Page 1


DISPONIBILIZAÇÃO: JUUH ALVES TRADUÇÃO: DRIKA REVISÃO INICIAL: ROSANGELA E LUCIE REVISÃO FINAL: LIZ E SI LEITURA FINAL: EVA FORMATAÇÃO: DADÁ


A vida de Loki era uma mentira. Tudo o que fez durante os últimos oito anos foi sob um nome falso para o Departamento de Polícia de Benton. Ele mentiu, enganou e roubou, tudo em nome da lei. Ele se desgastou, e nem mesmo a estrada aberta conseguia aliviar sua dor. Em seguida, sua pequena vizinha se mudou, e de repente ele teve uma razão para sair da cama todas as manhãs. Só que ele era um oficial da lei, e um membro de um importante MC da área, o The Dixie Wardens MC. E ela não conseguia lidar com isso.

Não foram as cicatrizes que cobriam o corpo do seu novo vizinho que assustaram Channing. Foi o distintivo. O fato de que ele pertencia ao The Dixie Wardens MC foi apenas a cereja do bolo. Ela deveria estar correndo o mais rápido que suas pernas poderiam leva-la. Mas há algo sobre Bryce ‘Loki’ Rector que aliviou o medo irracional que sentia cada vez que entrava em contato com algo que a fazia lembrar-se do seu passado.

Dizem que o amor não é fácil, e definitivamente não pe para nenhum dos dois. Loki tem que aprender a sentir de novo, e Channing tem que aprender a viver. Seu caminho não é fácil, por qualquer meio, mas Loki fez duas promessas. Um, ele nunca vai deixar que nada machuque Channing. Dois, ele não vai deixar ela ir embora nem por cima do seu cadáver.


UM ANO ATRÁS

"Por favor, por favor, por favor, será que você poderia cortar a grama, Andrew? Por favor." Minha vizinha da casa ao lado implorou. Ela estava implorando ao seu marido... Irmão... Amante... Companheiro de quarto? Inferno, eu não sabia o que ele era. Eles não são nada parecidos, então eu estava inclinado a pensar que eles não eram irmãos. Eu só tinha ouvido ele chamá-la de Channing. Mas eles com certeza não agiam como amantes... ou até mesmo marido e mulher. O relacionamento deles não era normal. Era como se eles só tolerassem um ao outro, é por isso que eu aposto em companheiro de quarto, mais do que qualquer coisa. Eles trabalhavam em turnos opostos. Ela era uma enfermeira ou algo assim no hospital à noite, com base no jaleco que ela usa quando sai de casa todas as noites. Ele trabalha em um escritório durante o dia, como um gerente ou algo assim.


Ela trabalhou duro na sua casa, tornando a sua casa a mais bonita da rua, enquanto tudo que eu sempre o vi fazer era jogar vídeo game sentado em sua cadeira na sala de estar. Era ela quem comprava os mantimentos. Era ela quem sempre lavava o carro. Ela também era a pessoa que cortava a grama. Ela recebia o correio. A lista continua e continua. Exceto neste dia. Ela parecia.... Irritada. Como se não tivesse dormido em dias. Seu cabelo castanho avermelhado estava em um coque bagunçado no topo da sua cabeça, mechas caindo em todo o rosto. Ela estava usando um par de calças de moletom que diziam Destin, FL1 sobre ela, e uma regata branca que mostrava um pequeno pudge2 que ficava adorável nela. Ela estava mais intensa do que normalmente era, mas havia algo sobre minha pequena vizinha que me fez querer ela. Inferno, mesmo agora ela estava sexy. Eu estava rastejando sob o meu carro, trocando o óleo. Não, não rastejando como uma pessoa assustadora, mas numa prancha plana um dispositivo sobre rodas que me permite deitar de costas e me movimentar debaixo do carro. Nossas casas eram pequenas, e nossos quintais eram ainda menores. O que significava que eu tinha uns quinhentos centímetros de distância dela e eu podia ouvir cada palavra. Especialmente quando Andrew, o babaca, lhe disse: "Foda-se, eu tenho que trabalhar o dia todo." "Eu sei, Andrew, mas vou receber alguém que virá para dizer quanto vai ser para consertar a casa, e não posso tê-los olhando para a casa se não podem vê-la. Então nós temos que cortar a grama. Por favor, me sinto realmente horrível hoje." Ela implorou. Ela parecia horrível, isso era certo. Sua voz era nasal, e ela tossiu a cada dois segundos. Meu palpite seria gripe. "Desculpe, querida irmã, mas eu realmente estou cansado. Reagende a visita." Ele disse a ela. "Talvez na próxima semana, quando você puder cortar a grama você mesma." 1 2

Destin, FL: é uma cidade localizada no Estado Norte-Americano da Flórida Pugde: Personagem do jogo Dota 2


Então... Ele era seu irmão. Bom saber. Eu estive pensando sobre isso por quase cinco meses vivendo ao lado deles. Eu poderia ter, naturalmente, descoberto. Mas eu deveria agir como se não soubesse nada sobre ninguém. O que teria sido difícil de fazer com ela. Ela tinha esse... magnetismo que me fez querer saber cada pequeno detalhe. Com isso, ele levou a sua 'cansada figura' para dentro. Foram apenas minutos antes que eu o visse, através da janela da sala de estar, sentar-se na cadeira. Colocar um par de fones de ouvido, tomar um gole de sua cerveja, e começar a jogar. Bastardo preguiçoso. Voltei ao meu trabalho para me distrair de quão irritado eu fiquei, que ele não fosse ajudar a sua própria irmã quando estava doente, fiquei surpreso ao ouvir o som do cortador de grama. Saindo completamente debaixo do carro, eu encontrei a mulher teimosa cortando a grama. Ela fez duas passagens do outro lado da parte do quintal que estava mais próximo ao alicerce da casa antes que ela fisicamente tivesse que parar. Eu estava de pé, observando-a para me certificar de que ela estava bem. Quando ela finalmente desistiu e parou o cortador de grama no meio do quintal, minha preocupação tornou-se justificada. Ela se inclinou, tossindo e chiando, e foi então que andei até ela, assustado. "Ei, você está bem?" Perguntei a uma distância suficiente para não a assustar. Ela olhou para cima, me dando apenas seus olhos verdes, e acenou com a cabeça. "Sim, eu tenho asma. E tenho certeza que estou com um resfriado. Normalmente, eu uso uma máscara facial, mas me esqueci." Lembrei-me da máscara. Ela parecia ridícula com ela, e sempre me perguntei por que ela usava. Asma era uma boa explicação, no entanto. "Você precisa de algo?" Eu perguntei preocupado quando ela caiu de joelhos. "Do-inalador," ela falou. "B-bolsa sobre a mesa."


Eu a deixei lá, de joelhos, e caminhei direto para sua casa. O pequeno fodido que jogava Call of Duty nem sequer olhou para cima enquanto eu caminhava em linha reta através da sala de estar para a mesa da cozinha. Pegando a bolsa rosa, despejei o seu conteúdo sobre a mesa. Buscando através da enorme quantidade de merda, eu finalmente encontrei dois inaladores, um marrom e um vermelho. Peguei os dois e saí da casa, passando diretamente entre a TV e o homem que jogava seu jogo de guerra. Ele rosnou, mas não disse nada enquanto eu corria de volta, encontrando a mulher com suas mãos nos joelhos, tentando tomar uma respiração profunda. "Vermelho ou marrom?" Eu perguntei quando caí de joelhos ao lado dela. Sua resposta foi pegar o marrom, destampar e puxar dois sopros. Longos momentos mais tarde, sua respiração começou a desacelerar, e ela puxou uma longa e profunda tração de ar em seus pulmões. Ela repetiu isso mais duas vezes enquanto ela olhava para a grama. Em sua terceira inspiração profunda, finalmente levantou a cabeça, e com os olhos fixos nos meus. Depois ela congelou. Sim, essa era a reação que normalmente eu causava nas pessoas. Pelo menos recentemente. Eu estava disfarçado para o Departamento de Polícia de Benton tentando derrubar Varian Strong. Strong era um "suspeito" estuprador e comerciante na área. Eu disse "suspeito" muito vagamente. Todos nós sabíamos que ele fez isso, nós apenas não podíamos provar. O DPB tinha seis mulheres que apresentaram as suas suspeitas, mas nenhum único fragmento de evidência poderia apontar na direção dele. Ele havia sido interrogado, um mandato tinha sido expedido, e grampos foram colocados em seu telefone. Que havia sido monitorado 24/73 por quase três meses antes que eles tomassem a decisão de colocar alguém disfarçado em seu negócio de construção. Que melhor maneira de fazer isso do que fazer alguém parecer como um drogado querendo seu próximo tipo de Meth4? Alguém

3 4

24/7: 24 horas por dia e 7 dias da semana Meth: abreviação para droga metanfetamina


desesperado. Alguém que olhasse para o outro lado quando seu chefe fazia algo obscuro. Sim, isso é o que eu parecia. Cabelos longos, desgrenhados até os ombros. Contusões e picadas de agulha nos meus cotovelos e na membrana dos meus dedos. Roupas de merda que pendiam do meu corpo. Eu era grande, porém, não há dúvida sobre isso. Eu não conseguia esconder meus músculos com qualquer outra coisa, senão roupas largas. Eu parecia um vagabundo. Em seguida, com os olhos fixos sobre a cicatriz no meu pescoço. Que eu tinha ganhado quando tinha dezesseis anos, quando um membro da gangue da minha cidade natal cortou minha garganta para sua iniciação na gangue. Uma gangue que eu estava tentando sair. Um grupo que não deixava que as pessoas simplesmente saíssem. Eu tinha sobrevivido a ter minha garganta cortada, graças a um policial. Um policial local que estava no território das gangues tentando manter suas atividades sob controle. Ele salvou-me com o seu raciocínio rápido, e manteve um olho em mim durante os meus anos de colégio. Oh, e se casou com minha mãe solteira. Ele também era agora o meu padrasto. Tentando deixá-lo orgulhoso, juntei-me a Guarda Costeira, e fui para a escola para obter meu diploma de paramédico. Depois de seis anos na guarda costeira, eu saí quando minha mãe ficou doente, e fiquei com um triplo certificado como bombeiro, paramédico, e oficial de polícia. Mudei-me para Benton devido a sua quase inexistente atividade de gangues. Eu não queria lidar com gangues. Mas queria fazer da cidade e arredores, um lugar melhor. Trabalhar como agente duplo não era o meu objetivo original; mas, as horas extras, com certeza foi um bônus. Tornei-me bom em ser uma pessoa diferente. Ou talvez eu era apenas uma pessoa, tentando não ser eu. Quer dizer, estive em uma gangue por cinco anos. Eu vivia nas ruas enquanto minha mãe ralava em um restaurante, trabalhando no turno da noite. Eu definitivamente não estava supervisionado, é o que me levou a destruição na tenra idade dos onze anos.


"O-obrigada," disse encontrando sua voz.

ela

depois

de

um

tempo,

finalmente

"Não há problema," eu disse e fui embora, deixando-a ali na grama. Seus olhos estavam cheios de terror, e eu sabia que ela não seria capaz de andar comigo tão perto. Ela estava em uma posição vulnerável: doente e assustada. Eu dei-lhe a única garantia que podia. Minhas costas.


"Eu volto à meia-noite," disse para o meu irmão, apenas no caso dele estar me ouvindo e não ter seus fones de ouvido colocados. Embora, o mais provável é que foi uma declaração inútil, eu queria pensar que ele se importava o suficiente comigo para se preocupar com ou onde eu fui. Embora, sabia que ele não fazia. Quando eu disse que podia ficar aqui por umas semanas, eu nunca quis dizer que ele podia ficar comigo para sempre. Já se passaram seis meses desde que ele se mudou, e nesse tempo ele não tinha nenhuma vez olhado uma casa para mudar. Eu deveria saber, mas foi bom ter alguém por perto ... mesmo não falando comigo. Ou ajudando. Ou pagando por qualquer coisa. O bairro não era bom, e gostei da sensação de ter alguém em casa. Especialmente com todos os estupros que vinham ocorrendo durante a noite. Quem teria pensado que um estuprador em série iria aparecer nesta pequena cidade?


Tudo começou há cerca de seis meses atrás, com uma jovem adolescente, chegando em casa depois de uma noite de festa com seus amigos. Ela estacionou seu carro na garagem, desligou e saiu antes que fechasse a porta da garagem. Então ela ligou o alarme e foi para a cama. O que foi um erro grave. Pelas câmeras de segurança, não foi possível identificar como o homem tinha desligado o sistema de segurança e depois o ativou quando estava lá dentro. De lá, tudo parecia bem do lado de fora, enquanto no interior uma jovem garota estava tendo sua inocência roubada, depois ele a drogou para fazê-la esquecer. Desde então, houveram quase nove outras vítimas, e elas só podem se lembrar que elas estavam bem antes de chegarem em casa. A primeira foi a mais sortuda desde que tinham câmeras instaladas na sua casa. As outras não tinham tido tanta sorte. Elas só acordaram confusa, espancada e estuprada sem nada para lembrar de como isso aconteceu. Andando para fora, cheguei ao meu carro, mantendo minha cabeça baixa enquanto caminhava. Não seria bom ver meu vizinho. Quente, sexy, usuário de drogas, e durão. Era inevitável embora. Eu fui atraída para o homem como as plantas para a chuva. Ele era como uma estrela incandescente em um céu escuro como breu para mim. Não importa o quão duro eu tentei, meus olhos sempre se desviaram em seu caminho. A maneira como ele me observava me deixava nervosa, mas também esquentava o meu sangue. Inferno, eu era uma mulher de 26 anos. Ele era um macho quente em seu auge, apesar das roupas largas de gangster que cobriam um corpo extremamente musculoso. Seu cabelo era longo com cerca de sete centímetros e loiro repicado. Quando ele olhava para mim, sempre tinha um par de fios em seus olhos azuis de aço, apenas para aumentar o apelo. "Hey, sis5," Andrew chamou. "Você pode pegar o jantar no caminho de volta para casa?" Ele não esperou pela resposta, o que não era surpreendente. Ele não se importava que eu trabalhei até quase três da manhã. Tudo o que 5

Sis: abreviatura de sister, que significa irmã. O equivalente a chamar a irmã de mana


importava era ter um hambúrguer e batatas fritas. Será que alguma vez já passou pela sua mente que eu não tinha energia para fazer isso depois que saía do trabalho? Eu tinha que estar na escola às nove, amanhã pela manhã. Quando me virei, vi o meu vizinho sem camisa, inclinado sobre o capô da sua mais recente aquisição. Um 1970 de Plymouth Barracuda6 que eu estava morrendo de vontade de fazer um passeio. Na verdade, iria chutar o meu irmão para fora agora se ele oferecesse o carro para mim. Ele era ruidoso. Tão alto que fazia o meu coração disparar. A pintura precisa de algum trabalho, mas o motor estava bom. Com todo o trabalho que o homem colocou nele ao longo das últimas três semanas, não era de admirar. Será que ele trabalhava? Eu tinha visto ele quando sai para o trabalho nos últimos três dias, e ele ainda estaria lá quando chego em casa. Apesar de ser quase sete da noite, e eu estar fora por todo o dia, ele estava lá. No mesmo lugar que estava quando saí. Ele poderia trabalhar em algum momento nesse intervalo, mas não acho que ele tinha. Eu não podia esperar para ver com qual cor ele o pintaria. "Oi, Channing!" Eu gritei bem alto e me virei, encontrando meu vizinho da casa ao lado, o vizinho assustador pra caralho imediatamente à minha direita. Varian Strong. "Humm, oi, Sr. Strong. Como você está? " Perguntei, afastando-me em direção ao meu carro. Ele sorriu do meu susto, sabendo o que fez comigo. Meu coração disparou. "Eu estou bem, coisa doce. Indo para o trabalho?" Ele perguntou com preocupação fingida. Eu balancei a cabeça enfaticamente. "Claro que estou. Boa noite!"

6


Entrei no meu carro, em seguida, tranquei o mais discretamente que pude antes de ligá-lo e recuei para fora na porra do meu caminho. Eu odiava muito o meu bairro. Na maioria das vezes. Principalmente, porque eu gostei da maneira que meu vizinho estava me observando do carro, e o modo como seus olhos se estreitaram na direção de Varian uma vez que ele me viu passar por ele. Eu sabia que ele estava prestando atenção. Ele era um homem inteligente. Ele sabia assim como eu que o bairro era muito perigoso. Embora ele não fosse um coelho assustado como eu era. Eu cresci em um subúrbio de Nova Orleans antes que as barragens desabaram. Minha mãe morreu na enchente, um pouco depois, e o negócio de camarão do meu pai desapareceu como resultado. Nós mal fazíamos para prover a nós mesmos, mas com o resultado do furacão Katrina, não havia mais nada para voltarmos. Nós havíamos sobrevivido, mas apenas por pouco. Mudamos para Ruston, Louisiana, para grande aborrecimento do meu irmão. Meu pai tinha encontrado um emprego como motorista de caminhão, e deixou meu irmão e eu sozinha em casa por nove dos doze meses do ano. Meu irmão era um ano mais velho do que eu, mas ele agiu como se fosse quatro anos mais jovem. Quando fiz dezoito anos, eu saí para ir para a escola em Monroe, a cerca de uma hora de distância da nossa nova casa. Me formei em cosmetologia dentro de um ano. Desde então, estive trabalhando muito. Meu mais recente trabalho, foi o que me trouxe para Benton, em primeiro lugar, um caso em particular. Depois de lutar durante dois anos tentando fazer uma clientela, que se ramificou, tentando o meu melhor para economizar para a minha futura casa e pagar o meu seguro. Eu tinha asma. E com a mudança das estações, eu sempre ia para o hospital pelo menos uma vez por ano. Eu também não poderia deixar de pagar o meu seguro, ou teria que pagar escandalosamente por isso.


Meu carro estava com um barulho estranho quando estacionei no lugar habitual na parte de trás do edifício e depois morreu. Assim que parei de pressionar o acelerador. Ele tossiu, engasgou, e balançou antes que eu finalmente virasse a chave e empurrasse o meu ombro contra a porta. Meu carro era uma besta. Era um Pontiac Firebird 19757 com pintura dourada desgastada e estofado preto. Ele tinha um T-top8, e era o meu bebê. Eu tinha a melhor das intenções quando comprei o veículo do lado da estrada quando eu tinha vinte anos, mas com o passar dos anos, só tive dinheiro suficiente para manter o funcionamento do carro. Não deixa-lo bonito. Havia molas saindo nos assentos, eu tinha substituído ambos os cintos de segurança com uns que encontrei no ferro-velho, e o painel estava tão rachado que nem sequer se assemelhava muito a um painel. E nem sequer me fale sobre o trabalho necessário no motor do carro. Inclinando-me para sair do carro, fiquei de pé mexendo na minha bolsa. Batendo na fechadura com a palma da minha mão, bati a porta com força, contente de ver que ela realmente fechou, e entrei. O cheiro era sempre a primeira coisa que me atingia quando eu entrava pela porta. O aroma adocicado de flores. Eu odiava flores agora. Depois de sete anos no cargo, eu nunca poderia ver outra flor novamente e ser feliz. Na verdade, eu iria tão longe a ponto de dizer que detestava flores. Por que, você pergunta?

7

8


Porque o cheiro me lembra da morte. Eu sou uma esteticista. Meus clientes eram pessoas mortas. Black Water Funeral Home tinha sido a minha casa ao longo de cinco anos. Caminhando pelo corredor dos fundos, digito o meu código de entrada e me viro para entrar na sala. Nós a chamávamos de vestiário. Esta sala era onde se abrigava todos os corpos. Este era o lugar onde toda a mágica acontecia. Eu estava sozinha quando entrei, e era assim que eu gostava. A única pessoa que normalmente estava aqui a esta hora era Brittany, a agente funerária. No entanto, ela não estava à vista quando cheguei; então arrumei minha bolsa e casaco na sala dos funcionários e caminhei para o computador para ver quem eu deveria trabalhar primeiro. Ahh, a Sra Rose Abernathy, 23. Fiquei pálida quando vi a causa da morte. Deus, eu odiava suicídios. Acho que tudo que eu poderia ser grata era que ela não tinha atirado em si mesma. Em vez disso, ela se enforcou, o que era quase tão ruim, mas facilmente coberto com maquiagem e roupas. Olhando a foto que a família tinha enviado, coloquei o computador na mesa ao lado da área de trabalho onde eu estaria fazendo a maquiagem na Rose, e me aproximei do refrigerador número três. Você pensaria que, após cinco anos neste trabalho que eu não seria tão paranoica, mas em cada vez que eu abri os coolers, eu prendia a respiração. Eu não sei o que esperava. Encontrá-la viva? Uma coisa que eu não gostava era de assistir filmes sobre zumbis. Eu tinha o suficiente para minha imaginação e não precisava acrescentar mais ação.


Rose era uma linda garota, e isso fez meu coração doer ao pensar que algo tão terrível tinha acontecido com ela para pensar que a única saída era tirar sua própria vida. Uma vez que eu estava com ela na minha mesa, lavei o seu cabelo. A coisa mais difícil de trabalhar em pessoas mortas era que eles não são maleáveis, o que torna mais difícil fazer qualquer coisa. Também tenho que ter força para pegar eles, é bem pesado, literalmente um peso morto. Quando a tirei fora da mesa, um sopro de ar liberado dos seus lábios, me assustou. Mais uma vez, após cinco anos nessa merda, você pensaria que eu estaria esperando aquele pequeno sopro de ar liberado. Mas não, não eu. Eu gritei e recuei. "Você se assusta todas as vezes," disse uma voz seca da porta. Virei não surpresa ao vê-la ali me olhando e observando. "Vá se foder," eu respondi. Brittany sorriu. Ela tinha uma risada rouca que parecia sensual e suave. Aos 53 anos, ela é linda. Alta, muito mais alta do que os meus 1,69m de altura. Ela tinha um corpo para matar com peitos grandes, pernas longas e cintura fina. Eu gostava de chamá-la de boneca Barbie étnica da vida real. Seu cabelo preto enfatizava sua herança guatemala. Longo e sedoso. Ela me fazia lembrar da Laura Croft: Tomb Raider - pelo jeito que ela sempre usava o cabelo em um rabo de cavalo, e principalmente longo e pendurado até a sua bunda. Ela não se vestia como Laura Croft, no entanto.


Como uma agente funerária, ela tinha um trabalho... muito nojento. Era a razão pela qual ela vivia de macacão Carhartt9. Ela é bonita, e odiava quando eu apontava esse fato para ela. "Você não pode dizer isso ao seu chefe!" Ela olhou zombando. Revirei os olhos. "Tanto faz. Onde você esteve?" Ela fez uma careta. Revirou os olhos e apertou os lábios, como se tivesse provado algo ruim. "O proprietário queria me ver." "O que houve?" Perguntei surpresa. "Ele diz que não estou aqui tanto quanto eu costumava e queria saber o porquê. Ele disse que Joshua reclamou sobre o quanto ele estava fazendo o meu trabalho. " Seu rosto demonstrou desgosto. Olhei para ela com simpatia. "Joshua é um saco, sempre foi. Você está aqui por quase 15 horas por dia. Seu marido já não vê você o suficiente como deveria. Seus filhos também. " "Desde que JJ saiu de casa. Cabe trabalha o dia todo. Temos sorte de ver um ao outro, mesmo por alguns dias. Mas eu me canso de nenhuma interação humana. É por isso que reduzi minhas horas. Estou indo num clube do livro. Discutimos romances. Você deveria vir comigo algum dia, " disse ela alegremente. Brittany era casada com o chefe de polícia de Benton, Cabe Warren. Ele era um homem bruto e aceitava nenhuma besteira. Mas ele tinha um monte de responsabilidades, e trabalhava até altas horas. Contudo, isso funcionava para eles. Eles estavam juntos desde que tinham dezesseis e dezessete anos. Eles tinham tido filhos quando estavam com 18 e 19. E sua filha mais nova, JJ, tinha acabado de se formar na faculdade e mudou-se para o seu próprio lugar. Eles eram "livres" de acordo com ela. Não que eles utilizassem isso. Eles ainda trabalhavam tanto agora como faziam quando seus filhos eram jovens.

9


"De qualquer forma, ele queria ter certeza de que eu estava 'bem'.” Ela estremeceu. "Eww." Ela se sentia da mesma forma que eu sobre Gustavo. Embora, ela não tinha compartilhado esses sentimentos com seu marido. Querendo afastar o assunto do Gustavo, mudei o tema. "Você conseguiu alguma coisa boa hoje?" "Houve um suicídio, o que vejo que você já encontrou. E um par de MVA10. Eles vão precisar de algum ... trabalho." Ela fez uma careta. Eww. Eu odiava observar seu trabalho, mas com certeza ela era um gênio. Ela era mágica com massa de vidraceiro, tela de arame e papelão. Ela poderia consertar praticamente qualquer coisa deformada com sabedoria, e eu tornava-os bonito, uma vez que ela terminava. Trabalhamos bem como uma equipe. Estávamos trabalhando juntas por pouco mais de um ano agora, e não poderia me imaginar trabalhando com qualquer outra pessoa. "Que horas você está indo embora?" Perguntei. Ela olhou para o relógio quando uma voz profunda disse da porta atrás dela, "Agora". Nós duas pulamos. O marido dela estava parado na porta olhando com desagrado. Ele estava com um simples par de jeans e uma camiseta preta. Não era as roupas que o faziam parecer autoritário. Ele simplesmente era. E o distintivo na parte da frente da calça jeans, com a grande arma preta em seu quadril só contribuía para o efeito. Quando eu tinha dezesseis anos, tinha sido parada por alguém que imaginei que fosse um policial, e, em seguida, quase agredida sexualmente. Se não fosse por alguns garotos da minha escola que me ouviram gritar, e então vieram investigar, eu teria sido estuprada. Desde então, eu tinha um profundo medo da polícia; Cabe não foi exceção.

10

Motor VehicleAccident: Acidente de automóvel


Eu sabia que não era um medo racional. Eu sabia que o cara que tinha feito isso só estava vestido com um traje, mas tudo o que aconteceu deixou uma mancha em minha alma que me disse que eu não podia confiar em policiais. Não importa o que. Meus olhos se arregalaram e minhas mãos umedeceram. Se eu olhasse no espelho, tenho certeza que minhas pupilas estariam dilatadas também. Cabe percebeu a minha reação a ele, assim como sempre fez, e ficou longe de mim. Ele sabia o quão desconfortável eu estava com ele, e foi o que fez a minha reação a ele parecer tão estúpida. Eu sabia no fundo que ele nunca me machucaria, mas a minha mente não me deixa conectar às vezes. "O-oi, Sr. Warren,” eu disse, colocando a mesa e a garota morta entre nós. Ele sorriu tristemente para mim. "Olá, Channing. Como você está hoje, querida? " Eu dei de ombros. "Estou bem." Sua boca levantou no canto, transformando seu rosto duro de granito para uma suavidade que eu não via muitas vezes nele. "Você parece uma merda." Eu sorri. Não pude evitar. Não são muitos os homens que são tão francos com as mulheres. Eu gostava de um homem que não tinha medo de uma mulher quando dissesse a ela que parecia uma porcaria. "Cabe!" Repreendeu Brittany. "Você não diz a uma mulher que ela se parece uma merda!" Ele sorriu. "Desculpe." Ele não parecia arrependido, mas estava tudo bem. Eu gostava de um homem com atitudes. "Está tudo bem. Eu tive um ataque de asma alguns dias atrás. As velhas alergias estão me chutando de novo, uma vez que começou a chover muito. Sem mencionar que a primavera está chegando, " eu disse a eles.


"Você está pronta, garota bonita?" Cabe perguntou à sua mulher. Ela sorriu para ele com ar sonhador, fazendo-me sentir falta de alguém olhar para mim assim, e caminhou em seus braços. "Sim. Eu estou." "Bye vocês dois. Tenham um bom encontro. " Eu disse a eles. Depois que eles se despediram, voltei a trabalhar, passei a minha noite com a paz e tranquilidade dos mortos.


"Nada de novo?" Meu chefe, Cabe Warren, me perguntou. Fui até minhas cortinas e separei-as abrindo com dois dedos, olhei para fora, para o bairro perigoso. "Não. Ele falou com a vizinha, mas ela entrou no carro e foi embora antes que saísse do controle. O cara é assustador. " Rosnei em meu telefone. Todos nós sabíamos que ele era um porco; só esperava que ele não "mijasse onde ele dormia." Eu não precisava de outra complicação como a mulher quente ao lado, ou seu irmão de merda. Eu também não precisava me preocupar com o meu alvo estuprando as mulheres em seu bairro. Mas eu estava. "Você já fez contato com ele?" Ele perguntou. Eu vi quando a minha vizinha saiu com um balde e a mangueira de água enquanto ela se preparava para lavar o carro. Não que o carro precisasse. Ele estava muito enferrujado para que uma lavagem fizesse a diferença, mas ela fazia isso todo sábado como um relógio.


"Conheci-o ontem à noite quando eu estava andando com Lucy11," eu confirmei. Lucy era o meu cão Rottweiler de três anos de idade. Ela também achava que era um ser humano, e nunca encontrou um desconhecido. O que rachou minha bunda quando Varian o pedaço de merda se abaixou e acariciou o meu cão com suas mãos manchadas de sujeira. Eu não queria aquelas mãos em qualquer lugar perto de qualquer coisa minha. Interiormente, eu estava rosnando em indignação. Exteriormente, vendo os jeans desbotados que eu peguei na Goodwill12, botas de motoqueiro pretas, cabelo desgrenhado, e a camiseta branca manchada, ele me dispensou como se fosse menos que merda de cachorro. Que era o que eu queria. Eu queria que ele achasse que eu não era uma ameaça, mas sim um... possível parceiro de negócios. Se ele visse as roupas esfarrapadas, a casa de merda, e carro menos que estelar, então talvez ele pensasse que eu estava desesperado, e podia ser comprado. Mas eu não poderia ser agressivo, caso contrário ele suspeitaria dos meus motivos. Em vez disso, fiquei em uma casa com uma placa de vende-se na frente, e trabalhei na minha caminhonete durante todo o dia para que pudesse fazer parecer que eu não tinha emprego e tão pouco ambição. Então, quando entrasse em seu escritório de construção na segunda-feira de manhã para minha entrevista, ele saberia que eu estava em apuros. Esperemos. "Bom," disse Cabe. "Eu tenho que voltar ao trabalho, e você também. A que horas é a entrevista na próxima semana? " "Segunda-feira às nove." Eu suspirei. "Bom, já coloquei as escutas nos telefones da V.S Construction de novo. O monitoramento vai começar quando você for oficialmente contratado. Falo com você depois, " ele desligou. 11 12

Lucy: abreviatura do nome de seu cachorro Lúcifer Goodwill: Loja de roupas doadas para caridade


Eu já tinha verificado sobre isso com ele mais de uma vez, assim como o resto da equipe. Eu sabia que ele estava preocupado comigo, mas havia um limite para o que um homem poderia fazer. Eu entreguei a minha demissão antes deste trabalho sequer começar, e o chefe não tinha aceitado. Eu estava além de cansado de ser alguém que eu não era. Eu estava pronto para ser apenas eu. Um policial e um membro da The Dixie Wardens. The Dixie Wardens MC foi a minha casa longe de casa. Quando fiz dezoito anos, eu entrei para a Guarda Costeira e deixei minha cidade natal Boca Grande. Eu vivia e respirava a Guarda Costeira por seis anos antes da minha mãe ser diagnosticada com câncer de mama. Apesar dela garantir que não precisaria de mim, eu tinha me aposentado e voltado para casa para ajudá-la com a loja que possuía. Que ela amava de todo o coração e alma. Meu pai tinha morrido enquanto servia na Guerra do Golfo quando eu tinha nove meses de idade. Com a pensão que a minha mãe recebeu, ela abriu sua loja, You are My, no calçadão no centro de Boca Grande. Durante seis meses, mamãe e eu trabalhávamos na loja e chutamos a bunda do câncer. Uma vez que ela tinha tudo limpo, fui para a academia de polícia. Uma vez fora da academia, me mudei para Benton, Louisiana, onde eu conheci o meu melhor amigo, Killian 'Trance' Spurlock. Trance e eu ambos fomos prospectos do MC local por causa do nosso amor por motos. A partir daí, nos tornamos irmãos e melhores amigos. Agora, a única coisa que faltava era minha mãe, mas ela nunca iria deixar sua loja, e eu nunca deixaria meu clube. Uma batida na minha porta me assustou, percebi que me distraí assistindo minha vizinha lavar seu carro e agora ela tinha terminado e estava longe de ser vista.


Sacudindo as cortinas de volta no lugar, caminhei até a porta e olhei no olho mágico. Assustado, eu abri a porta para encontrar a minha vizinha na varanda olhando tudo, mas confortável. "Oi," ela disse suavemente. "Eu só queria te agradecer por aparar meu gramado." Surpreendido olhei para ela. Huh, não esperava que ela percebesse que eu tinha feito isso, e muito menos vir e me agradecer. Eu tinha feito isso assim que ela saiu para o trabalho ontem à noite, o tempo todo atirando faíscas para filho da puta do homem sentado jogando vídeo game. "De nada." Eu murmurei. "Você parecia uma merda ontem; só queria ter certeza de que você não morresse. Eu não queria ter a polícia em todo o nosso bairro ou qualquer coisa." Eu estava brincando, é claro, mas a princípio ela parecia não ter entendido até que percebeu o canto da minha boca inclinando-se num sorriso. "Sim, ninguém quer um policial aqui," disse ela veemente antes que visivelmente estremeceu. A certeza em sua voz me fez inclinar a cabeça para o lado. Por que ela estava tão inflexível sobre isso, me deixou perplexo. Será que ela não gosta de polícia? Uh-oh. "Tem alguma coisa contra a polícia?" Eu perguntei quando me inclinei contra o batente da minha porta. "Não", ela disse um pouco rápido demais. "Tenho que ir, o cara da reforma está aqui." Então ela praticamente saiu correndo, tão rápido quanto suas pernas iriam levá-la. Observei o balançar da sua bunda enquanto corria, e fiquei surpreso ao encontrar-me não só ereto, mas duro como uma maldita rocha. Fechando a porta da minha casa, retirei a minha camisa e caminhei para o meu chuveiro, roupas caindo fora por onde eu passava.


Eu contornei as caixas que ainda estavam embaladas no lado do meu quarto e entrei no banheiro. Tirando meu jeans, chutei-os para o canto do quarto e liguei a água ao máximo antes de entrar debaixo do chuveiro frio. Foi quando minha cabeça estava ensaboada plenamente com gel de banho que ouvi o estrondo de motos me fazendo amaldiçoar. Eu estava atrasado. Minha mente estava em outras coisas enquanto eu deveria estar me preparando. Tínhamos uma corrida planejada esta noite, e eu iria nos atrasar, se não me apressasse. Lavei-me rapidamente, e saí envolvendo a toalha em volta da minha cintura antes de correr para a porta. Abrindo a porta, eu saí, sem surpresa por encontrar seis motos na minha garagem. Descendo para o primeiro passo, minutos! Vou colocar algumas roupas. "

eu

gritei.

"Dê-me

dez

Eles levantaram suas mãos, reconhecendo que eles me ouviram enquanto todos eles se aglomeraram ao redor do meu 'Cuda13 verificando o novo tanque que eu tinha colocado naquela manhã. Quando me virei, um movimento chamou minha atenção fazendome olhar para cima. Meus olhos se chocaram com os da minha vizinha e deteve-se. Pareciam longos minutos enquanto nós dois encarávamos. Finalmente, o empregado que estava verificando sua reforma quebrou o nosso concurso de encarar, me permitindo correr para a casa. Eu joguei a toalha na beira da minha cama e coloquei o jeans que encontrei em uma caixa que servia como minha cômoda. A busca por uma camiseta limpa levou mais tempo, mas mesmo assim, eu encontrei uma e coloquei sobre a minha cabeça. Então peguei o meu colete do Mc Dixie Wardens. Encontrei meias e botas, andei até a cama e sentei, puxando minhas meias antes de prender o meu coldre de tornozelo que já estava segurando a minha pistola compacta calibre 45.

13

Cuda: modelo do carro


Então afivelei as minhas botas, amarrei os cadarços, passei desodorante e corri para fora da casa. Indo em direção a minha moto, montei, chutei o tripé, e a liguei com um rugido. Apesar de ter sido abafada pelo som de outras seis Harleys dando partida logo ao meu lado. A última coisa que eu vi quando nós dirigimos para a rua, foram os olhos consternados da minha vizinha, enquanto me observava ir embora. O que me fez pensar, se era porque eu estava em um MC, ou porque ela não queria me ver ir embora?


4 MESES MAIS TARDE

Eu precisava de sexo. Se eu não conseguisse algum sexo logo, eu morreria. Com certeza. Meus olhos vagaram até a casa ao lado, e eu assisti, pela quinta noite consecutiva, como o homem se masturbava na frente de sua janela. O triste era que ele nem sabia que tipo de show erótico que ele estava me dando. Ele tinha cortinas por amor de Cristo. Por que elas se tornam tão transparente à noite? Com a iluminação de luz por trás, tudo o que eu tinha que fazer era sentar na minha cama, olhar para frente, e eu tinha um filme perfeito em tempo real da silhueta do homem enquanto ele trabalhava forte no seu pau. Foda-se, poderia até mesmo ver quando ele gozou. Como isso era possível? E hoje à noite, aqui estava eu deitada em minha cama esparramada, nua e me masturbando com a visão dele.


Eu era uma filha da puta doente. Era quase o destino que ele esperasse até tão tarde da noite para fazê-lo. Quero dizer, era três da manhã pelo amor de Deus. Será que o homem nunca dorme? Ele começou trabalhar durante o dia agora, e eu só fui capaz de vê-lo no início da manhã ou tarde da noite. Porém, ele estava sempre trabalhando nesse carro até que fosse tarde, mesmo que ele tivesse trabalhado naquele dia. Ficava até tão tarde que precisava usar uma luz. E eu poderia vê-lo por horas. Esta noite foi diferente, porém. Ele teve que parar mais cedo devido à tempestade, o que o colocou em seu quarto mais cedo do que geralmente estava. Sua janela estava aberta, assim como a minha estava. E a tempestade estava ficando mais forte. Que foi por isso que quando o vento soprava, a janela de abrir em madeira do homem soprou para trás levando-o a olhar para cima rapidamente. E nesse instante, as cortinas abriram-se, nossos olhos se encontraram, e eu sabia que ele me viu masturbando junto com ele. O seu sorriso me contou tudo. Ele não parou, no entanto. Em vez disso, ele se aproximou. Ele estava tão perto da cortina que eu poderia ter jogado o vibrador que estava me masturbando e subido nele. Não que eu teria. Ele provavelmente teria me impedido, mas ainda assim. Ele estava tão perto que eu podia jurar que ele ouviu a minha respiração ofegante. Nossas mãos trabalharam em nossos corpos em uníssono. Eu assisti-o trabalhar em si mesmo mais e mais rápido, movendo a mão tão rápida no seu comprimento duro que era um borrão. Meus olhos ameaçaram fechar quando meu orgasmo se tornou iminente, mas eu lutei contra ele. Eu não queria perder um segundo desse show. Momentos depois, meu orgasmo explodiu em cima de mim.


Meus mamilos apertados com os picos duros, e arrepios irromperam sobre a minha pele, apesar do ar abafado. O relâmpago descarregou na minha espinha e centrou na minha buceta quando eu empurrei o vibrador dentro de mim ainda mais forte, prolongando a liberação que estava balançando meu corpo. Seu grito rouco tinha atraído os meus olhos para ver como a mão trabalhava seu próprio orgasmo fora do seu pau, jorrando jatos quentes de sêmen em sua mão. Seus olhos miraram para os meus enquanto me observava lentamente puxar o vibrador roxo, e ele sorriu antes de deixar a cortina ir mais uma vez. Foi então que eu percebi que ele me viu gozar, e eu tinha o visto fazer o mesmo. Ele moveu a cortina. Puta merda. Seu pau era enorme. Puta merda. Agora eu estava com tesão novamente. Porra.

A nota no meu carro, antes de eu sair para o trabalho, tinha me feito corar tão forte que me senti tonta. "FOI TÃO BOM PARA VOCÊ COMO FOI PARA MIM? -LOKI. As letras estavam todas maiúsculas, e tinha uma ligeira inclinação para a direita, e eu soube imediatamente de quem era. Meu vizinho. Loki. Pelo menos eu tinha o nome dele agora.


Loki... o motoqueiro. O muito grande, motoqueiro assustador que pertencia a uma gangue de motoqueiros. Quando esses motoqueiros tinham estacionado naquele dia, há quatro meses, em seu couro preto, montando essas motos enormes, minha respiração congelou em meu peito. Eles eram todos enormes e assustadores, e o mais velho, com aquele cavanhaque até o peito, era muito intimidante. Especialmente quando seus olhos se mudaram para mim, prendendo-me no lugar quando ele me verificou. A única razão pela qual ele finalmente moveu seus olhos para longe de mim foi para voltar-se para o homem, Loki, que vinha correndo para fora de sua casa em uma maldita toalha. Ele gritou que ele estaria saindo, e, em seguida, virou-se, exceto que ele parou em sua trajetória quando me viu verificando o seu delicioso corpo. Eu sabia que ele tinha um grande corpo escondido sob aquelas roupas surradas, mas puta merda. Ao longo dos últimos meses, eu tinha um monte de imagens dele em minha mente que eu pensava sempre que precisava me masturbar. Na verdade, meu banco de imagens estava tão estupidamente cheio dele quente e suado que eu pensei que não poderia acrescentar mais do que isso. Em seguida, na noite passada, eu tinha visto ainda mais desse delicioso corpo, e percebi que eu o queria tanto que literalmente doía. O que me levou a esta manhã e a nota. Meu telefone tocava enquanto eu equilibrava o meu lanche e o café, então coloquei em cima do meu carro para respondê-la antes de ir para dentro. "Olá?" Eu respondi e liguei meu carro. "Chan? Oi, você quer ir fazer as unhas?" Perguntou Brittany. Hoje era a folga da Brittany. No entanto, era sábado, e eu tinha que trabalhar no meu segundo emprego com The Bayou Funeral Home.


Normalmente, eu não iria sair tão cedo, mas tinha conseguido uma chamada de Ray Platt, o gerente, perguntando se eu poderia trabalhar no "salão", como ele gostava de chamá-lo. Realmente, era apenas uma simples recepcionista, mas ainda assim, alguém tinha que fazê-lo, e ele me prometeu um bônus. Um bônus que eu precisava para pagar a minha parte da reforma. Especialmente agora que ela estava afetando minha capacidade de fechar e trancar as portas. Normalmente, eu não deveria ter que mexer com algo como uma reforma desde que eu estou alugando, mas a porta que não fecha estava me deixando nervosa. O senhorio me disse que eu teria que gastar algum dinheiro se quisesse isso feito. Eu não tinha sido capaz de trancar a minha porta dos fundos em mais de uma semana, porque não poderia obtê-la fechada. Felizmente meu irmão estava lá, embora ele perdeu o emprego e não tinha sido capaz de pagar o aluguel em mais de um mês. O aluguel era mais razoável do que em qualquer outro lugar na área e eu poderia pagar sozinha. "Eu sinto muito, Brit. Eu tenho que ir trabalhar no The Bayou hoje. Eles precisavam de mim para substituir Stephanie. Mais uma vez. Eu provavelmente poderia ser contratada em tempo integral, considerando quantas vezes tive que fazer isso ultimamente. " Enquanto eu falava, recuei para fora da garagem e comecei a afastar quando um grito me parou em meus pneus. Pressionando o meu pé suavemente no freio, eu olhei para cima para ver meu vizinho correndo em minha direção. Pelo menos eu pensei que era meu vizinho, ontem o seu cabelo era comprido e desgrenhado, hoje era curto e espetado. Fazendo-o parecer absolutamente lindo. "Jesus Cristo..." Eu disse para ninguém em particular. "O que... o quê?" Brittany gritou no meu ouvido. Eu a ignorei e, desci a janela mantendo o telefone preso entre o meu rosto e ombro. "S-sim?" Eu perguntei enquanto ele colocou uma mão na parte superior do meu carro, e outra em cima da minha porta.


Em seguida, ele se inclinou e perguntou: "Você quer este lanche em cima do seu carro?" Olhei para cima, como se eu pudesse ver através do teto, e gemi. "Sim. Sim eu quero." Ele sorriu largamente, me mostrando a fileira de dentes brancos, e me entregou a meu lanche e o café. "Obrigada," eu disse com a voz rouca. Seus olhos fixaram na minha boca, e depois inclinou-se, beijandome suavemente nos lábios. "De nada." Então ele foi embora, deixando-me ofegante atrás dele. "Puta merda!" Exclamei. "O QUÊ?" Brittany gritou no meu ouvido. Ela estava gritando junto comigo, quando eu disse a ela o que aconteceu. "Oh, estamos definitivamente discutindo isso amanhã", ela retrucou. "Eu vou trazer o café desta vez." Eu conduzi para o trabalho em transe, totalmente fora de mim. Os lábios daquele homem eram mortais.

Claro, eu teria que lidar com uma família de luto. Maldito Ray. Tudo o que ele fez foi ver uma menina bonita e teve que saltar sobre ela no momento em que ela chegou. Embora fosse conveniente, uma vez que a mulher parecia fazer os homens chorarem cada vez mais forte. Eu odiava essa parte, lidar com um homem que estava tão sentido com a morte de sua filha. Para piorar ainda mais, sua filha foi queimada viva, o que o homem fez questão de apontar para mim inúmeras vezes. A mulher do


homem apenas ficou lá em estado de choque. Ela não falou ou chorou; apenas ficou lá e olhou fixamente para o espaço. Controlando meus arrepios, convidei-os a ter um assento enquanto observava a mulher e Mr. Platt caminhar de volta para a parte de trás. Eu não entendia o que estava acontecendo, e por que os dois não poderiam ir com ela, mas realmente não era da minha conta. Eu era paga para orientá-los para onde eles precisavam ir, e mostrar-lhes tudo. Não ser a sua psiquiatra. Eu era uma cabeleireira. Normalmente, isso faria de mim um tipo de confidente, mas essa era a minha falha. Eu odiava lidar com pessoas. Eu era um pouco estranha e socialmente confusa. Eu não queria lidar com seus problemas mesquinhos, porque eu tinha problemas suficientes. Quando eu estava no meu último ano no colégio, as pessoas gostavam de me chamar Queen Bitch14. Eles sempre disseram que eu pensava que era muito boa para eles, quando, na realidade, eu mal estava conciliando os problemas da minha família. Cuidar dos meus próprios problemas era prioridade, o que normalmente me colocava na categoria 'cadela'. "Você pode me trazer algo para beber?" Perguntou o homem chorando. Assim quando eu estava prestes a fazer, um motoqueiro entrou pela porta, e minha respiração parou em meus pulmões. Ele estava usando o mesmo tipo de colete que eu tinha visto nos homens que estacionaram na garagem do meu vizinho há vários meses. Será que ele conhece o meu vizinho? Em seguida, sua expressão violenta me fez dar um passo atrás, e engolir convulsivamente o desprezo em seu rosto. Graças a Deus não era direcionado a mim, provavelmente não teria sido capaz de enfrentar sua ira.

porque

eu

"Minha irmã, Shannon Spada, será enterrada em dois dias a partir de agora", disse o gigante. 14

Queen Bitch: Cadela rainha – que está acima de todos


"Claro, em que posso ajudá-lo?" Perguntei. O gigante também tinha um moicano, e meus olhos continuavam observando sua expressão violenta para o casal no canto. Mr. Platt apenas protegeu aquela mulher pela mesma razão? "Meu nome é Tiago Spada, estou aqui para verificar algumas das salas, resolver algumas coisas antes dos exames na minha irmã daqui uns dias," ele retrucou. Procurando em meus papeis o nome da irmã, eu a encontrei, e o nome Tiago Spada estava ao lado dele. Assim como a mulher que tinha acabado de voltar com Ray. Adeline Spada. Hmmm. Meus olhos se arregalaram. "Claro, terei todo o prazer de mostrar o caminho", eu disse quando me virei rapidamente. Meus olhos se arregalaram quando homem após homem entrou pela porta, mas não comentei sobre isso. Com sorte ignorá-los era o melhor a fazer. Ele balançou a cabeça, mas não respondeu. Olhando para o homem chorando no canto, eu me senti horrível porque esta família não poderia estar junta para seu ente querido morto, mas eu não era ninguém para julgar. Minha família não era grande merda também. "O-okay, siga-me," eu gaguejei enquanto os conduzi pelo corredor. Com o canto do meu olho, eu vi o reflexo do olhar assassino e ele virou para quem deveria ser seus pais, e mal consegui conter um arrepio. Fazendo o meu melhor para ignorar o homem intimidador nas minhas costas, eu o levei para o corredor e comecei a minha tagarelice habitual sobre a funerária, e qual era o objetivo da empresa. Quando finalmente chegou à primeira sala de exibição, fiquei extremamente aliviada ao descobrir que os outros quinze homens não nos seguiram. "Você tem algum pedido especial sobre o que você gostaria de ver?" Eu perguntei a ele.


"Na verdade, eu gostaria de ver a sala mais na parte de trás. Temos um monte de gente vindo, e eu gostaria de tanta privacidade quanto possível. " Disse ele. E foi assim que ocorreu. Mostrei a ele o que queria, e ele fez perguntas. Então o oficial e seu cão apareceram, congelando minhas pernas. Minha respiração congelou, quase tive um ataque de pânico naquele lugar. Não ajudou, também, que o cão estava enlouquecendo, latindo e forçando o oficial segurar. Tudo parecia escurecer, e eu fiquei olhando com horror para o homem e seu cão. "Como é que você chega à parte de trás?" Todos, menos o policial rosnou para mim. Eu respondi à pergunta, recuando até que minhas costas bateram o pódio e eu não conseguia ir mais longe. Com a mão trêmula, eu levantei meu dedo e apontei para uma porta que estava parcialmente coberta por uma longa cortina na parte de trás da sala. Os braços grandes do homem se esforçaram para manter o cão longe, finalmente, ele deixou o cachorro ir. O cachorro saiu correndo, disparando como uma flecha em direção à porta, só para chegar a uma parada com a violência mal contida. Eu assisti acontecendo?

tudo

em

um

nevoeiro.

O

que

diabos

estava

Quando o oficial de K-9 chegou na porta, ele amaldiçoou e rugiu para mim. Mas meus olhos e mente já não estavam no homem gritando comigo, mas sobre o homem que tinha acabado de entrar na sala. Ele estava usando seu distintivo em seu quadril esquerdo e sua arma semi automática.45 do outro lado. Ele tinha uma camisa polo preta por dentro de sua calça jeans e óculos escuros colocados em cima de sua cabeça. Seus olhos estavam procurando o cão, porém, completamente me ignorando.


Eu estava ficando doente. Meu vizinho era um policial. "Minha senhora," o policial K-9 virou-se para mim. "Vamos abrir essa porta." Sua voz exigente me trouxe para fora do buraco escuro de perceber que a única pessoa que me senti atraída em anos era um policial. Exatamente como o que tinha quase me estuprado. Meu Deus, ele estava até mesmo se vestindo igual. Caminhando rapidamente por aquele homem e segurando a minha respiração, eu dei um soco no código para chegar à sala de trás e me afastei rapidamente. Colocando minhas costas contra a parede e me afastando para o canto tanto quanto eu poderia chegar, eu respirei fundo, na esperança de adiar o ataque de pânico que eu podia sentir atravessando. Não fui bem-sucedida. Ele me consumiu. Caindo de joelhos, eu debrucei sobre o meu corpo e balancei para trás e para frente, mas eu estava muito longe. O ataque de pânico e memórias tinham me atingido.

DEZ ANOS ATRÁS "Meu Deus. Eu vou estar em tantos problemas, "eu gemi sob a minha respiração. Eu vi quando o policial se aproximou do meu carro com avanços fortes e confiante. Ele estava vestido com calça jeans, e uma camiseta preta. Ele tinha a arma em seu quadril, e seu distintivo do outro lado. O pior era que eu não só estava correndo, mas eu também estava fora após o toque de recolher que a cidade colocou para todos os novos motoristas com idades entre dezesseis e dezessete anos.


Eu tinha que estar em casa por volta das dez durante a semana e nos fins de semana às onze; agora eram duas e quarenta da manhã. As coisas não estavam boas. Quando ele finalmente se aproximou da minha porta do lado do passageiro, eu rolei a janela e olhei para o seu rosto assustador. Ele realmente não parece um policial, mas quem era eu para dizer como um policial deveria se parecer? Embora, eu estava bastante certa de que barbas descuidadas não estavam na lista profissional. "Licença e seguro," o policial pediu bruscamente. Entregando-lhe os documentos, eu esperei por ele para andar de volta para o carro, mas ele não o fez. Em vez disso, ele ficou, abaixou-se olhando para mim. “Saia do carro, por favor. Você andou bebendo?" Ele perguntou desconfiado. Assustada, eu liberei a trava na minha porta e fiquei de pé, caminhando para a traseira do carro. Ele não parou ali, embora; ele parou no carro dele. "Venha aqui e fique atrás do carro. Não se mova, " ele instruiu. Foi então que o fato assustador começou a fazer efeito. Eu estava em uma rua lateral que corria ao lado da escola, sem luzes, e um policial que não estava de uniforme estava muito perto de mim para meu conforto. Será que todo mundo tem que sair do carro como eu fiz? O que ele iria me obrigar a fazer? Pensamentos passaram pela minha cabeça em uma milha por minuto, e quando ele começou a andar mais perto de mim, minha incerteza tornou-se pânico em pleno desenvolvimento. "Eu n-não estou confortável de estar tão perto de você." Eu gaguejei. Ele sorriu para mim. A única coisa que eu era capaz de ver eram o branco de seus olhos e os seus brilhantes dentes brancos. Por isso eu era capaz de ver o sorriso maligno que se abateu sobre o seu rosto antes que ele me agarrasse pela cintura e me sentasse no capô de seu carro.


"Está tudo bem, querida", disse ele. "Eu vou cuidar muito bem de você." Quando eu comecei a lutar, sua força superior ultrapassou qualquer força minha.

facilmente

Ele começou a forçar seu corpo no meio das minhas pernas. "Você está ciente de quão rápido você estava dirigindo?" Quando eu não respondi, ele colocou a mão no meu pulso e o quebrou. Apenas assim tão fácil. Um aperto rápido e ele estalou como um pedaço de graveto seco em suas mãos. Isso foi quando eu gritei. A dor era insuportável. Tão insuportável que eu tinha minha calça abaixada nos meus tornozelos antes mesmo de registrar que ele estava tentando removê-las. Entrei em verdadeiro pânico, e comecei a lutar com tudo que eu tinha. Eu chutei, soquei, arranhei e gritei com o coração para fora nos meus dezesseis anos de idade. Ele me segurou presa contra o capo, incapaz de fazer qualquer coisa, além de ficar presa sob seu corpo enquanto a luta lentamente drenou fora de mim. Exaustão bateu, e eu sabia...

Quando minha vizinha caiu de joelhos no canto da sala, eu sabia que algo terrível estava errado. Algo mais do que estava acontecendo ao nosso redor.


"Ei, querida. Você está bem. Shhh recomponha-se. Você está segura, " eu disse suavemente para a minha pequena vizinha do lado. Que porra ela estava fazendo aqui? "Afaste-se dela, Rector. Ela tem medo de policiais." O Chefe disse enquanto caminhava em nossa direção. Eu poderia deduzir isso ao longo dos últimos quatro meses morando ao lado dela. Lembrei-me do seu comentário ofensivo sobre policiais. Sim, ninguém quer um policial aqui, ela disse. Então, o jeito que ela agiu na única vez que houve um carro de patrulha pelo bairro sobre os pretextos de procurar uma criança pequena. Assim que ela tinha visto o carro da polícia, ela entrou e trancou a porta. Na época, me fez desconfiar, mas agora tudo estava fazendo uma espécie de sentido doentio. Relutantemente, me afastei até que fiquei de pé ao lado do meu chefe. "O que aconteceu com ela?" Perguntei, com desespero proeminente na minha voz. Ela balançava para frente e para trás, mas quando a distância entre ela e eu aumentou, seu lamento caiu para pequenos gemidos lamentáveis. "Pelo que eu descobri com minha esposa, ela foi vítima de um estuprador que se vestiu como um policial. Ficou assim desde então, " disse ele severamente. Meus olhos se fecharam com dor. "E ela morava nos mesmo quarteirão que a porra do cretino por todo esse tempo?" O rosto de Cabe girou na minha direção, e sua mandíbula estava apertada. "Sim. Por que você acha que eu te dei a casa em primeiro lugar? " "Eu pensei que era para eu estar no mesmo bairro que Varian?" Perguntei, surpreso.


Ele sorriu severamente. "Dois pássaros. Uma pedra. Minha esposa também me fez prometer que eu colocaria o meu melhor homem sobre ela. Essa foi a única maneira que ela não diria a ela. " Eu balancei minha cabeça. "Como não poderia você me dizer isso? Como sua esposa descobriu? " Perguntei. "Deixei o meu relatório sobre a mesa da cozinha. Inferno, eu nem sabia que Channing estava naquele bairro até a minha esposa começar a enlouquecer que um estuprador suspeito morava na mesma rua da sua melhor amiga. Eu não lhe disse pela mesma razão que você não quis verificar os antecedentes dela. Você não quer saber, lembra?" Ele perguntou com uma sobrancelha levantada. Eu joguei minhas mãos no ar. "Sim, mas eu comecei ... aproximar dela nos últimos quatro meses. Se eu soubesse ... " Cabe me interrompeu. "Se você soubesse você não teria feito diferente e você sabe disso. Você está cumprindo ao mandado em poucas horas, não é? " Eu balancei a cabeça. "Sim, depois que ele sair do trabalho eu vou estar na equipe para cumprir o mandado." "Cabe? Loki? " A voz suave e hesitante disse em frente a nós, desviando nossos olhos para a mulher, Channing, ainda encolhida sobre si mesma no canto. Seus olhos pareciam selvagens quando ela viu a tripulação atrás de nós recolhendo provas, bem como os cinco policiais que se reuniram na porta da sala esperando o ok dos técnicos com as evidencias para poder entrar. "Você está bem, querida?" Cabe perguntou a ela. Por alguma estranha razão, a pergunta deixou os meus dentes rangendo. A raiva começou a crescer em meu peito pela proximidade evidente do meu chefe com ela. No entanto, a intensidade não tinha lugar no momento. Ninguém iria se beneficiar com a minha atitude agora, e eu sabia disso. Então apaguei isso, parando violentamente meu grunhido de indignação que estava prestes a sair fora da minha garganta.


Seus olhos cautelosamente olharam para mim, então meu distintivo; eu sabia quando não era desejado. Dando-lhe um breve aceno de cabeça, eu a deixei, embora cada célula do meu corpo estivesse me dizendo que não.


"Que som é esse?" Meu irmão perguntou do seu lugar habitual na poltrona. Eu pensei que era apenas o jogo que ele estava jogando fazendo todo aquele barulho, mas depois que ele perguntou que som era levantei para ir investigar. Caminhando para a janela da frente, tomei um gole da minha cerveja antes de sacudir as cortinas abertas com dois dedos. O que encontrei foi toda a nossa rua engolida por policiais, xerifes, e até mesmo uma ambulância e caminhão de bombeiros, cerca de cinco casas abaixo. Surpreendentemente, tudo isso foi centrado na casa de Varian Strong, duas casas para baixo e em frente à minha própria. Havia homens do esquadrão tático vestindo preto com estes grandes ... não enormes, rifles mantido para fora na frente deles. A parte de trás de suas camisas diziam SWAT em negrito com letra branca, e eu senti minha garganta começar a fechar. Sabendo que se não colocasse a minha cabeça no lugar, eu iria acabar tendo outros trinta minutos de colapso mental, eu me virei e peguei minha garrafa de Jack Daniels.


Eu nem sequer me preocupei com o copo; eu só bebi direto da garrafa. O liquido descendo pela minha garganta parecia fogo, mas eu continuei bebendo até que não podia continuar. Ofegando por ar para esfriar o inferno fora de controle na minha garganta e conseguir o oxigênio em meus pulmões, me virei para a janela e comecei a assistir. O Jack Daniels correndo em minhas veias me deu coragem, e me permitiu sair na minha varanda e sentar na minha cadeira de balanço para assistir a atividade. Eu assisti quando sete homens vestidos de preto entraram nas instalações. O que no mundo estava acontecendo? Quando vim para esta cidade, era porque ela era tranquila, e tinha uma pequena população. No entanto, ao longo do ano passado, tinha havido vários incêndios de apartamentos, estupros e, em seguida, isso. Eu estava na Quinta Dimensão ou algo assim? O próximo par de minutos foram um borrão como uma enxurrada de atividades começou a ultrapassar a pequena casa. Quatro grandes estrondos precederam, rompendo a porta com eles empurrando dentro da casa, o que me fez sorrir. Eles me fizeram lembrar os Três Patetas, todos tentando caber através da porta de uma só vez. De alguma forma, eles se embaraçaram, e dois homens foram pegos um sobre o outro quando eles tentavam entrar. Houve um pouco de luta para ver quem era próximo, mas, finalmente, o homem à esquerda, aquele com a camisa DPB preto, em vez da camisa da SWAT, ganhou. Só porque ele derrubou o cara do lado direito, que também estava em uma camisa DPB, com um grande cotovelo no rosto. Realmente desejei que eu pudesse ouvir o que eles estavam dizendo.


Minutos se passaram enquanto eu esperava para ver o que iria acontecer, e, finalmente, eles começaram a sair da casa, arrastando o corpo mole de Varian pelos cotovelos e jogou-o em um carro da polícia. Passou, aproximadamente, uma hora, naquela tarde quente, antes que a forma que inconscientemente estava procurando caminhasse de volta para sua casa depois que todo mundo começou a se dispersar. Ele caminhou tranquilamente do outro lado da rua. Ele tinha o seu capacete em uma mão, e seu colete à prova de bala que estava usando no outro dia, quando ele atravessou a rua com a cabeça baixa. O carro da polícia transportando Varian buzinou, fazendo Loki virar a cabeça e dar um olhar penetrante para o homem que estava dirigindo o carro. "Foi você que lutou com o outro policial para chegar à porta?" Eu gritei. Corei quando eu percebi o que tinha dito, escorreguei um pouco mais abaixo apenas no caso dele se virar e me dar o mesmo olhar que tinha acabado de dar para o carro da polícia. “Sim”, ele rosnou alto. “O filho da puta está sempre tentando empurrar. Oram vai conseguir que um de nós morra algum dia. " "Quer sentar?" Perguntei quando um surto de coragem acendeu através de mim. Ele parecia cansado. E sozinho. E eu não gosto disso. Lentamente, ele saiu da estrada, atravessou meu quintal, e parou no fim da escada. A minha casa foi construída em pilares e vigas, e ele sentou-se alguns metros do chão nos três degraus que levavam até a varanda. Eu estava sentada no balanço da varanda com uma perna para cima, e uma perna para baixo, empurrando-me suavemente. "Oi," disse ele com cuidado. Ele ficou parado a uns bons três metros de distância e me olhando com cautela, dando-me a oportunidade de dizer-lhe para ir embora.


Eu não queria que ele fosse embora. Eu tive coragem o suficiente com Jack Daniel correndo em minhas veias para tê-lo ali, e não me importava que ele ainda tivesse a arma na cintura, ou o seu distintivo brilhante pendurado no pescoço. "Sente-se," eu disse. Isso soou de forma mais rouca do que eu pretendia, mas era o que era. Eu o queria lá, e meu corpo não podia deixar de mostrar isso. Deus, ele era tão quente. Ele parecia tão bom com cabelo curto. O cabelo comprido era sexy e tudo, mas esse cabelo curto trouxe a atenção para os olhos. Fez dele quase um estouro. "O que é tudo aquilo?" Eu disse com um aceno de minha mão na direção da casa de Varian. Loki tomou um assento "Varian Strong está sendo preso por estupros que foram acontecendo ao redor do condado. Ele estava instalando seus sistemas de segurança, e, em seguida, voltando meses, até mesmo anos, e depois contornando-os para entrar em suas casas ", disse ele calmamente. "Puta merda," Engoli em seco quando meus olhos se arregalaram. Ele balançou a cabeça solenemente. "Sim. Eu passei os últimos quatro meses disfarçado coletando provas contra ele. Ele é um filho da puta doente. E um idiota para se trabalhar, foda-se sua vida, " disse ele severamente. Eu balancei minha cabeça. Puta merda, eu estava vivendo ao lado de um estuprador todo esse tempo! E eu só pensava que os policiais eram ruins. Jesus Cristo! "Eu não sabia que Benton tinha uma equipe da SWAT," eu disse sem constrangimento. "Aquela é a SWAT de Shreveport. Benton não têm uma equipe da SWAT. Normalmente, apenas iríamos emitir mandado e ir nós mesmos, mas só temos vinte homens na força de Benton, e Varian é conhecido


por ser perigoso. Eu não queria correr nenhum risco com ele, " disse Loki suavemente. "Eu não posso acreditar que ele está neste bairro todo esse tempo e eu nunca tive uma pista! O homem dava arrepios, mas que diabos? E você..." Eu disse estreitando os olhos para ele. "Você poderia ter me avisado ou algo assim. Dizer-me para ficar dentro de casa. Deus, qualquer coisa. Eu dormi com a minha janela aberta pelo amor de Deus!" Ele revirou os olhos. "Por que você acha que eu sempre tinha a minha janela aberta? E não pense que eu não percebi a arma em sua cabeceira. Se alguém entrar por aquela janela, você teria atirado neles, " ele zombou. Corei mesmo pensando em sua janela aberta. "Você realmente vive aqui?" Perguntei, quando eu balancei a cabeça na direção de sua casa. Ele balançou sua cabeça. "Não e sim. Meu chefe é o dono. Você conhece Cabe, certo?" Ele perguntou. "O que? Eles são donos daquela casa também?" Engoli em seco. Eu sabia que era dono da casa do outro lado da rua, logo à direita da casa de Varian, mas eu não tinha ideia que possuíam casa de Loki também. "Sim. Eles tinham uma vaga, e sorte nossa que Varian se estabeleceu do outro lado da rua. O melhor teria sido se a casa ao lado de sua tivesse disponível para alugar, em vez dessa, " disse ele enquanto olhava a garrafa de Jack em minhas mãos. "Posso beber um pouco disso?" Eu olhei para a garrafa, em seguida, para ele, e ofereci a ele com cuidado. "Claro." Ele pegou a garrafa das minhas mãos, e as pontas dos dedos roçaram os meus, me fazendo ofegar. Assistindo-me o tempo todo, ele colocou a garrafa contra seus lábios, e começou a beber o líquido para baixo como se fosse uma garrafa de água. O pomo de Adão trabalhou com cada gole, e uma gota de suor escorria de seu queixo para sua garganta exposta.


Meu coração começou a bater mais forte. Lentamente, a necessidade sexual abafou as batidas que fizeram minhas veias começar a bombear por todo o meu corpo. Minhas pálpebras caíram, e eu engoli em seco. Eu estava bêbada. Não havia outra explicação lógica para a forma como o meu cérebro não estava filtrando as coisas que estavam saindo da minha boca. Porque a próxima coisa que eu sabia, é que palavras começaram a derramar para fora da minha boca. "Deus, eu quero você," eu soltei. Ele deixou a garrafa liberar a sua boca. Ele lambeu uma gota perdida de Jack que estava em seus lábios, e eu me lancei para ele. Juro, se eu não tivesse tido tanto Jack, nunca teria feito isso. Eu não era essa garota. Eu só tive relações sexuais com três homens, e cada um desses homens eram da minha escolha. Eu estava por cima. Eu estava no controle. E eu deixei depois. Eu tinha uma sensação que Loki não me deixaria fazer qualquer uma dessas coisas, especialmente ter o controle. Eu realmente poderia me importar menos, no entanto. Eu queria o homem. Eu estive o cobiçando por quatro meses agora, e não podia aguentar mais. "Oomph," disse ele, enquanto meu corpo atropelou o seu. Meu impulso empurrou-o para trás até que suas costas estavam descansando contra a madeira da varanda, e minhas pernas montou seus quadris. Sua mão foi no meu cabelo e me puxou para baixo a seus lábios. Eu gemi, enquanto abria minha boca a procura da sua língua, que deslizou para dentro quando dei abertura


Sua língua correu ao longo da minha, persuadindo, pedindo por mim. Fiz-lhe a vontade, sugando sua língua, circulando a minha em torno da sua e puxando-a como eu faria na cabeça de seu pau, fazendo-o gemer. As mãos no meu cabelo ficaram mais apertadas, e de repente eu me encontrei nas minhas costas com o seu quadril encravado entre o meu. Algo duro me cutucou na coxa, trazendo a atenção da necessidade para a sensação de dor. "Sua arma," eu disse entre beijos. "Ela está me cutucando na coxa. Isso dói." Ele sorriu sombriamente contra os meus lábios. "Oh querida. Isso não é a minha arma. " Então eu fui erguida sobre o ombro dele, e ele estava abrindo o seu caminho através da minha porta da frente. "Qual o caminho para o seu quarto?" Ele rosnou. Ele já sabia a resposta para isso, obviamente, mas ele estava sendo educado. Minha cabeça virou-se e eu vi a parte de trás da cabeça do meu irmão com seus fones de ouvido que cobrem a cabeça. "Parte de trás da casa. Fim do corredor. " Ele já estava indo na direção; a casa era pequena, por isso era apenas mais alguns passos curtos e ele estaria no meu quarto comigo. Em vez de me jogar para baixo na cama como eu esperava, ele encolheu os ombros, permitindo que o meu corpo deslizasse sensualmente contra a dele. Eu parei quando estava cara a cara com ele. Suas mãos estavam fixadas em minha bunda, me segurando fora do chão apenas pela sua força superior do corpo, conduzindo com precisão para o grande momento. Que tipo de força era necessário para manter uma menina fora do chão por pelo menos dez centímetros? Eu não era uma menina pequena, tampouco.


Eu gostava dos meus donutsLittle Debbie15. Claro, eu corria; mas não há substituto para comer direito, e eu tenho certeza que não. Eu era alérgica a cada vegetal, além de batatas; ok, talvez eu esteja exagerando um pouco, mas eu com certeza não gostava deles. E ali estava ele, segurando meus sessenta e oito quilos fora do chão como se eu pesasse menos que um saco de grãos. Seus olhos estavam cheios de luxúria e emoção, mas na profundeza desses olhos azuis pálidos havia preocupação e cautela. Ele estava com medo de qual seria minha reação a ele. Eu estava dando todos os sinais ‘foda-me’ agora, e ele estava com medo de que, se ele empurrasse, eu iria enlouquecer. No entanto, ele não poderia estar mais errado. Eu quero ele mais que a minha xícara de café. Mais que os cookies chocolate que estavam no meu balcão da cozinha. Mais do que eu não queria que ele dissesse algo. Polícia, como um todo, era inaceitável para mim, mas minha mente, como eu disse, não estava funcionando bem hoje. Claro, amanhã eu provavelmente daria uma de maluca... mas agora, quero ele mais do que a minha próxima respiração. "Sim," eu respondi a sua pergunta não formulada. Com isso esclarecido, ele começou a tirar a minha roupa. Em primeiro lugar, minha camisa foi arrancada sobre a minha cabeça; então minha calça legging foi puxada para baixo em minhas pernas, juntamente com a minha roupa intima. Então meu sutiã foi tirado mais ou menos, e eu fui empurrada para trás na cama. "Eu queria lamber essa bela buceta desde que eu a vi ontem à noite. Jesus Cristo, você com certeza sabe como provocar, " ele rosnou contra o meu estômago. Em seguida, ele desceu, e balançou meu mundo. 15

Little Debbie donuts: rosquinhas da marca Little debbie


Sua língua talentosa foi colocada em uso, mais uma vez quando ele mergulhou em linha reta para o ouro. Ele enfiou a língua e enrijeceu meu centro molhado, permitindo o nariz trabalhar o nó inchado do meu clitóris. Minhas mãos desesperadamente procuraram algo para segurar. Elas descobriram não seu cabelo, mas a corrente em volta do seu pescoço, e puxei. Ele resmungou. O som vibrando em minhas dobras sensíveis ao longo do centro muito sensível, e comecei a subir. Sentindo a minha necessidade, ele serpenteou as mãos para cima no interior das minhas coxas. Um dedo segurou os lábios do meu sexo aberto, enquanto a outra foi para a minha entrada, e dois dedos entraram profundamente em mim, fazendo meu corpo arquear. Um grito saiu na minha garganta, e meu corpo cedeu. Havia algo tão sexy sobre ele. Ele estava tão completamente focado em mim, mantendo sua boca firmemente ocupada com a minha carne, em vez de falar em geral. Eu achei que era totalmente cativante. A atenção de Loki aos detalhes foi excelente. Meus quadris firmaram contra seus dedos empurrando, e trabalhei junto com seus impulsos. Dois dedos viraram três, e minha libertação me atingiu em nível máximo. Ela bateu em mim com tanta força que sacudi fisicamente, fazendo com que os dedos entrassem em mim com tanta força que eu gritava de prazer. Meu núcleo apertou contra seus dedos, e eu engasguei por ar quando o orgasmo rasgou através de mim, derrubando cada parede maldita que eu já tinha colocado para me proteger. "Deus!" Disse Loki. Abri os olhos, sem saber que eu até mesmo os tinha fechado, suspirei mais uma vez com o olhar em seus olhos.


Seus dedos deslizaram da minha buceta com um som molhado, e ele levou à boca, lambendo deixando cada um limpo. Individualmente. Devagar. Eu gemia. Então ele começou a tirar sua roupa. Primeiro sua camisa, em seguida, seu cinto. Seu cinto bateu a mesa de cabeceira com um baque, e eu congelei ao som de sua arma pesada batendo na madeira da mesa. Mas ele rapidamente recapturou a minha atenção quando ele começou a desabotoar sua calça preta antes de deixá-las cair no chão. Ele não estava usando cueca. Ou se ele estava, tirou-os fora, ao mesmo tempo, porque assim que seu pau deixou a calça, ele saltou livre. Seu pau era grande, grosso e pulsante. A coroa era grossa e roxa, e o eixo era de um vermelho rosado, veias pulsavam pelo seu comprimento. Parecia tenso e irritado, e eu ansiava para colocar os meus lábios em torno dele. Ele, por outro lado, tinha outras ideias. Com um movimento rápido, ele abriu a carteira, enfiou o dedo entre as dobras, e tirou uma embalagem preta, que rasgou com os dentes. Ele soprou o pedaço de embalagem que tinha rasgado do pacote facilmente com uma respiração rápida, e usou seus dedos ágeis para remover o círculo de látex de sua embalagem. Rapidamente, ele rolou-o em movimentos bruscos, rígidos. Ele teve que parar e começar de novo duas vezes enquanto ele olhou para mim, mas os meus olhos que estavam no seu pau. Finalmente colocando-o corretamente, ele caminhou em direção à cama, e arrastou-se entre as minhas coxas, me dando a maior parte de seu peso. Seu pescoço estava no nível do meu olho, e seu pau estava alinhado com a minha fenda molhada.


Ele balançou para trás e para frente lentamente, permitindo que o comprimento dele ficasse revestido com meus sucos. Movendo os olhos da fina linha branca em volta do pescoço para seus olhos, eu encontrei seu olhar questionando. Com um aceno de cabeça, ele posicionou-se até que a cabeça do seu pau estava alinhada com a minha entrada. Com um empurrão lento, ele começou a penetrar. Uma vez que ele teve uma polegada dentro, ele lentamente se afastou e, em seguida, começou a empurrar novamente. Ele repetiu isso mais quatro vezes até que ele estava totalmente dentro de mim. As suas grandes bolas estavam encostadas apertando contra a minha bunda e seu pau grosso tinha-me tão cheia que eu não sabia onde eu comecei e ele começou. "Você me preenche", eu sussurrei contra seu pescoço. Meus lábios encontraram a linha elevada de sua cicatriz, com a minha língua tracei a linha deixando um calor úmido nela. Ele rosnou antes de retirar totalmente, e, em seguida, bater de volta. Era como se seu interruptor fosse ligado, e tudo o que restava era a besta selvagem que não tinha absolutamente nenhum controle. Ele estava lá apenas para uma coisa e apenas um objetivo. Foder. Ele fodeu-me contra a parede, literalmente. Na verdade, ele encheu-me de forma que normalmente necessitava de baterias. E eu porra, adorei. Com cada impulso de seus quadris, eu escorregava na cama até que estava tão longe que ele me agarrou pela cintura e me prendeu contra a parede.


Minhas costas bateram na parede com um baque, e eu envolvi minhas pernas em volta dele e levei o seu pau, saboreando a aspereza que eu nunca tinha experimentado nenhuma vez antes. Isso foi perfeito. Tudo o que eu nunca soube que queria. Ele resmungou com cada estalar de seus quadris, mas ele não falava muito. Ele era alguém que fazia, e eu estava bem com isso. Agarrando seu distintivo, que, aliás, ainda estava em volta do pescoço, eu puxei-o para frente até que sua boca caiu contra o minha. Sua língua empurrou em minha boca no mesmo ritmo que o seu pau tomou a minha buceta. Duro e rápido. Punindo. Em um ponto, eu não podia mais respirar, joguei minha cabeça para trás, desconectando nossas bocas. "Goza comigo," ele ofegou quando ele mudou o ritmo de seus quadris. Agora, ele estava esfregando contra esse lugar secreto dentro de mim que ninguém nunca tinha encontrado antes, e eu estava perdida. Meus olhos fecharam com força e o gemido que estava borbulhando na minha garganta saiu em um grito estrangulado enquanto minha buceta apertou contra seu pau. Eu gozei. Forte. Estrelas iluminaram nublando minha visão quando choques percorreram minha espinha. Meu orgasmo desencadeou, e Loki, começou a empurrar dentro de mim freneticamente. Longo, profundo, empurrões fortes que me prendera à parede, e prolongou o meu orgasmo. Com três grunhidos longos, ele congelou, jogou a cabeça para trás, e gozou também. Foi fascinante assistir. Sua cabeça foi jogada para trás, permitindo que o seu pescoço tencionasse. Veias saltaram em seus braços, pescoço e peito.


O suor que escorria de seu peito se tornou o meu próprio, quando ele deixou cair os cotovelos sobre a parede em ambos os lados da minha cabeça. O que também empurrou seu pau dentro de mim, causando outra explosão de prazer rasgando através de mim. "Oh, Deus," eu sussurrei contra seu cabelo. Ele resmungou, e levantou a cabeça até que ele estava olhando nos meus olhos. "Eu sonhei com isso. Mas meus sonhos nem se comparam. Nem perto disso, " admitiu suavemente, antes de me dar um beijo nos lábios. Quando seu pau ainda meio duro escorregou do meu calor, eu me senti desolada, e queria-o instantaneamente de volta para dentro de mim. Sua boca fechou suavemente sobre a minha antes de deixar minhas pernas cair, depois, lentamente, baixou-me para a cama. Meus joelhos atingiram a cama, e ele lentamente se afastou até que ele estava de pé. Ele olhou em volta, percebendo que eu não tinha um banheiro no quarto, e fez uma careta. "Você pode colocar o preservativo no cesto de papel bem ali," eu indiquei com o meu dedo o pequeno balde de tela no canto do quarto. Suas mãos foram até seu pau, ele puxou o preservativo para fora com cuidado, depois de amarrá-lo e soltar o preservativo na cesta se voltou para mim. "Eu gostaria de ficar com você, mas meu cão já está confinado durante boa parte do dia. Você quer vir e deixá-lo sair comigo, e, em seguida, ficar na minha casa? " Ele perguntou, esperançoso. Abri a boca, mas fui interrompida pela boca grande do meu irmão gritando. "Hey," Andrew gritou. "A porta traseira não fecha e a água está entrando de novo." Meus olhos se fecharam e abriram novamente. Agora que ele tinha mencionado isso, eu ouvi a chuva que estava caindo forte em torno de nós.


Tempestades nunca passaram despercebidas por mim; desde a morte de minha mãe, eu tive dificuldades de ficar calma durante uma tempestade, a menos que eu estivesse me distraindo. A distração de Loki foi perfeita. Tão perfeita que eu não tinha sequer ouvido ela começar, isso era incrível. "Você quer sair pela janela?" Eu sorri. Um sorriso iluminou seu rosto. "Sim, na verdade eu quero. Minha porta não está destrancada e é irrelevante uma corrida daqui para lá, em vez que a minha janela é de frente para a sua." Caminhando para minha janela, eu abri-a e balancei meu braço em um gesto de tchau. Ele sorriu diabolicamente, juntou seus pertences e me apoiou contra a parede que eu estava. Em uma posição muito familiar. "Vejo você amanhã," disse ele contra os meus lábios. Meu coração acelerou no meu peito, e esperança começou a tomar raiz em meu cérebro. "Ok," eu disse suavemente. "Durma bem," disse ele antes de me dar outro beijo. "Você também." "Não deixe os percevejos morder," ele brincou, antes de desaparecer fora da minha janela, e em seguida, mergulhar em sua própria. "Boa noite, bonito!" Eu gritei.

Na noite seguinte, fiquei surpresa ao encontrar ele no meu quarto. Tinha um homem de calça jeans, botas e um colete de couro de motoqueiro que tinha uma mulher assustadora nele. Loki estava deitado de bruços com o meu travesseiro em uma bola sob sua cabeça.


Meu travesseiro preferido que eu dormia com ele enrolado em meus braços pressionado contra o peito, e ele tinha o rosto enterrado na sua suavidade. "Hey," eu sussurrei. Eram três da manhã, e eu tinha acabado de sair do trabalho. Eu pensei sobre ele todos os dias, e eu não poderia expressar quão animada e feliz estava de encontrá-lo no meu quarto depois que ele não tinha aparecido esta manhã e à tarde. Seus olhos se levantaram, e ele olhou para mim com os olhos turvos. "Venha aqui, " disse ele com voz rouca. Tirando minhas roupas que cheiravam a formol, eu me arrastei para a cama em apenas minha calcinha e sutiã. Ele abriu os braços para mim, e eu me enrolei em seu abraço, afundando em seu calor. "Eu preciso falar com você", ele disse calmamente. Minha cabeça virou, e eu observava-o com olhos preocupados. "O que é isso?" "Eu nunca quis que isso acontecesse," disse ele asperamente. Eu congelei antes de empurrar seu peito para ficar longe dele. Ele apertou os braços em mim. "Shhh," disse ele. "Sente-se ainda por um minuto, por favor." Eu acalmei, mas apenas um pouco. "Eu te disse ontem à noite que eu estava no meio de uma investigação. Mas eu queria que você soubesse que, começarei na parte da manhã, e não poderei ser visto com você. " Suas palavras congelaram o ar em meus pulmões, e as lágrimas picaram meus olhos. "Se você não me quer, então por que você me fodeu na noite passada?" Eu rosnei, empurrando contra seu peito novamente. "Pare com isso," ele retrucou, congelando meus protestos.


Eu parei e olhei em seus olhos. Eles estavam cheios de preocupação e desespero. "Por que isso?" Perguntei. "Eu tenho que dar o meu testemunho no julgamento de Varian Strong. E até eu fazer isso, eu quero que você entenda o motivo de eu ter que ficar longe de você," ele disse suavemente, me puxando para mais perto em seu peito. Eu coloquei minha cabeça contra o couro fresco do seu colete e esperei por ele continuar explicando. Ele não desapontou. "Ele tem alguns amigos poderosos. Amigos que eu não quero que envolvam você nisto. Se ele achar que pode me impedir de testemunhar, ele vai usar tudo e qualquer coisa em seu poder para fazê-lo, " disse ele. "Ok," eu concordei. "Por quanto tempo?" Será que eu soei necessitada? Antes de ontem à noite, eu não acreditava no amor, mas ao longo dos últimos meses, eu certamente caí daquele vagão. Eu estava perdidamente apaixonada por esse homem. Ele tinha aparado meu gramado, me salvou de um ataque de asma, e eu tinha uma suspeita de que ele tinha sido o único a substituir o escapamento no meu carro, mas não fui capaz de provar isso. Ele falou comigo, me observava, me permitiu vê-lo, e tinha sido um homem muito charmoso. Eu não tinha percebido isso na época, mas bastou a ameaça de perdê-lo para me fazer perceber o que estava sendo tirado de mim. "Eu ainda vou viver aqui ao lado. Ainda te visitarei no meio da noite quando eu puder. Mas qualquer outro momento, eu vou agir como se não te conhecesse. É só por dois meses, " disse ele. Parecia que ele estava tentando convencer a si mesmo, assim como eu, e ele não estava fazendo um bom trabalho com qualquer um. "Ok," eu disse. "Eu prometo, vou voltar," disse rispidamente.


"Ok," era tudo que eu conseguia pensar para dizer. "Não desista de mim," ele pediu enquanto pegou o meu rosto. Eu pisquei lentamente, e depois assenti. "Vou tentar." "Você irá." "Eu vou," eu menti. Infelizmente, depois daquela noite, eu não vi muito mais de Loki a não ser uma noite aleatória aqui e ali. Que só servia para mostrar que eu não deveria confiar em um policial... certo?


TEMPO PRESENTE "Você tem certeza que está bem? Você não parece tão bem." Brittany me perguntou. Dei de ombros, não querendo admitir que eu estava lutando uma batalha perdida nos últimos três meses. Especialmente para ela desde que era tão malditamente preocupada comigo. Na verdade, isso estava tão ruim que eu raramente tenho mais de três horas de sono durante a noite. Eu não sei quão grande negócio era. Eu nem conhecia Loki muito bem. Oficial de Bryce "Loki" Rector nem sequer era uma parte da minha vida antes que ele estivesse de fora dela novamente. No entanto, eu não conseguia esquecer. Eu não conseguia pensar em mais nada. Eu não conseguia dormir e os meus pesadelos pioraram, e eu mal conseguia pagar meu aluguel. Todas essas coisas estavam começando a agravar, e eu realmente não queria lidar com isso mais. E eu realmente não queria falar sobre isso.


Eu sabia que ela estava preocupada comigo, mas eu tinha que tomar cuidado comigo mesma em primeiro lugar, e quebrar em público não era uma coisa boa. Pelo menos não na minha perspectiva. Ela não iria esperar muito mais tempo, também. Ela tinha sido mais e mais persistente ultimamente, e eu sabia que era só uma questão de tempo antes que ela finalmente me embebedasse o suficiente para falar. "Foi ele, não foi?" Ela perguntou em voz baixa. "Ele é o único que te deixou assim. Ele machucou você, Chan? Ele fez alguma coisa ruim ... para você? " Minhas costas se endireitaram e eu olhava para ela de olhos arregalados. "O que você está falando? O homem nunca encostou um dedo em mim! O que faria você pensar isso? " "Oh, graças a Deus! Eu estava criando coragem para perguntar por semanas. " Ela suspirou. "O que você está pegando para o almoço?" Eu balancei a cabeça e olhei para o menu. Estávamos almoçando no Applebee’s para celebrar o aniversário de 42 anos da Brittany. Incrível como ela conseguiu se manter todos esses 40 anos. "Eu acho que vou ter o ..." ela parou quando seu telefone começou a vibrar em cima da mesa na nossa frente. Alcançando-o, ela atendeu e colocou em seu ouvido enquanto eu continuei a ler o menu. Eu decidi por frango agridoce grelhado quando o alarme na voz de Brittany me fez olhar para cima e estudar seu rosto. As linhas em torno do seu rosto endureceram em uma linha fina, e ela estava franzindo o cenho para a mesa como se eu tivesse feito a ela uma injustiça horrível. "Não, querido. Eu estarei lá em algumas horas. Tente se acalmar. Eu sei bebê. " Ela suspirou. "Papai não vai se importar que você arruinou o seu carro. Tudo o que ele vai se preocupar é que você está viva para reclamar sobre isso. Sim, bebê. Vou encontrá-la na faculdade. Eu te amo." Quando desligou, eu olhava para ela em expectativa. "O que aconteceu?"


Ela suspirou e começou a recolher suas coisas. "JJ esteve em um acidente. Não foi culpa dela, mas seu carro está destruído e meu marido em uma reunião com o comissário por toda a tarde. Eu tenho que ir. Obrigada por se oferecer para me comprar o almoço. Eu terei que remarcar. " "Claro, Brit. Vamos combinar para a próxima semana para almoçar, ok? " Eu ofereci. Ela sorriu para mim com gratidão antes de me dar um abraço e caminhar porta a fora. Eu desviei o olhar dela com uma tristeza crescendo dentro de mim. Deus, o que eu não daria para ter alguém que precisasse de mim assim. Para ter alguém para chamar se eu precisasse de alguma coisa. Claro, eu tinha Brittany... mas ela não era da família. Ela não era minha amante. Ela não era do meu sangue. Ela era minha melhor amiga com uma vida própria. "Posso pegar alguma coisa para comer, minha senhora?" O garçom perguntou. Eu olhei para o menu e tomei uma decisão rápida. "Sim, eu vou ter o frango agridoce grelhado. Eu quero purê de batatas e aspargos, por favor. " Ele balançou a cabeça, quando fiz a minha escolha e saiu. Olhei pela janela para o tráfego passando e me perguntei o que diabos eu faria pelo resto do dia. Eu tinha arrumado um segundo emprego, o que agora era em um salão de beleza real em vez da casa funerária sombria que escondia drogas em seus caixões. Eu tinha parado de ir à escola, e ainda assim, eu estava atrasada em quase todas as minhas contas desde que o meu irmão me deixou, tomando a metade da renda (isto é, quando paga). Não me surpreendeu que meus chefes, Gustavo Amadeus e Ray Platt, eram criminosos, tampouco.


Eu tinha lido sobre o negócio secreto de transporte de drogas que Gustavo dirigia. Sobre como ele havia transportado drogas em troca de dinheiro usando caixões e carros funerários. Eu ainda não podia acreditar em todas as coisas que eu tinha sido tão alheia; desde que eu tinha começado a trabalhar lá, tudo o que eu tinha tido era o meu sexto sentido. Eles sempre me deram arrepios, e isso só veio mostrar que eu deveria sempre confiar nos meus instintos. Não que esses instintos tinham trabalhado a tempo de me avisar que Loki era um policial. O único homem que eu me permiti ter sentimentos também era o único a me destruir. Deus, eu era uma idiota. "Olá, Detective Rector, como você está hoje?" A anfitriã perguntou alegre de sua posição no estande. Eu estava sentada na cabine de canto próxima da porta, e tudo o que eu tinha que fazer era levantar os olhos um milímetro para me encontrar olhando para os olhos azul bebê pálido do objeto do meu afeto. O sorriso da garçonete era quente e amigável, mas eu sabia que a resposta para ela não era realmente um sorriso, mas mais de uma careta tentando ser um sorriso. Ele parecia bom. Seu cabelo estava tão curto como da última vez que eu o vi, e ele tinham ganhado muito mais peso. Não estava mais magro. Agora ele era o que eu gosto de chamar de musculoso. Seu traje era o mesmo que da última vez que eu o vi, também. Calças jeans, polo preta com o DPB com letras bordadas acima do peito, e um par de botas de motoqueiro pretas. Ah, e uma mulher em seu braço.


"Obrigada por me levar para almoçar. Eu não queria mantê-lo mais do que eu já tenho," Dortea, a nova procuradora do distrito, disse em tom de desculpa. Eu sorri para ela, mas por outro lado não disse mais nada. Este seria o nosso último encontro antes que eu fosse depor na segunda-feira, e eu não poderia estar mais animado com isso. Fazia três fodidos meses à espera do processo de julgamento. Eu estava tão pronto para acabar com isso que não conseguia enxergar direito. Minha vida tinha ficado em espera, o que parecia ser um ano. Eu tinha uma dor de cabeça constante pelos últimos três meses, e nos últimos dois dias, ela tinha piorado progressivamente. Varian Strong tinha feito tudo o que podia fazer para eu não testemunhar a não ser que realmente me matasse, o que eu tinha certeza de que seria apenas uma questão de tempo antes que ele escolhesse tentar isso. Eu tinha sido avisado. Eu tinha recebido cartas ameaçadoras. Eu tive meu carro e casa vandalizada. Ameaça tinha sido entregue ao clube. Nós tínhamos prendido quatro dos seus capangas que estavam agindo sob as ordens dele, e ele ainda não parou, apesar de cada um de seus capangas agora compartilhar uma cela ao lado da sua. Isso foi o que inevitavelmente me enviou para a Flórida para uma estadia prolongada. As ameaças de morte tinham progredido a agressões reais, e eu não quero colocar meu clube, meus colegas oficiais, ou Channing em perigo. O que na verdade foi uma lufada de ar fresco não estar dormindo a três metros de distância dela toda noite. Além disso, parei para visitar minha mãe e padrasto. Se qualquer outra coisa, não vendo Channing era a única coisa que mais feria. Eu poderia lidar com carros-bomba e ameaças de morte


durante todo o dia, mas um olhar para a tristeza nos olhos de Channing toda vez que eu a vi, mas não me aproximei me deixou absolutamente triste. O olhar em seus olhos, a acusação. Como se eu estivesse sendo exatamente como ela esperava que eu fosse. "Mesa para dois?" Perguntou o anfitrião. "Sim, senhora," Dortea confirmou. "Eu preciso de um lugar com muita luz," disse ela olhando ao redor da área do bar. "De preferência por aquelas janelas ali mesmo. Talvez ao lado daquela jovem? " Minha cabeça virou-se para examinar as janelas, desconsiderando a primeira mulher bonita sentada na cabine diretamente atrás de mim, mas assim que minha mente registrou o que tinha visto, meus olhos brilharam de volta para os dela. Eles estavam cheios de lágrimas, e ela estava olhando para a TV acima do bar com uma firme determinação que partiu meu coração. Deus, isso tudo era tão incrivelmente fodido. Eu tinha vindo a utilizar cada tática que eu tinha aprendido em todos os meus anos de treinamento para ficar longe dela. Eu sabia o que poderia acontecer com ela se eu começasse a ser visto com ela em público. Amigos do Varian veria, e, em seguida, eles levariam a informação de volta para ele. Ele, em seguida, enviaria ordens para fazer o que fosse necessário assegurar que eu cumprisse suas ordens. E eu teria. Num piscar de olhos porra. "Claro, essa é a seção da Melody, e ela está em intervalo, mas eu posso definitivamente chamar Sean par tomar seu pedido. Está tudo bem? " Perguntou o jovem. Ao aceno de Dortea, ela caminhou rapidamente em torno da meia parede que separava a entrada da área de refeição, e colocou nossos menus sobre a mesa antes de sair. Estávamos sentados em frente ao corredor de Channing. E nós estávamos enfrentando um ao outro. Ela estava fazendo tudo em seu poder para não olhar em minha direção, e eu estava fazendo tudo ao meu alcance para virar a cabeça longe dela.


Nós dois perdemos. Nossos olhos se encontraram, e eu podia ver a desolação em seus olhos, e de repente eu não conseguia respirar. Eu odiava que a fazia se sentir como se eu tivesse usado ela e joguei-a para longe, e eu não sabia o que fazer para corrigir. Inferno, eu não poderia consertá-lo até depois que eu tivesse testemunhado. Eu estava fodido se eu fizesse, e fodido mais duro se eu não fizesse. De qualquer maneira, eu estava levando na bunda, e quem sabia quanto tempo levaria até que eu fosse capaz de falar com ela. Posso estar testemunhando na segunda-feira, mas o que de forma alguma significava que eu estava livre e seguro. Ainda pode haver instâncias onde seria necessário eu esclarecer alguma coisa, ou adicionar algo ao meu testemunho. A cabeça de Channing baixou em derrota pouco antes dela correr para o banheiro. Eu olhei atrás dela por vinte segundos antes de desculpar-me e ir ao banheiro sozinho. Caminhei lentamente na direção do banheiro, mas em vez de ir para o dos homens, fui para o das mulheres, não me esquecendo de trancar a porta atrás de mim. O som de Channing vomitando foi a primeira coisa que registrei com os meus sentidos, e eu soube imediatamente que eu apenas não poderia faz isso por mais tempo. Caminhando lentamente para o box, fiquei aliviado ao descobrir que ela não tinha encontrado tempo para bloqueá-lo, empurrei-o abrindo lentamente, encontrando-a agachada ao lado do vaso sanitário com seu cabelo caído em torno de sua cabeça. Grato que ela tinha escolhido o banheiro para deficientes, abaixei atrás dela e prendi seus cabelos em minhas mãos. "Oh, Chan, me desculpe," eu sussurrei. Seu soluço me pegou desprevenido, e minha cabeça caiu até que ela estava descansando em suas costas.


"Por favor," eu sussurrei entrecortado. "Não chore. Eu não valho a pena." Eu não estava acostumado a meninas chorando. Eu não tinha nenhuma garota na minha vida. Eu tinha um irmão que era quinze anos mais velhos do que eu, e uma mãe que se recusou a deixar ninguém a ver chorar. As únicas mulheres que eu tinha visto chorar, ultimamente, eram as esposas dos membros do MC. Quando a primeira lágrima começou a cair, eu estava andando na direção oposta. Eu tinha visto uma abundância de pessoas chorar no meu dia-adia como policial, mas quando isso me bate, então, eu tenho o meu rosto policial irritado. Agora, eu tinha minha cara dentro, e eu não poderia lidar com isso. "Está tudo bem. Estou bem. Eu apenas comi alguma coisa estragada," ela mentiu. Mal. Inclinando-se, ela pressionou seu peso em mim, e eu envolvi minhas mãos em volta da cintura. Minhas mãos em seu abdômen, e se curvaram ao redor até que meus dedos foram em torno de suas costas. "Claro que sim. Você pode levantar?" Perguntei, quando eu enterrei minha cabeça em seu cabelo. Ela assentiu com a cabeça, mas nenhum de nós se moveu. "Tenho recebido ameaças de morte," eu disse em seu cabelo. Eu deixei de fora a merda da parte que fui espancado. Ela não precisa saber de muitos detalhes. Seu corpo congelou, e ela levantou rápido. Minhas mãos perderam o peso reconfortante de seu corpo imediatamente, e eu fiquei em pé também. Ela estava olhando para mim com os olhos arregalados. "Sério?" Ela suspirou. Então, ela estava em meus braços, e eu a segurei enquanto ela chorava mais forte.


Ela engordou ao longo dos últimos meses. Na verdade, tanto que seus seios eram muito mais confortáveis, mas eu nunca, pela minha vida, diria isso a ela. Ficamos assim até que houve uma batida na porta do banheiro, e uma mulher irritada na outra extremidade. "Você precisa abrir esta porta. Há uma fila de mulheres aqui fora esperando para entrar. " Deixei ela ir com relutância, eu saí do box e abri a porta para encontrar uma fila de mulheres em pé com os braços cruzados. "Desculpe, mas nós tivemos um colapso." Seus rostos irritados imediatamente mudaram para compreensão quando viram a mulher ainda chorando atrás de mim. Ela acionou a descarga, lavou as mãos na pia enquanto eu segurava a porta aberta para as senhoras que não estavam mais seguramente satisfeitas de encontrar um homem no banheiro feminino, mas ainda compreenderam. Quando senti Channing nas minhas costas, eu agarrei a mão dela e levei-a para fora do banheiro. Quando chegamos ao final do corredor, parei e empurrei-a contra a parede. "Fique e ouça o que Dortea tem a dizer. Ela é a Promotora. Coma seu jantar, e espere por mim esta noite. Estarei lá quando você sair do trabalho, ok?" Com seu assentimento, eu deixei minhas mãos escorregar do seu rosto, e lhe dei um beijo suave nos lábios antes de sair e deixa-la em pé contra a parede. Eu não olhei para trás. Eu sabia que ela seguiria. Agora eu só esperava que ela ouvisse.


Eu andei em minha casa completamente dormente. Será que ele estará lá? Ou será que ele não apareceu. Acendendo as luzes, eu joguei minha bolsa sobre o sofá e tirei meus sapatos no canto do corredor. Meu palpite estava sobre ele não aparecer. Eu tinha medo de ter esperança, que eu seria esmagada apenas como da última vez. Cautelosamente, eu andei em direção ao meu quarto. Eu estava quase lá quando uma voz profunda, ressonante gritou atrás de mim. "Sua porta está quebrada." Eu gritei e virei para encontrá-lo atrás de mim com um olhar acusador. Ou pelo menos o que eu podia ver dele. Principalmente, eu só conseguia distinguir o rosto dele e que ele estava usando roupas escuras. "Sim, eu sei que está. É por isso que eu tinha aquele cara da reforma. Minha porta de trás não está fechando há mais de cinco meses. Agora eu só tenho um daqueles bloqueios que você só fecha por dentro.


Ele rosnou baixo em sua garganta. "Por que você não obtém a base fixa, então?" Minhas costas se endireitaram e eu olhei para ele. "Porque eu não tenho o dinheiro." Eu bati. Sua cabeça inclinou. "Bem, o que diabos o seu irmão está fazendo? Ele não pode ajudar?" Meus olhos se estreitaram sobre ele, e eu caminhei em direção a ele com passos decididos. Com um dedo apontando, comecei a empurrar-lhe no peito. "Primeiro de tudo, meu irmão não mora mais aqui. O que você saberia se você tivesse se incomodado em aparecer por aí nos últimos longos meses. Em segundo lugar, eu estou fazendo o melhor que posso. A reforma virá uma vez eu possa me dar ao luxo de pagar mais do que as minhas contas. Em terceiro lugar, eu lhe dei permissão para caminhar por minha casa e bisbilhotar?" Eu quase podia ouvir os dentes rangerem juntos. "Não, mas eu tive que deixar Lucy sair. O que você queria que eu fizesse, deixasse-a sair pela janela quando ela precisasse ir?" Meus olhos se estreitaram sobre ele. "Você tinha uma garota na minha casa?" Eu não queria que isso saísse tão estridente, mas lá estava. Sua boca se entortou, e eu balancei meu cotovelo em volta, batendo-o no peito. Ele não se moveu. Nem mesmo um único milímetro, o que me irritava ainda mais. "Saia da minha casa, se você vai tirar sarro de mim," rosnei. Eu vi suas mãos chegar na escuridão em um gesto apaziguador. "Acalme-se. Lucy é o meu cachorro. Lúcifer. Lucy para abreviar, " ele me disse. Sabe aqueles momentos em que alguém lhe diz para se acalmar, e você se acalma? Não, nem eu. "Quer saber, foda-se! Eu não estou calma!" Eu gritei. Sua pequena inclinação dos lábios se transformou em um verdadeiro sorriso, e ele começou a caminhar em minha direção. Eu, é claro, comecei a recuar. Isto é, até minhas costas encontrar a parede do corredor de trás, e eu não podia ir mais longe.


Ele não parou, no entanto. Não, ele continuou chegando até que ele me prendeu à parede na mesma posição exata que tínhamos acabado meses atrás, quando eu tinha bebido. Seus braços foram em ambos os lados da minha cabeça, os punhos plantados na parede. Ele se inclinou até que ele estava cara a cara comigo. "Então você gostaria de explicar por que você está gritando na minha cara como uma pequena harpia louca e desequilibrada?" Sim, ele disse pequena harpia louca e desequilibrada. Quem este homem pensava que era? Ele não me conhecia. Ele não sabia o que eu tinha passado. "Você sabe o que? Você pode me aceitar como eu sou," eu rosnei em seu rosto. "Ou o quê?" Ele respondeu. "Ou você pode beijar meu rabo, comer merda, e pisar em um Lego," eu rebati, tentando empurrar através dele. Ele não se moveu, no entanto. O homem era uma rocha. Jesus Cristo! Ele riu na minha cara, fiquei vermelha. "Fique longe de mim, idiota." Eu empurrei novamente. Desta vez, ele cedeu, mas apenas o suficiente para tirar a camiseta sobre sua cabeça, pressionando sua pele febril contra a minha. Minhas mãos involuntariamente foram para o seu peito, sobre o coração batendo, e a outra sob seu peitoral a direita. Sua pele estava muito quente contra minhas mãos frias. Elas estavam com um gelo, mas ele nem sequer se mexeu. Meu polegar deslizou para cima por vontade própria, e parou sobre a aréola de seu mamilo, e provocou um suspiro nele. "Você entende quão fodidamente difícil tem sido manter-me longe de você? Você sabe como é a sensação de saber que você está dormindo a três metros de distância longe de mim, mas eu não posso ter você? O que sinto quando vejo você correr, mas não posso me aproximar? " Ele sussurrou ferozmente.


"Sim, eu realmente-porra-entendo! Você quer saber por que eu faço? Porque venho fazendo todas essas coisas também! Eu fico acordada à noite pensando em você. Eu sei que você está atrás de mim quando eu corro. Eu também sei que tem sido difícil ficar longe de você, porque eu venho fazendo exatamente a mesma coisa! Eu sei o dia exato que você deixou a cidade sem a porra de uma palavra para mim. Todas as noites eu fico acordada por horas olhando para sua janela. Você me arruinou porra! " Eu gritei. "Perfeita porra, porque você me arruinou, também," ele gritou de volta antes de esmagar sua boca na minha. Roupas caíram onde estávamos. Cabelo foi puxado. Pele foi mordida. O sexo que tivemos foi suado, quente e duro. Loki só desacelerou o suficiente para tirar sua calça por suas pernas, rolar um preservativo, e bater dentro de mim. Ele mergulhou tão profundamente dentro da minha buceta apertada que me jogou para trás. Minha cabeça bateu contra a parede. Minhas mãos arranharam suas costas enquanto ele me levava duro, mergulhando dentro de mim uma e outra vez. Quando ele ainda não conseguiu chegar à profundidade que estava procurando, ele baixou até que eu estava em minhas costas no chão do corredor, de costas no implacável chão frio. Ele não perdeu tempo batendo seu pau duro em mim. Ele perfurou dentro de mim como um homem possuído. Nossos corpos suados deslizaram um contra o outro, apenas adicionando a foda completa que ele estava me dando. Ele não disse nada, como da última vez, mas seu toque disse. Ele revelou tudo o que ele não estava dizendo e muito mais. Calor, carinho, precisar, querer. Foi o suficiente para que eu parasse de lutar com ele, e ele ter tudo de mim. Cada parede que eu tinha começado a reconstruir nos últimos meses foi aniquilada.


Nós estávamos respirando o ar do outro, nossas bocas tocando. Não houve beijo acontecendo porque suas estocadas brutas não permitia isso, mas isso não importava. Ele estava me dando sensação suficiente na minha buceta dolorida equivalente a cinquenta mil beijos. "Jesus, sim!" Eu respirei contra seus lábios. Eu o senti sorrir contra meus lábios antes dele se inclinar fora do meu corpo e agarrar meus quadris em suas mãos grandes, levantandoos do chão e batendo ainda mais dentro de mim. O ângulo era o que permitia seu pau trabalhar naquele lugar secreto dentro de mim, acendendo-me como um foguete. Eu gritei, envolvendo minhas pernas em volta dele com força, puxando-o para perto. Ele me seguiu nem um segundo depois, rangendo os quadris com força nos meus enquanto ele lançou a si mesmo. A escuridão me impediu de ver o seu rosto quando ele gozou, mas eu corri minhas mãos sobre seu peito e pescoço, sentindo seus músculos esticar quando ele empurrou para dentro de mim. Finalmente, seu corpo destravou, e ele deixou cair meus quadris de volta para o chão. Seu peito suado encontrou o meu, sua cabeça enterrou no meu pescoço. Quase todo o seu peso estava equilibrado em seus antebraços enquanto nós dois acalmávamos a nossa respiração. "Você me deixa louco," ele gemeu. Minhas mãos subiram de suas costelas para suas costas, explorando os músculos salientes. "Você me deixa louca." Levantando-se, lentamente, deixando seu pau escorregar do meu corpo, me fazendo sentir um vazio no processo. "Você me deixa louco," disse ele, sem qualquer calor em sua voz. Fiquei com minhas costas contra o chão frio, e minhas pernas caídas abertas, incapaz de me mover enquanto ele caminhava para o banheiro e jogava a camisinha de longe.


Ouvi a descarga do banheiro, e ainda assim não me movi. A luz no corredor ligou, e eu o vi olhar para mim com uma expressão ilegível. "Você vai se levantar?" Ele perguntou com um toque de humor. "Minhas pernas não estão cooperando no momento. Volte daqui a dez minutos, " eu disse, fechando os olhos. Ele riu, e, em seguida, a próxima coisa que soube, é que eu estava de pé. Meus olhos se abriram e olhei para ele. "Eu estava em meu lugar feliz. Agora que não estou em meu lugar feliz, você pode dar o fora. Eu ainda estou brava com você, " eu disse, cutucando-o no peito para dar ênfase. Ele revirou os olhos e puxou minha mão, até que nós dois estávamos no meu quarto. "Vamos deitar na cama. Estou completamente acabado, e assim que nós tivermos essa conversa, quero ter cerca de seis horas de sono. Eu tenho que estar no trabalho às dez horas da manhã, " ele me disse. Segui-o com cautela, e vi como ele foi direto para a cama, jogou as cobertas para trás, e se jogou bem no meio. Então ele deu um tapinha na cama e fechou os olhos. Pegando a camiseta que ele tinha usado, puxei-a em cima da minha cabeça. Então eu olhei para ele por dois segundos antes de tomar um impulso correndo e saltar sobre a cama ao lado dele. Eu bati o meu corpo nele com um baque, e ele soltou uma lufada de ar antes de abrir os olhos e olhar para mim. "Obrigado," ele disse secamente. "A qualquer hora," eu disse enquanto profundamente em seu abraço e dormi feliz.

me

aconcheguei


Eu acordei com o cheiro de bacon, e isso fez meu estômago revirar. Cambaleando para fora da cama, meus pés emaranharam nos cobertores e eu caí de cara no chão. "Porra!" Engoli em seco enquanto eu lutava para ficar livre dos cobertores e corri para o banheiro. A porta estava parcialmente fechada, e na minha visão periférica eu vi Loki, mas fui direto para o banheiro, vomitando o que restava do meu bolo de carne do jantar em mais de 12 horas atrás. "Isso é tudo que você faz?" Loki perguntou de algum lugar atrás de mim. Ofegante, ergui minha cabeça, bati meu antebraço em cima dos meus lábios, e quase cai quando vi o enorme corte vermelho através do abdômen inferior de Loki. Passou de seu quadril esquerdo para o fundo das suas costelas. "Isso é um ferimento de faca?" Eu gritei. Ele olhou para mim, mas continuou correndo seus dedos para baixo do corte, fazendo-me seguir os seus movimentos com os meus olhos. "Sim. Aconteceu na noite passada," ele confirmou. "Foi em menos de vinte e quatro horas e ele já tinha alguém pronto para me bater quando eu menos suspeitava. Porra, Dortea tem a maldita cabeça nas nuvens a metade do tempo. Ela precisa aprender a jogar junto." "Puta que pariu! Como você fez, ah," Corei. "Teve relações sexuais com isso." "Nada de errado com meu pau, querida. Está na minha barriga," disse ele secamente. "Mas," eu pausei. "Eu estava passando minhas mãos ao longo de todo o seu peito e barriga na última noite. Eu te machuquei!" Ele me olhou. "Eu lhe diria se você me machucasse, e confia em mim, você não me machucou."


Olhei para o corte de aspecto irritado com ceticismo. "Qualquer coisa que você diga." "Eu fiz café da manhã," ele me disse, antes de colocar o tubo de creme antibiótico de volta no meu armário de remédios. "Eu poderia dizer," eu disse sarcasticamente quando eu fui até a pia e escovei meus dentes. Quanto às cerdas se encontrou a parte de trás da minha língua, eu comecei a engasgar novamente. "Você está doente ou algo assim?" Ele me olhou com cautela. "Bacon é nojento." Eu cobri o creme dental escorrendo fora da minha boca e embaixo do meu queixo. "Por quê? Quem não ama bacon? E se você não gostar dele, por que está em sua geladeira? " Perguntou. Cuspindo a última pasta de dentes na pia, eu segurei minha boca sob a torneira, bochechei, e cuspir antes de usar a toalha ao lado de minha cabeça para secar meu rosto. Virando-me para ele, eu cruzei os braços sobre o peito e olhei para ele. Seus olhos foram para os meus seios, e eu olhei para baixo para ver o que ele tinha notado. Meus mamilos estavam duros e esticados, bem visíveis no tecido da sua camiseta preta. Deixando cair os braços do outro lado do meu peito com irritação mal disfarçada, eu passei por ele para a cozinha, onde havia uma festa estabelecida. Ignorando o bacon, eu enchi uma tigela grande com ovos mexidos e peguei um pedaço de torrada, colocando-a sobre a mesa. Então eu fui até a geladeira, peguei o ketchup, e enchi os meus ovos com ele. Mexendo, sentei-me e comi isso, todas as pessoas normais comem cereal. "Isso é apenas... nojento," Loki disse com desgosto supremo. Eu ri. "Meu pai ensinou meu irmão e eu a comê-los desta maneira," eu disse, quando eu dei outra mordida.


"Você ainda não me respondeu por que você tinha bacon mesmo?" Ele perguntou enquanto enchia seu prato com bacon e ovos. "Era do meu irmão. Ele não levou com ele quando ele saiu de casa." Parcialmente verdadeiro, pelo menos. "Onde é que seu irmão foi?" Ele perguntou, assustado. "Oh, ele saiu depois que ele descobriu que ele não gostava de viver com uma pequena harpia louca varrida." Só brincando. O que eu realmente disse foi: "Ele não gostava de ter que pagar aluguel. O que o fez ter que trabalhar. Ele está hospedado no sofá de um amigo, por enquanto." Outra verdade parcial. Veja, eu não estava mentindo! Ele fez uma careta enquanto ele mastigou o bacon, fazendo-me engolir densamente novamente enquanto mastigava o pedaço de gordura e carne. "Bem, eu não posso dizer que estou chateado que ele se foi, mas estou chateado que ele lhe deixou com uma porta que não fecha," ele retumbou. "Eu vou mandar alguém vir consertar o alicerce esta semana. Você pode... me pagar de volta." Revirei os olhos. "Eu tenho o dinheiro. Eu só estava guardando para algo... mais." Como contas médicas. Eles começarão a acumular em breve, e se eu tivesse que pagar o alicerce, eu não seria capaz de pagar a minha próxima visita ao médico. "Independentemente disso, eu preciso saber que você está segura. É por isso que eu tenho alguém vindo para instalar o alarme mais tarde. As pessoas do alicerce estarão chegando nas próximas vinte e quatro horas, eles disseram. Se eu vou estar por aqui, temos de ser cautelosos. Você tem que ficar longe de mim durante o dia. Eu virei para você durante a noite. Certifique-se que o alarme está armado quando você está aqui, está bem?" Ele disse enquanto colocava o prato na pia e voltou-se para mim. "Você já está indo embora?" Eu perguntei com desânimo.


Ele assentiu. "Sim. Eu tenho que ser visto em torno da cidade. Deixar a porra do Strong saber que ele não está me intimidando. Eu tenho a Toys for Tots16 mais tarde hoje. Estamos dirigindo até Natchitoches17 e retornando. Uma vez que eu acabar com isso, estarei de volta. " Isso só ia ser um inferno de um mês. Natal era em menos de duas semanas. Ano Novo depois disso. E ele não podia ser visto comigo. Diversão, diversão.

16 17

Toys for Tots: é uma fundação que arrecada brinquedos para crianças Natchitotes: é uma cidade localizada no estado americano de Luisiana


Regras de segurança da arma: Não chatear uma mulher segurando uma arma. -Camiseta

"Você está diferente," disse Adeline. Olhei para ela com surpresa. Como ela iria notar algo diferente em mim quando eu só tinha estado aqui há menos de dois minutos e não tinha dito uma palavra? "Por que você diz isso?" Perguntei. "Porque você tem um olhar em seu rosto 'eu vou foder qualquer um que me incomodar’." Disse Kettle secamente. Kettle era membro do The Dixie Wardens. Ele também era um bombeiro do Corpo de Bombeiros de Benton. Originalmente, nós tínhamos nos encontrado durante o trabalho. Ele tinha sido o único a persuadir Trance e eu a considerar nos juntar ao The Dixie Wardens. Então, quando nós decidimos pela prospecção, ele teve seu melhor amigo nos patrocinando. Adeline era old lady de Kettle, e uma mulher que sentia a necessidade de meter o nariz nos assuntos de todos. Ela também era hormonal. Por isso, para que eu não dissesse o que eu queria, mordi a língua parando a resposta mal-humorada que quase saiu da minha boca.


"Eu tenho que mijar," eu disse para ninguém em particular e saí. Ouvi os murmúrios que se seguiram a minha saída da sala. Eu sabia que eles estavam preocupados comigo. Honestamente, porém, eu não dou a mínima. Eu entrei no clube, e fui imediatamente agredido com o cheiro de pinheiro. As mulheres do clube decidiram colocar uma árvore de Natal do tamanho de um elefante. Alcançou o teto de três metros de altura, em seguida, enrolando-se. As mulheres queriam seus maridos para decorar o topo, mas era muito trabalho para encontrar uma escada de três metros, então foi decorado apenas na parte inferior. Parecia incrivelmente bobo, em minha opinião. Então, novamente, eu não era um grande fã de Natal. Eu não celebrava como todo mundo fazia. Minha mãe era uma mãe solteira e sempre trabalhou durante as férias de Natal. Então, quando entrei para a Guarda Costeira, eu nunca fui para casa nos feriados. Mesmo agora, eu não estou certo de que sequer saberíamos o que fazer com feriados. Vendo uma árvore era novo para mim. Antes de todas as senhoras começarem a chegar, Natal tinha sido apenas mais um dia, e agora eu tinha que lidar com as canções de Natal do caralho. Eu não tinha tido conhecimento que eu detestava canções de Natal até que Baylee, a mulher do nosso vice-presidente, trouxe essa merda e colocou no alto-falante. Agora eu sabia, sem sombra de dúvida, que N'Sync e Beyoncé nunca seriam um dos meus artistas preferidos. "Por que temos que ouvir esta merda?" Eu resmunguei enquanto observava Baylee começar a jogar uma mão cheia de enfeites para a árvore. "Porque você fica no espírito do Natal?" Baylee brincou.


Baylee era uma boa mulher, e uma old lady perfeita para o nosso vice-presidente, Sebastian. Ela era uma paramédica no corpo de bombeiros Kilgore Texas, com um senso de humor mórbido. Sua personalidade alegre contrastava com a séria de Sebastian. Eles complementavam um ao outro muito bem. Eles tinham algo especial; algo que eu ainda não tinha percebido que queria até que vi os dois juntos. Mas o mesmo poderia ser dito para cada homem no clube que agora tinha sua old lady. Eu esperava que eu pudesse encontrar isso com Channing. Eu apenas tinha que passar esta semana, em primeiro lugar. "Este grupo é uma banda de garotos ou uma banda de garotas?" Eu perguntei enquanto caminhava para a árvore e peguei um dos ornamentos. Era uma mangueira de incêndio flexível. "Estes são os Backstreet Boys... você nunca ouviu falar deles?" Perguntou Viddy, surpresa. Virei-me para encontrá-la com um braço cheio de pipoca. "Eu não ouço pop. Eu acho que minha rádio FM não pode subir tão alto como estes homens gritando." Eu disse enquanto peguei um pouco de pipoca da bacia que Adeline estava trazendo. Adeline e Viddy eram gêmeas. Elas pareciam exatamente iguais, exceto pelas inúmeras tatuagens de Adeline. Cabelo preto, pele branca cremosa, curvas. Embora, Adeline estava um pouco mais acima do peso, agora que ela teve um bebê. Saylor, Kettle e a filha de Adeline, agora com três meses de idade, era a razão dos seios de Adeline parecerem melões. Não que eu olhasse muito. Eu valorizava minha cara demais. Kettle era um babaca possessivo; especialmente quando se tratava de sua mulher e seus bens. "Quanto tempo mais até estarmos montando?" Perguntei Silas, que estava sentado no bar.


Silas era o presidente do MC, e a coisa mais próxima de um pai que eu tive nos últimos anos. Ele era atrevido, rude, e tinha uma política de tolerância zero para besteira. Eu suspeito que, ao mesmo tempo, ele era um membro da CIA ou do FBI, mas nunca tinha sido capaz de fazê-lo admitir. Embora, isso não foi por falta de tentativa. O homem era apenas um cofre de ferro quando se tratava de sua vida pessoal. Muito raramente eu o vejo mostrar qualquer emoção, mesmo quando se tratava do seu próprio filho, Sebastian. "Assim que os homens conseguirem suas bolas de volta e pôr as suas mulheres em suas motos," disse ele secamente. "Bem," bufei uma risada. "Acho que nós só vamos tentar, para o próximo ano então." Ele sorriu e inclinou sua cerveja. "Falando de meninas. Como está a sua mulher? " Eu não me incomodei nem mesmo de perguntar como ele sabia que eu tinha uma garota. Ninguém mais sabia, mas Silas tinha suas maneiras. Maneiras que ele não sentia necessidade de explicar. "Ela está chateada." Eu disse quando cheguei em frente ao bar para tomar uma cerveja sozinho. "Para dizer o mínimo." "Eu imagino. Você a deixou por três meses, sem uma palavra, quando você foi para a Flórida. É compreensível, " ele concordou. Eu estava prestes a responder quando meu pager tocou, roubando a minha concentração. Filho da puta. Isso só significa uma coisa. Um homicídio. Caramba, mas eu realmente precisava montar e andar de moto por uma boa hora. Eu não podia levá-la comigo para a Flórida, porque era para eu estar mantendo a atenção em cima de mim. Eu tinha chegado de volta ontem à noite, e só tinha uma curta viagem do aeroporto para o restaurante. Em seguida, a partir do restaurante para o meu antigo lugar. Todos os passeios menos de vinte minutos.


Minha lateral estava dolorida pela ferida de faca que consegui enquanto verificava meu e-mail ontem. O pequeno Pedro fodido. Ele tinha apenas dezesseis anos de idade e parecia um adolescente pouco inocente em sua camisa polo da marca Chino. O idiota me enganou com essa merda. "É um homicídio?" Silas perguntou com uma sobrancelha levantada. Puxando meu telefone, liguei para a delegacia e confirmaram que era um homicídio. Na verdade, foi um duplo homicídio. "Qual é o endereço?" Eu perguntei ao despachante. "Oak Street, 5004," ela retransmitiu. "Os peritos já chegaram?" Eu perguntei enquanto puxei as chaves do meu bolso. Eu tinha voltado a menos de vinte e quatro horas, mas eu deveria saber que eles me chamariam se um assassinato acontecesse. Eles tinham um grupo de rotação de detetives na DP de Benton, e eu não estive lá para responder a qualquer uma das chamadas em bem mais de três meses. Não foi nenhuma surpresa que eu era o primeiro da lista. Especialmente com os feriados. Especialistas em cena de crime, no entanto, não conseguiam feriados ou grupos rotacionais. Eles têm cada homicídio, a cada momento. Chova ou faça sol. Dia ou noite. "Sim senhor. Eles já estão em rota," afirmou. "Tudo bem, obrigado," eu disse antes de desligar. "Homicídio?" Silas perguntou com uma sobrancelha levantada. Suspirei. "Sim. Divirta-se sem mim." Saí pela parte de trás para evitar questionamentos. Todos provavelmente pensariam que eu estava evitando as corridas novamente, mas isso não poderia estar mais longe da verdade. Eu estava tão sobrecarregado com trabalho ultimamente que eu tinha cancelado cada um dos eventos que eles haviam planejado. Festas de aniversário. Jantares. O chá de bebê. Churrascos. Corridas


divertidas. Inferno, eu nem sequer consegui ir para Sturgis18 este ano. Eu tinha ido todos os anos desde que eu tinha feito dezoito anos. Eu não teria perdido isso. Tudo o que eu tinha perdido, ultimamente, contribuíram para minha 'mudança'. Eu tinha possivelmente mudado, mas não deixei muitas funções importantes onde eu poderia ajudar. Se qualquer coisa, me afastei apenas para evitar as perguntas que a minha falta de comparecimento teria causado. Ignorei os olhares preocupados que me seguiram para fora do estacionamento, parando apenas o tempo suficiente para acenar antes de virar à direita na Vine Street e indo na direção da Oak St. Eu tive que limpar minha mente de todos os meus problemas e buscar a minha cara de jogo. Eu tinha quase todos eles bloqueados dentro da caixa guardados em minha cabeça quando eu cheguei, mas assim que entrei na cena do crime, cada um deles bateu de volta para a frente da minha mente novamente. "Foda-se!" Eu disse desoladamente. A cena em frente a mim era horrível. Duas vítimas. Ambas mulheres. Uma delas era mais velha, mas a única razão que eu sabia era mais velha era que a vítima tinha seus cabelos grisalhos. A outra mulher tinha o cabelo preto. Elas estavam nuas. Ambas com tiro na testa com o que parecia ser um calibre 38. E ambas tinham ferimentos de defesa. A primeira vítima estava no sofá, e a segunda no chão, perto da porta da frente. "Mulher 32 anos de idade. Linda Coolridge. A senhora mais velha na cozinha é sua mãe, Lucille Coolridge. 54." O primeiro oficial disse suavemente à minha direita. "Essa é a mulher que contrata para a VS Construção," eu disse entorpecido.

Sturgis: é uma cidade norte-americana localizada na Dakota do sul famosa por sediar um dos maiores rally de motocicleta do mundo. 18


A mesma mulher que tinha tomado uma pequena parte em derrubar Varian Strong, ainda que inconscientemente. Ela não tinha percebido, na época, que ela havia contratado um policial disfarçado que estava pensando em derrubar o negócio onde ela trabalhou. Ela tinha sido doce. Muito doce para terem feito o que eu suspeitava para ela. Virei-me para encontrar Tunnel Morrison, o mais novo membro da The Dixie Wardens, de pé à minha direita enquanto segurava um caderno aberto. Seus olhos se moveram para o meu rosto, e ele sabia, sem sequer dizer qualquer outra coisa, que este caso em particular, passou de horrível para fodido além da crença. Tunnel era um colega policial, bom. Embora ele não estava realmente sobre o caso secreto comigo, mas ele estava ciente de alguns detalhes, como estavam a maioria dos policiais na delegacia. Era difícil manter algo assim tranquilo após as prisões que tinham sido feitas. Especialmente um caso que foi importante em condenar o estuprador que estava assombrando a nossa pequena cidade. "Você tem um recado." Ele continuou. "Um recado?" Eu perguntei bruscamente. Ele balançou a cabeça solenemente. "É, sobre o corpo da secretária. Com uma faca fixa seu peito." Limpei a garganta. "Os peritos já limparam isso?" Tunnel balançou a cabeça. "Não senhor." "Certo, bem tira todos. Não os deixe entrar. Mantenha todos fora da cena. Considere tudo fora, como cena do crime, também. Você precisa configurar perímetro policial, o mais longe da propriedade que você puder. Mantenha a imprensa afastada também. Ninguém além de você e os peritos da cena do crime vem aqui, entendeu?" Eu perguntei. Ele balançou a cabeça e me deixou enquanto caminhei para o corpo no sofá e li a nota que foi esfaqueada no peito da pobre menina. 'Duas por dia vão morrer até que você retire a sua declaração.’ Filho da puta!


Até o momento que eu estacionei na minha garagem, naquela noite, eu estava sentindo nada, apenas feliz por estar lá. Eu estava prestes a tomar a decisão mais difícil da minha vida, mas eu podia não ver nenhuma outra solução. Depois de deixar Lucy, eu encolhi os ombros em um capuz preto, calças pretas e um gorro preto que cobria o meu cabelo loiro. Respirando fundo, saí pela minha porta de trás e escalei o muro entre minha casa e a de Channing. Bati na porta de trás, grato ao ouvir os bipes tranquilizadores do alarme ser desativado antes que ela abrisse a porta. "Você não pensou em perguntar quem diabos era?" Falei. Ela bateu a porta na minha cara. "Eu mereci isso," eu murmurei para mim mesmo antes de abrir a porta e fechar atrás de mim. "Qual é o código de armar?" Perguntei. "Foda-se," ela retrucou. Suspirei. "Não, realmente, qual é? Eu não quero que você tenha isso inativo." "Foda-se. Como eu já disse, " ela disse novamente, muito mais calma desta vez. Eu enterrei meus dentes juntos. "Channing." Ela se virou e voltou para o painel antes de começar a perfurar os números 3-8-2-5-6-5-6. Que correspondia as letras, F-O-D-A-S-E. Literalmente aqueles eram os números que tinha usado no teclado. "Legal," eu disse secamente. Ela encolheu os ombros. "O homem grande com a cicatriz também pensou assim."


"Max veio? Eu esperava Gabe," eu disse enquanto a segui para o quarto. "Eles vieram. Eles também fixaram minha porta de graça." Max e Gabe eram membros da Free. Ambos eram ex-militares, e ajudavam a dirigir um negócio secreto que ajudava as mulheres a saírem de situações abusivas. Eles nunca pediram nada em troca, e ajudavam com as necessidades do clube nos últimos meses. Gabe tinha dito que ia instalar o sistema assim que pudesse, mas eu não esperava que ele consertasse a porta, também. "Como é que ele consertou a porta?" Perguntei. Eu não tinha visto nenhuma outra maneira de corrigi-la, além de cortar a metade superior da porta para fora, mas eu também não era um carpinteiro. "Ele tem uma coisa com serra e cortou a metade superior fora," explicou ela. Fechei os olhos e, em seguida sorri pela primeira vez desde esta manhã. "Merda," eu disse. "Eu poderia ter feito isso!" "Ele disse que você poderia, mas ele também disse que você pegou uma chamada difícil esta tarde, então ele faria isso por você," disse ela calmamente. Eu olhei distraidamente para o meu pulso. 21:30 horas. Eu gastei mais de nove horas na cena do crime. Eu tinha falado com os vizinhos. Procurado pela casa. Conversei com os primeiros socorristas. O médico legista. Os paramédicos em cena. Então o chefe. Desnecessário será dizer que este dia foi uma merda absoluta, e ele estava prestes a piorar. "Eu preciso falar com você, querida." Eu disse rispidamente. "Você já jantou?" Ela interrompeu. Eu balancei minha cabeça. "Não, mas eu realmente preciso falar com você."


Ela começou a mexer na sua geladeira e retirou alguns ingredientes para uma salada, um Tupperware cheio do que parecia ser spaghetti, e uma cerveja. Ela me entregou a cerveja, e empurrou a Tupperware no microondas antes de colocar um pouco de salada em uma tigela, ao mesmo tempo ignorando o grande elefante na sala. "Minha mãe morreu durante o furacão Katrina," ela desabafou. Eu pisquei para ela por alguns segundos antes de desculpar. "Eu sinto muito, Channing. Isso deve ter sido horrível."

me

Ela encolheu os ombros. "É o que é. Meu pai saiu depois disso, para dirigir uma carreta bi-trem 18 rodas, deixando eu e meu irmão sozinhos. Ele teve que trabalhar sua bunda fora para nos apoiar. Eu estive sozinha por um tempo muito longo." Meu estômago começou a afundar quando o ponto de sua conversa começou a bater-me. "Channing..." eu comecei. "Eu sei que você acha que é o melhor. E eu vou dar-lhe os dias. Eu não vou olhar para você. Eu não vou falar com você. Eu não vou mandar mensagens para você. Mas eu preciso das noites. Eu preciso das noites, ou isso acaba antes de levar adiante. Não me deixe, também," ela sussurrou, e uma nova trilha de lágrimas começou a correr pelo seu rosto. Eu andei apressadamente em direção a ela e peguei seu rosto em minhas mãos. "Eu só quero que você esteja segura." Ela balançou a cabeça rapidamente. "Eu sei. Eu estarei. Eu vou fazer tudo o que você me disser para fazer. Mas por favor, não me deixe. De novo não." Porra. Como eu poderia dizer não a isso? É isso mesmo, eu não tinha espinha dorsal quando se tratava de uma mulher chorando. Em vez de passar por todas as razões que esta era uma ideia horrível, eu a envolvi em meus braços e abracei-lhe com força. "Eu não vou."


E eu não faria. Agora não. Nunca.


SEGUNDA, 9 HORAS DA MANHÃ

Strong X O Estado da Louisiana "Tudo o que estou pedindo, Meritíssimo, é para adiar o julgamento até depois das férias." O advogado de Varian, Joshua Fine, disse suplicante. O juiz, Abraham Keen, encarou-o sob suas sobrancelhas espessas. "E como eu disse, Sr. Fine, você precisa fazer o seu cliente trabalhar com a Promotoria, e terminar isso antes das férias. Se não, eles irão começar o julgamento amanhã. Isso está claro?" Mesmo eu, um humilde detetive pago para o DPB, sabia melhor do que contradizer Juiz Keen; obviamente, o advogado palhaço do Varian não sabia. O martelo soou com força contra a madeira da mesa. "Senhor. Fine, as próximas palavras da sua boca, é melhor que sejam algo relacionado com o caso e não a sua pausa de Natal, ou você vai ser preso por desacato ao tribunal."


A boca de Fine diminuiu em uma linha chateada quando ele segurou a língua e tomou o seu lugar. Então ele fez um gesto com a mão na direção de Dortea. "Nós oferecemos-lhe uma sentença reduzida de vinte e cinco anos, se você nos der os nomes dos homens que te ajudaram enquanto você estava preso nos últimos cinco meses," disse Dortea rigidamente. "Com uma condição." Disse Varian ignorando a tentativa de seu advogado para acenar para ele parar de falar. "Senhor. Strong, eu aconselho você a pedir conselho com o seu advogado antes de ir fazendo ofertas que você não pode desistir." Judge Keen disse em um tom aborrecido. "Nós temos falado longamente sobre isso já. Eu só gostaria de ter meus pensamentos no registro, e então nós podemos discutir um acordo," ele sorriu para o velho. Os olhos do Juiz Keen se estreitaram, esse foi o único sinal exterior de que ele estava irritado. "E isso seria, Sr. Strong?" Perguntou Dortea docemente. "Eu quero falar com Rector. Sozinho." Varian sorriu. Todos se viraram para mim de uma vez. Eu estava sentado no fundo da sala. Eu só era suposto estar lá no caso de algum esclarecimento dos fatos, se fosse necessário, sobre o caso. E não era suposto ser realmente necessário. Aquele filho da puta. Eu balancei a cabeça uma vez, e todos eles se levantaram, e esvaziaram a sala em menos de um minuto. O advogado de Varian foi o último a sair, e ele olhou para mim, como se estivesse dizendo com sua mente que é melhor eu ter cuidado. O que ele acha que sou? Um vagabundo? "O que você quer, Strong?" Eu perguntei uma vez que o advogado fechou a porta. "Nada. Eu vou aceitar o acordo. Eu só queria ver seu rosto quando eu disser o que tenho a dizer, " disse ele suavemente.


"E o que exatamente você tem a dizer?" Eu perguntei suavemente. Meu tom exterior não retratava a turbulência interna. O que ele vai dizer? Será que ele sabe algo que eu não sei? "Você sabe, você não é o único que observou o bairro," disse ele em um tom aborrecido. Externamente, eu estava tão frio como um pepino, mas por dentro, estava desconfiado. Segurei na borda da minha cadeira. Onde ele estava indo com isso? "É mesmo?" Perguntei. "Sim. Vi você olhando aquela garota ao lado de você. Vi você correndo atrás dela todas as manhãs. Vi que as janelas são realmente próximas uma da outra," ele sorriu amplamente. Meu corpo congelou. Meus pulmões pararam de produzir o oxigênio que meu sangue necessitava. Tudo em mim chegou a um impasse, esperando para ver onde ele estava indo com isso. Minha mandíbula se apertou até que estava com tanta força que meus molares doíam. "Eu só estava querendo fazer uma observação. Você pode trazer o advogado para dentro," ele sorriu. Levantando-me com dificuldade, caminhei até a porta e a abri. Uma vez que eles estavam sentados, eu saí. Eu não era mais necessário, e estava com pressa para me certificar se estava tudo bem com Channing.

A viajem levou menos de nove minutos. Eu estacionei no meio da rua em frente ao nosso condomínio quando a vi sentada no meio-fio. Eu teria passado por se ela não tivesse caída de costas quando passei.


Ela estava usando um par apertado de shorts pretos de exercício e uma camiseta desproporcional, e seus tênis de corrida rosa choque que ela sempre usava quando ela corria. Estacionei rapidamente, parei diretamente na frente dela e desliguei o motor. "Jesus Cristo!" Eu bati. "Você está bem?" "Tudo bem," ela chiou. "Eu apenas esqueci meu inalador. Eu precisava fazer uma pausa antes que ficasse muito ruim." Alcançando a mão dela, puxei-a até que ela estava em uma posição sentada. "Vamos, eu vou levá-la para casa." Fiquei aliviado. Não que ela estava tendo um ataque de asma, mas que ela estava viva para ter um ataque de asma. "Loki, você disse que não poderíamos ser vistos juntos. Você me fez prometer, na verdade. O que está fazendo?" Ela perguntou, sem fôlego. Eu consegui levantá-la de pé e indiquei para ela sentar-se na minha frente para que eu pudesse ficar de olho nela no último trecho da estrada antes de chegarmos a nossas casas. Ela sentou-se rigidamente por três segundos antes de se recostar contra mim e descansar a cabeça no meu peito. Voltamos devagar. Entrando em sua garagem, quase até a casa, desliguei a moto, ajudei-a a ficar de pé e segui-a. "Loki, sério, o que diabos você está fazendo?" Ela perguntou alarmada. "Lá dentro, eu vou dizer lá." Eu corri para fora. Ela me olhou com preocupação, mas entrou na casa. Sem inserir o código para o seu alarme. Beliscando a ponta do meu nariz, eu disse: "Por favor, me diga que você não saiu de sua casa com o alarme desarmado." Quando olhei para cima, foi para ver os olhos arregalados, e seus dentes mordiscando preocupada sobre o lábio. "Eu esqueci," disse ela sem convicção.


"Você esqueceu!" Eu testei a palavra na minha língua. "Bem, como ser estuprada soa?" Ela se encolheu como se eu tivesse batido nela, e de repente as opções de palavras que usei não parecia a melhor ideia mais. Empurrando minhas mãos pelo meu cabelo espetado, comecei a explicar. "Olha, me desculpe se fui muito brusco, mas realmente não quero que nada aconteça com você. Hoje, Varian apontou que ele tinha nos vistos juntos ao longo do tempo que eu estava disfarçado. Então ele pegou uma barganha que só vai dar-lhe vinte e cinco anos. Ele a pegou com muita facilidade, em minha opinião. Ele tem algo planejado, eu só não sei o quê." Andando de um lado para o outro agora, eu continuei. "Ontem, duas mulheres foram estupradas e assassinadas. Uma delas foi a pessoa que me contratou na empresa de construção. O assaltante deixou um bilhete. Para mim. Disse que se eu não retirar minha declaração, eles matariam duas pessoas por dia até que eu retirasse." "Mas... mas," ela disse confusa. "Ele está na cadeia. Se ele estava na prisão, como ele poderia ameaçá-lo com uma nota? Ele tem mesmo forçado a esse ponto?" "Eu tenho duas teorias sobre isso, mas não é boa de qualquer maneira. A primeira, é que Varian tem algum tipo de poder sobre os homens em seu serviço. Algo que ele está fazendo para eles que eles não podem obter em qualquer outro lugar. Ou ele está chantageando-os, forçando o seu cumprimento. A outra é que havia duas pessoas estuprando, e ambos estavam trabalhando juntos. Meu único foco tinha sido em Varian. Isso nunca sequer passou pela minha cabeça que ele poderia estar trabalhando com alguém para realizar seus objetivos. De qualquer maneira, me fodi," eu suspirei. Ela sentou-se calmamente ao longo da minha explicação, contemplando as mãos, em seguida, um pedaço invisível de linha em sua camisa. Precisando mudar de assunto e para pensar em outra coisa até que tivesse um plano, perguntei: "Você usou seu inalador?" Suas sobrancelhas levantaram. "Não, mas eu estou bem agora. Eu não gosto de usá-lo quando não preciso."


"Como você se esquece de algo assim? Você sempre tem isso com você a menos que você esteja aqui. Na verdade, eu sempre o vi no pequeno bolso na cintura da sua bermuda," eu perguntei com uma sobrancelha levantada. Ela caminhou até a mesa e sentou-se. "Deus, eu não sei. Eu esqueci o meu almoço de ontem. Eu não conseguia encontrar as chaves hoje. Então eu estava no final de minha corrida antes mesmo que percebesse que eu não o tinha." Suspirei. "Talvez você devesse ter um pouco mais de cuidado da próxima vez." "Obrigada," disse ela secamente. "Vou tentar me lembrar disso." Apertei os olhos para ela. "Que tal você ir cozinhar o jantar para nós, então?" Ela zombou de mim. "Você tem duas mãos." Eu olhei para as minhas mãos. "Olhe para isso, eu tenho." Um sorriso chutou no canto de sua boca. "Aposto que pode cozinhar, também." "Eu posso fazer rabanada, ovos fritos, e grelhado. Isso é tudo que sei fazer." Ela levantou e caminhou até a geladeira e alcançou até o topo e pegou o pão. "Eu tenho uma metade de pão," disse ela enquanto ela balançava o pacote em suas mãos. Então ela abriu a geladeira. "E nove ovos. Isso é suficiente para fazer ovos e torradas?" "É o suficiente para fazer os ovos, ou torrada francesa. Mas não ambos," eu disse a ela. Ela apertou os lábios. Então começou a cavar através do frigorífico. "Ok, bem, eu não tenho qualquer xarope. Então ovos é o que há." Eu vi como ela empurrou tudo de volta na geladeira, fechou-a, e, em seguida, levantou-se, segurando os ovos para mim. "Ok, o que você está fazendo com os ovos?" Perguntei enquanto peguei os ovos em sua mão.


Virando as costas para ela, eu tive que sorrir quando ouvi sua maldição e arrancou a porta da geladeira aberta para trás, fazendo com que as garrafas na porta batessem umas contra as outras. "Eu não tenho nenhum bacon. Ou salsicha. Ou qualquer carne de café da manhã. Embora, eu tenho mortadela fatiada e peru," disse ela sobre seu ombro. "Dê-me a manteiga e o peru. Pão. Queijo também." Enquanto preparei sanduíches de ovos, conversamos longamente sobre o que tinha acontecido naquele dia; esta foi a primeira vez em anos que eu realmente disse a alguém sobre o meu dia inteiro. Parecia a coisa certa e de alguma forma libertador. "O que você faz quando não está trabalhando?" Ela perguntou enquanto olhava para os meus três sanduíches, uma vez que levei ambos aos nossos lugares. Eu dei de ombros. "Correr. Levantar pesos. O usual." "Eu corro e levanto pesos", observou ela secamente. "E eu não pareço como você." "Graças a Deus," eu murmurei enquanto tomei uma mordida do meu sanduíche. "Caso contrário, não estaríamos no mesmo quarto que o outro. Bom para aquelas garotas que querem se parecer com os homens, mas a minha mulher tem que ser suave. Eu quero ser capaz de te foder duro, mas eu não quero estar preocupado com você me estalando ao meio quando suas pernas envolver em torno da minha cintura." Ela bufou. "Você tem algo contra o corpo feminino musculoso?" Eu balancei minha cabeça. "Não, eu apenas gostaria de ser o único com o pau no relacionamento." Ela começou a sorrir, e meus olhos foram para a gema que tinha quebrado se espalhando quando eu tinha tomado uma mordida, na frente dela. Seus olhos eram tão expressivos. Luz e alegria dançaram em seus olhos, e isso fez algo dentro do meu coração derreter um pouco mais. "O quê?" Perguntei.


Ela acenou com a mão em um gesto de deixa para lá. "Não é nada." Meus olhos se estreitaram sobre ela. Se eu tivesse ouvido a palavra "nada" de um homem, eu poderia seguramente assumir que literalmente significa 'nada'. Agora, quando uma mulher diz "nada," isso poderia ser alguma dessas coisas. Um, que pode significar, literalmente, nada. Dois, isso poderia significar "tudo". Três, poderia dizer, é uma coisa, mas eu quero que você lave os pratos sujos, e eu ainda estou com raiva de você por olhar para aquela garota enquanto estávamos jantando fora na semana passada, onde você comeu o último pedaço de comida do seu prato, em vez de me oferecer. Ah, e você se esqueceu de pegar suas meias no chão do banheiro. Por isso fui para a rota segura, e assumi tudo. "O que há de errado?" Eu perguntei cautelosamente. Ela se levantou e colocou os pratos na pia antes de pegar a frigideira do fogão. "Não é nada realmente, para ser honesta. Eu só estava tentando descobrir onde exatamente você estava tentando chegar com sua conversa anterior sobre aquelas pobres mulheres. O que exatamente você quer que eu faça aqui? Fique longe de você? Fique com você? Você está vindo para cá agora? Este é o nosso último momento junto? O que você quer de mim?" Ela finalmente se abriu. Levantei-me cautelosamente e comecei a ajudar; ela lavava enquanto eu secava. "Em resposta à sua pergunta, sim, eu quero que você fique comigo. Eu quero você. Eu queria você há meses. Estou cansado de nos esconder. Eu quero começar de novo, e eu que quero essa porra de nuvem de merda vai para o inferno longe de mim. Com Varian aceitando esse acordo, ele deve começar sua sentença imediatamente. A nota ameaçadora que li, com o assassinato dessas duas mulheres, deveria ter crédito," eu disse quando eu coloquei um prato que tinha secado em seu lugar. Voltando-me para ela, eu inclinei meu quadril contra o balcão e continuei.


"Então, novamente, hoje ele apontou que ele sabe sobre nós, ou pelo menos pensa que sabe. E ele teria tido nenhuma outra razão para me dizer sobre esse fato, a menos que ele tenha planos que não estou a par, ainda. Então, sim, eu quero estar com você, mas quero ser cuidadoso; eu quero estar atento a tudo o que fazemos em conjunto ou separadamente. Eu estou esperando que uma vez que tiver os nomes dos homens que ajudaram a Varian, eu vou ter o assassino dessas duas mulheres. Se não, então eu ainda tenho um fugitivo lá fora, sendo um vigilante para o ‘propósito’ de Varian Strong e nós vamos ter que nos ajustar de acordo com isso," eu disse a ela. Ela assentiu com a cabeça. "Eu tenho que trabalhar hoje." Meu coração afundou um pouco quando eu percebi que ela não estaria aqui por muito mais tempo. "Você vem para minha casa hoje à noite quando chegar em casa?" Ela assentiu com a cabeça. "Certo. Vai ser tarde." Revirei os olhos para ela. "Você percebe, certo, que eu assisti este bairro por um total de quatro meses. Eu sei horários de todos. Incluindo o seu. " Em questão de minutos, tivemos a cozinha limpa, e ela estava encostado no balcão ao meu lado. "Você sabe como fazer sorvete?" Fui pego assenti. "Certo."

de

surpresa

pela

pergunta

aleatória

dela,

eu

"Preciso do sal. Está em um grande balde na despensa. Oh, e a máquina de sorvete no chão no canto," disse ela, apontando para a despensa à esquerda do balcão. Entrando na sala pequena, eu peguei o sal e a máquina de sorvete, notando que suas prateleiras estavam quase vazias. "Ei, quando foi a última vez que você foi às compras?" Eu perguntei quando entrei na cozinha com a máquina. Coloquei no balcão, virei para ela quando ela cavou em seu refrigerador para pegar o leite. Sua bunda balançava de um lado para o outro, quando ela abaixou para pegar o meio galão que tinha guardado antes, quando estava à procura de algo para fazer para o jantar.


O contorno de sua calcinha, em seus calções cinzentos apertados, estava desviando meus olhos e fazendo minha imaginação decolar. Ela estava usando a pequena calcinha preta bonita com um pequeno laço rosa na parte superior, ou a vermelha com as impressões de lábios perversos sobre ela toda? Eu estava tão distraído pensando nisso que perdi a sua pergunta. "Hey!" Ela retrucou. Meus olhos finalmente focaram em seu rosto, e eu pisquei, trazendo-os de volta ao foco. "Você ouviu o que eu disse?" Ela perguntou com preocupação. Trazendo a minha mão para o meu rosto, eu esfreguei os olhos com o polegar e o dedo indicador. "Desculpe," eu disse. "O que você perguntou?" "Chocolate ou baunilha?" Ela repetiu. Seu cabelo ainda estava em seu rabo de cavalo, mas agora o suor em seu rosto tinha secado, fazendo as madeixas soltas em torno da cabeça dela cachear. "O seu cabelo é crespo?" Eu soltei. Ela fez uma careta. "Quando ele quer ser. Na maioria das vezes é enrolado em ondas. É por isso que eu o mantenho em um rabo de cavalo a maior parte do tempo." Em seguida, ela balançou a calda de chocolate em questão para mim. Balancei a cabeça em resposta. "Eu sou um tipo de cara baunilha. Não faço aditivos artificiais. Se você fizer isso direito, baunilha é tudo que você precisa." Eu não queria que soasse tão... sexual, mas seguramente saiu desse jeito, e se o olhar em seus olhos era qualquer indicação, eu tinha feito um ponto, ainda que não tivesse a intenção. "Jesus, esses malditos calções. Por que são tão malditamente apertados?" Eu explodi. Ela sorriu, fazendo meu coração amolecer um pouco após o dia de merda que tive.


“Ele tem que ser apertado. Dessa forma, permanece no lugar quando eu corro, evitando o atrito nas minhas coxas," ela sorriu. Eu fiquei longe de toda a parte 'atrito', sentindo a armadilha que era inevitável. "Tudo bem, o que você precisa que eu faça?" Perguntei.

Uma hora mais tarde, Channing estava vestida com seu simples jaleco preto, pronta para ir para o trabalho, e comendo uma tigela de sorvete. "Onde você trabalha?" Perguntei. "Por que eu acho que você faz cabelo?" Nenhum cabeleireiro noite. Nenhum vestia jaleco.

que

conheci

trabalhava

tarde

da

"Eu faço pessoas mortas." Eu deixo o significado lá no ar por um minuto, e depois sorrio até que percebo que ela estava falando sério. "O que disse?" Perguntei ceticamente. Ela sorriu enigmaticamente e, em seguida, levou uma lambida longa e lenta de seu sorvete. "Você quer vir comigo esta noite?"


"Eu pensava que o agente funerário era quem fazia a maquiagem e cabelo," disse Loki para mim quando apliquei uma outra camada de corretivo no rosto da mulher. "Oh, Brittany; você conhece Brittany, certo?" Eu perguntei me voltando para ele. Ele estava sentado em um banquinho ao lado da minha mesa e me assistindo trabalhar. Ele estava sentado no mesmo lugar, por quase três horas agora. Ele parecia exausto, mas ele não tinha parado de falar desde que chegamos aqui, me fazendo perguntas. Ele assentiu. "A esposa do chefe. Eu não sabia que ela era uma agente funerária, no entanto. Eu sabia que ela trabalhava na casa funerária, mas não imaginei que ser um agente funerário era aahh, trabalho de mulher." Ele sorriu para mim conspirando. Lembrando o comentário que tinha jogado anteriormente sobre o corpo feminino musculoso. Eu olhei zombando para ele e voltei para o meu cliente. O nome dela era Penélope Stanley, e ela morreu em um acidente de carro há três noites. Ela estava dirigindo em uma estrada de volta quando um cervo entrou na frente dela. Quando ela desviou do cervo, foi


em direção a um grande carvalho e bateu a cabeça, morrendo instantaneamente. Ela precisaria de muita reconstrução em seu rosto, mas sua família foi inflexível sobre ela ter o caixão aberto. Fiquei surpreendida quando Brittany havia dito à família que ela poderia fazê-lo. Normalmente, se estavam tão ruins quanto Penélope aqui estava, ela diria a eles diretamente que seria melhor ter um caixão fechado. A única razão que ela tinha concordado era porque Penélope era a esposa de um membro do conselho da cidade. Ela não queria correr o risco de irritar seu chefe, então ela iria dedicar um monte de trabalho para reconstruir seu rosto, deixando-o parecer tão normal quanto possível. "O pai de Brittany era um agente funerário. Ser um agente funerário parece correr na família, mas quando Brittany fez dezesseis anos, seu pai foi diagnosticado com câncer, e eles tiveram que vender o negócio para pagar os tratamentos. Quando seu pai morreu de complicações, Brittany se pôs a seguir seus passos," expliquei. Ele balançou a cabeça compreensivamente. "Quando fizemos aquela detenção na Bayou Funeral Home, você estava na frente. Você tinha dito que estava de recepcionista". Notei uma sugestão de acusação em sua voz, e me perguntei quanto tempo ele tinha estado remoendo sobre essa questão. Ele era um detetive, afinal de contas, e ele tinha que estar se matando por não perguntar isso. "Eu trabalho ― trabalhei lá também, nos fins de semana. Era raro para mim estar na recepção. Desde que fecharam, porém, eu fui pegar turnos no Clip Tease off Texas Street," expliquei, enquanto eu corria a esponja coberta de base sobre as contusões pretas ao redor dos olhos de Penélope. Ele resmungou. Eu trabalhei enquanto ouvia seu cérebro girando e girando outra vez. Levou dez minutos para chegar a sua próxima pergunta. "Por que você faz isso?" Ele perguntou finalmente.


Eu levantei meus dois ombros. "Eu entrei em uma briga com um cliente. Ele vinha uma vez por semana apenas para lavar seu cabelo. Nunca pagou por um clipe. Nenhuma gorjeta. Acontece que, ele acabou ejaculando por ter a sua cabeça esfregada. Eu provavelmente não teria notado se não tivesse gozado. Ele gritou, fazendo-me sem querer molhá-lo com água, e ele tinha chamado o gerente. A partir daí, desandou em um jogo de ele disse/ela disse, e eu perdi meu emprego. Não que eu gostasse de ouvir as lamurias das pessoas sobre seus problemas durante todo o dia." "Você provavelmente não iria se sair bem em ser um policial. Isso é tudo que fazemos todo o maldito dia; ouvir histórias da vida das pessoas," ele murmurou enquanto me observava moldar um pedaço do rosto de Penélope novamente. "Isso é nojento." Eu dei de ombros. "Estou acostumada a isso. Na primeira vez, isso não foi assim tão bom, mas agora é apenas natural para mim. Desfruto do silêncio. Eu amo que posso torná-los bonitos para uma última festa em sua honra. Costumava cantar para eles, quando comecei. O silêncio era perturbador, então eu cantava. Brittany ainda brinca comigo sobre isso." Ele sorriu. "Então, quais são seus planos para o Natal?" "Eu acho que meu pai vai tentar passar por aqui. Ele realmente ainda não disse se ele viria ou não, mas ele não sabe até mais perto do dia. E você?" Perguntei. Eu pensei sobre a questão por alguns momentos antes de responder. "Eu realmente não sei. Minha mãe e eu não passamos juntos. Meu irmão está na Alemanha. Eu não o vi em dois anos, desde que assumiu o seu posto de comando. Normalmente, passo com Trance, mas ele se casou e a merda perde toda a diversão. Acho que é só você e eu baby. Se o seu pai aparecer eu vou para casa." Minha boca contraiu. Natal não tinha sido um grande negócio para nós desde que minha mãe morreu. "O que o seu irmão faz?" Eu perguntei enquanto inspecionei a cor do rosto de Penélope para me certificar de que não havia inconsistências. "Mestre Sargento no exército. Embora ele conheceu sua esposa na Alemanha, e suspeito que ele não tem nenhum desejo real de voltar para


casa mais. Seu trabalho é confortável. Ele não combate. Inferno, eu nem acho que ele sai do seu escritório durante o dia," explicou. A próxima coisa que peguei foi o meu babyliss. Eu tinha duas imagens de Penélope, e ambas tinham o seu cabelo alisado. Exceto que o Sr. Stanley queria os cabelos em cachos, porque ele odiava que ela alisou os cabelos. Ele também odiava quando ela usasse maquiagem. Infelizmente, eu tive que colocar já que ela tinha batido com o rosto numa árvore. "Você sempre foi um p-policial?" Eu perguntei timidamente. O fato de que ele era um policial ainda me incomodava, mas não tanto quanto antes. Eu ainda tinha um problema com os policiais em geral. No entanto, Loki era diferente. Havia apenas algo sobre ele que fez tudo certo no meu mundo. Infelizmente, essa confiança não se estendia aos seus amigos. Trance tinha aparecido em sua casa para pegar um macaco de carro ontem, e apenas a visão dele em seu uniforme quase me deu um ataque de pânico. Foram os braços reconfortante de Loki em volta dos meus ombros que me manteve estável. Eu tinha certeza de que, com o tempo, estaria melhor, mas nesse meio tempo, eu tinha um monte de trabalho a fazer. "Não. Entre os dezessete a vinte e três anos fiquei na guarda costeira, fui para a escola em tempo parcial e tenho uma certificação de paramédico. Quando minha mãe foi diagnosticada com câncer, eu saí. Enquanto ela estava fazendo tratamentos, obtive a minha certificação de agente da polícia e bombeiro," ele me disse. O babyliss caiu da minha mão ficando pendurado paralelo à minha perna, e olhei para ele de boca aberta. "Puta merda! Você têm..... quatro certificados!" Ele riu. "Triplamente certificado, e sim". "Hmm," eu observei. "Então por que você escolheu ser um policial?"


"Meu padrasto era," disse ele, enquanto se levantou e esticou os braços para o alto sobre sua cabeça. O movimento mostrou a extensão do seu abdômen, bem como a arma e distintivo em seu quadril. Ele não escondia em torno de mim, e eu estava grata. Eu nunca ia superar minha fobia se não estivesse enfrentando ela, para não ter um ataque de pânico cada vez que eu visse os amigos do meu namorado. "Quando foi que sua mãe se casou novamente?" Perguntei. Ele sorriu carinhosamente quando ele caminhou até o quadro de avisos do lado da sala que tinha fotos da equipe funerária. "Quando eu tinha dezessete anos," ele me disse. "Eu fiz merda e fui sugado para uma gangue quando tinha onze anos. Quando eu tinha dezesseis anos, decidi que precisava sair e fui para o oficial de recursos de gangue para obter ajuda. Ele ajudou a todos, e me disse o que deveria fazer. No dia seguinte, fui para o líder, Mick, e disse-lhe que eu estava fora. Ele disse que se eu pudesse sobreviver à saída, estava livre para sair. Eu pensei que estava tudo resolvido, também, até que um aspirante presunçoso saiu da porra do nada e pousou nas minhas costas. Ele já tinha cortado minha garganta antes que eu percebesse que alguma coisa estava errada." Levantei-me em linha reta enquanto o ouvia falar, e olhei para suas costas com a boca aberta em choque. "Ele cortou sua garganta?" Engoli em seco. Ele se virou e me deu um sorriso sardônico. "Como você acha que consegui essa cicatriz bonita?" Quando ele perguntou, tocou a cicatriz na base da sua garganta. Era uma parte dele agora, tanto que, eu nem percebia que ele a tinha na maior parte do tempo. Apenas quando eu corria meus lábios sobre seu pescoço, ou distraidamente corria minha mão para baixo de sua mandíbula para sua clavícula que eu a senti e lembrei-me que estava lá. "Eu não sei, mas não foi isso," retrucou. Sua atitude displicente me irritava muito.


"Na época, era um grande negócio. Lembro-me de cair e sentir o calor se espalhando pela minha garganta; eu sabia que estava prestes a morrer. Mas me arrastei para fora do prédio abandonado que The Crimson Horde costumava habitar, para a direita no caminho do Oficial Zeth Merritt. Ele estendeu a mão sobre a minha garganta, para estancar o fluxo, enquanto esperava que os médicos chegassem. Segurou por todo o caminho até o hospital e para a cirurgia. Quando minha mãe o encontrou, ele estava coberto com o meu sangue, e ela o amou instantaneamente. O relacionamento foi construído devagar, e eles esperaram quase um ano antes que ele lhe pedisse para casar. Foi o melhor dia da minha vida quando isso aconteceu." "O que aconteceu? Será que eles não cortaram sua garganta e artérias? Eu pensei que você sempre sangrava muito rápido quando isso acontecia. Ou, pelo menos, isso é o que acontece nos filmes," eu disse quando voltei para a ondulação do cabelo de Penélope. Seu cabelo era muito frágil, como se tivesse sido colorido muito frequentemente, e nunca tratado. O que me fez ter muito cuidado ou queimaria o cabelo dela. "O garoto estava há um metro e meio de distância. Ele teve que saltar nas minhas costas para cortar minha garganta, e perdeu o equilíbrio. Tenho cento e doze pontos, embora, " ele piscou. Revirei os olhos com a sua atitude casual e voltei a trabalhar até que o cabelo e maquiagem de Penélope estavam perfeitos. Então eu comecei a retirar suas roupas. "Whoa," disse ele e se virou. "O quê?" Eu perguntei quando retirei o vestido despojado do corpo de Penélope e atirei-o para o canto onde estava a pilha para lavagem. "Ela está nua," disse ele acenando com a mão cegamente. Eu sorri. "Claro que está. Mas ela está morta. Ela não vai se importar que você veja seus peitos mortos." "Essa não é a questão. É simplesmente errado," disse ele asperamente. Sorri enquanto trabalhava para colocar o sutiã de Penélope, camisa de botão, calcinha, meia-calça, e saia longa plissada. Seus


sapatos, os que ela pagou $ 1000, como disse o marido, foram a última coisa a ser colocada. "Ok, você pode virar de volta." Eu disse a ele. Ele virou-se cautelosamente e deu um suspiro de alívio ao vê-la coberta. "Você provavelmente vê muito corpos nus como um agente da polícia..." Deixei a declaração em suspenso e levantei minha sobrancelha para ele. Ele ergueu um ombro. "Claro, mas isso não é o mesmo. Ela parece como, se estivesse simplesmente... dormindo. A maioria dos que eu vejo quando estou trabalhando parecem obviamente mortos." "Necrofilia... não é sua coisa. Entendi." Eu provoquei. Ele zomba, olha para mim antes de perguntar: "Você está quase pronta?" Eu balancei a cabeça. "Sim, só tenho que colocar-lhe as joias e chamar Ralph para me ajudar a levá-la para dentro do cofre." Sua cabeça inclinou. "Quem é Ralph?" "Ele é nosso músculo. Quando Brittany ou eu precisamos de uma assistência, ele vem para ajudar. Ele é o guarda de segurança," expliquei enquanto colocava o brinco na orelha de Penélope antes de inspecionar o produto acabado. "Ela parece muito bem. Muito melhor do que estava quando você começou," afirmou. Eu sorri para ele. "Obrigada." Caminhando para o telefone na parede, peguei e disquei o três. "Quão fantástico isso está mocinha?" Perguntou a voz rouca e profunda de Ralph. "Está indo bem, Sr. R. Eu preciso de ajuda para mover a minha mais nova cliente," eu disse com uma cadência picante na minha voz. "Ok, desço em alguns minutos. Quer uma Coca?" Perguntou ele como uma reflexão tardia.


"Não, estou bem. Estou pronta para a noite; não vou ficar muito mais tempo." Eu agradeci a ele e, em seguida, desliguei. "Você sabe," disse Loki. "Eu poderia ter ajudado você." Eu olhei para ele que fazia uma cara estranha. "Mas então você teria colocado suas mãos sobre uma pessoa morta, e eu tive que ouvir sobre isso a noite toda." Ele mostrou a língua, mas saiu do caminho quando Ralph entrou e me ajudou a colocar Penélope em seu caixão. "Você sabe como eu odeio mover os mortos," Ralph resmungou quando ele pegou as pernas de Penélope e eu tirei os braços. "Sim, sim," eu disse. "Deixe de frescura." Ele não sabia, mas eu não esperava que o fizesse. "Tudo bem, é tudo o que você precisa de mim?" Ele perguntou depois que terminamos. Balancei minha cabeça. "Sim, você está livre para voltar para o seu pornô." "Não é pornô. Ele está lutando," ele bufou, antes de se virar indignado em direção à porta. Uma vez que Ralph saiu para continuar seus deveres, arrumei os cabelos de Penélope, em seguida, fechei a porta sobre o caixão. "Ele é muito... baixo," Loki supôs. "Sim." Eu concordei. Ralph tem 1,63 metros, um homem chinês de 76 anos que tinha fumado um maço por dia desde que ele tinha dezesseis anos. Ele não agia como qualquer velho que eu já tenha visto antes, mas ele era terrivelmente inteligente, e eu o amava. Ele me distraía muito todos os dias, a menos que fosse segundafeira, que acontecia de ser hoje à noite, e a WWE19 estava passando. Embora, ele fazia questão de me dizer que não é a mesma desde que Stone Cold Steve Austin deixou o programa, e eu prontamente concordei. WWE: World Wrestling Entreteniment, Enc – Empresa Americana de entretenimento, que lida principalmente com luta profissional 19


"Então ele gosta de luta?" Loki perguntou enquanto ele encolheu os ombros em sua jaqueta de couro. Balançando a cabeça, fui até a pia e lavei minhas mãos cuidadosamente antes de vestir o meu casaco e pegar minha bolsa. Assim quando eu estava curvando meu braço através da alça, as luzes de repente se apagaram, e mergulhamos na escuridão. Minha respiração ficou pesada e minha mente começou a corrida. "Você sabe," eu disse com a voz trêmula. "Eu não sou realmente uma grande fã do escuro, em primeiro lugar, mas o fato de que estamos em um necrotério está realmente me assustando, foda-se." Quando eu não obtive uma resposta, meu coração começou uma pancadaria, com palpitações fortes. "Loki?" Eu engoli. "Sim?" Ele perguntou à minha frente. Reagi antes que meu cérebro pudesse estar totalmente conectado, balançando meu punho em torno de um arco, e me conectando com o que imaginei fosse o peito de Loki. Minha mão bateu em algo afiado antes de fazer contato com a carne do peito, e soube imediatamente que: Um, minha mão estava quebrada. Dois, eu tinha certeza que meus dedos estavam ostentando um corte porque eu podia sentir o fio de líquido quente escorrendo do lado e pingando meus dedos. E três, eu iria chutar o traseiro de Loki. Assim que eu pudesse parar de ver dobrado por causa da dor na minha mão. "Owww," ele lamentou. "O que foi aquilo?" "Eu acho que está quebrado." Eu ofegava. "Como você sabe?" Ele perguntou quando uma luz iluminou a pequena área que nos rodeava. Ele tinha uma lanterna na mão do tamanho de um taco de beisebol. "Onde diabos você estava escondendo isso?" Eu perguntei, surpresa.


"Eu mantenho-o em um suporte no interior do meu casaco. Nunca se sabe quando uma lanterna virá a ser útil," ele murmurou enquanto ele brilhou a luz para a minha mão que estava de fato sangrando. "Huh," disse ele com espanto. "Você está sangrando." "Obrigada, Capitão Óbvio." Eu bati.


Eu assisti quando Channing estreitou sua boca em uma linha profunda enquanto cerrava os dentes. O assistente do médico, Ronnie, um dos homens com quem eu jogava pôquer uma vez por mês, estava colocando uns pontos no talho que se estendeu a partir de seus dedos até a base do seu pulso. Que ela recebeu quando a mão dela atingiu o meu crachá, abrindo sua mão como acontece quando se esfola um peixe. "Você sabe," ele disse enquanto dava um outro ponto. "Você pode dizer o que quiser." Na próxima colocação da agulha, ela gritou. "Sua mãe é uma prostituta!" Ela gritou. Ronnie congelou, e então olhou para Channing com descrença por cinco segundos antes de começar a rir. "Você vai ter que me impedir de rir. Você pode dizer qualquer coisa, contanto que não me faça rir," ele chiou. Sua explosão tinha atraído o que parecia ser metade do pronto socorro, todos eles à espera de ouvir o que ela diria em seguida.


"Quantos pontos que isto vai levar?" Channing perguntou quando ela olhou para a agulha prestes a entrar em sua mão. Ronnie olhou para o corte por alguns segundos antes de responder. "Provavelmente quinze ou algo assim, mas vamos ver. Quanto mais pontos eu colocar, mais bonito isso vai ficar." "Será que afetará o movimento da mão?" Ela se preocupou. "Possivelmente, mas não vamos ter certeza até que se cure," ele murmurou. Desta vez, quando ele colocou a agulha em sua pele machucada, meu estômago afundou. Não porque me senti mal por causar sua lesão, mas por causa do seu joelho que levantou para o lado, efetivamente me acertando nas bolas. Recuei quando as dores irradiaram a partir de minhas bolas para o meu estômago e parte inferior das costas. Vomito ameaçou o seu caminho até a minha garganta, e eu ofegava para tentar ficar sob controle. Instintivamente, uma mão foi para minhas bolas enquanto a outra foi para o meu quadril quando eu dobrei de dor. "Oops," disse Channing. "Me desculpe por isso." Ergui a cabeça com grande esforço e olhei para ela. "Por alguma razão, eu não acredito em você." "O que há de errado com você, Loki?" Uma voz familiar perguntou atrás de mim. Levantei-me tão reto quanto eu podia, o que não foi muito em linha reta, e me virei para encontrar Sebastian e Kettle que estavam atrás de mim. Eles estavam usando a metade inferior do seu equipamento de proteção, o que significava que eles estavam trabalhando. Ambos eram bombeiros para o Corpo de Bombeiros de Benton, por isso não me surpreendi em encontrá-los aqui. Eles traziam os doentes para o hospital o tempo todo, e um monte de vezes eu os encontrava aqui quando eu estava entrevistando testemunhas oculares.


Isso, é o que acontece numa cidade pequena, por isso não era incomum vê-los um quando eu estava ao redor. "Eu bati com o meu joelho nas bolas dele. Ele não pode falar agora," disse Channing com os dentes cerrados. "Isso está desconfiado.

certo? E

quem

é

você?"

Sebastian

perguntou,

"Ele era o meu John20 para a noite e tivemos um pequeno acidente com o jogo de faca. Ele teve que me trazer para o pronto socorro, e quando tentou cortar minha calcinha, me afastei dele e, acidentalmente, dei uma joelhada nas suas bolas. Eu não pude evitar, aquela calcinha me custou 500 dólares, e ele não me pagou pela noite ainda, " Channing falou arrastado. Sebastian e Kettle estavam ali olhando para ela com olhos grandes e arredondados, não tendo certeza do que pensar de seus comentários. "O que você deu a ela, Ronnie?" Eu perguntei quando eu finalmente fui capaz de ficar completamente em pé. "Um sedativo," ele murmurou quando finalmente começou a costurar a mão dela. "Ela estava branca como um fantasma, era apenas uma questão de tempo antes que ela desmaiasse completamente. Eu só ajudei um pouco." Sebastian e Kettle deram a volta enquanto observávamos Ronnie costurar a mão de Channing com a experiência de um homem que tinha feito isso por tanto tempo que poderia fazê-lo com os olhos fechados. "Então você era seu John para a noite, hein?" Kettle me deu um olhar de soslaio. Eu o ignorei, fascinado com a forma como Ronnie puxou a pele fechada com o fio preto. Eu sempre fui interessado em trauma, daí o motivo de ter a minha certificação de paramédico. Embora vendo isso acontecer com alguém que eu realmente gostava me dava uma sensação no meu estômago que eu não experimentava desde que minha mãe foi diagnosticada com câncer. Era um sentimento que eu não gostava muito, e um que recusei a examinar muito de perto. 20

John: é o cara muito atraente, agradável e inteligente, basicamente um Deus


"Sim, ele é um grande chefe," Channing falou confusa. Kettle e Sebastian ambos desataram a rir, e Ronnie estava sorrindo como um louco, mas ele não disse nada. "É essa a garota?" Kettle perguntou uma vez que ele recuperou a compostura. "Sim," eu confirmei. "Ela é a razão pela qual você ainda não abandonou a área?" Perguntou Sebastian. Virei-me para ele, indiferente em relação ao seu rosto por alguns longos momentos antes de responder. “Na verdade, não. Há algumas coisas acontecendo com este caso que eu deveria colocá-lo a par. Ele provavelmente não irá afetá-lo, e não poderia te dizer tudo isso, mas gostaria que você soubesse... só no caso." "Estou livre amanhã. Venha para casa para o café da manhã. Traga a sua garota. Não venha antes das dez," Sebastian instruiu antes de sair e deixar Kettle e eu ali de pé. Kettle assistiu o vice-presidente ir, e, em seguida, virou-se para mim. "Viddy e Adeline falaram," disse ele lentamente. Eu levantei minha sobrancelha para ele em questão. "E?" "Talvez sua garota gostasse de se juntar e conversar com elas em algum momento. Elas sentem como se propositadamente você não está trazendo-a porque ela está com medo do clube. Disseram que a sua garota enlouquece quando Trance chega perto," disse ele. Eu olhei para trás para Channing que quase tinha acabado de receber seus pontos. "Não é o clube, necessariamente, mas policiais. Ela estava... sim. Eu realmente não quero falar sobre isso, são informações dela para compartilhar. Mas basta dizer, que ela não teve uma boa experiência com um policial quando tinha dezesseis anos, e isso a deixou desconfiada. Vou levá-la amanhã, se ela estiver bem. Não deixe eles fofocarem sobre ela embora. Ela já está autoconsciente o suficiente. " Ele assentiu. "Tenho que ir. Estávamos no meio do jantar quando chegou esse chamado. Nos vemos mais tarde."


"Até mais tarde," eu disse. Quarenta e cinco minutos mais tarde, eu estava andando com Channing em frente à sua porta. "Você vai fazer isso?" Ela perguntou enquanto procurava através de sua bolsa. "Me dá urticárias estar sujeita a uma restrição. Você se lembra daquele jogo onde você tinha que tentar encaixar todas as peças em uma pequena caixa antes que o tempo terminasse e colocar todas as peças de novo? Essa é a maneira que eu sinto quando estou desarmando o alarme." Eu sorri quando peguei as chaves dela, abri-a, e facilmente desarmei o alarme. Nós acabamos de passar através da porta quando meu pager tocou. "Foda-se," eu gemi e olhei para o pager. Retirando meu telefone, liguei para a central com uma sensação de peso na boca do estômago. "Aqui é o detetive Rector, acabei de receber uma mensagem," eu disse calmamente, tentando conter as emoções turbulentas, tentando me convencer de não espalhar minhas entranhas por todo o chão de azulejos brancos da porta de Channing. "Detetive Rector, temos um suspeito de homicídio no posto de gasolina na June com a Trail Road. Você está disponível para liderar?" Perguntou despachante. "10-4. Estarei lá em vinte minutos," eu confirmei e desliguei. Virando-me encontrei Channing me olhando preocupada. “Isso acontece muito? ” Coloquei o telefone de volta no meu bolso, olhei para ela de perto, estudando sua disposição, muito relutante em deixá-la aqui sozinha depois dela ter acabado de ser ferida. "Você está calmamente.

bem

para

ser

deixada

sozinha?"

Perguntei-lhe


Ela não iria realmente ser deixada sozinha. Eu tinha algumas possibilidades de manter um olho na casa, mas perguntei-lhe de qualquer maneira. Ela assentiu com a cabeça. "Estou bem." Ela não parecia bem. Ela olhou desconfiada. "Se precisar de mim, você vai me ligar, certo?" Perguntei. Ela assentiu com a cabeça, mas parou no meio da cabeça. "Eu não tenho o seu número." Eu queria me bater na cabeça. Pegando o meu telefone do meu bolso, disquei o número dela. Seu telefone tocou no seu bolso de trás, mas ela não chegou a pegar ele. Uma vez que eu estava certo de que ela tinha o meu número, coloquei meu próprio telefone longe e caminhei até ela, até que nossos lábios ficaram apenas milímetros de distância. "Fique bem," eu disse contra seus lábios. Eu senti seus lábios se abrirem em um sorriso debaixo do meu quando ela respondeu. "Sempre."

Eu sabia, logo que me dirigi para a rua Juneque que este caso estava relacionado com aquele de dois dias atrás. Quando cheguei na unidade, estacionei ao lado da faixa de isolamento que agora abrangia a totalidade do lote, olhei para o outro lado da rua onde Channing e eu estávamos há nem mesmo duas horas atrás. A saída da frente da casa funerária era diretamente em frente ao posto de gasolina em que a vítima morreu, e a porta lateral onde


tínhamos saído compartilhava a mesma rua lateral que o posto de gasolina. O que significava que nós caminhamos do lado de fora quase no mesmo tempo que o homem estava sendo assassinado em frente a nós. "Maldição," eu disse quando me arrastei para fora do carro. A primeira pessoa a caminhar até mim foi Tunnel Morrison, e eu sabia que ele estar aqui como o primeiro agente para o segundo assassinato não era uma coincidência, também. "Você foi o primeiro na cena?" Perguntei, rezando por uma resposta diferente da que eu sabia que estava prestes a sair de sua boca. Ele balançou a cabeça tristemente. "Sim senhor." Sua voz era baixa e grave. Ele sabia tão bem como eu o que isso significava. Tivemos um assassino em nossas mãos. Um que tinha o meu nome gravado na borda de sua espada. Ele foi atrás de mim, e ele queria que eu soubesse disso. "Diga-me o que você sabe," eu disse para Tunnel enquanto caminhávamos para a cena. Ele se virou e andou ao meu lado. "Cheguei depois que o funcionário da conveniência nos chamou por causa de um cachorro latindo na parte de trás de sua loja. Era o celular da vítima tocando. Sua esposa estava preocupada porque o homem era suposto estar em casa há mais de uma hora atrás. Ele para aqui todas as noites para um pacote de seis cervejas e um bilhete de raspadinha. O RG dele o identifica como Brian Jones, de 32 anos," ele disse limpando a garganta. "Ele tem facadas no peito e pescoço. As roupas estão em uma pilha perto da porta dos fundos." Vinte minutos mais tarde, eu tinha observado a cena e, em seguida, entreguei-o para os técnicos da cena do crime para fazer a sua magia. Encontrei-me diante do meu chefe, e um olhar de fúria assombroso estava gravado por todo o seu rosto. "Diga-me o que você sabe," Cabe exigiu.


Depois de lhe dizer como pensava que os casos estavam relacionados e porque, eu finalizei com uma última declaração suculenta. "Maldição, ele está apenas brincando comigo. Ele sabia que apagar as luzes iria me tirar de lá. Ele também sabia que eu seria o único a ser chamado neste caso devido à sua semelhança com o último assassinato. Ele queria que fosse eu quem assumisse o caso." Cabe balançou a cabeça. "Eu não vejo como poderia ser de Varian. Ele entregou os oito homens, que estão agora sob a custódia do DPB. Eles estão em uma viagem para a prisão do condado de manhã." Eu sabia que só porque ele desistiu de alguns nomes, não significava que iria desistir de todos eles. "Ele tem pelo menos mais um lá fora. Este cara deve ser seu parceiro, ou o braço direito. Ele sabe, que Varian não vai desistir dele; é por isso que ele está me provocando. Ele acha que vai ser capaz de sair ileso, e garanto-lhe que ele tem um plano para obter Varian fora também. É apenas um instinto agora. Eu não posso provar isso, mas por que outro motivo ele desistiu tão facilmente?" Cabe observava a cena do crime, os técnicos fazendo o seu trabalho por quase cinco minutos enquanto ele pensava sobre o que ia dizer. Finalmente, ele se virou e começou a fazer perguntas. "Você já interrogou os homens? Falou com os vizinhos, bem como os seus trabalhadores." Eu balancei a cabeça uma vez. Eu já tinha planejado fazer isso na parte da manhã. "Eu preciso de alguém com Channing," eu disse a ele. "O departamento já está no limite de recursos para isso. Eu acho que é hora de você puxar o seu clube. Não a leve para fora do quadro completamente, no entanto. Ela desempenha um papel nele de alguma forma, e você pode precisar dela para encorajar quem quer que seja lá fora, " disse ele. "Eu não vou usá-la como isca." Eu gritei. Ele revirou os olhos para o céu. "Eu disse-lhe para usá-la como isca? Além disso, minha esposa tem um carinho pela mulher, e eu tenho um carinho pela a minha esposa. Se eu deixar alguma coisa acontecer com Channing, me seria negado o meu lugar favorito no mundo. Deus


ajude tudo e todos se minha esposa se separar de mim. Todos estariam sentindo isso se viesse a acontecer." Depois que o chefe saiu, liguei para Tunnel. "Venha até a casa de Sebastian na parte da manhã. Dez ou mais. Temos algumas coisas para trabalhar," ordenei. Ele me cumprimentou. "Sim, sim." Eu desliguei e sai, observando a multidão que tinha se reunido desde que cheguei. Ninguém em particular se destacou, mas eu tinha a sensação de que o assassino, quem quer que ele seja, estava lá. Observando as atividades acontecendo em sua cena do crime, e se divertindo enquanto observava.


"Tem certeza de que todos não vão olhar para mim o tempo todo?" Perguntei quando, relutantemente, caminhei até a calçada. Era dez e meia da manhã, e já estávamos trinta minutos atrasados, de acordo com Loki. No entanto, eu não poderia fazer meus pés se moverem. E se eles não gostarem de mim? E se eles acharem que sou uma cadela, quando na realidade eu sou apenas uma pessoa tímida? "Não, eles não vão ficar olhando para você. Foi Sebastian que disse para trazê-la. Vai ficar tudo bem, eu prometo. Eles são a minha família," disse com aqueles olhos que me obrigavam a fazer qualquer coisa por ele. Por exemplo, esta manhã, fiz rabanadas, apesar do meu estômago estar revirando com o pensamento de conhecer o seu clube. E eu tinha feito isso com a porra de um sorriso no meu rosto. "Não me deixe, ok?" Implorei a ele. Ele piscou para mim. "Veremos. Eu não vou deixar, até você conhecer as mulheres. E mesmo se eu fizer, não vou longe."


Após esse anúncio, ele bateu na porta, efetivamente sufocando a réplica afiada que estava na ponta da minha língua. Ele sabia disso, também, o olhar em seu rosto era uma indicação. Mostrando minha língua para ele em desafio, dei um tapa em sua bunda assim que a porta se abriu e uma mulher muito bonita com o cabelo loiro comprido até o meio das costas apareceu. Ela também tinha em seu quadril a criança mais bonita que já tinha visto. "Woki!" A garota gritou e se lançou nos braços de Loki. Ela era bonita. Quero dizer, realmente bonita. E com Loki a segurando em seus braços como se ela fosse um anjo precioso, era exponencialmente mais bonita. "Oi, Blaise. Como você está hoje? " Perguntou Loki. Não houve conversa de bebê na sua pergunta, o que me surpreendeu. Não era apenas uma coisa natural a se fazer, falar com eles como se fossem crianças, e não adultos? Loki falou com ela como se fosse um adulto, mas Blaise adorou. Ela agarrou seu rosto e apertou os lábios no rosto desalinhado. "Tudo bem," disse a voz mais fofa que já ouvi. Eu não era uma grande fã de crianças. Só tinha experiência com crianças que não eram minhas ou da família. Ouvi dizer que uma vez que tivesse meus filhos, minha visão sobre as crianças iria mudar, mas não tinha encontrado uma criança que gostasse ainda. Até esta. "Essa é a minha filha, Blaise," disse a loira. "Eu sou Baylee." Ela estendeu a mão para mim, e eu ofereci automaticamente a machucada a ela por hábito. "Oh, essa é a famosa mão que se cortou enquanto você e Loki faziam algum jogo de sexo BDSM?" Perguntou com um tom malicioso na sua voz. Eu olhei para ela como se fosse louca. "Não, eu cortei no crachá de Loki. Doeu muito, também." Baylee deu um sorriso secreto para Loki, em seguida, abriu mais a porta. "Entre."


Loki entrou primeiro, cortando meu questionamento sobre o que era aquele sorriso após a pergunta jogo de faca21, e o segui. Ele nos levou a uma sala enorme, aberta. Estou falando gigantesca. O teto tinha uns cinco metros de altura, com grandes vigas marrons que revestiam os cumes do forro. Na verdade, era tão grande que a sala tinha três ventiladores de teto fixados em uma coluna longa que atravessava a sala. Ela era decorada de uma forma rústica, com mobiliário em pátina, um grande sofá de couro marrom, e uma TV de plasma enorme na parede. Não havia cabos ou qualquer coisa, e eu distraidamente me perguntei como eles os esconderam. "Oi, Channing," uma voz masculina profunda disse diretamente na minha frente. Eu pulei e virei minha cabeça do estudo da televisão sem fio para o homem alto, de pé diante de mim. Ele parecia vagamente familiar, mas eu não conseguia lembrar. "Olá," eu disse suavemente. Grandes homens sempre me intimidavam, mas esse era quase do tamanho exato do pseudo oficial da polícia que tinha me atacado. Seu corpo era robusto, e tinha músculos que cresciam com o menor esforço. Seu cabelo era castanho, e seus olhos eram castanhos cor de mel. Felizmente, seus olhos eram calorosos e amigáveis. Seu sorriso me mostrou que estava genuinamente feliz em me ver, e eu relaxei instantaneamente. Este deve ser Wardens. O bombeiro.

Sebastian. O

vice-presidente

de

The

Dixie

Eu gosto de bombeiros.

Jogo de faca: é um jogo usado no BDSM que envolve fazer arranhões, geralmente envolve uma forma de jogo de medo 21


"Você não se lembra de ontem à noite, não é?" Ele perguntou com um sorriso largo no rosto. Balancei a cabeça, sentindo meu cabelo, preso em um rabo de cavalo, balançar nas minhas costas com o movimento. "Não." Arrastei o 'a' enquanto falei, colocando ênfase no fato de que eu não conseguia me lembrar de nada sobre a noite passada além dos acontecimentos que levaram a me machucar, e de quando já estávamos chegando em casa. Sebastian e Loki trocaram um olhar secreto novamente, fazendo meus olhos estreitar sobre os dois. "Por que você está trocando olhares com os outros? O que eu fiz?" Perguntei a Loki. "Eu," disse ele, "irei lhe dizer mais tarde." Cruzei os braços sobre o peito. "Você pode me dizer agora..." Minha voz sumiu quando o telefone de Loki tocou, e ele entregando a menina ao pai, saiu da sala sem olhar para trás. "Bem, não foi apenas conveniente," murmurei para ninguém em particular. Tanta coisa para não me deixar. O grande homem segurando sua filha bufou. "Você pode dizer isso de novo. Ele está nos evitando há meses." Minha atenção foi de sua filha para ele. "O que você quer dizer?" "Ele não vem em uma corrida conosco há mais de seis meses. Continua fugindo no último minuto. Não vem ao clube. Seu melhor amigo não tem sequer visto ele em semanas agora," explicou. Ele soou como se seu cachorro tivesse sido atropelado por um caminhão. "Sinto muito," disse. Eu estava realmente triste para o fato de que seus amigos pensavam que ele havia mudado, mas realmente não sei o que dizer sobre isso. Loki tinha sido o mesmo desde que eu o conheci. Ele era apaixonado por seu trabalho. Ele se preocupava com sua


comunidade. Ele era um bom homem, e um policial ainda melhor. Era tão ruim assim? "Nada que você fez, querida," caminhávamos para a cozinha.

disse

Sebastian

enquanto

Ele colocou Blaise no chão. Sua filha seguiu seus pais quando caminhamos até a ilha de granito. Fiquei com Baylee e Sebastian ambos me olhando com curiosidade. "O que? Eu tenho algo em meus dentes?" Perguntei, preocupada. Baylee riu. "Não, nós somos apenas curiosos. Estivemos pensando sobre você por um longo tempo." "Eu? Por quê? " Surpresa atando a minha voz. Baylee se ocupou em quebrar ovos em uma tigela enquanto falava. "Nós ouvimos muito sobre você, mas realmente não vimos você. Loki estava disfarçado, e, em seguida, fora da cidade por tanto tempo que começamos a nos perguntar se ele já tinha colocado juízo na cabeça e feito um movimento," explicou ela calmamente. Vi quando ela quebrou os ovos com um garfo, e, em seguida, derramou-os em uma frigideira. "Oh, bem, nunca foi sua culpa. Era minha. Eu tenho um certo problema com policiais," disse. "Papai! Eu estou fazendo cocô!" A voz de um jovem rapaz seguiu a minha declaração. "Blaise está brincando com o creme de barbear!" Sebastian amaldiçoou e correu para fora da sala após a criança que eu ainda não tinha visto, desaparecer. Baylee continuou cozinhando como se o fato de que sua filha brincava com creme de barbear não tinha nenhuma consequência para ela. "O que você interrogativamente.

tem

contra

a

polícia?"

Ela

perguntou

Olhando ao redor da sala, verifiquei se estava vazia antes de explicar.


"Quando tinha dezesseis anos, fui parada por um carro da polícia sem identificação. Ou o que eu pensava na época ser um carro da polícia. Tinha as luzes, e até mesmo a sirene. Quando estacionei, ele se aproximou da minha janela do lado do passageiro e me pediu para sair. O que eu não descobri até mais tarde é que estava fingindo ser um policial, e já tinha estuprado três mulheres em outros dois estados. Eu era sua quarta vítima, ou teria sido se não fosse por alguns adolescentes que tentavam empurrar um carro a meia quadra abaixo de nós. Sua quinta vítima foi morta, e eles o pegaram em Mississippi três dias depois de tentar fazer a mesma coisa de novo," eu disse calmamente. Por que eu apenas disse tudo isso para uma verdadeira estranha, não sabia. Mas Baylee era fácil de conversar. Ela só ficou cozinhando seus ovos mexidos, e ao menos não me julgou. Também não me incomodou saber que ela se importava com Loki, e só queria o melhor para ele. Eu vi o carinho em seus olhos por ele quando abriu a porta. "Será que Loki sabe o que aconteceu?" Perguntou olhando para a porta atrás de mim rapidamente. Eu deixei meus olhos vagarem até a porta para encontrar Sebastian encostado, seus olhos em seus pés e as mãos apertadas em punhos ao seu lado. Olhando para longe de sua figura poderosa rapidamente, balancei a cabeça em afirmação. "Sim, a maior parte. Eu não entrei em detalhes com ele, mas acredito que Cabe contou a ele o que sabia sobre isso. Ou pelo menos eu espero. Não é realmente algo que eu gostaria de reviver tanto assim." A campainha tocou, e passos pesados foram da porta da cozinha, através da sala de estar, e pararam na porta da frente para deixar alguém entrar. Uma mistura de ruídos veio da sala de estar, levantei e me aproximei da porta e observei a sala encher com pessoas. Alguns usavam coletes de couro, enquanto outros usavam camisetas comuns; até Trance estava lá. Mas ele estava em seu uniforme da polícia, e eu imediatamente endureci com a visão dele.


"Trance trabalha com um policial K-9," Baylee disse calmamente atrás de mim. “Ele é um dos homens mais doces que já conheci, e ele ama muito sua esposa. Na semana passada, vi ele escolher botas de cowboy para bebê, para seu novo sobrinho. A esposa de Trance é gêmea. Eu prometo, ele não estaria em casa com os meus filhos se fosse uma pessoa ruim." Eu relaxei um pouco enquanto ela falava, e finalmente relaxei o suficiente para estudar Trance. Ele tinha cabelos loiro crespos, e seu corpo era menor do que o de Loki, mas não menos poderoso. Ele parecia bem definido em seu uniforme azul marinho da polícia, e o cão ao seu lado era lindo. "Ele tem olhos de cores diferentes. Ele é lindo," eu disse, surpresa. Baylee explodiu em gargalhada e cobriu a boca com a mão. "Faça o que fizer, não diga isso na frente dele. Ele é muito sensível sobre sua aparência." Meus olhos mudaram de Trance para os outros homens na sala. O mais velho lembrei de ver quando Loki os recebeu do lado de fora da sua casa apenas com sua toalha. O homem era difícil de esquecer com os cabelos grisalhos, corpo musculoso, motoqueiro, colete de couro e seu cavanhaque que descia até o meio do peito. O fato de que isso estava trançado não ajudava, também. O homem parecia durão. Na verdade, se eu fosse imaginar alguém para retratar o que seria a semelhança de um motoqueiro, seria certamente ele. "Quem é o cara com a barba?" Sussurrei. Baylee olhou ao redor da sala com os lábios franzidos. "Há uns quatro homens na sala com barbas. Você quer dizer Silas, aquele com o cabelo grisalho? O que você está olhando agora." Eu balancei a cabeça. "Sim, ele."


"Esse é o pai de Sebastian, Silas. Ele é o presidente do The Dixie Wardens. Também é um cretino em primeiro lugar, não o leve a mal," ela me informou. Olhei para o homem com espanto. "O que ele faz? Ele está em muito boa forma, apesar do fato de que é muito velho." "Ouvi isso, garota. Tenho ouvidos como de um falcão, foda-se idiota." Silas falou do outro lado da sala, fazendo Baylee e eu saltar. Eu olhei para ele e acenei parcialmente com culpa antes de correr de volta para a cozinha, o rosto ardendo. "Oops," murmurei, sentando no canto da sala para que eu tivesse a parede nas minhas costas e na lateral. Além disso, me permitia ver quem entrava na cozinha sem andar atrás de mim e me assustar. Não seria bom me envergonhar na frente de todos. "O que está acontecendo? É o aniversário de alguém ou alguma coisa? Por que todas essas pessoas aqui? " Perguntei. “Loki e Sebastian convocaram uma reunião, aparentemente. Embora, realmente não sei muito mais do que isso. Sebastian chegou em casa me dizendo que ele viu você e Loki no hospital na noite passada, e que vocês estavam vindo para um café da manhã para discutir alguns assuntos do clube.” Baylee disse. Apertei os lábios. “Então... o que foi que eu disse no hospital na noite passada?”

"Você tem certeza disso? Eu não tenho certeza sobre isso. Isto não parece que vai ser saboroso... ou funcionar," eu me preocupei. "Isso vai funcionar, vi no Facebook. Uma amiga fez para a filha levar no jardim de infância, e foi um grande sucesso," disse Baylee com entusiasmo.


Olhei para a metade da banana que eu tinha sobre um palito, e a tigela de chocolate derretido que ela queria que a mergulhasse, e pensei 'foda-se.’ Avançando, mergulhei toda a coisa no novamente para fora.

chocolate e puxei

O chocolate revestiu toda a banana, e depois vazou parcialmente pelo palito. Eu rolei o palito entre os meus dedos enquanto observei os pedaços finais de chocolate gotejar, caindo na mistura antes de colocá-lo sobre o papel manteiga ao lado da tigela. Baylee estava fazendo o mesmo do seu lado, enquanto esperávamos por qualquer reunião secreta que os homens estavam, fazendo. Quando tentei encontrar Loki, deparei-me com uma barreira de homens me olhando, nenhum dos quais eram o Loki, e recuei de volta para a cozinha, e Baylee. "Quantos desses você tem que fazer?" Quis saber. Ela decorou o pirulito de banana que estava trabalhando e alcançou um novo quando respondeu. “Eles têm vinte e dois em sua classe, um professor e um auxiliar do professor. Então, vou fazer vinte e quatro. Será que está bom?" Me pareceu bom. "Sim." Trabalhamos lado a lado durante os próximos vinte minutos, enquanto falamos sobre o nosso trabalho, assim como os bombeiros e o departamento de polícia que alguns dos homens em The Dixie Wardens trabalhavam. "Por que você não trabalha aqui?" Eu questionei com curiosidade. Ela me disse que trabalhava em Kilgore, Texas. O que era quase uma hora de distância de onde estávamos agora. Pareceu-me lógico que se o seu marido trabalha no departamento de bombeiros local, então ela gostaria de estar no departamento em que ele trabalhava. Sem falar que era quase uma hora mais perto. Isso era um inferno de uma viagem para fazer a cada três dias.


"Benton Corpo de Bombeiros é realmente um pequeno departamento. Só recentemente adquiriram três caminhões. Dois no lado norte da cidade, e um no lado sul. Eles só têm duas ambulâncias, e já têm os cargos preenchidos por paramédicos," explicou. "Talvez um dia eu pense em trabalhar no departamento, mas gosto de onde estou. Também não acho que poderia lidar trabalhar com o Sebastian. Ele é muito mandão, e acho que não seria capaz de me impedir de mandar ele se foder." Sorri. "Isso seria divertido de ver." Eu só podia imaginar Sebastian dando a Baylee uma ordem de algum tipo. Então ela sem escrúpulo na frente de todo o departamento, dizendo-lhe para ir 'se foder'. Isso seria eternamente lembrado. "Eu entendo porque você não quer trabalhar com seu marido. Posso imaginar o quão assustador Loki seria se eu trabalhasse com ele. Ele me envolveria em algodão, então, provavelmente, levaria um tiro no processo, porque estaria muito ocupado se preocupando comigo, em vez do seu próprio rabo." Concordei. Baylee bufou. "Não é nada além da verdade. Eu tive a minha própria forma de proteção a partir desses caras. Eles não gostam quando suas mulheres estão em perigo. Confie em mim." "Aposte sua bunda, docinho," a voz profunda de Sebastian disse atrás de nós. Em seguida, o som inconfundível de uma mão encontrando a parte carnuda de uma bunda soa no ar, seguido pelo grito de indignação de Baylee. "Sebastian, seu grande merda. Você fez eu sujar meus dedos com chocolate!" Virei a tempo de ver Sebastian colocar os dedos de Baylee em sua boca e lamber. Meus olhos voltaram imediatamente para o que eu estava fazendo enquanto minhas bochechas inflamaram. Uma mão quente deslizando do meu quadril para o meu estômago me fez virar a cabeça para o lado e acima para encontrar o rosto divertido de Loki.


Seu grande corpo tremia com a risada silenciosa, na incômoda posição em que eu estava, e o grau de vermelhidão que ainda tingia meu rosto. "O que você está fazendo?" Ele perguntou curiosamente, enquanto me observava mergulhar outra banana em um palito para o não-maistão-derretido chocolate. "Banana coberta com chocolate para a festa da classe do jardim de infância de Johnny amanhã." Informei a ele. Seus olhos passaram da banana em minha mão para os prontos, secando no papel manteiga, e as sobrancelhas franziram. "Sebastian, você viu o que elas estão fazendo para a festa de Natal do seu filho?" Perguntou Loki. Meus olhos passaram da testa franzida de Loki para Sebastian, e a expressão em seu rosto era cômica. "O que diabos você está fazendo, Baylee?" Exclamou. "Banana com cober... oh porra!" Baylee gritou. "Que diabos, a foto que Winter me mostrou não se parecia com isso!" Winter, explicou, era sua parceira no Corpo de Bombeiros Kilgore. Winter fez isso para um churrasco de família, e eles tinham sido um grande sucesso com as crianças. "O que há de errado com eles?" Perguntei, confusa. Eu não vejo nada de errado com eles, quero dizer, com certeza, olhando para eles eram um pouco confusos. A parte externa tinha gotas de chocolate que corriam ao longo do comprimento da banana em riachos, dando um efeito de veia. E o chocolate tinha se amontoado mais, cerca de um centímetro abaixo da ponta da... caramba! "Eles se parecem paus cobertos de chocolate!" Eu gritei. "E aqui está," Loki sorriu quando me puxou para mais perto do seu corpo. "Não posso dar isso a um grupo de crianças de cinco anos!" Gritou Baylee.


Sebastian pegou um palito de chocolate de pau... bananas, e ergueu-o para a inspeção. Em seguida, ele me surpreendeu, e amavelmente deu uma mordida na mistura. "É muito bom," Sebastian ofereceu. "Você não pode levá-los para a escola, mas os caras vão comê-los. Eles não vão para o lixo." Loki seguiu o exemplo, agarrando seis dos paus coberto de chocolate secos separados e entrou na sala de estar. Seguimos atrás dele, Baylee e eu, lado a lado, enquanto nós assistimos ele passar os paus para os homens restantes na sala. Havia apenas sete agora, e cada um deles pegou as criações com um olhar desconfiado, mas mesmo assim deram uma mordida de qualquer maneira. "Este é o melhor pau que já provei," o velho que parecia Papai Noel exclamou. Baylee e eu sorrimos quando Trance virou-se para o velho. "Espero que seja o único pau que você já provou." Papai Noel franziu os lábios. "Você não gostaria de saber?" Ele perguntou timidamente. "Quem é o Papai Noel?" Perguntei em voz baixa. Bem, obviamente, minha voz baixa e o resto da sala silenciosa não ajudou, porque assim que perguntei isso, todos se viraram para mim. Congelei quando me olhos; especialmente Trance.

tornei

o

foco

de

todos

esses

Antes, ele parecia bastante normal passando um tempo com seus amigos, apesar de seu uniforme. No entanto, não há como se esconder daqueles olhos. Os olhos que diziam a todos apenas quem ele era, e do que era capaz. Eles podem ser bonitos, um azul e um verde, mas não eram nada acolhedores. Seus olhos foram perspicazes quando ele me estudou. Assim como tinham sido as duas outras vezes que eu o vi antes. Eles também foram calculados, me avaliando e registrando.


Focou em meus abraços, que estavam cruzados com força em meu peito, meus olhos que estavam tentando olhar para ele, mas sem sucesso. Minha aparência. Meu tudo. Senti como se minha pele estivesse rastejando. Como se tivesse coisas debaixo da minha pele, fazendo-a coçar. Meus olhos começaram a lacrimejar, e meu coração começou a bater forte. Eu podia sentir os sintomas reveladores que indicavam que um ataque de pânico se aproximava e começava a assumir. Podia ouvir a voz preocupada de Baylee ao meu lado, falando desesperadamente, mas não podia reconhecê-la. Eu não conseguia desviar o olhar dos olhos hipnotizantes de Trance. Então, algo maravilhoso aconteceu. O peito de Loki entrou na minha linha de visão. O distintivo que estava pendurado em seu pescoço entrou em exibição, seguido por suas mãos, que vieram para segurar o meu rosto. "Você está segura, querida. Estou bem aqui. Trance nunca vai machucar você, eu prometo." Loki sussurrou em meu ouvido. Meus olhos se moveram da corrente segurando seu distintivo para seus olhos azuis pálidos, e voltei a mim. "Estou bem," disse asperamente. "Eu sei," ele disse de volta rudemente. Ele me puxou para o seu peito, e enterrei meu rosto na curva do seu pescoço, na ponta dos pés para que eu pudesse envolver meus braços ao redor de seus ombros. Assim que sua pele tocou a minha, senti como fria e suada eu estava. Tremendo, segurei mais apertado enquanto seus braços em volta das minhas costas, me puxava para perto. Seu coração estava trovejando igual ao meu, e percebi que eu o tinha assustado. "Sinto muito." Me desculpei. "Não é culpa sua, Channing. Nunca foi sua culpa." Justificou.


Tremi um pouco. "Eu sei. Agora, vamos me apresente aos seus amigos desde que não vamos para nenhum lugar; eu quero ser capaz de respirar, sair da sala. " Seus olhos ficaram distantes por um segundo, e então ele sorriu lentamente. "Claro, vamos." Ele segurou minha mão com força, a minha pequena entrelaçada em sua grande, e nós caminhamos para a sala. Todos voltaram a comer seu pau coberto de chocolate; alguns tinham acabado e seguravam os palitos vazios. Papai Noel foi o primeiro a me reconhecer. "Gostaria de sentar no meu colo e me dizer o que você quer para o Natal?" Seu sorriso era contagiante, e me vi caminhando em direção a ele. Eu me sentaria no colo dele também, se Loki não tivesse me agarrado pela cintura e nós dois sentássemos na cadeira mais próxima. Caí em seu colo duramente, fazendo um "oomph," escapar de sua boca. Minha bunda deslizou, e o osso da minha bunda encontrou o globo do seu chaveiro, levando-me a mudar mais do meu peso para a outra perna. O que também não ajudou, já que ele tinha dois cartuchos de bala no outro bolso. Portanto, equilibrei meu peso para o meio, e me recostei em seu peito, descansando minha cabeça contra ele. "Você tem muitas coisas em seus bolsos," sugeri. Ele deu de ombros. "Elas são necessárias." Revirei os olhos para o teto, pegando os olhos divertidos de Trance. Eu sorri para ele, hesitante, e ele devolveu o sorriso. Seus olhos aqueceram, e a máscara policial escorregou do seu rosto como se nunca estivesse lá. "O nome do Papai Noel na verdade é Dixie, embora, depois dos últimos dois anos e todas as mulheres, ele vai responder a Papai Noel em


certas ocasiões. Você conheceu Trance e Sebastian. Na extrema direita e no canto é Tunnel Morrison, que é um policial no DPB22." Tunnel estava sentado numa banqueta acolchoada no mesmo canto da sala. Ele era jovem como eu, cerca de vinte e cinco anos mais ou menos, com o cabelo loiro escuro, e um sorriso de matar. Ele ergueu a mão para acenar, mas não disse nada quando Loki continuou. "O homem no canto é chamado de Cleo. Ele é outro membro do The Dixie Wardens, bem como um enfermeiro de voo/paramédico em Shreveport. " Cleo era lindo de morrer. Ele tinha a pele profundamente bronzeada, olhos cinzentos que eram quase negros, cabelo preto, cílios longos pretos, e usava roupas pretas. Ele era um dos homens mais sexy que eu já vi, e intimidante como o inferno. "Olá," ele disse profundamente. "Oi," respondi de volta timidamente. "E, finalmente, temos Sterling, mas nós gostamos de chamá-lo de Kraken. Ele está de licença da Marinha. Ele é um SEAL. Irmão malvado da Guarda Costeira. " Loki zombou. Sterling mostrou-lhe o dedo sem interromper o consumo de sua cerveja. Sterling era definitivamente o mais jovem do grupo, o que não tirava o seu apelo. Ele era completamente coberto com tatuagens em ambos os braços. E o menino tinha braços grande. Ele poderia facilmente competir no departamento de massa muscular com Sebastian. Loki era musculoso, mas pequeno, e parecia malditamente excelente, mas ele não tinha a enorme massa que Sebastian e Sterling tinham, o que eu estava grata. Caso contrário, ele ficaria muito parecido com o homem que me atacou, e então nós realmente teríamos um problema.

22

Departamento de Polícia de Benton


"Sobre o que você está pensando? Você ficou tensa," perguntou em meu ouvido. "Nada. Não foi nada," me recusei a falar sobre isso. "Você está pronta para ir? Tenho que encontrar o chefe na delegacia em cerca de uma hora. " Explicou. Eu teria respondido, mas meu celular no bolso de trás começou a vibrar. Inclinando-me para que as chaves de Loki não cortasse a minha bunda gorda, peguei o telefone celular do meu bolso e atendi. "Alo?" "Ei, menina," a profunda voz áspera do meu pai, encheu meus ouvidos. Levantei-me com um grande sorriso no meu rosto. "Papai! O que está acontecendo?" Eu estava animada para falar com ele. A última vez que nos falamos, ele havia ido entregar uma carga em Michigan, e isso tinha sido há quase três semanas, o que foi um recorde para nós. "Deus, eu tenho uma história para você. Eu poderia explodir completamente sua mente com as minhas últimas três semanas. Parei na sua casa antes de ir para o lago. No entanto, você não está aqui, então só queria que soubesse onde vou estar," ele disse. "Ei! Estou no lago agora!" Exultei. "Para qual acampamento você está indo?" Não tinha a intenção de falar tão alto, mas estava animada para ver o meu pai. Fazia quase três meses desde que eu o tinha visto pela última vez, e estava com saudades. "Bodcau Dam, como normalmente faço, menina. Eu já reservei o acampamento para a semana," me informou. Meu pai aparecia geralmente em torno do Natal todos os anos, e permanecia em um acampamento local. Ele ficava em sua cabine do caminhão, que era o seu lar longe de casa, mesmo depois de todas as minhas tentativas de convencê-lo de outra forma.


Saltando sobre as pontas dos meus pés, me virei na sala à procura de Sebastian. "Quão perto você está de Bodcau Dam?" "Muito. É ao virar da esquina. Você passou por cima da barragem no caminho para cá. Cerca de cinco minutos," disse. "Você ouviu isso, papai? Eu posso estar lá em cerca de cinco minutos," disse a ele. "Que tal eu apenas ir buscá-la? Quem está com você, afinal?" Ele perguntou. Eu sorri. Pobre Loki. "Estou com meu namorado na casa do seu amigo. Ele mora a cerca de cinco minutos da barragem. E eu posso...” Fui interrompida. "Qual é o endereço?" Perguntou em seu tom não brinque comigo. Virei-me para Sebastian novamente, mas ele tinha ouvido a pergunta e já foi estendendo a mão para o telefone. "Espere aí, papai. Sebastian vai lhe dizer o endereço," disse, pouco antes de entregar o telefone a ele. "Olá? Sim. Não. Sim. Dr. Lakeside No. 505. Uma vez que você chegar a barragem, são cerca de três quilômetros e pegue a primeira à esquerda. A segunda casa à direita." Sebastian devolveu o telefone para mim, e não me surpreendi que ele já tinha desligado. O rosto de Sebastian estava cheio de diversão quando olhou para mim, e, em seguida, virou-se para olhar para Loki. "Você está pronto para isso?" Eu também me virei para encontrar a cabeça de Loki descansando no sofá, os olhos fechados. Seus lábios estavam com os cantos voltados para cima. "Claro que sim. Apenas o que cada homem quer é apanhar do pai caminhoneiro da sua namorada." "Ele não vai bater em você. Ele vai te dar merda, mas não vai bater em você." Expliquei.


Meu pai era um grande homem na minha opinião e protetor. Ele estava realmente preocupado com seu bebê, e odiava qualquer homem que eu namorava, princípio geral. E então meu ataque aconteceu, e levou tudo que eu tinha para não correr quando estava a uma curta distância de qualquer homem. Eu tive que convencer meu pai, em numerosas ocasiões, que iria deixá-lo saber no segundo que eu tivesse sentimentos por um cara de modo que meu pai poderia verifica-lo. O que tinha deixado de fazer. Durante muito tempo, agora. "O que quer que você faça... diga-lhe que acabou de me conhecer. Ok?" Eu implorei. Pelo olhar no rosto de Loki, eu sabia que ele não iria junto com meu plano; mas uma garota poderia ter esperança.


"Pelo menos não se apresente como se já nos conhecêssemos há quase nove meses agora... está bem?" Ela implorou, olhando com cautela de mim para o caminhão semirreboque sans vermelho que estacionou. Olhei para seus preocupados olhos verdes. "Vou fazer o melhor que posso, mas não estou prometendo nada," concordei com relutância. Ela assentiu com a cabeça uma vez. "Apenas faça a vontade dele. Ele vai estar puto. E vai tentar intimidá-lo. Não deixe. E não o machuque." Não sei o que, exatamente, estava esperando acontecer. No entanto, o homem que pisou para fora do caminhão era do tamanho de Channing. Em altura e corpo. Ele também parecia muito com ela, só que tinha o cabelo vermelho flamejante, e uma barba que poderia rivalizar com Silas. O olhar que pousou em mim quando avistou meu braço em torno da cintura de Channing não era um agradável, mas estaria ferrado se eu mudasse isso. "Seja bom," disse ela em advertência. "Eu vou tentar," disse novamente. Na minha garantia, ela decolou em uma corrida e trombou em seu pai.


Ele a pegou com facilidade, forte e estável, passando as mãos em torno de sua garota e enterrando a barba espessa na curva do seu pescoço. "Estava com saudades de você, menina," disse com a voz rouca. O homem era, obviamente, um fumante. Parecia que ele fumava nada menos do que um maço por dia. Mas cada um na sua. "Eu senti muito sua falta, papai. Estou feliz que você conseguiu voltar para o Natal," ela exclamou. "Eu não teria perdido o Natal com você por nada no mundo. Você sabe disso." Ambos ficaram quietos depois disso, e eu notei uma mudança no comportamento de ambos, como se estivessem se lembrando do que costumava ser. Eles ficaram envoltos nos braços um do outro por longos momentos antes de Channing soltar seu pai e caminhar de volta para mim. Meus braços foram do meu peito à volta da sua cintura. "Você é Bryce?" Ele perguntou quando olhou para as minhas mãos. Relutantemente a soltei, e ofereci minha mão para ele. "Bryce Reitor. Meus amigos me chamam de Loki," confirmei. "O nome dele é Colton," Channing deixou escapar. Ele olhou para mim ignorando a apresentação de sua filha. "Bem, Loki, parece que você e eu temos alguma conversa para pôr em dia. Vamos dar uma caminhada." Dando a Channing um pequeno beijo na bochecha, olhei para a janela onde eu podia ver claramente cada um dos homens e mulheres dentro da casa assistindo ao show, e fiz um gesto para Channing com a minha cabeça. Sebastian encontrou meus olhos e assentiu. Caminhei ao redor da casa, e virei em direção ao lago.


O pai de Channing caminhou ao meu lado, e nós dois ficamos em silêncio até que estávamos bem longe da casa. "O que você faz para viver?" Ele perguntou. Olhando para as ondas do lago, eu respondi. "Sou um detetive do Departamento de Polícia de Benton." Não tinha notado que ele tinha parado até que estava quase no píer. Virando-me, eu o encontrei me olhando de boca aberta. "Você tem que estar brincando comigo," disse em voz alta. Balancei a cabeça, e então apontei para o distintivo que tinha ficado por trás do meu colete de alguma forma. Então levantei meu colete e virei para que ele pudesse ver a arma na minha cintura. "Sei o que você está pensando, mas nós já tivemos nossos contratempos, e estamos trabalhando para ultrapassar isso. Ela não tem necessariamente um problema comigo, mas o meu melhor amigo, que é um oficial K-9 da DPB, ela ainda tem problemas com ele.” Disse calmamente. Ele começou a andar para a frente até que estava de pé diante de mim. Olhei para ele, me observando por longos segundos, antes de finalmente chegar a uma decisão. "Estive esperando muito tempo um homem como você aparecer. Talvez agora ela possa parar de ser tão assustada o tempo todo," disse asperamente antes de estender a mão para mim e me cumprimentar. Eu peguei. "Obrigado," apertei sua mão. "Eu daria minha vida por ela." "Ela merece isso e muito mais, meu rapaz," observou. "Posso dizer que você é um bom homem, no entanto. Você foi honesto comigo, e aprecio isso em um homem." Concordei. Ela merece. Sinceramente. Channing merecia mais do que eu, mas eu sabia reconhecer uma coisa boa, quando tinha uma. Razão pela qual o tópico do nosso próximo assunto não ia ser agradável, e não tinha certeza se ele iria levar isso muito bem.


Eu tinha que dizer a ele que a vida de Channing estava em perigo por minha causa, e sabia que ele ia me apresentar seu punho uma vez que eu tivesse terminado. Ele ficaria louco, e eu não o culparia nem um pouco. No entanto, não ia a lugar nenhum, e ele teria que forçar meus dedos longe dela antes de eu permitir que ela vá novamente. "Então deixe-me colocá-lo a par sobre como sua filha e eu nos conhecemos. Talvez você possa me oferecer algumas dicas sobre ela. O que você acha que eu deveria fazer," disse cansado. Então eu expliquei tudo o que tinha acontecido até este ponto. Eu disse a ele sobre a operação secreta. Como conheci sua filha. Sobre terminar a operação, e a intimação para depor. Sobre as ameaças de morte, e como eu a deixei por três meses para tentar ficar longe das ameaças. Mas também disse a ele o quanto eu me importava com Channing. Quanto eu queria mantê-la segura. Pedi conselhos sobre o que ele achava que eu deveria fazer quando se tratava dela, e surpreendentemente, foi muito bom. "Fale com ela. Ela tem uma cabeça inteligente em seus ombros. Ela também sabe quando recuar e correr. O que ela teria feito há muito tempo atrás, se você não tivesse de algum modo ganhado a confiança dela. Confie nela. Ela precisa ser necessária. E pelo que parece, você também," me disse sabiamente.

MAIS TARDE NAQUELA NOITE "Porra, mas eu disse ao imbecil que ninguém estava autorizado a abrir o container, mas ele foi persistente. Colocou-me em algemas quando me recusei a abrir. Então fui obrigado a ver quando ele quebrou o selo eletrônico nas portas traseiras," Colton gemeu. "Abriu as portas, e vejo da minha posição na parte de trás do carro da polícia quando ele


percebe o que tinha acabado de fazer. Dez minutos depois, ouço o whomp-whomp-whomp, de dois Apaches vindo em nossa direção na porra de um beco. Oficial Dick move-se fora da parte traseira do container para ver os homens começarem a interceptar a porra dos Apaches e pousar no chão. Eles estavam apontando armas em todo mundo, e eu estava no banco de trás rindo pra caramba." Olhei para ele com surpresa atordoada. "Você não sabia o que estava transportando?" Perguntei. Ele balançou sua cabeça. "Negativo. Só sabia que era algo importante. Eu tinha que chamá-los com atualizações a cada hora. Este era o meu quarto transporte para esta empresa particular, e continuei a fazê-lo, uma vez que pagavam muito. Deveria saber que era a porra do governo." Sebastian, Cleo, Sterling, Trance, Kettle e eu estávamos todos reunidos em torno do bar no Halligans and Handcuffs, o bar e restaurante que o Dixie Wardens MC abriu recentemente. Channing estava no canto, cercada por todas as Old lady’s, enquanto Colton nos dizia sobre o seu último curso que tinha acabado de completar. "Maldição, Loki, te avisei que você não poderia trazer o seu cão mais aqui." Dixie rosnou do outro lado do bar. Virei-me para encontrá-lo segurando a coleira de Lucy com uma carranca feroz em seu rosto. "E te disse que, assim que você recusar a deixar o cão de Trance entrar, eu iria parar de trazer Lucy," disse, pouco antes de tomar um gole da minha cerveja. "E disse a você, que o cão de Trance sabe a porra da obediência! Seu cão estava apenas comendo a porra de um grande pacote de Doritos," ele gritou. Olhei de volta para ele. "Que porra estavam fazendo os Doritos no chão, onde ele poderia alcançá-los?" Dixie pegou a coisa mais próxima, que passou a ser um saleiro, e lançou-o para mim. "Estava na prateleira de cima da copa, retardado!"


Eu entendi isso facilmente, mas não conseguia pensar em nada para dizer. "Como diabos ele chegou lá em cima?" "O idiota do Silas deixou uma escada encostada a parede," resmungou enquanto soltou a coleira do Lucy. Risadas encheram o ar em torno de mim enquanto eu chamava Lucy para o meu lado. "Sente-se, seu grande filho da puta." Ele sentou-se, colocando sua cabeça ao lado de Kosher. Kosher era o cachorro K-9 de Trance, e o oposto de Lucy. Lúcifer também conhecido por Lucy, era escuro onde Kosher era claro. Lúcifer começou como Ben, e lentamente mudou para um Lúcifer. Ele comeu sofás. Ele comeu paredes. Ele comeu as minhas roupas. Tudo o que era deixado dentro de seu alcance, ele comia. Razão pela qual agora ficava em um canil durante minha ausência. Eu tentava levá-lo em todos os lugares que ia, além do trabalho, mas era óbvio que se ele ia continuar fazendo jus ao seu nome, eu não poderia continuar trazendo-o aqui. Silas não iria tolerar isso por muito mais tempo, e, em seguida, eu nunca seria deixado em paz. "Tudo bem, Dixie. Depois desta noite, não vou trazê-lo mais comigo." Falei arrogante. Ele virou-se e saiu sem dizer mais nada. "Você realmente vai deixá-lo em casa?" Trance perguntou com uma sobrancelha levantada. Ele também foi vítima da boca destrutiva do Lucy, e tive que comprar um novo suporte para sua AR-1523 para pagar a que Lucy tinha destruído. Eu balancei minha cabeça. "Nah, eu vou amarrá-lo a uma corrente do lado de fora. Dessa forma, ele não estará confinado em sua gaiola."

23

AR-15: é uma arma do tipo fuzil


"Costumávamos ter um Rottie como ele. Embora fosse uma fêmea. O nome dela era Bonnie. Ela morreu durante o furacão com a minha Margery," Colton admitiu tristemente. "Eu não sabia disso. Channing é muito fechada quando se trata de sua mãe. Só tenho a explicação básica, e nunca empurrei por mais," respondi com cuidado. Eu sabia que o furacão Katrina foi catastrófico, mas realmente nunca imaginei como ele realmente afetou as pessoas na metade inferior de Louisiana. Como isso tinha afetado Channing. Vi o quanto isso doía, na primeira e única vez que perguntei sobre os pais de Channing, e não trouxe o assunto à tona desde então. "Sim, ela não gosta de falar sobre isso. Eu não a culpo. Ela estava com sua mãe quando a árvore em que estavam se segurando caiu. Channing conseguiu se agarrar ao que restava do galho da árvore, mas Margery foi arrastada. Channing culpa a si mesma. Eu me culpo. Foi um tipo de coisa horrível, e ela nunca foi capaz de superar isso. Ela já tinha sido traumatizada por aquele filho da puta personificado tentando estupra-la, e depois isso aconteceu. Desnecessário dizer que, ela tem muita sorte de ser tão boa como é,” ele me disse. Os homens ao redor da mesa tinham convenientemente encontrado outra coisa para olhar, mas eu sabia que eles estavam ouvindo. Qualquer coisa que me afetava, afetava eles. Eram como um bando de mulheres velhas intrometidas que espiavam pela janela do bairro. Mas eu estava grato. Eu gostava de saber que sempre podia contar com eles. "Sinto muito por ouvir isso, Colton," disse a verdade. Ele deu de ombros. "Já faz muito tempo, agora. A vida tem uma maneira de mostrar o que é melhor para você. Às vezes você ganha e às vezes você perde. Mas a forma que você aceita isso, depende de cada um. Eu acredito nisso agora; caso contrário, eu não teria esperanças. " "Você conseguiu alguma coisa enquanto estava na reunião com o chefe e investigou as pistas que ele tinha para você?" Perguntou Trance. Todos na mesa fizeram silencio para ouvir a minha resposta.


Eu realmente não deveria estar falando sobre uma investigação ativa, mas depois de hoje, não importava muito. "Não, não realmente. O chefe me tirou do caso. Colocou Hernandez. Disse que eu estava muito envolvido, e concordo com ele. Isso não quer dizer que não vou fazer nada e apenas deixar os outros cuidarem das minhas merdas. Fui capaz de descobrir que Varian será transferido para Huntsville na semana seguinte do Natal. Ele também abandonou cinco outros homens e mulheres; nenhum dos quais admitiu ter assassinado e estuprado qualquer pessoa," eu disse enquanto corria os dedos pelo meu cabelo. Eu estava além de frustrado. "Será que a minha menina sabe que você colocou um homem vigiando ela desde o segundo assassinato?" Colton perguntou enquanto tomava um gole de cerveja. Olhei para ele bruscamente. "Não, ela deveria saber? Eu realmente não quero que saiba. Já se assusta o suficiente quando um policial está a menos de três metros dela. Eu posso apenas imaginar o que faria quando disser que tem um policial e alguns motoqueiros seguindo-a em todos os lugares que vai." Colton riu. "Garanto a você que já sabe. Ela os percebeu a primeira vez que foram enviados para vigiá-la." Eu olhei para ele, incrédulo. "O que te faz pensar isso?" "Ensinei a essa menina tudo que sei. Eu era um paraquedista de resgate na força aérea durante o Vietnã. Quando Margery ficou grávida de Channing eu saí, e voltei para a empresa com o meu pai. Channing cresceu em um barco, e eu lhe ensinei tudo o que sabia durante o nosso tempo livre. Ela sabe. Eu garanto a você," Colton sorriu largamente. Meus olhos se estreitaram sobre ele, então me levantei e me dirigi para a mesa no canto. A mesa estava no canto e cabia cinco no máximo, mas havia cinco mulheres, uma criança e um bebê amontoados. Channing estava espremida no meio. Adeline e Viddy estavam mais próximas a ela com Baylee e Minnie nas laterais. Minnie era a esposa de Porter, um outro membro The Dixie Wardens. Ela era uma costureira, e era quem fazia todo o trabalho para as insígnias do clube. Também era quem eu iria procurar em breve,


assim que toda a porcaria ao meu redor acabasse. Queria que ela personalizasse um patch para Channing. Eu jĂĄ tinha tudo planejado; tudo que precisava era recompor a minha vida, e entĂŁo eu iria fazĂŞ-la minha.


Blaise estava rastejando sobre nós, usando nossas coxas como vigas de equilíbrio. Eu estava segurando Saylor, o bebê de Adeline e Kettle, perto do meu peito, sentindo o seu cheiro de bebe. Ela estava fazendo os mais bonitos ruídos que aqueciam o meu coração. "Não, o que estou perguntando é, se você descobrisse que seu marido está te traindo, você faria amizade com a amante?" Perguntou Adeline a Viddy. Revirei os olhos. Elas estavam discutindo sobre isso há dez minutos. Era como se estivessem discutindo com uma parede de tijolos. “Não! Porque Trance nunca iria me trair,” Viddy enfatizou pela décima vez. Adeline enrolou os punhos para a irmã. "Sua merdinha! Isso não é o que quero dizer! " Viddy torceu o nariz para Adeline. "Meu ex-namorado me traiu. Descobri quando respondi a uma chamada 911. A namorada teve uma reação alérgica, e ele teve que


chamar a ambulância. Então eu apareci, e tive que salvar sua vagabunda," Baylee resmungou. "Você estava morando com ele no momento?" Adeline perguntou a ela. Baylee balançou a cabeça. "Sim, eu estava morando com ele, o que foi incrivelmente estranho. Quando cheguei em casa do meu turno, ele tinha encaixotado todas as minhas coisas e colocado do lado de fora. Idiota." Bufei. "Você deveria ter revidado ou algo assim. Eu teria feito ele se mudar." Então, novamente, eu era uma cadela vingativa. "Foi meio difícil; ele já tinha mudado as fechaduras e tudo. Além disso, eu tinha me mudado para a sua casa. Era justo," Baylee deu de ombros. Nunca esqueço nada. Nunca. "Meu namorado da faculdade fez isso. Ele não me deixou pegar nenhuma das minhas coisas, no entanto. Simplesmente trancou e saiu, então eu não podia entrar. Embora, eu arrombei o lugar com seu velho carro. Dirigi-o diretamente através da sua janela da frente. Então saí para que os policiais não soubessem que fui eu." Disse a elas. Todas olharam para mim de boca aberta. "Por que não seria a primeira pessoa que a polícia procuraria?" Perguntou Viddy. "Eu fui, mas Brody tinha tentado me ensinar várias vezes como dirigir um câmbio manual. Eu nunca aprendi. Estava tão chateada naquele momento, porém, que eu só bati meu pé sobre o acelerador, engatei a primeira, e soltei a embreagem. Não tinha certeza se eu deveria enfiá-lo através de sua casa ou qualquer coisa, mas fiz de qualquer maneira." Esclareci. As mulheres gargalharam, fazendo com que o bebê aconchegado no meu peito se agitasse e soltasse um gemido. Colocando minha mão sob suas costas, o balancei para cima e para baixo, enquanto olhava ao redor da sala.


"Este é um lugar agradável. É novo?" Perguntei enquanto olhei para o garçom mais próximo que por acaso era um bombeiro do Corpo de Bombeiros de Benton. Eu morava em Benton por um tempo agora, e esta era a primeira vez que ouvia falar de Halligans and Handcuffs. A decoração do lugar era impressionante. Todas as mesas foram feitas em laminados cromados, e as cadeiras eram feitas a partir de tecidos e equipamentos de proteção dos bombeiros. A iluminação era suspensa do teto com algemas ligados uma a uma. Eles tinham uma mistura perfeita de ambos, combate a incêndios e policiamento. Eu adorei. "Sim. Nós trabalhamos muito por este lugar. Todos nós temos feito um pouco de tudo. Minha contribuição foram as mangueiras de incêndio que estão alojadas no vidro do bar. Adeline encontrou todas as placas do corpo de bombeiros. Viddy projetou a iluminação com as algemas. Minnie bordou todas as cadeiras. Os caras fizeram a sua parte também. Foi um processo longo, mas nós gostamos do resultado," disse Baylee. "Você deveria ter feito essas grades policiais que separa os policiais dos criminosos entre as mesas. Teria ficado bonito," disse distraidamente. "Essa é uma boa ideia," disse a voz profunda de Loki do meu lado. Pulei, assustada ao vê-lo tão perto. Ele estava parado em frente a mesa, surpreendendo-me, porque eu estava tão distraída com a decoração que não tinha prestado atenção ao meu redor. Algo que nunca esqueço. "Ei," eu disse distraidamente. "Você está pronto para ir ou alguma coisa?" Loki trabalhou nesta tarde, e enquanto ele tinha feito isso, fui mais cedo terminar todo o meu trabalho que normalmente guardava para quando o necrotério estava mais vazio. Mas tive poucas distrações hoje, o que me permitiu sair cedo e vir para o bar para o jantar.


Fiquei surpresa ao descobrir que o meu pai já estava aqui, mas ele se encaixou tão bem com o grupo, que eu estava grata. Teria odiado ter que escolher entre Loki e meu pai. "Por acaso você viu alguém ou alguma coisa seguindo você ontem ou hoje?" Perguntou ele com indiferença. Voltando a pensar quando eu dirigi ontem e hoje, pensei sobre quantas pessoas estavam me seguindo. Parei de contar às quatro, mas poderia ser mais. "Três motos e um carro da polícia. As motos mais do que o carro, mas uma estava perto de um quilómetro de distância da minha casa... por quê?" Perguntei. "Pensei que fosse você." Ele parecia atordoado. "Fui eu." Tombei minha cabeça para o lado, perguntando por que ele estava olhando para mim assim. "Então qual é o problema?" Perguntei. Ele balançou a cabeça, um sorriso aparecendo no canto dos lábios. "Nada. Eu só queria saber quantos você viu." "Cleo e Sterling são bons. Tunnel costuma passar em seu carro de polícia primeiro. Eu vi Silas ontem. Provavelmente não o teria visto, tampouco, se não tivesse saído pela parte de trás. Ele estava sentado na beira do meu quintal nas sombras. Ele é um fantasma ou algo assim?" Quis saber. Meu pai me ensinou tudo o que sabia sobre defesa, misturando outros campos em uma longa lição que durou anos. Pena que todas as lições do mundo não me ajudaram quando eu mais precisei. Se tivesse, eu não estaria tão fodida como estava. Minha inocência foi perdida naquela noite, mesmo que ele não tenha tecnicamente tirado de mim. Eu estava alegremente inconsciente de como a vida poderia ser realmente horrível. Quase tão inocente como o pequenino bebê cochilando no meu peito. O bebê que Loki estava olhando, com tanto desejo, que meu coração começou a palpitar no meu peito. "Você parece bem segurando um bebê," disse com voz rouca.


Enruguei meu nariz para ele, mas não respondi, querendo... não, precisando, mudar de assunto. Rapidamente. Felizmente, Baylee fez isso por mim. "Tudo bem, garotas. Eu tenho que fazer xixi. Quem vem comigo?" Adeline foi a próxima que fugiu e, em seguida, estendeu os braços para o bebê. "Eu vou. Saylor precisa de uma fralda limpa. E eu preciso ir também. Dar à luz não fez nada bem para minha bexiga como pensava que faria." Lentamente, a mesa esvaziou, quando todas elas se arrastaram para o banheiro em uma linha de ziguezague pela multidão. Fiquei, no entanto. Apenas olhar para Loki me deixou fascinada. Ele parecia bonito. Tomou banho em algum momento entre esta manhã e esta noite. Estava vestido com uma camiseta Henley de manga comprida vermelha, calça jeans de lavagem escura, e seu colete de couro preto que ele chamava de cut. Eu tinha conseguido uma palestra inteira sobre etiqueta necessária de como vestir o colete Dixie Wardens, e o que o patch em cada colete significava. Como eu poderia agir e não agir quando estivesse representando as insígnias do clube, apesar de eu não usar insígnias do clube. Todo o tempo enquanto ele andava e falava, meus olhos estavam em seus braços musculosos, mandíbula forte, e até mesmo em seus pés descalços. Tinha vergonha de dizer que enquanto estava explicando o que o colete significava para ele, eu estava ocupada tentando controlar a minha libido furiosa. Lá, estava ele tentando explicar a importância das insígnias, e eu estava pensando sobre essas insígnias jogada no chão e devorando-o com a minha boca. "O que você está olhando?" Ele perguntou, tirando-me da minha reverencia a sua barriga lisa e coxas musculosas. Meus olhos automaticamente pararam em sua virilha, e lambi meus lábios, fazendo com que ele caísse na gargalhada.


Olhei para ele com culpa. "Desculpe, você parece bem nesses jeans. Estive olhando para sua bunda a noite toda." Eu não estava arrependida, no mínimo, e ele sabia disso. O sorriso que me atirou era de desarmar. "Você quer dançar?" Perguntou. Olhei ao redor da sala, não vendo nenhum lugar para dançar, e depois de volta para ele. "Onde é que vamos fazer isso?" Perguntei, curiosa. Nunca tinha dançado antes. Na verdade, iria tão longe a ponto de dizer que eu nunca quis dançar antes. No entanto, faria qualquer coisa com este homem. Se ele queria dançar comigo, muito bem eu iria fazer isso. Estava prestes a levantar, quando o nome de Loki foi chamado por uma mulher que eu não conhecia, e sua atenção foi roubada de mim. Engasguei com a minha língua quando vi a mulher que saiu da porta e parou ao lado de Loki. Ela se inclinou para ele e falou baixinho em seu ouvido antes de se virar e ir embora. Ele observou-a ir, o que me fez ver vermelho. No entanto, não me deu a chance de mostrar a ele como eu estava louca. Em vez disso, se aproximou de mim rapidamente, me deu um leve beijo na bochecha, e murmurou, "Eu já volto." Ele não esperou para ver o que eu tinha a dizer sobre isso, apenas seguiu após a loira deslumbrante que, mesmo que ela ganhasse trinta quilos e tivesse um queixo duplo, ainda ficaria melhor do que eu. Porra. Isso. Gostaria de receber a porra da minha dança. Mesmo se eu tivesse que irritá-lo até conseguir.


"O que o chefe tem a dizer sobre você me manter atualizado sobre o caso?" Perguntei a Eurie. Eurie era a outra detetive do DPB. Ela também era muito boa no seu trabalho, e atraente. Os criminosos inocentes sempre se apaixonaram por sua linda aparência antes que ela mostrasse um pau maior do que a maioria dos homens. Bem, não literalmente ou qualquer coisa, mas era uma destruidora. Ela não levava desaforo de qualquer pessoa: homem, mulher ou criança. Já a considerava uma amiga há alguns anos agora. Ela era um dos dois detetives do sexo feminino na polícia. Ela e o detetive Hernandez muitas vezes eram parceiros nas investigações, e eles tinham uma taxa de solucionar os casos de noventa e quatro por cento, cinco por cento acima da minha própria. O que era de se esperar. Eu não nunca levei um suspeito a se abrir para mim. Todas as minhas realizações vieram de trabalho duro e determinação, não minha boca galanteadora. "Ele não se importa. Ele sabia que iriamos compartilhar com você. Você tem uma melhor visão sobre o funcionamento interno da mente dos estupradores do que nós. Seria estúpido deixa-lo fora do caso completamente," ela deu de ombros. "Só queria lhe dizer que Detetive Hernandez e eu estamos em uma parceria, e que estamos assumindo, oficialmente, a partir de agora. Se você receber alguma pista, ligue para o meu celular. " Nós ficamos juntos desde que ela tinha chegado na corporação, e, aleatoriamente, de vez em quando desde então, mas a nossa relação


nunca foi mais longe do que o sexo. Ela, na verdade, foi minha única parceira sexual em dois anos. Que terminou no momento em que eu vi Channing um ano atrás. Tinha chamado apenas uma vez no ano passado, e disse a ela, imediatamente, que estava envolvido com alguém. Então, novamente, só porque não estava transando com ela, não significava que eu não gostava dela e a respeitava. "Bom," murmurei enquanto examinei ao redor. Fomos para fora e, em seguida, circulamos atrás do bar para que pudéssemos conversar sem qualquer interferência. Infelizmente nos deixou mais isolados, e eu não ouvi o que estava acontecendo no bar. "Ok, vou verificar com você amanhã à noite. Eu tenho um encontro. Boa noite, amante," Eurie brincou. Revirei os olhos. "Noite, Eurie." Empurrando as mãos nos bolsos para tentar aliviar o frio, eu andei em volta do bar, que parecia uma casa de loucos. "O que diabos está acontecendo?" Gritei sobre a música para Cleo. Cleo estava sentado na primeira mesa próxima à saída da porta. Era pequena, no cantinho, e a única que Cleo gostava de sentar. Ele estava bebericando sua cerveja e observando a multidão que se reunira no canto da sala. "Sua garota está dançando no poste de bombeiro," disse calmamente. Congelei por alguns segundos preciosos, lendo o rosto de Cleo e julgando se ele estava falando sério ou não. Quando considerei que ele estava, na verdade, sério, virei e comecei a empurrar o meu caminho através da multidão. Notei, quando fui, que eu dei uma cotovelada em Silas para sair do caminho, mas naquele momento, poderia me importar menos. Se o que Cleo disse era verdade, eu estava prestes a arrebentar alguns rostos. O que vi quando cheguei na pista de dança fez meu sangue ferver.


A pista de dança era pouco mais que uma seção de vinte por vinte de espaço à direita do bar. Na maioria das vezes tinha uma longa mesa que poderia facilmente acomodar umas vinte pessoas se você os apertasse bem, ocupando esse lugar. No entanto, no meu caminho para falar com Eurie, tinha pedido ao Dixie para arrumar alguns dos meninos para mover a mesa para a parede e empilhar as cadeiras para que eu pudesse dançar com Channing quando voltasse. Bem no meio da "pista de dança" estava o poste de bombeiro. Um bar de polícia e bombeiro temático simplesmente não seria completo sem um. Na época em que colocamos o grande estúpido, eu pensei que era perfeito. Agora, porém, eu queria arrancar aquele filho da puta do teto e bater em cada um dentro de um raio de três metros com ele. "Que porra você está fazendo?" Eu não percebi que estava berrando até que as palavras derramaram da minha boca. Era um inferno de uma mensagem, no entanto. Isso acalmou tudo e todos, além da música, que parou logo após tudo se tornar tão mortalmente silencioso. Channing, que estava no topo do poste de bombeiro pendurada de cabeça para baixo, agarrou o poste bem devagar e deslizou para baixo. Quando seus pés tocaram o chão, os dois homens que estavam ao lado do poste a ajudaram a ficar de pé. Ela sorriu agradecida para Sterling e seu amigo, Parker. Parker era um jovem garoto, apenas acabou de fazer vinte e dois anos algumas semanas atrás, de acordo com Sterling. Ele veio de licença com Sterling, e gostaria de passar as próximas três semanas no litoral daqui antes que fossem ordenados de volta à base. "Acredito que a minha menina estava mostrando suas habilidades de prostituta," disse Colton por trás de mim, chamando minha atenção. Me virei e olhei para o homem.


"Era isso agora?" Perguntei em um tom enganosamente calmo. "Sim. Ela começou a frequentar essas classes de prostituta na faculdade. Sua mãe estaria rolando em seu túmulo se tivesse visto o que eu acabei de ver," Colton olhou para sua filha. Os gêmeos surpresos riram e saíram, sorte de estarem vivos. Channing começou a ir embora também, mas me mudei rapidamente, enrolando meu braço em volta de sua cintura e puxando-a de volta para mim. "Não tão rápido, Channing," respirei contra seu pescoço, fazendo-a tremer. "Você me deve uma dança." "Sua dança saiu pela porta com você," ela rosnou. Enterrei meu nariz na curva do seu pescoço e sorri para o ciúme em seu tom. "Ciumenta?" Provoquei. A música estalou de volta, e uma música de Randy Travis começou a encher a sala. Ela enrijeceu em meus braços. "Preciso?" Ela estalou logo de volta. "Ela é uma colega de trabalho," disse a ela, começando a balançar meus quadris e torso com a batida. "Você já fez sexo com ela," afirmou. Empurrei meu pau furioso em sua bunda. "Ela não faz o meu pau duro. Você faz. O que aconteceu no passado ainda está no passado." Eu sabia que não ia funcionar. Mulheres não deixam merda como esta passar. Elas ficam com elas até a morte, e a única maneira de fazê-las parar era dizer o que queriam ouvir, ou manter a boca ocupada. Desde que eu não poderia dizer a ela o que queria ouvir, agarrei em seus cabelos ruivos ondulados, e inclinei a cabeça para trás antes de colocar minha boca sobre a dela. Ela gemeu em minha boca, e começou a inclinar-se para o beijo quando um assobio agudo alto rasgou através do ar. Vaias encheram o ar quando as pessoas ao nosso redor começaram a prestar atenção ao nosso show.


Ela puxou seu rosto, e, em seguida, seu corpo, longe de mim tão rápido que eu tropecei para frente. Só estava recuperando meu equilíbrio quando vi suas costas atravessando no meio da multidão, agora tocando uma música de Johnny Cash. "Minha menina é uma lutadora. Melhor ir pegá-la antes que ela roube seu carro e você não possa alcança-la," disse a voz divertida de Colton por trás de mim. "Ela não iria." Estreitei os olhos para a porta. "Então ... ela percebeu os seus homens?" Ele perguntou em tom de conversa, curioso sobre Channing perceber toda a segurança que coloquei seguindo ela. Amaldiçoei e comecei a me esquivar dos corpos enquanto caminhei para a porta. Não encontrei ela tentando roubar a minha moto. Não, eu a encontrei roubando o caminhão do pai dela. Corri para o lado do caminhão e saltei para a escada, segurando com minha mão no espelho para equilibrar. Channing tinha fechado e travado a porta, e ela não tirou os olhos do que estava fazendo entre as pernas, que era uma ligação direta no caminhão, fiquei surpreso de ver. "Seu pai vai chutar o seu traseiro," falei, inclinando a cabeça contra o vidro. "Meu pai que se dane," foi sua resposta abafada. O poderoso motor do caminhão ligou com um rugido maçante, e ela colocou o caminhão na primeira marcha antes de começar avançar lentamente. Também abriu a janela um terço, para que pudesse me ouvir. "Saia do caminhão," os olhos irritados em direção a mim. Me recusei. "Não." "Agora," exigiu. "Não." Repeti.


Sua cabeça foi para trás, exasperada quando pisou forte nos freios. Embora, eu tenha antecipado, me deparei contra a chaminé. "Saia e dê a volta, vou esperar por você," mentiu. Sorri. "Você acha que sou idiota?" Ela estava respirando com dificuldade agora. "Jesus Cristo." Rosnou. "Vamos lá, abra a porta e venha para casa comigo," disse em voz alta. Ela balançou a cabeça. "Não posso. Tenho que pegar meu carro e voltar para casa." Apertei os olhos para ela. "Então por que você está fazendo ligação direta quando poderia ter ido para o seu carro o tempo todo?" Ela encolheu os ombros. "Estava brava com ele. Ele mereceu. Então, novamente, você não está muito bem, também." Enquanto ela estava olhando para mim, não percebeu seu pai correndo até o outro lado do caminhão e abrir a porta com suas chaves. Ela rosnou um juramento, e, em seguida, abriu a porta antes de começar a descer. Mudei-me para fora do caminho rapidamente assim que a porta se abriu. Ela deu um passo para baixo na escada e pulou a curta distância até o chão antes de caminhar para o seu carro. Eu a encontrei no meio do caminho para seu carro. Desde que estava a poucos metros de distância da minha moto, agarrei o seu braço e girei-a para mim. "Ei," eu rosnei. "Volta comigo." Ela arrancou seu braço da minha mão, e o bracelete que estava usando escorregou do seu braço e girou em um arco no chão, dois carros de distância. Nós dois caminhamos em direção a ele, ao mesmo tempo, curvamos e batemos a cabeça. Era a maneira cômica, onde ambas as partes batem suas cabeças, e, em seguida, caem sobre os seus traseiros.


Os próximos cinco segundos foi como era de se esperar. Nós dois começamos a rir, e quando me movi para ajudá-la a levantar, balas começaram a atingir o carro que estava estacionado atrás, salpicando como se fosse com uma arma de paintball. Instintivamente, empurrei Channing para o chão, e comecei a rolar. Continuei rolando através da abertura nos pneus do caminhão que estava parado ao lado até que eu não pudesse rolar mais. Então agachei sobre ela, pegando a minha Glock do meu coldre de tornozelo e entreguei a ela. Ela estava deitada de costas, olhando para mim com medo. "Aqui," eu disse enquanto empurrei a arma em sua mão. "Você sabe como usar isso?" Fiz a pergunta sem olhar para ela, sabendo que ela sabia usar, mas querendo confirmação. "Sim," disse. "Uma bala no tambor?" "Sim," sussurrei, uma vez que o tiroteio parou. A noite ainda estava fria quando alcancei minha pistola 45 que estava nas minhas costas e a removi. "O que..." Coloquei minha mão sobre sua boca, silenciando o que estava prestes a dizer. Ela congelou, olhando para mim com olhos temerosos. Assenti em silêncio e tirei minha mão da sua boca antes de dar um outro olhar ao nosso redor. A parte do estacionamento em que estávamos era perto da parte traseira do terreno onde a iluminação era pior. Foi por isso que não vi os homens armados chegando, até que já tinham o seu rifle e dispararam. Fogo queimando explodiu em meu braço direito, fazendo meu aperto na minha 45 afrouxar até que caiu inutilmente ao chão. Isso não impediu Channing, no entanto.


Ela levantou o braço, apontando, de cabeça para baixo para o homem, e apertou o gatilho. A arma explodiu ao lado da minha orelha, momentaneamente roubando a minha capacidade de ouvir. Isso não acabou com a minha visão, no entanto. Eu vi o homem cair como um castelo de cartas. O telefone no meu bolso começou a zumbir, e eu rapidamente o peguei com minha mão ilesa. "Rector," vociferei. "Situação?" Perguntou Trance em alarme. Peguei a cena. O homem estava se contorcendo no chão; eu caminhava lentamente de joelhos em direção a ele, mantendo a arma apontada o caminho inteiro. Assim que cheguei perto o suficiente, parei e agachei, chutando a arma do homem longe de seu alcance, pulverizando cascalho. "Um atirador. Eu não tenho certeza se há mais, mas vou ficar onde estou. Atirador caiu, mas não está morto. Channing está comigo. Eu levei um tiro no braço, " disse secamente. "10-424." Ouvi a poucos metros de distância, e, em seguida, imediatamente depois, através do receptor do meu telefone. "Por aqui." Chamei em voz alta. "Liberado." "Liberado." "Liberado." "Liberado." "Liberado." A palavra foi repetida uma e outra vez até que quinze pessoas saíram das sombras. Essa era uma das vantagens de estar em uma propriedade MC pertencente a policiais. Não faltaram pessoas que sabiam o que 24

10-4: código para “Eu entendo a sua transmissão.”


fazer. Também não houve necessidade de chamar a polícia, porque já haviam seis lá: três em uniforme, e três em roupa à paisana. Com o canto do meu olho, vi Channing pegar a mão oferecida por Trance enquanto se levantava em seus pés. Ela murmurou obrigada, antes de se dirigir a mim. "Oh Deus. Seu braço parece nojento," gritou. Várias risadas seguiram sua declaração, incluindo a minha. "Obrigado," disse divertidamente. Ela me cutucou com um único dedo. "Isso dói?" Seu toque foi o suficiente para atirar fragmentos de dor pelo meu braço. "Ou, porra. Deixe-me em paz, mulher! " Gritei alto. Mantive meu olho no homem se contorcendo, e foi divertido ver que a mira de Channing era boa. "Você atirou no seu pau e sua barriga," falei. "Suas entranhas estão, provavelmente, na consistência de sopa," Channing observou. Essa era a verdade. Eu tinha pontos ocos em todas as minhas armas. Se alguma coisa valia a pena fazer, valia a pena fazer direito, na minha opinião. Pontos ocos foram feitos para expandir em cogumelo uma vez que atingir algo. Quer seja carne ou madeira. Se entrar em contato com a bala, melhor você acreditar que tudo o que ela atingir serão destruídos. A polícia usava isso para ter o mínimo de danos colaterais. Se uma bala atingir em alguma coisa, foi feita para não viajar. "V-você acha que ele vai v-viver?" Channing gaguejou. "Talvez," digo vagamente. Não havia nenhuma maneira que o cara fosse viver. Seus órgãos internos estavam mais provavelmente na consistência de cozido em vez de sopa, mas o resultado ainda era o mesmo. Ele não ia sobreviver a isso, mas não queria que Channing soubesse ainda. Não até que eu


tivesse meu braço cuidado, e nós estivéssemos na privacidade de uma das nossas casas. As sirenes começaram a quebrar o silêncio da noite, e em dois curtos minutos, dois carros de polícia, uma ambulância e um carro de bombeiros chegaram no local. Em seguida, havia o chefe. "O que aconteceu, Rector?" O Chefe rosnou enquanto eu estava sendo examinado por um paramédico. O paramédico, Dallas, respondeu. "Bem, é óbvio para mim que ele foi baleado. Isso não é óbvio para você?" Dallas tinha uma boca grande, e ele não poderia ser sério em qualquer situação. Quando se tratava de figuras de autoridade, se rebelava; daí, por que ele era um espertinho com o Chefe de Polícia. Cabe deu a Dallas um olhar fulminante, mas Dallas não reagiu, no mínimo, o que levou Cabe a mudar seu olhar para trás, em mim. Ele ergueu as sobrancelhas como se dissesse 'bem'? Suspirando, comecei a explicar. Uma vez que acabei, Cabe olhou para o céu noturno em resignação. "Que diabos acontece com vocês Dixie Wardens? Estou fodidamente cansado de vocês se meterem em encrencas. Droga. Eu estava na cama com a minha esposa. Você sabe o quão terrivelmente raro é chegar nessa porra no início da noite? Esteja certo. É bastante raro, porra! " A risadinha divertida de Channing soou por trás de Cabe, e Cabe virou-se para encará-la, mas suavizou quando percebeu para quem ele estava olhando. "Você está bem, querida?" Perguntou. Ela deu um sorriso cansado para ele. "Estou melhor do que você, pelo que parece," ela brincou. "Assassinato. Estupro. Tiroteio. Jesus Cristo, Rector. Você é como a porra de uma praga, deixando morte e sangue em seu caminho," Cabe suspirou.


A lembrança do que estava me seguindo deixou o meu rosto sóbrio instantaneamente, enxugando quaisquer vestígios de humor. "Sim, senhor," murmurei. Cabe virou-se e colocou as mãos nos quadris. "Acho que você precisa fodidamente dar o fora daqui por algumas semanas. Pegue Channing e vá visitar seus pais nos feriados. Vou ver se podemos conseguir transferir o Varian para as novas instalações, esta semana, em vez da próxima. Você ia ficar de licença, de qualquer maneira." Algo dentro de mim me disse que era a decisão correta por agora. Quem estava jogando conhecia as regras do jogo, e eu não conhecia. Que melhor maneira de sair do jogo do que me retirar do tabuleiro. Se eu não estivesse aqui, e Channing não estivesse aqui, o adversário não teria qualquer outro recurso senão retirar-se, também. Pelo menos eu esperava. Não havia mais nada para eu fazer, não com a minha autoridade para investigar arrancada. Qual é a pior coisa que poderia acontecer? Aparentemente, um monte.


"Por que temos que ficar aqui?" Channing perguntou quando caminhou ao redor da mesa. "Porque não é seguro ficar em nossas casas quando têm pessoas atirando em nós. E não é justo com os nossos vizinhos," disse secamente. Ela mostrou a língua. "Eu entendo isso, otário. Estava querendo dizer por que aqui, em particular. Por que não um hotel... ou apenas sair hoje à noite." "As mesmas razões são aplicáveis. Ficar fora no meio do nada coloca menos pessoas em risco. Esta é uma das casas seguras que o clube usa em momentos de emergência. Silas é o dono dela. É uma propriedade sob um nome falso, para que não haja pistas que levam ao clube. Quanto ao motivo de nós não estarmos partindo esta noite, vamos ter alguns pilotos vindo conosco.” “Cleo, Sterling, e Parker vão viajar com a gente. Além disso, você disse que queria dizer adeus ao seu pai antes de sairmos," expliquei. Parker e Sterling tem que retornar a Florida para voltar para a base na próxima semana de qualquer maneira, então não era nenhum problema voltar comigo para atuar como proteção adicional.


Cleo estava indo porque se divertiu com Channing, apesar de só conhecê-la por um curto período de tempo. Tirando minha camisa, joguei-a ao chão, minhas botas, calças e roupa íntima. "O que," Channing limpou a garganta. "O que você está fazendo?" Olhei para o corpo ainda vestido. "Tomar banho. Quer se juntar a mim?" Sem esperar pela resposta, retiro minha cueca e caminho em direção ao banheiro. A casa segura era um projeto simples. Uma cozinha. Uma sala de estar. Um quarto e um banheiro. Nada mais, nada menos. Era no meio do nada, em doze acres de terra. O piso era feito de madeira, e as paredes eram feitas de imitação de madeira. Foi construída com poucos recursos, mas fazia o seu trabalho, fornecendo abrigo em momentos difíceis. O telhado era de estanho, e com a chuva leve que estava caindo, parecia celestial. Entrei no banheiro, liguei a água e entrei sem esperar ela aquecer. A água fria bateu no peito, e fez minhas bolas se encolherem no meu corpo, mas eu gostava da temperatura fria. Sempre tomei banho frio. Quando era mais novo, era porque a minha mãe não podia comprar um aquecedor de água. Com o tempo, tornou-se um hábito. Tanto é assim que eu raramente ligo a água quente. Mais raro ainda era eu estar no chuveiro com alguém. Daí porque Channing gritou quando entrou no chuveiro. Seus mamilos enrugaram e incharam quando a água se espalhou sobre suas costas e ombros. Arrepiando seu corpo, espalhando a partir de seus ombros por todo o caminho. "Puta merda!" Ela engasgou. "Qual é o problema? Eles não têm água quente aqui?"


Cheguei para a frente, pressionando meu corpo contra o dela, e virando a água quente até que estivesse totalmente ligada. Seu corpo parecia tão bem hoje, e seus quadris mais suave, quase mais cheios. Sua barriga pressionada no meu abdômen, uma pequena barriguinha, endurecida agora, onde antes só havia suavidade. Então, a minha concentração foi roubada de seu estômago para os seios que pareciam ter crescido o dobro durante a noite. A água quente começou uma cascata em nós, se infiltrando entre os nossos corpos, e agrupando nos lugares onde não havia distância entre nós dois. Por exemplo, o vale dos seus seios estava reunindo uma poça de água, mantida apenas pela pressão de nossos corpos. Alcançando o sabonete comecei a passá-lo no comprimento de suas costas, deixando a barra sólida deslizar ao longo de sua pele lisa. Ela gemeu e deixou cair a cabeça até que estava descansando em meu ombro, me empurrando e provocando uma pontada de dor que irradiou através do meu braço. Ela pegou o vacilo, e recuou imediatamente. "Oh Deus. Me desculpe. Você está bem?" Quando fui para o hospital, não estava com tanta dor como estava agora, o que significava que os encantadores analgésicos que me deram tinham acabado o efeito. No momento em que todo o fiasco e recontagem posterior dos eventos foi dito e feito, fui levado para o hospital onde tinham limpado a ferida de bala que atravessou a parte inferior do meu braço. Por sorte, a bala entrou no meu braço e viajou diretamente entre o osso ulna e rádio. Agora apenas dói pra caralho. Se isso não tivesse acontecido, eu teria que ter feito cirurgia. "Você não deveria molhar isso," Channing repreendeu. Olhei para os pontos no meu braço e fiz uma careta. "Sim, bem merda acontece." "Deixe-me saber como isso funciona para você quando seu braço apodrecer com gangrena e disenteria," ela retrucou, pegando


delicadamente o meu braço, levantando-o e sustentando para fora da água. Ela levantou até que minha mão estava pressionada contra a parte superior de seu ombro, permitindo que os pontos permanecessem livres da água. "Disenteria é quando você come um frango estragado e fica como merda. Não tem nada a ver com molhar os pontos," observei secamente. Ela estreita os olhos para mim. "Tanto faz." Uh-oh. Aquelas são palavras agressivas. "O que há de errado?" Perguntei, pegando a minha mão livre e passando as costas dos meus dedos ao longo de sua mandíbula inferior. Ela fechou os olhos e encostou a cabeça contra o meu ombro bom. "Nada." Segundo round. Nenhum resultado. "Por favor, me diga o que está errado," disse suavemente, dandolhe um beijo suave na bochecha e depois no seu pescoço, molhado. "Estou bem." Terceiro round. Enrolando a minha mão em torno do seu queixo, levantei sua cabeça até que seus olhos estivessem nos meus. Então pressionei suas costas nuas nos azulejos frios. Seus olhos se arregalaram, e ela engasgou quando segui seu corpo, pressionando toda a extensão do meu corpo no dela, do joelho até o peito. "Diga-me," disse antes de dar-lhe um beijo punitivo. A mão que estava descansando no ombro foi deixada de lado, esquecida, quando jogou os braços ao redor do meu pescoço. Ela enterrou as mãos no cabelo na parte de trás da minha cabeça, e apertou impossivelmente mais perto. Meu pau furioso encontrou um lugar contra o ápice de suas coxas, e me empurrei nela, provocando um gemido.


"Diga-me," respirei contra seus lábios. Sua língua saiu de sua boca, e entrou na minha. Nossas línguas duelaram, sua língua correndo junto com a minha. Ela congelou quando a cabeça do meu pau pressionou entre as coxas fechadas. Sorrindo diabolicamente, ela estendeu a mão para o sabão, tendo uma boa quantidade de espuma, correu as duas mãos ao longo do comprimento do meu pau, com fúria. Quando estava bom e escorregadio, deixou cair o sabão para a parte inferior do chuveiro, e, em seguida, puxou-me para a frente mais uma vez. A cabeça do meu pau, recém lubrificado com o sabão, escorregou entre suas coxas fechadas. A cabeça escavando através dos lábios de seu sexo, e desaparecendo entre a fenda de seu traseiro. "Ohh," ela respirou. Retirando até que a cabeça do meu pau repousasse contra o calor inchado do seu clitóris, dei golpes curtos para a frente e para trás. A cabeça do meu pau estava tão sensível que estava ficando tão excitado quanto ela estava. Olhei para baixo e vi como o comprimento rosado do meu pau entrou e, em seguida, desapareceu entre suas coxas. Bolhas de sabão foram ensaboando densamente ao longo da base do meu pau, misturando-se não apenas com a meus próprios pelos pubianos, mas com os de Channing também. Ela também observava; ambos tentando descobrir o ponto onde eu parava e ela começava. O ajuste apertado de suas coxas e a sutileza da água e sabão quase fez toda a ação parecer como a coisa real. "Eu preciso de você dentro de mim," ela implorou. Sorrindo maliciosamente para ela, puxei para trás, removendo meu pau duro como rocha dela, e me afastando até que houvesse alguns centímetros de distância entre nós. Meu pau estava a um palmo da sua


fenda, mas eu queria respostas, e não estava conseguindo qualquer uma, se apenas desse a ela, o que ela queria. "Diga-me," disse, olhando em seus olhos suplicantes. "Eu... eu..." ela balançou a cabeça. Inclinando-se, pegou a barra de sabão que tinha feito o seu caminho para o chão, e começou a ensaboar seu corpo. Eu ajudei. Principalmente com a minha boca, primeiro lavei seus mamilos inchados, e depois com a barra de sabão que roubei da sua mão. Corri a ponta do meu dedo em torno de sua aréola, trabalhando lentamente o meu caminho dentro até que estava sobre a ponta. Então belisquei-o levemente, provocando um silvo fora dela. "Se você não vai me foder, vou fazer o trabalho sozinha," retrucou. Inclinou-se para frente, a água em cascata sobre seu corpo em riachos lentos, lavou a espuma que eu tinha ensaboado em seus seios. Em seguida, os dedos desapareceram entre as coxas, e seus olhos fecharam quando ela afundou os dedos em seu calor molhado. "Sim, Loki. Sim," ela gemia. A visão diante de mim era incrível. Nunca tinha realmente testemunhado uma mulher se masturbando em pessoa. Claro, tinha visto muitas mulheres fazendo isso em revistas, mas nada, e quero dizer nada, poderia se comparar a esta. Alcancei a frente, e com a mão esquerda manobrei desajeitadamente meu pau, e comecei a trabalhar com movimentos lentos, duros e firmes. A cabeça do meu pau vazou com a visão dela. Seu peito estava corado. Seu cabelo penteado para trás de seu rosto. Seus seios espremidos juntos. Uma mão estava no mamilo oposto, beliscando. Então ela levantou seu peito e correu a ponta de sua língua ao redor da aréola antes de sugar a ponta em sua boca. Eu congelei, hipnotizado.


"Deus," respirei. Seus olhos se abriram, e eles diziam que ela sabia o que estava fazendo comigo. Fechando novamente, ela dobrou seus esforços entre as pernas antes de mudar para o outro mamilo. Isso foi quando meu controle quebrou. Lancei-me para frente, agarrei a mão que estava entre suas coxas, e prendi-a na parede segurando acima de sua cabeça. "Vire-se," exigi. Soltando o mamilo da boca, ela se virou e me presenteou com a bunda virada para cima. Então alinhei meu pau em sua entrada, e bati dentro. Lá se foram os meus problemas. Longe iam os 'porquês'. Foi-se o mundo exterior havia apenas eu e ela. Meu pau dentro do calor úmido dela. Havia tanta umidade que não sabia se estava vindo dela, de mim, ou do chuveiro. Seja qual fosse a razão, eu aproveitei. Meu pau mergulhou desimpedido em sua buceta apertada. O som molhado da nossa carne batendo uma contra a outra, encheu o pequeno box. Um impulso particularmente duro de meus quadris fez Channing inclinar-se para frente até que seus braços foram plantados na parede de azulejos na frente dela. Sentindo o sinal revelador do meu prazer rosnei. "Toque o seu clitóris. Goze rápido, querida."

iminente,

eu

Ela obedeceu, deixando cair a mão, até que encontrou o pequeno feixe de nervos. A cada impulso áspero, ela gritava até que alcançou finalmente, levando-a além do limite para o esquecimento. "Sim!" Gritou. Meus olhos espremeram apertado quando tirei fora de seu calor escorregadio no último segundo possível e gozei, em toda sua bunda.


Escorrendo para o vale, desaparecendo entre as coxas, e correndo mais para baixo em sua perna antes que a água lavasse. "Jesus," eu ofegava, inclinando a cabeça para a frente até que ela descansou no topo de um dos seus ombros. "Sim," concordou. "Eu acho que preciso de um comprimido para dor," observei. Meu braço estava latejando completamente. Com mais nada para distrair minha mente da dor, começou a consumir mais uma vez o meu braço. Ela se enxaguou rapidamente antes de sair do chuveiro, voltando instantes depois com o meu frasco de comprimidos que comprei antes vir para cá. Abrindo o frasco, entregou a pílula para mim. Coloquei na minha boca e com um gole de água do chuveiro, engoli, antes de enxaguar o sabão restante do meu corpo. Uma vez que saí do chuveiro, envolvi a única toalha remanescente em torno dos meus quadris e entrei no quarto onde eu a encontrei sentada na beira da cama. Sua cabeça estava para baixo em derrota, e parecia tão perdida que senti algo mudando dentro de mim. Era algo que eu tinha feito? "O que há de errado," implorei. Ela quebrou. Toda a emoção que estava segurando pelas últimas três horas, escapou em uma corrida de lágrimas. Escondendo o rosto ainda mais em suas mãos, chorou. Suspirando, puxei-a em meus braços muito sem jeito. Ela chorou por tanto tempo; que havia uma piscina de lágrimas, não só no meu peito, mas escorrendo pelo meu lado e absorvida pelo lençol debaixo de mim. "Eu acho que você acabou de perder metade do seu peso em lágrimas." Disse para animá-la.


Uma risada fraca escapou dela, proveniente do fluxo de lágrimas. "Molhei você um pouco," ela disse, enquanto enxugou as lágrimas no meu peito. "Está tudo bem, não me importo de sua marca de umidade," provoquei. Ela sorriu tristemente. "Loki... Tenho algo para lhe dizer quando voltarmos da Flórida. Não estou pronta para lhe dizer ainda, mas quando voltarmos, me prometa que vai me fazer lhe dizer. " A minha curiosidade foi disparada, mas permiti que tenha seus segredos. "Por agora," confirmei. "Mas agora que sei que você tem um segredo, não acho que não vou tentar descobrir isso." "Você não pode desligar o policial em você ... pode?" Ela brincou. Revirei os olhos. "Não querida. Sempre vou ser um policial, se estou vestindo o distintivo ou não. " Ela se inclinou e me beijou na boca. "Ok." A dor em meu braço lentamente diminuiu para pouco menos de 'oh-meu-Deus-eu-levei-um-tiro-no-meu-braço' e finalmente fui capaz de tomar uma respiração profunda. O padrão da respiração de Channing mudou até sua respiração tornar-se lenta e constante. Ela adormeceu assim, aconchegada profundamente em meus braços. A cabeça apoiada no meu peito. Minha mão ferida descansando sobre o colchão no lado oposto a mim.

"Loki?" Chamei na escuridão. Eu dei-lhe três segundos antes de chamar de novo.


"Loki?" Chamei novamente. Rolando com cautela para que eu não esbarrasse em seu braço ferido, encontrei-o deitado de lado. Ele estava de costas para mim, a vasta extensão de suas costas era a única coisa que poderia ver na escuridão. A única luz que havia, era a partir da lua cheia que espreitava entre uma lacuna entre as persianas. Batia na cama em linhas, e lançava sombras ao redor do quarto. Eu tinha acordado em pânico, o sonho que estava no meu subconsciente lentamente afastou-se em nada. No sonho, Loki me deixou, uma vez que descobriu o meu segredo. No entanto, quanto mais eu olhava para sua forma e ouvia os sons suaves de sua respiração que me cercava, mais calma me sentia. O destacado ritmo errático do meu coração abrandou, e a bile subindo no meu estômago começou a diminuir. Minha mão desceu, de má vontade, para a curva ligeira da minha barriga, e senti as vibrações de novo, finalmente percebendo o que, exatamente, me acordou. Movimento. Movimento dentro de mim. Mais uma vez. Toto, pensei. Nós não estamos mais no Kansas. "Por favor, não me odeie," sussurrei em suas costas.


Andei atrás de Loki e ouvi irredutivelmente sua conversa. "O que ele quis dizer com isso? Uh-huh." Pausa. "Sim. Claro." Pausa. "Sério? E Varian?" Pausa. "Nada? Você tem certeza?" Pausa. "Droga. Não há nenhuma maneira que ele estava agindo de forma independente. Eu não tenho muitos inimigos." Suspirei, chamando a atenção de Loki da contemplação dos dois guaxinins atualmente conversando animadamente de volta para mim. Ele sorriu quando me viu, permitindo que seus olhos viajassem das pontas dos meus dedos do pé ao topo da minha cabeça. Eu tinha tomado outro banho, e depois escorreguei para a única coisa quente que tinha a mão, um par de calças que estavam na bolsa de Loki, meias que eram cerca de cinco tamanhos a mais, e a Henley de manga comprida que ele estava usando quando foi baleado na noite passada. Foi uma coisa boa que as mangas estavam arregaçadas, no momento, ou estaria manchada com seu sangue, e, posteriormente, jogada no lixo. Me deu conforto, no entanto, porque cheirava a ele.


"Sim," disse em seu telefone, mas manteve os olhos em mim. "Vou estar pronto para sair logo que os gêmeos e Cleo chegarem aqui." Ele fez uma pausa, ouvindo o que quem estava no telefone tinha a dizer, e então disse, "10-4. Vou verificar quando eu chegar lá, mãe... quero dizer Trance." Ele sorriu para o que quer que fosse a mordaz réplica que Trance tinha respondido, e desligou o telefone. Empurrando o telefone fino em seu bolso, caminhou em minha direção. "Belas roupas." Sorri ligeiramente. "Não tenho mais nada." Pelo menos nada mais que eu estava disposta a vestir. Minhas roupas da noite passada estavam manchadas com óleo de motor e sujeira do estacionamento do Halligans and Handcuffs. Não estava disposta a usá-las, o que significava que era os suores ou nada. Vestir nada era realmente uma possibilidade, uma vez que estava em torno de quarenta graus lá fora. "Cleo vai lhe trazer algumas roupas," disse, assim que me alcançou. Seus dedos correram pelo meu cabelo embaraçado, tentando separar os emaranhados. "Eu tenho uma escova na minha bolsa go. Você quer?" "O que é uma bolsa go?" Perguntei com uma sobrancelha levantada. "É uma bolsa que está pronta em caso de uma emergência. Ela tem algumas barras de proteína, uma arma de reposição e algumas caixas de munição. Um pente. Alguns produtos de higiene e roupas," disse enquanto trabalhava os dedos através de um ponto particularmente embaraçado. "Claro," concordei. "Como está o seu braço?" O pequeno buraco que atravessava seu braço, agora coberto por oito pontos minúsculos, parecia vermelho e irritado. Os pontos azuis destacaram-se, fazendo a ferida parecer ainda pior. Sua careta disse tudo.


"Você tomou os remédios para dor?" Perguntei. "E os seus antibióticos?" "Eu tenho que dirigir," respondeu. Eu dei-lhe um olhar divertido. "Isso não significa que você não pode dirigir se tomar eles. Isso significa usar o bom senso." Os sons de escapamentos começaram a vibrar através da floresta, e as criaturas peludas da floresta correram para longe, apenas a tempo para quatro motos parar na calçada. Eles estacionaram ao lado do carro de Loki, e desceram. A barba de Silas parecia ainda mais foda hoje, do que estava no bar. Hoje, estava trançada e caía sobre o seu peito. E sua camisa. Oh, Deus, a camisa era incrível. Apesar de ter sido parcialmente coberta por seu colete de couro, eu ainda conseguia distinguir as palavras. Ela dizia: 'Com barba grande, vem uma grande responsabilidade.' "Eu amo sua camisa!" Soltei. Sua atitude fria rachou, e o homem me deu um sorriso devastador. Este homem era sexy para sua idade. Ele poderia facilmente pegar qualquer um dos homens que o cercavam em uma luta. Era amplo, alto, e devastadoramente bonito. "Obrigado, querida. Como você está nesta manhã? " Perguntou educadamente com sua voz de barítono profundo. Eu pisquei. Não estava realmente certa do que esperava, mas uma voz culta não era uma delas. "Estou bem. Estava prestes a fazer o café da manhã e alimentar à força Loki com seus antibióticos e analgésicos," respondi rapidamente. Ele sorriu, exibindo dentes brancos retos. "Excelente. Será que estamos autorizados a fazer pedidos? " Pisquei estupidamente concordar. "Com certeza."

por

alguns

segundos

antes

de


"Quatro ovos. Bacon. Torrada," ele disse simplesmente. "E, agora que o rei fez seu pedido, gostaria do mesmo. O bacon duplo." Cleo disse sabiamente. Eu ri. "10-4." O sorriso de Loki em resposta foi doce. "10-9." Inclinei a cabeça para o lado. "O que isso significa?" Ele riu. "Repetir. Eu quero o mesmo que eles," disse, enquanto gesticulava na direção dos homens. Depois de ouvir os pedidos dos outros dois, deixei os homens na varanda, pois era óbvio que eles estavam querendo falar sem as orelhas virginais de uma mulher ao redor, e comecei o café da manhã. Eu estava fazendo muito bem, até que o cheiro dos ovos começou a me dar náuseas. Descartando os ovos em cima do balcão, corri para o banheiro e vomitei até a xícara de café que eu tinha consumido e, em seguida, o meu jantar da noite anterior. Escovei os dentes rapidamente, corri de volta para a cozinha a tempo de virar os ovos. "Você quase queimou," disse Silas da mesa da cozinha, me assustando até a morte. Virei-me com a espátula na mão, fazendo gordura de bacon ondular até a mesa onde ele estava sentado. "O-o quê?" Gaguejei. "Você quase os deixou queimar," repetiu. "Oh, bem, sim, eu não queria," disse com os olhos arregalados. Ele virou a cabeça, me verificando da cabeça aos pés, demorandose na minha barriga que ele não poderia ver. De alguma forma, porém, eu sabia que ele sabia. Ele passou menos de dois minutos na minha presença, e ele sabia. "Você disse a ele?" Perguntou baixinho. Meus olhos foram para a porta em pânico. "Não." Balancei a cabeça freneticamente.


Ele assentiu com a cabeça, mas seus olhos sérios nunca me deixaram. "Não o foda." Não foi uma declaração qualquer. Eu sabia que se fizesse mal a Loki, Silas não me deixaria esquecer o que eu tinha feito. "Eu não vou. Nunca o faria. Eu o amo," disse simplesmente. Seus olhos sérios seguraram os meus, azul pálido em azul pálido, e ele concordou: "Ele não ficará louco." Sorri ligeiramente. "Eu sei. Eu só... ele tem muitos problemas agora, e eu não quero acrescentar isso. Quero que ele saiba, não me interprete mal, mas quero que ele se concentre em corrigir este problema, não pirando sobre mim. Eu tinha planejado lhe dizer logo que voltei a vê-lo, mas então ele me contou sobre os múltiplos atentados contra a sua vida e, assim, eu simplesmente não poderia adicionar à sua carga no momento." Ele assentiu. "Ele vai descobrir mais cedo ou mais tarde. Não espere muito tempo, querida. " Meus ombros caíram. "Não sei como lhe dizer, para ser honesta." Ele se inclinou para frente, deixando os cotovelos descansar sobre os joelhos. "De quanto tempo você está?" Eu pisquei. "Uh, vinte e três semanas." Ele piscou. Então piscou novamente. "Como diabos você está escondendo isso dele?" Perguntou, espantado. Eu ri. "Eu sempre tive uma barriguinha. É só que... está mais dura agora. Não tão flácida. Então uso camisetas mais soltas. Minhas calças jeans não servem mais." "Uh, oh. Olhei em suas calças para ver o tamanho que você usava. Não sabia que elas não serviam mais." Loki sorriu para mim quando entrou com um saco. Ele ofereceu-me, e peguei preocupada. Ele ouviu o que eu disse?


Meus olhos preocupados encontraram os de Silas, que balançou a cabeça, indicando que não, ele não nos ouviu. O que me permitiu relaxar. Eu diria a ele no minuto em que voltássemos.

"Você está com calor?" Perguntei a Loki quando nós começamos nossa sétima hora de direção. Ele olhou para mim estranhamente. "Não. Posso dizer oficialmente que é a primeira menina a me dizer que está quente, e tem o ar condicionado ligado." Eu bufei. "Tenho que fazer xixi. Podemos parar na próxima saída?" Sua cabeça caiu para trás no encosto de cabeça. “Nós apenas paramos a menos de uma hora atrás." "Sim, bem diga isso a minha bexiga," rebati. "Talvez as calças estão muito apertadas," tentou. Eu ri e, em seguida, puxei minha camiseta para cima para mostrar-lhe as minhas calças desabotoadas. "Sem chance de ser isso." Seus olhos foram para minhas calças desabotoadas. Ele me deu um olhar confuso. "Me desculpe. Pensei que elas eram tamanhos universais. Não sabia que skinny significava outra coisa que não fosse estilo." "Está tudo bem. Basta lembrar, para referência futura, que eu não compro na seção adolescente," disse secamente. "Bem," disse, enquanto seus olhos seguiram o movimento de um caminhão na nossa frente. "Isso foi tudo culpa de Cleo. Só disse a ele o tamanho, para começar." Dei de ombros. "Vou comprar algumas quando chegarmos... onde quer que vamos. Realmente preciso fazer xixi, no entanto. Nós passamos


tipo, oito saídas, e todas elas tinham postos de gasolina. Qual é o problema?" "Esse cara na nossa frente... oh, merda," disse quando pisou no freio e jogou para o lado da estrada. Minha cabeça virou e vi com horror quando o caminhão que estava tecendo na pista de repente chicoteou em todas as três faixas de tráfego, através do poste de luz, em todo o canteiro central, e no tráfego próximo. A cena desenrolou como se estivesse em câmera lenta. Assisti em transe quando o caminhão atravessou o muro de concreto como se fosse papel de seda. Em seguida, bateu em um trailer e dois caminhões, antes de continuar fora do acostamento e desaparecer, descendo a colina. Então o caos começou. Detritos começaram a voar como papel confete, carros atingindo carros destruídos. Alguns foram para fora da estrada. Alguns bateram a barreira de concreto. Todo o tempo, me sentei no meu lugar em pânico. Loki não teve esse problema, no entanto. Ele, e os quatro motoqueiros, todos saíram na estrada em questão de segundos. Loki não perdeu tempo e abriu seu painel central, retirou uma caixa de luvas roxas, e vestiu-as. Ele seguiu para chegar ao banco traseiro e pegou o que parecia ser um grande saco de lona e saltou para fora de seu carro. Correu através da interestadual, esquivando dos carros a setenta quilômetros por hora ou mais, e contornou a barreira destruída. Meu telefone estava na minha mão, e o 911 estava na linha antes de estar ciente que tinha ligado. "911, qual é sua emergência?" Disse uma voz calma. "Houve um acidente em na I-10. Uhh, não posso afirmar o quilometro certo. Meu Deus. É ruim," eu tagarelava freneticamente ao telefone.


"Tudo bem, querida. Sabemos onde você está. Nós já tivemos outras cinco chamadas. Temos unidades em rota," disse calmamente. Eu estava tudo, menos calma, apesar de tudo. Na verdade, estava no extremo oposto do contexto. "Oh, meu Deus!" Sussurrei. O telefone escorregou da minha mão, e coloquei sobre o assento do carro antes abrir minha porta e pular para fora. Com a calça apertada, mas não abotoada comecei a caminhar em direção ao caos. De alguma forma, consegui pegar um par de luvas, e escorregueias sobre as minhas mãos. Havia centenas de pessoas, assim como eu, olhando para o caos. Atravessei a interestadual carregada de detritos, como em um pesadelo. Encontrei Silas em primeiro lugar, e fui direto para ele. "O que você precisa que eu faça?" Perguntei em voz baixa. Ele olhou para cima a partir da janela do lado do passageiro da van e balançou a cabeça. "Eu não sei, Channing. Basta fazer o que você puder. Fale com eles. Encontre um carro e fale com eles." Foi o que eu fiz. Fui para o primeiro carro que achei que já não tinha uma pessoa para ele, e caminhei lentamente até a janela. O carro estava em pedaços. Era, o que eu imaginei ser um SUV tamanho médio preto, mas se assemelhava a algo menor, e muito mais mortal com as peças cortantes, pontiagudas de metal e a gasolina vazando no asfalto. A mulher no banco da frente era jovem, possivelmente dezesseis ou dezessete anos. Estava olhando ao seu redor com uma expressão aturdida. "Querida?" Chamei. "Sabe o que aconteceu com você?" Eu não sabia o que dizer, de modo que parecia ser o ponto de partida lógico.


"N-não. Onde está minha mãe?" Perguntou em voz baixa. A menina tinha um corte acima do olho direito, e seu rosto estava coberto de uma película branca provavelmente do air bag. "Sua mãe não está aqui, querida. Você pode olhar para mim?" Perguntei. Ela virou a cabeça, e vi mais ondulações de sangue em torno de sua orelha e escorrendo pelo seu pescoço. Encolhendo os ombros para fora da minha camiseta, me movi através da janela do lado do motorista quebrado e coloquei a manga do moletom na cabeça ferida da menina. Fiz um balanço do corpo da menina, e estava feliz em ver que a única coisa de errado com ela parecia ser a ferida na parte de trás de sua cabeça. "Você pode me dizer o seu nome?" "Judith," respondeu um pouco mais coerente. "Oi, Judith. Sou Channing. Você vai para a escola?" Perguntei, tentando manter a conversa. "Sim," confirmou. "Mas estava a caminho de visitar meu pai no Texas. Minha mãe e eu estávamos fazendo uma viagem." Olhei ao redor do carro, sem ver a mãe em qualquer lugar, me preocupando que talvez a menina tenha batido a cabeça mais forte do que eu pensava. Nós conversamos por quase uma hora. Equipes de emergência responderam a poucos minutos da minha chamada, mas haviam tantas pessoas para serem atendidas, que levou tempo para ajudar todo mundo. Em um ponto, um homem vestindo roupa de bombeiro se aproximou, avaliou o paciente, e me disse para continuar o que eu estava fazendo. Eu fiz, e olhei o agitado mundo ao redor de mim. Vi Loki aparecer de vez em quando, assim como Silas e Cleo, mas não vi os dois mais jovens até muito mais tarde naquele dia.


Foi minha bexiga explodindo que finalmente me mandou embora do pandemônio. Judith foi tirada de seu carro, e eu estava assistindo ansiosamente. Eu tinha forjado um vínculo com a doce mulher ao longo das últimas duas horas, e senti uma conexão a ela que não poderia explicar. No entanto, quando minha bexiga decidiu que não iria segurar por mais tempo, corri em direção à floresta e caminhei até que eu já não podia ver nada nem ninguém antes de me aliviar. Então fui para o carro, peguei um cobertor da parte de trás, e esperei, sem saber mais o que fazer. Podia ver todos os homens do meu grupo, mas todos eles foram duros no trabalho ajudando as equipes a fazer o senso do acidente. Tremi, ainda sobrecarregada com a destruição. Colocando as mãos sobre o capô do carro de Loki, me empurrei até que eu estava sentada sobre ele, e depois me recostei contra o para-brisa e examinei a área. "Minha senhora?" Disse uma voz maternal atrás de mim. Pulei e me sentei para encontrar uma mulher mais velha com jeans e um moletom ali de pé, sorrindo carinhosamente para mim. "Sim?" Perguntei. "Sou a mãe de Judith. Só queria dizer obrigada por ficar com ela. Você é uma mulher muito boa," ela sorriu docemente. Pisquei, e, em seguida, um sorriso radiante ultrapassou meu rosto. "Oh, estou tão feliz em ver que você está bem. Você sabia que eles enviaram Judith para o hospital já?” Perguntei. Ela assentiu com a cabeça. "Sim, eu sei. Só queria te agradecer."


"Oh," eu disse, corando levemente. "Não foi grande coisa. Aposto que você teria feito o mesmo por mim." Ela assentiu com a cabeça sabiamente. "Eu teria. Por favor, cuide do seu bebê. Eles realmente mudam a nossa vida." Eu olhei para o meu corpo, me perguntando como ela poderia saber. Quero dizer, era óbvio para mim que eu estava grávida, mas o meu próprio namorado não poderia dizer, assim como que ela sabia? Quando olhei para trás de novo, a mulher tinha ido embora. Eu me inclinei para trás contra o para-brisa do carro, e meus olhos fecharam involuntariamente. Quando abriram mais uma vez, foi para encontrar Loki esfregando minha coxa suavemente e falando comigo em tom suave. "Channing, baby? Você está pronta para ir?" Disse a voz áspera de Loki abaixo de mim. Meus olhos se abriram, e a primeira coisa que vi foi um céu escuro repleto de milhões de estrelas. Virando a cabeça, olhei para o homem que eu amava. Sim, eu disse que amava. Sabia que eu o amava. Depois de hoje, percebi como a vida pode mudar rapidamente. Como, em um único segundo, tudo poderia ser nublado, com nenhum caminho à vista. Em seguida, um momento único no tempo poderia mudar meu mundo, e me mostrar o caminho que precisava seguir. "Eu amo você." Sussurrei. Ele congelou. "O que você disse?" Respondeu asperamente. A luz da lâmpada da rua acima de nossas cabeças brilhava, lançando uma luz branca misteriosa. Ele parecia cansado. Totalmente e completamente cansado. "Disse, eu te amo," disse mais alto. Ele piscou, e então seu rosto abriu-se num sorriso triste.


"Eu tambĂŠm te amo."


Entrei no quarto lentamente, perguntando o que iria encontrar quando cheguei do outro lado da parede. Nós chegamos tão tarde ontem à noite, que não conheci a mãe de Loki. Tínhamos apenas ido direto para a cama após o banho. Acordei com uma cama vazia, e o sol da tarde brilhando através das persianas de madeira direto nos meus olhos. Vesti o moletom que estava fora da bolsa de Loki, os mesmos que usei ontem; mesmo que parecesse que a noite na casa segura foi há milhares de anos. O que me levou a este momento. Estava andando o mais silenciosamente possível, não que eu soubesse o motivo. "Ela tem dormido muito tempo, querido. Talvez devêssemos ir ver como está," disse uma voz de mulher. Parei na porta da cozinha a tempo de ver um homem mais velho, vestindo calça jeans e uma camiseta preta, responder. "Andrea, Bryce disse para deixá-la dormir, então você a deixará dormir. Disse que eles testemunharam o acidente na I-10 ontem. A pobre moça precisa de sono. O que ela não precisa é de ser atormentada sobre se está planejando trazer quaisquer netos para o mundo em breve."


Ele era alto, com cabelos grisalhos espalhado, e uma sombra de barba de cinco horas que realmente o deixava com uma boa aparência. Ele me lembrou muito George Clooney, de uma forma mais áspera, mais durão de alguma maneira. Sorri, e minha mão distraidamente caiu sobre meu estômago. O que me lembrou que eu tinha conseguido não vomitar esta manhã. Um ponto para mim! "Não estava indo atormentá-la sobre um bebê. Estava indo me certificar de que ela está bem. Isso é tudo, " disse a mulher. Ela era bonita. Tinha um corte de cabelo curto estilo fada que permitia que seu cabelo vermelho fluísse livremente ao redor do rosto. Ela tinha rugas de expressão ao redor dos olhos e da boca, compensados por um batom cor de pêssego que combinava com seu vestido largo com estampa chevron25 com perfeição. Parecia uma daquelas pessoas que, provavelmente, se vestia apenas para ir ao supermercado, mas estava tudo bem. "Estou acordada," disse, assustando os dois. Ambos os olhos me prenderam no lugar, e eu esperei pacientemente, enquanto eles me avaliaram por longos momentos. "Channing!" Exclamou a mãe de Loki. "Venha aqui. Você está com fome? Comecei a fazer sanduíches, mas estou mais do que feliz em fazer o que você quiser. " Balancei a cabeça e caminhei até a ilha de cozinha onde eles estavam lado a lado fazendo os sanduíches. "Não, sanduíches soa celestial, obrigada. Posso ajudar?" "Não, menina, simplesmente sente-se e descanse. Vamos fazer os sanduíches. Alguma coisa especial no seu? " Apertei os lábios e pensei por alguns instantes. "Picles. Muitos picles. E molho. E azeitonas, se tiver alguma. " "Picles costumava ser o meu favorito quando eu estava grávida. Parece que eles são a sua kryptonita, também, " ela sorriu melancolicamente.

25


Pisquei para ela estupidamente. "C-como você sabe?" "Porque eu disse a ela," Loki disse atrás de mim. Virei-me surpresa por encontrá-lo encostado na entrada da cozinha. Ele disse tão casualmente que me levou alguns momentos para reagir. "Como você sabia?" Eu olhei. Ele me deu um olhar de 'você tem que estar brincando'. "Querida, sou um policial por um longo tempo agora. Não sou estúpido. Posso colocar dois e dois juntos para formar grávida. " Eu bufei, o que foi repetido pelos dois atrás de mim. "Bem, você poderia ter, pelo menos, dito alguma coisa," acusei. "Estou tentado dizer a você por um tempo, simplesmente não sabia como. " "Teria sido bom saber também. Há quanto tempo você sabe?" O padrasto de Loki perguntou atrás de mim. Virei-me para encontrá-lo olhando para sua esposa. Ela levantou os olhos. "Você não gostaria de saber?" Ele apontou a faca coberta de maionese para ela. "Vou me lembrar disso." "Ohh, estou com tanto medo," ela disse sarcasticamente, quando agitou as mãos no ar. Eu estava muito ocupada cambaleando sobre a revelação de que Loki sabia para continuar ouvindo suas brincadeiras. Quando senti o corpo dele atrás de mim, me virei para olhar para ele. "Há quanto tempo você sabe?" "Após o nosso banho na outra noite. Me senti muito burro que não coloquei essas duas coisas juntas antes disso. Que tipo de detetive eu sou," ele murmurou. Coloquei minha cabeça contra seu peito, e ouvi seu batimento cardíaco lento e constante. Bem tranquilo. Sem enlouquecer, ou gritando, como eu temia. Só calmo.


"Você está bem com isso?" Sussurrei contra a camiseta cobrindo seu peito. "Não é a mais ideal das situações, mas eu não estou infeliz com isso. Eu queria que nós fossemos casados primeiro? Sim. Com isso dito, não significa que não estou sobre a lua por ser um pai. Queria que você tivesse me dito mais cedo, no entanto. Não que não entenda o que lhe impediu de me dizer." Eu balancei a cabeça contra seu peito. "Eu perdi uma consulta médica ontem, fodido idiota. Remarquei para o dia depois do Natal, por isso temos que ter certeza que estarei em casa até então. É importante, é quando eles testam o meu açúcar no sangue e todas essas coisas divertidas. " Ele rugiu o seu acordo. "Eu a levarei até lá." "Bem, agora que isso está resolvido, que tal um almoço?" A mãe de Loki aplaudiu.

“É realmente um lugar agradável que você tem aqui," disse a Andrea. Comecei chamando a mãe de Loki de Sra. Merritt, mas ela me cortou muito rápido. "Você me chame de Andrea... ou mãe. Você é da família, " disse. "Ah sim. É bem melhor do que onde eu morava com Bryce. Zeth é muito bom para mim," sorriu melancolicamente. Estávamos sentadas na varanda de trás observando enquanto o Loki e seu padrasto Zeth, trabalhavam no motor do barco que estava amarrado a sua doca. Sterling, Cleo, Parker, e Silas todos sentaram-se na doca, conversando com os dois dentro do barco.


"Eu não me importaria com a água de vez em quando, mas depois do Katrina, acho que nunca vou ser capaz de viver tão perto de água novamente,” tremi. Andrea se virou para mim, girando até que seu pé estava plantado na cadeira e sorriu tristemente. "Eu não gosto muito da temporada de furacões, tampouco. Zeth está tentando me convencer a sair há alguns anos. Ele quer se mudar para um lugar que tenha quatro estações bem definidas, mas simplesmente não consigo suportar desistir deste lugar." "Eu não vejo como você poderia. É majestoso," disse. Parecia bonito aqui fora. O sol não estava muito quente, o clima não era obscenamente úmido. A brisa do mar parecia quase perfeita. Zeth e Andrea viviam na baía. Apesar de estarem a beira-mar, não tinham praia, o que é uma coisa que teria gostado se eu tivesse a escolha. "Então, me diga como você conheceu Loki. Ele me contou sobre você, mas não como vocês se conheceram," disse animada. Eu ri. "Oh, bem o primeiro dia em que o conheci, entrei em uma briga com meu irmão sobre cortar a grama. Quando ele se recusou, fiz isso mesmo tendo uma crise de asma, o que foi incrivelmente estúpido; mas, na época, eu estava louca e não pensei direito. Loki me ajudou quando tive o ataque de asma, eu deveria ter esperado." "Oh céus. Isso é horrível. Ele é um garoto útil assim, no entanto. Ele fazia todo o trabalho doméstico, enquanto eu estava no trabalho. E sempre foi muito organizado. Era uma criança muito incomum. " Ela balançou a cabeça. Bufei. "Se eu deixo uma meia no chão, ele pega e coloca no lugar apropriado. E Deus me ajude se eu não colocar o papel higiênico de volta no rolo corretamente." Balancei meu dedo para ela. Ela riu. "Ah sim. Esse é o meu Bryce. Eu não posso esperar até que o bebê venha e arruíne sua vida ordenada!" Concordei plenamente. "Eu nunca realmente estive com ele por mais do que alguns dias. Por isso definitivamente deve ser interessante, no mínimo. "


Eu teria continuado com essa linha de pensamento, mas meu telefone tocou, indicando que era Brittany. "Sinto muito, se você me der licença. É a minha chefe," disse enquanto me levantei e desci os degraus. Parei quando meus pés atingiram a beira do gramado e respondi. "Alo?" "Onde você está?" Perguntou Brittany. "Longa história. Será que Cabe não disse que eu iria embora depois do feriado do Natal?" Perguntei. "Sim... mas você se foi há muito tempo. Achei que estaria de volta até agora. Uma ligação seria ótima, no entanto," ela retrucou. Suspirei. "Me desculpe. É só que tudo aconteceu tão rápido. Então aconteceu o acidente. " "Sim, vi sobre o acidente. Você virou notícia," disse tristemente. "Eu ouvi sobre a garota que você ajudou depois que a mãe morreu." "Espere," me assustei. "O que quer dizer com a mãe morreu?" "Isso é exatamente o que eu quero dizer... você não se lembra? Era você quem estava lá," perguntou, perplexa. "A mãe não morreu. Falei com ela," disse com um aceno de cabeça. Eu não tinha percebido o quão alto e alarmada minha voz estava começando a soar até que vi Loki andando na doca para mim. A mãe não morreu, não é? Aconteceu alguma coisa após os destroços? Loki parou alguns centímetros longe de mim e esperou. "Sim, a garota que você estava falando, sua mãe morreu depois de ser ejetada do carro. O pai encontrou a filha na sala de emergência mais tarde naquela noite. Supostamente, ele é um grande figurão no Congresso. Isso está em todos os noticiários," disse ela lentamente. "Eu vou chamá-la de volta," disse rapidamente antes de desligar. "O que foi?" Ele perguntou assim que o telefone estava longe do meu ouvido.


"Essa menina que eu estava falando ontem... você viu ela?" Perguntei. Ele assentiu. "Claro, mas eu não fiquei muito tempo. Chequei a mãe também. Ela era MNI, " disse com cautela. "MNI?" Perguntei. "Morreu no impacto," ele confirmou. "Espere... o quê?" Perguntei, passando minhas mãos pelo meu cabelo. A faixa que os segurava se soltou, e meus longos cabelos caíram livre, mas ignorei isso. "Ela estava morta. Não estava usando o cinto de segurança. Foi através da janela do lado do passageiro quando o caminhão bateu nela. Em seguida, seu corpo entrou em contato com o solo. Seus ferimentos eram incompatíveis com a vida," ele confirmou. Meus olhos devem ter demonstrado meu horror e tristeza, porque ele me puxou para os seus braços e me envolveu apertado. "Ela... ela me agradeceu por cuidar da sua filhinha. Será que não foi a mãe?" Perguntei. Eu estava chorando agora, mal fazendo qualquer sentido. Loki me entendeu, no entanto. Pelo menos na sua maior parte, de qualquer maneira. "Quem agradeceu você? Quem quer que fosse não era a mãe. A mãe estava..." Eu bati minha mão sobre sua boca, impedindo-o de dizer que ela estava morta novamente. Retirando meu telefone, pesquisei o acidente, e a primeira coisa que vi foi a jovem que eu tinha ajudado, assim como seu pai, o rosto devastado do senador, ele deu uma conferência de imprensa mais cedo naquela manhã. Clicando no clipe de vídeo, eu observava em silêncio enquanto o senador, Malcom Young, agradeceu a polícia municipais e estaduais, os socorristas e a ‘jovem mulher especial' que fez a diferença na hora que sua filha mais precisava dele.


Em seguida, a esposa do homem estava na tela. A mesma mulher que tinha me agradecido depois de eu ter deixado a cena. "É ela," eu disse, parando-o e mostrei-a para Loki. "Essa é a mulher que me agradeceu." Ele olhou para o telefone, depois para mim. Em seguida, balançou a cabeça. "Isso é fodido. Essa é a mesma mulher que estava morta. Não há nenhuma maneira que ela falou com você. Seus cérebros estavam espalhados no..." Virei-me e corri através do cais e para a casa, passando por uma Andrea preocupada olhando na minha direção. Cheguei no banheiro a tempo de cair em meus joelhos e vomitar o restante do meu almoço que não tinha tido a chance de digerir ainda. "Estou completamente doida," disse uma vez que peguei minha respiração. Quando finalmente consegui me orientar, estava de pé, surpresa ao descobrir que Loki não tinha me seguido. Quando lavei e enxaguei minhas mãos, fui encontrá-lo e não tive que ir muito longe. Encontrei-o olhando para a TV, assistindo a um noticiário de última hora com o telefone no ouvido. "Não, Trance. Como ele sabe onde estamos? O nome da minha mãe foi alterado. Eles vivem em uma casa nova. Não peguei a minha moto. Não estou usando qualquer coisa que me identifique. Estou seguro. Fique de olho no Big Red, no entanto. Ele pode ser capaz de cuidar de si mesmo, mas é melhor prevenir do que remediar, certo?" Ele retransmitia ao telefone. Ele bufou. "Eu iria verificar seus amigos. Diga ao promotor para fazer um acordo com eles, também, se estão dispostos a dar qualquer coisa sobre o seu paradeiro. Dortea irá fazê-lo. Além disso, ele não tem muito mais para ir em frente. Ele me quer e não será capaz de me encontrar. " Ele jogou o controle no sofá e agarrou o pouco cabelo que tinha sobre a sua cabeça entre os punhos. "Foda-se, sim. Sim, veja a minha casa. Verifique a de Channing também. Você poderia apenas fazer uma


tocaia lá. Sim, ele vai para lá. Ele vai voltar para o seu lugar, também. Eu sei que ele tem merda armazenada em algum lugar. Provavelmente enterrou no quintal." "Ok," balançou a cabeça e se virou. Eu devo ter feito algum barulho, porque realmente assustei ele. "Sim," um sorriso alcançou seu rosto. "Não, Lucy tem uma mente própria. Eu não posso ajudar que ele mostrou a seus filhotes como cavar o quintal. O que você quer que eu faça a quase dois mil quilômetros de distância?" "Bem. Obrigado. Tchau," disse antes de desligar. "O que foi?" Perguntei. Minha voz soou ferida. Ele franziu os lábios. "Varian, de alguma forma, escapou do transporte hoje. Porra, exploda minha mente, porque ele nem sequer sabe quando, onde ou como estava sendo transferido. Quem o ajudou deveria estar esperando porra. " Minhas entranhas encolheram-se ainda mais. "Portanto, agora temos Varian fora da prisão? Será que estamos mesmo seguros aqui?" Ele pensou por alguns instantes antes de responder. "Sim. Acredito que sim. Mas vamos ficar em uma pousada, em vez de ficar aqui. Apenas no caso. Eu não imagino que venha para cá; mas não quero colocá-los em perigo. " "Isso não é necessário," disse Andrea, da porta. Nós dois viramos para encontrá-la ali, esfregando suas mãos. Seu cabelo estava ligeiramente despenteado da brisa do mar, o que só exacerbou seu olhar cansado. "Eu não quero que você vá. Você acabou de chegar aqui. " "Ma," Loki começou. "Não. Você não está saindo," disse com a voz mais autoritária que conseguiu. "Andrea," tentei, mas ela estava balançando negativamente antes que eu pudesse dizer duas palavras.

a

cabeça


"Não. Você vai ficar. Isso está decidido. Eu tenho um presunto para véspera de Natal, e um peru com batatas-doces para o Natal. Não vou ter um... homem... arruinando isso para nós. Eu quero ter um Natal real. Como uma família. Mereço isso, você não acha?" Sua voz tremeu. "Oh, mãe," disse Loki, antes de a envolver em seus braços. Eu escapei pela porta aberta, me espremendo entre o batente da porta e as costas largas de Loki, e saí para ver o mar. Apesar de ter sido comovente que ela queria isso, eu não poderia deixar de me preocupar com o perigo potencial. Talvez não hoje, nem amanhã, mas tinha a sensação de que iriamos encontrar Varian. Não importa o quão inflexível e contrário era Loki.


NOITE DE NATAL "Oi pai. Recebeu meu presente de Natal?" Channing perguntou a seu pai. Atualmente era noite de Natal, quatro dias depois de descobrir que Varian tinha escapado. O estado de Louisiana sabia que ele estava foragido, também, porque ele estava deixando um rastro de devastação em seu caminho. Primeiro, foi o segurança que estava dirigindo a van. Varian tinha construído uma faca feita de papel higiênico, como se fosse de papel machê, completando com coisas que garantiria que a arma atrasasse o transporte. Depois de matar o primeiro guarda, o parceiro de Varian, quem quer que fosse, atirou no outro guarda, que foi ajudar o segundo guarda, com uma espingarda no rosto do homem. A partir daí os dois iam de um lugar para outro, roubando carros, dinheiro, comida e roupas. Eles não fizeram isso muito bem, porém.


Como sabíamos que eram eles? Pelas gargantas cortadas. Eu não estava dizendo nada disso a Channing, entretanto. Tinha feito o meu melhor para não a deixar perto de uma TV. Eu comprei-lhe um Kindle de Natal, e dei a ela dois dias atrás, quando reclamou de não ter nada para fazer. Menti e disse que a TV tinha quebrado, e Zeth tinha confirmado minha mentira, foi tão longe como procurar novas TVs na Best Buy26, mas voltando de mãos vazias. Ele disse à minha mãe e a Channing que todas as TVs foram vendidas devido ao fato de estar tão perto do Natal. Eu não discuti. A mentira funcionou bem para mim. Além disso, comecei a ir com ele para ajudar a 'comprar' a TV nova, que foi quando comprei o presente de Channing. Presentes. Não tinha dado a ela o principal, ainda. Estava esperando por algum tempo sozinho, o que não aconteceu muito nos últimos dois dias, visto que minha mãe estava realmente explorando a coisa toda de Natal em família. "O que quer dizer com você não pode encontrar Andrew?" Perguntou Channing estridentemente. "Não, não tenho notícias dele desde que ligou na semana passada procurando a chave reserva. Não. Sim. Não. Onde é que ele foi viver todo esse tempo?" Perguntou Channing. "Sim, ele está aqui," disse Channing antes de entregar o telefone para mim. Peguei o telefone celular dela cautelosamente. "Alo?" Respondi. Channing viu meu rosto preocupado. "Ei," Colton disse asperamente. "Eu não queria alarmar Channing, mas tenho certeza que Andrew se meteu em alguma merda."

26

Best Buy: loja de venda de eletrônicos


Dei uma olhada para Zeth que estava sentado no bar com a minha mãe, e ele balançou a cabeça em compreensão. Saindo pela porta de trás, andei até o cais com passos decididos. Eu não estava preocupado com Channing me seguindo. Sabia que Zeth iria mantê-la lá até que Colton me falasse o que tinha para dizer. "Sim?" Perguntei. Ele exalou bruscamente. "É ruim, o que quer que ele se meteu. Ele ligou e pediu dinheiro há algumas semanas, e eu lhe disse que não. Depois do jeito que tinha tratado Channing, eu simplesmente não podia socorrer sua bunda mais. Não tinha ouvido nada dele até ontem à noite, quando me ligou para dizer que seu amigo, aquele que ele tinha acabado de ajudar a sair de uma situação ruim, queria que o levasse em algum lugar. Ele estava pedindo as melhores maneiras de chegar lá evitando as estradas mais movimentadas. Radares de velocidade. Não quis me dizer quem era o seu amigo, porém. " A sensação de mal-estar começou a se construir em meu intestino. "Onde ele estava indo?" Perguntei com relutância. "Florida."

TRÊS HORAS MAIS TARDE "Isso é muito suspeito. Ele sabia que seu pai ia dizer algo para você." Disse Parker com cautela. "Talvez. Talvez não. O que nós precisamos é fazer planos para a sua chegada. Não podemos contar com Andrew estar do nosso lado. Varian tem usado ele durante meses, alimentando-o com a informação que ele queria. Andrew não é inocente em tudo isso," eu disse, esfregando as mãos sobre os olhos cansados. Eu estava cansado.


Tinha planejado uma noite romântica agradável, que tinha ido à merda com um único telefonema. Paguei oitenta e cinco dólares numa Minnie para presente e de repente não tenho nenhuma merda para mostrar. Ela não era minha noiva. Ela não estava usando meu patch. Ela não estava nem sequer acordada mais para eu perguntar. "Ele teve pouco mais de cinco horas desde que ligou para Colton. Colton lhe deu cada ponto de radar na estrada entre aqui e a linha de Louisiana que podia se lembrar. Isso não importa, no entanto. Ele está a caminho. Posso sentir isso em meus ossos. Isso tudo é apenas um maldito jogo doentio para ele," eu disse-lhes. Silas se levantou, tirou a Glock que mantinha em seu quadril em todos os momentos, e verificou o tambor por força do hábito. O som do deslizamento para trás, e do cartucho sendo liberado e, em seguida, recarregado era um som calmante que penetrou até minha essência. "Bem, então, vamos ter que vencê-lo em seu próprio jogo," Silas confirmou enquanto estabeleceu o tambor de sua Glock, virou a trava de segurança de volta, e guardou.

"Isso é ruim. Não quero essa merda na minha porta. Eu ainda tenho que viver aqui depois que você se for," meu padrasto rosnou para Silas. Os dois homens mais velhos foram rosnando e mordendo um ao outro como se fossem cães velhos de ferro-velho que lutam pelo mesmo osso. Ou neste caso, a jurisdição. "Isto é federal. Isso atravessou fronteiras estaduais. Isso sempre vai ser federal," Silas estalou.


"Não é federal. Você não sabe se ele vem ou não. Eu sou o chefe de polícia nesta cidade, não você. Você não tem nenhuma alternativa ainda. Nenhum crime, nenhum pedido," Zeth gritou de volta. Jesus Cristo! "Vocês precisam parar de brincadeira e resolver essa merda. Há um maldito psicopata a caminho daqui, e vocês velhotes estão muito ocupados gritando um para o outro em vez de começar a planejar o trabalho a fazer. Caia sobre ele, ou dê o fora," disse Cleo calmamente. Cleo era, provavelmente, o único que poderia dizer isso a Silas e não levar uma surra de volta. Através do seu rabo. No entanto, Cleo era muito calmo; demorava muito para deixá-lo irritado. Como agora, por exemplo, ele estava em pé ao invés de sentado. O que era fora do normal, considerando que ele quase nunca parecia qualquer coisa próximo a relaxado e à vontade. Viciados em adrenalina faziam isso dessa forma. Acalmar no meio da tempestade. Eles tinham que fazer. Era por isso que ele era um muito bom paramédico de voo. Era preciso ter muita coragem para fazer o que ele faz. "Graças a Deus, alguém disse," Parker murmurou para si mesmo. Sterling destacou seu comentário com um grunhido. "Bem. Só não fica no meu caminho e ficarei feliz," Silas rosnou. "Que tal você não ficar no meu," Zeth rosnou de volta. Aqui vamos nós novamente. Estávamos na delegacia, enquanto alguns agentes de maior confiança de Zeth estavam observando a casa. Uns a partir da água e os outros na frente da casa. Estávamos todos na delegacia formulando um plano de ação. No entanto, isso não parecia ir a lugar nenhum, porque os dois velhos não conseguiam parar de brigar e colaborar. Encontrei a resposta a uma pergunta de longa data, no entanto.


Silas era da CIA. CIA ainda ativo. Eu não sabia o quão longe era o seu alcance na corporação, mas era obviamente longe o suficiente para ele fazer o que queria e pegar o trabalho que sentia vontade de pegar. Ele também tinha um monte de poder de fogo em suas costas, e eu porra amava isso agora. "Isso é o suficiente," disse aos dois. "Concordo com Cleo. Ou parem de brincadeira ou saiam. Não temos tempo para essa merda." Eles provavelmente teriam lutado sobre qual pau era maior se os rádios não tivessem começado a explodir com vibração. "Medic 427, vocês são necessários na 2499 West Palm Rod. Única vítima. Suspeita de estupro," disse um expedidor. Foi apenas alguns segundos mais tarde, quando uma outra transmissão veio através das ondas de rádio. "Unidade 4. Responder a 500 Doral Drive. Vizinhos reclamando de gritos." Em seguida, outro. "Bombeiros dois. Responder a estrutura de fogo na 663 Jumper Way. Vizinhos relatam fumaça." E isso continuou. Paramédico após paramédico, oficial após oficial, bombeiros depois de bombeiros foram chamados para responder a isto ou aquilo, aqui, ali e em toda parte. "Eles estão ficando todos fora," disse quando cheguei à uma conclusão doentia. "Estão ficando todos fora: ou A, para nos deixar sozinho, ou B, para nos levar para onde eles nos querem." O telefone tocou na delegacia, puxando a atenção de Zeth longe de mim. Eu continuei falando, ignorando-o até que o tom de sua voz mudou. "Não, Poole, não posso ir. Não tenho qualquer um de sobra. Cada um deles foi chamado nem mesmo segundos atrás. Sim. Só pode estar brincando comigo. Tudo bem, eu vou mantê-lo atualizado. 10-4," disse Zeth antes de desligar. 27

Medic 4: chamada de paramédicos


Seu olhar era sinistro, "Os nossos municípios vizinhos, cada um deles, têm as mesmas chamadas acontecendo agora. Não há nenhuma unidade de segurança disponível a mais de 80 quilômetros em todas as direções." Minha mente estava girando. "Bem, seja o que estiver acontecendo, vou voltar para Channing." Falei enquanto comecei a ir em direção à porta da frente. "Use a de trás," disse Silas e Zeth ao mesmo tempo. Balancei a cabeça e me redirecionei apenas quando as janelas atrás de mim quebraram em uma chuva de balas. "Filho da puta", eu disse enquanto caía de quatro, e, em seguida, ainda mais para o meu estômago. Maldições foram ecoadas atrás de mim, mas não houve gritos de dor, que era a única coisa positiva nesta enorme confusão. "Precisamos sair daqui. Existe alguma outra maneira além..." Silas estava falando, mas a pergunta foi cortada por uma granada detonada. Luzes e sons desapareceram por um tempo muito longo, e eu voltei minutos... ou talvez horas, mais tarde. A primeira coisa a voltar foi a minha visão. Seguido em breve da minha audição. Finalmente, a minha desorientação clareou, e o meu passado explodiu sobrevoando a todo vapor no meu rosto. Mick Dempsey, o líder da The Crimson Horde, a gangue que eu costumava fazer parte, estava me olhando no rosto. Em uniforme completo. Isto é um uniforme de polícia. Olhei para ele em choque. "Isto foi perfeito pra caralho. O que? Você pensou que era o único que Zeth salvou? Bem, pense novamente. Ele me salvou também. Só que ele não se casou com minha mãe como se casou com a sua. Minha vida não se transformou em uma existência privilegiada como a sua


fez. Bryce foi premiado com isso, Bryce tornou-se detetive. Bryce ganhou um Grammy," Mick estalou. "Tenho acompanhado a porra da sua vida por anos por causa do seu maldito padrasto tão orgulhoso de você. Vi você em torno da cidade quando foi visitar sua mãe. Me levou dois dias para descobrir por que você estava lá, e de repente fez sentido. Varian e eu nos tornamos uma dupla perfeita! " Ele olhou de soslaio. "Então, na semana passada, sua mãe entrou e contou a toda maldita delegacia sobre como ela estava recebendo um novo netinho do primeiro e único Bryce Rector, o que só fez o pote ainda mais doce." "Não tenho nada contra você, cara. Apenas deixe-nos ir. Eu não vou dizer nada," disse a Mick. Porra, nunca imaginei que isso tudo estava ligado ao meu passado. De todas as pessoas que eu tinha considerado estar ajudando Varian, Mick, o líder da velha gangue e policial íntegro, nem sequer tinha imaginado parte do mesmo jogo. "Não, não acho que vou. Eu tenho Varian na discagem rápida embora. Quer ver como está a mãe do seu bebê?" Perguntou Mick. Meu estomago revirou, mas me recusei a lhe mostrar qualquer emoção. Se soubesse o que estava fazendo para mim, ficaria orgulhoso. E tenho certeza da porra que não estava dando a ele essa satisfação. Em seguida, a chamada de telefone conectou, e eu podia ouvir Channing gritando. Isso foi quando o perdi.


"Alo?" Disse no telefone de Andrea. Tentei o meu celular, mas não estava funcionando, e tive um sonho assustador sobre a mãe morta. Eu tinha acordado com o meu coração batendo tão forte que podia senti-lo através do edredom cobrindo meu peito. Procurei por Loki, por toda a casa, menos no quarto de Andrea e Zeth, mas não o encontrei em nenhum lugar. Fui até mesmo no cais, mas a única coisa que eu tinha encontrado lá era um barco de pesca a poucos metros da costa, começando sua pesca logo cedo. Eram cinco da manhã, mas não era um horário incomum para Loki. Ele normalmente se levantava em torno deste horário para começar seus treinamentos. Era apenas a minha má sorte que ele escolheu fazer algo na manhã que tive um sonho sobre uma mulher morta. Eu estava no processo de desligar o telefone quando tive a sensação de que estava sendo vigiada. Os cabelos em meus braços se arrepiaram, e a pele na parte de trás do meu pescoço começou a formigar.


Virei-me, ou pelo menos tentei, mas fui empurrada para o chão onde pousei em minhas mãos e joelhos. Em seguida, um pontapé violento na parte de trás da minha coxa, ofeguei de dor antes de desabar na minha barriga. "Ele realmente achava que poderia me pegar, não é?" Disse Varian Strong por cima e atrás de mim. Choraminguei quando o pé de Varian foi para minha axila, pressionando meu braço até que meu peito foi nivelado com o solo. Ele inclinou-se, mantendo o seu peso na parte de trás do meu braço até que eu estava gritando de dor. "Você acha que ele vai gostar de ouvir você gritar? Vamos chamá-lo e descobrir," ele sussurrou. Eu podia ouvir a digitação no telefone, e então ele estava tocando. Varian aumentou o volume alto, colocando-o no viva-voz para eu ouvir a voz de Loki em pânico quando ele finalmente respondeu. "Telefone de Loki, Mick falando." A risada de Varian estava escura Mick! Adivinha quem eu tenho no telefone! "

e

sanguinária. "Ei,

Varian pressionou a parte de trás do meu braço novamente, fazendo meu cotovelo gritar em protesto quando quase pressionou todo o seu peso sobre ele. Eu sabia que era apenas uma questão de segundos antes dos ossos no meu braço e antebraço quebrarem com a pressão. O que eu também sabia era que não seria capaz de segurar o grito. Eu mal era capaz de fazê-lo agora, e ele ainda não tinha feito nada ainda. Fechei os olhos, desejando que eu estivesse sentada na doca com Loki novamente, deixando meus pés balançarem na borda. "Você pode colocar Loki no viva-voz?" Perguntou Varian. Ele esperou alguns instantes antes de dizer: "Ohh, que tal um pouco de chamada de vídeo, velho amigo?" Com o canto do meu olho, vi Andrea, com os olhos arregalados e empunhando o que parecia ser um rifle, grande o suficiente para derrubar um elefante, parada um pouco abaixo da porta da cozinha.


Ela olhou em dúvida, de mim para Varian, e estava prestes a entrar em ação quando eu balancei a cabeça freneticamente. "Ohh, ele vai ficar bem, Chan-Chan. Tudo vai acabar em breve," disse Varian. "Ahh, lá vamos nós. Olá, Loki. Você parece um pouco amarrado." Loki não respondeu, e eu me perguntava o que estava fazendo. Alguém o estava segurando, porque eu sabia que levaria nada menos que um milagre para manter ele longe nesse momento. "Vamos logo com isso, V. Eu tenho alguns negócios a tratar com este menino bonito, e não posso fazer isso com você resmungando em nossos ouvidos," o homem, que Varian chamou de Mick anteriormente, retrucou. "Tudo bem, tudo bem. Eu vou continuar com ele. Mostre-lhe o telefone, deixe-o ver o que estou prestes a fazer," Varian instruiu no momento em que seu peso, que havia diminuído no meu braço voltou a pressionar para baixo duas vezes mais forte. Eu quase podia sentir meus ossos dobrarem, deformando com o esforço. "Foda-se estúpido," Loki assobiou, e uma briga pode ser ouvida a partir do telefone. "Uh, uh, uh," disse Mick. "Assista, para que possamos voltar aos negócios." Foi quando Varian deixou de brincadeira, e pisou no meu braço. Não estou realmente certa do que aconteceu a seguir, porque não conseguia ver nada, além de branco, quando experimentei uma dor que nunca tinha sentido antes. Então, graças a Deus, eu desmaiei apenas para ser acordada abruptamente por alguém me torturando. Senti meu corpo em movimento pelo chão quando a dor começou a me despertar do lugar feliz onde nada importava. "Oh, meu Deus," eu ouvi Andrea gritar rouca. "Por favor." Meus olhos abriram lentamente primeiro em fendas, e depois metade quando registrei a minha volta.


Andrea estava me arrastando em direção à garagem, e não sendo muito gentil sobre isso. Um solavanco em particular tinha me virando a cabeça para o lado e vomitei uma e outra vez de dor. "Oh, meu Deus," Andrea disse novamente. Foi nesse momento em que ela me arrastou para o carro que eu perdi a batalha com a consciência, e voltei para aquele lugar que me permitiu não sentir dor.

"Sim, é minha nora," disse a voz de Andrea de longe. Meus olhos se esforçaram para abrir enquanto ouvia a conversa acontecendo ao meu redor. "Ela é muito afortunada, senhora. Os ossos não estão quebrados, mas eles vão precisar de muito descanso nas próximas semanas. Pensei em enfaixar seu braço, mas acho que é um pouco de exagero. Eu ficaria mais confortável com um especialista ortopédico verificando isso amanhã," ouvi uma voz de homem dizer. "Ok, nós podemos fazer isso. E o bebê?" Perguntou Andrea, a preocupação em sua voz. Eu me animei com isso, também. Realmente gostaria de saber sobre o bebê. "O garotinho Rector está perfeito. Ele parece grande e saudável. Um perfeito bebê com vinte e quatro semanas e meia," disse o homem encorajador. "Obrigada, Dr. Royce," disse Andrea, seguida pelo som da porta da sala fechando. Com o peso de Andrea deslocando ao lado na cama, eu finalmente consegui abrir meus olhos para encontrá-la olhando para mim, com lágrimas escorrendo constantemente em suas bochechas.


O único pensamento na minha cabeça, porém, era que não deveria ser Andrea sentada na minha cama agora. Deveria ser Loki. Onde ele estava? "Onde está Loki?" Eu disse asperamente. Andrea balançou a cabeça. "Não sei." Em seguida, tudo voltou para mim, e desejei não ter acordado deste pesadelo.

"Seu filho da puta!" Rosnei, lançando-me para cima da cadeira apenas para ser parado pelas correntes curtas que Mick convenientemente pegou na sala de equipamentos. Uma extremidade estava ligada à mesa, enquanto a outra estava no meu tornozelo. Ele não se preocupou em me conter de qualquer outra forma. O filho da puta era muito arrogante. "Oh," Mick sorriu. "Calma, calma!" Queria enfiar o sorriso de Mick através de sua garganta por meio do meu punho. Bastardo arrogante estúpido. O metal da algema cortava o meu tornozelo, mas essa dor não diminuiu a dor dentro do meu coração cada vez que eu repetia o grito agonizante de Channing uma e outra vez na minha cabeça. Fechei meus olhos enquanto o grito ecoou mais uma vez, fazendo minha pele ficar úmida; embora, poderia ser os efeitos da granada. Eu ainda estava enjoado, mas agora não poderia dizer se era por causa do meu terror por Channing, ou a maldita granada explodindo na frente do meu rosto.


"Tenho dois deles na cela, chefe," um homem disse assim que entrou na sala. Ele estava vestido quase idêntico ao que eu costumava usar todos esses anos atrás. Calças de couro preta, camiseta preta cortada, e um colete de couro que declarava que ele é um membro da The Crimson Horde, a gangue que eu pertenci também. O homem não parecia familiar, contudo. O que ele realmente parecia era como um saco de sujeira, e a versão pitoresca do que todos na América consideravam um criminoso comum. Cabelo rasgados.

longo. Gorduroso

e

despenteado. Descuidado,

jeans

A bandana vermelha estava ainda envolvida em torno de sua cabeça exatamente como cada bandido desprezível nas gangues ostentavam suas ‘cores.’ Então, o que o homem disse, finalmente, me acertou. Ele só colocou dois na cela. Não cinco. Meu palpite era que Sterling e Parker estavam fora, e muito provavelmente Cleo. Eles eram o mais distante da granada explodindo, e o mais provável é que foram capazes de orientar-se mais rápido. Sua formação era extensa. O meu treinamento não era desprezível, também, mas o nosso não era nada em relação aos paraquedistas e SEALS. "Será que você revistou eles?" Perguntou Mick. O homem assentiu. "Tomei suas armas. Eles tinham uma cada." Erro de principiante. Eu sabia do fato que meu padrasto transportava uma arma em seu quadril, e uma no tornozelo. Aprendi muito com o homem dessa forma, e era por isso que ainda tinha a arma no meu próprio tornozelo também. Eu só estava à espera de mais informações sobre quantos homens mais haviam; no entanto, agora que eu sabia que três de nós não foram trancados ou contido, eu tinha um pouco mais de espaço de manobra.


Isso era bom, também, porque não podia ficar aqui muito mais tempo sem chegar a Channing. Eu não era estúpido, entretanto. Poderia haver uma centena de homens lá fora. Se fosse para eu atirar em Mick, todos eles poderiam entrar através da porta, e nunca conseguiria chegar a ela. Esperei. Ele cometeria um erro aqui aproveitaria. Derrubaria ele calmamente.

em

breve,

e

eu

Nenhum barulho significava nenhum homem verificando ele. "O que é essa expressão, Rector?" Mick perguntou incerto. Não tinha percebido que eu estava sorrindo, mas rapidamente limpei o sorriso do meu rosto e olhei para ele fixamente. Não podia entregar meus planos. Tinha que descobrir onde os outros três homens estavam. Em seguida, todas as apostas estavam fora. Ou teria estado, se o estúpido irmão de Channing não tivesse vindo com armas em punho. "Seu estúpido de merda! Você disse que não faria mal a minha irmã! " Andrew gritou. Ele, obviamente, nunca tinha manuseado uma arma antes, tampouco. Porque ele estava segurando-a como os gangsters da velha escola na TV com o cano virado de lado e acima da sua cabeça. Ele continuou apontando a arma na direção de Mick, atirando insultos durante todo o tempo enquanto Mick encarava ele com deboche. "Você acabou?" Perguntou Mick uma vez que Andrew fez uma pausa para tomar fôlego. Sua arma na mão tremia, mostrando o seu óbvio desconforto com a situação. Eu sabia onde isso estava indo, mas os dois estavam avançando um sobre o outro, sem margem para argumentos ou interrupções.


"Não, estúpido idiota. Você disse que se eu trouxesse Varian aqui, iria deixar minha irmã livre. Você disse que só queria ele," apontou para mim com a arma. Congelei, com medo que se eu fizesse qualquer movimento brusco assustaria Andrew, e então ele ia começar a atirar. "Você sabia ao que estava se juntando. Não aja todo emocional agora. Você sabia," disse Mick virando as costas para Andrew. "Bryce, você sabia que Andrew foi quem armou para a sua pequena mulher preciosa todos aqueles anos atrás?" Eu olhei para ele, confuso. "O quê?" Perguntei. "Não!" Andrew gritou. Saliva voou de sua boca, e os seus olhos, que já pareciam estranhos, tornaram-se nitidamente maníacos. Mick sorriu. Eu vi isso acontecer. Sabia o que estava prestes a acontecer, e não havia uma maldita coisa que poderia fazer sobre isso. Não se eu quisesse viver. Não se quisesse Channing viva. Mick tirou a arma do coldre, com calma apontou e disparou. "Não!" Eu gritei, mas isso não importava. A arma explodiu. A mão de Mick saltou com a reverberação da arma, e olhei com horror quando o corpo sem vida de Andrew caiu no chão. Um buraco no espaço onde era ocupado pelo nariz recentemente. O cheiro de pólvora encheu o ar, e vi o sangue se espalhando pelo chão em mosaico preto, fascinado com o horror. Minhas mãos foram para o meu cabelo, e respirei fundo. Eles iam matar Channing. Absolutamente acabar com ela. "Pedaço de merda," Mick rosnou, antes de voltar para mim, arma ainda na mão. "Quer saber como isso vai terminar? Um policial matando um louco que tinha dois policiais e um civil mantidos em cativeiro. Pena que


o homem louco matou os reféns antes que eu pudesse salvar vocês, certo? "Ele provocou. Em seguida, ele apontou a arma para o ar, mirou, e meus olhos fecharam. Não querendo vê-lo chegando. "Não se mexa," ouvi Parker dizer atrás de mim apenas quando uma bala rasgou o ar. Olhei, coração batendo freneticamente enquanto Mick caiu de costas, apertando o peito. "Ele tem um colete," consegui dizer. Mick começou a rir. "Oh, Peter Parker Penn. Isto maravilhoso. Será que Bryce aqui sabe quem você é?" Mick tossia.

é

Parker pegou sua arma, encontrou as chaves das minhas algemas e jogou-as para mim. Eu rapidamente abri as algemas, guardei as chaves no bolso e retirei a arma em um movimento rápido, apontando-a em Parker. "O que diabos ele está falando?" Eu bati. Os olhos de Parker passaram de mim de volta para Mick que estava rindo e gemendo em uma aparentemente longa expulsão de ar. Parker pegou as algemas na lateral de Mick, rolou-o rapidamente, e algemou seus braços juntos atrás das costas. Mick soltou. "Foi ele quem cortou a sua garganta, Bryce. Como perfeito isto é? É como uma porra de reunião de família! " Eu pisquei, sem saber o que dizer. Abaixando a arma, eu olhava para Parker, finalmente percebendo que isso era sobre ele. Eu o conhecia há muito, muito tempo atrás. "Isso é verdade?" Perguntei, levantando minha arma novamente Sterling entrou com um braço sob o Cleo, apoiando metade do seu peso corporal. Sterling sentou-se, e percebeu a interação entre Parker e eu. Ele estava indeciso. Eu podia ver que ele estava indeciso. No entanto, ele me escolheu, chegando a ficar diretamente atrás de mim. "O que está acontecendo?" Perguntou Sterling.


"Parker foi quem me deu esse colar decorativo," expliquei para ele, tocando meu pescoço e a cicatriz que o rodeava. Sterling ficou em silêncio quando Parker cabisbaixo falou. "É verdade." Abaixei minha arma, e então coloquei de volta no coldre. "Há mais alguém lá fora?" Sterling balançou a cabeça. Foi Cleo quem respondeu embora. "Não. Havia apenas quatro deles. Acho que se espalharam muito. Não fizeram reconhecimento quando invadiram este lugar. Caso contrário, saberiam que a sala estava dividida em praticamente duas metades. Sorte nossa, que não o fizeram, assim, tudo teria sido atingido com aquela granada," declarou Cleo. Mantive meus olhos em Parker, que olhava para mim em confusão. "Me arrependo daquele dia por quinze anos," disse Parker calmamente. Eu pisquei. "Você se arrepende? Você quase me matou. " Ele balançou sua cabeça. "Eu era um garoto de nove anos. Era estúpido e cheio de mim mesmo. Tenho pesadelos. Vivo esses momentos mais e mais em meu sono. Meus sonhos estão em repetição. Eles estão em um ciclo contínuo de quando você olhou para mim com horror. Lembrando o que senti... como soou quando a faca cortou sua pele. É nauseante, e ouço isso em meu sono." Olhei para ele por um longo tempo, ignorando as risadas de Mick sobre a forma como a situação era embaraçosa. Eu não estava bravo com Parker, no entanto. Teria feito a mesma coisa quando cheguei pela primeira vez. Era difícil não culpar. Ou era sobreviver ou morrer naqueles tempos, e tinha a sensação de que foi o mesmo para Parker, também. "Foda-se," disse esfregando as mãos sobre meu rosto. "Sim, por favor," Cleo sorriu. Eu mostrei-lhe o dedo e fui para as celas.


"Ninguém deixou os velhotes saírem ainda?" Perguntei enquanto caminhava em direção a cela. Aproximei-me dos dois homens jogando cartas. "Tem algum 7?" Meu padrasto perguntou a Silas. "Go fish28," respondeu Silas. Que. Porra. É. Essa.

Entrei na sala, com o coração na garganta. O quarto estava escuro, exceto para as luzes verdes dos monitores. O ritmo estranho, tum-tum tinha meus olhos concentrados no monitor ao lado da cama antes deles se concentrarem de volta na figura dormindo. Channing estava dormindo em suas costas. Sua mão, a que não estava no soro, estava jogada sobre sua cabeça. Seu cabelo estava uma bagunça, espalhados em torno da sua cabeça. A camisola que usava não fez nada, a não ser engolir sua figura, e meu coração apertou mais uma vez por ver seu pequeno corpo ofuscado na cama do hospital de grandes dimensões. "Deram-lhe alguns remédios para dormir. Ela estava enlouquecendo quando não conseguiu encontrá-lo. Era dormir, ou eles teriam que algemá-la na cama. Eu escolhi dormir," disse a voz cheia de emoção da minha mãe ao meu lado. "Ela está bem?" Eu me engasguei.

Go fish: é um jogo de carta. Quando o oponente pede uma carta e o outro não tem, então diz para o que perguntou Go Fish (vá pescar). 28


Minha mãe estava sentada mais no canto. O telefone dela iluminando o rosto com o que parecia ser um livro na tela. "Sim, querido. Ela está bem. Eles a mantiveram durante a noite, porque a sua pressão arterial disparou. Não tinham certeza do que era, mas queriam mantê-la apenas no caso de precisar fazer algo sobre isso. Isso não é bom para o bebê," disse baixinho. "Seu braço vai estar dolorido por um longo tempo. O homem pisou na parte trás do seu braço, imobilizando-o no chão com o antebraço preso entre a bota e o chão," balançou a cabeça como se para limpar a imagem terrível do seu cérebro. "Eu atirei nele." Eu pisquei. Não tinha ouvido essa parte, mas, novamente, estava ocupado dando uma declaração não só a polícia local, mas também a polícia do estado, o departamento do xerife, e o FBI. Fiquei detido por causa da minha relutância em falar com alguém até que visse Channing. No entanto, isso não funcionou tão bem a meu favor. Eles tentaram acusar-me de obstrução da justiça, mas Silas e meu padrasto falaram que a petição de detenção estava fora, isso sem levar em conta que eu estava 'perturbado' sobre os possíveis danos com a minha namorada. Os dois velhos estavam reunidos como se fossem melhores amigos enquanto corriam com o inquérito, como duas pessoas que não tinham feito o seu melhor para minar um ao o outro apenas algumas horas antes. Coloquei um beijo suave na testa de Channing antes de caminhar até minha mãe e me agachar na frente dela. "Você está bem?" Ela colocou a palma da mão fria ao lado da minha cabeça, cobrindo o pescoço e o polegar esfregando meu queixo. "Você me assustou muito hoje. Não faça mais isso comigo. Não acho que meu coração pode aguentar," ela choramingou. Algo dentro de mim se soltou. "Não vou, mãe. Eu tenho Channing para me manter na linha agora. Vou pedir para ela se casar comigo em breve."


Minha mãe riu. "Ela me disse hoje que não se casaria com você até o bebê nascer, não importa o quanto você chore." Olhei para a mulher atualmente o tema da nossa discussão. "Eu tenho certeza que posso convencê-la."


UM MÊS DEPOIS Parei ao lado do carro de Channing e abaixei a caixa. Balançando por cima do suporte, vi a placa 'ALUGA-SE' na frente do meu quintal e sorri. Peguei a caixa com minhas roupas e comecei a caminhar em direção a porta da frente de Channing. Cabe estava me expulsando, mas estava tudo bem. Eu tinha comprado uma casa, assinei o contrato essa manhã. Agora tudo que tinha que fazer era mover minhas coisas para lá, e depois as coisas de Channing. Então teríamos uma casa. Isso se ela não surtar. Parando ao lado da porta da frente, puxei as minhas chaves deixando cair a caixa de veludo na terra, que também tinha chegado hoje. Abaixando-me, peguei, abri a tampa e olhei.


"Ela vai dizer não," murmurei para mim mesmo quando deslizei o anel de volta no bolso, e coloquei a caixa de roupa debaixo do meu braço. Então abri a porta da casa. "Channing?" Chamei enquanto fechei a porta atrás de mim. Tirando minhas botas, chutei no canto debaixo da mesa de centro. Andando pela sala de estar, verifiquei a cozinha, mas não encontrei nenhum sinal dela lá, também. "Chan?" Chamei novamente. Encontrei-a no quarto aconchegada em Lucy. Olhando para o relógio para confirmar que tinha tempo suficiente, tirei minha camisa sobre a minha cabeça, tirei meu jeans, e me arrastei atrás dela. Lucy foi para o chão, como era seu costume já que eu não era um grande fã de dormir com cães. Channing se moveu, pressionando as costas mais perto da minha frente, antes de cair no sono novamente. Minha mão passou do peito para sua barriga, onde eu podia sentir o bebê se movendo dentro dela. Como Channing dormia assim, eu não sei, mas admirava-a por isso. O garoto seria um inferno sobre rodas quando finalmente chegasse aqui. Adormeci ao movimento rítmico do nosso filho se movendo contra a minha mão, e não acordei novamente até duas horas depois, sem Channing. Esticando meus braços acima da minha cabeça, um pequeno gemido escapou enquanto trabalhava o cansaço do meu corpo e me levantei. Não me incomodei com as calças, em vez disso, andei em linha reta até a cozinha para encontrar Channing comendo uma tigela de cereal em seu jaleco azul marinho que ela usava para trabalhar a noite. "Ei," eu disse, pouco antes de me inclinar e lhe dar um beijo.


Ela virou a cabeça no último momento, por isso o meu beijo foi desviado de seus lábios e pousou em sua mandíbula em vez disso. Olhei para ela com cautela. "O que foi?" "Você não ia me dizer?" Sua voz tremeu com lágrimas não derramadas. Olhei para ela com cautela. Channing chorava em um piscar de olhos recentemente. Ela chorou quando deixou cair uma cebola. Chorou quando ganhou um dólar. Chorou quando eu trouxe ao bebê uma camiseta. Se o dia terminava em a, ela chorava. "Diga o que é?" Perguntei. Será que ela encontrou os meus presentes? "Você está se mudando da sua casa" soluçava. "Porra," suspirei e puxei-a em meu peito. "Eu não estou me mudando da minha casa sem você, menina boba." Ouvi sua boca sorver, e olhei para ela, quando escorregou outra colherada de cereal em sua boca antes de mastigar ruidosamente. Revirei os olhos. A mulher era uma porca, o que eu poderia dizer? Aparentemente, eu era atraído por garotas loucas. "Tenho algo para você," disse cuidadosamente. Ela se inclinou para trás, dando outra colherada de cereal antes de perguntar: "O que?" "Venha," ordenei enquanto peguei sua mão e a levei para o quarto, onde minha calça descartada e a caixa estavam. Ela sentou-se pesadamente na cama, esperando em antecipação. Peguei a caixa primeiro, colocando-a em seu colo antes de recuar um pouco. Assisti enquanto abria, rasgando os pedaços de fita com cuidado antes de desembrulhar o presente exatamente do jeito que foi envolvido. "Rasgue isso."


Ela balançou a cabeça e terminou abrindo a caixa, desdobrando cada peça individual de lenço de papel antes de chegar à peça final. Arrancando-o fora, a antecipação do ato me matando, ela olhou em choque para o colete de couro. "Eu sei que provavelmente não se encaixa neste momento," comecei. "Mas quero você use o meu patch. Eu quero que você seja minha." Ela olhou para cima, com as lágrimas nadando em seus olhos. "Pensei que você nunca pediria." Me aproximei dela, me abaixei e peguei a caixa de prata pequena do meu bolso, e em seguida, cai sobre um joelho. "O que você está fazendo?" Perguntou sem fôlego. Levantei os sapatos do chão e lhe mostrei. "Ajudando você a colocar seus sapatos." O rosto dela caiu, e eu sabia que tinha ela. "Depois disso, eu vou lhe dar este anel, e você irá colocá-lo," disse enquanto escorreguei o primeiro sapato, e depois o outro em seus pés. "Nós vamos nos casar depois que o bebê chegar aqui, ok?" Ela estava rindo nesse momento. "Você me ganhou em 'ajudando você colocar seus sapatos," disse pouco antes de lançar-se da cama, em meus braços. Peguei ela com cuidado, afundando na cama até que ela estava montando as minhas coxas, sua grande barriga pressionada contra a minha. "Eu te amo mais do que atum," disse pouco antes de tirar o jaleco sobre sua cabeça, em seguida, alcançar o colete que estava na cama atrás dela. Ela o colocou em cima dos ombros, e, tentou em vão abotoar a coisa. Ela parecia sexy, porra. Meu nome estava na parte de trás dele, e seus seios estavam pendurados para fora como pêssegos maduros, suculentos. "Deus, você parece sexy. Eu gostaria de poder memorizar você assim para sempre. "


Ela sorriu atrevidamente para mim. "Eu acho que isso pode ser arranjado." "Ah, é?" Perguntei enquanto corri meu queixo barbudo ao longo da lateral do seu pescoço exposto. Ela estremeceu e apertou ainda mais perto. "Eu tenho que estar no trabalho em vinte minutos." Então me beijou. Sua boca era uma armadilha quente, molhada me sugando e não me deixou ir. Sua sugando.

língua

brincava

com

a

minha. Provocando,

lambendo,

Seus dentes pegaram meu lábio inferior e mordeu-o com cuidado. Eu não era um falador durante o sexo; era mais de agir. Naquele momento, porém, eu não queria nada mais do que deixála saber exatamente como era bonita e certa para mim. "Você está tão sexy," eu disse enquanto corria minhas mãos do interior de suas coxas, chegando a uma parada na parte inferior de seus seios. "Eu tenho estrias," fez uma careta. Ela tinha, isto não era mentira. No entanto, elas não tiravam a beleza do seu corpo. Eu nunca tinha estado mais excitado do que quando finalmente comecei a ver uma clara diferença em seu corpo. "Nós tivemos o melhor sexo de nossas vidas, nos últimos meses. Não estou nem pensando em sua barriga grande, ou sua bunda quando estou transando com você," expliquei. Seus olhos se estreitaram. "Eu nunca disse nada sobre minha bunda ser grande." "Sua bunda é perfeita. Eu adoro encher minhas mãos quando transo com você por trás." Colocando minhas mãos debaixo de seus braços, a levantei, puxei as calças até os tornozelos, em seguida, arranquei-as de suas pernas. Ela caiu de costas sobre a cama, exatamente onde eu queria.


Um sapato saiu no processo, e joguei isso de lado. Tudo o que foi deixado foi a sua calcinha, que não era uma barreira já que deslizei para o lado, alinhando meu pau com sua entrada, e empurrando para a frente. Suas dobras molhadas abriram para mim sem esforço. Os lábios do seu sexo recém-lubrificado com sua excitação. O meu patch ainda estava em seu torso nu. Ela me viu olhando, e soltou o gancho dianteiro de seu sutiã, deixando os seios fartos deslizarem livres do seu confinamento. Com cada impulso para a frente, seus seios balançavam, batendo para a frente e para trás de modo que ela tinha que segurar eles. Eu me inclinei para a frente, abraçando sua barriga, em busca de seu mamilo. Ela me deu o seu peito, oferecendo-o como uma festa para um homem faminto. O que eu era. Eu não conseguia o suficiente dela. As curvas que cobrem o seu corpo o arredondava lindamente, dando-me algo macio para agarrar enquanto a levava de qualquer maneira que queria. Minhas bolas bateram contra a costura de sua calcinha, batendo contra a sua bunda com força suficiente para enviar pequenas faíscas de eletricidade pela minha espinha. Minha boca liberou um mamilo apenas para ir para o outro com uma única determinação. Fazer ela gozar. Seus mamilos estavam muito sensíveis, e houve momentos em que ela poderia gozar apenas pela estimulação só do mamilo. Este é um deles. Seu corpo arqueou, e seu mamilo molhado escorregou da minha boca enquanto gozou. Apertando com força no meu pau, quando um jorro de lubrificação fez o deslizamento do meu pau dentro dela muito mais fácil.


Não demorou muito para eu segui-la. O som molhado de sua buceta levando-me, seus seios saltando, a textura áspera de sua calcinha esfregando na lateral do meu pau, me fez explodir dentro dela no momento certo. Disparando meu sêmen forte dentro do seu calor. A umidade adicionada apenas intensificou o meu orgasmo, prolongando-o enquanto minhas sinapses foram bombardeadas com todo o estímulo adicional. "Foda-se," disse enquanto trabalhava dentro dela uma última vez. Ela soltou seus seios, deixando-os escorregar de suas mãos. Os mamilos dilatados ainda estavam molhados da minha boca, e a visão fez meu pau saltar dentro dela, fazendo-a gemer. "Estou atrasada," gemeu. Ajudei-a a se sentar e ela cambaleou até o banheiro, com mais umidade escorrendo entre suas pernas, uma vez que o bebê enchia sua barriga. Peguei-lhe uma nova calcinha, suas calças e sapatos descartados, e segui até o banheiro para encontrá-la se limpando com uma toalha de mão molhada. "Você quer que eu faça isso?" Olhei de soslaio para ela. Ela revirou os olhos. "Isso é o que nos meteu nesta confusão. Seu pau incontrolável. Ele tem poderes de super pau que tem a capacidade de eliminar o senso comum para fora do meu cérebro." Eu ri, depois fiquei sério rapidamente. "Por que você está indo para o trabalho? Você se lembra que nós temos o julgamento amanhã, certo?" Ela me deu um olhar 'duh'. "Claro que me lembro. É às dez, correto? " Balancei a cabeça. "Bem, então, eu vou ter tempo suficiente para fazer dois dos meus clientes esta noite, e então vou estar pronta para ir às dez!" "É melhor estar," declarei solenemente.


Remexendo-me no lugar, pressionando minhas costas contra o banco desconfortável, tentei em vão encontrar uma posição mais adequada. Esses bancos de madeira estúpidos não foram feitos para ficar sentado por longos períodos de tempo. Especialmente por uma mulher grávida. Loki levantou o braço, permitindo-me pressionar as costas contra seu peito. Felizmente, ele tinha tirado a arma que guardava debaixo do braço e colocou-a no banco debaixo de sua perna oposta. Suspirando em apreço, mudei minhas pernas até que elas estavam alinhadas por baixo das pernas longas de Silas, ganhando um olhar dele. Ei, eu poderia ter colocado as minhas pernas em seu colo. Era o mínimo que podia fazer. Foi ele quem me fez vir em primeiro lugar. Ele disse que eu precisava de encerramento, mas para ser honesta, não precisava de nada disso. Apaguei meu irmão, Varian, e Mick dos meus pensamentos há mais de um mês atrás. Era Loki e o resto do The Dixie Divas... Quero dizer Dixie Wardens, que continuaram trazendo-o de volta. Eu ficaria feliz se eles simplesmente nunca falassem sobre isso novamente, mas foram inflexíveis sobre eu falar ‘sobre isso’ e não deixar isso ‘me afetar’. "Sr. Strong, você pode me dizer como você conseguiu encontrar com Mr. Hennessey? " Perguntou o juiz. A mão de Varian trabalhou em seu ombro, onde foi baleado por Andrea há mais de um mês. "Mick, quero dizer o Sr. Hennessey, foi


quem entrou em contato conosco. Anteriormente, apenas era Andrew e eu. Ele trabalhava como gerente de uma empresa de tecnologia. Nos conhecemos quando soube de seus conhecimentos de informática algumas semanas depois que ele se mudou para o bairro. Mick entrou em contato com Andrew enquanto eu estava na cadeia. Foi ele quem orquestrou a fuga." O julgamento de Varian tinha sido na semana passada. Ele confessou quase todos os seus crimes. Em seguida, envolveu o meu irmão em cerca de mais dez. Essa tinha sido a pior parte. Se eu não tivesse permitido que o meu irmão morasse comigo, então talvez toda essa confusão não teria acontecido. Felizmente, tudo estava quase no fim. Varian estava apenas servindo como testemunha contra Mick antes que o homem fosse enviado para Huntsville. Os The Dixie Wardens iriam escoltar o homem até lá, só para ter certeza que ele chegasse com segurança e toda essa loucura. Com toda honestidade, eu tinha certeza de que eles estavam fazendo isso por razões completamente diferentes, mas honestamente não era da minha conta. "Ele está mentindo!" Mick gritou. Eu soltei um suspiro. Era realmente uma perda de tempo. "Senhor. Hennessey, se o senhor não se sentar em seu lugar de imediato, será preso por desacato ao tribunal," a voz do juiz velho rosnou. Hennessey sentou e ouviu como um bom menino as próximas horas quando testemunha após testemunha deu seu depoimento. Este seria o último dia que seriamos necessários. Loki tinha testemunhado no início, meu relato seguiu diretamente após o seu. Adormeci dessa forma, acordei quase uma hora mais tarde para encontrar um homem na frente do júri lendo um pedaço de papel. Loki cutucou meu braço novamente, me empurrando para cima até que eu estava sentada mais ou menos por conta própria.


Limpei o canto da minha boca com a mão enquanto ouvia o jovem hispânico ler seu veredicto. "Nós o júri consideramos o réu, Mick Hennessey, culpado de..." Ele leu uma lista de crimes, o pior deles sendo o assassinato do meu irmão. Depois que terminou a sessão, eu andei de mãos dadas com Loki para fora do Tribunal. "Aquilo foi claramente um olhar rancoroso o que Mick lhe deu quando estávamos saindo," observei. "Sim, ele está chateado comigo. Eu tenho tudo o que ele queria. Você. Meu padrasto. Uma família. Meu trabalho. O respeito do meu clube. Ele não tem nada. E a prisão não vai ser muito boa para ele. Os prisioneiros não têm muito amor por policiais ... ex-policial ou não," disse enquanto segurava meu braço com firmeza, ajudando-me a descer os degraus. "Perfeito para ele," eu disse. "Aqui, aqui," disse Silas do meu lado oposto. "Carma é uma cadela," Loki concordou.


DOIS MESES E MEIO DEPOIS Eu andei com Brittanye subi os degraus da delegacia de polícia. Nenhuma hesitação em meus passos. Eu realmente percorri um longo caminho em um ano. Pouco tempo atrás, eu nunca teria sido capaz de chegar perto dos degraus. Agora eu estava me preparando para caminhar para dentro. Eu até fiz um monte de cookies para eles. Tudo por causa de meu futuro marido. "Você quer que eu pinte as unhas dos seus pés?" Perguntou Brittany. Eu olhei para os meus pés. Ou eu teria, isto é, se eu pudesse vêlos. "Eles precisam ser pintados?" Eu questionei. Brittany bufou. "Não, claro que não." Eu atirei-lhe um intermináveis degraus.

olhar

de

lado

enquanto

subíamos

os

Ok, talvez houvesse apenas oito, mas eu estava carregando uma grande carga atualmente. Oito degraus era muito.


Eu realmente ganhei peso nos últimos três meses. Eu tinha ganhado cerca de vinte quilos. Embora Loki disse que não se importava, eu sabia a verdade. Ele achava que a minha bunda era gorda. "Você vai fazer isso?" Perguntou Brittany preocupada. Eu olhei para ela, degraus. "Sim," eu bufei.

e

continuei

a

subir

os

dois

últimos

Ela segurou a porta aberta para mim, e nós caminhamos para o prédio absurdamente quente. "Jesus, por que está tão quente aqui?" Lamentou Brittany. "Porque você está passando pela menopausa," eu sugeri com uma sobrancelha levantada. Ela estreitou os olhos para mim. "Tome isso de volta." Eu a ignorei e continuei andando. "Tem certeza de que eu deveria estar trazendo estes aqui? Eu sinto como se estivesse segurando uma revista pornô à vista de toda na delegacia de polícia," eu disse, nervosa. Os biscoitos em minhas mãos pareciam como se pesasse uma tonelada, mas eles não eram nada em comparação com o envelope pardo que continha minha foto grávida, Brittany tinha me forçado a fazer. "Sim eu tenho certeza. Vai ficar tudo bem. Eu liguei para Cabe quando eu cheguei. Ele disse que Loki esteve em seu escritório o dia todo fazendo chamadas sobre o caso em que ele está," ela sussurrou. Por que ela sequer se preocupava em sussurrar estava além de mim. Ela tinha feito isso tão alto que ela havia feito todas as cabeças na sala virar para nós. Como isso era possível na parte mais movimentada da delegacia? Principalmente, era porque eles eram todos uns bandos de intrometidos. Sua fofoca era pior do que das mulheres que se reunião na quarta feira para beber o seu vinho. Não que eu tinha começado a participar da reunião do vinho quarta-feira.


Estar grávida realmente era uma droga às vezes. "Hey, baby," disse a voz de um homem profunda atrás de nós. Eu não esperei enquanto Brittany parou para falar com o marido. "Aqueles são para mim?" Perguntou Trance. "Não," eu respondi e continuei andando. "Eles seriam para você, se você não fosse tão mau." Os olhos de Trance aqueceram. Com certeza ele era bonitão. Às vezes eu tinha ciúmes de Viddy. Eu só conseguia ver Loki no uniforme uma vez por mês, e isso era por causa das reuniões de departamento obrigatórias com o Chefe de Polícia, o prefeito, e os detetives para discutir seus casos. Ele tirava o uniforme no momento em que ele deixava o gabinete do prefeito. "Hey," Trance disse enquanto ele pegou os biscoitos de mim. "Não foi minha culpa. Viddy me fez dormir no sofá, por isso, também. Mas ele mereceu. Eu juro." O sorriso de Trance era contagiante. "Oh sim? Que tal você apenas me mostrar o que você tem, e então eu poderia perdoá-lo." Ele olhou para mim por um longo momento antes de desabotoar a manga comprida da camisa, enrolou-a até seu antebraço superior ficar exposto, e mostrou-a para mim. Eu pisquei com o que vi. Então eu comecei a rir antes de ir embora. "Oh, merda," eu ri. "Posso ter alguns biscoitos agora?" Ele gritou em minha retirada. "Claro," eu concordei rapidamente. Depois de ver a tatuagem, ele merecia os cookies. Eu estava com raiva do Trance por quase uma semana. Uma semana e um dia atrás, Trance e os meninos tinham levado Loki para sua despedida de solteiro, enquanto as old ladies, e algumas


poucas esposas de policial e bombeiros, saíram para um chá de bebê e festa de inauguração, em nossa casa nova. Loki e eu tínhamos recebido tantos presentes que nós tivemos que tivemos que fazer parte externa. Nós tínhamos feito completamente a mudança para a nossa nova casa apenas o fim de semana antes da despedida de solteiro, e esta era a primeira vez para todas as senhoras veriam a casa com todos os móveis no lugar. Loki tinha encontrado um pequeno local agradável no meio do nada que era apena algumas milhas de distância da cidade. Enquanto estava ocupada abrindo os presentes, Trance e os meninos tinham chegado com Loki bêbado. Ele apareceu em casa bêbado, e ostentando uma nova tatuagem terrivelmente ridícula. Pelo menos foi coberto facilmente. A tatuagem de Trance seria vista por qualquer pessoa uma vez estivesse com as manga curta. O filho da puta merecia isso, no entanto. Eu ainda não podia acreditar que ele desafiou Loki a fazer uma tatuagem. Especialmente aquela. A porta do escritório de Loki estava parcialmente aberta, então eu entrei direito sem bater. Fiquei surpresa ao encontrá-lo com alguém, no entanto. Detective Eurie Lauder estava sentada ao lado de sua mesa vestindo a saia de negócios curta que mostrava suas belas pernas. Loki não estava prestando a menor atenção, no entanto. Ele estava no telefone olhando pela janela. Eurie e eu tinha um relacionamento de ódio. Eu a odiava, e ela me odiava. Nós duas sabíamos disso. Ambas reconhecíamos isso. No entanto, mantivemos as coisas civilizada, porque Loki não precisou adicionar o problema de ter que se preocupar com sua amante atual e sua ex-amante de entrar em brigas a qualquer hora, quando estávamos na mesma vizinhança.


Eu soube assim que eu a conheci que ela estava apaixonada por Loki. Ele não sabia, porém, e eu planejava manter assim. "Eurie," eu disse balançando a cabeça para ela. Ela deu um sorriso tenso para mim. "Channing. Como está o bebê?" Eu olhei para a minha barriga, pressionando a mão contra o pequeno cotovelo que estava cutucando fora da minha pele. "Bryce Júnior está indo bem. Ele está agitado hoje. Você se importa em dar a Loki e mim algum tempo a sós, por favor?" Ela fez uma careta. "Claro," disse ela e se levantou. Ela não olhou para trás e eu estava grata. Era hora dela seguir em frente. Meu homem estava muito domado. Eu sabia que ele só tinha olhos para mim. O que ele provou uma e outra vez. Ele era meu, e eu era com toda a certeza dele. "Olá baby. Como você está?" Loki perguntou quando ele desligou o telefone em sua mesa. Eu sorri." Eu estou bem. Eu, uh, trouxe-lhe algumas fotos. Brittany me obrigou." Sua sobrancelha arqueou enquanto ele caminhava em torno de sua mesa, abriu a porta ao meu lado, e pressionou seu grande corpo contra o meu. Sua boca cobriu a minha por breves momentos antes que ele se retirou e pegou o envelope da minha mão. "Que tipo de fotos?" Ele perguntou curioso. "O que você pediu," respondeu misteriosamente.


Eu estava colocando a minha meia-calça quando duas grandes mãos me pararam, e depois me empurrou gentilmente. "Loki," eu disse. "Nós temos que estar na cerimônia de premiação da Lola em uma hora." Lola era a garota que eu tinha salvado dos destroços, era um amor de pessoa. "Nós temos tempo," ele retumbou quando o queixo mal barbeado correu ao longo da minha bochecha. "Não, nós não temos," eu tentei. "Você está tão linda," ele gemeu contra a minha boca. "Você sabe que eu te amo certo?" Aproximei minha mão e segurei sua mandíbula. Depois, desloquei mais baixo, quando eu deixei cair a minha mão em seu estômago, para cueca que estava longe de fazer um trabalho muito bom em segurar seu pau sob controle. "Sim," eu sussurrei com a voz rouca. "Por quê?" Uma vez que a minha mão fez contato com seu pau, sua contenção deu um saltou voando. "Porque eu estou prestes a te foder como eu não faço. Levante-se," ele ordenou.

"Eu não posso acreditar em você! Estamos tão absurdamente atrasados!" Eu gemia. "O último nome de Lola é Vine. Nós vamos fazer isso," ele assegurou-me, quando ele me puxou para um lugar na frente do auditório. Lola, era a menina com quem eu tinha ficado durante os destroços, tinha 16 anos de idade e se tornou muito especial para mim.


Seu pai era um amor, e exatamente o oposto de qualquer senador que eu já tinha lido a respeito. Seu olhar estava baixo, e triste pela morte de sua falecida esposa. Lola estava indo bem, dadas as circunstâncias, e três meses e meio após o acidente que levou sua mãe tão de repente, ela estava aceitando uma medalha de honra ao mérito por participação social.

Loki saiu e caminhou em direção a minha porta, mas eu já estava saindo do meu presente de casamento de Loki. Ele estava trabalhando no meu Pontiac Firebird em segredo durante meses, e só tinha dado a mim ontem. Ele tentou me convencer dirigir o carro hoje, mas eu tinha sido inflexível em dirigir o Firebird. Eu tinha certeza de que ia ser doce. E foi. Isso estava além de tudo que eu sempre quis de modo que eu poderia literalmente beijar seus pés. Se eu conseguisse minha bunda gorda lá em baixo. "É conveniente que você tem aquele pequeno emblema da polícia que lhe permite estacionar onde quer que você queira parar," eu disse secamente. "Sim. Realmente conveniente," ele concordou. "Você sabe, isso vai estar conosco em dezesseis anos," eu disse em tom de conversa. Ele virou a cabeça para mim, seus olhos azuis agarraram-me em seu olhar. "Eu não posso esperar porra."


DUAS NOITES DEPOIS "Dê-lhe algo para focar. Algo para olhar," a enfermeira me sugeriu. Dixie, quem, só Deus sabia por que estava na sala, calmamente andou para a frente, em seguida, levantou a camisa para mostrar sua enorme barriga. Juro por Deus, eu não poderia fazer essa merda. O quarto estava longe de estar vazio. Enfermeiros, um médico, dois estagiários e dois estudantes de enfermagem lotaram o espaço pequeno para grande irritação de Channing. Cada um deles riu mesmo Channing. "Isso é bom?" Dixie perguntou a Channing. Lágrimas ainda escorriam pelo seu rosto, mas pelo menos ela estava sorrindo. Mesmo depois de todos esses meses, lágrimas ainda me matavam. Especialmente as dela. E Deus me ajude quando o garoto finalmente chegar, vai ter dele também.


"Eu preciso de pedaços de gelo," Channing gemeu. Eu olhei para o copo quase cheio de gelo que estava segurando em suas mãos. "Por quê? Esse copo está quase cheio." O pequeno copo cor-de-rosa que estava segurando os pedaços de gelo passou voando pelo ar, e chocou-se contra a parede oposta diretamente ao lado de onde Baylee estava de pé. Os pedaços de gelo atingiram a parede com um baque, e o som de milhares de cacos de gelo atingiram o chão de azulejos com um spray. Baylee estava muito ocupada rindo a gargalhadas para perceber que ela quase tinha a cabeça quebrada com um copo de gelo. "Esses pedaços de gelo são uma droga. Quero novos pedaços de gelo. Aqueles que não estão derretidos," ela rosnou. Eu me afastei dela lentamente, desviando de dois estudantes de enfermagem que estavam de pé no canto da sala, com os olhos arregalados. Meus pés rangiam sobre o gelo quando sai da sala, mas eu não me importei. Tudo que eu queria era conseguir para a pequena diaba alguma porra de gelo. "Posso ajudá-lo, senhor?" Perguntou a mulher solitária que estava no posto de enfermagem. Hoje tinha lua cheia, e, aparentemente, uma noite muito movimentada. Channing entrou em trabalho de parto esta manhã, mas ela esperou até às sete da noite. Quando Channing me disse pela primeira vez que não queria ter nenhum tipo de medicamento, eu pensei que ela estava louca. Mas discutir com a mulher grávida era suicídio. A enfermeira voltou rapidamente e me entregou um copo de gelo. "Obrigado," eu murmurei, e andei depressa para a sala. Quando entrei na sala, você poderia ouvir um alfinete cair. "Bem?" Channing gritou. "Uhh," o pediatra disse.


"Isso parece que está pegando fogo. Você pode colocar um pouco de gelo sobre ele?" Channing gemeu. "Channing, seu, ah, clitóris não está em chamas. É apenas um efeito colateral. Agora, que está na posição. Empurre na próxima contração, ok? " Disse o Dr. Summer com uma risada em sua voz. Olhei para Brittany, Baylee, Adeline, e Viddy, que estavam todos parados no canto com os rostos vermelhos, e levantei minhas sobrancelhas para elas. Elas balançaram a cabeça, recusando-se a responder. Virando-me, eu caminhei até Channing, triturando sobre o gelo mais uma vez, e fui para o lado dela. "O que está errado, baby?" Eu perguntei quando eu passei a mão ao longo de sua testa suada. Ela virou os olhos para mim e olhou fixamente. "O meu clitóris está queimando. Você vai segurar um pouco desse gelo sobre ele?" Perguntou ela. "Uhh..." Eu olhei para o Dr. Summer para apoio. Dr. Summer deu de ombros. Ele era um homem inteligente. Portanto, é assim que eu me encontrei segurando um pedaço de gelo sobre o clitóris de minha mulher enquanto ela empurrava nosso filho. "Empurre com força," disse o Dr. Summer quando veio próxima contração. Channing enrolou sobre sua barriga, e começou a empurrar. "Se eu cagar, basta olhar para longe, ok?" Channing ofegava. Sabendo que isso era um argumento que eu não poderia ganhar, disse a ela o que ela queria ouvir. "Ok," eu concordei rapidamente. Jesus Cristo, por que as mulheres estavam tão preocupadas com isso? Havia um milhão de coisas diferentes para se preocupar, e ela está preocupada em cagar na mesa. "Respire, solta, isso mesmo," eu encorajei.


Sua testa, pescoço e cabelos estavam cobertos de suor. Sua mão foi para a manga da minha camisa, e ela me puxou até que eu estava no nível dos olhos dela. Então ela disse: "Sai da porra do meu rosto." Eu dei um passo para trás, dando-lhe definitivamente não tocando ela.

algum espaço, e

"Excelente, Channing. Está tudo bem se eu deixar um dos internos assumirem agora? " Perguntou Dr. Summer. "Se você sair da sala estou te seguindo," ela rosnou. Eu estava secretamente contente. Não que eu não pensei que os estagiários não precisavam aprender, mas com a porra da certeza não precisa acontecer em minha mulher e criança. Os nervos do pescoço de Channing relaxaram quando a contração diminuiu. "Channing, querida, como está se sentindo?" Perguntou o pediatra. Channing calmamente olhou em volta, e depois fechou os olhos. "Eu quero bater na cara de cada um com taco de golfe." Eu virei-me rapidamente para olhar a parede, tentando, com tudo que eu tinha, controlar as gargalhadas que estavam ameaçando derramar do meu peito. Dixie não se preocupou em conter a sua. Ele apenas riu, e deixou sua grande barriga balançar. As enfermeiras e os médicos caíram na gargalhada, bem quando outra contração começou a vir. Repetimos o processo de empurrar por quase duas horas. Essas foram as duas horas mais longas da minha vida. Na última contração, o estagiário começou a pôr sua mão em cima da vagina da minha mulher, e eu estava prestes a perder o controle quando Channing gritou: "Saia da minha buceta, seu grande bezerro!" E com isso, nosso garotinho de dois quilos e quatrocentas gramas, Justice Reese Rector, fez o seu caminho para este mundo, cuspindo furioso assim como sua mãe.


"Me desculpe, se fui uma vadia," disse Channing cansada, mais tarde naquela noite. Olhei para cima do rosto do meu pequeno rapaz para encontrá-la de frente para mim, com os olhos finalmente abertos. Eu sorri para ela calorosamente. "Você não quis dizer nada disso, querida. Eu sei." Ela fechou os olhos novamente. "Baylee me mostrou um vídeo de algumas coisas que eu disse quando você estava com Justice, quando ele estava recebendo um banho. Eu sei que fui uma cadela." Eu bufei. Esse foi o eufemismo do século, mas eu não a trocaria por nada no mundo. "Então... Dixie viu minha buceta?" Ela sorriu. Uma risada estourou livre do meu peito, balançando o bebê e fazendo-o gritar. "Não, eu acho que ele saiu fora em algum momento," eu disse quando acariciei o menino minúsculo que já tinha roubado um pedaço do meu coração. Sua cabeça caiu para trás contra o travesseiro, e seus olhos começaram a fechar mais uma vez. De pé com cuidado, eu andei para o lado da cama, e sentei-me ao lado dela. Ela sorriu para mim, mas não abriu os olhos. Inclinando-me, dei-lhe um beijo suave na testa, e depois descansei por um momento, respirando o cheiro dela. Ela cheirava como seu cheiro cítrico original. A combinação do xampu que ela usava, e quaisquer produtos que ela passou em seu cabelo essa manhã. Isso, para mim, cheirava a casa.


Eu tinha encontrado uma casa com Channing. Nós compartilhamos um vínculo inquebrável, agora. Um que tinha resistido ao tempo, distância, mágoa, desgosto, e a morte. Estávamos na linha de vida de cada um. Channing me mantinha com os pés no chão. Ela fez com que eu falasse sobre o meu dia. Se eu precisasse dela, ela estava lá. Ela era irrevogavelmente minha, e eu era irreversivelmente dela. Ela tinha me dado um dom precioso hoje. Um que eu nunca poderia pagar pelo tempo que vivesse. Eu passaria meus dias tentando preencher essa lacuna, mas de alguma forma, eu sabia, que nunca poderia fazer nada para igualar com seu dom de vida. Ela era tudo para mim. Tudo o que eu nunca soube que queria. As chaves para as minhas algemas. O bálsamo para a minha alma torturada. Ela é a razão pela qual eu sou mais forte hoje do que era ontem, mas ela também é minha fraqueza. Ela tinha o poder de me trazer para os meus joelhos, e eu gosto desse jeito.


TRÊS ANOS DEPOIS

"Loki!" Eu gritei. "Eu lhe disse para não os chamar de macaco mangueira na frente das crianças mais. Você percebe o quão embaraçoso é tê-los dizendo isso quando veem um bombeiro?" O sorriso de Loki mostrou o quão arrependido ele realmente estava. Nossos filhos estavam em uma idade muito impressionável. Justice tinha três anos, e nossa menina, Glory, de dezoito meses de idade era apenas tímida. "Eu vou ver o que posso fazer sobre isso," ele falou enquanto caminhávamos até a festa do bairro. A festa do bairro era algo que a comunidade gostava de fazer no Halloween todos os anos. A rua principal seria bloqueada, e havia entretenimento ao vivo, bem como artes e oficinas para as crianças. O corpo de bombeiros traria seu caminhão-escada e daria passeios na boleia para as crianças, enquanto o departamento de polícia iria distribuir crachás. Trance deve fazer uma demonstração com Kosher, o seu parceiro K-9, dentro dos próximos dez minutos. "Temos que nos apressar ou vamos perder a demonstração do Trance," eu insisti com urgência.


Loki revirou os olhos. "Você não viu o suficiente das apresentações de Trance? Quero dizer, não é como se esta fosse a primeira vez que você já viu o que Kosher pode fazer." "Sim, mas ele vai estar de uniforme. Eu vou conseguir ver a sua bunda naquelas calças." Eu brinquei. "Sim", concordou Viddy. "Sua bunda parece muito, muito boa nelas.” Loki rosnou baixo sob sua respiração. "O que foi isso, querido?" Eu brinquei com ele. “Senhoras e senhores,” a voz de Cabe surgiu pelo alto-falante. “Reúnam-se em torno do Departamento de Polícia de Benton que a unidade K-9 tem um show especial para você hoje à noite. " "Hey," eu disse quando Loki começou a se afastar longe de nós. "Aonde você vai?" "Eu sou parte da demonstração," ele resmungou antes de se virar e sair. "Paciência, paciência," brincou Viddy quando nós vimos ele se afastar. "Ele esteve ocupado no trabalho, e eu estive ocupada com o trabalho e as crianças. Ele se sente negligenciado e não gosta quando eu falo sobre a bunda de outros homens," expliquei com um sorriso. O sorriso de Viddy foi brilhante. "Mas como é bom verificar uma bunda!" Viddy concordou. Revirei os olhos. "Então, ouvi que Trance finalmente conseguiu encobrir sua tatuagem no fim de semana passado." Viddy riu. "Sim, ele fez. Eu disse a ele que estava na hora. " Três anos atrás, Trance e Loki tinham ficado bêbados na festa de despedida de solteiro de Loki, e voltaram para casa com tatuagens. A de Loki dizia: "Doador de orgasmo" em seu abdômen, perto da linha de cintura da calça jeans. A de Trance tinha sido pior. A sua dizia, “Foda-se a polícia” em seu antebraço esquerdo. Normalmente não teria sido um grande negócio, mas os dois sendo policiais decentes, não era


uma boa ideia estar ostentando esse tipo de tatuagem, se você pudesse vê-la ou não. "O com o que ele cobriu?" Eu perguntei enquanto empurrava o carrinho duplo levando ambos os meus filhos para a arquibancada que eles criaram. Justice e Glory estavam ambos dormindo, o que era de se esperar por volta de meio-dia. Esta era a sua hora de dormir, e normalmente eles estavam em casa e dormindo no momento. "É uma âncora com alguns detalhes. Não havia muito que você poderia fazer para encobrir essas linhas pretas em negrito. Ele está feliz com o produto final, no entanto. O chefe disse que ele tinha que cobrir isso, ou ele não poderia vestir a camisa uniforme de manga curta novamente. Independentemente de saber se ele tinha a manga cobrindoa ou não," ela suspirou e empurrou o seu próprio carrinho de criança contra as arquibancadas e tomou um assento. Eu não pude deixar de rir. Um ano atrás, Loki tinha entrado em uma briga enquanto ele estava interrogando um suspeito, e sua camisa tinha subido, expondo sua barriga para que todos possam ver. Os dez ou quinze iPhones prontamente disponíveis tiraram uma abundância de boas fotos do doador de orgasmo, e ele tinha conseguido um bom sermão do chefe. No dia seguinte, ele começou a traçar as linhas curvas em preto da tatuagem samoana que ele queria há anos. Ele precisou de mais de cinco sessões para terminar, mas o produto final foi excepcional. E sexy como o inferno. "Uau," Viddy disse com os olhos arregalados. "Eu não sabia que ele ia ter um alvo humano para esta demonstração." Meus olhos se voltaram para o homem caminhando até o campo, e eu sabia, com uma batida repentina do meu coração, que era Loki em um terno acolchoado. "Eu vou matá-lo," rosnei e me levantei. Viddy agarrou minha mão com força. "É muito tarde. Ele já começou," ela fez um gesto com os dedos.


"Bem Kosher, melhor esperar que ele termine o trabalho, porque se não o fizer, eu vou." Então eu assisti quando o meu marido foi atacado por um mortal cão policial treinado. Repetidamente.

"Você quer ir comer no Tele’s?" Eu perguntei enquanto amarrei Justice em seu assento de carro. Loki começou a sacudir a cabeça com firmeza. "Não, eu prendi alguém lá na semana passada." Suspirei. Essa era uma resposta padrão para ele, infelizmente. "Ok; bem, então onde? " Questionei quando fechei de volta a porta do carro. Ele esperou para responder até que eu estava sentada ao lado dele. "Uhh, que tal The Blind Tiger?" Perguntou. Eu olhei para ele. "Isso é um bar. Você não pode levar as crianças a um bar. " "Nós os levamos para Halligans and Handcuffs o tempo todo," ele atirou de volta. Eu dei-lhe um olhar divertido. "Sim... mas isso é porque vocês possuem esse lugar. E é um restaurante e bar. Você também não me vê levá-los lá depois das sete." Ele bufou. "Tanto faz." Eu mexi desconfortavelmente no meu lugar, e levantei a minha bunda para chegar por baixo e retirar um punhado de balas que deve ter deslizado livre do saco de munição que eu tinha movido fora do assento quando entrei.


Coloquei-os no banco, e disse: "Que tal Cracker Barrel?" Ele não estava me ouvindo embora. Seus olhos estavam sobre o homem a nossa frente que estava tecendo entre as duas pistas. Fechando os olhos, eu deixei-o tirar isso fora, assim como ele tinha feito muitas, muitas vezes nos últimos três anos. "Eu preciso de você para verificar uma placa para mim. E envie uma unidade para Duncan Road e Sheffield Drive. Alfa. Garoto. Sete. Fígado. Quatro. Rainha. Boy. 10-04," disse Loki em seu rádio. O rádio era uma parte dele, assim como seu casamento. Arma. Distintivo. E colete The Dixie Wardens.

anel

de

Ele raramente saía de casa sem essas coisas. Eu devo ter cochilado, assim como as crianças, porque eu não estava mesmo ciente dele estacionar atrás do outro carro, conversando com os outros oficiais na cena, ou voltar para o carro. Em vez disso, eu acordei quando estávamos entrando no restaurante chinês. "Comida chinesa de novo?" Eu questionei com voz rouca. Ele sorriu desculpando-se. "Desculpe, querida. Você vai ter que entrar e encomendá-lo, no entanto. Eu acho que Barney está trabalhando hoje." Barney era o proprietário da Magic China. Ele também foi preso por Loki pouco mais de um ano atrás por abusar de sua mulher. Embora a mulher de Barney perdoou Barney, Barney nunca perdoou Loki e recusou-se a servi-lo. Razão pela qual eu sempre tive o prazer de fazer negócios com Barney. "Obrigada," eu murmurei e saí do carro. Barney estava realmente trabalhando, mas ele se absteve de dizer algumas palavras feias. Desta vez. Que provavelmente tinha muito a ver com sua mãe idosa sentada na banqueta na frente da loja, no entanto.


"Sopa grátis Wan-ton," Barney me encarou quando ele entregou a minha encomenda. Peguei-a, sorrindo agradecida. "Tenha um bom dia, Barney." Ele não respondeu enquanto saia da loja. As provações e aflições de ser mulher de policial, por vezes, pareciam exuberantes, mas quando abri a porta para encontrar Loki cantando músicas da Disney para os nossos filhos, eu sabia que todos aquelas provações valiam a pena. O homem era a luz da minha vida, e eu faria qualquer coisa por ele.

A casa estava completamente escura quando entrei. Depois de comer com as crianças, tínhamos acabado de começar a colocá-los na cama quando fui chamado para um homicídio. Felizmente, Channing já tinha feito suas próprias horas de trabalho. Brittany e Channing tinham aberto sua própria casa funerária no ano passado, e agora trabalhavam na hora que quisessem. Se elas não queriam trabalhar, então não trabalhavam. Isso funcionou bem para a nossa família, porque houve momentos, como hoje, que fui chamado, sem um aviso qualquer. O bip-bip do alarme sendo acionado me fez virar para encontrar Channing em pé ao lado da porta colocando os números do alarme.


"Olá baby. Acordei você?" Perguntei quando entrei e lhe dei um beijo suave na boca. Ela enrolou os braços ao redor do meu pescoço e se inclinou um pouco para o beijo antes de romper. "Não, Justice teve febre. A febre não sedia e estou acordada, por cerca de três horas agora." Preocupação marcava suas feições, eu coloquei minha mão em seu pescoço, trazendo-a de volta para o espaço onde ela pertencia. Meus braços. "A febre baixou agora?" Perguntei. Ela levantou os ombros. "Mais ou menos. Ele está dormindo na nossa cama. Eu não poderia fazê-lo dormir em seu próprio quarto sem ele gritar." Eu corri minha bochecha ao longo do topo de sua cabeça, deixando minha barba correr contra os cachos suaves do seu cabelo. Justice era geralmente um menino saudável. Até que teve os ataques de asma. Nós sabíamos que havia uma chance dele ter asma, mas a primeira vez que ele teve um ataque, eu nunca estive com mais medo na minha vida. Ele estava com seis meses de idade, e eu o tinha levado ao parque comigo. Channing estava no trabalho com Brittany, quando, de súbito Justice começou a surtar. Seus olhos se arregalaram imediatamente seguido pela respiração ofegante. Seus músculos começaram a comprimir, enquanto ele usava seus músculos para ajudá-lo a respirar. Foi realmente a coisa mais assustadora que eu tinha visto. Eu tinha, é claro, visto Channing tê-los várias vezes no passado. Eu tinha visto o que fizeram com ela, e como eles a derrubavam. Então, ver meu próprio filho tendo um ataque de asma me deixou apavorado. Felizmente eu estava lá não só com Trance, mas Kettle e Sebastian também.


Eles tinham me mantido calmo, e nós tínhamos chegado ao hospital onde Justice tornou-se o mais novo usuário de um inalador. Agora temos mantido um em cada veículo. Eu mantive um em meu bolso, independentemente se eu estava trabalhando ou não, e Channing mantinha um na bolsa de fraldas e na sua bolsa.

"Tudo bem, baby. Eu estarei lá em um minuto. Eu só quero verificar a casa bem rápido," eu disse enquanto a deixei ir. Ela assentiu com a cabeça, andando calmamente em todo o hall de entrada e desaparecendo na sala de estar. Seu vestido branco longo fluiu atrás dela alegremente, e seu cabelo marrom, um pouco mais longo agora, flutuava em volta de seus ombros e cintura enquanto ela caminhava. Balançando a cabeça para limpá-la, e verifiquei as janelas, fechaduras e portas.

eu

entrei

na

casa

Não haveria nenhum sexo acontecendo na casa Rector hoje à noite, infelizmente, mas estava tudo bem. Às vezes o amor não era sobre a intimidade. Às vezes era apenas sobre estar com a pessoa que você amava. Sabendo que eles estavam perto. Sentindo sua pele na sua. Cheirando seu perfume. Rindo com você. Isso é o que eu tinha com Channing. Paz. Amor. E para sempre.

FIM


Quer ficar por dentro dos lanรงamentos? Siga nosso blog e curta nossa Fanpage no Facebook!

Profile for Livros & Chocolate

Lani Lynn Vale - The heroes of the dixie wardens mc #04 keys to my cuffs  

Lani Lynn Vale - The heroes of the dixie wardens mc #04 keys to my cuffs  

Advertisement