LIFESAVING 23

Page 1

Indice

1


EDITORIAL

FICHA TÉCNICA DIRETOR E EDITOR-CHEFE Bruno Santos

Caríssimos leitores,

CO-EDITOR-CHEFE Pedro Lopes Silva

É no pico da Pandemia que nos assola há já 2 anos que esta equipa editorial se mantem focada a lançar mais uma edição da Lifesaving.

EDITORES ASSOCIADOS MINUTO VMER Isabel Rodrigues PÓSTER CIENTÍFICO Ana Isabel Rodrigues André Abílio Rodrigues Solange Mega NÓS POR CÁ Catarina Tavares FÁRMACO REVISITADO Catarina Monteiro JOURNAL CLUB Ana Rita Clara O QUE FAZER EM CASO DE André Abílio Rodrigues CUIDAR DE NÓS Sílvia Labiza EMERGÊNCIA INTERNACIONAL Eva Motero Rúben Santos ÉTICA E DEONTOLOGIA Teresa Salero LEGISLAÇÃO Ana Agostinho Isa Orge CARTAS AO EDITOR Catarina Jorge Júlio Ricardo Soares TERTÚLIA VMERISTA Nuno Ribeiro MITOS URBANOS Christian Chauvin VOZES DA EMERGÊNCIA Ana Vieira Rita Penisga Solange Mega UM PEDACINHO DE NÓS Ana Rodrigues Teresa Castro TESOURINHOS VMERISTAS Pedro Oliveira Silva CONGRESSOS VIRTUAIS Pedro Oliveira Silva INSTANTÂNEOS EM EMERGÊNCIA MÉDICA Solange Mega Teresa Mota BEST SITES Bruno Santos

Quando pela primeira vez a OMS refere que o final da pandemia poderá não passar deste Inverno, acendem-se as luzes no final do túnel dando esperança e um sentido de dever cumprido a todos aqueles que de uma maneira ou de outra têm travado esta luta com a COVID-19. Desde o trabalho em si, até à produção de estudos e investigação científica, tem sido um esforço sem precedentes, do qual nos orgulhamos de fazer parte, com a produção da nossa revista. Neste número destacamos a rubrica “Emergência Internacional” em que Francisco Gomez, um Enfermeiro de UCIP que também é fotógrafo, nos traz um olhar diferente sobre a pandemia. A eficiência de comunicação entre meios de emergência é apresentada no “Nós e os outros” , com a otimização da comunicação CODU-Meios e discutida no “Journal Club” com novas tecnologias utilizadas noutros Países. A Pediatria volta a assumir destaque na nossa revista, com dois artigos: o triangulo de avaliação pediátrico, dirigido aos profissionais no terreno, relatado no “Minuto VMER” e “O que fazer em caso de convulsão”, dirigido à população. Na rubrica “Nós por cá”, enquanto preparamos a chegada da Ecografia clínica ao pré-hospitalar, tivemos o prazer de receber estágios do Erasmus Mundus na nossa VMER. O Enfermeiro Nuno Ribeiro lança a discussão do upgrade para o Lifepack 15 na nossa “Tertúlia Vmerista”. Mais uma vez, não me canso de agradecer a todos aqueles que tornam o lançamento desta revista possível, especialmente nestes momentos excecionalmente conturbados das nossas vidas profissionais Bem hajam.

Pedro Lopes Silva

CO-EDITOR-CHEFE Enfermeiro VMER pgsilva@chalgarve.min-saude.pt

BEST APPS Pedro Lopes Silva ILUSTRAÇÕES João Paiva FOTOGRAFIA Pedro Rodrigues Silva Maria Luísa Melão Solange Mega AUDIOVISUAL Pedro Lopes Silva DESIGN Luis Gonçalves (ABC) PARCERIAS

Momentos de inspiração

“O conhecimento é como as velas: quando uma é usada para acender a outra, não diminui a luz da primeira; pelo contrário, tudo se torna mais luminoso.”

Thomas Jefferson (1746-1826) Político americano, 3.º presidente dos Estados Unidos da América, redigiu a Declaração de Independência. Periodicidade Trimestral

Indice

Linguagem Português ISSN 2184-1411 2

Propriedade: CENTRO HOSPITALAR UNIVERSITÁRIO DO ALGARVE Morada da Sede: Rua Leão Penedo. 8000-386 Faro Telefone: 289 891 100 | NIPC 510 745 997


Indice

3


Indice

4


ÍNDICE

13 17 21 23 27 31 35 50

53 57 59

MINUTO VMER

Triângulo Pediátrico – Ferramenta de Avaliação Rápida e Eficaz PÓSTER CIENTÍFICO

A eficácia da administração do Ácido Tranexâmico em vítimas de trauma FÁRMACO REVISITADO

Noradrenalina

JOURNAL CLUB

Accionamento Telefónico para SBV-DAE O QUE FAZER EM CASO DE

Convulsão em Idade Pediátrica CUIDAR DE NÓS

Os Programas de Vigilância nos Cuidados de Saúde Primários NÓS E OS OUTROS

Otimização da comunicação entre CODU e meios de Emergência no terreno EMERGÊNCIA INTERNACIONAL

Pandemia: O Olhar Através de uma Lente TERTÚLIA VMERISTA

"Upgrade para Monitor/Desfibrilhador Lifepak 15 na VMER, qual a melhoria mais significativa na tua opinião?" NÓS POR CÁ

A Chegada da Ecografía Clínica à Emergência Pré-Hospitalar do Algarve NÓS POR CÁ

Erasmus Mundus Master Course in Emergency and Critical Care Nursing UM PEDACINHO DE NÓS

Pedro Lopes Silva

63

INSTANTÂNEOS EM EMERGÊNCIA MÉDICA

64

TESOURINHO VMERISTA

64

CONGRESSOS E CURSOS

65

FRASE MEMORÁVEL

66

BEST SITES

67

BEST APPS

69

PÁGINAS ABC

74

PÁGINAS APEMERG

77

CRITÉRIOS DE PUBLICAÇÃO

80

ESTATUTO EDITORIAL

5

Indice

09


Indice

6


Indice

7


Indice

8


MINUTO VMER

MINUTO VMER

TRIÂNGULO PEDIÁTRICO – FERRAMENTA DE AVALIAÇÃO RÁPIDA E EFICAZ Rodrigo Mendes1 1

. Médico Interno de Formação Específica em Medicina Geral e Familiar. USF Ossónoba – Faro

INTRODUÇÃO

de ambulância, enfermeiros ou

Reflete a ventilação,

O Triângulo Pediátrico, criado com

médicos) em contatos pouco

oxigenação, perfusão cerebral,

apoio da Academia Americana de

frequentes com crianças em estado

homeostase e a função do

Pediatras (AAP) em 2000, tornou-se

crítico, que levou à necessidade de

sistema nervoso central.

pedra basilar na avaliação

criação do triângulo pediátrico.

pré-hospitalar, tendo sido incorporado

Este método usa apenas sinais

inclusivamente nos programas de

visuais e auditivos, sem

avaliado por sons anormais da

emergência e suporte de vida

necessidade de equipamento, e

via aérea (ressonar, sons

avançado pediátrico. É uma

demora cerca de 30 segundos a ser

abafados ou rouquidão, estridor,

ferramenta observacional rápida e

aplicado. É constituído por 3

gemido, sibilos), posição anormal

simples, independente da presença/

componentes: Aparência, Trabalho

(preferência pela posição

conhecimento de sintomas ou

Ventilatório e Perfusão Cutânea,

sentada, “sniffing position”

diagnóstico subjacente, com

fornecendo o status cardiopulmonar

– extensão cervical ligeira, tripé)

estandardização da abordagem inicial.

e a função cerebral/metabólica. É o

tiragem (supraclavicular,

primeiro passo na resposta a 3

intercostal ou subesternal,

Atualmente a abordagem a crianças

perguntas críticas: (1) quão severo é

balanceamento da cabeça) e

de todas as idades em regime de

o quadro; (2) qual a anormalidade

adejo nasal (inspiração). Reflete

emergência inclui 4 passos

fisiológica subjacente; e (3) qual a

a compensação ao stress

sequenciais, iniciando com (1) a

urgência do tratamento.

cardiopulmonar.

O Trabalho Ventilatório é

observação geral (onde se aplica o triângulo pediátrico), (2) avaliação

O Aspeto inclui o tónus

No que concerne à Perfusão

primária/fisiológica (ABCDEs), (3)

(movimentos espontâneos,

cutânea, pode haver palidez (pele

avaliação secundária/anatómica e (4)

resiste à exploração, sentado/

ou mucosas), marmoreamento

avaliação diagnóstica/terciária. Na

pé), a interatividade (alerta/

(descoloração cutânea por vários

abordagem da criança em estado

atento, interação com cuidador/

graus de vasoconstrição) e

crítico existe um comprometimento

clínico, explora o meio/

cianose (periférica ou central).

da avaliação física e respetiva

brinquedos), a capacidade de

Reflete o débito cardíaco e a

cooperação (da criança e cuidadores),

consolo (ao ser confortado pelo

perfusão de órgãos vitais.

dificuldade na avaliação/

cuidador e resposta diferente

interpretação dos parâmetros vitais,

com o examinador), olhar

atendendo à variação com a idade e a

(contato ou segue) e o discurso/

falta de experiência pelos clínicos da

choro (adequado/vigoroso).

9

Indice

emergência pré-hospitalar (tripulantes


APARÊNCIA

TRABALHO VENTILATÓRIO

Tónus

Sons anormais da via aérea

Interatividade

Posição anormal

Consolo/Olhar Discurso/Choro

PERFUSÃO Palidez Marmureamento Cianose

Figura 1. Triângulo de Abordagem Pediátrica, adaptada de “The Pediatric Assessment Triangle: Accuracy of its Aplication by Nurses in the Triage of Children”

Componente

Estável

Dificuldade Respiratória

Insuficiência Respiratória

Choque Descompensado

Disfunção metabólica/SNC

Falência Cardiopulmonar

Aparência

-

-

Alterado

(In)Alterado

Alterado

Alterado

Trabalho Ventilatório

-

Alterado

Alterado

-

-

Alterado

Perfusão

-

-

(In)Alterado

Alterado

-

Alterado

Quadro I – Interpretação dos achados. Adaptado de “The Pediatric Assessment Triangle: A novel approach for the rapid evaluation of children”

Impressão Geral

Estabilização/intervenção imediata

Dificuldade Respiratória

Posição de conforto, O2/aspiração se necessário, terapêutica dirigida (salbutamol, adrenalina…)

Insuficiência Respiratória

Extensão cervical com abertura da via aérea, O2 a 100%, ventilação com máscara e/ou remoção de corpo estranho se necessário, entubação se necessário

Choque (des)Compensado

Criar acesso venoso, iniciar ressuscitação com fluídos, O2 se necessário, terapêutica dirigida (antibiótico, trauma, disritmias…), análises/imagem se necessário

Disfunção metabólica/SNC

Oximetria e O2 se necessário, glicemia, considerar outras etiologias, análises/imagem se necessário

Falência Cardiopulmonar

Extensão cervical com abertura da via aérea, O2 a 100%, ventilação com máscara, compressões torácicas, terapêutica dirigida (desfibrilhação, epinefrenia, amiodarona…), análises/imagem se necessário

Indice

Quadro II – Impressão geral e a intervenção imediata. Adaptado de “Paramedics Accurately Apply the Pediatric Assessment Triangle to Drive Management”

10


MINUTO VMER

Permite perceber o timing ideal de

idade, permitindo uma avaliação

tratamento e o rápido início de terapia

rápida e global, determinando a

Usefulness of the Pediatric Assessment Triangle in

lifesaving quando indicada, sem

categoria etiológica e assim

emergency settings. J Pediatr (Rio J).

atraso. Inicialmente distinguindo se é

clarificando a abordagem inicial.

2017;93:60-7

um estado estável ou instável, e

Serve também para estandardização

dentro dos quadros instáveis permite

da linguagem e é uma métrica

Adults: Utilizing the Pediatric Triangle with the

saber se há risco de vida ou não.

consistente em reavaliação da

Classic ABCD Approach to Assess Pediatric

Categorizando a anormalidade

criança gravemente doente

Patients. Cureus March 26, 2020; 12(3): e7424.

fisiológica subjacente, se houver

ou ferida

DOI 10.7759/cureus.7424

9.

10.

Fernandez A, Benito J, Mintegi S., Is this child sick?

Walker A, Hanna A., Kids Really Are Just Small

alteração em pelo menos um dos parâmetros, em 6 categorias major: 1 – esforço respiratório, 2 – falência respiratória, 3 – choque compensado, 4 – choque descompensado/

BIBLIOGRAFIA

hipotensivo, 5 – disfunção nervosa

1.

Dieckman R., Gausche-Hill M., The Pediatric

central/metabólica, 6 – falência/

Assessment Triangle: A novel approach for the

paragem cardiovascular; que

rapid evaluation of children, Pediatric Emergency

condiciona a escolha da terapia de

Care 2010;26: 312-315

suporte como oxigenoterapia, suporte

2.

Jayashree M., Singhi S., Initial Assessment and

ventilatório, acesso venoso e

Triage in ER, Indian Journal of Pediatrics, 2011,

ressuscitação com fluídos,

78(9):1100–1108

medicação de emergência e início de

3.

suporte básico de vida.

Horeczko T. et al, The Pediatric Assessment Triangle: Accuracy of its Aplication by Nurses in the Triage of Children, Journal of Emergency Nursing

Esta ferramenta já foi avaliada em 4.

Horeczko T., Gausche-Hill M., The Pediatric

validade em aplicação na triagem por

Assessment Triangle: a powerful tool for the

equipas de enfermagem tal como de

prehospital provider, Journal of Paramedic Practice,

paramédicos, sendo preditivo do

2010;3:20-5

status clínico da criança e no seu

5.

Gausche-Hill M., Eckstein M., Horeczko T., et al.,

seguimento na urgência ou em

Paramedics Accurately Apply the Pediatric

situações de pré-hospitalar,

Assessment Triangle to Drive Management,

identificando com facilidade os sinais

Prehospital Emergency Care 2014, 18:4, 520-530

de alarme presentes, principalmente

6.

Ryan E., Pediatric Emergencies, Critical Care

quando a colheita da anamnese está

Nursing Clinics of North America 2015;

indisponível ou limitada. Deve ser

27:105–120

usada em conjunto com outras

7.

Assessment Approaches for Emergency Medical

utilização na abordagem inicial. Ainda

Services for Children. Pediatrics.2016;138(6)

é necessária validação clínica pelo

:e20161073 8.

ISABEL RODRIGUES Médica VMER CODU

Fuchs S, Terry M, Adelgais K, et al., Definitions and

ferramentas, mas é seguro a sua

uso por pediatras ou outros médicos,

EDITORA

REVISÃO

Fernández A., Ares M., Garcia S. et al, The

visto que há pouca evidência.

Validity of the Pediatric Assessment Triangle as

Portanto, o triângulo pediátrico,

the First Step in th Triage Process in a Pediatric

otimiza os primeiros segundos de

Emergency Department, Pediatric Emergency

contato com a criança de qualquer

Care 2016, 00: 00-00

COMISSÃO CIENTÍFICA

11

Indice

termos de precisão, fiabilidade e

2013;39:182-9


A EFICÁCIA DA ADMINISTRAÇÃO DO ÁCIDO TRANEXÂMICO EM VÍTIMAS DE TRAUMA RESUMO recorrentes em todo o mundo. A utilização do Ácido Tranexâmico veio demonstrar As situações de trauma com hemorragias associadas, são um dos fenómenos bastante de vítimas. O Enfermeiro Especialista em Enfermagem Médico-Cirúrgica – A ser um tratamento de eleição e indispensável para a sobrevivência de um maior número prestação de cuidados e gestão de cenários de trauma. Pessoa em Situação Critica, reveste-se de um papel fulcral no planeamento, formação, (7) Taxas de mortalidade do estudo 3

INTRODUÇÃO

16,30%

A hemorragia é uma das principais causas de morte evitável no trauma. Uma rápida identificação e tratamento são primordiais para a sobrevivência das vítimas(1). Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) a taxa de mortalidade por trauma, nos últimos anos, é cerca de cinco milhões de pessoas, o que corresponde a 9% de todas as causas de morte no mundo(2,3). A hemorragia associada a lesões traumáticas, quando não tratada atempadamente, pode conduzir a um choque hipovolémico, pelo que o seu controlo é a chave para a sobrevivência de um maior número de vítimas(4). O ácido tranexâmico [TXA], amplamente usado em contexto de trauma, é um fármaco anti-hemorrágico e antifibrinolítico, utilizado para neutralizar o sistema de fibrinólise cujos benefícios constituem uma área de interesse crescente não só por profissionais de saúde como por investigadores(5).

Pergunta de investigação: Qual a eficácia da administração do Ácido Tranexâmico em vítimas de trauma? Objetivo: Determinar a eficácia do Ácido Tranexâmico em vítimas de trauma.

MATERIAIS E MÉTODOS A pesquisa foi realizada nas bases de dados EBSCO, tendo sido usados como descritores “TXA”, AND “Trauma” e NOT “Pediatric”. Como critérios de inclusão considerámos indivíduos com idade superior a 18 anos, texto completo, analisado por especialistas e com data de publicação 2015-2020. No final, após processo de análise foram selecionados 3 artigos.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Mortalidade às 24h Mortalidade às 48h Mortalidade aos 28 dias

Estudo 2(3) n= 560 Sem TXA Com TXA n= 280 n= 280

1,9%

3,6%

1,1%

1,1%

2,8%

4,4%

1,1%

1,4%

3,6%

8,3%

1,1%

5%

1

3

4

7

4

8

9

12

Transfusão componentes sanguíneos Dias de internamento hospitalar Tabela 1. Análise dos estudos (3,6)

Indice

Em ambos os estudos(3,6) verificou-se um decréscimo da mortalidade aos 28 dias, da necessidade de transfusão de componentes sanguíneos e do tempo de internamento hospitalar nos doentes que foram submetidos à administração do TXA, demonstrando uma eficácia na sua administração.

12

16,00%

12,40%

14%

12,00% 8,00%

5,80%

4,00% 0,00%

Com TXA n= 280

Taxa mortalidade às Taxa mortalidade aos 30 dias 24 h

Sem TXA n= 280

Gráfico 1. Análise da taxa de mortalidade do estudo 3

(7)

(7) constatou-se um decréscimo Após a análise do estudo 3 significativo da mortalidade com a administração do TXA tanto às 24h como ao fim dos 30 dias.

COMPETÊNCIAS DO ENF.º ESPECIALISTA

OBJETIVOS

Estudo 1(6) n= 724 Sem TXA Com TXA n= 362 n= 362

n= 516

20,00%

Os enfermeiros assumem um papel primordial na abordagem às vítimas em contexto de situação de exceção e catástrofe no âmbito do pré e intra-hospitalar. O enfermeiro especialista EMC-PSC reveste-se, particularmente neste campo, de extrema importância no que respeita à deteção precoce de choque hemorrágico e no controle da hemorragia: - Cuida da pessoa a vivenciar processos complexos de doença crítica e/ou falência orgânica(8), na prestação de cuidados às vítimas em situação de exceção; - Dinamiza a resposta em situações de emergência, exceção e catástrofe, da conceção à ação(8), planeando, priorizando e gerindo os meios técnicos e humanos no sentido de uma melhor eficácia e eficiência.

CONCLUSÃO Apesar da limitação dos estudos, a introdução do Ácido Tranexâmico [TXA] em contexto de trauma, veio demonstrar um impacto bastante significativo, traduzindo-se principalmente num menor índice de mortalidade. A menor necessidade de transfusão de componentes sanguíneos bem como do tempo de internamento hospitalar foram também variáveis observadas em dois dos estudos. O uso do TXA é, portanto, eficaz e o seu uso deve ser implementado como tratamento de eleição o mais precocemente possível, em situações de hemorragias major, como tratamento de primeira linha, contribuindo desta forma numa redução de morbilidade e da mortalidade.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS acido tranexámico en 1. Campillo AG, Rodríguez IT, Monray AM, Cervantes SG, García JFV. Uso del hemorragias en zona de combate. Ver ROL Enferm. 2018; 41(2): 122-125. 2. Organização Mundial da Saúde. Lesões. Temas de saúde. http://www.who.int/topics/injuries/en/. of hospital utilization of 3. Neeki MM, Dong F, Toy J, Salameh J, Rabiei M, Powell J, et al. Safety and efficacy Medicine. 2020; 21(2): tranexamic acid in civilian adult trauma resuscitation. Western Journal of Emergency 217-25. Disponível em: http://org/10.5811/2019.10.43055 Disponível em: 2016;36(1):40–51. Nurse. Care Crit hemorrhage. extremity traumatic of Control 4. Day MW. http://org/10.4037/ccn2016871 de mestrado [Mestrado 5. Silva MFRAB. Ácido tranexâmico no trauma major com hemorragia. Lisboa. Tese em: Disponível 2016. Lisboa; de Integrado em Medicina] – Faculdade de Medicina da Universidade https://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/29027/1/MariaFBSilva.pdf civilian trauma care in the 6. Neeki MM, Dong F, Toy J, Vaezazizi R, Powell J, Wong D, et al. Tranexamic acid in Medicine. 2018; 19(6): California Prehospital Antifibrinolytic Therapy study. Western Journal of Emergency 977–86. Disponível em: https://doi.org/10.5811/westjem.2018.8.39336 of tranexamic acid in 7. Wafaisade A, Lefering R, Bohmer AB, GaBler M, Ruppert M. Prehospital administration 13054-016-1322-5. trauma patients. Critical Care. 2016; 20(1):1-9. Disponível em: https://doi.org/10.1186/s o específicas do 8. Ordem dos Enfermeiros. Regulamento n. 429/2018 - Regulamento de competências em Situação Pessoa à Enfermagem de Área na Médico-Cirúrgica enfermeiro especialista em Enfermagem área de enfermagem à pessoa em Crítica, na área de enfermagem à pessoa em situação paliativa, na o a em: Disponível 19359–70. 135: situação crónica. Diário Da República. 2018; 2. Série, N. https://dre.pt/application/conteudo/115698617

Médico-Cirúrgica: A Pessoa em Autores: Marques, José*; Reis, Lúcio**; Trigo, Maria João* | * Mestre em Enfermagem Crítica Situação Crítica | ** Mestrando em Enfermagem Médico-Cirúrgica: A Pessoa em Situação


POSTER CIENTÍFICO

POSTER CIENTÍFICO

A EFICÁCIA DA ADMINISTRAÇÃO DO ÁCIDO TRANEXÂMICO EM VÍTIMAS DE TRAUMA Marques, José1; Reis, Lúcio2; Trigo, Maria3 .Enfermeiro na Unidade Cuidados Intensivos Polivalente 2 do Centro Hospitalar Universitário do Algarve - Portimão; Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER Barlavento); Mestre em Enfermagem Médico-Cirúrgica – Pessoa em Situação Crítica. 2.Enfermeiro no Serviço de Urgência Básica do Centro Hospitalar do Barlavento Algarvio - Lagos; Ambulância de Suporte Imediato de Vida (SIV Lagos); Mestrando em Enfermagem Médico-Cirúrgica – Pessoa em Situação Crítica. 3.Enfermeira na Unidade de Internamento de Doentes Agudos do Centro Hospitalar Universitário do Algarve - Portimão; Mestre em Enfermagem Médico-Cirúrgica – Pessoa em Situação Crítica. 1

INTRODUÇÃO

MATERIAIS E MÉTODOS

PAPEL DO EEMC-PSC

Uma das principais causas de morte

A pesquisa foi realizada nas bases de

Os enfermeiros assumem um papel

evitável no trauma é a hemorragia.

dados EBSCO, tendo sido usados

primordial na abordagem às vítimas

Doentes com coagulopatias induzidas

como descritores “TXA”, AND

em contexto de situação de

por trauma podem beneficiar do uso

“Trauma” e NOT “Pediatric”. Como

exceção e catástrofe no âmbito do

de agentes antifibrinolíticos, como o

critérios de inclusão considerámos

pré e intra-hospitalar. Os

ácido tranexâmico [TXA]. É um

indivíduos com idade superior a 18

enfermeiros especialistas EMC-PSC

medicamento utilizado para

anos, texto completo, analisado por

revestem-se, particularmente neste

neutralizar o sistema de fibrinólise,

especialistas e com data de

campo, de extrema importância no

sendo que o seu mecanismo de ação

publicação 2015-2020. No final, após

que respeita à deteção precoce de

dá-se pelo bloqueio da formação de

processo de análise foram

choque hemorrágico e no controle

plasmina mediante a inibição da

selecionados 3 artigos.

da hemorragia:

plasminogénio1. O uso do TXA no

RESULTADOS E DISCUSSÃO

trauma tem sido alvo de interesse

Através da análise dos artigos

processos complexos de doença

crescente por parte dos profissionais

pudemos verificar que as vítimas de

crítica e/ou falência orgânica5, na

de saúde e investigadores, no entanto

trauma com choque hemorrágico,

prestação de cuidados às vítimas

os seus benefícios ainda não estão

após administração de TXA,

em situação de exceção;

completamente definidos devido a

apresentaram significativa

insuficientes estudos sobre

diminuição da mortalidade ao fim de

de emergência, exceção e

a temática.

sensivelmente um mês2-4; menor

catástrofe, da conceção à

necessidade de transfusão de

ação(5), planeando, priorizando e

OBJETIVO

componentes sanguíneos e uma

gerindo os meios técnicos e

Determinar a eficácia do TXA nas

diminuição do tempo de

humanos no sentido de uma

vítimas de trauma.

internamento hospitalar3,4.

melhor eficácia e eficiência.

atividade das proteínas ativadoras de

Dinamiza a resposta em situações

13

Indice

Cuida da pessoa a vivenciar


Indice

14


POSTER CIENTÍFICO

CONCLUSÕES

BIBLIOGRAFIA

A administração do ácido

1.

Silva MFRAB. Ácido tranexâmico no trauma major

tranexâmico em contexto de

com hemorragia. Lisboa. Tese de mestrado

trauma demonstrou-se eficaz

[Mestrado Integrado em Medicina] – Faculdade de

traduzindo-se num menor índice de

Medicina da Universidade de Lisboa; 2016 2.

Wafaisade A, Lefering R, Bohmer AB, GaBler M,

de transfusão de componentes

Ruppert M. Prehospital administration of

sanguíneos e do tempo de

tranexamic acid in trauma patients. Critical Care.

internamento hospitalar, foi

2016; 20(1):1-9. Disponível em: https://doi.

também verificado em dois dos

org/10.1186/s13054-016-1322-5.

estudos 3,4. Através dos dados

3.

Neeki MM, Dong F, Toy J, Vaezazizi R, Powell J,

disponíveis podemos inferir

Wong D, et al. Tranexamic acid in civilian trauma

também a recomendação para

care in the California Prehospital Antifibrinolytic

administração precoce do TXA, em

Therapy study. Western Journal of Emergency

contexto pré-hospitalar, em

Medicine. 2018; 19(6): 977–86. Disponível em:

situações de hemorragias major,

https://doi.org/10.5811/westjem.2018.8.39336

como um tratamento eficaz. É de

4.

Neeki MM, Dong F, Toy J, Salameh J, Rabiei M,

salientar a limitação dos estudos,

Powell J, et al. Safety and efficacy of hospital

devido à pouca produção de

utilization of tranexamic acid in civilian adult

evidência sobre o tema

trauma resuscitation. Western Journal of Emergency Medicine. 2020; 21(2): 217-25. Disponível em: http://org/10.5811/2019.10.43055 5.

Ordem dos Enfermeiros. Regulamento n.o

EDITOR

429/2018 - Regulamento de competências específicas do enfermeiro especialista em Enfermagem Médico-Cirúrgica na Área de Enfermagem à Pessoa em Situação Crítica, na área de enfermagem à pessoa em situação paliativa, na

ANDRÉ ABÍLIO RODRIGUES Enfermeiro SIV/VMER

área de enfermagem à pessoa em situação crónica. Diário Da República. 2018; 2.a Série, N.o 135: 19359–70. Disponível em: https://dre.pt/

EDITORA

application/conteudo/115698617

SOLANGE MEGA Enfermeira SIV/VMER

EDITORA

ANA ISABEL RODRIGUES Médica VMER CODU

15

Indice

mortalidade. A menor necessidade


Indice

16


FÁRMACO REVISITADO

NORADRENALINA

Rui Pereira1,2 2

Médico Interno de Formação Específica em Anestesiologia do Centro Hospitalar Universitário do Porto Médico da VMER do Sato António

INTRODUÇÃO

Adultos

A noradrenalina (NA) ou norepinefrina

Saco

Seringa Perfusora

é um agonista alfa e beta. A NA

4 mg / 250 ml = 16 mcg/ml

1.6 mg / 50 ml = 32 mcg/ml

estimula recetores beta-1

8 mg / 250 ml = 32 mcg/ml

10 mg / 50 ml = 200 mcg/ml

e alfa-adrenérgicos levando a um aumento da contractilidade e frequência cardíaca bem como vasoconstrição aumentando a pressão arterial sistémica e perfusão coronária. Clinicamente os efeitos alfa (vasoconstrição) são maiores que os efeitos beta (inotropismo e cronotropismo). A NA está indicada em casos de choque cardiogénico, hemorrágico, choque pós paragem cardíaca, choque séptico ou outros casos de choque distributivo. FORMAS DE APRESENTAÇÃO E POSOLOGIA Solução para administração endovenosa (perfusão) 1mg/ml ou 2mg/ml. Deve ser conservada a temperatura inferior a 25ºC e ao abrigo da luz. Deve ser diluída em glucose a 5% ou cloreto de sódio 0.9% (segundo indicação do fabricante). A administração por via central é preferida. Se não estiver disponível pode ser administrada num grande vaso proximal por uma duração curta. Titular a perfusão por objetivo (pressão arterial, perfusão de orgão alvo).

Doses habituais:

principalmente albumina, menor

0.05 - 0.4 mcg/kg/min

ligação a pré-albumina e glicoproteína alfa 1.

População Pediátrica

Metabolismo: via catecol-ortometiltransferase e mono-amino-

Diluição:

oxidase. Os metabolitos são inativos.

0.3 mg/kg / 50 ml -> 1 ml/h equivale a

Semivida de eliminação: média de 2.4

0.1 mcg/kg/min

min Tempo até ao pico, sérico: steady-

Doses habituais 0.05 - 0.1 mcg/kg/

state 5 minutos

min (máximo 2 mcg/kg/min

Excreção: urina (metabolitos inativos, pequena quantidade como fármaco

FARMACOCINÉTICA

não alterado)

Absorção: escassamente absorvida após injeção subcutânea. Se

CONTRA-INDICAÇÕES

administrada por via oral, é destruída

ativa ou excipientes

pelo trato gastrointestinal. A via de eleição é intravenosa.

Hipersensibilidade à substância

Insuficiência coronária,

Inicio de ação (intravenosa): muito

hipertensão, hipertiroidismo e

rápido.

arteriosclerose grave

Duração (intravenosa): 1 a 2 min após interrupção da perfusão.

PRECAUÇÕES

Distribuição: volume de distribuição

Relacionadas com efeitos adversos

de 8.8L. Distribui-se sobretudo pelo

Fármaco vesicante, deve ser

sistema nervoso simpático. Atravessa

verificado o correto posicionamento

a placenta mas não a barreira

do cateter antes e durante a infusão,

hematoencefálica.

de forma a evitar o extravasamento.

Ligação a proteinas: 25%,

Em causa de extravasamento parar a

17

Indice

1


infusão imediatamente e desconectar a infusão. Aspirar a solução extravazada (não fazer flush do cateter). Remover o cateter, elevar a extremidade. Iniciar fentolamina ou antídoto alternativo. Aplicar compressa morna, seca. •

Fentolamina: Diluir 5 a 10 mg em 10-20 ml de NaCl 0.9% infiltrar no local de extravasamento tão cedo quando possível (até 12h), pode ser readministrado se o doente se mantiver sintomático.

Alternativas (evidência limitada): •

Nitroglicerina tópica 2%: aplicar no local de isquemia, pode ser repetido a cada 8h se necessário

Terbutalina: infiltrar no local de extravazamento com 1 mg de terbutalina diluída em 10 ml de NaCL 0.9%

Relacionadas com a doença

Relacionadas com a apresentação

Outras precauções

Hipovolémia: a hipovolémia deve ser

Metabisulfito de sódio: pode conter

Descontinuação abrupta: a perfusão

tratada antes de iniciar a terapêutica.

metabisulfito de sódio. Usar com

deve ser reduzida gradualmente ao

Doentes que estão hipotensos por

cuidado em doentes com asma ou

expandir o volume plasmático com

hipovolémia podem apresentar

alergia a sulfitos, reações alérgicas

fluidos EV. Hipotensão severa pode

vasoconstrição periférica e visceral

incluindo sintomas anafiláticos e

ocorrer com uma interrupção abrupta.

severa, perfusão renal diminuída e

episódios asmáticos graves

Administração: administrar numa veia

diminuição do débito urinário, hipóxia

podem acontecer.

de grande calibre. Evitar veias dos

Indice

tecidular, acidose láctica e diminuição

membros inferiores em idosos ou

do fluxo sistémico apesar de pressão

Interações medicamentosas

doentes que sofram de doenças

arterial normal.

Halotano: pode aumentar o efeito

oclusivas (arterosclerose,

Hipóxia/ hipercárbia: o uso em

arritmogénico da NA

arteriosclerose, endartrite diabética,

doentes com hipóxia ou hipercarbia

Inibidores MAO / Antidepressivos

Doença de Buerger). Gangrena das

profunda pode originar taquicardia

tricíclicos: pode aumenta o efeito

extremidades pode ocorrer em

ventricular ou fibrilhação, devendo ser

hipertensivo da NA

doentes com doença vascular

utilizada judiciosamente.

Bicarbonato de sódio / Barbitúricos:

oclusiva ou trombótica ou com

incompatibilidade terapêutica

infusões prolongadas em altas doses.

18


FÁRMACO REVISITADO

TAKE-HOME MESSAGES

vasoconstritores com volume circulatório adequado. Evitar

BIBLIOGRAFIA 1.

A NA é um agonista alfa e beta.

L-Noradrenalina Braun 1mg/ml solução injetável,

hipertensão, monitorizar a pressão

Clinicamente os efeitos alfa

Aprovado em 20-05-2018. INFARMED. https://

arterial e ajustar a taxa de infusão.

(vasocontrição) são mais

extranet.infarmed.pt/INFOMED-fo/pesquisa-

Evitar em doentes com isquemia

significativos;

avancada.xhtml Acedido a 02/08/2021.

mesentérica ou trombose vascular

Resumo das Características do Medicamento

A NA está indicada em casos de

2.

Norepinephrine (noradrenaline): Drug

periférica, pelo risco de agravar a

choque cardiogénico,

information, Topic 9709 Version 296.0. UpToDate.

isquemia e área de enfarte.

hemorrágico, choque pós

https://www.uptodate.com/contents/

paragem cardíaca, choque

norepinephrine-noradrenaline-drug-

séptico ou outros casos de

information?source=history_widget Acedido a

choque distributivo;

02/08/2021.

Efeitos Adversos •

Cardiovascular: bradicardia,

A NA deve ser diluída e

3.

Scarth and Smith. Drugs in Anaesthesia and

arritmias cardíacas,

administrada em perfusão,

Intensive Care 5th Edition. Oxford Medical

cardiomiopatia (stress),

titulada para os efeitos

Publications 2016

insuficiência vascular periférica

desejados;

SNC: ansiedade, cefaleia

Cardenas-Garcia et al. Safety of Peripheral

Deve ser administrada

Intravenous Administration of Vasoactive

transitória

preferencialmente em acessos

Medication J Hosp Med 2015 Sep;10(9):581-5.

Respiratório: dispneia

centrais ou acessos proximais

doi:10.1002/jhm.2394. Epub 2015 May 26.

Efeitos locais: gangrena

de grande calibre;

periférica, isquemia periférica

4.

A NA tem propriedades vesicantes. O acesso deve ser monitorizado continuamente, se houver extravasamento a infusão deve ser interrompida, removido o acesso e aplicado antídoto Se indicado

EDITORA

CATARINA MONTEIRO Médica VMER

19

Indice

Uso adequado: minimizar o uso de


Indice

20


JOURNAL CLUB

JOURNAL CLUB

Ana Rita Clara1 Médica de Medicina Intensiva do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Central, Médica SHEM-SUL

INTRODUÇÃO

bombeiros, formação em suporte

de sobrevida. No entanto, não

As taxas de sobrevida após uma

básico de vida aos primeiros a ocorrer

existiam estudos comparativos antes

paragem cardiorespiratória (PCR) fora

ao local e fornecimento de material

e depois da introdução do AM.

do hospital são mundialmente baixas.

específico às ambulâncias (LUCAS,

Foi recentemente publicado, a 6 de

Cerca de 50-70% das vítimas de PCR

Boussignac, etc). Após a

janeiro de 2022, um estudo

encontram-se no seu domicílio e o

implementação destas medidas

observacional retrospectivo que

tempo médio de socorro ronda os 12

houve melhoria na sobrevida,

compara a taxa de sobrevida em

minutos, reduzido a probabilidade de

aumentando o número de doentes

doentes com PCR fora do hospital em

encontrar a vítima em ritmo

que recuperava a circulação

2012, ou seja, antes da introdução do

desfibrilhável.

espontânea (ROSC) e na taxa de

sistema AM, com a de doentes nas

Por forma a maximizar a sobrevida

sobreviva a um ano.

mesmas condições em 2018. Os

nestes doentes foi introduzida uma

Em 2014, os Países Baixos decidiram

autores analisaram também com que

cadeia de sobrevivência em 1992,

incluir a população geral na

frequência um cidadão AM chegou

durante a National Conference on

abordagem da PCR fora do hospital,

primeiro ao cenário e com que

Cardiopulmonary Resuscitation and

onde cidadãos voluntários, com

frequência conectou primeiro um DEA

Emergency Cardiac Care, baseada em

formação em SBV e DEA, recebiam

que os serviços de emergência.

4 elos de ligação: acesso precoce ao

um alerta por mensagem (AM), para

sistema de serviços médicos de

realizar SBV ou recolher o DAE mais

MÉTODOS

emergência, ressuscitação

próximo, tornando o programa viável

Foram incluídos doentes >16 anos

cardiopulmonar precoce,

a partir de 2016.

com necessidade de suporte

desfibrilhação precoce e atendimento

Começaram a surgir os primeiros

avançado de vida (SAV)/

avançado precoce.

dados sobre AM onde mostravam que

desfibrilhação entre novembro de

Na Holanda, esta cadeia de

o tempo até ao primeiro choque

2011 e 3 de abril de 2013 no grupo

sobrevivência foi optimizada,

recomendado era menor, de acordo

pré-AM e durante o ano de 2018 no

fornecendo precocemente

com a disponibilidade dos voluntários

grupo pós-AM. Eram activados os

desfibrilhadores automáticos

e a quantidade de DAE, e

cidadãos que se encontrassem a 750

externos (DAE) aos polícias e

apresentavam um aumento da taxa

metros do local ou a 500 metros de

21

Indice

1


Indice

um DAE. Os cidadãos do sistema AM

2018 foi superior que em 2012 (55%

A média de sobrevida diminuiu

receberam formação de SBV anual.

vs 46%, p = 0,03). Embora o SBV

durante o follow-up, e,

Foi avaliado a taxa de sobrevivência a

tenha sido iniciado com maior

consequentemente, também as

3 meses e a 1 ano.

frequência antes da chegada da

diferenças entre os dois grupos. Do

ambulância no grupo com

grupo pré-AM 88 doentes (24,3%)

RESULTADOS

pós-AM (76,1%) do que no grupo

estavam vivos ao fim de 3 meses e 85

Foram incluídos 425 de 500 doentes

pré-AM (72,5%), essa diferença

(23,5%) ao fim de 1 ano. Do grupo

(85%) no grupo pré-AM e 264 de 366

não foi estatisticamente

pós-AM 63 doentes (29,3%) estavam

(72,1%) no grupo pós-AM.

significativa (p = 0,29).

vivos ao fim de 3 meses e 55 (25,9%)

O ROSC foi atingido em 210

ao fim de 1 ano (p = 0,19 e p = 0,51) .

A idade e o sexo dos doentes foram

pacientes no grupo pré-AM (49,4%) e

semelhantes.

em 161 pacientes no grupo pós-AM

Não foram observadas diferenças nos

Os cidadãos voluntários pós-AM

(61,0%, p <0,01).

resultados neurológicos entre o grupo

chegaram primeiro ao cenário em 42

Foi realizada uma regressão

pré-AM e o grupo pós-AM (CPC p =

doentes (15,9%), e em 31 dos 42

multivariada corrigindo factores de

0,44, mRS p = 0,98). A maioria dos

doentes, conectaram um DAE (73,8%).

confusão, onde a presença de um

doentes apresentou bons scores em

Comparando com dados de 2012, a

sistema AM foi associada a uma

ambos os grupos.

percentagem de DAE utilizados em

maior probabilidade de atingir ROSC.

22


JOURNAL CLUB

DISCUSSÃO

CONCLUSÃO

Os dados apresentados pelos autores

Os autores concluem que o sistema

revelam que o sistema de alerta via

de alerta por mensagem parece

mensagem parece optimizar a cadeia

contribuir para a optimização da

de sobrevivência: os cidadãos

cadeia de sobrevivência porque se

voluntários AM conseguiram chegar

associou a uma taxa de ROSC mais

ao cenário mais cedo do que os

elevada, mesmo que os cidadãos

primeiros meios de emergência, e a

voluntários da AM tenham chegado

utilização de DAE deu-se em maior

mais cedo em apenas 15,9% dos

número, sendo que um número

casos. No entanto, após a fase

superior de doentes em PCR fora do

aguda, os benefícios não são tão

hospital atingiu ROSC. No entanto,

marcados, com sobrevida média

não houve melhoria na taxa de

semelhante nos dois grupos.

sobrevida, estatisticamente

São necessários mais estudos para

significativa, a 3 meses e 1 ano.

entender como melhorar a resposta

O número de cidadãos AM que

inicial, como por exemplo, maior

chegaram mais cedo aos doentes em

número de cidadãos AM e DAE, de

PCR foi relativamente baixo quando

forma a representar melhorias, não

comparado com os dados de estudos

só na fase aguda, mas também na

anteriores (15,9% vs 19% –95%). No

fase subaguda e crónica da PCR.

entanto, os que chegaram mais cedo conseguiram conectar um DAE em

COMENTÁRIO DA EDITORA

maior número.

Num país como a Holanda, onde a

Na região estudada, o número de

resposta pré-hospitalar ocorre em

cidadãos AM atingiu >10/km2, estando

média entre 9-12 minutos, entende-se

dentro das recomendações, mas a

que o número de cidadãos voluntários

densidade de DAE foi inferior (0,6/km2)

a chegar primeiro ao cenário não

ao recomendado (2/km2). Tal facto,

tenha sido superior.

pode levar a um gasto adicional de

Se extrapolarmos para a realidade

tempo até chegar ao DAE.

actualmente vivida em Portugal,

Para a população estudada, não

talvez este sistema de voluntários e

houve diferença estatisticamente

alerta por mensagem nos relevasse

significativa no outcome

números surpreendentes, sobretudo

neurológico relativamente os

nas localidades mais remotas, e,

doentes encaminhados para

quiçá, uma melhoria da resposta

centros de reabilitação, não

emergência pré-hospitalar em casos

correspondendo, no entanto, a uma

de PCR

amostra fidedigna, visto que uma

EDITORA

percentagem significativa de doentes com disfunção cognitiva grave acaba por não ser encaminhada para reabilitação.

23

Indice

ANA RITA CLARA Médica de Medicina Intensiva - CHLC, Médica SHEM-SUL


Indice

24


O QUE FAZER EM CASO DE

O QUE FAZER EM CASO DE...

CONVULSÃO

Em idade pediátrica

Na presente edição da LIFESAVING vamos abordar como deverá agir perante uma vítima em idade pediátrica em convulsão, focando nos cuidados a ter durante e após o evento convulsivo. Um episódio de convulsão é uma situação assustadora, principalmente se for presenciada pela primeira vez, e, neste sentido, é essencial manter a calma e executar gestos simples que podem fazer a diferença.

André Abílio Rodrigues 1 Enfermeiro VMER, SIV

CONSCIENTE

INCONSCIENTE

ASSEGURAR CONDIÇÕES DE SEGURANÇA (Local, Reanimador, Vítima)

ATENÇÃO • NUNCA mover a vítima do local onde esta se encontra, salvo se estiver em perigo (ex: dentro de água, na estrada); • NUNCA agarre a vítima ou contrarie o seu movimento. Permita que tenha a convulsão; • NUNCA coloque nada na sua boca (colheres, dedos, canetas, etc.); • NUNCA puxe a língua; • NUNCA coloque compressas com água fria nem dê banho com água fria. • NÃO DEIXE que as pessoas se aglomerem junto da vítima.

DURANTE A CONVULSÃO: • Manter a calma, observar o tempo de demora, para contabilizar a duração da convulsão; • Emparar a queda, e colocar vítima no chão; • Retirar objetos que possam magoar a vítima (ex: mobílias, pedras, brinquedos, óculos, chaves no bolso); • Amparar a cabeça com o intuito de evitar que esta bata contra o chão, mas evitar agarrá-la firmemente ou contrariar o seu movimento. Pode também colocar algo macio por debaixo da cabeça (manta, casaco, almofada); • Soltar a roupa do pescoço que esteja apertada. • Se tiver medicação prescrita, pelo médico em caso de CONVULSÃO, utilize-a; APÓS A CONVULSÃO: • Colocar em Posição Lateral de Segurança (PLS); • Avaliar a TEMPERATURA nas idades compreendidas entre os 6 meses e 5-6 anos, e SE Tª > 38ºC • Promover arrefecimento físico: remover roupas, colocar compressas com água morna; • Administrar Paracetamol supositório adequado à sua idade; • Minimizar situações embaraçosas. Se a vítima teve incontinência de esfíncteres coloque uma manta ou um casaco por cima; • Ficar alerta porque a vítima pode apresentar-se desorientada, irritada, com diminuição da interatividade, sonolenta ou pode até repetir convulsão; • Mantenha-se sempre junto da vítima até a ajuda chegar.

BIBLIOGRAFIA 1. https://www.nhs.uk/conditions/febrile-seizures, (14/01/2022) 2. https://www.epilepsy.org.uk/info/firstaid/ what-to-do, (14/01/2022) 3. https://www.cdc.gov/epilepsy/about/first-aid.htm, (14/01/2022)

4. 5. 6. 7.

Algoritmo SBV (Ligar 112)

LIGUE 112 • Informe a sua localização com pontos de referência; • Descreva a convulsão e quanto tempo durou; • Se existiu repetição da convulsão, e se recuperou a consciência entre elas; • Informe se existe historial de epilepsia; • Responda a todas as questões solicitadas; • Siga as instruções do operador. EDITOR

Manual de TAS — Nomas, Emergências Médicas de 2012, Instituto Nacional de Emergência https://www.epilepsy.com/sites/core/files/atoms/ files/SFA%20Flier_HQ_8.5x11_PDF.pdf, (14/01/2022) Manual de Emergências Pediátricas e Obstétricas — 2012, Instituto Nacional de Emergência Médica VII. Programa de edição de fotos: Painnt®

ANDRÉ ABÍLIO RODRIGUES Enfermeiro SIV/VMER

25

Indice

1


Indice

26


CUIDAR DE NÓS

CUIDAR DE NÓS

OS PROGRAMAS DE VIGILÂNCIA NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS Cristina dos Santos1, Joana Guerra2

2

Interna da Especialidade em Medicina Geral e Familiar - USF Sol Nascente - Albufeira Médica Especialista em Medicina Geral e Familiar - USF Sol Nascente - Albufeira

Somos profissionais de saúde e no

Os CSP caracterizam-se pela

Nos rastreios oncológicos,

core da nossa profissão está bem

promoção da Saúde e prevenção da

destacam-se o Rastreio do Cancro

presente o princípio de cuidar dos

doença, ações conseguidas e

Colo-Rectal (RCCR), o Rastreio do

outros, mas acima de tudo somos

facilitadas pelo contacto contínuo e

Cancro da Mama (RCM) e o Rastreio

humanos e acabamos por viver a

de primeira linha entre o Médico de

do Cancro do Colo Útero (RCCU), os

nossa profissão em meio laboral e não

Família (MF) e o utente. A pandemia

dois últimos englobados nas consultas

só. Todos temos familiares, amigos,

Sars-Cov-2 resultou no afastamento

de vigilância de grupos vulneráveis

vizinhos, conhecidos que nos

do MF da sua função primordial neste

– Planeamento Familiar. Todos estes

procuram por motivos de saúde e

âmbito, com a atribuição de múltiplas

rastreios podem variar na altura da sua

mesmo que seja fora do contexto ou

tarefas inerentes a esta temática

realização ou mesmo no tipo de exame

horário laborais não negamos ajuda.

(deslocação para Centros de

pedido conforme os antecedentes

No entanto, desvalorizamos muitas

Vacinação e vacinação ao domicílio,

pessoais e familiares do utente.

vezes a nossa própria saúde

Centros de Atendimento dedicados à

Relativamente ao RCCR, este consiste

encontrando sempre motivos que nos

Área Respiratória, realização da

na realização de Pesquisa de Sangue

parecem válidos para a justificarmos.

vigilância telefónica Tracecovid),

Oculto nas Fezes a todos os utentes

É no sentido de recordar que antes de

diminuindo o tempo de consulta

entre os 50 e 74 anos, com uma

sermos profissionais de saúde,

presencial para as consultas de

repetição a cada dois anos caso o

somos cidadãos, com direitos e

vigilância de grupos de risco (doentes

resultado seja negativo. Caso seja

deveres como utentes, que surge esta

com Diabetes Mellitus (DM) e

positivo, deve-se proceder ao pedido

Rubrica Cuidar de Nós.

Hipertensão Arterial (HTA)) e

de Colonoscopia Total. Quanto ao

Consideramos assim importante

vulneráveis (consultas de Saúde

RCM, abrange as mulheres com

recordar o trabalho preventivo

Infantil, Planeamento Familiar,

idades entre os 50 e 69 anos através

desenvolvido nos Cuidados de

população idosa), assim como para a

do Programa de RCM da Liga

Saúde Primários (CSP) pelas suas

consulta de Saúde de Adultos, onde

Portuguesa Contra o Cancro: são

equipas de saúde e que estão ao

muitas vezes se procede à realização

enviadas cartas-convite às mulheres

dispor de toda a população com um

destas ações de modo oportunista.

desta faixa etária inscritas nos

número de Sistema Nacional de

São diversos os programas de

Centros de Saúde para realizar uma

Saúde (SNS) válido.

vigilância à população efetuados

Mamografia, com repetição a cada

pelos CSP, quer a nível de rastreios

dois anos caso o resultado seja

populacionais nacionais, quer a nível

negativo. Este programa utiliza

de programas de vigilância a

Unidades Móveis que se deslocam a

populações específicas.

cada concelho e também Unidades Fixas. Se por algum motivo a mulher

27

Indice

1


Indice

não for convocada ou faltar a esta

entre os 40 e os 65 anos. Este engloba

para a saúde e alteração de estilos de

convocatória, cabe ao MF o pedido

o estudo do perfil lipídico, os hábitos

vida, como o fornecimento de folhetos

dos exames na consulta. Por fim, o

tabágicos e o género do utente, este

informativos sobre a etiofisiopatologia

RCCU realiza-se a mulheres entre os

último fator de risco não modificável.

da doença cardiovascular, folhetos

25 e 64 anos através da realização da

Deve também ser efetuado o cálculo

educacionais sobre alimentação e

Citologia Cervico-Vaginal na consulta

de risco de desenvolvimento de DM

prática de exercício físico, ensinos

de Saúde da Mulher. O resultado pode

(que caso o resultado seja normal

sobre auto-monitorização da tensão

consistir na análise da presença das

deve ser recalculado a cada 3 anos),

arterial e abordagem da intervenção

estirpes de alto risco do Vírus

sendo que este engloba o índice de

breve na cessação tabágica.

Papiloma Humano (HPV) (responsável

massa corporal (IMC) e perímetro

Caso estas medidas sejam

pela evolução da doença), que caso o

abdominal do utente, a prática diária

insuficientes, deverá ser instituída

resultado seja negativo a indicação

de exercício físico, o consumo de

prescrição medicamentosa.

para repetir o RCCU é em cinco anos,

vegetais diários, a toma de medicação

Dentro deste âmbito cardiovascular,

ou então na análise celular, sendo que

anti-hipertensora, os antecedentes

as consultas de Vigilância de Grupos

face à sua normalidade, o RCCU é

familiares de DM e os antecedentes

de Risco – DM e HTA- devem realizar-

repetido em três anos.

pessoais de Diabetes Gestacional, no

se, caso o doente esteja controlado,

Para além dos Rastreios

caso da mulher. Na presença de

duas vezes por ano (uma consulta em

Populacionais, cabe também ao MF a

resultados anómalos ou práticas de

cada semestre do ano, espaçadas em

avaliação do Risco Cardiovascular da

estilo de vida de risco, devem ser

seis meses). No que diz respeito aos

população, com o cálculo do Score

implementadas medidas preventivas,

doentes hipocoagulados sob

Cardiovascular a toda a população

nomeadamente a nível de educação

Varfarina, esta periodicidade depende

28


CUIDAR DE NÓS

do valor de INR, com uma média de

metódicas e concretas, em estreita

de atenção e ação que o MF deve

intervalo de quatro semanas. Esta

articulação com a Consulta de

prestar nas consultas, de vigilância de

consulta é realizada por ambas as

Obstetrícia Hospitalar. No que diz

grupos ou de Saúde de Adultos, sendo

Equipas de Enfermagem e Médica,

respeito à população idosa, é da

que este trabalho é realizado, na

numa complementaridade de ações

responsabilidade do MF a avaliação

maioria das vezes,

que resultam numa maior eficácia do

geriátrica global a todos os utentes

oportunisticamente, não constituindo

tempo da consulta e perceção pelo

com mais de 75 anos, ou com mais de

o motivo de vinda do utente à

utente das diversas temáticas

65 anos e em situação de risco

consulta e resultando numa tarefa

abordadas. Esta consulta tem

(nomeadamente situações de perda/

extra dentro do tempo de consulta,

parâmetros específicos de estudo,

luto, alterações do modo de vida,

que é concretizada pela existência da

nomeadamente a análise periódica do

doença grave ou institucionalizados),

consulta. A pandemia Sars-Cov-2 veio

perfil glicémico, lipídico e renal, assim

através da aplicação de

diminuir o tempo de consulta

como o estudo cardíaco, em

escalas específicas.

presencial devido à retirada do MF

intervalos de tempo específicos a

Para além destas áreas globais

das suas funções, resultando numa

cada doente e patologia.

específicas, o MF é responsável pela

paragem e retrocesso da realização

Normalmente, as análises de

monitorização da evolução de

de todos estes programas de Rastreio

Hemoglobina Glicada,

diversas outras condições,

e Vigilância.

Microalbuminúria em amostra da

nomeadamente através da realização

Por tudo o que estes serviços

urina e INR são realizadas na consulta,

do Rastreio do Cancro Oral (deve ser

representam é urgente ver uma

levando a alterações terapêuticas na

efetuada uma avaliação da boca a

melhor organização e um bom

hora caso sejam necessárias, com

todos os utentes com mais de 40

funcionamento dos CSP, para que o

óbvio benefício em termos de

anos, fumadores e com consumos

utente aposte na prevenção e

transmissão da mensagem da

alcoólicos, com possibilidade de

coloque na sua agenda a ida ao

necessidade de alteração de

emissão de Cheque Dentista para

seu médico de família, com a

comportamentos, assim como uma

centro convencionado ou de

periodicidade sugerida.

melhor gestão a nível de tempo e

referenciação para Dentista dentro

Cabe a cada um de nós termos

agenda médica, pois evita a marcação

dos CSP). Ainda dentro da área do

uma atitude responsável com a

de nova consulta para avaliar os

tabagismo, cabe ao MF o pedido de

nossa saúde!

resultados. Com a crescente escassez

espirometria a todos os utentes

de recursos nos CSP, estas análises

fumadores com mais de 40 anos e

não têm estado disponíveis para

com consumo superior a mais de 10

BIBLIOGRAFIA

realização na consulta, com

Unidades/Maço/Ano (UMA). Também

Todos os dados relativos ao Plano Nacional de Saúde e

necessidade de requisição de

se deve proceder ao Rastreio

respetivos Programas de Saúde, referidos no artigo,

credencial para laboratório externo.

oportunista do Vírus de

podem ser consultados nos sítios da Internet:

Dentro dos grupos vulneráveis, a

Imunodeficiência Humana (HIV), com

1.

https://www.dgs.pt/a-dgs.aspx

Saúde Infantil é a mais representativa,

pedido consentido pelo de analítica

2.

https://pns.dgs.pt/

com realização da vigilância em

para o HIV a todos os utentes entre os

idades chave (1a consulta de via,

18 e 64 anos. Também na Saúde da

1-2-4-6-9-12-15-18 e 24 meses e,

Mulher, devem ser inquiridos os fatores

posteriormente, uma vez por ano até

de risco para Osteoporose a todas as

aos 18 anos, cada uma delas com

mulheres pós-menopausa e a todas as

áreas e competências específicas).

mulheres com mais de 50 anos, para

Dentro da Saúde da Mulher, a

averiguação da necessidade de estudo

vigilância da Saúde Materna implica

de Osteodensitometria.

igualmente periodicidades e ações

Deste modo, são inúmeras as áreas

EDITORA

29

Indice

SILVIA LABIZA Enfermeira VMER Heli INEM


Indice

30


NÓS E OS OUTROS

NÓS E OS OUTROS

OTIMIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO ENTRE CODU E MEIOS DE EMERGÊNCIA NO TERRENO Sérgio Ribeiro1,2,3,4, Daniel Semião1,2 Técnico de Emergência Pré-hospitalar (TEPH), Operador CODU, 3 Responsável Turno CODU Lisboa, 4 Formador na área de CODU. 1

Atualmente existem 4 Centros de

psicológica de emergência (UMIPE).

um tratamento precoce do

Orientação de Doentes Urgentes

As equipas das ambulâncias do

síndrome coronário agudo (SCA).

(CODU), nomeadamente em Porto,

INEM e os parceiros do Sistema

Todos os meios da

Coimbra, Lisboa e Faro. Os CODU

Integrado de Emergência Médica

responsabilidade do INEM:

contam com o apoio do CODU-MAR,

(SIEM) articulam por norma com os

ambulâncias de emergência médica

CIAV (Centro Informação

CODU da área. Em situação de

(AEM), ambulâncias de suporte

Antivenenos) e CAPIC (Centro de

pedido de apoio diferenciado, a

imediato de vida (SIV), viaturas

Apoio Psicológico de Intervenção

chamada poderá ser encaminhada

médicas de emergência e

em Crise). Estes centros são

para o operador disponível a nível

reanimação (VMER), unidade móvel

operacionalizados 24 horas, numa

nacional, contudo o acionamento e

intervenção psicológicas de

escala nacional e respondem aos

gestão dos meios é da

emergência (UMIPE) e motociclos

pedidos de situações emergentes

responsabilidade do CODU da área.

de emergência médica (MEM),

encaminhados pela linha 112.

No caso dos meios diferenciados,

permitem comunicação via rádio

O CODU-MAR tem como missão

entenda-se ambulâncias de suporte

SIRESP, iTEAMS (computador) e

prestar aconselhamento médico e

imediato de vida (SIV) e viaturas

telemóvel com o CODU. Toda a

apoio na evacuação de vítimas, em

médicas de emergência e

informação que seja registada no

situações emergentes, que se

reanimação (VMER), os enfermeiros

respetivo evento é acessível a todos

encontrem a bordo das embarcações.

e médicos responsáveis dos meios

os CODU, permitindo articulação

O CIAV, é um centro médico que

falam diretamente com o médico

entre meios e operadores e/ou

faz uma a avaliação médica na

regulador disponível ou do respetivo

médicos a nível nacional, evitando

área da toxicologia, este centro

CODU ou a nível nacional.

perdas de informação que podem

pode ser contatado por

Atualmente as ambulâncias de

ser importantes.

profissionais de saúde ou público

emergência médica (AEM)

Por vezes, existe complicações em

em geral, através da linha 800 250

tripuladas pelos Técnicos de

relação à localização da ocorrência,

250 (linha gratuita).

Emergência Pré-Hospitalar (TEPH)

nestas situações, os meios devem

O CAPIC é assegurado por uma

do INEM, adquiriram recentemente

entrar em contato com o CODU da

equipa de psicólogos clínicos com

os monitores Lifepack15 e

área através da linha da passagem

formação especifica em intervenção

formação especifica para, em

de dados, assim é possível realizar

psicológica, emergências

situações de suspeita de enfarte

conferência entre quem liga 112 e

psicológicas e intervenção

agudo do miocárdio (EAM),

os meios acionados, evitando o

psicossocial em catástrofe. Este

realizarem ECG de 12 derivações e

atraso da chegada das equipas de

centro é responsável pela gestão

enviar ao médico regulador do

emergência pré-hospitalar junto

das unidades móveis de intervenção

CODU para avaliação, possibilitando

à vítima.

31

Indice

2


Indice

Perante vítimas consideradas

médicos (OM), definindo diferentes

situações poderá ser utilizado o

críticas/emergentes com

tipos de prioridade na triagem

rádio SIRESP numa fase inicial para

necessidades de especialidades

realizada pelo operador, as

a comunicação ser mais rápida,

médicas, o médico no local pode

prioridades mais comuns requerem

permitindo ao médico regulador e

articular com o médico regulador

acionamento de meios, as

operadores CODU acompanharem e

do CODU para colaborar na

prioridades 1 e 3 (P1 e P3). As

colaborarem nas necessidades do

decisão de melhor destino

prioridades podem ser alteradas

teatro de operações. O CODU

hospitalar com as valências

pelo médico regulador do CODU, se

nestas situações pode providenciar

necessárias ao estado clínico da

entender ajustar a prioridade à

um canal do rádio SIRESP exclusivo

vítima e comunicar diretamente

situação clínica da vítima.

à ocorrência evitando falhas na

com as unidades de saúde para a

Em cenários multivítimas é muito

comunicação. O primeiro meio de

receção da vítima critica.

importante a articulação com o

emergência médica a chegar ao

Os fluxos de triagem e os planos

CODU, para o acionamento de

local da ocorrência e após

de acionamento dos meios no

meios em quantidade suficiente e

reconhecimento inicial poderá

CODU seguem algoritmos de

encaminhamento das vítimas às

entrar em contato com o CODU e

decisão validados pela ordem dos

unidades de saúde. Neste tipo

confirmar que tipo de situação se

32


NÓS E OS OUTROS

consoante as valências das equipas

VMER devem articular com médico

de emergência no teatro de

regulador do CODU para haver

operações, respeitando a ideia que

concordância no encaminhamento

meios diferenciados (SIV/VMER/

das vítimas às unidades de saúde

HELI) devem assumir esse papel.

e/ou acionamento de mais meios

As equipas das viaturas médicas de

para o local, por exemplo,

emergência e reanimação têm um

helicóptero de emergência médica

papel fundamental, pois, a primeira

(SHEM) ou unidade móvel de

VMER que chega ao local deve

intervenção em crise (UMIPE).

permanecer até ao fim da

Tratando-se de cenários

ocorrência, em concordância com o

multivítimas é muito importante a

médico regulador do CODU, como

organização dos meios e hospitais

equipa responsável na área da

de drenagem. No próprio teatro de

emergência pré-hospitalar gerindo a

operações o responsável das

triagem das vítimas, estado clínico

equipas de emergência

e drenagem hospitalar adequada ao

pré-hospitalar deve-se ir ajustando

seu estado clínico EDITOR

JOÃO CLÁUDIO GUIOMAR Enfermeiro VMER

33

Indice

trata, e o número de vítimas. As


ez Gómez

Indice

d Francisco Fernán

34


EMERGÊNCIA INTERNACIONAL

EMERGÊNCIA INTERNACIONAL

Estimados leitores,

Este artigo procura mostrar a sua

transplante de órgãos, que foi

relação muito especial com a

publicado no jornal “El País”, e

Este artigo foi uma conversa com

fotografia na UCI. Esta paixão

exposto internacionalmente. Nesse

um amigo. Foi um prazer voltar a

começou quando conheceu as UCI

trabalho vê-se a complexidade e o

contactar uma das pessoas mais

que lhe pareceram

esforço que faz com que algo tão

dedicadas e profissionais que

impressionantes e “violentas”.

triste como a morte signifique vida e

tive a sorte de conhecer.

Durante os primeiros meses, duros,

esperança. São 42 fotografias nas

de adaptação a sua esposa, Rosa,

quais podemos ver a despedida da

FRANCISCO FERNÁNDEZ GÓMEZ,

também enfermeira de UCIP

família do dador, a chegada da

para os amigos Fran, descobriu

(Unidade de Cuidados Intensivos

equipa médico-cirúrgica, a chegada

durante os seus anos de Liceu a

Polivalente?), animou-o a fazer um

do órgão e finalmente ver o resultado

inquietude de ser enfermeiro e rápido

curso de fotografia amadora para

do transplante. Com este trabalho

aprendeu o conceito de “cuidar“.

se descontrair e relaxar.

ganhou um primeiro prémio

Contudo teve, como todos em

Assim, ele inscreveu-se na escola de

em Moscovo.

Espanha, precários e limitados

arte “León Ortega “, em Huelva, onde

A partir desse momento

contratos de trabalho nos meses

terminaria o curso de Graduado

compreendeu que através da sua

no Verão e Natal, tendo sido

Superior em Fotografia Artística, no

fotografia, como “enfermeiro

obrigado a percorrer toda a

ano de 2015. Para o trabalho de final

fotógrafo ou fotógrafo enfermeiro “

geografia de Huelva.

de curso optou por tirar fotografias

poderia transmitir o valor do trabalho

Desde muito cedo que se ligou aos

aos colegas e rotinas da UCIP de

no sistema de saúde numa

cuidados do doente crítico em

forma natural no dia-a-dia. Com

perspectiva documental mas com

urgências hospitalares, e nas

estas fotografias fez um livro que foi

visão artística e com a elegância

urgências de vários centros

muito apreciado e aplaudido

suficiente para manter a dignidade

de saúde.

motivando várias propostas para

dos doentes e seu anonimato, com

Enfermeiro há mais de 25 anos, 10

participar em certames

técnicas de focagem e sombras.

dos quais passados na Unidade de

internacionais como Paris, São

Quando chegou a pandemia, já tinha

Cuidados Intensivos (UCI) do

Petersburgo, Minsk, tendo ganho

a sua câmara preparada e fez a sua

Hospital Juan Ramón Jiménez de

dois prémios na categoria de ciência,

primeira fotografia aquando chegada

Huelva. O lugar mais diferenciado,

nas cidades de Moscovo e Tóquio.

das EPIs (equipamentos de proteção

com mais meios e patologias mais

Outras fotografias individuais foram

individual). A sua intenção só era

complexas em que trabalhou.

galardoadas com prémios

registar algo que ele sabia que faria

Atualmente regressou a um Centro

internacionais e nacionais.

história, e recordemos que nos

de Saúde mantendo a sua ligação

Um dos seus trabalhos mais

primeiros meses não era permitido o

às urgências.

importantes foi sobre a doação e

acesso dos meios de comunicação,

35

Indice

PANDEMIA: O OLHAR ATRAVÉS DE UMA LENTE


Foto _ Santana de Yepes

o que o tornou numa testemunha

Publicou um livro com o seguinte

E também nesta entrevista

única da primeira vaga.

título “UCI nos tempos de pandemia“

concedida à LIFESAVING, ele termina

As fotografias refletem o medo, as

com fotografias e textos explicativos,

agradecendo a toda a equipa da UCI

ansiedades, a falta de sono. Eram

numa linguagem aberta e emotiva.

do Hospital Juan Ramón Jiménez,

duas realidades paralelas, uma na

Devido à falta de registos da

porque perante a adversidade não

UCI onde os doentes faleciam em

pandemia o jornal “El País”

perderam a esperança e lutaram

menos de 24 horas, sem capacidade

convidou-o a participar no projeto

sempre pelo melhor dos doentes.

para despedir-se nem falar com

“Arquivo COVID” onde as suas

familiares - Fotografias de solidão e

fotografias podem ser consultadas.

morte crua. A outra realidade era social, as pessoas eram conscientes

https://archivocovid.com/autores/

do que estava a acontecer, os meios

fran-fernandez-a0007-an/

de comunicação mostravam a imagem infantil, a cara amável do

É tão reconhecida o seu labor que no

pesadelo que se vivia, animando a

dia de Andaluzia, a 28 de fevereiro o

bater das palmas e fazer desenhos

Governo Andaluz fez um homenagem

para os sanitários, ignorando a

aos profissionais de saúde que

verdadeira cara do vírus. Por isso, o

estiveram na primeira linha, durante

seu projeto tinha que ser leal e

a pandemia, e ele foi escolhido para

verdadeiro com a realidade.

recolher a medalha em representação de todo o colectivo Andaluz. Lembra com emoção e

Indice

agradecimento esse dia.

36


EMERGÊNCIA INTERNACIONAL

Francisco Fernández Gómez

EXPOSIÇÃO FOTOGRÁFICA LIFESAVING: Agradecemos muito a sua generosidade por nos apresentar o seu trabalho, que nos leva a fazer um passeio pela história desta pandemia COVID-19, através das suas fotografias, acompanhadas pelos seus textos explicativos, com linguagem emotiva, transmitindo-nos a realidade daqueles dias.

Foto _ Francisco Fernández Gómez

Esta é a história de guerra contada por quem viveu nas trincheiras…

"ESTADO DE ALARMA DÍA 1" Aqueles primeiros dias da pandemia eram muito inquietantes, não só enfrentávamos nova realidade desconhecida como a sua percepção mudava constantemente. Os equipamentos de proteção individual (EPIs) passaram a formar

37

Indice

parte imprescindível do dia-a-dia, apesar de que até essa altura eram quase desconhecidos.


Foto _ Francisco Fernández Gómez

“EQUIPÁNDOSE“ Para colocar os EPIs, foram criados protocolos com listas de verificação supervisionadas por uma profissional que os lia em voz alta. Para tirar os EPIs utilizados e contaminados, foram habilitadas áreas nas quais ficavam diferenciadas as zonas limpa e sujas. Passo a passo, mantinham-se e cumpriam-se rigorosamente os protocolos propostos para garantir não contaminar nada. Igualmente para limpeza da área contaminada. Hoje sabe-se que a única medida

Indice

verdadeiramente eficaz são as máscaras e a ventilação, mas na altura todos os cuidados eram poucos.

38


Foto _ Francisco Fernández Gómez

EMERGÊNCIA INTERNACIONAL

“GASOMETRÍA” O facto dos recursos materiais, em concreto as máscaras e os restantes EPIs, se terem convertido num bem essencial, alterou muitos procedimentos. A falta de material de proteção era uma realidade. Era indispensável a correta

39

Indice

planificação das tarefas e optimizar a utilização dos meios de forma a garantir a segurança de todos os profissionais.


Foto _ Francisco Fernández Gómez

“ENCRUCIJADA“ ... Dentro do local de trabalho era fundamental a separação das chamadas “zonas sujas e limpas “. Considerava-se zona suja, um carril com linhas amarelas e pretas. Os profissionais com os seus EPIs deslocavam-se dum compartimento para outro sem sair da faixa. Por vezes estas confluíam numa encruzilhada onde ficavam presos, metáfora subtil da realidade a que se enfrentavam. Uma encruzilhada de caminhos que num sentido ou outro, terminavam no mesmo

Indice

destino: o isolamento, distância física, máscaras, recolher obrigatório e a luta incessante contra o vírus.

40


Foto _ Francisco Fernández Gómez

EMERGÊNCIA INTERNACIONAL

41

Indice

... E “HACIA LA LUZ”


Foto _ Francisco Fernández Gómez

“PACIENTE CERO” A imagem do nosso doente zero terá um lugar reservado no nosso mapa da dor por ser o inicio do quanto teríamos de viver. Com ele experimentámos pela primeira vez a solidão dum doente num compartimento isolado. A vulnerabilidade potenciada de alguém que tinha caído nas temíveis garras do vírus, envolvida numa atmosfera pesada de medo e inseguranças, que retornava aos cuidadores, igualmente vulneráveis Mas se grande era a solidão do doente, maior era a angústia dos seus familiares e amigos, os quais, na maioria das

Indice

situações, não chegaram nem ter a oportunidade de despedir-se .

42


Foto _ Francisco Fernández Gómez

EMERGÊNCIA INTERNACIONAL

“PRONANDO“ A vulnerabilidade é exposta em cada manobra de pronação, pelo que sem saber, estávamos a representar metaforicamente o que o vírus tinha feito com a sua vida, virar de cabeça para baixo o seu projeto vital. É nessa sucessão de decúbitos pronos e supinos, na qual o doente e os profissionais sanitários, vão fazer frente com esta

43

Indice

espécie de irónica acrobacia, as cruéis piruetas do seu próprio destino.


Foto _ Francisco Fernández Gómez

“HUELLAS“ Este inimigo do ar, silencioso e astuto, veio para ficar demasiado tempo, deixou pegadas que marcaram inexoravelmente as páginas das nossas vidas e a nossa história. Pegadas invisíveis, mas bem marcadas no fundo das pupilas e na expressão de cada olhar. Pegadas que fazem sulcos no rosto e na alma marcada por dor, opressão e angustia. Mas além do visível e o invisível, mas além do tempo …

Indice

ficarão as pegadas…

44


Foto _ Francisco Fernández Gómez

EMERGÊNCIA INTERNACIONAL

“ENTRENEVEROS“, “ENCASILLADOS“, ... O nosso presente definiu matizes marcadas por um antes e um depois. Nuances que esqueceram a escala de cinzentos e refletem a realidade cheia de marcados contrastes dignos de uma ficção apocalíptica. Uma sociedade confinada numa ociosa normalidade tão desejada, a prudência e o cumprimento das regras enfrentam o negacionismo letal. O empobrecimento económico duma parte da sociedade frente à especulação e ao lucro dos que encontram na crise uma oportunidade para o enriquecimento. Hospitais colapsados e morgues cheias, frente a salas improvisadas de dança com pessoas sem distância de segurança e sem máscara. Mais além disto, a nossa visão como sanitários

45

Indice

permitiu-nos ver diariamente, o brutal contraste entre vida e a morte.


Indice

Foto _ Francisco Fernández Gómez

46


Foto _ Francisco Fernández Gómez

EMERGÊNCIA INTERNACIONAL

47

Indice

... E “360 GRADOS“


Foto _ Francisco Fernández Gómez

“ABRAZO“ ... O sentido de responsabilidade, o espírito do sacrifício, a capacidade de entrega e a esperança foram a principal força motivadora que acompanhou os sanitários durante este percurso. Uma esperança que sangrava perante as cifras de mortos e perante o passo do tempo sem trégua. A esperança como único principio e fim neste árduo caminho, sagrada virtude de quem nunca desiste. Origem da força e da temperança nas piores crises e antídoto perante o medo, angústia e inquietação numa sociedade ferida cultural, económica e sanitariamente. A esperança no olhar de quem

Indice

cuidamos e dos que conseguiram, apesar de tudo, salvar a vida.

48


Foto _ Francisco Fernández Gómez

EMERGÊNCIA INTERNACIONAL

... E “UNA MIRADA DE ESPERANZA“ EDITORA

EVA MOTERO Médica VMER

Com tudo isto esperamos, caro Francisco, que continues com o teu trabalho, como testemunha do esforço que o desconhecimento nega o valor. Esperamos ainda que estas imagens ensinem e recordem os erros que não devemos voltar a cometer.

EDITOR

Muito obrigada pela colaboração, e desejamos que faças muitas mais exposições por este mudo fora e com muito sucesso.

Eva Motero e Rúben Santos

RUBEN SANTOS Enfermeiro VMER

49

Indice

Um abraço,


TERTÚLIA VMERISTA

"UPGRADE PARA MONITOR/DESFIBRILHADOR LIFEPAK 15 NA VMER, QUAL A MELHORIA MAIS SIGNIFICATIVA NA TUA OPINIÃO?"

mais “A melhoria será a significativa ecrã que qualidade do boa visão a um possibilita de rua em contexto te quando a especialmen no ecrã. de luz solar inci de problema an gr o a er se Es or. A do antecess por o de dados transmissã portátil o m co h ot blueto upgrade também é um .” or facilitad Pedro Tiago

Silva

“Eu acho qu e apenas o ecrã foi o único avanço nest a mudança. N a determinaç ão da PA e oxim etria muito mais incerta e de difícil leitura .O ECG manté m-se em conformidad e.” Pedro Migue

l Silva

“Software m ais atual……. Ecrã optimiz ado para a rua. …. Ajudas ao SAV……. Dispõe de to dos os parâmetros para

ente m do os nu o ser m r a r u nã mens …é pena o critic ve!” le mais nteiro o Mo Vasc

Indice

a a que de ECG dúvid “Sem de de envio a a facilid etooth é um lu por b lia.” va mais seca a Fon Mónic

50


TERTÚLIA VMERISTA

“ Ponto s nega tivos: M da TA m e suscep ais lenta e m dição ais tível a interfe rê TA enro ncias…mang ue la mais d da e elástic ira ifícil de a muit o além d higien izar, e saltar correr risco para a d cara d e quand e algu o está ém sob te ganch n os sã demas de suporte o... sã ia a maio dos comprid o rp o nas am arte dos su s para po b imprim ulâncias... fu rtes ir ECG nção

automaticamente devia ter a possibilidade de desactivar... Ponto s positivos maior fac ilidade de envio ECG, ec rã mas fácil de ler, maior protec ção contra choques e água.” Christian Chauvin

EDITOR

51

Indice

NUNO RIBEIRO Enfermeiro VMER TIP


Indice

52


NÓS POR CÁ

NÓS POR CÁ

A CHEGADA DA ECOGRAFÍA CLÍNICA À EMERGÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR DO ALGARVE

Barbancho Molina1 Médico da Sala de Emergência, Centro Hospitalar e Universitário do Algarve - Unidade de Faro

A ecografia médica é uma ferramenta

A aplicação da informática à

portátil com o qual iniciou uma

fundamental na prática clínica diária

ecografia, assim como as melhorias

avaliação ecográfica (de base

e de especial relevo em determinadas

técnicas, tem permitido dotar a

dicotómica), cujo objetivo era

áreas médicas, como a cardiologia e

ecografia com inúmeros

determinar a existência ou não de

ginecologia. Atualmente a evolução

complementos como doppler a cores,

líquido no abdómen, o que permitiria,

técnica e a criação de diferentes

doppler pulsado, além de ter

em caso de ser positivo, direcionar

aplicações médicas, têm apresentado

permitido diminuir o tamanho dos

directamente o doente ao bloco

um crescimento exponencial no

aparelhos. Estes avanços criaram as

operatório, acelerando a aplicação do

número de áreas clínicas onde pode

bases de um novo ramo da ecografia

tratamento correto.

ser utilizada.

médica convencional, que foi posteriormente definida como Point

Depois destes acontecimentos

of care ou bedside. O local onde foi

naquele Hospital, o Dr Liu2 formou uma

aparelho de ultrasons no Instituto

utilizado pela primeira vez a ecografia

equipa que desenvolveu uma formação

Naval de Investigação Médica no fim

com este formato, e de forma pouco

em ecografia clínica obrigatória para

dos anos quarenta, sob a base do

consciente, foi em 1991 na cidade

todos os internos da especialidade de

fenómeno da piezoelectricidad,

Los Angeles (Califórnia), durante os

Emergência, esta inovação foi

descrito por Pierre Curie em 1890. No

confrontos produzidos entre

posteriormente extrapolada para o país

ano 1957 foi criado o aparelho

diferentes gangs, que produziu

inteiro, sendo criado na American

percursor dos que conhecemos na

inúmeros feridos por arma branca,

College of Emergency Physicians em

atualidade, fruto do trabalho

arma de fogo e acidentes de viação.

1995, a secção de Ecografia de

desenvolvido pelo Dr Donald e pelo

O hospital Los Angeles Country

Emergência. No ano 2001 o The

Engenheiro Tom Brown, que criaram

Southern of Califórnia, recebeu

Americam College of Emergency of

um scanner bimensional sem

inúmeros destes doentes com

Physicians cria a primeira guideline

necessidade do uso da técnica de

suspeita de hemorragias internas,

sobre ecografia clínica3

submersão utilizada.

que precisavam urgentemente de

Contemporâneamente o físico Dr John

realizar uma TAC. Uma situação

Hoje a ecografia realizada pelo

Wild é reconhecido como o pai da

complexa já que o aparelho se

mesmo profissional que atende

ecografia médica, depois de ter sido o

encontrava três pisos acima do nível

inicialmente o doente, sob um

primeiro a obter imagens de tecidos

do serviço de urgência. Por esta

conceito dicotómico (tem ou não

mediante a aplicação de ultrassons.

altura um dos médicos levou ao

tem), e que em conjunto com a

serviço de urgência um ecógrafo

informação clínica da exploração

O Dr George Ludwig

1,2

desenvolveu o

53

Indice

1


Indice

permite formalizar uma atitude

desenvolvido sob a estrutura criada

(politraumatizado major, hipotensão/

terapêutica, é definida de várias

pelos protocolos já existentes de

shock, dispneia/falência respiratória),

formas, sendo os sinónimos mais

ecografia clínica, os quais serão

para assim poder encurtar o tempo de

frequentes, ecografia clínica, point of

integrados nos fluxogramas de decisão

diagnóstico e fazer uma terapêutica

care ou bedside, estas duas mais

normalmente utilizados na VMER.

mais focada na base etiológica

frequentes no mundo anglo-saxónico.

A fase inicial da formação será

Esta técnica é aplicada em diferentes

baseada no procolo eFAST (Extended

BIBLIOGRAFIA

áreas como a urgência, a emergência

Focused Assessment with sonography

1.

pré-hospitalar, em cuidados

in Trauma), com o qual se aprendem as

The History of US: From Bats and Boats to the

intensivos, etc.

bases da avaliação abdominal e

Bedside and Beyond:RSNA Centennial Article.

torácica, perante a suspeita de líquido

RadioGraphics 35, 960–970 (2015).

Kaproth-Joslin, K. A., Nicola, R. & Dogra, V. S..

O Centro Hospitalar Universitário do

livre. Posteriormente avançar-se-á para

Algarve, em conjunto com a

a avaliação pulmonar mediante o

and Ultrasound.” Annals of Emergency Medicine

Coordenação das Viaturas Médicas de

protocolo BLUE (Bedside Lung

65 (2015): 346-347.

Emergência e Reanimação (VMER) de

Ultrasound Exam) e o FEEL (Focused

Faro, tem desenvolvido um programa

Echocardiografic Evolution in

Emergency ultrasound guidelines. Ann Emerg

de formação que pretende integrar a

Resuscitation), sendo o último o

Med. 2009 Apr;53(4):550-70. doi: 10.1016/j.

ecografia clínica nos protocolos

protocolo RUSH (Rapid Ultrasound in

annemergmed.2008.12.013. PMID: 19303521.

assistenciais de todas as VMER do

shock and hypotension).

Algarve ( Faro , Albufeira, Portimão),

O objetivo final é que o operacional da

com o alvo de melhorar a qualidade

VMER seja capaz de integrar a

assistencial dos doentes, mediante a

informação da ecografia clínica na

formação dos dois elementos da

avaliação inicial da abordagem

equipa (médico e enfermeiro). O

pré-hospitalar nas doenças, com maior

conteúdo das formações vai ser

potencial de morbimortalidade

54

2.

3.

Liu, Rachel B.. “Pediatric Emergency Critical Care

American College of Emergency Physicians.

EDITORA

CATARINA TAVARES Enfermeira VMER Heli INEM


Indice

55


Indice

56


NÓS POR CÁ

NÓS POR CÁ

ERASMUS MUNDUS MASTER COURSE IN EMERGENCY AND CRITICAL CARE NURSING Ana Agostinho1 1

Enfermeira VMER de Faro e Albufeira

Nos meses de outubro e novembro

A colaboração da equipa da VMER de

Mais uma vez, foi uma experiência

de 2021, a equipa da VMER de Faro

Faro foi no sentido de proporcionar

que se revelou enriquecedora para os

colaborou uma vez mais com a

estágios de observação a dois alunos

participantes, quer para a equipa

Escola Superior de Saúde da

do curso, com duração entre 30 e 60

VMER envolvida em cada turno, quer

Universidade do Algarve (UAlg), no

horas no seu total.

para os estudantes observadores,

mestrado em Enfermagem de

Assim, cada um dos alunos teve

pela análise informal efetuada no

Emergência e Cuidados Críticos

oportunidade de observar a

final dos estágios.

- Erasmus Mundus, à semelhança do

intervenção da equipa nas diversas

A equipa da VMER de Faro manifesta,

que já ocorrera em Outubro e

saídas que a VMER teve ao longo do

uma vez mais, a sua disponibilidade

Novembro de 2019.

tempo de duração do estágio.

para colaborar em futuras

O Erasmus Mundus Joint Master

No período de 18 de outubro a 1 de

oportunidades de formação neste

Degree in Emergency and Critical Care

novembro esteve connosco o

âmbito e outras que possam surgir, e

Nursing é oferecido através de um

estudante Karim Jebuni Feseini, do

agradece a prestimosa colaboração

consórcio entre a Universidade de

Gana e, de 15 a 19 de Novembro,

da Sra. Professora Filomena Matos

Oviedo (Espanha), a Universidade do

estagiou a estudante Panyada

Algarve e o Instituto Politécnico de

Cholsakhon, da Tailândia.

Santarém (Portugal) e a Universidade de Napier (Reino Unido)1.

EDITORA

https://www.ualg.pt/curso/1705

57

Indice

1

ANA AGOSTINHO Enfermeira VMER Heli INEM


Indice

58


“UM PEDACINHO DE NÓS”

UM PEDACINHO DE NÓS Ana Rodrigues1, Teresa Castro 2 2

Enfermeira das VMER de Faro e Albufeira, Enfermeira da VMER de Albufeira

Voltamos com a nossa rubrica “Um

onde completou o Mestrado em

Transmite-nos com esta simples

Pedacinho de nós”, na qual iremos

Medicina, em língua inglesa, na

frase as emoções e a ambição que

apresentar-vos a Isabel Rodrigues, a

Faculdade de Medicina da

fizeram parte desta sua etapa de

nossa médica da VMER Faro

Universidade Masaryk em Brno.

vida, não só em realizar o tão

e Albufeira.

Estudar no estrangeiro não era a sua

desejado curso de Medicina, como na

Nasceu em São Brás de Alportel,

primeira opção, mas, uma vez que

imensa vontade em regressar ao seu

situado entre o barrocal e a serra do

sonhava ser médica desde muito

belo “Algarve”: “ADOREI ter estudado e

Caldeirão, (na verdade nasceu no

pequenina, e por não ter atingido a

ter vivido fora, mas, como boa e

Hospital de Faro, mas é natural de

média escolar necessária para

orgulhosa algarvia que sou, regressei,

São Brás de Alportel, aka “Centro

frequentar este curso em Portugal, os

inicialmente não para o Algarve, mas

do Universo”).

seus pais proporcionaram-lhe a

com eventual regresso inevitável.”

O seu percurso escolar desde o

oportunidade de concretizar este

Ao longo deste seu percurso

pré-escolar até ao ensino secundário

sonho. E foi com essa convicção,

Universitário jamais havia ponderado

foi realizado na sua cidade natal, até

coragem e determinação que

estar ligada à emergência médica,

que, um belo dia, embarcou num

concretizou esse objetivo

como está atualmente. Aliás, foram

“aviãozinho” até à República Checa,

tão desejado.

várias as vezes que chegou a afirmar

59

Indice

1


Indice

60


“UM PEDACINHO DE NÓS”

que não fazia parte das suas

impressionada com a existência de

ir beber um copo ao fim de semana,

escolhas futuras!!…. No entanto, logo

um humilde e corajoso popular que

deixar de usar mascara

após ter iniciado o internato geral, a

se encontrava no local, disponível e

obrigatoriamente... enfim, coisas

sua curiosidade em relação ao

empenhado em ajudar a vítima. Outra

simples!”. Afirma a mesma, serem

pré-hospitalar começou a crescer, e

ocorrência que marcou deveras o seu

estes os seus projetos futuros pelos

ser “médica da VMER” passou a ser

percurso no pré-hospitalar foi um

quais tanto anseia.

um objetivo. Sentia que poder fazer a

despiste de um ligeiro que ficou

É com agrado e muita satisfação que

diferença no desfecho de uma

suspenso numa valeta, com um

reconhece ter a sorte e a

ocorrência de emergência, logo no

desencarceramento complicado e

oportunidade de trabalhar noutras

local, devia ser a melhor sensação do

demorado com difícil e quase

frentes da emergência médica, uma

mundo!!! Concretizou esse objetivo

impossível acesso á vítima

vez que é médica CODU e médica do

em 2013, com todo o seu

politraumatizada. Outro dos

Serviço de Helicópteros de

entusiasmo, euforia e dedicação, e

episódios com grande implicação

Emergência (SHEM), o que sem

iniciou logo turnos que pareciam

psicológica e algo “chocante” que

dúvida, a torna mais feliz e

infindáveis nas VMER de Faro

nos conta foi o ter chegado a uma

complementa a sua formação e a sua

e Albufeira.

casa onde estava uma mãe a olhar

atitude em contexto de emergência.

Ao longo de todos estes anos

para a massa encefálica do filho que

Por último afirma: “Para mim ser

presenciou múltiplas situações

tinha acabado de se suicidar com um

médica na emergência pré-hospitalar

caricatas, umas boas e outras más,

tiro de caçadeira na cabeça, bem

tem sido um orgulho, no entanto, entre

lembra-se de situações “divertidas”

como a ocorrência de um

todas as pessoas às quais tenho que

tais como:

assassinato da uma avó presenciado

agradecer pelo apoio neste percurso,

Uma ocorrência em que foram

pelas netas…

sinto que devo reconhecer a toda a

chamados por abuso de heroína e,

A grande questão que a nossa

equipa de enfermagem com a qual

assim que administramos o

entrevistada nos coloca em forma

tenho trabalhado, a dedicação, o

antagonista, a vítima disse-lhes:

de desabafo é: “Como se gere este

empenho, a ajuda e tudo o que me

“Então? Cortaste-me a moca porquê?

stress?”. Assim sendo, revela-nos

têm ensinado.”

Estou a celebrar ter saído da

que ainda está longe de ter essa

reabilitação hoje.”

resposta, sólida e segura. Também

Lembra também quando foi ativada

nos evidencia que tem por norma

para um jovem inconsciente, e

refletir muito após cada ocorrência,

chegaram ao local e a vítima estava a

sobre o que foi feito, e o que

tomar banho (sozinho) para ir limpo

poderia ter corrido melhor, e avalia

para o hospital;

as situações sempre como forma

Confessa-nos, que tem

de aprendizagem.

maioritariamente gravadas as

Atualmente é Interna de Formação

situações menos boas, como que em

Específica de Medicina Interna do

jeito de aprendizagem e crescimento

Hospital de Faro e, por motivos

pessoal e profissional… Dá-nos um

pessoais e familiares, não possui

exemplo de uma paragem

tanta disponibilidade para trabalhar

cardiorrespiratória num bebé, e de

na VMER, no entanto, reconhece: “O

um trauma com amputação do

bichinho continua cá dentro!”.

membro inferior, em que a vítima se

Assegura também que, como o seu

mantinha positivo e agradecido por

tempo para hobbies também este é

se manter vivo. Nessa mesma

limitado, de momento sonha com

ocorrência diz-nos que ficou

“voltar a viajar, ler um livro até ao fim,

EDITORA

ANA RODRIGUES Enfermeira VMER Heli INEM

EDITORA

61

Indice

TERESA CASTRO Enfermeira VMER


INSTANTÂNEOS EM EMERGÊNCIA MÉDICA

EDITORA

TERESA FARIA DA MOTA Médica VMER

EDITORA

Indice

SOLANGE MEGA Enfermeira SIV/VMER

62


INSTANTÂNEOS EM EMERGÊNCIA MÉDICA

"IT IS AMAZING WHAT YOU CAN ACCOMPLISH IF YOU DO NOT CARE WHO GETS THE CREDIT." – HARRY TRUMAN

AUTOR: PEDRO PAIVA

63

Indice

TEPH SIV LAGOS


TESOURINHO VMERISTA

Pedro Oliveira Silva 1 1

Médico VMER

"Numa madrugada em que os termómetros em Faro apresentavam uma temperatura estranhamente baixa, o anúncio de uma nova saída conseguiu inundar-nos de calor, sendo que o alerta era de uma jovem, nos seus 30 anos, que teria sofrido um acidente/agressão e como fator de gravidade tinha um objeto empalado no seu corpo de localização indeterminada.

Congressos e Cursos

À nossa chegada ao local, qual nosso espanto quando uma jovem se aproxima de nós, sem qualquer tipo de dano aparente, nos direcciona para outra vítima, esta do sexo masculino, com um fácies de dor e vergonha. À exploração inicial não foram detectados objetos e quando questionado o senhor nos

direciona para a região sagrada e para um objecto de cariz sexual inserido na totalidade na cavidade rectal, exclamando "as brincadeiras que nos metemos". Resultado: viagem ao serviço de urgência ao cargo da cirurgia geral para remoção do dito!"

VI JORNADAS TÉCNICAS DE MEDICINA INTENSIVA 19 a 20 de Fevereiro 2022 | Online

ICE - INTERNATIONAL CONGRESS ON EMERGENCY 2022 1 de Abril de 2022 | Teatro das Figuras, Faro, Portugal EDITOR

Indice

PEDRO OLIVEIRA SILVA Médico VMER CODU

64


TESOURINHO VMERTISTA

FRASE MEMORÁVEL

“O vulcão que abalou, não só o Pacífico, mas todo o mundo” (…) “O tsunami chegou ao Japão, ao Chile, ao Peru a aos EUA, pelo Pacífico, e subiu o nível do mar em Portugal, pelo Atlântico. O vulcão marítimo é parecido com o dos Capelinhos, mas muito mais explosivo”. In Jornal on-line Obervador | 18 jan 2022 Fonte: https://observador.pt/2022/01/18/o-vulcao-que-abalou-nao-so-o-pacifico-mas-todo-o-mundo-porque-e-que-a-erupcao-de-tonga-se-sentiu-ate-em-portugal/

“Erupção do vulcão de Tonga foi equivalente a milhares de bombas de Hiroshima” “A NASA estima que a erupção do vulcão de Tonga tenho libertado energia correspondente a cerca de 4 a 18 megatoneladas de TNT. Bomba de Hiroshima libertou 15 mil toneladas”.

In Jornal on-line Obervador | 24 jan 2022, 22:00

65

Indice

Fonte: https://observador.pt/2022/01/24/erupcao-do-vulcao-de-tonga-foi-equivalente-a-milhares-de-bombas-de-hiroshima/


BEST SITES

EMergucate Neste blog reservado à temática da emergência médica poderá encontrar múltiplos podcasts e posts de divulgação clínica (incluindo as

componentes imagiológica, laboratorial e eletrocardiográfica), módulos de aprendizagem e um fórum de discussão

https://www.emergucate.com/

[TMF] The Medical Futurist The Medical Futurist é um site que mostra uma visão futurista e inspiradora dos cuidados de saúde, divulgando os avanços mais

recentes nas tecnologias digitais, inteligência artificial e dispositivos médicos desta nova era de inovações em Medicina

EDITOR

Indice

BRUNO SANTOS Médico VMER

66

https://medicalfuturist.com/future-emergency-medicineinnovations-making-patients-point-care/


BEST APPS

BEST APPS Seguindo a linha das temáticas apresentadas nas revistas apresento mais uma aplicação que se poderá revelar útil quando é difícil manusear o telefone para pedir ajuda e outra que pode ser um bom auxiliar de registo para quem tem epilepsia.

SEIZURE EMERGENCY ALERT Desenvolvido pelos The Texas

executável em qualquer parte do

Guardians. Este aplicativo é uma

mundo. Durante a emergência basta

maneira fácil e rápida de enviar um

agitar o celular para o alerta ativar. Se

alerta SOS em caso de convulsão.

não for possível agitar, basta

Permite escolher os números de

pressionar o botão liga / desliga 4

telefone de emergência o que o torna

vezes e o alerta será ativado

https://play.google.com/store/apps/details?id=com.seizure.alert

EPILEPSY JOURNAL Aplicação que lhe permite

das tendências e padrões da sua

documentar diariamente variáveis

epilepsia. Esta aplicação servirá

relativas à sua epilepsia, tais como

como uma ajuda de comunicação

tipos e causas de ataque. A

preciosa, permitindo que gere um

informação registada é organizada

relatório conciso e profissional que

em gráficos fáceis de ler que lhe

pode ser partilhado com os

permitem uma rápida visualização

seus médicos

https://play.google.com/store/apps/details?id=com.ollytreeapplications.epilepsyjournal

EDITOR

67

Indice

PEDRO LOPES SILVA Enfermeiro VMER Heli INEM


Indice

Centro Académico de Investigação e Formação Biomédica do Algarve 68


GENELAB BY ABC - LABORATÓRIO DE INVESTIGAÇÃO GENÉTICA É na universidade do Algarve que

de mil doenças raras.

O ABC irá realizar testes em áreas

vai ficar sediado provisoriamente o

Num futuro próximo, irá integrar o

como a neurologia, cardiologia e

primeiro laboratório de

novo edifício dedicado à saúde e

oncologia, o que é fundamental para

investigação genética no Algarve.

investigação, que será construído em

a escolha do melhor tratamento

Através de um financiamento

Loulé. Esta infraestrutura pretende

possível para cada doente.

europeu de mais de 1 milhão de

corrigir diversas carências da região

euros, o laboratório GENELAB by

do Algarve, neste caso específico no

Contacte-nos através do site

ABC, vai poder diagnosticar mais

domínio dos exames genéticos.

https://genelab-abc.pt

Centro Académico de Investigação e Formação Biomédica do Algarve

O ABC no âmbito da candidatura

intitulada “ABC COVID-19”, foi

de "Melhor Projeto" e recebeu um

apresentada à 14.ª Edição do Prémio

selecionado como um dos

Certificado de Boas Práticas.

de Boas Práticas em Saúde (PBPS),

candidatos ao Prémio na categoria

69

Indice

PROJETO “ABC COVID-19” RECEBE CERTIFICADO DE BOAS PRÁTICAS


Defective chromosome separation in a cell derived from a patient with biallelic mutations in the BUB1 gene. Mitotic chromosomes, magenta; centromeres, green; spindle, blue © Sara Carvalhal, 2022

ESTUDO CIENTÍFICO COM PARTICIPAÇÃO ABC: IDENTIFICADOS OS PRIMEIROS PACIENTES COM NOVA DOENÇA RARA CAUSADA POR ERROS NA DIVISÃO CELULAR Um novo estudo publicado na Science

clínicas e moleculares semelhantes

Human Genetics do Diagnostic and

Indice

Académico depacientes Investigação e Formação do Algarve Advances descreve os doisCentro primeiros às dos descritos, como aBiomédica Research Center for Molecular pacientes com mutações em ambas

aneuploidia variegada em mosaico

BioMedicine, Áustria; o Cancer Center

as cópias de BUB1, um gene crucial

(MVA), as coesinopatias e a

Amsterdam, o Department of Clinical

para a divisão celular. Contrariamente

microcefalia primária (MCPH).

Genetics dos Amsterdam University

ao que se pensava, estas mutações

O estudo foi desenvolvido pelo

Medical Centers, e Northwest Clinics,

são compatíveis com a vida, apesar

Instituto Gulbenkian de Ciência em

Países Baixos.

de estarem associadas a problemas

colaboração com o Algarve

do desenvolvimento.

Biomedical Center Research Institute,

Sara Carvalhal irá agora dedicar-se a

Este estudo colaborativo entre

Portugal; a Unit of Clinical Genetics da

esta linha de investigação e estudar o

médicos e investigadores contribui

Paracelsus Medical University, o

efeito dos erros na divisão celular

também para a compreensão de

Department of Pediatrics da University

nas doenças raras no seu próprio

doenças raras com caraterísticas

Hospital Salzburg, o Institute of

laboratório no ABC.

70


FUNDAÇÃO CHAMPALIMAUD | ABC | FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE (UALG) - PÓS-GRADUAÇÃO EM FUNDAMENTOS DA MEDICINA Após o sucesso da primeira edição em

entidades. Este novo grupo de alunos

investigadores da Fundação

2020, iniciou-se um novo ciclo de

que integra a Pós-Graduação em

Champalimaud e o método PBL

estudos em Janeiro de 2022, com a

Fundamentos da Medicina, contam

(Problem-Based Learning) do Mestrado

renovação da parceria ente estas

com a vasta experiência dos

Integrado em Medicina da UALG.

Centro Académico de Investigação e Formação Biomédica do Algarve

No âmbito de um dos projetos de

Programa Operacional Regional do

âmbito do referido projeto. Este

investigação do ABC, já está em

Algarve (CRESC Algarve 2020).

projeto tem como principal objetivo

curso o projeto ALFAScore – Algarve

Atualmente, já foram contratados 4

o desenvolvimento de uma

Fit Ageing Score. Trata-se de um

bolseiros de investigação, os quais

ferramenta que permita avaliar o

projeto cofinanciado por fundos

vão ficar dedicados a 100% às

grau de envelhecimento da

europeus, nomeadamente pelo

atividades a serem desenvolvidas no

população da região do Algarve.

71

Indice

PROJETO ALFAScore – ALGARVE FIT AGEING SCORE BY ABC


PRÉMIO DE BOAS PRÁTICAS 2022 - Algarve Active Ageing O Programa para uma Sociedade

Durante o primeiro semestre de

Este encontro regional pretende

Longeva – PSL lança a primeira

2022, terá lugar o Encontro Regional

promover e divulgar as melhores

edição do Prémio de Boas Práticas

do Algarve de Inovação e Boas

práticas da região do Algarve no

2022 Algarve Active Ageing – A3

Práticas no Envelhecimento Ativo e

âmbito do envelhecimento ativo e

Centro Académico de Investigação e Formação Biomédica do Algarve para a região do Algarve, em parceria Saudável, onde serão apresentadas saudável e fomentar o diálogo e o com o Reference Site Algarve Active

as melhores candidaturas, votados e

debate na procura de melhores

Ageing, com a Comissão de

anunciados os vencedores do

soluções e abordagens para a

Coordenação e Desenvolvimento

Prémio de Boas Práticas 2022

melhoria da qualidade de vida da

Regional do Algarve, com o Centro

Algarve Active Ageing.

população sénior.

Académico Algarve Biomedical Center e a Universidade do Algarve. As candidaturas estão abertas até ao dia 25 de fevereiro de 2022.

Indice

https://www.ualg.pt/programa-para-uma-sociedade-longeva-promove-concurso-de-fotografia

72


CENTROS DE PROMOÇÃO DE VIDA SAUDÁVEL E ENVELHECIMENTO ATIVO em Tavira O ABC como coordenador do centro

O ABC propõe-se a criar o Campus

para o Envelhecimento e Para a

de referência para o Envelhecimento

Med Life, destinado à formação num

Doença, numa parceria entre o ABC e

Ativo e Saudável - Algarve Active

estilo de vida saudável, associada ao

a Universidade Johns Hopkins,

Ageing (A3) tem promovido com o

Estilo de Vida Mediterrânea, com

promovendo a manutenção da

Algarve Active Ageing Hub iniciativas

formação prática, complementada

capacidade física e cognitiva da

desde a investigação laboratorial,

com o recurso a tecnologias de

população e a reabilitação nas

translacional, clínica, formação e

realidade virtual. Será ainda criado

situações de doença.

aplicação na comunidade.

um Centro de Terapêuticas Digitais

Centro Académico de Investigação e Formação Biomédica do Algarve

CENTROS DE TESTAGEM ABC COVID-19

Albufeira | Aljezur | Castro Marim | Faro/Loulé | Lagos | Lagoa | Moura | Portimão | São Brás de Alportel | Silves | Tavira | Vila Real de Santo António https://abc.masterinsoft.com/

73

Indice

Mourão C, Cartaxo V, Marques N.


Indice

74


– Entrada grátis em webinares formativos a organizar pela APEMERG; – Descontos nos eventos a organizar pela APEMERG; – Participar na Assembleia Geral da APEMERG, nos termos definidos nos estatutos; – Prioridade na participação em projectos educacionais e estudos que a associação vier a promover; – Convites para entrada em eventos de parceiros na área do doente crítico. – Descontos em eventos realizados pelos nossos parceiros".

Scan para inscrição

1 Abril 2022 Teatro das Figuras, Faro

75

Indice

REGISTO ONLINE: WWW.APEMERG.PT


Indice

76


CRITÉRIOS DE PUBLICAÇÃO

CRITÉRIOS DE PUBLICAÇÃO ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO – Novembro de 2021

A Revista LIFESAVING (LF) é um órgão de publicação pertencente ao Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA) e dedica-se à promoção da ciência médica pré-hospitalar, através de uma edição trimestral. A LF adopta a definição de liberdade editorial descrita pela World Association of Medical Editors, que entrega ao editorchefe completa autoridade sobre o conteúdo editorial da revista. O CHUA, enquanto proprietário intelectual da LF, não interfere no processo de avaliação, selecção, programação ou edição de qualquer manuscrito, atribuindo ao editor-chefe total independência editorial. A LF rege-se pelas normas de edição biomédica elaboradas pela International Commitee of Medical Journal Editors e do Comittee on Publication Ethics.

respectivos autores. A LF reserva-se o direito de publicar ou não os artigos submetidos, sem necessidade de justificação adicional. A LF reserva-se o direito de escolher o local de publicação na revista, de acordo com o interesse da mesma, sem necessidade de justificação adicional. A LF é uma revista gratuita, de livre acesso, disponível em https://issuu.com/lifesaving. Não pode ser comercializada, sejam edições impressas ou virtuais, na parte ou no todo, sem autorização prévia do editor-chefe.

3. Direitos Editoriais Os artigos aceites para publicação ficarão propriedade intelectual da LF, que passa a detentora dos direitos, não podendo ser reproduzidos, em parte ou no todo, sem autorização do editor-chefe.

2. Informação Geral A LF não considera material que já foi publicado ou que se encontra a aguardar publicação em outras revistas. As opiniões expressas e a exatidão científica dos artigos são da responsabilidade dos

4. Critérios de Publicação 4.1 Critérios de publicação nas rúbricas

originais em qualquer das categorias em que se desdobra, de acordo com os seguintes critérios de publicação: Nós Por Cá - Âmbito: Dar a conhecer a realidade de actuação das várias equipas de acção pré-hospitalar através de revisões estatísticas da sua casuística. Dimensão: 250 palavras. Tertúlia VMERISTA - Âmbito: Pequenos artigos de opinião sobre um tema fraturante. Dimensão: 250 palavras. Minuto VMER - Âmbito: Sintetização para consulta rápida de procedimentos relevantes para a abordagem de doentes críticos. Dimensão: 1000 palavras Fármaco Revisitado - Âmbito: Revisão breve de um fármaco usado em emergência pré-hospitalar ou que poderia ser uma mais valia a sua implementação na carga VMER. Dimensão: 500 palavras

A LF convida a comunidade científica à publicação de artigos

77

Indice

1. Objectivo e âmbito


Journal Club - Âmbito: Apresentação de artigos científicos pertinentes relacionados com a área da urgência e emergência médica pré-hospitalar e hospitalar. Dimensão: 500 palavras

Cuidar de Nós - Âmbito: Diferentes temáticas, desde psicologia, emocional, metabólico, físico, laser, sempre a pensar no auto cuidado e bem estar do profissional. Dimensão: 500 palavras.

Nós e os Outros - Âmbito: Apresentação de artigos científicos ou artigos de opinião sobre a actuação de equipas de emergência préhospitalar não médicas. Dimensão: 1000 palavras

Pedacinho de Nós - Âmbito: Dar a conhecer os profissionais das equipas de emergência pré-hospitalar. Dimensão: 400 palavras.

Ética e Deontologia - Âmbito: Apresentação de artigos científicos ou artigos de opinião sobre questões éticas desafiantes no ambiente pré-hospitalar. Dimensão: 1000 palavras Legislação - Âmbito: Enquadramento jurídico das diversas situações com que se deparam os profissionais de emergência médica. Dimensão: 500 palavras O que fazer em caso de... - Âmbito: Informação resumida mas de elevada qualidade para leigos em questões de emergência. Dimensão: 500 palavras.

Indice

Mitos Urbanos - Âmbito: Investigar, questionar e esclarecer questões pertinentes, dúvidas e controvérsias na prática diária da emergência médica. Dimensão: 1000 palavras.

78

Tesourinhos VMERISTAS - Âmbito: Divulgação de situações caricatas, no sentido positivo e negativo, da nossa experiência enquanto VMERistas. Dimensão: 250 palavras Congressos Nacionais e Internacionais - Âmbito: Divulgação de eventos na área da Emergência Médica. Di-mensão: 250 palavras. Best Links/ Best Apps de Emergência Pré-hospitalar - Âmbito: Divulgação de aplicações e sítios na internet de emergência médica préhospitalar -Dimensão: 250 palavras Cartas ao Editor - Objetivo: comentário/exposição referente a um artigo publicado nas últimas 4 edições da revista promovendo a discussão e visão crítica. Poderão ainda ser enviados observações, casuísticas particularmente interessantes de temáticas atuais que os autores desejem apresentar aos leitores de forma concisa.

- Instruções para os autores: 1. O corpo do artigo não deve ser subdividido; sem necessidade de resumo ou palavras-chave. 2. Deve contemplar entre 500 a 1000 palavras, excluindo referências, tabelas e figuras. 3. Apenas será aceite 1 figura e/ou 1 tabela. 4. Não serão aceites mais de 5 referências bibliográficas. Devendo cumprir as normas instituídas para revista. 5. Número máximo de autores são 4. Instantâneos em Emergência Médica - Âmbito: Fotografias em contexto pré-hospitalar, contextualizadas nas diversas áreas da Emergência. - Formato: Título; Autores – (primeiro nome, último nome, título, categoria profissional opcional); imagem em formato JPEG com resolução original); Legenda explicativa com breve enquadramento ou breve comentário acerca do sentido da imagem para o Autor. – máx. 100 palavras. É de a responsabilidade dos autores respeitar a POLITICA DE PRIVACIDADE, De acordo com o art. º13.º do Regulamento Europeu de Proteção de Dados Pessoais Reg. UE 201/679. Os Autores são responsáveis por respeitar e obter o consentimento de imagem, quando necessário ( n.º 1 do artigo 79.º do C.C).


CRITÉRIOS DE PUBLICAÇÃO

Posters em Emergência Médica - Âmbito: Apresentação sumária de Póster científico original, sobre a temática da Emergência pré e intra-hospitalar, e do doente crítico. Dimensão: 800 a 1000 palavras. Limite de tabelas e imagens: 6

5. Referências Os autores são responsáveis pelo rigor das suas referências bibliográficas e pela sua correta citação no texto. Deverão ser sempre citadas as fontes originais publicadas. A citação deve ser registada empregando a Norma de Vancouver

4.2 Critérios gerais de publicação

79

Indice

O trabalho a publicar deverá ter no máximo 120 referências. Deverá ter no máximo 6 tabelas/ figuras devidamente legendadas e referenciadas. O trabalho a publicar deve ser acompanhado de no máximo 10 palavras-chave representativas. No que concerne a tabelas/ figuras já publicadas é necessário a autorização de publicação por parte do detentor do copyright (autor ou editor). Os ficheiros deverão ser submetidos em alta resolução, 800 dpi mínimo para gráficos e 300 dpi mínimo para fotografias em formato JPEG (.Jpg), PDF (.pdf). As tabelas/figuras devem ser numeradas na ordem em que ocorrem no texto e enumeradas em numeração árabe e identificação. No que concerne a trabalhos científicos que usem bases de dados de doentes de instituições é necessário fazer acompanhar o material a publicar do consentimento da comissão de ética da respectiva instituição. As submissões deverão ser encaminhadas para o e-mail: revistalifesaving@gmail.com


Estatuto Editorial

Indice

A Revista LIFESAVING é uma publicação científica e técnica, na área da emergência médica, difundida em formato digital, com periodicidade trimestral. Trata-se de um projeto inovador empreendido pela Equipa de Médicos e Enfermeiros das Viaturas Médicas de Emergência e Reanimação (VMER) de Faro e de Albufeira, pertencentes ao Centro Hospitalar Universitário do Algarve, e que resultou da intenção estratégica de complementar o Plano de formação contínua da Equipa. A designação “Lifesaving”, que identifica a publicação, é bem conhecida por todos os profissionais que trabalham na área da emergência médica, e literalmente traduz o desígnio da nobre missão que todos desempenham junto de quem precisa de socorro – “salvar vidas”. Esta Publicação inovadora, compromete-se a abraçar um domínio editorial pouco explorado no nosso país, com conteúdos amplamente dirigidos a todos os profissionais que manifestam interesse na área da emergência médica. Através de um verdadeiro trabalho de Equipa dos vários Editores da LIFESAVING, e

80

aproveitando a sua larga experiência em Emergência Médica, foi estabelecido o compromisso de apresentar em cada número publicado, conteúdos e rubricas de elevada relevância cientifica e técnica no domínio da emergência médica. Por outro lado, este valioso instrumento de comunicação promoverá a partilha das ideias e conhecimentos, de forma completa, rigorosa e assertiva. Proprietário: Centro Hospitalar Universitário do Algarve, E.P.E. NIPC: 510 745 997 Morada: Rua Leão Penedo, 8000-386 Faro N.º de registo na ERC: 127037 Diretor: Dr. Bruno Santos Editor-Chefe: Dr. Bruno Santos Morada: Rua Leão Penedo, 8000-386 Faro Sede da redação: Rua Leão Penedo, 8000-386 Faro Periodicidade: trimestral

TIPO DE CONTEÚDOS Esta publicação periódica pretende ser uma compilação completa de uma seleção de matérias científicas e técnicas atualizadas, incluídas em grande diversidade de Rubricas, incluindo: – “Nós Por Cá” – Âmbito: Dar a conhecer a realidade de atuação das várias equipas de ação pré-hospitalar através de revisões estatísticas da sua casuística. Poderá incluir também a descrição sumária de atividades, práticas ou procedimentos desenvolvidos localmente, na área da emergência médica – Dimensão: 500 palavras; – “Tertúlia VMERISTA” – Âmbito: Pequenos artigos de opinião sobre um tema fraturante – Dimensão: 250 palavras;

– “Minuto VMER” – Âmbito: Sintetização para consulta rápida de procedimentos relevantes para a abordagem de doentes críticos, ou de aspetos práticos relacionados com Equipamentos utlizados no dia-à-dia. Dimensão: 1000 palavras; – “Fármaco Revisitado” – Âmbito: Revisão breve de um fármaco usado em emergência pré-hospitalar, ou que poderia ser uma mais valia a sua implementação na carga VMER. – Dimensão: 500 palavras; – “Journal Club” – Âmbito: Apresentação de artigos científicos pertinentes relacionados com a área da urgência e emergência médica pré-hospitalar e hospitalar. -Dimensão: 500 palavras; – “Nós e os Outros” – Âmbito: Apresentação de artigos científicos ou artigos de opinião sobre a atuação de equipas de emergência préhospitalar não médicas. -Dimensão: 1000 palavras; – “Ética e Deontologia” – Âmbito: Apresentação de artigos científicos ou artigos de opinião sobre questões éticas desafiantes no ambiente pré-hospitalar. -Dimensão: 500 palavras; – “Legislação” – Âmbito: Enquadramento jurídico das diversas situações com que se deparam os profissionais de emergência médica. – Dimensão: 500 palavras; – “O que fazer em caso de…” – Âmbito: Informação resumida, mas de elevada qualidade, para leitores não ligados à área da saúde, ou da emergência médica -Dimensão: 500 palavras; – “Mitos Urbanos” – Âmbito: Investigar, questionar e esclarecer questões pertinentes, dúvidas e controvérsias na prática diária da emergência médica. -Dimensão: 1000 palavras;


ESTATUTO EDITORIAL

PREVISÃO DO NÚMERO DE PÁGINAS: 50; TIRAGEM: – não aplicável para a publicação eletrónica, não impressa em papel.

ONDE PODERÁ SER CONSULTADA: Pode ser consultada no site do CHUAlgarve, no setor “Comunicação”, no domínio http:// www.chualgarve.min-saude.pt/ lifesaving/, e adquirida gratuitamente por subscrição nesse mesmo site. Não dispomos ainda de um site oficial para organização dos nossos conteúdos, de modo que atualmente todas as Edições estão a ser arquivadas no Repositório Internacional ISSUU, onde poderão ser consultadas gratuitamente (https://issuu.com/lifesaving). Marcamos presença ainda noutras plataformas de divulgação (Facebook, Instagram, Twiter e Youtube).

N.º 1 do art.º 17.º da Lei de Imprensa: Garanta de liberdade de imprensa: 1 - É garantida a liberdade de imprensa, nos termos da Constituição e da lei. 2 - A liberdade de imprensa abrange o direito de informar, de se informar e de ser informado, sem impedimentos nem discriminações. 3 - O exercício destes direitos não pode ser impedido ou limitado por qualquer tipo ou forma de censura

DIVULGAÇÃO DA LIFESAVING: A LIFESAVING será difundida no site do Centro Hospitalar do Algarve (no setor média e imagem), e sua Intranet, com possibilidade da sua subscrição para receção trimestral via e-mail. Inserida on-line no repositório de publicações ISSUU, adquirindo um aspeto gráfico otimizado para tornar a leitura ainda mais agradável. Será também difundida na página de Facebook da VMER de Faro, página própria com o nome LIFESAVING.

81

Indice

– “Cuidar de Nós” – Âmbito: Discussão de diferentes temáticas, de caráter psicológico, emocional, metabólico, físico, recreativo, centradas no autocuidado e bem estar do profissional da emergência. -Dimensão: 500 palavras; – “Pedacinho de Nós” – Âmbito: Dar a conhecer, em modo de entrevista, os profissionais da Equipa das VMER de Faro e Albufeira ou outros Elementos colaboradores editoriais da LIFESAVING. – Dimensão: 500 palavras; – “Vozes da Emergência” – Âmbito: Apresentar as Equipas Nacionais que desenvolvem trabalho na Emergência Médica, dando relevância a especificidade locais e revelando diferentes realidades. – Dimensão 500 palavras; – “Emergência Global” – Âmbito: publicação de artigos de autores internacionais, que poderão ser artigos científicos originais, artigos de opinião, casos clínicos ou entrevistas, pretendendo-se divulgar experiências enriquecedoras, além fronteiras; – “Tesourinhos VMERISTAS” – Âmbito: Divulgação de situações caricatas, no sentido positivo e negativo, da experiência dos Profissionais da VMER. – Dimensão: 250 palavras; – “Congressos Nacionais e Internacionais” – Âmbito: Divulgação de eventos na área da Emergência Médica – Dimensão: 250 palavras; palavras; – “Best Links/ Best Apps de Emergência Pré-hospitalar” – Âmbito: Divulgação de aplicações e sítios na internet de emergência médica pré-hospitalar -Dimensão: 250 palavras


Indice

82


ERRATA

ERRATA

Na página 29 da Edição nº 22 da Revista LIFESAVING (de 5 de Novembro de 2021) foi omitido acidentalmente o nome do Autor e respetiva Afiliação, na sequência da publicação do artigo "Alimentação: um caminho para a saúde e performance", referente à Rubrica CUIDAR DE NÓS. Pelo lapso, pedimos desculpa ao Autor, e fazemos aqui a reposição integral da informação: Autor: Ruben Correia

83

Indice

Afiliação: Nutricionista, Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA) – Unidade de Faro


Indice

84


Issuu converts static files into: digital portfolios, online yearbooks, online catalogs, digital photo albums and more. Sign up and create your flipbook.