Page 1

1

FILOSOFIA BÁSICA Prof. Leonides da Silva Justiniano O problema do conhecimento Das tantas definições que podem ser aplicadas ao ser humano, talvez a que mais lhe seja conveniente diga respeito à sua característica investigativa – a curiosidade!! O ser humano é, enfim, um animal que indaga, que questiona, que tem sede de saber! Para as pessoas, as coisas não estão simplesmente aí, não são “dadas”. As coisas têm um significado além, devendo, portanto, serem decodificadas, interpretadas. O mundo, a vida, as próprias pessoas são um enigma, um mistério... Afinal, o que é a vida? Já dizia o poeta Gonzaguinha: “Mas e a vida? E a vida o que é, diga lá, meu irmão... É a batida de um coração? É uma doce ilusão? Há quem diga que a vida da gente é um nada no mundo... ...É o sopro do Criador...” Também nós podemos ser um mistério para nós mesmos, jamais desvendado. Podemos não problematizar nossa existência. Ou podemos não assumir o desafio de viver. Foi o que afirmou Saint Exupèry: “Aquele que passou pela vida em brancas nuvens, nunca sentiu a dor da despedida e a alegria do reencontro, o calor de uma lágrima e a felicidade de um sorriso, foi espectro de homem, não foi homem, passou pela vida, mas não viveu.” Seja em busca de segurança, seja em busca de domínio, o desvendamento do mundo, dos mistérios da vida, dos mistérios do ser, impulsiona o ser humano, cada vez, mais, na jornada do conhecimento, na conquista dos instrumentos da razão. Mas, como tudo deve ter uma finalidade, não basta o conhecimento pelo conhecimento: deve haver uma finalidade. A finalidade, o destino do ser humano... Qual será? A história da humanidade, de uma certa forma, é a história de suas idéias, de suas buscas, de suas descobertas, de seu crescente domínio dos fenômenos da natureza. Diante de algo hermeticamente fechado sobre si mesmo, ou frente a um objeto ou animal que procede de forma inovadora, o ser humano se coloca as mais variadas questões: Que é? Como pode? Para quê? Por quê?? Aliás, frente a si mesmo a pessoa se coloca em situação de curiosidade. Existem questões que estiveram e certamente sempre vão estar presentes na vida das pessoas; estas, as chamadas “questões existenciais”, envolvem a todo e cada ser humano em ao menos um momento de sua vida. E elas fazem eco às indagações dos primeiros antepassados sapiens: • De onde vim? • Quem sou eu? • Que é isto, a vida, que me envolve? • Para onde vou? É a partir destas questões, que ao menos uma vez em todo o tempo da vida se colocou a cada um dos seres humanos, de um modo ou de outro, em uma linguagem mais figurada ou mais racionalmente formulada, que brotou, de certa forma, a Filosofia. Porém, a Filosofia pode ser considerada um momento segundo, pois a sua sistematização é decorrência da evolução e suplantação de um tipo de pensamento elementar, fantasioso, ainda que sedento da verdade – o pensamento mítico. O pensamento mítico é uma dos tipos de conhecimento humano, e não o mais rigoroso. Mesmo assim, deve-se deixar patente, é uma forma de conhecimento. Então, conhecimento, o que é? Para discutir o conhecimento e a verdade Sendo definido como animal racional, os temas do “conhecimento” e da “verdade” são bastante significativos para o ser humano. Afinal, é por sua capacidade de “conhecer” as coisas que as pessoas se distinguem, incomensuravelmente, dos outros seres. Nessa busca de conhecer, o que se procura é a verdade das coisas (dos seres). Todavia, há que se questionar: que é conhecer? E, igualmente, que é a verdade? De acordo com o Aurélio1, “conhecer” vem do latim cognoscere, que significa “ter noção, conhecimento, informação, de; saber”; “ser muito versado em; conhecer bem”; “travar conhecimento com”; “ter conhecimento de causa; ter experimentado”; “distinguir, reconhecer”; “apreciar, julgar, avaliar”... Já o “conhecimento”, derivado do verbo “conhecer”, significa “ato ou efeito de conhecer”; “idéia, noção”; “informação, notícia, ciência”; “prática de vida, experiência”; “discernimento, critério, apreciação”; “processo pelo qual se determina a relação entre sujeito e objeto”; “a apropriação do objeto pelo pensamento, como quer que se conceba essa apropriação: como definição, como percepção clara, apreensão completa, análise, etc.”; “a posição, pelo pensamento, de um objeto como objeto, variando o grau de passividade ou de atividade que se admitam nessa posição”. 1

Dicionário Aurélio – Século XXI – versão eletrônica: versão 3.0, 1999.

Filosofia – Uma Breve Introdução

Leonides da Silva Justiniano


2

Por fim, “verdade” seria, também de acordo com o Aurélio, “conformidade com o real; exatidão, realidade”; “franqueza, sinceridade”; “coisa verdadeira ou certa”; “princípio certo”; “representação fiel de alguma coisa da natureza”; “caráter, cunho”; “objeto central da reflexão filosófica, fio condutor em relação ao qual, em última instância, se definem, se aproximam e divergem as escolas filosóficas”. Em suma, poder-se-ia afirmar que o conhecimento, o ato de conhecer é um “processo” de apreensão do real, do ser das coisas, de tal maneira que se atinja a verdade desse real, desses seres, dessas coisas. Conhecer seria conseguir estabelecer uma relação de plena conformidade entre aquilo que algo é e a idéia que se tem desse algo. A verdade seria essa situação de convicção, de certeza de que esse algo é, de fato, aquela idéia que se tem dele e, não, outra coisa. Mas, ainda persiste um problema: até que ponto aquilo que alguém julga “saber”/”conhecer” de algo corresponde, de fato, àquilo que esse algo é? E mais: pode, apenas uma pessoa, se arrogar o privilégio de deter conhecimento verdadeiro sobre algo? Ou o contrário: será que algo passa a ser considerado verdadeiro apenas pelo fato de um grande número de pessoas (todas, de uma determinada região e em uma dada época, por exemplo) estarem convictas de que conhecem esse algo? A verdade, então, seria decorrente da mera opinião reinante? Pense-se, a respeito, no exemplo de Galileu, de Copérnico e de Giordano Bruno 2. Então não seria possível encontrar a “Verdade”, mas apenas pequenas “verdades” transitórias ou hipóteses que estariam sempre sujeitas à verificação? Há que se fazer uma distinção entre alguns tipos de “verdade”. De um modo geral, teríamos verdades que são lógicas e que não requerem (ou não podem) ser validadas pela experiência. Seus conteúdos impõem-se por si sós, de maneira necessária e contingente – seriam “verdades a priori”, como, por exemplo a aceitação de que a verdade do bem é de que ele só possa ser reconhecido como aquilo que proporciona o aperfeiçoamento e/ou a realização de algo ou alguém. É contraditório pensar-se em algo que seja, ao mesmo tempo, um bem e cause danos – portanto, é contingente ao bem (faz parte da própria definição, de sua compreensão, de sua “natureza”) o aperfeiçoamento, a realização do ser em quem atua ou que o recebe; e ter essa característica é, sempre, essencial ao bem (é-lhe necessário, não podendo ser de outra forma, porque, então, deixaria de ser aquilo que é, o bem). Há, por outro lado, verdades que não são de caráter meramente lógico, mas, sim, de caráter físico ou empírico; essas são as “verdades” que requerem, para sua validação, uma experimentação, uma averiguação de seus componentes, a constatação de sua regularidade – regularidade, esta, que vai conduzir à construção ou estabelecimento das chamadas “leis físicas”, que buscam ser universais, necessárias e verificáveis. Tais “regularidades”, impropriamente chamadas de “leis” são, todavia, mais que certezas definitivas, hipóteses constantemente experimentadas, desafiadas e validadas (ou contestadas). Esse é o “espírito científico”. Diante do desafio de se conceber uma “verdade” relativa, mutável, sujeira a experimentações e o encontro de uma verdade “permanente”, “imutável”, surgem algumas posturas de crença ou dúvida. A essas posturas costuma-se atribuir os nomes de dogmatismo e relativismo. O dogma é, em termos religiosos, um ponto doutrinário indiscutível e fundamental (conf. Aurélio); mas é, também, alguma afirmação ou ponto aceito como pressuposto válido em sistemas científicos e filosóficos ( axioma). Dogmatismo, por extensão, é a postura que afirma que existem verdades (imutáveis) e que essas podem ser conhecidas – e, mesmo, que podem ser conhecidas pelo uso da razão, independentemente de experimentos físicos ( a priori). O dogmático, portanto, é aquele que tem a firme convicção de que a verdade existe e que pode ser conhecida, e, não raro, está convicto de que ele está com a verdade, a verdade está nele, ou que ele detém a verdade. Contrariamente ao dogmatismo, encontra-se a postura cética. Cético, de um modo geral, é aquele que duvida, ou seja, que não crê de qualquer forma, sem provas. Existiriam dois tipos de céticos: um seria o que vive conforme um ceticismo relativo, em que se aceita que, se existir a verdade, ela é difícil de ser encontrada, que os meios de que dispomos para conhecer não são capazes de atingir a verdade em toda a sua plenitude. Outro tipo de ceticismo seria o absoluto. O ceticismo absoluto é aquela postura onde se afirma que a verdade não existe e, se existisse, não teríamos condições de conhecê-la. Esse ceticismo absoluto ou radical também é designado por niilismo (do latim nihil, nada), cuja postura radical se caracteriza pela “não-crença”. Essa postura de não-crença é, também, designada de agnosticismo, que significa uma “posição metodológica que só admite os conhecimentos adquiridos pela razão e evita qualquer conclusão não demonstrada” (conf. Aurélio). O agnosticismo (termo derivado de a – não – e gnose – conhecimento – donde, agnose = não conhecimento, sem conhecimento) até aceita a existência de realidades metafísicas (além da matéria), as não se refere a elas por carecerem de formas de demonstração racional. Pode-se afirmar que, por sobre toda essa discussão paira, ainda, o problema de se saber se as vias pelas quais o conhecimento é construído e a verdade alcançada são válidas. Entra, aqui, a disputa entre racionalistas (idealistas) e empiristas (pragmáticos/materialistas): uns, afirmando que o conhecimento procede principalmente da razão e que as coisas devem se conformar com os princípios racionais (Descartes 3); outros, ao contrário, afirmando que o verdadeiro conhecimento consiste na adequação da mente com as coisas e que, não raro, esse conhecimento passa pelos sentidos, pela experiência (Bacon4). 2

Giordano Bruno (1548-1600) foi um pensador italiano condenado à morte na fogueira por causa de suas idéias e teorias que tinham como ponto principal a contestação do sistema cosmológico vigente na época, que considerada a Terra como centro do universo. Esse modelo de universo se baseava nas proposições do astrônomo grego Ptolomeu. Nicolau Copérnico (1473-1543) foi um sacerdote polonês que escreveu o livro Da revolução das esferas celestes, onde combatia o paradigma (a concepção de mundo) vigente na época, que afirmava que a Terra era o centro do universo (Teoria Geocêntrica): Copérnico defendeu a tese, ao contrário, de que o Sol era o centro do universo e que esse universo era infinito. Galileu Galilei (1564-1642) é considerado um dos pais da Física moderna, mas se tornou conhecido por sua posição de defesa do modelo cosmológico proposto por Copérnico. Considerado herege, teve de optar entre retratar-se (renuncia às suas teorias, afirmando que estava errado) ou morrer queimado na fogueira. Sua teoria e seus estudos permaneceram e provaram, posteriormente, a veracidade de suas convicções. 3 René Descartes (1596-1650) foi um pensador que colocou em xeque os fundamentos da ciência de sua época, ao postular um princípio fundamentalmente racional (e, não, apenas místico) para a origem do conhecimento. Desenvolveu, de fato, um “método” de conhecimento, expresso em sua obra Discurso do método, o qual principia por um “dogma” cético: a dúvida, mas dúvida metódica, a partir da qual, tendo relativizado ou duvidado de tudo o que se professara até então como verdadeiro, teria condições de construir as bases de um novo conhecimento, fundado em idéias claras e distintas. É dele o lema “Cogito ergo sum” (Penso logo existo).

Filosofia – Uma Breve Introdução

Leonides da Silva Justiniano


3

De todo o exposto até aqui, podem-se tecer algumas conclusões, ainda que provisórias. Antes de qualquer coisa, a respeito do conhecimento. Conhecimento é o pensamento que emerge da relação entre um sujeito que conhece – que se aplica racionalmente em descobrir a “verdade” – e um objeto que se dispõe a ser conhecido – que se propõe a “desvelar” sua “verdade”, seu ser. Conhecimento, portanto, pode ser considerado como uma ferramenta mediante a qual o ser humano compreende si mesmo e o “mundo” em que se encontra. É, também, embora sob uma concepção limitada, o instrumento que propicia o “domínio” e “manipulação” da realidade física e social. “O conhecimento é o pensamento que resulta da relação que se estabelece entre o sujeito que conhece e o objeto a ser conhecido. A apropriação intelectual do objeto supõe que haja regularidade nos acontecimentos do mundo; caso contrário, a consciência cognoscente nunca poderia superar o caos.” (Aranha & Martins, 1996, p. 21. Grifos das autoras) O Conhecimento, então, mesmo que não seja explicitado um método – sobretudo no sentido “científico”, em sua concepção atual – vai buscar desenvolver-se mediante uma “lógica” (racional ou não) e, analogamente, procurar encontrar uma outra “lógica” no objeto sobre o qual se debruça ou com o qual se relaciona. Se, contemporaneamente, em geral, referimos o conhecimento à produção científica, acadêmica, ou aos saberes sistematizados e mediatizados racionalmente, não se pode esquecer que ainda co-existem muitas formas de conhecimento, nem todas fundadas na razão. Há, por exemplo, um conhecimento mais intuitivo: “... nós apreendemos o real também pela intuição, que é uma forma de conhecimento imediato, isto é, feito sem intermediários, um pensamento presente ao espírito. Como a própria palavra indica ( tueri em latim significa ‘ver’), intuição é uma visão súbita. Enquanto o raciocínio é discursivo e se faz por meio da palavra, a intuição é inefável, inexprimível...” (Aranha & Martins, 1996, p. 22. Grifos das autoras) Por ser um tipo de conhecimento mais “espontâneo” e, por isso, menos sistemático, o conhecimento intuitivo se encontra aquém do conhecimento mítico, porque esse tipo de conhecimento – o mítico – já implica em uma busca de organização e sistematização. QUADRO SÍNTESE I DA VERDADE Extraído de MATALLO Jr., Heitor. Mito, Metafísica, Ciência e Verdade. Construindo o Saber. Metodologia Científica, Fundamentos e Técnicas. Campinas, SP: Papirus, 1989, p. 35ss Em toda nossa discussão está implícito que existe alguma coisa que pertença à realidade e alguma coisa que se constitui como um discurso sobre esta realidade. A idéia de Verdade aparece, então, como uma correspondência entre este discurso e a realidade. Aristóteles foi o primeiro pensador a formular esta relação quando definiu a verdade como “dizer do que é, que é, e do que não é, que não é”. Há, no entanto, um outro sentido para verdade. É quando de sua aplicação a uma realidade. Diz-se de uma realidade que é verdadeira em oposição à aparente, ilusória, etc. Esta tradição de pensar a verdade foi inaugurada por Platão com sua Teoria das Formas e a pressuposição de que existe uma essência verdadeira e permanente em oposição às aparências, que são fugazes e enganadoras. Atingir a verdade seria, então, atingir a essência da realidade. Não está em questão aqui o modo como um mero código de interposição entre a realidade e o sujeito conhecedor, mas sim o fato de que haverá um processo de clarificação do real, eliminando-se tudo aquilo que esconde a essência dos fenômenos, que é permanente e verdadeira. Esta concepção é também chamada de ontológica, por identificar a verdade com o ser (no sentido de existir) da realidade. Para Platão, assim como para os modernos essencialistas Hegel e marx, somente a essência adquire o estatuto de permanente e, portanto, cognoscível. As aparência são mistificadoras e escondem a verdadeira natureza das coisas. Esta concepção da verdade tem muitas conseqüências epistemológicas. A primeira delas é que a verdade – quando encontrada – será definitiva, pois a essência é permanente. Assim, verdade e essência coincidem, emprestando à teoria uma característica ontológica que por si só já oferece uma tendência à imunização. Se uma teoria é verdadeira porque atingiu a essência da realidade, então não pode ser refutada. Em segundo lugar, se uma dada teoria é considerada verdadeira então não há nenhum motivo para que se realizem pesquisas, pois a essência já é o conhecimento integral e último da realidade. Esta concepção é inibidora da busca de novos conhecimentos e, portanto, do desenvolvimento científico. Há ainda outra característica do essencialismo, que é uma certa visão conspiratória do mundo, coisa que foi bem acentuada por Popper. Se a verdade existe, por que não se instaura, não aparece? É necessário, dizem os essencialistas, que se faça sempre um enorme esforço para desvendar a realidade de sua aparência e falsidade, mas o engano e o erro retornam sob outra forma. É como se houvesse uma constante luta entre o erro e a verdade e esta última perdesse por causa dos interesses egoístas de alguns homens ou classes. A concepção marxista é a típica representante desta visão, onde o interesse de classe burguês conspira contra a instauração da verdade (seja ela no campo teórico ou prático) e do progresso da humanidade. [...] A história da ciência tem mostrado que não existe uma “coisa” (teoria, proposição ou fato) que possa seriamente ser designada como verdadeira. Existem teorias, proposições e fatos que hoje são verdadeiros, ou o são relativamente a uma certa perspectiva, a um certo contexto. Isso significa que, por princípios, todas as teorias, proposições ou fatos que hoje consideramos verdadeiros podem deixar de sê-lo amanhã. Nós jamais teremos a completa e absoluta certeza de termos atingido a verdade. Por mais que uma teoria tenha evidências comprobatórias não há 4

Francis Bacon (1561-1626) é considerado um dos pais da moderna ciência, tendo desenvolvido um sistema de pensamento que passou a ser designado de positivismo, onde busca a constituição de um sistema, baseado na experiência, na pesquisa, que passou a constituir o fundamento da ciência moderna. É dele o lema “Saber é poder”, demonstrativo de sua profunda crença no poder da razão – e, por extensão, da ciência.

Filosofia – Uma Breve Introdução

Leonides da Silva Justiniano


4

nenhuma garantia de que um fato novo não venha a falsificá-la. Há uma assimetria – como acentuou Popper – entre a confirmação e a falsificação. Este princípio mostra que uma teoria não fica mais forte e nem melhor com a inclusão de novos resultados que a confirmem. Mas, ao contrário, um único fato que lhe seja contrário é suficiente para falseá-la. Poderíamos caracterizar a tese da verdade como correspondência como a Tese dos Dois Mundos: o mundo dos fatos e o mundo das idéias sobre os fatos, das proposições e teorias. Segundo esta concepção, o mundo das proposições e teorias “fala” sobre o mundo dos fatos e tenta representá-lo o mais fielmente possível. A história da ciência revelaria este esforço de representação, bem como a sucessiva aproximação em direção à verdade, na medida em que se aproximaria da “representação fiel dos fatos”. Nesta medida, seria sempre possível – para esta concepção – atingir a verdade, pois bastaria a formulação de uma teoria que representasse fielmente os fatos. Já discutimos a idéia de fatos e mostramos que eles dependem das teorias. Não há esse pretenso mundo dos fatos como algo constante e imutável. Podemos dizer que os dois mundos não são independentes como o realismo ingênuo supõe. Mas, então, o que podemos aceitar como sendo a verdade da Verdade? [...] ... O rápido progresso científico e a refutação das grandes teorias clássicas, paradigmas de verdade e coerência, geraram uma certa instabilidade na ciência. Como postular a veracidade de uma teoria se, a qualquer momento, ela pode ser refutada e substituída por outra? Isto levou à caracterização das teorias (principalmente na física) como meros instrumentos de entendimentos dos fatos e não propriamente como verdades sobre eles.

O pensamento mítico O conhecimento mítico, todavia, apesar de ser um avanço (mesmo que despretensioso) em relação ao conhecimento intuitivo, não consegue esgotar a verdade das coisas de maneira ampla e inquestionável, devido a seu caráter etnocêntrico ou culturalmente determinado, o que faz com que suas respostas tenham uma limitação própria à identificação com objetos e seres específicos, limitação que só vai ser suplantada, em grande parte, pela Filosofia e, quase totalmente, pela Ciência positiva ou experimental. O pensamento mítico, porém, é a primeira das tentativas organizadas de se responder às grandes interrogações que a vida e o mundo impuseram, desde sempre, aos seres humanos. Assim, na busca por respostas que pudessem trazer segurança ao ser que se encontra, um dia, sobre a face da terra, começaram a surgir esboços explicativos às mais diversas indagações. Só que as respostas não se faziam de forma racional, quanto à sua apresentação. Mesmo tentando responder às dúvidas mais diversas, as respostas, contudo, eram feitas segundo um molde específico: mediante alegorias, com um recurso à linguagem figurada. Era a criação mítica! Os mitos são, portanto, as primeiras tentativas de se responder às grandes questões do universo, sobretudo às questões sobre as origens – e não só sobre as origens do universo, mas inclusive das coisas que o integram: seus fenômenos, as plantas, os animais, as pessoas, as paixões... O mito assume diversas manifestações, segundo Aranha & Martins (1996), tais como: na preocupação com a origem divina da técnica; na natureza divina dos instrumentos; na origem da agricultura; na origem dos males; na fertilidade das mulheres; no caráter mágico das danças e desenhos. As mitologias são a tentativa de compreender o mundo e, dessa forma, dominá-lo. Concomitantemente, às narrativas mitológicas associam-se rituais, que revivem aquilo que narram. Os rituais têm um caráter de “atualização”: eles fazem com que aconteça, no tempo em que se realizam, aquilo que as narrativas afirmam. Uma postura possível sobre o que venham a ser os mitos nos é oferecida por Eliade (1972), para o qual todos os povos tiveram e têm os seus mitos. Para este autor, então “De modo geral pode-se dizer que o mito, tal como é vivido pelas sociedades arcaicas, 1) constitui a História dos atos dos Entes Sobrenaturais; 2) que essa História é considerada absolutamente verdadeira (porque se refere a realidades) e sagrada (porque é obra dos Entes Sobrenaturais); 3) que o mito se refere sempre a uma ‘criação’, contando como algo veio à existência, ou como um padrão de comportamento, uma instituição, uma maneira de trabalhar foram estabelecidos; essa a razão pela qual os mitos constituem os paradigmas de todos os atos humanos significativos; 4) que, conhecendo o mito, conhece-se a ‘origem’ das coisas, chegando-se, consequentemente, a dominá-las e a manipulá-las à vontade; não se trata de um conhecimento ‘exterior’, ‘abstrato’, mas de um conhecimento que é ‘vivido’, ritualmente, seja narrando cerimonialmente o mito, seja efetuando o ritual ao qual ele serve de justificação; 5) que de uma maneira ou de outra, ‘vive-se’ o mito, no sentido de que se é impregnado pelo poder sagrado e exaltante dos eventos rememorados e reatualizados.” (Eliade, 1972, p. 21-22. Grifos do autor)

Mito, de acordo com Eliade, não é apenas a designação de um tipo específico de discurso – uma narrativa – sem maiores implicações sobre a realidade do que tentar explicar sua origem (dessa mesma realidade). A importância do mito estaria em seu papel de mediador entre as pessoas e a natureza misteriosa do universo e aquilo que o compõe, bem como por integrar a identidade de uma dada sociedade (acima referidas como arcaicas), além de ser capaz de atualizar – ou reatualizar – aquilo que narra. Eliade afirma o mito como um elemento componente da vida das sociedades e que busca, apesar de sua linguagem figurativa, fantasiosa, alegórica, pronunciar-se sobre a verdade última e primeira de todas as coisas, materiais ou não. Como os mitos são a forma mais “primitiva” de se explicar a realidade, como os mitos são a forma pela qual a razão primeiramente ascende ao mistério das coisas, e como todos os povos tiveram, originariamente, seus mitos, Filosofia – Uma Breve Introdução

Leonides da Silva Justiniano


5

importa ressalvar que alguns desses mitos permaneceram, em sua estrutura primeira, outros foram modificados ao longo do tempo, outros foram transformados em uma linguagem mais racional e substituídos. Contudo, afirmar que os mitos desapareceram de todo é um engano. A psicanálise demonstra, de fato, como os meios de comunicação, de persuasão, sobretudo mediante a publicidade, fazem uso de imagens míticas, recorrendo a pessoas que são transformadas em “ídolos”, em estrelas, em... mitos!! Assim, temos alguém que é um “mito” de beleza, alguém que é um “mito” de sucesso, alguém que é um “mito” de solidariedade, alguém que é um “mito” de abnegação, etc. Sinal de que os mitos, ainda que transmutados, continuam presentes nas culturas mais eivadas pela tecnologia. A esse processo pode-se designar de “antropomorfização” – conferir uma forma humana, ou encarnar, o ponto central, o âmago da narrativa mítica. Todavia, se os mitos trabalham com conteúdos profundos de nosso ser, se dizem respeito a fenômenos da natureza, da realidade visível ou não, se os mitos são uma busca da “verdade” – dizendo respeito, então, a algo que, atualmente, pode ser expresso e explicado por uma linguagem mais racional, científica – esses mitos, a mitologia em geral não pode ser confundida ou comparada com as lendas. As lendas não visam explicar coisa alguma, não envolvem rituais, não estão ligadas a realidades que pretendem esclarecer e dominar. As lendas são como que passatempo, “invenções” sem qualquer pretensão fora o distrair (mesmo que através do medo), ou propor ensinamentos de cunho moral. E nisso as lendas se associam aos “contos-de-fada”. Com uma distinção: os contos-de-fada trabalham com conteúdos do psiquismo humano, elaborando e re-elaborando situações, tensões, dinamismos da personalidade. Os contos-de-fada encontram-se, ainda, fora do tempo, mas em um tempo que pode ser qualquer tempo, pois é um tempo psíquico: “Era uma vez...”. Por seu lado, as lendas são bem situadas no tempo e no lugar: “...em tal mata, nos idos de mil novecentos e tanto..., apareceu um homem cuja dentadura era toda de ouro...” . Elas podem transcender essa limitação quando incorporadas à cultura (cultura de folk, como afirmam alguns antropólogos e historiadores). O tempo também não existe nos mitos, mas porque eles são sempre atuais e atualizados mediante os rituais. Para a mentalidade “primitiva” os mitos são um elemento integrante da vida. Antes, a vida é uma expressão do mito: as coisas, os elementos da natureza, os aspectos da realidade são posteriores aos mitos – são a prova de que os mitos estão corretos, de que expressam a verdade. Não se pode confundir, então, MITO com mentira, nem com lenda, nem com crendices, nem com contos-defada. Os mitos têm uma dinâmica toda própria em sua busca de verdade, mas caracteriza-se por buscar a verdade. A “verdade” dos contos-de-fada restringe-se ao plano psíquico, no inconsciente. A crendice é um meio termo entre a lenda e a superstição, uma leitura distorcida da realidade. Também nós possuímos muitas crendices, pois não nos movemos em um mundo que é constantemente interpelado sobre suas fundamentações. Cremos que... Cremos em... Cremos! Crer é aceitar algo como dado, sem ser submetido a dúvida ou crítica. A crença não busca fundamentações para subsistir, não busca “certezas”: a crença dá a certeza como pressuposta. A postura de dúvida, surgida com a admiração das coisas e seu questionamento, a busca de desvelar o que era “crido” é que vai gerar o espírito filosófico e, posteriormente, científico. Se no campo da mitologia estamos no plano da total possibilidade, no campo filosófico no plano da verdade e certeza racionais, no campo científico estaremos no plano da probabilidade, ou de uma “verdade empírica”. Aliás, como discutiremos mais adiante, o conceito de “verdade” é algo que deve ser tematizado, de forma a se elucidar as diversas concepções de verdade que se ocultam por sob um mesmo termo. Importa, agora, avançar naquela jornada em busca do conhecimento e que, se principiou pelo pensamento mítico, transmuta-se, gradualmente, em pensamento filosófico. O pensamento filosófico A característica maior do pensamento de caráter filosófico é que vai procurar questionar a própria natureza do conhecimento. E isso de maneira mais racional que intuitiva ou alegórica, de maneira mais radical que superficial, de maneira mais de conjunto que isoladamente. O conhecimento filosófico, ao menos hipoteticamente, vai se caracterizar por uma postura de humildade diante das coisas, sabedor de que a realidade mesma das coisas não é facilmente acedida pelo pensamento, de que a relação entre sujeito cognoscente e objeto conhecido envolve uma equação muito mais complexa. Devido a esse pressuposto, a primeira ruptura introduzida no pensamento ocidental direciona-se, justamente, contra a suposta pretensão de posse definitiva da verdade – seja lá o que isso quer dizer. A Filosofia, ou melhor, os filósofos, “superando” as limitações figurativas – e bastante concretas – do pensamento mítico ou dos sábios, vão encetar uma postura mais “abstrata”, buscando um conhecimento que, por estar livre das amarras concretas dos objetos em si mesmos, poderia ser mais universal, em extensão, e mais essencial, em profundidade. Essa base do pensamento filosófico é o conceito.

“Os conceitos, como veremos, têm necessidade de personagens conceituais que contribuam para sua definição. Amigo é um desses personagens, do qual se diz mesmo que ele testemunha a favor de uma origem grega da filo-sofia: as outras civilizações tinham Sábios, mas os gregos apresentam esses ‘amigos’ que não são simplesmente sábios mais modestos. Seriam os gregos que teriam sancionado a morte do Sábio, e o teriam substituído pelos filósofos, os amigos da sabedoria, aqueles que procuram a sabedoria, mas não a possuem formalmente. Mas não haveria somente diferença de grau, como numa escala, entre o filósofo e o sábio: o velho sábio vindo do Oriente pensa talvez por Figura, enquanto o filósofo inventa e pensa o Conceito.” (Deleuze & Guattari, 1992, p. 10-11. Grifo dos autores)

Entretanto, o surgimento da Filosofia não se faz de uma hora para outra, com todas as suas características já determinadas: a Filosofia, na verdade, retoma os mesmos temas ou problemas trabalhados pela mitologia e busca darFilosofia – Uma Breve Introdução

Leonides da Silva Justiniano


6

lhes uma resposta diversa, mais racional, mais verificável, mais confiável, mais universal. Daí que os primeiros problemas filosóficos tinham como objeto central o conhecimento, ou o questionamento, da própria origem do universo. A mitologia grega tratava da origem do cosmos, mas sob uma linguagem figurativa – o que se denomina cosmogonia (de cosmo = universo, e gonos = origem); a Filosofia vai retomar essa discussão, porém, a partir do aspecto racional, discursivo, o que se denomina cosmologia (de cosmo = universo, e logos = discurso, estudo). Esse recurso ao discurso é que vai fundar o conhecimento filosófico, que é um conhecimento discursivo, o qual pode ser assim compreendido:

“Chamamos conhecimento discursivo ao conhecimento mediato, isto é, aquele que se dá por meio de conceitos. É o pensamento que opera por etapas, por um encadeamento de idéias, juízos e raciocínios que elevam a determinada conclusão.” (Aranha & Martins, 1996, p. 22. Grifos das autoras)

Esse conhecimento discursivo vai se estruturar mediante abstrações cada vez mais complexas e cada vez mais abrangentes, mais gerais, mais universalizáveis, as quais vão subsidiar a razão em seu intento de desenvolver um tal discurso sobre algo. “Para tanto, a razão precisa realizar abstrações. Abstrair significa ‘isolar’, ‘separar de’. Fazemos uma abstração quando isolamos, separamos um elemento de uma representação, elemento este que não é dado separadamente na realidade (representação significa a imagem, ou a idéia da ‘coisa’ enquanto presente no espírito).” (Aranha & Martins, 1996, p.22. Grifos das autoras)

Não obstante, se podemos conceber o pensamento filosófico como sendo marcado pela abstração em seu ápice, importa destacar que isso é resultado de um processo, e um processo que finca suas raízes na narrativa muito mais “concreta” da mitologia. Nesse sentido, vamos encontrar o pensamento filosófico “evoluindo”, desde os filósofos “présocráticos” – assim designados aqueles filósofos que antecederam, não necessariamente cronologicamente, mas quanto às “escolas” que discutiam os problemas da realidade sob uma nova ótica – até os dias de hoje, ainda que, conjuntamente, enfoque cinco campos de estudo: a lógica, a estética, a ética, a política e a metafísica. A palavra “filosofia” teria sido usada pela primeira vez por Pitágoras (570-490 a.C., aproximadamente), para quem a posse da sabedoria era algo impossível para as pessoas, as quais poderiam, apenas, persegui-la, como o amante persegue a pessoa amada. Daí, que não se pode ser sábio, mas apenas ter amizade, amor (filia, filos) pela sabedoria (Sophia). Os primeiros filósofos, no sentido estrito do termo, teriam surgido na Grécia, embora se designem outros grandes pensadores da Antigüidade de “filósofos”. Mas há uma diferença crucial: “... os primeiros filósofos da humanidade foram gregos. Isso significa que embora tenhamos referências de grandes homens na China (Confúcio, Lao Tsé) na Índia (Buda), na Pérsia (Zaratustra), suas teorias ainda estão por demais vinculadas à religião para que se possa falar propriamente em reflexão filosófica.” (Aranha & Martins, 1996, p. 62)

Tomando o argumento precedente como esclarecedor e justificativa, também assumimos o surgimento dos primeiros passos da Filosofia na Grécia, o que se deu devido a uma série de coincidências, envolvendo aspectos sociais, econômicos e tecnológicos: “...no decorrer do século VII a.C., a expansão das técnicas – já desvinculadas da primitiva concepção que lhes atribuía origem divina – passa a oferecer ao homem imagens explicativas dotadas de alta dose de racionalidade, conduzindo à progressiva rejeição e à substituição da visão mítica da realidade.” (Os pré-socráticos, 1996, p. 14)

A rejeição e substituição da visão mítica se deveram, igualmente, a outros fatores, tais como a invenção da escrita, o surgimento da cidade ( polis), a invenção da moeda e a codificação da lei escrita. É certo que as epopéias (os poemas épicos, como a Ilíada e a Odisséia) também tiveram seu papel, ainda que diminuto, uma vez que mesclava a história dos seres humanos com intervenções divinas, semideuses e heróis, fatos antepassados e invenções. Já os outros fatores têm importância pela crescente responsabilização que atribui às pessoas pelo seu próprio destino, bem como pelo impulso em direção a uma abstração gradual e cada vez mais presente na vida cotidiana. Os primeiros filósofos colocaram-se como problema a descoberta da substância primordial (archè), ou seja, a origem “material/natural/física” de todas as coisas, aquilo que existia de permanente por trás de toda a multiplicidade. Assim, “Procurando reduzir a multiplicidade percebida à unidade exigida pela razão, os pensadores de Mileto propuseram sucessivas versões de uma física e de uma cosmologia constituídas em termos qualitativos: as qualidades sensíveis (como ‘frio’, ‘quente’, ‘leve’, ‘pesado’) eram entendidas como realidades em si (‘o frio’, ‘o quente’ etc.). O universo apresentava-se, assim, como um conjunto ou um “campo” no qual se contrapunham pares de opostos.” (Os pré-socráticos, 1996, p. 15)

Os primeiros filósofos, portanto, procuravam indicar um elemento ou substância primordial que conferisse unicidade ao cosmos, tal elemento ou substância (archè) seria: - Água (Tales de Mileto, 632-546 a.C.) - Indeterminado, Infinito – Apeíron (Anaximandro de Mileto, 610-547 a.C.) - Ar (Anaxímenes de Mileto, 588-524 a.C.) - Número (Pitágoras de Samos, 570-490 a.C.) - Fogo – “vir-a-ser” (Heráclito de Éfeso, 500 a.C., aproximadamente) - Ser (Parmênides de Eléia, 510-470 a.C.) - Fogo, terra, água, ar – princípios do amor (philia) e ódio (neikos) (Empédocles de Agrigento, 490-430 a.C.) - Átomo (Demócrito de Abdera, 460-370 a.C.) Filosofia – Uma Breve Introdução

Leonides da Silva Justiniano


7

Pode-se perceber pela enumeração acima que, embora buscando superar a concepção mítica e encontrar uma explicação racional para a origem do cosmos, para uma unidade que desse sustentabilidade á realidade, o discurso dos filósofos pré-socráticos ainda se encontrava muito próximo ao mundo material, físico. Com o surgimento dos “três grandes” – Sócrates, Platão e Aristóteles – a filosofia vai dar uma guinada rumo à abstração, ao mundo das idéias, à racionalidade e à busca da “essência” nos conceitos, não mais na matéria, mas na “forma”. Antes, porém, que os “três grandes” irrompessem determinantemente no cenário grego, a filosofia nascente, que demonstrava interesse na própria pessoa e em suas relações com a sociedade, conheceu os primeiros mestres na arte da argumentação – os sofistas (que significa, etimologicamente, sábio). “Os sofistas eram professores viajantes que, por determinado preço, vendiam ensinamentos práticos de filosofia. Levando em consideração os interesses dos alunos, davam aulas de eloqüência e de sagacidade mental. Ensinavam conhecimentos úteis para o sucesso nos negócios públicos e privados.” (Cotrim, 1996, p. 101) O momento político grego favoreceu o surgimento dessa atividade praticada pelos sofistas, uma vez que, em meio a disputas políticas, o que importava era o sucesso nos debates ocorridos nas assembléias (nas ágoras). Um dos resultados da atividade sofística foi o surgimento de concepções filosóficas relativistas, uma vez que a verdade seria relativa “ao homem, ao momento, a um conjunto de fatores e circunstâncias” (Cotrim, 1996, p. 101). Nesse sentido surgem Protágoras de Abdera (480-410 a.C.) instituindo um grande subjetivismo ao erigir o “homem com a medida de todas as coisas”, e Górgias de Leontini (487-380 a.C.), que “aprofundou o subjetivismo relativista de Protágoras a ponto de defender o ceticismo absoluto” (Cotrim, 1996, p. 102). Insistindo na busca da verdade, ainda que não julgasse encontrá-la pronta, mas através de um exercício de humildade e de busca constante, surge Sócrates, considerado o divisor de águas do pensamento ocidental e dos maiores filósofos que já existiu, apesar de não ter deixado nada escrito: andava pelas ruas de Atenas conversando com as pessoas, interrogando-as sobre suas crenças. O que dele se conserva foi registrado por Platão, seu discípulo. Sócrates (nascido em Atenas em 470/469-399 a.C.) teria sido filho de um escultor (Sofronisco) e de uma parteira (Fenareta) e seu estilo de vida assemelhava-se ao dos sofistas, embora não “vendesse” ensinamentos. Seu método, a ironia, consistia em conversar com as pessoas e interrogá-las em busca das razões de suas crenças. De seu próprio conhecimento, dizia que nada sabia: “Buscava um conhecimento mais elaborado, mas, quanto mais conhecia, mais tinha consciência de que sabia muito pouco. Por assumir humildemente uma posição de ignorância, foi declarado pelo oráculo de Delfos como o homem mais sábio do mundo.” “Vivenciando as experiências do dia-a-dia e tentando questionar sempre os acontecimentos da cidade e as relações entre as pessoas, Sócrates, atento ao caminho da perfeição, inquietava os cidadãos atenienses com a magia da arte do diálogo. Ele nos ensinou que a atividade de filosofar não se distingue do próprio ato de viver, que o ato de filosofar consiste em conscientizarnos de que nada sabemos. Nas suas conversas na praça do mercado de Atenas, ele não queria ensinar, mas aprender com as pessoas. Nesse diálogo, ambos aprendiam.” (Gallo, 1999, p. 16)

A arte do diálogo, da dúvida e da ironia completava-se com a maiêutica, que se refere ao processo de concepção de idéias, o momento segundo de construção de idéias próprias e não mais recebidas passivamente. Propagando a teoria de que a verdade pode ser encontrada a partir do exercício da própria razão, Sócrates abre caminho para outro pensador e cidadão ateniense, Platão (nascido em Atenas em 427-347 a.C.), que fora seu discípulo e fundador de uma escola denominada Academia onde se ensinava filosofia, matemática e ginástica. Platão utilizava-se do método dialógico criado por seu mestre. “A preocupação central de Platão consistia em perceber a relação entre aquilo que, de um lado, é eterno e imutável, e aquilo que, de outro, flui, ou seja, movimenta-se. Concluiu que aquilo que é eterno e imutável está no plano ideal, racional, espiritual. Está naquilo que ele chamou de mundo das idéias. Já aquilo que flui pertence ao mundo dos sentido, dos acontecimentos, e é feito de um material sujeito à corrosão do tempo.” “[...] Essa divisão entre dois mundos é a marca da filosofia de Platão, aparecendo também em sua visão do homem, separando o corpo da alma. Para ele, o espírito o a alma é intelectiva (racional) e superior. O corpo é irracional (sensível) e inferior. O corpo, com suas inclinações e paixões, contamina a pureza da alma racional, impedindo-a de contemplar as idéias perfeitas e eternas. Como nossos sentidos estão ligados ao corpo, não são totalmente confiáveis. Confiável é a alma imortal, onde existe a morada da razão. E porque a alma não é material, ela pode ter acesso ao mundo das idéias.” (Gallo, 1999, p. 17-18)

De acordo com Platão, o conhecimento evolui por etapas, das quais a primeira é a “opinião” ( doxa), ainda dominada pelas impressões sensíveis derivadas dos sentidos. Para atingir o conhecimento autêntico ( epistéme) há que se recorrer a um método: a dialética, que é a contraposição de uma opinião com sua crítica, ou seja, “... afirmação de uma tese qualquer seguida de uma discussão e negação desta tese, com o objetivo de purificá-la dos erros e equívocos” (Cotrim, 1996, p. 107). Platão desenvolveu seu método recorrendo a “diálogos”, em vez de permanecer na pura conversa. Em seus “diálogos”, personagens conversam, debatendo e defendendo idéias diferentes, dialeticamente, de forma que os erros ou imprecisões de um argumento são contestados por outro argumento, o que conduz à busca de um argumento final mais correto ou, ao menos, mais purificado dos vícios e equívocos.Assim, Platão encabeçou uma postura filosófica que é considerada idealista: as idéias têm primazia sobre a realidade, e estas devem se conformar àquelas, evoluindo de um “mundo sensível” para um “mundo das idéias”, das sombras e ilusão, dos objetos sensíveis e crença para as Idéias e Conceitos. Concluindo a breve visão sobre o início da Filosofia no ocidente, abordemos o último dos “três grandes”. Aristóteles, nascido em Estagira (384-322 a.C.), é considerado o sistematizador primeiro das ciências, inclusive pela divisão em “ciências físicas” e “ciências metafísicas”, ou melhor, ciências “práticas” (ética, retórica, arte...), “produtivas” (referentes aos instrumentos da produção) e “teóricas” (teologia, matemática, ciências naturais...). Filosofia – Uma Breve Introdução

Leonides da Silva Justiniano


8

Contrariamente a seu mestre, Aristóteles afirmava que as idéias não nascem com as pessoas, “... elas não nascem conosco, elas se formam em nós com base nas experiências que temos de vida” (Gallo, 1999, p. 19). Tal postura bem pode ser uma conseqüência de sua própria formação e experiência familiar: “Filho de Nicômaco, médico do rei da Macedônia, provavelmente herdou do pai o interesse pelas ciências naturais, que se revelaria posteriormente em sua obra. Aos dezoito anos foi para Atenas e ingressou na Academia de Platão, onde permaneceu cerca de vinte anos, tendo uma atuação crescentemente expressiva.” (Cotrim, 1996, p. 110)

Contudo, se as idéias não são inatas na pessoa humana, esta possui uma razão que é inata e que é capaz de ordenar as impressões sensoriais, de forma a propiciar sua classificação em grupos e classes. Esse esforço aristotélico por ordenação vai resultar na elaboração de sua Lógica, onde busca classificar os elementos integrantes do pensamento e que vai instaurar a passagem da sensação (menosprezada por Platão) para o conceito. Aristóteles

“... rejeitava a teoria das idéias de Platão, segundo a qual os dados transmitidos pelos sentidos não passam de distorções, sombras ou ilusões da verdadeira realidade existente no mundo das idéias. Para Aristóteles, a observação da realidade leva-nos à constatação da existência de inúmeros seres individuais, concretos, mutáveis, que são captados pelos sentidos.” “Partindo dessa realidade, sensorial – empírica – a ciência deve buscar as estruturas essenciais de cada ser. Em outras palavras, a partir da existência do ser, devemos atingir a sua essência, através de um processo de conhecimento que caminharia do individual e específico para o universal e genérico.” (Cotrim, 1999, p. 111-112. Grifos do autor)

Em busca desse conhecimento mais confiável, da construção de uma ciência, enfim, Aristóteles afirmava que o ser individual não poderia ser objeto de ciência, mas apenas o universal, generalizável. Esse conhecimento generalizável, que comportaria a estrutura essencial de um determinado ser é o conceito. Da essência deve se distinguir o que é não essencial – portanto, o que é atributo circunstancial: o acidente. A partir dessa proposição, então, Aristóteles vai desenvolver seu pensamento, indicando os elementos constitutivos do pensamento; as noções de ato e potência, para explicar as transformações observadas na natureza; os princípios que devem reger o pensamento; a causalidade como explicação para a passagem da potência ao ato. Esquematizando sinteticamente: 1. Taxionomia: divisão da “ciência” – conhecimento – em Física / Metafísica; ciências “práticas”, “produtivas” e “teóricas”. 2. Lógica (elementos do pensamento: conceito, juízo e raciocínio; extensão e compreensão) a. Conceito: designação do ser (nome). Quanto á extensão pode ser: i. Universal: quando se refere à totalidade de um conjunto de seres da mesma espécie – gênero. ii. Particular: quando se refere a uma parcela de indivíduos de um determinado conjunto de seres. iii. Singular: quando se refere a apenas UM indivíduo. 3. Obs.: a extensão é inversamente proporcional à compreensão, de forma que quanto menos compreensível é um ser maior a extensão de seres a que pode se referir sua definição – quanto menos compreensível for uma designação de um ser, mais predicativos devem-se-lhe acrescentar para que seja conhecido pelo sujeito. a. Juízo: é a relação de dois ou mais conceitos tirando dela uma conclusão lógica, decorrente, pertinente (necessária). O juízo pode ser: i. Dedutivo: que parte de Termos (juízos) gerais ou Universais, atribuindo suas características aos Termos (juízos) singulares (ou particulares) ii. Indutivo: que parte de Termos (juízos) particulares ou singulares e, mediante uma enumeração de predicativos comuns a estes mesmos particulares, generaliza suas propriedades para os Termos (juízos) gerais ou Universais. 4. Transformação: passagem da potência e ato, sendo entendida a potência como a capacidade ou qualidade de um ser ainda não manifestada, mas que pode vir a ser, a se atualizar. Ato é o ser em seu estado atual, já realizado. Seres em ato podem conter potencialidades. Uma potencialidade só se atualiza mediante a ação de um ser em ato. 5. Princípios: a. Identidade: o que é, é! b. Não-contradição: nada pode ser e não ser, ao mesmo tempo, e sob o mesmo aspecto. c. Terceiro excluído: de duas afirmações contraditórias, uma é, necessariamente, verdadeira. d. Causalidade: o nada do nada vem; tudo o que existe, enquanto efeito, tem uma causa. 6. Causalidade: a. Material: a “matéria”, aquilo de que é feito um ser. b. Formal: a “essência”, aquilo que é o aparecer, que faz uma coisa ser ela e não outra. c. Eficiente: é o “agente”, a “causa geradora”, transformadora, atualizadora, quem faz. d. Final: é o “fim”, o para que de um ser, a sua razão de ser/existir. Obs.: a causa final é a última na realização, mas a primeira na “intenção”. Essas posturas iniciais de Sócrates, Platão e Aristóteles receberam muitas modificações e críticas por parte dos demais filósofos “pós-socráticos”, mas não se pode deixar de reconhecer que o trabalho intelectual por eles desenvolvido é monumental. Não se pode, atualmente, criticar a ingenuidade de algumas proposições de Aristóteles, sobretudo no que se refere às ciências da natureza, deixando de lado o contexto em que o mesmo se encontrava. É certo, também, que alguns filósofos, como Prado Jr., chegam a atribuir a Aristóteles quase que toda a responsabilidade pelo Filosofia – Uma Breve Introdução

Leonides da Silva Justiniano


9

desenvolvimento de uma ciência, ou melhor, de um conhecimento desconectado da realidade, um conhecimento que se preocupa mais em revestir as coisas por conceitos do que em descobrir, nas próprias coisas, o que elas de fato são – o que poderia ser alcançado por um método dialético. O método dialético, contudo, não é aquele que mais respostas satisfatórias possa oferecer aos problemas do conhecimento, ainda que se caracterize por apontar as contradições da realidade histórico-social e político-econômica em que vivemos. Há linhas de reflexão que interpelam a essência do fenômeno e a intencionalidade da consciência (método fenomenológico), aquelas que buscam um médium adequado para melhor servir à tarefa filosófica (método da análise lingüística), aquelas que buscam uma fidelidade aos fatos a partir da estrutura ou ordem necessária (método estruturalista), e outras. QUADRO-SÍNTESE II O NASCIMENTO DA FILOSOFIA – MITOS VERSUS LÓGOS “A única coisa de que precisamos para nos tornarmos bons filósofos é a capacidade de nos admirarmos com as coisas.” Essa observação é repetida, em letras maiúsculas, em uma das primeiras cartas que Sofia encontra em sua casa de correio, no início de O mundo de Sofia, e serve para introduzir a discussão sobre o nascimento da filosofia. O termo filosofia vem do grego: philía, quer dizer amizade; phílos, amigo ou amante; sophia, sabedoria, conhecimento, saber; sophós, sábio. O filósofo seria o amigo da sabedoria; a filosofia indicaria amor ao saber. Hoje há certa segurança em afirmar que a filosofia nasceu entre o fim do século VII e o início do século VI a.C., na Grécia Antiga. Nesse momento, mito e religião cedem lugar à razão. Pela comparação dos significados de duas palavras gregas, mýthos e logos, percebe-se o sentido dessa transição. Os mitos eram a explicação para a realidade que os gregos possuíam. A palavra mýthos não tinha, originariamente, o significado de lenda ou fábula que hoje tem. Aos poucos a palavra mýthos vai perdendo o sentido de explicação da realidade e outra palavra vem tomar o seu lugar: logos. Existem centenas de termos registrados em português que terminam com o sufixo logia. Esse sufixo vem do grego logos e tem em português o sentido de “tratado”, “estudo”, “ciência”, “que estuda”, “que trata”. Em grego, quando logos passa a assumir o sentido de explicação da realidade, mýthos passa a significar “fábula”. Mas o que essa discussão filológica tem de interessante para nós? Muito! Essa forma de pensar que nos parece única, natural, normal – a razão, o pensamento racional – surge em certo momento histórico. A razão tem um nascimento, começa a existir, não existiu desde sempre, como forma de explicar a realidade. As reflexões que podemos fazer com base nessa constatação são riquíssimas, e as perguntas, infinitas: se a razão nasce, não poderá também morrer? Não poderá surgir, em algum momento da história da humanidade, outra forma de pensamento que venha substituir o pensamento racional? Podemos explicar tudo por meio da lógica e da ciência? Além da mitologia, não existiriam outras formas de compreender o mundo? A própria mitologia não poderia, ainda hoje, ser fonte de conhecimento? Por que a razão nasce nesse momento histórico específico, a Grécia Antiga? Quais as diferenças entre esse pensamento racional, que começa a se estabelecer na Grécia, e a mitologia? E assim por diante. Para Marshall Mc Luhan, uma das revoluções que teria acompanhado o surgimento do pensamento racional na Grécia seria o processo de alfabetização: O mito, à semelhança do aforismo e da máxima, é característico da cultura oral, até que a alfabetização privasse a linguagem de sua ressonância multidimensional, cada palavra era em si própria um mundo poético, uma ‘divindade momentânea’, ou uma revelação, como parecia aos homens não-alfabetizados. Na Grécia, uma mentalidade mitopoética é substituída por uma mentalidade teorizante, positiva e abstrata. Determinada forma de inteligência, associada à memória e à audição, é superada por outra, agora apoiada na escrita. Essa nova forma de inteligência, racional, fundará a história, a dialética, o devir e a linearidade. Veremos aqui como isso ocorre e também o que significam essas palavras. Mas que nova forma de inteligência é essa, que surge associada à escrita? Como a comunicação oral exige a presença dos interlocutores, daqueles que falam, o discurso oral é indissociável do momento de sua produção. Ou seja: na situação da comunicação oral, o momento em que ocorre a produção dos discursos (as falas) é essencial e faz parte integrante da própria situação. Não existe comunicação, a não ser naquele instante. Assim, numa sociedade oral e primitiva não é possível haver diálogo ou discurso se não houver pelo menos uma pessoa ouvindo. Assim como na comunicação oral, tanto a teoria quanto a escrita produzem discursos, que são a própria teoria ou o texto escrito. Em ambos os casos, entretanto, esses discursos libertam-se da situação em que são produzidos e passam a ter existência autônoma. Eles não dependem mais do momento em que foram produzidos. Podem ser, até mesmo, criados aos poucos, em momentos diversos. Pode existir comunicação na leitura de um texto escrito, por exemplo, sem que o escritor esteja presente. Pode-se estudar uma teoria sem que seu autor esteja à nossa frente. A escrita e a teoria permitem e geram essa desvinculação entre o momento de sua produção e o discurso produzido. A situação de comunicação pode repetir-se indefinidamente, e não é mais necessário que as mesmas pessoas a presenciem, no mesmo local, para que a comunicação se efetive. A necessidade de demonstração por meio da teoria toma, paulatinamente, na Grécia, o lugar do poder de revelação dos mitos. Como afirma Châtelet, “o dizer invocativo ou mesmo simplesmente declarativo da poesia e da religião é cada vez mais vivamente colocado em questão pela tentativa filosófica de demonstração”. Essa necessidade de demonstração e de linearidade pode ser associada à escrita, enquanto na cultura oral a noção de tempo circular e de eterno retorno era essencial, já que qualquer proposição que não fosse periodicamente retomada e repetida em voz alta estava condenada a desaparecer. Pierre Lévy traça uma interessante relação entre a agricultura e a escrita...: Filosofia – Uma Breve Introdução

Leonides da Silva Justiniano


10

[...] Caçando ou colhendo, obtêm-se imediatamente as presas ou colheitas desejadas. O fracasso e o sucesso são decididos na hora. A agricultura, pelo contrário, pressupõe uma organização pensada no tempo delimitado, todo um sistema do atraso, uma especulação sobre as estações. Da mesma forma, a escrita, ao intercalar um intervalo de tempo entre a emissão e a recepção da mensagem, instaura a comunicação diferida, com todos os riscos de mal-entendidos, de perdas e erros que isto implica. A escrita aposta no tempo. [...] A questão da continuidade ou descontinuidade entre mito e filosofia gera ainda hoje polêmica. Percebe-se que nascem na Grécia Antiga um espírito de observação e um poder de raciocínio inexistentes nas civilizações anteriores. As noções de experiência e razão teriam surgido com a civilização grega. E, conseqüentemente, também os fundamentos de boa parte do pensamento ocidental. Junto com a filosofia nasce e desenvolve-se espantosamente a ciência teórica. Mas não se sabe ainda, com certeza, quanto de originalidade quanto de herança do Oriente a filosofia grega possui. Muitos afirmam que a filosofia grega, na verdade, formou-se pela mescla de idéias vindas do Oriente. Antes dos gregos existiram povos como os egípcios, sumérios, babilônios, assírios, caldeus, persas, hebreus, hititas, hegeus, lídios e fenícios. Todas as religiões e mitos orientais anteriores aos gregos possuem beleza e riqueza indescritíveis, além de que observamos inúmeros pontos de contato entre a filosofia grega e essas religiões e mitos orientais. Afinal, seria a filosofia invenção grega ou herança bárbara? Milagre grego ou tradição oriental? De outro lado, podemos questionar até que ponto essa ruptura mýthos/logos representa, realmente, a passagem de um estado para outro. Até que ponto não temos aqui simples gradação, mudança quase imperceptível de perspectiva? Até que ponto a filosofia realmente supera a filosofia. [...] Na Grécia Antiga, a uma explicação do mundo por meio da religião e dos mitos é contraposta uma nova forma de explicação, de lidar com a admiração com as coisas. A observação da realidade e a estruturação do pensamento e da linguagem passam a ser mais importantes do que a genealogia dos deuses. Marilena Chauí ilustra muito bem esses movimentos de transição e ruptura ao diferenciar os conceitos de teogonia, cosmogonia, e cosmologia. QUADRO-SÍNTESE III ELEMENTOS DO PENSAMENTO Na busca pela verdade, os primeiros filósofos procuraram o estabelecimento de normas que pudessem garantir uma validade para a atividade investigativa do pensamento. Aristóteles foi o primeiro a se colocar o problema e a intentar uma busca de solução. O caminho encontrado chamou-se “Lógica”, que consiste em uma área de investigação que tem por centro os elementos e regras que o pensamento possui e segue, a fim de encontrar conclusões que sejam universalmente válidas. A Lógica postula que o pensamento se estrutura a partir de três elementos básicos: - Conceito: que seria um termo designativo da identidade de um ser ou ente – algo como um “nome”. - Juízo: é uma operação mental que consiste na relação de dois conceitos, afirmando ou negando a identidade entre eles; - Raciocínio: é uma outra operação mental que consiste, porém, na relação de dois ou mais juízos, tirando deles uma conclusão pertinente. A Lógica postula, igualmente, que o Conceito pode ser considerado quanto à sua “extensão”, isto é, quanto à quantidade de indivíduos ou seres da mesma espécie ele que ele envolver, da seguinte forma: - Universal: quando diz respeito a todos os indivíduos de uma mesma espécie, sem exceção; faz uso das expressões “todos”, “nenhum”, ou outro termo coletivo; - Particular: quando diz respeito a uma parcela de uma totalidade ou universalidade de indivíduos de uma mesma espécie; faz uso das expressões “alguns”, “parte”, ou outro termo semelhante que indique subdivisão, partição; - Singular: quando diz respeito a um único indivíduo, seja de que espécie ou categoria for; faz uso de expressões como “este”, “um”, ou outros termos individualizantes. A Lógica, aponta, ainda, para a formação dos raciocínios, indicando três forma de sua constituição: - Dedutivamente: quando o desenvolvimento do raciocínio parte de conceitos universais, generalizando suas atribuições para conceitos particulares ou singulares; - Indutivamente: quando o desenvolvimento do raciocínio parte de atribuições pertinentes a vários singulares ou particulares, buscando uma ampliação ou aplicação à totalidade da espécie ou categoria pretendida; - Transdutivamente: quando se busca atribuir qualificativos de um conceito para outro, sendo que ambos são da mesma extensão. A estrutura geral mediante a qual os raciocínios se desenvolvem consta de três assertivas: duas premissas e uma conclusão, derivada das premissas. As premissas contêm conceitos que recebem o nome de “termos”, e os termos dizem-se “maiores”, “médios”, ou “menores” conforme sua disposição na estrutura dos raciocínios. Necessariamente, o MAIOR aparece na primeira premissa e na conclusão, o médio nas duas premissas, estabelecendo ligação entre elas (mediando, daí termo médio), e a menor na segunda premissa e na conclusão, segundo o seguinte esquema: Mm Filosofia – Uma Breve Introdução

Leonides da Silva Justiniano


11

mm mM Proposição é a elaboração de cada premissa, e argumento é a elaboração de raciocínios. Para que as conclusões sejam válidas, os termos devem ser tomados sempre na mesma acepção e na mesma extensão. Em caso contrário, estaremos elaborando um sofisma, que é um argumento com aparência de verdade, mas que esconde uma não-verdade (falácia, por exemplo, que é quando a conclusão extrapola o conteúdo das premissas).

A FILOSOFIA MEDIEVAL - Patrística e Escolástica De Aristóteles à Renascença – DURANT, W. In A História da Filosofia . Trad. Luiz Carlos do Nascimento Silva. Rio de Janeiro: Nova Cultural, 1996, p. 109-117. (Col. Os Pensadores) Quando Esparta bloqueou e derrotou Atenas em fins do século V a.C., a supremacia política saiu das mãos da mãe da filosofia e da arte gregas, e o vigor da independência ateniense decaíram. Quando, em 399 a.C., Sócrates foi executado, a alma de Atenas morreu com ele, sobrevivendo apenas em seu orgulhosos discípulo, Platão. E quando Filipe da Macedônia derrotou os atenienses em Queronéia em 338 a.C. e Alexandre incendiou a grande cidade de Tebas por completo três anos depois, nem mesmo o fato de a casa de Píndaro ter sido ostensivamente poupada conseguiu encobrir a realidade de que a independência ateniense, no que se referia a governo e pensamento, estava destruída de maneira irrevogável. O domínio da filosofia grega pelo macedônio Aristóteles refletia a sujeição política da Grécia pelos povos viris e mais jovens do norte. A morte de Alexandre (323 a.C.) acelerou esse processo de decadência. O menino-imperador, ainda que continuasse bárbaro depois de toda educação recebida de Aristóteles, havia aprendido a reverenciar a rica cultura da Grécia e sonhara em divulgar essa cultura pelo Oriente, na onda de seus exércitos vitoriosos. O desenvolvimento do comércio grego e a multiplicação dos postos de comercialização gregos por toda a Ásia Menor haviam proporcionado uma base econômica para a unificação daquela região que, a partir daqueles movimentados postos, tanto o pensamento grego como os produtos gregos fossem irradiar-se e conquistar o mundo. Mas ele subestimara a inércia e a resistência da mentalidade oriental, e a massa e a profundidade da cultura oriental. Não passava de um sonho juvenil, afinal, supor que uma civilização imatura e instável quanto a da Grécia pudesse ser imposta a uma civilização incomensuravelmente mais difundida e enraizada nas mais veneráveis tradições. A quantidade da Ásia mostrou-se demasiada para a qualidade da Grécia. O próprio Alexandre, na hora de seu triunfo, foi conquistado pela alma do Oriente; casou-se (dentre várias damas) com a filha de Dario; adotou o diadema e o manto de fala persas; introduziu na Europa a idéia oriental do divino direito dos reis; e por fim assombrou uma Grécia cética ao anunciar, num magnífico estilo oriental, que ele era um deus. A Grécia caiu na gargalhada; e Alexandre bebeu até morrer. Essa sutil infusão da alma asiática no corpo fatigado do senhor dos gregos foi seguida rapidamente da abundante entrada de cultos e fés orientais na Grécia, pelas mesmas linhas de comunicação que o jovem conquistador havia aberto; os diques rompidos deixaram o oceano do pensamento ocidental inundar as terras baixas da ainda adolescente mente européia. As crenças místicas e supersticiosas que haviam adquirido raízes entre os povos mais pobres de Hélade foram reforçadas e divulgadas; e o espírito oriental de apatia e resignação encontrou um solo pronto na Grécia decadente e abatida. A introdução da filosofia estóica em Atenas, pelo mercador fenício Zenon (cerca de 310 a.C.), foi apenas uma das inúmeras infiltrações orientais. Tanto o estoicismo como o epicurismo – a apática aceitação da derrota e o esforço para esquecer a derrota nos braços do prazer – eram teorias sobre como o indivíduo ainda poderia ser feliz, embora subjugado ou escravizado; precisamente como o pessimista estoicismo oriental de Schopenhauer e o desalentado epicurismo de Renan foram, no século XIX, os símbolos de uma Revolução despedaçada e uma França quebrada. Não que essas antíteses naturais da teoria ética fossem de todo novas para a Grécia. Nós as encontramos no sombrio Heráclito e no “filósofo que ri”, Demócrito; e vemos os discípulos de Sócrates dividindo-se em cínicos e cirenaicos sob a chefia de Antístienes e Aristipo e exaltando, uma escola, a apatia, e a outra, a felicidade. No entanto, mesmo naquela época tratava-se de modos quase exóticos de pensamento: a Atenas imperial não aderiu a eles. Mas quando a Grécia havia visto Queronéia em sangue e Tebas em cinzas, passou a ouvir Diógenes; e quando a glória havia partido de Atenas, ela estava no ponto para Zenon e Epicuro. Zenon ergueu sua filosofia da apatheia sobre um determinismo que um estóico posterior, Crisipo, achou difícil distinguir do fatalismo oriental. Quando Zenon, que não acreditava na escravidão, estava batendo num escravo seu por causa de algum delito, o escravo alegou como atenuante que, segundo a filosofia de seu senhor, ele tinha sido destinado, por toda a eternidade, a cometer aquela falta; ao que Zenon replicou, com a calma de um sábio, que, de acordo com a mesma filosofia, ele, Zenon, tinha sido destinado a bater nele por causa dela. Assim como Schopenhauer achava inútil a vontade individual lutar contra a vontade universal, os estóicos alegavam que a indiferença filosófica era a única atitude razoável para com uma vida na qual a luta pela existência está tão injustamente condenada a uma derrota inevitável. Se a vitória for inteiramente impossível, deve ser desdenhada. O segredo da paz não é tornar nossas realizações iguais aos nossos desejos, mas baixar nossos desejos ao nível de nossas realizações. “Se o que você possui lhe parece insuficiente”, disse o estóico romano Sêneca (m. 65 d.C.), “então, mesmo que você possua o mundo, irá sentir infeliz.” Um princípio desses bradava aos céus pelo seu oposto, e Epicuro, embora tão estóico em vida quanto Zenon, forneceu-o Epicuro, diz Fenelon, “comprou um belo jardim, que ele mesmo cultivava. Foi lá que instalou sua escola, e ali Filosofia – Uma Breve Introdução

Leonides da Silva Justiniano


12

vivia uma vida tranqüila e agradável com seus discípulos, aos quais ensinava enquanto andava e trabalhava. (...) Era delicado e afável com todos os homens... Afirmava que nada havia de mais nobre do que uma pessoa dedicar-se à filosofia”. Seu ponto de partida é uma convicção de que a apatia é impossível, e que o prazer – embora não necessariamente o prazer sensual – é a única finalidade concebível, e perfeitamente legítima, da vida e da atividade. “A natureza faz com que cada organismo prefira o seu próprio bem a qualquer outro”; até mesmo o estóico sente um prazer sutil na renúncia. “Não devemos evitar os prazeres, mas selecioná-los.” Epicuro, então, não é epicurista; ele exalta os prazeres do intelecto, mais do que os dos sentidos; previne contra os prazeres que excitem e disturbem a alma, à qual, ao contrário, deveriam acalmar e tranqüilizar. No fim, propõe que se procure não o prazer no seu sentido usual, mas a ataraxia – tranqüilidade, equanimidade, a paz do espírito; todos os quais oscilam à beira da “apatia” de Zenon. Os romanos, quando foram saquear Heléia em 146 a.C., encontraram essas escolas rivais dividindo o campo filosófico; e, sem terem tempo nem sutileza para especulações, levaram de volta para Roma essas filosofias, juntamente com outros produtos do seu saque. Os grandes organizadores, tanto quanto os escravos inevitáveis, tendem a estados de espírito estóicos: é difícil ser senhor ou servo se a pessoa for sensível. Por isso, a filosofia que Roma adotava era, em sua maioria, da escola de Zenon, seja em Marco Aurélio, o imperador, ou em Epíteto, o escravo; e até Lucrécio difundia estoicamente o epicurismo (como o inglês de Heine, divertindo-se melancolicamente), e concluiu sua vigorosa pregação do prazer cometendo suicídio. Sua nobre epopéia, Sobre a Natureza das Coisas, acompanha Epicuro em condenar o prazer ao elogiá-lo sem entusiasmo. Quase contemporâneo de César e Pompéia, ele viveu em meio a torvelinhos e alarmes; sua pena nervosa está eternamente compondo orações à tranqüilidade e à paz. Nós o imaginamos como uma alma tímida cuja juventude havia sido obscurecida por temores religiosos; porque ele nunca se cansa de dizer a seus leitores que não existe inferno, exceto aqui, e que não existem deuses, exceto deuses cavalheirescos, que vivem em um jardim de Epicuro nas nuvens e nunca se intrometem nos negócios dos homens. Ao crescente culto do céu e do inferno entre o povo de Roma, ele põe um materialismo implacável. Alma e mente desenvolvem-se com o corpo, crescem com o seu crescimento, sofrem com seus sofrimentos, e morrem com a sua morte. Nada existe a não ser átomos, espaço e lei, e a lei das leis é a da evolução e da dissolução em toda parte (...). [...] À evolução e à dissolução a astronômicas, acrescentem a origem a eliminação das espécies. [...] Também as nações, como os indivíduos, crescem lentamente e, com toda certeza, morrem: “algumas nações prosperam, outras decaem, e em pouco tempo as raças das coisas vivas são alteradas e, como corredores, passam adiante a lâmpada da vida.” Diante da guerra e da morte inevitável, não há sabedoria a não ser na ataraxia – “encarar todas as coisas com serenidade de espírito”. Aqui, evidentemente, toda a velha alegria pagã de viver desapareceu, e um espírito quase exótico toda uma lira quebrada. A história, que nada é a não ser humorista, nunca foi tão brincalhona como quando deu a esse abstêmio e épico pessimista o nome de epicurista. E se for este o espírito do adepto de Epicuro, imaginem o inebriante otimismo de estóicos declarados domo Aurélio ou Epíteto. Nada, em toda a literatura, é tão deprimente quanto as Dissertações do escravo, a menos que se trate das Meditações do imperador. “Não procure fazer com que as coisas aconteçam segundo a sua preferência, mas prefira que elas aconteçam como têm de acontecer, e assim viverá com prosperidade.” Não há dúvida de que é possível assim, ditar o futuro e fingir que dominamos o universo. Segundo consta o senhor de Epíteto, que o tratava com uma crueldade inalterável, certo dia decidiu torcer-lhe a perna para passar o tempo. “Se continuar”, disse epíteto com calma, “vai quebrar a minha perna.” O senhor continuou, e a perna se quebrou. “Eu não lhe disse”, observou Epíteto mansamente, “que o senhor iria quebrar a minha perna?” No entanto, há uma certa nobilidade mística nessa filosofia, como na tranqüila coragem de um pacifista dostoievskiano. “Nunca diga, de qualquer modo, ‘perdi isso assim, assim’; e sim, ‘eu restituí tal coisa’. Tua filha morreu? Foi restituída. Tua mulher morreu? Foi restituída. Perdeste os teus bens? Também não foram restituídos?” Em trechos assim, sentimos a proximidade do cristianismo e seus intrépidos mártires; de fato, não eram a ética crista da abnegação, o ideal político de uma fraternidade quase comunista do homem, e a escatologia cristã da conflagração final do mundo inteiro, fragmentos da doutrina estóica flutuando na corrente do pensamento? Em Epíteto, a alma grego-romana perdeu o seu paganismo e está pronta para uma nova fé. Seu livro teve a distinção de ser adotado como manual religioso pela primitiva Igreja Cristã. Dessas Dissertações e das Meditações de Aurélio há apenas um passo para A Imitação de Cristo. Enquanto isso, o ambiente histórico derretia-se para formar cenas mais novas.. Há um notável trecho em Lucrécio que descreve a decadência da agricultura no Estado romano e a atribui à exaustão do solo. Seja qual for a causa, a riqueza de Toma transformou-se em pobreza, a organização em desintegração, o poder e o orgulho em decadência e apatia. Cidades voltaram a fundir-se com o interior sem distinção; as estradas ficaram sem manutenção e há não ecoavam (sic) a agitação do comércio; as pequenas famílias dos romanos de instrução eram ultrapassadas, em número, pelos vigorosos alemães sem instrução que cruzavam, ano após ano, a fronteira; a cultura pagã cedeu aos cultos orientais; e quase que imperceptivelmente, o império se transformou em papado. A Igreja, apoiada nos primeiros séculos pelos imperadores cujos poderes ela absorveu aos poucos, teve um aumento rápido no aumento de adeptos, na riqueza e no raio de influência. No século XIII, já possuía um terço do solo da Europa, e seus cofres estavam inchados com donativos de ricos e pobres. Durante mil anos, ela uniu, com a magia de uma crença invariável, a maior parte dos povos de um continente; nunca houve, antes ou depois, uma organização tão difundida e tão pacífica. Mas essa unidade exigia, como pensava a Igreja, uma fé comum exaltada por sanções sobrenaturais acima das mudanças e das corrosões do tempo; portanto, o dogma, definitivo e definido, foi colocado como uma concha sobre a mentalidade adolescente da Europa medieval. Era dentro dessa concha que a filosofia escolástica se deslocava acanhadamente entre fé e razão e vice-versa, num desconcertante circuito de pressupostos não criticados e conclusões pré-ordenadas. No século XIII, toda a cristandade ficou assustada e estimulada por traduções árabes e judaicas de Aristóteles; mas o poder da Igreja ainda era suficiente para garantir, através de Tomás de Aquino e Filosofia – Uma Breve Introdução

Leonides da Silva Justiniano


13

outros, a transformação de Aristóteles em um teólogo medieval. O resultado foi a sutileza, mas não a sabedoria. “A inteligência e a mentalidade do homem”, como disse Bacon, “se trabalharem com a matéria, trabalham segundo a substância desta e por ela ficarão limitados; mas se trabalharem consigo mesmo, serão intermináveis e produzirão realmente teias de saber, admiráveis pela delicadeza do fio e do trabalho, mas sem substância ou proveito.” Mais cedo ou mais tarde, o intelecto da Europa iria irromper de dentro dessa concha. Depois de mil anos de cultivo, o solo voltou a florescer; os bens se multiplicaram, criando excedentes que levaram ao comércio; e o comércio em suas encruzilhadas voltou a construir grandes cidades nas quais os homens podiam cooperar para estimular a cultura e reconstruir a civilização. As Cruzadas abriram os caminhos para o Oriente e permitiram a entrada de uma torrente de artigos de luxo e heresias que condenaram à morte o ascetismo e o dogma. O papel, agora, chegava barato do Egito, substituindo o caro pergaminho que tornara o saber um monopólio dos sacerdotes; a imprensa, que durante muito tempo esperara por um meio barato, estourou como um explosivo libertado e espalhou sua influência destruidora e esclarecedora por toda parte. Bravos navegantes, armados agora de bússolas, aventuraram-se na imensidão dos mares e conquistaram a ignorância do homem a respeito da Terra; observadores pacientes, armados de telescópios, aventuraram-se para além dos confins do dogma e conquistaram a ignorância do homem quanto ao céu. Aqui e ali, em universidades, mosteiros e retiros escondidos, homens deixaram de disputar e começaram a investigar; por via indireta, graças aos esforços no sentido de transformar metais inferiores em outro, a alquimia foi transformada em química; da astrologia, os homens foram tateando com tímida ousada para a astronomia; e das fábulas dos animais que falavam veio a ciência da zoologia. O despertar começou com Roger Bacon (m. 1294); aumentou com o ilimitado Leonardo (1452-1519); alcançou sua plenitude na astronomia de Copérnico (1473-1543) e Galileu (1564-1642), nas pesquisas de Gilbert (1544-1603) sobre magnetismo e eletricidades, de Vesálio (1514-1564) em anatomia, e de Harvey (1578-1657) sobre a circulação do sangue. À medida que aumentava o conhecimento, diminuía o medo; os homens pensavam menos em adorar o desconhecido, e mais em dominá-lo. Todo espírito vital foi estimulado por uma nova confiança; barreiras foram derrubadas; não havia limites, agora, para o que o homem poderia fazer. “O fato de pequenos navios, como os corpos celestes, navegarem à volta do mundo inteiro, é a felicidade da nossa era. Esta época pode usar, com toda justiça , plus ultra” (mais além) “onde os antigos usavam non plus ultra.” Foi uma era de realizações, esperança e vigor; de novos começos e empreendimentos em todos os campos; uma era que esperava por uma voz, uma alma sintética para resumir o seu espírito e decidir. Foi Francis Bacon, “a mais poderosa inteligência dos tempos modernos”, que tocou a sineta que reuniu as inteligências” e anunciou que a Europa havia atingido a maioridade.

46.

Os Principais períodos da Filosofia – CHAUÍ, M. In Convite à Filosofia. São Paulo: Editora Ática, 1997, p. 44-

Filosofia antiga (do século VI a.C. ao século VI d.C.) Filosofia patrística (do século I ao século VII) Inicia-se com as epístolas de São Paulo e o Evangelho de São João e termina no século VIII, quando teve início a Filosofia medieval. A Patrística resultou do esforço feito pelos dois apóstolos intelectuais (Paulo e João) e pelos primeiros Padres da Igreja para conciliar a nova religião – o Cristianismo – com o pensamento filosófico dos gregos e romanos, pois somente com tal conciliação seria possível convencer os pagãos da nova verdade e convertê-los a ela. A Filosofia patrística ligase, portanto, à tarefa religiosa da evangelização e à defesa da religião cristã contra os ataques teóricos e morais que recebia dos antigos. Divide-se em patrística grega (ligada à Igreja de Bizâncio) e patrística latina (ligada à Igreja de Roma) e seus nomes mais importantes foram: Justino, Tertuliano, Atenágoras, Orígenes, Clemente, Eusébio, Santo Ambrósio, São Gregório Nazianzo, São João Crisóstomo, Isidoro de Sevilha, Santo Agostinho, Beda e Boécio. A patrística foi obrigada a introduzir idéias desconhecidas para os filósofos grego-romanos: a idéia de criação do mundo, de pecado original, de Deus como trindade una, de encarnação e morte de Deus, de juízo final ou de fim dos tempos e ressureição (sic) dos mortos, etc. Precisou também explicar como o mal pode existir no mundo, já que tudo foi criado por Deus, que é pura perfeição e bondade. Introduziu, sobretudo com Santo Agostinho e Boécio, a idéia de “homem interior”, isto é, da consciência moral e do livre-arbítrio, pelo qual o homem se torna responsável pela existência do mal no mundo. Para impor as idéias cristãs, os Padres da Igreja as transformaram em verdades reveladas por Deus (através da Bíblia e dos santos) que, por serem decretos divinos, seriam dogmas, isto é, irrefutáveis e inquestionáveis. Com isso, surge uma distinção, desconhecida pelos antigos, entre verdades reveladas ou da fé e verdades da razão ou humanas, isto é, entre verdades sobrenaturais e verdades naturais, as primeiras introduzindo a noção de conhecimento recebido por uma graça divina, superior ao simples conhecimento racional. Dessa forma, o grande tema de toda a Filosofia patrística é o da possibilidade ou impossibilidade de conciliar razão e fé, e, a esse respeito, havia três posições principais: 1. Os que julgavam fé e razão irreconciliáveis e a fé superior à razão (diziam eles; “Creio porque absurdo.”). 2. Os que julgavam fé e razão conciliáveis, mas subordinavam a razão à fé (diziam eles: “Creio para compreender.”).

Filosofia – Uma Breve Introdução

Leonides da Silva Justiniano


14

3. Os que julgavam razão e fé irreconciliáveis, mas afirmavam que cada uma delas tem seu campo próprio de conhecimento e não devem misturar-se (a razão se refere a tudo o que concerne à vida temporal do homens no mundo; a fé, a tudo o que se refere à salvação da alma e à vida eterna futura).

Filosofia medieval (do século VIII ao século XIV) Abrange pensadores europeus, árabes e judeus. É o período em que a Igreja Romana dominava a Europa, ungia e coroava reis, organizava Cruzadas à Terra Santa e criava, à volta das catedrais, as primeiras universidades ou escolas. E, a partir do século XII, por ter sido ensinada nas escolas, a Filosofia medieval também é conhecida com o nome de Escolástica. A Filosofia medieval teve como influências principais Platão e Aristóteles, embora o Platão que os medievais conhecessem fosse o neoplatonismo (vindo da Filosofia de Plotino, do século VI d.C.), e o Aristóteles que conhecessem fosse aquele conservado e traduzido pelos árabes, particularmente Avicena e Averróis. Conservando e discutindo os mesmos problemas que a patrística, a Filosofia medieval acrescentou outros – particularmente um, conhecido com o nome de Problema dos Universais – e, além de Platão e Aristóteles, sofreu uma grande influência das idéias de Santo Agostinho. Durante esse período surge propriamente a Filosofia cristã, que é, na verdade, a teologia. Um de seus temais mais constantes são as provas da existência de Deus e da alma, isto é, demonstrações racionais da existência do infinito criador e do espírito humano imortal. A diferença e separação entre infinito (Deus) e finito (homem, mundo), a diferença entre razão e fé(a primeira deve subordinar-se à segunda), a diferença e separação entre corpo (matéria) e alma (espírito), o Universo como uma hierarquia de seres, onde os superiores dominam e governam os inferiores (Deus, arcanjos, anjos, alma, corpo, animais, vegetais, minerais), a subordinação do poder temporal dos reis e barões ao poder espiritual de papas e bispos: eis os grandes temas da Filosofia medieval. Outra característica marcante da Escolástica foi o método por ela inventado para expor as idéias filosóficas, conhecido como disputa: apresentava-se uma tese e esta devia ser ou refutada ou defendida por argumentos tirados da Bíblia, de Aristóteles, de Platão ou de outros Padres da Igreja. Assim, uma idéia era considerada uma tese verdadeira ou falsa dependendo da força e da qualidade dos argumentos encontrados nos vários autores. Por cauda desse método de disputa – teses, refutações, defesas, respostas, conclusões baseadas em escritos de outros autores –, costuma-se dizer que, na Idade Média, o pensamento estava subordinado ao princípio da autoridade, isto é, uma idéia é considerada verdadeira se for baseada nos argumentos de uma autoridade reconhecida (Bíblia, Platão, Aristóteles, um papa, um santo). Os teólogos medievais mais importantes foram: Abelardo, Duns Scoto, Escoto Erígena, Santo Anselmo, Santo Tomás de Aquino, Santo Alberto Magno, Guilherme de Ockham, Roger Bacon, São Boaventura. Do lado árabe: Avicena, Averróis, Alfarabi e Algazáli. Do lado judaico: Maimônedes, Nahmanides, Yeudah ben Levi. A FILOSOFIA MODERNA E CONTEMPORÂNEA O RENASCIMENTO O Renascimento, assim como a Idade Média, não pode ser tomado como um momento histórico uno e claramente demarcado. O nominalismo medieval, por exemplo, tem sido destacado como essencial para o espírito naturalista e científico do Renascimento. A civilização sarracena e bizantina (cujos monges e sábios trazem seus manuscritos helênicos para o Ocidente após a tomada de Constantinopla pelos turcos, renovando assim o interesse pelos estudos clássicos nos mosteiros e nas catedrais), o desenvolvimento do comércio, o crescimento das cidades, as universidade e suas bibliotecas, o surgimento da impressão tipográfica, entre outros fatos em geral tidos como determinantes do espírito renascentista, anunciam-se todos na segunda parte da Idade Média. A utilização do papel como substituto do pergaminho pode ser destacada como uma das mais importantes inovações do Renascimento: A introdução e a vulgarização do papel na Europa decidiu dos destinos da nossa civilização porque ele vinha responder às necessidades que todos sentiam de um material barato, praticamente inesgotável, capaz de substituir com infinitas vantagens o preciosos pergaminho. A “democratização” da cultura é, antes de mais nada, o resultado dessa substituições: pode-se dizer que, sem o papel, o humanismo não teria exercido a sua enorme influência. Toda a fisionomia de um mundo estaria, então, completamente mudada. Podemos afirmar que, com o Renascimento, o homem volta a ocupar o lugar central do pensamento. Por isso podemos falar em humanismo renascentista. O homem prático (artistas e artesãos) predomina sobre os homens meditativos. Os filósofos são menos importantes nesse período: “A impressão comum de que a Renascença representa em todos os campos nítido progresso em relação à Idade Média não corresponde rigorosamente à verdade. Tal não se deu, em especial, no campo da filosofia”. Podemos, de qualquer maneira, distinguir algumas correntes filosóficas no Renascimento: o neoplatonismo (principalmente com Marcílio Ficino), os averroístas (que liam Aristóteles como um filósofo naturalista), os sábios ou cientistas (cujo modelo é o grego Arquimedes, 287-212 a.C., considerado o maior matemático da Antigüidade), os moralistas e os políticos (cujo expoente é Maquiavel ...). Mas nenhuma dessas correntes filosóficas pode ser comparada à importância do progresso na anatomia e na medicina após a Idade Média; ao espírito geral panteísta do Renascimento; ao novo método científico e empírico de livre exame que se impõe a partir desse momento; à substituição da visão geocêntrica pela visão heliocêntrica (aperfeiçoada Filosofia – Uma Breve Introdução

Leonides da Silva Justiniano


15

por Kepler); às obras de Isaac Newton; à Reforma protestante associada a interesses comerciais, com Lutero, na Alemanha, Calvino, na Suíça, Henrique VIII, na Inglaterra, e John Knox, na Escócia (o que, com a proliferação de diferentes seitas contrárias ao cristianismo, acabou contribuindo para um clima de maior tolerância religiosa e individualismo); à Contra-Reforma católica e ao Concílio de Trento; à importância dos jesuítas como propagadores da fé fora da Europa; às barbaridades da Inquisição e à resistência ao progresso da ciência e à própria razão; à Revolução Comercial, ao mercantilismo e aos descobrimentos marítimos; ao espírito nacionalista do Renascimento, precursor do Absolutismo; ao surgimento das línguas nacionais em substituição ao latim; ao Humanismo de Erasmo de Roterdã; à incrível personalidade de Leonardo da Vinci; às descobertas de Galileu Galilei; ao pensamento exzperimental e científico de Francis Bacon; ao desenvolvimento das artes (principalmente na pintura, escultura e música); aos franceses Rabelais e Montaigne; ao Dom Quixote, de Cervantes; à Utopia, de Thomas More; à extensa e maravilhosa obra de Shakespeare etc. O Renascimento é, curiosamente, o movimento essencial na história da razão ocidental, mas a filosofia, em seu sentido mais estrito, parece banida de seu desenrolar. E o individualismo, que como veremos começará a delinear-se no discurso filosófico a partir de Descartes e que marcará toda nossa Idade Moderna e Contemporânea, já aparece nas mais diversas manifestações do Renascimento de forma decisiva. OS NOMES DA FILOSOFIA MODERNA E CONTEMPORÂNEA As discussões filosóficas a partir do que costumamos chamar de Idade Moderna encontram-se em geral bem mais próximas das necessidades e experiências do homem contemporâneo, em comparação com a filosofia antiga e medieval. Além disso, em grande parte temos conservadas todas as obras produzidas pelos filósofos. (...) Na filosofia, a partir da modernidade, alguns nomes destacam-se tanto, seja pela qualidade e originalidade de sua obra, seja pela importância que adquiritam como tempo, que se acaba, em geral, traçando a história da filosofia moderna como se ela se caracterizasse como um diálogo entre alguns pensadores. O subtítulo da obra História da Filosofia, de Will Durant, é, nesse sentido, significativo: “Vida e idéias dos grandes filósofos”. Com exceção de Platão e Aristóteles, todos os outros nomes aqui incluídos, desde Francis Bacon, são considerados filósofos modernos ou contemporâneos. Segue apenas um brevíssimo panorama, em que se destacam alguns filósofos e movimentos que serão, em sua maioria, estudados com mais detalhes à frente. René Descartes (1596 – 1650) constitui-se no marco da filosofia moderna. Uma vez que sua ênfase na razão e no mundo sensível, como fontes de conhecimento, determinará todo o futuro da reflexão filosófica, sua teoria do conhecimento será estudada à parte. A matemática é essencial em seu pensamento, assim como a metafísica. Baruch Spinioza, filósofo holandês (1632 – 1677), é outro nome de destaque na história da filosofia moderna. A ética e a metafísica são os traços mais importantes de sua obra. Sua Ética é um dos trabalhos mais influentes na filosofia ocidental. Ela é apresentada como um sistema dedutivo, à maneira de Euclides, geômetra da Grécia Antiga, que viveu no século III a.C. Gottfried Wilhelm Leibniz (1646 – 1716), filósofo e matemático alemão, é outro nome que deve também ser lembrado. Para ele, a mônada seria a substância simples que comporia tanto o mundo espiritual quanto o material. O processo cognitivo, segundo Leibniz, dar-se-ia por meio da memória, da razão e do sentido. Leibniz será essencial no desenvolvimento da lógica, principalmente a lógica simbólica. O empirismo inglês, com John Locke, George Berkeley e David Hume, também será estudado à parte domo modelo essencial da teoria do conhecimento. A filosofia política e ética de Jean-Jacques Rosseau (1712 – 1778), escritor e pensador suíço de língua francesa, merece também ser lembrada, e será estudada em filosofia do direito. O idealismo alemão, principalmente com Immanuel Kant (1724 – 1804) e George Wilhelm Friedrich Hegel (1770 – 1831), será retomado em teoria do conhecimento, pela decisiva importância na discussão da filosofia contemporânea. Outros nomes de destaque no idealismo são Johann Gottlieb Fichte (1762 – 1814 ) e Friedrich Wilhelm Schelling (1775 – 1854). Nome um tanto quanto ímpar na história da filosofia é o do pensador alemão Arthur Schopenhauer (1788 – 1860). Sua filosofia pessimista influenciará sobremaneira, por exemplo, tanto o simbolismo francês quanto a literatura portuguesa. Sua influência sobre o pensamento de Nietzsche é também decisiva. O mundo como vontade e representação é sua obra-prima. O idealismo alemão se desenvolveu no início do século XIX, a partir da filosofia de Kant. O seu fundador é o filósofo Johann Gottleib Fichte (1726 – 1814). Podemos dizer que, para Kant, a condição para o conhecimento é a existência do Eu como princípio da consciência, ou seja, é a existência do sujeito como centro que torna possível o conhecimento. Isso significa que é o sujeito que organiza o conhecimento do objeto. O objeto, por sua vez, se encaixa nos “moles” da percepção humana. Fichte transforma esse Eu de Kant de princípio da consciência em princípio criado, a partir do qual a realidade é concebida. Dessa forma ele funda o idealismo, ou seja, a doutrina segundo a qual a realidade objetiva é produto do espírito humano. Fichte se refere às coisas da realidade, ao que é exterior ao homem, como o não-Eu criado pelo Eu. Essa idéia, um tanto estranha para o entendimento comum das pessoas, é desenvolvida por outro pensador alemão Friedrich Schelling (1775 – 1854), que procurou explicar como se dá a existência do mundo real, das coisas, a partir do Eu. Schelling discorda de Fichte, porém, no que se refere à determinação do mundo como puro não-Eu. Ou seja, ele discorda da idéia de Fichte de que a realidade exterior é produto da imaginação do Eu. Schelling afirma a existência de um único princípio, uma Inteligência exterior ao próprio Eu, que nega todas as coisas. Essa inteligência Filosofia – Uma Breve Introdução

Leonides da Silva Justiniano


16

se manifesta de forma visível em todos os níveis da natureza até alcançar seu nível amis alto, isto é, “o homem ou, mais geralmente, o que nós chamamos razão”. O termo positivismo foi adotado por Augusto Comte para designar toda uma diretriz filosófica marcada pelo culto da ciência e pela sacralização do método científico. O positivismo expressa um tom geral de confiança nos benefícios da industrialização, bem como um otimismo em relação ao progresso capitalista, guiado pela técnica e pela ciência. Manifestando-se de modo variado em diversos países ocidentais, a partir da segunda metade do século XIX, o positivismo reflete, no plano filosófico, o entusiasmo burguês pelo progresso capitalista e pelo desenvolvimento técnicoindustrial. Embora criticada no plano teórico, é uma doutrina muito influente no plano prático. Um dos temas centrais da obra filosófica de Comte é a necessidade de uma reorganização completa da sociedade. Nessa tarefa, ele próprio pretendeu desempenhar o papel de um reformador universal “encarregado de instituir a ordem de uma maneira soberana”. Mas essa reconstrução da sociedade consistia, para Comte, na regeneração das opiniões (idéias) e dos costumes (ações) dos homens. Tratava-se, portanto, de uma reestruturação intelectual das pessoas e não de uma revolução das instituições sociais, como propunham filósofos socialistas franceses de sua época, como Saint-Simon (1760 – 19825), Fourier (1772 – 1837) e Proudhon (1809 – 1865). Acreditava ser possível a criação de uma “sociedade-modelo”, tendo – AMOR como princípio – ORDEM como base – PROGRESSO como fim Estados de Desenvolvimento (humano e social), segundo Comte: • Estado Teológico – FETICHISTA (Culto de objetos materiais, magias, místico) – POLITEÍSTA (Presença de vários deuses para explicar e justificar as coisas) – MONOTEÍSTA (Um único Deus. Período em que se fazem algumas abstrações) • Estado Metafísico – Reunião de todas as forças numa só, chamada natureza. – Explicação da realidade por abstrações racionais. – Autodestrutível, levando a “sociedade” ao terceiro estado, que é o positivo. • Estado Positivo – CIENTÍFICO (Conhecimento da realidade e das suas explicações através da observação e da experimentação, buscando leis científicas que regem a natureza das causas. – Matemática, Astronomia, Física, Química, Biologia, Sociologia. – Igreja Positiva •

O termo existencialismo designa o conjunto de tendências filosóficas que, embora divergentes em vários aspectos, têm na existência humana o ponto de partida e o objeto fundamental e reflexões. Por isso, podemos designá-las mais propriamente filosofias da existência, no plural. Se refletirmos sobre o que é existir, veremos que existir implica a relação do homem consigo mesmo, com outros seres humanos, comas coisas e com a natureza. São relações múltiplas, concretas e dinâmicas. E também relações determinadas e indeterminadas, isto é, possíveis de acontecer ou não. Nas diversas definições elaboradas pelos filósofos existencialistas sobre esses temas, encontramos algumas concepções básicas, cujo traço comum é a visão dramática do destino do homem. Ilustrativa dessa visão é a frase do filósofo e escritos francês Albert Camus (1913 – 1960): “a única questão filosófica séria é o suicídio”. Vejamos alguns traços que caracterizam o existencialismo:  O ser humano é representado como uma realidade imperfeita, aberta e inacabada, que foi “lançada” ao mundo e vive sob riscos e ameaças.  A liberdade humana não é plena, mas condicionada às circunstâncias históricas da existência. Nesse sentido, o querer não se identifica ao poder. O homem age no mundo superando ou não os obstáculos que se lhe apresentam.  A vida humana não é um caminho linear em direção ao progresso, ao êxito e ao crescimento. Ao contrário, é marcada por situações de sofrimento, como a doença, a dor, as injustiças, a luta pela sobrevivência, o fracasso, a velhice e a morte. Assim, não podemos ignorar o sofrimento humano, a angústia interior, a exploração social. É preciso considerar esses aspectos adversos da vida e encarálos de frente. Friedrich Nietzsche (1844 – 1900) nasceu em Rocken, uma localidade da Alemanha atual. Filho de um culto pastor protestante, possuía um gênio brilhante, tendo estudado grego, latim, teologia e filosofia. Em 1869, tornou-se professor titular de Filosofia na Basiléia. A partir da leitura de O mundo como vontade e representação , de Schopenhauer, sentiu-se profundamente atraído pelas reflexões filosóficas. Em sua obra, Nietzsche critica a tradição da filosofia ocidental a partir de Sócrates, a quem acusa de ter negado a intuição criadora da filosofia anterior, pré-socrática. Nessa análise, estabelece a distinção entre dois princípios: o apolíneo e o dionisíaco – a partir, respectivamente, de Apolo (deus da razão, da clareza, da ordem) e Dionísio (deus Filosofia – Uma Breve Introdução

Leonides da Silva Justiniano


17

da aventura, da música, da fantasia, da desordem). Para Nietzsche, esses dois princípios ou dimensões complementares da realidade, o apolíneo e o dionisíaco, foram separados na Grécia socrática, que, optando pelo culto à razão, secou a seiva criadora da filosofia, contida na dimensão dionisíaca. Posteriormente, Nietzsche desenvolveu uma crítica intensa dos valores morais, propondo uma nova abordagem: a genealogia da moral, isto é, o estudo da origem e da história dos valores morais. A conclusão de Nietzsche foi de que não existem as noções absolutas de bem e de mal. Para ele as concepções morais surgem com os homens, a partir das necessidades dos homens. Ou seja, são produtos da história humana. Os homens são os verdadeiros criadores dos valores morais, sobretudo as religiões, como o judaísmo e o cristianismo para a civilização ocidental, que impõem muitos desses valores humanos como se fossem produto da “vontade de Deus”. Para o filósofo, grande parte das pessoas adota uma “moral de rebanho”, baseada na submissão irrefletida aos valores dominantes da civilização cristã e burguesa. Ser niilista significa não crer em nenhuma verdade moral ou hierarquia de valores pré-estabelecidos. O niilismo de Nietzsche baseava-se na afirmação da “morte de Deus”, isto é, na rejeição à crença de um ser absoluto, transcendental, capaz de traçar “o caminho, a verdade e a vida” para todo o ser humano. Edmund Husserl nasceu a 8 de abril de 1859, na cidade de Prossenitz, situada na Moravia, região que pertencia ao império austro-húngaro. Estudou matemática e entrou para a filosofia influenciado pelo filósofo alemão Franz Brentano (1838 – 1917). Morreu em 1938, aos 79 anos de idade, proibido de lecionar e perseguido pelos nazistas devido a sua origem judaica. Husserl formulou um método de investigação filosófica conhecido como fenomenologia. A fenomenologia husserliana surgiu primeiramente na atmosfera rarefeita da matemática. Depois desenvolveu-se na psicologia e a na filosofia e acabou desembocando nas preocupações humanistas dos filósofos existencialistas contemporâneos. O método fenomenológico consiste, basicamente, na observação e descrição rigorosa do fenômeno, isto é, daquilo que se manifesta, aparece ou se oferece aos sentidos ou à consciência. Dessa maneira, busca-se analisar como se forma, para nós, o campo de nossa experiência, sem que o sujeito ofereça resistência ao fenômeno estudado nem se desvie dele. O sujeito deve, portanto, orientar-se por ele. Nascido em Messkirch, na região de Baden, Alemanha, Martin Heidegger (1889 – 1976) desenvolveu sua formação filosófica na Universidade de Freiburg, onde foi discípulo de Edmund Husserl. Em 1933, ano em que Adolf Hitler se tornou chanceler da Alemanha, Martin Heidegger foi nomeado reitor da Universidade de Freiburg, aderindo formalmente ao Partido Nazista. No discurso que proferiu como reitor, Heidegger anunciou, efusivamente, suas esperanças no nazismo, julgando-o capaz de promover a redenção do povo germânico. Para manter-se coerente com o nazismo, afastou-se do seu antigo amigo Husserl, que era judeu. Não muito tempo depois, talvez por tomar consciência das crescentes atrocidades praticadas pelos nazistas, Heidegger demitiu-se da reitoria da universidade de Freiburg. Durante os anos da Segunda Guerra Mundial, buscou o isolamento em sua casa nas montanhas da Floresta Negra. Até sua morte, manteve raros contatos sociais, relacionandose apenas com reduzido grupo de amigos. Heidegger sempre negou que fosse um existencialista. Para ele, a questão fundamental da filosofia não é o homem e eim o ser, a essência, não só do homem mas de todas as coisas. Para ele, uma filosofia que colocasse o homem como centro de preocupação seria antes uma antropologia: “a questão que me preocupa não é a existência do homem e sim a questão do ser em seu conjunto e enquanto tal”. Essa sua intenção, no entanto, só ficou clara a partir de 1930, quando publicou Da essência da verdade. A filosofia heideggeriana criticou basicamente a antiga confusão entre ente e ser, ocorrida ao longo de toda a história da filosofia. Para Heidegger, o ente é a existência, o modo de ser do homem. O ser é a essência, aquilo que determina a existência ou o modo de ser do homem. A partir dessa diferenciação é possível estabelecer duas fases da filosofia heideggeriana. Na primeira, ela busca o conhecimento do ser através da análise do ente. Na segunda, o ente é abandonado e o próprio ser torna-se a chave para a compreensão da existência. Nascido em Paris, Jean-Paul Sartre (1905 – 1980) tornou-se o filósofo mais conhecido da corrente existencialista. Grande parte de sua fama deve-se não propriamente à sua obra filosófica, mas às suas peças de teatro e romances, dentre os quais se destacam A náusea, O muro, A idade da razão, O diabo e o bom Deus . Sartre recebeu significativa influência filosófica de Heidegger. Durante os anos da Segunda Guerra Mundial, participou da luta da resistência francesa contra o nazismo. Também aderiu ao marxismo, considerando-o a filosofia de sua época, mas, diante da intervenção soviética na Hungria, em 1956, rompeu com o Partido Comunista, acusando-o de se desviar do sentido autêntico do marxismo. Em 1964 foi agraciado com o Prêmio Nobel de Literatura, mas se recusou a recebê-lo. Não desejava reconhecer a autoridade dos juízes que lhe ofereceram o prêmio nem aderir a essa instituição. A principal obra filosófica de Sartre é O ser e o nada, publicada em 1939. Nessa obra, ele ataca duramente a teoria aristotélica da potência. Para Sartre, o ser é o que é. Trata-se, na linguagem sartriana, do ente em si. Esse ente “não é ativo nem passivo, nem afirmação nem negação, mas simplesmente repousa em si, maciço e rígido”. Mas, além do ente-em-si, Sartre concebe a existência do ser especificamente humano, denominando-so ente para-si. O ente para-si específico do homem se opõe ao ente em-si, que representa a plenitude do ser. Portanto, para Sartre, a característica tipicamente humana é o nada: um “espaço aberto”. Esse nada, próprio da existência, faz do homem um ente não-estático, não-compacto, acessível às possibilidades de mudança. Filosofia – Uma Breve Introdução

Leonides da Silva Justiniano


18

Se o homem fosse um ser cheio, total, pleno, com uma essência definida, ele não poderia ter nem consciência, nem liberdade. Primeiro, porque a consciência é um espaço aberto a múltiplos conteúdos. Segundo, porque a liberdade representa a possibilidade de escolha. Por intermédio dela, o homem revela suas aspirações por algo que ele ainda não é. Assim, para Sartre, se o homem não expressasse esse “vazio de ser”, sua consciência já estaria pronta, acabada, fechada. E, nesse caso, o homem não poderia manifestar liberdade, pois estaria totalmente preso à realidade estática do ser pleno. Por isso, o homem tem como característica específica o não-ser, algo indefinido e indeterminado. Por esse mesmomotivo, não podemos falar da existência de uma natureza humana universal, mas sim de uma condição humana... QUADRO-SÍNTESE IV PRINCIPAIS “CORRENTES” FILOSÓFICAS IDEALISMO – Ontológico / objetivo – dos pré-socráticos até Occam (1300 d.C.) Busca a conciliação entre idéia e realidade, entre a mutabilidade e multiplicidade das coisas e a unidade e a permanência exigidas pela razão. Gnosiológico / subjetivo Dos racionalistas, apresenta-se, inicialmente, como crítica do conhecimento; tem, como ponto de partida, o sujeito pensante na sua interioridade. Assim, exclui-se o mundo exterior e a experiência sensível. Especulativo / absoluto Por tal perspectiva o Ser o Pensamento desenvolvem-se em unidade e se expressa em dois níveis: a) no mundo, o ser puro se expressa como princípio de ordem que governa tudo que existe; b) no pensamento e na experiência humana, como idéias de ordem no mundo. Traz o conceito de idéia como geradora da realidade. MATERIALISMO – Entendem-se, por materialismo, as doutrinas que consideram a matéria como fonte do pensamento: a matéria determina a fonte de pensamento. Materialismo marxista / materialismo dialético O movimento da matéria é a base de todo o fenômeno da Natureza; pelo movimento se compreende a contradição: a contradição é movimento, manifestação de vida, passagem de um ser a um ser superior, a superação do ser (pela negação). Segue as leis: - da transformação da quantidade em qualidade e vice-versa; - da interpenetração dos contrários; - da negação da negação. Materialismo histórico Volta-se para a análise dos movimentos políticos, sociais e intelectuais da História, apontando a determinação da razão econômica. Para tanto, desenvolve os conceitos de infra-estrutura (as forças produtivas e as relações de produção), superestrutura (formas sociais determinadas de consciência ideológica), alienação, mais-valia... Para essa corrente materialista, “a classe que é a força material dominante da sociedade é, também, a força espiritual dominante”. PRAGMATISMO – Filosofia norte-americana, iniciada com a defesa (por Pierce) de que “toda a função do pensamento é produzir hábitos de ação”. Segundo esse pensamento, verdade é o que funciona na existência humana, o que é útil, o que resolve problemas, que obtém êxito na prática. Rejeitando o intelectualismo, o debate erudito, considera verdadeiro e falso sinônimos de bom e mau, assumidos como valores-lógicos: o verdadeiro sendo o oportuno, desenvolve-se (manifesta-se) em uma prática utilitarista e relativista. FILOSOFIA DA LINGUAGEM – Fenomenologia Principia com Husserl, que sustenta ser a linguagem um objeto auxiliar do pensamento, que se presentifica no cotidiano dos falantes; a visão de mundo de uma pessoa circunscreve-se à sua relação com a palavra, a qual só tem sentido quando empregada em contexto próprio de uma comunidade. Husserl examina o que precede o saber, o préreflexivo, o irreflexivo, contestando o psicologicismo e o nominalismo, afirmando que o fenômeno é um fato que se automanifesta. Estruturalismo Busca tratar a língua como objeto, investigando a sua formação, a constituição das palavras, dos discursos. Pode assumir duas tendências: - diacrônica: onde a língua é examinada em uma perspectiva histórica; - sincrônica: onde a língua é examinada circunscrita a um determinado momento histórico, de uma forma descritiva, comparativa, estática, possível por ser a língua uma instituição. EXISTENCIALISMO – Filosofia – Uma Breve Introdução

Leonides da Silva Justiniano


19

Preocupação filosófica que acentua mais a vivência que o ser: a existência é mais importante que a essência. Nega as idéias e leis absolutas, a identidade entre ser e pensar, destacando o valor da pessoa, sua independência, liberdade (cada pessoa é considerada um caso único, não havendo essência humana igual para todos), condena as estruturas dominantes. O ser humano, sendo o único que pensa, dá-se conta de sua limitação e contingência; isso o angustia, frustra. Daí que a filosofia existencialista contemporânea parte da angústia e da consciência da perspectiva de que o homem foi lançado ao mundo que não escolheu (com um nome, classe social, compleição física, língua, etc.), tendo sempre que assumir uma decisão: portanto, o homem está condenado à liberdade, à escolha – escolher a vida, a própria liberdade, o que leva à tensão, à angústia, ao desespero. Das tantas formas de expressão que assume o existencialismo, o que há de comum, pode-se dizer, é a aceitação, pelos existencialistas, de que a existência precede a essência. Poderíamos destacar alguns existencialistas, com suas visões que constituíram “escolas”: - Kierkegaard: o indivíduo e sua imersão no mundo (angústia e desespero); - Nietzsche: do julgamento da civilização à questão da existência (nihilismo); - Husserl: o retorno às próprias coisas (ser e fenômeno)*; - Heidegger: o sentido do ser (ser e angústia)*; - Sartre: a responsabilidade da pessoa sobre tudo aquilo que faz (liberdade). *São considerados, por muitos, conforme citamos acima, fenomenólogos. PERSONALISMO – Acusado de não ser filosofia, mas reflexão sobre formas de como superar coisas e coflitos atuais, sua característica fundamental seria destacar os valores da pessoa humana. As demais discussões (sobre o ser, o espírito, matéria...) só importam quando contribuem para a discussão dos valores das pessoas; valores que devem encarnar uma realidade histórica e subsistir na busca de uma coletividade livremente criada pelas pessoas. Nesse sentido, pode apresentar-se como uma filosofia da ação, mas colocando-se contra a idéia marxista de uma sociedade socialista, coletivista, anônima, e o individualismo existencialista. OUTRAS FORMAS DE EXPRESSÃO FILOSÓFICA – Existem muitas escolas filosóficas, que não são consideradas contemporâneas ou modernas, que têm suas raízes na Antigüidade clássica, mas que continuam influenciando atualmente. Assim, poder-se-iam destacar: Hedonismo É uma corrente de pensamento que afirma que todo o valor reside no prazer, e todas as ações encontram sua justificativa na busca desse fim. Pode ser refletido a partir da expressão “Comamos, bebamos, que amanhã morreremos!”. Estoicismo Prega a renúncia como virtude, o saber dominar as paixões, fugindo, assim, às dores da existência, resistindo às próprias dores e sofrimentos, sem convulsão do espírito. Seu lema gira em torno de algo como “Aprende a sofrer sem te queixares!”. Ceticismo É uma visão filosófica que afirma a dúvida sobre a realidade. Essa dúvida pode ser parcial (ceticismo relativo) ou total (ceticismo absoluto). Apregoa que a verdade, em si, não existe; e, se existisse, as pessoas não teriam condições de alcançá-la. Decorre daí a ausência de parâmetros de juízos de valores. A dúvida metódica dos idealistas cartesianos não estaria contemplada aqui, pois eles têm, ao menos, a certeza de que pensam (e por isso existem). A pergunta cética, ecoando em Pilatos: “O que é a verdade?”. Nihilismo É a radicalização do ceticismo. Representado pela figura vultosa de Nietzsche, prega a falência de estruturas, de instituições, de valores, da civilização, enfim. À diferença de um amargo existencialismo, como o foram o de Camus, Kierkegaard e outros, não se aborrece e angustia com os dissabores da existência, pura e simplesmente, mas vê, na própria existência, um absurdo sem justificativa, a partir da inexistência de algo real e concreto que a preencha.

FILOSOFIA POLÍTICA In COTRIM, G. Fundamentos da Filosofia – ser, saber e fazer. São Paulo: Saraiva, 1996 POLÍTICA E PODER – O termo política vem do grego polis (cidade-Estado), servindo para designar, desde a Antigüidade, o campo da atividade humana que se refere à cidade, ao Estado e às coisas de interesse público. Para Aristóteles, a política era uma continuação da ética, só que aplicada à vida pública. Aristóteles investigou na Política as instituições públicas e as formas de governo capazes de propiciar uma maneira melhor de viver em sociedade. Aristóteles considerava essa investigação fundamental pois, segundo ele, o homem é por natureza um animal social e político. Na análise do filósofo e jurista italiano Norberto Bobbio, o conceito de política está estreitamente ligado ao de poder. Essa ligação pode ser percebida, também, na célebre definição dada pelos cientistas políticos H. D. Lasswell e A. Kaplan: Política é o processo de formação, distribuição e exercício do poder. Dependendo do uso que se faz do poder social, podemos identificar dois tipos básicos de ação política: • A ação política de interesse público, que se caracteriza pelo uso de poder social com a finalidade de alcançar o bem comum da maioria do povo. Filosofia – Uma Breve Introdução

Leonides da Silva Justiniano


20

A ação política de interesse particular, que se caracteriza pelo uso do poder social em benefício de pessoas ou grupos privilegiados, desprezando-se o bem comum. O que significa, então, bem comum? É a soma das condições concretas que permitem aos membros de uma sociedade alcançar um padrão de vida civilizado, compatível com a dignidade da pessoa humana. Os estudos de política geralmente iniciam com uma análise do fenômeno do poder. Bertrand Russell definiu-o da seguinte maneira: Poder é a posse dos meios que levam à produção de efeitos desejados . Se levarmos em conta o meio do qual se serve o detentor do poder para conseguir os efeitos desejados, podemos destacar três formas de poder: o econômico, o ideológico e o político. • O poder econômico utiliza a possa de certos bens socialmente necessários para induzir aqueles que não os possuam a adotar determinado comportamento, como, por exemplo, realizar determinado trabalho. • O poder ideológico utiliza a posse de certas idéias, valores, doutrinas para influenciar a conduta alheia, induzindo as pessoas a determinados modos de pensar e agir. • O poder político utiliza a posse dos meios de coerção social, isto é, o uso da força física considerada legal ou autorizada pelo direito. O que têm em comum essas três formas de poder é que elas contribuem conjuntamente para instituir e manter sociedades de desiguais divididas em fortes e fracos, com base no poder político; em ricos e pobres, com base no poder econômico; em sábios e ignorantes, com base no poder ideológico. Genericamente, em superiores e inferiores. Podemos dizer, enfim, que o poder econômico preocupa-se em garantir o domínio da riqueza controlando a organização das forças produtivas (...). O poder ideológico preocupa-se em garantir o domínio sobre o saber controlando a organização do consenso social (...). E o poder político preocupa-se em garantir o domínio da força controlando a organização dos instrumentos de coerção. Segundo Weber, podermos dizer que Estado é a instituição política que, dirigida por um governo soberano, detém o monopólio do uso da força física, em determinado território, subordinando a sociedade que nele vive. Qual a função do Estado em relação à sociedade? Para o pensamento liberal, a finalidade do Estado é agir como mediador dos conflitos entre os diversos grupos sociais. Conflitos inevitáveis entre os homens. O Estado deve promover a conciliação dos grupos sociais, amortecendo os choques dos setores divergentes para evitar a desagregação da sociedade. A função do Estado é, portanto, a de alcançar a harmonia entre os grupos rivais, preservando os interesses do bem comum. Para o pensamento marxista, o Estado não é um simples mediador das lutas de classe. É uma instituição que interfere nessa luta de modo parcial, quase sempre tomando partido das classes sociais dominantes. Assim, a função do Estado é garantir a dominação de classe. Nas relações entre Estado e sociedade civil, os partidos políticos desempenham uma função importante: podem atuar como ponte entre a sociedade civil e o Estado, pois não pertencem, por inteiro, nem ao Estado nem à sociedade civil. Regime político é justamente o modo característico pelo qual o Estado se relaciona com a sociedade civil. Na linguagem atual, os regimes políticos são classificados em dois tipos fundamentais: democracia e ditadura. Democracia é uma palavra de origem grega que significa poder do povo (demo, “povo”; cracia, “poder”). Nos dias de hoje, um Estado costuma ser considerado democrático quando apresenta as seguintes características: • Participação política do povo; • Divisão funcional do poder político; • Vigência do Estado de direito. Ditadura é uma palavra de origem latina (dictare, “ditar ordens”). Atualmente, um Estado costuma ser considerado ditatorial quando apresenta as seguintes características: • Eliminação da participação popular nas decisões políticas; • Concentração do poder político; • Inexistência do Estado de direito; • Fortalecimento dos órgãos de repressão; Controle dos meios de comunicação de massa – censura oficial. A FILOSOFIA MORAL OU ÉTICA Das tantas partes em que se pode subdividir o campo mapeado pela Filosofia, uma das mais significativas para a vida cotidiana é a que se refere à MORAL. Tema amplamente discutido, sobretudo hoje em dia, chega-se a confundir eticidade com moralidade e estas com a prática, pura e simples, das leis. É óbvio que a cidadania compreende o exercício pleno de direitos e o cumprimento adequado de deveres. E aqui entra, igualmente, um outro elemento importante: a forma como se cumprem as leis que uma determinada sociedade propõe (ou impõe) aos seus membros. Não basta alguém cumprir a lei para que tenha um comportamento correto, moralmente falando. Não basta que todos os membros de uma sociedade cumpram certas leis para que sejam, todos, moralmente bons. O que pretendemos afirmar é o seguinte: todo grupo precisa de normas e regras de convivência, de forma que possa haver um desenvolvimento dos seus membros, um aperfeiçoamento de suas humanidades. Ou seja, em princípio, “abafa-se” o Filosofia – Uma Breve Introdução

Leonides da Silva Justiniano


21

estado animalesco; depois, procura-se humanizar cada pessoa. Em primeiro, um processo de hominização; em segundo, um processo de humanização. A moral, então, é o conjunto de normas, de comportamentos, de atitudes, de práticas, que norteiam a vida de um grupo, em vista de sua felicidade, de sua realização, de sua sobrevivência. Estas orientações podem concretizar-se através das leis. Todavia, esta definição de moral encontra problemas em sua limitação grupal: a moral é relativa a cada grupo, em função de seus objetivos, de seus fins. Para tanto, busca-se uma fundamentação maior, mais ampla, mais geral, para o agir humano – uma regra que possa servir para todo e qualquer grupo humano, em toda e qualquer circunstância, independente dos interesses particulares! Alguns autores se colocaram a tarefa de encontrar essa fundamentação. Destacaremos dois deles, ainda que as motivações para justificar uma ou outra postura sejam originalmente antagônicas: um é Kant; outro, Nietzsche! Kant é herdeiro de uma tradição “idealista”, racionalista, buscando fundamentar sua teoria no intelecto, na razão capaz de discernir e, por uma vontade esclarecida, agir buscando o bem. Já Nietzsche coloca-se do lado oposto, assumindo uma herança pragmática e imanente à história, propondo uma teoria baseada no agir compensador, prazeroso, conforme à natureza em sua busca de auto-afirmação – o que significa ser, cada vez mais, mais natural, mais forte, até culminar em uma super-natureza (um super-homem) Tanto um quanto outro, no entanto, postulam uma necessidade de regulação da vida: para um, conforme aponta Freitag, devido ao fato de que a humanidade é aviltada em cada ser ofendido em sua dignidade; para outro, porque cada pessoa há de comprometer seu projeto de prazer, de felicidade, sofrendo, não só uma, nas inúmeras vezes, em inúmeras mesmas vidas. Algumas citações: “Age de modo que a máxima de tua vontade possa servir simultaneamente como o princípio de uma legislação geral.” (Immanuel Kant) “Age de forma tal, que nunca uses a humanidade, seja em tua pessoa seja na pessoa de outrem, como meio mas somente e sempre como fim.” (Idem) “Age segundo a máxima que possa transformar-se em lei geral.” (Id.) “A moralidade consiste, pois, na relação de todas as ações com uma legislação pela qual o reino dos fins torna-se possível.” (Id.) “E se um dia ou uma noite um demônio se esgueirasse em tua mais solitária solidão e te dissesse: ‘Essa tua vida, assim como tu a vives agora e como a viveste, terás de vivê-la ainda uma vez e ainda inúmeras vezes; e não haverá nela nada de novo, cada dor e cada prazer e cada pensamento e cada suspiro e tudo o que há de indizivelmente pequeno e de grande em tua vida há de te retornar, e tudo na mesma ordem e seqüência – e do mesmo modo esta aranha e este luar entre as árvores, e do mesmo modo este instante e eu próprio. A eterna ampulheta da existência será sempre virada outra vez – e tu com ela, poeirinha da poeira!’ – Não te lançarias ao chão e rangeria os dentes e amaldiçoarias o demônio que te falasse assim? Ou viveste alguma vez um instante descomunal, em que lhe responderias: ‘Tu és u deus, e nunca ouvi nada mais divino!’ “Se esse pensamento adquirisse poder sobre ti, assim como tu és, ele se transformaria e talvez te triturasse; a pergunta, diante de tudo e de cada coisa: ‘Quero isto ainda uma vez e ainda inúmeras vezes?’ pesaria como o mais pesado dos pesos sobre teu agir! Ou então, como terias de ficar bem contigo mesmo e com a vida, para não desejar nada mais do que essa última, eterna confirmação e chancela?” (Nietzsche)

Observaria Bárbara Freitag: “O desrespeito à dignidade de um homem significa, pois, um insulto à humanidade como um todo.” Como podemos perceber, as posturas teóricas acima são antagônicas, mas indicam a necessidade de algum referencial para o agir humano: ou a observância de uma lei universal que garanta o respeito à dignidade humana como um todo, ou o temor do sofrimento suscitado por uma ação prejudicial a si mesmo se perpetuando infinitas vezes! A ÉTICA E OS VALORES – Toda essa argumentação anterior serve como intróito ao problema da Filosofia Moral ou Ética. A ética nos coloca, a cada um, as indagações: “_ Como devo agir? “_ Como posso julgar a minha ação ou a dos outros? “_ Quais os critérios segundo os quais faço esse julgamento? “_ Segundo que máximas, princípios ou valores pelos quais deve orientar-se (minha ou) a ação (dos outros)? “_ Como posso ter certeza de que os princípios (ou valores) pelos quais oriento a minha ação ou julgo a ação dos outros sejam os princípios certos, justos e corretos? “_ Qual a relação entre a moralidade individual e a normatividade social?” (FREITAG, 1992, p. 11) Como podemos perceber pelo exposto acima, a Ética busca a fundamentação do próprio agir moral. Em outras palavras, a moral se centra sobre a ação humana concreta, a partir de seus costumes, suas regras, suas condutas particulares, específicas de cada historicidade e grupo a que pertence. A Ética, por outro lado, vai procurar traçar uma reflexão sobre o agir moral: se a moral é uma organização histórica e situada na convivência grupal, do agir em sociedade, a ética procura ser uma orientação mais abstrata e geral, fundando-se mais em princípios. Filosofia – Uma Breve Introdução

Leonides da Silva Justiniano


22

Susin (SUSIN, 1996) procura oferecer-nos essa distinção a partir de uma comparação com uma casa. Aliás, Ética (ethos) “... significa as regras para a construção de uma boa casa. É que o ser humano não habita apenas uma casa feita de tábuas ou tijolos. Como ser ‘humano’, vivendo junto com outros seres humanos, sua habitação – seu ethos – é feito de hábitos, de costumes e de tradições, de sonhos e trabalhos, de desejos e projetos, de normas e de leis, tudo ordenado e entrelaçado, formando um verdadeiro habitat, um ambiente vital onde a vida humana pode nascer, crescer, se multiplicar.” (SUSIN, 1996, p. 13-14)

Já a moral, ainda que considerada como sinônimo de ética, já é uma coisa bastante diversa, se olhada com atenção: “Olhando com mais atenção para a casa e os pequenos detalhes que regulam o dia-a-dia da vida na casa, podemos fazer uma distinção muito útil sobretudo para tempos críticos, quando os ventos e os terremotos se abatem sobre a casa: Ética é a casa, a estrutura global, feita de alicerces, de vigas, paredes e telhados. Moral abrange os costumes estabelecidos, as normas de funcionamento da vida dentro da casa, os detalhes variados e às vezes tão arraigados nos costumes.” (SUSIN, 1996, p. 14)

Essa relação pertinente, estabelecida por Susin, permite-nos, inclusive, vislumbrar a diferença entre crise moral, ou des-moralização e crise ética. Susin afirma que uma pessoa pode mudar a disposição interna dos móveis da casa e, inclusive, alguns dos costumes relativos aos móveis, passando a dormir na mesa e a sentar na cama, mas isso não alteraria a estrutura da casa – apenas demonstraria que alguns móveis estão deslocados em sua utilização. Isso seria uma “crise moral ou des-moralização” (SUSIN, 1996). Pode ocorrer, todavia, que um vendaval ou terremoto afeta as próprias estruturas da casa, seus alicerces, sua construção como um todo – a casa estaria se destruindo. Isso, então, seria uma crise não só moral, mas ética (id., ib.) Obviamente, tal categorização não é admitida por vários pensadores, como MOREIRA, que distingüe entre moral pensada e moral vivida, sendo a “’moral pensada’ a justificação racional e a fundamentação dos princípios éticos e normas morais que, no contexto de um determinado Ethos cultural, vão gerar as leis positivas e a possibilidade do exercício do direito” (MOREIRA, 1992, p. 26); e a “’moral vivida’, os códigos vigentes de comportamento, as práticas morais em curso neste mesmo Ethos de um povo, de uma sociedade ou de um grupo” (id., ib.). Nós, contudo, adotaremos a primeira postura, da distinção entre Ética e Moral, com a primeira sendo a fundamentação racional, genérica, do agir, e a segunda sendo o julgar do agir particularizado em um determinado grupo e/ou contexto social. Tal postura nos parece ser de mais validade, quando da discussão sobre a legitimidade de um agir moralmente correto, de acordo com determinada instância (social, econômica, política, religiosa, étnica...), frente a alguns valores que devem fundamentar todo e qualquer agir humano. Essa distinção é importante porque a proposta final de toda ação é alcançar a felicidade! E essa busca é levada avante por ações humanas dialeticamente construídas entre as exigências ou necessidades da natureza e a liberdade (MOREIRA, 1992). Liberdade, aqui, entendida como possibilidade: “...a possibilidade não é a realidade, mas é, também ela, uma realidade: que o homem possa ou não fazer determinada coisa, isso tem importância na valorização daquilo que realmente se faz. Possibilidade quer dizer ‘liberdade’. A medida da liberdade entra na definição de homem.” (GRAMSCI, 1978, p. 46, apud DUARTE, 1993, p. 20)

Ora, mesmo que mínimas, nossa vida, nosso agir no dia-a-dia, é desenvolvida a partir de escolhas que fazemos de coisas, de situações, atitudes, que nos auxiliam na concretização de nosso objetivo final, acima traduzido e entendido por felicidade. Essas escolhas, a partir da liberdade (entendida como possibilidade), reconhecem a validade de determinadas mediações e não atribuem a mesma importância a outras, na consecução de um objetivo a si proposto por alguém. Ou seja, algumas coisas, alguns seres são revestidos de valor dentro de determinada proposta. Em princípio, então, temos dois pólos: um objetivo ou projeto de vida, de sociedade e as mediações para alcançá-lo, as balizas que indicam o caminho para atingir o objetivo ou projeto. É o que aponta DUSSEL, de quem tomamos a liberdade de traduzir livremente e utilizar sua explanação sobre o valor:

“Por que algo tem valor? Porque é uma mediação para o projeto. Quer dizer, é um meio, daí a palavra mediação, que hoje se usa com tanta freqüência. Por que para o esteta a beleza da árvore tem valor? Porque em seu projeto está a beleza, e para isto a árvore é uma concreção mediativa daquilo que é seu propósito. Para o economista, que olha tudo a partir da riqueza, o cortar e vender a árvore ‘de uma mediação para sua riqueza e assim interpreta toda a sua vida. Quer dizer que a totalidade de meu mundo, que compreende como futuro, é fundamentalmente um projeto. Para alcançar o projeto devo comprometer-me através de mediações. Esta palavra, como já dissemos, vem de meio; por exemplo: a ponte me permite atravessar o rio, é o ‘meio’ pelo qual atravesso o rio. Para cumprir meu projeto de ser psicólogo, por exemplo, tenho que cumprir a mediação de ir à escola de psicologia, e a escola é uma possibilidade ‘para’, é ‘algo para...’, ‘para’ o projeto. O ‘para’ da ‘possibilidade’ é o como do que temos falado ao nos referirmos ao sentido. Por exemplo, se a madeira é ‘para’ dar-me calor, ao afirmar isto, a estou interpretando como lenha; quer dizer, que o ‘para’ de algo, sua finalidade, é o como que interpreto. As mediações, as possibilidades, são as que estou interpretando e valorando cotidianamente, porque são possibilidade ‘para o projeto’. O que não se integra ao pro-jeto não me ‘interessa’, não lhe presto ‘atenção’, não o interpreto, não tem valor.” (DUSSEL, 1991, p. 71-72)

Essa valoração, então, está no âmbito ético, por ser abstrato, a partir de princípios e da conformidade entre mim e meu projeto pessoal. Ainda que esse projeto pessoal possa estar de acordo com o projeto social. Todavia, “os valores são, num dado momento, herdados por nós”(ARANHA & MARTINS, 1993, p. 273), ou seja, estão implícitos, são constitutivos da própria cultura, da própria história, seja da humanidade como um todo, seja da parcela à qual pertencemos:

“O mundo cultural é um sistema de significados já estabelecidos por outros, de tal modo que aprendemos desde cedo como nos comportar à mesa, na rua, diante de estranhos, como, quando e quanto falar em determinadas circunstâncias; como andar, correr, brincar; como cobrir o corpo e quando desnudá-lo, qual o padrão de beleza; que direitos e deveres temos. Conforme

Filosofia – Uma Breve Introdução

Leonides da Silva Justiniano


23

atendemos ou transgredimos os padrões, os comportamentos são avaliados como bons ou maus.” (ARANHA & MARTINS, 1993, p. 273)

Essa “herança”, todavia, determinada historicamente no tempo e no espaço, referido a um grupo social e não à totalidade da espécie humana é o que designamos moral: ou seja, tanto é circunstancial quanto pode ser avaliada por uma instância mais geral, de uma aplicabilidade mais extensível à maioria (senão à totalidade) da humanidade. Aí entra a Ética, questionando os princípios norteadores do agir de uma determinada cultura, de um grupo social específico. Daí, também, a possibilidade de se poder argumentar sobre o “progresso” moral de um povo. Tal afirmação só tem validade quando situada em um contexto ético e, não, exclusiva e inclusivamente moral. É necessário, aqui, então, tomarmos a noção de história diacrônica e sincrônica, de cortes longitudinais e transversais nas culturas e historicidades de cada grupo humano. Essa ubicação no tempo e no espaço, com a implicação de todos os condicionantes, auxilia no esclarecimento de noções abstratas e, aparentemente, desconexas do problema a ser abordado. É esse o contexto em que se move a Ética: a busca de uma fundamentação que supere o meramente contingente, o meramente histórico, circunstancial, factual. A Ética se coloca como uma espécie de “consciência da consciência moral”! Em outras palavras, vai procurar postular valores que norteiem a vida da humanidade como um todo, em vista do benefício mais humanizante possível para todo e qualquer ser humano. Dessa forma, o critério de moralidade, bem como o critério de verdade, na Lógica, não é a quantidade de pessoas que aderem a um determinado padrão de comportamento, que atualizam um determinado agir. Sendo o critério o respeito à dignidade do ser humano, não enquanto abstração, mas enquanto ser concreto, com necessidades e direitos, passamos a perceber a importância de um princípio universalizante, tal como sugeria Kant. QUADRO-SÍNTESE V FILOSOFIA MORAL OU ÉTICA É corrente a afirmação de a pessoa ser um “animal social”. Não é tão comum, por outro lado, a consideração das implicações que tal característica humana possa trazer. A convivência em sociedade não se faz sem um ônus, qual seja: o confronto com outras vontades e a necessidade de respeitá-las; ou, ao menos, ter consciência de que existem, mesmo que seja para contestá-las. Dessa existência forçosamente social por meio de que o ser humano se constrói depreende-se a necessidade de padrões ou regras que orientem a conduta de cada indivíduo em função do bem do grupo. A esse conjunto de regras e normas de conduta é que vai de se dedicar o campo de estudo da Ética ou Filosofia Moral. Ainda que possa parecer estarem se referindo ao mesmo objeto e da mesma forma, poder-se-á perceber, gradativamente, que há aspectos distintivos. O objeto a que irão se referir, tanto a Ética quanto a Moral, será, a grosso modo, o “agir humano em sociedade”. Assim, Moral vem de “mors-mores”, querendo significar costume. Por seu turno, Ética deriva de “ethos”, que se refere a habitação, modo ou forma de viver. O sentido ainda permanece, portanto, o “agir humano”. Não obstante estarem se referindo ao “agir humano em sociedade”, a Moral mostra-se mais vinculada com o próprio agir do que a Ética, que estaria voltada para um conjunto de princípios e valores que norteariam os procedimentos morais. Ou seja, a Moral é decorrência da própria vivência e dos costumes aceitos e sancionados por um dado grupo, em função de sua sobrevivência, de sua história, de sua cultura. Já a Ética seria um conjunto ideal de princípios, valores, objetivos (de perfeição, de bem comum, de realização plena) que se propõe aos procedimentos morais, orientando-os, corrigindo-os, repreendendo-os. Se a Moral é cultural e historicamente condicionada, a Ética busca ser mais perene, universal: a Moral diz respeito ao conjunto de normas, regras, costumes que orientam o agir humano em uma dada sociedade; está, portanto, no âmbito da concretude, da prática; a Ética diz respeito à reflexão sobre o agir humano, sendo uma orientação, ou uma crítica da moral; está, portanto, no âmbito da abstração, dos princípios. Resumindo, se a Moral é a consciência reflexiva e julgadora do agir humano, a Ética pode ser considerada a “consciência da consciência moral”: aquela instância que vai questionar o que a consciência moral assume como padrão de conduta. Será possível uma discussão nestes termos, confrontando-se uma “Ética” universal face à diversidade das “morais particulares”? Qual a legitimidade desse confronto? Que exemplos poderiam ser citados, atualmente, em que se dá esse tipo de “disputa” pela supremacia de uma sobre outra? Deve-se ter presente que o agir moralmente imputado exige a consciência (o conhecimento), a vontade/intenção (o querer agir ou deixar de fazê-lo) e a liberdade (a deliberação de escolher os fins e os meios, sem coação): a consciência (a razão) da ação e de suas implicações, o que pode gerar a culpa ou o dolo, uma vez que a ação ou manipulação de um objeto está implicando na perícia, zelo e prudência (ou, na falta destes, na imperícia, negligência e imprudência); a liberdade, que é a capacidade de dispor de si próprio, de sua vontade, com o intuito de se direcionar a um determinado objetivo, a uma meta específica; e, também, a intenção/vontade, que é o desejo de alcançar a meta escolhida livremente, de forma consciente, conhecendo as decorrências de seu ato, intenção ou omissão. Daí que uma pessoa que, externamente, age em conformidade com um grupo, mas sem convicção, tão só para ficar bem com o mesmo grupo, tem seu comportamento moral questionado. Um ato não pode ser considerado apenas pelo ângulo moral, ou da ação contextualizada em um determinado grupo, uma vez que a constituição de cada grupo se Filosofia – Uma Breve Introdução

Leonides da Silva Justiniano


24

faz de forma histórica, com avanços e retrocessos face à humanidade como um todo. O que se pretende afirmar é que, para além da Moral, concreta, histórica, contextualizada, encontra-se a Ética, buscando apontar horizontes onde possa se dar um maior desenvolvimento da moralidade de cada grupo. É quando surgem as questões: Que é liberdade? Até que ponto a pessoa é, de fato, livre? Que é vontade? Quais os condicionamentos que podem afetar a vontade e de que forma? Que é consciência? Como ela é formada? Qual seu grau de autoformação? Tais questionamentos são importantes, uma vez que, não raro, hodiernamente, fala-se muito em crise de valores, declínio moral, vácuo moral, desmoralização de instituições, hiato moral, perca de referenciais, mudança de paradigmas, etc. Que significa cada uma dessas expressões? E em função de quê são proferidas?

FILOSOFIA E IDEOLOGIA SENSO COMUM, BOM SENSO E PENSAMENTO NÃO-IDEOLÓGICO (Extraído de ARANHA & MARTINS. Filosofando. 2ª ed. São Paulo: Moderna, p. 35-39) Chamamos senso comum ao conhecimento adquirido por tradição, herdado dos antepassados e ao qual acrescentamos os resultados da experiência vivida na coletividade a que pertencemos. Trata-se de um conjunto de idéias que nos permitem interpretar a realidade, bem como de um corpo de valores que nos ajuda a avaliar, julgar e portanto agir. ... o senso comum não é refletido e se encontra misturado a crenças e preconceitos. É um conhecimento ingênuo (não-crítico), fragmentário (porque difuso, assistemático e muitas vezes sujeito a incoerências) e conservador (resiste a mudanças). Com isso não queremos desmerecer a forma de pensar do homem comum, mas apenas enfatizar que o primeiro estádio de conhecimento precisa ser superado em direção a uma abordagem crítica e coerente, características estas que não precisam ser necessariamente atributos de formas mais requintadas de conhecer, tais como a ciência ou a filosofia. Em outras palavras, o senso comum precisa ser transformado em bom senso, este entendido como a elaboração coerente do saber e como explicitação das intenções conscientes dos indivíduos livres. Segundo o filósofo Gramsci, o bom senso é o “núcleo sadio do senso comum”. Qualquer pessoa, não sendo vítima de doutrinação e dominação, e se for estimulada na capacidade de compreender e criticar, torna-se capaz de juízos sábios porque vitais, isto é, orientados para sua humanização. Geralmente os obstáculos à passagem do senso comum ao bom senso resultam da exclusão do indivíduo das decisões importantes na comunidade em que vive. Em sociedades não-democráticas as informações não circulam igualmente em todas as camadas sociais e nem todos têm igual possibilidade de consumir e produzir cultura. (...) A superação de tal estado de coisas decorre não só da democratização do acesso à escola e da negação da escola dualista (formação acadêmica versus formação técnica) como também depende da conquista de espaços possíveis de atuação nos sindicatos e nas organizações representativas dos mais diversos tipos. No entanto, não são apenas os trabalhadores manuais que não têm conseguido passar do senso comum para o bom senso. Funcionários de empresas, empresários, especialistas de qualquer área, inclusive cientistas, podem estar restritos a formas fragmentárias do senso comum quando se acham presos a preconceitos, a concepções rígidas, quando sucumbem à ação massificante dos meios de comunicação de massa. Outras vezes renunciamos ao exercício do bom senso quando nos submetemos ao poder dos tecnocratas, seduzidos pelo “saber do especialista”. Basta observar a timidez de decisão dos pais que, ao educarem os filhos, delegam poderes a psicólogos, pedagogos, pediatras. Não pretendemos, ao dizer isso, desvalorizar a contribuição tão importante da ciência, muito ao contrário! Apenas ressaltamos que o homem leigo não precisa permanecer passivo diante do saber do técnico, demitindo-se das ações que ele próprio poderia exercer. Ele tem o direito de informar-se ativamente a respeito do tratamento a eu se acha submetido e dos seus efeitos. Em última análise, convém desmistificar a tendência de cultuar as pessoas “estudadas” em detrimento do homem “sem letras” ou simplesmente não-especialista. Qualquer homem, se não foi ferido em sua liberdade e dignidade, e se teve ocasião de desenvolver a habilidade crítica, será capaz de autoconsciência, de elaborar criticamente o próprio pensamento e de analisar adequadamente a situação em que viver. É nesse estado que o bom senso se aproxima da filosofia... Podemos perceber que não é automática a passagem do senso comum ao bom senso, e um dos obstáculos ao processo se encontra na difusão da ideologia... A ação e o pensamento humano nunca se acham totalmente determinados pela ideologia. Sempre haverá espaços de crítica e fendas que possibilitem a elaboração do discurso contra-ideológico. Não é simples, no entanto, o trabalho de desvelamento do real, pois a ideologia penetra em setores insuspeitáveis: na educação familiar e escolar, nos meios de comunicação de massa, nos hospitais psiquiátricos, nas prisões, nas indústrias, impedindo de todas as formas a flexibilidade entre o pensar e o agir, determinando a repetição de fórmulas prontas e acabadas. Por outro lado, é exatamente nesses mesmos espaços em que é veiculada a ideologia que se inicia o processo de conscientização. O que distingue o discurso ideológico do não-ideológico, que podemos chamar simplesmente de teoria? Se o discurso ideológico é abstrato e lacunar, faz uma análise invertida da realidade e separa o pensar do agir, o discurso não-ideológico é aquele que visa o preenchimento das lacunas pela procura da gênese do processo. Isto não Filosofia – Uma Breve Introdução

Leonides da Silva Justiniano


25

significa que se deva contrapor ao discurso lacunar um discurso “pleno”, mas sim a elaboração da crítica, do contradiscurso que revele a contradição interna do discurso ideológico e que o faça explodir. É esse justamente o papel da teoria, que está encarregada de desvendar os processos reais e históricos dos quais se origina a dominação de uma classe sobre outra, enquanto a ideologia visa exatamente o contrário, ou seja, a dissimulação dessa diferença ou a justificação dela. Além disso, a teoria estabelece uma relação dialética com a prática, ou seja, uma relação de reciprocidade e simultaneidade, e não hierárquica, como no discurso ideológico. Explicando melhor: a práxis é justamente a relação indissolúvel teoria-prática, de modo que não há agir humano que não tenha sido antecedido por um projeto, da mesma forma que a teoria não é algo que se produza independentemente da prática, pois seu fundamento é a própria prática. Nós conhecemos as coisas na medida em que as produzimos, daí toda teoria se tornar lacunar (e portanto ideológica), sem o “vaivém” entre o fato e o pensado. Ora, o saber que resulta do trabalho é um saber instituinte e, nesse sentido, é “vivo”, móvel, com toda a força decorrente do processo de se fazer. Ao contrário, o saber ideológico é o saber instituído, esclerosado, morto. Por isso, é importante o papel da filosofia como crítica da ideologia, para romper as estruturas petrificadas que justificam as formas de dominação. IDEOLOGIA (Adaptado de JUSTINIANO & GARCIA, Instituição educacional e gestão da qualidade: mito e ideologia) O conceito de ideologia não é unívoco. Mas o conceito de ideologia, por ter uma “história” mais longa e, não raro, belicosa, controversa, pressupõe uma análise que não vem desacompanhada de um posicionamento: a opção por uma ou outra noção de ideologia pressupõe uma forma de situar-se no mundo, frente aos acontecimentos, às outras pessoas, a si mesmo. O termo ideologia traz em seu bojo muitas concepções. Poderíamos recorrer a diversos teóricos que as relacionam e refletem, mesmo àqueles que afirmam que a ideologia não encontra mais espaço digno de referência ou reflexão. Vamos, contudo, nos restringir a alguns pensadores que aceitam a permanência da ideologia, uma vez que essas concepções apontarão a deficiência nos argumentos que querem decretar a “morte” das ideologias. Iremos pautar nossa explanação principalmente pelos argumentos de Thompson ( Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis: Vozes, 1995), pensador que se propõe a formular uma concepção diferenciada ou revisada do que se possa compreender por ideologia, uma vez que procura conjugá-la com o fenômeno da comunicação social (de massa) e da construção ou produção simbólica – elementos importantes e característicos de nossas sociedades contemporâneas ocidentais e “industrializadas” (tecnologicizadas e informatizadas, talvez soe melhor). Thompson em seu Ideologia e cultura moderna reconhece o caráter multíplice que o significado do conceito ideologia adquiriu ao longo de uma história até certo ponto longa – considerando que o termo teria sido usado pela primeira vez por Destutt de Tracy em 1796, desejando, com ele, designar uma nova ciência que pretendera criar, inspirado nos propósitos iluministas e racionalistas. Segundo Thompson, o termo ideologia sofreu muitas mutações, ao longo de sua trajetória até nossos dias, passando de um significado científico para um significado político, de um significado neutro a um significado negativo, de um significado natural a um significado crítico. Em um primeiro momento, de âmbito científico, o termo buscava indicar uma nova disciplina, uma nova ciência: “Seguindo Condillac, de Tracy argumentou que não podemos conhecer as coisas em si mesmas, mas apenas as idéias formadas pelas sensações que temos delas. (...) Através de uma análise cuidadosa das idéias e das sensações, a ideologia possibilitaria a compreensão da natureza humana e, desse modo, possibilitaria a reestruturação da ordem social e política de acordo com as necessidades e aspirações dos seres humanos. A ideologia colocaria as ciências morais e políticas num fundamento firme e as preservaria do erro e do ‘preconceito’...” (Thompson, op. cit., p. 45)

Tal concepção, contudo, não teve uma “vida longa”, pois a mesma se forjara em solo francês, que em breve se encontraria às voltas com questões políticas (leia-se “conflitos entre republicanos e Napoleão”). Estando Napoleão perdendo apoio popular, investiu contra os teóricos da nova ciência, escolhendo esta e aqueles como responsáveis pelos fracassos de sua “Revolução”. Em um segundo momento, então, o termo ideologia assume uma conotação negativa, pejorativa. E será esse segundo momento que fornecerá elementos para a evolução de um seguinte, não só negativo, mas também crítico, que se dará com Marx. Mesmo que pesem algumas ambigüidades em suas alusões à ideologia, Marx vai oferecer uma contribuição inegável para o desenvolvimento de uma nova concepção do termo ideologia, posto que sua concepção – designada por Thompson como “polêmica” – adquire importância não tanto pela concepção em si, mas por sua vinculação com três pressupostos: “Pressuposto 1a: As formas de consciência dos seres huma-nos (sic) são determinadas pelas condições materiais de sua vida. O pensar, o conceber e, mais geralmente, a produção de idéias devem ser vistos não como processos autônomos, e muito menos como processos que prescrevem o curso da história; antes, porém, como processos que estão interligados com a – e essencialmente determinada pela – atividade mundana dos seres humanos produzindo coletivamente seus meios de subsistência.” “Pressuposto 1b: O desenvolvimento das doutrinas teóricas e das atividades teóricas que vêem as idéias como autônomas e eficazes se torna possível pela divisão, historicamente emergente, entre trabalho material e trabalho mental.”

Filosofia – Uma Breve Introdução

Leonides da Silva Justiniano


26

“Pressuposto 1c: As doutrinas e as atividades teóricas que constituem a ideologia podem ser explicadas pelo estudo científico da sociedade e da história, e por tal estudo devem ser substituídas.” (Thompson, op. cit., p. 51-53) Esses três primeiros grupos de pressupostos vão desembocar em um segundo grupo de pressupostos que têm por fio comum uma concepção epifenomênica, no sentido de expressarem interesses de uma classe dominante, escamoteando, todavia, a divisão entre as classes (dominantes e dominadas). Nesse segundo grupo de pressupostos, portanto, primeiramente se encontra que “(...) ... as condições econômicas de produção têm um papel primário na determinação do processo de mudança sócio-histórica e que, por isso, elas devem ser vistas como o meio mais importante para explicar as transformações sócio-históricas particulares. Esse primeiro pressuposto nos leva diretamente a um segundo. Pressuposto 2b: as formas ideológicas de consciência não devem ser tomadas como se mostram, mas devem ser explicadas em referência às condições econômicas de produção.” (Thompson, op. cit., p. 55)

Thompson vai indicar que, para Marx, a própria dinâmica interna do capitalismo levaria as pessoas que vivem sob a sua égide à percepção do tipo de relações que as envolve:

“Pressuposto 2c: o desenvolvimento do capitalismo moderno cria as condições para uma compreensão clara das relações sociais e para a eliminação dos antagonismos de classe, dos quais depende a ideologia.” (Id., ib., p. 57)

A partir dessas idéias emergentes das obras de Marx, Thompson afirma ser possível depreender outro sentido, uma concepção “latente”, a qual fornecerá elementos importantes para uma análise das relações construídas nas sociedades, inclusive, estruturadas como as que vivemos atualmente. Tal concepção, de acordo com Thompson, poderia ser assim formulada: “(...) ideologia é um sistema de representações que servem para sustentar relações existentes de dominação de classes através da orientação das pessoas para o passado em vez de para o futuro, ou para imagens e ideais que escondem as relações de classe e desviam da busca coletiva de mudança social.” (Id., ib., p. 58)

Mas a essa concepção vai suceder outra, que pode ser designada como concepção “neutra”, uma vez que, no seguimento da expansão das lutas de classe, atribui o termo ideologia a todos os grupos sociais (classes dominantes e classes dominadas): haveria, assim, uma ideologia dos “dominadores” (“burguesia”), como haveria uma ideologia dos “dominados” (“proletariado”). A atribuição de ideologias a grupos antagônicos implodiria a percepção da ideologia como sendo negativa ou, conforme Thompson, eliminaria seu “aspecto assimétrico” (pressupondo desigualdades, manipulações, dominação). Se essa concepção epifenomêmica – neutra – perdurou até o ponto de se afirmar que não só todos os grupos sociais têm suas ideologias, como também nenhum grupo social ou sociedade tem mais ideologia, Thompson enfatiza a retomada da concepção negativa, ou melhor, crítica de ideologia. E o faz recorrendo a Mannheim, para quem Marx teve o mérito de fazer a noção de ideologia passar de uma concepção particular para uma concepção total: “Por concepção ‘particular’ de ideologia Mannheim entende uma concepção que permanece no nível de disfarces mais ou menos conscientes. (...) A concepção ‘total’ de ideologia emerge quando volvemos nossa atenção para as características da estrutura mental global de uma época, ou de um grupo sócio-histórico como, por exemplo, uma classe.” (Id., ib., p. 66)

Estas concepções de ideologia, de acordo com Thompson, espelham, na verdade, uma sociologia do conhecimento, sendo uma “concepção restrita” de ideologia, a qual, sob determinada ótica, tange a concepção de “utopia”, enquanto o não existente. Todavia, a concepção “restrita” de Mannheim conserva o aspecto negativo, seja pelas divergências (ou discordâncias) entre as concepções particular e total, seja pelo aspecto de não realização das idéias. Porém, é preciso se avançar além dessa visão de Mannheim, afirma Thompson, uma vez que “O que é esquecido, nessa teoria, é o fenômeno da dominação” (Thompson, op. cit., 71) Assim é que Thompson vai propor sua concepção de ideologia a partir da distinção entre dois tipos gerais de concepções de ideologia: as concepções neutras e as concepções críticas i. As concepções críticas assim o são devido a vários critérios: por serem abstratas ou impraticáveis, errôneas ou ilusórias, expressarem interesses dominantes ou sustentarem relações de dominação. Todas essas variáveis irão ceder espaço para a concepção de Thompson, a qual se especifica objetivando “... como as formas simbólicas se entrecruzam com relações de poder. Ela está interessada nas maneiras como o sentido é mobilizado, no mundo social, e serve, por isso, para reforçar pessoas e grupos que ocupam posições de poder. Deixem-me definir este enfoque mais detalhadamente: estudar a ideologia é estudar as maneiras como o sentido serve para estabelecer e sustentar relações de dominação. Fenômenos ideológicos são fenômenos simbólicos significativos desde que eles sirvam, em circunstâncias sócio-históricas específicas, para estabelecer e sustentar relações de dominação.” (Id., ib., p. 75-76. Grifos do autor)

Ao contrário e além de Marx, Thompson não restringe a noção de dominação apenas à dominação de uma classe sobre outra, mas estende-a aos mais variados tipos de dominação e subordinação que permeiam as relações humanas (entre gêneros, etnias, gerações...). Conseqüentemente, Thompson vai reformular essas concepções anteriores de ideologia de forma a “(...) ...conceituar ideologia em termos das maneiras como o sentido, mobilizado pelas formas simbólicas, serve para estabelecer e sustentar relações de dominação: estabelecer, querendo significar que o sentido pode criar ativamente e instruir relações de dominação; sustentar, querendo significar que o sentido pode servir para manter e reproduzir relações de dominação através de um contínuo processo de produção e recepção de formas simbólicas.” (Id., ib., p. 79. Grifos do autor)

“Formas simbólicas”, estas, que Thompson entende como sendo ações, falas, imagens, textos, as mais variadas formas de expressão midiática, que são produzidas e reconhecidas como significativos. Tais formas simbólicas, portanto, Filosofia – Uma Breve Introdução

Leonides da Silva Justiniano


27

não estão “neutras”, suspensas acima do corpo social e suas relações, mas desenvolvem-se em contextos que se estruturam socialmente e que, devido a isso, estão sujeitas aos diversos graus de “poder” que essas pessoas ou grupos possuam ou consigam articular. Esse “poder” deve ser entendido como a capacidade que algumas pessoas ou classes detêm de tomar decisões, mobilizar situações e sentidos, conferir significações, realizar interesses, interferir na organização e desenvolvimento do todo social. Esse “poder” exige uma “preparação” dos sujeitos que o exercem, ou mediante o qual se manifestam. Será a disseminação desse “poder”, bem como a capacidade de utilizá-lo nas relações sociais, determinada pela localização social das pessoas e por suas qualificações, que irá caracterizar o tipo de relação vigente na sociedade como um todo:

“(...) Podemos falar de ‘dominação’ quando relações estabelecidas de poder são ‘sistematicamente assimétricas’, isto é, quando grupos particulares de agentes possuem poder de uma maneira permanente, e em grau significativo, permanecendo inacessível a outros agentes, ou a grupos de agentes, independentemente da base sobre a qual tal exclusão é levada a efeito.” (Id., ib., p. 80)

QUADRO-SÍNTESE VI IDEOLOGIA GUARESCHI, Pedrinho. In Sociologia Crítica – Alternativas de Mudança. Porto Alegre: Ed. Mundo Jovem, 1991 O assunto ideologia é tão amplo e tão complexo, que o melhor é começar tentando dizer o que é ideologia, ir dando uns exemplos. Cada um vai, aos poucos, tentando compreender, ver, na prática, como a ideologia acontece. A ideologia não significa mais o que por sua etimologia deveria significar, isto é, estudo das idéias Passou a significar coisa bem diferente e a ter uma figura negativa e pejorativa. Acontece que alguns ainda usam a palavra “ideologia” para significar o conjunto de idéias, valores e maneira de pensar de pessoas e grupos. Então é preciso distinguir bem. Ideologia pode significar: 1) O estudo das idéias (sentido etimológico). 2) Conjunto de idéias, valores, maneira de sentir e pensar de pessoas e grupos. 3) Idéias erradas, incompletas, distorcidas, falsas sobre fatos e a realidade. Daqui para a frente nós só vamos usar a palavra ideologia no último sentido, isto é, como uma maneira errada de ver as coisas. Vamos então discutir algumas coisas sobre como e porque as pessoas podem ter idéias erradas sobre as coisas. Será que é culpa delas? Quem pode dizer que não tem ideologia? Para entender isso, é preciso ver como nós ficamos sabendo das coisas e quem é que nos diz as coisas. É preciso ver se aqueles que nos dizem as coisas, não nos dizem apenas metade das coisas, ou só um jeito de ver as coisas. Você já pensou por que você acha que é o que é? Por que se define como sendo estudante, brincalhão, rapaz, bom jogador de futebol? Quem ensinou para você as palavras, quem deu as definições das palavras “estudante”, “brincalhão”, etc.? Aí você começa a ver que nós somos, em grande parte, o que os outros nos dizem, ou acham que somos. E à medida em que nós vamos percebendo o que os outros pensam e acham a nosso respeito, nós vamos formando nossa identidade. É claro que não é só isso que forma nossa identidade. Nós podemos também refletir, tomar consciência do processo de como a gente é o que é , e tentar mudar. Mas em grande parte nós ficamos condicionados à influência dos outros, inclusive pelo fato de termos de aceitar a própria linguagem e as definições das coisas que os outros nos deram. Agora começa, contudo, a parte mais importante, que nos ajuda a entender o que é ideologia. Você acha que todas as definições, todas as explicações das coisas são dadas sempre com sinceridade, procurando sempre dizer a verdade e toda a verdade? Será que por trás das definições das coisas (inclusive do próprio conceito que os outros fazem de nós), atrás das explicações que as pessoas dão para as coisas, não há algum interesse em esconder algo, em acentuar alguns aspectos e diminuir outros? Pois é isso que precisamos descobrir. E quando nós chegarmos a constatar que as coisas não são exatamente como no-las estão contando, então nós estamos diante das ideologias. Quem é inteligente e vivo fica sempre de olho para descobrir como as pessoas, se não chegam a mentir de fato, ao menos dizem apenas parte da verdade. (...) [...] Se você abrir um jornal, qualquer jornal, vai ver imediatamente muitas meias-verdades, em cada página. Os jornais publicam só o que querem e onde querem. A gente não pode dizer que eles mentiram. Talvez tudo o que está no jornal tenha acontecido. O problema é que o jornal, conforme sua ideologia, seleciona o que quer, combina o que quer e publica o que quer. E nós saímos acreditando que o jornal diz toda a verdade... Antes de ler o jornal, a gente precisa saber que ideologia tem esse jornal... [...] Você já se perguntou se você mesmo não é o que você pensa que é, porque os outros lhe botaram isso na cabeça? Será que você já se deu conta de quem fez sua cabecinha, quem deu a definição de você mesmo para você? Há muita gente que nem sabe quem são seus pais “ideológicos”, que é ideologicamente bastardo... Só com muita reflexão e consciência crítica você será realmente você, você será livre, você saberá porque é assim, e essa verdade o libertará. Gostaria de terminar com um ponto bastante importante. Você já conversou com alguma pessoa pobre, algum favelado? Se você tentar descobrir o que ele pensa dele mesmo, vai ver que a imagem que ele tem de si mesmo é bastante negativa. Ele acha que não presta, que é ignorante, que é mau, que vale menos que o pessoal “de bem”, isto é, os que sabem ler e escrever, são ricos, vivem no centro da cidade. Eles, os favelados, são da “vila”. Agora, será que isso é verdade mesmo? Os “da vila”, “da favela”, são piores, têm menos dignidade que os outros? Ou será que os “do centro”, que têm os jornais, os rádios, as TVs, isto é, que têm “a voz e a vez” não estarão Filosofia – Uma Breve Introdução

Leonides da Silva Justiniano


28

dando a definição negativa e pejorativa para os da periferia? Será que a própria escola, os Meios de Comunicação Social, e até mesmo certas religiões e certos pregadores não estão a serviço dos que têm o poder e, para eles se garantirem no poder, não estão tentando dizer para os outros que eles não prestam, são menos? Veja você como isso é importante: se você consegue convencer alguém que ele não presta, vale menos, é ignorante, etc., você pode dominar totalmente essa pessoa, pois ela já está dominada “na alma”, “na consciência”. Ela mesma já não vai querer subir, exigir mais, ter os mesmos direitos que os outros, pois ela já está convencida de que vale menos! Essa pessoa assim definida e convencida nunca mais vai dar trabalho para as outras pessoas! Ela interiorizou a imagem negativa que fazem dela os que têm poder e acabou acreditando na história de que ela, afinal, vale menos mesmo! Através da linguagem e da comunicação, que também são produções históricas, são transmitidos significados, representações e valores existentes em determinados grupos: é a ideologia do grupo. A reprodução ideológica se manifesta através de representações que a pessoa elabora sobre si mesma, sobre os homens, a sociedade, a realidade, enfim, sobre tudo aquilo a que implícita ou explicitamente são atribuídos valores: certo-errado, bom-mau, verdadeirofalso. A ideologia está presente na superestrutura, que são as instituições políticas, jurídicas, morais (...). Já no plano psicológico individual, as ideologias se reproduzem em função da história de vida e da inserção específica de cada pessoa. Essas colocações podem espantar alguém e levá-lo a pensar que não há remédio, que estamos fatalmente condenados a sermos presas das ideologias. Mas não é assim. No plano pessoal, o indivíduo pode se tornar consciente ao detectar as contradições entre as representações que existem na sociedade ou no plano superestrutural, e as atividades específicas que ele desempenha na produção de sua vida material. [...] O processo de conscientização se desencadeia tanto a nível de ( sic) consciência pessoal como a nível de consciência de classe. A consciência de classe é um processo grupal e se manifesta quando indivíduos conscientes de si se percebem sujeitos das mesmas determinações históricas que os tornaram membros de um mesmo grupo, inseridos nas relações de produção que caracterizam a sociedade num dado momento. Isso pode levar a um processo de conscientização de si e conscientização social. De um lado, o indivíduo consciente de si necessariamente tem também consciência de pertencer a uma classe. Mas enquanto indivíduo, essa consciência se processa transformando tanto suas ações como a ele mesmo.

Filosofia – Uma Breve Introdução

Leonides da Silva Justiniano


iPROFESSORA SIM, TIA NÃO – FREIRE, Paulo. Professora sim, tia não. São Paulo: Olho d’Água, 1994, p. 10-12. “(...) Ensinar é profissão que envolve certa tarefa, certa militância, certa especificidade no seu cumprimento enquanto ser tia é viver uma relação de parentesco. Ser professora implica assumir uma profissão enquanto não se é tia por profissão. (...) Recusar a identificação da figura da professora coma da tia não significa, de modo algo, diminuir ou menosprezar a figura da tia, da mesma forma como aceitar a identificação não traduz nenhuma valoração à tia. Significa, pelo contrário, retirar algo fundamental à professora: sua responsabilidade profissional de que faz parte a exigência política por sua formação permanente. A recusa, a meu ver, se deve sobretudo a duas razões principais. De um lado, evitar uma compreensão distorcida da tarefa profissional da professora, de outro, desocultar a sombra ideológica repousando manhosamente na intimidade da falsa identificação. Identificar professora com tia, o que foi e vem sendo ainda enfatizado sobretudo na rede privada em todo o país, é quase como proclamar que professoras, como boas tias, não devem brigar, não devem rebelar-se, não devem fazer greve. Quem já viu dez mil tias fazendo greve, sacrificando seus sobrinhos, prejudicando-os no seu aprendizado? E essa ideologia que toma o protesto necessário da professora como manifestação de seu desamor aos alunos, de sua irresponsabilidade de tias, se constitui como ponto central em que se apóia grande parte das famílias com filhos em escolas privadas. Mas também ocorre com famílias de crianças de escolas públicas.”

A ESCOLA DOS BICHOS – Conta-se que os bichos determinaram criar uma escola porque o meio em que estavam vivendo começava a se tornar cada vez mais complexo, e já não podiam viver socialmente bem com seus equipamentos inatos. Aqui temos a necessidade que deu origem à escola. Já não podiam, com seus instintos inatos, enfrentar o meio que esse havia complicado demais. Precisavam de uma escola para habilitálos e prepará-los convenientemente para as novas estruturas do ambiente. Foi escolhido um corpo docente ótimo: todo ele com grandes títulos universitários e boa experiência. De modo que isto envaideceu a todos. Para a escola, sem muita pesquisa do meio ambiente, escolheram o seguinte currículo: NADAR, VOAR, SUPERAR OBSTÁCULOS, CORRER, GALGAR MORROS. E os primeiros alunos foram: O CISNE, O PATO, O COELHO, O GATO E O CACHORRO. Começando o curso, cada mestre, preocupado com sua disciplina, dava matéria a torto e a direito. Era assim que julgava que estava certo e fazia jus a seus títulos acadêmicos. Os alunos, contudo, ao contrário, iam se desencantando com a tão almejada escola. Vejamos o caso particular de cada aluno. O CISNE, nas aulas de correr, de voar e de subir morro, apesar de todo esforço, era mau aluno. Tirava notas péssimas. E mostrava os pés ensangüentados nas corridas e as asas com calos adquiridos na ânsia de voar alto e veloz. O pior era que, com o esforço nessas disciplinas, começara a nadar pior do que antes, coisa em que era exímio. O COELHO, por sua vez, padecia nas matérias de nadar e voar. Como poderia voar se não tinha asas? Em se tratando de nadar a coisa era igualmente difícil, se bem que um pouco menos que a anterior. O que o salvava eram as duas matérias anteriores: correr e galgar obstáculos, pois suas notas em nadar e voar eram de reprovação. MAS NINGUÉM ERA DISPENSADO DE NENHUMA MATÉRIA!! O GATO tinha o mesmo problema do coelho em se tratando de nadar e voar. Com respeito a voar, ele insistia que se fosse o caso de voar de cima para baixo, ele poderia ter relativo êxito; o professor, contudo, não podia aceitar esta condição, porque não estava de acordo com o programa oficial que deveria ser cumprido, rigorosamente. Caso semelhante o do CACHORRO. O PATO, finalmente, era um aluno medíocre em tudo: voava um pouquinho, corria mais ou menos, nadava até bem – muito menos que o cisne, é claro –, subia até com certo desembaraço. Sua média era a melhor. Não tinha reprovação como o coelho e o gato (e o cachorro). Por isso, sua mediocridade em tudo o fazia sumamente brilhante na estatística final. Foi escolhido como orador da turma, apesar da reclamação geral. O coelho se queixava de correr e galgar morros muito melhor do que ele. O cisne, de ser melhor nadador. Cada um tinha sua queixa justificada a fazer. Um único fato deixou a todos calados: NINGUÉM tinha média superior à dele e, por isto, estatisticamente, era superior a todos

Profile for leonides justiniano

Filosofia Básica  

Breve introdução à filosofia, tratando de temas como verdade e ideologia, lógica, filosofia política, filosofia moral e filosofia da educaçã...

Filosofia Básica  

Breve introdução à filosofia, tratando de temas como verdade e ideologia, lógica, filosofia política, filosofia moral e filosofia da educaçã...

Profile for leojusto
Advertisement