Page 1


O Bebê Surpresa do Babá Guarda-Costas & Bebês 03 S.C. Wynne Pierce MacPherson é um ômega eclipse solar com muita carga em seu ombro. Ele estava em uma horrível relação onde foi vendido por seu alpha a outros alphas para seu prazer, e agora que está livre, definitivamente tem uma coisa contra alphas. Seth Rider trabalha para Shield e é um alpha com nenhum desejo de se estabelecer com uma mulher. Mas quando descobre que uma só noite oito anos atrás produziu uma filha da qual nunca ouviu falar, ele sobe para o desafio. O problema é que Seth não sabe na sobre criar uma criança. Pierce tem alguma experiência em trabalhar com crianças e quando eles se encontram, é convencido a ajudar durante uma semana. Supostamente seria uma semana. Mas quando Seth começa tendo incomuns sentimentos sexuais por Pierce, as coisas ficam um pouco complicadas. E quando os dois homens se entregam ao desejo, Pierce engravida, as coisas ficam ainda mais confusas.

2


Guarda-Costas & BebĂŞs

3


Capítulo 1 Pierce Empurrando minha bolsa mais alta no ombro, deixei o terminal de ônibus. O sol estava quente e calmante após o frio do ar condicionado. O motorista de ônibus era uma mulher gorda, provavelmente em sua metade dos anos cinquenta. Talvez ela tivesse o ar ligado no máximo porque estava tendo ondas de calor da menopausa ou algo assim. Quem era eu para julgar? Poderia facilmente ser eu sofrendo de hormônios um dia no futuro. Era um ômega eclipse solar depois de tudo.

4


Tinha sido um longo passeio e minhas costas doíam do maldito banco. Examinei a linha de carros estacionados onde as pessoas esperavam para pegar seus entes queridos. Colin tinha me dito que seu carro era um vermelho de quatro portas, então examinei o estacionamento por um veículo combinando com essa descrição. Alguém acenou para mim chamando minha atenção. Meu estômago afundou quando reconheci o alfa de Colin, Riley. Assumi que Colin viria me buscar, não o alfa. Entrei na rua e atravessei os carros em direção a Riley. Quando me aproximei, ele sorriu e estendeu a mão. ─ Essa é a sua única bolsa? ─ Sim. ─ Entreguei a mochila e ele. Conheci Riley quando ele e Colin vieram ao complexo nas montanhas para dar à luz o bebê Garrett. Conhecia Colin de antes, mas ainda estava tentando me acostumar a Riley. Parecia muito legal como todos os alphas eram. Mas não confiava em alphas. Ele fechou o porta-malas e caminhou até o lado do motorista, enquanto subi na porta do passageiro. ─ Colin planejou te recolher, mas assim que estava saindo pela porta Garrett vomitou nele. Era algo parecido como O Exorcista. Eu fiz uma careta. ─ Eca. ─ É o que crianças fazem para você. ─ Seu rosto se curvou em um sorriso. ─ Como foi sua viagem? ─ Oh, você sabe, típica “ônibus.” ─ Eles estavam usando chinelos e murmurando para si mesmos?

5


─ Bastante. ─ Chapéus de folha de estanho? Meus lábios se contraíram. ─ É como se você estivesse lá. Ele riu. ─ Colin está tão animado que você está vindo para ficar conosco. Deveria tê-lo visto. Era como se a rainha estivesse visitando. Me movi para onde podia vê-lo. ─ E quanto a você? Ele franziu a testa e me deu uma rápida olhada. ─ O que quer dizer? ─ Você tem duas semanas de folga em sua turnê. Talvez a última coisa que precisava era um convidado na casa. ─ Eu brinquei com o pequeno ambientador de pinheiro que pendia do espelho retrovisor. ─ Apenas para o registro, eu queria ficar em um hotel, mas Colin insistiu em que dormisse com vocês. ─ Eu sei e estou feliz. ─ Certo. Ele suspirou. ─ Eu não tenho um problema com você, Pierce. Sinto que você pense que tenho. ─ Duvido que gosta de mim. ─ Apertei minhas mãos no meu colo. Ele riu bruscamente. ─ Eu realmente gosto de você quando não está olhando para mim e fazendo comentários divertidos. ─ O que é tipo, nunca. ─ Eu continuo esperando que você goste de mim. ─ Você parece muito bom para ser verdade.

6


─ Eu não sou. Sou apenas um cara regular que está fazendo seu melhor. Eu amo Colin mais do que qualquer coisa neste mundo. Nunca faria nada para machucá-lo. Nunca. Sei que você teve alguns encontros de merda com alfas ao longo dos anos. Mas não sou eles. ─ Nós não precisamos falar sobre isso. ─ Não me importo. ─ Colin provavelmente odiaria que eu não estivesse jogando bem com você. ─ Suspirei. ─ Sempre quer que todos se entreguem magicamente. Pessoalmente, acho que ele está sonhando. O mundo não é assim. Ele hesitou, como se considerasse cuidadosamente suas palavras. ─ Eu acho que o que espero de você é que me dê o benefício da dúvida. Se estragar, então, me odeie. Senti-me um pouco mal que estava lhe dando um momento tão difícil. Ele nunca foi mais respeitoso comigo. Até mesmo me ajudou uma vez no complexo quando um alfa tinha ficado muito agressivo. Mas nunca tive experiências positivas com alphas. Tudo era sempre sobre eles. Mesmo os que pareciam agradáveis no começo tinham acabado sendo idiotas quando estavam sozinhos comigo. Tremi, afastando os pensamentos do passado. Exalei grosseiramente. ─ Olha, vou tentar mais. Ficarei fora procurando trabalho a maior parte do tempo de qualquer jeito, então espero que não vá atrapalhar demais. ─ Quero você sob os pés. Quero que gaste tanto tempo com Colin como queira. Você entende o que ele está sentindo melhor do que eu, já que é um

7


ômega eclipse solar. Ele precisa de um amigo ômega para conversar. Estamos muito em turnê e não consegue ver Blade tanto quanto quer. ─ Você sabe que quando ômegas se juntam, eles falam sobre alphas, certo? ─ Eu sou seguro o suficiente para não me importar. Quero Colin feliz. Meu peito apertou na sinceridade por trás de suas palavras. Se ele fosse um falso, era o melhor maldito falso que já conheci. ─ Como está Garrett? ─ Decidi mudar o assunto desde que nós conseguimos atingir uma parede. Ele sorriu imediatamente. ─ Está ótimo. Crescendo como uma erva daninha. Não posso acreditar que já tenha um ano de idade. ─ Eu também. Parece que foi ontem que vocês dois estavam no complexo para tê-lo. ─ Sim. ─ Ele saiu da auto-estrada, e depois de cerca de 0,8 quilômetros, virou uma rua arborizada com mansões alastrando em ambos os lados da estrada. Parou em uma casa cercada por paredes cinzentas em frente aos altos portões de segurança de ferro. Pressionou os botões de uma pequena caixa eletrônica no lado dele do carro, e os portões lentamente se abriram. Acelerando para a longa garagem, estacionou na frente de uma grande casa de estilo mediterrâneo de dois andares. Ele saiu e o segui, tentando não me sentir intimidado com a aparência da casa. Ele abriu o porta-malas e insistiu em carregar minha bolsa. O segui até os degraus dianteiros, e quando a porta se abriu, Colin ficou ali, segurando Garrett. ─ Pierce, eu sinto muito que não estava na estação de

8


ônibus. ─ Ele me deu um, um abraço entusiasmado, enquanto Garrett olhou para mim curiosamente, apenas a centímetros de meu rosto. ─ Está bem. Ouvi dizer que você teve um bom motivo. ─ Fiz cócegas na bochecha do bebê e ele piscou para mim, dando um meio sorriso. ─ Ei, Garrett. Lembra de mim? ─ Ele provavelmente lembra. Você foi babá o suficiente, ─ disse Colin. ─ Como foi a viagem? Encontrei o olhar de Riley e ri. ─ Foi boa. ─ O que é tão engraçado? ─ Colin entrecerrou os olhos. ─ Riley e eu estávamos discutindo pessoas de ônibus anteriormente. Colin sorriu. ─ Oh, bom. Se você focou nisso, provavelmente não teve tempo para antagonizar com Riley. Com um grunhido, Riley se dirigiu para a escadaria arrebatadora. ─ Estou colocando sua mala no quarto de hóspedes, Pierce. ─ Obrigado. ─ Fiquei feliz que não tenha dito a Colin que tinha lhe dado um momento difícil. Devia respeitá-lo só por causa disso. Olhando em volta do vestíbulo decorado com mármore e até o enorme candelabro que pendia acima de nós, dei um assobio baixo. ─ Este lugar é... uau. ─ Leva algum tempo para se acostumar. Sei exatamente como você se sente. ─ Estou surpreso que não tenha um mordomo.

9


Ele estremeceu. ─ Riley realmente tinha um antes de me mudar. Mas não estava realmente confortável com isso. Agora, Charles está aqui apenas se fizermos um grande evento. Sei como abrir uma maldita porta. Eu ri, me agradava que Colin fosse o mesmo em ômega que eu me lembrava. Colin apertou meu braço. ─ É tão bom vê-lo. ─ É? ─ Eu fiz uma careta. ─ Você tem certeza de que não é uma imposição? ─ Nada. ─ Ele se moveu em direção a uma sala lateral. ─ Vamos sentar no pátio e falar sobre a vida. ─ Terá que ser sua vida, a minha é bastante aborrecida no momento. ─ O segui, admirando a elegante decoração de cromo, grandes sofás de couro branco e enorme centro de entretenimento de madeira rosa. ─ Jesus, as pessoas realmente vivem assim? Eu ainda tinha um aparelho de TV de tubo. ─ Eu vou te contar, com certeza, faz uma boa mudança no ônibus turístico. ─ Ele abriu as portas francesas e passei por ele. Havia uma enorme piscina brilhante e uma visão clara das colinas de Hollywood. Ao lado havia uma área de churrasco separada com decorações e uma churrasqueira brilhante que parecia grande o suficiente para assar um porco. Um guarda-chuva vermelho brilhante sombreava móveis de pátio de aparência cara, e perto uma fonte pingava serenamente. Tudo estava tão imaculado e limpo que imediatamente me senti mais fora do lugar. ─ Esse estilo de vida é realmente você? ─ Olhei para Colin.

10


─ Isto é como um por cento de como Riley vive. Poderia aproveitar enquanto está aqui. ─ Sim, mas você não se sente estranho neste ambiente? Quero dizer, com sua renda, vive bem o suficiente sem todas as coisas extras. Isso não parece demais? Tem três pessoas na casa, mas poderia encaixar uma equipe de futebol. ─ Riley trabalhou duro para chegar a esse ponto. Ele deveria aproveitar o melhor que a vida tem para oferecer. ─ A voz de Colin era rude e protetora. Dei de ombros. ─ Certo. Seja como for. ─ Me sentei desajeitadamente em uma das cadeiras. ─ Você gostaria de chá gelado ou limonada? ─ Quer dizer que não tem o néctar dos deuses para eu beber? Ele franziu a testa. ─ Chá gelado, por favor. Ele me entregou Garrett e felizmente peguei o bebê. Segurei a criança para que seus pés estivessem nas minhas coxas e sorri para ele. ─ Você tem pernas fortes. ─ O bebê saltou para cima e para baixo sorrindo. ─ Ele está caminhando? ─ Poderia, mas não fará isso sem segurar minha mão. ─ Ele me estudou com o bebê. ─ Eu vou buscar as bebidas. Volto logo. Fiquei de pé e rodeei a piscina, apontando para o bebê todas as belas e pequenas flores amarelas agarradas ao longo da cerca. Ele era muito curioso e

11


queria tocar em tudo. ─ Lembro quando você nasceu. Foi uma grande surpresa para seus pais. Garrett murmurou uma série de quase palavras enquanto bateu feliz nas videiras. Colin voltou para fora carregando dois copos de chá e uma xícara de sorvete. Colocou tudo na mesa e me voltei para ele. Tirou Garrett de mim e deu ao bebê a taça de plástico. ─ Riley não vai se juntar a nós? ─ Me sentei e tirei meu copo da mesa. ─ Ele tem um ensaio. Está adicionando algumas músicas novas ao seu show e quer que seja perfeito. ─ Isso é conveniente. Colin franziu a testa. ─ Significando o quê? ─ Talvez ele esteja tentando me evitar. ─ Não está. Mas poderia culpá-lo se estivesse? Você é meio duro com ele. Colin tomou um gole de chá e me fixou com seu olhar astuto. ─ Nos daremos bem eventualmente. ─ Sorri. ─ Se ele se aproximar. ─ Deus, você é um idiota. ─ Seu sorriso suavizou suas palavras. ─ Apenas me preocupo com você. ─ Deveria se preocupar com você mesmo. ─ Ele colocou o chá para baixo. ─ Por que deixou o composto? Pensei que estivesse feliz lá? ─ Eu estava muito feliz. Mas não posso viver lá para sempre. Dois anos foram suficientemente longos. Preciso voltar ao mundo real por um tempo.

12


Estava nas montanhas há tanto tempo que às vezes senti que estava escondido. Não gosto desse sentimento. Não quero ser fraco e com medo. ─ Não há nada fraco sobre você. ─ Eu acho. Seu olhar se suavizou. ─ Os ômegas vão sentir sua falta. ─ Eu também sentirei falta deles. Mas me senti inquieto e não é bom para ninguém. ─ Certo. Justo. É hora do próximo capítulo da sua vida. ─ Ele sorriu. ─ Sim. ─ Eu estava enfrentando uma frente corajosa, mas também estava extremamente nervoso em tentar assimilar a vida aqui em Los Angeles. Os três anos antes de eu ter terminado no complexo me derrubaram e me deixaram muito mais cansado do que queria. Tinha paredes emocionais que um tanque não conseguiria esmagar. Mas não estava procurando amor, então talvez isso não importasse. Praticamente considerava o amor uma piada, especialmente para ômegas. Em nossa sociedade, alphas conseguiam tudo o eles queriam, e os ômegas tiveram que gerar bebês e dizer obrigado pelo prazer. ─ Então, que tipo de trabalho você está procurando? ─ Eu gosto de crianças, então talvez seja algo do tipo. ─ Você também é bom com elas. É muito nutritivo, desde que não esteja lidando com um alfa. ─ Franziu os lábios. ─ Você provavelmente seria uma boa enfermeira.

13


Eu resmunguei. ─ Certo. Agora, tudo o que preciso é dinheiro para a escola de enfermagem e alguém que vai me alimentar e abrigar enquanto vou para a faculdade por dois ou três anos. ─ Certo. Então, algo mais imediato. ─ Sim. Ele estalou os dedos. ─ Riley provavelmente tem alguns amigos de celebridades que precisam de cuidados infantis. Quero dizer, todas as celebridades não têm babás? ─ Você não. ─ Nós fazemos turnê. Lembre-se, estou cuidando de Riley. Nós temos uma garota que viaja conosco e cuida de Garret durante os shows. ─ Oh sim. Esqueci que você ainda queria trabalhar. ─ Eu o estudei. ─ Riley é bem iluminado para um alpha. ─ Eu continuo dizendo que ele é diferente. Essa é mais uma razão pela qual eu o amo. Não espera que eu só cuide de Garrett. Sabe que eu adoro muito meu trabalho para desistir, e ninguém vai cuidar de Riley, como eu farei. Fiz uma careta. ─ Não tenho certeza de ter razão em pedir a Riley um favor. ─ Ele ficaria feliz em ajudar. ─ Ha. Eu não tenho tanta certeza.

14


─ Pare com isso. Sei que ele ficaria bem em pesquisar se seus amigos precisam de alguém. ─ A campainha tocou dentro da casa. Colin franziu a testa. ─ Quem diabos poderia ser esse? ─ Não olhe para mim. Não espero ninguém. Ele fez com uma careta e se dirigiu para a casa. ─ Eu voltarei em um segundo. Fechei os olhos e ouvi a brisa soprando pelas palmeiras que cercavam a área da piscina. A temperatura era mais quente aqui do que estava acostumado e isso fez uma boa mudança. Ouvi as portas francesas clicarem e as vozes flutuarem pelo pátio. Quando abri meus olhos, encontrei Colin voltando, mas tinha alguém com ele. No instante em que meu olhar caiu sobre o homem com ele, eu sabia que era um alpha. A curva orgulhosa de seu pescoço e o passo confiante tornaram óbvio. Era realmente atraente com cabelos loiros e olhos escuros. Fiquei irritado quando meu pulso acelerou quando nossos olhos se encontraram. Me tranquilizei, porque era simplesmente meu instinto ômega e nada mais. Só porque não confiava em alfas, não queria dizer que ainda não estivesse fisicamente afetado quando eram sexy como esse cara. ─ Pierce, este é Seth. ─ Colin passou a mão pela parte de trás de seu pescoço. ─ Ele é meu amigo da Shield. ─ Ei, como você está? ─ Seth estendeu a mão como se estivesse no piloto automático. Tive a impressão de que mal me notou, até que hesitei em apertar a mão, e então ele franziu a testa. ─ Eu não mordo, ─ disse, estreitando seu olhar.

15


─ Nunca se pode ter certeza com alphas. ─ Peguei sua mão em um breve aperto e um pingo de eletricidade pareceu abrir meu braço. Puxei meus dedos rapidamente, intrigado com o efeito dele. Ele deu uma risada engraçada, mas então virou as costas para mim, para poder falar mais com Colin. Fiquei irritado com sua atitude de virar as costas para mim e conversasse, como se o mundo girasse ao seu redor. Seu comportamento era tão típico de alfas que imediatamente lhe dei minhas costas. Encontrei o olhar de Colin, me sentindo irritado, e talvez ele percebeu que eu não estava feliz porque disse: ─ Desculpe, Pierce. Não queria excluir você da conversa. Por que não se aproxima para que possa ouvir melhor? Seth olhou para mim como se tivesse lembrado de que eu existia. ─ Oh sim. Desculpa. Isso é um pouco pessoal. ─ Ok. ─ Franzi a testa. Ele esperava que eu partisse ou algo assim? Colin rapidamente interpôs. ─ Pierce é um bom ouvinte. Talvez você devesse sentar, Seth, e começar desde o início. Me dando um olhar cauteloso, Seth se moveu para sentar perto de Colin. ─ Não costumo derramar minhas tripas na frente de estranhos. Eu ri. ─ Não é como se pedi para ouvir sua triste história. ─ Me desculpe? ─ Seth estreitou os olhos. ─ Estou aqui para ver Colin. ─ Sim, eu também.

16


─ Você é o único que acabou de cair sem aviso prévio. Ele deu uma pequena risada, como se assumisse que eu deveria estar brincando. ─ Isso é um problema para você ou algo assim? ─ Somente porque está agindo como se fosse suposto que eu saísse, então eu não escuto sua conversa secreta. Seth franziu a testa. ─ Você está tomando o que eu disse no caminho errado. ─ Sério? ─ Sim. Eu simplesmente quis dizer que sou autoconsciente sobre falar na frente de pessoas que não conheço. Não que você seja o problema. Eu me senti um pouco estúpido por ter reagido demais. ─ Ah. Colin riu desajeitadamente. ─ Que tal vocês dois começarem de novo? ─ Tudo bem por mim. ─ Seth levantou-se e estendeu a mão. Ele se elevou sobre mim, e meu estômago revirou com a intensidade de seus olhos escuros. ─ Eu sou Seth. Prazer em conhecê-lo. Peguei sua mão e ignorei o aperto da firme pressão que sua carne me deu. ─ Pierce. ─ Isso é melhor. ─ Colin sorriu. ─ Agora, Seth, vá em frente e continue sua história. Seth suspirou e sentou-se novamente. ─ Bem, eu estou meio imóvel. Quero dizer, você pode imaginar o choque de descobrir que eu tenho uma filha de oito anos depois de todos esses anos.

17


Eu alarguei os olhos. ─ Oh, uau. ─ Quem era essa mulher com quem você dormiu? ─ Perguntou Colin. ─ Apenas uma garota, com quem estive uma noite anos atrás. O nome dela era Lola. Ele passou uma mão pelos cabelos. ─ Nós não nos mantivemos em contato. ─ Como você descobriu que tem uma filha com ela? ─ Perguntou Colin. ─ Um advogado me ligou um dia atrás, explicando que Lola morreu em um acidente de carro, e eu era o único parente mais próximo dessa pequena menina. ─ Como você sabe que essa garota é realmente sua? ─ Perguntei. Ele encontrou meu olhar. ─ Eu fiz um teste de DNA. ─ Ahhh. ─ Eu assenti. ─ Eu não entendo por que essa Lola nunca lhe falou sobre sua filha. ─ Colin esfregou o queixo, parecendo confuso. ─ Não poderia ter sido fácil tentar criar uma criança por conta própria. Por que ela não queria sua ajuda? ─ Nós não formamos amizade ou nada. Nos conhecemos em uma festa e só nos juntamos essa vez. Estou com vergonha de admitir que ambos estávamos tão bêbados que nenhum de nós pensou em proteção. ─ Suas bochechas foram varridas de rosa. ─ Foi apenas sexo. ─ E agora você tem um filho. ─ Colin suspirou. ─ Uau. ─ A garota não tem outra família? ─ Eu fiz uma careta.

18


─ Isso é o que o advogado disse. Eu lembro vagamente que Lola não era próxima de sua família. ─ Seth olhou para Garrett, que estava sorvendo de sua xícara e derrubando líquido pelo queixo. ─ Eu odeio pensar que sou o melhor que a pequena garota precisa recorrer. ─ O que quer dizer? Você tem um bom trabalho e é uma boa pessoa. ─ Colin estudou seu amigo. ─ Sim, mas não sou material para pai. ─ Ele sorriu. ─ Você me conhece, Colin. Não estou pensando em me estabelecer a qualquer momento em breve. Não estava planejando ter filhos até finalmente ser jogado nesse turbilhão ─ Seth resmungou. ─ Não sei a primeira coisa a respeito de criar uma criança. ─ Você já conheceu a menina? ─ Colin perguntou. ─ Uma vez. Mas nós realmente não conversamos muito. Colin mordeu o lábio inferior. ─ Talvez você seja natural na paternidade. A julgar por quão assustado Seth estava, era difícil de imaginar. ─ Talvez, se Lola me dissesse sobre a garota desde o início, E eu pelo menos conhecesse a criança. Mas sou um completo estranho para ela. ─ Ele tinha uma linha profunda entre suas sobrancelhas. ─ Ela provavelmente está aterrorizada agora ─ eu disse suavemente. ─ O que precisa é a estabilidade e a sensação de que pertence em algum lugar. Seth encontrou meu olhar. ─ Mas como faço isso por ela? ─ Não vai acontecer durante a noite. Ela provavelmente não vai confiar em você por um tempo. ─ Eu suspirei.

19


─ Impressionante. ─ Ele franziu o cenho. ─ Conheça suas necessidades físicas primeiro e, gradualmente, as coisas emocionais devem cair no lugar. Uma vez que acredite que não vai pagar por ela, provavelmente se aquecerá para você. ─ Eu estudei seu rosto tenso. ─ Deus, minha casa não é a prova de criança. ─ Ela tem sete anos e não dois. ─ Eu sorri, ganhando um cenho franzido de Colin. ─ Ambos são igualmente aterrorizantes para mim, ─ murmurou Seth. ─ Bem, ela provavelmente sabe que não deve colocar o dedo em uma tomada elétrica, mas vai precisar de ajuda com a lição de casa. Até pode gostar de meninos. Terá necessidades completamente diferentes de um bebê. ─ Eu cuidava das crianças de todas as idades no complexo. Encontrei crianças mais fáceis de relacionar que adultos e tendia a me dar bem melhor com elas. Gemendo, Seth cobriu o rosto. ─ Isto é um pesadelo. Eu tinha uma certa simpatia rancorosa por ele. Alfas não foram feitos para cuidar de crianças, ômegas geralmente tratavam disso. ─ Você provavelmente vai ficar bem. Ele deixou cair as mãos no colo. ─ Você soa tão seguro quanto eu me sinto inseguro. ─ Ele olhou para Colin. ─ Eu nem sei por onde começar. Ela vai para minha casa amanhã. Colin fez uma careta. ─ Tão cedo? ─ Ela esteve com a Child Services enquanto o advogado me contatou e fizemos o teste de DNA. Mas agora a única coisa que a mantém de ir viver

20


comigo sou eu. ─ Ele suspirou. ─ Obviamente, não posso afastar minha própria filha. E, francamente, acho que teria dificuldade em afastar qualquer garota que tenha passado pelo que passou. Sua empatia foi surpreendente. Eu estudei suas características tensas, sentindo um respeito relutante de que ele estava fazendo o que era certo. ─ É mais assustador porque vocês dois são estranhos um para o outro. Uma vez que conhece as peculiaridades do outro, deve ser mais simples. ─ Como é o nome dela? ─ Perguntou Colin. ─ Emily. ─ Você já contratou uma babá? ─ Colin beijou a cabeça de Garrett, como se a conversa o fizesse sentir mais protetor contra o filho. ─ Uma babá? Não. ─ Bem, quem vai buscá-la na escola quando estiver no trabalho? ─ Colin franziu o cenho. Ele estremeceu. ─ Porcaria. Eu não tinha pensado nisso. ─ Sério? ─ Colin sacudiu a cabeça. ─ Você tem uma cama para ela, certo? ─ Sim. Eu a tenho no quarto de hóspedes maior. ─ Ele suspirou. ─ Droga. Eu não estava pensando em quando não estou lá. Ela não é um bebezinho e, por isso, nunca me ocorreu que precisaria contratar alguém para assisti-la.

21


Colin encontrou meu olhar. ─ É claro que não está certo deixar um filho de oito anos sozinho por longos períodos de tempo. E se você conseguir uma tarefa durante a noite? Seth exalou grosseiramente. ─ Foda. ─ Ele tirou o telefone e olhou para cima com uma expressão perdida. ─ Quem diabos eu chamaria por uma babá? Eu ri grosseiramente. ─ É um pouco tarde para tentar encontrar alguém para o futuro. ─ Nenhum dos serviços infantis mencionou que você precisaria de ajuda? ─ Perguntou Colin. ─ Não. Na maioria das vezes, pareciam preocupados que eu fosse seu pai biológico. Colin me observou com uma expressão estranha. ─ Bem, você vai precisar de ajuda. Não há dúvida sobre isso. ─ Definitivamente, ─ concordei. Colin deu uma risada grosseira. ─ Eu acho que posso ter uma solução temporária para você, Seth. ─ Sim? ─ Ele parecia tão feliz como se tivesse ganhado na loteria. Colin inclinou-se para mim. ─ Você podia ver Emily, Pierce. Meu estômago apertou quando ambos olharam para mim. ─ O que? Eu? ─ Em que diabos Colin estava pensando? Não queria trabalhar para um alfa. Nem tinha certeza de que gostava de Seth.

22


─ Certo. Você queria um emprego na assistência à infância e Seth precisa de uma babá. Seth franziu o cenho, parecendo tão entusiasmado com a ideia como eu. ─ Oh, bem... provavelmente posso encontrar outra pessoa. ─ Sim. Por favor. Encontre outra pessoa. ─ Eu dei um olhar irritado a Colin. ─ Amanhã? ─ Colin parecia cético. ─ Boa sorte com isso. ─ Eu não posso contratar apenas alguém, ─ disse Seth. Seu comentário me incomodava, apesar de não ter vontade de trabalhar para ele. ─ Bem, eu não sou exatamente a sua pior opção. Não é como se fosse um estranho da rua. Sou amigo de Colin e tenho experiência de assistência infantil. ─ Ah com certeza. Mas... você sabe o que quero dizer. Eu dei uma risada rude. ─ Na verdade não. Ele franziu a testa. ─ Você quer trabalhar para mim? ─ Ele parecia confuso. Não. ─ Não estou dizendo isso. Estou apenas apontando que sou qualificado e não um pedófilo da rua. ─ Ok, mas você quer o emprego? ─ Seth franziu a testa. ─ Não particularmente.

23


─ Por que você não quer trabalhar para Seth? Entrevistas são trabalhosas. Colin fez uma careta. ─ Você realmente quer ter que ir por toda a cidade procurando um emprego? ─ Não... mas... ─ Eu enfrentei o olhar cauteloso de Seth. ─ Não sei se Seth e eu seríamos compatíveis como empregador e empregado. Seth assentiu com a cabeça. ─ Sim. Chegamos inicialmente às cabeçadas. ─ Isso foi apenas um mal-entendido ─ disse Colin. ─ Eu acho que seria apenas temporário. ─ Seth pareceu hesitante. ─ Preciso de alguém até amanhã. ─ Hum, ─ Eu puxei minhas sobrancelhas juntas. ─ Não tenho certeza. ─ Eu sei que nós começamos com o pé errado, mas não sou um cara ruim. ─ Seth encolheu os ombros. ─ Talvez você possa preencher por uma semana, apenas o tempo suficiente para me dar tempo para encontrar alguém permanente. Então pode ir procurar outro emprego. O que você diz? Foi estranho com ambos olhando para mim, e eu não tinha certeza de como dizer não, sem parecer um pau sem coração. Enchendo minha frustração, suspirei. ─ Só uma semana? ─ Sim. ─ Seth assentiu. ─ Vou ter alguém novo até o final da semana ou devo-lhe um jantar caro em seu restaurante favorito. ─ Eu não preciso jantar. ─ Nós provavelmente podemos aguentar um ao outro por uma semana, certo? ─ Seth riu bruscamente. ─ Estou desesperado, cara.

24


─ Está bem. Eu vou fazer isso por uma semana. Seth deu o primeiro sorriso real que eu tinha visto desde que chegou. Meu pulso gaguejou com o quão atraente ele era, mas esgueirei quaisquer sentimentos confusos. Ele era hetero e era um alpha. Ambas as coisas significavam que precisava ser mantido longe.

25


Capítulo 2 Seth Por mais que tivesse me irritado, tive dificuldade em afastar o peculiar amigo ômega de Colin, Pierce, da minha cabeça. Ontem tinha sido óbvio que ele não queria cuidar de Emily para mim. Mas fiquei aliviado quando concordou. Eu tinha muito no meu prato saudando minha filha hoje, e sabendo que haveria alguém para me ajudar a cuidar dela me confortou. Emily estava chegando as sete esta noite e Pierce tinha dito que viria às sete e meia para nos dar tempo para falar sem ninguém ao redor. Pouco sabia ele, que teria amado sua presença prontamente as sete, se fosse assim, então não estaria sozinho com Emily. A garota me deixou nervoso porque estava muito quieta e apenas me olhava muito. Quando a campainha tocou, endireitei meus ombros e tentei me lembrar que era um alfa e precisava agir assim. Abri a porta e encontrei a Sra. Smith, a assistente social no caso, e Emily de pé na frente. ─ Sr. Cavaleiro, é maravilhoso vê-lo novamente. Sra. Smith sorriu, colocando o braço em torno de Emily. Os olhos de Emily caíram e ela ficou pálida na luz da varanda. ─ Diga olá para seu pai, Emily. ─ A Sra. Smith cutucou. Mantendo o olhar para baixo, Emily disse: ─ Olá. ─ Olá, Emily. Entre. ─ Abri a tela e passaram por mim até o foyer.

26


Emily segurava uma pequena mala e quando me movi para pegá-la, ela se afastou, parecendo assustada. Congelei. ─ Eu ia colocá-la em seu quarto. Ela balançou a cabeça. ─ Está bem. Quero manter isso comigo. ─ Agora, Emily, você não pode simplesmente levar sua mala ao redor de qualquer lugar que você vá. ─ A Sra. Smith riu. ─ Você tem certeza de que não vai deixar seu pai colocá-la no seu quarto? ─ Talvez mais tarde. ─ Sua voz era apenas um sussurro. Ela parecia tão confusa e assustada que fez meu coração doer. Eu não tinha a mais fraca ideia de como me conectar com ela ou fazê-la se sentir melhor. ─ Você quer ver seu quarto? ─ Perguntei. ─ O que você achar que é o melhor. Esta seria uma estrada difícil se ela fosse tão reticente em estar na minha vida a longo prazo. Me assegurei que os primeiros dias seriam os piores. Afinal, eu era um completo estranho para ela. ─ Liguei para a escola para verificar se ela está matriculada e eles esperam que compareça depois de amanhã. ─ A Sra. Smith olhou ao redor da minha casa. ─ Nós achamos melhor se ela tivesse um dia para se aclimatar antes de ir para a escola. ─ Certo. Eu entendi. ─ Excelente. ─ A Sra. Smith deu um tapinha nas costas de Emily. ─ Agora, querida, vou embora. Se você quiser falar comigo, tem meu cartão na sua mala. Lembra?

27


─ Eu lembro. ─ Sua voz tremia. ─ Estou a apenas um telefonema de distância, querida. ─ A Sra. Smith falou calmamente. Emily assentiu, mas não falou. Caminhei para a porta com a Sra. Smith e ela saiu com um propósito em direção ao carro. Fechei a porta e enfrentei Emily. Ela se moveu inquieta e olhou para cima. ─ Você está com sede ou com fome? ─ Perguntei. Ela balançou a cabeça. ─ Não. ─ Ok. ─ Pigarreei. ─ Eu sei que isso é difícil para você. Desculpe-me pela sua mãe. Um pequeno soluço quebrou de seus lábios e ela explodiu em lágrimas. Não tinha ideia do que fazer. Comecei a caminhar em sua direção, mas ela pareceu recuar, então parei e apenas a olhei, sem saber como confortá-la. ─ Você quer ir ao seu quarto? Ela assentiu. ─ Ok. Por aqui. Ela me seguiu pelo corredor, me observando como se eu fosse atacá-la ou algo assim. Abri a porta do quarto e a introduzi lentamente dentro. Este quarto maior era raramente usado, e não era o quarto mais bonito da casa. As paredes eram brancas e sem fotos, e a colcha era um azul marinho chato. Quando decorei o quarto, nunca me ocorreu que uma jovem ficaria aqui.

28


Ela parou de chorar e agora estava apenas olhando para mim como se estivesse esperando que saísse. Senti-me tão inútil estudando seu rosto manchado de lágrimas. ─ Se precisar de algo, basta chamar. Ela deu um rápido aceno. ─ Eu tenho um homem para ajudar a cuidar de você. Não ficará presa comigo o tempo todo. ─ Estava tentando fazer uma piada, mas caiu no chão. Olhei para meu relógio. ─ Ele estará aqui em quinze minutos. Por favor, pelo amor de Deus, Pierce, seja pontual! Emily ainda apertava sua mala quando olhou ao redor da sala. ─ É maior ─ ela sussurrou. ─ O que você disse? Ela engoliu em seco. ─ Este quarto é maior do que o meu antigo quarto. ─ Isso é bom? Encolhendo, ela disse: ─ Meu quarto antigo era rosa. ─ Bem, podemos pintar este quarto de qualquer cor que você quiser. ─ O pensamento de ser capaz de fazer algo que a fez feliz me encheu de alegria. ─ Tudo bem. Eu não quero ser nenhum problema. ─ Sem problemas em nada. ─ Eu ri com raiva. ─ Ninguém nunca fica neste quarto. É por isso que é tão feio. Sou um decorador horrível. Talvez você possa me ajudar a tornar este quarto bonito. Ela mastigou o lábio inferior. ─ Vou tentar. Eu apontei para a mala dela. ─ Isso é tudo o que você tem?

29


─ Sim. ─ Ela disse suavemente. ─ Sra. Smith me disse para escolher três das minhas roupas favoritas e dois dos meus brinquedos favoritos. ─ Por que você não pode trazer todas as suas coisas? ─ Porque mamãe morreu. ─ Sua voz gritou. Eu fiz uma careta. ─ Eu sei querida. Mas por que você ainda não pode ter seus pertences? ─ Sra. Smith disse que ninguém queria todas essas coisas. Foi um problema suficiente encontrar espaço para mim na vida deles. Eu franzi o cenho. ─ Ela disse isso para você? Ela se encolheu com meu tom irritado. ─ Ela foi legal comigo. Eu não acho que quis dizer qualquer coisa ruim. Eu podia ver que ela estava nervosa, então treinei meu rosto a uma expressão mais agradável. ─ Ela parecia legal. ─ Sim. ─ Ela assentiu, com alguma tensão deixando seus ombros. Quando

a

campainha

tocou,

nós

dois

pulamos. ─

Isso

é

provavelmente Pierce. O babá. Ela fez uma careta. ─ Ok. Eu estava tão aliviado que Pierce finalmente estava aqui que tive que me conter para não voar pelo corredor até a porta da frente. Quando a abri, Pierce ficou lá com fones no ouvido uma mochila. Achei estranho que notei como sua camiseta se agarrava ao seu tronco e quão apertado estava o jeans. Ele também cheirava muito bem, como o gel de banho de coco ou algo

30


assim. Eu não estava em caras, então não tinha ideia de por que todos esses pequenos detalhes estavam atacando meus sentidos. Ele puxou os fones da orelha e colocou-os no bolso dos jeans. ─ Ei, ─ disse, esperando que eu abrisse a tela. Me sacudi de meu estranho estupor e o deixei entrar. ─ Garoto, estou feliz em vê-lo. Ele bufou. ─ Aposto que nunca pensou que você diria isso para mim. Sorrindo timidamente, assenti com a cabeça. ─ Não, eu não fiz. ─ Guiei o caminho para o quarto de Emily. Sua porta estava aberta e ela ainda estava no meio da sala, exatamente onde a deixei. ─ Emily, este é Pierce. ─ Ei, Emily. ─ Ele se moveu lentamente para o quarto, mas não fez nenhuma tentativa de abraçá-la. Olhou em volta do quarto e franziu a testa. ─ O esquema de cores aqui é horrível. Os olhos de Emily se arregalaram, mas então seus lábios se contraíram ligeiramente. ─ Muito obrigado. ─ Eu balancei minha cabeça. ─ Estava explicando a Emily que podemos pintar qualquer cor que ela quiser. ─ Isso é legal. ─ Ele olhou para Emily. ─ Eu nunca tive meu próprio quarto. Você é sortuda. Ela assentiu lentamente. ─ Talvez quando se trata de quartos. ─ Sim. Desculpe sobre sua mãe. ─ Pierce suspirou. ─ Minha mãe morreu quando eu tinha dez anos.

31


Ela engoliu em seco. ─ Mesmo? Eu não sabia nada sobre Pierce, então ouvir sobre sua mãe foi surpreendente. Cruzei meus braços e apenas observei os dois. ─ Isso fez... você viver com o seu... ─ Ela olhou para mim. ─ Papai? Ele balançou sua cabeça. ─Deus não. Ele estava na prisão. Eu fiz uma careta, não tenho certeza de que adorei como a conversa estava indo. ─ Ele estava? ─ Ela ficou mortificada. Pierce baixou a cabeça. ─ Sim. Foi embaraçoso. As crianças na escola me zoaram sobre isso. Fui morar com minha avó e ela foi ótima. Mas era muito velha, então eu não tive tantos anos com ela como teria gostado. Quando tinha dezessete anos, ela morreu, e eu saí sozinho. Não queria estar na Child Services. Ela cobriu suas bochechas com as mãos. ─ Eu sinto muito. Ele encolheu os ombros. ─ Toda essa coisa ruim me ensinou a apreciar as coisas boas. ─ Ele olhou para mim. ─ Você tem sorte de ter um pai que quer você. ─ Sorriu. ─ E ele é relativamente jovem, então provavelmente estará por um tempo. ─ Relativamente jovem? Eu fiz uma careta. ─ Quantos anos tem? Quarenta e cinco? ─ Tenho trinta e cinco ─ falei com indignação. Assim que terminei de falar, notei o brilho malicioso em seus olhos. ─ Muito engraçado.

32


─ Isso foi muito fácil. ─ Ele sentou na cama e saltou para cima e para baixo, me observando. ─ Estou feliz por poder entretê-lo. ─ Eu também. ─ Ele torceu os lábios. ─ Estou faminto. Me endireitei. ─ Oh, hum... ─ gesticulei em direção à porta. ─ Há toneladas de comida na cozinha. ─ Eu olhei para Emily. ─ Você está com fome agora? Ela deslizou seu olhar para Pierce. ─ Certo. Com certeza a única razão que ela estava comendo foi porque Pierce tinha dito que estava com fome. Não tinha certeza se ele tinha feito isso de propósito, ou se realmente estava com fome. Mas estava feliz por estar disposta a comer e sair do quarto. Abriu caminho para a cozinha e Pierce foi direto para a geladeira e a abriu. Emily entrou lentamente, movendo-se para onde Pierce estava. ─ Você tem iogurte de vários sabores ─ Ele riu. ─ Eu não sabia o que Emily gostava. Ela me deu um olhar tímido. ─ Eu gosto de todos eles. ─ Bom. Então estamos preparados. ─ Pelo menos eu fiz algo certo. ─ Eu estou com vontade de comer uma omelete de queijo ─ Pierce murmurou. ─ Eu gosto de ovos e queijo. ─ Emily torceu as mãos atrás de suas costas.

33


─ Gosta? ─ Ele perguntou. ─ Bem, eu poderia nos fazer omeletes. ─ Ele me encarou. ─ Você gosta de omeletes? ─ Sim. Ele pegou ovos, manteiga e queijo. ─ Qual armário tem panela? Eu fui e peguei a frigideira da prateleira inferior na cozinha. ─ Esta é a minha melhor panela, então use a espátula de borracha. Se você riscar esta panela, eu posso chorar. Emily deu uma pequena risada e me senti como um super-herói. Pierce aqueceu a manteiga e rachou os ovos com uma mão. ─ Onde você aprendeu a fazer isso? ─ Perguntou Emily. ─ Minha vovó. Ela era a melhor cozinheira do mundo. ─ Ele suspirou e acariciou seu estômago achatado. ─ Então eu era muito mais fofinho. Contra minha vontade, meus olhos examinaram seu quadro magro e masculino. Desviei o olhar, desconcertado por que eu parecia tão fisicamente consciente dele. Talvez estivesse apenas cansado e ele estava aqui me ajudando, então me senti atraído por causa disso. ─ Vocês querem torradas? ─ Perguntei. Emily olhou para Pierce antes de responder. Quando ele disse que sim, ela imediatamente disse que sim também. Baixei o pão na torradeira e me inclinei contra o balcão observando os dois. Emily tinha imediatamente ligado com Pierce, bem mais rápido do que comigo. Eu não tinha certeza se era porque ele era mais novo ou porque também havia perdido sua mãe. Fiquei surpreso com o quão quente ele estava com ela, porque parecia muito frio

34


quando o conheci. Obviamente tinha uma reação diferente para crianças e não-alfas. Colin tinha explicado para mim que Pierce estava desconfiado de alfas, mas realmente não tinha entrado em detalhes. Não pude deixar de estar curioso. Mas não havia nenhuma maneira no inferno que ia perguntar porque ele não gostava de alphas. Provavelmente me diria para me ocupar de mim mesmo. Uma vez que Pierce tinha quase terminado de cozinhar as omeletes, pressionado para baixo a alavanca da torradeira. Quando a torrada estava pronta, manteve-a à mesa. Pierce sentou perto de mim e, sem surpresa, Emily sentou ao lado dele. O omelete era amanteigado e delicioso e nós comemos em silêncio por alguns minutos. Eventualmente, Pierce começou a falar sobre a mudança de volta para Los Angeles e como era diferente de onde estava hospedado.

Ele mencionou

que

vivia

nas

montanhas,

mas

não

especificamente onde. Eu queria fazer perguntas, mas não fiz. Senti que era melhor apenas sentar e ouvir os dois. Depois que tinha comido, limpei a mesa e Pierce e Emily sentaram à mesa falando suavemente. Emily não ria muito, mas parecia menos em pânico do que quando chegou antes em minha casa. Eu era grato que Pierce tinha concordado em me ajudar. Não conseguia pensar no que a última hora teria sido se ele não estivesse conosco. Emily já teria saído de seu quarto? Pierce e Emily encheram a máquina de lavar louça e eu me desculpei para trabalhar no meu computador. Tinha uma nova tarefa no dia seguinte e precisava ler meu cliente. Depois de algumas horas ouvi os dois em seu quarto

35


e parecia que eles estavam rindo e realmente se divertindo. Senti um pequeno empurrão de ciúmes que minha própria filha o preferia sobre mim, mas não havia muito que pudesse fazer sobre isso. Concordamos Pierce viveria comigo enquanto Emily estava aqui porque minhas horas eram muito malucas no trabalho. Fui até o outro quarto que seria de Pierce, me certificando que ele tinha toalhas limpas. Também tomei a liberdade de colocar sua mochila em sua cama, já que a deixou no sofá na sala da frente. Voltei a estudar a biografia do meu novo cliente, mas às 11 horas meus olhos estavam cansados e fechei meu laptop. Os dois ainda conversavam silenciosamente no quarto de Emily e eu tentava escutar. Senti que a única maneira de encontrar algo sobre Emily era se me aproximasse sem ela saber que estava por perto. Ela também estava bem fechada comigo. Mas suas vozes eram suaves, então saí do meu escritório e fiquei no corredor ouvindo. ─ Mamãe não voltou para casa muitas noites, ─ disse Emily. ─ Você estava sozinha, então? ─ Perguntou Pierce calmamente. ─ Na maioria das vezes. Às vezes, ela queria que o nosso vizinho Ted me observasse. Mas ele nem sempre estava disponível. Eu não gostava de estar sozinho porque o apartamento parecia ter tantos ruídos de chiado à noite. ─ Foi o trabalho dela que a manteve fora? ─ Às vezes. ─ Sua voz era suave. A vulnerabilidade em seu tom fez meu coração doer. Me senti culpado de nunca ter estado lá por ela, embora soubesse que não era minha culpa.

36


─ Pierce... como sua mãe morreu? ─ Ela perguntou. Houve um pequeno silêncio e, em seguida, Pierce disse: ─ Suicídio. Emily ofegou. ─ Eu sinto muito. ─ Obrigado. Ela estava realmente deprimida quando meu pai foi para a prisão novamente. Acho que cuidar de mim por conta própria era demais para ela. ─ Mas é o que as mães fazem. Ele riu um pouco. ─ A maioria delas. A minha era diferente. ─ Minha mãe estava solitária. Eu acho que é por isso que gostava de sair muito com esses homens. ─ Ela cheirou. ─ Eu sinto falta dela. Houve um barulho e eu suspeitei que Pierce abraçou Emily. ─ Está bem. Claro que você sente sua falta. Mas seu pai quer cuidar bem de você e mantêla segura. ─ Ele não me quer. ─ O quê? ─ A voz de Pierce subiu. ─ Isso não é verdade. Ele ficou realmente feliz e entusiasmado quando soube de você. Meu rosto aqueceu na mentira de Pierce. Eu tinha ficado louco e egoísta quando descobri sobre Emily. Estava envergonhado de que meu primeiro pensamento tivesse sido como uma criança mudaria minha vida. Mas agora que a conheci, e ela não era apenas essa estranha sem rosto, definitivamente me senti protetor dela. E queria conhecê-la e fazê-la feliz. Não tinha certeza de como fazer isso, já que parecia quase ter medo de mim, mas era o que eu queria.

37


─ Você realmente pensa assim? ─ A voz de Emily estava rouca de emoção. ─ Eu faço. Sei disso. Ele é um bom homem. Fiquei surpreendido com a forma como Pierce estava sendo cortes. Talvez isso fosse exatamente o que falou sobre todos os pais quando as crianças precisavam de conforto. Porque ele não pareceu impressionado comigo quando nos conhecemos. ─ Sua casa é bonita, ─ disse Emily. ─ Dê-lhe uma chance. Eu acho que você vai ver que ele é um bom pai. ─ Ok. Ouvi as molas da cama e corri para meu escritório. Não queria ser pego espiando. Sentei-me na minha mesa e fingi estar passando por uma gaveta da mesa quando Pierce colocou a cabeça no meu escritório. ─ Eu vou para a cama agora. ─ Eu não podia dizer de sua expressão se ele suspeitava que eu estava ouvindo. ─ Oh, ok. ─ Por algum motivo me senti estranho. ─ Boa noite então. Ele hesitou e então entrou na sala. ─ Ela vai se aquecer para você. Seu tom simpático me fez sentir um pouco estranho. Não queria que ele se desculpasse por mim, mas também sabia que estava tentando ser legal. ─ Tenho certeza de que você está certo. Ele se moveu inquieto como se quisesse sair, mas ainda sentia que deveria dizer algo mais. ─ Ela é uma criança doce. Simplesmente não sabe o

38


que vai acontecer e então está assustada. Eu acho que ela tem medo de você deixá-la. ─ Porque eu faria isso? ─ Porque é uma criança que passou de adulto para adulto que realmente não queria ser incomodado com ela. ─ Se eu não a quisesse aqui, não estaria aqui. ─ Levantei meu queixo. ─ A única razão pela qual eu não estava em sua vida desde o início era que eu não sabia sobre ela. ─ Espero que isso seja verdade. ─ Porque eu mentiria? Seus olhos se dirigiram para o meu rosto. ─ Porque você pareceria um idiota, de outra forma. Eu ri. ─ Você pensa seriamente que eu sabia sobre ela todo esse tempo, mas simplesmente não queria ser incomodado? Ele encolheu os ombros. ─ Você não seria o primeiro pai a fazer isso. ─ Isso não aconteceu. ─ Eu acho que parece estranho que sua mãe não o tenha contatado mais cedo. As crianças não são baratas. Por que sua mãe, pelo menos, não o teria procurado por algum apoio infantil? Meu rosto ficou apertado quando dei um pequeno sorriso. ─ Eu não esquivei minhas responsabilidades em relação a Emily. Não sabia sobre ela. Ponto.

39


─ Ok. ─ Estou meio insultado que você pensaria do contrário. ─ Não fique chateado. Alphas não são conhecido pelo seu interesse. ─ Besteira. Alfas cuidam de seus ômegas. ─ Eu franzi o cenho. ─ Olhe para Riley e Colin. Ele sorriu. ─ Eles ainda estão em julgamento, se você me perguntar. Balancei a cabeça, tentando esconder minha irritação. ─ Eles são sólidos. Riley trata Colin como ouro. Ele deu uma risada raspada. ─ Que surpresa, um alfa defendendo outro alfa. ─ Colin foi meu amigo primeiro. Se sou tendencioso para com alguém, é Colin. Mas eu posso ver o quão grande Riley é. ─ Não quero argumentar. Só queria tranquilizá-lo que, as chances são, que Emily irá aquecer até você, eventualmente. ─ Obrigado. ─ Ele acabou de passar o último minuto me insultando, então demorou um pouco para forçar essa palavra da minha garganta apertada. Ele se aproximou e seus olhos eram de um azul profundo na luz fraca. ─ Talvez amanhã possamos comprar tinta e algumas cortinas para decorar seu quarto. Ela precisa de um espaço próprio. Ah, e também vai precisar de algumas roupas para a escola. ─ Ok. ─ Eu franzi a testa. ─ Merda. Espere... eu tenho que trabalhar.

40


Um pequeno sorriso tocou seus lábios cheios enquanto ele estendia a mão. ─ Me dê seu cartão de crédito. Eu cuidarei de tudo. Tirei minha carteira do meu bolso traseiro e entreguei meu cartão American Express. ─ Lembre-se, você está comprando para Emily, não para você mesmo. Ele enrugou a testa. ─ Não se preocupe. Não deixo que os alfas me comprem coisas. Caso contrário, eles pensam que são meus. A firme pressão de seus dedos contra os meus, e algo sobre sua voz rouca mandou um tremendo arrepio através de mim. Fiquei perplexo com o porquê ele parecia me afetar fisicamente, quando geralmente não estava atraído pelo menos. ─ Eu não quero pertencer a ninguém. ─ Isso é o que todos dizem. Seu tom brincalhão me provocou uma risada rancorosa. ─ Estou falando sério. ─ Uh, hein. Colocando minhas mãos nos meus quadris, balancei minha cabeça. ─ Você sempre é irritante ou sou especial? ─ Sendo um alpha, tenho certeza que você pensa que é especial. Meus lábios se contraíram. ─ Jesus, eu tenho que suportar uma semana desse humor? ─ Parece que sim. ─ Ele sorriu quando se virou para sair. ─ Boa noite, Seth.

41


─ Noite, Pierce. Fiz questão de não vê-lo sair. Não importava quão tentado estivesse.

42


Capítulo 3 Pierce Em primeiro lugar, Emily não me daria sua opinião sobre nenhuma das coisas que apontei para ela. Consoladoras, cortinas, lâmpadas, roupas, ela era tímida ao expressar seus gostos e desgostos sobre qualquer um deles. Mas uma vez que almoçamos, e a assegurou pela quinquagésima vez que seu pai queria comprar essas coisas, ela começou a se soltar um pouco. Apontei para um cavalo de carrossel de tamanho completo. ─ Oh, uau. Seu pai adoraria se o trouxéssemos para casa. Ela riu. ─ Acho que não. ─ Você acha que não? ─ Não. ─ Nós poderíamos colocá-lo na sala de estar. Bem no meio. Seu sorriso aumentou. ─ Ele ficaria louco. ─ Sua casa é tão perfeita e quase estéril. ─ Acariciei a cabeça de plástico do cavalo. ─ Isso pode ser apenas o que traz calor para a sala. Ela golpeou meu braço. ─ Você está brincando. Certo? Eu sorri. ─ Sim. Não acho que ele apreciaria se fizéssemos isso. ─ Não. Todas as imagens em sua casa são do oceano. ─ Ela franziu a testa. ─ Ele não tem fotos de pessoas. Minha mãe tinha algumas fotos de mim

43


e dela na prateleira sobre a TV. ─ Ela engoliu em seco e olhou em volta como se as pessoas estivessem escutando. ─ Peguei uma, mas não disse a Sra. Smith. Está na minha mala. Fiz uma careta. ─ Você deveria ter imagens de sua mãe. ─ Não tinha certeza de que seria bom. Então escondi isso. ─ Nós devemos comprar um quadro especial para isso e você pode colocá-lo em sua cômoda. ─ Lhe dei um abraço apertado. ─ Realmente? ─ Seus olhos se arregalaram. ─ Você não acha que o Sr. MacPherson se importaria? ─ Eu tenho certeza. ─ Limpei minha garganta. ─ Emily, você deveria chamá-lo de pai. É estranho não. ─ É mais estranho chamá-lo de pai para mim. ─ Mas ele é seu pai. Ela mastigou o lábio inferior enquanto tocava um travesseiro rosa com franja. ─ Eu continuo me perguntando por que a mãe não me falou mais sobre ele. Como, talvez estivesse mal ou algo assim. ─ Não. Ele é um guarda-costas. Ele protege as pessoas, ele não as magoa. Os olhos dela ficaram grandes. ─ Ele é um guarda-costas? Eu ri. ─ Sim. Você não sabia disso? ─ Eu pensei que ele era um bombeiro. ─ O que? Por quê?

44


Parecia confusa. ─ Eu não sei. Eu sempre pensei que ele era. ─ Não. Ele é um guarda-costas. Trabalha para uma empresa chamada Shield. ─ Peguei um pacote com um edredom e o mostrei. ─ Que tal este? Ela enrugou o nariz. ─ Muito feminino. ─ Você sabe... você é uma menina. Ela levantou o queixo. ─ Eu quero algo mais crescido. ─ Ahhh. Entendi. Caminhando até um edredom de xadrez azul e rosa, ela disse: ─ Este é bom. Ainda tem rosa, mas também seria bom para um adulto. Assenti com a cabeça e peguei o pacote. ─ Não cresça muito rápido, Emily. Desfrute de ser jovem enquanto puder. ─ Ah não. Eu quero crescer o mais rápido possível, então posso estar por minha própria conta. Como você fez. Eu fiz uma careta. ─ Eu tinha dezessete anos. Você tem oito anos. ─ Eu sou muito madura para oito. A Sra. Smith me disse assim. ─ Ela ergueu o queixo para fora teimosamente. ─ Confie em mim, estar sozinho foi muito difícil. Eu conheci algumas pessoas ruins e tive muitos problemas. ─ Fiz uma careta. ─ Fique com seu pai o maior tempo possível e aprecie que ele quer lhe dar o melhor para você. Não tome isso como certo, Emily. Gostaria de dar qualquer coisa para ter tido um pai que me quisesse. A boca dela caiu. ─ Você conheceu pessoas ruins?

45


─ Sim. ─ Eu baixei minha voz. ─ Um alfa horrível em particular que fingiu ser super agradável até eu estar preso. ─ Ele sequestrou você? ─ Não. Fui porque quis. Mas ele não era quem eu pensava que era e então... então eu acabei preso. ─ Não queria entrar em detalhes demais. Ela era muito nova para ouvir sobre como Baxter tinha se tornado meu alfa e depois me vendeu por dinheiro para outros alfas. ─ Por que você não fugiu dele? ─ Estava com muito medo. ─ Minha voz era suave. Eu não precisava mencionar que estava engolido em drogas e incapaz de tomar decisões racionais. A névoa das drogas tornou minha vida torturante mais suportável. ─ Mas, por que? ─ Porque eu não acreditava que alguém mais me desejasse. ─ Devolvi seu olhar simpático. ─ Eu não tinha ninguém ao meu redor dizendo que valia alguma coisa. Você tem seu pai para fazer isso por você. E ele, Emily. Ele está a seu lado e quer estar lá. Ela assentiu, com o rosto pálido. ─ E eu tenho você. Eu estremeci interiormente. ─ Por agora. Mas estou aqui apenas por uma semana. Ela praticamente engoliu. ─ O que? Ela ficou tão chocada que me senti mal. ─ Bem, estou aqui até que seu pai possa encontrar alguém permanente.

46


─ Por que você não pode ser permanente? ─ Ela deixou cair o travesseiro que estava segurando e me olhou ansiosamente. Não queria dizer a ela que seu pai e eu batemos cabeças. Não depois que passei os últimos cinco minutos lhe dizendo o quão incrível ele era. ─ Oh, hum... Eu já tenho outro trabalho alinhado, ─ menti. ─ Mas tenho certeza de que quem quer que seu pai contrata será ótimo. ─ Mas eu quero você. ─ Bem... ─ Eu não tinha certeza do que dizer. ─ Vamos falar sobre isso em casa. Precisamos terminar de comprar. Ela pendurou a cabeça. ─ Ok. Apertei seu ombro ósseo. ─ Anime-se. Você consegue comprar todas as coisas legais que deseja. ─ As coisas ao seu redor não são tão boas quanto pessoas agradáveis ao seu redor. Fiquei surpreso com sua visão, considerando que ela tinha apenas oito anos. Mas não sabia o que mais dizer para animá-la, então peguei algumas coisas fofas e as joguei no carrinho. ─ Tudo o que você não gosta, apenas me diga e vou retirá-lo da pilha. Ela deu ao carrinho um olhar desinteressado. ─ Tudo está bem. ─ Pareceu desinteressada agora e seu entusiasmo anterior desapareceu. Suspirei. ─ Não fique triste. Vamos ver como as coisas estão no final da semana.

47


Os olhos dela se iluminaram. ─ Você quer dizer que talvez você fique mais tempo? Eu duvidava disso, mas temia vê-la com uma triste expressão, então disse: ─ Você nunca sabe o que pode acontecer em uma semana. Eram nove da noite quando Seth chegou em casa. Ele parecia batido, com linhas sob os olhos e um conjunto tenso na mandíbula. Quando ele tirou o paletó, achei difícil não olhar para o seu corpo musculoso. Era um homem atraente, e se eu gostasse de alphas ou não, ele era sexy como o inferno. Ele sorriu tentativamente para Emily, mas ela ficou sentada ao meu lado no sofá, sem fazer nenhuma tentativa de abraçá-lo. Não sabia se isso o incomodava ou não. ─ Como foi seu dia? ─ Seu tom era agradável e seu olhar fixo em Emily. Ela olhou para mim por qualquer motivo, como se estivesse muda. A incentivei gentilmente. ─ Você pode falar. Diga a seu pai como foi seu dia. Fazendo caretas, ela disse. ─ Bem. ─ Não me sobrecarregue com informações ─ ele sorriu, mas havia tensão em seus olhos. ─ Você comprou algumas coisas legais? Ela assentiu. ─ Sim, obrigado. Ele se moveu inquieto. ─ Você me mostraria? Ela engoliu em voz alta. ─ Ok. ─ Ficou de pé e passou por ele com a cabeça baixa.

48


Seth olhou para mim e sua decepção ficou clara. ─ Talvez você também venha. Ela parece me odiar, ─ ele sussurrou. ─ Ela não odeia você. ─ Fiquei de pé e caminhei atrás dela, irritantemente consciente de sua água de colônia e energia masculina perto de mim. Quando chegamos ao quarto, ela ficou no centro com os braços cruzados. ─ Veja. Ele pegou o edredom e as cortinas correspondentes. ─Uau, agora parece melhor aqui. ─ Sim. ─ Sua voz estava silenciosa. ─ Podemos... podemos ainda pintar? Ele franziu a testa. ─ Claro. Você conseguiu a cor de tinta que queria enquanto estava fora hoje? ─ Nós fizemos. Mas eu queria me certificar de que ainda estava bem. ─ Eu quero que você pinte o quarto ─ ele disse com firmeza. Ela deu um sorriso tímido. ─ Sim. Só uma pequena palavra e sorriso pareciam fazer o seu dia. Ele olhou para mim com um olhar aliviado, e seus olhos pareciam menos cansados. Passou uma mão pelo cabelo, olhando ao redor da sala. Seus olhos caíram sobre a foto em sua cômoda dela e de sua mãe. Caminhou lentamente em direção a ela, inclinando-se para estudar a foto. ─ Você se lembra dela? ─ Emily perguntou calmamente.

49


Ele assentiu. ─ Eu... ─ Ele começou a pegar a foto, mas parou. ─ Posso olhar mais de perto? Ela assentiu. Ele pegou o quadro e inclinou a cabeça. ─ Seu cabelo era loiro quando eu a conheci. ─ Realmente? ─ Emily animou-se, movendo-se em direção a ele. ─ Mamãe tinha cabelo loiro? ─ Sua voz subiu uma oitava. Ele sorriu. ─ Sim. Ela era realmente sexy, quero dizer... bonita. ─ Seu rosto ficou vermelho quando encontrou meu olhar divertido. ─ Sim, pegue um entalhe, Casanova. ─ Eu sorri. ─ É estranho pensar que você conheceu a mamãe antes que eu fiz. ─ Emily fez uma careta. ─ Mas você a conheceu melhor. ─ Ele colocou a foto para baixo. ─ E ela te amava. Só gostava de mim. Emily riu. ─ Eu nem penso que ela gostou de você. ─ O quê? ─ Ele riu. ─ Por quê você diria isso? Ela mordeu o lábio. ─ Ela disse que você tinha uma tonelada de namoradas e que era um disjuntor. Suas bochechas estavam definitivamente cor-de-rosa agora. ─ Ela lhe disse isso? ─ Estava errada? ─ Emily parecia mais relaxada com Seth do que eu tinha visto até agora.

50


Seth me surpreendeu quando sorriu. ─ Não. Emily riu e olhou para a foto. ─ Mas eu acho que mamãe realmente gostou de você. Embora fingisse que não o fazia. O sorriso de Seth desapareceu e ele se moveu com dificuldade. ─ Eu também gostei dela. Mas então era meio idiota e deixei sua mãe fugir. ─ Então você não é um... jogador mais? ─ Emily perguntou. Ele estremeceu. ─ Bem… ─ Ela disse que você era um idiota. Como se você mudasse. ─ Sua expressão era astuta. Eu tentei uma risada. ─ A julgar pelo rosto culpado de seu pai, acho que ele ainda é idiota. Ele franziu o cenho para mim. ─ Eu sou melhor do que era. ─ Você tem uma namorada? ─ Emily perguntou suavemente. Ele abriu a boca para falar, mas nada saiu. ─ Veja. ─Levantei uma sobrancelha com dificuldade. ─ Ele ainda é um jogador. Emily torceu os lábios. ─ Talvez você tenha um namorado? ─ O quê? ─ Seth arregalou os olhos, parecendo confuso. ─ Por que você pensaria que eu teria namorado? ─ Muitos alfas gostam de meninos e meninas. ─ Emily parecia intrigada pelo motivo de seu pai. ─ Oh, bem, só namoro garotas. ─ Ele não me olhou enquanto falava.

51


─ Sua perda ─ eu disse. ─ Não que haja algo de errado com caras namorar caras... mas eu simplesmente não. Achei divertido que ele não olhasse meus olhos. ─ Minha professora na minha velha escola é uma menina e ela tem uma namorada ─ disse Emily, então virou o olhar para mim. ─ E Pierce gosta de meninos. ─ Ela franziu a testa. ─ Bem, quero dizer, ele fez até que seu alfa ficou mal. Agora ele não namora com ninguém. Agora foi minha vez de ter um rosto vermelho. Senti que o calor arrastava

de

meu

pescoço

até

minhas

bochechas. ─

Eu

namoro.

Simplesmente não fico sério. ─ Ha! ─ Seth apontou para mim com uma expressão presunçosa. ─ Você também é um jogador. ─ Então? ─ Encolhi os ombros. ─ Pelo menos eu tenho um motivo. Sua expressão tornou-se mais guardada, e ele olhou para Emily. ─ Esta é uma conversa bastante madura para ter em frente a uma menina de oito anos de idade. Emily enrugou a testa. ─ Eu não sou criança. ─ Você é tipo. ─ Seth franziu a testa. Ela levantou o queixo. ─ Eu não sou. Seth olhou para mim como se quisesse ajuda. Eu balancei minha cabeça. ─ Não olhe para mim. Você começou isso.

52


Ele se endireitou. ─ Você sabe o que? Só vou calar a boca agora. Emily riu. ─ Eu ganhei. ─ Posso ver quando estou perdendo ─ A boca de Seth se contraiu. ─ Vou mudar minhas roupas e jantar. Então irei dormir. ─ Ele se moveu para a porta. ─ Boa sorte no seu primeiro dia de escola amanhã, Emily. Está nervosa? Ela encolheu os ombros. Ele hesitou como se não tivesse certeza de empurrá-la ou não. Mas então apenas disse: ─ Boa noite, Emily. ─ Boa noite, ─ ela disse suavemente. Uma vez que ele se foi, sentei-me na cama. ─ Então, você está pronta para a escola? Ela assentiu, parecendo desconfortável. ─ Apenas espero que as crianças sejam boas comigo. ─ Se não, você me diz ou a seu pai imediatamente. ─ Ok. Não consegui discernir sua expressão se quisesse ou não. ─ Quero dizer isso. ─ Eu vou. ─ Ela bocejou. ─ Oops. Desculpa. ─ Você não precisa pedir desculpas. ─ Fiquei de pé e ela se moveu para me abraçar. Envolvi meus braços ao redor dela. ─ Tenha uma boa noite de sono, ok?

53


─ Eu vou. Esta cama é muito melhor do que a minha antiga. Desmanchando seu cabelo, eu disse: ─ Estou feliz. Saí do quarto e vaguei na cozinha para preparar a cafeteira para a manhã seguinte. Seth estava de pé sobre a pia, comendo uma tigela de cereais. ─ Esse é o seu jantar? Ele pulou como se fosse pego fazendo algo errado. Quando me encarou, parecia envergonhado. ─ Estava com muita fome para esperar por algo cozinhar. ─ Pelo menos, me diga que você está comendo algo saudável como Wheaties? Ele estremeceu. ─ Captain Crunch é saudável. Tem aveia. A aveia é boa para você. ─ Com conhecimentos nutricionais como esse, quase tenho medo de deixá-lo sozinho com Emily. Ele terminou a última colher de cereais e, enquanto enxaguava a tigela, disse: ─ Você e eu, somamos dois. Peguei um filtro de café do pacote no balcão. ─ Estou brincando. Você vai ficar bem. ─ Está certo sobre isso? ─ Ele parecia mais vulnerável do que nunca o vi. Seus olhos estavam reluzentes na iluminação da cozinha fraca, e sua boca virada para baixo nos cantos. ─ Eu estou aterrorizado. ─ Sobre o que?

54


─ De estar sozinho com ela. De não ser suficiente. Meu estômago agitou na angústia em sua voz. Fiquei emocionado com o quanto ele parecia se importar. Raramente conheceu um alfa que foi capaz de tocar suas emoções como Seth. Geralmente só estavam preocupados com eles mesmos. ─ Você realmente se importa, não é? ─ É claro. ─ Ele franziu o cenho. ─ Esta é provavelmente a coisa mais importante que vou fazer. Mas não tenho ideia de como criar um filho. ─ Ninguém faz, até tentar. ─ Você faz. ─ Eu sou um ajudante. Se tivesse que fazer isso sozinho, também ficaria com medo. Ele suspirou. ─ Aprecio a mentira. Mas se relacionar com ela parece sem esforço para você. Me aproximei dele. ─ Ouça, você pode fazer isso. ─ Você realmente pensa assim? ─ Eu faço. Estávamos a apenas um metro de distância e seu olhar caiu na minha boca. Havia uma energia estranha entre nós e eu não tinha certeza do porquê. Não gostava de alfas e ele não namorava meninos. No entanto, eu teria apostado dinheiro que o que estava experimentando com ele era tensão sexual. ─ Ainda não encontrei ninguém para ficar Emily ─ Sua voz era suave.

55


─ Você irá. Ele franziu a testa e apenas olhou para mim. Tive a compulsão mais estranha para me aproximar ainda mais, apenas para ver o que faria. Se me aproximasse muito, ele me afastaria ou me arrastaria mais perto? Ele era um alfa depois de tudo. Eles tomaram o que queriam, quando queriam. Quero que ele me queira? Desde quando? Retrocedi e caminhei para a cafeteira de novo. O que estava errado comigo? Costumo passar meu tempo evitando alfas, não tentando seduzi-los. Talvez estivesse há muito tempo sem dormir com ninguém. Precisava encontrar um ômega agradável e tranquilo e liberar alguma maldita tensão antes de me encontrar numa situação ruim. ─ Como é que você não quer ficar mais tempo? Obviamente gosta de Emily. ─ Seu olhar estava fixo em mim. Meu pulso revirou com a intensidade de seu olhar. ─ Eu acho que ficaria mais confortável em uma casa com um ômega. ─ Por quê? ─ Eu me dou melhor com ômegas. ─ Eu sei que é mais. Sobre o que Emily falou anteriormente? Quando ela disse que seu alfa ficou ruim? ─ Não é importante. Simplesmente não gosto de estar em torno de alfas em geral.

56


─ Eu sei que é mais pessoal do que isso. Dei de ombros. ─ Digamos, que nunca conheci um alfa que tenha gostado. ─ Eu não acredito em você. Franzindo o cenho, eu o enfrentei. ─ Com licença? ─ Na minha linha de trabalho, eu preciso ler as pessoas. Posso ler você também, Pierce. Acho que conheceu um alfa que gostou, mas ele o deixou de alguma forma. Eu ri duramente. ─ Por favor, me diga que você não acha que eu sou uma seiva que culpo todos os alfas porque um alfa especial me machucou. ─ Eu duvido que você fosse tão mundano. ─ Obrigado. ─ Voltei para a cafeteira e apertei alguns números para definir o tempo de preparação. ─ Então, por que você odeia alfas? Suspirei com impaciência. ─ Odeio é uma palavra muito forte. Simplesmente não confio em seu tipo. ─ Por quê? ─ Nada que seja seu negócio. ─ Comecei a me afastar e ele me assustou quando agarrou meu pulso. ─ Aguente. Eu ainda estou falando com você. ─ Seus olhos eram uma espécie de dourado e ele parecia sem fôlego.

57


─ Solte-me, ─ resmunguei, e o alívio passou por mim quando ele imediatamente soltou. Esfreguei meu pulso, tentando me livrar das sensações de formigamento que seus dedos haviam causado. Ele franziu a testa. ─ Eu não sou seu inimigo. Apenas quero te conhecer melhor. Mas a qualquer momento que faço perguntas você se retrai. ─ Olha, Seth ─ eu disse, com falsa confiança. ─ Entendi que você não quer que eu beije sua bunda. Realmente. Eu sei como são os alphas. ─ Isso não tem nada a ver com você beijando minha bunda. Estou tentando entender quem você é. ─ Deixe-me ajudá-lo com isso ─ eu disse com os dentes cerrados. ─ Nunca volte a colocar suas mãos em mim ou nem terminarei a semana. ─ Oh sim? ─ Foda-se. Suas narinas se acenderam e ele se aproximou. ─ Deus, querido, você me faz querer colocá-lo no seu lugar, ômega. Uma onda de excitação indesejada girou no meu intestino. ─ Que lugar é esse, Seth? Embaixo de você? Quer me enviar completamente para você? Uma fogueira sensual passou por seus olhos, mas então ele desviou o olhar como se estivesse confuso. Franziu a testa e balançou a cabeça, me lançando um olhar intrigado. Deu vários passos longe de mim, sua expressão chacoalhou. ─ Eu não sou... não... isso não é o que eu quero. ─ Eu também. ─ Eu mal podia tolerar o cara, mas meu corpo estava fazendo um mentiroso de mim. Meus mamilos estavam duros e meu pau

58


quente enquanto segurava seu olhar esfarrapado. Não tinha certeza de por que esses estranhos sentimentos de atração continuavam me agredindo sempre que estava sozinho com ele. ─ Estava apenas frustrado. Não queria tocar em você. Não quero tocar em você. ─ Bom, ─ eu gritei. ─ Eu acho que estou mais cansada do que percebi ─ disse ele, dando mais alguns passos. ─ Vou te ver pela manhã. Eu não falei. Eu não saberia o que dizer de qualquer maneira. Em vez disso, lhe dei as costas enquanto ele saia da cozinha.

59


Capítulo 4 Seth Guiei meu novo cliente para a limusine, sentando-se em frente a ela, mais perto da porta. ─ Me sinto muito mais segura sabendo que você está comigo. Uma garota nunca pode ser muito cuidadosa. ─ Priscilla Corbin sorriu para mim, batendo os cílios. ─ O último guarda-costas que eu tinha estava no telefone o tempo todo. Não consegui parar de pensar que provavelmente estava assistindo meus vídeos. ─ Isso não soa muito profissional. ─ Achei engraçado que ela estivesse preocupada com qualquer um que assistisse suas gravações, já que era uma estrela pornô. ─ Certo? ─ Ela alisou a palma da mão sobre a bainha da saia curta, me dando um sorriso brincalhão. ─ Muitas vezes me incomodava porque ele parecia o tipo de cara que assistiria a versão pirateada. Quero dizer, pelo menos, compre a maldita coisa e me deixe ter meu dinheiro. Dei um meio sorriso. ─ Parece apenas justo. ─ Exatamente. ─ Ela passou o olhar pelo meu corpo. ─ Você parece muito mais na bola. ─ Somente o melhor trabalho para Shield. ─ Meu, meu. Humilde não é você?

60


─ Eu sou bom no meu trabalho. ─ Segurei seu olhar invejoso. ─ Não há vergonha em estar confiante. Ela lambeu os lábios. ─ Aposto que você é bom em muitas coisas. Meu rosto se aqueceu. Acho que esse era o fato mais incômodo quando você observava uma estrela pornô. Eles tinham sexo em sua mente. Não respondi a ela, porque não queria continuar esse tipo de brincadeira de flerte. Não namorava os clientes. Nem mesmo sexy, clientes estrela pornô. Mas era difícil não olhar para seu corpo. Meus olhos se dirigiram para seus seios arredondados, saindo do topo de sua blusa de corte baixo. Ela notou e me provocou com um beijo, dando um sorriso de conhecimento. Pelo menos, não saio com clientes enquanto ainda são meus clientes. Depois... quem sabe? Embora, procura-la uma vez que a tarefa estivesse cumprida provavelmente seria um movimento burro. Ela era um alfa, e eu geralmente não gostava de me conectar com eles. Era uma luta pelo domínio entre os lençóis. Ômegas tendiam a estar mais disposto a agradar, na cama e fora. Normalmente. Meus pensamentos foram para Pierce. Esse foi um momento estranho que tínhamos compartilhado ontem à noite na cozinha. Tinha se sentido sexual. Eu odiava admitir isso, mas havia algo sobre Pierce que me fez experimentar sentimentos de excitação quando ele estava perto de mim. Havia uma energia bizarra e sensual entre nós. Estava confuso como o inferno. Mesmo na faculdade, quando muitos de meus amigos estavam explorando sua sexualidade, eu sempre gostava de meninas.

61


Na noite passada, Pierce ficou furioso quando agarrou seu pulso. Tinha sido puro instinto alcança-lo e tentar impedir que fosse embora. Mas me senti mal no segundo que o tinha tocado porque parecia em pânico. Mesmo agora, lembrar de sua expressão fez meu coração doer. Minha única desculpa para colocar minhas mãos sobre ele era que me frustrou quando não se abriria para mim. Eu sabia que era uma resposta imatura. Inferno, mesmo o fato de que me incomodasse ele não falar comigo era estranho. Desde quando calei sobre o passado de um cara que eu mal conhecia? Mas Pierce me intrigou, e muitas pessoas não o fizeram. Era uma mistura tão estranha de frio e quente. Do jeito que conseguiu se conectar com Emily imediatamente, eu estava com ciúmes. Cioso de sua conexão com minha filha e quase com ciúmes dos dois juntos. Ele não me deixou entrar. Se recusou a me deixar mais perto, e por algum motivo que me deixou louco. ─ Um centavo por seus pensamentos ─ disse Priscilla. Olhei para encontrá-la me estudando, e meu rosto aqueceu. O que ela diria se eu lhe disse que estava pensando em meu babá? ─ Meus pensamentos não são muito interessantes. Ela riu. ─ Mentiroso. Eu sei quando um homem está pensando em sexo. ─ Bem, você é uma mulher linda. ─ Achei que lisonjeá-la poderia tirá-la das minhas costas. ─ Apenas pense, você me vê trabalhar o dia todo. ─ Eu vou te dar seu espaço. ─ Querido, você não precisa. ─ Ela sorriu.

62


Eu balancei a cabeça, um pequeno sorriso nos meus lábios. ─ Você vai me demitir se continuar a flertar. Ela riu. ─ Eu não gostaria disso. ─ Nem eu. ─ Vejamos como você se sente depois de observar oito horas de foda. Talvez não seja tão bom dois sapatos. ─ Eu acho que vamos ver. Paramos em frente a um edifício alto e eu saí primeiro, me certificando de que a área estava segura. Então a segui até o alto, levando o elevador para a cobertura. As portas se abriram diretamente em uma suíte luxuriante, onde havia toneladas de luzes, longarinas, microfones e uma grande cama em forma de coração no centro. Alguns caras ficaram perto da cama, vestindo roupas. ─ Estou aqui! ─ Priscilla gritou alegremente. ─ Tempo para foder. Eu estremeci, mas todos simplesmente riram. Mudei para onde podia vê-la, mas não ter muita visão dela na cama. Ela abraçou e beijou todos e então foi atrás de uma tela e vestiu roupas escarlate. Quando saiu, sentou-se numa cadeira por trinta minutos enquanto algumas garotas faziam a maquiagem e o cabelo. Então se arrastou para a cama e os rapazes deixaram cair suas vestes e se juntaram a ela. Demorou cerca de dois segundos para que estivesse completamente nua, então tive que assumir que esse não era um desses pornôs com uma linha de história real. Isso era apenas chegar ao sexo, muito obrigado.

63


Um dos atores do sexo masculino era amargo e enorme, e o outro era pequeno e magro. A visão do corpo do cara magro fez algo estranho para mim, e me vi pensando sobre Pierce. Meus olhos estavam encadeados ao traseiro firme e atrevido do ator mais magro, apesar de que observá-lo me fez sentir desconfortável. Quando o cara maior o tocou, acariciando sua mão por sua espinha dorsal, meu pau se moveu na minha cueca, me deixando louco. Arrastei meu olhar de volta para Priscilla, que se contorceu na cama se dedilhando. Observei seus seios carnudos e os lábios cor de rosa de sua buceta, mas não conseguiria entrar nela. Então, contra a minha vontade, meus olhos mudaram de volta para o que parecia Pierce. Ele até tinha cabelo espetado escuro como Pierce. Não consegui parar de

olhá-lo. Estava

envergonhado com o vulto na minha calça, mas literalmente incapaz de parar de olhar para o cara. O suor formou no meu lábio superior quando o trio ficou quente e pesado. Olhei em volta para as outras pessoas na sala, me perguntando se eu era o único com um pau duro. Tive uma suspeita que eu era o único com um pau duro de assistir Pierce 2.0. Meu pau doeu e eu estava tentado a me tocar, mas não havia nenhuma maneira no inferno que estava acontecendo aqui onde todos podiam me ver. Senti um pouco de alívio quando o grande homem começou a foder Priscilla. Ok, isso eu poderia lidar. Pelo menos agora poderia dizer a mim mesmo que tinha uma ereção por todos os motivos certos. Mas quando o homem menor se mudou para o grande rapaz e empurrou seu pau no rosto do outro cara, o pânico me segurou novamente porque meu pênis endureceu

64


ainda mais. Quando o único homem pegou o tronco do outro na boca, meu pau empurrou e quase gozei. Horrorizado, afastei-me da parede e fui direto para o banheiro. Graças a Deus, não estava ocupado, e entrei o mais silenciosamente possível, de modo que não perturbaria a filmagem. Uma vez dentro do grande banheiro de mármore, tranquei a porta e com as mãos trêmulas, baixei minhas calças. Precisava desesperadamente gozar. Não poderia muito bem vagar ao redor do local com essa ereção de monstro. Eu estava duro e quando me toquei, a imagem de Pierce veio até mim. Não pude evitar, ele estava apenas na minha mente imediatamente, e a ideia de dobrá-lo e entrar em seu traseiro me fez tremer de necessidade. Só tive que me acariciar duas vezes e gozei. Longos rios de creme cobrindo a pia e torneira. Apertei minha mandíbula e estrangulei o gemido que me atravessou o tórax, tremendo enquanto um dos orgasmos mais fortes que já havia experimentado me desossou. Minhas pernas cederam e eu caí de joelhos, apertando o balcão e respirando como um cavalo de raça quando meu clímax estremeceu por mim. Que merda foi essa? Eu queria acreditar que Priscilla foi a causa do que estava acontecendo, mas isso não era verdade. Era a ideia de Pierce que me fez ficar com uma ereção em minhas calças antes. Fiquei onde estava, ofegando suavemente e olhando meu rosto corado e espantado no espelho pelo que pareceu como uma eternidade. Eu não tinha nada contra gays. Nada mesmo. Simplesmente não era um. Eles podiam foder com quem quer que fossem, mas eu gostava de

65


meninas. Gostava de merda de meninas. Tratei de engolir e me forcei a levantar. Limpei o cachimbo do meu pênis e depois limpei o balcão e afundei. Enquanto lavava minhas mãos tentava entender o que acabava de acontecer. Uma vez que minha respiração voltou ao normal, salpiquei água fria no meu rosto e sequei com a toalha na toalheira. Estava quase envergonhado para enfrentar Pierce esta noite quando chegasse a casa. Deus, ele seria capaz de ver no meu rosto que me masturbei pensando nele? O meu rosto estava quente quando saí do banheiro e recuperei meu lugar na parede. O trio ainda estava forte, mas evitei olhá-los. Eu era bissexual? Você poderia perceber que era bissexual tão tarde na vida? Esses desejos não deveriam aparecer mais cedo? Engoli com força e apertei meus olhos. Até esse momento, nunca tinha percebido o quanto não tinha ideia de sexualidade. Gostava de meninas toda a minha vida e não tinha pensado em outras identidades sexuais. Acabei de gozar, pensando em foder o traseiro de um cara. Talvez seja hora de dar-lhe algum pensamento. Estava tão consumido por meus pensamentos confusos, que mal percebi as pessoas na cama gemendo em seu orgasmo. Mas quando as luzes de cima se acenderam, me endireitei, esperando que não parecesse tão assustado como me sentia. Saí do quarto para me reunir e me encontrei na cozinha, onde havia vários dildos e bujões1 sobre o balcão do café da manhã. Eu tinha

1

Viagra; citrato de sildenafila.

66


que me perguntar de quem era esse apartamento e por que estavam deixando as pessoas filmar um pornô em seu lugar. Eu era bobo o suficiente para pensar que uma vez que o trio tinha gozado eles estavam finalizados. Estava errado. Um rapaz gritou para acenderem a “luz de bichinho” e quando o olhei para estranho, ele explicou que odiava chamar isso, mas que era realmente brilhante e eles precisavam disso para close-ups. Sete horas, e muita foda depois, Priscilla estava pronta para partir. Quando fomos até a limusine, ela conversou alegremente sobre o quanto gostava de trabalhar com o diretor dessa cena. Eu não tive muito para adicionar, então adicionei algo aqui e ali. Uma vez que estávamos no carro, ela me estudou com um sorriso malicioso. ─ Então o que você acha? Dei de ombros. ─ Todo mundo precisa ganhar a vida. ─ Você assiste pornô? ─ Sim. ─ Eu ri e depois adicionei. ─ Pornô hetero. Ela sorriu. ─ Você foi rápido para adicionar isso. Não respondi. ─ O que você achou dos dois juntos? Meu rosto estava quente e eu sabia que ela era inteligente para não perceber. ─ Foi diferente. ─ Já fodeu um cara?

67


Arregalei meus olhos. ─ Desculpe? Ela riu. ─ Você já fez sexo com um homem? Na minha cabeça conta? ─ Não. ─ Tudo bem, ─ disse ela. ─ Estive com caras e meninas. Eu faço tudo. É só sexo. Assenti. ─ Você parecia nervoso quando perguntei sobre estar com um cara. Por quê? Fiz uma careta. ─ Não estou nervoso. Respondi sua pergunta. ─ Você tem um problema com os homossexuais? Muitos tipos macho fazem. Me movi desconfortável. ─ Esta é uma conversa estranha para ter com um cliente. ─ Você não fala com seus clientes sobre o que eles querem? ─ Eu faço... mas... ─ Mas o que? É só sexo. Qual é o problema? A maioria das pessoas faz isso. ─ Eu sei. ─ Eu fodo com quem estou atraída. ─ Sim. ─ Eu ri sem duvida.

68


─ Você nunca me respondeu. Tem um problema com pessoas gays? Eu balancei minha cabeça. ─ Não. ─ Está certo sobre isso? Eu hesitei. ─ Sim. ─ Por que a hesitação? Não pude evitar e fiz uma careta para ela. ─ Você é a pessoa mais curiosa que já conheci. Ela sorriu. ─ Eu sei. Desculpe. ─ Me estudou. ─ Eu tenho bons instintos. Suspirei. ─ Significando o quê? ─ Você parece chacoalhado. Depois de terminar a filmagem, muitas pessoas pareciam aborrecidas, e muitos ficaram ligados. Mas você parecia assustado. Senti que estava sendo interrogado pelo FBI. Nunca conheci uma pessoa tão implacável no questionamento. ─ Priscilla, deixe de fazer tantas perguntas. ─ Só porque você parece tímido sobre sexo, vou contar minha história primeiro. Eu fiz uma careta. ─ Oh Deus. ─ Quando eu era mais jovem, pensei que simplesmente gostava de homens. Esta era uma maneira antes de começar a fazer pornografia. ─ Ela suspirou. ─ Eu era tão ingênua e pura. Não falei, me perguntando para onde diabos estava indo com isso.

69


─ Mas no meu segundo ano na faculdade, conheci essa garota. Seu nome era Rowena e ela era apenas diferente. Não consigo explicar isso, mas me deixou molhada. ─ Priscilla, não precisamos falar sobre isso. Ela estreitou os olhos. ─ Eu sinto que nós precisamos.─ Ela limpou a garganta. ─ De qualquer forma, nesse ano, descobri que minha atração sexual não era baseada apenas no gênero. Baseava-se em quem era a pessoa e se eles me deixavam quente. Rowena me deixou quente como nunca ninguém fez. Contra minha vontade, fiquei curioso sobre sua história. ─ Mas você sempre esteve com homens? Ela assentiu. ─ Esta não era a minha experiência porque também era faculdade. Eu estava genuinamente atraída por ela. ─ Hum. Ela sorriu. ─ Estou certa, não? ─ Sobre o quê? ─ Fiquei apagado. ─ Sobre você se sentir estranho por causa desses caras nus. ─ Vocês têm essas conversas com todos os seus guarda-costas? ─ Eu perguntei, passando um dedo no meu colarinho. ─ Sim. ─ Ela sorriu uma risada. ─ Eu sou super curiosa sobre a sexualidade das pessoas. Posso escrever um livro um dia. ─ Faça isso. Mas me deixe fora de sua pesquisa. Ela franziu a testa. ─ Você não é engraçado.

70


─ Estou aqui para protegê-la de fãs exagerados. Não estou aqui para falar sobre minha vida sexual. Não estou aqui para ser divertido. ─ Bem, isso é uma merda. Meus lábios se contraíram. ─ Se alguém tentar machucá-la, você ficará feliz por estar focado no trabalho. A limusine parou na frente do hotel e eu saí e caminhei com ela até a porta, onde o porteiro esperava. Ela se virou para mim e sorriu. ─ Até amanhã, Seth. ─ Até amanhã. ─ Eu voltei para a limusine. No caminho para casa, era difícil não pensar sobre o que Priscilla havia dito. Eu era possivelmente sexualmente fluido, mas nunca conheci um cara que me ligou antes? Pierce me afetou em um nível físico e emocional. Quando o conheci, ele me irritou porque era tão espinhoso. Mas agora, quanto mais estava ao seu redor, me interessava como pessoa. Queria conhecê-lo melhor, mas ele não queria isso comigo. Por que isso foi um problema para mim? Era ego? Entrei na casa. Podia ouvir a risada de Emily descendo pelo corredor do quarto dela. Meu coração aqueceu com o som, e quase odiava anunciar que estava em casa. Sabia que no momento em que me visse, ela provavelmente voltaria

para

sua

concha. Mas

estava em

minha

casa,

e

queria

desesperadamente mudar minhas roupas e relaxar. Parei na sua porta, e encontrei Pierce deitado em sua cama, enquanto Emily girou no centro da sala. Quando bati na batente da porta, Pierce olhou

71


casualmente e Emily congelou. A visão de Pierce deitado fez coisas estranhas para meu intestino, mas eu me concentrei em minha filha em seu lugar. ─ Estou em casa. ─ Obviamente, ─ Pierce murmurou. A irritação subiu na parte de trás do meu pescoço. Como ele poderia me irritar e me atrair ao mesmo momento? ─ Só não queria assustar ninguém e fazer com que pensassem que eu era um ladrão. Emily ainda não tinha falado, mas ela limpou a garganta e estendeu a bainha de sua roupa amarela. ─ O que você acha da minha nova saia? Surpreendido que ela se dirigiu diretamente a mim, me endireitei. ─ Eu gosto disso. É lindo. Ela olhou para ele. ─ Eu acho que é tão alegre. ─ Como foi seu primeiro dia de escola? Um sorriso feliz acendeu o rosto. ─ Foi ótimo. Todos eram tão gentis comigo. Ninguém era chato. Pensei que com certeza alguém seria. O alívio me encheu. ─ Isso é uma boa notícia. Novas escolas podem ser difíceis. ─ Então, depois da escola Pierce me levou para comprar mais roupas. Nós não conseguimos muito ontem porque compramos a roupa de cama e coisas. ─ Ela mordeu o lábio, como se estivesse preocupada com alguma coisa. ─ Estou feliz. Você precisa de roupas. Não pode ir à escola nua.

72


Ela riu. ─ Isso não seria bom. Pierce graciosamente rolou para fora da cama. ─ Está com fome? Te guardei um pouco no forno. Surpreso que ele pensou em mim, assenti com a cabeça. ─ Estou morrendo de fome. ─ Vá trocar de roupa e vou prepará-lo. ─ Ele passou por mim. Meu corpo zumbiu embaraçosamente apenas pelo toque de seu ombro contra o meu por esse breve segundo. Rezei para que Emily não conseguisse ver seu efeito em meu rosto. Uma vez que ele se foi, me senti estranho porque era só eu e Emily. ─ Você tem algum dever de casa? ─ Foi uma pergunta complicada. Ela estava tão feliz, por que diabos estava trazendo algo tão desagradável quanto a lição de casa? Ela franziu a testa. ─ Não. Mas a professora disse que vou amanhã. ─ Oh, tudo bem. ─ Normalmente eu era perfeitamente capaz de levar uma conversa. Mas quando se tratava da minha própria filha, me senti amarrado. Eu tinha tanto medo de dizer a coisa errada que acabei dizendo o que era errado. Emily se moveu para a pilha de roupas na cama. ─ Você... quer ver outras coisas que comprei? O prazer me atingiu e não estava tentando se livrar imediatamente de mim. ─ Oh, sim. ─ Eu soei um pouco entusiasmado, mas ela não pareceu notar. Entrei no quarto, parando perto da cama dela.

73


─Este é o meu favorito. ─ Ela sorriu timidamente enquanto segurava um suéter rosa. ─ Mamãe tinha um como este e quando eu vi isso, eu queria. ─ Estou feliz que você comprou. ─ Toquei o material difuso hesitante. ─ Eu posso ver sua mãe nisso. ─ Realmente? ─ Seus olhos estavam brilhantes. ─ Você acha que eu também ficarei bonita? ─ Absolutamente. ─ Assenti. ─ Você se parece muito com sua mãe. ─ Eu sei? ─ Sua voz era apenas um sussurro. Ela engoliu em seco e segurou o suéter em sua bochecha. ─ Isso é como o melhor possível. Eu queria abraçá-la, mas não ousei. Estávamos nos dando bem por uma vez e não queria arruinar isso. ─ O que mais você comprou? Ela suspirou e arrumou o suéter rosa, dando um toque suave. ─ Eu tenho três pares de jeans e um par de botas pretas. Pierce insistiu que eu tivesse as botas. ─ Ela me deu um olhar cauteloso. ─ Espero que esteja bem. ─ Tudo o que você quer está bem. ─ Eu odiava o quão desesperado soava. Deus, queria tanto me conectar com ela que simplesmente me senti como uma seiva carente. Felizmente, ela não parecia perceber o quanto eu era patético. Apenas deu uma risada e disse: ─ Então, se eu comprasse um cachorrinho, você estaria bem com isso? Eu fiz uma careta. ─ Talvez um dia. Eu meio que quero que nos conheçamos melhor primeiro. ─ Sim. ─ Ela assentiu. ─ E cachorros chamam muita atenção.

74


Pierce chamou, ─ Seu jantar está pronto! ─ Do outro quarto. Suspirei. ─ É melhor ir comer. Não quero que Pierce jogue minha comida no lixo, porque não fui rápido o suficiente. Ela riu. ─ Ele não faria isso. Disse que precisamos engordá-lo. Meu estômago virou-se para a ideia de que eles haviam discutido minha pessoa e como era minha aparência física. ─ Eu não sou magro. Ela encolheu os ombros. ─ Pierce sabe melhor. ─ É suposto ser o pai que sabe melhor. ─ Eu não acho que ele concordaria. ─ Ela riu. Eu sorri e caminhei para a porta. ─ Talvez eu a veja mais tarde esta noite. ─ Tudo bem, ─ ela disse distraidamente enquanto olhava para suas roupas novas. Fui ao meu quarto e mudei rapidamente para uma camiseta e um jeans. Então fui para a cozinha e encontrei Pierce ainda lá. Eu estava surpreso. Assumi que ele teria se apressado apenas para me evitar. Sentei-me à mesa e inalei o aroma do espaguete empilhado no meu prato. ─ Obrigado por pensar em mim para o jantar. ─ Dei uma mordida, curtindo o molho picante. ─ Havia extra. Ele pareceu maldisposto, então não respondi. Estava cansado e tive uma noite muito confusa. A última coisa que precisava era entrar em uma

75


discussão com Pierce no momento. Dei outra mordida e ele puxou uma cadeira em frente a mim. A expressão séria em seu rosto fez a comida quase ficar na minha garganta. Colocou as mãos sobre a mesa e se inclinou para mim. ─ Encontrei alguém para assumir o controle para mim. É local e tem muito mais experiência trabalhando com crianças. Pode começar depois de amanhã. Ele está emocionado por ter uma tarefa permanente. Eu não estava preparado para a decepção que senti em seu anúncio. Sabia o quanto não queria trabalhar para mim. Mas pensei que ainda estaria aqui pelo resto da semana, e a ideia de ter ido embora depois de amanhã me deixou entorpecido com decepção. Mas ao invés de mostrar isso, convidei meu alfa interno. Eu não queria parecer fraco. ─ Tenho alguma palavra a dizer sobre quem cuida de minha filha? Ele pareceu incomodo por minha reação. ─ O que? ─ Quem é esse cara? Eu preciso encontrá-lo. Você não pode apenas contratar alguém sem minha aprovação. ─ Mas... eu pensei que você estaria feliz. Eu fiz uma careta. ─ Porque eu estaria? Ele olhou para longe. ─ Porque... obviamente nós estamos batento as cabeças novamente. ─ É por isso que você está nos abandonando tão cedo? Ele dirigiu a cabeça para mim. ─ Eu não estou abandonando.

76


─ Claro que está. Você contratou um estranho para que possa fugir. ─ Balancei minha cabeça. ─ Mas talvez esse seja apenas o seu modus operandi. Seu rosto corou. ─ Foda-se você. Nem me conhece. Eu não estou fugindo. ─ Então feche a semana e prove que não está. Ele enrolou o lábio. ─ Não experimente comigo uma merda psicológica. ─ Você concordou em uma semana. Emily ficará com o coração partido se você sair cedo. Seu olhar piscou. ─ Eu também tenho que pensar em mim. Eu chupei e empurrei meu prato. ─ E você me chama de egoísta. Ele raspou a cadeira enquanto ficava de pé. ─ Eu pensei que você iria querer que eu fosse embora. Quanto antes melhor. ─ Por quê? Porque você e eu discutimos um pouco? Por favor. Acho que posso lidar com um ômega vocal por uma semana. Ele puxou as sobrancelhas escuras juntas. ─ Eu não entendo você. ─ Então somos dois. ─ Eu não tinha ideia se alguma coisa que eu dissesse tinha chegado até ele. Mas ainda estava consumido por um estranho desespero para fazê-lo ficar. Não podia imaginar por que de repente não queria que ele fosse embora. Mas eu sabia que não era só por causa de Emily.

77


Capítulo 5 Pierce A reação de Seth foi um choque completo para mim. Olhei para ele me sentindo solto. Tinha assumido, depois da noite passada, que ele iria me querer longe o mais rápido possível. Mas aqui estava lutando para eu não sair. Não consegui entender. ─ Você não pode dizer a esse cara que decidiu terminar a semana? ─ Perguntou Seth, seus olhos brilharam quando me estudou. ─ Não tenho certeza. ─ Bem, se ele é razoável, vai entender por que preciso entrevistá-lo, e por que Emily pode estar desapontada. Ela está muito ligada com você. Eu já sabia que Emily ficaria triste quando fosse embora. Não tinha tido o coração para dizer a ela que estava pensando em ir embora mais cedo. Exalei grosseiramente. ─ Você e eu não nos damos bem. Não é melhor eu simplesmente seguir em frente? Por que prolongar o estresse? Ele encolheu os ombros. ─ Eu te disse:Emily. Apertei meu olhar. ─ Estou disposto a aguentar você por minha filha. ─ Ele hesitou. ─ Além disso, ontem à noite você disse que, se te tocar novamente, então não terminaria a semana.

78


─ Eu sei o que disse. ─ Tinha tudo pronto e agora ele estava me fazendo repensar tudo. ─ Brad já pensa que virá aqui depois de amanhã. ─ Então acho que deveria ligar para ele. Você tem de sempre estabelecer uma reunião comigo. ─ Sabe, eu era um estranho quando me contratou. ─ Colin o conhecia. É diferente. ─ Não tão diferente ─ murmurei. ─ Se você me irritar demais, talvez não contrate este cara Brad. Franzi o cenho. ─ Isso só prejudicaria a você. Ele encolheu os ombros. ─ Você sabe o quão teimosos são os alfas. ─ Você é inacreditável. Não consigo entender o que está fazendo. ─ Examinei seu rosto sem emoção. ─ O que há para você? ─ Faz minha filha feliz. ─ Ele não encontrou meu olhar. ─ Tem certeza de que não gosta de me torturar? ─ Está dizendo que gastar tempo com Emily é tortura? ─ Ele sorriu. ─ Sabe que não é o que eu quero dizer. Ele recostou-se na cadeira. ─ Trabalho até as nove quase todas as noites desta semana. Talvez este cara Brad possa vir no sábado. Digamos por volta das dez da manhã? Meu estômago apertou do estresse. Queria fugir dele mais cedo porque algo sobre ele estava mexendo com minha cabeça e emoções. Desde a noite passada, tive que enfrentar o fato de que estava fisicamente atraído. Não

79


queria mais entreter esses sentimentos. Só queria fugir de volta ao meu mundo seguro e sem alfa. Talvez esteja fugindo. ─ Está bem. Vou ficar até domingo. Ele parecia satisfeito, um sorriso pairando em seus lábios cheios. ─ Estou feliz que esteja resolvido. Grunhi. Ele gesticulou para o assento que eu tinha desocupado. ─ Por que não me faz companhia enquanto como? ─ Sou contratado para babá de Emily, não seu. Sua risada me surpreendeu. ─ Vamos. Tive um longo e estranho dia. O estudei em silêncio. ─ Eu lhe disse que meu novo cliente é uma estrela pornô? ─ O quê? ─ Resmunguei. ─ Sério? Ele acenou com a cabeça ─ Minha mão para Deus. Puxei minha cadeira novamente e sentei. ─ Bem, isso é interessante. Porno hetero ou gay? Seu rosto estava tenso. ─ Boa pergunta. Eu pensei que era hetero em primeiro lugar. Havia dois rapazes e uma garota. ─ Certo.

80


─ Mas em um momento… ─ Ele riu rigidamente. ─ Um dos caras fez o outro chupar o seu... bem, você pegou a foto. ─ Os caras se foderam? Seu rosto parecia corado, e ele olhou para longe. ─ Eu não sei. Não estava lá por tudo isso. Algo sobre sua resposta auto-consciente chamou minha atenção. ─ Onde você foi? Ele engoliu em seco. ─ Foi muito. Eu precisava de uma pausa. Eu sorri. ─ Você foi embora? ─ Eu não o culpo. Quem diabos poderia assistir pornografia e não precisa se aliviar? ─ Foda-se. ─ Seu sorriso suavizou suas palavras, mas seu olhar foi guardado. ─ Você fez, não foi? Ele colocou o garfo com um estrondo. ─ Prefiro não falar sobre isso. Um pensamento desagradável me ocorreu. ─ Esta estrela pornô sua deu em cima de você? ─ Quando ele evitou o contato visual, eu tive minha resposta. ─ Não durmo com clientes atuais. ─ Então quando você diz “clientes atuais”... ─ Tive um mau gosto na minha boca. ─ Talvez, depois do trabalho, você possa fazer uma pequena coisa. Ele encolheu os ombros.

81


─ Você é um jogador depois de tudo. ─ Eu não tinha certeza do por que o estava atacando. ─ Não sei mais o que diabos sou. ─ Ele se recostou e encontrou meu olhar. Quando realmente o estudei, pude ver que ele parecia exausto. ─ Tudo o que faço é trabalhar e me preocupar com Emily. Sua admiração sincera chegou até mim. Sim, ele era um alfa, mas estava mais em contato com suas emoções do que qualquer outro alfa que conhecia. Quando ele era como estava agora, se tornava difícil não gostar dele. Sua vulnerabilidade passou pelo ômega em mim. Só porque nosso tipo não mudava mais, não significava que nossos lobos ainda não nos conduzissem. Nossos instintos ainda estavam muito no controle. ─ Você está indo bem. Ele fechou os olhos. ─ Estou? ─ Sim. Levantando as pálpebras, ele disse: ─ Ela falou comigo esta noite. Nem tive que incitá-la. Eu sorri. ─ Veja. Você está fazendo isso, Seth. Seus olhos se aqueceram. ─ Com ajuda. ─ Você não precisa de mim para se conectar com ela. Acho que se sente melhor comigo como um trampolim, mas não precisa de mim. Seu olhar piscou. ─ Ficaria surpreso. Eu não tinha certeza do que ele queria dizer, então apenas ri.

82


Ele fez uma careta e beliscou a pele na ponte do nariz. ─ Não sou eu ultimamente. Deve ser o estresse. ─ Alguma coisa no trabalho mudou, isso torna a coisa mais difícil? ─ Na verdade não. Acho que é principalmente apenas Emily. ─ Está avançando com ela, então tenha conforto nisso. Ele pegou o garfo e começou a comer de novo. Estudei seus belos traços enquanto mastigava, percebendo quão grossos seus cílios eram e o arco suave de suas maçãs do rosto. Ele era um daqueles homens em que quanto mais olhava, mais atraentes eram. Ele olhou para cima e me pegou observandoo. Desviei o olhar rapidamente, me sentindo envergonhado. Ele limpou a garganta. ─ Desculpe, por ter agarrado seu pulso na noite passada. Surpreso com suas desculpas, fiquei sem palavras por um momento. ─ Eu não quis dizer nada por isso. Só queria conversar e você estava saindo. Nunca machucaria você. Não sou esse tipo de alfa. Eu não esperava que ele levantasse esse incidente. Seu tipo costumava fingir que eram perfeitos, então não havia necessidade de discutir a possibilidade de que eles pudessem ter fodido. Mas ele não estava empurrando-o debaixo do tapete. Estava abordando isso de frente e até se desculpando. Quando não respondi, ele continuou: ─ Acho que outros alfas foram te machucando no passado. Eu não quero ser um deles. Prometo que nunca mais o tocarei, a menos que peça.

83


Eu fiz uma careta. ─ Porque eu faria isso? Sua risada era brusca. ─ Oh, você não faria. Eu apenas quis dizer... não importa. ─ Você quer dizer uma massagem ou alguma coisa? ─ Meus lábios se contraíram. ─ Eu não quis dizer que você quer que eu te toque... Deus, esqueça que eu disse alguma coisa. Suas bochechas cor-de-rosa fizeram-no parecer meio atraente, e isso me suavizou em sua direção. ─ Você é diferente de muitos alfas. ─ Eu sou? ─ Sim. Você se expressa melhor do que a maioria. Ele encolheu os ombros. ─ Minha mãe incentivou a comunicação. Meu pai não fez, mas minha mãe fez. Ela achava que você poderia resolver qualquer problema se simplesmente falasse. ─ Hã. Esse é um pensamento interessante. ─ Tudo o que sei é merda, nunca ajudou ninguém. ─ Você tem algum irmão? ─ Dois irmãos mais novos. ─ Ele olhou para cima. ─ Acredito que você disse que você era um único filho? ─ Sim. Ele ergueu as mãos. ─ Eu não vou empurrar.

84


Por qualquer motivo, não me incomodou compartilhar com ele no momento. Talvez porque parecia tão aberto. ─ Foi difícil quando minha mãe morreu. ─ Aposto. ─ Mas ter um irmão não teria feito isso melhor em longo prazo. ─ Eu acho que não. ─ Sei quanta falta ela sente, porque foi assim que senti. Mas ela tem sorte de ter você. Conheço muitos alfas que não teriam se incomodado. ─ Eu acho que a maioria estaria. ─ Você ficaria surpreso. ─ Ele terminou sua comida, então fiquei de pé e coloquei seu prato na pia. Ele seguiu, enchendo seu copo de água na geladeira. ─ Onde nas montanhas você viveu antes de chegar aqui? Meu estômago apertou e me afastei para que não pudesse ver minha expressão. ─ É um lugar minúsculo. Em nenhum lugar importante. ─ Eu tinha certeza de que ele não sabia sobre os ômegas eclipse solar. Poucos de nossos alfas e ômegas modernos sabiam. Isso significava que também não sabia sobre o composto nas montanhas onde íamos ter nossos bebês. Às vezes me ressentia que The Ancients insistisse em nos manter em segredo. Eles sentiram que nos tornava mais seguros se a maioria da população não soubesse sobre nossa capacidade de ter bebês. Apenas no caso de a doença não ter sido acidental, e no caso de ela voltar, o ômega eclipse solar foi forçado a ser um pequeno segredo sujo.

85


Se ele achava que eu estava sendo evasivo, não abordou isso. ─ Eu sou um menino LA, nascido e criado. A única vez que fui às montanhas foi esquiar. ─ Eu nunca esquiei. Ele alargou os olhos. ─ Você morou nas montanhas e nunca esquiou? Fiz uma careta. ─ Não nasci lá. Somente vivi lá no último ano ou assim. ─ Ahh. Então, de onde você é originalmente? ─ LA ─ Sequei minhas mãos em uma toalha. Eu realmente esperava que ele deixasse de fazer perguntas. Não queria pensar sobre o passado ou Baxter e todos os anos que ele me tinha sob o polegar. Não queria ser sugado de volta para a depressão e a desesperança que me tiveram no aperto durante os anos com ele. Se pensasse muito sobre isso, me corroía saber que ainda estava lá fora. Que nunca pagou pela forma como me usou e me machucou. Felizmente, Seth parecia inconsciente de minha turbulência interior. ─ Uma das grandes coisas sobre LA é o quão perto estamos do mar. Devemos levar Emily ao oceano. O encarei, me sentindo agitado por meus pensamentos negativos de Baxter, mas tentando ocultá-lo. ─ Sim, você deve fazer isso com Brad. Não poderei ir. Emily tem a escola toda a semana e estará entrevistando Brad no sábado. Então eu vou embora no domingo. Ele franziu a testa. ─ E se eu não gostar de Brad? ─ Não há nenhuma razão para não.

86


─ Ok, mas vamos dizer que ele não clica comigo e não quero contratá-lo. Você realmente vai embora? ─ Concordei com uma semana. Movendo-se mais perto, ele ficou perplexo. ─ Mas, se nos entendemos bem, por que você precisa sair? ─ Eu só preciso. Era impossível explicar por que não queria ficar e por que não confiava nele, sem ter que falar sobre meu passado. Como tinha sido usado pelos alfas para seu próprio prazer, até que não conseguia suportar a visão ou o cheiro de outro alfa. Foi só depois de estar no complexo por um tempo que eu chegaria até o ponto em que poderia estar na mesma sala com um alfa sem querer agarrar seus olhos. ─ Compreendo. Meu peito apertou em sua resposta agradável. Ele não compreendia nada. Mas parecia disposto a aceitar minha resposta. Se eu tivesse sido uma pessoa mais confiante, isso teria me deixado aberto para ele. Mas tinha sido enganado um tempo demais por alfas encantadoras, aparentemente inofensivas, apenas para encontrar porcos brutos e egoístas uma vez que me tinham sozinho e vulnerável. Por tudo o que sabia, talvez ele estivesse se comportando agora porque Emily estava na casa. Era perturbador o quanto as pessoas eram diferentes quando pensavam que ninguém podia vê-las ou ouvilas. ─ Bem… ─ Ele fez uma careta. ─ Obrigado por me salvar um jantar.

87


Dei de ombros. ─ Eu gosto de cozinhar. ─ Eu odeio isso. ─ Brad cozinha. Ele franziu a testa. ─ Impressionante. Eu ri. ─ Ele é um bom cara. ─ Eu sinto que você está me preparando para um encontro às cegas, e não quero continuar. Em seguida, você vai me dizer que ele tem uma grande personalidade. ─ Ele tem. Melhor que a minha, com certeza. ─ Eu gosto de como você é. ─ Ele pareceu sincero. Devolvi seu olhar. ─ Você mal conseguia me encarar apenas alguns dias atrás. ─ Você ficou bastante arredio quando o conheci. ─ Ele mordeu o lábio inferior. ─ Parece mais maduro agora. ─ Acho que é o contrário. Ele levantou um ombro. ─ Talvez nós simplesmente nos entendemos um pouco melhor. ─ Talvez. ─ Estou feliz, ─ ele disse suavemente. ─ Não vejo por que os alfas e ômegas não podem ser amigos. ─ Eles podem ser. Eu apenas prefiro não estar em torno de alfas. É o meu próprio problema.

88


Ele suspirou. ─ Eu quero perguntar por que. Quero saber por que. ─ Ele franziu a testa e virou as costas para mim. ─ Mas sei que não é da minha conta e você não me dirá se eu perguntar. ─ Não. Eu não faria. Não é informação que você precisa saber. ─ Como você conhece esse cara Brad? ─ Ele mudou o assunto abruptamente. Eu hesitei. ─ Através de um amigo comum. ─ Ele fala muito? Não gosto quando as pessoas falam demais. ─ Não o conheço tão bem. Mas ele tem referências impecáveis e, como eu disse, tem muito mais experiência de assistência infantil do que eu. Me dou bem com as crianças, mas realmente só tenho feito isso há mais de dois anos. Mesmo assim, foi muito casual. ─ Descobri que, no complexo, eu tinha facilidade para me relacionar com alguns dos ômegas e seus filhos. Mas foi tudo muito orgânico, e ainda não tinha certeza de como seria em uma posição organizada. Me liguei facilmente com Emily porque sua situação refletia a minha própria de muitas maneiras. Como eu faria com outras famílias, não fazia ideia. ─ Emily não vai se preocupar com suas credenciais. ─ Eu sei. Mas conversei com ele no telefone por mais de uma hora. Parece realmente ótimo. Ele exalou. ─ Eu realmente espero que goste dele. Caso contrário, estou ferrado.

89


Ele pareceu tão desmoralizado que eu disse: ─ Olha, se vocês dois se odiarem completamente, vou ficar até encontrar alguém. ─ Realmente? ─ Ele ficou assombrado. ─ Você faria isso? ─ Não vá tentar pegar uma briga com o cara apenas para me fazer passar mais tempo. ─ Franzi a testa. ─ Não quero ficar. Quero que você compreenda isso completamente. Mas se vocês dois realmente são incompatíveis, então vou te dar um pouco mais de tempo para encontrar outra babá. O alívio que lavou suas características foi surpreendente. Seu rosto inteiro se iluminou. ─ Isso significa muito, Pierce. É um desafio ter Emily aqui, e aprender a ser um pai, sem ter que viver com alguém que não aguento. ─ Apenas dê a Brad uma chance justa. Ele assentiu. ─ Eu vou. Prometo. Seu tom gentil e sua expressão grata faziam coisas estranhas para meu coração. Se eu não soubesse com que facilidade as pessoas poderiam enganálo, teria tentado ficar mais tempo. Eu sabia que era provavelmente meu instinto ômega chutando. Era natural querer uma família e pertencer a um alfa. A única razão pela qual era adverso a isso foi por causa de como Baxter me tratara. Ele me deformou e danificou meu desejo natural de pertencer a um alfa. Em vez disso, me fez detestá-los e temê-los. Logicamente, eu sabia que todos os alfas não eram como os que Baxter tinha empurrado para mim. Mas quando mesmo os aparentemente agradáveis tinham estado tão dispostos a me usar para seu prazer carnal, definitivamente tinha feito um número na minha capacidade de confiar.

90


Os pratos estavam limpos e não havia razão real para eu ficar na cozinha. ─ Eu vou para a cama. Tenha uma boa noite, Seth. Ele se aproximou e peguei o cheiro de sua colônia misturada com a transpiração do longo dia. Seu olhar estava alerta e seus músculos tensos. Tive a sensação mais estranha que ele quase estava testando por estar tão perto de mim. Não tinha certeza do por que ou o que o faria fazer isso, mas ele tinha um olhar engraçado em seu rosto. ─ Tenha uma boa noite também, Pierce. ─ Sua voz era baixa. Me assustou um pouco que meu pênis se agitou no olhar em seus olhos. Não fiquei realmente atraído por um alfa em um longo tempo. Mas definitivamente havia algo sobre Seth que me atraiu e me fez sexualmente consciente. Minha pele eriçou quando os cabelos na nuca do meu pescoço endureceram. A atração indesejada me alarmou e me afastei dele. Precisava de algo para nos distanciar. Havia uma intimidade bizarra que crescia entre nós. Podemos ter começado repugnando um ao outro, mas em algum lugar ao longo do caminho mudamos para quase gostar um do outro. Isso foi chocante e indesejável. A última coisa que eu precisava era sentir sentimentos reais por um alfa. Especialmente um alfa hetero. Então, quando falei, fiquei seguro de lançar um tom sarcástico. ─ Boa sorte com sua estrela pornô amanhã. Ele estreitou os olhos e deu uma risada ríspida. ─ Obrigado. Ela não é realmente minha estrela pornô. ─ Você sabe o que quero dizer ─ Eu me dirigi para a porta.

91


─ Na verdade não. Geralmente sou muito perdido quando se trata de você, Pierce. E é assim que eu gosto disso. Dei de ombros e saí da cozinha.

92


Capítulo 6 Seth Normalmente, ia direto para casa depois do trabalho, mas hoje à noite, decidi passar pela casa de Colin e Riley. Minha desculpa foi falar sobre como desafiador era ser um pai para Emily, mas a realidade era que queria bombear Colin para obter informações sobre Pierce. Me sentia motivado a compreendê-lo mais, e a única maneira de fazer isso era conhecer seu passado. Mas Pierce não iria compartilhar nada, o que frustrou o inferno fora de mim. Colin pareceu surpreso quando abriu a porta. ─ Acho que cair em mim está se tornando um hábito? Eu ri timidamente. ─ Eu sei. Desculpa. ─ Não me importo. Eu gosto da companhia. Olhei ao redor. ─ Onde está o bebê? ─ Adormecido. Ele vai para a cama às oito. ─ Ele acenou para entrar na casa. ─ Riley está no estúdio de gravação esta noite. ─ Ah. A vida de uma famosa estrela da música. ─ Ele tem algumas excelentes músicas novas. ─ Colin sorriu com óbvio orgulho. ─ Ele é um bastardo talentoso. Concordando, Colin disse: ─ Não finja que você ouve sua música.

93


Eu franzi o cenho. ─ Eu escuto. Baixei uma manchete de suas músicas. Saiba que Emily ama suas coisas. ─ Isso é bom ouvir. ─ Ele sorriu. ─ A que devo a honra a sua visita? Duas vezes em uma semana, isso deve ser um registro. Fazendo cera, coloquei minhas mãos nos meus bolsos. ─ Você é um dos poucos ômegas que conheço inteligente o suficiente para me ajudar. Ele me levou para a grande sala familiar e nos instalamos nos sofás. ─ Sobre o que? ─ Paternidade ─ Evitei seu olhar. Ele riu. ─ Não é como se eu fosse um especialista. Garrett tem apenas um ano de idade. ─ Verdade. Mas você tem mais experiência do que eu. ─ Eu suponho. ─ Ele endireitou. ─ Oh, você quer uma bebida ou qualquer coisa? ─ Não. Estou bem. ─ Eu não tinha certeza de como abordar o assunto de Pierce. ─ Como você e Emily estão se dando? ─ Melhor. Os dois primeiros dias foi como se eu fosse um ogro para ela. Mas lentamente está se abrindo para mim. Ainda não chegamos ao estágio de abraço, mas acho que vamos chegar lá. ─ Eu ri. ─ Eventualmente. ─ Sem pressa. ─ Sim. ─ Eu suspirei.

94


Ele limpou a garganta. ─ Então, como é você e Pierce estão se dando? Eu dei uma pequena risada, tentando chamar a coragem para lhe fazer algumas perguntas sobre meu enigmático homem. ─ Eu serei honesto com você, é por isso que estou aqui. Ele sorriu. ─ Eu imaginei. ─ Eu ia tentar fingir que era tudo sobre Emily, mas você é muito inteligente. ─ Hum, você está deitado muito bem. Isso deve ser sério. ─ Ha. Ha. ─ Ainda quer estrangulá-lo? Suspirei, fazendo uma careta. ─ Tenho meus momentos. Ele está realmente fechado. ─ Sim. Não tinha certeza do por que era tão difícil só fazer algumas perguntas sobre Pierce. Não era como se queria o código da conta de Pierce. Enfrentei seu olhar curioso e dei outra risada curta. Colin inclinou a cabeça. ─ Você está me deixando louco aqui. Seu rosto está vermelho e parece que está prestes a ter um acidente vascular cerebral. ─ Mesmo? ─ Sim. O que está acontecendo com Pierce que você está tão estressado?

95


Eu exalei, tentando relaxar. ─ Eu não sei. Nós temos um relacionamento estranho. Parecíamos não gostar um do outro quando nos conhecemos... mas agora há mais uma conexão real. Eu não chamaria exatamente de amizade. ─ Não? ─ Sinto que preciso saber mais sobre seu passado. Você aludiu a algo no primeiro dia em que o conheci, algo sobre ele se recusando aos alfas. Estou esperando que possa obter alguns detalhes de você por que ele é assim. Talvez apenas qualquer coisa que me ajude a conectar com ele. ─ Não tenho certeza de que ele me agradeça, dizendo-lhe o seu negócio. ─ Não é como se eu quisesse chantagear o cara. Quero poder me relacionar melhor com ele. É como se quase gostasse de mim um minuto, mas então me odeia no próximo. É realmente confuso. ─ Estou surpreso por você. Ele só está lá até domingo, certo? ─ Sim. Mas é como quatro dias. Seria bom se pudéssemos vincular mais. Ele sorriu. ─ Desde quando quer se unir com um ômega? Especialmente um ômega masculino. O calor encheu minhas bochechas. ─ Boa pergunta. A expressão de Colin era estranha. Ele estreitou os olhos. ─ Você... você gosta de ter sentimentos por ele? ─ O que? Foda-se, não. ─ Eu não tinha ideia do que eu sentia por Pierce e não estava pronto para começar a falar com ninguém sobre isso

96


também. Além disso, não havia nenhuma maneira no inferno que estaria dizendo a Colin, ou a alguém, sobre esse momento estranho no set pornô. Ele parecia não convencido. ─ Não é grande coisa se é você. Mudei de forma desconfortável. ─ Só quero poder passar por ele. Mordendo seus lábios, Colin sentou-se e cruzou as pernas. ─ Você sabe que eu não o julgaria, certo? Sou melhor amigo de Blade e Wyatt. Eles não estavam em caras até se conhecerem. Eu sabia que parecia desconfortável. Meu rosto parecia rígido e quente. ─ Admitirei alguns sentimentos confusos. Mas não é por isso que estou aqui, certo? Realmente gosto e respeito Pierce. Ele é incrível com Emily. O problema é que eu sinto que tenho que andar em cascas de ovo com ele. Não o entendo. Não sei o que desencadeia isso. Inclinando lentamente, ele disse: ─ Tudo bem. Você parece sincero e essa é a única razão pela qual sinto que posso dizer qualquer coisa. ─ Sou sincero. Sei que tem que haver uma razão pela qual está tão fechado comigo. Se soubesse o que era, talvez pudesse melhorar melhor seu humor. ─ Eu acho. ─ Ele respirou fundo. ─ Ele é principalmente um solitário. Tem estado sozinho desde que tinha dezessete anos. ─ Quando sua avó morreu? ─ Certo. ─ Colin enrugou sua testa. ─ Depois que ela morreu, ele conseguiu um emprego trabalhando servindo mesas neste pequeno lugar

97


italiano que não se preocupava com as leis trabalhistas. Também estava bem. Alugou um quarto e estava economizando dinheiro. ─ Certo. Sua expressão endureceu. ─ Então ele conheceu Baxter. ─ Emily mencionou um alfa de Pierce que virou ruim. Isso teria sido o Baxter? ─ Oh sim. Se há uma palavra que descreve Baxter com precisão, é “ruim”. ─ Colin encontrou meu olhar. ─ Ele fingiu ser o cavalheiro perfeito. Tratou Pierce como ouro e realmente o enganou. Talvez um ômega mais velho teria sabido que ele estava cheio de merda, mas Pierce era jovem e ingênuo. Se apaixonou por Baxter, e foi aí que começou seu pesadelo. Eu quase tive medo de ouvir mais. A imagem de Pierce, inexperiente e vulnerável sendo aproveitado foi desagradável. Eu só conhecia o Pierce amargo. O Pierce guardado. Tinha vislumbres minúsculos de seu lado mais gentil com Emily, mas comigo quase sempre teve seu escudo. Como teria sido se o conhecesse antes de mudar? ─ Então, o que esse Baxter fez com ele? Suspirou. ─ Deus, Pierce vai literalmente rasgar minha cabeça se descobrir que eu falei com você. Eu fiz um movimento de zíper com meus lábios. Enrugando a testa, ele disse: ─ Baxter tinha um estábulo de ômegas. ─ Realmente? ─ Eu franzi o cenho.

98


─ Sim. Ele iria cultivá-los para os alfas da baixa vida que gostavam de fazer uma merda sutil que seus próprios ômega nunca concordariam. O sangue escorreu de meu rosto e um arrepio passou por mim. ─ Ele fez isso com Pierce? Colin deu um rápido aceno de cabeça. ─ Pierce aturou isso por três anos. Estreitei meus olhos. ─ Que diabos? Por quê? ─ Ele não sabia como sair. Estava aterrorizado. Baxter usou drogas para manter os ômegas na fila. Então Pierce era viciado em heroína e com muito medo de tentar sair. ─ Jesus ─ Me senti doente no meu estômago. ─ Eu sei. É horrível. ─ Porra. Não admira que ele odeia alphas. ─ Esfreguei minha mandíbula, tentando afastar a ideia de Pierce sendo abusado do meu cérebro. ─ Ele se odeia por não fugir mais cedo. ─ Não. Isso é louco. Quem sabe o que qualquer um faria naquela situação? ─ Balancei minha cabeça. ─ Jesus. ─ Eu te escuto. ─ Mas obviamente, eventualmente, escapou. ─ Ele só saiu porque um dos alphas bateu tanto nele que Baxter pensou que estava morto. Ele despejou seu corpo nas montanhas e alguns... alguns

99


ômegas que... viviam ali, o encontraram. Cuidaram dele e lhe devolveram à saúde e foi aí que o conheci. ─ Na montanha? ─ Eu fiz uma careta. ─ Sim. ─ Seu tom parecia sem emoção e ele evitou meu olhar. ─ Onde nas montanhas? ─ Apenas um lugar. Eu franzi o cenho. ─ Qual é o grande segredo dessas montanhas? Pierce tem o mesmo olhar secreto em seu rosto quando as mencionou. ─ Eu não sei do que você está falando. ─ Sim, certo. ─ Eu balancei minha cabeça. ─ Então, os policiais prenderam esse cara Baxter? ─ Não. ─ O quê? ─ Eu praticamente gritava. ─ Por que diabos não? ─ No momento em que Pierce foi curado o suficiente para contar sua história, Baxter haviam fugido. A única coisa boa sobre tudo isso é que os outros ômegas foram resgatados também. ─ Claro, mas... é uma besteira que Baxter acabou de sair com isso. ─ A raiva passou por mim. Adoraria agarrar a garganta de Baxter naquele momento. ─ Eu sei. É difícil para Pierce aceitar. ─ Claro. ─ Eu franzi o cenho. ─ Esse idiota provavelmente está fazendo o mesmo com outros ômegas em outro lugar.

100


─ Espero que não. ─ A porra doente como isso só irá virar uma nova página. ─ Eu ainda me sentia enjoado com o que Pierce tinha passado. Esfreguei o rosto. ─ Deus, pobre Pierce. ─ Sim. ─ Ele estremeceu. ─ Lembre-se, ele iria me matar se soubesse que lhe falei sobre isso. ─ Colin, relaxe. Não estou planejando dizer que sei algo. Mas sinto muito mais compreensão sobre o por que ele poderia pensar que eu poderia potencialmente ser uma merda falsa. ─ Mas você não é. ─ Não. Mas depois que você teve sua confiança abalada assim... ─ Balancei minha cabeça. ─ Eu não sei como você conseguirá voltar. ─ Realmente espero que ele chegue lá. É ótimo com crianças e merece um alfa e uma família inteiras. ─ Uh, sim. Definitivamente. Meu estômago apertou estranhamente ante a ideia dele com seus próprios alfa e crianças. Colin me estudou. ─ Então, agora você sabe o que o faz ser do jeito que é. ─ Mais do que esperava. Mas ele é um pouco complicado. Como eu disse, às vezes, acho que nós poderíamos ser amigos e então ele encerra. Mas pelo menos agora sei por quê. Não é realmente pessoal. ─ Falando de pessoal... ─ Colin sorriu maliciosamente. ─ Ouvi dizer que você foi designado com Priscilla Corbin.

101


Eu ri. ─ Aka Dirty Destiny. ─ Eu sempre me pergunto por que as estrelas pornográficas têm nomes de palcos. ─ Porque eles são artistas. Ele revirou os olhos. ─ Se você diz. ─ Confie em mim, ela está se apresentando. No orgasmo poderia ser tão bom quanto ela finge. ─ A memória repentina da punheta pensando em Pierce me veio à mente. Você tem certeza disso? ─ Bem, você é o especialista. ─ Ele sorriu. ─ Dormiu com quase todas as ômegas femininas que conhece. ─ Você me faz parecer um homem-prostituta. ─ Não. Você gosta de jogar no campo. Muito. ─ Sempre foi um campo muito acolhedor. Colin sorriu. ─ Então está vendo alguém agora? Eu fiz uma careta. ─ Não. E desde quando eu realmente “vejo” as pessoas? ─ Você tem trinta e cinco anos. Eu assumo que em algum momento, mesmo você sentirá a pressão para reivindicar um ômega e se estabelecer. ─ Não conheci ninguém que me faz querer isso com eles. ─ Todos são diferentes. Isso acontecerá quando estiver pronto.

102


Meus pensamentos se voltaram para Pierce. Ele poderia se estabelecer com um alfa? Estaria condenado a viver sozinho toda a sua vida por causa do que Baxter lhe fizera? Algum alfa o desejaria se soubesse o que aconteceu com ele? Ou o consideraria um bem usado? ─ Será que o uso de drogas de Pierce deixou qualquer dano permanente? ─ Perguntei em voz baixa. Colin inclinou a cabeça com um pequeno sorriso engraçado. ─ Você quer falar sobre Pierce um pouco mais? Dei de ombros. ─ Por que não? ─ Sem motivo. ─ Então, não? ─ O fígado e os rins parecem bons. Mas quem diabos realmente sabe? Essa merda pode surgir quando ele envelhecer. Desconforto

afundou-me

no

pensamento

de Pierce morrer

de

problemas de saúde associados a partir de seus anos com Baxter. ─ Espero que ele esteja bem. Colin soltou uma risada afiada. ─ Merda. Você realmente se importa com ele. Meu rosto se aqueceu. ─ Isso é uma coisa ruim? ─ Não. Mas é uma coisa surpreendente. ─ Só porque durmo com qualquer um, não significa que não tenho um coração.

103


─ Tenho a sensação de que seus inúmeros ex-amantes talvez não concordem. Eu resmunguei uma risada rancorosa. ─ Você está amando me dar uma dificuldade esta noite. ─ Eu prefiro aproveitar. Olhei para meu relógio. ─ Porcaria. É melhor eu chegar em casa. Ele levantou as sobrancelhas. ─ Pierce tem você em um laço apertado. De pé, eu suspirei. ─ Muito engraçado. Quero ver Emily antes de ir para a cama. ─ Uh, hein. Claro que você não quer apenas passar algum tempo de qualidade com o seu babá sexy? Eu franzi o cenho. ─ Basta, Colin. Ele ergueu as mãos. ─ Basta lembrar, se decidir que anda nos dois sentidos, não há julgamento aqui na minha casa. Eu franzi o cenho, indo em direção à porta. ─ Lembre-me novamente por que somos amigos? ─ Porque você me ama. ─ Oh, sim. ─ Eu sorri. Ele abriu a porta para mim e subi os degraus, indo para meu carro. ─ Ei, você conhece esse garoto Brad que Pierce alinhou para tomar seu lugar? Ele franziu a testa. ─ Brad? Não posso dizer que soa um sino. ─ Ok. ─ Eu deslizei atrás do volante e dirigi pelo longo caminho.

104


Quando cheguei a casa, Pierce estava no sofá na sala da frente com os pés ondulados sob ele. Emily estava no chão assistindo a TV. Ambos ficaram tensos quando entrei, o que me incomodou. Tentei tanto ser agradável e, no entanto, eles sempre agiam como se fosse o diretor que estava prestes a enviálos para a cadeira elétrica. ─ Olá. ─ Eu forcei com alegria. ─ Oi ─ disse Emily, me dando um pequeno sorriso. Pierce não disse nada, mas balançou a cabeça. Me dirigi pelo corredor para poder trocar de roupa. Minha conversa com Colin continuou em minha mente. Fiquei agradecido por ele ter compartilhado o que sabia. Esperava que me faria mais capaz de conectar com Pierce. Ou, pelo menos, não levar nada que ele fez para o lado pessoal. Uma vez que me troquei, entrei na cozinha. Fiquei surpreso quando Pierce se juntou a mim. ─ Conservei seu jantar quente. ─ Sua voz não tinha emoção quando abriu a porta do forno. ─ Oh, obrigado. Planejei mais cereais esta noite. Ele suspirou. ─ Eu estava com medo disso. ─ Colocou luvas de forno e pegou cuidadosamente um prato das prateleiras. Então o levou para a mesa da cozinha. ─ Pegue um garfo. Segui as instruções e me sentei a mesa. Quando ele colocou o prato na minha frente, era difícil não notar que usava calção. Lutei para não olhar suas pernas musculosas, e me senti confuso sobre o quê eu queria. Talvez teria olhado para as pernas de todo o indivíduo, mas porque eu estava agora

105


paranoico sobre possíveis sentimentos por Pierce, estava pensando demais sobre isso? Era a mesma coisa de dizer a palavra zebra, mas dizendo a alguém para não pensar em uma zebra. Eu estava colocando muita importância em meus sentimentos sobre Pierce. Só precisava relaxar e tratá-lo como qualquer outro ômega. Ômega masculino. Porque geralmente fodi as ômegas femininas que conheci. Obtenha-se sob controle. Eu grunhi contra o ridículo redemoinho de pensamentos passando por meu cérebro. ─ É lasanha ─ disse Pierce, ainda pairando. Eu realmente queria que ele se afastasse para que pudesse parar de me obcecar em não olhar suas pernas. ─ Cheira bem. ─ Tenho certeza de que está ótima porque fui eu que fiz. Eu ri e coloquei uma garfada na minha boca. Estava delicioso e acenei com a cabeça com aprovação. Uma vez engolido, eu disse: ─ Nunca tenho refeições caseiras. Duas vezes em uma semana é bastante surpreendente. Ele voltou para o fogão e o fechou. Então tirou as luvas do forno. ─ Como eu lhe disse, Brad cozinha. Espero que ele consiga mais carne nos seus ossos. Minhas bochechas aqueceram no pensamento de Pierce perceber se eu estava magro ou não. Se fosse honesto comigo mesmo, gostava que ele me tivesse verificado. Mas realmente não queria examinar o que isso poderia significar para mim. Engoli mais comida, só que não fiquei falando. Quase

106


tinha medo do que poderia sair de minha boca depois de tudo o que Colin compartilhara comigo. Quando Pierce saiu da sala senti uma mistura de alívio e decepção. Terminei minha comida escutando Emily e Pierce conversando na sala da frente. Não consegui ouvir o que disseram, mas suas vozes eram suaves e até mesmo, como se estivessem confortáveis um com o outro. Me perguntava como Emily ficaria com Brad. Se ela voltasse para sua concha, isso iria chupar. Eu estava apenas começando a ter fragmentos de conversa e sorrisos dela. Depois de terminar minha refeição, enxaguei o prato e me juntei a eles na sala de estar. Sentei-me na ponta do sofá longe de Pierce, colocando meus pés em cima do grande pufe. Emily continuou me atirando olhares sorridentes e depois da quinta vez tive que rir. ─ Eu tenho comida no meu rosto? ─ Perguntei, sorrindo e limpando meu queixo. ─ Não. ─ Emily riu. ─ Ela tem algo que quer lhe perguntar ─ disse Pierce, dando a Emily um olhar aguçado. Emily parecia tímida agora. ─ Você não pode perguntar por mim? Pierce fez uma careta. ─ Não. Você pode fazê-lo. Ele não vai morder. ─ Sim. Provavelmente não vou morder. ─ Me obriguei um sorriso. Ela fez uma careta. ─ Bem... um... ─ Você precisa pedir dinheiro emprestado? ─ Eu ri.

107


─ Não. ─ A boca dela estava tensa. ─ Um... bem... ─ Emily. Basta perguntar. ─ Pierce soou exasperado. Ela suspirou. ─ Bem... uma das meninas da minha classe, Susan, ela me convidou para uma festa de pijamas amanhã à noite. ─ Sua voz balançou e ela piscou para mim. ─ Realmente? ─ Fiquei feliz por estar fazendo amigos, mas preocupado com a ideia de que ela fosse até a casa de algum estranho. Essa horrível história que Colin me contou sobre Baxter não me tranquilizou exatamente sobre a bondade dos estranhos. ─ Ela é muito legal. Tem o cabelo da mesma cor que o meu. Ela pode até fazer uma trança francesa. ─ De jeito nenhum! ─ Fiquei inchado. Pierce bufou. Emily riu timidamente. ─ Você está se divertindo comigo? ─ Talvez. ─ Eu sorri. Ela parecia não aprovar no início, mas, em seguida, deu um sorriso travesso. ─ Eu acho que tenho o meu lado de você. Eu bati minha mão sobre meu coração. ─ Isso não é legal. ─ Exatamente. ─ Ela sorriu. ─ Bem feito. ─ Pierce deu um tapinha no ombro dela, e enxugou uma lágrima falsa. ─ Eles crescem tão rápido.

108


Eu ri e segurei seu olhar divertido, uma estranha vibração no meu intestino. Apertando minha mandíbula, me concentrei na minha filha. ─ Então, você se sentiria confortável em passar a noite nesta casa de garotas? Emily assentiu com a cabeça. ─ Sim. ─ Você tem o número de seus pais? Parecia confusa. ─ Por quê? ─ Eu quero ter certeza de que realmente não há uma piada. ─ Bem, por que haveria? ─ Emily arrumou sua sobrancelha. ─ Eu era jovem uma vez. As crianças inventam histórias para que possam fazer coisas que os adultos não querem que elas façam. ─ Eu não faria isso. ─ Eu tenho certeza que você não faria. Mas não conheço Susan. Simplesmente me sentiria melhor se conversasse com seus pais e eles pudessem me tranquilizar. Não quero que nada de ruim aconteça com você. ─ Oh. ─ Ela assentiu. ─ Bem, eu posso enviar uma mensagem a Susan e pedir-lhe o número de seus pais. ─ Sim. Por favor. Pierce levantou uma sobrancelha escura. ─ Olhe para você ser todo pai e tudo. ─ Eu posso ser novo nisso, mas levo meus filhos e o fato de era pai muito a sério. ─ Lambi meus lábios. ─ Uau, isso foi um tornado de língua. Sua expressão era estranha quando ele puxou o olhar da minha boca.

109


─ Ok. Eu mandei uma mensagem para ela ─ disse Emily. ─ Obrigado. ─ Eu suspirei. ─ Há muitas pessoas horríveis lá fora. Você nunca pode ser muito cuidadoso. ─ Não. ─ A voz de Pierce foi abafada. Me perguntei se ele estava pensando em seu tempo com Baxter porque ele parecia desconfortável. Me sentei e assisti TV com eles por um tempo, mas estava exausto e tive problemas para manter meus olhos abertos. Eventualmente, admiti a derrota, fiquei de pé e me estiquei. ─ Eu vou para a cama. Emily também estava parada. Ela parecia insegura, mas deu alguns passos em minha direção. ─ Um... obrigado, pai, por me deixar morar aqui e também por me permitir dormir. ─ Ela envolveu seus braços em volta da minha cintura. Fiquei tão surpreso, demorou um segundo para encontrar minha voz. Eu a acariciei, abraçando as costas. ─ Oh, hum, claro, querida. Quero dizer, eu quero você aqui. Não precisa me agradecer. E quanto à festa do pijama, bem, esse é o tipo de coisa que as crianças da sua idade provavelmente fariam, certo? Ela assentiu. ─ Eu acho que sim. ─ Ela engoliu em seco e soltou-me. ─ Esta é a minha primeira festa. ─ Realmente? ─ Eu estudei seus traços tensos. ─ Sim. Eu estou nervosa. Mas se disser não, então talvez Susan não me convidará mais.

110


─ Mas você quer ir à festa do pijama? ─ Perguntou Pierce, apertandolhe o ombro. ─ Sim. ─ Ela deu um pequeno suspiro. ─ Quero ser como outras crianças. De uma vez. Ele assentiu. ─ Claro. Todo mundo quer se encaixar. Eu olhei para ele, incapaz de não pensar em toda a merda que teve que passar com Baxter. ─ Sim. Mas às vezes isso precisa ser o certo a fazer pois pode nos colocar em problemas. É importante não confiar nas pessoas apenas porque elas são agradáveis para nós ─ eu disse suavemente. Quando ele olhou para cima e me encontrou observando-o, algo no rosto mudou. Um susto de suspeita pareceu passar por seu olhar, mas não falou. Emily olhou para o telefone dela. ─ Susan apenas me enviou o número de telefone dos pais se você quiser? ─ Sim. ─ Ela leu o número para mim e salvei no meu celular. ─ Vou ligar para eles amanhã. Mas tenho certeza de que tudo está bem, e você poderá ir à festa. ─ Tudo bem. ─ Emily se endireitou. ─ Mesmo que eu esteja nervosa sobre isso, é bom fazer coisas fora da sua zona de conforto. ─ Você está certa. ─ Eu acenei com a cabeça, acariciando sua cabeça torpemente. Esperava que essa coisa de carinho ficaria mais fácil com o passar do tempo. ─ Bem, vou dormir agora. Boa noite. ─ Me virei e fui para meu quarto, e uma vez que cheguei lá, tirei minha camisa. Houve uma batida

111


suave na minha porta e quando abri uma fresta, encontrei Pierce parado lá. Seus olhos eram pedregosos e sua boca tinha a mesma linha dura do início. ─ Alguma coisa errada? ─ Perguntei, abrindo a porta mais larga. Ele me surpreendeu quando entrou no quarto e fechou a porta atrás dele. ─ O que está acontecendo? ─ Perplexo com o comportamento dele, segurei minha camisa sobre meu peito nu, como uma maquinista esquisito, representado por piratas. Ele passou uma mão sobre seus cabelos espinhosos. ─ Onde você estava hoje à noite? ─ Eu sinto muito? Ele resmungou. ─ Você costuma chegar a casa ao mesmo tempo todas as noites como um relógio. Fiquei desprevenido por quão agitado parecia. ─ É um problema para você que eu estava atrasado? ─ Não. ─ Ele engoliu, seus olhos brilhantes. ─ Não é a parte atrasada. É onde você esteve. Eu dei uma risada rude. ─ Por que é esse o seu negócio? Ele hesitou, parecendo incerto. ─ O jeito que você me olhou mais cedo... por que você parecia tão simpatizante? Meu rosto se aqueceu. Merda. Eu tinha dado alguma dica? ─ Não sei o que você quer dizer.

112


─ Quando você disse aquela coisa sobre não confiar nas pessoas apenas porque elas são agradáveis. Porque você disse isso? ─ Porque Emily estava falando sobre se encaixar. ─ Eu encolhi os ombros, esperando que parecesse sincero. ─ Eu estava apenas avisando que você quer se encaixar no tipo certo de pessoas. Isso é tudo. ─ Mas por que você me olhou quando disse isso? ─ Eu não sabia que o fiz. ─ Sim. Você olhou diretamente para mim. ─ Ele franziu a testa. ─Foi apenas uma tentativa de dar um conselho paternal a minha filha. Ele mordeu o lábio, e os olhos se estreitaram. ─ Você tem certeza de que isso é tudo? ─ O que mais seria? ─ Meu pulso correu enquanto eu segurava seu olhar, rezando que parecesse sincero. Sua intuição era inquietante. ─ Você parecia diferente em minha direção essa noite. ─ Diferente como? ─ Mais suave. ─ Não. ─ Eu balancei minha cabeça. Ele colocou as mãos nos quadris, os olhos ainda intensos. ─ Então, onde você estava? Eu hesitei. ─ Eu estava com o meu cliente. ─ Mesmo?

113


─ Sim. ─ Eu engoli. ─ Eu não acredito em você. Eu dei uma risada tensa. ─ Por que não? ─ Eu não sei. Você parece secreto. ─ Isso é engraçado, vindo de você. Você é uma das pessoas mais secretas que já conheci. ─ Virei minhas costas para ele, precisando de uma pausa de seu olhar. ─ Tenho meus motivos. ─ Bem, eu tenho os meus. ─ Olhei de volta para ele. ─ Se você quer saber... Eu estava com meu cliente em uma capacidade não profissional esta noite. Não quero que isso aconteça. Seu olhar piscou. ─ Você quer dizer a estrela pornô? Eu assenti. Seu lábio ondulou com desagrado óbvio. ─ Eu pensei que você não se fechou com os clientes atuais? ─ Há uma primeira vez para tudo. ─ Então, isso é ... é mesmo onde você estava? ─ Sim. Ele cruzou os braços. ─ Você não visitou Colin por acaso? Rezei para que meu rosto não estivesse tão vermelho quanto sentia. ─ Colin? Por que eu iria vê-lo?

114


Ele encolheu os ombros. ─ Eu não sei. Você não gostou que eu não queria falar sobre meus antecedentes. Alfas não deixam as coisas facilmente. Talvez você tenha descoberto uma outra maneira de obter minhas informações. ─ Se você não quer me contar coisas, então está bem. Deus, eu estou indo para o inferno por mentir. Ele empurrou a língua para sua bochecha. ─ Hã. Levantei um ombro. ─ Eu lhe disse, estava com Dirty Destiny. ─ Eu me senti como um idiota dizendo seu nome artístico. ─ Ela me fez uma oferta que eu não poderia recusar. Seu rosto encarou a repugnância. ─ Ela fode indivíduos para ganhar a vida. Por que você quer um pedaço disso? ─ Boceta é boceta. ─ Eu odiava essas palavras saindo da minha boca. Era desrespeitoso para as mulheres e isso me desagradava. Mas estava em pânico de que descobrisse que eu conversei com Colin. Ele se afastou com certeza. Se era tão intenso quando só suspeitava que sabia coisas sobre ele, eu não podia imaginar o que seria se soubesse da conversa com Colin. Se estivesse aqui só outros quatro dias, não queria que ele me desse o tratamento silencioso o tempo todo. Não quando toda a questão de falar com Colin tinha sido para se aproximar de Pierce. Algumas tensões deixaram seus ombros. ─ É melhor você não mentir para mim. Eu ri grosso. ─ Eu não estou.

115


Ele franziu a testa. ─ Merda. ─ Encontrou meu olhar, seu rosto corado. ─ Eu estou... desculpe. ─ Ele olhou em volta do meu quarto como se estivesse envergonhado. ─ Eu só pensei... ─ Ele balançou a cabeça. Dei de ombros. ─ Está bem. ─ Não. Não está. Eu realmente sinto muito. Estou sendo totalmente paranoico. ─ Todos nós cometemos erros. Deus, sou um idiota. ─ Eu realmente pensei... ─ Ele balançou a cabeça. ─ Deixa pra lá. ─ Está bem. Realmente. ─Ele não tinha ideia de como estava bem. Ele olhou em volta como se finalmente percebesse onde estava. Estremeceu. ─ Eu não pretendia entrar em seu espaço privado. ─ Não me importo. Eu estava me preparando para a cama. ─ Independentemente

das

minhas

palavras

reconfortantes,

me

senti

extremamente consciente de meu estado sem camisa. Eu não tinha certeza do porquê, não quando me despi em torno de outros caras no vestiário na minha academia sem pensar nisso. O olhar dele caiu no meu peito e suas narinas se acenderam. Mas então ele se moveu para a porta e a abriu rapidamente. ─ Mais uma vez, sinto muito por invadir seu espaço. ─ Eu não me importo. ─ Eu fiz uma careta. ─ Quero dizer... você precisava conversar.

116


─ Sim. ─ Ele saiu do quarto sem mais uma palavra. Afundei no colchão, me senti culpado e também ligado. Seu perfume havia sido diferente agora, meio amargo e sedutor. E aquele olhar que ele me lançou minutos antes de sair tinha feito algo para mim. Tinha, uma vez mais, suscitado estranhos sentimentos de excitação. Cobri meu rosto, abafando meu gemido. O que diabos estava acontecendo

comigo? Eu

precisava

obter

um

controle

sobre

emoções que Pierce fez crescer em mim ou ia perder minha mente.

117

essas


Capítulo 7 Pierce Depois da escola, deixei Emily na casa de Susan para a festa do pijama. Ela estava tão animada que suas bochechas ficaram coradas de rosa e seu sorriso estava quente enquanto se despedia comigo. Seth tinha conversado com a mãe e o pai de Susan esta manhã e sentiu-se confortado de que a festa era real e os pais pareciam pessoas responsáveis. No caminho de casa, parei e comprei algumas coisas para o jantar. Mesmo que Emily não estivesse lá esta noite, eu ainda precisava comer. E não queria admitir isso, mas também queria fazer o jantar para Seth. Não tinha certeza se era apenas meu instinto ômega ou o que, mas senti um impulso irritante para cuidar dele. Meu dia foi gasto limpando e tocando. Na verdade, não era meu trabalho limpar, Seth tinha uma senhora que limpou a cada duas semanas, mas eu gostava de me alisar e organizar coisas. Sem Emily, cuidar da casa me deu uma sensação de propósito. Me ocorreu que, desde que Emily não estava aqui esta noite, eu poderia ter passado a noite na casa de Colin, mas não me incomodei em ligar para ele e organizar minha ida. Coloquei o assado no forno e batatas descascadas para mais tarde. Então mergulhei na piscina de volta e deitei ao sol por um tempo. Meus pensamentos continuaram a seguir Seth, quer gostei ou não. Na noite passada, em seu quarto, me sentia tão envergonhado de acusá-lo de falar com

118


Colin sobre mim. Acabou de ter algo sobre sua expressão quando olhou para mim que despertou minhas suspeitas. Mas ele tinha sido tão insistente que tinha sido forçado a admitir que eu deveria tê-lo julgado mal. Deus, ele parecia legal sem camisa. Meu pau agitou apenas pensando em sua pele tonificada e ombros largos. Ele era o primeiro alfa por quem me senti fisicamente atraído desde o fim de meu pesadelo com Baxter. Eu tinha dormido com alguns ômegas nos anos desde que tinha sido libertado, mas evitava alfas como a praga. Mas agora, apenas pensando nele, tremi com deliciosos sentimentos de excitação. Ele também parecia consciente de mim, o que era surpreendente, pois deveria ser direto. Mas de vez em quando, olhava para mim e eu poderia jurar que me desejava. Se ele se afastasse de mim, eu gostaria disso? A julgar pelo jeito que meu pau doeu e minha bunda acabou com a ideia, sim, eu gostaria disso. O pensamento de que poderia ter fome de um alfa era quase um alívio. Durante tanto tempo, desprezava a visão de todos os alfas. Mas se pudesse me sentir atraído por Seth, talvez ainda houvesse esperança para mim. Talvez um dia superaria minha apreensão de alfas e acabaria com uma família minha. Depois de absorver o que restava do sol da tarde, entrei para tomar banho e me vestir. Assisti TV enquanto esperava que a noite passasse. Senti uma estranha excitação zumbante enquanto esperava a chegada de Seth. Era um novo sentimento que tinha certeza. A ideia de que eu realmente gostei de estar em torno dele era incomum. Quando as nove horas rolaram, o jantar estava pronto e eu estava morrendo de fome. Decidi esperar por Seth para comer, mas às nove e nove, eu estava me arrependendo de minha decisão.

119


Por volta das nove e trinta eu ouvi sua chave na fechadura. Quando ele entrou, parecia cansado, mas quando me seguiu até a cozinha, sua expressão se iluminou ao ver o assado e as batatas sobre a mesa. ─ Você fez o jantar? ─ Seus olhos brilharam alegremente. ─ Eu não pensei que sim porque Emily está em seu sono. Ele tirou o casaco e a camisa se agarrou em seu torso magro. Eu tentei não deixar meu olhar ficar muito tempo em seu corpo. ─ Ainda precisamos comer. Ele notou que havia dois pratos colocados. ─ Você me esperou? ─ Provavelmente, não deveria ter. Estou pronto para comer as flores plásticas sobre a mesa. ─ Desculpe estou atrasado. Fiquei sustentado. Meu estômago apertou quando pensamentos desagradáveis se reviraram na minha cabeça. O que significou “sustentado”? Ele teria fodido essa estrela pornográfica novamente? Era por isso que estava atrasado? Não importa, porque é da minha conta. ─ Tudo está pronto, então vá mudar ─ eu disse com rigidez. Ele esfregou as mãos, olhando a comida. ─ Eu volto ─ Saiu da cozinha. Eu trouxe o molho e abri uma garrafa de vinho que havia comprado. Eu realmente não bebia muito, mas sabia que Seth gostava de vinho tinto. Tentei não pensar sobre se ele tinha fodido essa idiota novamente. Mas era difícil porque a imagem deles parecia estar em um loop dentro do meu cérebro. Seth é meu empregador. Nada mais.

120


Quando ele voltou para a cozinha, não pude deixar de notar que cheirava como se tivesse se refrescado com sua colônia. Esse fato me deu um pouco de vibração no intestino. Por que ele se importaria com o cheiro bom para mim? Me sentei em frente a ele e derramei vinho em nossos dois copos. Me senti tímido ao olhá-lo. O que diabos estava errado comigo? Não era um encontro. Estávamos apenas comendo o jantar. Por que eu estava estranho? Ele colocou uma dose saudável de purê de batatas no prato e um grande pedaço de assado. Então, mergulhou tudo no molho marrom que fiz. ─ Isso cheira tão bem. Tudo que comi foi um sanduíche de peru no apartamento. Era nojento. ─ Ele lambeu os lábios e um arrepio de luxúria passou por mim. Merda. Eu precisava pensar em algo além da visão de sua língua e do que poderia sentir em meu corpo. Olhei pela janela da cozinha, notando que era uma lua cheia. Isso afetaria minha libido? Algo seguro como faria. Eu sabia que muitos dos ômegas no composto haviam jurado que, durante uma lua cheia, nossos instintos de lobo interno assumiram. Eu nunca pensei muito sobre isso até agora. Mas tinha que admitir, me senti um pouco fora de controle hoje a noite. Como se minhas necessidades físicas superassem minha lógica. Ele deu uma mordida e me estudou, com a bochecha abaulada com comida. Uma vez que engoliu, disse: ─ Você está muito calmo esta noite. Mesmo para você. Eu dei de ombros e enchi comida na minha boca, então não tive que falar. Porque tudo o que senti que poderia falar foi o quão bom ele cheirava e

121


quão bem seu bíceps baixaram sob suas mangas curtas. Aquelas não eram exatamente as coisas que precisava dizer em voz alta. A última coisa que eu queria era que percebesse que eu estava atraído por ele. Seu ego já era bastante grande. ─ O que você fez para se manter ocupado hoje? ─ Perguntou. ─ Compras no supermercado. Cozinhei. Me bronzeei. ─ Suspirei. ─ Para ser sincero, me senti meio preso. Ele hesitou. ─ Eu não tinha certeza se você estaria aqui. Você sabe... quando cheguei em casa. ─ Eu pensei em ir para Colin para a noite. ─ Por que não foi? Essa foi uma boa pergunta. ─ Não tenho certeza. Ele parecia satisfeito. ─ Talvez esteja começando a gostar de mim. ─ Duvido. ─ Eu apliquei meu sorriso. ─ Eu sou bastante surpreendente. Eu resmunguei. ─ Bem, eu sei que você acha que é. Ele sorriu. ─ Você é tão cruel. Eu ri, me sentindo com pouca luz. ─ Alguém precisa ajudar a manter o seu ego egoísta sob controle. ─ Eu não sou realmente um maníaco do ego. É uma representação. Estou compensando a baixa auto-estima. Não pude deixar de rir novamente e ele sorriu.

122


─ Isso é bom ─ eu sorri. ─ Estou tão mal interpretado. ─ Uh, hein. Ele olhou em volta da cozinha. ─ É estranho o quão silencioso a casa parecia quando cheguei. Eu estava tão acostumado a viver sozinho, o silêncio nunca me incomodou antes. Mas hoje à noite, a casa ficou meio vazia sem Emily sentada na sala da frente, fazendo o dever de casa. ─ Ela adoraria ouvir isso. Ele fez uma careta. ─ Eu ficaria muito envergonhado de dizer isso a ela. ─ Por quê? Eu pensei que você era tudo sobre a comunicação? ─ Voluntariando meus sentimentos ainda é difícil. ─ Ele deu outra grande mordida. ─ Entendi. Ele riu. ─ Aposto que você faz. Eu franzi o cenho. ─ Significando o quê? ─ Apenas que você é a pessoa mais privada que eu já conheci. ─ Ele encolheu os ombros. ─ Mas acho que depois do que você passou, isso faz sentido. Levei o olhar para ele. ─ O que? Ele congelou e suas bochechas pareciam rosa. ─ O que? ─ O que você saberia sobre o que eu passei? ─ Eu estreitei meus olhos. Eu quase fazia questão de não compartilhar minha triste história com ele.

123


─ Oh, apenas coisas que você aludiu. ─ Bem, não preciso de sua simpatia. ─ Eu sei. Eu dei uma mordida, sem sentir gosto nada. Parecia tenso e não encontrou meus olhos. Ficamos em silêncio por um tempo e então ele colocou o garfo para baixo. ─ Mas você sabe, não seria o fim do mundo se compartilhasse coisas. ─ Sua boca era uma linha descontente. ─ Com você? ─ Sim, comigo. ─ Sua voz era rouca quando ele acrescentou: ─ Você poderia me contar seus segredos e eu vou te contar o meu. ─ Não, obrigado. ─ Por quê? Sou um bom ouvinte. ─ Então você diz. ─ Isso é porque eu sou. Eu fiz uma careta. ─ Tenho meus motivos para não compartilhar. ─ Nós todos temos razões, Pierce. ─ Ele tomou um gole de vinho, me observando sobre a borda do copo. ─ Mas, a menos que desejemos estar sozinhos toda nossa vida, temos que passar por eles e confiar nos outros. Deixei cair meu olhar. ─ Meus motivos são mais desagradáveis do que as pessoas comuns.

124


─ Você tem certeza de que não é só porque sou alpha e você não confia em alphas? ─ Isso também. Ele se concentrou em sua comida, uma linha entre as sobrancelhas. Sua frustração era evidente a partir do outro lado da mesa, mas estava aparentemente tentando segurá-la. Eu terminei minha comida lentamente, espiando-o sob minhas sobrancelhas a cada poucos minutos. Sua expressão permaneceu tensa e fiquei irritado por ter me importado. Quando terminou, afastou o prato e terminou o vinho. Ele ainda não falou, e fiquei surpreso com o quanto isso me incomodou. Me levantei e coloquei meu prato na pia. Ele se serviu de outro copo de vinho, e ficou de pé e saiu para o pátio traseiro. Observei-o andar ao redor do pátio, olhando para a grande lua amarela. Enxaguei o prato dele e guardei toda a comida, espiando a janela de vez em quando. Ele permaneceu lá um bom tempo, mas então finalmente voltou. Colocou o copo vazio na máquina de lavar louça e começou a sair da cozinha. ─ Você está com raiva de mim? ─ Minha voz estava tensa. Ele parou e me encarou. ─ Eu não tenho nenhum negócio ficando bravo com você. ─ Isso realmente não responde à pergunta. ─ Eu estou confuso com você, Pierce. Em mais de um lado. ─ Por quê? Ele balançou a cabeça, seus olhos escuros e intensos. ─ Eu não sei.

125


─ Você leva para o lado pessoal que eu não falo sobre o meu passado ─ eu disse suavemente. ─ Isto se sente pessoal. Eu expirei. ─ Realmente não é. Não gosto de pensar sobre isso, então por que falar sobre isso? ─ É só... ─ Ele suspirou. ─ Deixa pra lá. Acho que eu tomei muito vinho. ─ Ele se moveu inquieto. ─ Você teve um longo dia. Talvez deva ir para a cama. ─ Eu deveria. ─ Ele ficou onde estava. ─ Eu realmente deveria. Seu olhar era penetrante, então peguei a esponja da pia e comecei a limpar os balcões de granito. ─ Logo Brad estará aqui e as coisas serão melhores. Ele franziu o cenho. ─ Por que elas seriam melhores? Dei de ombros. ─ Eu não sei. Você não terá que viver com a pessoa mais privada do mundo. ─ Eu zombava de sua declaração anterior. ─ Certo. E você pode continuar nunca deixando ninguém entrar, e viver como um fechamento emocional. O seu tom sarcástico me irritou. ─ Só porque eu não deixo você não significa que nunca vou deixar ninguém entrar. ─ Ah, está certo? ─ Malditamente certo ─ eu gritei. ─ Eu pensei que não era pessoal? Isso soa pessoal para mim, Pierce.

126


Meu rosto se aqueceu. ─ Bem. Então eu acho que é pessoal. Talvez goste que isso te irrita e não vou te dizer. Talvez goste de irritar a merda de um alfa arrogante como você. ─ Oh, realmente? ─ Ele rosnou. ─ Por que não? ─ Rangi entre os dentes. ─ É óbvio que você não consegue lidar com a resposta não. Nenhum alpha pode lidar com isso. ─ Eu não sou como esses outros alfas, ─ ele rosnou. ─ Pare de me tratar como eles. Nunca faria essa merda torcida para você. Suas palavras eram como um pingo de água gelada. ─ O que você disse? Ele imediatamente apertou os lábios, parecendo envergonhado. Virou as costas para mim, exalando com frustração. ─ Caramba ─ ele murmurou em voz baixa. ─ Que merda torcida? ─ Deixa pra lá. Senti o sangue escorrer das minhas bochechas. ─ Não. Não. Diga-me do que diabos você está falando. Ele se virou para mim, levantando o queixo. ─ Eu me expressei mal. ─ Besteira. Ele olhou para mim, sua boca uma linha sombria. ─ O que você acha que sabe sobre mim? Seu rosto estava corado. ─ Eu não acho que você quer empurrar isso, Pierce. Você não vai gostar da minha resposta.

127


Eu o assisti, me sentindo nauseado. Ele sabia sobre Baxter e todo o abuso que aconteceu? O que mais poderia ter significado essa “merda torcida”? ─ Deus maldito você. ─ Eu senti como se ele tivesse me dado um soco quando dei dois passos para trás, olhando-o com os olhos arregalados. ─ O que você fez? Ele estendeu a mão. ─ Eu só queria entender você. ─ Você falou com Colin como eu pensei? ─ Pierce... ─ Você foda mentiroso ─ eu gritei, constrangimento alimentando minha fúria. ─ Conversou com Colin. Eu sabia. Eu sabia! ─ Apertei meus dentes contra minha ira. ─ Me senti como um idiota acusando-o na noite passada. Pedi desculpas e você me deixou. E o tempo inteiro realmente empurrou seu nariz no meu negócio, onde não pertencia. ─ Veja.. ─ Não. Apenas feche a boca. ─ Passei minha mão pelo meu cabelo. ─ Eu não posso acreditar em você. Os fodidos alphas apenas sempre têm que seguir seu caminho. Seu tipo me desagrada. Você simplesmente não consegue se conter. Tudo sempre tem que ser sobre você. Ele esfregou o rosto com cansaço. ─ Eu não quis que fosse assim. Eu ri duramente. ─ Ai Jesus. Você é irreal. ─ Nada do que aconteceu com você foi sua culpa. Não entendo por que está tão envergonhado de contar as pessoas.

128


Cobri minhas orelhas como uma criança de cinco anos. ─ Por favor, pare de falar. Surpreendentemente, ele fez. Saí da cozinha para meu quarto. Estava humilhado que ele conhecesse todas as coisas nojentas que me aconteceram. Estava tão mortificado que mal podia respirar. Por que ele empurrou tanto para encontrar essas coisas? Por quê? Eu nem ia estar na vida dele durante esta semana. Seu comportamento era tão típico de alphas, empurrando até conseguir o que queriam. Eles não se importavam com o dano ou se fizessem talvez pensassem o oposto do que alguém queria. Tudo o que importava eram suas necessidades. Tremi de raiva enquanto ficava no meio do meu quarto. Eu só queria correr. Queria fugir e nunca mais conversar com esse mentiroso. Mas onde iria? Colin era um dos meus únicos amigos reais aqui em Los Angeles, e agora eu também estava chateado com ele. Sabia que tinha que ser ele quem havia contado a Seth minha história patética, embora não entendesse por que faria isso. Não fazia sentido. Colin era alguém em quem confiava com a minha vida. Como ele poderia fazer isso comigo? Quando Seth apareceu na minha porta, eu queria jogar algo nele. ─Vá embora. Seus ombros caíram e os olhos estavam escuros com preocupação. ─ Pierce, vamos lá. ─ Vamos, o quê?

129


Fazendo uma careta, seus lábios se moveram, mas nenhuma palavra saiu. ─ Exatamente. ─ Eu balancei minha cabeça. ─ Vá embora. Ele não foi, em vez disso, entrou no meu quarto. ─ Eu não sei por que empurrei tanto. E vendo quão chateado está, desejo não ter feito isso. ─ Sim, bem, é tarde demais, não é? Ele esfregou a mão pelo pescoço. ─ Eu realmente gosto de você. ─ Oh, foda. Suspirando, ele continuou: ─ Eu sei que parece louco porque nós batemos muito as cabeças, mas queria saber por que você é tão espinhoso. ─

Parabéns. Suas

necessidades

foram

atendidas. Foda-se

meus

sentimentos sobre o assunto, é claro, mas então eu sou apenas um ômega humilde. Quem dá uma merda o que eu quero? ─ Não é assim. ─ Sim, Seth, é assim mesmo. ─ Eu dei uma risada sem humor. ─ Eu tenho o direito de manter meu passado privado. Se não quisesse que você soubesse, era meu direito ─ gritei. Ele pendurou a cabeça. ─ Porra. Eu sei. Fechei os olhos. ─ Exatamente como Colin foi detalhado? ─ Fiquei doente esperando por sua resposta. Ele hesitou. ─ Não tão detalhado.

130


─ O que ele lhe disse? ─ Abri meus olhos, procurando em seu rosto por quaisquer sinais de piedade. ─Só que Baxter o enganou e o segurou por três anos. ─Eu posso dizer pelo seu tom que há mais. Ele engoliu em seco. ─ Eu sei que ele... ele drogou você. Eu sei que... ele deixou alfas machucá-lo. Inalando, afastei a bile na garganta. ─ Ele lhe disse isso? Seu rosto estava tenso. ─ Ele não me disse o que eles fizeram. Só disse que estes... alphas desagradáveis... queriam coisas que seus próprios ômegas não fariam. Eu estremeci, tentando conter uma inundação de lembranças que queria retornar. Estava tão envergonhado que era difícil respirar. Meus olhos picaram com lágrimas irritadas. ─ Como você quer que as pessoas saibam que aconteceu com você? É humilhante. Deus, Seth. ─ Merda. Eu sei. Eu sinto muito. Queria poder voltar atrás. ─ Ele passou uma mão trêmula pelo cabelo. ─ Mas eu não julgo você. Odeio Baxter, mas você não fez nada de errado, Pierce. ─ Sua voz estava rouca. ─ Agora, cada vez que você me olhar... vai pensar sobre isso. Vai se perguntar exatamente que merda pervertida eles fizeram comigo. Como se eu fosse uma mercadoria danificada. Ele balançou sua cabeça. ─ Não. Isso não é verdade. ─ É claro que é verdade. Eu só quero esquecer. Construir uma nova vida e nunca mais pensar nessa época. ─ Engoli com dificuldade. ─ Mas isso nunca

131


vai acontecer, não é? Porque não sei como ser normal e as pessoas percebem isso. E então eles querem saber por que sou estranho. Ele estremeceu. ─ Não. Eu apenas estraguei. Não era apenas uma curiosidade

simples. Pensei

que

se

entendesse

melhor

você,

talvez

pudéssemos nos aproximar. Eu franzi o cenho. ─ Eu não entendo por que você se preocupa em estar perto de mim. ─ Eu também. Pelo menos, não quando nos encontramos pela primeira vez. ─ Ele pareceu sem fôlego. ─ Mas agora estou atraído por você. ─ Por quê? ─ Nenhuma ideia. Minha raiva estava escorrendo devagar, deixando-me emocionalmente exausto. ─ Eu não posso ficar aqui até domingo. ─ Balancei minha cabeça fracamente. ─ Eu simplesmente não posso. ─ Por quê? ─ Ele se aproximou. ─ Por um lado, estou chateado com você. ─ Certo, ─ ele disse calmamente. Seus olhos eram de um marrom amarelo macio, diferente do chocolate profundo usual. ─ Mas eu não quero que você vá. Encontrei seu olhar, sentindo-me rasgado. A parte ômega de mim não queria estar com raiva dele. Esse lado de mim queria perdoá-lo e se submeter a ele. Era puro instinto e completamente o oposto do que meu lado humano

132


queria. Meu lado humano queria colocá-lo em seu lugar. Mas parecia que o ômega estava mais no controle de mim no momento. Ele abriu as narinas. ─ Que tal eu lhe digo um segredo meu, e então podemos ser iguais? Isso parecia uma coisa estranha para ele se voluntariar. Mas se a lua me afetasse, eu imaginei que isso poderia estar influenciando-o também. Talvez fosse por isso que seus olhos eram quase amarelos como a lua. ─ Por que você faria isso? Seu olhar piscou. ─ Eu não sei. Eu acho que é por você. ─ Que tipo de segredo? ─ Algo pessoal. Algo embaraçoso. Curiosidade conseguiu o melhor de mim. ─ Ok. Atire. Ele lambeu os lábios, olhando meu corpo. ─ Eu sou... Eu realmente estou atraído para você. Sexualmente. Meu corpo corou de excitação. ─ Mesmo? ─ Foi um choque. Deixe-me dizer-lhe. ─ Eu pensei que você gostasse das meninas. ─ Eu sei. ─ Ele hesitou. ─ Mas tudo o que posso pensar ultimamente, é em você. ─ E você acha isso embaraçoso? ─ Sim. Mas eu não consigo parar.

133


O ar entre nós zumbiu com uma corrente elétrica não vista. ─ Por que você estaria interessado em caras de repente? Ele balançou a cabeça lentamente. ─ Eu não sei. Mas tenho certeza que é por isso que empurrei tanto para descobrir mais sobre você. Não me contou nada e isso me frustrou. Mais do que deveria. Eu tinha que saber mais sobre você. Só tinha que saber. Embora eu ainda estivesse com raiva dele, minha curiosidade sobre sua revelação era mais forte. ─ Conte-me mais sobre esses pensamentos que você teve. Ele estremeceu. ─ Você não acha que já estou envergonhado, apenas admitindo isso? ─ Talvez. Mas não é esse o ponto? ─ Verdade. ─ Então, que tipo de pensamentos você teve? ─ Eu não vou mentir. Eles são pensamentos sujos. Fantasmas de você e de mim... Ele estremeceu e se aproximou. ─ Eu quero... Minhas pernas se sentiram fracas com o olhar nos olhos dele. ─ O que? O que você quer? ─ Se ele pensava pensamentos diretos, eu era a rainha da Inglaterra. ─ Estou curioso sobre o que seria com você. Engoli com dificuldade. ─ Sexualmente?

134


Ele assentiu, parecendo confuso. ─ Quando você está perto de mim, posso cheirar seu cheiro tão forte, é impossível ignorar. É diferente de outros ômegas. Isso me faz querer tocar em você. ─ Seus olhos brilharam. ─ Eu continuo imaginando você debaixo de mim. Nu. Eu quero…. Foda-se... Eu quero... Se fosse outro alfa, eu teria gritado com ele para calar a boca e voltar. Mas não podia negar que também me atraía. ─ Eu acho que é a lua ─ eu murmurei. Ele franziu o cenho. ─ O que? ─ Eu também sinto a atração. Eu acho que é a lua. ─ A lua? ─ Nos velhos tempos, a lua dirigia nossos ciclos de acasalamento. Você não lembra disso? ─ Não. ─ Nossos pais não disseram os ensinamentos de The Ancients? Ele engoliu em voz alta. ─ Eles mencionaram algumas coisas. Mas eu não me lembro de nada sobre a lua fazendo gente reta sexualmente atraída por outros homens. Eu estremeci quando ele deu um passo mais perto. ─ Essas coisas que estamos sentindo... são apenas nossos lobos internos que respondem à lua cheia. Estou certo disso. A atração da lua é forte esta noite. Ele apertou o queixo, sua expressão impaciente. ─ Não estou interessado em astronomia, agora mesmo.

135


─ Estou apenas tentando ser lógico. ─ Não se incomode ─ Sua voz era urgente. ─ Tudo o que eu quero saber é, você já pensou em mim Pierce? Eu me afastei até minhas pernas encontrarem a cama. ─ Talvez eu prefira não dizer. Seu lábio estremeceu. ─ Estou descobrindo a minha alma para você, Pierce. Fale comigo. Apertei os olhos, lutando com inseguranças. ─ Por favor, Pierce. Abri os olhos. ─ Bem. Sim. Eu pensei em você ─ disse suavemente. Ele estava a apenas um metro de mim agora, seu cheiro masculino encheu meu nariz e o calor de seu corpo fez com que minha pele formigasse. ─ Você me quer? A excitação passou por mim. ─ Merda, Seth. ─ Quer? ─ Meu passado não o repugna? Ele franziu o cenho. ─ De jeito nenhum. Eu examinei seu olhar, procurando por qualquer dica de piedade. Tudo o que vi era desejo cru. ─ Você provavelmente deveria ir. ─ Eu não quero ir. ─ Você está confuso.

136


─ Não, eu não estou. ─ Eu não acredito em você. Ele pegou minha mão e colocou-a em sua virilha abaulada. ─ Eu pareço confuso, Pierce? ─ Não... na verdade. ─ Lutando por minha própria necessidade, tracei o contorno de seu pênis largo através de suas calças, e era óbvio que ele estava ligado. ─ Tudo o que preciso saber é, você também me quer? Eu estremeci, dolorosamente consciente do meu pênis pressionando meu zíper. ─ Não é óbvio? ─ Venha aqui. ─ Ele lentamente enrolou o braço em torno da minha cintura, e eu o deixei. ─ E se eu lhe dissesse que quero estar com você esta noite. Sexualmente. Você quer isso? ─ Sua voz retumbou em seu peito enquanto ele me puxava para perto. Eu gemi com a luxúria crua em sua voz. ─ Essa deve ser a lua. ─ Eu não me importo com a lua ─ ele rosnou. Estremeci enquanto ele se inclinava para o meu corpo. Seu pênis pressionou minha coxa. ─ Você vai me deixar ter você? ─ Oh, Deus, ─ choraminguei, com necessidade. ─ Eu não vou forçá-lo. Tem que ser porque você quer isso. Eu engoli em voz alta. ─ Isso é louco. ─ Sim, é. ─ Ele lambeu os lábios. ─ Mas o que você decide? Quer?

137


Toquei sua bochecha áspera, quase contra minha vontade. ─ Eu quero você. Ele grunhiu e minhas pernas quase cederam quando cobriu minha boca com a dele. Gemi e abri meus lábios, deixando sua língua emaranhada com a minha. Agarrei seu bíceps, precisando de algo para segurar ou cairia. Quando ele levantou a boca para recuperar o fôlego, eu murmurei: ─ Eu realmente pensei que você era hetero. ─ Aparentemente não. ─ Com dedos trêmulos, ele desabotoou minhas calças e deslizou sua mão dentro de minha cueca. ─ Oh, foda. ─ Sua voz tremia quando tocou minhas bolas e acariciou para cima ao longo do meu eixo inchado. ─ Deus, droga, isso parece certo. Era difícil pensar com os dedos apertando meu pênis. Mas eu não queria pensar. Só queria sentir e ser possuído sem qualquer outra razão que não o desejo. Era a sensação mais estranha, fora de controle que eu experimentava em anos. Pela primeira vez no fim do tempo, eu estava com fome de um toque alfa. Eu desejava Seth como se ele fosse oxigênio, e me sentia impressionado por simplesmente deixar ir. Como se algo clicasse em mim, eu o empurrei um pouco para trás. ─ Você quer me foder, Seth? ─ Você realmente quer isso? ─ Sim ─ ele pareceu sem fôlego. Puxei minha camisa e ele observou, seu olhar fixou-me como um predador. Baixei minhas calças e as chutei. Meu pênis esticou o algodão fino da minha cueca, e eu usei dois polegares e as puxei até meus tornozelos, meu pau acenando de um lado para o outro enquanto saía delas. Me senti

138


poderoso sabendo o quanto ele precisava de mim, mas que não me tocaria a menos que eu permitisse. Desejo queimou no meu intestino porque eu doía para me entregar a ele. ─ Eu vou deixar você me ter. Eu também te quero. ─ Minha voz estava fraca. Com um rosnado, ele começou a se despir, jogando a camisa no chão e lutando para tirar suas calças e cuecas. Ele ficou na minha frente completamente nu, seu pênis largo brilhando com o pré-sêmen. Deus, seu corpo era perfeito, sem gordura, apenas músculos magros e abdominais ondulado. O amarelo de seus olhos deveria ter sido estranho, mas enquanto meu instinto me consumia, apenas a excitação lúgubre encheu meu intestino. O desejo de gozar era palpável quando ondulava por minha espinha. Nunca senti essa necessidade dolorosa de me oferecer a alguém antes. E desde a minha fuga de Baxter, não deixei ninguém, alfa ou ômega dentro de mim. Cheguei alguns ômegas quando meus hormônios obtiveram o melhor de mim, mas ninguém havia entrado em mim desde que tinha sido libertado. Ele se moveu para mim novamente, correndo as mãos pelos meus ombros, braços e quadris. Suas palmas ásperas rasparam minha pele sensível, me provocando moles gemidos. Passou as mãos para agarrar minha bunda, pressionando nossas ereções nuas juntas. ─ Você tem um corpo legal, ─ ele sussurrou, com um tique nervoso de sua bochecha. ─ Então, foda-se. ─ Você também. ─ Isso deve ser estranho, mas não é só. ─ Ele suavizou sua mão sobre meu mamilo, a intensidade de seu olhar enervante. ─ Eu gosto dos cabelos

139


grosseiros em seu peito e seus músculos contra os meus. Gosto que você é todo homem e poderia me defender. ─ Ele estremeceu. ─ Mas você não vai. Me deixará levar o que eu quero. Meu pau doía com cada palavra raspada de sua boca. ─ Veremos. ─ Você deseja gozar. Você não deseja, ômega? ─ Eu posso lutar com você ─ eu sussurrei, mas então gemi enquanto ele enfiava um dedo entre as minhas bochechas. ─ Por que lutar contra o que você anseia? ─ Seus olhos brilharam com os sons carentes que fiz quando provocou meu buraco. ─ Porque eu posso. Ele sorriu. ─ Você pode? ─ Ele empurrou apenas a ponta de seu dedo em mim, e eu gemi, agarrando-me a ele enquanto o desejo passava por mim. Minha boca ficou aberta enquanto ele brincava com a minha bunda. ─ Oh, porra, isso é bom. Ele sorriu. ─ Fique no chão em suas mãos e joelhos. Mesmo que eu o desejasse, uma parte de mim torceu com seu tom exigente. ─ Me obrigue. ─ Sempre me desafiando ─ ele resmungou. ─ Está certo. Suas narinas se acenderam e ele agarrou meu braço, torcendo meu polegar gentilmente. ─ De joelhos. Agora. Eu ri. ─ Você quer que eu ore por você?

140


─ Com certeza você vai dizer 'Oh, Deus' no minuto em que meu pau está em você. Um tremor de desejo passou por mim, e eu sorri, caindo de joelhos com um olhar cheio. ─ É melhor você ser tão bom quanto pensa que é. ─ Nunca tive nenhuma queixa. ─ Espero que eu não tenha que ir ao Yelp2 e lhe dar sua primeira classificação de uma estrela. Ele me seguiu no chão, com um sorriso. Seu pênis estava rígido e apontando para mim, mas hesitou. ─ Lubrificação? ─ Gaveta inferior. ─ Eu apontei para a mesa de cabeceira. Ele abriu a gaveta, arruinando-a acidentalmente, e o conteúdo espalhou-se no chão. ─ Oops. Nós dois percebemos os preservativos no chão, e passou por minha mente dizer-lhe para colocar um. Mas então, meu ômega parecia assumir o controle e não pude forçar as palavras da minha garganta. Apenas olhei os pequenos pacotes de papel e não disse uma palavra. Ele tocou um dos preservativos com uma careta, mas depois atirou e me encarou. Diga-lhe para colocar um. Diga-lhe agora. Esse momento foi quando eu realmente percebi que estávamos ambos sob o poder carnal de nossos instintos, e essa lógica e senso comum não

2

Yelp é um guia urbano que funciona como rede social. Os participantes do serviço compartilham informações sobre lugares onde passaram, escrevendo breves críticas – positivas ou negativas - e relatando as suas experiências com bares, hóteis, restaurantes, preças, eventos e tudo o que envolva viagens e entretenimento.

141


tinham esperança contra eles. Talvez para ele se tratasse de tudo melhor sem um preservativos. Talvez o alfa nele simplesmente buscasse o prazer final e não pudesse ser incomodado com preservativos. Mas eu não tinha essa desculpa. Sabia exatamente o que eu era, e esse sexo desprotegido estava louco. Sabia que fodendo sem um preservativo estava brincando com fogo. Que poderia engravidar. Que provavelmente iria engravidar. Mas não me importo. Na verdade, queria que ele me possuísse. Queria que me pegasse e me preenchesse com seu semen. Eu procurava estar grávido porque era por isso que meu ômega eclipse solar ansiava. Controlado por minha luxúria, o assisti pegar a pequena garrafa de lubrificante. Ele suavizou seu pênis e meu corpo latejava ao ver sua espessura. Um fogo desesperado queimou no meu corpo, eu gemi e arqueei minhas costas, me sentindo como um lobo no calor. Ele respondeu aos meus sons de anseio, deslizando o dedo no meu buraco e espalhando gel ao redor da borda tensa. ─ Deus, querido, é lindo, ─ ele sussurrou. Deslizou os dedos sobre minhas bolas inchadas, traçando-os pelo meu eixo rígido, e pulando a almofada do polegar sobre a ponta de infiltração. Apertei os dedos no tapete grosso, me sentindo desesperado e fora de controle. Minha pele arrepiou com antecipação enquanto o esperei entrar em mim. ─ Por favor, ─ gemi. ─ Eu preciso disso. ─ Sim, vou te dar o que precisa. ─ Ele acariciou meu buraco, rosnando suavemente enquanto empurrava um dedo para dentro de mim.

142


─ Oh, foda ─ gritei quando seu dedo afundou cada vez mais fundo. Fazia tanto tempo que alguém entrou no meu canal apertado, sentiu estranho ter seu dedo rígido dentro de mim. Mas também sentia-se bem, e me entreguei ao seu toque gentil. Eu tinha esquecido o quão gratificante era ter meu traseiro provocado e acariciado por alguém que queria tanto meu prazer quanto o dele. ─ Você gosta disso? ─ Sua voz ficou silenciosa enquanto ele jogava com a minha bunda, empurrando para dentro e para fora do meu buraco suavemente. ─ Tão bom ─ eu estava ofegante, tremendo de quão maravilhoso se sentiu. ─ Você é natural nisso. ─ Algumas mulheres gostam de anal. ─ Ele beijou meu ombro. Quando puxou o dedo, ele bateu na minha próstata, e eu assobiei e arranhei o chão. ─ Merda. O que é que foi isso? Você gosta desse ponto? Ainda tremendo, eu disse. ─ Cuidado ou eu gozarei. ─ Tão rápido? Eu mordi meu lábio. ─ Se você continuar me tocando lá, não vou poder me conter. ─ Sério? ─ Ele pareceu que não acreditava em mim e tocou minha próstata novamente. ─ Seth ─ gemei, tremendo enquanto um raio de prazer me balançava. ─ Pare, por favor. ─ Meu pau estava tão duro que era doloroso tentar segurar meu orgasmo.

143


─ Jesus. Isso é quente. Apertei os olhos, lutando para controlar minha necessidade de gozar. ─ Por favor, foda-me. ─ Seja paciente, ômega. ─ Isso é fácil para você dizer. ─ Lambi meus lábios. ─ Eu vou te tocar um pouco mais. Não se atreva a gozar. ─ Ele adicionou mais dois dedos, esfregando e provocando meu buraco com insistência. ─ Você gozará quando eu disser para gozar. Ele pressionou minha próstata novamente e quase perdi. ─Por favor, pare ─ implorei, meu corpo tremendo enquanto tentava reter meu lançamento. ─ Foda-me, Seth, ─ gritei quando uma série de pré-sêmen caiu no tapete. ─ Você realmente não pode se controlar, você pode? ─ Não se você continuar tocando minha próstata. Não, ─ gemi. ─ Fodame. ─ Sim. ─ Colocando a palma das mãos sobre as minhas costas, untou o pau com o lubrificante. ─ É hora. ─ Ele se envolveu em volta de mim, seus músculos duros se encaixavam perfeitamente nas minhas curvas sintéticas. Quando a cabeça larga de seu pênis finalmente cutucou meu buraco, suspirei satisfeito com o que estava por vir. Ele pressionou com um gemido e a pressão foi intensa no início. Ele era grande e grosso, e fazia tanto tempo que um alfa entrou em mim.

144


─ Oh, merda. ─ Eu gemi quando ele flexionou seus quadris, deslizando no meio caminho. ─ Shhh, está tudo bem, ômega. ─ Ele parou e beijou minhas costas, acariciando meus lados e, em seguida, deslizando as mãos em torno para apertar meu pau intocado. Para alguém que nunca tinha fodido um homem antes, seus instintos eram surpreendentes. Era exatamente o que eu precisava para me distrair do desconforto de seu pau entrar em mim. Ele correu os dedos para cima e para baixo de meu eixo enquanto deslizava mais fundo, e eu gritei enquanto minha bunda se esticava em torno de sua largura. ─ Deixe-me entrar ─, ele sussurrou, começando lentamente a empurrar. Flexionou seus quadris, estreitando cada vez mais e mais fundo. ─ Deixe-me fazer você se sentir bem. ─ Seth ─ gemi. ─ Tão apertado. Tão fodidamente perfeito. Uma vez que ele estava completamente sentado, começou a se mover com cuidado, balançando seus quadris sensualmente, acariciando minha próstata com seu pênis inchado. Era como se todo impulso tivesse vivido a vida na minha alma danificada. Eu quase senti vontade de chorar do quão me senti bem. Não era só sexo. Isso era algo mais mundano. Era familiar e novo, tudo ao mesmo tempo. Ele não estava apenas se divertindo, estava tomando cuidado também. Ninguém tinha feito isso pra mim. ─ Foda-me mais forte ─ eu sussurrei, tremendo quando ele respondeu e seus esforços se tornaram mais fortes.

145


─ Eu vou gozar em você. ─ Ele bateu em mim, respirando com força, suas mãos cavando em meus quadris. ─ Sim ─ choraminguei. ─ Goze em mim. ─ Parece tão bom pra caralho, ─ ele rosnou. Meu orgasmo pairava fora do alcance quando gemi, dolorido por gozar. Eu sabia que deveria lhe dizer para se retirar, para não gozar em mim. Mas eu ainda não consegui dizer as palavras. Queria que ele me engravidasse. Apesar de estar com medo, também me arrepiei com o desejo de sentir seu sêmen inundar minhas entranhas. Era por isso que eu vivi. Este era o próprio ponto da minha existência. Eu era um ômega eclipse solar e nasci para carregar a prole do meu alfa. Meu alpha. Seus embates se tornaram desiguais e escalonados, como se ele também estivesse perdendo o controle. Nós estávamos ambos perdidos no momento, sob o poder do nosso alpha e ômega. Nossa luxúria era frenética e áspera e, quando ele rosnou e afundou os dentes no meu ombro, parecia tão certo. Não lutei. Não lutei com ele. Simplesmente joguei a cabeça para trás e dei um gemido no peito quando explodi. Gozei tão forte que meus braços cederam e cai aos meus cotovelos, fitas grossas de sêmen cobriram o tapete embaixo de mim. Então ele gozou também. O dilúvio de seu sêmen estava quente, e eu grunhi com a força disso. Ele gemeu contra meu ombro dolorido, sua respiração aquecida, flexionando seus quadris e pressionando mais fundo. ─

146


Meu ômega, ─ ele sussurrou, ainda balançando em mim, esvaziando todas as últimas gotas. Respirando com dificuldade, colapsei no tapete. Minha necessidade frenética de criar lentamente desapareceu, deixando-me em estado de choque com o que acabava de acontecer.

147


Capítulo 8 Seth Eu deveria ter ficado louco. Por que não estava perdendo minha mente? Fodi um cara pela primeira vez na minha vida, mas me senti perfeitamente normal. Na verdade, estava tão contente, que estava louco. Mas tudo sobre o sexo com Pierce tinha sido perfeito. Meus instintos assumiram e eu sabia exatamente como agradar ele e eu mesmo. Nunca antes me senti tão ligado a um parceiro sexual. Na verdade, me sentia territorial e como se ele era meu. Só meu. Lambi meus lábios, saboreando o sangue na minha língua. Estremeci com o sabor picante, meu pênis se contorceu quando me lembrei de que o reclamei. Eu nunca quis reclamar um ômega antes desta noite. Mas então, nunca tinha tido o controle total do meu alfa até agora. Definitivamente sentia-se poderoso e selvagem enquanto estava sob aquele feitiço alfa. Eu não conseguia pensar logicamente, cada momento tinha sido apenas sobre o cumprimento de algum instinto primitivo que normalmente era enterrado. Ainda em um pouco de neblina, me senti quase drogado enquanto lutava para abrir meus olhos. Pierce ainda estava debaixo de mim, e meu pau ainda estava dentro dele. Eu me forcei a mudar. ─Incrível,─ eu disse suavemente, beijando seu pescoço. Ele choramingou, e assim que saí dele, ele enrolou em uma bola e gemeu. Ele estremeceu e agarrou-se, outro gemido quebrando de seus lábios.

148


─ Pierce? ─ Eu senti um choque de preocupação quando me ajoelhei sobre ele. Eu tinha sido muito áspero? O machuquei? ─ Merda ─ ele sussurrou, sua voz tremendo. ─ Por favor não. De novo não. Me movi para sentar ao lado dele, acariciando o cabelo do rosto. ─ O que está errado? Ele gemeu e se contorceu, arqueando as costas como se estivesse com uma dor horrível. O meu prazer de alguns segundos atrás tinha desaparecido. Instintivamente me movi para segurá-lo, puxando-o para o meu colo. Ele se acomodou contra mim, envolvendo os braços em volta da minha cintura. Senti-me estranhamente protetor dele e apertei meus braços. ─ Isso é melhor. ─ Ele suspirou, pressionando o rosto na minha garganta. ─ Você é tão quente. Inspirei seu cheiro almiscarado. ─ Basta descansar. Ele assentiu. Continuei a segurá-lo, e apesar de estar com febre, ele pareceu quieto por um momento. Então, alguns minutos depois, seu tremor voltou, só pareceu pior. Seus dentes tagarelaram e ele gemeu, ofegantemente. ─ Oh, Deus ─ ele gemeu. ─ O que diabos está acontecendo com você? ─ Eu fiquei intrigado com o que poderia estar errado. Comecei a endireitar, então eu poderia colocá-lo na cama. ─ Vou chamar o médico. ─ Não! ─ Ele agarrou meu braço e abriu os olhos.

149


Eu congelei enquanto vi seu olhar. Seus olhos eram um azul intenso e prateado e eu gemi, segurando minha mão para proteger meus olhos. ─ Que diabos? Seus olhos… ─ Oh Deus. Eu nem podia olhar para os olhos dele de tão brilhantes. ─ O que está acontecendo, Pierce? ─ Eu sinto muito. ─ Por que? ─ Eu fiz uma careta, ainda protegendo meus olhos. ─ Não era justo para mim. Você não sabia. ─ Não entendo do que você está falando. ─ Passará ─ ele sussurrou. ─ Tem que passar. Isso não pode acontecer novamente. ─ O que vai passar? ─ Eu franzi o cenho, sentindo que estava em um episódio do X-Files. Ele estremeceu novamente, e apesar de estar confuso com ele, aperteime mais perto, instintivamente desejando consertá-lo. Mas sua pele estava tão quente que mal consegui tocá-lo. ─ Você está queimando. ─ Eu vou melhorar em um tempo. É assim que começa. ─ Ele estremeceu. ─ Você deve estar doente. Por que não me deixa chamar um médico?

150


Ele lambeu os lábios secos, fechando os olhos. ─ Um médico não pode ajudar. É como é sempre. ─ Ele parecia sonolento, como se estivesse meio adormecido. ─ Sempre foi assim. ─ Eu não entendo. Isso não pode ser normal para que seus olhos brilhem... ─ Eu balancei minha cabeça. ─ Isso não é natural. ─ Eu sinto muito. Claro que você está confuso. Claro que você está... ─ Ele gemeu e apertou seu intestino. Puxei-o para perto e descansei meu queixo no cabelo. ─ Se você não estiver melhor em dez minutos, não me importo com o que diz, vou levá-lo para o ER. ─ Tudo bem, ─ ele sussurrou. ─ Agora, me segure e me mantenha aquecido. ─ Eu quero dizer isso. ─ Apertei meu controle. Eventualmente, seu tremor diminuiu e sua pele esfriou. Beijei sua testa suada, esperando que o que quer que fosse tivesse passado. Ele suspirou e tentou se sentar, esfregando o rosto pálido. Seus olhos eram a cor usual de azul, mas ainda parecia fraco. ─ Oh, Deus. ─ Ele fez uma careta, olhando em volta desorientado. ─ Está tudo bem. ─ Tentei tranquilizá-lo. Ele abriu os olhos, olhando para si mesmo, e também aceitando meu estado desnudado. ─ Não era um sonho. ─ Sua voz era plana. Eu estreitei meus olhos. ─ Obviamente.

151


Seu rosto corou de rosa e ele ficou imóvel, sentado na beira da cama, parecendo perturbado. ─ Porra. Foda-se ─ ele sussurrou. ─ O que diabos está acontecendo? Sua boca era uma linha sombria. ─ Não se preocupe com isso. Eu franzi o cenho. ─ Não se preocupe com isso? Você é louco? Seus olhos ficaram literalmente brilhante, Pierce. E está me dizendo para não me preocupar com isso? ─ Minha voz estava rouca. ─ Foi um erro horrível. Meu rosto corou enquanto eu olhava para ele confuso e sem saber o que fazer ou dizer. ─ Olha, eu sei que dormir juntos foi inesperado e, obviamente, nenhum de nós planejou isso... ─ Eu examinei suas características tensas. ─ Mas não posso dizer que me arrependo. Ele deu uma risada irregular. ─ Você irá. ─ Não. ─ Eu balancei minha cabeça. ─ Já lhe disse antes que eu realmente gostei de você. Ele fez uma careta. ─ Oh, Deus, Seth. Não faça isso. ─ Fazer o que? ─ Pensar que tem que me consolar e ser gentil comigo. ─ Ele engoliu em seco, pressionando a mão no estômago. ─ Estávamos excitados. Nós fodemos. Agora vamos continuar, não é? Sua atitude de fora estava começando a me irritar. ─ E se eu não quiser seguir em frente?

152


Ele sorriu. ─ Sim. Certo. Eu franzi o cenho. ─ Não entendo por que você está sendo assim. ─ Eu costumava ser aquele que afastou meus amantes. Era uma experiência humilhante estar desse lado das coisas. Humilhante e desagradável. Ele olhou para cima e sua expressão dura suavizou. ─ Eu sinto muito. Apenas confie em mim quando digo que quanto menos você sabe melhor. ─ Não devo ser o único a ser estranho? Quero dizer, esta foi a minha primeira vez com um cara e eu sou o único a agir de forma normal. Por que você está enlouquecendo? ─ Porque, Seth... ─ Ele esfregou o rosto rudemente. ─ Eu sabia que nunca deveria ter concordado em terminar a semana. Eu apenas tive uma sensação. ─ Não consigo entender seu problema. Não me arrependo de estar com você por um segundo. Porra eu adorei, Pierce. ─ Cruzei meus braços, minha confiança um pouco fora de equilíbrio. Ele odiava estar comigo ou algo assim? Eu tinha sugado no sexo? Ele pareceu gostar disso. Ele estremeceu. ─ Você está apenas dizendo isso porque você não entende o que aconteceu. ─ Então, me ilumine. Ele deu uma risada sem humor. ─ Eu não posso. Você pensará que sou louco. ─ Estou pensando agora.

153


Ele exalou como se estivesse exasperado. ─ Nós devemos ir para a cama e esquecer isso. ─ Você parecia estar gostando disso. Eu fui muito áspero? Seu rosto corou rosa. ─ Não, esse não é o problema. ─ Mas há um problema? ─ De repente, me ocorreu, ele poderia estar chateado porque não usamos proteção. ─ Deveria ter colocado um preservativo. Eu sei. Estava tão apanhado no momento. ─ Suspirei. ─ Isso foi muito estúpido de mim. ─ Sim. Foi idiota para nós dois. ─ Ele ficou pálido. ─ Se isso te faz sentir melhor, eu faço o teste regularmente. Ainda não dormi com ninguém desde meu último teste. Então, tenho certeza de que estou seguro. Ele franziu a testa. ─ Espere. Achei que você dormiu com a mulher pornô. Meu rosto corou. ─ Eu menti. Para tirar o cheiro da minha conversa com Colin. ─ Oh. ─ Ele enrugou sua testa. ─ Isso é bom, eu acho. ─ É isso? Isso é porque você me quer para você mesmo? ─ Eu sorri. Sua expressão foi fechada. ─ Você pode foder quem quiser. Eu poderia me preocupar menos. Suspirei. ─ Você não vai me dar uma polegada, vai? É tão difícil admitir que gostou?

154


─ Eu queria que fosse tão simples como gostar de você. ─ Veja, eu não sei o que isso significa. ─ Eu franzi a testa. ─ Eu tenho medo de não estar realmente pensando diretamente agora. ─ Ele desviou o olhar. ─ Talvez amanhã possamos conversar mais. ─ Sua voz foi cortada. ─ Neste momento, eu preciso dormir. ─ Você parece louco, e eu não quero ir para a cama com você chateado comigo. Seu olhar se suavizou e ele inclinou a cabeça. ─ Veja. Eu sinto muito. Por favor, deixe-me descansar e podemos conversar de manhã. Eu não serei capaz de ser lógico no momento. ─ Por que precisamos ser lógicos? Ele apertou o queixo. ─ Há algumas coisas que precisam ser explicadas. Mas não posso fazê-lo agora mesmo. Então estou pedindo que confie em mim e espere até amanhã para falar. Frustrado com seu comportamento distante, balancei a cabeça. ─ Tudo bem ─ Saí da sala sem mais uma palavra. Eu não imploraria que falasse. Algo obviamente o estava comendo, mas, como de costume, ele não queria falar comigo sobre isso. Tomei banho e entrei na cama, me sentindo qualquer coisa menos relaxado. Recordando como me senti durante o sexo esta noite, era quase uma experiência fora do corpo. As sensações físicas tinham sido incríveis, mas emocionalmente, eu não me sentia como eu. Me sentia dirigido para estar com Pierce sexualmente. Não era uma atração sexual normal. Isso se sentiu

155


mais desesperado e poderoso. Não pensei que era simplesmente porque era a minha primeira vez com um cara também. Talvez ele estivesse certo e era a lua cheia que influenciara meu desejo sexual. Mas o que me ocorreu foi que não tinha sido apenas sexual. Me senti emocionalmente conectado com ele também. Ainda senti isso. Eu tinha um desejo distinto de protegê-lo, cuidar dele. Provavelmente odiaria ouvir isso. Pensaria que achava que era fraco. Mas não era isso mesmo. Claro, eu estava sentindo sentimentos estranhos em direção a Pierce desde que o conheci. Não era apenas a lua cheia. Não era uma lua cheia, quando tive esses pensamentos sobre Pierce na sessão pornô. Rolei no meu estômago e apertei meu travesseiro, tentando me sentir confortável. Nunca conheci uma pessoa mais fechada que Pierce. Eu sabia que ele tinha problemas por causa de Baxter, mas não entendi por que estava tão quente e frio comigo. Ele me queria tanto quanto eu o queria hoje. Não tinha imaginado isso. Mas do jeito que estava agindo depois, era como se me desprezasse agora. Ouvi uma porta se fechar quando Pierce entrou no banheiro de hóspedes perto de meu quarto. Depois de quão doente ele tinha parecido antes, era difícil não continuar protegendo-o. Estiquei meus ouvidos, tentando ouvir qualquer som de angústia. Quando ouvi o que soou como ruídos vorazes, o alarme disparou através de mim e me sentei. Joguei de volta as cobertas e me movi para a porta. Abrindo, coloquei minha cabeça no corredor. Estava quieto agora, mas e se ele tivesse desmaiado no banheiro ou algo assim? Depois de quão doente tinha estado

156


antes, não me senti desconfortável, de pelo menos, tentar me certificar de que estava bem. Se ele acreditava em mim ou não, eu sentia sentimentos reais em sua direção. Desci o corredor para a porta do banheiro e golpeei suavemente. ─ Pierce. Você está bem? ─ Não houve nenhum som por dentro e isso me fez sentir duas vezes preocupado. Eu bati novamente. ─ Você está bem lá? ─ Quando ele não respondeu, eu tentei a porta e encontrei-a desbloqueada. Quando abri avistei Pierce, sentado no chão em frente ao vaso sanitário. ─ Merda. Você está doente de novo? ─ Eu corri e ajoelhei ao lado dele. ─ Vá embora, ─ ele gemeu. ─ De jeito nenhum. Franzindo o cenho, ele olhou para mim. Seu rosto era tão branco quanto a neve e os olhos brilhantes. ─ Por que você acha que sempre deve se meter na minha vida? ─ Porque eu me importo. Agora aproveite. ─ Eu esfreguei suas costas. ─ O que eu posso fazer para te ajudar? ─ Vá embora? ─ Boa tentativa. Ele gemeu e puxou para o banheiro novamente. Fiquei de pé e peguei uma toalha, depois molhei com água morna e, quando terminou de vomitar, enxuguei o rosto. Ele limpou o banheiro, mas ficou onde estava, respirando grosseiramente.

157


─ Você parecia bem até... até que fizemos sexo. O que diabos está errado, Pierce? ─ Eu estava começando a me sentir realmente preocupado. ─ Não importa, ─ ele murmurou. ─ Claro que sim. ─ Por favor, Seth ─ ele suplicou suavemente. ─ Apenas me deixe em paz. ─ Não. ─ Não sou seu problema. ─ Você é hoje à noite. ─ Eu suspirei, me apoiando na vaidade. ─ Eu não sou uma criança. Estive doente antes. Você pode ir para a cama. ─ Ele olhou para mim. ─ Eu não vou embora até que termine de vomitar. Então eu vou te ajudar a voltar à cama. ─ Deus, você é tão teimoso. Eu bufei. ─ Certo. Eu sou o teimoso. Ele não respondeu. Ficou sentado em silêncio, olhando para o banheiro por cerca de dez minutos. Eventualmente se moveu como se fosse ficar em pé, e eu o peguei debaixo do braço para ajudar. Ele tropeçou na pia e agarrou sua escova de dentes. ─ Você não deve se preocupar com isso agora. Ele franziu o cenho, seu rosto pálido, mas um toque de rosa nas bochechas. ─ Eu não consigo dormir a menos que eu faça. ─ Ele apertou pasta

158


de dente em sua escova com as mãos trêmulas, e depois escovou e enxaguou. Secou o rosto em uma toalha de mão e se moveu para a porta lentamente. Eu o segui, apenas para ter certeza de que não caiu e bateu a cabeça. Uma vez que alcançou seu quarto, correu para a cama e se arrastou com um gemido. Joguei as cobertas sobre ele, e sentei coloquei na borda do colchão. ─ Você pode ir, ─ ele sussurrou. ─ Sim. Eu sei. ─ Acariciei seus cabelos macios, me sentindo instável. Eu não gostava que ele estivesse doente. Isso me enervou. Toquei a marca de mordida em seu ombro e ele suspirou. ─ Não se preocupe. Eu não vou segurá-lo para isso. Eu fiz uma careta. ─ O que você quer dizer? ─ Você me mordeu. Tecnicamente me reivindicou como ômega. ─ Não. Eu sei disso. Quero dizer, o que você quer dizer com não me segurará? ─ Eu entendo que foi o calor do momento. Ok? Não sou ingênuo. ─ Não foi apenas o calor do momento. Ele levantou a cabeça fracamente. ─ Ótimo. Vamos nos casar em Vegas? Eu ri da raiva. ─ Eu queria reivindicá-lo. Sua expressão era de quem não acreditava. ─ Que diabos está errado com você? ─ O que? ─ Por que não está mais apavorado?

159


─ Sobre estar com um cara pela primeira vez? Ele resmungou. ─ Sobre tudo isso. Você está indo com o fluxo, agindo com calma. ─ Eu sou treinado para reagir bem sob circunstâncias estressantes. ─ Sorri. Eu não iria deixá-lo me irritar. Eu sabia que ele estava tentando me irritar, então eu iria para meu quarto. Ele gemeu e enrolou em uma bola. ─ Por favor, vá embora. ─ Não até ter certeza de que você está bem. ─ Eu estou. Agora tchau, tchau. ─ Ele puxou os cobertores sobre sua cabeça. Eu revirei os olhos e me mudei para o outro lado, jogando de volta as cobertas, subi. Ele puxou a cabeça para cima, parecendo chocado. ─ O que diabos você está fazendo? ─ Ele gritou. ─ Mantendo o ônibus bom. ─ Eu me aproximei mais. Ele empurrou para mim sem entusiasmo. ─ Vá para sua própria cama. Eu o ignorei, envolvendo meus braços em volta dele e puxando-o contra meu corpo. ─ Fique quieto. Ele realmente não lutou. Na verdade, com um suspiro, relaxou contra mim como se não tivesse escolha. Acariciei suas costas levemente e beijei seu cabelo. ─ Basta descansar. Vou cuidar de você enquanto dorme. ─ Maldito seja, ─ ele murmurou, aconchegando-se contra meu peito. ─ Eu não preciso de você.

160


─ Eu sei. ─ Eu sorri. ─ Eu não preciso de ninguém. ─ Totalmente consciente. ─ Eu beijei sua cabeça novamente, inalando seu cheiro e me sentindo contente. Ele enrolou as pernas com as minhas. ─ Isso não significa nada. Estou realmente exausto. ─ Shhh. ─ Quero dizer isso. ─ Você é um cara duro. Eu entendi. ─ Fechei os olhos. ─ Agora vá dormir, cara duro. Ele me surpreendeu quando beijou meu peito, sua respiração quente contra minha pele. ─ Por que você está fazendo isso? ─ Porque é necessário. Sua voz estava sonolenta quando disse: ─ Não, não é. ─ Eu acho que é. ─ Eu acho que sei o que eu preciso. ─ Quem disse que eu quis dizer você? Talvez eu queira abraçar porque me sinto super carente hoje a noite. Você já pensou nisso? Hã? Também tenho sentimentos. Ele realmente deu uma risada suave e se aproximou mais perto. ─ Você provavelmente está cheio de merda, como todos os alfas. Mas agora não me importo.

161


─ Quantas vezes eu tenho que lhe dizer, que não sou como os outros alfas? ─ Talvez apenas mais alguns milhares de vezes. Levantei um ombro. ─ Se é o que é preciso para que confie em mim, continuarei me repetindo. ─ Eu nunca disse que eu confiaria em você. ─ Ele suspirou. ─ Não estou preocupado com isso. Você eventualmente vai. Todos os ômegas caem sob meu feitiço sexy eventualmente. ─ Convencido como sempre. ─ E você é teimoso como sempre. Seus músculos ficaram tensos. ─ Talvez você devesse voltar para seu quarto, onde não será incomodado por mim e minha teimosia. Eu sorri. ─ Boa tentativa, Pierce. Mas eu não vou a lugar nenhum. ─ Últimas palavras famosas. Tenho a certeza de lembrá-las assim que estiver saindo pela porta. Eu balancei minha cabeça em sua atitude grosseira e fechei os olhos, sorri um pouco nos meus lábios.

162


Capítulo 9 Pierce Antes que o sol surgisse, escorreguei da cama enquanto Seth ainda estava profundamente adormecido e me vestiu rapidamente. Então eu saí da casa e fui direto para a casa de Colin. Os pais de Susan se ofereceram para levar Emily até a escola hoje, pelo qual agradeci. Eu precisava limpar minha cabeça e pensar em algumas coisas antes de passar o tempo com ela hoje. Depois do que aconteceu entre eu e Seth na noite passada, precisava falar com outro ômega eclipse solar ou senti que ia perder a cabeça. Quando toquei a campainha no lugar de Colin, Riley respondeu. Ele pareceu surpreso ao me ver, mas não como se o incomodasse que eu estava lá. ─ Ei, Pierce. ─ Ele sorriu e se afastou. ─ Entre. ─ Desculpe apenas entrar na embarcação. ─ De modo nenhum. Colin está na cozinha alimentando Garrett. Sigame. ─ Ele fechou a porta e segui atrás dele. A casa era tão grande que provavelmente me perderia se tivesse tentado encontrar o Colin sozinho. Os olhos de Colin se arregalaram quando me viu. ─ Ei. ─ Ele parecia incômodo. ─ Tudo certo? ─ Não realmente. ─ Eu olhei para Riley. Riley sentou-se em seu lugar na mesa, onde tinha um prato cheio de comida. ─ Fale livremente. Não vou julgar. Mas estou morrendo de fome, a

163


menos que vocês dois querem sair e ir ter um bate-papo particular, eu acho que você vai ter que me aturar na cozinha. Meu rosto corou. Eu sabia que ele estava ciente do quanto não gostava de estar ao seu redor. Mas era sua casa, e ele tinha todo o direito de estar aqui, obviamente. ─ Você está com fome? ─ Perguntou Colin. ─ Eu posso te fazer alguns ovos. Eu ainda me senti um pouco enjoado e não queria comer nada ainda. ─ Não. Eu não estou com fome. Riley colocou ovos na boca, me observando. Quando olhei para ele com dificuldade, ele balançou a cabeça e continuou comendo. Depois que engoliu, disse, ─ Eu não vou a lugar nenhum, Pierce. É melhor você se acostumar a estar perto de mim. Eu segurei seu olhar teimoso. ─ É só que não conheço você, como conheço Colin. ─ E você nunca fará se continuar me tratando como um leproso. ─ Ele tomou um gole de café. ─ O que acha que vou fazer com suas informações pessoais? Vender para o Enquirer? ─ Não. ─ Escrever uma música sobre isso? ─ Muito engraçado. ─ Colin é seu amigo e eu também gostaria de ser. Não vou sair da sala toda vez que visitar. Está ficando um pouco ridículo.

164


Eu estava tão emocionalmente exausto da noite passada, que puxei uma cadeira e me abaixei. ─ Bem. Fique. Eu não me importo. Riley olhou para Colin. ─ Merda. Acho que superou o pequeno bastardo. Eu fiz uma careta. ─ Isso não é julgamento? Ele riu. ─ Eu posso fazer melhor. Garrett bateu o copo de canudinho em sua bandeja como se quisesse atenção. Olhei para ele e sorri. ─ Ei, garoto. Ele sorriu e balançou os braços e as pernas, soprando framboesas. Eu ri e joguei algumas rodadas de peek-a-boo com ele até perder o interesse, distraindo-se tentando pegar Cheerios com seus pequenos dedos gordurosos. Colin sentou-se em frente a mim, empurrando uma caneca de café em minha direção. ─ Você parece uma merda. ─ Obrigado. ─ Peguei o café e adicionei um pouco de creme. ─Eu me sinto como cachorrinho. ─ É Seth? ─ Quem mais? ─ Eu suspirei, soprando no café quente. Eu tomei um gole e estremeci quando queimou minha língua. ─ Desculpa. Eu gosto muito do meu café. Colin riu. ─ Está bem. ─ Coloquei o copo e encontrei o olhar curioso de Colin. ─ Primeiro, muito obrigado por contar a Seth sobre Baxter. Seu rosto corou. ─ Ele foi muito persistente. Não pensei que isso machucasse nada.

165


─ Você não teve nenhum negócio fazendo isso. Ele devolveu o olhar de Riley. ─ Você estava certo. Eu deveria ter mantido minha boca fechada. ─ Disse-lhe assim. ─ Riley encolheu os ombros. ─ Eu sabia que Pierce iria descobrir. Era inevitável. Colin inclinou-se para mim. ─ Eu estava apenas tentando ajudar. ─ Contando a Seth sobre o momento mais humilhante da minha vida? Ele exalou. ─ Olha, ele é meu amigo também. Eu o conheço. Ele realmente quis saber por que você está tão protegido com ele. Eu posso dizer que tem uma pequena coisa para você, então eu pensei, por que não ajudar essa pequena conexão de amor? ─ Porque eu não estou procurando por um alpha, e não foi sua história para contar. É por isso. ─ Bem, Seth é um cara sólido. Eu percebi, o que poderia doer para você finalmente se envolver com um alfa de qualidade? Somente coisas boas poderiam vir disso, ─ disse Colin. Riley riu. ─ Considerando o quanto você odiava os alfas até me encontrar, isso é quase engraçado vindo de você. ─ Eu não poderia concordar mais. ─ Eu acenei com a cabeça para Riley. ─ Você de todas as pessoas, Colin. Não poderia suportar estar na mesma sala com a maioria dos alfas.

166


─ Bem, eu estava errado de ser assim. Só porque o alfa do meu irmão Garret foi um idiota, isso não significava que todos fossem. Aprendi essa lição e queria que aprendesse também. ─ Bem, agora estou numa bagunça ─ murmurei. ─ Por quê? ─ Colin franziu a testa. Deslizei meu olhar para Riley e suspirei. ─ Claro que você não quer entrar na outra sala e ler um livro ou algo assim? Ele sorriu maliciosamente. ─ Não. Quero sentar aqui e ouvir a situação do meu novo melhor amigo. Eu fiz uma careta. ─ Deus. ─ Então você descobriu que eu disse a Seth sobre Baxter. Por que você não está mais irritado? ─ Porque eu tenho um problema muito maior agora. ─ Eu esfreguei meu rosto. ─ Uh, oh. ─ Colin estremeceu. ─ Sim. Uh, oh, de fato. ─Eu me inclinei para trás na minha cadeira. ─ Você pode ter notado a lua cheia gigantesca na noite passada? Riley olhou para o companheiro. ─ Sim. Podemos nos parecer um pouco mais frívolos do que o habitual na noite passada. Colin riu desajeitadamente. ─ Só um pouco. Embora seja difícil de dizer, já que já somos bastante fogosos. ─ Infelizmente, eu e Seth sentimos isso também.

167


Colin estreitou os olhos. ─ Em frente um ao outro? ─ Não é muito divertido sozinho. ─ Eu franzi o cenho. ─ Você e Seth fizeram sexo? ─ Riley bufou. ─ Vocês só se conheceram como três dias ou algo assim. ─ Com licença? ─ Colin inclinou uma sobrancelha. ─ Você e eu fizemos sexo na primeira noite que nos conhecemos. Riley sorriu. ─ Oh sim. Eu bati em você e você estava mais do que disposto. ─ Bem, você era a famosa estrela do rock, Riley West. ─ Verdade. Eu acho que ainda sou. Colin sorriu e depois se virou para mim. ─ Então, foi bem com Seth? Tirei a lembrança de quão bem tinha ido. ─ Ai sim. Um pouco demais. ─ Como o sexo pode ir muito bem? ─ Riley coçou a cabeça. Eu exalei grosseiramente. ─ Nós nos deixamos levar. ─ O meu rosto parecia que estava em chamas. ─ Se você conseguir o meu significado. ─ Merda. ─ Colin estreitou seu olhar. ─ Você quer dizer que você não usou proteção? Eu estremeci. ─ Não. ─ Eu engoli, me sentindo enjoado. ─ Os preservativos estavam ali e nós dois os ignoramos. Colin soprou uma respiração instável. ─ É assim que é quando seu instinto o tem em seu controle. Riley assentiu. ─ Sim. Eu lembro.

168


Esfreguei o rosto. ─ Isso é humilhante admitir, mas quase senti que queria engravidar. Agora, à luz do dia parece insano. Mas na época... sentia-se normal. Riley franziu o cenho. ─ E, claro, Seth não faz ideia de que você é um ômega eclipse solar ─ Não era uma pergunta. ─ Ele não faz ideia de que a gravidez seja mesmo uma possibilidade. ─ Não. Claro que nem sequer suspeitava que eu pudesse engravidar. ─ Bem, talvez você tenha esquivado uma bala. ─ Colin fez uma careta. ─ Como você está se sentindo? Eu gemi e olhei para o teto. ─ Como se estou grávido. ─ O quê? ─ O rosto de Colin ficou tenso. ─ Merda. Mesmo? ─ Eu conheço os sinais. ─ Estremeci. ─ Já aconteceu antes. Lembra? Colin piscou lentamente. ─ Como eu poderia esquecer? ─ Você já engravidou antes? ─ Perguntou Riley calmamente. Eu assenti. ─ Sim. Quando estava segurado por Baxter. ─ Eu tremei lembrando aqueles tempos de arruaceira. ─ Alguns dos alfas se forçaram sem proteção. Porque meu tipo é tão malditamente fértil, eu engravidei quatro vezes ao longo dos anos. ─ Eu apertei minha mandíbula, tentando manter a inundação de memórias dolorosas de vir para mim. ─ Mas Baxter fez com que eu nunca estivesse muito longe nas gravidezes ─ eu disse amargamente. ─ Ele me deu mifepristona e misoprostol em grandes doses cada vez que me forçou a abortar. ─ Jesus ─ Riley ficou horrorizado. ─ Que bastardo.

169


─ Quase me matou a cada vez. ─ Eu tremei. ─ Não acho que ele teria se importado de qualquer maneira. Eu sei que teria morrido antes. Colin fez uma careta. ─ Não diga isso. Minha boca era uma linha sombria. ─ Desculpa. Mas eu quero dizer isso. ─ Eles o pegarão ─ grunhiu Colin. ─ Se The Ancients cuidou o pedaço de alface de meu irmão, não acredito que eles vão deixar Baxter fugir com o assassinato de seus bebês e quase te matar também. Apertei meus punhos. Não queria discutir com Colin. Ele ainda acreditava que The Ancients nos vigiava. Mas eu não. Desisti de pensar que Baxter seria punido há muito tempo. Não acreditava que The Ancients realmente se importasse com o que tinha acontecido comigo. No começo do meu tempo com Baxter, orei por ser resgatado, mas, eventualmente, percebi que ninguém viria por mim. Porque ninguém realmente se importou onde eu estava de qualquer jeito. Não uma vez que minha avó morreu. Balancei a cabeça, tentando me livrar desses pensamentos deprimentes. ─ De qualquer forma, eu sei quando estou grávido. Já passei por isso o suficiente. Colin franziu a testa. ─ Então você teve a coisa do olho? Os calafrios dolorosos? ─ Sim. ─ Eu suspirei. ─ Então vomitei a metade da noite. ─ Droga. ─ Colin suspirou. ─ Seth notou que qualquer coisa estava errada?

170


Eu sorri quase contra minha vontade, e meu peito apertou com emoção. ─ Ele foi muito gentil comigo. Muito nutritivo. Ele não deixaria o meu lado. Colin sorriu. ─ Disse-lhe que ele era um bom alfa. ─ Eu vou te dar o fato de que ele era bom para mim. Mas mal nos conhecemos. Não tem ideia do que sou ou que posso engravidar. Vai se libertar. Eu garanto isso. Uma coisa é acalmar alguém que está doente. Mas ele não será capaz de lidar com esta situação estranha. E quem poderia culpálo? ─ Foi muito ruim, porque, embora talvez não admitisse isso a Colin, na verdade eu estava realmente começando a gostar de Seth. ─ Eu acho que quando você lhe disser, ele vai querer fazer parte de sua vida. Querer criar esse bebê com você. Ele realmente parece gostar de você, Pierce. Não estou apenas dizendo isso. ─ Colin parecia sincero. ─ Eu nunca o vi assim. ─ Eu não sei sobre isso. ─ Meu rosto estava quente. Colin suspirou. ─ Ele é apenas o tipo de alfa que você precisa. Quando descobrir sobre o bebê, sim, ele ficará louco no início, mas vai querer ser uma família. Estou certo disso. ─ Você é o único que me disse que ele é um jogador. Por que de repente iria querer se estabelecer? ─ Ele é diferente ultimamente. Desde que se encontrou com você... ele não é o mesmo. ─ Colin sorriu. ─ E, francamente, você também não.

171


─ Ainda ─ Toquei meu estômago protetoramente. ─ Eu tenho que ter muito cuidado. Não tenho certeza de que queira contar a Seth. E se ele tentar me fazer abortar esse bebê? ─ O pânico encheu meu intestino. ─Não posso deixar isso acontecer. De novo não. Preciso proteger essa criança. Eu falhei tantas vezes antes, mas não desta vez. Franzindo a testa Riley disse: ─ Ele nunca faria isso. Você deve contar a ele sobre o bebê. ─ Quem disse? Colin parecia frustrado. ─ É o seu bebê também, Pierce. ─ Ele acabou de descobrir que tem uma filha de oito anos de idade. Esta é a última coisa que precisa. Pelo amor de Deus, Colin. Ele nunca ouviu falar de um ômega eclipse solar. Pensará que eu sou uma aberração da natureza. Quero dizer, eu meio que sou. Colin não parecia satisfeito. ─ Nossa capacidade de ter bebês é um presente. Não é uma maldição. ─ Se ele é como a maioria dos alfas que conheci, não concordaria. Confie em mim, ele não vai querer saber. Ignorância é felicidade se você é um alfa egocêntrico. Riley me deu um olhar exasperado. ─ Pelo que eu sei de Seth, vai querer fazer parte da vida deste bebê. Ele estava furioso porque não sabia sobre Emily mais cedo. Você não pode manter isso dele, Pierce. Isso não está certo. Eu alarguei os olhos. ─ Ele não vai acreditar em mim mesmo assim. É muito louco.

172


─ Então você fala com ele e trabalha isso. ─ O rosto de Riley estava comprimido. ─ Riley está certo. Você não pode ocultar isso. Ele precisa saber. Eu atirei um olhar de advertência em direção a Colin. ─ Este é o meu negócio. Não se atreva a lhe dizer. Ele franziu o cenho. ─ Pierce, você está sendo imaturo. Está deixando seus medos ter o melhor sobre você. ─ Eu não deveria ter vindo aqui. ─ Fiquei de pé e passei uma mão pelo meu cabelo. ─ Pensei que você entenderia, mas não. ─ Se alguém entende, sou eu. ─ Colin suspirou. ─ E se eu pensasse por um segundo que Seth era o tipo de idiota que o rejeitasse ou o trataria mal, eu seria tudo por manter isso abafado. Mas Seth realmente gosta de você. Quero dizer, se você pudesse ter visto seu rosto quando falei sobre como Baxter o tratou? Ele estava furioso por você, Pierce. Ele estava absolutamente lívido. Eu fiz uma careta. ─ Ele é um tipo protetor. É por isso que é um guardacostas. Colin bufou. ─ Ele é um homem honrado. E é melhor você apostar que chutaria a bunda de alguém se testemunhasse que eles abusassem de alguém. Mas isso foi pessoal. Ele estava chateado com você pessoalmente, Pierce. Estou lhe dizendo que ele está gostando de você, como nunca o vi com nenhuma mulher.

173


─ Ele estava excitado e fizemos sexo. Você está explodindo isso em algo que não é. ─ Quando meu telefone tocou no bolso, eu pulei. Olhando para baixo, vi que era Seth e franzi a testa. ─ Ele está ligando para você, não está? ─ Colin parecia presunçoso. ─ Ele não é o cara que liga para a menina depois do sexo. Ele é o cara que esquiva as chamadas telefônicas geralmente. Confie em mim, se está ligando para você, ele está em você. E se quer você, vai te pegar. Eu conheço esse cara, ele é tenaz como o inferno quando quer alguma coisa. Pressionei um botão e enviei Seth para o correio de voz. ─ Eu não vou atrapalhar a vida de um alfa para estar comigo. ─ Ninguém está preso a ninguém. Ele vai querer intensificar e ser um pai para essa criança. Além disso, você não pode ter um bebê sozinho. Como trabalharia? Está sendo muito emocional sobre isso porque trouxe muitas más lembranças. Seja lógico. Fale com Seth e veja o que acontece. ─ Deixe-me entender isso... Eu só deveria vagar por aí para a casa de Seth e anunciar que a primeira vez que ele fodeu um cara, o cara ficou grávido? Sim, isso vai passar por fantasia. ─ Eu balancei minha cabeça com desgosto. ─ Vocês dois estão sonhando. Colin bufou. ─ Oh, ele vai explodir uma junta. Não estou dizendo que não pensará que você é louco no início, porque irá. Mas quando se acalmar, ele entrará na fila. ─ Nós quase não nos conhecemos. ─ Enquanto eu discutia por que não deveria estar com Seth, tive que lutar contra o impulso de correr de volta para ele. Eu não sabia se era a gravidez ou o que, mas queria ir para casa para ele,

174


inalar seu perfume e deixá-lo cuidar de mim. O instinto de me entregar era poderoso, especialmente depois que me mordeu e me reclamou. Mas eu precisava pensar logicamente sobre tudo isso. Não podia deixar minhas emoções me controlarem ou poderia tomar uma decisão errada. ─ Não deixe o medo ditar suas ações, Pierce. Conte-lhe sobre o bebê. ─ Colin falou calmamente, ─ Seth fará a coisa certa. Ele quer você. Eu sei que quer. O olhar de Riley estava quente enquanto concordava com a cabeça. ─ Mas você ficará bem não importa o que. Eu segurei seu olhar. ─ Tenho medo de não compartilhar sua confiança alfa de que o mundo está cheio de ursos de cuidado e arco-íris. Tudo nem sempre é bom quando você é um ômega. Riley franziu o cenho. ─ O que quero dizer é se Seth se revela um idiota, você virá viver comigo e com Colin. Nos certificaremos de que você e seu bebê estão seguros. Meu rosto corou. ─ Ah. Ele resmungou e cruzou os braços. Um nódulo se formou na minha garganta quando percebi o gesto gentil que ele fazia. ─ Eu sinto muito. Eu apenas entendi mal. ─ Sim, eu sei. Porque você acha que todos os alphas são ruins. Mas não somos, ─ resmungou Riley. Suspirei. ─ Eu sei que você é um bom cara. Você trata Colin e Garrett como ouro.

175


Riley alargou os olhos, puxando seu celular do bolso. ─ Não quero estragar o momento ou qualquer coisa, mas você gostaria de dizer isso de novo, então eu posso gravá-lo no meu telefone? Eu sorri para ele, feliz por ter me perdoado. ─ Repetir o quê? Eu não disse nada. Riley sorriu. ─ Oh, entendi. Eu vejo como é. Eu devolvi o olhar divertido de Colin e disse: ─ Ok, talvez você tenha um dos melhores alfas. ─ Tenho! ─ Riley sorriu, segurando sua celular. ─ Isso está acontecendo totalmente no Instagram hoje.

176


Capítulo 10 Seth Acordar sem Pierce pareceu errado. Quando abri meus olhos e ele não estava ao meu lado na cama, me senti vazio e nervoso. Imediatamente agarrei meu celular e liguei para ele, mas não respondeu. Isso não me acalmou exatamente e então fui ao meu quarto e me vesti. Tive uma forte sensação de que sabia onde estaria. Mas, assim que cheguei à porta da frente, para me apressar para a casa de Colin, tinha ouvido sua chave na fechadura. Quando ele abriu a porta, parecia exausto e ansioso. ─ Ei, ─ disse suavemente, fechando a porta atrás dele. ─ Você viu Colin? ─ Minha voz estava rígida. Era difícil conter meu alívio em vê-lo. Queria agarrá-lo e puxá-lo para um abraço, mas queria respeitar seus desejos também. E ele parecia tenso e como se odiasse se eu o tocasse. ─ Sim. ─ Ele segurou meu olhar, parecendo confuso. ─ Eu precisava conversar com alguém que... é como eu. ─ Tudo bem. ─ Assenti. ─ Você está se sentindo melhor esta manhã? ─ Corri meu olhar sobre suas características pálidas. Era óbvio que ele não se sentia incrível, mas esperava que, pelo menos, os vômitos tivessem parado. ─ Um pouco.

177


Esfreguei minha mandíbula. ─ Estou feliz que você voltou. Estava preocupado. ─ Você não precisa se preocupar comigo só porque eu sai da casa. Eu fiz uma careta. ─ Você estava realmente doente ontem à noite. Claro que estava preocupado. ─ Bem, eu estou... estou melhor agora. ─ Ele se moveu para passar por mim. Resisti o impulso de agarrar seu braço e mantê-lo perto de mim. Não foi fácil, mas apertei os dentes e deixei passar. O segui até a cozinha, onde o encontrei derramando uma xícara de café. ─ Falou com Colin? ─ Sim. Clareei minha garganta. ─ Vocês falaram sobre algo interessante? Ele ergueu os olhos entre as sobrancelhas. ─ Talvez. ─ Qualquer coisa que você gostaria de compartilhar? ─ Ainda não tenho certeza. ─ Ele mordeu o lábio. Frustrado com o quão fechado parecia, eu disse: ─ Bem, conte para mim, eu julgarei. Ele ignorou meu sarcasmo. ─ Fiquei surpreso com a facilidade com que trouxe Emily aqui em sua casa. ─ Você estava? ─ Sua mudança de assunto me surpreendeu. ─ Sim. Eu pensei que você iria se ressentir dela no início. ─ Por quê? ─ Eu franzi o cenho.

178


─ Porque ela quebrou seu estilo de vida playboy. Eu revirei os olhos. ─ Entendo. Bem, se fez, não me importo porque ela é mais importante. ─ Uau. Essa observação foi francamente desinteressada. ─ Obrigado. ─ Eu segurei seu olhar cauteloso teimosamente. Ele colocou as mãos no quadril. ─ Posso te perguntar uma coisa? ─ Sim. ─ Por que... por que você me reclamou ontem à noite? ─ Seu rosto era rosa. ─ Foi instinto. Parecia certo. ─ Você se arrepende? Eu franzi o cenho. ─ De jeito nenhum. Ele sorriu, como se minha veemente resposta o surpreendesse. ─ Eu não tinha certeza se talvez você se deixou levar pela paixão do momento. ─ Eu estava no momento, sim. Mas não é por isso que fiz isso. ─ Você tem certeza? ─ Sim. ─ Pigarrei. ─ Eu reivindiquei você porque, enquanto não sei o que diabos esta acontecendo entre você e eu, sei que não quero que mais alguém venha cheirando por você. Ele estreitou os olhos. ─ Mesmo? Então, era uma coisa possessiva?

179


─ Pelo menos me dê crédito por não apenas fazer xixi em você. ─ Sorri. ─ Eu fui na rota romântica. Quando ele riu, apertou meu peito. ─ É estranho que, depois de batermos as cabeças, você de repente sinta isso por mim. ─ Ele pegou o creme da geladeira e adicionou algo ao café dele. Então olhou para cima, seus olhos cautelosos. ─ Isso me faz pensar se o que você está sentindo pode ser real. ─ É real. É confuso também. ─ Eu teria que concordar. Estou muito confuso também. ─ Ele assentiu. ─ Talvez seja assim que começam os grandes relacionamentos. ─ Com enorme confusão? ─ Ele curvou uma sobrancelha. ─ Eu duvido disso. ─ Claro, mas em quantos grandes relacionamentos você já esteve? ─ Nenhum. Eu sorri. ─ Ei, o mesmo aqui. Ele tomou um gole de café e, quando o baixou, as mãos tremiam. ─ Eu tenho algo para lhe dizer, mas não posso decidir se deveria ou não. ─ Isso é ruim? Ele inclinou a cabeça. ─ Depende do seu ponto de vista. ─ Colin e Riley acham que você deveria me dizer? Ele sorriu. ─ Claro. Eles acham que você é incrível. Estou surpreso que ainda não formaram um fã-clube.

180


─ Você acha que é um erro eles gostarem de mim? ─ Um pouco. Preferiria que estivessem do meu lado. Eu ri. ─ Pelo menos você é sincero. Ele hesitou e então disse suavemente: ─ Eu gosto da minha independência ─ Ele engoliu em seco. ─ Você deveria saber disso. ─ Isso não é exatamente surpreendente. ─ O que estou prestes a lhe dizer pode fazê-lo pensar que quero depender de você para tudo. Esse não é o caso. ─ Ok. ─ Eu franzi a testa, intrigado sobre o que seu pequeno segredo poderia ser. ─ Você também vai achar que estou louco. Mas não estou. Colin pode atestar por mim. ─ Colin? ─ Entrecerrei os olhos. ─ Ele está envolvido nisso? ─ Ele é como eu. ─ Você quer dizer um ômega? ─ Seu processo de pensamento saltou tanto que eu tive problemas para seguir o que era seu ponto de vista. Ele engoliu em seco e inclinou-se no balcão, como se precisasse de suporte. ─ Nós somos um tipo diferente de ômega. Um tipo especial. ─ Especial como? ─ Seu rosto se contraiu nervosamente, me dando uma sensação de mal-estar. ─ Nós somos ômegas eclipse solar. ─ Um ômega eclipse solar? ─ Eu franzi a testa. ─ O que é isso?

181


Ele enxugou a testa, parecendo mais pálido do que antes. ─ Você acha que podemos sentar? Estou me sentindo tonto. ─ Claro. ─ Me movi para a frente e peguei seu braço, e ele parecia quase estremecer com meu toque. O guiei até a mesa da cozinha e ele sentou-se com um grunhido. Sentei ao lado dele, resistindo o desejo de tocá-lo mais. Juntei minhas mãos no meu colo em vez disso. ─ Então, o que exatamente é um ômega eclipse solar? ─ Perguntei. ─ Nós somos únicos. ─ Ele fez uma careta. ─ Somos uma espécie de mutação genética que ocorreu há cerca de cem anos ou mais. ─ Certo. ─ Eu não sei o quanto você sabe sobre nossa história de alfa e ômega. ─ Eu não sei muito. Minha mãe costumava falar um pouco sobre The Ancients. Mas estou envergonhado de dizer que não prestei muita atenção. ─ Eu também não fiz isso quando era jovem. Mas então descobri algumas coisas sobre mim depois de conhecer Baxter. ─ Que tipo de coisa? Sua expressão endureceu e ele desviou o olhar. ─ Eu descobri que eu sou fisicamente diferente de ômegas regulares. Em... de uma maneira muito profunda. ─ E Baxter ajudou você a descobrir isso? ─ Passei a mão no meu rosto.

182


─ Ele também não sabia até... até a primeira vez que aconteceu comigo. ─ Ele esfregou o rosto bruscamente. ─ Deus, eu não estou explicando isso bem. ─ Respire fundo e diga-me. Ele fixou o olhar no meu. ─ Você sabia que havia uma doença que afetou as fêmeas de nossa espécie há cerca de cem anos? ─ Não. ─ Eu fiz uma careta. ─ Afetou-lhes como? ─ Eles não poderiam ter bebês. As fêmeas tornaram-se estéreis. ─ Todas elas? Ele suspirou. ─ Quase. Apenas um em cada centenas de partos produziu um filhote vivo. ─ Ele fez uma careta. ─ Nosso tipo correu o perigo de extinção. ─ O que causou isso? ─ Nós não sabemos. Mas foi quando os ômegas eclipse solar apareceram. Eles foram capazes de resolver o problema da infertilidade das fêmeas. ─ Como? Os emetismos solares eram capazes de impregnar as fêmeas ou algo assim? Ele beliscou a pele entre os olhos. ─ Não exatamente. ─ Suspirou. ─ Nós fomos resistentes à doença e... e fomos capazes de... ter bebês em vez das fêmeas. Seja como for, a doença não nos afetou.

183


O choque irradiou através de mim enquanto suas palavras afundavam. ─ Desculpe... o que você disse? Ele levantou o queixo. ─ Nós podemos engravidar. O sangue drenou lentamente do meu rosto. Ele estava mentalmente instável? Todos esses anos com Baxter o deixaram louco? ─ Você quer dizer gravidez, gravidez? ─ Sim. ─ Ele me observou atentamente. ─ Eu sei que eu pareço louco. Eu dei uma risada irregular. ─ Você está dizendo que... você realmente está dizendo que você e Colin podem ter bebês? ─ Era óbvio por sua expressão confiante que ele acreditava em tudo o que disse. Mas o que estava dizendo era louco. Ele fez uma careta. ─ Eu posso ver você achar que eu sou louco. Abaixei meu olhar, me sentindo entorpecido. ─ Não tenho certeza do que você espera que eu diga? ─ Eu nem mesmo queria contar nada disso, mas Colin e Riley pareciam pensar que você precisava saber. ─ Ele suspirou. ─ Eu odeio o jeito que você está me olhando. ─ Eu só… ─ Colin pode me apoiar nisso. ─ Estou em uma perda de palavras. Ele raspou a cadeira e ficou de pé. ─ Seth, estou falando sério. Colin vai confirmar o que estou dizendo.

184


Eu também levantei, me sentindo confuso. Ele parecia tão normal e racional geralmente. Mesmo agora, além de o que ele estava falando, pareceu são. ─ Pierce, vamos lá. ─ Eu entendo que isso parece louco. ─ Ele estremeceu. ─ Foda-se, eu juro que sim. ─ Lambeu os lábios, parecendo pálido e trêmulo. ─Estou apenas dizendo isso por causa do que aconteceu entre nós ontem à noite. Olhei para ele fixamente. ─ Você está em algum tipo de medicação? Ele balançou a cabeça enquanto sua boca se endurecia. ─ Você vai se sentir um idiota quando perceber que estou dizendo a verdade. ─ Bem, já que realmente não há como provar ou refutar o que você está dizendo... ─ Infelizmente, há um caminho. ─ Ele franziu o cenho. ─ Mas estou arrependido, mesmo falando com você sobre isso agora. ─ Por quê? ─ Porque não gosto da sua expressão. ─ Bem, você acabou de dizer uma merda muito estranha. Eu deveria apenas aceitá-lo e não questionar tudo o que sei? ─ Eu fiz uma careta. ─ Isso seria legal. ─ Desculpe, mas não posso simplesmente fazer isso. ─ Eu o estudei atentamente, me perguntando como ele não podia ficar louco, quando precisava ser.

185


─ Seth. ─ Ele pareceu exasperado. ─ Eu não sou insano.─ Respirou fundo e me encarou diretamente. ─ Eu nem sequer lhe diria se não precisasse. ─ Então, por que você está dizendo? ─ Porque… ─ Ele se encolheu. Balancei a cabeça, sentindo que tinha que ser uma piada. ─ Em seguida, você vai me dizer que eu o engravidei a noite passada. Em vez de rir, como eu esperava, seu rosto corou em um rosa profundo. ─ Oh vamos lá. Vamos, Pierce. Você está fora de sua mente? ─ Eu passei uma mão pelo meu cabelo. ─ Isso não é engraçado. Nem um pouco. ─ Eu deveria ter pedido para você me encontrar na casa de Colin. Deveria ter sabido que é muito teimoso para me ouvir. Ele balançou a cabeça, franzindo o cenho. Coloquei minhas mãos nos meus quadris. ─ Você está realmente me dizendo que eu... que você engravidou. Eu tenho um homem grávido? ─ Eu não queria dizer nada. E se não tivesse sido um idiota e escutado Colin e Riley, não teria que aguentar você olhando para mim como se tivesse seis cabeças. Suspirei um longo e calmante suspiro. ─ Ok, Pierce. Apenas seja real comigo. Essa é a sua maneira de tentar me afastar? Nossa conexão o assustou demais? Ele olhou para o teto e, com os dentes cerrados, disse: ─ Eu não sei se te dou um soco ou rio.

186


─ Não tenho vontade de rir. Vomitar talvez. ─ Como eu disse, você não precisa apenas aceitar minha palavra. Eu acenei as mãos. ─ Os homens não têm bebês. É fisicamente impossível. ─ Pressionei meu intestino. ─ Nós não temos um útero. Nós não temos todo o equipamento de parto do bebê. ─ Eu não vou aborrecê-lo com os detalhes da bolsa ômega agora. Podemos fazer isso mais tarde, uma vez que perceba que estou lhe dizendo a verdade. ─ Caminhou para a porta. ─ Mas estou realmente cansado do jeito que está olhando para mim, então vamos ver Colin e Riley agora. Segui-o lentamente até a porta. ─ Não há necessidade de fazer isso. ─ A última coisa que queria testemunhar era o rosto de Colin quando percebesse que o amigo estava louco. ─ Você precisa ouvir isso de alguém em quem confia. ─ Pierce, eu tenho que começar a trabalhar. Ele olhou para mim. ─ Você acha que eu sou louco. Eu gostaria de provar que não sou. ─ Você realmente quer rever Colin agora? ─ Eu não tenho muita escolha. Você não vai acreditar em mim. Olhei para meu relógio. ─ O máximo que posso lhe dar é uma hora. ─ Isso deveria estar bem. ─ Ok. Mas isso provavelmente vai ser bastante embaraçoso para você. ─ Suspirei e saí de casa para o carro dele. Deslizei para o lado do passageiro,

187


observando-o ficar atrás do volante. Seu rosto estava vermelho e ele parecia com raiva. Eu acho que fazia sentido. Se realmente acreditava em sua ilusão, ficaria chateado com qualquer um que não o fizesse. E desde que estava me conduzindo para a casa de Colin, eu tive que assumir que estava totalmente no aperto de suas crenças. ─ Você não se sente violento ou nada, certo? ─ Perguntei suavemente. ─ Além de querer estrangular você? Não, eu me sinto bem. ─ Ele acelerou pela rua arborizada em direção à autoestrada na rampa. Me retorci no meu assento, desejando que pudesse fazê-lo virar. Isso seria tão humilhante para ele. Não queria que entristecesse quando Colin e Riley rissem dele. ─ Você já procurou algum aconselhamento psicológico depois de tudo o que passou com Baxter? Os músculos do maxilar ficaram apertados. ─ Eu vou adorar assistir você comer suas palavras, Seth. Vai ser uma coisa linda. ─ Estou falando sério, Pierce. Estou preocupado com você. Ele sorriu. ─ Riley também não acreditou em Colin. O olhei. Eu queria tocar sua mão e sentir o calor de sua pele contra a minha. ─ Não importa o quê, estarei aqui para você. Ele voltou a cabeça em sua direção, parecendo quase assustado. ─ O que? Engoli. ─ Se eu estou certo ou... ou você está realmente... grávido... vamos trabalhar juntos.

188


Ele olhou para a estrada, piscando, como se não pudesse acreditar no que estava ouvindo. ─ Você quer dizer, mesmo que se acabasse ficando estabelecido que sou um louco delirante... você ainda gostaria de estar comigo? ─ Sim ─ eu disse com firmeza. ─ Bem, a boa notícia é que eu não sou louco. Dirigimos um pouco em silêncio e depois virou na rua de Colin e Riley. Dirigiu para o portão duplo e digitou o código. Então dirigimos para a longa garagem e estacionamos em frente à casa. Ele saiu mais rápido do que eu e o segui até os degraus. Tocou a campainha e Riley respondeu a porta. Quando nos viu, um olhar conhecido desceu sobre suas características. ─ Entre. Te esperamos. ─ Ele sorriu. ─ Nós temos um não-crente em nossas mãos ─ disse Pierce quando passou por Riley. Eu sorri a modo de desculpa em Riley. ─ Me desculpe por entrar. ─ Eu sinto por você. ─ Ele suspirou e fechou a porta. ─ Ele tem na cabeça... bem... Eu acho que vou deixá-lo dizer. ─ Eu segui Pierce e acabamos no pátio dos fundos. Colin estava na piscina nos degraus, balançando o pequeno Garrett para cima e para baixo na água limpa. Ele me deu um olhar simpático quando me aproximei. Pierce estava perto dele, os braços cruzados.

189


Colin suspirou. ─ Aperte seu cinto de segurança, Seth. Este será um dia estranho para você. Eu franzi o cenho em seu tom pavoroso. ─ O que? Pierce me deu um olhar presunçoso. ─ Eu não sou louco, amante. ─ Bem, eu também não. ─ Eu franzi o cenho. ─ Ninguém está louco ─ Colin levantou-se e entregou o bebê a Riley, que beijou as faces carnudas da criança. Então se moveu para pegar uma toalha e secou suas pernas. Quando se endireitou, ele suspirou e se dirigiu a Pierce. ─ Quanto você disse a ele? ─ Todo o assunto. Ele acha que estou fora do meu raciocínio. ─ Naturalmente. ─ Suspirando, Colin moveu-se para mim e colocou o braço em volta de meus ombros. ─ Riley também não acreditou em mim. Quero dizer, a própria ideia de um cara engravidar não cai bem a qualquer um. Riley assentiu. ─ Eu pensei que ele estava apenas tentando me afastar ou algo assim. ─ Mas eu não estava. ─ Aguarde um minuto. ─ Eu abanei o braço de Colin e encarei os três. ─ O que você está dizendo? ─ Ômegas eclipse solar são reais. Sou um e assim é Pierce. ─ Colin me estudou atentamente.

190


Eu balancei minha cabeça. ─ Os homens não engravidam. Isso é fisicamente impossível. Riley segurou Garrett. ─ Isso aqui é uma prova que não é assim. Eu alarguei os olhos, me sentindo chocado. ─ Garrett? Espere... você quer dizer... Garrett...? ─ Sim. ─ Colin assentiu. ─ Nós não o adotamos. Essa é apenas a história que contamos porque as pessoas não conseguem lidar com a verdade. Pierce me observava com cautela. Ele não falou, apenas me observou como se eu estivesse uma granada perdendo o pino. Meu cérebro ainda havia disparado devido a razão de por que eles tinham que brincar. ─ Isso não é possível. ─ É possível. E está acontecendo. Pierce está grávido de seu filho. ─ Riley falou em voz baixa. ─ Precisa se levantar e aceitar isso. Porque é real. Negar isso só vai machucar você, Pierce e o bebê. Dei um passo para trás, piscando. ─ Por favor, diga-me que alguém vai pular e dizer que isso é apenas um grande engano. ─ Não é uma piada. ─ A voz de Pierce era plana. Sem emoção. Mesmo que meu cérebro não pudesse aceitar o que eles estavam me contando, o fato de que eram todos os três dizendo isso tinha algum peso. Eu encontrei o olhar desconfiado de Pierce. ─ Por que nunca ouvi sobre... seu tipo antes?

191


Ele engoliu em seco. ─ Os antigos parecem pensar que nossa espécie está mais segura, conosco sendo um segredo. Apenas no caso de a doença ser intencional. ─ Por que teria sido? Quem teria tentado nos machucar? ─ Eu acho mais seguro do que remediar ─ respondeu Colin. ─ Se isso é verdade, por que não vejo grávidos em todos os lugares? ─ Eu ainda sustentava minha lógica, procurando ver se o que eles diziam estava errado. ─ Os ômegas eclipse solar são raros. E quando engravidamos, temos os bebês nas montanhas em um composto especial. Então, se queremos voltar para a sociedade regular, inventamos uma história sobre a adoção de um filho. ─ Colin suspirou. ─ Ninguém nos questiona. Casais gay adotam o tempo todo. ─ As montanhas. ─ Eu bati o meu olhar para Pierce. ─ Estas são as montanhas com as quais você sempre age de forma tão lisa? Ele encolheu os ombros. ─ Eles precisam permanecer um segredo para a maioria das pessoas. ─ Isso é muito louco ─ eu sussurrei. ─ Eu sei como você se sente. ─ Riley assentiu. ─ Levou alguns dias para realmente aceitar que Colin estava grávido do meu bebê. É normal negar isso. Isso vai contra tudo o que acreditamos em toda a nossa vida. ─ Sim ─ eu disse suavemente. ─ Não pode ser real.

192


─ Você pode fingir que isso não está acontecendo, se quiser. ─ A voz de Pierce foi abafada. ─ Mas em três meses haverá um bebê, e isso será muito mais difícil de ignorar. Eu alarguei os olhos. ─ Três meses? Por que tão curto? Colin encolheu os ombros. ─ Não é nossa escolha. ─ A gestação é mais curta do que em humanos. É o que é. ─ Pierce cruzou os braços. ─ Jesus, três meses? ─ Minha voz balançou. Tão fantástico quanto isso tudo parecia, eu sabia que tinha que aceitar o que eles disseram, ou sair e nunca mais falar com eles. Olhei para Pierce, e embora tinha uma saliência teimosa em sua mandíbula, parecia assustado. Meu coração se suavizou quando percebi que ele assumia que eu o rejeitaria. Algo sobre o vislumbre de sua vulnerabilidade crua passou por mim. Tão orgulhoso quanto era, ele nunca teria feito em um milhão de anos um cenário onde precisasse de mim. Isso ia contra tudo o que fez Pierce quem ele era. Dei um passo em direção a ele. ─ Você está realmente carregando meu... meu bebê? Ele levantou o queixo, mesmo quando seu olhar piscou nervosamente. ─ Sim. Eu fiz uma careta. ─ Jesus. ─ Olhei para ele com os olhos arregalados. ─ Bem, você... você precisa ver um médico? Não devemos obter vitaminas ou algo assim? Ele fez uma careta. ─ Um… ─ Ele olhou para Colin.

193


─ Uh, ele não pode ver um médico regular, obviamente. ─ Colin riu desajeitadamente. ─ Em cerca de oito semanas, precisará ir às montanhas e o verificarão por lá. ─ Ok. ─ Eu estudei Pierce. ─ Parece que ele deveria ver alguém mais cedo. ─ É assim que sempre é. Provavelmente vai ficar bem ─ disse Colin. Provavelmente? Eu franzi o cenho. ─ Por que ele não pode ir às montanhas agora? Pierce me surpreendeu quando riu. ─ Porque ninguém faz isso. Riley suspirou. ─ Eu também não gostei dessa parte. Parece estranho esperar. Os seres humanos e os nossos ômegas femininos veem os médicos durante a gravidez. Mas estes ômegas eclipse solar não fazem isso assim. ─ Isso não é muito lógico. ─ Eu fiz uma careta. ─ Eu cuidei de alguns ômegas eclipse solar lá em cima. Tenho certeza que ele vai ficar bem. ─ Pierce segurou meu olhar. ─ Eu sei que é diferente do que você está acostumado com nossas ômegas femininas. Acabará se acostumando com a ideia. ─ Sim. ─ Eu olhei ao redor da área da piscina, sentindo como se o mundo estivesse louco. ─ Eu sinto que estou perdendo a cabeça. ─ Vocês dois precisam conversar sem nós ao redor. ─ Colin suspirou. ─ Pierce pode lhe preencher com todos os detalhes sobre o composto e coisas assim.

194


─ Eu preciso ir para o trabalho ─ murmurei. Como era suposto que eu pudesse voltar aos meus deveres diários quando algo tão fantástico ocorreu na minha vida? ─ É melhor eu te levar para casa. ─ Pierce caminhou para as portas que levavam dentro. ─ Ok. ─ Eu vi o olhar astuto de Colin. ─ Não se sente real. ─ Leva tempo. Balancei a cabeça e segui Pierce para o carro. Uma vez que estávamos lá dentro, ele ligoou o motor e nos levou para casa. Eu não disse muito sobre o passeio. Senti-me oprimido e amarrado com o conhecimento de que supostamente seria um pai pela segunda vez. Quase não tinha lidado com as coisas com Emily. Como diabos, eu seria um bom pai para uma criança? Quando chegamos à minha casa, entramos e peguei minha jaqueta do meu quarto. Pierce esperou na porta da frente e quando me aproximei, parecia desconfortável. ─ Eu não o culpo se estiver com raiva de mim. ─ Eu não estou com raiva. Confuso como o inferno, sim. Por que eu ficaria com raiva? ─ Parei na frente dele, desejando ter tempo para ficar e estar com ele. O alfa em mim queria segurá-lo e tranquilizá-lo. Eu podia sentir seu medo e isso causava dor no intestino. ─ Porque eu sabia que poderia engravidar. ─ Sua voz balançou. ─ E eu ainda te deixei gozar dentro de mim. Um tremor lúcido passou por mim com suas palavras. ─ Nós dois estávamos um pouco fora de controle. Para ser sincero, mesmo que soubesse,

195


não acho que isso me deteria. ─ A lógica não tinha sido meu foco ontem à noite. Obtendo Pierce nu e fodê-lo tinha praticamente sido tudo que eu conseguia pensar. ─ Foi imprudente. ─ Ele mastigou o lábio inferior, parecendo preocupado. ─ Sim. ─ Eu abaixei minha cabeça. ─ Você vai estar aqui quando eu chegar em casa esta noite. Certo? Ele piscou para mim. ─ É isso que você quer? ─ Sim. ─ Eu tenho que estar aqui para Emily de qualquer maneira. Eu estreitei meus olhos. ─ Isso não é o que eu quis dizer. ─ Eu sei. Engoli com dificuldade. ─ Tudo vai ficar bem. ─ Vai? ─ Sua voz quebrou um pouco. ─ Porque eu me sinto bastante fodido no momento. Sua vulnerabilidade me puxou. ─ Vamos fazer um plano esta noite. Talvez então você fique mais calmo. ─ Talvez. Caminhei para a porta. Uma parte de mim odiava sair quando ele estava tão obviamente enervado por essa situação louca. ─ Você não está sozinho. Talvez isso pareça louco? Mas para mim, a pior parte disso seria estar sozinho.

196


Ele segurou meu olhar, enquanto assentiu lentamente. ─ Sim. Já fiz isso antes. Eu fiz uma careta. ─ O que você quer dizer com já fez isso antes? ─ Ele teve bebês com outros alfas? Fiquei chocado com a onda de ciúmes que me empurrou ao pensar que outros alfas estavam com ele da maneira como estávamos juntos. ─ Vamos conversar esta noite. ─ Sua voz estava silenciosa, e ele não encontraria meus olhos. ─ Ok. ─ Relutantemente, eu abri a porta. Eu queria ficar e descobrir por que seus olhos eram um azul profundo e triste. Odiava deixá-lo quando podia sentir que precisava de mim, admitindo isso ou não. ─ E Seth? ─ Sua voz balançou. Eu me virei para ele. ─ Sim. Manteve os olhos baixos quando falou calmamente. ─ Obrigado por dizer que... essa parte sobre não estar sozinho. ─ Claro. ─ Quando levantou o olhar e deu um sorriso tímido, era difícil respirar porque meu coração apertou tão forte. ─ Vou vê-lo hoje a noite. ─ Sim. ─ Ele se endireitou. ─ Vejo você então. Seu tom era sem emoção, mas enquanto caminhava para meu carro, eu podia sentir seu olhar em mim.

197


Capítulo 11 Pierce Sentindo a náusea, passei meu dia no piloto automático. Peguei Emily na escola e a ajudei com a lição de casa. Ela estava saltando fora das paredes feliz depois de sua festa do pijama. Era como uma criança diferente de certa forma. Escutei sua conversa sobre todas as coisas que fizeram na noite passada, mas tudo em que poderia pensar era que o bebê crescia dentro de mim. Mas teria sido impossível esquecer que estava grávido, já que passava grande parte da manhã vomitando. Também gastei muita energia tentando me convencer de que Seth não era nada como Baxter, e que esse bebê que eu carregava ficaria seguro. Era difícil agitar os sentimentos de medo que me atacaram. Afinal, eu tinha passado por esta primeira parte antes, e o alfa responsável por mim e a segurança de meu bebê não nascido foram o meu pior pesadelo. ─ Você está se sentindo bem? ─ A voz suave de Emily cortou meus pensamentos tristes. Me sentei mais reto e assenti com a cabeça. ─ Sim. Claro. ─ Você está um pouco pálido e você tem uma grande carranca no rosto. ─ Ela mastigou o lábio inferior, me observando de perto. ─ Eu acho que tenho um toque de gripe, ─ menti.

198


─ Talvez você deva tirar uma soneca? Isso parecia incrível. Adoraria me arrastar para minha cama e dormir. Mas estava encarregado de cuidar de Emily e não podia evitar meus deveres. ─ Eu vou ficar bem em um minuto. ─ Eu não sou uma criança. Você pode descansar e não vou entrar em problemas. ─ Eu não me sentiria bem. Ela suspirou e tirou a calculadora de meus dedos gelados. ─ Levante-se. ─ O quê? ─ Eu fiz uma careta. ─ Você vai se deitar. Isso é o que eu faço quando não me sinto bem e isso ajuda. ─ Ela se levantou e me puxou até eu levantar também. Então me levou para fora da sala de estar e para meu quarto. ─ Entre na cama. ─ Emily, não posso ir para a cama. Eu sou a babá. Estou trabalhando. ─ Tanto quanto eu posso dizer, tudo o que está fazendo é sentar-se parecendo verde. Tenho medo de que esteja me deixando. Eu franzi o cenho. ─ Não. ─ Eu esperava. ─ Tire suas calças e fique abaixo dos lençóis. ─ Ela apontou para a cama. ─ Emily... ─ Shhh. Não discuta tanto. ─ Ela saiu do quarto. Olhei para ela, sentindo-me exausto e confuso. Mas quando olhei para a cama parecia me acenar. Desabotoei minhas calças, deslizei-as e deslizei sob

199


os lençóis legais, suspirando com cansaço. Fechei as pálpebras, dizendo a mim mesmo que simplesmente descansaria meus olhos. Me levantaria em apenas um minuto. O som de cubos de gelo tremendo contra o lado de um copo me fez abrir os olhos. Emily entrou no quarto segurando um prato com um pacote de Saltines e um copo de refrigerante transparente e borbulhante. ─ Isto é o que minha mãe sempre me deu quando tive dor no estômago, 7-up e bolachas. ─ Mas… ─ Me sentei e fiz uma careta enquanto ela pousava na beira da cama, colocando o prato no meu colo. ─ Eu deveria cuidar de você. ─ Nós cuidamos um do outro. Isso é o que a família faz. ─ Me entregou o refrigerante. ─ Beba. Um nódulo se formou na minha garganta enquanto olhava seu rosto doce e pequeno. ─ Emily... isso é tão legal de você. Ela suspirou. ─ Não é nada. Eu mergulhei em um das bolachas, limpando migalhas da frente da minha camisa. ─ Faz um tempo que alguém fez esse tipo de coisa por mim. ─ Sua avó cuidava de você quando estava doente? Eu acenei lentamente. ─ Sim. Ela fez. ─ Eu sorri. ─ Minha mãe também fez... Seu olhar escureceu. ─ Sim. Eu forcei o biscoito seco para baixo, tomando um gole da bebida borbulhante. A combinação de sabor trouxe muitas lembranças. ─ Minha mãe

200


costumava contar histórias quando estava doente. ─ Eu ri, me sentindo estranhamente sentimental. ─ Eram sempre histórias de aventura loucas. ─ Você se lembra delas? Entrecerrei os olhos. ─ Na verdade não. Só sabia que eram selvagens. Ela tinha uma boa imaginação. Emily mordeu o lábio. ─ Minha mãe não me contou histórias. ─ Desculpe. ─ Eu me sentei um pouco mais contra os travesseiros. Ela se iluminou. ─ Ela cantaria embora. Adorava essa música sobre batidos e trazendo meninos para o quintal. Eu alarguei os olhos quando eu reconheci a música. ─ Oh, bem, essa é uma escolha interessante para cantar para um filho de oito anos. ─ Minha mãe era... diferente das outras mães. ─ Ela franziu a testa. ─ A mãe de Susan é como algo fora de um filme. Ela parecia perfeita. ─ Nem todas as mães são iguais ─ Pensei em quão distante minha mãe tinha sido a maior parte do tempo, especialmente depois que meu pai voltou para a prisão. Não gostei de pensar no dia em que a encontrei pendurada no teto em seu quarto. Isso me deixou doente e deprimido porque não tinha sido suficiente para mantê-la aqui. Talvez experimentando isso quando criança era por que eu nunca sentia como se fosse o suficiente para qualquer um. Emily cobriu minha mão com a dela. ─ Está tudo bem, Pierce. Quando olhei, seu olhar estava quente. Eu sorri para ela, achando difícil falar.

201


─ Algum dia, quando eu crescer, serei uma boa mãe. E você será um bom pai. Porque sabemos o que não fazer ─ disse ela com firmeza. Eu ri. ─ Eu acho que é uma espécie de verdade. Ela pegou um biscoito e o mordeu. ─ Você é um cozinheiro melhor do que a mãe de Susan. ─ Mesmo? ─ Sim. ─ Hã. É bom ser bom em alguma coisa. Ela balançou o dedo para mim. ─ Você é bom em muitas coisas. Não seja assim. Eu sorri. ─ Quando você se tornou o adulto e eu me tornei o filho? Dando risadinhas, ela encolheu os ombros. ─ Eu não sei. Quando ouvimos a porta da frente abrir, nos olhamos. ─ O seu pai já está em casa? ─ Eu me senti culpado por estar na cama e comecei a jogar as cobertas, mas Emily franziu a testa. ─ Não. Você fica na cama. ─ Emily... Quando Seth apareceu na entrada, meu rosto sentiu que estava em chamas. ─ Não é o que parece, ─ eu disse. Ele se moveu para o quarto, suas sobrancelhas apertadas. ─ Você está bem? ─ Ele estava verde ─ disse Emily alegremente.

202


─ Estou bem. Realmente. ─ Eu ri sem dúvida. ─ Bom trabalho levando-o na cama, Emily. ─ Seth assentiu com aprovação. ─ Eu não sei como você conseguiu, mas bravo. Emily ficou parada. ─ Você está em casa cedo. Fiquei satisfeito por parecer mais à vontade com o pai que o habitual. ─ Que horas são? ─ Perguntei. ─ Seis e quarenta e cinco ─ disse Seth. ─ Desde quando você chega em casa cedo? ─ Eu consegui tirar os cobertores sem Emily notar. ─ Eu queria chegar em casa e ver minhas duas pessoas favoritas. ─ Ele sorriu. Meu rosto se aqueceu e Emily sorriu. ─ Ainda não fiz jantar. ─ Pressionei meu estômago, tentando não mostrar que a ideia de cozinhar me deixava enjoado. ─ Não há necessidade. Eu pensei que pediríamos entrega chinesa hoje à noite. ─ Seth disse, me estudando. ─ Dê uma pausa de cozinhar por uma noite. Fiquei surpreso com sua consideração. ─ Você não precisa fazer isso. ─ Eu sei. ─ Ele se virou para Emily e abriu um cardápio. ─ Escolha o que quer e, em seguida, dê a Pierce. Ela apertou os olhos no menu. ─ Ooh. O frango com laranja é o meu favorito. Ah, e arroz frito. ─ Ela lambeu os lábios.

203


Eu sorri por seu entusiasmo, mesmo que a ideia de comida me deixasse doente. ─ Não preciso de nada. Seth franziu o cenho. ─ Sim, você precisa. ─ Eu não estou com fome. ─ Você ainda precisa comer. ─ Ele me deu um olhar aguçado. ─ O que me diz da sopa de Wanton? Isso é legal e suave. Suspirei. ─ Bem. Emily saltou para cima e para baixo. ─ Será que vamos ter um biscoito da sorte também? Seth sorriu. ─ Sim. Eu acho que sim. ─ Sim! ─ Entregou o menu de volta a Seth e saiu correndo da sala. ─ Ela parece mais relaxada ao seu redor. ─ Eu ri. ─ Definitivamente. ─ Ele se aproximou, seu olhar intenso. ─ Você ainda está doente? ─ Não é uma coisa única. ─ Eu fiz uma careta. ─ Acostume com meus sons vomitando todas as manhãs porque provavelmente isso acontecerá. Ele cruzou os braços. ─ Eu sinto muito. ─ Não é sua culpa. ─ Meio que é. Mudei de lugar desconfortável. ─ Bem, pelo menos no final de tudo isso, haverá um bebê.

204


Seu rosto se encolheu. ─ Sim. Até agora, a descrença era a única emoção real que ele havia demonstrado sobre a gravidez. Eu ainda não sabia se estava chateado ou entusiasmado com a perspectiva de um bebê. Inferno, nem sabia o que eu sentia sobre isso na maioria das vezes. Tive momentos de alegria, seguido rapidamente de medo e confusão. Quando ele se aproximou e sentou-se na beira da minha cama, fiquei surpreso. Me afastei e ele franziu a testa. ─ Estou apenas fazendo espaço para você ─ eu disse suavemente. ─ Não tentando fugir? ─ Ainda não. Ele franziu o cenho. ─ O que isso significa? ─ Foi uma piada. ─ Apertei minhas mãos sobre meu estômago. ─ Oh. ─ Ele suspirou. ─ Eu pensei em você o dia todo. ─ Tocou minha mão, acariciando seu dedo em minha pele e deixando uma trilha de formigamento. ─ Realmente? ─ Meu pulso aumentou em seu toque. ─ Sim. ─ Foram bons pensamentos ou ruim? Ele estremeceu. ─ Principalmente bom.

205


Sua expressão era impossível de ler. Eu geralmente era bastante bom para resumir as pessoas, mas Seth sempre me deu mais trabalho para interpretar. ─ Por que? Alguns pensamentos ruins? Ele afastou sua mão e me estudou. ─ Você disse esta manhã que já passou por isso antes. Sozinho. O que... o que você quis dizer? Olhei para a entrada, nervoso de que Emily pudesse entrar. Não queria que ela ouvisse nenhuma das minhas horríveis histórias sobre o meu tempo com Baxter. ─ É importante? Estreitando os olhos deles, disse. ─ Você já teve bebês com outros alfas? ─ Ele pareceu sem fôlego. ─ Não... não exatamente. Parecia confuso. Eu decidi que ele merecia saber a verdade, então respirei fundo e pensei em como era melhor explicar as coisas. ─ Quando Baxter me teve... um... e deixou outros alfas fazerem as coisas para mim. ─ Engasguei, sentindo náuseas. ─ Eles nem sempre usaram proteção. Ele acalmou. ─ Então, algumas vezes resultou em gravidezes. ─ Eu odiava contar-lhe essas coisas. Isso me fez sentir sujo e indigno dele. Mas se estivéssemos tendo um filho juntos, Seth provavelmente precisava saber mais sobre mim. Mesmo as coisas nocivas. Afinal, se meu passado fosse demais e ele iria me afastar, eu também poderia descobrir isso agora. Ele apertou o queixo e o rosto ficou corado de vermelho.

206


─ Foi quando eu descobri o que era ─ disse calmamente. ─ Baxter me forçou a abortar me dando drogas e… ─ Eu balancei minha cabeça. ─ Não pude detê-lo. Simplesmente não sabia como detê-lo. Sua expressão mudou e ele se inclinou para mim. ─ Você não é culpado. Sabe disso, certo? Meus olhos picaram e eu tentei lutar contra minhas emoções. ─ Eles eram bebês inocentes e não consegui protegê-los. ─ Merda, Pierce. ─ Ele se moveu e tocou meu rosto. ─ Não se atreva a se culpar. Jesus, Baxter era um monstro. Você mesmo foi uma vítima. Fiquei envergonhado quando uma lágrima escorreu pela minha bochecha. Estremeci e limpei com dificuldade. Nunca pensei nessas coisas porque me deixou muito chateado. Não queria sentir essa dor. Não conseguia lidar com a culpa que acompanhava essas memórias. ─ Eu lutei com ele, ─ disse, minha voz tremendo. ─ Mas ele também era muito poderoso. Com um gemido, Seth me puxou para dentro de seus braços. ─ Deus aquele maldito bastardo ─ sua voz tremeu de raiva. Quando um soluço quebrou da minha garganta apertada, fiquei mortificado. E quando as lágrimas começaram a cair livremente, eu estava envergonhado, mas incapaz de pará-las. Era como abrir um portão de inundação e toda sensação deprimente e triste que engarrafei durante anos desapareceu. ─ Tentei lutar com ele, eu prometo.

207


─ Shhh. ─ Ele apertou os braços. ─ Está tudo bem. ─ Acariciou minha cabeça e continuou repetindo aquelas palavras gentis repetidas vezes até as lágrimas diminuírem. Não lembro da última vez que chorei. Talvez foi quando percebi que Baxter era o diabo e que tinha sido enganado. Talvez foi na primeira vez que um fodido alfa me pegou à força. Não consegui mesmo lembrar, tinha sido há tanto tempo. Principalmente eu tentava manter minhas emoções em cheque porque odiava a ideia de que Baxter pensaria que me quebraria. ─ Ele não ganhou ─ eu disse com uma voz raspada. ─ Não. Claro que não. ─ Beijou o lado da minha cabeça. ─ Eu sobrevivi. ─ Sim. ─ Ele se endireitou, segurando meu olhar embaçado. ─ Você está aqui. Você está seguro. ─ Estou seguro? ─ Dei um olhar duro. ─ Nada vai machucar você ou nosso bebê. ─ Sua voz era rude e pela primeira vez percebi que seus olhos estavam vermelhos. ─ Eu o reivindiquei. Você é meu. Está seguro. Vou morrer antes de deixar alguém perto de você. Ninguém nunca vai te tocar de novo se não quiser. Isso vale para mim também, Pierce. Entende? Você não é minha propriedade. É meu companheiro. Nós nos cuidamos, não nos machucamos. Meus olhos reprimiram a paixão em sua voz, e me encontrei acenando com a cabeça. ─ Sim. Nós nos cuidaremos.

208


Ele deu uma risada dura. ─ Eu não sei o que estou fazendo. Na verdade não. Quero dizer, eu nunca reivindiquei ninguém antes. Nunca fui um alfa com uma família até que Emily apareceu. Mas acho que estou bem. Ele pareceu incerto. ─ Pelo menos eu estou tentando. Sua vulnerabilidade passou por mim. ─ Você está indo bem. ─ Emily realmente fala comigo agora. Eu ri, me sentindo um pouco mais lúcido. ─ Sim. Ela definitivamente está gostando de você. Ele suspirou. ─ Nós faremos o nosso melhor com essa coisa toda de bebê. Eu funguei. ─ Ok. ─ Ele sorriu para mim e meu estômago revirou de uma boa maneira. ─ Foi estranho no trabalho hoje. Tive problemas para me concentrar. Simplesmente continuei pensando em você e no bebê. ─ Ele balançou a cabeça. ─ Minha descrença parecia se transformar em antecipação a meio caminho do dia. ─ Fiquei surpreso que você chegou em casa cedo. ─ Meu chefe também. Eu nunca saio mais cedo. Se alguma coisa, eu fico atrasado. ─ Ele mordeu o lábio. ─ Mas eu queria te ver. Precisava ter certeza de que você estava bem. ─ Estou bem. Ele franziu a testa. ─ Você não estava bem. Estava aterrorizado e eu senti isso. Mesmo no trabalho, poderia sentir isso no meu intestino.

209


Fiz uma careta. ─ Eu me sinto melhor agora. ─ Minha mãe sempre disse que se você segurar essas coisas, vai comer um buraco em sua alma. Pressionei minha mão sobre meu coração, esfregando em um movimento circular. ─ Ouch. Ele sorriu. ─ Ela tinha um jeito com palavras. ─ Definitivamente. ─ Estudei suas características suaves. ─ Lembro que você disse que costumava dizer-lhe que qualquer problema poderia ser trabalhado se você simplesmente falasse. Você acha que isso é verdade? ─ Bem, nem todos os problemas. Você não pode pegar um tornado e sugá-lo no esquecimento. Sua coxa imprensando contra a minha agitou a excitação em mim e lambi meus lábios. ─ Eu gosto quando você diz a palavra 'sugar'. Ele sorriu, um pouco de brilho nos olhos dele. ─ Oh sim? Eu assenti. ─ Sim. Me dar ideias. ─ Me senti muito melhor depois da nossa pequena conversa. A capacidade de me consolar foi surpreendente, e isso me fez ver de forma diferente. Eu me senti mais perto dele. Mais disposto a ser vulnerável. Ele olhou para a porta. ─ Estas ideias são algo que talvez esperem até Emily ir para a cama? ─ Espero que sim. ─ Eu sorri. ─ Seria embaraçoso ter um clímax ao comer meu biscoito da sorte.

210


Ele ficou de pé e olhou para o pênis ereto. ─ Merda. Você me excitou. O que agora? ─ Eu acho que se você precisa conversar com Emily, volte para a sala? Ele sorriu uma risada. ─ Muito engraçado. Isto é tudo culpa sua. Eu estava apenas sendo um bom alpha e confortava meu ômega e então você tinha que ir e me excitar. ─ Ei, você falou 'sugar' primeiro. ─E eu vou ter certeza de falar mais tarde também.─ Ele piscou e tirou o celular do bolso. ─Eu só vou ligar no pedido de alimentos agora. ─ Faça isso. Uma vez que ele se foi, suspirei satisfeito e toquei meu estômago. ─ Eu não quero ter muitas esperanças, mas acho que talvez estejamos bem, bebê ─ eu sussurrei.

211


Capítulo 12 Seth Minha nova tarefa era manter um dos CEOs mais arrogantes que já conheci em segurança. A empresa de vários milhões de dólares de Brodie Chase criou arruelas auto-selantes, mas do quão inchado era sua cabeça, você pensaria que ele era Hugh Hefner. Ele deu a sua esposa, Letty, um olhar furioso enquanto caminhava ao lado dele. ─ Baby, não ande muito perto de mim. ─ Ele passou uma mão bronzeada por seus cabelos prateados, anéis de ouro brilhando de cada dedo. Letty fez uma careta, mas retardou o passo, me lançando um olhar embaraçado. ─ Ele gosta que as garotas bonitas pensem que é solteiro. ─ Realmente? ─ Tenho certeza que soei surpreso. ─ Gosta de flertar. ─ Ela me deu um sorriso fraco. ─ Diz que é divertido, só isso. Não faz mal. ─ Franziu a testa, ─ Não fez mal. Por sorte, eu tinha meus óculos escuros, então ela não conseguiu ver o desgosto pelo marido no meu olhar. Me certifiquei de manter meu rosto em branco. Seu marido entrou no hotel primeiro e deixou a porta quase fechar em Letty. Peguei rapidamente e a abracei e ela sorriu fracamente. Não era um tipo chamativo, sua saia de lã estava abaixo de seus joelhos e seu cabelo marrom sem vida. Eu suspeitava que conheceu e casou com Brodie quando eram pobres, mas agora ele parecia pensar que era um pouco bom demais

212


para ela. Era óbvio em como mal parecia lembrar que estava por perto, a menos que acidentalmente o bloqueasse. Passei as próximas duas horas sentado em um grande salão de banquetes no hotel, do lado de fora, enquanto Brodie pavoneava sobre o quão suas lavadoras eram maravilhosas comparadas com outras no mercado. Eu estava aqui porque ele recebeu algumas ameaças de morte vagas durante os últimos meses. Isso não era tão incomum para alguém em seu suporte de impostos, especialmente considerando o quanto isso era desagradável. Mas queria um maior calibre de segurança do que aquele oferecido pelo hotel. Então, sentei, ouvindo os perigos do afrouxamento vibratório e o quanto as arruelas convencionais de bloqueio de mola eram antigas. Uma vez que a palestra acabou, e a maioria das pessoas se separou da sala, fomos até a cobertura onde Brodie queria se divertir com alguns de seus fãs mais dedicados. Letty tomou um chá quente e tricotou discretamente na esquina enquanto o marido flertou e riu com algumas das mulheres da sala. Eram quase onze da noite e fiquei irritado com o jeito que estavam falando alto. Se não o impedissem, eles iriam nos levar para fora do maldito hotel. Em um ponto tirei uma folga e fui ao corredor. Queria ligar para casa e checar Emily e Pierce. Eu odiava estar longe em um pernoite como agora, especialmente porque Pierce e eu estávamos ficando definitivamente mais próximos ao longo das últimas semanas. Queria que as coisas continuassem em uma direção positiva e senti que precisava estar atento a ele. ─ Olá. ─ Pierce respondeu seu celular, parecendo sem fôlego. ─ Eu o peguei em um momento ruim?

213


Ele riu. ─ Não. Estou com vergonha de dizer que corri para pegar meu telefone em caso de você estar ligando. Meu estômago aqueceu. ─ Isso é bom de ouvir. ─ Bem, Emily gostaria de falar com você. ─ Sério? Essa é a única razão pela qual você se apressou? Sua voz estava cheia de diversão quando ele respondeu: ─ Que outra razão poderia haver? Inclinei-me contra a parede ao lado da porta da suíte. ─ Pensei que talvez você quisesse ouvir minha voz sexy antes de ir dormir. Então você poderia sonhar comigo a noite toda. ─ Quem é você de novo? Minha risada ecoou no corredor. ─ Não vai mesmo acariciar meu ego um pouco? ─ Quando você voltar, vou acariciar outra coisa em vez disso. ─ Vou te cobrar por isso. Ele bufou. ─ Como se tivesse que me forçar ou algo assim. Estou com muita gordura vinte e quatro horas e sete dias por semana. Certamente você notou? ─ Sim. Eu amo isso. Ele colocou a mão no telefone e ouvi vozes abafadas. Então ele voltou. ─ Emily quer saber se pode alugar Kill Bill. ─ Ela tem oito anos. De jeito nenhum.

214


─ Ela diz que é uma mulher muito madura e assistiu John Wick. Eu ri. ─ A resposta ainda é não. Alugue Mary Poppins ou algo assim. ─ Oh Deus. Por que não coloco os teletubbies enquanto estou com isso? ─ Boa ideia. ─ Você não pode impedir que ela cresça. Isso vai acontecer. Suspirei. ─ Eu sei. ─ Ela quer conversar com você. ─ Ok. ─ Eu sempre fiquei feliz quando Emily mostrou interesse em mim. Definitivamente, percorremos um longo caminho da garota tímida que chegou na minha porta há três semanas. Naquela época, ela parecia quase ter medo de mim, mas agora eu podia dizer que confiava mais em mim. ─ Ei, pai. ─ Sua voz alegre veio pela linha. ─ Oi querida. Você está se comportando? Ela riu. ─ Eu só fiz sexo com cinco meninos e fumei duas vezes. Eu fiz uma careta. ─ Não diga esse tipo de coisa. Me dará um ataque cardíaco. Ela suspirou. ─ Como se Pierce estaria bem com algo disso. ─ Bem, eu quero que você permaneça jovem e inocente o maior tempo possível. ─ Eu sei. ─ Ela ficou quieta e então disse suavemente, ─ eu sinto sua falta.

215


Meu coração bateu excitadamente. ─ Realmente? ─ Minha voz era muito mais aguda do que teria gostado. Mas fiquei tão feliz em saber que ela sentiu minha falta que realmente não me importava. ─ Também sinto sua falta. ─ Quanto tempo você vai ficar aí? ─ Espero voltar para casa amanhã à tarde. ─ Certo. Bom. ─ É bom saber que você sentiu minha falta. ─ Claro. Estou feliz que você também sente minha falta. Sua voz mudou para um tom ligeiramente mais esperto. ─ Você sente falta de Pierce? Meu rosto se aqueceu e dei uma risada autoconsciente. ─ Sim. ─ Emily tinha adaptado relação mais íntima entre eu e Pierce sem nenhum problema. Ela realmente parecia feliz com isso. No começo, tentei esconder o que sentia por ele, mas ela pegou de qualquer maneira. ─ Ele definitivamente sente falta de você. ─ Eu ouvi Pierce resmungando ao fundo. ─ Ele está tentando pegar o telefone de mim. Eu acho que é tímido. ─ Emily, não o torture. Ela riu. ─ Mas é tão fofo quando seu rosto é vermelho brilhante. Pierce entrou na linha. ─ Ela é um monstro. Onde aprendeu seus costumes? ─ Eu não acho que aprendeu coisa alguma.

216


─ Ela diz que ela ouviu isso. ─ Ele riu. ─ Diz que vai cortar buracos em todas as suas meias. Eu sorri, me sentindo mais feliz agora. Era uma mudança agradável falar com Pierce e Emily depois de passar o dia com Brodie e sua esposa. ─ Emily ainda está no quarto? ─ Não, ela vagou. ─ Eu não posso esperar para chegar em casa. ─ Sim? ─ Seu tom era rouco. Suspirei. ─ Sim. Eu não gosto mais de dormir sozinho. ─ Mesmo? Um solteiro confirmado como você? ─ Ele riu suavemente. ─ Nunca foi oficialmente confirmado, e realmente amo ter você na minha cama. ─ Lambi meus lábios. ─ Eu pensei que o bebê precisa de seu próprio quarto. Talvez devêssemos fazer o quarto do bebê no seu quarto, e você pode simplesmente se mover para o meu. ─ Ele ficou em silêncio e esperei sua resposta com meu pulso acelerado. ─ Eu não quero apressar coisas. Entrecerrei os olhos. ─ Eu sei. Mas acho que tudo está indo bem com a gente. ─ Concordo. Não seria bom arruiná-los. ─ Você hesita porque tem dúvidas sobre estar comigo? ─ Fechei os olhos, tentando imaginá-lo agora mesmo. Eu poderia imaginar aquela pequena linha preocupada que ele conseguia entre seus belos olhos azuis. E

217


provavelmente estaria passando a língua o lábio inferior inteiro, pensando se estávamos nos movendo rapidamente. ─ Não. ─ Bem, Pierce. Eu definitivamente... você sabe... caindo para você. Achei que sabia disso. Meu estômago ficou tenso, esperando por sua resposta. Me senti inseguro expressando o quanto me importava com ele. O sentimento de que queria estar com alguém permanentemente era uma nova experiência para mim. Não tinha vontade de jogar no campo ou namorar com mais ninguém. Parecia estar certo com Pierce. ─ É só... essa gravidez tem forçado você a estar comigo. ─ Não estou sendo forçado a nada. ─ Se eu não estivesse grávido... Eu exalei grosseiramente. ─ Se a mãe de Emily me dissesse que estava grávida, eu a teria ajudado financeiramente, mas não teria querido um relacionamento com ela. Emily, sim. Mas não teria me deixado pressionar a estar com alguém que eu não amei apenas porque a engravidei. ─ Ok. ─ Eu sou um alpha egoísta, lembra? Não fazemos coisas que não queremos fazer. Ele sorriu. ─ Você não é aquele egoísta. ─ Eu também estou inseguro, você sabe. Talvez esteja comigo porque está grávido. Isso vai nos dois sentidos.

218


─ Não. Não é por isso que ainda estou por perto. ─ Promete? ─ Sim. Estar com você e Emily é provavelmente a única vez, desde que vivi com minha avó, que senti como se pertencesse a algum lugar. ─ Sim? ─ Ele não tinha ideia de quão bom que me fez sentir o ouvir dizer isso. Às vezes, me preocupava que ele acordasse um dia e decidisse que não queria estar mais perto de um alfa. ─ Eu sei que quando este bebê chegar, as coisas vão ser agitadas e caóticas, mas não me importo. ─ Ele deu uma risada tensa. ─ Eu acho que também será incrível. Eu tinha um nó na garganta quando ele parou de falar. ─ Estão... você está aí? ─ Ele perguntou suavemente. ─ Estou aqui. ─ Pigarreei. ─ Você vai me pegar toda merda dizendo coisas emocionais assim, Pierce. Ele riu. ─ Desculpa. ─ Eu deveria ser um grande e forte guarda-costas masculino. Não posso fazer com que meu empregador me veja com os olhos vermelhos e inchados. ─ Certo. Vamos falar sobre futebol ou algo assim. Que tal os Dodgers? Eu sorri. ─ Isso não é futebol. ─ Ah ─ ele resmungou. ─ Eu não estou realmente em esportes. ─ Sim. Eu sei. ─ Olhei para meu relógio. ─ Droga. Preciso voltar para dentro.

219


─ Quem você está protegendo de novo? ─ Um pau rico e sua pequena esposa triste ─ eu sussurrei, olhando em volta com dificuldade. ─ O cara inventou algum tipo de arruela. ─ Pelo menos parece fácil. Você não deveria estar em muito perigo. ─ Não. É uma tarefa de bolo. Espero voar para casa amanhã no início da tarde. ─ Certo. Bem, esteja seguro, mas volte aqui em breve. Meu estômago revirou em seu tom quente. ─ Eu vou. Desliguei e voltei para a suíte usando meu cartão-chave. Havia duas meninas que estavam na convenção ainda na sala. Ambas estavam rindo e pareciam bastante bêbadas, e uma delas estava sentada no joelho de Brodie. A gravata dele foi desfeita e parecia que tinha batom em sua bochecha e lábio inferior. Letty ainda estava tricotando na esquina, embora suas bochechas estivessem

vermelho

brilhante. Eu

estava

chateado

por

ela

pelo

comportamento grosseiro do marido. Quem diabos paquerava meninas bem na frente de sua esposa? Era uma merda suficiente fazer isso, mas com sua esposa lá, era duas vezes a classe baixa. O problema era que não era realmente o meu lugar para colocar Brodie na linha. Letty precisava fazer isso, mas obviamente não estava na tarefa. Eu sabia que deveria manter minha boca fechada, mas como um idiota, não fiz. Pigarreei. ─ Vocês meninas estão prontas para ir? ─ O olhar que Brodie me deu não era agradável, mas fingi que não percebi.

220


─ Pare ─ ele resmungou. ─ Você está aqui para me proteger, não me cuidar. ─ É muito tarde ─ eu disse pacientemente. Esperava que talvez Letty se juntasse, mas ela continuava trabalhando como uma máquina. Brodie enrolou o lábio. ─ O que você é um garoto do coro? Ainda não estou pronto para dormir. ─ Sim, estamos nos divertindo. ─ A garota em seu colo disse, com uma voz aguda e melosa. ─ Nós ainda não queremos ir. ─ Não. ─ A outra menina resmungou, segurando o copo de champanhe. ─ A festa está apenas começando. Letty balançou a cabeça e murmurou algo ao ar, enquanto suas agulhas de tricô clicavam ainda mais rápido. Bem. Eu tentei. É com você agora, Letty. Dei de ombros e me movi para a pequena área da cozinha, então não tive que assistir ao show muito de perto. Se ele estivesse acordado, eu também tinha que ficar acordado, então peguei um Red Bull da geladeira e abri, observando Letty enquanto bebia a bebida. Ela parecia furiosa, e isso me deixou desconfortável. Por quanto tempo uma pessoa aguentaria ser desrespeitada assim até que estourasse? Mais uma hora passou com as garotas se enrolavam e riam junto com Brodie. Eu estava exausto e só queria ir para a cama. Fiquei surpreso que Letty ainda estava acordada, talvez ela estivesse com medo de quão longe seu marido iria com essas garotas se não estivesse perto para controlá-lo. Não que

221


seu comportamento patético e lúgubre fosse exatamente controlador. Suas mãos estavam por todas as garotas, e ele tinha uma ereção bastante óbvia. Desesperado pelo sono, dei uma última tentativa para que as meninas saíssem. ─ Sr. Chase, você não tem que uma apresentação amanhã às oito da manhã? ─ Segurei seu olhar grosseiro até ele desviar o olhar primeiro. ─ Sim, ─ resmungou. ─ Talvez vocês possam se encontrar novamente amanhã. Após sua conferência. Você sabe. Quando eu estou muito longe. Ele exalou como se estivesse sendo horrivelmente colocado. ─ Bem. Acho que devemos terminar a noite. Letty bufou no canto, rolando os olhos. ─ Aww, ─ uma das meninas fez beicinho. ─ Eu vou fazer isso com vocês amanhã, meninas. ─ Brodie lançou um olhar dissimulado em direção a sua esposa. ─ Tudo bem, ─ a outra menina riu. ─ Seria melhor. As garotas tombaram para a porta e beijaram Brodie em despedida. Uma vez que se foram, ele tropeçou no quarto, e sentou-se. Caminhei para a área onde Letty estava sentada. Ela estava olhando para o espaço, franzindo o cenho em seu rosto pálido. ─ Você está pronta para a cama? ─ Perguntei educadamente, já que não parecia com pressa de se juntar ao marido no quarto.

222


Ela suspirou e encontrou meu olhar com um olhar distante. ─ Ele nem sempre foi assim. Me surpreendi. ─ Não? Ela balançou a cabeça. ─ Não. Ele era realmente doce e meio tímido quando o conheci. ─ Sua expressão endureceu. ─ Mas o dinheiro o mudou. ─ O dinheiro pode fazer isso para algumas pessoas ─ Não sabia o que mais dizer. Seu marido era um idiota de primeira classe. Talvez tenha sido uma boa pessoa uma vez, mas com certeza já não era muito legal. Ela fixou seu olhar furioso sobre mim. ─ Você sabia que eu fui quem projetou essa maldita lavadeira de auto-fixação? Eu fiz uma careta. ─ Realmente? ─ Brodie estava tão inchado de orgulho, que assumi que ele tinha projetado isso. ─ Sim. Tenho um diploma em engenharia. ─ Ela bufou. ─ Brodie nunca se formou na faculdade. Isso fez um pouco mais de sentido agora sobre por que ela ainda estava na foto. Se tivesse projetado a lavadora, ele provavelmente não poderia muito bem simplesmente despejá-la e manter o dinheiro para si mesmo. Ela suspirou e ficou em pé. ─ Continuo esperando que ele mude de volta para o homem que conheci. ─ Quanto tempo você está casada? ─ Trinta anos. ─ Uau.

223


Fazendo uma careta, ela disse: ─ Ele foi assim nos últimos quatro. Não tenho a certeza de que posso aguentar mais. ─ Ninguém a culparia se você decidiu que teve o suficiente. ─ Eu teria me divorciado do idiota há muito tempo. Ela virou a cabeça rapidamente para mim, fixando seu olhar em mim estranhamente. ─ Realmente? ─ Tocou um colar de cruz de prata que usava. ─ Eu tentei ser altruísta e paciente. Mas uma mulher tem seus limites. Eu me preocupo que Deus me julgue com dureza. ─ O mau comportamento tem consequências, e sinto muito dizer, Brodie se comportou mal. Ela assentiu. ─ Você está certo. Está absolutamente correto. Abafei um bocejo. ─ Eu sinto muito. Ela sorriu. ─ Você, pobre querido. Está exausto. Corra para a cama e eu farei o mesmo. Eu tinha a suíte adjacente e me movi para a porta de conexão. ─ Obrigado. Te vejo pela manhã. ─ Sim. Se eu estiver por perto. Ela estava despejando sua bunda triste esta noite? Não podia culpá-la, mesmo que pessoalmente, teria esperado até que não estivéssemos viajando pelo país para fazê-lo. Entrei no meu quarto e acabei de tirar minha camisa quando ouvi um forte choque da suíte de Brodie e Letty. Saindo em direção à porta de conexão, tirei minha arma do coldre do tornozelo e abri a porta lentamente. Não havia

224


ninguém no quarto principal da suíte e a porta da frente ainda estava fechada. Franzindo o cenho, entrei no quarto escuro, me apertando perto da parede e procurando nas sombras por qualquer tipo de movimento. Meu coração bateu enquanto eu seguia furtivamente para a porta do quarto. Quando Letty soltou um grito de coalhar o sangue, me arrisquei na porta do quarto e abri, agachado, então eu não era um alvo tão óbvio. O que vi me fez ofegar. Letty estava lutando freneticamente com seu marido, enquanto tentava enterrar uma agulha de tricô no rosto dele. Uma agulha já estava alojada em seu ombro, e seus olhos estavam arregalados com descrença enquanto sua esposa furiosa rosnou e atacou. ─ Letty, pare! ─ Eu gritei, mirando minha arma nela. Ela olhou de relance, os olhos arregalados. ─ O que você está fazendo? ─ Coloque a agulha para baixo e afaste-se de Brodie. ─ Minha voz era dura, e eu me sentia doente com a ideia de que pudesse ter que atirar nela. Seu rosto amassou-se com descrença. ─ Mas você está do meu lado.─ Um soluço quebrou de seus lábios. ─ Você disse que ninguém me culparia. O sangue escorreu de meu rosto. ─ Eu queria dizer se você divorciasse ele. Nunca quis dizer que poderia matá-lo. ─ Minha voz balançou quando me movi em direção a ela. Os braços de Brodie tremiam enquanto tentava afastar sua esposa louca. ─ Por que está falando com ela? Ela me esfaqueou!

225


─ Cale a boca! ─ Ela rosnou, atacando-o com mais força agora. ─ Seu idiota! Como ousa me desrespeitar assim? Como se atreve a desfilar suas pequenas putas na minha frente, uma e outra vez! Eu te odeio. Eu te odeio! Eu não conseguiria atirar nela, então coloquei minha arma de volta no meu coldre e me lancei para ela, ela gritou e tentou me esfaquear com a agulha, mas a bloqueei e ela saiu das mãos. ─ Letty, acalme-se ─ eu disse com os dentes cerrados, lutando com ela. Mas ela não sentiu vontade de se acalmar e gritou e arranhou meu rosto histericamente. Ela conseguiu me puxar e minha cabeça bateu no canto da mesa de cabeceira, me balançou por um segundo, enquanto as estrelas circundavam o canto de minha visão, mas apertei meus dentes e segurei seus braços, puxando-a de seus pés. Brodie se afastou da cama, ardendo por ar. ─ Ela está louca. Perdeu a cabeça. ─ Ele arregalou os olhos. Letty explodiu em lágrimas enquanto lutava em meus braços. ─ Me deixe ir. Apenas me deixe matá-lo. Por favor, me deixe matá-lo. Por favor, por favor, me deixe matá-lo. ─ Sua voz tornou-se mais alta. ─ Ele merece. Você sabe que sim, você mesmo disse isso. ─ Não, Letty. Eu nunca disse isso. ─ A coloquei no chão tão devagar quanto pude, mas ela ainda deixou escapar um oomph em voz alta quando bateu no tapete. Segurei os pulsos apertados, um joelho nas costas. ─ Brodie, ligue para o 911.

226


Ele discou no telefone, chamando a recepção com as mãos trêmulas. Toquei minha têmpora, vendo uma mancha de sangue em meus dedos, mas me distraí quando Letty começou a gritar e a lutar de novo. Quando os policiais chegaram, Brodie tirou a primeira agulha de tricô do ombro. Letty não tinha feito muito dano com ela, embora o topo de seu pijama fosse um pouco sangrento. Se tivesse conseguido bater seu rosto, ela poderia ter conseguido realmente matá-lo. Letty soluçou e gritou enquanto os policiais a levavam e Brodie observava horrorizado. Eu dei minha versão dos eventos à polícia e ele fez o mesmo. Então liguei para meu chefe na Shield e expliquei o que aconteceu. Ele ordenou que outro agente fosse enviado em algumas horas, para que eu pudesse ir para casa. Isso me serviu bem. Estava tão enojado com Brodie que mal podia olhá-lo, e ele parecia envergonhado de olhar para mim também. Você pensaria que o idiota teria me agradecido por salvar sua vida, mas, novamente, sua esposa provavelmente não teria querido espetá-lo se fosse um cara gracioso. Quando minha substituição chegou, peguei um táxi para o aeroporto. Deslizando no meu assento no avião, expirei uma respiração longa e cansativa, tentando sacudir um pouco de estresse. A imagem de olhos curiosos de Letty estava presa no meu cérebro. Ainda não podia acreditar que ela tinha entendido mal a minha empatia, como se esperasse apenas uma luz verde para matar seu marido. Eu não tinha ligado para casa ainda porque ainda estava a meio da noite e não queria perturbar Pierce enquanto dormia. Mas queria falar com ele

227


tanto que machucava. Queria ouvir sua voz e talvez o fizesse rir. Qualquer coisa para apagar as últimas horas de minha mente. Alguma coisa sobre a feiura de testemunhar a destruição do relacionamento de Brodie e Letty me fez sentir deprimido. Suspeitava que parte do meu problema era que eu sabia que estava apaixonada por Pierce. Me aterrorizou. Nunca amei ninguém antes e odiava que não tivesse o controle de minhas emoções. Eu não poderia exigir que ele se apaixonasse por mim também. E se não o fizesse? E se eu fosse o cara que o tinha engravidado e ele acabou ficando com algum outro alfa? A lembrança do ódio cru no rosto de Letty em relação ao seu cônjuge enviou calafrios através de mim. Eu sabia que havia um momento em que ela e Brodie se amavam. Mas então ele mudou, e ela não conseguiu fazê-lo amá-la mais. O que tinha acontecido? Como deu tão horrivelmente errado? O amor era realmente tão frágil que poderia ser mudado e torcido ao longo do tempo até se tornar ódio? Minha cabeça doía de bater na mesa de cabeceira. Os paramédicos que haviam chegado à cena tinham uma maca para mim, mas eu não queria ir ao hospital ou fazer qualquer coisa que me atrasasse de voltar para Los Angeles. Era apenas um arranhão e eu tinha feridas muito pior ao longo dos anos. Fechei os olhos e me consolei com o conhecimento que logo estaria de volta para casa com Pierce e Emily, e esta nuvem escura iria embora.

228


Capítulo 13 Pierce Quando entrei na casa, depois de deixar Emily na escola, fiquei ansioso ao ver a mala de Seth no vestíbulo. Ele estava em casa cedo, e meu coração pulou uma batida enquanto me dirigia pelo corredor. ─ É só eu, ─ gritei, então não o assustei. ─ Não atire em mim. Ele saiu da área do banheiro, secando as mãos sobre uma toalha. Seu rosto aqueceu no segundo que colocou os olhos em mim. ─ Ei. Meus olhos imediatamente pularam para a atadura na têmpora. ─ O que aconteceu com sua cabeça? ─ Caminhei em direção a ele, me sentindo desconfortável. ─ Você está ferido? Ele fez uma careta. ─ Não é nada. Apenas um pequeno golpe na cabeça. ─ Alguém tentou atacar seu cliente? Sua risada era difícil. ─ Você nunca vai acreditar em quem. ─ O motorista? ─ O que? Por que você acharia que o motorista o atacou? ─ Eu não sei... Não é sempre o motorista ou o mordomo que é o cara ruim nos filmes?

229


Ele estava a poucos centímetros de mim agora e podia ver linhas cansadas ao redor de seus olhos. ─ Bem, acredite ou não, desta vez foi a esposa. Arregalei meus olhos. ─ Sua esposa o atacou? Ele assentiu e então envolveu seus braços em volta de mim, me puxando para perto. A sensação dura de seu corpo pressionado para o meu fez coisas engraçadas no meu estômago. Eu o abracei de volta, me sentindo sem fôlego e ansioso por tê-lo em meus braços novamente. ─ Você está bem, certo? ─ Puxei para trás e estudei seu rosto. ─ Sim. Fui emboscado com uma mesa de cabeceira, só isso. ─ Por que sua esposa o atacaria? ─ Eu fiz uma careta e toquei o curativo gentilmente. ─ O cara era um idiota. Ele estava paquerando garotas com ela lá e acabou por revidar. ─ Estremeceu e me soltou. ─ Senti pena dela, eu não podia exatamente deixá-la matá-lo apenas porque era um pau. ─ Uau. ─ Eu balancei minha cabeça. ─ E eu aqui pensando que era um show seguro e você não estaria em perigo. ─ Pensei a mesma coisa. Bem, até que a vi tentando colar suas agulhas de tricô em seu globo ocular. Eu estremeci. ─ Jesus. ─ Ela ficou louca. ─ Ele suspirou. ─ Foi perturbador para dizer o mínimo. Eu ri. ─ Você viu muita merda louca com certeza ao longo dos anos.

230


─ Oh sim. Fui esfaqueado, disparado, atingido por carros. ─ Ele engoliu em seco. ─ Mas, para ser honesto, ao ver Letty Chase tentar esfaquear o marido nos olhos, conseguiu mais do que qualquer outra porcaria. ─ Ele sentou na borda do colchão, parecendo pálido. ─ Por quê? Ele encolheu os ombros. ─ Ela deveria amá-lo. Eles devem ser uma unidade. ─ Ele esfregou o rosto. ─ Deus, eu não sei. Foi apenas triste ver o ódio em seu rosto. Eles se amaram uma vez e então... ─ Suspirou. ─ Ela o queria morto. ─ Bem, pelo que você disse, ele era um idiota. ─ Sim. ─ Ele encontrou meu olhar. ─ Mas o que o mudou? Dinheiro? Poder? Seu óbvio desconforto veio até mim. Sentei-me a se lado e o cutuquei com meu cotovelo. ─ Por que isso está te afetando tanto? Ele tocou sua cabeça e disse suavemente: ─ Porque nunca quero me transformar neles. ─ Deslizou seu olhar para o meu. ─ Não quero que o que sinto por você nunca se afaste ou se torne feio e egoísta. ─ Eu também não gostaria disso. ─ Você não gostou de mim quando me conheceu pela primeira vez. ─ Ele mordeu o lábio. ─ E se voltar a se sentir assim sobre mim? Eu ri. ─ Seth, isso não vai acontecer. ─ Eu não podia acreditar que tinha que ter que tranquilizá-lo. Era sempre o contrário.

231


Ele tirou os sapatos e se arrastou para a cama, deitado de lado e de frente para mim. Engoliu em seco, seus olhos ardendo nos meus. ─ Eu acho que estou apaixonado por você. ─ Sua voz era apenas um sussurro. ─ Sim? ─ A emoção entrou por mim, mas mantive o rosto em branco. Ele assentiu. ─ Sim. Eu definitivamente estou apaixonado por você. Suas palavras me assustaram e me emocionaram. Desde a noite em que ele me reclamou, nosso relacionamento se intensificou enormemente. Nós passamos quase todas as noites juntos e começamos a nos unir de uma maneira que nunca tinha feito com ninguém antes. Então entendi o medo em sua voz e seus olhos. Também senti que se ele de repente mudasse de ideia sobre mim, eu ficaria perdido. Sua expressão preocupada fez meu coração doer, e então reclinei na cama ao lado dele. Alcançando, tracei a linha angular de sua mandíbula. ─ Eu sinto o mesmo e... e também estou aterrorizado. Relevo lavou suas características. ─ Mesmo? ─ Sim. ─ Eu escovei meu polegar sobre o lábio inferior. ─ Quando você foi na última viagem, senti que faltava uma parte de mim. ─ Eu fiz uma careta. ─ Isso parece tão brega para dizer. Quero dizer, nos conhecemos há quase um mês. ─ Eu sei. Talvez seja por isso que parece muito bom para ser verdade. ─ Sim. Uma pequena voz continua sussurrando: ─ Por que você mereceria encontrar amor? ─ Eu me aproximei, inspirando seu cheiro familiar e suspirando de satisfação. ─ Mas então pensei, por que não eu?

232


Ele sorriu, enfiando a mão no meu quadril e segurando minha bunda. Me puxou para mais perto, até que nossos pênis foram pressionados juntos. ─ Eu gosto disso. ─ Não pensei que encontraria alguém que me desejasse. ─ Eu fiz uma careta. ─ Não depois de tudo o que aconteceu comigo. Achei que teria que esconder meu passado ou estar sozinho para sempre. Ele sacudiu a cabeça franzindo a testa. ─ Não. Suspirei. ─ Mas você me aceita, passado e tudo. É chocante, mas maravilhoso. ─ Eu faço. Não me importo com o seu passado além do que desejava que pudesse matar Baxter com minhas mãos nuas. ─ Sua voz tremia de raiva. Sorrindo, me inclinei e o beijei. Ele respondeu imediatamente, enrolando a língua com a minha e gemendo na minha boca. Seus dedos encontraram meu zíper e puxou-o lentamente, e depois enfiou a mão na minha cueca. A sensação de seus dedos firmes massageando meu pau me fez tremer de necessidade. ─ Eu senti sua falta, Seth, ─ sussurrei. ─ Senti sua falta também. Nossos beijos tornaram-se mais urgentes. ─ Tire suas calças. ─ Ele desfez seu cinto e conseguiu rapidamente retirar suas calças, durante todo o tempo segurando meu olhar aquecido. Eu fiz como disse, também deslizando minha camisa. Peguei o lubrificante da gaveta ao lado da cama e deitei em minhas costas. Ele me

233


empurrou, colocando lubrificante em seu pênis e acariciando meu buraco levemente, seu toque brincalhão e provocador. ─ Isso é bom, ─ eu disse suavemente, rolando meus quadris. ─ Sim? ─ Ele se inclinou e amamentou a cabeça de meu pau, puxando a cabeça bulbosa para a boca como um profissional. Eu arqueei minhas costas. ─ Oh, foda. ─ Gemi e flexionei meus quadris, sibilando enquanto meu pênis bateu na parte de trás de sua garganta. Ele engasgou um pouco e eu fiz uma careta. ─ Desculpe. ─ Tive que me lembrar às vezes que Seth nunca tinha estado com um homem além de mim. Ainda era muito novo nisso de chupar o pau de outro homem. Mas era um aprendiz rápido. Enquanto engoliu a cabeça de meu pau, também trabalhou a base do meu pau com as mãos. Sugou até que meus olhos se enrolaram na minha cabeça, e então tocou minhas bolas e puxou-as para dentro da boca uma de cada vez. Era difícil não dar o impulso de empurrar, eu só queria enterrar meu pau e bolas no fundo de sua garganta apertada. Quando finalmente puxou, meu pau estava ereto, como um foguete prestes a lançar. Um pedaço de cabelo loiro caiu sobre sua testa, e ele encontrou o meu olhar, com os olhos cheios de necessidade. Cobriu meu corpo com o dele, pressionando a ponta do pau para meu buraco. ─ Eu gosto de fodê-lo com o sabor de seu pré-sêmen na minha boca. Eu estremeci com luxúria e puxei seus quadris. ─ Faça. Foda-me. Ele empurrou os quadris para frente e a cabeça larga de seu pênis espremeu no meu corpo. Estremeci com a deliciosa pressão, e ele gemeu e

234


empurrou mais fundo, rompendo meu canal apertado. Meus dedos cavaram em sua cintura e eu gemi no deslize perfeito de seu pênis. Quando estava dentro de mim, era como nada que eu já experimentara antes. O peso de seu pênis era requintado, preenchendo cada centímetro da minha bunda e retirando gemidos carinhosos da minha garganta. Nós fodemos quase todos os dias desde a primeira vez, mas hoje pareceu um pouco diferente. Sua expressão era mais séria e seu olhar era intenso enquanto avançava profundamente. A pele áspera de suas coxas esfregou contra a minha enquanto flexionava seus quadris e me abaixava ainda mais. ─ Foda, tão bom ─ ele sussurrou, aumentando a velocidade de seus impulsos. ─ Tão apertado e quente. ─ Oh, Deus, Seth ─ gemi, meu clímax rastejando lentamente pela minha espinha e girando em torno de minhas bolas inchadas. Ele me beijou, empurrando uma e outra vez, segurando meu olhar. ─ Eu amo você, Pierce. Eu te amo muito. A emoção pulou através de mim com suas palavras apaixonadas. Passei os braços ao redor do pescoço e assenti com a cabeça. ─ Sim, eu também te amo. Eu prometo nunca tentar matá-lo com agulhas de tricô. Ele sorriu e deslizou as mãos debaixo da minha bunda, empurrando tão profundamente que não havia como chegar mais longe. Quando seu poço inchado esfregou minha próstata, me perdi, meu pau se empurrou duro e derramou uma onda de sêmen entre nossos estômagos. Joguei minha cabeça para trás, tremendo de prazer enquanto meus músculos se espasmavam com

235


meu clímax. ─ Oh, merda, ─ gemi, tremendo enquanto uma onda após outra de felicidade rolava por mim. Seus quadris gaguejaram e as pupilas de seus olhos se expandiram e contraíram enquanto seu pau inchava dentro de mim. Um gemido rasgou-se de seu peito quando se endureceu, e um pingo de sêmen quente me encheu, a pressão tão intensa que gemi junto com ele. ─ Oh, foda, ─ eu ofegava, quando sua ejaculação inundou minhas entranhas, enviando uma nova onda de prazer através de mim. Nós nos seguramos apertados, nossos olhos trancados e nossos corpos tremendo com o poder do acasalamento. Nenhum de nós se moveu por alguns instantes, e eu o abracei forte, amando a sensação de estar no abraço dele. Eventualmente, ele se moveu e saiu de mim, rolando em suas costas, mas mantendo uma mão na minha coxa. ─ Se eu já não estivesse grávido, acho que teria engravidado. ─ Eu ri sem problemas. Ele riu. ─ Eu precisava disso. Peguei alguns tecidos da mesa de cabeceira e o limpei. Então me movi para ele e me puxou para perto. Descansando a cabeça no peito, a batida constante de seu coração me consolou. ─ Às vezes, tenho medo de estar sonhando ─ eu disse calmamente. Seu braço apertou. ─ Você não está.

236


─ Sim, mas de vez em quando, quando acordo, tenho medo de abrir meus olhos. Só no caso de continuar com Baxter e nada disso com você ser real. ─ Isso é real. Sou real. O que eu sinto por você é real. ─ Ok. ─ Acenei com a cabeça, esfregando minha mão sobre seu peito liso. Ele beijou meu cabelo. ─ Você tem outros medos que te carcomem? Pensei na sua pergunta. ─ Eu tenho pesadelos onde ele me encontra. ─ Tremi. ─ Nunca o deixaria te machucar. Assenti. ─ Eu sei. ─ Suspirei. ─ Por sorte, ele acha que estou morto. ─ Mas você não está. ─ Ele suavizou sua mão sobre meu estômago. ─ Você está vivo e está carregando meu bebê. Nosso bebê. Um cálido brilho de orgulho passou por mim. ─ Sim. ─ Eu sorri. ─ Sem contar tornozelos inchados e vomitando todas as manhãs, eu realmente estou mais feliz que já estive. Ele riu. ─ Eu também. ─ Suspirou. ─ Não posso acreditar em quão diferente era minha vida há apenas um mês. Meu Deus, eu tenho uma filha, um ômega e um bebê a caminho. Eu sou como um homem novo. ─ E não vamos esquecer que você tem um ômega masculino. ─ Sim. ─ Ele suspirou. ─ Parece tão perfeito também. ─ Fico feliz que você estivesse apenas com mulheres antes.

237


─ Realmente? ─ Ele me acariciou os olhos. ─ Por quê? Dei de ombros. ─ Eu gosto de ser o único homem com quem você já esteve. Ele sorriu. ─ Sim? ─ Sim. Dessa forma, sou especial. ─ Você é especial. Mesmo se eu tivesse estado com um monte de homens, você ainda é especial, Pierce. ─ Não se esqueça disso. ─ Nunca. ─ Ele fechou os olhos, sua voz sonolenta. ─ Estou exausto. ─ Vamos tirar uma soneca. Se você também está dormindo, não me sentirei culpado. ─ Está carregando uma vida dentro de você. Nunca deve se sentir mal por descansar. Quero que descanse. Suspirei. ─ Deus, que grande dia. Eu fiquei doente apenas três vezes esta manhã, tive sexo gostoso e tirei uma soneca. Ele riu e depois de um tempo nós dormimos. Acordei antes de Seth, então saí da cama, com cuidado para não acordálo. Preparei o jantar e fiquei atento ao relógio para que pudesse chegar na hora de pegar Emily na escola. Fiquei surpreso que Seth estivesse dormindo por muito tempo, mas achei que a noite passada foi traumática. Escrevi uma nota para que ele soubesse onde eu tinha ido, e coloquei na mesa de cabeceira. Então parti para ir buscar Emily.

238


Quando voltamos para a casa, fiquei surpreso ao encontrar Seth ainda dormindo. Eu não queria reagir e incomodar Emily, então fingi que não estava preocupado e, quando consegui que ela se instalasse no sofá fazendo a lição de casa, voltei para verificá-lo. Sua respiração era normal e sua cor estava bem. Mas não pude agitar a sensação de que era estranho ainda estar dormindo. Olhei a atadura em sua têmpora, imaginando se talvez fosse por isso que estava dormindo. Ele teve uma concussão? Sentei-me na beira da cama e toquei-lhe o ombro. ─ Seth, acorde ─ Ele não se moveu, então apertei seu braço com mais força. ─ Seth? Seus cílios tremularam e ele abriu os olhos. Fiquei aliviado e sorri para ele. ─ Você me preocupou. Ele apertou suas sobrancelhas juntas e endureceu. ─ Quem é você? Eu ri, assumindo que ele estava brincando. ─ Muito engraçado. Ele moveu para o outro lado da cama e me observou cautelosamente. ─ Estou falando sério. Quem diabos é você e onde eu estou? Fiquei parado enquanto a confusão ondulava por mim. ─ Seth, que... sou eu, Pierce. ─ Quem? ─ Ele resmungou. Parecia perceber que estava nu e pegou o travesseiro mais próximo segurando-o diante da virilha. Seu rosto estava vermelho e seus olhos brilharam com perplexidade. Se ele não tivesse olhado como se quisesse me dar um soco, o momento poderia ter sido engraçado em um determinado nível torcido.

239


Olhando para o curativo, eu disse: ─ Você bateu sua cabeça na noite passada. Lembra daquilo? ─ Minha cabeça? ─ Ele tocou sua atadura, franzindo a testa. Então olhou para mim e sua expressão suavizou. ─ Oh, Pierce. Sim. Deus, desculpe. Eu não pude colocá-lo por um segundo. ─ Olhou lentamente. ─ Por que você está no meu quarto? Espere... esse é meu quarto? ─ Sim, Seth. É claro que este é o seu quarto. ─ Eu não tinha certeza do que fazer. Fiquei aliviado que ele agora me reconheceu, mas ainda estava obviamente desorientado. ─ Sua cabeça dói? Ele franziu a testa. ─ Não. ─ Olhou para si mesmo. ─ Por que estou nu? Eu não sabia como responder, e abri minha boca para responder, mas nada saiu. ─ Por que estou nu? ─ Ele perguntou como se ainda não tivesse perguntado. ─ Bem… ─ Eu não conseguiria lhe dizer que estava nu por ter tido relações sexuais. Talvez fosse porque me olhava como se não fossemos conhecidos. ─ Você tem certeza de que não tem dor de cabeça? ─ Não. ─ Ele fez uma careta. ─ Como eu cheguei aqui? ─ Esta é a sua casa, Seth. ─ Meu coração estava batendo contra minhas costelas. ─ Minha casa? ─ Ele parecia enervado. ─ Não. Eu conheceria minha própria casa. ─ Eu acho que devemos ver um médico.

240


Ele olhou para a roupa interior e calça jeans no tapete. ─ São meus? ─ Ele apontou. ─ Sim. ─ Você se importaria de virar as costas para que eu possa me vestir? ─ Seu rosto era rosa. Eu fiz como ele pediu, me sentindo doente do estômago. Ele tinha me esquecido para sempre? O que diabos estava acontecendo? Se não lembrasse que havia dito que me amava, provavelmente não lembraria que eu estava grávido de seu filho. Inferno, ele provavelmente não lembraria que já esteve com um cara. ─ Tudo bem ─ ele disse suavemente. Ainda parecia pálido e chacoalhado, mas pelo menos agora estava vestido. ─ Seth, alguma coisa está errada com você. Ele passou uma mão trêmula sobre o cabelo. ─ Não consigo lembrar de nada. ─ Ele engoliu em seco. ─ Não me lembro de nada. Como cheguei aqui? Meu primeiro instinto foi chamar Colin, mas ele e Riley estavam em turnê. Eu não tinha certeza do que fazer. Me senti aterrorizado de que talvez Seth tivesse sofrido um derrame ou algo assim. Eu o perdi? Perdi seu amor? Fiquei impressionado com a ideia de que tudo o que queria poderia ser arrancado de mim tão rapidamente. Mal tive tempo de saborear suas palavras de amor antes de serem levadas de volta, substituídas por um olhar legal e vazio. ─ Eu acho que devemos ir para o ER. ─ Caminhei em direção à porta.

241


─ De quem é essa casa? ─ É a sua casa, Seth. ─ Minha voz vacilou. ─ É? ─ Ele fez uma careta. ─ Vamos ao ER. ─ Eu gesticulei para a porta. ─ De quem é essa casa? ─ Venha comigo, Seth. ─ Achei que o trataria como uma criança por enquanto. Ele não conseguiu reter qualquer informação. Felizmente, me seguiu do quarto, parecendo que nunca tinha visto suas próprias coisas. Quando chegamos à sala de estar, Emily estava no sofá, mastigando o final do lápis, e entrecerrando os olhos para seu programa de matemática. Quando olhou para cima, eu disse: ─ Emily, você pode pegar seus sapatos? Parecia surpresa. ─ Sim. ─ Ela deslizou seus tênis e deu uma risada incerta. Me aproximei dela e falei suavemente. ─ Precisamos levar seu pai para o ER. Seus olhos se arregalaram e a cor deixou seu rosto. ─ O que? ─ Algo está errado. Ele não pode se lembrar de nada. ─ Olhei para Seth, que olhava para Emily como se estivesse tentando lembrar dela. ─ É esta a sua casa? ─ Ele me perguntou. ─ É sua casa, pai. ─ A voz de Emily balançou.

242


Parecia aliviado quando apontou para a filha. ─ Você é Amelia. ─ Emily ─ ela o corrigiu gentilmente. ─ Sim, Emily. Lembro-me disso agora. ─ Venha. ─ Eu fui para a porta. Ambos me seguiram para fora e sentei Seth na parte traseira com Emily. Engajei as fechaduras para crianças porque estava com medo que talvez ele não lembrasse de abrir uma porta enquanto o carro estava em movimento e poderia ser perigoso. Enquanto dirigia para o hospital, observei Seth no espelho retrovisor. Ele tinha uma linha entre suas sobrancelhas e parecia assustado com quase tudo o que viu. Me senti tão aterrorizado que nem consegui respirar. Estava prestes a hiperventilar. Emily foi surpreendentemente boa com Seth. Ela falou suavemente com ele, repetindo as mesmas respostas às mesmas perguntas uma e outra vez como se não a incomodasse. Fiquei feliz por ter lembrado dela mais rápido do que eu. Poderia ter danificado seu relacionamento se a tivesse olhado com a mesma expressão impessoal que me havia dado. Ainda dói lembrar. E não era como se ele realmente me lembrasse agora. Simplesmente conhecia meu nome. Mas, no que diz respeito ao nosso relacionamento, parecia extremamente distante comigo. Quando chegamos ao hospital, estacionei no primeiro lugar que vi. Em seguida, entramos no ER através das portas de vidro deslizantes. Havia uma mesa de recepcionista perto das portas e ela nos cumprimentou alegremente. ─ O que posso fazer por você hoje? ─ Ela sorriu.

243


Eu gesticulei em direção a Seth. ─ Ele não consegue lembrar de nada. Surgiu de repente. Sua expressão mudou imediatamente e ela ficou de pé. ─ O discurso dele é ruim? Alguma inclinação de suas características faciais? Eu balancei minha cabeça. ─ Não. Ele simplesmente não consegue se lembrar de coisas. Como sua casa ou o que fez hoje ou no passado. ─ Hum. ─ Ela mordeu o lábio. ─ Aguente. Vou buscar alguém para lhe dar uma avaliação. Uma vez que ela chamou outra enfermeira, as coisas pareciam acontecer rapidamente. Eles levaram Seth atrás de algumas portas duplas e eu e Emily nos sentamos na sala de espera. Me senti tão deprimido que era difícil me comportar normalmente em torno dela. Apenas horas atrás, eu tinha tido tudo o que sempre desejava e agora parecia que havia desaparecido. Eliminado instantaneamente. Depois de cerca de uma hora, um médico com um casaco branco saiu e veio a nosso encontro. Nos levou para uma área mais privada e nos fez sentar. ─ Eu acredito que Seth tem o que é chamado de amnésia global transitória. ─ Ele esfregou o queixo enquanto falava. ─ Não teve um acidente vascular cerebral? ─ Perguntei. ─ Eu não acredito nisso. Não há indícios de acidente vascular cerebral ou ataque de qualquer tipo. Ele manteve sua identidade pessoal apesar de sua perda de memória. Parece ter uma cognição normal, como a capacidade de

244


reconhecer objetos familiares e seguir direções simples. Não há paralisia dos membros ou movimentos involuntários. ─ Mas ele não conhecia sua própria casa ─ eu disse, querendo dizer muito mais. Ele não lembra que me ama. ─ Isso é muito comum com TGA. ─ Será que recuperará suas lembranças? ─ Emily ficou pálida na iluminação fluorescente. ─ Se isso é realmente TGA, deve durar apenas de duas a vinte e quatro horas. Eu lhe dei uma tomografia computadorizada e estamos apenas esperando os resultados da ressonância magnética. Mas estou bastante confiante do meu diagnóstico. ─ O que causaria TGA? ─ Eu fiz uma careta. ─ Ninguém realmente sabe qual é a causa exata, mas muitas vezes são coisas como atividade física extenuante, relações sexuais ou traumatismo craniano leve. Percebi que ele tinha uma colisão na tempora. Isso poderia ser facilmente o que provocou esse episódio. Eu corei na menção de relações sexuais. ─ Sim, ele bateu na cabeça em uma mesa de cabeceira ontem à noite. ─ Ahh. ─ Ele assentiu. ─ Isso poderia facilmente fazê-lo. Emily passou a mão na minha. ─ Então, você acha que isso vai acabar? ─ Perguntou ela. ─ Tudo por si só?

245


─ Normalmente se fica bem dentro de vinte e quatro horas. Deixe-me apenas avisá-lo, ele vai ser irritante. Não poderá reter nada que você lhe diga. Sua memória de curto prazo não está funcionando. ─ É por isso que continuou perguntando o mesmo repetidamente. ─ Emily riu, parecendo um pouco mais calma. ─ Foi muito irritante. ─ Sim. Apenas seja paciente e ele deveria estar bem de manhã. ─ Suspirou. ─ Obviamente, se não estiver, traga-o de volta. Ah, e provavelmente não se lembrará muito disso. Então, não deixe isso te enlouquecer. ─ Ele caminhou para a porta. ─ Muito obrigado, doutor. ─ Me senti um pouco melhor. Embora, até que Seth voltasse ao normal, não conseguiria relaxar. Demorou mais meia hora para que eles liberassem Seth. Mas uma vez que ele foi libertado, nós o levamos para casa e eu fiz o jantar. Depois de comer, sentou-se na sala de estar, perdeu-se e perguntou de quem era a casa até a hora de ir para a cama. Era um sentimento estranho quando ele caminhou até o quarto e fechou a porta na minha cara. Especialmente depois que apenas naquela manhã falou sobre eu ficar em seu quarto permanentemente. Mas o homem com quem acabava de passar a noite não era meu Seth. Esperava que meu Seth voltasse de manhã porque me sentia perdido sem ele. Coloquei Emily na cama e fiquei seguro de lhe contar tudo o que eu poderia pensar para que se sentisse melhor. Ela examinou um monte de coisas em amnésia global transitória e parecia mais tranquilizada de que seu pai estaria bem do que eu.

246


Me aconcheguei na minha cama, me sentindo sozinho e assustado. Abracei o estômago, tentando me convencer de que tudo voltaria ao normal amanhã. Não costumava orar, mas enviei uma pequena e triste oração na esperança de que, se Deus existisse, ele me jogaria um osso. Tudo o que aconteceu nas últimas seis horas me mostrou o quanto amava e precisava de Seth. Minha noite sentiu-se desesperada e deprimente sem sua risada rouca e provocações gentis. Senti falta do abraço com ele no sofá, acariciando sua mão suavemente pelo meu cabelo enquanto assistimos TV com Emily. Eu de alguma forma encontrei o alfa que nem sabia que precisava, e nem consegui imaginar um futuro sem Seth.

247


Capítulo 14 Seth Quando acordei, minha cabeça doeu, mas me sentia descansado. Senteime, desapontado que Pierce não estava ainda na cama comigo. Olhando para o relógio, vi que eram quase oito horas da manhã. Franzi a testa e saí da cama lentamente, tocando o curativo na minha cabeça. Quando bati minha cabeça? Entrei no banheiro e escovei meus dentes, olhando meu reflexo pálido e lutando para lembrar como poderia ter atingido minha cabeça. Enquanto raspei a barba, a memória da minha última tarefa foi filtrada, Letty atacando seu marido e sendo arrastada algemada. Por que não me lembrei disso imediatamente? Pressionei minha têmpora, recordando a viagem de avião para casa agora, e eu e Pierce fazendo amor há um tempo atrás e depois tirando uma soneca. Mas, – espere –, me voltei para meu relógio. Como poderia ser oito horas quando cheguei em casa às dez da manhã? Fiz uma careta, me sentindo confuso. O que diabos estava acontecendo? Me vesti e saí do meu quarto. Quando entrei na cozinha estava vazia. Na verdade, toda a casa estava em silêncio. Fiz café e me esforcei para resolver a linha do tempo que me deixou confuso. Me ocorreu verificar a data. Quando vi que era um dia depois de quando voltei para casa, meu estômago caiu, e abaixei minha caneca de forma insegura. Como perdi um dia inteiro?

248


A porta da frente se abriu e Pierce entrou correndo na casa. Ele começou a se apressar na cozinha, mas deve ter me visto pelo canto do olho. Parou e se moveu para a cozinha, parecendo assustado. ─Você está acordado. Como está se sentindo? ─ Confuso. A última coisa que lembro é que estava deitado para uma soneca com você. ─ Engasguei. ─ Ontem. Ele se aproximou. ─ Essa é a última coisa que você lembra? ─ Sim. ─ Eu fiz uma careta. ─ Mas você se lembra de mim? ─ É claro que lembro de você. Alívio passou por seu olhar intenso. ─ Mas quero dizer, não só que eu trabalho para você. Levantei a cabeça. ─ Pierce, eu lembro de você. Não entendo por que está questionando isso. Sua risada estava tensa. ─ Você vai em um minuto. Me aproximei dele. ─ Parece que perdi um dia. ─ Sim. ─ Você me deixou dormir a noite toda ou alguma coisa? ─ Não exatamente. ─ Não? ─ Eu fiz uma careta. ─ Onde você estava agora? Ele suspirou. ─ Levando Emily para a escola.

249


Eu fiz uma careta. ─ Por que você não se despediu de mim antes de levar Emily para a escola? Como de costume? Ele suspirou. ─ Você não teria querido. Eu franzi o cenho. ─ Você está louco? Ele se aproximou e segurou meu olhar. ─ Ouça, algo aconteceu ontem. Precisamos falar sobre isso. ─ Certo. ─ Meu estômago apertou em seu tom sério. Ele se moveu para sentar-se à mesa e segui o exemplo. Limpou a garganta. ─ Depois da nossa soneca ontem… ─ Ele parou. Eu assenti com a cabeça para encorajá-lo a continuar falando. ─ Depois de acordar você... um... você não se lembrou de algumas coisas. ─ Ele se moveu inquieto. ─ Como o quê? ─Como eu por exemplo. ─ Ele estremeceu. Ele tinha que estar brincando. ─ Não há como não saber quem você era. Ele engoliu em seco. ─ Você não o fez no início. Mas então, minha identidade pareceu voltar a gradualmente. Mas você não lembrou que tivemos algum tipo de relacionamento pessoal. Você simplesmente... ─ Ele balançou a cabeça. ─ Não lembrava da nossa conexão. Eu enruguei o rosto com uma careta. ─ Isso não é possível. Eu te amo. Não esquecerei você.

250


─ Você fez, Seth. ─ Seus olhos estavam escuros com preocupação. ─ Você... você não me ama mais. Estendi a mão e agarrei sua mão porque a dor em sua voz era difícil de suportar. ─ Pierce eu te amo. Isso não vai mudar. Eu prometo. Ele deixou cair a cabeça. ─ Tudo o que sei é que não estou mentindo. ─ Bem... o que estava errado comigo? Você descobriu isso de alguma forma? ─ Eu levei você para o ER porque estava tão preocupado. ─ Tudo bem. ─ Eu assenti. ─ Não posso acreditar que isso aconteceu e não me lembro de nada disso. ─ Passei uma mão pelo meu cabelo, me sentindo chacoalhado. ─ Você realmente me levou ao hospital? ─ Sim. ─ Eu não tenho lembrança disso. ─ Alarguei os olhos. ─ Eu lembrei de Emily? Por favor, me diga que eu também não a fiz se sentir horrível. ─ A ideia de que eu a rejeitava me deixou doente no estômago. ─ Você se lembrou dela. Não lembrou direito seu nome uma vez, mas sabia que ela era sua filha. Mas você estava desorientado e não sabia onde estava. Foi horrível. ─ Ele ficou pálido. ─ Jesus. ─ Minha cabeça doía com confusão. ─ O que os médicos disseram que estava errado comigo? ─ Bem, eu temia que você tivesse sofrido um acidente vascular cerebral. Mas seu discurso estava bem e os médicos não concordaram.

251


─ Então, não foi assim? ─ Não. Aparentemente você tinha o que se chamava amnésia global transitória. É como uma espécie de amnésia temporária. Eu olhei para ele, achando tudo isso difícil de acreditar. ─ Nunca ouvi falar disso. ─ Eu também não tinha. Mas... aconteceu. Testemunhei com meus próprios olhos. ─ Ele apertou meus dedos tão forte que quase doeu. ─ E você está de volta a si mesmo agora, assim como o médico disse que estaria. Segurei seu olhar cauteloso. ─ Deus, sinto muito. Desculpe-me se eu machuquei você. ─ Foi o pior sentimento de pensar que eu poderia ter dito ou feito coisas prejudiciais e nem mesmo estive ciente disso. ─ Está bem. Quero dizer, não foi intencional. Você estava simplesmente perdido. Me senti mal por você, porque parecia muito assustado e você realmente nunca parece ter medo de nada. ─ Eu não costumo ter. ─ O médico achou que provavelmente foi o golpe na cabeça que causou isso. ─ Merda. ─ Toquei minha têmpora. ─ E se isso acontecer novamente? ─ De acordo com os especialistas médicos, é raro que acontecesse novamente à mesma pessoa. ─ Deus, espero que não. ─ Foi terrível perceber que não conseguia lembrar de uma das pessoas mais importantes da minha vida. Ele já confiava

252


que eu seria um bom alfa. ─ Não sei por que isso aconteceu comigo, mas juro pela minha vida que eu te amo, Pierce. Os olhos dele brilhavam. ─ Espero que sim. ─ Eu esperava que ele afastasse sua mão e possivelmente recuasse de volta para sua concha, mas não. Em vez disso, levantou e veio até mim, ajoelhando-se ao meu lado e pousando a cabeça no meu colo. ─ Isso me fez perceber o quanto preciso de você. Não posso acreditar o quão horrível foi quando pensei que tinha perdido seu amor. ─ Ele estremeceu. ─ Foi uma boa lembrança de quão frágil pode ser a vida e que precisamos agarrar esses momentos felizes. Entremeei meus dedos em seus cabelos macios. ─ Sim. Eu não vou deixar você ir. Não consigo pensar em nada pior do que em perder você ou minhas lembranças de você. ─ Suspirei. ─ Olhe para mim, Pierce. Ele ergueu a cabeça, seu olhar quente e procurando. ─ Estou de volta. Estou aqui. Não quero perder você ─ eu disse calmamente. ─ Não duvide do que temos. Por favor. ─ Eu não vou. Isso me assustou, mas não vou deixar você tão facilmente. O alívio me encheu. ─ Bom. ─ Nós nos beijamos e o toque quente de seus lábios foi reconfortante. Quando levantei a cabeça, sorri para ele. ─ A última coisa que você precisa em sua condição é ser estressado por mim. Ele riu bruscamente. ─ Eu estava tão distraído com o que estava acontecendo com você que nem vomitei nesta manhã.

253


─ Estou feliz que minha coisa de esquecimento global fosse boa para algo. ─ Estou tão feliz que você voltou ao seu antigo eu mesmo. Me permiti imaginar um futuro com você, Seth. E eu quero isso. Realmente. Foi bastante perturbador quando pensei que tinha sido arrebatado de mim. ─ Nem percebi que queria um ômega e uma família até que te conheci. ─ Acariciei seu estômago achatado. ─ O que temos, mais um mês antes de irmos ao complexo? Ele assentiu. ─ Sim. É quando eu vou começar a mostrar. ─ É estranho que eu aguarde que seu estômago cresça? ─ Eu ri, me sentindo consciente. ─ Nunca estive com mulheres grávidas. ─ Acendi minhas narinas. ─ Mas penso em sua barriga cheia com meu filho uma e outra vez. ─ Mesmo? ─ Sim. ─ O único fato é que eu acho como não atrativo eu serei com um grande estômago gordo. ─ Ele suspirou. ─ Você provavelmente será arrebatado por mim. ─ Eu duvido disso. Ele sorriu. ─ Acho que quando eu for tão grande como uma casa, saberemos a verdade.

─ Você está de volta! ─ Emily me abraçou forte.

254


─ Me desculpe se estive agindo estranho. ─ Acariciei seus pequenos ombros magros, me sentindo protetor dela. ─ Está tudo bem. ─ Olhou para mim. ─ Não foi sua culpa. ─ Não precisa se preocupar com isso acontecendo de novo ─ a tranquilizei. ─ Eu sei. ─ Ela sorriu. ─ Tenho pesquisado. Eu ri. ─ Mesmo? Ela assentiu. ─ Ter acontecido uma vez não aumenta de forma alguma suas chances de acontecer outra vez. ─ Você deve ser um detetive particular quando crescer. ─ Eu sorri. ─ Não, obrigado. Eles se sentam muito em carros e tentam atrapalhar as pessoas que trapaceiam seus cônjuges. Isso parece deprimente. ─ Ela se moveu para sentar no sofá. ─ Sim, realmente. ─ Pierce assentiu. ─ Oh! ─ Ela levantou as sobrancelhas. ─ Mas eu posso gostar de ser médica. Eu alarguei os olhos. ─ Começarei a trabalhar horas extras imediatamente para financiar isso. Ela riu. ─ Eu não vou para a faculdade por um longo tempo, bobo. Fingi limpar o suor da minha testa. Pierce sorriu para mim e senti as borboletas habituais. Sentei no sofá. Queria falar com Emily sobre Pierce e meu relacionamento por um tempo agora. Ela sabia que estávamos juntos,

255


mas eu precisava saber sobre como ela gostaria de um bebê irmão ou irmã. Afinal, um bebê estava em nosso futuro próximo. Íamos usar a história de adoção, mas queria que ela se sentisse segura e feliz conosco antes do nascimento do bebê. ─ Então, Emily, eu queria te perguntar como você se sente sobre eu e Pierce estarmos juntos. Isso te faz ficar desconfortável? ─ Eu mantive minha voz clara. Ela franziu a testa. ─ Por que eu ficaria desconfortável? Dei de ombros. ─ Bem, porque somos dois meninos. Ela riu. ─ E? Eu encontrei o olhar divertido de Pierce. ─ Às vezes, as pessoas não aprovam isso. ─ Pfft. Eu não ligo. Eu aprovo. ─ Ela sorriu. ─ Vocês dois são bons juntos. ─ Oh, fico feliz que você esteja bem com isso, então. ─ Você se sente estranho? Foi por isso que você me perguntou? ─ Seu olhar era curioso. Meu rosto se aqueceu. ─ Não. Eu apenas sinto, como seu pai, que deveria conversar com você sobre coisas assim. ─ Você namorou as meninas antes. Eu podia entender se achou que era estranho. ─ Ela colocou os pés no chão e colocou as mãos sobre o estômago. ─ Além disso, você namorou com minha mãe, então talvez quer a minha permissão para namorar Pierce?

256


Eu dei uma risada rude. ─ Não. Ei, estou tentando descobrir como você se sente. Está jogando o foco todo em mim. ─ Talvez você deva ser uma psicóloga, Emily. ─ Pierce sorriu. Meu rosto se aqueceu. ─ Eu me sinto ótimo sobre o namoro com Pierce. Só estou sendo um pai para minha filha. Emily sorriu. ─ Certo. Bem, também me sinto bem com vocês dois. ─ Ok, bom. ─ Pigarreei. ─ O que... o que você pensa sobre eu e Pierce adotando um bebê? Seus olhos alargaram. ─ Você quer dizer um bebê verdadeiro? Eu fiz uma careta. ─ Existe algum outro tipo? Ela se sentou para á frente. ─ Eu adoraria um bebê. Podemos ter uma menina? ─ Um… ─ Eu não tinha ideia do que seria o sexo do nosso bebê, então não tinha certeza de como responder. Pierce interferiu. ─ Devemos adotar qualquer criança que seja o ajuste certo para nós. Emily assentiu com a cabeça. ─ Verdade. Espero que seja uma menina. Eu ri. ─ Por quê? ─ Seria bom ter outra garota ao redor. Eu poderia fazer seus cabelos e outras coisas. Você sabe, quando ela tiver cabelo porque a maioria dos bebês é careca, eu acho.

257


Fiquei aliviado por estar aberta ao conceito de outra criança. Seria muito estranho se ela tivesse odiado a ideia. ─ Entendo. Ela bateu palmas. ─ O bebê pode dormir no meu quarto. ─ Oh, bem, não. O bebê teria seu próprio quarto. Mas você poderia estar encarregado de ajudar a decorar o quarto do bebê. ─ Tudo bem. ─ Ela assentiu. ─ Eu ajudei a pintar meu quarto então também posso ajudar com o quarto do bebê. ─ Isso seria bom. ─ Maravilha, vamos realmente ter um bebê? ─ Ela sorriu. ─ Eu não posso esperar para contar a Susan. Sua mãe também está tendo um bebê. ─ Estou tão feliz que você esteja bem com tudo isso, Emily. Sei que houve muita mudança em sua vida no último mês. ─ Eu sorri para ela. Ela suspirou. ─ Sim. Embora eu não quisesse vir aqui no início, foi bom. Eu assenti. ─ Estou feliz. ─ Quando mamãe morreu, pensei ter perdido minha família para sempre. ─ Sua voz balançou. ─ Mas agora eu tenho uma família maior. E vai ficar ainda maior. Talvez possamos adotar dez bebês. ─ Uau. ─ Pierce arregalou os olhos. ─ Vamos desacelerar aqui e ver se podemos lidar com mais um. Rindo, Emily disse: ─ Claro que podemos. Nós temos esses caras. ─ Eu aprecio o seu entusiasmo. ─ Pierce riu.

258


─ Vamos ver o tempo que dura depois que ela ajuda a mudar a primeira fralda suja. ─ Eu sorri. Parecendo horrorizada, Emily disse: ─ Vocês dois têm que lidar com isso. Eu sou apenas a decoradora ─ ela gritou. Suspirei. ─ Me desculpe que perdi todos os seus primeiros anos, Emily. ─ Está tudo bem. ─ Ela deu um sorriso impessoal. ─ Você pode me comprar um cachorrinho. Isso deve compensar.

259


Capítulo 15 Pierce ─ Eu sinto muito. Não posso fazê-lo. ─ Coloquei a espátula para baixo e recuei para longe da frigideira. ─ O cheiro... vai me fazer vomitar. Emily riu e me afastou do fogão e em direção à porta dos fundos. ─ Vá lá fora e pegue um pouco de ar fresco. Vou fazer o pai terminar o jantar. ─ Mas ele vai arruiná-lo. ─ Eu cobri meu nariz com a mão. ─ Vomitar na panela vai arruiná-lo mais. ─ Ela riu. Engasguei no ar puro do exterior e me caminhei em direção a uma das cadeiras do pátio. Sentei-me com um grunhido, tapando minha protuberância mínima do bebê. Minha protuberância não era nada que alguém notaria, a menos que estivesse nu. Mas eu podia sentir o peso extra em torno da minha cintura e era desconfortável. Imagine o quanto me sentirei uma baleia uma vez que realmente começasse a mostrar. Através da janela podia ver Emily arrastando seu pai para a cozinha. Ele olhou para a panela como se não tivesse ideia do que fazer. Realmente, realmente sua refeição consistia em cereais antes de eu chegar para ficar? Seth não parecia saber como cozinhar qualquer coisa, exceto um ovo mexido. Meus lábios se contraíram com carinho enquanto ele coçava a cabeça e cutucava o peixe com a espátula.

260


Nós deveríamos partir para o complexo amanhã de manhã. Eu estava nervoso voltando lá como um ômega grávido. Tinha tanta veemência sobre o quão horrível eram o alphas que era um pouco constrangedor regressar com uma criança e acompanhado de meu próprio alfa. Trina, a principal enfermeira no complexo, tinha sido legal com isso no telefone, no entanto, e não me fez sentir mal quando disse a ela que estava grávido e estava indo às instalações médicas. Mas ainda assim, eu sabia que haveria outros que achariam engraçado que, depois de todas as minhas falácias sobre alfas, fui nocauteado. A porta dos fundos se abriu e Seth empurrou a cabeça para fora. ─ As batatas devem ser pretas nas bordas? ─ Não. ─ Eu fiz uma careta. ─ Você as queimou? ─ Não de propósito. Levantei o calor para apressá-las, porque o peixe está pronto. Eu acho. Fiquei de pé, me movendo em direção a ele. ─ Em quanto você colocou a temperatura? ─ Quinhentos. ─ O quê? ─ Eu gritei. ─ Isso é o que se coloca para limpar o forno. ─ Realmente? ─ Ele arqueou uma sobrancelha. ─ Hã. Talvez seja por isso que estava fumaçando. Apertei minhas narinas e passei por ele. Olhando fixamente para as batatas escurecidas, fiz uma careta. Pelo menos ele não queimou o peixe. ─ Eu

261


acho que o centro ainda é comestível. ─ Minha voz estava abafada pela minha mão. Seth sorriu para mim. ─ Como você vai comer com a mão no rosto? ─ Eu não estou comendo essas coisas. Comerei aveia. Isso é tudo o que posso suportar ultimamente. ─ Tremi, me sentindo um pouco enjoado olhando o peixe. ─ A aveia não é suficiente para um bebê. ─ Ele sussurrou no meu ouvido. ─ Você precisa de vegetais e frutas ─ Ele apontou para o peixe. ─ E proteína. Meu estômago soprava e me arrastei para o banheiro. Me ajoelhei na frente do banheiro, tentando diminuir minha respiração e acalmar meu estômago, então na verdade não fiquei doente. Demorou cerca de dez minutos, mas eventualmente me senti seguro para sair do banheiro. Fiquei na sala de estar, com medo de entrar na cozinha. Após cerca de meia hora, Seth apontou a cabeça. ─ Tudo está limpo aqui. Nós comemos e guardamos a comida e até lavamos a louça. Não há vestígios do... você sabe o que. Eu ri. ─ Obrigado. ─ Eu vou escovar meus dentes. Volto logo. Ele sorriu e dirigiu-se pelo corredor em direção a seu quarto. Emily entrou no quarto e caiu ao meu lado. ─ Eu acho que o pai é o pior cozinheiro que já conheci ─ ela murmurou. ─ Eu sei.

262


─ Eu me obriguei a comer apenas para que não machucasse seus sentimentos. Mas agora tenho uma dor de estômago. ─ Desculpe. ─ Eu fiz uma careta. ─ Não é sua culpa. Você não se sente bem. ─ Ela suspirou. ─ Você tem um estômago fraco ultimamente. Meu rosto se aqueceu. ─ Eu sei. ─ Você tem certeza de que está saudável o suficiente para ir em sua viagem amanhã? ─ Eu vou ficar bem. São apenas certos alimentos que não me caem bem. Não deveria ter tentado cozinhar... você sabe. Ela se inclinou sobre mim, olhando com olhos tristes. ─ Eu não quero que vocês vão. ─ Quatro semanas e voltaremos. ─ Eu queria poder escolher um bebê com vocês. ─ Ela suspirou. ─ Não é justo. ─ Você não pode simplesmente perder a escola por um mês. ─ Eu odiava mentir para Emily, mas dizer a ela a verdade estava fora de questão. ─ Eu sei. ─ Ela mexia com um botão na minha camisa. ─ E se eu não gostar desse Brad? ─ Você irá. Pelo que eu ouço, todo mundo gosta dele. Ele tem excelentes referências.

263


─ Tudo bem. ─ Ela sorriu. ─ Fico feliz que você e o papai se encontraram. Vocês dois pareciam tristes quando cheguei aqui, mas agora você parece melhor. Mais feliz. ─ Eu estou feliz. Ela sentou o rosto brilhante. ─ Eu não posso esperar para conhecer minha nova irmãzinha! Eu ri. ─ Ou irmão. Franzindo o cenho, ela disse. ─ Sim. Ou irmão. Seth entrou no quarto. ─ Ahhh, hálito fresco. ─ Ele sorriu e sentou-se do meu outro lado. A forte pressão de seu ombro contra o meu me confortou. ─ Brad está chegando às sete e meia de amanhã, então pode levar Emily para a escola comigo e eu posso mostrar o que fazer. ─ Certo. ─ Seth assentiu com a cabeça. ─ Como é que você pode tirar um mês inteiro do trabalho, pai? Mas eu estou presa na escola? ─ Emily resmungou. ─ Porque eu tive um monte de tempo de férias salvo. ─ Eu deveria estar lá para ajudar com a decisão. ─ Ela enrolou o lábio em uma bico. Eu franzi o cenho. ─ Emily, você sempre diz que quer crescer. Bem, aceite que você nem sempre conseguir o quer faz parte de ser um adulto. ─ Mas eu não gosto disso.

264


Seth sorriu. ─ Sim, nem sempre é divertido. É por isso que lhe dizemos que seja uma garota o maior tempo possível. ─ Tudo bem ─ ela disse com relutância. ─ Eu só tenho que confiar em vocês dois para escolher meu irmão para mim. Eu raspei o cabelo dela. ─ Promete que você amará quem trouxer para casa? Ela olhou com um pouco de brilho nos olhos. ─ Eu prometo.

Brad chegou prontamente na manhã seguinte. Quando abri a porta, fiquei surpreso com o quão jovem ele parecia. Vestia jeans finos, uma camiseta rosa brilhante e um chapéu de malha preta com cabelos loiros que cutucavam o fundo. Ele estendeu a mão. ─ Eu sou Brad. ─ Pierce. ─ Apertamos. ─ Entre. ─ Obrigado. ─ Ele passou por mim, olhando curiosamente para a casa. ─ Lugar legal. ─ É minha... casa do meu namorado ─ Eu nunca realmente abordei meu relacionamento em voz alta antes. A palavra “namorado” sentiu-se um pouco estranha, roçando minha língua pela primeira vez. ─ Legal. ─ Ele colocou as mãos nos bolsos e me estudou. ─ Nós finalmente nos encontramos. ─ Ele sorriu. Meu rosto aqueceu. ─ Sim. Desculpe pela queda da posição permanente.

265


Ele encolheu os ombros. ─ Está bem. Nunca estou com perda de trabalho. ─ Você parece em demanda. ─ Eu amo crianças. ─ Ele suspirou. ─ Prefiro ficar com uma família por um tempo. Adoro um pouco as crianças e então seguir em frente é difícil. Seria bom ver a criança crescer e ser parte disso, você sabe? Gostei de sua atitude. ─ Eu entendo. Ele suspirou. ─ Mas de qualquer forma. Por enquanto, vou deixar o universo me colocar onde pensa que eu preciso estar. Emily entrou no quarto. Seu rosto se iluminou quando viu Brad. Eu não tinha certeza se era porque ele parecia jovem ou que era fofo. Mas seja qual for o motivo, suas bochechas ficaram coradas e ela sorriu timidamente. ─ Eu sou Emily. ─ Ei, Emily. Eu sou Brad. É legal finalmente conhecê-la. Ela apertou as mãos. ─ Estou pronta para ir à escola. ─ Nunca conheci uma garota que não podia esperar para chegar à escola antes. ─ Brad sorriu e Emily quase desmaiou olhando suas covinhas. Eu pigarreei. ─ Eu não acho que já lhe perguntei quantos anos você tem, Brad. Ele riu. ─ Tenho vinte e um anos. Sei que parece mais jovem, certo? Tenho minha ID se você quiser ver isso. ─ Eu confio em você.

266


Sua expressão tornou-se mais séria. ─ Bom. Porque eu sou confiável. Vou cuidar bem de Emily. Prometo. Seth entrou no corredor, apertando a gravata. Ele olhou Brad de cima abaixo antes de estender a mão. ─ Eu sou o pai. Seth. ─ Prazer em conhecê-lo. ─ Brad não parecia intimidado. ─ Quantos anos você tem? ─ Perguntou Seth, franzindo a testa. Brad riu. ─ Vinte e um. ─ Eu já perguntei isso. ─ Estremeci. ─ É legal. Honestamente, se você não perguntasse, eu acharia isso mais estranho. Estou plenamente consciente de que pareço ter doze anos. Ele se endireitou. ─ Devemos ir levar Emily para a escola? Eu não quero ser a razão pela qual ela está atrasada. ─ Oh sim. Vamos. ─ Caminhei para a porta. Geralmente dava um beijo de adeus em Seth, mas eu me senti estranho na frente de Brad. ─ Te vejo daqui a pouco. Seth assentiu com a cabeça. ─ Eu estarei aqui. ─ Emily caminhou até seu pai e eles se abraçaram. Ele beijou o cabelo e a apertou. ─ Prometa-me que você será boa? ─ Sim. ─ Ela cheirou. ─ Eu vou sentir a sua falta. ─ Eu sei. ─ Ele suspirou, franzindo a testa. ─ Mas estaremos de volta antes o mais cedo possível e então você pode ajudar com o novo bebê. ─ Você tem um bebê novo a caminho? ─ Brad perguntou alegremente.

267


─ Sim... estamos... adotando. ─ Pigarreei. ─ Nós vamos passar algum tempo com algumas crianças e ver com quem nos conectamos. ─ Legal. Que agência você está usando? Passei o olhar para o de Seth. Eu não esperava que Brad fizesse perguntas

detalhadas

e

eu

e

Seth

ainda

não

tínhamos

acertado

completamente nossa história de adoção. ─ É uma agência particular ─ disse Seth suavemente. ─ Nós não gostamos de falar sobre isso demais, caso tenhamos chance. O olhar de Brad piscou. ─ Oh. Certo. Compreendo. ─ Vamos embora? ─ Abri a porta. ─ Claro ─ Brad saiu primeiro. Emily abraçou seu pai um pouco mais e então me seguiu para fora, parecendo infeliz. Ela se animou um pouco quando Brad entrou na parte traseira com ela. ─ Eu me sinto como um motorista ─ disse enquanto dirigia para a rua, indo em direção à escola. Brad riu. ─ Motorista, depois de deixar Emily na escola, me leve para o Rodeo Drive, eu preciso fazer algumas compras. Eu sorri. ─ Você deve fazer um dinheiro impressionante sendo babá. Eu costumo comprar no Target. ─ Sim, eu também.

268


Brad e Emily falaram calmamente enquanto eu dirigia. Fiquei aliviado por ver que eles se conectaram bem e ela parecia realmente gostar dele. Eu passei a gostar muito de Emily nos últimos meses e odiava deixá-la enquanto íamos para as montanhas. Mas não havia como contornar isso. Eu não poderia mostrar a ninguém que estava grávido e esconder minha barriga no dia a dia seria impossível. Quando chegamos à escola, expliquei as complexidades de quais calçadas para estacionar e sair para pegar e deixar, então ele não seria gritado, e quais motoristas loucos evitar. Saí e abracei Emily, não me importava se isso não fosse legal ou não. Ela só precisaria suportar isso porque eu sentiria sua falta como louco e precisava de seus abraços. No caminho de volta para a casa, Brad sentou-se na frente comigo. ─ Então, você conheceu o pai de Emily antes de ir trabalhar para ele? ─ Sua voz era curiosa, mas respeitosa. ─ Não. Na verdade, quando nos conhecemos, não pude suportá-lo. Ele riu. ─ Mesmo? Ele parece legal. ─ Eu não gostava de alfas. Qualquer alfa. ─ Oh. ─ Ele olhou pela janela para as pequenas casas que alinhavam a rua. ─ Eu posso entender isso. ─ Mesmo? Você parece se dar bem com todos. ─ Eu faço. Faço questão disso. ─ Mas você não gosta de alfas?

269


Ele levantou um ombro. ─ Eu certamente não gosto deles. Mas alfas masculino e femininos podem ser um pouco instigantes demais. ─ Um homem. ─ Eu tive alguns alfas ao longo do ano que parecem pensar que apenas porque o ômega está ocupado com a prole, eu devo manter seus cálculos à noite. ─ Você é hetero? ─ Sim. ─ Mas os homens alfas te paqueraram também? ─ Honestamente? Ômegas. Alfas. Humanos. Todos me paqueraram. Ambos os sexos. Não tenho certeza do que é sobre mim. ─ Você parece realmente aberto. Amigável. ─ Talvez seja isso. ─ Ele olhou por cima. ─ Então, o que o fez superar sua aversão aos alfas? ─ Eu percebi que estava sendo um pintinho crítico. Ele riu. ─ Justo. ─ Você tem namorada? ─ Ainda não. ─ Ele suspirou. ─ Tenho certeza de que um desses dias acontecerá para mim. É difícil porque trabalho principalmente com casais. Não entro para romper casamentos. ─ Não. Isso não é legal. Também não ajudaria seu currículo. ─ Não.

270


─ Bem, não há pressa. Você é jovem. ─ Concordo. Além disso, não estou procurando por nada. Eu resmunguei. ─ Você percebe que é exatamente quando você encontrará alguém, certo? Ele sorriu. ─ Como eu disse, irei para onde o universo me aponta.

271


Capítulo 16 Seth O composto era muito menor do que eu imaginava. Estacionamos na frente do complexo médico e saímos. Alongando, olhei sobre o teto do carro e para Pierce. Ele parecia tenso, sua boca era uma linha reta. ─ Tudo bem? ─ Perguntei. Ele assentiu. ─ Sim. É estranho voltar aqui. ─ Ele fez uma careta. ─ Especialmente quando estou grávido. ─ Você quer dizer, porque sempre fez um grande estardalhaço sobre o quão horrível eram todos os alfas e quão burro eram os ômegas por se deixavam engravidar? Ele franziu a testa. ─ Você soa presunçoso. Eu ri. ─ Estou apenas informando os fatos. ─ Você está gostando demais do meu desconforto. ─ Vou tentar controlar isso. ─ Por favor. ─ Ele suspirou e se dirigiu para os degraus. A porta se abriu e uma menina loira saiu, sorrindo. ─ Pierce. É tão bom vê-lo. ─ Ela deu um grande abraço e então virou o olhar curioso para mim. ─ E você é o alfa que mudou sua ideia.

272


─ Oh, eu ainda acho que a maioria dos alfas são arrogantes. ─ Pierce sorriu. ─ Mas dou a Seth um passe. ─ Vejo que você não mudou completamente. ─ Ela riu e estendeu a mão para mim. ─ Eu sou Trina, por sinal. ─ Ah sim. A cola que mantém a clínica funcionando sem problemas. ─ Será que Pierce disse isso? ─ Ela olhou para ele. ─ Eu certamente não faço isso sozinha. Você sabe quando saiu fez meu trabalho mais difícil, certo? ─ Eu não poderia ficar aqui para sempre. Inclinei-me para frente. ─ Eu, por um lado, estou feliz por ter saído. ─ Aposto que sim. ─ Ela deu um tapinha na barriga de Pierce ligeiramente arredondada. ─ Você está mostrando cedo. É bom que tenha vindo quando você fez. ─ Eu sei. Não tenho muitas camisas grandes. Estava ficando difícil disfarçar. ─ Bem, venha no escritório e obteremos um pouco de sangue. Tenho sua cabana abastecida com sucos saudáveis e água. Mas eu sei que você ama sua comida lixo, então me assegurei de que também existem alguns chips e cookies. Apenas não exagere. Eu sorri para Pierce. ─ Ele tem comido chips de sal e vinagre como um louco. Ele sorriu. ─ Eu os comeria no sono se pudesse. ─ Aqueles farão você reter líquido. ─ Trina sacudiu a cabeça.

273


─ Tudo me faz reter líquido. Estou inchado dia e noite. ─ Ele segurou meu braço enquanto subimos os degraus. Ela nos mostrou uma pequena sala de exame e Pierce sentou-se sobre a mesa. ─ Mais tarde te faremos o sonograma3. A máquina está um pouco vacilante ultimamente, então olharemos mais tarde hoje. Agora eu só quero te pesar e tirar seu sangue. Está tomando vitaminas pré-natais? Pierce deslizou seu olhar para longe. ─ Às vezes. Ela franziu o cenho. ─ Pierce. Você sabe bem. O bebê precisa desses nutrientes. ─ As pílulas são tão grandes que eu engasgo. ─ Ele mordeu o lábio. ─ Então, as esmague e jogue em um smoothie ou algo assim. Mas tem que tomá-las. ─ Tudo bem. Ele suspirou. Ela balançou a cabeça. ─ Estou surpresa com você. Definitivamente sabe como é para ser. ─ Eu disse que vou tomá-las. ─ Eu vou ter certeza de que ele faz. ─ Me aproximei dele. ─ Ok. ─ Trina pegou uma agulha de uma bandeja próxima. ─ Mantenha seu braço ─ Ela limpou a pele com uma bola de algodão e inseriu a agulha.

3

Sonograma: gráfico com representação da frequência, duração e intensidade de uma amostra de som.

274


Pierce estremeceu e fechou os olhos. Ela encheu dois frascos com sangue e então colocou uma atadura sobre o pequeno buraco em seu braço. ─ Você parece um pouco magro. Está comendo bem? Ele encolheu os ombros. ─ Tive mais náuseas do que esperava estando no final do jogo. ─ Hum. ─ Ela cruzou os braços. ─ Certifique-se de contar ao Dr. Peters sobre isso. O enjoo matinal não deve ser uma grande questão em seu trimestre final. Seu comentário fez meu estômago se apertar com os nervos. ─ Eu odeio que os ômegas eclipse solar não sejam examinados até tão tarde na gravidez. ─ Concordo. Mas temos problemas suficientes para convencê-los a chegar cedo. Você não acreditaria quão teimosos podem ser. Olhei para Pierce. ─ Oh, sim, eu posso. ─ Ei. Fui extremamente fácil. Ele estreitou os olhos. ─Tudo o que você diz, querido. Trina sorriu uma risada. ─ Eu gosto dele, Pierce. Ele é um bom jogo para você. Ele sorriu de má vontade. ─ Sim. Eu acho que vou mantê-lo. A porta se abriu e um homem mais velho entrou. Esfregou a barba bem aparada enquanto estudava Pierce. ─ Meus olhos me enganam? É este o irascível Pierce MacPherson, inimigo de todos os alfas, que vejo grávido ante mim?

275


─ Doutor, você sabia que ele estava vindo. ─ Trina piscou para mim. ─ Eu sei, mas não costumo me divertir. Você sabe quantas conversas eu tive com esse jovem tentando convencê-lo de que um dia encontraria um alfa que o faria mudar de opinião? ─ Nós não tínhamos muitas conversas ─ resmungou Pierce. Eu ri e o médico voltou seu olhar divertido para mim. ─ Você deve ser o alfa mágico. Meu rosto se aqueceu. ─ Bem, mágico pode ser um exagero. ─ Era tempo. Tempo e química. ─ Trina apertou uma prancheta em seu peito. ─ Você conheceu o alpha certo na hora certa. ─ Sim. ─ Pierce me deu um olhar afetuoso. ─ Seth é muito legal. ─ Muito legal? ─ Eu arqueei uma sobrancelha. Trina pegou os frascos de sangue. ─ Eu vou deixar estes no laboratório. Ei, Pierce, certifique-se de dizer ao doutor sobre suas náuseas. ─ Ela saiu, fechando a porta atrás dela. O médico colocou o estetoscópio em suas orelhas e aproximou-se de Pierce. ─ Você ainda está tendo náuseas? Ele assentiu. ─ Ela vem e vai. ─ Levante sua camisa, por favor. ─ O médico apertou o fim do instrumento contra o peito de Pierce e escutou. ─ Inspire ─ Pierce inspirou. ─ Expire. ─ Ele moveu o estetoscópio em torno das costas de Pierce e o mandou

276


fazer a mesma coisa. Então o levou a deitar e apertou o pequeno círculo para na barriga dele. ─ O enjoo está na maior parte das manhãs? ─ É quando eu estou ao redor da comida. Principalmente quando estou cozinhando. ─ Bem, você pode ter um sentido muito aguçado e é por isso que o incomoda ─ Ele se endireitou. ─ Poderemos contar mais quando recuperarmos o sonograma e os testes em seu sangue voltarem. ─ Você acha que há um problema? ─ Perguntei sem fôlego. A própria ideia de que Pierce ou o bebê poderiam estar em perigo me deixaram tonto de preocupação. ─ Prefiro basear minhas opiniões na ciência, não na adivinhação. Mas Pierce é um homem jovem, saudável. Não vejo por que não poderia levar a termo. Engoli com dificuldade. ─ Você, é claro, sabe sobre o que ele passou antes. ─ Sim. ─ Dr. Peters assentiu. ─ Nós somos os que lhe devolveram à saúde. ─ Existe alguma chance de todas essas drogas e abusos o terem ferido de alguma maneira? O médico suspirou. ─ Sempre há essa chance. Mas, como eu disse, vou por fatos.

277


─ Tenho certeza de que não é nada. Muitas mulheres grávidas não podem cozinhar o jantar quando estão grávidas. ─ Pierce tocou meu braço. ─ Você se preocupa demais. Assenti com a cabeça, tentando ignorar o medo no poço de meu estômago. ─ Eu simplesmente não quero nada de ruim para você ou para o bebê. ─ É por isso que estamos aqui, Seth. Dr. Peters e Trina sabem o que estão fazendo. Vamos deixá-los fazer o trabalho deles e não nos preocupar com o futuro. ─ Ele parecia tão razoável que me senti culpado pelo fato de estar perturbando-o. ─ Deus. Você está certo. Desculpe ─ eu disse bruscamente. O Dr. Peters me deu um tapinha nas costas. ─ Compreendo. Este é o seu primeiro bebê. Todos os novos pais estão nervosos, especialmente com o bebê número um. Balancei a cabeça e agarrei a mão de Pierce. ─ Eu só quero você seguro. Isso é tudo. ─ Eu me sinto bem. Vou ficar bem. ─ Sim. ─ Apertei os dedos. ─ Está certo. As próximas três semanas foram um borrão de consultas médicas e cumprimento de todos os ômegas que Pierce tinha conhecido quando viveu até aqui. Sua barriga cresceu rapidamente quando estava no terceiro trimestre. Ele não podia usar nenhuma das suas calças sem ser desabotoada e estava desconfortável o tempo todo. Também era mais fofo que o habitual.

278


Falou facilmente, especialmente quando estava com fome, o que era um pouco mais agora. Enquanto não tentasse cozinhar nada, a náusea já não parecia mais ser um problema. ─ Isso é ridículo ─ resmungou, tentando puxar as calças. ─ Preciso comprar aquelas horríveis calças de maternidade que eles fazem? ─ Eu acho que só as fazem para mulheres. ─ Sim. Você provavelmente está certo e não há nenhuma maneira que eu estou vestindo jeans de mamãe. ─ Ele se sentou na beira da cama, parecendo descontente. Eu ainda estava na cama e me arrastei mais perto dele. Enrolando meus braços ao seu redor, eu beijei a nuca e o pescoço. ─ Eu amo seu corpo. Grávido ou não grávido, você me excita. ─ Sim? ─ Ele suspirou, empurrando o lábio para fora em um bico. ─ Eu não gosto de ser gordo. ─ Você não está gordo. Está grávido. ─ Eu ri. Meu pênis se aqueceu quando ele se recostou contra mim. ─ Eu não entendo por que você está desligado. Franzi o cenho e o puxei para baixo até o final. Ele soltou um grito, mas ficou onde estava, olhando para mim. ─ Eu não estou nem um pouco desligado. ─ Lambi meus lábios. ─ Você precisa que eu prove isso? Um pequeno sorriso tocava em seus olhos. ─ Talvez. ─ Sim? ─ Coloquei minhas mãos sob seus braços para puxá-lo mais para a cama, mas ele era um pouco pesado demais para mexer.

279


─ Veja. Eu sou tão gordo que você não pode me mover, pode? Eu ri, sem fôlego. ─ Sim eu posso. Nem tentei. ─ Eu consegui um aperto melhor sob as axilas e o puxei com força, empurrando-o para a cabeceira da cama. Eu estava respirando como um cavalo de corrida e tentando esconder isso. Ele sorriu. ─ Pelo amor de Deus sugue algum ar ou você vai desmaiar. Como vai me foder se estiver inconsciente? Eu ri e respirei fundo. ─ Estou apenas fora de forma. Ele olhou os meus braços musculosos. ─ Certo. Não é que eu seja uma baleia. ─ Cale-se. Ninguém fala dessa maneira com o meu amante sexy. ─ Tirei o jeans, o que não era tão difícil, pois eles estavam apenas no meio do caminho. Então desabotoei a camisa e abri, expondo sua barriga arredondada e nua. O meu pênis se contraiu com interesse ao ver o estômago e o pênis inchados sob o fino algodão de sua cueca. Deslizei o pijama até o final e chutei-os para o chão. Então me deitei de costas ao lado dele, com os braços para fora ao lado. ─ Aproxime-se de mim. Ele sorriu uma risada. ─ Você tem muita confiança nas minhas habilidades de escalada. Eu mal consigo entrar na cama, e quer que eu suba em cima de você? Posso matar os dois. Não pude deixar de rir. ─ Pare com isso. Pegue em mim e monte, cowboy.

280


Ele suspirou, tocando minha ereção. ─ Eu quero. Mas tenho medo de cair da cama. ─ Vou segurar você. ─ Nós só vamos cair em nossas mortes então. Eu me sentei. ─ Bem, eu deveria tentar estar no topo? ─ Olhei sua barriga. ─ Eu não quero machucar o bebê. ─ Oh, espere. ─ Ele sorriu. ─ Eu tenho uma ideia. ─ Conseguiu se ajoelhar e descansou nos cotovelos, com a bunda no ar. ─ Esta foi a posição na primeira vez que fizemos sexo. Lembra? ─ Se lembro? Claro que lembro. ─ Fiquei atrás dele, acariciando suas costas. ─ Eu simplesmente não queria sugerir essa posição porque, conhecendo você, pensaria que estava tentando não ver sua barriga hedionda. O que é uma besteira. ─ Oh. ─ Ele suspirou. ─ Bem, desde que eu sugeri, está tudo bem. Um... você se importaria de puxar minhas roupas íntimas? Eu deveria ter feito isso antes de assumir a posição, mas esqueci. Se tentar agora, as chances de acabar no chão são excelentes. Abaixei suas cuecas sobre os quadris e as coxas finas. ─ Merda. Mantenha esse pensamento. Preciso pegar o lubrificante. ─ Inclinei-me e agarrei a garrafa da mesa de cabeceira. Então baixei meu pau, e lubrifiquei o rebordo franzido de sua bunda. ─ Deus, maldição, essa é uma bela visão. ─ Estou tão excitado. ─ Ele suspirou, mexendo seus quadris.

281


Segurando meu pau, esfreguei a ponta e infiltrei entre as bochechas, a luxúria me deixando impaciente. ─ Só quero estar dentro de você. ─ Bom. Essa é a única razão pela qual estou nesta posição ridícula. Você percebe isso, certo? Eu sorri. ─ Pensei que você estava procurando suas lentes de contato. ─ Muito engraçado. ─ Ele empurrou para trás, pressionando contra meu pau. ─ Venha, foda-me. Me mostre que você não acha que eu sou desagradável. ─ Você está louco. A própria ideia... ─ Eu balancei minha cabeça. ─ Deus, estou tão ligado que quase não preciso de lubrificante. ─ Pressionei a cabeça lisa em seu buraco, gemendo enquanto deslizava no meio do caminho. ─ Oh, foda, ─ ele sibilou, segurando os lençóis nas mãos. ─ Sim, fodame. Não era como se ele precisasse me convencer. Empurrei para á frente, segurando seus quadris no lugar e afundando profundamente até as bolas. Nós gememos enquanto aprofundava e então a necessidade de empurrar assumiu. Me aproximando dele, toquei sua barriga e isso só me ligou ainda mais. Flexionei meus quadris e empurrei fundo, puxando para a metade e voltando a entrar. ─ Oh. Porra. Eu... ─ Sua voz tremia e ele mordeu as cobertas, choramingando.

282


Com os braços ao redor dele, segurando sua barriga grávida, acendi meus quadris para frente e para trás, balançando dentro e fora dele até que meu pau fosse tão sensível que eu sabia que não ia durar. Ele arqueou suas costas, encontrando meus impulsos e implorando por mais. Seu corpo tremia quando o abaixei, ansioso por entrar no seu traseiro apertado. Seu corpo espremeu meu pau, ordenhando meu eixo inchado até que não tive escolha a não ser soltar e inundar seu buraco. Ele gritou quando gozei, e seu pau puxou em resposta, salpicando espessos cachos de creme nos lençóis. Ele estremeceu e gemeu enquanto meu pênis estremecia dentro dele, e seu pênis vazou na cama. Ele nem sequer tocou a si mesmo e gozou duro. Uma vez que nossos orgasmos se suavizaram para um brilho quente, ele caiu lentamente em seu lado, e eu segui, agarrando-o por trás, meu pênis ainda dentro dele. Ficamos assim por muito tempo, eventualmente, meu pênis escorregou de seu corpo e ele suspirou. ─ Ok, talvez você não pense que eu sou desagradável. ─ Longe disso, querido. ─ Eu beijei seu ombro. ─ Deus, isso se sentiu tão bom. ─ Ele riu. ─ Agora eu estou com fome. ─ Claro que está. Sexo e comida. Isso é tudo o que precisamos, certo? ─ Funciona para mim. Esfreguei minha bochecha em sua pele. ─ Se você está entregando esta na programação, nós só temos uma semana deste sexo e alimentos deixados. Porque quando o bebê chegar, será muito diferente.

283


Ele gemeu. ─ Sim. Sem sexo. Não dormir, e muitas fraldas sujas. Eu sorri. ─ E, no entanto, estou ansioso para conhecer esse pequeno bebê. ─ Eu também. ─ Ainda não se importa se é um menino ou uma menina? ─ Não. Eu sei que Emily se importa. Sentando lentamente, puxei o forro da cama. ─ Ela adorará ter um irmão. É uma cuidadora natural. ─ Verdade. ─ Quer tomar banho comigo? ─ Perguntei, pegando as roupas no chão. ─ Eu sim, mas não posso me mover. Balancei a cabeça, ri e fui tomar meu banho. ─ Estou com uma semana de atraso. ─ Pierce passou a mão pelos cabelos, parecendo irritado. ─ Por quê? Por que esse bebê não está pronto para sair? ─ Tecnicamente, você está com apenas quatro dias de atraso. ─ O Dr. Peters esfregou o queixo, digitalizando a imagem de ultra-som na tela. ─ Tudo parece bem. Acho que o garoto simplesmente não está pronto. Acariciei o braço de Pierce. ─ Acalme-se. ─ Então você não teve nenhuma contração? ─ O médico apertou os olhos, seus olhos ainda estavam presos na imagem do bebê na tela. Ele

284


deslizou a sonda em torno do estômago de Pierce. ─ Nem mesmo uma pontada? ─ Não. ─ Pierce parecia frustrado. ─ Enquanto o bebê estiver saudável, não vamos forçar para fora sobre isso. ─ Eu esperava que Pierce o ouvisse. Não queria que ele ficasse tão agitado por algo que não conseguimos controlar. ─ Bem, se a coisa é cozida, não podemos apenas agendar uma cesariana? ─ Perguntou ele. ─ Eu queria que fosse assim tão fácil. É diferente com os bebês de um ômega eclipse solar. Eles não devem ser perturbados até que estejam bons e prontos para nascer. ─ Sério? ─ Pierce fez uma careta. ─ Por quê? ─ Eles nunca são prematuros. Nunca. E uma vez que um médico decidiu tomar as coisas em suas próprias mãos, quase matou o ômega e o filho. Não era hora. Nunca houve um ômega eclipse solar ainda nascido, então não se preocupe. A natureza sabe o que está fazendo neste caso. ─ Por que você acha que estaria demorando? ─ Perguntei. Dr. Peters desviou o olhar para Pierce. ─ Pode ter a ver com o uso de drogas no passado, Pierce. Ele franziu o cenho. ─ Você se refere ao uso forçado de drogas. ─ Claro. Eu sinto muito. Todos sabemos que não foi sua escolha. ─ Dr. Peters fez uma careta.

285


─ O que você ia dizer, doutor? ─ Me inclinei contra a mesa de exame. ─ O uso de heroína pode prejudicar os rins. Pierce parecia desconfortável. ─ Mas você disse que meus rins são saudáveis. ─ Eles são. Mas há graus de funcionalidade. É possível que, por causa desse uso de drogas, seu corpo demore mais tempo a filtrar o sangue e os fluidos da bolsa de ômega. Isso pode explicar por que o bebê precisa de um pouco mais de tempo para crescer completamente. ─ Você disse que tudo parecia desenvolvido com o bebê. ─ Pierce parecia quase acusador. O Dr. Peters sorriu pacientemente. ─ Sim. Mas não consigo ver todas as terminações nervosas e células. Há muitas coisas acontecendo que não podemos ver em um ultra-som. Os ômegas eclipse solar são criaturas complicadas. Enquanto o bebê parecer saudável durante nossos exames, digo que confiamos na natureza e não tentemos adivinhar o que está acontecendo. ─ Eu concordo, ─ disse com firmeza. ─ Então leva alguns dias mais. E daí? ─ Você está demorando para voltar ao trabalho. Emily está em Los Angeles sem nós. Sua voz estava cheia de preocupação. O Dr. Peters levantou-se e desligou a máquina de ultra-som. Limpou o estômago de Pierce e então cruzou os braços, sua expressão tranquila. ─ Pierce, você precisa relaxar. ─ O quê? ─ Pierce parecia surpreso com o tom de voz.

286


─ Quantos ômegas eclipse solar você entregou? ─ Nenhum ─ Ele franziu a testa. ─ Mas eu estava aqui quando três deles deram a luz. ─ Bem, eu entrego bebês, eclipse solar, regularmente, há vinte anos. Acho que sei o que estou fazendo. Acho que minha experiência deveria ter ganhado sua confiança até agora. ─ Eu... eu confio em você. ─ O rosto de Pierce era rosa. ─ Estou com medo. ─ Ok. E eu conheço você o bastante para perceber que quando está com medo fica com raiva. Mas este não é o momento para isso. Este é o momento para respirar profundamente e confiar que está indo bem. Você e a segurança do seu bebê são a minha prioridade número um. Acredita em mim? Pierce assentiu, com os olhos avermelhados. ─ Bom. Vá para casa. Coma algo saudável. Dê uma volta e aproveite o momento. Porque a paz e a quietude serão uma coisa do passado em alguns dias. ─ O Dr. Peter sorriu e saiu da sala. Pierce sentou-se, cheirando e virando as costas para que não pudesse ver seu rosto. Abotoou a camisa e fechou as calças o melhor que pôde. ─ Você está bem? ─ Perguntei suavemente. ─ Não. ─ Ele cheirou um pouco mais. ─ Eu sou uma destruição patética e emocional ultimamente. ─ Ele me encarou e seus olhos brilharam com lágrimas não derramadas. ─ Estou tão assustado que algo acontecerá e... ─ Ele balançou a cabeça. ─ Eu não quero deixar você decepcionado.

287


Eu franzi o cenho. ─ Me deixar decepcionado? Sobre o que está falando? ─ O peguei em meus braços e ele derreteu contra mim. ─ Querido Deus. Você não pode me decepcionar. Mesmo que algo, Deus proíba, desse errado. Não seria culpa sua. ─ Pressionei o rosto no meu ombro. ─ Por favor, não fale assim. Isso porra quebra meu coração, Pierce. Ele me segurou forte, sua respiração quente contra meu pescoço. ─ Eu só quero estar seguro. Quero que nosso bebê esteja seguro. Isso é pedir muito? ─ Não. Claro que não. ─ Por que nunca pode ser fácil para mim? ─ Eu não sei. Eu queria ter uma resposta para você. Ele suspirou e se afastou um pouco, parecia mais calmo. ─ Pelo menos eu encontrei você. Muitas pessoas nunca acham o amor e eu encontrei você. ─ Sim. Está certo. Veja, a vida tem altos e baixos. Mas confio no Dr. Peters. Logo o bebê estará aqui, e isso tudo será apenas uma memória frustrante. ─ Tudo bem. ─ Ele assentiu. ─ Você está certo. ─ Devemos ir para casa e comer um lanche saudável? Talvez caminhar, como o médico sugeriu? Ele balançou sua cabeça. ─ Não. Quero comer batatas fritas de sal e vinagre na cama com você e assistir a um filme.

288


Eu ri. ─ Que tal nós seguirmos o longo caminho para casa, então comemos esses chips, mas também uma cenoura e assistimos um filme na cama? Ele sorriu. ─ Combinado. Apertei sua bochecha. ─ Vai ficar tudo bem, Pierce. ─ Sim. ─ Ele manteve os olhos baixos e se moveu para a porta. O medo em seus olhos fez meu coração doer. Mas deixei passar e o segui para fora do escritório.

289


Capítulo 17 Pierce Acabei de sair do banho e puxar meu roupão de banho, quando a primeira contração me atingiu. Foi tão doloroso que quase caí de joelhos, lutando para puxar ar para dentro de meus pulmões. Agarrei o estômago e apertei meus olhos, incapaz de pedir ajuda. Sentia-se como uma eternidade até que os músculos apertados lentamente começaram a relaxar, e eu consegui pegar na porta e abrir. Seth estava na cozinha comendo uma tigela de cereais. Eu podia vê-lo através da porta aberta do quarto, embora ele estivesse distraído pela TV. Abri minha boca para gritar e outra contração veio. Engasguei e tropecei do banheiro, rezando, para não cair e possivelmente machucar o bebê. Me dirigi para a cama, com tanta dor que quase desmaiei. Quando a contração afrouxou, tentei endireitar e ligar para Seth. Não sei se ele sentiu alguma coisa ou se me viu pelo canto do olho, mas deixou cair a tigela na pia com uma queda e correu a meu encontro. ─ Merda, o que há de errado? ─ Seu rosto estava cinza quando agarrou meu braço. ─ Contrações ─ Essa palavra era tudo o que eu poderia espremer antes de outra contração. Dobrei e gemi, apertando meu maxilar e lutando para ficar consciente.

290


podia ouvi-lo pressionando botões em seu telefone. ─ Dr. Peters, é hora. ─ A voz de Seth tremia. Eu não podia ouvir a voz do médico, mas então ele enfiou o telefone no bolso das costas e pegou meu braço. ─ Estamos indo. Agora. Eu não podia andar. ─ Aguarde, ─ engasguei, rezando para que a contração terminasse em breve para poder mover minhas pernas. Ele exalou com impaciência. ─ Nós não podemos esperar. Temos uma janela de trinta minutos e você sabe disso, assim como eu. O espasmo diminuiu e eu disse: ─ Ok, agora. ─ Dei todos os passos o mais rápido possível em direção à porta da frente. Ele correu atrás de mim, agarrando a mala que eu tinha embalado. Estávamos quase no carro quando surgiu outra contração. O medo de Seth irradiou fora dele como um microondas, mas não havia nada que pudesse fazer quando meus músculos se convulsionaram, me forçando a parar de andar. Eu gemi e fiquei envergonhado quando as lágrimas brotaram nos meus olhos. Nada já machucou tanto. Senti como se estivesse sendo rasgado por dentro, meus órgãos se espalhando e rasgando o ar do bebê e o tubo de alimentação começou a se desintegrar. Foi isso que desencadeou contrações na bolsa ômega. Era o sinal do bebê que era hora. Polegada por polegada cansativa, finalmente chegamos ao carro. Seth me ajudou e depois correu pelo veículo e pulou no carro. O motor rugiu para a vida e nós sacudimos a entrada. Mordi o lábio, tentando reter os gritos de agonia que queriam explodir dos meus lábios. Todas as coisas horríveis que

291


Baxter e os outros alfas tinham feito comigo não podiam se comparar com o tormento que estava acontecendo dentro de mim. Perdi a consciência em um ponto e só acordei quando Trina e Seth me levaram para a clínica. O maxilar de Seth estava cerrado e parecia aterrorizado, seus olhos vermelhos e seu aroma misturado com pânico. ─ Isso não pode ser normal ─ ele murmurou, olhando para mim. ─ Fique calmo, Seth. ─ A voz de Trina vacilou. ─ É sempre terrível assim. ─ É ─ eu disse, querendo tranquilizá-lo. ─ Já vi isso antes. ─ Bem, esta é uma maneira idiota de ter um bebê ─ grunhiu Seth. Seu rosto estava corado e seus olhos escuros. ─ Maldita besteira arcaica. O Dr. Peters veio correndo no prédio. Ele olhou para mim e sua boca endureceu. ─ Coloque-o na sala de operações um, agora! ─ Ele correu ao meu lado, tentando tomar meu pulso. ─ Merda. ─ O que há de errado? ─ Perguntou Seth. ─ Quanto tempo ele tem estado assim? ─ Perguntou Dr. Peters, ignorando a pergunta de Seth. ─ Cinco minutos talvez dez no máximo. O rosto do Dr. Peter estava tenso. ─ Seu pulso está muito alto. ─ Sua taxa respiratória também. ─ Trina estremeceu. ─ Tudo parece escalado, doutor. ─ Sim. ─ O Dr. Peter assentiu.

292


─ O que isso significa? ─ Perguntou Seth. ─ Isso significa que precisamos tirar esse bebê de seu corpo imediatamente ou ele entrará em sepsis ─ O médico abriu as portas da sala de operação e me colocaram na mesa. Trina enfrentou Seth, sua expressão sombria. ─ Eu sinto muito. Você tem que esperar lá fora. Duas outras enfermeiras correram ao redor da sala de operações, agarrando instrumentos e puxando máscaras. Um deles se aproximou de Seth. ─ Ela está certa. Você tem que ir. ─ Sem jeito ─ ele criticou. ─ Seth, ─ Trina implorou, parecendo cansada. ─ É para a segurança de Pierce. ─ Não vou deixá-lo. O Dr. Peters lavou as mãos furiosamente na pia no lado da sala. ─ Quer que a gente perca tempo discutindo com você, Seth, ou quer que nós salvemos Pierce e o bebê? É a sua escolha. ─ Você tem que ir. Está arriscando uma infecção. ─ A voz de Trina era persuasiva. Sua expressão mudou e ele assentiu, parecendo perdido. ─ Está bem, está bem. Minhas costas doeram, e sibilei quando outra contração chegou. Trina moveu-se na minha cabeça e começou a girar botões em um dispositivo com mangueiras anexadas.

293


Seth veio até mim e se inclinou. ─ Você vai ficar bem. ─ Sua voz tremia e ele tinha lágrimas em seus olhos. ─ Você pode me ouvir, Pierce? ─ Eu não sei. ─ Pare com isso. Você vai ficar bem. ─ Eu te amo, Seth... não se esqueça disso. ─ Minha voz era fraca quando Trina cobriu meu rosto com uma máscara. Estava apavorado de que não acordasse e precisava fazê-lo saber o quanto o amava. ─ Você vai ficar bem. ─ Seth apontou para mim enquanto se afastava da sala, com uma das enfermeiras empurrando-o. ─ É melhor você não me deixar, Pierce. Maldito seja, é melhor você não. O gás que Trina me deu tinha um cheiro fraco e segurei o olhar de Seth até as portas se fecharem. Eu queria ter conseguido tranquilizá-lo. Parecia tão assustado que quebrou meu coração. Queria ser corajoso para ele. Queria acreditar que eu ia ficar bem. Mas não me sentia com sorte. Não me senti abençoado. Do jeito que minha vida sempre foi, seria justo que eu morresse, agora que encontrei tudo o que sempre quis.

Era como flutuar através de camada após camada de algodão. Minha boca estava seca e tinha um gosto amargo, e minha cabeça batia como um tambor de bongo. Não consegui abrir os olhos. Minhas pálpebras se sentiram como se pequenos pesos estavam em cima delas.

294


─ Você está indo bem, Pierce. ─ A voz suave de Trina chegou aos meus ouvidos. ─ Mas é hora de acordar agora. Eu gemi e abri meus olhos. O quarto estava escuro e eu parecia estar envolvido em cobertores quentes. Estremeci, meus dentes tagarelando. ─ O qu…? ─ O bebê está bem. O bebê. Tudo veio batendo de volta. As contrações torturantes, o Dr. Peters gritando ordens e me dirigindo para a sala de operações. Seth parecia que queria chorar. ─ Seth ─ eu sussurrei. ─ Eu quero Seth. ─ Eu sei querido. E a julgar pelo encaixe de merda que ele jogou antes, também quer você. ─ Ela riu. Eu lambi meus lábios, mas não ajudou porque não tinha umidade na minha boca. ─ Eu não posso te dar água ainda. Desculpe. ─ Ela colocou algo frio contra meus lábios. ─ Aqui está um chip de gelo. É o melhor que posso fazer. Chupei

o

gelo,

desejando

ter

mais

porque

derreteu

quase

instantaneamente na minha língua. Ainda estava tão grogue. Eu sabia que não queria que eu dormisse, mas era difícil não entrar na névoa. ─ Você precisa acordar agora para que possa ver seu bebê e Seth. Você quer isso, certo?

295


Eu assenti com uma inclinação fraca. ─ Sim. ─ Bom. ─ Ela substituiu os cobertores em mim com coisas novas e quentes. ─ Apenas mais dez minutos e acho que podemos levá-lo ao seu quarto. ─ Ok. Ela continuou falando comigo, me dizendo o quão adorável era o bebê sem me contar o sexo. Falou sobre o quão protetor Seth era sobre o bebê e como ele continuava perguntando a ela a cada cinco minutos se podia me ver. Eventualmente, comecei a me sentir mais alerta e ela notou. Me fez transferir para meu quarto e uma vez que me instalou, deixou Seth entrar. Ele correu no quarto como se tivesse medo de alguém tentar detê-lo. Caminhou para mim e me beijou imediatamente. Me senti autoconsciente porque tive poucas dúvidas de que tinha respiração de dragão, mas ele não parecia notar. ─ Você me assustou. ─ Acariciou minha bochecha. ─ Eu nunca estive com tanto medo na minha vida, Pierce. Por favor, nunca mais faça isso comigo. Pigarreei. ─ Mas foi muito divertido. Ele riu e tocou meu rosto de novo, como se não acreditasse que eu estivesse realmente lá e seguro. ─ Eles vão trazer o bebê agora. ─ É uma menina ou um menino? Um amplo sorriso dividiu seu rosto. ─ Digamos que Emily vai ficar muito feliz.

296


─ Uma garota? ─ Minha voz estava rouca. ─ Sim. Eu ri. ─ Bem, ela fez um inferno de uma entrada. Espero que isso não signifique que seja uma rainha do drama. Uma enfermeira empurrou uma cesta de bebê com rodas no quarto e a estacionou ao lado da cama. Ela ergueu um pacote agitado em um cobertor rosa e colocou o bebê no meu peito. Tudo o que pude ver eram bochechas rosadas gorduchas e uma cabeça calva. Abaixei o cobertor e encontrei seus olhos azuis. ─ Aí está você ─ Eu sorri. ─ Você tem meus olhos. ─ Ela tem. ─ Seth sorriu. ─ É linda. A enfermeira me entregou uma mamadeira. ─ Você quer alimentar a pequena querida em sua primeira refeição? Assenti. ─ Claro. ─ Coloquei o mamilo perto dos lábios do bebê e ela parecia saber instintivamente chupar. Puxou a ponta de borracha em sua boca e começou a se alimentar. ─ Isso foi mais fácil do que imaginei. ─ Trina foi gentil o suficiente para me mostrar como mudar uma fralda. ─ Seth mordeu o lábio. ─ Não é tão fácil quanto parece. A enfermeira riu. ─ Isso fica mais fácil. ─ Foi melhor. ─ Ele fez uma careta. Seth acariciou o cabelo da minha testa enquanto eu alimentava o bebê. Fiquei tão aliviado que estava vivo e o bebê estava bem que mal sabia o que dizer. Senti como se tivesse atravessado a guerra.

297


─ Eu não quero mais filhos. ─ Sua voz estava silenciosa. ─ Eu não posso passar por isso nunca mais. ─ Não é como se tivesse pressa de ter mais. ─ Não. Eu sei. Mas isso foi muito aterrador. ─ Talvez nos sintamos diferente em alguns anos. Ele encolheu os ombros. ─ Possivelmente. ─ Você ligou para Colin e falou sobre o bebê? ─ Perguntei. Seu rosto corou. ─ Eu estava no telefone por horas com Colin e Riley. Eles são a única razão pela qual estou são neste momento. ─ A sério? ─ Eu usei todos os meus minutos e depois alguns. Eu era um caso perdido. ─ Ele realmente era ─ disse a enfermeira, pegando minha prancheta no final da cama. ─ Todas as enfermeiras o apelidaram de Ninnyhammer4. ─ O quê? ─ Eu ri. ─ Ninnyhammer? ─ Seth pareceu insultado. ─ Por quê? Ela sorriu. ─ Isso significa uma pessoa nervosa ou um caso perdido. ─ Eu não sei se me sinto insultado ou lisonjeado que tenha meu próprio apelido.

4

Ninnyhammer: uma pessoa tola; um simplório.

298


Ela se moveu para a porta. ─ Oh, você deveria estar lisonjeado. ─ Ela saiu com uma risada. Ele balançou sua cabeça. ─ Veja o que você fez? Agora eu tenho o apelido mais alheio de sempre. ─ Isso serve para você. ─ Cala a boca ─ Ele sorriu. ─ Eu acho que Sexy Pants seria muito mais apropriado. ─ Eu gosto de Ninnyhammer. Ele sorriu. ─ Não posso esperar até voltar a nossa pequena cabana. Apenas nós três. ─ Fale por você, cuidei de bebês antes. ─ Eu sorri para nossa filha. Não pude deixar de pensar em todos os bebês que Baxter tirou de mim. A lembrança de sua crueldade tornou o momento agridoce. Mesmo que eu segurei minha nova filha pequena em meus braços, como não poderia me perguntar o que essas outras pequenas almas poderiam ter sido? Olhei e encontrei o olhar escuro de Seth. ─ Eu sei ─ ele disse suavemente. Um nódulo se formou na garganta com a percepção de que sabia. ─ A vida pode ser tão injusta. ─ Sim. Peguei sua mão, varrendo meu polegar sobre sua pele. ─ Mas também pode ser fantástica.

299


─ Definitivamente. Eu sorri para o bebê. ─ Como devemos chamá-la? ─ Se permitimos que Emily ajude a escolher seu nome, nunca ouviremos o fim. ─ Muito verdadeiro. Uma vez que estou fora do hospital, podemos fazer uma chamada e deixá-la ver o bebê. ─ Eu não pude parar de olhar para minha filha. Era fascinante perceber todos os pequenos detalhes dela: seus longos cílios sombreados e as minúsculas unhas. ─ Ah. Sim. Facetime. Boa ideia. Trina disse que você deveria ser liberado amanhã de manhã. Ele beijou minha testa, com os olhos escuros de carinho. ─ Estou tão feliz que está bem. ─ Eu também. ─ Nunca pensei que seria um daqueles alfas esqueléticos. Mas realmente sou quando se trata de você, Pierce. Este novo eu é culpa sua. ─ Eu gosto da transformação. ─ Eu acho que, desde o primeiro momento que te conheci, caí por você. Eu resmunguei. ─ Besteira. ─ O quê? ─ Ele riu. ─ Você quase não me notou quando me conheceu pela primeira vez. Isso fazia parte do que me irritava. Parecia me ignorar. ─ A primeira vez que o conheci pareceu ser a um milhão de anos atrás.

300


─ Eu o notei. Não pude parar de pensar em você toda a noite e no dia seguinte. ─ Realmente? ─ Eu sorri. ─ Me diga mais. ─ Mesmo que o tenha achado irritante, você fez uma impressão. Quando veio para minha casa me ajudar com Emily, fiquei envergonhado porque não pude parar de verifica-lo. Você me deixou tão nervoso. Eu sorri. ─ Sim, você estava sendo um verdadeiro ninnyhammer. Ele fez uma careta. ─ Eu nunca vou ter esse nome esquecido, vou? ─ Ele desliza bem na língua. Eu definitivamente posso vê-lo em uma camiseta ou um chapéu. ─ Eu tinha esquecido o quão cruel você pode ser. Eu ri e o bebê fez um pequeno som de ronco. Olhei para baixo e ela estava profundamente adormecida, ainda sugando a garrafa. ─ Oh, uau. Ela é um anjo. Ele suspirou. ─ Ela realmente é. Tenho certeza de que vi pequenos botões de asa. O observei debaixo da minha testa, amando sua expressão gentil enquanto olhava para o nosso novo bebê. ─ Eu sinto que minha vida está apenas começando ─ eu disse calmamente. Ele deslizou o olhar para o meu. ─ Mesmo. ─ Quando nos conhecemos, pensei que precisava mantê-lo longe, porque você era hetero e um alfa. Deus estava tão errado.

301


─ Tive que ajustar meu modo de pensar também. Obviamente, tendo estado apenas com mulheres. Mas, para ser sincero, não acho que amar você foi uma escolha. Era inevitável no momento em que o conheci. Meu peito esquentou em suas palavras roucas. ─ Eu sei o que você quer dizer. ─ Então já que não foi embora, eu compraria aquele jantar caro? ─ Ele sorriu. Alarguei os olhos. ─ Eu tinha esquecido tudo sobre isso. Sim, você me deve um jantar elegante. Mas não é por isso que fiquei. ─ Eu vou comprar todos os jantares que quiser. Alegremente. ─ OK. Simplesmente não cozinhe o jantar. Ele torceu os lábios. ─ Eu realmente não sei cozinhar, não é? ─ Você tem outros talentos. Ele sorriu. ─ Lembro-me de você dizer que não deixou que os alphas lhe comprassem as coisas porque então pensariam que elas eram próprias de você. ─ Eu... eu não entendi a intimidade. Estava com medo de depender de qualquer um. Precisar de alguém. ─ Eu mordi meu lábio. ─ Você é o primeiro alfa que já confiei, Seth. Realmente confiei. Ele engoliu em seco e pegou minha mão, beijando meus nódulos. ─ Você não faz ideia do quanto isso significa para mim. Eu sei o quão difícil isso é para você dizer. Provavelmente ainda mais difícil de sentir.

302


─ Eu acho que é como você disse, amar você era inevitável. Ele me beijou até eu estar sem fôlego, e me inclinei para ele, me sentindo amado.

303


Epílogo Pierce ─ Polly. Sylvia. Roberta. ─ Emily saltou para cima e para baixo em seu assento, lançando nomes. ─ Vamos. Ela não pode simplesmente ser chamada de bebê o resto de sua vida. ─ Beijou a criança no berço ao lado dela. ─ Precisa de um nome. ─ Mas deve ser um nome com significado. ─ Seth piscou para mim. ─ Definitivamente. ─ Nós já concordamos em um nome, mas ainda não lhe dissemos a Emily. Emily esfregou o queixo. ─ Ela é um bebê feliz. Podemos chamá-la de Smiley. ─ Provavelmente não. ─ Sorri. ─ Isso parece um gangster. ─ Ou um setter irlandês ─ Seth disse com um sorriso malicioso. ─ Oh, eu sei! ─ Emily alargou os olhos. ─Maçã. ─ Você quer nomear sua irmã depois de uma fruta? ─ As pessoas fazem isso agora. ─ Emily assentiu com a cabeça. Devolvi o olhar divertido de Seth. ─ Vamos contar a ela nossa sugestão? ─ Sim. Por favor. Antes de sugerir que chamemos o bebê de ruibarbo ou algo assim. ─ Você diz a ela. ─ Eu cutuquei.

304


Seth assentiu e sentou-se ao lado de Emily. ─ Bem, Pierce e eu pensamos que seria bom se nomeássemos o bebê de Letty. Em homenagem a sua mãe. ─ Realmente? ─ Emily gritou. ─ Você faria isso? ─ Ela olhou para mim. ─ Ambos fariam isso? ─ Claro. ─ Eu assenti. ─ É um nome bonito e tem sentido sentimental. Seu lábio inferior tremeu e ela enxugou os olhos com a parte de trás do braço. ─ Estou chocada. Seth colocou o braço em volta dela e a abraçou. ─ Por que querida? ─ Eu não sei. Eu apenas estou. Meus olhos pungiram observando sua atitude dolorosa. ─ Queríamos fazer você feliz. Não se chateie. Ela riu bruscamente. ─ Eu estou feliz. ─ Você gosta da ideia? ─ Perguntou Seth suavemente, desarrumando os cabelos. ─ Eu adoro. ─ Ela o abraçou forte. ─ Amo, amo, amo. Ele sorriu para mim em sua cabeça. ─ Estou feliz. ─ É uma maneira de manter a memória da sua mãe viva e ao nosso redor o tempo todo ─ eu disse suavemente. Emily levantou-se e veio para me abraçar também. ─ Obrigado, Pierce. Obrigado por não ser estranho e se ressentir de mime ou da minha mãe. Eu a apertei. ─ De jeito nenhum. Nunca.

305


Ela sorriu para mim, seus olhos escuros molhados de lágrimas. ─ Eu tenho os melhores pais de sempre. ─ Nós veremos se você ainda se sente assim quando tiver idade suficiente para ter um encontro. ─ Seth sorriu. Quando o bebê balbuciou, ele olhou para baixo e disse: ─ Nós ainda não precisamos nos preocupar com você por um tempo. Emily revirou os olhos. ─ Oh, sério. Eu também. Os meninos são grosseiros. Seth sorriu. ─ Mesmo? Eu meio que gosto deles por agora. Bem, um certo garoto. ─ Espero que você me diga. ─ Eu ri. ─ Sim. ─ Na verdade, Brad era fofo. ─ Emily teve um olhar sonhador em seu rosto. ─ Ele também foi legal. Seth franziu a testa. ─ Ele é muito velho para você. ─ Sim. Nem se atreva a pensar em dar em cima do pobre Brad. ─ Falei franziu a testa. ─ Não tem permissão para sequer notar meninos até ter pelo menos dezoito anos. ─B oa tentativa, pai número dois. ─ Ela sorriu. ─ E além disso, Brad não é um menino... ele é um homem. Seth esfregou o rosto bruscamente. ─ Oh, céus. ─ De qualquer forma, voltando ao nome do bebê. ─ Eu resmunguei.

306


Emily saltou sobre o bebê. ─ Ei, Letty. Você gosta de seu nome? ─ Ela se ajoelhou no tapete fazendo cócegas no queixo do bebê. ─ Letty, a fralda de Letty está úmida5. ─ Sério? ─ Seth franziu a testa. ─ Isto é o que você faz com o nome de sua irmã? ─ Ele rima ─ Emily riu. ─ Inacreditável. ─ Seth balançou a cabeça. ─ Isso é o que estamos fazendo agora? Rimando nomes? ─ Eu ri. ─ Rápido, Emily. O que rima com Seth? Ela entrecerrou os olhos. ─ Morte6? Eu estremeci. ─ Oooh. Não é bom. Estalou os dedos. ─ Respiração7! Seth, você tira meu fôlego. ─ Esse é um nome muito longo. ─ Eu devolvi seu olhar, sorrindo. ─ Por que meu nome é tão difícil de rimar? Eu ri. Tão caótica quanto as últimas semanas tinha sido desde que trouxe Letty para casa, eu não teria mudado nada. Seth levantou e se aproximou de mim. Sua mão descansou na minha coxa e meu intestino aqueceu em seu toque. Suspirei e apoiei minha cabeça em seu ombro. ─ Eu amo você ─ disse suavemente. ─ Você realmente tira meu fôlego. 5Letty rima com o original em ingles squashy (úmido, mole, lamaçento). 6 Seth rima com o original death (morte). 7Seth rima com o original breath (respiração).

307


─ Ah. ─ Ele sorriu para mim, seus olhos escuros enrugaram. ─ Eu também te amo, Feroz8 Pierce. Eu sorri. ─ Você veio aqui apenas para compartilhar isso comigo? ─ Não. Eu vim aqui para estar ao seu lado. ─ Onde você pertence. ─ Sim. ─ Ele entrelaçou os dedos com os meus. ─ Exatamente, onde eu pertenço.

Fim

8Pierce rima com o original Fierce (Feroz).

308

S.c. wynne ( guarda costas & bebês #3 ) o bebê surpresa do babá  
S.c. wynne ( guarda costas & bebês #3 ) o bebê surpresa do babá  

homo

Advertisement