Page 1


Trabalho de Conclusão de Curso dos alunos de Jornalismo da Universidade Fumec Ano 1 - Nº 1 - Dezembro / 2012

Apoio:

Federação Mineira de Futebol

Almanaque Campeonato Mineiro - 2012 Ana Cecília Alkimim Baliza Carneiro Cézar Vouguinha Cunha Igor Moreira Drummond Lucas Chaves Rage Paula Soares Matias Victor Duarte Campos Coordenação: Vanessa Carvalho


O campeonato mineiro O Campeonato Mineiro é uma das grandes tradições do futebol brasileiro e espalhou emoções pelos vários pontos do estado, nestes quase 100 anos de história. Há uma corrente no país que pede a extinção dos campeonatos regionais, que são como a jabuticaba: só têm no Brasil.

índice a história clubes

06 08

O período de disputa ficou mais curto e para quem sabe aproveitar, o Campeonato Regional serve para montar as equipes e avaliar jogadores.

América ......................................... 8 américa - to.................................. 10 caldense........................................ 12 boa.................................................. 14 atlético......................................... 16 cruzeiro........................................ 18 democrata.................................... 20 guarani......................................... 22 nacional....................................... 24 tupi................................................ 26 uberaba........................................ 28 Villa Nova..................................... 30

Até a chegada da da Taça de Prata e do Brasileiro, era o doméstico que fazia o torcida e da imprensa.

32 38 40 44 46 48 50 58

Taça Brasil, Campeonato campeonato dia a dia da

Como não lembrar dos valentes times do Villa Nova nos anos 1950. O Atlético de Ubaldo, Gastão, Afonso Silva, Tomazinho, Paulo Valentim. Do Cruzeiro de Tostão, Piazza, Dirceu Lopes e Raul, dos primeiros anos do Mineirão. E dos “clássicos” locais como Uberaba X Uberlândia, Bela Vista e Democrata em Sete Lagoas, do Sete, Renascença, Siderúrgica, Valério e tantos outros clubes e jogadores que fizeram a nossa alegria. Lamento não ter visto o grande Palestra, os campeões de 48 do América e o futebol de época de Guará entre os anos 1930 e 1940. A torcida mineira acompanhou tudo isso neste e no século passado. A tradição está de pé. Vamos vivê-la.

Emanuel Carneiro Jornalista Esportivo - Rádio Itatiaia

Cezar Vouguinha

os estádios módulo II duke a decisão 100º Campeão arbitragem tabelas referências

A bem da verdade, os campeonatos regionais foram enxugados nos últimos anos e aqui em Minas tivemos o bom senso de criar a Divisão de Acesso e limitar o número de participantes em 12 associações.

Conquistá-lo era o objetivo máximo. No livro de memórias do Campeonato Mineiro, há fatos inesquecíveis.

S u m á r i o


Desmembramentos da Capitania em São Paulo e em Minas Gerais

1709

Afonso Pena, atual presidente de Minas Gerais (1992-94), designa Belo Horizonte como a capital do Estado

1720

Criação da Capitania de São Paulo e Minas Gerais

1893 É criada a Liga Mineira de Sports Athleticos (LMSA), que depois se tornaria a Liga Mineira de Desportos Terrestres. Na reunião de inauguração, 19 pessoas compareceram e foram consideradas fundadoras da Liga

1915 A Liga Mineira organiza um campeonato entre os times de Belo Horizonte. O Atlético Mineiro consagra-se o primeiro campeão

1915 O Societá Sportiva Palestra Itália é fundado. Ele é originário de imigrantes da colônia italiana, oriundos dos times Americano Foot-Ball Club e do Palestra Brazil

1921 2012 98 edições do Campeonato, com o Clube Atlético Mineiro conquistando o título de 100º campeão

Inauguração do Estádio Magalhães Pinto, mais conhecido como “Mineirão”

1965

1914 A Prefeitura de Belo Horizonte inaugura o Prado Mineiro, no Bairro de mesmo nome, tornando-se o primeiro campo de futebol da cidade. O local foi primeiramente destinado a corridas de cavalos

1925 O América se torna o decacampeão do Campeonato Mineiro. O clube ganha uma menção no Livro Guinness dos Recordes como o time de futebol que mais conquistou títulos consecutivos

1956 Dois times foram campeões (**)


a história do campeonato 1904

A primeira bola de futebol chega à cidade. O estudante de Direto e desportista Vítor Serpa trouxe a novidade aos mineiros de uma viagem à Suíça.

Nasce o primeiro time de BH, o Sport Club. Surgem tambem as equipes Plínio e Club Athletico Mineiro. Do desmembramento desses dois, surgem o Vespúcio, o Colombo e o Mineiro

Criação do Athletico Mineiro Foot-Ball Club, que depois se tornaria o Clube Atlético Mineiro, o mais antigo clube de futebol em ativa da cidade

1904 1912

Surge o América Foot-Ball Club, time da elite política e social da sociedade belo horizontina. Ele se torna o maior rival do Athletico, possibilitando grandes clássicos que atraiam multidões

1926 Dois campeonatos acontecem, idealizado por duas ligas. O Atlético ganha o da Liga Mineira de Desportos Terrestres (LMDT) e o Palestra Itália vence a da Associação Mineira de Esportes Terrestres (AMET).

1908

7

1908

Os operários e mineradores ingleses, residentes em Nova Lima, fundam o Villa Nova.

1909 O Yale Atletic Club é criado. Era composto por integrantes da colônia italiana do Barro Preto que vieram trabalhar na construção da nova capital Dois times foram campeões (**)

1932

1950 O torneio entre os clubes de Belo Horizonte é oficialmente chamado de Campeonato Mineiro. Inauguração do Estádio Raimundo Sampaio, o Independencia

** páginas. 46 e 47


américa futebol clube Boa campanha no centenário Com boas apresentações, o time do América realizou uma ótima campanha na edição de 2012 do Campeonato Mineiro. Durante a primeira fase, o time americano mostrou regularidade nos jogos e conquistou sete vitórias. O ataque da equipe balançou a rede 20 vezes, enquanto a defesa sofreu 15 gols.

encontrando pelo caminho outro time de Belo Horizonte, o Cruzeiro. Contrariando o resultado da primeira fase, a equipe americana conseguiu a vitória no primeiro jogo em cima da equipe celeste, por 3x2. Com um pé dentro da final do campeonato, o América foi para o segundo jogo precisando de apenas um empate para a classificação.

O Coelho conseguiu sua primeira vitória logo no jogo de estreia, em cima do Democrata, com o placar de 3x1. Depois, foram três vitórias consecutivas. O primeiro tropeço veio apenas na quinta rodada contra o Atlético, mas o time não se abateu, encontrou o caminho dos bons resultados e venceu, em seguida, o América-TO e o Boa de Varginha.

Na Arena do Jacaré, a equipe arrancou mais uma vitória e eliminou o time celeste do Campeonato com um placar de 2x1, confirmando uma campanha melhor que a de 2011, quando enfrentou o Atlético na semifinal e não conseguiu avançar na competição.

A partir da oitava rodada, a equipe americana caiu em produção e foi derrotada pelo Cruzeiro e o Tupi, com quem brigava diretamente para uma vaga na segunda fase da competição. A classificação veio na décima rodada, em cima do rebaixado Uberaba. Na semifinal, o América acabou

u n i f o r m e

Com a reinauguração do Independência, em Belo Horizonte, o América faria os dois jogos contra o time alvinegro, dentro de casa. Com o estádio lotado de atleticanos e americanos, o Coelho viu a equipe atleticana sair na frente no placar, mas, no final do 2º tempo, respirou aliviado após um gol de Bruno Meneguel, que deixou a partida empatada em 1x1. No último jogo, a equipe não teve a mesma sorte, contra o Galo (3x0) e ficou com o vice-campeonato da competição.

elenco: Adeilson (9 jogos, 2 gols) Alessandro (11 jogos, 5 gols) Anderson (1 jogo) Bruno Meneguel (6 jogos, 2 gols) Bryan (13 jogos, 1 gol) China (9 jogos) Dudu Pitbull (5 jogos) Everton Luis (13 jogos, 1 gol) Fábio Júnior (14 jogos, 6 gols) Gabriel (13 jogos, 3 gols) Glaycon (1 jogo) Gilberto (4 jogos) Júnior Timbo (1 jogo) Kaio (12 jogos, 3 gols)

Kaká (5 jogos) Leandro Ferreira (12 jogos) Luciano (9 jogos) Lula (6 jogos) Moisés (13 jogos) Neneca (14 jogos) Otávio (1 jogo) Pará (5 jogos) Patrick (5 jogos) Rodrigo Heffner (11 jogos) Rodriguinho (13 jogos, 2 gols) Romão (2 jogos) Sebastian (1 jogo) Treinador: Givanildo Oliveira

público e renda: Público total Renda total Média público Média renda

24.422 786.775,00 3.053 98.346,88


9

Fundação: 30/04/1912 - Presidente: Marcus Salum Estádio: Raimundo Sampaio (Arena Independência)

“Enaltecemos assim a nossa equipe

Gabriel Castro / Arquivo

O nosso América decacampeão”

PG 28

J 15

V 9

E 1

D 5

GP 26

GC 20

SG 6

*PG-pontos ganhos; J-jogos; V-vitórias; E-empates; D-derrotas; GP-gols pró; GC-gols contra; SG-saldo de gols

1ª rodada 2ª rodada 3ª rodada 4ª rodada 5ª rodada 6ª rodada 7ª rodada 8ª rodada 9ª rodada 10ª rodada 11ª rodada Semi-Final Semi-Final Final Final

Democrata América Nacional América América América (TO) América Cruzeiro América Uberaba América América Cruzeiro América Atlético

0x1 1x2 0x0 2x0 1x2 1x3 1x0 3x2 3x2 2x2 2x0 3x2 1x2 1x1 3x0

América Caldense América Villa Nova Atlético América Boa América Tupi América Guarani Cruzeiro América Atlético América

Saldo de gols

C aproveitamento: 62,22% A M desempenho: P A N H A

2

2

1

2 1

1

0 -1

0 -1

0

-1

-3

Jogos

2º Belo Horizonte

a m é r i c a


américa futebol clube - to Dragão com pouco fogo Após a grande campanha do ano passado, que culminou com o título do interior, o torcedor do América de Teófilo Otoni tinha esperança de que em 2012 a história pudesse se repetir. Para isso, foram mantidos o técnico Gilmar Estevam e o grande ídolo da torcida, o goleiro Fábio Noronha.

Foram quatro derrotas: para o Villa Nova (2x1), Cruzeiro (2x0), Caldense (1x0), Tupi (3x1) e um empate dentro de casa, contra o Boa (0x0). O América passava de possível semifinalista para um dos fortes candidatos ao rebaixamento. Nas três últimas partidas, somente duas vitórias salvariam a equipe de Teófilo Otoni.

Apesar da manutenção dos pilares de 2011, algumas peças não se encaixaram no decorrer da competição. O grande exemplo foi o centroavante Cleyton “Karreta”, contratado para ser o substituto de Jonatas Obina. Apesar da promessa, o atacante deixou o América antes do término da competição, sem ter marcado nenhum gol.

Contra o Nacional de Nova Serrana, na 9ª rodada, o time conquistou uma vitória dramática por 3x2, com direito a um pênalti defendido por Fábio Noronha no último lance do jogo. Em seguida, empate por 2x2 com o Guarani de Divinópolis, em um acirrado jogo fora de casa.

A vitória na estreia contra o Uberaba por 1x0 fora de casa, e a derrota para o Atlético por 2x1 na segunda rodada, apesar de ter dominado a maior parte da partida, deram a impressão que o América lutaria novamente na prateleira de cima. Porém, do terceiro ao oitavo turno, o Dragão venceu apenas uma partida, contra o Guarani no quinto jogo, por 1x0.

u n i f o r m e

A última partida era contra o Democrata, e valia sobrevivência no Módulo I para ambas as equipes. O Dragão soube se aproveitar do fator casa venceu por 2x0, gols de Luciano Mourão e Wesley contra. Com o resultado, o América de Teófilo Otoni se manteve na elite e rebaixou a Pantera de Governador Valadares para o Módulo II do campeonato.

elenco: Bruno Barros (4 jogos) Carlos Alberto (8 jogos) Celinho (7 jogos) Danilo (4 jogos) Diego Faria (10 jogos, 3 gols) Elder (9 jogos) Fábio Noronha (9 jogos) Felipe Dias (10 jogos) Geraldo (5 jogos) Jadson (5 jogos) Karreta (4 jogos) L. Mourão (10 jogos, 3 gols) Leandro Smith (6 jogos)

público e renda:

Público total Renda total Média público Média renda

14.534 147.755,00 2.423 24.625,83

Luizinho Rodrigues (11 jogos) Maicon (2 jogos) Paulinho Pedalada (4 jogos) R. Duarte (11 jogos, 1 gol) Rafael Barrios (4 jogos) Rafinha (4 jogos) Rodrigo Sena (8 jogos, 1 gol) Sandro Costa (4 jogos, 2 gols) V. Nogueira (8 jogos, 1 gol) Weslley (4 jogos) William Mogi (4 jogos) Técnico: Gilmar Estevam


11

Fundação: 12/05/1936 - Presidente: Nodje Walter Neiva Diamantino Estádio: Nassri Matar

“Sou Americano

Pedro Vilela / Agência i7

Sou time de raça pra vencer”

PG 11

J 11

V 3

E 6

D 2

GP 12

GC 16

SG -4

*PG-pontos ganhos; J-jogos; V-vitórias; E-empates; D-derrotas; GP-gols pró; GC-gols contra; SG-saldo de gols

1ª rodada 2ª rodada 3ª rodada 4ª rodada 5ª rodada 6ª rodada 7ª rodada 8ª rodada 9ª rodada 10ª rodada 11ª rodada

Uberaba América (TO) Villa Nova América (TO) Cruzeiro América (TO) América (TO) Caldense América (TO) Guarani América (TO)

0x1 1x2 0x0 2x0 1x2 1x3 1x0 3x2 3x2 2x2 2x0

América (TO) Atlético América (TO) Boa América (TO) Amércia Tupi América (TO) Nacional América (TO) Democrata

Saldo de gols

C aproveitamento: 33,33% A M P desempenho: A N H A

2

1

2

1

1

1

0

-1

0

-1

Jogos

-1

a m é r i c a _ t o

Teófilo Otoni


associação atlética caldense Por um triz Sétimo lugar no mineiro do ano passado, a Caldense manteve a base de 2011 para conseguir um resultado melhor em 2012. Jogadores como o goleiro Glaysson, o lateral direito Rodrigo Dias, o volante Maxsuel, e o atacante Luizinho foram mantidos no time. O centroavante Max, ex-Palmeiras, foi a grande contratação da Veterana. Para comandar o time, a diretoria apostou em Ademir Fonseca, treinador com passagens por Ipatinga e Goiás. A estreia na competição aconteceu contra o Tupi, em casa, e a vitória por 1x0 encheu de esperança a fanática torcida da Veterana. Nas duas rodadas seguintes, a Caldense não teve a mesma sorte e foi derrotada por América (2x0) e Atlético Mineiro (3x0). A recuperação veio na 4ª rodada e, com grande atuação de Max, a Caldense venceu o Nacional por 2x0. Porém, na 5ª e 6ª rodadas, os dois primeiros empates para a Veterana, 1x1 contra o Democrata no Mamudão, e 0x0 contra o Uberaba, em casa.

u n i f o r m e

Na partida seguinte, o maior revés em todo o Campeonato. Jogando no Ronaldão, a Veterana foi goleada pelo Cruzeiro, por 5x0. A derrota praticamente encerrou o sonho da classificação, mas a vaga na Série D ainda era possível. Contra o América de Teófilo Otoni, um gol de Luizinho decretou o triunfo e deu esperança à fanática torcida de Poços de Caldas. A sorte acabou virando novamente. O confronto direto contra o Guarani de Divinópolis, acabou em empate (1x1). Com o resultado e a derrota do Nacional de Nova Serrana para o América-TO, as vagas na Série D continuavam em aberto, com vantagem para a Veterana que dependia apenas de suas forças. Mas o empate contra o Villa Nova (2x2), e a derrota para o Boa Esporte por 1x0 nas duas últimas rodadas, aliados aos dois triunfos do Nacional e a uma vitória e a uma derrota do Guarani, fizeram a Caldense cair da quinta para a sétima posição e ver a vaga para a Série D escapar entre os dedos. Curiosamente a mesma colocação de 2011, e com os mesmos 13 pontos.

elenco: Éberson (9 jogos, 1 gol) Fábio Neves (7 jogos) Fabio Tenório (4 jogos) Felipe Almeida (7 jogos) Felipe Cordeiro (4 jogos) Fernando Silva (4 jogos) Glaysson (10 jogos) Gustavinho (1 jogo) Ivam (1 jogo) Jardel (9 jogos, 1 gol) Jefferson Marques (1 jogo) Leandrão (7 jogos)

público e renda:

Público total Renda total Média público Média renda

Luizinho Ferreira (11 jogos, 1 gol) Mário (7 jogos) Max (8 jogos, 4 gols) Maxsuel (9 jogos) Plínio (2 jogos) Renatinho (7 jogos, 1 gol) Rodrigo Dias (11 jogos) Serginho Luis (8 jogos) Thiago Fernandes (11 jogos) Vinícius Ferreira (9 jogos) Yan (3 jogos) Técnico: Ademir Fonseca

14.078 158.505,00 2.816 31.701,00


13

Fundação: 07/09/1925 - Presidente: Antônio Bento Gonçalves Estádio: Dr. Ronaldo Junqueira (Ronaldão)

“É no pé e na raça

Pedro Vilela / Agência i7

Que lutamos pela taça”

PG 13

11

J

V 3

E 4

D 4

GP 8

GC 14

SG -6

Saldo de gols

C aproveitamento: 39,39% A M P desempenho: A N H A

2 1

1 0

Caldense América Atlético Caldense Democrata Uberaba Caldense Caldense Guarani Caldense Boa

1x0 2x0 2x0 2x0 1x1 0x0 0x5 1x0 1x1 2x2 1x0

Tupi Caldense Caldense Nacional Caldense Caldense Cruzeiro América (TO) Caldense Villa Nova Caldense

0

0 -1

-2

-2

*PG-pontos ganhos; J-jogos; V-vitórias; E-empates; D-derrotas; GP-gols pró; GC-gols contra; SG-saldo de gols

1ª rodada 2ª rodada 3ª rodada 4ª rodada 5ª rodada 6ª rodada 7ª rodada 8ª rodada 9ª rodada 10ª rodada 11ª rodada

0

-5

Jogos

7º Poços de Caldas

c a l d e n s e


BOA esporte clube Nem lá, nem cá Campeão do Módulo II em 2011, o Boa Esporte se apresentou para o Campeonato Mineiro como candidato a uma das quatro vagas à semifinal do torneio. Mesmo recém promovido à elite, a equipe de Varginha manteve a base do elenco que disputou a Série B do Brasileirão da temporada passada, quando obteve a sétima posição no certame nacional. À disposição do técnico Sidney Moraes, estavam jogadores conhecidos do futebol brasileiro, como o meio campo Radamés e o goleiro Max. O primeiro compromisso do Boa no Estadual foi contra o Atlético, na Arena do Jacaré. Diante de um dos favoritos ao titulo, a equipe não conseguiu parar os comandados de Cuca e saiu derrotada por 2x0. Com o revés logo na estreia, restou buscar a reabilitação nos dois jogos seguintes, contra o Democrata e Guarani. Fazendo valer o mando de campo, o time de Varginha derrotou a Pantera de Governador Valadares, por 3x0,

u n i f o r m e

mas tropeçou ao empatar, sem gols, com o alvi rubro de Divinópolis. O sinal de alerta manteve-se aceso e conquistar pontos fora de casa tornou-se obrigação para a equipe manter a expectativa da classificação. O restante da competição foi de irregularidades, com boas atuações em casa e resultados ruins fora dela. Com o apoio da torcida, o Boa obteve três vitórias, um empate e apenas uma derrota, justamente para o poderoso Cruzeiro por 2x0. Mas longe de seus domínios, os resultados não foram animadores e, em seis jogos, o time não conseguiu sequer uma vitória. Como visitante, a campanha foi muito abaixo do esperado, dois empates e quatro derrotas, que deixaram a equipe muito distante do tão cobiçado G-4. Mesmo entre bons e maus resultados, o time não correu riscos de retornar para o Módulo II e, com a vaga assegurada para uma competição nacional no segundo semestre, o Boa Esporte amargou a oitava posição do Estadual. Sem motivos para comemorar, mas sem muito o que lamentar pela posição obtida.

elenco: Claudinei (11 jogos, 1 gol) Diogo (4 jogos) Eric (1 jogo) Gabriel (10 jogos) Gledson (11 jogos) Jailson (3 jogos) Jajá (3 jogos, 1 gol) Marques (8 jogos, 1 gol) Marquinhos (2 jogos) Marx Ferrax (2 jogos) Neilson (4 jogos) Neno (3 jogos) Neylor (6 jogos) Olívio (8 jogos, 1 gol)

público e renda:

Público total Renda total Média público Média renda

Pedro Paulo (8 jogos, 1 gol) Petros (2 jogos) Radamés (10 jogos, 2 gols) Radar (11 jogos) Rafael Gomes (4 jogos) Robert (7 jogos, 2 gols) Silva (4 jogos) Stanley (3 jogos) Vinícius Hess (8 jogos) Vinícius Kiss (10 jogos) Welton Felipe (1 jogo) William Hochmuller (3 jogos) Yuri (5 jogos) Técnico: Sidney Moraes

15.901 335.720,00 3.180 67.144,00


15

Fundação: 30/04/1947 - Presidente: Rone Moraes da Costa Estádio: Dilson Melo (Melão)

“Boa, ô Boa

Juliana Flister / Agência i7

Para mim é sempre campeão”

B O A

PG 12

J 11

V 3

E 3

D 5

GP 9

GC 10

SG -1

Saldo de gols

C aproveitamento: 36,36% A M P desempenho: A N H A

4 3

1 0

0 -1

-2

*PG-pontos ganhos; J-jogos; V-vitórias; E-empates; D-derrotas; GP-gols pró; GC-gols contra; SG-saldo de gols

1ª rodada 2ª rodada 3ª rodada 4ª rodada 5ª rodada 6ª rodada 7ª rodada 8ª rodada 9ª rodada 10ª rodada 11ª rodada

Atlético Boa Boa América (TO) Boa Tupi América Villa Nova Boa Nacional Boa

2x0 3x0 0x0 0x0 4x0 3x0 1x0 0x0 0x2 2x1 1x0

Boa Democrata Guarani Boa Uberaba Boa Boa Boa Cruzeiro Boa Caldense

0 -1 -2 -3

Jogos

8º Varginha

E S P O R T E


Clube Atlético Mineiro Centésimo e Invicto O time do Atlético Mineiro apresentou durante o campeonato um desempenho digno de campeão. Durante as 11 rodadas da primeira fase, a equipe conquistou nove vitórias, balançou 26 vezes a rede dos adversários e sofreu apenas sete gols, somando um saldo memorável de 21 gols a favor. Com a excelente campanha, o time foi para a segunda fase da competição invicto.

classificado para as semi-finais. Durante a partida, nenhum dos times balançou as redes e o empate garantiu o Tupi como o adversário do time alvinegro na segunda etapa da competição. O primeiro jogo da semi-final ocorreu em Juiz de Fora e os dois times empataram novamente por 1x1. O Atlético classificou-se para a final em Sete Lagoas com uma vitória por 1x0 em cima do Campeão do Interior.

Após o vice-campeonato em 2011, o Atlético entrou com a responsabilidade da conquista da competição, segundo o presidente alvinegro, Alexandre Kalil, o campeonato mineiro era obrigação. A equipe não decepcionou, conquistou sua primeira vitória em cima do Boa por 2x0 e deslanchou na competição. Foram nove vitórias consecutivas, entre elas quatro goleadas, em cima do Guarani, Nacional, Democrata e Uberaba. O primeiro empate veio apenas na décima rodada em um clássico contra o Cruzeiro, por 2x2.

A decisão do Mineiro contou com um palco diferenciado. O estádio Independência havia acabado de ser reinaugurado, após reformas para a Copa do Mundo de 2014 e sediaria as duas partidas da final da competição entre Atlético e América. O primeiro jogo foi regado por fortes emoções. Com um gol de André, o time alvinegro saiu na frente no placar. O empate do Coelho veio no final do segundo tempo. O time atleticano precisaria de apenas um empate para sair com o título da disputa, porém, a vitória por 3x0 fechou com chave de ouro a excelente campanha apresentada pela equipe durante a competição e sagrou o Galo como campeão invicto do Campeonato Mineiro 2012.

Líder durante quase toda a primeira fase do campeonato, o Atlético enfrentou o Tupi, na 11º rodada, já

u n i f o r m e

elenco: André (14 jogos, 10 gols) Bernard (9 jogos, 2 gols) Carlos César (5 jogos) Danilinho (10 jogos, 3 gols) Dudu Cearense (1 jogo) Eron (1 jogo) Escudero (10 jogos) Filipe Soutto (6 jogos) Giovani (5 jogos,) Guilherme (12 jogos, 3 gols) Leandro Donizete (11 jogos) Leleu (1 jogo) Lima (5 jogos) Luiz Eduardo (3 jogos)

público e renda:

Público total Renda total Média público Média renda

Mancini (13 jogos, 2 gols) Marcos Rocha (12 jogos, 2 gols) Neto Berola (12 jogos, 3 gols) Nikão (1 jogo) Paulo Henrique (1 jogo) Pierre (12 jogos) Rafael Marques (13 jogos, 2 gols) Renan Ribeiro (10 jogos) Réver (14 jogos) Richarlyson (13 jogos) Serginho (4 jogos) Triguinho (3 jogos) Wesley (4 jogos) Técnico: Cuca

57.848 1.379.340 8.264 197.048,57


17

Fundação: 25/03/1908 - Presidente: Alexandre Kalil Estádio: Joaquim Henrique Nogueira (Arena do Jacaré) Raimundo Sampaio (Arena Independência)

“Vencer, vencer, vencer

Gabriel Castro / Arquivo

Este é o nosso ideal”

PG 37

J 15

V 11

E 4

D 0

GP 32

GC 9

SG 23

*PG-pontos ganhos; J-jogos; V-vitórias; E-empates; D-derrotas; GP-gols pró; GC-gols contra; SG-saldo de gols

1ª rodada 2ª rodada 3ª rodada 4ª rodada 5ª rodada 6ª rodada 7ª rodada 8ª rodada 9ª rodada 10ª rodada 11ª rodada Semi-Final Semi-Final Final Final

Atlético América TO Atlético Guarani América Atlético Villa Nova Atlético Uberaba Atlético Tupi Tupi Atlético América Atlético

2x0 1x2 2x0 4x0 1x2 4x2 1x2 3x0 0x3 2x2 0x0 1x1 1x0 1x1 3x0

Boa Esporte Atlético Caldense Atlético Atlético Nacional Atlético Democrata Atlético Cruzeiro Atlético Atlético Tupi Atlético América

Saldo de gols

C aproveitamento: 82,22% A M desempenho: P A N H A

3 2

2

3

3

2

1

1

1

1 0

0

0

0

-4

Jogos

1º Belo Horizonte

A T L É T I C O


cruzeiro esporte clube Longe do esperado Maior campeão da última década e atual campeão mineiro, o Cruzeiro Esporte Clube entrou na edição 2012 como um dos favoritos ao título. Porém, a fraca campanha no Brasileirão de 2011, em que escapou do rebaixamento apenas na última rodada e o investimento modesto para o início da temporada deixaram a torcida com uma pulga atrás da orelha. Com o caixa vazio, a diretoria celeste investiu em nomes desconhecidos como os volantes Rudnei e Amaral, o lateral-esquerdo Gílson e o atacante Fábio Lopes. E como previsto, o resultado dentro de campo acabou não sendo o esperado. Com o adiamento da primeira partida com o Nacional, devido a não liberação da Arena do Calçado pela FMF, a estreia da equipe comandada por Vágner Mancini foi contra o Guarani. E o resultado não poderia ser pior, derrota por 1x0 em plena Arena do Jacaré. Nas duas rodadas seguintes, mesmo não empolgando, os triunfos sobre Tupi, por 3x0 e Nacional, por 4x2, de virada, ajudaram a mascarar a fragilidade da raposa.

u n i f o r m e

Nas três rodadas seguintes, três vitórias pelo mesmo placar (2x0) contra Democrata, América-TO e Villa Nova, porém, o futebol da equipe estrelada continuava longe de empolgar. Comandado pelo trio ofensivo, Anselmo Ramon, Walyson e Wellington Paulista, o Cruzeiro teve sua primeira grande atuação e goleou a Caldense por 5x0. Após a vitória sobre a veterana, a equipe de Vágner Mancini venceu o América por 2x1, em seu primeiro grande desafio. Contra o Boa, vitória por 2x0 e, no grande clássico contra o Atlético, empate por 2x2. Na última rodada, o Cruzeiro venceu o Uberaba por 3x2 e garantiu a segunda colocação. Nas semifinais, o adversário foi o América, terceiro colocado na primeira fase. Mesmo jogando por resultados iguais, o Cruzeiro foi amplamente dominado na duas partidas. O resultado foram duas derrotas, por 3x2 e 2x1, e a eliminação precoce na competição. Como não conquistou nenhum ponto nas semifinais e o Tupi conseguiu um empate na primeira partida contra o Atlético, a raposa terminou em quarto, sua pior colocação desde 1957.

elenco: A. Ramon (12 jogos, 7 gols) Amaral (5 jogos) Bobô (3 jogos, 1 gol) Diego Renan (10 jogos) Elber (7 jogos) Everton (9 jogos) Fábio (12 jogos) Fábio Lopes (2 jogos) Gilson (3jogos) Leandro Guerreiro (12 jogos) Léo (10 jogos) Marcelo Oliveira (12 jogos)

Marcos (12 jogos) Montillo (11 jogos, 3 gols) Rafael (1 jogo) Roger (8 jogos, 1 gol) Rudnei (5 jogos) Thiago Carvalho (3 jogos) Victorino (13 jogos, 2 gols) W. Paulista (11jogos, 11 gols) Wallyson (12 jogos, 2 gols) Walter (8 jogos, 1 gol) Técnico: Vágner Mancini

público e renda: Público total Renda total Média público Média renda

44.963 815.529,00 6.424 116.504,14


19

Fundação: 02/01/1921 - Presidente: Gilvan de Pinho Tavares Estádio: Joaquim Henrique Nogueira (Arena do Jacaré)

“Nos gramados de Minas Gerais

Pedro Vilela / Agência i7

Temos páginas heróicas imortais”

PG 28

J 13

V 9

E 1

D 3

GP 30

GC 13

SG 17

*PG-pontos ganhos; J-jogos; V-vitórias; E-empates; D-derrotas; GP-gols pró; GC-gols contra; SG-saldo de gols

1ª rodada 2ª rodada 3ª rodada 4ª rodada 5ª rodada 6ª rodada 7ª rodada 8ª rodada 9ª rodada 10ª rodada 11ª rodada Semi-Final Semi-Final

Nacional Cruzeiro Cruzeiro Democrata Cruzeiro Cruzeiro Caldense Cruzeiro Boa Atlético Cruzeiro América Cruzeiro

2x4 0x1 3x0 0x2 2x0 2x0 5x0 2x1 0x2 2x2 3x2 3x2 1x2

Cruzeiro Guarani Tupi Cruzeiro América (TO) Villa Nova Cruzeiro América Cruzeiro Cruzeiro Uberaba Cruzeiro América

Saldo de gols

C aproveitamento: 72% A M desempenho: P A N H A

3 2

2

2

2

2 1

1 0

-1

-1

-1

-5

Jogos

4º Belo Horizonte

C r u z e i r o


esporte clube democrata Pantera nada feroz Foi com muitos gols sofridos e um ataque ineficiente que o Democrata marcou sua participação no Estadual 2012. Nas 11 partidas disputadas na primeira fase, a equipe de Governador Valadares levou 27 gols e balançou as redes adversárias em apenas 7 oportunidades. O péssimo aproveitamento da Pantera fez com que o clube caísse para o Módulo II do Campeonato Mineiro. Comemorando 80 anos de história, o Democrata esperava presentear sua torcida com uma boa campanha na competição. Em 2011, o clube já havia decepcionado seus seguidores e escapou milagrosamente do rebaixamento. A permanência na elite se deu devido ao número de gols marcados (17 ao todo). O susto na temporada passada não foi o bastante para alertar o time. A equipe estreou com derrota em casa para o América (3x1). O comandante Márcio Máximo não suportou a pressão por muito tempo e após a goleada para o Uberaba (5x0), na 3ª rodada, foi demitido.

u n i f o r m e

Em seu lugar assumiu um velho conhecido da torcida, o treinador José Maria Pena, o mesmo que evitou a queda do time no ano anterior. Mesmo com a mudança no comando técnico, o time não emplacou e só obteve sua primeira vitória no 9º jogo, quando venceu o Villa Nova (2x1) e ganhou novo fôlego no torneio. Com quatro pontos em 27 disputados, seriam necessárias duas vitórias para permanecer no Módulo I. O triunfo sobre o Tupi (2x1) no Mamudão apenas adiou o sofrimento dos alvinegros. O confronto direto contra o América de Teófilo Otoni, no Nassri Mattar, foi o jogo mais esperado da última rodada. O calor de Teófilo Otoni já indicava que a Pantera estava próxima do inferno. Os donos da casa venceram por 2x0, em um jogo sem grandes chances para o Democrata. Com a derrota, a equipe de Governador Valadares repetiu o aproveitamento do ano anterior, 21,21%, mas, desta vez, o milagre não aconteceu e o rebaixamento foi confirmado.

elenco:

Adriano (5 jogos, 1 gol) Alex (10 jogos) Anderson Pereira (4 jogos) Belarmino (1 jogo) Bob (1 jogo) Carlão (8 jogos) Carlos Antônio (6 jogos) Douglas Silva (3 jogos) Éder Dias (4 jogos) Elivelton (6 jogos) Elton (10 jogos, 1 gol) Fabio Silva (2 jogos) Fernandes (1 jogo) Flávio Lopes (9 jogos) Iresânio (2 jogos) Jonathan (2 jogos)

público e renda:

Público total Renda total Média público Média renda

Juninho (8 jogos) Júnior (1 jogo) Leandro Bocão (7 jogos, 2 gols) Léo Andrade (9 jogos) Leonardo (6 jogos) Luis Oyarbide (7 jogos, 2 gols) Maciel (1 jogo) Marcio Pinho (8 jogos, 1 gol) Muller (3 jogos) Pablo Lucas (5 jogos) Rancharia (10 jogos) Renan (4 jogos) Wesley Soeiro (7 jogos) Técnicos: Márcio Máximo (3 jogos) José Maria Pena (8 jogos)

15.401 180.282,50 3.080 36.056,50


21

Fundação: 13/02/1932 - Presidente: Edvaldo Soares dos Santos Estádio: Mammoud Abbas (Mamudão)

“Pantera de sangue alvinegro

Douglas Magno / Agência i7

A tua força faz tremer qualquer leão”

PG 7

J 11

V 2

E 1

D 8

GP 7

GC 27

SG -20

*PG-pontos ganhos; J-jogos; V-vitórias; E-empates; D-derrotas; GP-gols pró; GC-gols contra; SG-saldo de gols

1ª rodada 2ª rodada 3ª rodada 4ª rodada 5ª rodada 6ª rodada 7ª rodada 8ª rodada 9ª rodada 10ª rodada 11ª rodada

Democrata Boa Uberaba Democrata Democrata Guarani Democrata Atlético Villa Nova Democrata América (TO)

1x3 3x0 5x0 0x2 1x1 3x1 0x3 3x0 1x2 2x1 2x0

América Democrata Democrata Cruzeiro Caldense Democrata Nacional Democrata Democrata Tupi Democrata

Saldo de gols

C aproveitamento: 21,21% A M P desempenho: A N H A

1

1

0

-2

-2 -3

-2

-2 -3

-3

-5

Jogos

11º

Governador Valadares

d e m o c r a t a


guarani esporte clube no embalo dos medalhões Após amargar o Módulo II, em 2010, e um modesto oitavo lugar no ano passado, o Guarani apostou em um time recheado de jogadores conhecidos para que a história pudesse mudar na edição de 2012 do Campeonato Mineiro. Para isso chegaram ao Bugre o ex-atleticano Marinho, e os campeões em 2005 pelo Ipatinga Léo Medeiros, Luisinho e Walter Minhoca. Para comandar o time, Gian Rodrigues - que assumiu o time na Taça Minas Gerais 2011, após se destacar no Patrocinense - foi mantido no cargo. A chegada de Marinho, Léo, Luisinho e Minhoca trouxe esperança para a torcida bugrina, que passou a sonhar com uma inédita vaga nas semifinais do campeonato. A melhor colocação da equipe de Divinópolis na história da competição completava meio século, com um vicecampeonato em 1961, quando a disputa ainda era por pontos corridos. Já no sistema adotado atualmente, um quinto lugar em 2008 foi o máximo que o time alvirrubro conseguiu.

u n i f o r m e

A estreia no campeonato foi em casa, contra o Villa Nova. Em um jogo repleto de expulsões, o Guarani acabou derrotado por 3x2. Porém, na segunda rodada, o bugre provocou uma das grandes surpresas da competição ao derrotar o Cruzeiro por 1x0 em plena Arena do Jacaré. Após um empate em 0x0 com o Boa em varginha, o Guarani perdeu duas consecutivas, 4x0 para o Atlético, em Divinópolis e 1x0 para o Nacional em Nova Serrana. A recuperação veio na sexta rodada, contra o Democrata de Governador Valadares, vitória por 3x1 no Farião. Na rodada seguinte, mais um triunfo, desta vez sobre o Uberaba, 2x1 no Uberabão, casa do adversário. A derrota por 3x1 para o Tupi na oitava rodada não abalou a equipe bugrina. Nas três rodada seguintes, dois empates, contra Caldense (1x1) e América Teófilo Otoni (2x2), e uma surpreendente goleada sobre o América por 4x0, na Arena do Jacaré, garantiram ao Bugre a sexta posição na tabela com 15 pontos ganhos e o direito de disputar a Série D.

elenco: André Ferreira (10 jogos) Bruno Maia (10 jogos, 1 gol) Cafú (3 jogos) Carlinhos (7 jogos) Chibanca (6 jogos) Chico Marcelo (6 jogos, 1 gol) Cléberson (2 jogos) Ely Tadeu (8 jogos, 1 gol) Ivan (7 jogos) Laércio (2 jogos) Léo Medeiros (8 jogos, 1 gol)

público e renda:

Público total Renda total Média público Média renda

Luizinho (8 jogos) Magalhães (11 jogos, 3 gols) Márcio Santos (10 jogos, 1 gol) Marinho (10 jogos) Michel (7 jogos) Negreti (4 jogos) Thiago Gaúcho (1 jogo) Thiago Régis (10 jogos) Tita (7 jogos) Walter Minhoca (9 jogos, 1 gol) Técnico: Gian Rodrigues

6.062 131.027,50 1.212 26.205,50


23

Fundação: 20/09/1930 - Presidente: Edilson de Oliveira Estádio: Waldemar Teixeira de Faria (Farião)

“E lá se vão nossos heróis

Pedro Vilela / Agência i7

Buscar vitórias para servir”

PG 15

11

J

V 4

E 3

D 4

GP 15

GC 15

SG 0

*PG-pontos ganhos; J-jogos; V-vitórias; E-empates; D-derrotas; GP-gols pró; GC-gols contra; SG-saldo de gols

1ª rodada 2ª rodada 3ª rodada 4ª rodada 5ª rodada 6ª rodada 7ª rodada 8ª rodada 9ª rodada 10ª rodada 11ª rodada

Guarani Cruzeiro Boa Guarani Nacional Guarani Uberaba Tupi Guarani Guarani América

1x2 0x1 0x0 0x4 1x0 3x1 1x2 3x1 1x1 2x2 0x4

Villa Nova Guarani Guarani Atlético Guarani Democrata Guarani Guarani Caldense América (TO) Guarani

Saldo de gols

C aproveitamento: 45,45% A M P desempenho: A N H A

4

2 1

1 0

0

-1

0

-1 -2

-4

Jogos

6º Divinópolis

g u a r a n i


nacional esporte clube Búfalo Surpreendente Com jogadores conhecidos do torcedor mineiro, como os ex-cruzeirenses Reinaldo Alagoano, Èber e Luizão o Nacional de Nova Serrana, vice-campeão do Módulo II em 2011, começou o campeonato mineiro como uma das possíveis surpresas da competição. No banco o Búfalo contava com Emerson Ávila, um treinador com passagens também pelo time da toca e Seleção Brasileira Sub-17. Na estreia, vitória de 1x0 sobre o Tupi na casa do adversário. A alegria, contudo, parou por aí. Em jogo adiado da primeira rodada, o Nacional conheceu seu primeiro revés. Derrota de 4x2 para o Cruzeiro, em casa. Nas duas rodadas seguintes, a história não foi diferente, derrotas para América (5x2) e Caldense (2x0). Após a partida contra a Veterana, a diretoria decidiu trocar o comando técnico, e José Ângelo assumiu o lugar deixado por Emerson Ávila. Na estreia do treinador, o Búfalo conseguiu sua segunda vitória na competição, 1x0 sobre o Guarani de Divinópolis.

u n i f o r m e

Na sexta rodada, o confronto foi contra o líder Atlético e, apesar de ter feito uma partida equilibrada, o Búfalo não resistiu e perdeu por 4x2. A vitória por 3x0 contra o Democrata, na casa do adversário, e o empate com o Uberaba em 1x1 colocaram o Nacional na prateleira de cima da tabela. A equipe de Nova Serrana passou a sonhar então com uma vaga nas semifinais, ou um lugar na Série D. A derrota para o América de Tocantins, na 9ª rodada, frustrou os planos de chegar entre os quatro primeiros, já que o Tupi, rival direto na briga pela vaga, havia vencido o América três dias antes. Apesar das chances matemáticas ainda existirem, a classificação ficou bastante improvável. Porém, as vitórias sobre o Boa (2x1), e Villa (2x0) fizeram a equipe de Nova Serrana pular do sétimo para o quinto lugar e, com dezesseis pontos ganhos, o caçula do Módulo I garantiu a classificação para a Série D do Campeonato Brasileiro.

elenco: A.Lopes (4 jogos, 1 gol) Afonso (3 jogos) Alex Maranhão (8 jogos, 3 gols) Alexandre (2 jogo) Arílton (6 jogos) Bruninho (3 jogos, 1 gol) Caleb (2 jogos) Douglas Pires(8 jogos) Dudu (5 jogos) Éber (8 jogos, 1 gol) Éder (10 jogos, 6 gols) Gabriel Araújo (3 jogos) J.Guilherme (3 jogos) Jean Cléber (8 jogos)

público e renda: Público total Renda total Média público Média renda

Josimar (4 jogos) Juninho Frizzi (5jogos) Kerlon(1 jogo) Lucas Silva (1 jogo) Luizão (7 jogos) Marcão (7 jogos) Marcinho (5 jogos, 2 gols) R. Alagoano(10 jogos, 3 gols) Raniere (5 jogos) Rodrigo Fernandes (8 jogos) Sebá (8 jogos, 1 gol) Wellington (6 jogos) Técnicos: Emerson Ávila (4 jogos) José Ângelo (7 jogos)

9.444 170.990,00 1.889 34.198,00


25

Fundação: 28/06/2008 - Presidente: Amarildo Ribeiro dos Santos Estádio: Senador Zezé Perrella (Arena do Calçado)

“Nacional Esporte Clube

Pedro Vilela / Agencia I7

Nós chegamos para ficar”

PG 16

J 11

V 5

E 1

D 5

GP 18

GC 20

SG -2

*PG-pontos ganhos; J-jogos; V-vitórias; E-empates; D-derrotas; GP-gols pró; GC-gols contra; SG-saldo de gols

1ª rodada 2ª rodada 3ª rodada 4ª rodada 5ª rodada 6ª rodada 7ª rodada 8ª rodada 9ª rodada 10ª rodada 11ª rodada

Nacional Tupi Nacional Caldense Nacional Atlético Democrata Nacional América (TO) Nacional Villa Nova

2x4 0x1 2x5 2x0 1x0 4x2 0x3 1x1 3x2 2x1 0x2

Cruzeiro Nacional América Nacional Guarani Nacional Nacional Uberaba Nacional Boa Nacional

Saldo de gols

C aproveitamento: 48,48% A M P desempenho: A N H A

3 2 1

1

1 0 -1

-2

-2

-2

-3

Jogos

5º Nova Serrana

n a c i o n a l


tupi foot ball club Sob a batuta do comandante Campeão da Série D em 2011, o Tupi chegou para o Campeonato Mineiro de 2012 como um dos favoritos a uma vaga nas semifinais. Jogadores importantes como Allan, Wesley Ladeira e Ademílson foram mantidos, apesar da mudança do técnico Ricardo Drubscky para o Volta Redonda. O escolhido para substituí-lo foi Alexandre Grasselli. A justificativa para a opção foi o perfil parecido com o do ex-comandante, já que Drubscky também começou nas categorias de base do Cruzeiro.

As vitórias contra Uberaba (2x1), Boa (3x0) e AméricaTO (3x1) fizeram a equipe alvinegra subir na tabela e lutar na prateleira de cima da tabela. Um empate em 0x0 contra o Villa Nova interrompeu a sequência de vitórias. Porém, os triunfos contra Guarani (3x1) e América (2x1) deixaram o Tupi com a classificação para as semifinais bem encaminhada. Nem a derrota para o Democrata na décima rodada (2x1) e o empate de 0x0 contra o Atlético impediram a classificação do Carijó às semifinais da competição.

Porém, o ano começou mal para o time de Juiz de Fora e, nas duas primeiras rodadas, o Tupi não somou nenhum ponto. As derrotas para a Caldense e para o Nacional de Nova Serrana por 1x0, em pleno Mário Helênio, selaram a demissão de Grasselli. A diretoria agiu rápido e anunciou Moacir Júnior, velho conhecido da torcida. O treinador teria como principal missão tirar a equipe juiz-forana da zona de rebaixamento.

O adversário foi o mesmo da última rodada, o Atlético. No duelo de galos, a capital acabou levando a melhor e avançando à final. Na primeira partida, empate por 1x1 no Mário Helênio e, no embate de volta, 1x0 para o Atético.

A estreia foi contra o Cruzeiro e o Tupi conheceu seu 3ª derrota, com 3x0 para a raposa. Felizmente, a partir da quarta rodada, a situação começou a mudar.

u n i f o r m e

Apesar da derrota, o empate conseguido em Juiz de Fora garantiu ao Tupi a 3ª colocação na competição, já que o Cruzeiro perdeu seus dois jogos para o América e o primeiro critério de desempate era o número de pontos conseguidos nos confrontos das semi finais. Com a terceira colocação, o Tupi conquistou, pela sexta vez, o título de campeão do interior.

elenco: Ademilson (13 jogos, 5 gols) Allan (13 jogos, 1 gol) Assis (4 jogos) Bruno (1 jogo) Carlão Dutra (2 jogos) Cassiano (2 jogos) Evandro Paulista (3 jogos) Fabricio (7 jogos) Flávio (13 jogos) George (11 jogos) Henrique (12 jogos, 4 gols) Jailton (13 jogos) Jefferson (2 jogos) Léo Salino (12 jogos)

público e renda:

Público total Renda total Média público Média renda

Maguinho (2 jogos) Michel Loures (8 jogos) Michel Cury (8 jogos, 2 gols) Paulinho (6 jogos) Renan Vinícius (1 jogo) Rodrigo (11 jogos) Silvio (11 jogos, 1 gol) Ulisses (8 jogos) Victor Hugo (3 jogos) Wesley Ladeira (12 jogos, 2 gols) William (2 jogos) Técnicos: Alexandre Grasselli (2 jogos) Moacir Júnior (11 jogos)

36.452 423.167,50 5.207 60.452,50


27

Fundação: 26/05/1912 - Presidente: Aureo Carneiro Fortuna Estádio: Estádio Municipal Radialista Mário Helênio

“Tupi, tupi é união

Pedro Vilela / Agência i7

Dos campeões, o campeão”

)

t u p i PG 18

J 13

V 5

E 3

D 5

GP 15

2

GC 13

SG 2

*PG-pontos ganhos; J-jogos; V-vitórias; E-empates; D-derrotas; GP-gols pró; GC-gols contra; SG-saldo de gols

1ª rodada 2ª rodada 3ª rodada 4ª rodada 5ª rodada 6ª rodada 7ª rodada 8ª rodada 9ª rodada 10ª rodada 11ª rodada Semi-Final Semi-Final

Caldense Tupi Cruzeiro Tupi Tupi Tupi América (TO) Tupi América Democrata Tupi Tupi Atlético

1x0 0x1 3x0 2x1 0x0 3x0 1x3 3x1 1x2 2x1 0x0 1x1 1x0

Tupi Nacional Tupi Uberaba Villa Nova Boa Tupi Guarani Tupi Tupi Atlético Atlético Tupi

Saldo de gols

C aproveitamento: 40% A M desempenho: P A N H A

3 2

1

1 0

-1

0

-1

-1

0

0 -1

-3

Jogos

3º Juiz de Fora

f. c.


uBERABA sPORT cLUB O Lanterna Vermelha Um pesadelo! Assim o torcedor do Uberaba pode definir a campanha do clube no Campeonato Mineiro 2012. A equipe do Triângulo Mineiro somou apenas seis pontos nas onze rodadas da Primeira Fase. Uma única vitória (5x0), diante do também rebaixado Democrata de Governador Valadares, foi o momento de maior euforia dos uberabenses no Estadual. O triunfo aconteceu logo no início da competição, na 3ª Rodada. Dali em diante, atuações apáticas tornaram-se rotineiras e consolidaram a péssima campanha do Zebu. Campeão da Taça Minas Gerais em 2009 e 2010, o torcedor colorado acreditava que 2012 poderia ser tão promissor quanto o passado recente do clube. Para a infelicidade da torcida, a tabela do Campeonato Mineiro trouxe um grande desafio nas últimas rodadas: enfrentar os três grandes times do estado nas partidas derradeiras. Com os confrontos contra Atlético Mineiro, América e Cruzeiro marcados para o final, seria fundamental para o Uberaba pontuar logo nos primeiros jogos da competição.

u n i f o r m e

A derrota em casa logo na estreia, com 1x0 a favor do América de Teófilo Otoni, deixou o Zebu em alerta. Na jornada seguinte, um empate (2x2), em Nova Lima, diante do Villa Nova e a goleada sobre o Democrata fez com que as expectativas se renovassem. Porém, uma sequência de mal resultados acarretou na demissão do treinador Belarmino de Almeida Júnior. Já na 7ª rodada, o técnico Paulo Cezar Catanoce assumiu o comando do time, mas uma derrota em seu primeiro jogo, com 2x1 a favor do Guarani, confirmou que ele não teria vida fácil à frente do clube. O último compromisso do Zebu no Campeonato Mineiro foi contra o Cruzeiro, na Arena do Calçado, em Nova Serrana. Ainda com chances de escapar do rebaixamento, mas não dependendo apenas de seus esforços, a equipe do Triângulo bem que tentou surpreender a Raposa. Abriu 2x0 no placar, mas o time celeste mostrou sua grandeza e com gols de Wellington Paulista (2) e Victorino, os comandados de Vagner Mancini selaram o destino do Uberaba em 2013: a disputa do Módulo II.

elenco: Alberto (9 jogos) Araújo (5 jogos, 2 gols) Bruno Moreno (11 jogos, 1 gol) Clodoaldo (6 jogos, 2 gols) Diego Perão (3 jogos) Éder Reis (9 jogos) Eliel (2 jogos) Emerson Jaú (4 jogos) Fernando (11 jogos) Gabriel Elói (10 jogos) Gabriel Davis (9 jogos, 3 gols) Giovanni (1 jogos) Gustavo (8 jogos) Índio (5 jogos)

público e renda: Público total Renda total Média público Média renda

Jefferson Araújo (2 jogos) Kaká Durval (2 jogos) Marlon (7 jogos) Nerylon (5 jogos) Roberto (8 jogos, 1 gol) Sallinas (1 jogos) Thiago Marin (7 jogos, 1 gol) Thiaguinho Esmerindo (6 jogos) Ton (1 jogos) Toreti (7 jogos) Vitor Hugo (7 jogos) Técnicos: Nenê Belarmino (6 jogos) Paulo César Catanoce (5 jogos)

13.758 170.520 2.293 28.420


29

Fundação: 15/07/1917 - Presidente: Luiz Humberto Alves Estádio: Engenheiro João Guido (Uberabão)

“Sou o valente campeão

Arquivo / Agência i7

Que de Uberaba possuo o coração”

PG 6

J 11

V 1

E 3

D 7

GP 12

GC 20

SG -8

*PG-pontos ganhos; J-jogos; V-vitórias; E-empates; D-derrotas; GP-gols pró; GC-gols contra; SG-saldo de gols

1ª rodada 2ª rodada 3ª rodada 4ª rodada 5ª rodada 6ª rodada 7ª rodada 8ª rodada 9ª rodada 10ª rodada 11ª rodada

Uberaba Villa Nova Uberaba Tupi Boa Uberaba Uberaba Nacional Uberaba Uberaba Cruzeiro

0x1 2x2 5x0 2x1 4x0 0x0 1x2 1x1 0x3 0x2 3x2

América (TO) Uberaba Democrata Uberaba Uberaba Caldense Guarani Uberaba Atlético América Uberaba

Saldo de gols

C aproveitamento: 18,18% A M P desempenho: A N H A

5

0 -1

0 -1

0 -1

-1 -2 -3

-4

Jogos

12º Uberaba

U B E R A B A


VILLA NOVA ATLÉTICO CLUBE GRAÇAS AO BOM INÍCIO Duas vitórias e um empate nas três primeiras rodadas. Nem mesmo o mais pessimista torcedor vilanovense pensaria em um possível rebaixamento naquela altura do campeonato. Com um time que mesclava jovens jogadores com peças mais experientes do futebol mineiro, o Villa Nova se apresentou como um dos possíveis candidatos à vaga nas semifinais e, consequentemente, a repetir o feito do ano anterior, quando se classificou para a Série D do Campeonato Brasileiro. Mesmo pontuando em seus primeiros jogos, o sinal de alerta foi aceso no estádio Castor Cifuentes. O Villa enfrentou seguidamente os três grandes times do estado e aquele foi o divisor de águas da equipe. Após ser derrotado pelo América (2x0), a diretoria optou por uma troca no comando. No lugar de Welington Fajardo, assumiu o conhecido Mauro Fernandes, que estreou com revés para o Cruzeiro (2x0), na Arena do Jacaré e não obteve sucesso diante do Atlético Mineiro (2x1), em casa.

u n i f o r m e

Apesar de três derrotas consecutivas, o Villa manteve as esperanças de chegar ao G-4, faltando cinco partidas para o fim da 1ª fase. Com sete pontos, o time não estava distante dos concorrentes, mas a expectativa por uma das vagas entre os semifinalistas foi acabando após as más atuações contra o Tupi (0x0), Democrata (derrota por 2x1) e Boa Esporte (0x0), quando a equipe somou apenas mais dois pontos. O panorama dos últimos jogos não foi muito diferente do apresentado após os clássicos. O time não se encontrou em campo e os resultados, mais uma vez, não apareceram. A falta de pontos na tabela não chegou a amedrontar por um rebaixamento, na última rodada. O clube entrou em campo contra o Nacional, dia 15 de abril, sem correr riscos de queda para o Módulo II e mantinha remotas chances de chegar à Série D. Apesar do apoio da torcida, mais uma vez, o placar favoreceu o adversário. Com a vitória do Nacional (2x0), o Villa se despediu do Campeonato Mineiro em 10º e o treinador Mauro Fernandes deixou o clube sem sequer vencer uma partida.

elenco:

Alex Santos (11 jogos, 4 gols) Álvaro (7 jogos) Anderson Costa (4 jogos) Anderson Lessa (2 jogos) Caio (1 jogo) Carciano (10 jogos) Deivisson (1 jogo) Eliandro (10 jogos, 2 gols) Elisson (10 jogos) Everton Santos (1 jogo) Felipe (6 jogos) Francismar (11 jogos) Geison (1 jogo) Heitor (5 jogos) Henik (6 jogos)

público e renda:

Público total Renda total Média público Média renda

Henrique Costa (11 jogos) Higo (6 jogos) Paulo Roberto (4 jogo) Pedrinho (3 jogos) Pinguim (8 jogos) Robson (4 jogos, 1 gol) Thiago Braga (1 jogo) Thiaguinho (3 jogos) Totó (4 jogos) Ualisson Picachu (4 jogos) Uchoa (7 jogos, 1 gol) Vinicius (2 jogos) Zé Rodolfo (8 jogos) Técnicos: Wellington Fajardo (4 jogos) Mauro Fernandes (7 jogos)

7.147 59.530 1.192 9.921,67


31

Fundação: 28/06/1908 - Presidente: Jairo Gomes Estádio: Castor Cifuentes

“Villa Nova, Villa Nova

Pedro Vilela / Agencia i7

Tu és o Leão do Bonfim”

V I L L A PG 10

J 11

V 2

E 4

D 5

GP 11

GC 16

SG -5

*PG-pontos ganhos; J-jogos; V-vitórias; E-empates; D-derrotas; GP-gols pró; GC-gols contra; SG-saldo de gols

1ª rodada 2ª rodada 3ª rodada 4ª rodada 5ª rodada 6ª rodada 7ª rodada 8ª rodada 9ª rodada 10ª rodada 11ª rodada

Guarani Villa Nova Villa Nova América Villa Nova Cruzeiro Villa Nova Villa Nova Villa Nova Caldense Villa Nova

1x2 2x2 2x1 2x1 0x0 2x0 1x0 0x0 1x2 2x2 0x2

Villa Nova Uberaba América (TO) Villa Nova Tupi Villa Nova Atlético Boa Democrata Villa Nova Nacional

Saldo de gols

C aproveitamento: 30,30% A M P desempenho: A N H A

1

1

1

0

0

0

-1

0

-1

-2

-2

Jogos

10º Nova Lima

N O V A


“penidão / alçapão do bonfim””

castor cifuentes

Localização: Nova Lima (31 km de Belo Horizonte) Capacidade: 5.160 torcedores Jogos realizados: 6 Nina de Abreu / FMF

Localizado em Nova Lima, o Estádio Castor Cifuentes, apelidado de “Penidão” e “Alçapão do Bonfim”, é palco dos jogos do Villa Nova, desde 1908, ano em que o time foi fundado. Entre os diversos triunfos dentro do Penidão, pode-se destacar a conquista do Campeonato Brasileiro da série B de 1971 pelo Leão. Com capacidade para aproximadamente 5 mil torcedores, a arena recebeu seis jogos do Villa, porém, o time não soube jogar em casa e venceu apenas uma partida dentro da competição.

“Uberabão”

eng. joão guido

Localização: Uberaba (485 km de Belo Horizonte) Capacidade: 11.300 torcedores Jogos realizados: 6 Nina de Abreu / FMF

O Estádio Municipal Engenheiro João Guido, situado em Uberaba, no Triângulo Mineiro, é conhecido como “Uberabão”. Sua construção demorou 11 anos, iniciando-se por meio de iniciativa privada, em 1961. Após anos sem investimento, o imóvel tornou-se público e a Prefeitura de Uberada retomou as obras em 1971, sendo inaugurado em 1972. Atualmente, é a sede de dois clubes, o Uberaba Sport Club e o Nacional de Uberaba, atualmente na 2ª divisão. Tem a capacidade de 15 mil torcedores.


33

os estádios “melão”

Localização: Varginha (306 km de Belo Horizonte) Capacidade: 15.471 torcedores Jogos realizados: 5

DILZON MELO

Nina de Abreu / FMF

Mais conhecido como “Melão”, o Estádio Dilzon Luís Melo foi palco de cinco jogos pelo Campeonato Mineiro em 2012. Com uma regular campanha dentro de casa, o Boa venceu três jogos, dois deles de goleada sobre o Democrata e o Uberaba. Além de receber as partidas do campeonato estadual e da série B nacional, o Melão também sedia as disputas dos times de Rúgbi de Varginha. Oficialmente, o estádio tem capacidade para 15.471 torcedores.

“Arena do Jacaré”

joaquim nogueira Gil Leonardi / Secom MG

Localização: Sete Lagoas (72 km de Belo Horizonte) Capacidade: 20.062 torcedores Jogos realizados: 19 Inaugurada em 28 de janeiro de 2006, a “Arena do Jacaré” é a casa do Democrata de Sete Lagoas. O Estádio Joaquim Henrique Nogueira, nome oficial dado em homenagem ao fazendeiro que cedeu o terreno para o clube, tornou-se o principal palco do futebol mineiro entre 2009 e o início de 2012. A partir de 2009, o estádio foi cedido por 10 anos ao Governo do Estado de Minas Gerais e passou a ser administrado pela Administração de Estádios do Estado de Minas Gerais (Ademg). Neste mesmo ano até 2010, o estádio passou por reformas para receber os jogos de América, Atlético e Cruzeiro, enquanto as arenas da capital estavam em obras para a Copa 2014.


“mamudão”

mammoud abbas

Localização: Gov. Valadares (329 km de Belo Horizonte) Capacidade: 8.678 torcedores Jogos realizados: 5 Nina de Abreu / FMF

Inaugurado em 1964, com a partida entre Democrata e Botafogo, que terminou com o placar de 2x0 para os cariocas, o Estádio José Mammoud Abbas, mais conhecido como “Mamudão”, fica em Governador Valadares, na região do Vale do Rio Doce. O campo atualmente possui capacidade para 8.674 pessoas. Uma das peculiaridades do estádio são as arquibancadas metálicas, pouco comuns em arenas nos dias de hoje.

Mário Helênio

Localização: Juiz de Fora (278 km de Belo Horizonte) Capacidade: 14.185 torcedores Jogos realizados: 7 Nina de Abreu / FMF

O Estádio Mário Heleno foi palco da ótima campanha apresentada pelo Tupi durante o Campeonato Mineiro 2012. O campeão do interior disputou sete partidas dentro de casa e venceu três delas. Localizado em Juiz de Fora, o estádio tem capacidade para um público de 25mil pessoas e, em sua estrutura, o torcedor pode contar com três bares, 48 banheiros e um estacionamento para 1,2mil veículos.


35

os estádios Localização: Teófilo Otoni (472 km de Belo Horizonte) Capacidade: 5 mil torcedores Jogos realizados: 6

nassri mattar

Nina de Abreu / FMF

Localizado em Teófilo Otoni, no Vale do Mucuri, o Estádio Nassri Mattar, abriga as partidas do América –TO. Com capacidade para 5 mil pessoas, o estádio é conhecido pelo seu estilo acanhado, e por se tornar um verdadeiro “caldeirão” em dias de jogos importantes. Porém, na edição 2012, do Campeonato Mineiro, o América não consegui fazer valer o fator campo e venceu apenas duas das seis partidas que disputou em seus domínios. Uma delas a vitória por 2x0 sobre o Democrata-GV que livrou a equipe teofilotonense do rebaixamento.

“ronaldão”

Ronaldo junqueira

Localização: Poços de Caldas (466 km de Belo Horizonte) Capacidade: 7.600 torcedores Jogos realizados: 5

Nina de Abreu / FMF

Inaugurado em 1979, com a derrota da Caldense por 3x0 para o Corinthians, o Estádio Ronaldo Junqueira, mais conhecido como Ronaldão, leva o nome do prefeito de Poços de Caldas na ocasião de sua fundação. O grande jogo da história do estádio foi a vitória da Caldense por 2x0 sobre o Nacional de Uberaba, que garantiu à veterana o título mineiro de 2002. Na edição 2012, o Ronaldão recebeu cinco partidas.


“Arena do calçado”

sen. zezé perrella

Localização: Nova Serrana (125 km de Belo Horizonte) Capacidade: 10 mil torcedores Jogos realizados: 4 Nina de Abreu / FMF

Inaugurado em março de 2012, com a vitória do Nacional por 1x0 sobre o Guarani de Divinópolis, o Estádio Senador Zezé Perrella, mais conhecido como “Arena do Calçado”, está situado na cidade de Nova Serrana, na região centro-oeste do estado, e tem capacidade para 10 mil pessoas. A arena, que é considerada uma das mais modernas do interior mineiro, veio substituir o tímido Astrogildo Duarte. Na edição 2012, foi palco de quatro partidas, entre elas Cruzeiro x Uberaba pela última rodada da Primeira Fase.

“Farião”

wALDEMAR TEIXEIRA

Localização: Divinópolis (124 km de Belo Horizonte) Capacidade: 4.080 torcedores Jogos realizados: 7

Luciano Eurides/ Portal G37

O Estádio Waldemar Teixeira de Faria, mais conhecido como “Farião”, está localizado na cidade de Divinópolis, região centro-oeste do estado. Com capacidade para 4.080 torcedores, recebe os jogos do Guarani Esporte Clube, porém na edição 2012, foi palco de dois jogos do Nacional de Nova Serrana, que esperava a inauguração da Arena do Calçado.


37

os estádios raimundo sampaio Pedro Vilela / Agência i7

Com o “Gigante do Horto” pronto para ser utilizado em competições oficiais, BH passa a ter o mais moderno estádio do país e a expectativa é que ele seja utilizado como um campo de treinamento de alguma seleção na Copa do Mundo 2014.

Reinaugurado para a decisão O torcedor de Belo Horizonte voltou a ouvir o grito de gol no dia 25 de abril, quando o América recebeu a equipe do Argentinos Juniors, de Buenos Aires. Foram três tentos que balançaram as novas redes do Independência, reinaugurado em uma noite que marcou o reencontro da torcida com o histórico estádio. O placar final de 2x1, a favor dos mineiros, triunfou a grande festa. A capital mineira ficou afastada do cenário futebolístico desde o fechamento do Mineirão, em junho 2010. Desde então, os torcedores de América, Atlético e Cruzeiro tiveram que viajar pelo interior de Minas Gerais para acompanhar seus clubes.

“Independência” Localização: Belo Horizonte Capacidade: 23 mil torcedores Jogos realizados: 2 (Final do Campeonato)

A reinauguração marcou o retorno das torcidas para Belo Horizonte e, principalmente, a volta das famílias ao campo. Com o Mineirão ainda em obras, a Arena Independência deverá ser a casa não só do proprietário América, como também de Atlético e Cruzeiro. O novo estádio conta com estrutura invejável e não deve nada a campos europeus. Vestiários com banheiras de hidromassagem, ar condicionado, armários exclusivos para cada jogador e equipados com cofres, camarotes para torcedores, gramado nos padrões exigidos pelo comitê da FIFA para a Copa do Mundo, cabines de imprensa modernizadas e iluminação cuidadosamente trabalhada para transmissões televisivas. Pedro Vilela / Agência i7

I N D E P E N D Ê N C I A


módulo ii William Tardelli / Araxá

Araxá solta o grito e Tombense assegura o primeiro acesso descenso, com apenas dois pontos conquistados entre os trinta disputados. Quem o acompanhou foi o Formiga que, mesmo com um aproveitamento melhor, não conseguiu se firmar na divisão. Os classificados para a fase final foram: Mamoré, Araxá, Tombense e Ipatinga. Quadrangular Final

O Módulo II desta temporada ficou marcado por surpresas. No dia 12 de fevereiro, o torneio teve início reunindo doze clubes do interior do estado, que foram divididos em dois grupos. A Chave A reuniu dois grandes rivais de Patos de Minas: a União Recreativa dos Trabalhadores (URT) e o Mamoré, acompanhados do tradicional Uberlândia, do recém-rebaixado Funorte, da Patrocinense e do Araxá. Já na Chave B estava o poderoso Ipatinga, o Social, o Poços de Caldas, o Formiga, a Tombense e o Tricordiano. Ao final das dez rodadas, duas equipes de cada conjunto avançaram para o “Quadrangular Final”, enquanto as últimas colocadas de cada grupo foram rebaixadas para a Segunda Divisão. Com péssima campanha, o Funorte confirmou seu mau momento no futebol mineiro e acabou somando mais um

O dia 9 de maio foi de festa no Estádio Fausto Alvim, em Araxá. O confronto direto contra o ‘Tigre do Vale do Aço’ marcou a conquista do título e do acesso para o Módulo I. Com um gol aos 42 minutos da etapa final, os donos da casa asseguraram o empate por 2x2, resultado que lhes bastava para erguer o troféu e comemorar a missão cumprida. A Tombense derrotou o Mamoré naquela mesma noite, fora de casa e bastou uma vitória (2x1) em Tombos, na rodada seguinte, diante do campeão Araxá para carimbar o passaporte para a elite do futebol mineiro. William Tardelli / Araxá

Nem mesmo o mais fanático torcedor do Araxá imaginaria que, em cinco meses, o clube conquistaria duas competições estaduais e retornaria a elite do Campeonato Mineiro. Porém, o improvável aconteceu e, em campo, a equipe alvinegra fez história triunfando na Segunda Divisão (2011) e no Módulo II (2012). A equipe comandada pelo treinador Luiz Eduardo Lima desbancou favoritos como Ipatinga, Uberlândia e Mamoré e estará entre as doze melhores equipes de Minas Gerais em 2013. O vicecampeonato ficou com a Tombense, da cidade de Tombos, que, com esta fantástica campanha, pela primeira vez em sua história, foi promovida à elite estadual.

Seis jogos separavam duas das quatro equipes do principal objetivo do torneio: o acesso para o Módulo I. Credenciado ao título, o Ipatinga começou mal a última fase, sendo derrotado nas duas primeiras rodadas. Perda de pontos cruciais, que juntamente com o sucesso do Araxá, o distanciaram da ponta da tabela. A Tombense oscilou entre vitórias e derrotas até o momento decisivo, enquanto o Mamoré triunfou apenas na estreia. A penúltima rodada foi a data certa do grito de campeão alvinegro e da vantagem adquirida pela Tombense.


39

x

William Tardelli / Araxá

A. E. C

Empate por 2x2 contra o Ipatinga garantiu o título ao Araxá Esporte Clube com uma rodada de antecedência

Chave a Araxá Esporte Clube

e q u i p e s

Esporte Clube Mamoré Funorte Esporte Clube

quadrangular final campeão

2º Lugar

A. E. C

Sociedade Esportiva Patrocinense Uberlândia Esporte Clube União Recreativa dos Trabalhadores

Chave b Clube Atlético Tricordiano

Araxá

3º Lugar

Tombense

4º Lugar

Formiga Esporte Clube Ipatinga Futebol Clube Poços de Caldas futebol Clube Social Futebol Clube Tombense Futebol Clube

Ipatinga

Mamoré


duke Arte além das quatro linhas O Campeonato Mineiro tem seus jogadores preferidos dentro dos gramados, mas o torcedor de Minas Gerais também tem ficado de olho na atuação de outro craque, que só aparece após os noventa minutos e faz jogadas geniais com as mãos. Não se trata de um lendário goleiro e sim do chargista e cartunista Eduardo dos Reis Evangelista, conhecido por todos como Duke. Mineiro da capital, 39 anos, Duke deu seus primeiros rabiscos ainda no colégio, quase sempre nas carteiras escolares. Adorava desenhar seus colegas e, principalmente, os professores. Arte que, quando os mestres se aproximavam, ele rapidamente apagava com o dedo. Como toda criança sonhadora, Duke imaginava mil e uma possibilidades do que gostaria de ser. Entre as diversas vontades, o sonho de ser cartunista sempre se fez presente. A primeira oportunidade surgiu em 1996, quando o jornal “O Tempo” foi fundado. Durante esse período os desenhos eram voltados para política. O direcionamento para charges esportivas surgiria em 2002, com a inauguração do “Super Notícia”.

30/01

Basta acabar a rodada e lá vai ele para frente de um papel em branco. Com lápis e borracha nas mãos, a arte vai nascendo como uma bela jogada ensaiada. Mas engana-se quem acredita que já está tudo planejado na cabeça do artista. “As ideias vão aparecendo durante as partidas. Uma situação inusitada, músicas que estão fazendo sucesso, comentários sobre o jogo vão me inspirando e, após o apito final, é só passar para o papel” declara Duke, que foge das piadas prontas e afirma que é inaceitável repetir uma charge. Torcedor do Atlético, o cartunista prefere utilizar as mascotes dos clubes no lugar de personagens ou até caricaturas de jogadores ou dirigentes. “Os mascotes aproximam o torcedor da charge, já que o atleticano, o cruzeirense e o americano tem uma identificação forte com o Galo, a Raposa e o Coelho”, explica. “Com isso, sente-se representado por eles, que são símbolos oficiais”, justifica. Em meio à febre das redes sociais, Duke comemora o sucesso de suas charges pela internet. Segundo ele, o compartilhamento do seu trabalho e o retorno do público são quase instantâneos.

06/02


humor extra campo

41

23/02

27/02

05/03

18/03

Entenda as charges 30/01 - Atlético estreia no campeonato e vence Boa Esporte 06/02 - Cruzeiro é surpreendido pelo Guarani 23/02 - América assume a liderança do campeonato

27/02 - Galo vence o Guarani por 4 x 0, com três gols de André 05/03 - Atlético vence o clássico contra o América de virada 18/03 - Em jogo dramático, América vence o Boa Esporte


duke 25/03

01/04

02/04

14/04

entenda as charges 25/03 - Cruzeiro vence o clássico contra o América 01/04 - Cruzeiro assume a liderança

29/04 - Atlético elimina Tupi e vai a final do campeonato 30/04 - América vence o Cruzeiro e chega à decisão

02/04 - Atlético reassume a ponta do campeonato

07/05 - Com gol no último minuto, América empata primeiro jogo da decisão.

14/04 - Polêmica divide opinião dos torcedores

14/5 - Invicto, Atlético é Campeão Mineiro em 2012


essoal rquivo p Duke / A

humor extra campo

43

Duke se formou em cinema de animação pela Escola de Belas Artes da UFMG e tem suas charges publicadas diariamente nos jornais O Tempo e Super Notícia. Em 2009 recebeu o troféu HQMIX como melhor cartunista brasileiro de 2008. É um dos organizadores do BH Humor, salão Internacional de humor Gráfico de Belo Horizonte. Conheça mais o seu trabalho em wwww.dukechargista.com.br

29/04

30/04

07/05

14/05


disputa final Dois grandes jogos definiram o campeão mineiro de 2012. Atlético e América fizeram jus ao mais antigo derby do estado: o chamado “Clássico das Multidões”. Na primeira partida, um 1x1 eletrizante, gols de André para o Galo e Bruno Meneghel para o Coelho, no último lance. Já no segundo e decisivo jogo, a atuação brilhante do garoto Bernard, autor de dois gols, definiu a vitória atleticana por 3x0 e o 41° título da equipe alvinegra.

Gabriel Castro / Arquivo

Gabriel Castro / Arquivo

a decisão


45

x

Bruno Cantini / Divulgação Atlético

jogo 1

jogo 2

AMÉRICA 1 X 1 ATLÉTICO

AMÉRICA 1 X 1 ATLÉTICO

DATA: 06/05/2012

DATA: 06/05/2012

LOCAL: Arena Independência

LOCAL: Arena Independência

ARBITRAGEM: Francisco Carlos do Nascimento, Alessandro Álvaro Rocha de Matos, Dibert Pedrosa Moisés, Marcos André Gomes da Penha

ÁRBITRAGEM: Francisco Carlos do Nascimento, Alessandro Álvaro Rocha de Matos, Dibert Pedrosa Moisés, Marcos André Gomes da Penha

GOLS: Bruno Meneghel, aos 4512ªT para o América; André, aos 35’2ªT para o Atlético

GOLS: Bruno Meneghel, aos 4512ªT para o América; André, aos 35’2ªT para o Atlético

PÚBLICO: 14.593 pagantes

PÚBLICO: 14.593 pagantes

RENDA: R$ 555.980,00

RENDA: R$ 555.980,00

América: 1-Neneca, 2-Rodrigo Heffner, 3-Gabriel, 4-Éverton, 5-Dudu, 6-Bryan (13-Pará, aos 41’2T), 7-Fábio Júnior, 8-Leandro Ferreira, 9-Alessandro (18-Bruno Maneghel, aos 27’2T), 10-Rodriguinho (17-Romão, aos 40’2T) e 11-Moisés. Técnico: Givanildo Oliveira

Atlético: 1-Giovanni, 2-Marcos Rocha, 3-Réver, 4-Rafael Marques, 5-Pierre, 6-Richarlyson, 7-Danilinho, 8-Serginho (13-Lima, aos 28’2T), 9-Mancini (17-Paulo Henrique, aos 37’2T), 10-Guilherme (18-Leleu, aos 44’1T) e 11-Bernard. Técnico: Cuca

Atlético: 1-Giovanni, 2-Marcos Rocha (13-Carlos César, aos 21’2T), 3-Réver, 4-Rafael Marques, 5-Pierre, 6-Lima, 7-Bernard (16-Mancini, aos 21’2T), 8-Serginho, 9-André, 10-Guilherme e 11-Richarlyson (15-Dudu Cearense, aos 34’2T). Técnico: Cuca

América: 1-Neneca, 2-Patrick (15-Kaio, no intervalo), 3-Gabriel, 4-Éverton, 5-China, 6-Bryan, 7-Fábio Júnior (18-Bruno Meneghel, no intervalo), 8-Leandro Ferreira, 9-Alessando, 10-Rodriguinho e 11-Moisés (16-Adeilson, aos 30’2T). Técnico: Givanildo Oliveira


Bruno Cantini/Divulgação Atlético

100 campeões em 98 edições O ano de 2012 ficará marcado na história do futebol mineiro como a temporada em que ficou conhecido o “100º Campeão Estadual”. Os cem anos da primeira disputa do Campeonato Mineiro acontecerá em 2015, e um ano antes teremos a centésima edição do torneio. A matemática pode parecer estranha, já que não estamos na centésima edição do campeonato, mas durante esta longa trajetória alguns fatos marcantes, e até curiosos, fizeram que em duas edições (1932 e 1956) o Campeonato Mineiro tivesse duas equipes campeãs. Em uma linha do tempo saiba das informações mais importantes para o esclarecimento e compreensão desta polêmica matemática do “futebol montanhês”.

1915

A primeira edição do Campeonato Mineiro aconteceu em 1915, e o título daquele ano ficou com o Clube Atlético Mineiro. Mesmo com poucos registros, começava ali a história de um dos principais torneios estaduais do país.

1926

Ainda na era amadora, a primeira disputa de título entre Atlético e Cruzeiro (na época Palestra Itália) foi em 1926. A então Liga Mineira de Desportos Terrestres (LMDT), organizou o torneio que acabou dando ao clube alvinegro o título após dez conquistas consecutivas do América Futebol Clube. O vice-campeão foi o Palestra Itália, mas que também disputou naquela temporada outro torneio, organizado pela Associação Mineira de Esportes Terrestres. O Palestra ergueu a taça nesta ocasião e em seus registros se considera campeão mineiro, porém sem o reconhecimento da FMF.

1932

A divisão do título de 1932 foi o pontapé inicial para o profissionalismo do futebol mineiro. A temporada daquele ano começou tumultuada devido à fundação de uma nova liga no estado, a Associação Mineira de Esportes ‘Geraes’. A nova entidade tinha como fundadores o América, o Palestra Itália e o Villa Nova.


o centésimo campeão Outros clubes seguiram o mesmo caminho e optaram por disputar o torneio da liga ‘alternativa’, enquanto entre os clubes tradicionais, apenas o Atlético permaneceu filiado a Liga Mineira de Desportos Terrestre. Os dois campeonatos foram disputados paralelamente, entre março e novembro de 1932. No torneio da LMDT o Atlético não teve muitas dificuldades diante dos clubes mais fracos de Minas Gerais, e caminhou com tranquilidade para o título. Os fundadores da nova entidade eram os favoritos ao título, mas na disputa entre eles o Villa Nova foi quem levou a melhor. No dia 25/10, o jornal “Estado de Minas” estampou em seu espaço destinado a esportes a manchete: “O VILLA É O CAMPEÃO! – 2x2 numa peleja que empolgou a torcida.”O empate que consagrou o time de Nova Lima foi diante do Palestra Itália

1956

No ano de 1956 o título foi decidido nos tribunais, e pela única vez desde a era profissional, acabou dividido entre os finalistas, na ocasião o Atlético e o Cruzeiro. O atleta Laércio, do time alvinegro, utilizou um documento que não o pertencia, e mesmo vencendo o confronto final dentro das quatro linhas, o Galo perdeu pontos no tribunal. A briga judicial se arrastou por longo tempo. Com isso a Federação decretou que ambas as equipes foram campeãs do campeonato naquele ano.

2002

O estadual não contou com a participação dos clubes da capital (América, Atlético e Cruzeiro) e do Mamoré, de Patos de Minas. As quatro equipes disputaram a Liga Sul Minas, competição que foi administrada pelos próprios times participantes. Mesmo com a ausência dos grandes do estado, a FMF promoveu o Campeonato Mineiro, e a festa do interior ficou com a Caldense, de Poços de Caldas, sagrando-se campeã estadual em 2002. Com a conquista do título a Veterana obteve a condição de disputar o Supercampeonato Mineiro, se juntando as quatro equipes que abdicaram do Mineiro no início da temporada. O Cruzeiro conquistou o título do inédito campeonato, mas este não é reconhecido pela FMF, já que a Federação apenas apoiou a organização do evento e não foi um torneio oficial da entidade.

Gabriel Castro / Arquivo

Fica-se claro que a LMDT não foi extinta, apenas se reformulou em meio a divisão que aconteceu no início daquele ano. Com a retomada dos clubes em uma mesma liga/federação, a entidade passou a ter novo nome, e a união junto a AMEG fez com que os dois clubes campeões daquela temporada, Atlético e Villa Nova, fossem reconhecidos campeões mineiros, já que ao final do ano, ambos faziam parte da mesma entidade. A partir de 1933 o Campeonato Mineiro passa a ser disputado profissionalmente.

47

2012

O dirigente do Atlético, Alexandre Kalil, recebe a taça de 100º campeão das mãos de Paulo Schettino, presidente da Federação Mineira de Futebol - FMF

A fórmula de disputa do Campeonato Mineiro deste ano foi a mesma da temporada passada, onde as doze equipes participantes jogaram entre si, em turno único, em busca das quatro vagas para as semifinais. Os dois últimos colocados na classificação foram rebaixados ao Módulo II de 2013. Os classificados se enfrentaram em sistema de mata-mata, em dois jogos, para serem conhecidos os finalistas. Na grande decisão, o sistema da fase anterior foi repetido, e os jogos entre Atlético e América aconteceram nos dias 06 e 13 de maio. Ao final da disputa o futebol mineiro conheceu o 100º campeão estadual de sua história.


por trás do apito Comissão de arbitragem Os testes físicos realizados no dia 14 de janeiro deram o pontapé inicial na temporada da arbitragem mineira. Entre os dias 19 a 22 os árbitros e assistentes participaram da pré-temporada, que contou com nomes como Álvaro de Azeredo Quelhas e Márcio Rezende de Freitas. Esta parte técnica e física determinou quais os membros do quadro da FMF estariam aptos a participarem das competições futebolísticas, no ano de 2012.

em trios de outros estados. Mesmo com árbitros de fora, não deixaram de haver lances questionáveis nos dois jogos. Como o gol irregular do americano Bruno Meneghel - validado pelo alagoano Francisco Carlos Nascimento na primeira partida. Outro caso foi o pênalti do atleticano Bernard sob o americano China - não marcado pelo gaúcho Leandro Pedro Vuaden no segundo jogo.

No conselho técnico para o Módulo I do Campeonato Mineiro Chevrolet, ficou decidido que os árbitros passariam por uma avaliação ao longo da primeira fase. O objetivo era definir se quem apitaria as finais seriam trios mineiros ou de fora do estado. Uma evolução com relação ao ano passado quando, já no arbitral, foi pedida arbitragem de fora para a fase final.

Ainda que não tenha apitado as finais do mineiro, nossa arbitragem esteve bem representada em outras decisões estaduais. Ricardo Marques Ribeiro conduziu sem problemas a final do Campeonato Cearense entre Ceará x Fortaleza enquanto o auxiliar mineiro Márcio Eustáquio Santiago participou da decisão do Baiano entre Bahia x Vitória e também passou despercebido na partida eletrizante que acabou empatada em 3x3.

No decorrer da competição foram poucas as polêmicas envolvendo nossos juízes. Porém, por se sentirem lesados em alguns jogos, América e Cruzeiro optaram por pedir árbitros de fora do estado nas semifinais. Já Atlético e Tupi decidiram continuar prestigiando a arbitragem mineira. Com a classificação de Galo e Coelho para as finais, os dois clubes chegaram a um consenso e decidiram apostar

O presidente da Comissão de Arbitragem, José Eugênio, avalia o primeiro semestre como bastante positivo “Não apitamos as finais do mineiro por um detalhe ou outro, mas tivemos árbitros do nosso quadro, presentes nas finais do campeonato cearense e baiano, e com boas atuações. Portanto não há motivos para deixarmos de enaltecer o excelente primeiro semestre da nossa arbitragem”.

Gabriel Castro / Arquivo


o “tapetão”

49 Paula Matias

Renato Cardoso Conceição dá a sua versão para o lance polêmico: Árbitro foi suspenso por 30 dias e multado em 100 reais

Desvendando o tjd-mg Fundado em 1976 o Tribunal de Justiça Desportiva de Minas Gerais já teve em sua história vinte e quatro presidentes. Desde 2010 é presidido por Sérgio Murilo Diniz Braga. O TJD-MG é composto pelo Tribunal Pleno, que é denominado desta maneira por funcionar integralmente com todos os seus integrantes (presidente, vice-presidente e sete auditores), ou seja, sempre que houver algum julgamento sua composição tem de estar completa. É subdivido em quatro comissões disciplinares independentes, onde a hierarquia é a mesma do Pleno, mas com apenas três auditores. Além disso, possui ainda nove suplentes, sete procuradores, quinze defensores dativos e três serventuários. Na edição de 2012 do Campeonato Mineiro, o Tribunal foi bastante acionado, e um caso especial chamou a atenção. O clássico entre Atlético e Cruzeiro da primeira fase foi cercado por várias polêmicas. A principal delas, uma cotovelada desferida pelo cruzeirense Roger no atleticano Danilinho. Apesar ter recebido apenas um cartão amarelo, o atleta foi denunciado pelo procurador Carlos Schirmer, que também ofereceu denúncia ao árbitro da partida Renato Cardoso Conceição, pela não expulsão do meia celeste.

Além de Roger e Renato, foram indiciados o volante atleticano Pierre, que recebeu cartão vermelho, e o próprio Clube Atlético Mineiro, mandante do clássico, por uma garrafa atirada no campo durante a partida. O julgamento ocorreu no dia 17 de abril, na sede da Tribunal de Justiça Desportiva. O advogado do Cruzeiro, Sérgio Rodrigues não compareceu à audiência alegando problemas particulares e pediu que o julgamento fosse adiado, o que foi prontamente negado pelos julgadores. Roger foi julgado à revelia e punido com quatro partidas de suspensão. No julgamento do árbitro da partida seu advogado, Guilherme Aquino, usou um gráfico para sustentar que, na posição em que Renato estava, não seria possível ver a agressão desferida por Roger em Danilinho. As palavras do defensor parecem não ter surtido o efeito esperado e Renato acabou punido com suspensão de 30 dias e multa de R$ 100. Por fim, o Clube Atlético Mineiro foi absolvido da denúncia, uma vez que foi identificado o torcedor que atirou o objeto no gramado, porém o time atleticano acabou penalizado em R$ 200 por atrasar dois minutos para o segundo tempo do clássico. O jogador Pierre recebeu a pena mínima, de um jogo, revertida em advertência.


CAMPANHA - MÓDULO I 1ª R O D A D A

DATA 29/jan 29/jan 29/jan 29/jan 29/jan 16/fev

MANDANTE Caldense Atlético Uberaba Guarani Democrata Nacional

PLACAR 1x0 2x0 0x1 1x2 1x3 2x4

VISITANTE Tupi Boa América - TO Villa Nova América Cruzeiro

ARENA Ronaldão Arena do Jacaré Uberabão Farião Mamudão Farião

LOCAL Poços de Caldas Sete Lagoas Uberaba Divinópolis Gov. Valadares Divinópolis

2ª R O D A D A

04/fev 04/fev 05/fev 05/fev 05/fev 05/fev

América Tupi Boa Cruzeiro Villa Nova América - TO

2x0 0x1 3x0 0x1 2x2 1x2

Caldense Nacional Democrata Guarani Uberaba Atlético

Arena do Jacaré Mário Helênio Melão Arena do Jacaré Castor Cifuentes Nassri Mattar

Sete Lagoas Juiz de Fora Varginha Sete Lagoas Nova Lima Teófilo Otoni

3ª R O D A D A

11/fev 12/fev 12/fev 12/fev 12/fev 22/fev

Atlético Boa Cruzeiro Villa Nova Uberaba Nacional

2x0 0x0 3x0 2x1 5x0 2x5

Caldense Guarani Tupi América - TO Democrata América

Arena do Jacaré Melão Arena do Jacaré Castor Cifuentes Uberabão Farião

Sete Lagoas Varginha Sete Lagoas Nova Lima Uberaba Divinópolis

4ª R O D A D A

25/fev 25/fev 25/fev 26/fev 26/fev 29/fev

Tupi América - TO Democrata Caldense Guarani América

2x1 0x0 0x2 2x0 0x4 2x1

Uberaba Boa Cruzeiro Nacional Atlético Villa Nova

Mário Helênio Nassri Mattar Mamudão Ronaldão Farião Arena do Jacaré

Juiz de Fora Teófilo Otoni Gov. Valadares Poços de Caldas Divinópolis Sete Lagoas

5ª R O D A D A

03/mar 03/mar 04/mar 04/mar 05/mar 21/mar

Cruzeiro Nacional Boa América Democrata Tupi

2x0 1x0 4x0 1x2 1x1 0x0

América - TO Guarani Uberaba Atlético Caldense Villa Nova

Arena do Jacaré Arena do Calçado Melão Arena do Jacaré Mamudão Mário Helênio

Sete Lagoas Nova Serrana Varginha Sete Lagoas Gov. Valadares Juiz de Fora

6ª R O D A D A

10/mar 10/mar 10/mar 11/mar 11/mar 11/mar

Atlético América - TO Tupi Cruzeiro Guarani Uberaba

4x2 1x2 3x0 2x0 3x1 0x0

Nacional América Boa Villa Nova Democrata Caldense

Arena do Jacaré Nassri Mattar Mário Helênio Arena do Jacaré Farião Uberabão

Sete Lagoas Teófilo Otoni Juiz de Fora Sete Lagoas Divinópolis Uberaba


51

tabelas - jogos 7ª R O D A D A

DATA 17/mar 17/mar 18/mar 18/mar 18/mar 19/mar

MANDANTE América América - TO Villa Nova Uberaba Caldense Democrata

PLACAR 1x0 1x3 1x2 1x2 0x5 0x3

VISITANTE Boa Tupi Atlético Guarani Cruzeiro Nacional

ARENA Arena do Jacaré Nassri Mattar Castor Cifuentes Uberabão Ronaldão Mamudão

LOCAL Sete Lagoas Teófilo Otoni Nova Lima Uberaba Poços de Caldas Gov. Valadares

8ª R O D A D A

24/mar 24/mar 25/mar 25/mar 26/mar 04/abr

Atlético Tupi Cruzeiro Caldense Nacional Villa Nova

3x0 3x1 2x1 1x0 1x1 0x0

Democrata Guarani América América - TO Uberaba Boa

Arena do Jacaré Mário Helênio Arena do Jacaré Ronaldão Arena do Calçado Castor Cifuentes

Sete Lagoas Juiz de Fora Sete Lagoas Poços de Caldas Nova Serrana Nova Lima

9ª R O D A D A

28/mar 31/mar 31/mar 01/abr 01/abr 01/abr

América América - TO Boa Uberaba Villa Nova Guarani

1x2 3x2 0x2 0x3 1x2 1x1

Tupi Nacional Cruzeiro Atlético Democrata Caldense

Arena do Jacaré Nassri Mattar Melão Uberabão Castor Cifuentes Farião

Sete Lagoas Teófilo Otoni Varginha Uberaba Nova Lima Divinópolis

10ª R O D A D A

08/abr 08/abr 08/abr 08/abr 08/abr 08/abr

Atlético Uberaba Guarani Democrata Caldense Nacional

2x2 0x2 2x2 2x1 2x2 2x1

Cruzeiro América América - TO Tupi Villa Nova Boa

Arena do Jacaré Uberabão Farião Mamudão Ronaldão Arena do Calçado

Sete Lagoas Uberaba Divinópolis Gov. Valadares Poços de Caldas Nova Serrana

11ª R O D A D A

15/abr 15/abr 15/abr 15/abr 15/abr 15/abr

Cruzeiro Tupi América Villa Nova Boa América - TO

3x2 0x0 0x4 0x2 1x0 2x0

Uberaba Atlético Guarani Nacional Caldense Democrata

Arena do Calçado Mário Helênio Arena do Jacaré Castor Cifuentes Melão Nassri Mattar

Nova Serrana Juiz de Fora Sete Lagoas Nova Lima Varginha Teófilo Otoni

Atlético Cruzeiro Tupi América

Mário Helênio Arena do Jacaré Arena do Jacaré Arena do Jacaré

Juiz de Fora Sete Lagoas Sete Lagoas Sete Lagoas

Atlético América

Independência Independência

Belo Horizonte Belo Horizonte

SEMI fINAL 22/abr 22/abr 28/abr 29/abr

Tupi América Atlético Cruzeiro

1x1 3x2 1x0 1x2

FINAL 06/mai 13/mai

América Atlético

1x1 3x0


JOGADOR A. Ramon A.Lopes Adeilson Ademilson Adriano Afonso Alberto Alessandro Alex Alex Santos Alex Maranhão Alexandre Allan Álvaro Amaral Anderson Anderson Pereira Anderson Costa Anderson Lessa André Ferreira André Araújo Arílton Assis Belarmino Bernard Bob Bobô Bruninho Bruno Bruno Barros Bruno Maia Bruno Meneguel Bruno Moreno Bryan Cafú Caio Caleb Carciano Carlão Dutra Carlão Carlinhos Carlos Alberto Carlos Antônio Carlos César Cassiano Celinho Chibanca Chico Marcelo China Claudinei

CLUBE Cruzeiro Nacional America Tupi Democrata Nacional Uberaba America Democrata Villa Nova Nacional Nacional Tupi Villa Nova Cruzeiro America Democrata Villa Nova Villa Nova Guarani Atlético Mineiro Uberaba Nacional Tupi Democrata Atlético Mineiro Democrata Cruzeiro Nacional Tupi America (TO) Guarani America Uberaba America Guarani Villa Nova Nacional Villa Nova Tupi Democrata Guarani America (TO) Democrata Atlético Mineiro Tupi America (TO) Guarani Guarani America Boa

JOGOS GOLS 12 4 9 13 5 3 9 11 10 11 8 2 13 7 5 1 4 4 2 10 14 5 6 4 1 9 1 3 3 1 4 10 6 11 13 3 1 2 10 2 8 7 8 6 5 2 7 6 6 9 11

7 1 2 5 1 0 0 5 0 4 3 0 1 0 0 0 0 0 0 0 10 2 0 0 0 2 0 1 1 0 0 1 2 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 1


tabelas - jogadores JOGADOR Cléberson Clodoaldo Danilinho Danilo Deivisson Diego Faria Diego Perão Diego Renan Diogo Douglas Pires Douglas Silva Dudu Pitbull Dudu Dudu Cearense Éber Éberson Éder Éder Dias Éder Reis Ely Tadeu Elber Elder Eliandro Eliel Elisson Elivelton Elton Emerson Jaú Eric Eron Escudero Evandro Paulista Everton Santos Everton Luis Everton Fábio Fábio Júnior Fábio Lopes Fábio Neves Fábio Noronha Fabio Silva Fabio Tenório Fabricio Felipe Felipe Almeida Felipe Cordeiro Felipe Dias Fernandes Fernando Fernando Silva Filipe Soutto

CLUBE Guarani Uberaba Atlético Mineiro America (TO) Villa Nova America (TO) Uberaba Cruzeiro Boa Nacional Democrata America Nacional Atlético Mineiro Nacional Caldense Nacional Democrata Uberaba Guarani Cruzeiro America (TO) Villa Nova Uberaba Villa Nova Democrata Democrata Uberaba Boa Atlético Mineiro Atlético Mineiro Tupi Villa Nova America Cruzeiro Cruzeiro America Cruzeiro Caldense America (TO) Democrata Caldense Tupi Villa Nova Caldense Caldense America (TO) Democrata Uberaba Caldense Atlético Mineiro

JOGOS GOLS 2 6 10 4 1 10 3 10 4 8 3 5 5 1 8 9 10 4 9 8 7 9 10 2 10 6 10 4 1 1 10 3 1 13 9 12 14 2 7 9 2 4 7 6 7 4 10 1 11 4 6

0 2 3 0 0 3 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 6 0 0 1 0 0 2 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 1 0 0 6 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

53


JOGADOR Flávio Flávio Lopes Francismar Gabriel Gabriel Elói Gabriel Gabriel Araújo Gabriel Davis Glaycon Geison George Geraldo Gilberto Gilson Giovani Giovanni Glaysson Gledson Guilherme Gustavinho Gustavo Heitor Henik Henrique Costa Henrique Higo Índio Iresânio Ivam Ivan J.Guilherme Jadson Jailson Jailton Jajá Jardel Jean Cléber Jefferson Marques Jefferson Jefferson Araújo Jonathan Josimar Juninho Juninho Frizzi Júnior Júnior Timbo Kaio Kaká Durval Kaká Karreta Kerlon

CLUBE Tupi Democrata Villa Nova Boa Uberaba America Nacional Uberaba America Villa Nova Tupi America (TO) America Cruzeiro Atlético Mineiro Uberaba Caldense Boa Atlético Mineiro Caldense Uberaba Villa Nova Villa Nova Villa Nova Tupi Villa Nova Uberaba Democrata Caldense Guarani Nacional America (TO) Boa Tupi Boa Caldense Nacional Caldense Tupi Uberaba Democrata Nacional Democrata Nacional Democrata America America Uberaba America America (TO) Nacional

JOGOS GOLS 13 9 11 10 10 13 3 9 1 1 11 5 4 3 5 1 10 11 12 1 8 5 6 11 12 6 5 2 1 7 3 5 3 13 3 9 8 1 2 2 2 4 8 5 1 1 12 2 5 4 1

0 0 0 0 0 3 0 3 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 3 0 0 0 0 0 4 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 3 0 0 0 0


tabelas - jogadores JOGADOR L. Mourão Laércio Leandrão Leandro Bocão Leandro Donizete Leandro Ferreira Leandro Guerreiro Leandro Smith Leleu Léo Léo Andrade Léo Medeiros Léo Salino Leonardo Lima Lucas Silva Luciano Luis Oyarbide Luiz Eduardo Luizão Luizinho Rodrigues Luizinho Ferreira Luizinho Lula Maciel Magalhães Maguinho Maicon Mancini Marcão Marcelo Oliveira Marcinho Marcio Pinho Márcio Santos Marcos Marcos Rocha Marinho Mário Marlon Marques Marquinhos Marx Ferrax Max Maxsuel Michel Michel Loures Michel Cury Moisés Montillo Muller Negreti

CLUBE America (TO) Guarani Caldense Democrata Atlético Mineiro America Cruzeiro America (TO) Atlético Mineiro Cruzeiro Democrata Guarani Tupi Democrata Atlético Mineiro Nacional America Democrata Atlético Mineiro Nacional America (TO) Caldense Guarani America Democrata Guarani Tupi America (TO) Atlético Mineiro Nacional Cruzeiro Nacional Democrata Guarani Cruzeiro Atlético Mineiro Guarani Caldense Uberaba Boa Boa Boa Caldense Caldense Guarani Tupi Tupi America Cruzeiro Democrata Guarani

JOGOS GOLS 10 2 7 7 11 12 12 6 1 10 9 8 12 6 5 1 9 7 3 7 11 11 8 6 1 11 2 2 13 7 12 5 8 10 12 12 10 7 7 8 2 2 8 9 7 8 8 13 11 3 4

3 0 0 2 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 2 0 0 0 1 0 0 0 3 0 0 2 0 0 2 1 1 0 2 0 0 0 1 0 0 4 0 0 0 2 0 3 0 0

55


JOGADOR Neilson Neneca Neno Nerylon Neto Berola Neylor Nikão Olívio Otávio Pablo Lucas Pará Patrick Paulinho Paulinho Pedalada Paulo Henrique Paulo Roberto Pedrinho Pedro Paulo Petros Pierre Pinguim Plínio R. Alagoano R. Duarte Radamés Radar Rafael Rafael Barrios Rafael Gomes Rafael Marques Rafinha Rancharia Raniere Renan Vinícius Renan Renan Ribeiro Renatinho Réver Richarlyson Robert Roberto Robson Rodrigo Rodrigo Dias Rodrigo Heffner Rodrigo Sena Rodrigo Fernandes Rodriguinho Roger Romão

CLUBE Boa America Boa Uberaba Atlético Mineiro Boa Atlético Mineiro Boa America Democrata America America Tupi America (TO) Atlético Mineiro Villa Nova Villa Nova Boa Boa Atlético Mineiro Villa Nova Caldense Nacional America (TO) Boa Boa Cruzeiro America (TO) Boa Atlético Mineiro America (TO) Democrata Nacional Tupi Democrata Atlético Mineiro Caldense Atlético Mineiro Atlético Mineiro Boa Uberaba Villa Nova Tupi Caldense America America (TO) Nacional America Cruzeiro America

JOGOS GOLS 4 14 3 5 12 6 1 8 1 5 5 5 6 4 1 4 3 8 2 12 8 2 10 11 10 11 1 4 4 13 4 10 5 1 4 10 7 14 13 7 8 4 11 11 11 8 8 13 8 2

0 0 0 0 3 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 0 3 1 2 0 0 0 0 2 0 0 0 0 0 0 1 0 0 2 1 1 0 0 0 1 0 2 1 0


tabelas - jogadores JOGADOR Rudnei Sallinas Sandro Costa Sebá Sebastian Serginho Serginho Luis Silva Silvio Stanley Thiago Braga Thiago Carvalho Thiago Fernandes Thiago Gaúcho Thiago Marin Thiago Régis Thiaguinho Thiaguinho Esmerindo Tita Ton Toreti Totó Triguinho Ualisson Picachu Uchoa Ulisses V. Nogueira Victor Hugo Victorino Vinicius Vinícius Ferreira Vinícius Hess Vinícius Kiss Vitor Hugo W. Paulista Wallyson Walter Walter Minhoca Wellington Welton Felipe Wesley Wesley Soeiro Wesley Ladeira Weslley William William Hochmuller William Mogi Yan Yuri Zé Rodolfo

CLUBE Cruzeiro Uberaba America (TO) Nacional America Atlético Mineiro Caldense Boa Tupi Boa Villa Nova Cruzeiro Caldense Guarani Uberaba Guarani Villa Nova Uberaba Guarani Uberaba Uberaba Villa Nova Atlético Mineiro Villa Nova Villa Nova Tupi America (TO) Tupi Cruzeiro Villa Nova Caldense Boa Boa Uberaba Cruzeiro Cruzeiro Cruzeiro Guarani Nacional Boa Atlético Mineiro Democrata Tupi America (TO) Tupi Boa America (TO) Caldense Boa Villa Nova

JOGOS GOLS 5 1 4 8 1 4 8 4 11 3 1 3 11 1 7 10 3 6 7 1 7 4 3 4 7 8 8 3 13 2 9 8 10 7 11 12 8 9 6 1 4 7 12 4 2 3 4 3 5 8

0 0 2 1 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 1 0 2 0 0 0 0 0 11 2 1 1 0 0 0 0 2 0 0 0 0 0 0 0

57


59 O conteúdo contido no Almanaque do Campeonato Mineiro 2012 é resultado de um levantamento de conteúdo fotográfico, estatístico e textual, recolhido com o auxílio e autorização de fotojornalistas, jornalistas esportivos, assessorias de comunicação de clubes e arenas, instituições desportivas e sites oficiais, conforme a relação abaixo:

campanha / escudos / uniformes: Federação Mineira de Futebol- FMF - www.fmfnet.com.br

Charges: Duke Chargista - www.dukechargista.com.br

fotografias: Bruno Cantini Cézar Vouguinha Douglas Magno / Agência i7 Gabriel Castro Gil Leonardi / Secom MG Juliana Flister / Agência i7 Luciano Eurides / Portal G37 Nina de Abreu / FMF Paula Matias Pedro Vilela / Agência i7 William Tardelli / Araxá F.C.

hinos: www.hinosdetimes.blogspot.com.br

informações estádios / história: Administração de Estádios do Estado de Minas Gerais - www.ademg.mg.gov.br Confederação Brasileira de Futebol - CBF - www.cbf.com.br Federação Mineira de Futebol - FMF - www.fmfnet.com.br

r e f e r ê n c i a s


Apoio:

Federação Mineira de Futebol

Almanaque Mineiro 2012  

Trabalho de Conclusão de Curso dos alunos de Jornalismo da Universidade Fumec - Almanaque do Campeonato Mineiro de Futebol 2012.

Almanaque Mineiro 2012  

Trabalho de Conclusão de Curso dos alunos de Jornalismo da Universidade Fumec - Almanaque do Campeonato Mineiro de Futebol 2012.

Advertisement