Issuu on Google+

Biografia José Manuel Cerqueira Afonso dos Santos (Aveiro, 2 de Agosto de 1929 – Setúbal, 23 de Fevereiro de

esperançado devido à sua “memória de galinha” e

digressões da Tuna e do Orfeão Académico. Em Maio de

“inteligência de paquiderme”. É por essa altura que

1964,

começa a cantar o fado coimbrão.

Fraternidade Operária Grandolense, onde se inspira para

andarilho tornou-se, quer pela força mobilizadora das suas canções corporizadas numa voz límpida e poderosamente modulada,

quer

pela

sua

espontaneidade

livre

e

revolucionária, num dos símbolos da resistência contra a ditadura salazarista entre as décadas de 50 e 70. Durante os três primeiros anos de vida, vive com uns tios maternos em Aveiro, pois o pai é colocado em Silva Porto (Angola) como delegado do Procurador da República. Em 1933, parte para Angola para se juntar à família e aí permanece até 1937, recebendo da mãe, professora primária, a primeira instrução. Após um breve retorno a Aveiro, volta a partir, desta vez para Lourenço Marques (Moçambique), onde a família vive entretanto, devido a nova transferência do pai. Em 1939, ele e o irmão regressam a Portugal, enquanto os pais e a irmã partem para Timor. Desta vez, ficará em Belmonte, a cargo do tio

João III, em Coimbra, passando a residir com o irmão, em casa da tia Avrilete, uma viúva e beata que, segundo o irmão, “fosse como fosse, queria mandar o rapaz para o céu”. Experimenta então um ambiente e uma educação moldados pelo conservadorismo católico, onde a única vantagem foram os conhecimentos melómanos do tio Filomeno que terão influenciado e educado o gosto e o ouvido de José Afonso. No liceu, José Afonso não é bem visto pelos professores que imita e ridiculariza. Também as notas não são brilhantes e aos 17 anos, numa carta à irmã, em vésperas dos exames do 6º ano, descreve-se pouco

actua

na

Sociedade

Musical

fazer a canção «Grândola, Vila Morena» que viria a ser, no

na Universidade de Coimbra, onde conciliará os estudos e

dia 25 de Abril de 1974, a senha do Movimento das Forças

a vida boémia do fado. Assim se começa a relacionar com

Armadas (MFA) para o derrube do regime ditatorial. Entre

cantores e guitarristas ligados ao fado coimbrão e a cantar

1964-1967, vive com Zélia em Moçambique, onde

em festas de aniversário e baptizado com amigos. Em

reencontra os seus dois filhos. Nos últimos dois anos, dá

1950, casa com Mª Amália Oliveira, uma jovem costureira

aulas na Beira. Aqui musicou Brecht na peça A Excepção e

de 18 anos, com quem viveu até 1955 e de quem teve dois

a Regra. Em Moçambique nasce a sua filha Joana (1965).

filhos, José Manuel e Helena. Para sustentar a família, dá

Em 1967 regressa a Lisboa esgotado pelo sistema

explicações a alunos do liceu e trabalha como revisor para

colonial. Deixa o filho mais velho, José Manuel, confiado

o Diário de Coimbra. Em 1953, grava os primeiros discos,

aos avós em Moçambique. Colocado como professor em

ambos intitulados Fados de Coimbra, acompanhado por

Setúbal, sofre uma grave crise de saúde que o leva a ser

famosos guitarristas como, António Brojo e António

internado durante 20 dias na Casa de Saúde de Belas.

Portugal. Ainda em 1953 é chamado para cumprir o serviço

Quando sai da clínica, tinha sido expulso do ensino oficial.

militar obrigatório em Mafra. A crise conjugal e as

É publicado o livro Cantares de José Afonso, pela Nova

dificuldades

família

Realidade. O PCP convida-o a aderir ao partido, mas José

acentuam-se. Entre 1955 e 1958, inicia uma vida errante

Afonso recusa invocando a sua condição de classe.

de professor em Mangualde, Aljustrel, Lagos, acabando

Dedica-se então a dar explicações e a cantar com mais

por ser colocado em Faro.

assiduidade nas colectividades da Margem Sul, onde é

económicas

para

sustentar

a

No Algarve, sua “pátria adoptiva”, já separado de

nítida a influência do PCP. Pelo Natal de 68, edita o álbum

Mª Amália e com dificuldades económicas (o que o leva a

Cantares do Andarilho. Em 1969, com a Primavera

enviar os dois filhos para Moçambique, para junto dos

marcelista,

avós), iniciará um processo de consciencialização política,

movimento sindical e nas acções estudantis em Coimbra.

seguindo de perto a candidatura de Humberto Delgado, em

Edita o álbum Contos Velhos Rumos Novos e o single

1958. Rompe com a tradição de Coimbra, editando os LPs

«Menina dos Olhos Tristes» que contém a canção popular

Balada de Outono, Coimbra e Baladas de Coimbra.

«Canta Camarada». Recebe o prémio da Casa da

Conhece ainda Zélia, sua segunda mulher, de quem terá

Imprensa para o melhor disco, distinção que repete em

mais dois filhos, Joana e Pedro, e que o acompanhará até

1970 e 1971. Pela primeira vez num disco de José Afonso,

ao fim da vida. Entre 1961-62, segue de perto a crise

aparecem outros instrumentos que não a viola ou a

estudantil universitária e realiza várias digressões pela

guitarra. Nasce o seu quarto filho, Pedro.

paterno, Filomeno dos Santos, para terminar a instrução primária. Em 1940, faz exame de admissão ao Liceu D.

Afonso

Em 1949, matricula-se em Histórico-Filosóficas,

1987), ou simplesmente Zeca Afonso, é uma figura ímpar da canção popular portuguesa. Poeta, cantor-trovador e

José

José

Afonso

participa

activamente

no

Em 1970 é editado o álbum Traz Outro Amigo

Europa. Em 1963 termina o curso e até 1964 mantém-se

Também, gravado em Londres, nos estúdios da Pye, o

ligado à vida académica coimbrã, participando em várias

primeiro sem Rui Pato, impedido pela PIDE de viajar.


Participa, em Cuba, num Festival Internacional de Música

Em 1981, após dois anos de silêncio, regressa a

Popular. Pelo Natal de 1971, é lançado o álbum Cantigas

Coimbra com o seu álbum Fados de Coimbra e Outras

do Maio, sob a direcção musical de José Mário Branco,

Canções. Trata-se da mais bela versão do fado de

nos estúdios de Herouville, um dos mais caros e afamados

Coimbra, interpretada por Zeca Afonso em homenagem a

da Europa, que é geralmente considerado o melhor disco

seu pai e a Edmundo Bettencourt, a quem o disco é

de José Afonso. No ano de 1972, o álbum chama-se Eu

dedicado. Actua em Paris, no Théatre de la Ville.

Vou Ser Como a Toupeira, gravado em Madrid, com a

Em 1982 começam a conhecer-se os primeiros sintomas

participação de Benedicto, um cantor galego amigo de

da doença do cantor, uma esclerose lateral amiotrófica.

Zeca.

sua

Trata-se, aparentemente, de um vírus instalado na espinal

«peregrinação», cantando um pouco em todo o lado.

medula que, de uma forma progressiva, destrói o tecido

Muitas sessões foram proibidas pela PIDE/DGS. Em Abril é

muscular e, normalmente, conduz à morte por asfixia. Em

preso e fica 20 dias em Caxias até finais de Maio. Na

29 de Janeiro de 1983, realiza-se o espectáculo no Coliseu

prisão política, escreve o poema «Era Um Redondo

com José Afonso já em dificuldades. Nesse mesmo ano é

Vocábulo». Pelo Natal, publica o álbum Venham Mais

reintegrado no ensino oficial, tendo sido destacado para

Cinco, gravado em Paris, em que José Mário Branco volta

dar aulas de História e de Português na Escola

a colaborar musicalmente. A 29 de Março de 1974, o

Preparatória de Azeitão, cidade onde reside. A doença,

Coliseu, em Lisboa, enche-se para ouvir José Afonso,

agrava-se.

Em

1973,

José

Afonso

continua

a

Em 1985 é editado o último álbum, Galinhas do

Adriano Correia de Oliveira, José Jorge Letria, Manuel Freire, José Barata Moura, Fernando Tordo e outros, que

Mato. José Afonso já não consegue cantar todos os temas,

terminam a sessão com «Grândola, Vila Morena». Militares

sendo substituído por Luís Represas («Agora»), Helena

do MFA estão entre a assistência e escolhem «Grândola»

Vieira («Tu Gitana»), Janita Salomé («Moda do Entrudo»,

para senha da Revolução. Um mês depois dá-se o 25 de

«Tarkovsky» e «Alegria da Criação»), José Mário Branco

Abril. De 1974 a 1975 envolve-se directamente nos

(«Década de Salomé»), em dueto com Zeca, Né Ladeiras

movimentos populares. O PREC (Processo Revolucionário

(«Benditos») e Catarina e Marta Salomé («Galinhas do

em Curso) é a sua paixão. Estabelece uma colaboração

Mato»). Arranjos musicais de Júlio Pereira e Fausto.

estreita com o movimento revolucionário LUAR, através do

Em 1986 apoia a candidatura presidencial de Maria

seu amigo Camilo Mortágua, dirigente da organização. Em 1976, apoia a candidatura presidencial de Otelo Saraiva de Carvalho

e

publica

o

Com

as

Lourdes

Pintassilgo,

católica

progressista.

José Afonso morreu no dia 23 de Fevereiro de

Minhas

1987, no Hospital de Setúbal, às 3 horas da madrugada,

Tamanquinhas. O álbum Enquanto Há Força, (1978) de

vítima da doença, diagnosticada em 1982. O funeral

novo com Fausto, reflecte as suas preocupações anti-

realizou-se no dia seguinte, com mais de 30 mil pessoas,

colonistas e a sua crítica mordaz à Igreja. Em 1979, é

da Escola Secundária de S. Julião para o cemitério da

editado o álbum Fura Fura, com a colaboração musical de

Senhora da Piedade, em Setúbal.

Júlio Pereira e dos Trovante.

álbum

de

[F 17 – Abril de 2010]



7_perfil biográfico de Zeca Afonso F 17 - abril 10