Issuu on Google+

portada PT Março.qxp

26/2/10

12:36

Página 1

edição portuguesa

Actualidade do sector dentário • ano V • no 27 • Março-Abril 2010

Falamos com… • João Espírito Santo, sobre o Congresso Ibérico de Gerodontologia

• José Ranali, sobre o 28º CIOSP

Documentário • O lado mais natural da Medicina Dentária

Outros perfis • Marina Mourão

Ferreira, médica dentista e artista plástica

Março-Abril 10


publi

15/12/09

16:12

Pรกgina 1


indice Nov09.qxp

26/2/10

11:03

Página 3

MAXILLARIS

Actualidade profissional e industrial do sector dentário. Ano V, nº 27, Março-Abril 10

Índice de anunciantes Bien-Air . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 Bredent . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 Ceodont. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 Colgate . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 Dentsply Friadent . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 Dürr Dental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 Eckermann . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83 Expodental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84 Fedesa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9, 18 e 19 Hu-Friedy . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 i3D. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51 Implant Microdent System . . . . . . . . . . 5 Instituto Casan . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71 Ivoclar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37

Ficha técnica Editor/Proprietário: Cyan Editores, S.L. Director: José Antonio Moyano. moyano@maxillaris.com Directora Adjunta: Marisol Martín. marisol.martin@maxillaris.com

Serviços administrativos: María Santos administracion@maxillaris.com Colaboradores: João Matos Drago João dos Santos Gilberto Ferreira Valéria Baptista Ferreira Nuria Mauleón

Redacção: • Portugal: Largo Alberto Sampaio, 3 a. 2795 - 007 Linda-A-Velha, Lisboa. Publicidade Portugal: comercialportugal@maxillaris.com Tel.: 707 50 33 28, Fax: 21 414 62 19 portugal@maxillaris.com Director Comercial: • Espanha: Miguel Ángel Cañizares. Clara del Rey, 30 bajo. canizares@maxillaris.com E-28002 Madrid (Espanha) Responsável Publicidade: Tel.: + 34 917 25 52 45 Verónica Chichón. Fax: + 34 917 25 01 80 publicidad@maxillaris.com redaccion@maxillaris.com publicidad@maxillaris.com Redactor-Chefe: Depósito Legal: Julián Delgado. M-44.552-2005 redactorjefe@maxillaris.com Impressão: Chefe de Departamento GRÁFICAS JOMAGAR, S.L. Gráfico: C/ Moraleja de Enmedio 16, M. Ángeles Barrero. Polígono nº 1 maquetacion@maxillaris.com 28938 Móstoles (Madrid) Responsável Portugal: Maria João Araújo. portugal@maxillaris.com

Migros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 Nobel Biocare . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 OMD . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63

Assinatura anual: Portugal 35�, resto 80�.

Tiragem: 6.300 exemplares

Osteoplac . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 Ravagnani Dental . . . . . . . . . . . . . . . 6 e 7 Simesp . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11

• • •

Periodicidade bimestral MAXILLARIS não se responsabiliza pelas opiniões manifestadas pelos seus colaboradores Proibida a sua reprodução total ou parcial em outras publicações sem a autorização expressa e por escrito de CYAN EDITORES, S.L.

Sinusmax. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 Straumann . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 Zhermack . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57

Encartes

• Clínica Aparicio

MAXILLARIS, Março 2010

3


sumario Nov09.qxp

26/2/10

12:34

Página 4

Sumário

Março-Abril 10

Crónica de Março 8 10 16

APMDH promove campanha do manual do auto-exame. Entrajuda combate abandono escolar e exclusão social.

Expodental veste-se a rigor para receber 25.000 profissionais.

Falamos com... 22

24

João Espírito Santo, presidente da comissão organizadora do I Congresso Ibérico de Gerodontologia: “Espanha tem mais política sanitária para esta área. No entanto, Portugal de há quatro anos para cá tem vindo a desenvolver um trabalho que já lhe confere algum mérito”. José Ranali, presidente do 28º CIOSP: “Ficámos felizes pelo número grande de colegas do nosso querido Portugal que, além da visita à feira, participaram activamente nos eventos científicos”.

Ciência e prática 26

Miguel Stanley: “Reabilitação fixa em zona estética após extrusão ortodôntica de um dente periodontalmente comprometido”.

Prémio 46

Regras do Prémio MAXILLARIS ao Melhor Artigo Científico.

Documentário 48

O lado mais natural da Medicina Dentária.

Outros perfis 58

Marina Mourão Ferreira, médica dentista e artista plástica.

O meu sorriso… 64

4

66

Adelaide de Sousa, actriz.

MAXILLARIS, Março 2010

Agenda de cursos para os profissionais.

Congressos e reuniões 70

Calendário de congressos, simpósios, reuniões, encontros e exposições industriais nacionais e estrangeiras.

Novidades da indústria

Braquetes são moda perigosa na Tailândia.

Especial Expodental 20

Calendário de cursos

74

Produtos e equipamentos.

Página empresarial 76

Notícias de empresas.

Adega 81

Maria João de Almeida: “Beber e Sorrir...”.

Breves 82

Oferta e pedidos de emprego, produtos e imóveis.

Comissão Científica: Director científico: Javier García Fernández Portugal: Ana Cristina Mano Azul Carlos Falcão Gil Alcoforado Jaime Guimarães José Pedro Figueiredo Manuel Neves Ricardo Faria e Almeida Susana Noronha Espanha: Blas Noguerol Rodríguez Germán Esparza Gómez Javier Sanz Serrulla Jaume Janer Suñé Juan López Palafox Manuel Cueto Suárez Ramón Palomero Rodríguez

MAXILLARIS PORTUGAL Para facilitar o seu contacto com a nossa editora disponibilizamos o seguinte número de telefone:

707 50 33 28


publi

24/2/10

13:16

Pรกgina 1


publi

24/2/10

13:09

Pรกgina 2


publi

24/2/10

13:09

Pรกgina 3


Crónica Mar10.qxp

25/2/10

17:31

Página 8

Crónica de Março Prevenção do cancro da boca

APMDH promove campanha do manual do auto-exame índices de higiene oral, hábitos alimentares errados, estilos de vida pouco saudáveis e hábitos promíscuos, estando mais expostos ao contacto com determinados oncovírus como o HPV”, refere João Leite Moreira.

“Sorria para si mesmo”

João Leite Moreira, presidente da APMDH.

A Associação Portuguesa de Medicina Dentária Hospitalar (APMDH) está a promover uma campanha de prevenção do cancro da boca, com o apoio institucional Liga Portuguesa contra o Cancro, o Grupo de Trauma e Emergência e a Ordem dos Médicos Dentistas (OMD), desde Outubro de 2009. A iniciativa intitulada “Sorria para si mesmo!” consiste na divulgação do manual do auto-exame através de panfletos e cartazes, em hospitais, centros de saúde e espaços públicos nacionais. A campanha começou a ser planeada há mais de um ano e “só termina quando não houver nenhum paciente a padecer de cancro oral”, revelou João Leite Moreira, presidente da APMDH, em entrevista à MAXILLARIS. Segundo a International Agency for Research on Cancer, só em 2006 registaram-se cerca de 1.700 casos de cancro da boca e da faringe, em Portugal, o que corresponde a 4,2% do total de tumores malignos diagnosticados nesse ano. Acrescenta-se ainda que “não se regista uma tendência para a diminuição do número de casos registados anualmente”, avança Leite Moreira. “Este número é ainda mais significativo para os homens, que são mais atingidos do que as mulheres numa relação de quatro para um”, acrescenta. No sexo masculino, esta patologia representa cerca de 7% do total de tumores malignos diagnosticados por ano.Segundo a associação,a maior incidência desta doença nos homens está relacionada com o acentuado consumo em simultâneo de tabaco e de álcool, e com o facto de as mulheres serem geralmente mais cuidadosas com a saúde. Mas “o cancro da cavidade oral e faringe atinge pessoas de todas as faixas etárias e,anualmente,são registados cerca de 400 mil novos casos de em todo o mundo”, frisa. O cancro da boca tem mais probabilidades de aparecer em “fumadores,toxicodependentes,alcoólicos e pessoas com maus

8

MAXILLARIS, Março 2010

Esta campanha educativa, pioneira em Portugal, conta com vários intervenientes, como pacientes, médicos dentistas, de família ou estomatologistas. Além disso, visa a observação de pacientes portadores de casos clínicos mais complexos ou mais atípicos, que geram maior dificuldade de diagnóstico para um profissional médico pouco familiarizado com estas patologias. Segundo o presidente da APMDH, “há inúmeros exemplos de pessoas que se salvaram por diagnóstico precoce efectuado pelos seus médicos dentistas, estomatologistas ou médicos de família, na sequência de uma consulta de rotina ou no seguimento da descoberta de algo suspeito por parte do paciente na sequência do auto-exame da cavidade oral e peri-oral”. Trata-se de “um exame extraordinariamente simples de fazer e que não demora mais de cinco minutos”, salienta João Leite Moreira. A campanha ensina a população em geral a realizar o autodiagnóstico seguindo cinco passos, nos quais se procuram mudanças na cor da pele e mucosas,manchas brancas e vermelhas, endurecimento dos tecidos moles, nódulos duros e imóveis e áreas adormecidas.Estes sinais de alerta devem ser procurados nos lábios superior e inferior, parte exterior e interior, incluindo as gengivas; nas bochechas, garganta e palato; na língua e pavimento da boca; e no rosto e pescoço. Esta acção ainda tem como objectivo sensibilizar a população portuguesa para os efeitos secundários da doença na deglutição dos alimentos e consequências ao nível estético, da auto-imagem, auto-estima e vida profissional e afectiva. E quanto mais rápido se fizer o despiste, maiores são as possibilidades de cura. Desta forma,“o auto-exame e as visitas regulares ao médico dentista, estomatologista e de família são a chave para o diagnóstico precoce da cavidade oral”, conclui o médico dentista.

5 Passos com “a mão que pode salvar uma vida” 1. Observe os lábios superior e inferior, parte exterior e interior, incluindo as gengivas. 2. Observe o interior das bochechas, garganta e o palato (céu da boca). 3. Observe a língua; olhe por cima, nos lados e por baixo (incluindo o pavimento da boca). 4. Toque suavemente sobre o rosto e pescoço, em busca de nódulos. 5. Sorria para si e visite regularmente um médico dentista ou estomatologista.


publi

24/2/10

11:33

Pรกgina 1


Crónica Mar10.qxp

25/2/10

17:32

Página 10

Crónica de Março Rastreios oftalmológicos, auditivos e dentários

Entrajuda combate abandono escolar e exclusão social A Entrajuda e o Banco Alimentar contra a Fome estão a promover um projecto-piloto intitulado “A Postos para a Escola”, que consiste na realização de rastreios oftálmicos, auditivos e dentários a crianças de cinco anos de instituições de solidariedade social,que frequentam a escola pré-primária.A primeira fase desta acção,levada a cabo no concelho de Lisboa,teve início em Novembro de 2009 e durará até Julho de 2010. O projecto vem no seguimento de um anterior – “Dr. Risadas” – levado a cabo pela Entrajuda, que actuava apenas na área da saúde oral. Essa acção visava “prevenir para evitar o aparecimento de cáries e tratar as crianças mais necessitadas para lhes permitir um sorriso”,revelou Isabel Jonet,presidente desta instituição particular de solidariedade social, em entrevista à MAXILLARIS. “O trabalho de dois anos permitiu constatar que muitas crianças pequenas, para além de dentes pouco sãos, têm outras deficiências de que os pais nem se apercebem,nomeadamente ao nível da visão e da audição”,explica.Por isso,“a prevenção primária e a redução de risco, a detecção precoce, anterior à manifestação dos primeiros sintomas, através do rastreio, constituem medidas eficazes e determinantes na redução das taxas de incidência e morbilidade destas doenças”,acrescenta. Porque “trata-se de matéria de Saúde Pública, já que estamos a falar não só de bem-estar, mas também dos importantes encargos económicos para o país”. Os diferentes rastreios são realizados por uma equipa de técnicos, constituída por um optometrista, uma audiologista e uma higienista oral, que se deslocam às próprias instituições de solidariedade social para efectuarem os rastreios em salas cediO projecto promove o sucesso escolar e a inclusão social das crianças através de uma boa saúde oral. das e previamente preparadas pelas instituições para a realização dos mesmos.“Os resultados dos três rastreios efectuados, após registados em fichas próprias que constam do processo individual de cada criança, são enviados aos pais e encarregados de educação, a quem será de imediato facultada orientação no encaminhamento das crianças que o necessitem para médicos especialistas”, informa Isabel Jonet. Esta acção vai permitir que deficiências visuais ou auditivas, que não tenham sido detectadas pela familia das crianças, sejam corrigidas e não afectem assim o seu desempenho escolar. Porque uma má visão, audição e saúde oral “é um factor que provoca ou acentua os maus resultados escolares e contribui para reduzir a auto-estima e o gosto por aprender, essencial no primeiro ano do ensino básico”, defende a presidente da Entrajuda. No que diz respeito à saúde oral em Portugal, Isabel Jonet pensa que este é “um problema muito grave”.Isto porque “somos o Estado-membro da União Europeia com pior saúde oral,com quase todas as crianças a apresentar pelo menos uma cárie e a maioria dos idosos sem um único dente, e constituindo factor de exclusão social de crianças que nascem desfavorecidas e têm muitas vezes percursos escolares interrompidos, não possuindo portanto qualificações suficientes para aceder ao mercado de trabalho”. A segunda fase deste projecto tenciona abarcar os restantes concelhos do distrito de Lisboa, cheprimeira fase, os rasgando a mais de 25.000 crianças e, numa terceira fase, pretende alcançar um âmbito nacional. “Por Na treios só se realizam no exemplo, em integração com o Plano Nacional de Vacinação”, revela Isabel Jonet. concelho de Lisboa.

”Dr. Risadas” a criar sorrisos Desde 2006 que o projecto “Dr.Risadas”,criado pela Entrajuda e apoiado pela Ordem dos Médicos Dentistas (OMD), já promoveu a prevenção e hábitos de higiene oral, e ainda o acompanhamento gratuito e continuado na área da saúde oral a cerca de 700 crianças e grávidas desprotegidas. Em três anos, o projecto possibilitou a criação de uma rede de mais de 200 médicos dentistas, higienistas orais e estudantes finalistas da licenciatura em Medicina Dentária.

10

MAXILLARIS, Março 2010

Esta equipa pôs em prática acções de sensibilização, junto dos responsáveis e utentes das instituições de solidariedade social que apoiam estas crianças, e ainda consultas voluntárias para tratamentos gratuitos e continuados à mesma criança carenciada por um período de três anos. “Promover a higiene oral significa muitas vezes permitir que estas crianças sorriam e que o futuro lhes sorria”, disse à MAXILLARIS, Isabel Jonet, presidente da Entrajuda.


publi

11/12/09

13:03

Pรกgina 1


Crónica Mar10.qxp

25/2/10

17:32

Página 12

Crónica de Março Dentes do menino do Lapedo dão pistas à evolução do homem moderno Os dentes da criança do Lapedo, com cerca de 30 mil anos, aproximam-na mais aos Neandertais do que aos homens modernos, segundo uma investigação da Universidade de Bristol (Reino Unido). As conclusões foram publicadas recentemente na revista Proceedings of the National Academy of Sciences, por uma equipa internacional da qual fazem parte os portugueses João Zilhão e Cidália Duarte, e o norte-americado Erik Trinkaus, da Universidade de Washington. Desde o achado do Lapedo, em 1998, em Leiria, que Zilhão e Trinkaus têm gerado uma discussão na comunidade científica internacional. Isto, porque defendem que a criança, com cerca de quatro ou cinco anos à altura da morte, prova que Neandertais e os primeiros homens modernos não só coexistiram como procriaram. Do outro lado da controvérsia estão os arqueólogos espanhóis Juan Luis Arsuaga e Carles Lalueza Fox,que afirmam que,mesmo sendo mestiça,a criança do Abrigo do Lagar Velho nada prova em relação à evolução do homem moderno.Além disso,continuam a defender que os Cro-Magnons – os primeiros homens modernos – substituíram por completo os Neandertais, sem miscigenação. Segundo a equipa de Zilhão, os dentes da frente da criança eram muito subdesenvolvidos para serem considerados de um homem moderno. Acrescentam ainda o facto de que tinham uma formação diferente da dos homens modernos, com mais dentina, o tecido logo abaixo do esmalte do dente, menos esmalte, mas mais polpa – a parte nervosa responsável pela nutrição do dente. A criança do Lapedo assume um especial destaque para a Arqueologia, uma vez que possui 90% do esqueleto intacto. A análise dos dentes, levada a cabo por investigadores portugueses, franceses e americanos, foi feita com recurso à microtomografia e reconstrução tridimensional.

Prolina ajuda no crescimento da proteína do esmalte Um estudo da Universidade do Illinois, nos EUA, diz que o amino ácido prolina, encontrado nas proteínas do esmalte dos dentes, contribui para que os dentes sejam mais fortes e elásticos. Estas conclusões foram publicadas recentemente na revista PLoS Biology. A equipa de investigadores dirigida por Tom Diekwisch comparou a existência do prolina em anfíbios e animais, e descobriu que quando este ácido existe em pouca percentagem, os dentes não vão ter um esmalte resistente. Todavia, quando há bastante prolina, isso ajuda no crescimento do esmalte.

Segundo Diekwisch, o prolina tem o poder para compreender a estrutura e o funcionamento de muitas proteínas naturais, como mucinas, proteínas anticongeladas, proteína amyloid do Alzheimer e proteínas de príon. Desta forma, os investigadores esperam que as suas descobertas ajudem outras áreas de investigação científica como, por exemplo, o tratamento de doenças neurodegenerativas. Além disso, desejam que as suas conclusões possam ajudar as pessoas a recuperar partes perdidas dos dentes com uma camada saudável de um novo esmalte.

Beijos menos românticos e mais activos no combate aos germes A prática do beijo evoluiu como forma de propagar micróbios presentes na saliva e, assim, criar imunidade contra eles, aponta um estudo britânico. Porém, os cientistas defendem que o citomegalovírus, em específico, é inofensivo para o ser humano, mas que se o primeiro contacto com esse agente ocorrer durante a gravidez pode ser bastante perigoso.Neste caso,podem acontecer más formações do feto, como paralisias cerebrais e outras complicações na gestação. Contudo, se o citomegalovírus for introduzido na mulher em pequenas doses antes dela ficar grávida, ela ganhará resistência ao vírus. O mesmo estudo diz que beijar o mesmo homem durante seis meses antes da gravidez dá ao sistema imunitário feminino a prática que ele precisa para fornecer um citomegalovírus impotente. Em 2007, outra investigação levada a cabo por cientistas britânicos mediu a actividade cerebral e cardíaca provocada por beijos apaixonados, e descobriu que era menos intensa que o estímulo produzido pelo chocolate.

12

MAXILLARIS, Março 2010


publi

24/2/10

13:19

Pรกgina 1


Crónica Mar10.qxp

26/2/10

11:37

Página 14

Crónica de Março Molares ajudam na compreensão da evolução dos macacos Cientistas do Instituto das Origens Humanas (IOH) da Universidade do Estado do Arizona, nos EUA, declararam recentemente que o momento do desenvolvimento e erupção do molar está relacionado com aspectos biológicos dos primatas, desde os macacos mais pequenos da América do Sul até aos africanos. As declarações foram apresentadas na edição online do jornal Proceedings of the National Academy of Sciences. Segundo Gary Schwartz, investigador do IOH, “conhecer a idade em que o primeiro molar aparece nas bocas dos primatas ajuda a descobrir uma série de atributos históricos,como o período de gestação, idade da maturidade sexual, o tempo entre cada nascimento e o tempo de vida, em geral. O tempo do desenvolvimento do molar já tinha sido estudo no passado em chimpanzés.Porém,nada se sabia sobre quando este momento ocorre em outras espécies de macacos. Durante a investigação, Schwartz e Jay Kelley, autor principal do estudo e professor da Universidade do Illinois, nos EUA, concluíram que ao partir o dente ao meio podiam examinar este

processo de crescimento dos macacos que morreram quando os seus primeiros molares apareceram na boca. Através desta descoberta, os dois cientistas foram capazes de identificar a idade de 3,8 anos como o aparecimento do primeiro molar no gorila e de forma idêntica nos chimpanzés. Além disso, constataram que o aparecimento nos orangotangos é mais tarde, aos 4,6 anos, o que está mais próximo dos humanos, que é aproximadamente aos 6 anos. Porém, os investigadores advertiram que apesar do aparecimento tardio nos orangotangos, que vivem nas florestas da Indonésia e Malásia, estas descobertas não podem dar uma conclusão sobre a relação entre estes animais e o Homem.

Chá verde retarda desenvolvimento do cancro da boca Um estudo publicado na revista americana Cancer Prevention Research revela que o chá verde ajuda a atrasar o desenvolvimento do cancro da boca. Esta descoberta junta-se a outras qualidades do chá verde, como a ajuda no emagrecimento, no combate ao colesterol e ao envelhecimento das células, e a posse de substâncias antioxidantes benéficas para o corpo. A investigação da Universidade do Texas (EUA) consistiu em administrar via oral,durante três meses,extracto de chá verde a 41 voluntários com lesões pré-malignas na boca. Os pacientes foram divididos em três grupos e um recebeu uma dose de 500 miligramas por metro quadrado (mg/m2), outro tomou 750 ou 1.000 mg/m2 e o último apenas ingeriu um placebo. A equipa de investigadores concluiu que 59% dos voluntários que tomaram a dose mais alta de extracto de chá manifestaram uma resposta clínica com uma redução de, pelo menos, 50% do diâmetro total das lesões. Por seu turno, apenas 18% dos que tomaram o placebo manifestaram uma resposta idêntica. Durante o período de acompanhamento de cerca de 28 meses, 15 pessoas desenvolveram cancro da boca. As pessoas que tomaram extracto de chá verde e as que não o tomaram tiveram a mesma probabilidade de contrair cancro. Porém, nos pacientes que tinham uma lesão celular de leve a moderada, o desenvolvimento celular anormal iniciou-se mais tarde no grupo de participantes que tomou chá verde. Na opinião de Vassiliki Papadimitrakopoulo, autor do estudo, as descobertas são promissoras, mas “como um número muito limitado de pacientes que tomaram o equivalente a oito ou 10 chávenas de chá verde todos os dias, não podemos proclamar com segurança os benefícios preventivos a partir de um ensaio deste tamanho”.

Hitler sofria de mau hálito e tinha medo de dentistas Adolf Hitler tinha mau hálito, pavor a dentistas e alimentava-se mal, segundo as conclusões de um estudo baseado nas anotações clínicas do general nazi Johannes Blaschke, responsável pelo tratamento dos dentes do Führer. Estas revelações foram apresentadas na tese de doutoramento de Menevse DepremHennem,intitulada “O Dentista do Diabo”. Em declarações ao semanário alemão Bild am Sonntag, a médica dentista explicou que o estudo partiu de uma série de

14

MAXILLARIS, Março 2010

relatórios que estiveram perdidos durantes muitos anos. Por exemplo,um dos relatórios de Blaschke,datado de 1944,diz que foi extraído um dente molar no maxilar superior de Hitler. “É muito provável que Hitler sofresse de uma forte halitose”, revela Deprem-Hennem, acrecentando que o ditador nazi sofria da doença periodontal, que atinge as gengivas e a sustentação dos dentes. No seu trabalho, a médica dentista fala da presença de cáries, sangramento e inflamações gengivais em Hitler. Além disso, referiu que “é provável que, como muitas pessoas,Hitler tivesse medo de ir ao dentista”, pois em vez de fazer um tratamento de raíz em uma ou duas sessões, o ditador preferia chamar o dentista cerca de oito vezes.


publi

7/10/09

18:00

Pรกgina 1


Crónica Mar10.qxp

25/2/10

17:32

Página 16

Crónica de Março Braquetes são moda perigosa na Tailândia O Ministério da Saúde tailandês lançou recentemente uma campanha de alerta para algumas tendências de beleza perigosas para a saúde dos tailandeses.É o caso de pestanas postiças,cremes tóxicos para branquear a pele ou lentes de contacto baratas para mudar a cor dos olhos. Contudo, a moda entre os adolescentes que mais preocupa as autoridades tailandesas é o uso de braquetes,que muitos jovens utilizam sem prescrição médica,e ao qual já foram atribuídas duas mortes no ano passado. Estes braquetes podem ser adquiridos em mercados de rua ou em clínicas clandestinas situadas em casas particulares, ou até comprados através da Internet ou via correio. Os preços rondam os 24 dólares por cada fila de dentes ou 45 dólares pelo conjunto completo. Segundo o Thailand Dental Council, estas práticas acarretam riscos de envenenamento, infecções, problemas no sistema nervoso e até ingestão de peças soltas. Assim, uma das soluções apontadas pelo Governo, que já combate esta tendência desde 2004, é fazer com que os professores exijam aos alunos que usam braquetes atestados médicos a comprovar a autorização do seu uso. No caso de não possuírem esses certificados, os jovens devem ser enviados a centros médicos para tirarem os aparelhos dos dentes. Outra das medidas é multar ou condenar até três anos de prisão quem exerça a profissão de dentista sem licença ou habilitações necessárias. Por último, a Tailândia vai passar a ter um maior controlo sobre a importação de materiais dentários,através da criação de um organismo governamental de protecção aos consumidores.

Escovagem dos dentes com muita força provoca sensibilidade Segundo uma pesquisa da Academy of General Dentistry (AGD), escovar os dentes com muita força e consumir alimentos e bebidas ácidas em excesso pode deixar os dentes mais sensíveis. Para Van Hayward, do Medical College of Georgia (EUA), a escovagem agressiva e as substâncias ácidas podem desgastar o esmalte dos dentes e também afectar as gengivas.Assim,“um tecido mais sensível do dente – chamado dentina – pode ficar exposto e conecta-se ao centro do nervo interno do dente e, quando desprotegido, o centro nervoso pode ser deixado sem escudo e vulnerável a sensações, incluindo a dor”, explica. Os investigadores ainda referiram que alguns cremes dentários, enxaguantes bucais e produtos para branquear os dentes, bem como dentes partidos, bulimia e refluxo, podem também

contribuir para a sensibilidade dos dentes. Por isso, os especialistas recomendam um creme dentário especial para dentes sensíveis, escovas de cerdas macias, fio dental, escovar os dentes pelo menos duas vezes por dia durante dois ou três minutos, manter a escova num ângulo de 45 graus, fazer movimentos circulares durante a escovagem e ter a escova na ponta dos dedos e não na palma da mão. Segundo a AGD, a sensibilidade dos dentes afecta cerca de 40 milhões de americanos adultos e é caracterizada pelo desconforto ou dor súbita num dente ou mais. Isso acontece, na maior parte das vezes, quando se consome alimentos ou bebidas quentes ou frias demais, quando se inspira ar frio ou quando há pressão sobre o dente.

Estudo revela origens da bactéria causadora da cárie Um grupo de investigadores descobriu a genética da bactéria Bifidobacterium dentium Bd1 que provoca a cárie,revelando as adaptações genéticas que permitem a este microorganismo viver e causar a decomposição da cavidade oral humana. O estudo, publicado recentemente na revista PLoS Genetics, foi orientado por Marco Ventura da Universidade de Parma, em Itália,e por Douwe van Sinderen e Paul O’Toole da Universidade College Cork,na Irlanda. A bifidobactéria está muitas vezes incluída como componente probiótica da comida para ajudar a digestão e apoiar o sistema imunitário. Contudo, nem todas as componentes presentes nela oferecem efeitos benéficos para o organismo. Na verdade, a bifidobactéria pode apresentar-se como um microorganismo infeccioso desde que esteja ligada ao desenvolvimento da decomposição dos dentes. O genoma desta bactéria revela como este microorganismo se adapta à cavidade oral através das características de alguns nutrientes, tolerância ácida, defesas contra anti-micróbios e outros genes, que aumentam a aptidão e a competitividade dentro da superfície oral.

16

MAXILLARIS, Março 2010


publi

24/2/10

13:18

Pรกgina 1


Fedesa.qxd

25/2/10

13:22

Página 2

o afinco e a aposta no futuro

Na FEDESA contamos com mais de 40 anos de história, e uma das nossas principais virtudes como grupo humano tem sido o afinco. Afinco por encontrar o produto que se ajusta perfeitamente ao profissional com a melhor relação qualidade-preço. Afinco por nos adaptarmos às necessidades do mercado sempre em mudança. Afinco por sermos embaixadores da indústria médica em Espanha e no estrangeiro. Na FEDESA temos uma quota de mercado em Espanha de mais de 50% e exportamos para 40 países 55% da nossa produção. Estes são os números que nos dão a razão: o afinco é a chave para abrir todas as portas que a ilusão pode criar. Não podemos negar que a actual conjuntura económica mundial supõe uma crucial prova para todas as empresas em todos os sectores, mas na FEDESA consideramos que estes momentos difíceis moldam o nosso carácter, que consolidam o nosso afinco para dar sempre o melhor serviço, que reforçam o nosso afinco para impressionar com novos produtos de acordo com o que o profissional precisa, quer seja quanto a prestações como quanto a funcionalidade. E enfrentamos o futuro apoiando-nos nos três pilares que nos transformaram no principal fabricante espanhol de equipamentos dentários:

equipamentos dentários, com uma grande quota de mercado tanto no mercado nacional como internacional. Na FEDESA, a equipa humana é jovem e dinâmica, e está em permanente formação para garantir o êxito e o futuro da nossa empresa. A optimização dos nossos processos, a racionalização dos espaços e a incorporação de novas tecnologias nas nossas instalações próprias com mais de 16.000 m2, permitem-nos manter elevados padrões de qualidade sobre os quais assenta toda a nossa estrutura. Assim, o nosso Sistema de Qualidade é total, desde o desenho do primeiro protótipo até ao comportamento funcional do produto, passando por todas as fases da produção. As nossas exigências são rigorosas: processos de produção seguros, controlo total do produto final e uma constante monitorização do mercado através da nossa rede de técnicos homologados, assim como um contacto constante com profissionais e distribuidores, que nos permite implementar um processo ágil de melhoramentos, que nos transforma no melhor colaborador do médico dentista. O nosso Sistema de Qualidade adapta-se tanto às exigências da Norma ISO 9001:2007 como às da Norma ISO 13485, contando com a certificação da prestigiosa empresa TÜV PRODUCT SERVICE.

Os nossos processos Os nossos produtos A nossa equipa de I+D trabalha intensamente no desenvolvimento, homologação e põe no mercado novos produtos para satisfazer ao máximo as necessidades do profissional, tendo sempre em conta a melhor relação qualidade-preço. A vocação do nosso serviço e do nosso “know-how” são os factores chave para a produção dos nossos

Quanto à produção, FEDESA dá resposta a uma vasta oferta em quantidade e diversidade de produtos. A nossa produção visa o fabrico de unidades dentárias com silhões electromecânicos ou electrohidráulicos, com mangueiras do sistema pingente ou colibri e todos os acessórios neces-


Fedesa.qxd

25/2/10

13:22

Página 3

Esperamos-lhe na Expodental 2010, Pavilhão 14, Stand 14E10, onde receberá a nossa melhor atenção e lhe apresentaremos as nossas unidades dentárias.

sários para dotar o equipamento dentário da máxima polivalência. Uma grande variedade de marcas, algumas modernas (ZAFIRO, CARISMA, ASTRAL, CORAL LUX) e outras que se converteram em clássicos (RONDA LUX, ACANTO LUX, MIDWAY LUX, MIDWAY AIR, JEREZ II, SUPRADENT), que agrupamos com autoclaves, compressores e tamboretes, também com marca própria e tudo com a garantia da FEDESA. Acrescentam-se ainda as gamas de modelos exclusivos que fabricamos para os nossos principais distribuidores em Espanha. Os nossos clientes A nossa maior prioridade são os médicos dentistas, usuários finais dos nossos equipamentos dentários, que marcam o caminho e gerem as necessidades que os nossos produtos devem satisfazer. O seu feedback permite-nos melhorar a funcionalidade do seu trabalho e a comodidade dos seus pacientes. A fórmula para realizar as nossas expectativas de crescimento e expansão num momento de crise global como o actual é, segundo palavras do nosso presidente, o Dr. Javier Castillo, “redobrar os nossos esforços em várias direcções”. E acrescenta: “Promover os nossos produtos em países emergentes e reafirmar a quota de mercado em Espanha (apesar da concorrência desleal de determinadas marcas que produzem os nossos equipamentos na Ásia, sem os respectivos controles e a qualidade que se exige neste mercado). Neste momento, estamos num processo de activação de estratégias previstas para os próximos cinco anos. Numa conjuntura económica tão complicada como a que estamos a viver na Europa, em geral, e em Espanha com mais intensidade, a nossa posição privilegiada em certos mercados estratégicos de países externos demonstra que a nossa política de internacionalização está a dar os melhores frutos possíveis. É estimulante olhar para trás e apercebermo-nos que fizemos as coisas bem, e olhar para o futuro e ver que ainda nos falta muito por fazer, muito futuro. Estamos a consolidar métodos de trabalho mais modernos e estruturas de informação mais ágeis e fáceis de usar para os nossos clientes e usuários. Não olhamos para a qualidade como um fim, mas como um meio para conseguir o melhor produto possível para o profissional dentário e ao melhor preço. Este tem sido o nosso principal objectivo e, por isso, o nosso investimento nesta área tem crescido de ano para ano. Os profissionais que escolhem os nossos equipamentos são os nossos melhores críticos e eles, pelo que sabemos, estão satisfeitos. Desta forma, quero agradecer às diferentes gerações passadas e às actuais de médicos dentistas por estarem connosco neste trajecto, que já vai a caminho de meio século”. A FEDESA enfrenta grandes desafios nesta segunda década do século XXI, com as ideias bem claras e com a qualidade como meio para conseguir todos os seus objectivos. Voltando às palavras do Dr. Javier Castillo, “tem sido o critério que temos consolidado na nossa empresa e uma marca apreciada em todos os mercados a que se dirige, sempre acompanhado por um grupo seleccionado de distribuidores e equipamentos técnicos, que têm sido seleccionados e homologados segundo os mais rigorosos critérios de qualidade da FEDESA”. Relativamente a novidades, apresentamos em Espanha, na próxima feira Expodental 2010, em Madrid, o último equipamento – já à venda – denominado Zafiro, um produto de gama alta muito bem recebido, tanto nos mercados nacionais como nos internacionais, e do qual já se venderam mais de 100 unidades. É um equipamento que tem tanto a nível estético como tecnológico, e devido aos seus acabamentos, um óptimo feedback no mercado.


Especial Expodental PT.qxp

26/2/10

11:08

Página 20

Especial Expodental Apesar da crise, Ifema recebe, entre os dias 11 e 13 de Março, mais de 260 empresas expositoras

Expodental veste-se a rigor para receber 25.000 profissionais Expodental volta a ser o centro das atenções para os profissionais que trabalham no sector dentário. Todos podem encontrar os produtos e serviços mais inovadores do mercado na 11ª edição do Salão Internacional de Equipamentos, Produtos e Serviços Dentários, que se celebra em Madrid entre os dias 11 e 13 de Março. Este certame é organizado pela Ifema e Fenin, concentra 260 empresas e estreia o préregistro online, com o qual se evitarão filas de espera nos acessos à feira.

A

no após ano, a Expodental consolidou-se no mercado europeu dos eventos dedicados ao sector dentário. Actualmente, a feira só é ultrapasada pela IDS alemã, pelo que se tornou numa referência para todas as empresas que desejam marcar posição neste mercado. Isto comprova-se com a alta percentagem de empresas expositoras que repetem todos os anos a sua participação. À Expodental dirigem-se essencialmente médicos dentistas, com ou sem especialização, cirurgiões maxilofaciais, higienistas, técnicos e auxiliares dentários, e estudantes. Também não se pode esquecer que a Expodental é uma feira comercial, pelo qual, além dos profissionais dentários, também marcam presença nos pavilhões 12 e 14 representantes comerciais de empresas fabricantes, companhias importadoras, depósitos de material dentário e laboratórios. Mais uma vez, as novas tecnologias serão o destaque da exposição. Aí estarão material de radiologia, imagens 3D e novos sistemas de ortodontia cada vez mais discretos, que mostrarão todo o seu potencial em momentos de crise económica. A pensar no cliente, haverão promoções e ofertas especiais para os dias da feira e posteriores. Espera-se que o esforço dos profissionais da indústria para oferecer produtos de qualidade seja recompensado com

uma resposta positiva por parte dos visitantes. Quer Ifema como Fenin sabem que o tema económico é crucial nesta fase. Contudo, as expectativas para a feira são positivas: espera-se repetir o número de visitantes de 2008, em que 25.000 profissionais visitaram os pavilhões da Ifema. Para facilitar a entrada dos visitantes, a organização disponibilizou um pré-registro online até ao dia 8 de Março, que é uma inovação que permite o acesso gratuito e directo ao evento.

Desenho do stand da MAXILLARIS na Expodental.

20

MAXILLARIS, Março 2010


Especial Expodental PT.qxp

26/2/10

11:08

Página 21

Cinema científico na MAXILLARIS MAXILLARIS participa na feira Expodental com a melhor infra-estrutura para dar a conhecer as suas novidades. A Cyan Editores, a editora da revista, distribuirá no stand 14I14B os últimos números das edições portuguesa e espanhola da MAXILLARIS – cada uma com um conteúdo próprio na sua língua – assim como exemplares da terceira edição do Anuario Español de Implantes Dentales. Trata-se de um guia útil, quer para os profissionais que praticam esta disciplina, como para os que desejam introduzir-se neste segmento. O Anuario dispõe de conteúdos com as características de todos os produtos implantológicos necessários para se obterem os resultados esperados. Mas na M AXILLARIS a inovação é uma constante que não se perde de vista em nenhum momento. A prova desta filosofia de trabalho é o lançamento, nesta edição da Expodental, do DVD Atlas Multimedia de Cirugía Oral da autoria de Jaime Baladrón. Porém, este não é um terreno desconhecido para a Cyan Editores. Já na edição de 2008 da Expodental, a empresa apresentou o DVD La Periodoncia Paso a Paso, da autoria de Javier García Fernández, e que foi um trabalho de grande sucesso realizado pela MAXILLARIS em

colaboração com a Clínica Gíngiva. Esta linha de cooperação repete-se este ano com o lançamento do DVD La Implantología Paso a Paso, também com a assinatura de García Fernández. Nele inclui-se um vídeo de hora e meia, no qual se relatam todas as fases implantológicas. Além disso, apresenta-se como um DVD interactivo no qual se abordam temáticas como os implantes unitários, a prótese parcial e completa implantossuportada ou as técnicas de periodontia aplicadas à implantologia. Hoje, os profissionais da odontologia estão cada vez mais acostumados a recorrer a diferentes materiais e conteúdos para aprofundar as áreas que mais lhes interessam. A pensar nisso, a MAXILLARIS disponibilizará no seu stand (14I14B) um espaço dedicado à projecção dos três DVDs científicos mencionados anteriormente. Os visitantes poderão instalar-se numa “mini-sala multimédia” e comprovar in situ a qualidade dos trabalhos dos especialistas Javier García Fernández e Jaime Baladrón. Apesar de cerca de 6.000 médicos dentistas portugueses e 24.000 espanhóis receberem em suas casas ou clínicas dentárias a revista MAXILLARIS, na Expodental poderão receber muito mais. Desta forma, não há desculpa para não visitar o inovador stand da MAXILLARIS junto à entrada do pavilhão 14 a partir do pavilhão 12.

MAXILLARIS, Março 2010

21


Falamos com JoaoEspiritoSanto.qxp

25/2/10

12:14

Página 22

Falamos com...

João Espírito Santo,

presidente da comissão organizadora do I Congresso Ibérico de Gerodontologia e X Congresso anual da SEGER

«

Espanha tem mais política sanitária para esta área. No entanto, Portugal de há quatro anos para cá tem vindo a desenvolver um trabalho que já lhe confere algum mérito

»

De 27 a 29 de Maio, o Porto vai receber o I Congresso Ibérico de Gerodontologia e o X Congresso anual da Sociedade Espanhola de Gerodontologia (SEGER). Esperam-se mais de 200 congressistas portugueses e espanhóis, que trabalham na área do idoso e do envelhecimento, nas suas componentes biológica, psicológica e social. É a primeira vez que a reunião da SEGER se realiza fora de Espanha e, por isso, João Espírito Santo, presidente da comissão organizadora, considera uma responsabilidade acrescida organizar o evento, que tem como objectivo final alertar a classe para a importância do tema e criação de uma sociedade científica de Gerodontologia em Portugal. 22

MAXILLARIS, Março 2010


Falamos com JoaoEspiritoSanto.qxp

25/2/10

12:14

Página 23

M AXILLARIS. O que levou a SEGER a escolher Portugal para realizar o seu décimo congresso anual? João Espírito Santo. A Sociedade reconheceu a necessidade de internacionalização do congresso pela maturidade que o evento alcançou ao longo de anos, e nada melhor que implementar esta projecção no ano em que se prepara para organizar a sua décima edição. A escolha do Porto, e mais concretamente das instalações da Universidade Católica Portuguesa (UCP), prende-se com o facto de esta ser a única universidade em Portugal que contempla a Gerodontologia no plano de estudos dos alunos de Medicina Dentária. M Quais são os desafios de um congresso espanhol a realizar em Portugal, neste caso, no Porto? João Espírito Santo. Conciliar um programa científico ibérico que aborde os temas reais do escalão etário em foco neste congresso; uma organização que orgulhe a UCP da organização do evento, exposição comercial que proporcione bons negócios aos congressistas presentes; criar a necessidade para a realização de mais eventos ibéricos. M O que é que trata este congresso anualmente? Há alguma novidade para o congresso de 2010? João Espírito Santo. Anualmente, aborda as novidades de meios e materiais para o tratamento de pacientes idosos. Este ano vamos também incluir no programa científico cursos hands on e abordagem multidisciplinar por profissionais ibéricos reconhecidos internacionalmente.

JOÃO Pedro Pereira Dias do ESPÍRITO SANTO nasceu no Porto há 30 anos. Em 2004, licenciou-se em Medicina Dentária pela Universidade Fernando Pessoa, no Porto. Um ano depois, concluiu a especialização em Implantologia Oral e o grau de licenciatura em Odontologia pela Universidade de Santiago de Compostela (USC), em Espanha. Entre 2004 e 2009, foi docente na USC e, desde 2007, é professor assistente na Universidade Católica Portuguesa e director do Serviço de Medicina Dentária do Hospital Privado de Guimarães.

M Na área da Gerodontologia, em que patamar de desen-

volvimento e de exercício gerodontológico se encontra cada um dos países? João Espírito Santo. Espanha tem mais política sanitária para esta área. No entanto, Portugal de há quatro anos para cá tem vindo a desenvolver um trabalho que já lhe confere algum mériM Em simultâneo com o encontro anual da SEGER vai reali- to como, por exemplo, o apoio dado pelo Estado à aquisição de zar-se o I Congresso Ibérico de Gerodontologia. Em que con- próteses dentárias e o programa cheque-dentista. siste este congresso? João Espírito Santo. O I Congresso Ibérico consiste na aborda- M Enquanto presidente da comissão organizadora do congem do mesmo tema por um profissional espanhol e um portu- gresso, em Portugal, quais são os desafios que lhe foram guês, trocando pontos de vistas para o mesmo fim. colocados e quais são as metas a atingir? João Espírito Santo. Os desafios são vários: corresponder à M O que é que contempla o programa científico deste expectativa criada pelo presidente da Sociedade Espanhola de congresso? Gerodontologia, o professor Andrés Blanco Carrión, de organiJoão Espírito Santo. Em todas as actividades científicas existe zar um congresso nacional fora de Espanha com o compromisum nível científico de excelência, tendo a participação de ele- -so de fazer diferente e melhor; potenciar o intercâmbio de mentos das principais sociedades científicas da Medicina experiências profissionais neste congresso; dinamizar e alertar Dentária ibérica (SPCO, SECIB, SPPI, SEPA e SPMO), que me orgu- as diferentes sociedades científicas de Medicina Dentária para lha como presidente da comissão organizadora. esta temática; ultrapassar o número de inscritos do congresso da SEGER do ano 2009; alertar a classe para a criação de uma M Quais são as vantagens de um encontro ibérico? Sociedade Científica de Gerodontologia em Portugal; criar a João Espírito Santo. A união faz a força. Neste caso, o congres- vontade de voltarem à UCP. so reveste-se de maior importância pela troca de experiências que abrange todos aqueles que se interessam por esta área, M Como está a decorrer a organização dos encontros do num universo comum, uma vez que existe um intercâmbio de lado espanhol e português? profissionais e pacientes entre estes dois países. João Espírito Santo. É um trabalho intenso através da troca de e-mails, telefonemas e viagens entre Santiago de Compostela e M A que público se destina cada um dos congressos? o Porto para a organização de todo o processo. João Espírito Santo. Destinam-se a médicos dentistas, alunos de Medicina Dentária, médicos, enfermeiros e pessoal auxiliar M Este é o primeiro encontro ibérico. Quanto ao próximo, de assistência médica, uma vez que todos estes profissionais tra- já sabem quando e onde se irá realizar? balham com pacientes geriátricos e a patologia da cavidade oral João Espírito Santo. Certamente que para o ano deverá ser reaestá presente no desempenho das suas actividades. O objectivo lizado em Espanha. A ideia é ser um ano em cada país. Em 2012, é o enriquecimento de experiências clínicas para aplicação na espero que seja em Portugal e, quem sabe, já com a Sociedade prática clínica diária de cada um dos congressistas. Portuguesa de Gerodontologia constituída.

MAXILLARIS, Março 2010

23


Falamos com Jose Ranali.qxp

26/2/10

11:39

Página 24

Falamos com...

José Ranali,

presidente do 28º CIOSP

«

Ficámos felizes pelo número grande de colegas do nosso querido Portugal que, além da visita à feira, participaram activamente nos eventos científicos

»

Entre 30 de Janeiro e 3 de Fevereiro, o Brasil acolheu o 28º CIOSP – Congresso Internacional de Odontologia de São Paulo, também conhecido por “Congressão” e o maior do sector da América Latina.Este ano,o certame contou com a presidência de José Ranali sob o slogan “Inovar para Transformar” e o programa incluiu mais de 100 cursos, fóruns, palestras sobre tecnologia, workshops e apresentações de trabalhos científicos. As actividades de actualização clínica e temas como a “Terapêutica Medicamentosa” foram os mais procurados. Quanto à 13ª FIOSP – Feira Internacional de Odontologia de São Paulo, que se realizou em simultâneo, o organizador revelou à MAXILLARIS que superou as expectativas, apesar da crise económica mundial.

24

MAXILLARIS, Março 2010


Falamos com Jose Ranali.qxp

26/2/10

11:39

Página 25

M AXILLARIS. Todos os objectivos desta 28ª edição do CIOSP foram alcançados? José Ranali. Sim, cumprimos a meta de recebermos 70 mil pessoas durante o CIOSP. Também atingimos uma marca importante na frequência das actividades de teor científico, que tiveram 76% de lugares ocupados. M Quais foram os grandes desafios deste CIOSP e em que é

JOSÉ RANALI. Professor titular de Farmacologia, Anestesiologia e Terapêutica da Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP), UNICAMP (Brasil); ex-Director da FOP e Chefe do Gabinete da Reitoria da UNICAMP. Dá conferências sobre Terapêutica Medicamentosa e Emergências, e Anestesia Local e Sedação; e já publicou vários artigos sobre a sua especialidade em livro e revistas brasileiras e internacionais. Actua na área da Educação Odontológica em comissões institucionais e como assessor.

que se destacaram dos das edições anteriores? José Ranali. Os desafios são sempre o de superar os encontros anteriores, porque as experiências acumulam-se e ajudam-nos na superação. Conseguimos organizar o programa científico sem os pequenos contratempos do congresso anterior e talvez a preocupação mais aguda tenha sido com o sucesso da feira comercial, quando começámos a planear e a executar o 28º CIOSP em Novembro de 2008. Nessa época, começavam os reflexos da crise económica à escala mundial e, dessa maneira, os seus efeitos poderiam-se repercutir na comercialização da feira. Porém, não foi isso o que aconteceu. Pelo contrário, obtivemos um resultado que ficou muito próximo do congresso anterior, demonstrando M Uma das novidades deste CIOSP foi um seminário de o vigor das empresas do ramo odontológico. “Gestão, Marketing e Empreendorismo”, no qual cinco especialistas apontaram caminhos para os profissionais se M No que diz respeito a visitantes, este ano houve uma sobressaírem na categoria? Que caminhos são esses, tendo grande diversidade do público? em conta que vivemos tempos de crise económica? José Ranali. Recebemos um contingente diversificado de José Ranali. Esse tema é novo no universo da odontologia. colegas de outros países. Certamente o número mais Mas de início não deve ser confundido com simples propaexpressivo é de colegas latino-americanos, porém a cada ganda comercial. Nos dias de hoje é fundamental que os ano aumenta o número de visitantes de outros países. Este profissionais se aprimorem em técnicas de gestão para orgaano, ficámos felizes pelo número grande de colegas do nizarem com mais propriedade o funcionamento das suas nosso querido Portugal que, além da visita à feira, participa- clínicas, seja na gestão financeira, seja na gestão de pessoal. ram activamente nos eventos científicos M Também se realizou o 4º Encontro Latino-americano de M Apesar da crise económica mundial, este ano houve um Equivalência Curricular (ENLEC). A que se deve a necessidade aumento da presença de empresas estrangeiras, com des- da equivalência curricular em odontologia na América do Sul? taque para a China, na FIOSP. Que consequências isto pode José Ranali. Não é propriamente uma necessidade, pois não trazer para o Brasil, tendo em conta que a indústria de estamos a cumprir nenhuma determinação formal. O que é equipamentos dentários cria no país 31.000 postos de tra- importante na busca da equivalência curricular latino-amebalho directos, 72.000 indirectos e tem um grande peso na ricana é o sentido de formar profissionais de qualidade e exportação? que possam dialogar entre si para a busca de soluções para José Ranali. Realmente o número de empresas chinesas problemas comuns. Somos um continente com 600 milhões praticamente triplicou este ano. Não creio que a curto prazo de habitantes que na sua maioria necessita de uma grande a indústria chinesa possa criar dificuldades para as empresas atenção em saúde e, obviamente, também em saúde bucal. brasileiras, uma vez que as nossas empresas já se estabilizaM Quais foram as principais propostas apresentadas? ram no mercado nacional e internacional. José Ranali. Foram apresentados um perfil profissional para M O tema escolhido para este “Congressão” foi “Inovar para a América Latina e modelos de curriculares que possam serTransformar”. Nos dias de hoje, é essencial um médico den- vir de referência para os 422 cursos de odontologia. tista estar em constante transformação e inovação? De que M Pode adiantar alguma coisa sobre o próximo CIOSP? forma? José Ranali. Diante de um mundo onde o conhecimento José Ranali. O próximo CIOSP, na sua 29º edição, será o científico e tecnológico avançam muito rapidamente é evento dos 100 anos da APCD (Associação Paulista dos importante que os profissionais mantenham-se actualiza- Cirurgiões Dentistas). Ele já está a ser preparado para ter dos, não para incorporarem as novidades técnicas, mas grande significado para a odontologia. Não serei o presidensobretudo para reflectir sobre suas próprias práticas e ade- te, pois a organização de um certame deste porte é muito quando-se sempre que necessário para oferecer uma odon- desgastante. Mas como é da praxe, vai haver a formação de tologia de qualidade para os seus pacientes. uma nova Comissão Organizadora Central.

MAXILLARIS, Março 2010

25


CP Miguel Stanley Mar10.QXP

25/2/10

12:58

Página 26

Reabilitação fixa em zona estética após extrusão ortodôntica de um dente periodontalmente comprometido

26

MAXILLARIS, Março 2010


CP Miguel Stanley Mar10.QXP

25/2/10

12:58

Página 27

Ciência e prática Introdução Todos gostaríamos de poder colocar sempre os nossos implantes dentários em condições ideais. Rebordo alveolar adequado, distância segura aos limites anatómicos, tecidos moles em quantidade e qualidade, espaço intermaxilar suficiente, etc. Mas em Medicina Dentária, estas situações são excepções, e se as condições não existem, há que tentar criá-las. Enxertos ósseos e de tecidos moles, cirurgias mucogengivais, ortodontia, distracção óssea, implantes curtos ou angulados... todos conhecemos as regras deste sempre difícil jogo. A dicotomia

tempo de tratamento versus resultado final é, por vezes, um dilema: damos a rapidez ao doente, ou procuramos o melhor resultado possível, recorrendo, se necessário, a outras especialidades da medicina dentária, para além da Implantologia, Periodontologia e Reabilitação Oral? O caso clínico que apresentamos é um trabalho simples, de extrusão ortodôntica, para criar um perfil ósseo e gengival mais estético antes da reabilitação com um implante dentário em zona estética.

Miguel Stanley Miguel Stanley. Médico Dentista. Prática clínica dedicada à Cirurgia e Reabilitação Oral Estética. CEO & Clinical Director WHITE Life Design (Lisboa). Ricardo Vieira Alho. Médico Dentista. Prática clínica dedicada à Cirurgia e Reabilitação Oral Estética. Head of Research & Education WHITE Life Design. João Amaral. Médico Dentista. Prática clínica dedicada à Cirurgia e Reabilitação Oral Estética. Departamento de Reabilitação Oral da WHITE Life Design.

MAXILLARIS, Março 2010

27


CP Miguel Stanley Mar10.QXP

25/2/10

12:58

Página 28

Ciência e prática Caso clínico Doente do sexo feminino, caucasiana, com 38 anos de idade, não fumadora, apresentou-se na clínica White, com queixas estéticas, respeitantes não só aos dentes, como aos tecidos moles circundantes. Foi-lhe diagnosticada uma doença periodontal, que foi inicialmente controlada com várias consultas de Higiene Oral e de alisamento radicular. Uma vez alcançada a fase de suporte periodontal, foram efectuados retratamentos endodônticos dos dentes 15 e 25, que se apresentavam incompletos, e com evidência de patologia periapical inicial.

Passámos, então, à observação dos defeitos estéticos existentes. Na primeira avaliação estética, observámos uma linha do sorriso alta, sorriso largo com exposição visível até aos segundos pré-molares, linha média desviada para a direita em cerca de 2 mm, presença de triângulos negros entre os dentes anteriores, e diversas restaurações a resina composta infiltradas e pigmentadas. Relativamente ao dente 12, este apresentava-se bastante vestibularizado, com uma margem gengival em posição cerca de 3 mm apical em relação aos dentes adjacentes, e com uma perda óssea superior a 4 mm (figs. 1 e 2).

Fig. 1. O sorriso inicial da paciente.

Fig. 2. Observe-se a margem gengival do dente 12, bastante apical em relação aos dentes adjacentes.

28

MAXILLARIS, Março 2010


publi

11/12/09

11:18

Pรกgina 1


CP Miguel Stanley Mar10.QXP

25/2/10

12:58

Página 30

Ciência e prática Com o diagnóstico realizado, reunimos a nossa equiA colocação imediata é, muitas vezes, acompanhada pa de Reabilitação Oral, conforme semanalmente faze- de processos de regeneração tecidular guiada concomimos na clínica, e discutiram-se as dificuldades e hipóte- tante, permitindo a regeneração selectiva de tecido ses de tratamento. ósseo ao redor da zona exposta do implante. Em casos favoráveis, isto é, alvéolos pós-extracção com quatro paredes íntegras, e com uma jumping distance igual ou Discussão das possibilidades inferior a 2 mm, a simples presença de coágulo sanguíde tratamento neo entre as paredes do álveolo e o implante, é suficiente para que a regeneração espontânea ocorra9. Perante dentes irrecuperáveis em zona estética, como A colocação imediata está, no entanto, contra-indicapoderemos proceder? Sabemos que a extracção dentá- da nos casos de reabsorção óssea extrema. Tal acontece ria é, regra geral, um procedimento traumático, que acar- não só devido à hipotética impossibilidade de obtenção reta perda de tecidos duros e moles durante o processo de uma adequada estabilidade primária, como também de cicatrização do alvéolo dentário, podendo perder par- pelo compromisso estético que acarreta, preponderante te significativa da tábua vestibular durante os primeiros na zona anterior17. meses pós-extracção5. Sabemos, igualmente, que um dos As técnicas de preservação alveolar, ou de aumento requisitos fundamentais para a reabilitação com implan- da crista óssea após a extracção, poderão eliminar protes dentários é uma boa estabilidade primária, essencial blemas no futuro posicionamento dos implantes e devepara o processo de osteointegração, e que poderá ser rão ser sempre tidas em conta quando estabelecemos comprometida em casos de acentuada perda óssea pós- um plano de tratamento para um local comprometido -extraccional. Uma das situações mais difíceis do ponto do ponto de vista periodontal18. de vista de plano de tratamento surge quando é necesTendo em conta tudo isto, há, igualmente, que avaliar sário colocar um implante dentário no local outrora ocu- os tecidos moles e o biótipo gengival da paciente. Um pado por um dente comprometido8, 10. Como poderemos periodonto espesso e plano, com papilas interproximais gerir os defeitos pós-extraccionais associados a dentes curtas, e gengiva queratinizada em abundância será mais periodontalmente comprometidos, e conseguir colocar resistente a eventuais recessões, estando associado a implantes correctamente nesses mesmos locais? Saben- dentes mais quadrangulares 13. Já um periodonto dito do que um dos requisitos na estética, para além da mera “fino”, com contorno festonado, papilas altas e estreitas, osteointegração é o suporte dos tecidos moles, o nível e pouca gengiva queratinizada, apresenta um muito ósseo deverá estar igualado ao dos dentes adjacentes. maior risco de recessão gengival e de presença de fenesA simples extracção, seguida de um período de espe- trações e/ou deiscências ósseas. São estes os casos de ra de seis a doze meses, como tradicionalmente reco- maior risco, obviamente4, 13. mendado, não é, actualmente, desejável para o pacienApós discussão de todas estas questões, o tratamento te. A reabsorção óssea da tábua vestibular, por perda do proposto foi, então, a extrusão ortodôntica controlada ligamento periodontal no álveolo, poderá resultar num do dente 12, de forma a movimentar a margem gengival colapso significativo da crista óssea residual, mesmo em sentido coronal, aumentar o nível ósseo em sentido recorrendo a técnicas de preservação alveolar 1, 2, 6. Esta vertical e alterar a configuração do futuro alvéolo, perperda óssea poderá impedir a posterior colocação de um mitindo assim a posterior colocação de um implante implante dentário ou comprometer o resultado estético dentário na posição ideal. Esta possibilidade de tratadesse mesmo tratamento. mento foi abordada por Salama & Salama15, 16, que definiTendo em conta estes parâmetros, a mera exodontia ram uma classificação baseada na avaliação subjectiva do dente não constituía opção viável, especialmente da destruição óssea e tecidular de um alvéolo, classifinuma doente com exigências estéticas elevadas. Poderí- cando-a como incipiente (tipo 1), moderada (tipo 2) ou amos pensar numa reabilitação com uma ponte adesiva, severa (tipo 3): do tipo Maryland, mas esta não iria satisfazer completaPerante um defeito do tipo incipiente, foi aconselhada mente os requisitos estéticos e funcionais da doente. a colocação imediata de um implante dentário, com ou Pensou-se então em exodontia e colocação imediata sem técnicas de regeneração tecidular concomitantes. Foi de um implante dentário, solução que tem sido apresen- introduzido o conceito de “extrusão” ortodôntica perante tada como adequada perante dentes irrecuperáveis, mas defeitos moderados, e indicada a regeneração tecidular que está limitada a defeitos ósseos ligeiros e poderá prévia à colocação do implante em defeitos severos. comprometer o correcto posicionamento do implante, A eficácia do movimento extrusivo para melhorar a do ponto de vista protético. Como diz Carl Misch, “por- arquitectura óssea e gengival está actualmente bem quê comprometer trinta anos de reabilitação por não documentada. Sabendo que o conjunto das fibras genquerer esperar por três meses de regeneração?”. É impor- givais tem pouca elasticidade, o seu estiramento durantante que nos recordemos sempre da reabilitação subse- te a extrusão do dente causará tensão sobre o osso alvequente, e de que a colocação de implantes dentários olar. Esta tensão estimula a deposição óssea na crista deve ser precedida de um correcto planeamento, e não alveolar. Adicionalmente, este movimento extrusivo da velha máxima “colocar onde existe osso”. As pessoas amplia o volume dos tecidos moles, ao permitir um querem dentes, não querem implantes! aumento da zona da gengiva aderida. Este aumento

30

MAXILLARIS, Março 2010


publi

26/2/10

09:19

Pรกgina 1


CP Miguel Stanley Mar10.QXP

25/2/10

12:58

Página 32

Ciência e prática acontece graças a uma migração em sentido coronal da margem gengival, enquanto que a junção muco-gengival se mantém estável15. As técnicas de regeneração tecidular actuais tratam a maioria dos defeitos durante ou após a extracção, não actuando antes desse acontecimento. É bastante vantajoso que se modifique o potencial defeito antes da extracção. Com o sucesso desse procedimento, limitamos ou eliminamos a necessidade de processos de regeneração tecidular posteriores. Podemos assim afirmar que dentes irrecuperáveis não são necessariamente dentes inúteis. Deveremos aproveitar o que estes ainda têm para nos oferecer, nomeadamente o seu ligamento periodontal e cemento. Esta abordagem funciona melhor em dentes com defeitos ligeiros a moderados, uma vez que ainda apresentarão um adequado suporte periodontal, suficiente para o movimento extrusivo. O objectivo deste movimento será, então, manipular o tecido ósseo e gengival circundante ao dente, de forma a aumentar os tecidos no sentido vertical 7, 15. O movimento extrusivo controlado, poderá ainda ser acompanhado de uma palatinização, que permita uma “reangulação” em sentido palatino do futuro alvéolo, de forma a que o implante possa ser colocado num ângulo e posição que não comprometam a reabilitação protética10, 14. O aumento da dimensão gengival permite ainda melhorias em termos estéticos. Para além de permitir o nivelamento das margens gengivais, esta abordagem poderá permitir ainda a regeneração da papila interdentária, sempre e quando se respeitem as correctas distâncias entre a crista óssea e o ponto de contacto das coroas, conforme documentado por Tarnow 20. Estas alterações dos tecidos moles poderão reduzir ou eliminar a necessidade de procedimentos de cirurgia mucogengival a posteriori15. Devemos, no entanto, recordar, que existem algumas contra-indicações para a extrusão ortodôntica. A presença de lesões crónicas inflamatórias, lesões combinadas endo-perio, ou raízes fracturadas, nas quais o complexo de fibras periodontais estará deveras comprometido, contraindicam este procedimento. Devemos sempre recordar que a extrusão ortodôntica apenas reposiciona a inserção periodontal, não a “regenerando”. Se esta estiver comprometida, assim continuará, mas apenas numa nova posição15.

Sequência de tratamento Iniciou-se o tratamento pela endodontia do dente em questão (efectuada pelo nosso departamento de Endodontia, com instrumentação mecânica ProTaper® e obturação termoplástica), de forma a que se pudesse ir fazendo a tracção ortodôntica sem desconforto para a paciente, e ir reduzindo a dimensão da coroa do dente à medida que este fosse extruíndo (fig. 3).

32

MAXILLARIS, Março 2010

Fig. 3. Tratamento endodôntico do dente 12.

De seguida, foi então colocado um aparelho ortodôntico parcial, com técnica EdgeWise (entre 14 e 24), que permitiu a extrusão ortodôntica controlada do dente 12 durante seis meses (figs. 4, 5, 6 e 7). No final da extrusão ortodôntica (fig. 8), observámos que ainda estávamos um pouco aquém do ideal, situação contornável com um eventual enxerto de tecido conjuntivo do dente em questão e com a gengivoplastia de contorno dos dentes adjacentes, e passámos à fase cirúrgica. Procedemos à exodontia atraumática do dente 12 (figs. 9 e 10), fizemos a inspecção completa do alvéolo, constatando a presença de quatro paredes íntegras, sem fenestrações ou deiscências evidentes, e uma espessura de tábua vestibular de espessura superior a 2 mm. Estes critérios, enquadrados na classificação EDS, permitiram-nos optar pela colocação imediata de um implante dentário. Optámos por um implante com Laser Lok®, microcanais no colo do implante com 8 e 12 µm, que segundo diversos estudos clínicos e laboratoriais, tem apresentado diversas vantagens ao nível da manutenção dos tecidos moles ao redor do implante, sendo bastante adequado para casos estéticos14, 19, 12, 20.


publi

25/2/10

13:26

Pรกgina 1


CP Miguel Stanley Mar10.QXP

25/2/10

12:58

Página 34

Ciência e prática

Fig. 4. Fase inicial do tratamento ortodôntico.

Fig. 5. Fase intermédia do tratamento ortodôntico.

34

MAXILLARIS, Março 2010


CP Miguel Stanley Mar10.QXP

25/2/10

12:58

P谩gina 35

Fig. 6. Fase final do tratamento ortod么ntico.

Fig. 7. Uma das diversas fases do tratamento ortod么ntico.

MAXILLARIS, Mar莽o 2010

35


CP Miguel Stanley Mar10.QXP

25/2/10

12:58

Página 36

Ciência e prática

Fig. 8. Margem gengival do dente 12 no final do tratamento ortodôntico.

Figs. 9 e 10. Alvéolo após exodontia atraumática do 12.

Foi, assim, colocado um implante BioHorizons® Tapered Laser Lok®, de conexão interna, com 3,8 mm x 15 mm, e um torque de inserção de 50 Ncm (figs. 11 e 12). Algum do tecido ósseo autógeno recolhido durante a preparação do leito implantar foi aplicado ao redor do implante, facilitando a manutenção do volume dos tecidos peri-implantares (figs. 13 e 14).

36

MAXILLARIS, Março 2010


publi

24/2/10

13:15

Pรกgina 1


CP Miguel Stanley Mar10.QXP

25/2/10

12:59

Página 38

Ciência e prática

Figs. 11 e 12. Colocação imediata do implante dentário.

Fig. 13. Enxerto ósseo autógeno recolhido durante a preparação do leito implantar.

38

MAXILLARIS, Março 2010


publi

2/10/09

14:34

Pรกgina 1


CP Miguel Stanley Mar10.QXP

25/2/10

12:59

Página 40

Ciência e prática

Fig. 14. Colocação do enxerto ósseo autógeno em redor do implante imediato.

Durante o período de osteointegração, foi colocada uma ponte adesiva estética ancorada na face palatina dos dentes 13 e 11, com um pôntico ovóide, que manteve a estética e função da paciente, ajudando ainda na conformação das papilas interdentárias e da margem gengival 13 (figs. 15 e 16).

Fig. 15. Uma das fases durante a cicatrização do implante, com ponte provisória.

Fig. 16. Uma das fases durante a cicatrização do implante, com ponte provisória.

Passados três meses, e depois de ter sido efectuado um branqueamento dos dentes inferiores, passámos à fase da preparação dos dentes e impressões definitivas (fig. 17). Foi feita a preparação dos dentes 15-25 (que apresentavam diversas restaurações a resina composta infiltradas e algumas lesões de cárie), para coroas totais em cerâmica pura, impressões sobre dentes e o implante com Impregum® (3M), registo intermaxilar com Oclufast® (Zhermack® Clinical) e coroas provisórias directas, confeccionadas em Structur® (Voco) a partir do molde inicial.

40

MAXILLARIS, Março 2010


publi

25/2/10

13:28

Pรกgina 1


CP Miguel Stanley Mar10.QXP

25/2/10

12:59

Página 42

Ciência e prática

Fig. 17. Dentes preparados, previamente à impressão definitiva.

Na consulta seguinte, foi feita a prova do pilar sobre o implante e das coroas em cerâmica pura (figs. 18 e 19), e posteriormente a cimentação com cimento de resina composta RelyX® (3M) (figs. 20 e 21). De realçar que nesta reabilitação, tentámos obter pontos de contacto tão baixos quanto possível (até 5 mm entre a crista óssea e o ponto de contacto), de forma a que, tal como preconizado por Tarnow20, se consiga um preenchimento completo dos triângulos negros apresentados pela paciente por papila interdentária num prazo até seis meses após a cimentação (figs. 21, 22 e 23).

Fig. 18. Coroas em cerâmica pura no modelo de trabalho.

Fig. 19. Prova radiográfica da coroa sobre o implante.

42

MAXILLARIS, Março 2010


CP Miguel Stanley Mar10.QXP

25/2/10

12:59

Página 43

Figs. 20 e 21. Coroas em cerâmica pura após cimentação.

Figs. 22 e 23. O resultado final, dois meses após a cimentação.

MAXILLARIS, Março 2010

43


CP Miguel Stanley Mar10.QXP

25/2/10

12:59

Página 44

Ciência e prática Finalizámos o tratamento com uma consulta de higiene oral, para remoção de eventuais resíduos de cimento de resina, que poderiam colocar em causa o controlo periodontal e o sucesso estético a longo prazo desta reabilitação, tendo sido igualmente reavaliada a oclusão da paciente, factor fundamental em tratamentos desta natureza.

Fig. 24. Comparação do nível gengival inicial e final.

Conclusão O movimento extrusivo controlado de um dente é um procedimento previsível, que permite migrar em sentido coronal a posição da gengiva marginal e da crista óssea, com vista à posterior colocação de um implante dentário. Isto permite-nos que, a posteriori, o futuro implante dentário seja colocado na melhor posição possível, proteticamente guiada 8, com óptima estabilidade primária e com contornos gengivais harmoniosos, o que é uma enorme mais-valia, sobretudo em casos na zona estética. Conseguimos assim uma colocação de implantes com resultados mais previsíveis em locais que, à partida, seriam inadequados ou com fraco potencial estético.

Bibliografia 1. 2. 3. 4. 5.

Araújo, Linder, Lindhe: Effect of a xenograft on early bone formation in extraction sockets: an experimental study in dog. Clin Oral Imp Res, 20, 2009. Araújo MG, Lindhe J: Dimensional ridge alterations following tooth extraction.An experimental study in the dog. Clin Periodontol 2005 – Feb 32 (2), 212-218. Botticelli D, Berghlundh T, Buser D, Lindhe J: The jumping distance revisited: an experimental study in the dog.Clin Oral Maxillofacial Implants Research, 2003, 1, 35-42. Caplanis N, Lozada J, Kan J: Extraction defect assessment,classification and management. CDA Journal, Volume 33, Number 11, November 2005. Cardaropoli G, Araújo M, Hayacibara R, Sukekaya F, Lindhe J: Healing of extraction sockets and surgically produced – augmented and non-augmented defects in the alveolar ridge.An experimental study in the dog. J Clin Periodontol 2005 May; 32 (5); 435-40. 6. Froum S, Cho S, Francisco H, Park Y, Elian N,Tarnow D: Using Biological Principles to Attain the Desired Implant Aesthetic Result: Preserving Gingival Height with Immediate Placement and Provisionalization-Two Case Reports. Practical Procedures & Aesthetic Dentistry. Volume 19. No. 10. 2007. 7. Funato A, Salama M, Ishikawa T, Garber D, Salama H: Timing, positioning and sequential staging in esthetic implant therapy: a 4-dimensional perspective. Int J Perio Restorative Dent 2007 – Aug,27 (4), 313-23. 8. Garber DA, Belser UC: Restoration driven implant placement with restoration-generated site development.Compend Contin Educ Dent 1995; 16:796-804. 9. Gottlow J, Nyman S, Karring T, Lindhe J: New attachment formation as a result of controlled tissue regeneration.J Clin Periodontol 1984, 11, 494-503. 10. Grunder U, Gracis S, Capelli M: Influence of the 3-D bone-to-implant relationship on esthetics. Int J Periodontics Restorative Dent – April 2005, 25 (2): 113-119. 11. Myenberg KH,Imoberdorf MJ: The aesthetic challenges of single tooth replacement: a comparison of treatment alternatives. Pract Proced Aesthet Dent, 1997 – 9 (7). – 727-735. 12. Nevins M, Camelo M, Boyesen J, Kim D: Human histologic evidence of a connective tissue attachment to a dental implant. International Journal of Periodontics and Restorative Dentistry, 28(2):111-120, 2008. 13. Olsson M, Lindhe J: Periodontal characteristics in individuals with varying form of the upper central incisors. J Clin Periodontol 18 (1): 78-82, 1991. 14. Ricci J, Alexander H: Laser Microtexturing of Implant Surfaces for Enhanced Tissue Integration. Key Engineering Materials, Vols 198-199 (2001) pp. 179-202. Trans Tech Publications. Switzerland. 15. Salama H, Salama M, Kelly J: The orthodontic-periodontal connection in implant site development. Pract Periodontics Aesthetic Dent 1996 Nov-Dec 8 (9), 923-932. 16. Salama H, Salama M: The role of orthodontic extrusive remodeling in the enhancement of soft and hard tissue profiles prior to implant placement: a systematic approach to the management of extraction site defects.IJPRD, Volume 13, Number 4, 1993. 17. Sclar AG: Strategies for management of single-tooth extraction sites in aesthetic implant therapy. Journal of Oral Maxillofacial Surgery, 62: 90-105, 2004. 18. Seibert J, Nyman S: Localized ridge augmentation in dogs.A pilot study using membranes and hidroxyapatite. Periodontol 1990, 61, 157-165. 19. Simon JL, Heair J, Khanna Y, Ehrenberg D, Ricci J, Zweig B, Weiner S: The Effects of Laser Microtextured Collars Upon Crestal Bone Levels of Dental Implants. Accepted for publication, Implant Dentistry. 20. Tarnow DP, Magner AW, Fetcher P: The effect of the distance from the contact point to the crest of boen on the presence or absence of the interproximal dental papilla. J Period 1992 : 63 995-996. 21. Weiner S, Simon J, Ehrenberg DS, Zweig B, Ricci J: Advanced Surface Microtexturing Techniques to Enhance Bone and Soft Tissue Response to Dental Implants. Accepted for publication, Implant Dentistry.

44

MAXILLARIS, Março 2010


publi

9/10/09

13:33

Pรกgina 1


normas.qxp

27/11/09

13:46

Página 2

Prémio M A X I L L A R I S 3ª Edição Nov. 2009 / Julho 2010 Com o patrocínio exclusivo dos Laboratórios Inibsa, S.A. MAXILLARIS Portugal, em colaboração com Laboratórios Inibsa, S.A., promove o Prémio MAXILLARIS ao Melhor Artigo Científico. O objectivo deste concurso é distinguir os melhores artigos publicados na secção de “Ciência e prática” desta revista no período compreendido entre Novembro de 2009 e Julho de 2010 (inclusive). Um júri formado por três profissionais da Medicina Dentária de reconhecido prestígio avaliará os trabalhos participantes, premiando os artigos de acordo com critérios de qualidade e interesse clínico. Leia atentamente as condições gerais do concurso... ...e envie-nos os seus trabalhos!


normas.qxp

27/11/09

13:46

Página 3

ao Melhor Artigo Científico Condições gerais 1. O Prémio MAXILLARIS ao Melhor Artigo Científico é dirigido a profissionais da Medicina Dentária de todas as nacionalidades, cuja prática profissional seja exercida em Portugal. 2. Não serão admitidos a concurso os artigos em que figure como autor qualquer membro da Comissão Científica desta revista. 3. Os trabalhos candidatos estão sujeitos ao regulamento de publicação de artigos científicos na revista MAXILLARIS (consultar regras de publicação). Os artigos científicos devem ser remetidos para o e-mail portugal@maxillaris.com ou endereço postal: Largo Alberto Sampaio, 3-A / 2795-007 Linda-A-Velha. 4. Mediante decisão de um júri formado por três profissionais de Medicina Dentária de reconhecido prestígio, serão atribuídos os seguintes prémios: • 1º Prémio (no valor de 3.000 euros) • 2º Prémio (no valor de 1.500 euros) 5. A sessão de atribuição e divulgação dos prémios terá lugar em Novembro de 2010, em data e local por determinar.

Regras de publicação • Os artigos não podem ter sido editados em outra publicação. • O texto deve ser enviado em formato word (CD ou correio electrónico). • O conteúdo não deve ser publicitário (não admitimos comparações entre produtos nem trabalhos destinados apenas a exaltar as características de marcas comerciais), ainda que possam constar nomes de produtos ou aparelhos utilizados no decorrer do trabalho. • O artigo deve estar estruturado, no mínimo, em: introdução, desenvolvimento, conclusões e bibliografia. • A bibliografia deverá ser organizada respeitando a ordem em que for apresentada no texto (quando a ela se faça referência) ou por ordem alfabética, e indicada da seguinte maneira: Fernandes Viera APG, Meneses JMS, Maia RL. Cementoblastoma related to aprimary tooth: a case report. J Oral Pathol Med (2007) 36: 117-9. • Fotografias em formato jpg ou tiff, escaneadas a 300 pixels por polegada, com dimensões mínimas de 9 cm de largura. Caso não seja possível, enviar-se-ão os originais para ser escaneados na nossa redacção. • Foto do primeiro autor. • Nome, apelidos e titulação de todos os autores. • Correio electrónico do autor, ao qual enviaremos a maqueta para revisão antes da publicação. Nota: após recepção do artigo, este será enviado ao nosso comité científico para aprovação da publicação.

M A XILL ARIS Largo Alberto Sampaio, 3 a. 2795-007 Linda-A-Velha, Lisboa. Tel.: 707 50 33 28 • Fax: 214 146 219 portugal@maxillaris.com


Documentario Mar10.qxp

26/2/10

09:58

Página 48

Documentário

O lado mais natural da Medicina Dentária

As medicinas complementares, desde a acupunctura à hipnose clínica, são cada vez mais procuradas pelos portugueses. Mas apesar destes tratamentos ditos naturais estarem agora mais na “moda”, já chegaram aos consultórios dentários nacionais há muitos anos. O número de médicos dentistas que os utilizam não é conhecido. Porém, sabe-se que é uma tendência, devido ao aumento da procura e do sucesso das intervenções, que têm como máxima ver o paciente como um todo, através das suas características físicas e psíquicas. Por Maria João Araújo 48

MAXILLARIS, Março 2010

S

erá que o médico dentista pode recorrer à audioanalgesia para eliminar a dor, medo ou ansiedade do paciente durante uma cirurgia de implante? Ou usar a hipnose para levar pessoas com bruxismo a não resistir ao uso de placas de mordida? E será que também pode recorrer à acupunctura para extrair um dente no caso de um paciente alérgico à anestesia ou materiais dentários? Nos últimos anos, tem-se observado um número crescente de médicos dentistas a introduzirem as medicinas complementares na sua prática diária clínica. Há um ano, o próprio Conselho Deontológico e de Disciplina da Ordem dos Médicos Dentistas (OMD) reconheceu a prática da acupunctura, em específico, pelos seus profissionais, à semelhança do que a Ordem dos Médicos fez sete anos antes. A Declaração de Princípios da Federação Dentária Internacional (FDI) sobre “O uso da acupunctura na Medicina Dentária” foi também adoptada pela Assembleia-Geral em 2002, em Viena (Áustria) e revista em 2008, em Estocolmo (Suécia). Mas tal como diz a Recomendação da OMD, uma vez que esta prática não consta expressamente do perfil profissional do médico dentista, nem através da lei especial dos currículos superiores da sua formação, o profissional dentário tem que adquirir formação adequada à sua prática. Isto é fundamental, porque obriga a um correcto manuseamento dos métodos e equipamentos que lhe estão associados, como agulhas sólidas, laser, electro-acupunctura e estimulação transcutânea do sistema nervoso.


Documentario Mar10.qxp

26/2/10

09:58

Página 49

Rui Caldevilla, médico dentista há mais de 20 anos, foi em busca dessa formação, quer na área da acupunctura, como da cromoterapia, reiki, hipnose clínica, medicina sintergética, ayurvédica ou tradicinal chinesa. Isto, porque a licenciatura em Medicina Dentária, frequentada na Escola Superior de Medicina Dentária do Porto, não o preenchia na totalidade. “Desde muito miúdo que tenho algumas características, que é ser um bocadinho mais intuitivo, talvez mais sensível. Primeiro, achei que devia ir para padre, mesmo contra vontade dos meus pais. Estudei até aos treze anos num Seminário, mas não tinha nada a ver com aquilo que eu buscava. E foi aí que decidi seguir a área de Saúde, porque queria ajudar pessoas”, revela à MAXILLARIS. Desta forma, foi “seguindo toda uma voz interior e tinha discussões académicas com professores, porque achava que se estava a ver numa situação muito reduzida”, acrescenta.

O paciente como um todo Para Caldevilla, “não adianta dizer que a cárie é uma doença multifactorial. A questão é dar ao paciente alguma consciência para ele ser responsável pela sua saúde”. A sua perspectiva é olhar o paciente como um todo, sem separar a parte emocional da física. “Nunca entrou no meu consultório um molar. Entra aqui um molar na boca de alguém e essa boca de alguém nunca entrou sozinha. Entrou com um coração, com pernas, com sentimentos, com emoções”, justifica. E acrescenta: “Não há nenhum médico especial, não há nenhum terapeuta especial, há é pacientes especiais”. Muitos dos pacientes de Rui Caldevilla procuram-no nos seus consultórios, no Porto e em Lisboa, por terem conhecimento da sua prática de medicinas complementares há mais de dez anos. Mas outros são-lhe reencaminhados por colegas médicos dentistas ou de outras especialidades no sector da Saúde. A razão é “porque chegaram à conclusão que não estão a ir mais longe”, assegura. Para tal, dá um exemplo: “ainda hoje tive aqui uma menina, de sete anos, que tem alopécia. É muito estranho porque não se encontra a causa. Mas se calhar a causa não é só física, mas emocional”.

«

Rui Caldevilla

Nunca entrou no meu consultório um molar. Entra aqui um molar na boca de alguém e essa boca de alguém nunca entrou sozinha. Entrou com um coração, com pernas, com sentimentos, com emoções

»

Rui Caldevilla, médico dentista e formado em medicinas complementares, no seu consultório, no Porto.

À Clínica Da Vinci, em Oeiras, que alia a medicina convencional á medicina complementar, também chegam pacientes reencaminhados por médicos dentistas ou outros profissionais de Saúde, que não dispõem desses serviços. No que diz respeito à área dentária, “podemos complementar uma disfunção em ortodôncia através da medicina quântica, acupunctura, shiatsu e osteopatia, nomeadamente a vertente craniosacral”, afirma à MAXILLARIS Cátia Antunes, naturopata e coordenadora da clínica, em funcionamento há dois anos. Marta Dinis, especialista da clínica em acupunctura, afirma que já tratou “com sucesso dores de dentes, tensão nos maxilares e problemas de trigémeo”. E Rui Esteves, por sua vez especializado em osteopatia, revela que já tratou “disfunções de articulação temperomandibular (ATM), dores relativas à contractura do masseter e incapacidade de abrir a boca”. Há também alguns casos de pessoas “que já recorreram a alguns dentistas e que, por falta de melhoria do quadro clínico – diagnósticos menos acertados, terapêuticas com doses desadequadas – decidiram recorrer aqui a tratamentos alternativos” a título pessoal, revela Cátia Antunes. “Isto acontece mais em nevralgias e problemas da ATM”, acrescenta. Quanto ao grau de satisfação dos pacientes, Cátia Antunes frisa que “o feedback é muito bom”. Porque “quando se actua nas causas dos problemas e quando se encara o organismo como um todo, os resultados são obtidos com bastante sucesso”, conclui. Gonçalo Assis, médico dentista e que está a preparar-se para incluir a acupunctura nas suas consultas na Amadora, refere o que está na origem do sucesso desta prática. “Assinalo o facto de alguns pacientes não reagirem bem à anestesia e, em alguns casos, esta tem sido substituída ou actua em conjunto com a acupunctura”. “Outra grande vantagem é o efeito relaxante e calmante que a acupunctura exerce sobre os pacientes que, como é do conhecimento de todos, vêm bastante ansiosos à consulta de Medicina Dentária”, acrescenta o médico dentista lisboeta.

MAXILLARIS, Março 2010

49


Documentario Mar10.qxp

26/2/10

09:59

Página 50

Documentário

«

Cátia Antunes

Quando se actua nas causas dos problemas e quando se encara o organismo como um todo, os resultados são obtidos com bastante sucesso

Cátia Antunes é naturopata e na sua clínica, em Oeiras, trata alguns problemas dentários através de medicinas complementares como, por exemplo, shiatsu.

Combater medos e mitos Apesar das vantagens do recurso às medicinas complementares e do seu aumento no país, ainda existe alguma resistência. Por exemplo, “há muita gente com um medo enorme das agulhas da acupunctura, que pensam que dói a picar. Mas a agulha da acupunctura é uma coisa muito fininha e que a pessoa raramente sente. E quando sente é porque está num ponto sensível, onde existe um fluxo de energia”, defende Rui Caldevilla. No caso da hipnose, a médica dentista Rosa Isabel Alexandre, pós-graduada em Hipnose e Técnicas de Relaxamento aplicadas à Medicina Dentária pela University College of London (Reino Unido), também refere que “infelizmente ainda há pouca aceitação” em Portugal. “As pessoas ainda pensam que a hipnose é algo que as faz perder o controle. E sendo pouco divulgada, aquela que persiste na cabeça das pessoas é a hipnose de palco, que não tem nada a ver com a hipnose utilizada para fins terapêuticos”, informa. À MAXILLARIS explicou que “com o uso da hipnose o paciente aprende a concentrar-se em si, nos seus pensamentos e imaginação, abstraindo-se do que se passa à sua volta, sabendo que não está a dormir ou inconsciente, e que a qualquer momento pode parar todo o procedimento”. Rosa Isabel Alexandre ainda realça que “todos nós entramos em transe todos os dias, seja quando vamos a conduzir e damos connosco no destino sem nos lembrarmos do percurso percorrido, seja quando estamos a ler um livro ou a ver um filme e nos absorvemos tanto na história, que nos abstraímos de tudo o resto à nossa volta”. A médica dentista da Marinha Grande, que atende normalmente mais mulheres do que homens no campo da hipnose, maioritariamente entre os 30 e os 50 anos, ainda defende que há alguns mitos relativamente ao recurso às terapias complementares na Medicina Dentária, quer dentro da classe como na população em geral.

50

MAXILLARIS, Março 2010

»

No que diz respeito à hipnose, “o grande mito é que o hipnotista pode levar o paciente a um estado de inconsciência com perda completa de controlo. Como referi antes, penso que todas estas ideias vêm do que o paciente vê na televisão com a hipnose de palco, onde as pessoas são levadas a fazer coisas estúpidas e os espectadores acabam a rir às gargalhadas”, diz. Por isso, Rui Caldevilla só sugere o tratamento dentário com recurso a medicinas complementares “quando a pessoa dá algum espaço para que isso aconteça”. Mas acrescenta: “Se a pessoa me procura para lhe tratar um dente, não preciso de ser demasiado abrangente. Apesar que acho que a pessoa ganha com isso”. Desta forma, para sentir o paciente mais relaxado e à-vontade com o tratamento dentário, o médico dentista portuense prefere utilizar a anestesia normal.“Porque é mais rápida e sei que a pessoa confia muito mais e não vai questionar-se: ‘Será que estou mesmo a dormir? Será que estou mesmo anestesiado? Será que estou mesmo hipnotisado? Será que essa agulha está no sítio certo?’”, avança. Para combater estes medos e receios, Isabel Leal, especializada no acompanhamento familiar a crianças e jovens com dificuldades na área comportamental, defende no seu livro “Meditação para crianças – Fonte de Bem-estar e de Paz Interior” que a meditação é uma solução.

Isabel Leal, escritora, palestrante e formadora, que desenvolveu os seus estudos no Oriente e EUA, revela que através da meditação é possível controlar o medo e o stress na ida ao dentista.


publi

24/2/10

13:13

Pรกgina 1


Documentario Mar10.qxp

26/2/10

09:59

Página 52

Documentário “O stress vivido antes de chegar ao dentista, no sofá da sala de espera e na cadeira do dentista, pode ser ultrapassado com a disciplina de Meditação, uma vez que esta remete para um estado emocional de serenidade”, diz à MAXILLARIS Isabel Leal.

Meditação como solução A formadora refere que os estudantes de Meditação treinam “postura, respiração e foco, uma vez que estes são os pilares para a aprendizagem desta técnica” e que “o foco ou a atenção que se coloca num tema ou situação é estudado e treinado para alcançar melhores resultados em todas as áreas da vida da criança”. Ainda acrescenta que “pode ser treinado em família, sem contra-indicações e ajuda no auto-conhecimento, auto-disciplina, sensibilidade musical e gestão do stress emocional”. Segundo a formadora, “pacientes e dentista podem beneficiar da disciplina meditativa, uma vez que esta acalma e por este motivo a consulta pode ser mais produtiva”. Na sua opinião, “uma das frustrações dos dentistas reside no facto de verem os seus pacientes grandes e pequenos com um ar agitado, desconfiado e nervoso”. Por isso, sugere que “o médico também medite”, porque “estar na presença de uma pessoa que medita é já por si um excelente calmante”. Durante a consulta, dentista e paciente podem também tirar partido da musicoterapia se a música ambiente do consultório for “com sons de água de mar ou rio, natureza com pássaros. O paciente é inconscientemente transportado para um cenáro diferente que contém elementos relaxantes e vai aceitar o tratamento de modo mais sereno”, justifica. Tal como a música, as cores também podem ajudar o paciente a ultrapasar certas situações durante a consulta dentária. No campo da cromoterapia, Rui Caldevilla dá um exemplo prático: “A cor da inflamação é o vermelho, que representa calor. Então, se eu disser à pessoa para imaginar que tem uma luz azul numa pulpite, estou a esfriar o calor. Se a pessoa imaginar que está a esfriar o calor, baixa-lhe a dor”. A médica dentista Rosa Isabel Alexandre aplica as técnicas de relaxamento e de hipnose, que aprendeu na University College of London (Reino Unido), na sua clínica na Marinha Grande.

Há muitas pessoas que pensam que as agulhas da acupunctura doem. Mas Rui Caldevilla afirma que “a pessoa raramente sente”.

Outros medos e fobias associados a uma consulta dentária podem ser ultrapasados através da hipnose ou de técnicas de relaxamento. “Sejam eles o medo das agulhas, o medo da broca, o reflexo do vómito e o controle da dor”, enumera Rosa Isabel Alexandre. A médica dentista informa ainda que as técnicas que utiliza em Portugal “são exactamente as mesmas que se aplicam no Reino Unido. A grande diferença reside na aceitação por parte dos pacientes e no número de colegas que aplica a hipnose no Reino Unido, que é substancialmente maior do que cá”. No caso de Rui Caldevilla, formador na área de hipnose clínica e membro fundador da Associação Portuguesa de Hipnose Clínica e Experimental, os sete anos que viveu no Brasil ajudaram-no a ter um contacto mais profundo com as medicinas complementares. E, enquanto defensor do xamanismo, chama a atenção para o papel dos xamãs e dos pais de santo, “que são terapeutas, que estão ali a fazer terapia gratuita”. “Nós desprezamos tudo isto em termos antropológicos e em termos científicos. E cada vez mais a Física Quântica tem vindo a provar o quanto está certa a ayurvédica há oito mil anos e a medicina tradicional chinesa há cinco mil. Eles trabalham para além da fronteira que é a pele, e até mesmo as emoções e os sentimentos numa visão mais clássica da própria Psicologia”, conclui o especialista em etnomedicina.

«

Rosa Isabel Alexandre

Com o uso da hipnose o paciente aprende a concentrar-se em si, nos seus pensamentos e imaginação, abstraindo-se do que se passa à sua volta, sabendo que não está a dormir ou inconsciente

52

MAXILLARIS, Março 2010

»


publi

24/2/10

13:18

Pรกgina 1


Documentario Mar10.qxp

26/2/10

09:59

Página 54

Documentário

«

Marina Mourão Ferreira

Os pacientes procuram-nos não só para tratar os dentes. Eles querem conforto, atenção, apoio, motivação

Antiga arte chinesa

»

Da China também chegou até Portugal o Feng Shui, uma técnica com mais de 3.500 anos, cuja tradução literal significa “vento” e “água”. Este saber milenar visa a integração saudável do Homem no espaço onde vive, convive ou trabalha, gerando uma influência positiva à sua volta, contribuindo assim para o aumento do seu bem-estar e saúde. Seguindo essa premissa, a médica dentista brasileira Marina Mourão Ferreira, que exerce Medicina Dentária em Portugal há 18 anos, decorou recentemente os seus dois consultórios, em Ourém e em Caxarias, com as regras do Feng Shui. “E coincidência ou não, a clientela triplicou”, revelou à MAXILLARIS. Já há algum tempo que a médica dentista estudava os princípios do Feng Shui. “Eu sou uma pessoa com uma curiosidade extrema e interesso-me em particular pelas culturas milenares. Foi numa dessas incursões que descobri o Feng Shui e fiquei maravilhada. Comecei a comprar livros e manuais, e quando achei que tinha o mínimo de conhecimento sobre o assunto, coloquei em prática na minha vida pessoal e profissional, e os resultados foram surpreendentes”, revela. Os seus pacientes “gostaram imenso, porque além de confortável não se parece nada com os consultórios tradicionais, mas sim com uma sala de estar”, conta.

Os espaços espaços das das clínicas clínicas Os de Marina Marina Mourão Mourão Ferreira Ferreira de assemelham-se mais mais aos aos assemelham-se de uma uma casa casa do do que que aos aos de de um um de consulório dentário dentário tradicional. tradicional. consulório

54

MAXILLARIS, Março 2010

A médica dentista Marina Mourão Ferreira afirma que a sua “clientela triplicou” desde que aderiu ao Feng Shui nas suas duas clínicas.

“E fiquei muito contente, porque a minha intenção era mesmo essa: criar um ambiente com o meu cunho pessoal e fazer com que esquecessem que estavam no dentista. Assim, ficam mais tranquilos e consigo trabalhar melhor e em paz”, salienta. Quanto à influência desta decoração nos pacientes e no seu trabalho na clínica, a médica dentista, natural de Águas Formosas (Brasil), diz que “mais do que nunca os pacientes procuram-nos não só para tratar os dentes. Eles querem conforto, atenção, apoio, motivação. E se com a ajuda do Feng Shui podemos reforçar estes laços ao criar ambientes harmoniosos e felizes, então, com certeza atrairemos a boa sorte em todos os outros níveis”. Para se alcançar o equilíbrio, a cor é um instrumento de decoração muito importante. “Devemos ter muito cuidado na escolha da cor, pois podemos criar um ambiente muito stressante ou monótono”, informa. Além disso, há outras regras a ter em conta. “Os acessos devem ser o mais livre possível, desde a rua até ao interior do consultório. Os cantos, onde normalmente se acumulam as energias negativas, devem estar bem limpos e, se possível, deve-se colocar aí uma planta ou um candeeiro, caso seja um local escuro. E as quinas das paredes e móveis devem ser arredondadas para facilitar o deslizamento de energia e evitar que alguém se magoe”, explica. Mas a médica dentista de Ourém não teve em conta apenas estas regras de decoração. “Não só decorei, como também procurei o lugar ideal para montar os consultórios, pois temos que ter em conta a área circundante, de modo a proporcionar a todos um ambiente aconchegante e alegre”, lembra. Segundo Marina Mourão Ferreira, esta prática é muito comum do outro lado do Atlântico. “Muitos arquitectos brasileiros estão usando estes conhecimentos milenares dos chineses em casas, locais de trabalho e outros ambientes para criar harmonia, calma, prosperidade, saúde, bem-estar e outras coisas”, afirma.


Documentario Mar10.qxp

26/2/10

09:59

Página 55

Medicinas do Mundo No que diz respeito às medicinas complementares, não se sabe ao certo quantos médicos dentistas recorrem a estas técnicas em Portugal. Mas, por exemplo, na vizinha Espanha, há cerca de 20 odontólogos holísticos no activo. Segundo María Judith Gelfo Flores, directora do Centro de Odontología Holística, em Madrid (Espanha), em declarações à MAXILLARIS, “somos muitos os que fazemos cursos, mas às vezes é muito difícil passar à prática: há um medo enorme de que o paciente veja que a clínica mudou de conceito, e é um receio maior nas pequenas cidades do que nos grandes centros”. A médica dentista Marina Mourão Ferreira partilha com a dentista espanhola o mesmo sentimento. “Sou adepta dos florais de Bach, porque aliviam os males da alma e tenho sempre em casa para utilizar em alturas críticas”. Quanto a usá-los em pacientes, a dentista diz: “Já falei com alguns sobre o assunto, mas no Interior do país é complicado, porque associam à bruxaria, uma vez que desconhecem completamente o assunto”.

Normalmente antes de iniciar um tratamento dentário, no Centro de Odontología Holística, em Madrid (Espanha), Mª Judith Gelfo Flores prepara o paciente com aromaterapia ou flores de Bach.

«

María Judith Gelfo Flores

Somos muitos os que fazemos cursos, mas às vezes é muito difícil passar à prática: há um medo enorme de que o paciente veja que a clínica mudou de conceito, e é um receio maior nas pequenas cidades do que nos grandes centros

»

María Judith Gelfo Flores, que pratica odontología holística há 20 anos, em Espanha, refere que em países como “Alemanha e França existe muita tradição em homeopatia e em oligoterapia, que é uma disciplina baseada na utilização de certos minerais e metais”. “Nos EUA há um crescente interesse por tudo o que está relacionado com a toxicologia e em Itália há uma grande procura de técnicas de posturologia. A única das medicinas alternativas com acreditação para odontologia é a posturologia, que é concedida pela Universidade de Palermo (Itália)”, acrescenta. Mas toda esta procura deve-se também às características socio-culturais de cada país. Por isso, Rui Caldevilla gosta de chamar às várias especialidades que pratica “etnomedicinas”. “Pelo simples facto que eu posso aprender com um chinês, na China, a aplicar agulhas e etc. Mas depois chego a Portugal e não tem o mesmo efeito. Claro, porque nós não temos a mesma alimentação, a mesma cultura, os mesmos hábitos, as mesmas práticas”, explica. Para o médico dentista, a solução é ter que se “adaptar etnicamente ao povo português”. Assim, “nem sempre é necessário usarem-se agulhas. Basta usar a intuição, a imaginação, captar informação e colocar na pessoa a responsabilidade pela sua própria saúde”, justifica. Aqui reside o objectivo final das medicinas complementares, que é encontrar a origem do problema e actuar no campo da prevenção. Na Medicina Dentária, a filosofia também segue os princípios do holismo: tratar a boca com consciência de que o corpo humano é um todo. Porque “a boca não é só dentes, gengivas, língua e tecidos”, frisa María Judith Gelfo Flores. A boca está em contacto com outros membros do corpo humano e há doenças que se manifestam nela, mas que podem estar relacionadas com outras sensibilidades, emoções ou instabilidades da vida diária de cada indivíduo. Por isso, “actuamos nesse jogo da procura do equilíbrio, que tem como resultado final a saúde”, conclui.

MAXILLARIS, Março 2010

55


Documentario Mar10.qxp

26/2/10

09:59

Página 56

Documentário Dicionário

A análise de padrões, cores e outras características permite que se conheçam as condições gerais de saúde, baseada na suposição de que alterações na íris reflectem doenças específicas em órgãos.

Acupunctura: ramo da medicina tradicional chinesa, que recorre a agulhas muito finas com a finalidade terapêutica de reequilibrar o fluxo energético do organismo ou para induzir um efeito analgésico.

Massagens terapêuticas:prática de aplicar força ou vibração sobre tecidos macios do corpo, incluindo músculos, tecidos conectivos, tendões, ligamentos e articulações para estimular a circulação, mobilidade, elasticidade ou alívio de determinadas dores corporais.

Aromaterapia: utiliza óleos esenciais, visando o equilíbrio do Musicoterapia: aplicação de música e sons com a finalidade de relaxar e minimizar a tensão corporal. ser humano. Arteterapia: usa actividades e criações artísticas como canalização Naturologia: pseudociência que estuda métodos naturais, antigos, tradicionais e modernos de cuidado, que visam a promoção, mada energia do indivíduo. nutenção e recuperação da saúde, melhoria da qualidade de vida e Audioanalgesia: aplicação da música para aumentar o equilíbrio do ser humano com o meio em que vive. relaxamento e distrair a mente do paciente da sensação de dor. Naturopatia: enfatiza a capacidade intrínseca do corpo para curarAuriculoterapia: é uma técnica de diagnóstico e tratamento ba- -se e manter-se. Os naturopatas utilizam recursos naturais como seada no pavilhão auricular. Este tratamento através da orelha ervas e alimentos em vez de fármacos sintéticos e cirurgias, estambém é designado por auriculopunctura ou terapia auricular, e é timulando as defesas naturais do corpo. praticada há milénios pelos chineses. Oligoterapia: trata as doenças através da administração de Ayurveda: conhecimento médico desenvolvido na Índia há pequenas quantidades de minerais para suprir as necessidades cerca de 7.000 anos, que significa em sânscrito “ciência (veda) da orgânicas do indivíduo. vida (ayur)”. Continua a ser a medicina oficial na Índia e tem-se difundido por todo o mundo como uma técnica eficaz de me- Ortomolecular: restabelece o equilíbrio por meio de correcções moleculares através da utilização de antioxidantes. dicina tradicional. Bionergética: procura comprender a personalidade humana partindo do binómio corpo-mente. Dá mais importância ao crescimento pessoal do que à cura das doenças. Há quem a pratique para se manter em forma ou para aumentar a auto-estima.

Osteopatia: surgiu nos EUA no século XIX e consiste no alinhamento ou realinhamento dos ossos e músculos, visando o alívio da tensão corporal. Utiliza essencialmente métodos de tratamento à base de manipulações suaves.

Posturologia: tem como objectivo estudar e curar os distúrbios resultantes dos problemas de postura. Por exemplo, assimetrias nas articulações do maxilar inferior com o superior, ter mais dentes de um lado do que de outro ou assimetria na mastigação, podem ser ser responsáveis por problemas de postura com fortes dores associadas como dores de cabeça ou de ouvidos, podendo Fitoterapia: terapia através de plantas ou ervas medicinais, mesmo originar lesões do ouvido interno que provocam vertigens utilizada com a finalidade de restaurar as funções do corpo humano ou zumbidos. e tratar os seus sintomas. Reiki: basea-se na canalização da energia universal (rei) através da Florais de Bach: utiliza a essência vital de flores para curar a mente imposição de mãos, com o objectivo de restabelecer o equilíbrio energético vital de quem a recebe e, assim, restaurar o estado de e restabelecer o equilíbrio do organismo. equilíbrio natural. Pode eliminar doenças e promove a saúde. Hidroterapia: tratamento através da água a temperaturas variáveis, com finalidade preventiva e curativa. As reacções são nervosa, cir- Terapia holística: nome dado a qualquer terapia que tente abordar o problema a ser tratado como um todo e não através de uma culatória e térmica. visão especializada. Hipnose: é um estado de consciência alterada, durante o qual o indivíduo sente um profundo relaxamento físico e emocional, fo- Toxicologia: ciência multidisciplinar que estuda os efeitos nocivos cando a sua atenção no que lhe é dito, mantendo-se sempre cons- das substâncias químicas nos sistemas vivos. Engloba conheciciente, nunca fazendo nada contra a sua vontade, nem alterando mentos de Química, Fisiologia ou Genética, entre outros. em nada a sua personalidade. Trofoterapia: terapia nutricional ou alimentoterapia. Homeopatia: tratamento por administração de substâncias naQuiropráxia: tratamento que enfatiza as disfunções vertebrais turais, de forma doseada e altamente diluídas. como causa primordial para o aparecimento de várias patologias. Iridologia: técnica de diagnose que consiste na observação da íris. Utiliza métodos idênticos aos da osteopatia. Cromoterapia: utilização das cores na cura ou tratamento de doenças. No século XVIII, o cientista alemão Wolfgang Von Goethe defendeu que o vermelho tem propriedades estimulantes no organismo, o azul acalma, o amarelo provoca sensações de alegria e o verde é repousante.

56

MAXILLARIS, Março 2010


zhermack.qxp

25/2/10

13:29

Página 1

ALGHAMIX II. Personaliza o seu trabalho. O novo misturador compacto para alginatos, gessos e silicones. O seu desenho ergonómico e as possibilidades de personalização de cor que oferece, fazem de Alghamix II um aparelho capaz de se adaptar a qualquer consultório de laboratório.

Gama de silicones Zhermack para o registro de mordida. A sua consistência imperceptível durante a mordida, a sua eficaz rigidez que evita pressões e erros no posicionamento, e o seu tempo mínimo de permanência na cavidade oral, permitem reduzir a possibilidade de erros devidos aos deslizamentos da mandíbula durante a mordida.

Alginatos Zhermack. Uma gama completa para cada necessidade clínica. Alginatos apropriados para cada aplicação: Hydrogum 5 oferece impressões estáveis até 5 dias, Orthoprint é ideal para ortodôncia, Tropicalgin com as suas 3 fases cromáticas facilita a preparação e Neocolloid para impressões de elevada precisão.


Outros Perfis Mar10.qxp

25/2/10

15:35

Página 58

Outros perfis Marina Mourão Ferreira, médica dentista e artista plástica

«

Aos dez anos já pintava e ganhava dinheiro com a pintura

» PP

58

MAXILLARIS, Março 2010


Outros Perfis Mar10.qxp

25/2/10

15:35

Página 59

A

Marina Mourão Ferreira nasceu no Brasil há 45 anos, e cresceu a pintar e a desenhar roupa no atelier de costura da mãe. Em 1992, mudou-se para Portugal para trabalhar como médica dentista e rapidamente se apaixonou pela cultura portuguesa. Pelas suas pinturas passam temas que podem ir desde os cavalos lusitanos aos toureiros, ou das rainhas de Portugal a Amália Rodrigues. Há três anos, começou a expôr as suas obras timidamente em Ourém, onde vive. Mas, desde aí, os seus trabalhos já correram galerias de Paris (França) a Londres (Reino Unido), e do Algarve a Nova Iorque (EUA).

divulgação dos trabalhos de Marina Mourão Ferreira em fóruns na Internet e através do seu site (www.marinamourao.com) contribuiu para o aumento dos convites para expôr em museus, feiras e até cruzeiros. Hoje, a artista plástica já não pinta apenas para os amigos, e só quer ter mais tempo-livre para dar resposta a todas as solicitações. Quem a procura, vai ao encontro da sua pintura contemporânea e multifacetada. A obra da médica dentista vai para além tela. Nos seus trabalhos é visível uma influência directa da música, da fotografia, da poesia e até da Medicina Dentária. Os materiais que usa nas suas telas podem ir desde a folha de ouro e prata até tecidos ou materiais dentários. Depois, é só dar asas à imaginação.

M AXILLARIS. Com que idade começou a pintar? Marina Mourão Ferreira. Sempre gostei de desenhar e de pintar. Com dez anos, já fazia cartazes para as professoras. Ainda não conhecia o corpo humano e já desenhava o sistema digestivo e respiratório, desenhava figuras bíblicas e mapas de Geografia. Posso dizer que aos dez anos já pintava e ganhava dinheiro com a pintura. Além disso, a minha mãe fazia costura e eu era uma espécie de estilista da loja. As clientes chegavam, viam os tecidos e davam a ideia. Depois, eu desenhava a roupa que elas gostariam de ter. Elas ficavam todas contentes, porque eu levava o desenho para a costureira e, muitas vezes, ajudava a minha mãe a fazer a roupa. M O que a levou a enveredar pela carreira de médica dentista e não pela das artes plásticas? Marina Mourão Ferreira. Foi um bocado por influência do meu pai, senão teria ido para o curso de Belas Artes. Apesar que sempre tive boas notas a Biologia e Ciências. Mas o meu pai queria dar a todos os filhos – somos treze – uma profissão segura. Não é que ele me tenha obrigado, mas fez alguma pressão para que eu escolhesse uma profissão que me trouxesse maior estabilidade. Os meus irmãos foram para a universidade e hoje um é advogado, outro é engenheiro, tenho uma irmã gémea médica, e outra irmã que seguiu Letras, mas que depois acabou por tirar Belas Artes, porque se sentia insatisfeita. Também é pintora e vive hoje da pintura. Tudo o que ela aprendia no curso, depois ensinava-me em casa. Então, já vem de família. Vamos agora, por exemplo, participar num evento, em Ouro Preto, no Brasil. É uma fundação de arte da Califórnia (EUA) que está a organizar. M Em Junho, na Artexpo California 2009 (EUA), ganhou um prémio de menção honrosa como membro master dessa fundação – World Art Foundation – e, em homenagem, dedicou-lhes um trabalho, não foi? Marina Mourão Ferreira. Eles gostaram imenso desse trabalho, que foi inspirado na própria fundação. Inspirei-me nas histórias que o site deles tem e, então, misturei a fotografia digital com a pintura. Copiei as fotografias, inclusive do neto do dono da fundação, e adaptei-as na tela. Pintei uma mulher do século XV, sentada num cadeirão com o papel de parede atrás, e montei uma árvore geneológica. O neto quando viu a tela adorou, porque assim está incluído na história.

MAXILLARIS, Março 2010

59


Outros Perfis Mar10.qxp

25/2/10

15:35

Página 60

Outros perfis M Na sua pintura, o que é que mais atrai às pessoas, desde portugueses a espanhóis ou americanos? Marina Mourão Ferreira. Acho que é o relevo. Todas as minhas pinturas têm esse traço característico. As pessoas já reconhecem a minha pintura, porque tem esse estilo definido.

«

Gosto de contar uma história na tela e de deixar o público a pensar. Porque tudo tem uma história

»

M Onde vai buscar inspiração para pintar? Marina Mourão Ferreira. Eu inspiro-me muito na música para pintar. Por exemplo, na exposição de um trabalho, pedi para colocarem junto à tela um leitor de MP3 com a música que me inspirou para a pintar. A tela chama-se “My dream” e a música que me inspirou é a “Reach”, da Gloria Estefan, que foi o tema dos Jogos Olímpicos de Atlanta (EUA). Como também acho a M Qual é a história mais engraçada associada a um traletra muito bonita, e tem tudo a vêr com o trabalho que eu fiz, balho seu? nesse mesmo trabalho passei a mensagem em braille. Marina Mourão Ferreira. A mais divertida é a da minha irmã, que é bailarina de dança do ventre. Ela pediu-me para eu fazer uma tela com ela a dançar, mas disse ‘pinta tudo, menos a cara’. M Como define a sua pintura? Marina Mourão Ferreira. Eu defino-a como figurativa. Gosto Aí, eu pintei-a a dançar, só do pescoço para baixo, e agora todo muito de pintar coisas exóticas. Gosto dos brilhos, das pedra- o mundo diz ‘eu vi a bailarina, mas não vi a cara dela’. Então é o rias, dos relevos, das cores alegres. Gosto de contar uma histó- segredo. Também tenho outra tela que foi encomendada por ria na tela e de deixar o público a pensar. Porque tudo tem uma amiga minha, que é modelo, e eu pintei-a com um top uma história. Além disso, não suporto o preto perto do ver- transparente e com os seios em relevo. Numa exposição que eu melho. Adoro os azuis, os lilazes e os dourados, que são as mi- fiz em Ourém, levei essa tela e todo o mundo que foi à galeria nhas cores predilectas. não resistiu a tocar na pintura. No final da noite, a minha amiga disse ‘epá, nunca fui tão apalpada em toda a minha vida’. A tela “My Dream” representa os sonhos de Marina Mourão Ferreira e será exposta brevemente em Santa Fé (EUA).

M Apesar de já pintar desde criança, só recentemente é que começou a expôr os seus trabalhos para o público, em geral. Porquê? Marina Mourão Ferreira. Eu sou muito exigente. Por isso, só comecei a mostrar os meus trabalhos quando achei que estava preparada. Antes só aceitava encomendas para os amigos. Desta forma, tive aulas com pintores portugueses para me apriorar e, quando eu achei que estava razoável, comecei a expôr. Mas eu ainda acho que tenho que melhorar. Na pintura, nós queremos sempre melhorar, porque achamos que está sempre a faltar alguma coisa. M Para além do gosto pela pintura, a Marina ainda se dedica à escultura… Marina Mourão Ferreira.Sim, mas faço pouco escultura. O que eu tentei foi adaptar a escultura nas minhas pinturas, usando alguns relevos e texturas. E comecei, aqui em Portugal, a fazer experiências com material dentário: com as resinas, os gessos e os materiais de impressão. Comecei a tirar moldes com o gesso do consultório e a fazer detalhes de um colar. Adaptei isso na pintura e consegui um efeito interessante – tridimensional – com as sombras. M A escrita é outra das suas paixões, não é? Marina Mourão Ferreira. Eu adoro escrever, principalmente poemas. Mas normalmente não os mostro. Já pensei incluir os meus poemas na pintura, disfarçadamente. Mas ainda não tive coragem.Também, porque quem escreve tem que registrar isso. Mas por adorar escrever, um jornal de Ourém convidou-me para escrever uma crónica mensal sobre arte e eu achei a ideia muito interessante. Eu gosto de falar sobre arte, segundo o meu ponto de vista. Porque falar sobre dentes é um assunto muito limitado, com uma pesquisa muito exacta.

60

MAXILLARIS, Março 2010


Outros Perfis Mar10.qxp

25/2/10

15:35

Página 61

«

Eu gostava muito de fazer uma exposição no Brasil a retratar tudo o que eu vi aqui, porque lá só se ouve falar de fado. E Portugal não é só fado

»

Para pintar a tela “Tributo à rainha do fado”, a pintora brasileira inspirou-se na música “Canção do Mar”, de Amália Rodrigues, e apresentou-a em primeira mão no Brasil, no cruzeiro MSC Música, em Dezembro de 2009.

M É verdade que o que lhe atrai na medicina dentária e nas artes é a possibilidade de criar beleza? Marina Mourão Ferreira. Sim, exactamente. É por isso que eu adoro a parte estética da Medicina Dentária. No Interior do país, temos que fazer um bocadinho de tudo. Mas se eu pudesse escolher, eu ficava só na parte estética, nos implantes, nas próteses, nas resinas compostas, nos branqueamentos. M Como é que concilia a profissão de dentista com o tempo que dedica a pintar e com as diversas exposições, de Norte a Sul do país e no estrangeiro? Marina Mourão Ferreira. É difícil. Se eu conseguisse 50 por cento do tempo no atelier e 50 por cento do tempo no consultório, seria excelente. Por enquanto isso não é possível, pois trabalho o dia inteiro, e só pinto à noite e ao fim-de-semana. Adorava ter mais tempo, mas vamos vêr como será mais lá para a frente. M A Marina sempre gostou de pintar. Mas a necessidade de pintar todos os dias é muito recente, não é? Marina Mourão Ferreira. Isto foi uma coisa que apareceu muito de repente. Eu sempre pintei, desde as paredes do consultório e da casa a painéis. Sempre fiz muita coisa, sem nunca parar, mas apenas para mim ou para as pessoas conhecidas. Mas, agora, estão a aparecer oportunidades que não se podem perder. Por exemplo, acabei de receber um convite para fazer a divulgação do meu trabalho num cruzeiro transatlântico e uma escritora americana mostrou-se interessada em usar as minhas pinturas num livro que vai publicar. Claro que isto é óptimo para o artista.

A tela “Mensageira da Paz” junta dois temas que Marina Mourão Ferreira gosta de explorar, que são as mulheres e os cavalos, e foi doado pela artista à Humanithes - Arts and Humanities, uma organização sem fins lucrativos dinamarquesa, que a nomeou “Goodwill Ambassador”.

MAXILLARIS, Março 2010

61


Outros Perfis Mar10.qxp

25/2/10

15:35

Página 62

Outros perfis M Há algum tipo de pintura que queira explorar? Marina Mourão Ferreira. Eu gostava de explorar a pintura digital. Há artistas que já só fazem essa vertente, apesar que eu gostaria de misturar a pintura digital com a tradicional. Porque no mundo de hoje há tantas possibilidades. M Nas suas obras, mistura muito temas clássicos com temas modernos, não é? Marina Mourão Ferreira. Eu adoro misturar o clássico com o moderno, e Portugal é um país muito rico e inspirador para mim. Tem os palácios, os castelos, as rainhas de Portugal, os cavalos lusitanos, os trajes da ilha da Madeira e do Minho, a cultura do Alentejo, a festa dos Tabuleiros de Tomar, que eu acho linda. Eu gostava muito de fazer uma exposição no Brasil a retratar tudo o que eu vi aqui, porque lá só se ouve falar de fado. E Portugal não é só fado. Então, eu gostava de pintar tudo isso. Todos os dias eu tenho ideias diferentes para temas. A médica dentista gosta de utilizar materiais dentários nas suas obras e tem vários quadros da sua autoria nas paredes da sua clínica, em Ourém.

M Já lhe aconteceu ter ideias para telas enquanto está a tratar um paciente, no consultório? Marina Mourão Ferreira. Às vezes, tenho vontade de pintar os dentes (risos). Eu adorei trabalhar com um material para crianças que é colorido, porque acho isso muito divertido. Porque muitas vezes o trabalho no consultório é monótono. Todos os dias é a mesma coisa, enquanto que no atelier nós podemos soltar a imaginação. Mas quando eu estou no consultório, eu tento não pensar na pintura para me concentrar no que estou a fazer. Na verdade, o dentista também é artista. Só que é artista que não cria. M O seu talento para as artes dá-lhe aptidões para o exercício da Medicina Dentária? Marina Mourão Ferreira. Lembro-me, por exemplo, de na primeira aula de cirurgia, na faculdade, quando fui dar os pontos, o professor perguntar-me ‘mas você já sabe?’. E eu disse ‘eu sei costurar roupa e é igual’.

A pintora com a sua tela preferida à esquerda - “Sortilégio” que foi inspirada na música “My Immortal” dos Evanescence, e com a tela “Francys I” à direita, inspirada numa amiga moçambicana.

Marina Mourão Ferreira a pintar a tela “Francys II”, no seu atelier em Ourém. Tal como na tela “Francys I”, a artista pintou a sua amiga e modelo Francelina.

62

MAXILLARIS, Março 2010

M A Medicina Dentária é o seu trabalho, mas a pintura é a sua paixão… Marina Mourão Ferreira. Sim, enquanto pinto, esqueço de tudo. Além disso, durante a pintura acontecem imprevistos que depois se tornam interessantes. Por exemplo, numa tela que já não tenho, pintei uma mulher com os olhos castanhos, à noite, mas quando a via de um ângulo diferente, ela parecia-me diferente. Então, comecei a ficar assustada. Mas depois percebi o que se passava. De um certo ângulo, à luz natural, os olhos ficavam azuis, apesar de não ter usado nenhum pigmento azul. Eu não sei que mistura de cores eu fiz para dar aquele efeito. Consegui tirar uma fotografia à pintura com olhos castanhos e outra, de outro ângulo, com os olhos azuis. Não sei o que eu usei para fazer aquele efeito. Só sei que tentei repetir, mas não consegui. M As suas obras são parte de si. Custa-lhe vendê-las? Marina Mourão Ferreira. Eu sou muito apegada aos meus trabalhos. Custa-me muito vender alguns. Há alguns em que não consigo expôr tudo o que imaginei. Depois há outros em que consigo expôr melhor o que imaginei, e são esses que me dão mais pena vender.


publi

8/10/09

09:16

Pรกgina 1


O Meu Sorriso Mar10.qxp

25/2/10

12:19

Página 64

O meu sorriso...

Adelaide de Sousa Discreta e possuidora de uma beleza natural, Adelaide de Sousa é conhecida pelo grande público pelas séries, telenovelas e filmes em que participa, dando ainda a cara em campanhas publicitárias e num talk-show que apresenta diariamente na televisão por cabo. Aos 40 anos, foi mãe pela primeira vez e os cuidados de saúde oral do filho são uma das suas prioridades. M Em criança ou jovem usou aparelhos nos dentes? Adelaide de Sousa. Não, no meu tempo não se usava nada disso. A minha recordação principal tem a ver com o facto de ter perdido os três dentes da frente numa queda, e ter sido desdentada até aos seis anos de idade. Lembro-me de ficar em frente ao espelho, a imaginar como seria ter os dentes todos. M De que forma ter um sorriso bonito e uma boa higiene oral é importante na sua profissão? Adelaide de Sousa. Julgo que é bastante importante, apesar que a questão da higiene dever ser importante em qualquer M AXILLARIS. Com que regularidade vai ao dentista? profissão. A parte estética é algo a que se dá cada vez mais Adelaide de Sousa. Menos do que devia. De dois em dois anos. importância hoje em dia, ao ponto de haver gente viciada em Mas digo que quando encontrei alguém em quem confiava, branqueamentos dentários. fiquei-me por essa pessoa, e volto sempre ao mesmo sítio. M Para dar vida a um personagem, arrancaria algum dente ou escureceria-o, por exemplo? M Que cuidados de higiene oral tem diariamente? Adelaide de Sousa. Lavo os dentes duas a três vezes por dia, Adelaide de Sousa. Nunca! Nunca faria nada que pussesse em uso fio dental de manhã e à noite, e elixir bucal duas vezes por perigo a minha saúde ou bem-estar físico só para servir uma perdia. Uso um dentífrico com triclosan. Troco de escova de dentes sonagem. A vida real é mais importante do que qualquer ficção. de seis em seis meses. Uso uma escova média. Às vezes, volto à escova eléctrica, porque sinto uma diferença considerável quan- M A Adelaide viveu alguns anos nos EUA. No que diz respeito do a utilizo com regularidade. E compro-a no supermercado. aos tratamentos dentários, quer de saúde, quer estéticos, que Evito tomar café, apesar de gostar imenso. Nunca tive manchas comparação faz entre Portugal e os EUA? nos dentes até ter começado a tomar. Agora a diferença é notó- Adelaide de Sousa. Não posso comparar, porque nunca tive de ria. Tento fazer uma destartarização de seis em seis meses, mas recorrer a esses serviços lá. Fazia tudo aqui em Portugal, já que já se passou um ano desde a última. lá custa tudo quatro a cinco vezes mais. E essa é a única comparação que posso fazer. Infelizmente, os cuidados de saúde nos EUA são um luxo a que poucos podem aceder. M Recorre a tratamentos dentários específicos? Adelaide de Sousa. Nunca fiz tratamentos estéticos, excepto M Que valores e ensinamentos pretende transmitir ao seu fiuma correcção a um dente da frente, que estava lascado. lho no que se refere a uma boa saúde e higiene oral? M Durante a gravidez, e agora com o pós-parto, teve algum Adelaide de Sousa. Aos três meses, comecei a escovar-lhe as cuidado extra com os dentes? gengivas. Já me disseram que é importante para a saúde futura Adelaide de Sousa. Nos primeiros meses a seguir ao nascimen- dos dentinhos. Quero também ser mais assídua no dentista dele to do meu filho foi complicado lembrar-me de que eu também do que sou com o meu. Agora, não sou o melhor exemplo. tinha necessidades primárias, inclusive lavar os dentes. É demasiado fácil esquecermo-nos de nós nesta fase, e como nunca saí- M Qual é o sorriso que não a deixa indiferente? mos de casa, não temos porque lembrar-nos destas questões. Adelaide de Sousa. O do meu filho, desdentado e tudo! Adelaide de Sousa.

64

MAXILLARIS, Março 2010


DVD-BaladronFebrero

25/2/10

16:59

Página 1

(EM ESPANHOL)

Atlas

M U LT I M E D I A

de Cirugía Oral Elevação do seio com enxerto particulado do maxilar inferior #14, #15, #16, #17i

Jaime Baladrón Luis Manuel Junquera

em 2 DVD´s:

47 vídeos comentados e mais de 120 minutos de cirurgia

Inclui todos os artigos da secção “Sesiones de Cirugía” publicados na MAXILLARIS Espanha

95� tudo

o

uíd incl

FAÇA O SEU PEDIDO ATRAVÉS DO NÚMERO 707 50 33 28

&

Centro de excelência em cirurgia de implantes


Calendario de Cursos Mar10.qxp

26/2/10

10:33

Página 66

Calendário de cursos 7º Curso clínico de formação contínua em ortodontia A clínica Construimos Sorrisos está a organizar o 7º curso clínico de formação contínua em ortodontia, em Lisboa. O curso pretende ensinar a diagnosticar e a executar um plano de tratamento em ortodontia. Os objectivos do curso incluem ainda conhecer materiais e técnicas ortodônticas; melhorar a comunicação, imagem e marketing; transmitir noções de gestão em ortodontia ou desenvolver a liderança. O curso é organizado por Cristina Baptista e Ana Delgado, e é destinado a médicos dentistas ainda em formação ou recém-licenciados, e inclui a colaboração nos casos clínicos que os alunos tenham na sua clínica privada e sessões clínicas com pacientes em consulta ortodôntica. Tem a duração de 14 módulos, repartidos por 140 horas, e termina a 19 de Maio. Construimos Sorrisos. 21 301 21 34 • formacao@construimossorrisos.pt

Formação contínua em estética dentária A CEOdont preparou um curso de formação contínua em estética dental, que aborda tratamentos periodontais, protésicos e restaurativos, relacionando-os e aplicando a teoria à prática. Esta formação será ministrada por Mariano Sanz Alonso, Manuel Antón Radigales e José A. de Rábago Vega. Os módulos apresentados são: • Cirurgia plástica periodontal: 28 e 29 de Março. • Cirurgia mucogengival e estética: 2 e 3 de Julho. • Restauração com compósitos: fracturas e pontes de fibra de vidro: 24 e 25 de Setembro. • Restauração com compósitos: manchas e más posições dentárias: 19 e 20 de Novembro. • Facetas de porcelana: preparação, execução e impressão: 21 e 22 de Janeiro de 2011. • Facetas de porcelana: cementação e coroas de recobrimento total: 18 e 19 de Março de 2011. • Grupos anteriores estéticos: 1 e 2 de Abril de 2011. CEOdont (Grupo Ceosa). (0034) 915 542 455 • cursos@ceodont.com • www.ceodont.com

XI Curso Integral de Prótese Fixa Está a decorrer na Clínica de Medicina Dentária Doutor Manuel Neves, no Porto, o XI Curso Integral de Prótese Fixa promovido pela International Team for Implantology (ITI) em colaboração com a Straumann. A formação é leccionada por Manuel Neves e Pedro Couto Viana, e as próximas datas de realização do curso são: • 5 e 6 de Março. • 19 de Março. • 9 e 10 de Abril. Straumann. 228 347 720 · formacion.pt@straumann.com

Curso sobre modelo animal de enxertos e elevação de seio O Instituto CASAN em colaboração com a Leader Implantes leva a cabo um curso de elevação do seio e enxertos óssos, que terá lugar na Universidade Politécnica de Madrid (Espanha), a 24 de Abril. O curso contém uma componente teórica e outra prática sobre um modelo animal, no qual o aluno pode aprender e praticar diferentes técnicas de elevação do seio, trabalhar com enxertos, trefinas e cirurgia piezoeléctrica. www.institutocasan.net • info@institutocasan.net

66

MAXILLARIS, Março 2010


Calendario de Cursos Mar10.qxp

26/2/10

10:33

Página 67

Cursos da Academia Internacional de Implantologia Oral Estão abertas as inscrições para o próximo curso de implantologia da Académie Internationale d’Implantologie Orale (AIIO), em Paris (França). Este curso intensivo terá lugar no Centro de Formação da AIIO e na Faculdade de Medicina Paris V, de 15 a 19 de Março. O curso tem uma componente prática em modelo, cadáver e pacientes. Além disso, garante uma formação a iniciados na especialidade de implantologia, bem como a actualização e sistematização dos seus conhecimentos aos implantologistas já com experiência. Para complementar o curso de Paris, é disponibilizada em Portugal uma pré-formação, assim como acompanhamento e apoio aos formandos após o curso. Na capital francesa, é também garantida a tradução em simultâneo para a língua portuguesa. Sinusmax. 229 377 749 · sinusmax@sinusmax.com

Curso de fotografia dentária em São Sebastião A Osteoplac está a organizar um novo curso de fotografia dentária ministrado por Ernesto de Haro, que terá lugar nas instalações da Osteoplac Congressos, em São Sebastião (Espanha), nos dias 19 e 20 de Junho. Este curso de controle e domínio de técnicas para uma correcta reprodução da cor é dirigido a médicos dentistas, cirurgiões e responsáveis pela prática fotográfica. O seu objectivo é poder reproduzir de uma forma eficaz e precisa a informação da cor na fotografia digital, para que o resultado seja sempre consistente, independentemente do dispositivo usado. Osteoplac Congresos. (0034) 902 422 420 congresos@osteoplac.com • www.osteocongress.com

Curso de pós-graduação em implantologia, em Madrid A Camlog patrocina a terceira edição do “Título Próprio de Pós-graduação em Implantologia”, no Hospital San Rafael, em Madrid (Espanha). A duração é de seis ciclos e está prevista começar em Março. Trata-se de um curso de integração prática da implantologia no seu ambiente habitual. Em todos os ciclos serão realizadas intervenções cirúrgicas e de prostodontia em directo com pacientes. Camlog. (0034) 91 329 54 36 • info@camlogmed.es • www.camlog.com

Cursos de formação contínua em ortodontia A Ledosa (Grupo CEOSA) prossegue com a organização de cursos de formação contínua em ortodontia, em Madrid (Espanha). As próximas datas são: • Curso 1: Cefalometria e meios de diagnóstico, dia 30 de Setembro, 1 e 2 de Outubro. • Curso 2: Tratamento da classe I, de 28 a 30 de Outubro. • Curso 3: Cementação e biomecânica, de 25 a 27 de Novembro. • Curso 4: Tratamento da classe II, de 16 a 18 de Dezembro. • Curso 5: Tratamento da classe III, de 27 a 29 de Janeiro, de 2011. • Curso 6: Prática do diagnóstico e plano de tratamento: de 3 a 5 de Março de 2011. • Curso 7: Biomecânica avançada e autoligado, de 7 a 9 de Abril de 2011. • Curso 8: Ortodontia multidisciplinar, de 19 a 21 de Maio de 2011. Ledosa (Grupo CEOSA) • cursos@ledosa.com • www.ledosa.com

MAXILLARIS, Março 2010

67


Calendario de Cursos Mar10.qxp

26/2/10

10:33

Página 68

Calendário de cursos Curso Modular de ATM As instalações da Osteoplac Congressos, em São Sebastião (Espanha), recebem o novo curso modular de ATM, que terá início em Setembro. O curso é dirigido pelo especialista argentino em ortodontia Guillermo Ochoa e pelo kinesiólogo chileno Mariano Rocabado, e é destinado a médicos dentistas, osteopatas e fisioterapeutas. Osteoplac Congresos (0034) 902 422 420 congresos@osteoplac.com www.osteocongress.com

Cursos de pós-graduação no Brasil Estão abertas as inscrições para cursos em várias áreas da medicina dentária, fruto da colaboração entre a Neodent e o Instituto Latino-Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico (ILAPEO). Com sede em Curitiba (Brasil), o ILAPEO é um centro de ensino de pós-graduação e cursos em diversas áreas. O centro tem à disposição as seguintes áreas de formação: mestrado em odontologia, sub-área implantodontia; especialização em implantodontia e em ortodontia; aperfeiçoamento e cursos em várias áreas (implantodontia, prótese sobre implante, cirurgia avançada, ancoragem ortodôntica, cirurgia guiada – neoguide, maxilas atróficas). ILAPEO. (0055) 413595 6013 • www.ilapeo.com.br • ilapeo@ilapeo.com.br

Curso de formação contínua em implantologia A CEOdont (grupo Ceosa) continua com os cursos de formação contínua em odontologia ministrado por Mariano Sanz Alonso e José de Rábago Vega, com a colaboração de Bertil Friberg, em Madrid. A formação pretende proporcionar ao dentista generalista conhecimentos específicos em implantologia e mostrar em pormenor o sistema de implantes Branemark System. O programa tem o seguinte calendário e conteúdo: • Módulo 1: Diagnóstico e Plano de Tratamento (18 a 20 de Março). • Módulo 2: Cirurgia e Implantes (6 a 8 de Maio). • Módulo 3: Prótese sobre implantes (17 a 19 de Junho). • Módulo 4: Curso sobre cadáveres e cirurgia, e prótese em casos complexos (8 a 10 de Julho). CEOdont (Grupo Ceosa) . (0034) 915 542 455 cursos@ceodont.com • www.ceodont.com

III Curso Implantologia, Cirurgia, Protético e Laboratorial A Eurofix está a organizar o III Curso Básico Implantologia, Cirurgia, Protético e Laboratorial, que começa dia 20 de Março e termina dia 18 de Julho. Esta formação terá lugar no Hotel Ibis, em Vila Nova de Gaia. O curso é constituído por cinco módulos, de três dias cada um, com aulas teóricas e práticas sobre implantologia e prótese, dirigidos pelos professores Sandro Daroz e Vani Teixeira. Os alunos ainda têm a possibilidade de frequentar um sexto módulo, que decorrerá em Vitória, no Brasil. Eurofix. 224 010 541/ 938 581 344 (Sr. Demetrio Santos)

68

MAXILLARIS, Março 2010


Calendario de Cursos Mar10.qxp

26/2/10

10:33

Página 69

Novas séries de seminários de POS em Madrid Estão abertas as inscrições da próxima série de seminários de POS, que começarão em Abril. O curso tem a duração de dois anos e, durante este período, os participantes assistirão a 12 seminários de quatro dias cada um, em que os instrutores de POS os prepararão para diagnosticarem e tratarem uma vasta gama de casos ortodônticos. Com a ajuda do programa informático IPsoft, também aprenderão a conhecer e a utilizar o formato IP, especificamente criado para cada paciente individual. POS. 800 834 103

Curso modular de odontopediatria O curso modular de odontopediatria da Osteoplac tem início no dia 26 de abril, nas instalações da Osteoplac Congressos, em São Sebastião (Espanha), e as vagas disponíveis são reduzidas, devido ao carácter prático do curso. As inscrições para as últimas vagas estão abertas e efectuam-se por ordem de inscrição. O curso é ministrado pelo especialista chileno Fernando Escobar e dirigido a médicos dentistas especializados em pacientes infantis. Cada módulo inclui prática com pacientes, e prática clínica com o propósito de incorporar novos conhecimentos ou reavaliar procedimentos convencionais. Osteoplac Congresos. (0034) 902 422 420 congresos@osteoplac.com • www.osteocongress.com

Novos masters e cursos da Sorriso Natural A Sorriso Natural já tem agendadas as datas das suas próximas formações. O Master de Periodontologia tem como convidados Pedro Buitrago, nos dias 11 e 12 de Março, com o tema “Raspagem e Alisamento Radicular”; Pedro Cruz, que vai falar de “Lesões Endo-Perio” a 20 Maio; e Otto Sur, que vai abordar a temática da “Cirurgia Plástica Mucogengival e Cirurgia Periodontal em Redor dos Implantes” a 17 e 18 de Junho. Quanto ao Master de Implantologia, começa a 9 de Setembro, em Braga, e a 21 de Outubro, em Oeiras. Os cursos de Sinus Lift têm lugar em Paredes, de 8 a 10 de Abril; e em Oeiras, de 7 a 9 de Outubro. Em cada uma destas formações, o participante realiza uma cirurgia de sinus lift de acesso lateral com eventual colocação simultânea de implantes, dependendo do remanescente ósseo disponível. Relativamente ao curso de Enxertos e Distrações Ósseas, realiza-se de 8 a 12 de Junho. www.sorrisonatural.blogspot.com • www.sorrisonatural.com

Formação em implantologia e reabilitação oral no Porto Está a decorrer desde Janeiro, no Porto, o Programa de Formação Contínua em Implantologia e Reabilitação Oral. O programa contém quatro módulos e um módulo final exclusivo a Aula BTI para médicos inscritos no curso completo, no qual podem assistir a cirurgias ao vivo em grupos reduzidos. Médicos Dentistas: • Módulo 3 – 19 e 20 de Março: curso avançado em cirurgia e técnicas regenerativas (PRGF). • Módulo 4 – 23 e 24 de Abril: curso avançado de próteses e plano de tratamento em casos complexos. • Módulo exclusivo – 3 e 4 de Maio: estágio para médicos inscritos no curso completo. Auxiliares: • Módulo 1 – 19 de Março: formação de técnicos auxiliares (PRGF). • Módulo 2 – 20 de Maio: formação de técnicos auxiliares em implantologia. BTI. 226 189 791· www.bti-implant.es · bti.portugal@sapo.pt

MAXILLARIS, Março 2010

69


Congressos e Reuniões Mar10.qxp

26/2/10

11:53

Página 70

Congressos e reuniões Congresso da OMD de volta ao Norte O XIX Congresso da Ordem dos Médicos Dentistas (OMD) regressa ao Europarque, em Santa Maria da Feira, passados dois anos. O maior encontro anual do sector dentário em Portugal terá lugar entre os dias 11 e 13 de Novembro. Em simultâneo, realizar-se-á a Expo-Dentária, que visa promover e divulgar novos produtos do sector dentário, e proporcionar melhores oportunidades de negócio. www.omd.pt

Salvador da Bahia acolhe congresso anual da FDI O próximo congresso anual da Federação Dentária Internacional (FDI) terá lugar em Salvador da Bahia (Brasil), entre 2 e 5 de Setembro, sob presidência de Roberto Vianna. O tema do programa científico é “Saúde Oral para Todos; Desafios e Soluções”. O objectivo deste encontro é discutir e reflectir junto dos governos nacionais, das comunidades locais e dos indivíduos, o facto de a saúde oral ser muitas vezes negligenciada, apesar de ser uma área importante da saúde em geral. Além disso, o programa explora temas como a educação internacional, a ciência e a saúde pública dental. Este evento contará ainda com uma exposição, junto ao local do congresso, que mostrará as últimas inovações, serviços e produtos da indústria dentária. Ao todo, a mostra espera receber cerca de 300 empresas do sector dentário de todo o mundo, num país como o Brasil, conhecido pela sua forte e diversa indústria dentária. Durante os quatro dias do certame estarão disponíveis diversos meios tecnológicos avançados e interactivos. Pretende-se que as decisões tomadas influenciem o mundo dentário, e que todos os envolvidos beneficiem de mais oportunidades de debate e interacção. As inscrições para o evento podem ser feitas no site oficial. www.fdiworldental.org • congress@fdiworldental.org

Porto recebe I Congresso Ibérico de Gerodontologia A Sociedade Espanhola de Gerodontologia (SEGER) elegeu, pela primeira vez, Portugal como país anfitrião do seu X Congresso anual e I Congresso Ibérico de Gerodontologia. O encontro terá lugar no Porto, no pólo da Foz da Universidade Católica Portuguesa, entre os dias 27 e 29 de Maio. O evento, que conta com João Espírito Santo como presidente da comissão organizadora, tem um programa científico que contempla temas de interesse e relevância na área da gerodontologia, e pretende possibilitar a discussão e troca de informações entre os profissionais de diversos países europeus com experiência gerodontológica. A organização espera mais de 200 congressistas, com um ênfase especial para a presença dos profissionais nacionais que se dedicam a esta área da Medicina Dentária. A par deste congresso será realizada uma exposição comercial aberta a todas as empresas que nela pretendam participar. É uma oportunidade para as empresas que se dedicam a esta área de negócio divulgarem os seus produtos e equipamentos. X Congresso da SEGER e I Congresso Ibérico de Gerodontologia gerodontologia@gmail.com

70

MAXILLARIS, Março 2010


Congressos e Reuniões Mar10.qxp

26/2/10

11:53

Página 71

Expodental de Madrid, em Março A Expodental 2010 - Salão Internacional de Equipamento, Produtos e Serviços Dentários - celebra-se entre os dias 11 e 13 de Março, nos pavilhões 12 e 14 da Feria de Madrid (IFEMA), na capital espanhola. Nesta edição, a feira pretende demonstrar a vitalidade do sector dentário, com a presença dos principais fabricantes, exportadores e distribuidores de produtos, equipamentos e serviços dentários. A oferta irá ainda abarcar o mobiliário clínico, equipamento de prótese, instrumentos em clínica e em prótese, implantologia e informática. A Expodental espera receber um amplo leque de profissionais, desde auxiliares de clínica até cirurgiões maxilofaciais, passando por estomatologistas, higienistas, representantes de laboratórios, médicos dentistas, protésicos, bem como estudantes de qualquer uma das especialidades. Expodental. 213 868 517/8 • info@nfa.pt www.expodental.ifema.es

2º Simpósio da EADSM, em Lisboa A cidade de Lisboa vai receber o 2º Simpósio da European Academy of Dental Sleep Medicine (EADSM), nos dias 17 e 18 de Setembro, depois do primeiro encontro se ter realizado em Berlim (Alemanha), em 2008. Entre os oradores estarão o belga Marc Braem, o francês Patrick Levy, a italiana Maria Villa, o alemão Nikolaus Netzer e a neurologista portuguesa, especialista em Medicina do Sono, Teresa Paiva. A directora do programa científico é Marie Marklund, da Suécia. Alguns dos temas a serem discutidos são a Medicina do Sono na Europa e em Portugal e novos aspectos educacionais com e-learning; consequências dos distúrbios do sono e aplicação do tratamento para a apneia do sono; e efeitos laterais dos aparelhos orais. A linguagem oficial deste encontro europeu será o Inglês e as inscrições já estão abertas para membros da EADSM e não membros. EADSM. 0033 556 222 821 • eadsm.symp10@free.fr www.eadsm.org

MAXILLARIS, Março 2010

71


Congressos e Reuniões Mar10.qxp

26/2/10

11:54

Página 72

Congressos e reuniões Congresso de Medicina Dentária Hospitalar regressa ao Porto Já estão abertas as incrições para o II Congresso de Medicina Dentária Hospitalar, que terá lugar nos dias 20, 21 e 22 de Maio, na Fundação Cupertino de Miranda, no Porto. O congresso é organizado pela Associação Portuguesa de Medicina Dentária Hospitalar (APMDH) e tem como presidente João Leite Moreira e Jorge Marinho como presidente da Comissão Científica. O objectivo deste encontro bianual é mostrar de forma inequívoca o papel do médico dentista como profissional médico em ambiente hospitalar, inserido em equipas multidisciplinares. Durante os três dias do certame vão abordar-se questões como “Endodontia em doentes medicamente comprometidos”, “Oftalmologia e Medicina Dentária” e “Sedação consciente em Medicina Dentária”. APMDH. 220 930 255 • apmdhospitalar@gmail.com

Eslovénia recebe EOS 2010 Cerca de duas décadas depois de perder a oportunidade de receber a 67ª edição do congresso da Sociedade Europeia de Ortodontia (EOS na sigla original) devido à guerra dos Balcãs, a Eslovénia é a anfitriã deste evento científico, em 2010. Sob presidência de Maja Ovsenik, a 86ª edição do congresso anual da EOS ruma assim à cidade de Portoroz. O evento mais importante na área da ortodontia a nível europeu, espera reunir, entre os dias 15 e 19 de Junho, os mais destacados especialistas nesta matéria. O programa vai incidir sobre temáticas como a biotecnologia e o futuro da ortodontia, a má oclusão, o diagnóstico e o tratamento, para além de outros temas livres. Paralelamente, irá decorrer no Centro de Congressos do resort adriático St. Bernardin uma exposição comercial, onde marcarão presença as mais importantes empresas que actuam no sector.

www.eos2010.com

14º Simpósio Mundial Dentsply Friadent O 14º Simpósio Mundial Dentsply Friaden terá lugar no Palácio de Congressos da Catalunha, em Barcelona, nos dias 19 e 20 de Março. O objectivo principal deste encontro é que os participantes alcancem o êxito implantológico nas suas consultas. Os conteúdos do programa científico são “Aplicações demonstradas e novos enfoques” e “Progressos actuais para a prática clínica futura”. Também faz parte da agenda um fórum aberto, no qual se discutirão outros pontos de vista e aspectos da implantologia relacionados com outras especialidades. Este simpósio inclui ainda o programa “Start-up Plenum”, actividades práticas e uma exposição comercial. A presidência científica está a cargo dos professores Lim K. Cheung, da Universidade de Hong Kong (China), Heiner Weber, da Universidade de Tübingen (Alemanha), e Henri Salama, dos Estados Unidos. Dentsply Friadent. 00 34 914 99 41 90 72 • www.dentsply-friadent.com

XXI Jornadas de Medicina Dentária na Invicta A Faculdade de Medicina Dentária da Universidade do Porto (FMDUP) acolhe as XXI Jornadas de Medicina Dentária do Porto nos dias 19 e 20 de Março. A organização está a cargo da Comissão de Finalistas MIMD 05-10 da FMDUP. Os oradores convidados são Carlos Eduardo Francischone, Afonso Pinhão Ferreira, Adriano Figueiredo, João Caramês, Fontes de Carvalho, Irene Pina Vaz, José António Capelas, Ana Mano Azul, Carlos Falcão, António Mano Azul e António Felino. xxijornadasporto@gmail.com • http://www.xxijornadasporto.com

72

MAXILLARIS, Março 2010


Congressos e Reuniões Mar10.qxp

26/2/10

11:54

Página 73

13ª Medexpo Kenya, em Nairobi A capital do Quénia, Nairobi, recebe entre os dias 27 e 29 de Março a 13ª edição da feira internacional Medexpo Kenya. O evento tem lugar no Sarit Expo Centre, aberto ao público entre as 11h00 e as 19h00. Esta é a maior exposição de produtos e equipamentos de saúde da região, onde se podem encontrar novidades do sector dentário, óptico, farmacêutico, cirúrgico ou bioteconológico. Na feira vão participar expositores de mais de 20 países e visitantes de países vizinhos do Quénia, como Tanzânia, Moçambique, Uganda, Zaire ou Etiópia. A organização do certame espera ainda receber este ano visitantes da Nigéria, Egipto e África do Sul. http://www.grow-expo.com/medkenhtml/index.html

Congresso internacional "Meet the SKY“ O congresso International Sky Meeting, organizado pelo Bredent Group, terá lugar em Sharm El-Sheik (Egipto), entre 21 e 23 de Maio. Este encontro dirige-se a médicos dentistas e técnicos dentários. O objectivo do congresso é que se produza uma simbiose produtiva entre as diferentes capacidades e necessidades dos diferentes usuários, e se melhorem os métodos de trabalho em laboratório e na clínica dentária. O pré-congresso realiza-se nos dias 19 e 20 de Maio e terá cursos destinados a práticas interdisciplinares, em que se aprofundará o conhecimento teórico, que levará à prática de exercícios. Durante o congresso principal irão abordar-se temas como "Diagnóstico e planificação de tratamentos/planificação assistida pelo computador“,"Próteses dentárias“ e "O paciente e o odontólogo/qualidade de vida“. No auditório principal, com capacidade para duas mil pessoas, implantologistas e técnicos dentários apresentarão os seus trabalhos e produzirão um intercâmbio de experiências. www.bredent.com · www.bredent-medical.com

XXIV Jornadas de Medicina Oral da Universidade de Lisboa As XXIV Jornadas de Medicina Oral da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa (FMDUL) terão lugar nos dias 7 e 8 de Maio, no Auditório Professor Doutor Simões dos Santos. O presidente da comissão organizadora é Lino Cerejeira. Fazem parte do programa oradores nacionais e estrangeiros, e as jornadas destinam-se a médicos dentistas e estomatologistas, higienistas orais, técnicos de prótese, assistentes dentárias e alunos, esperando-se cerca de 500 participantes. Devido aos custos que uma reunião desta natureza envolve, a organização está a tentar reunir apoio financeiro de empresas com actividades relacionadas com a Medicina Dentária. Jornadas de Medicina Oral da FMDUL 964 549 784 (Helena Pitacas)/ 914 039 768 (Joana Fróis) • jornadas@fmd.ul.pt

Congresso internacional de endodoncia, em Barcelona O Auditório AXA, em Barcelona (Espanha), vai receber a IX edição do Roots Summit, entre os dias 3 e 5 de Junho. As apresentações serão feitas em espanhol ou em inglês, havendo tradução em simultâneo para ambas as línguas. O programa científico centrar-se-á em conceitos básicos e em temas clínicos específicos, tendo sempre a endondoncia como ponto de partida. Pretende-se, assim, abordar áreas como a tomografia dentária, a micro-odontologia, a odontologia conservadora, a periodontia e a implantologia. www.rootssummit2010.com

MAXILLARIS, Março 2010

73


Novidades Industria Mar10.qxp

25/2/10

12:27

Página 74

Novidades da indústria i3D apresenta Rayscan Symphony-M A I3D lança no mercado o Rayscan Symphony-M, um equipamento de imagem extraoral que conjuga CT, Panorâmica e Teleradiografia num só. Este material destina-se a clínicas dentárias multidisciplinares e é o único no mercado que possibilita ao paciente fazer todos os exames sentado, incluindo teleradiografia. Esta novidade tem um resolução de 16 bits de níveis de cinza, um voxel mínimo de 0,138 mm3 e um FOV de 15x7 cm de volume reconstruído, e com um software de previsão de colocação de implantes, conjugado com panorâmica e teleradiografia adquiridas por Flat Panel. Os interessados poderão conhecer este equipamento na Expodental Madrid, em Espanha, entre os dias 11 e 13 de Março, no stand 14C04. i3D. 220 311 406 · geral@i3D.pt

Vita VM LC disponível em novas cores a partir de Abril O compósito microparticulado Vita VM LC estará disponível nas cores do Vita System 3D-Master e Vitapan Classical A1 – D4 (A1; A2; A3; A3,5; B3; D3). Além disso, foram desenvolvidas cinco novas massas Chroma Plus com elevada intensidade de cor, que auxiliam na reprodução de cor no caso de restaurações com paredes finas. O conceito Vita VM LC consiste no recobrimento padronizado e uniforme para metalocerâmica, cerâmica pura e compósito. Actualmente, os compósitos modernos com alta resistência são aplicados principalmente nos clássicos trabalhos conjugados, e podem estar associados ao recobrimento de subestruturas de fibra/resina, à individualização de dentes artificiais de resina e à confecção de temporários de longa duração. O compósito ainda permite produzir trabalhos restauradores com propriedades técnicas de material muito favoráveis. As propriedades dos materiais não podem ser avaliadas de forma isolada, mas apenas contextualizadas com outras. Desta forma, é essencial relacionar a resistência à flexão com a dureza do material. Conclui-se que o Vita VM LC supera tanto o valor médio de referência da resistência à flexão, quanto os valores de materiais similares. Este produto caracteriza-se principalmente pela sua propriedade de polimento e estabilidade de cores perfeitas, abrangendo desde recobrimento de cerâmica, compósito e dentes artificiais. www.vita-zahnfabrik.com

Aga cria dois novos produtos desinfectantes A Aga – Álcool e Géneros Alimentares desenvolveu dois desinfectantes, que podem ser guardados na mala ou no bolso, sendo práticos e úteis no combate ao contágio de gripes e constipações. Os toalhetes desinfectantes apresentam-se como uma solução com álcool etílico de 70% de volume; e o Agaderm, de 30 ml, é uma solução anti-séptica, que para além de garantir a desinfecção, cuida a pele durante todo o dia. www.aga.pt

74

MAXILLARIS, Março 2010


Novidades Industria Mar10.qxp

25/2/10

12:27

Página 75

3M lança Filtek™ Supreme XTE A 3M acabou de lançar o novo restaurador universal Filtek™ Supreme XTE para dar resposta às necessidades dos profissionais de dentistria. Segundo a 3M, este compósito de restauração é simples e fácil de aplicar, e oferece uma variada gama de tonalidades body. Além disso, proporciona uma maior facilidade na criação de restaurações, mantendo a versatilidade para restaurações singleshade ou multi-shade. Este produto alia facilidade de manipulação, melhoria da retenção de polimento e um sistema de opacidade mais simples, permitindo progressos no manuseamento das tonalidades translúcidas, na fluorescência reforçada e retenção de polimento em todas as opacidades. O Filtek™ Supreme XTE também disponibiliza um código de cor por opacidades nas seringas e cápsulas, o que simplifica o processo de selecção de cor. www.3m.com

Perfect Bleach com novo estojo completo e kit do paciente A Voco criou um estojo para o Perfect Bleach com materiais necessários para a aplicação em duas arcadas. O kit contém seis seringas com 2,4 ml de gel branqueador, duas placas para plástico à vácuo e uma seringa com 1,2 gr. de Block Out Gel LX para fazer moldeiras, cartão com pictograma de utilização, escala de cores para acompanhar o avanço dos resultados, estojo para o armanezamento das moldeiras e um necessaire. Quanto ao kit do paciente para a continuação do tratamento contém quatro seringas com 2,4 ml de gel branqueador, cartão com pictograma de utilização, escala de cores para acompanhar o avanço dos resultados, estojo para o armanezamento das moldeiras e um necessaire. O Perfecto Bleach é um gel branqueador à base de peróxido de carbamida disponível nas concentrações de 10% e 17%, cuja concentração a ser empregada depende do tipo e do grau da alteração da cor. De acordo com a idade e a alimentação do utilizador, pode ser obtido com a mesma eficácia e rapidez que o branqueamento externo e interno de dentes não vitais. Também é possível tratar manchas por tetraclina, de flurose superficiais em esmalte, bem como alterações de cor causadas por hemorragias pulpares de origem traumática. Segundo a marca, o modo de utilização de Perfect Bleach é fácil e prático: o paciente aplica o gel viscoso na moldeira individual confeccionada pelo médico dentista, levando-a aos dentes, conforme a orientação que recebeu. O efeito do gel com sabor a hortelã entra em acção nas duas primeiras horas após a colocação da moldeira. A partir da segunda aplicação já é possível observar os primeiros resultados. www.voco.com

Ravagnani Dental apresenta unidades dentárias Sinol A Ravagnani Dental vai apresentar na Expodental de Madrid (Espanha), entre os dias 11 e 13 de Março, os novos modelos das unidades dentárias Sinol, presentes no catálogo de 2010. A marca revela que vai ter “dois novos modelos ao melhor preço do mercado e com a qualidade superior, ainda não vista até hoje, pelo preço apresentado S.Line e E.Line”. Outra das novidades é uma unidade dental só para cirurgia e outra para pediatria. A Ravagnani Dental mantém a comercialização do B:line, C.Line e T.line, com unidades dentárias completas e todas as peças de mão necessárias incluídas no preço. Ravagnani Dental. 22 974 11 02 · www.ravagnanidental-portugal.com

MAXILLARIS, Março 2010

75


Pag.Empresarial Mar10.qxp

26/2/10

11:49

Página 76

Página empresarial Neodent participa nas XXI Jornadas de Medicina Dentária do Porto A Neodent marca presença na exposição comercial das XXI Jornadas de Medicina Dentária do Porto, que se realizam nos dias 19 e 20 de Março, na Universidade do Porto. Na opinião de Marinez de Paula Silva, coordenadora de filial de Lisboa da Neodent, “esta jornada é uma excelente oportunidade para que os académicos e os médicos dentistas actualizem os seus conhecimentos, troquem experiências e adquiram novas competências”. Na pré-jornada deste evento académico, no dia 13 de Março, o consultor científico da Neodent, Sérgio Pereira, ministra um curso cujo tema é a “Carga imediata ao alcance de todos”. O conteúdo desta formação visa assuntos como carga imediata, revisão da literatura e fundamentação, descrição da técnica e apresentação de casos clínicos. A inscrição no curso é gratuita e pode ser feita através do site do evento. www.xxijornadasporto.com

Vital Dent abre clínica na Amadora A rede de clínicas dentárias Vital Dent abriu uma nova instalação na Amadora. Esta clínica está situada na Rua Elias Garcia, n.º 386, e estará aberta de Segunda a Sábado, das 10h00 às 21h00, sem interrupção. Esta nova clínica tem uma área aproximada de 200 m2 e está dotada da última tecnologia e tratamentos mais avançados, prestados por especialistas credenciados. Segundo Luísa Ferreira, directora de marketing e comunicação, o conceito da Vital Dent permite “através de um quadro clínico multi-disciplinar oferecer um serviço dentário integral à população, que vai desde a estética dentária, cirurgia e implantes, ortodontia, odontopediatria, próteses, à medicina dentária geral, baseado na relação de qualidade a preços acessíveis”. Esta nova abertura consolida a posição da Vital Dent como líder em serviços de saúde oral em Portugal. “O facto de já contarmos com uma experiência de 20 anos em Espanha, Itália e Portugal, demonstra a segurança do investimento neste conceito e a garantia da qualidade dos nossos serviços”, conclui. www.clinicasvitaldent.pt

Curso de Implantologia Oral supera expectativas Realizou-se no último fim-de-semana de Janeiro o último módulo do curso intensivo em Implantologia Oral da Klockner Portugal, ministrado por Carlos Falcão e Ricardo Faria e Almeida, que terminou com um jantar de encerramento e entrega de diplomas. De acordo com o testemunho dos alunos, o curso superou as expectativas, tendo sido cumprido o objectivo final. Segundo as mesmas avaliações dos participantes, o programa teórico foi classificado como completo e sucinto, e a parte prática com várias cirurgias em directo, muitas das quais executadas pelos alunos, foi o que mais se destacou no curso. www.klockner.pt Momento de uma aula do curso intensivo em Implantologia Oral.

76

MAXILLARIS, Março 2010


Pag.Empresarial Mar10.qxp

26/2/10

11:49

Página 77

Osteoplac distribui Care 3 Plus de NSK A Osteoplac encontra-se a distribuir o Care 3 Plus de NSK há já alguns meses. Trata-se de um sistema automático de limpeza e lubrificação para peças de mão. Este produto foi desenhado para facilitar a conservação do material de trabalho, e para limpar e lubrificar automaticamente até três peças de mão de uma só vez, através da activação de um botão. Quer as peças de alta velocidade como as de baixa velocidade processam-se num único ciclo de dois minutos. www.osteoplac.com

i3D celebra protocolos de cooperação com entidades externas A i3D assinou recentemente protocolos de cooperação com o LabMedis – ISQ, ESTSP-IPP (curso de Radiologia) e FEP Junior Consulting, de forma a melhorar e a diferenciar a sua oferta nas soluções de tomografia dentária. Desta forma, todas as propostas da i3D nesta área passam a usufruir sem custos adicionais de um estudo prévio das barreiras de protecção radiológica e elaboração do Manual de Protecção Radiológica da Clínica, através da LabMedis; de colocação de um técnico de radiologia recém-licenciado na clínica sem encargos durante o primeiro ano, consoante a disponibilidade de técnicos interessados em trabalhar na zona geográfica da clínica, através da ESTSP-IPP. De forma a reforçar e optimizar este trabalho de cooperação com a ESTSP-IPP, a i3D forneceu licenças do Software NNT de Tomografia Maxilo-Facial, passando esta área específica a estar contemplada no curso de Radiologia daquela instituição. O protocolo com a FEP Junior Consulting visa ajudar os clientes da i3D a enquadrarem os seus projectos de investimento nos programas do QREN, podendo em alguns casos obter apoios comunitários a fundo perdido em parte do investimento. i3D. 220 311 406 · geral@i3D.pt

Kit completo da Voco recebe pontuação máxima do Dental Advisor O instituto americano The Dental Advisor atribuiu a sua nota máxima de cinco pontos ao sistema Rebilda Post, o kit completo da Voco para a reconstrução pós-tratamento endodóntico. No seguimento desta pontuação, o produto foi distinguido com o prémio “Editors’Choice”. Antes da avaliação, o produto foi testado por médicos dentistas americanos, que realizaram mais de 200 tratamentos com o sistema, que disseram que tinha uma “perfeita harmonia entre brocas e pinos intra-radiculares”. Devido às características do kit, entre elas a facilidade de manusear os componentes do sistema, o sistema Rebilda Post teve uma avaliação melhor do que o produto que os avaliadores empregavam até então. O pino intra-radicular Rebilda Post apresenta um grau de elasticidade semelhante ao da dentina, possibilitando uma reconstrução sem metal altamente durável e estética quando fixado com técnica adesiva. Além disso, apresenta elevada radiopacidade e biocompatibilidade, sendo também de fácil remoção. Este produto está disponível em três tamanhos (Ø 1,2 mm, Ø 1,5 mm, Ø 2,0 mm), em embalagens tipo blister individuais, sendo fornecido com as brocas correspondentes. Pode-se adquirir um kit introdutório ou um conjunto completo para os procedimentos de retenção intra-radicular, e com o novo kit do sistema, podem ser realizados 15 tratamentos. www.voco.com

MAXILLARIS, Março 2010

77


Pag.Empresarial Mar10.qxp

1/3/10

13:37

Página 78

Página empresarial ImplantBrazil realizou curso de implantes e enxertos em Lisboa A Implantbrazil realizou a 4ª edição do Curso Internacional Básico e Avançado de Implantes e Enxertos, entre os dias 4 e 7 de Fevereiro, em Lisboa. Esta acção teve como coordenador Alexander Salvoni e uma carga horária teórico-prática de 32 horas. O mesmo grupo irá realizar o Módulo II – cirúrgico no Brasil, em Abril. As inscrições para o Módulo I da 5ª edição, agendado para os dias 22, 23, 24, 25 de Julho, já estão abertas. ImplantBrazil. 934 264 445 www.implantbrazil.com.br

Elementos do grupo que participou na 4ª edição do Curso Internacional Básico e Avançado de Implantes e Enxertos.

Dentarmed trata utentes da Santa Casa da Misericórdia de Almada A Dentarmed Clínica Médica e Dentária abriu em Janeiro a segunda fase do programa de tratamento gratuito dos utentes da Santa Casa da Misericórdia de Almada, na maioria beneficiários do Rendimento de Inserção Social. A primeira fase deste programa de responsabilidade social decorreu no início de 2009, tendo sido realizadas as cirurgias necessárias ao tratamento dos focos infecciosos. No total, foram tratadas 35 pessoas, das quais uma grande percentagem nunca tinha ido ao dentista. As causas apontadas foram o facto de ser uma especialidade médica privada e sem recurso ao nível do Serviço Nacional de Saúde (SNS). Nesta segunda fase, os objectivos são: reabilitar os pacientes atendidos inicialmente, proporcionando-lhes uma melhor qualidade de vida e um aumento da auto-estima; e formar médicos dentistas na área da Implantologia, através de um curso de nove módulos essencialmente prático, mas também abordando a O programa inclui formação para médicos dentistas. componente teórico-prática e a prática in vivo. Os profissionais inscritos no curso também terão a oportunidade de seguir o mesmo paciente do início ao fim, incluindo na fase protésica, o que os prepara para futuras situações na prática clínica em consultório. A responsabilidade científica, teórica e prática desta formação está a cargo do professor Paulo Maia. Na 1ª fase foram tratados 35 utentes. www.dentarmed.com

Voco organiza palestra sobre “A Arte de Vender” A Voco organizou uma palestra intitulada “A Arte de Vender” para os seus vendedores, que teve lugar em Lisboa, no dia 26 de Janeiro, e no Porto, no dia 2 de Fevereiro. Os objectivos deste encontro foram: disseminar técnicas para aumentar as vendas e deixar o cliente satisfeito; sugerir e identificar formas de prospectar novos clientes; e desenvolver o conceito de parceria entre vendedor e cliente. www.voco.com

78

MAXILLARIS,Março 2010


Pag.Empresarial Mar10.qxp

1/3/10

13:37

Página 79

“Conversas Redondas” sobre responsabilidade civil

As “Conversas Redondas” realizam-se todos os meses com um tema diferente.

No passado dia 22 de Janeiro realizou-se no Porto mais uma sessão de “Conversas Redondas”, a reunião mensal promovida pela Sinusmax. O tema abordado foi a “Responsabilidade Civil em Medicina Dentária” e contou com a participação de mais de 30 médicos dentistas. Os oradores convidados foram José Frias Bulhosa, representante da Ordem dos Médicos Dentistas, e Paulo Costa, consultor de Peritagens em Responsabilidade Civil.

Sinusmax. 229 377 749/ 913 113 559 · www.sinusmax.com Na última reunião participaram 30 médicos dentistas.

Fundação Vital Dent premeia trabalhos de investigação A Fundação Vital Dent divulgou recentemente os nomes dos vencedores da VI Edição Internacional dos Prémios de Investigação em Medicina Dentária, cujo objectivo é homenagear os melhores trabalhos científicos da área dentária, nos países onde a Vital Dent está presente. Esta iniciativa é de carácter exclusivamente científico e sem fins lucrativos, e destinase a premiar trabalhos realizados por investigadores, universidades, estudantes de Medicina Dentária, fundações e sociedades científicas, ou associações de empresas privadas. Os vencedores desta edição enquadram-se em equipas de investigação de três instituições espanholas: Universidade Politécnica de Valência, Universidade de Santiago de Compostela e Universidade de Valência. Os seus trabalhos foram avaliados por um júri constituído por investigadores e académicos de renome dos países participantes. Os prémios entre 10 e 40 mil euros foram entregues às seguintes categorias: melhor trabalho de Investigação Básica, cuja finalidade é ampliar o conhecimento científico, sem aplicação prática; melhor trabalho de Investigação Clínica realizada em função da sua utilidade e aplicação em uso científico e clínico; e melhor trabalho de Revisão Bibliográfica, que responde a uma nova orientação da prática clínica fundamentada em evidência. Desde a sua primeira edição, realizada em 2003, que os Prémios fomentam a produção de trabalhos de investigação que constituam avanços significativos para o desenvolvimento da medicina dentária. www.clinicasvitaldent.pt

“Osteoplac lança oferta de Março e Abril A Osteoplac já divulgou as suas ofertas para os meses de Março e de Abril. Em Março, apresenta os modelos estereolitográficos e, em Abril, o motor para implantologia Surgic XT Plus. A primeira oferta permite reduzir a duração da cirurgia e experimentar diferentes enfoques cirúrgicos, o que melhora os resultados e diminui os riscos. Com a segunda oferta, é possível calibrar automaticamente o micromotor e a peça de mão com a resistência de rotação para cada peça de mão individual antes da operação. Este motor traz precisão à operação, e pouco ruído, vibração e calor. www.osteoplac.com

MAXILLARIS, Março 2010

79


Pag.Empresarial Mar10.qxp

26/2/10

12:00

Página 80

Página empresarial Sinusmax organizou formação em Anestesia Diploïca A Sinusmax promoveu uma acção de divulgação e formação em Anestesia Diploïca em parceria com a Dental Hi Tec, fabricante do único equipamento mundial de anestesia diploïca, no dia 29 Janeiro, nas Faculdades de Medicina Dentária do Porto e na de Ciências da Saúde Fernando Pessoa, no Porto, e no dia 30, na Faculdade de Medicina Dentária de Lisboa. Este tipo de acções faz parte de um plano de formação contínua prestada aos utilizadores desta técnica anestésica, embora esteja aberto a interessados no conhecimento e aprendizagem deste novo paradigma em anestesia intra-óssea controlado electronicamente. Encontra-se em preparação a segunda formação deste ano e as suas inscrições já estão abertas. Sinusmax. 229 377 749/ 913 113 559 · www.sinusmax.com

Nobel Biocare assina acordo com Vita A Nobel Biocare assinou um acordo de relações preferenciais com o seu parceiro alemão Vita Zanhfabrik, líder no mercado global de materiais de restauração e protésicos para médicos dentistas e técnicos dentários. A colaboração com a empresa alemã vai permitir à Nobel Biocare oferecer melhores soluções protésicas no seu produto final, aliando a sua experiência em Cad/Cam com o desenvolvimento das cerâmicas dentárias e competências em dentes artificiais de Vita. Este acordo também visa o desenvolvimento de novos materiais, formação, estágios e actividades comerciais conjuntas. Esta aliança com a Vita é a segunda parceria que a empresa estabelece no seu Programa de Parceiros Preferenciais. A primeira foi criada com a Ivoclar Vivadent. www.nobelsmile.pt

80

MAXILLARIS, Março 2010

a Faç ido ed º. p u o se és do n 8 v 2 3 atra 3

70

7 50

� 5 9

ído

tud

clu o in

La implantología paso a paso (Em Espanhol)

+

de JAVIER GARCÍA FERNÁNDEZ

da Clínica Gingiva


Adega Mar10.qxp

25/2/10

13:59

Página 81

Adega Maria João de Almeida Formação em Jornalismo. Curso de Enologia do Centro Hoteleiro e Turístico do Estoril. Directora do portal de vinhos www.mariajoaodealmeida.com e do Vinho.tv. Membro de júri em diversos concursos de vinho e de gastronomia. Colaborações na imprensa nacional e estrangeira. www.mariajoaodealmeida.com

Beber e Sorrir... O

vinho está na moda, e com ele surgiram estudos elaborados por cientistas e investigadores que não se cansam de lhe encontrar propriedades. A maioria descobre benefícios contra vários tipos de maleitas, no entanto, também há quem lhe aponte um dedo acusador por ser capaz de causar alguns problemas de saúde se for bebido em excesso! Curiosamente, e nada tendo a ver com excessos, uma das mais recentes pesquisas internacionais teve a ver com dentes e foi editada no Nutrition Research Journal, uma das principais publicações mundiais relacionadas com alimentação. Segundo os dados apresentados, uma substância ácida presente no vinho branco corrói o esmalte dos dentes de forma muito mais agressiva do que no vinho tinto. E não é a origem ou a quantidade de álcool que determinam o tamanho do dano, mas sim o pH do produto e o tempo de contacto com os dentes. No laboratório, a equipa de investigadores mergulhou o dente de uma pessoa adulta num copo de vinho branco. Um dia depois, verificou-se que o dente sofreu uma perda significativa de cálcio e fósforo. Apesar das conclusões não serem as mais favoráveis junto dos apreciadores de vinho, um dos hábitos mais comuns de saboreá-lo acompanhado de um bom pedaço de queijo está salvaguardado. De acordo com Brita Willershausen, autora da pesquisa, a tradição de provar diferentes queijos em combinação com o vinho pode ter um efeito benéfico na prevenção da erosão dentária, desde que estes queijos contenham uma concentração elevada de cálcio, pois ajuda a neutralizar o ataque ácido. Mas, se por um lado se pode respirar de alívio, por outro

há harmonizações que devem ser evitadas. Por exemplo, com morangos ou sumos de frutas ácidas. De acordo com os investigadores, essa mistura pode agravar ainda mais o problema, devido à alta concentração de ácido nos dentes. Segundo Damien Walmsley, da British Dental Association, o vinho branco é reconhecido como sendo mais erosivo que o tinto, mas a maneira como se consome é que é importante. Se beber um copo de vinho com a refeição e se fizer um intervalo de pelo menos 30 minutos antes de escovar os dentes, não há problema. Segundo o especialista, escovar os dentes pouco depois de beber o vinho também intensifica o dano. O consumo de vinho com outros alimentos, ao invés de sozinho, faz com que se produza saliva ao mastigar, o que ajuda a neutralizar a acidez e o potencial erosivo. E o tempo dado antes de escovar os dentes permite que o esmalte se recupere do ataque ácido... Esta conversa toda serve apenas para que os apreciadores de vinho se possam prevenir contra alguma situação menos agradável relacionada com a saúde dos dentes. Mas o que é facto é que um bom copo de vinho (seja qual for o tipo de vinho) não só costuma fazer bem ao corpo (especialmente ao coração, mas também à alma), servindo sempre como uma boa desculpa para passar momentos de intenso prazer. E não há nada melhor que partilhá-lo com as pessoas de quem se gosta. Por isso, beba pouco e bom e, para não ferir susceptibilidades junto dos investigadores, não se esqueça de comer queijo e lavar os dentes só meia hora depois de beber vinho! Tchim, tchim...!

MAXILLARIS, Março 2010

81


Breves Mar10.qxd

25/2/10

17:09

Página 82

Breves OFERTA IMOBILIÁRIA VENDO CLÍNICA com três salas, RVG, ortopantomografia e terradiografia digitais. Moderna. Bem situada em Guimarães.

Tel.: 966 428 845 TRESPASSE Consultório Dentário à saída de Lisboa com 20 anos, único na zona. Acordo com ADSE.

Tel.: 931 115 441

82

MAXILLARIS, Março 2010

O seu anúncio neste espaço por 20 euros

MAXILLARIS Visite-nos no nosso stand 14 I14B na Expodental, em Madrid (Espanha), entre 11 e 13 de Março.


publi

8/6/09

10:11

Pรกgina 1


publi

24/2/10

13:12

Pรกgina 1


MARÇO-MAXILLARIS-PT