Issuu on Google+

TERRAS República de Ytu®

Simplesmente Toscana A região mais bela da Itália

O FLAMEJANTE FLAMBOYANT

Uma árvore extravagante

FENG SHUI

Técnicas para harmonizar sua casa a partir das cores

www.terrasrepublicadeytu.com.br | Edição 05 | Jan/Fev 2013


175 lojas no Brasil Plaza Shopping Itu Itu • SP Fone: (11) 2715.0666

Polo Shopping Indaiatuba Indaiatuba • SP Fone: (19) 3835.9121


seu momento


Objetiva

Organiza o Natal


Fotos: Fontpress

Alguém observou que cada vez mais o ano se compõe de 10 meses; imperfeitamente embora, o resto é Natal . É possível que , com o tempo, essa divisão se inverta: 10 meses de Natal e dois meses de ano vulgarmente dito. E não parece absurdo imaginar que , pelo desenvolvimento da linha, e pela melhoria do homem, o ano inteiro se converta em Natal , abolindo-se a era civil , com suas obrigações enfadonhas ou malignas. Será bom. Carlos Drummond de Andrade


Renovar é inexorável

“Bendito quem inventou o belo truque do calendário, pois o bom da segunda-feira, do dia 1º do mês e de cada ano novo é que nos dão

Sábio quem criou o calendário, quem concebeu horas, dias, meses e... a virada do ano. Com seria um tempo corrido, sem marcações? O ser humano não teria estímulos para se renovar. É com o ano novo que podemos refazer nossos planos, acertar o que anda meio torto e seguir com aquilo que está no prumo. É com o ano novo que as empresas planejam, definem metas; é com o ano novo que as pessoas se revigoram, buscam um novo caminho. É assim também com uma publicação – não poderia ser diferente. Ouvindo nossos leitores fiéis e esporádicos, que nos reinventamos sempre. Depois de uma conversa com um ituano ilustre, porta-voz e incentivador do turismo de fazendas, João Pacheco Neto, que ‘inauguramos’ a seção Circuito Bandeirante, falando de fazendas e outras maravilhas regionais, como museus e parques. Em bate-papos informais que percebemos como as pessoas têm interesse em buscar o saber. E foi com uma dessas pessoas maravilhosas, que só vimos uma vez, a Sra. Cecília, moradora de Salto, que ligamos o sinal de alerta. Ela nos indagou: “Não tem matéria para as crianças?” Anotado dona Cecília! Nossa equipe já pensa em uma seção que traga novidades para os baixinhos. E, sem pretensão nenhuma, que se abra uma ‘janelinha’ para incentivar a leitura dessa molecada de idade fértil e sonhos mil.

a impressão de que a vida não continua, mas apenas recomeça...” Mário Quintana

É isso então, caro leitor. Que 2013 seja de renovações, conquistas e muita saúde! Um caloroso abraço, Equipe Revista Terras

Expediente Superintendência Luiz Oscar Bonilha Junior - Administrador do Condomìnio Terras de Sâo José

Jornalista responsável

Secretária de redação

Editora-chefe

Diretora executiva

Reportagem

Diretor comercial

Márcio Padula Carile (MTB 30.164)

Luana Garcia (MTB 43.879)

Aurea Fortes, Luana Garcia e Márcio Padula Carile

diretoria Luana Garcia e Márcio Padula Carile

Produção e publicação Fontpress Comunicação Av. Pavão, 955, cj. 85, Moema São Paulo, SP – CEP 04516-012 (11) 5044-2557 revistaterraspubli@fontpress.com.br

Fotografia

Michele Rodrigues

Angela Castilho

Paulo Zuppa

Executivos de negócios Francisco Fernandes

Chema Llanos

Colaboração André Soares

Direção de arte Pati Oliveira

Impressão Gráfica Silvamarts

Para anunciar

(11) 5044-2557 e 5041-4715 revistaterraspubli@fontpress.com.br

Publicação bimestral, custeada integralmente por anunciantes. É proibida sua reprodução total ou parcial, sem autorização por escrito da editora. A Fontpress Comunicação não se responsabiliza pelo conteúdo dos anúncios e mensagens publicitárias, bem como dos artigos assinados inclusos nesta edição.

10 » TERRAS


12 Passaporte

76 Estampa

36 Porta-retrato

80 Especial

Terre della Toscana

44 Boulevard

Flamboyant: a árvore mais bela do mundo

56 vitórias e percalços

Uma vida advogando

62 Circuito Bandeirante

Produtiva e ativa

Azul é a cor da moda A saída da casa dos pais

84 Estúdio

Colorido especial

89 Crônica de todo dia

Noite Feliz

90 Ponto inicial

Na vida buscamos a felicidade

11 » TERRAS


Passaporte

Pequenos produtores com suas maravilhas culinárias, assim é a Itália


Passaporte

Terre della Toscana

Um passeio pela regiรฃo mais bela da Itรกlia nos faz enxergar o admirรกvel de uma maneira simples e diversa Por Mรกrcio Padula


Passaporte Considerada o berço da Renascença, a Toscana foi palco de muitos artistas como Leonardo da Vinci, Botticelli, Donatello, Michelangelo, Maquiavel, Tintoretto, Rafael. Mas qual seria o motivo dessa fartura de gênios em uma pequena parte da Itália? Só pude realmente responder essa pergunta quando tive a oportunidade de conhecer esta terra.

“A pujança de um povo é grande ou escassa Segundo o seu querer, que , se escondendo Qual serpe em erva triunfante passa” Trecho da “Divina Comédia”, do poeta florentino Dante Alighieri

Q

uem já teve o privilégio de percorrer a região mais iluminada da Itália, uma das mais esplêndidas do mundo, sabe que lá belezas são naturais e simples como em pequenas fontes e belas estátuas ou em monumentos colossais como a Torre de Pisa ou a Ponte Vecchio; cultura exala por todos os cantos; e aromas culinários diversos perfumando ruas, vielas, campos; são praticamente uma instituição em toda a região. Na Toscana tudo pode ser feito com pompa e circunstância, desde passeios de bicicleta, itinerários por vinícolas, visitas a cidades históricas ou mesmo uma simples contemplação da exuberante natureza ou da vista da Piazzale Michelangelo, de onde se pode avistar toda a cidade de Florença, a “capital” do Renascimento e sua luz âmbar.

14 » TERRAS


Passaporte

Local naturalmente majestoso, simplesmente abençoado, inspirador e sublime , talvez por isso e algo mais, floresceu tamanha genialidade 15  TERRAS


Passaporte

Entre curvas e estradinhas, planícies e montanhas, plantações de uvas e olivas, ou simplesmente na terra lavrada, para cada direção que olhamos, é possível ver, sentir, os ‘famosos’ ciprestes, quase que sempre direcionando o caminho de uma casinha ou uma velha moradia Toscana de janelas de madeira e estilo rústico em tons de âmbar, terracota e vermelhos que lembram a tonalidade do óxido de ferro. Várias dessas residências são situadas exatamente no topo de colinas. Contudo, a Toscana é tudo isto e muito mais, de fato é o que cada viajante quer que ela seja. Pode-se escolher em se hospedar em uma cidade grande, como Florença, Siena, ou nas comunas, pequenos municípios ou vilarejos (quase 300, espalhados por todos os grotões toscanos).

16 » TERRAS


Passaporte


Passaporte

Outras perspectivas marcantes são, sem dúvida, lindos campos de girassóis e rolos de feno, que pela janela do carro parecem acanhados, mas espantosos quando nos aproximamos 19 » TERRAS


Passaporte

Cidades e vilarejos Algumas paradas são imperativas na Toscana, dependendo do tempo e disposição. Aqui passamos algumas impressões e dicas das cidades mais importantes, não que outras não sejam, porém, é necessário definir um roteiro, então aí está.

Pôr-do-sol na Piazzale Michelangelo


Passaporte

Florença

Capital’ do Renascimento, com seu centro histórico de vielas fechado para entrada de carros, é um convite para descobrir tesouros em cada esquina. Não se pode deixar de visitar o gigantesco Duomo de Santa Maria del Fiore; Piazza Della Signoria, para se maravilhar com o Davi de Michelangelo; e no final do dia, o pôr-do-sol na Piazzale Michelangelo, de onde se avista toda Florença.

Ponte Vecchio, que se sobrepõe ao Rio Arno

À noite, a pedida é passear (já mais tranquila do vai e vem dos pedestres) pela Ponte Vecchio, emblemática obra do século 14, que fica sobre o Rio Arno. Hoje, local de centenas de joalheiras e ourivesarias, mas que no passado tinha um comércio variado, como açougues, sapatarias e carpintarias. Considerada a mais bela de Florença até Hitler se encantou por ela e proibiu o bombardeio. Se tiver mais um tempinho o destino e percorrer a margem do Rio Arno, comtemplando tudo ao redor.

21 » TERRAS


Passaporte

Siena

Localizado no centro histórico, a primeira visita deve ser na praça do tradicional Palio de Siena, a Piazza del Campo, espaço cívico medieval, onde acontece o famoso Il Palio, a corrida de cavalo mais tradicional do mundo, disputada entre bairros históricos. A praça é uma arena com formato semicircular, o seu desenho representa os bairros tradicionais de Siena. O vencedor tem todas as glórias e o maior perdedor não é o último, e sim, o segundo colocado. São duas as datas do Palio: 2 de julho e 16 de agosto. Também no centro histórico, pertinho do Palio, fica a Catedral de Siena, a Opera Duomo, que encantou o compositor alemão Richard Wagner quando de sua visita em 1880. Ele deixou registrada a seguinte frase: “A maior emoção que eu já senti em frente a um prédio construído pelo homem”. A catedral também surpreende por dentro, uma das mais suntuosas do mundo. Os amantes do futebol têm a obrigação de visitar o Estádio do Siena, piccolo e simpático, localizado logo na entrada do centro histórico em meio a uma rica vegetação. O Siena é um time da primeira divisão italiana.

22 » TERRAS


Passaporte

Vista da Toscana a partir de Cortona


Passaporte

Cortona

Vilarejo do tempo dos etruscos, eternizado no filme Sob o Sol da Toscana, baseado na obra da escritora americana Frances Mayes. Em Cortona vale tirar o dia para o dolce far nente, passear por suas ruelas, descobrir que no alto da cidadezinha, em dias de sol e sem nuvens, se avista uma Toscana ainda mais poética do que nos livros.

Prédios do centro histórico da cidade

Lojinhas com peças de cerâmica pintadas à mão são o ponto alto das compras 25 » TERRAS


Passaporte

Panzano em Chianti Dario Cecchini costuma dizer :

“Chi mangia la Fiorentina non ha paura di nulla”

Traduzindo: “Quem come a Bistecca alla Fiorentina não tem mais medo de nada”

Uma comuna perto de Florença que vale a visita por um excelente pretexto, ali se faz a melhor e mais suculenta Bisteca Fiorentina. Na Antica Macelleria Cecchini, do Deus da carne Dario Cecchini, que o viajante vai ter uma das mais apuradas experiências gastronômicas – em se tratando de carne. Cecchini comanda um açougue e no final do dia, em seu restaurante, no andar superior da loja, recebe convidados para desfrutarem da famosa Bisteca Fiorentina, preparada conforme manda a tradição. Ali tudo é espetacular, desde o show de Cecchini, passando pela “poltrona de carne moída” e por fim pelo sabor inigualável da bisteca.

26 » TERRAS


Passaporte


Passaporte

Montalcino Outra cidade de pequenas vielas e com uma vista impressionante da Toscana. Vale pelo conjunto de casas, prédios e igrejas. Sem contar que podemos apreciar um dos melhores vinhos italianos, o Brunello de Montalcino, de produção limitada, feito com uvas Sangiovese .

29 » TERRAS


Passaporte

San Gimignano

Fila interminável para experimentar o melhor sorvete do mundo

Considerada a Manhattan medieval, com suas 13 torres imensas de pedra. No passado já foram mais de 70, derrubadas por várias guerras. A pedida é subir a Torre Grossa, 54 metros de altura, construída em 1.300. Depois, um tanto quanto cansado estarás, siga direto para o melhor sorvete do mundo, Gelateria di Piazza, comandada por Sergio Dondoli. Por fim, visite um dos três museus da tortura e pena de morte que existem na cidade. Para os mais impressionados é melhor ficar do lado de fora. 30 » TERRAS


Passaporte

Vista da parte interna do Laticastelli e sua majestosa piscina

Estadia de classe Reservamos um espaço para falar da nossa estadia na Toscana, em um dos locais mais belos e atraentes da Europa. Em uma área rural da cidade de Rapolano Terme, arredores de Siena, fica Laticastelli Country Relais, uma antiga fortaleza datada de 1.200, hoje transformado em um hotel spa. O hóspede se vê em uma pequena vila, com quartos em estilo rústico, portas, janelas antigas e mobiliário camponês.

32 » TERRAS


Passaporte

As suĂ­tes tem uma antessala, transferindo o visitante imediatamente para uma ancestral casa toscana, de atmosfera medieval , sem deixar o conforto de lado 33 Âť TERRAS


Passaporte

Chef Marco Luciano O divino medalhão de porco

Aposentos do Laticastelli

do hotel

Barris de vinho da Vinícola Fèlsina

34 » TERRAS

Além de descansar e curtir o clima bucólico de Laticastelli , para quem gosta de vinho e azeite , visitar a Vinícola Fèlsina, localizada em Castelnuovo Berardenga (poucos quilômetros de Laticastelli), com vinhos 100% de uvas Sangiovese é imperativo. Lá podemos degustar e comprar os vinhos e também os azeites premiados da Fèlsina.


Fotos: Cris Porto

Passaporte

Interior do restaurante La Taverna, do Laticastelli

As surpresas não são somente nos aposentos e demais áreas, Laticastelli conta com o restaurante La Taverna Toscana, com cozinha assinada pelo chef Marco Luciano, que surpreende com

pratos, como o medalhão de porco, envoltos no bacon com legumes cozidos, preparado com o vinho Brunello de Montalcino e acompanhado de purê. Divino!

SERVIÇO Turismo Toscana www.turismo.intoscana.it

Antica Macelleria Cecchini Panzano in Chianti - Florença www.dariocecchini@tin.it

San Gimignano Gelateria di Piazza www.gelateriadipiazza.com

Montalcino www.prolocomontalcino.it www.comune.montalcino.si.it

Museu da Tortura de San Gimignano www.museodellatortura.it

Duomo de Siena www.operaduomo.siena.it Vinícola Fèlsina www.felsina.it

Laticastelli Country Relais Rapolano Terme (Siena) www.laticastelli.com Melhor época Abril, maio, setembro e outubro. O clima e ameno e com menos turistas

35 » TERRAS


Porta Retrato

Festa do Hipismo A Federação Paulista de Hipismo (FPH) e o Centro Hípico Terras de São José, realizaram no dia 22 de setembro, a VI Etapa da Regional Centro Sul de Equitação Fundamental nas séries de percurso, 0,40m, 0,60m, 0,80m, 0,90m, e temporada oficial da Federação nas séries de 1,00m e 1,10m. O evento teve o patrocínio do Banco Santander. Confiram os cliques.

36 »36 TERRAS » Passaporte » TERRAS


Fotos: Divulgação

Porta Retrato

37 » TERRAS


Porta Retrato

Noite de seresta No dia 13 de outubro, no Condomínio Terras de São José, aconteceu o Jantar Beneficente com Seresta, que arrecadou fundos para o Canil das Terras.

38 » TERRAS


Porta Retrato

Fotos: Divulgação

Os presentes lembraram dos velhos tempos recordando das boas músicas do passado.

39 » TERRAS


Porta Retrato

Pretexto para diversão No mês de setembro foi realizado o Torneio de Tênis Antonio Carlos Crippa do Condomínio Terras de São José. Ganhar ou perder não interessa, o evento é na verdade, mais que um pretexto para reunir amigos que curtem o esporte.

40 » TERRAS


Fotos: Divulgação

Fotos: Divulgação

Porta Retrato


Porta Retrato

Reunião de amigos

Fotos: Divulgação

Num clima de descontração e alegria, amigos do Condomínio Terras de São José se reuniram no Restaurante e Pizzaria Máx para uma jantar de confraternização.

42 » TERRAS


Temos casas e terrenos em todos os condomínios de Indaiatuba / Salto / Itu

LANÇAMENTOS EM SALTO

ENTO ELAM A PARC TO COM RA DIRE ORADO RP INCO

www.spaziosalto.com.br 

1 torre de 7 andares

28 apartamentos

Varanda Gourmet

3 dormitórios (1 suíte)

Sala Ampla

Cozinha Americana

2 vagas na Garagem

A PARTIR DE

R$ 185.000,00

O DE PREÇ MENTO A LANÇ

Apartamentos c/ 2 dorm | 1 vaga Ampla área de conivência Cozinha gourmet | Salão de festas, solarium |Churrasqueiras. PROJETADO PARA OFERECER CONFORTO E SEGURANÇA.

AQUI SEU SONHO SERÁ REALIDADE.


Boulevard


Boulevard

Flamboyant a árvore mais bela do mundo Com toda certeza, o flamboyant, é uma das árvores mais belas do mundo. Sua beleza já foi descrita em vários poemas, até mesmo o rei Roberto Carlos, cantando as belezas de sua terra se rendeu aos seus encantos. Por Angela Castilho


Boulevard

46 » TERRAS


Boulevard “Eu passo a vida recordando de tudo quanto aí deixei . Cachoeiro, Cachoeiro...

...doce terra onde eu nasci

recordo a casa onde eu morava o muro alto, o laranjal

meu flamboyant na primavera, que bonito que ele era

dando sombra no quintal”

Q

uem, ouvindo esta música, não se imagina morando em uma casa ornamentada por um lindo flamboyant, com uma enorme copa, recoberta de cachos, ricamente coloridos de escarlate, margeada e reconfortada pelas suas sombras? Flamboyant, uma palavra de origem Inglesa, que em português significa exibicionista; e em espanhol extravagante. Impossível não reparar nesta extravagante árvore se exibindo em toda parte das nossas cidades.

47 » TERRAS


Boulevard Alguns não sabem que o flamboyant (Delonix regia) ou árvore-flamejante , como também é chamado, não é uma espécie brasileira. Exótica e originária da ilha de Madagascar (África), característica de clima tropical , que se adaptou muito bem ao clima tropical e subtropical do Brasil , não suportando o frio.


Boulevard Como tudo na vida, o flamboyant têm alguns pontos negativos. Apesar de belo e ornamental têm limitações paisagísticas por conta de seu porte e vigor. A copa forma uma área sombreada enorme, que recobre a totalidade de seu próprio caule. Como pode atingir até doze metros de altura, foi proibida de ser plantada em locais com fiação aérea (ou seja, em quase todo o perímetro urbano). As raízes, extremamente invasivas, podem danificar as tubulações de água e esgoto, além das calçadas e edificações. Restaram aos flamboyants então, os parques e praças com grandes espaços abertos além das chácaras, sítios e fazendas, que dão à árvore africana o destaque que ela impõe naturalmente.


Boulevard

Características O tronco do flamboyant é forte e se ramifica para poder suportar o vigor de sua copa. As folhas são bipinadas, com média de 60 centímetros, que se distribuem em vários pecíolos – média de 18 por folha – que sustentam cerca de 20 pares de folíolos alongados e que “grudam-se” no pecíolo (este tipo de folha é chamado de séssil). É este arranjo que torna a sombra do flamboyant densa. Em algumas regiões do Brasil, ela é conhecida como flor-do-paraíso, acácia-rubra ou pau-rosa. O galicismo flamboyant é um dos mais usados e também sintetiza a aparência da árvore nos meses de floração, que coincidem com o alto verão (outubro a dezembro). Suas flores vermelho-fogo destacam-se ao longe. Suas cinco pétalas ovaladas e cinco sépalas na base abrem-se em uma ramificação própria, geralmente de duas em duas. As inflorescências tem boa durabilidade e recobrem toda a copa.

50 » TERRAS


Boulevard

51 » TERRAS


Boulevard

Em Madagascar, há uma variedade de flamboyant, a flavida, que tem flores amarelas. Infelizmente corre sério risco de extinção. 52 » TERRAS


Boulevard

54 » TERRAS


Boulevard

Desenvolve-se bem em locais ensolarados e aprecia solos bem drenados de fertilidade média. As mudas em viveiro são comercializadas em tamanho padrão de 2,80m dentro de vasos. Para plantar as mudas, abrir a cova com o dobro do tamanho do torrão, acrescentar adubo animal, cerca de 1 litro por cova, misturado com o composto orgânico. Adicionar adubo granulado tipo NPK formulação 10-10-10, cerca de 200 gramas por cova e misturar. Colocar o tutor antes de colocar o torrão, amarrando a muda com cordão de algodão. Colocar o restante do composto e apertar a muda para fixar. Regar bem.Fazer um camaleão ao redor da muda, para regar sem que a água escorra para outro lugar. Regar novamente, e assim por 10 dias diariamente.

Fotos: Cris Porto

Modo de cultivo

55 » TERRAS


Vitórias e Percalços

A seção “Vitórias e Percalços”, espaço reservado para entrevistas com personalidades e grandes nomes de Itu e região, traz nesta edição um bate-papo descontraído com Nelson Kojranski, advogado, 85 anos, que continua na ativa em São Paulo, mas que escolheu Itu como sua residência materna. Por Márcio Padula

56 » TERRAS


Vitórias e Percalços

UMA vida

Advogando

Revista Terras: Nesta fase da vida o senhor só se dedicou aos estudos? Nelson Kojranski: Não. Sempre trabalhei. Já quando cursava o ginásio, eu trabalhava. Como frequentava o ginásio na parte da manhã, arranjei um emprego que começava às 14 horas e terminava às 22 horas. Era o esforço de vida de um garoto pobre que queria muito estudar para vencer na profissão. Revista Terras: O senhor se dedicou exclusivamente a advocacia ou a outros cargos no direito? Nelson Kojranski: Desde o início me dediquei exclusivamente ao exercício da advocacia. Em 1982, fui admitido como sócio-efetivo do Instituto dos Advogados de São Paulo (IASP), do qual fui Conselheiro, durante vários mandatos. Em 2001, fui eleito presidente do IASP para exercer um mandato de três anos. Antes, fui Conselheiro, em várias gestões, da Ordem dos Advogados de São Paulo (OAB/SP).

Na OAB/SP, posso dizer que fui muito ativo e rigoroso no tocante à aferição de pedidos de transferência para São Paulo de advogados formados em outros Estados. Esses advogados pediam transferência para cá, mas na verdade nunca haviam saído de São Paulo. Por exemplo: faziam exame na OAB do Acre, e depois requeriam transferência para exercerem a advocacia em São Paulo. Nessa oportunidade, passei a exigir que provassem ter residência fixa no Acre ou em outros Estados nos quais a OAB tivesse aprovado seu exame. Tinham, então, dificuldade de fazer a prova, em face do que eu indeferia a transferência. Na sequência, porém,

Foto: Arquivo Fontpress

Revista Terras: Para iniciar este bate papo podemos falar de como foi o início do Senhor na vida escolar e acadêmica? Nelson Kojranski: Provenho de família muito pobre. Em razão dessa pobreza, sempre cursei escolas oficiais, desde o Grupo Escolar, seguido do tradicional Ginásio do Estado e, finalmente, da Universidade de São Paulo (USP), fazendo o curso de Direito do Largo de São Francisco, onde me formei em 1954 (Turma do Centenário).

57 » TERRAS


Vitórias e Percalços

58 » TERRAS


Vitórias e Percalços recorriam ao Conselho Federal, em Brasília (DF) e, em regra, infelizmente, ganhavam. Este fato empobreceu - e muito - nossa advocacia. Hoje, segundo me disseram, continua da mesma forma. É muito triste. E por que fui sempre muito implacável? Porque nunca fui favorecido em nada em minha vida. Tudo quanto consegui se verificou por meio do estudo e de muito trabalho. Quem quiser advogar em São Paulo, estude e muito. Revista Terras: O senhor recebeu uma comenda? Nelson Kojranski: Recebi a significativa comenda do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. Trata-se do Colar Judiciário, do qual muito me orgulho. É o mesmo Colar Judiciário que ornamenta os Desembargadores em sessões solenes. Somente usei o galardão na hora em que o recebi. Agora fica emoldurado em meu escritório. Entre outras homenagens que recebi, o Colar Judiciário constituiu, para mim, especial significado e imensa honra. Revista Terras: Qual a especialidade do senhor? Nelson Kojranski: Direito imobiliário. Tenho uma coluna permanente no Jornal “A Tribuna do Direito”, que sem dúvida é o jornal mais importante do meio jurídico. Escrevo, mensalmente, já há oito anos sobre Direito Imobiliário. Selecionei estes artigos e editei um livro, já esgotado, intitulado “Condomínio Edilício”. Estou, agora, preparando a segunda edição, que deverá estar nas livrarias dentro de alguns meses. Revista Terras: Pode nos falar sobre a família? Nelson Kojranski: Sou bem casado há 56 anos. Tenho quatro filhas. Duas delas trabalham comigo. Já tenho oito netos e, recentemente, dois bisnetos. Há uma história marcante sobre minha esposa. Quando entrei na faculdade, estava de cabelo raspado. Assim mesmo, fui em um baile. Dancei

com uma moça a noite toda. Foi uma noite muito agradável. Altas horas, dela me despedi. Saí do salão e nunca mais a encontrei. Assim que me formei, cinco anos depois, fui a outro baile. Lá chegando, convidei imediatamente uma moça para dançar. Eu não a reconheci, mas ela me reconheceu, embora cabeludo. Foi quando “engatamos” o namoro, nos casamos e estamos juntos e felizes até hoje. É realmente uma história única, diferenciada. Revista Terras: Pode nos falar um pouco de seu pai e sua mãe? Nelson Kojranski: Meu pai nunca soube enriquecer. Era uma pessoa trabalhadora, portador de todas as virtudes. Sempre foi pobre, mas se conduzia com orgulho, era um trabalhador dedicado, honesto e responsável. Não foi dotado com o dom de comerciar, vendia a prestação para quem não tinha como pagar. Por isso, não lucrava. Tinha que pedir empréstimos para honrar seus compromissos. Em resumo, trabalhava, ganhava e perdia. Minha mãe queria que eu fosse médico. Sou judeu e como judeu, minha mãe era uma autêntica mãe judia, a famosa idishe mame. Para uma idishe mame, doutor somente era o médico. Advogado não era doctor. Doctor tinha que ser obrigatoriamente médico. Acontece, porém, que não tendo dinheiro, a única Faculdade de Medicina que eu poderia cursar era a USP, que exigia além de um “senhor preparo” por meio de um bom cursinho, disponibilidade de horário. Nessas condições, deveria largar o meu emprego, pois o estudante de medicina passava o dia todo na faculdade. Sem condições, fui cursar Direito e me formei em 1954. Há uma passagem muito feliz de minha mãe. Como eu trabalhava até às 10 horas da noite, chegava tarde em casa. E, quando tinha prova, quer no colégio do estado, quer na faculdade, tinha que estudar a noite. Minha mãe então se deitava em minha cama para que eu não pudesse dormir. E assim eu estudava até altas horas. Esta era a minha querida mãe, a idishe mame.

59 » TERRAS


Vitórias e Percalços

“ Creio que vou morrer trabalhando. Já diminuí a intensidade do meu trabalho. No tempo que me sobra, ainda pretendo editar mais um ou dois livros, se D’us me der forças e saúde .” 60 » TERRAS


Vitórias e Percalços Revista Terras: Já conhecia Itu? Como comprou uma casa no Condomínio Terras de São José? Nelson Kojranski: Vou lhe contar esta história. Quando juntei meu primeiro dinheiro, disse à minha esposa que ela poderia escolher sua aplicação. Ela optou por adquirir uma casa na praia. Compramos uma, em Bertioga, para pagar em 10 anos. Depois comprei um terreno contíguo. Nesta altura já tinha as quatro filhas. Quando cresceram, se queixaram de não ter fácil reunião com suas amigas, que tinham apartamentos em Guarujá. Partimos então para aquisição de imóvel no Guarujá, próximo de amigos. Com o passar do tempo, o trânsito de São Paulo para o litoral tornou-se insuportável. Demos um basta e minha esposa sugeriu a compra ou a construção de uma casa para nossa velhice. Percorremos grande parte do Interior, até que um amigo nos indicou o Condomínio Terras de São José. Estávamos em 1989. Examinamos vários terrenos, durante dois meses, até escolher o que nos pareceu mais interessante. O terreno era um grande buraco, mas tinha uma vista linda e preço favorável, exatamente por ser buraco. Colocamos cerca de 120 caminhões de terra e mesmo assim compensou o preço. Aí, construímos uma casa muito ampla para morar, mas até hoje não nos foi possível. A casa é maravilhosa e a consideramos como nossa residência principal.

uma placa enorme que anunciava “cobrança”, em letras garrafais. Embaixo vinha o meu nome. Tudo foi ideia do meu querido sogro, que muito me ajudou nos primeiros meses. Comecei a receber meus “patrícios” que vendiam a prestação, mas que não recebiam de suas freguesas. Passei a fazer cobrança, recebia uma porcentagem quando conseguia efetivar o recebimento. Hoje não se pode mais fazer isto. Quem tentar, provavelmente não conseguirá êxito. Hoje, o jovem advogado precisa, obrigatoriamente, integrar um escritório de maior amplitude e renome, Depois de alguns anos, poderá se tornar sócio ou montar o seu próprio escritório com outros colegas. Dificilmente nos tempos atuais encontramos um advogado que trabalha sozinho. Sou uma exceção. Revista Terras: Para finalizar o que pretende nos próximos anos? Nelson Kojranski: Creio que vou morrer trabalhando. Já diminuí a intensidade do meu trabalho. No tempo que me sobra, ainda pretendo editar mais um ou dois livros, se D’us me der forças e saúde.

Não somente Terras de São José nos cativou, mas também a própria cidade de Itu, que nos acolheu com carinho. Tanto o é que fui honrosamente admitido, em agosto de 2006, na Academia Ituana de Letras, tendo por patrono o Presidente Washington Luiz Pereira de Souza. Tornei-me, assim, um ituano imortal, do que muito me orgulho. Revista Terras: Uma palavra aos jovens que se iniciam na advocacia. Nelson Kojranski: A situação dos jovens hoje, por mais preparados que sejam, por melhor que tenha sido a faculdade que cursaram, eles enfrentam uma situação que no meu tempo não existia. Não se pode mais ser uma advogado franco-atirador, como fui. Lembro que aluguei um salão no bairro do Bom Retiro. Dividi seu espaço com paredes de madeira e subloquei a parte restante. Coloquei 61 » TERRAS


Circuito Bandeirante

Produtiva e

Ativa

A Fazenda Cana Verde está localizada em área rural, entre as cidades de Itu e Indaiatuba

62 » TERRAS


Circuito Bandeirante

Com o conceito de pousada e Polo School, a Fazenda Cana Verde nasceu para estes fins no final dos anos 90, quando Laerte Meirelles inovou no mercado paulistano Por MĂĄrcio Padula

63 Âť TERRAS


Circuito Bandeirante

Conhecer a Fazenda Cana Verde , com seus 50 alqueires, datada do ano de 1881, Ciclo do Café , com sua casa-sede respeitando as caraterísticas iniciais, apenas com a construção de banheiros – que antigamente ficavam do lado de fora – é conhecer um pouco do Brasil Colonial , de um país que era essencialmente do campo.

64 » TERRAS


Circuito Bandeirante

L

ocalizada em área rural, entre as cidades de Itu e Indaiatuba, a Fazenda Cana Verde é terreno fértil em todos os sentidos. A fazenda tem uma área reservada para o turismo rural, mas também está em plena atividade agropecuária. O visitante vai ver que tem um ferro-velho com um trator ou uma colheitadeira sendo consertado, que são usados para as plantações; verá um campo de polo, em que cavalos, seus tratadores e jogadores de polos treinam durante a semana para os tradicionais jogos dos fins de semanas e feriados; passeará de cavalo ou charrete por plantações de café, feno, batata, milho, feijão, além de criações de carneiro, búfalo e gado leiteiro.

65 » TERRAS


Circuito Bandeirante

Capela de 1894, construção grande , que visava abrigar os muitos funcionários da fazenda 66 » TERRAS


Circuito Bandeirante

História rica Na década de 50, Fábio Junqueira Meirelles, visionário, adquiriu a fazenda para plantar e criar gado, mas também percebeu que a região era muito bem localizada e com terras férteis. Ali se instalou, vindo de Pirajuí, noroeste de São Paulo. Passados 60 anos, hoje quem comanda a fazenda é o filho de Meirelles, Laerte Meirelles, que cuida da tropa de polo e da fazenda, enquanto sua filha, Alice Meirelles Mateus, comanda o turismo rural e a pousada.

67 » TERRAS


Circuito Bandeirante É Laerte que nos explica que sua família era de cafeicultores. “Então, além do investimento, a fazenda foi comprada para plantação do café, aproveitando toda a estrutura do local”. O trabalho da família Meirelles foi manter tudo como estava – fazendo reformas periódicas. Quando do falecimento de Fábio Meirelles, a fazenda passou por um período de espólio, até que em 1986, a sede da Cana Verde e arredores ficaram aos cuidados de Laerte, que resolve investir e restaurar a fazenda, com o pensamento de implementar o turismo rural, ainda inédito em São Paulo.

Telha datada que comprova o ano da construção da fazenda

68 » TERRAS


Circuito Bandeirante

Os tratores de uma fazenda que continua na ativa

Laerte e sua filha Alice

“A hospedagem começa no final dos anos 90, antes apenas recebíamos as pessoas para jogar polo, passeios de cavalos, almoçar ou jantar na fazenda, aí surgiu à ideia de reformar as antigas casas de colonos para abrigar um hotel-fazenda”, fala Alice . 70 » TERRAS

A ideia inicial da pousada era para receber os jogadores de polo que jogavam na fazenda, mas Alice logo se deu conta que o perfil de seu hóspede era outro. “Noventa por cento dos meus visitantes são paulistanos que querem sair do estresse do dia-a-dia da cidade grande”, analisa ela. Os estrangeiros, principalmente europeus, entre eles franceses, italianos, ingleses, completam o público frequentador.


Circuito Bandeirante

A Fazenda Cana Verde tem estrutura invejável, passeios de cavalo ou charrete para ver as plantações e o gado, cachoeira, piscina, sauna, diversões para crianças e uma represa com caiaque. As antigas casas de colonos foram reformadas, mas mantendo as características. Hoje são 22 quartos no melhor estilo rústico, mas com conforto. Vale lembrar que televisão não há, deixando mais tempo para o que interessa em uma fazenda, ou seja, atividades externas, longe de quatro paredes.

71 » TERRAS


Estúdio Circuito Bandeirante

Descrição Há apenas uma hora e quinze da cidade de São Paulo, a Fazenda Cana Verde faz parte do Patrimônio Histórico Colonial de Itu, recebendo seus hóspedes numa arquitetura colonial cuidadosamente restaurada, estilizada pela decoração contemporânea. A fazenda está em plena atividade, com vegetação nativa, plantações e criações. A Cana Verde oferece aos seus visitantes um clima e um visual privilegiado.

Por Eliane Quinalia

72 » TERRAS


Fotos: Cris Porto

Circuito Bandeirante A Fazenda conta com um restaurante no centro da pousada, com mesas no terraço com vista para a represa e piscina, para os dias mais quentes; e para os dias mais frios, uma área interna com lareira. A cozinha é leve e diversificada, utilizando os mais diversos temperos da culinária brasileira de cada estação. Apresenta um serviço e atendimento amigável, comandado pela simpatia, eficiência e olhar atento aos detalhes de Alice Meirelles, para que o visitante se sinta em casa. Um lugar exclusivo que combina charme e autenticidade.

SERVIÇO Fazenda Cana Verde Contato: Alice Meirelles Tel.: (11) 4023.1260 | Cidade: Itu (SP)

74 » TERRAS

Coordenadas GPS Centro Educacional Honda Cidade Indaiatuba | Rua Turquesa, 1460


Estampa

Azul

é a cor da moda

Primavera dando adeus, verão 2013 chegando e com ele as cores, contrastes e formas que aceleram o ritmo, e o design de peças que priorizam o conforto e apostam na versatilidade. Assim, podemos definir os produtos de cama mesa e banho para a nova estação. Por Márcio Padula

76 » TERRAS


Estampa Seguindo as principais tendências internacionais, a MMartan , maior rede especializada em produtos exclusivos de cama, mesa e banho do país, com dezenas de lojas, apresenta a sua coleção. E o azul foi à cor que a empresa elegeu para levar a primavera e o verão 2013 para a moda decor em cama, mesa e banho. “O mar e o céu são azuis e não há nada melhor do que eles como exemplo de vivacidade, alegria e otimismo que se renovam junto com a primavera e o verão”, explica Fabiana Carpi Alves Vieira, proprietária das lojas da MMartan, das cidades de Itu e Indaiatuba.

Roupas de cama, mesa e banho na moda

define o estilo de um quarto e dá personalidade à decoração é a roupa de cama. Por isso, a MMartan trabalha incessantemente em trazer as ultimas tendências nacionais e internacionais da moda cama, mesa e banho para seus clientes. As coleções da MMartan estão sempre ditando moda e definindo o estilo da decoração. “O grande trunfo das coleções é a coordenabilidade, sempre usando uma paleta de cores que se comunicam entre si, os diferentes estilos de uma mesma coleção podem ser mesclados e formam um novo estilo de acordo com o desejo do cliente”, esclarece Fabiana.

Reconhecida como uma das mais desejadas marcas para vestir a sua casa, a MMartan fez com que as roupas de cama entrassem na moda, apresentando diferentes estilos, coordenados com os mais diversos gostos e personalidade de seus consumidores, tornando a vida mais bonita e divertida. “A riqueza de detalhes, conforto e diferenciação, é assim o conceito MMartan, uma moda que veste a casa de consumidores dinâmicos, exigentes e sintonizados com o mundo. Um conceito que inspira um mix de produtos que vai do casual, passando pelo clássico, até as últimas tendências da moda, atendendo aos mais diversos gostos e estilos. Produtos desenvolvidos com uma preocupação além do conforto e qualidade, com estilos que respeitam as mais diferentes personalidades e peculiaridades do consumidor brasileiro”, detalha Fabiana.

Casa acolhedora Para se ter uma casa e um quarto bem decorados e acolhedores é necessário muito mais do que escolher uma cor interessante para as paredes e objetos de decoração para dar o toque final. Hoje, quem 77 » TERRAS


Estampa Segundo o Feng Shui, o azul traz paz e tranquilidade ao ambiente. Quanto mais claro o tom, maior é essa sensação. E os ambientes, onde tradicionalmente mais se encontra o azul são o quarto de menino, quarto de bebê e a sala, mas para a MMartan o azul permeia a coleção 2013 em sua integra. “São variações de azul celeste, azul turquesa, azul piscina, azul royal, azul índigo, azul cobalto e azul prússia”, finaliza Fabiana.

SERVIÇO

MMartan Indaiatuba Polo Shopping Indaiatuba End.: Al. Filtros Mann Indaiatuba (SP) Tel.: (19) 3835.9121

78 » TERRAS

Foto: Divulgação

MMartan Itu Plaza Shopping Itu Av. Dr. Ermelindo Maffei, 1199, Loja 122/123 Itu (SP) Tel.: (11) 2715.0666


Especial

A saída da casa dos

PAIS

“Vai-te de tua terra, de teu ambiente natal e da casa de teu pai”... (Gênesis – 12.1) Por Guilherme Del Campo

S

erá que somos tão diferentes dos norte-americanos? Parece-me que após completarem o curso secundário, muitos jovens se candidatam a uma universidade. Depois da formatura nem sempre retornam para casa. É o momento de procurar emprego, dar um jeito na vida e sermos independentes longe do pátrio poder. Observa-se facilmente essa prática através de inúmeros filmes de Hollywood.

Lá Fora Na terra do Tio Sam o relacionamento entre pais e filhos, nestas circunstâncias, acaba esfriando. Os contatos se tornam raros. São apenas telefonemas ou mensagens via Internet. São visitas esporádicas como no Dia de Ação de Graças. Verifica-se então um distanciamento, como se essa atitude contribuísse, de maneira significativa, para que esses jovens se tornem autossuficientes, prontos para novas responsabilidades. Contudo, de uns quatro anos para cá, muitos jovens americanos se viram forçados a viver com os pais, devido a problemas econômicos.

80 » TERRAS


Especial

No Brasil No Brasil, muitos filhos permanecem sob as asas dos pais por mais de trinta anos, quando não para sempre. Porque isso acontece? Dificuldades financeiras, desemprego, má formação profissional, falta de oportunidades, comodismo ou medo. Sair da casa dos pais requer uma grande dose de ousadia, espírito de aventura e de luta para cuidar de si próprio. Somente aqueles que deixaram a casa dos pais e foram para longe, podem relatar suas dificuldades e experiências.

do, nós nos beijamos e nos abraçamos. O beijo é universal. Quando sincero representa uma grande amizade.

A saída da casa dos pais requer planejamento A saída da casa dos pais requer planejamento. Geralmente os jovens só pensam nas vantagens adquiridas e esquecem-se das responsabilidades sociais. Não ter hora para chegar e não dar satisfações a ninguém é cativante. Todavia, com ajuda financeira ou não, o fato de ter que se sustentar requer dinheiro e controle. Não é fácil pagar aluguel (mesmo um pensionato), a faculdade, o custo da alimentação, remédios, roupa lavada, higiene pessoal, vestuário, transporte, lazer, extras, etc.. O ideal é providenciar uma planilha de gastos, para poder se organizar e evitar surpresas e endividamento. O relacionamento entre nós, latino-americanos, é afetuoso e envolvente. Pais e filhos demonstram amor incondicional. Estão sempre juntos e os laços de amizade são fortes e duradouros. Às vezes ocorrem divergências de opiniões, desentendimentos e até desavenças, mas temos a capacidade salutar de nos perdoar, visto a preocupação maior de estarmos sempre juntos. Registramos tudo através das fotos e filmes que refletem nosso comportamento, seja nos aniversários, datas simbólicas, nascimentos, batizados, casamentos e até nas perdas dos familiares e amigos. Somos solidários. Isso é amor. Amor abençoado por Deus que representa o maior conceito de família. É bonito observar pais e filhos se abraçando e se beijando carinhosamente. Quando encontro meu irmão ou um amigo queri81 » TERRAS


Especial

Foto: Banco de Imagens

Os pais também sofrem com a síndrome do ninho vazio Talvez os norte-americanos tenham certa razão. Aquele tipo de relacionamento é resultado do pragmatismo que caracteriza aquela sociedade. Filosofia defendida por William James que declarou: “O método pragmatista é, antes de tudo, um método de terminar discussões metafísicas, que de outro modo seriam intermináveis.” Segundo ele, Sócrates era um adepto do pragmatismo entre outros pensadores da antiguidade. Os pais também sofrem com a síndrome do ninho vazio. O distanciamento é traumático. Não é fácil para uma mãe abrir a porta e encontrar um quarto às moscas. É necessária boa dose de compreensão para enfrentar essa nova realidade. Devido a crise econômica na Europa, atualmente 30% dos jovens italianos moram com os pais. Em tom de zombaria são chamados de bamboccioni (crianças grandes) ou mammone (filhinho da mamãe). Sou neto de imigrantes. E como todos sabem os patriarcas italianos desejam viver rodeados pela família. Quando fui embora para São Paulo, meu pai sempre vinha com aquela velha história. - Você não consegue uma transferência para Itu?

82 » TERRAS

- Pai, não é isso que eu quero. Pretendo voltar a estudar e quero crescer. Confesso, os primeiros anos não foram fáceis. Era tudo diferente e eu enfrentei grandes dificuldades para me adaptar. Esse assunto está no meu livro lançado em 2011: “Contos, Causos e Histórias de Menino” (Ottoni). Quando perdi meu pai, passei vários meses ensimesmado. Já havia completado trinta e três anos, estava casado e pai de uma garotinha de quatro anos. Independente financeiramente, não deixei de sentir a enorme perda. Experimentei tristeza e me vi abandonado como um barco à deriva sem um porto seguro. Apesar de tudo nunca perdi o referencial de família. Guilherme Del Campo é formado em administração, membro da Acadil, escritor e autodidata


Estudio

Colorido

especial Descubra como harmonizar sua casa com as tĂŠcnicas do Feng Shui


Estudio

F

eng Shui, a consagrada técnica chinesa que ganhou credibilidade entre o público nos últimos anos, tem dado mostras de que, para decorar com charme e bom gosto, não é preciso muito. – e isso também em termos de gastos. Diferente do chapado branco utilizado em todas as paredes das casas em décadas anteriores, o difícil hoje em dia é encontrar um espaço que não tenha recebido uma leve camada de tinta colorida. Facilidades à parte, combinar tantas cores com maestria, ou melhor, acertar qual o tom mais apropriado para cada espaço, requer muita criatividade. E também bom senso, especialmente no que diz respeito às propriedades das tintas e sua ação sobre os indivíduos em um ambiente. Um dos ensinamentos do Feng Shui é que as cores possuem escalas vibratórias próprias, capazes de agir sobre o comportamento humano acalmando, estimulando, etc.

O mais interessante dessa tendência é que a popularização das cores não só agradou os consumidores – que passaram a contar com um maior leque de opções – como tornou as tintas mais viáveis financeiramente . 85 » TERRAS

8


Estúdio Facilidades à parte, combinar tantas cores com maestria, ou melhor, acertar qual o tom mais apropriado para cada espaço, requer muita criatividade. E também bom senso, especialmente no que diz respeito às propriedades das tintas e sua ação sobre os indivíduos em um ambiente. Um dos ensinamentos do Feng Shui é que as cores possuem escalas vibratórias próprias, capazes de agir sobre o comportamento humano acalmando, estimulando, etc. “As cores podem aumentar ou suavizar o chi (energia vital que flui pelo corpo), com o intuito de tranquilizar ou iluminar os espaços”, diz a terapeuta corporal Micaela Nascimento. Assim, um amarelo claro tende a favorecer a comunicação, incitar as conversas e a fala. Sua aplicação, portanto, sempre terá resultados muito positivos se feita em espaços destinados a receber pessoas, como as salas de estar e de jantar. Veja a tabela de cores na página ao lado.Para restabelecerem as energias por meio de uma boa noite de sono, os quartos exigem cuidado especial em relação à escolha dos tons. Para não errar, aposte em cores menos vibrantes e mais claras, como azul, rosa, lilás e verde. Nada de excessos nesse cômodo. O vermelho, o laranja, o preto e o cinza devem ser evitados, podendo ser utilizados apenas em pequenos detalhes. O Feng Shui, segundo Micaela, é a arte de criar ambientes harmoniosos. “De acordo com essa técnica, as pessoas são influenciadas para o bem ou mal, conforme o ambiente em que se encontram”, diz ela. De forma resumida, o arquiteto e também professor de Feng Shui Sérgio Carillo explica que “a técnica oriental chinesa ensina a posicionar corretamente os móveis, objetos, cores, plantas e cristais, com a finalidade de equilibrar as energias e atrair prosperidade, saúde e amor para os usuários do local.”

“As cores podem aumentar ou suavizar o chi (energia vital que flui pelo corpo), com o intuito de tranquilizar ou iluminar os espaços”, diz a terapeuta corporal Micaela Nascimento. 86 » TERRAS


Estúdio

Entenda a ação de algumas cores nos ambientes Branco: Cor neutra. Representa a união de todas as cores e transmite a sensação de espaço. Em excesso pode tornar o ambiente frio e impessoal Verde: Representa a saúde, o desenvolvimento e tem como elemento a madeira. Traz força e acalma os sentidos. Ideal para escritórios e banheiros Azul: Associada ao elemento água, traz calma e tranqüilidade aos espaços. Cor recomendada para pessoas agitadas Lilás: Estimula o raciocínio e a espiritualidade. Utilizada em quartos de bebês ou espaços em que se deseja tranqüilidade Laranja: Promove a criatividade e a comunicação e é recomendada em uma única parede ou em detalhes. Não é indicada para quartos por ser uma cor estimulante Vermelho: Ligada ao sucesso, à sexualidade e à prosperidade. Se usada em demasia pode facilitar as brigas e causar irritação Amarelo: A cor da comunicação é ideal para espaços onde se deseja um clima ameno e expansivo no qual a fala predomina. Usada em exagero, pode gerar muita conversa e confusão Preto: Aplicado apenas em pequenos detalhes da casa. Em demasia pode transmitir a sensação de confinamento, angústia e depressão

87 » TERRAS


Estúdio

Dicas •Privilegie a boa circulação de ar e luminosidade para que a energia possa circular •Evite detalhes de arquitetura que indiquem uma flecha para baixo •Evite espelhos no quarto de dormir, pois podem prejudicar o sono

O ba-guá é um mapa chinês, em que nove áreas são apresentadas, representando o trabalho, espiritualidade, família, prosperidade, sucesso, relacionamentos, criatividade, amigos e saúde.

Fotos: Banco de Imagens

•Um ba-guá* posicionado acima da porta de entrada auxilia na proteção.

Objetos e acessórios O Feng Shui permite que objetos decorativos e acessórios sejam colocados nos ambientes para melhorar a circulação das energias. Um exemplo são os famosos sinos de vento, que, pendurados em pontos estratégicos da casa, movimentam a energia, evitando acúmulos que podem causar irritações ou atravancar setores da vida dos residentes. “Os sinos de vento, móbiles e fontes são elementos usados para cura dos ambientes, espantando as cargas negativas e movimentando as energias locais”, diz Micaela. Uma dica para quem deseja melhorar a harmonia no espaço é colocar um espelho de frente para a porta do banheiro. A ideia é que, ao sair de tal espaço, a pessoa se veja. De acordo com especialistas em Feng Shui, essa simples adequação é recomendada para quem deseja “rebater” as energias de algum ambiente., especialmente do banheiro, que é conhecido por trazer fortes acúmulos energéticos. “Os espelhos podem ser dis-

88 » TERRAS

postos em frente à porta de entrada ou atrás do fogão, de modo que as chamas sejam refletidas – isso aumenta a prosperidade”, informa Carillo. As bagunças também estão terminantemente proibidas. Uma das teorias dos praticantes é que todos os objetos de uma residência devem estar estrategicamente dispostos, organizados e em pleno funcionamento. Bagunças não são aceitas por causarem acúmulo de energias e dificultarem a circulação de boas vibrações. Os praticantes recomendam começar a arrumação retirando de casa tudo o que não tem mais serventia ou concertando o que está quebrado. Não mantenha em casa objetos que trazem más recordações e invista no remanejamento e reaproveitamento de móveis. Uma antiga mesa que está há tempos jogada no quarto dos fundos, sem uso nenhum, pode ser tornar uma mesa novinha em folha na sala principal, bastando, para isso, apenas uma boa mão de tinta e um pouco de criatividade.


Crônica de todo dia

Noite

Feliz * Duca Balás

P

resentes sob a árvore enfeitada, peru (ou chester) assando no forno... o clima é de Natal. As pessoas parecem simpáti-

cas, mais atenciosas e mais carinhosas, a distribuírem lembrancinhas e abraços a

todos aqueles que, durante o resto do ano, sequer ganham um sorriso. É o tal clima do Natal, cuja mágica é capaz de amolecer o coração até dos mais sisudos. Os dias entre o Natal e o Réveillon são sempre assim, singelos e fraternos, embora o corre-corre das compras de última hora e os preparativos atrasados para a viagem de férias teimem em tirar o brilho da festa. Mas, no fim, tudo é alegria. A troca de presentes, os beijos e os abraços calorosos, a mesa farta e o barulhinho gostoso das garrafas de champanhe estourando compensam qualquer dissabor, adiam desavenças, promovem conciliações, estabelecem uniões, desvendam paixões e revelam sentimentos – muitas vezes, escondidos sob o manto do orgulho, do egoísmo e da inveja. O Natal tem o poder de transformar, mesmo que temporariamente, lobos em cordeiros, porque é impossível resistir ao sentimento de fraternidade e solidariedade que paira sobre o mês dezembro. E aquele

Li um artigo na Revista Boavida deste mês sobre a importância das ações sociais. O autor esclarecia que, além de ser importante para as empresas ajudar entidades ou projetos beneficentes, a atividade social estimula a criatividade para buscar sempre mais, para ter sempre o que doar. Isso também se aplica às relações pessoais, ou seja, quanto mais a gente faz o bem, mais encontra forças para praticá-lo e mais recebe o bem de volta. Caro leitor, estamos nos aproximando do Natal. Sei que você já deve ter lido uma centena de mensagens estimulando seus sentimentos mais nobres, e que isso pode até estar aborrecendo, mas saiba que praticar o amor não dói, não custa nada, não satura e não cansa. Aproveita a onda e deixe-se levar pelo espírito do Natal, que na essência, nada mais é do que “fazer o bem sem se importar a quem”. E na hora da ceia do dia 24, quando o relógio marcar meia-noite, levanta um brinde a quem aniversaria. Não, não é o Papai Noel. Lembre-se que foi Jesus quem mais exemplificou o amor como o único remédio para as dores da alma. Feliz Natal.

que não se deixa contaminar pelo espírito natalino

Foto: Arquivo Pessoal

fica completamente fora do contexto. Então, já que estamos às vésperas do Natal, por que não aproveitar o momento para refletir, quem sabe chegaremos a conclusão que compartilhar, seja afeto, seja bens materiais, é o verbo que se deve conjugar sempre não só em dezembro, mas durante toda a vida?

* Eduardo Marcelo Balás ou como era conhecido por todos Duca Balás, terá em toda edição da Revista Terras uma de suas crônicas publicadas, como forma de homenagear este homem que Itu respeita e admira

89 » TERRAS


NA VIDA BUSCAMOS

a felicidade

“Que você encontre sua felicidade e tenha consciência de onde seu tesouro realmente está” Russell Loesch Saudações Ytuanas!

Por Luiz Oscar Bonilha Junior*

Temos bons e maus momentos, altos e baixos. A queda abre-nos a possibilidade de nos reerguemos mais alto. Quando estes maus momentos nos atingem, naturalmente damos um enorme valor aos bons momentos, a família, aos amigos e ao meio em que vivemos. Irradiar energia, alegria, sorriso a cada minuto, brilho nos olhos, são detalhes para novamente nos elevarmos e retornarmos ao estado natural de felicidade. Lembrem-se a felicidade habita as pequenas coisas, ações, situações. Está lá, em um simples pôr-do-sol, na lua cheia, na floração das flores e na chuva que cai do céu. A felicidade está naquilo que todos têm acesso... simples assim. Podemos ir além, a felicidade está em compartilhar o sucesso dos outros, em sentir que seu amigo, vizinho, parente, atingiu um objetivo e isso lhe trouxe algo mais. Felicidade é uma certeza que nossa vida não está passando sem sentido. Enfim, não nos esqueçamos, tudo passa nesta vida e os bons momentos são eternos! Feliz Natal e Próspero Ano Novo! Um forte abraço, Ytu, aqui é meu lugar! Um forte abraço,

90 » TERRAS

Foto: Juca Ferreira *Luiz Oscar Bonilha Junior é empresário com formação em engenheira e administração de empresas, morador há 18 anos e síndico há oito anos (quarto mandato) do Condomínio Terras de São José.

Ponto Inicial



Revista Terras_Ed 05