Issuu on Google+

ABRIGO RESIDE VÍTIMAS DE RUPNCIAL PROTEGE TURA FAMILIAR CRIANÇAS E JOVE NS, RETIRAD FOTO: CINTIA FE RNANDES

OS DO CONVÍVIO DO S PA IS P O R M AUS TRATOS E EM ALTA V U LN E R A B IL IDADE SOCIAL, CONTAM C O M 2 0 ESTABELECIMENTO S NA CAPITAL

PUBLICAÇÃO EXPERIMENTAL DO CURSO DE JORNALISMO DA UNISINOS PORTO ALEGRE - EDIÇÃO 2 - NOVEMBRO/2013

Jovens transformam a via pública em ponto de encontro, com arte, festa e confraternização TEXTO: JOHNNY OLIVEIRA E TAINÁ RIOS FOTOS: LEONARDO STÜRMER

D

A S S O N É A A RU

O Geramor abastece a alegria na Praça dos Açores e nas calçadas em frente ao bar Tutti Giorni

epois de uma longa espera pela entrega do frete, finalmente chegou o gerador, e o dia de colocá-lo para funcionar. A compra feita em um site não muito confiável e de marca duvidosa foi o passo que faltava para pôr em prática o plano que vinha sendo pensado há algum tempo. Ao imaginar o barulho que o pequeno motor amarelinho de 20 quilos poderia fazer, preocuparam-se em não ligá-lo dentro dos quartos. Levaram o aparelho para o pátio do apartamento. “Não deu 10 minutos de gerador ligado para os vizinhos começarem a reclamar desesperadamente para a gente desligar”, lembra Mario Arruda. “Qualquer lugar pode ser nossa casa.” Esse é o lema do trio formado por Mario, Maurício Maurição Pflug e Ricardo Harry Giacomoni. Moradores do bairro Bom Fim, na Capital, os estudantes de Jornalismo, Relações Públicas e Psicologia, respectivamente, decidiram levar arte para rua. “Começamos a fazer festas dentro de casa. Aumentaram tanto que levamos para fora”, diz Harry. Antes, o barulho dos instrumentos ligados aos amplificadores não era bem apreciado por todos os moradores do prédio número 321 da Rua Felipe Camarão. Em represália, os vizinhos preparavam armadilhas. “Colocaram um peixe dentro da nossa caixa de correio!”, lembra Mario, apavorado. Não tinha jeito, eles necessitavam de um novo espaço. Foi então que decidiram levar alguns objetos de casa para a calçada. Com um carrinho de supermercado, passaram a carregar notebook, caixas de som, amplificadores, violão e o gerador para lugares como corredor de ônibus em obras, rótulas e parques. Uma vez instalados, disponibilizam o material da festa e liberam o lugar do DJ contando com o bom senso dos frequentadores. Nascia assim o Geramor, uma das festas itinerantes que hoje tomam as ruas de Porto Alegre. Segue na página 2

+

E TEM

ESTUDANTES PODEM FICAR SEM CASA l JOGANDO E TRABALHANDO NA CLANDESTINIDADE QUEM CONHECE O PARQUE KNIJNIK? l OCULTO. ASSIM TONIOLO QUER FICAR AGORA COMO É SER VEGANO NA CAPITAL DO CHURRASCO l O QUE AS PROSTITUTAS NÃO EXPÕEM NAS RUAS


2

FORA DO BAR, A FESTA É AINDA MAIOR Continuação Em junho de 2012, na noite fria de uma terça-feira, Porto Alegre dava o primeiro passo para a ocupação dos lugares públicos. Nas escadas do Viaduto Otávio Rocha, em frente ao Tutti Giorni, mais de 1 mil pessoas se reuniam para protestar contra o fechamento do bar, reduto dos cartunistas, por problemas com a administração do prédio. Meses depois, o Tutti Giorni reabriria ali perto, na Avenida Loureiro da Silva, criando em frente um novo espaço para encontros: as árvores e o lago da Praça dos Açorianos. Assim como antes, o bar atraiu muita gente do lado de fora, abastecidas por ambulantes. Só que com frequência muito maior. O bar fecha e alguns clientes continu-

am a festa na rua, o que desagrada o dono, Ernani Marchioreto, o Nani: “Tem gente que passa dos limites, aí ninguém pode fazer nada”. AQUI NÃO É LUGAR DE CARRO! Duas vezes ao mês, quando o relógio da Praça da Matriz marca 18h05min e o Mercado Público começa a fechar as portas, acontece o Largo Vivo. Numa dessas noites, em setembro, em meio aos automóveis estacionados, quatro amigos estavam sentados sobre suas cangas no chão. “Todos sabem que existe uma força maior contra a privatização das praças e dos largos, mas todo mundo vem para beber, fumar e fazer novos

amigos”, explicava o estudante Breno Garcia, 19 anos. O Largo Vivo quer ocupar os espaços públicos com pessoas, não carros. O cheiro e a fumaça dos cigarros tomavam conta do lugar e o sol começava a se pôr na Capital. Cada vez mais esteiras eram estendidas no Largo Glênio Peres, tudo em um clima muito amigável. “Já presenciei muito amor aqui”, observou a estudante Letícia Peixoto, 23 anos. Passadas duas horas, as pessoas já haviam tomado o lugar dos veículos e uma grande roda de música se formava. Mais à frente, no Chalé da Praça XV, concentravam-se os artistas de rua, cantando, tocando violão e batucando em tambores. E, entre eles, um músico quieto, Leo-

nardo Barbosa, sentado com um livro. “A energia é muito boa, mas todos poderiam sair daqui com algo a mais”, avaliava Leonardo, observando as rodas que não interagiam. O COMBUSTÍVEL ACABA, A ANIMAÇÃO NÃO Numa cidade onde fazer festa na rua é basicamente proibido, às vezes essas festas até se encontram. Em outubro, o gerador de Mario, Harry e Maurição foi instalado na Praça dos Açorianos, entre os frequentadores do Tutti Giorni, atraindo também o público do Largo Vivo. Até que a gasolina do gerador acabou, e o som parou. O efeito: as rodas de conversa aumentaram. Al-

guns partiram para buscar mais combustível e, ao reabastecerem o Geramor, foram recebidos com gritos e excitação. De cabelo black power e pele branca, com camisa multicolorida, Nicholas Zilz, 18 anos, não perde um Geramor: “É tudo que eu sempre quis, festinha freek (louca e de graça, na gíria da turma) para todos”. Para ele, algumas pessoas não se animam a fazer festas na rua por “medo de diversão”. Passando das 4h, toalhas e latinhas vazias são recolhidas do chão. Mais uma festa terminou, mas, para muitos, as ruas e os espaços públicos ganharam um significado diferente. “Transformamos o lugar de passagem em convívio”, conclui Maurição.

MER

ARDO STUR

EDITORIAL

FOTOS LEON

C

om frequência, o jornalismo pautase pela superfície. Fatos e pessoas que despontam no cotidiano estão na agenda das redações – que procuram sintonizá-la com a agenda da sociedade – e compõem grande parte das notícias. Mas, ora, a graça do jornalismo não é o nado, é o mergulho. E os alunos de Jornalismo da Unisinos Porto Alegre resolveram ir a fundo nesta edição, produzindo-a a partir de um tema: a Porto Alegre oculta. Quiseram buscar, das histórias, as que não eram contadas; das imagens, as que escapavam à visão; das memórias, as que andavam esquecidas. É assim a Porto Alegre que emerge nestas páginas, uma cidade vista com outros olhos. Então, mergulhe na leitura e renove o olhar com este LUPA.

VEJA MAIS INFORMAÇÕES

LUPAJORNAL.

SOBRE AS UNICOS.CC

MATÉRIAS NO

BRINCANDO DE CARNAVAL Coletivo revisita e reinventa festas de rua em Porto Alegre Ao mesmo tempo em que artistas e foliões investem muito em fantasias e escolas de samba chegam a gastar milhões com carros alegóricos, surge em Porto Alegre um grupo que resgata o carnaval pela sua essência e simplicidade: o Bloco da Laje. Em atividade desde 2012 e formado originalmente com o objetivo de reunir amigos, artistas e simpatizantes do carnaval, o Bloco hoje superou suas próprias expectativas. Já no primeiro ano que foi realizada sua primeira saída (chamada por eles de cortejo), conseguiu reunir mais de duas mil pessoas nas ruas do bairro Cidade Baixa. O Bloco é formado essencialmente por artistas, em sua grande maioria provenientes do teatro. Mesmo sendo profissionais da arte, eles lembram que os cortejos não são apresentações. Segundo Thiago Lázeri, integrante do coletivo, a ideia não é e nunca foi se apresentar, mas sim brincar e sair convidando as pessoas a brincarem junto com o Bloco. Sofia Ferreira, a “rainha de bateria” do Bloco da Laje, conta que existem muitos personagens dentro do coletivo, desde o bicheiro ao presidente, mas que nenhum representa al-

guma hierarquia entre eles. “Tudo é uma grande brincadeira que possui um caráter cênico muito forte”, conclui a “rainha”. O grupo propõe a deselitização do carnaval­­­­­. “Utilizar o espaço público nos possibilita uma interação total entre as pessoas, porque não se sabe nem se distingue quem vai chegar aqui: pode ser alguém das classes baixas, alguém da elite ou das classes intermediárias”, diz Juliano Barros, o “presidente” do Bloco. A revitalização de espaços públicos da cidade também é uma pauta dentro do coletivo. A opção de utilizar locais de uso geral, como a Redenção e a própria rua, é quase como uma esco-

lha política. O coletivo não quer privatizar o Carnaval, afinal, ele pertence às massas. “É a energia das pessoas que faz com que o Bloco se mova”, conclui Barros. Nos ensaios abertos, que normalmente ocorrem no Recanto Europeu da Redenção, a batucada se inicia um pouco tímida: os artistas começam a tocar e logo se vê alguns curiosos, outros já conhecedores e todos começam a se juntar. “Quem quiser brincar, quem quiser que brinque agora”. A letra convidativa faz efeito e a timidez sai de lado, dando espaço para a folia e a alegria. Dessa mesma forma os cortejos nas ruas de Porto Alegre são realizados: o Bloco da Laje sai para brincar e a população o acompanha. Sem intenções pré-estabelecidas e sem pretensão alguma: o grupo, um pouco sem querer e outro pouco querendo muito, deseja relembrar a essência do carnaval. O Bloco da Laje só quer levar as suas cores (o vermelho, o branco, o amarelo e o azul) pra colorir a cidade e a vida das pessoas.

TEXTO: LAÍS ALBUQUERQUE. FOTO: REBECCA ROSA

Bloco da Laje colore as ruas e cativa foliões por onde passa


3

UM LUGAR DE RECOMEÇO M aus tratos, violência sexual e rompimento de vínculo familiar. Esses são alguns dos problemas que levam crianças de zero a 18 anos a serem retiradas de suas famílias judicialmente e levadas para abrigos residenciais. Em Porto Alegre, cerca de 20 abrigos recebem crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social alta. Um desses é o Abrigo Residencial Sabiá 1, localizado no bairro Restinga. O lar possui um ar aconchegante. Com uma sala de estar com confortáveis sofás, quartos separados para meninas e meninos, uma sala de estudos, cozinha e refeitório, o AR 1, como é conhecido, tem capacidade para até 30 abrigados, mas no momento, recebe 16 crianças e adolescentes. “Tínhamos 18 até recentemente, dois evadiram. Um de 13 anos

e outro de três meses. Dois irmãos” – conta a educadora Lenir Wegner, para quem é normal isso acontecer, pois alguns são muito apegados à família e não aceitam a medida protetiva que os coloca sob guarda judicial. Em casos de evasão, a Justiça insiste em se manter com a guarda dos menores, uma vez que foram retirados de suas famílias por não existir a possibilidade de continuar sob a proteção delas. No abrigo, as crianças e adolescentes possuem uma rotina bastante movimentada. Quem estuda pela manhã, frequenta projetos educativos à tarde e vice-versa. Lá, eles são acompanhados por psicólogos, educadores, cuidadores e assistentes sociais que dão todo o apoio psicossocial para que os abrigados possam continuar a viver normalmente, depois de todos os problemas enfrentados.

A história de cada um tem sua particularidade. Um dos abrigados do AR 1, por exemplo, costuma ir e voltar devido às drogas. De acordo com Lenir, ele ajuda a limpar a casa, a cuidar dos mais novos, mas às

Abrigo residencial protege vítimas de ruptura familiar

vezes some e aparece de madrugada, sujo e descomposto. Nesses casos, a ação da assistência social tenta buscar, juntamente com a equipe disciplinar, acompanhamento médico e psicológico. Segundo a assis-

tente social Daniela Oliveira, esse menino já foi internado uma vez, mas tem resistência ao tratamento, nega a dependência química e por ser muito tímido, solicitou acompanhamento individual. Em todos os casos, quando os jovens chegam a um abrigo, é dever dos funcionários buscar informações sobre eles e tentar resgatar e reconstruir a história de cada um. “É um quebra cabeça que tentamos montar. Procuramos contato com a família para ver se há condições dessas crianças e adolescentes visitarem familiares nos finais de semana” – conta Daniela.

Em Porto Alegre, cerca de 20 abrigos recebem crianças e adolescentes em medida protetiva

TEXTO: CAROLINE GARSKE. FOTO: CINTIA FERNANDES

CENTRO COMUNITÁRIO ATENDE MORADORES DA ZONA NORTE

Descaso e baixo investimento da Prefeitura no local são justificados pela pouca afluência de público

UM PARQUE ESCONDIDO. DOS CIDADÃOS, PELA PREFEITURA Poucos porto-alegrenses sabem da existência de um parque localizado na Zona Sul de Porto Alegre, e que é desconhecido até por vizinhos. O Parque Gabriel Knijnik, localizado na Estrada Amapá, conta com uma área de quase 12 hectares, e tem sido esquecido pela administração municipal. Situado no bairro Vila Nova, o parque foi incorporado em 1997 às áreas verdes do município de Porto Alegre. No passado, foi área de lazer e sítio do engenheiro civil Gabriel Knijnik, que lhe dá nome. Knijnik doou a área ao município, em testamento, com o desejo de transformá-la em parque turístico para a capital. Somente após sete anos é que o parque foi urbanizado e inaugurado

em outubro de 2004. No local, há diversas espécies de árvores e também um banhado. Foram construídos nessa época, também, sanitários, o playground, cinco churrasqueiras, duas quadras de futebol em saibro, uma cancha de bocha, o mirante e um estacionamento para 100 carros. Apesar de toda a beleza, o parque necessita de manutenção e cuidados nos jardins, já que o amparo que recebe ainda é pouco. A Secretaria do Meio Ambiente (SMAM), quando procurada, não quis se pronunciar sobre o assunto. Porém, segundo funcionários da prefeitura, a atenção ao Parque Knijnik é menor que a dada a outros de mesmo porte na cidade.

TEXTO: MATHEUS MARTINS. FOTOS: REBECCA ROSA

O Centro Esportivo da Vila Ingá (Cevi), fundado nos anos 1970 pelo Governo Federal, vem sendo o esteio de muitas crianças há cerca de 40 anos. Crianças, adolescentes, adultos e até idosos utilizam o prédio na rua Desivério Severino, 227 - Vila Ingá, para realizar atividade esportivas, como ginástica, futebol e natação. Com verbas da Prefeitura, o centro comunitário divide suas atividades entre as estações do ano. No inverno são realizadas nas quadras, já no verão, nas piscinas. O CEVI atende cerca de 300 pessoas. Seu objetivo, como conta o professor Rondon Medeiros, é a inclusão de crianças em diversos esportes, principalmente coletivos. Segundo Medeiros, o futebol é o mais procurado. Foram nessas quadras que diversas crianças tentaram o sonho de ser jogadores de futebol, e pelo menos dois deles conseguiram chegar ao Grêmio: Yuri Mamute e Matheus Bitencourt (Biteco). “Foi um lugar especial, joguei lá quando tinha 10 anos e fiquei dois anos treinando com o Professor Tóvi. Aprendi muito, principalmente o respeito e a disciplina. Lá tinha que apresentar boletins de colégio para poder jogar,

se tirasse nota abaixo da média era cortado dos jogos”, disse Biteco. O complexo conta com três quadras poliesportivas, quadra de futebol sete, além dos salões para ginástica, salas de aula e piscinas. A verba que mantém o CEVI vem da Prefeitura de Porto Alegre e também de iniciativas privadas, e é utilizada para reformas e manutenção. Esses recursos mantém modalidades como basquete, futsal, futebol sete e atividades com a terceira idade. O Centro realiza ainda ações complementares em parceria com creches da região. No Centro atuam três professores, sendo dois estagiários, e quatro funcionários. Um quarto professor começou agora com atividades para a terceira idade, Para outros esportes como o vôlei, as turmas são autônomas. Para usufruir do Cevi, basta levar um comprovante de residência e carteira de identidade ou certidão de nascimento.

Crianças são os que mais usufruem das dependências do Centro Comunitário Vila Ingá

TEXTO: DOUGLAS DEMOLINER. FOTO: LUCIANO DEL SENT


4

HISTÓRIAS QUE A NOITE ESCONDE Drogas, exploração, humilhação, desemprego e at�� prazer são marcas na alma de quem vende o corpo TEXTO: LUANA SCHRANK. FOTO: LUIS FELIPE MATOS

“Uma mulher da vida era, ela própria, um anúncio luminoso aceso na noite ou a competir com o sol desde seu nascer até o domínio do meio-dia” Gey Espinheira, sociólogo, no livro Ruínas, Cinzas, Recordações

P

assava das 7 horas da noite. São Carlos, rua de paralelepípedos com pouca iluminação. Diversos carros estacionados. Perto da esquina com a Avenida Farrapos, uma feira coberta de lonas ainda estava aberta. Na calçada, a 10 metros dali, onde a única iluminação era de um poste, Samantha (nome falso, a pedido dela), 25 anos, espera os primeiros clientes com os olhos fixos nos automóveis que passam devagar. Está acompanhada por uma amiga, também prostituta. Com cabelos loiros “de farmácia” até a cintura, Samantha usa uma calça legging floreada para ressaltar o bumbum, grande atrativo de seu corpo. Está sorrindo, mas dentro de si guarda lembranças tristes. A história dela é como a de muitas naquela rua. REBELDIA SEMPRE TEM SEU PREÇO Samantha fugiu de casa aos 15 anos porque a mãe não a deixava sair para festas com companhias “erradas”. Foi morar com elas, em uma casinha de quatro de peças. Já viciada em drogas (cocaína, maconha e ecstasy), assim como todos os amigos, a então adolescente foi parar na rua. “Para sobreviver, roubava, principalmente mulheres. Eu, pelo menos, achava mais fácil roubar mulheres. Mais fácil do que obedecer minha mãe”, relata Samantha. Depois de um tempo conturbado

na rua, passou oito meses na Fundação Centro de Atendimento Socioeducativo ao Adolescente (Fundação Casa). Quando ganhou novamente a liberdade, voltou a morar com a mãe. “Sempre quando voltamos de algum lugar em que ficamos presos a vontade é de melhorar. Eu queria ser uma pessoa melhor para minha mãe. Ela merecia. Mas meu corpo não respondia à minha vontade. Ele necessitava de drogas”, lamenta. Até então, tivera três empregos fixos: em padaria, atacado e pizzaria. Nenhum pagava o que ela ganha com os programas. Samantha entrou no mundo da prostituição aos 21 anos, em uma boate, e ali ficou durante dois anos. Os motivos para se tornar prostituta, explica, foram muitos. Demitida dos trabalhos anteriores, pensou que as portas estavam se fechando. Na visão dela, restava apenas uma, a prostituição. “Achei que seria a única maneira de conseguir dinheiro.” Para algumas prostitutas, a rua é melhor do que casas noturnas. Segundo Samantha, dentro da boate as garotas são exploradas. A casa fica com grande parte do dinheiro dos programas. Para ter liberdade, poder escolher os clientes, cobrar valores e ficar com o dinheiro todo, além de trabalhar somente quando quer, Samantha foi para as ruas. “Por mais que eu esteja mais exposta à violência e outros perigos, faço meu trabalho por conta.” “Não me orgulho do que faço. Mas, no escuro, a única maneira que achei de acender a luz foi a prostituição. Quando todos fecharam a porta, só sobrei eu. O meu corpo. As pessoas me julgam, mas não sabem o que eu passo. De como é lidar com um vício que não consegui arrancar dentro de mim. É mais fácil ficar julgando do que realmente ver a verdade e ajudar”, desabafa Samantha.

ANTES DE PROSTITUTA, MÃE Na região da Rua São Carlos, às 10 horas da noite, há um intenso movimento de carros. Dentro deles, homens jovens, idosos, feios, bonitos. Todos olhando para as calçadas à procura de uma prostituta que os agrade. Em cada esquina, reúnemse pelo menos duas mulheres, com roupas curtas e gestos sedutores para chamar atenção dos homens – além de um travesti. Na metade de uma ruazinha deserta e cercada de árvores, sentada sobre as raízes na calçada, Daniele (nome que ela usa na noite) lê um livro com fones nos ouvidos. Não parece prostituta, mas esse é seu ofício há sete anos. Tem os cabelos pretos presos em um rabo de cavalo, veste calça branca e jaqueta jeans. Aos 28 anos, é mãe de uma menina de três. A vida tornou Daniele garota de programa por meio de uma amiga. Por mês, hoje ela arrecada cerca de R$ 5 mil. O programa custa R$ 80 “drive” (no carro) e R$ 100 no motel. É justamente pelo dinheiro que ela não sai da prostituição. Achar um emprego que pague quase o que Daniele consegue é muito difícil, e, para ela, juntar dinheiro é ainda mais. “Eu não tenho orgulho disso. Não acho que seja um serviço. Não gosto dessa situação. Eu estou aqui para sustentar a minha filha,” conta a jovem. Nas ruas, a principal queixa de Daniele – assim como a de Samantha – é a falta de segurança. Ela já foi assaltada muitas vezes. Uma noite lhe roubaram R$ 400. Por esse motivo, prefere ficar em frente a um motel do bairro Floresta, onde há câmeras e pessoas chegando e saindo. Mas a violência não é o único perigo. A Aids é um grande inimigo. “Tem gente com HIV que vem aqui para nos contagiar. Oferece mais dinheiro para transar sem camisinha. Se cobra R$ 100, eles oferecem

R$ 200.” Além disso, Daniele ainda sofre com as humilhações. Uma delas foi quando um carro parou perto de onde estava e dois garotos cuspiram nela. E isso acontece muito. Mesmo assim, a jovem não vê outra maneira de ganhar dinheiro senão a prostituição. O dinheiro não vem fácil, mas sustenta ela e a filha. ”ADORO ESSA VIDA DE PROSTITUTA” Na esquina da Rua São Carlos com a Rua Hoffmann, Kelly (nome falso), de vestido branco curto e salto alto, conversa com um cliente, acertando valores. Grande parte das prostitutas da região carrega o vício ou o sustento da família. Ela é diferente. Gosta da profissão e não pretende sair. Kelly cresceu em uma família de classe média alta. Tem o próprio apartamento, presente dos pais. Estudou nas melhores escolas de Porto Alegre. Formada em Ciências Sociais, hoje faz pós-graduação. Tudo pago pelos pais. O dinheiro que ganha na noite é gasto em roupas, sapatos, luxos e festas. Todos podem falar que ela não precisa estar ali, já tem a vida ganha. Entretanto, Kelly está se prostituindo por prazer. “Gosto de ser prostituta. Têm muitas por aí dando de graça. Eu cobro”, Kelly tem uma página no Facebook, por onde homens a contratam para ser acompanhante em festas e jantares ou só para acompanhá-los em uma noite fria. “Tem velhos carentes por aí”, afirma. Há cinco anos se prostituindo, Kelly conta que começou a fazer programa por diversão. Muitas amigas da faculdade faziam isso para pagar os estudos. “Pode me chamar do que quiser. Não me importo. Adoro essa vida de prostituta. Não é questão de luxos. Para isso, tenho o dinheiro do meu pai e o que ganho como acompanhante de luxo. Estou na rua para me aventurar.”


5

F

POUCOS DENTES, MUITAS LATAS E SOLIDÃO

olheando despretensiosamente uma revista Contigo! uma senhora está deitada em uma cama de papelão. O travesseiro é sua mochila. Carros, ônibus e pessoas passam. Atrás dela, dois carrinhos de supermercado com sacos e algumas latas. “A senhora pode conversar?” “Não. Tô ocupada.” Em volta, não é possível avistar seu compromisso. Ela vira a página. O Viaduto dos Açores acima dela oferece a sombra para o seu descanso. Geneci Soares da Silva saiu da casa dos pais em Esteio “quando ainda eram vivos, não sei dizer quantos anos atrás”. Naquela época não sabia ler, e assim permanece. “Na verdade, fico olhando as fotos das moças com vestidos bonitos.” Veio para a capital à procura de emprego e por algum tempo foi empregada doméstica. Conta nos dedos: “uns dez anos que tô na rua”. Agora, com 53 anos, tem aparência de, no mínimo, 20 a mais. “O sol castiga a gente”, explica. Não tem mais a casa dos pais para voltar. O imóvel era alugado e hoje pertence a outra família. Dos três irmãos, encontrou um apenas uma vez. Também morando na rua, mas, segundo ela, com uma diferen-

Em uma tarde na Praça dos Açores, podemos conhecer uma senhora despreocupada, advogados discutindo gramática e um homem que se agita em lugares calmos TEXTO: SERGIO TRENTINI ROLIM E GUILHERME LEMCHEN MOSCOVICH FOTOS: JOAQUIM ORESKO

ça: caiu nas drogas. “Hoje não comi, mas sempre conseguimos algo. Tenho as latas pra vender.” Para Geneci, não existe a possibilidade de não comer. Anda pela cidade inteira catando. As mãos cortadas são por conta de cacos de vidros e outros materiais pontiagudos que atravessam seu caminho. Sobre as pessoas e o modo como a veem, Geneci sorri, com no máximo cinco dentes na boca. “Esses de terno não olham”, afirma, e completa: “estão muito ocupados com o trabalho, né? Eles têm o trabalho deles, eu tenho o meu. Quem dá comida, às vezes, são as pessoas mais normais, mas eu não peço”. As pessoas mais normais são as de classes mais baixas. O instinto é sobreviver, não há tempo para cansaço. Vive para catar materiais que possa vender. Quando há tempo ou não é vencida pelo cansaço, vai para albergues. Geneci está so-

zinha com os carrinhos, as latas e a revista, que, se ela soubesse ler, entenderia a ironia do nome. Belo slogan: Contigo!, a revista para quem não tem ninguém.

se, “muito menos os hífens de acordo com o novo acordo ortográfico”. Gargalhadas ecoam. Sequer notam a mulher parada perto de seus pés.

A PRAÇA, A PONTE E A CRASE

ALBERGUE NÃO É PARA TODOS

O Largo dos Açorianos é uma praça pública. Nela está um monumento que leva o mesmo nome. A obra lembra uma caravela formada por corpos entrelaçados. Há também a Ponte de Pedra, construída por escravos a mando do Duque de Caxias. Hoje, além dos corpos entrelaçados no monumento, outros habitam a praça. Os moradores de rua, sob olhar artístico, também formam exímios monumentos: corpos entrelaçados na miséria. Senhores de terno cruzam a Ponte de Pedra argumentando sobre gramática. Comentam as sentenças de um magistrado que fala latim, mas, segundo um dos homens, não sabe usar cra-

O local parece um depósito, mas se trata do Albergue Municipal. Serve de abrigo para moradores de rua. Há um grande número de beliches disponíveis para descanso. É servida comida para todos. Ainda assim, moradores como Jorge Araujo Santos, 43 anos, não vão lá. Afinal, há regras. Jorge começa e termina a conversa com um sorriso no rosto. Os olhos vermelhos e cansados são distantes e opacos, tornando o semblante do homem uma séria antítese sorridente. Ao ser perguntado sobre o motivo de morar na rua, faz uma careta e com o polegar imita o sinal de acender um isqueiro. Com o mesmo dedo, joga uma moeda

para cima. “Não tem nada aí pra ajudar, camarada?”, pergunta para um rapaz que passa. Tudo indica que não, assim como tudo indica que Jorge nem está ali. Seguindo o exemplo do rapaz, a maioria das pessoas que passa nem olha. Viver nas ruas, filosoficamente, significaria viver só por suas regras. Na prática, se a rotina aprisiona o homem, a falta dela tem o mesmo efeito. Como diz um velho provérbio – e todos os provérbios são velhos –, “a mente ociosa é o jardim do diabo”. É culpa do jardim construído por seu diabo particular que ele não consegue manter a conversa. Os reflexos que a droga e a falta dela causam são nítidos. “Quando consigo comida, como. Quando acho latas, vendo. Com o dinheiro, compro drogas. Tentou ficar em albergues, mas saía no meio da noite. Não suportou a calma do local. Na rua e nas drogas, buscou a calma necessária. Embaixo do viaduto, perto de Jorge, há mais três moradores com expressões distantes. Em volta dos homens, o que é lixo para muitos, para eles é objeto de sustento. Dentro de seus cérebros está algo considerado como infortúnio, mas, para eles, é paz.


A

venida Washington Luiz, Centro de Porto Alegre. Tripés com jogos de luzes iluminam um escritório. Duas poltronas, de frente uma para a outra, aguardam a chegada dos personagens principais da história. Enquanto isso, há tempo para conferir os últimos detalhes: “Câmera 1... OK!”, “Câmera 2... OK!”, “Lapela... OK!”, “Luz...OK!”. Ajustes prontos, retoques finais na maquiagem, todos em suas posições. O diretor levanta a mão e o silêncio toma conta da sala, somente os carros na rua passam a ser escutados, é um momento de concentração. Um assistente toma posição diante de uma das câmeras e, com uma claquete, dá o sinal para iniciar a gravação – apenas uma das tantas que ocorrem na capital. Porto Alegre já é referência no mercado audiovisual brasileiro. Diariamente, comerciais, documentários, curtas-metragens e até longas são produzidos na cidade. Você está sentado no sofá da sala, assistindo a novela das oito – ou das nove, como preferir – e a vinheta chama o intervalo. Quatro minutos se passam e você nem se dá conta de que muitos dos comerciais que você – e todo o país – assistiu foram gravados aqui. As produtoras de vídeo estão em constante crescimento e o mercado já está no nível do tradicional eixo Rio-São Paulo. “Fora o período de férias, Porto Alegre tem produção e gravação de conteúdo praticamente todos os dias do ano”, conta Betinho Nunes, chefe de locação, há 10 anos no mercado. Ele é um dos responsáveis pelo documentário “Falange Gaúcha”, baseado no livro homônimo de Renato Dornelles, com histórias sobre o Presídio Central. A produção terá veiculação nacional.

JOANA FRANCA / STOCK.XCHNG

ANDER VAZ / STOCK.XCHNG

6

SORRIA, PORTO ALEGRE. VOCÊ ESTÁ SENDO FILMADA! A capital é o cenário e você nem sabia. Diariamente comerciais e filmes são rodados na cidade TEXTO: MAURICIO TRILHA E GRAZIELA BUSATTA. FOTO: LEO BARCELOS

PROFISSIONAIS QUALIFICADOS André Campanhol, chefe maquinista, grava cerca de 15 comerciais por mês em Porto Alegre e afirma que a mão de obra gaúcha é de qualidade: “Temos equipamentos modernos e, principalmente, técnicos qualificados!”. Além da estrutura, a atuação se destaca. “O Rio Grande do Sul é um celeiro de gente bonita. Larrisa Ma-

ciel, Sharon Menezes, Rafael Cardoso, Tainá Müller... todos começaram aqui, gravando comerciais, e a visibilidade nacional que obtiveram os permitiu alçar voos mais altos. Hoje os quatro fazem parte do casting da Globo”, relata Fabianne Freitas, produtora de elenco e publicitária. Para a modelo Cláudia Kramer, que recentemente gravou em Porto Alegre com a top Gisele Bündchen, é viável sustentar-

se no mercado gaúcho: “Estou há dez anos na profissão e decidi não residir em São Paulo. Com dedicação e uma boa agência é possível ganhar bem por aqui”, admite. PRESENTE PROBLEMÁTICO, FUTURO PROMISSOR De acordo com a Agência Nacional do Cinema (Ancine), Porto Alegre é a quarta cidade do país que mais registra conteúdo atualmente, sejam documentários, filmes ou produções comerciais. A capital perde apenas para São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba. Com a demanda cada vez maior, aumentam também as oportunidades para novos profissionais. “Temos boas locações, elenco, as pessoas se ajudam no trabalho, são abertas para uma criação mais coletiva, o que deixa o ambiente mais leve”, diz Rafael Ferreti, publicitário e diretor de comerciais há mais de 20 anos. Mas, apesar do bom momento, Porto Alegre tem muito a evoluir. Esse tratamento informal faz com que o mercado tenha problemas. “São atrasos de horário, desrespeito a condições de trabalho, falta de comprometimento”, desabafa Ferreti. Sobre o futuro, ele é claro: “O mercado vai continuar crescendo. O grande número de produtoras hoje por aqui é consequência do aumento da oferta de qualificação. Mas precisamos nos organizar, ainda perdemos muitos trabalhos para o centro do país por conta de coisas que beiram o amadorismo”.

Filmagens do documentário Falange Gaúcha, que deverá ter veiculação nacional


7

CADÊ O TONIOLO? A lguém já parou para contar quantas vezes leu a palavra Toniolo nas paredes, postes, viadutos das ruas de Porto Alegre? Essas intervenções urbanas questionam a sociedade sobre a forma como a população é tratada pelo Estado. Apesar de onipresentes na cidade, o autor dessas manifestações opta por manter-se oculto. Nem sempre foi assim. Sérgio José Toniolo, 68 anos, é filho de uma família tradicional de Porto Alegre. Seu avô era um comerciante influente do Bairro Petrópolis e proprietário do terreno onde hoje se localiza o Colégio Santa Inez. Sérgio trabalhava como escrivão na Polícia Federal e no auge da ditadura militar, em 1972, começou a ser impedido de expressar sua opinião através das colunas de leitores nos jornais. Suas crônicas criticavam o sistema e o Conselho Superior de Polícia,

responsável por promover os policiais. Após recusar assinar seus textos com outro nome, foi afastado e aposentado por um suposto atestado médico que, segundo ele, nunca existiu. O ANÔNIMO MAIS FAMOSO

“Sou o inventor da pichação com hora marcada”. Toniolo começou a pichar aos 37 anos, em 1982, ano que concorreria a deputado estadual pelo PMDB, a convite de Tancredo Neves. Porém, a Justiça Eleitoral barrou sua candidatura, sob alegação de que era filiado ao PTB (informação que ele nega). Segundo o pichador, foi uma fraude de pessoas que não queriam que ele concorresse. A partir daí, o número 1543, pretendido por Toniolo na época, o acompanharia para sempre a cada ano elei-

O nome mais encontrado nas ruas da Capital é um símbolo da expressão popular

toral, inclusive a presidente da República, pelo fictício Partido Anarquista. Toniolo, além de usar adesivos e pandorgas com o próprio nome, inovou ao avisar com antecedência suas intervenções. Em janeiro de 1984, o último ano do regime militar no Brasil, anunciou no programa “Guaíba Revista”, na época apresentado por Lasier Martins, na Rádio Guaíba AM: “No dia 17 deste mês, às cinco da tarde, vou pichar o Palácio Piratini”. Mesmo com um policiamento ostensivo em frente ao prédio, na hora marcada ninguém suspeitou do homem que saía da Catedral Metropolitana e se dirigia à sede do governo. Ele conseguiu pichar as letras T, O, N, I, O, e quando concluiu o L, foi detido.

Pichações em spray e adesivos (como acima) não poupam os poderes constituídos

Nos anos seguintes, continuou operando nas ruas da Capital, tornando cada vez mais seu nome conhecido. O spray sempre foi seu principal

instrumento, e ele afirma que só deixará de usá-lo “quando os políticos não sujarem mais a cidade”. Mesmo sem saber o que significa, não há um morador que não tenha se deparado com Toniolo. Até hoje, as pessoas questionam o que significa, mas para todos certamente este personagem faz parte da história recente de Porto Alegre.

TEXTO: MARINA LEHMANN. FOTOS: LUIS FELIPE MATOS

VEGANOS NA TERRA DO CHURRASCO

MUÇULMANOS EM PORTO ALEGRE

A “VOZ” DO ASILO PADRE CACIQUE

Para a maioria dos gaúchos, domingo é sinônimo de casa lotada e muito churrasco. Mas para outros, o cardápio é totalmente inverso: muita salada e vegetais. Os veganos, ainda pouco visíveis na sociedade, adotam uma filosofia de vida totalmente diferente. Eles são uma derivação mais radical dos vegetarianos, que excluem de seu cardápio todo alimento de origem animal, além de não usarem couro, pele ou cosméticos testados em animais. Não há um número exato de veganos no Brasil, mas segundo o IBOPE, 8% da população são vegetarianos. O Café Pasito, na Cidade Baixa, tem clima agradável e simpático. Seu proprietário, Tiago Pasito, 32 anos, cursava Engenharia da Computação antes de montar seu próprio negócio. Fez diversos cursos profissionalizantes para montar um comércio relacionado ao veganismo. “Foi fácil encontrar pessoas para trabalharem aqui. Pensei que ia ser mais complicado“. Tiago contratou Luciano, um chefe que estudou gastronomia vegana na Índia. O lugar mistura a culinária com apresentações de música e dança. Fábio Chaves, Salada de agrião com dono do Vista-se, o tabule da Café Pasito portal vegetariano mais conhecido do Brasil, dá dicas para quem quer se tornar vegano: “Informe-se bastante e tenha sempre em mente o motivo pelo qual você está fazendo isso: os animais. Essas duas coisas vão ajudar muito a superar as possíveis dificuldades do dia a dia”. Alguns profissionais de saúde criticam o veganismo. Segundo eles, o organismo precisa de proteínas e vitaminas presentes em alimentos de origem animal.

Entre os preconceitos relacionados aos muçulmanos estão os de que são terroristas, que os homens são machistas e que todos são árabes. Mas, na verdade, eles discordam das guerras, os homens tratam muito bem as mulheres e qualquer um pode ser muçulmano. Quem conta sobre a rotina de ser muçulmana é a brasileira Márcia Lima, que garante se sentir muito bem em Porto Alegre. Ao se chegar à mesquita, no Centro de Porto Alegre, observa-se que mulheres ficam separadas Fiéis frequentam dos homens. Devemesquita para rezar se tirar os sapatos para pisar no tapete, sobre o qual não há qualquer significado “divino”. Nas escrituras sobre o profeta Muhammed (a transcrição como “Maomé” é errada, segundo Márcia, “porque nome próprio não se traduz”) consta que o tapete serve originalmente para não queimar a testa na areia quente, no momento de reverência à Allah, costume que permanece até os dias atuais. Márcia morou um ano no Rio de Janeiro e não gostou da cidade, porque as pessoas a forçavam a tirar o hijab (vestimenta que permite apenas que a mulher mostre o rosto e as mãos), alegando que no Brasil é muito quente e ela não precisaria usar, por não estar no seu suposto país de origem: “As pessoas não entendiam que a vestimenta fazia parte da cultura do muçulmano”. Existem vários modelos, como o hejab, o nikab, a burka), cuja função é proteger dos olhares estranhos: “A maioria das pessoas se produz para sair, já o muçulmano pensa ao contrário, nos dedicamos ao marido e ele a nós”.

O Cacique é um jornal institucional do Asilo Padre Cacique, fundado no ano de 2005, que busca promover os costumes e práticas individuais e coletivas do ambiente social em que está inserido. O jornal estabelece vínculos com os indivíduos e com a comunidade, seja morador, seja funcionário. Morador, poeta e jornalista, Hermínio D’Andréa, 88 anos, fundou o jornal para manter os moradores informados sobre como a instituição em que vivem é vista pela sociedade, por estímulo de um ex-presidente, já falecido. D’Andréa, que trabalhou nos jornais da Caldas Junior e na RBS, foi morar no Padre Cacique em 2002, logo após a morte de sua esposa, com quem manteve um casamento de 48 anos. O jornalista se sentia só, visto que não tiveram filhos no matrimônio, e decidiu mudar-se para o asilo. Três anos após a sua chegada no lar, D’Andréa foi convidado a voltar a exercer suas atividades como jornalista. O Cacique tornou-se a válvula de escape do jornalista, que ainda sentia pela perda da esposa. D’Andréa fundou jornal O jornal conno Asilo Padre Cacique quistou a todos logo na sua primeira edição e com o passar dos anos ganhou leitores assíduos. Atualmente, conta com oito páginas coloridas. O jornal, inteiramente elaborado no asilo, é mensal e tem tiragem de 2.500 exemplares. Além de D’Andréa, que produz e cuida da diagramação, conta também com a ajuda dos funcionários, que tiram fotos e auxiliam na execução das pautas. O jornal tornou-se a voz dos moradores.

TEXTO: PEDRO HENRIQUE NUNES. FOTO: JOSI BAROLI

TEXTO: ÉRIKA FERRAZ. FOTO: FABÍOLA MOLINA

TEXTO: STÉPHANY FRANCO. FOTO: JOÃO DANIEL AITA


8

DO LIXO AO LUXO Grupo de artesãs trabalha com a comunidade há 13 anos, modificando a realidade do Morro da Cruz

E

levar a autoestima, ocupar o tempo vago e gerar renda para 50 mulheres do Morro da Cruz, uma das regiões mais vulneráveis de Porto Alegre. Somam-se estes ingredientes a vontade de transformar a realidade da periferia com a peça fundamental desta mistura: preocupação ambiental. Foi assim que nasceu o Clube de Reciclagem Morro da Cruz, entidade que completa 13 anos neste mês. “O Clube nasceu a partir da vontade de se aproveitar o que a indústria entende por lixo. Do

lixo nós produzimos o luxo”, conta Élida Noemi Severo Nunes, uma das fundadoras do grupo. A ideia é simples: utilizar retalhos doados pelas indústrias para a confecção de roupas e artigos de decoração. O produto final e a técnica aplicada nas peças são por conta da criatividade de cada artesã. O resultado são bolsas, tapetes, almofadas, pufes entre outros adornos que custam em média entre 50 e 300 reais. As grandes responsáveis por revelar o trabalho desenvolvido no Morro para o resto da cida-

de (e até mesmo no interior do estado) são as “Top Avós”, grupo composto por sete senhoras que desfilam as produções do grande grupo nas universidades, escolas, shoppings e eventos, em troca de um estande para a venda dos materiais. Muito mais que visar vantagens financeiras a grande preocupação do Clube é com o superávit social: durante o ano são realizadas festas beneficentes em datas como Natal, Dia das Crianças e Páscoa. A prefeitura fecha as ruas do entrono e mais de seiscentas crianças ga-

Élida Nunes é uma das sete “Top Avós” que além de realizarem os trabalhos manuais (abaixo) também são responsáveis por sua divulgação em todo o RS

nham brinquedos e lanche. Em tempos em que as crianças já nascem fazendo “check-in” na maternidade, é difícil imaginá-las fazendo tricô

com a avó “Quem me ensinou a fazer fuxico foi a minha neta e assim como ela as crianças que aqui estão se criando não frequentam o clube apenas por diversão: elas pegam na agulha e fazem tricô, fuxico... Daqui a treze anos são elas que estarão aqui, dando entrevista sobre o Clube”, conta Élida.

TEXTO: VINICIUS FERRARI. FOTO: LUCIANO DEL SENT

CASA DE ESTUDANTES PODE FECHAR APÓS 79 ANOS A Casa do EstuCarta aberta assinada dante Universitário pelo seu presidente, Aparício Cora de AlThomas Victor e os demeida (CEUACA), a mais representantes mais antiga de Porto da Comissão Diretiva, Alegre, com 79 anos afirma que um laudo de existência, cortécnico de inspeção re o risco de fechar predial solicitado pelo e desalojar seus 66 secretário de Justiça ocupantes atuais, e dos Direitos Humaoriundos do Interior nos, Fabiano Pereira, e de países africanos. e elaborado em 2012 Decisão nesse sentido pelos peritos auditofoi tomada pela juíza res em Engenharia Lilian Cristiane Siman, Diagnóstica Luiz AlMoradores e hóspedes sob o argumento de cides Capoani e Marem frente à CEUACA garantir a segurança celo Suarez Saldanha, e a integridade física chegou à conclusão dos moradores. O secretário de da de que a reforma pode ser realizada Educação, José Clóvis de Azevedo, é com os moradores dentro. apontado como réu, devendo deterOs moradores contam com o minar a desocupação em 20 dias, sob apoio da União Estadual dos Estupena de multa diária de R$ 300,00, dantes e da União Nacional dos Esalém de despejo compulsório. tudantes. Em nota, a Secretaria da O prédio havia sido interditado educação informa que trabalha em em 2007 para reforma, por questões conjunto com a de Justiça e Direitos de segurança. Mas o Estado e os estu- Humanos (SJDH), de Administração e dantes nunca chegaram a um acordo Recursos Humanos (SARH), de Obras quanto à realocação. Os estudantes Públicas (SOP) e com Procuradoria souberam da decisão em assembleia Geral do Estado (PGE), em busca de no dia 17 de setembro deste ano. uma solução para a CEUACA. TEXTO: VANESSA VARGAS. FOTO: JOSI BAROLI

BINGOS NA CLANDESTINIDADE Apesar de proibidos desde 2004, ainda há bingos clandestinos em Porto Alegre. Alguns recebem dezenas - muitas vezes, centenas - de apostadores diariamente. Nina, 65 anos, professora do Ensino Fundamental e moradora do Interior do Estado, cultivou o hábito do jogo do bingo acompanhando sua irmã, já falecida, em frequentes viagens a Porto Alegre, no período em que o jogo ainda era liberado. Diferente daquela época, na clandestinidade os bingos não oferecem muitos cuidados. O ambiente é sujo, as mesas “enjambradas” e o local fechado fica contaminado pelo cigarro. Ela entende que o jogo realmente leva muitos ao vício, mas diz que sabe estabelecer seus limites. Sílvia Carvalho, 44 anos, diarista, criou seus dois filhos trabalhando durante 16 anos em bingos. Atuou em grandes casas, como o Bingo Roma, mas preferia a tranquilidade dos estabelecimentos menores. Com Carteira de Trabalho assinada e rendimento médio diário em torno de R$ 100,00, a proibição colocou Sílvia na informalidade. Na incerteza de ter onde trabalhar na semana seguinte, em 2005, ela decidiu que era hora de buscar

novos caminhos. Comandante do 11º Batalhão de Polícia Militar de Porto Alegre, o tenentecoronel Eduardo Biacchi conta que a Polícia chega até os bingos pelas denúncias anônimas, através do telefone 190. Muitas vezes, a denúncia parte de jogadores que não podem pagar suas dívidas. Constatando a irregularidade, a Polícia invade o local, os jogadores são identificados e liberados. O explorador do jogo é autuado por contravenção penal, um delito de menor potencial ofensivo, com pena inferior a dois anos. É assinado um termo circunstanciado - praticamente na totalidade, por “laranjas”-, alguns fichados mais de 20 vezes. As penas costumam ser trocadas por serviço comunitário, multas ou doações de cestas básicas. O material apreendido é encaminhado para o depósito do Batalhão, a seguir ao depósito judicial, para compor as provas do flagrante. Após o processo, caso o material possa ser aproveitado, é repassado a creches e escolas. O 11º BPM já realizou 86 fechamentos em 38 bingos diferentes em 2013. Em uma dessas batidas, foram flagradas 111 pessoas envolvidas entre exploradores e jogadores.

TEXTO: LUIS FELIPE MATOS. FOTO: LUCAS PROENÇA

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS. Av. Luiz Manoel Gonzaga, 744, Bairro Três Figueiras - São Leopoldo/RS. Telefone: (51) 3591 1122. E-mail: unisinos@unisinos.br. Reitor: Marcelo Fernandes de Aquino. Vice-reitor: José Ivo Follmann. Pró-reitor Acadêmico: Pedro Gilberto Gomes. Pró-reitor de Administração: João Zani. Diretor da Unidade de Graduação: Gustavo Borba. Gerente de Bacharelados: Gustavo Fischer. Coordenadora do Curso de Jornalismo: Thaís Furtado — REDAÇÃO — O Lupa é um jornal produzido por alunos do Curso de Jornalismo da Unisinos Porto Alegre. TEXTOS – Orientação: professores Felipe Boff e Luiz Antônio Nikão Duarte. Repórteres: alunos das disciplinas de Jornalismo Impresso I e II. FOTOGRAFIAS – Orientação: professor Flávio Dutra. Fotógrafos: alunos da disciplina de Fotojornalismo. ARTE – Agência Experimental de Comunicação (Agexcom). Projeto gráfico: aluna Amanda Heredia. Diagramação: jornalista Marcelo Garcia. Logotipo: estagiário Lucas Inhaia.


Lupa #2