Issuu on Google+

casa, aos 19 anos, com um colega de liceu, Alberto

divórcio. Passa a viver em Matosinhos, na casa dos

Florbela Espanca é, sem dúvida, uma das

Moutinho, contra a vontade do pai e do irmão, e vai

pais de Mário Lage.

primeiras vozes na Literatura Portuguesa a exprimir

viver para o Redondo, onde o jovem casal passa a

Em 1927, começa a compor os poemas que

com originalidade e sinceridade poética a alma e a

dar explicações para viver. Publica os seus primeiros

darão origem a Charneca em Flor e a trabalhar num

essência

influências

poemas na Imprensa Portuguesa em 1914. Em 1916,

livro de contos.

simbolista e parnasiana, com recurso ao soneto e ao

inaugura o projecto “Trocando Olhares”, colectânea

Nesse ano dá-se o acontecimento mais

decassílabo, as temáticas da sua poesia reflectem,

de 88 poemas e três contos cujos poemas, mais

trágico na vida de Florbela - a morte do irmão

essencialmente, uma busca e uma insaciabilidade,

tarde, darão origem a duas antologias poéticas, Livro

Apeles, num acidente de aviação - do qual nunca

centradas na idealização transbordante e erotizada

de Mágoas e Livro de Soror Saudade.

recuperará. A sua doença agrava-se bastante e,

Biografia

do

feminino.

Apesar

das

do Eu e do Amor, marcadamente românticas. O

Em 1917, ingressa na faculdade de Direito

segundo Rui Guedes, biógrafo e estudioso da sua

sofrimento, a solidão e o desencanto, aliados a uma

da Universidade de Lisboa, onde é das únicas

obra, “nunca mais conseguiu dormir tranquila, nunca

imensa ternura e a um desejo de felicidade e

mulheres inscritas.

mais se riu, nunca mais deixou o luto.” A escritora

Em Junho de 1919, sai o Livro de Mágoas,

plenitude infinitos, corporizados numa linguagem veemente e confessional, tornam os seus textos

que

únicos e capazes de se apoderarem do leitor.

desconhecimento da autora no mundo literário.

A sua vida foi dominada pelo incomum, pelo

esgota

rapidamente,

apesar

do

quase

O marido vive no Algarve e, Florbela

refugia-se a trabalhar afincadamente no livro As Máscaras do Destino que dedica ao irmão. Mas a sua vida afectiva e profissional tornam-se cada vez mais instáveis.

inesperado e pelo dramático. Nasceu em Vila Viçosa,

apaixona-se

António

Em 1930, começa a escrever Diário do

a 8 de Dezembro de 1894, fruto de uma relação

Guimarães, com quem passa a viver, causando

Último Ano. Passa a colaborar nas revistas Portugal

extraconjugal que o pai, João Maria Espanca,

enorme escândalo entre os parentes. Após o divórcio

Feminino e Civilização e trava conhecimento com o

arranjara com Antónia Conceição Lobo, visto não

com Alberto Moutinho, casa, em 1921, com António

professor italiano Guido Batelli, na ocasião visitante

conseguir ter filhos do seu casamento com Mariana

Guimarães com quem, segundo consta, não é feliz.

na Universidade de Coimbra, que se oferece para

Toscano. Como tal, é registada filha de “pai

O pai e o irmão cortam relações com ela. Começa a

editar as suas últimas publicações.

incógnito”, tal como o irmão, Apeles, que nasce 3

trabalhar num novo projecto que, a princípio se

Após uma primeira tentativa falhada de

anos depois, apesar de ambos terem sido adoptados

chamaria Livro do Nosso Amor ou Claustro de

suicídio e de lhe ter sido diagnosticado um edema

e educados pelo casal. Este estigma social e

Quimeras.

pulmonar, revê, em Matosinhos, o livro Charneca em

por

um

jovem

militar,

instabilidade

Flor e confia os originais a Batelli. No dia 2 de

após a morte da poetisa, altura em que o pai a

emocional e neuróticos, após o segundo aborto

Dezembro de 1930, encerra o seu Diário do Último

perfilha, aquando da inauguração do seu busto, em

espontâneo. Em Janeiro de 1923, publica o Livro de

Ano com a seguinte frase «…e não haver gestos

Évora.

Soror Saudade. Entretanto, volta a apaixonar-se,

novos nem palavras novas.»

ignominioso, para Florbela, só será alterado 19 anos

Acentuam-se

problemas

de

Após ter sido uma das primeiras mulheres a

desta vez, por um médico militar, Mário Lage, com

concluir o curso geral do liceu, em Évora, em 1912,

quem acaba por casar, em 1925, após um segundo


[F 15 – Fevereiro de 2010]

Às duas horas do dia 8 de Dezembro de 1930 – no dia e hora do seu 36º aniversário – suicida-se, ingerindo dois frascos de Veronal. Algumas décadas depois, os seus restos são transportados para Vila Viçosa. Em 1934, Diogo de Macedo termina e envia para Évora o busto de Florbela que, durante anos, ficará encaixotado e fechado numa arrecadação da Câmara. Só 19 anos depois, após o seu reconhecimento como filha legítima de João Espanca, o busto será inaugurado.

Bibliografia Aos dezasseis anos Livro de Mágoas, 1ª edição,1919 Livro de Soror Saudade, 1ª edição, 1923 Charneca em Flor: Sonetos de Florbela Espanca (edição póstuma), 1ª edição, 1931 Juvenília: versos inéditos de Florbela Espanca, 1ª edição, 1931 Cartas de Florbela Espanca a Dona Júlia Alves e a Guido Battelli, 1ª edição, 1931 As Máscaras do Destino, contos, 1ª edição, 1931 Cartas de Florbela Espanca (e evocação lírica de Florbela Espanca por Azinhal Abelho e José Emídio Amaro), 1ª edição, Lisboa, Edição dos Autores, s.d.

Aos trinta e seis anos Bibliografia consultada:

Diário do Último Ano (seguido de um poema sem título), 1ª edição (edição fac-similada), Amadora, Bertrand Editora, 1981

http://www.institutocamoes.pt/cvc/projtelecolab/tintalu sa/numerodois/tl3.html

O Dominó Preto, contos, 1ª edição, 1982

http://www.mulheresps20.ipp.pt/FlorbEspanca.htm#Biografia

“Eu não sou de ninguém!...Quem me quiser Há-de ser Luz do Sol em tardes quentes(…) Há-de ser Outro e Outro num momento! Força viva, brutal, em movimento, Astro arrastando catadupas de astros!»


5_perfil biográfico florbela espanca fevereiro 2010