Page 1


Brigas bêbadas. Sexo casual. Entrevistas de não comparência. Jogar papel higiênico na casa do meu vizinho arrogante. Insultar meus fãs. Destruir quartos de hotel. O que é preciso para se tornar o inimigo público número um? Acabei de te falar. Eu fiz tudo isso e muito mais. Minha má conduta me colocou na lista de Celebridades que se Comportam Mal e acabou arruinando minha carreira. Do popstar número um do mundo ao mundo mais odiado. Este sou eu. Dez Stark. Vá para o subterrâneo, eles disseram. Fique fora dos holofotes. Mais importante ainda, fique longe de problemas. Todo mundo adora uma boa história de retorno. Pela primeira vez eu escutei. Conheci alguém que não sabia meu nome, meu rosto ou o mau comportamento que me definia. Ela me ensinou que eu não era quem todo mundo pensava que eu era – todo mundo inclusive eu. Então alguém sussurrou meu nome e as coisas ficaram confusas, como sempre ficam. Agora eu a quero de volta. Eu não sou uma lagarta, mas uma borboleta. Minhas asas são coloridas, não apenas preto e branco. Mas primeiro tenho que largar meu casulo e voar.


BUTTERFLY Copyright © 2017 CAMBRIA HEBERT Copyright 2017 por Cambria Hebert

Todos os direitos reservados, incluindo o direito de reproduzir este livro, ou partes dele, em qualquer forma, sem permissão por escrito, exceto pelo uso de breves citações incorporadas em artigos críticos e revisões.

Esta é uma obra de ficção. Nomes, personagens, lugares e incidentes são produto da imaginação do autor ou são usados ficticiamente, e qualquer semelhança com pessoas reais, vivas ou mortas, estabelecimentos comerciais, eventos ou locais é mera coincidência.


Para quem jรก se sentiu como uma lagarta. Abra suas asas e voe.


PRÓLOGO Ten

Cinco países. Treze cidades. Quatro semanas. Um show em cada cidade, entrevistas, imprensa ... pessoas. Massas de pessoas. Essa foi a minha vida. Um ciclo interminável de shows e aparências e, ultimamente, uma lista cada vez maior de mau comportamento. Eu levantei o frasco de prata até os meus lábios, então apertei meu rosto em um grunhido quando meus lábios e língua ficaram secos. "Por que isso está vazio?" Eu disse a todos. "Porque você bebeu tudo?" Alguém à minha esquerda ofereceu. Eu dei-lhes um olhar fulminante. "Você não é pago por sarcasmo. Encha-o”. Empurrando o frasco para o lacaio, eu o dispensei e olhei pela janela. Meu joelho saltou rapidamente. A energia nervosa em meu sistema nunca foi saciada. Nem mesmo quando minhas veias tinham mais álcool do que sangue. Segundos depois, o frasco apareceu debaixo do meu nariz, e eu o peguei e inclinei de volta. A queimadura familiar de vodka deslizou pela minha garganta. Depois de dois longos goles, eu puxo de volta, colocando no meu peito para suspirar. "Onde estamos novamente?" Eu perguntei quando a limusine parou. Mesmo através das janelas coloridas, os flashes de toda a imprensa e os fãs estavam cegando. Eu deslizei os óculos de sol Versace para baixo da minha cabeça, sobre os meus olhos. "É noite", a pessoa sentada ao meu lado entoou. Eu olhei, não me incomodando em tirar os óculos. "Você valoriza o seu trabalho?" As pessoas batiam nas janelas, tentando olhar para dentro. A respiração quente deixava as nuvens do lado de fora do vidro, e a segurança gritou para todos voltarem. Minha assistente encolheu. "Bem, sim". "Então cale a boca". Eu me virei, de volta para a janela e o caos que reinava além dela. Tomei outro longo gole da vodka.


"Estamos em Amsterdã", disse meu gerente do outro lado da limusine. Ao lado dela, meu guarda-costas pressionou um dedo na peça preta em seu ouvido. "Tudo claro", ele me disse. Quando a porta se abriu, enfiei o frasco na minha jaqueta de couro, feita sob medida. Não estava disponível ao público ainda, não para quem não era eu. Gritos e gritos estridentes cortam a noite, abafando todos os meus pensamentos, me deixando dormente. No segundo em que meu pé se esticou, o nível de ruído subiu cerca de vinte graus. Desdobrando-me do banco de trás, senti o peso familiar do frasco no bolso. No segundo em que a porta do carro bateu atrás de mim, eu levantei meus braços e sorri. "Estás bem, Amsterdã?” Todo mundo ficou louco. As mulheres estavam chorando, até alguns caras. Uma infinidade de mãos e braços se estendeu sobre as grades de proteção, esforçando-se para me tocar, enquanto todos gritavam meu nome. Eu dei um par de ‘toca aqui’ como flashes de estouro em volta de mim, fazendo meus olhos se esforçarem. "Vamos", disse meu guarda-costas, me guiando para a entrada. Enquanto íamos, eu fazia uma pausa para algumas fotos e parei para assinar alguns pôsteres com meu rosto. "Por favor, Ten!" As meninas estavam implorando, tentando chamar minha atenção. Pouco antes da entrada do local, parei e fui para o trilho novamente, posando para tirar uma selfie com alguns fãs. "Oh meu Deus, eu te amo!" Alguém gritou. "Você e todo mundo", eu murmurei. Eu me movi em direção à porta, mas uma forma escura disparou na nossa frente. Eu pisquei.


Um homem com uma câmera e um saco de merda branca agarrado em suas mãos saltou na nossa frente. "Você é uma merda!" Ele cuspiu e levantou a bolsa, sem dúvida para me bombardear com qualquer coisa que fosse. "Whoa!" Meus guarda-costas me empurraram para fora do caminho como o pó desembolsado por todo o chão, em vez de tudo sobre mim, como se pretendia. O babaca se lançou para o lado, conseguindo sair das garras da minha guarda. Ele pulou em minha direção. Eu não pensei. Eu apenas reagi e joguei meu punho, acertandoo no rosto. Ele caiu, caindo bem no centro da bagunça que ele criou. Seu corpo se contorceu quando ele gritou e gritou. “Meu nariz!”. Ele gemeu. "Você quebrou meu nariz". Os homens me levaram embora, entrando na frente do espetáculo, e me levaram para dentro do prédio. "Eu vou te processar!" O homem rugiu. "Eu vou te ver no tribunal!" Essa foi a última coisa que ouvi antes que as portas cortassem o circo.

"Você não deveria ter feito isso". Eu me virei, o frasco apertado na minha mão, para encarar a porta que minha empresária estava enchendo. "Esse idiota estava chegando". "Provavelmente". Ela emendou, não desista em sua voz. "Mas isso não importa. Você sabe que isso vai ser mais um pesadelo de relações públicas. Um que você não pode pagar”. Esvaziei o conteúdo do frasco e depois deixei cair na mesa ao meu lado. Minha assistente estava por perto e fiz sinal para que ele enchesse tudo de novo. "Você já teve o suficiente". "Você é minha empresária, não minha mãe."


"Parece-me que você poderia usar um pouco de maternidade", ela retrucou. "Você tem um show para executar". Eu abro meus braços. "Eu estou aqui, não estou?" "Você não pode fazer se não conseguir se levantar." Um técnico de palco enfiou a cabeça no meu camarim. "Precisamos de você nos bastidores." Eu me movi pela sala, passando o frasco para fora da mão do lacaio para tomar um gole longo e saudável antes de empurrá-lo de volta. Limpando minha boca com as costas da minha mão, eu arrotei. "Vamos fazer isso." No meu caminho para fora da porta, minha empresária, Becca, agarrou meu pulso. "Você sabe o negócio." "Eu sei. Não diga nada. Mesmo quando os fãs agem como pequenos idiotas”. “Não mencionem o que aconteceu fora também”. Eu ri. "Você cheira como a porra de uma cervejaria", ela disse, enojada. Agarrando meu braço para trás, eu saí e atravessei o longo corredor em direção ao palco. As pessoas se separaram enquanto eu caminhava, abrindo espaço para mim. O lamento da multidão podia ser ouvido até aqui atrás. O ato que os aqueceu deve ter feito o seu trabalho. Eu não conseguia nem lembrar quem era. Eu não me importei. “Vesta-se!” Alguém gritou, e eu gesticulei para as costas. Alguns minutos depois, eu estava amarrado em algum tipo de arnês com cabos, e a multidão começou a cantar meu nome. Raiva subiu dentro de mim. Raiva de tudo e de todos. Energia da multidão, a música, tudo em todo este edifício pressionado, lutando por espaço dentro do meu corpo, empurrando para fora quem eu era como pessoa e dominando. Eu era apenas um convidado aqui. Um convidado na minha própria pele. O ar estava cheio de calor, até mesmo o A/C que entrava pelas grandes aberturas não era páreo para a maneira como sufocava tudo ao meu redor. O esmagamento de corpos,


as luzes, o equipamento - tudo criou uma barreira. O calor só ficava mais intenso conforme o show continuava. "Você está bem?", perguntou um dos assistentes de palco ao meu lado. Eu assenti. "Assim como nos ensaios". Ele me lembrou. Eu balancei a cabeça novamente. Eu fiz isso muitas vezes, eu sonhei em voar. Algumas noites era um pesadelo, caindo em um abismo escuro e sem fundo. Apenas eu caindo, rapidamente mergulhando no nada. Outras noites, não foi tão assustador. Foi uma provocação. Eu comecei aqui, nos bastidores, ligado e pronto para voar alto. Somente quando meus pés finalmente saíram do palco, todos e tudo caíram. Eu voei, subitamente solto por um arreio e consegui ir a qualquer lugar que quisesse. Longe daqui. Longe de tudo isso. Livre. A música começou. Luzes apagadas. As pessoas ficaram loucas. A adrenalina inundou minhas veias e meu estômago se inclinou um pouco. Eu pisquei de volta o sentimento tonto e balancei a cabeça ligeiramente. Quando abri os olhos, o mundo não estava inclinado como o meu estômago e meus pés estavam pairando sobre o chão. Minha voz encheu a arena como todas as noites de concerto. Os fãs não puderam me ver ainda, mas minhas palavras estavam por toda parte. “Perfeição pode ser encontrada entre o ritmo e a batida”. O som familiar de máquinas de nevoeiro bombeando a névoa encheu o palco, e eu olhei para baixo, observando-o preencher o espaço como névoa no set de um filme de terror. Eu continuei indo mais e mais acima dos milhares de pessoas presentes. Alguns tinham bastões luminosos, dispensando-os. Outros tinham isqueiros. Algumas pessoas apenas gritaram. A queda de corpos me deixou instantaneamente cansado. A raiva que eu senti guerreou com a exaustão. Todas essas pessoas alegaram me amar ... mas eu sabia.


Talvez alguns amavam, claro. Mas a maioria? Eles estavam aqui para me ver falhar. Na esperança de ver algum mau comportamento. Espero que eu lhes dê mais uma razão para me odiar. Eu seria notícia de primeira página amanhã, independentemente de quão bem este concerto fosse hoje à noite. Independentemente do sucesso dessa turnê inteira. Eu seria a manchete principal porque eu soquei um "fã". Não importa que ele esteja tentando me bombardear com farinha, então me ataque quando isso for frustrado. Filhos da puta. Todos eles. Aqui acima de tudo, eu tenho alguma clareza repentina. Como se eu estivesse finalmente feliz sozinho em uma arena lotada. A batida familiar de uma música escrita só para mim destruiu todos os outros sons. Abaixo de mim, a multidão rugiu e saltou ao redor, parecendo um poço gigante. Um holofote clicou, me iluminando. Eu fui através dos movimentos, os movimentos cuidadosamente coreografados. "Quem está pronto para a melhor noite de sua vida?" Perguntei à multidão, e o arnês me puxou para mais perto. Todos pareciam prontos. Todos menos eu. Talvez tenha sido a vodka. Talvez eu estivesse maluco. Talvez eu simplesmente não me importasse mais. Ou… Talvez tenha sido o catalisador que salvou minha vida. Bem ali, quando eu voei acima de todos os fãs, algo estalou dentro de mim. Desde que eu estava basicamente amarrado, voando alto, minhas opções para fugir, para dar o fora de lá, eram limitadas. Eu fiz a primeira coisa que me veio à mente.


Com agilidade, meus dedos alcançaram o zíper do meu jeans. Quando a tripulação me levou para o palco, eu abri. Eu liberei toda a vodka que estava enchendo minha bexiga e me deixando desconfortável como o inferno. Eu deixo chover. As pessoas começaram a gritar. Eu ouvi minha empresária gritando no meu fone de ouvido. Eu rasguei e joguei na multidão. "Ele está mijando em cima de nós!", alguém gritou. Caos completo reinou. Eu terminei e dei uma pequena sacudida. Meus pés subiram ao palco. As cordas que me seguravam se soltaram. Minha banda, todo mundo no palco, estava boquiaberto em choque. Eu me enfiei de volta no meu jeans, me sentindo muito mais leve do que antes. Todos ainda estavam perdendo a cabeça. Eu levantei minhas mãos e o lugar ficou em silêncio. Tumba silenciosa. Eu poderia ter ouvido um maldito alfinete cair. Em vez disso, eu realmente ouvi meus próprios pensamentos. Que porra você está fazendo? Você apenas chateado com seus fãs. Mijo Literal. Todos esperaram que eu dissesse alguma coisa. Pedir desculpas. Afirme que eu estava doente. Girando minhas mãos para que minhas palmas enfrentassem a multidão, dei-lhes o dedo. Com ambas as mãos. Agora você sabe. O culminar de eventos. Como eu me tornei o inimigo público número um.


UM Violet

Multidões de pessoas não eram minha geleia. Grandes e altos eventos e as coisas que todos consideravam dignos de OMG1 eram, para mim, mais dignos de constrangimento. Isso me fez chata? Meu irmão disse isso. Na verdade, a minha recusa absoluta em estar no campus hoje à noite, mesmo que apenas para um vislumbre da atração principal, me fez sua pessoa menos favorita no planeta. Ele superaria isso. Ele era uma rainha do drama. Eu não era chata. Eu fui criativa como uma pessoa criativa como eu deveria ouvir seus próprios pensamentos criativos quando as pessoas estavam chorando e desmaiando por causa de alguém que elas nem conheciam? Eu ficaria envergonhada se fosse eu. Qual é o motivo de precisamente porque eu estava longe do campus esta noite. Longe do departamento de música e do bando de pessoas reunidas em frente ao prédio. Que circo deve ter acontecido ali. Por uma fração de segundo, quase me senti arrependida por não estar presente para testemunhar tudo, mas superei isso tão rápido quanto o pensamento veio. Eu amava meu irmão, provavelmente mais do que qualquer um neste planeta. No entanto, havia algumas coisas que eu simplesmente não faria. Como perseguir alguma estrela pop com uma história de comportamento hediondo. 1

Tradução: Oh Meus Deus.


A Blaylock University era uma faculdade artística. Cheios de espíritos livres, sonhadores e pessoas que não eram do mesmo molde consideradas preguiçosas e desmotivadas. Os alunos aqui não eram essas coisas. Bem, talvez alguns deles fossem. Eu não conhecia todo mundo. Quero dizer, ei, todo mundo tinha seus vagabundos. Em geral, porém, eu sabia que nós, os tipos artísticos, não éramos preguiçosos. Nós apenas mostramos nossa motivação de maneiras diferentes. Buscamos sucesso em ambientes menos tradicionais e marchamos ao ritmo de nossa própria bateria. A BU estava aqui para cultivar isso. Para mostrar o mais criativamente inclinado como ter sucesso em um mundo que às vezes se comportou rigidamente. Inserir Ten. Não é um número, mas uma pessoa. A estrela acima mencionada que passou por apenas um nome ... um nome que já era um número. Aparentemente, ele estava no campus hoje à noite, convidado pelo chefe do departamento de música (e aprovado pelo reitor), para conversar com todos os estudantes de música em ascensão matriculados aqui. Irônico, não é? A universidade conhecida por mostrar aos artistas como ter sucesso em um mundo tradicional traria um homem que falhou epicamente. Na verdade, achei meio genial. Mostrar às pessoas o que não fazer era melhor do que falar sobre o que fazer. Quer dizer, vamos levar a sério aqui. Todo mundo olha para um acidente de trem. Existe um nome real para ele: xeretando. As pessoas foram atraídas pelo drama. Para o escândalo. Ten era todas essas coisas. Ele era o garoto-propaganda de como arruinar sua carreira na música. Sozinho. Não que eu realmente soubesse muito sobre sua queda. Eu só sabia o que meu irmão me disse, e a maior parte disso eu desliguei. Vance estava obcecado por Ten. Talvez obcecado fosse um exagero. Que tal envolver-se ativamente em descobrir todos os detalhes sobre o seu artista pop favorito de todos os tempos? Não. Isso soa como a definição de obsessivo. Eu tentei.


Acrescente-se ao fato de que Vance estava se segurando em sonhos de algum dia encontrar seu ídolo e torná-lo gay para que pudessem fugir juntos e viver em uma ilha de felicidade sublime. Eu supunha que a obsessão era a única maneira de descrevê-lo. Agora que eu pensava sobre isso, eu teria que rastejar para conseguir que Vance me perdoasse por não ir. A palestra foi aberta apenas para estudantes do departamento de música, algo que causou bastante agitação no campus. Aparentemente, a carreira arruinada de Ten não estava tão arruinada quanto eu pensava. Quero dizer, se todo mundo o odiasse tanto, por que todos eles estavam se arrastando e acampando do lado de fora do prédio para vê-lo? Bisbilhoteiros. O lote inteiro deles. Eu não fazia parte do departamento de música, felizmente. Eu era um major de arte. Sim, suspiro! Uma arte maior. Nas palavras de minha mãe: “O que você vai fazer com um diploma de arte?” Muito. Eu ia fazer muito. A multidão começou a se reunir horas antes da palestra. Eu podia ver todos eles atravessando o campus em rebanhos, então peguei meus fundamentos e saí. A caminhada me faria bem de qualquer maneira. Tem que dar os passos, você sabe. A primeira coisa que fiz foi caminhar até um café perto do campus (mas não nele) e pedir um latte de leite de amêndoa com caramelo extra e sem chantilly. Olhei ansiosamente para os scones, mas resisti. O calor da bebida quente penetrou nos meus dedos. A sensação foi agradável. Enquanto caminhava, imaginei que penetrava meus dedos, o calor afrouxando tudo e tornando minhas mãos mais maleáveis. Não era algo que muitas pessoas tinham que pensar ou esperar. Mas para mim, foi um pensamento constante. Mesmo quando eu não pensava ativamente sobre isso, estava lá. Ser um artista só tornou isso mais importante. Eu andei um pouco mais de um quilômetro. O ar estava fresco e minhas bochechas formigavam. Não foi desagradável, no entanto. Foi meio refrescante. Quando cheguei, a luz se derramou pelas janelas da frente, lançando um brilho amarelo no chão escuro. O céu era crepúsculo; em questão de momentos, estaria


completamente escuro. Eu tentei não andar sozinha à noite. Eu sabia que não era a coisa mais segura a se fazer, especialmente para uma garota, mas todo mundo estaria ocupado no campus hoje à noite, então eu esperava que não importasse. Além disso, tempos desesperados exigiam medidas desesperadas. Subindo para a ampla janela quadrada da galeria, eu espiei a nova tela. Era lindo, como sempre. Antes, havia uma escultura, toda branca com tal movimento na maneira em que foi criada que o olho nunca parava de se mover ao redor dela. Hoje à noite, a escultura foi substituída por uma grande pintura, sem moldura. A peça estava pendurada no teto, suspensa por cabos tão finos que eram praticamente invisíveis. A pintura parecia estar flutuando no chão, pairando por pura magia. Era uma peça abstrata, e eu provavelmente poderia ficar e olhar para ela por uma hora e chegar a várias versões diferentes do que ela representava. Eu amava arte abstrata. Eu era terrível nisso, mas talvez seja por isso que eu gostei tanto. Foi preciso muito talento para basicamente criar uma história inteira do que poderia ser chamada de colocação aleatória de cores e formas. Toda vez que eu tentei abstrato, acabei com uma bagunça gigante. Na verdade, eu tinha certeza de que minha pintura a dedo aos três anos de idade produzia resultados de melhor aparência. Um holofote brilhou sobre a peça, criando mais interesse com sombra e luz. Ao me aproximar da janela, continuei a olhar para o trabalho até que uma rajada de ar da noite soprou, bagunçando meu cabelo e fazendo cócegas na parte de trás do meu pescoço. Não havia campainha na porta ou qualquer tipo de som que disparou quando entrei. O som perturbaria a vibração aqui. A Galeria Batiste era provavelmente o lugar mais artístico dessa cidade universitária artística. Era possuído e dirigido por uma aluna da Blaylock University, uma mulher que era, na época, uma transferência estrangeira da França. Abella Batiste não era apenas uma artista, mas ela também tinha o olhar requintado de um, razão pela qual a Galeria Batiste era bem conhecida e respeitada no mundo da arte.


Não só isso, mas eu pensei que ela era um grande enigma. Quero dizer, que mulher que veio da beleza da França poderia ser tão levada com uma cidade em Nova York que a faria querer ficar? A exposição principal estava quase vazia. Além de algumas pessoas circulando entre os monitores, eu estava sozinha. A música clássica suave filtrada acima do som embutido, e eu sorri tristemente para mim mesma. Eu sorri, imaginando o que todos aqueles perseguidores - quero dizer, estudantes no campus hoje à noite pensariam de mim pulando do pop star para vir aqui e ouvir música clássica. Eu não tinha visitado desde a semana passada, então havia algumas coisas novas para estudar, o que eu fiz, tomando o meu tempo enquanto eu terminava meu café com leite. Quando eu estava quase terminando, o lugar tinha se esvaziado, e o som de saltos austero e distinto batendo palmas no piso de ladrilhos brancos imaculados (feito para parecer com madeira caiada de branco) me trouxe de volta. "Querida", Abella ronronou quando ela me viu. "Já faz muito tempo". Ela estendeu os braços para mim, e eu me inclinei para frente para que ela pudesse beijar minhas bochechas. "Eu senti falta deste lugar", eu respondi. "Os novos monitores são impressionantes", puxando para trás, eu sorri. "Alguém que eu conheço?" "Talvez", ela permitiu, e conversamos por um tempo enquanto ela me disse quem fez o quê. Eu não tive nenhum pensamento ou mesmo aspiração de aparecer aqui um dia. Eu sabia que não era considerada uma artista “séria” o suficiente. Essa é a coisa sobre o mundo da arte. Até os criativos podem ser rígidos e arrogantes. Acontece que algumas obras de arte são consideradas melhores que outras e, infelizmente, o tipo de trabalho que saiu de mim não era do tipo legal.


Abella ainda era boa para mim, embora nós duas soubéssemos que minha arte não era o tipo de exibição. Ela ainda estava encorajando, e às vezes ela zombava das regras deste mundo. "Quase fechando o tempo", disse ela, olhando para o relógio de prata em torno de seu pulso de ossos finos. Seu cabelo escuro foi cortado super curto em um estilo de duende que parecia chique e feminino nela. Ele enfatizava suas maçãs do rosto altas e nariz reto. "Já?" Eu suspirei. "Campus ainda é provavelmente um hospício." "Ah sim. O cantor. Não é alguém em quem você está interessada?” "Uh, não", eu disse. "Você me conhece. Eu costumo ter fones de ouvido com os clássicos”. Eu levantei meu dedo manchado. Usar meu dedo para misturar pastéis e até lápis era um terrível hábito meu. Havia ferramentas para isso. Métodos mais fáceis. Mas nada funcionou tão bem quanto as ferramentas com as quais eu nasci. Claro, alguns dias eu usei os bastões de manchas e outros métodos no meu arsenal. Mas alguns dias eu não tive escolha. Ela riu. "Sentindo-se no clima para desenhar?" Eu balancei a cabeça. “Essa galeria sempre me inspira”. "Isso aquece meu coração em ouvir". Ela deu um tapinha na minha mão. "Continue. Encontre um lugar para se sentar. Eu tenho trabalho no meu escritório para completar. Nunca deixe ninguém te dizer que ser artista não vem com papelada". Meu sorriso foi rápido. "Obrigado". "Claro. Você é sempre bem-vinda aqui”. Seus saltos fizeram o mesmo som bater palmas indo embora quando ela se aproximou. Respirando fundo, olhei em volta em busca de um lugar para sentar em paz. Eu tive a escolha da galeria inteira. Estava vazio, quase parado, mas o suave jazz flutuante no alto impedia que ele ficasse duro. Saí da sala principal e entrei numa das salas menores para o lado. O chão aqui era o mesmo, piso feito para se parecer com madeira caiada de branco, e esticou-se através do espaço retangular. As paredes aqui eram altas, pelo menos vinte pés. Havia canos expostos


ao longo do teto, grandes prateados que eram muito industriais e não polidos comparados com o resto da sala. As paredes eram planas, totalmente brancas. Havia iluminação por toda parte, não tudo agora. Eu escolhi esta sala esta noite porque a tela estava muito limpa, quase vazia. Era como uma lousa limpa, e eu estava esperando que fosse esfregar de mim, como eu estava começando um novo design hoje à noite. A sala era como uma pista de boliche longa e estreita. Abaixo o centro era a exibição. Colunas grandes e brancos em vários lugares, alguns deles tão grandes que eu teria que escalá-los para chegar ao topo. Cada um deles era liso e brilhante. Eu seria a primeira a admitir que não recebi a mensagem do artista. Era como se ele começasse o projeto e depois parasse, deixando inacabado - uma tela em branco que ele não conseguia entender. Talvez essa fosse a mensagem. Percebendo que eu poderia me perder em minhas próprias reflexões, eu empurrei para dentro da sala, meus tênis em silêncio enquanto eu ia. Ao lado de uma das grandes bolas redondas, parei, coloquei a palma da mão sobre ela e empurrei. Quando fiz isso, estremeci, rezando para Deus que a coisa não se desfizesse. Não desfez. Estava suficientemente colado ou algo no chão. Para uma boa medida, dei-lhe outro empurrão só para ter certeza. Quando eu tinha certeza, eu provavelmente não poderia danificar o que provavelmente era uma peça de arte muito cara (que parecia um chiclete gigante), eu andei e me sentei, encostando minhas costas nela, e estiquei minhas pernas na minha frente. Vasculhei minha bolsa de viagem e peguei meu bloco de notas e alguns lápis. Depois de alguns momentos de ajuste (este andar estava duro), me acomodei e folheei as páginas já cheias do meu livro. Quando cheguei a um em branco, dobrei de volta e encostei a cabeça na bola. Estava tão duro quanto o chão. Eu não sabia bem o que fazer. Eu estava com algum tipo de humor estranho. Esses humores nem sempre foram os mais fáceis de se inspirar. Foi uma espécie de enlouquecer.


Eu sempre senti vontade de desenhar. Como criar. Eu até sonhava em desenhar algumas vezes - traços finos de um lápis e manchas gordas de cor com pastéis. Eu pensei em desenhar, em criar. Sobre histórias que eu queria contar ou emoções que eu queria evocar quase todos os minutos de todos os dias. A maioria das pessoas achava que comer, dormir e respirar a arte facilitaria a criação. A maioria das pessoas era idiota. A verdade, às vezes, era quando eu via o produto final em minha cabeça, como se já tivesse experimentado todas as emoções de criá-lo, conseguir que traduzir em papel fosse muito mais difícil. Hoje eu estava preocupada. Bem não. Eu estava preocupada todos os dias. Era como a minha mente funcionava. Nas nuvens, perdida em um nevoeiro, no fundo de outro mundo. Eu consegui criar, independentemente. Minha preocupação estava sendo preocupada. Por alguém que eu não conhecia. Por uma estrela pop que meu irmão estava praticamente apaixonado e um cara que eu provavelmente não reconheceria se o visse. Ele me incomodou. Apenas sua própria existência. Ele dançou - não, provavelmente dirigiu para a cidade em sua longa limusine com seu motorista e segurança, tendo voado em seu jato particular como se fosse dono desta cidade, e ele provavelmente estava sentado atrás, se gloriando no fato de que ele ainda tinha tanta coisa. Poder para levar todo mundo a esse frenesi. Claro, isso não era o que o pessoal dele queria que todos nós acreditássemos. Eu ouvi isso cinquenta vezes e li tanto em textos de Vance, que estava praticamente me chantageando para pegar uma foto dele. Que tipo de irmão chantageia sua própria irmã? Não que isso importasse porque ele era terrível nisso. Eu chamei de blefe, e ele mudou para me mandar mensagens cinquenta vezes. Talvez ele achasse que ele fosse mais intimidador do que o texto. Ele não era.


De qualquer forma, as pessoas de Ten estavam fazendo essa palestra no departamento de música como uma penitência por todo o seu mau comportamento. Aparentemente, ele estava indo para várias universidades, etc., e dando palestras sobre como lidar com as pressões do sucesso. E, claro, a imprensa foi convidada para ver como ele se sentia profundamente apologético. Aka: ele estava dizendo a todos o quanto ele estava arrependido, porque se ele não o fizesse, sua carreira destruída nunca se recuperaria. Eu não sei por que ou como, mas eu parecia ser a única pessoa nesta cidade que podia sentir o cheiro de falsidade quando estava fedendo no ar. Eu estive pensando nisso o dia todo. Mastigando o fato de que ele estava interrompendo meu dia, minha vida. Em todos os lugares que eu fui no campus, havia o nome dele. Suas músicas estavam tocando no salão de comida. Vance estava explodindo meu telefone. Eu não gostei da agitação. Foi rude. Com um pequeno suspiro, olhei para o papel em branco. Um sorriso puxou meus lábios quando uma ideia surgiu em minha mente. Talvez eu deva usar essa pequena experiência como musa. Coloquei lápis no papel para mostrar ao mundo que nem todo mundo estava tão convencido de que aquele pequeno passeio de desculpas era sincero. Só assim, a inspiração foi minha. Peguei meu lápis e deixei-o voar sobre o papel.


DOIS Ten

"Que porra é essa?", perguntei, olhando para o item oferecido como se tivesse nascido de Marte e acabado de chegar em um disco voador. "Você vai precisar disso." Eu não disse nada, apenas continuei a olhar. "Eu sei que você é rico e tudo, mas com certeza você lembra como é um rolo de fita adesiva". Ele acenou para mim como se achasse que eu precisava de um lembrete de que estava lá. Eu peguei e segurei ao meu lado. "Eu pedi emprestado seu carro, e você me deu fita adesiva?" “Você pediu emprestado um carro que ninguém esperaria que você dirigisse”. Meu tio corrigiu. "Esse carro exige isso", ele entoou, apontando para o rolo de fita de prata. "Eu estava falando sobre o seu Honda", eu indiquei. "Você quer me dizer que tem algo mais por aqui que está pior do que isso?" Ele me bateu na minha cabeça. "Você deveria estar trabalhando em sua atitude de merda, não abraçando isto". Eu esfreguei a parte de trás da minha cabeça e olhei para ele. Ele passou por mim através da pequena cozinha para abrir uma porta de madeira que levava a uma pequena garagem anexa para dois carros. Quando eu não segui, ele se virou, de pé na abertura escura, e olhou para mim. "Você vem?"


Suspirando pesadamente, eu fui junto, meus pés de sapato desenhados no piso de linóleo. Uma luz fraca cintilou no interior da garagem, iluminando o antigo espaço. Parecia uma loja de madeira lá. Ou algum tipo de hobby com um monte de ferramentas e merda por todo lado. Algumas delas eram praticamente antigas. Incluindo o carro para o qual Derek gesticulou. "Aqui está ela". Senti minhas sobrancelhas levantarem-se com tanta surpresa que quase derrubou o boné de trás da minha cabeça. "Só pode estar brincando comigo." Derek abriu a porta (se você pudesse chamar assim) e se inclinou para pegar as chaves da ignição. Onde mais alguém guardava as chaves de um carro que ninguém iria querer roubar? Voltando, ele caminhou ao redor do capô e os agitou na minha cara da mesma forma que ele ofereceu o rolo de fita. "Você quer que eu dirija isso?" "Por que não?" Ele sorriu, seus dentes brancos brilhando. “A maioria das crianças da sua idade adoraria essa fera”. "A maioria das crianças da minha idade não é milionária com contratos de gravação e concertos com ingressos esgotados". "Seu próximo álbum não foi colocado em espera e todos os shows cancelados?" Ele cruzou os braços sobre o peito coberto de flanela. "Acho que alguém precisa comer uma fatia enorme de torta humilde". "Seja como for", eu disse, descontente que ele iria trazer isso para cima. "Você quer o jipe ou não?" Derek entoou. “Eu pensei que a ideia era entrar e sair da palestra hoje à noite com o mínimo de drama possível com a imprensa. Ninguém vai estar esperando que você dirija, muito menos dirigir em um velho Wrangler que tenha pelo menos vinte anos de idade”. Eu estendi minha mão, palma para cima, para as chaves. O rolo de fita pendia precariamente de um dedo. "Boa escolha", disse ele, batendo nas minhas costas.


A comoção na porta nos fez olhar em volta. "Oh, bom, você ainda está aqui", disse Nate, derrapando até parar antes de cair nos degraus de madeira de aparência instável no antigo celeiro. "Eu vou contigo". "Não", Derek rebateu instantaneamente. "Que diabos, pai?" Nate torceu o rosto. "Eu sou muito velho para receber ordens de você". "Mas não é velho demais para viver aqui de graça?" Eu abafei um sorriso. "Eu fico para você", disse ele solenemente, colocando uma mão sobre o coração. "Eu sei o quão solitário você seria sem mim". “Tennison pode limpar sua própria bagunça. Você não está sendo arrastado para aquele mundo”. A diversão que senti ao vê-los interagir evaporou-se. Aquele mundo do qual ele falou era meu mundo. Nate estava prestes a discutir, mas eu ouvi o suficiente. "Eu tenho que ir". Nate desceu os degraus, mas levantei a mão. "Você não vai sentir falta de nada", eu disse a ele. “Mas mantenha seu celular ligado. Eu não ficaria surpreso se esse pedaço de metal não me deixasse encalhado”. Ele franziu a testa, mas assentiu com relutância. "Tennison", gritou Derek. Eu olhei por cima do meu ombro. "Sim?" “Ele tem uma tendência a superaquecer. E as coisas se soltam... Mantenha a fita à mão”. "Por que você não compra um novo motor?", eu murmurei, indo até a porta, que não era uma porta sólida. Foi feito do mesmo material que o topo macio. O material balançou a esmo quando eu o abri. "Que divertido seria isso?" Meu tio gritou. Dei-lhe o dedo do interior de sua máquina do tempo e, em seguida, procurei o botão para abrir a porta da garagem.


Não havia um. Em vez disso, havia um controle remoto no porta-copos, do tipo com um fecho de prata nas costas e um grande botão na frente. Eu bati e a porta alta começou a subir. Derek e Nate ficaram do lado de dentro e me observaram de volta o Wrangler para fora da garagem, pela entrada curta, e depois para a rua. Meu tio e meu primo viviam em um duplex de tijolos, basicamente uma casa gigante que havia sido dividida ao meio. Uma família de um lado e a minha do outro. O câmbio de marchas fez um som hediondo quando coloquei o jipe em primeira marcha e o empurrei pela estrada. Quando peguei uma pequena velocidade, o topo, as janelas e as portas vibraram ao vento. Eu olhei para o painel para ligar o rádio para abafar, mas não havia um. Sem rádio. Eu juro, esse Wrangler pertencia a um museu. Fiquei surpreso que a tinta branca não estava descascando enquanto eu dirigia. ‘Claro, estava escuro… Talvez nem houvesse tinta para começar. Falando nisso ... Por que estava tão escuro? Eu olhei para o capô, para a estrada, que não estava iluminada. Jesus! As luzes não estavam acesas! "Merda", eu murmurei enquanto olhava para todos os antigos controles de sujeira. Os faróis piscaram no segundo em que apertei o botão. Eu estava acostumado com luzes automáticas. Todos os meus carros eram praticamente novos. Eu poupei outro olhar antes de voltar minha atenção para a estrada. Nada neste veículo era eletrônico ou automático. Inferno, se eu quisesse colocar as janelas para baixo, eu tinha que descompactá-las. As engrenagens emitiram outro som estrangulado e o corpo do jipe cambaleou na estrada. Minhas mãos se apertaram ao redor da roda fraca. Provavelmente foi uma boa coisa que eu trouxe a fita.


Enquanto dirigia, os faróis iluminavam a rua diante de mim. Tudo era familiar, embora eu não estivesse aqui para uma visita em quase dez anos. Eu costumava passar muito tempo aqui com Derek e meu primo Nate. A maioria dos meus verões tinha estado aqui no estado de Nova York. Minha mãe sempre disse que era bom eu sair da selva urbana. Mas então fui descoberto e minha vida mudou em um piscar de olhos. O pensamento me fez realmente piscar. As ruas estavam ficando escuras, e eu sabia que uma multidão provavelmente já estava reunida do lado de fora do salão de música. Eu poderia ter sido a celebridade número um, mais odiada agora, mas eu ainda era uma celebridade. As pessoas ainda queriam cada vislumbre que conseguiam. Foi fodido, realmente, mas era a minha vida. Minha carreira. Quase escorreguei pelos meus dedos uma vez. Eu não podia deixar isso acontecer novamente. Ok. Verdade seja dita, não escorregou para lugar nenhum. Eu dizimei quando eu literalmente mijei em tudo isso. Mesmo que tenha passado mais de seis meses desde aquela noite, eu ainda me lembrava disso com uma clareza que agora percebi que nunca iria embora. Eu estava bêbado como o inferno, mas ainda me lembrava de tudo. Minha tolerância ao álcool era quase inigualável. A raiva, a frustração e a solidão que sentia quando estava suspenso acima do palco ainda estavam dentro de mim. Sabe o que mais também estava lá? Dirija para recuperar tudo. A carreira que eu mijei. Ser odiado era tão exaustivo quanto ser amado. Um flash de alguém na calçada me tirou dos meus pensamentos. Eu mal tive tempo de olhar ou mesmo entender por que queria antes que o jipe passasse. Olhei pelo espelho retrovisor, mas a "janela" nas costas feita de plástico não era muito clara. Estava nublado, como uma cortina de chuveiro suja. O aborrecimento me deu um tapa na nuca e meus olhos se moveram para o retrovisor na porta. Era uma garota. Isso foi tudo que eu pude dizer enquanto dirigia pela rua escura.


Eu não consegui ver nenhum de seus detalhes além de ela estar carregando alguma coisa, uma xícara de café. Havia uma bolsa pendurada em volta dela e, como estávamos a uma milha do campus, era óbvio que ela era uma aluna. Não havia nada que se destacasse sobre ela. Ela não acenou nem sequer olhou para o jipe. Eu não sabia nada sobre ela. Meus olhos foram atraídos para a moldura encolhida. Ela não deveria estar sozinha na rua à noite. Eu posso ser rico, mas não sou idiota. As ruas de uma cidade universitária não eram lugar para uma garota solitária. Por que eu estou pensando nisso? Quem se importava com o que a garota fazia? Eu estava com ciúmes. Com ciúmes que ela não era ninguém. Invejoso, ela tinha a liberdade de andar pela rua, tomando café, sem se importar com o mundo. Ninguém a conhecia. Ela não tinha olhos curiosos olhando para cada movimento dela. Ela tinha o tipo de liberdade que eu tive uma vez, há muito tempo, em um momento da minha vida que eu não pude apreciar. O tipo de liberdade que eu nunca teria novamente. A menos, é claro, eu me mudei para outro país e fiquei fora dos holofotes completamente. Ainda assim, isso não era liberdade. É mais como se esconder. Eu me perguntei, não pela primeira vez, nem pela centésima vez (talvez a milésima), como era se movimentar sem pensar. Para ir e de liberralmente. Assistir às aulas enquanto tentava decidir o que fazer da minha vida. Comer em um refeitório cercado por pessoas que mal me davam um olhar de passagem. Para dormir em um dormitório cheio de outras pessoas e não a sete chaves. Como era passear pela rua ao entardecer, com o ar do outono girando em torno de mim, café na mão, sem um guarda-costas ou uma câmera seguindo cada passo meu? EU NÃO S A B I A. EU


ESTAVA COM I N V E J A. O contorno da garota desapareceu quando eu saí da rua e o prédio de música pairou à distância. Quanto mais eu chegava ao campus, mais pessoas e carros eu via. O estacionamento de meio-fio estava cheio, não um ponto para blocos. As pessoas estavam andando em direção ao prédio, vestidas e arrumadas. Todos eles vindo para o show. Para o meu esforço para recuperar minha carreira. Meu telefone tocou no meu bolso. Eu sabia que era minha empresaria. Eu estava atrasado. Becca queria me dirigir, provavelmente porque ela estava preocupada que eu não iria aparecer. Eu gentilmente a lembrei que ficaria melhor se eu aparecesse sozinho, sem uma comitiva... Você sabe, para parecer mais humilde. A verdade era que eu não queria ouvi-la me ensinar todo o caminho. O jipe começou a cuspir e eu olhei para o painel. Já estava superaquecendo, e eu só estava dirigindo por cinco minutos. Que pedaço de merda. Derek provavelmente estava rindo pra caramba agora, porque ele sabia que essa coisa estava longe de se desfazer. Eu estacionei no estacionamento da equipe atrás do prédio da música. O lote estava mais cheio do que eu esperava. Eu acho que isso significava que muitos dos funcionários queriam ficar de olho em mim também. Não, desculpe-me. Eles queriam ouvir a minha história de como cheguei à fama e depois sucumbi ao álcool, ao estrelato infantil e às pressões de ser o cantor mais famoso do mundo. Amargura espirrou na parte de trás da minha garganta como vômito. Fazendo uma careta, eu engoli de volta. Eles me ouviriam falar. Alguns podem até tentar entender… Mas mais? A maioria só queria me julgar. Ainda sentado atrás do volante, guardei as chaves e olhei para o tablier. Eu sabia que no segundo em que pisasse na esquina do prédio, eu seria engolido. Meu telefone tocou novamente e eu atendi. "Estou aqui. Estacionado no estacionamento dos funcionários atrás do prédio”.


“A segurança está aqui. Caras novos. Vou apresentá-lo quando você entrar. Venha para a porta dos fundos. A frente está muito ocupada para tentar”. Becca disse, sua voz toda em negócios. Toda a segurança e funcionários desistiram após o incidente da chuva amarela. Incidente com chuva amarela = a noite em que eu peguei e fiz xixi nos meus fãs. A única pessoa que ficou na equipe foi Becca. Becca estava sob contrato e ela era um tubarão. Ela sabia que poderia transformar o meu comportamento malicioso em algo para promo em massa e organizar o maior retorno na história da música (suas palavras, não minhas). Eu era um cifrão gigante quando ela olhou para mim. Eu não tinha ilusões de que ela ficou porque ela realmente gostava de mim. Ela não. Eu também não gostei dela, então acho que isso nos fez equilibrados. Eu tinha que admitir que minha empresária sabia o que ela estava fazendo. Depois da chuva amarela, todo o inferno se soltou. A mídia era um bando de lobos que cheiravam a sangue. Eu era um tema quente por semanas. Eu perdi ofertas de endosso, aparições em slots, concertos - inferno, eu até fui expulso de um evento de caridade. Meu rosto estava estampado em todas as notícias e mídia. "Public Enemy # 1", eles me apelidaram. "Perfeito Dez a Zero." Eu fiz um mês na reabilitação. Algo que eu tinha sido contra morto. Becca empurrou porque seria uma boa promoção. Faça parecer que o meu vício em álcool me fez fazer toda a merda que eu estava fazendo. Não foi o álcool. Era eu querendo fazer essa merda. O álcool acabou de me dar a coragem de fazer isso. Eu fui para a reabilitação, no entanto. Não para Becca. Não para mim. Para minha mãe. Minha queda da graça foi mais difícil para ela do que para mim. Ela se culpou. Nada do que eu fiz foi culpa dela, mas ela estava fora de si. Então fui para a reabilitação e fiquei por vinte dias. A mídia achou que eu fiquei um trinta inteiro.


Quando saí, fiquei no escuro por cinco meses. Todas as minhas mídias sociais foram limpas. Eu desapareci dos olhos do público. Eu aprendi alguma coisa em todo o meu tempo livre. Eu senti falta da música. Senti falta de me perder em uma batida e nas letras. Eu sentia falta do estúdio de gravação, dos grandes fones de ouvido pendurados no meu pescoço, da cabine de som com uma única cadeira e um microfone. Eu senti falta da minha paixão. Um mês atrás, Becca anunciou que era hora de começar a preparar o terreno para meu retorno. Eu concordei, com relutância, porque a promessa de música nova era muito atraente para negar. E agora eu estava aqui, cumprindo minha penitência. Tentando recuperar meu direito de cantar. A coisa foi falta de música. Desesperadamente Mas tudo mais que veio junto? Não muito. Apunhalar-me nos olhos com um garfo parecia que poderia ser uma época melhor. No entanto, aqui estava eu. Essa foi a coisa sobre paixão. Uma verdadeira paixão era quase impossível desistir. A música era um pedaço da minha alma. Sem isso, parte de mim estava morta. "Ten", Becca disse no meu ouvido, lembrando-me que ela ainda estava lá. "Sim." “Eles estão na porta dos fundos. Vê?" Eu olhei para o prédio. Dois homens de terno preto e branco enfiou a cabeça por uma porta de metal pintada de marrom. "Eu vejo eles. Eu estarei lá." A ligação foi interrompida e eu me expulsei da máquina do tempo. A tinta branca quase brilhava no escuro e o canopi marrom quase desapareceu. Parecia um meio carro sentado aqui, ainda mais ridículo do que em plena luz.


Percebendo que era inútil até mesmo trancar as portas (elas poderiam ser arrancadas), eu não me incomodei. Em vez disso, eu fui em frente, meus olhos correndo para se certificar de que ninguém tinha me visto ainda. Eu dei cerca de cinco passos quando os gritos começaram. "Lá está ele!" Alguém gritou. O cabelo na parte de trás do meu pescoço subiu. "Ten!", alguém gritou, e então foi ecoado por uma centena de outras vozes. Eu olhei para cima para ver uma multidão de pessoas (principalmente garotas) correndo ao redor do prédio em minha direção. Meus guarda-costas saíram do prédio, olhando entre mim e os fãs. Um fez sinal para mim e eu corri em direção a eles. Enquanto corria, enquanto as pessoas corriam atrás de mim, pensei naquela menina na rua. Quanta sorte ela tinha. Mas também que ela não estava aqui. Isso me deixou um pouco menos ciumento e um pouco mais curioso. Em algum lugar desta cidade havia uma mulher que não estava interessada em mim ou no fato de que eu estava aqui. E isso me deixou muito interessado nela.


TRÊS Violet

Tempo passou. Quanto, eu não posso te dizer. Quando a inspiração atingiu e o lápis encontrou o tempo do papel, não existia mais. O tempo era apenas um construto criado pelo homem que precisava medir as horas e os momentos de um dia porque, sem tempo, ele poderia se perder. O mostrador de um relógio não importava para mim. Nada fez realmente, exceto os traços na página. Nem mesmo a minha própria realidade, que, para mim, foi a maior recompensa da arte. Sabe qual foi a maior consequência? Voltando à realidade - ou melhor, sendo convocado de volta antes de estar pronta. Eu não esperava ser forçada a recuar cruelmente quando me sentei contra o gigantesco chiclete na galeria ininterrupta, mas interromper é exatamente o que eu fiz. No começo, foi mais um sentimento. Não está mais sozinha. Eu ignorei, pensando que Abella estava apenas se movendo, preparando as salas para a noite. Mas o aplauso familiar e audível de seus saltos nunca chegou. Parei meu desenho, o lápis posicionado logo acima do bloco de notas. Minha cabeça não levantou, no entanto. Eu apenas escutei o silêncio ao meu redor e me perguntei o que no mundo estava perturbando. Quando nenhuma voz ou som chegou, levantei a cabeça, inclinando-a para o lado. Eu não estava imaginando isso. Houve um distúrbio muito distinto no ar. Uma perturbação que estava começando a me assustar.


Pela primeira vez, o vazio constante da galeria não era um sentimento de paz. Pensei em chamar Abella, mas o pensamento de até mesmo a minha própria voz ecoando por este lugar me deu a vontade. Usando a proteção do chiclete gigante, sentei-me para a frente e me inclinei para espiar o resto da sala. Ahh! O lápis na minha mão caiu sobre o bloco quando meu corpo sacudiu de surpresa. Eu não estava sozinha! E não era Abella aqui comigo. Eu pisquei, como se para ter certeza de que eu não estava apenas evocando este cenário com minha imaginação às vezes hiperativa. Bem. Não às vezes. Era superativa o tempo todo. Minhas pálpebras se fecharam e depois se abriram. Não. Ele ainda estava aqui. Ele estava de costas para mim, seu peito pressionado contra a parede que ele enfrentava. Ambas as mãos estavam levantadas, as palmas das mãos contra a superfície lisa, como se ele estivesse sendo preso em um assalto. Ou preso por ser um criminoso. Oh senhor. Não foi apenas a minha sorte que algum ladrão de arte invadisse aqui depois de fechar para roubar a arte e vendê-la no mercado negro? O universo me odiava. Isso foi uma prova. Bem, prova adicional para a pilha já bastante grande que eu tinha. Sua cabeça foi virada para o outro lado, seu rosto olhando para a janela que dava para a rua. Era uma janela estreita aqui, ao contrário das grandes na sala principal. Ele parecia preparado, como se estivesse esperando por algo. Ou alguém. Ele estava se escondendo? Como ele chegou até aqui? Eu me inclinei ao redor da esfera branca um pouco mais. Ele achou que estava sozinho aqui. Mas ele não estava. Meus olhos passaram por ele, tentando identificar quaisquer características de identificação para que eu pudesse transmiti-los à polícia.


Exceto que não havia detalhes para contar. Ele era excepcionalmente chato para um bandido. Calça jeans bonita, ligeiramente solta, do tipo que cobria sua metade inferior, moldando-se a todas as partes que deveriam. Criminoso ou não, ele tinha uma boa bunda. Seus tênis eram limpos e muito bonitos. Na verdade, muito legal. Roubado. Ele estava usando sapatos roubados. De trás, sua camisa estava toda branca. Uma camiseta simples que se agarrava a seus ombros e afinava com sua cintura estreita. Havia um chapéu de beisebol na cabeça e, a partir daqui, parecia tudo preto. Tentando esconder suas características! Um barulho abafado vindo da rua encheu a sala, e o cara se mexeu de repente. Ele se virou, colocando as costas contra a parede como se estivesse tentando se fazer pequeno. O movimento foi tão repentino que me assustou. Eu ofeguei e voltei atrás da proteção da bola. Meu coração estava trovejando no meu peito e pressionei minha palma contra ela, tentando me acalmar. O lápis que estava esquecido no bloco de notas no meu colo rolou. Tentei pegá-lo, mas precisava ser mais rápido. O estúpido lápis caiu no chão com um clique audível. Em vez de parar onde pousou, o instrumento traidor começou a rolar. Levou o seu tempo doce virando-se no chão para o ar livre, me entregando totalmente. Pressionando minhas costas e cabeça contra a bola, eu olhei para ela, segurando as laterais do caderno em minhas mãos. A ação fez meus dedos doerem e protestarem, então afrouxei meu aperto enquanto ainda mantinha contato visual com o instrumento. Estava morto para mim. Morto! Que pena também. Era meu lápis de desenho favorito. Eu esperei longos segundos. O silêncio se estendeu no interior do quarto, mas eu sabia que ele ainda estava lá. Eu sabia que ele sabia que eu estava lá. Eu prendi a respiração, esperando que seu desejo óbvio de não ser visto reconheça o mesmo desejo em mim.


Depois do que pareceu uma eternidade e meus pulmões estavam literalmente murchando sob minhas costelas, eu arrastei uma respiração entrecortada e aliviada. Ele deve ter saído. Lentamente me inclinei para trás, olhando cautelosamente por trás do chiclete. Meus olhos encontraram um par de boné sombreado. "Ah!" Eu gritei e me joguei para trás. Ele ainda estava lá!


QUATRO Ten

Eu fiquei até tarde, uma hora depois que o departamento de música esvaziou. Uma hora não foi longa o suficiente. Uma enorme multidão ainda se reunia do lado de fora, esperando. Pessoas que não conseguiam entrar na palestra e depois as pessoas que estavam dentro e saiam, aumentando a multidão. Eu sabia o que tinha que fazer. Eu estava cansado. Eu não me sinto assim. Às vezes, colocar a cara de trabalho ou ligar o interruptor da pessoa que todos queriam que você fosse era desgastante. Pensei na cerveja que meu tio guardava na geladeira. Eu não deveria estar bebendo, mas eu fiz assim mesmo. Eu não gostava quando as pessoas me diziam o que fazer. Isso me irritava. Becca entrou na sala, andando com energia e propósito pelo corredor em direção ao palco, onde eu estava sentado na beira. "Eles não vão a lugar nenhum. Eles têm as entradas da frente e de trás vigiadas”. Eu assenti. Eu nem sabia porque ela se incomodou em olhar mais. Foi sempre o mesmo. "Ten, vinte minutos no máximo". Ela continuou. Eu não sabia por que ela se preocupava em me prometer quantidades de tempo que eram grosseiramente subexageradas. Era como se ela achasse que eu era idiota.


Eu pulei do palco e passei a mão pelo meu cabelo. Foi mais do que costumava ser. Eu não tinha cortado desde que fui para o subterrâneo. Eu esperava que o cabelo mais comprido e a nova barba no meu queixo me deixassem um pouco menos reconhecível. Não aconteceu. Na verdade, não. Pelo menos não em lugares onde as pessoas esperavam que eu estivesse. Pareceu evocar alguma imprensa. O que mais era novo? Eu estava "me deixando ir" e em uma "espiral descendente de desespero". Um relatório on-line realmente disse que eu tinha desistido de tomar banho e de toda a higiene. Tanto faz. Dois guarda-costas me flanqueavam e fizemos o nosso caminho pelo prédio como uma unidade. Becca seguiu atrás, lembrando-me o tempo todo como teriam fãs esperando do lado de fora. Eu queria dizer a ela que metade daquelas pessoas lá fora não eram fãs, mas ela não se importava. Imagem era imagem, não importava quem estivesse assistindo. Na verdade, de acordo com ela, eu tive que fazer um show ainda melhor para os meus inimigos. Antes de sair, ajustei a gola da minha camisa de flanela preta e branca, certificandome de que estava ligeiramente visível sob o colarinho da jaqueta de couro preta que eu usava. A camisa estava aberta para revelar uma camiseta branca, e eu tinha alguns colares em cordões escuros cobrindo meu peito. Depois de passar a mão pelo cabelo, certificando-me de que estava adequadamente desgrenhado, assenti e os guardas abriram as portas duplas. A multidão enlouqueceu. Eu sorri e acenei. Apertei a mão das pessoas, tirei selfies, dei autógrafos e disse às meninas que não precisavam chorar. Vans de notícias estavam por perto. Repórteres tinham seus microfones e câmeras. Era o mesmo de sempre. Algumas pessoas ficaram muito atrevidas. A multidão começou a empurrar para dentro. Segurança me conduziu para longe, de volta para dentro do prédio. Eu ouvi Becca


agradecendo a todos por ter vindo e anunciando que eu estava terminando de dar autógrafos. Muita gente seguiu em frente. Ainda assim, alguns se demoraram. Felizmente, eles estavam todos na frente, esperando que eu saísse uma última vez. Um dos guardas conseguiu pegar o jipe e puxá-lo para perto da porta dos fundos. Eu escorreguei para dentro e parti, tudo sem ninguém ver. Eu dirigi alguns quarteirões, depois fui para uma rua lateral e desliguei o motor. A primeira coisa que fiz foi largar a jaqueta, a camisa preta e branca e os colares. Pegando um boné de beisebol preto, puxei-o para baixo em minha cabeça, permitindo que a borda sombreasse meu rosto. Estava escuro. O ar da noite estava frio e infiltrou-se no jipe através do balcão e das portas. Eu precisava descomprimir, e mesmo que tivesse cerveja no refrigerador do Derek, eu não estava pronto para voltar para o duplex ainda. Eu pensei sobre a garota, como eu estava com inveja dela andando pela rua. Olhando em volta, pelas janelas e pelos espelhos, notei que a rua estava vazia. Ninguém mais estava andando. O carro ocasional iria passar, mas eles podem não saber que era eu. Ninguém estava esperando que eu estivesse aqui. Sem outro pensamento, eu peguei o Wrangler e comecei a andar. Eu tentei imaginar que eu era um cara comum - um estudante universitário sem nome - e isso era apenas mais uma noite. Colocando minhas mãos nos bolsos da minha calça jeans, pensei em voltar para a minha jaqueta, mas decidi contra ela. Ten sempre usava couro. Foi basicamente um grande sinal de néon da minha identidade. No final da rua, hesitei, olhei de relance para o dilapidado Wrangler branco e decidi continuar. Virando a esquina, desci a rua seguinte, esta parecendo um pouco mais viva. Alguns dos prédios ainda tinham luzes acesas nas janelas, e enquanto eu caminhava, pergunteime se talvez eu devesse voltar para a rua que era mais escura. Calafrio. Eu era apenas um cara andando. Ninguém pensaria em nada disso.


Um pouco mais adiante, passei por uma cafeteria. Só os aromas fizeram meu estômago roncar. Eu queria entrar, mas sabia melhor. Eu não conseguia lembrar a última vez que fui e consegui café sozinho. Na verdade, eu lembrei. Foi notícia. Eu recebi meu pedido, tomei um gole e fiz uma careta porque, como um idiota, eu queimei minha língua. Alguém, é claro, tirou uma foto e fez as manchetes da primeira página. "Ten pediu café em shopping local" "Pior café de sempre, de acordo com Ten!" Ninguém queria acreditar que isso não era verdade. Não depois de todas as minhas outras indiscrições reais. Quando passei, a porta do local se abriu e um grupo de estudantes universitários se derramou na calçada. Meus ombros ficaram tensos, mas por outro lado, continuei me movendo. "É isso ...?" Eu ouvi alguém sussurrar. "De jeito nenhum", alguém sussurrou de volta. "Ele estava no campus hoje à noite" "Hey!" Uma voz mais profunda gritou. Meus pés gaguejaram, mas depois continuei andando e inclinando a cabeça para mais longe. "Ten!" Uma mulher gritou. "É ele!" O som de pés batendo começou não muito longe de mim. Eu olhei por cima do ombro para confirmar que eles estavam correndo em minha direção. "Oh meu Deus!" Uma menina ofegou. Ela agarrou a garota ao lado dela. "Ten!" Eu preso. Becca teria me lido o ato de revolta, mas Becca não estava lá. Eu não queria me apresentar para pessoas que poderiam fazer logon on-line para se vangloriarem e me conhecerem. Eu comecei a correr. As pessoas atrás de mim começaram a correr.


Pegando meu ritmo, corri pela rua e deslizei a esquina. Os estudantes ainda estavam buscando. Eu os ouvi alto e claro. Eu tive que pensar rápido, me livrar deles para que eu pudesse voltar e pegar o jipe. Ser um cara normal na rua foi bom enquanto durou. Pois, você sabe, todos os quatro minutos. No meio do quarteirão, a luz se espalhou pelas janelas escancaradas. Eu corri em direção a ela e dentro da porta sem nem mesmo parar para ver que tipo de lugar era esse. Rapidamente, eu me lancei para longe das janelas, mais para dentro da sala, que parecia ser uma galeria de arte. Uma porta próxima chamou minha atenção, e eu corri para ela e deslizei para dentro. Havia muito menos janelas nesta sala, e eu respirei silenciosamente em alívio. Eu sabia que não estava completamente limpa ainda, então me joguei contra a parede, longe da janela, e escutei atentamente os alunos passarem. O jazz suave tocava no alto e fechei os olhos por longos momentos e relaxei. As vozes das pessoas que me procuravam gritaram e eu me virei instantaneamente, pressionando minhas costas contra a parede. Um suspiro baixo e abafado de dentro do quarto (onde eu pensei que estava sozinho) me fez esquecer meus perseguidores do lado de fora. Eu me virei a tempo de ver alguém desaparecer atrás de uma escultura gigante, como se eles também não quisessem ser vistos. O plano poderia ter funcionado se não fosse pelo lápis. Eu esperei por uma mão para alcançá-la e pegá-la de volta. Nenhuma veio. Divertido, meus lábios se contraíram. Eles realmente achavam que eu não sabia que eles estavam lá? Olhei de relance para a janela enquanto as vozes altas das pessoas na rua ficavam mais abafadas à medida que avançavam em sua busca.


Agora seria um bom momento para fugir. Eu podia correr para fora e voltar pelo caminho que vim, entrar no jipe e ter uma cerveja na mão em menos de dez minutos. Eu não fiz isso. A curiosidade me impulsionou para frente, mais perto da bola branca no centro da sala. Eu me perguntei quanto tempo a pessoa iria se esconder. Quanto tempo até eles assumirem que eu saí? Não muito. Eu senti eles se mexerem antes mesmo de eu os ver. Depois de alguns minutos, o topo de uma cabeça loira apareceu, e um par de grandes olhos azuis colidiu com os meus. Eu não sei como eu sabia, mas eu sabia. Imediatamente. Era a garota da rua. Eu não precisava ver mais dela para saber. Não, eu não dei uma boa olhada nela antes, mas não precisei. Eu sabia que era ela. O ninguém na calçada. A garota que eu tive inveja. A vontade de olhar para ela agora era a mesma coisa que me fez olhar para ela enquanto eu passava. "Ah!" Ela engasgou e recuou. Eu sufoquei uma risada. Que diabos ela estava mesmo fazendo espreitando em uma galeria escura? Diverti-me, fui para a frente, peguei o lápis e contornei a bola. Ela estava engessada contra ela, seus joelhos puxados em seu peito. Era como se ela não quisesse falar comigo. Intrigante. "Você derrubou alguma coisa", eu disse a ela. Minha voz pareceu assustá-la. A garota deu um pulo. O caderno em seu colo foi esquecido e caiu no chão. "Merda!" Ela murmurou e olhou para onde caiu. Eu ri. Instantaneamente, seus olhos dispararam para mim. Eu esperei que eles se afastassem, para que o reconhecimento batesse em seu corpo. Eu realmente me preparei para isso. Mas ei, uma garota era melhor do que um bando de pessoas me perseguindo pela rua.


Isso não aconteceu, no entanto. Não havia lâmpada na cabeça. Nenhuma indicação eu pareci familiar. "Como você entrou aqui?", ela perguntou, sem fôlego. "Tem essa coisa lá fora ... é chamada de porta" Ela revirou os olhos e murmurou: "Eu fui encontrar o único bandido que acha que ele é um comediante" Eu pisquei, surpreso. Um sorriso dividiu meu rosto. "Você acha que eu sou um bandido?" "A galeria está fechada", disse ela, erguendo o queixo em um movimento altiva. Seu rosto tinha a forma de um coração. Suas bochechas estavam vermelhas e ela não usava maquiagem. Eu sabia porque ela não parecia plástica ou falsa. Seu tom de pele não era perfeito, e havia sombras fracas sob seus olhos, como se estivesse cansada. Me chame de tempos intrigados dois. "A porta estava aberta", eu rebati. "Abella deve ter esquecido de trancá-la", disse ela para si mesma. Eu assumi que Abella era a pessoa que possuía este lugar. "Se a galeria está fechada, por que você está aqui?", perguntei. Ela cruzou os braços sobre o peito. Ela tinha uns seios de bom tamanho. Provavelmente um bom punhado. Uma mecha de cabelo loiro caiu sobre sua bochecha, e ela afastou-a como se isso a incomodasse. "Eu sou amiga do dono". "Eu também". Eu menti. "Você não é!" Ela engasgou. Sua indignação era adorável. Além disso, ela não parece me reconhecer. Esta foi a primeira vez que aconteceu, bem ... sempre. "Se você não sair, eu vou chamar a polícia." Ela ameaçou. Ignorando a ameaça, me inclinei para pegar o caderno que ela tinha deixado cair. "O que é isso?" Eu perguntei. "Não é nada!", ela disse, se aproximando para arrebatá-lo. Eu era mais alto, então eu segurei fora do alcance dela. Ela fez um som de insatisfação e tentou pular nele.


Era um desenho, tudo a lápis. Algum tipo de banda desenhada ou desenho animado. O papel foi dividido em um bloco de quatro cenas. Era fantástico. Era também sobre mim. "Você desenhou isso?" Eu perguntei, arrancando meus olhos do desenho por um segundo. "Sim", ela disse. "Agora, devolva." "Em um minuto." Eu a limpei e a estudei de novo. Puxando meu braço para baixo, eu enfiei a parte inferior do caderno no meu estômago e olhei para ele um pouco mais. "Isso é incrível", eu disse, admiração no meu tom. Seu aborrecimento mudou, e eu senti seu olhar. "Você acha?" Eu balancei a cabeça, entusiasmado. "É sobre esse cantor... uh...?" Eu fingi estupidez. "Você sabe, aquele que estava no campus hoje à noite". “Esse é ele." "Ah, Ten, certo?", perguntei. Ela fez um som. "Sim, o cara com um número como nome." Ela pensava que meu nome era estúpido. "Algo me diz que você não é seu maior fã". Eu incitei. "Independente de que teve essa idéia?" Ela perguntou, batendo os olhos. Eu ri e apontei para o desenho. "Hum, isso para começar." Ela deu de ombros, depois estendeu a mão para pegar o livro e abri-lo. “É apenas um desenho. Eu pensei que seria divertido zombar das pessoas que literalmente se aglomeram para ver alguém que eles nem conhecem”. "Não você, no entanto", eu disse, apoiando-me um pouco mais firme no meu tênis. Eu gostei disso. Essa foi a melhor conversa que eu tive em um tempo. Ela fez um som. "Definitivamente não sou eu." Eu engatei meu queixo para ela. "Então, o que você tem contra ele?" Ela deu de ombros e pegou a bolsa. "Além do fato de que ele fez xixi em todos os seus próprios fãs?" Ela bufou. Eu sufoquei uma risada. "Sim, além disso."


Ela olhou para mim depois de enfiar seu notebook na bolsa. "E quanto a você? Eu não vejo você no campus, escalando a multidão para encontrá-lo". "Acho que eu não gosto dele também", eu brinquei. "Eu tenho que ir", disse ela, movendo-se como se estivesse indo ao meu redor. Senti uma pontada de desapontamento e a repentina vontade de detê-la. "Espere." Ela parou e olhou para mim com curiosidade. "Qual o seu nome?" Ela inclinou a cabeça. "Por quê?" "Então eu posso te procurar nas redes sociais mais tarde e perseguir você", eu respondi sem pausa. "Se você pudesse me dizer seu primeiro e último nome, isso seria ótimo." Ela revirou os olhos. "Você não é um stalker." "Como você sabe?" Eu disse, ligeiramente ofendido. Eu poderia ser um perseguidor. “Ladrão, sim. Stalker, não”. Ela continuou. Eu ri. "Você acha que eu sou um ladrão". "Bem, seus sapatos são bons". "Existem esses lugares", eu disse a ela. "Eles são chamados de lojas de calçados. Alguns deles vendem os bons”. – “Então, onde você compraria esses?” Ela perguntou, cruzando os braços sobre o peito. Ela estava chamando meu blefe? Essa garota parecia não ter ideia de quem eu era. Essa garota pensava que eu era um criminoso. Eu abri minha boca para responder, mas depois percebi que na verdade eu não tinha comprado esses sapatos em nenhum lugar. Eles foram enviados para mim. Por um designer altamente exclusivo cujos sapatos geralmente são vendidos por milhares de dólares. Meus lábios se fecharam. Eu não poderia dizer exatamente isso. Bem, eu pude. Mas gostei do fato de que ela não tinha ideia de quem eu era. Ela riu. "Entendo"


"Eu, uh, não comprei", eu disse, me recuperando. “Eles eram um presente. Da minha mãe." "Oh." Seus braços caíram para os lados, e ela olhou para eles novamente, em seguida, de volta para mim. "Esse boné não ajuda você a parecer menos como um vagabundo." Ela apontou. "Eu mal posso ver seu rosto." Ah então foi por isso que ela não me conheceu. O conhecimento me fez sentir descontente. Eu pensei em ir embora, mas algo me segurou no lugar. Em vez de sair, fiz outra coisa. Eu chamei seu blefe. Se você considerou ela pedindo para ver meu rosto um blefe. Eu estendi a mão e empurrei a aba do chapéu para cima, então estava apenas no topo da minha cabeça, não realmente sobre ele. "Melhor?" Eu perguntei e levantei uma sobrancelha. Nervos se enrolaram dentro de mim. Eu esperei pela reação que sempre recebi. Ela ofegou. Um rosnado automaticamente puxou meus lábios. Aqui vamos nós. "Está tudo bem?" Ela perguntou. Meus olhos se arregalaram. A confusão causou o rosnado irritado que eu mal estava segurando para morrer. "Hã?" “É por isso que você estava espreitando por aqui, escondendo seu rosto com um boné? Você estava fugindo de alguém?” "Eu pareço com o tipo de cara que foge?" Eu entoei. Como se para desafiá-la a olhar para mim mais perto, dei um passo à frente. Não importa o fato de que eu estava fugindo. "Hmm", ela disse, me olhando. Seus olhos se tocaram em vários lugares ao redor do meu rosto. Era estranho ser olhado como se eu nunca tivesse sido visto antes. A sensação foi estranhamente humilhante. Eu me perguntei o que ela viu, o que ela pensava de mim - apenas um cara da rua. Não havia uma partícula de reconhecimento em seu olhar, nem um único brilho.


Ela não respondeu a minha pergunta. Em vez disso, ela colocou a mão entre nós. "Violet" Eu mentalmente me cumprimentei. Eu passei qualquer teste que ela me deu e ganhei a recompensa de seu nome. Um belo nome para isso. "Violet", eu disse, experimentando na minha língua. Eu envolvi minha mão em torno da dela, observando a quão pequena era na minha. "Oi." "Oi", ela disse, abaixando a cabeça e afastando-se. De repente, ela era tímida. Ninguém nunca foi tímido ao meu redor. Foi cativante. "Normalmente, quando você diz a alguém o seu nome, ele lhe diz o dele" Ela apontou. Meu rosto se dividiu em um sorriso. Comecei a me apresentar - mas depois parei abruptamente. Eu não podia lhe dizer meu nome. No segundo que fizesse, ela saberia. Além disso, ela já declarou não gostar do meu nome. O pensamento do jeito que ela estava olhando para mim só então desaparecendo me fez doer um pouco. Sua timidez se evaporaria. Inferno, depois do desenho que acabei de ver, ela provavelmente iria correr. Era óbvio que eu tinha conseguido encontrar a única garota na cidade que não gostava de mim. Estranhamente, isso me fez querer estar perto dela. Eu limpei minha garganta. "Stark", eu disse, pensando rápido. Não foi necessariamente uma mentira. Stark era meu nome. Meu último nome. A mídia raramente usava isso. Eu era apenas Ten para todos. Eu não queria ser apenas Ten para ela. "Stark", ela repetiu, e eu assenti. Ela era baixa. Baixa o suficiente, tive que olhar para baixo quando olhei para ela. Ela não era pequena. Só um pouco. Eu nunca havia percebido que havia uma diferença entre o pequeno e o minúsculo até agora.


Ela definitivamente não era como as garotas que eu estava acostumada. Na aparência ou comportamento. "Bem", disse ela, limpando a garganta. "Desde que você não está correndo de ninguém e eu sei que eu não tenho que protegê-lo, eu deveria ir." Eu soltei uma risada. "Você me protegeria?" Ela recuou, ofendida. “Eu poderia ser faixa preta por tudo que você sabe. Eu poderia chutar sua bunda”. Eu pressionei meus lábios juntos. "Você é?" Ela fez uma pausa. "Bem não." Eu puxei o boné de volta para baixo na minha cabeça e ri. "Tanto faz. Vamos”. Ela fez sinal para eu ir na frente dela. Eu levantei uma sobrancelha. "Eu tenho que sair também?" Seu nariz de botão amassou, e ela recuou, ofendida. "Eu não vou deixar você aqui com Abella. Eu não estou completamente convencida de que você não está pensando em fazer algo criminoso". Bem. Definitivamente não seria a primeira vez. Engraçado. Ela não me conhecia, mas ela, meio que me viu. Eu levantei minhas mãos em sinal de rendição. "Tudo bem, eu vou." Ela não disse nada, apenas fez sinal para eu me mexer. Rindo, eu fui, ela seguindo. Eu não tinha certeza se as pessoas na calçada tinham ido embora. Eu com certeza esperava isso. Essa nova persona Stark era alguém que de repente eu queria explorar. De repente, parei. Em parte, porque queria comprar algum tempo. Em parte, porque queria falar com Violet. Eu joguei um sorriso por cima do meu ombro. "Você está totalmente examinando minha bunda agora." Uma risada explodiu dela. Era totalmente genuína e ela colocou a mão sobre a boca. Recuperando, ela disse: "Você está delirando". Comecei a andar novamente, colocando um pouco de arrogância no meu passo. "Totalmente olhando", eu cantei.


As grandes janelas me permitiam ver a calçada e o que eu via era vazio. Nenhum sinal dos alunos de antes. ‘Claro, eu ainda não relaxei. Só porque eu não conseguia vê-los não significava que eles não estivessem lá. As janelas só mostravam muito’. Eu não hesitei quando cheguei à porta, no entanto. Eu empurrei direto, dizendo a mim mesmo que, se eu fosse desmascarado, eu simplesmente sairia de novo, desta vez na direção do jipe. O ar frio da noite bateu em mim no meu rosto, e meus olhos se encheram de leve quando olhei para cima e para baixo ao longo do quarteirão. Eles se foram. Eu soltei um suspiro de alívio e voltei para Violet. Ela ainda estava dentro, porém, segurando um pouco a porta. Eu a ouvi gritar. "Estou indo embora, Abella! Não se esqueça de trancar as portas!” Uma voz abafada de algum lugar dentro da galeria ecoou, e segundos depois, Violet veio o resto do caminho. O ar bagunçou seus cabelos, soltando fios de cor clara, de modo que eles acenaram ao redor de seu rosto e bochechas. O resto foi puxado para algum tipo de nó na base de sua cabeça. A alça de sua bolsa de mensageiro cortou diagonalmente seu peito, pressionando o capuz que ela estava usando contra a frente de seu corpo. Ela olhou para cima e para baixo na rua. Então seus olhos voltaram para mim. “Você vai para a BU?” Ela perguntou. Eu assenti. Eu estava apenas acumulando as mentiras esta noite. "Eu também." "Eu estou supondo que a arte é importante?" Eu disse astutamente. Violet assentiu e enfiou as mãos no bolso da frente do moletom da universidade. "Talvez eu veja você por aí algum dia." "Você está voltando para o campus?" Eu disse quando ela começou a sair. "Sozinha?" Ela se virou, andando de volta pelo centro da calçada. O vento soprava atrás dela, empurrando todas aquelas mechas soltas no rosto dela. "Eu me viro sozinha"


Eu fiz uma careta. Antes de conhecê-la, não gostei da ideia de ela andar sozinha. Agora que eu sabia o nome dela e sua aversão óbvia para mim, eu odiava isso. "Eu vou levar você." Eu decidi em voz alta. Ela parou de andar e olhou para o meio-fio. "Em quê? Você é móvel imaginário?” – “Meu jipe está em uma rua” expliquei, pegando um polegar por cima do ombro. "Eu vou recusar". Ela se virou e começou a andar novamente. "Até mais tarde, Stark!" Ela gritou por cima do ombro. Meu nome flutuou no vento. Ela acabou de me dizer não. O pensamento me confundiu. Eu não pude simplesmente deixá-la ir embora. Ela era uma ardósia limpa. Uma chance de ter algo que pensei que nunca faria de novo. Anonimato. Ela não teria expectativas. Eu não teria que ser nada nem alguém que eu não quisesse ficar com ela. Pelo menos por um tempo. Bem, além do fato, ela achava que eu era um criminoso. Eu sorri para mim mesmo. Eu definitivamente não podia deixar isso escapar. Ela era muito divertida. Eu não a parei, no entanto. Em vez disso, virei e corri na direção oposta.


CINCO Violet

A maior parte do caos no campus acabou. Ninguém estava realmente aqui fora. O céu estava escuro e o ar estava mais frio do que eu esperava. Eu estava na área da galeria, ficando mais tarde do que planejava. Eu me perdi no desenho. Aconteceu muito. Eu não me arrependi, no entanto. Mesmo se eu estivesse questionando minha decisão de ir para casa sozinha no escuro. Meus passos ecoaram na calçada, minha tinta respingou no tênis Adidas brilhando no escuro. Um barulho atrás de mim fez meu peito apertar. Eu me virei, olhando para a calçada, mas nada estava lá. Enterrando minhas mãos um pouco mais no bolso da frente do casaco, continuei andando, para desviar minha cabeça do ar frio. Atravessando a rua, comecei a descer o próximo quarteirão e pensei em tomar um banho quente. O som de um motor roncando na distância não me fez virar, mesmo quando se aproximava cada vez mais. Os músculos entre minhas omoplatas começaram a ceder quando percebi que o veículo tinha diminuído e não estava passando por mim. Em vez disso, parecia estar seguindo. Eu resisti à vontade de olhar, embora meus passos acelerassem. Aquele carro legítimo parecia algo saído de algum filme de terror. O tipo em que alguma van barulhenta tirou as pessoas da rua, levou-as para alguma caverna na encosta de uma colina e esculpiu os olhos. Eu estremeci.


O carro de repente ficou mais alto, o motor acelerou e um borrão branco disparou para a frente, passando por mim. Levantando a cabeça, eu assisti, agradecida, decidi seguir em frente. Só que isso não aconteceu. Em vez de acelerar como eu pensava, puxou para o meio-fio logo à frente. Como se estivesse esperando por mim. Bem, isso é um problema. Eu girei meus olhos onde ele estava. A tinta branca estava gasta e havia uma mancha de ferrugem nas costas. O pneu preso nas costas estava velho e sujo, e o topo marrom vibrava contra o vento. Eu hesitei, não tenho certeza se deveria passar correndo ou virar e correr para a galeria e esperar que Abella ainda estivesse lá. Enquanto eu debatia, esse som baixo enchia o ar. Mais ou menos como um zíper sendo desfeito. Eu olhei, horrorizada, para o jipe quando a janela do lado do passageiro abaixou. Eu parei completamente e olhei, me perguntando o que diabos estava acontecendo. Um barulho de barulho alto explodiu, e o jipe se inverteu, parando ao meu lado. Minha mão agarrou a alça do meu peito e apertei. Minha outra mão foi para o bolso na aba da frente e mergulhei-a. "Precisa de uma carona?", uma voz familiar chamou do interior. Eu olhei, tentando ver o interior. Não havia luz para iluminar o motorista. Mais uma vez, algo que seria encontrado em um daqueles filmes de terror com classificação B. "Eu tento não ter o hábito de aceitar carona de estranhos", eu gritei. Uma risada veio até mim. Eu conhecia essa risada. Era a mesma que veio depois que fui acusada de checar sua bunda há momentos antes. "Stark?" Eu chamei. "Eu pensei que nós já estabelecemos que eu não era um criminoso".


A tensão no meu corpo se esvaiu. Ao me aproximar do jipe, olhei para dentro. Lá estava ele, sentado no banco do motorista, a camiseta branca brilhando e o topo da cabeça nas sombras. "Tenho certeza que eu disse que não estava pronta para fazer essa suposição". Eu o lembrei. Eu gostei do som de sua risada. Havia algo melódico nisso. Um som que me fez querer fechar os olhos e repeti-lo. "Vamos lá. Entre. Vou levá-la de volta ao campus”. Hesitei. O que eu sei sobre esse cara, realmente? Ele tem boa aprência. Ele tinha uma bela bunda (sim, eu olhei). Sua risada fez minhas entranhas tremerem. Seus sapatos podem ou não ser roubados. Sim ... eu estava pensando que não era informação suficiente para aceitar uma carona dele. Eu poderia acabar no próximo episódio de 48 horas. O som de uma porta extremamente estridente me trouxe de volta do meu raciocínio interno. Eu assisti Stark correr na parte de trás do Wrangler e na calçada em frente a mim. “Vamos, Vi. Você entra no carro ou eu vou segui-la até o campus”. Ele me chamou de Vi. Um apelido que sugeria familiaridade. Um apelido que ele provavelmente escolheu para eu confiar nele. Deus. Eu era tão idiota. Estava funcionando. "Você tem aquecedor nessa coisa?" Eu perguntei, apontando para seu carro. Os dentes brancos e retos brilharam. "Eu tenho certeza que mal funciona". Eu ri. "Vamos," ele disse suavemente, estendendo a mão e segurando meu cotovelo. Eu endureci e ele se afastou. A carranca no rosto dele estava clara. "Eu não posso deixar você ir para casa sozinha no escuro. Eu não sou esse tipo de cara”. No segundo em que as palavras saíram de sua boca, ele recuou como se o surpreendesse.


Eu não pude deixar de rir. "Mesmo? Você parece muito chocado com isso”. Stark tirou o boné da cabeça e esfregou a palma da mão sobre os fios de cabelos escuros que se aglomeravam em sua cabeça. "Tem sido uma noite estranha". Quando eu não disse nada, ele olhou para mim. "Você vem ou o quê?" Ele estava impaciente. Quase como se ele não pudesse acreditar que eu ainda estava lá e não pulando em seus ossos. No bolso da frente da minha bolsa, minha mão enrolou em torno de algo, e eu o soltei. "Ok, sim." Eu levantei a pulseira que parecia ser feita de cabo de telefone antigo. Tinha um assobio negro pendurado. "Mas eu estou te avisando agora. Eu tenho meu apito de estupro”. Ele piscou, olhando entre mim e o assobio que eu estava segurando. "Que porra é um assobio de estupro?". "Os caras vêm tão fácil", eu murmurei. Isso o confundiu ainda mais. "Você sabe", eu expliquei. "Quando as meninas se matriculam na faculdade, todos nós recebemos assobios de estupro ... você sabe, no caso." "Estupro é tão comum aqui?" Ele olhou para a rua em direção ao campus. "Eu pensei que você fosse daqui?" Eu questionei. "Eu sou", disse ele, olhando para mim. Então ele fez uma careta. "Como é que um apito irá salvá-la se algum babaca estiver tentando te estuprar?" Dei de ombros. "Bata-me." Um pensamento passou pela minha cabeça, e eu coloquei o apito entre meus lábios e deixei-o balançar. "Quer descobrir?" Eu sorri. O horror roubou seus belos traços. Ele atirou para frente e arrancou-o da minha boca. "De jeito nenhum! A última coisa de que preciso é de alguém que pense que tentei estuprar uma mulher!”. Os olhos dele percorriam a rua como se ele estivesse com medo de que alguém pudesse ver. Ok, talvez tenha sido uma piada de mau gosto. Eu me aproximei, colocando a mão em seu braço. "Desculpa. Meu senso de humor pode ser um pouco ... as vezes”.


Ele olhou para onde minha mão tocou seu braço, então de volta para mim. Eu queria que o boné não estivesse cobrindo seu rosto. Eu queria saber a cor dos olhos dele. Eu queria ver se ele estava sentindo o pulso de eletricidade onde nos tocamos, como eu estava. Eu podia ver seu queixo, no entanto. Eu estava bem convencida de que poderia cortar aço. "É legal", ele disse e segurou o apito para eu pegar. Eu peguei e enfiei no bolso. "Um apito", ele murmurou, balançando a cabeça. "Eu achava que todo mundo sabia que as garotas receberam um desses". Eu me perguntei em voz alta enquanto o seguia para o jipe. "Sim, bem, eu pensei que os homens sabiam o que a palavra ‘não’ significava." O silêncio entre nós foi preenchido pelo rangido da porta do lado do passageiro quando ele abriu. Eu olhei para o jipe cautelosamente. Era bem básico. Barulhento. E o canto do balcão marrom estava se desgastando. Eu amei. Qualquer que fosse a hesitação que eu soubesse sobre aceitar uma carona de alguém que acabei de conhecer não era mais um problema. Talvez tenha sido o fato de que ele ficou ofendido quando percebeu que as mulheres tinham que carregar apitos para proteção. Ou talvez fosse o fato de ele ser lindo. Como seriamente lindo. Eu não conseguia acreditar que não o tinha visto no campus antes. Um cara como ele definitivamente não era um tipo de ser despercebido. "Eu vou, ah ..." ele disse desajeitado, mexendo na janela que ele abriu e gritou para mim. "Tente isso você". Era quase como se ele não soubesse como fechar sua própria janela. Era uma espécie de charme.


Melhor assistir, Violet, eu disse a mim mesma. Caras como ele não são do tipo de namorar. Pelo menos não para garotas como você. Eles são o tipo ‘ame e deixe’. A vida é dura o suficiente sem adicionar isso no mix. A advertência auto-imposta me fez afundar no banco de vinil. Talvez eu devesse ter me arriscado com a rua escura. Parecia que aceitar a carona desse estranho pode ser mais perigoso. Talvez eu fosse uma mulher do perigo. Afinal, minha bunda ficou firme contra o vinil rangente. Da minha posição lá dentro, eu observei seu corpo flexionar e mover-se sob a camiseta branca enquanto ele segurava a janela e fechava-a. Ele cheirava bem, como uma colônia cara. Um cheiro que, depois de apenas um cheiro, me lembraria para sempre dele. Desse momento. Não era nem isso particularmente memorável, mas aqui eu estava declarando em meu cérebro que isso estaria lá para sempre. Seu cabelo escuro era muito comprido e saía de baixo das bordas do boné, as pontas provocadas pelo vento. Quando ele terminou, ele bateu a porta (fazendo-a tremer), então correu para pular no banco do motorista. Foi então que percebi que estava sentado em alguma coisa. Mergulhando minha mão debaixo de mim, tirei um rolo de fita adesiva. Eu segurei entre nós e Stark sorriu. "Segure-se a isso para mim, hein?" Eu deslizei sobre a minha mão e no meu pulso como uma pulseira gigante. O jipe soltou um gemido quando o colocou em movimento e se afastou do meio-fio. Era barulhento, tão alto que não me incomodei em falar. Se eu fizesse, teria que gritar. Eu não pude deixar de notar o jeito que ele se acomodou no banco. Ele fez com que parecesse muito mais confortável do que eu realmente parecia. Seu corpo tinha esse tipo de ... graça sobre isso. Talvez tenha sido confiança. Fosse o que fosse, agia como um ímã para o meu olho. Ele me pegou olhando para ele, e um lento sorriso puxou o canto de seus lábios. Sua mão disparou, e por um momento, eu fiquei tensa, pensando que ele estava me alcançando,


mas ele não estava. A palma da mão dele bateu na alavanca alta no centro e seus dedos envolveram o topo. Eu desviei o olhar, a janela de plástico nublado e em direção à calçada. Pelo menos, foi uma curta viagem de volta ao campus. Segundos depois, o Jeep começou a balançar, fazendo um som que eu tinha certeza de que os carros não faziam, e então gaguejou violentamente antes de desligar completamente. Senti meus olhos redondos e olhei através do assento para Stark. "Eu não acho que isso deveria acontecer." "Foda-se", ele murmurou e dirigiu-o para o meio-fio e jogou-o no acostamento. Eu esperava que funcionasse. Nada mais parecia. Stark tirou o boné da cabeça e o jogou no colo, passando as duas mãos pelos cabelos. Quando ele olhou para mim, fiquei momentaneamente perplexa com a bagunça em sua cabeça e como ele tirou a roupa perfeitamente. "Fique aqui", ele ordenou e pulou para fora do carro. Eu assisti através do pára-brisa quando ele abriu o capô e fumaça saiu flutuando. Eu ri. Eu não acho que foi muito alto, mas a próxima coisa que eu sabia, ele estava inclinado em torno do capô aberto e olhando para mim. Pressionando meus lábios juntos, eu dei-lhe um pequeno aceno. Alguns momentos depois, ele estava batendo na janela de plástico. Eu decidi que era mais fácil simplesmente abrir a porta do que lutar com a manivela. Eu abri um pouco. "Sim?" Eu perguntei. "Eu preciso da fita." Eu comecei a rir. "Isso eu tenho que ver." Levando a fita, eu o encontrei no motor. Eu podia sentir o calor irradiando das partes ainda quentes. "Tenho certeza que há mais fitas lá do que partes reais". Eu observei. "Não merda", ele murmurou. Ele se inclinou para perto do interior sujo e falou. "Eu acho que esse é o problema".


Eu olhei, mas estava escuro. Alcançando meu bolso, peguei meu telefone e liguei a lanterna. Clicou, iluminando tudo com luz brilhante. "Parece ainda pior agora", Stark rachou. Eu fiz uma careta. "Eu posso andar o resto do caminho." "Não", ele rosnou e se inclinou de volta para o que quer que fosse que ele viu. Como um médico na sala de cirurgia, ele estendeu a mão entre nós. "Fita." Deslizando o rolo do meu pulso, eu bati na palma da mão dele. Eu apontei a luz enquanto ele colocava. Quando ele terminou, seus dedos estavam oleosos e o mesmo aconteceu com o rolo de fita adesiva. "Isso deve resolver", disse ele, recuando e soltando o capô. Depois de voltar para dentro, ele pegou a chave e olhou para mim. Eu cruzei meus dedos e fiz uma careta. Sua risada foi abafada pelo estrondo repentino do motor. Eu aplaudi. "Eu tenho que te dizer", eu disse. "Você com certeza sabe como usar uma fita". "Fique comigo, criança", ele rachou e puxou de volta para a rua. Quando meu prédio apareceu, apontei para a rua que ele precisava pegar. Então eu apontei para o prédio alto à frente. Stark parou na frente dele, deixando o motor em marcha lenta. "Eu não vou desligá-la. Ela pode não ligar de novo”. "Provavelmente inteligente". Eu concordei. Nós caímos em um silêncio constrangedor, então limpei minha garganta e peguei a maçaneta da porta. "Bem, obrigado por não me matar". "Foi o mínimo que eu pude fazer." Eu saí do carro. Quando me mudei para fechar a porta, eu me inclinei de volta. "Espero que você chegue em casa." Seu sorriso foi rápido. "Eu também." Meu estômago caiu um pouco. Sem outra palavra, eu bati a porta (realmente não havia outro jeito de fechar a coisa) e dei-lhe um pequeno aceno antes de correr em direção ao meu prédio.


Ele não dirigiu até que eu estivesse dentro, e enquanto eu caminhava pelo corredor até o meu quarto, eu não pude deixar de me perguntar se essa era a primeira e última vez que eu o veria.


SEIS Ten

"Seu avião está saindo em uma hora", disse Becca no meu ouvido. Eu me levantei do colchão, os cobertores caindo na minha cintura. “Que diabos, Becca? Você não poderia ter me dado mais um aviso?” "Você não vai estar nisso". Ela terminou como se eu não estivesse falando. "O quê?" Eu perguntei confuso. "Você não tem nada programado. Todas as suas palestras e entrevistas foram bem. É hora de passar para a segunda fase do seu retorno”. Havia uma fase dois? "Qual é?" Eu murmurei, recuando contra os meus travesseiros e esfregando a mão sobre os olhos sonolentos. “Repouse. Trabalhando em novas músicas. Os retornos exigem muita preparação. Você já pensou em tudo sobre o som que você quer para o seu próximo álbum?”. "Eu não tinha certeza se haveria um próximo álbum", eu murmurei. Becca riu. "Venha agora. O Perfeito Ten esteve nas paradas por quase um ano depois de ser lançado. Seu último videoclipe tem mais de um bilhão de visualizações on-line. Você foi o artista de maior bilheteria no ano passado. Você realmente achou que não haveria outro álbum?” "Estou literalmente citado na mídia como o inimigo público número um". Eu a lembrei. "Estou pensando que será um ótimo título para o seu próximo álbum." "Ninguém vai trabalhar comigo"


Ela riu novamente. "Você está de brincadeira? A gravadora já está reservando o tempo do estúdio, e eu tenho alguns artistas que querem colaborar. ” "Quem?" Eu perguntei, meu interesse despertou. “Vein” Ela soltou o nome instantaneamente. Meus olhos se abriram. Vein era um DJ, e todas as colaborações que ele fez chegaram ao primeiro lugar. "De jeito nenhum ele quer trabalhar comigo." “Você esqueceu, antes de todo esse drama, que você era o número um por uma razão? Você é talentoso. Isso é óbvio. Mas pessoas como você, Ten. Você tinha uma boa reputação com os da indústria” “Nós dois sabemos que a indústria é inconstante. Todo mundo se vira na queda de um centavo”. Suspirei. Senti vontade de rolar e voltar a dormir. "Eles só gostam de você quando você pode fazer algo por eles." “Sim, bem, existem algumas pessoas que têm memórias mais longas do que outras. E essas pessoas ainda estão te apoiando. Além disso, é um bom negócio. Qualquer coisa que o seu nome esteja ligado vai ser um topper gráfico ”. Eu sabia que ela estava certa. Como eu disse antes, as pessoas gostavam de drama e estavam todas curiosas pra caramba. Eles baixariam minha próxima música apenas para criticá-la. Quando eu não disse nada, ela limpou a garganta. “Eu pensei que você estivesse animado com o retorno. Você não quer estar de volta ao topo novamente?” "Você sabe que eu quero", eu disse. Música era minha vida. Eu não tinha certeza de quem eu seria sem isso. "Então deixe-me fazer o meu trabalho", implorou Becca. "No momento em que seu novo material estiver pronto para o lançamento, tudo o que aconteceu no ano passado será esquecido." "Tudo bem." Eu concordei. Ela sabia o que ela estava fazendo. Inferno, ela foi quem me ajudou a chegar ao número um para começar. "O que você quer que eu faça?"


"Fique escondido", ela repetiu. “Acho que ficar no interior de Nova York é uma boa ligação. Ninguém sabe que você tem família aqui”. "Mas todo mundo sabe que eu estava aqui ontem à noite." "Sim, e é por isso que o seu avião saindo de lá e voando de volta para Los Angeles vai ser uma manchete." O avião em que eu não estaria. "Um falso", eu meditei. Um sorriso curvou meus lábios. "Eu gosto disso." "Exatamente. Todos vão pensar que você está na Califórnia. Ninguém vai esperar que você esteja onde está”. Gostei dessa ideia. Por mais de um motivo. "Eu vou fazer isso." Eu concordei sem qualquer hesitação. Becca fez uma pausa. "Isso foi muito mais fácil do que eu pensava que seria". Outra pausa. "O que aconteceu?" Revirei os olhos. "Nada". "Dez ..." Ela avisou. "Nada!" Eu gritei no telefone. Merda! Ela era como um maldito pitbull com um bife. "Estou feliz pelo intervalo." "Seu tio não vai se importar se você ficar mais tempo?". "Não, ele não vai se importar." "Bom. Bem, estou voltando para Los Angeles. Eu vou trabalhar nas coisas de lá. Fique fora dos holofotes. Fora da mídia. Comporte-se. Eu só posso fazer muito controle de danos”. “Ok”, eu disse, pronto para desligar. "E, Ten?" Becca chamou quando eu puxei o celular longe da minha orelha. "O quê?" Eu grumbei. "Não beba". Eu fiz um som e desliguei a ligação. Porra, ela era pior que minha mãe. Nate abriu a porta do quarto e entrou vestindo apenas uma cueca boxer. Ele estava carregando uma enorme tigela de cereal e colocando-a na boca enquanto caminhava. "Oh, bom, você está de pé." "Você não bate na porta?"


"Este é o meu quarto", disse ele, esmagando o cereal. Ele sentou em sua cama, que estava do outro lado do quarto. "Quem estava no telefone?" Ele perguntou, colocando outra colherada em sua boca. "Cara", eu disse, olhando para ele. "Essa foi uma mordida impressionante." Ele sorriu, revelando uma fileira de dentes cheios de cereal mastigado em um arcoíris de cores. "Obrigado." Fruity Pebbles2. Era um dos meus favoritos também. "Você coloca a caixa inteira na sua tigela?", perguntei. "Claro." Eu me deitei, mas joguei meu dedo do meio no ar em sua resposta. "Há outra caixa." Meu gesto se transformou em uma bomba de punho. "Então?" Ele me lembrou. Eu deixei minha mão no meu estômago. "Becca" Ele grunhiu. "Você está indo embora hoje?" Eu me apoiei em um cotovelo. "Na verdade, acho que vou ficar um pouco" "Doce. Será como nos velhos tempos”. Nate e eu costumávamos ser inseparáveis durante os verões. Crescendo, nós éramos mais parecidos com irmãos do que como primos. Mesmo que mamãe e eu morássemos na cidade e ele tivesse crescido aqui, esse lugar sempre pareceu uma segunda casa. E desde que mamãe havia se mudado várias vezes desde que eu me tornei famoso, eu tinha que admitir que este lugar agora parecia mais em casa do que em qualquer outro lugar. Mesmo que tenha sido praticamente uma década desde que eu fiquei aqui. "Acho que o tio Derek vai se importar?", perguntei.

2

Marca de cereal de frutas.


Nate levou a tigela à boca e começou a sugar o leite do fundo. Quando ele terminou, ele abaixou, enxugou os lábios com as costas da mão e arrotou. "Desde que você não o interprete como o tio do garoto favorito da mídia, ele será legal." Às vezes eu ainda estava surpreso que as pessoas aqui tinham esquecido todo o tempo que passei andando de bicicleta ao redor desta cidade quando eu era criança. ‘Claro, isso foi anos e anos atrás ...’ Bem, antes eu era mesmo um pontinho no radar da indústria da música. Além disso, havia o fato de que essa era uma cidade universitária. As pessoas iam e vinham o tempo todo. Era fácil esquecer um rosto quando muitos não eram permanentes. "Espere um minuto", disse Nate, olhando através da sala. "Você não o envergonhou ontem à noite, não é?" Eu fiz um som. "Se eu fizesse, você não acha que ele estaria aqui me dando um sermão?" Derek era o chefe do departamento de música da Blaylock University. Foi uma posição que ele trabalhou até os últimos dez anos. Minha mãe sempre disse que eu tenho o meu amor pela música dele. Ela estava certa. Inferno, se não fosse por todos os verões que passei aqui, eu nunca teria pegado um instrumento ou ficado exposto a muita música. Quando Becca ligou para ver se ele poderia me levar para uma palestra divulgada em seu departamento, ele concordou com a condição de não contar a ninguém que ele era meu tio. Ele tinha suas razões: 1. Parece que ele estava me dando tratamento especial porque éramos da família. 2. Ele gostava de seu anonimato e da paz de não ser perseguido pela imprensa. 3. Ele não queria que Nate fosse submetido à (e cito) "corrupção na indústria da música" - não queria que Nate fosse um idiota como eu. E… 4. Ele estava com vergonha de mim.


Eu disse a mim mesmo que sua longa lista de razões era compreensível. Eu disse a mim mesmo que não me incomodava, eu era uma vergonha para a coisa mais próxima de um pai que eu já tive. "Verdade" Nate concordou, colocando a tigela em sua mesa de cabeceira e indo para o seu armário para pegar algumas roupas. "Quanto tempo você ficará?" Ele gritou. "Não tenho certeza", eu respondi de volta. Ele voltou vestindo um par de jeans, mas eles não estavam abotoados ou fechados. Nate era um pouco maior que eu, embora eu fosse quase um ano mais velho. Ele era mais alto, mais largo. Eu não era um cara pequeno, mas não era tão grande assim. O que me faltou em tamanho, meu rosto compensou. Eu tinha a quantidade perfeita de cara de bebê e sex appeal. Foi uma das razões pelas quais me tornei tão popular. Eu parecia bem em um pôster, e todas as garotas gostavam de fingir que eu estava cantando para elas quando eu cantava sobre amor. As roupas em seus braços foram jogadas em sua cama antes que ele pegasse uma velha camiseta do Blink-182 e a colocasse sobre sua cabeça. “Eu tenho aulas agora. Mas talvez depois possamos nos enforcar?” Sua menção de aulas no campus me fez pensar em Violet. Quando Becca mencionou que estava surpresa, eu concordei em ficar aqui tão prontamente, a imagem dela sentada no meu Wrangler na noite passada, rindo sobre o fato de que eu tinha que levá-la de volta para casa, brilhou em meu cérebro. Eu me perguntava o que minha empresária diria se eu dissesse a ela que eu estava saindo com uma pessoa normal, alguém que nem sabia quem eu era. Ela provavelmente não acreditaria em mim. Inferno, mesmo eu não estava convencido de que ela não estava fingindo não me conhecer. Você sabe que ela não, eu disse a mim mesmo. Aquela garota era totalmente sem noção. E ela te odiava. Bom, Ten.


Algo grande e semi-duro me bateu no rosto e bateu no meu colo. "Que porra é essa?" Eu disse, reagindo depois do fato. Minha mão caiu sobre o grande travesseiro que Nate acabara de atirar em mim. “Terra a Ten! Seus ouvidos estão quebrados?” Peguei o travesseiro e empurrei de volta para ele. Acertou-o no centro do peito. "Idiota", eu murmurei. Nate jogou o travesseiro para baixo e puxou um capuz cor de vinho sobre a cabeça. "Ei, você conhece muitas pessoas no campus?", perguntei curioso. Ele encolheu os ombros. "Alguns." "Meninas?" Minha voz estava cética. "Você está brincando?" Ele zombou e gesticulou para si mesmo. "Garotas cavam isso". Eu levantei uma sobrancelha. "Você tem uma namorada?" Ele empalideceu. "Eu gosto de manter minhas opções em aberto". Nate caminhou até o espelho acima de sua cômoda e olhou para si mesmo, ajustando uma das cordas no capuz que estava preso no pescoço. Então ele pegou sua mão e passou através de seu cabelo vermelho-escuro. "Você conhece alguém chamada Violet?" Eu perguntei, tentando não parecer muito interessado. Ele pegou sua mochila do chão e pendurou-a sobre um ombro, depois olhou para mim. "Não pense nisso. Ela vai a BU?” Eu assenti. "Eu, uh, a conheci ontem à noite." Um grande sorriso floresceu no rosto de Nate. "Foi amor à primeira vista?" Ele perguntou, fingindo desmaiar. Que idiota. Mas eu ri de qualquer maneira porque ele era engraçado. "Mais como ódio à primeira vista". "Diga-me mais", ele convidou. Eu sorri e disse a ele como eu me escondi na galeria de arte e a encontrei sentada lá. “Ela estava desenhando uma espécie de tira de desenho animado que estava totalmente tirando sarro de mim”. “Ooh. Queime!” Nate riu.


"Eu dei a ela uma carona para casa na máquina do tempo." Nate veio e me ofereceu seu punho. Eu quebrei o meu contra o dele. “Mad está com você, mano. Você é o único cara que eu conheço que pode encontrar uma garota tirando sarro dele e depois encantá-la em seu carro”. Eu dei de ombros como se fosse uma informação. Mas então eu confessei. "Na verdade, ela não sabia quem eu era." Nate gargalhou, depois fez uma careta. "Você quer me dizer que ela não reconheceu você? Mesmo quando ela se sentou lá e desenhou seu rosto?” “Na verdade, os quadrinhos não eram de mim. Foi apenas sobre mim. Tipo de sátira de todos que estavam lá para me ver ontem à noite”. Nate balançou a cabeça e fez um som. “Uh-huh. De jeito nenhum. Ela estava brincando com você”. Eu balancei a cabeça, inflexível. "Ela não estava. Eu teria sabido”. Nate abanou os olhos. "Ela era gostosa?" "Nada mal", respondi, pensando em seu cabelo loiro, olhos azuis e pele imperfeita. "Não é o meu tipo usual". "Eu pensei que seu tipo era duas pernas e seios." Eu mostrei um sorriso. "Não, esse é o seu tipo." Nate abriu bem os braços. "Eu não discrimino. Todos a bordo do trem Nate”. Ele gesticulou como se estivesse puxando um apito. “Woot! Woot!” "Essa merda é por que você é solteiro", eu brinquei. Ele gargalhou e se dirigiu para a porta. “Eu senti sua falta, cara. Eu esqueci o quanto”. Eu engoli, minha garganta de repente meio grossa. "Ei, então você pode descobrir sobre ela?" Ele parou abruptamente e se virou. "Descobrir a única garota no campus que não é obcecada por você? Não deve ser muito difícil”. "Eu te devo uma", eu disse e então disse a ele em que prédio a deixei. "Ah, e ela é uma grande artista!" Eu grite

i quando ele saiu.

Quando ele se foi, eu voltei para baixo nos lençóis e sorri para o teto.


SETE Violet

Sair da cama de manhã era uma tarefa especial. Uma desagradável. A segunda consciência veio sobre mim, não importa o quão profunda eu ainda estivesse nas garras do sono, eu iria gemer internamente. Eu não era uma pessoa matinal e provavelmente nunca seria. Eu rolei de costas, mantendo as cobertas puxadas em volta de mim, e suspirei. Lentamente, eu começava a mover minhas mãos e dedos, flexionando-os para dentro e para fora enquanto eles protestavam. Então eu giraria meus pés e tornozelos, mexendo os dedos dos pés. Eu não queria levantar, mas chafurdar na cama o dia todo não era uma opção. Eu tinha aulas e uma vida. Eu saí da cama. A primeira pincelada do ar matinal causou arrepios nas minhas pernas e braços nus. Eu tremi um pouco e peguei o suéter enorme do outro lado da minha cama. Antes de colocá-lo em volta de mim, senti o short e o top em que eu estava vestida, certificando-me de que eles não estavam úmidos de suor. Eles não eram algo pelo que eu era grata. Suores noturnos não eram divertidos. Acordar com transpiração na pele, atenuando o short e a calcinha e alisar os braços não era agradável. Normalmente, eu jogava as cobertas e deixava a noite secar minha pele. Às vezes, quando estava muito molhada, levantava-me, tirava o pijama e vestia novos antes de voltar para a cama, do lado oposto, onde os lençóis não estavam úmidos.


Eu iria de quente pra caramba e suando de frio com arrepios porque era como se meu corpo não tivesse ideia de como se regular. Eu não acordava assim todas as noites, mas era pelo menos uma ocorrência semanal. Familiar o suficiente para que quando eu acordasse e não estivesse desconfortavelmente úmida, eu ficaria grata. Uma vez que o suéter estava ao meu redor, atravessei a sala em direção ao banheiro. Meus tornozelos gemeram e doeram quando eu fui. Olhando para baixo, notei como meus dedos estavam inchados e como eles estavam rosa em torno das unhas. Eu estava inchada o suficiente para ser perceptível, que andar não era tão fácil para mim como era para a maioria das pessoas que tinham uma noite inteira de descanso. No banheiro, eu fiz o meu negócio e lavei as mãos com água fria, tomando nota dos meus dedos inchados. Eles estavam rígidos e não queriam se mover do jeito que eu queria. Embaralhando para fora, dirigi-me para a pequena cozinha no canto e deixei cair uma cápsula na minha cafeteira. Enquanto isso, eu me inclinei contra a pequena seção do balcão e agradeci a Deus por não ter um companheiro de quarto. Vir para Blaylock sempre foi algo que eu queria. Viver no campus nem parecia ser terrível, mas ter um colega de quarto? Não é para mim. Essa minha coisa, que na verdade não e impediu que eu quisesse vir. Até que meus pais descobriram sobre um dormitório que estava cheio de quartos para ocupação individual. Um prédio que, é claro, todos queriam morar. O custo extra não parecia importar. Havia uma lista de espera de cerca de um quilômetro de comprimento, e os quartos não ficavam disponíveis com muita frequência porque os alunos que conseguiam um deles sempre os mantinham o tempo todo em Blaylock. Meus pais não foram dissuadidos. Eles fizeram algumas chamadas para o departamento de habitação e puxaram um monte de cordas. Uma das cordas é minha condição médica. Foi algo que eu odiei usar a meu favor, porque não era uma vantagem.


E porque eu desprezei a pena das pessoas. Eu não queria ser definido pelo fato do meu corpo me odiar. No entanto, eu queria um quarto sozinha. Ter RA3 inclinou a balança a meu favor. Quando eu comecei BU, comecei com meu próprio dormitório, que era mais como um apartamento de estúdio. O café terminou derramando em minha caneca, e eu peguei um pouco de creme fora do frigobar e adicionei uma pequena quantidade. Eu levei o café de volta para a cama e me sentei. Meu suspiro de alívio encheu o pequeno espaço. Foi bom sentar. Eu não tinha TV aqui. Mesmo se eu tivesse, eu provavelmente não teria ligado. Eu não gostava das novidades. Era deprimente e real demais para mim. Em vez disso, tirei meu telefone do carregador e rolei pelo Picgram enquanto deixava a cafeína afastar um pouco da névoa na minha cabeça. Eu definhava o máximo que pude, depois me forcei a levantar. O inchaço nas minhas extremidades não estava tão ruim agora. Meus dedos e articulações se moviam mais facilmente do que quando eu acordei pela primeira vez. Levaria um pouco mais para eles voltarem ao normal, mas saber que eles tornariam o processo muito menos irritante. Depois que eu enxaguei minha xícara de café, peguei o pequeno liquidificador mágico que eu usei todos os dias e coloquei um monte de porcaria saudável no copo de plástico que veio antes de enroscar na lâmina. O zumbido alto do motor encheu o espaço, e eu enfiei um dedo no meu ouvido para ajudar a bloquear o som. Uma vez que foi feito, eu levei o suco verde para o banheiro, bebendo e enrugando meu nariz. Eu não era muito bom em fazer smoothies verdes. Na verdade, eu era a pior nisso. Ou talvez tenha sido apenas o fato de eu ter empurrado um monte de ingredientes “bons para você” para ajudar a reduzir a inflamação no corpo e outros para ajudar a fortalecer as articulações. O resultado ainda era o mesmo. Café da manhã mal tolerável.

3

Assistente residente, (também conhecido como conselheiro morador, é um líder de equipe treinado que supervisiona aqueles que vivem em uma residência ou instalação de habitação do grupo.


No entanto, aqui estava eu, sufocando. Todas as manhãs. Ei, pelo menos eu tomei café - meu primeiro amor. Eu nem tinha certeza de que esse lodo verde fazia alguma coisa, mas eu faria isso porque, se ajudasse um pouco a me sentir melhor diariamente, valeria a pena. Bem, na maioria dos dias eu achei que valeu a pena. Outros dias, eu sonhei com rolos de café, donuts e pilhas de waffles se afogando em calda. Mas eu não comia glúten. Outro não-não no mundo da inflamação. Não comer glúten (muito bem) realmente fez diferença no meu corpo e na maneira como eu me sentia. Foi muito mais fácil determinar do que os smoothies. Cerca de seis meses depois que eu desisti, eu quebrei e comi um bolinho de chocolate. Tinha sido tão bom. Até que meu estômago ficou todo inchado, e eu acordei no dia seguinte com as mãos inchadas - mais inchadas do que o habitual - e um dia cheio de dor nas articulações. A água estava boa e fumegante no chuveiro, mas eu não me demorei. Assim que saí e me enxuguei com toalha, puxei meu cabelo para baixo do alto da cabeça e o escovei. Era longo, loiro escuro e grosso. Depois que alisei meus cremes para o rosto e tomei mais do shake, fui em busca de roupas. Eu não era fã de me vestir de manhã também. Roupas pareciam restritivas. Não do jeito que eu queria me juntar a uma colônia de nudismo (ew, nojento) e andar por aí com tudo flutuando em todos os lugares, mas eu sempre parecia me sentir desconfortável. Eu não era a mais magra das garotas. Na verdade, eu estava completamente gordinha, com excesso de peso para a minha altura. Bastava ser uma menina baixinha, mas não apenas porque eu não conseguia alcançar coisas na prateleira da mercearia. Cada quilo no meu corpo parecia dois porque não havia espaço suficiente para que tudo se esticasse. Eu não tinha pernas longas, cintura longa ou membros graciosos.


Eu tinha peitos, quadris e bunda. Meus braços eram muito redondos para o meu gosto, e eu nunca usava tops sem mangas por causa deles. Meu estômago não estava plano e o topo das minhas coxas se esfregavam quando eu andava. Meu corpo não era terrível; tinha uma forma de ampulheta, mas eu definitivamente poderia perder 15 quilos. E sim, eu tentei. Incansavelmente. Lembra quando eu disse que meu corpo me odiava? Eu não estava mentindo. Não importava quantos shakes verdes saudáveis eu bebesse, quantos legumes eu consumisse, ou quantas milhas eu andava por dia, meu peso se agarrava aos meus ossos como pêlo de cachorro em um par de calças pretas. Algum dia eu aceitei o fato de eu nunca mais pareceria uma modelo, e eu disse a mim mesma que não importava. Eu não era definida pelo tamanho da minha cintura. Não importava que eu sempre usasse algum tipo de suéter ou camisa que escondesse meus braços. Eu ainda era bonita, mesmo que não fosse a garota que a primeira a ser vista quando andava pelo campus. Depois havia os dias ruins. Aqueles eram os dias que eu odiava meu corpo e a mim mesma. Os dias que eu me perguntava por que não me esforcei mais, porque a vida era injusta e por que tudo era uma batalha tão grande. E você sabe, os outros pensamentos habituais de ‘por que não posso me parecer como ela’ enquanto eu olhava para as atrizes. Eu sempre regredi para o meio, um lugar que eu normalmente estava confortável. Eu sabia que o punhado de medicamentos que eu engolia todos os dias dificultava a perda de peso. Eu sabia que as limitações do meu corpo restringiam o quanto eu conseguia me exercitar. Eu fiz todo o possível para me certificar de que estava saudável. Foi só que a minha versão de saudável não se parecia com um modelo de lingerie. Eu ainda podia me vestir bem e me sentir confortável. Eu gostava de leggings e tecidos com alguma assim, porque quando meu corpo inchava um pouco ou ficava


extremamente cansada, não me senti tão pressionada. Eu aprendi no último ano que estar confortável foi um longo caminho para garantir que minha atitude permanecesse positiva. Ainda assim, minha batalha com o meu guarda-roupa e o espelho acontecia quase diariamente. Hoje eu escolhi um par de leggings verde-exército, o cós chegando ao fundo do meu sutiã. A sério. Problemas de menina baixa. Claramente, o preenchimento extra que eu carregava não negava o fato de eu ser uma pessoa pequena. Era uma espécie de oximoro4. Pequena, mas grande? Minha vida pessoal. Todo dia. De qualquer forma, depois que eu puxei as calças e me certifiquei de que a faixa de renda do meu sutiã estivesse bem arrumada sob a cintura (bônus - era como usar Spanx!) Eu vesti uma blusa branca super macia e uma camiseta preta. Camisa que parecia que um tigre rasgou parte dele em pedaços. Pedaços de branco apareciam através do tecido preto e o decote estava rasgado, o que eu achava um detalhe interessante. Em seguida, eu coloquei algumas meias e um par de tênis Adidas - dos quais eu tinha vários. Hoje não foram as manchas de tinta. Eles eram os tradicionais brancos com listras pretas ao lado. Depois de olhar para o relógio, eu rapidamente engoli o resto do lodo, escovei os dentes e puxei meu cabelo para trás em um coque bagunçado na minha nuca. Eu não me incomodava com maquiagem diariamente, mesmo sabendo que ficaria melhor se o fizesse. Minha pele tinha muita vermelhidão, e acne tinha uma tendência a festa no meu rosto (sem um convite, nem menos!). Sem mencionar que eu estava bastante pálida, então as olheiras sob meus olhos sempre pareciam piores. Em suma, eu era uma garota que se beneficiaria de uma varinha de corretivo, um pouco de pó e brilho labial. Eu não tinha tempo para isso, não quando estava tentando conservar minha energia para passear pelo campus, ir às aulas e desenhar.

4

Figura em que se combinam palavras de sentido oposto que parecem excluir-se mutuamente, mas que, no contexto, reforçam a expressão, paradoxismo.


Minhas mãos se cansavam muito facilmente. Na verdade, elas estavam sempre cansadas. Sabe aquela sensação que você sente quando vai ao ginásio e se exercita? Diga que é dia da perna ou dia do braço. Você trabalha até os músculos serem gastos. Eles tremem de exaustão e se sentem como gelatina, o que torna a caminhada ou a movimentação um pouco mais difícil. Isso é o que eu sinto todo dia. Nos meus ombros, mãos, joelhos, tornozelos ... basicamente qualquer articulação, qualquer dia. Às vezes todos eles de uma só vez. Exceto que eu não consegui a definição do músculo porque eu não estava levantando pesos. Muitas vezes, tornou-se uma escolha. Fazendo meu cabelo (sério, segurando um secador de cabelo não era divertido), minha maquiagem ... ou arte. Eu estou supondo que você sabe qual deles sempre ganhou. Além disso, a arte não era apenas minha verdadeira paixão, mas era o meu trabalho. Eu era pago por isso. No grande esquema das coisas, não parecia tão importante que minhas espinhas pudessem estar em festa ou que meu rosto e bochechas sempre parecessem rosados. Claro, eu via pessoas olharem. Especialmente quando meu pescoço explodiu. Já teve uma espinha cística profunda no pescoço? Seja grato se a resposta for não. Eu parecia um leopardo e não um fofo. Felizmente, meu cabelo poderia ser usado para cobrir tudo. Me incomodava às vezes. Na verdade, mais do que eu gostaria. Ao mesmo tempo, eu sabia que não poderia me desculpar por quem eu era e como eu era. Eu fiz tudo humanamente possível para tratar a minha AR5 e todos os sintomas e efeitos colaterais dela. Tal era a vida, certo? Eu tive sorte de me perder na arte e não pensar nisso por um tempo.

5

Artrite Reumatoide, que é uma doença inflamatória crônica que afeta muitas articulações, incluindo as das mãos e dos pés.


Depois de escorregar num cardigã preto e volumoso, fui até a cozinha, peguei meu porta-comprimidos e despejei o conteúdo de hoje na palma da minha mão. Depois de escolher as duas enormes pílulas de cavalo e colocá-las de lado, empurrei tudo de uma vez e bebi tudo com um pouco de água. Uma vez que eles foram para baixo, fiz o mesmo com os comprimidos restantes. Um minuto depois, saí pela porta e saí do prédio a caminho da minha primeira aula do dia. Até agora, tive um bom começo. Eu estava apenas um pouco cansada, e o único protesto em meu corpo enquanto eu caminhava estava em meus joelhos. Todos os sinais indicavam ser um bom dia.


OITO Ten

O que se faz com ele mesmo quando ele está deitado baixo? Não havia carros caros para levar, uma quadra de basquete para jogar, sem piscina, sem sistema de jogo. Nada além de tempo para preencher. Sozinho. Nate estava na aula. Derek estava no trabalho. Depois que eu comi uma caixa inteira de Fruity Pebbles, eu peguei meu telefone e rapidamente percebi o enorme erro que era. Pessoas on-line eram ‘malas sem alça’. Em todos os lugares que eu fui foi uma manchete negativa sobre mim, comentários negativos ou previsões de que o retorno que todos suspeitavam estava em andamento seria uma falha épica. Puto pra caralho, joguei meu celular do outro lado da sala. Por sorte, pousou na cama de Nate para que não se quebrasse. Eu meio que queria que tivesse. As pessoas não tinham ideia do tipo de pressão que eu sempre sofri, o tipo de vida que uma pessoa tinha quando os holofotes estavam constantemente brilhando sobre ele. Todos cometeram erros. Mas nem todos são transmitidos para o mundo ver. Nem todo mundo fez xixi em uma arena de fãs também. Ou papel higiênico na casa dos vizinhos, um vizinho que por acaso era um famoso apresentador de talk show. Ou foi preso por um DUI 6. Tanto faz. 6

Dirigir sob o efeito do álcool.


Deixando meu telefone onde ele pousou, eu atravessei o quarto até o violão que Nate tinha encostado na lateral da cômoda. Sentado na beira da cama, equilibrei-a em meus braços e toquei alguns acordes. Depois de alguns momentos de brincadeira, comecei a tocar uma música que eu tinha na minha cabeça por algumas semanas, adicionando algumas notas aqui e ali enquanto eu tocava. Fazia um tempo desde que era só eu e uma guitarra. Eu não percebi que sentia tanto a falta. Eu cantei algumas linhas, ajustei-as, cantei novamente. Eu não tinha ideia do que eu estava cantando ainda, ou mesmo se isso fizesse sentido. Eu não costumava escrever minhas próprias músicas. Na verdade, eu nunca escrevi. Becca sempre foi com escritores, e eu nunca me importei. Mas talvez eu me importasse agora. Depois de terminar alguns acordes, coloquei minha mão sobre as cordas da guitarra para silenciar a música. Aplausos altos preencheram onde a música caiu. Eu olhei para cima, surpresa. Nate estava de pé na porta, batendo palmas no ar. "Você me deixa tão orgulhoso, cara", ele disse como um ator de novela. Eu ri e pus de lado o violão. "Há quanto tempo você está parado aí?" Ele enxugou uma lágrima falsa e fungou. "Tempo suficiente para saber que estou apaixonado por você." Eu coloquei a mão sobre o meu coração e me levantei. "Mano, eu estou apaixonado por você toda a minha vida." Nós nos apressamos um ao outro como se estivéssemos prestes a abraçá-lo. No último minuto, eu o empurrei para longe e ele caiu na cama. "Mas sério", disse ele, sentando-se como se não estivéssemos apenas agindo de forma estúpida. “Isso foi bem intenso. Gostei do que você fez”.


"Sim", eu perguntei, cruzando os braços sobre o peito. “Eu estava apenas brincando. Essa melodia ficou na minha cabeça nas últimas duas semanas”. "Por que você nunca escreve suas próprias coisas?" Eu levantei uma sobrancelha. "Quem disse que eu não escrevo?" Nate revirou os olhos. "Porque se você fez, sua merda seria melhor." Meus braços caíram para os meus lados. "Não tenho certeza se isso é um elogio ou um insulto." Nate se levantou da cama e foi até a dele. “É apenas a verdade. Não há como negar que você é um dos melhores. Eu só estou dizendo que se você escrevesse algumas de suas próprias letras, elas seriam melhores. Eles teriam mais profundidade”. Eu inclinei minha cabeça para o lado. "Talvez eu não seja tão profundo." Nate se virou. "Você e eu sabemos" Ele se virou para a cama. "Que porra do seu telefone na minha cama?" Dei de ombros. "Senti sua falta. Eu só queria lembrar do jeito que você cheirava”. Nate levantou o braço e veio até mim com seu buraco. "Aqui está um cheiro próximo e pessoal" Eu o empurrei de volta, rindo. "Ponha essa merda fora, cara." Ele gargalhou e tirou o capuz, jogando-o em sua cama. Era como se tivéssemos nove e dez anos de novo, dividindo um quarto e agindo como idiotas. "Eu encontrei sua garota hoje", ele anunciou. Todos os vestígios de lembranças saíram pela janela. "Violet?" Eu perguntei, meus olhos afiando em seu rosto. “Eu tenho que te dizer. Ela não é o que eu estava esperando”. Algo quente e familiar encheu meu peito. "O que diabos isso significa?" Eu rosnei. É melhor não a insultar. Família ou não, eu chutaria a bunda dele. "Isso significa que ela não é um modelo da Victoria's Secret". "E?" Eu pressionei. Nate bufou. “E tudo que você namora são atrizes e modelos”


Eu cruzei meus braços sobre o peito e olhei furiosamente. "Você está querendo dizer que Violet não é bonita?" Nate se sentou abruptamente. "De jeito nenhum! Eu acho que ela é gostosa”. Agora, por que essa resposta só me irritou mais? "Você falou com ela?", Perguntei. Eu estava com fome. Com fome de todas as informações que ele tinha. Nate zombou. "Claro." "Bem!" Eu lati. "O que você descobriu?" "Nada." Eu murmurei uma maldição e me afastei dele. "Se você não descobriu nada, então o que diabos você falou com ela? Sobre o clima?" Sua voz era presunçosa quando ele respondeu. "Convidei-a a bordo do trem Nate". Como diabos ele fez! Eu girei. "Você perguntou a ela?" Talvez ele não tenha notado a qualidade silenciosa mortal com a qual eu rosnei a pergunta. Ele estava muito ocupado agindo como se ele fosse a bomba. "Claro que sim." Nate concordou. "Ela disse totalmente sim." Eu fiz um som. Seus olhos se arregalaram. Eu corri até ele.


NOVE Violet

Lembra como eu disse que todos os sinais indicavam que seria um bom dia? Estou pensando que esse pensamento foi um pouco presunçoso. Ou muito. A história da arte era interessante, como sempre, mas o resto das minhas aulas parecia continuar indefinidamente. Na aula Drawing 7 204, meu professor muito excêntrico anunciou um novo projeto em que estaríamos trabalhando. Ele não era excêntrico porque muitas vezes usava calças vermelhas com uma camisa com botões que não combinava. Ou que aqueles fundos não combinados, que eram sempre dois centímetros mais curtas e, em vez de comprar calças novas, ele só usava grossas meias brancas que ele puxava para cobrir as pernas, onde as calças não. Às vezes, para completar sua roupa extraordinária, ele usava um colete de couro marrom. Eu não entendi. Eu não acho que eu entenderia. Mas suas más escolhas de moda não foram o que o tornaram excêntrico. Foi o seu método de ensino. O departamento de arte provavelmente diria apenas que ele era um pensador criativo, um homem que era um bom exemplo do pensamento externo para grandes artes. Ele era bom em arte, ele conhecia os detalhes do desenho, e às vezes ele dizia algo que realmente fazia algo clicar dentro de mim. A maior parte do tempo?

7

Tradução: desenhando, mas para melhor entendimento, deixei no original.


Na maior parte do tempo, eu me sentei encolhida, esperando que ele não voltasse sua ira ardilosa sobre mim. Ele era apaixonado. Para ele, essa paixão se traduz em gritar. Passei noventa minutos, duas vezes por semana, em um estúdio com cerca de quinze outros alunos ouvindo-o gritar quase constantemente. Exceto, é claro, quando todos nós estávamos criando silenciosamente, uma vez que ele deu a volta e apontou todas as falhas em nosso trabalho. Eu não tinha certeza se preferia gritar ou criticar. De qualquer forma, percebi que o semestre continuava, eu sempre ficava com dor de barriga antes da aula. Um pouco de ansiedade torcia minhas entranhas, e eu tinha medo da aula que eu mais ansiava quando fiz minha agenda para o semestre de outono. Além de seu hábito de gritar, repreender e métodos de ensino únicos, ele me dava arrepios. Como os verdadeiros arrepios. Foi uma coisa real porque eu senti duas vezes por semana. Os artistas eram sensíveis à energia ao seu redor. Disso eu estava bem consciente e sua energia cheirava. Mau. De qualquer forma, esta nova lição de desenho ele anunciou? Isso me fez querer largar a aula. Sério. Além disso? Eu agora estava legitimamente pensando que o cara era um velho pervertido. Nós estaríamos aprendendo mais sobre desenhar a forma humana. Sombra e luz, contorno, etc. Então, para esta unidade, teríamos um modelo, um que aparecesse e posasse para toda a sessão de noventa minutos. Os alunos vinham preparados para trabalhar o tempo todo e cada um de nós desenhava o modelo. A ressalva? A modelo ia ficar nua. Bunda de bunda.


Olha, eu era um artista. Criatividade era meu improviso. Mas olhando para o cooter nu de uma garota por noventa minutos e tentando desenhar? Ai credo. Eu tinha tantas perguntas sobre isso: 1. Será que essa modelo necessitava tanto de dinheiro que ela ficaria em pé no pódio, nua, para que as pessoas se atirassem nela? 2. O professor postou um anúncio para isso? Velho professor buscando uma modelo nua. Referências necessárias. 3. Como modelo nu você se depilou? Deixa crescer? Esse é um pensamento legítimo. Quero dizer, desculpa de lady, ou desculpa de homem, era uma coisa real. 4. A universidade aprovou isto? 5. Por que a universidade aprovou isso? Claro, eu não fiz nenhuma dessas perguntas na aula porque se eu tivesse, eu teria gritado. Eu passo. Ele já anunciou que o modelo era feminino. Choque. Não que eu estivesse interessada em ver franqueza e feijão de um cara. Eu não queria tentar desenhar isso. Obviamente, enquanto eu me arrastava dos prédios de arte para o meu dormitório, eu não estava exatamente presente no momento, em vez disso me concentrei na tarefa digna de constrangimento que eu teria que empreender nas próximas semanas. Eu já estava desconfortável. Foi por isso que eu não percebi que estava sendo seguida. Não até que fosse tarde demais para ir correndo na direção oposta. “Violet, ei”, disse Ross, aproximando-se de mim. Dando-lhe o olho lateral, me perguntei se poderia fingir que não o ouvi. Ele deve ter sabido o que eu ia fazer (porque eu fiz isso antes), porque ele pegou meu pulso e segurou. Parei de andar e puxei de volta. “Ross. Ei"


"Eu tentei ligar para você no último fim de semana", disse ele. "Você não me ligou de volta." "Sim, uh, desculpe por isso", eu disse. "Eu não estava me sentindo bem, então eu simplesmente fiquei." Um olhar cruzou os olhos dele. "Ainda usando isso, hein?" Eu me arrepiei. "Sim", eu retruquei. "Eu ainda estou dizendo a verdade." "Calma, menina", ele disse, erguendo as mãos. "Eu estava apenas brincando. "Ha”, eu respondi, sarcasmo pingando das palavras. "Então, hey", ele estendeu a mão e puxou a frente do meu casaco de lã. “Há uma festa na sexta à noite. É na casa da Beta Phi. Vai ser assassino. Eu vou buscá-lo às oito horas?” Será que ele seriamente apenas me insultou e depois me convidou para sair? “Você sabe que soa muito doloroso, na verdade. Eu acho que vou passar”. Os olhos já escuros de Ross escureceram ainda mais. "A sério?" Eu assenti. "Sim. Desculpa. Eu não posso”. "Por quê?" "Porque eu não quero", eu retruquei. O que foi com ele? Quantas vezes eu tive que recusar para ele ter uma pista? "Este pequeno jogo de jogar duro para conseguir está ficando velho", ele entoou, pisando em minha direção. Eu não gostei de como ele estava tentando usar o fato de que ele era um pé mais alto como intimidação. "Eu não estou jogando. Nós tivemos um encontro, Ross, e faz mais de um mês. Acho que é seguro dizer que não sou seu tipo". Traduza isso para: ele é um idiota com uma cabeça grande e é um idiota insensível. "É claro que você é meu tipo." Ele gesticulou para mim, como se isso de alguma forma provasse suas palavras. “Vamos, saia comigo. Vou me certificar de que você se divirta”. Eu levantei uma sobrancelha e sorri. "Você quer dizer como da última vez que você teve certeza que eu me diverti?"


A atitude bem-humorada de garoto de fraternidade desabou, e o que eu sabia era o verdadeiro Ross apareceu. Ele já estava de pé perto, provavelmente tentando fazer com que parecesse àqueles que passavam que ele estava totalmente me atacando e eu estava comendo, mas ele se aproximou. Sua mão agarrou meu braço, seus dedos se fechando em volta do meu cotovelo. "Deixe-me ir." Eu avisei. "O que você está querendo dizer, Violet?" Ele disse baixo, sua voz segurando uma nota de aviso. "Você sabe exatamente", eu cuspi e tentei me afastar. Eu terminei com esta conversa. Eu terminei com ele. Ele claramente pensou o contrário e apertou meu braço e me puxou de volta. "Ow", eu disse. Dor irradiava pelo meu cotovelo e descia pelo meu braço até o meu pulso. "Solte. Você está me machucando." "Eu vou te ver sexta-feira?" Ele perguntou, como se o meu acordo fosse a única maneira que ele me deixaria ir. "Eu não estou indo para a festa com você", eu insisti, coloquei as duas mãos em seu peito e empurrei. Sua mão apertou antes de me soltar e eu tropecei para trás. Eu olhei para ele, respirando um pouco pesado, e estendi a mão para segurar meu cotovelo dolorido. "Isso não doeu". Ele zombou, soprando do jeito que eu embalei. A emoção inchou em mim. Embaraço. Dor. Exaustão. “Ei querida. Quem é esse?”. Disse uma voz por perto. A próxima coisa que eu sabia, um braço caiu sobre meus ombros e eu fui puxada suavemente para um lado. Surpreendida, olhei para cima, esquecendo tudo sobre o meu cotovelo. Um cara que eu nunca tinha visto antes sorriu para mim, um pequeno brilho em seus olhos verdes. Cabelos vermelho-escuros caíam sobre a testa. Antes que eu pudesse abrir a boca para perguntar a ele quem diabos ele era, Ross me bateu nisso. "Que diabos é isso?" Ele exigiu.


"E aí cara? Eu sou Nate". Nate não ofereceu uma mão ou qualquer coisa. Na verdade, ele apenas ficou lá, mantendo o braço em volta dos meus ombros. Ross olhou para mim com os olhos zangados. "Você está namorando alguém?" "Uh, não ..." eu gaguejei. Nate apertou meu ombro levemente, como se estivesse me dizendo para brincar. "Quero dizer, sim." Ross cruzou os braços sobre o peito. "Qual é? Sim ou não?" "É novo." Nate pegou a conversa. “Primeiro encontro é sexta-feira. Indo para uma festa”. Os olhos de Ross brilharam. "A festa da Beta Phi?" "Sim, esse é a única" Eu queria pisar no pé de Nate. O que diabos esse cara estava fazendo? “Esse é o motivo pelo qual você me recusou? Você está me traindo?”. Ele rugiu. "Baby, você me disse que você era solteira", disse Nate, apenas ligeiramente ofendido por seu encontro poderia estar mentindo. "Eu estou", eu entoei. Então olhei para Ross. "Eu te disse. Eu não estou interessada. Eu saí com você. É uma merda. Eu não vou fazer isso de novo” O rosto de Ross empalideceu, depois ficou vermelho. Ele estava chateado. Isso me deixou nervosa, mas esse cara ao meu lado me deu uma coragem extra. Além disso, eu estava cansada. Exausta, na verdade. E eu realmente queria que Ross parasse de ligar e mandar mensagens. Claramente, esta era a única maneira de ele entender a dica. Ross fez um som e depois voltou sua raiva para Nate. “Boa sorte com ela, cara. Ela é um verdadeiro trabalho. Metade do tempo, ela está muito doente para manter”. Eu me arrepiei, mas decidi que não valeria a pena. Pessoas como ele eram um centavo a dúzia. Eu não parecia doente; portanto, eu era apenas hipocondríaca ou mentirosa. "Talvez ela seja alérgica a você", Nate ofereceu. Uma risada borbulhou da minha garganta. "Eu vou te dizer o quê" Ross enfiou a mão no bolso de trás e tirou duas notas de vinte dólares. Ele os segurou na frente de Nate. “Você consegue fazer essa garota aparecer no


seu braço na sexta à noite, essas notas de vinte são suas. Não só isso, mas o seu disfarce para entrar na porta é por minha conta”. "Eu aceito o acordo." Nate concordou e estendeu a mão livre para um soco no punho. Ross emitiu um som de raiva e bateu com o punho longe, depois se afastou como se estivesse prestes a roubar alguns doces de um bebê. Quando ele se foi, meus ombros caíram um pouco e me afastei do meu salvador. "Ele me deixou totalmente enforcado", disse Nate, olhando para o punho. "Ele é um idiota." "Você vai me deixar pendurado também?" Ele ofereceu seu punho. Eu toquei o meu contra o dele. "Doce". "Quem é você?" "O cara que você tem um encontro com sexta à noite?" Ele disse e sorriu. Eu revirei meus olhos. "Eu não vou sair com você." "O quê!" Ele exclamou. "Eu apenas te salvei" "Você não me salvou", eu murmurei. "Eu estava bem." Ele deu uma olhada para o meu cotovelo, que eu estava distraidamente esfregando de novo. Eu não ia explicar para ele que meu corpo estava mais macio do que a maioria. Que certos toques, especialmente nas minhas articulações, eram às vezes dolorosas. Ele provavelmente seria como Ross e vários outros homens que eu tentei namorar no passado. Completamente incapazes de entender. "Obrigado", eu murmurei. "Espero que ele pare de ligar." "Ele te incomoda muito?" Nate perguntou, sua voz tornando-se séria pela primeira vez desde que ele se aproximou do meu lado. "Não", eu disse, afastando-o. "Ele é apenas um idiota." "Um idiota que me deve quarenta dólares e cobrir a uma festa de fraternidade!" Ele disse como se tivesse ganho na loteria. "Eu não vou sair com você", eu disse novamente.


"Um cara faz uma boa ação, e olha o que acontece..." Ele balançou a cabeça tristemente. Eu senti meus lábios se contorcerem. "São apenas quarenta dólares." "Eu sou apenas um pobre garoto de faculdade." Seus olhos verdes musgosos se arregalaram, e eu tive que admitir que ele era bom em parecer patético. Eu empurrei seu ombro e ri. "Pare com isso." “Ah, vamos lá. Como sobre isso? É só uma festa. Eu vou até te buscar e te levar para casa. Eu nem espero um beijo de boa noite”. "Eu não estou te beijando", declarei. Ele sorriu, astuto. "Mas você vai para a festa?" Comecei a sacudir a cabeça, mas ele se apressou a dizer: "Isso vai tirar esse cara de suas costas, vendo você comigo. Ele vai pensar que você seguiu em frente”. Lembrei-me do último encontro desastroso que tive com Ross e do quanto eu adoraria se ele sumisse da face da Terra. "Ela está considerando isso", disse Nate. Quando algum estranho aleatório passou e Nate olhou para eles, apontando para mim. "Ela está considerando isso!" Eu ri e agarrei sua mão, empurrando-a para baixo. "Bem. Uma festa. Só o suficiente para você conseguir seus quarenta dólares e fazer com que Ross nunca mais ligue de novo”. Nate avançou e me pegou pela cintura e me levantou do chão para um abraço rápido e animado. "Eu estou rico!" Ele declarou depois que eu estava de pé novamente. Eu balancei a cabeça, mas não consegui parar o sorriso. "Eu vou te ver sexta-feira?" Eu perguntei. Talvez sair com ele não fosse tão ruim. Por alguma razão, uma imagem de Stark apareceu em minha mente. A maneira como ele parecia parcialmente escondido pelas sombras no banco do motorista do seu horrível jipe. E então novamente do jeito que ele parecia curvado sobre o motor com fita adesiva nas mãos. De repente, sair com Nate parecia uma péssima ideia.


"Oito horas", ele respondeu. "Isso é apenas como amigos", eu soltei, pegando o desprevenido. Então, para suavizar a maneira áspera que eu praticamente gritei, eu gentilmente abaixei minha voz e disse: "Você sabe, para ajudar um ao outro" Nate inclinou a cabeça para o lado. "Ah, ela está de olho em outra pessoa". "Não", eu disse, rápido. Isso era tão óbvio? "Claramente, não é tratamento pessoal" Ele apontou na direção que Ross deixou. "E desde que você parece imune ao meu encanto cativante, estou pensando que há outra pessoa" "Não há ninguém." "Mas você quer que haja." Nate gesticulou. "Vamos lá. Diga-me o nome dele”. Eu ri. Ele era incorrigível. Eu gostei dele. "Diga-me o seu nome", ele perguntou em seu lugar. "Violet. Então oito horas?”. Eu disse a ele. “Quarto dez. Primeiro andar”. Eu apontei para o meu dormitório. Ele seguiu meu dedo, depois franziu os lábios. "Diga-me quem você teve que matar para conseguir um dormitório privado." Eu me inclinei e sussurrei. "Se eu te dissesse, então eu teria que matar você também". "Escandalosa", ele sussurrou de volta. "Vejo você sexta-feira, Nate", eu disse, em seguida, recuou. Ele acenou e eu me virei. Eu não deveria ter me deixado entrar nessa festa, mas era só por uma hora ou mais. Se isso me tirasse do radar de Ross, valeria a pena. Além disso, Nate era muito engraçado. Não seria tão ruim sair com ele. Meus pensamentos voltaram para Stark. Eu procurei por ele hoje no campus. Não havia um traço dele à vista. Eu não pude deixar de desejar que fosse com ele que eu sairia na sexta-feira.


DEZ Ten (uma pessoa)

"Seu filho da puta!" Eu rosnei quando colidi com Nate e nós dois batemos contra a parede. Perto de sua cabeça, uma imagem sacudiu. Meus antebraços estavam pressionados contra o peito, todo o peso do meu corpo jogado nele. Ele era maior, mas eu não era um covarde. Meu corpo foi afinando de todas as danças e apresentações que fiz durante os shows. Eu não era alguém que não pudesse se manter. "Estou brincando!" Ele sufocou, respirando com força de seu peito. A raiva repentina eu tinha diminuído apenas o suficiente para me fazer perceber o que diabos eu estava fazendo. E também o que ele acabou de dizer. Eu o empurrei e forcei minhas mãos pelo meu cabelo. “Que porra é essa, Nate? É melhor você estar brincando”. "Eu estou", disse ele, endireitando a camisa. "Como assim". Eu rosnei, e ele levantou as mãos. "Calma, garoto!", "Explique", eu exigi. "Merda, cara", Nate jurou. "Não sabia que você leva suas senhoras tão a sério". "Eu não" Eu olhei. "Certo", disse ele, claramente não convencido. Eu fiz um som impaciente, e Nate pigarreou. “Eu estava meio que vigiando o prédio dela. Você sabe, saindo, esperando para ver se ela apareceria". "Eu não lhe disse para persegui-la”. “Ainda bem que eu estava”, ele disse, nem mesmo se incomodando com o fato de estar perseguindo. “Porque um cara estava incomodando ela, e—”


Meus ombros ficaram tensos. "Espere. O quê?" Nate assentiu. “Um cara de fraternidade. Agarrei-a algumas vezes”. Comecei a andar de um lado para o outro. “Droga, Ten. Eu sei que você é um cara quente, mas relaxe. Ela está bem." "Apenas me diga o que aconteceu", eu murmurei, incapaz de ‘relaxar’. Não até eu saber que ela estava bem. Uma imagem surgiu em minha mente, ela sentada na galeria contra aquela bola gigante, o cabelo loiro no rosto. “Ele a convidou para sair. Ela disse que não, mas ele não estava muito feliz com isso”. Nunca me ocorreu que Violet pudesse ter um namorado. Ou outro cara em sua vida. O pensamento não foi bem-vindo. Na verdade, isso me deixou com ciúmes. “Então eu vou fingir ser seu encontro na festa. Dar a ela uma desculpa para dar ao bobalhão um pé na bunda”. "Então você só pediu a ela para se livrar do bundão". Eu balancei a cabeça. "Boa decisão." "Bem, sim, mas então o cara me apostou quarenta dólares e a capa para a festa se eu aparecesse com ela." Eu fiz uma careta. "Por que ele faria isso?" Nate deu de ombros. "Porque ela sempre deu desculpas para não sair com ele." Esse cara era tão difícil que ele teve que importuná-la por um encontro? Por que ele simplesmente não aceitou o fato de ela não estar interessada? "Você disse a ele para se foder, certo?" Nate não disse nada. Meus olhos se estreitaram e ele fez uma careta. "São quarenta dólares, cara." Eu murmurei algumas palavras escolhidas em baixo da minha respiração. "Eu sou um milionário de merda! Se você precisava de dinheiro, deveria ter me perguntado!” O queixo de Nate endureceu. "Eu não vou tirar o seu dinheiro." "Mas você vai levar a minha menina!" Eu explodi.


“Ela é sua garota agora?” Nate deu uma palmadinha. Não, ela não era. De qualquer maneira, ainda não. Mas ele não poderia tê-la. “Eu pedi para você descobrir sobre ela. Para mim. Eu não queria que você namorasse com ela”. Eu sentei na cama, chateado comigo mesmo. Meio chateado com ela. Obviamente, me encontrar ontem à noite não a afetou. Se tivesse, ela não teria concordado tão prontamente em sair com meu primo. Eu tive que admitir que doeu. Bem ali no centro do meu peito. Foi um sentimento que eu não conhecia muito bem, um sentimento que eu particularmente não gostei. "É apenas como amigos, então eu posso ganhar a aposta e ela pode aparecer e tirar Ross de suas costas." “Ross? Aquele cara que está dando problema?” "Eu não sei se eu chamo de problema. Ela parece bem equipada para lidar com esse cara. Aquela garota é uma bombinha!” Eu senti minhas bochechas subirem com o meu sorriso. "Sim." Eu concordei com carinho. "Ela me acusou de ser um criminoso." Nate gargalhou. "Eu gosto dela." Levantei-me rapidamente e olhei para ele. Ele ergueu as mãos. "Calma. Você viu primeiro”. “Vi primeiro? Estamos na terceira série?” Nate sorriu devagar. Eu não pude evitar. Eu fiz o mesmo. Ao mesmo tempo, dissemos: "Stacey Handler". Nós dois tínhamos uma queda por ela, mas Nate sempre reclamava porque ele ia para a escola com ela, e eu só a via no verão. "O que aconteceu com Stacey?" Eu meditei. "Ela se casou com um fuzileiro naval e se mudou para a Califórnia." Eu sorri rápido. "Acho que nenhum de nós tem privilégios por ter visto antes" “Olha, mano. Eu estava apenas tentando ajudá-la. Não gostei de ver esse cara incomodá-la. Então nós começamos a conversar... Ela é bem legal. Imaginei que se


mantivesse nosso ‘encontro’”, ele disse, usando os dedos para colocar aspas no ar ao redor da palavra, "então eu poderia descobrir mais sobre ela". "Onde será a festa?", perguntei. "Beta Phi". “Muita gente vai estar lá? Muita bebida alcoólica?”, “É uma festa de fraternidade”, ele disse como se fosse um dado. "Eu estou indo" "Três é uma multidão em um encontro, cara" Eu dei a ele um olhar seco. "Você pode ficar em casa." Ele parecia indignado. "Estou ganhando meus quarenta dólares!" Eu balancei a cabeça, perplexo. "Eu não posso acreditar que ela concordou em sair com você." Eu acho que isso me incomodou mais do que tudo. Ela não deveria querer ninguém, não depois que ela acabou de me conhecer. Eu não estava acostumado com isso. Para realmente ter que trabalhar para ver uma garota. Para fazê-la gostar de mim. Se eu estivesse sendo eu mesmo agora (Ten), então eu já teria conquistado ela. O balcão dela estaria cheio de flores, eu teria um restaurante caro alugado, e eu iria buscá-la no meu Lamborghini. Eu não poderia ser Ten, no entanto. Eu tinha que ser Stark. Stark, o cara que não era uma estrela pop. O cara que não era odiado por todos, que era um estudante universitário falido e dirigia um jipe de merda. Eu tinha que conquistá-la sem nenhum poder de estrela. Sem dinheiro. Sem ser o cara que ela claramente odiava. Por que eu estava mesmo incomodando? Todo esse trabalho para uma garota com quem passei menos de uma hora. Uma garota que não sabe quem ou o que você é. Uma garota que sorri para você de qualquer jeito. Quer dizer, vamos ser sérios aqui. Por quanto tempo eu poderia realisticamente manter minha identidade dela? Não muito. Eu quero vê-la novamente. "Ela me disse que era apenas como amigos", disse Nate.


"O quê?" Eu perguntei, freando meus pensamentos. Nate assentiu. "Ela está totalmente em outra pessoa. Ela deixou claro”. "Quem?" Eu exigi. Malditos todos esses caras andando pelo campus, tentando-a. "Não me disse. Eu estaria disposto a apostar meus quarenta dólares, que é você” Eu não consegui manter o sorriso do meu rosto. Um arrepio subiu pela minha espinha e dançou ao meu redor. Pode ser totalmente eu. "Eu vou com você", eu disse a Nate novamente. Era um risco. Havia um grande potencial para revelar minha própria identidade. Eu ia fazer isso de qualquer maneira. Eu tinha a sensação de que ela era um risco que valeria a pena.


ONZE Violet

"Eu nunca vou te perdoar", Vance anunciou em meu ouvido. Eu fiz um som. "Você não pode simplesmente escrever para o fã-clube dele e pegar uma daquelas fotos autografadas do rosto dele?" Eu meio que ganhei. Eu esqueci um detalhe muito importante quando eu desafiadoramente fiquei longe do campus na noite em que Ten estava lá. Eu odiava quando meu irmão estava com raiva de mim. Ele fez um som de angústia. "Todo mundo sabe que essas fotos nem têm sua assinatura real nelas." Eu me afastei do espelho, o cabo de rímel parou no ar. "Mesmo?" Ele fez um som de nojo. “Como você consegue passar o dia sem mim?” Mesmo que Vance fosse um ano mais novo, ele era mais parecido com um irmão mais velho do que com um mais novo. "Talvez se você estivesse aqui, eu não teria me metido em um encontro falso para tirar Ross das minhas costas", eu murmurei, inclinando-me perto do espelho e fazendo uma cara estranha quando terminei de aplicar o rímel. Imaginei que, se tivesse que sair, poderia muito bem parecer legal. "Eu lhe disse para denunciá-lo." A voz de Vance foi dura. "Eu não tenho energia para o drama de Ross." "Bem, agora você tem que ter energia para um encontro". "Um encontro falso" Eu corrigi.


Ele fez um som agudo. "Garota, por que não pode ter um encontro de verdade? Ele é infeliz?” Eu ri. "Não. Ele é realmente fofo. Ele tem cabelo vermelho." Vance ofegou tão alto que minha o aplicador do gloss caiu da minha mão e caiu na pia. “Um gengibre! Garota, esses são raças raras! ” "Ele não é um cavalo." Eu o censurei, pego o aplicador. "E é vermelho escuro, não como cenoura vermelha" Isso ainda era considerado um gengibre? "Então, quem é o cara?" Vance interrompeu meus pensamentos internos. "O nome dele é Nate." "Não a edição limitada." Sua voz era impaciente. "O outro" "Que outro?" “Não brinque comigo, V. Conheço você a vida toda. Tem outro cara. E ele deve ser bom, então conte”. "Ele me levou da galeria para casa na outra noite." Eu confessei. O interesse do meu irmão foi despertado. "Ele tem um carro?" Eu ri. "Um tipo de. Está funcionando junto com fita adesiva”. "Então, o que você está dizendo é que ele é gostoso como o inferno." "Ele não é infeliz", eu repeti, ecoando suas palavras. Seu grunhido veio pelo alto-falante do meu celular e eu sorri. Eu adorava torturar meu irmão. Abandonando minha bolsa de maquiagem, eu me inclinei contra o balcão e suspirei. "Cabelo escuro, queixo largo e ombros largos." "Nome?" "Stark" "Sexo em um pau" "Mais como sexo em um jipe." Eu suspirei. A risada do meu irmão encheu o banheiro. "Você entendeu errado." "Eu literalmente passei menos de uma hora com ele."


"Ele pediu o seu número?" "Não." Eu empurrei de volta e olhei no espelho. "Eu não sou totalmente seu tipo" "Não me faça dirigir até aí e chutar seu traseiro." Vance ameaçou como se fosse realmente uma ameaça. Eu adoraria se ele viesse me visitar. Eu não podia esperar pelo ano que vem quando ele estará matriculado. "Eu namoraria você. Se você não fosse minha irmã. E se eu não fosse gay”. Eu pressionei a mão no meu peito. "Oh, pare, seu bajulador!" "Eu só quero que você saiba que eu estou lhe dando o dedo agora." "Eu tenho que me vestir", eu disse, pegando o telefone e levando-o para o meu quarto. “Calça jeans escura, top decotado e saltos”, ele instruiu. Traduzi isso em uma camiseta e tênis. "Estou falando sério, V. Pode ser um encontro falso, mas você ainda pode ficar bem." Eu fiz um som. Eu já estava cansada. Sair não era só coisa minha. E eu não tive tempo para comer, algo que talvez não fosse um grande negócio, exceto pelo fato de eu ter que tomar meus remédios semanais com o estômago vazio. Não é bom. "Talvez você o veja." Eu olhei para cima da minha penteadeira. Eu não tinha pensado nisso. Certo, tudo bem. Eu tinha. É por isso que eu maquiei e deixei meu cabelo solto. Eu disse que estava cansada, não morta. "Quem?" Eu fingi, mesmo quando eu estava lá e imaginei correndo em Stark na festa hoje à noite. Houve uma batida na porta. Minha cabeça chicoteada, e eu fiz um som. "Oh meu Deus!" Eu disse. "Ele está aqui e eu nem estou vestida." "Esteja segura e me ligue amanhã!" Vance cantou e desligou a ligação. Houve outra batida. Corri para a porta e a abri apenas o suficiente para enfiar a cabeça para fora. Nate sorriu para mim. "Estou quase quarenta dólares mais rico!" Eu revirei meus olhos. "Me dê um minuto?"


Ele assentiu e eu fechei a porta na cara dele e corri de volta para minha cômoda. Eu tirei meu jeans favorito (só porque eu preferia leggings não significava que eu negava jeans). Eles eram feitos principalmente de algodão desbotado e tinham um pouco de elasticidade no material. Havia vários rasgos em cada perna. A mais alta na coxa tinha uma mancha prateada e brilhante. Uma vez que eles estavam postos, eu puxei uma camiseta azul escura com um bolso de glitter no peito esquerdo. Quando enfiei os pés em um par de Adidas branca com dedos cravejados de prata, coloquei a parte da frente da camiseta no jeans, deixando o resto para fora. Se eu não fizesse isso, a camisa iria ficar pendurada no topo das minhas coxas e eu ficaria ainda mais baixa do que eu já era. Era uma roupa casual, mas o brilho acrescentou algo extra, certo? Além disso, quem ía a uma festa de fraternidade vestida como se fosse uma festa de formatura? Antes de sair correndo pela porta, enfiei meu telefone, a chave do dormitório, a carteira de identidade e uma nota vinte no bolso de trás. Nate estava descansando contra a parede em frente à minha porta quando eu saí, puxando a porta fechada atrás de mim. "Desculpe", eu disse. "Obrigado por esperar." Ele empurrou a parede. "Está bem esta noite, Violet". "Obrigado", eu respondi conscientemente. Nate se aproximou de mim, oferecendo seu cotovelo. "Devemos?" Uma leve risada caiu dos meus lábios enquanto eu enganchei meu braço no dele. "Lidere o caminho”. "Então, ei, o que você está estudando?" Eu perguntei quando fizemos o nosso caminho pelo corredor em direção às portas. "Música. E você?" "Arte". Na porta, Nate foi em frente e abriu-a para mim. O ar da noite estava frio e, instantaneamente, me arrependi de não ter pegado uma jaqueta. "Você dirige?" Eu


perguntei. Se estivéssemos andando, eu estava correndo de volta para dentro de alguma coisa. "Eu não", ele respondeu, e soou muito como se não fosse tão simples quanto isso. "Mas?" "Você lembra quando disse que este encontro era apenas como amigos?" Eu senti como se meu estomago fosse chutado. Quero dizer, realmente. Eu estava tão mal que até mesmo o meu encontro falso me deixaria? Engoli. "Uh, sim", eu disse com cautela. Ser uma terceira roda em um encontro falsa foi um pouco além do insulto. “Eu meio que trouxe alguém comigo. Meu primo". "Oh", eu disse, não como fora. Pelo menos não era uma garota, eu achava que ele ia entrar na fraternidade com uma garota em cada braço e receber o dobro do dinheiro dele. "Ele dirige" Nate terminou. Nós estávamos nos aproximando do estacionamento agora. Eu olhei para ele. "Então, onde ele está estacionado?" Eu perguntei, de repente apreensiva. Eu não pensei nisso. Aqui estava eu, em uma noite de sexta-feira, preste a entrar em algum carro estranho com não um, mas dois homens que eu não conhecia. 48 horas, aqui vou eu. Meus passos tropeçaram, e eu rapidamente tentei dar uma desculpa sobre o motivo pelo qual eu não pudia ir. Nate estava alguns passos à frente agora, então ele gesticulou com o queixo. "Bem ali." Meu olhar seguiu sua direção. Eu fiz um duplo exame. Não poderia ser. Enquanto eu observava, uma porta marrom e frágil se abriu, e um cara com pernas compridas em jeans e tênis muito legais saiu. Sua cabeça estava coberta com um boné de beisebol preto. Quando seu queixo levantou, meu coração pulou uma batida. Eu conheço esse maxilar em algum lugar. "Esse é seu primao?" Eu disse, minha boca seca. Eu não olhei para longe dele. Mesmo que seus olhos estivessem sombreados pela aba daquele maldito boné, senti a nossa conexão.


"É ele", disse Nate de algum lugar ao meu lado. Eu esqueci tudo sobre a tentativa de sair desse encontro. Eu esqueci tudo sobre como eu estava cansada. De repente, senti que este era o melhor encontro falso que eu jå tive. Ainda olhando para Stark, sorri.


DOZE Ten

Ela sorriu para mim. Um sorriso genuíno do que eu sinceramente esperava que fosse afeição. Pode não parecer grande coisa, um sorriso. Mas para mim foi tudo. Ela não queria um autógrafo, uma foto ou uma entrevista. Seus olhos não brilharam com avaliação ou ganância. Não havia agenda oculta no modo como os lábios dela se curvavam para cima, na surpresa que iluminava os olhos. Ela estava feliz em me ver. Apenas eu. Eu realmente não a conhecia. Na verdade, não. Ainda assim, a possessão, diferente de tudo que eu já senti antes, surgiu dentro de mim enquanto ficamos a poucos metros de distância e olhamos um para o outro. A química eletrizou o ar, tendo começado a crepitar no segundo em que nos vimos. "Nos encontramos de novo", eu gritei, enfiando minhas mãos profundamente nos bolsos da frente da minha calça jeans. Os passos de Violet foram reiniciados. Enquanto avançava, as pontas de seus longos cabelos loiros flutuavam ao redor dela como fitas coloridas contra o céu noturno. Seus movimentos eram hipnotizantes. Eu não pude deixar de admirar seu corpo e todas as curvas que minhas mãos desejavam tocar. Ela era tão diferente de todas as garotas que eu namorei no passado. De todas as minhas noites. Não apenas na aparência, mas na energia que a rodeava. Eu não conseguia explicar isso, embora eu quisesse muito. Eu


queria saber porque eu estava totalmente atraído por ela. Além do óbvio que ela não sabia quem eu era. Eu tinha que passar mais tempo com ela. Começando agora. "Eu vejo que você chegou em casa na outra noite", ela brincou, olhando para o jipe. Eu sorri para ela. "Se a fita adesiva não consertar, nada pode" "Isso é uma garantia?" Seus olhos brilhavam, assim como o bolso de sua camisa. Ela estava flertando, e apenas a noção disso me fez sentir um pouco tonto. Eu me aproximei, prestes a dar uma resposta espirituosa e encantadora, quando Nate estragou o momento. "Vocês dois se conhecem?" "Nós nos conhecemos", respondeu Violet, depois balançou o dedo entre Nate e eu. "Vocês dois são primos?" Antes de virmos buscá-la, decidimos que seria melhor fingir que era uma coincidência gigante e buscá-la não era algo que eu pedisse para ele fazer. O que eu não pedi foi que ele a convidasse para sair. Ou nos meter no que poderia ser um jogo de sedução. "Desde o nascimento", brincou Nate. Eu revirei meus olhos. "O pai dele é irmão da minha mãe", expliquei. Seu olhar azul se voltou para mim. Toda vez que roçava meu rosto, parecia uma carícia. Como se ela me tocasse sem sequer levantar um dedo. Seus lábios se apertaram, me distraindo por longos momentos. "Esta parece ser uma coincidência muito grande". "O que faz?" Nate perguntou, mais uma vez se intrometendo na minha conversa. "Muito louco, certo?" Eu respondi, querendo seus olhos de volta. "Nate chegou em casa outro dia e me disse que tinha um encontro com uma garota chamada Violet". "Eu quase morri." Nós dois olhamos para Nate quando ele dramaticamente colocou as mãos em volta da garganta e fingiu engasgar. Violet ofegou. "Você o atacou!"


"Não", eu disse ao mesmo tempo, ele disse: "Sim". "Cala a boca!" Eu rosnei, dando um leve empurrão em Nate. Violet cruzou os braços sobre o peito e nos encarou como se fosse uma professora de escola e nós éramos alunos malcriados. "Bem, o que é isso?" Meu corpo girou em direção ao dela mais longe. Eu estava totalmente cavando toda a vibração atrevida que ela tinha. "Ele ainda está vivo, não é?" Eu disse lentamente. Nate zombou. "Sim, é porque eu disse a ele sobre os quarenta dólares". Violet riu e eu olhei para ele. Ele estava tentando arruinar minhas chances com ela? Sua risada cessou e ela olhou para mim, inclinando a cabeça como se esperasse por uma explicação. Então eu dei a ela uma. "O único encontro que você terá é comigo." Os brancos de seus olhos se destacaram quando eles se voltaram surpresos. Mas ela se recuperou rapidamente, e eu fiquei parado em antecipação, esperando que ela trouxesse a moça de volta. Eu acho que eu tinha uma queda pela atrevida. Violet não decepcionou. Seus punhos escorregaram de seus quadris, expressão estreitada. "Primeiro você ataca seu primo e agora está me dizendo o que posso e não posso fazer?". "Bem, isso aumentou rapidamente", brincou Nate. Nós dois lhe demos olhares murchos. Ele ergueu as mãos. "Eu vou estar no jipe". Antes que ele fosse, ele se aproximou de Violet e se inclinou em seu ouvido. Meus dentes de trás se juntaram apenas o vendo tão perto. Antes que eu pudesse dizer a ele para recuar, ouvi suas palavras. "Ele é o cara?" Ele sussurrou alto. "Que cara?" "Você sabe", disse ele, como se estivesse tentando ficar quieto quando ele realmente não estava. "O cara que você é" Violet rapidamente olhou para mim, seu rosto corando. Eu fingi surpresa e depois apontei para mim mesmo. "Eu?" "Você deveria estar no carro", ela finalmente disse a Nate, apontando para ele como se estivesse sentenciando um animal na esquina. Nate saiu para o carro e sorri largamente como se alguém tivesse me contado um enorme segredo.


"Você está comigo", eu disse quando Nate estava no banco de trás. Violet fungou. "Eu nem te conheço." Eu me aproximei, tão perto que os dedos dos meus tênis colidiram com os dela. Ela tinha bom gosto em sapatos. "Você quer me conhecer?" Espreitando por baixo de alguns cílios impossivelmente longos, seu sorriso era enigmático. "Talvez." Seus pequenos dedos estenderam-se para puxar a corda branca do capuz da Universidade Blaylock que eu estava usando. Meu estômago realmente tremeu. A sensação momentaneamente me surpreendeu, porque era algo que eu realmente nunca senti antes. "Basta dizer sim", eu brinquei, pegando a mão dela no ar quando ela puxou de volta, entrelaçando meus dedos nos dela. "Eu sempre consigo o que eu quero". "É assim?" Ela perguntou suavemente. Deixando meus olhos vagarem por suas feições, eu assenti. Eu gostei dela. Ela era como uma foto do uísque mais alto do rótulo, queimando todo o caminho até a minha barriga, em seguida, instantaneamente trazendo a minha cabeça um pouco de luz. A voz alta de Nate ecoou de dentro do jipe. “Este é meu encontro. Por que estou sentado no carro?” Violet deu uma risadinha. Eu amei o som tanto quanto amei uma batida perfeita no estúdio. "É o encontro dele." Ela me lembrou. "Como o inferno", eu jurei. "No segundo que ele coletar seus quarenta dólares, você é toda minha". "Podemos ir?" Nate chamou. "Ele é como uma terceira roda", eu brinquei. Sua mão escorregou da minha e sua risada voltou para mim enquanto eu a observava subir na máquina do tempo.


A grande casa de estilo colonial estava quase se derretendo de corpos, todas as salas principais esmagadas por pessoas. Olhando em volta, percebi que esta era a minha primeira festa de fraternidade. Embora eu estivesse na faculdade, nunca tive nenhuma experiência universitária. Eu pensei que era apenas uma extensão do ensino médio - você sabe, indo e vindo de aulas chatas como o inferno com um grupo de pessoas que não queriam estar lá mais do que eu. E talvez fosse assim na maioria dos dias. No entanto, eu estava tendo a impressão de que Blaylock era mais do que isso. Eu estava preocupado em ser identificado o dia inteiro antes da nossa chegada. Inferno, eu ainda estava paranoico. Mas quando abrimos caminho através da multidão de pessoas dançando, gritando e bebendo, percebi que essas pessoas não se importavam comigo. Eles estavam em seu próprio mundo, um mundo do qual eu não fazia parte. Um mundo onde ninguém esperava me ver. Foi um pouco humilhante, na verdade, percebendo que se eu não fosse famoso, se eu não tivesse me tornado o inimigo público número um, este seria o meu mundo. Eu não pude deixar de me perguntar como seria, como seria a minha vida hoje se eu não tivesse sido descoberto e depois atingido a fama. Nate e Violet estavam na minha frente, comigo seguindo atrás. Como a terceira roda. Eu nunca fui uma terceira roda na minha vida. Bunda chupada. Mas, como Nate salientou tão alto, isso era tecnicamente seu encontro. Pelo menos até ele ganhar a aposta. No entanto, eu tive que entregá-la para ele. Ele não descobriu apenas informações sobre ela. Ele abriu o caminho para eu vê-la novamente. O mínimo que eu podia fazer era deixar o cara ganhar quarenta dólares. Nate passou o braço em volta dos ombros de Violet e guiou-a sob o arco que levava a outro quarto. Ela olhou para cima, para ele e riu, e eu sentia ciúme.


Não havia realmente nada na maneira como ele casualmente a tocava, mas eu odiava isso. Normalmente, eu era o único com a facilidade, o charme. Eu era conhecido por ter mulheres comendo na palma da minha mão em poucos minutos. No entanto, aqui estava eu. Arrastando-se para trás, observando-os, estupefato. Violet me deixou nervoso. Nervoso ao ponto que quase não sabia como agir. Eu não queria tratá-la da maneira como tratei outras mulheres no passado. Ela era diferente. Nate olhou para mim. Levantei meu queixo para que ele pudesse me olhar por baixo do boné. "Cerveja!", ele gritou. Eu coloquei minha mão em volta da minha boca e gritei: "Manda!" Um momento depois, eu consegui me colocar ao lado de Violet para que ela ficasse imprensada entre eu e Nate. Havia uma grande multidão lá porque era onde os barris estavam. Nate encheu um copo vermelho perto da borda e passou para mim. Eu aceitei, imediatamente colocando nos meus lábios e engolindo. Quando o fiz, senti um arrepio de consciência e notei Violet me observando. Eu parei meio de respirar. Ocorreu-me que eu estava sendo um idiota. Puxando a bebida da minha boca, eu segurei para ela. "Você quer uma cerveja?" Seu nariz enrugou e ela balançou a cabeça. Não vendo ela se recusar, Nate deslizou um copo idêntico ao meu debaixo do nariz. “Coragem líquida”, anunciou ele. "Não, obrigado!" Ela gritou. "Você quer uma daquelas bebidas femininas, não é?" Nate supôs e apontou para uma piscina azul de plástico cheia de gelo e longneck de bebidas coloridas. "Um rosa?" Eu ri. Ela olhou para mim, e pela segunda vez desde que a peguei, suas bochechas coraram. Olhando para longe e de volta para Nate, ela disse: "Eu, hum, não bebo". Nate riu, pensando que ela estava brincando. Mas ela não estava. Eu li a linguagem corporal dela e a maneira como ela se mexeu, desconfortável e envergonhada. Mudando a cerveja em uma mão, deslizei meu braço ao redor de sua cintura. Estabeleci acima de seus quadris como se fosse para estar lá. Puxando-a para o meu lado,


inclinei-me, usando o volume da sala como uma desculpa para trazer meus lábios para perto de sua orelha. "Fora do seu ambiente, não é?" Ela virou o rosto rapidamente. Nossos narizes quase colidiram, meus lábios tão próximos dos dela. “É tão óbvio?” Ela perguntou. Eu encolhi um ombro. "Eu acho que é fofo." Voltando para fora de seu espaço pessoal, levantei o copo para os meus lábios, o tempo todo segurando seu olhar. "Azul", ela disse. "O quê?" “Eu estive me perguntando de que cor são seus olhos. Eles são azuis”. Ela estava pensando em mim. Perguntando. Boa. "Você tem certeza que não quer isso?" Nate perguntou, abrindo uma garrafa de vinho rosa na cara dela. Ela balançou a cabeça, inflexível. "Dê-me isso", eu disse e arranquei de suas mãos. Enfiei a garrafa de volta na piscina gelada e procurei até chegar a água. Segurei Violet e ela aceitou com um sorriso. Acho que ela era a única pessoa que eu conheci que não bebia. Especialmente em uma festa. É como se ela não tivesse sido tentada pelos barris, pela piscina cheia de refrigeradores de vinho e pelos shots de gelatina. Bebendo mais da cerveja, meus olhos surfaram na sala. Ninguém estava prestando atenção. O blusão Blaylock U que eu estava usando, junto com o boné, deve ter me escondido bem o suficiente. E a julgar pelo número de pessoas bêbadas, ninguém poderia ver direito de qualquer maneira. Esvaziei o resto do meu copo e passei por cima da cabeça de Violet (que era muito fácil de alcançar) para uma recarga. Logo que estava fora de minhas mãos, notei Vi lutando com a tampa da garrafa de água. Ela parecia estar girando o mais forte que podia, mas a coisa não se moveu.


Grunhindo, eu estendi a mão e peguei-a de suas mãos. "Este é o trabalho de um homem." A tampa desenroscou no primeiro giro. Eu franzi um pouco quando entreguei de volta para ela. Não tinha estava lá muito apertado. Ela zombou. "Eu soltei para você" Quando ela inclinou de volta para a boca, notei toda a condensação saindo da garrafa e a maneira como ela pingava sobre a mão dela. Eu peguei-a da mão dela novamente. "Hey!" Ela gritou. Usando a bainha da camiseta embaixo do meu casaco, limpei tudo para que a garrafa secasse, depois entreguei de volta. Violet pareceu surpresa com a ação. Um sorriso suave puxou seus lábios, e ela abaixou a cabeça ligeiramente, colocando uma mecha de cabelo atrás da orelha. "Obrigado." A simples apreciação me fez querer fazer mais. Seja mais. Eu não queria que ela se surpreendesse quando eu fizesse algo gentil por ela. Eu queria que ela esperasse. "Lá está ele!", Disse Nate, inclinando-se sobre o ombro de Vi e apontando para a outra sala. "Esse cara que me deve quarenta dólares." O rosto de Violet escureceu um pouco; um ar de cautela enrolado em volta dela. Eu me virei e olhei. "Quem?" Eu olhei de volta, não sabia onde o cara estava. "Cara com óculos escuros na cabeça", respondeu Nate. Eu não gostava dele instantaneamente. Ele era alto, magro e tinha um ar de superioridade sobre ele, e eu tinha certeza de que ele tinha um complexo pelo seu minúsculo pau. Quero dizer, por que outra razão seria sentir a necessidade de usar um par de Ray Bans em sua cabeça durante uma festa à noite? Ou talvez fosse o fato de que eu sabia que ele estava incomodando Violet. "Segure minha mão", disse Nate, chamando minha atenção. "Isso vai enviar uma mensagem para esse cara!" Ele estendeu a mão para Violet, oferecendo.


Eu rosnei e bati a mão dele. "Claro que não!" Tanto meu primo, quanto Violet olharam para mim. "Somos uma família. Eu não iria namorar na sua garota”. Nate fez uma careta como se estivesse ofendido. "É para a aposta" "Não", eu disse novamente, inflexível. "Eu não sou sua garota", anunciou Violet. "Sim, você é", Nate e eu dissemos imediatamente. Ela quase engasgou com a água enquanto Nate e eu falamos. "Estou tomando outra cerveja", anunciei. "Vá buscar o seu dinheiro." "Segure isso." Violet empurrou sua garrafa de água no meu peito. Eu peguei, certificando que nossos dedos roçassem. O brilho de eletricidade registrado no rosto dela era satisfatório. Depois de pegar uma cerveja nova (que sabia o que Nate fez com a minha última), eu girei a tempo de ver Nate colocar o braço sobre os ombros dela novamente enquanto eles andavam pela multidão. O cara, cujo nome eu não conhecia, empalideceu quando os viu e quase engasgou com a bebida. No segundo em que sua surpresa inicial desapareceu, observei seus olhos se estreitarem em Violet. Algo escuro passou por trás deles. Apertou-se na parte de trás do meu pescoço. Eu sabia o tipo dele. Idiota. Eu vi caras assim todas as noites quando estava em turnê. Movendo-me pela multidão, tomei minha cerveja, mantive meu boné abaixado e observei a troca. Eu não queria que ninguém me reconhecesse, mas se alguém mexesse com o Nate, eu não hesitaria em entrar no meio de uma briga. O babaca disse alguma coisa e Nate replicou. Todas as pessoas que estavam ao redor deles riram. Exceto Violet. Ela não riu. Ela parecia que queria dar o fora dali. Um maço de dinheiro foi esbarrado na mão de Nate. Ele colocou no bolso sem uma palavra. Quando eles se viraram e se afastaram, fiquei feliz por Nate colocar um braço ao


redor de seus ombros. Eu esperava que mandasse uma mensagem silenciosa para o babaca e seu clube do Mickey Mouse de que ela estava fora dos limites. Se não, eu teria que enviar a mensagem sozinho. Os olhos de Nate se viraram. Fiz sinal para ele, e ele inclinou Violet na minha direção. Inclinando-se, ele falou no ouvido dela. Seus olhos me encontraram instantaneamente, e houve um distinto eco de alívio em seu olhar. Eu sorri, estranhamente querendo tranquilizá-la (de que, eu não tinha certeza) e desejei tirar o boné para que ela pudesse sentir todo o peso do meu olhar. Nós três nos encontramos alguns momentos depois em uma sala na parte de trás da casa. Havia um conjunto de grandes portas deslizantes que estavam abertas. A festa continuava lá fora. Eu gesticulei para eles com meu queixo. "Lado de fora?" Ela assentiu agressivamente e eu ri. Depois de devolver a garrafa de água, estendi a para a mão dela. Sem hesitar, ela se rendeu. Eu conduzi o caminho de volta, mantendo firme os dedos dela enquanto ela me seguia. Na porta, o ar fresco do outono corria em torno de nós, provando o quão quente o interior da casa estava. Havia um grande pátio quadrado atrás da casa, todo de concreto com luzes penduradas ao redor do perímetro. A música bombeava no escuro e as pessoas dançavam e gritavam. "Cerveja pong é minha geléia!" Nate gritou, apontando para todos os caras jogando um jogo de beber a poucos metros de distância. Todos aplaudiram e Nate olhou para mim. "Até mais", eu disse, divertido. Ele saiu correndo e, embora fosse da família, fiquei feliz em vê-lo partir. Eu conduzi Violet passando a maioria das pessoas até a beira do pátio, onde dava lugar a grama e árvores. Eu me posicionei de costas para o quintal, então estava de frente para a casa e as pessoas. Violet estava na minha frente, toda a atenção dela se afastou.


"Então, o que há com a água?" Eu perguntei, casualmente encolhendo de volta nas sombras criadas pelas árvores. "Está molhado", disse ela e tomou um gole. "Você vai me dizer por que você não bebe?" "Não." "Ok, então me fale sobre o cara." Eu olhei para a casa para que ela soubesse quem eu queria dizer. Ela suspirou pesadamente. “O nome dele é Ross. Eu saí com ele uma vez. Eu prefiro mastigar vidro do que sair com ele novamente” "Ele não está muito feliz com isso, certo?" Ela encolheu os ombros. "Não sou eu que ele está interessado. Ele não gosta de ser rejeitado." Seus olhos se afastaram, focando seus sapatos. "O quê mais?" “Hmm?” Ela disse, como se não tivesse ideia do que eu queria dizer. "O que mais ele fez?" "Por que você acha que ele fez alguma coisa?" “Você estava desconfortável lá atrás. Quase tímida. Eu sei de uma experiência em primeira mão que não foi como você normalmente é”. "Muito observador", pensou Violet. Incapaz de me conter, eu toquei uma mecha de cabelo caindo sobre o ombro dela. “Quando se trata de você? Muito" "Eu não venho a festas como essa com muita frequência. Quase nunca”, ela me disse, abaixando a cabeça. "Eu não sou realmente uma para multidões." "Eu também", eu murmurei, pensando sobre a última vez que eu estava em uma multidão enorme. Eu estava bêbado com a bexiga cheia. O pensamento me fez beber mais cerveja. "Sério?" Sua voz ficou surpresa e curiosa. Eu sorri abertamente. "Isso surpreende você."


“Bem, duh. Você é arrogante, charmoso e bonito. Eu acho que um lugar como este era como sua nave mãe”. Um sorriso lento transformou meu rosto. "Você acha que eu sou bonito?" "E arrogante", ela reiterou. "Há uma falha" Eu ri calorosamente. “Eu gosto da sua franqueza. Você não tenta beijar minha bunda”. "Eu não beijo na bunda. É um desperdício de energia”. Escondendo outro sorriso, eu limpo meu copo. "Então, qual é o seu negócio?", ela perguntou, em branco. "Por que você não está lá sendo a vida da festa como eu sei que você poderia ser?" Esmagando o copo em uma mão, inclinei-me para perto. “Eu não estou aqui para ser a vida da festa. Eu estou aqui para você”. “Por quê?”. Ela sondou, cruzando os braços sobre o peito. "Você é real", eu disse simplesmente. Ela recuou, claramente não esperando que eu dissesse algo assim. Ela provavelmente esperava alguma ‘linha de queijo’, da qual eu tinha cerca de quinze anos no bolso de trás. Violet era melhor que uma linha de recuperação. Levou um minuto para digerir isso. Quando ela fez, seus lábios envolveram a garrafa e a água deslizou por sua garganta. O barulho da festa tornou-se abafado, como se estivesse longe e ela e eu éramos as únicas duas pessoas aqui fora. O brilho das luzes iluminava seu cabelo loiro quando ela se movia, e ocasionalmente, as manchas de glitter em seu jeans pegavam a luz e chamavam minha atenção para suas coxas. Eu quis dizer o que eu disse. Ela era real. Provavelmente a coisa mais real que eu vi em muito tempo. De certo modo, conhecê-la era como deixar o oxigênio entrar em um tanque onde antes estava hermético. Eu não quis dizer apenas real em termos do mundo de onde eu vim, embora houvesse alguém como ela era literalmente incomum. Foi aqui também. No meio de uma galeria de


arte, quando ela desenhava um desenho satírico tirando sarro de mim. Quando ela me acusou de ser um criminoso e se deixou enganar pelo meu primo em um encontro falso. Aqui, agora, em uma festa de fraternidade, ela estava cheia de genuinidade. Todos os outros ao seu redor agiram como ovelhas. Fazendo o que a multidão estava fazendo, envolvida apenas em si mesmos. No entanto, ali estava ela, ao lado do cara mais fofo daquele lugar, bebendo sua água engarrafada e se escondendo perto da linha das árvores. Eu abri minha boca para dizer algo mais, mas eu fui tão rudemente interrompido por uma voz que não era dela.


TREZE Violet

"Você apareceu aqui só para me humilhar?" A voz familiar realmente fez minha pele arrepiar. Forçando-me a não reagir, virei um pouco e olhei por cima do ombro para Ross. Claramente, ele estava bêbado. Ou chapado. Inferno, talvez ambos. Inebriado, Ross não era alguém que eu queria estar por perto. Eu aprendi essa lição uma vez antes. Eu me afastei. "Eu sei que é difícil de acreditar, mas nem tudo que eu faço é sobre você." Pausando, reconsiderei minha declaração. "Na realidade. Nada que eu faça é”. Era demais esperar que ele fosse embora, não era? Sua respiração quente de cerveja soprou contra o meu ouvido quando ele se inclinou sobre o meu ombro, e eu estremeci um pouco, movendo a cabeça para longe. “Eu deveria acreditar que você, uma garota que nunca vem às nossas festas, uma garota que tem todas as desculpas no livro para nunca sair, só acontece de aparecer aqui com um cara porque não é sobre mim?" "Muito bonito", respondi, mantendo as costas para ele. Eu estava muito consciente do modo como Stark estava parado, observando a troca com grande interesse. Eu nem sequer pensei se Ross notou que ele estava lá, entre seu foco em vomitar suas palavras bêbadas para mim e Stark estar bem escondido nas sombras. Ele não reconheceu sua presença em tudo. "Eu estou falando com você!" Ross cuspiu, agarrando-me rudemente ao redor do braço e me puxando para que eu tivesse que olhar para ele.


Energia crepitava atrás de mim, o tipo que escorria com força quieta. Ele acariciava minhas costas, quase me envolvendo, oferecendo-me apoio para me manter firme. Também foi promissor. Certifico na forma como pulsou que não demoraria muito para ele intervir. "Certo!" Eu cuspi, arrancando meu braço. “Eu vim aqui para enviar uma mensagem. Deixe-me o inferno sozinha”. “E se eu não fizer isso?”. Ele ameaçou, dando um passo à frente. Ele estava tão perto que eu tive que mergulhar minha cabeça para olhar para ele. Meu estômago se apertou. Memórias da noite em que cometi o erro de sair com ele me fizeram querer me encolher. "Se eu não fizer isso, vou me certificar de que todos saibam que tipo de homem você realmente é." Não foi a mais forte das ameaças, mas, pelo menos, eu me mantive firme. Ross riu, mas não foi um som bem-humorado. Eu vi a intenção em seus olhos apenas alguns segundos antes de ele se mover. O copo de plástico em sua mão bateu na grama com um baque quando ele jogou de lado, e ambas as mãos seguraram meus braços e cavaram quando ele me puxou para perto. "Onde está esse seu encontro agora?" Ele rosnou. "Recolheu seu dinheiro, então deixou você apodrecer." Ele rosnou. "Seu encontro está bem aqui." Uma voz baixa e furiosa eclipsou todo o resto. Um punho veio de um lado para o outro, abrindo caminho no rosto de Ross. O golpe foi tão sólido que Ross tropeçou, o que o fez soltar meus braços. Eu tropecei para trás, mas Stark encheu minha visão quando ele estendeu a mão para me firmar. Raiva brilhou em seus olhos, sua mandíbula de aço pulando de tensão. "Você está bem?" Ele perguntou baixo, olhando-me como se ele pudesse ter perdido algo que poderia me causar danos. "Cuidado!" Eu gritei quando Ross apareceu ameaçadoramente atrás de seu ombro.


Com quase nenhum esforço, Stark chutou atrás dele, plantando seu pé solidamente no meio de Ross. Ross recuou, dobrando e ofegando. Algum do álcool que ele consumiu fez uma segunda aparição por toda a grama e seus sapatos. Foi muito pouco atraente. "Peso-leve." Stark zombou e se virou para ele. Ross olhou para cima, passou o braço pela boca desagradável e se endireitou. "Vi, vamos", Stark instruiu, mantendo toda a sua atenção em seu oponente. Eu corri para o lado, não mais atrás dele, quando Ross derrubou. Stark mal se preparou para o sucesso. Eu gritei o nome dele, porque, você sabe, eu gritar nos bastidores ajudaria totalmente. Stark tinha a situação sob controle. Em vez de se preparar para o impacto, ele saiu do caminho no último segundo e Ross gaguejou para frente, surpreso. Como ele passou, Stark chutou na bunda, e ele caiu, praticamente fazendo um flop de barriga na grama debaixo da árvore. Eu pensei que tinha acabado, mas Stark tinha outras ideias. Em vez de se afastar, ele avançou, agarrando Ross pelo ombro e virando-o. Segurando um punhado de sua camiseta para arrancar sua parte superior do corpo do chão, Stark o socou novamente. Eu vacilei. O som de carne batendo na carne fez meu estômago revirar. As pessoas notavam a comoção e se aproximavam, reunindo-se para observar. "Toque-a novamente e eu vou te matar", rosnou Stark, sua voz baixa e arrepiando indução. Foi a primeira vez que o vi - a raiva contida que se escondia em algum lugar sob o capuz e o boné de beisebol. Ross torceu, soltando o aperto que Stark tinha na frente de sua camisa. "Você não pode me ameaçar", ele disse, começando a se levantar. Stark lhe deu um soco de novo e ele caiu. Ele levantou o punho novamente e eu estremeci.


"Whoa!" Nate atravessou a multidão e correu para Stark. “Acabou, cara. Você venceu”. Eu respirei fundo quando Nate colocou a mão no meio de Stark e o afastou da situação. Stark lançou-lhe um olhar, depois fez um som e sacudiu a mão que usava para espancar Ross. Ele se virou, notando como a multidão havia se reunido e todos estavam parados, observando em silêncio. Murmúrios começaram a se mover através da reunião, rumores baixos sobre o que aconteceu. Eu ouvi algumas pessoas perguntarem: “Quem é esse cara?” E minha testa enrugou. Ajustando a aba do boné para que fosse puxado ainda mais para baixo, ele caminhou os poucos passos até onde eu estava e pegou a minha mão. Eu endureci e seus olhos brilharam até os meus. "Vamos lá. Hora de ir." Atrás de nós, Ross estava de pé e olhando entre mim, Stark e Nate. Mesmo que eu estivesse repentinamente apreensiva em ir com ele, eu assenti porque, honestamente, sair com ele era preferível a ficar. Além disso, ele estava me defendendo. Pelo menos no começo, ele tinha feito. Mas depois da segunda vez que Ross bateu no chão e Stark continuou, eu tive que me perguntar se talvez alguma outra coisa assumiu. Algo mais sombrio. Algo como raiva. Isso me assustou. A última coisa que eu queria ou precisava era de uma repetição do meu primeiro e único encontro com Ross. Mais vozes irromperam, o nível de ruído aumentando. O aperto de Stark aumentou na minha mão e ele me rebocou, movendo-se rapidamente quando Nate criou um caminho através da multidão. No segundo em que passamos, Stark acelerou o ritmo e começamos a correr pelo gramado, passando pela casa e pela frente.


Nate também correu, como se talvez estivessem com medo de que Ross conseguisse alguns amigos e viesse atrás de nós. Honestamente, mesmo se eles fizessem, eu ainda colocaria dinheiro em Stark. Droga, ele quase nem transpirou, batendo na bunda de Ross. Duas vezes. Nate e eu pulamos no jipe enquanto Stark ligava tudo. O motor virou uma vez, e ele amaldiçoou baixo, olhou para o espelho retrovisor. "Vamos lá", ele murmurou e tentou o motor novamente. Desta vez, o jipe disparou e ele saiu para a rua em um segundo. "Que diabos foi isso?" Eu disse, me virando para encarar Stark. Ele olhou para mim e depois para a estrada. Sua mandíbula estava cerrada. Os músculos trabalhando nele fizeram meu estômago fazer coisas engraçadas. "Ele colocou as mãos em você." Ele falou com raiva. Eu recuei. "Não foi a primeira vez, não foi?" Ele continuou, viarando o jipe agressivamente. O coitado fez um som desgraçado. Eu olhei de volta para Nate, esperando que ele trouxesse algumas de suas costumeiras fofocas sarcásticas para a conversa e aliviasse o clima. Seus olhos piscaram para mim e ele franziu a testa. Então ele se virou para olhar para seu primo. "Agarrou-a no dia em que a conheci", ele entoou, sua voz não era leve, ao invés disso, dura e séria. Que traidor! Obrigado pela ajuda, Nate. "Essa foi a última vez", Stark prometeu, mudando novamente. Eu caí contra o banco, não tenho certeza do tipo de resposta a dar. Por um lado, eu estava feliz por Ross ter sido chutado na bunda. O cara merecia, e por mais que eu odiasse admitir, eu não tinha o tipo de força física necessária para fazer isso. Por outro lado, esse tipo de força física me intimidava. Talvez porque eu não tivesse. Talvez porque tenha sido usado contra mim antes. Entramos em alguma rua desconhecida, afastando-nos do campus. Sentei-me, pressionando a mão contra a janela de plástico. "Onde estamos indo?" Minha voz estava ligeiramente mais alta que o normal. Ansiedade tendia a me fazer soar como uma soprano.


A palma da Stark cobriu minha coxa e deu um aperto suave. "Está bem. Estou apenas levando o Nate para casa. Então eu vou levá-la de volta ao seu dormitório”. Eu olhei entre ele e sua mão. A escuridão do interior parecia engolir nós dois inteiros. Mas a energia que crepitava ao redor - até a escuridão não era párea para isso. Eu engoli em seco. "Não tente nada", eu disse, firme. "Eu tenho meu apito" Meu Deus. Eu precisava seriamente conseguir uma arma melhor do que um apito. Isso foi embaraçoso. Alguma da intensidade pulsando em torno dele diminuiu. Eu senti ele abafar uma risada. Seu rosto se virou para mim, e sua mão deu à minha perna outro aperto antes de se afastar. "Você está segura comigo, Vi" Essas foram algumas palavras bonitas. Então, uma energia bastante inquieta enrolouse na minha barriga. Eu gostei do que ele disse. Sentir-me segura era algo que eu procurava com frequência. Foi uma daquelas qualidades que eu instintivamente queria. "Suas palavras são bastante contraditórias com suas ações lá atrás", eu disse, tentando lembrar ao meu coração que minha cabeça era a única no controle. "Não", ele refutou, virando para outra rua lateral que eu não conhecia. No entanto, para ser justa, eu não conhecia muitas ruas fora do campus porque não saía muito. "O que eu acabei de dizer está comprovado por como eu reagi lá atrás." Eu me virei, espiando no banco de trás. Nate estava sentado no centro do banco, apenas conversando. "Você está muito quieto aí atrás. Nada a dizer?" Ele encolheu os ombros. "Não é mais meu encontro" Um minuto depois, os freios guincharam quando o jipe desacelerou e depois parou em uma calçada pavimentada. Eu olhei pelo pára-brisa do duplex de tijolos. Estava escuro, então não havia muito que eu pudesse entender. Stark puxou o freio de emergência e saiu, empurrando seu assento para Nate subir pelas costas. "Não espere por mim." As palavras de Stark flutuaram no carro.


Eu me inclinei para frente e gritei: “Na verdade, você pode esperar. Ele não vai demorar muito”. Nate gargalhou. "Foi recusado! Como é isso, para o seu registro antes perfeito?” Stark bateu na parte de trás da cabeça e Nate fez um som. Então, para minha surpresa, ele se aproximou de seu primo e ajustou o capuz no moletom e acariciou seu rosto. "Eu perdoô você. Tem sido uma noite difícil”. Stark bateu a mão longe, mas suavizou as palavras e sua ação com um sorriso. "Você é um idiota." O banco do motorista voltou ao lugar e Nate se inclinou. Seu punho apareceu sobre o console central. “Melhor encontro que eu estive o ano todo!” "Não foi um encontro", Stark murmurou sombriamente. Uma risada borbulhou para fora de mim e eu quebrei meu punho contra o dele. "Eu vou te ver por aí". Ele começou a puxar para trás, então parou. “Oh, e seja gentil com nosso menino aqui. Ele está fora de seu elemento”. Antes que eu pudesse perguntar o que diabos isso significava, Nate se foi e Stark estava deslizando de volta para dentro. Eu assisti Nate correr até a porta da frente da casa de tijolos e entrar. "Você mora aqui também?" "Sim", ele respondeu. "Nate é meu colega de quarto." Por alguma razão, isso me fez sorrir. "Você e Nate compartilham um quarto?" “Sempre compartilhamos, desde que éramos crianças. Então, quando voltei para cá, foi uma coisa natural de se fazer”. "Quando você voltou para a faculdade, você quer dizer?" Ele assentiu. "Uh, sim." "De onde você é, então?" Eu perguntei. "Da cidade." Eu acho que eu poderia imaginá-lo como um garoto da cidade. Ele definitivamente tinha algum mistério sobre ele, mais ou menos como sempre pensei na cidade. Quer dizer,


sério, você já tentou estacionar em Nova York? Ou conseguir ingressos realmente bons para um show? Era um maldito mistério para mim como era feito. "O pai de Nate mora aqui também?" "Sim. Apenas eu, Nate e meu tio Derek. Ele é o chefe do departamento de música em Blaylock”. "Oh, uau", eu disse, olhando para o lado do duplex. "Então, eu acho que não fui convidado de volta para o seu lugar?" Ele disse com tristeza, suavemente dirigindo a conversa para longe de sua situação de vida. “Eu acabei de ver você bater em algum cara. Eu acho que não”. Stark estava levando o jipe fora da garagem. Depois que eu falei, ele o deixou ocioso no meio da estrada, voltando toda sua atenção para mim. Como se soubesse que o boné puxado para baixo em seu rosto de alguma forma mantinha a distância entre nós, ele puxou-o e jogou-o nas trás. Ele esfregou a mão sobre o cabelo bagunçado, de alguma forma artisticamente arrumando um estilo desorganizado. Seus olhos, que eu sabia serem os mais azuis, assentaram inteiramente no meu rosto. "Ele machucou você?" Eu não estava esperando que essa fosse a primeira coisa que ele disse. "Não", eu respondi, a palavra um pouco sem fôlego. "Você poderia me dizer se ele machucou?" Engoli. Meu cuspe estava de repente muito grosso. Eu assenti. "Deixe-me ver seu pulso." Eu pisquei. Hesitando. Stark fez um som e estendeu a mão. "O que ele pegou", ele apontou. "Vamos, dê para mim." Estendendo meu braço, eu coloquei minha mão na dele. Dedos quentes e suaves envolveram minha mão, envolvendo-me com força. Suavemente, ele puxou minha mão em direção a ele para estudar meu pulso, que estava livre de hematomas. O jipe gaguejou um pouco quando parou. Mas então ele pegou e voltou ao normal. Stark se inclinou para baixo. Os longos e desarrumados fios da frente de seu cabelo


fizeram cócegas no meu braço, mas a sensação foi de curta duração. Ele deu um beijo suave sobre o interior do meu pulso, deixando seus lábios se demorarem com a mais leve das carícias, antes de puxar para trás e enfiar meu braço de volta no meu colo. Eu não tinha nada. Palavras me falharam. Tudo o que havia dentro de mim era o meu coração, balbuciando como o Jeep antes de voltar à vida. Naquele momento, senti que ia correr uma maratona. Meu coração ainda estava batendo uma milha por minuto, e as únicas respirações que eu podia eram rasas. Oh meu. Que enigma Stark era. Um minuto ele estava batendo em um cara de fraternidade, e o próximo carinhosamente beijava o interior do meu pulso como se seus lábios fossem a cura para qualquer doença que eu pudesse ter. Ele pode ser, meu coração sussurrou. Eu fingi não ouvir. "Então", disse Stark, voltando-se para o volante e para a estrada. "Você gosta de sorvete?" Meu cérebro não conseguia acompanhar. "O-O quê?" Eu gaguejei. Ele sorriu como se soubesse exatamente o quão lento meu cérebro estava correndo. "Milkshakes", respondeu ele. "Estou levando você para comprar um" "Oh", eu respondi. O interior do meu pulso ainda formigava. "Na verdade, uh ..." Eu fiz uma careta para mim mesma. Deus, isso ia soar tão alta conservação. Primeiro, eu não bebo e agora isso. "Eu tento não comer laticínios" Ele olhou para mim rapidamente. "Sem cerveja e sem sorvete?" Suspirei. Pode muito bem fazer tudo agora. "Eu também não como glúten". O jipe diminuiu quando ele puxou o pé do acelerador. "Nenhum pão!" Eu balancei a cabeça. “Como você sobrevive?” Ele ficou completamente horrorizado. Eu estava acostumada com essa reação, mas seu rosto me fez rir. "Com o sangue dos meus inimigos", eu entoei. Ele zombou. "Isso, eu não acredito." "Pode ser verdade!" Eu insisti. "O que diabos você pode comer?", Ele perguntou, nem mesmo divertido com a ideia.


Que afrontoso. "Eu gosto de smoothies", eu disse. "Como com frutas e merda?" "Você faz parecer tão apetitoso" Eu ri. Ele sorriu. Era o tipo de sorriso genuíno e pateta que fazia a minha barriga fracassar. "Ok, então, um smoothie e um milkshake chegando." Eu sabia que deveria ter dito a ele para me levar para casa depois de tudo o que aconteceu. Eu não estava pensando praticamente na mesma coisa há cinco minutos? A coisa era que eu não queria ir para casa. Eu tinha certeza de que todas aquelas palavras que meu coração sussurrou na minha cabeça não foram ignoradas, afinal.


QUATORZE Ten

"Isso é legal?", Perguntou Violet do banco do passageiro. "Huh", eu disse pensativamente. "Eu realmente não pensei sobre isso." Eu senti sua reação incrédula e virei meu rosto para olhar para ela. "O quê?" "Diga-me que você está brincando", ela respondeu, puxando o canudo de seus lábios. Estava muito escuro dentro desse jipe. Eu queria poder vê-la mais claramente. Sua presença muito conduzia minha atenção. Quando eu não ri prontamente ou confirmei que eu estava apenas brincando, ela alcançou o carro e me bateu no braço. "Ser presa não na minha lista de tarefas para esta noite" Hã. Talvez tenha sido essa falta de pensamento sobre esse tipo de coisa que me permitiu ser odiado pela imprensa e pela maioria dos meus fãs. Eu nunca fui realmente preso por qualquer uma das merdas que eu fiz, então talvez seja por isso que eu não pensei nisso agora. Eu me dei bem com muita merda. Em um sentido distorcido, meu nome e status me protegeram. Até que meu nome e status se voltassem para mim. "Nós não vamos ser presos." Eu assegurei a ela. "Nós não estamos fazendo nada." "Invadir é alguma coisa" Ela apontou para a grande cerca de arame que eu tinha acabado de estacionar diretamente na frente. Os faróis iluminavam uma grande placa de metal.


Não ultrapasse. Eu não pude evitar. Eu sorri abertamente. "Semântica." Eu desliguei o motor e desliguei as luzes. “Eles querem dizer do outro lado da cerca. Esta é uma zona segura. Ela fez um som. "Estamos sendo presos. Por que não pudemos ficar no lugar como pessoas normais? ” Porque eu não sou normal. Porque eu não estou pronto para te dizer quem eu sou. "Onde está a diversão nisso?" Eu zombei. "Eu não tenho estado aqui há anos." "O aeroporto?" Eu assenti. "Derek costumava trazer Nate e eu aqui muito quando éramos crianças, e nós assistíamos os aviões decolar e pousar". Olhando através do pára-brisa, eu vi as luzes piscando de um avião em cima, circulando e se preparando para pousar... "Cmm." Fiz um sinal com a cabeça e saí. Nós nos encontramos no capô, nós dois segurando grandes xícaras brancas com tampas e canudos. Eu considerei uma vitória que o lugar que fomos, que vendia sorvete, também fazia smoothies. Eu ainda estava chocado com essa garota que não comia sorvete. Ou pão. Colocando meu malte de chocolate no capô, eu agarrei sua mão e a levei para o lado perto do pneu dianteiro. Uma vez lá, eu me inclinei, oferecendo minhas mãos como uma escada. Seu rosto ficou duvidoso. "A vista está melhor lá", expliquei. "Tem certeza de que pode nos segurar?" Eu ri. "Relativamente. Ainda bem que eu trouxe minha fita adesiva”. Ela fez um som, mas enfiou o pé nas minhas mãos. Eu levantei quando ela foi, dandolhe um impulso para cima do capô. "Ainda está quente", disse ela, pressionando uma palma para o metal abaixo dela. Depois de me acomodar ao lado dela, peguei a bebida e dei um longo gole. "Avião está chegando." Eu apontei para o que estava pronto para pousar.


"Você já voou antes?" Ela perguntou. Eu pensei no meu avião particular e em todos os lugares que eu viajei. "Um par de vezes", eu respondi. "E quanto a você?" Ela balançou a cabeça. "Não. Como é?" "Bem, quando não há turbulência, é bem legal. É como estar em seu próprio mundinho, sabe? Como tudo que acontece no chão não importa para aqueles minutos que você está no ar. ” Enquanto ela ouvia, ela mordiscou seu canudo, trocando entre sugar o smoothie e mastigar o plástico enquanto considerava minhas palavras. Eu gostava dela. Muito. Ela era real. Provavelmente a pessoa mais real que conheci há muito tempo. Ela não era calculada. Ela não tentou ser alguém que não era. Ela mastigou canudos, usou tênis em vez de saltos, e me disse em termos inequívocos que eu não voltaria para a casa dela. "Parece pacífico", ela respondeu. "Você vai me dizer por que você não come nada que tem sabor bom?" Eu provoquei, acotovelando-a suavemente. "Isso é bom!", ela insistiu. "Você está me dizendo que o seu suco de abacaxi é melhor do que um shake de chocolate?". "Eu gosto de chocolate", ela murmurou. "O chocolate não tem leite?", perguntei. "Semântica", ela repetiu, e eu ri. "Experimente." Ela empurrou a bebida na mão perto da minha boca. Eu olhei entre ela e o canudo, depois abaixei para pegar o gosto oferecido. O sabor doce e distinto do abacaxi me atingiu primeiro. Era mais grosso e cremoso do que eu pensava que seria. Havia indícios de banana e algo mais frutado, mas eu não sabia o quê. "Ei, isso é muito bom." Eu concluí. "Eu sei." Ela estava presunçosa, retornando o canudo aos lábios. Eu queria beijá-la. Naquele momento, ela provavelmente tinha gosto de abacaxi.


O avião que eu estava olhando antes roncava perto, o som dominando todo o resto, incluindo a nossa conversa. Nós dois nos viramos para a longa pista enquanto ela descia graciosamente, ainda suspenso pelo ar, mas se preparando para se juntar ao resto de nós no chão. O vento ao nosso redor pegou uma vez que bateu na calçada e passou rapidamente, enquanto os pilotos trabalhavam para desacelerar. Eu esqueci como as noites de outono estavam frias. Eu estava muito acostumado a morar em LA, onde o inverno não parecia existir. Ao meu lado, Violet estremeceu. Ela se dobrou um pouco, levou os joelhos até o peito e colocou os braços ao redor deles. "Frio?" Ela sorriu, o queixo equilibrou o joelho. "Eu realmente não me vestia para essa invasão" Equilibrando o copo no capô entre nós, eu puxei o casaco do meu corpo. Ar frio roçou meus braços nus e contra a camiseta preta que eu usava. "Aqui." Eu segurei o moletom. "Mas você estará com frio." "Eu vou ficar bem." Eu empurrei o casaco um pouco mais perto. Deixando de lado sua bebida, ela pegou o casaco oferecido e puxou-o para baixo sobre a cabeça. O casaco era grande demais, então meio que emoldurava seu rosto, chamando a atenção para o queixo e os olhos. O comprimento de seu cabelo claro ainda estava preso no pescoço, mas alguns fios curtos e grossos se soltaram e bordaram seu rosto. "Obrigado", ela falou timidamente enquanto ela se enfiou nele. Meu calor corporal estava envolvendo em torno dela agora. Mergulhando em seus poros e devolvendo o calor que ela perdeu.


"Você é realmente linda." Ambos nos olhamos, pegos de surpresa. Claro, eu estava sentado aqui pensando nisso, mas nunca pretendi deixar escapar. Normalmente, eu estava muito mais no controle do jeito que eu agia em torno das mulheres. Um pequeno sorriso puxou seus lábios. Ela abaixou o rosto e colocou as mãos nas mangas do moletom até desaparecerem completamente. Ela não respondeu, em vez disso, olhando através do aeroporto. À distância, um avião estava voando pela pista, preparando-se para decolar. "Então, qual é o problema com aquele monte de sujeira da festa?" Eu perguntei, recostando-me no para-brisa. "Ele é um idiota." Bem, agora ele é um idiota com um olho roxo e uma boca quebrada. "Há mais do que isso." Eu pressionei. Ela suspirou. Mantendo-se de costas, ainda olhando pela calçada, ela respondeu. "Eu não sou tão social assim. Quero dizer, eu faço algumas coisas e tenho algumas pessoas com quem fico de tempos em tempos, como ir à galeria ou ao cinema. Você sabe, coisas comuns”. Eu realmente não sabia. Este era a coisa mais "regular" que eu fiz em tanto tempo. “Mas, na maioria das vezes, só fico no meu quarto, desenho e converso com meu irmão” “Você tem um irmão?”, perguntei. Ela assentiu. "Ele é meu melhor amigo, mas ele é mais novo que eu, então ainda está em casa com nossos pais. No entanto, ele vai vir para Blaylock no próximo ano. Estou animada" "Ele também gosta de desenhar?" “Sim, mas não do mesmo tipo que eu. Ele realmente gosta de moda e quer ser designer”. Ela se virou para olhar por cima do ombro, o cabelo loiro parcialmente escondendo seu rosto. "Meu irmão é gay". "Estar na moda não faz você gay." Eu a repreendi.


Ela riu. "Não. Mas estar totalmente apaixonado por Ten e estar convencido de que ele pode, de alguma forma, fazer com que ele mude de lado, sim”. Eu engasguei com o meu tremor. Como se tivesse um ataque de tosse bem ali. Eu cortei e tossi tanto que meus olhos começaram a lacrimejar. Violet fez um som de angústia e se ajoelhou. O metal afivelando um pouco sob seus movimentos não a impediu. Ela se moveu para o meu lado e começou a bater nas minhas costas. "Eu não sei RCP8", ela me disse. "É melhor você não morrer." A tosse se transformou em uma risada, que soou como se eu estivesse morrendo. Ela bateu nas minhas costas um pouco mais quando eu respirei um pouco de ar, parcialmente dobrado. Eventualmente, eu me controlei e levantei a cabeça. Meus olhos ainda estavam lacrimejando, então limpei-os com as costas da minha mão. "Buraco errado", eu disse, minha voz rouca. "De acordo com meu irmão, não há buraco errado", ela brincou. Eu comecei a tossir novamente, e ela começou a bater nas minhas costas novamente. "Porra, mulher", eu disse, obtendo o controle de mim mesmo. Eu torci e agarrei a mão dela, a que ela estava me batendo. "Você está tentando me salvar ou me matar?" "Bem, desde que você não está morto, podemos assumir que eu salvei você." Eu joguei a cabeça para trás e ri. Essa garota era hilária. Mantendo a mão dela, eu puxei. "Sente-se comigo." Sua bunda caiu e ela se encostou no pára-brisa, espelhando minha posição. Eu mantive a mão dela, embora ela olhou para a mao de forma incisiva, depois de volta para mim. Eu não a soltei. "De volta ao saco de sujeira." Eu a lembrei.

8

Reanimação cardiorrespiratória.


Seu rosto virou em minha direção. "Você não se importa que meu irmão seja gay?" "Eu deveria?", perguntei intrigada. "Não." Sua voz era firme. "Ok então." Eu não me importei. De modo nenhum. Havia uma tonelada de artistas gays (fora e dentro) na indústria da música. Orientação sexual não era algo com que eu me importasse. No entanto, eu tinha que admitir que estava chocado porque seu irmão parecia ter um tesão por mim. Isso pode tornar o Dia de Ação de Graças um pouco estranho. Espere. O quê? Por que eu estava pensando em passar as férias com Violet e sua família? "Eu tenho uma pergunta, no entanto", eu disse, afastando os pensamentos de festas de férias em família. "O quê?" “Seu irmão sabe que você estava debochando da sua... paixão pelo por meio de seu desenho?”. E como diabos você não pode me conhecer se seu melhor amigo é obcecado por mim? Ela fez um som. “Ele sabe que eu realmente poderia me importar menos com Ten ou qualquer outro artista musical recente. Eu ouço música clássica, algo que ele acha que é insano”. Ela encolhe os ombros. "Ele não falou comigo durante dias desde que eu recusei a ir ao departamento de música para tentar conseguir o autógrafo de Ten para ele." "Uh-oh", eu disse, sorrindo. Eu não pude deixar de me perguntar o que seu irmão pensaria sobre sua irmã saindo com Ten. Ela revirou os olhos. "Sua ideia de não falar comigo é me mandar mensagens em todos os emojis em vez de palavras." Minha risada foi abafada por outro avião chegando para um pouso. Nenhum de nós disse nada enquanto enchia a noite com um som alto. Em vez disso, ficamos sentados ali, segurando a mão dela, e observei passar.


Meu peito parecia engraçado, como se meu coração não pudesse decidir se deveria acelerar ou bater devagar. O que resultou foi um ritmo desigual que não era totalmente desagradável. “Ross me convidou para sair algumas vezes. A primeira vez, eu ignorei, percebi que ele estava apenas tentando obter alguns. Eu não sou realmente o tipo que os caras da fraternidade perguntam”. Eu endureci. "Por que não?" "Porque eu não pareço uma modelo. Não sou popular. Eu não festejo”. Eu fiz uma careta. Eu não gostei dessa resposta ou da opinião que ela parecia ter de si mesma. “Mas na segunda vez que ele perguntou, ele pareceu realmente sincero. Eu imaginei que talvez eu lhe desse uma chance. Talvez eu me divertisse”. "O que aconteceu?" Eu perguntei sombriamente. “Bem, quando a nossa noite chegou, eu estava doente. Então eu liguei e cancelei. Ele não ficou muito feliz. Pensou que estava fingindo, tentando ofendê-lo”. Ela olhou para mim. “Ele é tão idiota. Se eu fosse ficar de pé, eu não contaria a ele sobre isso primeiro” Eu sorri. Ela era uma coisa mal-humorada. "Você tem um ponto." “De qualquer forma, eu prometi que sairia com ele no próximo fim de semana. Então, quando aconteceu, fomos a alguma coisa de fraternidade que a casa dele estava patrocinando. Ele tirou sarro de mim por não beber, insultou meus tênis e me disse que eu deveria usar meu cabelo para baixo, não para cima”. "Você saiu, certo?" Eu perguntei, agitação tornando difícil ficar quieto. "Eu tentei", disse ela, sua voz ficando mais quieta. “Ele estava bêbado, algo que estou começando a achar que é um estado permanente para ele. Quando eu estava saindo, ele me agarrou, me empurrou contra a parede e me disse que eu lhe devia um beijo de boa noite”. Ela estremeceu, e a minha mão não segurou a dela apertada. “Eu tentei empurrálo, mas ele me bateu em tamanho e força. Então, depois de alguns momentos de beijos descuidados e grosseiros, ele foi para o meu peito”.


Eu levantei, raiva zumbindo dentro de mim. "Ele tentou me forçar para o seu quarto, mas eu disse a ele para me esquecer senão iria chutá-lo nas bolas" Eu sorri amplamente. "Essa é minha garota." Ela devolveu meu sorriso com um rápido, mas desapareceu rápido demais. “Eu corri para fora da casa enquanto ele estava segurando seus meninos e gemendo. Eu corri até quase na rua antes que ele me alcançasse. Agarrando meu braço, ele me empurrou para baixo na grama e subiu em cima de mim”. Sua garganta balançou. "Suas mãos vieram ao redor da minha garganta e ele começou a apertar" Seus olhos se levantaram para os meus. "Por um minuto, eu realmente pensei que ele ia me matar." Eu espalmei o lado da cabeça dela, acariciando seu cabelo sedoso e macio. "Eu deveria ter matado ele hoje à noite." Seus olhos clarearam. “Mas um grupo de pessoas saiu da casa e acho que ele percebeu o que estava fazendo. Ele soltou minha garganta, e enquanto eu ficava lá sem ar, ele me deu um tapa no rosto e me disse que se eu contasse a alguém o que aconteceu, ele faria minha vida um inferno”. “Então o quê?”. Eu exigi. “Então ele correu para o escuro. Eu me levantei e voltei para o meu dormitório”. "Você chamou a polícia, certo?" Eu exigi, meu coração batendo forte contra as minhas costelas. Eu estava com tanta raiva de como ele a tratava que eu estava tremendo. Eu queria pular desse capô, dirigir de volta para aquela festa e sufocá-lo eu mesmo. No entanto, eu não fiz. Eu permaneci enraizado no lugar. Pela primeira vez em muito tempo, minha raiva não me controlou. Eu estava controlando isso. Ou talvez Violet tivesse. Ela era a razão pela qual eu estava sentado aqui, segurando a cabeça na minha mão e curvando meu corpo perto como um escudo protetor. "Não, eu não chamei. Eu só queria que ele me deixasse em paz. Eu não queria nenhum drama, e pensei que, se não dissesse nada como ele pediu, ele ficaria longe”. "Ele não te deixou sozinha".


"Não. Ele não deixou”. Sua voz estava rouca. "Se qualquer coisa, eu acho que o meu silêncio fez ele pensar que eu iria tolerar isso". Seus olhos encontraram os meus. “Sinto muito por qualquer garota que já tenha saído com ele. Ele é um caso de violência doméstica ambulante”. "Então você concordou em ir à festa com Nate." Eu supus. Eu gostaria de ter estado lá naquele dia. O dia em que Nate os viu e veio em seu socorro. Eu não fingiria ser o novo homem dela. Eu teria esmurrado o pau ali mesmo na calçada e teria certeza que ele entendesse a mensagem. Ela era inocente em pensar que um encontro com outro cara faria com que este se afastasse. Isso me assustou por ela. "É tão estúpido", ela murmurou. “As meninas não precisam da presença de outro homem para ele se afastar. Infelizmente, às vezes elas fazem. Às vezes somos o sexo mais fraco”. A última declaração foi sussurrada e ouvi a vergonha em sua voz. "Ei." Eu soltei a mão dela para usar a minha para levantar o queixo para que ela pudesse encontrar meus olhos. "Isso não é sua culpa." Mesmo? Eu não consegui pensar em nada melhor para dizer? Que porra, cara? A verdade era que eu não podia. Eu estava muito ocupado me perdendo em seus olhos. "Eu não acho que Nate o tenha assustado", ela me disse. "Eu tenho certeza que sim", eu rosnei. "Você me assustou também" As palavras correram em um sussurro. "Por que você tem tanta raiva dentro de você, Stark?" Eu recuei, sentindo como se ela tivesse me esbofeteado com as palavras. Meu rosto doeu. Minhas entranhas picaram. "Eu ter espancado algum idiota que é fisicamente violento com você não é eu ter problemas de raiva", eu refutei. Ela pegou minha mão, empurrando seus dedos pelos meus. "Você não sabia que ele era violento comigo antes" "Ele agarrou você."


“Eu vi, Stark. Eu senti. Isso pode ter começado como me protegendo, mas a agressão mudou”. Eu não gostei dessa conversa. Era estupida. Foi muito perto de casa. Eu comecei a me afastar. Ela me puxou de volta. Olhando para as nossas mãos, notei o quanto sua pele estava mais pálida em comparação com a minha. Quanto menor a mão dela era. Um de seus dedos estava torto. "O que aconteceu com a sua mão", eu gritei, apontando para a junta como se tivesse feito algo ofensivo. Ross tinha feito mais com ela do que ela admitiu? Raiva borbulhava dentro de mim como água em uma panela fervente. Violet puxou a mão da minha e enfiou-a dentro da manga do meu casaco. "Nada." "Eu quero saber", eu bati. "Bem, eu quero saber por que você tem um temperamento tão horrível!" Ela retrucou. Sem outra palavra, ela se virou e deslizou do capô do Wrangler. "Vi", eu gemi e segui-a. "Não me chame assim." Ela avisou. "Por que não?" "Porque-" Eu cruzei meus braços sobre o peito. "Essa não é uma resposta válida". A mão dela segurou a maçaneta da porta. "Estou cansada" Suspirei pesadamente e fui até ela, gentilmente agarrei seus ombros e a cutuquei ao redor. "Eu sinto muito por ter gritado com você. Eu só não gosto de pensar nele tocando você”. Ela não disse nada. "Ele fez isso com você?" "Não!" Ela disse, levantando a cabeça rapidamente. "Ele não fez" A tensão entre minhas omoplatas relaxou. Sem pensar na reação dela, eu a puxei para o meu peito, envolvendo meus braços ao redor dela. Eu senti a surpresa dela no começo, mas então ela ficou relaxada contra mim, e sua bochecha descansou contra o meu peito. Minha mão segurou sua cabeça, embalando-a perto para que ela não se afastasse. Eu não estava pronto para deixá-la ir. Ainda não.


Enquanto eu a segurava, ela se mexeu, levantando os braços para colocá-los entre os nossos corpos, pressionando as palmas das mãos contra o meu peito. Eu me curvei em torno de Violet, um instinto natural, uma necessidade de chegar ainda mais perto. Eu nunca me senti assim antes. Eu nunca estive tão internamente movido por um abraço. Por outro ser humano. Este não foi um abraço, no entanto. Foi mais. Foi eu tentando fazê-la entender. Eu tentando dizer a ela silenciosamente todas as coisas que eu não conseguia dizer em voz alta. Seus dedos se fecharam ao redor do tecido da minha camisa, segurando. Não se afastando. Meu coração se vibrou. Eventualmente, ela aliviou de volta, olhos azuis levantando para encontrar os meus. Eu não tinha certeza do que vi. Eu só sabia que gostava disso. Segurando o rosto nas palmas das minhas mãos, inclinei-me e dei um beijo na linha dos cabelos. “Vamos, Vi. Vou levá-la para casa." Ela não me disse que eu não poderia chamá-la assim.


QUINZE Violet

Eu acordei pegajosa de suor, roupas agarradas à minha pele e minha roupa íntima parecendo como se tivesse sido pega na chuva e me esqueci de trocar de roupa. Depois de tirá-los, tomei banho e me vesti em um par de pijamas frescos. Ao sair do banheiro em direção à minha cafeteira, percebi que o chuveiro não lavou a maneira que eu me sentia quando acordei. A dor de cabeça que me atormentou ontem ainda estava aqui para jogar. Não só isso, mas minhas mãos estavam rígidas e inchadas e meus tornozelos protestavam a cada passo que dava. Olhando para baixo, notei a vermelhidão escura ao redor das minhas unhas e suspirei. Eu estava cansada, apesar de ter dormido a noite toda. Meu corpo parecia estar preso, algo que eu não poderia estar acostumada, mas odiava do mesmo jeito. Na cozinha, fiz meu café, peguei uma água e levei meu porta-comprimidos até a mesa de centro. Afundando no pequeno sofá que consegui espremer nesta sala, olhei para o espaço por um tempo. Eu imaginei que seria um daqueles dias. Pelo menos era domingo e eu não tinha algum lugar para ir. Tomei meu remédio e reclinei no sofá, apoiei meus pés e peguei meu laptop. Netflix e frio. Esse era o plano de hoje. Claro, minha versão não era exatamente como a de todos os outros, mas tanto faz.


Eu não pensei sobre o fato de que eu não me senti bem ou me preocupei que talvez eu estivesse tendo um surto quando eu fiz uma lista de shows. Tudo o que eu conseguia pensar era Stark e como ele não tinha me beijado na outra noite. Como eu queria que ele tivesse.


DEZESSEIS Ten

Pela primeira vez em toda a minha vida, eu não beijei a garota. Eu queria. Mais do que eu sempre quis beijar qualquer mulher. Mas eu não a beijei. Na verdade, eu beijei. Na testa dela. Quem sou eu? Quando olhei no espelho hoje de manhã, parecia o mesmo que na semana passada. Mas algo foi definitivamente diferente. Eu era diferente. Dentro. Eu não a beijei. O arrependimento era um gosto metálico na minha língua. Eu não conseguia tirá-la da minha cabeça, ou o fato de que ela de alguma forma me via mais do que eu. Talvez porque eu estivesse mentindo para ela? Porque ela não sabia minha verdadeira identidade? Mesmo sem isso, ela sentiu a agressão que eu carregava. Ela viu a escuridão que espreitava abaixo da superfície, do que eu sabia que estava em alta beleza. Eu queria vê-la novamente. Eu conhecia as “regras” para ter uma mulher boa e interessada. 1. Espere pelo menos três dias antes de ligar. 2. Cinco dias entre os encontros, são de ouro. 3. Não responda a nenhum texto por pelo menos algumas horas. 4. Palavras de uma sílaba são as melhores respostas para todas as perguntas.


5. Mantenha suas opções abertas. As regras sempre funcionaram e sempre foram fáceis de seguir. Até agora. Foi um dia. Um maldito dia desde que eu a deixei em seu dormitório e fui embora. Eu não liguei nem mandei uma mensagem (provavelmente porque eu não tinha o número dela). Eu queria vê-la novamente. Tanto ela era praticamente tudo que eu pensava. Eu queria falar com ela ... e não apenas com palavras de uma sílaba. Claro, eu tinha opções, mas nenhuma delas serviu. Mais do que tudo, eu queria corrigir o erro de não pressionar meus lábios nos dela. Derek e Nate estavam na cozinha quando eu saí para tomar um café. Já passava das dez da manhã, mas eu estava apenas me levantando. É melhor dormir quando eu estava tendo um pouco de folga. Não era como se eu tivesse que estar em qualquer lugar. Nate estava comendo alguns cereais e Derek estava lendo o jornal. "Eles ainda fazem jornais?" Eu me perguntei em voz alta enquanto colocava a bebida preta em uma caneca. "Alguns de nós preferimos obter nossas informações de fontes confiáveis e não da internet", respondeu Derek, seco. “A internet é totalmente confiável, pai. Acabei de ver um artigo sobre o nascimento de um polvo com dez braços. É um avanço científico!”. Nate entrou na conversa. "É melhor você não ter comido todos os cereais frutados", eu disse a ele, juntandoos à mesa. "Deixei a você meia caixa", disse Nate em torno de um bocado. "Vocês, rapazes, podem fazer compras hoje", disse Derek, virando a página no jornal. "Eu posso ser reconhecido na mercearia", eu disse. Nate assentiu. "Vocês dois não saíram sexta à noite?" Derek perguntou sem perder o ritmo. "Eu estou supondo, pela falta de seu rosto na primeira página aqui, ninguém notou você". "Eu não estava realmente em público"


"Ten conseguiu encontrar a única garota na Terra que não tem ideia de quem ele é." Ele gargalhou. Derek dobrou o canto do jornal e olhou para mim. "Você estava com uma garota?", "Não foi realmente assim." "Ele quer que seja segredo", Nate rachou. "Friend zoned9". "Eu não!" Eu argumentei. Nate respondeu: "Você a beijou?" Eu recuei. Nate e Derek riram. "Tanto faz", eu murmurei e tomei um pouco de café. "Eu estava tentando ser um cara decente". "Desde quando você é sempre decente?" Nate brincou. Eu dei a ele o dedo. Derek colocou o papel na mesa e nos deu uma olhada. "Acho que você não faz nada para chamar a atenção para si mesmo enquanto está aqui. É suposto ser um segredo". "Amigo zoneado". Nate nervosamente novamente. Merda. E se por não beijá-la, me fez um friend zoned? Eu não queria ser apenas amigo de Violet. Não era o suficiente. Não estava nem perto o suficiente. Sem dizer nada, sentei-me e tomei o café, meu humor era escuro como o líquido. "Estou brincando com você, cara", disse Nate com bom humor. “Você sabe que eu gosto de Violet. Ela é muito legal”. Derek grunhiu. "Legal ou não, brincar com as emoções de uma garota e não dizer a ela quem você é não é o jeito que sua mãe criou para você se comportar." "Eu não estou brincando com suas emoções." Eu defendi. Apenas a ideia me deixou doente. “Ele gosta dela, pai. Como de verdade”. Derek ouviu as palavras e olhou para mim para confirmação. Eu assenti uma vez. "Mais uma razão para ficar longe", ele respondeu. Ugh. Eu esperava que eu não fosse tão pau, quando fosse pai.

9

Na cultura popular, a "friend zone", refere-se a uma situação onde uma pessoa deseja entrar em um relacionamento romântico, enquanto a outra não


"Becca poderia ligar qualquer dia agora, e você poderia estar em seu plano de fantasia de volta para sua vida." Derek continuou. Eu me afastei da mesa. Essa conversa foi uma merda. E assim foi o fato de que, no fundo, eu sabia que Derek provavelmente estava certo. Inclinando-me, peguei o café em volta do topo da caneca, algo no papel chamando minha atenção. "Hey", eu disse, abandonando a caneca e pegando a seção de papel. "É o desenho de Violet". "Aquele em que ela zombou de você?", perguntou Nate, levantando-se para olhar para ele. Era uma ilustração em quadrinhos, uma das várias, mas a dela ocupava o maior espaço na página. Como se fosse o mais popular. Este era de quatro blocos, mais detalhados e polidos do que a noite em que eu o vira em seu caderno de desenhos, mas absolutamente dela. Quatro estágios de uma Fangirl10. "Ela desenhou isso?" Nate disse, apontando. "Sim", eu respondi, incapaz de tirar os olhos dele. Orgulho encheu meu peito. Ela era incrível. “Qual quadrinho?” Derek perguntou da mesa. Eu virei para que ele pudesse ver. "Essa é a garota com quem você estava passando tempo?", ele perguntou, surpreso. Eu assenti. “Ela tem uma tira semanal no jornal. É o mais popular de todas as faixas que eles executam. Eu sabia que a garota por trás disso era uma estudante em Blaylock... mas eu não sabia que você a conhecia”. Ele disse a última parte para Nate. “Acabei de conhecê-la na semana passada. Mas ela é a garota do Tem”. Eu coloquei a página sobre a mesa e cuidadosamente arranquei a tira, certificandome de não rasgá-la em qualquer lugar perto das bordas de seu trabalho. "Eu não estava lendo isso ou nada", Derek murmurou.

10

É um termo descritivo, muitas vezes depreciativo, para definir uma pessoa que é fã de forma excessiva por um produto, pessoa ou empresa; que se demonstra ao defender fortemente sua opinião a respeito do assunto.


Eu o dobrei cuidadosamente ao meio e me movi para colocá-lo no bolso de trás do meu jeans. Então eu percebi que eu estava vestindo apenas boxers. "Obrigado, tio Derek", chamei, entrando no quarto para me vestir. Colquei as calças. Eu queria vê-la. Agora mais do que nunca.

Figura 1 – Título: 4 Estágios de uma fã. Quadro 1: Agora! Descoberta! Quadro 2: Afeição. Quadro 3: “O Perfeito Ten!” Obssessão. Quadro 4: Deficiência mental


DEZESSETE Violet

Eu ignorei a primeira batida na porta, pensando que era para a garota que morava no quarto ao lado. Quando o barulho se repetiu, levantei a cabeça do travesseiro e olhei para a porta, como se olhar através da madeira de alguma forma seria possível. Levantei-me, rabugenta e resmungando, atravessando a sala com tornozelos ligeiramente instáveis. Era provavelmente o conselheiro residente. Eu ia ter que dizer a ela que vir no domingo não era legal. Eu não me preocupei em esconder meu rosto quando abri a porta apenas o suficiente para enfiar a cabeça para fora. Espero ter assustado ela. “Ei.” Uma voz que definitivamente que não era a conselheira residente me cumprimentando. Atrás da porta, minha mão apertou a maçaneta quando meus olhos se arregalaram de surpresa. "Stark", eu gritei, endireitando um pouco. "Tempo ruim?" Ele perguntou, seus olhos procurando meu rosto. Ah Merda. Eu parecia uma porcaria. Provavelmente pior que porcaria. "Como você sabia o número do meu quarto?" Eu gaguejei, ainda me preocupando com o meu cabelo despenteado e o pijama. “Nate me disse”, “Certo” Ele gesticulou para a minha porta com o queixo. Aquele maldito boné foi puxado para baixo em seu rosto novamente. “Tem um cara aí?” Ele exigiu.


"O quê!" Eu ofeguei. "Um cara", ele respondeu, com voz firme. A próxima coisa que eu sabia, ele bateu a palma da mão na porta e empurrou. Eu deixei, permitindo a porta se abrir. "Eu pareço que tenho um cara no meu quarto?" Eu murmurei, apontando para mim mesma. Ele grunhiu e caminhou direto para o meu quarto. "Você parece que estava rolando na cama" Eu queria rir. Ele estava agindo territorialmente. E idiota. Esfregando minhas têmporas, suspirei. "Eu estava deitada no sofá" Eu apontei para o cobertor, travesseiro e o laptop aberto na mesa de café. Seu comportamento mudou instantaneamente. Seu corpo girou ao redor, olhos me varrendo da cabeça aos pés. "O que aconteceu?" "Nada", eu disse. "Eu não estou me sentindo bem." "Você está doente", ele murmurou e se aproximou, preocupando-se em baixar a boca. Quando ele chegou a mim, sua mão automaticamente pressionou contra a minha testa como se ele estivesse com febre. "O que dói?" "Tudo." Um som suave vibrou na parte de trás de sua garganta. A próxima coisa que eu sabia, ele me pegou em seus braços, carregando-me a curta distância até o sofá. Ninguém nunca me carregou antes. "Eu vou machucar suas costas." Eu avisei. Eu não queria mostrar o quanto eu gostava disso. Além disso, na realidade, eu ia machucar suas costas. "Você está me chamando de uma espécie de maricas?" Stark sentou-se, mantendome de lado em seu colo. "Eu poderia ser altamente contagiosa, você sabe" Eu apontei. Eu não me sentia bem e ele estava me segurando. Oh Deus, eu esperava que ele não parasse. O conforto nem sempre foi fácil de encontrar, mas sentia isso agora. "Eu não me importo", ele murmurou, pressionando minha bochecha em seu ombro.


Suspirei. Depois de um momento, nós apenas restávamos espirando em silêncio, sua mão acariciou minhas costas. “Estômago ruim? Gripe? Diga-me com o que estou lidando aqui”. Eu sorri em seu peito. “Nada tão sério. Eu só tenho uma dor de cabeça e sinto que posso estar com alguma coisa”. Eu sabia o que era, mas não tinha certeza de como explicar. Stark colocou os braços em volta de mim e me senti cercada. Se eu estava confortável antes ... agora era ainda melhor. Quase como se eu tivesse encontrado onde eu pertencia. "O que você está assistindo?" Ele roncou sobre a minha cabeça, apontando para o laptop. "Netflix", eu respondi. "Uma série chamada Strange People". "Acho que já ouvi falar", disse ele, pensativo. “Eu comecei esta manhã. É um dia de assistir bobeiras”. “Quer companhia?”. Ele perguntou. "Claro", eu disse, tentando não parecer surpresa, animada, ou qualquer uma das cinquenta outras emoções que eu estava sentindo ao mesmo tempo. "Você comeu hoje?" Ele perguntou, se acomodando um pouco mais no sofá. "Ainda não", eu disse. "Eu não pude encarar meu temor verde hoje de manhã". “Shake verde?” "É bom para mim", eu explico. "Então, tem gosto de merda." Ele supôs. Eu ri. "Sim." "Você tem que comer, Vi." Ele repreendeu. Eu não me importei. Eu realmente achei que era doce. "Eu vou pegar algo mais tarde." Em um movimento, Stark me tirou do colo e se levantou. O som das chaves do carro me fez olhar para cima.


Acho que ele decidiu sair por causa da minha bunda doente, não era tão divertido quanto parecia. "Abacaxi ou morango?", Ele perguntou, girando o chaveiro no dedo. "O quê?" "Que sabor do shake você quer?" Sentei-me um pouco mais ereta, surpresa. "Você vai me comprar um smoothie?" "Você precisa de mais alguma coisa enquanto eu estiver fora?", ele perguntou, olhando ao redor. "Lenços ou algo assim?" Eu pressionei meus lábios juntos, reprimindo um sorriso. "Não, eu estou bem." Ele se inclinou e puxou o cobertor sobre mim. Eu senti seus lábios no meu cabelo. "Eu voltarei rápido, baby. Apenas descanse”. Eu parei, imaginando se ele percebeu o que ele tinha acabado de dizer. Ele já estava se movendo pela sala, porém, com as chaves na mão. "Stark?" Eu chamei. Seu corpo ficou tenso, mas não se virou. Ele sabia. Ele foi tão pego de surpresa quanto eu. "Sim", ele respondeu. “Meu cartão-chave para o prédio está bem ali na cômoda. Pegue. Então você não terá que esperar que alguém o deixe entrar”. Ele se esquivou, tirou-o do topo e enfiou-o no bolso de trás da calça jeans. Jeans que abraçavam sua bunda de uma maneira muito legal. Eu posso estar doente, mas tenho certeza que não era cega. "Não assista mais a esse show sem mim", ele instruiu, depois saiu do meu quarto. Eu pisquei na porta fechada, então olhei para o cobertor que ele me cobriu. Ele ia me dar um smoothie. Ele me segurou em seu colo. Ele pegou minha bunda gordinha e redonda e nem sequer agiu como se eu fosse pesada. Ele me chamou de bebê. Eu estava brincando com fogo com isto.


Foi a primeira vez na minha vida que eu poderia estar me preparando para me queimar.


DEZOITO Ten

O instinto é um bastardo complicado. O instinto me disse para ir para seu apartamento e beijá-la sem sentido. Não havia nenhuma maneira na Terra verde de Deus que eu iria ser um friend zoned. Ah, inferno não. Quando ela abriu a porta parecendo que tinha acabado de levantar e ainda poderia estar lá com as mãos de um cara através de seus cabelos loiros sedosos, o instinto gritou para ter certeza que ela, e o cara no quarto, e qualquer outra pessoa da vizinhança, soubessem que ela era minha. Eu gastei apenas várias horas com essa garota dos meus vinte e um anos. Minha cabeça me disse para diminuir meu ritmo. Mas o instinto, o maldito bastardo que ele era, anulou tudo. Eu estava atraído por ela. Quase como se eu a conhecesse muito mais do que qualquer outra pessoa. Eu agi primeiro, pensei em segundo. E minhas ações? Eles falavam de muito mais familiaridade do que meus pensamentos. Foi por isso que, quando o que eu realmente fui fazer foi beijá-la, reivindicá-la, acabei chamando-a de bebê e correndo para levá-la um smoothie. O mesmo instinto que exigi que eu reivindicasse também ardentemente queria protegê-la. A imagem dela deitada em seu sofá, doente e sozinha, torceu meu estômago. Eu usava óculos de sol com o boné e passei pelo drive-thru. Então eu fiz o mesmo em um lugarzinho nas proximidades. O show que ela estava assistindo, eu fingi não saber


disso. Realmente, eu ouvi falar disso. Eu estive no set. Um amigo meu era um dos atores. Pelo menos dizendo que eu não assisti não era mentira. Eu nunca tive tempo de sentar e assistir Netflix, na verdade não. A reabilitação não permitia televisão ou mídia de qualquer tipo, e minha vida cotidiana geralmente estava ocupada demais para ser pego em uma série. Normalmente, eu apenas assistia a um filme e depois seguia em frente. Eu antecipei o ato de não fazer nada com ela ao meu lado. Não ter que ser Ten. Escondido em um dormitório onde ninguém pensaria que eu estivesse. Claro que ainda queria beijá-la. Tanto que zumbiu no meu sangue, formigou minha pele e provocou meus lábios. Eu beijaria Violet. Mas não até que ela estivesse melhor. Algumas coisas eram apenas mais importantes. Veja isso, aí mesmo? Esses pensamentos? Novo. Estranho. Meio ridículo. Eu nunca pensei que colocaria algo acima da gratificação física, especialmente quando se tratava de uma mulher. No entanto, aqui estava eu, sendo tocado pelo instinto. A pior parte foi ... Eu gostei. Quando voltei para o quarto dela, não bati. Ela me deu uma chave, então eu usei. No segundo em que empurrei a porta com o pé e entrei, meus olhos procuraram por ela. Ela estava no mesmo lugar que eu a deixei, a cabeça apoiada no braço. Seu caderno de desenho estava aberto na mesa de café perto dela, mas não havia lápis na mão. "Como está minha garota favorita?", perguntei. Qual a foda real? Essas palavras continuaram saindo da minha boca. Esses sentimentos. Era como se eu não tivesse controle sobre minha própria boca, meu próprio cérebro.


Ela sorriu e meu diálogo interior ficou em segundo plano. Francamente, fiquei feliz. O interior da minha cabeça estava se tornando pior do que um comercial de creme para hemorróidas. Violet sentou-se. O cobertor caiu até a cintura, revelando a camiseta folgada cobrindo sua metade superior. O decote escavado estava torto, exibindo uma grande quantidade de pele cremosa e pálida no pescoço e no peito. Cabelos loiros e amarrotados caíam em volta do rosto e sobre um ombro. As manchas escuras sob seus olhos me incomodavam, não porque isso a fazia parecer menos perfeita, mas porque me preocupava. "Você voltou". Ela analisou. Larguei a sacola de mantimentos na mesa, deixei meu refrigerante e depois parei minha bunda na mesa diretamente na frente dela. "Desculpa que demorou tanto tempo. Eu tive que pegar uma cópia da chave do seu quarto. Você sabe, então eu poderia voltar e matar você mais tarde”. “Obrigado pelo aviso. Vou ter certeza de colocar uma arma debaixo do meu travesseiro hoje à noite”. Nós nos sentamos lá sorrindo um para outro sem dizer uma palavra. O momento foi quebrado quando ela bocejou e recostou-se contra as almofadas. "Você estava assim ontem?", perguntei, preocupado. Essas regras estúpidas de namoro. Eu deveria ter ligado. Eu deveria ter checado ela. Ah merda, eu não tinha o número dela. "Eu estava bem", ela respondeu, não elaborando. "Onde está o seu telefone?", perguntei, olhando ao redor. "Por quê?" Eu vi, peguei e apertei a tela. Estava com a impressão digital habilitada. Eu segurei para ela. "Deixe-me entrar, Vi." Ela estendeu a mão, colocou o dedo no sensor e a tela se acendeu.


"Quem diabos é esse?" Eu exigi, segurando o telefone para ela. Seu papel de parede era uma foto de um casal sorrindo. Ela com algum cara e seu braço ao redor dela. "Esse é o Vance", respondeu ela, seca. "Meu irmão" Certo. Ela me contou sobre ele. Ele estava apaixonado por mim. Fiz um som reconhecendo as palavras dela e depois mudei para os contatos dela para criar um. "Estou colocando meu número aqui, no caso de você precisar." "Por que eu preciso disso?" Eu olhei para cima. Seus olhos estavam brilhando, pequena pirralha. "No caso de você precisar de um smoothie" Eu pisquei. Quando terminei, entreguei o telefone para ela, e ela olhou para a informação que eu digitei. Ela começou a rir. "Você coloca seu nome como número 1?" "Isso se encaixa, você não acha?" "Eu não sei o que pensar", disse ela, colocando-o de lado e suspirando. Eu segurei o smoothie para ela. "Pense depois" Eu a vi tomar um gole da bebida. O líquido rosa subiu o canudo enquanto ela sugava. Depois de alguns momentos, ela se afastou e sorriu, tímida. "Obrigado." “Eu também me escapei daquele lugar na rua. Você pode viver de smoothies, mas eu com certeza não”. "Quer se sentar?", ela perguntou, acariciando a almofada ao lado dela. Eu me levantei e o movimento derrubou alguma coisa da mesa de café. Eu me virei para ver o que era e franzi a testa. "O que é isso?" Eu perguntei, olhando para ele e depois de volta para Violet. "É uma pílula", disse ela, inclinando-se para tentar alcançá-lo. Eu bati nela e levantei. As pílulas em cada compartimento durante a semana estremeceram. Havia muitos comprimidos. "Isso é seu?" Eu questionei. Ela assentiu e estendeu a mão.


Eu me lembrei de algo da outra noite quando estávamos na festa da fraternidade quando Ross estava falando com a Vi. Ele disse que ela sempre fingiu estar doente. Ela disse no aeroporto o porque que ela cancelou seu primeiro encontro com ele. Ela não estava fingindo agora. Recusando-me a dar-lhe o recipiente de plástico, afundei de volta na mesa em frente a ela. "Você não tem apenas algum tipo de problema, não é?" Eu meio que sussurrei. Ela balançou a cabeça. "O que há de errado com você?" As palavras correram para fora, um arrepio descendo pela minha espinha. “Não é tão grande assim. Eu não gosto ...” "Violet", eu rosnei. "Me responda" "Eu tenho AR". Eu procurei na minha mente, mas surgiu em branco. "O que é AR?" Ela fez um som suave. “Desculpe, esqueci que muitas pessoas não sabem o que isso significa. É artrite reumatoide”. Eu recuei. "Como o que as pessoas de idade têm?" Ela sorriu. "Tipo isso. É mais grave e você não precisa ser velho para ter”. “O que você quer dizer com mais grave?” Perguntei, com a preocupação apertando meu coração. “Eu só quero dizer que vai além de ter dores nas articulações. É uma condição que nunca desaparece. Não há cura" Sem cura. Nunca vai embora. "Eu preciso de você para explicar, Violet." “Basicamente, meu corpo se ataca. Por nenhuma razão. Bem, acho que tem um motivo”. Ela continuou. "Ninguém sabe realmente o porquê, mas meu sistema imunológico acha que minhas articulações são estranhas e as ataca, como se eu tivesse um resfriado". Eu tentei digerir isso. "Seu corpo se ataca?" Isso era fodido. "Você sabe o que eles dizem", disse ela, sorrindo. "A única coisa forte o suficiente para chutar o meu próprio rabo sou eu mesma"


"Isso não é engraçado", eu brinquei. "Eu acho que é", ela esquivou e bebeu mais de seu smoothie de morango. Ela parecia tão fofa sentada ali, embrulhada na minha frente. Eu agarrei o suporte de comprimidos na minha mão. "Isso dói?" "Todos os dias", ela respondeu, sem sugestão de humor em sua voz agora. "Me diga mais." “Eu tenho muita inflamação no meu corpo. Principalmente nas minhas articulações, o que as torna fracas, doloridas e duras. Algumas coisas são difíceis para mim. Coisas que a maioria das pessoas fazem durante o dia em que não pensam duas vezes. Eu me canso muito facilmente. Às vezes, minha garganta dói, ou sinto que você pode estar se estivesse com gripe”. "E hoje?", perguntei. “Hoje, estou apenas tendo um dia ruim. Minhas articulações estão mais doloridas que o normal, minha garganta está dolorida e tenho dor de cabeça. E estou cansada porque não dormi tão bem”. "Mas por que? O que te faz ter um dia ruim?” "Às vezes não há razão" Eu estava tendo problemas para digerir isso. Violet não estava doente. Ela não parecia doente. Como se ela pudesse ler meus pensamentos, ela respondeu: “Eu geralmente não conto a muitas pessoas. Não é como se fosse um segredo. Não é algo que eu fale. Eu geralmente não pareço doente ou adoecer, então as pessoas pensam que eu estou mentindo. Ou sendo dramática. É mais fácil simplesmente viver com isso, não fazer isso a minha vida inteira” “Ross achou que você estava mentindo”. "Eu não disse a Ross que eu tenho RA. Eu não lhe devo uma explicação. Mas sim, quando eu disse que estava doente, ele não acreditou em mim”.


Meus olhos se levantaram para os dela. “Você me disse”. “Você dificulta não fazer isso” "Eu acredito em você", eu disse. Algo passou por trás de seus olhos. Algo próximo ao alívio e algo mais profundo apreciação. Apenas aquele breve olhar me atingiu bem no centro do meu coração. Eu não pude me sentar mais próximo a ela. Eu não pude tocá-la. Mudando, eu fui de frente para ao lado dela. Meu lado pressionou ao longo dela. Sem hesitar, coloquei um braço em volta dela, puxando-a para perto. Ela encostou a bochecha no meu peito. "Então, todas essas pílulas?" Eu levantei o recipiente. "Você precisa delas?" "Sim. É um coquetel todas as manhãs”. Ela meditou, estendeu a mão e tirou-as de mim para colocá-las de lado. “Alguns deles são vitaminas. Você sabe, para ajudar a impulsionar o meu sistema imunológico, uma vez que está sendo reprimido”. "O que você quer dizer com reprimido?" Eu senti a cabeça dela se inclinar para cima. Eu olhei para baixo. "Você realmente se importa com tudo isso?" Foi uma resposta fácil. Um instintivo. "Eu realmente me importo." Seu rosto se abaixou no meu peito novamente, escondendo aqueles expressivos olhos azuis. "Um dos medicamentos que eu tomo não está naquele recipiente. Eu só tomo uma vez por semana. É chamado metotrexato 11 . Ele suprime o meu sistema imunológico porque está agindo atacando minhas articulações e órgãos”. “Seus órgãos!”. Eu atirei, alarmado. Seu braço deslizou em volta da minha cintura como se tentasse me tranquilizar. “RA pode atacar os órgãos. Os meus estão todos bem, no entanto. Eu faço exame de sangue a cada três meses para verificar todas as minhas contagens sanguíneas, os níveis de

11

Metotrexato ou MTX é um antimetabólito e uma droga antifolato usada no tratamento do câncer e doenças autoimunes.


inflamação no meu corpo e para ter certeza de que todos os medicamentos que eu tomo não estão danificando meu fígado”. Eu estava oprimido. De certa forma, ela tentou minimizar isso. Agia como se fosse apenas um fato da vida. Inferno, ela provavelmente não teria dito nada se eu não tivesse visto as pílulas. Mas então ela me contou detalhes. Sobre as coisas que ela teve que lidar. Preocupado sobre isso. Eu nunca na minha vida tive que pensar em algo tão remotamente tão sério. Isso me fez sentir um bunda completo. Eu era milionário aos vinte e um anos. Eu viajei o mundo três vezes. Eu tinha fama, fortuna e uma equipe inteira (bem, eu tinha uma equipe até que todos parassem) para fazer merda por mim. E como eu agia? Literalmente mijando em tudo isso. Por ser ingrato. Sendo egoísta. Enquanto isso, havia essa garota. Essa menina que era literalmente tudo o que eu não era e foi transportada para um negócio de merda na vida. Ela passou o dia com dor mesmo depois de engolir um punhado de pílulas e dormir uma noite de merda. As pessoas a tratavam como uma mentirosa porque ela não tinha cadeira de rodas ou mostrava sinais de doença. Mesmo assim, ela era a garota mais bonita, criativa e gentil que eu já vi. Apesar de tudo isso. Eu limpei minha garganta. "Então os remédios estão ajudando?" "Por um tempo, eles não estavam controlando bem o suficiente. É por isso que eles adicionaram o metotrexato. Eu tentei por um longo tempo ficar sem isso. É uma droga muito séria. Mas eu não posso. Demora muito tempo para começar a fazer feito, mas finalmente sim. Eu me sinto melhor do que eu costumava”. “Hoje não”, eu murmurei sombriamente. Eu a senti sorrir contra mim. "Na verdade, me sinto melhor agora."


Eu a juntei mais perto, coloquei o cobertor ao redor de nós e gesticulei em direção ao laptop, ainda pausado no programa que ela estava assistindo. "Diga-me o que eu perdi para que possamos acertar o epísodio" Passamos o resto do dia no sofá dela. Ela ainda estava em meus braços por muito tempo depois que o céu ficou escuro. Ela adormeceu contra mim, e eu ponderei por um longo tempo apenas segurando-a a noite toda. No final, eu me preocupei com o conforto dela, em fazer com que o corpo dela ficasse em tal posição a noite inteira. Eu a levei para a cama e coloquei sua forma de dormir. Eu sabia que deveria ir, mas enquanto olhava para ela, uma onda de emoção tão poderosa me superou, reprimindo o próprio pensamento. Ela era pequena, sim, mas muito mais frágil do que eu imaginava. Eu não podia sair. Não depois de ouvi-la, me disse o motivo pelo qual ela não se sentia bem. Não depois de segurá-la a maior parte do dia. Em vez disso, voltei para o sofá e desabei. O laptop ainda estava aberto, então eu o puxei para o meu colo e pesquisei. Enquanto esperava a página carregar, olhei através do quarto para onde Violet estava dormindo. Eu não a beijei ainda. Mas, na verdade, era como se eu não precisasse. Um beijo não mudaria o que eu sentia por ela. Não tornaria mais intenso. Alguma coisa, quando eu finalmente beijasse essa mulher, seria uma prova concreta do que eu já sabia.


DEZENOVE Violet

Acordei como sempre fazia - devagar. Mas assim que consciência suficiente veio sobre mim, meus olhos se abriram como se eu tivesse em um pesadelo. Empurrando meu cotovelo e meu cabelo da minha cara, olhei alguns passos da cama para o sofá. Meu Deus! Não era um sonho. Certamente não é um pesadelo. Stark estava aqui. Ele passou a noite. Seu corpo estava esparramado no sofá, uma de suas pernas balançando, o pé no chão. Seu rosto estava virado para mim e ele estava dormindo. Ignorando os protestos do meu corpo, sentei-me no centro da cama para olhar para ele. Eu não me lembro de ir para a cama. Eu adormeci no sofá com ele. Parte de mim estava desapontada que eu ainda não estava lá, que o braço casualmente colocado sobre a barriga dele não estava em cima de mim. Ele tinha uma espécie de olhar de menino nele. Mais suave, eu acho. Isso me fez perceber como ele estava sempre de guarda quando seus olhos estavam abertos. O que você está sempre antecipando? Olhando para suas feições, seus cabelos escuros e cílios, a plenitude de seus lábios, eu tive um leve toque de reconhecimento. Como se eu o conhecesse de algum lugar. Foi uma sensação estranha. Eu olhei para ele um pouco mais perto, puxando os cobertores para mais perto do meu colo. Suas maçãs do rosto eram tão ferozes quanto o queixo. Quer dizer, sério, o cara tinha boa estrutura óssea. O cabelo escuro caindo em sua


testa estava desgrenhado e amável, tanto que eu queria me arrastar até lá e passar os dedos por ele. A barba por fazer, sombreando sua mandíbula era escuro e de aparência suave. Eu nunca beijei ninguém com pêlos faciais. Esse pensamento atraiu meus olhos para sua boca. Os lábios de Stark não eram muito cheios, mas me atraíram. Eu não pude deixar de me perguntar como eles se sentiriam no meu. Um som suave vibrou sua garganta e sua cabeça se virou. Eu sacudi, envergonhada, como se tivesse sido pega olhando para ele. Eu tinha sido, mas ele não sabia disso. O que diabos eu estava fazendo afinal? Sentada aqui sonhando em beijá-lo. O que eu deveria estar fazendo era me sentir chocada por ele ainda estar aqui. Eu não podia acreditar que ele passou a noite, que ele não tinha levantado e escapou enquanto eu estava dormindo. Deslizando para fora da cama, eu rastejei através do quarto e silenciosamente me tranquei no minúsculo banheiro. Geralmente nas manhãs de segunda-feira, eu ando por aí como um zumbi com cabelo despenteado, pijamas e sem sutiã, tentando prolongar a manhã antes que eu tivesse que arrumar minha bunda e me apresentar na aula. Normalmente, eu definitivamente não estava bem acordada e no banheiro, me olhando no espelho. Mas, garota, eu precisava me recompor! Stark era todo lindo, e eu não queria que ele abrisse os olhos para Hagville. Eu adormeci acidentalmente ontem à noite, o que significa que eu não fiz nada da minha rotina habitual noturna. Enquanto escovava os dentes, encarei o pequeno espelho sobre a pia e considerei meu cabelo. Teria que ser um dia de rabo de cavalo porque deixá-lo secar ao ar ontem depois que meu banho não me fez nenhum favor. Uma vez que me livrei do hálito matinal, me inclinei e lavei meu rosto e minhas mãos. Depois de aplicar um pouco de batom e


hidratante, eu passei o cabelo em um rabo de cavalo alto, fazendo uma careta para as manchas vermelhas em meu pescoço. Foi um bom dia para um rabo de cavalo para o meu cabelo. Outras partes de mim? Não muito. Talvez eu usasse um cachecol. Antes de sair do banheiro, eu peguei um desodorante extra porque, você sabe, havia um cara quente no meu sofá. Um cara gostoso que passou a noite. Por que ele passou a noite? Oh Deus, eu esperava que não fosse estranho quando ele acordasse e percebesse que ele ainda estivesse aqui. Stark ainda estava dormindo quando eu cheguei perto para espiá-lo. Minha pele se arrepiou com o ar da manhã, então eu fui e peguei meu cardigã fofo do outro lado da sala. Enquanto eu estava vestindo, notei meu laptop na mesa de café perto da cabeça de Stark. Estava parcialmente aberto. Franzindo a testa, adentrei entre a mesa e o sofá. No segundo em que puxei a tela para que ficasse aberta até o fim, ela se acendeu. Eu olhei por cima do meu ombro para Stark, ainda dormindo. Ele esteve no meu laptop ontem a noite? O porque? Voltando atrás, notei que o navegador da internet estava aberto. Parecia um longo artigo com muitas palavras. Bem, pelo menos não era pornografia. Sempre era bom saber que o cara que passou a noite em seu apartamento não era um pervertido furioso. Deixando-me cair na frente da tela, concentrei-me nas palavras, riscando a parte superior de tudo o que ele estava lendo. O choque passou por mim. Eu pisquei, em seguida, olhei novamente para ter certeza de que estava realmente vendo o que eu achava que estava vendo.


Um pequeno som arrancou da minha garganta enquanto eu percorria o artigo, examinando algumas das imagens em direção ao fundo. Eu notei as abas abertas no topo da tela. Eu cliquei naqueles. Foram mais artigos, mais informações. Meu Deus. Um pequeno barulho ao meu lado me fez endurecer. Meu rabo de cavalo girou com a força do meu movimento quando eu olhei ao redor para Stark. Ele estava acordado. Olhando para mim. O azul dos olhos dele era profundo e sonolento. Eu me perdi por longos momentos apenas olhando para eles. "Quem é você?" Eu sussurrei. Eu estava meio que espantada com ele agora. O azul se dissipou, a sonolência evaporando. "O quê?" Eu apontei por cima do meu ombro para o laptop na mesa. "Você pesquisou artrite reumatóide", eu sussurrei. Seus olhos foram para a tela e depois de volta para mim. O alarme deu lugar a outra coisa. O canto da boca dele se levantou. "Bem, sim" "Mas por quê?" Murmurei, me virando um pouco para poder encará-lo. Stark se empurrou para cima, então ele estava parcialmente sentado, encostado na parte de trás do sofá. Suas pernas estavam abertas, um pé no chão e outro no móvel. Quando ele se ajustou, acabei me sentando entre eles. “Eu queria saber mais sobre isso. Sobre você" Levantando do chão, fiquei de pé, mas depois caí de volta na beira do sofá, ainda entre suas pernas. Fiquei chocada. "Você ficou a noite?" "Eu queria estar aqui no caso de você precisar de mim." Eu pisquei, uma sensação pesada se instalando no meu peito. Tornou difícil respirar, mas eu não queria que o sentimento fosse embora. Minha barriga tremeu; um milhão de borboletas me encheu. Eu puxei uma respiração trêmula, oprimida por tudo.


"Hey." Havia preocupação genuína em sua voz. Ele se inclinou para frente, roçando a ponta do polegar ao longo do lado do meu queixo. "Você ainda está se sentindo doente?" Eu levantei meus olhos para encontrar os dele. Eu estava em apuros. Muitos problemas. "Ninguém nunca olhou para a minha doença antes" As palavras correram para fora de mim. "Ninguém nunca sentou comigo quando eu estava doente" Seu corpo se aproximou, seu peito se inclinou para mais perto. "Estou aqui agora" Ele assegurou, e algo dentro de mim quebrou. Sim. Sim ele estava. E se ele continuasse olhando para mim daquele jeito, se seu polegar continuasse acariciando o lado do meu queixo, eu nunca iria querer que ele saísse. Eu o conheci no meio do caminho. Não era nem uma questão de saber se eu ia beijálo ou não. Apenas era. Era como ser puxado para um planeta com a força de gravidade mais forte já registrada. Mesmo se ele não tivesse mudado, eu teria. Nossos lábios se fundiram no segundo que eles se uniram. O choque de como ele se sentiu, fez meus olhos se abrirem e meu corpo congelar. Stark reagiu, mas não se afastando. Seus olhos se abriram também, e eu fiquei apenas com a visão dos olhos mais azuis que eu já vi, o olhar mais intenso que eu já conheci - ambos focados exclusivamente em mim. Minhas mãos começaram a tremer. Enrolando meus dedos em minhas palmas, eu esperava que ele não notasse. Stark recuou apenas um pouco, o suficiente para que houvesse apenas uma respiração entre os nossos lábios. Meus olhos ficaram trancados nos dele, os dele nos meus. Enquanto ele olhava, ele segurou meu rosto. Suas palmas estavam cheias de calor, e isso penetrou na minha pele. Ainda me observando, ele abaixou novamente, trazendo nossas bocas de volta juntas. Meus olhos se fecharam e eu praticamente derreti. Um som baixo vibrou em sua garganta, e então ele estava me beijando. Habilmente movendo-se através dos meus lábios


como se ele estivesse me contando o segredo mais suculento que jamais seria dito, e eu respondi engolindo em seco. Eu não tinha ideia de como eu estava faminta. Quão totalmente senti a falta na minha vida, foi até que sua língua acariciou a minha. Eu parei de beijar o suficiente para suspirar pesadamente, fazendo seus dedos apertarem no meu rosto, e eu o senti sorrir. Um zumbido baixo encheu meus ouvidos e voltei para mais. Em um movimento rápido, Stark se moveu, me puxando para baixo dele, me pressionando no sofá e me cobrindo com seu corpo. Meus braços deslizaram em torno de sua cintura, meus dedos trêmulos cavando em suas costas. A sensação de seu corpo, o peso, a maneira como ele se movia provocativamente contra mim era indescritível. O beijo continuou. Sua língua fez amor com a minha, e mesmo quando, eventualmente, ele recuou, seus lábios ainda permaneciam perigosamente próximos. "Eu tive vontade de fazer isso desde que você me chamou de criminoso", disse ele, sua voz soando como se suas cordas vocais tivessem sido agredidas por uma lixa. Eu não falei nada. Na verdade, eu estava totalmente admirada. Dele. Do fato que eu abri meus olhos para encontrá-lo ainda ali, como se ele estivesse vigiando enquanto eu dormia. Eu levantei uma mão, gentilmente empurrando para trás os fios escuros de cabelo caindo em seu rosto. "Eu tenho bafo matinal", ele murmurou. Eu sorri. "Eu sei" Com uma risada, ele abaixou o rosto no meu pescoço. Suspirei. "Ainda foi o meu melhor beijo", eu sussurrei. A cabeça de Stark se levantou. O cabelo que eu escovei caiu sobre a testa dele novamente. "Sério?" Eu balancei a cabeça. Ele me beijou novamente. Desta vez, um rubor encheu minha pele e desejo diferente de tudo que eu já senti preenchendo meus membros. Sua mão deslizou para o


meu lado, acariciando o contorno do meu corpo. Ele deslizou para cima e até que eu pensei que ele estava indo para o meu peito. De repente, ele congelou e levantou a cabeça. Seus olhos percorreram meu rosto, um olhar de adoração no fundo de seu olhar. "Não assim", ele sussurrou, quase para si mesmo, e então me empurrou para ficar em pé. Fiquei chocada. Mas não pelas palavras calmas. Pela falta de peso, calor e absoluta devastação de perder o beijo. Inferno, eu mal podia pensar, muito menos perguntar o que diabos ele queria dizer. Naquele momento, eu não dei a mínima. "Eu quero voltar para lá", ele rosnou, andando na minha frente. "Eu não vou te dizer não", respondi. Um barulho saiu dele. Foi imprudente e sexy. "Se eu te beijar de novo, agora mesmo, eu não vou conseguir parar" Eu olhei para a tela do celular dele deitado na mesa. "Eu tenho duas horas até a aula." Chamas azuis acenderam em seus olhos, e ele deu um passo ameaçador para frente. Eu tremi sob sua intenção. Mas então ele parou, fechando os olhos como se estivesse queimando a chama. "Não assim" Eu empurrei para cima em um cotovelo. "Que diabos isso significa?" Ele olhou para cima. "Isso significa que você é boa demais para eu apenas levá-la no sofá" Seu sorriso foi rápido e triste. "E eu vou precisar de mais de duas horas" O desejo enrolou em meus dedos. "Não me olhe assim, mulher." Ele fez uma careta. "Você está testando a minha determinação" Um sorriso lento e sedutor enrolou meus lábios. Stark empurrou para frente e cobriu a distância entre nós em um segundo. Minhas costas bateram no sofá quando seu corpo pressionou em mim. Sua cabeça mergulhou, lábios batendo contra os meus. Eu abri para ele instantaneamente, permitindo que nossas línguas dançassem. Levantando a cabeça, ele mudou de direção e agrediu minha boca


novamente. Eu tremi debaixo dele. O jeito que ele me cercava era diferente de tudo que eu já tinha experimentado. Empurrando meus dedos no cabelo na parte de trás do seu pescoço, eu massageei contra seu couro cabeludo, puxando-o para mais perto enquanto os fios macios enrolavam em volta da minha pele. Stark arrancou sua boca da minha para raspar beijos quentes em minha bochecha até que seus dentes capturaram meu lóbulo da orelha e puxaram. Eu fiz um som e sussurrei seu nome. Sua cabeça ergueu, olhos meio focados olhando para baixo. Eu me inclinei e o beijei rapidamente, só porque eu podia. Ele piscou. Um pequeno sorriso curvou sua boca e esfreguei a mão sobre a nuca dele. "Eu gosto disso", eu quase ronronei. "Eu gosto de você", ele roncou. As palavras eram um contraste direto com sua ação de empurrar para cima de mim pela segunda vez. "Tanto que vou te dar café da manhã antes da aula." Isso me fez pensar. "Você tem aulas cedo?" Ele olhou para longe. “Hum. Não. Eu gosto de dormir”. Eu ri. "Eu também" "Vamos lá. Você precisa comer com seus remédios”. Ele estendeu a mão. "Como você sabe?" Eu perguntei. "Eu li coisas", disse ele, superficial. "Você realmente leu tudo isso?" Eu perguntei quando ele me puxou para os meus pés. Eu ainda estava chocada que ele faria algo assim. "Por que você não me disse que a medicação que você usa é basicamente de quimioterapia?" Eu fiz uma careta. Claramente, ele realmente leu tudo isso e não estava apenas tentando me impressionar. "Teria importado?" "Sim. Não”. Ele passou a mão pelo cabelo. "Eu não gosto disso."


“É impressionante. Entendi. E se você leu tudo que eu acho que você leu, então sim, você provavelmente está assustado. O bom é que”, eu disse, passando por ele, “realmente não é problema seu”. Ele pegou meu pulso e me puxou de volta. "Porra, que não é" Suspirei. “Você passou a noite. Nós nos beijamos. Isso não me faz sua responsabilidade”. Seus olhos procuraram os meus. Suavemente, seus dedos roçaram a parte inferior do meu queixo. "É mais do que isso ... Me diga que você também sente”. Oh, eu já fiz. Nossa química praticamente sugou o oxigênio para fora da sala. Isso quase me sufocou. Em vez de concordar verbalmente, levantei-me na ponta dos pés e beijei-o suavemente na boca. Quando me afastei, ele sorriu. "Você bebe café, não é?". "O café é uma coisa que eu nunca vou desistir" Confirmei. Ele riu, um brilho pensativo em seus olhos. “Não há laticínios, glúten e cerveja, é por causa da RA?” Eu balancei a cabeça e fui até o espelho da minha penteadeira para arrumar meu rabo de cavalo torto. "Sim. O glúten é realmente inflamatório. Eu o tirei para tentar controlar alguns dos meus sintomas, e isso ajudou. Quando como algo com ele alguns meses depois, fico doente por dias. Não vale a pena comer. Eu não bebo porque eu tomo muitos remédios. Meu fígado tem o suficiente para processar, sabe?”. “E os laticínios?”, perguntou ele. “Mesmo como o glúten, embora não me faça sentir mal. Eu só sei que é melhor mantê-lo fora da minha dieta”. Eu fiz uma careta e olhei para ele. "Eu não sou a melhor nisso. Eu ingiro às vezes porque, bem, sorvete e queijo”. Stark acenou com a cabeça, absorvendo tudo. Eu nunca realmente contei a ninguém sobre minha doença, exceto, é claro, minha família. Ainda me surpreendeu que ele parecia se importar.


Uma vez que meu cabelo de rabo de cavalo foi arrumado, eu abri uma gaveta para olhar ao redor. Eu me sentia melhor hoje, felizmente. Talvez Stark fosse um bom remédio. Senti seu toque no meu cotovelo e me levantei assustada. "Ei", ele murmurou, aproximando-se. Então fechemos nossos pés juntos. Ele estava no meu espaço pessoal, algo que eu nunca gostei. Até agora. Sem outra palavra, ele me beijou suavemente. Seus lábios pareciam asas de borboleta voando sobre a minha boca, acariciando. Provocação. Fazendo meu coração bater desigualmente. Seus lábios estavam úmidos quando ele se afastou e me bateu na bunda. “Se vista, linda. Vou levá-la para um café e café da manhã antes de ter sua aula”. Rapidamente, eu vesti um par de leggings pretas, uma blusa listrada branca e preta, um suéter grosso de malha cinza, e então porque eu estava auto-consciente sobre todas as manchas vermelhas no meu pescoço, eu peguei um lenço xadrez, cinza, azul-marinho e vermelho. Depois de encher o meu porta-pílulas e uma garrafa de água na minha bolsa de mensageiro, assenti, pronta para ir. Como de costume, eu não me incomodei com maquiagem, algo que também me fez sentir auto-consciente, especialmente porque minha pele estava longe de ser perfeita e o homem com a palma da mão na parte inferior das minhas costas era o mais decidido. Mas eu não estava disposta a passar o tempo no banheiro quando eu poderia estar com ele. Além disso, ele já me via como eu era. Várias vezes. Ele me beijou mesmo assim. Santa Borboleta, ele me beijou. "Você se importa se nós formos em um drive-thru?" Ele perguntou quando o Wrangler saiu do estacionamento. As engrenagens estavam gritando e o calor não funcionou. Eu não me importei porque Stark estava dirigindo. “Além do meu hálito matinal, não tomei banho e parece que dormi em minhas roupas”


"É uma boa aparência para você" Eu observei. Mesmo que seu boné e óculos de sol escondessem muito do seu rosto para o meu gosto. Ele piscou para mim. "Drive-thru sim" Tínhamos lattes e sanduíches de café da manhã sem glúten - algo que ele nunca havia experimentado. Depois que ele comeu a coisa toda, ele declarou que provavelmente não iria pegá-lo novamente. Nós comemos no jipe no estacionamento em frente ao prédio de arte. O rádio não funcionou, então enchemos o silêncio com conversa. O ar estava frio, então ele segurou minha mão. Se as pessoas olhavam para nós saindo em um velho jipe com fita adesiva, eu não percebi, porque ele era tudo que eu via. Quando eu finalmente tive que deixá-lo para a aula, foi difícil ir embora. A única coisa que mantinha meus pés em movimento era a promessa que eu iria vê-lo novamente.


VINTE Ten

A melodia na minha cabeça ainda estava lá. Estava ficando mais forte. Era como ter o mesmo sonho por uma semana inteira. Exceto, claro, eu estava acordado. Havia algo sobre essa melodia persistente que parecia diferente. Especial. Como se tivesse significado de uma maneira que nenhuma outra letra jamais teve. Eu mexi na guitarra por horas, tentando chegar a mais do que apenas os poucos acordes que se repetiam em minha mente. Acabei com mais letras, no entanto. Palavras que pareciam cair.

Há uma linha tênue entre amor e ódio. As pessoas dão as costas por um centavo. Às vezes parece que isso é tudo uma perda de tempo. Você não me vê Apenas a máscara que eu uso Ninguém se incomoda em olhar por baixo. Eu não sou mais o homem que sou, apenas alguém Que todos querem que eu seja. Preso. Contraído. Envolvido por uma teia.


Nate entrou no quarto e eu fiz um som frustrado, relaxando meus dedos das cordas. “Ainda trabalhando nessa música?”. Nate perguntou, largando a bolsa no meio do chão. “É mais parecido com alguns acordes e uma melodia. Não parece colocar na música alguma nas palavras”. “Você tem palavras?” Eu estendi uma folha de papel deitada na cama ao meu lado. Ele pegou para ler as poucas linhas que haviam encontrado no papel. Foi uma coisa estranha, deixar alguém ler algo que você escreveu. Era como dar-lhes acesso a parte de sua mente, parte de seus trabalhos mais íntimos. Isso faz com que uma pessoa se sentisse vulnerável. Nate olhou para cima. Eu não consegui ler a expressão dele, e meu estômago caiu. “É disso que eu estava falando. Você deve escrever suas próprias coisas. É bom”. “Você acha que é bom?”. Eu ecoei, levemente surpreso. "Sim". Ele se sentou ao meu lado na cama. “É sobre toda essa merda, certo? De como você se tornou o inimigo público número um”. "O que diabos aconteceu comigo, cara?" Eu disse, colocando o violão entre as minhas pernas. "Eu me perguntava isso muito ao longo dos anos" Nate jogou o papel para baixo. "Foi uma merda estúpida, eu estourei o vapor ... eu apenas fiquei tão chateado" "Eu não estou falando sobre transar com a casa do vizinho. Embora, cara, essa merda fosse engraçada”. Nós dois rimos. "Sua casa poderia ter sido um anúncio para Charmin", eu disse a ele. "Eu não estou falando sobre as lutas, a merda com os fãs ... Você só parou de aparecer, cara. Você era meu melhor amigo. Meu irmão. Então um dia você era famoso e simplesmente ... se foi”. Eu nunca pensei sobre isso do ponto de vista de Nate. Ou qualquer um, para esse assunto. Eu desci em um lugar onde tudo era sobre mim. Quem eu era. O que eu poderia fazer por outras pessoas. O que outras pessoas queriam de mim. Não era mais eu.


Era Ten. “Os primeiros dois anos passaram em um borrão gigante. Becca e minha equipe, eles me possuem. Eles me dizem para onde ir e o que fazer. Inferno, eles até pegam minhas roupas. Eu era basicamente propriedade da gravadora, um grande fazedor de dinheiro. Eu sei que parece todo glamouroso do lado de fora, como se eu estivesse cavalgando alto e morando no meu castelo na montanha, mas este negócio ... ”. Minhas palavras sumiram, e eu ousei olhar para meu primo. Ele assentiu como se quisesse que eu continuasse. “Ele come você vivo. Quando percebi, no momento em que notei o que estava perdendo o tempo todo, já era tarde demais. Tio Derek nem quer que as pessoas saibam que eu sou sobrinho dele. Ele quer uma vida normal sem ser perseguido. Se eu tivesse vindo aqui, teria arrastado todos vocês para dentro”. “Você poderia ter ligado. Enviado uma mensagem. Enviasse um cartão postal de suas viagens glamourosas’”, disse Nate. "Eu, pessoalmente, teria gostado de uma selfie da Torre Eiffel." Dei-lhe um olhar WTF12. Nate colocou a mão em seu coração. "Eu poderia ter colado na minha cabeceira e pensar em você à noite." Eu o empurrei e ele gargalhou. Então ele ficou sério novamente. “Sério, no entanto. Você poderia ter ligado”. "Sim, eu poderia" "Eu senti sua falta." Ele admitiu. Olhando em volta do familiar quarto apertado, eu assenti. "Também senti sua falta." "Irmãos tem que abraçar!" Nate exclamou e depois se lançou para mim. Com um "Oomph", ele passou os braços em volta de mim. Rindo, eu o abracei de volta. Uma sensação de saudade me deu um soco no estômago.

12

WTF é a abreviação para a expressão em inglês What the Fuck, querendo dizer “O que você disse?”.


Quando ele recuou meros segundos depois, ele levantou a guitarra em seu colo. "Então vamos trabalhar nessa música." Surpresa percorreu meu corpo. "Você escreve músicas?" "Você não é a única pessoa inclinada musicalmente nesta família", ele comentou. "Você acha que eu só tenho uma guitarra por aqui para merdas e risos?" "Seu pai é o chefe do departamento de música" Eu apontei. "Eu sou um major da música, idiota" Eu recuei. Uau. Como diabos eu não sabia disso? Eu era egoísta. Um bastardo egoísta. "Eu sinto muito", eu disse, de repente, sentindo que eu não tivesse o direito de estar sentado aqui. Meu tio e meu primo me ofereceram abrigo, um lugar para me esconder da imprensa e da bagunça que eu mesmo fiz, e eu não merecia isso. Eu nem tinha dito obrigado. "Para quê?" "Por ser um completo idiota." Nate riu. "É melhor ser um idiota do que uma vagina" "Cara. Não”, eu disse, um sorriso puxando meus lábios. Mas então eu voltei a sério. “Sério. Eu fui auto-absorvido. Obrigado por não esquecer de mim”. O jeito que eu me esqueci de você. "Somos família", ele disse simplesmente, depois voltou para o instrumento. Os sons da melodia exata com que eu estava brincando encheram o ar. "Então é isso que você tem", disse ele, olhando para mim. Eu balancei a cabeça, não me incomodando em esconder minha surpresa. Ele era bom, e ele pegou isso depois de ouvir apenas duas vezes. “Então, e se acrescentarmos algo assim?” Ele continuou e começou a adicionar à música. Não. Ele fez uma música.


A paixão pela música e a energia com a qual eu não tinha tocado por muito tempo voltaram, como se uma grande represa tivesse explodido. Pela primeira vez em muito tempo, senti música e eu era o mesmo.

Ainda estávamos brincando quando meu celular tocou mais tarde. Olhando para a tela, vi o nome de Becca e respondi. "A base para o seu retorno está se alinhando", disse ela sem qualquer tipo de saudação. "Estou bem, obrigado. Como você está, Becca?”. Eu respondi. "Estou ocupada", ela disse, torta. "Eu tomo esse silêncio na frente da mídia, você está fazendo o que eu disse e ficando fora de vista" "Eu não faço sempre o que você me diz?" Ela fez um som rude. "Se você fizesse, eu não estaria trabalhando em dobro para um retorno que você não precisaria" Eu me inclinei de volta na cama. "Você gosta do jogo." "Estou enviando seu avião de volta para você depois de amanhã. Quero você de volta ao estúdio no final desta semana”. "O quê?" Minha voz subiu com surpresa, e meu corpo reagiu sentando-se em linha reta. “Seu exílio está chegando ao fim. Você pode ficar fora de vista aqui em Los Angeles enquanto ganha um novo álbum juntos” Eu olhei para Nate enquanto ela estava me dizendo isso. O violão ainda estava no colo dele, e ele estava olhando para o lençol com minhas palavras, fazendo algumas anotações sobre os acordes.


“Temos muita imprensa para montar, aparecer, um novo videoclipe, onde estrear tudo... e, claro, uma conferência de imprensa onde você terá que prometer ...”. “Eu não estou pronto”, eu disse.., cortando ela. Suas palavras gaguejaram. Uma batida de silêncio tocou meu ouvido. "O que você quer dizer com você não está pronto?" "Eu não estou pronto para voltar para Los Angeles. Eu gosto de estar aqui, longe de tudo”, eu expliquei. "E eu estou trabalhando em uma música" "Uma música!" Becca exclamou. “Temos pessoas para fazer isso por você. LA é onde você é necessário”. “Eu preciso de mais tempo”, eu disse, tão teimoso quanto ela. "O que é isso realmente, Ten?" "Acabei de te falar. Eu gosto de estar onde a imprensa não está me perseguindo”. "Não", ela respondeu definitivamente e fez um som para confirmar. "Eu conheço você. Há mais do que isso. O que aconteceu?" Eu me ressenti do fato de que ela achava que me conhecia tão bem. Como ela poderia? Especialmente quando, ultimamente, parecia que eu nem me conhecia muito bem. "Nada, não há nada", eu disse, firme. "Existe uma menina?", ela perguntou de repente. Que porra é essa? Ela era uma leitora de mentes? "Por que você acha que há uma menina?", perguntei. Nate arregalou os olhos e sorriu. Eu dei a ele o dedo. "Porque você tem vinte e um anos. Seus hormônios controlam sua vida”. "Tenho certeza que você controla a minha vida", retruquei. Quero dizer, seriamente. Que merda de negócio era essa dela? Ela era minha empresária, não minha mãe. Ela estava na minha folha de pagamento, mas agia como se ela fosse a chefe. Nunca incomodou você antes, uma voz no fundo da minha mente sussurrou. Bem, com certeza me incomoda agora.


"Estou apenas cuidando de você. Você sabe que é meu cliente favorito. "Sou seu cliente mais lucrativo", esclareci. Mesmo quando eu era considerado a ‘pessoa não grata’ no mundo do entretenimento, ainda ganhava mais dinheiro do que a maioria. "Qual é o nome dela?" Ela foi direto ao assunto. "Eu te disse-" “Corte a porcaria, Ten. A única razão pela qual você não gostaria de voltar rapidamente para Los Angeles ensolarada e sair dessa cidade primitiva de Nova York é porque você está transando. Agora, qual é o nome dela?” "Eu estou desligando agora. Eu voltarei para Los Angeles quando estiver pronto” “Você quer alguns dias extras, tudo bem. Pegue eles. Mas deixe-me lembrá-lo da sua carreira. Uma carreira que literalmente balança no penhasco da ruína agora. Eu sou a única razão pela qual você não caiu daquele penhasco, Ten. Aproximando-se de alguma garota que tem estrelas em seus olhos porque está na cama com um ícone pop é uma má ideia. No segundo em que você voltar ao avião, ela estará à porta de todos os tablóides, vendendo a história que puder para um dia de pagamento. Não vai machucá-la. Mas você. Você poderia se destruir”. Suas palavras não me assustaram. Eles fizeram o oposto do que ela provavelmente pretendia. Aquela raiva que vivia tão firmemente dentro de mim se levantou. "Ela não é assim", eu rosnei, um novo tom perigoso na minha voz. Quase como se eu estivesse desafiando Becca a sugerir que Violet era outra coisa além do que eu sabia que ela era. Senti uma onda de surpresa não pronunciada do outro lado da linha silenciosa e desliguei a ligação.


VINTE E UM Violet

Dias. Isso é quanto tempo se passou desde que Stark ficou a noite e nós tomamos o café da manhã no Jeep mal funcionando. Mesmo que eu meio que não quisesse admitir para mim mesma, a verdade ainda me encarava na cara. Eu senti falta dele. Ele mandou uma mensagem, todo dia. Ele perguntava se eu estava me sentindo bem, algo que eu não estava acostumada. Não em uma base diária. Quero dizer, claro, meus pais telefonavam a cada poucos dias para fazer conferir e eu conversava com Vance todas as noites. Mas Vance não perguntou sobre minha AR, a menos que ele pudesse sentir que eu estava tendo problemas. Essa é uma das razões pelas quais ele era meu melhor amigo. Ele percebeu. Ele entendeu que era sério, mas também sabia que havia mais na vida do que estava errado comigo. Em vez disso, falamos sobre aulas, roupas e design. Envieilhe a minha revista em quadrinhos semanal e ele me manteve atualizada sobre tudo em minha cidade natal, na Pensilvânia. A preocupação de Stark era boa, no entanto. Na verdade, toda vez que meu telefone tocava, pequenas borboletas giravam em minha barriga, e eu teria que me impedir de mergulhar no meu telefone na expectativa de que pudesse ser ele. Quero dizer, realmente. Era meio patético. Eu ainda fiz isso, no entanto. Era doce como ele parecia tão interessado no meu bem-estar. Desconcertante, porém, ele estava interessado em mim. Quer dizer, vamos ser honestos aqui. Nós não éramos


exatamente um casal provável. Se este fosse o ensino médio, seríamos votados com maior probabilidade de nunca dar certo. Não que estivéssemos namorando. No entanto, você sabe o que eu quero dizer. Ele era bonito e suave. Ele estava confiante e tinha esse ar de ritmo sobre ele. E eu estava bem, eu. Leve, meio mole, com pele imperfeita e um corpo imperfeito (por dentro e por fora). Eu não estava dizendo que não era bonita. Eu estava do meu jeito. Eu tinha lindos olhos e cabelos. Eu era talentosa com um lápis e era gentil com as pessoas. Pelo menos eu tentava ser. Algumas pessoas, no entanto ... algumas pessoas que eu queria furar com meus lápis de desenho. Quero dizer, se eu não os apunhalei, ainda assim eu poderia me considerar uma boa pessoa. Era tudo sobre equilíbrio, certo? Eu com certeza esperava isso. Todos esses pensamentos flutuaram no fundo da minha mente enquanto minha mão trabalhava na página. Eu estava trabalhando em uma nova história em quadrinhos, mas eu não tinha certeza se iria enviar essa para o jornal. Era mais ... pessoal. Submetendo ou não, no entanto, senti-me obrigada a criá-lo. Isso era arte. Algumas emoções, algumas visões rodaram sob sua pele, criaram uma névoa em sua mente e expulsaram todo o resto até que sucumbiram a dar-lhes vida. Assim que terminei, planejei retirar um projeto em que não trabalhava há algum tempo. Outro projeto que foi só para mim. Eu esperava que algum dia pudesse ver a luz do dia, apenas em uma capacidade maior do que o jornal local. Isso só acontecerá se você tirar sua cabeça da sua bunda e torná-la uma prioridade. Eu me repreendi. Separei o lápis, examinando uma parte do desenho, e então fui para ele com o dedo, borrando e misturando as linhas que acabara de fazer.


Minha atenção foi frustrada por uma batida repentina e inesperada na porta. Puxei o fone de ouvido na orelha direita e deixei cair no sofá. O caderno de desenho estava abandonado na mesa de café quando eu atravessei a sala com meus chinelos. Minhas mãos tremiam um pouco porque você sabe exatamente quem eu esperava que fosse. Antes de abrir a porta, sacudi as mãos, como se de alguma forma me libertasse do nervosismo repentino que eu tinha. Fios do meu cabelo voaram sobre meus ombros com a força de eu ter puxado a porta. Eu parei e pisquei, meu cérebro tentando acompanhar o que eu vi. Ali mesmo, a frente e o centro, olhando para mim, era uma seção arrancada do jornal da semana passada. A seção com minha história em quadrinhos sobre ele. Eu tive duas reações: 1. Risos, porque essa história em quadrinhos foi seriamente engraçada. E 2. Excitação. Não para os quadrinhos, mas para o garoto que o segurava. "O que é isso?" Eu disse, um sorriso óbvio na minha voz. O papel enrugou um pouco quando ele puxou para baixo e sorriu amplamente para mim. "Você não me disse que seu trabalho era publicado semanalmente." "Meu trabalho é publicado pelo jornal local todas as semanas na forma de uma história em quadrinhos", reiterei. Stark fez um som sexy, o tipo de som que me fez esquecer que estávamos tendo uma conversa, e me acelerou. Seu corpo penetrou no meu, seus braços se envolveram em volta de mim, certificando-se de que eu não caísse enquanto ele basicamente nos levava de volta ao meu dormitório. A porta fez um som decisivo quando ele a fechou com este pé. O papel que ele estava segurando flutuou para o chão, e suas mãos foram subitamente enterradas no meu cabelo. Todo o oxigênio no meu corpo saiu de mim em surpresa, mas também na expectativa de que os lábios baixassem tão rapidamente para os meus. Oh, ele poderia me beijar.


Stark tinha o tipo de lábios que faziam uma garota esquecer que ela precisava de ar. O tipo de língua que apagou mundos inteiros e uma presença global como uma droga que criou viciados depois de apenas o menor dos acessos. Sua mão era tão grande que embalou minha cabeça, seu polegar acariciou minha bochecha e seu corpo se enrolou ao redor do meu. Minhas mãos apertaram seus bíceps até que elas estavam muito fracas para realmente segurá-lo. Como se ele soubesse que eu estava em perigo de derreter aos seus pés, Stark agarrou minhas duas mãos e as guiou para cima e ao redor de seu pescoço. O movimento trouxe meu corpo completamente contra o dele, e eu suspirei dramaticamente em sua boca. Ele riu mesmo quando me beijou, mudou de direção e me agrediu de novo. Oh, não foi justo. Quão facilmente me entreguei em seus braços. Quão rápido o calor inundou minha pele e fez meus membros formigando e pesados. Eu sabia que provavelmente não poderia fazê-lo derreter dessa maneira, mas eu queria tentar. Mesmo se eu tivesse cinquenta por cento de sucesso, eu diria que é uma vitória. Apertando meus dedos na base do seu pescoço, eu pressionei mais perto. O som da nossa respiração irregular entre cada beijo desesperado encheu o espaço e só aumentou o meu desejo. Puxando para trás apenas um pouco, eu lambi seu lábio inferior e, em seguida, chupei na minha boca. Seus braços, que tinham enrolado firmemente em volta da minha cintura, deslizaram para baixo até que suas palmas estavam na minha bunda. Eu chupei um pouco mais, e ele gemeu. Encorajada, soltei o lábio inferior e fui atrás da parte superior. Depois que eu o atormentei da mesma maneira, lambi sua boca e sorri. "Maldição quente", ele murmurou. O boné sempre em sua cabeça foi arrancado, e sua testa encontrou seu caminho contra a minha. "Eu pergunto como você se sente." Ele sorriu lentamente. "Mas eu já sei" Suas mãos flexionaram contra a minha bunda. "Cem por cento bem, como o inferno" Levantei meu queixo, convidando-o para outro beijo. Seus olhos brilharam para os meus. Algo que parecia muito com ternura encheu seu olhar antes dele cair e pressionar uma suave carícia para os meus lábios oferecidos.


"Então", disse ele, relaxando para que ele pudesse olhar para mim. “Se eu sair e bater de novo, receberei outra saudação como essa?” Eu ri porque a resposta provavelmente seria sim. "Trabalhando em algo novo?" Ele perguntou, levantando uma sobrancelha em interesse, notando meu caderno de desenho na mesa. Ele foi, mas eu fui mais rápida, batendo nele. Rapidamente, eu levantei o livro e virei, escondendo o que eu estava trabalhando. Ele ofegou e apertou a mão sobre o coração. "Seu mistério me feriu" Eu revirei meus olhos. "Não , sem chance" Ele se inclinou e pegou os quadrinhos que ele trouxe. "Este também não foi quando eu vi pela primeira vez". "Eu não queria que você olhasse para aquele também". Eu o lembrei, presunçosamente cruzando os braços sobre o peito. Ele sorriu como se tivesse escapado com alguma coisa. Eu estava muito, muito preocupada, era mais do que apenas um vislumbre de um desenho inacabado. Eu pensei que ele estava correndo com meu coração. "Nem mesmo uma espiada?" Ele bajulou. "Não", eu disse, teimosa. "Tudo bem." Ele concordou e se virou para atravessar a sala. "Que tal você me falar sobre algumas das suas outras coisas?" Ele gesticulou para a pequena parte da sala que tinha telas encostadas na parede, pastéis explodindo de uma caixa, e vários outros suprimentos espalhados ao redor. Ele parou na frente da maior tela em exibição. Era uma borboleta. Na verdade, eu fiz uma série de borboletas, variando de uma lagarta até a transformação na borboleta. Notando como ele parecia realmente impressionado, puxei alguns dos outros de trás, alinhando-os em ordem. "Eles contam uma história", ele murmurou. "Uma lagarta para uma borboleta" Eu concordei. "Só quando ele pensou que sua vida acabou ..." Minha voz desapareceu.


"Ele se transformou", respondeu Stark, ainda olhando para a imagem principal. Ele se aproximou, passando levemente o dedo por uma das asas. Eu escolhi laranja e preto com pequenas manchas brancas para as asas. Eu pensei que era uma combinação de cores marcante. Seus olhos se moveram da tela para mim. "Isso é lindo" Eu me senti tímida sob o peso de seu louvor. Mas foi bom. "Obrigado" Ele olhou para trás, observando todas as telas novamente. Algo sobre a maneira como ele os estudou puxou meu coração. Limpando a garganta, perguntei: "Você veio me perguntar sobre minha arte?" Ele se virou, me concedendo um sorriso perverso. Minha frequência cardíaca acelerou. "Não. Mas isso não significa que eu não queira saber”. Dei de ombros e me movi para ficar ao lado dele. “Desenhar é minha principal paixão. Eu gosto do estilo cômico, da arte de desenho animado. Não é muito respeitado no mundo da arte. É considerado meio medíocre”. "Você está me cagando?" Ele zombou. "Deixe-me adivinhar. Aqueles que fazem as regras são tipos de terno que provavelmente nem criam nada além de expressões faciais para parecerem interessados e conhecedores” Eu ri. "Eu tive pensamentos semelhantes", eu comentei, então ri. “Aqueles caras nunca viram o Journal of Wimpy Student ou qualquer outro romance em quadrinhos tomando conta das prateleiras? Quero dizer, merda, até a cena de Hollywood é toda sobre essa vida. Veja todos os filmes que eles estão lançando com base nos livros” Eu olhei para ele, assustada. "O quê?" Ele estendeu as mãos. "Eu sei dessa merda" Algo sobre seu pequeno discurso apaixonado, a maneira como ele zombou de meu trabalho pode não ser considerado legítimo, me atingiu em todos os lugares certos. Lugares que eu estava tentando manter dele. Não só isso, mas a paixão em sua voz, a sugestão de conhecimento.


"Você já viu essa tendência nos livros?", perguntei interessada. "Eu moro debaixo de uma pedra?" Ele zombou. "Bem, você não é exatamente um leitor de nível médio." Sorri maliciosamente. "Embora o seu nível de maturidade seja questionável." "Ha. Ha”, ele disse e me cutucou nas costelas. Eu gritei e torci para longe. Parecendo presunçoso, como se tivesse conseguido o melhor de mim, Stark esfregou a parte de trás do seu pescoço. "Na verdade, não sou tão familiarizado com os livros, mas sei dos filmes que eles estão fazendo." Eu assenti. Fez sentido. Os filmes eram mais anunciados. "Por que você parece que tem um esquilo correndo em uma roda em seu cérebro agora?" Eu fiz uma careta. "Ai credo" Ele gesticulou porque aparentemente essa era uma questão real que requeria uma resposta real. "Estou tentando decidir o quanto eu confio em você", respondi seriamente. Stark virou completamente para me encarar, algo em seus olhos se fechou. Isso fez meu estômago apertar. "Por quê?" "Eu quero te mostrar algo. Algo que eu não mostrei a ninguém antes”. Seus ombros relaxaram, e um sorriso suavizou o olhar cauteloso em seus olhos. "São seus peitos?" Uma risada explodiu em mim. Eu cobri minha boca com a minha mão, ainda rindo. "Sério!" Eu disse quando fui capaz. "Você pensa em apenas uma coisa?" "Quando você está na minha frente e eu não consegui arranhar essa coceira insanamente superficial? Sim”. Minha cabeça se abaixou automaticamente. Sua resposta me fez corar e era embaraçoso. Depois que me recuperei, levantei meu rosto. "Eu odeio quebrar isso para você, mas as meninas tem sido ..." "Pare aí", ele entoou, levantando a mão. "Eu não quero ouvir sobre alguém olhando para você. Qualquer um que não seja eu”. Nossa, ele era intenso às vezes. O céu que me ajude, eu gostei.


Limpando minha garganta, fui até uma gaveta próxima e peguei um caderno especial, levando-o para onde ele estava. “Eu tenho trabalhado nisso, como um hobby. Como um sonho ...” Estendi o pesado livro encadernado em espiral e, quando a mão dele se fechou ao redor dele, a minha teve dificuldade em soltar. "Eu não posso abrir a menos que você me deixe", disse ele suave. Eu soltei e então olhei enquanto ele abria a capa e olhava para baixo. Ele estava quieto, provavelmente mais silencioso do que eu já tinha ouvido enquanto seus olhos viajavam pelas páginas que eu já conhecia tão bem. Então ele viraria para outro e depois outro. Em um ponto, sua boca se levantou em um pequeno sorriso. Seus olhos se voltaram para mim e depois voltaram para devorar mais das páginas. Minha unha apareceu na minha boca e comecei a mastigá-la. Eu tinha o péssimo hábito de roer as unhas quando estava nervosa. Sem olhar para cima, Stark estendeu a mão e puxou minha mão para longe da minha boca. Finalmente, ele olhou para cima. "Você fez isso?" Eu balancei a cabeça. "É um livro maldito", ele disse, com admiração em sua voz. "Como o tipo que estávamos falando". "Bem, não é tão bom" "Não." Ele concordou. "É muito melhor." Meus olhos se arregalaram. "O quê?" "É uma história completa e as imagens que você desenhou, as duas vão juntas" "Ainda precisa de algum trabalho", eu disse, não querendo aceitar elogios tão altos. "E eu não escrevi o final." O olhar azul de Stark finalmente liberou as páginas diante dele para capturar meus olhos em vez disso. "Isso é bom demais para estar guardado em uma gaveta, Vi." "Você acha que poderia ser publicado?" Eu perguntei, expressando algo que eu queria tanto, mas nunca me permiti pensar que era possível.


"Nem mesmo os críticos de arte de arrogantes poderiam negar o talento nestas páginas", ele me disse. “Quero dizer, você não apenas criou uma história com palavras, mas adicionou o visual perfeito. As crianças vão amar isso”. "Bem, é para garotos mais velhos, como o ensino médio..." Eu disse, me preocupando de repente, eu fiz isso parecer muito jovem. Ele assentiu entusiasticamente. "Totalmente" Meu coração acelerou e a felicidade me encheu. Foi a primeira vez que eu tive uma chance e mostrei a alguém o que eu estava trabalhando. A primeira vez que contei a alguém sobre meus sonhos além de desenhar para um jornal. Ele gostou. Significou muito para mim. Com cuidado, quase com reverência, ele fechou a capa e o devolveu para mim. “Você precisa terminar isso e depois enviá-lo para algum lugar. Consiga um empresário”. "Você quer dizer um agente?" Eu disse, franzindo o nariz. "Sim. Um deles”A cabeça dele inclinou para o lado. "Mas não um mandão, ninguém que acha que pode executar sua vida inteira e lhe dizer o que fazer." "Isso é, hum ... muito específico" Eu apontei. Ele fez uma careta e eu fui guardar o livro. "Então, se você não veio aqui para ver minha arte ..." eu comecei. "Por que você veio?". "Eu cheguei ao meu limite", ele disse simplesmente. "Seu limite?" O olhar de Stark encontrou o meu. "O limite de dias que eu poderia ir sem ver você." "Francamente", eu o informei, "estou ofendida por ter demorado tanto". Um grunhido predatório baixo encheu a sala. Ele se aproximou e me puxou suavemente em seu peito. Seu beijo foi como antes ... todos consumindo. Química e desejo chiou minha pele, e eu agarrei seu rosto para puxá-lo ainda mais perto.


Nós nos beijamos até que o ar era absolutamente essencial, e nós dois estávamos ofegantes quando finalmente nos afastamos. No segundo em que meus pulmões estavam cheios, olhei para ele e ri. "O quê?" "Você tem marca de lápis em seu rosto." Eu levantei meu dedo, o que eu estava usando como ferramenta. Ele grunhiu como se não se importasse. Eu me inclinei para esfregar com um dedo limpo, e aquelas marcas que nunca pareciam morrer estalavam mais uma vez. "Eu gosto mais de você sem um boné", eu confidenciei enquanto removia o último dele. "Eu gosto de poder ver seus olhos." "Saia comigo esta noite", disse ele abruptamente. Eu me afastei e olhei para ele com uma pergunta nos meus olhos. "Você quer sair?" Ele assentiu. "Contigo" Não era nem sexta-feira ainda. Eu tinha aula amanhã. "Um encontro de verdade", ele convidou, mas era mais um desafio. "Eu vou dançar com você." Ou talvez tenha sido um suborno. Eu fui tentada. Tão tentada. "Eu não gosto de dançar", eu gaguejei, apesar de estar mentalmente me chutando. "Todo mundo gosta de dançar", ele refutou. Eu encolhi um ombro. Eu não ia discutir. Eu já disse como me sentia. Ele se moveu diretamente na minha frente, deslizando ao longo do meu corpo como se ele soubesse. Como se seu corpo pertencesse ali. "Se você não gosta de dançar, é porque você nunca teve um parceiro qualificado antes." E então ele começou a se mexer. Ele exalava confiança. Objetivo. Ele sabia exatamente onde seu corpo estava e onde ele queria que fosse. Ele antecipou uma batida só ele podia, seguindo junto com isto como talvez ele escreveu todos os acordes. Ele usou seus membros como um instrumento afinado, fez música onde não havia nenhuma. Ele se sentia sólido contra mim. Certo.


Havia algo sobre o jeito que ele se movia, o jeito que ele se sentia perto, engessado que fazia o fundo cair do meu estômago, e um som suave e zumbido começou na parte de trás da minha cabeça, lentamente bloqueando todo o resto. Sua mão deslizou ao redor, segurando meu quadril, mas não parando. Ele enrolou em torno até que ele estava tocando minha bunda. Ele não estava me sentindo, no entanto; ele estava dançando. Usando meu corpo como uma âncora para ele. "Assim", ele pediu. Eu jurei sua voz caiu cerca de doze oitavas. Calafrios estouraram nos meus braços. "Mova-se comigo" Ele pressionou contra a minha bunda, trouxe a outra mão e achatou-a para fora. Com as duas mãos enormes cobrindo a estrutura da minha bunda, meu corpo o obedeceu, ondulando sob a direção de suas mãos. Eu sabia quando comecei a me mover do jeito que ele gostava, porque seus dedos se contraíam na minha bunda. "Venha dançar comigo", ele disse novamente. Claro que eu disse sim. Meu corpo falou antes que as palavras pudessem se formar na minha língua. Foi a única resposta a dar.


VINTE E DOIS Ten

Becca me irritou. Mais ou menos como estar longe dela por apenas uma semana ou mais, foi um exorcismo que limpou a minha vida de sua gestão. Gestão = dominando minha vida. Tudo o que ela disse ao telefone cheirava a ovos podres que saíam do traseiro de um javali decadente. Eu não sei porque agora, de repente, todo o seu comportamento dominador me incomodava. Na verdade, isso estava errado. Isso sempre me incomodou. Inferno, foi provavelmente por isso que eu estava com raiva a metade do tempo. Foi uma verdadeira realização. Quase como se eu estivesse me tornando Yoda. Me prometi ser. Exceto que eu era mais bonito. Naturalmente. Eu realmente nunca me importei até este ponto. No entanto, as coisas estavam mudando. Foi como acordar de algum sonho que durou anos. Como voltar para a Terra depois de uma viagem no espaço. Eu me importava agora. Sobre como eu vivi minha vida. Sobre ter uma vida. Pela primeira vez no que parecia ser metade da minha vida, me senti um pouco normal de novo. Eu não fui consumido com sucesso, como fazer outras pessoas felizes, dinheiro, viajar ... seguindo ordens.


Voltando aqui para o que Becca se referiu como uma cidade "primitiva" foi um alerta. Qual era o sentido de ter um grande sucesso e uma conta bancária gorda se eu não gostasse disso? Se eu não tivesse uma vida? Se eu não sinto que eu ganhei isso? Eu sabia que isso era um pouco exagerado. Obviamente, ganhei todos os meus milhões. Alguns desses dólares foram ganhos obtidos com dificuldade. Esta vida não era fácil. Talvez seja por isso que, em algum momento, mudei para o piloto automático e deixei Becca controlar tudo. E agora eu estava aqui. Ela disse que a única razão pela qual minha carreira não caiu e queimou completamente foi por causa dela. Eu estava começando a pensar que a razão pela qual ela caiu foi por causa dela. Não, ela não sacaneou e mijou na multidão. Ela não entrou em brigas nem bateu nos fãs. Ela não fez nenhuma das merdas que eu fiz ... mas ela certamente não facilitou minha vida. Talvez se eu fosse mais ativo em minha própria vida, em minha própria carreira e na tomada de decisões, não me sentiria tão encurralado por tudo isso. Encurralado, sim. Foi exatamente assim que me senti. Eu amava música ... adorava me apresentar. Mas o negócio disso tudo estava me matando. Esmagando minha paixão e tornando mais difícil e mais complexo de prosperar. Esses eram pensamentos que eu nunca realmente pensei antes de vir aqui. Eu estava muito ocupada, bêbada demais ou desmaiada demais para refletir sobre qualquer coisa. Então eu entrei na minha antiga sala de verão. Percebi que Nate continuava vivendo uma vida que eu não sabia nada. Derek me recebeu de volta, mas eu vi a apreensão, o jeito que ele quase queria proteger seu filho de mim. Como se ele não me conhecesse ... como se eu não fosse como o segundo filho dele todos esses anos atrás. Ele estava envergonhado de mim.


Eu estava envergonhado. Então houve Violet. O maior catalisador de todos eles. Ela não me conhecia. Não meu nome. Minha carreira ou as coisas ruins que eu fiz. Ela achava que eu era um estudante universitário de classe baixa que dirigia um jipe com mais fita que peças, dividia um quarto com meu primo e tinha uma escuridão subjacente dentro de mim. Ela gostava de mim de qualquer maneira. Ela não gostava de mim como eu era, como eu a fazia sentir. Por como eu a tratei quando estávamos juntos. Permanente nas sombras era um lugar interessante para estar. Para alguém tão acostumado a ser o centro das atenções, era incrível perceber como a escuridão dos olhos poderia realmente ser. Eu não estava pronto para voltar para Los Angeles. De volta à vida que eu não tinha certeza se queria mais. O pensamento de deixar Violet fez meu peito doer. Eu não a merecia. Inferno, eu estava mentindo sobre tudo. Como eu poderia dizer a verdade? Como eu poderia parecer alguém tão bonito no rosto, alguém que tivesse um motivo real para ficar com raiva, estar bravo com o mundo, mas não estava, e admitir que eu tinha mais do que ela poderia sonhar, e eu foder com tudo isso sendo um bastardo egoísta? Quando Becca exigiu que eu desistisse do meu traseiro porque ela só estava me usando, o incômodo subiu pela minha garganta. Não foi Violet quem estava me usando. Fui eu quem estava usando ela. Eu, o cara sentado aqui pensando em como eu queria ser melhor. Faça melhor. No entanto, o que eu estava fazendo? Mais do mesmo. Ainda encurralado. Apenas por diferentes demônios de minha própria criação.


Eu queria ela. Eu queria muito Violet, meu coração batia com esse desejo. Eu fiquei longe enquanto a guerra se enfurecia dentro de mim. Eu queria vê-la desesperadamente, mas sabia que estava errado. Eu carreguei o desenho dela indiretamente tirando sarro de mim no bolso do meu jeans. Eu mantive na mesinha de cabeceira quando ía para a cama, e eu olhei para ela quando a dor dentro de mim era quase um buraco aberto. No entanto, todo homem tem um limite. O meu não demorou muito para admitir. Eu tive que vê-la. Para tocá-la. Para mostrar a ela (e talvez a mim mesmo) eu era o homem que ela conhecia ... independentemente do meu nome real. No segundo em que ela abriu a porta, mal consegui me conter. A atração que senti para ela era inegável, inexplicável. Eventualmente, eu teria que dizer a ela exatamente quem eu era e o que eu estava realmente fazendo na cidade. Mas não esta noite. Agora não. Eu queria um tempo com ela. Eu ansiava por isso. Eu estava indo muito bem ter isso. Havia uma festa à beira da cidade. Nate me contou sobre isso, disse que Blaylock era famoso por ter algumas raves enormes durante a noite toda. Ele nunca esteve desde que não estava no campus ou em uma fraternidade. Mas isso me atraiu. As raves eram notoriamente sombrias, com muitas pessoas. Você poderia facilmente se disfarçar. Além disso, música. Eu senti falta do baixo alto de uma boa música e da vibração de tudo sob a sua pele. Senti falta de mover meu corpo para a batida e apenas me perder. Parecia um acéfalo ir buscar Violet e trazê-la. Não, ela não era realmente uma festeira, mas ela era minha garota. Eu poderia dizer isso porque ela estava no momento sentada no lugar do passageiro, enquanto eu puxava para o que parecia uma parte abandonada do antigo distrito comercial


na periferia da cidade. Edifícios abandonados e armazéns ladeavam as ruas. Tudo parecia meio nu aqui, as calçadas vazias e rachadas. Os prédios estavam destruídos por janelas quebradas e marcas de graffiti no tijolo. Isso me lembrou de Nova York, dos lugares que eu cresci. "Você tem certeza de que há uma festa aqui?" Vi perguntou, totalmente duvidoso. Eu ri baixo. "Se Nate disse isso, então é verdade" "Você tem certeza de que Nate sabe do que ele está falando?" "Eu posso ouvir você", respondeu Nate de sua posição atrás. "Bem, eu não estava sussurrando", disse Violet, voltando-se para olhar em sua direção. "É o antigo armazém no final da rua", disse ele. "Há uma rave lá algumas vezes por mês." "Se isso acontecer em algum lugar de gangue onde todo mundo está atirando com heroína, eu nunca vou te perdoar" Violet fungou e se virou. Rindo, estendi a mão e acariciei sua perna. "Eu vou te proteger da gangue, Vi". "Eu nunca faria isso com você, Vi", disse Nate, aproximando a cabeça entre os assentos. Eu soltei sua perna para empurrar seu rosto de volta de onde veio. "Isso é Violet para você, burro". "Eu me sinto tão amado", anunciou Nate. "Eu acho que é isso", eu disse, desacelerando. Havia carros por toda parte. O prédio alto e escuro estava brilhando por dentro, a luz de neon piscando através de algumas das janelas. A música, alta e pesada, bombeava e podia ser ouvida pelo jipe. "Como é que este lugar não está cheio de policiais?", perguntou Violet. "Estou pensando que eles olham para o outro lado", respondeu Nate, enfiando o rosto de volta entre os assentos. "Porque todos no campus sabem sobre esse lugar." "Eu não sabia" Violet olhou para mim. "Você sabia?" Considerando que eu não estava realmente no campus, as chances eram pequenas. "Uma ou duas vezes", eu murmurei, sem saber o que dizer. "Isso é porque você é uma boa menina", disse Nate.


"Isso faz de você um menino mau?" Ela perguntou descaradamente. "O pior" Eu revirei meus olhos. Ele estava delirando. "Tem um lugar lá embaixo", ele disse. Segui a direção e coloquei o jipe entre dois carros no final do quarteirão. Nate saiu do meu lado e depois eu fui ajudar Violet porque ela estava no carro. "Você tem certeza disso?" Ela perguntou, mordendo o lábio inferior e me fazendo pensar em beijá-la. "Tenho certeza que quero dançar com você". Eu seduzi. "E pinte seu corpo com um pouco daquela pintura de incandescência na neve que eu sei que eles estão fazendo lá" “Posso pintar você também?” "Oh, querida, sou todo seu" Ela estendeu a mão e eu a peguei, em vez disso inclinei-me para tirá-la do Wrangler, colocando-a em pé. "Eu não sei como você faz isso", ela murmurou. "O quê?" "Aje como se eu não pesasse uma tonelada" Eu fiz uma careta. De que diabos ela estava falando? “Você se olhou no espelho, Vi? Você é minúscula”. Ela fez um som rude. “Em estatura, sim. Mas nós dois sabemos que tenho um enchimento extra”. Novamente, eu fiz uma careta. "O que diabos você está querendo dizer?". "Nada", ela disse e começou a andar. Eu peguei seu pulso, tomando cuidado para não apertar com muita força. Eu sabia que ela era mais delicada do que a maioria. "Ei." Violet voltou-se. "Você não diz merda negativa sobre si mesmo. Nunca mais”. Soltei o braço dela para poder colocar as laterais de sua cintura no ponto exato em que ele se curvava de cada lado.


Levando-a para mais perto, olhei para baixo por baixo da aba do meu boné. "Eu gosto do jeito que você se sente em meus braços" Minha voz era baixa, as palavras apenas para seus ouvidos. “E a maneira como você preenche suas roupas, o jeito que minhas mãos se encaixam bem aqui” Eu flexionei meus dedos. “Eu sei que você tem muitas razões para estar em guerra com seu corpo, baby. Mas a forma e o tamanho não são iguais”. Ela parecia atordoada, eu diria isso. Seus olhos se voltaram quando eu falei, agora piscando várias vezes, como se ela estivesse tentando processar as palavras. Eu não esperei ela responder. Eu não precisava. Em vez disso, me inclinei mais perto, beijei sua testa e a puxei para a calçada. Nós três não éramos as únicas pessoas na calçada. Havia vários grupos e casais entrando. As garotas estavam todas vestindo o tipo de merda que eu vi em Los Angeles nos clubes e festas. Curto. Justo. Transparente. Eu gostei. Quero dizer, eu era um cara. Que cara não queria espreitar a mercadoria? Normalmente, as formas como elas exibiam seus corpos me excitavam e acabei indo para casa com uma ou duas no meu braço. Não essa noite. Hoje à noite, eu olhei para elas e não senti desejo. Eu me senti meio triste, a única coisa que elas pensavam que elas tinham para oferecer era o corpo delas. Graças a Deus Violet não estava vestida assim. Se ela tivesse, eu provavelmente teria acabado em mais de uma briga. Eu não queria homens olhando para ela do jeito que eu olhava para as mulheres naquela época. Apenas o pensamento disso me deixou doente. "Parece que há uma fantasia", disse Nate, seus passos hesitando. Olhei de relance para a placa apoiada na porta de metal enquanto avançávamos na fila. Eram cinquenta dólares por cabeça. "Eu entendi", eu disse, pegando no meu bolso e tirando notas de duzentos dólares. A mão de Violet sacudiu na minha. "Quem apenas anda por aí com duzentos dólares em suas calças?"


Na verdade, eu tinha cerca de quinhentos em dinheiro comigo. Mas eu não estava prestes a dizer isso a ela. Dei de ombros. "Usar fita adesiva me poupa muito dinheiro". "Tem certeza, cara?", perguntou Nate. Ele era o único amigo meu que parecia hesitante ou até mesmo desinteressado em meu dinheiro. Eu respeitei isso. "Claro que sim", eu disse. "Essa foi a minha ideia" "Próximo!", gritou um grande guarda na porta. Nós três nos mudamos e eu coloquei o dinheiro na palma da mão dele. "Nenhuma mudança", disse ele. Eu revirei meus olhos. "Que tal um par desses tubos de tinta?" Eu apontei para alguns bastões de tinta que brilham no escuro em uma banheira de plástico a seus pés. Ele grunhiu, mas pegou alguns tubos (amarelo, laranja e verde) e os estendeu. "Eu quero rosa", disse Violet. "Ela quer rosa", eu disse a ele. Nate pegou os três tubos, enquanto o guarda pegou uma rosa e entregou a Violet. Depois disso, ele apontou para nós sairmos de sua vista. Nós nos mudamos para o armazém, e eu estava muito impressionado. Isso era como um delírio completo. Bem aqui no meio do que Becca se referiu como uma cidade ‘primitiva’. O espaço aberto era basicamente feito de concreto com uma enorme janela de um lado com cerca de cinquenta pequenas vidraças. No final do espaço havia um palco onde um DJ estava, e um monte de balões que brilhavam no escuro pairavam sobre sua cabeça. A única iluminação era das luzes negras, e todo mundo aqui estava pintado com tinta de brilho de cor neon. A música, algum tipo de techno, tremeu meu interior e tornou difícil respirar fundo. A multidão estava alta. Corpos esmagados no centro e mais corpos espalhados pelo perímetro, bebendo e rindo.


Passamos por uma grande mesa de cartas coberta de adereços que brilhavam no escuro. Óculos, pulseiras, colares. Havia até máscaras, anéis e chapéus. Parei e peguei um chapéu laranja neon e troquei meu boné de beisebol por ele. Violet sorriu e ajustou-o um pouco, inclinando-se para gritar: "Isso ficou bem em você" Puxando o ajustador de plástico na parte de trás do boné de beisebol, fiz um gesto para que Vi o prendesse no cinto do meu jeans. Quando ela fez isso, eu peguei um apito amarelo que brilhava no escuro (ela amava seus assobios) e coloquei em volta do seu pescoço. Em seguida, peguei um anel rosa brilhante (parecia um daqueles pops de anel de doces) e segurei. Ela riu e estendeu o dedo indicador para eu colocá-lo. Depois que eu adicionei um par de óculos verde-neon ao meu rosto, nós dois nos viramos para olhar para Nate. Nós dois começamos a rir. Ele usava um bigode que brilhava no escuro, três braceletes e um enorme par de óculos azul-néon. Violet voltou para a mesa, segurando o que tinha chegado a Nate. Ele assentiu entusiasticamente e se inclinou para que ela pudesse prendê-lo em volta do pescoço. Era uma gravata maldita. Esse cara era tão exagerado. Quando ele estava vestido adequadamente, ele nos deu um sinal de positivo. Uma garota apareceu, uma garota que estava literalmente coberta de tinta corporal, e pegou a mão de Violet. Assustada, Vi soltou um grito e eu reagi instantaneamente, correndo para entrar no meio deles. "Pintura de cabelo!" A garota gritou, não ofendida com a maneira como eu estava prestes a levá-la para fora. Mulher ou não, ninguém conseguiu agarrar Vi.


Eu olhei para Violet e ela sorriu. Então eu dei um passo para trás e observei essa garota brilhante pintar faixas de rosa neon, laranja e verde através do longo cabelo loiro de Violet. Quando ela terminou, a garota agarrou a camisa de mangas compridas que Violet usava sobre a outra. Ela desceu sobre os ombros e Violet começou a sacudir a cabeça. A garota gritou algo que nem eu pude ouvir, e Violet cedeu. Timidamente, ela tirou o casaco do seu corpo e amarrou-o em volta da cintura. Tudo o que ela tinha debaixo era um top branco. Minha boca ficou seca. A garota estranha levantou um bastão de tinta, e eu sabia que ela estava prestes a passar na minha garota. "Whoa", eu disse, inserindo-me entre elas. Eu agarrei o bastão de tinta e sorri. "Eu vou levá-la daqui" Violet acenou para sua nova amiga brilhante e a garota sorriu. "Aqui!" Eu chamei e entreguei a ela uma vara verde. "Pinte meu irmão!" Eu apontei para Nate, que estava lá dançando sozinho. Ela assentiu com a cabeça e foi até ele, nada tímida, passando as mãos pelo peito e pelos braços. Nate congelou. A surpresa em seu rosto me fez rir. Ele olhou para mim, e eu girei meus quadris como se ele estivesse recebendo um pouco disso. Violet me bateu. Eu a peguei e a beijei. Puxando para trás, eu toquei as listras coloridas em seu cabelo. "Eu gosto disso!" Eu disse a ela. Vi pegou o tubo de tinta rosa da minha mão e começou a colocá-lo em sua boca como se fosse batom. Eu tive um único momento WTF, mas depois me distraí com essa boca e o que eu sabia que era contra mim.


Quando ela terminou, ela virou o dedo para mim para me aproximar. Eu aceitei, claro. Sua pequena mão segurou meu queixo e virou para que ela pudesse plantar um beijo na minha bochecha. Puxando para trás, ela estudou o que tinha feito e sorriu largamente. Então ela virou meu rosto para o outro lado e me beijou novamente. Então ela beijou a parte inferior do meu queixo. Com um pequeno som, vi quando ela passou mais um pouco de tinta, depois se inclinou para perto, desta vez indo dolorosamente devagar, seu alvo no lado do meu pescoço. Meu corpo tremeu, e eu sabia que era mais do que a batida da música. Antecipação enrolada no meu centro, e ao lado dos meus quadris, minhas mãos se fecharam em punhos. "O que você está fazendo?" Eu rosnei. Ela não respondeu. Em vez disso, seus lábios trancaram no meu pescoço e sugaram. Meu corpo sacudiu porque, caramba, eu gostei. A maneira como seus lábios aumentavam de pressão e sua língua acariciava minha pele era doce tortura. Ela recuou muito rápido para o meu gosto, e eu fui para pegá-la de volta. Ela riu e beijou o outro lado do meu pescoço. Violet passou os braços em volta do meu pescoço, subindo na ponta dos pés e roçando a frente do meu corpo. Agarrei-a contra mim quando ela se levantou para a minha boca. Em vez de me beijar completamente, ela pressionou outro de seus pequenos beijinhos provocantes bem na borda dos meus lábios. Quando ela se afastou, a satisfação brilhou em seus olhos. "Eu tenho marcas de beijo em cima de mim, não é?" Eu refleti. Ela sorriu. "Você parece tomado", ela chamou. Bem. Ela não parecia orgulhosa de si mesma? Ninguém nunca foi possessivo sobre mim antes. Eu meio que gostei.


"Você perdeu um lugar", eu disse a ela. Antes que ela pudesse perguntar onde, eu cobri seus lábios com os meus, amassando-os juntos até que eu não tinha certeza de onde eu terminava e ela começava. Quando senti seu corpo começar a escorregar pelo meu, levantei a cabeça. Havia apenas um traço de tinta incandescente nos lábios agora. Eu sabia que se eu olhasse no espelho, em vez disso, estaria em todo o meu rosto. Eu meio que gostei disso também. Eu pintei algumas linhas abstratas e desenhos para baixo de seus braços, sobre sua clavícula, e através da parte exposta de seu peito. Pequenos respingos de tinta pontilhavam o rosto dela, fazendo parecer que ela tinha sardas multicoloridas. O tempo todo em que trabalhei, sua pele ondulou sob o meu toque, e eu me certifiquei de trabalhar devagar você sabe, dar a ela um pouco daquela doce tortura que ela acabou de me dar. Quando terminei, ela puxou minha camisa. "Você está vestido demais!", ela gritou. Eu olhei ao redor. A maioria dos caras aqui não estava vestindo uma camisa. Em vez disso, suas partes superiores estavam cobertas de tinta. Até mesmo Nate tinha perdido a camisa e a garota brilhante estava acendendo-o. Eu entreguei a Vi meu boné e óculos para que eu pudesse tirar a camiseta, então rapidamente substituí os adereços para ajudar a esconder meu rosto. Estava escuro e todos estavam festejando e bebendo, mas ainda assim. Eu tinha que ser cauteloso. Uma nova vibe veio de Violet, o que me fez esquecer de ser vista. Ela não percebeu o que eu estava fazendo. Ela estava muito ocupada olhando. No meu peito. Eu não era um cara enorme, mas eu dancei muito. Meu trabalho exigia algum tipo de resistência física, então meu corpo era magro, mas foi cortado. "Vê algo que você gosta?" Seus olhos brilharam até os meus, em seguida, de volta para o meu corpo. Eu me senti usado.


Violet poderia me usar a qualquer momento. Sem uma palavra, ela se adiantou. Meu coração parou quando ela se inclinou para frente e beijou meu peito. Quando ela se afastou, seus olhos se levantaram timidamente. Engolindo a crescente emoção no meu peito, eu bati em seu lábio inferior. "Não há tinta na boca", eu disse a ela. "Aquele foi só para mim" Bem, isso não me atingiu bem nos sentimentos? Isso me bateu nos sentimentos que eu nem sabia que tinha. "Pinte!" Ela disse, saindo do momento muito mais rápido que eu. Sua mão disparou entre nós, exigindo. Eu bati alguns tubos na palma da mão dela, e ela se fez ocupada me cobrindo de cor. Enquanto ela trabalhava, meus pés e quadris se moviam para a música. Nate apareceu com bebidas na mão. Cervejas e doses de gelatina de néon. Peguei dois tiros e joguei os dois de volta. "Cara!" Nate repreendeu. "Um, era da Violet!" Sobre a música, eu gritei. "Ela não bebe, mas mastiga!" Nate sorriu, e eu sabia que ele estava se lembrando de todos os anos que não fomos autorizados a xingar e mastigar tinha sido o nosso termo favorito. Um fio bobo que brilha no escuro surgiu no ar e as pessoas aplaudiram. Ele me bateu no lado da cabeça e pendeu do meu boné. Violet riu e pegou, jogando no chão. Uma música que eu amei começou a bombear na multidão, e eu dei um grito. Depois de tomar um gole da cerveja, peguei a mão de Violet. “Chega de tinta. Vamos dançar." "Eu estou indo para o beer pong13", Nate gritou e apontou para um canto da sala onde um jogo bastante impressionante de beer pong brilhante foi criado. Pong era o jogo de Nate.

13

É um jogo disputado em uma mesa comum. Em cada canto da mesa, cada dupla dispõe os 10 copos com cerveja em forma de triângulo. Cada dupla tem como objetivo acertar a bolinha dentro de um dos copos do adversário.


Ele desapareceu e eu rebati uma Violet hesitante para a multidão dançando. "Eu não danço", ela tentou me dizer novamente. Eu segurei seus quadris, encaixando meu corpo contra o dela, e provei que ela estava errada. Oh, ela dançou. Seu corpo seguiu o meu como um trovão após um relâmpago. Eu me perdi na música, em como era bom se mexer e dançar. Eu não sei quanto tempo nós estávamos dançando, mas depois de um tempo, eu senti falta do corpo dela. Percebendo que não estava mais perto, levantei a cabeça. Ela ainda estava lá, ao lado, me observando com admiração e atração em seus olhos. Ela não era a única a assistir, no entanto. Aparentemente, durante o meu blecaute, eu atraí uma audiência. Todos haviam criado um pequeno círculo ao meu redor e, no centro, eu estava me apresentando sem nem mesmo saber. Eu parei abruptamente, meu olhar voando ao redor, procurando por alguém com reconhecimento em seus olhos. Em vez disso, todos começaram a bater palmas e a gritar no meu mini show. Alguns óculos foram levantados em minha honra e, embora eu me sentisse lisonjeado, era a atenção que eu não queria. Fui até Violet, envolvi meus braços ao redor de sua cintura e a puxei para dentro. Seus braços surgiram instantaneamente, e começamos a dançar lentamente no meio de uma canção pop animada. Luzes brilhavam no céu, fazendo-me sentir desorientado e inclinado. "Onde diabos você aprendeu a se mover assim?" Ela gritou no meu ouvido. Dei de ombros. "Lugar algum" Seus olhos me chamavam de mentiroso, então mergulhei minha cabeça e a beijei. Foi eficaz em distraí-la, então continuei beijando enquanto movíamos nossos corpos em um ritmo que só nós dois parecíamos ouvir. O som de um alarme estridente afogou tudo. Violet recuou, os olhos arregalados de medo. Eu a puxei de volta para o meu corpo, envolvendo-a com força e protegendo a


cabeça com o braço enquanto olhava ao redor, imaginando o que diabos estava acontecendo. Ninguém mais parecia preocupado, no entanto. Na verdade, todos começaram a gritar e aplaudir. A próxima coisa que eu sabia, toneladas de confetes começaram a chover do teto. "Você conseguiu. Fui. Bombardeado!”. O DJ gritou em seu microfone. As pessoas aplaudiram, e a música continuou enquanto mais e mais dos confetes caíam do céu. Violet levantou a cabeça para fora do meu peito, olhando para cima. O papel multicolorido cobria os cabelos, sentava-se nos ombros e até se agarrava aos cílios. Ela sorriu e estendeu a palma da mão, pegando algumas na mão. Sua alegria era contagiante, e meu próprio queixo ergueu, deixando chover sobre os óculos e no meu rosto. Ela riu e derramou o que estava na palma da mão sobre o meu boné, e eu balancei a cabeça como um cachorro, fazendo chover a borda. Ela estava linda ali, brilhando no escuro, coberta de confete e rindo. Meu coração gaguejou e outro limite meu foi encontrado. Não foi o suficiente. Não mais. Beijando ela. Tocando ela. Dançando. Eu amei tudo. Mas não era o suficiente. Eu queria mais. Desesperadamente. Ela deve ter sentido a mudança se apossar de mim, porque seu sorriso desapareceu e seu olhar ficou pesado com o desejo. Segurando seu rosto, me inclinei para perto. "Você quer sair daqui?" Ela assentiu com a cabeça.


VINTE E TRÊS Violet

Talvez fosse o escuro. As cores neon. As luzes piscando, a música ou a pintura brilhando no escuro. Talvez tenha sido o jeito que Stark dançou. O que quer que fosse, algo aconteceu em mim. Algo muito real e cru. Algo tão forte que era irresistível. Um momento estávamos andando em uma rave, e no seguinte, eu estava descaradamente deixando beijos que brilhavam na escuridão por toda sua pele. Sua dança era como preliminar. As melhores preliminares que eu já experimentei. Ele me fez querer pela promessa em que ele se transformou. Incitando o desejo e deixando um rastro de calor toda vez que nos tocamos. E oh. Suas mãos estavam por toda parte. No meu cabelo, acariciando meus braços nus, roçando minha clavícula. Apenas observando seus músculos se mexerem e trabalharem sob a pele lisa que eu tinha acabado de cobrir com tinta, me fez ansiar por mais. Então, quando ele me perguntou se eu queria sair, realmente não era uma pergunta. Foi mais como uma obrigação. Depois que derrubamos Nate, a tensão sexual no jipe subiu para o nível 20. Ele não me tocou, exceto com os olhos. Eles se afastavam da estrada ocasionalmente para acariciar meu rosto ou meu peito antes de retornar. No momento em que ele estacionou e deu a volta para abrir a porta para mim, meus mamilos estavam tão duros que você podia vê-los através do sutiã e da regata.


Seus olhos foram diretos para o meu seio quando ele me ajudou. Meu corpo deslizou pelo seu caminho, e uma vez que eu estava de pé, ele levantou os polegares e os roçou nos seixos duros. Estremeci, tremendo visivelmente na frente dele. Ele fez um som de puro desejo, colocou um braço em volta dos meus ombros e me guiou para dentro do prédio. Eu estava nervosa, provavelmente mais do que nunca. Eu não era virgem. Eu não era nova para atração ... mas isso. Isso não era atração. Isso era algo completamente diferente. Eu não consegui explicar. Eu só podia sentir isso. Era uma espécie de cruzamento entre estranheza e desejo desavergonhado. Uma combinação que realmente não era, mas aqui estava me agitando por dentro. "Dê-me a chave, Vi", Stark murmurou, me tirando do transe que eu estava sob. Eu olhei para cima, pisquei. Sua boca se levantou em um eco de um sorriso. "O quê?" Eu perguntei. "Eu preciso chave para nos levar no prédio" Sua voz era paciente. Foi sua paciência que também me deixou um pouco louca. Como poderia ser tão equilibrado? Eu estava aqui a ponto de explodir. "Certo", eu disse, renunciando às minhas costumeiras respostas sarcásticas. Eu tive que sair de baixo dele para pegar no meu bolso de trás. Stark pegou minha mão, me impedindo. "Está aí?" Eu senti ele gesticular. Eu assenti. Suavemente, minha mão foi empurrada para longe, e seus dedos longos e grossos mergulharam no bolso de trás da minha calça jeans para o cartão-chave. Eu virei meu rosto para que ele não pudesse ver o jeito que meus olhos derretiam fechados. Ou o jeito que minha língua se projetava para molhar meus lábios. Ele encontrou a chave rapidamente, é claro. No entanto, de alguma forma, o ato de pegá-la não foi uma coisa rápida. Seus dedos ágeis roçaram a curva arredondada da


minha bunda, deu-me um leve aperto e depois envolveram a chave de plástico. Ele arrastou para cima, como se estivesse usando para acariciar minha bochecha, e eu tive que admitir que isso me excitou. Uma vez que a chave estava livre, meus músculos relaxaram, tendo sido tão tensos antecipando cada segundo que ele me tocou. Mesmo que sua mão estivesse pronta, Stark não estava. De pé logo atrás de mim, ele se inclinou para perto, pressionando o peito contra as minhas costas e inclinando-se sobre o meu ombro. Ambos os braços dele saíram, me prendendo, me cercando. Ele cheirava a cerveja e tinta. E um pouco de suor. Meu corpo ficou tenso novamente enquanto balançava para trás, mais para dentro do círculo de seu corpo. Ele riu baixo, um estrondo que vibrou no seu peito e em minhas costas. O bipe do leitor de cartões na porta mal registrou no meu cérebro. Stark abriu a porta, mas nenhum de nós se moveu. Em vez disso, seu rosto mergulhou no lado do meu pescoço e deixou um círculo de umidade onde ele beijou. O ar frio da noite roçou quando ele se afastou. Eu estremeci. Stark me deu um empurrãozinho gentil. "Dentro, baby", ele murmurou. Suas palavras foram um golpe na minha libido já inchada. Nós andamos pelo corredor silencioso, e ele pegou o cartão novamente, abrindo a porta do meu quarto escuro. A porta se fechou com um trinco audível, e eu senti, em vez de vê-lo, mover-se em direção ao interruptor de luz. "Espere", eu disse. Não oferecendo outra explicação, eu me movi pela sala que eu conhecia mesmo na escuridão. Levou um minuto para mexer, mas encontrei o que estava procurando. Depois de desembrulhar o cordão, virei um pequeno suporte na parte de trás e coloquei no centro da minha mesa de café. No topo do meu caderno de desenho fechado.


Demorou um minuto, mas encontrei a tomada na parede e combinei os dentes. Segundos depois, o pequeno holofote se acendeu. O quarto imediatamente brilhou com um tom roxo. A tinta que brilha no escuro cobrindo nossos corpos de repente se iluminou, quase tão brilhante e ousada quanto no armazém. Stark estava encostado na porta, o boné e a pintura do rosto de repente se destacando. Seus dentes brilhavam quando ele riu. "Você tem uma luz negra no seu quarto?" "Eu passei por uma fase com pintura de brilho." Ele empurrou a porta, rondando em minha direção. "Eu não gosto disso" Meus dedos enrolaram em meus tênis, antecipando a dificuldade de ficar parada. "Foi em tela ... não em um homem." "Então eu sou seu primeiro?" "Primeira pintura humana?" Eu inclinei minha cabeça, e ele parou na minha frente. "Sim." Stark levantou uma mecha de cabelo pintado de rosa entre nós e alisou-a entre os dedos. "Há algo sobre você", ele murmurou. "Algo que eu nunca reconheci em mais ninguém". "O que é isso?" Eu perguntei, incapaz de esconder o tremor na minha voz. Seus dentes brilhavam novamente. "Eu estava esperando que você me dissesse." Eu devolvi o sorriso dele. "Eu não sei o que é também." "Eu com certeza sinto", nós dois dissemos exatamente no mesmo momento. Nossos olhos se agitaram, saltando entre si, sabendo que entendemos exatamente o que não sabíamos. Ainda segurando seu olhar, eu puxei a bainha de sua camisa. "Eu não posso ver toda a sua pintura." Stark deixou cair o boné e os copos na mesa, puxou as costas da camisa e puxou-a em um movimento suave. Deus, isso era fodidamente sexy. Você já notou isso antes? A


maneira como um homem tira a camisa, basicamente obedece e pula de seu corpo no segundo em que ele dá um puxão. Seu peito se iluminou com cor. Eu levantei minhas palmas para esfregar seus peitorais. Sob minhas mãos, os músculos se contraíam e as batidas de seu coração batiam contra a palma da minha mão. Stark pegou a camisa amarrada na minha cintura e a empurrou, os dedos mergulhando sob a bainha do meu abdômen e acariciando a pele do meu estômago. Eu sacudi do contato, não acostumada a ser tocada lá. Ele fez uma pausa e olhou para baixo. Sentindo seus olhos, eu os conheci. "Eu quero você." Sua voz caiu para um estrondo profundo. "Diga que você me quer da mesma maneira." "Eu coloco beijos brilhantes no escuro em cima de você ... eu tenho certeza que eu estava apostando minha reivindicação." O branco de seus olhos brilhava quando eles queimavam. "Diga. Isto." "Eu quero você." Deslizando a mão ao redor da minha nuca, Stark me puxou para perto. Nossos lábios se encontraram suavemente a princípio, me desequilibrando. Eu pensei, baseado na agressão e calor em suas palavras, ele viria para mim duro e rápido. Em vez disso, seus lábios roçaram os meus em uma carícia delicada, depois fizeram mais uma vez. Eu fiz um som indulgente, tentando enrolar meus dedos em sua camisa e puxá-lo para mais perto. Não havia camisa, e acabei pegando seus peitorais. Ele sorriu, como se soubesse exatamente que tipo de jogo ele estava jogando, como se tivesse escrito as regras. Sua respiração estava quente, assim como seu corpo, quando ele abaixou novamente, beijando a ponta do meu nariz. Aquele beijo de um segundo em um ponto que não era realmente considerado sexual, mas me transformou em massa.


Pouco antes de meus joelhos se dobrarem e eu deslizasse vergonhosamente para o chão, seus braços envolveram minha cintura, me segurando firme. Este foi o beijo que eu estava esperando. O que levou. Aquele que deu. Aquele que prometeu que eu nunca esqueceria seus lábios na minha pele. Arrepios correram literalmente pelo meu corpo, aumentando a sensação de quase tudo. Minhas mãos caíram do peito dele, agarraram as presilhas do cinto e seguraram. Sua mão embalou a parte de trás da minha cabeça quando ela caiu para trás, os lábios entreabertos, convidando-o mais fundo. Sua língua acariciou, atingindo-me, tocando muito mais do que apenas o interior da minha boca. De repente, ele puxou para longe e me virou de costas para ele. Meu peito estava arfando quando ele empurrou meu cabelo sobre um ombro, se inclinou e agarrou. Ele beijou seu caminho no topo do meu ombro e se enfiou no meu pescoço. Com um gemido, inclinei a cabeça para lhe dar melhor acesso, alcancei atrás de mim e cerrei a mão em seu cabelo. Ele chupou minha carne profundamente, ao mesmo tempo puxando minha bunda em sua virilha. Sua ereção dura esfregou descaradamente contra minha bunda, e eu desejei que houvesse muito menos tecido entre nós. A boca de Stark soltou meu pescoço, beijando a parte de trás do meu ombro e depois mordiscando aquele ponto ... o ponto doce na parte de trás do meu pescoço. Estremeci e ele se afastou. Minha camisa foi tirada pela minha cabeça e, lentamente, torturantemente, ele tirou as alças do sutiã, uma de cada vez, sobre os meus ombros. Ainda sentindo seu pênis de aço na minha bunda e seu peito firme ao longo das minhas costas, seu braço veio ao redor do meu meio por trás e seu outro alcançou meu peito. O tecido do sutiã ainda me cobria, mas seus dedos não se importavam. Eles mergulharam, habilidosamente, sob as taças, expondo minha carne ao ar e a palma da mão. Ele cobriu completamente, como se estivesse testando o peso e a plenitude.


Ele grunhiu satisfeito. Eu senti sua respiração quente no meu ouvido. "Eu sempre soube que você tinha o suficiente para encher minhas mãos." Eu arqueei para ele, empurrando o monte inchado e dolorido para mais perto. Seu pau empurrou contra mim quando ele se afastou apenas o suficiente para desfazer o fecho nas minhas costas. O sutiã caiu e ambas as mãos subiram cobrindo os dois seios. A atenção me fez contorcer. Isso fez minha calcinha ficar úmida e o desejo que eu já senti se transformou em desespero. Enquanto ele brincava, seus lábios beijavam minhas costas, meu pescoço e sobre meus ombros. Apenas quando eu estava prestes a implorar, ele agarrou meus mamilos, dando-lhes uma pitada que disparou de dor / necessidade de todo o caminho até a minha calcinha. Com um grande suspiro, eu girei, pegando sua calça jeans. Senti o calor de seus olhos quando desabotoei o tecido e deslizei o zíper para baixo. Eu não hesitei. Quaisquer que fossem os nervos que eu sentia, foram anulados por uma grande necessidade. No segundo que consegui, enfiei a mão no jeans, esfreguei a barra rígida e passei a mão em volta dela. Stark assobiou. Seus quadris se projetaram para frente, e eu dei-lhe um golpe firme, revelando o controle que eu tinha sobre ele no momento. Mantendo minha mão envolvida em torno de seu pau, eu estendi a mão, peguei um punhado dos longos fios em cima de sua cabeça e fui para seus lábios. Se ele pudesse me atormentar, eu poderia devolver o favor. Meu corpo pode não ser lindo como para uma revista como o dele, mas a paixão que flui em minhas veias? Vamos apenas dizer que eu poderia argumentar que era a razão pela qual eu era tão curvilínea. Eu sempre fui apaixonada. Eu me senti profundamente. Quase ao ponto foi uma falha. Mas nunca. Nunca senti paixão tão grande por nada além de arte. Até agora. Até Stark.


A realização me fez ofegar com tanta força que me afastou dele. Eu balancei nos meus calcanhares, usando seu pênis como uma âncora para que eu não caísse na minha bunda. "Onde você pensa que está indo?" Ele meio rosnou, me rebocando de volta. "Em nenhum lugar", eu respondi, sem fôlego. "Eu não estou indo a lugar nenhum." Minha mão ainda estava enrolada no seu pau. Ele estava tão duro que praticamente vibrou na minha mão. Eu desejei ter mergulhado sob sua cueca, que não havia tecido entre a nossa pele. Eu estava impaciente. Mesmo no escuro, vi seus olhos piscarem. Ou talvez fosse apenas a emoção que ele carregava que mudou. De qualquer forma, senti e vi. Seu corpo se aproximou mais, como se estivesse se realinhando comigo. A próxima coisa que eu sabia, meu rosto estava em concha em suas palmas. Eu tive um momento de me maravilhar com o quão grande eles eram, cercando minha cabeça. "Vi", ele falou, sua voz não cortando a sala com ar de sexo. Em vez disso, acrescentou a ele. Como eu nunca percebi o quão inebriante sua voz era? "Rígido." "Este sou eu agora. Eu quero que você saiba disso. Eu”. A ponta de seu polegar acariciou minha bochecha. "Eu nunca estive tão presente com ninguém como estou com você agora." Minhas mãos circulavam seus pulsos enquanto eu me empurrava na ponta dos pés. Eu tentei alcançar o local que queria. Quando eu não consegui, fiz um som e tentei puxar sua cabeça para baixo. Em vez disso, ele se agachou e me pegou. Automaticamente, minhas pernas ficaram ao redor de sua cintura. Seus braços trancados debaixo da minha bunda. "Melhor?", ele perguntou, inclinando o rosto para cima. Havia manchas de tinta em todo o rosto, no peito e até um pouco no cabelo. Eu senti seu coração batendo toda vez que seu peito subia. Seus braços não tremeram enquanto ele me segurava. Ele olhou como se eu fosse de fato tudo o que ele via.


Meu coração se virou. Bem ali, no meio deste momento apaixonado, quando estávamos prestes a ter um pouco de sexo devastador. Ele passou de terno para feroz, em seguida, olhando para mim com vulnerabilidade em seus olhos. Stark era lindo. Comandando. Tinha um ritmo todo próprio. Sabe o que mais ele era? Algo que parecia prenunciar todo o resto e provocar aquela paixão dentro de mim, diferente de qualquer outra coisa. Humano. Ele era humano. Apenas como eu. Tomando seu rosto em minhas mãos, ele assistiu enquanto eu abaixei minha cabeça. Eu beijei a ponta do seu nariz carinhosamente, assim como ele fez para mim. Sua garganta balançou enquanto funcionava. Eu inclinei minha testa contra a dele e deixei as borboletas no meu estômago tomarem conta. Stark se virou para a cama que estava brilhando na luz negra. Minhas costas bateram no colchão. Lençóis frescos e macios se levantaram para se moldar ao redor do meu corpo, mas eu mal notei. Stark pairou sobre mim, seus ombros largos bloqueando tudo. Os beijos em seu rosto brilhavam como um mapa de estradas, destacando destinos que eu já tinha estado, mas que definitivamente revisitariam. Minhas pernas ainda estavam presas em torno de seus quadris. Ele se estabeleceu sobre mim, entre minhas pernas. Começamos a nos beijar de novo, meu corpo lutando contra ele. Quanto mais pele eu conseguisse, mais feliz eu seria. Suas mãos exploraram minha parte superior do corpo; a minha explorou a dele. Nós nos movemos juntos como se já estivéssemos fazendo sexo, mas seu corpo ainda tinha que penetrar no meu. Stark se levantou de joelhos. Minhas pernas caíram para os lados. Seus dedos engancharam no cós da minha calça e eu levantei meus quadris, convidando-o a me desnudar.


No segundo que eu estava, a insegurança rastejou na minha mente, ameaçando ofuscar a maneira como eu o queria. Ele tentou me empurrar de volta, mas eu resisti, em vez disso, puxando seu jeans já aberto. Ele caiu para o lado, balançando o colchão um pouco, e empurrou os boxers e calças sobre os quadris. Levantando-se de joelhos, tirei a roupa e joguei tudo no chão. Meu olhar engoliu todo o seu corpo, o jeito que ele parecia esparramado na minha cama, brilhando, seu pau em pé. Seu peito era liso e sem pêlos. Seu corpo inteiro era suave como seda. As linhas e os nervos de seu corpo eram absolutamente graciosos, seu pau rígido prometendo força. Sem sequer pensar nisso, me inclinei. As mechas do meu cabelo roçaram seu abdômen antes que meus lábios chegassem à sua pele. Seu estômago sacudiu no segundo em que fizeram contato, e eu sorri, mas não levantei a cabeça. Eu beijei seu abdômen, girei minha língua em torno de seu umbigo, e então lambi o interior dessa coxa. Stark fez um som, sua mão emaranhada no meu cabelo. Em vez de puxar seu pau para fora de seu corpo, eu lambi, começando na base e deslizando até a ponta. Ele pulsou, e eu o lambi novamente antes de corajosamente leválo em minha boca, embainhando-o com todo o calor. Suas pernas se contorceram e se acomodaram nos cobertores. A mão no meu cabelo ficou mole, e um pequeno som ecoou através da escuridão brilhante. Confissão: Eu nunca fiquei tão impressionada com a anatomia masculina. Eu geralmente preferia muito um par de ombros largos e fortes, um sorriso impertinente e uma cabeleira sexy. Todos os paus que tivesse a capacidade distinta de realmente prender minha atenção. Eu sabia agora, no entanto. Eu sabia que eles não eram todos iguais. Enquanto eu acariciava e chupava e o sentia empurrar em minha boca, fiquei viciada. Eu poderia ter ficado com a cabeça no colo dele e jogado por horas. Cada novo ângulo, novo traço, a sensação dele deslizando pelos meus lábios ... era novo a cada vez. "Vi", ele murmurou, parecendo bêbado.


Eu olhei para o seu corpo e sorri. Seus olhos brilharam e ele se moveu, empurrandome para baixo na cama e vindo em cima de mim. Sem uma palavra, seus lábios se fecharam em meu peito e minha mente foi limpa. Abri minhas pernas quando a mão dele deslizou entre elas, deslizando os dedos pela minha fenda encharcada. Ele rosnou quando sentiu o quanto ele me afetava. Levantando a cabeça do meu peito, sua boca tomou a minha, me perfurando com a língua ao mesmo tempo em que seu dedo deslizou para dentro. Eu gemi baixinho quando nos beijamos e sua mão ficou mais ousada. Quando comecei a ofegar, ele se afastou, olhando para mim com uma expressão ilegível. Eu pensei que ele poderia dizer algo, mas ele não disse. Em vez disso, ele saiu da cama e procurou no bolso de sua calça jeans. Posicionando-se entre as minhas pernas, ele rasgou o pacote da camisinha com os dentes, e eu olhei enquanto ele rolava o látex sobre o seu comprimento inflexível. Nossos peitos colidiram, e um de seus braços mergulhou embaixo de mim, me puxando para mais perto. Eu coloquei meus quadris para cima, esperando que ele mergulhasse direto. No entanto, ele não fez. Ele olhou para mim, passando os dedos pelo lado do meu rosto. Meu coração estava batendo rapidamente. Hormônios gritaram debaixo da minha pele. Eu estava desesperada para senti-lo dentro de mim, mas ele tinha o poder de silenciar tudo isso com apenas um único olhar. "Você é tão linda", ele murmurou, mergulhando a cabeça e pegando meus lábios. Nossas línguas rodaram juntas no mesmo momento em que ele juntou os nossos corpos. A mão não embaixo de mim bateu no colchão ao lado do meu corpo, e meu rosto caiu para o lado. Stark puxou e empurrou para dentro de mim novamente. Prazer acendeu sobre todo o meu corpo. Ele se moveu na cama da mesma maneira que ele dançou. Como ele ouviu a música que ninguém mais fez, me fodendo com um ritmo que ninguém mais sabia. Isso me esmagou. Eu literalmente senti meu interior desmoronar quando ele me segurou com um braço e usou seu corpo para explodir o meu.


"Stark." Eu engasguei quando ele me penetrou de novo e de novo. Ele abaixou, dando um beijo na minha bochecha. Meus dedos cravaram em suas costas enquanto sentimentos e prazer me atacavam. Eu sabia quando ele estava chegando perto da borda porque sua cabeça inclinou para trás, me permitindo uma visão de seu pescoço longo e gracioso. Ainda segurando ele, eu levantei e lambi seu pescoço, meus dentes travando em sua mandíbula. Seu corpo subiu profundo, tão profundo que caí de volta nos travesseiros. Em vez de sair, ele se manteve lá, mais fundo do que qualquer homem jamais foi antes. Senti a ponta dele se contraindo, como se fosse um ato de vontade que ele não havia explodido. "Eu tenho que deixar ir", ele murmurou, puxando o braço debaixo de mim, apoiando seu corpo acima de mim. Minhas pernas se envolveram em torno de seus quadris, empurrando-o ainda mais fundo no meu núcleo. Ele gemeu e olhou para baixo, com os olhos fechados e nebulosos. "Leve-me com você", eu entoei. Um impulso. Isso é tudo que levou. Ele se moveu apenas uma vez, esfregando contra o ponto mais doce dentro do meu corpo. Eu arqueei para fora do colchão enquanto seu pau praticamente me rasgava em duas. O grito de Stark quebrou em minha felicidade, me trazendo de volta o suficiente para senti-lo derramar em meu corpo. O jeito que ele pulsava me fez suspirar. Seus braços tremiam quando a realidade voltou lentamente, seu corpo ainda profundamente unido ao meu. Eu estendi a mão para ele, deslizei minha mão ao redor de suas costas úmidas e puxei. Ele veio, entregando seu peso, se acomodando em mim por longos e felizes momentos. Então, sem um som, ele rolou, mantendo-se profundo dentro de mim, então eu estava deitada em cima dele.


Ar frio roçou minha pele aquecida, minha bochecha apoiada em seu ombro. Eu me senti saciada, completamente desossada. Fios do meu cabelo grudaram nas minhas bochechas, mas eu não me preocupei em movê-los. Eu estava muito contente. Os braços de Stark se envolveram em volta de mim. As pontas dos dedos dele dançaram nas minhas costas, arrastando para cima e para baixo ao longo da minha espinha. "Não se mova ainda, ok?" Ele sussurrou, apertando os braços em volta de mim. "Não ía", eu sussurrei de volta.


VINTE E QUATRO Ten

Não eram os caras que deveriam ser os que dormiam depois do sexo? Estereótipos estúpidos. Eu não consegui dormir. Eu estava muito excitado com o que acabou de explodir entre nós. E explodir, eu não quis dizer o meu pau. Embora isso tenha acontecido também. Vi, no entanto. Ela não parece ter esse problema. Eu poderia estar ofendido, na verdade, se ela não fosse tão adorável. Eu estava quase cem por cento positivo que Vi foi a primeira mulher a adormecer depois do sexo comigo. A maioria das mulheres rolava sobre o quanto eu era ótimo na cama ou pensava sobre o fato de terem dormido com o Ten. Normalmente, naquela época, eu terminava com ela e me levantava para me vestir. Hoje não. Não com Violet. Eu não queria me mexer. Colocar roupas era o pensamento mais distante da minha mente. Eu a segurei, algo que raramente fazia com mulheres depois do sexo. Eu me deixei enterrado em seu corpo e a coloquei em meus braços. Dentro de poucos minutos, Vi estava dormindo, sua respiração profunda, a subida e descida de seu peito firme. Estranhamente, isso a aproximou mais de mim. Essa garota ... ela estava totalmente errada. Por muitos motivos. Ela não tinha ideia de quem eu era, adormeceu em vez de ficar impressionada com meu pau, não gostava de


festa ou dança, não era famosa ou modelo, e nem sequer bebia. Ou comia pão (que ainda me surpreendeu). Eu não tinha ideia de como tão errado poderia ser tão certo. Ela era uma forte foto da realidade no meu mundo irrealista. Eu não sabia como, mas em algum lugar ao longo do caminho, tudo ao meu redor e sobre mim se tornou totalmente irreal. Eu estava seriamente começando a pensar que se tornar o inimigo público número um era a melhor coisa que poderia ter acontecido comigo. Mais ou menos como o fantasma do passado natalino chegou e visitou Scrooge para mostrar a ele todos os erros de seus caminhos. Veio brilhar na merda que o homem era muito tonto para ver. Eu me senti grato agora. Grato por estar escondido no minúsculo dormitório com uma mulher improvável esparramada no meu peito, dormindo contente. Agradecido, eu tive que me esconder, mesmo que tenha começado como algo que eu era amargo, algo que tinha acabado de ser um meio para um fim. Eu não queria voltar para lá. Para o lugar onde ser grato era uma nova emoção. O que diabos aconteceu comigo? Quem diabos eu me tornei? Eu esqueci o Tennison, tornando-me O Perfeito Ten. Violet me fez Stark. Esta cidade inteira. Estar de volta com Nate e Derek serviu-me uma boa fatia quente de torta de humilde. Eu gostei mais disso. Eu senti falta da música. Mesmo quando eu estava aqui, totalmente satisfeito, as palavras da música que eu estava escrevendo com Nate encheram minha cabeça. Todos os sentimentos que rodavam dentro de mim pareciam inspirá-los, e mais palavras vieram, somando-se ao que já tínhamos.


Enroscado em drama, nenhum lugar para ir, mas para baixo, bater no fundo do poço tem um som definido. De pé entre as sombras, quando eu geralmente estou cego pela luz. Percebendo como abrir os olhos na escuridão, Sentindo aprisionado todos esses anos de vista. Ações falam mais alto que palavras, mas e se ninguém escutar?

Por mais que eu amei esse novo tipo de existência, eu ainda queria minha carreira de volta. Eu não tinha certeza se havia uma opção para ambos. O medo veio sobre mim como uma nuvem negra em um dia ensolarado. Eu estava vivendo uma mentira, algo que eu odiava admitir, mas a verdade era a mesma. Violet não me conhecia. Espere. Eu odiava esse pensamento. Desprezado. Ressentido. Ela me conhecia, caramba. Ela conhecia o cara que eu queria ser. O que eu nunca percebi estava no fundo de mim. Ela não iria ver assim. Eu estava mentindo todo esse tempo. Por algumas semanas. Eu dormi com ela ... Eu não pude me conter. Eu tinha que contar a ela, mas eu não sabia como. Eu não queria. E se eu a perdesse? Eu queria ficar com ela. Eu queria que ela fosse minha. Inteiramente. A verdade, porém, a verdade pode nos separar. Violet fez um som e se moveu contra mim. Seu pé, que estava pendurado na minha perna, flexionou e ela fez um som. Eu acariciei suas costas levemente. "O que está errado, querida?". "Meu tornozelo dói", ela murmurou, sua voz grossa de sono.


Houve um batimento cardíaco depois que ela falou. Então seu corpo ficou imóvel. Violet levantou a cabeça do meu peito e olhou para mim com apenas um olho aberto. "Eu disse isso em voz alta?" Esfregando os fios de cabelo loiro preso em sua bochecha, eu respondi. "Isso é uma coisa ruim?" Ela encolheu os ombros contra mim. “Reclamar depois do sexo não é muito sexy”. “Você já caiu no sono. Eu acho que nós passamos por isso”. Eu provoquei. Suas bochechas ficaram rosadas e eu ri quando ela abaixou o rosto contra mim. Eu a cutuquei nas costelas e ela se sacudiu um pouco. "Então o que eu posso fazer sobre esse problema no tornozelo?" Ela fez um som. "Nada. É só o jeito que estou deitada. Está além do limite”. Era fácil não pensar em sua doença porque, como ela disse antes, ela não parecia doente. E eu nunca tive que pensar sobre o jeito que eu estava ou como sentia minhas articulações. Estava claro, entretanto, sempre estava lá para ela. Eu comecei a deslizá-la de cima de mim para que pudéssemos ajustar sua posição. Ela fez um som de protesto e cravou as unhas na minha pele. "Ow!" Eu gritei. "Estou tentando ajudar você, mulher!" "Eu não quero me mexer", ela retrucou. Então, em uma voz mais suave, ela disse: "Eu gosto de onde estou". "Eu acho que nós podemos realmente ficar juntos", eu disse, minha voz se tornando triste. No interior, porém, sob o humor, meu coração cresceu com suas palavras. "Esta pintura é pegajosa como merda." Ela riu. "Está manchada em todos os lugares." Ela levantou a cabeça, olhou para a cama e gemeu. "Agora eu vou ter que lavar os lençóis". Sua voz estava tão desolada que eu ri. "Ainda está em todo o seu cabelo." Eu escovei de volta mais uma vez. Seus dedos dispararam para escovar levemente minha bochecha. "Meus beijos são apenas manchas bagunçadas agora."


Eu levantei minha cabeça do travesseiro e capturei seus lábios. Seu corpo se fundiu com o meu enquanto nossas línguas giravam juntas. Ela provou tão bem. Eu rolei, prendendo-a debaixo de mim enquanto continuávamos a nos beijar. Quando nossos lábios se abriram, fiquei perto e esfreguei minha barba ao longo de sua bochecha. "Você tem barba por fazer no seu rosto", eu ronquei, beijando o lado de sua mandíbula. "Minha pele fica vermelha facilmente." Ela fez uma careta. "Eu realmente espero que esta pintura não a irrite" Depois de soltar outro beijo rápido em sua boca, eu a empurrei e me sentei. Olhando por cima do meu ombro, eu olhei para ela ainda espalhada na cama, cobertores em torno de suas pernas e pintei literalmente em toda parte. "Você vai precisar de ajuda para esfregar a tinta." Seus olhos encontraram os meus. "Você quer me ajudar?" Um sorriso lento enrolou meus lábios. "Isso é uma pergunta?" Seus dentes afundaram em seu lábio inferior, emoções jogando rapidamente em seu rosto. "Eu já vi você nua, Vi." Eu apontei. "Eu não sou como" Ela fez uma pausa como se ela não soubesse o que dizer. Em vez disso, ela apontou para o meu corpo e abanou as sobrancelhas. Eu ri. "O que diabos faz" - repeti a ação dela - "quer dizer?" Ela revirou os olhos. "Você sabe o que isso significa." Eu mergulhei de volta nela, enjaulando-a com meu corpo. "Eu sei que você está sendo idiota agora", eu entoei. Eu odiava que ela parecia insegura sobre sua aparência. Eu não queria que ela fosse. Não havia razão para isso. Ela puxou meu cabelo. "Ow!" Eu gritei pela segunda vez. Então um brilho entrou no meu olho. "Você em sexo violento?" Ela começou a rir. "Não!"


Mesmo que estivéssemos brincando, a emoção correu para o meu peito. "Bom, porque eu não acho que eu poderia fazer isso”. “Não com você. Eu não quero te machucar, Vi”. Os olhos de Violet suavizaram e sua mão segurou meu rosto. "Que tal aquele banho?" Eu virei minha cabeça para beijar sua palma. O chuveiro era pequeno, então tivemos que ficar mais perto. O sabão em seu corpo cheirava a hortelã-pimenta, o que me fez pensar em bastões de doces. "Isso me faz pensar nas férias", eu disse quando eu deslizei a coisa branca e inchada por cima do ombro e pelo braço dela. "É por isso que eu gosto." "Você gosta do Natal?", perguntei. "Não como todo mundo?" Fiquei em silêncio por um momento, continuando a minha leitura do corpo dela e fingindo que era para conseguir limpá-la. Eu acho que foi em parte, mas realmente, foi apenas uma desculpa para tocá-la mais. "Stark?" Ela olhou para mim. Eu levantei minha cabeça. "Claro", eu disse. Então, depois de um momento, continuei. “Na verdade, as férias foram mais sobre trabalho para mim nos últimos anos. Eu não tenho muito tempo de inatividade”. Traduzir isso para nenhum tempo de inatividade. Era sobre aparências, desfiles e promo. No último Natal, eu estava em um quarto de hotel sozinho porque eu fiz um desfile gigante naquela manhã. "Trabalho?" Ela franziu o nariz. "Você tem um emprego?" Eu parei de lavar. Porra. Eu temia que isso acontecesse. Minha guarda estava desmoronando, e eu ia começar a escorregar, falando sobre a vida que ela não conhecia. Ten e Stark estavam se misturando. "Hum, sim." Eu me mexi. “Você sabe, empregos sazonais. Eu costumo pegar uma durante as férias. Gastando dinheiro."


"Tenho que ficar abastecido com a fita adesiva." Ela brincou e me cutucou no estômago. Eu fiz cócegas nela, e ela se dissolveu em gargalhadas. Eu ignorei o nó na garganta e a merda que parecia mentir para ela. "Talvez este ano você possa tirar um pouco de folga", ela disse depois que eu voltei a lavá-la. "Talvez pudéssemos, uh, sair." Sua voz era tímida. Foi doce. A noção de passar tempo com ela durante as férias fez meu peito apertar. "Você sabe, antes de eu ir para casa para o intervalo." "Casa?", eu perguntei, quase soltando a esponja. Eu nem pensei nisso. "Onde fica isso?" "Pensilvânia, algumas horas daqui." Eu percebi então que eu não sabia muito sobre a vida dela, assim como ela não sabia nada sobre a minha. Era como se fôssemos dois perfeitos estranhos, exceto que não éramos. Nós nos conhecíamos muito bem, apenas não em um nível superficial. Eu não queria mais falar. Não sobre qualquer coisa que pudesse acontecer entre nós. Eu movi minha mão até o peito, deixando um rastro de espumas brancas em seu seio. Ela fez um som e eu fiz de novo. Nossos corpos deslizaram um ao lado do outro, tornando o sabão muito fácil de deslizar juntos. Nós usamos muito desse sabão de hortelã. O perfume obscureceu o pequeno banheiro. Os vapores se agarravam às paredes, nossa pele e seu queixo. Nós fizemos até que a água ficou fria e Violet estava gritando sob o spray, tentando enxaguar o condicionador de seu cabelo. Eu não estava com frio, no entanto. Mais parecia que meu sangue estava perto de ferver. Os dentes de Vi estavam batendo quando eu alcancei ao redor dela para desligar o jato. "Hey!" Ela repreendeu, franzindo a testa para mim por baixo de cabelos longos e pingados. "E se ainda houver condicionador" Ela apontou para a cabeça. "Você está congelando." Eu apontei, pegando uma toalha.


"Bem, se eu pareço uma porcaria, você é quem vai ter que olhar para mim", ela brincou enquanto eu a envolvi no tecido. "Você não poderia parecer uma porcaria se você tentasse", eu disse, esfregando minhas mãos ao longo de seus braços quando ela estremeceu. Seus olhos se elevaram. Gotas de água se agarravam a seus cílios e seus lábios estavam molhados. "Você não está com frio?", ela perguntou. Eu sorri e continuei esfregando calor nela. "Você é apenas delicada." Ela olhou para mim por um longo momento, sugando uma gota de água do lábio inferior. “Eu meio que sou. É melhor você ter cuidado comigo”. Sua confissão sussurrada me perfurou. Como uma pequena agulha capaz de criar uma quantidade imensurável de dor. O ar ao nosso redor engrossou, não pela umidade do longo banho, mas pela intensidade do modo como nossa energia colidia. Eu nunca senti nada tão intenso com outra pessoa. Eu não sabia o que dizer. Mesmo se eu pensasse em algo, eu não saberia como dizer isso, então deixei que o silêncio espesso falasse por si. Eu me concentrei em secá-la completamente. A toalha era grossa e macia, tornando o trabalho muito mais rápido do que eu gostaria. Quando o corpo dela estava seco, apertei a água das pontas de seus longos cabelos, depois empurrei-os sobre os ombros. "Venha cá", eu murmurei, puxando-a para o meu peito. Eu ainda estava molhado, mas a toalha em volta dela absorvia um pouco da água. Os braços de Violet enrolaram-se na minha cintura e eu a segurei perto, descansando meu queixo sobre a cabeça dela. Enquanto me secava, observei-a passar um pente pelo cabelo molhado e colocar um monte de merda nele antes de puxar uma camiseta preta enorme sobre a cabeça. Eu gostei do jeito que roçou as costas de suas coxas nuas. Enquanto eu estava tirando minha boxer da minha calça jeans, ela retirou algumas garrafas de água da geladeira minúscula e as trouxe para mim. Sem pensar, agarrei as duas, tirei a tampa de uma delas e entreguei a ela. Ela pareceu um pouco surpresa, mas pegou, inclinando-a para os lábios.


"Qual é o problema com a sua junta?" Eu disse, observando-a enquanto bebia um pouco da minha própria água. Um brilho de autoconsciência entrou em seus olhos, e Violet abaixou a cabeça. Eu amaldiçoei interiormente porque isso era uma coisa de pau para dizer. Quer dizer, eu queria saber. Mas merda, eu poderia ter sido mais gentil. "Hey", eu disse, suave, levantando o rosto com os dedos. "Eu não quis soar assim. Às vezes eu sou um idiota e apenas deixo escapar as coisas. Eu nunca fui bom em ... ”. “Não sendo um merda?”. Ela perguntou, sorrindo. "Sim". Eu concordei, seco. Eu me aproximei, inclinando meu corpo para o dela. "Isso só me incomoda de ver, não porque é feio de se olhar, mas porque me lembra que você se machucou." Ela bebeu mais um pouco de água e deixou a garrafa de lado. Segurando a mão dela entre nós, ela olhou para o nó de sua mão direita. “Isso é o que a AR faz. Pode basicamente deformar suas articulações. Este é o único que eu tenho assim. Provavelmente não ajuda eu usar esse dedo como uma ferramenta de sombreamento para minha arte”. Ela encolhe os ombros. Eu levantei a mão dela e beijei ali. "Você é a primeira pessoa, fora da família, que realmente entende ... É como se você realmente se importasse." "Oh bebê. Eu me importo”, eu sussurrei, enfiando nossos dedos juntos. "E eu sei o que é ter partes de você invisíveis para o resto do mundo." Sua testa enrugou, e esse sentimento de pânico de tê-la descoberto sobre mim tomou meu peito. Eu me aproximei ainda mais, trazendo nossos corpos tão perto que eles se tocaram. O ar voltou a ser espesso novamente. Eu respirei fundo, revelando a atração entre nós. Eu a beijei, lenta e profundamente. Eu peguei algo dentro dela, a mesma coisa que gerou os sentimentos palpáveis e a tensão ao nosso redor. Foi um sentimento irresistível de experimentar. Para sucumbir. No entanto, isso não me impediu de buscar mais.


As mãos de Violet deslizaram pelo meu peito nu, segurando meu pescoço. Eu amava o jeito que ela sempre ficava na ponta dos pés, como se também estivesse alcançando. O desejo que cresceu dentro de mim no chuveiro voltou como um trem de carga, criando um leve tremor em meus dedos. Seu corpo começou a tremer novamente, o que me preocupou, e eu me afastei o suficiente para poder olhar nos olhos dela. "Você ainda está com frio?" Seus olhos eram de fogo azul brilhante, as pupilas dilatadas, o que só alimentava a necessidade se acumular nas minhas bolas. "Não, eu não estou", ela sussurrou. Músculos do estômago se contraindo, eu a puxei para o meu corpo novamente, permitindo que ela sentisse o aumentar do tesão enrijecendo entre nós. Eu me movi, caminhando em direção à cama para gentilmente empurrá-la para baixo. Ela resistiu, e eu recuei instantaneamente, uma pergunta em meus olhos. "Há tinta em todos os lençóis", ela disse, um pouco envergonhada. "Eu não quero lavar meu cabelo de novo." Eu ri e me movi em torno dela para puxar todos os cobertores para cima, cobrindo os lençóis. "Melhor?" Ela assentiu com a cabeça. Antes de empurrá-la de volta para baixo novamente, eu tirei a camisa sobre a cabeça dela, amando o fato de que ela ainda iria colocar calcinha. Minhas mãos acariciaram o contorno de seu corpo, seguindo as curvas, finalmente se acomodando em sua cintura. A primeira vez foi uma mistura de emoção. De tinta brilhando no escuro e necessidade crua martelando dentro das minhas veias. Desta vez foi semelhante… mas também foi mais. A tinta foi lavada, deixando apenas ela e eu. Agora havia uma emoção lutando contra alguns dos outros, mesmo com a impaciência do meu corpo. "Eu te quero tanto", eu sussurrei, evitando até mesmo dizer a palavra dentro da minha mente. Abaixo de mim mais uma vez, Violet olhou para cima. Seus olhos seguraram aquela sensação que eu estava procurando quando a beijei antes. “Stark. ” Meu nome escorregou da sua língua como se fosse a única palavra que ela conhecia. Como se fosse a única palavra que ela precisaria.


Eu não disse mais nada porque, honestamente, as palavras me falharam. Eu mergulhei minha cabeça e a beijei, embora fosse mais profundo que seus lábios. Eu fiz amor com ela. Foi realmente a única maneira de descrevê-lo. Eu queria mostrar a ela todas as coisas que eu não podia dizer. Espero que, se eu pudesse fazê-la se sentir da mesma maneira que eu, ela poderia me perdoar quando a verdade sobre quem eu realmente era, aparecesse.


VINTE E CINCO Violet

Você sabe que tipo de influência Stark era? Uma má. Tão má que era boa. Eu não sabia exatamente o que aconteceu entre nós na noite passada. Tudo que eu sabia era que de alguma forma nos uniria. Talvez esse fosse o artista em mim, pensando ou sentindo um pouco profundo demais. Mas eu não pude evitar. Quando ele me beijou na noite passada, algo dentro de mim se rendeu a ele, emaranhado nele ... mais ou menos como se nossas almas estivessem de alguma forma agora amarradas. Mesmo depois que ele deixou meu corpo, eu ainda o sentia, como se ele permanecesse dentro de mim. É por isso que eu matei as aulas. Eu nunca fiz isso. Mesmo quando eu me sentia uma merda, me forcei a ir. Não hoje… Hoje, o caloroso abraço dos braços de Stark ganhou e a absoluta recusa em se separar dele me manteve firme ao seu lado. "Esta é a primeira vez que eu matei as aulas este ano", eu disse a ele. Nós fomos enrolados como um burrito humano com nossos pés descalços saindo do fim do edredom. Era o único cobertor na minha cama que sobreviveu ao sexo cheio de tinta que tivemos. Não que eu estivesse desconfortável. Como eu poderia estar com ele enrolado comigo?


Stark levantou a cabeça e olhou para mim, seu cabelo selvagem, e ele gemeu. "Eu estou corrompendo você". "Então, matar aula é algo que você costuma fazer?" Eu provoquei. Os músculos do corpo dele ficaram tensos, mas ele sorriu. "Eu definitivamente não tenho um registro de comparecimento perfeito como você." "Eu tive", eu corrigi, colocando minha bochecha contra ele mais uma vez. "É onde eu te digo para ir para a aula, que eu não quero ser responsável por estragar sua perfeição." "Mas?" Eu sorri para mim mesma. "Mas eu não vou deixar você ir." A sensação de seus lábios no meu cabelo fez meu coração tremer. “Eu posso perder um dia. Não vai doer nada. Estou na frente na maioria das aulas de qualquer maneira. Além disso, preciso de uma folga do meu professor de desenho. Aquele cara dá à palavra excêntrica uma corrida pelo seu dinheiro”. Stark fez um som divertido. "O que é tão estranho sobre ele?" "Além de seus hábitos infelizes de se vestir, sua propensão para críticas e gritos ... Ele decidiu que será uma grande experiência artística para nós esboçarmos um modelo. Nu" Stark fez uma pausa e desatou a rir. "Um modelo nu?" Eu estremeci. “Como isso é estranho? Como eu quero ir sentar em um círculo por noventa minutos duas vezes na próxima semana com uma pessoa nua parada ali. Agressivo." Ele ainda estava rindo. Então, de repente, ele ficou quieto. "Espere um minuto. É uma mulher ou um homem?”. “Quem se importa?”, perguntei. Nu era nu. "Você não vai estudar e encarar o pau de outro cara", ele exclamou. Ah ele não gostou disso, né?. "Você não pode suprimir a arte de uma boa forma masculina", eu disse a ele, secretamente apreciando o horror em seu rosto. Servi-lo certo!


Ele fez um som estrangulado e sentou-se, forçando-me com ele. Mal conseguimos porque o edredom estava tão apertado em torno de nós. “Que diabos de pervertido é esse cara? Como a escola permite isso? ”Ele exigiu. Eu ri. Seus olhos se concentraram no meu rosto. "Você está rindo? Você acha isso engraçado?” Minhas risadas se transformaram em gargalhadas. "Você está com ciúmes". "Droga, claro eu estou!" Ele empalideceu. "Quero dizer, inferno não, eu não estou." Eu ri ainda mais. Nós caímos de volta na cama. Stark me imobilizou debaixo dele. "Como é tão inacreditável, eu não quero a minha garota olhando para o pau e as bolas de outro homem por noventa minutos." Ele parecia desnorteado, eu achava isso muito histérico. Ele disse pau e bolas. "Pare de rir", ele rosnou. Então, um segundo depois, ele me beijou. Isso me calou. Muito depressa. Eu derreti nele com um suspiro suave. Quando ele levantou a cabeça, eu sorri para ele. "Você me chamou de sua garota." "Baby, você não está ouvindo?" Ele acariciou minha bochecha. Seu rosto estava tão perto do meu que eu podia ver todos os diferentes tons de azul em seu olhar. "Eu tenho chamado você disso quase todo o minuto que nos conhecemos". "Sente real agora", eu sussurrei. Sua cabeça inclinou para o lado. "É real. Você é minha. Certo?” Eu assenti. Um olhar presunçoso puxou suas feições e revirei os olhos. "Agora", disse ele. "Sobre esse negócio de homens nus desfilando na sua frente." "Oh meu Deus!" Eu gemi. “Não é um clube de striptease. É aula de arte. E confie em mim; eu não quero estar lá”. Eu vi uma discussão se formando em sua língua, então corri para acrescentar:“ Não é um modelo masculino. É uma fêmea”. Seus olhos se arregalaram. "Uma garota nua?"


“O professor é um homem. Grande surpresa ele teria uma modelo feminina”, eu murmurei. Adicione sexista à lista de reclamações que eu tinha sobre esse homem. Stark sorriu como se todos os seus problemas estivessem resolvidos. "Você está desenhando outra mulher nua?" Ele meditou. "Posso ir assistir?" Eu bati nele. Ele rolou de mim com um gemido. "Eu tive que perguntar." "Você sabe o que é ainda pior?" Eu disse, ignorando sua fantasia lésbica que não ia acontecer. Ele olhou para mim com olhos excessivamente amplos. "Em vez disso, haverá duas garotas nuas?" "Tire sua mente da sarjeta, cara!", Gritei. Ele sorriu. "Estou falando sério!" Eu disse, me contorcendo um pouco. Essa tarefa me deixava desconfortável. Stark jogou o braço sobre minha cintura e me puxou para o lado dele. "Conte-me." "O modelo tem que usar uma bolsa sobre a cabeça." Ela recuou, um olhar engraçado em suas feições. “Que porra de uma bolsa? ” "Exatamente." Eu concordei. “Eu estou dizendo a você que este professor está usando classes para suas próprias fantasias loucas. Ele provavelmente tem um freezer cheio de corpos em casa”. "Qual é o propósito de uma bolsa?" Stark se perguntou. "Então a turma pode ver o corpo objetivamente e não com a humanidade que vem com ele, olhando para o rosto da pessoa", eu disse no mesmo tom arrogante e, francamente, estúpido como o meu professor. "Vi, essa merda é simplesmente esquisita", Stark murmurou. "Eu sei", respondi, desamparada. "Ainda estou feliz por ser uma mulher." Suspirei. Claro que ele estava. "Você não está perdendo nada importante hoje, matando aula, não é?" Eu perguntei. "Passar tempo com você é mais importante do que qualquer outra coisa hoje", ele respondeu, sua voz estranhamente sincera. Era quase triste.


Uma sensação indesejada de pressentimento percorreu minha espinha. "Stark?" Eu perguntei, passando a mão no peito dele. Ele pegou e deu um beijo contra meus dedos. "Que tal eu te levar para tomar um café da manhã?" Eu balancei a cabeça. Qualquer desculpa para não fazer o shake verde. Stark nos desenrolou do edredom, o que me fez rir porque eu tinha certeza que ele usou isso como uma desculpa para me apalpar. Eu meio que gostei. Quando finalmente estávamos de pé, olhei para os lençóis em toda a sua glória coberta de tinta. Eu gemi. "Eu tenho que lavar roupa." Eu odiava lavar roupa. A instalação ficava do outro lado do prédio, e as lavadoras e secadoras eram enormes. Eu tinha que praticamente entrar nelas para tirar minhas roupas. Stark pegou um punhado de cobertores e puxou, o que praticamente arrancou tudo em uma tentativa. Eu fiz um som de nojo. "Isso geralmente me leva cinco minutos!" Ele me deu um sorriso e puxou o resto das coisas. "Eu vou levá-lo para a lavanderia para você. Nós podemos jogá-lo e pegá-lo quando voltarmos depois de conseguir a comida”. Eu dei-lhe um olhar engraçado. "O quê?", ele perguntou. Então eu lembrei que ele não morava em um dormitório, mas com seu tio e primo. "Eu não posso simplesmente deixar isso lá. Essa é uma boa maneira de roubarem suas coisas” Ele fez um som estrangulado. "As pessoas roubam roupa?" Eu balancei a cabeça. "E eu pensei que estava fodido", ele murmurou. Eu enruguei meu nariz. "O quê?" Com uma pilha de lençóis e cobertores a seus pés, ele olhou para cima. "Nós vamos bater em um drive-thru, então levar tudo isso para minha casa. Você pode usar as máquinas lá, e nós apenas sairemos”. “Para sua casa?” Eu perguntei, surpresa. Ele assentiu. "Há uma lavadora e secadora." "E Nate e seu tio?" Ele encolheu os ombros. "Classe e trabalho."


Ele deve ter visto a hesitação em meus olhos porque ele pisou na lavanderia e me agarrou pela cintura. "Nós podemos fazer enquanto esperamos." Ele abanou as sobrancelhas. Eu sorri. "Como uma garota deveria dizer não a isso?" Em algum lugar do quarto, seu telefone começou a tocar. Ele foi até a calça jeans e puxou o celular do bolso. Seu rosto escureceu quando ele olhou para a tela. Então ele silenciou a ligação e deixou cair na mesa. Ele me viu assistindo e encolheu os ombros. "Não conhecia o número." Eu balancei a cabeça e comecei a flexionar meus dedos das mãos e pés, tentando obter algum movimento neles. "Você está se sentindo bem?", ele perguntou, seu olhar afiado. Eu balancei a cabeça e comecei a tirar as roupas da minha penteadeira. Atrás de mim, ele fez um som. “Minha camiseta está coberta de tinta.” “Eu tenho um agasalho da BU, como o que você me emprestou na outra noite. Você pode usar isso” Eu disse, arrancando e jogando para ele. "Eu comprei grande." Eu o observei puxar por cima do seu peito muito atraente. Quando sua cabeça cutucou o topo, ele anunciou: "Isso cheira como uma menina". "Eu sou uma menina." Eu apontei. Ele ergueu o braço e cheirou a manga. "Até que eu gosto." Revirei os olhos e voltei a encontrar algumas roupas. Na mesa de café, o telefone tocou novamente. Ele pegou, olhou para ele e depois desligou completamente. "Se você precisa responder isso ..." Eu disse um pouco intrigada. "Eu não", respondeu ele, firme. Pisando em volta de onde eu estava, ele me envolveu em seus braços por trás. "A única pessoa que chama minha atenção hoje é você", ele sussurrou contra o meu ouvido.


Pequenos arrepios correram pela minha espinha. Seus dentes beliscaram meu lóbulo da orelha. Pegando meu telefone na minha cômoda na minha frente, eu o desliguei como ele fez. Stark fez um som e me virou para encará-lo. "Você está me dando toda a sua atenção hoje, Vi?" Contra meus lábios, ele falou. "Eu acho que vai ser um dia muito bom." Pelo menos por um tempo.


VINTE E SEIS Ten

Eu não estava com vontade de falar com Becca. Não hoje, o dia em que acordei com Violet em meus braços. Ela ligou continuamente - enquanto estávamos no chuveiro e várias vezes quando não estávamos. Foi muito chato. Eu estava pensando seriamente em disparar sua bunda. Eu estava quase terminando com o fato de que ela pensou que governava toda a minha vida. Eu disse a ela que não estava pronto para voltar para Los Angeles, e eu estava falando sério. Ela ia ter que conseguir outro ingresso de refeição. Ou, ei, aqui está um pensamento. Trabalhe sua bunda por outro cliente e o torne tão famoso quanto eu. Eu pensei que sentiria falta da fama. O reconhecimento. O sucesso. Eu não sentia. De modo nenhum. A única coisa que senti falta era a música. O estúdio. Não me entenda mal. Ter uma tonelada de dinheiro, uma almofada boa e carros era definitivamente bons momentos, mas eu estava mais feliz aqui, agora ... e nada disso estava por perto. Atualmente, eu estava deitado em uma cama de solteiro em um quarto que eu compartilhava com meu primo. Violet estava em cima de mim. Metade de suas roupas se foram e nossas línguas estavam entrelaçadas. Sua respiração tinha gosto de café, e os únicos pensamentos que passavam pela minha cabeça eram dela. O som do zumbido da secadora fez com que ela levantasse a cabeça. Eu a peguei de volta, tentando puxá-la de volta. "Parece que está pronto"


"Acho que não", eu murmurei, tomando seus lábios novamente. Eu não conseguia o suficiente dela. Nunca o suficiente. Ela me beijou de volta e riu. Um pouco mais tarde, estávamos nos vestindo quando ela suspirou e caiu na beira da cama. Eu olhei em volta para ela, instantaneamente observando a maneira como a exaustão se agarrava a sua pele. Imediatamente, eu me agachei na frente dela, cruzando as mãos nas minhas. "Você está cansada" Ela sorriu e deu a minha mão um leve aperto. "Um pouco." Era minha culpa. Eu a mantive acordada metade da noite, fazendo amor, fui para ela de novo esta manhã, depois novamente, e de novo agora. Eu era um bastardo com tesão. “Que tal voltarmos para o seu quarto? Eu vou arrumar a cama para você, e então podemos ficar no resto do dia e terminar a série que começamos no Netflix? ” Seus olhos se levantaram para os meus. "Mesmo?" Eu levantei minhas mãos como se estivesse fazendo uma promessa. "Eu nem vou apalpá-la" Ela fez beicinho. "Nem um pouco?" Eu ri. “Não. Provavelmente muito”. “Certo”. Ela concordou, baixando a cabeça e sorrindo. "Você gosta de pipoca?", perguntei. Isso era sem glúten, certo? Merda, eu precisava fazer mais algumas leituras. "É a minha favorita", disse ela, animando-se. Eu balancei a cabeça como se fosse um negócio feito e peguei o casaco que ela me emprestou e coloquei. Eu notei ela assistindo, e dei de ombros. "O quê?" "Você tem uma gaveta cheia de roupas ..." Eu estava sentindo falta de seu ponto. "Sim?" "Então você está vestindo meu moletom e disse que cheira como uma garota." "É unissex". Defendi. "Eu tenho o mesmo". "Use o seu." Ela apontou. "Mas quando eu uso este, eu respiro fundo e sinto seu cheiro."


Seu rosto inteiro se suavizou; a expressão nos olhos dela ficou enevoada. Eu peguei meu moletom Blaylock e joguei para ela. “Aqui, você pode ter o meu”. “Você quer negociar?” Ela perguntou. "Eles são do mesmo tamanho." Ela colocou o tecido até o nariz. "Este cheira como você". "Você gosta, certo?" Eu disse conscientemente. Em resposta, ela puxou-o sobre a cabeça. Eu grunhi em satisfação e estendi minha mão para ela. "Vamos, vamos." Eu empurrei a roupa de cama limpa no banco de trás da máquina do tempo e fizemos uma rápida parada para pegar alguns lanches e merda, antes de voltar para seu dormitório. Estava frio hoje. O ar carregava o cheiro de neve. O bolso de trás do meu jeans estava sobrecarregado com o meu celular, e enquanto caminhávamos, eu me perguntei quantas vezes Becca tentaria ligar e o quanto ela estava irritada por ela não ter conseguido. Tinha sido bom estar completamente desligado, apenas estar com Vi. Eu realmente ansiava por ficar no quarto dela o resto do dia ... e esperançosamente a noite. Como meus braços estavam carregados com tudo, ela nos deixou entrar no quarto e abriu a porta. Eu deixei cair todos os cobertores em sua cama, em seguida, coloquei a sacola de comida na mesa de café. A porta mal havia se fechado atrás de nós quando houve uma batida insistente. Violet olhou para mim e eu arqueei uma sobrancelha. "Esperando alguém?" "Não", ela respondeu, duvidosa, uma sugestão de cautela em seus olhos. Eu pensei em Ross, o maldito cara de pau, e franzi a testa. "Você não teve nenhum problema com esse idiota da fraternidade, não é?" Ela balançou a cabeça inflexivelmente. "Ele não falou comigo de novo" "Bom", eu rosnei, então caminhei em direção à porta para atender. Ela já estava perto, então eu tive que dar um passo em volta dela. “O que você está fazendo?” Ela perguntou em voz alta.


Eu olhei por cima do meu ombro. "Você acha que eu sou o tipo de cara que te deixa atender a porta quando não sabemos quem está do outro lado?" "O que você acha que eu faço quando você não está aqui?" Ela apontou. Eu não ligo para a lógica dela. Na verdade, de repente, eu me importei com o fato de ela morar aqui sozinha. Eu sabia que era um prédio de dormitórios, mas eu tinha visto o tipo de babaca correndo pelo campus. Ela já teve problemas com um. "Você precisa de mais proteção do que só um apito." Eu decidi. A batida veio de novo, desta vez mais alto. Eu abri, apenas o suficiente para que eu pudesse ver quem estava do outro lado. Era um cara. Jesus! Quantos caras vinham por aqui procurando por ela? "Quem diabos é você?" Eu disse quando ele apenas olhou e não disse nada. Na verdade, ele parecia muito chocado por estar olhando para mim e não para Violet. Bom. O filho da puta não precisava voltar. "Puta merda", disse o cara, ainda olhando para mim. Eu abri minha boca para dizer a ele para sumir, quando ele falou novamente. "Ten" Eu congelei, me sentindo como um cervo preso em alguns faróis brilhantes. "O quê?" Eu disse, tentando fingir indiferença. O cara me deu um olhar e tentou olhar para mim. "V!" Ele chamou. Eu me arrepiei, movendo a batida da porta em seu rosto. Meu estômago estava retorcido ... Ele estava me conhecendo, instantaneamente. E se Violet o ouvisse? "Vance?" Ela engasgou, e de repente ela estava nas minhas costas, olhando em volta de mim. "Meu Deus! Vance!”. Ela disse quando viu o cara parado ali. Vance, como em ... seu irmão, seu irmão gay que estava apaixonado por mim? Aquele Vance? Ah Merda.


"Surpresa!" Ele disse, estendendo os braços, deslizando-me um olho e fazendo parecer que eu tinha levado uma faca direto para o meu coração. Violet gritou e se abaixou sob o braço para lançar-se a ele. Ele cruzou os braços ao redor dela, e ela riu, abraçando-o de volta. Nossos olhos se conectaram sobre a cabeça dela. Sim, ela era mais baixa que ele também. Eu não conseguia ler a expressão dele, além do reconhecimento total em suas profundezas. Violet recuou. "O que você está fazendo aqui?" Ela exigiu. "Você deveria ter me dito que você estava vindo!" "Menina. Você já olhou para o seu telefone hoje?” Ele arqueou uma sobrancelha e cruzou os braços sobre o peito. Ele tinha cabelos castanho-escuros, não loiros como os de Vi. No entanto, seus olhos eram azuis como os dela. Estávamos perto do mesmo tamanho, mas eu era um pouco maior, então pelo menos havia isso. ‘Claro, eu era mais velho. Se ele crescesse mais, ele me superaria’. Violet olhou para mim por cima do ombro, com uma expressão envergonhada nos olhos. Meu coração quebrou apenas olhando para ela. Tinha acabado. Tudo isso acabou agora. Eu nunca poderia vê-la me olhar assim novamente. A faca previamente enterrada no meu coração se torceu. "Na verdade, não", ela disse a seu irmão, um pequeno brilho nos olhos. Eu não pude evitar. Eu sorri para ela. Eu precisava. Eu não conseguia não sorrir quando ela estava olhando para mim desse jeito. "Nós, desligamos nossos telefones hoje." "Que conveniente", observou Vance. "O quê?", ela perguntou, não entendendo os tons em sua voz.


"Você vai me convidar para entrar, ou vamos ficar no corredor para que todos possam ouvir nossos negócios?" Eu empurrei a porta e segurei. Violet passou e Vance seguiu. Quando ele entrou, ele parou ao meu lado, me dando uma olhada. Então ele fez um som agudo. Eu fechei a porta e então me virei, sentindo-me totalmente preso em minha teia de mentiras. Eu pensei em correr, em apenas dar o fora. Ten poderiam ter feito isso, na verdade. Na verdade, não seria a primeira vez que eu correria. Não foi assim que conheci Violet? Ten podem correr ... mas Stark, com certeza não. Eu não ia a lugar algum. Não até Vi me dizer para ir. Algumas linhas da música cada vez mais longa que eu estava escrevendo flutuavam na minha cabeça. PRESO, PRESO, PRESO POR UMA TEIA. "Antes de entrarmos nisso, eu só tenho duas coisas que preciso dizer", anunciou Vance, girando ao redor para olhar para mim. "Antes de entrarmos no quê?", perguntou Violet, finalmente pegando as estranhas correntes subjacentes. Eu dei a ela um olhar de desculpas. "Um ..." Vance levantou o dedo. “Puta merda, você é tão bom em pessoa quanto na televisão. E dois, seja qual for o jogo que você está jogando com minha irmã, acabou”. “Eu posso explicar ”, eu disse, esperando que ela pelo menos ouvisse. "Espere." Violet se interpôs entre nós. “O que diabos está acontecendo?” Ela disse, frustrada. Ela se virou para o irmão. “Este é Stark, Vance. Você sabe, o cara que eu te falei?” "Você disse a ele sobre mim?" Eu perguntei. Sabendo que isso piorava ainda mais. Ela gostava de mim o suficiente para me mencionar ao seu irmão.


Vance balançou a cabeça tristemente e suspirou. "Ele definitivamente é sexo em pessoa". "Vance!" Violet assobiou, envergonhada. Ele acenou. "Querida, esse é o menor dos seus problemas." "Vi, posso falar com você um minuto?" Eu disse. "Sozinho" Vance me deu uma olhada. "Eu posso ser gay, mas eu não sou um idiota. Eu acho que você teve bastante tempo sozinho com minha irmã”. "Se alguém não me explicar agora o que está acontecendo, vocês estão fora daqui", insistiu Violet. "Se você só me ouvisse quando eu falasse, isso não teria acontecido", disse Vance enquanto tirava seu telefone do bolso de sua jaqueta. Violet fez um som impaciente. Depois que ele tocou a tela algumas vezes, ele olhou para cima. "Você me disse que não ia ver o Ten." Violet suspirou alto. “OMG14, Vance! Quantas vezes tenho que me desculpar? Me desculpe por não ter conseguido um autógrafo”. Ele olhou para mim. “Inteligente, usando seu sobrenome desde que ninguém o usa. É como mentir sem contar uma mentira”. "O que é uma mentira?" Violet se virou e olhou para mim, a confusão em seus lindos olhos azuis. Vance levantou o telefone. Uma foto minha no palco com uma guitarra encheu a tela. "Você não está namorando um estudante universitário chamado Stark, V. Não há Stark. Ele é Tem”. Violet fez som e pegou o telefone da mão dele, encarando a foto e depois para mim. Seu rosto ficou branco. "De jeito nenhum." Ela negou.

14

Abreviação da expressão Oh, My God, que significa Oh Meu Deus!


"Você acha que eu não o conhecia?" Vance zombou. Então ele olhou para mim. "Eu tenho como quatro cartazes de você pendurado nas paredes do meu quarto." Ele balançou a cabeça. "Agora eu vou ter que destruí-los." "Stark", disse Violet, segurando o telefone ao lado dela. Seus olhos procuraram meu rosto, procurando reconhecimento. Uma negação. Uma confirmação. Tudo o que eu pude fazer foi ficar lá e olhar para ela. Pegue seu rosto e sinta-se mal. Eu não queria perdê-la. “O boné que você sempre usa, a festa escura, os drive-thrus, as respostas vagas sobre a escola ...” Sua voz se afastou. "Você ... você é ..." Engolindo, eu me afastei da porta, dando um passo mais perto dela. "Eu sinto muito." "É verdade?", ela perguntou, baixando a voz. Ela olhou para o telefone e depois para mim. "Você é Ten ... O cara com o número como um nome?” Eu desejei que naquele momento eu pudesse dizer não. Eu queria poder esquecer quem eu realmente era e ser exatamente quem ela pensava. Eu não pude mentir. Não mais. Eu a encarei diretamente nos olhos e finalmente contei a verdade. "Sim, eu souTen"

.


VINTE E SETE Violet

Você sabe, eu tinha uma boa imaginação. Eu criei todos os tipos de cenários e sequências horríveis de eventos que poderiam acontecer comigo ou com qualquer pessoa aleatória diariamente. Mas isso? Nem mesmo minha mente mórbida e sobrecarregada poderia inventar algo tão insano. Eu ri. Foi forçado e meio que me fez soar como um cavalo, mas foi o melhor que pude fazer. Eu gesticulei entre os dois homens. "Quem pensou sobre isso?", perguntei. "Essa é uma piada e tanto". "Eu estou sempre pronto para dar aulas, mas eu diria assim por uma piada?", perguntou Vance. Ah não. Não. Eu olhei para Stark ... Ten ... quem diabos era o homem na minha frente. "Naquela noite na galeria", disse ele, sua voz baixa e profunda. "A noite em que nos conhecemos ..." Eu balancei a cabeça. "Eu tinha acabado de sair dessa palestra no music hall. Eu estava tentando pegar um pouco de ar, andar por uma das ruas laterais vazias. Mas algumas pessoas me viram, e eu virei. Eu fui na galeria para me esconder deles”. Eu lembrei como ele parecia estar se escondendo. Meu coração estava batendo lento e pesado. Trepidação me encheu. Eu não queria ouvir isso, mas ele continuou falando.


"Você não me reconheceu", disse ele, uma nota de admiração em sua voz. “Sério, no entanto, mana. Eu sei que você nem sempre ouve quando eu falo, mas para não reconhecer Ten, de todas as pessoas… eu estou sendo insultado ”, disse Vance. "Não é como se eu esperasse uma estrela enorme entrar na galeria!" Eu explodi. Nossa! "Eu não sou uma estrela", disse Stark instantaneamente. "Eu sou uma celebridade, mas minha reputação é muito ruim para eu ser considerado uma estrela." "É verdade." Vance concordou. "Você mentiu", eu disse, de repente me sentindo esvaziada, como um barco cujas velas estavam fora ao vento. Eu não conseguia nem envolver minha cabeça em torno disso, em torno da verdade. Não me admira que acreditei na mentira. Foi muito mais crível. Oh meu Deus, ele me fez de idiota! Meus olhos brilharam, raiva de repente me dando energia. “Você riu quando foi para casa à noite? Você e Nate tiveram um bom tempo tirando sarro de Violet, a pobre garota estúpida que caiu por cada palavra que você disse?” "Não é assim." Ele deu um passo em minha direção, implorando em sua expressão. "Nem pense nisso!" Eu respondi e recuei. "Oh meu Deus, eu dormi com você!" Eu balancei minhas mãos para fora como se de alguma forma ele se afastasse de mim. Não funcionaria. Ele não estava comigo. Ele estava em mim. "Você fez sexo com Ten!" Vance explodiu. Stark e eu nos viramos para encará-lo. Vance apertou os lábios juntos. Eu me voltei para Stark. Vance se inclinou para perto. "Vou precisar de alguns detalhes mais tarde." "Posso falar com você sozinha?" Stark implorou. "Só por alguns minutos." "Qualquer coisa que você tem a dizer pode ser dito na minha frente." Vance fungou. "Por favor", disse Stark, ignorando as observações do meu irmão.


Eu queria ceder, mas como eu poderia? Suas razões / desculpas eram importantes? Uma mentira era uma mentira. Eu totalmente me afastei dele, não querendo ver o olhar em seus olhos. Concentrando-me no meu irmão, perguntei: "Como você descobriu isso?" Vance jogou as mãos para o ar. "Eu realmente não sei como você sobrevive." Ele continuou a murmurar sobre minhas habilidades de sobrevivência deficientes e tirou o celular de minhas mãos. "Está tudo na internet, V. Fiquei intrigado quando vi as manchetes preenchendo minhas notificações esta manhã quando saí da cama." Depois de alguns segundos, ele leu algumas das falas em voz alta. “Ten e nova mulher misteriosa. Ten voltando sua vida em busca de novo amor? Ten renunciando aos holofotes para ser um plebeu? Então há o meu favorito”. Ele concluiu. "O bad boy do pop e a boa menina." Eu olhei para Stark. Seu rosto estava confuso, como se nem ele soubesse o que Vance estava falando. "Posso ver isso?" Ele perguntou ao meu irmão. Vance lhe entregou o telefone. "Imagine o meu choque quando eu puxei os artigos e que as fotos vazadas eram da minha irmã ... com o meu maior, uh ..." Suas palavras hesitaram. "Ele já sabe que você está apaixonado por ele", eu disse a Vance, seco. "Sua lealdade é terrível", ele censurou como se eu tivesse quebrado algum código de irmã, confessando seu mais profundo segredo. Por favor. Se o seu amor por Ten era um segredo, era o pior da história do universo. "Não estou amando. Apenas seu maior fã”. Meu irmão corrigiu, envergonhado. Eu revirei meus olhos. “Minha lealdade está bem. Eu disse a Stark isso. Eu não sabia que ele não era realmente quem ele disse que era”. Eu deslizei um olhar duro para ele. Ele não reagiu às minhas palavras, no entanto. Ele ainda estava olhando o telefone, um olhar sombrio aparecendo em seu rosto. "Que porra é essa?", ele gritou. "Está tudo na internet. Há fotos de vocês dois em alguma rave”, disse Vance, olhando entre nós dois. "Você realmente não viu?"


Stark rosnou e senti o sangue escorrer do meu rosto. "Você está serio Ten. O famoso popstar ficou ruim?” A descrença no meu tom chamou sua atenção do que estava online. Ele olhou para cima, os olhos amolecendo apologeticamente. "Sim, bebê." "Baby!" Vance ofegou ao mesmo tempo que eu disse: "Não me chame assim." Stark suspirou, cansado. "Por favor, Vi." Meus ombros caíram. Eu me virei para o meu irmão. “Podemos apenas ter um minuto? Por favor?" "Eu matei aula, dirigi horas porque você está em todos os noticiários. Você não atendeu seu telefone ... E você quer que eu espere lá fora?” "Eu vou te dar detalhes do sexo", eu disse a ele suavemente. Eu não ia realmente dar detalhes ao meu irmão. "O inferno que você vai!" Stark latiu. Sua raiva me deixou um pouco feliz. Serviu-lhe bem. "Bem. Eu vou esperar no corredor”. Vance concordou. Ele passou por Stark em seu caminho, dando-lhe um olhar. "Que vergonha", disse ele tristemente antes de chegar à porta. Stark pegou seu braço, não áspero, mas o suficiente para fazer meu irmão olhar para ele. "Você não disse a ninguém onde eu estou, não é?", ele perguntou baixo. A ansiedade em sua voz era real. Isso me fez sentir um pouco de preocupação por ele. Eu disse a mim mesmo para apagar isso. "Como se eu fosse expor minha irmã assim", respondeu Vance. Stark assentiu, alívio evidente no conjunto de sua mandíbula. "Obrigado." Vance me deu uma olhada antes de sair no corredor e fechar a porta atrás dele. Eu sempre achei que se ser designer não funcionasse para Vance, ele poderia ser um ator. O menino amava o drama. "Eu realmente pensei que eu teria mais tempo com você", disse Stark, sua voz baixa e arrependida.


Eu fiz um som rude. "Sim, eu aposto que foi uma viagem real, vendo quanto tempo eu acreditaria em sua mentira." Ele esfregou a mão sobre o rosto. "Eu não gosto de mentir." Eu ri. "Ainda assim, de qualquer maneira, você fez isso" "Sim. Eu fiz”. Ele concordou, indo mais longe na sala. Eu me afastei, afundando no sofá. Minha mente estava girando. Eu mal conseguia acompanhar meus pensamentos e perguntas. "Nate é mesmo seu primo, ou apenas um cara que você tem que seguir com o seu plano?" “Sim, Nate é meu primo. Derek é meu tio. Eu costumava passar todo verão aqui quando criança. Eu não menti sobre nada disso. Tudo é verdade. E não havia plano. Eu não queria te machucar”. "Sim, bem, você falhou miseravelmente", eu disse a ele. Não havia utilidade em fingir que isso não estava me machucando. Movendo-se em torno da mesa de café, ele se sentou, diretamente na minha frente. Eu pensei em mudar. A proximidade com ele me chamou, algo que eu não queria, mas não podia negar. "Deixe-me explicar." Eu estendi minha mão. "Deixe-me ver o telefone." Seus dedos ficaram brancos ao redor do telefone do meu irmão. Eu sabia que ele não queria me mostrar. Ele queria ser capaz de contornar isso com suas belas palavras saindo de sua boca bonita. Eu estive sob seu feitiço tempo suficiente, um feitiço tão bom que eu nem sabia que estava encantada. Eu fiz um som impaciente e apertei minha mão para ele. Ele pressionou o telefone na minha palma. Eu olhei para baixo e tudo se tornou muito mais real. Eu não pude negar o que estava bem na frente do meu rosto. Era uma manchete e uma imagem "vazada". Eu não tinha certeza do que ‘vazada’ significava, mas claramente, não era bom. A foto era de Ten e eu em pé no centro da rave, beijando. Nossos rostos não puderam ser vistos, mas isso não importava. A próxima foto que eu toquei foi de nós saindo do armazém. Nós estávamos de mãos dadas. Stark usava o boné laranja-neon e óculos de sol


em ambas as fotos. E minha roupa era a mesma. As impressões de beijo em todo o rosto eram difíceis de ignorar. As fotos fizeram um caso hermético de que éramos realmente mais do que amigos. Eu olhei algumas outras fotos no próximo site chamado "Exclusivo". Foi mais do mesmo. Mais de mim e quem eu achava que era uma estudante universitária comum. Havia uma abundância de artigos para escolher, muitos detalhes suculentos divulgados a partir de uma "fonte anônima" e um "conhecido próximo ao casal". Nossas fontes confirmaram que, enquanto se escondiam, Ten se esforçou muito para um estudante de arte na Blaylock University, em Upstate New York, que não só ganhou várias bolsas de estudo, mas também é a artista por trás de uma famosa história em quadrinhos local... Isso vem depois de sua perda da graça, após um período na reabilitação e um número de relacionamentos fracassados com modelos e atrizes. Nós temos ouvido em todo o mundo pop, Ten definitivamente tem tentado limpar seu ato, mas as pessoas continuam não convencidas. Nós perguntamos, porém, se essa aluna promissora acredita em Ten, então talvez o resto de nós também deva. Eu fiz um som incrédulo e coloquei o telefone de lado. "Como eles sabem muito sobre mim?" Eu me senti violada de certa forma. "Isso é o que a mídia faz", ele respondeu, cansado. "Eles cavaram e cavaram até que fizeram uma história de quase nada". "Eles têm fotos de nós", eu sussurrei. Então pensei em algo e sentei-me rigidamente. "Você fez isso?" Eu apontei para o telefone. “Você ligou para alguém e disse onde estaríamos? Você colocou tudo isso para alguma publicidade?” "Não!" Ele disparou, negação rápida e clara. Como eu deveria acreditar nele, no entanto, quando ele já foi pego em uma grande mentira? "Eu não sabia que tinha sido flagrado ou que alguém estava tirando fotos de nós. Eu estava muito focado em você”. Eu dei-lhe um olhar fulminante. "Não tente me falar


docemente, seu idiota". "Você acabou de me chamar de idiota?" Ele disse, incrédulo e um pouco divertido. Não deixe que ele te afete. "Se a carapuça serviu", eu cantei e me encostei nas almofadas. "Eu ia dizer a você." Eu fiz um som. "Quando? Depois que você terminou comigo? Foi tudo isso apenas um jogo para você?” Agitada, levantei e me afastei do sofá e dele. Ele ficou de pé, frustração escrita em seu rosto. "Você não pode honestamente pensar isso. Não depois da noite passada”. "Eu não sei o que pensar", eu gritei. “Um minuto, você é Stark, esse cara realmente incrível com um Jeep que compartilha um quarto com seu primo. E no outro, meu irmão está na porta, dando a volta nas fotos e nas manchetes, me dizendo como eu fui estúpida porque não percebi quem você realmente é” Sua voz estava rouca. "Eu ainda sou esse cara." "Você é?" Eu duvidei. “Porque as manchetes dizem diferente. Suas mentiras dizem diferente. Todos os artigos desse telefone me chamam de alguém desafortunada que chamou a atenção de uma celebridade. Agora a minha vida é muito melhor porque tenho o interesse de Ten. Agora, de repente, você parece um santo porque está apaixonado por ninguém, e isso não é precioso?” Cuspi. "Eu não tive nada a ver com essa porcaria da mídia", argumentou Stark. Então sua voz suavizou, assumiu um tom mais significativo. "Você não é ninguém." Mas de certa forma eu era. Eu não era uma celebridade. Ou uma modelo. Eu não me encaixava no mundo dele. “Eu gosto de ficar em casa e desenhar, ouço música clássica, e meu melhor amigo é meu irmão. Preciso perder quinze quilos e provavelmente sempre vou precisar. Minha pele não é perfeita e eu não uso maquiagem todos os dias só para parecer melhor. Eu gosto de tênis e leggings. Eu compro na Target, não na Quinta Avenida”.


Os lábios de Stark se afinaram como se o que eu estava dizendo o tivesse irritado. Bem, muito mal, amigo. Eu não queria ouvir isso. Eu estava ferida e traída. Eu escutei ele zangado sobre como ele nunca quis que isso acontecesse. Ele podia me ouvir agora, porque aconteceu. "Eu não sou um projeto ou algum desafio divertido. Este não é um filme dos anos noventa, onde a invisível, desalinhada de uma menina recebe uma reforma e, de repente, todo mundo a ama. Esta sou eu”. Eu estendi meus braços para que ele pudesse dar uma boa olhada. “Se você pensou que poderia de alguma forma me transformar em um programa de mídia e parecer bom para amar e então ‘consertar’ a pobre e patética universitária, deixe-me esclarecer uma coisa para você agora. Você escolheu a garota errada”. Seus olhos brilharam quando ele se aproximou. As mãos de Stark se fecharam ao redor dos meus braços, mas mesmo que o olhar em seu rosto fosse feroz e irritado, seu toque não era. Seus dedos eram gentis. Suas mãos só deram pressão suficiente para me manter no lugar. "O que eu te disse sobre dizer coisas negativas sobre você?" Ele entoou. “Não é negativo. É a verdade e você sabe disso. Eu sei quem eu sou. Eu gosto de mim mesmo. Eu gostaria de perder peso? Claro que sim. Eu tentei? Inúmeros e exaustivos tempos. Eu luto com minha pele, e alguns dias eu olho no espelho e me pergunto por que meu corpo me odeia tanto”. “Vi”. Sua voz era suave, quase implorando. Eu me afastei, recuei para que ele não pudesse me tocar. Não é como se importasse. Eu senti ele mesmo quando ele não estava. “Ainda assim, gosto de quem eu sou. Eu gosto de mim o suficiente para que eu possa ficar aqui e te olhar nos olhos e dizer-lhe com cem por cento de clareza que eu não vou mudar. Não para você. Não para ninguém. Eu não vou deixar você me usar para consertar a carreira que você destruiu”. Eu parei, inclinando a cabeça. “E para o seu registro, você fez xixi nas pessoas. Tipo, que porra é essa, cara?”


Seus lábios se contraíram, mas depois a diversão desapareceu e ele gemeu. Ele parecia tão cansado quanto eu me sentia naquele momento. Seu cabelo escuro caiu sobre a testa e as sombras escureceram seus olhos. "Eu não gosto de mim mesmo." Ele soltou as palavras em silêncio na sala. Eram palavras pesadas, muito menos do que as que eu acabara de lançar para ele, mas pareciam dizimar tudo. "Eu não goato, há muito tempo." Eu engoli e resisti à vontade de ir até ele. Eu queria tanto. A tristeza e a verdade naquelas palavras me davam dor. “Fiquei tão chocado quando você não me conheceu naquela noite na galeria. No começo, eu pensei que você estava jogando comigo, mas então eu vi o desenho e ouvi você dizer que você não gostava de mim”. Sua boca se inclinou para cima. "Eu gostei do fato de que você não gostava de mim." "Eu não entendo", eu disse, finalmente me acalmando o suficiente para ouvir o que ele queria dizer. Além disso, eu não iria admitir isso em voz alta, mas sua dor óbvia estava em minha raiva e entorpecia um pouco da minha própria dor. “Você era uma ardósia limpa, Vi. Uma chance para eu ser alguém e ninguém ao mesmo tempo. Eu não era o inimigo público número um para você. Eu não era alguém louco com dinheiro, um rosto famoso ou conexões no negócio. Você não olhou para mim com pretensões em seus olhos e se perguntou o que você poderia tirar de mim. Inferno, você pensou que eu era um criminoso”. “Você estava sendo sombrio”, eu comentei. "Você foi legal comigo de qualquer maneira." "Eu não chamei a polícia." Eu corrigi. “Você me tratou normal. Me fez sentir normal. Como uma pessoa real. Você não se importava, eu estava sem dinheiro e dirigia um pobre jipe. Você não queria nada”. Então ele meditou. "Exceto não matar você." Eu tentei não sorrir. Por que ele tinha que ser tão encantador? Eu totalmente vi porque ele disparou para a fama quando ele fez. A mesma coisa que me atraiu para ele foi exatamente a mesma coisa que atraiu todos os outros.


Bem. Não foi um pontapé nos dentes? Eu não era especial. Eu era apenas uma das massas que haviam caído por Ten. “Eu perguntei a Nate se ele conhecia você. Ele disse que não, mas ele poderia perguntar por aí. Eu só queria estar perto de você. Com você, eu poderia ser quem eu quisesse. Não havia expectativas” “Nate estar fora do meu dormitório não foi uma coincidência. Ele estava procurando por mim. Eu percebi”. Stark assentiu. “Ele viu Ross te incomodando, então ele entrou em cena. Eu não disse a ele para te convidar para sair. Mas estou feliz que ele tenha feito isso”. "Você está?" Lá fui eu de novo, me envolvendo. Ele assentiu. "Isso me deu uma desculpa para vê-la novamente”. "Você mentiu para mim." Eu o lembrei. Eu me lembrei. "Sim eu menti. Eu estava com medo de te dizer quem eu era. O medo que estava acontecendo entre nós mudaria. Era egoísta e uma coisa bastarda a fazer, mas você foi a primeira coisa que eu levei só para mim em muito, muito tempo”. As palavras que ele falou na noite passada - que pareciam ser eternas agora passaram pela minha cabeça. Este sou eu agora. Eu quero que você saiba disso. Eu. Eu nunca estive tão presente com ninguém como estou com você agora. Ele basicamente admitia tudo isso sem dizer uma palavra. Meu estômago se apertou e eu pressionei a mão nele. Stark viu e se aproximou. Suas mãos dispararam, pairando perto, mas não me tocando. "Você está se sentindo doente?" "Preocupar-se comigo não é o seu trabalho", eu disse, endireitando-me. "Eu quero que seja." Ele falou suavemente. Minha mão voltou para o meu estômago. “Eu menti sobre quem eu realmente era, mas isso é tudo. Eu nunca menti sobre o que sinto por você. A conexão que eu sei que você sente entre nós é real. Eu não poderia inventar algo assim nem se eu tentasse”. Eu me virei.


"Diga-me que você sente isso", ele implorou. "Depois da noite passada, depois desta manhã ... me diga, Vi" "Você deveria ir." Minha voz era grossa. Eu estava quase chorando, mas me recusei a deixa-la transbordar. O toque hesitante de seus dedos no meu cotovelo me fez endurecer. Quando eu não me afastei, ele deu um passo adiante e os enrolou, puxando gentilmente para que eu me virasse para olhá-lo. "Eu sei que você sente isso", ele sussurrou. Em um momento de fraqueza, fui para frente, inclinando-me para ele, descansando minha testa contra seu peito. Os braços de Stark me envolveram instantaneamente, e um profundo suspiro passou por ele. "Eu sinto muito, Violet. Então, porra, desculpa. Eu só não sabia como te contar. Eu não queria ser ele para você. Eu só queria ser Stark”. Tudo o que ele disse trouxe de volta, me fez perceber que eu não conseguia encontrar consolo no homem que causou a tempestade. Eu me afastei, enxuguei meus olhos úmidos e me endireitei. "Vá" Ele balançou sua cabeça. “Podemos resolver isso. Apenas fale comigo." "Não há mais nada a dizer." Seus olhos se estreitaram. O queixo que me fez desmaiar, endureceu. Ele estava preparado para lutar, mas eu? Eu não estava. Eu caí no canto da cama desfeita. "Por favor. Estou tão cansada. Apenas vá." Ele esvaziou. O conjunto teimoso em seu rosto ficou folgado e seus ombros também. “Ligue para mim se precisar de alguma coisa. Ou se você quiser conversar". "Eu não vou”. Eu não olhei para ele novamente. Eu estava com medo disso. Ele foi até a porta, mas ficou ali por longos minutos. Eu senti seus olhos. Senti a força de tudo o que ainda estava nos unindo. O jeito que ele puxou e esticou quando ele finalmente ele soltou, fez algumas das lágrimas que eu tentei tão galantemente segurar para finalmente soltar.


VINTE E OITO Ten

Vance estava encostado na parede quando deixei o quarto. Eu não queria sair. Foi a última coisa neste planeta que eu queria. Surpreendentemente, eu queria lutar ... algo que eu não estava inclinado a fazer por nada recentemente. Qualquer coisa, menos ela. A luta teria que esperar por mais um dia, porque Violet estava cansada. O ponto principal em voltar ao dormitório dela era para que pudéssemos relaxar. Tanto para fácil. Seu irmão empurrou a parede, olhando para mim. Eu queria ficar com raiva dele por ter vindo aqui e me denunciado. Inferno, no passado eu teria ido embora, ameaçando com advogados e qualquer tipo de retribuição que eu pudesse. Eu teria ido e pego à primeira garrafa de vodka que visse para entorpecer algumas das merdas que giravam dentro de mim. Eu não estava bravo com o Vance. Eu não queria retaliar ou me embebedar. Foi uma percepção estranha, sabendo que no fundo alguma coisa em mim mudou imensamente. Eu olhei de volta para a porta, sabendo que o catalisador para essa mudança estava dentro. Preso como uma lagarta, mas quero ser uma borboleta. Borboleta. "Ela está bem?" Perguntou Vance. Eu pisquei, dobrando a linha para mais tarde. "Eu não sei." “Eu sempre dei a você o benefício da dúvida, sempre um daqueles fãs que sabe que nos bastidores tudo é muito mais difícil do que parece”. Ele balançou a cabeça. "Mas isso?


Mentindo para minha irmã, usando-a para a imprensa. Eu acho que essa é a coisa mais ruim que você já fez”. Eu endureci. "Eu não estou usando ela." "Então por que você mentiu?" Porque se eu dissesse a verdade, ela não teria deixado me aproximar. Eu me virei e comecei a descer o corredor. “Cuide dela, ok? Ela precisa de um pouco de descanso”. Vance pareceu ligeiramente surpreso pela minha resposta. No segundo que eu saí na calçada, um sentimento familiar veio sobre mim, um que me irritou. Imediatamente, comecei a olhar em volta, procurando entre as pessoas que andavam e os carros nas proximidades para repórteres e imprensa. Alguém sabia que eu estava aqui. Alguém estava me seguindo, tirando fotos e vendendo-as para a imprensa. Quem quer que sido, merecia meu punho em seus dentes, porque eles simplesmente fodem tudo. Isso Ten. Você estragou tudo. Você sempre estraga. Embora eu tenha procurado enquanto ia ao Jeep, não vi ninguém. Lá dentro, inclinei a cabeça contra o assento e soltei alguns palavrões. Como diabos as pessoas descobriram onde eu estava? Como eles sabiam que havia uma garota? A única coisa que fazia sentido era que eu fosse excluído. Alguém tinha que ter avisado a imprensa sobre o meu paradeiro. Mas quem? Não demorou muito para o nome aparecer na minha cabeça. Por todas as ligações que eu ignorei esta manhã para voltar. Tirando o celular do meu jeans, liguei e esperei impacientemente que ele ligasse. No segundo, a tela piscou para a vida, o dispositivo começou a zumbir com chamadas perdidas, notificações e textos. A maioria deles era de Becca. Duas outras eram de Nate.


Cara, atenda seu telefone. Merda atingiu o ventilador, dizia a mensagem de Nate. Então, uma hora depois, espero que você esteja com Violet porque ela vai ficar puta. Não me incomodei em ouvir as mensagens de voz ou ler todos os outros textos. Em vez disso, digitei um número familiar e esperei enquanto ele tocava. "Eu entendo que você acabou de me ignorar?" Becca disse no instante em que ela respondeu. "Que porra você fez?" Eu rosnei. Ela fez uma pausa. “Brilhante, não foi? Nada que o mundo ame mais do que um conto de amantes maltrapilhos” "Você me seguiu." Raiva, o que eu não sentia há algum tempo, começou a me consumir. “Você tirou fotos de mim. De Violet. Você vazou para pressionar”. “Esse é o meu trabalho, Ten. Para fazer você parecer bem. Humano. As pessoas já estão espumando pela boca para perdoá-lo por tudo que você fez porque você foi e - eu cito ‘me apaixonei por alguém abaixo de você’”.

"Violet não está abaixo de mim", eu me desliguei. "Ela é melhor do que você e eu nunca seremos" "Espero que sim", disse Becca, sem se arrepender. "Sua reputação impecável vai fazer você parecer ainda melhor". "Eu não estou usando ela!" Eu gritei, meu punho batendo contra o painel. Becca fez uma pausa, surpresa. "Você gosta dela." Eu ri. “Como isso importa agora. Você foi longe demais desta vez, Becca. Você nunca deveria ter me atravessado”. Sentindo meu humor mortal e sério, finalmente pareceu perceber que eu não estava bem com isso, e sua fala suave não a tiraria disso. "Estou tentando ajudar você", disse ela. "Não. Você está tentando ajudar você. Você não dá a mínima para mim. Eu deveria te despedir agora mesmo”. "Você não pode me demitir!" Ela engasgou. "Nós temos um contrato."


"E eu tenho muito dinheiro e advogados." Eu senti seu pânico chegar pelo telefone. O choque que ela finalmente me levou longe demais. “Seria apenas mais uma coisa má para imprensa. Você não pode permitir isso”. Ela estava certa e eu sabia disso. Mas eu não estava dando a ela uma polegada. Eu nem tinha certeza de que me importava mais com a minha carreira. Pare de ser apressado, eu disse a mim mesmo. Não faça nada até saber o que você quer. Reações de um sistema tinham começado minha carreira no lugar que era. Indo em frente, eu precisava ser mais inteligente do que isso. "Chame seus cachorros", eu disse a ela. "Se eu ver mais uma foto vazada de mim ou de Violet, você está fora, e eu não dou a mínima, se isso me tirar também." Ela ficou em silêncio. "Becca", eu entoei. "Quero dizer" "Sim", ela respondeu. "Eu posso dizer". "Chame-os", eu repeti. "Considere isso feito. Mas você sabe que eles sabem onde você está. Não importa quantas chamadas eu faça”. Eu sabia disso. Isso só me irritou mais. "Ten ..." Ela começou. "Eu vou estar em contato." A finalidade na minha voz era quase arrepiante quando eu desliguei a chamada e joguei o telefone no banco do passageiro vazio. O assento em que Violet estivera sentada mais cedo. O assento que ela poderia nunca se sentar novamente.


VINTE E NOVE Violet

Lembra como eu te disse que o universo me odeia? Você acredita em mim agora, não é? O fim de semana se arrastou, apesar do fato de Vance ter ficado na cidade para me fazer companhia. Eu adorava ver meu irmão, algo que eu não conseguia fazer o suficiente. Infelizmente, a visita não foi tão incrível quanto poderia ter sido, por causa de Stark. Ou Ten. O que diabos eu deveria fazer, ligar para ele agora? Nada. Se eu fosse inteligente, eu correria muito longe e nunca mais falaria com ele. Meu coração estava provando ser particularmente burro. E aquela corda que eu mencionei um milhão de vezes desde que seu corpo se juntou ao meu? Ainda lá. Ainda me puxando toda vez que eu me movia. Não importa o quão longe eu corria; ela sempre estaria lá. Vance provavelmente viveria isso por anos. Estou falando sério. Anos. O fato de que sua irmã estava envolvida com sua maior paixão não o deixou irritado ou com ciúmes. Vance disse: "Se ele não se tornasse gay, havia apenas uma outra pessoa neste planeta boa o suficiente para Ten, e é você, V." Lembrei-lhe que Ten mentiu para mim. Repetidamente. Meu irmão, a contragosto, decidiu que talvez eu fosse boa demais para Ten, afinal. Obviamente, a imagem que acabei de pintar foi uma descrição precisa de todo o final de semana. Nós ficamos em casa, Vance comeu pizza e eu tive smoothies. Eu desmontei


e comi alguns Sour Patch Kids15. Se uma garota não podia comer para seus sentimentos de vez em quando, quando um cara famoso e rico partia seu coração, então por que fazer doces? Eu descanso meu caso. Além disso, o que ia fazer? Me faz ganhar peso? Eu ri da caro do universo enquanto eu comi todos aqueles otários azedos em forma de criança. *Pausa* Eu acabei de perceber como é errado comer doces em forma de crianças… *Sem pausa* Meh. Eles são sem glúten. Entre assistir filmes, nós basicamente conversamos sobre o que aconteceu. Vance sabia tudo sobre Ten, algo que me salvou de ter que persegui-lo por toda a internet para descobrir tudo o que podia. Eu acho que realmente deveria ter prestado atenção todas aquelas vezes que Vance falou sobre ele. Provavelmente deveria ter olhado os cartazes em suas paredes também. Ten era o príncipe do pop. Algumas de suas músicas continham discos em todo o mundo. Vance tentou me interpretar uma, e eu comecei a chorar no minuto em que ele começou a cantar. Apenas o som de sua voz ... Eu esfreguei a mão no meu peito. Bem, ele era o príncipe do pop. Até que ele fez manchetes de novo e de novo por comportamento selvagem, e depois o golpe de estado de usar sua audiência como um banheiro. Isso simplesmente não se encaixava. O cara com quem eu estava passando tempo e todas as informações que Vance me contou ... eram como duas pessoas diferentes. O que naturalmente me confundiu mais. Recusei-me a procurar on-line, com medo do que poderia ver. Sabendo que havia fotos minhas no KMZ, um dos maiores sites de fofocas de celebridades na internet, me deixou enjoada. Eu só podia imaginar como era a seção de comentários.

15

Balas azedas e ácidas em forma de crianças.


Vance leu todos eles; eu tinha certeza disso. Toda vez que eu olhava, seu nariz estava preso em seu telefone. Eu perguntei a ele uma vez, em um momento de fraqueza. Tudo o que ele diria era o quão curioso todo mundo estava sobre mim, a garota que chamou a atenção de Ten. Eu estava infeliz. Mais miserável do que eu já estive. Vance queria ficar mais tempo, mas no domingo à tarde, nossos pais ligaram e exigiram que ele voltasse para casa para não perder mais a escola. Eu não tinha certeza se eles sabiam o que estava acontecendo. Eu duvidei disso. Quando falei com minha mãe, ela não viu nada na TV. Claro, a única coisa que meus pais assistiram eram shows de culinária. Eu duvidei muito que eles deram um figo voador sobre Ten. Eu não falei nada. Eu ia deixar Vance lidar com isso. Ele era bom nisso de qualquer jeito. Minha mãe percebeu como eu estava cansadq. Eu sabia que ela estava preocupada, e então tivemos uma conversa de dez minutos sobre ter certeza de que eu estava tomando meus remédios, blá, blá, blá. Depois de prometer que ligaria para ela depois da consulta médica, ela me liberou. A consulta do meu médico - algo que acontecia a cada três meses, era algo que eu estava temendo dessa vez. Havia muita coisa acontecendo agora. Tudo com Ten, escola ... o fato de eu não me sentia bem. Eu tinha sido muito bom em permanecer positiva, mantendo tudo sob controle, e então tudo desmoronou. Era difícil permanecer positiva quando tudo estava desmoronando. E agora era segunda-feira. Alegria. Depois que Vance saiu ontem, eu fui para a cama cedo. Sim, se você precisa saber, eu chorei até dormir. Nos lençóis que ele lavou para mim. Na cama em que dormimos juntos.


E se você deve, deve saber ... sim, eu usei o moletom dele na cama. Quando eu pedi a ele para ir, ele saiu com o meu. Eu ainda estava usando o dele. Era apenas uma camisola estúpida. Quero dizer, puxa, eu tive exatamente o mesmo. Exceto que eles eram totalmente diferentes. Tinha sido dele. Como eu estava deitada lá chorosa no escuro, eu me lembrei que era o casaco que ele comprou para que ele pudesse continuar a farsa de ser um estudante da BU. Isso só me fez chorar mais. Se tudo isso não bastasse no circo de merda que era a minha vida, eu estava a caminho de classe para desenhar esboço de uma mulher nua. Eu estava pensando seriamente em encontrar um lugar atrás dela. Eu acho que prefiro desenhar a bunda dela nua do que o outro lado. Ai credo. Eu sinceramente esperava que ela tivesse se depilado para isso. Uma risadinha irrompeu de dentro de mim. A pessoa andando alguns metros à frente de mim olhou por cima do ombro. Eu abaixei minha cabeça para que todos pudessem ver o topo do gorro de malha amarelo que eu estava usando. Estava frio hoje, mais frio do que eu estava preparada para lidar. Minhas articulações pareciam rígidas e hesitantes de dobrar; meu corpo inteiro estava desgastado e queria voltar para a cama. Em vez disso, eu me levantei e vesti calças grossas da Marinha, botas Ugg altas, uma camiseta branca de mangas compridas e uma túnica super macia com aparência de poncho em um lindo azul. Tinha um capuz, então eu não precisei colocar um lenço sobre a roupa. Eu deixei meu cabelo solto. Vance tinha trançado antes de sair, então quando eu levantei esta manhã e desmanchei, meu cabelo caiu sobre meus ombros em grandes ondas. Tudo o que fiz foi adicionar o gorro de tricô só para manter meus ouvidos aquecidos. Eu me perguntava o que ele estava fazendo, como eu fazia vinte milhões de vezes por dia. Ele tentou me ligar no fim de semana. Eu não respondi. Ele tentou escrever também.


Vance sugeriu que talvez eu lhe desse uma chance, que talvez ele realmente quisesse que eu gostasse dele e não de tudo na internet. Talvez. Mas, ao mesmo tempo, como eu deveria gostar dele se eu não o conhecesse? Eu acho que meu irmão ainda tinha uma queda por ele. Eu empurrei pensamentos dele para fora da minha mente, quando o prédio de arte apareceu. Agarrando a alça da minha bolsa de mensageiro, disse a mim mesma para fazer uma coisa de cada vez. Primeiro, desenhando uma mulher nua com uma bolsa na cabeça, enquanto algum professor malvestido, possivelmente demente, marchava ao redor, dizendo-nos tudo o que absorvessemos. Em seguida, a consulta do meu médico esta tarde. Eu não estava ansiosa para isso também. Eu quase gani para minha mãe e implorei para deixar Vance ficar com ela, mas no último minuto eu decidi contra isso. Eu odiava fazer uma grande parte da minha AR. Meus pais estavam preocupados o suficiente comigo. Eu não queria adicionar isso. Claro, agora que Vance não estava aqui para me dar uma carona, eu estava mentalmente me chutando. Como eu não tinha carro, tinha que pegar um Uber. Espero que eu não morra durante a viagem de quarenta e cinco minutos. A sério. Eu li este livro uma vez. É chamado de táxi. É sobre uma mulher que é sequestrada por seu motorista de táxi porque ele quer o rim dela ... Estremeço. Claramente, eu não era a única pessoa neste planeta com uma imaginação fértil. De qualquer forma, depois que eu passei por tudo isso, eu poderia ir para casa e fazer beicinho por causa do Ten. O escritório do professor ficava bem ao lado da sala de aula e, quando entrei, notei que a porta do escritório estava fechada. Ai credo. Aquela menina nua provavelmente estava lá esperando para vir mostrar seus bens para todos os nossos lápis. Eu fui uma das últimas a entrar, então tive que sentar em um dos únicos lugares restantes. Eu estava de costas para a porta, voltada para o centro do círculo, onde já havia uma plataforma para o modelo.


Cavaletes de madeira grandes foram todos criados com cadeiras na frente deles. Eu afundei e tirei minha bolsa, deixando cair aos meus pés. Todos se ocuparam em tirar seus suprimentos de desenho. Uma vez que eu tinha tudo pronto, atravessei a sala para tirar meu grande bloco de notas da pilha. Nós costumávamos mantê-los aqui porque eles eram grandes demais para carregar o campus o tempo todo. A pilha estava perto da porta e, enquanto eu procurava a minha, ouvi a porta do professor aberta. "Eu acho que terá que fazer", ele murmurou, mal-humorado. Meus dentes afundaram nos meus lábios. Esse cara estava de bom humor? "Totalmente não profissional", ele gritou. "Mas a arte deve continuar!" Eu praticamente pulei da minha pele quando ele apareceu, entrando na sala, vestindo sua calça vermelha e feia. "Senhora. Meier” - ele chamou. Eu segurei um estremecimento. “Apresse-se agora. Você vai precisar de todo o tempo que a turma será destinada hoje, sabendo o quão lento você desenha”. Que rude! Eu ofeguei antes que eu pudesse me parar e puxar o bloco no meu peito. Ele ouviu, parou, girou para olhar para mim. "Você disse alguma coisa, querida?" "Não, senhor", eu disse, desejando ter coragem de explodir ali mesmo. Ele fez sinal para eu sair, então voltei para a meu lugar e abri o livro para uma nova página. “O modelo que contratei para estar aqui hoje decidiu não aparecer”, anunciou ele. Internamente, eu tive uma minifesta de dança. Nenhuma modelo? Nenhum desenho de nudista! Este dia estava melhorando! “Algo que acho ser pouco profissional. Eu vou colocá-la na minha lista negra. Ela não será convidada de volta”. Se eu fosse ela, ficaria feliz. "Mas, como eu sempre digo, a arte deve continuar!" A garota ao meu lado gemeu. Eu olhei para ela com um olhar solidário.


“Eu consegui encontrar um novo modelo no último minuto.” Ele continuou. "Não exatamente como eu queria, mas tempos desesperados ..." Sua voz desapareceu, e ele foi para escurecer as luzes acima. Oh, ew O que foi isso? Iluminação de humor para desenho nu? Brincadeira. “De acordo com o tema de não conhecer o assunto pessoalmente e permanecer absolutamente objetivo, o nome do modelo não será dado. Nem seu rosto será visto”. “Ele?”, alguém gritou. "Sim. Nós estaremos desenhando a forma masculina esta semana” Eu tinha uma lembrança vívida do rosto de Stark quando estávamos na cama, enrolados juntos, e ele tinha sido absolutamente inflexível em não estar olhando para o pau e as bolas de outro homem para a aula. Incapaz de ajudar, eu sorri. "Se eu pudesse ter o modelo", o professor gritou. Eu ouvi alguém entrar na sala e fechar a porta atrás dele. Eu endureci, mas não olhei. Eu ia dar uma olhada em breve. "Por aqui, por favor." O homem entrou no círculo, eu olhei para ele e suspirei. Ele estava em um par de boxers pretos, então não totalmente nu. Havia uma bolsa na cabeça dele. Era de cor clara e não parecia totalmente opaca. Algo que foi provado pela maneira como ele foi capaz de se mover para o círculo para a plataforma. Não era suficiente para qualquer um de nós ser capaz de fazer qualquer um dos seus recursos. Meu estômago começou a fazer truques engraçados; meus nervos ficaram apreensivos. Eu mal podia olhar para a plataforma. Como eu deveria olhar o suficiente para desenhar? Algumas instruções foram dadas à turma e, em seguida, o professor disse ao modelo para se despir. Fiquei em segurança escondida atrás do cavalete e do bloco de notas, sem me atrever a olhar.


Houve alguns murmúrios e risadas das garotas próximas, mas o professor as calou instantaneamente. “Desenhem! ” Ele anunciou, como se isso fosse algum grande torneio ou algo assim. Agarrando meu lápis, respirei fundo e me inclinei ao redor do cavalete. Por favor, deixe ser apenas sua bunda, eu rezei. Não era. Na verdade, o modelo estava bem posicionado, então ele estava de frente para mim ... e tudo estava em plena exibição. Meu estômago caiu aos meus pés, meus olhos se arregalaram e reconhecimento bateu em mim com tanta força que eu realmente me inclinei para trás na cadeira. Oh. Meu. Deus. Eu pisquei. Pisquei novamente. Não poderia ser. Isso era. Isso não foi apenas um novo modelo que o professor conseguiu encontrar no último minuto. Era Stark. Eu não precisava ver o rosto dele, seus olhos azuis ou a mandíbula desalinhada. Eu reconhecia seu corpo em qualquer lugar. Minhas mãos estavam em cima dele há poucos dias. Eu passei a noite embrulhada em seus braços. Meus dedos começaram a doer horrivelmente, e eu olhei para baixo, percebendo que estava segurando o lápis com força. Eu soltei imediatamente, e a coisa estúpida caiu da minha mão. Não parei, no entanto. Não. Esse maldito lápis nunca parou. Rolou. Do outro lado do piso irregular de madeira, diretamente no círculo, diretamente na frente da plataforma. Eu engoli em seco, olhando novamente para Stark. Meu coração apertou. Um sentimento de saudade me atingiu, tão forte que eu suspirei.


"Meier!" O professor gritou de trás de mim. Eu pulei com tanta força na minha cadeira que quase caí fora dela. "Senhor?" Eu disse, me virando. "Pegue seu lápis e comece a trabalhar!" De pé na cadeira, senti um forte puxão dentro de mim como se estivesse sendo rebocada para o centro da sala. Meu pé bateu no lápis e ele derrapou um pouco mais perto da plataforma. Bolas de merda. Eu não podia acreditar que Stark estava nesta sala, nu! Como ele ousa entrar aqui exibindo seu ... seu ... item para todo mundo ver? Ele fez isso de propósito! Ele queria me afetar ... e caramba, ele estava fazendo um bom trabalho. "Eu não posso acreditar em você", eu assobiei, curvando-me para pegar o lápis. Sua risada familiar e calorosa roçou em mim. Minha mão tremia, e a vontade de estender a mão e acariciar seu estômago era quase irresistível. Quando eu estava de pé, estava praticamente no mesmo nível do seu pacote. Eu fiz um som abafado, e o ombro de Stark balançou com o esforço dele para não rir. "Você vai pagar por isso", eu disse baixinho antes de sair correndo. Quando me sentei novamente, olhei para o papel, não o vendo realmente, em vez revivendo todos os momentos que tivemos juntos naquela noite e a maneira como o corpo dele se sentia contra o meu. "Eu tenho que admitir", a menina sentada ao meu lado inclinou-se para dizer: "Eu estava temendo essa missão há dias, mas agora? Eu não estou me importando com a visão”. Eu suspirei. "Tire sua mente da sarjeta!" Eu bati. "Nem olhe para ele!" "Meier!" O professor gritou novamente. “O que há com você hoje? Caia no inferno para trabalhar!” A garota que eu gritei estava olhando para mim como se eu tivesse cinco cabeças. Eu pensei em cutucá-la nos olhos com este meu lápis malcomportado. Então ela não seria capaz de ver Stark e toda a sua glória nua.


A risada baixa e rica interrompeu todos os meus pensamentos vingativos e ciumentos. Eu espiei ao redor do cavalete novamente para onde Stark ainda posava, seu riso abafado pela bolsa. Oh. Ele ia pagar por isso.


TRINTA Ten Ah, doce satisfação. Ela me conheceu no segundo que seus olhos realmente me viram. Eu senti a reação dela mesmo do outro lado da sala. Violet não precisava olhar para o meu rosto nem ouvir minha voz para me conhecer. Passamos uma noite juntos e seu corpo reconheceu o meu instantaneamente. Sabendo disso, vendo com meus próprios olhos, valeria totalmente ficar nu em uma sala cheia de estranhos. E ouvi-la explodir com a menina ao lado dela? Muito ciumenta? Ainda bem que eu tinha essa bolsa na minha cabeça para esconder o gigante comedor de merda grudado no meu rosto. Ela ainda se importava comigo. Ela querendo ou não. Isso quase me deu um pau duro. Eu mantive em segredo, no entanto. Quero dizer, se as garotas daqui ficassem impressionadas sem mim, eu poderia mandá-las para todos os cantos se eu começasse a balançar um pedaço de madeira. Violet pode entrar em uma briga. A aula de noventa minutos parecia uma eternidade. Eu fiz isso para poder vê-la, mas não pensei sobre o fato de que eu realmente teria que ficar aqui e fazer um modelo para o total de noventa. Era difícil saber que ela estava ali, mas eu não conseguia tocar ou falar com ela. E merda, ela não estava mentindo sobre o professor. Cara gostava de gritar. Alto. E o que diabos estava acontecendo com as calças dele?


Quando a aula finalmente chegou ao fim, eu peguei minhas calças e as puxei, então voltei para o escritório ao lado para que eu pudesse me vestir. Eu bati minha canela na mesa e quase caí na minha pressa, mas eu queria ter certeza que Vi não saiu sem eu vê-la. Felizmente, ela ainda estava na sala de aula, arrumando as malas, quando eu espreitei. Do outro lado da sala de aula, havia outra sala a poucos metros de distância. Eu escorreguei para a porta e esperei. Quando sua forma familiar apareceu, estendi a mão e a puxei para fora do corredor, meio arrastando-a para sala vazia. Ela engasgou e tentou lutar, até que eu me inclinei e falei em seu ouvido. "Sou só eu." Ela se afastou de mim, seus olhos azuis arregalados. A malha amarela em sua cabeça os deixava ainda mais azuis. Ela me bateu no peito. "Que diabos você pensa que está fazendo!" Eu sorri abertamente. Deus, era bom vê-la. Eu senti muita falta dela, mas nem percebi o quanto. "Você não sorria para mim assim!" Ela sussurrou. "Nu! Você estava nu! Eu cruzei meus braços sobre o peito e decidi me divertir um pouco. "Eu disse a você que o único pau e bolas que você iria olhar eram os meus." “Todos os outros olharam para eles também!” Ela explodiu. Suas bochechas estavam rosadas e a ponta do nariz também. Merda, ela parecia adorável naquele gorro, sacudindo o dedo para mim, toda irritada. "Aww, baby", eu sussurrei. "Você está com ciúmes?" Ela me bateu no estômago novamente. "Claro que não estou" "Mentirosa" "Você é inacreditável", ela murmurou e mudou a bolsa em seu ombro.


Eu estendi a mão e peguei, puxando-o sobre a minha cabeça e através do meu corpo. Essa maldita coisa era pesada. Que porra ela estava carregando? Isso não poderia ser bom para suas articulações. “Como diabos você conseguiu isso? Por que você fez?” Ela disse, não reconhecendo o fato de que eu estava carregando sua bolsa. Ela também sentia a minha falta. Eu pude sentir isso. Eu vi isso nas profundezas de seus olhos e do jeito que eles nunca me deixaram. "Você não retornou minhas ligações", eu disse, suave. Ela fez um som. "Então você vem para minha aula, nu!" Um sorriso lento se espalhou pelo meu rosto. "Tive a sua atenção, não é?" Uma risada irrompeu dela. Ouvindo isso, ela bateu a mão sobre a boca, tentando esconder. Movendo-me devagar, estendi a mão e afaste-a, envolvendo a minha em torno dela. "Eu senti tanto a sua falta, Vi." "Stark." Sua voz estava tremendo quando ela puxou a mão para trás. "Fale comigo. Por favor." "Eu não posso. Não agora." Eu balancei a cabeça. Determinação resolvida dentro de mim. "Eu não estou aceitando um não como resposta". "Ande comigo." Ela apontou para a porta. Puxei o boné de beisebol do bolso de trás e o coloquei para baixo sobre o rosto. Um olhar fechado encheu seus olhos, e eu odiei isso. Eu me lembrei que eu odiaria mais se a imprensa tivesse mais fotos de nós juntos. Nós não dissemos nada enquanto passávamos pelo prédio e até lá fora. O ar estava frio e Vi abaixou a cabeça contra ele. Eu queria colocar meu braço em volta dela para bloquear um pouco do vento, mas eu não tinha certeza se ela me deixaria. "Era a minha empresária", eu disse a ela, mantendo minha voz baixa. "Ela é quem nos seguiu, vazou as fotos e as informações online" Ela olhou para mim, surpresa. "Sua própria empresária?"


Eu grunhi. "Ela estava chateada, eu me recusei a voltar para casa." "Você não voltaria?" "Não." Eu senti seu olhar curioso. "Onde você mora?" “LA. Ela me quer lá. Eu preciso começar a trabalhar no meu próximo álbum” "Então, por que você está aqui?" "Porque você está" Violet parou de andar e se virou. "Você não pode dizer essas coisas para mim." "Por quê?" "Porque eu não sei se é verdade ou mentira." "Oh, baby", eu murmurei, chegando perto. Tomando uma chance, peguei as pontas do cabelo dela e esfreguei-as entre meus dedos. "É a coisa mais verdadeira que eu já disse." Ela se virou e começou a andar novamente. Meu peito parecia oco. Eu queria tocála novamente. "Ela não parece uma pessoa muito legal", observou Violet. "Ela é uma puta", eu disse com sinceridade. “Ela não se importa com nada além de sucesso. Estou pensando em demiti-la”. Violet pareceu surpresa. "Você pode fazer isso?" "Eu posso fazer o que eu quiser", eu disse, uma sugestão da minha velha atitude arrogante saindo. "Honestamente?" Eu perguntei. "Eu prefiro a verdade", disse ela, sem graça. Tão sarcástica. "Eu tenho medo que se eu a demitir, ninguém mais vai trabalhar comigo." Ela digeriu isso por alguns instantes. Algumas folhas de outono sopraram na nossa frente pela calçada. Eu olhei para todos os edifícios, todos eles eram grandes e velhos, todos eles tinham uma bela arquitetura. Eu definitivamente podia ver porque esse campus


era um bom cenário para uma escola de artes. Era definitivamente inspirador. "Você fez muitas coisas ruins." "Sim eu fiz" "Você se sente mal por eles?" Eu considerei a questão. Pesou a resposta. Violet queria a verdade, então decidi dar a ela. “Eu lamento a distância que é colocada entre mim e a música. Eu amo música. A maneira como você ama a arte”. Ela assentiu, compreendendo. “E eu me arrependo de levar minha raiva em direção aos negócios e meus demônios pessoais para os meus fãs. Eles merecem melhor. Afinal, foram eles que me tornaram famoso”. Sua voz estava quieta. Eu amei o fato de que ela estava realmente me ouvindo. Tentando entender. "Ser famoso é difícil, hein?" Eu ri baixo. “Muito mais difícil do que parece. Não é tudo apenas dinheiro e viajar pelo mundo. ” "Viajar é cansativo", disse ela. "Eu me canso apenas dirigindo algumas horas para casa para ver meus pais." Eu estendi a mão e prendi nossos dedos. Ela me deixou segurá-los por alguns minutos antes de enrijecer e se afastar. "Eu realmente não entendo ser famoso, mas eu posso ver o seu ponto, eu acho. Eu sei como me senti quando vi meu rosto por toda a internet com todas aquelas manchetes malucas”. “Eu sinto muito por isso, Vi. É disso que mais me arrependo. Ter machucado você." Ela puxou o telefone do bolso no suéter solto e acendeu. "Eu escutei uma de suas músicas", ela disse, ainda olhando para a tela. Eu senti minhas sobrancelhas se arquearem. "Você ouviu?" Ela assentiu. "Você tem uma bela voz. É muito bom. Eu posso dizer que você ama cantar”. “Eu pensei que você só ouvia o clássico”. Eu provoquei, acotovelando-a suavemente.


Ela não respondeu, em vez disso, olhando para o telefone e batendo na tela algumas vezes. Isso me incomodou, eu não estava recebendo toda a atenção dela. Eu queria isso. "Ei", eu disse, puxando seu braço para que eu pudesse ver seu telefone. “O que você está fazendo aí?”. “Pedindo um Uber” Eu recuei. “Um Uber. Por que diabos?” Ela hesitou, depois suspirou. "Eu tenho uma consulta médica." Eu fiz um som e peguei o telefone da sua mão. "Hey!" Ela protestou, tentando agarrá-lo de volta. Eu segurei fora do alcance dela e olhei para ela. “Me dê meu celular!” "Não", eu disse, então enfiei no bolso. Eu estava vestindo seu moletom. Não cheirava muito mais a ela. Mas ainda me lembrava dela. Daquela manhã. Da nossa noite juntos. "Stark", Violet rosnou. "Eu estou levando você." Ela cruzou os braços sobre o peito. "Não, você não está." "Você não vai sozinha, Vi. Eu não me importo como você está chateada comigo. Além disso, nos dará a chance de conversar no carro”. "Eu acabei de falar", disse ela, desviando o olhar. "Bem. Eu vou conversar. Você pode ouvir”. O conjunto teimoso em seu queixo me fez querer agarrá-la e beijá-la. “Você poderia ser sequestrada pelo motorista, baby. Você quer ser sequestrada?” Seu olhar se virou para colidir com o meu. "Você leu Taxi também?" Eu reprimi uma risada. "O quê? Não”. Eu só sei como sua mente funciona. Com que rapidez eu a aprendi. Isso francamente me surpreendeu. "Precisamos sair agora?", perguntei. Ela olhou para mim. "É uma viagem de quarenta e cinco minutos." Como se isso fosse me impedir. Se alguma coisa, isso me fez mais vontade de ir. A ideia de ela andar naquela distância com um estranho me deixou doente. "Eu não me


importo quanto tempo a viagem é". "Certo, então." Ela movimentou a cabeça uma vez, cautelosamente. Eu senti como quando ganhei Canção do Ano nos prêmios de música do ano passado. Colocando minha mão nas costas dela, eu a guiei na direção do jipe. Foi outra pequena vitória quando ela não se afastou. Uma pequena faísca de esperança acendeu dentro de mim.

Parei no meio-fio depois do que era um passeio mais silencioso do que eu pretendia. Eu queria conversar. Para fazê-la ver a razão. Ela realmente não estava tendo nada disso. Foi além de frustrante. Eu empurrei, mas não o suficiente. Eu não queria forçá-la, algo que também era extremamente frustrante. A única maneira que eu chegaria a Violet era pressionando o assunto, fazendo-a ver a razão. Eu só queria que ela entendesse. Forçando a fazer qualquer coisa, porém, parecia errado. Meu instinto era protegê-la. Proteja ela. Eu queria ter certeza de que ela estava bem e não estressada. Nós estávamos a caminho de seu médico, pelo amor de Deus. Era um tempo ruim para empurrá-la, encher sua mente com algo mais do que sua própria saúde. Eu preferiria que Violet fosse saudável e no estado mental adequado para esse compromisso do que me entender. Foi assim que eu soube. Como eu sabia que estava realmente apaixonado. Eu me importava mais com ela do que comigo.


Eu me importava mais em ter certeza de que ela estava bem do que ter certeza de que ela estava comigo. Na hora para crescer e dar a mínima, Ten. Meu subconsciente me repreendeu. Eu disse para calar a boca. Era Violet. Ela me ajudou a ver. Me ajudou a mudar. Na verdade, não mudar de verdade, apenas transforme-se no homem que eu já estava lá no fundo. Ela me transformou. E eu a amava. O jipe parou, mas nenhum de nós se apoiou ou ficou abalado pelo modo como esse carro se movia mais. Nós dois esperávamos, estávamos prontos para isso. Nós passamos bastante tempo aqui para saber. "Eu vou estacionar e estar certo", eu disse. Sua cabeça se virou. "O quê?" "Eu vou encontrá-la dentro", eu repeti pacientemente. "Não." "Não?" Minha sobrancelha levantou. “Esta é minha consulta médica. É privado" "Eu me preocupo com sua saúde, Vi." "Você não é meu namorado." Ela me lembrou. "Eu seria se você me deixar", eu respondi baixinho. A emoção passou por trás de seus olhos. Querer. Dor. Depois desapareceu e o azul endureceu. “E quem eu estaria namorando? Stark ou Ten?” "É o mesmo homem, baby." "Não me chame assim", ela disse cansada. A pequena faísca de esperança que eu tinha ganhado dirigindo-a até aqui estava lentamente começando a escurecer. Talvez eu tenha lhe dado muito tempo para pensar durante a viagem.


"Eu vou estar aqui para a sua consulta, Violet", eu entoei. Eu não estava preparado para empurrá-la, mas isso? Isso eu estava morto. Jesus, se eu não tivesse puxado essa estupidez hoje cedo na aula dela, eu nem saberia da porra do compromisso. Isso era inaceitável. Isso era totalmente inaceitável. "Você pode se sentar na sala de espera." Ela comprometeu, sua voz suavizando um pouco. Parecia uma maldita vitória duramente conquistada. "Passe pelo balcão de check-in, na esquina e à esquerda." Eu assenti uma vez. "Eu estarei lá." Ela hesitou antes de abrir a porta. Eu pensei que ela poderia dizer alguma coisa, mas o que quer que fosse, ela decidiu contra isso. Sentei-me no meio-fio e observei-a até que ela desapareceu por trás de um par de portas de correr e no centro médico. Ela ainda estava sentada na sala de espera, com uma prancheta no colo e uma caneta com uma flor gigante colada até o final na mão. Havia alguém sentado bem ao lado dela e a cadeira dela estava no final. Eu me perguntei amargamente se ela havia escolhido essa cadeira de propósito para que eu não pudesse me sentar ao lado dela. Como isso me impediria. Eu atravessei a sala. Algumas enfermeiras no balcão sussurravam, e eu tinha certeza de que ouvi meu nome. Foda-se. Eu não poderia ter nenhuma maldita privacidade? Minha menina estava no médico, sendo tratada por sua incurável desordem auto-imune. Este não era o momento de um twitter sobre Ten. Com escárnio ousado, eu tirei o boné da cabeça e enfiei a mão no meu cabelo, dando a todos uma melhor visão do meu rosto. Violet deve ter percebido minha presença ou talvez meu humor. Ela olhou para cima e depois para longe, como se pudesse me dispensar.


Finalmente chegando aonde ela estava sentada, eu estendi a mão, deslizando meus braços sob suas pernas e atrás dela. Eu peguei-a quando ela engasgou e sentou-se, deixando-a bem no meu colo. A mulher mais velha sentada bem ao lado dela nos encarou abertamente. Eu olhei para ela e sorri. "Como você está hoje, senhora?" Ela riu. “Você gostaria do meu lugar?”. “Não é necessário. Eu já tenho um”. “Tão doce”, ela murmurou. Violet estava me dando um olhar que provavelmente deveria ter me matado. Ainda bem que eu era um idiota resiliente. "O que você acha que está fazendo?" Ela rosnou. "Sentando com a minha garota", eu respondi suavemente. "Encontre outro lugar", ela sussurrou e começou a se levantar. Minhas mãos envolveram sua cintura, apertando e segurando-a onde ela estava. “Você quer ser noticiado hoje à noite por ter sido visto no consultório do médico com o Ten?”. “Eu odeio você” disse ela e se soltou no meu colo. "Oh, baby", eu murmurei. "Não, você não odeia" "Quem é o Ten?", perguntou a mulher ao nosso lado. Ela estava totalmente escutando. "Ninguém que vale a pena conhecer, senhora" eu respondi. Violet fez um som rude. "Preencha sua papelada", eu instruí e bati os papéis na prancheta. Ela virou a cabeça para trás para encarar os papéis. Alguns fios de cabelos loiros e ondulados me atingiram no rosto. Eu acho que eu merecia isso. Violet começou a preencher o topo do papel e eu olhei em volta para as pessoas sentadas na sala. Em frente a nós estava a porta com a palavra Reumatologia. Então, à minha direita, havia outra porta com apenas uma cortina dividindo-a da grande sala de espera. Eu assisti quando uma mulher de uniforme saiu e chamou alguém. "O que é isso?" Eu perguntei, mantendo minha voz baixa.


Violet olhou para cima. "É o laboratório. É onde os pacientes fazem exames de sangue”. Meu estômago virou. "Você tem que obter sangue hoje?" "Acho que não. Eu fiz isso há alguns dias para que eles pudessem ter meus resultados para a consulta de hoje”. Eu deixei escapar um suspiro que estava segurando. "Mas você pode ter que fazer isso?" Ela se virou para olhar para mim por um segundo antes de voltar. "Talvez." "Eu quero segurar sua mão se você precisar." A mulher ao nosso lado suspirou. “Vocês dois são apenas preciosos. Vocês acabaram de se casar?”. “Não, mas eu estou trabalhando nisso”, eu respondi suavemente. Violet se virou e olhou para mim novamente, seus olhos ilegíveis. Eu dei um tapinha no quadril dela. "Eu vou segurar sua mão". "Eu tenho que preencher isso." Ela apontou para o formulário. Eu assenti. Ela voltou ao formulário e eu a observei por cima do ombro. Todas as questões estavam relacionadas aos sintomas e nível de dor. Todos eles me fizeram sentir doente de alguma forma ou de outra. Eu não gostei disso. Eu não gostava de saber que ela lidava com essa merda no dia a dia e ela iria para o resto de sua vida. Quão difícil é se vestir? Se lavar? Levantar uma xícara à sua boca? Esse era o tipo de merda que ela estava sendo perguntada. Isso era uma merda que eu nunca pensei. Eu acabei de fazer isso. Eu apenas tomei a habilidade como certa. Isso quebrou meu coração porque em um ponto ela colocou ‘com alguma dificuldade’. O fundo tinha uma escala de um a dez, querendo saber qual era o nível de dor dela hoje. Ela colocou um seis. Meu corpo endureceu. Ela fez uma pausa e olhou para trás. "Você está lendo minhas respostas?" Ela assobiou. "Sim", eu disse, sem vergonha. Seis? Isso era muito alto. "Não!"


"Não teria que se você falasse comigo." "Eu falaria com você se cada palavra da sua boca não fosse uma mentira." Agora não seria o momento adequado para dizer que a amava. Eu tive que dizer a mim mesmo isso três vezes para não deixar escapar. "Senhorita Meier", uma enfermeira chamou, saindo pela porta. Violet saltou do meu colo e desta vez tive que deixá-la ir. Ela se virou para mim. "Fique". "Se você precisar de mim, venha me buscar", eu disse. Ela suspirou e recuou de volta para o escritório. A mulher ao meu lado virou a cabeça. “Ela tem sorte de ter alguém que se importe tanto. Nem sempre é fácil encontrar. Especialmente quando você está muito doente”. “Você tem AR também?”, perguntei. Ela assentiu e levantou a mão. Estava torto e deformado. Meu estômago afundou e pensei em uma das articulações tortas de Violet. "Tinha metade da minha vida". "Sinto muito", eu disse sinceramente. A enfermeira do laboratório chamou alguém e a mulher se levantou e saiu mancando. Uma nuvem escura se estabeleceu no meu humor. Este lugar era deprimente como o inferno. A maioria das pessoas aqui tinha mais de setenta anos. E então havia Vi. Brilhante. Jovem. Talentosa. Presa com isso para sempre. Eu sabia que ela me odiava agora, mas eu tinha que consertar o que estava entre nós. Ela estava lá dentro por um tempo. Eu estava começando a ficar nervoso, e as enfermeiras começaram a encontrar razões para caminhar por onde eu estava sentado. Eu deixo eles olharem. Eu não sorri ou reconheci. Esta não era a hora nem o lugar. Eu só esperava que tivéssemos saído quando a imprensa aparecesse. Ansioso e incapaz de ficar parado por mais um minuto, eu me levantei e me estiquei, girando em círculo e verificando o lugar. Perto do laboratório, havia um grande balcão com uma mulher atrás de um computador. Eu a ouvi dizer a senhora que se sentou ao lado de nós mais cedo sobre o equilíbrio dela durante o dia.


A mulher contou as mudanças, as mãos desfiguradas e os dedos se movendo mais devagar que a maioria. Eu não tive pena dela. Mas merda, não era fácil ver. Eu ouvi as palavras dela, como ela disse que Vi teve sorte porque nem todo mundo tinha alguém para ficar com eles em problemas de saúde. Ela estava aqui sozinha. Sem ninguém. Meu estômago doía, e os sentimentos subindo pela parte de trás da minha garganta, me deixaram desconfortável. Isso foi tudo culpa de Violet. Foi culpa dela ter todos esses sentimentos. Que meus olhos estavam abertos para aqueles ao meu redor. Por impulso, me afastei da fileira de cadeiras até o balcão. "Com licença", eu disse, deslizando até a velha senhora. "Só um momento, senhor", disse a enfermeira atrás do balcão. Então ela deu uma segunda olhada. O reconhecimento encheu seus olhos. "Eu gostaria de pagar o saldo desta senhora, por favor. Totalmente”. A mulher engasgou e os olhos da enfermeira se arregalaram. "Jovem, isso não é necessário." "Eu sei disso. Às vezes é bom ter alguém”, eu disse. Seus olhos ficaram lacrimosos e ela roçou o canto de um deles com o dedo. Os dedos da enfermeira atingem as teclas do computador algumas vezes. "As taxas deixada para o resto disto é mais de mil dólares." Peguei um maço de dinheiro e entreguei à mulher mil e duzentos em dinheiro. "Isso cobre?". "Você tinha isso no seu bolso?" A mulher mais velha engasgou e apontou para o dinheiro. "É como eu jogo", eu brinquei e pisquei para ela. Desde que eu tinha sido "exposto" estar aqui em Nova York, voltei a carregar minha quantidade normal de mudança. "Eu não posso deixar você fazer isso", disse a mulher.


"Já está feito", respondi e olhei para a enfermeira. Ela assentiu e imprimiu algum papel. "Aqui está o seu recibo mostrando que tudo está pago integralmente." "Oh céus", disse ela e pressionou o papel no peito. A próxima coisa que eu sabia era que ela estava me abraçando e eu estava cercada pelo cheiro do perfume da velha senhora. Ela meio que cheirava a minha avó. Eu a abracei de volta. "Deus te abençoe", disse ela, recuando. "Tenha um bom dia, senhora." "Se essa garota não se casar com você, ela não está bem na cabeça", ela anunciou, balançando o dedo torto para mim. "Eu vou casar com você", a enfermeira me informou. "Ele já foi pego" A mulher a repreendeu, então me deu um tapinha na bochecha. Quando ela estava indo embora, Violet saiu. Seus olhos foram para a cadeira em que eu deveria estar, e ela franziu a testa. Eu levantei a mão e acenei. Quando ela me viu, seus olhos pareciam realmente aliviados. Os músculos entre minhas omoplatas se apertaram. Algo estava errado. "Vai ser a mesma coisa para esta", eu disse à enfermeira antes de empurrar para longe do balcão e ir para o lado de Violet. Eu dobrei minha mão ao redor da dela e ela não recuou. "Eu tenho que pagar", disse ela. Mantendo a mão dela na minha, fomos até a mesa. A enfermeira tomou o papel em sua mão e seus dedos voaram sobre o teclado. Ela olhou para mim. "Mil e duzentos." Puxei um cartão de ouro do meu bolso e entreguei-o. "Sem dinheiro" Ela assentiu e pegou o cartão. "O que você está fazendo?", perguntou Violet, alarmada. "Cuidando de você", eu disse, colocando uma mão em volta do pescoço e inclinandose para beijar o topo de sua cabeça.


"Isso não é seu resp ..." Suas palavras foram cortadas. "Oh, não importa." Eu teria tomado um pouco de alegria na vitória dela, finalmente cedendo, exceto que eu sabia que era porque ela estava cansada. Isso não era uma vitória. A enfermeira me entregou o cartão e um papel para assinar. Eu tive que soltar a mão de Vi para assinar o recibo, e então ela enfiou a papelada restante em sua bolsa e penduroua por cima do ombro. "Podemos ir agora", disse-me Violet, com a voz baixa. "Espere", a enfermeira chamou. Nós dois olhamos para trás. "Você pode me dar seu autógrafo?" O aborrecimento me bateu com tanta força que quase me deixou tonto. Ao meu lado, Violet se arrepiou. Eu agarrei a mão dela novamente, ignorando o fato de que estava rígida. "Claro", eu disse, sorrindo. Ela deslizou um papel e caneta sobre o balcão, e rabisquei meu nome através dele. "Meu nome é Hannah", disse ela. Fiz uma pausa, então escrevi o nome dela no topo com um “obrigado por escutar” em baixo. Ela sorriu quando eu deslizei de volta, e me forcei a sorrir novamente. "Vamos", eu disse, colocando Violet ao meu lado e conduzindo-a através do prédio. "Todo mundo está olhando", ela murmurou. "Continue andando", eu instruí. Lá fora, o sol estava claro e Violet recuou contra ele. Eu era um bastardo sujo porque eu usei isso a meu favor, puxando-a mais apertado em meus braços e trazendo meu braço para proteger os olhos dela. Na calçada, virei-me de costas para o sol e parei de andar. Violet levantou a cabeça e olhou para mim. "O que está errado?"


Ela desfez-se em lágrimas. Eu não estava preparado para as lágrimas. Por qualquer tipo de choro. Especialmente não dela. "Ok, simples." Eu acalmei e puxei-a para o meu peito. "Não", disse ela, endurecendo. "Eu vou segurar você, Vi." Não havia espaço para discussão na minha voz. Ela chorou mais um pouco, seus ombros estavam tremendo. "T-talvez por apenas um minuto." Fechando-a contra o meu peito, ela se enterrou contra mim, pressionando o rosto no meu pescoço e se esforçando na ponta dos pés para chegar ainda mais perto. Eu me inclinei, espalmei a parte de trás de sua cabeça e balancei-a para frente e para trás gentilmente, e ela fungou na minha camisa. Eu queria saborear o momento, a sensação dela contra mim. Mas eu não consegui. Eu precisava saber o que aconteceu lá. "Vi, o que está errado, baby?" Eu sabia que deveria ter ido lá com ela. Ela não deveria ter que lidar com isso sozinha. Seus braços se apertaram ao meu redor e eu não perguntei de novo. Ela só queria conforto agora, e ela queria isso de mim. Graças a Deus. "Ugh", ela disse depois de alguns minutos de estar em meus braços. Levantando a cabeça, ela roçou os olhos. "Isso é tão estupido. Eu nunca choro com esses compromissos”. “Então por que agora?”, eu perguntei. "Eu sabia que estava chegando." Ela continuou, quase para si mesma. "Não é como se fosse uma surpresa. É só isso e…”. Ela se afastou e jogou os braços para fora. "É você!" "Eu?" Seus ombros caíram. "Estou cansada, Stark. Tão cansada" Eu fiz um som e me movi em direção a ela. Outra lágrima rastreou sua bochecha. Um carro guinchou até parar no meio-fio, várias portas se abriram e bateram, e o som de passos batendo se aproximou. "Ten!", gritou um homem com uma câmera. "Aqui, Ten." "O que você está fazendo aqui, Ten?", gritou outra pessoa com uma câmera.


"Lá está ela", o terceiro fotógrafo ligou. “Você está namorando com Ten? O que você está fazendo em um hospital?”. “Ela está chorando?” Essa pequena observação serviu para alterar os três fotógrafos em Violet. Eles se aproximaram, estalando as lentes e tentando entrar no rosto dela. Ela se encolheu, e eu estendi a mão para ela, mas um dos idiotas se empurrou entre nós. "Você está doente? Você precisa do dinheiro e das conexões do Ten para curar você?” Eu vi vermelho. Suas lágrimas. Toda esta situação ... Estes animais com câmeras. Eu bati no cara entre mim e Violet no ombro, e ele se virou. Eu o acertei bem na cara com um punho duro. Ele gritou e caiu. Enquanto ele estava abaixado, peguei a câmera que ele estava segurando e joguei na estrada, satisfação me enchendo quando ela quebrou em pedaços. "Isso me custou muito dinheiro!", gritou o homem, pondo-se de pé. Eu dei um soco nele novamente. "Stark!" A voz de Violet invadiu a névoa raivosa. Sua mão enrolou em volta do meu antebraço; o outro agarrou no punho que eu estava fazendo. "Pare", ela disse baixinho. "Vi", eu murmurei, flexionando minha mão e deixando-a afrouxar. Os fotógrafos restantes nos circulavam. Inferno, o cara que eu soquei estava puxando o celular. "Eu estou chamando a polícia", anunciou ele. Violet ofegou. "Não!" "Vá em frente", eu cuspi. "Veja se eu dou uma foda voadora." "Vamos," eu disse, puxando-a para o meu lado e levando-a embora. "O Jeep está bem aqui." Nós fomos rapidamente, mas é claro que fomos seguidos. Eles gritaram mais perguntas para nós. Para Violet. Uma multidão se formou. No Wrangler, eu a conduzi para seu assento e a fechei antes de correr e pular. "Não falhe hoje", eu rezei quando a iniciei.


Ela ronronou para a vida, e eu saí do estacionamento o mais rápido que pude. "Eles vão nos seguir?" Violet preocupada, olhando pela janela traseira. "Eu com certeza espero que não", eu murmurei. "Agora, eu gostaria de estar dirigindo meu Lamborghini." Os olhos de Violet se voltaram para mim. "Você tem um Lamborghini?" "Eu tenho muita merda que não importa." "Você vai ficar em apuros por socar aquele homem lá atrás?" Eu dei de ombros. "Provavelmente." Ela engasgou. Estendi a mão pelo assento e cobri sua coxa com a mão. “Não se preocupe com isso, querida. Da última vez, acabei por pagar uma multa”. "A última vez?" Ela perguntou. Dei de ombros. "Eles me irritam." "Eu posso ver o porquê", ela murmurou e se inclinou para o banco. Preocupação anulou a agitação que senti. "Você está bem?" Eu perguntei, deixando meu olhar roçar sobre ela. "Eles tocaram em você?" Ela balançou a cabeça. "Estou bem." "O que o médico disse? Por que você estava chorando?” “Aumentei minha dose. Isso é tudo." Meus lábios se afinaram. "Qual?" A resposta foi tranquila. "O metotrexato" Meus dedos ficaram brancos no volante. Eu tentei não reagir, mostrar qualquer tipo de emoção que pudesse tornar isso mais difícil para ela. Mas foda-se! Agora eu sabia por que ela estava tão chateada. Eles basicamente aumentaram sua dose de quimioterapia. Eu sabia de todas as leituras que eu estava fazendo que significava que seu sistema imunológico estaria ainda mais em risco. Os efeitos colaterais seriam piores ... Merda.


Eu alcancei o assento novamente, oferecendo minha mão, palma para cima. Depois de um momento de hesitação, ela colocou a dela na minha. Apenas aquele simples toque fez meu coração pular uma batida. E depois outro. "Por que eles inventaram isso?", perguntei. “Está funcionando, não está bem o suficiente. Eu tenho tido muitos sintomas ultimamente. Mais inchaço, mais dor”. "É minha culpa", eu cuspi, zangado comigo mesmo. "Eu coloquei você sob muito estresse." "Não é sua culpa, Stark", ela murmurou, dando a minha mão um aperto reconfortante. "Eu definitivamente estive mais estressada nos últimos dias, mas eu estava tendo essas coisas antes". "Por que você não disse nada?", perguntei. "Porque eu estava feliz." Essa resposta foi como um chute rápido no estômago. Se eu não estivesse dirigindo, eu poderia ter dobrado de dor. Ela estava feliz. Passado. Antes que eu explodisse seu mundo com minha identidade. Correção: antes de Becca explodir seu mundo vazando uma história para me fazer parecer bom. "Eu posso te fazer feliz novamente, Vi." Minhas palavras quebraram o silêncio pressionando em nós dois. "Não é tão fácil assim." Sua voz estava triste. "A única coisa que não é fácil é estar longe de você." Sua mão apertou a minha. Eu tive prazer em saber que ainda a afetava. Eu ainda sentia a química que sempre envolvíamos ao nosso redor. Eu poderia consertar isso. Eu poderia. Eu só tinha que descobrir como.


TRINTA E UM Violet

Ele me acompanhou até a minha porta. Eu queria que ele ficasse. Eu queria que tanto ele ficasse. Eu disse a ele para ir. Ele argumentou, como sempre fez. Ele era tão teimosamente encantador. Eu quase cedi porque, caramba, eu queria o conforto dele. Os braços dele. O jeito que ele cheirava. Eu disse a ele para ir. Deixá-lo no meu quarto só tornaria mais difícil. Mais difícil pensar. Para fazer uma escolha real. Porque quando Stark estava por perto, era só ele. Minha guarda estava abaixada. Eu estava cansada e fraca. Não só eu estava drenada mentalmente, mas também estava fisicamente drenada. Aumentar meus remédios não era grande coisa, mas com certeza parecia uma. Demorou muito para eu colocar a primeira dose na minha boca. Então eu esperei por semanas por efeitos colaterais desagradáveis para aparecer. Esperando por uma reação ruim ... ou pior, uma reação que me deixou doente, mas foi considerado tolerável. Eu só tomava o metotrexato uma vez por semana. Mas uma vez foi o suficiente para lançar uma sombra sobre todos os outros dias. Tome isso à noite, eles disseram. Certifique-se de que o dia seguinte seja um dia mais fácil para você, porque você pode ficar doente. Você pode ter uma dor de cabeça. Você pode ficar enjoada. Você pode perder alguns cabelos. Então eu tamava na sexta-feira, porque se um ou dois dias tivessem que ser destruídos, o fim de semana era melhor, quando eu não tinha aula.


Era uma droga porque o fim de semana era meu tempo livre e quem no mundo queria estar doente durante o tempo livre? Felizmente, eu não tive muitos efeitos colaterais. Apenas uma dor de cabeça e às vezes mais fadiga do que eu estava acostumada. Mas agora eu tinha que tomar mais. E o processo de ser corajosa o suficiente para engoli-lo, depois esperar, quase antecipando algum tipo de sensação doentia ou efeito colateral ruim, começaria tudo de novo. No entanto, eu sabia que tinha que fazer isso. Eu tinha que controlar todas as inflamações e sintomas. Eu estava ficando melhor, então isso me deu esperança. Mas isso não era bom o suficiente. Ainda não. Tudo parecia muito impossível agora, a maior parte sendo Stark. Ou Ten. Tudo o que eu deveria chamá-lo. Ele disse que seria meu namorado, se eu permitisse. Ele disse que queria estar por perto. Como eu poderia confiar nele depois daquela mentira? Quão estúpida eu era por não saber quem ele era? Mesmo se eu pudesse passar por tudo isso (porque no fundo eu sabia que podia), e o estilo de vida dele? O fato de ele não ter estudado aqui em Blaylock, mas uma sensação de que ele vivia do outro lado do país? A imprensa estava em cima dele, com quem eu já não tinha grandes experiências. Se eu estivesse com ele, eles também estariam em cima de mim. Eu simplesmente não me encaixava no mundo dele. Eu pedi a ele tempo. Ele deu-me. Stark me deixou na minha porta naquele dia com um olhar quebrado em seus olhos e foi embora. Agora eu só queria ele de volta. O tempo longe dele não era tudo o que estava pronta para ser. Mesmo com todas as minhas dúvidas e medos, sentia sua falta.


Eu deveria ter ligado para ele. Mas eu não sabia o que dizer. Enquanto eu caminhava pelo campus, o ar frio soprando, mal dei atenção a qualquer coisa que acontecesse ao meu redor. Alguém chamou meu nome e eu olhei para cima. Nate estava correndo em minha direção, sua bolsa batendo contra suas costas enquanto ele se movia. Ele tinha um gorro de tricô preto sobre a cabeça, escondendo todo o cabelo vermelho-escuro. Isso fez seus olhos verdes se destacarem. Foi o primeiro lugar que eu olhei quando ele parou na minha frente. "Hey", eu disse, incapaz de parar meus olhos de procurar o espaço ao seu redor, esperando que Stark pudesse estar com ele. "Ele não está aqui", ele respondeu com conhecimento de causa. Eu balancei a cabeça e ele caiu ao meu lado. "Ele me pediu para vir ver como você estava." Eu olhei para ele com o canto do meu olho. "É por isso que você está aqui?". "Eu gosto de você também", ele brincou e me cutucou no lado. Eu sorri. "Como você está, Nate?" Eu não o via desde a noite da rave. Minha barriga caiu só de pensar naquela noite. Sobre como foi bom. Sobre o tempo que passei com Stark quando voltamos. Sobre todo o tempo que tivemos ... levando ao meu irmão batendo na minha porta. "Eu estaria melhor se você falasse com meu primo." Suspirei. "Ele mentiu." "Ele meio que tinha um bom motivo." Parei de andar e olhei para ele. "Talvez. Mas ele poderia ter me dito quem ele era. Eu não teria dito ao mundo”. Os olhos de Nate se suavizaram. "Sim, acho que ele sabe disso." "Como ele está?" Eu disse, andando novamente. Eu não pude me impedir de perguntar. Eu estava com fome de informações sobre ele. "Ele voltou para Cali." Eu sacudi de surpresa. Ele saiu? "O quê?"


“Ele saiu antes de ontem. Disse que ele tinha alguns negócios para cuidar daquilo que não podia esperar". "Ele não me disse", eu murmurei. "Você disse a ele que precisava de tempo." Ele apontou. "Ele disse a você?" Ele ergueu a mão, cruzando dois dedos um sobre o outro. "Estamos perto." Eu sorri. "Então, como você esteve?" Nate perguntou, soltando a mão. "Mais algum desenho nu?" Eu fiz um som abafado. "Não! Graças a Deus." Depois que Stark não apareceu para a segunda sessão de modelagem, o professor teve um ataque e cancelou a coisa toda. “Como você está se sentindo? Como estão os medicamentos que tratam você?” Eu olhei para Nate. “Stark pediu para você me dar um depoimento?” Seu rosto ficou vazio. "Um depoimento?". "Pergunte-me um milhão de perguntas" Eu esclareci. "Ele está preocupado com você." Meu peito se apertou. "Estou bem. Eu não começo os remédios atualizados até sextafeira". "Você deveria ligar para ele. Ele está pirando”, ele respondeu. "Ele foi embora" Eu lembrei Nate. "Ele está voltando." Eu olhei de relance. "Ele está?" Ele revirou os olhos. “Você achou que ele foi embora para sempre? Ten não desiste tão facilmente”. “Quando?”. Eu perguntei, de repente me sentindo um pouco menos deprimida. Ele encolheu um ombro. "Em breve." "Diga a ele que estou bem, ok?" "Você poderia chamá-lo você mesmo." "Talvez", eu murmurei, evitando. "A verdade está em um nome, você sabe", disse Nate quando comecei a ir embora. Eu voltei "O quê?" "Você ainda o chama de Stark."


"Então?" Era difícil não ligar para ele como eu o chamava todo esse tempo. “No fundo, você sabe quem ele é. Ele não é o Ten, o popstar gigante prestes a fazer um retorno enorme. Ele é Stark, o cara com uma merda de jipe e um bom coração”. Nate deu um passo à frente e bateu na minha cabeça, depois para baixo sobre o meu coração. "Você sabe, então apenas admita já." Ele se virou e me deixou ali parada enquanto alguns flocos de neve gordos caíam do céu e flutuavam vertiginosamente em direção ao chão. Talvez ele estivesse certo.


TRINTA E DOIS Ten

A única maneira pela qual uma lagarta pode se tornar uma borboleta é deixar seu mundo terminar para que uma nova possa renascer. Estranhamente, me identifiquei com a lagarta, feia e perdida. Mas eu estava pronto. Pronto para talvez se tornar uma borboleta. Eu não tinha certeza, no entanto, eu queria que todo o meu mundo acabasse. Algumas delas eu realmente queria manter. Talvez seja aí que a verdadeira luta, está para mim o tempo todo. Na reconciliação com quem eu queria estar com quem eu já era. Eu nunca pensei que poderia ser um homem e uma popstar. O próprio pensamento quase me comeu vivo e matou ambos. Eu ainda não tinha certeza de como tudo funcionaria junto, mas eu sabia alguma coisa. Seria. Por pura vontade, eu transformaria a vida que tinha para a vida que queria. Algumas delas eu traria do passado ... para ser transformado em algo novo e mais bonito. Como uma borboleta. Preso como uma lagarta, mas quero ser uma borboleta. Borboleta. A música na minha cabeça se tornou um reflexo de mim. Da vida que eu estava vivendo. E eu estava começando a acreditar em Nate. Começando a pensar que poderia ser a melhor música que já fiz.


O tempo era a última coisa que eu queria dar a Violet, mas agora percebi que ela estava certa. Eu também precisava disso. Levar tempo não significava que eu a amava menos. Isso significava que eu a amava mais. A fim de voltar para ela e prometer que poderíamos fazer o trabalho, para provar a ela que eu era uma merda de verdade sobre querer estar com ela, eu tinha que colocar minha vida em ordem. Eu tinha que ser o homem que ela trouxe em mim. Um homem que a merecia. Então foi o que eu fiz. Foi muito mais fácil do que eu pensava que seria. Em vez de entrar na gravadora como um garoto bêbado e zangado, com muito talento para ser ignorado, eu fui lá sóbrio, com uma cabeça nivelada e uma lista de merda que eu queria. Eu ainda tinha muito talento para ser ignorado, o que obviamente funcionou a meu favor. Minha nova confiança (na verdade, eu sempre tive confiança; eu apenas escolhi canalizá-la de uma forma diferente - mais chata) me rendeu alguns acenos de aprovação, e eu consegui praticamente tudo que eu queria. Antes da reunião com a gravadora, sentei-me com Becca. Eu disse a ela exatamente como seria daqui em diante, e estabeleci limites sérios. Ela não era minha mãe, minha chefe ou foda-se, até minha amiga. Ela era minha empresária. Eu empregava ela. Sim, ela disse na minha carreira. Esse era o trabalho dela, mas eu tinha o poder de vetar tudo. Ela aprendeu rápido que eu iria começar a me exercitar certo. Ela colocou alguma resistência. Eu sabia que ela faria. No final, ela cedeu porque eu já tinha outro empresário espumando na boca para trabalhar comigo, e me certifiquei de que ela sabia muito bem disso. Acho que na hora Becca me disse que ainda havia pessoas na indústria que gostavam de mim, que se lembravam de quem eu era antes que a fama me transformasse em um monstro, era verdade. Assim que cheguei humilde e apologética, com aquela paixão de


volta aos meus olhos e regras na minha mão, as pessoas estavam dispostas a me dar uma chance. Eu não ia decepcioná-los, não desta vez. Eu não ia me decepcionar também. Eu finalmente entendi algo que eles ficavam dizendo na reabilitação. Você não pode ajudar alguém que não quer ser ajudado. Você não encontrará uma solução se não admitir que há um problema. Não sei por que demorei tanto para admitir que havia um problema. Eu estava grato, no entanto. Eu finalmente cheguei lá. Muito do crédito foi para Violet por me mostrar como era ser real novamente. Para ser grato pelo que eu tive, mesmo que não fosse perfeito. Ah, imagine isso. O Perfeito Ten não era realmente perfeito. Ela nem sabia que estava me ensinando essas coisas. Talvez seja por isso que a lição ficou desta vez. Ou talvez seja porque meu coração se envolveu. Porque eu me apaixonei. Todo o vôo de volta para Nova York, eu olhei pela janela para as nuvens brancas e fofas que se estendiam através de um céu infinito, e eu pensei. Alguns novos membros da equipe estavam comigo. Eu já prometi a eles que não seria um idiota. Tudo foi criado. Tudo foi posto em prática. Havia apenas mais algumas coisas que eu precisava lidar. Peguei o telefone e digitei um número familiar, um número que não tinha intenção de esquecer de novo. "Eu estou comendo todos os cereais frutados", disse Nate, mastigando irritantemente quando atendeu o telefone. Eu ri. "Sua bunda, melhor ir buscar mais um pouco". "Você está voltando?" Ele perguntou, batendo em seus lábios. "Vai pousar dentro de uma hora." Sua voz era mais séria quando ele respondeu: "Você entendeu tudo corretamente?" "Quase", eu disse, então olhei de volta para as nuvens.


"Qualquer coisa que eu possa ajudá-lo?" Eu sorri para mim mesmo. “Na verdade, preciso da sua ajuda com tudo isso. Você gosta de jogos?”. “Eu gosto de jogos” - ele disse, fazendo barulho novamente. "Bata-me" Eu disse a ele. Então eu falei mais. Eu tive que segurar o telefone longe do meu ouvido quando ele respondeu. Os caras do outro lado do avião riram. Depois que desliguei o telefone, eu estava cheio de emoção, do tipo que não sentia há muito tempo. Com Nate dentro, tudo foi finalizado. Agora eu só precisava pegar a garota. Para espalhar minhas asas e voar.


TRINTA E TRÊS Violet

Eu finalmente decidi ligar para ele. Ele não respondeu. Outro sinal de que o universo me odiava? Ou talvez um sinal de que Stark não tinha intenção de voltar. Quero dizer, realmente. Ele poderia ter alguém, literalmente qualquer uma. Eu desmoronei e passei algum tempo no Google. Não foi um bom uso do meu tempo. Na verdade, eu tinha certeza de que era o que levava a esses pensamentos autodepreciativos. Stark namorou algumas das mulheres mais desejadas em Hollywood. Todas elas eram lindas e perfeitas - nada como eu. Talvez tenha sido o melhor que ele não tenha respondido. Afinal, isso provavelmente acabaria mal. Melhor deixá-lo ir agora antes que doesse ainda mais. Isso poderia realmente doer mais? Já é excruciante. Eu já estava totalmente apaixonada por ele. Isso é o que mais machuca. Ele mentindo. Eu amando ele de qualquer jeito. Eu olhei de volta para o telefone ainda apertado na minha mão. Eu não me preocupei em deixar uma mensagem. Enquanto eu estava sentada, ele tocou. Meus dedos apertaram e um pequeno choque de adrenalina explodiu dentro de mim. Talvez tenha era ele. Talvez ele tenha visto a chamada perdida e estivesse retornando. Aceitei a chamada sem nem mesmo ver quem era. Meu coração estava palpitando enquanto eu amassei meu ouvido. "Stark?"


Alguém limpou a garganta. "Nate". Eu esvaziei como um balão com um buraco gigante nele. "Ei, Nate." “Encontre-me lá fora” Eu animei-me. "O quê?" "Estou no estacionamento. Me encontre aqui. Nós temos um lugar para estar”. "Eu não sinto vontade de ir a lugar nenhum", eu disse a ele. Eu só queria sentar no meu quarto e fazer beicinho. Fazer beicinho era totalmente terapêutico. "Traga sua bunda aqui, Violet." Eu acho que foi o mais mandão eu já ouvi ele. Quem sabia que havia algum aço debaixo de todo esse sarcasmo bobo? "Tudo bem." Eu falei e desliguei a ligação. Eu tinha que admitir que estava curiosa sobre onde ele achava que deveríamos estar. Eu estava vestida com um par de calças da Marinha e um suéter comprido e solto cor de trigo com um pescoço grosso na gola. As mangas eram compridas, e eu gostava de usálas nas minhas mãos, então eu cortava alguns buracos nas laterais só porque eu queria. Eu estava cansada e me sentindo preguiçosa esta manhã, então eu puxei meu cabelo em um coque bagunçado em cima da minha cabeça e não toquei nele desde então. Fios caíram em volta do meu rosto e no meu pescoço, mas eu os ignorei. Como estava frio lá fora, eu usava um par de meias até o joelho da mesma cor do meu suéter, então enfiei meus pés em um par de altas botas marrons, deixando a parte de cima delas espreitar. Peguei a mini mochila que carregava em vez de uma bolsa (era menos pressão no ombro porque distribui o peso uniformemente) e empurrei meu telefone e a chave do quarto quando saí. Nate estava estacionado no meio-fio, o Wrangler branco gaguejando atrás dele. Meu coração apertou vendo-o se inclinar contra isso porque não era ele que eu associava com aquele pedaço de lixo. Era Stark. Stark, que na verdade dirigia carros que custavam mais do que toda a minha educação universitária.


"Eu estava com medo de desligá-lo", Nate chamou, afastando-se dele. "Droga não queria pegar." Talvez perdi Stark tanto quanto eu. "Este é realmente o seu jipe?" Eu perguntei, empurrando além da dor em meu coração. Ele fez uma careta e cruzou os braços sobre o torso coberto de capuz. “Eu pareço o tipo de cara que dirigiria esse balde de parafusos?” Como se ofendido, o jipe estremeceu. "As chaves estão na sua mão." Eu o lembrei, reprimindo um sorriso. Ele empalideceu. "É Stark. Ele comprou do meu pai”. Eu pisquei, pega de surpresa. Stark comprou o jipe de Derek? Por que ele faria isso? Especialmente quando eu sabia que ele estava melhor. Nate não disse mais nada, em vez disso, gesticulando para eu entrar, então eu fiz. Quando eu estava ao lado dele, eu disse: "Você o chama de Stark ou Ten?" "Ninguém nunca o chamou de Stark até você." Eu já sabia daquilo. Eu ainda perguntei de qualquer maneira. "É estranho quando você o chama assim?" Nate deu de ombros. “Foi no começo. Agora cabe a ele”. Isso coube a ele. Muito. "Onde estamos indo?" Eu perguntei. "Você verá." Suspirei. Alto. Na esperança de mostrar o quão irritada eu estava. "Eu não estou realmente com humor para enigmas, Nate." Ele fez uma pausa para afastar o jipe do estacionamento, olhando para mim. "Ele quer você lá." Eu senti meus olhos se arregalarem. Esperança floresceu no meu peito. "Quem?" Ele me deu um olhar fulminante. "Você sabe quem." Eu cruzei meus braços sobre o peito. A ação fez meus cotovelos doerem e meu pulso queimar. “Eu apenas tentei ligar para ele. Ele não respondeu”. Nate fez um som. "Ele está ocupado."


Eu fiz um som em retorno. "Não muito ocupado para conseguir que você venha me buscar." Nate me deu um olhar de pedra, e eu desviei o olhar. Nós fomos o resto da curta distância em silêncio. Quando chegamos ao prédio principal do departamento de música, notei como estava lotado o estacionamento e como havia um monte de carros na calçada e na rua. Um sentimento animado e agitado floresceu no meu estômago. "Ele está aqui?" Eu sussurrei, parcialmente brava comigo mesma porque eu queria desesperadamente que ele estivesse. “Ele convocou uma coletiva de imprensa. Ele está anunciando oficialmente seu retorno”. Meu corpo ficou rígido contra o assento. "Eu acho que toda boa imprensa ultimamente ajudou muito", eu disse azeda. O que diabos eu estava pensando estar aqui? Querendo ele. Na esperança. Ele poderia ter dito que me queria, mas isso foi antes de voltar para Los Angeles. Antes ele basicamente conseguiu sua vida e carreira de volta. Claro, ele voltou como Nate disse que faria, mas foi para fazer um anúncio sobre seu retorno. Não foi para mim. "Não há lugar para estacionar." Nate observou, diminuindo a velocidade para abaixar outra fileira abarrotada. "Acho que é o que acontece quando você está atrasado." "Por que estamos atrasados?" Engoli em seco e me virei para encará-lo acusadoramente. "Pensei que você não queria estar aqui", Nate respondeu maliciosamente. Notei a maneira como ele me olhava pelos cantos dos olhos enquanto continuava a dirigir. Eu pensei em dar-lhe o dedo. Quero dizer, realmente. Depois da terceira passagem pelo estacionamento e pela rua em frente ao prédio, Nate suspirou dramaticamente. O jipe sacudiu de repente enquanto dirigia pela pequena calçada e entrava na passarela de concreto que levava ao prédio. "Que diabos você está fazendo?" Eu engasguei e agarrei a maçaneta. "Este não é um lugar de estacionamento!"


Ele seguiu em frente, depois parou e desligou o motor no meio da calçada, o jipe de frente para a entrada da porta dupla. "Nós vamos para a cadeia", eu anunciei e deslizei no banco para que quando a polícia viesse, eles não pudessem me ver. “Ainda bem que Ten tem uma tonelada de dinheiro para fiança” Eu fiz um som abafado. “Você precisa se mover, encontrar um local real para estacionar. Inferno! Mesmo apenas uma estrada real!” Ele riu como se pensasse que nossa prisão iminente era adorável e enfiou um telefone na frente do meu rosto. "Aqui, observe." Eu teria argumentado, mas as palavras morreram na minha língua. Stark encheu minha visão e falar não era mais uma opção. Meus olhos absorveram a visão dele. Quanto tempo demorou? Nem mesmo uma semana, mas muito tempo. Muito, muito tempo. Meu peito parecia como se alguém tivesse acabado de mandar seu punho através dele, e eu mal conseguia respirar. Ainda esticada no banco, peguei o telefone das mãos de Nate, segurando-o. Eu trouxe meus joelhos, equilibrando meus calcanhares na borda do assento, e olhei fixamente para sua imagem. "Ele cortou o cabelo", eu murmurei. "E raspado." Meu dedo estendeu a mão e roçou seu rosto, como se eu pudesse alcançar através da tela e tocá-lo. A ação minimizou a janela e eu fiz um som estressado. Nate se aproximou e bateu na ponta, expandindo a imagem de modo que ficasse cheia. Eu bati na mão dele porque estava bloqueando a minha visão. “Que diabos, mulher? Estou tentando ajudar você!”. “Shh!”. Eu disse, puxando a tela para mais perto. “Por que não, Violet. Eu também não queria assistir a coletiva de imprensa. No meu celular” ele murmurou. "Shh!" Eu exigi novamente.


Ele se inclinou para o centro para tentar assistir, mas eu o ignorei. Minha atenção concentrou-se apenas em Stark. Ele estava de pé atrás de um pequeno pódio. Flashes e o clique de câmeras criavam muito ruído de fundo. Ele estava vestido simplesmente com uma camiseta branca simples e, provavelmente, um par de jeans e tênis de grife (embora eu não pudesse ver sua metade inferior). Seu cabelo estava mais curto agora, mais próximo dos lados e em volta do pescoço. O topo ainda era longo, mas não tão longo que parecia despenteado. Em vez disso, foi cortado de modo que as peças compridas da frente ficaram para cima, ligeiramente inclinadas para o lado. Seu rosto estava livre da barba que eu tinha me acostumado; sua pele era lisa e sem defeitos. Ele quase tinha um rosto de bebê, embora seu queixo fosse um pouco afiado demais e seus olhos um pouco sábios demais para dar a ele a aparência de completa inocência. Uma imagem repentina surgiu em minha mente de um cartaz que Vance tinha em sua parede vários anos antes. Era de Ten. Ele parecia limpo como ele fazia agora. Exceto que ele estava faltando alguma coisa, uma jaqueta de couro. Mesmo que ele estivesse parado em frente à imprensa, parecendo um popstar mesmo que a nuca tivesse sumido, o cabelo limpo e um boné não estivesse mais puxado para baixo - ainda havia algo parecido. O jeito que eu me senti quando olhei para ele. O jeito que ele me fez sentir. Eu não me importei com nada disso. Na verdade, não. Não seu dinheiro ou carros. Seu trabalho ou fama. Tudo o que realmente importava era como toda vez que eu o via, o desejo de pressionar a mão no meu peito, de alguma forma acalmar a dor ou ainda os tremores dentro de mim, era tudo que eu sentia. Este foi o homem que se sentou comigo quando eu estava doente, que me levou ao médico, mesmo quando eu gritei com ele. Ele me segurou quando eu chorei mesmo quando eu disse a ele que não. Ele foi o único que eu desenhei história em quadrinos. Ele entrou na minha aula de arte, nu, só para me ver. Ele mentiu sobre o seu nome ... mas no fundo, eu sabia exatamente quem ele era.


“Obrigado a todos por estarem aqui hoje. Eu sei que é um lugar pouco ortodoxo para convocar uma conferência de imprensa”, disse ele. O som de sua voz suave interrompeu todo pensamento dentro da minha cabeça. Sem pensar nisso, pressionei a palma da mão contra o meu coração enquanto batia lentamente. "Estou ciente de que fui considerado o inimigo público número um e que o meu comportamento no último ano e meio, praticamente afundou minha carreira." Ele fez uma pausa, limpando a garganta. “Vocês todos deveriam estar cientes de que muita da merda que estou prestes a dizer, provavelmente dará ao minha empresária um ataque cardíaco”. As pessoas riram ao fundo. Mas eu não. Meus dedos apertaram o telefone. "Você vê, ela não queria que eu viesse aqui e dissesse nada disso. Ela queria que eu colocasse minhas roupas de grife, a jaqueta de couro que eu sempre uso e viesse aqui como a estrela que todos vocês conhecem e amam odiar”. Ele estendeu a mão, segurando as laterais do pódio, e minha atenção foi momentaneamente roubada. Pelas mãos dele. Eu sabia exatamente o que elas sentiam quando ele pegava meu rosto e me beijava. "Como você pode ver, eu não escutei o que ela disse. Eu já estou sendo controlado pela gerência. Por outras pessoas que não sabem o que é ser eu. Não espero que alguém sinta simpatia por mim. Quero dizer, afinal de contas, quem reclama de ser famoso é praticamente um idiota. Estou certo?”. As pessoas riram. Alguns gritaram em acordo. Eu endureci. Ele não era um idiota! Como alguém se atreve a dizer que ele era? "A coisa é que eu não peguei meu foguete para a fama tão bem quanto deveria. Quanto mais famoso eu me tornava, mais irritado parecia me fazer. O mais recuou em um canto que senti. Eu percebo agora é porque eu me perdi. Quem eu sou além do Ten perfeito. Então eu agi como um idiota. Como um garoto de 19 e 20 anos. Eu acho que todo mundo comete erros e faz coisas bobas. Apenas nem todo mundo tem uma câmera seguindo-os ao redor. Eu não estou dando desculpas. Eu assumo tudo o que fiz”. Quando ele fez uma pausa, as pessoas começaram a gritar perguntas, mas ele levantou a mão e continuou.


"Eu vim aqui, para Blaylock, para dar uma palestra sobre como não agir como um idiota, porque você sabe, eles precisavam de um especialista, e eu era o maior idiota que eles poderiam encontrar." Eu me senti sorrindo. “Mas eu nunca voltei para Los Angeles. Eu me escondi, esperando que todos vocês esquecessem de toda a merda que eu tinha feito enquanto minha empresária trabalhava horas extras tentando me fazer ficar bem de novo”. “Eu me reconectei com algumas pessoas que costumavam significar muito para mim. Um em particular me lembrou que eu basicamente saí da minha vida. De todas as pessoas que me amavam antes de eu me tornar Ten”. “Ele está falando sobre mim!”. Nate gritou no meu ouvido. "Eu fiz isso!" "Eu percebi que ele estava certo." Nate me bateu animadamente no ombro. "Eu tinha razão!" "E então eu conheci outra pessoa ... alguém que todos vocês viram na imprensa comigo ultimamente". "A garota!", alguém gritou. "Conte-nos sobre a menina!" Eu respirei fundo e apertei meus lábios juntos. "Você é totalmente a garota", disse Nate, como se eu não soubesse. Eu tirei meus olhos da tela o tempo suficiente para dar a ele o que eu esperava que fosse um olhar fulminante. Ele fez uma careta e recuou. “A verdade é que ela não tinha ideia de quem eu era. Ela foi a primeira pessoa que pareceu, em uma eternidade, que não tinha qualquer tipo de expectativa de mim. Na verdade, na noite em que a conheci, ela realmente insultou Ten, sem perceber que ele estava na frente dela”. Stark sorriu e desviou o olhar das pessoas, da câmera. Olhe para cima. Olhe para mim. Quando ele falou, havia uma nova luz em seus olhos. Uma mais suave. “Quanto mais eu a conhecia, mais eu percebia o quão pequeno meu mundo tinha chegado… e quão grande o real era. Para ela, eu era apenas um pobre estudante universitário que nem sequer tinha um emprego. Quando, realmente, aqui estava eu,


aquele sujeito que se internou na reabilitação, aliviou sua carreira no banheiro e mandou todos da equipe desistirem. Eu estava literalmente me escondendo ... Eu pensei que minha vida tinha acabado”. Ele fez uma pausa, e todos insistiram em cada palavra que ele disse. Incluindo a mim. "Mas ela gostava de mim." Mais silêncio. Ele olhou para cima. Eu senti que ele estava olhando direto para mim. "Eu amo ela." Eu suspirei. Meus pés caíram do banco e eu subi rapidamente para frente. Eu estendi a mão e agarrei Nate, sem tirar os olhos do rosto de Stark. "Você ouviu isso?" Eu perguntei a ele. "Shh!" Nate replicou. “Minha vida não acabou, estava apenas mudando. Transformando. Uma lagarta para uma borboleta”. Uma lágrima rolou pela minha bochecha. Ele era exatamente isso. Uma linda borboleta. “Minha empresária me seguiu. Liberando essas fotos de nós sem o meu consentimento ou conhecimento. Tudo pelo bem da minha carreira. Eu não quero uma carreira como essa, ao custo da única mulher que eu amo”. Tudo explodiu, abafando o que ele ia dizer em seguida. Mesmo que a câmera permanecesse focada nele, as vozes da multidão chegaram com clareza cristalina. "Você está se aposentando do pop?" "Você está desistindo de sua carreira por amor?" "Ele não pode fazer isso!" Eu engasguei. "É um grande gesto", anunciou Nate. Eu abri a porta e pulei para fora do jipe. No segundo em que meus pés caíram no chão, comecei a correr, ignorando o protesto em quase todas as articulações de todo o meu corpo. Stark acabou de dizer ao mundo que ele estava apaixonado por mim. Mas quando ele disse isso, eu juro que era só para mim que ele estava falando.


Eu abri a porta e corri pelo saguão do prédio. Eu ouvi o Stark falando de novo, mas não me preocupei em levantar o telefone para ouvir. Eu tinha que chegar até ele. Eu tive que dizer a ele. Eu atravessei as portas do auditório como se tudo atrás de mim estivesse em chamas. Eu tropecei com a força da minha batida, meus tênis batendo no tapete, fazendo-me soar como um elefante em vez de uma mulher em uma missão. Stark parou de falar no meio da frase. Corri mais para dentro da sala, desci pelo corredor central e parei. Senti os olhares de um milhão de olhos, mas foi apenas o que vi. A sala ficou em silêncio, como se todos esperassem ansiosamente pelo que aconteceria a seguir. Meu coração estava trovejando sob minhas costelas, minha respiração entrando em curtos suspiros. "Eu também te amo", eu gritei. Todos os olhos voltaram para Stark, esperando por sua resposta. No entanto, ele não disse nada. Ele reagiu. Instantaneamente, graciosamente, Stark virou ao redor do pódio e saltou do palco. Eu ofeguei, pensando que ele ia cair na sua bunda (que vergonha, eu totalmente faria.), mas é claro que ele não. Ele pousou como um gato, com todos as nove de suas vidas ainda firmemente intactas. Eu parei, congelada no lugar, observando-o correr em minha direção como se fosse um campo de flores e eu estivesse em um comercial de perfume realmente ruim. Exceto que isso não era comercial. Se fosse, não seria para perfume. Esses comerciais são estranhos. Pouco antes de nós colidirmos, Stark parou, oscilando em seus pés tão perto de mim que eu podia sentir seu cheiro familiar. Eu respirei fundo, deixando sua presença me preencher. "Vi", disse ele, pegando minha mão.


"Isso não é o que eu pretendia gritar", eu disse a ele, de repente totalmente e completamente nervosa. "Você quis dizer isso?" Seus olhos azuis imploraram. Eu assenti. "Eu quis dizer isso" Ele pulou, agarrando-me pela cintura e me levantando dos pés. O som irrompeu em torno de nós, o ruído dominando todo o auditório. Eu não ouvi. Ele estava me beijando. Finalmente, eu estava de volta em seus braços, sob seus lábios. Um lugar que nunca pareceu tão certo. Quando o beijo se rompeu, pensei que talvez ele se afastasse. Nós estávamos, afinal, sendo vigiados. Ele não fez isso. Sua testa se inclinou contra a minha enquanto ele lentamente me abaixou de volta ao chão. "Eu te amo", ele sussurrou. Eu sorri. Então eu fiz uma careta. "Você não está desistindo de sua carreira, está?" "Que tal você vir até lá comigo e descobrir?" Ele estendeu a mão. Olhei de relance entre a mão oferecida e ele, depois entreguei a minha. As portas que eu acabei de passar se abriram novamente. Todos no lugar se viraram para ver quem era agora. Nate não pareceu notar. Ele me alfinetou e Stark com um olhar sombrio e pisou no corredor. Quando ele chegou até nós, ele me deu um olhar azedo e estendeu a mão. "Eu estava assistindo isso também, você sabe!" Fiz uma careta e entreguei a ele seu telefone. “Desculpe, Nate”. “O que eu senti falta?” Ele perguntou. "Ela o ama!" Alguém próximo gritou. Nate revirou os olhos. "Essa é uma notícia antiga." Stark riu. "Vamos lá. Este anúncio também envolve você”. Nate esqueceu tudo sobre eu fugir com seu telefone e nos acompanhou até o palco. Uma mulher estava de pé perto do pódio quando chegamos. Ela era alta e magra; todo o seu olhar gritava Hollywood.


"Eu espero que você saiba o que diabos você está fazendo", ela alertou Stark em voz baixa. Stark a olhou friamente com um olhar implacável em seus olhos. "Eu te disse, Becca", ele disse. "Eu sou o responsável agora. Agora, recue e pegue o seu pagamento antes de eu te demitir”. O choque ondulou sobre suas feições e eu reprimi um sorriso. Ela deve ter sentido minha diversão porque seus olhos se voltaram para mim. "Nem pense nisso." Stark avisou, a ameaça velada tão clara. Os olhos de Becca me deixaram instantaneamente. Para alguém que apenas se levantou aqui e falou sobre como todos governaram sua vida, ele com certeza era bom em assumir o controle. Deve ser essas novas asas dele. Falando de… "Seu pescoço", eu disse. "Está…" Ele olhou por cima do ombro e piscou para mim. Minha barriga se virou. Stark segurou minha mão quando ele entrou na frente do microfone novamente. "Como eu estava dizendo ..." Ele continuou como se não tivéssemos apenas confessado nosso amor e ficado na frente de todos. “Não tenho planos de deixar música. Eu poderia ter me perdido, mas a música sempre foi minha paixão. Estou aqui hoje para anunciar meu retorno ao pop. Eu ainda sou Ten ... não tão perfeito assim. E eu acho que meu novo álbum irá refletir isso”. A multidão ficou louca de novo. Todos os flashes e câmeras me deixaram tonta. "O que você pode nos dizer sobre o álbum?" “Quando liberará?” “O lançamento será anunciado. Estou aqui apenas para informar que está em andamento. Além disso, estarei aplicando uma abordagem mais prática à escrita, junto com meu novo compositor, Nate Roth”.


O rosto de Nate se iluminou como se alguém tivesse acabado de anunciar que ele ganhou a Powerball. Ele olhou para Stark e estendeu o punho. Stark bateu nele. “Tão feliz que você disse sim, cara. Eu não poderia fazer isso sem você”. “A próxima parada para o trem de Nate é LA!”. Nate anunciou. O que diabos era um trem Nate? Alguém na multidão se levantou. "Você pode explicar a nova tatuagem na parte de trás do seu pescoço?" Os lábios de Stark se abriram em um sorriso e ele olhou para mim. "É para o título e primeiro single do meu próximo álbum. Borboleta". Ele se virou e mostrou a todos o design que eu já havia notado. Era uma borboleta. Minha borboleta. O que estava em exibição quando ele chegou ao meu quarto naquele dia. As asas negras e alaranjadas estendiam-se pelo pescoço dele, e o corpo negro não era realmente um corpo, mas a palavra borboleta. "Como você conseguiu isso para se parecer tanto com o que eu desenhei?" Eu perguntei enquanto suas costas ainda estavam voltadas para a multidão. Ele sorriu. "Eu tirei uma foto dele naquele dia em seu quarto". "Você sabe, tecnicamente, que o desenho é protegido por direitos autorais." Eu provoquei. “Ainda bem que a artista me ama”. Ele piscou. Eu o amava totalmente. Os repórteres estavam gritando perguntas. Flashes estavam saindo. A sala inteira praticamente explodiu em caos. Stark olhou entre mim e a multidão, uma nota de preocupação rastejando em seus olhos. Tomando minha mão, ele caminhou até onde Becca estava. "Você pode tirá-la daqui." Ela assentiu com a cabeça uma vez. Becca subiu ao pódio como uma espécie de rainha prestes a exercer um poder inflexível. Mencionei que ela não estaria na minha lista de cartões de Natal este ano? Ou nunca. Stark e eu desaparecemos atrás das grossas cortinas de veludo cor de vinho, Nate nos nossos calcanhares. As pessoas gritavam por Ten e meus músculos ficaram tensos. Stark envolveu um braço em volta da minha cintura, me colocando em seu lado.


Dois homens de terno se aproximaram de nós quase no segundo em que aparecemos. Ambos eram homens altos e largos que usavam expressões sérias. "Tarte e Craft", Stark se dirigiu a eles, "esta é Violet, a garota que eu lhe falei. Quando ela está por perto, eu sou segundo. Correto?" Meu olhar foi para o dele. "O quê?" “Estes são meus novos guarda-costas. Nossos novos guarda-costas”. Ele se corrigiu. "Eu não preciso de um guarda-costas", eu protestei, meu estômago apertou. "Oh, baby", ele disse, quase triste. "Sim, você precisa" Eu fiz uma careta. "E eu?", Interpôs Nate. "Cara", Stark se dirigiu aos dois homens. “Esse é Nate. Ninguém nunca o incomoda”. Ambos os guarda-costas assentiram. "Isso foi incrivelmente rude." Nate observou. Um dos homens (eu não sabia se ele era Tarte ou Craft) tentou esconder um sorriso. "Onde você estacionou?" Stark perguntou a Nate. "Lá na frente", ele respondeu. Eu fiz um som. "Na calçada. Nós quase fomos presos”. Stark levantou uma sobrancelha para seu primo. "Menina drama", Nate sussurrou como se eu não fosse capaz de ouvir. “Há uma porta lateral aqui. Isso leva ao saguão principal”. Um dos seguranças falou. Eles nos levaram para o saguão principal e para as portas da frente. Ambos os homens nos acompanharam até o jipe, que ainda estava incrivelmente lá. Stark estendeu a mão e Nate bateu as chaves nela. Depois que eu estava no banco do passageiro, observei através do pára-brisa quando Stark falou com os dois homens. Depois de um momento, ele sorriu e apertou as mãos. Quando ele estava no banco do motorista, tive um caso súbito de diarréia na boca. “Eu tentei ligar para você mais cedo. Você não respondeu”. Como se isso ainda importasse.


"Estou aqui agora." Sua voz era suave, assim como a maneira como ele acariciava minha bochecha. "Umm, pessoal", disse Nate, enfiando o rosto entre os assentos. "Seu pequeno romance é o sonho de unicórnios, mas um caminhão de reboque simplesmente parou." Nós nos afastamos, e como uma unidade, nós três nos viramos para espiar a janela traseira de plástico. "Eu te disse!" Eu disse a Nate. "Então você estava na hora certa", ele murmurou. Então ele olhou para Stark. "Nós provavelmente deveríamos sair agora." Stark riu e virou a chave. O jipe emitiu um som que poderia não ligar. Ele tentou novamente. Ressoou à vida. Nós nos afastamos do prédio de música, fugindo quando os repórteres inundaram as portas principais da frente e o motorista do caminhão de reboque pisou na calçada.


TRINTA E QUATRO Ten

Eu não usava boné. Não havia mais sentido. Eu não tinha que me esconder. Do mundo, Vi ... de mim mesmo. Em vez disso, eu andei de mãos dadas com a minha garota do outro lado do estacionamento, longe do meu Jeep de merda favorito, sorrindo um sorriso genuíno e não dando a mínima para quem via. Eu não tinha mais motivos para me esconder. Eu possuí tudo sobre mim, tudo que eu fiz. Tudo até este ponto, até mesmo a merda, me trouxe aqui. Vi me pegou. As pessoas em seu corredor pararam e olharam. Alguns chamaram meu nome. Eu acenei e continuei andando, nunca soltando a mão dela. No segundo que ela nos deixou na sala, eu fechei a porta firmemente atrás de nós e a empurrei contra ela. "Eu fodidamente senti sua falta", eu rosnei e fui para os lábios dela. Violet ofereceu instantaneamente, levantando-se na ponta dos pés e envolvendo os braços em volta do meu pescoço. A sensação de seu corpo pressionado contra o meu desencadeou todo o desejo que eu estava tentando não sentir. Estava tudo bem agora. Tudo bem para sentir isso, para deixar isso me consumir. Por um tempo, pensei em tê-la perdido permanentemente. Eu não tinha certeza se poderia reconquistá-la. Aqui estava ela, em meus braços, embaixo dos meus lábios. Eu era um homem de sorte.


Usando o meu corpo para pressioná-la na porta, minhas mãos subiram para se perder em seu cabelo, mas não consegui porque estava preso para cima. Fazendo um som áspero, eu puxei para trás e arranquei o prendedor de cabelo e joguei por cima do meu ombro. As ondas loiras caíram ao redor de seus ombros, e eu suspirei, empurrando meus dedos e voltando para sua boca. Esta era a casa agora. Ela estava em casa. Violet era algo que o dinheiro não podia comprar, a fama não podia trazer, ser uma celebridade não iria continuar. Eu amei isso nela. Sua realidade era algo que sempre, sempre seria admirado. Seus pequenos e frios dedos mergulharam sob a bainha da minha camiseta - a camiseta que Becca achava que eu era louco, por usar na coletiva de imprensa. Ela trouxe algumas roupas de grife e empurrou para mim. Eu empurrei de volta e disse a ela que eu estava usando o que eu estava usando. Uma camisa branca simples e jeans. Eu não ia mais ser esse cara. O cara que só usava designer. O cara que sempre parecia estar completamente montado. Era mentira. Eu acabei de mentir. Sapatos, embora ... isso era algo completamente diferente. Eu gostava do meu tênis de grife. Eu ia ter que arranjar um par para Vi. Ou talvez dois. Pensamentos do que eu estava usando pararam no segundo em que as pontas de seus dedos se arrastaram pelos meus lados e abdominais. Eu mudei, angulando para que ela pudesse ter melhor acesso, convidando suas mãos para ir onde quer que elas quisessem. Achatando as palmas das mãos, ela correu por cima do meu peito e ao redor das minhas costas. A sensação de suas unhas apertando contra a minha pele fez meu pau já endurecendo ficar rígido. Eu queria ela. Meus olhos perfuraram os dela quando levantei as camisas sobre a cabeça dela. No segundo que elas estavam livres, ela chegou por trás dela e soltou o sutiã. Ela também se


soltou, revelando seios cheios e cremosos que subiram e desceram rapidamente com o ritmo de sua respiração. Com um gemido, fui até eles, enchendo minhas mãos e amassando. Sua cabeça caiu para trás, contra a porta e meus lábios se agarraram ao lado de seu pescoço. As unhas de Violet se enterraram nas minhas costas, seus quadris se inclinaram em direção ao meu corpo. Impaciente, eu a puxei para longe da porta e fomos juntos para a cama. Minha camisa se juntou a dela, meu jeans seguindo. Vi despida até que ela estava diante de mim em nada além de um par de shorts minúsculos feitos de renda. Os pequenos vislumbres de pele que pude ver através do tecido me deixaram louco. Eu a agarrei pela cintura, minhas mãos encaixando perfeitamente nas depressões acima de seus quadris. Seus lábios beijaram-me no meu peito, e ela lambeu um mamilo antes de se segurar e chupar. Eu gemi, colocando minha mão na parte de trás de sua cabeça enquanto meu pau pulava entre nós. Como se ela ouvisse um pedido silencioso, ela mergulhou e envolveu a mão em volta, dando-lhe um aperto suave. Empurrando-a de volta para a cama, tirei um momento para olhar para ela deitada ali. "Eu realmente acho que você é a mulher mais linda que eu já vi." Ela sorriu, prazer iluminando seus olhos. "Eu sou uma coisa certa. Você não precisa me lisonjear”, ela brincou. Eu me lancei para frente, vindo sobre ela. Ela gritou um pouco, mas eu não deixei meu peso bater nela. "Olhe para mim", eu disse a sério, pairando logo acima dela. Olhos azuis encontraram os meus e eu os procurei. "Eu te amo", eu disse a ela. "Eu te amo mais do que eu me amo." Ela suspirou meu nome e segurou meu rosto. "Você é a borboleta mais linda que eu já vi."


Eu a beijei longo e devagar. Suas pernas se envolveram ao meu redor, me puxando para seu corpo. Meu pau nu esfregou contra a suavidade de sua calcinha de renda, e meu corpo estremeceu. Ficamos assim por um tempo, beijando e explorando, movendo-nos juntos com a renda entre nós. Eventualmente, não foi o suficiente. Eventualmente, eu tive que estar dentro dela. Vi tirou sua calcinha e eu rolei em alguma proteção, estabelecendo-me entre suas pernas. Em um empurrão suave, eu deslizei dentro de seu calor, palavras incoerentes escorregando dos meus lábios. “Stark?” Ela perguntou. Eu levantei minha cabeça do pescoço dela, olhando para baixo. "Eu machuquei você, baby?" Ela sorriu e acariciou meu bíceps. "Não." "O que é isso?" Eu perguntei, lutando contra o desejo de me mover. "Você pode sentir isso também?" Ela sussurrou, acariciando meu ombro, enrolando a mão em minhas costas. Eu empurrei um pouco mais fundo dentro dela, apreciando o modo como seus olhos queimavam. "Sentir o quê?". "A forma como estamos conectados, como uma corda invisível que nos amarra" Eu sorri. "Desde a primeira vez ..." Eu puxei e empurrei nela novamente. Suas palavras foram embora. "Não é uma corda, querida", eu murmurei, dando um beijo ao lado de sua boca. Eu comecei a me mover novamente. Era impossível não fazer isso. O jeito que ela se sentia ao meu redor, como o corpo dela embainhava o meu perfeitamente, era bom demais para não explorar. "O que é isso, então?" Ela murmurou, sua cabeça caindo para o lado. Eu empurrei dentro dela de novo e de novo, incapaz de responder. Ela estava perfeita embaixo de mim, cabelo espalhado no travesseiro, bochechas rosadas e olhos nebulosos.


Movendo meus quadris, eu arrastei para trás, deslizando para fora, então apenas minha ponta estava pronta em sua entrada. Ela olhou para mim, tentando me puxar de volta para ela. Evitei suas tentativas e ela fez um som impaciente. Eu ri. "São nossos corações." Eu finalmente consegui responder. “Nós compartilhamos o mesmo agora. Onde você vai, eu vou ... ”. “Onde eu vou, você também”. Ela terminou. Eu mergulhei de volta em seu corpo, enterrando profundamente. Nós dois gritamos, e ela segurou minhas costas, balançando contra o meu pau. Sua respiração veio em suspiros curtos. Eu senti o aumento da tensão em seu corpo e também no meu. Nós nos esforçamos um contra o outro até que a felicidade tomou conta e nossos corpos se seguiram, vítimas de puro prazer, a melhor casualidade que uma pessoa poderia sofrer. Quando meu corpo e minha mente estavam em si de novo, rolei para o lado e estendi meu braço para abraçá-la. Nós nem sequer puxamos as cobertas para trás. Nós nos deitamos na cama feita. Debaixo do meu pé, senti a suavidade do cobertor, então levanteio com o pé, agarrei-o e, em seguida, espalhei-o sobre nós. Violet suspirou. "Você me perdoa", eu disse, acariciando seus cabelos. Sob o cobertor, ela desenhou círculos preguiçosos sobre o meu estômago. "Sim, eu perdoo" Tão simples, mas a simplicidade é muito raramente simples de alcançar. "Por quê?" Eu murmurei. “Porque eu vislumbrei o homem que você é debaixo da mentira que você contou. Eu vi suas lindas asas antes mesmo de você mostrar para o mundo” "Mesmo antes de eu mesmo os ver", acrescentei. “No entanto, você os encontrou sozinho. Você é o único que se libertou". "Por sua causa", eu disse a ela. "Não. Por sua causa. Você é muito mais forte do que imagina”.


Ela estava certa. Eu fui. A força silenciosa que encontrei em mim era uma surpresa, mas bem-vinda. "Eu acho que eu tinha que ser fraco antes que eu pudesse ser forte", eu disse baixinho. Então eu rolei para o meu lado, apoiado em um cotovelo, e deixei meus olhos explorarem seu rosto. Meu peito estava apertado, algo que eu sabia que nunca mudaria. Foi o que aconteceu quando você compartilha um único coração com alguém. “Você me mostrou como a força real se parece. Você é a pessoa mais forte que eu já conheci, Vi”. “Eu não sou tão forte”. Ela abaixou a cabeça. Eu levantei de volta e olhei nos olhos dela. "Sim. Você é. Você luta uma batalha silenciosa todos os dias, e de alguma forma você não deixa isso destruir você. Você encontra uma maneira de se aceitar por quem você é ... e por quem você não é”. "Você acha que podemos fazer isso funcionar?", ela perguntou, gesticulando entre nós. "Eu não sou do seu mundo". "Nem eu", confiei. "Não mais." Eu vi a dúvida em seus olhos, também a esperança. Eu sorri. "Vamos fazer o trabalho. Nem sempre será fácil, mas estamos conectados e estou comprometido com você. Para nós" Seus dentes afundaram em seu lábio inferior. "Eu não acho que posso te chamar de Ten" "Você pode me chamar como quiser", eu murmurei, inclinando-me para beijá-la. Então eu me afastei. Eu vi o sorriso em seus olhos, as palavras se formando em sua língua. "Exceto cara de cú", eu entoei. Ela riu. Quando seu sorriso morreu, ela perguntou: "Stark?" "Eu acho que gosto mais do que Ten" Ten não era eu. Ele era alguém que a mídia conhecia. Alguém que vendeu discos.

"O número como um nome." Ela meditou. Eu fiz cócegas nela. “Na verdade, é o Tennsion. Depois do meu avô”. "É lindo." Seus olhos se suavizaram. "Diga-me outra coisa."


“Eu fui para a reabilitação não muito tempo atrás. Eu estou ...” "Um alcoólatra?" Eu encolhi um ombro. Eu não gostava desse termo. Eu não queria ser isso. “Eles dizem que eu sou. Eu não me sinto como um. Ainda posso beber uma cerveja e não sair dos trilhos”. Sua mão acariciou minha bochecha. "Vamos trabalhar nisso, ok?" "Sim", eu disse. "Ok". Então eu pensei em deixar algo claro. "Eu não vou ser um problema para você. Você não vai ter que ser uma babá para mim. Ou se preocupar, em eu fazer algo louco”. “Como fazer xixi nas pessoas ou modelo nu com uma bolsa sobre sua cabeça?”. Vi diz com franqueza. "Você bate uma vez ..." eu murmurei. "Hum, tecnicamente, foi duas vezes." Eu ri. Ela fez uma careta e estendeu a mão para acariciar meu saco. "Eu sou a única autorizada a ver isso a partir de agora, entendeu?" Eu sorri abertamente. "Possessiva" "Isso não era um acordo." "Você é a única" Eu prontamente concordei. Ela fez um som como se estivesse feliz e se deitou. "Nate me disse que você comprou o jipe." “Eu gosto dessa coisa. Mais do que qualquer um dos meus outros carros caros e loucos. Quando ofereci a Derek algum dinheiro por isso, ele riu. Acho que ele ficou chocado que eu realmente queria”. "Mas ele vendeu para você de qualquer maneira." “Claro que ele fez. Esse é o meu jipe. Nosso jipe”. “Eu também gosto disso”, ela confessou. Eu grunhi. "Bom. Já que você vai dirigir”. “Eu?!”. Ela disse, arregalando os olhos. Eu assenti. “Eu sei que a fita adesiva é charmosa e tudo, mas é um risco de incêndio. Eu não posso deixar você andar por aí desse jeito, então estou colocando um novo mecanismo nele. "


"Stark…" Eu dei a ela uma olhada. “Você precisa de um carro quando não estou aqui para te levar, Vi. Você não está usando uma porra de Uber”. "Você não está me comprando um carro", ela insistiu. "Não, eu não estou. Eu comprei esse jipe para mim. Mas você pode cuidar disso quando estou em Los Angeles”. Eu realmente comprei para mim. Basicamente representava tudo o que eu aprendi nas últimas semanas. As aparências enganam. O dinheiro não é tudo. Mesmo coberto de fita adesiva, aquele jipe ainda corria. Tinha coração e determinação. Mas, a fita adesiva estava indo totalmente. Realmente era um perigo. "Você vai estar muito em LA", disse Violet, sua voz ficando um pouco insegura. Eu a prendi, cruzando meus dois braços ao redor dela, descansando meu queixo em sua cabeça. “Tecnicamente, é onde eu moro. Eu tenho um lugar lá, com uma piscina. Você pode nadar quando estivermos lá. A natação é boa para as articulações”. Nesse exato momento, eu estava com uma banheira de hidromassagem ao lado da piscina. Eu estava fazendo isso para ela. Eu sabia que seria uma boa terapia. "Eu não posso ir morar em Los Angeles. Eu tenho escola”, ela disse, tentando levantar a cabeça de cima de mim. Eu empurrei de volta para baixo. "Eu sei, Baby. Eu quis dizer durante os intervalos e talvez durante o verão. Eu sei que você tem escola e família na Costa Leste”. “Mas e você?”. Ela fez beicinho. “Eu trabalhei com o meu rótulo. Eu vou ficar aqui enquanto o álbum está sendo escrito. Eles me deram aprovação para escrever três das minhas próprias músicas. Nate está ajudando a co-escrevê-los. Eles estão enviando os escritores aqui para trabalhar comigo para o resto”. “Sério?” Ela disse. Desta vez eu deixei-a levantar a cabeça para encontrar meus olhos.


Eu assenti. "Derek disse que poderíamos usar o departamento de música durante as horas de folga para criar a música." "Você vai ficar." "Por agora. Eu terei que voltar para Los Angeles para gravar. E depois promo. E eu vou ter shows, viajar ... ”. Eu deslizei meus olhos para ela, de repente preocupado como ela aceitaria tudo isso. Nós definitivamente não teríamos um relacionamento tradicional. "As armadilhas de namorar um popstar." Ela suspirou. Meu coração pulou uma batida. "Então, estamos namorando?" “Bem, nós compartilhamos um coração. Eu acho que estamos presos um ao outro” "Você não está preso a mim", eu disse a ela, firme. "Se é demais ..." Ela apertou os dedos contra meus lábios. "Não estou entusiasmada com a ideia de compartilhar você. Mas é o seu trabalho e eu sei o quanto você ama isso. E eu amo você" Eu beijei seus dedos, falando contra eles. "Você está compartilhando apenas Ten. Stark é todo seu”. Ela sorri. "Eu posso viver com isso." "Eu quero você ao meu lado sempre que você puder ir embora, e eu vou estar aqui tanto quanto eu puder." Eu a apertei. Ela assentiu. "Gostaria disso." "E você está ficando com os guarda-costas", eu disse, não cedendo a minha voz. “Eu já tenho alguns alinhados para entrevistas. Eu não os contratei porque queria que você dissesse algo". "Quão generoso", ela murmurou. Eu dei a ela um leve aperto. "Estou falando sério, Vi. A imprensa é monstruosa. As pessoas vão ser diferentes para você agora. Eles vão tentar usar você. Eles querem coisas. Pessoas que me odeiam… vão te odiar” "Você vem com muita bagagem", ela replicou. "Sim", eu disse a sério. "Eu venho" Violet empurrou para cima em uma posição sentada. O cobertor caiu, revelando seu seio nu. "Eu tenho alguns dos meus próprios." "Sua saúde não é bagagem." Minha voz era firme.


"Eu estava falando sobre meu irmão." Eu ri. "Eu vou dar-lhe passes para os bastidores." "Isso deve fazê-lo", disse ela, um brilho nos olhos. “Eu te amo, Vi. Farei tudo o que puder para te fazer feliz”. "Eu já sou. Não me importo com a sua bagagem, a imprensa ou até com os guardacostas idiotas que você vai me dar. Eu te amo. Tudo o mais é apenas detalhes ”. Eu me inclinei para beijá-la. Eu estava tão feliz que poderia explodir. Assim que eu estava prestes a selar suas palavras com meus lábios, ela se inclinou para trás e levantou a mão. “Mas, uma coisa” "Diga." "Eu não quero nada com Becca." "Você está fora dos limites para ela. Eu fiz isso perfeitamente claro. Ela fará o que eu disse, ou eu vou conseguir um novo empresário”. "Você pode me beijar agora", declarou ela e esticou o rosto para fora, franzindo os lábios. Eu beijei o nariz dela em vez disso. Seus olhos se abriram e o coração que compartilhamos refletiu em seu olhar. "Eu te amo, minha borboleta", ela sussurrou e puxou minha cabeça para baixo para ela. A vida como eu sabia que era definitivamente tinha acabado ... mas o que consegui era muito melhor.


Figura 2 – 4 estágios de estar apaixonada – contado por uma borboleta. Quadro 1: Esquecimento. Quadro 2: negação (é isso, não exatamente o que eu esperava). Quadro 3: confronto (ou talvez não?). Quadro 4: aceitação.


EPÍLOGO Violet

O retorno de Ten foi, sem dúvida, um dos maiores da história pop. Todos os pessimistas afirmaram que realmente não foi um retorno porque ele realmente não havia saído. Mesmo em sua ausência, a mídia ainda fazia dele uma manchete. As pessoas mais próximas a ele sabiam, no entanto. Todos nós sabíamos o que ele passou e o que levou para ele chegar onde estava hoje. Definitivamente era um retorno… Na verdade, foi mais. Mais como um renascimento. Como uma borboleta emergindo de uma crisálida. Fazia pouco mais de um ano desde que eu cheguei em sua entrevista coletiva e gritei para todo mundo ouvir que eu estava apaixonada por ele. Eu o amava tanto naquele dia. Eu o amava ainda mais agora. De pé nos bastidores com um par personalizado de fones de ouvido manchados de tinta (eu ainda podia ouvir tudo; não era tão alto) empoleirado sobre meus ouvidos, eu o assisti dominar o palco e a arena esgotada o consumia totalmente. Ninguém mais usava fones de ouvido aqui, mas Stark me fez usar. Ele disse que precisava proteger meus ouvidos. Ele era ridículo, mas eu o amava por isso.


Era verão e Ten estava em turnê. Ele me disse que era uma das turnês mais curtas que ele fez, com duração de apenas três meses. Eu pensei que era como uma eternidade, mas todo mundo parecia pensar que era quase nada. Ele tinha sido insistente, porém, nada mais do que as férias de verão. Ele não queria estar fora do país quando o novo semestre começou e eu tive que voltar para Blaylock. Nós fizemos um acordo um com o outro quando começamos a trabalhar em tudo. Nós não ficaríamos mais de uma semana sem nos vermos, e até uma semana às vezes nos sentimos muito longa. Sua vida era definitivamente um redemoinho. Eu pude ver como era fácil ser pego nisso tudo. Definitivamente, era um desafio lidar com isso às vezes. Como quando a imprensa acampou em frente ao prédio do dormitório, ou a hora em que Ross tentou vender uma reportagem para a imprensa sobre como Stark chutou sua bunda. Essa história nunca chegou a ser impressa porque, bem, Ross teria que dizer ao mundo que Stark tinha chutado a bunda dele porque ele era um violento com as mulheres. Desafio ou não, valeu a pena. Toda vez que eu olhava para ele, nossos corações amarrados puxavam meu peito, e eu sabia que, enquanto estivéssemos juntos, nada mais importava. Ten estava no palco, tocando uma de suas novas músicas, uma colaboração com um DJ chamado Vein. Foi uma boa música. Eu gostei da batida, e gostei especialmente do jeito que os quadris de Stark se moverem quando ele dançava. Eu lambi meus lábios só pensando em voltar para o hotel mais tarde, onde poderíamos finalmente estar sozinhos. Como se ele soubesse meus pensamentos, ele olhou por cima do ombro e lançou um sorriso em minha direção. Becca estava a cerca de seis metros de mim. Nós mal tivemos uma conversa desde que nos conhecemos. Eu ainda não gostava dela, e ela ainda foi banida da minha lista de cartões de Natal. No entanto, ela fez bem o seu trabalho, então Stark a manteve por perto.


Ao meu lado, Vance aplaudiu e eu ri. Meu irmão se juntou a nós nas últimas semanas na turnê. Ele ainda era fangirl muito difícil sobre o meu namorado, mas pelo menos ele aceitou que ele não ia convencer Stark a ser gay como ele. Agora ele simplesmente se divertia com o fato de que seu ídolo era basicamente seu irmão. Quando Stark pediu a Vance para projetar uma jaqueta para usar no palco durante a turnê, ele quase fez xixi nas calças. Eu juro que ele entrou no modo de design total e veio com uma linha inteira de coisas para o Stark escolher. Stark, sendo o cara incrível que ele é, escolheu algumas peças para customizar e as usou para a imprensa perguntar sobre elas. A única peç era minha favorita. Uma jaqueta de couro (que aparentemente era famosa por Ten), mas com uma deferença. Ele me fez pintar uma borboleta nas costas, a mesma que foi tatuada na parte de trás do seu pescoço. Ele usava constantemente, me dizendo que era sua peça favorita. Vance começou Blaylock basicamente com um fã-clube embutido. Afinal de contas, ele era um estudante de design que já fazia alguns trabalhos para uma celebridade. A música animada disparou e Ten subiu para o microfone. “Esta próxima é a música que significa mais para mim. É inspirado pela minha própria jornada e co-escrito pelo meu melhor amigo, Nate Roth” A multidão aplaudiu e Nate apareceu ao meu lado. Ele tinha um cachorro-quente na mão. Eu dei-lhe um olhar WTF. Onde diabos ele encontrou um cachorro-quente? “Eu amo essa música!” Ele gritou. Então ele colocou a mão em torno de sua boca e gritou: "Cante, Ten!" Nate era tão bobo. Mas também o amava. Ele era como um irmão para mim, assim como Vance. Ele estava ganhando um nome para si mesmo no mundo da música depois de ter co-escrito com sucesso vários sucessos número um com Ten. Ele passou a escrever alguns por conta própria, um dos quais vendidos a um enorme cantor country, e havia outra venda nos trabalhos com outra estrela pop.


A música de “Butterfly” começou, e toda a minha atenção foi para o palco. Era minha música favorita. Eu adorava vê-lo cantar. Eu amei o som de sua voz e conhecendo o significado por trás das letras. Às vezes eu saía no departamento de música quando ele e Nate estavam trabalhando. Sua voz combinada com o piano (ele era como um gênio musical; ele tocava quase qualquer instrumento) nunca deixava de me acalmar. Eu sempre acordei mais tarde, quando ele estava me levando para o Jeep, perdi o resto da música que ele estava cantando.

Há uma linha tênue entre amor e ódio. As pessoas dão as costas por um centavo. Às vezes parece que tudo isso é apenas uma perda de tempo. Você não me vê Apenas a máscara que eu uso. Ninguém se incomoda em olhar por baixo. Eu não sou mais o homem que eu era Apenas alguém que todos querem que eu seja. Preso, Contraído, Envolvido por uma teia. Preso como uma lagarta, mas quero ser uma borboleta. Borboleta. Espalhe as asas coloridas e voe. Enroscado em drama, nenhum lugar para ir, mas para baixo. Bater no fundo do poço tem um som definido. De pé entre as sombras quando eu geralmente estou cego pela luz, Percebendo como o olho está abrindo na escuridão, Sentindo-se aprisionado todos esses anos de vista. Ações falam mais alto que palavras, Mas e se ninguém escutar?


Preso, Contraído, Envolvido por uma teia. Preso como uma lagarta, mas quero ser uma borboleta. Borboleta. Espalhe as asas coloridas e voe.

A música continuou e eu murmurei as palavras. Eu conhecia todos elas de cor. Quando finalmente o show acabou, Stark me pegou, me agarrando apesar de ser uma bagunça suada e sem fôlego. Eu dei um grito, mas não me afastei. Eu nunca faria. Ele puxou os fones de ouvido ao redor do meu pescoço e sorriu. "Como está minha garota favorita?". "Melhor agora que você está aqui." "Eu sou seu menino favorito", disse Nate ao nosso lado. "Não", argumentou Vance. "Eu sou." Nós nos entreolhamos e rimos. Nate e Vance continuaram a discutir, mas Stark e eu nos perdemos em nosso pequeno mundo. De pé entre irmãos discutindo, uma equipe de pessoas circulando e nossos guarda-costas vigiando tudo isso, estávamos completamente sozinhos. Dois corações se fundiram em um. Uma borboleta e sua flor. "Eu te amo", ele me disse, escovando um beijo em minha boca. "Eu te amo", respondi. Desta vez, o beijo foi mais demorado, e não, nós não nos importamos com quem viu. Eu passei meus braços em volta do seu pescoço, deixando meus dedos acariciarem a tatuagem que ele teria para sempre. Não foi a única coisa que Stark teve para sempre ... Ele também me tinha.


FIM

PS: Talvez o universo não tenha me odiado tanto, afinal, desde que você sabe, o bem que eu superei, superou o ruim. Desculpa, Universo, sabe, todo o lixo que eu falei sobre você.

Profile for Luua Gomez

Butterfly Cambria Hebert  

Esse é um dos livros mais doces e encantadores que tive o prazer de achar recentemente e resolvi compartilhar com vocês. Espero que vocês s...

Butterfly Cambria Hebert  

Esse é um dos livros mais doces e encantadores que tive o prazer de achar recentemente e resolvi compartilhar com vocês. Espero que vocês s...

Advertisement