__MAIN_TEXT__
feature-image

Page 1

-

ANO 2

-

JULHO 2018

-

WWW.LISTADASAUDE.COM.BR

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

EDIÇÃO 3

Revista Lista da Saúde

1


2

REVISTA LISTA DA SAĂšDE

listadasaude.com.br


Revista Lista da SaĂşde

3


4

REVISTA LISTA DA SAĂšDE

listadasaude.com.br


Revista Lista da SaĂşde

5


EDITORIAL Não tem como falar sobre a vida das pessoas sem falar sobre saúde. E é isto que você, leitor, parceiro, e amigo da Revista Lista da Saúde, irá acompanhar na nossa terceira edição. Acrescentar no conhecimento do nosso leitor sobre saúde através de textos assinados por bons profissionais especializados nas mais diversas áreas, é nosso principal objetivo. Nossa última edição foi sucesso e decidimos dar continuidade a esse trabalho, buscando espaço, trazendo conteúdo de qualidade e credibilidade ao nosso fiel público. Nesse mês, quem estrela nossa capa são grandes nomes da Cardiologia como Dr. André de Luca dos Santos, Dr. Luiz Humberto Marochi, Dr. Fabiano Coral Ceretta, Dr. Fabio Coelho, Dr. Pedro Lucyk Junior, Dra. Louise Cardoso Scheweitzer, Dr. Cleriston da Silva Calheiros. É com muita gratidão que chegamos a mais uma edição e não seria possível se não pudéssemos contar com grandes parceiros que cruzaram nossos caminhos. Obrigado a todos que apostaram e apostam em nosso projeto. Faremos de tudo para honrar a confiança de cada um de vocês. Obrigado ao nosso leitor fiel, que a cada edição tem se mostrado árduo em nos acompanhar nesta missão: discutir sobre saúde. Até a próxima edição. Boa leitura!

PRISCILLA CAMPOS AMARAL RODRIGO AMARAL GOMES

6

REVISTA LISTA DA SAÚDE

listadasaude.com.br

DIREÇÃO GERAL Rodrigo Amaral Gomes EDIÇÃO Natália Silveira - Jornalista DIAGRAMAÇÃO Ender Comunicação *Os anúncios e matérias são de responsabilidade dos seus autores. ANÚNCIOS E MATÉRIAS (48) 99608-2652 comercial@listadasaude.com.br www.listadasaude.com.br


Revista Lista da SaĂşde

7


ÍNDICE 10

12

SINUSITE CRÔNICA: causas, sintomas e tratamento DR. RAFAEL LOCKS

18

14

ENTENDENDO A DOR DO CRESCIMENTO DR. RAFAEL LOCKS

20

ORTODONTIA PARA ADULTOS: procedimento que melhora a estética e saúde bucal dos pacientes DR. RAFAEL LOCKS

22

DR. RAFAEL LOCKS

28 40

50 54

48

8

56

70

listadasaude.com.br

DR. RAFAEL LOCKS

DR. RAFAEL LOCKS

50

DR. RAFAEL LOCKS

52

QUAL É MELHOR DIETA PRA VOCÊ? DR. RAFAEL LOCKS

VASECTOMIA: método de contracepção masculina

DR. RAFAEL LOCKS

PLÁSTICA GENGIVAL: procedimento responsável por um sorriso mais bonito e saudável

INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE ESFORÇO NA MULHER

SINUSITE CRÔNICA: causas, sintomas e tratamento

TIREOIDE E HIPOTIREOIDISMO

MIOPIA, HIPERMETROPIA E ASTIGMATISMO: como corrigir cirurgicamente

16% DA POPULAÇÃO BRASILEIRA AINDA É FUMANTE

DR. RAFAEL LOCKS

FISIATRIA E ACUPUNTURA: contra dor, para reabilitar

REVISTA LISTA DA SAÚDE

32

LIBIDO: entenda como melhorar energia na hora “H”

62 68

DR. RAFAEL LOCKS

DR. RAFAEL LOCKS

DR. RAFAEL LOCKS

REJUVENESCIMENTO FACIAL: Devolvendo a jovialidade do rosto

26

REJUVENESCIMENTO DA REGIÃO ÍNTIMA: o uso de laser e radiofrequência

ATEROSCLEROSE: causas, consequências e tratamento não medicamentoso

QUAL A HORA CERTA PARA O TRATAMENTO DE FERTILIZAÇÃO?

DR. RAFAEL LOCKS

DR. RAFAEL LOCKS

24

DOR LOMBAR É UM SINTOMA OU UMA DOENÇA?

FIBROSE PULMONAR IDIOPÁTICA

64

58

INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE ESFORÇO NA MULHER

SINUSITE CRÔNICA: causas, sintomas e tratamento

SINUSITE CRÔNICA: causas, sintomas e tratamento

72

SINUSITE CRÔNICA: causas, sintomas e tratamento


Resp. Técnico: Graziela Ricken Werncke - CRF/SC 6185 Lucineia Gainski Danielski - CRF/SC 13112

Revista Lista da Saúde

9


OTORRINOLARINGOLOGIA

SINUSITE CRÔNICA: CAUSAS, SINTOMAS E TRATAMENTO

Correspondente a um processo inflamatório, a sinusite crônica pode ter duração prolongada superior a 12 semanas A sinusite crônica, também chamada de rinossinusite crônica, se caracteriza pela persistência de inflamação e infecção do nariz e seios paranasais por período superior a doze semanas. Os sintomas e sinais dessa condição são obstrução nasal, rinorreia anterior e/ou posterior, cefaléia, pressão facial e alteração do olfato. Existem três fatores fundamentais da fisiologia nasal que podem estar alterados nos pacientes com rinossinusite crônica: a anatomia de drenagem dos seios paranasais, a qualidade do muco nasal e a função dos cílios da mucosa responsáveis pelo transporte do muco.

CAUSAS

A sinusite tanto pode ser causada por agentes infecciosos, como bactérias, fungos e vírus, quanto por fatores alérgicos. Poeira, choque térmico e cheiros ativos são listados como desencadeadores da rinopatia alérgica. Exposição a determinados agentes químicos, alterações na anatomia nasal ou dos seios da face fazem parte do outro grupo de responsáveis pela sinusite. Há ainda, casos mais raros que levam a sinusite, como a presença de um tumor.

SINTOMAS

A sinusite crônica e sinusite aguda têm sinais e sintomas semelhantes,

mas a sinusite aguda é uma infecção temporária dos seios muitas vezes associada a um resfriado. Já a rinossinusite crônica corresponde a um processo inflamatório com duração prolongada (maior que 12 semanas) podendo ainda ser classificada em: rinossinusite crônica com polipose e rinosinusite crônica sem polipose. Para o diagnóstico de rinossinusite crônica devemos ter dois ou mais dos seguintes sinais: Obstrução nasal ou secreção nasal associados a pelo menos um dos sintomas: • Pressão ou dor facial; • Redução ou perda do olfato; • Associado a alterações tomográficas ou evidenciadas por exame de videonasofibroscopia; • Com duração maior que 12 semanas.

TRATAMENTO

Seu tratamento inclui a lavagem nasal com soro fisiológico e o uso de remédios como antibióticos, anti-alérgicos ou corticóides, prescritos pelo otorrino, de acordo com a causa da inflamação. Em alguns casos, uma cirurgia para drenagem do muco acumulado e ou para correção de alterações do septo nasal ou retirada de nódulos pode ser recomendada para permitir a cura da doença. É muito importante que a sinusite

seja tratada adequadamente, pois existe o risco de surgimento de complicações como crises de asma, pneumonia, meningite, infecção dos olhos ou, até, abscessos cerebrais.

A CIRURGIA É INDICADA QUANDO

O objetivo da cirurgia é ampliar ou desobstruir os canais naturais de drenagem dos seios nasais, que podem estar fechados e impedindo a drenagem da secreção, que fica acumulada e estimula a proliferação de fungos e bactérias. Além disso, o procedimento também pode ser combinado com a correção de algum defeito na anatomia do nariz da pessoa, que também pode estar dificultando a cura da infecção, como correção do septo, retirada das adenóides ou redução do tamanho dos cornetos, que são os tecidos esponjosos dentro do nariz.

DR. RAFAEL BÚRIGO LOCKS Otorrinolaringologia CRM 12.944 | RQE 9.210

Graduação em Medicina – 2006 Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC Especialização em Otorrinolaringologia: Residência Médica na Otorhinus Clinica Médica Ltda, São Paulo – SP Título de Especialista em Otorrinolaringologia: Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cervico Facial Mestre em Ciências da Saúde: Período 2012-2014 Pós – graduado em cirurgia plástica facial.

10

REVISTA LISTA DA SAÚDE

listadasaude.com.br


Revista Lista da SaĂşde

11


ORTOPEDIA PEDIÁTRICA

ENTENDENDO A DOR DO CRESCIMENTO Conheça as causas, sintomas e tratamento para a dor óssea do crescimento

A dor do crescimento é uma entidade responsável por 15% das dores nas crianças em fase de crescimento. A causa ainda se mantém desconhecida e o diagnóstico deve ser feito por exclusão, ou seja, afastando as demais doenças que se manifestam de forma parecida na faixa etária em que a criança se encontra. Nessas crianças, observa-se dor em um ou ambos os membros inferiores, de caráter intermitente, geralmente nos músculos da coxa, perna, panturrilha e a parte posterior do joelho. Os sintomas surgem no final da tarde e início da noite com curta duração, com frequência de duas a três vezes por semana e melhoram com analgésicos ou massagens. Existe uma relação entre um dia de atividade física exagerada, podendo ou não provocar choro e dificultando a criança a dormir. Possui um predomínio no sexo masculino, mas pode atingir ambos os sexos. Os testes laboratoriais como proteína C-reativa, VHS e hemograma são normais. O exame de imagem radiográfico não apresenta achados. O tratamento dos sintomas desta entidade, apenas benigna, é indica-

do, já que a criança pode limitar suas atividades físicas, promover faltas escolares e levar à ansiedade e sofrimento familiar. O alívio dos sintomas pode variar em forma de anti-inflamatórios não esteróides, de uso via oral ou aplicação local, como pomadas. Apresenta boa resposta com massagens suaves locais ou uso de compressas mornas. Propõe-se o alongamento da muscu-

latura dos membros inferiores, sendo elas o quadríceps e o tríceps sural. Portanto, toda criança com quadro semelhante ao descrito, deve ser avaliada por um profissional da área, com intuito de afastar demais doenças e realizar o tratamento adequado para tranquilizar os familiares, reduzindo a possibilidade de cronificação da dor na vida adulta e aliviar o sofrimento da criança.

DR. MURILO ROMANCINI DALEFFE Ortopedia e Traumatologia Ortopedia Pediátrica CRM/SC 17789 | RQE 12881 | TEOT 14605

12

REVISTA LISTA DA SAÚDE

listadasaude.com.br


Revista Lista da SaĂşde

13


PNEUMOLOGIA

FIBROSE PULMONAR IDIOPÁTICA Na maioria dos casos, após descoberta da doença, paciente tem sobrevida em média de apenas três anos, já existem tratamentos que melhoram a sobrevida A Fibrose Pulmonar Idiopática (FPI) é uma doença pulmonar crônica e progressiva de causa desconhecida que ocorre em adultos. É uma doença limitada aos pulmões, e, portanto, sem manifestações clínicas ou laboratoriais em outros órgãos. Trata-se de uma doença grave em que a sobrevida após o diagnóstico é, em média, de apenas três anos. No entanto, é importante ressaltar que nem todos os pacientes que apresentam fibrose pulmonar - observada em algum exame de imagem como o RX de tórax ou Tomografia de Tórax, terá o diagnóstico final de FPI. Esse só será o diagnóstico definitivo na minoria dos casos. A despeito dos recentes avanços no entendimento dessa doença, o real mecanismo pelo qual ela se desenvolve não é totalmente conhecido. Acredita-se que exista uma interação entre predisposição genética (fatores que podem ser hereditários), fatores relacionados ao estilo de vida como o tabagismo, exposições no trabalho ou ambientais, doenças preexistentes como a doença do refluxo gastroesofágico e o envelhecimento. Os sintomas mais comuns são a falta de ar aos esforços e tosse, que geralmente é seca. Esses sintomas se desenvolvem de forma lenta e gradual, ao longo de meses ou anos e pioram progressivamente. O diagnóstico é feito baseado nos sintomas e acha-

Ilustração de Tomografia Computadorizada de Alta Resolução em paciente com Fibrose Pulmonar Idiopática dos do exame físico, história de exposições devem ser excluídas (ex: poeiras em ambiente de trabalho, uso de medicações que sabidamente causam fibrose pulmonar, etc.), história de tabagismo atual ou pregresso e pela Tomografia de Tórax de Alta Resolução. Em alguns raros casos há necessidade de se realizar biópsia pulmonar. Apesar de não existir cura para a FPI, nos últimos anos foram aprovadas duas medicações para o tratamento da doença, a Pirfenidona e o

Nintedanibe. Esses medicamentos só estão indicados nos casos comprovados, por não terem sido testados em outros casos de fibrose pulmonar. Eles ajudam a desacelerar a progressão da doença e permitem melhor sobrevida. Em alguns casos, há necessidade de encaminhamento para a realização de transplante pulmonar. Portanto é importante o diagnóstico precoce e adequado da FPI com o objetivo de retardar a progressão da doença e melhorar a qualidade de vida.

DR. RICARDO THADEU CARNEIRO DE MENEZES Pneumologia | Clínica Médica CRM/SC 11589 | RQE 7672 - 7673

14

REVISTA LISTA DA SAÚDE

listadasaude.com.br


Revista Lista da SaĂşde

15


OFTALMOLOGIA

RETINOPATIA DIABÉTICA A Retinopatia Diabética é uma doença que está relacionada aos aumentos dos níveis de glicose no sangue, levando a alterações no sistema cardiovascular no corpo humano, e pode estar presente na Diabetes (tipo I, II) e também a gestacional, sendo uma das principais causas de cegueira irreversível e deficiência visual no Brasil e no mundo. A retina, sendo uma região altamente vascularizada e com vasos muito finos, também sofre com as mudanças dos níveis de glicose. Com as alterações nas barreiras vasculares da retina, poderão ocorrer extravasamentos de sangue, proteínas e gorduras levando à condição chamada de Retinopatia Diabética. Ela é classificada em Retinopatia não Proliferativa e Proliferativa. A não Proliferativa é a fase inicial e de mais fácil tratamento, sendo facilmente tratada através do controle glicêmico. Nesta fase estamos diante de microaneurismas, pequenos sangramentos e depósitos de lipídios (exsudatos) na retina. Esta fase pode-se progredir para Proliferativa, que consiste na presença de neovascularização da retina com vasos defeituosos e frágeis, levando ao sangramento e complicações devastadoras. A Retinopatia Diabética está relacionada ao tratamento inadequado dos níveis de glicemia e associação com doenças concomitantes (Hipertensão Arterial Sistêmica descontrolado, níveis lipêmicos elevados, nefropatias), sedentarismo, tabagismo, obesidade e principalmente o tempo de duração do diabetes. Os sintomas estão relacionados às complicações, ou seja, embaçamento visual relacionado ao edema macular, sombras com a presença de hemorragias

vítreas e, a perda de campo visual, por conta do descolamento de retina. Além disso, podemos observar a diminuição de visão noturna e de percepção de cores. O Edema de Mácula é uma das principais causas de perda visão, pois a mácula é responsável pela visão de detalhes e cores. Esse espessamento macular, devido ao edema, resulta na visão embaçada e distorcida. O rompimento dos neovasos defeituosos e frágeis leva o sangramento para o vítreo (gel que preenche a cavidade do olho) e os sintomas são a visão com sensação de detritos pretos, sombras e/ ou visão em teias de aranha (floaters) ou até mesmo perda total da visão causada pela piora do sangramento, que pode melhorar em meses, mas o paciente ainda estará sujeito a novos sangramentos ou demais complicações. Portanto, diante de quadro de Hemorragia Vítrea, considera-se um importante sinal de piora do quadro, e sinal de alerta que deve ser observado. Com a progressão dos neovasos associado ao tecido fibroso, observa-se uma complicação temida, que é o descolamento de retina, podendo evoluir para a perda irreversível da visão. O melhor tratamento para Retinopa-

DR. JETENDER SINGH KALSI Oftalmologista CRM/SC 7826 | RQE 14663

16

REVISTA LISTA DA SAÚDE

listadasaude.com.br

tia Diabética é a prevenção, mas quando presente, o quadro de edema de mácula, pode-se optar por medicações intravítreas (Corticóide e, mais recentemente, os anti-fatores de crescimento vascular - Anti-VEGF). Nos casos de Retinopatia Proliferativa podemos fazer uso de foto coagulação a laser, e, diante de descolamento de retina, a cirurgia será realizada. Os resultados terapêuticos nestes procedimentos da funcionalidade visual são inferiores aos desejados, sendo ainda de alto custo, do ponto de vista econômico e social, reforçando a necessidade de iniciar o tratamento nas fases iniciais. Portanto, existe a importância de acompanhamento dos Diabéticos, mesmo na ausência de sintomatologia, pois muitos apresentam Retinopatia em regiões periféricas e desenvolverão sintomas quando a região central (mácula) é afetada. Ou seja, muitos diabéticos são diagnosticados tardiamente, com isso piorando o prognóstico. Enfim, manter níveis glicêmicos normais com dieta adequada, exercícios regulares e acompanhamento com médico Oftalmologista é a maneira de evitar complicações e perdas visuais devido ao Diabetes.


Revista Lista da SaĂşde

17


ORTODONTIA

ORTODONTIA PARA ADULTOS: PROCEDIMENTO QUE MELHORA A ESTÉTICA E SAÚDE BUCAL DOS PACIENTES

O tratamento ortodôntico é uma das etapas necessárias na reabilitação dental dos pacientes adultos Atualmente, sabe-se que não existe limite de idade para realização de tratamento ortodôntico, por isso, cada vez mais os pacientes adultos estão realizando este tipo de tratamento como parte de um plano multidisciplinar envolvendo outras especialidades. Dentre as queixas desses pacientes, está a busca por estética, onde o tratamento ortodôntico proporciona alinhamento e nivelamento dos dentes e do sorriso. Além disso, pessoas que desejam fazer procedimentos

de prótese ou implante normalmente precisam fazer a correção da posição dentária para obter um resultado final adequado e funcional. Perdas ósseas e retrações gengivais não contra-indicam a utilização do aparelho ortodôntico, pelo contrário, o tratamento quando bem executado, melhora a estética e função, ajudando a aumentar a longevidade dental. O perfil desses pacientes, normalmente, requer aparelhos mais discretos, pois os mesmos não querem usar os aparelhos convencionais, os metá-

DR. RODRIGO MATOS Cirurgião Dentista CRO/SC 6949

Especialista Em Ortodontia e Ortopedia Facial

18

REVISTA LISTA DA SAÚDE

listadasaude.com.br

licos, por isso, as alternativas seriam aparelhos de safira ou o Invisalign, que são transparentes e mais estéticos. É importante enfatizar que não existe mágica, independente do aparelho escolhido: auto ligado, safira, Invisalign ou metálico, o tempo de tratamento será semelhante entre eles. Mesmo assim, uma consulta ao especialista é fundamental para que se possa avaliar a melhor alternativa de tratamento, quais as limitações de cada caso e qual o tipo de aparelho indicado.


O Dr. Rodrigo Matos possui mais de 10 anos de experiência em Ortodontia e Ortopedia Facial. Cursou a graduação na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e posteriormente fez Especialização e Mestrado em Ortodontia e Ortopedia Facial na PUC/RS em regime integral, que foi concluído no ano de 2005. A partir desta data se dedicou exclusivamente à prática da Ortodontia e Ortopedia Facial e divide sua atuação profissonal entre Criciúma/SC e Lajeado/RS. Em Criciúma, possui consultório privado onde realiza atendimento a crianças, adolescentes e adultos e é também coordenador do curso de Especialização em Ortodontia da Unesc. Em Lajeado, sua atuação está ligada à Fundação para Reabilitação de Deformidades Craniofaciais (FUNDEF) que é referência no atendimento de deformidades no Rio Grande do Sul. Atua como coordenador da equipe de Ortodontia e do Curso de Especialização em Ortodontia desta renomada instituição.

DR. RODRIGO MATOS

CIRURGIÃO DENTISTA - CRO/SC 6949 ESPECIALISTA E MESTRE EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL COORDENADOR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA UNESC-CRICIÚMA/SC COORDENADOR DA EQUIPE E DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA FUNDEF-LAJEADO/RS

www.clinicarodrigomatos.com.br contato@clinicarodrigomatos.com.br (48) 3438.0367 Coronel Pedro Benedet, 505 – sala 508, Millenium Saúde Center, Criciúma.

REVISTA LISTA DA SAÚDE | 1ª ED.

7

Revista Lista da Saúde

19


DERMATOLOGIA

REJUVENESCIMENTO FACIAL

DEVOLVENDO A JOVIALIDADE DO ROSTO

O processo de envelhecimento da face ocorre em vários níveis. Reabsorção óssea, perda dos compartimentos de gordura superficiais e profundos da face, deslizamento desses compartimentos para a parte central e inferior da face, onde se perde o contorno e promove o aspecto de face cansada. Perda de colágeno e elastina na pele também contribuem para as rugas e flacidez. Pode-se combinar várias técnicas e tecnologias para o tratamento do envelhecimento facial. Preenchedores como ácido hialurônico, além de preencher rugas e sulcos, estimulam a síntese de colágeno e melhoram a qualidade da pele. Existem hoje diversos produtos à base de ácido

hialurônico com diferentes densidades para serem aplicados em diferentes locais da face. Os de maior densidade, com efeito de ancoragem, promovem um efeito de lifting e sustentação, como os que aplicamos na região malar (maça do rosto) e mandibular. Eles melhoram o aspecto de face derretida e cansada que ocorre através do envelhecimento. Os de média densidade são usados no preenchimento de lábios e do sulco nasogeniano (bigode chinês), bem como olheiras. Rugas em torno da boca, nas bochechas quando sorrimos ou próximo da área dos olhos podem ser tratadas com ácidos hialurônicos mais delicados, desenhados para essas áreas de pele mais fina. Há também os de menor densida-

de, chamados de skinboosters, que são aplicados em toda a região da face, pescoço e colo para melhorar a flacidez da pele e rugas finas, geralmente de 2 a 3 sessões. Pode-se melhorar o contorno facial deixando as proporções mais harmônicas para realçar a beleza e devolver jovialidade a face. Toxina Botulínica é utilizada para tratar rugas de expressão, como as da testa, entre as sobrancelhas, área dos olhos, em volta da boca. Também previnem a longo prazo que novas rugas se formem e que a pele não fique marcada. Luz pulsada, lasers e peelings químicos são utilizados para clarear manchas ocasionadas pelo sol e idade, redução de poros e de vasinhos dilatados. Melhoram o viço e textura da pele, estimulando a síntese de colágeno. Podem ser usados além da face também no pescoço, colo e mãos. Bioestimuladores como ácido poliláticoe hidroxiapatita de cálcio estimulam a síntese de colágeno e melhoram a flacidez da face e pescoço e ajudam a restaurar o contorno facial. São injetáveis e normalmente se realiza-se em 3 sessões. Para entender melhor as indicações e contra indicações de cada procedimento, consulte seu dermatologista. Trata-se de um procedimento médico, sendo necessário avaliar a história clínica, presença de doenças e medicamentos utilizados e examinar a estrutura e proporções de cada face. A avaliação deve ser individualizada para cada caso, conforme a necessidade de cada paciente.

DRA. CLARISSA BACHA BERTI NUNES Dermatologia

CRM/SC 11188 | RQE 8705

Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica Membro da American Academy of Dermatology

20

REVISTA LISTA DA SAÚDE

listadasaude.com.br


Revista Lista da SaĂşde

21


ACUPUNTURA

DOR LOMBAR É UM SINTOMA OU UMA DOENÇA?

Nos últimos 10 anos, a lombalgia foi apontada como a principal causa de afastamento do trabalho no Brasil e considerada o maior fator de incapacidade no mundo. As origens da lombalgia são principalmente mecânicas ou ergonômicas, podendo haver outros componentes, como emocionais e genéticos. A fim de avaliar a pressão dentro do disco intervertebral lombar em diversas posturas, um estudo demonstrou que aquela que mais exerce pressão no disco é a posição sentada na cadeira com o tronco voltado para frente, seguida pela posição quando o indivíduo dobra a coluna para alcançar algo próximo a altura dos joelhos, e posteriormente pela posição sentada sobre a coluna. Observe que, nessas três posturas, a

curvatura natural da coluna lombar é desfeita, dando uma pista de que devemos procurar manter a curvatura côncava da coluna lombar nas nossas atividades diárias. Para o seu diagnóstico e tratamento, na maioria das vezes, não há necessidade de exames de imagem. Muitas vezes, o paciente anseia que o médico solicite uma ressonância magnética para, literalmente, ver o que tem. Contudo, ao realizá-la, muitas informações sem relação com a causa real da dor podem aparecer, como a protrusão discal, também chamada de hérnia de disco, que se evidencia em mais de 50% das pessoas entre 20 a 39 anos, sem nenhuma queixa de dor lombar, e 75% em pessoas de 60 a 80 anos. Outros achados, tais como alterações degenerativas, comportam-se

de maneira semelhante. E por que isso acontece? Porque a maior parte das dores lombares tem origem no músculo e sua fáscia, causando a síndrome dolorosa miofascial, podendo ser diagnosticada e avaliada na consulta médica. Em termos de qualidade de vida, outro importante estudo avaliou pacientes após um ano da crise lombar, e concluiu que aqueles que realizaram exame de imagem estavam piores que aqueles que não o fizeram. Isso acontece justamente porque o exame acaba rotulando a pessoa como portadora de uma doença temida, ou seja, um problema grave de coluna, levando o indivíduo, erroneamente, a tomar medidas de privação de movimentos, como práticas esportivas e laborais, causando enorme impacto na sua qualidade de vida, assim como a perpetuação da dor, pois além da carga emocional envolvida neste contexto, aparentemente, pessoas que fazem muito repouso costumam ficar piores do que aqueles que se mantiveram ativos. A acupunturiatria, reconhecida como uma das sete especialidades médicas para tratamento da dor, tem a habilidade de avaliar o paciente com tal sintoma em toda a sua dimensão, abrangendo os componentes sensitivos, emocionais e comportamentais, individualizando o tratamento, o que pode incorporar diversas técnicas de acupuntura, neuromodulatórias, neurofuncionais e medicamentosas, assim como, caso seja necessário, encaminhar a um médico de outra especialidade, para avaliação ou mesmo para a continuidade de seu tratamento.

DR. FELIPE SIMIONI DOS SANTOS Acupunturiatra

CRM/SC 13495 | CRM/RS 33408 | RQE 11874

Formado pela Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) Membro do Colégio Médico Brasileiro de Acupuntura (CMBA)

22

REVISTA LISTA DA SAÚDE

listadasaude.com.br


Revista Lista da SaĂşde

23


GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA

REJUVENESCIMENTO DA REGIÃO ÍNTIMA:

O USO DE LASER E RADIOFREQUÊNCIA Há muito tempo conhecemos os benefícios do uso de energias para rejuvenescimento da face. A novidade é a útilização destas mesmas tecnologias ajustadas para uso vaginal e vulvar. Nenhuma outra região do corpo alia tão bem saúde, bem estar e beleza como a área íntima. O processo de envelhecimento causa não só modificação do aspecto da vulva e vagina como também é responsável por incontinência urinária, infecções de repetição, coceira, ardência vaginal e dores na relação sexual.

será beneficiada pelos tratamentos estimuladores de colágeno local, como laser e radiofrequência.

NOVOS TRATAMENTOS PARA ATROFIA VAGINAL:

Laser Etherea – Athena

A atrofia vaginal:

O estrogênio é o hormônio responsável por manter a saúde de equilíbrio da genitália feminina. Existem mais de 3.000 genes onde ele atua mantendo a vitalidade. Mais da metade das mulheres no climatério vivenciam o que se pode chamar de Síndrome Genito Urinária, onde o déficit de estrogênio faz com que o tecido da uretra fique frágil, atrófico, causando infecções urinárias de repetição, ardência ao urinar na ausência de infecções, e, alguns tipos de incontinência urinária. A parede vaginal se torna pálida, seca e sem tônus, causando diminuição do prazer nas relações sexuais, dor na relação sexual decorrente da diminuição de lubrificação e também maior facilidade de desenvolver infecções. Uma vez que o estrogênio é essencial para manter o colágeno ativo no corpo da mulher, e neste caso, principalmente, na região íntima, qualquer alteração local causada pela diminuição de um ou outro

Este laser se trata das alterações da região íntima feminina através da estimulação de colágeno das paredes vaginais e regiões associadas acarretando melhora na elasticidade, lubrificação e tônus vaginal.

Indicações

• Incontinência urinária; • Atrofia e secura vaginal; • Clareamento e skin tightening de

pequenos e grandes lábios; Antes de iniciar o tratamento, o ginecologista pesquisa outras doenças causadoras destes sintomas como infecções, alergias, doenças pré-malignas e até mesmo malignas. Só então se prossegue com a introdução do aparelho no canal vaginal que emite raios laser resultando em maior formação de fibras de colágeno.

Na segunda parte é realizado o tratamento da genitália externa, com aplicação direta na região na vulva resultando em melhora da flacidez, tônus e coloração da região. O procedimento é praticamente indolor, semelhante a um exame de ultrassom transvaginal, porém pode causar algum desconforto ou coceira. Dura 20 minutos e são necessárias de 2 a 3 sessões com intervalos mensais, sendo os resultados visíveis nos primeiros 15 dias. Relações sexuais devem ser evitadas por sete dias. Este tratamento é contraindicado para mulheres grávidas, que tenham doenças sexualmente transmissíveis ou que apresentem mudanças de citologia no último Papanicolau, inflamações na vulva ou doenças relacionadas a coagulação sanguínea.

Linly – a Radiofrequência

fracionada Vaginal e Vulvar

Indicado para atrofia urogenital, melhora o aspecto da genitália externa e incontinência urinária de esforço leve. O aparelho estimula a produção e colágeno e formação de novas células produtoras de estrogênio. São realizadas de 3 a 6 sessões com intervalo de quinze dias entre elas a fim de melhorar o tônus, secura vaginal e perda de urina. Tem como vantagens a realização rápida, número de sessões, mais individualizado e não necessita de qualquer alteração no seu cotidiano; suas contra indicações são as mesmas do laser.

DRA. ANA CLAUDIA ZIMMERMANN Ginecologia e obstetrícia CRM/SC 19938 | RQE 14739

Formada em Medicina pela Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC Ginecologista e Obstetra com Residência Médica no Hospital Nossa Senhora da Conceição de Porto Alegre Pós Graduanda em Endoscopia Ginecológica pela SUPREMA/Instituto Crispi de Cirurgias Minimamente Invasivas Professora do Curso de Medicina da UNESC 

24

REVISTA LISTA DA SAÚDE

listadasaude.com.br


Revista Lista da SaĂşde

25


ENDOCRINOLOGIA

TIREOIDE E HIPOTIREOIDISMO

Tire as dúvidas sobre a doença e os tratamentos para a estabilização da tireoide O que é a Tireoide?

É uma glândula localizada na região anterior do pescoço, responsável pela produção de tiroxina – T4 (3,5,3’ ,5’ -1- tetraiodotironina) e T3 ( 3,5,3’ -1-tri-iodotironina). Pesa aproximadamente 15-25 gramas em um indivíduo adulto.

O que é o Hipotireoidismo?

Consiste em um conjunto de sinais e sintomas devido a redução da produção dos hormônios tireoidianos, atrasando os processos metabólicos. Na maior parte das vezes é causada pela Tireoidite de Hashimoto (tireoidite auto-imune), identificada com maior frequência no sexo feminino.

Existe associação com outras comorbidades?

Sim, entre elas podemos destacar a doença celíaca, insuficiência adrenal (Doença de Adison), diabetes tipo 1 e anemia perniciosa.

Quais são os sintomas do hipotireoidismo?

Em adultos em casos moderados a graves podem ser observados cansaço, sensibilidade ao frio, constipa-

ção, alterações do ciclo menstrual, ganho de peso, câimbras musculares, pele seca, rouquidão, alterações do humor e déficit de memória.

Em quem está indicada a coleta de exames laboratoriais para avaliar a presença de hipotireoidismo?

Idosos, bócio tireoidiano (aumento da glândula tireoide), alteração do perfil lipídico, uso de medicações que podem afetar a glândula tireoide (amiodarona e lítio por exemplo), paciente com sinais e sintomas compatíveis com hipotireoidismo e gestantes.

Qual é o tratamento?

Em pacientes que comprovadamente tem o diagnóstico de hipotireoidismo o tratamento é com a levotiroxina (T4), em dose diária, tomada com estômago vazio – ao menos 1 hora antes do café da manhã ou em horário alternativo que deve ser orientado por seu médico.

E quanto a reposição de iodo deve ser feita?

Não há indicação! Além disso, a reposição inadvertida pode levar ao surgimento de doenças tireoideanas, tanto o excesso de hormônios (hipertireoidismo) quanto a redução (hipotireoidismo). Fique atento!

DRA. KARINA GIASSI Endocrinologia e Metabologia CRM/SC 20075 | RQE 16313

Professora da disciplina de Endocrinologia da UNESC. Mestranda em Endocrinologia pelo Hospital de Clínicas de Porto Alegre.

26

REVISTA LISTA DA SAÚDE

listadasaude.com.br


NEUROLOGIA (ELETRONEUROMIOGRAFIA) Dra. Tamiris Dal Bó Martinello / CRM 18.396 RQE 15.020

GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA Dra. Simone A. Junkes Vilhena / CRM 14.830 RQE 11.181 Dra. Dilvania Nicoletti / CRM 12.576 RQE 9.587

FISIATRIA (ACUPUNTURA) Bruna da R. Maggi Sant’ Helena / Crefito 111.241

INFECTOLOGIA

Dra. Mônica A. Junkes Antero / CRM 13.983 RQE 9.768

PEDIATRIA

Dra. Ana Olinda Nicknick Fagundes / CRM 5.692 RQE 1.396 Dr. Glauco Danielle Fagundes / CRM 5.722 RQE 2.868 Drª. Patrícia Backes Arruda / CRM 16497 / RQE 11653

PSICOLOGIA

Aline Castanhetti Borges / CRP 14.464

ENDOCRINOLOGIA

Dra. Karina Giassi / CRM 20.075 RQE 16.313

REUMATOLOGIA

Dr. Daniel Casagrande Antero / CRM 12.462 RQE 8.879

NEFROLOGIA

Dra. Mariana Locks Backs / CRM/SC 19958 RQE 15931

(48) 3437.7885

RESPONSÁVEL TÉCNICO: DR. DANIEL CASAGRANDE ANTERO REUMATOLOGISTA CRM/SC 12.462 | RQE 8879

Rua Augusto dos Anjos, 270 Pio Corrêa - Criciúma/SC Revista Lista da Saúde

27


CARDIOLOGIA

ATEROSCLEROSE: CAUSAS, CONSEQUÊNCIAS E TRATAMENTO NÃO MEDICAMENTOSO O músculo cardíaco precisa de um fornecimento constante de sangue rico em oxigênio, sendo as artérias coronarianas as responsáveis pelo fornecimento deste sangue. A doença arterial coronariana, causada pelo estreitamento de uma ou mais dessas artérias, pode bloquear o fluxo sanguíneo, o que causa dor torácica (angina) ou um ataque cardíaco (também denominado infarto do miocárdio). A causa mais comum é a formação de placas ateroscleróticas, que são placas compostas de tecido fibroso e colesterol. Elas crescem e se acumulam na parede dos vasos a ponto de dificultarem ou até mesmo impedirem a passagem do sangue. O crescimento desta lesão pode ser acelerado pelos principais fatores de risco que são o fumo, pressão alta, colesterol sanguíneo elevado e diabetes. Em média, os homens desenvolvem essa doença aproximadamente dez anos mais cedo que as mulheres. A doença também é mais frequente à medida que envelhecemos. Fatores genéticos também influenciam o surgimento, onde uma história familiar torna o indivíduo mais predisposto. A irrigação inadequada de uma determinada região do coração, levando-a ao sofrimento e expondo aquele tecido ao risco de morrer, denomina-se isquemia. A isquemia, se prolongada, pode provocar a morte do tecido e este fenômeno, que é chamado de infarto. Ambas as situações são percebidas pelo paciente na maioria das vezes como dor no peito. Coração dói sim, ao contrário do que imagina a população. Mas dói quando sente falta de irrigação

“Modificar os fatores de risco da aterosclerose pode ajudar a prevenir a doença arterial coronariana e é indispensável para o tratamento.” sanguínea. A dor percebida durante um esforço físico ou estresse emocional intenso e que desaparece com a interrupção do fator desencadeante, é denominada “angina de peito”. Um ateroma, mesmo um que não esteja bloqueando totalmente o fluxo sanguíneo, pode se romper repentinamente. Tal ruptura do ateroma desencadeia, em geral, a formação de um coágulo sanguíneo (trombo). O coágulo continua a estreitar a artéria podendo bloqueá-la completamente, causando isquemia do miocárdio aguda e consequentemente infarto agudo do miocárdio. Modificar os fatores de risco da aterosclerose pode ajudar a prevenir a doença arterial coronariana e é indispensável para o tratamento. Então, é de suma importância cessar o tabagismo, controlar rigorosamente a pressão arterial, o colesterol, os triglicerídeos e diabetes. No que tange as mudanças no estilo de vida, o manejo do peso do indivíduo se mostra extremamente importante, considerando que o excesso de gordura corporal é fator de risco para o desenvolvimento da aterosclerose. Deve-se optar por alimentos in-natura

DR. DAVID COELHO GRUNDLER

DRA. JAQUELINE N. VALERIM GRÜNDLER

Cardiologia

Nutricionista

CRM/SC 13028 | RQE 9846/9727

28

REVISTA LISTA DA SAÚDE

como frutas, verduras, cereais integrais, gorduras de boa qualidade derivadas do abacate, das castanhas e do azeite de oliva em detrimentos dos alimentos altamente processados como embutidos, farinhas, massas, biscoitos, pães, doces, bebidas açucaradas, sorvetes, pizzas, margarinas e salgadinhos de pacote. O consumo de sal de cozinha deve ser moderado e a quantidade de sódio diária deve ser estabelecida juntamente com seu médico ou nutricionista. Ao invés de utilizar temperos prontos, opte por temperos naturais. Devido o papel importante dos exercícios físicos na prevenção e no tratamento da aterosclerose e das doenças cardiovasculares, este deve ser adicionado à rotina de qualquer indivíduo. As doenças cardiovasculares permanecem como sendo as maiores causadoras de mortalidade no mundo. Desta forma, procure profissionais para lhe auxiliar na prevenção, no diagnóstico e no tratamento destas doenças. Consulte um médico cardiologista para que ele realize o tratamento medicamentoso e um nutricionista para lhe orientar na condução do planejamento nutricional.

listadasaude.com.br

CRN-10 3325


Revista Lista da SaĂşde

29


ENDOCRINOLOGIA PEDIÁTRICA

PUBERDADE PRECOCE A puberdade é um período de transição entre a infância e a vida adulta, onde há o surgimento de caracteres sexuais secundários, culminando com a aquisição das funções reprodutivas. Em meninas ela ocorre entres os 8 e os 13 anos e em meninos entre os 9 e os 14 anos. É um período também de importantes modificações psicológicas, tanto para o paciente quanto para a família.

O que é puberdade precoce? Define-se puberdade precoce quando há o aparecimento de broto mamário nas meninas antes dos 8 anos e aumento do tamanho dos testículos antes dos 9 anos em meninos. Associado a esses achados podemos encontrar também os pelos, odor axilar e acne.

O que causa puberdade precoce? Existem diversos fatores relacionados com o início da puberdade e consequente aumento dos hormônios sexuais em idade mais precoce. Entre eles podemos citar os fatores genéticos (meninas que as mães menstruaram com menor idade ou que apresentem outros casos de puberdade precoce na família), adoção, baixo peso ao nascimento e obesidade ainda na infância. Fatores relacionados a estresse (pacientes que moram em bairros violentos ou que sofreram algum tipo de abuso sexual) e mais recentemente, a exposição a disruptores endócrinos. Os disruptores endócrinos são substâncias químicas presentes no ambien-

É importante lembrar que o diagnóstico de puberdade precoce deve ser individualizado para cada paciente, bem como os exames solicitados e o tratamento proposto.

Qual o tratamento para puberdade precoce? te, de forma natural ou sintética, que podem interferir na produção de hormônios. Dentre eles podemos citar os poluentes, fitoestrógenos e fitoesteróis (como a soja), agrotóxicos, componentes de produtos de limpeza e algumas substâncias derivadas do plástico.

Como é feito o diagnóstico de puberdade precoce? A puberdade precoce pode ser dividida entre central (quando o estímulo para produção hormonal vem de uma região específica localizada no cérebro, chamada de hipotálamo) ou periférica (quando há outras doenças causando esse aumento de produção hormonal – cistos de ovários, tumores de ovário ou testicular, entre outros). O diagnóstico é feito através da história clínica contada pelo paciente e familiares, do exame físico realizado pelo médico e com o auxílio de alguns exames complementares. Dentre esses exames temos as dosagens hormonais, a radiografia de mãos e punhos para determinar idade óssea (relação com o grau de maturação esquelética do indivíduo), ultrassonografia e exame de imagem do cérebro.

DRA. LETÍCIA SOARES BOING Endocrinologia Pediátrica CRM/SC 18912 | RQE 14674

30

REVISTA LISTA DA SAÚDE

listadasaude.com.br

O tratamento é realizado conforme a origem da puberdade precoce. Nos quadros de puberdade precoce central o tratamento é feito com bloqueio hormonal, que atua regredindo ou estabilizando os achados de puberdade. As medicações mais utilizadas atualmente são os análogos de GnRH, de forma injetável, em intervalos variáveis – mais comumente a cada 28 ou 84 dias. Esse tratamento deve ser mantido até que o paciente encontre-se em condições clínicas e psicológicas de prosseguir a puberdade – geralmente entre 12 e 13 anos de idade óssea. Nos casos de puberdade precoce periférica o tratamento pode variar conforme a causa, desde cirurgias até uso de medicações que bloqueiem a ação de testosterona e estrogênio.

Quais as consequências da puberdade precoce? As principais consequências envolvem os transtornos psicológicos ocasionados pela maturação gonadal precoce, o maior risco de abuso sexual, o surgimento de doenças relacionadas com exposição prematura ao estrogênio e a possibilidade de perda de estatura final na idade adulta.


CLÍNICA DR. SALVARO Instituto do Coração do Vale – Turvo/SC Especialistas, Exames e Cardiologia Preventiva

CARDIOLOGIA

DERMATOLOGIA

PEDIATRIA

Dr. Roberto Gabriel Salvaro (CRM/SC 10836) - RQE 7150 Medicina Interna – RQE 7151 Ecocardiografia- RQE 14589

Dra. Ana Paula Naspolini (CRM/SC 23009) - RQE 13597

Dra. Monique Consenso Saviato (CRM/SC 19953) - RQE 15593

ENDOCRINOLOGIA

REUMATOLOGIA

Dr. Davi Francisco Machado (CRM/SC 19947) – RQE 15781

Dr. Marcus Resmini (CRM/SC 18431) – RQE 15928

OTORRINOLARINGOLOGIA

NEUROLOGIA

Dr. Afonso Possamai Della Júnior (CRM/SC 19969) - RQE 15973

Dra. Tamiris Dal Bó Martinello (CRM/SC 18396) - RQE 15020 Neurofisiologia – RQE 16153

Dr. David Coelho Gründller (CRM/SC 13028) - RQE 9846 Medicina Interna – RQE 9727 Dr. Cassian Belettini (CRM/SC 19475) - RQE 14914 Ecocardiografista – RQE 15623

CIRURGIA VASCULAR Dr. Marco Ortiz (CRM/SC 11876) – RQE 11876

CIRURGIA GERAL Dr. Mateus Volpato (CRM/SC 19613) - RQE 14139

CIRURGIA PLÁSTICA Dra. Fernanda Buss (CRM/SC 16962) – RQE 14762

NUTRICIONISTA

PNEUMOLOGIA

Leila Catarina Pescador (CRN/SC 2205)

Dr. Renato Piucco Matos (CRM/SC 19502) - RQE 15950

CLÍNICA GERAL

COLOPROCTOLOGIA

Dra. Thamíris Marcon Zanatta (CRM/SC 18636)

Dr. Vinícius Bressiani (CRM/SC 13405) - RQE 11129 Cirurgia Geral - RQE 9930

NEFROLOGIA Dra. Mariana Locks Backs (CRM/SC 19958) – RQE 15931

Responsável Técnico Médico DR. ROBERTO GABRIEL SALVARO CRM 10836 / RQE 7150/ RQE 7151/ RQE 14589

EXAMES: - Ecocardiograma Com Doppler a Cores - Ecocardiograma Sob Estresse Farmacológico - Ecodoppler de Carótidas e Vertebrais - Ecodoppler Arterial e Venoso de Membros Inferiores - Teste de Esteira Computadorizado - Eletrocardiograma de Repouso - MAPA (Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial)

- HOLTER de 24 horas - Espirometria (Prova de Função Pulmonar) - Videofaringolaringoscopia - Videonasoendoscopia - Nasofibrolaringoscopia - Teste Alérgico Cutâneo (Prick Test)

Rua: Nereu Ramos, 800 | Centro |Turvo/SC

(48) 3525.3210 - 98847.9881

Revista Lista da Saúde

31


OFTALMOLOGIA

MIOPIA, HIPERMETROPIA E ASTIGMATISMO: COMO CORRIGIR CIRURGICAMENTE Conheça os tipos de tratamento e procedimentos cirúrgicos para àqueles que sentem dificuldade quando se trata de visão

Do ponto de vista óptico, os vícios de refração são assim classificados: OLHO NORMAL – quando os raios luminosos que

atravessam os meios transparentes do globo ocular são focalizados na retina;

A evolução da oftalmologia nos últimos anos trouxe grandes avanços no diagnóstico e tratamento de doenças oculares. Os pacientes mais beneficiados são aqueles que apresentam os chamados vícios ou erros de refração. Fazem parte deste grupo a miopia, a hipermetropia, astigmatismo e a presbiopia ou vista cansada. Um erro de refração significa que o olho não permite uma refração apropriada da luz e a imagem que o paciente vê é turva, embaçada ou opaca. Embora os erros de refração sejam chamados de distúrbios oculares, eles não são considerados doenças.

OLHO COM MIOPIA – os raios luminosos são focalizados antes da retina;

OLHO COM HIPERMETROPIA – quando os raios luminosos são focalizados após a retina;

OLHO COM ASTIGMATISMO – quando os raios luminosos são focalizados em dois pontos diferentes, antes, depois e/ou sobre a retina; OLHO COM PRESBIOPIA – quando existe incapacidade de focalizar objetos a curta distância. A presbiopia pode surgir em combinação com a miopia, hipermetropia ou astigmatismo;

Como tratar os vícios de refração ÓCULOS E LENTES DE CONTATO Os óculos e as lentes de contato são os métodos mais comuns de correção dos vícios de refração, pois re-focalizam os raios luminosos sobre a retina, compensando a focalização da imagem. Atualmente, existe uma grande variedade de lentes de contato disponíveis, mas o tipo mais adequado

DRA. MEIBAL JUNQUEIRA MÉDICA

CRM/SC 24550

- Médica pela Faculdade de Medicina de Teresópolis, RJ. - Pós graduação em Oftalmologia pelo Hospital Stella Maris, SP. - Fellowship de Córnea, Seguimento Anterior, Doenças Externas e Cirurgia Refrativa pelo Instituto de Oftalmologia Tadeu Cvintal, SP - Membro da American Society of Cataract and Refractive TSurgery ASCRS - Membro da Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa BRASCRS - Membro do Conselho Brasileiro de Oftalmologia CBO - Membro da Sociedade Brasileira de Oftalmologia SBO

32

REVISTA LISTA DA SAÚDE

listadasaude.com.br


depende do vício de refração do paciente e de seu modo de vida. É fundamental conversar com o oftalmologista para estabelecer qual a melhor opção. Embora existam grandes facilidades para adquirir lentes de contato, inclusive em locais onde a supervisão não existe, consulte sempre o oftalmologista de sua confiança para escolher lentes com segurança e apropriadas. Apenas ele deve prescrevê-las e supervisionar a adaptação às lentes.

CIRURGIAS A cirurgia refrativa também é uma opção para corrigir ou melhorar a visão através de uma modificação permanente na forma da córnea. Eliminar ou diminuir a dependência dos óculos transformou- se em uma realidade ao alcance de todos nós. Isto se tornou possível graças ás novas técnicas cirúrgicas nas quais os fatores mais importantes são:

Técnicas Cirúrgicas PRK (FOTOCERATECTOMIA REFRATIVA) – procedimento cirúrgico no

qual o cirurgião utiliza Excimer Lser para remover camadas microfinas de tecido da córnea. O tecido é removido de maneira controlada, em um padrão programado pelo cirurgião no computador.

LASIK –

O LASIK é uma técnica que combina a microcirurgia e um procedimento com Excimer Laser para corrigir a miopia, hipermetropia e o astigmatismo. No LASIK utiliza-se um instrumento altamente especializado, o microcerátomo, para produzir um retalho delgado na córnea. Este retalho é dobrado para trás e, então, o Excimer Laser é aplicado na córnea, embaixo do retalho. Depois, repõe-se o retalho, aguarda-se a cicatrização espontânea na sua posição. Importante: não é usado nenhum ponto de sutura nesse procedimento.

I-LASIK (LASIK COM FENTOSEGUNDO) -

• SEGURANÇA:

Pouco risco e muito benefício;

• PREVISIBILIDADE:

Pode-se prever a redução do grau;

• VIABILIDADE ECONÔMICA:

Facilita o acesso do paciente ao tratamento e tornando-o possível de ser realizado pelo médico; O médico oftalmologista, profissional que realiza os procedimentos cirúrgicos para a correção dos vícios de refração, é o especialista mais apropriado para indicar, contra-indicar, sugerir, realizar e acompanhar o paciente que irá submeter-se a este tipo de correção. É importante lembrar que, como as técnicas têm evoluído rapidamente, não se deve estranhar a preferência de alguns profissionais por esta ou aquela técnica, em detrimento a outras.

É a mais recente tecnologia associada ao LASIK. É a combinação do tratamento com o Excimer Laser mais a precisão do Laser de Femtosegundo na criação do retalho sem o uso de lâmina.

PASSO 1: Criação do retalho, o Laser de Femtosegundo é usado para criar um retalho na córnea. Este método, livre de lâmina, oferece excelentes resultados.

PASSO 2: correção do vício de refração com Excimer Laser, que corrige a

visão com as especificações exatas do seu olho. O laser oferece o mais alto nível de precisão e, literalmente, acompanha os movimentos do seu olho durante a aplicação, reagindo automaticamente para fornecer um resultado seguro e preciso.

IMPLANTE DE LENTE INTRAOCULAR – em casos de pacientes com

vícios de refração em graus elevados, o médico oftalmologista poderá optar pela implantação de uma lente com o grau adequado para a correção da deficiência visual. Esta técnica é realizada com anestesia local, alta imediata e a recuperação visual é rápida. É fundamental que o paciente encontre orientação clara e consciente por parte do médico, para que possa – em conjunto com este profissional – avaliar os benefícios do método indicado, comparando-o com outras opções existentes para seu caso.

Revista Lista da Saúde

33


CIRURGIA VASCULAR

VARIZES DE MEMBROS INFERIORES CAUSA, SINTOMAS E TRATAMENTO cidação das varizes, que muitas vezes são internas. O cirurgião vascular é o especialista habilitado para o tratamento de varizes, além de todo o sistema circulatório periférico. Hoje, a especialidade dispõe de vários métodos de tratamento dessa patologia, e cabe ao cirurgião vascular avaliar cada caso e indicar o tratamento específico de cada situação.

A especialidade de cirurgia vascular abrange várias doenças relacionadas aos vasos periféricos do corpo humano. Dentre todas as doenças vasculares destacam-se as varizes de membros inferiores, patologia que já afetava o povo do antigo Egito. Varizes de membros inferiores é uma complicação venosa relacionada a hereditariedade e a atividade laboral. Você que trabalha principalmente de pé ou horas e horas sentado tende a ter pré-disposição ao aparecimento de varizes.

Doenças venosas de membros inferiores não tratadas tornam-se fator de risco para complicações periféricas tais como: trombose venosa, tromboflebite superficial, feridas de perna e até embolia pulmonar. Se você sente fadiga, dor, inchaço nas pernas ou pernas inquietas, fique atento você poderá ter varizes em membros inferiores. Os sintomas não estão especificamente relacionados com varizes visíveis, sempre lançamos mão do ultrassom doppler venoso para elu-

DR. EDUARDO PEREIRA SAVI Cirurgia Vascular e Cirurgia Geral CRM/SC 17818 – RQE 14864 – RQE 14633

34

REVISTA LISTA DA SAÚDE

listadasaude.com.br


Revista Lista da SaĂşde

35


MEDICINA DO TRABALHO

CHECK-UP É IMPORTANTE? A importância da prevenção na redução da morbidade e mortalidade na saúde da população

A manutenção da saúde tem sempre um peso muito importante na vida da maioria das pessoas. Tanto que, ao desejarmos algo de bom para alguém no aniversário, ao iniciar um novo ano, ou em outro momento especial, desejamos: “muita saúde, o resto se resolve!!”. Porém, a consciência de que manter a saúde é responsabilidade de cada um, nem sempre existe.

colo do útero ou a detecção da hipertensão arterial). O acompanhamento e tratamento de indivíduos já portadores de doença clínica com o intuito de evitar complicações (por exemplo, a redução de colesterol em indivíduos sabidamente coronariopatas) constituem a prevenção terciária. O check-up, referido na literatura como Exame Periódico de Saúde, se encontra dentro das medidas de prevenção secundária, e pode ser explicado como um conjunto de testes diagnósticos aplicados de maneira racional com o intuito de se fazer o rastreamento de doenças ou condições mórbidas em indivíduos assintomáticos.

O valor de prevenir como instrumento de redução da morbidade e mortalidade nas populações é fato aceito por todos na comunidade científica. Na saúde, a prevenção pode se dar em vários níveis e é classificada em primária, secundária e terciária. A prevenção primária constitui dos cuidados tomados diante de um indivíduo assintomático, visando evitar o aparecimento de uma determinada condição (por exemplo, a vacinação de crianças e idosos). A prevenção secundária consiste na identificação e tratamento de pessoas assintomáticas, já portadoras de fatores de risco para determinada condição ou que já apresentem doença em fase pré-clínica (por exemplo, a realização da colpocitologia oncótica para a prevenção do câncer de

Porém, não é qualquer doença que é passível de triagem rastreio ou screening, como se diz na Medicina. E nem todo exame ou teste diagnóstico pode conferir segurança na realização de um diagnóstico precoce. Para ser passível de screening, uma doença ou condição mórbida precisa-se obedecer alguns critérios: a) Ter uma prevalência e incidência dignas de nota; b) Ter um

efeito significativo na qualidade ou na quantidade de vida; c) Ter um período assintomático durante o qual a detecção e o tratamento reduzam significantemente a morbidade e/ou a mortalidade; d) Disponibilidade de testes aceitáveis (inclusive quanto ao custo) para a detecção da condição em seu período assintomático. Na Medicina, se tem condições conhecidas para estas situações como: citopatológico de colo uterino em mulheres com vida sexual ativa, mamografia para mulheres acima de 50 anos, pesquisa de sangue oculto nas fezes e/ou colonoscopia conforme idade, história clínica do paciente e outras situações. Apesar destas considerações, é importante que se entenda que os dados necessários para a prevenção de determinada doença serão realmente determinados pela história clínica do paciente, exame físico e exames complementares capazes de resultar em boa efetividade, para que permitam ao paciente a segurança de realmente estar saudável. Então, é muito importante, confiar que o profissional que você escolheu para cuidar da sua saúde tem conhecimento e é capaz de escolher as melhores opções de cuidado possíveis para vigiar sua saúde, com tudo o que a ciência realmente provou ser efetivo. E, sabe aquela “chatice” que os médicos, os nutricionistas, os enfermeiros, os fisioterapeutas, e todos os envolvidos com saúde de qualidade falam, de que é necessário comer bem e correto, tome bastante água, faça exercícios, divertir-se, sorria, dance, descanse, para ter boa saúde? É verdade!!

DRA. GIANE MICHELE FRARE PECK Medicina do Trabalho CRM/SC 7254 | RQE 414

36

REVISTA LISTA DA SAÚDE

listadasaude.com.br


Revista Lista da SaĂşde

37


OTORRINOLARINGOLOGIA

COMO ENFRENTAR A DIFICULDADE PARA ENGOLIR A videoendoscopia da deglutição é o exame que permite que o comportamento das estruturas faríngeas seja analisado durante a deglutição de alimentos Deglutição – é a ação neuromuscular responsável pelo transporte do alimento da cavidade oral até o estômago. A deglutição normal dura de 3 a 8 segundos, necessita de 30 músculos e 6 pares de nervos cranianos para ocorrer. Ela ocorre em quatro fases: preparatória oral, oral de transporte, faríngea e esofágica. Crianças deglutem 600 a 1000 vezes por dia e adultos 2400 a 2600 vezes ao dia. A cada oferta alimentar, o alimento é propelido para o estômago a cada três deglutições.

Disfagia: é a dificuldade para deglutir/engolir. Disfagia Orofaringea: É a dificuldade para transportar o alimento da cavidade oral até sua passagem através da transição entre a faringe e o esôfago. A disfagia orofaríngea pode ocorrer por alterações mecânicas (alterações das estruturas orais, farínge-

as e esofágicas, trauma, divertículo faringoesofágico, câncer de cabeça e pescoço, etc.) ou neurológicas/degenerativas (esclerose múltipla, distrofia muscular, doença de Parkinson, Alzheimer, AVC, lesão medular, etc.)

Sintomas associados a disfagia: dificuldade de iniciar a

deglutição, saída de alimento pelo nariz, sensação de alimento parado na garganta, engasgos, tosse, pigarro e dificuldade respiratória

Complicações: Pneumonia aspirativa (comida ou líquido podem entrar na via aérea), Desnutrição e desidratação, Engasgo (incapacidade de respirar causada por bloqueio na garganta ou na traquéia) VIDEOENDOSCOPIA DA DEGLUTIÇÃO (VED) – é o

exame que avalia funcionalmente a

DR. ANDRÉ INOCÊNCIO CESA Otorrinolaringologia Geral Otorrinolaringologia Pediátrica CRM/SC 11430 | RQE 7070

38

REVISTA LISTA DA SAÚDE

listadasaude.com.br

deglutição através da observação do comportamento das estruturas faríngeas e laríngeas durante a deglutição de alimentos pastosos, líquidos e sólidos. É um exame endoscópico realizado pelo otorrinolaringologista, podendo ser acompanhado pela fonoaudióloga, com uso de alimentos sólidos, pastosos e líquidos em diversos graus de espessamento. Pode ser realizado em consultório, hospital ou no domicílio do paciente, não usa radiação e não apresenta contra-indicações. Está indicado para qualquer paciente que apresente dificuldade para deglutir, independentemente da enfermidade e da condição física do mesmo. A VED é o exame que permite a observação dos casos de aspiração de alimentos para a via aérea e a determinação do risco de complicações associadas a deglutição. Ela define a classificação do grau de disfagia, e orienta o planejamento do tratamento a ser realizado para cada paciente.


Revista Lista da SaĂşde

39


GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA

QUAL A HORA CERTA PARA O TRATAMENTO DE FERTILIZAÇÃO? A perda da fertilidade com o decorrer da idade é uma das preocupações de mulheres acima de 35 anos Esse é um assunto cada dia mais frequente nos consultórios de ginecologia, já que reflete as mudanças do papel feminino na sociedade e mercado de trabalho no decorrer do tempo. No período da II Guerra Mundial, quando os homens foram para os campos de batalha, as mulheres assumiram o trabalho deles. Além disso, com a descoberta e popularização do anticoncepcional oral (pílula), a mulher se torna capaz de controlar o número de filhos e quando tê-los. Estes dois fatos iniciam profunda mudança na sociedade. A incorporação da mulher de forma intensa na vida profissional, visando o sucesso da própria carreira e a busca pela estabilidade financeira ou o início tardio a uma vida afetiva que desperte o desejo de ter filhos. Seja a dificuldade de encontrar

um parceiro ou ainda pelo ingresso em um novo relacionamento estável, traz aos consultórios médicos, expressiva parcela de mulheres, acima de 35 anos, que ainda planejam ter filhos. Muitas acreditam que a ciência médica pode lutar contra a natureza e desfazer os efeitos do tempo – puro engano, pelo menos por enquanto. Observa-se que cada vez mais aumenta o interesse pelo efeito do envelhecimento na capacidade de ter filhos com pesquisas e novos tratamentos surgindo. Um assunto bastante comentado nos dias atuais é o congelamento de óvulos. Para dimensionar o assunto cito que algumas empresas, como a Apple e o Facebook, que oferecem o procedimento para as funcionárias nos Estados Unidos.

DRA. SANDRA MANENTI GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA CRM/SC 4740 | RQE 1897 / 1898

40

REVISTA LISTA DA SAÚDE

listadasaude.com.br

O período fértil feminino termina por volta dos 45 ou 50 anos, mas quando a mulher chega aos 30, a reserva de óvulos diminui significantemente”


Fertilidade x Idade As mulheres nascem com todos os óvulos que irão ter por toda vida – aproximadamente um ou dois milhões, mas apenas 500 amadurecem e podem ser fecundados. “O período fértil feminino termina por volta dos 45 ou 50 anos, mas quando a mulher chega aos 30, a reserva de óvulos diminui significantemente; aos 35 anos, ela já terá utilizado 90% da reserva. Após os 40, esse número diminui mais ainda, podendo chegar a apenas 3%”, Os homens continuam férteis por mais tempo, mas hoje se sabe que a fertilidade masculina também é afetada pela idade, só que gradualmente. Um simples ano pode fazer muita diferença quando a mulher está na casa dos 30 ou dos 40 anos. 

A orientação dos médicos é que deve-se esperar pelo menos um ano (com tentativas) para procurar ajuda especializada, porém a recomendação para mulheres de mais de 35 anos é diferente. Simultaneamente, a queda da fertilidade, por volta dos 35 anos há também aumento progressivo dos riscos durante a gestação, isto é, os números crescem quando se trata da chance de intercorrências como abortamento, pré-eclampsia, diabetes gestacional, parto prematuro. Além disso, é maior o surgimento de doenças crônicas como a HAS, Diabetes bem como de doenças uterinas como adenomiose e leiomioma, que impactam na fertilidade e risco gestacional.

Como saber se sou fértil? Avaliação da Reserva ovariana é o número de folículos em bom estado estocado nos ovários. É avaliada, fundamentalmente, pela dosagem sanguínea de quatro hormônios no 3o dia do ciclo menstrual: FSH, estrogênio, inibina-B e hormônio anti-mulleriano, além da ultrassonografia para contagem dos folículos antrais. “Esses exames não determinam os anos férteis que a mulher tem, mas oferecem um panorama de sua fertilidade”.

Chances reais por faixa etária: Dos 26 aos 30 anos

18% por mês de tentativa* 85% engravidam em até 1 ano

Dos 31 aos 35 anos

15% por mês de tentativa* 80% engravidam em até 1 ano

Dos 36 aos 40 anos

9% por mês de tentativa* 50% engravidam em até 1 ano

Dos 41 aos 42 anos

4% por mês de tentativa* 20% engravidam em até 1 ano

Dos 43 aos 45 anos

0,2% por mês de tentativa* 1% engravidam em até 1 ano

Em que casos o congelamento de óvulos é indicado?

• A idade ideal para recorrer ao procedimento é até os 35;

• Mulheres que têm diagnóstico de câncer e vão precisar se submeter a tratamento de quimio e radioterapia;

• Mulheres que têm histórico de menopausa precoce na família;

• Mulheres que, por motivos pessoais, querem adiar a gravidez. Como é o procedimento? Antes do procedimento, a paciente precisa ser submetida a uma série de injeções diárias de hormônio para promover o crescimento dos folículos. O tratamento dura entre 10 e 12 dias. Depois, a mulher recebe outra injeção para terminar de amadurecer os folículos. Até 36 horas depois, a equipe médica faz a aspiração dos folículos para coletar os óvulos. “A aspiração é feita em ambiente cirúrgico, com sedação. A coleta é feita por ultrassonografia transvaginal”. O processo, que inclui o procedimento e os medicamentos, pode custar de R$ 10 mil a R$ 18 mil. A taxa de manuten-

ção dos óvulos, que gira em torno de R$ 1,2 mil ao ano. Depois, ainda há gastos com o descongelamento, a formação do embrião e a fertilização. É importante lembrar que, mesmo assim, não há garantias de gestação.

MULHERES:

Preservem a fertilidade

• Para aumentar as chances de engravidar a mulher deve manter hábitos saudáveis, abandonar o tabagismo e o álcool, não ser sedentária e manter o peso saudável.

• Procure engravidar antes dos 35 anos principalmente se planeja ter mais filhos. - Se houver histórico familiar de menopausa precoce e ainda não puder engravidar, congele os óvulos. • Se estiver com idade próxima aos 35, com uma vida conjugal estável e não tiver filhos, o melhor momento ideal é este. Não adie mais, pois a fertilidade não estará melhor nos próximos anos.

• Se estiver com idade próxima aos 35 e se não houver perspectivas de um casamento em curto prazo, pense na possibilidade de congelar óvulos.

Revista Lista da Saúde

41


CAPA ESPECIAL

42

REVISTA LISTA DA SAÚDE

listadasaude.com.br


CAPA ESPECIAL

Revista Lista da Saúde

43


CAPA ESPECIAL

44

REVISTA LISTA DA SAÚDE

listadasaude.com.br


Revista Lista da SaĂşde

45


FISIOTERAPIA PÉLVICA

EXISTE TRATAMENTO PARA INCONTINÊNCIA URINÁRIA? A fisioterapia pélvica é considerada eficiente na prevenção e tratamento da incontinência urinaria, mostrando resultados significativos. A Sociedade Internacional de Continência (ICS) define a incontinência urinária (IU) como uma condição na qual ocorre a perda involuntária de urina. Possui grande prevalência na população feminina e masculina de idades distintas. O impacto que a condição causa nos pacientes vai além das questões de saúde e higiene, comprometendo o âmbito social, pessoal e emocional, prejudicando, consequentemente, a qualidade de vida. A IU é classificada em três principais tipos: A Incontinência Urinária de Esforço (IUE), quando ocorre perda de urina durante algum esforço que aumente a pressão intra-abdominal, como tosse, espirro ou exercícios físicos; a Urge-incontinência ou Incontinência Urinária de Urgência (IUU), caracterizada pela perda de urina acompanhada de forte sensação de urgência para urinar; e a Incontinência Urinária Mista (IUM), quando há

queixa de perda de urina associada a urgência e também a esforços. Entre os principais fatores de risco para o surgimento dos sintomas estão: idade, quantidade e tipo de parto, obesidade, menopausa, constipação, cirurgias pélvicas (histerectomia, prostatectomia), doenças crônicas, disfunções neurológicas, exercícios físicos intensos, fraqueza dos músculos do assoalho pélvico, uso de alguns tipos de medicamentos, entre outros.

TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO A Sociedade Internacional de Continência recomenda que a fisioterapia seja o tratamento de primeira escolha para a incontinência urinária. A fisioterapia se apresenta como um recurso terapêutico eficiente, sem incômodo ou risco,

compatível com outros recursos de tratamento. Os objetivos incluem aumentar a força, a resistência e a correta ativação dos músculos do assoalho pélvico (MAP), prevenir a evolução da incontinência urinária, ajudar a reduzir a frequência ou gravidade dos sintomas e prevenir ou retardar a necessidade de cirurgia. As condutas do tratamento fisioterapêutico mais utilizadas incluem o treino de propriocepção e de coordenação, cinesioterapia e treinamento muscular, além do uso de recursos terapêuticos como o biofeedback, eletroestimulação, uso de cones vaginas, e demais instrumentos/aparelhos que auxiliam na prevenção e tratamento dos pacientes. A fisioterapia pélvica tem mostrado importante eficiência no tratamento das incontinências urinárias, assim como, excelentes resultados na prevenção e reabilitação das diversas disfunções do assoalho pélvico.

DRA. SABRINA NARCIZO CAMILO Fisioterapeuta Pélvica Crefito 222566 | ABFP n° 0345

46

REVISTA LISTA DA SAÚDE

listadasaude.com.br


Revista Lista da SaĂşde

47


PNEUMOLOGIA

DA POPULAÇÃO BRASILEIRA AINDA É FUMANTE Ainda que esse número tenha caído de 35% em 1980 para 16% atualmente, o número de fumantes é considerado grande O tabagismo é considerado a maior causa de morte evitável no mundo, e, o cigarro mata metade das pessoas que o consomem. No Brasil, aproximadamente 200 mil pessoas ao ano morrem devido ao consumo de cigarro. O tabagismo, ou seja, o hábito de utilizar derivados do tabaco, é considerado uma doença relacionada ao consumo regular de nicotina, que é uma substância que tem o poder de causar dependência tanto física quanto psíquica através da liberação de substâncias no cérebro que causam sensação de bem estar e também, diversos efeitos colaterais. Além de ser uma doença, o tabagismo é uma doença pediátrica, já que mais da metade dos fumantes iniciam o hábito antes dos 18 anos, faixa etária em que existe maior risco de dependência de substâncias. Ao tragar um cigarro, a pessoa inala mais de 4500 substâncias conhecidas, que começam a ser absorvidas na boca e tem maior capacidade de entrarem no organismo - dentro do pulmão. Além disso, como uma parte da fumaça permanece no entorno da pessoa, ela continua respirando o ar com fumaça do cigarro, o que aumenta a carga das

substâncias ingeridas. O tabagismo é responsável por vários tipos de cânceres, entre eles, de boca, garganta, pulmão, esôfago, rins e bexiga, obstrução de veias e artérias, o que pode causar amputações, infartos do coração e acidentes vasculares cerebrais, impotência sexual masculina, perda de dentes, envelhecimento precoce da pele, entre outros. Além disso, é a principal causa da Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica, também conhecida pela sigla DPOC, que é composta por enfisema pulmonar e bronquite crônica, causa principal de falta de ar, internações, infecções respiratórias e necessidade de uso de oxigênio domiciliar. Sabe-se que mulheres que fumam têm maior risco de infertilidade, aborto, parto prematuro e de terem crianças com baixo peso ao nascer. Ainda, filhos de pais fumantes estão mais propensos a desenvolverem doenças respiratórias ainda na infância. Várias medidas têm sido adotadas no mundo e também no Brasil a fim de diminuir o consumo de produtos de nicotina (cigarros, charutos, fumo, etc.), como a proibição de fumar em locais públicos e locais fechados, a proibição das áreas onde se pode fumar (os anti-

DRA. FLÁVIA CORRÊA GUERRA Pneumologia

CRM/SC 11997 | RQE 9986

48

REVISTA LISTA DA SAÚDE

listadasaude.com.br

gos fumódromos), a limitação da propaganda e o aumento dos impostos. Essas medidas estão tendo sucesso em reduzir o número de pessoas que fumam e também o número de pessoas que começam a fumar. Atualmente, 16% da população brasileira é fumante. Na década de 1980, esse número chegava a 35%. Hoje em dia está se difundindo o uso do cigarro eletrônico e do narguilé, que, apesar do que muitos pensam, não é uma boa troca, pois também estão associados a alguns dos riscos citados acima, bem como outros ainda pouco conhecidos. Portanto, não vale a pena fazer essa troca ou se habituar a esse meio de fumo. A boa notícia é que com uma combinação de tratamentos é possível abandonar totalmente essa dependência. Para isso, se faz necessário uso de medicações (estão disponíveis medicamentos de uso oral, adesivos de nicotina, balas e chicletes de nicotina), técnicas cognitivo-comportamentais para vencer aquela vontade desesperada de fumar e uma boa dose de vontade de ter uma vida mais saudável. Consulte com um especialista, ele vai poder ajudá-lo na busca de uma vida mais saudável!


Revista Lista da SaĂşde

49


NUTRIÇÃO

QUAL É MELHOR DIETA PRA VOCÊ? A busca pela saúde está cada vez mais tomando força e a tendência é que as pessoas busquem pela forma mais prática de emagrecimento. Mas você sabe qual é a dieta ideal para você? Você já deve ter ouvido falar da dieta low-carb, cetogênica, dieta sem glúten e lactose, paleolítica, dieta do mediterrâneo, FODMAP, entre outras. Mas afinal, qual delas é a melhor? Depende. A melhor dieta é que faz com que você se sinta bem, que combina com suas preferências alimentares, que se encaixa na sua rotina, respeita suas intolerâncias/alergias e principalmente proporcione prazer ao se alimentar. O mais importante para ter sucesso na dieta é fazer com que ela não seja encarada como um desafio para chegar ao objetivo. Ela deve ser prazerosa, constituída com o que você gosta de comer e tem acesso (não somente ovos/salada/carne/alimentos caros), a nutrição vai muito além de cortar o carboidrato. Vamos relembrar, quantas vezes você seguiu uma “dieta da moda” restrita. Conseguiu segui-la por algum tempo, perdeu alguns quilos (nem sempre de gordura, muitas vezes de massa

magra também) e logo voltou a comer compulsivamente voltando a estaca zero? Preciso ser sincera com você: não existe dieta milagrosa, alimento emagrecedor e suplemento mágico. Não acredite em pessoas que tomam 5, 6 ou 10 manipulados da farmácia “X” ou “Y”, ou naquela cinta modeladora mágica que custa metade de um salário mínimo. Sabe o que realmente funciona? Balanço energético negativo (gastar mais calorias do que consumir), alimentos “In natura”, atividade física adequada. O Nutricionista é o profissional que vai construir um plano alimentar exclusivo com escolhas saudáveis e saborosas que se encaixem na sua rotina, fazendo com que você não siga uma dieta, mas um estilo de vida saudável, provando que é perfeitamente possível. Por exemplo, que tal trocamos aquele assado “integral” cheio de gordura (refinados e embutidos) por um empadão crocante de grão-de-bico?

REJANE SAVI MONDO NUTRICIONISTA CRN 6427

Pós Graduanda em Nutrição Funcional

50

REVISTA LISTA DA SAÚDE

listadasaude.com.br

Segue a receita:

2 xícaras de grão-de-bico cozido 2 colheres de sopa de manteiga 2 colheres de sopa aveia em flocos 1 ovo 2 colheres de sopa de água Bata todos os ingredientes em um processador até virar uma massa homogênea.

Sugestão para recheio: Frango desfiado, carne moída, legumes, atum, palmito... Use a criatividade.

Montando o empadão: • Unte uma forma e espalhe a massa formando a base • Coloque o recheio de sua prefe-

rência e cubra com o restante da massa

• Salpique gergelim por cima e leve ao forno pré-aquecido 180o por em média 30 minutos. Viu como é fácil tornar sua dieta saborosa? Você só vai precisar de dedicação e de um nutricionista que saiba qual é A MELHOR DIETA PRA VOCÊ.


Revista Lista da SaĂşde

51


GINECOLOGIA

LIBIDO:

ENTENDA COMO MELHORAR ENERGIA NA HORA “H”

Energia que provoca a prática sexual pode ser melhorada através de mudanças de hábito A Libido, que varia de indivíduo para indivíduo e também através da nossa vida, é considerada a energia que impulsiona a pessoa a praticar sexo, constitui a primeira fase na resposta sexual e se caracteriza por fantasias e pensamentos eróticos – capacidade de se imaginar fazendo sexo - sendo que a frequência baixa ou alta desses pensamentos irá ser problema no momento que causar sofrimento a você ou ao parceiro. O estudo da vida sexual do brasileiro coordenado pela Dra. Carmita Abdo Prosex do Hospital das Clínicas de São Paulo (2008 e 2016) avaliou diversas nuances do assunto na vida das brasileiras e constatou que 10 % das mulheres na pré-menopausa e 30% pós-menopausa sofrem de diminuição de libido, queixas cada vez mais comuns nas consultas ginecológicas e psiquiátricas. Apesar do sexo ser considerado essencial para os dois gêneros, a fre-

quência divergiu, enquanto as mulheres acham ideal ter pelo menos três relações por semana, o homem quer oito vezes. Enquanto os homens se preocupam em satisfazer as parceiras, elas se preocupam em estarem atraentes e não contrair doenças. A resposta sexual masculina é linear e depende mais dos hormônios do que a feminina, por serem estas, de resposta sexual circular, onde fatores extrínsecos ao ato são consideravelmente influentes ao desejo e ao orgasmo. A mulher melhora a resposta conforme o aumento da intimidade e estabilidade com o parceiro ou parceira., mas segundo a Dra. Carmita, enfrenta-se a 2° Revolução Feminina, já que se teve aumento de 14% das mulheres que fazem sexo casual, nos últimos 10 anos. Esta é a adaptação aos relacionamentos modernos. A mulher ainda precisa de atenção e carinho pra ofertar sexo, o homem precisa de sexo para ofertar atenção e carinho, no geral, é claro. O desejo masculino é mais físico visual, olfativo, gustativo, auditivo e uma vez desencadeado tende a uma boa resolução. Menos dependente de fatores externos e mais dependente da resposta da parceira ou parceiro. As mulheres de hoje, desempenham vários papéis em um só cenário e misturam os desejos maternais, familiares e profissionais com a vida sexual, deixando esta por último pois foram condicionadas culturalmente a nao dar a devida importância ao sexo.

A depressão, fatores neurológicos, culturais, religiosos, psiquiátricos, a idade, doenças clínicas, uso de medicações controladas, anticoncepcional, tratamentos hormonais, problemas familiares ou profissionais, insatisfação com o corpo, violência feminina, tudo isso também influencia na libido. O fator hormonal é determinante no homem para desencadear a resposta, mas para a mulher é mais complexo, os fatores psicológicos e as experiências influenciam mais, pequena parte das que possuem falta de libido se deve ao fator hormonal. Na menopausa, há diminuição do estrógeno, a lubrificação da vagina fica prejudicada e a hipotrofia da mucosa, provoca dor na relação sexual, diminuindo o desejo. A reposição hormonal aqui é considerada devido a importância da Libido a saúde sexual e a felicidade conjugal ou pessoal. Deve-se cuidar dela, praticando exercícios físicos e íntimos mantendo alimentação saudável, organizando melhor seu tempo entre lar, trabalho, colégio dos filhos, amigos e vida social para que essas tarefas não colidam com a intimidade do casal. Afastem os filhos do quarto, não vá para cama com celulares ou computadores, nem problemas que levem a discussão, se permitem um espaço para programas a dois e fantasie esses momentos. Conheça seu corpo, se toque, se olhe, mantenha a saúde íntima em dia, indo regularmente ao ginecologista e realizando os exames de rotina.

DRA. LORENA DA ROSA RODRIGUES Ginecologia e Obstetrícia CRM/SC 13527 | RQE 10278

52

REVISTA LISTA DA SAÚDE

listadasaude.com.br


Revista Lista da SaĂşde

53


UROLOGIA

VASECTOMIA: MÉTODO DE CONTRACEPÇÃO MASCULINA A vasectomia é o método indicado aos homens que não querem ter filhos. Urologista explica detalhes do procedimento A vasectomia é um procedimento cirúrgico de pequeno porte, eficiente e confiável, que tem como objetivo a esterilização masculina permanente. Ele é o método contraceptivo realizado através de uma pequena cirurgia com anestesia local em um ou dois pontos da bolsa escrotal, seguido da identificação e secção dos dois canais (dutos deferentes) que levam os espermatozóides até a uretra, evitando assim a gravidez. As taxas de falha da vasectomia, são menores que 1%. Contudo, é obrigatória a realização do exame do espermograma após três meses ou vinte ejaculações posteriores a cirurgia. A necessidade do exame é explicada pelo risco de gravidez logo após o procedimento, pois ainda são encontrados espermatozóides viáveis no duto acima do ponto operado. Vale lembrar que a vasectomia não altera o volume do sêmen nem tampouco a ereção ou libido masculina. As regiões responsáveis por essas funções não sofrem nenhum tipo de interferência durante a cirurgia. É um procedimento que deve ser encarado como algo definitivo. Apesar de existir técnicas cirúrgicas para reversão da vasectomia (vaso vasostomia ou vaso epididimostmia), estas são extremamente delicadas, com elevado custo e apresentam eficácia relativamente baixa. Principalmente em se tratando de homens que se submeteram a cirurgia

• O que é a vasectomia? A vasectomia é uma cirurgia simples, segura e indolor para que o homem não tenha mais filhos. • Quem pode ser submetido a vasectomia? Segundo a lei brasileira, homens com mais de 25 anos ou pelo menos dois filhos (as) podem ser submetidosr a cirurgia. • Após a cirurgia posso apresentar algum problema com ereção, alguma alteração no ejaculado ou doença relacionada?

há muitos anos. Assim, caso o homem, ou casal, opte pela vasectomia, é importante ter ciência disso. A orientação é que seja uma decisão conjunta de um casal de relacionamento estável e com prole constituída, de preferência com dois ou mais filhos. Os sintomas pós operatórios incluem, leve a moderado desconforto testicular e inchaço da bolsa escrotal. Em um número muito pequeno de pacientes pode ocorrer um inchaço importante da bolsa e hematoma (acúmulo de sangue) ou infecção da ferida cirúrgica, caso o paciente não realize os cuidados recomendados pelo cirurgião. Os homens submetidos ao procedimento devem realizar um repouso relativo por sete dias e cuidados locais básicos com a ferida, além de uso de analgésicos prescritos pelo seu urologista e bolsa de gelo nos primeiros dias.

Não. A cirurgia é feita com uma pequena incisão na bolsa testicular, longe da inervação e vascularização responsável pela ereção peniana. O volume do ejaculado permanece praticamente o mesmo, a única diferença é que o espermatozóide (célula que engravida) não estará mais no ejaculado. Não há associação da vasectomia com surgimento de doença em outros órgãos. • A vasectomia é reversível? Atualmente existe técnica cirúrgica capaz de reverter a vasectomia, porém nem todos os casos são bem sucedidos, por isso o casal deve ter certeza que não deseja mais filhos! •Após quanto tempo posso voltar as minhas atividades depois da cirurgia? Nos dias seguidos da cirurgia, as atividades habituais podem ser realizadas quase que integralmente. Devendo ser evitado esforço físico ou atividade sexual na primeira semana. Para o retorno aos esportes deve-se aguardar de sete a dez dias.

DR. PEDRO HENRIQUE MESSINA MEDEIROS UROLOGIA CIRURGIA GERAL

CRM/SC 24551 - RQE 15187 - RQE 15188

Médico pela Faculdade de Medicina de Teresópolis/RJ Cirurgião Geral pelo Hospital Federal do Andarai/RJ Urologista pelo Hospital Nossa Senhora de Lourdes (São Luíz) Jabaquara/SP

54

REVISTA LISTA DA SAÚDE

listadasaude.com.br


Revista Lista da SaĂşde

55


ACUPUNTURA MÉDICA

FISIATRIA E ACUPUNTURA: CONTRA DOR, PARA REABILITAR Fisiatria ou Medicina Física e Reabilitação é a área da Medicina responsável pelo tratamento de uma ampla variedade de doenças que causam algum grau de incapacidade, o que engloba desde casos mais leves como dores nas costas (lombalgia), tendinites, dores musculares até lesões mais graves como seqüelas de um “derrame” cerebral (Acidente Vascular Cerebral) e amputados. O objetivo é restabelecer as funções que estão prejudicadas pela doença utilizando múltiplos recursos e, muitas vezes, trabalhando em associação com outros profissionais de Saúde. O tratamento proposto pode envolver a prescrição de medicamentos, infiltrações (com anestésicos e corticóides para casos de dor ou toxina botulínica para casos de espasticidade), acupuntura, técnicas de agulhamento seco e indicação para fisioterapia, terapia ocupacional ou psicoterapia. Em resumo, o Médico Fisiatra é o clínico especialista em dor e reabilitação.

DOR MUSCULAR

Uma das condições tratadas pelo fisiatra é a dor muscular, muitas vezes negligenciada ou confundida com outras síndromes dolorosas, como as tendinites, bursites ou fibromialgia. Os músculos formam o maior órgão do corpo. Eles se recuperam rapidamente de um acometimento,

de contração muscular, denominada “twitch”, é desencadeada na introdução de uma agulha, sendo sinal típico da SDM. É uma técnica relativamente nova usada por médicos em todo o mundo como parte do tratamento complexo de síndrome dolorosa miofascial crônica.

ELETROACUPUNTURA

porém, ocasionalmente, desenvolvem uma área dolorosa, o Ponto Gatilho Miofascial, que pode ser definido como um local muito doloroso dentro de uma faixa tensa de tecido muscular. A presença do ponto-gatilho associado a uma disfunção caracteriza a Síndrome Dolorosa Miofascial (SDM). Comprovadamente, uma das mais eficazes formas de tratamento da Síndrome Dolorosa Miofascial é o agulhamento seco. O agulhamento seco utiliza uma agulha fina, tal como utilizada na Acupuntura, e depende da estimulação e de reações no tecido muscular para obter efeito terapêutico. A ocorrência

DR. SÉRGIO KOLOSZWA Medicina Física e Reabilitação Acupunturiatra CRM/SC 25609 | RQE 16148/16149

56

REVISTA LISTA DA SAÚDE

listadasaude.com.br

Outra técnica eficaz no tratamento da dor é a Eletroacupuntura (EA). É uma modalidade recente, utilizada para potencializar o efeito da Acupuntura em uma variedade de condições. Na EA, há uma passagem de uma corrente de pulso através dos tecidos do corpo por meio de agulhas de acupuntura, com fins de potencializar efeitos terapêuticos ou analgésicos. As agulhas estimulam as fibras nervosas no músculo, e podem ser mais eficazes se eletricamente estimuladas, visando produzir contrações musculares locais. Estas fibras nervosas acabam estimulando a liberação de peptídeos opioides nos centros de regulação da dor do corpo humano, e possuem ação analgésica importante. Os pontos de EA são semelhantes aos utilizados na Acupuntura Clássica Chinesa e produzem analgesia por maior tempo. O alívio da dor após terapia com EA pode reduzir a contratura muscular, permitindo a movimentação, melhorando a circulação local e estimulando o processo de cura.


Revista Lista da SaĂşde

57


PERIODONTIA

PLÁSTICA GENGIVAL PROCEDIMENTO RESPONSÁVEL PELO SORRISO MAIS BONITO E SAUDÁVEL Enxerto Gengival

Gengivoplastia

São dois os métodos para a realização da cirurgia, que são definidos de acordo com a necessidade do paciente

A Cirurgia plástica gengival engloba desde gengivoplastia ou gengivectomia até enxerto gengival. Gengivoplastia é um procedimento muito procurado por quem tem o sorriso gengival, que é uma característica de nascença, mas que pode acontecer se a gengiva ficar hiperplásica (crescer) por causa de alguma inflamação (gengivite) ou através do uso de algum medicamento. Gengivoplastia é o nome dado a cirurgia plástica, que corrige a gengiva e o sorriso, através da retirada do excesso de tecido gengival e reconstrução do contorno da gengiva ao redor dos dentes. Essa cirurgia é

recomendada para quem mostra mais a gengiva que os dentes ao sorrir, ou tem as gengivas muito grandes (chamado sorriso gengival) ou desalinhamento do contorno gengival.

Enxerto Gengival

As recessões teciduais são motivos de consultas frequentes nos consultórios odontológicos, pois provocam nos pacientes o medo de perda do dente e, ao mesmo tempo, um sentimento de aspecto antiestético. As recessões possuem várias causas como espessura óssea fina, má qualidade da espessura e altura do tecido

DRA. DANY PAULA FURLANETTO CIRURGIÃ DENTISTA ESPECIALISTA EM PERIODONTIA CRO/SC 5098

58

REVISTA LISTA DA SAÚDE

listadasaude.com.br

gengival, inflamação, dentes mal posicionados, freios e vestíbulo rasos, escovação traumática, próteses mal adaptadas, cirurgia, ortodontia, trauma oclusal e tabaco. Os tratamentos dados as recessões gengivais incluem retalhos posicionados coronalmente, retalhos deslocados, enxerto de tecido gengival livre, enxerto de tecido conjuntivo associado a outra técnica e técnicas de regeneração tecidual guiadas. O sucesso de uma cirurgia depende do controle dos fatores etiológicos, o tipo de lesão, a cirurgia executada corretamente e um pós-operatório correto.


Revista Lista da SaĂşde

59


DERMATOLOGIA

QUERATOSE ACTÍNICA: UM SINAL DE ALERTA PARA O CÂNCER DE PELE Como um sinal de que a pele já sofreu danos solares, placa avermelhada e escamosa alerta que o tratamento precisa ser feito A queratose actínica é uma lesão de pele causada pela exposição solar que se manifesta, principalmente, em forma de placa avermelhada e escamosa (as famosas “casquinhas” que não melhoram ao longo do tempo). Aparecem com mais frequência na face, orelhas, dorso das mãos, antebraços, ombros, colo, couro cabeludo de pessoas calvas ou em áreas do corpo expostas ao sol. Quando localizada no lábio denomina-se queilite actínica. É uma lesão de pele induzida principalmente pela radiação ultravioleta e constitui marcador de exposição solar crônica. Pessoas de pele clara, cabelos loiros ou ruivos e olhos claros (azuis ou verdes) são as mais suscetíveis de apresentar essas lesões. Normalmente afeta indivíduos de mais idade.

matologistas, mostrando que aquela pele já sofreu muito dano solar e deverá receber o tratamento necessário para evitar a progressão. Existem várias possibilidades de terapia que dependem do tamanho, local e número de lesões, como, por exemplo, cremes (ex.: 5-Fluracil, Imiquimod), peelings químicos, crioterapia, curetagem e eletrocoagulação, terapia fotodinâmica, remoção da lesão por cirurgia e encaminhado para exame anatomopatológico nos casos em que há outra suspeita clínica e dermatoscópica.

Por que devemos nos preocupar? A queratose actínica é considerada uma lesão pré-maligna, pois pode evoluir para o carcinoma espinocelular. Quanto maior o número de lesões, maior a chance de evoluir para um carcinoma. Portanto, é considerada um sinal de alerta para os der-

Dicas de prevenção: A proteção solar é a melhor estratégia para evitar queratose actínica. A Sociedade Brasileira de Dermatologia recomenda as seguintes medidas:

Usar chapéus, camisetas e

protetores solares.

Evitar exposição solar e permanecer na sombra entre 10h e 16h. Na praia ou piscina, usar barracas feitas de algodão ou lona, que absorvem 50% da radiação ultravioleta. As barracas de nylon formam uma barreia pouco confiável: 95% dos raios UV ultrapassam o material.

Usar filtros solares diariamente, incluindo dias

nublados e chuvosos, e não somente em horários de lazer e diversão.

Utilizar filtros que protejam contra radiação UVA e UVB e tenha um fator de proteção solar (FPS) 30, no mínimo e reaplica-lo a cada 3h. Observar regularmente a própria pele, a procura de lesões suspeitas.

Consultar um médico dermatologista uma vez ao ano, no mínimo, para exame completo.

DRA. LUCIANA LENTZ PEREIRA Dermatologia

CRM/SC 19607 | RQE 16093

Graduada pela Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC Residência médica em Dermatologia pelo Hospital Federal de Bonsucesso - RJ Especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia

60

REVISTA LISTA DA SAÚDE

listadasaude.com.br


Revista Lista da SaĂşde

61


GINECOLOGIA

INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE ESFORÇO NA MULHER Através de consultas, profissional da área tenta descobrir a presença de dilatação na região, a “bexiga caída”, deficiência hormonal, doenças neurológicas ou diabetes Incontinência urinária é toda perda involuntária de urina. Esta afecção acomete de forma importante a qualidade de vida, determinando limitações físicas, sociais e emocionais, inclusive quanto ao aumento significativo dos sintomas depressivos. A frequência na população aumenta com o avançar da idade. Alguns estudos mostram 20% a 30% das mulheres em período próximo a menopausa e 55% após ela. Entre os fatores de risco associados ao aparecimento da perda de urina aos esforços destacam-se a idade, a raça, o estado hormonal (pós menopausa), o índice de massa corpórea, o tabagismo e o número de gestações e cirurgias pélvicas. O impacto desta patologia é alto com infecções urinárias de repetição resultando em risco maior a saúde da mulher, além do comprometimento de sua qualidade de vida. Ao procurar o médico, a paciente será avaliada de forma ampla: observamos a presença de dilatação na região, a “bexiga caída”, a deficiência hormonal e até algumas alterações provocadas por doenças neurológicas e diabetes. A bexiga baixa relatada pelas pa-

cientes caracteriza a cistoce- le, que pode estar acompanhada de outros problemas como a retocele (dilatação da parte final do intestino) e enterocele (descida do útero). Quando temos esta junção de fatores, esclarecemos a necessidade de uma cirurgia corretiva. A perda de urina aos pequenos esforços, ou seja, ao tossir ou espirrar, é o estágio mais avançado e que gera cer-

DRA. DILVANIA NICOLETTI Ginecologia e Obstetrícia CRM/SC 12576 | RQE 9587

62

REVISTA LISTA DA SAÚDE

listadasaude.com.br

to incômodo a mulher. Este problema pode decorrer de fraqueza pélvica (músculos pélvicos hipotrofiados ou enfraquecidos), lesão perineal após partos difíceis e esforços físicos intensos de repetição ao longo da vida. O manejo no tratamento é feito com algumas abordagens: iniciamos a maioria dos casos leves a moderados com fisioterapia utilizando exercícios perineais como primeira opção e outros recursos com a reabilitação do assoalho pélvico incluindo biofeedback, eletrestimulação e cones vaginais. Temos o tratamento farmacológico oferecendo benefícios a um grupo de pacientes e o cirúrgico. O tratamento cirúrgico da incontinência urinária de esforço continua sendo um desafio. Disponibilizamos de várias técnicas com índices de sucesso parecidos. As cirurgias comslingssão são as mais realizadas no momento por serem menos invasivas e com pós-operatório considerado bem tolerado pelas pacientes. De modo geral, as taxas de sucesso dos slings giram em torno de 80% dos casos em pacientes acompanhadas após seis meses de cirurgia.


Revista Lista da SaĂşde

63


64

REVISTA LISTA DA SAĂšDE

listadasaude.com.br


Revista Lista da SaĂşde

65


INFORME PUBLICITÁRIO

UMA NOVA PROPOSTA DE ODONTOLOGIA

Por muito tempo essa área da saúde sofreu injúrias e mitos em relação aos tratamentos propostos, ocasionando nas pessoas que não buscam a verdade e o profissional correto problemas físicos e emocionais. O diagnóstico e tratamento preventivo, curativo, funcional e estético necessário para uma Odontologia de qualidade deve ser realizado sempre por profissionais capacitados e antenados com as necessidades individuais de cada paciente. Preocupada com essa individualidade, juntamente com as tendências e movimento em busca de mais informações para melhor qualidade de vida e beleza, desenvolvemos um trabalho juntamente com uma equipe especializada pensando cada vez mais na otimização de tempo, conforto e qualidade nos tratamentos propostos para nossos pacientes. Sou formada há 15 anos e durante meus primeiros oito anos de carreira atuei em diferentes cidades como Timbé do Sul, Criciúma, Meleiro, Araranguá e Turvo. Essa última, minha terra natal foi a que eu escolhi permanecer e centralizar todos os atendimentos. Duran-

66

REVISTA LISTA DA SAÚDE

te 12 anos minha empresa se chamou Odontoart, e esse ano, para repaginar, mudamos o nome para SULINGUE Odontologia Estética Funcional. A clínica tem o foco de Odontologia Integral, ou seja, realizamos atendimentos a toda família, independente da idade, bem como executamos todos os tratamentos funcionais estéticos compatíveis com a Odontologia. Também realizamos os atendimentos externos especiais para pacientes acamados e com

listadasaude.com.br

necessidades de intervenção hospitalar. Esse ano desenvolvemos um projeto chamado INTEGRAR: onde criamos a oportunidade que faltava para você, sua família, amigos e trabalho estarem integrados em um só lugar recebendo, promovendo e multiplicando sorrisos que sempre sonharam, vale a pena conhecer! Sendo especialista em Odontogeriatria, Implantes dentários, e pós graduada pelo instituto MARC de Miami-USA, em estética orofacial, deixo uma frase que considero lema de trabalho: DEVEMOS CONHECER O PASSADO, ENTENDER O PRESENTE PARA PREVENIR O FUTURO!! Diante dessa frase, nossa clínica trabalha todos os dias com, consultas personalizadas e planejamentos individuais para que cada pessoa receba seu diagnóstico e, se possível, com diferentes opções de tratamento. Acompanhe-nos pelas redes sociais: facebook.com/drasulingue instagram.com/dra.sulingue www.drasulingue.com.br AV. Municipal, no 1545 - Centro, Turvo (48) 3525.0082 | 99621.2800


Revista Lista da SaĂşde

67


68

REVISTA LISTA DA SAĂšDE

listadasaude.com.br


GUIA

SAÚDE

www.listadasaude.com.br

Revista Lista da Saúde

69


ACUPUNTURA Dr. Felipe Simioni dos Santos

Dr. Fabiano Coral Ceretta

Rua Luiz Coelho, 203 Sala 208 Centro, Sombrio/SC (48) 99182.1612 Rua Travessa Capaverde, 78 Centro, Torres/RS - Clínica Vila Saúde (51) 3664.1984

Rua Antônio de Lucca, 91 Pio Corrêa, Criciúma/SC - CardioClínica (48) 3413.9888

CRM/SC 13495 | CRM/RS 33408 | RQE 11874 Acupuntura - Clínico Geral

Dr. Sérgio Koloszwa

CRM/SC 25609 | RQE 16148/ 16149 Medicina Física e Reabilitação Acupuntura

Rua Augusto dos Anjos, 270 Pio Corrêa, Criciúma/SC - Salus Centro Médico (48) 3437.7885

CRM/SC 7838 | RQE 5659/10904 Cardiologia Ecocardiografia

Dr. Fabio Coelho

CRM/SC 13414 | RQE 8016/8018 Cardiologia Ecocardiografia Rua Antônio de Lucca, 91 Pio Corrêa, Criciúma/SC - CardioClínica (48) 3413.9888

ANESTESIOLOGISTA Dr. João Henrique Araújo

Dra. Louise C. Scheweitzer

Rua Vital Brasil, 455 Criciúma/SC Centro de Dor Criciúma (48) 3461.6141 | (48) 3461.6160

Rua Antônio de Lucca, 91 Pio Corrêa, Criciúma/SC - CardioClínica (48) 3413.9888

CRM/SC 15966 | RQE 10795 | RQE 13313 Anestesiologista Especialista em dor

CRM/SC 15068 | RQE 13029/14780 Cardiologia Pediátrica Ecocardiografia

CARDIOLOGIA Dr. André de Luca dos Santos

Dr. Luiz Humberto Marochi

Rua Antônio de Lucca, 91 Pio Corrêa, Criciúma/SC - CardioClínica (48) 3413.9888

Rua Antônio de Lucca, 91 Pio Corrêa, Criciúma/SC - CardioClínica (48) 3413.9888

CRM/SC 11807 | RQE 7679/6844 Cardiologia Clínica Médica

CRM/SC 17166 | RQE 10852/9186 Cardiologia Clínica Médica

CIRURGIA VASCULAR Dr. Cleriston da Silva Calheiros

Dr. Eduardo Pereira Savi

Rua Antônio de Lucca, 91 Pio Corrêa, Criciúma/SC - CardioClínica (48) 3413.9888

Rua Porto Alegre 930, sala 302, 3º andar Vila Moema, Tubarão/SC - Clínica Accóra (48) 3626.3460 | 98472.7064

Dr. Davi Coelho Gründler

Dr. Pedro Lucyk Junior

Rua Nereu Ramos, 800 Centro, Turvo/SC - Clínica Dr. Salvaro (48) 3525.3210 - 98847.9881

Rua Antônio de Lucca, 91 Pio Corrêa, Criciúma/SC - CardioClínica (48) 3413.9888

CRM/SC 19952 | RQE 16017/16268 Cardiologia 7 Clínica Médica

CRM/SC 13028 | RQE 9846 | RQE 9727 Cardiologista

70

REVISTA LISTA DA SAÚDE

listadasaude.com.br

CRM/SC 17818 | RQE 14864 | RQE 14633 Cirurgia Vascular Cirurgia Geral

CRM/SC 14253 | RQE 8156/10862 Cirurgia Geral Cirurgia Vascular


DERMATOLOGIA Dra. Clarissa Berti Nunes CRM/SC 11188 | RQE 8705 Dermatologia

Rua Cel. Pedro Benedet, 333, sala 1305 Centro, Criciúma/SC - Metropolitan Business Center (48) 3433.3452 | (48) 3433.3457

FISIOTERAPIA Dra. Sabrina Narcizo Camilo Crefito 222566 Fisioterapeuta Pélvica

Rua Caetano Lummertz, 265 Centro, Araranguá/SC - Clínica FisioSul (48) 3522.1995 | (48) 99643.7290

GASTROENTEROLOGIA Dra. Luciana Lentz Pereira CRM/SC 19607 | RQE 16093 Dermatologia

Rua Coronel Pedro Benedet, 288 Centro, Criciúma/SC - Clínica Bem Viver (48) 3433.3452 | (48) 3433.3457

Dra. Caroline Linhares

CRM/SC 16848 | RQE 13258/13800 Gastroenterologia Endoscopia Digestiva Rua Antônio de Lucca,50 Pio Corrêa, Criciúma/SC Clinigastro Medicina Integrada (48) 3431.9900 | (48) 3431.9999

Dr. Luiz Felipe Blanco

Dr. Michel Faraco

Rua Cel. Pedro Beneder, 505, sala 306 Centro, Criciúma/SC - Edifício Milenium (48) 3045.2569 Rua Caetano Lummertz, 456, sala 108 Centro, Araranguá/SC (48) 3524.5115

Avenida Estevão Emílio de Souza, 87 Ceará, Criciúma/SC - Clínica Mova (48) 3413-8808 Rua Antônio de Lucca, 50 Pio Corrêa, Criciúma/SC - Clinigastro (48) 3431.9999

CRM/SC 10544 | RQE 15836 Dermatologista

CRM/SC 8801 | RQE 6931 Gastroenterologia

GINECOLOGIA Dra. Julia Zanatta Lazzarin

Dra. Ana Claudia Zimmermann

Rua Coronel Pedro Benedet, 363, sala 401 Centro, Criciúma/SC (48) 3433.1228 | (48) 99632.7621 Av. Coronel João Fernandes, 68 Centro, Araranguá/SC - Policlínica Sul (48) 3522.0819 | (48) 3522.2483

Rua Augusto dos Anjos, 150 Pio Corrêa, Criciúma/SC (48) 3413.8547 | (48) 99900.5204 Rua Cruz e Souza, 73 Pio Corrêa, Criciúma/SC - Clínica Criar (48) 3433.1278 | (48) 3433.8866

CRM/SC 19936 | RQE 16198 Dermatologista

CRM/SC 19938 | RQE 14739 Ginecologia e Obstetrícia

ENDOCRINOLOGIA Dra. Karina Giassi

Dra. Charlane A. de J. Antunes

Rua Augusto dos Anjos, 270 Pio Corrêa, Criciúma/SC - Salus Centro Médico (48) 3437.7885

Rua Coronel Pedro Benedet 190, sala 211 Criciúma/SC - Catarina Gaidzinki Trade Center (48) 3045.2227 Rua 15 de Novembro, 220 Centro, Içara/SC - Cliniçara (48) 3432.5636

Dra. Letícia Soares Boing

Dra. Dilvania Nicoletti

Rua Antônio de Lucca, 91, sala 504 Criciúma/SC (48) 3045.7300 Av. Marcolino Martins Cabral, 2075 Provida Complexo Médico (48) 3631.1500

Rua Augusto dos Anjos, 270 Pio Corrêa, Criciúma/SC - Salus Centro Médico (48) 3437.7885

CRM/SC 20075 | RQE 16313 | RQE 15673 Endocrinologia e Metabologia Clínica Médica

CRM/SC 18912 | RQE 14674 Endocrinologia Pediátrica

CRM/SC 1761 | RQE 13261 Ginecologista e Obstetrícia

CRM/SC 12576 | RQE 9587 Ginecologia e Obstetrícia

Revista Lista da Saúde

71


Dra. Elisa Simionato Alban

Jaqueline V. Gründler

Rua Augusto dos Anjos, 400 Pio Corrêa, Criciúma/SC - CliniCom (48) 3430.0604 | (48) 3045.2037 | (48) 99153.0305

Rua Nereu Ramos, 800 Centro, Turvo/SC - Clínica Dr. Salvaro (48) 3525.3210 - 98847.9881

CRM/SC 19155 | RQE 10794 Ginecologia e Obstetrícia Endoscopia Ginecológica

CRN/SC 10 3325 | RQE 11684 Nutricionista

Dra. Lorena Silva da Rosa

Natana Angelino

Av. Sete de Setembro, 2277 Centro, Araranguá/SC (48) 3524.0585 | (48)99619.9085

Rua Teodoro Rodrigues de Oliveira, 606 Centro, Sombrio/SC - Clínica La Vie (48) 3533.4085 | (48) 99621.9430

CRM/SC 13527 | RQE 10278 Ginecologia e Obstetrícia

CRN/SC 3734 Nutricionista

Dra. Sandra Manenti

Rejane Savi Mondo

Av. Municipal, 1182 Centro, Turvo/SC (48) 3525.0504

Rua Silveira Junior, 23 Centro, Araranguá/SC (48) 99910.0560

CRM/SC 4740 | RQE 1897 / 1898 Ginecologia e Obstetrícia

MEDICINA DO TRABALHO

CRN/SC 6427 Nutricionista

ODONTOLOGIA

Dra. Giane Michele Frare Reck

Dra. Dany Paula Furlaneto

Av. Municipal , 1182 Centro, Turvo/SC (48) 3525.1055

Av. Municipal, 1182 sala 02 Centro, Turvo/SC (48) 3525.0789 | (48) 99102.2585 Av. Sete de Setembro, 2363 Centro, Araranguá/SC (48) 35242015

CRM/SC 7524 | RQE 414 Medicina do Trabalho

CRO/SC 5098 Cirurgiã Dentista Especialista em Periodontia

NEUROLOGIA Dra.Tamiris Dal-Bó Martinello RQE 15020 | RQE 16153 Neurologia Adulto | Neurofisiologia Clínica

Rua Augusto dos Santos, 270 Pio Corrêa, Criciúma/SC - Salus Centro Médico (48) 3437.7885 Rua Nereu Ramos, 800 Centro, Turvo/SC - Clínica Dr. Salvaro (48) 3525.0924

Dra. Laís Miglioransa

CRO/SC 16305 Cirurgiã Dentista

Rua: Frei Gregório Dal Monte, 950 Centro, Turvo/SC (48) 3525.3083 | 3525.3684 | 99107.8431| 99991.3736

NUTRICIONISTA Laura Casteller Pescador

CRN 10 2326 Nutrição Funcional e Fitoterapia

Av. Municipal , 1182 Centro, Turvo/SC (48) 99926.9415 | (48) 99947.5647

72

REVISTA LISTA DA SAÚDE

listadasaude.com.br

Dr. Rodrigo Matos

CRO/SC 6949 Cirurgião Dentista Especialista em Ortodontia e Ortopedia Facial


OFTAMOLOGIA Dr. Jetender Singh Kalsi

Dra. Juliana Dal Ponte

Rua: Frei Gregório Dal Monte, 950 Centro, Turvo/SC (48) 3525.3083 | 3525.3684 | 99107.8431| 99991.3736

Rua Antônio de Lucca, 50 Pio Corrêa, Criciúma/SC Clinigastro Medicina Integrada (48) 3431.9999

CRM/SC 7826 | RQE 14663 Oftamologia

CRM/SC 19072 | RQE 10913 | RQE 11816 Pediatria Oncologia Pediátrica

ORTOPEDIA Dr. Murilo Romancini Daleffe

Dra. Jussara Baggio Pereira

Rua João Cechinel, 368 Pio Corrêa, Criciúma/SC - Osteoclínica (48)3081.9860 | 3081.9861 | 3437.1788 | 99154.1788

Rua Jacob Batista Uliano Centro, Braço do Norte (48) 3658.6464

CRM/SC 17789 | RQE 12881| TEOT 14605 Ortopedia e Traumatologia Ortopedia Pediátrica

CRM/SC 22384 | RQE 16080 Pediatria

OTORRINOLARINGOLOGIA Dr. André Inocêncio Cesa

Dra. Monique Saviato

Rua Nereu Ramos, 1200 Centro, Turvo/SC - Hospital São Sebastião (48) 3525.0333 Rua Vital Brasil, 295 Cruzeiro do Sul, Criciúma/SC - Anexo Sul Clínicas (48) 3437.5320 |98444.7978

Rua: Nereu Ramos, 800 Centro, Turvo/SC - Clínica Dr. Salvaro (48) 3525.3210 Rua: Nereu Ramoos, 1200 Centro, Turvo/SC - Hospital São Sebastião (48) 3525.0924

CRM/SC 11430 | RQE 7070 Otorrinolaringologia Geral| Otorrinolaringologia Pediátrica

CRM/SC 19953 | RQE 15593 Pediatra

PNEUMOLOGIA Dr. Adriano Locks

Dr. Ricardo Thadeu Carneiro

Rua Antônio de Lucca, 165, sala 204 Pio Corrêa, Criciúma/SC - Edifício Vitale (48) 3437.5443 | (48) 3433.6121

Rua Mário de Andrade, 106 Pio Corrêa, Criciúma/SC Center Clínicas Anexo Cliniimagem (48) 3478-7373

Dr. Rafael Burigo Locks

Dra. Flávia Corrêa Guerra

Rua Antônio de Lucca, 165, sala 204 Pio Corrêa, Criciúma/SC - Edifício Vitale (48) 3437.5443 | (48) 3433.6121

Rua Praça Hercílio Luz, 678 Centro, Araranguá/SC - Clínica Ceretta (48) 3524.0042

CRM 2.161 | RQE 3.231 Otorrinolaringologia

CRM 12.944 | RQE 9.210 Otorrinolaringologia

PEDIATRA Dra. Ana Paula Trombin

CRM/SC 11589 | RQE 7672 | RQE 7673 Pneumologia Clínica Médica

CRM/SC 11997 | RQE 9986 Pneumologia

UROLOGIA Dr. Pedro Henrique Medeiros

CRM/SC 19707 | RQE 14610 Pediatra

CRM/SC 24551 | RQE 15187 | RQE 15188 Urologia e Cirurgia Geral

Rua Marechal Deodoro, 234 Centro,Criciúma/SC - Clínica Sesi (48) 3431-9821 Rua Teodoro Rodrigues de Oliveira, 603 Centro - Sombrio/SC - La Vie Centro Clínico (48) 3533-4085 | (48) 99621-9430

Rua Nereu Ramos, 1200 - Hospital São Sebastião Centro, Turvo/SC - (48) 3525.0333 Rua São Judas Tadeu, 120 - Hospital São Judas Tadeu Centro, Meleiro/SC - (48)3537.8600 Rua Padre Antônio Luiz Dias, 81 - Cepaas Saúde Centro, Araranguá/SC - (48) 3522.0003

Revista Lista da Saúde

73


74

REVISTA LISTA DA SAĂšDE

listadasaude.com.br


Revista Lista da SaĂşde

75


76

REVISTA LISTA DA SAĂšDE

listadasaude.com.br

Profile for listadasaudeoficial

REVISTA LISTA DA SAÚDE - EDIÇÃO 3  

REVISTA LISTA DA SAÚDE - EDIÇÃO 3  

Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded