Page 1

Mahalo Press | Ano 2 | #7 | Distribuição gratuita

Do Cacau Fomos até Ilhéus para saber mais sobre as ondas, as histórias e os talentos da ‘Terra de Gabriela’

Tito Rosemberg Jornalista fala sobre suas experiências em 43 anos de peregrinação por mais de 100 países

MAHALO Summer Festival

Megaevento esportivo promoveu 10 modalidades, definiu títulos brasileiros e agitou o litoral pernambucano

www.mahalo.com.br


Pernambuco Festival

Foto: Fabriciano Júnior

Foto: Fabriciano Júnior

Evento multiesportivo patrocinado pela MAHALO agitou litoral pernambucano com dez modalidades

32

Rolé em Ilhéus

Fomos à ‘Terra de Gabriela’ para mostrar os encantos de uma cidade que respira surf e beleza

Foto: Arquivo Tito Rosemberg

22 Tito Rosemberg

O jornalista, fotógrafo, ambientalista e surfista fala sobre suas peregrinações por mais de 100 países

50

Foto de capa: Coleção de Verão Mahalo 2012, intitulada Viva La Vida, celebra a liberdade e o bem-estar (Foto: Dodô Villar)

06

Editorial

08

De olho na série

10

Editorial MAHALO

12

Você tem fome de quê?

26

Mahalo Bahia Festival 2012

27

Musa Mahalo

28

Editorial EDYE Infantil

30

Editorial MAHALO Infantil

36

Perfil Rafael Cavalcanti

40

Editorial EDYE

44

Editorial MAHALO Reveillon

54

Lojas Shopping Bela Vista

58

Editorial ASA

60

Sons, filmes e afins

64

Skate

66


Fé na vida e pé na estrada! Poucas pessoas no mundo encaram a vida como o carioca Tito Rosemberg. Jornalista, fotógrafo, ambientalista, viajante e um dos pioneiros no surf e na fabricação de pranchas no Brasil, ele decidiu, aos 22 anos de idade, fugir da vidinha burguesa da zona sul carioca e da famigerada repressão política dos militares, nos idos de 1969, para ganhar o mundo. Começou por uma Londres transbordando de movimentos culturais, políticos e comportamentais, onde lavou pratos para garantir o sustento. Da terra dos Beatles e dos Rolling Stones, partiu para uma longa peregrinação pelo mundo, para conhecer novos povos e paisagens. Hoje, aos 66 anos, ele conhece profundamente mais de 100 países e produz matérias, fotografias e documentários para diversos veículos de comunicação ao redor do planeta. Um dos primeiros brasileiros a aderir ao ativismo ambiental, Tito nos conta, em uma entrevista exclusiva, que nas suas andanças não passa menos de três meses em cada lugar, pois interage e ajuda comunidades e se intera sobre questões ambientais e climáticas. É assim que ele vai se fortalecendo espiritualmente, ampliando sua vasta bagagem cultural e abrindo a cabeça de milhares de pessoas para o fato de que o mundo as espera. Rosemberg vê e aproveita a vida de uma forma diferente da maioria de nós, simples mortais, e por isso suas experiências e ideias são de uma riqueza impressionante. Ele instigou gerações a colocarem o pé na estrada e a olhar para os recursos ambientais de uma forma diferente.

A revista MAHALO PRESS é uma publicação do Grupo Mahalo, Wave Beach, Edye EXTREME CO. e Asa Classic WEAR. Produzida por: Tel.: (71) 3414-9834

www.4linhascomunicacao.com.br

Edição e produção: Yordan Bosco - MTB/BA 2992 yordanbosco@4linhascomunicacao.com.br Projeto gráfico, editoração e tratamento de imagens: Alexandre Karr alexandrekarr@4linhascomunicacao.com.br

Viva La Vida Os sentimentos de liberdade, descoberta e amor pela vida foram nossas maiores inspirações para a produção desta edição. Além das aventuras de Tito Rosemberg, apresentamos também a Coleção Verão 2013 da MAHALO, que traz o tema Viva La Vida. O conceito das peças instiga o sentimento de viver todos os momentos na mais alta intensidade, sempre com a velha e constante busca pela felicidade. Com roupas e acessórios que são um verdadeiro convite para celebrar e aproveitar o que o mundo tem de melhor para nos oferecer, a coleção é fruto de um estudo de mercado, no qual coletamos informações referentes às tendências de moda, ao comportamento do consumidor e aos fatores que influenciam e o levam a desejar e se sentir bem ao vestir MAHALO. Nossa equipe de moda e design mergulhou fundo e caprichou nas cores, nas estampas e nos tecidos e produziu peças exclusivas, comprovadamente duráveis e confortáveis. Portanto, quando adquirir um produto da coleção Viva La Vida, você não vai estar apenas bem na fita, confortável, elegante e na moda. Vai compartilhar de conceitos essenciais à busca de felicidade, da liberdade e da realização dos seus sonhos. Tudo isso pode ser conferido nos editoriais de moda, nas páginas a seguir. Como de costume, produzimos mais uma edição da Mahalo Press com muito carinho e fazemos, através do nosso conteúdo, um convite para celebrar a vida. Pois entendemos que ela deve ser reverenciada diariamente, a cada segundo, por qualquer motivo. Mahalo

Colaboraram nesta edição: Revisão: Socorro Araújo; Assessoria executiva: Raul Marcacini (gerente de marketing MAHALO); Colunistas: Fábio Tihara e Lucius Gaudenzi; Textos: Adriele Santos e João Carvalho; Fotos: Clodoaldo Ribeiro, Diego Freire, Dodô Villar, Erik Aeder, Fabriciano Júnior, Jack d’Emilia, Kristin Scholtz, Márcio Luiz, Max Interaminense, Lucius Gaudenzi, Tito Rosemberg, Victor Kruschewsky e Zecops; Impressão: Vox Editora.

Os textos assinados reproduzem as opiniões dos seus autores e não necessariamente do veículo e do grupo. Contato Comercial: contatosmahalo@mahalo.com.br Contatos com a Redação: yordanbosco@4linhascomunicacao.com.br Correspondência: Rua Morada da Lagoa, 452, Condomínio Morada da Lagoa, Galpão 6, Fazenda Coutos, Salvador/BA CEP: 40.750-120


MAHALO e Tamar apoiam projeto na Praia do Forte Através do surf, 16 crianças da Praia do Forte, no norte do litoral baiano, aprendem conceitos de educação ambiental, cidadania e conhecimentos sobre a natureza. Elas participam do Na Onda da Educação, realizado pelo Projeto Criação e apoiado pela MAHALO e pelo Projeto Tamar. O Na Onda da Educação faz parte da programação do setor de educação ambiental do Tamar, intitulado Tamarzinho, que oferece outras atividades diárias, a exemplo de pesca, teatro, artesanato, música e culinária. As aulas de surf acontecem às sextas-feiras, em dois turnos, sob a orientação do professor de Educação Física e especialista em educação ambiental Israel Neri. De acordo com Neri, o surf passou a fazer parte do Tamarzinho em 2006 e é apoiado pela MAHALO, com materiais, desde setembro do ano passado.

Com o aumento dos adeptos do stand’up (SUP) e, consequentemente, da demanda pelas pranchas e pelos acessórios para a prática da modalidade, o Grupo MAHALO vem investindo forte nos equipamentos para o esporte. A fábrica de pranchas da empresa, dirigida pelo shaper Luiz Augusto Pinheiro, está se especializando cada vez mais nas pranchas de SUP. Quem pratica ou tem o desejo de iniciar no stand’up pode ir em qualquer loja do grupo e encomendar uma prancha. Elas custam entre R$ 2,6 e R$ 3 mil. Se você preferir uma prancha já pronta, vá às lojas da Praia do Forte, do Salvador Shopping, do Shopping Barra, do Paralela Shopping (em Salvador), de Recife ou de Aracaju. O SUP é praticado nas ondas (wave) ou em travessia (paddle) e requer outros equipamentos, como remo e deck, que também podem ser encontrados nas lojas da Rede MAHALO.

Foto: Yordan Bosco

Rede MAHALO investe em stand’up

Israel Neri ensina noções de surf e educação ambiental para as crianças do Tamarzinho

Mahalo Petrolândia Adventure agita sertão pernambucano

As encomendas de pranchas de SUP podem ser feitas em uma das 28 lojas do Grupo MAHALO

A segunda edição do Mahalo Petrolândia Adventure reuniu cerca de 200 atletas de seis modalidades, nas águas do Rio São Francisco, na Cidade de Petrolândia, interior de Pernambuco. Com provas de stand’up, jet sky, vôlei de praia, futevôlei, remo e futebol de areia, a competição aconteceu entre os dias 25 e 27 de maio e agitou toda a região. Assim como a primeira edição, realizada no ano passado, o evento atraiu um grande público. “Esta segunda edição do Petrolândia Adventure nos coloca de vez no calendário brasileiro dos esportes radicais. Ótimos atletas participaram e não faltou emoção. O evento também fomenta o turismo de aventura na região, que é repleta de belezas naturais e oferece aos seus visitantes diversas opções de lazer”, diz o organizador, Geraldinho Cavalcanti. Além da MAHALO, patrocinaram a competição o Governo do Estado de Pernambuco e a Prefeitura Municipal de Petrolândia.

10

Foto: Divulgação Petrolândia Adventure

Foto: Diego Freire

Intensas disputas e fortes emoções às margens do Velho Chico


Viver cada dia como se fosse uma página de um livro em branco, pronto para ser escrito. Porém, escrevê-lo como se o livro jamais tivesse fim. Ver as transformações da vida, que se renova a cada aurora, e sentir o calor do sol que a toca, para depois sentir o frescor do entardecer.


Direção Geral: Gabriel Almeida e Raul Marcacini Direção de Fotografia: Dodô Villar / Estúdio Artis Direção de Vídeos: Allan Costa / Estúdio Artis Assistentes de vídeo e fotografia: Aline Castro, Vitor Gonçalves e Rafael Argollo Produção de Moda: Adriana Regis e Gabriel Almeida Produção Executiva: Milla Pompa e Raul Marcacini Maquiagem e cabelo: Laine Arcanjo Assistente de maquiagem e cabelo: Rebeca Trindade Modelos: Camila Pettres, Gabriel Lago, Pedro Moreira, Thiago Reis, Nicole Ollandezos e Yasmin Bahia


Foto: Clodoaldo Ribeiro / Divulgação

As ondas e os encantos da ‘Terra de Gabriela’ Por Yordan Bosco

Mais importante região produtora de cacau do mundo no século passado e cenário de diversas obras de Jorge Amado, Ilhéus é uma cidade que concilia um agradável provincianismo praiano com infraestrutura e forte vocação para o desenvolvimento econômico. Com um belo e extenso litoral, o município, localizado no sul da Bahia, é conhecido no cenário do surf internacional por revelar talentos como Jojó de Olivença, Yuri Soledade, Wilson Nora e Bruno Galini

22


P

ossuir 90 quilômetros de extensão litorânea já é um grande privilégio para um município. O que dizer então de um lugar que ainda acrescenta a essa característica uma grande importância histórica e cultural, potenciais econômicos e turísticos promissores e uma juventude saudável, fissurada pela prática de esportes? Detalhado nos muitos romances de Jorge Amado, esse lugar está no sul da Bahia e mistura paisagens naturais peculiares do Nordeste com cenários característicos de outras regiões, além de traços urbanísticos que mesclam arquitetura colonial e contemporânea. À beira do Oceano Atlântico e cercada por belos rios, por uma exuberante Mata Atlântica e por belos coqueirais, Ilhéus tem ainda o charme de uma cidade que foi sede de uma das mais importantes capitanias hereditárias, a Capitania de Ilhéus, no período colonial. É um lugar onde história e moder-

Top 10 do Circuito Brasileiro nas últimas três temporadas, Bruno Galini é um dos principais representantes da cidade

Foto: Victor Kruschewsky

Dois dos mais importantes símbolos históricos de Ilhéus: a Catedral de São Sebastião e o Restaurante Vesúvio

nidade se misturam e onde pessoas acolhedoras, alto-astral e prestativas estão sempre de braços abertos para receber os visitantes. Ilhéus se caracteriza também por possuir diversas opções de lazer e de picos para a prática de esportes como o surf, o kite, o mergulho, a pesca, o futevôlei, o skate, o triathlon, a mototrilha, os esportes de vela, entre muitos outros. É o lugar que concilia a tranquilidade, a facilidade de acessos, o alto-astral e o provincianismo gostoso de uma cidade litorânea com o potencial econômico, a infraestrutura e a urbanidade de uma cidade com cerca de 300 mil habitantes, com forte vocação para o comércio, o turismo, a atividade portuária, a indústria de informática, a agricultura, entre outras. “É um lugar que você pode fazer coisas características de cidades grandes, como ir ao shop-

23


Foto: Clodoaldo Ribeiro / Divulgação

Os 90 quilômetros do litoral Ilheense abrigam belas paisagens e ecossistemas protegidos

to com o próprio Jojó, com Gabriel Macedo, Davi do Skate, Jabes Local, Rodrigo Barreto, entre outros, que contribuiu para o surgimento das gerações seguintes, das quais fazem parte Jerônimo Bonfim, Wilson Nora, Flávio Costa, Marcelo Alves, Maurício Will, Yuri Soledade, Franklin Serpa, Rudá Carvalho e Flávio Galini.

ping, ao cinema e a um bom restaurante, e trabalhar em grandes empresas ou em instituições públicas importantes. Mas também é possível passear pelas ruas e parar para bater papo com muitas pessoas conhecidas. É possível também ir andando ou pedalando à praia para encontrar os amigos”, comenta a jornalista Ilheense Camile Maltez. “Ilhéus tem também boas universidades e colégios e uma estrutura urbana organizada”, elogia Camile.

24

Foto: Victor Kruschewsky

Vocação para o surf O surfista profissional da MAHALO Bruno Galini é quem apresenta as ondas de Ilhéus: “A cidade é muito boa pra se morar. Um clima agradável, com várias praias e diversos picos de surf. Tem as praias do norte, onde tem umas das ondas mais cavadas da região, e tem o Hawaizinho, um pico onde rola altos tubos e meu amigo Marcelo Alves é o mestre”, detalha o ilheense. “As ondas da Avenida Soares Lopes são boas e consistentes. Tem a Praia do Sul, onde eu treino diariamente e possui ondas muito boas. Gosto de surfar também no Back Door, de Olivença, que é um dos melhores point brack do Brasil. Fundo de coral raso e altas ondas”, revela Galini. Campeão nordestino profissional 2010 e top 10 do circuito brasileiro nos últimos três anos, Bruno Galini é um dos muitos talentos revelados em Ilhéus, para o Brasil e para o mundo. O mais ilustre surfista da região é Jojó de Olivença. Campeão Brasileiro em 1988 e em 1992, Jojó figurou entre as estrelas do surf internacional e representou o Brasil na elite mundial por cinco temporadas. Os irmãos Argolo, Adalvo, Jânio e Brício, também levaram o nome de Ilhéus mundo afora. Integrantes da elite do surf brasileiro nos anos 80, fizeram parte de uma geração, jun-

Privilegiada “Ilhéus é uma cidade privilegiada por natureza. Estamos no meio da Mata Atlântica e possuímos ondas com diferentes formações. Temos o Backdoor, uma direita longa e cheia, o Gravatá, um fundo de pedra com uma onda mais buraco, a praia do Me Ache, situada em frente aos arrecifes do Aeroporto, e as praias do sul”, comenta o jornalista e bodyboarder ilheense

Tawan Chan, atleta da MAHALO, é uma das maiores promessas do surf local


Foto: Max Interaminense

Foto: Clodoaldo Ribeiro / Divulgação

O prédio da Prefeitura Municipal faz parte da rica arquitetura da cidade

Ilhéus tem infraestrutura de cidade grande, ondas boas e agradáveis costumes provincianos

O bairro do Pontal reúne elegância e qualidade de vida

Foto: Fabriciano Júnior

Victor Kruschewsky. Ele destaca também os novos talentos ilheenses e cita Taiwan Chan, Saulo Marques, Igor Oliveira, Wallace Júnior e Fabrício Silva. Fora d´água, o surf ilheense não poderia estar melhor representado. Adalvo Argolo hoje é empresário da uma das redes de lojas mais importantes da região, a Back Door, junto com os irmãos, e é presidente da Confederação Brasileira de Surf (CBS). Ele tem rodado o mundo chefiando a equipe brasileira e defendendo a inclusão do surf nos Jogos Olímpicos. Gabriel Macedo é um dos melhores técnico de surf do país e treina as equipes brasileiras nos eventos internacionais. “Temos ainda um dos maiores jornalistas do ramo que é Ader Oliveira. Ele é editor global do Waves, o maior portal de surf da América Latina”, acrescenta Victor Kruschewsky.

Foto: Fabriciano Júnior

O juiz de surf Carlos Guilherme foi até Olivença, no município de Ilhéus, para curtir as ondas do Back Door


Foto: Erik Aeder

SE LIGUE: Enquanto muitos esperam o Verão baiano para curtir, Yuri Soledade prepara-se para surfar ondas grandes no Inverno havaiano

Verão pra curtir, surfar e comer bem

Lucius Gaudenzi Chefe e surfista, mora na Austrália e viaja pelo mundo em busca de ondas e de novos sabores

Final de ano chegando, Verão na Bahia, o calor aquece a galera e a ansiedade aumenta. Praias lotadas, festas para todo lado, galera bonita e muitos turistas por toda parte. Hora de fazer valer a pena todo o esforço do ano. A malhação pesada, o trabalho árduo, os estudos concluídos e curtir a alta temporada. Muito acarajé, moqueca, sarapatel, feijoada, dobradinha e tantas outras comidas maravilhosas. Caipirinha, cerveja gelada, sucos naturais e água de coco. Os cardápios são variados, para agradar a todos. Stella Maris, Praia do Forte, Itacaré, Morro de São Paulo, Porto Seguro, Trancoso, Barra Grande, Ilha de Itaparica e por aí vai. O Verão na Bahia é maravilhoso. Vale pedalar, andar de skate, jogar bola, surfar altas ondas ou simplesmente deitar e relaxar curtindo o visual. Mas, para uma tribo, essa é uma época onde o coração começa a acelerar. A temporada no Hawaii está começando. As primeiras ondulações já bombam nos corais afiados. As pranchas prontas, a saúde a mil, concentração total, pois é hora de viver mais um sonho. Todos os olhos do mundo se voltam para as ilhas havaianas. O encerramento do circuito mundial, a expectativa para a realização do Eddie Aikau, a premiação XXL, as monstruosas ondas de Jaws, os poderosos tubos de Pipeline, enfim, é hora do bicho pegar de verdade. Os baianos, com certeza, estão superpreparados. Yuri Soledade, Danilo Couto, Marcio Freire, Heloy Junior, Lapo Coutinho, Bino Lopes e Alfredo Vilas Boas são os nossos representantes do primeiro escalão. Com certeza, todos na Bahia ou no Hawaii estarão preocupados com a alimentação. Mando algumas dicas superimportantes e, lógico, uma receita su-

Ingredientes: 1/2 kg de polvo, 1/2 kg de peixe branco, 1/2 kg de camarões, 1 cebola grande branca, 1 cebola roxa, 1 pimentão vermelho, 500 ml de suco de limão, 1 dente de alho, 2 pimentas dedo-de-moça (eu prefiro com malagueta), 10 g de gengibre ralado, 200 ml de vinho branco seco, 2 star anises, 50 ml de azeite virgem de oliva, salsinha, sal e pimenta a gosto. Modo de preparo: Lave a cebola, descasque e faça uma cruz na parte da raiz, sem separá-la. Em uma panela com 2 litros de água, coloque o polvo limpo, leve à fervura e cozinhe em fogo brando por pelo menos 1 hora. Corte o peixe em cubos e coloque no suco de limão. Rale o gengibre, corte o alho o mais fino que possa e a cebola roxa, também em juliene (tiras finas acompanhando a largura dos gomos). Retire a parte de dentro do pimentão, deixando-o bem lisinho, e corte em tiras da mesma largura da cebola. Faça o mesmo com as pimentas, porém corte o mais fino que conseguir. Limpe os camarões e reserve tudo. Seu mise en place está praticamente pronto. Verifique a textura do polvo com um garfo, ele tem que entrar macio, porém, cuidado para não amolecer demais, pois esse truque da cebola em cruz funciona bem! Quando cozido, retire o polvo e deixe-o esfriar. Retire um pouco do caldo (cerca de 200 ml), junte o vinho, as star anises, o alho, cebola e pimentão e adicione ao marinado do peixe. Corte o polvo em pedaços de 1 cm e junte. Cubra com filme plástico e deixe marinando por mais uma hora. Na hora de servir, escorra um pouco, tempere com sal e pimenta, o azeite, um pouco do caldo por cima e folhas frescas de salsinha.

Foto: Rodrigo Mariano

persaudável para todos aproveitarem ao máximo a temporada que se inicia. Beber muito líquido e não abusar do álcool, fazer uma alimentação balanceada, com muitas frutas, vegetais, proteínas, carboidratos e minerais. Descansar bastante, pois o sono reabastece o corpo e a alma, e o mais importante: abrir o sorriso, viver seus sonhos e aproveitar cada segundo de forma consciente. E aí vai uma receitinha de um Cebiche de Polvo. Aloha!


Itacimirim, no Litoral Norte baiano, recebeu o evento com sol, altas ondas e um público caloroso

Mahalo Bahia F e stival S urf 2 0 1 2 O Mahalo Bahia Festival Surf 2012 reuniu competições nacionais de longboard, stand’up e surf master (para atletas acima dos 35 anos), além da abertura do baiano de surf profissional

F

oi uma verdadeira maratona. Sete dias de evento (durante os dias 2 e 8 de julho), mais de 300 atletas, tempo agradável, público prestigiando e altas ondas. Atletas de todo o Brasil se reuniram na Praia do Curral, em Itacimirim, litoral de Camaçari (BA), para participar do maior festival esportivo que a Bahia sediou este ano. Em jogo nas disputas do Mahalo Bahia Festival Surf 2012 estavam a quarta e penúltima etapa do circuito brasileiro de longboard, a segunda etapa do brasileiro para surfistas acima de 35 anos, a abertura do baiano de surf profissional e a terceira etapa do brasileiro de stand’up race (travessia) e wave. Um dos principais personagens do evento foi o cearense Geraldo Lemos. Portador de uma deficiência em um dos braços, ele ignorou suas limitações físicas e faturou o título da competição de longboard profissional. Veio brilhando a cada bateria desde a primeira fase e, na decisão, derrotou o paulista de São Sebastião Jefson ‘Jejé’ Silva. Protagonista de uma virada espetacular na terceira rodada, Geraldo Lemos continuou com a estrela de campeão brilhando até a última disputa em Itacimirim. “Estou muito feliz. Esse foi um evento em que tudo deu certo desde o início. As ondas foram aparecendo e eu fui aproveitando muito bem. Dedico este título aos meus filhos Guilherme e Gilsinho”, comemorou o campeão. Na decisão da segunda etapa do brasileiro de long profissional feminino, a vencedora foi a pernambucana Atalanta Batista, que acumulou sua segunda vitória consecutiva. A prova contou ainda com categorias amadoras, que tiveram como destaques o capixaba Felipe

Lacerda (campeão adulto), os baianos Rogério Vasconcelos (campeão master) e Carlos Moraes (campeão super master), o catarinense Gabriel Vitorino (campeão júnior), além da paulista Nicole Parcelli e do baiano radicado no litoral paulista Carlos Bahia (campeões stand up wave). No Baiano Pro quem se deu melhor foi Rudá Carvalho e no Brasileiro Master os campeões foram Saulo Carvalho (PB), Fabio Quencas (PE), Claudio Marroquim (PE) e Mickey Hoffmann (SC). Na prova de stand’up race, que rolou na Lagoa Aruá, na Praia do Forte, venceram os baianos Gustavo ‘Kombi’ Costa, Bárbara Brasil, Pedrinho Valadares, Jeffer Moreno, Cynthia Moreno, José Augusto, Guilherme Vasconcelos e Bia Moreno.

Campeão do longboard profissional, o cearense Geraldo Lemos foi um dos principais personagens do festival

Fotos: Fabriciano Júnior

Itacimirim celebra festa das ondas


Danielle Sena Fotos: Dodô Villar

Na leva das homenagens ao centenário de Jorge Amado, resolvemos prestigiar Ilhéus mais uma vez e escolhemos uma ‘Gabriela’ para ser a Musa desta edição. A linda morena Danielle Sena saiu da terra do cacau diretamente para o Litoral Norte baiano e foi clicada na Praia do Forte pelo fotógrafo Dodô Villar. Aos 28 anos, Danielle é empresária do ramo da moda e estuda Enfermagem. Ela malha e pratica boxe para manter a forma. “Gostei muito desta experiência de ser Musa Mahalo. O ensaio foi muito gostoso e tranquilo”, explica. Como toda ilheense, ela gosta muito de praia e costuma ir às baladas. Curte todos os gêneros musicais, mas tem uma atração especial pela MPB.

28


Quer ser uma Musa MAHALO? Envie fotos para o e-mail: redacaomahalo@mahalo.com.br

Confira mais fotos no www.mahalo.com.br

29


Direção Geral: Raul Marcacini Direção de Fotografia: Dodô Villar – Estúdio Artis Direção de Vídeo: Allan Costa – Estúdio Artis Maquiagem e Cabelo: Andressa Esfinge Modelo: Lucas Pracias Produção de Moda: Ubiratan Almeida


Messias Félix venceu a prova do nordestino pelo segundo ano seguido

Fotos: Fabriciano Júnior

Maratona esportiva em Pernambuco Mahalo p e r n amb uc o SUM M E R f es tival MAHALO patrocina megaevento com dez modalidades nas praias de Maracaípe, Cupe e Porto de Galinhas. Festival consagrou Halley Batista (PE), campeão nordestino de surf profissional, e Phil Rajzman (RJ), campeão brasileiro de longboard As praias do Cupe, Maracaípe e Porto de Galinhas, no município de Ipojuca (PE), receberam mais de 400 atletas de 13 estados em um dos eventos esportivos mais plurais do litoral brasileiro. O Mahalo Pernambuco Summer Festival rolou entre os dias 13 e 23 de setembro e definiu títulos importantes, sobretudo de esportes praticados nas ondas. O evento coroou os irmãos Halley e Atalanta Batista com os títulos nordestino de surf e brasileiro de longboard feminino. O carioca Phil Rajzman e o paraibano Saulo Carvalho também tornaram-se campeões nacionais de longboard profissional e master. Ao todo, dez modalidades foram disputadas no litoral sul pernambucano, no evento patrocinado pela MAHALO e pelo Governo do Estado de Pernambuco, através da Secretaria de Turismo. Com uma megaestrutura, o festival distribuiu R$ 200 mil em premiação e teve investimento de mais de R$ 800 mil. Foram gerados 180 empregos diretos e mais de 360 indiretos durante as duas semanas de realização do evento, que recebeu um público estimado em 10 mil pessoas.

32

Rolou disputas de surf, longboard, kite surf, stand up, futebol de areia, vôlei de praia, corrida de jangada, futevôlei, handbeach e pesca de arremesso. “O evento já nasce grande, com números significativos para o esporte, para o turismo e para a economia do litoral pernambucano. Além disso, também estamos mobilizando a imprensa especializada nacional para conseguirmos a projeção que este projeto merece. Por tudo isso, a iniciativa já é uma promessa para o calendário de turismo esportivo do estado”, comenta o promotor do evento e presidente da Associação Nordestina de Surf (ANS) e Associação Brasileira de Longboard (ABL), Geraldinho Cavalcanti. “Toda a família MAHALO se sente muito feliz e orgulhosa de fazer parte de uma festa esportiva de proporções gigantescas como esta. O fomento ao esporte é uma das nossas principais bandeiras. Por isso, quando o evento nos foi apresentado, o abraçamos de imediato”, comemora o diretor-presidente da MAHALO, Tony Almeida. Este ano, a empresa já havia patrocinado um grande festival em Itacimirim, na Bahia, e outro em Petrolândia, no sertão de Pernambuco.


Halley Batista (com a criança no colo) foi coroado campeão nordestino de surf profissional 2012

Halley campeão A grande decisão da última etapa do ANS Tour 2012, o nordestino profissional, foi vencida brilhantemente pelo cearense Messias Félix. Mas quem levou o caneco de campeão nordestino da temporada foi o ‘local’ de Maracaípe Halley Batista. A prova foi realizada nos dias 22 e 23 de setembro, na praia do Cupe, dois quilômetros ao norte de Porto de Galinhas, e teve ainda na decisão a presença do potiguar Alan Jhones (segundo), do baiano Franklin Serpa (terceiro) e do pernambucano César ‘Molusco’ Aguiar. Batista pôde comemorar o primeiro título nordestino de Pernambuco ao avançar na sexta bateria das oitavas de final. “Glória a Deus. Na última onda, eu tentei o aéreo, consegui completar e estou muito feliz”, vibrou Halley Batista. “Há muito tempo eu venho buscando esse título de campeão nordestino. Desde o início do circuito, em 2005. Sempre fiquei ali na boca. Fui vice-campeão em 2009, duas vezes quinto lugar e agora finalmente consegui essa conquista inédita para o surf de Pernambuco”, vibra. Já Messias Félix assumiu a liderança do ranking brasileiro com a segunda vitória consecutiva na prova pernambucana do Nordestino Pro. “Estou até sem palavras. Competir com essa galera aí foi incrível, todo

O evento reuniu mais de 400 atletas em três praias diferentes e teve investimento de mais de R$ 800 mil

mundo surfa muito. O Alan Jhones estava na liderança e eu sabia que tinha que fazer uma onda muito boa pra vencer”, contou Messias Felix, que veio embalado da Europa, onde conquistou a sua primeira vitória no Circuito Mundial da ASP, em Portugal. Título inédito para Rajzman Halley Batista também comemorou o título da quinta e última etapa do Brasileiro de Longboard Profissional, encerrada no dia 16 de setembro, na Praia do Cupe. Porém o adversário das quartas, Phil Rajzman, foi quem conquistou o título nacio-

33


Fotos: Fabriciano Júnior

Corrida de jangada agitou a paradisíaca Porto de Galinhas

Mahalo p e r n amb uc o SUM M E R f es tival nal da temporada. Campeão mundial de 2007, o carioca venceu a primeira etapa em Noronha e vinha em uma dura batalha pelo título com o paulista Danilo Rodrigo e o cearense Geraldo Lemos. “Estou amarradão. É o primeiro título brasileiro da minha carreira e quase não encontro palavras para falar o que estou sentindo”, disse Rajzman, antes ainda de entrar no mar para enfrentar Halley Batista. “Mas, infelizmente, não é o suficiente para mim hoje, pois tenho minha filha pra sustentar e estou tendo problemas pra pagar as contas. Enfim, a falta de patrocínio tem sido muito complicada”. Brasileiro Master Enquanto os pranchões eram a atração na Praia do Cupe no primeiro final de semana do Mahalo Pernambuco Summer Festival 2012, o futevôlei e o vôlei de praia agitavam o centrinho de Porto de Galinhas, e na Baía de Maracaípe os surfistas com mais de 35 anos de idade

34

decidiam a última etapa do Circuito Master da Confederação Brasileira de Surf (CBS). Os potiguares dominaram os pódios, com a vitória de Joca Júnior (Master – acima dos 35 anos) e Eduardo Elias (Grand Kahuna – acima dos 50). Na Grand Master (acima dos 40) o capixaba Arthur Gama venceu e na Kahuna (acima dos 45) a vitória foi do cearense Cardoso Júnior. Burle na área A presença ilustre na premiação do Brasileiro de Longboard ficou por conta do pernambucano Carlos Burle. O bicampeão mundial de ondas grandes estava no estado para captar imagens para o seu filme Gigante pela Própria Natureza e acompanhou o evento. O Mahalo Pernambuco Summer Festival foi uma realização da Associação Nordestina de Surf (ANS), da Secretaria de Turismo do Governo do Estado de Pernambuco e da MAHALO. Contou com apoio da Prefeitura Municipal de Ipojuca, Associação de Hotéis de Ipojuca, Blocos Teccel, EDYE RADICAL CO. e ASA CLASSIC WEAR, além da Federação Pernambucana de


O potiguar Joca Junior foi o campeão da etapa do brasileiro master

Resultados Campeão nordestino profissional Halley Batista (PE)

Campeões brasileiros Phil Rajzman (RJ) - Longboard Pro Atalanta Batista (PE) - Longboard Pro Tiago Lucas (PB) - Longboard Amador Junior Campeões brasileiros de longboard. Phil Rajzman (no topo) conquistou seu primeiro título nacional profissional

Surf. O evento é homologado pela Confederação Brasileira de Surf (CBS), Associação Brasileira de Longboard (ABL) e Associação Brasileira de Surf Profissional (Abrasp), com divulgação da ESPN Brasil, Canal Woohoo, Revista Fluir e Transamérica FM.

Geraldo Lemos (CE) - Longboard Amador Adulto Júnior Manteiga (PB) - Longboard Amador Master Linho Neto (PB) - Longboard Amador Super Master Carlos Bahia (SP) - Stand Up Wave Masculino Nicole Pacelli (SP) - Stand Up Wave Feminino Saulo Carvalho (PB) - Master Artur Gama (RJ) - Grand Master Cláudio Marroquim (PE) - Kahuna Mickey Hoffmann (SC) - Grand Kahuna

35


Direção Geral: Gabriel Almeida e Raul Marcacini Direção de Fotografia: Dodô Villar / Estúdio Artis Direção de Vídeos: Allan Costa / Estúdio Artis Assistentes de vídeo e fotografia: Aline Castro, Vitor Gonçalves e Rafael Argollo Produção de Moda: Adriana Regis e Gabriel Almeida Produção Executiva: Milla Pompa e Raul Marcacini Maquiagem e cabelo: Laine Arcanjo Assistente de maquiagem e cabelo: Rebeca Trindade Modelos: Gustavo Ribeiro e Luan Franca


“Sinto a evolução a cada momento” Por Yordan Bosco

Nova contratação da MAHALO, Rafael Cavalcanti é pernambucano, tem 22 anos e é uma das principais apostas do longboard brasileiro. De temperamento tranquilo, porém determinado no objetivo de buscar suas conquistas, ele finalizou o ranking brasileiro profissional na oitava colocação, surfando com alguns dos seus ídolos Ele cresceu em palanques de grandes competições, dividindo espaços com ídolos do surf brasileiro e internacional. O pai, além de longboarder fissurado, é um dos maiores promotores de eventos do país. O surf já veio no DNA e todas as circunstâncias levaram Rafael Cavalcanti, 22 anos, às ondas. Mas a certeza que seu futuro deveria estar relacionado ao esporte veio mesmo durante os cinco anos que morou com a família no Hawaii. Em 2012, completou o terceiro ano competindo no circuito brasileiro de longboard profissional e finalizou o ranking na oitava colocação. O despertar De temperamento tranquilo, sempre de bem com a vida, de boa fala e muito dedicado aos treinos e à preparação física, o pernambucano surfou de pranchinha até os 15 anos de idade, para só depois se dedicar ao longboard. O título pernambucano de pranchão, em 2007, veio junto com a certeza que já estava na hora do surf deixar de ser apenas uma diversão. E a partir daquele momento projetou os olhos para o futuro e começou a encarar o esporte como profissão.

40

Além de competir e viajar para treinar pelo Brasil e pelo mundo, Rafael também trabalha com o pai, Geraldinho Cavalcanti, na produção de eventos, por todo o Brasil. “Procuro ter uma rotina de treino. Mas, quando estou fora da água, ajudo meu pai na organização e logística de eventos. Estamos sempre viajando pelo litoral e interior para levar os esportes de aventura aos jovens”, explica o surfista, que em 2013 pretende fazer faculdade de eventos. Ele também gosta de ler, ouvir uma boa música, de uma baladinha e de usufruir da riqueza cultural que Recife oferece. O surfista não esconde que sua maior inspiração para o surf está em casa. “Meu pai é, sem sombra de dúvida, meu principal mentor. Foi dele que herdei


Adolescência havaiana E por falar em Hawaii, Rafael Cavalcanti conta que foi nas ilhas onde passou os melhores momentos da sua adolescência. “Lá, estava sempre pegando onda com meus colegas de escola e amigos. Alguns deles são, hoje em dia, grandes nomes no cenário do surf mundial, como John John (Florence), Kiron Jabour e Lapo Coutinho”, revela. “Foi uma experiência rica, porque o Hawaii me proporcionou um contato maior com o esporte, já que existe uma cultura local do surf muito forte. Lá, morei com minha família (pai, mãe e irmãos) e junto com eles consegui me concentrar no surf e nos estudos”.

Influência dos ídolos Influenciado por nomes como Picuruta Salazar, Bonga Perkins, Phil Rajzman e Rodrigo Sphaier, Rafael sempre tirou proveito do convívio com os ídolos para evoluir no esporte e confessa que busca constantemente mesclar manobras clássicas com modernas. “Esses atletas levam o surf a sério, com profissionalismo. Procuro trocar experiência e ouvir muito o que eles têm a dizer, para aprender e colocar em prática na minha carreira”. E a fórmula tem dado certo. Prova disso é que o jovem tem se destacado nas competições e derrotado os ídolos em algumas oportunidades. Tem evoluído a cada ano e conquistado melhores resultados no ranking brasileiro. Seu melhor resultado em 2012 foi um terceiro lugar no Mahalo Bahia Surf Festival, realizado em julho, em Itacimirim, município de Camaçari. “Estava me sentindo muito bem naquele campeonato. Tinha acabado de fechar o patrocínio com a MAHALO, que também estava patrocinando o evento. A Bahia é um estado que gosto demais, o evento foi um sucesso e teve altas ondas”.

Foto: Marcio Luiz

essa fissura pelo longboard. Me influenciou e faz isso até hoje. Lembro que, quando morávamos no Hawaii, ele sempre me levava para surfar de longboard no sul da ilha de Oahu. Acabei me apaixonando pelo o estilo e pela ‘vibe’ do pranchão”, conta.

Ficha Idade: 22 anos Quando começou a surfar: Entre 6 e 7 anos de idade Títulos: Campeão Pernambucano 2007; ViceCampeão Brasileiro Júnior 2007; e Campeão Brasileiro Júnior 2008 Viagens: Costa Rica , Peru , Hawaii , Tahiti Som: Gosto de todo tipo de música, mas sempre toca no meu Ipod música eletrônica Onda: Chicama, no Peru Um sonho: Surfar na Indonésia e entrar para a elite do longboard mundial WLT Mulher: As loiras Perfume: Onde Million, de Paco Rabanne. Lugar: Maracaípe (PE) Livro: Nunca Deixe de Tentar, sobre a história do Michael Jordan Filme: Endless Summer Campeonato: Mahalo Festival Surf Outro esporte: Tênis Time: Náutico

41


De rolÊ... Sem hora marcada para chegar, mas sempre de partida. Reinventando os espaços para trilhar novos caminhos e descobrir a cada instante o prazer de estar em constante movimento. EDYE EXTREME CO.


Direção Geral: Raul Marcacini Direção de Fotografia: Dodô Villar – Estúdio Artis Direção de Vídeo: Allan Costa – Estúdio Artis Maquiagem e Cabelo: Andressa Esfinge Modelo: Pedro Tanure Produção de Moda: Ubiratan Almeida


Foto: Jack d’Emilia

Tito Rosemberg

“O mundo é uma bolinha de pingue-pongue” Por Yordan Bosco

Aos 66 anos de idade, o jornalista, fotógrafo, surfista e ambientalista Tito Rosemberg é uma verdadeira enciclopédia geográfica. O carioca, radicado em Pipa (RN) desde 2004, vive desbravando lugares pelo mundo e documenta suas experiências para revistas, jornais, TVs e agências de notícias. Ele conhece mais de 100 países e 5 continentes e acumula experiências fantásticas. Morou 12 anos em automóveis, realizou diversas atividades profissionais para se manter nas viagens e já cruzou o Deserto de Saara por duas vezes

“Ficou mais fácil viajar estilo bacana. As pessoas tiram férias e viajam. Eu ando a pé, de ônibus, de barco e não tenho preocupação. Às vezes, fico perdido, sem falar com ninguém e sem contato com o mundo”

50


As viagens de Rosemberg duram de 3 a 4 meses e ele busca sempre conhecer profundamente os lugares


N

o final dos anos 1960, algumas coisas incomodavam profundamente o jovem da zona sul carioca Tito Rosemberg. A vida no Rio era meio burguesa e se resumia a estudos, surf e festas. Embora já tivesse feito uma viagem longa, quando passou pela Argentina, Chile, Bolívia, Panamá e México, os limites geográficos normalmente eram as praias da Região dos Lagos, mais precisamente Saquarema e Búzios, e, de vez em quando, o sul do Brasil. Filho de comunista e simpatizante dos ideais sociopolíticos de Karl Marx, ele via, incrédulo, o governo militar reprimir amigos e conhecidos com torturas, perseguições e mortes, com respaldo do Ato Institucional Nº 5 (AI-5), emitido em 1968. O fato era que o jovem de 22 anos, de saco cheio do seu ‘mundinho’, já havia experimentado algumas coisas interessantes para a sua idade. Estava no rol dos primeiros surfistas e fabricantes de prancha do país, já colaborava, como jornalista e fotógrafo, para alguns veículos de imprensa e agências de notícias importantes e tinha desbravado lugares interessantes do litoral fluminense e de outras regiões do Brasil. Inquieto, Tito Rosemberg carregava muitas dúvidas na cabeça e por isso fazia psicanálise desde os 16 anos. Mas eis que em sua frente surgiu o livro Sidarta, do escritor alemão Hermann Hesse (publicado em 1922), e os nós começaram a ser desatados. “Eu vivia questionando a vida e não aguentava mais ficar preso no quadrado branco. O personagem Sidarta é baseado na história de um Buda que

vivia trancado em um palácio e resolveu viver a vida lá fora”, explica Rosemberg. O livro mudou a história do jovem surfista e jornalista. E, no mesmo ano de 1969, ele partiu para morar em Londres, na Inglaterra, em busca de novas experiências. Ativismo ambiental Em um ano morando na Europa, onde começou lavando pratos para sobreviver, Rosemberg rodou boa parte do continente de carro e teve os primeiros contatos com um novo mundo, repleto de buscas por liberdade e de ativismo em prol de causas sociais e culturais. Um ano depois, foi morar na Califórnia, onde conheceu o movimento hippie. Foi nos EUA também que viu as portas do mundo definitivamente se escancararem. O desejo de explorar o desconhecido só fez aumentar com toda aquela efervescência cultural e comportamental americana do início da década de 70. Sobretudo porque acabara de adotar mais uma bandeira, que viria propagar e defender mundo afora: a do ambientalismo. “Em 1970, os EUA estavam em uma fase poderosíssima. O movimento hippie abriu minha cabeça para o ativismo ambiental e me fez participar de um outro movimento, chamado Simplicidade Voluntária, que pregava o convívio em harmonia com a natureza, com simplicidade e longe da cultura de consumo”, explica. Rosemberg não apenas escreveu, fotografou e documentou sobre ecologia. Ele tem uma participação política muito importante na defesa do meio ambiente. Foi um dos fundadores do Partido

Na Mauritânia, África, sem lenço e sem documento, na travessia do Saara

52


Curiosidades sobre Tito Rosemberg Verde (PV) em 1986, junto com outros ativistas ilustres, a exemplo do ex-ministro do Meio Ambiente Carlos Minc e Fernando Gabeira. “Cheguei a ser candidato a vereador por Búzios e a deputado estadual pelo Rio de Janeiro. Eu acredito na política, pois, bem feita, ela é fundamental para a vida de todo mundo”, explica.

• Entre 1988 e 1991, apresentou o Baleia Verde, primeiro programa sobre meio ambiente da televisão brasileira, exibido na TV Educativa;

Peregrinação Do início dos anos 70 até aqui, Tito Rosemberg já passou por mais de 100 países e cinco continentes. Desbravou desertos, savanas, ambientes urbanos, florestas e oceanos, na África, na Ásia, na Europa e nas Américas. Escreveu, fotografou e produziu documentários sobre meio ambiente, turismo, surf, gente e paisagens para diversos veículos. Morou por 12 anos em Kombis, Land Rovers e motor-homes e construiu um impressionante acervo de imagens, que 10 anos atrás já tinha mais de 40 mil slides, 70 mil fotos e 200 horas de vídeo. Rosemberg explica que em suas viagens sempre buscou conhecer profundamente os lugares e seus povos. Normalmente, suas viagens duram de 3 a 4 meses e ele busca conhecer os aspectos sociais, culturais, econômicos e ambientais dos lugares. “O mundo hoje é uma bolinha de pingue-pongue e ficou mais fácil viajar estilo bacana. As pessoas tiram férias e viajam. Eu ando a pé, de ônibus, de barco e não tenho preocupação. Às vezes, fico perdido, sem falar com ninguém e sem contato com o mundo”, comenta. “É aquela coisa do peregrino em busca de algo”. Se hoje qualquer surfista de classe média sonha e viaja para pegar onda na Indonésia, no México, no Peru e no Tahiti, Rosemberg já escrevia para revistas especializadas sobre a prática do esporte nesses lugares ainda nos anos 80. Ele desbravou uma Indonésia ainda desconhecida para o mundo do surf e pegou onda no Marrocos e na Libéria, na África, em praias que, na época, a maioria dos mortais sequer imaginava que existiam. O aventureiro explica que a maioria dos surfistas faz viagens superficiais e não busca se aprofundar na cultura dos lugares. “As pessoas precisam fazer mais viagens e menos férias e se envolver com o conhecimento”, recomenda.

• Percorreu de Vancouver, Canadá, até o Rio de Janeiro, de carro, durante quatro meses (1982);

Imagem de Guethary, no sul da França, clicada em 2002

• Para se manter, em algumas viagens, trabalhou como carpinteiro, tratorista, cantor, marinheiro, assistente de cozinha, pizzaiolo, guia turístico, motorista de caminhão, entre outras ocupações;

• Fez duas reportagens fotográficas no Deserto do Saara com duração de seis meses no total (1974 e 1988); • Fez reportagem fotográfica sobre o primeiro encontro dos povos do Ártico, em Inuvik, Canadá, no Círculo Polar (1992); • Em 2008, passou três meses na África percorrendo, em ônibus local, Quênia, Uganda, Ruanda, Burundi, Tanzânia e Zanzibar; • Reportagem fotográfica de três meses em 2009 na África, percorrendo, em ônibus local, Lesoto, África do Sul, Namíbia, Botsuana, Zimbábue, Zâmbia, Malaui, Moçambique e Suazilândia; • Atravessou o Pantanal num jipe; • Viajou de Manaus a Caracas, capital da Venezuela, em ônibus público, e conheceu quase todas as ilhas do Caribe, de Aruba a Cuba; • Perambulou por 31 estados dos EUA e 23 estados brasileiros; • Em dezembro/2003, rodou, durante três meses, pela África do Sul, Cingapura, Bali, Malásia, Tailândia, Laos, Vietnã, Cambodja e Índia. Boa parte da viagem em transporte público, com a mochila nas costas; • Coautor do livro Aventuras no Camel Trophy, publicado pela Editora José Olimpio, que vendeu 40 mil livros em nove edições; • É autor do livro de fotos históricas do início do surf no Brasil, intitulado Arpoador Surf Club, lançado neste ano pela Editora Gaia; • Faz palestras para empresas como IBM, Ticket Restaurante, Fundição Tupy, Philco Hitachi, Citybank, Fundação Dom Cabral e Feira do Surfwear, além de fazer apresentações em escolas e universidades.

Tito Rosemberg foi um dos primeiros surfistas brasileiro e um dos pioneiros na fabricação de pranchas do país

Fotos: Arquivo Tito Rosemberg


Novas possibilidades Ter a liberdade de sair do lugar comum por onde passeiam todas as mentes e onde giram todos os conceitos da sociedade. Ter a convicção de que nem o céu será o seu limite, pois é preciso transcender as barreiras e ultrapassar os obstáculos que o prendem, para alcançar o sucesso.


Direção Geral: Gabriel Almeida e Raul Marcacini Direção de Fotografia: Dodô Villar / Estúdio Artis Direção de Vídeos: Allan Costa / Estúdio Artis Assistentes de vídeo e fotografia: Aline Castro, Vitor Gonçalves e Rafael Argollo Produção de Moda: Adriana Regis e Gabriel Almeida Produção Executiva: Milla Pompa e Raul Marcacini Maquiagem e cabelo: Laine Arcanjo Assistente de maquiagem e cabelo: Rebeca Trindade Modelos: Camila Pettres, Gabriel Lago, Pedro Moreira, Thiago Reis, Nicole Ollandezos e Yasmin Bahia


Foto: Zecops

A MAHALO do Shopping Bela Vista, em Salvador, é uma das maiores surfshops do Brasil, com mais de 200 metros quadrados

Em Recife, a MAHALO fica no sofisticado Rio Mar Shopping, que tem 476 lojas

Grupo MAHALO inaugura lojas em Salvador e Recife Como parte de um ousado projeto de expansão, o grupo MAHALO, que já havia aberto uma loja em Aracaju, no mês de junho, inaugurou mais dois estabelecimentos multimarcas em Salvador, no Shopping Bela Vista, e um em Recife, no recém-inaugurado Rio Mar Shopping. Maior rede de lojas de surf próprias (não franqueadas) do Brasil, o grupo soma agora 28 unidades em três estados, sendo 14 MAHALO e 14 WAVE BEACH. As lojas MAHALO e WAVE BEACH do Bela Vista foram inauguradas junto com o shopping, em julho. A MAHALO fica no segundo pavimento e está entre as maiores surfshops do país, com mais de 200 metros quadrados. Seguindo a tendência das demais lojas do grupo, tem atendimento personalizado, grande variedade de produtos das melhoras marcas do segmento, além de conforto, comodidade e tranquilidade para as compras. O Bela Vista fica em um complexo de condomínios de luxo de Salvador, dentro de um bairro planejado. Possui 200 estabelecimentos em 50 mil metros quadrados e conta com cinema 4DX, kart, boliche, patinação, entre outras atrações. Com mais essas duas lojas, o Grupo MAHALO mantém a tradição de estar presente em todos os shoppings de Salvador.

58

Foto: Divulgação

“Não existe segredo, muito pelo contrário. Trabalhamos com transparência para os nossos clientes. Temos públicos diversificados e por isso construímos estratégias adequadas às diferentes necessidades de cada um deles”, explica, sobre o sucesso do grupo, o diretor-presidente Tony Almeida. Nova loja em Recife Os consumidores pernambucanos ganharam, no início de outubro, a primeira MAHALO do estado. A loja chega com um dos maiores shoppings da América Latina, o Rio Mar Shopping, no bairro do Pina, em Recife. O empreendimento conta com 476 lojas, em uma área construída de 290 mil metros quadrados. A nova MAHALO tem 170 metros quadrados, divididos em dois pavimentos. A loja oferece o que há de melhor, inclusive no que se refere a tecnologia de ponta. Os produtos são selecionados entre as melhores marcas do mercado, incluindo a MAHALO surfwear, EDYE EXTREME CO. E ASA Classic Wear. “O objetivo desta nova loja em um estado de tanta importância econômica e belezas naturais é, primordialmente, demonstrar a solidez da nossa marca e oferecer a mesma qualidade que sempre trabalhamos, desde o princípio da MAHALO”, ressalta o supervisor da rede, Fabiano Gonçalves.


Ir além... Para pessoas que já alcançaram seus objetivos de vida e desfrutam disso com liberdade. Viajar, conhecer novos lugares e sensações, experimentar o que a vida tem de melhor. Viver a vida com uma música que liberta e te leva a qualquer lugar, a qualquer tempo. É o verdadeiro sentimento de voar.


Direção Geral: Gabriel Almeida e Raul Marcacini Direção de Fotografia: Dodô Villar / Estúdio Artis Direção de Vídeos: Allan Costa / Estúdio Artis Assistentes de vídeo e fotografia: Aline Castro, Vitor Gonçalves e Rafael Argollo Produção de Moda: Adriana Regis e Gabriel Almeida Produção Executiva: Milla Pompa e Felipe Cantalogo Maquiagem e cabelo: Laine Arcanjo Modelo: Bruno Dias Locação: Villas do Atlântico-BA Agradecimentos: Sra. Lúcia Helena Lena Villar


Para Tihara, Slater é uma aposta óbvia. Por esta razão, nosso ilustre colunista torce contra o ‘Careca’

Foto: Kirstin Scholtz / ASP

Crônicas do cotidiano Nesta edição, Tihara analisa as chances dos postulantes ao título mundial de surf 2012. Indócil, nosso ‘Japa’ não poupa nem o ídolo maior do esporte, Kelly Slater, das críticas

Fábio Tihara Jornalista, especializado em sons e vídeos

64

Este ano, o WCT está sendo muito mais disputado que nos anos anteriores. Enquanto escrevo este texto, o tour está parado nos poderosos beach breaks franceses, esperando a melhora das condições. Faltando três etapas (Peniche, Santa Cruz e Pipeline), aposto minhas fichas em três surfistas. Kelly Slater é uma aposta óbvia e, sinceramente, estou torcendo contra o Careca. Inclusive a popularidade do americano vem caindo devido a suas declarações infelizes em entrevistas. Primeiro ele disparou contra os brasileiros. Tudo começou quando perdeu para Jadson André no Brasil. Na ocasião, as reclamações foram as notas dadas pelos juízes aos aéreos do brasileiro. Resultado: perseguição nítida dos juízes ao surf de Jadson e que talvez custe seu lugar na elite este ano. O potiguar voador está por um fio no ranking. Depois, pegou no pé de Adriano de Souza pelo estilo agressivo do brasileiro competir.

E, para completar o papelão, uma entrevista na TV metendo o pau na indústria do surf e no mundo das competições. Tal entrevista me pareceu um tanto hipócrita, vinda de um cara que construiu seu nome e carreira nas competições e ganhou notoriedade e muito dinheiro com o surf. Afinal, ele é patrocinado por uma surfwear e, inclusive, tem outra marca própria de acessórios para surf. Em se tratando de Slater, tudo é possível, portanto, ele é favorito, mesmo estando atrás de seus concorrentes diretos (Joel Parkinson e Mick Fanning) e pode vencer qualquer um desses últimos eventos, principalmente em Pipeline, onde sua supremacia nos tubos só pode ser ameaçada pelo novato John Florence. O bicampeão Mick Fanning está na liderança e parece mais focado que nos últimos anos. Já venceu duas etapas este ano, virou baterias na raça e outras com show de surf e vê de perto a aproximação de seu amigo Joel


para ouvir Parkinson no ranking. Depois de tanto ser vice, Parko tenta seu primeiro título mundial e parece estar contando com a ajudinha da mídia e, principalmente, dos juízes para isso. Em Trestles (EUA), Parko surfou muito bem, mas ficou a impressão de que suas notas foram exageradamente altas e as dos seus adversários ligeiramente achatadas. Quem disser que isso não existe não lembra dos títulos de Occy (campeão por serviços prestados ao esporte) e Sunny Garcia (na marra e pressão nas etapas finais no Hawaii). Além disso, falta carisma na pessoa do australiano, que é antipático e arrogante. Correndo por fora, temos os azarões que podem impressionar e botar mais lenha na fogueira que está queimando. O havaiano John Florence vem mostrando o poder da nova geração e atuações de gala em qualquer condição. Tendo Pipeline como quintal de casa, é o mais cotado nos tubos havaianos. Adriano de Sousa está fazendo um excelente ano e, apesar de ter sido ofuscado pela estrela de Medina, Mineiro é o brasileiro com mais chances de se tornar um campeão mundial. Aos 25 anos, é um veterano no tour e o competidor mais feroz da elite. O temperamento de Adriano parece ser o empecilho para mais vitórias e talvez uma pressão pessoal por trazer o caneco... mas, em três etapas, muitas coisas podem acontecer e é bom estarem ligados para não perder um capitulo importante da história do surf.

o) na redaçã ouvidas is a m s (a a edição Podcast d ramids y délico” Ocean - P saio psico 1 - Frank de um en s to u in ez m “Quase d Blues or Boy´s 8.02 - Po s ntino” u o ra v Ta z e filme de 2 - Rend m u e d nora sim “Trilha so mai - Nis Amir Yag t. a e F r ille aslamp K ente” 3 - The G ara o Ori p m e g ia “Uma v e st - Cliqu a n y e We Jay-Z & K , n ” a e ia S cr 4 - Big das e sua bras cria “Duas co ds aged Goo oderno” yer - Dam de surf m e lm fi 5 - Yeasa m u e d ra o n “Trilha so

Frank Ocean - Channel Orange Integrante do coletivo Odd Future, Frank Ocean destoa do estereótipo do rapper americano. Sua excelente mixtape Nostalgia, ULTRA já dava prévia do que seria seu primeiro álbum de estúdio. Channel Orange já provocava curiosidade antes mesmo de ser lançado. Tudo por causa de uma declaração de Ocean, que assumiu publicamente sua homossexualidade. O talento do cantor ofuscou sua própria declaração e arrebatou os críticos, que já alçaram Channel Orange como um dos melhores discos do ano. Em meio a carros, ostentação e desvalorização das mulheres, Frank Ocean prova que é possível fazer rap com sentimento e coração. The XX - Coexist Um dos lançamentos mais aguardados do ano. Depois de uma estreia primorosa, era aguardado com ansiedade o que o trio inglês The XX preparava para seu segundo álbum. Pairavam dúvidas se o grupo conseguiria repetir o sucesso depois de tanta badalação em torno deles. Coexist mantém a mesma levada minimalista e vocais sussurrados, que marcaram o primeiro disco. Talvez mais introspectivo, mas deliciosamente lento e agradável aos ouvidos. Uma das melhores bandas da atualidade e ponto final.

Hot Chip - In Our Heads Quem vê uma foto dos integrantes da banda Hot Chip poderia imaginar que eles fossem qualquer coisa, menos músicos. As aparências enganam e o som dos ingleses agrada pelo balanço pulsante e alegre da música eletrônica. Seu mais novo disco, intitulado In Your Heads, é dançante e contagiante. Capitaneada pela gravadora de James Murphy (Ex-LCD Soundsystem), a banda alça voos que vão além das pistas e clubes noturnos.

Los Sebosos Postizos - Interpretam Jorge Ben Jor O que dizer de um disco da Nação Zumbi cantando músicas de Jorge Ben Jor? Uma combinação que não teria como não dar certo. As novas roupagens dadas pelo pessoal de Recife só engrandeceram a obra de um dos maiores mestres da música brasileira e mundial. Privilegiando a fase violão do mestre, quando ainda era somente Jorge Ben, nos faz matar saudades de uma época que eu, particularmente, não vivi, mas que daria tudo pra ter vivido.


Foto: Arquivo Pessoal

Depois de passar um período rodando pela América do Sul e ficar dois meses no Chile, o skatista da EDYE EXTREME CO. Alex Cardoso resolveu seguir para a Europa, para treinar, se reciclar culturalmente e participar de algumas competições. De Barcelona, na Espanha, de onde falou com a MAHALO PRESS, ele seguiu para a Suíça. Na terra dos bons queijos ele participou de um documentário sobre skate, que será lançado por lá e aqui no Brasil. Sobre a experiência latina, Cardoso conta que no Chile teve a oportunidade de aprender outras culturas, fazer fotos e filmagens. “Aproveitei bem os picos do Chile e participei de três eventos, nos quais me destaquei. Um deles foi em Talagante, no interior de

Santiago, aproximadamente

uma hora e meia do centro. O skatista conta que aconteceu no Chi-

BNegão sobe ao palco de EDYE Na apresentação de lançamento do segundo álbum de BNegão & Seletores de Frequência, Sintoniza Lá, em Salvador, o cantor carioca subiu ao palco do Largo Tereza Batista, no Pelourinho, vestido com roupas da marca EDYE EXTREME CO.. O show aconteceu no dia 5 de outubro.

66

graças ao amigo Paulinho ‘Passaquatro’. “Agradeço a Deus e aos meus amigos por estarem me dando a oportunidade de viver tudo isso”, celebra.

Foto: Divulgação

Pelo mundo

le a oportunidade de conhecer a neve,


Mahalo Press #7  

A nova revista da Mahalo

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you