Page 1


Bebê Rockstar Guarda-Costas & Bebês 02 S.C. Wynne Riley West é um alpha cuja carreira musical está explodindo. Enquanto ele tem milhões de fãs adoradores, também tem um segredo que torna impossível viver sua vida como gostaria. Ele ainda está relutantemente no armário a pedido de seu gerente de longa data. Três anos estando constantemente em turnê o tinham esgotado e o fizeram solitário e desejando algo mais do que apenas momentos roubados em uma noite. Quer sair do armário e ter uma chance de que seus fãs ainda o apoiem. Colin Robinson é um ômega Eclipse Solar e também um guarda-costas para a Shield. Ele realmente não sabe nada sobre Riley quando se encontram pela primeira vez, mas as faíscas voam e os dois homens aproveitam uma noite apaixonada juntos. Quando Colin percebe que Riley está no armário, deixa claro que nunca teria estado com ele se soubesse. É uma decisão difícil porque realmente sente uma conexão com Riley e quer mais. Riley não quer dizer adeus a Colin, então o contrata para ser seu guarda-costas durante uma turnê. Colin concorda, mas deixa claro que seu relacionamento deve permanecer profissional, enquanto Riley estiver no armário e for seu empregador.

2


Mas, às vezes, as coisas são mais fáceis dizer do que fazer. Ocorrem erros. O problema é que, quando você é um ômega eclipse solar, uma noite de fraqueza, geralmente, significa que o ruído surdo dos pequenos pés não estará muito atrasado.

3


Guarda-Costas & BebĂŞs

4


Capítulo 1 Riley Frank estava, realmente, começando a me irritar. Eu costumava ser um pouco frio para um alfa, mas ele deveria estar cuidando de mim e estava obviamente bêbado em sua bunda. Nunca tive um guarda-costas tão pouco profissional na minha vida. Parecia pensar que, porque eu era músico, era uma tarefa de nada. − Venha. − Ele olhou para Amanda, a jovem que tinha estado a cargo de dirigir a cabine da camiseta durante o meu concerto. − Vamos ter um concurso de camisetas molhadas − Frank arrulhou. − Vou trazer a água se você trouxer os peitos. − Ele riu. É isso aí. Franzi o cenho e me movi para entrar entre os dois. − Cara, volte. Você está se envergonhando. − Eu realmente estava tendo que proteger alguém contra meu guarda-costas agora mesmo? Franzindo o rosto em uma careta, Frank acenou com a mão para mim. − O que? Estamos apenas nos divertindo um pouco. Amanda apertou os dedos no meu braço. − Hum... Não estou realmente me divertindo muito. − Ela riu nervosamente.

5


− Eu sei. − Acariciei seu ombro e encarei Frank novamente. − É melhor você esperar que Tom não o pegue dando em cima das meninas e bebendo de plantão. − Eu esperava que talvez mencionar meu gerente duro poderia colocar algum sentido em Frank. A maioria das pessoas não gostou de entrar no lado ruim de Tom. − Você vai me demitir? − Ele fez uma careta. − Estou tentando avisá-lo. Tom vai disparar no local, se ele cheirar bebida na sua respiração. Frank revirou os olhos. − Pfft. Não é como se você fosse o presidente ou qualquer coisa. Este é basicamente o serviço de babá glorificado. − Ele tomou outro gole da sua garrafa de cerveja. −Além disso, sou profissional. Posso me segurar bêbado ou sóbrio. − Isso está certo? − Coisa certa. Este trabalho é chato. − Sério? − Sim. Tudo o que faço é sentar. Onde está a ação, cara? Preciso de alguma ação. − Ele terminou a cerveja e atirou-a para a lata de lixo, errando por alguns centímetros. − Oops. − Ele resmungou uma risada. Onde Tom achou esse cara? Ele não estava qualificado para guardar o cachorro de alguém. − Você sabe, em seguida, foda-se, Tom não está demitindo você. Eu vou fazer isso. Está fora, cara.

6


− O que isso significa? − Frank balançou um pouco. − Significa que você vai embalar sua merda e ir. Está despedido. − Levantei meu queixo e cavei profundamente para o meu alfa interno. Não era um alpha super agressivo, e muitas pessoas me confundiram com um ômega. Mas tinha uma espinha dorsal quando se tratava de defender outras pessoas, mesmo que nem sempre tivesse uma para mim. − Maldito se vou. Eu ri duramente. − Como você conseguiu esse emprego? − Porque eu sou incrível nisso, − ele rosnou. − Claramente. − Eu balancei minha cabeça. Não tinha gostado do cara no segundo que o conheci, mas tentei dar-lhe uma chance. Tinha estado um pouco cheio de si mesmo no momento em que chegou. − Tom me contratou, então não vou a lugar nenhum até que Tom diga isso. − Você percebe que Tom trabalha para mim, certo? Ele resmungou. − Você está exagerando. Então eu tomei algumas bebidas. Grande besteira. − Existe algum problema? − Eu nunca estive mais feliz ao ouvir a voz de Tom. Ele caminhou parecendo irritado e assediado. − Sal me enviou mensagens de texto, há uma discussão ou algo assim. Frank levantou as mãos. − Não há problema aqui.

7


Eu me virei para Tom. − Ele está bêbado e é um pervertido. Eu o demiti. Tom alargou os olhos. − O que? − Ele está paquerando todas as meninas, e está bebendo. − Eu coloquei um fio de cabelo atrás da minha orelha, esperando soar confiante. − Eu não o quero mais por aí. Tom parecia que queria discutir, mas então simplesmente encolheu os ombros. − Tudo bem por mim. − Com licença? − Frank pareceu chocado. − Você não pode simplesmente me despedir. Temos um contrato de dez semanas. −Se você se incomodasse em lê-lo, saberia que beber no trabalho é uma causa para a rescisão imediata. − Tom sorriu. − Desocupe seu quarto amanhã e pegue seu salário final. − Não, não, não. Eu não vou a lugar nenhum, − Frank cuspiu. − Você deveria estar alerta e pronto, não apresentando seu discurso e paquerando pessoas. − Eu fiz uma careta. − É assim que sempre age quando está trabalhando? Ele ignorou minha pergunta. − Eu preciso desse trabalho. Você não pode simplesmente me despedir. − Desculpe. Mas você está fora. − Coloquei minhas mãos nos meus bolsos. − Não quero ninguém tão instável quanto você.

8


Ele me surpreendeu quando pegou minha camisa e me aproximou. − Você estragou tudo. Os pirralhos ricos são todos iguais. − Solte minha camisa, idiota, − rosnei, apertando meus punhos. Ele me superava em cerca de trinta quilos, e eu tinha poucas dúvidas de que eram trinta quilos de músculo também. Mas eu não era um covarde, e não ia voltar atrás porque ele era um valentão. − Ou o que? − Tire suas mãos dele, − grunhiu Tom, movendo-se em nossa direção. − Que diabos está errado com você? − Ele tem sido um punk toda a semana. Quase não me falou duas palavras. Frank estreitou os olhos. − Não sou bom o suficiente para falar ou algo assim? Peguei seus pulsos e tentei afastá-lo. − Você está tão fora da linha agora, é ridículo. − Eu deveria foder seu rosto bonito e pequeno. Quão popular acha que seria com seus fãs se eu esmagar todos os ossos em seu rosto? A adrenalina passou por minhas veias enquanto segurava seu olhar irritado. − Tire suas malditas mãos de mim, agora. − Faça-me − Sua respiração encharcada de álcool soprou contra meu rosto.

9


Tom correu e tentou agarrá-lo, mas com um forte empurrão, Frank o enviou voando no chão. Fiquei aliviado quando ele sentou-se, parecendo atordoado, mas ileso. − Você deveria estar me protegendo, não me ameaçando − eu falei entredentes. − Eu não trabalho mais para você, lembra? − Ele zombou. Amanda deu um soluço suave. − Por favor, deixe-o ir. Frank a ignorou. − Estou tão cansado de cuidar de ricos idiotas que pensam que são melhores do que eu. Eu sabia que ele era muito grande para dominar, mas deslizei minha posição para que pudesse dar uma joelhada em sua virilha. Achei que talvez eu não pudesse vencê-lo em uma batalha mão a mão, mas não estava caindo sem uma briga. − Eu não nasci rico. − Você é o pior tipo,− ele grunhiu. − Você não conhece uma maldita coisa sobre mim. − Me mexi em seu aperto, mas ele estava apertado. − Amanda e eu estávamos nos dando muito bem até que você entrou. − Ele olhou para ela. − Nós não estávamos, querida? Ela se abraçou, parecendo estar prestes a chorar. − Por favor, não machuque Riley.

10


− Ei, o que você está fazendo?− Grunhiu uma voz profunda e familiar. − Tire suas mãos dele. Eu girei minha cabeça e consegui distinguir meu ex-guarda-costas, Blade Carr, caminhando em nossa direção com os ombros enquadrados e o rosto vermelho com raiva. Havia outros dois homens atrás dele, um cara de cabelos negros que segurava um bebê e outro homem de altura semelhante à Blade, mas mais corpulento. Blade agarrou Frank ao redor do pescoço, e o outro homem bateu os braços sobre os pulsos dele, me liberando. Tropecei para trás e Frank gritou quando Blade jogou-o no chão e sentou-se em suas costas. Ele chutou as pernas e gritou, mas Blade não parecia se importar. − Você está bem? − Ele me perguntou, sem fôlego. O cara que tinha quebrado o agarre de Frank ainda tinha as mãos nos meus ombros, como se estivesse me estabilizando. Seu cheiro limpo chamou minha atenção imediatamente, e um rubor de calor lavou meu peito. Eu olhei em seus brilhantes olhos azuis e estremeci estranhamente. − Sim, eu estou... Estou bem. − Esfreguei a parte de trás do meu pescoço, e o homem me segurando soltou. − Alguém quer chamar a polícia? − Perguntou Blade, uma sobrancelha arqueada. − Quero dizer, eu posso sentar aqui em cima deste idiota a noite toda, se você preferir. − Oh sim. Claro. Tom marcou o telefone, parecendo chacoalhado.

11


O homem de cabelos escuros que segurava o bebê se aproximou. − Eu sou Wyatt. − Ele gesticulou seu queixo em direção a Blade. − Estou com ele. − Eu também estou com ele. − O ômega que me ajudou riu suavemente. − Eu acho que estamos todos com Blade. − Obrigado pela sua ajuda. − Eu ainda estava chocado com a rapidez com que as coisas haviam escalado com Frank. − Não tenho certeza do que aconteceu. Ele estava bêbado e simplesmente perdeu sua merda. − Eu olhei para Frank, que finalmente parou de lutar. − Eu sou Colin, por sinal − O ômega estendeu a mão. Nós apertamos as mãos e um arrepio de prazer passou por mim com seu aperto caloroso e firme. Eu não tinha certeza do porque estava tendo uma reação tão forte para ele. Talvez estivesse em estado de choque. Wyatt se aproximou. − Quem é aquele cara? Um fã louco? Engoli com dificuldade. − Não. Ele é meu guarda-costas. − Eu fiz uma careta. − Foi meu guarda-costas. Eu o demiti. − Uau. Espera. Seu guarda-costas o atacou? − Colin esfregou o rosto confuso. − Estava louco. Amanda colocou o braço em volta da minha cintura e apertou a bochecha no meu ombro. − Eu sinto muito. Eu ri grosso, abraçando-a. − Pelo quê?

12


Ela encolheu os ombros. − Por deixá-lo tão bravo com você. − Ele não tinha o direito de falar com você do jeito que fez. Não fez nada de errado, Amanda. − Eu reparei no olhar curioso de Wyatt. − Ele estava sendo pegajoso, e eu disse para parar. Olhando para o próprio homem com Blade ainda em cima dele, Colin disse: − Assumo que as coisas caíram a partir daí? − Sim. − Meu estômago deu um voo quando Colin sorriu. Deus, ele era lindo com dentes brancos retos e músculos em todos os lugares certos. Fazia um tempo que um ômega chamou minha atenção. Dois policiais entraram no quarto e Tom foi encontrá-los. Blade saiu de Frank, e os policiais o arrastaram para eles. Ele passou do estágio irritado agora, em vez disso, parecia deprimido e como se quisesse ir às lágrimas. Se não tivesse sido um idiota para Amanda, eu poderia até sentir pena do cara. Os policiais me fizeram algumas perguntas, mas era tão óbvio que Frank estava embriagado, que não havia muito para desafiar nossa versão dos eventos. Eles o levaram para longe, e eu caminhei até onde estavam Wyatt, Blade e Colin. Tudo tinha sido tão caótico quando chegaram. Eu notei o bebê, mas na verdade não tive a chance de perguntar sobre ele. Quando me aproximei, o bebê espreitou acima do cobertor, e encontrei seus pequenos olhos azuis diretamente.

13


− Bem, ei aí, pequeno cara. − Eu sorri e o bebê coxeou comigo, mexendo nos braços de Wyatt. Olhei para Blade. − É este o seu bebê? As bochechas de Blade aqueceram e ele olhou para Wyatt. Eles compartilharam uma expressão estranha. − Sim, nós o adotamos. − Vocês dois são um casal? − Eu sorri e piquei o nariz perfeito do bebê. − Sim. − Wyatt respondeu, rindo bruscamente. − Legal − Eu poderia dizer que Wyatt parecia desconfortável, e me perguntava por que seria. Blade sabia que eu era gay. Assumi que ele poderia ter mencionado isso para Wyatt se eles fossem um casal. Não tinha certeza de porque se sentiriam estranhos admitindo sua sexualidade para mim de todas as pessoas. Blade limpou a garganta. −Sim, estamos juntos e hum... adotamos esse bebê. Seu nome é Peter. Wyatt lançou a Blade um olhar afetuoso e meu coração derreteu. Eles faziam um casal bonito, e ficou claro que estavam apaixonados. A conexão óbvia me deixou com ciúme. Eu nunca estive apaixonado de verdade, e as chances de encontrar alguém que pudesse aguentar meu estilo de vida nômade eram poucas. Sem mencionar que estava em sua maior parte no armário. Tom sentiu que já que a maioria da minha base de fãs eram mulheres, era melhor esconder minha sexualidade por enquanto. − Você veio para ver meu concerto? − Perguntei. Talvez fosse uma pergunta idiota, mas não tinha percebido que Blade gostava da minha música.

14


Blade sorriu. − Quer dizer se eu alardeei sobre conhecê-lo na minha cidade? Não é todos os dias que você pode dizer que conhece alguém famoso. Meu rosto se aqueceu. − Não sou tão conhecido. − Veja, eu disse que ele era modesto. − Blade cutucou Wyatt. − Blade tocou seu CD no caminho até aqui. Eu gostei daquela sobre as flores amarelas na jarra. − Colin assentiu. − Foi sentimental e sensacional. Seu elogio significava mais do que ele podia saber. − Realmente? − Eu ri e olhei para meu gerente. − Essa é uma das minhas novas. Tom quer que continue cantando a mesma coisa que me fez conhecido. Mas quero ser reconhecido como compositor, sabe? Os olhos de Colin acenderam calorosamente. − Definitivamente. − Eu gostei do show. − Wyatt olhou para a criança em seus braços. − Peter também gostou disso. Ele estava fazendo esses tipos de ruídos pterodátilos que faz quando está feliz. Eu ri. − Vou aceitar isso como um elogio. − Você deveria. − Wyatt sorriu. Me dirigi a Blade. − Se tivesse me dito que estava vindo, teria reservado ingressos gratuitos para o show. − Não. Além disso, foi meio no último minuto. Nós deveríamos ter uma noite de encontro com jantar e um filme, mas a babá cancelou. − Blade suspirou.

15


− Então eu apareci na porta deles sem aviso prévio, mas não havia nenhuma maneira no inferno de que daria uma de babá. − Colin lançou a criança um olhar cauteloso. − Não sei nada sobre cuidar dos bebês. Blade riu. − Sim, Colin teve um ataque de pânico com a própria ideia de babá. O rosto de Colin corou. − Foi tão óbvio? − Oh sim. Pensei que hiperventilaria por um segundo. Wyatt sorriu. Colin apertou o queixo e ficou em silêncio. − De qualquer forma, eu tinha visto algo sobre o seu concerto no jornal local. Pensei que talvez este fosse um bom lugar para trazer um bebê porque ninguém ouviria se chorava desde que a música é tão alta. Wyatt riu da minha expressão nervosa. − Não se preocupe, eu coloquei tecido nos ouvidos de Peter, então ele não sofreu dor de ouvido. Colin fez uma careta. − Ainda não estou vendido na lógica de Blade. Não vi ninguém mais aqui com um bebê. E o segurança nos olhou como se estivéssemos loucos. − Talvez vamos começar uma tendência. − Blade sorriu. − Sim. − Eu sorri. − Não tenho certeza de que Peter seja o demográfico que eu estou procurando. − Não se venda homem. Peter lhe cortou. Os olhos de Blade brilharam com diversão.

16


− Mas os bebês não carregam carteiras. − Wyatt torceu os lábios. Eu ri e algumas das tensões que estava segurando em meu corpo diminuíram. – É ótimo vê-lo novamente. − Afaguei o ombro de Blade. − Este passeio foi difícil até agora. Blade assentiu. − Lembro-me de quão duro trabalhou nesses dois dias que eu estava com você no Texas. O jornal disse que esta é uma agenda de dez semanas? Suspirei. − Eu já estou exausto e só faz uma semana. − E agora você não tem seu guarda-costas? − Colin perguntou. − Tenho certeza de que Tom vai alinhar alguém. − Olhei para meu gerente. − Espero que não da mesma empresa de onde conseguiu Frank. − Eu adoraria preencher, mas já fui designado para o próximo mês. − Blade franziu a testa. − Eu também. − Wyatt assentiu. −Caso contrário, adoraria viver a vida do rock-and-roll. − Ele piscou. − Não é tão glamoroso quanto parece. − Eu belisquei a pele entre meus olhos. − Geralmente nós não ficamos em um lugar por mais de dois dias. Estávamos tão apressados na última cidade que acidentalmente deixei minha roupa no hotel. Tive que comprar todas as roupas íntimas novas. Colin riu e enviou um tremor de calor por mim. − Claro, ria da minha dor. − Eu segurei seu olhar.

17


− Tenho certeza de que seus fãs não se importariam se usasse roupas íntimas ou não. − Os lábios de Colin se contraíram. Eu ri. − Talvez seja algo que deveria pensar para superar as vendas de ingressos. As pessoas na frente esperam um bom show. Blade assistiu nossa brincadeira com um pequeno sorriso. − Nós vamos pegar uma bebida no bar do andar de baixo. Quer se juntar a nós? Estremeci. − Adoraria, mas se eu for até lá, vou ser atormentado. − Sim. Isso é verdade. Blade franziu a testa. − Eu meio que esqueci, vocêé famoso. Meu rosto se aqueceu. − Na verdade não. Mas todas essas pessoas estavam no show. Wyatt sorriu. − Vocêé muito humilde. Literalmente apenas empacotou este lugar para transbordar com fãs gritando. Você é famoso. − Eu não sei. − Fiz uma careta. − Mas de qualquer maneira é muito ruim. Eu poderia tomar uma bebida ou quatro. Wyatt encolheu os ombros. − Nós poderíamos beber no seu quarto de hotel. − Ele riu. − Não sou exigente onde bebemos, desde que consiga minha bebida. Blade olhou para seu namorado. − Você não pode se convidar para o seu quarto de hotel. Isso é errado em tantos níveis.

18


Eu me endireitei. − Na verdade, essa é uma ótima ideia. Tenho uma suíte no Marriott. Colin não disse nada. Ele apenas ouviu. − Não. Você deve ter um monte de pessoas que querem que festeje com eles esta noite. − Blade fez uma careta. − Sim. − Eu ri. − Mas realmente gostaria de passar tempo com vocês. Eu não tenho isso em mim para sair com um grupo de usuários esta noite. − Você tem certeza? − Perguntou Blade. − Definitivamente. − Por algum motivo, fiquei um pouco tímido ao devolver o olhar de Colin. Ele não estava dizendo nada, e eu não sabia se queria ir à minha suíte ou não. − Veja, ele gosta da minha ideia. − Wyatt inclinou-se para Blade. − Você está apenas louco porque não pensou nisso primeiro. Blade revirou os olhos. − Sim. Certo. Estou furioso. Ele balançou a cabeça. − Vou deixar Tom saber o que estamos fazendo. Ele pode querer se juntar a nós. Espero que esteja bem? Blade enrugou a testa. – Até onde me lembro, ele não gostou muito de mim.

19


Levantei um ombro. − É assim que Tom está com alguém novo. Não tome isso pessoalmente. − Me inclinei em direção a eles e sussurrei, − É o Marriott, bem na rua. Eu deveria estar fora daqui em cerca de dez minutos. Colin encontrou meu olhar, e sua expressão era estranha. − Talvez eu devesse pegar um Uber de volta para sua casa, Blade. Blade franziu o cenho. − Oh, não, você não. Está vindo conosco. Esteve escondido do mundo o tempo suficiente. Eu não tinha ideia do que Blade estava falando, mas sabia que estava desapontado com a ideia de deixar Colin. Gostei de sua gentil energia ômega. Ele era obviamente resistente, mas também tinha um calor que era reconfortante para o meu alfa. Eu estava em torno de um monte de pessoas de alta energia o tempo todo, e era um enorme dreno para mim. − Você deveria vir, − eu disse suavemente. Ele deixou cair o olhar, e seus cílios escuros eram grossos contra suas bochechas angulares. − Tudo bem. − Ele se moveu inquieto. − Ótimo. − Eu não tinha certeza de porque ele hesitava em se juntar a nós, mas fiquei satisfeito por ter mudado de ideia. Fazia muito tempo que me senti atraído por alguém, mas algo sobre Colin me impulsionou. Eu sorri para os quatro, de repente me sentindo mais alegre. − Vejo vocês no hotel em dez.

20


Capítulo 2 Colin Fiquei surpreso com o quão estava atraído por Riley. No momento em que olhei para ele, meu ômega respondeu ao seu alpha. Não queria me sentir atraído para ele ou para ninguém, mas seu cheiro havia enchido minhas narinas no segundo em que entrei na sala e desde então pude pensar em pouca coisa. Estava nas montanhas há tanto tempo, às vezes senti que tinha esquecido como socializar com pessoas novas. Wyatt e Blade fizeram amizade comigo quando estavam no complexo. Nós nos damos bem, talvez porque no início eles não sabiam muito sobre mim. Às vezes, quando as pessoas não conheciam sua triste história, era mais fácil ser você mesmo. Mas, por qualquer motivo, clicamos como amigos. Depois que Peter nasceu, eles me convidaram para visitá-los em Los Angeles, se eu alguma vez cansasse de me esconder da sociedade. Realmente não planejava aceitar a oferta deles, mas estava inquieto nas últimas semanas e senti que talvez uma mudança de cenário fosse boa para mim. Então fiz a viagem para Los Angeles. − Você gostaria de uma cerveja ou algo mais forte? − A voz de Riley me tirou de meus pensamentos.

21


Seu rosto estava a apenas trinta centímetros do meu próprio, e eu corei e me sentei mais reto. − Cerveja. Por favor. − Seus lábios cheios estavam tentativamente perto, e eu estava com vergonha pelo formigamento de calor que varreu minha pele em sua proximidade. Ele me entregou uma garrafa e nossos dedos roçaram, enviando um arrepio no meu braço. Ele se moveu como se também sentisse, e então se moveu para se sentar na beira de sua cama. − Estou tão feliz que estamos aqui em vez de alguma festa alta. − Eu também. − Blade assentiu. Peter estava em seu assento de carro chutando as pernas e os braços, e fazendo pequenos ruídos. Provavelmente era melhor não estarmos no bar com o bebê. − Você realmente precisa estar na estrada por dez semanas? − Perguntei, tomando minha bebida. Riley encolheu os ombros. − Eu tenho uma nova canção caindo em breve, e você tem que estar lá fora, promovendo-se o tempo todo. As pessoas são uma espécie de inconstante, e vão me esquecer quando algo novo aparecer. A menos que continue lembrando que eu existo. − Eu admiro o quão acessível você é para seus fãs. Sei que a viagem o drena, mas você sempre parece superfeliz e animado quando está ao seu redor. − Blade sentou-se na cadeira, parecendo relaxado. Riley resmungou. − Eu poderia ter sido um ator.

22


− Você não gosta do que faz? − Perguntei. − Eu não sei. − Ele suspirou. − Eu estou vivendo meu sonho, eu acho. Eu ri. − Você acha? Ele moveu seu olhar para o meu. − Às vezes, as coisas não são o que parecem de fora. − Justo. Muitas pessoas pensam que ser um guarda-costas é a coisa mais legal do mundo. Wyatt preparou sua bebida em uma montanha-russa. − Na realidade, pode ser super aborrecido. − É verdade − concordei. Riley olhou para mim. − Você também é um guarda-costas? Eu tinha sido. Mas passei os últimos dez meses no complexo nas montanhas, e não tinha certeza de como responder. − Um... eu era. − Mas não mais? − Estou tentando fazê-lo vir trabalhar para Shield. − Blade estreitou seu olhar. − Ele tem todas as certificações, e meu chefe o contrataria em um piscar de olhos. Evitei o olhar de Riley. − Estou pensando sobre isso. − Você obviamente não tem medo de se envolver. − Riley sorriu. − Se ocupou bem esta noite. − Pfft. Eu não fiz muito. − Meu rosto se aqueceu.

23


− Você tirou esse idiota de cima de mim. − O olhar de Riley era brilhante. − Ele não foi um grande desafio. − Tentei minimizar meu papel anteriormente. − Ele era para mim, − murmurou Riley. Dei de ombros. − Ele o surpreendeu. Ninguém espera que seu guardacostas o ataque. Blade inclinou-se para frente. − No entanto, Colin, você precisa entrar e entrevistar com Darcy. Fiquei tentado. Se a minha inquietação recentemente fosse qualquer coisa, eu estava obviamente pronto para voltar ao mundo real. Eu estava melhor agora. Mais forte emocionalmente. − Vou fazer isso na próxima semana. − Sério? − Blade parecia entusiasmado. − Sim, eu vou fazer. − Sempre fiquei surpreso como Blade parecia me importar comigo. Ele não queria algo de mim em troca. Havia qualidades sobre ele que me lembraram de meu irmão gêmeo, Garrett. Mas realmente não queria pensar em meu irmão agora mesmo. − Muito legal. − A voz rouca de Riley me tirou dos meus pensamentos e me estremeceu um pouco.

24


− Eu vou precisar de um emprego e é algo que eu gosto. − Arqueei o rótulo da minha garrafa de cerveja. − Talvez você possa ser meu novo guarda-costas − disse Riley. Eu ri em dúvida. − Primeiro vamos ver se passo na entrevista. − De jeito nenhum, você não vai. − Blade franziu a testa. − Eu vou te dar meu número. − Riley mordeu seu lábio inferior. − Você sabe... então pode me dar uma chamada quando se tornar oficial e tudo isso. Wyatt assobiou. − Riley West apenas ofereceu para lhe dar seu número, Colin. Ponto. Eu engasguei minha cerveja e bati meu peito com a mão. Quando consegui falar, disse: − Refrigere seus jatos. É relacionado ao trabalho. Um sorriso malicioso pairava nos lábios de Riley. − Isto é? Blade e Wyatt riram. Tinha passado tanto tempo desde que um cara tinha me paquerado, que não sabia como agir. Queria fingir que tudo estava bem, como se esta merda aconteceu comigo o tempo todo. Mas, na realidade, perdi meu jogo anos atrás. Peter começou a chorar e, felizmente, a atenção foi tirada de mim. Terminei minha cerveja e não disse não quando Riley me entregou outra. Blade deu ao bebê uma mamadeira, e isso pareceu acalmá-lo. Então a conversa voltou-se para Riley e suas viagens. Fiquei aliviado pelo seu

25


escrutínio por muitas razões, mas isso também me permitiu estudá-lo despercebido. Ele era surpreendentemente carismático. No começo, me pareceu quase tímido, mas,novamente, não o conheci nas melhores circunstâncias. Mas quando a tensão desapareceu dele, vislumbrei sua personalidade real. Ele riu facilmente e ouviu atentamente, duas coisas que me surpreenderam por ele ser um tipo de celebridade. Meu olhar varreu suas coxas magras e seus bíceps bonitos, provocando uma excitação calorosa dentro de mim. Não tinha fome de ninguém há algum tempo. Mas o cheiro de Riley e o olhar de flerte me atraíram. Quando ele me entregou minha terceira cerveja, sua mão demorou contra a mais temo que o típico. Meu pulso aumentou, e minha pele eriçou com atração. Ele definitivamente estava me enviando sinais interessados, e eu não tinha 100% de certeza sobre o que deveria fazer em seguida. Senti-me meio envergonhado por estar tão atrasado com toda essa coisa de sedução na minha idade. Mas nunca tinha sido grande em estandes de uma noite, preferindo uma conexão emocional antes de saltar na cama com alguém. Mais algumas horas passaram com muita risada e até algumas conversas mais profundas sobre a vida com um recém-nascido. Wyatt só tomou uma cerveja para que Blade ficasse bêbado se quisesse. Eu admirava o quão atento e solícito Wyatt era para o ômega. Isso fez com que meu coração ansiasse por esse tipo de coisa. Sempre evitava alfas porque meu irmão gêmeo

26


tinha acabado em um relacionamento de pesadelo com um. Isso me deixou supersensível sobre me envolver com um alfa. − Porra. Estou superbêbado, − Blade anunciou de repente, sorrindo para Wyatt. Os lábios de Wyatt se contraíram. − Missão cumprida. − Ele puxou o cabelo do seu companheiro. − Você precisava de uma noite para se soltar. − Devemos ir. − Blade levantou-se e agarrou o braço de sua cadeira para se equilibrar. – Amanhã é minha manhã para dormir, e talvez eu não me levante até o meio dia. − Você merece isso, − disse Wyatt suavemente, seu olhar quente. − Eu lidarei com todas as coisas do bebê. Apenas durma o tempo que quiser. Blade apontou para o bebê dormindo. −Você ouve isso, Peter? Papai está cuidando de você, então nem tente me culpar. Wyatt levantou-se e colocou o braço em torno de Blade. − Eu acho que ficar fora atéàs duas da manhã faz deste encontro uma data respeitável. Ainda podemos fazer uma festa com os melhores e ir para casa com nossas cabeças elevadas. Blade lambeu os lábios. − Aguente. O encontro não é oficial até que fodamos. Wyatt se encolheu. − Jesus, Blade. − Ele olhou para nós, seu rosto vermelho. − TMI.

27


− Desculpe. − Blade riu suavemente. − Disse-lhe que eu estava bêbado. Fiquei de pé e terminei minha cerveja, consciente do olhar de Riley em mim. Quando Wyatt reuniu o banco do bebê e alguns itens soltos, Riley se moveu para mim, seus olhos encapuzados e brilhantes. – Fique − ele sussurrou para mim. A emoção começou a ferver no meu intestino. − Sério? Você... quer que eu fique? Deus. Já não se segurava mais. Riley não parecia se importar. − Sim. Mesmo. Podemos nos conhecer melhor. Minhas narinas brilharam quando o cheiro de sua excitação bateu nelas. − Eu vim com eles. Ele torceu os lábios. − Já ouviu falar de Uber? Minha risada era um pouco alta demais. − Certo. Sim. Claro que já ouvi. Blade observou nossa interação com um sorriso. − Você está vindo? Olhando para o olhar amoroso de Riley, tomei uma decisão rápida. − Eu acho que vou ficar um pouco mais de tempo. − Isso está certo? − Blade arqueou uma sobrancelha.

28


Riley colocou o braço em volta do meu ombro. − Colin é um grande menino. Ele pode ficar atrasado se quiser, certo? Meu rosto estava quente, e estava ultra consciente da sensação de seu braço nas minhas costas. − Acho que posso lidar com uma noite. − Você tem certeza de que está bem com isso? − A expressão de Blade era mais séria do que anteriormente. Deslizei meu olhar para Riley, e meu intestino bateu no calor em seus olhos. − Eu estou... legal. Riley sorriu e soltou-me. − Obrigado por entregá-lo para mim, pessoal. − Gee, tudo o que posso entregar geralmente é pizza. − Wyatt sorriu. − Seja bom com ele, Riley, − disse Blade, movendo-se em uma linha irregular até a porta. Ele parou e nos encarou. − Ele sofreu bastante ultimamente. O calor inundou meu rosto e evitei o curioso olhar de Riley. − Ele está bêbado. Ignore-o. Blade suspirou. − Está certo admitir que vocêsofreu, Colin. Wyatt colocou a mão sobre a boca de Blade. − Basta de compartilhar, querido. Blade enrugou a testa e murmurou algo contra a mão de Wyatt.

29


Wyatt abriu a porta e segurou-a para Blade, equilibrando o assento de carro do bebê no quadril. − Vamos querido. Nosso trabalho aqui está terminado. Blade deu uma risada quando saiu da sala para o corredor. − Noite da noite. − Ele acenou. Quando a porta se fechou atrás deles, o silêncio no quarto era pesado. Me virei para Riley, e ele me observou com os olhos escuros e sensuais. − Eu não quero que você pense que faço esse tipo de coisa o tempo todo, − ele disse suavemente. Engoli em seco. − Esta é a primeira vez para mim. − Eu fiz uma careta. − Quero dizer, ser pego por uma estrela de rock, não o sexo. − Deus, eu poderia ser mais inepto? Riley riu e parte da tensão se dissipou. − Venha aqui. Me aproximei e ele colocou seus braços em volta de meu pescoço. Eu respirei a sensação de seu corpo duro contra o meu, sua ereção cutucando minha coxa. Ele cheirava tão bom, picante e limpo, mesmo depois de correr por um palco por quase duas horas. Coloquei minhas mãos em seus quadris estreitas e puxei-o mais perto. − Hum, legal − eu disse calmamente. Ele puxou a cabeça para trás, e sua expressão era sincera. − Nós podemos simplesmente conversar se preferir. Lambei meus lábios. − O que você quiser.

30


Dirigindo a mão sobre o meu peito, meus mamilos eriçaram em seu toque. − Eu meio que quero ficar nu com você. Meu pênis pressionou meu zíper dolorosamente. − Hu... claro. O que você quiser. Ele estreitou os olhos. −Isso não é apenas sobre mim. O que vocêquer, Colin? Inspirei sua excitação e deslizei minhas mãos de seus quadris até acima de sua bunda. − Faz algum tempo. Desculpe se estou saindo como uma virgem. Seu sorriso era doce. − Eu gosto de você. − Eu também gosto de você. − Eu meio que sinto que você é o primeiro cara há muito tempo que não se importa que eu seja famoso. − Eu não. − Eu nem sabia quem era atéBlade ter jogado seu CD e me arrastado para o concerto. − É refrescante. − Ele enrugou a testa. − Muitas pessoas querem me usar. Apertei mais perto, movido pelo tom abatido. − Eu sinto muito. − Não é sua culpa. Suspirei. − As pessoas podem ser idiotas. Você só precisa tentar encontrar os bons na multidão.

31


− Você é um dos bons, Colin? − Eu gosto de pensar que eu sou. − Eu acho que você definitivamente é. − Ele se inclinou e capturou minha boca, o sabor de uísque perfumando seu hálito. Sua língua empurrou entre meus lábios, e eu abri feliz com um gemido. Nossas línguas tremiam enquanto deslizaram juntas, e ele me puxou para mais perto. Quando o beijo terminou, ele beijou o lado da minha boca e começou a desfazer sua camisa. − Vamos ficar nu. − Completamente? Ele sorriu. − Sim. Problema? − Não. − Minha risada era irregular. − Eu só não quero tirar se isso não é o que você quer. − Oh, eu quero. − Sua voz retumbou. Engoli em seco, desabotoando minha calça e empurrando-a para baixo, tentando chutá-la de meus tornozelos. Tropecei um pouco com elas emaranhadas em torno de meus pés e sentei na beirada da cama. Meu rosto aqueceu enquanto lutava com elas. Jesus, ele ia pensar que eu era um idiota completo se não poderia mesmo tirar minha maldita calça. − Precisa de ajuda? − Ele soou divertido. − Não. Eu tenho isso. – Retirei meus sapatos com os dedos e a calça saiu fácil então.

32


Agora que estávamos sozinhos, podia sentir seu alpha muito mais forte. Ele era mais silencioso do que a maioria dos alfas que eu já tinha estado ao redor, e até agora, a sua energia não tinha sido terrivelmente agressiva. Mas seus olhos eram de um marrom mais claro, e seu desejo veio dele em ondas. Eu podia sentir seu poder contido, enquanto que anteriormente ele parecia descontraído e frio. − Eu sou um topo. − Ele não soou como se fosse negociável. Meu estômago girou e meu pau pressionou contra o algodão da minha cueca. − P... Parece bom. Caminhando para a mala que estava contra a parede oposta. Ele puxou uma corda de preservativos e algum lubrificante do bolso interno. Em seguida, foi para a cama, completamente inconsciente, apesar de não ter uma peça de roupa. Sua pele estava bronzeada e suave com uma tatuagem de turbilhão que escorria pelo seu torso musculoso. Ele finalmente conquistou minha calça e as jogou em toda a sala, irritado. Então fiquei de pé e tirei minha camisa e cueca. Subi na cama, consciente de que minha ereção poderia ter colocado o seu olho para fora a partir do outro lado do quarto. Ele estava deitado na cama com um sorriso, seu olhar errante em meu torso. − Eu sabia que você ia ter um corpo sexy. − Ele lambeu os lábios. − Deus, o seu bíceps são surpreendentes.

33


− Obrigado. − Parecia uma resposta estúpida para o elogio, mas eu não conseguia pensar em outra coisa que funcionou. − Seu... seu ... uh... o corpo é bonito também. Ele sorriu, covinhas se mostrando profunda em suas faces lisas. – Você é adorável. Arrastei-me ao lado dele, seu cheiro me deixando louco. Eu o queria tanto dentro de mim que era embaraçoso. Deitei-me de costas, e ele mudouse para se agachar sobre mim. Ele me beijou de novo, profundo e com fome. Eu soluçava e coloquei meus braços em torno de sua cintura, puxando-o para mais perto. Ansiava por sentir a pele dele contra a minha. Ele revirou os quadris, arrastando seu considerável pau sobre o meu. Assobiei e espalhei minhas coxas, dolorido para ele me levar. Me senti estranhamente vulnerável, oferecendo-me a ele de bom grado. Talvez devesse ter negociado quem liderou quem, mas não tinha me ocorrido. Eu era um ômega e ele era um alpha, e de um modo geral, as suas necessidades vinham primeiro. Quando o alarme de incêndio disparou acima de nossas cabeças, eu praticamente tive um ataque cardíaco. Levei um segundo para reconhecer o que o sino batendo e luz vermelha piscando significavam. Riley rolou de cima de mim. − Que diabos? − Seus olhos estavam arregalados.

34


Me mexi a partir do colchão, aspirando o ar enquanto ia até a janela. Abaixo na calçada, as luzes amarelas do estacionamento mostraram pessoas se reunindo. − Parece uma broca de fogo ou algo assim. − Meu pau ainda estava semiereto, e eu me ajustei, me sentindo frustrado com a interrupção. − Você acha que há um incêndio? − O tom de Riley foi mais alto. − Não tenho certeza. − Puxei minha cueca e as calças e me dirigi para a porta. Pressionei minha palma nela, verificando para ver se estava quente. Não estava, então abri a porta e encontrei o empresário de Riley com o braço levantado, como se estivesse prestes a bater. Ele parecia em pânico, mas quando me viu, fez uma careta. − Quem é você? − Sua expressão mudou ligeiramente. − Oh espere. Vocêé uma daquelas pessoas de guarda-costas. Riley pressionou por trás de mim, colocando a mão no meu ombro. − O edifício está em chamas? Agora que a porta estava aberta, o cheiro de fumaça era forte. − Há definitivamente um incêndio − eu murmurei. Virei-me para Riley. − Vista-se. Rápido. − Merda. Ok. − Ele voltou para a cama. − Por que você está aqui? − Tom ainda parecia confuso sobre a minha presença. − Não é da sua conta, − Riley virou-se para seu gerente.

35


Em circunstâncias normais, eu teria estado envergonhado por Tom me encontrar seminu no quarto de Riley, mas no segundo que o alarme tinha tocado, eu tinha assumido o instinto protetor. Queria ter Riley fora deste edifício o mais rápido possível. Se ele era meu cliente ou não, senti a necessidade de mantê-lo seguro. Tom ainda estava fora da porta. Tossiu algumas vezes e olhou para o quarto de Riley. Ele veio em nossa direção, carregando um estojo de guitarra. Eu fiz uma careta. − Isso vai nos atrasar. Ele arregalou os olhos. − Esta é uma guitarra Martin de doze mil dólares. Se você acha que eu estou deixando para trás, pense novamente. Eu apertei minha mandíbula. − Vamos. O corredor enfumaçado tinha luzes vermelhas a cada centímetro e sirenes tocando. Sem realmente querer, eu já tinha feito uma nota de onde as saídas de incêndio neste andar estavam quando cheguei mais cedo naquela noite. Fugas rápidas era uma parte importante de ser um guarda-costas. Os levou-os até a porta vermelha grande na parte final do corredor. Quando a abri, fiquei aliviado não havia fumaça na escada. Meu medo era que o fogo pudesse ser abaixo do nosso andar, o que faria sair do edifício mais traiçoeiro. Descemos as escadas sem encontrar muitas pessoas. Eu não tinha certeza onde todos os outros hóspedes foram. Nós tínhamos evacuado do quarto de Riley com bastante rapidez, e esperava encontrar uma multidão. Talvez o hotel não estivesse muito reservado no momento ou a maioria deles

36


permaneceu nos andares inferiores, que eram mais barato. A meio caminho rodeamos um canto e encontramos uma mulher mais velha ajoelhada sobre um homem corpulento, de cabelos brancos. Ele estava deitado no chão, apertando o peito. − Ajude-nos, − ela chorou. − Algo está errado com o meu marido. Tom fez uma careta e olhou para trás observando o corredor. A fumaça era mais espessa agora e flutuava para baixo nas escadas atrás de nós. Empurrei Riley para Tom. − Leve-o para baixo. Eu vou seguir com esses caras. − O quê? − Riley parecia confuso. − Eu não vou deixar você aqui. Apreciei sua preocupação, mas só queria que ele fora do prédio em chamas. − Está bem. Basta seguir as escadas. Elas vão levá-lo direto para o estacionamento. Riley fez uma careta. − Eu não estou preocupado em encontrar o estacionamento. Não me sinto confortável deixando-o. − Ele lançou um olhar nervoso para a escada nebulosa. − Caso você não tenha notado, há um incêndio. − Eu vou ficar bem. − Não tinha tempo para discutir, o cara no chão estava ficando azul em torno de sua boca. Eu sabia que ele não tinha uma chance se não o levássemos a um paramédico em breve.

37


Houve um alto som acima de nós e o prédio balançou. Riley cobriu a cabeça, olhando para o teto, enquanto pequenos pedaços de gesso caíram sobre nós. − Merda. O que é que foi isso? − É por isso que você precisa para sair daqui. − Eu falei com firmeza. − Eu não posso simplesmente deixá-lo aqui. − Riley franziu a testa. − Claro que você pode. − Limpei o suor da testa com as costas do meu braço. − Eu vou ficar bem. Preciso levar esse cara para baixo. −Eu ajudo. − Talvez devêssemos ouvir ele, Riley. − Tom parecia desconfortável. − Não. − Riley me deu um olhar que foi todo alfa. Seu queixo levantou teimosamente, e ele sacudiu a cabeça. Olhou para o homem gemendo. − Nós vamos ajudar a carregá-lo. − A escada é muito estreita, − eu disse. − Nós podemos fazê-lo. − Riley fez uma careta. Era claro para mim que Riley não ia me deixar sem uma razão. Empurrei a velha soluçando para ele. − Não é bom para ela respirar esse ar. Ajude-a a encontrar o andar térreo. Ele estreitou os olhos. − Promete que estará bem atrás de nós? − Claro. − Eu não queria ficar neste edifício por mais tempo do que o necessário. Caí de joelhos e agarrei um dos braços do velho. O enrolei ao redor do meu pescoço e o coloquei em meus braços. Meus músculos da perna

38


queimaram quando fiquei de pé sem jeito. O cara era pesado, e ele lutou quando o levantei, como se confuso sobre o que estava acontecendo. − Querido, está tudo bem. Ele está nos ajudando, − a mulher disse em meio às lágrimas. Riley colocou a mulher na frente dele, e a empurrou para descer as escadas. Ele olhou por cima do ombro constantemente, verificando para ver se eu estava atrás dele. Mas levando o cara definitivamente me fez andar mais devagar enquanto descia, e eu finalmente perdi Riley e os outros de vista. Minhas pernas tremiam e meus braços queimavam enquanto eu me movia lentamente descendo as escadas sinuosas. Senti como se eu nunca ia chegar ao fundo, mas, de repente, eu estava lá. Estava tossindo e suado pelo tempo que encontrei o andar térreo. Riley estava na entrada esperando por mim com a mão sobre o nariz. − Aí está você. − Ele parecia aliviado. Saltou quando a porta na nossa frente se abriu e dois bombeiros na engrenagem completa, passaram por nós, subindo as escadas em direção ao fogo. Riley segurou a porta para mim, e o ar frio da noite acalmou meu rosto quente. Me sentia como um fumante de dez maços por dia e suguei o oxigênio fresco e limpo enquanto tropeçava para fora do prédio, ainda carregando o homem mais velho. Havia dois carros de bombeiros já em cena e mais dois puxando para cima quando cambaleei para longe da estrutura. Fui direto para o caminhão paramédico, com medo que meus braços estivessem falhando.

39


Felizmente, um dos técnicos me viu chegando, e me encontrou no meio do caminho e ajudou a carregar o homem ferido para o veículo de resgate. Uma vez que o homem mais velho estava sendo atendido, sentei-me na calçada, respirando com dificuldade e tossindo. Me senti um pouco enjoado com o cheiro de fumaça, e os meus braços e costas doíam de levar o homem descendo as escadas. Riley sentou ao meu lado, olhando para o edifício com sua boca em uma linha dura. Agora que estávamos fora, pudemos finalmente ver a incêndio real. Os andares superiores acima onde tínhamos estado foram totalmente engolidos. Chamas alaranjadas estavam sendo vomitadas das janelas quebradas, e a fumaça preta subia no céu noturno. − O que diabos aconteceu? − Riley murmurou. Seu rosto estava manchado de fuligem, e ele parecia abalado. Lambi os lábios secos, lutando para engolir, porque minha garganta estava seca. Olhei para Riley, grato que ele estava seguro. Nós mal nos conhecíamos, mas senti que precisava protegê-lo. − Estamos bem. − Eu dei uma tapinha na perna. − Eu estive em inúmeros hotéis onde as sirenes de incêndio dispararam. Mas sempre foi um alarme falso. − O mesmo aqui.

40


Ele virou para mim. − Posso mostrar a um cara um bom tempo, ou o quê? − Eu prefiro um tipo mais silencioso de noite. − Eu também. − Ele suspirou. − Sorte para aquele velho estivesse com a gente. Eu não sei se eu e Tom poderíamos tê-lo levado até o fim sem o deixar cair algumas vezes. Sem mencionar que eu tinha minha guitarra. Eu fiz uma careta. − Espero que ele fique bem. − Eu também. − Ele suspirou. − Obrigado por cuidar de mim. Você não está mesmo na minha folha de pagamento e não nos abandonou. − O dinheiro não é o que me motiva. Ele riu suavemente. − Eu sabia que gostava de você.

41


Capítulo 3 Riley Duas horas depois, o fogo foi principalmente contido, mas não completamente. O corpo de bombeiros se recusou a deixar qualquer um entrar no edifício, então estava feliz que peguei minha guitarra quando tinha tido a chance. Fiquei impressionado com a forma como Colin tinha tomado tudo a seu cargo. Embora ele não parecesse tão feliz comigo agindo como um alfa. Meus lábios tremeram quando pensei sobre como chateado ele pareceu quando se recusou a deixá-lo na escada. Muitos ômegas eram passivos, e a maioria dos alfas os preferia assim. Mas eu não me importava que um ômega tivesse força de vontade, no mínimo, e gostei de como Colin não tinha olhado para mim para que dissesse o que fazer. Colin estava do outro lado do estacionamento conversando com os paramédicos. Depois de um tempo apertou as mãos com os técnicos e virouse para mim. Estudei-o enquanto ele se aproximava, admirando seu longo passo e a inclinação orgulhosa de sua cabeça. Quanto mais se aproximava, maior a minha taxa de pulso ficava.

42


− Os paramédicos acham que as chances do velho são muito boas − disse ele enquanto se aproximava. Sentou ao meu lado no meio-fio, e seu perfume picante misturado com fuligem bateu no meu nariz. − Isso é ótimo. − Sim. Sua pobre esposa disse que foi um acidente. − Ela disse que eles estavam casados a sessenta anos. − Eu nunca estive em um relacionamento que durasse sessenta dias. − Uau. − Ele esfregou o rosto. − Isso é incrível. − É realmente. Ele limpou a garganta. − Eu suponho que Tom está trabalhando para encontrar um novo hotel? −Eu espero que sim. − Eu olhei em volta. − Prefiro não passar o resto da noite no estacionamento. Seu rosto se curvou em um sorriso. − E você? − Eu estava frustrado que a nossa noite tinha sido arruinada. Estava deixando a cidade amanhã para ir ao próximo local, e não havia nenhuma maneira de mudar isso. − Você vai para a casa de Blade? − Não de imediato. Eu levantei minha cabeça. − Não?

43


− Eles não estão me esperando. Eu odiaria andar em algum sexo louco tipo coisa de filme. − Ele riu. − Isso seria estranho. − Definitivamente. − Ele tossiu e deu uma tapinha no peito. − Eu ainda sinto que tenho fumaça em meus pulmões. − Você provavelmente tem. − O alfa em mim queria tocar e acalmá-lo, mas eu mantive minhas mãos para mim. Nós estávamos em público, e Tom estava convencido de que se as pessoas soubessem que eu era gay isso pudesse prejudicar minha carreira. Ele sempre me importunava para manter todos os encontros a um mínimo com os caras. − E quanto a você? Se sentindo bem? − Eu me sinto muito bem. Tom caminhou em nossa direção com o rosto sombrio. Ele deu a Colin um olhar engraçado. − Você ainda está aqui? Colin endireitou sua espinha. − Obviamente. − Por quê? Seu rosto ficou tenso. − Eu não queria sair até que soubesse que Riley tinha um lugar para ir. Meu coração se apertou com o quão sincero ele parecia. − Isso é doce vindo de você. Tom bufou. − Eu resolvo o restante. Você pode ir.

44


Colin não se moveu, mas ele segurou a língua, e eu podia sentir sua irritação, provavelmente pelo modo que Tom estava falando com ele. Tom virou para mim. − Eu tenho uma suíte no final da rua em outro hotel.

nviei Shelly até o Walmart que fica aberto vinte e quatro horas. Ela

está comprando algumas roupas para você sobre até que possa ir às compras amanhã. O hotel terá todos os itens de higiene suponho. − Ele bateu palmas. − Vamos. Vamos andando, Riley. Eu não gostei para o modo como ele estava agindo, como se Colin nem estava lá, e instintivamente coloquei minha mão sobre a perna dele. Ele olhou para mim, e meu estômago rodou com a memória de mim mesmo olhando em seus belos olhos azuis, enquanto estava nu em cima dele. Meu pau aqueceu com o quanto eu queria terminar o que tinha começado. − Aguente. Eu quero falar com Colin. Tom deslocou inquieto e olhou diretamente para a minha mão na perna de Colin. − Riley, estamos em público. Sentindo-me ressentido, suspirei e puxei minha mão da perna de Colin. Eu era um homem adulto e cansado desse papel cara hetero que o estúpido do Tom tinha me convencido a jogar. Quando removi minha mão de sua coxa, Colin me deu um olhar curioso. Tom inclinou-se em direção a ele. − Sério, você pode ir para casa agora. Tenho certeza que Riley está exausto.

45


Eu bati meu olhar irritado para meu gerente. − Você se importaria de nos dar um minuto? O queixo de Tom endureceu. − Por quê? Fiz uma careta. − Porque eu quero falar com Colin em privado. − Olha, nós temos talvez um par de horas para dormir um pouco. Temos que pegar a estrada o mais tardar as dez. − Tom tinha as mãos nos quadris enquanto estava sobre nós como um pai irritante. A tensão de Colin veio dele em ondas. Eu estava preocupado que ele ia apenas se enfastiar de Tom e sair. − Eu tenho vinte e quatro. Não preciso de você como babá, Tom. Vá embora e me deixe falar com Colin, por favor. Com um suspiro longo de sofrimento, Tom saiu pisando duro. − Desculpe por isso. − Eu dei uma risada tensa. Colin deu de ombros e estudou suas cutículas. − Ele está no comando das coisas. Posso ver porque ele quer você descansado e pronto para seu próximo show. − Sério? − Eu fiz uma careta. Não esperava que ele tomasse o lado de Tom. − Portanto, não é grande negócio para você que nossa noite foi arruinada? Ele exalou e baixou a cabeça. − Obviamente estou frustrado sobre o fogo. Mas estou feliz que você está seguro. − Ele levantou um ombro. − Eu acho que isso simplesmente não era para ser.

46


Meu estômago mergulhou em como resignado ele parecia. − Por que você não vem ao meu outro hotel comigo? − Eu perguntei suavemente. − São apenas cinco. Isso nos dá muito tempo. − Não. O momento já passou. Ele era impossível de ler. Eu não poderia dizer se estava sendo educado ou se realmente não estava mais interessado. Estufei o peito e me forcei a agir como um alfa faria. − Eu quero que você venha ao meu quarto de hotel. Realmente quero terminar o que começamos. Ele prendeu a respiração. − Você precisa descansar. − Não. Eu preciso de você nu na minha cama. − Minha voz estava rouca. − Eu posso dormir no avião. Ele fechou os olhos. − Deus, você está me matando. − Por quê? Ele lambeu os lábios e virou para mim. − Porque eu estou tentando ser altruísta. Mas você me faz querer esquecer tudo isso e só fazer o que quero. − Bom. Ele gemeu baixinho. − Você está fazendo isso tão difícil. − Vamos. Desistir. Ele riu asperamente e balançou a cabeça. − Eu sinto que estou na escola. Provavelmente foi lá a última vez que eu tive essa coisa oscilante no meu peito.

47


− Oh, realmente? − Fingi ciúme. − E quem foi que lhe deu essas vibrações? − Eu poderia ter tido um pouco de queda pelo capitão do time de futebol. Meus lábios tremeram. − Não temos todos? − Provavelmente. Eu acho que é obrigatório que as moças e rapazes têm algo quente para o quarterback sexy. −Esta vibração que você sente poderia ser apenas o fumo em seus pulmões. Ele encontrou meu olhar timidamente. − Não. Você me deixa nervoso. Fiquei impressionado que ele não sentia a necessidade de jogar jogos. Tenho a sensação de que estava atraído para mim por outras razões que não a minha fama, e era refrescante. − Bem, você não quer ir para a casa de Blade e não deve vaguear pelas ruas com o rosto sujo de fuligem. A única opção possível é voltar para o meu hotel comigo. − Me inclinei para mais perto dele. − Vamos terminar o que começamos. Ele desviou o olhar para Tom. − Eu não sei. − Você não precisa se preocupar com ele. − Ele não está escondendo exatamente sua desaprovação.

48


Eu fiz uma careta. − Eu sei que ele é intimidante. Mas trabalha para mim, e não o contrário. Não preste atenção a ele. Preste atenção em mim. Ele capturou o lábio inferior com os dentes. − Foi muito bom até que o alarme maldito disparou. − Eu sei. Arrisque-se. Vai valer a pena. Seu tom de voz elevou. − Ok. − Sério? − Minha voz era muito mais aguda do que eu queria, mas ele disse que sim e era realmente tudo o que importava. − Promete que Tom não pode me colocar em um tempo limite? Eu ri. − Prometo. O que você acha de dar o fora daqui? − Levantei-me e estendi as mãos. − Momento Hotel. Ele agarrou meus dedos e eu o puxei. Seu rosto acabou perto do meu, e quando ele sorriu meu peito literalmente doeu. Minha pele zumbia quando nossos olhos se encontraram, e eu achava difícil respirar. Será que ele sentia a mesma coisa que eu? − Quando estiver pronto. − Suas pupilas eram grandes e o azul de seus olhos brilhantes. Soltei suas mãos e apontei para a minha limusine. − Vá andando para o carro. Vou deixar Tom saber que está vindo com a gente. − Ok, − ele disse suavemente.

49


Tom estava enviando mensagens de texto em seu telefone quando me aproximei. Eu estava irritado por realmente me sentir nervoso sobre lhe dizer sobre Colin vindo para meu quarto. Eu era seu chefe, mas às vezes era difícil lembrar isso. Ele olhou para cima quando o alcancei. − Pronto para sair? − Perguntou. Limpei a garganta. − Eu estou trazendo Colin para o meu quarto. Tom congelou e virou na minha direção. − Desculpe-me? − Seu olhar cinza foi tempestuoso. − Nós estávamos indo passar a noite juntos antes de o fogo começar, e ainda queremos. − Eu estava com raiva de mim quando a minha voz tremeu. Eu sou um alfa, dane-se. Preciso agir como tal. − Você está ficando sério com esse cara? Meu rosto corou. − Por quê? Ele franziu suas feições. – Você é uma porra de um astro, e ele é um ninguém. Seu tom crítico me irritou. − Sim, e eu trabalhava no Burger King antes de ser descoberto. O que sobre isso? − Você consegue fazer melhor. Minha raiva queimou. − Ele está voltando com a gente. − Eu não concordo com essa decisão.

50


− Não é com você, − Eu bati. − Pare de pensar com o seu pau. Meu rosto corou. − Com licença? Ele fez uma careta, como se percebeu que tinha ido longe demais. − Eu só estou dizendo que você não deve perder seu tempo com esse tipo de cara. Liberdade demais afunda navios. − O que quer dizer? − Não é óbvio? Esses caras da segurança dormem em torno constantemente, e gostam de se gabar também. − Quem disse? Ele suspirou. − Kid, eu estive em torno disso muito mais tempo do que você. Eu sei o tipo. − Ele está vindo para o meu quarto. − Eu apertei os punhos. − Se você quiser manter seu emprego, vai tratá-lo com um pouco de respeito. Ele me olhou fixamente. − O que? − Você me ouviu. − Você está me ameaçando com o meu trabalho sobre alguma porra de cara que acabou de conhecer?

51


Me senti um pouco mal porque ele parecia tão chocado. Mas ele estava realmente me irritando. − Eu deixei você me empurrar o tempo todo. Mas não esta noite. − Qual é o negócio com esse cara? Você não está nem tomando cuidado ou qualquer coisa. − Ele olhou ao redor. − Conhece as regras. Sem encontros com os homens em público. − Suas regras. Não minhas. − Você concordou com elas. Eu fiz uma careta. − Eu sei. Ele suspirou. − Você precisa descansar. Se está com tesão, pegue outro cara na próxima cidade. Mas esse cara precisa ir para que possa descansar. Seu tom esnobe me deixou irritado outra vez. − Não. Eu gosto de Colin. Ele é legal e vou levá-lo para o hotel comigo. − Eu espetava o dedo em seu rosto carrancudo. − Não preciso de sua permissão. A boca de Tom abriu, mas nenhum som saiu. − Quem é você para julgá-lo? − Eu cuspi. − Eu sou o cara que está com você para o bem e o mal. Revirei os olhos. − Sim. Eu sei. Ele continuou como se eu não tivesse falado. − Eu sou o cara que você procurou quando vomitou suas tripas para fora e escondeu o seu

52


comportamento de seus fãs. Estava lá para você quando seus pais não deram a mínima para você. Meus instintos agitaram quando ele trouxe o meu passado. Não tinha sido assim há anos. − E eu aprecio tudo isso. Você deve saber que eu faço. − Eu posso dizer, − ele resmungou. − Me ameaçando com o meu trabalho quando acabou de conhecer esse cara. Eu respirei fundo e tentei me acalmar. − Isso é porque você não está me ouvindo. Eu realmente gosto dele. − Eu fiz uma careta. − Eu me sinto uma conexão real com ele, e não tenho sentido isso sempre. − De todos os caras. − Eu não entendo por que você não gosta muito dele. − Eu só não quero que você se distraia do objetivo. Está em um momento crucial em sua carreira. Não tem tempo para um relacionamento. − Estou falando de passar a noite com o cara. Não propondo. − Tudo bem. − A voz de Tom era rouca, e ele cruzou os braços. – Fodam os cérebros de cada um para fora por tudo que me importa. − Eu não quero brigar com você. Só quero ter um bom tempo com alguém que eu realmente gosto. Ele afrouxou o queixo ligeiramente. − Você sabe que ele provavelmente vai vender uma história para as revistas de fofocas sobre sua noite com Riley West, certo?

53


− Realmente, Tom? − Fiz uma careta. − Ele nos levou para fora de um prédio em chamas. Ele carregou um homem estranho à segurança, arriscando a sua própria fuga. Se ele fosse um idiota, poderia ter corrido a qualquer momento e salvado sua própria pele. Mas ele não o fez. Isso não soa como o tipo de homem que você está descrevendo para mim. − Não diga que eu não avisei, − ele rosnou. − Do que você tem medo? − Eu não tenho medo de nada. Só não confio no cara. Minha primeira prioridade é sempre você. Esta é uma agenda de turnê desgastante. Eu preciso de você no seu melhor. Você precisa descansar. O que não precisa é de um cara te deixando todo torcido em nós emocionalmente. Olhei para Colin. Ele se encostou na limusine, olhando para o céu corde-rosa e azul. Meu peito aqueceu apenas olhando para ele. Nos últimos três anos tudo o que eu tinha feito era me concentrar na minha carreira. Encontrar Colin me lembrou que havia mais vida do que apenas o palco. Eu amava me apresentar, mas precisava de mais também. Colin despertou algo em mim. Queria me sentir mais conectado com alguém intimamente. Tinha perdido isso de vista. − Eu não sei se concordo com você. Algumas das minhas melhores músicas foram resultado da minha turbulência emocional no passado. Tom gemeu. − Sim. E a mesma turbulência o fez beber mais pesado também.

54


Irritação borbulhava no meu intestino. − Você gosta de me lembrar dos meus pontos mais baixos. − Isso é para que possamos evitar que aconteçam novamente. − Eu não sou a única pessoa que já teve uma fase difícil. Ele colocou seu telefone no bolso. − Eu não estou no comando de outras pessoas e suas manchas ásperas. Eu estou no seu comando. − Ele fixou seu olhar em Colin. − Ele tem remendo áspero escrito sobre todo ele. Eu

apertei

minha

mandíbula

quando

minha raiva

aumentou

novamente. − Vou mandar o carro de volta para você. Prefiro que não passeie na limusine comigo e Colin. Seu olhar cintilou. − Bem. Me afastei de Tom, me sentindo desconfortável e irritado. Mas quando me aproximei de Colin e encontrei seu olhar quente, meu pulso estabilizou e me senti imediatamente melhor. − Tudo pronto? − Ele perguntou com um sorriso hesitante. − Sim. − Eu subi e esperei até que a porta estava fechada e nós estávamos sozinhos. Então me movi e o beijei. Eu podia sentir sua surpresa, mas ele respondeu, agarrando meus ombros. Quando levantei minha cabeça, meu corpo estava quente e formigando. − Aquilo foi legal. Ele sorriu, pequenas rugas ao redor dos olhos. − E nenhum alarme de incêndio disparou.

55


Suspirei e me inclinei contra ele, me sentindo em paz com a minha decisĂŁo de passar mais tempo com ele.

56


Capítulo 4 Colin Riley não perdeu tempo uma vez que estávamos em seu quarto. Ele abriu o primeiro botão da minha calça jeans e a tirou. Deslizando sua mão quente na minha cueca, eu gemi quando ele apertou meu pau inchado. − Foda-se, − Assobiei. − Agora, onde estávamos? − Ele sorriu. Eu empurrei contra sua mão buscando, tremendo de intenso prazer de seu toque. − Eu cheiro a fumaça. − Realmente não me importo. Eu também. − Funciona para mim. − Acabei com minha mão em torno de seu pescoço e puxando-o para um beijo. Empurrando minha língua entre os lábios, eu imitava o que esperava que ele faria com seu pênis entre as minhas pernas muito em breve. Desabotoei minha camisa e a joguei no chão, nossas bocas ainda se fundiam. Ele esfregou os dedos sobre meus mamilos eriçados, e eu gemi contra seus lábios. Ele moveu sua boca para trilha ao longo da minha mandíbula, beijando debaixo de minha orelha e beliscando minha garganta.

57


Ele foi capaz de ser rápido, deslizando para fora da calça e atirando sua cueca sobre uma cadeira, o tempo todo beijando minha carne formigando. − Deus, você me deixa doido,− disse ele sem fôlego. − É mútuo. − Eu esperei enquanto ele puxou a camisa sobre a cabeça, e então eu o beijei um pouco mais. Sua respiração era menta fresca, cumprimentos da escova de dente e creme dental do hotel. Ele me acompanhou para trás em direção à cama, e me empurrou sobre o colchão com um sorriso. Seu cabelo loiro no comprimento do ombro era como uma nuvem de seda em torno de seu rosto bonito. Ele levantou um preservativo e um pacote de lubrificante. −Graças a Deus por motoristas com tesão. Eu ri, meu rosto ficou vermelho quando ele tirou minhas calça e cueca fora. − Você teve aqueles de seu motorista? − Danny está sempre preparado. Muitas vezes ele colhe os benefícios de todas as meninas que vêm aos meus shows bêbadas e querendo ficar com alguém. Eu fiz uma careta. − Por seu motorista? Ele bufou. − Não. Por mim, o rock star sexy, é claro. Sua resposta me confundiu. Por que suas fãs ficavam esperando para ter relações sexuais com ele quando ele era gay? Esses pensamentos confusos voaram fora da minha cabeça com a visão de seu belo, balançando, pênis corado na minha frente. Em seguida, ele cobriu meu corpo com o dele e eu

58


esqueci tudo sobre falar. Nós nos beijamos avidamente por alguns minutos, balançando um contra o outro. Permiti que minhas mãos viajassem sobre sua carne, explorando cada polegada de seu corpo musculoso e o contorno de sua bunda. Puxei suas bochechas além e cutuquei seu buraco com o dedo. Ele sorriu. − Ah, ah, ah. Eu estou no topo, lembra? Lambi meus lábios. − Sim. Eu lembro. Eu não posso esperar. Abaixando a cabeça, beijou-me com força, em seguida, movendo-se mais baixo, ele roçou os lábios sobre a minha garganta e no peito. Circulando meus mamilos com a língua, ele chupou um em sua boca enquanto eu gemia e me contorcia embaixo dele. Ele revirou os quadris, raspando nossos pênis juntos, e eu assobiei com prazer. Depois de ter sido interrompido antes, eu estava mais do que pronto para chegar ao evento principal. − Foda-me, − eu ofegava, dividindo minhas coxas no convite silencioso. − Vamos, eu preciso disso. Ele me ignorou e mudou para meu outro mamilo, sugando e provocando até que eu estava tremendo debaixo dele. Então enfiou a mão entre nossos corpos e apertou meu pau. Eu estava tão ligado, a ponta estava escorregadia com pré-sêmen, e ele segurou o meu olhar quando me acariciou. Assistir a necessidade escorrer em seu rosto era hipnotizante, e me senti impaciente.

59


Ele levantou acima de mim, se estabelecendo entre as minhas coxas. – Você é tão sexy − sussurrou, alisando a mão sobre os músculos salientes do meu bíceps. − Bravo e sexy. Meu rosto aqueceu. − Não. − Pfft. Você foi incrível. Eu fiz uma careta. − Pare. Está me envergonhando. Ele riu. − Sexy, corajoso e humilde. Coloquei meus braços ao redor de sua cintura. – Você vai me foder ou o quê? Ele revirou os quadris. − Sim. − Seus olhos estavam vidrados com luxúria. − Eu vou te foder. − Ele cutucou meus joelhos afastados, pressionando seu pênis contra meu buraco. Me beijou lenta e profundamente, e então sentou-se para deslizar o preservativo. Uma vez que o colocou, ele lambuzou seu pênis e agarrou minhas coxas, empurrando-as mais amplas. Em seguida deitou sobre mim, pressionando seu corpo duro contra o meu, esfregando músculo contra osso. Quando olhei para cima, seus olhos pareciam ser um marrom mais claro que o habitual, e sua expressão era diferente. Mais primal. Envolvi minhas pernas nele e meus pés incitaram seu traseiro, suavemente pedindo-lhe para me foder. Havia uma energia estranha entre nós, e me senti um pouco fora de controle. Ele lambeu os lábios e pressionou seu pau na minha entrada, sua respiração vindo em puffs excitados.

60


Meu pau estava tão duro entre nós que doía, e meu corpo zumbia com uma fome crua que era desconhecida para mim. Quando ele empurrou, eu pressionei contra seu pênis, amando a queimadura e o modo como ele esticava meus músculos tensos. Ele assobiou e flexionou os quadris, puxando para fora e entrando em mim novamente com um gemido. Sacudindo minha cabeça contra o travesseiro, o agarrei e deixei entrar o mais profundamente possível. Minha bunda estava apertada em torno de seu pau grosso, persuadindo um gemido dele. − Tão apertado. − Ele mexeu seus quadris mais duro com um gemido. − Duro, − Eu choraminguei, rolando meus quadris em uníssono com o dele. Meus dedos cavaram em seus quadris, e ele montou em mim, ofegante e deslizando para dentro e para fora até que o atrito quase me deixou maluco. Transpiração driblou de seu rosto em meus lábios, e eu lambi, amando o gosto salgado de seu suor. Meu corpo vibrou com necessidade, e o dele parecia fazer o mesmo. Seus olhos pareciam ainda mais brilhantes enquanto ele bateu em mim, enterrando tão profundamente que mal podia respirar. Arqueei minhas costas, lamentando com a necessidade e um pequeno rosnado escapou de seus lábios enquanto ele bombeava seus quadris. Não havia dúvida de que era o alfa agora. Ele estava em total controle do meu corpo e tomaria o que quisesse. Meu pau pulsava contra o meu abdômen, vazando pré-sêmen com cada roçar de seu estômago. Eu agarrei meu pau e me acariciei, precisando gozar.

61


Ele diminuiu suas estocadas, indo cada vez mais fundo no meu núcleo. Seu pênis era maior do que a maioria dos homens com quem já estive. Sentime completamente cheio, e todo o meu corpo doía com a sensação de estar cheio até o limite. Mas eu adorava a sensação dele invadindo cada polegada de mim enquanto meu buraco se estendia ao redor de sua largura. − Eu vou gozar − eu gemi, o atrito de seus abdominais em minha ereção e o deslizamento de seu pênis me dirigindo em direção ao meu clímax. − Sim. − Ele deslizou as mãos debaixo da minha bunda e bateu com mais força. Gemi e rolei meus quadris, precisando de seu pênis como se precisasse de ar. Meus quadris encontraram cada impulso, e meu orgasmo começou a construir na raiz de meu pau. Seu cabelo loiro pairou sobre seu rosto, algumas mechas sedosas aderindo a suas bochechas suadas. − Eu adoraria te foder sem camisinha. − Oh, Deus. − Eu tremi com suas palavras, meu corpo instintivamente respondendo às suas palavras apaixonadas. Ele não tinha ideia de como sua declaração ardente me afetou porque não sabia um dos meus segredos mais profundos. − Seria bom, − ele ofegava. Meus músculos queimavam e tremi enquanto me esforcei para adiar o clímax. Eu não queria gozar até que ele gozasse também. − Goze para mim, − ele sussurrou. − Você está perto?

62


− Oh sim. Goze para mim. Meu ômega respondeu a seu comando, e meu corpo estremeceu de prazer intenso quando meu pau sacudiu entre nossos estômagos. Uma onda quente de esperma lavou sobre o meu abdômen e deslizou para baixo pelos lados. Ele sorriu enquanto eu tremia e gemia através de meu clímax, e depois com um gemido na altura do peito, seu pênis empurrou dentro de mim e ele gozou também. Enterrou o rosto no meu pescoço enquanto seu corpo tremia uma e outra vez. Sua respiração estava quente contra minha pele, e eu o segurei com força. Eu estava em uma névoa de prazer, cada parte de mim movimentando com meu orgasmo. Eventualmente, ele levantou a cabeça e nos beijamos. Ele sorriu e puxou para fora, caindo ao meu lado na cama. − Finalmente. − Ele riu. − Humm. − Eu sorri. − Valeu a pena esperar. Ele colocou a mão na minha coxa, deslizando a palma da mão sobre a marca de nascença no meu quadril. − Espero que eu não tenha sido muito duro. − Não. − Bom. Eu tive um pouco de dificuldade em me controlar. − Ele pegou alguns lenços sobre a mesa de cabeceira, e nos limpou. Então rolou para me encarar. Seu cabelo era uma juba de seda em torno de seu rosto e seu rosto corado.

63


Eu segui o padrão redondo vermelho e azul da tatuagem através de seus abdominais. Ele se esticou seus músculos e riu. − Isso faz cócegas. − Desculpe. − Minha boca se contorceu. − É preciso um homem seguro para ter uma tatuagem de flor. − Sim. Eu tenho isso só para irritar meus pais. Eu fiz uma careta. − Mesmo? Essa foi a sua razão? − Eu amo a minha tatuagem, mas o catalisador foi que eu tinha dezoito anos e estava bêbado. Tinha roubado uma garrafa de tequila do armário de bebidas dos meus pais, e decidi que fazer uma tatuagem de flor era exatamente o que eu precisava. − É uma agradável. – Me inclinei e beijei suas costelas. Ele enredou os dedos no meu cabelo, e eu suspirei, descansando minha bochecha em seu abdominal firme. Me senti surpreendentemente confortável com ele. O que era bastante incomum para mim. Eu tendia a fugir imediatamente após o sexo apenas para que não tivesse que tentar e ter a conversa pequena. − Você nasceu corajoso? − Ele perguntou em voz baixa. Ergui a cabeça e olhei para ele. – Você é muito impressionado comigo. Eu não fiz nada na noite passada que qualquer um não faria. − Isso simplesmente não é verdade.

64


− Você estava perfeitamente corajoso. Lembra como não ia me deixar? − Eu arqueei uma sobrancelha. − Você foi muito teimoso. Ele franziu a testa. − Isso não foi realmente bravura. − Ele parecia confuso. − Era como se eu não pudesse deixá-lo. − Hum. − Eu dei de ombros. − Provavelmente o alpha em você. − Talvez. − Agora, se eu tivesse sido o cara a ter um ataque cardíaco na escada, sei que Tom não teria parado para me salvar. − Eu beijei sua barriga e rolei de costas. − Não tenho certeza do que fiz para o cara para fazê-lo me desagradar muito. −Você não fez nada. − Ele olhou para o teto parecendo irritado. − Ele é sempre paranoico que todo mundo está fora para me pegar. Tudo o que ele se preocupa é que eu não faça nada que arruíne minha trajetória ascendente. − Vocês estão fazendo algo certo. Porque você cativou naquela sala na noite passada. Eles te amaram. Ele pareceu satisfeito. − Deus. Ainda me lembro de quando estava com medo de cantar em um microfone aberto. Eu abalaria tão mau que foi embaraçoso. − Você obviamente superou isso. − Sim. O que isso quer dizer? Se não pode vencer o medo, faça-o com medo?

65


Eu balancei a cabeça. − Eu tenho isso em uma caneca de café. Ele riu. − Tom me descobriu em um café. − Mesmo? − Sim. Eu era uma massa de inseguranças e talento cru de dezenove anos de idade. − Ele sorriu. − Tom levou dois anos para me convencer até mesmo a tentar fazer uma carreira de música. − Qual foi a coisa que ele disse que clicou? − Eu puxei a mão aos lábios e beijei sua pele novamente, inalando seu perfume masculino limpo. − O que fez clicar foi minha mãe e meu pai me dizendo para sair. Eu estava estudando eletrônica na faculdade. − Ele suspirou. − Oh homem, que essa parece ser uma vida diferente. − Isso é. Ser famoso é todo um outro mundo. Ele virou a cabeça e segurou meu olhar. − Está certo. Você está acostumado a estar perto de celebridades. − Você é apenas uma pessoa. − É verdade. − Ele mordeu o lábio. − Então eles me disseram para sair e eu não tinha um trabalho, o que significava que não tinha como pagar o aluguel em qualquer lugar. Fui morar com Tom e dormia em seu sofá. O resto é história. − Você abandonou a faculdade?

66


− Sim. Eu não podia fazer as duas coisas, faculdade e perseguir a música. Eu estava cantando até as duas da manhã em clubes, e mantive faltando as aulas. Então desisti e fui para a música em tempo integral. − Uau. − A história toda está na Wikipédia. − Ele sorriu. − Você tem sua própria página da Wikipédia? − Fingi admiração. − Uh, sim. Essa é a única razão que sei que sou superfamoso. − Ele sorriu. − Por que seus pais o expulsaram? Ele torceu seu rosto. − Por que você pensa? − Porque você é gay? − Bingo. − Ele deu de ombros. − Eles são muito religiosos. Nós nunca fomos muito próximos, mas eu pensei que eles me amavam. Agora eu não tenho tanta certeza. − Eles são seus pais. Eles devem te amar. − Eu fiz uma careta. − Em sua própria maneira. − Me chutar para fora era uma maneira estranha de mostrar isso. − Verdade.

67


− Minha mãe gosta de dizer que ela pode odiar o pecado e não o pecador. Talvez seja assim que eles se sentem em relação a mim. Eu realmente não sei, porque não é uma conversa que eu quero ter. − Bem, pelo menos você está vivendo em seus próprios termos. − Eu dei uma tapinha na perna. − Certo? Ele deu uma risada dura. − Sim. Certo. Eu não tinha certeza por que parecia que ele pensou que eu estava tirando sarro dele. − Quero dizer. Você está fazendo toneladas de dinheiro, e é capaz de ser quem você quer ser. Ele estreitou os olhos e inclinou a cabeça. − Bem, não completamente. − O que quer dizer? Uma linha apareceu entre os olhos. − Eu continuo esquecendo que você realmente não sabe nada sobre mim, até ontem à noite quando Blade o arrastou para meu show. − Ele engoliu em seco como se estivesse desconfortável. − Eu realmente não posso viver como eu quero, porque eu estou... Eu estou no armário. Choque percorreu-me, e eu me sentei. − O que? Suas bochechas estavam rosadas. − Eu estou no armário. Pensei que você soubesse.

68


− Não, eu não sabia disso. – Lembrei-me do olhar de desaprovação de Tom quando Riley tinha me tocado, no aberto, e o comentário sobre seu motorista ter sorte com suas fãs. − Merda. Eu realmente não sabia. Ele passou a mão pelos cabelos, parecendo desconfortável. − Bem, maldito. − Por quê? − Eu fiz uma careta. − Por que você está se escondendo? − É a ideia de Tom. Ele disse que seria muito mais difícil para mim se as pessoas soubessem. Além disso, ele disse que as meninas não estariam interessadas em mim, e que atrasaria minha carreira. Eu ri com a voz rouca. − Será que ele nunca ouviu falar de Adam Lambert ou Sam Smith? Eles são enormes com as mulheres. − Eu tinha dezenove anos e ele era o especialista. Imaginei que ele sabia o que estava falando. − Ele parecia envergonhado. − Agora estou tipo, meio que preso. Eu rolei para fora da cama, me sentindo estúpido. − Merda. − O que está errado? Minha risada foi brusca. − Eu não mexo com os caras no armário. − Estremeci. − Geralmente. Ele franziu a testa. − Pensei que você soubesse. Eu não tentei enganá-lo. − Eu sei. − Puxei minha camisa sobre a cabeça, fazendo uma careta ao cheiro acre de fumaça. − Mas não teria dormido com você, se eu soubesse.

69


Ele saiu da cama e vestiu a cueca. − Sério? − Sim. Por que eu deveria? Ele parecia confuso. − Por que não? − Eu tenho estado por este caminho, e não leva à felicidade. Quem quer se sentir como um segredo sujo? Ele cruzou os braços. − Não é desse jeito. Fiz uma careta. − Claro que é. − Eu balancei a cabeça e vesti a minha calça e sapatos. − Se você esconder algo, isso implica que há algo errado com ele. − Não. − Aproximando-se, ele me surpreendeu quando tocou no meu braço. − Eu não sinto isso. − Você está enganando a si mesmo. − Tom apenas pensou que era melhor. Ele parecia tão envergonhado, eu suavizei. − Está tudo bem. − Toquei seu rosto, lutando contra o desejo de beijá-lo. Esta foi uma porcaria de evento de uma única vez. Eu realmente gostava muito dele, e enquanto percebi que provavelmente não tinha futuro permanente, esperava que pudéssemos ligar novamente em algum tempo. − Eu me sinto como um idiota. − Não. − Eu fiz uma careta. − Foi uma falha de comunicação. Sem danos causados.

70


Ele suspirou. − Eu acho que você provavelmente não quereria trabalhar para mim agora. Meu olhar caiu sobre seus lábios cheios. − Pode ser um pouco muito tentador. Ele agarrou seu celular da mesa e me entregou. − Ponha seu número no meu telefone, e eu vou chamá-lo em uma semana ou assim para ver se mudou de ideia. Eu pago muito bem. − Ele me observou enquanto eu fiz como ele disse. − Poderia usar um homem como você ao redor. Eu dei-lhe o seu telefone de volta. Incapaz de resistir, me inclinei e capturei sua boca sexy. Ele suspirou contra meus lábios e colocou os braços em volta da minha cintura. Quando o beijo terminou, eu suspirei e fui para a porta. − Obrigado por uma das noites mais emocionantes que tive em um longo tempo. Ele riu. − O prazer foi meu. Estou falando sério sobre você trabalhando para mim, espere minha chamada. Eu duvidava que fosse, mas acenei concordando e fechei a porta firmemente atrás de mim.

71


Capítulo 5 Riley Entre os ensaios, atender e cumprimentar, e as performances reais, o ritmo do passeio era um estímulo para mim fisicamente e mentalmente. Uma vez que saí de Los Angeles, fiz seis shows e na próxima semana no Arizona me reuni com inúmeros fãs. Eu pensei sobre Colin o tempo todo. Não tinha certeza se era porque senti que não poderia tê-lo e por isso o tornou mais intrigante, ou se era outra coisa. Mas pensar sobre ele me fez feliz. Eu amava sua energia calma e o fato de que tinha estado atraído por mim, apesar da minha fama, não por causa dela. Eu tentei chamá-lo uma vez, mas tinha desligado antes que ele pudesse responder. Me senti estranhamente tímido sobre estar ligando, mas estava curioso para saber se ele tinha ido para a sua entrevista e se estava no trabalho novamente. Tom contratou um cara, Tony, para substituir Frank, e ele estava bem. Mas tinha o mesmo ar entediado de indiferença que Frank tinha mostrado. Não era que eu precisasse de alguém me bajulando, mas me lembrava claramente quando Blade tinha trabalhado para mim um tempo atrás, ele tinha levado a sério o trabalho. Eu sabia apenas do pouco tempo que tinha estado em torno de Colin, que ele seria o mesmo.

72


Eu pulei quando alguém bateu a minha porta. Da batida impaciente com os nós dos dedos, eu sabia que provavelmente era Tom. Ele sempre foi um pacote de dia de energia ou da noite. O deixei entrar, e ele começou a falar imediatamente, sem “olá” ou “como você está” se necessário. − Então eu adicionei dez datas para o calendário. − Ele folheou alguns papéis enquanto falava. − Nova York e Flórida vendidos em poucas horas, então imaginei, que inferno, vamos adicionar alguns dias lá e fazer seus fãs felizes. Eu fiz uma careta. − Você adicionou dez dias sem mencioná-lo para mim em primeiro lugar? Ele olhou para mim distraidamente. − Sim. Eu sabia que você ia fazer isso. − Tom, estou cansado já. Eu não posso continuar fazendo seis shows por semana. Minha voz não vai aguentar por mais tempo. − Você quer adoçar o seu som? Poderia cantar junto com faixas e, em seguida, poderia conservar sua voz. O olhei fixamente. − O que? Ele apertou os olhos. − Há algum problema? − Eu não faço sincronia labial em meus shows. Ele revirou os olhos. − Muitas pessoas fazem isso hoje em dia. Eles cantam junto com eles mesmos.

73


Balançando a cabeça, eu fiz uma carranca. − Eu não. Isso não é o meu estilo. − Não conseguia acreditar que ele estava sugerindo tal coisa. Ele encolheu os ombros. – Você é o único que está reclamando que sua voz não vai aguentar. Só estou tentando chegar a uma solução. − A solução é não reservar seis shows por semana, − eu resmunguei. − Nós precisamos que isso seja sua turnê de maior sucesso. Precisamos mostrar os rótulos que eles foderam quando passaram em você anos atrás. − Eu não estou fazendo isso para passar na cara da indústria. − Peguei um refrigerante do pequeno frigobar. − Faço isso porque eu amo compartilhar minha música com os fãs. − Por que não fazer as duas coisas? − Ele sorriu e jogou os papéis sobre a mesa. Suspirei. − Não adicione mais datas. − Está bem. Não surte. Mordi a língua e mudei de assunto. − Eu queria falar com você sobre Tony. − O que tem ele? − Eu quero substituí-lo. − Certo. Eu não me importo. Vou ligar para a agência. − Ele franziu os lábios. − Ele fez alguma coisa para irritá-lo?

74


− Ele parece entediado o tempo todo. − Hum, ok. Não tenho certeza que é um grande motivo para passar pela dificuldade de conseguir outro cara. − Ele fez uma careta. − As probabilidades são que o próximo cara vai parecer tão entediado quanto ele. É um trabalho chato. − Blade não agiu assim. − Blade? − Ele fez uma careta. − Você quer dizer o cara que veio para o show na outra noite? O cara com o bebê? Meu rosto aqueceu em seu tom de desprezo. − Sim. O cara que colocou Frank em seu lugar. − Esse cara é o padrão? − Por que não? Ele foi ótimo. Quando passou esses dois dias comigo no Texas, anotou quem era um perseguidor louco facilmente e era um prazer têlo ao redor. Ele me fez sentir como se valesse a pena me proteger. Esses outros caras tratam este trabalho como se fosse uma imposição. − Eu não tinha ideia que você era tão necessitado. Meu rosto aqueceu. − Eu não sou carente. É demais pedir que o cara que é suposto me manter seguro pareça se preocupar com a porra do trabalho? − Tenho certeza de que Tony se preocupa com o seu trabalho.

75


− Ele tem o rosto enterrado em seu telefone constantemente. Não iria nem perceber se alguém estava ficando muito perto. Pode interromper suas compras online. − Eu estou satisfeito. − Na verdade eu tinha duas meninas quase me puxando para a multidão ontem, quando estava apertando as mãos, e Tony nem percebeu. Eu poderia ter sido pisoteado até a morte. Tom fez uma careta. − Por que você não me contou sobre isso quando isso aconteceu? − Eu estava tentando não jogar o cara sob o ônibus. Mas esta manhã ele me chamou pelo nome errado duas vezes. Não acho que ele ao menos sabe em que cidade estamos. − Então, eu vou ligar para a agência e obter um novo cara. − Quem você está usando? Ou seja, já são dois caras que são pouco profissionais e não valem o dinheiro. − É uma empresa que foi recomendada a mim por um dos seguranças naquele clube no Arizona. − Não estou impressionado. Por que não continuar usando a Shield? − Eles são duas vezes o preço. Eu me inclinei para ele me sentindo irritado. − Isso é porque eles são profissionais. − Eu balancei minha cabeça. − É o meu dinheiro e eu quero usar a Shield.

76


− O que há com você ultimamente? Primeiro insiste em trazer esse Neandertal de volta para seu quarto, na semana passada, e agora está palpitando sobre o meu trabalho também, eu acho. Se irritou com sua descrição de Colin. − Foda-se. Colin foi incrível. Ele foi respeitoso e legal. − Limpei a garganta. − Na verdade, se ele está trabalhando para Shield, eu gostaria que fosse atribuído a mim. − O quê? − A voz de Tom estava afiada. −De jeito nenhum. − Não é a sua decisão. − Você fodeu o cara. Isso não é uma boa situação. Dei de ombros. − Quero contratá-lo como meu guarda-costas, não dormir com ele. − Isso não era completamente verdade. Eu queria principalmente porque confiava nele para me manter seguro e gostava de sua energia calma. Mas, para ser completamente honesto, eu ainda tinha esperança de que Colin dobraria suas regras um pouco por mim. Talvez pudesse convencê-lo que o fato de eu estar no armário não era um negócio tão grande. − Ele esteve ligando e pedindo um emprego? Eu ri. − O que? Não. Ele torceu os lábios, sua expressão desconfiada. − Não acredito em você. − Não estou mentindo. Por tudo que eu sei ele nem se lembra de mim.

77


− Você precisa se concentrar em sua carreira. Colin seria uma distração muito grande. − Ele seria grande em lidar com a minha segurança. − Você sabe disso? − Ele agiu bem durante esse fogo. Além disso, meu guarda-costas passa muito tempo comigo. Você não tem ideia de quão estranho é quando a personalidade da pessoa e a minha não combinam. É uma tortura. Colin e Blade eram tudo o que eu esperaria de um guarda-costas. Frank e Tony não são. Ele apertou seus lábios em uma linha, e então deu de ombros. − Bem. Vá em frente e contrate o seu colírio para os olhos se ele está disponível. Em breve você vai ver do que ele realmente gosta. − Você verdadeiramente não confia nele, embora não tenha dado motivos. Eu não entendo. − Eu te disse, ele é uma distração. Essa é a última coisa que precisa. − Sim, Deus me livre Eu realmente gosto de minha vida, − resmunguei. Ele se levantou e pegou os papéis fora da mesa. − Deveria sentir pena de você? Sua carreira está explodindo. Se as coisas continuarem do jeito que estão, vai ter tudo que você sempre sonhou. − Ele apertou a mandíbula. − Eu ainda me lembro do garoto assustado que não tinha para onde ir, que dormia no meu sofá e só queria ser capaz de compartilhar suas canções.

78


Suspirei. − Eu ainda quero isso, Tom. − Espero que sim. Porque tenho queimado a minha bunda por anos para ajudá-lo a fazer isso acontecer. Cada local em que se apresentou vendeu sua música. Como isso pode não ser suficiente para mantê-lo concentrado? Fiz uma careta. − Eu estou focado. Por que você continua dizendo que não estou? − Você está deixando o seu apetite sexual interferir em suas decisões. Eu me irritei. − Desculpe se eu tenho necessidades. − Há muita gente que pode lidar com isso por você. Esse cara Colin não é tudo no mundo. − Eu fiz tudo o que você pediu. Só quero que a pessoa que gasta mais tempo comigo seja alguém que eu goste. Por que isso é uma coisa tão ruim? Caminhou para a porta. − Eu tenho um sentimento muito ruim sobre esse cara, Colin. Ele vai ser nada além de problemas. Dei de ombros. − Pelo que eu sei, ele não está mesmo disposto a trabalhar para mim. Mas de qualquer forma, quero contratar alguém da Shield. Eu não quero mais tratar com outra empresa. − Faça o que quiser, − ele estalou quando saiu do quarto, batendo a porta atrás de si. Eu estava frustrado com Tom. Ele parecia se ressentir da ideia de que eu poderia precisar mais da minha vida do que apenas a música. Talvez isso

79


fosse porque ele não parecia precisar de qualquer outra coisa. Sempre parecia trabalhar em algo a ver com minha carreira. Nunca tinha sido casado que eu soubesse, e eu nunca o tinha visto ir a um encontro. Sentindo-me tenso depois do meu encontro com Tom, decidi que precisava de um pouco de exercício para trabalhar meu ressentimento fora. Chamei Tony e mandei que me acompanhasse enquanto fui para uma corrida. Fiel à forma, ele correu ao meu lado distraído com seu telefone o tempo todo. Tentei falar com ele algumas vezes, mas ele nunca poderia ouvir qualquer coisa que eu disse, porque tinha seus fones de ouvido colocados. No momento em que voltamos para o hotel, estava determinado a demiti-lo. Se Colin estava disposto a vir trabalhar para mim ou não, eu queria um guardacostas que estivesse envolvido e presente. Tomei banho, assisti TV, e saqueei o meu minibar para ajudar a descontrair. Eu queria chamar Colin para lhe oferecer o trabalho, mas precisava de coragem líquida para fazê-lo. Não queria desligar antes que pudesse responder, como eu tinha feito da última vez. Depois de três pequenas garrafas de tequila, decidi que estava solto o suficiente para lidar com a rejeição se acontecesse. Disquei o número dele e agarrei meu telefone com o coração batendo. − Olá? − Sua voz estava hesitante, e ele soou como talvez estivesse dormindo.

80


Limpei a garganta. − Ei, Colin? − Eu não tinha me sentido ansioso desde que tinha pegado em microfones abertos anos atrás. – É Riley. Ele riu. − Eu sei. O ID de chamada me mostrou que era você. − E você ainda atendeu? − Eu fiz uma careta com o quão nervoso soei. Eu era um alpha. Deveria estar cheio de confiança e autoconfiança. Em vez disso estava pronto para ter um ataque porque o som de sua voz me fez embaraçosamente nervoso. − Claro que eu atendi. É... é bom ouvir a sua voz. − Sim? − Isso me fez sentir um pouco melhor. − Tentei ligar uma vez antes, mas fui interrompido. − Por minha falta de uma espinha. − Sim, eu vi uma chamada perdida de você. − Agora, ele parecia um pouco incerto. − Eu ia te ligar de volta, mas não tinha certeza se deveria. − Claro que você deveria. Por que não faria? Houve um longo silêncio, e então ele disse calmamente: − Você sabe por quê. Meu telefone estava suado contra a minha bochecha. Eu empurrei o meu cabelo do meu rosto e me recostei na cama. − Você foi para a entrevista? − Sim. Olhei para o teto. − E? − Shield me contratou.

81


Meu estômago se revolveu. − Ok. Isso éótimo. − Sim. Na verdade, tive uma chamada esta manhã. − Ele parecia animado. − Eu teria ficado chocado se não o contratassem. − Oh, realmente? − Ele zombou. – Você é um especialista em guardacostas? Suspirei. − Eu me sinto como se fosse. Já passei por cerca de dez deles no último ano. − Isso é muito. − Talvez seja eu. − Estreitei meus olhos. − Não acho que eu sou um cliente tão difícil. Mas talvez eu não consiga me ver com clareza. − Eu duvido. Você parecia muito frio. Trabalhei para alguns idiotas reais, e você parece que seria um grande cliente. Seu elogio fez meu pulso correr. Respirei fundo e fiz a pergunta que estava me dando uma úlcera. − Você ainda está em um trabalho? Porque se não, quero contratá-lo. Outro longo silêncio. − Eu não tenho uma atribuição ainda. − Grande. − Eu queria soar animado, mas seu tom era sombrio e isso não me dava bons sentimentos. − Eu não sei se posso trabalhar para você.

82


Meu estômago caiu. − Por quê? − Porque nós já temos uma história. − Ele parecia sem fôlego. Memórias dele debaixo de mim, nu e ofegante, fez o calor se nivelar da minha cabeça aos meus pés. Rolei do meu lado e me enrolei em uma bola, meu pau latejante. − Deus, Colin. E daí? − Eu tenho medo que não posso ser profissional ao seu redor. − Eu sei que você seria. − Fiz uma careta. − Eu sei que você seria em público. Ele deu uma risada rouca. − Sim, é com o mais tarde que eu tenho que me preocupar. Quando estivermos sozinhos. Mordi o lábio, meu corpo quente, com excitação. − O que fazemos em privado é o nosso negócio pessoal. − Eu não sei,Riley. − Sua voz retumbou em toda a linha. − Venha trabalhar para mim. Ele exalou uma respiração instável. − Você sabe da minha regra. Eu apertei meus olhos fechados. − Prometo que não vou tocar em você a menos que me peça. − Está se dando uma brecha lá? − Isso não é justo? Eu não vou fazer um movimento em você. Mas com certeza não vou recusar se você fizer um em mim.

83


− Você me tem todo confuso. − Ele suspirou. − Preciso falar com Blade e obter o seu conselho. Sua resposta me surpreendeu, mas tentei parecer positivo. − Certo. Tudo o que você precisar. − Eu te ligo amanhã. − Promete que não vai pegar qualquer outro trabalho até falarmos de novo? − A ideia dele me recusando me deixou ansioso. − Eu prometo. − Então vou aguardar sua chamada. − Eu queria dizer muito mais, mas não queria pressioná-lo. − Noite, Riley. − Sua voz estava rouca. − Noite, Colin. − Eu desliguei e tomei mais três garrafas de tequila para ajudar a amenizar minha fome por ele. Talvez tentando persuadi-lo a trabalhar para mim foi uma ideia estúpida. Mas o queria perto de mim. Desde a nossa noite juntos o desejava, seu toque, sua voz. Eu não entendia isso. Era puro instinto alpha que estava me fazendo persegui-lo assim, e eu tinha que admitir que me sentia um tipo de bem em ceder a esse lado de mim mesmo por uma vez.

84


Capítulo 6 Colin − Riley não sabe muito sobre o seu passado, certo? − Blade balançou Peter em seus braços enquanto falava. A criança continuou chegando e tocando o queixo de seu pai. − Não. Nós não falamos muito sobre mim. Ele me contou um pouco sobre seus pais, mas eu realmente não me abri uma vez ele me disse que estava no armário. − Entendi. Você ficou louco? Eu fiz uma careta. −Eu não sei se louco é a palavra certa. Mas eu precisava pensar sobre as coisas. Estava confuso. Realmente gosto dele, mas fiz uma regra para não ter encontros com caras enrustidos. − É uma boa regra. − É difícil de acreditar neste tempo e idade que ele sentiria a necessidade de esconder sua sexualidade. − Minha cadeira rangeu quando me inclinei para trás. Estávamos no pátio da casa de Blade e Wyatt, curtindo o sol quente da manhã. − Ele era muito jovem quando Tom o pegou e começou no negócio. Seus pais o rejeitaram porque ele era gay. Eu posso ver porque ele poderia ter se

85


sentido envergonhado, e que isso realmente fosse algo que ele precisasse esconder, especialmente com Tom encorajando-o a se esconder. − Eu suspeito que Tom é um pai para ele. − Provavelmente. − Blade deu uma risada rouca. − Para ser honesto, eu não tenho como saber o quão difícil era para ele admitir que fosse gay. Nunca tinha sequer olhado para um cara até que me apaixonei por Wyatt. − Bem, companheiros fadados são outra coisa. − Sim. − Ele sorriu para Peter. − E então eu engravidei. A maneira como ele olhou para seu filho me fez pensar dolorosamente no meu irmão. − Garrett teria sido um bom pai tal − eu disse suavemente. Ele olhou para cima e sua boca virou para baixo nos cantos. − Sim. Eu sinto muito. Levantei um ombro e ignorei como os meus olhos ardiam. − Todos fizeram tudo que podiam por ele. A mandíbula de Blade endureceu. − Se o alpha não tivesse sido um babaca e ele voltasse para o composto mais cedo, talvez ele e a criança teriam vivido. − Talvez. − Pensando sobre o namorado de Garrett, Alan, agarrei minha xícara de café com tanta força que meus dedos estavam brancos. − Nem todos os alphas são tão legais quanto Wyatt.

86


− Concordo. − Blade encontrou meu olhar. – Riley é embora. Ele é mais descontraído do que alguns alphas. Meu peito se apertou quando pensei em Riley. − Eu acho que isso é parte do que eu gosto sobre ele. Ele tem uma gentileza que me conforta. Eu não posso vê-lo ser violento como Alan era. − De jeito nenhum. Mas ele não é tarefa simples também. − Não. − Meu rosto aqueceu quando me lembrei de seu lado mais agressivo quando tínhamos estado na cama juntos. − Ele é todo alpha quando quer ser. − Você acha que Riley já ouviu falar de ômegas eclipse solar? Eu zombei. − Não. A única razão que eu sei é porque Garrett ficou grávido e os Antigos estenderam a mão para nós. Jesus, sua gravidez foi um choque. E nós dois estávamos em completa negação no início. Blade franziu a testa. − Eu absolutamente compreendo. Eu fiz uma careta. − Sim. Claro que você faz. − Eu não entendo por que não há mais conhecimento sobre ômegas eclipse solar. − Blade beijou a testa de Peter. − Concordo. É como se nós somos um pequeno segredo sujo. − É, realmente.

87


− Os Antigos sabem quando nascemos. Sabem quem somos, mas não entram em contato conosco a menos que engravidemos. É uma estranha forma de lidar com a situação, se você me perguntar. − De acordo com a mãe de Wyatt, os Antigos preferem o mistério que envolve nossa espécie. − Mas por quê? − Eles acham que nos mantém mais seguro. − De que? − Há aqueles antigos que acreditam que a doença que veio sobre as mulheres no passado foi intencional. Eles temem que foi projetada para limpar o nosso tipo do mundo. − Eu pensei que era apenas uma doença aleatória? − Não se sabe ao certo o que era. − Se foi intencional, quem teria feito isso? Os humanos? Blade fez uma careta. − Eu não faço ideia. Os seres humanos parecem nos aceitar muito bem. Mas, mantendo o ômega eclipse solar em segredo, os Antigos sentem que estão protegendo a sobrevivência de nossa raça. Ninguém pode exterminar o que não sabem que existe. Coloquei meu copo para baixo com um solavanco. − Garrett ainda poderia estar vivo se não fosse tão secreto. A confusão e negação de Alan acabaram custando a vida de meu irmão e do seu bebê.

88


Blade estendeu a mão e apertou meu ombro. − Você já sofreu uma perda terrível. Perder seu gêmeo não é algo que você vai facilmente superar. Baixei a cabeça. − Observando o que Garrett atravessou tem me aterrorizado com a gravidez. − Eu posso imaginar. Suspirei e tentei sacudir minha melancolia. − Mas você e Peter estão seguros e saudáveis. Eu preciso lembrar que a maioria dos ômegas eclipse solar estão perfeitamente seguros quando dão à luz no composto. Blade estreitou os olhos. − Você gostaria de ter um bebê? Quer dizer, se encontrar seu par perfeito e souber que estaria seguro? Eu tremi. − Não. Eu não posso tira fora da minha mente tudo pelo Garrett passou. Não quero nunca uma criança. Nunca. Ele arregalou os olhos. −Bem, diga-me como você sente realmente, Colin. Eu estremeci. − Desculpa. Eu não posso sequer lidar com contemplando o que Garrett suportou. Não quero nada a ver com a gravidez. − Não foi divertido, mas havia uma parte dela que era muito legal. Ele aproximou a mim e a Wyatt. − Ele suspirou. − Nós ainda falamos sobre ter outro bebê no futuro. − Sério? − Eu não conseguia entender o que o faria arriscar sua vida novamente, apenas por outra criança.

89


Seu olhar era quente e sonhador. − Você não entende, mas há algo sobre transportar o bebê do meu companheiro no meu corpo. − Um pequeno sorriso sensual tocou seus lábios. − Foi sexy como o inferno. Eu balancei minha cabeça. − Não, obrigado. Ele encolheu os ombros. − Você nunca esteve apaixonado. Não pode entender. − Eu entendo que engordar e ansiar coisas como pizza com geleia de uva nela não é algo que eu preciso na minha vida. Ele sorriu. − Eu não ansiei esse tipo de coisa. Mas não poderia obter o suficiente de sorvete de chocolate com manteiga de amendoim da Baskin Robbins. Eu comi um litro por dia. Eu ri. − Será que você mandava Wyatt sair por alimentos estranhos no meio da noite? − Na verdade não. Mas ansiava suco de picles como se fosse a coisa mais deliciosa que já existiu. Bebi todo o suco do recipiente. Wyatt sempre riu quando ele se deparava com os frascos de picles na geladeira sem suco. −Isso é nojento. − Eu ri. − Eu não comi nenhum picles. − Blade bufou. Um silêncio confortável caiu, quebrado apenas pelo ronco suave do bebê. Eventualmente Blade perguntou: − Então o que você vai fazer sobre Riley? Vai aceitar o trabalho?

90


Eu gemi. − Nenhuma ideia. − Quando eu estava com ele no Texas, ele foi ótima companhia para sair. Fiquei todo meu tempo com ele. Tom, por outro lado era uma picada do começo ao fim, − disse Blade. − Tudo com que Tom se preocupa é a carreira de Riley. Eu gosto de pensar que ele realmente tem o melhor interesse de Riley em mente. Mas não tenho certeza. −Eu não poderia dizer. Peguei meu copo e terminei meu café. − Riley vai me ligar hoje e ver se quero o trabalho de guarda-costas. Eu preciso descobrir isso. − Ok, vamos olhar para isto logicamente. − Vá em frente. Blade franziu a testa. − Riley paga muito bem, e ele é uma companhia divertida. − Ok. Essas são duas coisas importantes. − Limpei a garganta. − Mas eu realmente gosto dele, e quanto mais estou perto, mais meus sentimentos podem crescer. Isso poderia significar um desastre. − Porque você não quer se envolver com um cara no armário? − Sim. Deus me livre me apaixonar por ele. Não há potencial para um futuro em tudo. − Você pode ver algo sério com Riley?

91


− Não, se ele está no armário. − Quero dizer, se ele não estiver. Meu rosto aqueceu. − Mais ou menos. O potencial está lá. Quero ficar com alguém um dia. Mas a última coisa que preciso é me apegar a alguém que não pode se comprometer totalmente comigo. Eu posso não querer engravidar, mas adoraria ter um marido e uma família um dia. Uma família adotada. − Entendi. Ok, então o trabalho paga bem, e Riley é uma boa companhia. − Ele sorriu. − Ele realmente tipo que é. − Eu ri. − Mas você pode não ser capaz de controlar a si mesmo em torno dele. − Ele arqueou uma sobrancelha. – Sua besta tem tesão. − Cale a boca. − Eu corei. − Eu não posso. É muito divertido ver você virar da cor de um picolé cor-de-rosa. − Se você não tiver cuidado, vou ser forçado a forçar Wyatt a me dizer algumas coisas embaraçosas sobre você. − Ele não ousaria. − Veremos. Ele ainda ama se pavonear com você.

92


Ele fez uma careta. − Essa é a verdade. Ontem de manhã ele colocou molho quente no meu café. Riu histericamente quando cuspi meu café por toda minha camisa. Eu não achei nada tão divertido. Eu ri. − Eu amo Wyatt. Ele suspirou. −Eu também. − Seu rosto tornou-se mais grave. − Ok, nós realmente precisamos descobrir se este show com Rileyé para você. − Sim. − Você disse que ele prometeu não te tocar a menos que pedisse. Calor voltou para meu rosto. − Sim. Mas não sei se ele está sendo honesto. E não confio em mim para rechaçá-lo se ele faz um movimento em mim. − Em seguida, basta dizer não. Você não pode aceitar o trabalho. Parecia tão fácil quando ele disse isso. Mas a ideia de nunca mais ver Riley de novo ou não chegar a estar perto dele em tudo era dolorosa. Eu queria muito vê-lo novamente. Era como se um instinto interior profundo em mim me dissesse para ir para ele. Para consolá-lo e estar com ele, não importa o quê. Eu nunca tinha sentimentos como estes em relação a alguém que mal conhecia. Esfreguei meu rosto com força. − Deus, por que isso é tão difícil? Eu deveria apenas dizer que não. Absolutamente não. − Mas você não pode?

93


− Eu não quero. Eu quero protegê-lo. A partir do momento em que o conheci, senti essa necessidade estranha de mantê-lo seguro. − Sério? − Ele tinha um olhar engraçado em sua face. − Sim. Eu não sei por quê. − Hum. − Sua expressão era sombria, mas, em seguida, olhou para cima e sorriu quando Wyatt saiu para o pátio. − Você está em casa cedo. − Ele levantou o rosto e recebeu o beijo de Wyatt. Wyatt acariciou a bochecha gordinha de Peter. − Como está o garoto? − Excelente. − O rosto de Blade parecia ruborizado enquanto ele segurava o olhar de seu marido. − Como foi o trabalho? − Vamos ver... tive que digitalizar meus relatórios de despesas para não vê-los mastigados, de modo que foi divertido. Blade encolheu. − Porcaria. Eu ainda preciso fazer os meus. − Sim. Eu sei. Ele mencionou isso. − Wyatt me encarou. – Talvez tenhamos algum trabalho em vista? − Mal posso esperar. − Estamos tentando decidir se Colin deve aceitar a oferta de trabalho de Riley ou não. − Blade deu uma tapinha na cadeira ao lado dele, e Wyatt se sentou. − Será que ele oficialmente lhe ofereceu o trabalho?

94


− Sim. − Eu aceitava num piscar de olhos. Ele paga muito bem. − É mais complicado do que isso. − Blade entregou o bebê para Wyatt e então esticou as pernas com um gemido. − Isso é melhor. Wyatt arrulhou para Peter suavemente, e então olhou para cima. − O que é complicado sobre isso? Será que é porque vocês dois dormiram juntos? Eu fiz uma careta. − Isso é parte do problema. − Mas Riley prometeu manter as mãos para si mesmo, − Blade destacou. − É por isso que você não quer? − Perguntou Wyatt, parecendo confuso. Eu ri. − Não. − Eles se gostam. Mas Riley está no armário. Wyatt assentiu. − Sim, eu lembro que você me disse que quando trabalhava para ele antes. Eu tinha tipo, esquecido disso. − Então tem isso. − Blade deu de ombros. −Colin não namora caras enrustidos. − Mas você dormiu com ele? − Wyatt olhou para mim, parecendo confuso. − Eu não entendo. − Eu não sabia que ele não estava fora. − Ahhhh. − Wyatt encontrou o olhar de Blade. − Isso complica as coisas.

95


− Sim. − Bem, você é um profissional. Tenho certeza que pode mantê-lo em suas calças, se tiver que fazê-lo. − Wyatt arqueou uma sobrancelha. − É um bom dinheiro e uma primeira atribuição legal. − Você acha que eu deveria fazer isso? − Perguntei. − Eu iria. − Wyatt riu. − Embora ele realmente gosta de Riley. E se ele constrói sentimentos reais pelo cara? − Então você sai da atribuição e alguém toma o seu lugar? − Wyatt não parecia pensar que era um grande negócio. − É mais fácil falar do que fazer quando você se apaixona por alguém, − Blade disse suavemente. Encontrei seu olhar compreensivo. − Sim. − Riley é um cara legal. Se você gosta dele, vá para ele. Quem sabe, talvez possa convencê-lo a rastejar para fora do armário. − Eu não acho que esse é o meu lugar para fazer isso. Ele obviamente tem suas razões. Wyatt deu de ombros. − Se bem me lembro, a coisa de no armário é ideia de Tom. Ele precisa acordar e cheirar as rosas. Estamos em 2017 e Riley não deveria ter que esconder sua sexualidade. − Eu concordo. − Blade assentiu.

96


Eu gemi. − Eu quero o trabalho. Só não sei se deveria pegar o trabalho. Wyatt falou indiferentemente. − Cara, só você pode tomar essa decisão. Se você declinar e obter uma atribuição de merda em vez disso, estaremos com você. Ou se aceitar e obter o seu coração pisoteado, ainda estaremos com você. Blade estremeceu e me lançou um olhar. − Desculpa. Juro Wyatt tem um coração. Ele só reserva para ocasiões especiais. Wyatt sorriu. − Soei como se não tivesse coração? − Ele encontrou meu olhar. − Desculpa. Só estou tentando ser honesto com você. Ninguém pode tomar essa decisão em seu lugar. Você tem que pesar se o prazer de estar com Riley supera o risco de se machucar. − Certo. − Eu dei um aceno de cabeça afiado. − A turnê é de dez semanas. Bem, oito agora. − Wyatt se inclinou para mim. − Mesmo se sair dela com o coração partido, terá feito um bom pedaço de mudança. − Pode ferir meu ego, mas não acho que meu coração ficaria dividido exatamente. Quer dizer, eu gosto do cara, mas não estou apaixonado por ele. − Eu fiz uma careta. Wyatt levantou um ombro. − Em seguida, mantenha assim. Lembre-se que isto é um negócio. Você pode gostar de seu cliente e até mesmo realmente se apaixonar por ele. Só não transe com ele.

97


− Olá, − Blade guinchou. Wyatt sorriu. − Será que eu cruzei a linha? − Não. Você fez um bom ponto. − Ele estufou o peito. − Eu sou um profissional. Posso fazer meu trabalho, manter Riley seguro, e ser apenas seu amigo. − Eu limpei minha garganta. − E como você disse, vou teve um belo pacote de dinheiro no processo. Blade me estudou com uma expressão engraçada. − Então está resolvido? Se Riley ligar e oferecer o trabalho, você vai aceitar? − Absolutamente. − Eu falei com uma confiança que estava longe de sentir. − Que tipo de um guarda-costas recusa Riley West quando ele lhe oferece um emprego? Blade mordeu o lábio inferior, parecendo preocupado. Isto é, essa é a melhor decisão da sua vida ou a pior. Eu ri rigidamente. − Sério. Qual é a pior coisa que poderia acontecer? − Deus. Não diga isso. − Blade se encolheu e olhou em volta, inquieto, batendo os dedos sobre a mesa de madeira nas proximidades. − Últimas palavras famosas.

98


Capítulo 7 Riley Quando Colin se aproximou da limusine, meu coração batia forte. Eu ainda estava em choque ele concordou em vir trabalhar para mim. Tinha me convencido de que ia me rejeitar, então quando ele disse que estava disposto, fiquei espantado. Ele abriu a porta em vez de esperar pelo motorista e deslizou dentro. − Ei, chefe. − Você conseguiu. − Eu fiz, de fato. − Não podia ver seus olhos porque ele usava óculos escuros. Mas seu sorriso era quente. − Bem-vindo a bordo. − Apertamos as mãos e os meus dedos ainda formigavam depois que ele a soltou. Quando o motorista acelerou e saiu do estacionamento, fui pressionado contra o assento de couro. Colin levantou os óculos escuros e olhou ao redor do interior do carro. − Onde está Tom? − Ele vai nos encontrar no aeroporto. Tinha algumas coisas a fazer no hotel. Ele sorriu. − Certo. Isso, e ele não me suporta.

99


− Não. Ele realmente tinha trabalho. − Foi difícil não notar como sexy Colin parecia em seu terno equipado e gravata. Deu uma vibração mais grave do que quando o conheci no meu show. − Então, para onde estamos voando? − Denver. Tenho cinco shows lá. Então nós vamos para o Texas por uma semana. − Parece bom. − Ele olhou para frente. Eu prometi que manteria minhas mãos para mim, mas sabia que não ia ser fácil. Ele parecia ainda mais tentador do que me lembrava, e seu perfume trouxe de volta todos os tipos de memórias sensuais. − O que mudou sua mente? − Sobre vir trabalhar para você? − Sim. Ele virou a cabeça para mim, e enquanto eu não podia ver sua expressão, o pulso na base da sua garganta batia rapidamente. − Alguém tem que mantê-lo seguro. − Boa resposta. Ele apenas sorriu. Suspirei. − É um alívio ter um profissional no trabalho novamente. Você não acreditaria os palhaços que Tom contratou para me guardar ultimamente. − Eu acho que poderia. Eu conheci um deles, lembra?

100


− Verdade − Eu ri. − O próximo cara que contratou era quase pior. Ele não conseguia lembrar o meu nome certo para salvar sua vida. − Isso não é reconfortante. − Certo? − Eu esmaguei meu desejo de colocar minha cabeça em seu ombro largo. Havia apenas algo sobre ele que me fez querer enrolar ao lado dele. − Eu sou o seu primeiro trabalho para Shield? − Sim. − Mas você estava no negócio antes? − Peguei uma garrafa de água do suporte de copo. − Eu estive. Era uma empresa menor que a Shield. Eles preencheram minha posição quando eu saí, e não havia nenhuma abertura lá uma vez estava pronto para voltar. Caso contrário, eu poderia apenas ter voltado a trabalhar para eles em vez de para Shield. Meu chefe era muito legal. − Por que você os deixou? Seu rosto fechou e ele olhou para fora da janela. −Coisas de família. Eu não sabia nada sobre sua família, e não podia deixar de estar curioso. Mas era óbvio por sua mandíbula tensa que ele não estava exatamente animado sobre o assunto. Ainda assim, eu queria saber por que tínhamos dormido juntos e ele gastaria muito tempo comigo. Merecia saber um pouco sobre sua vida pessoal. − Você vem de uma família grande? − Eu perguntei timidamente.

101


Ele não respondeu de imediato. Na verdade, levou tanto tempo para responder, que pensei que ia ignorar minha pergunta. Mas então ele limpou a garganta e falou baixinho. − Não. Eu tive... um irmão gêmeo. Mordi o lábio. − Oh. − Eu fiz uma careta. − Seus pais ainda estão vivos? − Meu pai está, mas não estamos muito próximos. − Isso é ruim. − Eu acho. Ele deixou minha mãe quando eu e Garrett tínhamos apenas cinco anos. − Garrett era seu irmão? Um sorriso terno tocou seus lábios. − Sim. −Deus, como é que um homem abandona sua família assim? Ele encolheu os ombros. Minha mãe e ele lutaram constantemente. Para ser honesto, foi um alívio quando ele saiu. Não era extremamente amoroso. Ele estar lá era uma fonte de atrito. − Entendo. − Eu o procurei quando fiquei mais velho, e estivemos juntos algumas vezes no ano passado, tentando reconectar. Mas não temos nada em comum. Ele é basicamente um alcoólatra e realmente vive assistindo o canal de esportes e toda merda. Eu apenas não sou. − Sua risada foi brusca. − Prefiro falar sobre música e filmes. Garrett nem sequer se incomodou de se conectar com ele. Ele se ressentiu por ele ter nos deixado.

102


− Eu posso ver o porquê. Colin suspirou. − Nunca vi o ponto de guardar rancor. − Sua boca se endureceu. − Não até que Garrett morreu. Eu não pude me conter, passei meus dedos em torno de seu pulso. Ele endureceu e olhou para mim, sua expressão ainda escondida atrás de seus óculos escuros. − Como é que o seu irmão morreu? − Complicações da... cirurgia. − Merda. Um músculo trabalhou em sua mandíbula, e ele puxou o braço da minha mão. − Sim. Foi um pesadelo − Ele estava tentando esconder suas emoções. Eu poderia dizer na forma como se moveu e ficou tenso. Mas era óbvio que ainda estava extremamente afligido pela morte de seu irmão. − Eu sinto muito. − Obrigado. − Ele limpou a garganta e se endireitou. − A vida é uma merda, às vezes, certo? − Certo. − Olhe para você e sua família. Deve ter ferido ter seus pais expulsandoo de sua casa. Eu fiz uma careta, imaginando se ele tinha trazido esse assunto doloroso simplesmente para que eu parasse de fazer perguntas sobre sua vida familiar. − Obviamente. − O alpha em mim não ia deixá-lo fora do gancho tão

103


facilmente. Eu queria conhecê-lo melhor, e a única maneira disso acontecer seria com ele se abrindo mais para mim. − Há quanto tempo o seu irmão morreu? Ele apertou os lábios e não respondeu. − Você sabe tudo sobre mim, mas eu quase não sei nada sobre você. − Tentei persuadi-lo a se abrir mais. − Realmente não gosto de falar sobre meu irmão, − disse ele com a voz rouca. − Por quê? Ele zombou. − Por quê? Deve ser óbvio por que. − Dói muito? Ele engoliu em seco e assentiu. − Faz apenas dez meses. É ainda bastante cru. − Eu nunca perdi ninguém que estava perto de mim. Ele baixou a cabeça. – Eu, às vezes, acordo e levo um segundo para lembrar que ele se foi. − Sua voz estava abafada. Meu peito doía com a dor que suas palavras pingavam, mas estava contente que ele respondeu à minha pergunta. Me deu esperança de que poderia estar mais perto, como eu queria. − Eu ouvi que gêmeos estão conectados em um nível regular que as pessoas não conseguem entender.

104


− Nós compartilhamos os mesmos pensamentos, às vezes. − Sua voz vacilou. − Ele era mais impulsivo que eu. Por isso começou a ter problemas. Eu fiz uma careta. − O que você quer dizer? Sua boca se esticou e olhou para mim. Ele me estudou em silêncio por alguns momentos, e eu podia sentir sua luta interior. Finalmente, ele falou: − Ele se envolveu com um alpha que era errado para ele. − Droga. − Eu fiz uma careta. Seus punhos estavam cerrados e seus nós dos dedos brancos. − Ele não quis ouvir. Ele não iria deixá-lo. Foi tão frustrante vê-lo apenas dar tudo para Alan e não deixar nada para si mesmo. − De que maneira? − Alan era o tipo de alpha que eu odeio. Arrogante, violento, basicamente tudo tinha que ser feito à sua maneira ou ele o fazia pagar. − Você tentou falar com ele? Ele fez uma careta. − Claro. Alan ficava em seu melhor comportamento quando eu estava por perto, mas, em seguida, quando eu não estava ele se comportava como uma merda. Eu era impotente para ajudar Garrett. E então... − Ele parou e mordeu os lábios inferiores. − Então Garrett ficou... doente... e Alan o negligenciou. − Merda. Eu estou supondo que você tentou ajudar.

105


Ele assentiu. − Mas ele expulsou Garrett e acasalou com outro ômega. Eu não poderia encontrar Garrett. Até o momento que o localizei e levei meu irmão para o... tipo certo de médicos... já era tarde demais. − Ele estava branco como uma folha de papel. Ele tirou os óculos e enxugou os olhos com força. − Desculpa. É por isso que eu odeio falar sobre isso. Eu fico muito emocional. Sua vulnerabilidade fez meu coração doer. Inclinei-me para ele, precisando confortá-lo. Ele virou a cabeça, e seus olhos vermelhos encontraram os meus. − Está bem. Eu gosto de ver o verdadeiro você, − eu disse suavemente. Ele piscou para mim, e sua expressão tornou-se cautelosa. −Você não deve dizer esse tipo de coisa. − Por quê? − Eu só quero trabalhar. Eu não quero falar sobre meu passado. − Ok. Eu vou recuar. Alguma tensão deixou seus ombros. − Obrigado. − Não será fácil, porém. − Eu segurei seu olhar enquanto falei. − Talvez isso soe idiota, mas eu realmente me importo com você. A parte alpha de mim quer cuidar de você. − Não. − Ele franziu a testa. − Estou aqui para cuidar de você.

106


− Eu sei. − Minha voz estava rouca. − Mas eu não posso conter o que sinto. Seu olhar iluminado caiu à minha boca. − Talvez isso tenha sido um erro. Eu levantei minhas mãos. − Não é. Veja, eu estou mantendo minhas mãos para mim. Ele suspirou e balançou a cabeça. − Sim, mas eu posso manter as minhas fora de você? Suas palavras fizeram meu pulso pular mais rápido. − Apenas para o registro, tanto quanto eu estou preocupado, você não precisa. Ele apertou a mandíbula. − Mas eu tenho,Riley. Suspirei com frustração. − Porque eu não estou fora? Ele deu um breve aceno de cabeça. Eu gemi e descansei minha cabeça contra o assento. − Isso é péssimo. − Não é tarde demais para me substituir. Eu poderia ter um substituto aqui até amanhã. − Não, − eu disse rapidamente. Rápido demais para manter meu orgulho intacto. − Quero você aqui. Nós podemos fazer isso. Ele empurrou seus óculos de volta no lugar, escondendo sua expressão novamente. − Vamos apenas concentrar nos negócios.

107


− Certo. Negócio. − Só vou ignorar como sua calça se agarra as suas coxas musculosas e que o perfume de sua colônia me lembra de seu sêmen. − Além de Denver e do Texas, em que outras cidades você realizará shows? Seu tom era profissional e cortês. Não havia nada de muito interessado ou pessoal em sua voz. Nomeei as outras cidades que íamos em turnê, e conversamos sobre coisas superficiais até chegar ao aeroporto. Uma vez no jato particular, Tom chegou, mas ele optou por ficar na parte de trás do avião, onde passou a gritar com pessoas no telefone. Colin e eu sentamos um em frente ao outro mais à frente do jato, onde a aeromoça servia champanhe e lanches. Colin só aceitou água, mas eu tomei dois copos de espumante. Talvez o álcool foi o que tornou difícil de ignorar minha atração por Colin. Era difícil não se fixar na forma em que seus lábios se moviam quando ele falou e na curva de seu pescoço, onde encontrava seu ombro. Tendo dormido juntos, eu sabia os ângulos sensuais de seu corpo sob suas roupas. Agora e depois, quando ele expirava, a memória de seus suspiros de prazer quando eu tinha estado dentro dele vinham correndo de volta para mim. Eu sabia que estar perto de Colin seria tentador. Mas não acho que percebi o quão difícil seria ficar sem tocá-lo ou ser íntimo com ele em tudo. Era óbvio que ele não poderia lidar com qualquer espécie de contato físico. Eu sabia instintivamente que se fizesse qualquer tentativa para pressionar por

108


mais ele iria embora. Sua determinação de permanecer distante estava gravada na linha dura de sua mandíbula. Mas frustrante ou não, o fato é que era ótimo sair com ele e ele era bom no trabalho. Em última análise, era por isso que ele estava aqui. Talvez não conseguisse dormir com ele, mas ele também não ia ficar em seu telefone ignorando-me o tempo todo. Estudei Colin quando ele se sentou batendo com o dedo contra o assento da cadeira. Estava alerta, mas relaxado, seu telefone nada em vista. Eu sabia que Tony teria estado em seu próprio mundo por agora com seus fones de ouvido colocados. Meu instinto se aqueceu apenas por ter Colin comigo novamente. Me senti em paz. Algo sobre ele despertou o interesse do meu alpha, e não havia nada que pudesse fazer sobre isso. Quando bocejei, os lábios de Colin contraíram. − Você deve tirar um cochilo. Eu não tinha um show real até amanhã, mas tinha um ensaio completo, o que implicava na realização do show inteiro para trabalhar fora todas as torções potenciais. − Promete que não vai zombar de mim se eu roncar? − Eu ri. − Prometo. − Eu não preciso me preocupar com qualquer vídeo viral no YouTube comigo babando? − Bem, não de mim. − Ele sorriu.

109


Me aconcheguei no meu lugar. − Talvez eu vá. Temos mais uma hora antes de pousar, e estou cansado. Sua boca se suavizou. − Eu vou prestar atenção no entorno para você. − Sua voz estava rouca e sincera. − Eu sei, − eu disse calmamente. Fechei os olhos e me permiti relaxar e derivar ao largo, com a certeza de que Colin estava ao meu lado.

110


Capítulo 8 Colin Quando pousamos em Denver, foi um turbilhão de atividade alojando todos no hotel. Tom principalmente me ignorou. Se falou comigo, foi curto e não me olhou nos olhos. Eu não tinha certeza por que ele não gostava de mim, mas era óbvio que não gostava. Parecia natural estar com Riley novamente. No segundo que pus os olhos em cima dele e peguei seu cheiro na limusine, todo meu corpo tinha revivido. Adorava estar perto dele, e poderia dizer que era mútuo. Nós tínhamos resistido a um pequeno solavanco no início, mas agora sentia como se Riley tivesse entendido que tínhamos que manter as coisas no nível profissional ou eu teria que partir. Tom verificou todo o grupo, e eu subi com Riley para seu quarto. Nós tínhamos suítes coligadas, e ele abriu a porta ao lado. Eu tinha menos privacidade com a porta aberta, mas gostava de ser capaz de vê-lo em todos os momentos. Sabia que não poderíamos ser amantes, mas isso não me impedia de desfrutar olhá-lo em todas as chances que tivesse. Riley tomou banho depois que arrumei as coisas, e tive a certeza de me manter ocupado no meu quarto enquanto ele vagou em torno de sua suíte em nada além de uma toalha pendurada em seus quadris estreitos. Meu desejo

111


estava sempre presente, mas era capaz de mantê-lo em cheque se focasse em outras coisas. Fui para o meu banheiro para vestir roupas mais casuais para quando fossemos para seu ensaio. Quando saí do banheiro, Riley entrou no meu quarto vestindo jeans skinny, a parte superior de uma regata laranja e botas. − Tom ligou. Ele disse que devemos encontrá-lo no lobby em dez. − Ele correu seu olhar escuro pela minha roupa. − Você tirou seu terno. − Não quero me destacar muito. − Escorreguei meus óculos de sol. Ele lambeu os lábios. − Essa calça fazem sua bunda agradável. − Riley. − Minha voz tinha um aviso. Ele riu. − Eu não posso dar-lhe um elogio? Eu não tinha certeza de como responder. Não foi sua culpa que meu pau se aqueceu no segundo que seu olhar posou em mim. − Quão longe é o local? − Não muito. − Ele suspirou e voltou para seu próprio quarto. Eu queria segui-lo e colocar meus braços em torno dele. Queria empurrar meu rosto em seu cabelo macio, loiro e inalar seu perfume delicioso. Queria empurrá-lo para a cama e deixá-lo me foder tão duro e por tanto tempo quanto quisesse. Mas em vez disso, fiquei no meu quarto e tentei conter minha excitação.

112


Quando chegou a hora, descemos no elevador para atender Tom. Reconheci uma menina loura nova ao lado dele. Riley a abraçou, e ela sorriu timidamente para mim. − Eu me lembro de você. − Ela me surpreendeu quando me abraçou também. − Oi. − Arrumei meus óculos de sol, consciente de que meu rosto estava quente. − Eu sou Amanda. Nós nos conhecemos na noite em que Frank enlouqueceu. − Sua risada era cadenciada, e ela tocou o braço de Riley. Ele colocou o braço em volta dos ombros dela. − Amanda sempre viaja com a gente vendendo camisetas e chapéus. Eu não sei o que faria sem você. − Ele beijou o topo de sua cabeça. – Você é a rainha da mercadoria. Suas bochechas estavam rosa brilhante. − É o mínimo que posso fazer por todo o prazer que sua música me dá. Riley fez uma careta, mas não respondeu. − Vamos! Vamos. Precisamos chegar à sala de concertos. – O grunhido de Tom interrompeu a reunião morna e distorcida. Todos nós saímos do hotel e entramos na limusine. Tom estava em seu telefone como de costume, e Amanda e Riley conversavam amigavelmente, enquanto eu estava sentado em silêncio. Amanda tocou Riley, muito. Eu sabia que não era da minha conta o que havia entre eles, mas não podia conter a

113


dúvida de que talvez eles tivessem dormido juntos. Amanda parecia jovem, mas legal. Meu palpite era que ela não era muito mais velha do que dezenove anos. Riley era um tipo de pessoa afetuosa, por isso era difícil dizer se seus verdadeiros sentimentos estavam voltados para Amanda. Será que ele realmente iria tão longe ao ponto de dormir com meninas para manter seu segredo seguro? Eu sabia que algumas pessoas fizeram coisas assim, e não conhecia Riley bem o suficiente para decidir se ele era aquele tipo de pessoa. O local era grande, e comportava mais de vinte mil pessoas. Dois guardas de segurança nos escoltaram dentro do prédio, fechando a porta atrás de nós. Tom abriu o caminho para a área do palco principal. Ele tinha estado aqui mais cedo para verificar se os conjuntos tinham chegado e se todo o equipamento de som foi entregue à tripulação. Eu estava nos bastidores entre grandes cortinas de pano preto e observei Riley sair e cumprimentar os outros músicos. Ele disse que nem sempre fazia shows com os mesmos caras. Mas notei quando ele cumprimentou o baixista, eles se abraçaram e parecia mais íntimos um com o outro do que os outros músicos. Eu estava um pouco embaraçado quando o ciúme arrepiou minha espinha. Eu não gostei da forma como o cara tocou Riley, com as mãos demorando mais tempo que esperado no quadril dele. Enfiei meus sentimentos para baixo, palestrando baixinho para mim mesmo que trabalhava para Riley e nada mais.

114


Após uma hora de testar microfones e fazendo funcionar os leads, Riley começou sua primeira canção. Reconheci do concerto ao qual Blade tinha me levado. Gostei e bati meu pé junto com a música enquanto Riley passava de uma música para a outra. Os cantores dançaram no fundo, e Riley correu ao redor do palco, prestando muita atenção à área da frente, onde amanhã à noite todos os VIPs estariam sentados. Era divertido vê-lo falar com a seção vazia como se as pessoas estavam realmente sentadas lá. Imaginei que cada momento do concerto precisava ser coreografado. Foi legal ver Riley em seu elemento. Seu alpha definitivamente se soltava quando se apresentava. Ele possuía o palco, e era impossível tirar os olhos dele enquanto trabalhava na área. Moveu-se ao redor e cantou por duas horas, seu corpo coberto de suor e seus músculos brilhando nas luzes coloridas em constante mudança. No momento em que terminou, eu estava ligado e lutando para escondê-lo. Meu pau estava pressionado em meu zíper dolorosamente, e estava grato que ainda tinha meus óculos de sol para esconder a minha expressão. Ele bateu os punhos com os outros músicos e dirigiu-se para mim com um sorriso. Parecia exausto, mas feliz. − Porra eu amo o som neste palco. − Ele passou por mim e peguei seu aroma picante misturado com suor. Assumi o controle para não estender a mão e tocá-lo. Queria sentir sua pele úmida, aquecida contra minha mão, mas me contive. Comecei a segui-lo,

115


mas o baixista me cortou, correndo atrás de Riley e ficando entre nós. Afastei minha irritação e os segui para a sala privada fora do palco principal, onde todos os músicos se refrescavam antes e depois da performance. O baixista colocou o braço em torno de Riley. − Você estava no fogo hoje à noite. − Ele tinha um sotaque britânico leve. − Vamos esperar que seja tão bom amanhã, que é quando realmente conta, − disse Riley com uma risada. − Bebê, você não poderia estragar uma performance mesmo se tentasse. − O baixista sussurrou no ouvido de Riley que olhou ao redor nervosamente. Ele empurrou o cara longe, mas ainda sorriu. − As paredes têm olhos e ouvidos, Júlio. Júlio franziu a testa. − Desculpe. Eu sempre esqueço suas regrinhas. Riley fez uma careta e percebeu meu olhar vazio. Eu sabia que ele não conseguia ler minhas emoções com meus óculos, e isso foi uma coisa boa. Estava lutando com a intimidade óbvia entre Júlio e ele. Júlio era um alpha, e não parecia ter um comportamento distante do coração de Riley. Na verdadeira forma alpha, ele se aproximou de Riley, empurrando por mais do que ele queria. − Eu tenho saudade de você. Estive em turnê com uma banda de metal, e tive uma dor de cabeça permanente nos últimos três meses.

116


Riley riu. − Você está ficando velho, homem. Em seguida, gritará com as crianças para sair de seu gramado. − Não. Mas é bom tocar com você novamente. Vai ser uma mudança refrescante tocar para o público que pode realmente ouvir o que estou fazendo. −Você estava definitivamente na zona. Júlio sorriu. − Obrigado, cara. − Ele olhou em volta e, em seguida, perguntou suavemente: − Tem alguma coisa acontecendo hoje à noite? Riley hesitou. − Na verdade não. Você deve vir ao meu quarto esta noite. Nós podemos sair. − Foda, sim. − Júlio sorriu. Eu não estava preparado para a onda de ciúmes que seu convite para o cara enviou através de mim. Eu não tinha que ficar ciumento sobre quem ele trouxe para seu quarto. Estava bem consciente de que não era de todo incomum para os artistas convidar as pessoas aos seus quartos. Inferno, foi assim que se ligou com Riley. Mas sabendo disso, logicamente, e testemunhando em primeira mão, era muito diferente. Eu realmente não tinha pensado sobre o quão difícil poderia ser manter minhas emoções fora das coisas. − Apenas para bebidas − Riley disse suavemente. − Nada mais.

117


Júlio empurrado para fora o lábio inferior em um beicinho. − Awww. Mesmo? Riley assentiu e eu peguei seu olhar sub-reptício para mim. − Estou cansado da viagem. − Ah com certeza. Eu entendo. − Júlio assentiu. Riley pigarreou. − Você está vindo para o Texas com a gente também? Júlio sacudiu a cabeça. −Eu pensei que iria, mas Tom me disse que tinha contratado um baixista diferente para as próximas cidades. Riley fez uma careta. − Por quê? Você sabe todos os sets. Por que diabos é preciso contratar outro baixista? − Por que diabos faz Tom fazer alguma coisa? − Júlio deu de ombros. − Talvez fale com ele. Isso é treta. Isso só faz mais trabalho para mim e para os outros caras. − Deixe-me saber o que ele diz. Tenho outro emprego possivelmente alinhado. Se você me quiser para o trabalho, eu preciso saber o mais rápido possível. Riley esticou a cabeça como se à procura de Tom. − Eu vou falar com ele no caminho de volta ao hotel. Estou na suíte presidencial. Me encontre em cerca de uma hora. − É isso aí. − Júlio bateu na bunda de Riley e sorriu.

118


Ele parecia irritado, mas não disse nada. Esperei com paciência Riley falar com todas as pessoas que precisava para tocar na base. Eu estava distraído com pensamentos de como lidar com a relação de Riley com Júlio. Percebi que poderia apenas ir para a cama e deixar os dois saírem sozinhos. Mas uma parte de mim não queria deixá-los sozinhos. Será que eles dormiriam juntos se eu resolvesse deixá-los a sós? Obviamente Júlio não se ressentiu de Riley escondendo sua sexualidade. Ele parecia muito disposto a pular na cama com ele. Não é da minha conta. Riley pode dormir com quem quiser. Quando chegamos à limusine, ele estava estranhamente quieto. Brincou em seu telefone, e nos sentamos em silêncio à espera de Tom. Eu queria perguntar sobre Júlio, mas sabia que não era da minha conta. Também me senti um pouco estúpido por não ter percebido que esse tipo de coisa viria para cima. Riley era um alpha afinal de contas, e a ideia de que ele não foderia ninguém pelas próximas oito semanas tinha sido ingênuo de minha parte. Especialmente considerando que eu tinha deixado claro que não dormiria com ele. Tom finalmente chegou, e era a sua bola habitual de energia. − Amanda está ficando para trás para configurar as camisetas e mercadorias. − Ele fechou a porta com firmeza e sinalizou o motorista que estava pronto para ir. − Cara, isso é um grande palco. Acho que vai ser um dos seus melhores shows. − Sim, é um lugar legal, − Riley disse suavemente.

119


− Estamos completamente esgotados, e o jornal local está enviando um repórter amanhã para fazer uma reportagem sobre você. − Isso é ótimo. Tom bateu os dedos furiosamente em seu telefone. − Quando chegarmos ao hotel, você deve pedir serviço de quarto e, em seguida, ir para a cama cedo. Precisa estar no seu melhor, porque amanhã vai ser um dia longo. Riley pigarreou. − Convidei Júlio para ir até a minha suíte. Tom fez uma careta e levantou o olhar do celular. − Por quê? − Para sair. Por que mais? − Riley, você pode sair com ele amanhã depois de ter o primeiro concerto nesta cidade sob o seu cinto. − Qual é a diferença? − Você precisa descansar. − Vai ficar tudo bem. Você se preocupa demais. − Riley afundou em seu assento. − Isso é porque há muita coisa com que se preocupar. − Tom suspirou. Riley resmungou. − Ei, Júlio diz que você tem algum outro baixista que tocará com a gente no Texas. − Sim. E? − Por quê? Júlio conhece os conjuntos como a palma da sua mão.

120


− Júlio foi reservado. − Tom parecia distraído. Riley deu uma risada dura. − Isso não é o que ele disse. Tom exalou como se irritado. − Júlio fuma muita maconha. Eu não vou ouvi qualquer coisa que ele tem a dizer. Riley franziu o rosto. − Se ele estiver disponível, eu prefiro ter Júlio. − Eu aposto que você faria, − Tom murmurou. − O que isso significa? − Isso significa que eu sei que você fodeu o cara. Meu estômago se apertou em sua declaração contundente, mas eu mantive meu rosto em branco. Não era da minha conta com quem Riley dormia, passado ou presente. Riley inalou bruscamente. − Isso foi há um tempo, e você sabe disso. Tom continuou resmungando como se não tivesse ouvido Riley. − Aparentemente, essa é a sua coisa agora, se cercar com todos os caras que já fodeu. − Ele me lançou um olhar mal-humorado. Eu me mexi desconfortavelmente, mas não disse nada. Estava aqui para manter Riley seguro, não me envolver em disputas mesquinhas com Tom. As bochechas de Riley eram rosa. − Você parece excepcionalmente interessado em minha vida sexual recentemente. − Isso é porque você não está sendo mais discreto.

121


− Como chegamos a conversa de “eu quero Júlio tocando com a gente no Texas para com quem eu quero foder”? Estou confuso. − Mantenha essa merda e você vai ser tirado do armário, garoto − Tom rosnou. − Jesus, eu quero Júlio tocando com a gente, porque ele sabe todas as músicas e isso torna mais fácil para mim. Mas mesmo se eu quisesse Júlio de volta para que pudesse transar com ele, isso não é da sua conta. − Você é meu negócio, − Tom estalou, inclinando-se para Riley, sua linguagem corporal agressiva. − Cada pequena coisa que você faz me afeta. Eu fiquei tenso porque a energia de Tom era muito combativa, e estendi minha mão. − Que tal você recuar um pouco? − Foda-se, − Tom estalou. Respirei de forma calmante. − Tom, vamos lá. Você precisa se acalmar e só falar. Tom franziu os lábios. − Eu teria pensado que você estaria do meu lado. Eu enruguei minha testa. − Volte novamente? − Por que você quereria outro pedaço de rabo pendurado em torno dele? Não vai contra seu estilo? Meu rosto aqueceu, mas mantive minhas características imóveis. − Eu trabalho para Riley. Nosso relacionamento é puramente de negócios. Tom gargalhou rudemente. − Vamos ver quanto tempo isso dura.

122


Riley fez um som impaciente. − Tom, você está fora de linha. Tom estreitou os olhos. − Tanto faz. Estou cansado de me preocupar com isso. Se não dá a mínima para que as pessoas saibam que vocêé gay, por que diabos vou me preocupar? − Você está exagerando e saltando para todas as conclusões erradas, − Riley estalou. − Tudo o que eu disse foi que queria Júlio na turnê, porque ele sabe a música. Tom caiu em seu assento, o rosto sombrio com irritação. − Bem. Vou deixar o outro baixista ir, e você diz a Júlio que ele fica. Talvez você deva apenas reservar todos os músicos a partir de agora. Riley cruzou os braços. − Jesus, vocêé uma pílula recentemente. − Isso é porque você não tem ideia o quão duro eu trabalho para orquestrar todo esse monstro de uma turnê. O que não preciso é você indo em torno de demitir e contratar pessoas constantemente. Primeiro, é Tony, agora é Júlio. Deixe-me fazer a porra do meu trabalho, não é? Riley apertou os lábios. − Por todos os meios, faça seu trabalho do caralho. E pare de se intrometer na minha vida sexual. A tensão no carro foi limítrofe e insuportável. − Nenhum de vocês realmente ouve o outro, − eu disse calmamente. Tom me deu um olhar mal-humorado, mas não disse nada, e Riley cruzou os braços e olhou para fora da janela.

123


Um silêncio pesado caiu. A hostilidade que tinham um para o outro não ia levar a nada de positivo. Eles precisavam conversar sobre isso, e tão desconfortável quanto eu sabia que seria, era essencial. Suspirei e desloquei para Riley. − Tenho certeza que não é nenhum piquenique organizar esta excursão. Posso ver que Tom fica irritado porque quando ele finalmente consegue agendar algo, você quer mudá-lo, Riley. Riley fez uma careta. − Você está do lado dele? Eu fiz uma careta. − Eu não estou do lado de ninguém. − Poderia ter me enganado, − Riley zombou. − Eu estou simplesmente dizendo que uma turnê de dez semanas não é fácil de administrar. Tom tem que pensar cinquenta passos à frente. Se você alterar o material sobre ele, isso afeta todas as suas outras decisões. − Sim? Bem, você não estaria aqui se eu não me metesse em algumas de suas decisões − Riley resmungou. − Eu sei. E eu estou feliz por estar aqui. Mas isso não significa que não posso ainda ver as coisas claramente. Riley resmungou. Eu devolvi o olhar frio de Tom. − Mas Riley tem um ponto também. − Oh, realmente? − Tom sorriu.

124


− Sim, realmente. Riley não é um robô. Talvez você deva programar junto a ele as coisas finais. É sua turnê. Eu posso ver porque ele sente que deveria ter uma palavra a dizer. − Eu sou o especialista. − Certo. Mas ele não é um idiota. Tomemos, por exemplo, o seu desejo de ter Júlio na turnê. Isso é baseado em sua experiência tocando. Ele sabe o que faz para um bom desempenho, e você deve confiar em seu conhecimento sobre isso. Tom revirou os olhos, mas um pouco da raiva parecia deixar seu rosto. Houve outro longo silêncio constrangedor. − Esta animosidade é contraproducente, − eu murmurei, frustração me comendo. − Vocês dois estão no mesmo time. Não são inimigos. Estão compartilhando esta experiência incrível juntos. Devem apreciá-la e confiar mais uns nos outros. Talvez pensar primeiro em porque você dois tornaramse amigos. Algum de vocês sequer lembra que diabos era o sonho mesmo? − Claro que sim, − Tom resmungou, parecendo um pouco envergonhado. − Eu me lembro − Riley disse calmamente. − Vocês dois estão deixando o stress disso tudo em um pedágio. Grandes coisas estão acontecendo, e nenhum de vocês parece reconhecer isso.

125


Se a vida me ensinou alguma coisa, é que tem que apreciar os pequenos momentos. O olhar astuto de Riley fixou em mim, e ele balançou a cabeça lentamente. Hesitou, e então enfrentou Tom. − Olha, eu sei que você rala sua bunda por mim, Tom, e eu aprecio isso. Tom olhou para Riley. − Estou fazendo o meu melhor. Talvez não seja perfeito, mas tenho um monte de bolas no ar em todos os momentos. − Eu sei. − Riley deu de ombros. − Só estou cansado e mal-humorado. Júlio faria minha vida mais fácil, então me senti frustrado que ele não ia estar no Texas. Quanto menos eu tenho que pensar sobre a parte técnica do desempenho, mais eu posso focar no público. Tom resmungou. − Então vamos usar Júlio. Eu realmente não me importo muito. − Se você não se importa, sim. Eu prefiro ter Júlio. − Feito − disse Tom. Fiquei espantado que eles parecessem estar realmente falando em vez de gritando, e não ousei dizer nada no caso de arruinar o momento. Não tinha ilusões que eles não discutiriam novamente no futuro. Ambos estavam sob muita pressão. Mas, por agora, a tensão no carro tinha ido embora e eles não pareciam como se odiassem um ao outro.

126


Olhando para cima, encontrei o olhar divertido de Riley. − Guardacostas e psicólogo tudo em um. Como chegamos a ter tanta sorte? Meu rosto aqueceu. − Cale-se. Riley riu. Ele endireitou-se e, pela primeira vez desde que o conheci, Tom me deu um sorriso real. Então balançou a cabeça, pegou o telefone e voltou a me ignorar.

127


Capítulo 9 Riley Acho que eu deveria ter sabido que Júlio não manteria suas mãos para si mesmo. No segundo que estava no meu quarto ele estava tentando me beijar, tirar a camisa e deitar na minha cama com um sorriso lascivo. − Eu disse que nós estamos apenas tendo uma bebida. − Revirei os olhos e sentei em uma cadeira em frente à cama. − Você não é divertido. − Júlio franziu a testa. − Onde está meu amigo que gostava de ficar bêbado e fodendo atéas quatro da manhã? − Você me pegou em um monte de problemas nos velhos tempos. − Sorri para suavizar minhas palavras. Ele balançou as sobrancelhas. − Tivemos uma explosão embora. − Sim nós fizemos. Tom não gosta que você esteja aqui. − Tom pode se foder. − Júlio fez uma careta. Olhei quando Colin entrou na sala. Ele encheu meu balde de gelo, e colocou sobre a cômoda perto de mim. Começou a sair da sala, e eu o chamei. − Colin, não vá. Ele nos enfrentou, mas sua mandíbula estava tensa. − Preciso fazer uma chamada.

128


− Mentiroso. − Eu bufei. Ele se mexeu, inquieto. − Eu não estou mentindo. − Sim, venha até aqui. Me conte tudo sobre guardar o corpo de Riley. − Júlio sorriu e bateu seus quadris para cima e para baixo sugestivamente. Colin deu um sorriso duro. − Talvez outra hora. − Sente. Tome uma cerveja. − Fiz um gesto em direção ao bar. − Não bebo enquanto estou trabalhando. − Ele parecia irritado. Eu fiz uma careta. − Uma bebida não incapacitará você. − Eu não estou aqui para beber com você. − Eu estou − disse Júlio com uma risadinha, rolando para fora da cama e indo ao minibar. Eu estava um pouco desconfortável com a forma como Júlio estava agindo. Tivemos muita diversão juntos no passado, mas senti como se tivesse amadurecido após, enquanto ele permaneceu o mesmo. Júlio ilustrou meu ponto quando pegou uma cerveja, fez um buraco no fundo com uma caneta, e depois a virou, engolindo a bebida rapidamente. Colin nem se incomodou em esconder sua desaprovação de Júlio, o que me surpreendeu. Ele franziu os lábios, sacudiu a cabeça e entrou em seu quarto, fechando a meio caminho a porta adjacente. Seu comportamento arrogante me incomodou um pouco, mas me concentrei em Júlio, em vez de me fixar em meu guarda-costas tenso.

129


Júlio bebeu mais algumas cervejas, e eu fiquei só com a que tinha. Quando ele mudou para o material duro, me juntei a ele e tomei algumas doses de tequila. Cometi o erro de sentar na cama em um ponto, e Júlio subiu em cima de mim, tentando colocar as mãos nas minhas calças. − Cara, não. − Eu ri, empurrando-o para fora. Ele fez beicinho e deslizou seu dedo do meu peito à minha fivela do cinto. − Vamos. Estou com tesão. Eu bufei. − Não é problema meu. − Meu olhar se desviou para a porta entreaberta. Só podia imaginar o que Colin pensou que estávamos fazendo aqui. Eu sabia que uma das razões que não estava interessado em Júlio sexualmente era porque não conseguia parar de pensar em Colin. Ele era o que eu queria agora e ninguém mais. Júlio me notou olhando para a porta. − Você e ele tem algo acontecendo? Meu rosto aqueceu, mas eu tentei não mostrar qualquer emoção. − O que? Não. Ele é apenas meu segurança, isso é tudo. O olhar escuro de Júlio estreitou. − Eu tenho um sentimento definitivo que ele não gosta de mim. − Ele só está muito focado em seu trabalho. Júlio sorriu. − Ele é bonito embora. Eu não me importaria de fodê-lo. Seu comentário me incomodou. − Shhh. Ele vai ouvi-lo.

130


− Então? − Ele colocou a mão na boca e gritou. − Oh, Colin, venha aqui por favor. Eu adoraria te foder na bunda. Fiz uma careta e pulei da cama. − Ei, pare com isso. Júlio pareceu surpreso com a minha reação. − Eu estou apenas brincando. − Não é engraçado. − Por quê? Eu não tinha uma resposta real. − É tarde e ele provavelmente está tentando dormir. Júlio sorriu e lentamente abriu o zíper de sua calça. − Chupe-me e eu vou ficar quieto. Revirei os olhos. − Você está perdido. − Sim. − Ele riu. − Eu estou. Era difícil ficar bravo com Júlio, ele era como um filhote de cachorro grande. − Feche sua calça e pegue outra bebida, seu lunático. − Não importa se eu fizer. − Ele fechou o zíper e se serviu de uma minigarrafa de tequila. − Eu conversei com Tom para mantê-lo na turnê. − Legal − Ele assentiu. − Isso significa que muitas mais noites de diversão nos esperam.

131


Eu ri. − Você nunca vai mais devagar? − Por que iria? − Ele arqueou uma sobrancelha e sentou-se no sofá. − Não tenho ninguém aguardando em casa esperando que eu seja responsável. Eu posso fazer o que quiser e com quiser. − O que aconteceu com Casey? Ele fez uma careta. − Ele me largou. Disse que cansou que nunca estou na mesma cidade que ele. − Sua boca se virou para baixo nos cantos. − Muito ruim também, porque eu realmente gostava dele. − Sim, é difícil imaginar o tipo de pessoa que poderia lidar com este tipo de vida na estrada. Eu sei que agora tudo em que deveria me concentrar é na minha carreira, mas às vezes me preocupo que nunca poderia encontrar alguém. Ele bufou. − Bem, duh, acasalar. Especialmente se você está no armário. Como isso funciona? Meu rosto aqueceu. − Talvez seja a hora de eu parar de esconder quem eu sou. − Eu lhe disse isso há um ano. Não vai importa para seus fãs reais. Eles te amam. Quero dizer, com certeza, haverá alguns homofóbicos na mistura. Mas a maioria de suas espreitadelas vai ficar com você. − Tom é tão teimoso sobre isso.

132


− Eu acho que sua cabeça está no rabo. − Júlio inclinou a garrafa e, em seguida, colocou o frasco o vazio sobre a mesa lateral. − Sua carreira deve ser sobre sua música, não quem você fode. − Sim. − Eu assenti. Era bom conversar com alguém que entendeu. − Está se tornando cada vez mais difícil de esconder. − Ooh. Quão difícil? − Ele balançou as sobrancelhas. − Deus. Você literalmente pensar em sexo o tempo todo. Ele suspirou e correu seu olhar sobre o meu corpo. − Eu não tive uma boa transa em tempos. Sempre tivemos um bom tempo alegre, não é? − Sim. − Eu segurei seu olhar. Colin estava apenas do outro lado da parede, e a porta ainda estava entreaberta. Não havia nenhuma maneira que eu foderia Júlio onde Colin poderia simplesmente entrar e nos ver. E o mais chocante de tudo, eu não queria ter relações sexuais com Júlio. Seu olhar deslizou para a porta de ligação. − Você pode negar o quanto quiser, mas eu posso dizer que você tem tesão por esse cara. Meu rosto estava aquecido. − Pare. − Não posso culpá-lo. Ele é sexy. Quanto mais tenso ele parece, mais eu só quero estragar o seu cabelo e obtê-lo todo suado e perturbado. A memória de Colin e eu juntos na cama filtrou em meu cérebro, enviando um impulso vigoroso através de mim da cabeça aos pés. Eu queria

133


dizer a Júlio para calar, mas sabia que iria apenas fazê-lo pensar ainda mais que gostava Colin. − Você acha que ele é hetero? − Júlio lambeu os lábios. − Eu aposto que seu traseiro está apertado como o inferno. Seria como um vício na porra do meu pau. Mordi o lábio, rezando para que Colin não conseguisse ouvir o que Júlio estava dizendo. Júlio suspirou. − Talvez pudéssemos ter um ménage à trois. − Ele sorriu. − Eu tenho algumas algemas na minha mala. Revirei os olhos e fiz uma careta. Ele estava falando tão alto que eu tinha certeza que se Colin estivesse acordado o ouviria. − Porra. Agora estou muito excitado som em pensar foder o seu guardacostas tenso. Eu não aguentava mais. − Vamos, Júlio. Pare. − Minha voz era dura. − Eu não acho que seja apropriado falar sobre ele assim. Ele está aqui para fazer o seu trabalho, e eu odiaria que se sentisse desrespeitado. Júlio ergueu as sobrancelhas em surpresa, e depois um olhar compreensivo surgiu em seu rosto. − Certo. O que vocêdisser, chefe. Evitei seu olhar. − Está ficando tarde. Nós provavelmente deveríamos ir dormir.

134


Ele se levantou e esticou, seu olhar escuro preso em mim. − Desculpe se o ofendi. − Eu não estou ofendido. − Andei com ele até a porta. Ele abriu e fez uma pausa. − É bom trabalhar com você novamente. Mesmo que não o foda. Eu ri. − Eu não diria nunca. Estou cansado hoje à noite. − Certo. − Ele sorriu e acariciou minha bochecha. − Eu sei quando fui substituído. Meu rosto aqueceu. − Você entendeu errado. − Besteira, bebê. Mas isso é legal. Você quer estar em negação, vá para ele. − Ele suspirou e fechou a porta. Inclinei minhas costas contra ela e fechei os olhos. Foi frustrante que o tempo todo que Júlio tinha flertado comigo, tudo em que tinha sido capaz de pensar era em Colin. Eu só queria que Colin entrasse na sala para que pudesse vê-lo e inalar o cheiro dele. Entrei no quarto e olhei para a porta que estava entreaberta. Houve o som de um vaso sanitário, e Colin saiu de seu banheiro. Ele reparou em mim na porta, e parou. Estava vestindo apenas cueca preta, e eu não poderia deixar de digitalizar seu peito musculoso e firmes abdominais. − Júlio já saiu − eu disse rapidamente para me distrair de comê-lo com os olhos.

135


Ele balançou a cabeça e olhou sem saber o que fazer a seguir. − Você vai para a cama? − Sua voz era suave. − Sim. − Meu pau endureceu da visão dele, e eu tinha vergonha que ele pudesse observar. Esperava que ele fechasse a porta ou simplesmente fosse embora, mas ele não o fez. Se aproximou, e abriu mais a porta. Ele cheirava a xampu de coco, e meu estômago ficou tenso com a excitação. − Desculpe se falamos muito alto. Ele encolheu os ombros. − Foi bom. Eu não conseguia dormir de qualquer maneira. − Por quê? − Só não podia. − Sua voz era plana. Dei um passo em direção a ele, querendo estar mais perto. Seu rosto ficou tenso, mas ele não se afastou. − Júlio é um pouco áspero em torno das bordas, − eu disse suavemente. Ele lambeu os lábios. − Talvez você goste áspero. Minhas narinas queimaram quando todos os tipos de pensamentos sexuais me agrediram. − Vem no meu quarto. Luxúria vibrou através de seu olhar, mas ele deu um empurrão afiado de sua cabeça. − Não. − Eu sei que você me quer também.

136


− E daí? − Então se entregue. Eu quero você na minha cama novamente. Ele estreitou os olhos. − Passou somente um dia e você já não está respeitando os limites. Eu me mexi inquieto, meu pau dolorosamente se contraiu na minha calça jeans. − Por que vocêé tão teimoso? Ele apertou a mandíbula. − Você quer um guarda-costas ou uma prostituta? Meu rosto corou com calor. Ele se inclinou, seus olhos azul-claro e brilhante. − Você sabe onde eu estou nessa. Se for muito difícil para você, estou fora. − Bem desse jeito? − Infelizmente, sim. Suspirei. – Você é um cara difícil de chegar perto. − Você não está tentando me conhecer. Você quer sexo. −Ele zombou. − Eu ouvi seu amigo e toda a merda que ele disse sobre mim. Eu fiz uma careta. − Desculpa. Eu disse-lhe para calar. − Sim. Eventualmente. − Isso não tem nada a ver com a gente.

137


− Tipo que faz. Vocês músicos fodem bastante por aí. É óbvio pela forma como você fala de sexo como ele como se falasse em beber uma Coca-Cola. Eu não sou assim. Não quero ser assim. − Eu admito que Júlio estava fora da linha. Mas eu não fiz nada. Ele olhou para mim como se eu fosse louco. −Você está dando em cima de mim. Dando de ombros, eu disse, − Eu tive algumas bebidas. Ele riu rispidamente. − Esse é o meu ponto, Riley. Alfas ficam bêbados e só querem foder. É quase um insulto. Eu não acho que você realmente se importa com quem vai para a cama. − Isso não é verdade. Eu realmente gosto de você, Colin. − Eu estava um pouco envergonhado que tinha admitido isso tão livremente. Mas odiava que ele tinha uma opinião tão horrível de mim. Eu não era o alpha idiota que ele retratou. Seu olhar se suavizou ligeiramente. − Eu também gosto de você, ou eu não estaria aqui. − Mas você quer que mantenha minhas mãos para mim. − Eu suspirei. − É o melhor. Estudei-o, lutando com o que queria transmitir. − Eu não estragaria as coisas entre nós. Eu quero que você saiba disso. − Não importa.

138


− Não, você está errado. Isto é importante. É importante para mim o que você pensa. Eu não era sempre cuidadoso. Eu bebia muito, e fodia. Mas não tenho sido assim por um longo tempo. Não quero que você pense que eu sou assim. Ele segurou o meu olhar. − Talvez seja mais fácil para eu ignorá-lo se eu pensar em você desse jeito. − Isso não é justo. Ele sorriu. − Eu sei. Mas é eficaz. Eu balancei minha cabeça. – Você é um sujeito obstinado. − Caminhei para minha cama. − Acho que é lisonjeiro que sou tão irresistível que você tem que pensar em merda para manter suas mãos longe de mim. Ele riu. Eu joguei as cobertas na minha cama. − Você pode ter ganhado esta batalha, mas ainda não ganhou a guerra. Suspirando, ele disse: − Disso eu tenho pouca dúvida.

139


Capítulo 10 Colin Eu vi a nota que tinha sido deslizada sob a porta do quarto de Riley primeiro. Ele estava tomando banho, e só aconteceu de ouvir o som estridente de papel esfregando contra o tapete. Eu achava que era, possivelmente, uma nota com regras para o quarto, então eu não tive pressa para pegá-la. Quando finalmente peguei, achei que era um pedaço de papel de caderno. Abri a porta, mas não havia ninguém no corredor. O chuveiro parou, e me voltei a meu quarto para verificar sobre a nota em privado. Quando a desdobrei, as palavras rabiscadas estavam escritas com marcador preto. Por que você não me ama de volta? Eu fiz uma careta. Não havia nada particularmente ameaçador sobre a mensagem. Mas isso me fez desconfortável que quem quer que fosse sabia o número do quarto de Riley. Nós ainda tínhamos mais quatro dias em Denver, e a nota me deixou desconfortável o suficiente para que decidisse que ia perguntar a Tom se o hotel poderia mover Riley para outra suíte. Não havia nenhuma maneira de fazer isso sem ele perceber, mas não queria que soubesse sobre a nota, porque não o queria se sentindo assustado. Mandei uma mensagem para Tom e lhe contei sobre a carta, e nós

140


concordamos que ele diria a Riley que o hotel o tinha mudado porque havia um problema com o quarto em que estava. Riley estava secando o cabelo no banheiro, e então rapidamente fui a sua sala e desliguei a TV e todas as lâmpadas de um lado da sala. Mal escorreguei de volta para meu quarto quando ele saiu do banheiro em uma nuvem de vapor. Coloquei minha cabeça em seu quarto e tão casualmente como pude, eu disse: − Ei, a recepção ligou e disse que há um problema elétrico com esta suíte. Eles estão nos movendo. − Sério? − Ele franziu a testa. Correu os dedos através de seus fios loiros, parecendo distraído. − Tudo parecia bem no banheiro. − Há. Bem, eu tenho certeza que eles não iriam ter todo este problema por nenhuma razão. − Eu mantive minha expressão vazia. − Isso é tão esquisito. Tudo funcionava muito bem antes. − Ele se moveu em direção ao controle remoto da TV e tentou ligá-la. Quando não conseguiu deu um passo em direção ao armário que abrigava a TV como se estivesse indo verificar o plugue. Me aproximei dele e tentei distraí-lo. − Ei, a que precisamos chegar à sala de concertos hoje? Ele encontrou meu olhar e parou o que estava fazendo. − Quatro para uma passagem de som.

141


Ele usava apenas uma calça jeans desbotada, e seu peito nu era perturbador. Apesar de os meus muitos discursos sobre ficar profissional, queria tocá-lo. Mas mantive minhas mãos para mim. −Perfeito. Tom vai ter alguns membros da tripulação movendo todas as nossas coisas para o novo quarto, uma vez que sairmos. Ele se encaminhou para o armário novamente. − Então você tem que ensaiar hoje? Ele parou de novo e me encarou. − Não. Eu vou salvar a minha voz. Sinto-me confiante após o ensaio de ontem. − Entendi. − Coloquei minhas mãos em meus quadris. − Devemos sair para uma caminhada. Há um parque do outro lado da rua. Pode ser bom para obter algum ar fresco e limpar a cabeça. Um pequeno sorriso tocou seus lábios, e ele se aproximou. − O que está acontecendo com você? Eu ri desconfortavelmente. − O que você quer dizer? − Meu estômago se apertou quando ele tocou no meu braço. − Você está extraordinariamente falador. − Seus olhos mostravam um brilho divertido. Ele estava tão perto, o desejo de inclinar e beijá-lo era quase muito difícil de ignorar. − Só pensei que você pode querer um pouco de exercício.

142


Ele lambeu os lábios, e eu podia sentir o cheiro de sua excitação. Tinha pouca dúvida de que ele podia sentir a minha também. Não havia nenhuma maneira de evitar esses sentimentos quando estávamos em tal proximidade. − Eu tenho um tipo de fome − disse ele suavemente. Limpei a garganta e me distanciei. − Vamos tomar um café da manhã e, em seguida, ir para uma caminhada. − Ou poderíamos pedir serviço de quarto e queimar algumas calorias dentro de casa. − Riley, você sabe que não pode acontecer. − Eu odiava a inclinação decepcionada de sua boca quando falei. Sabia que manter minha distância dele era importante, mas não significa que não estava frustrado. Ele suspirou com impaciência. − Bem. Eu tinha conseguido distraí-lo com sucesso de verificar o plugue da TV, mas agora também tinha que fingir que não tinha uma ereção dolorosa. Voltei para meu quarto, arrastando meu cérebro drogado de excitação de volta para o problema na mão. Tinha grandes esperanças de que a mudança de suítes iria resolver a questão do admirador que conhecia o quarto de Riley. Comemos no térreo no hotel, e Tom e alguns outros se juntaram a nós. Fomos interrompidos várias vezes por pessoas chegando e pedindo autógrafo de Riley. Ele foi super gentil, e se ele se ressentia das interrupções, não mostrava isso a eles. Eu tinha trabalhado com todos os tipos de celebridades, e Riley foi de longe um dos mais acessíveis.

143


Em um ponto, puxei Tom de lado enquanto Riley conversou com alguns fãs e nós discutimos a nota. Eu queria ser proativo, mas não alarmista. Fãs fanáticos fizeram coisas tolas como deixar notas apaixonadas o tempo todo. Isso não significava que a pessoa era perigosa. Uma vez que o café da manhã acabou, Riley e eu pegamos a estrada movimentada para o parque. Era um dia claro e lindo, e à distância podíamos ver a neve que cobria o pico do Monte Elbert. Caminhamos ao longo falando sobre música e alguns dos lugares que tinha estado. Riley foi capaz de relaxar, enquanto eu fiquei alerta, me certificando que ninguém veio atrás de nós. Encontramos um banco ao longo do caminho, e nos sentamos e ouvimos as andorinhas acima de nossas cabeças nos ramos. Riley respirou fundo e soltou o ar. − Cara, é bom estar fora. − Tem que obter a sua vitamina D. − Eu empurrei minhas mãos em meus bolsos da calça jeans. Estava frio, mas gostei do estalido nítido no ar. − Eu costumava andar de bicicleta em todos os lugares. − Ele ergueu o rosto para o sol e fechou os olhos. − Agora estou sempre em uma limusine ou em um avião. − Eu vou andar de bicicleta com você. Ele abriu os olhos, parecendo satisfeito. − Impressionante. − Seu sorriso desapareceu. − Mas ainda não é bem o mesmo que apenas ser capaz de subir em minha moto e ir a qualquer lugar a qualquer hora.

144


− Sim. Com a fama vem uma perda de liberdade. − Eu realmente não pensei sobre isso até que comecei ser notado. − Ele encontrou meu olhar curioso. − Você não fez? − Não. Eu queria ser famoso para provar que era bom o suficiente. Que merecia um lugar no mundo. Meus pais meio que me fizeram sentir como se não fosse digno de qualquer respeito. Mas não me ocorreu que a fama significaria que eu não poderia viver nesse mundo da mesma maneira que antes. − Há. − Eu acho que eu era ingênuo. − Você era jovem. − Alguém com vinte e um é realmente muito jovem? Dei de ombros. − Depende, eu acho. −Eu sinto como se tivesse mudado muito nos últimos três anos. Conheci um monte de pessoas falsas, isso é certo. Esta indústria está rastejando com eles. − Diga-me sobre isso. − Eu zombei. − Mas a fama parece legal à distância, e fornece uma série de oportunidades que você pode não ter de outra forma. − Verdade. Eu conheci Mick Jagger uma vez.

145


Eu assobiei. − Legal. − Ele tinha toda uma equipe de segurança. − Você provavelmente vai precisar disso em pouco tempo. − Deus. Eu não quero isso. − Ele fez uma careta. − Estou feliz só com você. − Ahhhh. Isso é tão doce. − Eu sorri. Riley riu. − Eu vou dizer, Mick Jagger foi a mais agradável do que eu imaginava. − Uma coisa que eu aprendi ao trabalhar neste negócio é que as celebridades são apenas pessoas. − Eu sei que eu sou. − Ele deu uma risada engraçada. − Eu pensei que talvez a fama me mudasse. − De que maneira? Seus olhos estavam escuros. − Talvez me tornar mais agressivo e dominador? − Você quer isso? − Eu fiz uma careta. Ele encolheu os ombros. − Eu sou um alpha, mas tenho sido confundido com um ômega ou um beta o tempo todo. Lembrei-me de como assertivo ele tinha sido na cama. – Você é perfeitamente agressivo quando quer ser.

146


Seus lábios tremeram. − Sim. Meu alpha sai quando quero foder. Meu rosto aqueceu e eu mantive meu olhar desviado. Ele riu. − Desculpa. Isso também não era para ser dito? − Para ser honesto, eu estava pensando a mesma coisa. − Dei uma risada curta e enfiei o dedo em uma lasca de madeira no banco. Ele suspirou. − As pessoas têm expectativas em alphas. − A sociedade gosta de classificar todos. − Sim. Eu sei que a maioria dos alphas são muito dominantes, mas eu nunca senti que precisava empurrar alguém por perto para me fazer sentir bem comigo mesmo. − Eu respeito isso. − Acrescentei: − Sua doçura é uma das coisas que mais gosto sobre você. − Sério? − Ele parecia satisfeito. Senti-me burro por ter soltado meus sentimentos, mas já era tarde demais. Decidi que ele merecia ouvir a verdade desde que era tão aberto comigo. − Costumo evitar alphas como a peste. Sua me energia desliga. Mas a sua é agradável e atraente. Ele me surpreendeu quando colocou a cabeça no meu ombro. − Isso é a coisa mais bonita que alguém já me disse. Eu deveria ter me afastado dele, mas não poderia fazê-lo. Me sentia tão bem com ele pressionado contra mim. Sentamos assim por um tempo,

147


ouvindo o tráfego à distância e deixando o sol dourado aquecer nossos ombros. − Eu ouvi você tocando sua guitarra, esta manhã, − eu disse suavemente. − A música era bonita. Eu não a reconheci de seu ensaio ontem. Ele levantou a cabeça. − Sim, é nova. − Eu gostei. Era meio triste, mas bonita. − Eu assisti algumas crianças jogando Frisbee em todo o parque. − Obrigado. − Ele olhou para mim. − É sobre o seu irmão. Surpresa me percorreu. − O que? − Só veio a mim quando estava dormindo. − Ele riu. − Eu tive um sonho sobre Garrett. Bem, nunca o conheci, então, obviamente, era a minha ideia dele no sonho. Eu não sabia o que dizer. − Espero que não o deixe louco? − Ele parecia preocupado. − Não. − Eu balancei minha cabeça. − É bem legal, na verdade. − Eu estava pensando sobre como você disse que deu tudo ao seu alpha e não manteve qualquer coisa para si mesmo. Isso me pareceu tão triste. Baixei a cabeça. − Foi triste. Era de partir o coração. − O alpha deve proteger seu ômega. − Ele me encarou, os olhos brilhantes. − Você não tem que ser um idiota para ser forte.

148


− Eu... eu concordo. Ele suspirou e pegou minha mão na dele. Pequenos espinhos de consciência arrepiaram meu braço e os pelos de meus dedos. Eu sabia que devia puxar minha mão. Me aproximar tanto dele só faria as coisas mais difíceis, mas eu gostava da sensação de sua carne contra a minha demais. − Tantos alphas acham que precisam ser idiotas para ganhar respeito. − Ele passou o polegar sobre a minha pele. − Talvez se Garrett tivesse encontrado um alpha como você, ele ainda estaria vivo − eu disse calmamente. Sua respiração ficou presa na garganta, e ele apertou minha mão. − Obrigado. Isso significa muito para mim. − Ele tinha um gosto horrível em homens. Garrett era meu irmão gêmeo, mas era muito diferente de mim quando se trata de relacionamentos. Ele sempre foi mais necessitado. Odiava ficar sozinho. − Você não se importa de não ficar sozinho? Dei de ombros. − Na verdade não. Eu estava esticando um pouco a verdade. Nunca senti o desejo de estar com um alpha da forma como o meu irmão tinha. Mas desde que conheci Riley, tinha começado a ter sentimentos estranhos. Quando ele olhou para mim de certa maneira, ou nós compartilhamos uma risada sobre algo, às vezes eu queria ser seu. Não queria que ele tivesse aqueles momentos com

149


ninguém. Era ciúme mesquinho ou algo mais? Eu não poderia dizer, mas achei extremamente confuso porque sempre me ressenti da ideia de precisar de um alpha. − Você nunca quer pertencer a alguém? Fiz uma careta. − Pertencer a eles? Ele encolheu os ombros. −Eu não quero dizer como um animal de estimação. Quero dizer duas pessoas pertencendo uma a outra. O alpha e o ômega olharem um para o outro. Por que isso seria errado? Ele não sabia todos os detalhes da morte do meu irmão, então eu realmente não podia culpá-lo por não entender. Mas como um ômega eclipse solar, o alpha desempenhou um papel muito maior na relação. Se o ômega ficasse grávido, ele estava realmente à mercê de seu alpha. A morte de Garrett tinha solidificado meu medo de depender demais de um alpha. Eu puxei minha mão da de Riley e levantei lentamente. − Nós provavelmente deveríamos voltar agora. Os olhos de Riley foram perceptivos. − Você vai ver que eu sou diferente, Colin. Eu apertei minha mandíbula, confuso e desconfortável. − Eu já sei que você é. E se eu estivesse à procura de um alpha, você seria perfeito. − Levantei meu queixo. − Mas eu não estou. Eu nunca estarei.

150


− Você acha que é mais seguro em seu próprio mundo. − Não era uma pergunta. Eu fiz uma careta. Ele inclinou a cabeça, sua expressão compassiva. − Eu acredito que você pode pertencer a alguém e ainda ser seu próprio dono. Mas entendo que você não vê dessa maneira. Eu odiava que suas palavras gentis me fizessem querer ir ter com ele. Como um ômega, eu sabia que seus braços me trariam conforto, mas isso só me fez sentir fraco e necessitado. − Nós realmente deveríamos ir. Ele balançou a cabeça, sua expressão pensativa. Nós não falamos muito no caminho de volta para o hotel, e nós dois parecíamos distraídos com nossos pensamentos. Quando chegamos ao meiofio para atravessar a rua, o motor de um carro estacionado a alguns passos me chamou a atenção, uma vez que rugiu para a vida. Olhei para o carro, quando os pneus giraram contra a estrada, enviando fumaça no ar com um guincho. Campainhas de alarme soaram em minha cabeça enquanto o carro deu uma guinada desde seu espaço no estacionamento e veio direto para nós. Mesmo que tudo aconteceu no espaço de poucos segundos, parecia em câmera lenta enquanto eu fiquei na frente de Riley e o empurrei de volta para o gramado. Ele tropeçou, mas conseguiu ficar de pé, e me virei para enfrentar o carro andando em minha direção.

151


Eu estava fora de equilíbrio por empurrar Riley à segurança, e meu peso estava no pé errado. Ainda tentei saltar para fora do caminho, mas não consegui a tempo. Meu intestino apertou quando percebi que não havia nenhuma maneira de que poderia evitar que o carro batesse mim, e fechei os olhos me preparando para o impacto. Porra. Quando os dedos fortes se enrolaram em volta do meu pulso, eu abri os olhos em confusão. Riley estava atrás de mim, e com um rosnado, ele me puxou em direção ao seu corpo e fora do caminho do carro. O veículo ainda conseguiu raspar meu quadril quando passou, e eu grunhi de dor quando o cheiro de borracha queimadaencheu minhas narinas. Nós batemos na calçada, e o vento foi batido fora de mim por alguns momentos. Riley ainda tinha a preensão de meu pulso, e ele falou mal alto no meu ouvido. Alguém me puxou, e Riley ficou de pé. Ele soltou o meu pulso, finalmente, mas seus olhos estavam presos em mim. − Você está bem? − Ele enxugou a testa, deixando um rastro de sujeira. − Sim. Você? − Meu quadril doía onde o carro tinha me batido, mas eu estava quase ileso. Estávamos vulneráveis na calçada, então coloquei meu braço em volta dos ombros de Riley, protegendo-o com o meu corpo, e olhei ao redor da área com cautela.

152


Uma pequena multidão de curiosos se reuniu perto de nós. As pessoas estavam gritando e tirando fotos com seus telefones. O carro estava muito longe, e eu estava frustrado que tinha sido incapaz de obter uma placa ou uma descrição do motorista. − Será que alguém obteve a licença? − Eu perguntei. O grupo apenas olhou para mim balançando a cabeça. Uma mulher mais velha se aproximou e me entregou um lenço branco. − Você tem sangue em seu lábio. Limpei minha boca e vi a mancha escarlate contra o linho branco. − Obrigado. Ela assentiu com a cabeça. − Claro. Desculpe-me, eu não vi a placa. Aconteceu tão rapidamente. O carro era branco se isso ajuda? − Seus olhos cinzentos estavam cheios de choque. A cor e a marca do carro estavam queimadas em minha memória. O que eu precisava era a placa de licença, o que eu não tinha. − Branco é provavelmente uma das cores de carro mais comuns no país − Riley resmungou. Apenas no caso de que realmente não tinha sido apenas um motorista de merda dirigindo o carro, eu queria ter Riley dentro do hotel e fora da rua. Liguei para o celular de Tom, e quando ele respondeu, disse a ele o que tinha

153


acontecido e ele saiu correndo do hotel. Andei com eles para o hotel, mas depois voltei para falar com a polícia. Sem descrição do motorista e sem placa, não havia muito que a polícia poderia fazer. Depois de algumas horas de conversa com a polícia, descobri Riley e Tom no bar do hotel escondidos em um canto privado. Eu teria adorado tomar uma bebida, mas eu sabia que não poderia. − Pode a polícia fazer qualquer coisa para pegar o cara? − Riley parecia pálido, e sua mão tremia quando levantou a cerveja aos lábios. − Tenho certeza que eles vão fazer o seu melhor. − Foi praticamente uma negativa, mas eu não tinha muito mais a oferecer-lhe. − Isso foi provavelmente apenas um acidente, certo? − Perguntou Tom, uma linha profunda entre os olhos. − Talvez um motorista bêbado ou uma pessoa idosa com visão ruim? − É inteiramente possível. Eles poderiam ter fugido do local porque não querem ter problemas com a polícia. − Eu sentei ao lado Riley. − Mas para ser seguro, eu acho que nós deveríamos trocar de hotel, não apenas de quartos. − Tudo o que você sugerir. − Tom acenou e pegou seu telefone. − Eu odeio pensar que a nota que foi deslizada sob a porta de Riley estaria ligada a esse carro. Eu endureci e deu a Tom um olhar impaciente. − Que nota? − Perguntou Riley.

154


− Porcaria. Desculpe. − Tom parecia envergonhado. − Vocês esconderam isso de mim?−Riley ergueu as sobrancelhas. − Por que você faria isso? Eu apertei minha mandíbula. − Nós não queríamos preocupá-lo. Ele arregalou os olhos. − Sim? Bem, eu estou oficialmente preocupado. − Você não precisa ficar. − O que a nota dizia? − Perguntou Riley. − Eu falei com os detetives para ver se eles acheuma impressão digital dessa nota. Riley fez uma careta. − Você está tentando fingir que não lembra o que a nota dizia? Dei de ombros. − O que ela dizia, Colin? Eu exalei. − Dizia: “Por que você não me ama de volta?” − O que significa isso? − As bochechas de Riley estavam vermelhas. − Isso significa que algum maluco tem tesão por você, garoto. Há provavelmente um milhão deles lá fora. − Tom fez uma careta. − Vem com o território.

155


− Sim, mas este sabia seu quarto de hotel, de modo que muda o jogo um pouco. − Levantei-me e olhei ao redor da área. − Tom, escolha um hotel e vamos levar Riley para um novo local o mais rápido possível. − É isso aí. − Tom se afastou com seu telefone pressionado em sua orelha. Riley se levantou e encontrou meu olhar. − Você não tem que esconder coisas de mim. − É o meu trabalho lidar com este material para que você possa se concentrar em seu lado das coisas. − Eu não sou uma criança. − Eu sei. Ele suspirou. − Obrigado por salvar minha bunda hoje. − Você fez o mesmo. − Baixei os olhos para o chão de ladrilhos. − Se tivesse hesitado apenas um par de segundos, não estaríamos tendo esta conversa. − Claro que eu não hesitei. − Ele franziu a testa. − A maioria das pessoas faria. Ele balançou a cabeça e disse: − Eu disse que era diferente. Talvez agora você acredite em mim.

156


Capítulo 11 Riley Sabendo que psicopatas existiam no mundo e sentindo como se estivessem pessoalmente atrás de mim eram duas coisas muito diferentes. Quando Colin tinha me empurrado para fora do caminho do carro, no começo eu não tinha entendido o que diabos estava acontecendo. Mas então tinha visto o veículo vindo em direção a ele, e reagi instintivamente. Ele tinha estado tão perto, por uma fração de segundo, pensou que seria tarde demais. A surpresa no rosto de Colin quando o agarrei tinha sido devastadora. Eu tinha visto sua renúncia tão claramente em seus olhos. Ele pensou que ia morrer. Tinha ferido meu coração como chocado que ele parecia que eu iria ajudá-lo. Com seu irmão desaparecido, ele se sentiu completamente sozinho no mundo? Eu sabia que ele era amigo de Blade e Wyatt, mas realmente não sabia o quão perto eles estavam. Será que ele compartilhava seus medos com eles? Será que ele os deixava ver como perder Garrett o tinha danificado tão profundamente? Eu queria estar mais perto dele, mas ele estava tão vigiado que parecia uma tarefa impossível. Olhei para Colin quando estava perto da porta para o camarim da nossa banda. Ele parecia sério e pensativo em seu terno de tonalidade escura. Eu

157


sabia que ele tinha um lado mais suave, mas meus companheiros de banda não. Júlio e os outros estavam irritados que ele estava sendo um traseiro tão duro sobre ter visitantes antes do show. Ele insistiu em revistar todos os nossos clientes, e Júlio pensou que era um exagero. Mas eu confiava no julgamento de Colin. Tom entrou na sala, parecendo forçado como de costume. − Vocês, rapazes, estão prontos? O ato de abertura está quase pronto. − Estamos sempre prontos − Júlio disse enquanto se levantava. Colin olhou para Júlio e sua mandíbula apertou. Eu meio que esperava que ele parecesse irritado porque estava com ciúmes de Júlio. Eu gostei da ideia de ele se sentir territorial sobre mim. Quando saí da sala com os caras, Colin caiu ao meu lado. Sua energia calma me acalmava quando nos aproximávamos do palco. O ato de abertura foi de um grupo que Tom tinha descoberto em um bar na Califórnia. Eles eram caras legais e definitivamente talentosos. Eu esperava que abrir o show para mim ajudasse sua carreira, assim como abrir o show para outros nomes deu vida a minha. O aplauso foi alto e entusiasmado quando terminaram sua última música. Eles correram para fora do palco coberto de suor e parecendo bombeados. As luzes se apagaram no palco, e a tripulação foi trabalhar na comutação de todo o equipamento. Havia tantas pessoas no palco que eu não

158


conhecia. Não invejo o trabalho de Colin, tentando me manter seguro quando eu estava cercado por estranhos que podem ou não me desejar mal. Colin colocou a mão contra a parte baixa das minhas costas, e eu olhei para ele. Seus óculos estavam empurrados para cima em sua cabeça, e sua expressão era séria quando ele se aproximou. − Você deve estar bem no palco. Mas se ver qualquer coisa que o faz se sentir ameaçado, não importa quão pequena, olha para mim e levante dois dedos. Eu estarei lá num piscar de olhos. Entendeu? − Seu hálito quente soprava contra a minha orelha enquanto ele falava. Eu balancei a cabeça. − Quero dizer isso. É por isso que estou aqui. − Eu sei. Ele acariciou minhas costas. − Tenha um bom show, Riley. Meu estômago aqueceu ao som de sua voz rouca. Eu amei como meu nome saiu da sua língua, e ele me deu borboletas. − Eu vou fazer o meu melhor. O gerente de palco apontou para nós e trotou para o palco escuro. Fomos para nossos lugares, e a emoção se construiu quando sentimos a energia da multidão. O MC estimulou o público um pouco mais, provocandoos e persuadindo aplausos ruidosos a partir deles. Quando as luzes finalmente

159


acenderam, nos lançamos em nossa primeira música, finalmente capaz de deixar sair o nosso zelo reprimido. Tentei não pensar sobre o fato de que alguém pode querer me machucar. Eu sempre soube que perseguidores eram uma realidade, mas fingi que não estavam interessados em mim. Eu era um peixe muito pequeno. Mas entre a nota e o incidente com o carro hoje, definitivamente me senti desconfortável. Enquanto corria de um lado do palco para o outro, as luzes eram tão brilhantes que era difícil distinguir as características das pessoas claramente. A fila estava perto o suficiente para que eu quase pudesse tocá-los, mas ninguém parecia particularmente perigoso. Era um deles um lunático delirante? A vida seria muito mais fácil se psicopatas apenas parecessem como psicopatas. Cantamos por duas horas seguidas e tivemos dois encores. No momento em que voltamos para o quarto de vestir, eu estava exausto e encharcado de suor. Havia toalhas e bebidas geladas na parte de trás para nós, e me acomodei no sofá, engolindo água engarrafada. Colin ficou perto da porta enquanto as pessoas vieram para conversar com a gente. Ele parecia calmo, mas eu já o conhecia bem o suficiente para ver através de sua atitude impassível. Tinha pouca dúvida de que ele estava tenso e pronto para entrar em ação, se necessário.

160


Uma vez que a maioria das pessoas de palco e os fãs esvaziaram, fomos para um after-party1 que a estação de rádio local tinha arranjado. Havia um monte de executivos da música VIP lá e celebridades de diversas cidades. Eu passei horas conversando e confraternizando com todos, e pelo tempo que voltamos para nosso hotel, eu tinha uma dor de cabeça horrível. Fiquei aliviado que Colin e eu tínhamos suítes adjacentes novamente. Tom entrou no meu quarto e fez um rápido resumo do show. Ele falou sobre que pensava que fizemos certo e como podemos melhorar. Tentei parece interessado, porque sabia que ele tinha boas intenções, mas minha cabeça latejava. Depois que ele saiu, tomei banho e cai na minha cama, enrolando em uma bola. Eu tinha tomado algumas pílulas de dor de cabeça, mas elas não estavam funcionando ainda. Colin entrou no meu quarto para me verificar, e ele se sentou na beira da minha cama. − A cabeça ainda doe? − Perguntou. − Sim − eu resmunguei. Ele chegou mais perto e fiquei surpreso quando deslizou os dedos sobre meu

couro

cabeludo,

massageando

a

cabeça

latejante. Seu

toque

imediatamente me acalmou, embora meu pau endureceu também. Tudo o que ele tinha que fazer era olhar para mim e eu estava excitado. Suspirei

1

Depois da festa

161


enquanto deslizou sua mão para baixo da parte de trás do meu pescoço, onde apertou e amassou meus músculos até que minha dor de cabeça começou a recuar lentamente. − Hum, uma sensação agradável − eu sussurrei. Ele continuou a acariciar e massagear minha cabeça e pescoço até que comecei a me sentir muito melhor. Uma vez que a dor diminuiu, rolei sobre minhas costas, e ele juntou as mãos em seu colo. − Melhor? Exalei contente. − Sim. Obrigado. − Você parecia miserável. − A única luz era do banheiro, e seu rosto estava parcialmente na sombra. − Isso é porque eu estava. − Nós deveríamos ter voltado para o hotel mais cedo. Foi um dia longo e estressante. − Sim, mas o beijar os traseiros é obrigatório. − E você tem que fazer tudo de novo amanhã à noite. − Sim. Enxágue e repita. Embora o pós-festa será hospedado por outra pessoa. − Fiquei um pouco surpreso de vê-lo sentado na minha cama. Geralmente ficava muito mais distante. Mas eu gostava da sensação de seu quadril contra minha coxa. − As pessoas querem ver de perto e falar comigo pessoalmente, e os after-party são uma boa maneira de fazer isso. − Sim, eu não sou um fã disso agora.

162


− Nem eu, na verdade. − Suspirei. − Eu odeio que todo mundo que eu encontro me faz pensar, você é um perseguidor? Você quer me machucar? − Eu sei. Praticamente me sinto assim o tempo todo. − Deus, como você lida com isso constantemente? Ele deu um sorriso fraco. − Talvez agora vocêentende porque eu sou uma idiota guardado. − Você não é um idiota. − Eu tenho meus momentos imbecil. − Você está fazendo seu trabalho. Ele ergueu um ombro e olhou ao redor. − Nenhuma visita de Júlio hoje à noite? Eu fiz uma careta. − Deus não. Júlio e uma dor de cabeça? Eu acho que teria me matado. Ele sorriu e meu estômago caiu com a atração. − Ele é um bom baixista. − Seu elogio parecia sincero. − Sim, caso contrário ele não estaria aqui. − Do jeito que ele estava dando em cima de você antes, pensei que ele serviu outras necessidades também. Meu rosto aqueceu. − Isso foi há muito tempo. Como eu disse antes, eu mudei.

163


Ele lambeu os lábios e me estudou em silêncio. Deveria ter sido estranho, mas não foi. Nossos olhares se encontraram, e a atração zumbia entre nós. Meu pau estava duro contra minha coxa, e tudo o que ele tinha a fazer era olhar por cima e seria óbvio que eu estava ligado. Mas então, o fato de que ambos estávamos atraídos não era realmente um segredo. − Este foi um dia estranho − disse ele suavemente. − Sim, foi. Ele olhou para as mãos. − Eu sei que deveria dormir, mas não sinto acabou. − Talvez você devesse dormir na minha cama. Ele riu. − Por que exatamente eu faria isso? − Bem, se você não pode dormir... − Você nunca para, não é? − Eu tinha que tentar. Você está realmente em minha cama. Eu não iria me respeitar pela manhã se não pelo menos tentar. Sua risada era inebriante. − E eu não iria me respeitar pela manhã, se eu cedi. Suspirei. − Porque eu estou no armário? − Você entendeu.

164


Eu rolei para enfrentá-lo, me sentindo frustrado. − Você deve saber que eu odeio esconder minha sexualidade. Ele não disse nada. − Mas e se eu sair e todos os meus fãs me abandonarem? Eu tenho um monte de gente na minha folha de pagamento. − Você realmente acha que todo mundo iria apenas te abandonar? Eu belisquei a pele entre os olhos. − Deus, eu não sei. Talvez? Uma parte de mim realmente não se importa mais se o fizerem. − Talvez você devesse ter mais fé nas pessoas. Eu estreitei meu olhar. − Isso é realmente muito engraçado vindo de você. Ele deu um sorriso relutante. − Justo. Eu cedi a minha necessidade de tocá-lo, e corri meus dedos sobre seu pulso. Amei a pequena pontada de cabelos em seus fortes antebraços quando avançou para cima. Ele colocou a mão sobre a minha e me parou. − Não. − Sua voz foi abafada. − Eu não consigo parar de pensar em você. Seus olhos eram reluzentes sob a luz fraca. − Eu não quero ser usado. Eu fiz uma careta. − Você acha que eu quero isso? − Eu acho que você quer sexo e eu estou aqui.

165


Eu gemi de frustração. − Não é desse jeito. − Claro que é, Riley. − Ele parecia igualmente frustrado. Sentei-me sobre um cotovelo. − Se eu só quisesse foder, há uma abundância de opções. − Sim, mas se você quiser manter o seu pequeno segredo, o que poderia ser mais conveniente do que foder o cara que tem o quarto ao lado? Irritação passou por mim. − Você acha que eu sou tão frio e calculista? Sua mandíbula ficou tensa. − Se Júlio estivesse aqui nesse momento ocupando o lugar em que estou, você está seriamente dizendo que ele não seria o único recebendo este convite? Eu puxei minha mão como se estivesse pegando fogo. − Foda-se. Ele pareceu surpreso com a minha raiva, mas não falou. − Isso é uma coisa de merda para dizer. − Eu só estou sendo honesto. − Oh, realmente? − Eu bufei. − Quantas vezes eu tenho que te dizer que as coisas não são com antes? Ele franziu a testa. − Você fica dando em cima de mim... − Sim, Colin. Eu mantenho dando em cima de você. − Eu rolei para minhas costas. − Você. Só você. Obtenha isso na sua cabeça dura porque eu

166


estou ficando um pouco cansado de você o que implica que sou uma prostituta estúpida. Ele parecia desconfortável, mas não levantou e saiu como eu esperava. Ele exalou e deixou cair o queixo no peito. − Eu sinto muito. Não sei como lidar com esta situação. − Eu também. Ele mordeu o lábio inferior. − O problema é que eu gosto de você como uma pessoa. − Como é que um problema? − Se continuarmos chegando mais perto, eu tenho medo que poderia ter sentimentos reais para você. − Por que não podemos explorar nossas emoções? Ver se há realmente alguma coisa aqui? − Como exatamente isso funciona se você está no armário? − Eu não estarei sempre. Ele fez uma careta. − Mas você está agora. − Não por muito mais tempo. − Vamos, Riley. − Ele balançou a cabeça. Eu fiz uma careta. − Você não acredita que eu vou sair? Ele baixou a cabeça. − Não é da minha conta.

167


− Eu estou lhe dizendo, o dia está chegando. No começo, era mais fácil para ir junto com Tom em vez de balançar o barco. Mas eu quero mais da vida do que um pedaço aleatório de bunda aqui e ali. Eu realmente gosto de você, Colin. Eu quero mais de você. − De qualquer maneira, eu não consigo dormir com você. Agora não. − Mesmo se eu estou fora? Ele engoliu em seco. – Você é o meu trabalho. − Isso é mais e você sabe disso. − Não pode ser. −Claro que pode. − Isto é exatamente do que eu estava com medo se viesse trabalhar para você. − Suas bochechas estavam vermelhas. − Eu sabia que ia ser muito difícil de ignorá-lo. − Mas você veio de qualquer maneira, − eu disse suavemente. − Sim, eu fiz. − Ele tinha uma inclinação obstinada de sua mandíbula. − Mas eu posso sair facilmente, Riley. E eu também vou. Eu poderia dizer que ele queria dizer o que disse. Foi frustrante, porque eu queria mais dele. Eu sabia que tínhamos uma conexão real, mas ele estava com muito medo ou muito obstinado para reconhecer isso. − Você é um pequeno bastardo teimoso − eu murmurei, desejando que minha excitação fosse embora.

168


− Estou aqui para mantê-lo seguro. Eu tomo essa tarefa a sério. Você deve estar contente com isso. Que tipo de homem eu seria se coloco meu prazer antes de sua segurança? O conjunto orgulhoso de seus ombros e a sinceridade de sua voz me pegou. No passado, eu tinha fodido alguns dos guarda-costas atribuídos a mim. Não recentemente, é claro, mas no início, quando bebia demais e tomei um monte de más decisões. Naqueles dias, eu tinha usado caras e os deixado me usar também. − Você é um cara incomum, Colin, − eu disse calmamente. Colin levantou-se e dirigiu-se para seu quarto, parando na porta. − Eu não quero que você pense que não estou tentado. − Sua voz estava rouca. − Eu estou. Definitivamente estou tentado, Riley. − Sim? Ele assentiu. − Bons sonhos, chefe. Exalei contra a minha frustração. − Boa noite, meu pequeno escoteiro.

169


Capítulo 12 Colin Riley terminou seus shows em Colorado, e passou para o Texas. Não havia mais notas assustadoras jogadas debaixo da porta ou pessoas tentando nos matar com os carros. Durante nosso tempo no Texas, caímos em uma rotina confortável de trabalhar na parte da manhã, encontro com fãs na parte da tarde, e ensaios exaustivos ou shows à noite. Os dias de concertos eram quando Riley estava no melhor humor. Era óbvio que ele adorava tocar e interagir com seus fãs. Ele às vezes parecia estar particularmente calmo, mas no segundo que estava em torno de seus admiradores, se animou. Na última noite no Texas, estávamos no hotel, e Riley estava em seu leito tocando em sua guitarra. Observando-o dedilhar as cordas com os dedos longos, muitas vezes trazia de volta memórias de suas mãos firmes no meu corpo. Ele pararia ocasionalmente e escreveria em um bloco de papel, e eu gostei da pequena ruga que ia ficar às vezes, quando ele realmente se concentrava em uma parte específica de uma canção. − Esta maldita coisa continua indo fora de sintonia. − Ele beliscou as cravelhas no braço da guitarra. − Parece-me muito bem.

170


Ele fez uma careta. − Você deve ser surdo. Eu não reagi, embora ele parecesse um pouco mais irritável que o habitual. Fiquei surpreso que ele não estava em um humor melhor desde que tinha um show naquela noite. Olhei para fora da janela do nosso hotel pensando sobre as próximas paradas da turnê no Tennessee e, em seguida, Illinois. O tempo foi passando mais rápido do que eu esperava quando me juntei a ele na estrada. Ele jogou algumas notas e depois parou. − Pedaço de guitarra de merda. Eu fiz uma careta. Algo definitivamente o estava incomodando. Ele era geralmente muito suave quando escrevia música. − Alguma coisa errada? Ele me ignorou e só ficava torcendo as cravelhas. Depois de alguns minutos, colocou a guitarra em cima da cama e levantou. Andando para lá e para cá, ele olhou para seu telefone resmungando para si mesmo. − Riley, o que está errado? − Nada. Eu não acreditei nele. Seu rosto estava comprimido e seus ombros rígidos. Ele continuou andando como um tigre inquieto por um tempo, e então sentou na beira da cama. − Você pode falar comigo se precisar − eu disse calmamente. Ele desviou o olhar irritado ao meu. − Estou bem. − Tem certeza disso?

171


− Sim. − Você parece agitado. − Talvez eu só não goste de ter alguém ao redor constantemente, observando cada movimento meu, porra. Meu rosto aqueceu, mas mantive minha expressão vazia. Eu saí devagar e fui para o meu quarto para dar-lhe espaço. Dobrei algumas roupas que tinha em uma cadeira e liguei a TV. Se ele queria ficar sozinho, poderia ficar sozinho. Nós não estávamos unidos pelo quadril. Eu só tinha estado em seu quarto porque ele me pediu para acompanhá-lo mais cedo. Depois de um curto período de tempo, ele veio no meu quarto e estava a poucos pés de mim. Eu o ignorei e apenas olhei para a TV, fingindo estar interessado no show. − Você está com raiva de mim agora? − ele perguntou rigidamente. − Por que eu estaria? Ele suspirou e sentou na minha cama. − Porque eu estou sendo um idiota. − Suas palavras, não minhas. Ele suspirou e baixou a cabeça. A inclinação deprimida de seus ombros chamou minha atenção, e eu coloquei a TV no mudo. − Riley, o que está errado? − Nada.

172


− Eu sei que você está mentindo. Alguma coisa está incomodando você. Ele fez uma careta. − Meus pais moram aqui. Eu fiz uma careta. − Ok. − Eles sabem que eu estava vindo para a cidade por meio ano, e de alguma forma ainda têm malditos planos para todos os seis dias que eu estou aqui. Eles não têm mesmo dez minutos para mim. Eu sabia que ele não era próximo de sua família, mas definitivamente parecia chateado que eles o estavam evitando. − Eu sinto Muito. − Eu não me importo se vê-los. Eu segurei minha língua. − Tudo o que sempre acontece é o meu pai sentar como uma estátua, e minha mãe me falar sobre encontrar Deus para que eu não vá para o inferno. − Ele suspirou. − Eu odeio vê-los. − Mesmo? Eles soam deliciosos. Ele olhou para mim com um sorriso. − Não é? − Você, obviamente, herdou o seu charme de sua mãe. Ele riu. − Foda-se. Eu coloquei minha mão na orelha. − O que é isso? Você terá que falar. Eu sou surdo.

173


Ele sorriu e suas covinhas fizeram meu pulso acelerar. – Você é um idiota. Eu não disse nada, mas sorri. Ele jogou os braços no ar. − Cada minuto com eles é tortura. Por que me incomoda que eles estão me evitando? − Talvez porque eles são a sua única família? Ele zombou. − Tom tem sido mais um pai para mim do que o meu velho sempre foi. Eu não posso pensar em quaisquer conversas significativas que eu já tive com meu pai. − Não me fale sobre pais imbecis. Ele fez uma careta. − Sim. Desculpa. Você não tem nada melhor do que eu. − Bem, pelo menos o meu pai nunca pregou para mim. − Eu dei de ombros. − E ele realmente é um excelente recurso quando tem lojas de bebidas por perto. Ele riu, seu rosto inteiro relaxando. −Eu não quero vê-los mais do que eles querem me ver. − Talvez você esteja apenas chateado que eles rejeitaram você primeiro. − Isso é mesquinho. − Ele suspirou. − A maioria das pessoas se queixa de que eles vêm para a cidade e tem que dar tempo para seus pais. Você está fora do gancho. Aproveite.

174


− Sim. − Ele assentiu. − Você está certo. Nós sustentamos o olhar do outro, e eu disse: − Eu sei que é difícil. Ele levantou um ombro, mas não respondeu. − Quando você não esta perto de sua família, as pessoas olham para você como se fosse uma pessoa estranha, − eu disse. − Eles realmente fazem. − Eles assumem que é algo que você deve ter feito. Supostamente todo mundo tem que reverenciar seus pais. Mas às vezes mamãe e papai não é a versão do filme, e eles não merecem respeito ou amor. Ele bufou uma risada. − Certo? Eu estreitei meu olhar. − Pelo menos você e Tom estão próximos. Ele é como uma família para você. − Sim − ele disse calmamente. − Ele realmente tem sido uma boa influência sobre mim. Eu sei que você não vê esse lado dele. − Eu vejo carinho e bondade quando ele interage com você. Eu não estou aqui para ser seu amigo, e não me importo se ele não gosta de mim. Ele chutou o pé para cima e para baixo, nervoso. Finalmente, parou e perguntou: − Você já teve um relacionamento realmente sério? Sua pergunta me surpreendeu, mas eu tentei esconder isso. − Eu tive dois que duraram alguns meses. Isso conta?

175


− Eu não quero dizer a duração. Quis dizer significativo e intenso. A intimidade. Minhas bochechas aqueceram porque eu não gosto de falar sobre essas coisas. − Por quê? Ele franziu a testa. − Estou curioso. Nunca conheci ninguém com quem visualizasse um futuro. − Você tem apenas vinte e quatro. − Eu não acho que tenha algo a ver com a minha idade. Sei que as pessoas do colégio que já são casadas. − Seu estilo de vida não é propício para um relacionamento de longo prazo. − Eu acho que qualquer um que gosta de viajar se encaixaria muito bem com meu estilo de vida. − Ele sorriu. − Eu faço bastante dinheiro e poderia manter um homem. − Alguns caras não gostam dessa ideia. Ele baixou o olhar. − E você? − Eu definitivamente não gosto dessa ideia, − eu resmunguei. − Por quê? Contanto que esteja com a pessoa que você ama, quem se importa quem faz o dinheiro? Eu me mexi desconfortavelmente. − Porque quem quer depender de alguém completamente? E se eles te foderem? Então o que acontece?

176


Ele fez uma careta. − Então, é sobre a falta de confiança para você. − Entre o meu pai me deixando quando criança e o que Garrett atravessou com seu alpha, sim, você poderia dizer que a confiança é uma coisa para mim. Ele assentiu. − Entendi. Eu não sou tão confiante também. Estudei seus traços angulosos. − Eu acho que você poderia ser embora. Suas músicas têm um monte de temas românticos. − Isso é o que vende. Eu zombei. − Eu não estou comprando isso como a única razão para você escrever canções de amor. Desculpa. Ele sorriu enquanto olhava para mim. − Você acha que eu sou algum sentimental romântico? − Não. Ele continuou como se eu não tinha respondido. − Se eu sou, então por que eu nunca estive no amor? Dei de ombros. − Cronometragem? Eu não sei. Mas só o fato de que você está fazendo esses tipos de perguntas mostra que é algo em que você pensa. − Então, porque eu questiono esses tipos de coisas sou uma seiva romântica? − Ele fez uma careta.

177


− Riley, você é o único que continua usando a palavra 'seiva'. Você parece pensar que eu acho que há algo de errado em ser um romântico. Isso não é o que estou dizendo. − Apertei minhas mãos. − Eu invejo quem pode simplesmente deixar ir e dar-se cem por cento para o outro. Isso exige coragem. Para mim, tendo uma bala por um cliente é mais fácil do que confiar em alguém. Ele me surpreendeu quando riu. − Jesus, vocêé ainda mais fodido emocionalmente do que eu. − Bem, é importante ser o melhor em alguma coisa. Sua boca se contorceu. − Quantos anos você tem mesmo? − Vinte e sete. − Como um ômega, você não sente nenhuma pressão para se acalmar? − Nada que eu não posso ignorar. − Oh, isso é certo. Você não está procurando um alfa. Eu tinha quase esquecido que já discutimos isso antes. Eu poderia dizer pelo seu tom que ele não tinha esquecido nada. Eu não tinha certeza por que continuava a trazer este assunto como se pudesse haver uma resposta diferente do que da última vez. − Eu me sinto pressionado, − ele ofereceu. − Quanto mais velho fico, mais meu lado alfa me faz pensar que deveria escolher um companheiro.

178


Eu balancei a cabeça. − Você vai ser um bom alpha. Qualquer ômega seria sortudo de ter você. − Tentei parecer alegre, mas a ideia dele com outro ômega era difícil de digerir. Eu não tinha que me sentir territorial, mas eu fiz. Talvez ele pudesse sentir a minha força para ele. Talvez por isso continuasse a testar a minha vontade de ficar sozinho. Decidi que uma mudança de assunto era necessário para que pudesse permanecer profissional. − Você está pronto para seu concerto de hoje à noite? − Sim. Eu não posso esperar. − A adoração de dez mil pessoas deve diminuir a rejeição de seus pais, eu acho. − Isso vai ajudar. − Seus pais vivem aqui, mas você cresceu no Texas? − Perguntei, colocando minhas mãos atrás da cabeça e descansando contra a cabeceira. Seu olhar passou por cima de meu corpo de bruços. − Eu fiz. − Isso deve ter sido interessante. − Na maior parte era bom. Por causa de como meus pais eram, eu costumava esconder minha sexualidade. Talvez por isso, quando Tom pensou que eu deveria apenas continuar a farsa, não pareceu ser um grande negócio para mim no momento. Mas agora eu estou cansado disso. − Você sabe a minha posição sobre este assunto.

179


− Sim. E eu estou no fim da minha corda também. Tom não vai estar feliz comigo, mas acho que vou sair esta semana quando chegarmos ao Tennessee. Eu levantei minhas sobrancelhas. − Uau. Mesmo? − Sim. Quando chegarmos a Memphis, eu vou fazê-lo. Memphis é a cidade mais liberal do Texas. − Sem dúvida. − Está na hora. Não importa o quanto estou com medo, é hora. Sinto que eu sou um péssimo exemplo para todos os meus fãs que lutam com sua sexualidade. Eles merecem mais de mim. − Tom vai enlouquecer. − Então, ele enlouquece. Era óbvio que ele estava nervoso sobre sair do armário, mas eu o respeitava por fazer de qualquer maneira. − É melhor falar com Tom e dar-lhe o máximo de aviso quanto possível. − Eu sei. Mas não estou ansioso para ter essa conversa. − Eu estou orgulhoso de você, Riley. Ele chegou mais perto. − Mesmo? − Claro que sim. Algo como isso é preciso coragem. Ele assentiu. − Você quer saber o que me inspirou?

180


− Certo. − Foi uma citação que eu vi no meu Tumblr no outro dia. − O que foi isso? − Seja quem você precisava quando era mais jovem. − Ele suspirou. − Foi uma citação de uma pessoa anônima. Mas realmente bateu em casa para mim. Eu fico pensando sobre isso. − Eu gosto disso. − A minha juventude poderia ter sido mais feliz se eu tivesse sido cercado por pessoas que estavam orgulhosos por ser quem eu era. Em vez disso eu estava com os pais que me fizeram sentir vergonha e falavam de como eu estou doente ou algo assim. Eles ainda fazem isso até hoje. Por causa dessa atmosfera, eu realmente ajo como se houvesse algo de errado comigo. E eu tive que esconder minha condição, a fim de ser aceito. − Ele balançou a cabeça. − Isso é tão fodido. − Essa é uma forma de merda para viver. − Sim é. E eu não posso mais fazer isso. Acho que Tom tinha boas intenções quando me disse para manter minha sexualidade em segredo. Seu único pensamento era para a minha carreira, porque isso é basicamente tudo em que ele pensa. Mas a mentira só me faz sentir ainda pior sobre mim mesmo. − Ele olhou para cima, e sua mandíbula era firme. − Eu não quero ser aquele garoto aterrorizado mais. Eu quero ser uma pessoa em que as pessoas possam se inspirar. Modelos não escondem quem são.

181


− Eu acho que isso é ótimo, Riley. Não vai ser fácil, mas vai ser libertador. Isso eu posso prometer. − Estou com medo, mas animado. − Eu tenho suas costas. − Segurei seu olhar nervoso. − E respeito sua coragem. Ele zombou. − Bem, não é completamente nobre. Eu fiz uma careta. − O que quer dizer? Seu sorriso era malicioso. − Principalmente eu quero ser um modelo, mas mentiria se não admitisse que descascar uma das suas desculpas para não dormir comigo é um bônus. Meu rosto corou. − Ainda há um grande motivo. − Seu emprego? − Sim. − Eu levantei meu queixo. Ele arrastou seu dedo sobre a palma da minha mão. − Quando a turnê acabar, essa desculpa vai fazer poof. Eu puxei minha mão, ignorando os pequenos arrepios quentes do seu toque. − A turnê não acabou ainda, Riley. − Eu sei. Eu sei. − Ele riu. − É apenas algo para olhar para frente. Apertei os olhos. − Você está muito seguro de si mesmo. − Que tipo de alfa eu seria se estivesse?

182


− É justo. − Eu sorri, segurando seu olhar divertido.

183


Capítulo 13 Riley Memphis, Tennessee. A cidade alastrando no rio Mississippi enlameado tinha uma rica história musical. Era famosa pelas estirpes influentes do blues, soul e rock’n'roll que originaram lá. Gigantes como Elvis Presley e BB King tinham gravado álbuns no lendário Sun Studio, e agora eu estava dando um concerto na mesma cidade. Meu desempenho hoje à noite seria no OrpheumTheater e Stage, onde cabiam vinte e três centenas de pessoas. Era um dos menores locais em que cantava na minha turnê, e foi por isso que o escolhi como o lugar que queria anunciar minha sexualidade. Planejava twittar a citação que tinha mencionado a Colin antes do concerto. Então, durante o desempenho, em um momento em que atingisse o coração do público com minhas canções eu poderia explicar por que tinha escondido minha orientação sexual e porque não queria mais fazer isso. Rezei para que eles estivessem sensíveis para mim, e sabia que a partir daí a palavra se espalharia sobre mídia social rapidamente. Eu tive a grande conversa com Tom há poucos dias, e ele tinha estado menos do que entusiasmado. Ele não tinha mencionado isso outra vez, na

184


verdade, e eu tenho a sensação de que queria apenas fingir que não estava acontecendo. Colin enfiou a cabeça no meu quarto. Tinha sua face séria de guardacostas. − Tom me ligou. Ele quer tomar café da manhã no andar de baixo. Fechei meu laptop. − Você tem a sensação de que Tom não está me levando a sério sobre sair? Colin fez um ruído de desgosto. − Absolutamente. − Estou pensando em falar sobre isso de novo no café da manhã. − Parece muito bom para a digestão. − Colin estremeceu. − Eu sei. Mas se eu estou puxando o gatilho sobre isso esta noite, Tom precisa estar a bordo. O aceno acentuado de sua cabeça me deixou saber que Colin compreendia. − De acordo. Me arrastei para fora da cama, e sai do quarto. Meu estômago borbulhava ameaçadoramente. Eu seria capaz de comer o café da manhã? Tom já estava comendo quando chegamos ao térreo do restaurante. Ele olhou para cima quando nos aproximamos. − O buffet fecha em dez minutos. Melhor apressar seus traseiros preguiçosos e obter um pouco de comida. Peguei um prato e coloquei um pouco de bacon e ovos. Colin pegou apenas frutas, o que me pareceu estranho. Ele quase sempre tomava um grande café da manhã. Estava se sentindo nervoso sobre minha fala para Tom

185


também? Ele escondeu melhor do que eu. Me senti como uma criança de escola suada ao ver o diretor. Sentamos na grande cabine com Tom, e ele me colocou a par de algumas coisas que tinham a ver com o som da noite passada. Queria fazer algumas fotos de imprensa, e tinha alguns fãs que fizeram fila para passar tempo com a banda em nosso camarim antes do show desta noite. Enquanto Tom falava sobre o negócio, a compressão da perna de Colin contra a minha me acalmou um pouco. Eu não tinha certeza se ele estava ciente de que nossas pernas estavam se tocando ou não, porque seu rosto estava inexpressivo. − Outras notas apareceram na porta de Riley? − Tom tinha seu olhar fixado em Colin. − Não. Nada fora do comum. − Vamos esperar que isso tenha sido apenas um acaso, um funcionário do hotel apaixonado, certo?− Tom tomou o café e esvaziou o copo. − As chances disso são muito boas. − Colin pressionou o guardanapo à boca. − O incidente carro poderia facilmente ter sido coincidência. Mas de qualquer forma, eu vou manter meus olhos abertos. − Sim. Você faz isso, − ele disse rispidamente. Tom assinou o cheque e parecia que estava pronto para deixar a mesa. Eu sabia que se quisesse falar com ele, precisava fazê-lo agora antes que nós

186


começássemos nosso dia ocupado. Limpei a garganta, me sentindo sem fôlego. − Eu preciso falar com você sobre esta noite, Tom. A perna de Colin ficou tensa contra a minha. Tom estava percorrendo seu telefone. − Certo. Sobre o quê? Eu odiava como estava nervoso. − Você se lembra do que falamos a alguns dias, certo? As características de Tom apertaram e ele olhou para cima, estreitando seu olhar. − Você ainda está com a intenção de cometer o suicídio de sua carreira? Apertei a beira do meu guardanapo, tentando reunir minha coragem. − Você sabe que eu estive frustrado. − Sim. − Eu sei que você não concorda, mas eu preciso fazer isso. É muito difícil manter o ato. Tom não falou. Ele aparentava estar desapontado comigo. Limpei o suor da minha testa com meu guardanapo. − Diga algo. O silêncio espesso que se seguiu às minhas palavras não fizeram nada para acalmar meu coração batendo. Tom fez uma careta, e desviou o olhar em direção Colin. − Você o colocou nisto? Lanças vermelhas de cor apareceram nas bochechas de Colin. − Não.

187


− Por que você o culpa? Você sabe perfeitamente bem que estive lutando com isso há anos. − Olha, Riley, eu sei que não é fácil. Mas nós já conversamos sobre isso. − Sim, e você sempre me deixa sem opção.

− Me mexi

desconfortavelmente. − Mas não desta vez. Você pensou que eu estava brincando quando falei sobre isso no outro dia? Eu não estava. Tom se inclinou para frente. − Podemos voltar a isto, depois da turnê. Fiz uma careta. − Não. Eu não quero esperar. − Qual é a porra da pressa? − Ele rosnou. Eu dei uma risada dura. − Pressa? Já se passaram três anos. O rosto de Tom endureceu, e ele deu a Colin outro olhar carrancudo. − Certo. Durante três anos, você esteve bem, e agora esse cara aparece e você não pode jogar a sua carreira no vaso sanitário rápido o suficiente. − Esta é a decisão de Riley, − Colin disse suavemente. − Não é minha. − Eu só aposto. − Tom olhou. A boca de Colin apertou, mas ele segurou a língua. Eu abordei Tom. − Tenho o direito de viver minha vida do jeito que quero. − Sim. Você tem. E com o direito virão consequências querido talvez até mesmo terrível.

188


− Você não tem ideia de quão difícil é ter que esconder uma parte tão grande de mim mesmo. − Tom não parecia simpático. Na verdade, ele parecia mais irritado do que qualquer coisa. − Você parece pensar que isso não é grande coisa. Mas isso é. − Porque não pode apenas focar no prêmio? − Seu olhar era duro. − Eu estou focado. Mas tenho outras necessidades também. Tom atirou em Colin outro olhar carrancudo. − Sim. Sem brincadeiras. Colin apertou ainda mais os lábios, como se esforçando para segurar a língua. Voltou a encher o copo de água, aparentemente para se distrair. − Você é o único que pensa que preciso estar no armário. − Baixei minha voz quando a garçonete veio e pegou a bandeja. Uma vez que ela tinha saído, eu continuei. − Mesmo Júlio acha que eu deveria sair. Tom bufou. − Júlio? Ele é o cara a quem pede conselho agora? − Eu sinto que o seu pensamento está desatualizado. − Não. Como eu lhe disse no outro dia, o meu conselho sobre este assunto é baseado no que testemunhei na indústria. É melhor do que costumava ser, mas ainda há toneladas de homofóbicos encarregados de merda. Confie em mim. − É angustiante fingir o tempo todo. Você não percebeu isso? − Eu sei. Mas estou tentando protegê-lo. − Tom ergueu o queixo. − Já vi portas baterem no rosto das pessoas e oportunidades secarem no segundo

189


que o ator ou músico sai do armário. Todo mundo finge que são favoráveis, mas a verdade é que não irão lhe oferecer as mesmas coisas, se você é abertamente gay. Essa é a dura verdade, garoto. − Por que importa com quem eu durmo? Ou as pessoas gostam da minha música ou não. − Isso é apenas ingênuo. Não se iluda. Você é um cara de aparência boa, e as meninas queremvocê. Vender para adolescentes com tesão é uma indústria de bilhões de dólares. Você começa dizendo a todos que prefere meninos e nós temos um problema. − Eu não posso acompanhar o ato. É tão difícil. − E quando as pessoas param de chegar aos seus concertos, então o que? Você não acha que será igualmente difícil? − Isso não vai acontecer, − Colin rosnou. Tom olhou para ele. − Mesmo? Como você saberia? − Eu sou um homem abertamente gay que viveu a vida. Haverá inimigos? Porra, sim. Será que algumas oportunidades vão secar para Riley? Sim. Mas ele não vai ser rejeitado pela maioria de seus fãs. Isso simplesmente não vai acontecer. − Graças a Deus você tem um perito em sua equipe, − Tom zombou. − Por que eu ameaço tanto? − Colin perguntou em voz baixa.

190


− Porque eu sabia no segundo em que o vi que seria uma distração. Está na cúspide de Riley. Você vai transar com isso. Fiz uma careta. − Primeiro de tudo, Tom, isso é algo que eu queria fazer desde muito antes de Colin aparecer. Não há nada de errado comigo. Pare de me tratar como se eu tivesse uma doença contagiosa ou algo assim. − Você sabe que eu não tenho um problema com sua sexualidade. − Tom bufou. − É com todos os ignorantes do mundo que estou preocupado. − Eu tenho fé em meus fãs. Realmente acredito que a maioria deles não vai se importar. Cruzando os braços, Tom apertou a mandíbula. − Eu não sei por que você sequer se preocupou em me dizer isso. Obviamente já tomou sua decissão. − Sim. Eu tomei. Mas você continua evitando a conversa, e eu planejo fazer isso esta noite. − Hoje à noite? − Os olhos de Tom se arregalaram. − Não pareça surpreso. Eu disse isso apenas alguns dias atrás. − Eu estava esperando que a conversa fosse um sonho ruim. − Não. Você não pode colocar-me fora desta vez. Tom virou-se para Colin. − Qual é o seu plano? Viver à custa de Riley até que o dinheiro seque? O rosto de Colin corou. − O que?

191


− Qual a vantagem disso para você? − Nada é vantajoso para mim. − Colin olhou para mim. − Eu trabalho para Riley, isso é tudo. Tom sorriu. − Sim. Certo. − Você não tem que se explicar para ele, Colin. − Eu coloquei minha mão no braço de Colin. − Eu não sou o motivo para Riley fazer isso. − Mentiroso. Ele estava bem até que você veio. − Eu não estava bem, − Eu assobiei. − Estava sozinho e sofrendo. Você ainda não percebeu? Tom suspirou. − Então, você fica deprimido, às vezes. Todo mundo faz. −Eu não estava simplesmente deprimido, eu estava infeliz. Preciso de intimidade como qualquer outra pessoa. Não apenas sexo. Uma conexão real. − Estremeci. − Tem sido anos. Eu não posso mais fazer isso. − E você acha que esse oportunista é a resposta para isso? − Tom fez um gesto em direção Colin. − Riley, ele vai quebrar seu coração. Ele vai usá-lo para o que pode, e então vai despejá-lo e vender sua história para a porra do Enquirer. − Está equivocado, − Colin resmungou. − Você não me conhece. − Eu conheço o seu tipo.

192


− Não tenho nada a ver com a decisão de Riley. − Isto não é sobre Colin. Trata-se de mim. − Eu encarei Tom com o meu olhar irritado. − Eu sei que vocês querem agir como se não há nada acontecendo, mas estou em você. − Tom fez uma careta. − Riley, você está sendo ingênuo. Colin está te usando. Aposto a minha porca esquerda em que... Colin levantou as mãos. − Pense o que quiser. − Eu vou. − Eu não estou usando Riley. Se me envolvesse com ele feriria minha carreira, não a ajudaria. − Eu espero que sim. − Tom estreitou os olhos. − Você sabia que Riley era vulnerável, e colocou seu olho sobre ele. − Você me julga tão errado. − Colin balançou a cabeça, parecendo irritado. Eu me senti mal por Colin. Ele tinha feito nada além de tentar manter uma distância profissional comigo, e Tom o estava culpando por tudo. − Tom, acredite em mim, se eu pudesse ter colocado Colin em minha cama novamente, teria feito isso. Mas ele me renega tempo todo. O rosto de Tom era pedregoso, e ele não devolveria meu olhar. Exalei impaciente. − Está acontecendo. Você precisa se obter a bordo, Tom.

193


− É como estar a bordo do Titanic, porra − ele murmurou. Um silêncio desconfortável se esticou na mesa. Colin olhava para frente, suas emoções escondido por seus óculos de sol, e eu bati meu dedo sobre a mesa, nervoso. Finalmente Tom falou: − Então, qual é o seu plano? − Você quer dizer para dizer às pessoas? Ele assentiu bruscamente. − Sim. Como você quer que as pessoas saibam? Eu estava aliviado por que ele, pelo menos, estava falando sobre isso agora em vez de fingir que tudo era culpa de Colin e não ia acontecer. − Eu estou tweetando uma citação que encontrei. − Cavei meu telefone do meu bolso e mostrei para Tom. Ele leu. − Ok. Então o que? Engoli em seco. − Então, esta noite, no concerto, eu vou dizer-lhes a verdade e explicar porque tenho sido tão covarde e por isso não vou ser desse jeito. Tom fez uma careta. − Como pode isso não te assustar? − Quem disse que eu não estava assustado? Fazendo uma careta, Tom disse: − Nós precisamos estar preparados para responder a uma porrada de perguntas. Eles vão começar quase que imediatamente. Não vai ser fácil.

194


− Me esconder é mais difícil. − Eu fixei o olhar de Tom diretamente. − Você precisa ter uma declaração oficial preparada que podemos postar em seu site. − Eu vou trabalhar nisso hoje. − Eu acho que se nós tivermos uma tonelada de cancelamentos de bilhetes, vamos saber no que deu. − Tom esfregou os olhos, cansado, e então saiu da cabine. − Entre peseguidores e músicos obstinados, minha pressão arterial está atravessando o telhado. Diga-me porque eu estou fazendo isso de novo? − Você sabe, Tom... − Engoli contra o caroço na minha garganta. − Você tem sido como a única figura paterna que eu já realmente tive. A expressão normalmente severa de Tom vacilou. − Você teve uma mão de baixa qualidade no departamento de família. − E você estava lá para mim. Você sempre esteve lá. Os olhos de Tom brilharam. − Ainda me lembro da primeira vez que te vi, assustado e fora de sua mente no palco com a língua presa. − Ele franziu a testa. − Você era tão fodidamente talentoso que não conseguia entender porque estava com tanto medo. Dei de ombros. − Que as pessoas iriam ver o meu verdadeiro eu. Ele suspirou. − E agora isso é tudo o que você realmente quer. Eu ri com a voz rouca. − Vamos esperar que eles gostem do que veem.

195


O rosto branco de Colin suavizou. − Eles vão, Riley. Qualquer um faria.

196


Capítulo 14 Colin Eu tinha que admitir, Riley teve coragem. Quando andei junto a ele para o palco onde daria seu show, ele parecia de certa maneira mais calmo que eu estaria se estivesse prestes a anunciar a mais de duas mil pessoas e o mundo que eu era gay. Ele sorriu e eu apertei seu ombro direito antes que ele corresse para o palco escuro. Tom geralmente ficava de fora em algum lugar para fazer chamadas durante uma performance, mas esta noite ele estava perto de mim. Mal havia dito duas palavras um ao outro após a conversa no café da manhã. Eu sabia que ele queria me culpar por Riley sair, mas simplesmente não era verdade. Antes de Riley chegar à sua decisão, sua inquietação tinha sido óbvia para quem se preocupou em olhar. Talvez Tom simplesmente não quisesse vê-lo. Riley passou até a primeira metade do concerto com boa energia, e a multidão era alta e entusiasta. Quando o ponto médio do concerto chegou, Riley ficou em silêncio e apenas olhou para a multidão. Ele suspirou e limpou a garganta. Meu estômago se apertou porque eu sabia que este era o momento. − Eu aprecio todos e cada um de vocês por terem vindo esta noite. − Sua voz tremeu um pouco, e a multidão aplaudiu. Ele deu uma risada dura e

197


limpou a garganta novamente. − Eu tenho um segredo para lhes contar, mas primeiro quero dizer por que o mantive em primeiro lugar. A multidão ficou tranquila em sua maioria. − Eu cresci no Texas… − Um grito alto ecoou repetindo a palavra “Texas” no teatro, e ele riu. − Sim, Texas. Algumas pessoas aplaudiram e riram. − De qualquer forma, meus pais são super-religiosos. Se vocês me seguem na mídia social, já sabe que não somos próximos. − Ele passou a mão pelo cabelo. − Eu sabia desde cedo que nãome sentia atraído sexualmente por meninas. Uma onda passou pela multidão. Riley riu. − Deus, isso é muito mais difícil do que eu pensava que seria. O público aplaudiu e um grupo de pessoas gritou − Nós amamos você, Riley! Ele olhou para mim e Tom. Eu dei um aceno de cabeça, e ele acenou de volta. − Se ele vai fazer isso, ele precisa fazer isso − Tom murmurou, mudando inquieta. − Então, de qualquer maneira... − Ele suspirou. − Eu escondi quem realmente era, porque muita gente disse que eu tinha que fazer. Mas não acho mais que isso é verdadeiro. Acho que tenho o direito de amar quem eu amo.

198


Acredito que a maioria de vocês se conecta a mim por causa de minhas canções, e não por quem eu optar por trazer na minha cama. A multidão gritou e bateu alto, embora houvesse algumas vaias também. Pessoas gritaram o nome dele e jogou bichos de pelúcia e flores no palco. Ele esperou que eles tranquilizassem. − Eu quero que vocês saibam que se gostam de meninas ou rapazes ou ambos, isso é legal. Minhas músicas são para vocês, não importa quem amam. Estou cansado de esconder, porque isso diz que eu tenho medo ou vergonha de quem sou, e isso não é verdade. Estarei de pé para o seu direito de amar quem quiser, e espero que façam fazer o mesmo por mim. O público começou a pisar os pés e gritar seu nome. Ele baixou a cabeça, como se sentisse emocional, e então olhou para a multidão e estendeu os braços. Eles ficaram loucos gritando e agitando os braços. Riley olhou para mim e Tom, e havia lágrimas escorrendo pelo seu rosto. Ele parecia aliviado e feliz. Riley virou-se para o resto da banda, e eles se lançaram em uma canção. Tentei ignorar o enorme nó na garganta. Ele tinha feito isso. Ele finalmente fez que as pessoas soubessem da única coisa em sua vida que o manteve em cativeiro e medo. Seu segredo foi revelado, e ele não tinha que ter mais medo. Mesmo Tom pareceu emocional quando olhei para ele. − Espero que tenha sido a decisão certa, − disse ele suavemente.

199


− Olhe o quão feliz ele parece, Tom. Como isso poderia ser a decisão errada? − Eu só não quero que ele se machuque. − Eu também. Ele encontrou meu olhar, e sua expressão dura suavizou. − Então, precisamos fazer o nosso trabalho melhor do que nunca. Porque haverá algumas pessoas que não gostarão, e precisamos protegê-lo de qualquer merda. − Concordo. − Ok. − Ele exalou e deixou a área do palco. O anúncio de Riley não parecia diminuir o entusiasmo da multidão em tudo. Se alguma coisa, as pessoas pareciam ainda mais altas e mais entusiasmadas. Até o momento que desceu do palco, ele parecia exausto, mas exultante. Seu sorriso vulnerável enquanto se aproximava fez meu peito doer. Eu queria protegê-lo de qualquer coisa que possa machucá-lo. Sabia que não era realista, mas não podia suportar a ideia de alguém poderia limpar aquela expressão de êxtase de seu rosto. Bati em suas costas e fui com ele para a área da banda. Havia um grupo de fãs já lá esperando para abraçá-lo e dizer-lhe o quanto o apoiaram. Um par deles expressou como tinham lutado com a sua sexualidade também. Riley estava quente e falou com eles por um longo tempo. Eventualmente, Tom teve que arrancá-lo para que pudéssemos passar para uma festa.

200


Eu e Riley entramos na limusine primeiro, enquanto Tom falou com algum figurão fora do carro. Riley virou-se para mim, os olhos brilhando e seu rosto corado. − Eu fiz isso, porra. − Sua voz tremia. − Eu não posso acreditar nisso. Eu sorri, querendo abraçá-lo e beijá-lo tanto que doía. − Eles ainda te amam. Ele riu. − Eu quase vomitei quando eu comecei a falar. − Sim, você parecia nervoso. − Foda-se. − Ele balançou a cabeça. − Meu coração estava batendo tão forte que eu estava com medo que teria um acidente vascular cerebral antes que pudesse conseguir as palavras. Eu ri, e contra o meu melhor julgamento, o abracei. Era como se não pudesse me manter longe dele. Ele imediatamente colocou seus braços em volta de mim, e seu hálito quente foi contra meu pescoço. − Estou tão feliz que você estava lá, Colin. Significou muito olhar e ver você e Tom lá. − Eu estou orgulhoso de você, Riley. Ele apertou os lábios na minha pele, e um arrepio de desejo passou por mim. Eu sabia que precisava deixá-lo ir, mas era difícil. Sentia-se tão bom contra mim, e tinha sido um longo tempo desde que eu o tinha tocado.

201


Ele virou a cabeça para que as nossas bocas estivessem apenas alguns centimetros. Seu doce, hálito quente soprava contra meus lábios, e eu sabia que ele queria me beijar. Eu doía para ele me beijar. Tom ia entrar no carro a qualquer segundo, então eu sabia o quão estúpido era estar segurando Riley. Mas eu ainda queria. Semanas de tentando ignorar minha atração por ele estavam me abatendo. Quando ele se afastou lentamente, era difícil esconder minha decepção. Eu deveria estar aliviado. Falei com ele sem parar sobre os males de se envolver, e deveria ter apreciado que ele estava respeitando meus desejos. Mas em vez disso me sentei com meu pau meio duro e meu pulso correndo descontroladamente, me sentindo insatisfeito. Tom abriu a porta, e eu endireitei. Ele se estabeleceu em frente a nós. − Bem, o gato está fora do saco agora. − Ele suspirou. − Dentro de dois segundos após você abrir a boca, havia um vídeo no YouTube. Riley fez uma careta. − Deus. Eu não quero vê-lo. Eu sei que soei como um idiota incoerente. − Não. − Eu balancei minha cabeça. − Ei, você foi coerente e sincero, e isso percorrerá um longo caminho com a opinião pública. − Tom esfregou o queixo. − Eu marquei algumas entrevistas de rádio para amanhã. Queremos estar à frente da história. − Eu estava dizendo a Colin, que senti como se estivesse prestes a ter um derrame.

202


− Você e eu, garoto. − Tom riu. − Eu estou contente que o percurso é longo. − Riley olhou pela janela para as ruas escuras enquanto nós dirigimos. − Mesmo sabendo que não haverá alguma folga. − Se você está em mídias sociais, vai ver alguma merda ignorante. Esperar e ignorar. Não lhes dê a satisfação de responder. − Eu não vou. − O vídeo do YouTube já está cheio do tipo de coisa intolerante que você esperaria. Mas estou feliz em dizer que noventa por cento dos comentários são favoráveis. A opinião pública parece estar do seu lado como você esperava. O júri é ainda para fora sobre nossos patrocinadores. Eu estou esperando que eles tenham algumas bolas. − Alguns vão socorrer, mas outros irão substituí-los, − eu disse calmamente. − Eu realmente espero que você esteja correto. − Só falando com alguns dos fãs hoje à noite me fez feliz que eu saí. − A voz de Riley era firme. − Eles precisavam tanto quanto eu. A limusine parou na frente do clube que estava hospedando o afterparty de Riley. Era um grande edifício, e estava cheio de ambientes de negócio. Eu tive meu trabalho cortado para mim, porque o clube estava lotado de pessoas que queriam estar perto de Riley. O desafio foi deixar as pessoas

203


perto o suficiente para que se sentissem como se tivessem uma boa experiência, mas não tão perto que poderiam fazer alguma coisa para machucá-lo. Riley bebeu um pouco mais que o habitual, mas ele parecia tão feliz que eu não o culpava por ter deixado solto. Esta foi uma grande noite para ele. Tom pairava nervosamente. Ele sempre odiava quando Riley bebeu. Eventualmente, desistiu de tentar controlá-lo, e se estabeleceu em seu lugar. Uma menina com cabelo cor da boneca Ann pairou perto de Riley a maior parte da noite. Eu lembrava vagamente de vê-la na periferia das multidões antes, em outras cidades. Ela nunca realmente se aproximou dele para conversar. Só ficou atrás e assistiu. Hoje à noite ela chamou minha atenção por causa da intensidade de seu olhar. Era difícil dizer se estava apaixonada por Riley ou ressentida. Quando chegou às duas horas, Tom insistiu em voltar para o hotel. Riley não discutiu. Seus olhos estavam cheio de exaustão, mas parecia contente. Eu o ajudei a andar pelo corredor até nossas suítes, com o braço ao redor da minha cintura. O deixei em seu quarto com seu cartão chave, e ele tropeçou para a cama. Sentou-se na beira do colchão com seu cabelo loiro desgrenhado e um sorriso satisfeito nos lábios. − Que noite ótima. − Ele suspirou. Eu ri e fiquei perto da porta com os braços cruzados. − Você parecia contente consigo mesmo.

204


− Eu definitivamente estava. − Apareceram suas covinhas. − Estou muito bêbado. Houve uma batida suave na porta, e eu fiz uma careta. − Você está esperando alguém? Ele zombou. − Não. Eu olhei pelo olho mágico, mas realmente não pude ver bem. Em vez de abrir a porta, escorreguei no meu quarto e lentamente abri a porta para que pudesse ver quem estava de pé no dele. Fiquei chocado ao encontrar a menina de cabelos vermelhos do clube pairando fora de seu quarto. Entrei no corredor. − Posso ajudar? Ela pulou e apertou a mão ao peito. − Ó meu Deus. Você me assustou. − Ela parecia muito formal em uma camisa de botão e saia de tweed. Não parecia particularmente ameaçadora, mas era obviamente estranho estar batendo na porta de Riley a esta hora da noite. − São duas e meia da manhã. Não é realmente um grande momento para uma visita. − Como ela sabia onde era o quarto de Riley? − É só que eu nunca tive a chance de falar com ele no clube. − Uma pequena carranca apareceu entre suas sobrancelhas ruivas. − Talvez você possa me dar suas informações de contato e eu posso ter Riley ligando amanhã.

205


− Como eu sei que você não vai simplesmente jogá-las fora? − Ela perguntou suavemente. − Eu nunca faria isso. − Claro que você diria isso, mesmo se for lançar fora minha informação. Eu ri porque no começo pensei que ela estava brincando. Mas ela não estava. − Eu prometo que vou dar-lhe sua informação. − Puxa, eu não sei. − Ela mordeu o lábio inferior. − Tenho tantas coisas para dizer a Riley. Pode ser difícil transmitir meus sentimentos pelo telefone. − Ela suspirou. − Bem, infelizmente agora não é um bom momento para vê-lo. Ela torceu suas mãos. − Pena, eu realmente tinha o meu coração situado em uma agradável visita. − Tenho certeza que ele adoraria falar com você. − Você realmente acha isso? − Ela deu um passo em minha direção. − Claro. Embora ele provavelmente esteja dormindo por agora. Ela fez beicinho. −Oh droga. Eu procurei meus bolsos para um cartão e uma caneta para ela escrever sobre. Estendi para ela. − Deixe o seu nome e número. Vou ter certeza que ele te ligará.

206


− Eu suponho que não tenho escolha. − Ela pegou e começou a rabiscar no cartão. − Como você sabia que quarto Riley estava? Suas bochechas ficaram rosadas. − Eu estou envergonhada de dizer-lhe. − Vamos. Diga-me como você sabia, − Eu persuadi. Ela me entregou o cartão, mas manteve a caneta, e manteve clicando nela nervosamente. O segui como um espião. − Ela deu um pequeno sorriso. − Não é tão difícil realmente. Você só fica para trás e ver qual andar ele vai. Então espreitar pelo corredor e anotar o quarto. − Menina inteligente. − Às vezes, as pessoas não me notam. Isso ajuda. Eu apenas assenti. − Você está com raiva de mim? − Sua voz tremeu de preocupação. − Não. Muita gente quer falar com Riley. Compreendo. Ela segurou a caneta para mim. − Eu só preciso perguntar-lhe alguma coisa. Isso está realmente me incomodando. Olhei para o cartão com sua informação, notando que seu nome era Hope. Sua escrita era perfeita, cada letra exatamente da mesma altura e distância. As letras poderiam ter sido estampadas no cartão de tão impecáveis. − Eu vou ter certeza que ele te ligará.

207


− Isso é tão agradável de você e tudo... mas... eu estava realmente esperando falar com ele hoje à noite. − Ela passou a mão trêmula sobre seu cabelo. − Eu não dormi por semanas. Isso está realmente se tornando um problema. − Ela deu uma risada estranha. − Eu sinto muito. Deus, estou sendo estranha? − Um... − Estou tão nervosa. Quando a porta de Riley se abriu de repente, eu estava chateado. Ele sabia melhor do que interromper quando eu estava lidando com alguém. Ele entrou no corredor, e sorriu para Hope. Ela engasgou e cobriu o rosto, os olhos arregalados. − É realmente você? − Ela chiou. Riley sorriu e encontrou meu olhar irritado quando me movi para chegar entre ele e Hope. − Riley, volte para dentro. − Minha voz estava rouca. − Por quê? − Ele ainda estava tonto, e parecia irritado. − Eu só quero dizer oi. Dei-lhe um olhar duro. − Eu estou lidando com isso. Volte para dentro. Ele revirou os olhos. − Não seja um valentão. − Riley, você precisa ouvir e me deixar fazer o meu trabalho. Ele espiou em torno de mim em Hope. − Desculpa. Ele pode seruma dor na bunda, às vezes.

208


− Está tudo bem, − Hope disse suavemente. − Dentro. Agora. − Eu apontei. Não só ele estava se colocando em uma situação ruim, mas agora eu tinha Hope nas minhas costas o que me deixou desconfortável. Eu não sabia nada sobre a garota. Ela parecia doce, mas mostrando-se na porta de um estranho, às duas e meia da manhã não era normal, não importa o quão educado parecia. − Riley você provavelmente deve ouvi-lo, − Hope murmurou. − Ele está aqui para mantê-lo seguro. − Você quer um autógrafo? − Perguntou Riley, tentando me afastar. Parecia que teimava em falar com ela, então desloquei para onde poderia pelo menos ter meu corpo entre os dois. Ela estremeceu quando ele perguntou a ela sobre o autógrafo. − Oh, isso é bom. − Ela passou a mão para baixo sua saia cinza. − Eu não vim aqui para isso. − Eu estava dizendo a Hope de que você poderia chamá-la amanhã e ter uma conversa agradável. Riley franziu a testa. − Mas ela está bem aqui. Por que não temos nossa conversa agora? − Mesmo? Você queria falar comigo agora? − Seus olhos brilharam.

209


Eu fiquei muito frustrado. O que ele estava pensando? Eu não podia permitir uma garota estranha em seu quarto àquela hora. − Riley, é muito tarde. − Mas... − Talvez você não esteja cansado, mas eu estou. Vamos, Riley. Preciso dormir e não posso descansar até que você faça. − Awww. − A voz de Hope era plana. − Ele quer ir dormir. Eu segurei o olhar teimoso de Riley e disse: − Sim, eu quero. − Estamos sendo rudes, Riley. Nós não devemos manter Colin acordado. Eu atirei-lhe um olhar rápido. − Obrigado. − Não tem problema. − Ela se moveu tão rapidamente que eu não tive tempo para reagir. Ela espetou uma agulha no meu pescoço, e então engasgou, como se surpreendida por seu próprio comportamento. − Que diabos? − Eu rebati, puxando a agulha do meu pescoço e esmagando-o contra a parede. Eu estava furioso comigo mesmo que ela tinha me pego de surpresa. Eu precisava obter Riley longe dela, então o empurrei em seu quarto e fechei a porta quando um rubor quente passou pelo meu tronco e face. Porra. flush ainda estava olhando, confusa com o que ela tinha feito. Seu rosto mudou e ela começou a chorar. − Eu sinto muito.

210


Riley começou a abrir a porta, e eu agarrei a alça e puxei fechada novamente. − Mantenha a porta fechada − Rosnei. A neblina começou a descer sobre o meu cérebro e meus membros estavam pesados. Eu não podia acreditar que a porra de uma menina tinha me picado com uma agulha. A enfrentei, tonto e desorientado. − Com o que você me injetou? Ela encolheu os ombros, mas ainda estava chorando. Eu tropecei para o lado, e sentindo-me tonto, caí de ancas. Isso não era bom. Meus braços não funcionavam corretamente, e eu senti como se estivesse prestes a desmaiar. − Merda. Ela acariciou minhas costas. − Está bem. Está bem. Tudo vai ficar bem. − Sua voz era como uma menina falando com sua boneca em um chá da tarde. Eu não conseguia sentir meu rosto e meus braços estavam dormentes. − É melhor você ir embora. − Eu segurei seu olhar selvagem. − Riley está ligando para a polícia neste momento. − Eu com certeza esperava que ele estivesse chamando a polícia. Ela estava obviamente fora de sua mente. Ela juntou as mãos. − Eu não posso sair ainda. − Ela sugou as lágrimas e deu uma risadinha estranha. − Ainda preciso perguntar a Riley minha pergunta, bobo. − Ela bagunçou meu cabelo. Atrás dela, Riley escorregou para fora da porta da minha suíte. Eu queria gritar quando o vi. Será que ele não compreendia que precisava ficar dentro de casa e pedir ajuda? Não tinha ele alguma vez ouvido uma porra do

211


que eu disse? Tivemos protocolo para situações como estas. Ele deveria ficar na área de segurança e me deixar lidar com o problema. − Cadela, − Eu rosnei para ela apenas para obter a sua atenção em mim. Ela parecia insultada, as faces coradas enquanto se endireitava. − Isso não é o tipo de linguagem que um cavalheiro usa em torno de uma senhora. O rosto de Riley estava tenso quando subiu em cima dela. Que diabos ele estava fazendo? Estava tentando se obter ferido. Abri a boca para gritar, mas o que saiu foram grasnidos. Eu caí contra a parede enquanto o quarto parecia se inclinar, caí de lado. Porcaria. Com a minha cara no tapete, me senti patético. Fiquei aliviado além da crença quando vi dois policiais se esgueirando pelo corredor por trás de Riley. Queria dizer a eles que estava tudo bem, mas não podia forçar as palavras da minha garganta apertada. Enquanto isso, Calça louca ainda estava falando para mim. − Quando ele me perguntou se queria um autógrafo, foi tão ofensivo. Você não acha que foi um insulto? − Ela parecia que ia chorar novamente. − Quero dizer, vamos lá! Autógrafos são para simples fãs. Eu o amei desde sempre. E eu quero dizer o amor verdadeiro também. O amor verdadeiro. Obviamente. Nada diz amor como drogar o guarda-costas de sua paixão.

212


Ajoelhou-se no chão e colocou seu rosto centímetros do meu. − Uma questão. Mas você não poderia mesmo me deixar ter isso, poderia? − Ela escovou o cabelo dos meus olhos. – Você é tão egoísta. − KakOw, − eu murmurei, enquanto tentava dizer “foda-se”. Os policiais estavam apenas alguns centímetros dela agora, e Riley os tinha visto e recuou. Eu esperava que o que ela tinha injetado em mim não era mortal. Eu não queria morrer assim. Quando um dos policiais a agarrou, ela parecia indignada. − O que você está fazendo? Eu tenho que falar com Riley, − ela gritou, tentando torcer livre. Riley passou por ela e se ajoelhou ao meu lado. − Colin? Colin, fale comigo. Discurso não era meu forte no momento, então eu nem sequer tentei. Eu acho que gemi. Alto. E sem dúvida babava no chão um pouco. Não foi definitivamente o meu melhor momento. − Riley? − Ela gritou, lutando com o cara segurando-a. − Riley, eu te amo. Eu te amo − ela soluçou. − Por que você não me ama de volta? Por que ninguém nunca me ama de volta? As pessoas abriram suas portas, perturbadas pelo tumulto alto fora seus quartos. Riley sentou ao meu lado no chão, acariciando minha cabeça quando Tom veio correndo em nossa direção. − O que diabos aconteceu? − Tom resmungou, vestindo um roupão.

213


− Essa menina louca o injetou com alguma coisa. − A voz de Riley balançou. − E se ela o matou, Tom? Aquela vadia estúpida, − ele gritou. − Riley! − Ela gritou quando a polícia a arrastou para longe. − Riley, me ajude! − Colin, − Riley sussurrou. − Fique comigo, Ok? Fique comigo. Foi tão frustrante que a minha boca não iria funcionar. Meus olhos pareciam que tinham pequenos pesos de chumbo arrastando-os para baixo. Se eu estava morrendo, eu queria dizer a Riley o quanto ele significava para mim. Queria dizer a ele como estava chateado que nunca tinha tido a chance de explorar o que tinha começado com ele. Queria dizer a ele de todos os alphas que já conheci, ele era o único que eu gostaria que fosse meu. Eu queria tantas coisas naquele momento patético, de bruços no chão, possivelmente morrendo. Mas tudo que eu podia fazer era fechar os olhos e ceder à escuridão.

214


Capítulo 15 Riley Quando Colin finalmente abriu os olhos, levou tudo que eu tinha para não saltar em toda a sala e abraçá-lo. Ele sentou-se e jogou as pernas sobre a cama ER como se estivesse tentando ficar de pé. − Uau. − Eu corri em direção a ele. − Não se levante ainda. Ele esfregou o rosto mais ou menos. − Onde estou? − Memorial Batista. Ele me olhou fixamente, parecendo um pouco perdido. O desejo de levá-lo em meus braços era quase irresistível. O alpha em mim queria confortá-lo. − Lembra-se daquela garota louca injetando você? Ele fechou os olhos em um piscar lento. − Oh, sim. − Seu rosto tingiu de rosa. − Eu estava tão preocupado com você. Ele fez uma careta. − O que ela me deu? − Brevital de sódio. − Merda. Ela pesava tão pouco começou a cair em mim.

215


− Basta ser feliz que ela nos disse o que lhe deu. Tornou as coisas muito mais fáceis para todos nós. Ele esfregou a parte de trás do seu pescoço. − Eu mereço ser demitido. − O quê? − Eu fiz uma careta. − Por quê? − Ela me pegou desprevenido. − Ele começou a abotoar a camisa que o médico ER tinha aberto mais cedo para examiná-lo. − Isso é porque ela parecia inofensiva. − Eu sei melhor. Ninguém é inofensivo. − Seus olhos eram de um azul tempestuoso. − Não seja tão duro consigo mesmo. Ele me ignorou. − Podemos ir? − O médico disse que só precisa vê-lo acordado e vai assinar sua alta. − Eu preciso fazer alguns telefonemas. − Seja paciente. Não há recepção aqui de qualquer maneira. Uma mulher com um casaco branco entrou na sala. Ela tinha os óculos na cabeça e uma linha profunda entre as sobrancelhas. Estendeu a mão para Colin. − Dr. Edwards. Prazer em conhecê-lo. − Ela não perdeu a compostura antes que puxou um pouco de luz do bolso e atirou aos olhos de Colin. Ele fez uma careta e deu uma risada desconfortável. − Eu tenho certeza que eu estou bem.

216


− Eu sou o médico, então eu vou ser o juiz disso. − Ok. − Ele agarrou a mesa de exame, os dedos enrugando a tampa do papel. − Você é sortudo. Brevital sódio limpa fora do sistema rápido. − Ela se endireitou, buscando o topo de sua cabeça para seus óculos. Pegou a prancheta no balcão e assinou um termo ligado a ele. −Você está pronto. − Isso foi rápido, − eu disse. − Só queria ter certeza que as drogas estavam na sua maioria desaparecidas. − Obrigado, Dr. − disse ele. − É isso aí. − Ela saiu da sala tão rápido quanto entrou, eu fiquei surpreso que os cartazes nas paredes não voaram fora. − Eu acho que ela está ocupada. − Eu sorri. Ele deslizou fora da mesa de exame. − Preciso ligar para os meus superiores e que eles saibam o que aconteceu. Deixamos a sala e manipulamos a papelada rapidamente. Várias pessoas me pediram um autógrafo, o que me pareceu estranho vendo como estávamos em uma sala de emergência. Uma vez que estávamos na limusine, ele chamou o seu chefe. A pessoa do outro lado falava tão alto, que mesmo eu pude ouvi-lo, mas o rosto de Colin nunca mostrou um pingo de emoção. Ele tentou algumas vezes para obter uma palavra, mas desistiu depois de várias

217


tentativas falhadas. Ele finalmente desligou o telefone e olhou para fora da janela, parecendo triste. − Tudo bem? − Eu perguntei timidamente. − Eu ainda tenho um emprego se é isso que você quer dizer. − As coisas acontecem, Colin. Ele deu uma sacudida afiada de sua cabeça. − Não tenho desculpa. Eu a descaracterizei. Sabia que ela era estranha, mas não parecia terrivelmente perigosa. − Ainda me sinto mais seguro com você do que qualquer outra pessoa que conheço. − Eu me inclinei na direção dele. − Estou falando sério. − Obrigado, − ele disse calmamente. Ele não entendia o terror que eu senti ao vê-lo incapacitado. Houve um momento

verdadeiramente

horrível

quando

Colin

tinha

estado

completamente indiferente para mim e os para-médicos. Eu nem gostava de pensar nisso. −O que você pode me diz sobre a menina? − Perguntou. − Tom disse que seu nome é Hope Sinclair, e ela tem vinte anos. Eu acho que ela teve uma obsessão comigo há meses. Ela deixou o emprego para que pudesse me acompanhar em turnê. − Eu tremi. − Arrepiante. − Ela foi a pessoa que colocou a nota sob a porta do seu hotel?

218


− Parece que foi. − Eu suspirei. − Ela também admitiu estar dirigindo o carro que quase nos atropelou. − Ela admitiu isso? Dei de ombros. − Pelo visto. Isso é o que Tom disse. − Por que ela te atropelou se ela supostamente te ama? − Eu não tenho a sensação de que Hope está jogando com um baralho completo. − O estudei, odiando como ele parecia desmoralizado. − Ela geralmente toma remédios para a esquizofrenia, mas tem estado fora de seus remédios. Ele apertou as mãos às têmporas. − Jesus. Que noite. Toquei seu braço, e ele olhou para mim com cautela. − Eu estou contente que você esteja bem. − Droga, Riley. Graças a Deus você está bem. Ela poderia ter tido uma arma. Eu realmente fodi tudo. − Besteira. Ele arregalou os olhos. − De que maneira eu não fodi? − Você teve a situação tratada, e então eu saí do meu quarto. Você estava fazendo muito bem. Eu distraí você. Ele encolheu os ombros. − Ainda. Estou acostumado a distrações.

219


− Não. Você tem uma maneira muito rigorosa de fazer as coisas, e eu estraguei tudo. Poderia ter conseguido nós dois mortos. Eu estava bêbado e ela parecia inofensiva. Sua mandíbula apertou. − Eu sou responsável por sua segurança. Ponto. A limusine chegou ao hotel e nós saímos. Ele não falou no caminho para cima no elevador, e no minuto em que entrou em nossas salas, foi deitar em sua cama. Eu o ajudei a tirar o casaco, e ele deitou com um gemido. Era difícil dizer o que o machucava mais, o seu orgulho ou sua cabeça. Seus olhos estavam fechados e seus cílios descansaram em suas bochechas. Por sua respiração, eu sabia que ele não estava dormindo. Senteime ao lado dele, e ele abriu os olhos, observando-me em silêncio. Peguei a mão dele nas minha, e sua boca ficou tensa. − Houve um momento em que eu pensei que ela tinha te matado. − Engoli em seco. − Você estava quase sem respirar, e até mesmo o para-médico pareciam nervosos. − Eu parei e balancei a cabeça. − Eu não tinha certeza se alguma vez falaria com você de novo. Em vez de puxar a mão, ele passou os dedos com os meus. − Eu sei. Eu pensei a mesma coisa. − Sim? Ele lambeu os lábios, seus olhos cheios de emoções não ditas. Eu puxei uma respiração instável. − Eu tinha arrependimentos.

220


Ele estreitou os olhos. Eu dei uma risada dura e trouxe nossas mãos entrelaçadas à minha boca, escovando meus lábios sobre os nós dos dedos. − Eu realmente gosto de você. − Eu suspirei. − Mas então, você já sabe disso. − Eu uh... Eu tinha arrependimentos também. Excitação vibrou no meu estômago. − Mesmo? Ele assentiu. − Definitivamente. − Fico feliz em ouvir isso. − Eu ri. − Eu só ficava pensando que nós tínhamos perdido tanto tempo. Pensei que nunca poderia ter a oportunidade de lhe dizer como me sinto sobre você. −Eu também. − Seu rosto ficou vermelho e ele parecia envergonhado, mas continuou. − Eu tenho evitado alphas a maior parte da minha vida. Eles apenas me mostraram o caminho errado. Mordi o lábio, esperando que houvesse um “mas” chegando. − Então eu conheci você. − Ele fez uma careta. − Isso soa tão piegas. − Eu gosto de ouvir como você se sente. Ele franziu a testa. − Eu nunca queria ou precisava de um alpha. Meu coração bateu mais rápido enquanto suas palavras suaves afundaram em mim. − Mas você sente diferente agora?

221


Seus dedos apertaram os meus tão apertado que quase ficaram dormentes. − Eu sei que é errado e que eu deveria manter distância. Mas é tão difícil, por vezes, Riley. Eu só quero... − O quê? − Eu perguntei sem fôlego. − O que você quer? Ele balançou a cabeça e baixou o olhar. − Olhe para mim, Colin. − Ele lentamente fez como eu pedi, travando seu olhar cauteloso com o meu. − Eu não estou sendo profissional. − Você é profissional quando é preciso. Isso é pessoal. Estamos autorizados a tempo pessoal. − Eu sabia que deveria ter recusado essa tarefa. − É realmente como você se sente? Ele soltou a minha mão. − Se eu estou apenas pensando sobre o meu trabalho, então sim. − É o seu trabalho o suficiente? − Quando ele não respondeu, eu disse: − Porque minha carreira não é. Eu amo a minha música, mas o que diabos é o ponto dela se eu estou sozinho o tempo todo? Eu canto sobre o amor e relacionamentos, e, entretanto, minha vida consiste em encontros de uma noite ocasionais e solidão angustiante. Seu olhar se suavizou.

222


− Eu sei que você valoriza o seu trabalho, mas é frustrante como o inferno que seu trabalho nos separa. Como vou lidar com o fato de que o único cara que eu realmente quero não me quer? − Eu quero você. − Sua voz estava rouca, e ele sentou-se. − Querer você nunca foi o problema. Peguei a mão dele novamente. − Vê-lo no chão a noite e temendo o pior... isso me fez menos disposto a esperar. Sei que é um clichê, mas a vida é realmente porra frágil. Isso foi tão claro para mim esta noite. Eu não quero andar nas pontas dos pés em torno de como me sinto sobre você nem um dia a mais. Eu quero você na minha vida. Ele baixou o olhar. − Riley... − Isso é o que eu quero. O pomo de adão balançou em sua garganta. − Eu não sei o que dizer. − Eu não estive com ninguém desde que você passou a noite comigo. Você sabe por quê? Ele balançou a cabeça lentamente. − Porque eu não quero mais ninguém. Eu não consigo tirar você da minha cabeça. Suas narinas queimaram. − Eu penso sobre a nossa noite juntos, e quero mais. Me der mais, Colin.

223


− Riley... há coisas que você não entenderia. − Seus olhos pareciam um azul brilhante. − Como o quê? Ele abriu a boca, mas não saiu nada. − O que é tão importante que me faria parar de querer você na minha vida? − Não é fácil de explicar. − Ele fez uma careta. − Você é um espião russo? − Eu provoquei. − Você gosta secretamente de assistir ballet na água? Ele fez uma careta. − Não. − Então boa tentativa. − Estou falando sério. Há coisas sobre mim que você não conhece. − E daí? Você acha que sabe tudo sobre mim? − Isso é diferente. − Então me diga. − Deus. − Esfregando o rosto mais ou menos, ele gemeu. − Estou aqui para cuidar de você. Não te foder. − Porque você não pode fazer as duas coisas? − Porque eu não deveria.

224


Fiz uma careta. − O que eu sinto por você não é apenas luxúria. É muito mais e eu sei que você sente isso também. Ele gemeu. − Você está me torturando. − Sim? − Ele parecia estar à beira de ceder, o que me empurrou para frente. − Passe a noite comigo. − Riley. − Você disse que tinha arrependimentos. − Eu tenho. Sua expressão era desconfortável quando me mexi para deitar ao lado dele. − Prove. Não se entregue ao seu medo. Pegue o que quiser. Seu rosto estava rígido com preocupação, mas seus olhos tontos com o calor sensual. − Você está tornando isso tão difícil. − Sim? − Eu lentamente abri o zíper da minha calça jeans e mexi meus quadris. Os chutei no chão. − E agora? Seus olhos esbugalhados percorriam minha cueca. −Isso não é justo. − Eu não me importo com justo. Eu não quero perder mais tempo. − Escorreguei meus dedos sob o cós da minha cueca e lentamente deslizei para fora. Meu pau balançava contra meu estômago, e ele respirou um suspiro luxurioso. − Veja o quanto eu preciso de você? − Eu sussurrei. − Seu desgraçado.

225


Eu me toquei, segurando seu olhar aquecido. − Vamos lá, se dê. Eu sei que você quer isso tanto quanto eu. Não quero nunca me arrepender de não tentar com você. − Riley, − ele murmurou. − Esta noite foi um ponto de viragem para mim. Eu estou vivendo minha vida de agora em diante. Eu quero você. Eu não vou fingir o contrário. − Você só não vai parar, vai? − Não. Algo pareceu soltar nele, e ele começou a desabotoar a camisa. − Eu te odeio. − Não, você não. − Minha excitação subiu quando ele deixou cair sua camisa no chão e abriu o seu cinto. − Eu vou perder meu emprego se alguém descobrir. − Este é o nosso negócio particular. Eu só quero te tocar, te abraçar, e não ter medo o tempo todo. Ele estremeceu com a minha voz, e uma vez que estava nu, rolou para mim, os olhos cheios de fome carnal. Seu pau estava ereto e sua respiração elevada. Estendi a mão para ele, e deslizou contra mim, os nossos pênis aninhados juntos. Revirei os quadris, e nós dois gememos com o delicioso atrito.

226


− Eu queria tanto isto, − ele murmurou, esfregando contra mim com um suspiro. − Deus, é tão bom tocar em você novamente. − Foi um caminho muito longo. − Meu coração batia forte contra minhas costelas quando necessidade e adrenalina inundaram meu corpo. Nos beijamos como se estivéssemos desesperados, nossos dentes e nossas línguas em um confronto emaranhado. Meu alfa tomou lentamente o controle, e era bom deixar ir. Comecei a pensar que nunca chegaria a prová-lo novamente, mas ele estava de volta na minha cama, onde pertencia. Seu ômega precisava de mim tanto quanto eu ansiava por ele. − Fique em seu estômago. Deixe-me dar prazer a você, − eu sussurrei. Ele obedeceu e corri minhas mãos sobre sua pele bonita, suave. Seu corpo era perfeição, muscular e sem uma onça de gordura em qualquer lugar. Ele estava todo homem, e meu pau doía para se obter dentro dele. Ele arqueou as costas e gemeu, oferecendo seu traseiro arredondado para mim. Espalhei suas bochechas firmes e mergulhei a cabeça para saboreálo. Ele cheirava a sabão e musk, e lambi seu buraco enrugado, enquanto meu pau vazava contra sua coxa. Empurrei minha língua para ele, e agarrou os travesseiros, os nós dos dedos brancos. − Ah, porra. − Sua voz tremia. Seu sabor e aroma me deixaram louco, e eu lambia e chupava sua carne até que ele transava na cama desesperadamente. Peguei o lubrificante da gaveta do criado-mudo, notando que não havia preservativos. Eu era muito

227


na luxúria para levantar e procurar na minha mala por preservativos naquele momento. Pensei em procurar um depois que deixasse Colin agradável e ligado. Lambuzei meus dedos com lubrificante para que pudesse dar prazer dele. Ele gritou quando escorreguei meus dedos profundamente em seu traseiro, acariciando sua próstata. Ele engasgou e empurrou de volta contra a minha mão, me implorando para transar com ele. Ignorei seus apelos por um tempo, trabalhando-o em um frenesi vigoroso, até que não poderia esperar mais. Puxei meus dedos dele e comecei a levantar para pegar um preservativo. Ele agarrou meu pulso. − Aonde você vai? − Perguntou. Seus olhos eram de um azul estranho, e sua voz retumbou em seu peito. − Estou pegando um preservativo. − Não. Apenas me foda agora. − Havia um desespero em sua voz, e sua excitação inebriante fez o alpha em mim se sentir imprudente. O instinto me disse para ir para ele e reclamá-lo. Eu suspirei e esfreguei meu pau sobre a sua abertura, arrastando a cabeça ao longo de sua fenda. Era tão tentador escorregar dentro dele nu e apenas tomar o que queria. − Eu não deveria. Não sem um preservativo, − eu disse, me agarrando ao último pingo de autocontrole em mim. Ele gemia e se contorcia. − Foda-me, − suplicou ele.

228


A necessidade dolorida em sua voz falou com o alpha em mim. Excitação e instinto passaram por mim, me pedindo para reivindicar o que eu senti que já era meu. Meu pau pulsava contra sua bunda enquanto lutava contra o desejo de marcá-lo como o meu. − Quero isso. Eu preciso disso. Eu gemi. Era difícil ignorar os argumentos apaixonados de um ômega que você queria reclamar. − Eu não deveria. − Você deveria − ele respirou, esfregando contra mim. − Por favor. Eu sei que você quer. Pegue o que quiser. Tome o que é seu. − Colin... Ele ergueu a bunda, choramingando. − Alpha, por favor. Sua voz trêmula e anseio ligou meu lado egoísta, e eu perdi o controle de toda a lógica. Como uma marionete sem vontade própria, me lubrifiquei e me posicionei entre suas coxas. Pressionei contra ele, e apertou sua bunda tornando difícil não gozar no segundo que entrei nele. − Oh, Deus, sim − ele sussurrou enquanto meu pau deslizou dentro. Ele estendeu a mão e apertou os dedos trêmulos sobre a minha perna. − Tão perfeito. Eu cobri seu corpo com o meu, segurando-o para baixo. Gemi enquanto balançava contra ele, deslizando meu pau dentro e fora de sua bunda. − Você gosta de me sentir dentro de você, ômega?

229


− Foda, sim − ele gemeu. Eu beijei a nuca, saboreando sua pele salgada enquanto penetrava no calor apertado de sua bunda. Ele enfiou os dedos na carne da minha coxa enquanto gemia e se abria para mim. Seu corpo tremeu e balançou quando meu pau entrou nele profundamente, completamente engolido por seu buraco apertado. Ele choramingou: − Ah, porra. − Tão apertado. − Eu flexionei meus quadris, e ele gemeu mais alto. − Oh, Deus. − Os músculos de suas costas flexionaram quando ele levou-me profundamente. Empurrei meus quadris para frente com força, e ele gritou e pediu por mais. Agradeci, bombeando-o incansavelmente enquanto ele gemia e se contorcia embaixo de mim. Eu me senti excitado a ele de uma forma que nunca tinha experimentado com qualquer outro ômega. Sabia que ele geralmente não confiava completamente em alphas, mas o fato de que me queria tanto assim, mostrou um pequeno nível de fé em mim. Eu queria provar a ele havia bons alphas do mundo alphas e que ele poderia contar comigo. Ele era meu agora, e não haveria como voltar atrás.

230


Capítulo 16 Colin Eu estava fora de controle. Tinha melhor senso do que deixar um alpha me foder em pelo. Mas algo dentro de mim tinha tomado o controle. Eu precisava de Riley tão desesperadamente que toda a lógica tinha voado para fora do meu cérebro. Eu estava tomando um risco louco, mas me sentia bem. Alguma vozinha me pediu para deixá-lo derramar seu sêmen dentro de mim. Eu senti como se ignorando essa voz, trairia meu tipo. Tentei dizer a ele o que eu era, mas tinha sido incapaz de forçar as palavras da minha garganta apertada. E então o instinto de raça tinha me levado. Eu desejava sua semente. Era uma fome física impulsionada pelo meu ômega eclipse solar, a necessidade de se propagar e cumprir o meu destino. Eu não tinha percebido que o desejo estava em mim. Eu sabia que meu tipo poderia engravidar, mas não tinha percebido que era algo que prosseguiria ativamente. A necessidade de ser engravidado nunca tinha me batido antes. Não até que conheci Riley e tínhamos ficado tão próximos. Não até esta noite. Ele precisa saber sobre mim agora. Eu sabia que ele provavelmente iria me odiar ou pensar que eu era uma aberração quando descobrisse a verdade

231


sobre mim. Teria sido melhor rejeitar seus avanços. Mas quando o alpha em Riley me tivesse ordenado que fosse com ele, eu tinha sido incapaz de recusar. Meu instinto tinha sido ceder e deixar que ele me engravidasse, se possível. Minha intuição desesperada ainda me empurrava para frente, mesmo agora. Este é o meu destino. É por isso que eu existo. Lógica era inútil, porque agora ele estava dentro de mim, seu pênis tão profundo que senti como se estivesse na minha garganta. Ele estava nas garras de seu instinto também, e tudo o que podíamos fazer era nos entregar a ele e deixar acontecer. Mordi o travesseiro e grunhi enquanto empurrava violentamente. Dor misturou com prazer quando ele bateu em mim, e eu ansiava por mais. Os músculos de seus antebraços brilhavam de suor enquanto ele revirou os quadris e me fodeu duramente por trás. Eu arqueei minhas costas e encontrei seus impulsos, montando o seu pênis espesso com uma necessidade que eu não entendia. Queria gozar desde o segundo que ele entrou em mim, mas tinha me segurado. Precisava durar tanto tempo quanto possível. Ele ajustou a sua posição, suas mãos nas minhas costas enquanto deslizou seu pênis dentro e fora de mim. − Tão bom, − ele rosnou, balançando os quadris para trás e para frente. − Ah, porra, − Choraminguei quando meu orgasmo começou a formigar através de minhas bolas. −Eu vou gozar. Ele parou seus impulsos e puxou para fora. − Role,− ele ordenou.

232


Fiz o que ele disse, meu corpo dolorido com a necessidade de gozar. Seu peito musculoso estava escorregadio de suor, e seus olhos eram de um castanho suave amarelo. Ele empurrou minhas coxas e deitou em cima de mim. − Eu quero olhar em seus olhos quando você gozar. Eu solucei e depois gemi quando ele deslizou seu pênis de volta ao meu corpo. Estremeci e agarrei, minha bunda esticado para capacidade de sua largura. Foi um prazer doloroso tê-lo totalmente encaixado, e quando ele começou a empurrar novamente, eu não conseguia controlar os gritos de êxtase que estouraram da minha garganta. − Oh, porra. − Não goze ainda, − ele ordenou. O atrito do pênis entrando em mim e puxando para fora era quase demais. Pedi-lhe para me deixar gozar quando o impulso de mover de seu pênis me tinha em espiral cada vez mais fora de controle. − Por favor, − Eu gemia. Ele bombeava para mim com um sorriso engraçado. − Ainda não, ômega. Meu corpo tremia e eu não tinha certeza se poderia lhe obedecer. A cada empurrão e deslizar de seus abdominais meu pau inchado avançava mais e mais em direção ao meu clímax. Quando não aguentava mais, deslizei minha mão entre nossos corpos e comecei a empurrar meu pau.

233


− Sim, esprema pau, − insistiu ele. − Oh, merda, − eu ofegava. Seus impulsos aceleraram e seus lábios se separaram enquanto seu próprio clímax se aproximava. − Goze. Goze para mim agora. − Sua voz era como uma carícia. Ao som de sua voz rouca, meu corpo estremeceu e, em seguida, explodiu com um prazer tão intenso que quase desmaiei. Onda após onda de prazer me devastou, e eu tremia e gemia, meu pau derramando sêmen quente em meus músculos abdominais trêmulos. Seu olhar aquecido nunca me deixou, e então ele se esticou e gozou, seu esperma espirrando em meu interior, quente e pegajoso. Ele baixou a cabeça, pressionando seu rosto em minha garganta, e eu o segurei com força. Algo dentro de mim pareceu abrir e receber seu sêmen, sugando-o em meu corpo como água sobre a areia seca. Eu me agarrei a ele quando meu corpo se abalou e tremeu. − Ah, porra, − Eu assobiei, sentindo-me tonto. Cada polegada de minha pele formigava e doía quando tremores zumbindo percorreram meu abdômen. Eventualmente seus impulsos pararam, e ele levantou a cabeça, seus olhos a sua habitual cor marrons escuros. Nós dois estávamos sem fôlego quando compartilhamos beijos suaves. Ele retirou-se e desabou ao meu lado. Quando meu ômega se afastou lentamente, um sentimento de pavor tomou conta de mim.

234


O que diabos eu tinha feito? Apertei minha mandíbula e tentei controlar o pânico que me assaltou, agora que meu ômega tinha desaparecido. O que eu estava pensando? Deixei ele me foder sem qualquer proteção. Implorei a ele para me foder sem camisinha. Eu não era uma pessoa imprudente. De modo nenhum. Sempre estava cinco passos à frente, mas esta noite, eu tinha estado à mercê de meu ômega. Riley não pareceu estar ciente de como eu estava chateado. Ele foi-se novamente, todos os sinais de seu alpha desaparecido. − Isso foi incrivelmente... quente. Eu balancei a cabeça, ansiedade cantarolando no meu intestino. − E, possivelmente, tolo. Ele fez uma careta. − Sim. Definitivamente. Eu não sabia o que dizer ou como explicar o que tinha vindo sobre mim. Eu tinha instigado esta sessão sem camisinha, e não o culpava por ceder. Nós dois estávamos fora de controle. Eu precisava dizer a ele a verdade sobre mim, mas não tinha certeza de que agora era o momento certo. É claro que meu medo era que ia ficar grávido. Isso foi o que a meu ômega queria. Mas havia uma chance que não estivesse. Levou anos para Garrett engravidar de Alan. Eu não queria exagerar. − Eu nunca faço coisas assim. − Ele parecia envergonhado. − Eu não era eu mesmo.

235


− Nem eu − eu disse suavemente. − Foi puro instinto. Ele soltou um suspiro. − Meu alpha definitivamente assume quando estou perto de você. − Eu tenho o mesmo problema com o meu ômega. − Me desculpe, eu não tinha um melhor autocontrole. − Não é culpa sua. − Eu fiz uma careta. Ele suspirou e pegou alguns tecidos do criado-mudo. − Venha aqui. Fiz o que ele disse, e gentilmente limpou o sêmen do meu abdômen. Então jogou os tecidos usados para a pequena lixeira perto da cama. Ele bateu no peito. − Mais perto. Eu pressionei mais perto, e ele acariciou meu cabelo enquanto nos abraçávamos. A batida do seu coração sob minha orelha foi me acalmando, e fiquei sonolento. Resmunguei quando um tremor estranho rolou através de mim. Enterrei mais perto dele, instintivamente procurando o calor de seu corpo. Ele beijou meu cabelo e suspirou, apoiando o queixo na minha cabeça. O calor de seu corpo era calmante, e eu comecei a me sentir um pouco melhor. Fechei os olhos novamente, me sentindo tonto. Alguns minutos se passaram, e então os estranhos arrepios de mais cedo voltaram quando outro tremor retumbou através de mim.

236


Abri os olhos quando o meu desconforto se intensificou. Eu estava tentado a ficar debaixo das cobertas, mas não queria perturbar Riley. Estremeci quando outro frio empurrou através de mim, só que desta vez ele foi acompanhado por uma dor ardente no meu intestino. Vacilei e cerrei os dentes contra a dor surda, não querendo mostrar minha angústia. Ele deve ter notado alguma coisa, porque levantou a cabeça. − Você está bem? − Sim. − Eu não tinha certeza como descrever o que eu senti, entãomantive isso para mim. Ele se aconchegou perto e tentei relaxar meus músculos tensos, mas quando outra dor lancinante me bateu, eu assobiei e me contorci contra a dor. − Merda. − Eu tremi quando meus músculos apertaram e sacudiram. Meus dentes batiam quando calafrios percorreram meu corpo, puxando um gemido de minha garganta apertada. − Colin? − Ele sentou-se. − O que está errado? − Eu não sei. − Agarrei meu estômago e gemi, curvando meus joelhos no meu peito. Meu intestino doía e queimava quando bile subiu na minha garganta, fazendo-me ter náuseas. Riley ajoelhou-se em cima de mim, suas sobrancelhas se uniram. − Você está doente?

237


Eu me contorcia e gemia enquanto meu interior pulsava com agonia. − Oh, Deus. − Respirei fundo, sentindo como se estivesse morrendo. − Seu olhos… − Ele parecia confuso. − Estão tão brilhantes. No fundo da minha mente eu podia ouvir Riley tentando falar comigo, mas não podia responder. Fechei os olhos e estremeci incontrolavelmente. − Eu estou chamando um médico. − Não, − eu gemi. − Por que não? − Ele acariciou a mão sobre minha testa. − Você está queimando. Abracei-me, tentando não gritar contra a dor. Mais calafrios ondulavam sobre meu corpo, e eu gemi e arqueei as costas. − Foda-se. − Eu empurrei meus pés na cama, me contorcendo em agonia. − É isso aí. Vou chamar um médico. Eu agarrei o braço dele. − Não. Espere. −Eu não queria que ninguém encontrasse a mim e a Riley juntos na cama. − Por favor, espere. − Não. Alguma coisa está obviamente errada. Ofeguei por ar, tentando amenizar a dor. − Apenas espere. − Colin... − Sua voz estava tensa. − ... Eu não acho que eu deveria.

238


− Sim. Estou apenas com frio. − Me aninhei contra ele, determinado a mantê-lo onde ele estava, e instintivamente colocou seus braços em volta de mim. − Besteira. Você não está apenas com frio. − Mantenha-me aquecido. Ele apertou os lábios ao meu ouvido. − Você está me preocupando. Eu cerrei meus dentes contra a dor e estremeci. Ele apertou os braços. − Está bem. Você está bem, − ele sussurrou. Sua voz era suave, e, eventualmente, o tremor começou a diminuir. A agonia lancinante no meu intestino lentamente desapareceu, deixando-me fraco e coberto de suor. Depois de um tempo, respirei fundo, aliviado de que poderia finalmente expandir meus pulmões sem dor. Eu lentamente abri meus olhos e o encontrei-me observando. − Você está melhor? − Ele perguntou em voz baixa. Eu balancei a cabeça fracamente. − Eu acho que sim. − O que diabos aconteceu? − Eu não sei, − murmurei, lambendo meus lábios secos. − Eu não sei como descrever isso.

239


Ele afastou meu cabelo do meu rosto suavemente. − Seus olhos... eles eram tão brilhantes que eu não podia olhar para você. − O quê? − Eu fiz uma careta. − Eles foram os mais brilhantes azuis que eu já vi. − Ele mordeu o lábio. Eu consegui sentar-se muito lentamente. − Isso é estranho. − Sim. Você me preocupou quando não respondei. − Eu não podia. − Eu fiz uma careta. − Mas estou melhor agora. Talvez um pouco enjoado. Levantou da cama para vestir a cueca, e então se empoleirou ao meu lado na cama, com a boca tensa. − Isso não era normal. − Não. Definitivamente não. Mas eu... Eu acho que estou bem agora. − Você deve ser verificado por um médico. − Está bem. Eu estou bem, − menti, sentindo-me inquieto. Ele estreitou seu olhar. − Eu fui muito rude com você? − Não. − Poderia ser do Brevital sódio? − Eu duvido. − Não senti quaisquer efeitos residuais da droga que estivesse ciente. Ele apertou a minha parte inferior do estômago. − Talvez seu apêndice?

240


− Não dói quando você empurra em mim. − Eu fiz uma careta quando uma náusea fraca rolou através de mim novamente. Merda. Eu estarei doente. Tentei suprimir a amargura no meu intestino, mas não podia. Levantei e caminhei instável em direção ao meu quarto, usando as paredes para me manter em pé. − Aonde você vai? − Eu não me sinto muito bem. − Entrei no meu banheiro e ajoelhei em frente ao vaso sanitário. O ouvi vir atrás de mim, e quando queria dizer a ele para ir embora, não tive a chance porque outra onda de náusea me atingiu. Arquejei e vomitei no vaso sanitário. Fiquei humilhado que ele estava testemunhando este momento de fraqueza, mas não havia nada que pudesse fazer sobre isso. Vomitei e estremeci, me sentindo como a morte. Eventualmente, a náusea desapareceu e eu estava de pé e cambaleei até a pia. Escovei meus dentes e caminhei com as pernas trêmulas para minha cama. Caí sobre o edredom e me enrolei em uma bola patética. Orei para que ninguém tentasse nada com Riley agora. Eu era um desastre e seria inútil para protegê-lo. Ele me cobriu com algo macio, e o colchão afundou quando ele chegou do outro lado da cama. Eu estava tão cansado que não conseguia nem abrir os olhos.

241


− Se eu não estiver melhor em algumas horas, estou chamando meu chefe o farei enviar um substituto, − eu murmurei fracamente. Ele acariciou a mão sobre o meu cabelo. − Shhh. Apenas descanse. Eu exalei. − Eu sinto muito. − Pelo quê? Dei de ombros, incapaz de expressar meus medos. Isto tinha de ser uma intoxicação alimentar ou algo assim. Tinha que ser. − Colin, eu só quero que você fique bem. − Ele apertou meu ombro. − Isso é tão embaraçoso. − O quê? − Ele deu uma risada desconfortável. − Por quê? Eu não falei. Ele suspirou. − Você está doente. As pessoas ficam doentes. − Eu não. − Você é Superman, hein? − Praticamente. − Eu consegui levantar meu corpo e ficar debaixo das cobertas com a sua ajuda. − Só descanse. Eu cuidarei de você. Tanto quanto queria dormir, eu sabia que precisava falar com ele sobre não deixar ninguém saber sobre o nosso relacionamento. Me obriguei a falar. − Ei, Riley, você perceber que ninguém pode saber sobre nós, certo?

242


− Colin, está tudo bem. Estou fora do armário, lembra? − É mais complicado do que isso. − Por quê? − Se meu chefe sabe que eu estou envolvido com você, ele vai me transferir. Ele não vai fazer perguntas, ele vai apenas me puxar fora do trabalho. Ele respirou fundo. − Por quê? −Não é óbvio? − Não. − Olha, fui fraco e fui contra o meu melhor julgamento. Eu sabia que isso não era apropriado, mas fiz de qualquer maneira. Mas a linha de fundo é que meu chefe não vai tolerar esse comportamento. Ponto. − Qual é o grande negócio se a pessoa me protegendo tem sentimentos por mim? − Porque as emoções podem obscurecer o julgamento. − Eu não acredito nisso. Não com você. − Eu nunca deveria ter atravessado esta linha com você. Sabia disso, mas mesmo assim, fiz. Isso aí mostra que meu julgamento é uma merda quando se trata de você. − Engoli em seco. −Eu tenho que ficar emocionalmente distante.

243


− Vi celebridades se envolverem com seus guarda-costas antes. Por que isso importa? − Eu não estou dizendo que isso nunca acontece. Eu estou dizendo que meu chefe não vai ficar bem com isso. Eu provavelmente deveria renunciar voluntariamente a partir desta posição. − O que? − Sua voz vacilou. − Não. Te quero ao meu lado. Eu apertei meus olhos. − Precisamos ser lógicos. − Eu me sinto seguro com você. Eu sei que você faria qualquer coisa para me proteger. Não é esse o ponto? Não é por isso que você está aqui? Eu gemi. − Riley. − Se você quiser manter isto tranquilo até que a turnê tenha terminado, isso é bom. Ninguém precisa saber o que sentimos um pelo outro. Eu realmente me meti em uma confusão. Mas meus sentimentos por Riley eram fortes demais para ignorar. Eu não queria ir embora. Literalmente não poderia me obrigar a fazê-lo. Ele beijou meu cabelo e sussurrou: − O que fazemos a portas fechadas é da nossa conta, Colin. Sua paixão tomou conta de mim, puxando o meu coração, e eu sabia que estava ferrado. − Eu quero ficar por você e mantê-lo seguro. − Então faça isso. Vamos manter a nossa merda privada. Ok?

244


Eu estava tão cansado que mal conseguia manter os olhos abertos. − O que vocêquiser,Riley. Eu não consigo negar-lhe qualquer coisa. − Isso é mais parecido com você. − Sua voz retumbou em seu peito. Me enterrei mais perto e ele rodeou seus braços fortes em torno de mim. Tudo se sentia melhor quando ele me tocou. Eu não queria pensar sobre todas as coisas que podem dar errado. Só queria este momento com Riley, onde eu poderia fingir que merecia um final feliz como todos os outros.

245


Capítulo 17 Riley Quando acordei de manhã, ainda estava na cama de Colin. Escutei sua respiração estável, pensando na nossa noite dramática juntos. Gostava tanto dele que às vezes me preocupava. E se isto fosse apenas físico para ele? Ele era difícil de ler. Teria momentos onde ele mostrou emoção, mas, em seguida, se retiraria emocionalmente novamente. Ele se esticou e, em seguida, sentou-se, dando-me um olhar assustado. Eu podia ver sua memória voltar para ele, e seu rosto tingir de rosa. − Ei − Sua voz estava rouca de sono. − Como está se sentindo esta manhã? − Eu estava preocupado com o quão doente ele tinha estado na noite passada. O brilho de seus olhos tinham sido algo que nunca tinha visto antes, e não conseguia pensar em nenhuma explicação lógica para isso também. − Eu me sinto bem. − Ele se moveu e rolou graciosamente para fora da cama. Foi para o banheiro, e depois de um minuto ouvi o chuveiro. Fui para o meu próprio quarto, notando várias mensagens de Tom já no meu celular. Suspirei e as li. Nenhuma delas era urgente, então eu fui ao banheiro também. Até o momento estava vestido, Colin estava batendo naporta entre nossos quartos.

246


− Pronto para o café da manhã? Aproximei-me dele, querendo me conectar a um nível mais pessoal. Parei trinta cm dele. − Deveríamos falar sobre a noite passada? Sua boca ficou tensa. − Provavelmente. Aproximei-me mais. − Eu não me arrependo. Ele engoliu em seco e suas narinas tremeram. −Eu me sinto como um a bagunça real. Eu fiz uma careta e toquei seu rosto. − Não, não. − Meu Deus. Eu deixei que a menina me injetasse com merda, e então voltei vir aqui e... − Ele fez uma careta. − Eu não sou eu. − Ei, ontem à noite foi incrível. − Eu não sou assim, Riley. Eu não peço aos caras para me foder em pelo. Eu não desobedeço ao protocolo e me envolvo com meus clientes. − Ele fez uma careta. − Eu não sei o que está acontecendo comigo. Eu não podia suportar a confusão em seu rosto e em sua voz. − Nós nos perdemos no momento e nossos lobos estavam sob o controle. Está bem. Isso acontece. Vamos manter nossa relação privada, como você quiser. Eu só preciso de você comigo. Isso é tudo o que me interessa. Quando a turnê acabar, nós podemos estar juntos sem esconder. Ele suspirou, e uma a linha preocupada apareceu entre as sobrancelhas. − Talvez mais tarde possamos conversar.

247


Eu fiz uma careta. − Por que não agora? − Porque você tem essas entrevistas de rádio, e o que eu tenho a dizer não pode ser apressado. − Você me preocupa quando age todo misterioso. Ele apertou a mandíbula e mudou de assunto. − Você verificou suas mídias sociais hoje? Eu não gostava que ele estivesse mudando de assunto, mas podia ver o conjunto teimoso de sua boca e sabia que não seria empurrado. − Eu entrei no Twitter e Instagram. − Como foi? − Principalmente positivo. Houve alguns idiotas, mas a maior parte das pessoas tem sido super solidária. − Eu respondi enquanto Colin abriu a porta e saiu primeiro. − Sei que a principal preocupação de Tom é como os patrocinadores vão reagir. − Justo. Se todos eles se afastarem, isso seria um problema. − Verdade. Mas a maior parte dos nossos patrocinadores já têm se mostrado ser amigável com a LGBTQ. Eu gosto de pensar que vou ficar por mim. − Eu acho que nós vamos ver. Pegamos o elevador para o átrio, onde Tom esperava. Nós três comemos uma refeição rápida e, em seguida, entramos na limusine e seguimos para a

248


primeira estação de rádio. O DJ era um cara mais jovem do que eu. Ele tinha cabelo azul e um piercing na sobrancelha. − Tão legal conhecê-lo. Sou Jiggy. Bom tê-lo no show. − Ele apertou minha mão e apontou para uma cadeira. − Temos de organizar ali mesmo. Sentei-me e coloquei os fones de ouvido. Tinha um técnico de som que pairava até que os níveis estavam onde eles queriam. Jiggy piscou para mim, e logo que se anunciou que estava acabado, ele pulou. − Ei, todos. Eu tenho uma surpresa para vocês esta manhã. Sentado comigo, não mais do que trêsmetros de distância, o primeiro e único Riley West. − Ele apertou um botão e o som de aplausos soaram em meus fones de ouvido. − Estou feliz por estar aqui. − Um passarinho me disse que teve um bom dia de ontem. Meu rosto aqueceu. − Definitivamente. − Eu vi o vídeo de você saindo para seus fãs. Como está a resposta até agora? Alguns inimigos? Nenhum arrependimento? − A resposta esta sendo extremamente positiva. − Eu devolvi seu olhar curioso. − E não me arrependo de sair mesmo um pouquinho. Meu único arrependimento é de esperar tanto tempo para fazê-lo.

249


Ele assentiu. − Legal. Eu entendo isso. − Ele limpou a garganta. − Para qualquer um que não tenha visto o vídeo no concerto de ontem à noite ouvir, por que esperou tanto tempo? Eu levantei um ombro. − Foi uma combinação de coisas. Medo de rejeição sendo a maior delas. Eu cresci com pais que me fizeram sentir que estava com defeito. Eu acho que acreditei neles por um bom tempo de minha vida. Mas não quero viver assim mais um dia. E sei que é importante para qualquer um dos meus fãs que lutam como eu fiz, ver alguém se recusar a ouvir aqueles que lhe diriam que é menos do que outras pessoas. Isso é uma mentira e não estou mando poder a essa mentira, me escondendo. − Eu te amo, cara. Isso é uma grande coisa. − Jiggy assentiu. − Eu também ouvi dizer que você teve um incidente de perseguidor louco. − Sim. − Eu levantei minhas sobrancelhas. − Isso foi louco. − Eu acho que vem com o território, hein? − Jiggy suspirou. − Eu estou feliz em dizer que isso não acontece com muita frequência. Pelo menos não para mim. Jiggy espiou para a área onde Tom e Colin estavam sentados. − Seu cara da segurança parece muito duro. Eu sorri e olhei para Colin. − Melhor guarda-costas que já tive. Se qualquer um de seus ouvintes está sempre na necessidade de proteção, eu não posso recomendar protetor altamente suficiente.

250


Jiggy bufou. − Ooh. Uma propaganda livre para Shield. − Por que não? − Eu sorri. O resto da entrevista durou cerca de trinta minutos, e então fomos para a próxima estação para fazer tudo de novo. Na próxima estação de rádio, notei que Colin levantou da cadeira várias vezes, pálido. Ele definitivamente não estava bem, mas eu podia vê-lo tentando fazer passar. Estava morrendo de vontade de saber o que era seu segredo. Eu não poderia imaginar que havia qualquer coisa que ele poderia dizer que me faria rejeitá-lo. Apenas a visão dele ou o som de sua voz rouca deixou os meus joelhos fracos. Ele era meu agora, e não o estava deixando ir sem uma luta. Ontem à noite tinha solidificado para mim que, se quiséssemos um ao outro, precisávamos pegar o momento. Uma vez terminei com a segunda entrevista de rádio, Colin e eu voltamos para o hotel. Tom tinha reuniões, então ele saiu para fazer seu trabalho, deixando Colin e eu sozinhos no limo. Estudei o rosto branco de Colin. Sua cor definitivamente estava errada. − Está se sentindo bem? − Perguntei. Ele encolheu os ombros. − Estou bem. − Você sabe que você não tem que fingir em torno de mim. Ele olhou para a divisória de vidro que nos separava do motorista. − Estou bem.

251


− Ele não pode nos ouvir. Um pouco da tensão deixou sua mandíbula. − Eu tenho certeza que é apenas algo que eu comi. − Talvez você deva consultar um médico. Ele balançou sua cabeça. − Não. Estou me sentindo muito melhor. − Mentiroso. Ele se mexeu, inquieto. − Você lidou com suas entrevistas muito bem. − Obrigado. Colin estremeceu e apertou a mão no intestino. Apertei os olhos. − Por que você está fingindo que não está com dor? − Estou bem. Revirei os olhos. − É como uma coisa guarda-costas machista? Você acha que manifestar a dor faz você fraco? Ele fez uma careta. − Claro. − O quê? − Eu ri. − Não, não faz. Colin ergueu o queixo. − Isto não é nada que eu não possa lidar. − Eu sinto que mesmo se sua cabeça caísse, você ainda diria que estava bem. − Não seja ridículo.

252


− Eu estou apenas meio brincando. Ele sorriu. − Se a minha cabeça caísse, eu não poderia falar. Eu balancei minha cabeça. − Sim, mas se você pudesse estaria me dizendo que estava tudo bem. − Eu bufei. − Mesmo quando sua cabeça rolasse em torno e goma moída ficasse presa ao seu rosto, você negaria que havia um problema. Seus lábios tremeram. − Você não precisa se preocupar comigo, Ok? Eu posso cuidar de mim mesmo. − Se estivesse vomitando a cada cinco minutos e da cor de cocô de pássaro, você estaria preocupado comigo também. − A diferença é que o meu trabalho me preocupar com você. Eu fiz uma careta. − Bem, eu não preciso estar em sua folha de pagamento para dar uma merda sobre você. Ele fez uma careta. − Eu não quis dizer que era a única razão pela qual eu me importaria. Suspirei. − Eu espero que isso seja verdade. − Vamos, Riley. Você sabe que é. Olhei na direção do motorista. − Quando voltarmos para o hotel, vamosao ginásio e trabalhar fora alguma tensão. Então precisamos finalmente ter a nossa conversa. Ok? Ele engoliu em seco e assentiu. − Você entendeu.

253


Apertei minhas mãos no meu colo. − Eu estou doente de você dizendo vaga porcaria que só me confunde ainda mais. − Eu disse que ia falar. − Ok. − Eu sabia que estava sendo melindroso porque se sentia inseguro. Ele correu tão quente e frio comigo. Às vezes parecia que estávamos incrivelmente perto, e outras vezes sentia como se ele poderia ficar ou sair, apesar do que tivemos, como se eu realmente fosse apenas outro trabalho. Eu senti seu olhar em mim. Quando olhei para cima, ele parecia preocupado. Foi um raro vislumbre de suas emoções. − O que está errado? Ele levantou um ombro. −Eu não quero confundi-lo. − Eu só quero que você seja verdadeiro comigo. − Baixei a cabeça. − Às vezes, parece que você realmente gosta de mim, e outras vezes eu sinto que você quer fugir. − Eu não sou um covarde. Encontrei seu olhar frustrado. − Não quando se trata de perigo físico. Eu sei que você está sua terra quando se trata desse tipo de ameaça. − Eu dei uma risada dura. − Mas quando se trata de seu coração? Esse é o único lugar que eu me preocupo que você pode ser um covarde. − Eu não sou. − Ele franziu a testa. − É só que as coisas são muito mais complicadas do que você sabe. − Esperemos que a nossa conversa mais tarde vá me esclarecer.

254


Sua mandíbula endureceu. − Ou você vai ficar feliz em me deixar correr. − Besteira. Isso não vai acontecer. Parecia que ele tinha um gosto ruim na boca. − Não se preocupe. Eu não vou cobrar isso de você. Eu gemi e olhei pela janela para a cidade. − Veja? Mais uma vez, estou ainda mais confuso do que quando começamos a conversar.

255


Capítulo 18 Colin Trocamos de roupa e fomos para a academia, logo que voltamos para o hotel. Normalmente, gostava de trabalhar as tensões, mas hoje os pesos se sentiam muito pesados e o sala parecia surpreendentemente quente. Fiquei aliviado quando Riley finalmente sinalizou que estava pronto para ir até o quarto tomar banho. Estava nervoso porque sabia que estávamos indo ter a nossa pequena conversa. Náusea me atingiu enquanto me preparava para tomar meu banho. Suor irrompeu no meu corpo, e meu estômago revirou. Liguei a água, para esconder de Riley o fato de que eu estava vomitando de novo. Eu estava vomitando todo o dia, e tentando encobrir isso tinha sido uma luta. Engoli em seco corri para o banheiro mais uma vez, e uma vez que meu estômago se estabeleceu um pouco, eu estava sentado no chão frio me sentindo fraco e escorrido. Queria fingir que eu apenas tive uma intoxicação alimentar ou algo assim, mas tinha uma sensação horrível que sabia por que estava doente. Tive relações sexuais desprotegidas com um alpha e havia uma boa chance de que estava grávido. Gemi e apertei os olhos com força. Como eu pude ser tão estúpido? Como eu pude me entregar aos meus instintos animais dessa forma?

256


Estou tão fodido. Pela primeira vez, entendi por que Garrett tinha estado tão envergonhado que tinha escondido sua gravidez de mim. Os homens não engravidam. Esperando alguém, até mesmo o seu irmão, compreender a possibilidade de que um homem poderia estar grávido estava pedindo muito. Garrett obviamente, não tinha confiança de que eu estaria lá para ele, e isso dói. Mas eu tinha que admitir, se não tivesse visto pessoalmente sua barriga com o seu filho por nascer, teria sido difícil aceitar que ele poderia estar grávido. Eu me senti terrivelmente isolado. Sabia que as únicas pessoas que entendiam o que eu estava passando eram outros ômegas eclipse solar. Eu comecei a conhecer alguns ômegas eclipse solar no complexo nas montanhas, onde Garrett tinha morrido. Eu tinha ficado lá um tempo depois que ele passou, porque era o único lugar na terra onde eu poderia lamentar abertamente a perda do meu irmão gêmeo, com as pessoas que entenderam todos os detalhes de como ele morreu. Foi no composto que eu conheci e me aproximei de Blade e Wyatt. Nós tínhamos colado sobre o nosso trabalho no início, mas, em seguida, sua empatia e bondade tinham ajudado a formar uma amizade real. Blade tinha sido alguém que eu poderia confiar acerca de todos os medos que eu tinha sobre ser um ômega eclipse solar.

257


Eu não sabia muito sobre os primeiros estágios da gravidez. Garrett não tinha estado em torno de mim, em seguida, e a maioria dos ômegas eclipse solar que vieram para o composto chegaram quando estavam em seu último mês. Enquanto eu suspeitava que estava grávido, não tinha certeza exatamente quais eram os sinais que poderiam confirmar as minhas suspeitas. Eu queria ligar para Blade e fazer-lhe perguntas, mas não tinha certeza se deveria. Eu sabia que ficaria desapontado comigo por dormir com Riley. Nós dois sabíamos que era uma linha que nunca deveria ter sido atravessada. Mas eu já atravessei. Suspirei e lutou com a escolha de evitar a ira de Blade ou aprender quais os primeiros sinais de gravidez de um ômega eclipse solar. Finalmente, a minha necessidade de informação venceu. Levantei-me e peguei meu celular de minhas calças que estavam dobradas na parte de trás do vaso sanitário. Então me sentei no chão novamente e, com os dedos trêmulos, mandei uma mensagem Blade. Eu preciso saber alguma coisa. Existem quaisquer sintomas diferentes de náuseas quando um ômega eclipse solar fica grávido? Enquanto meu estômago se apertou, eu esperei até que eu vi os pequenos pontos saltando que me disse que ele estava respondendo. Por que diabos você está me perguntando isso? Meu intestino ficou tenso e eu respondi.

258


Por favor, diga-me. Houve alguns minutos de atraso. Eu poderia apenas imaginar Blade amaldiçoando seu telefone e pirando sobre a minha pergunta enigmática. Finalmente, ele respondeu. O que aconteceu? Suspirei. Por favor, me responda. Meu telefone se iluminou com número de Blade. Me sentindo doente, eu gemi e fechei os olhos. Porra. Quando eu não atendi, ele continuou tocando até que finalmente respondi. − Olá? − Que diabos, Colin? − Sua voz era estridente. − O que você fez? Exalei aproximadamente. − É que simplesmente aconteceu. − O que aconteceu? − Tome um palpite, − Eu bati. − Por favor, me diga que não está grávido. − A voz de Blade era severa. − Isso é o que estou tentando descobrir. Ele soltou uma série de palavrões abafados. − Como? − Como? − Perguntei em voz estrangulada.

259


− Se você fosse burro o suficiente para deixar o cara te foder, por que não usar um preservativo? − Não é o roto falando do esfarrapado? − Perguntei, incrédulo. Ele fez um barulho impaciente. − Quais são os seus sintomas? − Eu tenho vomitado sem parar. − Eu esfreguei os olhos. − Isso poderia ser algo que você comeu. − Eu sei. É por isso que eu te chamei. Existem outros sinais? Ele suspirou. − Bem, na noite em que eu e Wyatt... fomos por isso... Eu me lembro que estive realmente doente. Quase imediatamente após... você sabe... os fogos de artifício, eu estava tremendo e febril. Eu gemi e fechei os olhos. − Merda. − Oh Deus. Você também? − Ele parecia frustrado. − Porra. Foda-se. Eu não posso acreditar, Colin. Pensei que você fosse mais esperto do que isso. Eu apertei minha mandíbula quando constrangimento tomou conta de mim. − Eu não preciso de você para me apontar isso. Eu sei que estou fodido, ok? Mas é tarde demais agora. Preciso de sua ajuda, não da sua raiva. − Sim. Ok. Você está certo. − E os seus olhos. − Eu fiz uma careta. − Riley disse que meus olhos eram de um azul estranho.

260


− Ele disse? − Ele xingou novamente. − Os meus fizeram a mesma coisa. Wyatt disse que eles eram tão azuis, que não podia olhar para eles. − Oh, Deus. − Eu olhei para o teto, me sentindo deprimido. − Eu não sei o que fazer. Ele soltou um suspiro. − Olha, eu sinto muito que estava sendo um idiota antes. Não tenho o direito de dizer qualquer coisa. Quando esse instinto maldito assume, não há como combatê-lo, e eu sei disso em primeira mão. − Está bem. Ele suspirou. − Você precisa fazer um teste. − Estou trabalhando. É um pouco difícil comprar um teste de gravidez e não conheço ninguém que possa fazer isso por mim. − Merda. Sim. − Eu posso não estar. Eu poderia apenas estar enjoado de algo que eu comi. − Se os seus olhos fizeram aquela coisa azul estranho, você está derrubado, cara. − Foda-se, − eu cuspi fora. − Porra, porra, porra. − Acalme-se. Vai ficar tudo bem. − Ele não parecia terrivelmente confiante. − Será que Riley sabe sobre você? Meu estômago se apertou. − Deus não.

261


− Você tem que dizer a ele. − Eu sei. Eu tenho tentado obter a coragem de fazê-lo antes que isso acontecesse. Estou com medo. − De dizer a Riley ou sobre estar grávido? − Ambos. − Eu sei. Eu sinto muito. − Ele suspirou. − Eu não sei o que lhe dizer. − Eu não quero ter um bebê. − Minha voz tremeu. Parecia uma sentença de morte para mim depois do que eu tinha visto Garrett passar. − Bem, você tem sentimentos reais por Riley? Fechei os olhos. − Sim. − Como ele se sente sobre você? Dei de ombros. − Eu não sei. Ele diz que quer ficar comigo, mas às vezes alfas dizem isso e então... − Quer dizer, como o alpha de Garrett? − Garrett e alguns outros ômegas que conheci no composto. Riley não tem ideia de que eu posso até ter filhos. Ele vai surtar. Só porque um alfa quer foder e eles gostam de ter você por perto, isso não significa que querem uma criança de maldição. − Eu sei. Mas Riley é um cara bom.

262


− Ele tem uma carreira que o faz viajar muito. Ter um bebê não estava em seus planos de merda, eu posso garantir isso. Ele é muito jovem. − Pare de agir como você fosse seu avô. Você é apenas quatro anos mais velho. − Sim. Sinto-me cem. − Eu sei. Entendi. Esfreguei meu rosto. − Eu não quero um bebê do caralho. Depois que vi Garrett ir longo de toda... − Você tem que lembrar que Garrett estava doente e fraco pelo tempo que ele veio para o composto. Você deve estar bem. Mas precisa cuidar de si mesmo. Passei a mão pelo meu cabelo. − Devo chamar Shield e pedir uma substituição? − Não. − Não? − Perguntei, me sentindo confuso. − Você precisa descobrir se Riley quer o bebê. Precisa descobrir o que está acontecendo entre vocês dois antes de saltar para conclusões precipitadas. − E se ele não quer isso? − Meus olhos ardiam em pensar sobre o quão perto me senti de Riley horas atrás.

263


− Então nós vamos ajudá-lo a descobrir isso. Estou aqui por você. Compreende? Você não vai acabar como Garrett. Juro pela minha vida, Colin, que Wyatt e eu estamos aqui para você. Engoli contra o caroço gigante na minha garganta. − Obrigado. − Fale com seu alpha. Então me deixe saber o que você quer que eu faça. − Ok, − eu sussurrei. − Eu falo com você em breve. − Tchau. − Eu desliguei e inclinei minha cabeça contra a parede. A água ainda estava ligada, e o quarto estava preenchido com vapor. Quando houve uma batida na porta, eu me esforcei para levantar. Tirei minha camisa e entrei no chuveiro. A batida na porta ficou mais alta. − Colin? − A voz de Riley estava preocupada. − Você está bem aí? − Eu vou sair em um minuto, − Respondi enquanto ensaboava meu corpo. Me lavei, sai do chuveiro, e sequei meu cabelo com uma toalha, imerso em pensamentos. Sabia que o tempo para ser honesto com Riley tinha chegado. Ele merecia saber a verdade, por incrível que fosse. Saí do banheiro e me vesti. Quando fui para o quarto de Riley, o encontrei deitado em sua cama com seu laptop em suas coxas.

264


Olhando para cima, ele sorriu. − Estou muito impressionado com os meus fãs. Sentei ao lado dele, meu pulso acelerando. − Eles ainda estão sendo um suporte? − Extremamente. − Seus olhos estavam escuros com carinho. − Estou feliz que você está aqui comigo. Meu intestino apertou com os nervos. Será que ele se sentiria assim depois que dissesse a ele sobre o meu tipo? Limpei a garganta. − Sim. Eu também. Ele inclinou a cabeça. − Podemos ter a nossa pequena conversa agora? Lambi meus lábios e deixei cair meu olhar para o chão. − Você parece tão preocupado que está me preocupando. − Ele riu nervosamente. Eu belisquei a pele entre os olhos. − Isto é tão difícil. − Você não quer estar comigo? − Sua voz era tão suave e incerta que fez meu coração doer. Eu fiz uma careta. − É mais complicado que isso. − Olhando em seus olhos castanhos confusos, eu estava à beira de um ataque de nervos. Sabia que este era o momento da verdade. Se lhe dissesse meu segredo e ele me rejeitasse, não haveria como voltar atrás. Não haveria nós. − O que é complicado? Fale comigo.

265


Suspirei. Eu tinha que dizer a ele. Eu não era um covarde, e ele merecia saber a verdade. Se realmente estivesse grávido, o bebê era dele também. E mesmo se por algum milagre eu não estivesse grávido, ele precisava saber a verdade sobre mim para que pudesse decidir se realmente queria continuar qualquer coisa com uma aberração como eu. − Colin, por favor. Olhei cautelosamente. − Eu não tenho certeza de como começar. − Eu fiz alguma coisa errada? − Ele se inclinou para frente. − O que eu fiz? Eu abri minha boca para falar, mas as palavras não saíam. − Seja o que for, podemos trabalhar com isso. − Sua mandíbula ficou tensa. Limpei a garganta seca. − Ouça o que tenho a dizer antes de você dizer isso. Ele colocou seu laptop para o lado. − É sobre a sua família? − Não. − O que é então? − Ele parecia sem fôlego. − Colin, por favor. Respirando fundo, eu disse: − O que eu preciso te dizer tem a ver comigo, pessoalmente. Eu não sou um ômega típico. Ele franziu a testa. − O que quer dizer?

266


− Existem diferentes tipos. Eu nem sabia disso até recentemente. − Suspirei. − Meu... meu irmão era o mesmo tipo de ômega também. − Ok. E o que isso significa exatamente? Estudei seu rosto tenso. − Eu sou... Eu sou o que é chamado de ômega eclipse solar. − Tudo bem. − Sua confusão era evidente. − Isso importa? − Sim. Receio que sim. Ele fez uma careta. − De que maneira? − Eu não fui completamente honesto com você sobre como Garrett morreu. − Ele não morreu durante a cirurgia? Engoli em seco. − Ele moreu. Mas há mais do que isso. Ele não estava doente. Bem, quero dizer, ele estava, mas não como com uma doença ou qualquer coisa. Ele franziu a testa. − Por que ele faria uma cirurgia, se não estava doente? Eu deixei cair meu queixo para o meu peito. − Isso é tão difícil. − Apenas me diga. − Eu tenho medo que você não seja capaz de lidar com o que eu preciso te dizer.

267


Ele suspirou. − Eu estou começando a pensar que você não irá me dizer alguma coisa. Eu fiz uma careta. − Ok. Eu só vou dizer isso. − Por favor. − Ele se inclinou para mim. − Ele... ele não estava doente. Ele estava... ele estava grávido. Sua expressão congelou, e ele apenas olhou para mim. Eu estava sem fôlego. − Eu sei. Eu sei que soa louco. − Eu precisava que ele dissesse alguma coisa, mas ele apenas olhou para mim sem expressão. − Nós não sabíamos nada sobre a nossa espécie, até que aconteceu. − Seu irmão estava grávido? Eu balancei a cabeça. Ele deu uma risada sem humor. − Os homens não podem ter filhos. − A maioria não pode. Você está certo. − Mordi o lábio inferior. − Mas ômegas eclipse solar podem engravidar de alguns alphas. − Isso não é engraçado. − Seu olhar ficou ferido. − Se você não quer estar comigo, não tem que fazer a merda. Eu recuei. − Isso não é o que está acontecendo aqui. O rosto dele estava corado. − Os homens não engravidam. É fisicamente impossível.

268


Estremeci com a agressão subjacente em seu tom. −Eu não o culpo por não acreditar em mim. Provavelmente não teria aceitado a palavra de Garrett se não tivesse visto com meus próprios olhos. Ele lentamente levantou da cama. − Eu pareço um idiota? Inalei bruscamente. − O que? Ele passou a mão pelo cabelo. − Por favor, me diga que Tom não estava certo o tempo todo e vocêé algum maluco que só quer atenção. Isso dói. − Você realmente acredita nisso? − Os homens não têm bebês, Colin. Você está dizendo que eles fazem. Um de nós está louco. Falei com os dentes cerrados. − Eu estou tentando ser honesto com você. Eu poderia nunca ter contado isso. É constrangedor como o inferno, e eu sou mais do que ciente de pareço como uma porra louca. − Se você sabe que parece loucura, por que está me contando isso? − Ele rosnou. − Porque parecendo loucura ou não, é a verdade. E há uma razão mais premente que eu precisava que você soubesse. − Que razão? − Por que... Tenho medo... Tenho medo que estou grávido.

269


Sua boca se abriu, e ele se sentou na cama rapidamente, como se suas pernas tinham dado o fora. − O que você disse? − Você me ouviu. − Não. Eu não acho que eu fiz. − Eu não sei ao certo, mas os sintomas que Blade descreveu... − Blade sabe sobre isso? − Ele parecia incrédulo. − Como? − Ele é como eu. − O quê? − Seus olhos estavam arregalados. − Ele é um ômega eclipse solar. Ele engasgou. − Você se ouve? − Sim. É por isso que eu não queria te dizer. Mas eu tinha que fazer. Por mais doloroso que isso é, eu tinha que ser honesto com você. Ele balançou sua cabeça. − Isso não é possível. Você está mentindo. − Eu não estou. − Você tem que estar mentindo. − Ele franziu o rosto com desagrado. − Eu teria ouvido falar sobre isso se fosse verdade. Ninguém poderia manter este tipo de coisa secreta. Você não acha que eu iria notar se caras estavam tendo bebês? − Há um lugar especial onde ômegas grávidos vão dar à luz. − O que? Não. Você tem que estar fazendo essa merda.

270


− Por quê? − Eu bati. − Você acha que eu estou gostando disso ou algo assim? Eu sabia que te dizendo a verdade provavelmente arruinaria o que temos. Mas eu tinha que fazer isso. Seu olhar estava acusando e confuso. − Isso não pode ser real. Os homens não têm o equipamento necessário para ter filhos. − Ômegas eclipse solar tem uma bolsa. − Eu estremeci. − É complicado. − Sim. Aposto. Eu não poderia lidar com o olhar em seus olhos mais um segundo. Levantei-me e entrei no meu quarto para que pudesse obter algum espaço. Senti vontade de socar o meu punho através de uma parede, embora soubesse que não ia resolver nada. Chupei em respirações profundas, tentando ignorar a acidez na boca do estômago. Ser honesto com Riley tinha ido tão terrivelmente como poderia. Ficou muito claro de sua reação que, se eu estivesse grávido, estaria passando por isso sozinho. Endureci quando Riley entrou no meu quarto, e virei de costas para ele. − O que você quer? − Rosnei. Ele se aproximou. − Eu não sei o que dizer. − Você já disse o suficiente, tanto quanto eu estou preocupado. − Eu dei a ele um olhar de raiva por cima do ombro. − Você fala como uma pessoa louca. − Sua voz era baixa.

271


− Entendi. Você se fez entender. Não precisa vir aqui e me dizer isso novamente. − Me deixe terminar. Eu o enfrentei, meus punhos cerrados. − O que você está dizendo soa louco. − Ele franziu o cenho, seu olhar digitalizando meu rosto. − E, no entanto... − Ele balançou a cabeça. − E, no entanto o quê? − Eu resmunguei. − Eu não acho que você está mentindo. Eu simplesmente não acho. − Ele fez uma careta. − Mas a ideia de você estar... grávido...é... − Inacreditável. − Isto é. Você sabe que é. Eu virei de costas para ele, incapaz de olhá-lo sem me machucar muito. − Está bem. Você está fora do gancho. Se eu der o azar de estar grávido, Blade e Wyatt vão me ajudar. − Olha, eu sinto muito. Eu cerrei os dentes. − Está bem. Eu fui ingênuo por esperar outra coisa de um alpha. Eu acho que você não é diferente depois de tudo. Ele respirou fundo. − Talvez eu não reagisse como você queria, mas estou aqui, não estou? Eu fiz uma careta para ele. − Você disse que estava arrependido.

272


− Sim. Eu sinto muito que não acreditei em você antes. Eu o enfrentei. − O que? Ele parecia confuso. − Do que você acha que eu estava arrependido? − Que você estava amarrado a mim. O rosto dele corou. − Eu não estou fazendo isso. Que porra, Colin. Você acha que eu faria isso? Eu apontei em direção ao seu quarto. − Você me chamou de maluco em busca de atenção. Ele fez uma careta. − Deus. Sinto muito por isso também. Olhei para ele, incapaz de descobrir o que estava acontecendo. − Eu não entendo como isso é possível. Eu realmente não sei. Mas eu confio em você. Eu o olhei. − De repente, você acredita em mim? − Eu tenho que acreditar. − Ele balançou a cabeça, parecendo confuso. − Tenho que acreditar em você. Minha mente diz que você é louco, mas o meu coração, minha alma, diz que você está me dizendo a verdade. Eu apontei meu dedo para ele. − Você não se meta comigo. Ele ergueu as duas mãos. − Eu não vou. Sem saber o que dizer, simplesmente olhei para ele.

273


− Você vai ter que explicar tudo para mim. − Ele fez uma careta. − Não sei nada sobre eclipse solar. − Ômegas eclipse solar, − eu o corrigi. Eu não sabia se deveria confiar no que ele estava dizendo. Ele teve uma mudança muito rápida de coração. − Você está me dizendo que Blade é um desses ômegas especiais? − Sim. Ele franziu a testa. − Eu não fazia ideia. − Essa é a questão. − Por que eu nunca ouvi falar de sua espécie? Parece que você é especial o suficiente, e deveria ser celebrado ou algo assim. − É uma longa história. Blade pode explicar isso para você, se quiser. Ele suspirou. − Você ainda soa como se estivesse com raiva de mim. − Eu não sei se posso contar com você. Ele baixou a cabeça. − Eu sei que minha reação inicial não foi a que você queria. − Ele olhou para cima. − Foi um choque para dizer o mínimo. A lógica diz que você tem que estar mentindo. Mas eu acredito porque eu confio em você. Eu confio que está me dizendo a verdade. Sempre. Mesmo quando é difícil. Eu me desprezava por querer ir ter com ele. Eu sabia que seus braços me dariam conforto, mas ainda estava desconfiado dele. −Se eu estou grávido, eu acho que nós vamos ver do que vocêé feito.

274


− Eu não sou perfeito, Colin. Mas estou aqui para você. − Se eu ganhasse dinheiro para cada vez que um alpha disse isso para um Ômega, eu teria um monte de merda de dinheiro. Ele exalou com frustração. − As pessoas às vezes mentem. Você mesmo admitiu que não teria acreditado em seu próprio irmão, se não o tivesse visto grávido com seus próprios olhos. − Ele fez um gesto em direção a mim. − Você não parece grávido. Mas acredito em você de qualquer maneira. O que me diz disso, Colin? Meu rosto aqueceu. Ele tinha um ponto. Me aproximei dele, e ele me olhou com cautela. Quando estava a cerca de 30 cm dele eu parei. −Não diga nada disso para mim se não está cem por cento certo de que está nesta comigo. Vai doer muito mais se você voltar atrás mais tarde. Suas narinas flamejaram. − Eu não estou indo a lugar nenhum. − Promete? − Eu odiava o medo que soou em minha voz enquanto me permiti acreditar que ele poderia ficar por mim depois de tudo. − Colin. − Sua voz era aveludada quando ele chegou para mim e me puxou para perto. − Como você não sabe como me sinto sobre você? Quando ele passou os braços em volta de mim e eu inalei seu cheiro limpo, familiar, isso me fez sentir seguro e gostaria que pudéssemos fazer isso. Pela primeira vez na minha vida, realmente queria pertencer a alguém. Queria ser o ômega, e eu precisava que ele fosse meu alpha. Com um suspiro de satisfação, derreti contra ele e tentei confiar nos meus instintos.

275


Capítulo 19 Riley Eu ainda estava em choque sobre o que Colin tinha compartilhado comigo. Era difícil pensar em qualquer coisa, além do que ele me disse sobre a possibilidade de estar grávido. O próprio pensamento desafiava tudo o que eu sabia. − Todo mundo ainda o trata bem em mídia social? − Perguntou Colin, encostado na porta entre nossos quartos. Eu estava tocando minha guitarra e trabalhando em algum novo material. Olhei para cima e parei de dedilhar. − Você quer dizer sobre saindo? Ele assentiu. − Eu não tenho verificado isso em poucas horas. − Eu alisou a mão sobre os trastes. − Não? − Eu tinha outras coisas em minha mente. Ele andou para o quarto. − Eu teria pensado que estaria assistindo isso como um falcão. − Eu estava. Mas então você me contou sobre... você sabe... e é difícil pensar em outras coisas.

276


− Entendo. − Não é como se você me disse que era Mórmon ou algo assim. − Ele franziu a testa. − Sair do armário é enorme para você embora. − Ele sentou em uma cadeira em frente a mim. Coloquei a guitarra de lado. − Empalidece em comparação com ter um filho com você. Ele baixou o olhar. − Talvez eu não esteja grávido e você vai ficar fora do gancho. Eu fiz uma careta. − O que isso significa? − Se eu não estiver grávido, não tem que estar preso comigo. Eu balancei minha cabeça. − Eu quero estar com você. Bebê ou sem bebê. Meus sentimentos não mudaram. Ele baixou a cabeça. – Ok. Houve uma batida na porta, e Colin foi abrir. Quando ele abriu, Blade e Wyatt estavam ali. Meu queixo caiu, e Colin deu um passo atrás. − O... o que você está fazendo aqui? − A voz de Colin subiu uma oitava. Blade entrou no quarto parecendo envergonhado. − Nós estávamos no bairro. Eu ainda estava tão chocado, ao vê-los que só olhava.

277


Wyatt seguiu seu namorado, carregando um assento de carro com Peter, que estava dormindo. Wyatt fez uma careta, parecendo desconfortável. − Esta não foi a minha ideia. Desculpe aparecer dessa forma. Blade riu sem jeito. − Eu precisava falar com Colin em pessoa. O rosto de Colin era uma imagem de confusão. – Ok. Blade se aproximou de mim, segurando a mão. − É muito bom vê-lo novamente, Riley. Eu encontrei minhas maneiras, e nós apertamos as mãos. − Sim, hum... é bom ver você também. Blade

enfrentou

Colin. −

Quaisquer

conversas

interessantes

ultimamente? Colin franziu a testa. − Você quer dizer sobre a coisa ômega eclipse solar? Os ombros de Blade relaxaram, e ele virou-se para mim. − Me desculpe por isso. Eu não sabia se ele tinha tido a pequena conversa com você ainda ou não. Eu fiz uma careta. − Oh, você quer dizer essa fala. − Eu assenti. − Sim, ele fez. − Como foi? Colin passou a mão no cabelo dele. − Foi tão bem quanto uma conversa bizarra como essa poderia ir.

278


− Ele ainda suspeita que isto tudo seja só um sonho. − Eu suspirei. Wyatt olhou para seu filho dormindo. − Confie em mim, não é. Blade arregalou os olhos quando me encarou. − Então você provavelmente tem um milhão de perguntas. − Finalmente. Wyatt tirou uma pequena caixa branca de sua jaqueta, e jogou para Colin. − Cortesia da casa. Colin estudou a pequena caixa, e seu rosto ficou rosa. − Um teste de gravidez? − Sim. − Wyatt assentiu. − Jesus, isso é estranho. − Colin fez uma careta, ainda parecendo envergonhado. − Oh, bebê, eu sinto por você. − Blade sorriu. − O que eu faço? − Colin segurou a caixa contra o peito. −Você faz xixi na pequena vara. − Blade colocou o braço em volta dos ombros de Colin. − Aqui, eu vou lhe mostrar. − O quê? − Wyatt gritou. − Não, não vai. Blade riu. − Eu só quero dizer que eu vou ler as instruções. Eu não estou indo segurar seu pênis e demonstrar. Colin riu constrangido. − Isto não é estranho em tudo.

279


Entraram no banheiro de Colin, e ele encontrou o olhar de Wyatt. − Vocês voaram todo o caminho até aqui por causa disso? Ele encolheu os ombros. − Tivemos alguns dias de folga e não sabia se você tinha tomado bem a notícia. Depois do que Colin atravessou com seu irmão, achamos que ele precisava de apoio. − Eu me sinto mal que você fez essa longa viagem. − Não faça isso. Nós não confiamos que Colin nos diria a verdade se o tivesse rejeitado. Ele é um merdinha orgulhoso. Poderia não ter sido honesto, e não podia suportar a ideia dele lutando com algo tão grande por conta própria. − Uau. Vocês são bons amigos. Wyatt lançou um olhar para o quarto de Colin. − Ele é um cara bom. Tem caminhado através do inferno. Sentei-me na minha cama. − Você pode me dizer um pouco mais sobre o que aconteceu com Garrett? − Eu suspirei. − Colin só me diz trechos. − Claro. − Wyatt colocou o assento do bebê no chão, e se sentou em uma cadeira à minha frente. − Onde devo começar? − Eu acho que eu quero saber mais sobre Garrett e Colin. − Você quer dizer eles, sendo ômegas eclipse solar? Eu balancei a cabeça.

280


− Eles não sabiam que eram ômegas eclipse solar. Aparentemente, nem seus pais sabiam. − Existe uma maneira de dizer? − A luz azul gelo dos olhos com o anel escuro e a marca de nascença no quadril direito são os únicos sinais físicos. Eu fiz uma careta. − Parece um pouco injusto se eles só descobrem o que são depois de engravidar. − Concordo. Desejo que os antigos não vissem a necessidade de tal segredo. − Como exatamente Garrett morreu? Wyatt suspirou. − O alfa de Garrett, Alan, o jogou fora quando Garrett disse a ele que estava grávido. − O quê? − Eu fiz uma careta. − Por quê? −Ele era um pau? Estudei-o, me sentindo doente no que Garrett deve ter tido que passar. − Eu entendo estar confuso e em negação por um minuto, mas pelo amor de Deus, Garrett estava grávido de seu filho. − Ele não se importava. Ele rejeitou Garrett e se acoplou com algum outro ômega. − Merda.

281


Wyatt fez uma careta. −Garrett estava muito orgulhoso, e não disse a Colin o que estava acontecendo. Ele foi à procura de seu irmão, e o encontrou após meses de busca. Mas pelo tempo que passou, Garrett estava tão doente que não havia nada que alguém pudesse fazer por ele ou o bebê. − Jesus. − Eu me encolhi. − Isso é horrível. Wyatt assentiu. − Sim. Se o alpha fosse um bom homem, ele teria intensificado e cuidado de seu ômega. Mas ele não o fez. O jogou para fora e apenas fingiu que nunca tinha acontecido. Garrett não poderia trabalhar uma vez que começou a mostrar. Ele ficou mais magro e mais doente quando o tempo passou. − Deus. − Eu sei que é difícil de ouvir. Deixei minhas mãos no meu colo. − Como Colin conheceu você e Blade? − Foi enquanto estávamos nas montanhas para dar à luz a Peter. − Ele olhou para seu filho dormindo. − Minha mãe nos levou lá. Ela sabia sobre ômegas eclipse solar. Sabia que Blade estava grávido antes de nós. Ela está em contato com os antigos. Eu fiz uma careta. − Uau. Eu não tinha certeza que os Antigos realmente existiram.

282


Wyatt levantou as sobrancelhas. − Eles estão vivos e bem. Sabem sempre que um ômega eclipse solar nasce, mas não se aproximam a menos que o ômega fique grávido. Algum ômega solar nunca mais tem filhos. Eu esfreguei minha cabeça. − Isso tudo é muito. Wyatt juntou as sobrancelhas escuras. − Muito? Meu rosto aqueceu. − Não. Mas você tem que admitir, isso é alguma merda pesada. − Talvez você não possa lidar com isso. Se vai rejeitar Colin, me diga agora. Nós vamos cuidar dele se ele é demais para você. Fiz uma careta. − Eu não estou indo a lugar nenhum. Wyatt sorriu de repente. − Isso é mais parecido com ele. Estudei Wyatt. − Você acreditou em Blade quando ele lhe disse que estava grávido? − Como eu disse, minha mãe nos disse que ele estava grávido. Nós não tínhamos a menor ideia do que estava acontecendo. − Ele suspirou. − Ela sabia sobre o composto e tudo isso. − Então, vocês dois só foram para aquele lugar sem conhecer ninguém? − É como é feito. − Ele deu de ombros. − Os ômegas eclipse solar pode seguramente ter seus bebês sob a supervisão de médicos que entendem sua fisiologia única. − E depois?

283


− Alguns ômegas dão os bebês para adoção aos outros no complexo. Outros fazem o que Blade e eu fizemos e retornamos às nossas vidas normais, dizendo que adotaram um bebê. Nós amamos estar nas montanhas, mas queria voltar a nossas vidas normais. Muitos dos ômegas ficam e vivem lá. − E Colin foi lá com Garrett? − Ele fez. Mas já era tarde demais. − Sua boca se curvou. − Colin se hospedou lá após Garrett morrer. Ele poderia lamentar onde as pessoas sabiam todas as circunstâncias da morte de seu irmão. E não tinha que fingir. Meu coração doeu por Colin. Eu não podia sequer imaginar pelo que ele deve ter passado. Não admira que não tivesse confiado em mim para apoiá-lo. − Estreitamos nossa amizade com Colin enquanto estávamos lá. Quando se sentiu pronto para voltar ao mundo real, Blade e eu nos oferecemos para ajudá-lo a conseguir um emprego e voltar ao normal. − Estou tão feliz que ele tinha vocês dois. − Estamos felizes em conhecê-lo. Estudei o bebê dormir. Parecia loucura para mim que Colin e eu iríamos ser pais. − Meio que estou com medo de ser pai. − Eu estava petrificado. − Wyatt sorriu. − Mas, então, o bebê chegou, e tudo parecia certo. Você terá três meses para se acostumar com a ideia. − Três? − Eu ampliei meus olhos. − Não nove? Ele balançou sua cabeça. − São apenas três com ômegas eclipse solar.

284


− Jesus. − Eu gemi. Ele riu. − Eu estava com medo de merda também. − Ele olhou para o quarto de Colin. − O truque é não mostrar isso a seu ômega. Eles precisam da nossa força. Colin vai depender muito de você. Tão assustado quanto esteja, posso garantir que não se compara ao terror que se sente. Eu balancei a cabeça. − Sim. Eu entendo. − Carregando o bebê em seu corpo afetaria Colin em mais forma do que eu. − Ele não acha que vai estar lá no final. Eu fiz uma careta. − O que? −Posso garantir que, não importa o quão valente está se mostrando agora, ele acha que você vai fugir quando ficar difícil. Eu levantei meu queixo. − Mas eu não vou. − Ele não vê dessa forma, tenho certeza. Todo mundo está sempre fugindo. Sua mãe tecnicamente estava lá, mas distante, seu pai o deixou, e Garrett correu dele e depois morreu. Colin não acredita que alguém vai ficar. − Ele fez uma careta. − É realmente de partir o coração. Ele age tão duro e como se não precisasse de ninguém. Mas é claro que precisa. Todos nós precisamos. − Eu não estou indo a lugar nenhum. Realmente me preocupo com ele. Wyatt se inclinou para mim, sua mandíbula tensa. − Palavras não significam nada para ele. Há apenas uma maneira de provar que você se

285


preocupa com ele. − Ele exalou profundamente quando segurou o meu olhar. − Fique por perto.

286


Capítulo 20 Colin − Eu sei como fazer xixi. − Peguei a pequena vara da mão de Blade. − Você não tem que estar realmente aqui comigo. − Se você acha que eu quero dar uma espiada em seu pênis, está enganado. − Blade bufou. − Eu tenho todo o homem que posso lidar em Wyatt. Eu ri e virei de costas para ele. − Eu não posso acreditar que vocês dois voaram todo o caminho até aqui. − É um voo de menos de duas horas. − Não muito. − Eu estava me sentindo um pouco pressionado, e não conseguia fazer xixi. − Talvez você devesse sair. − Sério? − Ele bufou. − O que você faz em um clube quando não tem nada, além de mictórios? Fica sem fazer xixi a noite toda? − Muito engraçado. − Estou falando sério. Às vezes, você tem que fazer xixi em torno de outras pessoas. Deixe isso para trás. − Eu estou sob muita pressão aqui. − Eu ri. − Pelo amor de Deus, eu poderia estar grávido.

287


− Confie em mim. Eu entendo. − Ele pulou e se sentou na beirada da pia. − Fazendo xixi em uma vara é a parte mais fácil. Mordi o lábio e tentei me concentrar. Finalmente fui capaz de relaxar o suficiente para fazer o que precisava fazer. Baixei o lavabo a toda velocidade e fechei o zíper da minha calça. Então coloquei o pau no balcão como se fosse feito de vidro e lavei minhas mãos. − Então, como Riley recebeu a notícia? − O olhar de Blade era nítido. Dando de ombros, me encostei na parede. − Hum... foi desagradável. Ele suspirou. − Deus, eu fui um pau para a mãe de Wyatt quando ela me disse que estava grávido. − Ele riu. − Felizmente ela me perdoou. − Para ser honesto, eu ainda não realmente acredito no meu coração. − Evitei seu olhar. − Mesmo depois de ver você e Garrett e inúmeros outros ômegas no complexo, ainda é muito difícil de aceitar. − Eu sei − ele disse suavemente. Nós não falamos por um momento, e então ele perguntou: − Como está o enjoo matinal? − O meu parece ser pior no período da tarde. − Sério? Eu balancei a cabeça. − E eu estou tão cansado. − Sim, me lembro do horrível sentimento de estar drenado. − Blade sorriu. − Embora eu tivesse algumas massagens impressionantes, porque Wyatt se sentia mal por mim.

288


Eu fiz uma careta. − É um pouco mais complicado trabalhar para Riley. Mesmo que tenha cruzado uma linha, não posso simplesmente dormir em sua cama e assistir TV. Eu deveria estar trabalhando. Tom e outras pessoas estão constantemente caindo pelo seu quarto. Não há privacidade. − Verdade − Blade inclinou-se e olhou para a vara. − Eu sabia disso. − Sua voz era sem emoção. Engoli nervosamente em seco e peguei a vara. A palavra “grávido” estava claro como o dia. – Merda − eu sussurrei. Blade pulou do balcão e apertou meu ombro. − Você vai ficar bem. Pressionei meus lábios, tentando segurar o tsunami de medo rolando através de mim. − Eu não sei como fazer isso. Eu não sou material para ser pai. − Eu não achei que era também. Mas, quando a gravidez continua, você começa a se sentir diferente. − Ele fez uma careta. − O bebêé essa coisa sem rosto para você agora. Mas vai ser uma pessoa. Sua pequena pessoa. Bem, seu e de Riley. Mordi o lábio. − Riley não vai parar sua carreira para ficar comigo. Isso nunca vai acontecer. Isso significa que eu vou estar por mim mesmo. − Não. Isso não é verdade. Primeiro de tudo, eu trabalhei para Riley. Ele é um cara direito. De jeito nenhum está abandonando você. Eu simplesmente não acredito nisso.

289


− Sim, ele vai cair para uma visita a cada dez semanas ou assim. − De jeito nenhum. Você está errado. Olhando cegamente para o teste de gravidez, me senti perdido. Ter a gravidez confirmada parecia como uma sentença de morte. Eu ainda me lembrava como cinza e doente Garrett tinha aparentado, deitado sobre a cama de hospital, aguardando sua morte. Apertei meu maxilar para não gritar. Eu não posso fazê-lo! Eu não quero fazer isso! Blade deve ter visto como eu estava apavorado, porque me abraçou. − Tudo vai ficar bem. Eu juro para você. No prazo de três meses, você vai olhar para trás sobre isso e se perguntar por que estava tão assustado. Meus olhos ardiam com o quão duro ele estava tentando me confortar. Me afastei dele e enxuguei os olhos com força. − Jesus, eu sou uma bagunça hormonal. − Claro que você é. − Por que parece que não posso nunca travar uma ruptura do caralho, Blade? − Minha voz tremeu. − Eu só queria uma vida normal, e agora isso. Ele exalou asperamente. − Você está olhando para tudo errado. A você foi dado um grande presente. Eu balancei a cabeça teimosamente. − Você tem Wyatt. Você sabe como ele se sente sobre você.

290


− Colin, quando eu descobri que estava grávido, Wyatt e eu mal conseguíamos dizer uma palavra civil para o outro. Nós lutamos o tempo todo. A gravidez nos aproximou. Isso nos forçou a olhar para o outro de forma mais justa. Tornou-se impossível ignorar quão conectado estávamos. − Você são companheiros predestinado. É diferente. Ele suspirou. −Você tem sentimentos por Riley? Eu suponho que você tem, ou você nunca teria se envolvido com ele. − Sim, eu tenho sentimentos por ele. − Eu pensei sobre os olhos de Riley quentes castanhos, com uma energia suave, e como apenas sua voz ou toque poderiam me acalmar. − Nós temos uma conexão real. Não é apenas luxúria. Ele sorriu seu olhar astuto. − Você quer ser seu, não é? Meu rosto aqueceu. − Às vezes. − Você quer dizer quando você não está com tanto medo que não pode respirar? − Talvez. − Eu vi como ele olha para você também. Acho que vocês dois vão ficar bem. − Mas o que se ele achar que não somos compatíveis? E se a gente acabar odiando um ao outro?

291


Ele estreitou seu olhar. − Você não pode ir para isso com um pé para fora da porta. Tem que acreditar que vai funcionar. Você tem a fundação. Vocês dois obviamente gostam um do outro, ou não iriam mesmo estar nesta situação. − Eu acho. − Você já esteve em seu próprio mundo por um longo tempo. Não estou fingindo aprender a compartilhar a si mesmo com Riley será fácil. Mas ele é um cara bom. E não é um daqueles tipos de alpha insistentes. Isso deve consolá-lo. − Sim. − Eu fiz uma careta. − Mas estou acostumado a ser independente. Como irei trabalhar com um bebê e um alpha ao redor o tempo todo? Se ele é maduro ou não, ainda é um alpha. − Então mude. − Há. Sem problemas. Ele encolheu os ombros. − Ou não, e falhe miseravelmente em ser um pai e companheiro. Meu rosto aqueceu. − Ouch. − Você não precisa de mim para beijar sua bunda e dizer-lhe agradáveis mentiras. Você precisa da verdade brutal. − Eu aprecio a verdade. Eu não sei se preciso que ela seja brutal.

292


Seus lábios tremeram. − Eu não tenho muito tempo. Nosso voo de retorno é em três horas. − Eu ainda não posso acreditar que vocês dois vieram todo o caminho aqui só para mim. Ele franziu a testa. − Por quê? − Ele levantou a mão. − Você sabe o que? Ignore essa pergunta. Ainda me lembro como era pensar que ninguém poderia cuidar de mim ou me amar. − Mas agora você acredita que é possível. − Não era uma pergunta. Era óbvio o quão próximos Wyatt e Blade eram. − Meus pais adotivos me fizeram sentir inútil. Por muito tempo pensei que era como todo mundo me viu. Mas ele precisou de uma pessoa para mudar esse pensamento. − Essa pessoa foi Wyatt? Ele franziu a testa. − Não, manequim. Fui eu. Eu ri. − Oh. − Wyatt foi o catalisador. Mas ele poderia pensar que eu era a melhor coisa desde o pão fatiado e não teria importância. Eu precisava aceitar que era digno de seu amor. Precisava deixar que ele me amasse. − Você não sente que ser vulnerável faz você fraco?

293


− Não com Wyatt. Não estou dizendo para confiar em todo mundo que sorri para você. Tem que escolher sabiamente. Garrett obviamente não faz isso. Baixei a cabeça. − Eu sei que o orgulho de meu irmão foi o que o matou. Eu não quero repetir esse erro. − Então você precisa estar aberto e vulnerável e disposto a parecer tolo. Você tem que se apoiar em Riley. Sério. − Você sabe, Riley tem não teve exatamente uma educação incrível e amorosa. Talvez nós sejamos apenas dois desajustados que não sabem como se unirem. Blade deu de ombros. − Talvez. Eu não acho que isso é verdade embora. Riley está aberto para você. É tão porra óbviopela maneira como olha para você. Ele está esperando por você para deixá-lo entrar. − Eu quero − eu disse suavemente. − Então faça. Você está carregando oficialmente o seu bebê. − Ele se inclinou para mim. − Se deixe afundar nele. Beliscando a pele entre os olhos, eu disse: −Jesus. Isso é tão louco. − Eu sei. − Ele suspirou. − A mãe de Wyatt tem uma mensagem para você dos antigos. Fiz uma careta. − Por quê?

294


− Eles sabem sobre Garrett. Perder um ômega eclipse solar e o bebê não é aceitável para eles. − Então por que eles não o ajudaram? − Eles não são deuses. − Eles sabem quando nascemos, e sabem quando engravidamos. Eles poderiam ter feito alguma coisa, − rosnei. Seu olhar estava repreendendo. − Eles fizeram alguma coisa. O levaram a Garrett. Fiz uma careta. −Talvez se eles me deixassem ter essa informação um mês antes, Garrett ainda estaria vivo. − Eles assistem ômegas eclipse solar de uma distância. − A boca de Blade era uma linha sombria. − Não perceberam que Alan não estava com Garrett até que fosse tarde demais. É raro para o alfa rejeitar o ômega eclipse solar de forma tão cruel como Alan fez. − Pobre Garrett. Se apenas ele estendesse a mão para mim, − eu disse suavemente. − Eu sei. Eu encontrei o olhar simpático de Blade. − Qual é a mensagem? − Eles queriam que você soubesse que Alan tem sido tratado. Eu fiz uma careta. − O que quer dizer?

295


Blade apertou os lábios. − Vamos apenas dizer que ele não pode mais engravidar ninguém. Satisfação amarga enrolou meu intestino. − Bom. Ele é um filho da puta. − De acordo. Eu peguei a vara de gravidez e olhei para ela. − Obrigado por trazer o teste. Isso ajuda a saber que é real. Ele riu. − Não se sente suficientemente real até que você tenha algum tipo de teste. − Ele deu de ombros. − Pelo menos foi assim para mim. Passei a minha mão sobre a barriga lisa. − Sim, se eu não tivesse vomitado o tempo todo, não teria nenhuma indicação em tudo. − O último mês é quando seu corpo vai realmente mudar. Seu estômago vai ficar enorme, e vai quer apenas sentar em seu traseiro e comer todo o dia. − Ele sorriu. − Wyatt tinha de me importunar constantemente apenas para me exercitar e comer bem. − Eu já estou com fome o tempo todo. − Eu não poderia imaginar todas as mudanças que estavam vindo para mim fisicamente. Seu sorriso desapareceu lentamente. − Por causa do que aconteceu com Garrett, eu sei que isso éextra-assustador. O que você precisa lembrar é que a maioria dos ômegas eclipse solar estão seguros e entregam bebês saudáveis.

296


Eu empurrei imagens deprimentes de meu irmão do meu cérebro. − Ok. Vou tentar focar nisso. − Você e Riley precisam descobrir o seu próprio caminho. Mas sei no meu intestino que ele é o único para você. Lembre-se que eu disse que ele te ama. Se incline sobre ele e vocês dois vão ficar bem. Meu intestino deu um tombo com o pensamento de construir uma família com Riley. Era mesmo possível dada a sua carreira musical? A tarefa à frente parecia assustadora. Eu tentei não deixar meu medo me dominar, mas não foi fácil. − Eu não posso esperar essa turnê acabar. − Suspirei e caminhei para a porta. − Gêmeos são comuns em sua família, certo? Dei-lhe um olhar assustado. − Sim. Por quê? Ele encolheu os ombros. − Não há razão real. − Deus, Riley provavelmente iria desmaiar se eu tivesse gêmeos. − Não. Alphas com gêmeos. Ele acaricia seus egos viris. − Blade colocou o braço em volta dos meus ombros quando saímos do banheiro. − Mais uma vez obrigado por terem vindo. − Claro. − E graças a Deus essa turnê vai terminar antes do último mês da minha gravidez.

297


− Sim. Você vai estar realmente enorme e terrivelmente cansado até lá. − E mais importante, você pode imaginar a expressão no rosto de Darcy se eu lhe dissesse para pedir um colete à prova de balas de maternidade para mim? Ele riu e fizemos o nosso caminho de volta para os outros.

298


Capítulo 21 Riley Quando três semanas voaram, fiquei impressionado com o quão bem Colin tratava estar grávido, enquanto ainda está fazendo o seu trabalho com perfeição. Seu enjoo matinal parecia desaparecer lentamente. Ele manteve sua atitude otimista, e se estava cansado, escondeu em público. Tom não pareceu notar qualquer coisa diferente. Eu não tinha dúvidas de que se ele tivesse notado que Colin tinha amolecido, teria dito alguma coisa. Estávamos de volta ao nosso hotel, depois do show final em Columbus, Ohio. Colin estava na minha cama com a cabeça no meu colo. Corri meus dedos pelo cabelo sedoso, estudando seu nariz reto e maçãs do rosto arqueadas. Escorreguei meus dedos até os ombros e, em seguida, sobre o peito. − Hum − ele suspirou, olhando para mim. − Suas mãos se sentem bem. Meu estômago caiu com entusiasmo quando ele admitia pequenas coisas como essas para mim. − Eu gosto de tocar em você. − Quando minha mão alcançou seu estômago, eu esfregava minha mão sobre os botões de sua camisa. − É estranho não ter nenhum sinal do bebê até o último mês. − Embora eu seja habilidoso para esconder a gravidez. − Verdade.

299


− Obrigada por ser tão doce para mim todas as noites, − disse ele calmamente. Eu fiz uma careta. − Eu não faço muito. − Você sempre esfrega minha cabeça. − Seu rosto se curvou em um sorriso. − Eu acho que não estou acostumado a qualquer um tomando conta de mim em tudo. − Bem, se acostume com isso, bebê. − Eu ri. Ele ficou quieto por um momento, e então disse: − Você acha que Tom sabe sobre nós? Eu levantei minhas sobrancelhas. − Não. Por quê? − Ele tem sido mais agradável para mim ultimamente. − Ele mordeu o lábio. − Eu acho que ele até sorriu para mim ontem. Ele poderia ter estado apenas mostrando os dentes. − Talvez ele finalmente aprecie o quão bom você é em seu trabalho. − Talvez. − Ele não parecia convencido. − Você não acha que, se Tom soubesse, ele estaria me mostrando todas as noites sobre o guarda-costas do mal que quer me corromper? Colin riu. − Provavelmente. Limpei a garganta. − Eu estive pensando, temos cerca de mais três semanas deixadas na turnê.

300


− Sim. − E mais nove semanas de sua gravidez. Ele acalmou. − Deus. Isso é verdade. − Ele fez uma careta. − Está indo tão rápido. − Quando o passeio terminar, eu vou dizer Tom que não quero viajar pelos próximos três meses. Vou dizer a ele que preciso de uma pausa. − Tom não vai gostar disso. − Que pena. Eu realmente preciso de uma pausa. Turnês são esgotantes, como você bem sabe. Eu ainda vou fazer performances e merda, mas não quero ser afastado por mais de uma noite aqui e ali. Quer dizer, inferno, eu estive principalmente na estrada durante os últimos dois anos. Preciso de algum tempo de inatividade. − Você poderia esperar e apenas tomar o último mês da minha gravidez. − Ele falou em voz baixa, evitando meu olhar. − Dessa forma, você iria manter Tom feliz e não decepcionar seus fãs. − Porque eu faria isso? − Nada realmente vai acontecer até o último mês. Parei de mover minha mão e me inclinou para seu rosto. − Eu quero estar lá para você durante todo o tempo. − Certo. Mas nós poderíamos apenas fazer o que fazemos agora. Eu trabalho com você, e você fazer a sua coisa.

301


Eu fiz uma careta. − Eu quero estar realmente com você. Não mais se esgueirando. Achei que você queria isso também. − Eu quero. Mas... − Mas o quê? − Eu fiz uma careta. − Antes mesmo de eu saber que estava grávido, esse era o meu plano. Você esqueceu que quero estar com você, bebê ou não bebê? − Acho que eu só estou tentando ter certeza de que ainda é o que você quer. − Nada sobre meus sentimentos mudaram. − Ok. − Você acredita em mim? Ele encolheu os ombros. − Eu acho que eu acredito em você. Bati a minha frustração. − Você acabará. – Iria garantir que ele seria incapaz de ignorar o quanto eu gostava dele quando estivesse na sua vida o tempo todo cuidando dele e amando-o. − Eu acho que me preocuparei mais com uma vez que o bebê está aqui. − Sua voz estava hesitante. − Você não pode ficar em casa. A natureza do seu trabalho é viajar. − Há celebridades que viajam com suas famílias. − Não pode ser fácil.

302


Fiz uma careta. − Sabe o que mais não é fácil? Estar longe de você e nosso futuro filho. − Eu suspirei. − Nós podemos fazer isso dar certo. − Você sempre diz isso, mas a verdade é que vai precisar um monte de planejamento para estar juntos em uma base regular. − Ele franziu a testa. − Eu ainda tenho que trabalhar muito. − Claro. Eu achei que você ainda iria trabalhar para mim. − Eu suspirei. − Sei que você está com medo de que vai perder sua independência. Você não tem que se preocupar comigo, Colin. Eu juro. Não quero que fique preso em casa com um bebê. Eu sei que faria você infeliz. Ele fez uma careta. − Eu deveria querer isso. Eu sou um ômega. Eu sorri para ele carinhosamente. − Você não é o ômega de costume. Ele deu seu olhar preocupado para mim. − Você realmente acha que pode fazer isso? − Absolutamente. − Como você está tão certo? − Eu sei o que quero. Eu planejei isso? Não. Mas estou animado. Estou plenamente consciente de que haverá muito ajuste necessário. Para nós dois. Nós dois estamos habituados a estar só. Mas eu estou ansioso para ter algo mais em minha vida além de apenas pulando em um ônibus de turismo ou um avião por mim.

303


Um pequeno sorriso pairava em sua boca. − Eu tenho que admitir, quando você parece tão certo de tudo isso, faz meu estômago vibrar. − Sim? − Eu sorri. – Seu estômago vibra quando seu alpha assume o comando? Ele lambeu os lábios. − Meu estômago sempre vibra em torno de você. − Sério? − Eu perguntei suavemente. − Sim. − Estou feliz em ouvir isso. Eu sinto que sempre tenho que fazer o primeiro movimento com você. − Ahhhh. Vem cá, menino grande. − Ele sorriu maliciosamente e puxou minha cabeça para baixo para um beijo quente, nossas línguas correndo juntos. Ele gemeu e apertou minha mão que ainda estava na sua parte inferior, cobrindo sua ereção óbvia. Eu gostei deste lado assertivo dele, e apertei seu pênis através de suas calças. Ele revirou os quadris e suspirou em minha boca. Quando o beijo terminou, eu lambi meus lábios. − Agora eu estou todo excitado. − Bom. Estou com tesão como o inferno recentemente. Eu ri, alisando minha outra mão sobre o estômago plano. − Acho que é sexy que está grávido. Você sabia? − Meu pau estava dolorosamente contraído no meu jeans.

304


− Você acha? − Ele parecia sem fôlego. − Oh, sim. − Eu contornei seu pênis com os dedos. Um pequeno gemido escapou de seus lábios. − Você quer foder seu ômega grávido? − Eu quero. − Graças a Deus. − Ele soltou o cinto e tirou sua calça, chutando no meio da sala. − Só para você saber, não vou me conter. Eu não tenho autocontrole nos dias de hoje. − Uma transa rápida soa perfeito, − eu sussurrei, me despindo o mais rápido possível. Ele ainda tinha sua camisa e gravata, mas agora eu estava nu, com meu pau duro e apontando para o teto. Suas mãos pareciam tremer quando ele pegou o lubrificante e acariciou meu pau. Gemi e rolei meus quadris, querendo estar dentro dele desesperadamente. Uma vez estava agradável e liso, mexeu-se para pairar sobre o meu pau. Seu pau estava reto e corado quando ele baixou-se sobre a minha ereção. − Oh, merda, − ele assobiou, jogando a cabeça para trás quando sua bunda bateu no topo das minhas coxas. Eu queria muito dar um impulso, minhas pernas tremiam enquanto eu segurava meu controle. Ele lentamente subia e descia sobre mim, seus

305


músculos da coxa abaulando enquanto cavalgava meu pau. Sua boca estava aberta e os olhos azuis claro quando se fodeu sobre mim. − Colin, − eu gemi, o aperto de sua bunda me fazendo querer gozar imediatamente. Minhas mãos se cravaram em seus quadris, e comecei a me mover também. A pressão no meu pau era tão deliciosa que me senti tonto com o desejo de me enterrar cada vez mais fundo. Sua respiração veio em puffs rápidos como comecei a empurrar para cima e ele bateu. − Oh, sim, − ele ofegava. − Foda-me. Foda-me, duro. Seu pênis cutucou para fora sob a aba de sua camisa branca, saltando para cima e para baixo, batendo o meu abdômen e balançando de volta para cima novamente. Segurei-o para baixo quando bati para cima a um ritmo rápido. Seu rosto estava vermelho, e ele parecia tão sexy pairando a beira de seu orgasmo em sua camisa e gravata. Meu orgasmo me pegou de surpresa, minhas bolas incharam enquanto meu pau empurrou profundamente dentro de sua bunda. − Oh, porra. − Eu arqueei minhas costas e empurrei tão profundo e tão rápido quanto eu podia. − Riley, − ele gemeu e acariciou-se quando seu traseiro apertou no meu pau, e ele atirou sêmen cremoso sobre o meu estômago e peito. Ele empurrou e gemeu, rebolando como se não poderia obter o suficiente. Finalmente, ele caiu, respirando com dificuldade. −Aquilo foi legal. − Tão quente, − eu sussurrei, meu clímax ainda zumbindo através de minhas bolas. Eu me senti quente e saciado quando ele saiu de mim.

306


Ele caiu ao meu lado, como uma boneca de pano. − Eu precisava disso. − Eu também. − Agarrei tecidos a partir da mesa de cabeceira, e nos limpei. Ficamos em silêncio por um tempo, e então ele disse baixinho: − Eu mataria por um bife e um litro de sorvete de chocolate. Eu ri. − A sério? Tivemos jantar duas horas atrás. − Eu olhei o relógio ao lado da cama. − Além disso, são duas da manhã. − Eu sei. − Ele suspirou e esfregou o estômago. − Eu estou com fome novamente. Sentei-me com um sorriso. − Bem, eu sou Riley West. Tenho a sensação de que posso fazer isso acontecer para você. Ele mordeu o lábio inferior e desceu da cama para escorregar em sua cueca. − Não. Tudo bem. Eu não quero ser um incômodo. Peguei o cardápio fora da mesa de cabeceira. − Tarde demais. − Peguei o telefone para ligar para a recepção. − Olá, aqui éRiley West na suíte de platina. Colin acenou com as mãos e sussurrou. − Não, está tudo bem, realmente. Não se preocupe. Eu sorri e o ignorei. A voz agradável respondeu: − Oh, sim. Olá, Sr. West. O que podemos fazer por você?

307


− Eu sei que é tarde... mas... Eu queria saber se há alguma maneira de ainda poder solicitar o cardápio de serviço de quarto? Colin cobriu o rosto como se envergonhado. Houve uma ligeira hesitação na outra extremidade da linha. − Isso não é um problema em tudo, Sr. West. Eu levantei meu polegar para Colin, que se encolheu. Estudei o cardápio. − É possível encomendar o filé mignon, mal passado. − Batata cozida ou batatas fritas? − Perguntou a menina. Cobri o bocal. − Cozida ou batatas fritas? Colin apenas fez uma careta. Eu ri e falei ao telefone. − Batata cozida com carne. E você tem sorvete de creme de chocolate? − Temos certeza que sim. − Podemos obter dois desses? − Você tem, Sr. West. − Muito obrigado. Eu sei que é tarde. − É o nosso prazer, Sr. West. Estamos tão felizes de tê-lo com a gente. − Obrigado. − Eu desliguei e virei para Colin, que ainda estava cobrindo o rosto. Eu ri. − Eles gostam de fazer coisas para as celebridades.

308


Ele deixou cair ás mãos, o rosto vermelho. − Não. Eles simplesmente acham que é o seu trabalho porque você é Riley West. Eles provavelmente estão dizendo coisas rudes sobre você agora. − Bem, de qualquer forma você vai ter seu alimento. E eu vou lhes dar uma dica de dinheiro, para que a pessoa trazendo a comida vai nos amar. −Eu sorri. − Você não tem que fazer isso, − disse ele calmamente. − Eu gosto de cuidar de você. – Me reclinei sobre a cama. − Faz-me feliz agradá-lo. Ele sentou ao meu lado, com os olhos quentes. – Você é tão bom para mim. − É como eu disse há um tempo, o alpha e o ômega deve olhar um para o outro. − Toquei seu ventre liso. − Nós pertencemos um ao outro, Colin. Seus lábios se separaram e eu podia ver sua luta interna. − E se eu acabar com isso? − Como? − Eu fiz uma careta. − Eu não quero mudá-lo. Eu só quero amar você. Isso é o que eu quero dizer com pertencer. Seus olhos suavizaram. − E se eu não sei como pertencer a alguém? Eu sorri e toquei seu rosto. − Você já faz.

309


Capítulo 22 Colin Na nossa última noite em Pittsburgh, Pensilvânia, Riley estava fazendo uma entrevista com um repórter, quando Tom sinalizou para que eu fosse lá fora. Ele encostou-se à parede na frente do edifício e desembrulhou um pedaço de goma. − Quer um? − Ele ofereceu. O cheiro de hortelã realmente me fez sentir enjoado recentemente. − Não, obrigado. − Como quiser. − Ele empurrou a goma em sua boca, seu olhar preso em mim. Eu levantei uma sobrancelha. − Existe algo que você precisava? Ele não respondeu imediatamente, mas então disse: − Você tem alguma coisa acontecendo com Riley? Meu estômago caiu, mas mantive o meu rosto em branco. − Eu não estou entendendo. Ele sorriu. − Não é uma pergunta tão difícil. Obviamente, ele tinha uma razão para perguntar. Eu não tinha certeza do que tinha em mente, mas eu também sabia que ele não era estúpido. Se

310


tivesse suspeitas, teria a certeza antes de se aproximar de mim. − Por que você pergunta? Ele mastigou e me olhou por uns bons minutos. − Riley está diferente. − De que maneira? − Mais feliz. Eu esperava algum comentário desagradável, então certamente eu agora parecia surpreso. − E você acha que é porque tenho algo acontecendo com ele? Ele não me respondeu diretamente. − Ele quer parar um tempo. Você sabia disso? − Ele mencionou que ia tirar algum tempo para si mesmo. Ele zombou. − Criança, você pode cortar o ato. − Eu não tenho certeza do que você quer de mim. − Eu dei de ombros. − Se Riley está feliz, eu estou feliz. − Eu também. − Assentiu. − Ele merece uma folga. Está trabalhando o seu traseiro há um tempo, e ele ganhou uma pausa. Eu acho que só estou tentando descobrir o que você quer. Eu instintivamente toquei no meu estômago. Felizmente ele não percebeu. − Olha, eu sei que você não gosta de mim. Mas me preocupo com Riley. − Isso está certo?

311


− Sim. Eu não estou usando ele. Nós tivemos uma conexão a partir do momento em que nos conhecemos. Tenho certeza de que o irrita, desde que eu sei que você pensa que sou um babaca, mas é o que é. − Se eu ainda pensasse que você estava aqui para prejudicar Riley, você não estaria mais aqui. − Sério? − Riley pode aparecer executar o show, mas a verdade é que, se eu realmente pensasse que ia machucá-lo, você teria ido há muito tempo. − Ele estalou os dedos. − Poof. Eu ri sem querer com o quão duro ele estava agindo. − O que você é, o padrinho dos gestores? Seus lábios tremeram. − Não. Mas eu tenho meus contatos. Tenho certeza de que uma chamada para Shield teria sido bastante fácil de fazer. Eu poderia ter tido um substituto enviado dentro de horas. − Provavelmente. − Eu estreitei meu olhar. − Então, por que não fez isso há muito tempo? Ele suspirou. − Riley realmente gostava de você. Acendeu-se ao seu redor, e, acredite ou não, isso me agradou. − Ele fez uma careta. − Bem, para ser justo, num primeiro momento, me incomodou. Mas então fui capaz de ver que era melhor para todos se Riley está feliz. − Concordo.

312


− A coisa é, eu tenho medo de que Riley ache que vocês dois são o negócio real. Ele provavelmente pensa que vocês irão viver juntos e ser um casal. − Seus olhos escureceram. − Eu não quero que ele se machuque. − Eu disse que não o estou usando. − As pessoas dizem coisas. Eu quero saber como você se sente realmente sobre ele. Meu rosto aqueceu. − Olha, nada pessoal, mas eu não sou o cara mais aberto do mundo. − Experimente. Por mim. − Ele sorriu. − Por que eu deveria? − Porque eu posso ser seu melhor aliado ou seu pior inimigo. Eu sabia que o que ele disse era provavelmente verdade. − Eu quero estar com ele. Isso deveria te dizer algo. − Talvez você só esteja atraído com sua fama. Eu fiz uma careta. − Se qualquer coisa, ela fica no caminho do que eu quero. − Você vê um futuro com ele? Respirei fundo. − O que me assusta é que não consigo ver um sem ele. Ele sorriu, o que era quase surpreendente, porque ele nunca sorriu ao meu redor. − Isso é o que eu queria ouvir.

313


− Sim? − Eu esfreguei a parte de trás do meu pescoço. − Eu não tinha certeza sobre você em primeiro lugar. Mas para ser justo, você ajudou Riley, não o machucou. Ele é mais feliz, então está mais focado. Eu não vi isso vindo. − Ele deu de ombros. − Eu assumi o pior. É o que eu faço. − Ok. − Eu estava contente que ele era tão agradável, embora tenha sido um pouco confuso. − Você vai morar com Riley? Meu rosto aqueceu. − Nós não discutimos isso. − Quando a turnê acabou eu tinha planejado ficar com Blade e Wyatt desde que não tinha um lugar em Los Angeles ainda. Eu deixei meu apartamento em San Diego alugado quando tinha ido à procura de Garrett. − Você não tem? − Eu não tenho certeza do que Riley tem em mente. − Riley tinha dito que queria que nós fôssemos um casal, mas não tinha oficialmente me pedido para morar. Isso era um mau sinal? Ele franziu a testa. − Parece estranho que vocês dois não discutiram o que acontece depois da turnê. − Isso tudo é ainda muito novo. − Obviamente, Tom não sabia sobre o bebê. Riley tinha dito uma vez que poderiam ser um casal em campo aberto, em seguida, quando o bebê chegasse, nós inventariamos uma história sobre a

314


adoção de um filho juntos. Mas como é que isso daria certo se não estivéssemos vivendo juntos? Minha conversa com Tom me fez perceber o quanto eu instintivamente confiei no meu alpha para lidar com tudo. Me senti um pouco chocado com o quão completamente eu o deixei tomar as rédeas. Riley tinha dito que queria cuidar de mim, e me apoiei nele. Quanto mais eu pensava sobre suas promessas, mais eu percebi que elas eram muito vagas. Eu estava indo ao longo deixando Riley me dizer como isso ia ser. Não era isso o que Garrett tinha feito? Confiava em seu alpha para cuidar dele, e, em seguida, Alan tinha cansado dele e o jogado fora? Limpei a garganta, tentando afastar as minhas inseguranças repentinas. − Eu acho que nós temos um monte de coisas para descobrir. Ele se afastou da parede. − Definitivamente. − Ele acariciou minhas costas rigidamente. − Tenho certeza de que tudo vai dar certo. Eu dei um breve aceno de cabeça, e voltamos para dentro. Riley estava de bom humor quando a entrevista acabou. Fomos para o aeroporto para que pudéssemos pegar um jato particular à Nova York para a segunda última semana de nossa turnê. Riley tomou algumas cervejas na viagem, e eu o observei enquanto ele riu e brincou com Tom e Amanda. De vez em quando, Riley olhava para mim e sorria, o que fez meu pulso aumentar.

315


Eu odiava que a minha discussão com Tom agora me fez questionar exatamente o que Riley queria comigo. Sempre que estava em torno de Riley, me sentia incrível. Meu ômega estava em paz apenas por estar perto dele. Isso nublou meu julgamento? Se eu tivesse feito suposições sobre o que nosso relacionamento seria? Quando a ansiedade rolou através de mim, toquei meu estômago, sentindo a menor colisão. Não tinha tempo o suficiente para ter uma barriga perceptível, mas apenas um pouco de gordura extra em torno da minha cintura se sentia óbvia. Meu maior medo era que o bebê faria com que Riley e eu ficássemos mais distantes. Eu não queria estar preso cuidando desta criança sozinho enquanto Riley estava fora cantando sua música. Ele disse que não era o plano, mas estava sendo realista? Estávamos nos enganando sobre podermos fazer algo tão enorme quando não nos conhecíamos ha tanto tempo? Normalmente ômegas foram os únicos na relação a cuidar dos filhos. Eu nunca tive esse mesmo desejo de fazer isso. Claro, eu nunca tinha tido o desejo de me reproduzir antes, e isso certamente me bateu quando eu tinha estado com Riley. Talvez mais sentimentos maternais viessem para mim mais tarde na gravidez. Mas o que se não o fizerem? Eu me senti agitado sobre tudo de repente. Talvez fosse hormônios que me tinham tão chateado. Eu não conseguia afastar o medo de que talvez Riley só estivesse me usando porque eu estava aqui e disponível. Talvez quando a

316


turnê acabasse, ele viria com alguma desculpa sobre por que isso nunca iria funcionar. No momento em que o jato pousou e finalmente entramos em nosso hotel, eu tinha me trabalhado muito bem. Uma parte de mim percebeu que eu estava deixando minha paranoia me controlar, mas não sabia como parar o dilúvio de incerteza e desconfiança. Riley estava em seu quarto desembalando enquanto eu fiz o mesmo no meu. Foi frustrante que eu não poderia tomar qualquer coisa para ajudar a acalmar minha ansiedade, porque não só eu estava de plantão, mas também estava grávido. Eu terminei de pendurar minhas roupas no armário, e me sentei na beira da minha cama me sentindo estranhamente emocional. Quando Riley encostou-se a porta entre nossos quartos, eu não olhei para cima. Ele entrou na sala, aparentemente alheio ao meu estado sobrecarregado de espírito. Ele se jogou do outro lado da minha cama e suspirou. − Este é um hotel muito agradável. Eu poderia até mesmo ter que roubar o manto. Eu resmunguei e olhei para o meu reflexo mal-humorado no espelho sobre a mesa. − Você quer comer fora ou pedir o serviço de quarto? Tom e alguns membros da tripulação estavam falando sobre ir ao restaurante do hotel. − Eu não estou com fome.

317


Ele riu. Provavelmente achava que eu estava brincando desde que eu estava sempre com fome recentemente. − Sério? Eu grunhi novamente. Ele sentou-se. − Você se sente doente? − Ele parecia preocupado. − Não. Ele respirou fundo. − Você me assustou. − Desculpe, − eu disse secamente. Ele ficou quieto por um momento, e então ele se arrastou até mim e colocou o queixo no meu ombro. − Você quer tomar um banho juntos? − Não. Eu podia sentir que ele estava começando a pegar que nem tudo estava bem comigo. Ele levantou a cabeça e tocou meu ombro. − Colin, o que está errado? Dei de ombros. − Olhe para mim. − Ele puxou meu braço. Fiz o que ele pediu, mantendo meu rosto em branco. − O que? Ele inclinou a cabeça. − Eu fiz alguma coisa para te chatear? − Quer dizer, como me engravidar? Ele olhou para mim quando deu uma risada surpreendida. − O que? Eu balancei minha cabeça. − Deixa pra lá.

318


Ele saiu da cama e ficou na minha frente. − O que está acontecendo? − Foda-se se eu sei, Riley. Me diga você. Ele franziu o rosto. − Honestamente, eu estou confuso com você agora. Você parecia bem mais cedo. Eu disse algo que o deixou chateado? Parei, me sentindo embaraçosamente emocional. − Eu não acho que eu posso fazer isso. − Fazer o que? − Ter essa porra de bebê, isso sim. − Eu acenei minha mão em direção a ele. − Você começa a viver a sua vida, e eu estou preso com um bebê. Como justo é isso? Ele franziu a testa. − Colin, estamos juntos nessa. − Nós estamos? − Eu dei uma risada dura. − O que eu fiz? − Ele parecia exasperado. Fiz uma careta. − Eu tive uma pequena conversa agradável com Tom hoje à noite. − Ok. − Ele falou algumas coisas que me fizeram pensar. − Eu empurrei minhas mãos em meus bolsos. − Que tipo de coisas? − Ele parecia cauteloso.

319


Ignorei sua pergunta direta. −Este passeio termina em duas semanas. − Eu segurei dois dedos para fora na frente de seu nariz. − Duas porras semanas. Sua boca se endureceu. − Estou bem ciente disso. − Bem, você continua falando sobre como cuidar de mim. Como diabos é que isso funciona? Ele franziu a testa. − Assim como funciona agora. − Será que vamos viver em um hotel? − Eu bufei. − O que? Não, claro que não. − Você vai para casa de Blade e Wyatt para cuidar de mim? − Eu usei aspas no ar. Parecia que ele ia me responder com raiva, mas de repente ele parou e seu rosto relaxou. − Colin, eu achei que você sabia que ia morar comigo. − Por que eu iria pensar isso? − Minha voz era mais aguda do que eu teria gostado. Eu odiava como instável e chateado me sentia. Ele franziu a testa. − Eu acho que não. − Ele se aproximou. − Sinto muito, eu deveria ter formalmente tê-lo convidado a viver comigo, eu acho. Nunca me ocorreu. − Ele deu uma risada engraçada. − Eu achei que você sabia que o queria comigo, onde quer que seja. − Não. Eu não assumi as coisas.

320


Sua expressão tornou-se suave e afetuosa. − Você boneco grande. − Ele me surpreendeu quando me agarrou e me puxou para um abraço. − Eu te amo. Claro que você vai morarcomigo.− Ele beijou o lado do meu pescoço com ternura. − Não tenha medo. Eu enterrei meu rosto contra sua garganta quente, inalando seu aroma limpo de bosque enquanto a tensão era drenada do meu corpo. Apenas seu toque e voz tinham o poder de me acalmar. Eu me senti mais calmo agora, a terrível onda de hormônios desaparecendo e me deixando um pouco envergonhado. − Desculpe, − eu disse rispidamente. − Você não tem que se desculpar. Eu deveria ter percebido que precisava ser mais franco com você. Suspirei. − Tom sabe sobre nós, − eu disse calmamente. − Ele sabe? − Riley pareceu surpreso. Eu balancei a cabeça. − Ele estava surpreendentemente bem com tudo isso. Puxando para trás, Riley estudou meu rosto. − Mas uma coisa que ele disse o incomodou? Suspirei. − Ele apenas perguntou onde iríamos morar, e eu percebi que não tinha ideia. Isso me assustou. − Meus olhos ardiam. − Garrett tinha para onde ir, e olha o que aconteceu com ele.

321


Ele gemeu e me puxou para perto novamente. − Colin, eu te amo. O alpha de Garrett era um babaca. Você está seguro. Eu tenho as suas costas. Você me ouve? Não posso esperar para ver o nosso bebê e ter uma família com você. Nunca vou te abandonar. Nunca. Ele me apertou tão apertado que era difícil respirar, mas eu precisava. Me fez sentir seguro e menos sozinho. Coloquei meus braços em torno dele e fiquei mortificado quando um soluço rompeu minha garganta apertada. Eu enterrei contra seu ombro e deixei as lágrimas quentes caírem. Chorei por meu irmão por causa de toda a dor e o medo que ele deve ter sofrido. Eu chorei porque estava tão feliz que Riley me amava. E eu chorei porque finalmente, realmente senti como se pertencesse a outra pessoa.

322


Capítulo 23 Riley O final da turnê foi um momento agridoce. Fiquei feliz que o movimento constante de cidade em cidade e a necessidade de estar “on” em todos os tempos foi chegando ao fim, mas eu tinha encontrado Colin por causa dessa turnê. Tinha encontrado meu ômega, e nós íamos ter um filho juntos. Era como se, quando esta turnê terminasse, minha vida poderia finalmente realmente começar. Eu vou ser pai. De vez em quando, o pensamento disso me bateu e eu tinha que respirar fundo para me acalmar. Eu tentei não mostrar qualquer nervosismo sobre o bebê iminente na frente de Colin. Percebi que ele estava muito mais assustado do que eu sobre o que estava por vir, e precisava mostrar uma forte frente para ele. Colin estava em seu lugar habitual perto da porta enquanto a banda e eu ensaiamos um pouco antes de entrar no palco. Ele mudou de posição a cada poucos minutos, como se sentisse dor. Eu sabia que as costas o machucava e os seus pés estavam inchados, mesmo que ninguém mais notou. Ele olhou por cima e encontrou meu olhar. Quando ele piscou, meu peito se apertou com carinho.

323


− Última noite, bebê. − Júlio bateu no meu braço, me distraindo. − Nós fizemos isso. − Eu estou pronto para isso acabar. − Eu suspirei, me inclinando para trás contra o sofá. − Quais são seus planos quando você voltar para Los Angeles? − Ele perguntou, abrindo uma cerveja. Eu deslizei meu olhar em direção a Colin. − Eu estou dando um tempo. Júlio arregalou os olhos. − Sério? Tom aceitou isso? − Sim. Com um sorriso malicioso, Júlio seguiu meu olhar. − Alto, moreno, e mal-humorado não teria nada a ver com esse tempo fora, teria? Meu rosto aqueceu. − Sem comentários. Ele sorriu. − Eu pensei que senti um pouco de algo entre vocês dois. − Ele apontou para sua cabeça. − Meu alpha-dar fez ping. Revirei os olhos. − Certo. − Estou falando sério. Eu sabia na primeira noite que vi vocês dois juntos. − Ele fez uma careta. − Ele é sexy. Eu te perdoo por pegá-lo acima de mim. − Dois alphas juntos não é uma grande combinação. Você e eu sabemos disso.

324


Ele ergueu as sobrancelhas. − Não para qualquer coisa permanente. Mas o sexo era quente. Eu apenas sorri. Querendo mais ninguém, além de Colin, parecia ter sido como um milhão de anos atrás. Eu tinha zero interesse ou atração por outros homens. Mas não conseguia obter o suficiente de Colin. − Eu estou ansioso para algum tempo de inatividade. Além disso, não posso pensar, − eu menti. Colin e eu iriamos passar duas semanas em Los Angeles, e depois iriamos para o composto nas montanhas. Eu queria ir mais cedo para que Colin pudesse ver um médico, mas ele queria parar. Júlio tomou um gole de cerveja. − Você não perdeu nenhum patrocinador depois que saiu? A súbita mudança de assunto me pegou desprevenido. − Hum, acho que perdemos uma empresa de frango, mas mais dois restaurantes e uma empresa de joias assinaram. − Bom. Estou feliz que foi uma transição tão suave para você. Eu fiz uma careta. − Na maioria das vezes. Eu tive alguns trolls tentando fazer minha vida um inferno por algumas semanas, mas acho que ficou aborrecido porque eu ignorei. − Isso é tudo o que você pode fazer. − Sim. − Eu olhei para cima quando Tom entrou na sala.

325


Ele bateu palmas. − Ok, rapazes. Este é o último show. Vamos torná-lo um bom. Júlio sorriu e esmagou sua lata de cerveja vazia na mão. − E aqui eu estava indo tirar um cochilo. − Ele jogou o recipiente para o lixo. Tom balançou a cabeça, e todos fomos para o palco. Colin caiu no meu lado, e a compressão de sua mão nas minhas costas era íntima mas sutil. Uma vez que o show começou, eu dei tudo que tinha. Sabendo que não estariam em turnê por um tempo era emocionante, mas também pungente. Eu amava estar no palco, e a sensação de excitação do público. Mas eu amava Colin ainda mais. Eu estaria de volta no palco em breve, mas os próximos meses seriam todos sobre a minha nova família. Colin flutuou na minha piscina de costas, com os braços estendidos. Cada polegada de seu corpo estava duro, ondulado e muscular, até que você chegava a sua área de estômago. O inchaço arredondado de sua barriga tornouo meu peito quente quando nadei até ele. − Ei, calça sexy, você vem sempre aqui? − Perguntei, beijando seu ombro molhado. Ele sorriu, mantendo os olhos fechados e saltando para cima e para baixo sobre as ondulações que eu tinha criado. − Você vai ter que fazer melhor que isso. Os últimos cinco alphas têm todos usados a mesma linha. − Sério?

326


− Sim. − Você deve se sentir muito bem sobre si mesmo sendo tão popular e tudo. Suas covinhas apareceram novamente. − Eu tenho certeza que eu sou o ômega grávido mais sexy na piscina. Enfiei a mão na perna de sua sunga. − Sim vocêé. Ele suspirou e abriu os olhos, espirrando e balançando longe de mim. − Ei, isso é abuso sexual. − Boa tentativa. Mas você não está na minha folha de pagamento agora, bebê. Ele remou em direção a mim e colocou seus braços em volta do meu pescoço. − Oh, nesse caso, foda-me agora. Eu ri e pressionei o mais perto que pude com sua barriga arredondada no caminho. − Sim? Você quer um pouco de sexo na piscina? Ele me beijou suavemente e esfregou contra mim. − Eu vou tomar qualquer sexo. Sexo na piscina, chuveiro, sexo no carro. Eu não sou exigente. − Deus, você realmente é o cara mais excitante que eu já conheci. Franzindo a testa, ele assentiu. − São os hormônios. Eu literalmente tenho uma ereção vinte e quatro horas por dia. Rezo para que ela vá embora em breve. Eu não quero ter uma ereção quando eles executarem a cirurgia para a retirada do bebê.

327


Eu ri. − Sim, nós não queremos chocar o bebê. − Além disso, pode ser perigoso quando você cortar o cordão umbilical. Eu estremeci. − Ouch. Não mesmo piada sobre isso. Ele envolveu suas pernas em torno de meus quadris. − O homem da piscina não vem hoje, certo? − Por que, você quer transar com ele também? Ele bufou. − Não. Eu não quero que ele nos pegue no ato. Ele usa uma grande cruz de prata. Eu não quero lhe dar um ataque cardíaco. Meu telefone tocou na mesa sob o guarda-chuva. − Eu provavelmente deveria responder isso. Colin mordeu os lábios, seu rosto corado. − Mesmo? Beijei-o suavemente e caminhei para as escadas. − Sim. Provavelmente é Blade. Ele está me incomodando para obter sua bunda até o composto amanhã. − Ah. Ele está preocupado comigo. − Claro que ele está. Colin me seguiu, e enquanto subia a partir da piscina, não poderia perder que sua sunga era uma tenda. Serviu-se de um copo de limonada do jarro sobre a mesa de vidro. Depois sentou-se com um grunhido alto sob o guarda-chuva vermelho. Ele olhou para sua barriga. − Logo eu não vou mesmo ser capaz de ver os meus pés.

328


Eu sequei minhas mãos sobre a toalha de praia e atendi meu telefone. − Olá? − Ele vai amanhã, certo? − A voz de Blade soou no celular. − Eu estou trabalhando nele. Um impaciente Huff veio sobre a linha. − Ele tem um mês pela frente. O que ele está esperando? Puxei o celular do meu rosto. − Blade quer saber o que você está esperando? Colin deu de ombros. − Eu acho que não tenho pressa de ter um médico me cutucando. Eu coloquei o telefone de volta ao meu ouvido. − Você ouviu isso? − Diga a ele que está sendo estúpido, − Blade resmungou. − Ha. Eu não estou dizendo isso a ele. − Eu balancei minha cabeça. Blade parecia irritado. − Tenho certeza que ele não tem pressa para voltar lá porque lembra de Garrett. Mas a menos que queira acabar como seu irmão, ele precisa levar a sua saúde a sério. Eu ampliei meus olhos. − Eu não estou dizendo isso a ele. − Por que não está mais preocupado? − Perguntou Blade.

329


− Porque se nós não formos amanhã, iremos nos próximos dias. Ele tem quatro semanas. Está em boa saúde, e está feliz. Eu gosto de vê-lo flutuando na piscina e desfrutando de sua vida. Colin me deu um polegar para cima, e eu sorri para ele. − Eu estou realmente feliz por vocês dois. − Blade pigarreou. − Engraçado pensar que você dois se conheceram porque Wyatt e eu precisávamos de encontro de uma noite. − Eu sei. E se Tom não tivesse contratado um perdedor de um guardacostas, eu não teria tido que demiti-lo e contratado Colin para trabalhar para mim. Erguendo o copo de limonada, Colin gritou: − melhor trabalho que eu já tive. Blade riu. − Ele vai continuar a trabalhar depois que o bebê vem, certo? − Nosso plano é que ele vai trabalhar para mim, e nós vamos trazer o bebê na estrada com a gente. Com uma babá é claro. − Você é um alpha iluminado. Eu fiz uma careta. − Você pode me imagina tentando exigir que Colin se torne um dono de casa? Colin parecia horrorizado. − Não, uh. Não vai acontecer. Eu ri.

330


− Eu e Wyatt compartilhamos todas as coisas de dever com o bebê, e funciona muito bem, − disse Blade. − Ok, talvez eu levante durante a noite um pouco mais do que ele. Mas não me importo. É uma espécie de arrefecer tarde da noite, só eu e Peter. Eu sorri para o calor em seu tom. − Você parece muito domesticado. −Merda. Eu acho que eu estou. − Ele bufou. − De qualquer forma, deixe-me saber quando for ao composto para que eu possa parar de me preocupar. − Eu vou. Nós desligamos, e me sentei em frente a Colin. Os extintores foram ligados através do pátio, e Colin suspirou. Eu raramente tinha sentido este contentamento com a vida, e sabia que tinha tudo a ver com ter Colin ao redor. O dinheiro era bom, mas até Colin aparecer, não tinha sido tão divertido. Colin estremeceu e pressionou seu estômago. − O bebê acabou de chutar. Sentei-me. − Sim? – Levantei e me inclinei sobre ele. − Posso sentir isso? Ele pegou minha mão e apertou-a para o seu lado. − Dê-lhe um minuto.

331


Esperei, e assim quando estava prestes a reclamar, senti um solavanco contra na palma da minha mão. − Eu senti. − Ampliei meus olhos. − Jesus, é realmente nosso bebê ai dentro. Ele sorriu para mim. − Sim. O bebê chutou novamente, mais forte. − Isso dói? − Perguntei. Dando de ombros, Colin disse: − Não se sente bem. Mas não exatamente machuca. É uma sensação estranha. − Você tem um bebê respirando e vivendo lá − eu sussurrei. − Isso só me cada bate de vez em quando, e eu estou surpreso. Ele cobriu minha mão com a dele. − Eu também, − ele disse suavemente. Uma linha apareceu entre as sobrancelhas. − Nenhum arrependimento? Fiz uma careta. − Não. Como você pode sequer me perguntar isso? Suas bochechas tingiram de rosa. − Apenas checando. − Pare de fazer isso. Você não tem que manter a verificação. Eu estou apaixonado por você, Colin. Isso nunca vai mudar. − É apenas difícil de acreditar. − Ele engoliu em seco. − Eu sei. Mas é a verdade. − Inclinei-me e o beijei, e então eu disse: − Você está preso comigo. Lide com isso. Ele escondeu sua expressão com seus cílios. − Nós podemos ir para o composto amanhã, se quiser.

332


− Sim? Ele assentiu. − Quero que o nosso bebê fique seguro. − Eu quero que você tanto quanto ele estejam seguros. Ele suspirou. − Eu sei que ir lá vai desenterrar um monte de sentimentos por causa de Garrett, e eu não estou ansioso por isso. Fiquei satisfeito que ele estava compartilhando seus sentimentos comigo. Ele normalmente engarrafava tudo por dentro. − Talvez possamos substituir algumas dessas memórias tristes por novas, mais felizes. − Sim. − Ele olhou para cima, seus olhos brilhando com as emoções. − Eu estava pensando se for um menino... talvez pudéssemos colocar o seu nome do meio Garrett. Você sabe, apenas como uma homenagem para o meu irmão. − Ele parecia sem fôlego. Eu fiz uma careta. − Não. Ele fez uma careta. − Não? Toquei seu rosto. − Não seu nome do meio. Vamos colocar seu primeiro nome Garrett. − Sério? − Ele arregalou os olhos, surpreso. − Você não se importa? Eu me ajoelhei na frente dele, minha mão ainda em sua barriga. − Me importar? Por que eu me importaria? Ele deu de ombros, mas não falou. Seus olhos pareciam aros de vermelho, e ele piscou rapidamente como se estivesse emocional. Quando o

333


bebê chutou novamente, ele riu rispidamente. − Eu acho que o bebê gosta do nome. − É um grande nome. − Você sabia que Garrett é um nome de menina e de menino? − Seus lábios tremeram. − Isto é? − Sim. − Ele sorriu suavemente. − Eu costumava brincar com meu irmão que ele tinha o nome de uma menina e ele ia ficar todo puto. − Então, se temos uma menina ainda podemos chamá-la Garrett. − Eu ri. Seu sorriso desapareceu. − Se você ainda quer isso. Eu balancei a cabeça. − Eu quero. Acho que é o nome perfeito. O bebê chutou novamente, e Colin riu. − Será Garrett.

334


Capítulo 24 Colin Eu apertei minha mandíbula enquanto esperávamos os portões de ferro do composto abrirem. Uma vez que estavam abertos, nós dirigimos através lentamente quando o guarda de segurança acenou para nós. Memórias depressivas me agrediram quando estacionamos em frente do centro médico. Riley parecia curioso quando olhavam a área e saiu do carro. Quando eu abri a porta, o cheiro pungente de pinheiros encheu meu nariz, trazendo de volta os pensamentos de meu tempo no composto. Pensei sobre o dia em que Garrett morreu um milhão de vezes, e nunca parecia ficar mais fácil. − Você está bem? − Riley perguntou em voz baixa. Eu fechei minha porta e assenti. − Claro. Ele suspirou. Eu sabia que ele se cansou de como estoico eu poderia ser, mas precisava ser assim agora ou poderia quebrar completamente. Isso não faria bem a ninguém. Trina pulou para baixo os passos em nossa direção. Seus olhos estavam arregalados quando olhou para Riley. − Isso realmente é você. − Ela parecia sem fôlego.

335


Riley riu. − Você estava esperando outra pessoa? Ela balançou a cabeça. − Não. Mas nós não temos muitas celebridades aqui na montanha. − Ela se virou para mim e me deu um abraço caloroso. − É bom vê-lo novamente, Colin. − Ela sorriu. − Você parece um pouco diferente do que a última vez que esteve aqui. Bati meu estômago, meu rosto quente. − Você pode culpar Riley por isso. Riley sorriu. − Em minha defesa, eu nunca tinha ouvido falar de um ômega eclipse solar. Estremecendo, Trina nos mostrou a direção da entrada para a clínica. − Nós vemos muito isso aqui em cima. Seguimos até a entrada, e eu estava ofegante no momento em que cheguei à porta. − Eu não me lembro destas escadas me desafiando tanto no passado, − Eu bufei, cobrindo meu estômago. − Bem, pelo menos você parece agradável e saudável, − ela disse em uma voz alegre. Eu encontrei o olhar divertido de Riley. − Eu acho que isso significa gordo. Ela riu. − Nós não usamos essa palavra em torno de nossos pais expectantes. − Ela nos levou a uma pequena sala ao lado do lobby. − Você

336


provavelmente conhece a rotina desde que esteve aqui com. − Ela fez uma careta. − Seu irmão. Eu endureci, mas tentei manter meu rosto agradável. − Sim. Depois que ela saiu, eu me despi e apenas de cueca vesti o roupão azul que tinha sido deixado para mim. Então, com a ajuda de Riley, me sentei em cima da mesa de exame. Riley estudou os cartazes nas paredes que mostravam o interior dos ómegas eclipse solar. Ele franziu a testa e estremeceu ao examinar o desenho detalhado da pequena bolsa de ômega que todos os ômegas eclipse solar tinham dentro. Ele encostou-se ao balcão e encontrou meu olhar. − Eu não vou mentir, estou muito assustado no momento. Eu sorri, porque ele realmente parecia abalado. − Eu me senti da mesma forma a primeira vez que estive aqui com Garrett. − Ele morreu no dia em que chegou? − Ele perguntou suavemente. − No outro dia. No momento em que eu o encontrei e consegui trazê-lo aqui, ele estava muito doente para ser salvo. − Deus, eu sinto muito. Dei de ombros. − Eu não culpo a equipe médica aqui. Eles fizeram o seu melhor.

337


Ele se aproximou. − Eu estou procurando por palavras que vai consolálo, mas sei que não há nada que possa dizer. − Basta ter você aqui, ajuda. − Eu segurei seu olhar. − Foi muito traumático. − Claro. Eu esfreguei a parte de trás de meu pescoço. −Eles realmente tentaram. Dr. Peters foi incrível. Ele não iria desistir, continuou tentando ressuscitar Garrett e o bebê. − Minha voz era baixa. − Mas eles não poderiam fazê-lo. − Deus. Como foi terrível. Suspirei. − Por muito tempo continuei me batendo e pensando se eu o tivesse encontrado um dia antes, talvez... − Você não pode pensar assim. − Ele apertou meu ombro. − Eu sei. A porta se abriu de repente e um cara magro, com cabelo espetado escuro entrou no quarto. Ele imediatamente congelou. − Merda. Desculpa. Eu não sabia que havia alguém aqui. − Pierce? − Falei rapidamente, porque ele estava se retirando da sala. O cara parou e olhou para mim. − Caramba, Colin? Você está de volta? − Ele arregalou os olhos quando pegou na minha barriga saliente. −E você está grávido? − Ele parecia quase horrorizado. − Como? − Como? − Eu ri.

338


Seu rosto ficou vermelho e ele fez uma careta. − Eu quero dizer parabéns? − Obrigado. Os olhos azuis-claros de Pierce caíram para Riley. Ele piscou algumas vezes, e então disse: − Você é Riley West? − Eu sou. − Riley estendeu a mão, e eles apertaram. Pierce olhou para Riley. – Você é o pai? − Sim. − Riley assentiu. − Hum. − Pierce parecia que tinha um gosto ruim em sua boca enquanto seu olhar voltou para mim. − Eu não posso acreditar que você está grávido. Você parecia tão contra isso quanto eu. Meu rosto aqueceu e eu encontrei o olhar irritado de Riley. − Eu mudei de ideia. Pierce bufou. − Antes você do que eu. − Você é um ômega eclipse solar também? − Perguntou Riley. − Infelizmente, sim. − Pierce fez uma careta. − Por que, infelizmente? − Riley perguntou bruscamente. Esfregando o queixo, Pierce disse, − Gee, deixe-me pensar. − Ele sorriu e disse: − Quem quer estar grávido? Francamente, eu não consigo pensar em nada pior.

339


− Oh, realmente? − Riley falou, erguendo os seus ombros. Pierce fez uma careta. − Você não entenderia. É um alpha. − Então você trabalha na clínica agora? − Eu decidi mudar de assunto porque Riley estava começando a parecer muito irritado. − Eu auxilio Dr. Peters onde eu puder. − Pierce olhou para a vassoura na mão. − No momento, isso significa a limpeza da clínica durante os tempos lentos. − Você é médico? − Perguntou Riley. A boca de Pierce endureceu. −De jeito nenhum. Riley corou. − Foi apenas uma pergunta. − Prefiro trabalhar nos bastidores. − Isso é muito ruim. − Eu encontrei o olhar desconfiado de Pierce. − Os outros ômegas te amam. Pierce olhou para o chão. − Eu não gosto de estar em torno dos alphas que passam por aqui. Você sabe disso. Riley deslocou inquieto. − Entendido, − eu disse suavemente. Pierce endireitou, e quando falou sua voz era falsamente alegre. − De qualquer forma, foi bom vê-lo novamente. − Seu olhar caiu para o meu estômago. − Boa sorte.

340


− Obrigado. Ele saiu da sala, e um silêncio constrangedor caiu. − Ele era um pouco estranho. − Riley parecia hesitante. − Desculpe por isso. − Eu suspirei. − Ficamos próximos quando eu estava aqui. − Como? Ele parece tão espinhoso. Estudei minhas cutículas. − Oh, ele é amigável, desde que você não é um alpha. − Sério? − Riley se inclinou para mim, seus olhos curiosos. − O quão amigável ele esteve com você? − Quase tivemos uma coisa. − Eu fiz uma careta. − Mas ele era tão fodido emocionalmente como eu, e ambos valorizávamos nossa amizade o suficiente para evitá-lo. − Hum. − A maior parte da tensão deixou sua mandíbula. − Por que ele está fodido emocionalmente? Eu torci meus lábios. − Ele esteve em um relacionamento abusivo com um alpha. − Eu o olhei fixamente. − Seu alpha costumava vendê-lo a outros alphas para a noite. − Merda. − Sim. − Eu exalei profundamente. − É por isso que ele não pode ficar perto de alphas.

341


− Faz sentido. − Riley estremeceu. − Jesus. O que está errado com esses alphas? Eu não tinha ideia que havia tantos alphas abusando de ômegas. Dei de ombros. − Como você saberia? Ninguém quer falar sobre isso. Houve uma batida na porta, e Trina veio rolando uma bandeja com um estetoscópio, duas seringas e um tubo de algum tipo de lubrificante. − Dr. Peters está bem atrás de mim. Riley olhou para as seringas. − O que é isso? − Vitamina B e trabalho de sangue − eu respondi por Trina. − Muito bom. − Trina sorriu. Eu levantei minha mão. − Eu também tenho que tomar minhas vitaminas pré-natais, então não se preocupe. − O paciente modelo. − Ela sorriu. − Eu continuo esquecendo que você é um pro velho para isso, − Riley murmurou. Eu estremeci. − Não exatamente um profissional. Eu nunca estive do lado de cá antes. Dr. Peters apareceu na porta. – Tem algum espaço aqui para mim? − Ele perguntou com um sorriso. Trina riu. − Eu estava de saída. − Ela escorregou passando o médico e saiu da sala.

342


− Como você está, Colin? − O médico foi até a pequena pia e, em seguida, lavou-se com água e sabão. − Não esperava vê-lo de volta aqui e certamente não grávido. Eu esfreguei meu estômago e sorri para Riley. − Meus planos foram descarrilhados em um bom caminho. Dr. Peters desviou o olhar para Riley. − Eu entendo que vocêé famoso ou algo assim? Riley fez uma careta − Mais ou menos. − Eu não ouvi qualquer coisa, além de West, mas pelo que percebo, Trina e algumas outras enfermeiras estão impressionadas com a sua presença em nossa humilde clínica. O rosto de Riley estava vermelho. − Estou aqui apenas para apoiar meu ômega. Com um sorriso, o Dr. Peters se aproximou de mim. − Vá em frente e deite. − Ele olhou para Riley. − Sente-se, se quiser. − Obrigado. − Riley sentou-se com uma risadinha. Dr. Peters foi para o carrinho no canto que tinha uma máquina de ultrassom sobre ele. Rolou mais perto, e, em seguida, apertou uma grande bolha de gel na sonda. − Tenho certeza que você sabe que isto pode ser frio. − Sim. − É uma máquina de ultrassom? − Riley perguntou em voz baixa.

343


− É. − Dr. Peters acenou com a cabeça, abrindo minha blusa. − Você está familiarizado com elas? Riley riu. − Na verdade não. Sei de algumas mulheres que tiveram bebês, e elas foram mostrando a todos as pequenas fotos do ultrassom. − Você pode, basicamente, fazer um ultrassom em qualquer ser humano ou animal. O equipamento transmite um som de alta frequência para o corpo, que atinge a área entre o tecido mole e fluidos, ou tecido mole e osso. Em seguida, as ondas sonoras criam uma foto do bebê. − Não é doloroso, certo? − Perguntou Riley. − Nem um pouco. − Dr. Peters riu. − Completamente livre de dor. Quando ele pressionou a sonda contra a minha pele, eu pulei. – Oh, frio. − Eu avisei. − Sim. − Eu agarrei a mesa. Uma imagem escura apareceu na tela, mas era difícil visualizar qualquer coisa. O médico moveu a varinha até que um som sibilante e rápido tornou-se óbvio. − Batidas do coração, − Dr. Peters murmurou enquanto ele continuava a arrastar a sonda sobre a minha pele. − Parece bom. A imagem na tela era branco, cinza e preto, e um pequeno movimento pulsante apareceu no centro da imagem. Riley apontou. − Essa coisa se movendo é o coração?

344


− É. Olhei para Riley, e seu rosto estava repleto de admiração. Ele encontrou meu olhar e balançou a cabeça. − Isso é tão fodidamente incrível. Sorrindo, o meu coração se apertou. − Certo? Ele balançou sua cabeça. − Quero dizer, eu sei que há um bebê lá dentro, mas ouvir o seu batimento cardíaco torna tudo tão real. − Sua voz estava abafada quando apertou a mão ao peito. − Eu estou receoso que vou chorar como um bebê grande. Dr. Peters riu. − Não se preocupe com isso. Os pais choram o tempo todo. − Ele moveu a varinha ao redor. − Essa é a bolsa de ômega ali − disse ele suavemente. − É aí que o feto está. Riley olhou para o cartaz na parede. − Vi isso no diagrama. − Ele pareceu com menos nojo do que antes. − É como um útero? − Bingo. − Dr. Peters continuou a deslizar a sonda sobre meu abdômen liso. − Mas apenas ômegas eclipse solar tem essas bolsas? − Perguntou Riley. − Sim. − Dr. Peters fez uma careta. − Mas é aí que as semelhanças com a anatomia feminina terminam. Riley assentiu. − Entendo. − Obviamente, os homens não têm um canal de nascimento. − Dr. Peters levantou a sonda do meu estômago. − Tudo parece ótimo.

345


− Oh, bom. − Eu suspirei. Dr. Peters limpou a sonda, e então limpou meu estômago. − Então, como eu estava dizendo, os ômegas eclipse solar não tem um canal de nascimento. Isso faz com que o nascimento seja duas vezes mais estressante que em uma mulher normal. − Ele olhou para mim. − Desculpe se isso é chato. Eu sei que você já sabe todas essas coisas. Engoli em seco. − É... uh... apenas repita. É importante. − Quando é hora de ter, as coisas se tornam muito graves para um ômega eclipse solar. − Dr. Peters enfrentou Riley. − Há uma crise de tempo séria. Riley puxou as sobrancelhas, parecendo nervoso. − Ok. Quanto de uma crise de tempo? − Cerca de trinta minutos mais ou menos. − A voz de Dr. Peters saiu abafada. − Merda. Ok. − Riley arregalou os olhos. A

expressão

de

Dr.

Peters

suavizou

enquanto

observava

o

comportamento inquieto de Riley. − Em uma mulher, o bebê vem, quer você goste ou não. Mas em um ômega eclipse solar, o bebê não tem para onde ir, se um médico não executar uma secção C.

346


− Certo. − Riley parecia pálido. − Portanto, se o ômega não tem canal de nascimento, presumo que não há nada para sinalizar o início do trabalho de parto como quebra de água ou qualquer coisa? − Não. − A expressão de Dr. Peters tornou-se mais séria quando ele franziu a testa. − A desintegração do tubo de ar e alimentação dentro do útero é o que começa o trabalho. É geralmente acompanhada de dores que o ômega teria que estar louco para não notar. Elas são intensas. − Ok. − Riley concordou e então franziu a testa. − Assim, sem o tubo de ar, eu estou supondo que o bebê não pode respirar? − Correto. − Dr. Peters empurrou a máquina para o canto da sala. − É por isso que tudo tem que seguir um calendário apertado. O bebê precisa ser removido para que possa respirar e também para evitar a propagação da infecção para o ômega. − A sepse é o que finalmente matou Garrett, − eu disse suavemente. Riley mordeu o lábio. − Isso é terrível. − É por isso que incentivamos ômegas em seu último mês para ficar no composto em todos os momentos. − Ele falou tranquilizador para Riley. − Eu tenho um histórico quase perfeito, Riley. Se você está no composto quando o trabalho começa, não deve haver nenhuma razão de Colin não pode entregar o seu bebê com segurança. Riley assentiu. − Ok. − Ele ainda parecia desconfortável.

347


− O bebê parece ter o tamanho certo para oito semanas, e Colin está saudável. Não vejo bandeiras vermelhas. − Dr. Peters pegou uma das seringas, e encontrou meu olhar. − Pronto para tirar sangue? − Claro. − Eu estremeci quando ele enfiou a agulha no meu braço, e o pequeno frasco encheu com o meu sangue. Em seguida, ele me deu a injeção de vitamina B, e então jogou as agulhas usadas em um pequeno receptáculo. Dr. Peters encaminhou-se para a porta. − Está tudo pronto. Eu quero ver você na próxima semana. Obviamente, se sente algo incomum venha mais cedo. Depois que o médico foi embora, Trina entrou. − Há uma reunião de grupo de apoio ômega hoje à noite se estiver interessado. − Ela me entregou uma folha de papel. Também entregou algo a Riley. − Há também um grupo de alpha. É menor, mas os alphas mocinhos existem. Riley franziu a testa para o papel. − Estou quase com medo de perguntar por que o grupo alpha é menor. Trina deu de ombros. − Mais da metade dos ômegas que vêm aqui não têm alpha permanente. Ele franziu a testa. − Você quer dizer que o seu alpha o abandonou? Ela suspirou. − É mais complicado que isso. Muitos dos ômegas eclipse solar têm vergonha de estar grávido. Eles nem sempre dizem aos alphas. Ele deslizou seu olhar para o meu. − Isso é horrível.

348


Ela assentiu com a cabeça. − Eu concordo. − Ela se endireitou. − Sua cabana está pronta. É a mesma que você ficou antes, Colin. − Ok. Ela riu. − Colin sabe o seu caminho ao redor do acampamento, por isso não vou incomodar dando as palestras chatas habituais. − Ela sorriu para nós. − Vejo vocês na próxima semana. Deixamos a clínica, e dei as direções a Riley sobre como encontrar nossa cabana. À medida que entramos na garagem, e os pneus crepitaram sobre o cascalho, um monte de lembranças me agrediu. − Você está feliz ou não gostou que lhe deram sua velha cabana? − Riley perguntou em voz baixa. − Ambos. Por um lado é familiar, e isso é reconfortante. Mas também me faz lembrar da morte de Garrett. − Eu posso ver isso. Riley saiu do carro e correu ao redor para me ajudar. Era irritante que coisas tão simples como sair de um carro ou fora de um sofá estavam se tornando uma tarefa árdua por causa do meu grande estômago. Quando entramos na cabine, o cheiro dos pinheiros, paredes de madeira e fumaça chaminés encheram minhas narinas. Meu coração estava pesado no início quando pensei sobre todas as noites solitárias que passei aqui. Mas

349


então Riley se aproximou por trás de mim e colocou os braços em volta da minha cintura. − Você não está sozinho, − ele sussurrou, como se estivesse lendo minha mente. Eu coloquei minhas mãos sobre a dele enquanto descansavam na minha barriga. O calor de sua pele afundou em mim, me confortando, tranquilizando, dizendo que ele estava comigo. − Promete? Seus braços me apertaram. − Com todo meu coração. Eu descansei minha cabeça em seu ombro largo. − Nós vamos ser uma família. Ele beijou o lado do meu pescoço, sua respiração quente contra minha carne. − Eu não posso esperar.

350


Capítulo 25 Riley A primeira semana no composto correu bem. Colin parecia confiar em mim, de verdade, agora que estávamos aqui. Eu sabia que ele esperava que desistisse antes que chegasse aqui. Mas é claro que eu não o tinha deixado. Colin queria experimentar a reunião ômega, e eu decidi caminhar com ele até o local da reunião. Era uma noite fria, e parecia bom para esticar as pernas e respirar o ar fresco da montanha. − Você deve tentar a reunião alpha enquanto estou ocupado. − Sua voz era desconfiada e agradável. Eu fiz uma careta. − Por quê? − Por que não? Eu coloquei meu braço em volta de sua cintura. − Você acha que preciso escovar acima em minhas habilidades alpha? − Eu sorri. − Não é isso. Mas eu acho que poderia ser bom para você falar com outras pessoas que estão passando exatamente pelo mesmo que você. Eu não posso vê-lo a partir de sua perspectiva, então não sei se sou um bom orientador para suas dúvidas. − Talvez eu vá.

351


Ele parecia satisfeito. − Bom. Eu sei que você tem preocupações, mas nunca me deixa vê-las. − Quem disse que eu tenho preocupações? − Nós estamos tendo um bebê. Se você não tem preocupações, algo está muito errado com você. − Ele riu. − E eu definitivamente tenho problemas que preciso desabafar com alguém, mas não quero fazer isso com você. − Por que não? − Eu fiz uma careta. − Você sabe por quê. − Eu acho que você deve ser capaz de me dizer qualquer coisa. − Digo-lhe quase tudo. − Ele suspirou. − Algumas coisas eu prefiro que permaneçam um mistério. Eu sorri e beijei o lado de sua cabeça. − Tudo bem, eu vou derramar minhas tripas aos meus amigos alphas. Caminhamos para dentro do prédio e nos separamos um do outro. Quando dobrei a esquina e me dirigi para a sala onde os alphas estavam reunidos, dei de encontro com Pierce. − Ei, − eu disse, me sentindo um pouco tenso depois de como hostil ele tinha estado no outro dia. Ele parecia agitado e suado. − Oi. − Sua voz era curta. Ele olhou nervosamente por cima do ombro como se quisesse sair correndo atrás de mim.

352


Eu não tinha certeza de por que ele parecia tão nervoso e inquieto. − Você está bem? − Enquanto eu olhava para ele mais de perto, notei que tinha um corte na bochecha. − Eu estou... Eu estou bem. − Ele se encolheu quando estendi minha mão para ele. Quando, um sujeito corpulento e alto dobrou a esquina com pressa, algo sobre o comportamento agressivo do cara me chamou a atenção. E de repente percebi o porquê Pierce estava tentando fugir do rapaz. Pierce não era exatamente a minha pessoa favorita, mas seu medo óbvio puxou meus instintos protetores. Fiz contato visual com o outro cara e percebi que era um alpha. Instintivamente, peguei o braço de Pierce e o empurrou atrás de mim. O alpha estreitou os olhos e lambeu os lábios. – Afasta-se dele. O fato de que ele não estava mesmo tentando esconder o seu comportamento agressivo foi uma surpresa. − Eu não penso assim, − disse calmamente. − Isso é entre o ômega e eu. Você não precisa se envolver, − o alpha rosnou. − Eu disse que não quero nada a ver com você, − Pierce murmurou. − Isso não é legal. Tivemos alguns bons momentos juntos. − O alpha lambeu os lábios.

353


Senti Pierce estremecer atrás de mim. − Foda-se − ele retrucou. O cara deu um passo à frente, com o rosto corado de excitação com raiva. Eu estendi minha mão e meus músculos ficaram tensos. Não tinha estado em uma briga física desde o colégio, e realmente não queria fazer isso agora. Mas o cara estava sendo muito agressivo com Pierce. − Está muito claro que Pierce não está interessado. Eu acho que você precisa ir. − Oh, realmente? − O alpha bufou. − Você vai me fazer? − Se precisar. − Eu esperava parecer confiante. Não era um covarde, mas o outro alpha me compensava por cerca de treze quilos. − Eu deveria dizer a seu ômega que pedaço de merda você é, − rosnou Pierce. − Você não ousaria − o alpha rosnou. − Aproxime-se de mim de novo, e eu vou. − A voz de Pierce vacilou, e ele parecia sem fôlego. O alpha me lançou um olhar furioso. − Vou me lembrar disso. Inclinei-me para ele. − Você deveria ir. Ele fez uma careta, mas, em seguida, sacudiu a cabeça e se afastou. Fique alíviado quando Pierce saiu de trás de mim. Ele se encostou a parede e parecia que ia vomitar. Decidi que a reunião alpha poderia esperar até outra noite.

354


− Vamos apanhar ar fresco, − eu disse calmamente. Ele limpou a testa suada com as costas da sua manga e assentiu. − Ok. Nós caminhamos para fora do edifício, e eu mantive meus olhos abertos para o alpha idiota de mais cedo. Caminhamos ao longo da estrada de cascalho em silêncio por um tempo. − Obrigado, − ele disse suavemente. − Não há de que. Chutou uma pedra. − Eu nunca tive um alpha me defendendo. − Ele olhou para mim. − Por que você fez isso? Eu fiz uma careta. − Por que não faria? Era óbvio que ele estava praticando bullying em você. Ele engoliu em seco alto o suficiente para eu ouvir. − Eu o conheço desde a minha outra vida. − Oh. Sua voz tremeu. − Será que Colin falou sobre mim? − Um pouco. − Grande,− ele assobiou. − Eu não me importo sobre o seu passado. − Eu suspirei. − Colin gosta de você, e isso é bom o suficiente para mim. Ele deu uma risada dura. − Ok, certo.

355


Eu não pude deixar de rir. − Pense o que quiser. Ele ficou em silêncio, e então agarrou meu braço. − Eu sinto muito. O que eu deveria estar dizendo a você é obrigado. Dei de ombros. − Por nada. Ele me soltou e apontou para a pequena casa que estávamos na frente. Esta é minha casa. − Será que esse cara vai te deixar sozinho? − Eu acho que sim. − Ele parecia um pouco desconfortável. − Você não pode dizer a ninguém aqui e tê-lo jogado fora? − Então, seu ômega estaria sozinho. − Ele balançou a cabeça. − Eu não posso fazer isso. − Mas, e se ele vim atrás de você novamente e ninguém está lá para ajudá-lo? Ele bufou. − Então eu acho que estarei um pouco fodido. Ah bem. − O quê? − Eu recuei. − Isso não é certo. Ele ergueu o queixo. − Não se preocupe com isso. Eu fiz uma careta. − Você poderia vir ficar comigo e Colin. Ele parecia tão chocado que quase doía. − O que? − Você estaria seguro.

356


Ele deu um passo para trás, parecendo abalado. − Eu nunca conheci um alpha como você. − Nós não somos de todo ruim. − Por respeito a como você me defendeu esta noite, eu não vou discutir. − Ele riu secamente e se dirigiu para sua casa. − Noite, Pierce. − Boa noite. Eu fiz meu caminho de volta para o centro da comunidade imerso em pensamentos. Desde a reunião com Colin, eu certamente tive os meus olhos abertos para um monte de coisas que nem sabia sobre a minha própria espécie. Era perturbador ver alphas sendo tão arrogantes e desrespeitosos com ômegas. Sentei-me em frente ao prédio e esperei Colin sair de sua reunião. Quando ele entrou pela porta, pareceu surpreso ao me ver. − Você não tem que esperar por mim. − Ele sorriu para mim. Meu coração doía só de olhar para ele. O envolvi nos braços, e ele riu contra o meu ombro. − Eu queria ter certeza de que você voltaria a casa com segurança − eu disse suavemente. − Claro que eu estaria seguro.

357


Segurei-o por mais um momento, alisando minha mão sobre a colisão do bebê. Quando o deixei ir, agarrei sua mão e caminhamos em direção a nossa cabana. Ele olhou para mim algumas vezes. − Está tudo bem? − Perguntou em voz baixa. − Eu tive um pequeno desentendimento com outra alpha esta noite. − O quê? − A voz dele subiu. − Na reunião? − Eu nunca cheguei a reunião. Ele franziu a testa. − Estou confuso. Eu ri rigidamente. − Eu estava a caminho, e trombei com Pierce. − Oh. − Ele parecia confuso. − Eu pensei que você disse que teve um confronto com um alpha? − Eu fiz. Um alpha idiota assediou Pierce, e eu o defendi. − Você o quê? − Ele arregalou os olhos, parecendo chocado. − Sério? − Sim. − Eu fiz uma careta. − Foi estranho. − Pierce está bem? Eu balancei minha cabeça. − Fisicamente, sim. Mas emocionalmente ele é um indivíduo fodido. Ele não vai contar ao ômega desse alpha porque não quer que o ômega fique sozinho. − Hã. Esse é meio torcido, mas uma espécie de honroso.

358


− Perguntei-lhe o que se esse alpha o pegasse, e ele estava realmente sem emoção sobre tudo isso. Colin suspirou. − Sim. Ele é uma bagunça. Eu coloquei meu braço em volta dos ombros de Colin. − Você deve juntá-lo com um de seus amigos guarda-costas. Em seguida, ele sempre vai ter segurança com ele e estaria seguro. Colin riu. − Isso seria um grande trabalho, se Pierce não detestasse todos os alphas. − Sim. Aquilo pode ser um problema. Colin tocou seu estômago e deu uma ingestão aguda da respiração − Ouch. − É o bebê? Ele assentiu. − Tem estado tão ativo hoje. − Ele sorriu e parou de andar. − Ponha sua mão no meu estômago. Fiz o que ele disse e senti um solavanco duro contra minha mão. − Uau. É como se o bebê está fazendo yoga. − Eu fechei meus olhos e senti os pequenos movimentos contra a palma da minha mão. − Ei, Garrett. Como vai você? − Eles dizem que os bebês podem nos ouvir falar com eles. Abaixei-me e falei diretamente para sua barriga. − Este é o seu pai alpha. Estou ansioso para encontrar você.

359


Colin estremeceu, mas ainda sorriu para mim. − Ele chutou quando você disse isso. − Mesmo? − Sim. − Tão legal. − Apenas duas semanas mais até que todos se tocassem. − Ele bateu levemente sua barriga redonda. −Eu não posso esperar. Não posso esperar para ser capaz de dormir no meu estômago novamente e levantar pesos. − Ele resmungou. − Oh, e cerveja. Deus, eu sinto tanta falta de bebida. Eu ri e falei com sua barriga novamente. − Quando você chegar aqui, Garrett, vamos dar ao seu outro pai uma bebida, ok? Colin sorriu. − Estou ansioso para isso. Começamos a andar novamente. − Eu vou fazer-lhe uma agradável grande salada quando chegarmos em casa − eu disse. − Uma salada? − Colin gemeu. − Sim. − Eu fiz com que soasse firme. − Você precisa comer saudável. − Eu venho fazendo isso. Mas eu estou doente de saladas. Eu o ignorei. − Comprei alguns abacates e queijo ralado para você. Oh, e eu fiz com todos os mantimentos frescos do rancho.

360


Ele suspirou. − Há sementes de girassol? − Sim. − Croutons? − Claro. − Posso comer com um pouco de frango sobre ela? − Ele parecia um pouco menos resistente à ideia de salada agora. − Você sabe. Eu tenho um pouco de frango grelhado. Ele assentiu. − Ok. − Eu também fiz geleia de framboesa. − Você fez geleia? − É realmente fácil. Eu tenho creme e alguns chips de chocolate escuro para colocar sobre ela. Seus olhos brilharam com entusiasmo, mas, em seguida, ele franziu a testa. − Espere, isso é comer saudável? − É muito menos gordura do que sorvete, então sim. Ele parou de andar e ele colocou seus braços em volta de mim. Foi difícil chegar perto por causa de sua barriga, mas fizemos o melhor que podíamos. – Você é tão bom para mim. − Ele me beijou suavemente. − Você tem a parte mais difícil. − Eu não vou discutir isso. − Ele riu.

361


Eu toquei o rosto. − Estou tão feliz que te conheci. Ele baixou os cílios. − Eu sou o sortudo. − Depois de ver e ouvir algumas das histórias que ouvi desde que chegou aqui, eu acho que nós dois somos os sortudos. − De acordo. − Nossa relação alpha ômega é assim que deve ser. Nós somos iguais. − Sim. − Ele parecia satisfeito. Beijei-o, e então disse: − Que tal a gente ir para casa e começar a nossa salada? − Vamos fazer isso. − Ele sorriu, batendo em minha bunda. − Talvez mais tarde possamos obter outra coisa. Suspirei quando começamos a andar novamente. − Meu pequeno ômega com tesão. O que eu faria sem você?

362


Capítulo 26 Colin No começo pensei que eram apenas gases. Rolei para meu lado e segurei minha barriga. Inspirei e expirei para ajudar a relaxar, mas quando outra pontada afiada veio, abri meus olhos. Merda. Isso não são gases. A próxima pontada bateu e choraminguei. Olhando para o relógio, tentei cronometrar o intervalo entre as dores. Dr. Peters disse que algumas dores espetando eram normais. Mas ele também advertiu que se durassem mais do que meia hora e tivesse apenas cerca de três minutos de intervalo, era hora de ir à clínica. Quando a próxima dor aguda veio, tomei nota do tempo. Me mexi e apertei os lábios fechados, contando cada contração. Depois de meia hora de dor, eu tinha certeza que estava em trabalho de parto. As dores vinham a cada três minutos no ponto. Sacudi o braço de Riley, e ele gemeu. − Riley, eu acho que é hora. Eu esperava que tivesse que sacudi-lo novamente, mas em vez disso, sentou-se repentinamente e me encarou com os olhos arregalados. − Está na hora?

363


Eu balancei a cabeça, tentando não rir. Seu cabelo estava apontando para cima, e ele parecia aterrorizado. − Você pode chamar o Dr. Peters e dizer-lhe que estamos indo para a clínica? − Eu estremeci quando outra pontada veio para mim. − Sim. Sim. Posso totalmente fazer isso. − Ele pulou da cama e esfregou a mão sobre o cabelo. − Um... calça. Eu preciso de calça. − Você deve ligar para o médico primeiro. − Sim. − Ele pegou seu celular, e seus dedos tremiam enquanto discava. − Ei, Dr. Peters? − Ele assentiu. − Eu acho que é hora. − Ele ouviu, e entãodesligou. − Ele está a caminho. Eu rolei para fora da cama, curvando quando outro abalo me bateu. − Foda-se, − Eu assobiei, prendendo a respiração. Riley se inclinou esfregou minhas costas. − Respire. Não segure a respiração, mel. Respire. Eu balancei a cabeça, me sentindo melhor só de ouvir sua voz. Ele

estava

vestido

e

me

ajudou

a

mudar

também.

Estava

definitivamente acordado agora e no controle de seus nervos. Me levou para o carro, abrindo a porta para mim e me ajudando a sentar. Gemi quando outra dor aguda balançou através do meu intestino. Ele correu ao redor do carro e deslizou dentro. Então virou a chave, mas não houve nada além de um clique. − Foda-se. − Ele fez uma careta e tentou

364


novamente, mas a mesma coisa aconteceu. Ele me encarou, sua expressão reconfortante, e quando falou sua voz era calma. − Está tudo bem. Vou nos transportar para a clínica. Eu juro pela minha vida. − Ele destrancou o capô e saltou para fora do carro. Sentei-me na minha cadeira, gemendo. Meu coração estava batendo enquanto tentava pensar em como poderia ter de chegar à clínica com tão pouco tempo. Uma vez que o trabalho estava em plena velocidade, só tinha trinta minutos. Já tinham passados dez. Me contorcia em volta, mordendo meu lábio e tentando não gritar porque doía tanto. Confio em Riley. Eu confio no meu alpha. Eu repeti essa frase mais e mais na minha cabeça enquanto gemia. Riley abriu a porta e deslizou de volta, e quando virou a chave desta vez, o motor ligou. Ele se virou para mim e me deu um sorriso tenso. − Terminais da bateria sujos. Pedaço de bolo. − Sua voz estava confiante, mas havia uma pequena oscilação. Ele saiu da garagem, e fomos descendo a colina em direção ao centro médico. Quando estacionou, os pneus cantaram um pouco. Dr. Peters e Trina já estavam lá esperando, e Dr. Peters abriu a minha porta. − Demoraram um pouco, rapazes, − ele retrucou. − Problemas com o carro − Riley disse, ajudando-me a sair do carro. Os três praticamente me levantaram para as escadas da frente e para a sala de cirurgia. Me colocaram na mesa de operação, e Trina sorriu para mim

365


enquanto cobria o nariz e a boca com uma máscara. Ela me falou em uma voz calma, e tentei relaxar, apesar de quanta dor que sentia. A luz acima do meu rosto era tão brilhante que feria meus olhos, mas em sua maioria eu era apenas um monte de dor por causa do bebê. Riley tinha uma máscara assim como o médico e enfermeiro. Seus olhos estavam escuros com preocupação, e eu queria tranquilizá-lo, mas não conseguia manter meus olhos abertos. − Riley − eu sussurrei, minha voz abafada pela máscara de clorofórmio. Ele apertou minha mão. − Você está bem. Chegamos aqui em tempo. − Se tudo vai para o sul, eu quero que você saiba que eu te amo. Sua testa enrugou. − Shhh. Nada está indo para o sul. Chegamos aqui com muito tempo. − Ok. − Eu lambi meus lábios. − Eu não posso esperar para tomar a minha cerveja. Seus olhos enrugaram quando ele sorriu. − Eu também. Trina se inclinou. – Vá dormir, Colin. − Ela sorriu. Minhas pálpebras estavam tão pesadas, que era quase impossível manter os olhos abertos. Concentrei-me na sensação da mão de Riley e o som de sua voz quando ele me disse o quanto me amava, até que lentamente tudo ficou escuro.

366


Acordei do sono mais profundo que tive em anos. Meus olhos se abriram, e a primeira coisa que vi foi Riley sorrindo para mim, segurando um bebê enrolado em um cobertor azul. Ele se aproximou e colocou nosso filho no meu peito. Apele do pequeno infante era rosa e os olhos azul-claros. − Garrett, este é o seu outro pai, Colin. − Riley falou suavemente, inclinando-se sobre minha cama. − Ele é careca. − Eu ri, passando a mão sobre a pequena quantidade de penugem loura na cabeça do bebê. −

Ele

também

tem

excelentes

pulmões.

Riley

sorriu.

Definitivamente será um cantor. Eu ri e então estremeci quando meus pontos puxaram. Fiz uma careta, me forçando a levantar apenas o suficiente para beijar o rosto rechonchudo de Garrett. Então gemi e me acomodei contra os travesseiros. − Ele é perfeito. Riley assentiu. −Eu não consigo superar seus pequenos dedos das mãos e pés. − Ele mordeu o lábio inferior. − Ele ainda tem pequenas unhas. − Isso é incrível. − Eu ri. − Você fez isso. − Ele sorriu. Suspirei. − Eu estava um pouco preocupado quando o carro não pegou. − Eu limpei com a minha faca, e então tudo ficou bem. − Riley parecia muito satisfeito consigo mesmo. − Eu não o vejo como o tipo de cara que sabe muito sobre carros.

367


− Honestamente? − Ele olhou em volta. − Eu vi em um programa de TV uma vez. Eu sorri. − Isso faz muito mais sentido. Trina veio com uma mamadeira. − Qual de vocês quer alimentar o bebê? Riley apontou para mim. − Obviamente, Colin deveria. Ele me ajudou a sentar, e embora fosse doloroso, valeu a pena. Especialmente uma vez que eu tinha Garrett embalado em meus braços e ele estava chupando na mamadeira. Eu acariciava a bochecha macia do bebê e falava com ele enquanto comia. Deitado na cama, com Riley inclinando-se sobre mim e o bebê Garrett em meus braços, eu estava tão contente que quase não podia acreditar que isso não era tudo era apenas um sonho. Senti tanto medo e fiquei sozinho por tanto tempo depois que meu irmão morreu e até mesmo antes disso. Nunca tinha realmente acreditava que teria um alfa para mim ou uma família para amar. E ainda assim, aqui estava eu quase me afogando no amor. Com um nó na garganta, pensei sobre meu irmão. Jurei dar a minha criança todo o amor e aceitação na vida que nunca tinha tido. Por causa de Riley, eu tive uma segunda chance de felicidade. Não ia desperdiçá-la. Eu encontrei o olhar afetuoso de Riley. Ele me beijou com ternura, e então beijou a testa de Garrett. − Eu amo minha pequena família, − ele sussurrou com lágrimas nos olhos.

368


− Eu também. − Eu já tenho o nosso ônibus de turnê escolhido para a próxima turnê. Estou personalizando ele, será construído com nossa cama na parte de trás e seu pequeno berço embutido na parede. Vai ser completamente à prova de bebê. − Um ônibus de turnê, hein? Não mais limusines e jatos? − Eu não diria que não. Mas pensei que um ônibus pode fazê-lo parecer mais em casa. Você sabe, nós somos uma família agora. Voar com um bebê é difícil e desta forma Garrett pode ter seus brinquedos e as coisas ao seu redor. − Eu amo isso. − Eu sorri. − Estou sempre impressionado com a facilidade com que você aceitou a ideia de sermos uma família. − Eu nem sabia que queria isso até que te conheci. − Ele suspirou. − Agora não posso imaginar qualquer outra coisa que queira mais. Eu agarrei sua mão. − Eu também. Garrett choramingou e mexeu. E eu cheirei o ar desconfiado. − Uh, oh. − O quê? − Riley arqueou uma sobrancelha. − Desde que eu comecei a alimentar Garrett com sua primeira mamadeira, eu acho que é justo que você mude sua primeira fralda. Ele arregalou seus olhos. − O que? Eu sorri. − Eu estou apenas tentando manter as coisas iguais.

369


Ele estreitou os olhos. − É isso que você está tentando fazer? − Eu acho que nós poderíamos chamar Trina aqui e ver se ela vai fazer isso por nós. − Trina vai voltar para casa com a gente? − Provavelmente, não. O quão cedo podemos obter uma babá? Ele cheirou o ar e se encolheu. − Deus. Não em breve. Como pode um pequeno bebê fazer tal grande fedor? Eu ri alto e apertei meu estômago latejante. − Não me faça rir. Ele bufou. − Estou prestes a chorar. Meus olhos estão queimando. − Pare. − Eu ri novamente. − Ouch. Ele acenou com as mãos na frente do nariz. − Nós vamos precisar de um sistema de filtro HEPA pesado em nossa casa. − Aqui, me beije, podemos compartilhar o nosso ar. − Eu puxei para mais perto, e ele sorriu para mim. − Obrigado por ter uma chance comigo. − Ele me beijou. − Melhor decisão que já tomei. Garrett emitiu um som tooting2, e ambos começamos a rir.

2- Som (um chifre ou instrumento similar) com um som curto e nítido.

370


Epílogo Riley − Vamos. Venha e pegue o coelho macio. − Eu mexi o felpudo na frente do rosto de Garrett. − Você pode fazê-lo. O rosto de Garrett ficou vermelho quando ele balançou e tentou agarrar o brinquedo. − Talvez ele vá tentar para o Choo-Choo − Colin deslizou o trenzinho de madeira na frente de Garrett. − Pegue o trem. Pegue o trem, Garrett. O bebê soltou um grunhido e um gemido alto, batendo os braços em direção aos brinquedos. Colin sentou-se. − Talvez ele só vá pular direto para andar. Eu ampliei meus olhos. − Deus, espero que não. Não preciso de uma caminhada aos seis meses de idade. Colin pegou o bebê e sentou em seu colo. Garrett parecia muito mais feliz, e ele riu e bateu com a mão em suas coxas, dando beijos estalados. − Desde que eu não tenho um show hoje à noite, queria saber se você gostaria de ir jantar comigo. Ele franziu a testa. − Tem que ser um lugar com cadeiras altas?

371


Eu balancei minha cabeça. − Não. Eu estava pensando sobre um encontro de noite onde podemos usar roupas caras, não antiderrapantes? O rosto de Colin se iluminou. − Mesmo? − Sim. Eu tenho a babá chegando as sete, e já fiz reservas no muito caro restaurante italiano que sei que você ama. − Isso é real? − Sim. Nós merecemos uma noite de diversão. Colin olhou para Garrett, que estava mastigando seu pé. − Mas eu me sinto culpado por deixá-lo. − Ele vai ficar bem. Olhe para ele. Está, perfeitamente, feliz por roer seus próprios dedos. Tenho certeza que ele pode viver sem nós por esta noite. Sorrindo, Colin assentiu. − Ok. Sim. Vamos fazer isso. Levantei-me e tirei o bebê dele. Beijei a bochecha de Garrett e o coloquei em seu cercadinho. Olhando para o meu filho gordinho, fiquei espantado com a forma como minha vida tinha mudado desde que conheci Colin. Ele se aproximou por atrás de mim, e colocou o braço em volta da minha cintura. − Eu não sabia que poderia ser tão feliz. − Ele parecia confuso. Encontrei seu olhar e sorri. − Eu também. − Às vezes, eu tenho medo isto é tudo um sonho e que vou acordar e nada disso é real. − Ele falou em voz baixa.

372


Eu fiz uma careta e girei em seus braços. Uma vez que estávamos frente a frente, segurei seu queixo e sussurrei: − Pare com isso. Esta é sua vida. Esta é minha vida. Esta é a nossa vida juntos. − Ok. − Seus olhos aqueceram. − Adivinha? Ele inclinou a cabeça. − O quê? − Estou lançando um novo single amanhã, e é o único sobre o seu irmão. Ele arregalou os olhos. − O que você escreveu enquanto estávamos em turnê? − Sim. − Eu apertei meu domínio sobre ele. − Mas o mais importante, o que eu escrevi enquanto estava ocupado me apaixonando por você. Ele engoliu em seco e assentiu. − E eu estava ocupado tentando não te amar. Eu sorri. − Mas isso não funcionou, não é? Suspirei e disse baixinho: − Não, Riley. Vendo como eu não gostaria de viver um dia sem você, não funcionou em tudo.

Fim

373

S.C. wynne ( guarda costas & bebês #2 ) bebê rockstar  

homo

S.C. wynne ( guarda costas & bebês #2 ) bebê rockstar  

homo

Advertisement