Page 1

REVISTA ACCB ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE CRIADORES DE BOVINOS

EDIÇÃO 01/2016


ÍNDICE 04 Apresentação e Aprovação do Regimento Interno da ACCB 07 Calendário de Eventos 2016

08 1º Circuito Nacional - Jersey 10 16 Passos para Montar Feiras e Exposições 17 Entrega Premiação Ranking 2015

24 Melhores Holandês e Jersey do ano de 2015 - Ranking

ENTREVISTAS 12 Melhor Criador e Expositor Raça Holandesa - Ano 2015 - SC 14 Melhor Expositor Raça Jersey - Ano 2015 - SC

15 Grande Campeã e Suprema Raça Jersey - Ano 2015 - SC

2 • ACCB • www.accb.com.br


Palavra do Presidente Rumo ao segundo ano de nosso mandato a frente da ACCB que se iniciou nesse ano de 2016, e após as ações tomadas no primeiro ano, vislumbramos um cenário mais favorável aos nossos Associados e a atividade leiteira em Santa Catarina. Diversas medidas foram realizadas nas áreas administrativas e técnicas de nossa entidade. Parcerias foram firmadas, ajustes em nosso Estatuto Social, criação de um Regimento Interno, regulamentação dos Núcleos Regionais, capacitação e reciclagem dos profissionais que atendem nossos Associados, aprimoramento e qualificação do Serviço de Controle Leiteiro, maior divulgação da genética catarinense através dos veículos de comunicação (Revista, Site, Facebook, Anuário), foram necessários e essenciais para dinamizar a nossa Associação e gerar retornos concretos a todos nós. Dentre essas ações acho pertinente ressaltar as referentes ao Serviço de Controle leiteiro, esta tão importante ferramenta para o acompanhamento e tomadas de decisões no manejo e aprimoramento dos planteis. Com o intuito de aprimorar ainda mais esta prova zootécnica, a ACCB em uma Assembleia Geral realizada em fevereiro deste ano, resolveu por unanimidade dos presentes, transferir o S.C.L. para o laboratório paranaense, que apresenta uma estrutura indiscutível para realizar as analises do leite e envio de dados para as Associações Nacionais. E ainda nesse segmento, realizamos 03 treinamentos e capacitação de supervisores e controladores leiteiros para profissionalizar a mão de obra nessas funções. Mas muito ainda temos por fazer. A ACCB continuará a buscar parcerias para estimular a integração institucional e a criação de redes de inovação e formação com foco na pecuária leiteira familiar catarinense. Para esse ano, teremos varias exposições já tradicionais e de conhecimento de todos (ver calendário de exposições nessa edição). Porém gostaria de ressaltar dois eventos que além de serem vitrines genéticas excepcionais, terão um atrativo a mais em 2016. Trata-se primeiramente da Feagrovale em Braço do Norte, que além de ser o maior evento de Gado Jersey do Brasil e realizar um leilão de elite da raça Jersey, esse ano fará parte do Circuito Nacional da Raça Jersey. O segundo evento é a exposição Expoleite em Xanxerê, que além de ser palco de animais de qualidade indiscutível, também irá realizar a festa de entrega de premiação aos vencedores do ranking catarinense de 2015.

Nelson Eduardo Ziehlsdorff Presidente Revista

ACCB

PRESIDENTE Nelson Eduardo Ziehlsdorff VICE-PRESIDENTE Adriano Marcelo Rigon SECRETÁRIO GERAL Edésio Oeening 1º SECRETÁRIO Nilton Lunelli CONSELHO FISCAL Décio da Fonseca Ribeiro Itamar Luiz Parizzi Maria Rosinete S. Effting ENDEREÇO Rodovia Admar Gonzaga, 1.486 CEP 88034-000 - Bairro Itacorubi Florianópolis/SC Fone/Fax: (48) 3028 - 6443 (48) 9606 - 3011 Tim

www.accb.com.br PROJETO GRÁFICO E DIAGRAMAÇÃO Milkshow Marketing Rural contato@milkshow.com.br APOIO:

Não podemos e nem devemos diminuir a importância dos outros eventos, tão necessários para divulgar a genética local e estadual, e gerar grandes possibilidades de bons negócios aos nossos Associados. Portanto, peço a todos que não deixem de visitar e participar desses eventos. Para finalizar quero agradecer a todos que direta ou indiretamente nos apoiam e emprestam parte de seu precioso tempo para elevar o grande nome de nossa instituição. Tenham todos, uma excelente leitura. Nelson Eduardo Ziehlsforff.

ACCB • www.accb.com.br • 3


ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE CRIADORES DE BOVINOS Apresentação e Aprovação do Regimento Interno da ACCB

A Associação Catarinense de Criadores de Bovinos,

por intermédio de sua Diretoria Executiva, auxiliada pelo seu

“PRESERVANDO

departamento jurídico, elaborou o REGIMENTO INTERNO, que

E APRIMORANDO

e seu funcionamento, visando o cumprimento de suas funções

O PATRIMÔNIO GENÉTICO CATARINENSE”

tem por finalidade regulamentar as atividades desenvolvidas regularmente instituídas.nar.

Relatório de Atividades 2015 - Reforma do Estatuto da ACCB

1 4 • ACCB • www.accb.com.br

A primeira ação da Nova Diretoria da ACCB,

foi a alteração e reformulação do Estatuto Social da entidade que encontrava-se desatualizado e em desacordo com o Código Civil brasileiro.


O novo Estatuto foi amplamente discutido em diversas reuniões ao longo do no de 2014 e aprovado em Assembleia Geral no início do ano de 2015.

2

6

A ACCB esteve presente na exposição nacional de Castro, onde participou de reuniões com as Associações Nacionais, e prestigiou os julgamen-

Foram realizadas várias reuniões nos Núcleos

tos dos animais das raças Jersey e Holandesa,

Regionais, para dirimir dúvidas, ouvir as necessi-

onde pode conferir a conquista como Grande Campeã da Raça

dades e dificuldades, orientar as ações de fomen-

Jersey do animal de Santa Catarina.

to das regiões, captação de novos associados e o

Também durante a exposição de Castro foi realizada a seleção

aumento do número de registros.

dos animais que irão compor o Anuário 2015. Foram convidados

Foram visitados todos os Núcleos da ACCB no Estado.

três jurados de comprovada experiência nacional e internacional (Claudio Aragon, Altair Valotto e Mauricio Santolin).

7

Uma das principais ações realizadas pela atual Diretoria foi a conquista de parcerias com empresas privadas que denominamos de PARCERIA MASTER. Essas empresas firmaram contrato as quais pagam um valor mensal de R$500,00 e

tiveram suas marcas divulgadas nos veículos de comunicação da ACCB (site, facebook, revistas, anuário), banners em exposições, cursos e palestras. E para o ano de 2016 já estamos renovando os contratos com essas empresas. (CRAVIL, AGRARIA, CRV LAGOA, GIMENEZ, NUTRON, ORDEMILK, SEMEX, e SELECT SIRES).

3

Também foram realizadas inúmeras reuniões com

8

autoridades estatais, Secretaria da Agricultura, Epagri,

Ministério

da

Agricultura,

Cidasc,

Deputados Estaduais, Câmara Setorial do Leite e

Também foi criada uma parceria para os associados chamada ASSOCIADO OURO e ASSOCIADO PRATA. Nos mesmos moldes da parceria máster, esses associados tiveram suas marcas divulgadas pela ACCB.

(CABANHA YPOTI, FAZENDA MÃE RAINHA, SRC FARMS e GRANJA DO CRUZEIRO).

conseguimos uma parceria muito promissora com a Faesc/Senar para realização de Cursos e Palestras.

4

A ACCB realizou palestras ao longo de 2015 em diversas localidades, reunindo um número con-

9

A ACCB publicou em 2015 três edições da Revista da ACCB, com fotos e resultados dos eventos, entrevistas com autoridades e associados, matérias técnicas e resultados dos animais das raças Jersey

siderável de produtores. Nessas palestras foram

e Holandesa que se destacaram no Serviço de Controle Leiteiro

apresentados os benefícios de ser um sócio da

e Classificação Linear.

ACCB, a importância do registro genealógico e do controle leiteiro. Muitas dessas palestras foram realizadas durantes as exposições das quais a ACCB esteve presente.

5

A ACCB apoiou e participou de 6 (seis) exposições ranqueadas em Santa Catarina, no acompanhamento e gerenciamento dos julgamentos morfológicos e torneios leiteiros. Foram elas:

Festa Estadual do Leite – Presidente Getúlio (Maio/2015) Feagrovale – Braço do Norte (Junho/2015) Festa Nacional do Colono – Itajaí (Julho/2015) Expo Agro 2015 – Concórdia (Julho/2015) Expo Cedro 2015 – São José do Cedro (Agosto/2015) Expoeste 2015 – Chapecó (Outubro/2015)

ACCB • www.accb.com.br • 5


14

A entrega da premiação dos melhores do ano de 2014 (ranking) da raça Jersey foi realizada durante a Feagro Vale em Braço do Norte, e da

raça Holandesa aconteceu durante a Expoeste em Chapecó.

10

Em novembro de 2015 a ACCB em parceria som o SENAR promoveu o III Curso de Formação e Reciclagem de Inspetores Zootécnicos. O evento foi realizado no Cetrec em Chapecó, com o apoio do Núcleo Regional e contou com a presença

dos Superintendentes das duas Associações Nacionais (Pedro Ribas – Associação Brasileira da Raça Holandesa, e Cristiano Campos – Associação Brasileira da Raça Jersey. A presença de novos Inspetores foi excelente, bem como dos Inspetores antigos. Foram realizadas aulas teóricas e práticas em quatro propriedades da região.

11

A ACCB em 2015 também se preocupou com uma das principais ferramentas do melhoramento genético que é o Serviço de Controle Leiteiro. Foram ampliadas de forma bastante satisfatória o

número de propriedades e animais controlados.

12

Também houve um incremento substancial no número de propriedades e animais que realizaram a Classificação Linear, outra ferramenta indispensável para o desenvolvimento genético

do plantel, bem como para a evolução dos animais de grau de sangue PC (Puro por Cruza) para PO (Puro de Origem).

13

Ainda no final de 2015 a ACCB fechou contrato com a empresa Milk Show. Especializada em marketing na área da pecuária, com profissionais gabaritados nesse ramo.

A Milk Show ficará responsável pela manutenção do Site, Facebook, Revistas e Anuário, bem como toda parte de marketing visual da ACCB. Com fotógrafos profissionais que vão estar presentes em alguns eventos em Santa Catarina, fotografando os animais que se destacarem nessas exposições.

6 • ACCB • www.accb.com.br


Calendário de Eventos 2016 Nome do Evento XX Expofeira Estadual do leite Feagrovale 2016 Expoleite e Beff Show Festa Nacional do Colono Exposição Agropecuária Expomerco 2016

Local Parque de Exposições Theodor Richard Maier Parque de Exposições Huberto Oenning Parque de Exposições Rovilho Bortoluzzi Parque de Exposições Gilmar Graff Parque de Exposições Águas Mornas Parque de Exposições Tancredo de Almeida Neves

Município Presidente Getúlio – SC Braço do Norte – SC Xanxerê – SC

Período 25 à 29/05

Itajaí – SC

21 à 24/07

Águas Mornas – SC Chapecó - SC

26 à 28/08

01 À 05/06 22 à 26/06

12 à 16/10

ACCB • www.accb.com.br • 7


1

CIRCU º

NACION

RAÇA J

“A EXPOSIÇÃO ESCOLHIDA PARA 2016 FOI A FEAGROVALE São finalidades do CIRCUITO NACIONAL DA RAÇA JERSEY:

Promover o congraçamento e proporcionar a maior

cas de julgamento de animais e outras atividades próprias das

aproximação entre os criadores de gado Jersey do Brasil, para

exposições, estimulando o debate de assuntos e técnicas do

troca de informações, estímulo aos negócios e divulgação da

interesse da pecuária leiteira.

raça.

Proporcionar condições para aumentar a participa-

Fomentar e incentivar o aprendizado dos criadores,

técnicos especializados, estudantes e do público em geral sobre

ção de criadores em exposições ranqueadas das mais diversas

a raça Jersey.

regiões do Brasil.

Estabelecer uma forma mais abrangente de premiação das

em exposições pelo Brasil, facilitando a inclusão de maior

Campeãs Nacionais.

número de participantes.

Permitir a orientação de criadores e técnicos nas práti-

8 • ACCB • www.accb.com.br

Abrir a possibilidade de fazer outras etapas do CNRJ


UITO

NAL DA

JARSEY 2016

CIRCUITO NACIONAL DA RAÇA JERSEY (CNRJ), de responsabilidade da Associação de Criadores de Gado Jersey do Brasil (ACGJB), a qual organizará anualmente a sua realização, em parceria com suas Filiadas.

FAZER PARTE DO CIRCUITO EM EM BRAÇO DO NORTE” 1° Etapa do Circuito Nacional da Raça Jersey foi realizada durante a Expo Itajubá - ITAJUBÁ/MG, nos dias 22 e 23 de abril e teve como jurado o Sr. Fábio Fogaça. Ao lado foto da Grande Campeã: Butia 25/12 Tyler Galmour de Propriedade da Cabanha Butiá - Passo Fundo - RS.

ACCB • www.accb.com.br • 9


16PARA passos MONTAR FEIRAS E EXPOSIÇÕES

U

m dos principais objetivos das Feiras e Exposições de gado é fazer com que aconteça uma maior aproximação entre os criadores, além de proporcionar a possibilidade de verificação da amostragem dos animais para acompanhar os índices de desenvolvimento da pecuária leiteira e aquilatar os programas desenvolvidos. Portanto, a ACCB criou esse guia prático com algumas regras e dicas para montar uma feira ou exposição das raças Jersey e Holandesa que você também pode encontrar no nosso site: www.accb.com.br.

1.

Seguir o padrão para as faixas e rosetas que possuem coloração

9.

adequada para cada premiação. Solicite a lista na ACCB.

2.

da admissão, julgamentos e resultados é composta de no pelo menos três pessoas. As despesas de hospedagem, alimentação

Os troféus são de livre escolha. Porém devem respeitar as

e deslocamento são de responsabilidade do evento. Deverá ser

categorias premiadas. Podem ser feitos troféus de participação

reservado um local adequado com mesas, cadeiras, luz e acesso

e homenagens, solicite a lista na ACCB.

3.

O Jurado Classificador deve pertencer ao Colégio de Jurados das Associações das Raças Jersey e Holandesa. Em caso de jurado

a internet.

10.

que estão expondo.

um tradutor para a língua portuguesa. A comissão organizadora

11.

ordem de preferencia para que seja autorizado na exposição.

4.

que qualquer medicação administrada deve ser informada aos membros da Comissão.

de preferência coberta e próxima ao pavilhão onde ficam os

5.

12.

de Exposições. Os trabalhos de recepção ficam a cargo dos profissionais da Cidasc que exigirão os documentos necessários

deverá ser de escolha da comissão organizadora do evento.

para o transporte do animal, bem como todos os atestados e exames.

Sempre que possível preferir silos trincheiras. Observe o contorno, as bordas e a superfície do silo. O silo deve ter bordas lisas e retas para minimizar o contato com oxigênio. Silos irregulares tem maior chance de atividade microbiana indesejável e deixará a silagem com uma qualidade pior. As

13. 14.

alimentação adequada aos animais.

8.

As inscrições dos animais na exposição podem ser feitas no site da ACCB www.accb.com.br quando assim desejar a Comissão Organizadora, devendo solicitar a associação com no mínimo

Os cochos devem estar bem fixos ao chão, limpos e serem de número suficiente ao de animais expostos. Deverá ser oferecida

Devem ser oferecidos alojamentos e alimentação adequados a todos os tratadores dos animais presentes.

opções podem ser milho, sorgo ou capim elefante.

7.

O evento deve ter um espaço reservado e adequado para a recepção dos animais quando da entrada no recinto do Parque

O Jurado de admissão deverá ser de preferencia um inspetor habilitado e de notório conhecimento na área. Este profissional

6.

A Comissão Organizadora deve manter durante todo o evento um médico veterinário de plantão para atender os animais sendo

A pista de julgamento deve ser ampla, limpa, nivelada, cercada, animais.

Todos os expositores devem receber ou ter acesso aos Regulamentos de Exposições e do Torneio Leiteiro das raças

internacional, deve estar apto a julgar no Brasil e ter ao seu lado deve enviar a ACCB uma lista de três nomes de jurados por

A Equipe da ACCB que fará os trabalhos de acompanhamento

30 dias de antecedência.

15.

É aconselhável que seja reservado um local apropriado para o banho, tosa e preparo dos animais que irão a julgamento.

Os animais participantes do concurso leiteiro ficarão em um lugar apropriado para o concurso e deverão seguir as normas estabelecidas e seus regulamentos, solicite na ACCB.

10 • ACCB • www.accb.com.br

16.

É aconselhável que a premiação aos melhores da exposição e o banho de leite sejam feitos no último dia do evento, normalmente no domingo pela manhã.


Cenário novo para a produção de leite Ninguém ousa antever qual será o novo patamar de preços, mas todos concordam que não serão mais aqueles observados anteriormente.

Na última década a produção de leite cresceu num ritmo inferior ao da população mundial. Novos mercados consumidores se instalaram recentemente em países emergentes exemplo da China na Ásia, alterações climáticas aconteceram na Oceania no biênio 2006-2007, e, ainda observamos a estabilização de produção na Europa reduzindo a oferta de leite no planeta. Esses fenômenos contribuem para exaltar o descompasso existente entre a oferta e a demanda de lácteos, culminando numa elevação histórica dos preços das commodities lácteas, que passaram a se situar num novo patamar. Para se ter uma ideia da magnitude dessa alterações, o leite em pó triplicou de preço em apenas um ano. Muitos especialistas são unânimes em afirmar que esse novo patamar veio para ficar, refletindo um fenômeno chamado de inflação agrícola, ou seja, de retomada de renda do setor produtivo primário, que, durante muitas décadas, transferiu para as cidades grande parte do ganho da sua eficiência produtiva em redução real de valor dos seus produtos. Ninguém ousa antever qual será o novo patamar de preços, mas todos concordam que não serão mais aqueles observados anteriormente. O setor lácteo nacional soube aproveitar bem esse momento. O Brasil vem batendo recordes na exportação e no superávit comercial de lácteos. Fato inédito para um país que era inexplicavelmente deficitário nesse segmento. Essa guinada do setor lácteo nacional se deveu a várias mudanças internas, destacando-se a ampliação e a modernização do parque industrial laticinista, melhoria da qualidade da matéria prima, melhoria da sanidade do rebanho. Tudo isso

foi sentido no campo e contribuiu para melhoria de renda do produtor de leite brasileiro. Alguns acontecimentos ocorridos nessa última década deixaram várias lições para o setor lácteo nacional. A primeira delas é que para aproveitar melhor o bom momento do leite é preciso estar estruturado. Isso significa estabilidade da produção sustentada pela melhoria constante da qualidade de matéria prima, especialmente por meio da elevação do nível de sólidos e redução da contagem de células somáticas e bacteriana do leite cru. Também precisamos ter parque industrial, logística, abertura de novos mercados e foco voltado

a exportação. Além disso, devese ter atenção crucial na manutenção do status sanitário do rebanho bovino nacional, permitindo ao país acesso ao mercado mundial. O Brasil caminha cada vez mais em direção a uma posição de destaque no mercado mundial de lácteos. O progresso genético do rebanho, buscando aumento da produção de sólidos, a melhoria da qualidade do leite, com redução da contagem de células somáticas e bacteriana, a modernização do parque industrial, e, finalmente, a abertura de novos mercados (interno e externo) são cruciais a consolidação desse processo.

José Alcides Marques Menezes Médico Veterinário alcides.menezes@agricultura.gov.br

ACCB • www.accb.com.br • 11


MELHOR

CRIADOR & EXPOSITOR RAÇA HOLANDESA Adriano Marcelo Rigon - Cabanha Ypoti Que fatores contribuíram para que você conseguisse os 2 Titulos de Melhor Criador e Melhor Expositor? Temos um rebanho próprio, à oito anos trabalhando e fazendo melhoramento genético, desta forma, ao apresentar nosso rebanho nas exposições todos os animais levam o afixo da Cabanha Ypoti, assim, com o consequente bom desempenho dos animais nas pistas, somando as pontuações recebidas, alcançamos o mérito dos títulos de melhor criador, melhor expositor e melhor afixo da raça holandesa do ano de 2015. Também o título de melhor criador de gado jovem da raça holandês 2015 Como funciona o manejo dos seus animais? Temos um trabalho muito preciso e dedicado na criação de bezerras e novilhas. Desde o nascimento do ani-

12 • ACCB • www.accb.com.br

mal nos preocupamos muito em fazer uma boa colostragem e os cuidados iniciais de saúde, em especial, a perfeita cura do umbigo. Na fase inicial as bezerras ficam recebendo leite, após alguns dias iniciam na ração e feno. A pesagem com fita métrica específica é realizada toda a segunda feira onde temos o acompanhamento do desempenho de cada animal frente ao manejo recebido. Isto ocorre até os 15 meses quando são inseminadas para se transformarem em vacas. Todos os animais, sem exceção, após o desmame (acima de 100 Kg) passam a ser trabalhados para amansamento e adaptação a presença do homem no meio onde vivem. Os animais que são selecionados para representar o rebanho nas exibições são alojados em galpão específico onde recebem manejo apropriado a fim de preparalos para as exposições. Os demais vão para outro galpão juntando-se ao re-

banho total, separados em piquetes por tamanho. Temos um colaborador que atua exclusivamente na criação de bezerras e novilhas e também na criação dos animais de exibição. A nutrição é basicamente feno e ração balanceada até a fase em que a novilha vai para a maternidade para se transformar em vaca. Já para os animais em lactação temos um free-stall com capacidade de receber 60 animais. Estes são ordenhados 3 vezes ao dia o que tem conferido um desempenho produtivo médio da ordem de 39 litros/vaca/dia. A nutrição é balanceada e misturada em vagão utilizando insumos básicos como silagem de milho, pré-secado, ração e aditivos. No período seco, os animais vão para um galpão com acesso a piquete de grama de tifton e 25 dias antes da data prevista para o parto são recolhidos para a maternidade onde recebem uma dieta espe-


cífica até o novo parto. Quantos funcionários a fazenda possui hoje? A Cabanha possui 5 funcionários, 3 homens e 2 mulheres. Também tem dois veterinários que dão assistência na parte reprodutiva e clínica, e na nutrição. Quais são suas estratégias para se manter no topo da criação? Vários são os vetores que precisam estar contidos na propriedade para que possamos estar sempre melhorando e alcançando bom desempenho na criação de animais da raça holandesa. Temos uma bela estrutura projetada e construída levando em consideração bom espaço, ventilação e compatibilidade para o trabalho dos animais em cada fase de suas vidas. Outro fator, é a equipe de colaboradores que temos, pessoas confiáveis, respeitosas e dedicadas, trabalhando não para a Cabanha, mas para eles. Também temos pessoas externas à propriedade (técnicos e amigos criadores) que nos orientam e nas trocas de ideias e experiências nos fazem aperfeiçoar o trabalho. Um fator muito importante está no bojo de material genético que aplicamos

na Cabanha. Uma seleção bastante rigorosa é realizada a fim de efetivamente termos ganhos genéticos nas sucessoras. A mais de 5 anos temos trabalhado com o plantel oferecido pela empresa SEMEX do Brasil e isto tem sido a diferença. Em âmbito geral, como você vê a qualidade genética do gado Jersey e Holandês no Brasil Atualmente? Na raça Jersey, Santa Catarina possui um rebanho diferenciado a nível Brasil, contudo quando comparado com a América do Norte precisamos evoluir. Na raça holandesa, que é o nosso perfil, vimos também um rebanho nacional em desenvolvimento. Para Santa Catarina, temos evoluído muito nos últimos anos mas temos bastante a trilhar ainda. Isto falamos no que se refere a conformação especificamente, pois na ótica de produção de leite temos rebanhos e animais com excelente desempenho.

parceira, manejo adequado, instalações que geram conforto e material genético de excepcional qualidade inseridos na propriedade. Contudo, não poderíamos deixar de colocar de que também a paixão contamina a vontade de ser e estar estimula a dedicação e faz parte fundamental para o sucesso, não só da Cabanha, mas de qualquer atividade. Você conseguiu chegar a um nível que está no topo da criação. A partir de agora, quais serão as suas estratégias para continuar no topo? Continuar sendo profissional na atividade é a principal ferramenta para a mantença e a superação. Muito equilíbrio nas decisões, muito diálogo interno com a equipe, a atualização frente as novas tecnologias que o mercado desenvolve e oferece, envolvimento da família (esposa e filha), bons parceiros e amigos do negócio, enfim, com dedicação, paciência, respeito, disciplina e carinho a evolução é constante.

Hoje você conseguiu os títulos de Melhor Criador e Melhor Expositor, a que razão se deve esse título? Como falamos anteriormente, são vários os fatores, equipe dedicada e

ACCB • www.accb.com.br • 13


Melhor Expositor Raça Jersey Nelson Ziehlsdorff - SRC Farms Que fatores contribuíram para que você conseguisse os 2 Titulos de Melhor Criador e Melhor Expositor? Primeiramente é resultado de um trabalho de equipe e implementação do planejamento estratégico que temos definido a mais de 5 anos na propriedade, temos muito foco e objetivos bem claros na propriedade. Como funciona o manejo dos seus animais? Separamos em grupos e por fases de idade, temos um grupo em um galpão do pré parto, bezerreiro que ficam com até 90 dias de idade, depois de avaliar individualmente os animais definimos se vao para as baias especiais ou para pequenos piquetes de tifton cobertos onde rececem feno, mineral e raçao, acompanhamos o desenvolvimento mensal, através de mensuração e pesagem de cada animal, facilitando assim o crescimento e desenvolvimento, na idade próxima a IA, transferimos para um barracão com área de movimentação ao ar livre para o serviço e até confirmação

14 • ACCB • www.accb.com.br

de prenhes com 60 dias, voltando aos piquetes onde ficam até 60 dias antes do parto. Após o parto seguem para o compost barn, temos também dois galpões específicos para animais com genetica e tipo diferenciados. Quantos funcionários a fazenda possui hoje? Temos 4 funcionarios fixos ou seja 2 casais, mais um rapaz avulso que trabalha somente com os animais de exposição. Quais são suas estratégias para se manter no topo da criação? Acompanhamento constante dos números, resultados e ações, trabalho em equipe, diálogo e treinamento da equipe, buscando sempre a excelência. Em âmbito geral, como você vê a qualidade genética do gado Jersey e Holandês no Brasil Atualmente? Com a possibilidade de importação de embriões das melhores famílias,

ficou mais fácil desenvolver projetos de genetica diferenciada, porem o manejo é essencial para atingir os resultados almejados. Hoje você conseguiu o título de melhor expositor raça jersey, a que razão se deve esse título? Com o planejamento estratégico que definimos a muito tempo atrás, buscamos sempre a excelência e com o nascimento de vários animais oriundos de nossas vacas no Canadá, estamos trabalhando em breve para buscar outras conquistas como criador jovem e futuramente melhor criador. Você conseguiu chegar a um nível que está no topo da criação. A partir de agora, quais serão as suas estratégias para continuar no topo? Muita dedicação e amor pelo negócio! Tenho paixão pelo segmento e busco sempre a perfeição no que faço. Iremos nos reunir em agosto com a equipe para desenvolver e atualizar nosso planejamento e definir as ações preventivas e corretivas do que foi ou não realizado e os resultados. Estamos com mais de 200 embriões da raça Jersey e Holandês no Brasil para serem implantados nos próximos 12 meses, das famílias da américa do norte. Alguns resultados estão se mostrando no dia-dia, onde em 2015 conquistamos o título de melhor vaca do estado da raça Jersey e Holandês de SC.


Grande Campeã e Suprema 2015 Valdirio Heidemann Que fatores contribuíram para que você conseguisse os 2 títulos de Grande Campeã e Suprema na nacional de 2015 em Castro/PR ? Essa vaca sempre me chamou a atenção, desde que era uma bezerra ela vinha se destacando nas feiras. Em 2014 aos 3 anos de idade ela sagrou-se campeã vaca jovem, grande campeã e melhor úbere na Feagro Vale aqui em Braço do Norte, que é considerada a maior feira de gado Jersey da américa latina. A partir daí ela começou a receber uma atenção especial visando as feiras de 2015. Um animal como este não nasce todo dia, é um grande orgulho ter criado uma vaca que se tornou o grande destaque na feira nacional. Como funciona o manejo dos seus animais? O rebanho passa a maior parte do tempo nas pastagens. As vacas em lactação recebem ração e silagem de milho 2 vezes ao dia, logo após a ordenha. Já as novilhas prenhes e as vacas secas são mantidas quase que exclusivamente à pasto, sendo fornecido silagem somente se necessário.

Os animais mais jovens tem acesso à feno e ração até atingirem o desenvolvimento necessário para reprodução. Quantos funcionários a fazenda possui hoje? A fazenda não possui nenhum funcionário contratado. Todo o trabalho é realizado por mim, minha esposa, duas filhas e um filho. Essa é uma característica aqui desta região, onde a maioria das fazendas são pequenas e quem realiza o trabalho é a família. - Quais são as suas estratégias para se manter no topo da criação? Sempre me mantenho informado sobre as melhores técnicas de manejo do gado e também, uso os touros que mais se destacam tanto nas provas canadenses quanto americanas. Procuro por reprodutores que transmitam longevidade com equilíbrio entre tipo e produção. Em âmbito geral, como você vê a qualidade genética do gado Jersey e Holandês no Brasil atualmente? Acredito que pelo o que tenho visto nas feiras que temos um padrão de

gado muito bom hoje no país. Temos acesso ao que tem de melhor atualmente na genética mundial podendo escolher dentre os touros que mais se destacam nas provas. Tenho certeza que os animais tanto Jersey quanto holandês representariam muito bem a nossa qualidade genética caso competissem fora do Brasil. Hoje você Conseguiu o título de Grande Campeã Nacional e Suprema 2015, a que razão se deve esse título? Com certeza se deve a muito trabalho e dedicação tanto meu quanto da minha família. Quem conhece o dia a dia de uma fazenda sabe que não é fácil, mas são momentos como este que nos enchem de orgulho pelo trabalho realizado e que compensam todas as dificuldades que surgiram no caminho. Você conseguiu chegar a um nível que esta no topo da criação. A partir de agora, quais serão as suas estratégias para continuar no topo? Estou sempre de olho no resultados das feiras americanas e canadenses, para saber quais são os touros que mais estão se destacando através de suas filhas, pois são estes países os maiores fornecedores da genética que usamos. A partir daí podemos escolher quais são os touros com os quais queremos trabalhar. Estamos sempre avaliando nossas vacas para saber quais são as características que queremos melhorar nas futuras gerações. Você tem que olhar o presente e trabalhar pensando no futuro, pois quando se trata de genética nem sempre o resultado vem rápido.

ACCB • www.accb.com.br • 15


16 • ACCB • www.accb.com.br


ASSOCIAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE FIRMAM PARCERIA NO PROGRAMA DE CONTROLE LEITEIRO E GESTÃO DE REBANHOS

Com objetivo de unir força na promoção, cooperação

Além de outros serviços optativos que são novidades

técnica e ampliação do controle leiteiro e gestão de reban-

como:

hos leiteiros de Santa Catarina a Associação Paranaense de

– Teste de prenhez por amostra de leite, diagnosticar os aqueles

Criadores de Bovinos (APCBRH) e Associação Catarinense de

animais com mais de 28 dias de inseminados se estão prenhez

Criadores de Bovinos (ACCB), firmaram parceria nesta terça –

ou vazios.

feira,17 /05/2016, em Curitiba-PR.

– Teste de ureia por amostra de leite, ferramenta de apoio para

determinar se dieta (alimentação está bem balanceada),

À partir de agora as amostras de leite individuas de

vacas leiteiras dos rebanhos em controle leiteiro de Santa Catarina serão analisas pelo laboratório do Programa de Análise

Diagnóstico de BVD (Diarreia Viral Bovina), importante doença

de Rebanhos Leiteiros (PARLPR), para:

que acomete os animais e que tem grande impacto na diminuição da imunidade dos animais, refletindo significativamente na

Análise de leite para verificação dos percentuais de gordura e proteínas, lactose, sólidos, que ajuda os produtores a conhecerem melhor individualmente e selecionar as vacas que produzem as maiores quantidades de gordura e proteína, bem como é um bom indicador da dieta que os animais estão recebendo (nutrição dos animais); Contagem de células somáticas (CSS), um dos principais indicadores de saúde das vacas, animais com mais de 200 mil CCS, indicam que estão sofrendo um processo de mastite subclínica;

reprodução e saúde geral dos animais. Assinaram o convênio o senhor Hans J. Groenwold presidente da (APCBRH) e Sr Nelson Nelson Eduardo Zielhsdorff, presidente da (ACCB).

“PRESERVANDO E APRIMORANDO O PATRIMÔNIO GENÉTICO CATARINENSE”

ACCB • www.accb.com.br • 17


18 • ACCB • www.accb.com.br


ACCB • www.accb.com.br • 19


20 • ACCB • www.accb.com.br


ENTREGA DE PREMIAÇÃO DO RANKING 2015

N

este ano de 2016, a ACCB

O vice-prefeito de Xanxerê, Gelson

deste assunto, com o objetivo de trazer

fará a entrega da pre-

Saibo, juntamente com o secretário de

o evento para Xanxerê. Isso tudo deveria

miação aos destaques do

Agricultura, Fábio Luiz Pompermaier e,

acontecer dentro da Expo Femi 2016,

Ranking de 2015, durante

o presidente do núcleo de criadores de

que foi cancelada, no entanto, optamos

a exposição Expoleite e

bovinos de Xanxerê, Vitacir Rossignol,

por manter a Expo Leite e Beef Show-

Beff Show no município de Xanxerê – SC,

participaram de uma reunião com

comenta Fábio Pompermaier, Secretário

que se realizará no período de 30/06 à

membros da Associação Catarinense de

de Agricultura.

03/07/2016, no Parque de Exposições

Criadores de Bovinos –ACCB, para discu-

Rovilho Bortoluzzi.

tir o evento.

Fabio salienta ainda que a expectativa é que produtores de todo o Estado estejam

Expo Femi 2016 que deveria acontecer

O objetivo foi a definição da realiza-

presentes no evento em busca da premi-

no próximo ano, foi cancelada, no entan-

ção da Expo Leite e Beef Show 2016,

ação de melhor gado Jersey e Holandês,

to, acontecerá em Xanxerê a Expo Leite

que será promovida pelo núcleo de

premiação esta que geralmente acon-

e Beef Show. Inicialmente, esta feira iria

Criadores de Bovinos e ACCB, com o

tece em Itajaí e, pela primeira vez será

fazer parte da Festa Estadual do Milho e

apoio da Prefeitura de Xanxerê, através

sediada em Xanxerê.

agora acontecerá de forma independente.

da Secretaria de Agricultura.

Discute-se ainda a possibilidade de realizar o leilão do gado no mesmo evento.

- Será a primeira feira indoor de Santa - Desde a última Femi estamos tratando

Catarina, com feira da novilha e jantar de premiação dos melhores criadores do Estado, ano 2015 - destaca o secretário. Participaram da reunião o secretário de Agricultura, Fábio Luiz Pompermaier; Presidente da ACCB, Nelson Ziehsidorff; membro da associação, Jéferson Piccolli; vice-presidente da ACCB, Adriano Rigon; presidente do núcleo, Vitacir Rossignol; vice-prefeito, Gelson Saibo e o Inspetor Zootécnico do núcleo, José Roso.

Fonte:http://www.tudosobrexanxere. com.br

ACCB • www.accb.com.br • 21


REBANHOS DE SUCESSO MUITO ALÉM DA IATF Giovani Fagundes Responsável Pela Região RS e Oeste de SC Semex Brasil

D

evido ao grande crescimento do segmento corte no mercado brasileiro, este artigo tem como objetivo propor resumidamente métodos de otimização dos resultados de IATF (inseminação artificial em tempo fixo). O assunto é abordado no dia a dia entre produtores, técnicos e veterinários na busca de aumentar as taxas de prenhez. Recentemente, no Brasil, a IATF chama atenção de produtores de bovinos de corte, área na qual o aumento de percentuais de prenhes é incansável. Ainda mais tendo em vista a perspectiva do mercado de carne bovina que promete deixar o Brasil como o maior exportador mundial, com taxas de crescimento das exportações em 6,18% ao ano. Segundo o Rabobank, a China deverá absorver pelo menos 200 mil toneladas do

produto brasileiro, o dobro das vendas do ano passado, ou seja, é preciso criar mais terneiros de qualidade. E por onde podemos começar o assunto otimização da IATF? Simples, apenas pelo gráfico da pirâmide de produção bovina: Vejamos, como base da pirâmide a alimentação, um dos principais fatores dentro da reprodução bovina: - Tanto novilhas, primíparas e multíparas devem estar com um escore de condição corporal (ECC) adequado e programado para a estação de acasalamento, buscando reservas enérgicas para repetir prenhes no ano seguinte (terneiro/vaca/ano). No entanto, devemos conhecer o ambiente em que serão manejados os animais, para poder suprir as suas necessidades nutricionais. - Em segundo, o plano temos a sanidade, item de grande importância dentro da reprodução bovina, na qual devemos ter um planejamento/calendário anual de vacinas. De acordo com a Equipe BeefPoint, a eficiência reprodutiva é um fator de grande impacto no retorno

22 • ACCB • www.accb.com.br

econômico da pecuária. Sabe-se que doenças infecciosas são responsáveis por cerca de 40 a 50 % das causas de perdas de gestação, sendo que a rinotraqueíte infecciosa bovina (IBR), a diarreia viral bovina (BVD) e a leptospirose são associadas com estas desordens reprodutivas. Portanto devemos ter um planejamento sanitário dentro da propriedade. - Em terceiro, o manejo reprodutivo, onde se enquadram os protocolos de IATF, a mão de obra qualificada (veterinário, técnico, inseminador e funcionário). Os protocolos de IATF devem ser elaborados em cima de cada categoria (novilhas, primíparas e multíparas), pois há diferenças de protocolos nelas, e um uso ou não de determinados hormônios ou erros de dosagens podem baixar o seu percentual de prenhes. A mão de obra qualificada é de extrema importância, tanto para o veterinário responsável – que irá planejar a estação reprodutiva, calendário sanitário e determinado protocolo de IATF – quanto ao inseminador – que deve ter experiência e atenção durante a inseminação – mas também o


funcionário, que deve ter um manejo adequado durante o trabalho com os bovinos. Evitando desta forma o estresse animal, uma vez que está comprovado que altos níveis de estresse interferem na reprodução bovina. - Em quarto, na pirâmide, temos a genética, na qual devem ser avaliados touros de alta fertilidade e qualidade - que deve ser analisadas através dos índices, buscando atender as necessidades do mercado, fazendo que tenha um retorno financeiro para o produtor. - E em quinto, temos as instalações, que devem ser seguidas no mesmo pensamento de bem estar animal, evitando o estresse e facilitando o manejo com os bovinos. Por fim, vale salientar que a IATF, muitas vezes, é, equivocadamente abordada como uma solução milagrosa para um sistema de produção.

Mas, devemos sempre lembrar que qualquer falha ou deficiência em qualquer segmento dessa pirâmide vai influenciar diretamente no resultado final. Não existem protocolos milagrosos. Ela é uma excelente ferramenta para se aumentar a taxa de serviço, podendo ter como consequência um aumento das taxas de prenhes, caso tudo esteja em condições normais e favoráveis, entre outras vantagens. Quanto à genética que utilizaremos na ponta desse processo - que é a escolha do touro a ser utilizado - precisamos estar atentos para não sermos meros comerciantes de prenheses, esquecendo muitas vezes de critérios de seleção e melhoramento. Muitos desses produtos oriundos desse processo entrarão na reposição e multiplicação dos plantéis, portanto não deve ser balizado exclusivamente pelo preço mais baixo, conforme observamos inúmeras vezes.

A nível de curiosidade: de acordo com dados do IBGE 2014 e ASBIA 2015, o uso da inseminação artificial (IA) em rebanhos de corte no Brasil é atualmente estimado em 9,5%. No ranking Mato Grosso do Sul (15,8%) desponta como o estado com mais processos de IA, seguido por Santa Catarina (14,2%) e Rio Grande do Sul, com 13,9%. Além destes, apenas mais quatro estados brasileiros superam a média nacional – Paraná (13,3%), Goiás (11,3%), Mato Grosso (10,6%) e São Paulo (10,5%). Esses números nos mostram o longo caminho e o mapa de desafios e oportunidades a serem alçados no segmento da IA a nível nacional.

Giovani Fagundes iniciou no agronegócio em 1978, como supervisor de registros na Associação dos Criadores de Gado Holandês do Rio Grande do Sul e em 1988, entrou para a equipe Semex. Ao longo de sua carreira, Giovani participou de inúmeros treinamentos sobre avaliação linear e cursos na International Livestock Management School, no Canadá. Hoje, Fagundes trabalha dentro da equipe com gerenciamento de pessoas e atendimento aos clientes de grandes contas, auxiliando equipe em tudo que for necessário para o sucesso do negócio.

ACCB • www.accb.com.br • 23


COLUNADOVAMIRÉ

MUDAR PARA MELHORAR emissões dos respectivos certificados de registros. Para que possamos dar mais tranquilidade aos nossos associados, solicitamos que esDr. Vamiré Luiz Sens tes, ou seus prepostos, observem Superintendente Técnico da ACCB com mais atenção os prazos pre vistos conforme tabela. Mantenha seu plantel sempre atualizado, comunicando periodicamente todas as ocorrências (mortes, transferências, Brasil está mudando, graças vendas para terceiros, descartes, as ações de pessoas comprometi- nascimentos de machos, etc). das em cumprir e fazer cumprir Também é de suma importância o que é ditado por normas, leis, o uso da caderneta de campo para anotações das coberturas e decretos e afins. A ACCB entidade filia- dos nascimentos. Essas ações vida por delegação das Associa- sam manter as informações semções Nacionais das raças Jersey pre atualizadas para que o setor e Holandesa, firmou contratos do Serviço de Registro Geneacomprometendo-se a cumprir os lógico da ACCB possa dirimir regulamentos oficiais do Serviço de Registro Genealógicos homologados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Dentre as obrigações dos criadores que constam nos regulamentos das raças, em especial os eventos de coberturas e nascimentos, temos verificado com certa frequência a não observância dos prazos previstos, causando desconforto e onerando os valores dos documentos, e por consequência atrasos nas

O

24 • ACCB • www.accb.com.br

duvidas quando necessário, bem como para que o produtor tenha seu plantel sempre organizado. Sugerimos a todos os criadores que utilizem o sistema de gerenciamento de propriedades - Web leite, disponibilizado gratuitamente no site da ACCB, para comunicar as coberturas, nascimentos, e mortes. Esse sistema além de ser ágil e de fácil acesso, dá a possibilidade do produtor analisar, acompanhar e projetar ações visando o melhoramento genético do seu plantel. Para tanto, basta solicitar a senha de acesso a ACCB, através de email ou carta.


SERVIÇO DE

CONTROLE LEITEIRO A

ACCB firmou contrato com o lab-

oratório paranaense que fica dentro

da

Associação

Paranaense

da

Raça Holandesa. Esta iniciativa fez-se necessário para ajustar e aprimorar as

regulamentações

previstas

no

Regulamento do Serviço de Controle leiteiro das Associações Nacionais e do Ministério da Agricultura.

Faz-se necessário informar a

para:

Sugerimos ainda, que o produtor solicite

todos os produtores das propriedades

ao Núcleo regional de qual faça parte,

controladas, que devido a excelente

ASSOCIAÇÃO

DE

que o Núcleo solicite ao laboratório uma

estrutura, agilidade nas respostas, com-

CRIADORES DE BOVINOS DA RAÇA

quantidade de caixas com frascos para

provado profissionalismo e bons preços

HOLANDESA

que fique em estoque e a disposição

do laboratório de análise de leite do

RUA PROF. FRANCISCO DRANKA, 608,

dos produtores, agilizando dessa forma

Paraná, a ACCB decidiu em Assembleia

BAIRRO ORLEANS

a logística.

Geral realizada no mês de fevereiro

CURITIBA – PR – CEP 81.200-404

deste ano, transferir o credenciamento

CNPJ – 76607597/0001-07

ção, união e participação de todos, para

do Serviço de Controle Leiteiro para

IE – 10115739-39

que não deixemos se perder essa tão

PARANAENSE

aquele laboratório paranaense, que a

Pedimos, portanto, a colabora-

importante ferramenta para o melhora-

partir de 01/05/2016 fica responsável

De Santa Catarina para Curitiba,

mento genético das raças leiteiras, que

pelo recebimento das amostras de leite

sugerimos utilizar as seguintes trans-

é o Controle Leiteiro, de extrema utili-

e pela homologação e envio dos dados

portadoras, que vão diariamente no

dade para os produtores que precisam

para o Serviço de Registro Genealógico

Laboratório:

controlar a qualidade de seu plantel,

das Raças Jersey e Holandesa. Vejam na

- Transportadora São Miguel

bem como do leite produzido.

tabela os valores cobrados dos serviços

- Transportadora Bauer

prestados pelo laboratório.

Para tanto, pedimos que a partir

produtor deve solicitar ao laboratório

de 01/05/16, as amostras sejam enviadas

envio das caixas com os frascos de coleta.

Observação

importante:

O

ACCB • www.accb.com.br • 25


26 • ACCB • www.accb.com.br


Índices Genéticos Exclusivos da CRV A pecuária leiteira passa por importantes transformações e desafios ao redor do mundo. Até o ano de 2050, deveremos dobrar a produção de leite, com apenas 50% dos recursos disponíveis, uma vez que o planeta Terra é único. Com isso, os principais assuntos em pauta da humanidade estarão ligados à disponibilidade e uso da água, energia e proteína animal. Isto significa, literalmente, “produzir o dobro com a metade”. Pensando nisso, a seleção de bovinos leiteiros desenvolvida pela CRV sempre focou nos diferenciais de eficiência, traduzidos no aumento da longevidade, da produção (de leite e de sólidos) e da conformação funcional. Com este novo cenário que está desenhado, ainda mais desafiador, a exigências serão outras e os avanços na área de melhoramento genético também não pararam por aí. O Grupo CRV continua inovando e desenvolveu índices genéticos exclusivos, capazes de melhorar ainda mais o resultado técnico e econômico das vacas leiteiras ao longo da sua vida produtiva, conforme podemos ver no resumo abaixo:

O conceito de eficiência vitalícia, por exemplo, incorpora os índices Vida + Eficiente e Vida + Saudável. O primeiro deles visa o aumento da produção de leite (e sólidos), a partir de uma maior eficiência alimentar ao longo da vida produtiva. Já o outro, busca a seleção de vacas mais férteis e saudáveis, com consequente redução dos gastos com medicamentos, mão-de-obra e insumos reprodutivos. Normalmente, a alimentação representa cerca de 50-60% do custo de produção de leite. O índice ingestão alimentar possibilita uma seleção de vacas mais eficientes do ponto de vista de eficiência nutricional, capazes de produzirem mais e com uma maior conversão alimentar, essencial para redução de custos e aumento da sustentabilidade como um todo. Por fim, na área de sanitária, três novos índices fecham o pacote de inovações, auxiliando na redução de problemas de cascos, mastites e, por fim, na cetose, uma importante desordem metabólica que afeta a produção, a reprodução e a sanidade das vacas leiteiras.

ACCB • www.accb.com.br • 27


5 MELHORES LACTAÇÕES POR CLASSE DE IDADE - PERÍODO 01/01/2015 A 31/12/2015

MELHORES

Jersey 2015

PRIMEIRA DIVISÃO 305 DIAS 2 ORDENHAS 1 Ano Parida

2 Anos Júnior

2 Anos Sênior

3 Anos Júnior

3 Anos Sênior

4 Anos Júnior

28 • ACCB • www.accb.com.br


4 Anos Sênior

5 Anos

6 Anos

7 Anos

Adulta Júnior

Adulta Sênior

ACCB • www.accb.com.br • 29


5 MELHORES LACTAÇÕES POR CLASSE DE IDADE - PERÍODO 01/01/2015 A 31/12/2015

MELHORES

Jersey 2015

SEGUNDA DIVISÃO 365 DIAS 2 ORDENHAS 1 Ano Parida

2 Anos Júnior

2 Anos Sênior

3 Anos Júnior

3 Anos Sênior

4 Anos Júnior

30 • ACCB • www.accb.com.br


4 Anos Sênior

5 Anos

6 Anos

7 Anos

Adulta Júnior

Adulta Sênior

ACCB • www.accb.com.br • 31


MELHORES LACTAÇÕES POR CLASSE DE IDADE - PERÍODO 01/01/2015 A 31/12/2015

MELHORES

Holandês 2015

PRIMEIRA DIVISÃO 305 DIAS 2 ORDENHAS 1 Ano Parida

2 Anos Júnior

2 Anos Sênior

3 Anos Júnior

3 Anos Sênior

4 Anos Júnior

32 • ACCB • www.accb.com.br


4 Anos Sênior

5 Anos

6 Anos

7 Anos

Adulta Júnior

Adulta Sênior

ACCB • www.accb.com.br • 33


MELHORES LACTAÇÕES POR CLASSE DE IDADE - PERÍODO 01/01/2015 A 31/12/2015

MELHORES

Holandês 2015

SEGUNDA DIVISÃO 365 DIAS 2 ORDENHAS 1 Ano Parida

2 Anos Júnior

2 Anos Sênior

3 Anos Júnior

3 Anos Sênior

4 Anos Júnior

34 • ACCB • www.accb.com.br


4 Anos Sênior

5 Anos

6 Anos

7 Anos

Adulta Júnior

RELAÇÃO DE ANIMAIS CLASSIFICADOS EXCELENTES - HOLANDÊS

CLASSIFICAÇÃO

LINEAR

PERÍODO DE JANEIRO DE 2015 A DEZEMBRO DE 2015

ACCB • www.accb.com.br • 35


MELHORES LACTAÇÕES POR CLASSE DE IDADE - PERÍODO 01/01/2015 A 31/12/2015

MELHORES

Holandês 2015

PRIMEIRA DIVISÃO 305 DIAS 3 ORDENHAS 1 Ano Parida

2 Anos Júnior

2 Anos Sênior

3 Anos Júnior

3 Anos Sênior

4 Anos Júnior

36 • ACCB • www.accb.com.br


4 Anos Sênior

5 Anos

6 Anos

7 Anos

Adulta Júnior

RELAÇÃO DE ANIMAIS CLASSIFICADOS EXCELENTES - GADO JERSEY

CLASSIFICAÇÃO

LINEAR

PERÍODO DE JANEIRO DE 2015 A DEZEMBRO DE 2015

ACCB • www.accb.com.br • 37


MELHORES LACTAÇÕES POR CLASSE DE IDADE - PERÍODO 01/01/2015 A 31/12/2015

MELHORES

Holandês 2015

SEGUNDA DIVISÃO 365 DIAS 3 ORDENHAS 1 Ano Parida

2 Anos Júnior

2 Anos Sênior

3 Anos Júnior

3 Anos Sênior

4 Anos Júnior

38 • ACCB • www.accb.com.br


4 Anos Sênior

5 Anos

6 Anos

7 Anos

RELAÇÃO DE ANIMAIS CLASSIFICADOS MUITO BOM (MB) PRIMEIRO PARTO - GADO JERSEY

CLASSIFICAÇÃO

LINEAR

PERÍODO DE JANEIRO DE 2015 A DEZEMBRO DE 2015

ACCB • www.accb.com.br • 39


40 • ACCB • www.accb.com.br


ACCB • www.accb.com.br • 41


elliotts tequila CHEERS 91JE5499 | Tequila x Furor x Centurion

uM TOURO que JÁ NASCEU VENCEDOR! aFilho de Tequila na linhagem Veronica! aPai é um dos melhores touros de úbere da raça! NOVO

aMãe é uma das mais destacadas vacas de pista da Arethusa!

Arethusa Veronicas Comet EX-95 - Mãe (Furor x Veronica EX-97 x Vivianne MB-87 x Virginia x EX-92 6E x EX x EX-91 x EX-90 x EX) Grande Campeã Royal 2010 Reservada Campeã Vaca Adulta Madison 2012 4-06 2x 305 dias 9.066 kg leite 6,5% gordura 3,6% proteína

Huronia Centurion Veronica 20J EX-97 - Avó (Centurion x Vivianne MB-87 x Virginia EX-92 6E x EX x EX-91 x EX-90 x EX) 3x Grande Campeã de Madison, sendo 2x Suprema Campeã de Madison 17 filhas EX e 8 MB 2-11 2x 365 dias 11.720 kg leite 5,1% gordura 4,1% proteína

Cheers vem com um pedigree impressionante!

A combinação de Tequila é extraordinária, um dos melhores touros da raça para tipo e úbere, eleito Premier Sire (Melhor Touro) de Madison em 2015, com Arethusa Veronicas Comet EX-95, que é uma filha de Furor com a espetacular Huronia Centurion Veronica 20J EX-97! Comet foi a Grande Campeã da Royal em 2010 e foi Reservada All-American Vaca Adulta em 2012. Com produção de 9.066 kg de leite a 6,5% de gordura e 3,6% de proteína aos 4 anos, esta é uma das mais celebradas vacas da raça!

Rapid Bay Cheer of Glory - Filha

Cheers vem com uma força e solidez de pedigree poucas vezes vista! A combinação de duas linhagens campeãs de pista e com muita produção resultou em um dos touros mais populares da atualidade!

www.semex.com.br

42 • ACCB • www.accb.com.br

/semexbrasil

Revista ACCB Ed. 01/2016  
Revista ACCB Ed. 01/2016  

www.accb.com.br

Advertisement