, nós vos louvamos, / adoramos, bendizemos; / damos glória ao vosso nome, / vossos dons agradecemos! 2. Senhor nosso, Jesus Cristo, / Unigênito do Pai, / vós, de Deus Cordeiro Santo, / nossas culpas perdoai! 3. Vós, que estais junto do Pai, / como nosso intercessor, / acolhei nossos pedidos, / atendei nosso clamor! 4. Vós somente sois o Santo, / o Altíssimo, o Senhor, / com o Espírito Divino, / de Deus Pai no esplendor! Glória a Deus nos altos céus! / Paz na terra a seus amados! / A vós louvam, Rei celeste, / os que foram libertados! Amém!

6. ORAÇÃO

vou cuidar de minhas ovelhas e vou resgatá-las de todos os lugares em que foram dispersadas num dia de nuvens e escuridão. 15 Eu mesmo vou apascentar as minhas ovelhas e fazê-las repousar − oráculo do Senhor Deus. 16Vou procurar a ovelha perdida, reconduzir a extraviada, enfaixar a da perna quebrada, fortalecer a doente, e vigiar a ovelha gorda e forte. Vou apascentálas conforme o direito. 17 Quanto a vós, minhas ovelhas, − assim diz o Senhor Deus − eu farei justiça entre uma ovelha e outra, entre carneiros e bodes”. – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio)

8. SALMO 22 (23)

(Salmos e Aclamações: ano A: 12.10 – vol. III)

O Senhor é o Pastor que me conduz; / não me falta coisa alguma. 2 Pelos prados e campinas verdejantes / ele me leva a descansar. / Para as águas repousantes me encaminha, / 3e restaura as minhas forças. 5 Preparais à minha frente uma mesa, / bem à vista do inimigo, / e com óleo vós ungis minha cabeça; / o meu cálice transborda. 6 Felicidade e todo bem hão de seguir-me / por toda a minha vida; / e, na casa do Senhor, habitarei / pelos tempos infinitos. (Tempo de silêncio)

P – Oremos. (Pausa para oração) Deus eterno e todo-poderoso, que dispusestes restaurar todas as coisas no vosso amado Filho, Rei do universo, fazei que todas as criaturas, libertas da escravidão e servindo à vossa majestade, vos glorifiquem eternamente. Por nosso Senhor 4. ATO PENITENCIAL P – Jesus é o Rei do Universo, mas quem Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do 9. SEGUNDA LEITURA está mandando são os senhores deste Espírito Santo. Leitura da Primeira Carta de São mundo: o dinheiro, o poder, a violência, T – Amém. Paulo aos Coríntios (15,20-26.28) – as drogas e o prazer. 20 Irmãos: na realidade, Cristo ressusciLITURGIA DA PALAVRA (Pausa) tou dos mortos como primícias dos que Peçamos perdão de nossos pecados. A – A Palavra de Deus nos revela a morreram. 21Com efeito, por um homem P – Senhor, que oferecestes o vosso per- sua ação na história e nos ensina onde veio a morte, e é também por um homem dão a Pedro arrependido, tende piedade podemos encontrá-lo. Escutemos. que vem a ressurreição dos mortos. de nós. 22 Como em Adão todos morrem, assim 7. PRIMEIRA LEITURA T – Senhor, tende piedade de nós. Leitura da Profecia de Ezequiel também em Cristo todos reviverão. 23PoP – Cristo, que prometestes o paraíso ao (34,11-12.15-17) – 11Assim diz o Se- rém cada qual segundo uma ordem debom ladrão, tende piedade de nós. nhor Deus: “Vede! Eu mesmo vou terminada: Em primeiro lugar, Cristo, T – Cristo, tende piedade de nós. procurar minhas ovelhas e tomar como primícias; depois, os que pertenP – Senhor, que acolheis toda pessoa que conta delas. cem a Cristo, por ocasião da sua vinda. 12 24 confia em vossa misericórdia, tende pieComo o pastor toma conta do reA seguir, será o fim, quando ele enbanho, de dia, quando se encontra tregar a realeza a Deus-Pai depois de dade de nós. no meio das ovelhas dispersas, assim destruir todo principado e todo poder T – Senhor, tende piedade de nós.


e força. 25Pois é preciso que ele reine, até que todos os seus inimigos estejam debaixo de seus pés. 26O último inimigo a ser destruído é a morte. 28 E, quando todas as coisas estiverem submetidas a ele, então o próprio Filho se submeterá àquele que lhe submeteu todas as coisas, para que Deus seja tudo em todos. – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio)

e não me recebestes em casa; em estava nu e não me vestistes; eu estava doente e na prisão e não fostes me visitar’. 44 E responderão também eles: ‘Senhor, quando foi que te vimos com fome, ou com sede, como estrangeiro, ou nu, doente ou preso, e não te servimos?’ 45 Então o Rei lhes responderá: ‘Em verdade eu vos digo, todas as vezes que não fizestes isso a um desses pequeninos, foi a mim que não o fizestes!’ 46Portanto, estes irão para o castigo eterno, enquanto os justos irão para a vida eterna”. 10. ACLAMAÇÃO AO – Palavra da Salvação. EVANGELHO (Salmos e Aclamações: ano A: 12.10 – vol. III) T – Glória a vós, Senhor. Aleluia, aleluia, aleluia! (bis) (Tempo de silêncio) É bendito aquele que vem vindo, que 11. HOMILIA vem vindo em nome do Senhor; / e o Rei- (Após a homilia, pausa para reflexão.) no que vem seja bendito; ao que vem e a seu Reino, o louvor! 12. PROFISSÃO DE FÉ P – Cheios de confiança, professemos a P – O Senhor esteja convosco. nossa fé. T – Ele está no meio de nós. P – Proclamação do evangelho de Je- T – Creio em Deus Pai... sus Cristo segundo Mateus. 13. ORAÇÃO COMUNITÁRIA T – Glória a vós, Senhor. P – Apresentemos ao Senhor as realida(25,31-46) – Naquele tempo, disse Je- des nas quais precisamos fazer com que sus a seus discípulos: 31“Quando o Filho Ele reine. do Homem vier em sua glória, acompa- 1. Reinai, Senhor, na vida e no ministério nhado de todos os anjos, então se assen- do Santo Padre, o Papa, dos bispos e dos tará em seu trono glorioso. 32Todos os padres para que sirvam a vossa Igreja. povos da terra serão reunidos diante T – Venha a nós o vosso Reino. dele, e ele separará uns dos outros, assim como o pastor separa as ovelhas dos 2. Reinai, Senhor, na vida de todas as cabritos. 33E colocará as ovelhas à sua pessoas consagradas: nas muitas ordens, congregações religiosas e institutos de direita e os cabritos à sua esquerda. 34 Então o Rei dirá aos que estiverem à vida consagrada. Que elas sejam servidosua direita: “Vinde, benditos de meu Pai! ras da vossa Igreja. Recebei como herança o Reino que meu 3. Reinai, Senhor, na vida dos leigos e Pai vos preparou desde a criação do mun- leigas que, pelo batismo, receberam a do! 35Pois eu estava com fome e me destes missão de levar vosso reino para todos os de comer; eu estava com sede e me destes ambientes da sociedade. de beber; eu era estrangeiro e me rece- 4. Reinai, Senhor, na vida de cada um de bestes em casa; 36eu estava nu e me vestis- nós que participamos desta celebração, tes; eu estava doente e cuidastes de mim; para que sejamos sal, luz e fermento do eu estava na prisão e fostes me visitar. vosso Reino. 37 Então os justos lhe perguntarão: (Preces da comunidade) ‘Senhor, quando foi que te vimos com (Conclusão pelo presidente) fome e te demos de comer? Com sede e te demos de beber? 38Quando foi que te LITURGIA EUCARÍSTICA vimos como estrangeiro e te recebemos em casa, e sem roupa e te vestimos? (Onde não houver missa, segue a partir 39 Quando foi que te vimos doente ou do n. 24 deste folheto.) preso, e fomos te visitar?’ 14. CANTO DE PREPARAÇÃO 40 Então o Rei lhes responderá: ‘Em DAS OFERENDAS verdade eu vos digo que todas as vezes (39º Curso: 08.10) que fizestes isso a um dos menores de Apresentamos, Senhor, estes dons. / meus irmãos, foi a mim que o fizestes!’ Bendito sejas, pra sempre, Senhor. (bis) 41 Depois o Rei dirá aos que estiverem à sua esquerda: ‘Afastai-vos de mim, mal- 1. Bendito, sejas, Senhor, / por este pão ditos! Ide para ao fogo eterno, prepa- que nos deste, / fruto do trabalho, / será rado para o diabo e para os seus anjos. pão da nossa vida. 42 Pois eu estava com fome e não me des- 2. Bendito sejas, Senhor, / por este vites de comer; eu estava com sede e não nho tão puro, / fruto da videira / será me destes de beber; 43eu era estrangeiro nossa salvação.

3. Bendito sejas, Senhor, / por tudo quanto nos deste, / nós te agradecemos / pelos dons que recebemos.

15. ORAÇÃO

P – Orai, irmãos e irmãs, para que o nosso sacrifício seja aceito por Deus Pai todo-poderoso. T – Receba o Senhor por tuas mãos este sacrifício, para glória do seu nome, para nosso bem e de toda a santa Igreja. Oferecendo-vos estes dons que nos reconciliam convosco, nós vos pedimos, ó Deus, que o vosso próprio Filho conceda paz e união a todos os povos. Por Cristo, nosso Senhor. T – Amém.

16. ORAÇÃO EUCARÍSTICA III (Prefácio de N. S. J. C., Rei do Universo)

P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Corações ao alto. T – O nosso coração está em Deus. P – Demos graças ao Senhor, nosso Deus. T – É nosso dever e nossa salvação. Na verdade, é justo e necessário, é nosso dever e salvação dar-vos graças, sempre e em todo o lugar, Senhor, Pai santo, Deus eterno e todo-poderoso. Com óleo de exultação, consagrastes sacerdote eterno e rei do universo vosso Filho único, Jesus Cristo, Senhor nosso. Ele, oferecendo-se na Cruz, vítima pura e pacífica, realizou a redenção da humanidade. Submetendo ao seu poder toda criatura, entregará à vossa infinita majestade um reino eterno e universal: reino da verdade e da vida, reino da santidade e da graça, reino da justiça, do amor e da paz. Por essa razão, hoje e sempre, nós nos unimos aos anjos e arcanjos, aos querubins e serafins, e a toda a milícia celeste, cantando (dizendo) a uma só voz: T – Santo, Santo, Santo... Na verdade, vós sois santo, ó Deus do universo, e tudo o que criastes proclama o vosso louvor, porque, por Jesus Cristo, vosso Filho e Senhor nosso, e pela força do Espírito Santo, dais vida e santidade a todas as coisas e não cessais de reunir o vosso povo, para que vos ofereça em toda parte, do nascer ao pôr do sol, um sacrifício perfeito. T – Santificai e reuni o vosso povo! Por isso, nós vos suplicamos: santificai pelo Espírito Santo as oferendas que vos apresentamos para serem consagradas, a fim de que se tornem o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo, vosso Filho e Senhor nosso, que nos mandou celebrar este mistério. T – Santificai nossa oferenda, ó Senhor! Na noite em que ia ser entregue, ele tomou o pão, deu graças, e o partiu e deu

a seus discípulos, dizendo: Tomai, todos, e comei: isto é o meu Corpo, que será entregue por vós. Do mesmo modo, ao fim da ceia, ele tomou o cálice em suas mãos, deu graças novamente, e o deu a seus discípulos, dizendo: Tomai, todos, e bebei: este é o cálice do meu sangue, o sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e por todos para remissão dos pecados. Fazei isto em memória de Mim. Eis o mistério da fé! T – Anunciamos, Senhor, a vossa morte e proclamamos a vossa ressurreição. Vinde, Senhor Jesus! Celebrando agora, ó Pai, a memória do vosso Filho, da sua paixão que nos salva, da sua gloriosa ressurreição e da sua ascensão ao céu, e enquanto esperamos a sua nova vinda, nós vos oferecemos em ação de graças este sacrifício de vida e santidade. T – Recebei, ó Senhor, a nossa oferta! Olhai com bondade a oferenda da vossa Igreja, reconhecei o sacrifício que nos reconcilia convosco e concedei que, alimentando-nos com o Corpo e o Sangue do vosso Filho, sejamos repletos do Espírito Santo e nos tornemos em Cristo um só corpo e um só espírito. T – Fazei de nós um só corpo e um só espírito! Que ele faça de nós uma oferenda perfeita para alcançarmos a vida eterna com os vossos santos: a Virgem Maria, Mãe de Deus, os vossos Apóstolos e Mártires, N. (o santo do dia ou o padroeiro) e todos os santos, que não cessam de interceder por nós na vossa presença. T – Fazei de nós uma perfeita oferenda! E agora, nós vos suplicamos, ó Pai, que este sacrifício da nossa reconciliação estenda a paz e a salvação ao mundo inteiro. Confirmai na fé e na caridade a vossa Igreja, enquanto caminha neste mundo: o vosso servo o papa Bento, o nosso bispo (N), com os bispos do mundo inteiro, o clero e todo o povo que conquistastes. T – Lembrai-vos, ó Pai, da vossa Igreja! Atendei às preces da vossa família, que está aqui, na vossa presença. Reuni em vós, Pai de misericórdia, todos os vossos filhos e filhas dispersos pelo mundo inteiro. T – Lembrai-vos, ó Pai, dos vossos filhos! Acolhei com bondade no vosso reino os nossos irmãos e irmãs que partiram desta vida e todos os que morreram na vossa amizade. Unidos a eles, esperamos também nós saciar-nos eternamente da vossa glória, por Cristo, Senhor nosso. T – A todos saciai com vossa glória! Por ele dais ao mundo todo bem e toda graça.

Por Cristo, com Cristo, em Cristo, a vós, Deus Pai todo-poderoso, na unidade do Espírito Santo, toda a honra e toda a glória, agora e para sempre. T – Amém.

És o Cristo, nós te louvamos, te louvamos sempre, aleluia. (bis)

O Filho do Homem virá, virá, / na sua glória virá, virá, / para julgar virá, virá, / todos os povos e reinará! 1. Falou Deus, o Senhor, chamou a terra, / do nascente ao poente convocou. / Deus refulge em Sião, beleza plena, / não se cala ante nós, que ele chamou. (bis) 2. “Reuni, na minha frente, os meus eleitos, / que a aliança selaram, ante o altar.” / Testemunho será o próprio céu, / porque Deus, ele mesmo, vai julgar. (bis) 3. Eu não vim criticar teus sacrifícios, / estão diante de mim teus holocaustos. / Não preciso do gado de teus campos, / nem dos muitos carneiros de teus pastos. (bis) 4. Faze a Deus sacrifício de louvor, / cumpre os votos que a ele tu fizeste. / Vem, me invoca na hora das angústias, / eu virei te livrar do que sofreste. (bis)

21. AVISOS DA COMUNIDADE

18 B. CANTO DA COMUNHÃO

23. DESPEDIDA

20. ORAÇÃO

P – Oremos. (Pausa para oração) Alimentados pelo pão da imortalidade, 17. PAI-NOSSO nós vos pedimos, ó Deus, que, glorianP – Rezemos, com amor e confiança, a do-nos de obedecer na terra aos manoração que o Senhor nos ensinou: damentos de Cristo, Rei do universo, possamos viver com ele eternamente no T – Pai nosso... reino dos céus. Por Cristo, nosso Senhor. 18 A. CANTO DA COMUNHÃO T – Amém. (37º Curso: 08.09)

(30º Curso: 10.05)

1. Seu nome é Jesus Cristo e passa fome / e grita pela boca dos famintos, / e a gente quando o vê passa adiante, / às vezes pra chegar depressa à Igreja. / Seu nome é Jesus Cristo e está sem casa / e dorme pela beira das calçadas. / E a gente quando o vê apressa o passo, / e diz que ele dormiu embriagado. Entre nós está e não o conhecemos. / Entre nós está e nós o desprezamos! (2x) 2. Seu nome é Jesus Cristo e analfabeto, / e vive mendigando um subemprego / e a gente quando vê diz: é uma à toa. / Melhor que trabalhasse e não pedisse. / Seu nome é Jesus Cristo e está banido, / das rodas sociais e das igrejas, / porque dele fizeram um Rei potente / enquanto Ele vive como um pobre. 3. Seu nome é Jesus Cristo e está doente, / e vive atrás das grades das cadeias, / e nós tão raramente vamos vê-lo, / sabemos que ele é um marginal. / Seu nome é Jesus Cristo e anda sedento / por um mundo de amor e de justiça, / mas logo que contesta pela paz: / a “ordem” o obriga a ser da guerra.

19. MOMENTO DE SILÊNCIO E ORAÇÃO PESSOAL

RITOS FINAIS

22. BÊNÇÃO FINAL

P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Que Deus todo-poderoso vos livre sempre de toda adversidade e derrame sobre vós as suas bênçãos. T – Amém. P – Torne os vossos corações atentos à sua palavra, a fim de que transbordeis de alegria divina. T – Amém. P – Assim, abraçando o bem e a justiça, possais correr sempre pelo caminho dos mandamentos divinos e tornar-vos co-herdeiros dos santos. T – Amém. P – Abençoe-vos Deus todo-poderoso, Pai e Filho e Espírito Santo. T – Amém. P – Ide em paz, e o Senhor vos acompanhe. T – Graças a Deus.

ONDE NÃO HOUVER MISSA

24. COLETA FRATERNA

(É o momento de trazer donativos ou oferta em dinheiro para as necessidades da comunidade, enquanto a assembleia canta o n. 14 deste folheto.)

25. DA PALAVRA À REFEIÇÃO

(Quem preside convida a assembleia a se aproximar do altar.) P – Vamos dar graças a Deus e repartir entre nós o pão consagrado, memória viva do corpo do Senhor. Que esta comunhão firme nossa amizade com ele e nos dê a graça de viver e promover a reconciliação. (38º Curso: 03 10)

Vós sois o Caminho, a Verdade e a Vida, / o pão da alegria descido do céu.

26. ORAÇÃO DE AÇÃO DE GRAÇAS

O(a) presidente, ocupando o lugar no altar, convida a assembleia para o louvor: Refrão meditativo: (22º Curso: 09.01) És o Cristo, nós te adoramos, aleluia, P – O Senhor esteja com vocês. aleluia; (bis) T – Ele está no meio de nós.

nosso-senhor-jesus-cristo-rei-do-universo_nov_2011  

P – Em nome do Pai... T – Amém. P – A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam convosco. T –...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you