Page 1


O MILAGRE DO NATAL AO ALCANCE DE TODOS!

MILAGRE INUSITADO

Após a morte da esposa, Clark Beaumont está tentando viver o espírito natalino pelo bem das crianças. Mas com o filho indo mal na escola e a filha quase sem falar, ele precisa de um verdadeiro milagre. Althea Johnson era para ser apenas a tutora do menino. Porém, com sua ajuda, os Beaumont voltam a ganhar vida. E conforme o Natal se aproxima, Althea começa a sonhar em passá-lo ao lado desta família. ACORDO PERFEITO

Quando Ricky Langley oferece ajuda a Eloise, ela sabe que não pode recusar. Em troca, terá de acompanhálo a doze festas de Natal. Sim, Ricky é incrivelmente lindo e charmoso, mas isso é apenas um acordo de negócios... Só que os sentimentos dela não entendem as regras! Ricky tem motivos próprios para detestar essa época do ano. Porém, a cada encontro, Eloise o faz gostar mais do feriado natalino. E ele começa a abrir seu coração para um futuro muito diferente ao lado dela.


Susan Meier

NOITES DE ESPERANÇA

Tradução Rafael Bonaldi Vanessa Mathias Gandini

2015


SUMĂ RIO

Milagre inusitado Acordo perfeito


Susan Meier

MILAGRE INUSITADO

Tradução Rafael Bonaldi


Querida leitora, Clark Beaumont tem dois filhos: Jack, de 12 anos, e Teagan com 4. Ambos apresentam dificuldades. O menino vai mal na escola, enquanto a garota fala apenas em sussurros. Com tantos problemas, a última coisa que Clark precisa é apaixonar-se, certo? A doce e inteligente professora Althea Johnson compreende os problemas das crianças e os ajuda a superá-los. Contudo, Althea também carrega feridas dolorosas que ainda não curaram, enquanto Clark já não suporta mais ter de lidar com segredos e mentiras. Milagre inusitado é um romance sobre duas pessoas que precisam enfrentar o passado para conseguir viver o presente. Apesar de ter sido difícil escrever sobre o abuso sofrido por Althea, acho que você vai gostar de acompanhar a jornada de um casal em busca do verdadeiro amor. Especialmente porque Clark e Althea merecem ter esse final feliz. Divirta-se! Susan


CAPÍTULO 1

VIRE À direita. A voz suave do GPS soou no carro de Althea. Ela fez conforme o indicado e entrou na rua principal de Worthington, Pensilvânia. Na semana após o Dia de Ação de Graças, o espírito natalino fazia a pequena cidade cintilar. Enfeites pendurados nos postes telefônicos iam de uma calçada à outra. Grinaldas imensas e verdejantes decoradas com brilhantes ornamentos multicoloridos cobriam a parte de cima das portas das lojas. Sinos prateados reluziam ao sol que se esgueirava pela neve que caía. Porém, logo após entrar na cidade minúscula, ela saiu. O GPS ficou em silêncio, então ela continuou pela estrada sinuosa e subiu uma colina repleta de árvores. Dirigiu pela subida por dez minutos, sentindo as mãos suadas enquanto o carro vencia a neve molhada aos trancos e barrancos. Certa de que havia passado a saída certa, ela estava prestes a procurar um lugar para dar meia-volta quando o GPS anunciou pausadamente: Em nove metros, vire à esquerda. Com um suspiro de alívio ela diminuiu a velocidade, cuidadosamente. Ela aprendeu a dirigir nos invernos de Maryland, mas passou os últimos 20 anos no ensolarado Sul da Califórnia. Seu carro nem sequer tinha pneus para neve, e suas habilidades ao volante estavam um pouco enferrujadas. Vire à esquerda. Ela guiou o pequeno carro vermelho por uma estradinha curta ladeada por pinheiros cobertos de neve. Uma casa vitoriana imensa surgiu no horizonte. Um utilitário esportivo cor de chumbo estava estacionado atropeladamente na entrada. Um homem tirava sacolas de compras do porta-malas. A neve caía sobre ele como bolinhas de algodão, cobrindo seus ombros e as costas, bem como a vegetação ao redor da propriedade. Uma garotinha estava agarrada à bainha do casaco dele. Exausta. Foi a palavra que surgiu na mente de Althea. Ela parou o carro e saiu. Um cachorro grande se aproximou dela, latindo. Com um movimento rápido, ele se firmou sobre as patas de trás, colocando as dianteiras sobre os ombros dela, fazendo com que Althea caísse de costas sobre a neve. O frio penetrou pela parte de trás de seu jeans fininho e do moletom californiano. Grandes flocos brancos se amontoaram sobre ela.


Presa pelo cachorro – que mantinha as patas sobre o peito dela como se estivesse esperando a polícia chegar – , ela viu um par de botas aproximando-se rapidamente. – Maluca! O homem cutucou o cão. O animal pulou para trás com outro latido. Ele estendeu a mão. – Deixe-me ajudá-la. O queixo dela caiu. O rosto dele era perfeito, com um nariz reto e maçãs do rosto pronunciadas. – Você me chamou de maluca? – Não, este é o nome dela. Cachorra Maluca, na verdade. Se ela tivesse uma certidão de nascimento, esta seria sua identificação. Althea riu. Ela levantou-se tão depressa que ficou a meros centímetros do nariz dele. Ali, pôde reparar nos olhos castanhos como uísque, que combinavam com o cabelo claro dele. – Você batizou sua cadela de Cachorra Maluca? Ele afastou-se um pouco. – Depois da maneira como ela derrubou você, não sei por que a surpresa. Ela riu de novo, e o ar gélido preencheu seus pulmões. Althea bateu as mãos para retirar a neve. – Deixe-me ajudá-la. As palavras mal haviam sido ditas quando ele a virou e bateu as mãos nas costas dela, passando rapidamente pelas nádegas. – Se essa coisa derreter nas suas roupas, você vai ficar molhada pelo resto da tarde. As terminações nervosas dela formigaram, e Althea prendeu a respiração. A intimidade do ato deveria tê-la deixado indignada. Mas a sensação foi surpreendentemente... normal. Aquele era um homem que via um problema e o solucionava. Para ele, não havia nada de errado em roçar no traseiro dela. Para ela... bem, havia anos nenhum homem a tocava. Assim, até mesmo um contato simples como aquele lançou o tipo de energia errada na corrente sanguínea dela. Ela girou nos calcanhares e o encarou. – Estou bem. Não precisa me limpar. – Aquela cachorra grande e tonta devia saber se comportar. – Os olhos dele se estreitaram ao olhar o moletom e o jeans dela. – Espero que você tenha um casaco no carro. – Sou do Sul da Califórnia. – Engraçado como as palavras saíram facilmente da sua boca, quando na verdade ela “era” dali perto. Newland, em Maryland, ficava a mais ou menos 80 quilômetros das colinas verdes da Pensilvânia, onde Clark Beaumont morava. – Califórnia? – Ele deu um passo para trás. – Você é Althea Johnson? – Em carne e osso, cobertos de neve. – Ela estendeu a mão. – Suponho que você seja Clark Beaumont. Ele apertou a mão dela com firmeza. – Achei que você vinha só na sexta-feira. – Depois que falei com Emily, eu vim direto – explicou ela, referindo-se à amiga em comum que lhe contara sobre o emprego e que a indicara a Clark. – Você não dormiu? – Nem comi direito, para falar a verdade.


– Nossa. Esse não é seu dia de sorte. As coisas ficaram bem complicadas por aqui essa manhã, por causa da neve. Ela olhou ao redor, para aquele recanto congelado, compreendendo por que ele havia escolhido viver naquele lindo e tranquilo pedacinho do paraíso. Apesar de que as coisas deveriam ser complicadas ali durante o inverno, por ser longe da cidade. – Não ligue. Não estou tendo um ano de sorte. – Ou uma vida de sorte. Porém, alguns meses atrás ela decidira não ficar se lamentando mais e trabalhar duro. Ela ria mais. Havia esquecido as marcas caras e desistido da ideia de se casar. Estava vivendo um dia de cada vez e, mesmo com todos os problemas, sua vida estava se tornando bem melhor. – É por isso que você está voltando para a sua cidade natal? – Não. Estou voltando para ver minha irmã. Vim fazer a entrevista com você para o emprego temporário por causa do meu ano ruim. Meu cargo de professora foi cortado. E, em vez de esperar até meu dinheiro acabar e ser despejada do apartamento, decidi voltar para casa. Minha irmã tem uma pequena empresa e pode me dar um emprego assim que eu chegar a Newland, mas não quero trabalhar em uma padaria. Quero encontrar uma vaga de professora. E as poucas centenas de dólares que ganharei sendo tutora do seu filho me garantirão algumas semanas antes que eu precise me tornar uma padeira, por desespero. – Especialmente porque o cargo previa alimentação e acomodações. Ele deu uma risadinha meio fungada, expressando que sabia muito bem o que eram anos ruins, empregos temporários e desespero. Mas, ao olhar para a casa dele, com o telhado de diversos níveis e ângulos, as persianas verdes que acentuavam o acabamento amarelo-creme das paredes e do alpendre semicircular, ela se perguntou se aquele cara realmente sabia o que eram problemas financeiros. A casa só precisava de balas de goma e pirulitos gigantes para ilustrar um livro de contos de fadas. As pessoas que moravam em contos de fadas não conheciam problemas. Na cabeça dela, a fungada dele expressava escárnio. Ele provavelmente conhecia a família dela. Porém, por trás das paredes do aparente lar perfeito deles em Cape Cod, o pai dela reinava com punhos de ferro. Literalmente. Althea estremeceu. Os olhos de Clark se arregalaram. – Sinto muito, você está congelando. Vamos entrar. – Ele olhou para o carro dela. – Quer pegar a sua bagagem? Ela sorriu educadamente. – Vamos pensar nisso depois da entrevista? Ele fez uma careta. – Claro. Desculpe. – Ele apontou para a casa e fez menção para ela acompanhá-lo. – Emily está tão certa de que você é a pessoa que vai ajudar Jack a se acostumar a estudar em casa que tomei a liberdade de checar as referências do currículo que você me enviou por e-mail. Então, agora só falta mesmo a entrevista. – Que bom. – Ela começou a subir os degraus da varanda branca. A cidade pela qual ela passara no sopé da colina já estava toda preparada para o Natal. Mas aquela linda casa vitoriana, perfeita para um fim de semana dos sonhos, não tinha nem um fio com luzinhas ao longo do telhado da varanda. – Minha empregada está doente esta semana, então tudo está um pouco bagunçado. Se eu não tivesse ido à mercearia, nem teria como oferecer um café. – Ele então parou. – Caramba. Eu esqueci as compras. Pode ir entrando, eu já volto.


Ela virou-se para ele. – Eu ajudo. – Você está com frio. – O exercício vai me esquentar. Ela seguiu Clark até a picape. Ele lhe entregou duas sacolas plásticas. Eles caminharam em direção à porta. – Se você aceitar o emprego, terá que comprar um par de botas – disse ele, reparando nos sapatos escorregadios dela. – Acho que sim. – E um casaco. O inverno aqui pode ser brutal. A garotinha que antes estava pendurada no casaco de Clark os aguardava na sala. Vestindo um casaco rosa com capuz e luvinhas de algodão brancas, ela era adorável e parecia bem aquecida. – Essa é Teagan. A garotinha baixou o olhar para o piso de mármore, então Althea se agachou na frente dela. – Oi, Teagan. – Teagan, este é a srta. Johnson. É ela quem vai ser entrevistada para ser professora de Jack. Teagan continuou fitando o chão. – Prazer em conhecê-la, Teagan. – Ela se levantou. Às vezes, dar espaço a uma criança era o melhor a fazer. Com o tempo ela se acostumaria a Althea. Mostrando um sorriso para a menina, ela seguiu até a cozinha. Clark colocou as compras na bancada. Os armários de madeira negra deveriam dar um ar lúgubre ao lugar, mas as bancadas de mármore branco e o piso de carvalho balanceavam o ambiente – assim como as imensas janelas que ofereciam uma vista espetacular das montanhas atrás da casa. – Uau. – Agradeça à minha esposa pela vista. Ela encontrou o terreno e fez o projeto da casa. – Ela tem um olho bom para essas coisas. – Ela virou-se no mesmo instante em que um garoto de cerca de 12 anos entrou na cozinha, com o grande cachorro preto ao seu lado. – Pai, você comprou o presunto que eu pedi? – Ao reparar em Althea, ele parou de chofre. – Sim, comprei. – Ele olhou para Althea. – Althea, este é meu filho, Jack. – Depois, ele voltou-se para Jack. – Jack, esta é Althea Johnson. Assim que eu guardar essas compras irei entrevistá-la, para ver se ela pode ser sua nova professora. Clark foi para a dispensa, enquanto Jack continuou parado ali, com o imenso cachorro ao lado, examinando-a. Normalmente ela não teria medo de um garoto de 12 anos, especialmente um tão adorável. O cabelo bagunçado e os grandes olhos castanhos como os do pai lhe davam uma aparência angelical. Porém, ele estava com uma expressão estranha. Parecia estar planejando como fazê-la ser despedida – e ela ainda nem tinha conseguido o emprego. Clark saiu da despensa. – Muito bem, vou fazer sanduíches. Jack, termine de guardar as compras, para depois eu entrevistar... – Ele parou e olhou para ela. – Desculpe. Você falou que ainda não tinha comido. – Verdade. – Certo, o plano é o seguinte: eu vou fazer chocolate quente para as crianças e café para nós, antes de fazer os sanduíches. Jack e Teagan podem comer aqui fora. Você e eu almoçaremos enquanto


conversamos. Ela não era o tipo de pessoa que ficava à vontade tão rapidamente com estranhos. Porém, ao virar a nova página em sua vida alguns meses atrás, havia prometido a si mesma que iria parar de ser tão cautelosa. Além disso, ela estava extremamente faminta. A ideia de uma xícara de café e um lanche fizeram suas papilas gustativas dançarem de alegria. Clark foi até a bancada e pegou uma cafeteira de um dos armários. Sentindo-se estranha por não estar ajudando, ela disse: – Posso colocar a água para ferver, se você me mostrar como. A caminho da bancada com as compras, Jack deu um risinho sarcástico. Clark a encarou com um sorriso. – Essa é uma cafeteira automática individual. Posso fazer duas xícaras de chocolate para as crianças e uma xícara individual de café para cada um de nós. – Ah. – E não é que ela se sentiu uma estúpida? Enquanto a primeira xícara de chocolate quente era preparada, Clark andava para cima e para baixo na cozinha, pegando as coisas para fazer os lanches e o café. Teagan empoleirou-se em uma das banquetas da bancada onde Clark separava os pães e o presunto. O cachorro acomodou-se ao lado da menina. Lá fora, a neve continuava caindo. Grandes flocos brancos e lindos sobre a imensa montanha silenciosa. Althea olhou ao redor. Era isso que a estava incomodando. Lá dentro o silêncio era tão grande quanto lá fora. Jack deixara de lado as poucas coisas que o pai mandara que ele guardasse, mas ele não disse nada. Teagan apenas observava o pai andar de um lado para o outro. – Posso ajudar com alguma coisa? – Não, está tudo bem. Estou acostumado. Acostumado com o quê? A preparar o almoço? Com o silêncio das crianças? A fazer tudo sozinho? Como era terça-feira, Althea suspeitava que a esposa dele estivesse no trabalho. Talvez quando ela estivesse por perto as coisas fossem mais barulhentas? Com o presunto, o pão e os condimentos no balcão, Clark gesticulou para que ela se aproximasse. – Faça um sanduíche para você enquanto eu preparo o chocolate de Teagan. Ela aproximou-se, colocou um pão no prato de papel e percebeu que Teagan a observava, seus olhos castanhos cautelosos e curiosos. – Posso fazer seu lanche primeiro. A garotinha enterrou o rosto no urso rosa que segurava. Embora eles estivessem dentro de casa há dez minutos, ela ainda estava com o casaco, as luvinhas e o capuz. Clark aproximou-se. Ela segurou na manga da blusa dele, que inclinou-se para perto dela. Teagan sussurrou algo no ouvido dele. – Tudo bem – disse ele, voltando para a cafeteira. – Não temos esse sabor. Os lábios dela se curvaram para baixo em um beicinho adorável, enquanto descia da banqueta. O cabelo dela era tão negro quanto seus olhos, e o casaco rosa acentuava os dois. Tão linda quanto uma princesa, ela piscou para Althea. – Posso tirar seu casaco, se quiser. Os olhos de Teagan procuraram o pai. Ele trouxe até ela sua xícara de chocolate quente. – Pode deixar. Enquanto isso, faça seu sanduíche.


Teagan puxou a manga dele de novo. Ele inclinou-se para perto dela. A menina sussurrou novamente em seu ouvido. Pasma, Althea parou de passar maionese no pão. Não só a menina estava acostumada a falar apenas com o pai e em sussurros, mas também Clark achava aquilo tão normal que se inclinava para a menina automaticamente para ouvi-la. – Claro. Nós temos marshmallows. Ela quase perguntou para Clark sobre isso – mas sabia que as crianças odiavam quando os adultos falavam sobre elas como se elas não estivessem presentes. A qualquer minuto, Clark e ela iriam até o escritório para a entrevista, e lá ela perguntaria sobre o assunto, delicadamente, é claro. – Jack, você quer fazer seu lanche agora, para eu poder guardar essas coisas antes de ir para o escritório? Jack aproximou-se e fez seu lanche com pão e presunto, sem dizer uma palavra. Althea ergueu as sobrancelhas. Ela dava aulas no ensino médio havia seis anos. Conhecia os jovens de 12 anos. Eles eram desbocados, temperamentais, e os garotos estavam quase sempre com fome. Não esperavam convite para fazerem um lanche. O que estava acontecendo ali? Clark entregou o lanche e o chocolate quente com marshmallows de Teagan e foi fazer o café. Ele então preparou seu sanduíche, depois uma segunda xícara, e guardou as coisas, antes de falar com os filhos: – Althea e eu estaremos no escritório, se precisarem de alguma coisa. Teagan piscou. Jack assentiu. Ela seguiu Jack por um longo corredor, que saía da sala. Ele fez um gesto para que ela se sentasse na cadeira vazia perto da mesa, e depois se sentou na cadeira grande e preta do outro lado, ficando de frente para ela. – Acho que devemos ir direto ao ponto. Althea assentiu, sabendo o que vinha pela frente. Com uma empregada no hospital com pneumonia e uma esposa que obviamente trabalhava fora, seu trabalho consistiria em um misto de professora e babá. Talvez ela precisasse até cozinhar. Ou limpar. Não seria o dinheiro fácil que havia imaginado. Não que ela se achasse boa demais para realizar tais tarefas. E, para falar a verdade, aceitar o cargo envolvia mais do que sua necessidade de dinheiro. Passar quatro semanas perto da irmã, mas não necessariamente em Maryland, era uma tática de evasão – ela não via a hora de rever a irmã, mas estava com medo de reencontrar o pai. Era assim que a vida de Althea geralmente funcionava. Tudo que ela achava “perfeito” acabava se revelando um embuste. Ela sorriu. – Claro. Vamos direto ao ponto. – Minha esposa morreu em um acidente de carro, três anos atrás. O queixo dela caiu sutilmente. Aquilo não era nem de perto o que ela esperava. Pela maneira casual com que ele a mencionara antes, na cozinha, ela jamais imaginaria que Clark fosse viúvo. – Jack estava indo bem até o outono passado. Agora, ele está mal em todas as matérias. Tanto que sua última professora chegou a pedir demissão. Preciso que você condense quatro meses de aulas em apenas um mês. – Isso é um trabalho e tanto.


– Ele está familiarizado com boa parte do conteúdo. Tecnicamente, só o material de dezembro é novo para ele. – Clark reclinou-se na cadeira. – Ele não é um garoto estúpido. Na verdade, é muito inteligente. A principal tarefa é conseguir mantê-lo focado e perceber que, se ele decidir não se empenhar, haverá consequências. – Tem certeza que isso não tem a ver com o luto pela mãe? Clark suspirou. – Ela morreu há três anos. Ele passou por duas sessões de terapia. Uma logo após a morte dela, e outra há um ano. Jack dispõe das ferramentas e técnicas para lidar com a situação. – Mas ele está em uma nova fase da vida. E eu não sou terapeuta... – Se você achar que ele precisa voltar para a terapia, ele vai voltar. Mas acho que isso tem mais a ver com desleixo do que com a mãe. Essa é uma idade normal para os jovens começarem a se rebelar. – Ele sorriu. – Sei disso porque também passei por uma fase dessas. Quando ela pensava em rebelião, não a relacionava a silêncio. Lembrava de raiva. Birra, com certeza. Mas não aquele marasmo presenciado na cozinha. – Então, o que a faz querer um trabalho temporário? – Como disse, perdi meu emprego e estou prestes a ir morar com minha irmã, em Maryland. Preciso de dinheiro para ganhar tempo e procurar um emprego fixo como professora. Ele assentiu, relembrando da conversa lá fora. – Além disso, ela tem trigêmeos e um novo marido que ainda não conheço. Ele franziu o cenho. – Você não conhece a família da sua irmã? Ela deu de ombros, pois podia responder aquela pergunta sem revelar seus segredos. – A Califórnia fica longe daqui. Eu não tinha dinheiro para simplesmente aparecer do nada e também não podia abandonar meu emprego. Ele assentiu e mudou de posição na cadeira, um sinal de que a entrevista estava indo bem, do ponto de vista dele. – Depois que o programa original de ensino em casa de Jack deu errado, eu encontrei três ótimas opções para substituí-lo para você utilizar nesse semestre, e há também sites incríveis que você pode utilizar para reforçar as matérias. – Parece que você está por dentro do assunto. – Ser pai solteiro é um emprego em tempo integral. Althea entendia o que estava acontecendo. Ele podia facilmente lidar com os fatos óbvios e concretos, as tarefas como pai. Coisas delicadas e mais pessoais, como a conversa entre pais e filhos, não eram fáceis como ir ao mercado, encontrar programas de ensino em casa ou fazer o almoço. Talvez ele estivesse ignorando sinais de aviso por não saber interpretá-los. Ele sorriu. – Tem alguma pergunta? – Sim. Gostaria de saber mais sobre Teagan. – Você quer saber o que ela ficará fazendo enquanto você ensina Jack? – Ele jogou um lápis na mesa. – Espero que ela fique colorindo no cômodo que você e Jack usarão como sala de aula. – Na verdade, estou mais preocupada com o fato de ela falar apenas em sussurros, e só com você. Ele riu. – Ela só tem 3 anos e meio. É só timidez.


Três anos e meio? E a esposa de Clark havia morrido há três? A coitadinha estava com 6 meses quando perdeu a mãe. Tecnicamente, Teagan não chegou a conhecê-la. – Você acha mesmo que ela é só tímida? – Sim. Ela está bem. Althea deu uma mordida no sanduíche para evitar falar algo de que pudesse se arrepender. Ou aquele cara estava na mais completa negação, ou ele estava coberto de razão. Se ele estivesse certo, tudo iria se ajeitar. Mas se não estivesse... Bom, se ele não estivesse, então aquelas crianças estavam sofrendo. Elas não estavam escondidas em um armário, tentando desesperadamente abafar os sons do pai batendo na mãe da forma que ela e a irmã mais velha Missy ficavam, mas ainda assim estavam sofrendo. E se o pai deles não conseguisse compreendê-las, então ele não conseguiria ajudá-las. Ela sabia que podia estar analisando demais a situação, porém, depois da própria infância miserável em que nenhum professor, vizinho, ou mesmo os avós conseguiam perceber que ela, a irmã e a mãe estavam com sérios problemas, Althea não conseguia simplesmente olhar para o outro lado. – Eu aceito o emprego. – Mesmo? A incredulidade na voz dele a fez rir. – Você estava com medo de que eu recusasse, depois de descobrir que eu teria de ser sua empregada e babá temporária essa semana. – Eu não ia pedir para fazer faxina, mas se você puder lavar a louça depois das refeições, já seria de grande ajuda. Droga. Ela e sua boca grande. – Tenho que cuidar de alguns projetos no trabalho e, se você puder começar hoje, posso me dedicar a eles esta tarde. Ficarei trabalhando em casa, claro, para que você e as crianças tenham o dia para se conhecerem. Mas eu realmente preciso colocar o trabalho em dia. Fiquei em casa a semana passada inteira. A voz poderosa dele a fez balançar a cabeça. Quanto antes ela sentasse com aquelas crianças e descobrisse o que estava acontecendo, melhor. – Contanto que eu não tenha que cozinhar. – Você não sabe cozinhar? – Quando eu morava sozinha, não havia motivo para cozinhar. – Posso trazer comida de fora. Althea sorriu para ele, confirmando o acordo, mas ele se levantou e estendeu a mão. Ela o imitou. E quando segurou a mão dele, uma descarga elétrica atravessou o braço dela. Seus olhares se encontraram e, graças ao brilho nos olhos dele, ela pôde perceber que ele também sentira o mesmo. O olhar dela deixou o rosto lindo dele em paz para reparar no peito forte e na calça jeans, e outra onda de eletricidade surgiu. Althea refreou a vontade de puxar a mão. Uma coisa era aceitar um emprego sabendo que ela sentia atração pelo chefe. Ela sempre soube como ignorar os hormônios. Mas saber que ele também se sentia atraído por ela... Eles não estariam brincando com a sorte?


CAPÍTULO 2

CLARK DEU a volta na mesa. – Vamos tirar suas coisas do carro, e então eu mostrarei a casa. Ele fez menção para que ela saísse primeiro do escritório. Althea caminhou até a porta e ele a seguiu, seu olhar sendo imediatamente atraído para as nádegas dela. Com uma careta, ele forçou-se a desviar a atenção. O que estava fazendo? Sim, Althea era linda com seu cabelo louro ensolarado e os grandes olhos azuis, e sim, ele sentiu a eletricidade ao se cumprimentarem, mas ela agora era funcionária dele. E, mesmo que não fosse, Clark não estava interessado. Ele poderia ter citado seus motivos usuais. Perder a esposa tão repentinamente fora um choque. Mas descobrir que ela vinha tendo um caso com alguém que ele considerava seu amigo – isso quase o matara. A dor dos primeiros meses ainda ecoava. Lembranças dele consolando Jack, o caos de cuidar sozinho de um bebê de 6 meses, o frio e o vazio do espaço da cama ao seu lado, tudo isso ressurgia quando ele pensava em seguir adiante. Mas nada disso era tão ruim quanto o luto alojado em sua barriga como uma grande bola de chumbo, que competia com a humilhação de ter descoberto que ela estava tendo um caso. A mulher que ele acreditava o amaria para sempre, a mãe de seus filhos, o havia traído. Esse tipo de humilhação deixava marcas e conseguia mudar a perspectiva de um homem. Ele jurou que jamais voltaria a ficar tão vulnerável assim. Nunca mais. Era por isso que ele não se preocupava com a atração pela nova professora de Jack. Ele era esperto demais para ser tentado, ou sequer considerar confiar em alguém novamente. Além disso, em seu currículo, Althea informava ter 28 anos, mas aparentava apenas 22. Clark já estava farto de ser o alvo das risadas da cidade, e não precisava ser ridicularizado por correr atrás de uma mulher jovem demais para ele. Ele abriu a porta do escritório e a deixou passar. – Obrigada – disse ela, sorrindo. O coração dele deu um pulo no peito. Ele a achara bonita? Quando sorria, ela era de tirar o fôlego. Porém, ele não estava interessado.


– De nada. Eles saíram para a varanda coberta de neve. – Eu deveria ter pegado um casaco para você. Ela o encarou, incrédula. – Tem um que me sirva? Ele queria mergulhar naqueles olhos azuis, mesmo que isso não fizesse sentido. Já havia enfiado na cabeça que não podia confiar em mais ninguém, e isso incluía não se apaixonar novamente – mas como deter a atração? Ele odiava perder o controle da situação. – Não, mas mesmo um casaco grande demais é melhor do que esse moletonzinho. Ela riu. O som atingiu suas terminações nervosas, enchendo-o de prazer. Droga! Por que isso estava acontecendo? – Não tenho como discutir. Mas, como já estamos aqui fora, vamos logo pegar minhas coisas para que eu possa começar a trabalhar e passar algum tempo com Jack. Ele não tinha o que discutir. As coisas dela consistiam em duas malas, uma mochila e um laptop. Ele carregou as malas e ela o resto, até um quarto logo depois da cozinha. – A sra. Alwine fica aqui quando eu viajo. Mas, enquanto você estiver aqui, a suíte é toda sua. Ela girou lentamente, observando o grande guarda-roupa e a penteadeira com espelho, assim como o edredom e os travesseiros azul-marinho e marrom que combinavam com as cortinas. Ela o encarou, franzindo o cenho. – Então, em outras palavras, se você viajar enquanto eu estiver aqui, eu ficarei responsável pelas crianças. Uma onda de calor subiu pelo pescoço dele. Nunca havia considerado que isso pudesse ser uma atitude presunçosa e então percebeu que fizera a mesma coisa com a sra. Alwine. O calor intensificouse. Se existia uma coisa da qual ele se orgulhava era desempenhar seu papel de pai. Mas, pelo visto, ao ser tão cuidadoso com os filhos, ele se esqueceu dos funcionários. – Acho que isso vai depender de quando a sra. Alwine volta. Ela riu, enquanto tirava o moletom. Uma camiseta emoldurava seios perfeitos e uma pequena cintura. Com um chacoalhar da cabeça, seu cabelo caiu ao redor dos ombros. A boca dele começou a salivar, e ele esbravejou mentalmente. Sem o moletom, ela não parecia mais ter 22 anos. Só isso a deixou mais desejável, na mesma faixa de idade dele. Clark girou para encarar a porta. Esse tipo de pensamento não ia fazer bem a nenhum dos dois. Ele precisava da ajuda dela; ela, do dinheiro dele. Para que ambos conseguissem o que queriam, precisavam, esse desejo deveria continuar estritamente platônico. – Vou trazer as crianças, e você decide o que fazer com eles hoje à tarde. Talvez Jack deva opinar sobre o novo programa de ensino em casa. Ela assentiu e ele saiu em seguida, para buscar as crianças. Quando todos estavam ao redor da grande mesa, Clark anunciou: – Muito bem, agora eu vou trabalhar lá em cima. Ele fechou a porta da sala de aula com um gigantesco suspiro de alívio. Ao mesmo tempo, Althea encarou as duas crianças em silêncio com um olhar de ligeira confusão.


Ao ver a expressão de exasperação no rosto de Jack, ela disse: – Eu acabei de chegar, vocês acabaram de me conhecer. – Ela sorriu para Jack e depois para Teagan. – Acho que não devemos trabalhar esta tarde. – Isso aí! – disse Jack. Mas Teagan levantou-se de sua cadeira e correu desesperadamente para o irmão, agarrando-se na manga da camisa dele. Ele inclinou-se para ela, revirou os olhos e voltou-se para Althea. – Ela quer ficar colorindo. – Ah, querida! Você pode ficar colorindo, se quiser. Só estou dizendo que seu irmão e eu não estamos preparados para trabalhar hoje. Teagan não prestou muita atenção no que Althea disse. No instante em que ouviu as palavras “você pode ficar colorindo”, a garotinha correu de volta para seu grosso livro de colorir e para a caixa de giz de cera. Althea estava louca de vontade de perguntar para Jack se a irmã dele sempre fora assim. Então ela lembrou-se de Missy, de como a irmã mais velha acabou assumindo responsabilidades que não deveriam ter sido delas, e resolveu guardar a pergunta para si. Até onde sabia, precisar falar pela irmã podia fazer parte da infelicidade de Jack. – Então, vocês querem jogar Stop, Uno ou algum outro jogo? Jack riu. – Sério? – Bem, não podemos ficar aqui sem fazer nada. Além disso, você pode aprender muito sobre uma pessoa pela maneira como ela joga. Ele cruzou os braços, bufando. – Você vai me analisar. – Não, vou começar a conhecer você. E se você for esperto, vai usar a ocasião para fazer a mesma coisa comigo. Ele deu uma risadinha irônica, endireitando-se na cadeira. – Tudo bem. Mas eu prefiro videogames. Ela fez uma careta. – Não sou muito boa nisso. – Então acho que descobriremos se você tem pavio curto. Desta vez ela riu. – Você é bem inteligente para um garoto de 12 anos. – Sim, é por isso que estou indo mal em quase todas as matérias. Aquela teria sido a oportunidade perfeita para abrir uma discussão sobre sua rotina escolar e o que ele achava que o estava perturbando, mas Jack lhe passou as instruções do videogame tão rapidamente que ela nem teve tempo de perguntar. Ele entregou a ela um controle e apontou para o lugar ao seu lado, no sofá. Diante de um jogo que ela nunca havia visto na vida, Althea precisava de toda a sua concentração só para lidar com o controle. Entre uma rodada e outra, ela olhava para Teagan, que coloria silenciosamente. Depois de jogar por mais ou menos uma hora, Jack disse: – Ei, Te. Teagan olhou para ele. – Não está na hora de sua soneca?


Ela desceu da cadeira no mesmo instante em que Clark entrou na sala. Ele se agachou, abrindo os braços. – Vejo que alguém já está pronta para dormir. Ele pegou a menina no colo e então reparou no videogame. – Achei que vocês estavam trabalhando. – Hoje é nosso primeiro dia juntos – disse Althea, acrescentando um “droga” quando Jack matou dois de seus soldados. – Enfim, estamos usando esse tempo para nos conhecer melhor. Sem tirar os olhos da tela, Jack comentou: – Estamos nos conhecendo. – Só não demorem demais nas apresentações. Não quero que você tire notas baixas nesse semestre. Quando o pai saiu da sala, Jack jogou o controle sobre o sofá. – Vamos. Espantada, ela o seguiu com o olhar até a mesa. – Vamos? – Trabalhar. Você o ouviu. Ela ergueu-se do sofá. – Sim, mas ele não pareceu bravo por estarmos jogando. – Você deveria ter passado um tempo conhecendo meu pai, em vez de mim. Assim saberia reconhecer a voz de bravo dele. – Aquela era a voz de bravo dele? – Sim. Eles foram para o computador e verificaram os programas que Clark havia escolhido para o filho. Jack participou enquanto examinavam cada um deles, mas suas respostas eram vagas. Ela tentou reviver um pouco do entusiasmo demonstrado por ele enquanto jogavam videogame e, embora o menino sorrisse, seu coração claramente não estava nos estudos. A porta abriu-se novamente, e a cabeça de Clark surgiu. – Eu pedi pizza. Vai chegar daqui a meia hora. Jack, acho que Althea gostaria de se trocar antes de comermos. Por que vocês não concluem o trabalho de hoje antes do jantar? – Que horas são? – 18h. – Nossa! – Pelas contas de Althea, ela e Jack haviam passado três horas vendo os programas. – Onde está Teagan? – Depois da soneca, ela ficou comigo lá no meu escritório. – Ah, tudo bem. – Ela sorriu para Jack. – Você e eu com certeza ficamos mergulhados no trabalho. Ele sorriu, mas não disse nada. Ela olhou para Clark e depois para o filho dele. Ele não tinha medo do pai. Isso ela reconhecia por experiência própria – sabia reconhecer uma criança assustada. Porém, ele era terrivelmente infeliz. Althea foi para sua suíte e lavou as mãos antes de se juntar a Clark e Teagan à mesa. Enquanto Jack pegava pratos e guardanapos, Clark abriu a grande caixa de pizza. O aroma de molho de tomate e calabresa tomou o ambiente, fazendo o estômago de Althea roncar. – Acho que isso é resultado de dois dias sem comer direito. Clark ficou de queixo caído. – Você realmente ficou todo esse tempo sem comer?


– Eu queria chegar logo para começar as coisas. Estava na estrada havia três dias. – Entendo. – Ele então olhou para Jack. – Rápido, meu chapa, senão a pizza vai esfriar. Pela maneira como o termo carinhoso deslizou pelos lábios de Clark, Althea franziu o cenho. Ele claramente amava o filho. E também era óbvio que amava a filha, sentada em seu colo enquanto ele cortava a pizza em pedacinhos para ela. Ele era apenas um sujeito louco por controle. Alguém que queria que tudo funcionasse como uma máquina bem ajustada. E como tudo estava “funcionando”, ele não percebia o que havia de errado. Havia muitas coisas erradas. Ela podia ver isso nos olhos de Jack. Eles comeram enquanto Clark mantinha a conversa viva. Quando anunciou que ia aprontar Teagan para a cama, ela perguntou se poderia acompanhá-lo. Ele a encarou, confuso. – Por quê? – Gostaria de saber como é a rotina por aqui, já que a empregada ainda está fora. Ele deu de ombros. – Claro. Ela carregou a garotinha para cima, e ela o seguiu. Depois de um banho, a menina vestiu sua camisola de princesa e entrou debaixo das cobertas. Althea se encostou no batente da porta enquanto Clark pegava um livro de histórias infantis surrado da gaveta do criado-mudo. Ele leu uma história sobre um coelhinho que se perdeu na floresta. A maioria das crianças ficaria com sono durante o desenrolar da trama, mas os olhos de Teagan, ao contrário, se arregalaram. As sobrancelhas de Althea se juntaram. Por que ler uma história que claramente a deixava aflita? No final, o papai coelho encontrou o coelhinho perdido. Final feliz. Clark então deu um beijo na testa da filha, aninhando-a na cama. – Você sempre poderá contar comigo. Teagan sorriu, e suas pálpebras finalmente fecharam. Clark foi em direção à porta e Althea o seguiu, sentindo uma sensação quente e acalentadora no peito. Valia muito a pena salvar aquela família. Mas como? NA MANHÃ seguinte, Althea entrou na cozinha e encontrou os Beaumonts sentados em silêncio ao redor da bancada. – Bom dia. Clark ergueu os olhos do computador. – Bom dia. Hoje ele vestia calça preta, com uma camisa branca e gravata azul. Seu cabelo estava penteado e seus olhos brilhavam de entusiasmo. Ele estava claramente feliz por voltar à sua rotina normal. A atração entrou em ação novamente, mas, assim como qualquer coisa relacionada aos hormônios, ela a ignorou. Enquanto preparava sua xícara de café na cafeteira, ela apontou com a cabeça para o laptop dele. – Já está trabalhando? – Estou lendo o Wall Street Journal na internet.


Por que, em nome de tudo que era mais sagrado, aquilo soara sexy? – Ah. Ela sentou-se junto a eles, e Clark apontou para um prato com torradas. – Café da manhã? – Sim. Depois de tomar pelo menos uma xícara de café. Ele levantou-se e pegou o paletó preto do encosto da cadeira. – Se está tudo sob controle aqui, vou para meu escritório. – Você ainda não me contou no que trabalha. – Tenho uma firma de engenharia. – Oh. – A forma como ele disse aquilo também foi sexy, o que a deixou confusa. Ela nunca havia se interessado por homens do tipo executivo, sempre tivera uma queda pelos ratos de praia. Motivo pelo qual sempre estava com o coração partido e a conta bancária limpa e pelo qual havia parado de namorar. Ele fez um gesto para que ela o acompanhasse até a porta. – Minha mulher era o cérebro da firma. Era ela a engenheira. Eu sou formado em Artes, mas fiz cursos de economia na faculdade depois de perceber que Carol queria começar sua própria empresa e que iria precisar da minha ajuda. Quando ela morreu, contratei duas pessoas para substituí-la. A maneira calma com que ele falou da esposa falecida a deixou estarrecida. Até que ela se lembrou da maneira como Clark falava das coisas. Casualmente. Calmamente. Com muito pouca emoção. – Também tive que aprender o máximo possível sobre o trabalho, para poder conversar com os clientes. – Então, esses três últimos anos foram longos e difíceis. Segurando a maçaneta, ele franziu o cenho. – Acho que isso é um tanto óbvio. Ela diria que sim. – De qualquer forma, estarei de volta lá pelas 18h. Todos os números dos meus telefones para contato estão na cozinha. Como você percebeu ontem, Teagan fica bem colorindo sozinha. Faça o que faria de costume com as lições de Jack. O resto do dia é seu. – Você vai trazer o jantar? Ele riu. – Sim. Ele abriu a porta da frente e saiu. Clark não era uma pessoa ruim. Na verdade, ele parecia ser um homem muito bom – um homem bom e lindo por quem ela se sentia inesperadamente atraída. Porém, ele era um executivo que lidava com a morte da esposa com a mesma eficiência fria com que lidava com as finanças da empresa. Não era culpa dele que seus filhos fossem quietos, tristes. Talvez até perdidos. Ele lidava com as coisas da maneira que sabia. Na cozinha, ela olhou para Jack, que vestia jeans e camiseta, e para Teagan, de jeans azul com florezinhas bordadas nos bolsos e uma camiseta rosa. Seu longo cabelo negro havia sido penteado, embora estivesse solto. Ela pegou duas fatias de torradas e se sentou ao lado de Teagan na bancada. – Está pronta para colorir, hoje?


A garotinha puxou a manga da camisa do irmão. Ele inclinou-se para a frente, e ela sussurrou no ouvido dele. Jack suspirou. – Ela disse que sim. Althea colocou calda sobre as torradas, sentindo um aperto no coração por Jack. O garoto tinha 12 anos e estava isolado no topo de uma montanha. Estava na fase de ignorar a família, e mesmo assim, precisava falar pela irmã. Ele precisava se divertir. E não apenas com videogame. Algo inesperado. – Vamos fazer um passeio hoje. Jack a encarou. – Passeio? – É. Eu preciso de um casaco e botas. Teagan piscou, e Jack franziu o cenho. – Você não tem um casaco? – Morei no Sul da Califórnia nos últimos três anos. A roupa mais quente que tenho é um moletom. Jack apenas continuou a encará-la. – Ah, deixa disso. Você é grande o bastante para saber a geografia do país. Temos todos os tipos de climas. – Só não quero que meu pai fique bravo. – Foi ele quem me disse para arranjar um par de botas. Ela o virou na direção da porta. – Vá pegar um casaco para você e sua irmã. Eu juro que vamos nos divertir.


CAPÍTULO 3

JACK LEMBROU Althea que a irmã era muito pequena para andar de carro sem cadeirinha; então ela pegou uma na garagem e o instalou no banco de trás do veículo. O tempo todo, Althea lançava olhares para a garotinha, na esperança de que ela falasse. Claramente animada pela ideia de sair de casa, a criança pulava de um pé para o outro. Seus olhos brilhavam, e seu sorriso poderia iluminar a garagem toda. Mas nenhuma palavra foi dita. Enquanto desciam a colina, Jack conversou alegremente, enchendo o peito dela com aquela sensação gostosa de estar entretendo outra pessoa. Ela sabia que ele precisava sair de casa, só não havia imaginado o quanto. Foi um golpe de sorte ela precisar comprar botas e um casaco. Pararam diante de um parquímetro e colocaram dinheiro para uma hora. Em uma loja equipada para o inverno nas montanhas, Althea imediatamente encontrou o que precisava. A jaqueta azul-clara, as luvas e o par de botas pretas que ela experimentou não só serviram, mas também ficou lindo. Porém, como a procura foi rápida, a viagem deles à cidade iria terminar muito antes do esperado. Assim, vestindo as roupas novas, ela levou as crianças para o outro lado da rua, dizendo a elas que queria ver mais da cidade. E depois de andarem um pouco, outro golpe de sorte: uma loja de artigos natalinos. – Por que vocês não entram e dão uma olhada? Jack a encarou, confuso. – Você está falando sério? – Sim. – Por quê? – Por que não? – Porque nós só decoramos a casa na véspera de Natal? Ela segurou a mão de Teagan. – Bem, e que tal se mudarmos as coisas esse ano e começarmos a decorar um pouco antes? Teagan a encarou, silenciosamente. Não era muito, mas Althea suspeitava que o contato visual fosse um diálogo importante para a menina. Jack balançou a cabeça. – Se nosso pai ficar bravo, vou dizer que a ideia foi sua.


– Tudo bem. A ideia é minha, mesmo. Mas, se ele adorar, também quero receber os créditos. Jack abriu a porta da loja para Althea como um perfeito cavalheiro. O cheiro de canela, maçãs e loureiro os envolveu. Mesas de madeira antigas apresentavam fileiras de soldadinhos de brinquedo. Trens em miniatura lançavam fumaça ao redor de cidades minúsculas. Vilas de cerâmica ocupavam outras duas fileiras. A parede dos fundos estava forrada de grinaldas verdes, repletas de lantejoulas. – Não posso gastar muito, mas faltam quatro semanas para o Natal. O que deveríamos comprar hoje é uma guirlanda para a porta da frente. Podemos voltar depois a cada semana para comprar algo diferente. Jack virou-se para ela. – Você quer que nós escolhamos a guirlanda? – Claro. É para a sua casa. Para o seu Natal. – Nós só montamos a árvore de Natal, na véspera. Papai diz que é o suficiente – informou Jack. – Bom, claro que é suficiente – concordou ela, sem querer fazer o pai deles parecer um sujeito ruim. – Mas, se começarmos hoje e fizermos uma coisinha diferente a cada semana, para celebrar que o Natal está chegando... bem, isso vai tornar o feriado mais especial. Jack riu de leve. – Acho que você está esperando demais de uma guirlanda. – Veremos. Talvez semana que vem o espírito natalino comece a tomar conta de vocês. Ela foi em direção às guirlandas segurando a mão de Teagan, e Jack riu atrás dela. A menina podia não estar demonstrando, mas também estava feliz. POR VOLTA das 11h, Clark começou a ficar impaciente. Ele esteve tão focado no trabalho atrasado por causa da sra. Alwine que não pensou direito em deixar as crianças sozinhas. Tecnicamente, Althea não era uma completa estranha, e ele havia checado suas referências. Ainda assim, ele não a conhecia. E seus filhos, tampouco. Ele pescou o celular do bolso e ligou para casa. O som da chamada se prolongou até cair na secretária eletrônica. Clark respirou fundo. Ela podia estar no banheiro. Ou poderia ter desligado o telefone na sala de aula para Jack estudar. Ou poderia ter sequestrado as crianças. Ele resmungou internamente, dizendo a si mesmo para não pensar besteira e procurou em sua mesa pelo papel com o número de celular dela. O telefone tocou cinco vezes antes de cair na caixa postal. Clark jogou o celular na mesa, dizendo para si mesmo não ficar paranoico. Porém, a situação era incomum. Por fim, com um xingamento, ele levantou-se e pegou o casaco. – Estou indo para casa – informou ele ao assistente, caminhando para a porta. Quando o utilitário dele entrou na estrada de sua propriedade, seu coração congelou. O carro de Althea não estava lá. Temeroso, ele correu para dentro, chamando os filhos pelo nome. Nenhum som além do eco de suas próprias palavras. Maluca aproximou-se de mansinho, encostando o focinho na mão dele para ganhar um chamego.


Clark abaixou-se para acariciar o cão, mas sua mente voltou para o dia em que recebera a ligação sobre a esposa. Ele voltava de uma viagem de negócios e encontrou a casa vazia e fria, sem ter ideia de onde estavam a esposa ou os filhos. Então, o telefone tocou, anunciando que a esposa estava morta e as crianças estavam na casa dos avós maternos. Ele começou a suar frio. Casas frias e vazias nunca eram um bom sinal. Ainda por cima, havia na cidade um sujeito que se achava o pai de Teagan e era louco o bastante para se jogar sobre o caixão da esposa de Clark – sem se preocupar com as fofocas e as consequências de tal ato. Clark não queria que ele esbarrasse em sua filha nem por acaso. Mesmo que as crianças estivessem seguras com Althea, isso não significava que estariam a salvo de Brice Matthews. Ele pegou o celular e ligou para a polícia. DEPOIS DE comprarem uma grinalda e a guardarem no porta-malas, Althea levou as crianças para darem uma volta em outras lojas da cidade, a fim de lhes dar ideias para as supostas compras que fariam nas semanas seguintes. Agora que havia convencido Jack a decorar a casa para o Natal, ela queria explorar suas opções. Estavam saindo da última loja, rindo enquanto tomavam sorvete, quando os policiais passaram por eles. Um dos policiais foi para cima de Jack e Teagan. O outro encurralou Althea contra a parede da loja. – Você é Althea Johnson? – Sim? Teagan começou a chorar. Jack tentou se soltar do policial. – E esses são Jack e Teagan Beaumont? – Sim. – Recebemos uma denúncia de que você tirou essas crianças da casa delas. – Eu sou a babá delas. Viemos para a cidade para eu comprar botas e um casaco. – Ela mostrou as roupas novas. – Ligue para o pai delas. Ele confirmará o que estou dizendo. – Foi ele quem ligou para nós. O SUV de Clark parou na frente da loja. Ele desceu correndo e puxou os filhos para perto de si. – Vocês estão bem? Jack o encarou como se o pai fosse insano. – Estávamos, até você chamar a polícia. Teagan enterrou o rosto no pescoço do pai. A expressão de Clark ficou mais grave. – Sua irmã não está bem. – Ela estava – insistiu Jack. – Ela estava até rindo. Ficando nas pontas dos pés para ver por sobre o ombro do policial, Althea gritou: – Nós estávamos nos divertindo. – Vocês deveriam estar em casa! – Estávamos indo para casa, para Jack começar as lições. Temos tempo suficiente, acabamos de mudar a programação. – Ela apontou para as roupas. – Eu precisava de um casaco e de botas, lembrase?


O policial que a mantinha presa olhou para Clark. – O que está acontecendo aqui? – Estávamos fazendo compras! – rosnou Jack. – Mas eu entendi! Ele não quer que a gente faça nada que pareça ser remotamente divertido. – Ele livrou-se do braço do pai e foi em direção ao SUV. – Levenos de volta para casa, para trás das grades. Entristecida, Althea olhou para Clark e comprimiu os lábios. Um misto de confusão e horror passou pelo rosto dele, como se finalmente as coisas estivessem fazendo sentido. – Ah, meu Deus. Eu sinto muito. O policial soltou Althea. – Então, está tudo bem? Althea forçou um sorriso. Ela não sabia se deveria ficar brava consigo mesma, com Clark por estar sendo tão paranoico, ou se deveria sentir pena dele. Por fim, ela se decidiu pela última opção. Ele havia perdido a esposa e não queria perder os filhos. Ela compreendia. – Está tudo bem, de verdade. Vamos voltar para casa. CLARK ASSENTIU com a cabeça para o policial. – Desculpe, eu entrei em pânico. – Ele quase disse: “Desde a morte da minha esposa eu tenho andado aflito”, mas temia que isso o fizesse parecer um idiota. Os policiais voltaram para a viatura, e Althea se aproximou de Clark, parecendo bem confortável com o casaco azul e as luvas pretas. – Tem certeza que está tudo bem? Ele quase a fizera ser presa, e Althea estava perguntando se ele estava bem? – Eu é que deveria estar fazendo essa pergunta. Desculpe. Você tem o direito de fazer o que quiser com a programação. – Ele respirou fundo. – Mas não gosto que as crianças venham para a cidade sem mim. Gostaria que você tivesse me ligado, antes. – Você está certo. Eu deveria ter ligado. A culpa foi minha. – Ela então tocou o braço dele. – Vamos para casa. Eles dirigiram para casa, o carro vermelho dela seguindo o SUV dele. Ao chegarem, Clark, levando Teagan adormecida em seu colo, sentiu os ouvidos latejarem com o silêncio dentro de casa. Ele nunca estivera tão mortificado. Ou confuso. Jack achava que eles viviam em uma cadeia? Teagan estava rindo com uma estranha? Althea disse: – Por que você não a coloca na cama, enquanto eu preparo chocolate quente para nós? Jack fungou com desdém. – Não quero chocolate. Todo o controle que Clark achava que tinha escorreu pelos dedos dele como neve derretida. – Tudo bem. Você pode ir para a sala de estudos e dar uma olhada na lição de hoje. – Tanto faz. Ele percebeu que piorara as coisas com os filhos, mas sentia como se seus pensamentos fossem peixes furiosos dentro de um aquário. Como havia chegado àquele estado? Ele olhou para Althea.


– Também não quero chocolate quente. – Bourbon, então? Uma risada surpresa escapou dele. – Na verdade, isso me parece uma boa ideia agora. Mas não, obrigado. Pode ir trabalhar com Jack. Ela balançou a cabeça. – Jack precisa de um tempinho. Deixá-lo sozinho no computador é uma boa maneira de lhe dar um pouco de privacidade. Ele levou Teagan para o quarto dela e demorou-se tirando seu casaco e as botas. Um homem mais sensato teria procurado nos lugares comuns antes de ligar para a polícia – e entrar em pânico em público. Porém, um homem ferido pela morte da esposa e humilhado pela infidelidade dela chegava a todos os tipos de conclusões precipitadas. Sem poder mais enrolar, Clark desceu as escadas, esperando que Althea estivesse na sala de estudos com Jack. Porém, ao entrar na sala de estar, ele a encontrou parada diante do pequeno e discreto bar perto da janela. Ela lhe estendeu um copo com dois dedos de bourbon. – Puro, está bom? Ele sorriu. – Eu não maculo uísque com água congelada. Ela riu. – Sente-se. Ele sentou-se no sofá cinza. – Você vai pedir as contas, não vai? Ela sentou-se em uma das cadeiras brancas de plástico, de frente para ele. – Não, não vou. – Eu mandei a polícia atrás de você. – Você estava com medo. Ele bebeu o drinque, saboreando a sensação quente do líquido descendo pela garganta. Então ergueu-se para preparar outro. – Tudo bem. – Eu vi a expressão em seu rosto. Você estava aterrorizado. Ele serviu-se de mais uma dose. – Eu estava bravo comigo mesmo por ter deixado as crianças com alguém que não conheço direito. – Talvez. Mas algo fez você entrar em pânico, a ponto de ligar para a polícia. Ele suspirou, desta vez bebericando o drinque. Ele não ia confidenciar seus segredos a uma desconhecida. – Tudo bem, não quer conversar. Eu entendo. Mas vejo que você e seus filhos estão emocionalmente abalados. Ele fungou, ultrajado. – Está dizendo que todos nós precisamos de terapia? – Estou dizendo que você precisa pegar leve consigo mesmo e com as crianças. Você é obcecado por controle. Seus filhos sentem a necessidade de ficarem em silêncio para satisfazê-lo. Sentindo-se corado e embaraçado, ele voltou para o sofá, ao passo que ela se levantou. – Entendo que você não queira a ajuda de um estranho. Eu também não sou terapeuta. Mas passei seis anos com crianças da idade de Jack. Conheço o jeito deles, como eles gostam de xingar, bufar e


revirar os olhos, e tornar a vida dos adultos um inferno. Sei que Jack faz algumas dessas coisas, mas com pouca frequência. Ele está ocupado demais tentando satisfazer você. – Ela respirou fundo. – Você tem uma oportunidade aqui. Faltam quatro semanas para o Natal. Quatro semanas em que vocês podem decorar a casa juntos, onde você pode contar histórias natalinas sobre a mãe deles. Ver filmes antigos. Fazer bonecos de neve. Descer uma ladeira de trenó. Ele ergueu os olhos para encará-la. – A escolha é sua. Usar o Natal para transformar sua família em uma família de novo, ou deixar que as coisas continuem assim. Fingindo que Teagan não fala por timidez, fingindo que é normal um garoto de 12 anos ser tão quieto. Daqui a seis anos, quando Jack resolver sair de casa sem dizer uma palavra sequer e sem intenção de voltar, você não poderá culpar ninguém, a não ser a si mesmo. O comentário raivoso de Jack sobre estar atrás das grades ecoou na mente de Clark. Ele suspirou, passou a mão pelo rosto e finalmente decidiu que não tinha escolha. Não queria fazer com que os filhos o odiassem ou fossem infelizes. Mas tampouco queria que eles fossem para a cidade. – No dia em que minha esposa morreu, eu encontrei a casa vazia e fria. – Então, quando você voltou para a casa hoje, a casa vazia o assustou? – Não tanto quanto saber que as crianças estavam na cidade. – Ele passou a mão pelo rosto de novo. Ele odiava aquela dor, aquela humilhação. – Minha esposa estava tendo um caso. Há um ano, aparentemente. Brice Matthews, um de nossos funcionários, chegou ao velório e caiu chorando sobre o caixão dela. Ele me chamou de todos os nomes possíveis por eu não ter dado o divórcio quando ela quis. – Ah, meu Deus. – Claramente chocada, ela sentou-se novamente. – Sinto muito. – É por isso que não gosto quando as crianças vão à cidade. – Por causa da fofoca? Já faz três anos. Confie em mim, pode parar de se preocupar. As pessoas não são tão interessadas assim na vida dos outros. – Todo mundo tem curiosidade sobre Teagan. Os olhos dela se estreitaram. – Teagan? Jack é que é velho o bastante para entender... – Então o queixo dela caiu. – Oh. Deus. Teagan tinha apenas alguns meses, e sua esposa estava tendo um caso... – Um ano antes de morrer. – Você acha que as pessoas se perguntam se ela é sua filha? – Eu não acho: eu conheço muita gente tem essa dúvida. – Eles lhe contaram? – Não. Mas alguns dias depois da morte de minha esposa, as pessoas passaram a olhar para Teagan de forma diferente. Se eu ia à mercearia com ela no carrinho, todos paravam para olhá-la. Algumas pessoas eram mais óbvias do que as outras. Demorei um tempo até perceber que as pessoas estavam tentando reconhecer alguma semelhança entre ela e Brice. – Que horrível. – Ela balançou a cabeça, inconformada com a estupidez humana. – Eu sinto muito. – É a segunda vez que você diz isso. – Ele riu brevemente. – E agradeço o sentimento. – Em nome das coisas ruins e injustas que acontecem em todos os lugares, acho que alguém precisa dizer que sente muito. Ele riu novamente, sentindo a pressão no peito aliviar um pouco. Seus olhares se encontraram, e Clark sorriu. – Obrigado.


– Em nome das coisas ruins que acontecem por aí, de nada. – Não, eu agradeço por me ouvir. – Ele esfregou a nuca. – Você é a primeira pessoa para quem eu conto essa história. – E ele se sentia bem, calmo até. – Enfim, é por isso que não quero as crianças indo à cidade. Não quero que Teagan seja alvo de curiosos, nem que Jack ouça coisas sobre a mãe às quais ele não vai entender, por ser ainda muito jovem. – Entendi. – Ele levantou-se, sorrindo. – Bom, Jack já deve estar com a lição aberta no computador. Com isso ela saiu da sala, deixando-o sozinho no sofá cinza da sala “perfeita”. No fim das contas, ter uma casa perfeita não significava absolutamente nada. Clark fechou os olhos e bebeu um gole de uísque. A vida dele era uma bagunça e, apesar de ter gostado da sugestão de Althea sobre a decoração de Natal, ele não achava que isso fosse mudar alguma coisa. Pelo menos agora ele sabia que Althea iria manter as crianças em casa.


CAPÍTULO 4

– ACHO QUE tenho um problema. Mesmo tendo fechado a porta, Althea caminhou até o fim do corredor para garantir que as crianças não escutariam sua conversa com a irmã, Missy. Depois de conversar com Clark, ela tentou se colocar no lugar dele. Sua dor era algo inimaginável. Ela sentia um aperto no coração por ele, mas não havia nada que pudesse fazer. A não ser ajudá-lo com Jack. A irmã dela era uma mulher que criava trigêmeos sozinha, que enfrentara o pai e criara uma vida para si mesma do nada. Ela com certeza saberia o que fazer. – Seu carro quebrou? Althea fez uma careta. – Cheguei alguns dias antes à casa de Clark Beaumont e ele me contratou imediatamente, pois a empregada dele está internada com pneumonia. – Você está como empregada? – Estou meio que o ajudando. – Ah, Althea! – Está tudo bem. Eu estou bem. Missy suspirou. – Não, não está bem. Você me ligou porque está com problemas. Ela sorriu. – Deixe-me colocar da seguinte forma: foi bom eu ter chegado aqui antes. Eu não me importo em arrumar as coisas depois do café da manhã, fazer sanduíches e abrir uma lata de sopa para o almoço. – Mas? – Mas a mãe das crianças morreu em um acidente de carro três anos atrás. Teagan só tem 3 anos, ou seja, era um bebezinho quando tudo aconteceu. – Ah, que terrível. Ela queria contar a Missy todos os detalhes, mas havia jurado a Clark não espalhar confidências íntimas dele para ninguém. – E Teagan não fala. Bem, ela fala. Só que não em voz alta. Ela puxa a manga da camisa do pai ou do irmão e sussurra no ouvido deles. Os dois precisam passar adiante a mensagem.


– Ah, coitadinha. – Clark acha que ela é só tímida. – Nessa idade, ela poderia ser. – É. Espero que seja isso mesmo. O verdadeiro problema é com Jack. Estou aqui porque ele foi mal em todas as matérias no semestre passado. – Eu sei. Emily me contou. – Bem, não acho que ele tenha falhado por ser burro ou preguiçoso, ou por ainda estar de luto pela mãe, mas porque Clark é superprotetor. Ele não gosta quando as crianças vão à cidade por causa das fofocas. Tem muito dinheiro, uma esposa falecida, e acha que todo mundo tem curiosidade sobre eles. – Ela sorriu por casa da explicação ruim, mas era o melhor que conseguiria fazer sem entrar na intimidade de Clark. – E você acha que o fracasso dele nos estudos é um grito por ajuda? – Se o que ele disse quando Clark mandou a polícia atrás da gente for verdade, acho que é um grito por liberdade. – Ele mandou a polícia atrás de vocês? Ela fez uma careta. – Na hora, fez sentido. Eu fui à cidade fazer compras com as crianças sem avisá-lo. Quando ele chegou em casa e não nos encontrou, entrou em pânico. – Althea, você está com uma garotinha que não fala, um garoto de 12 anos rebelde e um chefe paranoico que mandou a polícia atrás de você. Tem certeza que quer se envolver com isso? – Eu preciso. Se alguma pessoa tivesse prestado atenção em nós, um médico ou vizinho, talvez não tivéssemos passado toda uma noite de sábado em um armário, rezando para que papai não matasse nossa mãe. – É. – Missy suspirou. – Certo, entendi. Foi como se Althea tivesse tirado um peso dos ombros. Ela sabia que a irmã ia entender: ela não podia abandonar aquelas crianças. – Então, o que devo dizer? Como posso fazer Clark entender que ele não pode proteger Jack para sempre? Que o pobre coitado só quer um pouco de liberdade? Talvez alguns amigos? – Bem, você poderia tentar explicar que crianças são bem resilientes, e que, apesar de a cidade ainda estar curiosa sobre eles, assim que Jack estiver há algum tempo na escola ele não será mais novidade. – Isso é ótimo! Eu também gostaria de propor a Clark a ideia de Jack ir à escola na cidade. Isso serviria de incentivo para o menino melhorar as notas. – É uma ideia melhor ainda. – Que bom. Vou começar a trabalhar nisso hoje à noite. E aí, como estão as crianças? – Loucas para que chegue o Natal. Mas Wyatt é pior. Só Deus sabe o que comprou para a gente este ano. Ela riu. – Isso quer dizer que você não gostou do trailer que ganhou ano passado? – Nós amamos o RV, mas as crianças estão ficando mimadas. – Um pouco de bajulação nunca machucou ninguém. Maluca saiu correndo da sala de estudos, pelo corredor. – Maluca! Pare de correr agora mesmo! – Do que diabos você está falando?


– A cachorra. Ela se chama Maluca. E confie em mim, ela faz jus ao nome. – Já pensou que talvez ela se comportasse melhor se tivesse outro nome, mais calmo? Althea riu. – Não estou brincando. Dê outro nome a ela. – Ela pausou, e então gritou: – Owen! Pare com isso já! O riso de Althea se transformou em risada. – O nome de Owen não muda nada no comportamento dele – disse ela, se referindo ao único menino do trio de irmãos. – Mal posso esperar para conhecê-los. – Você pode vir amanhã para jantar? – Não quero perder nenhuma interação entre Clark e as crianças até eu entender completamente o que está acontecendo. Dê-me mais alguns dias para observar e analisar. – Tudo bem. – Missy suspirou. – Mas vá com calma, ok? Você não vai querer causar mais problemas. Ou pior: talvez esteja fazendo uma tempestade em um copo d’água. Maluca pulou e lambeu o rosto de Althea, sua língua imensa fazendo um barulhão. – E, Althea, rebatize o cachorro. Dê-lhe um nome mais calmo, e talvez ela se acalme. Althea riu e desligou o telefone. Ele acarinhou o cão antes de fazê-la descer. – Nós vamos chamá-la de Soneca. A cachorra latiu. Ela segurou na coleira de Maluca e a levou para a sala de estudos. – Certo, talvez esse nome seja calmo até demais. A cachorra correu até Jack. A força de suas patas contra as costas da cadeira empurrou o menino contra a mesa. – Ai! – Maluca! – Althea bateu as mãos sobre os joelhos. A cachorra correu e dançou ao redor dela. – Minha irmã acha que deveríamos dar um nome mais calmo a ela. Jack riu. – Por quê? – Para deixá-la mais calma. – Que idiotice. – É, mas nessa altura, eu tentaria qualquer coisa. – Ela olhou para Teagan. – Alguém tem sugestões? Teagan piscou. Jack bufou. – Já passamos por isso quando a pegamos. Não somos muito bons com nomes de cachorro. – Vocês precisam pensar em algo que combine com a personalidade dela. – Papai disse que Cachorra Maluca está bom. – Sim, mas eu acho que isso a encoraja a ser desobediente. – Ouvindo o que acabara de dizer, ela franziu o cenho. Jack estava certo. Era estupidez mudar o nome de um cachorro na esperança de ele mudar de atitude. Porém, Althea estava desesperada e a ponto de tentar qualquer coisa. – Que tal se pensarmos em um nome que descreva como queremos que ela se comporte? – Você quer chamá-la de Anjo? Althea olhou para Maluca, que latiu. – Ela nunca será um anjinho. Ela está mais para o palhaço da turma. Sabe, poderíamos dar a ela um nome divertido, para ela ser engraçada e deixar de ser desobediente. Jack riu. Teagan sorriu. – O único nome que consigo pensar é Ronald McDonald... ou Clara Bell – disse Althea.


Como se testasse o nome, Jack repetiu: – Clara Bell. Maluca latiu e dançou ao redor dela de novo. – Acho que ela gostou. – Althea então se abaixou e segurou a coleira do animal. – Certo. Daqui em diante, você não é mais Maluca. Seu nome é Clara Bell. Você será engraçada, mas ainda assim será uma dama. Tudo bem, Clara Bell? Clara Bell latiu e saiu correndo da sala. Althea e Jack trocaram olhares. – Não acho que vá funcionar. – Minha irmã é bem esperta. Se uma ideia tola pode funcionar, então Missy sabe do que está falando. Jack se levantou e se espreguiçou. – Então, o que vamos fazer hoje? – Achei que você já estava trabalhando. – Não quero mais estudar. Estou com vontade de fazer algo divertido. Ela pensou na ideia de mandá-lo para uma escola na cidade como um incentivo para fazê-lo estudar, mas não disse nada. Achou melhor ficar quieta até falar com Clark. Então, ela teve uma inspiração. – Se você ficar estudando as quatro horas que deve no computador e depois fizer uma revisão rápida comigo, podemos pendurar a guirlanda de Teagan esta tarde. Teagan deu pulinhos na cadeira, seu rosto brilhando de animação. Jack sentou-se novamente. – Certo. Agora ela sabia que um pouco de incentivo funcionava muito bem com Jack. CHEGANDO EM casa depois do trabalho, Clark estreitou os olhos. Havia algo pendurado na porta da frente. Ele aproximou-se e resmungou. Uma guirlanda grande e espalhafatosa. A raiva tomou conta do corpo dele, como ondas causadas por uma pedra arremessada em um lago. Depois de tudo que ele lhe dissera na noite anterior, ela ainda saíra de casa? Levando as crianças para a cidade? Pegando as sacolas com comida, ele saiu do SUV e encarou a guirlanda. Um círculo de pinhos formava uma cama para ornamentos vermelhos e dourados. A fita do grande laço dourado na parte de baixo cascateava até metade da porta. Em uma palavra, era horrorosa. Frustrado, ele se perguntou por que havia exposto sua humilhação a ela. Clark abriu a porta e entrou, tirando o cachecol. – Cheguei. Teagan entrou na sala correndo. Ela puxou a manga da camisa dele até o pai se abaixar. Ele sorriu. – O que foi? Ela sussurrou no ouvido dele.


As sobrancelhas dele se ergueram junto com uma careta. – Você escolheu a guirlanda? A cabecinha dela balançou aproximadamente 50 vezes por segundo. Maluca latiu. A menina puxou o pai pela mão até ele abrir a porta da frente de novo. No mesmo instante, Althea surgiu na sala, vestindo jeans e um suéter rosa felpudo. Os nervos dele entraram em ebulição e depois congelaram. Teagan abriu totalmente a porta, para chamar a atenção do pai. Clark refreou uma careta de desaprovação. – Essa é uma senhora guirlanda. Um sorriso de orelha a orelha iluminou os olhos da menina, que ainda franziu o nariz. O orgulho da filha quase partiu o coração dele em dois. Ainda assim, ele havia pedido para que Althea não fosse mais para a cidade com as crianças, e ela o desobedecera. Ele não podia ignorar aquele fato. – Então você levou as crianças para a cidade novamente? Com os braços cruzados sob os seios provocantes, Althea respondeu: – Não. Nós compramos a guirlanda ontem. – Ah. – Sem motivos para ficar bravo, Clark ficou à mercê dos encantos dela. Com Althea parada ali, os hormônios dele saltavam sem parar. Sua gravata subitamente pareceu muito apertada, e a sala ficou quente. Os olhos brilharam de felicidade ao colocar as mãos sobre os ombros de Teagan. Sua filha, que raramente falava e definitivamente não gostava de estranhos, olhou para Althea e sorriu. Teagan estava se relacionando com ela? Estava saindo da toca? A felicidade que invadiu o coração dele quase o arrebentou. A alegria circulou em seu sistema como um ciclone, criando uma sensação tão intensa que roubou o fôlego dele. Ah, não! Aquilo não era mais uma mera atração por ela. Clark gostava de Althea. Droga! O que ele estava fazendo? Ele não queria gostar dela. Ele não queria gostar de ninguém! Ele tinha problemas, centenas deles – todos causados pela primeira mulher de sua vida. De repente, luzes cruzaram a entrada da propriedade. Maluca correu latindo para fora da casa. – Maluca! – Ele virou-se para ir atrás dela, mas Teagan puxou a manga dele até Clark se abaixar. – Como assim o nome dela não é mais Maluca? Althea fez uma careta. – Desculpe. Achamos que se a chamássemos por outro nome, ela começaria a se comportar. Então nós a rebatizamos de Clara Bell. – Passando por ele, ela correu atrás dela. – Clara! Clara Bell! Pare! Balançando a cabeça, Clark foi atrás dela. Maluca saltitava pela neve como o Coelhinho da Páscoa sob efeito de esteroides, latindo. Althea não conseguia se aproximar dela, mas continuava tentando – chamando a pobre coitada de Clara Bell. Teagan ria e ria. Clark olhou para ela. – Vejo que o novo nome está funcionando. Teagan ria sem parar. Althea segurou a cachorra antes do grande SUV preto parar na entrada. – Fique aqui – disse ele para Teagan antes de descer os degraus da varanda, no mesmo instante em que uma loura baixinha desceu do carro. – Missy!


Althea soltou a coleira de Maluca e correu para abraçar a irmã. Maluca ficou ensandecida. – Maluca! – gritou ele, correndo para segurar a cachorra. Teagan puxou a manga dele. – Eu disse para você ficar na varanda! O que está fazendo aqui? Ela sussurrou na orelha dele. – Eu sei que ela tem outro nome agora, mas Maluca serve. – Eu disse a Missy que não ia funcionar. Clark endireitou-se para ver o homem alto de cabelo negro que havia falado. Ele estendeu a mão. – Wyatt McKenzie. Marido da mulher que teve a ideia do novo nome para a cadela. E Missy... – ele apontou para a mulher emocionada abraçando Althea – é irmã de Althea. Clark o cumprimentou. – Clark Beaumont. Prazer em conhecê-lo. – Ele olhou para as duas enquanto Maluca pulava e tentava se libertar. Althea era boa com as crianças. Conhecia os segredos dele. E agora ele gostava dela. Isso não era nada bom. ALTHEA LIMPOU as lágrimas. – Não acredito que você está aqui. – Não consegui parar de pensar na família que você descreveu para mim e tive que me certificar de que você não estava exagerando – sussurrou Missy. Althea riu. – Você... sempre me protegendo. Ela lembrou-se dos dias que haviam passado juntas no armário, abraçadas, escondendo-se do pai. Ela abraçou novamente a irmã, fechando os olhos. – Eu senti tanto a sua falta. – Sim, eu sei. Mas pelo menos não faz oito anos desde que nos vimos – disse Missy, referindo-se à ultima vez que elas haviam se encontrado. Quando Missy descobrira onde a irmã estava, pulou em um dos jatos particulares do marido e foi para a Califórnia. Elas fizeram as pazes e voltaram a serem irmãs de verdade. Missy afastou-se dela. – Você precisa conhecer os trigêmeos. Ela abriu a porta de trás do SUV e três crianças saltaram. As meninas usavam casacos rosa e luvinhas brancas. O menino usava um casaco do Pittsburgh Steelers. Missy suspirou. – Quantas vezes já falei para vocês não saírem sozinhos das cadeirinhas? – Desculpe, mãe. – Desculpe, mãe. – Desculpe, mãe. Althea abraçou cada um deles. Embora já os conhecesse por vídeo chamadas, sentir o calor de seus corpinhos foi uma alegria. Então eles avistaram Teagan. Com gritinhos de animação, eles correram até Clark e a filha. A garotinha de cabelo negro e grandes olhos castanhos disse: – Oi, sou Lainie.


Teagan se escondeu atrás da perna do pai. Clark abaixou-se e a trouxe para a frente. – Desculpe, ela é um pouco tímida. Missy aproximou-se. – Ela gosta de cupcakes de chocolate? – E ergueu a tampa de uma cesta onde estavam as iguarias, com coberturas brancas decoradas com balinhas de goma vermelhas e verdes. Os olhos de Teagan se arregalaram, e ela cochichou no ouvido do pai. – Sim, ela está lhe oferecendo um. – Ele apontou para a varanda. – Mas só depois que você jantar. Ele olhou para Wyatt. – Eu trouxe lanches para nós, mas posso voltar à cidade e pegar mais hambúrgueres e fritas. – Não precisa. Eu trouxe lasanha e pão caseiro. Lágrimas surgiram nos olhos de Althea novamente, e seu coração bateu com força no peito. Ela não via a irmã havia dois anos, e ali estava ela com lasanha e cupcakes. Os dois pratos favoritos de Althea. Missy e Clark caminharam em direção à casa, enquanto Wyatt pegava uma grande cesta de piquenique no porta-malas. Os homens e as crianças entraram, enquanto as irmãs se demoraram na porta. Missy abraçou Althea. – Você está bem? – Sinto muito eu ter partido. – Nós duas fizemos o que precisava ser feito. – Ela segurou com força o ombro da irmã. – Já conversamos sobre isso. Ela assentiu. Missy entendia que a irmã precisava ter partido. Ela também entendia o medo de Althea de contatar a família. Mas tudo isso era passado, agora. – Vamos nos divertir essa noite. Wyatt gritou lá de dentro. – Ei, andem logo. A felicidade borbulhava dentro dela. Sua irmã estava ali. Jack também ia ficar muito feliz em ter outras crianças com quem conversar, mesmo que elas tivessem metade da idade dele. Então, ela olhou para Clark no mesmo instante em que ele a olhou. Seu coração encheu-se de alegria. Seria sábio apaixonar-se pelo próprio chefe? Especialmente quando ele parecia ter mais problemas do que ela?


CAPÍTULO 5

WYATT COLOCOU a cesta grande na bancada da cozinha. Missy imediatamente tirou a grande baguete de pão italiano e a grande vasilha térmica com a lasanha. Ela puxou a tampa, e o ambiente foi tomado pelo aroma de molho, queijo e linguiça. A boca de Althea começou a salivar. Jack entrou na cozinha com Clara Bell ao seu lado. Ele olhou para os convidados. – E aí? Althea virou-se para ele. – Essa é minha irmã, Missy, o marido dela, Wyatt, e os trigêmeos. Os olhos dele se arregalaram. – Trigêmeos? Missy os apresentou: – Esses são Lainie, Claire e Owen. Owen disse: – Oi. Althea comentou: – Eles vieram jantar. – E então riu. – Na verdade, eles trouxeram a comida. Mas antes que Jack pudesse responder, Clark disse: – Muito bem, podem tirar os casacos, se preferirem. Jack, pegue os pratos e os talheres. Owen desceu da banqueta e seguiu o outro menino até o armário. – Eu ajudo. De início, Jack pareceu meio desconfortável com a amizade da criança de 6 anos, e isso preocupou Althea, mas logo ele deu de ombros. – Ok. Tanto faz. No instante em que Missy passava os casacos, luvas e cachecóis para Clark guardá-los, Clara Bell pegou o pão sobre a bancada e saiu correndo, passando pelos dois. A cachorra carregou dois cachecóis consigo para a sala, enquanto as outras peças voavam pelos ares. – Maluca! – gritou Clark.


Jack saiu correndo atrás dela, e Owen o seguiu. Dois segundos depois Clara Bell deu a volta na casa e retornou com os cachecóis pendurados, espalhando fatias de pão por todos os lados. – Clara Bell! – disse Althea, tentando, em vão, agarrar um dos cachecóis. Lainie e Claire riram enquanto também tentavam pegar as roupas que a cachorra havia carregado e saíram correndo atrás dela. – Crianças! – disse Missy! – Parem de correr! – Eu seguro elas – disse Wyatt. Clara Bell voltou para a cozinha; Missy, Clark e Althea tentaram segurá-la, mas não conseguiram. Então, Teagan entrou calmamente na frente dela. Clark se sobressaltou e prendeu a respiração, porém, Clara Bell freou as quatro patas e colocou o pão aos pés da menina. Teagan sorriu. – Muito bem, Teagan. Para uma garotinha que não fala, você com certeza sabe fazer as coisas – disse Missy. Todos riram, menos Clark. Ele pegou a baguete toda babada. – Por sorte, eu comprei pão na terça-feira quando fiz compras. Missy pegou os casacos, luvas e afins e entrou para que Clark os guardasse. Quando ele voltou, Missy disse: – Por que não jantamos, agora? Clara Bell latiu. Clark fez uma cara feia. – Ah, não. Você vai ficar na sala enquanto comemos. Como já havia feito milhares de vezes, Teagan a levou pela coleira para a sala. Claire, a única criança loura dos trigêmeos, disse: – Nós ajudamos. – E saiu correndo levando a irmã. Quando a comida estava na mesa, as crianças voltaram. Lainie anunciou: – Nós lavamos as mãos. Teagan ergueu as mãos, com um sorriso. – E sem precisar mandar! – disse Clark. Eles logo se reuniram em torno da mesa, e todos comeram. Jack deu uma garfada de seu prato e murmurou: – Isso está fantástico. Missy sorriu. – Estou feliz por você ter gostado. – Minha irmã ama cozinhar. Na verdade, ela tem uma pequena empresa que fabrica bolos. Os olhos de Teagan se arregalaram. Clark deu uma garfada e, antes de comer, disse: – Teagan ama bolo. Missy sorriu ainda mais. – Então vou mandar todos os cupcakes que sobrarem para você. Jack riu. – Ouviu essa, Te? Você vai ficar parecendo um cupcake, de tantos doces. Com a boca cheia de lasanha, Owen deu risada. Lainie apontou para o irmão.


– Ah, que nojento. Mas Jack e Teagan riram. – Althea me disse que você é uma boa confeiteira – disse Clark para Missy. – Sim. Mas eu deixo a gerência por conta da equipe. Fico tão atarefada com os trigêmeos que reservo meu tempo de trabalho para fazer dois bolos de casamento por mês. Faz parte do trabalho que eu amo tanto. Ele virou-se para Wyatt. – E você, o que faz? – Eu tenho uma editora de histórias em quadrinhos. Clark riu. – Você está brincando. – Gosta de histórias em quadrinhos? – E como – respondeu Jack. – Ótimo. Vou mandar algumas para você que só serão publicadas na primavera. Vocês estarão na frente dos seus amigos. Jack e Clark bateram as mãos no ar, e o coração de Althea se encheu de alegria. Dois dias atrás, Jack não estaria tão aberto. E, provavelmente, Clark também não. Quando seus olhares se encontraram, ela sorriu. Ele retribuiu o sorriso lentamente. E algo aconteceu dentro dela. Althea não podia negar que gostava dele. E muito. Muito mais do que uma mulher esperta gostaria, depois de tão pouco tempo. – Por que Teagan não fala? A pergunta veio de Lainie. – Ela é só tímida – respondeu Missy. Porém, Teagan sorriu do outro lado da mesa para os trigêmeos, quase refutando as palavras de Missy. – Nós moramos no campo, ela não vê muita gente. Claire franziu o cenho. – Ela não tem amigos? – Não há muitos lugares para ela conhecer amigos. Owen balançou a cabeça. – Isso é triste. – Owen se identifica – explicou Missy. – Ele costumava entrar de fininho na casa de Wyatt, procurando por companhia. Wyatt riu. – Ele só queria passar um tempo com outro menino. Althea trocou olhares com Jack, e também uma mensagem silenciosa de compreensão. Ele queria amigos. Não. Ele precisava de amigos. – Talvez você devesse mandá-la para a pré-escola – sugeriu Missy. Clark não respondeu. E nem conseguiria. Era estranho ter companhia em casa depois da morte da esposa, mas assim que todos se acalmaram após o furacão causado por Maluca, o clima ficou leve e agradável. As duas famílias terminaram o jantar falando sobre o Natal. Clark e Wyatt supervisionaram os trigêmeos e Jack, que colocavam os pratos e talheres na lava-louças.


Lembrando às crianças que elas tinham que acordar cedo para a escola, os McKenzies se arrumaram para irem embora. Teagan abraçou as meninas. Jack e Owen fizeram planos para jogarem videogame pela internet. Missy e Althea se abraçaram. Wyatt e Clark apertaram as mãos: – Adoraríamos que vocês nos visitassem na semana que vem. Clark fez uma careta. – Ando meio ocupado, mas Althea está livre para visitar vocês qualquer noite dessas. Obviamente desapontado, Wyatt respondeu: – Ah. Tudo bem. Clark não podia se envolver mais do que o necessário com Althea. A esposa dele fizera mais do que partir seu coração, e ele jurara que nunca mais ia se envolver com ninguém. Ele jamais iria se arriscar a passar por tamanha dor e humilhação. Porém, ao se despedir da irmã, o sorriso dela era tão radiante que o estômago dele deu voltas. Por três maravilhosos segundos ele a encarou, desejando que ele e a esposa tivessem se divorciado como um casal normal, desejando que ele não estivesse tão marcado, ferido, machucado. Mas isso era tolice. Ele era quem ele era. E não iria arrastar Althea para seus problemas. NO DIA seguinte, depois de acordar, Althea fez algo que não fazia havia pelo menos dez anos: passou maquiagem antes do café da manhã. Não muito; só um pouco de delineador e brilho labial. Ela estudou seu reflexo, incapaz de acreditar que se sentia atraída por Clark Beaumont a ponto de usar maquiagem. Mas estava. E ele estava atraído por ela. Ela soube desde o primeiro aperto de mão deles. E pela primeira vez na vida ela não queria fugir. Ela o desejava. Entrou na cozinha, vestindo o longo robe de pelúcia sobre o short e o top de dormir. Clark e as crianças estavam sentadas na bancada – Bom dia – disse ela, indo para a cafeteira. De canto de olho, ela viu Clark erguer os olhos e examiná-la da cabeça aos pés. Ela sorriu. Ele estava tão interessado quanto ela pensava. – Então, o que todos vão fazer hoje? Ela se virou no instante em que Clark se ergueu e colocou outra panqueca no prato. A camisa branca ficava muito boa no peitoral firme dele. A gravata laranja e marrom destacava o âmbar dos seus olhos. Aquele era um homem decente e normal que estava interessado nela, e não um rato de praia. Não um cara que ficava bêbado e batia nas crianças – ele era do tipo que protegia os filhos. Um homem com quem uma mulher poderia construir uma vida. Se ela não estragasse tudo. E se ele estivesse mesmo interessado. – Preciso trabalhar. Tenho duas reuniões importantes. E você, Jack? O que há na sua agenda para hoje? Althea olhou rapidamente para Jack, que congelou ao ouvir a pergunta do pai. – Sabe, nenhum de vocês dois me contou o que estão fazendo. A expressão de Jack tornou-se desafiadora. – Estou estudando.


– Eu sei disso. Só estou curioso sobre seu progresso. Althea viu que o menino já tinha terminado. – Jack, por que você não vai para a sala de estudos e prepara as coisas? Estarei lá em alguns minutos. Ele levantou-se e saiu. Teagan desceu da cadeira, puxou a manga de Clark e, sem sussurrar nada, apenas o abraçou. Depois, foi atrás do irmão. Por mais fechado que Clark parecesse ser, ele tinha uma relacionamento muito peculiar com Teagan. – Ela é muito especial. Clark olhou para ela. – Sim. – Ela tem o coração cheio de amor. E Jack também. – Concordo totalmente. O problema dele não é com as pessoas, mas sim com os estudos. – Estive pensando nisso esses dias, e acho que tenho uma ideia de algo que pode servir de incentivo para Jack. Os olhares dele se encontraram novamente, e desta vez as bochechas dela coraram. Althea conhecera tantos homens extrovertidos na vida, por que justo aquele ali, fechado, tirava o fôlego dela? – Qual a sua ideia? Ela sorriu para amenizar o que ia dizer. – Acho que Jack precisa de companhia. Competição. Alguns amigos com quem trocar ideias. – E você acha que eu posso ir a uma loja de amigos e comprar alguns moleques de 12 anos? Ela riu. Certo, ele estava tirando sarro. Talvez ele não fosse tão fechado assim. – Não. Acho que poderíamos inspirá-lo a trabalhar com mais afinco se disséssemos a ele que, se ele passar nas provas, nós o colocaremos na escola da cidade, no próximo semestre. – O quê? – Ele está solitário e precisa de amigos. A escola é a solução mais óbvia. – Eu não o quero na escola, e você sabe o motivo. – Mas, se não dermos a ele um objetivo, ele não se empolgará para estudar. E mais do que isso, ele precisa de amigos. – Ele não precisa ir para a cidade. – Ele precisa! – Droga, Althea! Já conversamos sobre isso! Ela ficou quieta. Todas as ideias românticas que teve a respeito dele desapareceram de sua mente. Uma coisa era ser fechado emocionalmente; outra era gritar em um ataque de raiva. Ela já aguentara o suficiente de Clark. CLARK FECHOU os olhos. Droga! A última coisa que ele queria era magoá-la. Gostava dela – e gostaria de fazer muito mais coisas do que apenas isso. E esse era exatamente o problema. – Não quero mandar Jack para a cidade porque não quero que ele ouça fofocas sobre a mãe. Os olhos dela eram doces, compreensivos. – Eu sei, mas isso foi há três anos. As crianças do sexto ano não vão falar disso. – Mas os professores vão.


– E quem liga? Eles cochicharão durante uma semana e pouco, e só. Sua esposa morreu. Não há informações novas. Ele balançou a cabeça. – E Teagan? Jack também ouvirá fofocas sobre ela. – Clark, ele terá que lidar com isso em algum momento. Você não poderá mantê-lo aqui para sempre. Ele passou a mão sobre a boca. – Eu sei. – A maioria das pessoas será educada o suficiente para não falar no assunto perto dele. – Com sorte. – Além disso, ele é maduro para a idade. Ele é um bom garoto e inteligente. Saberá lidar com as fofocas. Clark inspirou e expirou profundamente. Jack havia falhado em um semestre e gritado que se sentia em uma prisão. Será que manter o menino ali estava causando mais danos? – Você também pode pedir que os professores ou o conselheiro fiquem de olho nele. Ele olhou para o chão, subitamente se perguntando se estava tentando proteger Jack ou... a ele mesmo. – Eu nunca falei muito sobre Carol, depois que ela morreu. Talvez se eu começasse a falar pouco a pouco sobre ela... sabe, começando com o que ela gostava de comer no café da manhã... talvez isso por fim nos leve à “grande” conversa que precisamos ter. – Acho uma ótima ideia. Talvez até começando por coisas pequenas e banais, como decoração de Natal. Ela gostava de decorar a casa? – Sim, mas não deixava ninguém ajudar. – Então é isso que você dirá para ele. “Sabe, sua mãe gostava tanto de decorar a casa que não deixava ninguém ajudar.” É um jeito de iniciar a conversa. Ele assentiu. – Faz sentido. – Ele suspirou pesadamente. – Certo. Diga a ele que se as notas melhorarem, ele irá para a escola da cidade no próximo semestre.


CAPÍTULO 6

JACK QUASE explodiu de felicidade quando Althea lhe contou sobre a conversa que teve com o pai dele. Ele afundou-se nos estudos, colocou a mesa para o almoço deles, de sopa enlatada e torradas, e encontrou o pai na porta de casa quando ele chegou do trabalho. Jack jogou-se nos braços dele. – Obrigado. Clark olhou para Althea enquanto falava com o filho: – Isso vai depender de suas notas. – Eu sei. Pode deixar. Althea colocou a braço ao redor dos ombros de Jack e encarou Clark. – Então, o que você trouxe para o jantar hoje? – Eu parei em uma peixaria. – Não vi nenhuma peixaria na cidade. – É por que eu não trabalho na cidade. Eu mudei meu escritório para um galpão que fica entre Worthington e Greenfield. – Ah. – E ela sabia o porquê. Ele tampouco queria lidar com as fofocas. Eles então comeram, rindo do fato de que logo ficariam sem novos lugares para buscar o jantar. – Pelo menos não temos que lavar os pratos – disse Clark, jogando o guardanapo de papel no lixo. – Eu lavaria a louça com prazer hoje – retrucou Jack, recolhendo os sacos e sacolas de papel. – Eu tenho uma ideia ainda melhor – anunciou Althea. – Ah, é mesmo? – perguntou Clark. Ela se levantou. – Encontrei várias decorações de Natal no sótão enquanto Teagan dormia e Jack estudava. Achei que poderíamos pendurar as luzinhas. – Ainda é muito cedo para montar a árvore – argumentou Clark, confuso. Ela lançou um olhar para ele, sugerindo que entrasse na onda. Ela iria ajudá-lo a abordar o assunto da mãe deles. – Não quero pendurá-las na árvore, e sim ao redor da varanda. Jack gritou de alegria, Teagan bateu palmas, mas Clark apenas a encarou:


– Você quer usar uma escada no escuro? Deus, como ele era difícil! Ainda encarando-o como se dissesse “lembre-se de nossa conversa pela manhã”, ela disse: – Há iluminação suficiente na frente e ao redor da casa. Além disso, está prevista uma grande tempestade para sábado. Ou fazemos isso hoje à noite, ou não faremos nunca. Jack disse: – Por favor. Por favor. Por favor. Teagan olhou para o pai com uma expressão suplicante, e Althea desatou a rir. Ele podia ter esquecido da conversa deles, mas as crianças queriam decorar. – Você está em minoria. Ele se levantou da cadeira. – Sou eu também que precisarei subir na escada, que estará sobre a neve. – Nós podemos escorá-la. Clark suspirou. – Sim. Nós podemos. – Isso! – gritou Jack. Teagan dançou ao redor da mesa com o ursinho. Clara Bell latiu. Clark os levou até a sala. – Preciso me trocar. Peguem seus casacos e botas. Quando todos estavam prontos, Althea buscou a caixa no sótão. Clark estava armando a escada. – Certo, madame, onde você deseja as luzes? Ele estava com os mesmos jeans e suéter do primeiro dia, e ela instantaneamente lembrou-se por que ficou atraída por ele. De repente, ficou quente demais dentro da jaqueta dela. Althea umedeceu os lábios. – Althea? A escada? O embaraço fez as bochechas dela coraram. Ela havia ficado encarando-o, literalmente, e ele percebeu. Althea balançou a cabeça, fazendo com que seu cabelo cascateasse. Ele não era a única pessoa atraente na equação, e ela não era a única pessoa atraída naquele problema. Se ele quisesse joguinhos, ela estava pronta. – Esses ganchos no teto são para luzes? O rosto dele se contorceu um pouco enquanto ele pensava. – Se minha memória não me falha, acho que sim. Ela caminhou sutilmente até Clark, e deu um tapinha no braço dele. – Então, por que não leva a escada até o canto esquerdo? – Ela sorriu docemente. – Você sobe, eu entrego as luzes e você as conecta. Ele expirou o ar entre os dentes, parecendo estar prestes a dizer alguma coisa, mas então olhou para os filhos ansiosos e levou a escada até o canto. Ele ancorou os pés antes de encostá-la na varanda. Ela sorriu. – Quer que eu a segure enquanto você sobe? Ele franziu o cenho. – Acho que não temos escolha. – Então ele estreitou os olhos. Provavelmente porque assim ela iria ter uma visão perfeita das nádegas dele. Ela riu.


– Suba logo. Enquanto ele subia os primeiros degraus, ela entregou o círculo de luzes a Jack. E quando Clark chegou na metade da escada, o menino já havia soltado fio suficiente para que o pai as pendurasse. – Pelo visto há um gancho a cada metro e pouco. Da próxima vez, coloco a escada entre dois deles. – Faz sentido. Ele desceu. Eles moveram a escada, repetindo o processo até a metade da varanda estar completamente cercada de luzes. Quando Clark desceu da escada, Teagan puxou a manga da camisa dele. Ela sussurrou no ouvido dele, que balançou a cabeça. – Só ligaremos as luzes quando terminarmos. Os lábios dela formaram um beicinho. – Era o que a mamãe costumava dizer. Clark ergueu a cabeça, e seu olhar encontrou-se com o de Jack. Althea segurou a respiração. A simpatia que ela sentia por Jack misturou-se com a dor que sentia por Clark. Ele não queria falar sobre a esposa com os filhos, mas precisava. Um segundo se passou. Dois. Três. Quatro. Cinco. Então Clark disse suavemente: – Ela era muito detalhista. Althea expirou silenciosamente. Ela então pegou um pouco de neve e jogou em Clark. Aquela não deveria ser uma conversa triste. – Como se você não fosse! Surpreso, ele virou-se para Althea. Ela indicou Jack com a cabeça, esperando que ele entendesse. Ninguém queria ficar triste. Três anos já haviam se passado. Jack precisava se lembrar da mãe de uma maneira feliz. Especialmente em um feriado. – Ah, sua mãe era pior. – Ele indicou para que Jack fosse com os fios para o outro lado da varanda. – Se você acha que eu me importo com detalhes, deveria ter visto sua mãe. Jack riu. – Ela não gostava de comprar em lojas ou em shoppings. Ela ficava horas na internet lendo descrições de coisas bobas, como enfeites para árvores, como se eles fossem heranças de família. – Algum dia eles serão tesouros da família – Althea lembrou-os. – Jack, você e Teagan deveriam escolher enfeites que gostem, coisas que a mãe de vocês comprou, e guardar para quando ficarem adultos. Jack assentiu. Clark comentou: – Sabe, nós não conversamos muito sobre a mãe de vocês. Há alguma coisa que vocês gostariam de saber? Alguma lembrança que gostariam de compartilhar? Ele balançou a cabeça. – Eu não me lembro muito dela. Althea colocou a mão nas costas de Jack e a acariciou afeiçoadamente. – Vocês têm álbuns de fotos? – Temos algumas fotos no computador – disse Clark lentamente. O assunto era doloroso, mas necessário. Teagan aconchegou-se ao lado de Althea e colocou a mãozinha enluvada junto à dela.


Clark e Jack continuaram trabalhando juntos como se já tivessem feito aquilo milhares de vezes, mas pelo que ela sabia, eles só decoravam a árvore. O que significava que as luzes eram ideia da mãe deles. Cercada pela escuridão da noite, a varanda acesa parecia ser um mundinho à parte. Althea entendia porque Clark não queria falar sobre a esposa. Entendia porque ele não se apegava a tradições. Mas o dano causado pela necessidade dele de se proteger fora o vazio, o silêncio que parecia permear tudo o que ele fazia. E ela não sabia como consertar isso, pois sua própria vida havia sido cheia de escuridão. Por que ela achou que conseguiria ajudar aquelas crianças, aquela família? Ela podia se sentir atraída por Clark e desejar um relacionamento real, mas os problemas haviam forjado quem ela era. Nunca havia confiado em ninguém – não sabia como ser uma mulher normal, que dirá uma mãe. E se ela se envolvesse com Clark, se apaixonasse e se casasse com ele, instantaneamente se transformaria em uma mãe. Seu único parâmetro de casamento era um homem que batera tanto na esposa que ela entrara em depressão e morrera antes dos 50 anos. Era divertido sonhar acordada com uma vida ao lado de Clark, mas ele já tinha problemas suficientes na vida, e não precisava dos dela. QUANDO ELES acabaram de pendurar as luzes, Clark, Jack, Teagan e Clara Bell ficaram parados no jardim da frente coberto de neve, enquanto Althea ligava a tomada. Globos multicoloridos explodiram em vida. Os nervos de Clark estalaram ao ter uma lembrança boa da esposa. Ela sempre adorara o Natal, chegando até a decorar a pia da cozinha. Ele riu de mansinho. – A mãe de vocês amava decorar. Jack sussurrou: – Eu me lembro. Teagan estava ao lado de Jack. Ela colocou a mãozinha enluvada junto à dele. Clark viu a cena e sentiu um aperto no peito. Teagan não sabia absolutamente nada sobre a mãe. Ele agachou-se diante dela. – E sua mãe amava você. Ela piscou. – Você era um montinho de alegria. Ela queria outra criança depois de Jack, mas anos se passaram antes de nós termos você. – Ele engoliu em seco, recusando-se a pensar que talvez aquela menina fosse filha de outro homem. – E quando você chegou, foi melhor que o Natal. Ela sorriu. Ele a pegou no colo. – Agora, vamos tomar um chocolate quente. – Não aquela porcaria que você faz na sua cafeteira, com água – disse Althea, enquanto eles se aproximavam dela. – Eu vou fazer chocolate quente de verdade. Clara Bell correu na frente de todos e esperou que ela abrisse a porta. Eles entraram na casa rindo. A tristeza e a curiosidade sobre a mãe que Jack sentia foi diminuindo conforme ele ajudava Althea a preparar o xarope de chocolate que eles por fim misturariam ao leite. Clark tirou o casaco da filha, e ela sorriu para ele, como se estivesse aprovando a conversa que eles tiveram sobre a mãe.


As amarras que prendiam o coração dele se afrouxaram um pouco. Althea encontrou algumas cantigas natalinas no smartphone e depois o conectou às caixinhas de som, enchendo a cozinha de mágica. Mágica. Pela primeira vez em três anos, aquela casa parecia um lar. Eles tomaram o chocolate quente. Jack pediu licença e foi ver televisão. Teagan aninhou-se no colo de Clark, e ele sentiu o doce aroma do lado de fora que ainda estava nela, percebendo que nunca havia feito um boneco de neve com os filhos ou uma guerrinha de bolas de neve. Mas, agora, eles iriam fazer tudo isso. – Está pronta para a cama, Te? Ela riu e depois bocejou. O olhar dele recaiu sobre Althea. Aquele novo passo em seu relacionamento só foi possível por causa dela. Ele também percebeu que ela havia ficado subitamente quieta enquanto eles terminavam de pendurar as luzinhas coloridas. Althea também se voluntariou para ligar a tomada, alegando que a família deveria estar reunida para vê-las. Ela não queria fazer parte do grupo. Mas já fazia. – Quer me ajudar a colocar Teagan na cama? Ela balançou a cabeça, sorrindo. – Como Jack, acho que vou ver televisão. – Na verdade, eu gostaria de conversar com você. – Conversar? – Como fizemos esta manhã. – Ah. Tudo bem. Ela imaginou que Clark fosse querer falar sobre Jack, e talvez estivesse certa. Mas ele também queria descobrir o que havia acontecido com ela. Ele deu banho em Teagan, leu uma historinha para ela e, meia hora depois, voltou para a sala. Quando ele entrou, Althea desligou a televisão. – Acho que tudo correu muito bem. – Graças a você. – Ele olhou ao redor nervosamente, sem saber onde sentar. As únicas cadeiras na sala estavam junto à mesa. Todos se sentavam no sofá para ver televisão. Mas ela estava sentada lá... e ele estava experimentando sensações que provavelmente não o deveriam estar atingindo. Além disso, ela havia flertado com ele – jogado o cabelo, colocado a mão no seu braço. Clark riu. Santo Deus. Ele passara por uma sessão de decoração conversando com o filho sobre a esposa que o traíra. Sentar-se ao lado de uma mulher de quem ele gostava talvez não fosse o passo seguinte mais lógico, mas não havia mais onde se sentar – e ele estava cansado de ser um idiota. Ele sentou-se ao lado dela. – Então, o que aconteceu lá fora? – Você decorou a varanda com seus filhos e conversou sobre a mãe deles? – Não. Quero dizer com você. – Eu? – Estava indo tudo bem, você estava ajudando na conversa sobre Carol, mas no instante seguinte você se fechou.


– Não queria me intrometer demais. Era seu momento com a família. Algo que vocês precisavam – disse ela, lógica e honestamente. Mas ele viu como Althea havia ficado calada. – Eu acreditaria, se não tivesse visto você ficar triste. Ela o encarou. – A cena foi triste. Eu pude sentir o peso no coração de Jack. – E eu pude ver o peso no seu. Assim como ele via naquele mesmo instante. Os olhos dela, que geralmente brilhavam, estavam apagados. A boca, sempre sorridente, era uma linha reta. Ele tocou o cabelo dela, antes de perceber que havia pensado em fazer isso. – Althea – disse ele intimamente. – Eu lhe contei coisas que nunca havia contado a ninguém. E isso me ajudou. Espero que me dê a chance de retribuir o favor. Ela lambeu os lábios e fechou os olhos. E ele soube que estava certo. Algo a estava incomodando. – Eu nunca contei isso a ninguém. – Que bom. Isso nos deixará em pé de igualdade. – Eu não sei nem por onde começar. – Comece contando por que a decoração a deixou triste. – Porque todos os anos minha mãe tentava decorar a casa, mas meu pai chegava bêbado e arrancava tudo, xingando-a de coisas como imprestável e preguiçosa. – Ah. – Isso o deixou abismado. Estava esperando um relato clássico sobre um namorado que a havia abandonado. Ouvir que o pai dela era um bêbado foi tão diferente do que Clark imaginou que ele demorou um segundo para compreender. – Sinto muito. Althea riu baixinho, levantou-se e foi até o outro lado da sala. Ela queria contar a história toda, para que ele parasse de olhá-la com amor e respeito. Talvez fosse hora de acabar com qualquer expectativa de um romance de contos de fadas que Clark pudesse ter. Sem olhar para ele, ela continuou: – Ele batia nela. Geralmente todos os sábados. Missy e eu nos escondíamos no armário e rezávamos para que ele desmaiasse antes de matá-la. Ela então se virou, pois precisava ver a reação dele. Ela precisava ver a pena que destruiria qualquer ideia romântica que ela tivesse na cabeça. Porém, a expressão dele continuou calma. – E ninguém ajudava vocês? – Nós éramos boas em fingir que nada estava acontecendo. Mesmo quando ele começou a bater em mim e em Missy, fazíamos de conta que estávamos bem, em público. Missy era tão popular na escola que ganhava de tudo, desde eleições para presidente da sala até o posto de rainha do baile de formatura. – Vocês levavam uma vida dupla? – Ela levava uma vida dupla. Ele colocou o braço sobre o encosto do sofá. – E você? – Eu era a palhaça da turma. – Ah. Ela sorriu. – Provavelmente é por isso que me identifico com Clara Bell.


Ele riu. – Eu saí de casa no dia em que me formei. Nem fui à cerimônia. Ele ergueu as sobrancelhas. – Eu fingi, da forma como sempre fazíamos. Eu me vesti, me despedi da minha mãe. – Lágrimas desciam pelo rosto dela. – Brinquei com meu pai, aceitei o dinheiro que minha irmã me deu. – Ela limpou uma lágrima. – Então, quando chegamos ao baile, eu fui até a porta do ginásio, onde a formatura iria acontecer. Mas não entrei. Eu me escondi em um canto e vi meus pais e Missy entrarem. Assim que eles se sentaram, eu corri para casa, peguei as malas que eu havia deixado prontas e roubei o carro do meu pai. Ele endireitou-se no sofá. – O quê? Ela riu um pouco. – Eu não tinha um carro e precisava fugir. – Você é uma criminosa? Ela riu de novo. – É, acho que sim. Mas eu também estava muito brava. Eu queria que eles ficassem publicamente envergonhados com a minha ausência na formatura, o que de fato aconteceu. Missy me contou que papai ficou uma fera. Eu fui para a Califórnia e arranjei um emprego para poder me sustentar durante a faculdade. – Apesar disso, sua irmã a perdoou. Eu vi o rosto dela na noite passada. Ela claramente ama você. – É, mas eu não contei a pior parte. – Tem algo pior do que apanhar do seu pai? – Minha mãe morreu uma semana depois que eu me formei. – Lá vieram as lágrimas de novo. Desta vez Althea deixou que elas caíssem livremente. – Eu não fazia ideia. Eu queria tanto me ver livre que nem ao menos tentei entrar em contato com alguém, para avisar que eu estava bem. Eu os odiava. Eu odiava meu pai por bater em minha mãe, e minha mãe por permitir. Então, dois anos depois, Missy me encontrou e disse que me amava, e que me queria em sua vida. Eu fiquei feliz porque havia superado todo meu ódio por ela, mas então fiquei sabendo que minha mãe tinha morrido. A tentativa dela de se salvar deu errado, gerando apenas mais dor do que os punhos do pai. – Ela morreu longe de mim. Eu nunca pude me despedir. Nem pedir desculpas por nunca ter tentado ajudá-la e ficar só cobrando uma atitude dela. Mas Missy me ajudou. Depois de se formar, ela havia se mudado para a cidade e trabalhava como secretária. Ela me deixava ficar em seu apartamento quase todos os fins de semana durante o colegial, para eu ficar fora de perigo. Ela também tentava levar nossa mãe, mas... – Althea parou, e começou a soluçar. – Ela queria ficar triste e muito brava, queria encontrar papai e esbofeteá-lo com todas as forças. Mas no final das contas, foi Missy quem acabou partindo o coração da mamãe. Quando menos percebeu, sentiu os braços de Clark ao seu redor. – Sinto muito. Soluços balançavam o corpo dela. – Eu poderia ter ligado no escritório e avisado Missy onde eu estava. Mas eu havia roubado o carro de meu pai, e estava com medo de que ele colocasse a polícia atrás de mim. – Você estava desesperada.


– Eu fui egoísta. Eu fugi. Continuei com a minha vida como se nada tivesse acontecido, e só fiquei sabendo que minha mãe tinha morrido dois anos depois. Ele a abraçou com mais força. – Shhh. Isso foi há muito tempo. Você era uma criança. Meu Deus, seu pai batia em você. Ela apenas soluçou, e ele a abraçou com mais força. Pela primeira vez na vida ela estava sentindo o que era proteção de verdade. Clark a amparou enquanto Althea chorava pela mãe. Chorava pela irmã. Chorava por si mesma. Pela garotinha que só queria um Natal normal. – Sabia que nenhuma das novas árvores de Natal sobrevivia até a véspera? Meu pai sempre chegava bêbado e as derrubava. Ele nos chamava de egoístas por querermos presentes. Às vezes ele encontrava as coisas que minha mãe comprava para nós e as queimava, bem na nossa frente. – Que cretino. – Ele era abusivo. – Exatamente. Ela afastou-se do abraço, mas ele segurou os ombros dela e olhou dentro de seus olhos: – Não vou deixar você sair até saber que está bem. – Eu nunca vou ficar bem. – Não seja boba. Ela balançou a cabeça, afastando-se dele. – É exatamente essa a questão. Eu não sei como é um bom relacionamento. Eu namorei vagabundos e perdedores porque achava que era isso que eu merecia. Meu exemplo de mãe é alguém que teme o marido. – Ela engoliu em seco e o encarou de frente. – Eu não sei como ser o que você precisa. – Pare com isso. – Ele tentou abraçá-la, mas ela se reteve. – Você e sua família são incríveis. E vocês merecem muito mais, muito mais do que eu. Sabe aquele... bem...aquele flerte que aconteceu enquanto decorávamos a casa? Ele assentiu. – Pode esquecer. Você merece algo muito melhor. Que engraçado. Ele estava pensando a mesma coisa, só que ao contrário – que ela merecia alguém melhor do que ele, melhor do que uma família com um garoto superprotegido, uma garotinha tão tímida que não falava e um pai que fora traído pela esposa. Então, embora ele não concordasse com ela, iria se afastar. Ela merecia um homem sem tantos problemas domésticos. Um homem em quem ela podia confiar.


CAPÍTULO 7

ALTHEA ESPEROU passar uma semana inteira antes de voltar a decorar a casa com as crianças. Ela entrou na cozinha, pouco depois das 9h de sábado, fez um café e aproximou-se da bancada, onde Clark e as crianças já comiam. As grandes janelas panorâmicas mostravam enormes flocos brancos caindo sobre a montanha. Outra tempestade havia chegado. Ela sentou-se diante de Clark. – Queremos pendurar alguns enfeites hoje. Por trás do laptop, Clark disse: – Que bom. Ela fechou a tela do aparelho. – E você vai ajudar. Jack riu. Teagan sorriu. Clark ergueu uma das sobrancelhas. – Eu vou? – O Natal tem a ver com a família. – Ainda estou com o trabalho atrasado. – Então desista de enviar um dos projetos hoje e passe o dia com seus filhos. Ele ameaçou fechar a expressão, ela pôde perceber. Mas Clark sabia que ela estava certa. Colocar as luzes na varanda fora um bom começo. – Jack, eu tirei as decorações de Natal do sótão e as deixei perto dele. Seria ótimo se você e Teagan pudessem levá-las para baixo. Jack terminou o cereal e foi para a porta. – Venha, Te. Com o ursinho de pelúcia, a pequena o seguiu. Clara Bell foi trotando atrás dela. – Exatamente o que vamos decorar hoje? – Estou com planos incríveis. – Quero montar a árvore apenas na véspera. – Tudo bem. Mas ainda temos os ornamentos das portas, dos quartos de baixo e da lareira. – Ela contava os itens nos dedos. – Que precisará de meias.


Ele suspirou. – Há meias naquela caixa. – Eu sei. Eu também encontrei lanternas vermelhas para as luzes. – O bom humor que ela apresentara no dia anterior havia voltado. Mas, desta vez, pontilhado pela inteligência. Ela não estava de forma alguma pronta para ser mãe, tampouco poderia ter um relacionamento sadio com um homem como Clark. Mas isso não significava que não podia desfrutar do Natal. – Encontrei também suportes para pratos vermelhos e verdes, dentro de uma caixa onde estava escrito Mesinhas de canto. Então, o que sobrar, acho que eu e as crianças podemos usar semana que vem para decorar a sala de estudos. Ele balançou a cabeça. – Por que mulheres gostam tanto de decorar? – Não sei as outras, mas eu nunca tive a chance de decorar uma casa toda antes. – Ah. Droga. Não era para ele sentir pena. Ela ergueu o queixo. – Quer dizer, eu nunca tive um Natal em família. Mas estou aqui com uma família agora, então, não vou fingir que não estou gostando. – Que bom. Assim não me sentirei mal por deixá-la participar de todo o processo. – Ele se levantou. – Isso é, depois de ajudar a pendurar o festão. – Sim! – Ela pegou o café o seguiu até a sala. Teagan e Jack desceram as escadas, ela com uma caixa onde se lia Manjedoura, e Jack com outra, grande, em que havia escrito Ornamentos. – Vocês pegaram a caixa escrito Festão? – Althea perguntou aos dois. – Está aqui – disse Jack, movendo a cabeça na direção da sala. – Trouxemos todas para cá. Clark achou a caixa e retirou de dentro um longo cordão verde ornamental que imitava ramos. – Nada mau – disse Althea. Clark o segurou nas mãos. – Como ele deveria ser? – Real. Estou surpresa por sua esposa não ter comprado um feito de sempre-viva. – Está bom o suficiente para mim. Deveria ser bom o bastante para ela também. – Sim, talvez. – Ela caminhou até a caixa em que se lia Manjedoura. – Vocês penduram o festão, e Teagan e eu cuidamos disso aqui. Enquanto as duas retiravam da caixa os bonecos dos Reis Magos, de burros e pastores, Althea ouviu Jack dizendo: – Por que você acha que mamãe teria comprado um de sempre-viva? Clark disse: – Ela gostava de coisas bacanas. – Ah. – Coisas bonitas – explicou Clark. O peito de Althea se encheu de alegria. Ele estava fazendo o que precisava ser feito, contando ao filho sobre a mãe, mas de um modo mais natural agora. – Lembra-se de como as coisas precisavam estar perfeitas em casa? Jack riu. – Sim, lembro. – E você não podia correr aqui dentro. – Ainda não posso.


– Bem, ela era muito mais rígida com isso do que eu. Althea virou-se para os dois: – Qual era a cor favorita dela? Teagan virou a cabeça rapidamente na direção do pai, encarando-o com ávida curiosidade. Ela entendia de cores. – Rosa. Não. Ela gostava de usar rosa, mas na verdade ela amava cinza, porque combina com tudo. Althea riu. – Que resposta específica. – Eu me lembro dela excluindo cores de projetos de arquitetura e substituindo tudo por cinza. – Interessante. – Ela dizia que era uma forma de o cliente ou comprador ver o potencial da construção sem ser influenciado pela preferência de cores de alguém. – Ugh – disse Jack, como se ponderasse o que acabara de ouvir. Ou como se pensasse na mãe. Clark então se levantou e começou a colocar o festão sobre o batente da porta da sala. Eles trabalharam em silêncio, mas em harmonia. Teagan arrumou os bonecos na manjedoura e chamou todos para ver. Althea sorriu para ela e depois olhou para Jack, aquela mistura de menino e adolescente. Ninguém que os olhasse diria que passavam por tantos tormentos. Uma sensação como a de felicidade tomou conta dela. Althea inclinou a cabeça para o lado. Ela estava feliz. Olhou para Clark. Ele também estava feliz. Eles decoraram por duas horas, pendurando meias, trocando aparadores e tentando achar o lugar perfeito para o Papai Noel de 45 centímetros, que fez “Ho Ho Ho” quando Teagan apertou a barriga dele, surpreendendo-a. Clark riu da cena. – Ele está aqui para ver se você foi uma menina boazinha ou má. Ele não vai feri-la. E agora acho que é hora de eu trabalhar um pouco. – Mas é sábado – disse Jack. – Eu quero fazer alguma coisa. Althea colocou as mãos nos ombros do menino. A casa estava decorada e eles haviam conversado sobre a mãe deles. Ainda era meio-dia, mas Clark já tinha feito o bastante com os filhos. – Seu pai nos ajudou por duas horas. Ele ainda precisa trabalhar. Mas eu tenho uma ideia. Jack olhou para ela. – Por que não fazemos cupcakes depois do almoço? Teagan ficou de boca aberta. Jack estreitou os olhos. – Você disse que não sabia cozinhar. – Porque eu não cozinho há muito, muito tempo. – Por que não? – Eu morava sozinha, não tinha motivos para cozinhar. Mas minha irmã e eu cozinhávamos bastante quando éramos adolescentes. Jack fez uma cara de interrogação. – Por quê? Althea respirou fundo, bagunçou o cabelo do menino e fez algo que não fazia havia dez anos: falou normalmente sobre o pai. – Meu pai tem um restaurante. Jack arregalou os olhos.


– Tem mesmo? – Sim, completo, com banquetas retrô e uma jukebox. – O que é uma jukebox? – É uma máquina que toca discos – explicou Clark. – O que são discos? – Músicas – corrigiu Althea, antes de empurrar Clark em direção ao escritório. – Vá. Você só está piorando as coisas. Clark deu um beijo em Teagan e subiu as escadas. Althea então suspirou, aliviada. – Bom, agora que ele se foi, eu posso admitir que não tenho certeza de que consigo fazer cupcakes, mas vamos fazer alguma coisa. Teagan sorriu e Jack riu, enquanto iam para a cozinha. Depois de comerem um sanduíche, ela e Jack foram para a despensa procurar ingredientes para os cupcakes e para decorá-los. Encontraram tudo que precisavam, e a receita de seus anos de adolescente simplesmente surgiu na mente de Althea. – Memória é uma coisa estranha – comentou ela com Jack ao medir a farinha. – Não faço essa receita há dez anos, mas ainda a conheço como se a tivesse preparado ontem. – Minha mãe também era assim. – É mesmo? – Ela se lembrava de tudo. – Ela cozinhava? Ele riu. – Que nada. Uma onda de felicidade tomou conta de Althea, mas ela tratou logo de dissipá-la. O que ela estava fazendo? Tentando ser a mãe dos meninos? Ela já sabia que isso era impossível. Limpar e cozinhar não era nada comparado às necessidades emocionais daquelas crianças. Coisas que ela não podia prover porque sua infância e adolescência estavam presas em um armário. Duas horas depois, Clark entrou na cozinha. – Só vim buscar um café. – Precisamos de granulado. Clark olhou para Jack: – Granulado? Teagan mostrou o bolinho. Ele estava coberto por um creme branco, mas, comparado com os que Missy havia trazido, parecia incompleto. Sem graça. Sem cor. Ele esfregou a boca. – Eu realmente deveria voltar para o trabalho. – É hora de você fazer uma pausa – disse Althea. – Está trabalhando há duas horas. – E você quer que eu descanse indo ao mercado? – Ele ponderou. – Ah, já entendi. Você quer que eu vá à cidade buscar o jantar. – Na verdade, estava pensando em preparar um frango para o jantar. Ela jurou que viu a boca de Clark salivar. – Frango?


– Meu pai tem uma receita de frango que derrete na sua boca. Pessoas de três cidades diferentes falavam dela. – Você tem tudo de que precisa? Ela fez uma careta. – Não temos frango. Ele terminou o café. – Certo. Eu vou comprar o granulado e o frango. – O granulado vai estar na seção de condimentos para bolos. – Entendi. Uma hora depois, Clark voltou com os pedidos, e também batatas, legumes congelados, leite, cereais, balas de goma, pão e compras em geral para uma semana. Com Clara Bell dançando ao redor deles, as crianças e Clark guardaram tudo, enquanto Althea pegava os ingredientes de que precisava nas sacolas. – Que bela compra – disse ela para Clark, sorrindo. – Aproveitei que estava na cidade para fazer as compras da semana. – Você tinha se esquecido disso, não? Ele fez uma careta. – Sim. Ela deu tapinhas no ombro dele. – Não se preocupe. Você está se saindo muito bem para um cara acostumado a ter empregada. – É, pai. É verdade. Depois do elogio do filho, os olhares de Althea e Clark se encontraram sobre a sacola que ele acabara de esvaziar. O sorriso dela era de aprovação, e tudo dentro dele despertou para a vida. Ela gostava dele. Ele gostava dela. Trabalhavam como em uma equipe. Algo que ele nunca havia feito com a esposa. Cada um tinha suas habilidades específicas e cuidavam de coisas diferentes. Mas com Althea tudo era harmonioso, confortável. Como uma família deveria ser. Porém, ela achava que não pertencia àquele grupo. Tirando o frango da sacola, Althea disse: – Então, Jack, qual a sua lembrança favorita de sua mãe? O menino deu de ombros. – Ela gostava de ver filmes. – Gostava mesmo – disse Clark, guardando latas no armário. Lembranças boas o assaltaram. – Ela alugava todos os lançamentos infantis em DVD nas noites de sábado, para nós assistirmos. Como ele havia se esquecido da única noite da semana que ela dedicava exclusivamente a eles? O gelo ao redor do coração dele derreteu um pouco. Ele odiava tanto Carol que havia se esquecido como a amara um dia. – Ah, que ótimo! Quantas vezes eu quis que minha família assistisse a um filme junta. Clark voltou-se para Althea. Da mesma forma que ele estava ficando mais confortável falando da esposa, ela também se sentia livre para falar da família. – Mas meu pai geralmente chegava muito tarde. – Os olhares deles se encontraram, e ele soube o que ela estava querendo dizer. – Então nunca conseguíamos fazer nada. Nada como uma família. Ela não precisou completar o pensamento.


Depois de guardar as compras, Clark pegou o casaco e dirigiu de volta para a cidade. Ele não gostava de ir lá, embora ninguém mais olhasse para ele com curiosidade – e não queria correr o risco de esbarrar com alguém que o fizesse. Porém, naquela segunda viagem, seus músculos estavam mais relaxados. Ele entrou em uma videolocadora como se fizesse isso sempre, alugou dois filmes que, imaginou, as crianças iam gostar, comprou uma pipoca no balcão e voltou para casa. Então, escondeu os filmes e a pipoca na sala de estudos antes de voltar a trabalhar. Em sua mesa, ele fechou os olhos. Ela havia falado da família. Ele havia ido à cidade duas vezes no mesmo dia. Estavam mudando um ao outro. Depois de comer o frango que realmente derretia na boca, Clark levou todos para a sala e tirou os filmes de uma gaveta. Teagan bateu palminhas. Jack disse: – Isso aí! – E Althea riu. – Nossa, que bacana. Obrigado. – Ah, você ainda não viu a melhor parte. – Ele então mostrou os sacos de pipoca de micro-ondas. – Mas nós acabamos de comer. – Achei que poderíamos assistir depois de Teagan vestir o pijama e Jack tomar banho. Althea pegou a menina no colo. – É um bom plano. Eles comeram pipoca e assistiram às duas animações, uma sobre um peixe falante, e outra sobre pinguins que dançavam. Teagan aninhou-se no colo dele e dormiu. Jack aconchegou-se ao lado de Althea. Com os quatro juntos no sofá, pareciam mesmo uma família. Uma parte de Clark estava feliz pela chance de proporcionar aquela experiência a Althea, mas outra parte não estava. Ele sabia o que estava acontecendo: estava se apaixonando por ela. E não podia. Por mais que ele e as crianças parecessem um grupo feliz, havia muitos problemas internos. Grandes problemas. Problemas que ela não precisava enfrentar. Embora ela achasse que merecesse fazer parte daquela família, ele não a merecia. Ele carregou Teagan para a cama, deu boa-noite a Jack pelo outro lado da porta e entrou na sala com um peso no peito. Ele encontrou Althea recolhendo as tigelas de pipoca. – Deixe que eu faço isso. – Você já fez coisas suficientes para um dia. – Os olhos dela brilhavam de felicidade. – A decoração está linda e você falou novamente sobre a mãe deles, o que deixou Jack e Teagan muito felizes. – Ela pegou a última tigela. – O granulado ganhou o coração de Teagan, mas os filmes foram o toque de mestre. Foi uma noite da qual eles provavelmente não vão esquecer. Como Althea já havia recolhido todas as tigelas, Clark se ocupou catando os piruás sobre a sofá, tentando não olhar nos olhos dela. Ele não sabia se era bom ou ruim o fato de ele querer desesperadamente deixá-la feliz. Porém, a felicidade que o acometia estava repleta de orgulho masculino, e isso estava errado. Ele não poderia tê-la só para ela ficar magoada na hora em que tudo terminasse. – Por que você não vai para a cama? – Em um minuto. – Ela suspirou. – A noite foi boa para mim, também. – Ela inspirou fundo. – Mas eu não quis obrigá-lo a fazer coisas bacanas para mim quando eu disse que queria fazer parte de uma família para o Natal. – Eu fiz isso para todos nós.


A expressão de gratidão dela quase acabou com ele. Ele queria atravessar a sala, olhar dentro dos olhos dela e dizer que ela era bonita, merecia alguém que a tratasse com respeito e que a fizesse se sentir parte das coisas. Mas as “coisas” da família dele não eram simples como jantar, comer pipoca ou ver filmes. Ela se aproximou dele. – Você é um homem doce, Clark Beaumont. Ele fez uma careta. – Nenhum homem gosta de ser chamado de doce. Ela riu, um som leve e maravilhoso que o preencheu com a mesma sensação boa que ele sentira enquanto decorava a casa, naquela manhã. A mão dela foi parar automaticamente no antebraço dele, e então Clark percebeu o quanto ela tocava Jack e Teagan. Era como se ela estivesse à procura de contato, implorando por contato. – Você pode ser doce e, ainda assim, másculo. Ele riu. Ela manteve a mão em seu braço, o toque quente e radiante. Ele olhou dentro daqueles grandes olhos azuis. Queria beijá-la loucamente. Queria amá-la loucamente. Trazê-la para sua casa, compartilhar a vida com ela. Clark sabia que estava a dois passos de se apaixonar por Althea. Mas também sabia que ela merecia mais... muito mais. Ele afastou o braço da mão dela. – Não. – Não? – Você talvez seja inocente demais para perceber o que está acontecendo aqui, mas eu não sou. Ela ficou boquiaberta. – Inocente? – Você é inocente. Você teve uma infância ruim e agora se esconde da vida. – Clark, eu tenho 28 anos. Já tive namorados. Ele balançou a cabeça. – Tenho certeza que sim, da mesma forma que sei que você nunca se permitiu apaixonar-se. Ela fez uma careta. – Sou tão transparente assim? – Pessoas com problemas reconhecem umas às outras. – Seus problemas estão se resolvendo por conta própria. Ele balançou a cabeça, afastando-se dela. – É o que você pensa. – Clark, eu não acho, eu tenho certeza. Jack está totalmente diferente de quando eu cheguei aqui. Teagan está saindo da concha. Antes que você perceba, ela estará falando. Em voz alta. Ele riu sardonicamente. – O que foi? Ainda está preocupado com as fofocas da cidade? – Na verdade, finalmente percebi que era hora de encarar as fofocas da cidade. De deixar Jack ouvir a verdade e ajudá-lo a processá-la. – Mas... Ele não queria dizer o que estava prestes a dizer, mas não havia maneira de fazê-la entender que precisava ficar longe dele.


– Mas os problemas com Teagan não são tão simples assim. – Você lidará com eles da mesma forma que lidará com os de Jack. Você explicará as coisas para ela. Ele caminhou até a mesa, passou os dedos sobre a superfície brilhante. – Clark, esse é o único jeito. De verdade. Ele a encarou. – O quê? – Não posso ser honesto. Ela ficou encarando-o. Clark quase podia ver através dos olhos dela as engrenagens girando, tentando entender a resposta. Por fim, ela disse: – Você precisa ser honesto. – Claro. Vai ser fácil contar que ela não é minha filha. O queixo de Althea caiu, e seus olhos se arregalaram. – Ah, meu Deus. A questão não são as fofocas. A questão é com você. Você acha que ela não é sua filha? – Exatamente. Não acho. Ela deixou-se cair no braço do sofá. – Ah, Clark! Não acredite nas fofocas! Ele brincou com uma caneta sobre a escrivaninha. – Minha esposa e eu estávamos tentando ter outro filho desde que Jack tinha 2 anos. E não conseguíamos. – Isso não significa nada! – Nós mal estávamos dormindo juntos. Ela fechou os olhos com força. – Quando Carol morreu, esperei que Brice descobrisse por conta própria. Que ele viesse à minha casa exigindo ver Teagan ou fazer um teste de DNA. Mas ele nunca se manifestou de forma alguma. – Então isso é bom! Ele balançou a cabeça. – Não. Ele estava preocupado. Ele parou de trabalhar para mim e foi procurar outro emprego, enquanto lamentava a morte da mulher que amava. – Você se identificou com isso. – Eu o compreendi. Dois anos depois da morte de Carol, ele se casou, e hoje tem filhos. – Você está dizendo que acha que ele não a quer? – Eu não sei o que ele acha, mas sei que, se ele descobrir, vai querer vir atrás dela.


CAPÍTULO 8

A AFEIÇÃO por ele era tanta que deixou o peito dela apertado. – Você não pode se torturar por causa disso. – Claro que posso. Não só por mim, mas por Teagan também. Mesmo que ele nunca a procure, ela merece saber a verdade. – Mas você disse que não sabe a verdade. Disse que você e sua mulher estavam dormindo juntos uma vez ou outra. Ele suspirou. – Uma vez... ou outra. – Então você pode ser o pai de Teagan. – São chances remotas. – Então faça você um exame de DNA. Ele afastou-se dela, caminhando até a mesa que Jack usava para estudar, e Teagan, para desenhar. – Só assim eu saberei. – Exatamente. A ira acendeu os olhos cor de uísque dele. – Você não entende? Eu não quero saber! Eu posso acabar tendo que encarar o fato de que ela não é minha filha. Enquanto existir a dúvida, ela será minha garotinha. – Enquanto existir a dúvida, você sofrerá. – Melhor sofrer do que saber. – Mas e se ela for sua? – Eu já comentei que as chances são pequenas? – Se ela for sua, você não terá que se preocupar em contar nada disso a ela. – Certo, mas e se eu descobrir que ela não é minha? – Você vai encontrar uma solução. Ele balançou a cabeça. – Enquanto houver dúvida, não terei que encarar o fato de que posso estar mantendo Teagan longe do pai verdadeiro. Depois que eu descobrir, terei algumas decisões difíceis a tomar. – Em algum momento você terá que contar. Por que não saber a verdade?


– Você não está me ouvindo? É a verdade que estou tentando evitar. – Ah, é mesmo? Imagine como você se sentirá ao descobrir que ela é sua filha. – Tão aliviado que poderei até dançar sobre essa mesa. – Então é exatamente por isso que você deveria descobrir. Você não pode fugir mais. Não pode passar a vida temendo que outro homem entre em sua vida e a arruíne. – Quando voltei do funeral de Carol, quase explodi de medo enquanto dava banho em Teagan. Eu disse para mim mesmo que devia apenas sobreviver pelos dias seguintes e me preparar para perdê-la. Mas Brice nunca veio. E eu nunca o procurei porque amo Teagan. Eu a vi nascer, ajudei-a a dar os primeiros passinhos. Eu não queria abrir mão dela na época. E não quero abrir mão dela agora. Ela se aproximou dele. – Você disse que ele seguiu com a própria vida, mas pela forma como você evita a cidade, suponho que ele ainda more em Worthington. – Sim. – E você mora em uma montanha tão afastada de tudo e todos que, se não fosse por seu trabalho, seria um eremita. Isso não é bom para você, nem para os seus filhos. Precisa encarar esse fato. Ele passou a mão pelo rosto. – Mas eu não quero. Porém, Clark pôde perceber a convicção minguante em sua voz. Ele não fazia o que era certo por puro medo – medo esse que o mantinha como refém. Que mantinha seus filhos como prisioneiros. Eles não podiam continuar vivendo daquela forma. – Eu vou procurar por um laboratório na internet. NA MANHÃ seguinte, quando Althea entrou na cozinha, encontrou o ambiente tão quieto quanto no dia em que havia chegado. Jack e Teagan encaravam suas tigelas de cereais. De pijama e robe, com a barba por fazer e sem o laptop diante de si, Clark simplesmente olhava para a frente. Ela ligou a cafeteira e virou-se para a bancada. – E aí, por que todos estão com essas caras hoje? Jack deu de ombros. Abraçando o ursinho, Teagan a olhou com curiosidade. Clark a encarou com cuidado. A dor nos olhos dele derreteu o coração dela. Saber que precisava encarar a verdade sobre Teagan o estava matando, e ele suspeitava que as crianças estivessem reagindo a isso. E quem poderia culpá-los? O pai deles estava triste. Segurando a caneca entre as mãos, ela caminhou até a bancada. – Sabe, o shopping de Hagerstown está aberto hoje. Jack ergueu a cabeça. – Preciso comprar presentes para minha irmã e meus sobrinhos. Talvez algo para Wyatt, também. Uma ajudinha seria bem-vinda. Clark levantou-se de seu lugar. – Ótima ideia. Você pode ir fazer compras com as crianças. Teagan sorriu, desceu da banqueta e abraçou as pernas de Althea. A alegria encheu o peito dela, junto com uma determinação de certificar-se de que Clark não fosse desfazer o bem que fizera nos dias anteriores com o humor atual. Tirar as crianças da casa era uma boa ideia. – Vou levar Teagan para trocar de roupa.


Jack deu um grito de alegria. Clara Bell dançou ao redor dele e depois correu para o andar de cima. No quarto de Teagan, Althea encontrou um suéter quente e um jeans para a menina, e depois penteou seu cabelo. Teagan tinha uma franja comprida demais e precisava de algo para deixá-la presa. – Espere aqui um instante. Vou pegar uma presilha. Ao descer as escadas e passar pela cozinha, ela deparou-se com Clark ainda sentado ali, olhando para o nada. Ficar em casa sozinho tampouco iria lhe fazer bem. Ele precisava sair, parar de pensar na possibilidade de perder Teagan. – Você deveria vir conosco. Ele riu sarcasticamente. – Francamente, preciso de tempo para pensar. – Chega de pensar. A decisão já foi tomada. Você vai fazer o teste. E agora, das duas, uma: ou você vai deixar todo mundo miserável e se arrependerá disso se o resultado lhe for favorável, ou então deixará todo mundo tão miserável que Jack perceberá que há algo errado, e tudo que você fez de bom nos últimos dias irá pelo ralo. Ele suspirou. Ela se aproximou dele e colocou a mão em seu ombro. – E você não vai arruinar meu primeiro Natal em família. Ele riu de mansinho. – Estou falando sério. Se esse for seu último Natal com Teagan, você vai se arrepender se não deixar tudo maravilhoso. Ele olhou para o centro da mesa e depois para ela. – Posso até contar quando ela for grande o suficiente para entender, mas, mesmo que ela não seja minha, não vou deixá-la ir embora. Vou lutar por ela com unhas e dentes. Ela bateu nas costas dele. – Esse é o espírito! Ele riu, mesmo sentindo o estômago revirar. Althea e as crianças estavam esperando por ele na porta da sala, até que Clark finalmente desceu as escadas. Ele parou ao lado de Althea, que segurava Teagan no colo, e a menina apontou para a presilha vermelha no cabelo. – O que é isso? Ela sorriu. – É uma presilha que comprei ano passado para usar em uma festa de Natal. – Ela sorriu de volta para a menina. – Acho que lhe caiu bem. Ele beijou a bochecha da filha. – Também acho. Então, vamos para o shopping? – Isso! – gritou Jack. Althea riu. Mas Clark se perguntou se aquele era o primeiro dia de uma vida de mentiras ou o último que poderia fingir honestamente que Teagan era dele. A menina desceu do colo de Althea e silenciosamente ergueu os braços, pedindo o colo dele. Clark abaixou-se, pegou-a nos braços e lhe deu um beijo na bochecha. Uma onda de calor percorreu o corpo dele. Eles lotaram o SUV e desceram com cuidado a colina coberta de neve, em direção à cidade.


Em vez de entrar pela rua principal, ele pegou a esquerda, circulou a cidade e seguiu pela interestadual. No banco do carona, Althea lançou um olhar para ele. Ele pigarreou. – A interestadual é mais rápida. Ela assentiu com a cabeça. A viagem levou uma hora. Apesar da neve incessante, o estacionamento estava lotado. Clark deixou Althea e os meninos na entrada do shopping e encontrou um lugar para estacionar. Mas a vaga ficava tão longe de onde todos estavam que, quando os alcançou, já no meio às lojas, estava coberto de neve. Nos braços de Althea, Teagan inclinou-se e tirou a neve do cabelo dele, fazendo o pai rir. – Obrigado. Ela sorriu. Ele olhou para as vitrines brilhantes, as decorações lustrosas, a multidão de gente. O estômago dele se retraiu. Era ali que a cidade inteira se reunia para fazer compras. Como se estivesse lendo o medo dele, Althea tocou-o no antebraço. – Aonde vamos primeiro? Ele deu de ombros. – É você quem precisa fazer compras. Ela olhou para Jack, diante da vitrine de uma loja de eletrônicos. – Você também precisa. E hoje é um ótimo dia para descobrir o que certa pessoa quer de Natal. Teagan sorriu. Althea deu um beliscãozinho na bochecha dela. – E você também. – Então foi para isso que você me trouxe aqui? – Em parte. Enquanto eu procuro algo para os trigêmeos, você pode encontrar algo que fará certa menininha sorrir. – Ela apontou com a cabeça para Jack. – Eu posso ir naquela loja fingindo ver algo para Wyatt, e você pode ver o que chama a atenção de Jack. Os ombros dele se soltaram um pouco. Com uma missão em mente, a ida ao shopping não parecia tão ruim. – Então – ela o direcionou para a loja –, vamos encontrar algo para os trigêmeos. – Por sobre o ombro, ela chamou: – Jack, você não vem? Ele juntou-se a eles. Cantigas de Natal soavam de todos os lados. Um coro os seguiu até os fundos do shopping, quando entraram na loja de roupas infantis. Com Teagan no colo, Althea parou em uma arara com vestidinhos. Ela pegou um de veludo vermelho com pele branca nas bordas, que parecia ser a roupa de algum elfo do Papai Noel. – Que lindo. Teagan sorriu. – Vamos lá, isso merece mais que um sorriso. Posso ver Lainie nele. E talvez o azul para Claire, com seus olhos azuis imensos e o cabelo louro. Teagan franziu o cenho. – Não?


Ela desceu do colo de Althea, que esperava que a menina fosse procurar o pai. Mas, em vez disso, a menina saiu correndo. – Teagan! Instantaneamente alerta, Clark foi atrás dela. Althea correu atrás de Clark, e, por sua vez, foi seguida de Jack. A menina correu entre araras e fileiras de roupas penduradas, tão baixinha que era difícil para eles manterem o foco nela. Mas ela podia ver que Teagan estava indo para a frente da loja. Então, a porta abriu e fechou. Althea se apressou, temendo que a menina tivesse ido para a rua. Na calçada, ela viu a pequena indo em direção a uma loja de brinquedos. Ela não tinha altura para alcançar a maçaneta, então se esgueirou para dentro quando um casal idoso entrou. Althea, Clark e Jack correram atrás dela. Depois de percorrer várias fileiras de brinquedos, Teagan finalmente parou diante de uma vitrine com bonecas expostas. Althea parou de chofre ao alcançá-la. – Nunca mais faça isso. Ela sorriu e apontou para a boneca, um bebê enrolado em um cobertor rosa com uma chupeta na boca. – Ela é uma graça. Teagan concordou com a cabeça. Althea sorriu, uma ideia surgindo em sua mente. – É isso que você acha que os trigêmeos querem? Owen talvez não vá gostar. Teagan balançou a cabeça com fervor. – Então, é só para as meninas? Ela balançou a cabeça de novo. Althea olhou para Clark, que se ajoelhou diante da filha. – Quem quer essa boneca, então? Ela apontou para si mesma. – Ah, você a quer? Ela assentiu, seu rosto se iluminando com uma felicidade que Clark nunca vira antes. Teagan não queria só a boneca. Ela gostava de passear, de ver coisas. Fazer compras. Uma onda de tristeza o invadiu. Ele vinha privando os filhos de tantas experiências por conta de seu medo. Sentiu com uma força maior ainda que precisava, enfim, saber a verdade sobre Teagan, como Althea havia sugerido. Seus filhos não podiam mais ficar escondidos; precisavam levar vidas normais, mesmo que isso significasse ter que lutar pela custódia daquela garotinha. Clark se ergueu com Teagan no colo. – Obrigado por me contar o que você quer, mas você sabe que sou apenas um embaixador do Papai Noel. Ela franziu a testa, inclinando a cabeça para o lado. – Lembra-se do Papai Noel, o velhinho de roupa vermelha que traz presentes? Ela assentiu. – Bem, eu vou dizer a ele que você quer essa boneca. Jack apontou para o fundo da loja. – Ou talvez ela possa dizer por conta própria.


Clark olhou na direção em que Jack apontava e viu o Papai Noel. Um fio de esperança surgiu dentro dele. – Quer contar para ele você mesma? Arregalando os olhos de medo, ela enterrou o rosto no pescoço dele. Althea acariciou as costas da menina. – É uma boa ideia, mas talvez seja muito para um dia só. – Eu esperava... Ela sorriu para ele. – Mas hoje não é o dia. Hoje é dia de dar uma olhada por aí, talvez também comer pipoca com caramelo. Teagan sorriu. Clark disse: – Se você for boazinha. Ela assentiu furiosamente. Ele riu. Althea continuou andando pela seção de brinquedos com Teagan seguindo-a, apontando para presentes. Metade das escolhas era boa para os trigêmeos. A outra metade ela queria para si mesma. Sob a desculpa de procurar algo para Wyatt, eles passaram pela loja de eletrônicos. Fingindo não reparar em Jack, deixaram que o menino passeasse por entre os produtos. Clark ficou com Althea, embora a loja fosse pequena o bastante para que ele prestasse atenção ao que fazia os olhos do filho brilhar. Tomou notas mentais sobres jogos e aparelhos. Althea comprou o presente para Wyatt, e depois todos eles saíram da loja. – Que tal comprarmos a pipoca com caramelo antes de voltar para casa? Althea concordou, sobraçando sacolas enormes. – Eu nunca havia gastado tanto em um Natal, antes. – O que você fazia antes? – Normalmente nada. Ele sabia que não deveria ter perguntado. Depois de comprarem a pipoca, eles voltaram para casa. No caminho as crianças começaram a comer. – Ei, só depois do jantar! – Mas nós estamos famintos – murmurou Jack. Clark fez uma careta. Não havia percebido que eles não tinham tomado café da manhã. Acordou tão azedo que, na verdade, ninguém havia se alimentado direito. Mas agora sua atitude e seu ânimo eram positivos, então ele olhou para Jack pelo retrovisor e disse: – Vamos parar para comprar pizza, então. – Beleza – disse Jack. Na cidade, Clark estacionou ao lado da pizzaria, abriu a porta de trás e começou a soltar Teagan da cadeirinha. Althea olhou para ele, boquiaberta. – O que foi? Acho que será mais rápido se comermos aqui. Jack tirou o cinto depressa. – Por mim, tudo bem. O aroma do molho de tomate sobre a massa quentinha os saudou ao entrarem na pizzaria. Escolheram uma mesa forrada com uma toalha quadriculada em vermelho e branco.


A garçonete foi atendê-los. Eles pediram uma pizza grande com todas os recheios possíveis, três refrigerantes e um copo de leite. Depois, Althea levantou-se e caminhou até a jukebox antiga. – Olhe, Jack. Isto é uma jukebox. O menino se aproximou. – Ah, é meio estranha. Por que não escutar simplesmente o seu iPod? Ela riu, pegando alguns trocados do bolso. – O que você quer ouvir? Ele deu de ombros. – Que tal canções natalinas? Eles escolheram algumas músicas e voltaram para a mesa. Enquanto esperavam pela pizza, o pequeno restaurante começou a encher. Metade das pessoas que entraram ia direto para o balcão, pegar encomendas. Finalmente a pizza chegou, e eles a atacaram. Com as músicas natalinas no ar e as barrigas cheias da deliciosa pizza quentinha, tudo estava perfeito. Clark sabia que devia aquela felicidade a Althea. Naquele instante, ele quase podia acreditar que os exames de DNA provariam que Teagan era filha dele. E então as dúvidas morreriam, as terríveis dúvidas que o impediam de apreciar a vida e os filhos. E talvez então ele não precisasse se preocupar em arrastar Althea para os problemas deles. Ele só iria precisar se preocupar com o fato de não conseguir confiar em ninguém. Mas haveria maneira melhor de aprender a confiar do que com uma mulher que constantemente provava seu valor? DEPOIS DE fazer uma salada para o jantar, usando legumes e verduras encontrados na geladeira, Althea sentou-se na sala com Clark e Jack. O dia havia sido muito agitado para Teagan, e ela acabou dormindo no colo do pai. Levantando-se gentilmente, ele a levou para o quarto. O sorriso de Clark ao voltar fez o estômago dela se retrair. Ela não conseguia descrever o olhar dele, a maneira como aquele sorriso a afetava, mas Althea sabia que, em toda a sua vida, ninguém jamais havia olhado para ela daquela maneira. Ela voltou a atenção para a televisão, sentindo os nervos formigando. Dez minutos depois, Jack bocejou e se espreguiçou. – Estou cansado. Ao passar pelo pai a caminho do quarto, Clark segurou a mão dele. – Muito tempo lá fora. Jack riu. – Foi divertido. – É, foi mesmo. Jack sorriu, de uma forma que Althea ainda não tinha visto. – Boa noite. Então, os dois ficaram a sós na sala. – Também estou cansado. Althea quase suspirou de alívio. Ele provavelmente estava olhando para ela de maneira diferente. Virou-se para ele, com um sorriso. – Boa noite, então.


Ele sorriu, mas não se levantou. Ao contrário, inclinou-se na direção dela, segurou seus ombros e a puxou para si. Seus lábios se encontraram suavemente. O coração dela batia com força no peito enquanto ela tentava se separar, mas ele a manteve segura, movendo seus lábios sobre os dela. Uma onda de calor explodiu dentro dela. Ela expirou o ar debilmente, desejando envolver os braços ao redor do pescoço dele e perder-se naquele beijo tão gentil e doce. Mas ele se afastou, sorrindo. – Boa noite. E então saiu da sala. Althea ficou olhando para a porta, paralisada. Já não haviam decidido que qualquer caso entre eles estava encerrado?


CAPÍTULO 9

ALTHEA NÃO podia acreditar que ele a havia beijado. Na manhã seguinte, depois de acordar, os lábios dela ainda estavam dormentes. Ela encarou-se no espelho, dividida entre a alegria e a incerteza. Sabia que Clark gostava dela. E o sentimento era recíproco. Mas sabiam também que não deveriam começar algo que não podiam terminar. Ao entrar na cozinha, seu olhar procurou por Clark, que sorriu para ela. Os nervos dela pulsavam como luzinhas de Natal. – Então, o que vamos fazer hoje? Jack nomeou uma lista de tarefas, enquanto ela preparava um café. Quando ele terminou, Clark virou-se na banqueta para encará-la. – O que você vai fazer esta tarde? O sorriso lindo e perfeito dele poderia ter iluminado o cômodo. Os membros dela congelaram, como se estivessem tomados pelo medo. Ela não sabia como era um relacionamento normal. Porém, já estava a meio caminho de se perceber totalmente apaixonada por Clark. E ele não queria fugir. – Acho que... – A voz de Althea fraquejou, e ela limpou a garganta. – Acho que vou visitar minha irmã. Uma das sobrancelhas dele se arqueou. Certo. Então ele descobriu que o beijo a deixou abalada. Honestidade não era parte de um relacionamento? – Você quer levar as crianças? – Eu poderia. Ele riu. – Por que não espera até eu voltar para casa? Ligue para Missy e avise que você vai lá à tarde. Ela assentiu. Um arrepio fez seus joelhos tremerem. Ela nunca havia desejado e temido algo ao mesmo tempo. Mas, vendo a expressão de Clark, das crianças e até de Clara Bell, todos felizes, ela soube que queria fazer parte daquilo tudo. Althea devia superar o medo de não ser boa o bastante, mesmo que isso a matasse. Clark chegou exatamente às 18h. Entregando as chaves do SUV a ela, ele disse: – Sei que você tem um carro, mas eu me sentiria melhor se fosse com o meu.


Ela olhou para as chaves e depois para ele. Deus, como ele era maravilhoso. E também era generoso, doce e esperto... Certo. Ela estava caidinha por ele. Era por isso que ela ia ver a irmã. Para aprender a lidar com “obrigados”. Ele a segurou pelos ombros e lhe deu um beijo de leve. – Divirta-se. Ela assentiu, sorriu e foi para a porta, sentindo os joelhos tremendo e o estômago revirando. Um homem real, normal, gostava dela. E ela já estava quase prestes a amá-lo. Ela poderia ter uma vida... um lar. Um lar de verdade. Seguro e com amor. A viagem até Newland durou uma hora. Parte dela queria fechar os olhos enquanto ela cruzava a cidade, mas a prática da direção a impedia. Assim, passou pelos prédios que não haviam mudado muito. A mercearia. A loja de ferragens. A biblioteca. Ela conduziu o SUV de Clark lentamente. Era como viajar no tempo, só que sem experimentar o medo que vivenciara. Seus nervos estavam calmos, mesmo tão perto do restaurante. Ela passou pelo pequeno prédio que abrigava o estabelecimento do pai e sorriu. Nada de medo. Havia clientes sentados nas mesas por trás das grandes janelas da frente. Althea respirou fundo. Se não entrasse no restaurante, não veria o pai. Simples assim. Não havia o que temer. Um pouco mais adiante, ela avistou a padaria de Missy. Cupcakes decoravam a placa acima da porta da pequena loja. O orgulho encheu o peito dela. Missy havia conseguido. Não simplesmente se desvencilhara de seus pesadelos; recomeçara. Ela havia se casado com um homem ótimo, tinha o próprio negócio. E criava os filhos sem medo. Althea estacionou na frente da lojinha. Enfiando as mãos nos bolsos do casaco azul, ela olhou para a placa rosa e azul. Viu os cupcakes, sorriu para o bolo de noiva na vitrine, extasiada por tudo que a irmã havia conseguido. – Impressionante, não? Althea sentiu os joelhos fraquejarem. O pai baixinho e robusto estava bem ao lado dela. O cabelo dele estava mais ralo e a vida lhe rendera linhas de expressão sulcadas no rosto, mas ele ainda mantinha o mesmo ar de superioridade e a capacidade de instigar medo. – Nossa pequena Missy, toda crescida. Tornando-se alguém na cidade. Ela passou a língua pelos lábios subitamente secos e se recusou a olhar para ele enquanto pensava se dava para correr até o SUV de Clark e sair correndo dali. – Belo carro. – É do meu chefe. – Althea encontrou a voz, mesmo que fosse apenas para que ele não fizesse suposições erradas sobre ela. – Que chique. O que anda fazendo, ultimamente? Todos os seus instintos lhe diziam para correr. Ela não podia imaginar por que ele estava parado ali, já que o restaurante ainda estava aberto. Mas, enfim, as coisas sempre eram assim com o pai – nunca havia para onde fugir. Era como se ele tivesse um radar que conseguisse captar a presença dela. – Sou professora – murmurou ela. – Hum. Nada tão grande quanto sua irmã. A tentativa dele de alfinetá-la se perdeu em meio ao medo. Ela disse para si mesma que não precisava ficar parada ali conversando com ele, disse para si mesma que ninguém a culparia se


simplesmente fosse embora. E foi o que fez. Voltou para o SUV e abriu a porta. – Ainda sem tempo para falar com seu velho? Ignorando-o, ela entrou no carro. Ele balançou a cabeça e chutou a neve como uma criancinha. Depois, acenou enquanto ela saía com o carro. As mãos dela temiam tanto que mal conseguia dirigir. Ela forçou-se a manter a concentração, e quando o carro entrou na rua onde antes ficava a casa da avó que agora era de Missy e Wyatt, os olhos dela se arregalaram. O lugar havia sido inteiramente reformado, bem como a casa ao lado, da família de Wyatt. Ela estacionou na grande entrada, todas as lembranças ruins voltando à mente. O medo. O som da mãe chorando e implorando. Missy lendo para ela no armário, dizendo para ela não ter medo, que tudo iria ficar bem algum dia. Lágrimas encheram os olhos dela. Missy havia escapado. E Althea, também. Enquanto ela ficasse em Newland, estava tudo bem. Ela soltou o freio de mão e deixou que o carro se afastasse silenciosamente da entrada da casa de Missy. A irmã dela sempre fora a mais forte. Ela já sabia que não estava pronta para o que Clark queria. QUANDO ALTHEA chegou em casa, Clark a observou tirar o casaco, completamente confuso. A vermelhidão dos olhos dela diziam que havia chorado. Ele esperava que ela voltasse para casa feliz... Pronta. Para o quê, exatamente, ele não tinha certeza. Depois do último beijo, ele achava que eles estavam caminhando lentamente para algo. Talvez estivesse errado. Ou talvez ele estivesse pensando demais no assunto? Só que ela não tinha estado fora tempo suficiente para visitar a irmã, reparou ele olhando o relógio de pulso. O tempo que ela gastou foi apenas o de ida e volta até Newland. Agora ele estava mesmo confuso. Seguindo-a pelo corredor até a cozinha, ele disse: – Ei, você voltou cedo. Ela não olhou para trás. – Mudei de ideia sobre visitar minha irmã. – Mesmo? – É. A viagem foi divertida. Foi bom sair um pouco de casa, mas eu não estava com ânimo para conversar. – Certo. – Foi bem relaxante. Agora, acho que vou ver um pouco de televisão. – Não quer me ajudar a colocar Teagan na cama? Ela balançou a cabeça e caminhou em direção à própria suíte. Alguns segundos depois, ele ouviu a porta sendo fechada. Ele passou a mão pela boca. O que havia acontecido? ELA PASSOU a semana seguinte quase sem conversar com ele, o que não era óbvio, pois Jack não parava de falar. As notas dele estavam melhores, assim como o humor. Ele ia para a escola da cidade em


janeiro, e Clark não estava mais receoso quanto a isso. Althea, porém, estava quieta. E mal comia. Algo havia acontecido naquela viagem à cidade, e não saber o que era o estava matando. ALTHEA ACORDOU mais tarde do que o normal no sábado. Preocupada com a maneira como estava evitando Clark, enrolou mais 20 minutos, esperando ouvi-lo tomar café com as crianças, porém, só houve o silêncio. Quando os ponteiros do relógio marcaram 10h, ela imaginou que tivesse dormido, por isso não escutou nada. Na cozinha vazia, ela preparou um café. Mas, antes que pudesse se virar e sair do cômodo, Teagan entrou correndo e abraçou as pernas dela. Jack entrou em seguida. Ambos estavam com casacos e luvas. – Vocês vão sair para brincar? Clark entrou na cozinha. – Não. Eles vão para a casa dos meus pais. – Ela percebeu o casal idoso atrás dele. – Althea, esses são Mona e Dave Beaumont, meus pais. Mãe, pai, esta é Althea, a professora de Jack. Os pais dele disseram: – Como vai? – E sorriram para ela. – É um prazer conhecê-los. A mãe dele bateu palmas: – Venham, garotos, Precisamos ir. Está começando a nevar de novo. – Tchau – disse Jack, dando as costas a ela. Teagan sorriu até entender a mensagem e abaixou-se. Então abraçou Althea com toda a força e depois correu para a avó. Clark os acompanhou até a sala e voltou segundos depois. – O carro já está pronto – disse ele ao caminhar até a cafeteira. Pôs uma cápsula na máquina e posicionou a caneca. – Daqui a pouco eles partirão. Que bom que acordou a tempo de se despedir. A sala ficou em silêncio enquanto ela processava tudo. As crianças saíram, e eles estavam a sós. Sozinhos. Ele nunca havia mencionado sobre as crianças viajarem nos fins de semana. Então, por que aquela retirada repentina? Finalmente, ela disse: – Essa visita acontece regularmente? Ele pegou a caneca da cafeteira. – Achei que as crianças iam gostar. Minha mãe sempre quis que eles fossem para lá um final de semana antes do Natal para ajudá-la a decorar a casa, assar biscoitos, essas coisas. Mas meus pais moram na cidade, então isso nunca havia acontecido. Mas, enfim, agora que superei o problema, pensei em ligar para eles, e minha mãe ficou animadíssima. – Ele a encarou por sobre a borda da xícara. – Além disso, acho que você e eu precisamos conversar. O medo a sufocou. – Conversar? – Ela deveria ir para a casa de Missy. Quase disse isso, mas então se lembrou de como esbarrara com o pai, e as palavras morreram na sua boca. – Sobre o que aconteceu entre a gente. Um beijo maravilhoso. A oferta generosa do carro. A maneira como ele permitiu que ela fosse à casa da irmã. A forma doce e familiar com que a aceitara.


Ele era o tipo de homem que toda mulher queria. Porém, ela não se encaixava na vida dele. Seu pai a fez se lembrar disso. Uma mulher cuja ideia de amor e casamento era o abuso não tinha a mínima ideia de como amar um homem como Clark. – Achei que havíamos entrado em um acordo silencioso sobre o erro que seria um envolvimento entre nós. Ele sorriu por sobre a borda da caneca. – Eu estava lhe dando um tempo para pensar. Ela engoliu em seco. – Pensar? – Se quer ou não se envolver comigo. Ela desejava aquilo, com cada fibra do ser. Mas podia ouvir a voz do pai, empastada pelo cigarro, falando como Missy era bem-sucedida. E vê-lo constatar que a única maneira de escapar dele foi fugindo de lá. E Althea fugiria de novo. Só que desta vez ela não ia levar o carro de ninguém, nem ia sair de casa com apenas 200 dólares no bolso. Quando a tarefa de ensinar Jack terminasse, ela teria uma quantia considerável, o suficiente para manter-se bem enquanto mandava alguns currículos para o Texas e Idaho. Estados que ficavam tão longe que ninguém conseguiria encontrá-la. – Não sou quem você pensa. – Ela tentou sorrir novamente para Clark, mesmo sabendo que não conseguiria. – Sou uma dessas pessoas que fica melhor sozinha. Logo depois, foi para o quarto e fechou a porta. A ideia de ficar o dia todo presa naquele espaço a fez repensar a ida para a casa da irmã. Mas não, ela não podia. E se encontrasse o pai de novo? Althea passou duas horas sentada diante da janela, vendo a neve cair, e uma antiga lembrança ressurgiu. Sempre que flocos grandes como aqueles se precipitavam, ela e Missy corriam para fazer bonecos de neve. Como passou os últimos anos morando na Califórnia, não costumava ver muitos deles. De repente, precisava desesperadamente sair daquele quarto – e, mais do que isso, precisava fazer alguma coisa. Alguma coisa que a fizesse conservar a única lembrança boa de sua infância. Ela pôs o casaco, as botas e as luvas. Clark provavelmente estava no escritório, trabalhando. Ninguém precisaria saber. Ninguém iria vê-la. E as crianças iriam amar o boneco de neve quando chegassem em casa. Olhando para fora do quarto, ela encontrou a cozinha vazia. Ia dar certo. CLARK OLHOU pela janela e desatou a rir. A menos que estivesse errado, ela estava construindo um boneco de neve. Espreguiçando-se, ele levantou da cadeira e caminhou até a janela. Ela estava adorável com o casaco azul, mas algo parecia estar errado. Tão errado quanto alguém como Althea precisar rolar uma imensa bola de neve. Ele saiu do escritório, calçou as botas e saiu pela porta da cozinha, para que ela não o visse se aproximando. – O que está fazendo? Ela virou-se para ele, levando a mão ao peito, sugerindo um susto. Reação que, para Clark, pareceu um pouco drástica.


– Você vai me dizer o que está acontecendo? Ela engoliu em seco. – Estou bem. – Ah, não está, não. Ela ergueu o queixo. – Eu estou bem. – E voltou sua atenção para a segunda bola de neve. Então a abordagem direta não iria levá-lo a lugar algum. Clark respirou fundo. O ar estava frio, mas não gelado. Grandes flocos de neve caíam ao redor deles. O silêncio intensificava a paz no espírito dele – paz que ela o ajudara a encontrar. Independentemente do que estivesse errado, ele não podia deixála sozinha naquele momento. Ele abaixou-se e juntou um monte de neve entre as mãos, formando uma grande bola. A alguns passos dali, Althea também fazia uma bola, com o bumbum empinado, as mãos juntando neve incansavelmente. Ele deu os últimos retoques na bola de neve antes de atirá-la no traseiro dela. Pof. Na mosca. Althea ergueu-se de chofre e virou-se para trás. Clark já estava abaixado, preparando outra. Antes que ela pudesse dizer qualquer coisa, ele a jogou no meio da barriga dela. Ela arregalou os olhos. – O que diabos você está fazendo? – Deixando você descontraída. – Como assim? Pof. Outra bolada macia e molhada. – Ah, você está perdido. – Ah, eu acho que você passou tanto tempo na Califórnia que se esqueceu de como é uma guerra de bolas de neve. Ela se abaixou, formou uma bola e arremessou nele. Ele riu. – Viu só? Eu estou certo. Claro, qualquer pessoa com habilidades para construir bonecos de neve sabe que a bola que fica no meio não pode ser rolada. Pof. Dessa vez ele a acertou bem no peito. – Acha que eu sou peso-pena? – Ela pegou mais neve e o acertou novamente. – Isso é como andar de bicicleta. A próxima bola passou raspando, mas ele foi ágil o bastante para se desviar, se abaixar e já pegar mais neve. Ele atirou e a acertou em cheio. Althea não desperdiçou nem um segundo. Mas perdeu-o de vista quando se abaixou para pegar mais neve. Clark estava escondido atrás da casa, tomando fôlego. Quando ela fez a curva, ele segurou o braço dela e a puxou. A expressão de espanto no rosto dela o deixou com vontade de rir. Ele respirou fundo saboreando aquele momento precioso e maravilhoso que, sabia, guardaria para sempre na memória. Ele não estava com medo. Não estava com raiva. Não estava infeliz. Ele estava com alguém que o fazia rir. – Acho que isso é contra a Convenção de Genebra de Bolas de Neve, ou coisa do tipo.


Clark riu de novo. Seu coração pulava com tamanha liberdade que chegava a sufocá-lo. Ele então segurou o outro braço dela, e não demorou dois segundos para que Althea percebesse o que ia acontecer em seguida. Um beijo. Um beijo profundo. Do jeito que ele queria desde o segundo em que a vira sair do carro vermelho. Ele moveu os lábios de forma incisiva, bruta. O mundo ao redor deles se transformou em um borrão, e ele percebeu que estava se apaixonando de novo. Mas, dessa vez, de forma diferente. Ele ainda não estava lá – Clark era esperto o suficiente para manter um pé atrás. Porém, só faltava um passo. As mãos de Althea agarraram os braços dele e deslizaram para o pescoço de Clark, fazendo-o rir contra os lábios dela. A menos que estivesse errado, ela também estava se apaixonando por ele. Seus lábios se moviam, suas línguas conversavam silenciosamente. De repente ela se afastou dele. – Não. Ele tentou segurá-la pelos ombros, mas ela se desvencilhou. – Certo. Chega de brincadeiras. Eu gosto de você, e você gosta de mim. Por que está me rejeitando? Ela não disse nada. Ele levou as mãos aos quadris e olhou para cima. – Sabe de uma coisa, você não estava assim antes de visitar sua irmã. Aliás, você não a viu, no fim das contas. O que há de errado? Ela continuou em silêncio. – Quer que eu arremesse outra bola? – Eu estava ganhando. – Sem chance. Se eu quisesse, eu a teria destruído. – Ele deu um passo adiante e passou a mão no cabelo louro que saía por debaixo da touquinha dela. – Conte-me o que aconteceu naquela noite. Talvez eu possa ajudar. Ela riu sarcasticamente. – Certo, é exatamente isso que meu pai quer, que você tenha pena de mim. Para que ele possa vir contar a historinha triste da vida dele e pedir dinheiro. Ou talvez ele apenas o chantageie e exija dinheiro. Ele ergueu a mão. – Espere! Do que você está falando? – Quando fui visitar Missy, parei na rua principal ao ver a adorável padaria dela. Eu mal pude acreditar e precisei sair do carro para apreciá-la melhor. – Entendo. Você estava orgulhosa dela. – Sim. Foi então que meu pai surgiu ao meu lado. – Ah. – Ele gostou do seu carro, aliás. Pela forma como olhou para o SUV, achou que você deve ter muito dinheiro. – Isso não significa que vou dar dinheiro a ele. – Ah, você não conhece meu pai. Ele é mentiroso e violento, lembra-se? Assim que ele tiver uma chance, não vai deixá-lo em paz. – E você acha que não sou capaz de chamar a polícia?


Ela riu sardonicamente, olhando para ele de soslaio. – Faria isso? – Você está falando com o homem que ficou três anos sem levar as crianças para a cidade. – O peito dele se inflou de orgulho. – Sei tomar conta do que é meu. Ela riu. – Você me falou para pensar positivo sobre o caso de Teagan. Disse para não deixar as fofocas me abaterem. Agora, estou aqui por você, para o que der e vier. Você não me deixou afundar na tristeza, e também não deixarei que isso aconteça com você. Althea riu novamente, um estranho sentimento a invadindo. Ela parou um segundo para examiná-lo e percebeu que se tratava de esperança. Ela o encarou: – Não se trata de afundar na tristeza. Ele vai vir atrás de dinheiro. Ele balançou a cabeça. – Pois que tente. Althea comprimiu os lábios, absorvendo um pouco da força e da confiança dele. Afinal de contas, o pai dela estava bem longe dali. Por que ela deveria se acovardar? – Eu ainda acho que teria ganhado a batalha de bolas de neve. Ele colocou o braço sobre os ombros dela e levou Althea para perto das bolas de neve maiores, que viriam a formar um boneco. – É, mas eu ganhei a guerra. – Ele a beijou de novo. A felicidade borbulhou dentro dela. Aquilo era o mais próximo que havia chegado de dividir a vida com alguém. Ele interrompeu o beijo. – Deixe-me terminar o boneco, para surpreender as crianças. Ela assentiu. Pedaços de seu coração partido começavam a se juntar. Ele agachou-se e pegou a segunda bola de neve. Com um gemido, ele a ergueu e colocou em cima da primeira. – Você acha que conseguiria levantar essa aqui? Ela balançou a cabeça. – Não. Não sozinha. – E talvez a vida fosse assim, mesmo. Saber que não dá para fazer todo o trabalho pesado por conta própria. – Quer chocolate quente? Ele sorriu para ela. – Sim. Mas ainda não terminamos o boneco. Precisamos arranjar um chapéu para ele... e olhos. Talvez também alguns gravetos para os braços. – Você já fez isso antes. – Todo mundo já fez isso. Talvez sim, mas era a primeira vez que ela compartilhava alguma coisa com um homem, algo pessoal mesmo não sendo íntimo. Ela ainda estava assustada, ainda se sentia vulnerável. Sabia que poderia cometer grandes erros que o fariam fugir, mas naquele dia ele era só de Althea. Naquela tarde, ela o expulsou da cozinha, para preparar o jantar. Todas as lições de culinária que o pai dela havia ensinado voltaram à sua mente. Só que, daquela vez, ela não temia que ele fosse ressuscitar. Clark estava certo. Se ele fosse até lá, se tentasse chantageá-la ou mesmo a mandasse prendê-la por ter roubado o carro dele, teria como se defender e saberia como agir. Na verdade, assim


que ela recebesse pelas aulas, faria um cheque para o pai, e ainda o obrigaria a assinar um documento confirmando que a dívida entre eles estava paga. Althea sorriu. A conversa com Clark a fez raciocinar de forma bastante lógica. Enquanto as costeletas de porco assavam, ela correu para o quarto e começou a procurar por advogados na internet. Pagaria o pai pelo carro, porém, não queria mais temer qualquer ameaça. Vinte minutos depois ela voltou para checar o assado e as batatas à milanesa. O cheiro que preenchia a cozinha era divino. Como o de um lar. O lar dela. Pôs a mesa ao lado das janelas panorâmicas, para que eles pudessem apreciar a neve caindo. Ela encontrou velas e diminuiu a luz para deixar a noite ainda mais bonita. Mais romântica. Quando Clark entrou na cozinha e viu as velas, disse: – Uau. O nervosismo apitou na cabeça dela. – Não gostou? O olhar dele se arrastou até encontrar o dela. – Achei muito romântico. – Era o que eu tinha em mente. – Tudo bem para você? Ela riu. – Primeiro você me atiça, depois me breca. – Não estou brecando você. Só quero ter certeza de que não estou pedindo demais. – Fique tranquilo. Porém, naquela noite, quando estavam sentados na sala assistindo a um filme antigo e ele esticou um braço ao redor dos ombros dela, Althea sentiu um arrepio de medo percorrer seu corpo. Ele era muito especial. Ele merecia um amor inesquecível em sua vida, e ela sabia... ela simplesmente sabia que estragaria tudo se apressasse as coisas. Clark a puxou para mais perto. As sensações de medo e necessidade formavam uma espiral dentro dela. A tentação era forte demais para descansar a cabeça no ombro dele, fechar os olhos e desfrutar do momento. Por que não fazia isso? Ela podia acabar arruinando tudo, mas aquela noite era deles. Althea respirou fundo, e inclinou a cabeça um centímetro para a direita. Depois dois, três... – Pai! Clark levantou-se do sofá. – Foi a voz de Jack? – Sim! Ele surgiu na sala, com Teagan logo atrás. – A vovó disse que sente muito, mas ela esqueceu que amanhã tem uma venda de biscoitos de Natal. – Que venda de biscoitos? – Acho que é uma espécie de feira de trocas. – Ele sorriu. – Mas ela disse que podemos ir visitá-la na semana que vem. – Semana que vem é Natal. Jack riu. – Acho que ela sabe.


Clark lançou um olhar de pesar para ela antes de colocar as mãos sobre os ombros das crianças e levá-las para o corredor. – Está tarde. Vocês tiveram um dia cheio. É hora de ir para a cama. Eles saíram e Althea deixou-se cair no sofá, grata pela intromissão. Porém, lá no fundo, admitiu que foi um golpe de sorte. Ela ainda não estava pronta para o que seu corpo parecia querer com o de Clark. Ainda assim, Clark e ela estavam vivendo juntos. Qualquer outra noite ele poderia beijá-la novamente e... E embora ela quisesse muito, ainda não estava pronta.


CAPÍTULO 10

NA MANHÃ seguinte, quando Althea entrou na cozinha e foi até a bancada preparar um café, Clark pôde ver que ela estava nervosa. Havia sentido sua tensão na noite anterior, quando a envolvera pelos ombros. Mas ela não tentou se afastar. Podia estar insegura, nervosa, mas, apesar disso, havia deitado a cabeça no ombro dele – mesmo que por meros segundos, antes de as crianças chegarem. – A vovó disse que a gente pode voltar em qualquer noite dessa semana, para compensar a noite de ontem. – Parece uma boa ideia. Teagan levou as mãos até a boca, seus olhos castanhos grandes ficando ainda maiores. Clark sorriu. – Fico surpreso por você estar feliz em ficar fora de casa sem mim. Ela sorriu. Jack disse: – Ela passou mais tempo comendo biscoitos do que pintando. Althea uniu-se a eles na bancada. – Sua avó faz biscoitos decorados? – Com papais noéis e árvores de Natal... – Jack contou nos dedos – e sinos, trenós, igrejas, elfos. Ela os pinta com cobertura. – Já fiz biscoitos assim. Clark sentiu um aperto no peito. Ela provavelmente os havia feito para o restaurante do pai dela. Althea estava voltando a falar, abrindo-se, porém lentamente, pois ela queria o mesmo que ele – um relacionamento. Ele a observou preparar o café da manhã de Teagan. Tinha dito que não era inocente, teve namorados. Mas Clark sentia que nenhum deles era um exemplo de boa conduta... ou mais velho do que ela. Envolver-se com ele seria provavelmente o relacionamento mais diferente que ela já havia experimentado. E, para uma garota que fora abusada, algo diferente poderia ser assustador. Ele não pretendia fugir do assunto, mas tampouco forçaria a barra. A situação era nova tanto para ela quanto para ele. E havia tempo de sobra.


– Bem, vou subir para meu escritório. – Ele virou-se e andou em direção à porta, mas mudou de ideia e parou. – Só vou trabalhar até o meio-dia, então, o que vocês acham de irmos comer pizza na cidade novamente? Teagan levou as mãos à boca, animada, e Jack disse: – Isso aí! Althea comentou: – Eis aí um bom motivo para tirarmos o pijama. ALTHEA E Jack jogaram videogame até a hora de se vestirem para almoçar. Ela levou Teagan até o quarto e as duas procuraram por algo bonitinho para a menina usar. – Você guardou a presilha de cabelo? Ela assentiu e correu até a penteadeira. Agarrou uma bonequinha da Cinderela e a exibiu para Althea, mostrando a presilha. O coração de Althea derreteu. Clark estava fazendo o melhor que podia para os filhos, mas, pela maneira como Teagan havia ocultado a presilha, tal qual fosse um tesouro que ela temia pudesse ser roubado, podia apostar que a menina gostaria de ser mais feminina. – Sabe, enquanto estivermos na cidade, podemos comprar um pacote de presilhas só para você. Ela assentiu com convicção. Talvez ela também sugerisse a Clark levar Teagan para fazer algumas compras, deixar que ela escolhesse algumas roupas e acessórios. No momento ela não tinha nada além de camisetas, suéteres e jeans no armário. Talvez fosse gostar de um vestido. Quando as crianças estavam prontas, Althea foi para seu quarto. Tomou um banho rápido e foi até o closet. Procurou entre cabides com suéteres e jeans, desejando também ter algo mais bonito. Pela primeira vez na vida, ela queria se produzir, se sentir especial, sensual... não como a namorada de um desocupado que passava o dia todo surfando. Nada de biquíni. Nada de jeans. Nada de moletons. Ela queria ficar bonita. Mas a verdade é que não tinha muitas opções, então escolheu seu melhor jeans, vestiu um suéter vermelho e caçou uma presilha vermelha que combinava com a de Teagan. Quando ela entrou na cozinha, Teagan sorriu. Ela sorriu de volta. – Parecemos irmãs, agora. Clark mostrou uma expressão confusa. – Por quê? Ela apontou para a presilha. – Eu tenho uma. Teagan tem outra. – Ah. Que bacana. – Ele fingiu animação pela filha, e Althea suspirou de felicidade. Era isso que ela amava em Clark. Ele provavelmente não dava a mínima para presilhas iguais, mas ele sabia que aquilo significava muito para Teagan. Eles então vestiram chapéus, luvas, casacos, foram até a garagem e entraram no SUV. Clark prendeu Teagan na cadeirinha enquanto Jack se ajeitava ao lado dela. Althea sentou-se no banco do carona, ao lado de Clark. Atrás do volante, ele sorriu para ela.


– Pronta para comer pizza? Ela assentiu sorrindo. Que conversa mais trivial e maravilhosa. Pareciam uma família de verdade. Formada por pessoas que se amavam. Talvez fosse cedo demais para amar, mas não para agir como um grupo cujos membros se importavam uns com os outros. Ela ansiava por isso, fascinada, extasiada com a ideia de estar apaixonada, de fazer parte de uma família de verdade, agir como uma pessoa normal. O coração dela parecia que ia explodir. Agora, ela só precisava superar o maldito medo. A viagem até a cidade durou os usuais 20 minutos. Clark tirou Teagan da cadeirinha. Althea se certificou que ele estava bem. Os quatro caminharam pela rua decorada e entraram no restaurante. O ambiente quentinho os recebeu. A garçonete lembrou-se deles. Jack pediu a pizza, fazendo Clark rir e Althea relaxar. Tudo aquilo parecia ser especial para ela, mas era normal para uma família. Normal. E se ela conseguisse relaxar, ser ela mesma, talvez alguma dia tudo aquilo fosse ser normal para ela também. Eles tomaram refrigerante e conversaram sobre o progresso de Jack na escola durante os 20 minutos em que esperaram pela pizza. E ela chegou com um floreio. Pratos e guardanapos de papel foram passados. Clark cortou a fatia de Teagan em pedacinhos. A garçonete trouxe mais refrigerante. Alguns clientes terminaram e foram embora. Outros chegaram e ocuparam as mesas ao redor deles. Depois de saborearem a pizza, Clark pagou a conta e saíram todos para a calçada. Althea não queria que a noite terminasse. Queria caminhar pela rua principal de novo, ver as decorações com Clark e as crianças, falar sobre o nada e muito mais. – Sabe, o cabelo de Teagan fica ótimo com a presilha vermelha, mas há muitas cores que ela pode usar. Na verdade, se comprarmos alguns laços, posso prender o cabelo dela amanhã em um rabo de cavalo ou em uma maria-chiquinha. Nos braços de Clark, Teagan ficou boquiaberta. Ele franziu o cenho. – Você quer laços de cabelo? Ela fez que sim com a cabeça. Ele sorriu. – Acho que a maioria das lojas já está fechada, mas, se Althea não se importar, ela pode trazê-la novamente amanhã. Althea congelou. Ele iria permitir que ela levasse as crianças para a cidade... sozinha? Ele era tão reticente em relação àquele esquema de segurança que ela ficou pasma com tanto progresso. Se Clark não demonstrava mais medo e aceitava que as crianças precisavam de espaço para respirar, com certeza ela conseguiria fazê-lo superar sua aversão a ter um relacionamento. – A farmácia está aberta. Clark e Althea olharam para Jack. – Está? – Sim, e lá têm todas essas coisas de meninas. – Farmácias sempre têm maquiagem e presilhas. – Ela sorriu. – Coisas de meninas. Podemos comprar presilhas agora. – O que estenderia a viagem deles, ajudando-a a se sentir ainda mais acolhida. Por aquele homem. Por aquelas crianças. – Certo, vamos para a farmácia.


O vento estava forte enquanto eles caminhavam pela rua principal. Um prédio de tijolos aparentes, novinho em folha, abrigava uma popular rede de lojas. Althea ergueu o capuz do casaco enquanto atravessavam o estacionamento quase vazio. Ela abriu e segurou a porta para Clark, que ainda carregava a filha no colo. – Precisamos de mais alguma coisa daqui? Althea olhou ao redor. – Bem, só se você precisar de xampu, sabonete ou spray para cabelo – brincou ela. Eles andaram pelos corredores, pegando alguns itens como aspirinas e talco para os pés. Clark balançou a cabeça. – Eu só faço compras no supermercado. Havia me esquecido que existe todo um mundo de produtos aqui. Ela riu. – Você realmente precisa sair mais. O sino sobre a porta soou, indicando que outro cliente havia entrado. Clark pegou uma caixinha de cotonetes e a jogou na cesta que Jack segurava. Quando se virou para trás, seu sorriso subitamente desapareceu. Confusa, Althea seguiu o olhar dele até o homem alto e de cabelo preto que havia acabado de chegar. – Oi, Clark. O corpo dele ficou tenso. – Brice. Brice? As sobrancelhas de Althea se ergueram. Aquele Brice? O olhar dela voou para Clark. O rosto dele estava sério, seus olhos estreitos. Ele abraçava Teagan protetoramente com o braço. Teagan. Ela não estava de gorro porque queria que todos vissem sua presilha vermelha em seu cabelo castanho-escuro – da mesma cor que o de Brice. Althea mirou os olhos da menina. Eles não eram da cor de uísque como os de Clark, mas de um tom castanho-escuro... como os de Brice. Althea refreou um gemido. Não era à toa que Clark estava preocupado. Uma tensão palpável e gélida preencheu o espaço entre eles. Clark disse alguma coisa e, Brice também. – Só viemos pegar algumas coisas – disse Althea, colocando a mão sobre o ombro de Jack e puxandoo para perto. Brice assentiu, indicando o balcão com a cabeça. – Vim pegar um remédio para minha mãe. Sem saber o que dizer, Althea disse: – Foi bom ver você. – Depois, ela levou Clark e as crianças para longe de Brice. Clark não disse nada no caminho para casa, Althea tampouco. O que poderia dizer? “Eu entendo por que você está preocupado, Teagan é a cara dele”? Quando chegaram em casa, ele se trancou no escritório. Althea ficou fazendo companhia a Jack e Teagan. Às 18h, ela aqueceu o resto do jantar da noite passada. Foi chamar Clark no escritório, mas, pela porta fechada, ouviu-o dizer que não estava com fome. Ele só saiu horas depois, mas ajudou-a a colocar Teagan na cama.


Quando a menina estava em seu pijama rosa de princesa, ele leu para ela uma história sobre um coelhinho que se perdeu na floresta. Quando terminou, com o papai coelho achando o filhotinho perdido, ele lhe deu sopa, aconchegou-a na cama e lhe deu um beijo na testa, dizendo que ele nunca deixaria nada acontecer com ela. Teagan então colocou a cabeça no travesseiro. Feliz. Ela sempre poderia contar com o papai. O quarto então ficou em silêncio. Clark levantou-se, beijou-a mais uma vez na testa e disse: – Eu nunca vou deixar que nada aconteça com você. – Ele beijou a cabeça dela de novo. – E você sempre poderá contar comigo. Teagan sorriu, e suas pálpebras começaram a ficar pesadas. Os olhos de Althea se encheram de lágrimas. A história favorita de Teagan não confortava apenas a menina, mas Clark, também. Ao passar pela penteadeira, ele pegou a escova de cabelo da filha. Saiu do quarto e fechou a porta. O olhar de Althea encontrou o dele. Clark suspirou. – Há fios de cabelo suficientes aqui para o laboratório coletar uma amostra de DNA. Ela prendeu a respiração. – Achei que você já tinha feito isso. Ele balançou a cabeça. – Oh. – Ela engoliu em seco. – E como conseguiu o DNA de Brice? – Eu não consegui. Tenho medo que Teagan seja filha dele. Então, vou confirmar que ela é mesmo minha. Mandarei o meu DNA. Ele não conseguia olhar para ela. Parecia que havia uma muralha separando-os. Althea umedeceu os lábios. – E o que vai acontecer se você descobrir que ela não é sua filha? Clark deu de ombros. – Ainda não descobri. – Ele inspirou fundo. – Mas depois de encontrá-lo hoje, percebi que não posso adiar mais isso. Eu preciso saber. Sem mais nenhum palavra, ele caminhou pesadamente para o quarto, com os ombros caídos, parecendo estar à caminho da forca. A afeição por ele a sobrepujou. Carol havia cometido os erros, mas era Clark quem estava pagando por eles. No dia seguinte, os ânimos estavam péssimos. O silêncio preenchia a cozinha. Ela viu a ponta de um envelope na pasta de Clark e notou a etiqueta de um laboratório na frente. Seus olhares se encontraram quando ela se sentou à bancada com sua xícara de café. Quebrando o silêncio ensurdecedor, ela disse: – Jack fará hoje os testes para saber se ele está pronto para o próximo semestre. Clark elaborou um sorriso. – Que ótimo. Boa sorte, amigão. Confiante de uma maneira que só um garoto de 12 anos conseguia ser, ele disse: – Eu vou arrasar. Clark riu. – É bom, mesmo.


A cozinha voltou a ficar em silêncio. Teagan comia uma torrada e sorriu para Althea ao olhar para ela. Ela então viu Clark olhar para a filha e notou o rosto dele se contorcer de dor. Tudo dentro dela doía por ele. Ele era um bom homem e não merecia sofrer daquele jeito. Era uma pessoa honesta, algo que ela sempre quisera para sua vida. Althea engoliu em seco. A vida toda ela havia esperado por isso. Uma família com um homem que protegia os filhos. Um homem que sabia como amar. Sendo conveniente ou não, difícil ou não, ela o amava, e não iria deixar que nada o destruísse. CLARK VOLTOU do trabalho ainda mais deprimido. Althea tentou animá-lo no jantar. – Jack terminou os exames 20 minutos antes do tempo médio estimado. – Que beleza. – Acho que ele merece uma recompensa hoje. Clark olhou para ela sobre a mesa: – Uma recompensa? – Estava pensando que nós poderíamos decorar a árvore. Jack ficou de boca aberta. – É cedo demais. – Falta menos de uma semana para o Natal. – Ela lançou um olhar para Clark. – Além disso, não é como se existisse uma lei que impedisse a decoração de árvores de Natal antes da véspera, para alegrar os ânimos. Percebendo o que ela queria dizer, Clark inspirou fundo: – Suponho que sim. – Eu peguei as caixas com as decorações e as deixei perto da porta, no corredor. Por que você não vai buscá-las, Jack? Jack disse: – Certo. – Ele segurou a mão da irmã, e então os dois saíram da cozinha. – Não quero ver ninguém tão triste assim perto do Natal. – Então, é o meu estado de espírito que você está tentando animar. – Não estou tentando. – Ela sorriu. – Eu vou melhorar seu ânimo. E isso será bom para as crianças, também. Ela ouviu os baques surdos das caixas sendo arrastadas pelas escadas, e os latidos de Clara Bell. Levantou-se. – Acho melhor eu ir ajudá-lo. Clark a fez se sentar. – Termine de jantar. Eu os ajudo. Entendendo que ele talvez quisesse um tempo a sós com as crianças, Althea aceitou a sugestão e se deixou ficar. Depois de lavar os pratos, sem mais o que fazer para enrolar, ela foi até a sala de estar onde viu Clark sentado no chão, com os galhos da árvore artificial espalhados em um círculo ao redor dele. Jack estava ao lado do pai, em pé; Teagan do outro, agachada. – E aí, pessoal? Ele suspirou.


– Eu sempre odiei essa árvore. Jack arregalou os olhos. – Mesmo? – Sim. Além de ser artificial, ela está velha, agora. Acho que eu gostaria de uma árvore real. Althea o encarou. Ele deu de ombros. – Se vamos fazer deste o melhor Natal de todos, deveríamos ter uma árvore de verdade. Entendendo o que ele queria dizer, ela assentiu. – Acho uma ótima ideia. Por acaso há alguma fazenda de árvores aqui por perto? Clark levantou-se do chão. – Sim, provavelmente umas dez. Mas a melhor fica a oito quilômetros. – Ele olhou para as crianças. – Peguem seus casacos. Já a caminho da fazenda de árvores, Clark disse: – Essa será nova nossa tradição. Ir escolher uma árvore de Natal alguns dias antes do Natal. Todo o corpo de Althea formigou de felicidade. Ela nunca havia escolhido uma árvore de Natal antes. Mas, melhor do que isso, ela sabia que aquela aventura faria bem às crianças, e a Clark também. – Amo as verdadeiras árvores de Natal. Quanto mais se aproximavam das fazendas de árvores, mais feliz ele parecia ficar. Clark não só precisava tirar da mente a história do DNA, mas também a família precisava de novas tradições. Quando chegaram à fazenda, Clark desceu do carro e ajudou Teagan a sair da cadeirinha. Com a menina no colo, ele caminhou até a barraca diante do que parecia ser uma imensa fileira de árvores iluminadas por postes enormes. – Viemos comprar uma árvore. O senhor que estava na barraca apontou para a direita, onde dezenas de árvores se encontravam encostadas em uma velha construção. – Temos algumas já cortadas ali, se quiser escolher. Ele olhou para as árvores e depois para o rostinho ansioso da filha. – Eu gostaria que as crianças tivessem a experiência de escolher uma árvore. O coração de Althea se partiu ao meio por ele, e ela finalmente entendeu. Enquanto ele montava a árvore artificial, deve ter percebido que aquele poderia ser seu último Natal com ela. E ele pretendia torná-lo inesquecível. Eles então foram para as filas de árvores, com Clark e Teagan andando na frente. Canções natalinas tocavam nos alto-falantes. Uma neve fininha começou a cair. – Olha aquela lá. Ela precisou entortar o pescoço para ver o topo. – Acho que vai ser grande demais. Ele assentiu e continuou a caminhar. Clark então disse: – Olhem aquela lá. Althea e Jack pararam e olharam. A árvore era alta, mas não muito. Galhos fartos e com folhas de um verde vivo indicavam uma planta sadia. – Acho que é perfeita. – Concordo. – Clark olhou para Jack. – E você? – Acho que é ótima.


A voz dele era solene, como se aquele fosse seu primeiro Natal. Pensando melhor, talvez fosse mesmo seu primeiro Natal de verdade depois da morte da mãe. Althea colocou a mão sobre os ombros dele. – Espere até nós a decorarmos. Achei muitos enfeites bonitos no sótão. Jack assentiu. – Quer que eu chame o cara do machado? Clark riu. – Acho que uma serra vai ser suficiente. O dono da fazenda enviou um funcionário de volta com Jack para ajudá-los a cortar a árvore. Ele amarrou os galhos para poder amarrá-la no SUV. O caminho para casa foi permeado pelo silêncio até que Althea virou-se para Teagan e Jack e começou a cantar uma canção natalina. Como se uma vez não fosse o bastante, eles repetiram a música até Clark parar o carro no acostamento, dizendo: – Certo, já chega! – Mas ele riu. Jack riu. Teagan deu risadinhas, e o ânimo de Althea não podia melhorar. A nuvem negra que parecia rondar a cabeça de Clark havia sumido. Os olhos dele brilhavam de felicidade ao levar a árvore para casa, junto com Clark. Teagan ficou ao lado de Althea, as duas de mãos dadas. E pela primeira vez na vida, Althea sentiu que pertencia a um lugar. Não como professora ou amiga, mas como algo mais. Uma pessoa especial não só para Clark, mas também para as crianças. Um medo familiar despertou dentro dela. Por enquanto, vinha desempenhando bem sua tarefa de tentar transformar o Natal das crianças. Mas o que aconteceria em janeiro ou fevereiro? O que aconteceria quando um deles caísse, ou tivesse algum problema com um valentão? Ali não era como uma escola, onde havia apoio ou onde podia ligar para os pais. Ela estaria sozinha, sem ter a mínima ideia de como lidar com crianças. Jack e Clark montaram a árvore em um grande espaço vazio, o qual encheram de água. O menino fez menção de ir buscar a caixa de luzes, porém, o pai o impediu. – Está tarde. Além disso, já nos divertimos o bastante por hoje. Vamos guardar um pouco para amanhã. Jack tentou argumentar, mas Althea disse: – Amanhã podemos colar pipocas em um barbante e pendurá-las na árvore, também. Ele disse: – Tudo bem. – Ótimo. – Clark pegou a filha no colo. – Vocês dois podem assistir a qualquer coisa na televisão enquanto ponho Teagan na cama. Jack foi para a sala de TV, seguido por Althea. Ela se lembrou que havia lavado a camisola favorita da menina, mas esquecido as roupas na secadora. O medo tão familiar voltou. Agiu como uma mulher solteira. Não como mãe. Não como alguém responsável por filhos. Tentando convencer a si mesma para não pensar nos próprios erros, foi até a secadora, tirou as roupas e as dobrou. Carregando um monte de camisetas e pijamas dobrados, ela subiu as escadas até o quarto de Teagan. Clark a seguiu. Ela mostrou os pijamas. – Eu me esqueci que havia lavado esse pijama.


Ele lhe mostrou uma garrafa de gel para banho. – Eu me esqueci que isso aqui acabou. Seus olhares se encontraram. O medo dela aplacou-se um pouco. Mesmo um pai experiente se esquecia de uma coisa aqui e ali. De certa forma, isso tornava ambos um pouco mais compatíveis. Ela sorriu. Ele sorriu. Nós lhe desejamos um feliz Natal e um próspero ano-novo. Ao som daquela voz fina e doce, Clark e Althea viraram-se juntos para o banheiro. Clark sussurrou: – Ela está cantando. Surpresa demais para falar, ela apenas assentiu. Teagan repetia “Nós lhe desejamos um feliz Natal e um próspero ano-novo” enquanto Clark e Althea se esgueiravam pela porta do banheiro e espiavam. Nua, esperando para entrar na banheira, Teagan cantava para o ursinho cor-de-rosa. – Ela está cantando para o urso? Desejando a ele um feliz Natal? Althea refreou o riso com a mão. – Ah, olha como ela é linda – sussurrou Clark, com os olhos marejados. – E como ela está feliz. Ela ama você, Clark. E sempre será a sua garotinha. Ele expirou longamente. – Não vamos nos enganar. Se o teste indicar que ela não é minha filha, há chances de Brice juntar os fatos e vir atrás dela. – Talvez não. – E o que eu devo fazer se ele não vier buscá-la? Mantê-la longe do pai biológico? Althea não sabia o que dizer, então ficou calada. Clark estava com um belo dilema. Ele abriu a porta e pegou a garotinha no colo, fazendo cócegas na barriga dela antes de colocá-la na banheira. – Nós ouvimos você cantando. Ela corou, comprimindo os lábios. Althea sentou-se na beirada da banheira e acariciou o cabelo dela. – Ah, querida. Sua voz é tão linda. Nós adoramos ouvi-la. Ela balançou a cabeça e olhou para a água borbulhante. Ela não ia falar. Com um rápido olhar para Althea, Clark disse: – Então, vamos tomar banho, para depois eu ler uma história para você. Obviamente aliviada, Teagan assentiu fervorosamente. Ao descer as escadas depois de colocar a filha na cama, Clark suspirou pesadamente. – Você sabe que se uma psicóloga a vir se comunicando por sussurros, e só comigo, eu serei crucificado e não me deixarão ficar com ela. Com sorte, poderei visitá-la. Althea segurou o braço dele. – Isso se o teste de DNA indicar que ela não é sua. E se Brice pedir a custódia de Teagan. Não sofra por antecipação. Ele fechou os olhos com força.


– Ei, relaxe. Eu percebi que você estava se esforçando muito hoje para criar um Natal perfeito. Não pare agora, não entre em pânico. Ele a abraçou. – Obrigado. Ela riu. – Por mandá-lo relaxar? Ou por ser mandona? – Por estar aqui. Por me fazer encarar a verdade. Por não permitir que eu seja negativo. Os braços dele apertaram-na com mais força, e seu corpo se encheu de calor. Ela não conseguia se lembrar da última vez em que alguém a quis muito por perto. Ou em que alguém precisou dela. Talvez ela não fosse uma candidata ideal para o cargo de mãe, mas, se Clark a amasse, ela faria tudo dar certo. Ela rezou para que os testes indicassem que Teagan era filha de Clark. Até que saísse o resultado, ela iria fazer aquela família feliz.


CAPÍTULO 11

NA MANHÃ seguinte, ela levantou-se antes de Clark. Estava na cozinha fazendo panquecas quando ele entrou. – Que cheiro é esse? Ela riu. – Café da manhã. Eu trabalhei no turno matutino de um restaurante nos meus dois últimos anos de colegial e fazia panquecas que eram um arraso. – E se ela quisesse mesmo manter aquela família feliz, não poderia mais ter medo de fazer tudo o que tivesse vontade para agradá-la, independentemente do quão dolorosas as lembranças pudessem ser. – Hummm. – Ele sentou-se à bancada, enquanto uma Teagan sonolenta cambaleou cozinha adentro. Clark apontou para a montanha de panquecas. Althea aproximou-se da mesa. – Olha só. A menina sorriu. – Teagan ama panquecas. – Bem, vocês estão com sorte – disse Althea sentando-se também. Ela pegou o prato de Teagan. – Quantas você quer? Sete? Ela riu. Jack entrou. – Ei, amigão. – Oi. Ele se sentou em uma banqueta. Clark apontou para o prato de panquecas. – Olha, Althea fez panquecas. – Que bom. Clark cortou as panquecas da filha e depois as cobriu com calda. Althea começou a comer as suas. – Então, o que vocês vão fazer hoje? Jack olhou para o pai. – Não sei. O que você acha? – Bom, você já terminou os estudos, então está livre.


– Quer dizer que, se eu quiser jogar videogame o dia todo, eu posso? – São como férias. Você trabalhou duro e agora merece descanso. Ele se levantou da banqueta. – Que legal! Vou ligar para Owen para ver se ele pode jogar Wizard World on-line comigo. Clark apontou para o prato do filho. – Primeiro, você precisa comer. Clark então engoliu o café da manhã, pegou sua pasta e saiu. Como sempre, Althea o seguiu, para que ele pudesse lhe dar informações específicas do dia. Porém, em vez disso, ele deixou a pasta de lado, puxou-a e beijou-a. – Vejo você no jantar. Quer que eu traga alguma coisa? Espantada demais para falar, ela balançou a cabeça. Ele sorriu. – Até mais. Ela saiu e Althea ficou ali parada, encarando a porta. A felicidade rodopiava no peito dela. De passo em passo, ela podia dar conta. No meio da manhã, enquanto Jack estudava, Teagan coloria e Althea procurava por uma receita para fazer para o jantar, a campainha tocou. Ela levantou correndo da banqueta da cozinha, gritando: – Eu atendo! Sem pensar, abriu a porta dizendo festivamente: – Feliz Natal. – Ora, feliz Natal para você também, minha garotinha. O pai dela. O ar congelou nos seus pulmões ao olhar para os lados. As crianças não estavam por perto. Althea rezou para que elas ficassem na sala de estudos, e então encarou o pai. – Vá embora. – Nem pensar. Vou ficar nessa maldita varanda. – Os olhos dele se enrugaram ao sorrir. – Além disso, isso são modos de tratar seu pai? – Você nunca foi um pai para mim. – Ah, que inferno. Eu fiz o melhor que pude com o que tinha. – Você tinha um negócio de sucesso, uma linda esposa, duas filhas que trabalhavam como escravas para você. E nos recompensava com surras. Você é um criminoso. Ele fungou. – É muita conversa para alguém que roubou o carro do pai. Ela ficou em silêncio, sentindo o medo se apoderar de seu corpo. Ela reconhecia aquele tom de voz. Era melhor se esconder antes de apanhar. – Na verdade, é por isso que estou aqui. Quero o que você me deve. Não o quanto aquele carro vale agora, mas o quanto ele valia na época. Ela ergueu o queixo. – Você nunca pagou pelo nosso trabalho no restaurante. Achei que pegar o carro ia nos deixar quites. – A polícia não pensa assim. Eu conversei por alto com eles, e me disseram que eu posso pedir uma restituição... ou posso mandar prender você. Com o coração acelerado, ela deu um passo para trás automaticamente. Talvez estivesse mentindo, como sempre. Mas ela é que não queria testá-lo. Pretendia pagá-lo, mas não naquele dia. Não só sua


conta bancária estava vazia, mas também não tivera tempo de assinar o termo de responsabilidade encontrado na internet. Além disso, se dissesse que pagaria depois, ele poderia ficar no pé dela cobrando o dinheiro. – Não tenho dinheiro. Ele olhou para dentro da casa. – Parece que seu namorado tem. – Ele não é meu namorado. Sou professora do filho dele. – Então, quanto você ganha com isso? Não deve ser pouco. Deve ser mais do que o salário de uma professora comum. O coração dela acelerou de novo quando apontou o dedo para o nariz dela. – Eu voltarei depois dos feriados. É melhor você ter o meu dinheiro. Ele sorriu, virou-se e foi embora. Althea fechou a porta e apoiou-se nela. Seus joelhos tremiam tanto que ela deslizou até o chão e abraçou as pernas. Um medo quente e pegajoso a envolvia. Mas não por si mesma. Era medo por Teagan, Jack e até mesmo Clark. Ali estava a razão pela qual ela não podia ter um relacionamento. Qualquer homem que entrasse na sua vida teria que lidar com o pai dela também. QUANDO CLARK chegou ao escritório, havia 37 e-mails aguardando por ele. Porém, ele abriu apenas aquele que o interessava: os resultados de Jack. Suspirou longamente e rezou para que a notícia fosse boa, pois Jack contava com isso. Althea estava certa. Ele precisava estudar na cidade, precisava de amigos. Mas se ele tivesse falhado e entrasse em uma série abaixo da dos outros garotos de sua idade, isso talvez fosse pior do que não ir para a escola. Clicou na mensagem, a qual foi lendo lentamente. À medida que as notas apareciam na tela, sua expressão preocupada ia se convertendo em um sorriso. Jack havia conseguido! Althea havia conseguido. Havia enfeitiçado aquela família. Ele ligou para casa. Queria saber se ela estava livre para ir à escola com ele naquela mesma tarde, mas ninguém atendeu. Imaginou que devia estar fazendo compras com as crianças, e riu. Ele riu. Clark não estava mais com medo, não estava mais morto por dentro. Ela o trouxera de volta à vida. Então ligou para a escola e marcou uma reunião com a diretora para aquela tarde. Depois, ele telefonou novamente para a casa, mas sem sucesso. Assim, Clark foi sozinho até a escola de tijolos vermelhos aparentes. Sentou-se em uma cadeira projetada para acomodar uma criança de 13 anos, sentindo-se muito grande. Ele levantou-se quando a sra. Osborne entrou no escritório. – Sr. Beaumont? – Sim. – Ele estendeu a mão. – Gostaria de matricular meu filho para o próximo semestre. – Esplêndido. Suponho que o senhor esteja com os registros de notas dele. Clark passou os primeiros dez minutos cuidando dos registros e das qualificações. Então ele respirou fundo e fez o que tinha que ser feito. – A mãe de Jack morreu em um acidente de carro três anos atrás. A sra. Osborne colocou os braços sobre a mesa. – Eu me lembro.


– Houve algumas fofocas. Ela fez uma careta. – Eu me lembro disso, também. – Temo que elas ressurjam quando ele voltar para a escola. – Pode acontecer. Mas o interessante sobre o ensino fundamental é que as crianças não ligam para o que os pais dizem. Eles estão muito ocupados com si mesmos. Clark riu. – Pelo menos uma vez na vida isso funcionaria a meu favor. Porém, outra preocupação surgiu. Se os testes de DNA mostrassem que Teagan não era filha dele, ele teria grandes decisões a tomar – decisões que poderiam afetar Jack. Clark inspirou profundamente. Não queria contar seus segredos mais profundos, sua vergonha, a uma pessoa estranha, mas ele queria que Jack fosse protegido. – No caso de as crianças não serem assim tão egocêntricas, e se a professora de Jack reportasse alguma coisa de incomum? Ela juntou as mãos, entrelaçando os dedos. – Defina “incomum”. – Você sabe... se ele sofrer bullying, esse tipo de coisa. – Temos muito orgulho de nossas políticas contra bullying. Nós protegeremos seu filho. Mas também é lógico que alertamos os pais sobre qualquer coisa anormal. Clark assentiu e se levantou. Ele não podia pedir por mais nada para ficar satisfeito. Continuava sentindo que estava entregando os filhos aos leões, e isso o deixava apreensivo, com uma sensação de impotência. QUANDO CLARK chegou em casa, Althea pôde ver que ele estava nervoso, inquieto. Ela tampouco estava bem, mas ele provavelmente não iria notar. Ela pretendia fazer algo diferente e festivo para o jantar, mas só teve energia mental para abrir duas latas de sopa e fazer sanduíches de queijo. Teagan adorou. Jack comeu três sanduíches. Mas Clark mal tocou na comida. Quando as crianças saíram da cozinha, Clark riu antes de colocar a louça na máquina de lavar. – Bem, nós fizemos nossa própria cama. Um arrepio percorreu o corpo dela depois de ouvir aquela frase inesperada. – Como? Ele a encarou. – Nenhum de nós falou para eles limparem a louça. Ela quase riu pela maneira tola como o interpretara, mas seus nervos continuaram à flor da pele. Se quisesse ter uma vida com ele, teria de contar sobre a visita de seu pai atrás de dinheiro. – Eu visitei a escola de Jack hoje. – Oh. – Boas notícias, ainda bem. – Recebi as notas dele esta manhã. – Ele balançou a cabeça. – Nossa, eu deveria tê-las imprimido para mostrar a ele. Althea sorriu. – Sei que ele foi bem. Ele pode esperar um dia ou dois para vê-las.


– Ele foi excepcionalmente bem. – Ele apertou a mão dela do outro lado da mesa. – Graças a você. O ânimo dela melhorou. – Não fiz nada demais. – Enfim, eu o matriculei para o próximo semestre. – Que ótimo! – Só espero não o estar jogando para os leões. – As crianças da sexta série são de doer, mas não chegam a ser leões. – Mas os pais são. O que vai acontecer se eu receber os resultados dos exames e Teagan não for minha filha? Será que Brice vai querer vir atrás dela? – Não sei. Ele se levantou da banqueta. – Caramba! O que diabos Carol estava pensando? Como ela pôde provocar essa confusão? Onde ela estava com a cabeça? Ela engoliu em seco. – Não consigo compreender o grau de egoísmo dela. Althea resolveu ficar quieta. Ela mesma traria sua cota de problemas se tivesse um relacionamento com ele. Ele chacoalhou a cabeça e a encarou. – Eu lavo a louça. – Não, deixe comigo. Você precisa começar a decorar a árvore com as crianças. – É verdade. – Sei que você quer transformar esse feriado em algo especial para elas. Não deixe o passado arruinar o presente. Ele assentiu. – Você tem razão. Como você ficou tão esperta? Ela desviou o olhar. – Ah, eu estou tão longe de ser esperta que você nem acreditaria. – Ela atirou o pano de prato nele. – Vá, ou eu farei você secar os pratos. Ele já saía quando parou e se virou: – Mais uma coisa. – Sim? – Você está aqui há todo esse tempo e ainda não recebeu nem um centavo. Ela inclinou a cabeça. – É mesmo. – Então, eu depositei seu salário na conta que você me passou. Um arrepio de felicidade correu pelo corpo dela. Adorava trabalhar ali, mesmo sem pagamento. Mas aquele dinheiro tinha um propósito – ele lhe daria escolhas, antes de precisar ir trabalhar na padaria da irmã. – E também incluí um bônus. – Ah, Clark! Você não devia! – Ei, você tem feito todas as tarefas. Você merece esse dinheiro. Grata, ela sorriu. – Obrigada.


Depois de lavar tudo, ela ligou seu laptop, para checar a conta bancária. Quando viu a quantia, seus olhos se arregalaram. Era o dobro do que havia sido combinado. Ela se levantou, pronta para sair da sala e falar com ele, quando percebeu que... Era dinheiro suficiente para quitar a dívida com o pai. Ela começou a caminhar pelo quarto. Não bastaria pagar o pai: também precisaria de uma documentação provando que eles estavam quites. O problema é que nada daquilo garantiria que ele não ia pedir dinheiro de novo. E de novo. E de novo. Missy a alertara sobre isso, quando disse que a única forma de se livrar dele seria enfrentá-lo. E ela não sabia se conseguiria. Ela parou de caminhar e endireitou os ombros. Por Clark, Teagan e Jack ela pagaria o que devia ao pai, faria com que ele assinasse um recibo e ameaçaria chamar a polícia se ele se aproximasse novamente. Foi assim que Missy fez. Althea fechou o laptop e foi para a sala. Clark e Jack haviam pendurado luzes coloridas em volta da árvore. Jack a viu primeiro. – Você perdeu todos os palavrões. Ela riu. – Foi difícil lidar com os fios? – Eles estavam enrolados. Não é, pai? – Enrolado não chega nem perto de descrever. Faltavam dois dias para a véspera de Natal. A casa estava decorada. A árvore estava quase completa. Eles poderiam assar biscoitos no dia seguinte, ou ela e Jack poderiam fazer alguma coisa especial. – Estava pensando, nós não precisamos decorar amanhã. Poderíamos fazer biscoitos... – Isso aí! – disse Jack. – Ou poderíamos escolher algumas fotos da família do computador de seu pai e mandá-las para imprimir. Na semana que vem, quando elas estiverem prontas, podemos montar um álbum de fotos, sabe, também com lembranças da mãe de vocês. – Isso seria bacana – disse Jack. Clark sorriu. – Seria muito bacana. Eles terminaram de decorar a árvore. Clark pensou em mais lembranças para contar aos filhos. Os nervos de Althea se acalmaram. Ela iria encarar o pai assim que conseguisse uma folga. Não para si mesma, mas para proteger a nova família que estava criando. Ela estava tão feliz que começou a cantarolar: “Nós lhe desejamos um feliz Natal”. Jack uniu-se a ela imediatamente, seguido por Clark. Teagan sorriu. Althea parou diante dela. – Nós sabemos que você conhece essa. A menina riu baixinho. Clark disse: – É, Teagan. Ela riu de novo.


– Qualquer dia desses, você vai se distrair e vai acabar falando com a gente. Ela riu e enterrou o rosto no ursinho. Naquela noite, Althea ouviu Teagan cantando no banheiro de novo e sorriu. Clark estava certo. Um dia desses ela estaria pronta para falar em voz alta. Ela desceu as escadas sentindo-se leve. Tudo estava funcionando. Depois de se livrar do pai, conseguiria viver a vida um dia de cada vez. Althea ia dar conta. Ao entrar na sala, viu Clark andando de um lado para o outro atrás da escrivaninha. – O que foi? – Fiquei tão animado com a nova matrícula de Jack na escola que esqueci de pegar os resultados dos testes de DNA, hoje. – Já? – Eu paguei mais caro para que saíssem logo. – Então, confira seu e-mail. – Já olhei, não está lá. Não adiantou nada pagar mais caro. Ela sentou-se no sofá. – Venha, sente-se. Vamos ver televisão. Preocupar-se não vai ajudar em nada. Ele se sentou. – Eu só quero saber. – Independentemente do que acontecer, você é o pai dela. Mesmo se Brice conseguir a custódia de Teagan, o juiz lhe concederá visita. Você nunca a perderá, de fato. Só o seu papel é que pode mudar. – Eu não quero isso. – Mas é melhor do que nada. E eu não acho que você vai perder a custódia. Acho até que seria o contrário: você ficaria com ela, e Brice obteria direito de visitá-la. Você a criou, é o único pai que ela conhece. Qualquer juiz vai considerar isso. – Acha mesmo? – Acho que você deve focar nas opções positivas. E isso inclui lembrar que ela pode ser sua filha de verdade. – Eu digo isso para mim mesmo todos os dias. – Ele a encarou. – Você entrou em minha vida no momento certo. Jack precisava de você, mas eu, muito mais. Eu precisava de alguém para chutar meu traseiro e dizer que é hora de seguir em frente. Eu agradeço por tudo o que você fez. Althea sorriu, desejando mais. Aquela era a oportunidade perfeita para ele dizer que a amava. Ou que a desejava, ou algo do tipo. Porém, ele não disse nada. Ele apenas virou-se para a televisão. Ela olhou para o aparelho, e depois para Clark. Ele não era o único com problemas. Agora que havia decidido confrontar o pai, ela podia conversar com Clark a respeito disso. Precisava do mesmo apoio que havia oferecido. Ela queria dividir seus problemas, seus sonhos... sua vida. Ela queria que ele a amasse. E ele estava vendo televisão. Althea se aproximou dele no sofá, e Clark colocou o braço ao redor dos ombros dela. Estava tudo bem. Porém, às 23h, quando se levantou para ir dormir, ele nem ao menos a beijou. Ela o viu sair da sala, lembrando-se de que o dia dele havia sido pesado. Na verdade, três anos difíceis estavam prestes a culminar na pior ou na melhor notícia da vida dele. Ela não podia culpá-lo


por estar preocupado. NA MANHÃ seguinte ela acordou cedo de novo. Não só precisava provar para si mesma que podia se encaixar naquela família, mas também havia prometido que iria fazer o que fosse preciso para deixar todos felizes. Ela preparou mingau de aveia – o que fez Jack resmungar e pedir panquecas. Teagan bateu palmas alegremente. Clark entrou na cozinha parecendo mais disposto. Segurando uma tigela de mingau, ele disse: – Lembra-se do e-mail que eu estava esperando? Com a respiração presa, ela virou-se para ele. – No final das contas, eu estava me preocupando por nada. O último projeto em que Carol trabalhou pertence a mim. A alegria explodiu dentro dela. Uma notícia dessas merecia uma fanfarra... mas as crianças iriam desconfiar de algo. Por isso, ela não podia abraçá-lo. Mas, se eles teriam um relacionamento, qual o problema se as crianças vissem um beijo? Por que não abraçá-lo? Uma pessoa normal não faria isso? Ela apenas sorriu. – Que ótimo. – É, pai, espero que você consiga a oferta. Clark tamborilou na cadeira do filho. – A espera terminou. Ele é meu. Althea refreou um riso e juntou-se a eles no café da manhã. Clark disse: – Então, hoje é o dia em que vamos escolher fotos no computador? – Pensei em fazermos isso de manhã e assarmos biscoitos à tarde. Teagan ficou de boca aberta e bateu palminhas antes de descer da banqueta, correr até Clark e puxar a manga da camisa dele. Clark balançou a cabeça e beijou o topo da cabeça dela. – Não. Chega de sussurrar. Eu quero que você fale. Ela franziu o cenho. As sobrancelhas de Althea se ergueram. Resolvida a dúvida sobre a paternidade, Clark não iria aliviar com ela. A menina franziu o cenho e voltou a se sentar na banqueta. Clark tomou o mingau enquanto lia o Wall Street Journal e depois saiu para o trabalho. Ele não a segurou pelos ombros, não a puxou para si, nem lhe deu um beijo. Ele não sorriu para ela. Na verdade, ele estava tão distraído com sua pasta e o casaco que mal olhou para Althea. Desta vez ela não podia culpar a preocupação dele. As notas de Jack haviam melhorado. Os resultados dos testes de DNA já haviam chegado. Agora que estava feliz e livre de preocupações, ele parecia ter se esquecido dela. Ela balançou a cabeça, tentando afastar aquele pensamento, dizendo para si mesma que era ridículo. Mas ações falavam mais do que palavras. Ele não havia percebido o trabalho dela no dia anterior. E mal havia reparado nela naquela manhã. Ela ocupou a mente ajudando as crianças a escolherem fotos para o álbum. Porém, não conseguiu parar de se preocupar com a indiferença dele naquela manhã. Tentando ocupar a mente, ela e as


crianças assaram biscoitos a tarde toda. Quando Clark voltou para o escritório, a casa estava tomada pelo perfume de açúcar e canela, assim como o aroma do frango assado e do purê de batatas com ervilhas que ela havia preparado para o jantar. Ele pegou Teagan no colo a caminho da cozinha. Depois de sentá-la à mesa, ele tirou um pedaço de papel do bolso do paletó e o entregou a Jack. O menino o abriu e pulou de alegria. – Eu sabia que tinha ido bem. Sentindo-se estranhamente deixada de lado, Althea disse: – Ah, essas são as suas notas? Ele fez que sim com a cabeça. – Aqui, veja você mesma. Eu me saí muito bem. Ao ler o boletim, ela sorriu. – Estou muito orgulhosa de você. Eles jantaram conversando alegremente sobre as notas de Jack e sua ida para a escola “de verdade”. Quando todos já haviam terminado, Clark roubou um biscoito de sobremesa. – Jack, que tal colocar os pratos na lava-louças? Ainda animado pelas boas notas, ele pulou alegremente da banqueta. – Claro. Clark segurou a mão de Althea. – Gostaria de conversar em particular com você na garagem. – Na garagem? – Santo Deus. Ela passara o dia toda preocupada, achando que ele não a queria mais, e ali estava ele roubando-a para beijá-la na garagem. A felicidade dela retornou em uma onda de alegria. Havia se preocupado por nada! Ele colocou o dedo sobre os lábios dela fazendo “Shhh”, e depois a levou pelo corredor até a porta que se abria para a garagem. – Eu fui ao shopping hoje. E acho que comprei a boneca que Teagan queria. Quero que você dê uma olhada nela, para termos certeza. – Ah. – Não foi exatamente uma decepção. Ela queria que Teagan ganhasse aquela boneca especial tanto quanto ele, mas nos últimos dias a comunicação entre eles havia sido estritamente sobre as crianças. Sobre ele. E naquela manhã, ele a ignorara por completo. Embora, na noite anterior, tivesse dito que gostava dela, a centelha do sentimento que demonstrava ter por Althea parecia estar se apagando. Na garagem, ele tirou a boneca de dentro de uma grande sacola, com outros presentes que havia comprado para as crianças. Todos os sentimentos estranhos dela desapareceram. Ele estava se preparando para o Natal... para os filhos. Ele não estava mais preocupado com as notas de Jack e o DNA de Teagan, mas sim com o Natal. Como poderia culpá-lo por isso? Althea sorriu para ele. – Esta é a boneca. – Eu sou o cara! Ela riu. – Sim, você é. De repente, Jack apareceu na porta.


– Ei, pai! A sra. Alwine está aqui! Ele pegou a boneca da mão de Althea e a jogou dentro da sacola antes de correr para a porta. Althea o seguiu. Uma mulher alta e magra estava parada na cozinha, com Teagan nos braços. A menina a abraçava com tanta força que parecia nunca mais querer soltá-la. Clark aproximou-se dela. – Sra. Alwine! Como é bom vê-la! Como está se sentindo? – Estou ótima. Você estava certo. A semana extra de recuperação fez maravilhas. Ele estava certo? Ele havia conversado com a sra. Alwine e nunca lhe contou? – Que ótimo. A sra. Alwine riu. – Sim, foi ótimo. Mas sei que vocês precisam de alguém para cozinhar no feriado, e aqui estou. Althea observou Jack se sentar em uma banqueta e Clark conversar alegremente, contando como eles haviam se virado sem ela graças a Althea. – Que bom. As notas de Jack estão melhores, então? – Sim – confirmou Jack. O menino conversou com ela quase da mesma forma com que falava com Althea. Amigavelmente. Inclusivamente. A sra. Alwine sabia tanto sobre Jack quanto ela. Sua presença ali praticamente expulsava Althea daquele lugar. Pior: a sra. Alwine não era a mulher de 50 anos que ela havia imaginado; tinha, no máximo, 35. Era jovem. Alegre. Energética. Ela provavelmente fazia biscoitos. Fazia o jantar. Lembrava-se sempre das roupas sujas. E Teagan a amava. E Jack também. E Clark, também – não de maneira romântica, mas ele obviamente estava feliz por ela ter voltado. – Bom, eu posso estar aqui amanhã de manhã. – Ela fez cócegas na barriga de Teagan. – Nós podemos assar biscoitos. Teagan riu. – Nós fizemos biscoitos. – Althea se sentiu uma idiota por falar isso. A sra. Alwine sorriu. – O que vocês fizeram? – Biscoitos de açúcar em formato de botas. Depois, nós os pintamos. Ela fez cócegas na barriga de Teagan de novo. – Então, nós faremos biscoitos de chocolate! Jack disse: – Isso aí! Clark sorriu. E Althea de repente se perguntou se não teria interpretado tudo errado. Será que ela estava tão desesperada por amor que havia escutado coisas que Clark nunca disse?


CAPÍTULO 12

A SRA. Alwine foi embora com a promessa de voltar no dia seguinte. Althea estava indo para seu quarto quando Clark disse: – Ei, por que não fazemos chocolate quente e nos sentamos diante da árvore? As crianças gritaram de felicidade, então Althea foi até os armários da cozinha. Jack pegou o açúcar e o chocolate na despensa. Clark pegou o leite. Teagan sentou-se em uma banqueta da bancada, com os ombros sobre o tampo de mármore e o queixo apoiado no punho fechado. Eles levaram a badeja com quatro chocolates quentes até a sala, e Clark acendeu as luzinhas. Teagan ficou de boca aberta. Jack sentou-se no tapete, perto da mesinha de café. Clark e Althea sentaram-se no sofá. Clark perguntou: – Vamos cantar? Teagan balançou a cabeça fervorosamente. Althea riu. – Não estamos pressionando você para falar em voz alta. Cantar faz parte do Natal. Ela balançou a cabeça de novo. De repente, Jack se levantou. – Hã... sabe, eu também estou um pouco cansado. Althea voltou o olhar para a menina, que estava quase babando sobre a mesinha de café. – Ah. – Ela estava tão absorta em seus problemas com Clark que nem havia percebido. Levantou-se. – Bem, vamos colocar Teagan na cama, então. Clark acenou para que ela se sentasse novamente. – Pode deixar comigo. Descanse. Você ficou ocupada o dia todo. Quando Clark e as crianças subiram, ela reclinou-se no sofá, dizendo para si mesma para se acalmar. Mas não conseguia. Parte dela estava preocupada com a ideia de que talvez não se encaixasse naquela família como havia imaginado. A outra parte estava preocupada com o pai. Na mente de Althea, ela sabia que os dois fatos estavam conectados. Se ela pudesse falar com Clark sobre o pai, ela finalmente conseguiria relaxar, deixaria de se preocupar com coisas estúpidas e iria se sentir parte da família de novo.


Respirou fundo, admirando a linda árvore. Como Clark já havia mencionado, Carol tinha um gosto excelente. Embora não houvesse um tema específico, as bolas multicoloridas e os sinos eram de tamanho uniforme. As luzinhas multicoloridas cintilavam. O festão prateado pendurado de galho em galho seguiam até o anjo no topo da árvore, encimado como se fosse um guardião. Clark voltou para a sala. – Bem, chega por esta noite. Althea pegou o chocolate quente, nervosa. Clark sentou-se ao lado dela. – Você também parece estar cansada. – Estou. E eu... – Ela parou de falar. Embora contar a Clark sobre seu passado tenha sido relativamente simples, ela aparentemente não conseguia encontrar palavras para revelar a ele que seu pai estava muito presente. Toda vez que ela abria a boca, lembrava-se de Clark bravo com Carol, imaginando onde ela estava com a cabeça para trazer tantos problemas àquela casa. Logicamente, Carol não achava que iria morrer, que a paternidade da filha ia ser posta em xeque. Ela não achava que seu caso extraconjugal se tornaria público. Althea, por outro lado, sabia que seu pai queria dinheiro. Clark fez carinho nos ombros dela. Ela deu um pulo, sobressaltada. – Desculpe. Ele inclinou-se para a frente e a beijou. – Não precisa se desculpar. Só agora percebi o quanto eu estava preocupado. – Ele sorriu. – Espero que eu possa compensar. Ela queria que ele o fizesse. Com cada fibra de seu ser, ela queria. Roçou delicadamente os lábios dele com os seus. – O que você tem em mente? Ele retribuiu o beijo. – Ah, um pouco disso e um pouco daquilo. Ela riu, sentindo a tensão ceder um pouco. Ela também se lembrou de que tinha um plano para lidar com o pai. Talvez devesse contar a ele só depois que tudo estivesse acertado? Ele deslizou para mais perto, deitou-a sobre o encosto do sofá e a beijou. A sensação era como a de estar em casa. Até alguns dias atrás, estar com Clark havia sido fácil. Então o problema das notas de Jack foi resolvido. Os resultados dos testes de DNA mostraram que Teagan era filha de Clark. A sra. Alwine voltou... e ninguém mais precisava de Althea. Ela afastou esse pensamento. Clark não a estaria beijando se não precisasse dela. A estranheza que ela estava sentindo não vinha dele. Desde que seu pai reaparecera ela estava ansiosa, nervosa, inquieta. Do mesmo jeito que ela se sentia quando morava com ele. Então Althea percebeu que queria conversar. Ela precisava colocar isso para fora. Compartilhar sua dor. Isso fazia parte da vida de um casal. Ela parou de beijá-lo e inclinou a cabeça para cima. – Eu, hã... Ele levantou-se e estendeu a mão para ajudá-la a se levantar. – Está tudo bem. Não quero forçá-la a nada, se você não estiver pronta. – Eu acho que estou pronta. Exceto...


Ele riu. – Eu sei. Todos estão cansados. Jack dormiu assim que deitou a cabeça no travesseiro. Teagan nem ouviu a história toda. O que você e as crianças fizeram hoje? – Ele balançou a cabeça, rindo novamente. – Bom, amanhã será melhor. Com a sra. Alwine de volta, você não precisa se preocupar com roupas sujas e arrumação. E eu estarei em casa o dia todo. – Ele a beijou de novo. Um beijo rápido, superficial. – Não é isso. Meu pai... Ele a calou, colocando o dedo sobre os lábios dela. – Querida, esse é nosso primeiro feriado juntos. Não o estrague relembrando coisas que a deixam triste. Vamos desfrutar. Ela piscou, sentindo a confusão e o desespero tomarem conta de seu íntimo. Esse era o problema. Manteve-se ao lado dele durante todos os problemas, ajudando-o a lidar com Jack e Teagan, mas, agora que ela precisava dele, não era correspondida. Ela estava distraída e nervosa, mas Clark, afinal, não sabia ler mentes. – É que... Ele balançou a cabeça. – Althea, ele estragou todos os seus Natais, desde que você era criança. Tire-o da sua cabeça! – Ele veio aqui. – O quê? – Ele veio aqui outro dia. Ele quer o dinheiro pelo carro. – Nós lhe daremos o dinheiro. – Não é assim tão fácil. Clark se levantou, estendendo a mão para ela. – Venha. Vá para a cama, descanse. Pela manhã, você verá que as coisas não são tão terríveis quanto parecem. Althea quase bateu o pé e exigiu que ele a ouvisse, mas acabou se perguntando se ele não estava certo. No quarto, ela pegou o celular e encontrou uma mensagem do pai. Você já tem o meu dinheiro? Ela fechou os olhos com força. Sabia que Clark a estava apoiando, mas não era suficiente. Althea queria que o pai sumisse da sua vida. Quase não dormiu naquela noite, e, pela manhã, tampouco encontrou o alívio que Clark havia profetizado. A sra. Alwine já havia preparado o café da manhã: bacon, ovos e torrada. Clark fez o desjejum diante do laptop. Quando terminou, ela pediu licença, foi para o quarto, tomou um banho e vestiu um jeans e um suéter limpos. – Onde está todo mundo? – perguntou ela à sra. Alwine, depois de não encontrar ninguém na casa. A sra. Alwine riu. – Missão especial e privada. – Ah. E ela não foi convidada. Ainda assim, ela sorriu para a sra. Alwine. Uma hora depois, Clark e as crianças voltaram, depois de terem almoçado no shopping. Ela se sentou sozinha à mesa da cozinha, enquanto a sra. Alwine preparava o material.


– Nós vamos fazer biscoitos de chocolate hoje à tarde, caso queira nos acompanhar. Althea a encarou. – Claro, vai ser divertido. A sra. Alwine sentou-se à mesa com uma xícara de café. – Sei que parece estranho quando as pessoas vão e vêm misteriosamente. Mas é Natal. Ela sorriu. – E as crianças devem amar fazer biscoitos com você, pois não param de falar nisso. Althea assentiu. A sra. Alwine balançou o indicador na direção dela. – Então, não fique assim tão triste. Ela riu e ajudou com os biscoitos naquela tarde, mas tudo estava diferente. Agora, até as crianças estavam se comportando de outra forma na presença dela. Naquela noite, depois que Jack e Teagan já estavam na cama, ansiosas pela chegada do Natal, Althea confrontou Clark: – Eu entendo que não faço parte da família. Mas você me disse coisas que, admitiu, nunca havia contado para mais ninguém. Então, o único motivo pelo qual eu imagino que você e as crianças saíram hoje sem me contar é alguma coisa relacionada a mim. Ele se sentou na cadeira e a encarou por trás das pálpebras semicerradas. – Sim. O coração de Althea deu um salto. Santo Deus. Ela estava certa de que Clark a chamaria de paranoica e quase teve um colapso quando ele confirmou as suspeitas iniciais. Sim! Tinha a ver com ela. – Entendo. Ela virou-se para sair, mas Clark a segurou pela mão e a puxou com tanta força que Althea caiu no colo dele. – Althea! É Natal. As crianças me fizeram levá-las para comprar presentes para você. A vergonha tomou conta dela. Ah, Deus. Ele riu. – Eles queriam que fosse uma surpresa. Lágrimas encheram os olhos dela. – Sinto muito. – Você está cansada! Você é uma mulher solteira que passou um mês inteiro bancando a mãe de duas crianças. Agora que tudo terminou, você está em estado de choque, ou algo do tipo. Ele deu um beijo suave nos lábios dela, antes de erguê-la e dar um tapinha no traseiro dela. – Vá para a cama. Althea caminhou para o quarto como um zumbi. Seus medos foram esquecidos. As suspeitas, obliteradas. A mente dela estava vazia. Ela se sentiu deixada de fora, quando na verdade eles a estavam incluindo de alguma forma, fazendo algo bom para ela. Fechou a porta do quarto e encostou-se nela. Era como ter 14 anos de novo, temendo que o pai estivesse bravo com ela, preocupada que ele iria descobrir algum segredo que deveria ficar escondido. Althea deixou-se cair na cama, colocando a cabeça entre as mãos. As lágrimas que ameaçaram cair no escritório de Clark ganharam forma. Ele achou que ela estava cansada, mas era outra coisa: estava


arruinada. Ela não sabia como confiar. Dava o melhor de si para solucionar problemas, nisso foi muito boa – com as notas de Jack e as preocupações de Clark. Agora que tudo estava resolvido, ela se sentia à deriva. Althea enxugou as lágrimas das bochechas com a mão. Ela não merecia aquela família; com certeza não queria envolver o maravilhoso Clark em outro relacionamento ruim. Caramba! Ele já havia sofrido o bastante – três longos anos – por causa de Carol. Chorando incontrolavelmente, ela levantou-se da cama, abriu o armário e começou a fazer as malas. Amanhã seria véspera de Natal, e ela não queria estragar o feriado para as crianças. Eles tinham a sra. Alwine. Clark estava curado e apto a dar a eles o melhor Natal de todos. E se ela ficasse e eles lhe dessem os presentes, ela iria ruir. Jamais iria conseguir deixar Clark, e ele ficaria preso a outra mulher que não lhe daria nada além de problemas. Com as malas prontas e a mochila sobre o ombro, ela saiu do quarto. Todas as luzes estavam apagadas, o que significava que Clark já havia ido dormir. Althea suspirou de alívio. Evitando dar uma última olhada para trás nas escadas ou na árvore de Natal cintilando sob o luar que entrava pela grande janela, ela chegou até a porta da frente. – Eu quero marias-chiquinhas. Ela parou e virou-se. – Teagan – sussurrou ela. Uma risada escapou. – Eu disse para você falar quando quisesse muito alguma coisa. Teagan, que estava no terceiro degrau da escada, mostrou dois elásticos de cabelo iguais. – Eu quero marias-chiquinhas. Ela colocou as malas no chão e depois a mochila em cima delas. – Querida – sussurrou. – Você deveria estar na cama. A menina respondeu estendendo os dois elásticos de cabelo. Althea riu. Vasculhando sua bolsa, ela encontrou um pente. – Certo. Vamos fazer isso rapidinho. Ela então começou a passar o pente pelos cachos longos e castanhos de Teagan, partindo rapidamente o cabelo para depois prender cada parte com um elástico, um de cada lado da cabeça dela. Ela sorriu, virando-se para Teagan. – Você está adorável. Teagan sorriu. – Eu sei. Ela balançou a cabeça. – Então agora você vai começar a falar? A menina assentiu. E Althea sentiu a porta se fechar em mais um capítulo de sua vida. Com Teagan falando, todas as tarefas que deveria cumprir quando chegou àquela casa estavam feitas. – Aonde você está indo? – Vou dar uma voltinha de carro. Teagan franziu o cenho. – Eu quero que você fique. A dor atravessou o corpo dela. Ela também queria ficar. Mais do que qualquer coisa, ela queria ficar. Mas sua vida estava em ruínas, e aquela família enfim se mostrava “consertada”. Não iria arrastar suas dúvidas e incertezas para o seio de um lar feliz.


Ela parou diante de Teagan. – Eu gostaria de ficar, mas não posso. Preciso ir ver minha irmã. – Aquilo era mentira, mas não completamente. Ela se encontraria com Missy antes de deixar a cidade. Teagan olhou para o degrau debaixo. – Mas eu quero que você fique aqui. – Às vezes as pessoas não podem ficar. Às vezes as pessoas entram em nossas vidas quando precisamos delas, mas ficam apenas enquanto fazem o seu trabalho, e depois vão embora. – Como um anjo. Ela riu. Não se intitularia de anjo. Ainda assim, se isso deixava a menina feliz... – Sim, como um anjo. Agora, vá para a cama. Teagan assentiu e subiu as escadas, mas no meio do caminho, parou, voltou correndo e se jogou nos braços de Althea. – Eu amo você. Althea comprimiu os lábios. – Eu também amo você.


CAPÍTULO 13

CLARK ACORDOU animado, com uma felicidade que não sentia há anos. Era véspera do Natal e ele estava apaixonado. Ele estava amando. Amor de verdade. Ele sabia que havia algo de diferente, de especial, em Althea desde o dia em que a entrevistara. Mas jamais teria imaginado que confiar nela o levaria a encarar seus medos. E a recompensa era a liberdade de poder amá-la. Ainda sonolento, caminhou até a cozinha. Jack estava sentado na bancada, comendo uma tigela de cereais e lendo um livro. Um livro. Santo Deus. Será que aquela mulher conseguiria ter um impacto maior em sua família? Ele havia dito que não a merecia, e talvez fosse verdade. Mas passaria o resto da vida amando-a. Clark olhou para o corredor. A porta dela estava fechada, o que significava que ela ainda estava dormindo. – Nós devíamos fazer algo especial para Althea. Jack olhou para cima. – Como o quê? Já compramos um presente para ela. – Eu sei, mas e se saíssemos hoje para jantar? Quando saíram da boca dele, as palavras pareceram erradas. Por que ele estava convidando Jack e Teagan para seu primeiro encontro com Althea? Ele não podia deixar as crianças com uma babá na véspera de Natal, mas no dia 26 ele pretendia levar Althea para sair. Levá-la a algum lugar especial. A sra. Alwine entrou na cozinha pela garagem. Retirando o cachecol, ela disse: – O que vocês dois estão fazendo acordados às 6h? Jack disse: – Eu estava com fome. Clark riu. – Achei que era mais tarde. – Ainda está escuro lá fora! – Ela olhou para o cereal de Jack. – Eu ia fazer panquecas de maçã. Jack colocou a tigela de lado. – Tudo bem, então.


Teagan entrou na cozinha, esfregando os olhos. – Oi, docinho. Franzindo o cenho, ela caminhou até o pai. Seu cabelo estava preso em duas marias-chiquinhas meio tortas, aparentemente feitas por ela mesma. Ele a colocou no colo. – É véspera de Natal! Garotinhas não deveriam ficar de cara feia hoje. Althea vai ficar triste com você. – Não, não vai. Clark congelou. Jack virou a cabeça no mesmo instante. A sra. Alwine encarou-a boquiaberta. – Teagan! Você falou! Jack e a irmã bateram as mãos no ar. – Isso aí, maninha. Teagan se aninhou na camisa do pai. – Ela não ama a gente. Ela disse que ama, mas não é verdade. A tristeza na voz dela finalmente o alcançou. – Você está falando da Althea? Ela assentiu. – Não seja tola. Ela adora você. – Ela foi embola. A alegria de ouvir Teagan falar foi rapidamente substituída por um medo paralisante. – O quê? – Ainda era cedo. Cedo demais para Althea ter saído. Além disso, Teagan havia acabado de acordar. Como ela saberia que Althea foi embora? – Você teve um pesadelo? A menina balançou a cabeça. As marias-chiquinhas desiguais balançaram. – Bom, agora que você está falando, pode responder sem balançar a cabeça nem fazer caretas. Conte para o papai, você teve um sonho ruim? – Ela fez marias-chiquinhas no meu cabelo e disse que ia embola. Clark congelou. Olhou mais uma vez para o cabelo da filha, reparando como os elásticos estavam presos com firmeza e precisão. Aquilo não era o trabalho de uma criança de 3 anos. Elas ficaram tortas por que Teagan havia dormido sobre elas. Ele a virou sobre seu colo. – Ela saiu noite passada? Teagan assentiu com a cabeça. – Ela levou as malas? Ela assentiu de novo. Clark sentiu o coração quase parar. Ele colocou a menina na banqueta ao lado de Jack e correu para o quarto dela. A cama havia sido feita, impecavelmente. As gavetas estavam puxadas e vazias, assim como o armário. Ao aproximar-se da penteadeira, ele viu um bilhete apoiado contra o espelho. Ele o pegou e o abriu. Sinto muito por partir desta maneira. Mas, com a volta da sra. Alwine e com Jack na escola, com notas boas, percebi que era hora de ir embora. Meu pai quer que eu lhe pague pelo carro, e graças a


você, agora eu posso. Mas ele seria um aborrecimento constante se eu ficasse – ele iria estar sempre por perto. Eu jamais me esquecerei de vocês. Clark jogou o pedaço de papel sobre a cama e olhou para cima, exasperado. Havia percebido o nervosismo dela nos últimos dias, mas achou que era por causa de tudo que estava acontecendo entre eles. Então ele lhe deu espaço, distância, para poder respirar. – Você a ama, papai? Ele virou-se para encarar Teagan. A sra. Alwine aproximou-se e colocou as mãos sobre os ombros da menina. – Vou levá-la para a cozinha, para me ajudar a fazer as panquecas. Ela conduziu menina até a cozinha enquanto Clark olhava ao redor, sentindo algo próximo do desespero. Ele entendia a preocupação de Althea com eles, mas era capaz de lidar com o pai dela. Confuso e desorientado, ele voltou para a cozinha. Teagan chorava na bancada. – Eu quelo Althea. Ele sentou-se na banqueta ao lado dela. – Também quero Althea, filha. – O cérebro dele buscava por respostas. O que ele havia feito? Por que ele decidira dar espaço a ela? Ele deveria ter perguntado o que estava se passando, deveria ter deixado claro o quanto ela importava para todos eles. Mas, não. Ele havia sido lógico. E agora a havia perdido. ALTHEA CAMINHOU pela silenciosa e escura rua principal de Newland. O ar frio transformava sua respiração em fumaça conforme ela caminhava determinadamente em direção ao restaurante. Parou diante da porta e fechou os olhos com força. Aquilo era algo que precisava ser feito. Depois disso, enfim estaria livre ir embora. Para longe de Missy. Longe de Clark. Longe das pessoas cujas vidas normais ela não queria atrapalhar. Althea abriu a porta, e a sineta tocou. O doce aroma de bolinhos de canela dominava o ar. Mesas e boxes vazios no salão semiescuro. Véspera de Natal. Por volta das 9h as pessoas começariam a chegar em busca de bolinhos frescos. Até lá, ele estaria sozinho. – Só um minuto, apressadinho – chamou ele da cozinha. Quando se tratava dos clientes, ele era o Sr. Personalidade. Era por isso que ela e Missy sabiam que não ia adiantar nada se elas buscassem ajuda. Quem acreditaria que um sujeito tão bom, um pequeno empresário de respeito, machucava a mulher e as filhas? Ele saiu da cozinha secando as mãos em um pano de prato. Ao vê-la, parou e sorriu. – Mas, ora, minha filhinha. Feliz Natal. O apelido atravessou-a como uma faca. Ela amassou o cheque dentro do bolso. O medo ameaçava tomar conta, mas ela então se lembrou de que aquele pedaço de papel representava a liberdade. Decidida, deu dois passos em direção ao balcão. – Então, o que você quer? Panquecas grátis? Uma dúzia de bolinhos de canela para impressionar seu namorado? – Ele deu uma risadinha cínica. – Nada vem de graça nessa vida. Você vai pagar como qualquer outro cliente. – Eu já paguei mais do que qualquer outra pessoa.


O rosto dele transformou-se em uma massa de desprezo. – Como é que é? – O que você vai fazer? Bater em mim? Antes que ele pudesse responder, ela colocou o cheque sobre o balcão. Cada centavo que ela possuía. – Isso é pelo carro. O rosto dele iluminou-se. – Muito bem. Vejo que você tem dinheiro, afinal de contas. Ela deslizou o recibo sobre a mesa na direção dele e lhe entregou uma caneta. – Assine. – O que é isso? – Um recibo pelo carro. Se você não assinar, eu vou sustar o cheque. Sem um segundo de hesitação, ele o assinou. Ela pegou o recibo e o guardou na bolsa. – É isso. – E respirou fundo. Era isso. Agora ela passaria o resto da vida preocupada, fugindo. – Estou falando sério, esse é todo o dinheiro que ganhei ensinando Jack. Não tenho mais nada. – Minha filhinha, Missy conseguiu virar alguém, e ela nem tem ensino superior como você. Tenho certeza de que você conseguirá se dar tão bem quanto ela. A raiva fervilhou nas veias de Althea. Ele pretendia usá-la! Althea encarou o pai, e pela primeira vez viu que ele não era só escória – ele era também um covarde, por abusar da própria filha. – Se você tentar me procurar de novo, vou chamar a polícia. Ele pegou o cheque. – Tudo bem, está certo. – Estou falando sério. Quando eu pedir uma ordem de restrição, não só vou contar a todos que você nos batia, mas também vou revelar todos os segredos sujos dessa família. – Filhinha... – Não me chame assim. Vou contar como você quebrou meu braço, como você queimava nossas roupas, como você quebrou as costelas da mamãe e se recusou a levá-la ao hospital. Ele deu um passo para trás. Althea poderia ter dito muito mais, mas simplesmente saiu pela porta. Mais uma vez, ela estava sozinha na véspera de Natal. CLARK CAMINHAVA pelo escritório, esperando o correr das horas até poder ligar para Missy. Ele não tinha absolutamente nenhuma ideia de por que Althea achou que poderia ou deveria ir embora... exceto que ela estava tentando proteger a família dele do pai dela. Uma lógica distorcida, para dizer o mínimo, mas que um homem que passara três anos se recusando a fazer exame de DNA na própria filha podia entender. Ele não podia e não iria deixá-la escapar. Pegando o casaco, Clark gritou da porta para a sra. Alwine: – Sra. Alwine, vou ficar fora por algumas horas. Pode dar uma olhada nas crianças?


ALTHEA ENTROU no carro e, assim que saiu da cidade, começou a rir, aliviada. Tinha conseguido. Havia encarado o pai e pagado sua dívida como uma mulher honesta. Ela queria muito poder contar a Clark, agarrar seus ombros e beijá-lo, mas ele merecia alguém que não fosse tão traumatizada. Alguém que soubesse como ser uma mãe. Uma mulher linda de verdade, que daria uma ótima anfitriã. Diminuindo a velocidade, a tristeza ameaçou fazê-la chorar. Sua vida era uma droga, e ela não queria passar outro Natal sozinha. Althea virou uma esquina e entrou na rua que a levaria para a antiga casa da avó, então estacionou atrás de um imenso trailer. Ela não calculou as horas; as luzes da cozinha estavam acesas. Alguém devia estar acordado, pelo menos. Ela então bateu na porta. Quando Missy abriu a porta, ela caiu nos braços na irmã. – Ei, ei! O que foi? – Eu falei com o papai. – Oh. – Droga! Eu não ligo mais para isso. Missy a afastou para encará-la. – Que bom. Está na hora mesmo de você se livrar desse rancor. Por que está chorando, então? – Eu deixei Clark. – Ah, querida. Por quê? – Eu me apaixonei por ele e as crianças... e pela cadela gigante. – Oh, oh. – Missy a levou para dentro. A família dela estava sentada junto a uma grande mesa preta. Ao reparar como a casa havia sido reformada sem perder o aconchego, ela sorriu. Sua irmã tinha tudo que precisava. Tudo que as duas sempre sonharam. Lágrimas ameaçaram verter dos olhos dela. Eles então ouviram uma batida na porta. – Quem diabos pode ser? – perguntou Missy. O primeiro pensamento de Althea foi que se tratava do pai delas. Porém, em vez de sentir medo, ela sentiu apenas uma grande exaustão. Ela endireitou os ombros. – Eu atendo. Missy tentou impedi-la, mas a irmã foi mais rápida. Althea abriu a porta, dizendo: – E agora, o que foi? Você não entendeu o que disse de manhã? Mas não era o pai dela parado ali na varanda. Era Clark, que simplesmente franziu a testa. – Na verdade, não. O coração dela quase saltou pela garganta. – Clark. – Teagan falou. A felicidade na voz dele a fez sorrir. Ela sentira a mesma alegria na noite anterior. – Eu sei. Ela me pediu para fazer o cabelo dela ontem à noite. – O rosto dela ficou vermelho. Ontem, antes de ela fugir. Ele enfiou as mãos nos bolsos da frente do jeans. – Por que você foi embora?


– Eu precisava encarar meu pai. Ele segurou o braço dela. – Venha. Se quer encarar seu pai, faremos isso juntos. Agora. – Eu já falei com ele. – Caramba, mulher. Eu queria ajudá-la, da mesma forma que você me ajudou. – Oh. Obrigada pela oferta, mas já cuidei disso. – Mesmo? – É. Eu o enfrentei. – E dizer isso a fez se sentir forte novamente. – Então, feliz Natal. Ele colocou o pé no vão da porta antes que ela a fechasse. – Espere! Eu sei que essas últimas semanas significaram algo para você. Não quer passar o Natal comigo e as crianças? Este não ia ser o Natal perfeito para minha família? Foi como se uma flecha a tivesse acertado bem no meio do peito. – Você pode contar com a sra. Alwine. – Eu a paguei muito bem para que ela preparasse o jantar. E quero você conosco. Ela balançou a cabeça. – Não posso voltar. – Por que não? Ela tentou fechar a porta novamente. – Eu vou passar o Natal com minha família. Ele firmou o pé com mais força entre a porta e o batente. – Achei que fôssemos uma família. Com os lábios tremendo, ela não conseguiu segurar as palavras. – Também achei. A voz dele era suave, porém cheia de confusão. – Então, por que não volta comigo? Althea se recusava a dizer em voz alta; já era embaraçoso demais saber que não era boa o suficiente para ele. Ela se recusava a implorar para que ele a aceitasse. – Adeus, Clark. – Adeus? Você nos fez amá-la e agora nos abandona? Ela o encarou. – Você me ama? – Bem, sim. – Ele passou a mão pelo pescoço. – Sei que tenho estado preocupado, mas também não queria assustar você. – Ele fez uma careta. – Eu sempre acho que a estou obrigando a fazer alguma coisa que você não quer, só porque sou muito carente. – Eu não sou o que você precisa. Não sei como ser uma mãe. Não sei nem ao menos ser uma boa namorada. – Não quero que você seja minha namorada. Quero que seja minha esposa. – Ele se aproximou um passo dela. – E esse papo de não ser o que eu preciso? – Clark riu. – Quem diabos sabe o que realmente precisamos? Eu quero você. Você me faz rir e ama meus filhos. Você até rebatizou minha cachorra. – Ele sorriu. – Isso exige bastante presença de espírito. Ela riu brevemente. – Eu entrei em pânico quando você saiu para comprar presentes, ontem. Achei que estava me abandonando.


– E por que eu iria abandoná-la? – A voz dele era acalentadora. Os lábios dela tremiam. – Ninguém nunca me quis de verdade. – Nós a queremos. E muito. – Mas eu não sei como me comportar com as pessoas que me querem bem. – Tecnicamente, ninguém nunca me quis, também. Você é meu primeiro amor. É a única que me toca aqui. – Ele levou a mão ao coração. – Nós aprenderemos juntos o que é o verdadeiro amor. – Você não se importa se eu me esquecer de lavar as roupas, às vezes? – Nós temos a sra. Alwine. Eu quero apenas que você nos ame. Lágrimas verteram pelos olhos dela; seus lábios tremiam. – E você, quer que eu a ame? – Sim – assentiu ela. – Bem, eu amo você. – Ele esperou um segundo, e então perguntou: – E você também me ama? Ela assentiu mais uma vez. – Diga – murmurou ele. Ela ergueu a cabeça lentamente, encontrando o olhar dele. Olhando no fundo daqueles olhos lindos cor de âmbar, ela engoliu em seco. Ele a amava. Ela o amava. Ela se arriscara para enfrentar o pai. E talvez devesse se arriscar agora. – Eu amo você. Ele a pegou nos braços e a beijou longamente, do jeito que via os homens fazendo nos filmes. A felicidade borbulhou dentro dela, erradicando de vez seu medo paralisante. – Se vocês não se importarem de entrar, Wyatt preparou torradas. Althea riu entre as lágrimas. – Acho que deveríamos ir para casa, ver as crianças. – Elas ficarão bem com a sra. Alwine. Eles estão embrulhando presentes. Ela franziu a testa, e ele apertou os ombros dela. – Daqui a um Natal ou dois, você vai estar por dentro de todas essas bobeiras. – Não acho que seja bobeira. – Ela sorriu. – Acho tudo isso mágico. Missy os levou até a sala. – Por que vocês não vêm à nossa casa amanhã, para o Natal? – Por que vocês não vêm até a nossa casa? – replicou Clark. – A sra. Alwine está assando um pernil de porco, e minha mãe trará um peru. – Que delícia – disse Missy. – Eu levarei um bolo. Althea mordeu o lábio inferior. – Odeio deixar a sra. Alwine cozinhando durante todo o Natal para nós. – Ah, ela só deixou o pernil no forno, minha mãe e eu cuidaremos do resto. – Nesse caso, levarei também pão e salada – disse Missy. Althea observava a tudo sentindo amor – mais do que isso, sentindo que finalmente pertencia a uma família. Ela finalmente tinha a família que sempre sonhara para o Natal.


EPÍLOGO

NAQUELE VERÃO, Clark e Althea viajaram em lua de mel para um hotel que Wyatt possuía na costa da Flórida. Deitado em uma rede, tomando drinques cor-de-rosa em copos decorados com fatias de abacaxi, Clark não poderia estar mais feliz. Althea, entretanto, estava um pouco nervosa. – Você acha que as crianças estão bem? – Passando quatro dias na Disneylândia com meus pais? Nossa, como eles poderiam estar melhor? Ela aninhou-se junto a ele novamente. – Nós lembramos de colocar o ursinho de Teagan na mala? – Se me lembro bem, Teagan levou uma mala só com ursinhos. O que não teria dado muito certo sem o avião particular de Wyatt. – É útil ter um cunhado rico. Clark fingiu estar ofendido. – Ei, não estou tão mal no departamento financeiro. Ela riu. – Não, não está. – Vou ter que comprar um avião para provar isso? Ela sorriu timidamente e olhou para o chão; Clark, para o rosto dela. – O que foi? – É que isso tudo parece tão irreal, às vezes. – O quê, o dinheiro? O fato de você ter subitamente se tornado mãe? Ou eu? Ela sorriu. – Você. Nunca achei que iria encontrar alguém que me amasse de verdade. Ele riu, abraçando-a com mais força. – Do que você está reclamando? Eu nem sabia o que era o amor. – Mas nós fizemos as coisas funcionar. Ele a encarou. – Todos os dias. Ela encostou a cabeça no ombro dele.


– Nós vamos mesmo cochilar? – Sim. – Você não tem nenhuma outra ideia? – Não sentado ao lado da piscina do hotel, com centenas de espectadores. Mas espere até chegarmos no quarto. – Ele cochichou algo no ouvido dela que a fez rir. Ele amava a risada dela. Amava fazê-la rir. Ela era tão aberta, receptiva e honesta que ele sabia que conseguiria fazê-la rir para sempre. E era esse o propósito.


Susan Meier

ACORDO PERFEITO

Tradução Vanessa Mathias Gandini


Querida leitora, Quando lancei Ousando amar (ed. 92 de Harlequin Special), nem pensava em escrever sobre as colegas de quarto de Olivia Prentiss. Mas eu sabia que uma mulher solteira começando a vida em uma cidade grande e cara como Nova York não teria como morar sozinha. E a presença das meninas foi tão marcante que acabei ficando curiosa para conhecê-las melhor. Em um dia tedioso, lembrei de Eloise Vaughn. Ela parecia ter um passado bem interessante. Então pensei: quem poderia amá-la? Quem poderia fazê-la entender que seu valor era muito maior do que seus pais poderiam supor quando a expulsaram de casa? A resposta óbvia parecia ser Ricky Langley, também de Ousando amar. Um gênio do marketing que construiu a própria fortuna, ele deveria ser a pessoa mais feliz do mundo, porém, seu passado esconde uma tragédia pela qual ele se culpa. Ricky precisa de alguém que o ame sem máscaras, e que o traga de volta ao mundo real. Eloise e Ricky formam o par perfeito, pena que não conseguem perceber isso! Como eu poderia fazer para juntar uma mulher que precisa esquecer das tristezas com um homem que finge não ter problema algum? Simples, você os faz ir a 12 festas de Natal! Acordo perfeito sempre será uma de minhas histórias favoritas. Não apenas por ter todo o brilho e o glamour que esperamos encontrar em um romance, mas acima de tudo porque é sobre um verdadeiro milagre natalino: duas pessoas encontrando o amor. Boa leitura! Susan


CAPÍTULO 1

HÁ SEMPRE muito mês sobrando no final do salário de Eloise Vaughn. – Aqui, coloque esses biscoitos na sua bolsa. – Laura Beth Matthews apanhou um punhado de biscoitos do bufê da festa da amiga recém-casada, Olivia Engle, e o entregou a Eloise. Ela arfou. – Então agora estamos reduzidas a ladras de biscoitos? – Cinco biscoitos são um almoço. Eloise suspirou, mas abriu a bolsa Chanel e permitiu que a colega de quarto colocasse os biscoitos no interior. Esperando que ninguém visse os biscoitos caindo no interior de sua bolsa, Eloise percorreu o olhar ao redor da festa de Natal e fitou as mulheres usando belos vestidos em tons de vermelho e verde e os homens trajando smokings. A decoração em dourado e prata deu à cobertura de Engle um brilho sofisticado. O som de pedras de gelo nos copos, as risadas dos convidados e o ar de importância – riqueza e poder – inundavam a sala. Ela poderia sair da festa com um parceiro, mas não queria um encontro. Tivera o amor da sua vida e o perdera. Agora, ela queria um emprego que fosse bem remunerado. Infelizmente, sua formação não parecia combinar com o seu trabalho atual. No lugar de um emprego, tinha pensado em aceitar outra colega de quarto, alguém para ajudá-la com o aluguel do apartamento que ela compartilhava com Laura Beth. Depois, o salário de um emprego temporário que Eloise tinha atualmente no escritório de advocacia seria o bastante para que ela e Laura Beth pudessem comprar comida novamente. Mas ela não iria encontrar uma colega de quarto ali. Laura Beth estudou o restante da sua comida. – É uma pena não podermos colocar um pouco desse molho na bolsa. Eloise afastou a bolsa para trás das costas. – Você não vai colocar molho em minha Chanel. – Você percebe que poderia vender um pouco dessas roupas caras, bolsas e sapatos que possui e provavelmente comer por quase um ano inteiro. – A maioria das minhas coisas tem cinco anos. Ninguém iria querê-las. Laura Beth deu risada.


– Você faz isso dar certo. – Apenas porque sei como mudar um colarinho ou acrescentar um cinto. – Então modernize suas coisas e depois as venda. Ela não poderia. Não que amasse suas roupas e não pudesse viver sem os acessórios. Mas as roupas eram a única parte que tinha sobrado do seu passado antes de ela ter fugido da faculdade e se casado com seu príncipe encantado. Seu coração deu um salto dentro do peito. O príncipe encantado parecia uma estranha descrição. Principalmente em relação ao que ela e Wayne tinham passado. Depois que se casaram, os pais dela haviam lhe negado a riqueza, e Wayne não pôde encontrar um emprego. Então ela teve que trabalhar como garçonete e eles brigaram. Muito. Depois ele tinha sido diagnosticado com câncer pancreático e, no que pareceu ser um piscar de olhos, tinha morrido. Esmagada pelo sofrimento ela voltou para casa esperando que os pais fossem ajudá-la a lidar com a situação. Mas eles nem mesmo lhe abriram a porta. Através da empregada, seus pais lhe lembraram-na de que fora renegada por eles e não queriam nem a filha nem seus problemas. A princípio ela ficou arrasada, depois triste e então começou a ficar furiosa. Mas isso apenas aumentou sua determinação. Ela iria vencer. Não apenas para mostrar aos pais, mas para que pudesse ser feliz novamente. – GOSTARIA QUE você conhecesse minha prima. Ricky Langley ergueu os olhos para o seu advogado que ora caminhava na sua direção com uma mulher de trinta e poucos anos. Com o cabelo escuro arranjado em um coque e o brilhante vestido vermelho colado às curvas do corpo, ela o encarou com satisfação. – Janine Barron, esse é Ricky Langley. – É um prazer. Outro homem poderia ter ficado satisfeito – talvez até orgulhoso – que o seu advogado gostasse o suficiente dele para apresentá-lo a uma parente. Mas desde que seu filho tinha morrido, ele estivera importunado por uma perda tão intensa que os pensamentos de amor, romance ou até mesmo de conhecer alguém não faziam mais parte da sua vida. – Prazer em conhecê-la – declarou ele e conversou por dez minutos, mas se afastou quando encontrou a oportunidade. Ricky caminhou através da sala de estar de Tucker Engle. A árvore de Natal que Tucker tinha decorado com a nova esposa, Olivia, cintilava com todos os ornamentos em prata e dourado. O casal esperava um bebê que ainda não tinha ganhado um nome. Eles também não iriam dizer o sexo da criança. Tudo seria uma grande surpresa. Ricky comprimia os lábios enquanto sua respiração se acelerava. Ele pensou no primeiro e único Natal que havia compartilhado com o filho. Blake tinha nascido no dia 27 de dezembro. Ele tinha unido as mãos quando vira a árvore de Natal decorada com enfeites cintilantes e luzes coloridas. Blake tinha comido biscoitos de Natal. E havia ficado surpreso ao encontrar presentes. Ele não sabia falar, então gritou de alegria. Tinha sido o melhor Natal da vida de Ricky. E agora ele não tinha nada. Inspirou profundamente. Não deveria ter vindo a essa festa. Poderia ter perdido o filho havia dezoito meses, mas algumas coisas, como celebrações de Natal, sempre derrubariam. Pior, ele tinha doze ou


mais desses eventos na agenda. Dez festas, um casamento e uma reunião de fraternidade. No ano anterior, seis meses depois da sua perda, ele pôde se retirar. Esse ano, as pessoas estavam começando a se preocupar. Ele se virou para se afastar da cobertura e chocou-se com a bolsa de alguém. Ricky podia jurar que ouviu o som de algo se quebrando enquanto suas mãos seguravam a vítima. – Droga! Acho que você esmagou meus biscoitos. O bonito rosto de uma mulher loura o surpreendeu tanto que se esqueceu de que estava muito infeliz para conversar com alguém. – Você tem biscoitos em sua bolsa? Ela suspirou pesadamente e colocou uma mecha do cabelo louro para trás da orelha. – Nem sempre. – Eloise dirigiu o olhar para o smoking que ele vestia e depois meneou a cabeça. – Esqueça. Você é rico demais para entender. – Ah, você pegou biscoitos da mesa do bufê para o almoço da próxima semana. – Ao ver o olhar horrorizado que ela exibiu, Ricky inclinou a cabeça. – Eu era pobre. Fazia a mesma coisa nas festas. – Sim, bem, essa ideia foi da minha colega de quarto. Eu não sou o tipo de garota que rouba. – Você não está roubando. Esses biscoitos estavam expostos para os convidados. Você é uma convidada. Além do mais, está no final da noite. Uma vez que partirmos, as sobras serão provavelmente jogadas fora. Ou dadas a um abrigo de sem-tetos. Eloise apertou os olhos. – Ótimo. Agora estou pegando biscoitos da boca de pessoas sem-teto. Eu odeio esta cidade. Ele ficou boquiaberto. – Como você pode odiar Nova York? – Eu não odeio a cidade. Apenas odeio o custo alto de vida aqui. Subitamente ela se endireitou. Diante dos olhos dele ela mudou de uma garota trabalhadora para uma princesa. Com os ombros para trás e o sorriso polido, ela disse: – Se me dá licença, quero me despedir de Olivia e Tucker. Ele saiu do caminho dela. – É claro. Três coisas o abalaram de uma só vez. Primeiro, ela era linda. O vestido dourado abraçava os seios empinados, a cintura fina e os glúteos redondos como se tivesse sido feito sob medida para ela. Segundo, ela era refinada e polida para alguém reduzida a apanhar biscoitos extra de uma festa. Terceiro, ela mal tinha dado a ele um segundo olhar. – Ricky! Ele girou nos calcanhares e viu seu advogado caminhando na sua direção. – Eu entendo a sua relutância em se relacionar com alguém, mas não vou me desculpar por tentar encontrar alguém para você. Se não começar a namorar logo, as pessoas vão comentar. Ele não tinha acabado de pensar a mesma coisa? – Espero que elas possam inventar boas histórias. – Isso não tem graça. Você é um empresário. As pessoas não querem assinar contratos com um homem instável. – Ser solteiro não me torna instável. Eu posso nomear muitos homens que se deram muito bem sendo solteiros.


– Sim, mas a maioria deles não está pensando em liberar uma linha de videogame para crianças. Ele se virou para o outro lado. – Vou assumir os riscos. O advogado agarrou-lhe um dos braços e o impediu de se afastar. – Você está errado. Olha, você quer apoio quando assumir essa nova companhia pública no próximo ano? Então é melhor parecer vivo. Como um homem que merece apoio. O advogado se afastou no mesmo instante em que a garota dos biscoitos voltou. Ela estava virando a cabeça de um lado para o outro como se procurasse por alguém. Uma onda de prazer o inundou, surpreendendo-o. Ela era linda. Fisicamente perfeita. E com alguma consciência. Embora apanhar biscoitos de uma festa não fosse a mesma coisa que roubar um carro, ele podia ver que isso a havia aborrecido. Ele deu risada e meneou a cabeça. Bom Deus. Ela o havia feito rir. COM A festa oficialmente terminando, Eloise apanhou seu casaco de lã preto, um clássico que nunca saía de moda. No momento em que alcançou o elevador, Tucker e Olivia já estavam ali, despedindo-se dos convidados. Eloise sorriu para Olivia e segurou nas mãos dela. – Foi uma festa maravilhosa. Grávida e radiante, a loura de olho azul disse: – Obrigada. – Foi ótimo ver seus pais também. Para onde eles foram? Tentei encontrá-los para me despedir, mas eles já tinham ido embora. – Papai queria estar na cama cedo para que ele e mamãe possam acordar cedo. Iremos ao Kentucky amanhã. – Celebrar o Natal da última sexta-feira de novembro até o segundo dia de janeiro – Tucker declarou com uma risada. – Você vai tirar mais de um mês de férias? – Sim! – falou Olivia com alegria. – Cinco semanas! Vamos voltar para uma festa no meio de dezembro, mas, fora isso, estaremos em Kentucky. Eloise sorriu. Ela se perguntou por que Tucker e Olivia tinham feito a festa de Natal tão cedo. – Vai ser tão divertido. Vamos andar de trenó e skate. – Ela sorriu para o seu belo marido, um homem de cabelo escuro, com trinta e poucos anos, por quem ela se apaixonara na Itália. – E tomar chocolate quente próximo à lareira. – Parece perfeito. – Para Olivia. A mulher vivia e respirava um conto de fadas. Mas Eloise queria uma vida real. Com o marido morto e a maior parte da mágica arrancada de sua vida, tudo o que ela queria era ser normal, conseguir um emprego e nunca mais depender de alguém além de si mesma. Ela percorreu o olhar ao redor. – Você viu Laura Beth? Olivia segurou na mão de Eloise e puxou-a para o lado. – Ela partiu há dez minutos com um dos vice-presidentes de Tucker. Eloise sentiu o peito se apertar. – É mesmo?


– Eles estavam conversando sobre opções e flutuações do mercado quando se despediram de nós. Eu os ouvi dizendo algo sobre ir a uma cafeteria. – Oh. – Você precisa de um táxi? Ela umedeceu os lábios subitamente ressecados. Um táxi? Obviamente Olivia tinha se esquecido do quanto custava uma corrida de táxi. O plano tinha sido que ela e Laura Beth fossem de metrô. Juntas. Ela não queria voltar para casa sozinha tão tarde da noite e não acreditava que Laura Beth tivesse abandonado-a. Ainda assim, isso não era um problema de Olivia. – Hum. Não. Não preciso de um táxi. – Ela sorriu. – Vou de metrô. – Sozinha? – Eu amo o metrô. – Essa não era uma mentira. Ela amava o metrô. Era barato e eficiente. Mas à noite, sozinha, era também assustador. – Ah, Eloise! Eu não quero que você se arrisque. Deixe Tucker chamar o motorista dele. – Nós estamos bem. – Você está sozinha. Droga. Ela esperava que Olivia não fosse notar a manobra do uso do “nós” para fazê-la pensar que tinha companhia para ir de metrô. Tucker alcançou uma das mãos de Olivia para chamar-lhe a atenção. – Ricky está indo embora. Eloise virou-se para ver o homem que tinha esmagado seus biscoitos. Ele tinha olhos e cabelo escuros e parecia incrível em um smoking. Sexy. Inspirou profundamente. Notar que ele era sexy tinha sido um acidente. Ela se recusava a notar qualquer homem até que estivesse financeiramente estável. Olivia se colocou na ponta dos pés e beijou a bochecha dele. Certo. Ele era alto. Era difícil não notar alguém alto. Ele se endireitou e se afastou de Olivia. Eloise franziu as sobrancelhas. Também era difícil não notar aqueles olhos castanhos. E o cabelo? Escuro. Desgrenhado. Tão fora de moda que ela desejou levá-lo a um cabeleireiro. Em vez disso, ela ficou tentada a afastar a mecha de cabelo que lhe caía sobre a testa. Uau. Sério? O que havia de errado com ela? Não pretendia tomar nota de nada daquilo. Mas o homem era simplesmente muito lindo para não notar. – Boa-noite, Ricky. Obrigada por vir à festa. Espero que tenha gostado. – Estava ótima. Ele beijou uma das bochechas de Olivia, e Eloise permaneceu ali como uma idiota, percebendo o seu erro. Quando ele caminhou na sua direção, deveria ter tirado vantagem da preocupação de Olivia e entrado no elevador. Enquanto Eloise e Laura Beth se atrapalharam, Olivia tinha ganhado na loteria, estava casada, grávida e era gerente de jovens artistas. E agora ela não podia parar de se preocupar com suas antigas colegas de apartamento. Eloise não queria ser o fardo de ninguém. Ela era esperta, educada. Com o emprego certo, poderia ser feliz. O que parecia impossível era encontrar aquele emprego. Até que conseguisse isso, ela seria pobre. E Olivia iria se preocupar. Olivia lançou um olhar para Eloise e, como se estivesse vendo o óbvio, ela arfou. – Você conheceu Eloise, certo?


O homem chamado Ricky a espiou. – Eu esbarrei com ela próximo à lareira. – Ela está indo para casa, mas a amiga a deixou mais cedo – informou Olivia. – A amiga estava conversando sobre negócios com um dos empregados de Tucker. Você está com sua limusine, certo? – Ela colocou a mão sobre o ventre. – Você não se importaria em levá-la para o apartamento dela, não é? Imediatamente Eloise disse: – Não é preciso. Ao mesmo tempo Ricky declarou: – Na verdade acho que devo um favor a ela. Olivia sorriu de alegria. – Ótimo! As portas do elevador se abriram. Ricky sorriu para ela e gesticulou para a porta. – Depois de você. Eloise entrou no elevador. Enquanto as portas se fechavam, ela acenou para Olivia. – Obrigada novamente por ter me convidado. Tucker e Olivia acenaram de volta, parecendo o casal perfeito. – Obrigada por ter vindo. As portas se fecharam e o pequeno cubículo começou a descer. – Então... Sua amiga a abandonou. – Ambas estamos tentando encontrar empregos que paguem melhor do que o que temos para podermos bancar nosso aluguel. Ela estava conversando sobre negócios com um dos executivos de Tucker. Não posso culpá-la por isso. – Há quanto tempo está em Nova York? – Três anos. – É bastante tempo para ainda estar em apuros. – Nós estávamos bem até Olivia nos deixar. AS PORTAS do elevador se abriram e ela se apressou no ar frio da noite. Ele a seguiu. Quando alcançou a calçada, parou de caminhar abruptamente. Ele não era o único que tinha requisitado a sua limusine. Quatro carros longos e pretos estavam parados em frente ao edifício. Não havia uma maneira de ela passar. Não havia uma forma de chamar um táxi. Ricky parou atrás dela, passou um braço ao redor dos ombros delicados e apontou a terceira limusine. Os dedos dele roçaram acidentalmente a nuca feminina e ele sentiu as pontas dos dedos formigarem ao ter o contato com a pele macia. Ele clareou a garganta. – Sou a número três. Apenas aceite uma carona. Eloise se endireitou. – Está bem. Quando alcançaram o carro, Norman, o motorista dele, abriu a porta. Eloise entrou no veículo. Ele se sentou ao lado dela. Um minuto depois, Norman fechou a porta e o motor ganhou vida.


– Quer me dar seu endereço para que eu possa dizer ao motorista para onde levá-la? Ela disse, depois fitou o casaco enquanto ele usava o sistema de interfone interno para informar Norman. Os cinco minutos seguintes se passaram em silêncio. Finalmente, incapaz de suportar o silêncio dela, ele falou: – Eu realmente era tão pobre quanto você quando me mudei para a cidade. Não me importo em levá-la para casa. Isto não é uma imposição. Não é caridade. É uma feliz coincidência que estejamos saindo no mesmo tempo. Por favor, pare de se sentir mal. Para a surpresa dele, ela virou-se para encará-lo. – Me sentir mal? Eu não me sinto mal! Estou furiosa. Estou cansada de ver as pessoas com dó de mim quando tudo o que eu quero é um emprego decente. Sou qualificada o bastante para conseguir um, mas ninguém parece me dar uma chance. – Qual é a sua formação? – Recursos humanos. – Puxa! Você sabe que as funções dos recursos humanos podem ser aplicadas na administração ou contabilidade. E é exatamente isso o que acontece em uma recessão. – Eu sei. Que sorte a minha. – Agora, não seja esnobe. Certamente, há outras coisas que você pode fazer. – Eu já fui garçonete, e aparentemente um diploma pode lhe dar muitos empregos de secretária temporária porque agora eu estou em um bico de seis semanas em um escritório de advocacia. – Isso é alguma coisa. Ela suspirou. – Na verdade é. Eu não quero parecer ingrata. Sei que outras pessoas têm coisas muito piores em suas vidas. Ele era uma dessas pessoas que tinha sido pior do que ela. Mas não compartilhou isso... Nem mesmo com pessoas que quase o fizeram rir. E desta vez, apenas desta vez, ele queria estar com alguém que não sentisse pena dele. Ricky lançou um olhar para o chão e quase ficou cego pelo brilho dos sapatos dela. Seu olhar viajou através das pernas femininas até o casaco preto. Para uma mulher simples, ela se vestia muito bem. É claro, as roupas poderiam ser velhas. Ou ela poderia tê-las comprado em uma loja de segunda mão. Mas mesmo se ela as tivesse comprado em uma loja dessas, ela soube o que escolher e como se vestir. Na verdade, se ele pensasse sobre isso, ela tinha a aparência de uma socialite que ele tinha conhecido no ano anterior. Com exceção de que ela não era uma. Ela não tinha nenhum dinheiro. – O que Laura Beth e eu realmente precisamos é de outra colega de apartamento. Ele lançou um breve olhar para ela. – Isso não deve ser tão difícil de encontrar. – Nossa! Nós tentamos. Nunca parecemos escolher alguém que se encaixe com a gente. Ele se virou no assento. – É mesmo? Por quê? – A primeira garota que deixamos entrar tinha uma ficha corrida que nós não sabíamos até o oficial da condicional telefonar.


Ele deu uma risadinha, surpreso por ela ter feito isso novamente. Com tanta facilidade, sem nenhum esforço, ela conseguia fazê-lo rir. – Eu namorei alguém assim uma vez. – É, bem, Judy levou minha cafeteira quando partiu. – Ai! – As referências da segunda eram falsas. – Você precisa de Jason Jones. – Como? – É o sistema de busca que eu criei. Bem, eu tive a ideia. Elias Greene na verdade escreveu o programa que investiga pessoas. – É mesmo? – Sim. É ótimo. O programa lhe diz coisas que você nem mesmo percebeu que iria querer saber. – Ele sorriu polidamente. – Vou deixá-la usar de graça. Ela apertou os olhos. – Não quero sua esmola. Não quero a esmola de ninguém! Sim. Ele podia ver isso. Ele não sabia de onde ela viera, mas ela tinha coragem. Ela queria fazer isso da sua própria maneira. – Poderíamos negociar isso. Ela arfou. – Nos seus sonhos. Ele deu risada, novamente. – Não estou falando sobre sexo. Ela relaxou, mas deu a ele um olhar estranho. – Não tenho nada para negociar. – Ela ajustou o casaco na cintura. – A menos que você queria roupas femininas de ótima qualidade. – Não, mas você tem algo que eu quero. Eloise o encarou com cautela. – O quê? – Tempo. – Tempo? – Sim. Eu tenho dez festas de Natal, um casamento e uma reunião de fraternidade para comparecer. Preciso de uma companhia.


CAPÍTULO 2

ELOISE FITOU Ricky. – Eu nem mesmo sei o seu sobrenome. – É Langley. – Ele sorriu para ela. Aqueles olhos castanhos a mantiveram cativa. – E o seu? – Vaughn. Ele trocou um aperto de mãos com ela. – É um prazer conhecê-la, Eloise Vaughn. – Então você tem que ir a doze lugares no Natal e quer que eu vá com você? – Não. Eu quero que você seja minha companhia. É diferente. Ela o encarou com curiosidade. – Não sei como. – Não haverá nada romântico entre nós. Exceto fingir que há. Eu preciso de espaço. Um motivo para evitar conversas. Eloise o estudou, percebendo que ele estava sério e não estava realmente dizendo o que pensava. – E você quer que as pessoas parem de questioná-lo. Com alguém do seu lado, elas irão lhe deixar em paz. – É mais complicado do que isso. Uma companhia do meu lado será como um símbolo vivo para os meus amigos de que eu estou bem e que eles podem parar de se preocupar comigo. Eloise ficou confortável contra o banco em couro. Ele falava como um homem que tivesse acabado de sair de um péssimo relacionamento. Ninguém iria querer ter que ir a festas quando estivesse saindo de um relacionamento. Ele provavelmente não iria querer ter que explicar onde estava sua ex. Ou pior, ter que flertar com alguém. – Então você está procurando maneiras de ser capaz de ir a festas sem ser social. – Não me importo em ser social. Eu apenas não quero ter que ser social. Olha, não estou no mercado para algo romântico, então você estaria perfeitamente segura. Você poderá até mesmo se divertir. Conhecer novas pessoas. Fazer alguns contatos de trabalho. – E eu não tenho que fazer nada além de sorrir e ser polida? – E fingir que gosta de mim. Ela já tinha gostado dele. Então fingir não seria tão difícil.


– Precisamos de uma história. – Uma história? – Como nos conhecemos. Por que estamos namorando. – Por que não dizemos apenas que nos conhecemos na festa de Olivia e Tucker e começamos a namorar? – É apenas uma meia mentira. Nós nos conhecemos na festa. Mas não começamos a namorar exatamente. Nós mal nos falamos. – Estamos conversando como dois amigos agora. Ela pensou sobre isso. – Sim. Acho que sim. – Eloise inspirou profundamente. – E você vai me ajudar a encontrar um emprego? – Você não quer usar Jason Jones para encontrar uma colega de apartamento? – Uma colega de quarto é temporária. Eu quero uma solução permanente. Quero uma carreira. Ele franziu as sobrancelhas. – Está me pedindo para contratá-la? Ela ficou boquiaberta. – Deus, não! Eu não quero ser a garota no escritório que conseguiu o emprego ao namorar o patrão. Eu quero que você consiga um emprego para mim com um de seus amigos. – Não posso contratá-la, mas posso ajudá-la a fazer contatos. Ela meneou a cabeça. – Se eu vou sair com você... – ela fez a conta em sua cabeça. Dez festas, um casamento, uma reunião de fraternidade – doze vezes, então vou ter doze encontros que valerão uma ajuda. – O que você quer que eu faça? Quer que eu escreva um anúncio dizendo que alguém deveria contratá-la? – Não me importo com o que você faça. Escolha alguns dos seus amigos para ver quem está procurando por uma pessoa de recursos humanos e consiga entrevistas, e eu sairei com você doze – ela falou a palavra exageradamente para que ele visse o significado do número – vezes. Os olhos dele disseram a ela que ele estava fazendo uma conta mental, o que significava que ele a havia levado a sério, antes de ele estender uma das mãos para ela. – Feito. Eloise trocou um aperto de mãos com ele. – Feito. Eles alcançaram o edifício onde ela morava. Ela saiu da limusine e ele também. – Você não precisa me acompanhar até o apartamento. – Alguém pode estar escondido... Ela colocou a mão no peito dele e ficou surpresa por ter encontrado um muro sólido. Ele era muito mais forte do que parecia. Provavelmente todo musculoso embaixo daquele smoking. Eloise afastou a mão do peito dele. – Não precisa subir ao meu apartamento. E você precisa acreditar em mim. – Mas... – Não. – E com isso ela girou nos calcanhares e entrou no edifício. Ele era lindo, mas nenhum deles estava no mercado para um romance. E ela precisava do acordo deles. Ela não iria arriscar ficar só com ele do lado de fora do seu apartamento quando havia a possibilidade de um beijo de boa-noite. Ela


poderia ser forte, mas não era perfeita. Eloise tinha aprendido havia muito tempo que uma mulher esperta não tentava o destino. NA MANHÃ seguinte ela acordou confusa. Ou talvez desorientada. Ela não tinha ficado embriagada, então não teve uma ressaca. Mas isso também significava que ela não tinha uma desculpa por ter concordado em ir a doze encontros com um estranho. Embora ele não fosse realmente um estranho. Era um amigo de Olivia e Tucker. Alguém que Olivia gostava o suficiente para ter se colocado na ponta dos pés e o beijado em uma das bochechas. Ela agarrou o celular que estava na mesinha ao lado da cama e rumou para a cozinha. Após colocar o pó de café no coador ela telefonou para Olivia. – Olá, aqui é Olivia Engle. Por favor, deixe uma mensagem após o bipe. Droga. Ela tinha se esquecido de que Olivia e a família tinham partido cedo para Kentucky. Ela não iria deixar o celular ligado. Ela poderia deixar o celular desligado pelo mês de dezembro inteiro. O que ela dissera? Ela e Tucker iriam ter um tempo só com a família? Eloise repousou o celular sobre a mesa antes de se sentar. Perguntar para Olivia sobre Ricky Langley era pedir muito. Laura Beth entrou na cozinha. O cabelo longo e castanho caía desarranjado sobre os ombros. Os olhos verdes mal estavam abertos. – Para quem você estava telefonando? – Olivia. Eu precisava de alguma informação, mas depois me lembrei de que ela estaria voando para Kentucky hoje. Alcançando o armário para apanhar uma xícara e um saquinho de chá, Laura Beth indagou: – Que tipo de informação? – Um pouco do passado de um homem. Acho que eu posso ter encontrado uma maneira de conseguir um emprego. Laura Beth arregalou os olhos. – É mesmo? – Sim. E, a propósito, obrigada por ter me abandonado ontem à noite. – Desculpe. Bruce é o chefe do departamento de TI recém-criado. E saí para um café e consegui uma entrevista. – Sim, bem, o homem que eu conheci ontem à noite quer uma companhia para algumas festas. – Ah, meu Deus, você não... – Os olhos dela se abriram ainda mais e ela não conseguiu terminar a sentença. – Não aquele tipo de companhia. Ricky Langley parece ter saído de um relacionamento e ele não quer ir aos eventos sociais do Natal sozinho. Então ele me pediu para acompanhá-lo em todas as festas. Em troca, ele vai me apresentar a pessoas influentes e escolher alguns dos colegas para me oferecerem um emprego. – Isso parece quase tão promissor quanto a minha entrevista de emprego. Talvez mais porque você poderá ter alguns prospectos. Eloise assentiu com a cabeça. Ricky telefonou por volta das dez da manhã, desculpando-se porque a primeira festa que ela precisava atender com ele era naquela noite.


– Já? Ainda faltam dois dias para dezembro. – Meus amigos começam cedo. – Ele fez uma pausa e depois disse: – Isso é um problema? – Não. Está tudo bem. Pode ser sábado, mas eu não namoro e não tenho dinheiro suficiente para sair sozinha. – Ela fez uma careta percebendo o quanto isso tinha soado patético. – Eu disse isso para reconfortá-lo e não para choramingar. – Sim, eu entendi. – Então a que horas você vem me buscar? – Por volta das oito. – Ele hesitou, não parecendo mais seguro desse estranho acordo do que ela, e depois acrescentou: – Essa festa está sendo dada pelo meu banqueiro. – Alguma ideia de como eu devo me vestir? – Acho que da mesma maneira que você se vestiu para a festa de Tucker e Olivia. – Ele deu uma pausa. – Você estava ótima. O simples elogio deu a ela um prazer muito maior. Ela meneou a cabeça. – Obrigada. Mas era um vestido coquetel. Se esse evento é formal, eu preciso usar um vestido diferente. – Está bem. Mas não espere no saguão do seu edifício. Deixe-me entrar. Não quero que o meu motorista diga aos outros motoristas que eu faço minhas companhias me esperarem na rua. Ela não queria que eles ficassem muito íntimos, mas o propósito disso era fazer com que tudo parecesse real. Ele estava certo; seria estranho se ela o estivesse aguardando no saguão. – Está bem. Eloise rumou de volta para o seu quarto a fim de encontrar algo para vestir. Com doze vestidos coquetéis, diversos vestidos de baile e alguma coisa que ele viesse precisar que ela vestisse para qualquer ocasião, Eloise tinha muitas possibilidades. Exceto que tudo o que possuía estava fora de moda. Apanhou um vestido vermelho do cabide. Achou que banqueiros fossem gostar de vermelho... Não. Não. Verde. Como o dólar. Com uma risada, ela alcançou um vestido de veludo verde. Ela iria encontrar pessoas em uma posição para contratá-la. Mas também tinha razões para se vestir bem. Para se socializar. Talvez até mesmo dançar. Seria divertido. Ela não conseguia se lembrar da última vez em que se divertira. Contanto que Ricky Langley fosse realmente um cavalheiro, esse acordo seria bom por diversos motivos. Ele chegou um pouco antes das oito. Ainda empolgada, ela abriu a porta e seus olhos cintilaram. Tinha se esquecido do quanto ele era lindo. Vestido com um smoking, ele estava maravilhoso, tão sofisticado que poderia ser o rei de um pequeno país. Eloise se recompôs rapidamente. A beleza dele não importava. Ela não queria estar atraída por ninguém. Ela queria um emprego. – Deixe-me pegar meu casaco. Assentindo com a cabeça, ele entrou no apartamento dela, mas ela não deu muito tempo a ele para que olhasse ao seu redor. Não era que ela estava envergonhada do espaço em que vivia. Na verdade, estava orgulhosa pelo fato de ter chegado até onde chegou sem absolutamente nenhuma ajuda. Mas estava ansiosa para sair pela porta e ir à festa. Em um belo vestido. Eloise colocou o casaco sobre as costas e caminhou na direção dele. – Você está incrível.


– Obrigada. Eu amei esse vestido quando o comprei. – Eles caminharam até a porta e depois que saíram do apartamento ela a fechou atrás deles. – Então foi fantástico ter um motivo para usar esse vestido. Ela guiou o caminho até as escadas. Eles foram em silêncio durante o caminho até Waldorf. A fachada do edifício tinha sido coberta com luzes brancas que também enfeitavam as árvores que estavam como sentinelas em cada lado da entrada. Lembranças do tempo em que ela fora ali com os pais a invadiram. Tinha sido sua primeira festa formal, e ela estivera tão nervosa em encontrar os amigos e os sócios do pai que jurou que estivesse com borboletas verdadeiras no estômago. Olhe seus modos. Não fale a menos que alguém lhe pergunte algo. Você é uma convidada. A filha de um homem rico. Seu comportamento deve dizer isso. O porteiro se aproximou e abriu a porta da limusine de Ricky. Ela inspirou profundamente e permitiu que ele a ajudasse. Foi quando ela viu os outros convidados. Diamantes. Cabelos impecáveis. Ela vestiu o casaco e se virou para Ricky. – Acho que você conhece algumas pessoas ricas. Ele sorriu, gesticulando para que ela caminhasse sob o pórtico e subisse os degraus que levavam ao hotel. – Espere uma câmera ou duas na entrada. Um fotógrafo das páginas da sociedade irá tirar uma foto de todos na esperança de encontrar algo para o jornal de amanhã. Ela tropeçou. – Ah. – A mãe poderia viver em Kentucky, mas ela comparava todos os jornais de Nova York para que pudesse estar sempre atualizada. Ela vivia e respirava as páginas sociais. – Você não se importa de ceder uma foto, não é? – Depende de onde isso vai parar. Ele segurou-lhe um dos cotovelos e a guiou através dos degraus até a entrada. – Provavelmente em lugar algum. Temos que ser importantes o bastante para um colunista da sociedade querer comentar sobre nós. – E você não é importante? Outro funcionário uniformizado do hotel abriu a porta do edifício e eles entraram. – No ano passado eu estava nos eventos de caridade de todos. Neste ano, eu não sou nada. Você está segura. Uma onda de alívio a invadiu, mas não durou muito tempo. Ela não apenas estava com um vestido de cinco anos. Enquanto eles entravam no saguão, ela viu uma câmera erguida na sua direção, e da forma mais sutil possível, ela se escondeu atrás de Ricky. Ele se virou para encará-la. – O que está fazendo? – Ah, eu apenas pensei que uma vez que você tem o convite, você deveria ir na minha frente. Ele franziu as sobrancelhas. – O saguão é amplo o bastante para andarmos lado a lado.


Ao ver que a atenção do fotógrafo tinha sido pega por outro convidado, ela deu risada. – É claro. Desculpe. Eles entraram no elevador e subiram até o salão de baile em silêncio. Ricky notou que ela continuava abraçando o casaco, quase como se estivesse tentando se esconder atrás dele, e gemeu interiormente. Claramente ela acreditava que não pertencesse a esse lugar e estava embaraçada. As portas se abriram, e eles saíram juntos do elevador. Ricky sustentou o olhar dela. – Deixe-me guardar o seu casaco. Ela retirou a peça e entregou a ele. Ele também retirou o casaco e os entregou a uma jovem funcionária. Eles se viraram para ir ao salão de baile e um fotógrafo tirou uma foto deles. Eloise ficou completamente pálida. Ele poderia ter jurado que o corpo dela oscilou. Na festa de Olivia e Tucker, ela dera a ele a impressão de que estava próxima de ser uma princesa sem pertencer realmente à realeza. Em vez disso, estava trêmula da cabeça aos pés. – Você está bem? Ela o encarou com um sorriso. – Sim. Claro. Estou bem. Ele sabia que não era verdade. Os olhos dela cintilavam com medo. O rosto estava pálido. – Você não está com medo de conhecer essas pessoas, está? Ela inspirou profundamente. – Eu preciso conhecer essas pessoas. – Então o que há de errado? – Eu detesto sair em fotos. O que explicava todas as questões que ela fizera sobre os fotógrafos... mas levantava novas questões sobre o porquê de ela não gostar de sair em fotos. Antes que ele pudesse dizer qualquer coisa, a suntuosa Eloise reapareceu. Ela endireitou totalmente as costas. Sua expressão mudou. Esse vestido verde se adaptava perfeitamente às curvas do corpo dela. Ela se virou e rumou para a entrada do salão de baile, e os olhos de Ricky cintilaram. O decote poderia ser normal na parte da frente, mas as costas estavam desnudas até a base da espinha. O cabelo louro e macio estava solto e balançando para a frente e para trás sobre as costas delicadas. A boca dele se encheu de água. Como ele não tinha notado que o vestido dela era completamente aberto nas costas? Percebendo que ele não a estava seguindo, ela parou e o encarou. – Você gosta de ser fotografado por pessoas que não conhece? Ele apressou o passo para se colocar ao lado dela. – Eu tenho sido fotografado por estranhos há tanto tempo que acredito que isso não me perturbe mais. Principalmente porque elas raramente aparecem em algum lugar. Ela meneou a cabeça e seguiu em frente. – Está bem. Ao observá-la se afastar, ele congelou. O tecido macio do vestido que ela usava acariciava suas nádegas de forma tão perfeita que o fato de ela não gostar de ser fotografada pareceu ser insignificante.


Na festa de Olivia e Tucker ele tinha notado que ela era linda, mas nesse vestido ela estava deslumbrante. O que era perfeito. Uma olhada para ela e todos iriam entender totalmente por que ele tinha saído de seu intervalo social e estava saindo com ela. Imaginando a reação dos seus amigos a ela, ele conteve um sorriso e alcançou-a diante da mesa onde tinha apresentado o convite. Poderia haver um milhão de motivos do por que ela não gostava de ser fotografada, e a maioria deles era inocente. Ele não iria arruinar o que poderia ser o retorno perfeito à cena da festa com suspeitas infundadas. – Se serve de consolo, não há câmeras na festa. – Sim. É um consolo. Ele apresentou o convite na discreta mesa próxima à entrada, e eles foram encaminhados para cumprimentarem o anfitrião e a anfitriã. Os olhos de Paul Montgomery se iluminaram ao ver Eloise. – Minha querida, como conseguiu fazer esse homem finalmente trazer uma companhia? Ela deu risada e enlaçou um dos braços de Ricky. – Nós nos conhecemos em festa de uma amiga em comum. – Tucker e Olivia Engle – disse Ricky, trocando um aperto de mãos com o homem mais velho. – Ela é uma amiga de Olivia. Eu sou um amigo de Tucker. – Ah, nós amamos Olivia – disse a sra. Paul Montgomery, inclinando-se para beijar uma das bochechas de Eloise. – Ela simplesmente está radiante com a gravidez. Eloise sorriu. – Certamente. Ela vai ser uma ótima mãe. Ricky e Eloise foram guiados para a próxima seção, onde foram conduzidos a uma mesa e receberam um presente dos Montgomery. Ricky alcançou uma das mãos de Eloise e a guiou através de um mar de mesas redondas. – Isso foi muito suave. – Nossa história foi bem real. – Então vamos continuar com isso. – Ele fez uma pausa e se virou para encará-la. Agora que ele tinha percebido o impacto que a bela Eloise podia causar em seus amigos, um pouco de medo o dominou. – Vamos sentar com alguns dos meus melhores amigos. Não quero que eles saibam que você é uma companhia falsa. Estas são as pessoas que eu mais quero assegurar de que estou bem. Namorar alguém é o símbolo disso. Se formos convincentes o suficiente, eles não irão fazer perguntas. Eles verão que estou bem. – Está bem. – Mas, se alguém suspeitar que você é uma companhia falsa, eu vou parecer patético. Isso tem que ser o mais real possível para que meus amigos acreditem. Isso significa que eu vou passar meu braço ao redor do seu corpo. Eloise assentiu com a cabeça. Ricky inspirou profundamente. – E nós vamos dançar porque eu adoro dançar, e vai parecer estranho se eu trouxer uma companhia e não dançar.


Ela endireitou o colarinho do smoking dele, depois apertou a gravata que ele usava, gesto um tanto casual e íntimo. Ele sentiu os nervos estremecerem. Não de medo do toque dela, mas da aceitação fácil dos dedos dela em seu corpo. O que o assustou demais. Ela era linda e provavelmente assim como cada homem do salão ele queria tocá-la e ser tocado por ela. A situação deles poderia ser falsa, mas isso não significava que ele não tinha sentimentos. – Relaxe. Nós não apenas parecemos ser compatíveis, mas eu namorei um homem ou dois. Sei como agir. Ele conteve uma risada. – Desculpe. – Está bem. Nós estamos realmente nos saindo melhor do que pessoas em um encontro verdadeiro, pois não estamos com medo de sermos honestos. Ele fez uma careta. Ela não ficaria satisfeita se ele dissesse honestamente a ela que seus pequenos ajustes com a gravata tinham lhe despertado um desejo intenso. – Acho que isso é verdade. – Então se nenhum de nós fizer nada errado, sabemos que podemos ser honestos e dizer tudo um ao outro. Certo. Contanto que eles não tivessem que admitir coisas como o despertar de hormônios, ele poderia concordar com isso. – Está ótimo. Eloise pegou na mão dele. – Vamos. Ele guiou o caminho até a mesa e apresentou Eloise ao seu primeiro parceiro de negócios, Elias Greene, e sua noiva Bridget O’Matlley, o casal que iria se casar na véspera de Natal. Enquanto se sentavam, outro amigo, George Russell e sua esposa, Andi, se uniram a eles. Quando apresentada, Eloise sorriu e assentiu com a cabeça, e Ricky sentiu o estômago se revirar. Ele esperava que os maridos fossem gostar dela, mas nunca teria adivinhado que as esposas pudessem gostar dela instantaneamente. Andi se inclinou e alcançou uma das mãos de Eloise. – Amei seu vestido. Ela deu risada. – O quê? Esse pano velho? Andi fungou. – Certo. Não me diga onde você comprou. Ricky gostava da forma com que ela lidava com a verdade. Ela não anunciou que estivesse falida, mas não pretendia ser alguém que não era. Depois do jantar, Eloise virou-se para encará-lo com um sorriso. – Sei que está morrendo de vontade de dançar. Pela primeira vez em sua vida, ele não estava. O vestido dela era aberto nas costas. Ele teria que colocar suas mãos nela. Mas seus amigos esperavam que ele dançasse, então ele cedeu. Ricky ergueu-se da cadeira e tomou uma das mãos dela. Eles caminharam entre as mesas até a pista de dança e continuaram caminhando até que estivessem no centro. Dessa distância não poderiam ser vistos pelos amigos dele que estavam à mesa ou mesmo por alguém curioso o bastante para espiá-los.


Enquanto a puxava contra o seu corpo, ele deixou sua mão repousar na base da coluna feminina e encontrou a pele macia. Mas uma rápida revisão mental do vestido dela lhe disse que se ele baixasse mais a mão até encontrar o tecido, ele iria encontrar as nádegas dela. Deixando a mão onde estava, Ricky clareou a garganta. – Esse vestido tem as costas interessantes. Ela deu risada e depois fez uma careta. – Desculpe. – Ah, não. Isso não é um problema. – A maioria dos homens iria matar pela oportunidade de tocá-la dessa maneira. Mas, é claro, ele não acrescentou isso em voz alta. Ricky baixou o olhar para o rosto dela. – Você parece estar se divertindo. – Honestamente, o jantar valeu a noite para mim. Obrigada. Ele sentiu o coração dar um solavanco. Fazia muito tempo que não via alguém feliz. Ele ficou surpreso por essa mulher estar tão falida que precisou agradecer pela comida. – O prazer é meu. Mas ainda temos que apresentá-la a algumas pessoas esta noite, para que você também tenha a sua parte do acordo. – Estas pessoas são sempre as mesmas? – As mesmas? – Você sabe. Estas pessoas normalmente são convidadas para os eventos que você atende? Confuso, ele deixou seu olhar viajar para as pessoas que estavam na pista de dança. Ela estava certa. Eram as pessoas de sempre. Ele iria ver a maioria dessas pessoas novamente até o segundo dia de janeiro quando o circuito de festas terminasse. – Sim. Mas outras festas terão mais alguns convidados, dependendo do evento. Você não verá nenhuma dessas pessoas na festa do meu escritório. Verá apenas uma ou dias na reunião da fraternidade. Verá todas elas no casamento de Elias e Bridget. E você provavelmente viu a maioria na festa de Tucker e Olivia. QUANDO A música terminou, ele afastou a mão da maciez da pele dela e imediatamente a dirigiu para o casal ao lado deles, Mimi e Oliver French. Polidamente Eloise trocou apertos de mãos com o casal. – Acho que li sobre vocês no Journal semana passada. Oliver fingiu humildade. – Não sei por que eles escreveram aquela matéria. Eloise deu risada. – Porque sua empresa faturou bilhões de dólares no ano passado. Mimi enlaçou o braço do marido. – Ele é tão modesto. Nunca gosta de levar os créditos. Mas nós tivemos um ano bom. – Ela sorriu para Eloise. – Então, diga-me, querida, onde conseguiu esse vestido? – Em uma pequena butique a algumas ruas daqui – Eloise declarou com um sorriso. – Eu devo dar uma olhada no estoque deles. – Você realmente deve. – Eloise está na cidade há apenas algum tempo – Ricky declarou, obviamente decidindo que três anos eram apenas algum tempo.


– É mesmo? – Indagou Oliver. – Sim. – Ela sorriu com satisfação. – Eu consegui meu diploma e agora estou à procura de um emprego. A banda começou a tocar. O casal sorriu e virou-se para dançar novamente. Ricky repousou a mão na base da coluna feminina e eles se moveram no ritmo da música. – Você se saiu bem – Sim, mas me sinto estranha. Ele ergueu as sobrancelhas. – Estranha? Cuidadosamente ela encontrou os olhos dele. – É como se eu estivesse pedindo um emprego. – Certo. Esse é o problema número um para você. Você deveria ter orgulho do fato de estar procurando por um emprego. – Eu me sinto desesperada. – E esse é o problema número dois. Você acha que essas pessoas chegaram ao topo sem serem capazes de perceber desespero? – Sei que elas podem. – Você tem que se livrar disso. – Está bem. A dança terminou, e a conversa deles foi interrompida por alguém que veio conversar com Ricky. Diferentemente do sr. e da sra. French, esse homem não estava interessado na companhia de Ricky. Nem um pouco. Propôs uma nova aventura nos negócios e mal reagiu quando Ricky a apresentou. Eloise percorreu o olhar ao redor. Os diamantes cintilavam em meio à multidão nos pescoços, pulsos e dedos das mulheres, contando a história do quanto essas pessoas eram ricas e importantes. Ainda assim Ricky parecia totalmente confortável. Ele pertencia a esse lugar. Era esperto, bilionário e magnata. Um orgulho ridículo a inundou. O grupo inteiro queria saber as opiniões dele, mas ele estava com ela. Eloise meneou a cabeça para clarear o pensamento inesperado. Ele não estava com ela porque gostava dela. Estava com ela porque eles tinham feito um acordo, e ele apenas fez uma acordo porque precisava de proteção. Ela não era nada mais que um símbolo para os amigos dele de que ele tinha superado um término que realmente deveria tê-lo machucado. Era melhor que ela se lembrasse disso. Depois da série de valsas, a banda começou a tocar um ritmo mais calmo, romântico. Esperando que Ricky fosse conduzi-la de volta até a mesa, ela ficou surpresa quando ele a puxou para mais perto do seu corpo. Eloise encontrou o muro sólido do peito dele enquanto as mãos dele se moviam sobre suas costas, provocando um desejo que ela esperava que ele não notasse. Abraçada com ele como uma amante, ela teve que lutar contra a vontade de fechar os olhos e se derreter contra ele. Ele não é um amante real. Ele não é um amante real. Ele não é um amante real. Ela repetiu a frase até que pudesse se convencer disso. Tivera o seu príncipe encantado e ele fora embora. Se não encontrasse uma maneira de parar de reagir a Ricky, ela poderia perder a chance de


continuar saindo com ele. E então não haveria emprego. Não haveria futuro. Apenas dias intermináveis de trabalhos temporários e lutas para obter o dinheiro do aluguel.


CAPÍTULO 3

AO DANÇAR com Ricky e observá-lo entre as danças ficou óbvio que ele era forte e esperto. E ele a tratava como uma realeza. Ele trazia drinques a ela, conversava com ela e basicamente se comportava como se ela fosse alguém com quem ele se importasse... como uma verdadeira amante. Era algo surpreendente que ela estivesse tendo problemas em separar o fato da ficção? Da segunda vez que eles dançaram lentamente, ela sentiu uma excitação em seu interior que ia além da atração. Ela gostava dele. Muito. Então despendeu um tempo extra no toalete feminino, lembrandose novamente de que isso era apenas um acordo, não um relacionamento. Ao entrar na limusine, ela se sentou o mais longe dele possível. Conforme Norman ligou o motor, Ricky repousou as mãos nos joelhos, estudando-a por alguns segundos antes de finalmente dizer: – O evento da noite de amanhã é um jantar privado na casa de um investidor do banco que também é um colega de faculdade. De onde estava sentada, ela sorriu polidamente: – Parece legal. – Eu não acho que você vai precisar vestir algo chique. – Provavelmente não. Um vestido coquetel deverá servir. – Ótimo. A conversa morreu e Eloise reclinou-se contra o banco. A julgar pelos gestos nervosos dele ficou claro que ele não estava sentindo nem um pouco da atração que ela sentia. Ele deveria ter notado a forma com que ela o olhou quando eles dançaram porque estava desconfortável com ela agora. Eloise fez uma careta. Ao se perder nos olhos dele e se aconchegar nos braços fortes quando eles dançaram, ela havia quebrado a regra número um do acordo deles: sem romance. E se ela não se vigiasse, ele poderia terminar esse acordo. Assim que a limusine parou em frente ao apartamento dela, ela sorriu. – Eu me diverti bastante. Ele enfiou as mãos nos bolsos da calça. – Obrigado. Eu também me diverti bastante. Eloise clareou a garganta.


– Então. Hum. Está bem. – Gaguejando. – Ótimo. – Agora ela parecia ainda mais tola. Não sabendo como terminar esse tormento, Eloise fitou os olhos escuros dele e disse: – Boa noite. Ricky recuou. – Boa noite. Ela se virou, abrindo a porta e saindo do veículo. Eloise gemeu interiormente. O que ela estava fazendo? Ela precisava de um emprego! Desde quando ela deixava um homem tentá-la dessa maneira? Eles haviam feito um acordo. Não estavam namorando. Ela não poderia perder essa oportunidade de conseguir um emprego apenas porque seus hormônios tinham despertado inesperadamente. Principalmente porque ele não estava sentindo nada por ela. E isso não seria humilhante? Gostar de um homem que a tinha contratado essencialmente para que ela fosse sua acompanhante? Ela já tinha tido a sua parte de penitência na vida, muito obrigada. Ela não seria tão estúpida novamente. RICKY DESCEU as escadas. Eloise tinha sido uma companheira absolutamente perfeita. Maravilhosa. Até mesmo tinha feito com que ele acreditasse que ela gostava dele. Ela era tão perfeita que ele se viu cantarolando enquanto saía da limusine. Mas no segundo em que percebeu que estava cantarolando, pensou em Blake e praguejou baixinho. Que direito tinha de estar feliz quando seu filho, seu bebê, tinha partido? Ele fora tão responsável pela morte do seu belo menino quanto a mãe de Blake tinha sido. Não merecia ser feliz. Nesse instante, seu celular tocou. Automaticamente ele apanhou o aparelho do bolso e dirigiu o olhar para o identificador de chamadas. O gerente de pesquisas. Ele tinha que atender. – O que há, Tom? – Sinto muito, Ricky. Estamos com um empecilho. – Empecilho? Estamos em produção. Não deveria haver nenhum empecilho. – E é por isso que você vai querer telefonar para o seu advogado. Um fabricante em Berlim acabou de liberar um game exatamente como o game número dois em seu pacote de três jogos. Ele sentiu o estômago se apertar. – Está brincando comigo? – Não. Eu tenho uma equipe comparando os jogos. Infelizmente isso vai levar dias. Mas isso lhe dará tempo para telefonar para os seus advogados. – Eu quero saber no momento em que você tiver um veredito. Ele desligou o celular para telefonar para seus advogados. ÀS 18H da tarde seguinte, ele desligou o celular após receber mais um telefonema da sua equipe de funcionários. Não tinha dormido, não tinha comido. Exausto, considerou não ir para o jantar de Tim e Jennifer. Mas, no final, ele soube que perder a reunião com os amigos poderia levantar ainda mais questões do que ele estava disposto a lidar. Até saber se ele e um fabricante alemão tinham inventado o mesmo jogo ao mesmo tempo, ou se um dos seus funcionários tinha vendido a ideia, ele precisava fingir que nada estava errado. E, felizmente, ele já tinha contratado Eloise Vaughn.


Ricky bateu à porta. Ela abriu com um sorriso e imediatamente entregou um casaco preto a ele para que ele a ajudasse a vesti-lo. Enquanto ela vestia o casaco, ele disse: – Você está ótima. Eloise virou-se e sorriu para ele. – Você também está ótimo. Ricky baixou o olhar para o seu terno preto com uma camisa branca por baixo e uma gravata fina. – Acha que estou bem para um jantar? – Você vai causar uma boa impressão. Ela rumou para a porta e desceu as escadas correndo para o saguão do prédio. Cansado, ele mal conseguiu acompanhá-la. Ele se perguntou novamente sobre a sabedoria de não ter cancelado esse jantar. Ele não tinha dormido nada, e o fato de ela se apressar em descer as escadas foi estranho, como se ela estivesse tentando acelerar os eventos desta noite. Isso não seria bom para a farsa deles. Ela correu para a rua e, assim que Norman abriu a porta da limusine, ela entrou no veículo. A dois passos atrás dela, Ricky entrou no carro e se sentou ao lado dela. – Você está com pressa esta noite. – Estou apenas nervosa. – Não fique. Tim e Jennifer são bem casuais. – Ele suprimiu um bocejo. UMA ONDA de alívio a invadiu. Não apenas porque ele tinha acalmado os seus medos sobre o jantar, mas porque ele quase bocejou. Ele não estava mais nervoso perto dela. Pelo contrário, ele parecia entediado, o que significava que ela estava conseguindo esconder sua atração por ele. Contanto que ela continuasse fazendo isso, o acordo não seria prejudicado. Eloise se endireitou no banco e sorriu para ele. – Vou ficar bem. O celular de Ricky tocou e ele suspirou. – Tenho que atender isso. – Sem problema – sorriu. – Atenda a ligação. Ricky pressionou o botão e ela espiou a cidade através da janela. Ele ainda estava ao telefone quando o motorista parou em frente a um edifício de luxo e abriu a porta do carro. Ele conversou enquanto saía da limusine, conversou enquanto caminhavam até a porta do edifício e finalmente encerrou a ligação quando o porteiro pediu que eles entrassem. – Desculpe por isso. – Está tudo bem. De verdade. Não precisa se desculpar. – Ela lançou um olhar significativo para ele. – Lembra-se? Ele franziu as sobrancelhas. – Certo. Eles entraram no elevador em silêncio. Um tempo depois, as portas se abriram para uma cobertura. Uma enorme árvore de Natal estava posicionada na frente de uma parede de janelas. Luzes brilhantes estavam ao redor da árvore, e o tema continuou nas mesas e arcadas. A sala principal era quente e aconchegante.


Tim e Jennifer os receberam com abraços, serviram drinques para eles e os conduziram para um grupo de casais em frente à lareira. A conversa fluiu facilmente até o mordomo anunciar que o jantar estava servido. O anfitrião apontou para cadeiras em volta da mesa longa arranjada com louças chinesas e cristais. Uma vez que todos estavam confortáveis e as saladas tinham sido servidas, a discussão alegre se resumiu. Após o jantar, os homens se retiraram para fumar charutos. Orgulhosa de si mesma por ter controlado a atração por Ricky, Eloise suspirou aliviada. Mas, quando ela se virou para as mulheres sentadas em frente à lareira, ela se viu encarando quatro esposas. – Achei que ele nunca mais fosse namorar. Feliz pela chance de realmente fazer o seu papel, ela sorriu enquanto apanhava sua taça de vinho. – Ah, o coração dele não é tão difícil de ser amolecido. Jennifer ficou boquiaberta. – Querida, demorou quatro meses depois da tragédia antes de ele até mesmo falar com alguém. Eloise manteve a expressão neutra, mas interiormente ela se lamentou. Não era estranho se referir a um rompimento como uma tragédia? Muriel, que era dona de uma rede de restaurantes e se casou com Fred, quem Eloise tinha aprendido ser o brincalhão da fraternidade, disse: – Fred tinha certeza que ele iria perder tudo. Todos os negócios e todos os prospectos para mais negócios. Mas depois... – Ela se virou para Jennifer. – Em o quê? Seis meses, ele finalmente se recompôs e voltou ao trabalho. E perder seis meses de trabalho não era um pouco exagerado para um rompimento? Certamente tinha entendido mal. – Ele deixou de trabalhar por seis meses? – Ah, querida, eu acho que ele não comeu por seis meses. Eloise sentiu o coração perder uma batida. Essas mulheres presumiam que ela soubesse – presumiram que ele tivesse dito a ela – sobre qualquer coisa que tivesse acontecido. Se ela não se comportasse de acordo, iria arruinar tudo. – Foi uma época difícil para ele – Eloise declarou serenamente. Jennifer deu um tapinha em uma das mãos dela. – E é por isso que estamos tão contentes por ele ter encontrado alguém. Ela sorriu. – Eu também estou feliz por ele ter me encontrado – respondeu ela com facilidade. Mas sua mente começou a procurar por respostas. Que tipo de rompimento faria um homem deixar de trabalhar por seis meses? Quarenta minutos depois, os homens retornaram à sala. Todos tinham que trabalhar na manhã seguinte. Aparentemente Ricky tinha uma conferência telefônica com os advogados em Berlim, então ele teria que acordar mais cedo, o que os fez serem os primeiros a saírem pela porta. Ele repousou o casaco preto sobre os ombros de Eloise e guiou-a até o elevador. Assim que ela e Ricky estivessem sozinhos no elevador, ela pretendia perguntar a ele o que tinha acontecido. Mas dois segundos antes de as portas se fecharem, Dennis Margolis e sua esposa, Binnie, entraram no elevador com eles. Dennis friccionou as mãos.


– Vai parecer ainda mais frio lá fora depois de termos ficado próximos à lareira. Binnie suspirou. – Não me importo. Espero que continue frio. Precisamos de neve para o Natal. A estação é muito mais divertida quando há neve nas decorações. Você não acha, Eloise? – Hum, sim. Eu amo neve. Principalmente para o feriado. Ela sorriu para Ricky, esperando que ele sorrisse de volta. Ele o fez, mas foi um sorriso fraco. Ou ele estava cansado ou a conversa com os homens não tinha sido boa. Enquanto atravessavam o saguão do edifício e entravam na limusine, o celular de Ricky tocou novamente. Eloise entrou no carro, mas ele fechou a porta e continuou falando ao telefone na calçada. Vinte minutos depois, Norman abriu a porta novamente. Ricky entrou no veículo com um amplo sorriso. – Boas notícias? – É melhor dizer que um desastre foi evitado. Achei que eu fosse precisar fazer uma guerra com uma empresa europeia, mas acontece que alguém apenas cometeu um erro. Uma vez que nosso pessoal verificou os jogos em questão, eles perceberam que haviam entrado em pânico prematuramente. Ela não tinha ideia do que ele estava falando, mas a empresa dele, os negócios dele, não eram de seu interesse agora. – Isso é ótimo. – É excelente! Eu espero um problema ou dois antes de cada lançamento, mas é bom quando eles são resolvidos tão facilmente. Satisfeita por ele estar bem-humorado, ela esperou alguns segundos, até que eles estivessem no meio do congestionamento, antes de dizer: – As esposas de seus amigos ficaram realmente felizes em vê-lo namorando. – Hum-hum. Eloise umedeceu os lábios, reunindo coragem para indagá-lo sobre a tragédia. Ela não podia conter a curiosidade. Mas, mais do que isso, se os amigos dele descobrissem que ela não sabia do que se tratava, isso poderia arruinar o acordo deles. – Elas presumem que eu saiba o que aconteceu com você. Ricky virou-se para encará-la, os olhos escuros ficaram subitamente frios e distantes. – Tenho certeza que sim. Ela engoliu a saliva. Presa em um olhar escuro e assustador, ela gaguejou: – Então... Vai me dizer? Ricky virou-se para a janela e depois voltou a encará-la. – Um dos motivos de eu estar confortável com você é por você não saber. Ela franziu as sobrancelhas. – Mas a farsa não faria mais sentido se eu soubesse? – Não se você ficar com dó de mim. Dó? O que havia acontecido com ele? – E se eu prometer não ficar com dó de você? – Você não pode fazer essa promessa. Ela virou-se para a janela. – E se alguém me disser? Quero dizer, e se ficarmos separados novamente e alguém me contar? – Acredito que você e eu teremos que ficar sempre juntos para que isso não aconteça.


Eloise dirigiu o olhar para ele. Uma combinação de medo e curiosidade invadiu seu peito. Ela já estava lutando contra uma atração por esse homem. Ela realmente queria estar perto dele? E a cada vez que saíssem? Como despender cada minuto juntos? Como um plano tão simples tinha se tornado tão complicado? APÓS ACOMPANHAR Eloise até a porta, Ricky desceu os quarto degraus da escada correndo e entrou na limusine. Uma vez no interior do veículo, Norman ligou o motor e saiu com o carro. Ele havia se divertido na festa de tal forma que tinha realmente apreciado o fato de os amigos dizerem que Eloise era muito bonita para um homem como ele. Depois eles entraram na limusine e ela perguntara sobre Blake, e ele sentiu como se tivesse sido atingido por um trem. Ele não tinha pensado no filho por dois dias. Estivera tão preocupado com seus problemas no trabalho e com a farsa do namoro que tinha se esquecido do filho. Seu bebê. Seu mundo inteiro por dezoito meses. Como ele poderia esquecê-lo? Ricky bateu no vidro que o separava de Norman. O vidro foi aberto. – Leve-me ao hospital. Norman captou o olhar dele pelo espelho retrovisor. – É meia-noite. – Estou com meu cartão chave e a identificação. O vidro foi fechado. Ricky recostou-se no banco, permitindo que o ar enchesse seus pulmões. A dor que tinha sido sua companheira constante o reivindicava. Trinta minutos depois, a limusine parou. A porta dele foi aberta e ele saiu do carro. Ricky usou seu cartão para entrar no hospital. Em seguida, subiu os degraus que levavam ao silencioso saguão até a Unidade de Tratamento Intensivo para a ala de crianças. Ele parou na frente de uma parede de vidro, fitando a doce e inocente criança que lutava pela vida. – Sr. Langley? Ele encarou Regina Grant, a supervisora do turno da noite. – Boa-noite, Regina. – Está tudo bem? – Sim. – Mas ela sabia por que ele estava ali. Quando eles reformaram a ala, depois da generosa doação de Ricky, ela vira o sofrimento dele. Regina o levou a uma sala, e em vez de exaltá-lo com chavões, ela disse: – Se não consegue pensar em nenhuma bênção... Venha aqui. Olhe através daquela janela. Perceba que isso não deve ser algo ruim. – A lembrança o fez menear a cabeça. Ele sentia falta do filho. Ele tinha feito um milhão de coisas diferentes. E odiava que um problema no trabalho e uma garota bonita o tivessem feito se esquecer do seu pequeno garoto. – Estou aqui apenas para me lembrar de que eu não vejo isso como algo ruim. – Realmente não. E a vida continua. A tristeza era evidente no semblante dele. Lembranças das risadinhas do filho, do calor do seu abraço, simplesmente voltaram a sua mente. Mas junto com isso vinha um medo estranho. A vida poderia continuar, mas ele não queria se esquecer do seu filho. Nunca. Jamais. Após um silêncio prolongado, Regina enlaçou um dos braços dele.


– Tive uma ideia. Em vez de fazer visitas no meio da noite, talvez o que você precisa é de um pouco de interação. Ele a encarou. – Com as crianças? – Sim. – Elas estão muito doentes. – E ele estava com muito medo. – Estas sim. Mas se você fizer visitas frequentes e for para a esquerda em vez de ir para a direita quando sair do elevador, tenho certeza de que as enfermeiras poderão arranjar livros para que você leia para as crianças na sala de lazer. Ricky não disse nada. Ela girou nos calcanhares, mas voltou a encará-lo novamente. – Alegrar algumas crianças que precisam de carinho seria melhor do que observar crianças que você não pode ajudar. Inspirando profundamente, ele a assistiu partir, perguntando-se o que havia de errado com ele. Ele estivera preocupado com os negócios antes. A diferença desta vez era Eloise. Ele não poderia deixar que esse namoro falso o fizesse se esquecer do seu filho. Ou da sua culpa. E se ela o fizesse, ele teria que dar um basta nisso.


CAPÍTULO 4

NA MANHÃ de segunda-feira, Eloise despertou para o mundo real. Ela vestiu calças sociais, um suéter grosso, mitenes e um xale. Depois, pegou o metrô para Manhattan e entrou em um elevador lotado para o vigésimo nono andar, onde estavam situados os escritórios de Pearson, Pearson, Leventry e Downing. Eloise retirou as mitenes e o xale e pendurou o casaco em um canto do pequeno espaço que compartilhava com dez armários e a mesa de Tina Horner. Tina entrou na sala friccionando as mãos juntas. – Deveria nevar. E ainda que continuasse frio, nós iríamos pelo menos ter uma neve festiva para fazer com que parecesse Natal. – Eu estava falando sobre isso com uma pessoa na noite passada. – Então não sou a única que pensa que estamos sendo enganados por um clima frio sem neve. Eloise sentou-se a sua mesa, depois pressionou um botão para ligar o computador. – Não mesmo. Estou fazendo um favor para um amigo, indo a algumas festas de Natal com ele para que ele não seja importunado porque não tem uma namorada. Tina retirou o casaco. – Então é como sair com seu primo? Eloise fez uma careta. Ela não considerava Ricky como um primo. Mas não iria dizer isso a Tina. – Não exatamente. Mas em troca ele concordou em me apresentar para pessoas na esperança de eu fazer uma conexão e talvez encontrar um verdadeiro emprego. Tinha sentou a mesa do lado oposto ao de Eloise. – Isso parece promissor. – E é. Ou deveria ser… – Exceto? Ela mordiscou o lábio inferior, perguntando-se se deveria desabafar com Tina. Eloise decidiu que precisava falar com alguém. – Exceto que eu estou pensando que deveríamos cancelar nosso acordo. – Cancelar um acordo que poderá ajudá-la a encontrar um emprego? Está louca?


– Estou preocupada. Achei que ele quisesse uma companhia porque tivesse passado por um final de relacionamento ruim, mas da maneira como as esposas dos amigos dele estavam falando na noite passada eu tive a sensação de que algo grande aconteceu com esse homem. – Grande como o quê? – Algo trágico. Elas disseram “depois da tragédia que ele passou” por algumas vezes. Tina comprimiu os lábios. – Talvez a última namorada dele tenha morrido. Ah, isso não faria sentido? – Pode ser. – Uma pena que não podemos usar a internet aqui ou iríamos fazer uma pesquisa sobre ele. – Eu posso ir à biblioteca depois do trabalho. – Talvez você devesse. Sabendo que poderia investigá-lo mais tarde, Eloise relaxou e começou a trabalhar. Contudo, por ter trabalhado até tarde da noite, ela não pôde ir à biblioteca. A decepção e a curiosidade colidiram, fazendo com que ela ficasse muito nervosa para dormir. Enquanto se deitava na cama pensando sobre Ricky, o acordo deles e a sua vida, ocorreu a ela que desde que o havia conhecido, ela estivera empenhada em ajudá-lo. Durante todo o final de semana, ela havia ajustado seus vestidos, ido a festas e trabalhado para causar uma boa impressão aos amigos dele para que ele pudesse ser feliz. E isso tinha sido bom. Realmente bom. Ela estivera ocupada. Feliz. Até as esposas dos amigos dele falarem sobre a “tragédia dele”, ela estivera apreciando a farsa. E pensar que alguém fizera com que ela parasse de meditar sobre os seus próprios problemas. Ela não tinha feito isso desde que o seu marido tinha morrido. Talvez ela não devesse colocar em perigo o bom relacionamento profissional deles ao pesquisar sobre ele na internet. Talvez ajudar um homem com uma tragédia no passado fosse exatamente o que ela precisava para superar seu próprio sofrimento. Ele era um homem com um passado trágico. Um homem que ela poderia ajudar. E em troca ela poderia se esquecer dos próprios problemas. RICKY SUBIU os quatro degraus que levavam à entrada do edifício de Eloise na noite de sexta-feira tão triste que ele tinha quase cancelado o evento em que eles iriam comparecer juntos. Na noite de segunda-feira, ele fora ao hospital para ler para as crianças, como Regina tinha sugerido, e fora devastador. Ele odiava ver crianças sofrer. Não podia acreditar que Regina tivesse sugerido que ele lesse para crianças tão fracas que partiram seu coração, lembrando-o de Blake, lembrando-o do quanto ele havia sido estúpido. Seu filho tinha morrido porque ele nunca tinha pedido à mãe de Blake para deixar que ele o criasse. Ela era uma garota festeira que havia se tornado mãe e ele tinha visto as dificuldades que ela enfrentara para cuidar de Blake. Provavelmente teria ficado feliz em dar a custódia de Blake, contanto que pudesse visitá-lo, mas ele nunca tinha perguntado isso a ela. A ira que sentiu por si mesmo tinha feito sua pulsação se acelerar, e naquela noite ele não poderia ficar na ala das crianças. Ele tinha ido embora antes mesmo que as crianças soubessem que ele estava ali para ler. Mas conforme tinha lutado para passar a semana sem pensar em Blake, sem se repreender por


não ter pedido a custódia, por não ter tirado o seu filho de uma mulher que claramente não o queria, ele simplesmente se esqueceu de Eloise Vaughn. Ele quase deu risada. Outro homem iria achar impossível se esquecer de uma mulher tão linda que bem poderia ser uma princesa. Quando Eloise abriu a porta, ele fitou o vestido que ela usava e piscou. – Uau! Ela sorriu. – Sabe, mesmo que eu não obtenha nada com esses encontros, estou tendo uma real sensação de satisfação ao vê-lo me elogiar. Ele apanhou o casaco dela. Quando Eloise se virou para que ele a ajudasse a vestir o casaco, ele notou que as costas do vestido não eram abertas e suspirou aliviado. – Você merece ser elogiada. Dentro da limusine, eles conversaram sobre o trabalho dela e sua agenda lotada enquanto o motorista os levava até um hotel. Iluminada para o Natal, a Times Square tirou o fôlego de Ricky. Tantas luzes. Tanta criatividade. Ele afastou a lembranças de ter trazido Blake ali para um tour privado da loja de brinquedos e se concentrou em ajudar Eloise a sair da limusine. Mais uma vez, a noite estava fria e, enquanto eles saíam do veículo, Eloise estremeceu. Uma pequena escadaria os levou para o saguão do hotel, onde eles foram conduzidos para um elevador no salão de baile. Uma música os recebeu enquanto as portas eram abertas. Eloise virou-se para encará-lo. – Estamos atrasados? – Não. Estamos no horário. Preston é um promotor de música. Espere o inesperado. Incluindo o fato de ele poder ter começado a festa mais cedo apenas porque quis. – Legal. Uma risada escapou da garganta dele e ele relaxou um pouco. Tecnicamente, ele tinha que se divertir e conversar com ela para que a farsa desse certo. – Legal? Talvez sim. Talvez não. Mas estou apostando no “não”. Eloise saiu contente do elevador e quase caiu nos braços de Preston Jenkins. O anfitrião apanhou os casacos deles e os levou para um homem grande que parecia ser um guarda-costas. Preston abraçou Eloise com força. – Você é tão maravilhosa quanto as mulheres fofoqueiras estão dizendo. Os olhos dela se arregalaram e cintilaram com o que parecia ser medo, e Ricky lembrou-se de como ela não tinha gostado de ser fotografada antes. Agora ela parecia estar com medo de intrigas. – E é por isso... – disse Preston – que eu estou com vontade de beijá-la. Os olhos dela se arregalaram ainda mais e desta vez Ricky entendeu. Nenhuma mulher queria ter um estranho babando por ela. O senso de proteção surgiu em seu interior. Ela era sua companhia. Ela não estaria ali se ele não a tivesse trazido. Ele precisava sair dessa situação. Seu cérebro procurou por uma maneira de salvá-la e eventualmente ele simplesmente abriu a boca e disse: – Você realmente acha que eu deixaria alguém como você beijar minha namorada? Preston deu um tapinha em um dos braços dele.


– Ah, eu não iria beijá-la. Estou tirando fotografias de todos os casais se beijando. – Ele apontou para o guarda-costas que segurava uma câmera. Seu coração perdeu uma batida. – Você quer que eu beije, Eloise? Preston sorriu. – Sim. Beije Eloise. A felicidade o inundou antes que ele pudesse evitar, antes que pudesse pensar em Blake, antes que pudesse pensar na miríade de razões pelas quais isso estava errado. Era como se o tempo tivesse congelado e só houvesse ele e Eloise no salão. Sem multidão. Sem passado. Sem futuro. Apenas um beijo. Eloise piscou para ele. Seus belos olhos azuis cintilavam com a curiosidade. Os cachos do cabelo louro emoldurando seu rosto. Os lábios rosados estavam entreabertos. Ricky sentiu a pulsação acelerar. Ele não beijava uma mulher havia quase dois anos, e apenas tocar a pele das costas de Eloise fez seus hormônios dançarem. O que iria acontecer se os seus lábios se encontrassem? Provavelmente fogos. Sua pulsação acelerou novamente. O desejo surgiu em seu interior. Ele o silenciou. Eles estavam apenas fingindo um namoro. Beijá-la o levaria para um lugar perigoso. Exceto que ele não tinha beijado uma mulher havia quase dois anos. Ele não se sentia vivo havia quase dois anos... Ricky dirigiu o olhar para Preston, que acenou dramaticamente. – Vá em frente! A câmera está aguardando. Ele capturou o olhar de Eloise novamente. A necessidade fazia sua pele formigar. O desejo aumentou. E ele tinha que admitir que queria isso. Ele queria se sentir vivo novamente, pelo menos por alguns segundos. Ricky inclinou a cabeça e mal tocou os lábios contra os dela. Lábios macios e suaves encontraram os seus. Eloise tinha gosto de menta e beijá-la parecia o paraíso, sua cabeça girou. Ricky pressionou os lábios contra os dela, e o desejo o dominou. Ele sabia que estava flertando com o desastre. Mas não podia se impedir. Ele nunca quis tanto uma coisa quanto queria se perder nela. A maciez, a doçura que ele nunca tinha encontrado em outra mulher. Um beijo. Depois ele poderia se afastar. QUANDO OS lábios de Ricky se moveram e ele começou a beijá-la, todo o sangue pareceu sumir do corpo de Eloise para depois voltar em uma onda de arrepios. Ele tocou os lábios nos dela suavemente no começo, em um beijo que parecia quase experimental. Depois suas mãos se moveram para os braços femininos até os ombros delicados e ele a puxou um pouco para mais perto, pressionando os lábios com mais força e ela se derreteu. Eloise não conseguia pensar. Não conseguia respirar. Muitas sensações a bombardeavam. O aroma da loção pós-barba que ele usava. O poder daquelas mãos segurando seus ombros. A maciez dos lábios dele pressionada contra os seus. Ele parecia querer isso e ao mesmo tempo temer, e embora ela soubesse que isso era errado, ela afastou os lábios e permitiu que ele aprofundasse o beijo.


As mãos dele pressionaram os ombros delicados. O desejo pareceu inundá-la. O beijo se aprofundou de forma tão rápida, que ela sentiu os joelhos bambearem. Eloise desejava ter a sensação da língua dele contra a sua, o peito másculo pressionado contra o seu, as mãos repousadas em seus ombros. Ricky a liberou, e por dois segundos eles fitaram os olhos um do outro. Depois a música soou do salão de baile, juntamente com o som da risada de Preston. Ao lado do guarda-costas e estudando a foto na câmera digital, ele disse: – É uma bela fotografia. Vocês estão fantásticos. Jovens amantes. Agora movam-se. Ricky soltou uma risada forçada e disse algo inane para Preston antes de guiá-la para o salão de baile. – Desculpe por isso. – Está tudo bem. – Ela clareou a garganta. – É parte do acordo. Mas não estava tudo bem. Eles tinham ido longe demais com o beijo e ambos sabiam que isso era um erro. Ela gostava dele. Ricky era uma boa pessoa e tinha tristeza suficiente no passado para que as esposas dos amigos chamassem isso de tragédia. Eles deveriam manter a distância. Em vez disso, eles se beijaram e tinha sido incrível. O que era errado. Errado. Porque ele não gostava dela e ela iria se machucar. Eles despenderam meia hora tentando conversar com os amigos de Ricky, as pessoas que tinham se unido a eles à mesa. Eloise continuou nervosa enquanto eles apreciavam o jantar, dançavam e deixavam o salão mais cedo. Ricky explicou a Preston que tinha que se levantar antes do amanhecer para algumas teleconferências na manhã de domingo. Mas dentro da limusine, a caminho de casa, observando-o ao seu lado, fitando a janela, parecendo um homem perdido, Eloise se castigou. Durante toda a noite, tinha se mantido distante, impressionada por aquele beijo. Esse era um homem infeliz e tudo o que ele queria era ter um bom Natal, ainda assim ela não conseguia parar de pensar em si mesma. Suas reações a ele. Seus estúpidos hormônios. Mas o beijo tinha sido um dos melhores da sua vida. Senão o melhor. Era difícil se manter objetiva depois disso. Ela meneou a cabeça. O que estava fazendo? Ela finalmente encontrara uma maneira de acrescentar significado a sua vida. Não poderia deixar um beijo distraí-la. Suas costas ficaram rígidas enquanto ela se endireitava no banco. Com Deus como sua testemunha, ela pretendia dar a ele o que ele realmente queria. Natal. Um feliz e alegre Natal. Ela iria ser alguém que realmente se importava com ele e que lhe daria alegria. RICKY CAMINHOU até a porta do apartamento de Eloise e por um segundo insano pensou em lhe dar um beijo de boa-noite. Ele não conseguia se esquecer da expressão de surpresa no rosto de Eloise. Queria beijá-la apenas para ver isso novamente. O que ele estava fazendo? Ele estava muito deprimido, muito machucado para ter uma mulher em sua vida. Na porta, ela sorriu polidamente. – A festa foi divertida. Ele fungou em zombaria. – Preston é um louco.


– Ou um homem que gosta de se divertir. – Ela endireitou a gravata dele. – Talvez devêssemos nos esforçar um pouco mais para ter alguma diversão? Ricky estudou o rosto dela, os belos olhos azuis, a boca rosada e o sorriso doce. Ela estava séria. Ela queria que ele se divertisse. Uma estranha sensação comprimiu seu peito e depois de alguns segundos ele percebeu que se tratava de afeição. Ele não estava apenas atraído a ela. Ele estava começando a gostar dela. Mas ele sabia que isso era errado. Ricky recuou um passo. – Ou talvez devêssemos apenas cumprir nossos papéis e sair mais cedo das festas? Ele se virou e começou a descer as escadas sem esperar por Eloise para responder. Não importava o que acontecesse com o resto das festas, ele não iria beijá-la novamente. NA MANHÃ seguinte, Ricky telefonou para dizer a Eloise que ela precisava vestir somente um jeans e um suéter para a festa daquela noite, a reunião de fraternidade. Quando seu telefone tocou algumas horas depois ele respondeu distraidamente. – Sim? Tucker Engle deu risada. – É dessa maneira que você cumprimenta um amigo? Jogando a caneta sobre a mesa, Ricky se inclinou na poltrona. – Não. – Ele deu risada. – Desculpe. Como está Kentucky? – Estamos aproveitando as férias. Ricky sorriu. Era difícil imaginar um workaholic como Tucker despender cinco ou seis semanas no país. – Entediado? – Não. Na verdade estou gostando tanto que não quero ir embora, mas tive uma emergência e preciso da sua ajuda. Ricky se sentou corretamente. Depois de tudo o que Tucker tinha feito por ele, ele amou a chance de fazer um favor em retorno. – O que posso fazer? – Preciso mandar alguém no meu lugar para uma reunião de uma das empresas que investi pesadamente. Apenas preciso da sua presença. Alguém que possa dar a minha opinião. – Ficarei feliz em ir. Diga-me o endereço e a data. – É hoje. Sei que é sábado, então, se não puder ir, tudo bem. – Não. Ficarei feliz em fazer isso. Tucker deu os detalhes a Ricky, que fez algumas anotações, poucas, porque não havia muita coisa para Ricky fazer, exceto uma breve declaração. Ainda assim, a resposta de Tucker mostrou que ele estava grato. – Obrigado novamente. – Não há de quê. Não é grande coisa. Se demorar muito tempo eu telefono para Eloise e digo que iremos nos atrasar para a reunião da fraternidade. Mas, no momento em que disse isso, Ricky percebeu que tinha sido um erro.


– Então, você e Eloise se acertaram naquela carona de volta para casa depois da festa? – Digamos que sim. – Ótimo. Você esteve depressivo por muito tempo e Eloise o está ajudando. Uma hora depois, após Ricky ter desligado o telefone, enquanto ele se vestia para ir à reunião de Tucker, não podia tirar o estranho olhar de Eloise da cabeça. A curiosidade o dominou, então ele digitou o nome dela na ferramenta de pesquisa da internet. NO FINAL da tarde de sábado, Eloise começou a se vestir. A festa da noite era a reunião informal de Ricky, que seria realizada em um pub no centro da cidade. Quando ele telefonou naquela manhã, disse a ela para vestir apenas um jeans e um suéter. Ainda assim, sabendo o quanto os homens ficavam orgulhosos na frente da fraternidade dos irmãos, e de volta a sua missão de se assegurar que ele se divertisse, Eloise se vestiu com cuidado. Ela usou um suéter verde de caxemira que estivera guardando para uma ocasião especial, prendeu o cabelo em um rabo de cavalo e aplicou a quantidade certa de maquiagem para parecer alegre e festiva. Ela iria tirar esse homem da tristeza mesmo que isso a matasse. Ricky chegou e a guiou até o carro. – Essa semana será difícil. Ela deu risada. – Você acha que não consigo lidar com uma sala cheia de homens e suas companheiras? – Alguns não têm companheira. – Oh. Norman abriu a porta da limusine. Assim que eles se acomodaram no banco traseiro, o carro andou. – Então, você é casada. A surpresa fez com que ela ficasse sem ar e se esquecesse do fato de alguns amigos da fraternidade dele não terem companheiras. – O quê? Ele a encarou, os olhos frios e diretos. – Você é casada. Eu encontrei sua certidão de casamento em uma rápida pesquisa na internet e não encontrei um decreto de separação. Ela sentiu o coração dar um salto dentro do peito. – Para um homem que tem sua parte justa de segredos, você certamente não se envergonhou em descobrir os meus. – Acredite ou não, eu procurei o seu nome porque me senti mal por você. Eu podia dizer pela forma com que você evitava o assunto da faculdade que algo havia acontecido e eu quis saber o que era. A voz dele soou macia, honesta, mas com uma pitada de mágoa. E por que não? Ele achava que estava saindo com uma mulher casada. Eloise inspirou profundamente. – Meu marido morreu. A expressão de preocupação que surgiu no rosto dele foi totalmente inesperada. – Seu marido morreu? Ela assentiu com a cabeça. Ricky suspirou em um óbvio desgosto consigo mesmo.


– Sinto muito. Eu estava tão atônito em descobrir sua certidão de casamento que não procurei mais além. – Ele meneou a cabeça. – Você é tão jovem. Eu jamais teria procurado por uma certidão de óbito. – E meneou a cabeça novamente. – Eu sinto muito. – Se ficou tão furioso por encontrar minha certidão de casamento, por que simplesmente não telefonou e cancelou o compromisso desta noite? – Mas, antes que ele pudesse responder, ela chegou a uma conclusão sozinha e arfou. – Você esperava que eu tivesse uma explicação. – Eu preciso de você. Preciso dessa farsa. Além do mais, você não tem sido nada além de uma boa pessoa ao meu lado. – Ele deu de ombros. – Era justo que eu lhe desse uma chance de se explicar. – Eu me apaixonei por um homem com tatuagens e uma motocicleta e fugi com ele. Embora amássemos um ao outro, casarmos foi um grande erro. Levou apenas dois meses para eu perceber que estávamos encrencados. Ele ficava em casa ou na garagem de um amigo, conversando sobre motos e tomando cerveja o dia inteiro. Os olhos dele procuraram os dela, mas ele não disse nada. A vergonha e o medo a invadiram, mas ela prosseguiu: – Eu passei cada dia sustentando-o ao trabalhar como garçonete. – Ela baixou o olhar para as próprias mãos, depois voltou a erguer os olhos para ele. – Esta história me faz parecer que eu desisti de amá-lo quando ele se recusou a me sustentar, mas a verdade é que eu nunca parei de amá-lo. Eu apenas sabia que tínhamos cometido um erro ao nos casarmos. Eu estava prestes a deixá-lo... – Quando ele morreu em um acidente de moto e você ficou livre. – Quando ele foi diagnosticado com câncer. Eu passei três meses levando-o a consultas médicas, ajudando-o durante a quimioterapia, oferecendo palavras de esperança. Foi quando começamos a conversar. O fato de ele não conseguir encontrar emprego o estava matando, então ele mascarou sua dor ao fingir não se importar que eu o sustentasse. Eu reagi ao ficar com mais raiva de um homem que já estava machucado, repleta de vergonha. – Ela se interrompeu e fechou os olhos. – Sentindo-me culpada. Sentindo-me desesperadamente errada. Eu não o deixei, mas cheguei perto disso e ele teria morrido só. Ele a estudou em silêncio, depois disse finalmente: – Eu sinto muito. Desta vez ela desviou o olhar. – Certamente não foi sua culpa – disse a ele. – Não. Mas eu não deveria ter investigado sua vida particular. A limusine parou. Norman abriu a porta e eles saíram do carro. Quando caminharam até o pub, o som da multidão a inundou, juntamente com os aromas de bife e repolho. Ricky a direcionou até a sala dos fundos, onde mesas redondas estavam parcialmente repletas com homens da idade dele. Apenas cerca de sete mulheres, companheiras dos homens que riam e conversavam, estava ali. Mais de vinte homens e apenas sete mulheres. E três delas ela reconheceu... Jennifer, Muriel e Binnie. Apesar do trauma de ter contado sua história, Eloise quase sorriu. – Olha, é Ricky! Todos os encararam. Ricky retirou a jaqueta de couro e pendurou-a em um gancho na parede antes de se virar e tirar o casaco que ela vestia. Eloise engoliu em seco. O calor do corpo dele próximo ao seu era muito tentador.


Antes que pudesse se castigar por notar isso, sua boca abriu levemente enquanto o olhar dele percorria seu suéter verde-esmeralda até as coxas e as botas pretas. Com a sua história revelada, ela sorriu. Ele a havia trazido para a festa para continuar a farsa para o seu próprio bem, mas agora ele a conhecia. E a confiança que ela poderia passar como uma companheira falsa subitamente pareceu errado. Agora Eloise era ela mesma. Eloise Cummings Vaughn... Não apenas uma garota lutando por um trabalho, mas também uma viúva. Ela precisava de uma palavra, alguma coisa dele, que a assegurasse de que as coisas estavam bem entre eles. Ricky se inclinou. – Você está fantástica. Mas sempre esteve. Obrigado por fazer isso por mim. A respiração dele soprou em seus ouvidos. O cheiro dele era maravilhoso. E as palavras dele disseram a ela o que ela precisava ouvir. Ela poderia ser uma pessoa real a ele agora, mas ainda era uma companhia falsa. Um homem alto e magro vestindo um suéter com a imagem do Papai Noel se aproximou deles. – Você me venceu por quatro jogos de sinuca no ano passado. Esse ano eu pretendo vencer. Ricky dirigiu o olhar para Eloise. Ela sorriu. – Ei, vá. Divirta-se. Eu vou ficar bem. Eloise começou a caminhar na direção das mulheres, mas antes virou-se para encará-lo. – Posso lhe trazer uma cerveja? Ricky sorriu. Seus olhares se encontraram. Ela não era mais a pobre garota que precisava de ajuda. Ela era uma mulher que tinha lhe confiado o seu passado. Ele não era apenas um homem rico que queria uma companhia. Ele a tinha ouvido e não a havia julgado. – Sim. Obrigado. – Os jarros estão na mesa dos fundos – disse o homem que tinha desafiado Ricky para um jogo. – Também temos pizza. Sirva-se. Nós não fazemos cerimônia. Eloise sorriu para Ricky novamente. – Já volto. Ela apanhou uma cerveja e colocou dois pedaços de pizza em um prato de papel para ele. Eloise os levou para uma mesa próxima de onde eles estavam jogando, apontou-os para Ricky e caminhou até o grupo de mulheres. – Quem é você e como conseguiu fazer Ricky sair de casa, principalmente no Natal? Segurando um copo para se servir de cerveja ela sorriu para as companhias dos irmãos da fraternidade. – Como eu disse a Binnie, Muriel e Jennifer no domingo, nós nos conhecemos em uma festa de Natal de um amigo em comum. – Tucker Engle – uma mulher baixa e com cabelo escuro observou. – Jeremy e eu estávamos lá e a vimos. Isso significa que vocês não se conhecem há muito tempo. – Ela estendeu uma das mãos para Eloise. – Sou Misty, a propósito. Eu namoro aquele homem alto ali. – Ela apontou para um homem que usava óculos. – Jeremy. – Prazer em conhecê-la. – Eloise declarou e trocou um aperto de mãos com a mulher. O restante das mulheres se apresentou, mas enquanto a conversa prosseguia, pensamentos do jantar de domingo voltavam a sua mente. Principalmente de Muriel e Jennifer conversando sobre a tragédia


de Ricky. Eloise dirigiu o olhar para Ricky. Quando ela lhe contou sobre Wayne, ela lhe entregou a oportunidade perfeita de contar-lhe sobre seu trauma e ele não aceitou. Ela tentou dizer a si mesma que isso não importava, que o relacionamento deles era só um acordo, mas esta noite o argumento não serviu. Não porque ela gostasse dele ou porque os novos sentimentos que tinham surgido em seu interior faziam a situação parecer real. Era porque subitamente ela percebeu que poderia estar preenchendo sua parte do acordo, mas ele não estava fazendo nada sobre isso. Ele não tinha conseguido uma entrevista para ela. Nenhuma. RICKY COMEÇOU outro jogo, mas notou que seus irmãos da fraternidade estavam caminhando na direção das mesas com as mulheres. Eles puxavam cadeiras ao lado das companheiras, mas aqueles que estavam sozinhos – e havia muitos – pareciam estar congregando ao redor de Eloise. Enquanto jogava com Jonathan Hopewell, as risadas das mesas agora lotadas preencheram o ar. Ricky ergueu os olhos e viu Kyle Banister, que estava sentado em uma cadeira atrás de Eloise, inclinado para dizer algo a ela. Ela sorriu e virou-se para encará-lo. – Sua vez. Ricky virou-se para encarar Jonathan. – Desculpe. – Eu sei que deve ser entediante nunca perder e ter que jogar com cada adversário, mas ao menos finja que está sendo difícil me vencer. Ele deu risada. Mas ao ouvir a risada de Eloise ele perdeu a vez novamente. – Está fazendo isso de propósito? Ricky correu uma das mãos ao longo da nuca. – Não. Estou distraído. Jonathan seguiu a linha da visão dele e deu risada. – Você não está com ciúme, está? – Claro que não. Jonathan venceu a vez. – Estou ganhando confiança por causa do seu ciúme. – Não estou com ciúme. A risada de Eloise alcançou seus ouvidos novamente. Ele quase praguejou. Não porque estivesse com ciúme. Ele não poderia estar com ciúme. Ele se recusava a isso. Ricky estava preocupado com a farsa deles. – Você ganhou, Jon. Pode jogar com o próximo adversário. – Mas todos querem ganhar de você. Por Deus, você não é divertido quando tem uma namorada. Ricky ouviu as palavras de Jon, mas elas mal penetraram seus ouvidos. Ele estava concentrado em sua companheira, que conversava com um de seus amigos. – Oi, querida – ele declarou quando se aproximou da mesa. Ela ergueu os olhos cintilando de alegria e ele sentiu o estômago se apertar. Ele nunca tinha sido capaz de fazê-la tão feliz. Mas Kyle tinha. – Ei! – Eloise apontou para a cadeira ao lado dela. – Kyle estava me contando que a companheira dele está procurando por uma diretora de recursos humanos.


Ricky dirigiu o olhar para Kyle, que enrubesceu com a culpa. – É mesmo? Pensei que vocês estivessem nos primeiros estágios. – Estamos – Kyle se defendeu. O que significava que ele não iria precisar de uma diretora de RH por no mínimo um ano. Ele não precisava dizer isso. Kyle entendeu a mensagem. – Acho que vou jogar sinuca com Jon. – Faça isso – Ricky declarou e depois se perguntou por que tinha dito aquilo. Ele não era do tipo ciumento. Nunca. Eloise não era sua companheira real. Ela era um símbolo para que as pessoas soubessem que ele estava superando seu sofrimento. Então por que estava se comportando dessa maneira? Eloise deu um tapinha na cadeira ao seu lado. – Sente-se. A confusão o dominou. O som das pessoas no bar o sufocava e a última coisa que ele queria era ficar comprimido em um grupo de pessoas. – Quero ir para casa. Ele ouviu as palavras saírem de sua boca e quase não pôde acreditar que tivesse feito isso. Ele parecia uma criança petulante. Mas Eloise não argumentou. Ela sorriu e se ergueu da cadeira. Ele apanhou os casacos. Entregou o casaco a Eloise sem olhar para ela. Enquanto ela vestia o casaco, os irmãos da fraternidade se aproximaram para se despedirem dele. Quando todas as despedidas tinham sido feitas, ele acenou para as mulheres, que ainda estavam sentadas à mesa. Elas acenaram de volta, mas ele sabia o que elas estavam pensando. Que ele ainda não conseguia sair de casa. Que ele estava defensivo. Ricky e Eloise saíram no ar frio da noite e ele parou. – Esqueci-me de ligar para Norman. – Ele está perto o bastante para chegar aqui em alguns minutos? – É o trabalho dele. – Ricky apanhou o celular, mandou uma mensagem de texto a Norman e enfiou as mãos nos bolsos de sua jaqueta de couro. – Você deveria fingir que gosta de mim. Não deveria ter flertado com Kyle. – O homem estava falando de um emprego. Todos na mesa ouviram cada palavra do que ele estava dizendo. Todos podiam ver que não estávamos flertando. Ele estava me oferecendo um emprego. – Um emprego que não existe. – Bem, eu sei disso agora que você o deixou embaraçado. Ele correu uma das mãos pelo rosto. Droga. Ele o tinha embaraçado. Ele tinha se feito de idiota e embaraçado um amigo. Estava definitivamente perdendo o controle. – Você deveria tê-lo ignorado por ele estar bêbado. – Então, em outras palavras, eu não deveria acreditar nos homens para quem você me apresentou nas outras festas... Ah, espere... As outras pessoas que você me apresentou não falaram sobre trabalhos. Elas estavam apenas preocupadas em chamar sua atenção. Norman parou o carro e eles entraram na limusine. Ela não esperou que Norman abrisse a porta para ela.


Ricky se apressou em sentar-se ao lado dela. – Pelo fato de eles quererem a minha atenção é que você poderá ser notada. Ela reprimiu uma risada enquanto se sentava no banco. Norman aguardou para que Ricky se sentasse e depois fechou a porta. – Ninguém jamais vai me notar enquanto você estiver por perto. – Ela suspirou, desgostosa consigo mesma por estar furiosa com ele. Mas estava furiosa. Sabia que esse relacionamento era falso, mas, depois de sua discussão sobre Wayne, ela sentiu como se ele a conhecesse. O seu eu verdadeiro. Além do mais, ela prometera a si mesma que iria ajudá-lo a apreciar o feriado. Ainda assim, era ele que tinha arruinado esta noite, não ela. – Apenas esqueça – disse ela. – Não. Se você tem alguma coisa a dizer, eu quero ouvir. Ela inspirou profundamente. – Está bem, você quer a verdade. Você já teve uma grande parte desse acordo. Nós fomos à quase metade das suas festas, e eu não consegui nada. Então vi uma oportunidade com Kyle e me arrisquei. Ele fitou a janela em silêncio. – Você deveria saber que o que ele disse foi ridículo. – Eu sou uma idiota por ter acreditado nele. Ótimo! Está bem! Obrigada. Eu já entendi. Ela cruzou os braços na frente do peito. Eles ficaram em silêncio até alcançarem o edifício em que ela morava. Quando Norman abriu a porta, Eloise saiu do carro. Ricky começou a sair do veículo também, mas ela o empurrou levemente para dentro. – Norman ouviu nossa briga. – Eloise dirigiu o olhar para o motorista de Ricky. – Você ouviu? O homem vestido com um terno preto e um chapéu fez uma careta. – O que significa que ele vai entender perfeitamente quando eu disser que não quero que você me acompanhe até o apartamento. Norman assentiu com a cabeça. Eloise fechou a porta e apressou-se para o interior do edifício. Sem diminuir o ritmo nos degraus, ela subiu as escadas, correu para o apartamento e entrou no quarto. O estresse da noite a havia destruído. Quando ela colocou a cabeça no travesseiro, lágrimas caíram de seus olhos e rolaram pelo seu rosto. Não tinha sido fácil se lembrar do seu casamento, da doença de Wayne, a morte dele. Tinha exposto sua alma para Ricky, sem esperar compreensão, mas confiando nele. E a forma com que ele agradeceu foi uma maneira de dizer a ela que ela era tola. Sim. Bem, ela já sabia disso.


CAPÍTULO 5

NA MANHÃ seguinte uma série de batidas na porta acordou Eloise e Laura Beth. Ambas correram para a porta, vestindo roupões felpudos. Eloise chegou primeiro, espiou através do olho mágico e viu um homem segurando flores. Ela abriu um pouco a porta. – Você é Eloise Vaughn? – Sim. Ele repousou o vaso alto no chão do hall. – Isto é para você. Ele se virou para partir. Eloise abriu a fechadura. – Espere! Vou lhe dar uma gorjeta. O jovem sorriu. – A gorjeta estava incluída. – E com isso ele cruzou o hall. Cuidadosamente ela abriu a porta e apanhou o vaso. Um lenço de papel cobria as flores para protegêlas do frio. Ela rasgou o papel. Um buquê maravilhoso – rosas e viscos – a cumprimentaram. Laura Beth fechou a porta. – Quem lhe mandou isso? Eloise abriu o cartão e sorriu. – Meu companheiro de farsa. Ele diz que nossa briga da noite passada fez com que tudo parecesse real. – E os bilhões de dólares dele tornam possível que ele despertasse um florista às... – Ela consultou o relógio. – Meu Deus, ainda não são cinco horas. E é domingo! – Ele também diz que estou certa. Ele não tem cumprido a sua parte do acordo. Então ele mandou flores hoje cedo para que eu as recebesse antes de planejar o meu dia. Se eu quiser, ele vai mandar o motorista para me apanhar e me levar ao condomínio dele, onde poderemos refazer meu currículo e verificar minhas opções. Isso surpreendeu Laura Beth. – É a coisa mais romântica que eu já ouvi um homem dizer.


Eloise deu risada. – Sim. Eu também. Ela digitou o número que ele havia colocado no cartão e disse a ele para que mandasse Norman. Depois ela apanhou uma cópia do seu currículo e se vestiu. Quarenta minutos depois o motorista mandou uma mensagem de texto para ela dizendo que estava em frente ao prédio. Eloise se apressou para sair do edifício e se deparou com a manhã fria. Norman segurou a porta do carro para ela. – Bom-dia, madame. Eloise sorriu. – Bom-dia, Norman. Ele fechou a porta, se posicionou ao volante e saiu com o carro. Eloise ficou surpresa quando ele parou a limusine em frente a um condomínio de luxo. Ela entrou no elevador e subiu até o andar de Ricky. Assim que as portas do elevador foram abertas, ela bateu à porta. Ricky abriu a porta imediatamente, como se estivesse esperando por ela. – Eu sinto muito. – Suas flores me disseram, mas me ajudar a encontrar um emprego vai tornar isso ainda mais claro. Enquanto ele apanhava o casaco dela, Eloise percorreu o olhar ao redor do apartamento. Armários escuros dominavam a cozinha e combinavam com a mesa e as cadeiras que estavam na sala de estar. – Você comeu? Ela o encarou. – Não. Mas não estou com fome. – Você comeu apenas um pedaço de pizza na noite passada. Não é o bastante para sustentá-la. – Ele caminhou até a cozinha e apanhou uma frigideira. – Estou fazendo panquecas. Ele? Ela quase sorriu. – Onde está sua governanta? – Ela se foi juntamente com a cobertura. – Você perdeu a cobertura e a governanta? Isso era uma aposta? Um jogo de pôquer? – Eu vendi a cobertura e ela escolheu ficar com o novo proprietário. O que é o certo, pois não há muita coisa para se fazer nesse apartamento. O condomínio é pequeno. Ela gostava do apartamento dele, mas não trocaria uma cobertura por isso. – Por que você vendeu a cobertura? – Eu não precisava de tanto espaço. – Ele deu uma pausa antes de acrescentar: – Eu também queria ficar sozinho. Ela não precisava ler pensamentos para concluir que ele tivesse vendido a cobertura e se livrado da governanta depois da sua tragédia. Essa foi a primeira vez que ele chegou perto de revelar algo pessoal para ela. Então ela apreciou o gesto e disse: – Bem, esse apartamento é bom. Moderno. O tipo ideal para um solteiro. Ricky deu risada enquanto apanhava leite e ovos da geladeira. Um tempo depois, Eloise apreciou a panqueca. – Está deliciosa. Ele sorriu, e eles comeram as panquecas enquanto conversavam sobre a comida, o condomínio e o tempo. Ricky limpou a mesa e colocou os pratos na lava-louças. Depois eles tomaram café na sala.


– Você trouxe o seu currículo? Ela apanhou o papel dobrado de dentro do bolso do jeans. Ele franziu o cenho. – Espero que não o entregue dessa maneira. – Claro que não. Eu sempre imprimo um novo a cada vez que tenho que entregar um currículo. Ele se sentou a mesa e examinou o currículo. – Acho que o seu primeiro erro é que você enfatizou os aspectos de seus empregos temporários como secretária. – Ele a encarou. – É melhor você citar os empregos sem dar muitas explicações do que você realmente faz. Dessa forma você estará dizendo que está trabalhando e que não é preguiçosa. Mas precisa dar ênfase a essas habilidades para que as pessoas percebam que você está procurando por um trabalho que use o seu diploma. Ela assentiu com a cabeça. Ele escreveu um e-mail apresentando-a e mandou-o para quatro amigos com uma cópia do currículo em anexo. – Esses homens me devem um favor. Seu currículo irá diretamente para eles. Uma onda de esperança a dominou. – Eles vão me dar um emprego? – Confie em mim. Dois deles me devem favores grandes o bastante para encontrar um emprego para você na sua área dentro das empresas deles. Contratar uma amiga de alguém a quem você deve algo é uma maneira fácil de pagar grandes favores. Eloise se ergueu da cadeira. – Obrigada. Ricky também se ergueu. – De nada. Um silêncio denso os envolveu novamente. Eles não estavam realmente namorando. Tecnicamente não eram nem mesmo amigos. Eloise apanhou a caneca e sorveu um gole do café frio. – Ugh! Ele conteve uma risada. – Café frio é nojento. – Eu sei, mas estava procurando pelo último gole da bebida quente antes de sair lá fora. Ele franziu o cenho. – Se quiser posso fazer outro antes de você ir embora. Ela se virou para partir, mas a oferta a surpreendeu tanto que ela parou de caminhar. Ela sabia que no fundo Ricky Langley era um bom homem. E talvez ele tivesse lhe oferecido café fresco porque não queria que ela fosse embora. Talvez, se ela ficasse, ele poderia se abrir com ela. Eloise o encarou com um sorriso cauteloso. – Está bem. – Ótimo. Levou alguns minutos para que o café ficasse pronto. Ricky entregou uma caneca a ela. Com o café em mãos, ele apontou para a área de descanso na sala. – Não há por que ficarmos em pé enquanto apreciamos a bebida.


Enquanto o seguia, ela sentiu os nervos à flor da pele. Eles foram a festas por duas semanas, mal se falando, exceto em uma multidão dos amigos dele e apenas discutindo assuntos em geral. A menos que ele decidisse se abrir imediatamente, eles não tinham nada para conversar. Sentada na cadeira, ela notou que algumas das esculturas casuais dele sobre as mesas não eram exatamente tão “casuais” quanto pareceria à primeira olhadela. E a maioria era trabalho de alguns dos clientes de Olivia. Eloise sorriu. – Suponho que Olivia o tenha ajudado a encontrar alguma arte. – Ela é persistente. – E boa no que faz. Ele deu risada. – Sim. Ela sorveu um gole do café. – Estas artes são fantásticas. Ele assentiu com a cabeça e depois disse: – Você e Olivia devem ser muito próximas. – Isso é o que acontece quando você divide um apartamento. Estivemos juntas desde a universidade. – Olivia é de Kentucky também. – E Laura Beth também. – Então vocês são como os três mosqueteiros? Ela deu de ombros. – Acho que sim. Passamos tempos difíceis juntas. – A doença do seu marido? – Não. Eu passei por isso sozinha. Embora Laura Beth, Olivia e eu tenhamos crescido em uma cidade pequena, nós participávamos de círculos diferentes. Quando eu voltei para a universidade para conseguir meu diploma, nós nos conhecemos. Algo traumático aconteceu a Olivia e minhas experiências pareceram ajudar a fazer com que ela voltasse a ter sanidade. – Ela se identificou com a sua perda? Eloise meneou a cabeça. – Ela se identificou mais com o fato de ter sido perseguida e abandonada. – Você foi perseguida e abandonada? Ela sustentou o olhar dele. – Mais ou menos. Meus pais me renegaram. – O quê? – Meus pais tinham dinheiro. Eu tinha rebeldia. Eu os embaracei ao me casar com alguém de uma classe inferior a deles. Então eles me expulsaram. – Oh. – Embora eles tivessem me renegado, quando Wayne morreu, eu voltei para casa esperando uma bronca e provavelmente um tempo de penitência. Mas eu também esperava ser aceita de volta. E talvez receber um pouco de ajuda com o meu sofrimento. Um pouco de amor. Mas meus pais não me deixaram entrar. – Ela meneou a cabeça. – Eles nem mesmo abriram a porta. Uma empregada me disse para ir embora e nunca mais voltar. Ricky a encarou.


– Você tinha dito a eles que seu marido tinha morrido, certo? – Eles não poderiam ter se importado menos. – Ela suspirou. – Eu perdi minha família porque casei com um homem que eu amava quando eu era muito jovem para notar todas as consequências. E a cada ano, principalmente no Natal, eu sofria com a perda. Não apenas do meu marido, mas também da minha família. Olivia e Laura Beth tinham uma casa para ir e eu não tinha nenhum lugar. Não tinha casa. Ser rejeitada doía demais. Doía demais não ter um apoio emocional. Mas as consequências dos meus erros foram grandes. Anos de solidão. Anos de arrependimento. Ser expulsa pela minha família significava que eu não tinha mais família. Eu não tenho ninguém. Sou sozinha. Ela passou os dedos de uma das mãos pelo cabelo. Tinha ido longe demais. Dissera coisas que nem mesmo admitia para si mesma. E ele estava em silêncio. Ricky não fez nenhum movimento para confortá-la. E tudo isso começou porque ela fora estúpida o bastante para pensar que ele fosse se abrir com ela. – Sabe de uma coisa? Domingo é nosso dia de limpeza. Tenho que voltar para o apartamento. Ele se ergueu. – Claro. Ricky caminhou até o seu closet, apanhou o casaco dela e a ajudou a vesti-lo. – Deixe-me chamar Norman para levá-la para casa. Ela o encarou. – Sim, obrigada. Ele apanhou o celular de dentro do bolso do jeans e enviou uma mensagem de texto. – Ele vai chegar em alguns segundos. – Obrigada. Um denso silêncio caiu sobre eles e subitamente ela percebeu que não tinha motivos de estar ali. Ela era uma idiota. Eloise se virou para a porta e como um cavalheiro ele a abriu para ela. Ela saiu para o hall e pressionou o botão do elevador. Quando ela iria aprender que nada disso era real? RICKY FICOU parado em frente à porta fechada, repleto de dor por Eloise. Enquanto ela lhe contava a sua história, ele teve que se esforçar para não puxá-la contra os seus braços e confortá-la. Mas com que finalidade? Ele estava tão machucado quanto ela, senão pior. Ela precisava de alguém forte, alguém inteiro, para ser inteiro para ela, para dizer a ela que não importava se os pais dela não a quisessem... Ele a queria. Ele entendia como era ser só. Ainda assim, mesmo nas horas mais difíceis, ele sabia que poderia pegar o telefone e ligar para sua mãe e seu pai. Ela não tinha ninguém. Qualquer consolo ou conforto iria preenchê-la. Mas ele não tinha nada para dar. Ele não poderia ser um namorado de verdade. Então preferiu não dar falsas esperanças a ela. Agora seu coração doía por ela. No dia seguinte, foi para o trabalho carregando a dor, tentando se consolar com o lembrete de que tinha feito algo bom para ela quando a levou para casa e enviou o currículo dela aos amigos. Mas não


tinha dado certo. A dor ainda estava com ele. Às vezes até mesmo o fazia deixar de lado a culpa que ele sentia pela morte de Blake. Alguém, em algum lugar, tinha que ajudar realmente essa mulher. Não ser apenas um colega de quarto ou ouvir os problemas dela, mas fazer algo tangível. E encontrar um emprego para ela subitamente pareceu como a salvação que ela precisava e também uma maneira de ele se sentir melhor. Sua secretária entrou no escritório com as correspondências do dia. – Bom-dia, sr. Langley. – Deixe as correspondências em minha mesa... Ele se interrompeu. Ele sabia que estava aborrecido por causa de Eloise, mas isso soou rude. – Sinto muito. Eu não deveria ter sido estúpido com você. A meio caminho da porta, Janey parou. – Está tudo bem. – Não. Eu não deveria ter sido rude. O problema é que tive um fim de semana conturbado. Ela avançou alguns passos e se aproximou da mesa dele. – Você está bem? – Sim. Por quê? Ela meneou a cabeça. – Você nunca disse que estava preocupado antes. – Ela sorriu. – Esqueça. Isso não é importante. Janey deixou a sala e ele não pensou em nada disso até seu assistente pessoal se esquecer de enviar o presente de Natal para a sua mãe e Ricky explodir. – É Natal! O correio está uma bagunça. Leva semanas para entregar uma encomenda. Você não pode... Pensamentos de Eloise invadiram sua mente. Os pais de Eloise não iriam nem mesmo aceitar presentes dela. Ele tinha pais que o amavam. Eles não amavam apenas os presentes dele; eles também lhes davam presentes. Eles o queriam em casa para passar o Natal. Eles o queriam em casa a qualquer momento. Qualquer dia. Era sua própria tristeza e culpa que o mantinham distante. Por que ele estava gritando sobre algo tão trivial? Ricky correu uma das mãos sobre a nuca. – Sinto muito. Tenho certeza de que se você mandar a encomenda hoje por correio não terá nenhum problema. David, seu assistente de cabelo branco, assentiu com a cabeça. – Está bem. Vou fazer isso. – Ótimo. David rumou na direção da porta, mas parou e se virou para encará-lo. – Você não precisava pedir desculpa. Eu não levo para o lado pessoal quando você grita. Sei que você é assim mesmo. – Eu sou assim? – Às vezes você fala alto. Estou acostumado com isso. David deixou o escritório. Ricky caminhou até a janela e suspirou. Às vezes ele falava alto? Ele era um resmungão? Alguém que gritava tanto que as pessoas estranhavam quando ele não o fazia?


Pensamentos em Eloise o embaraçaram. Ela estava sozinha, ainda assim ele não a viu gritar com ninguém. Mesmo quando eles discutiram depois da festa da fraternidade, ela fora razoável. Ele suspirou. Ele não gostava de descobrir que era um resmungão. Principalmente porque ele não era. Ele estava triste por causa do seu filho. E todos entendiam isso. Ricky se sentou e apertou os olhos. Ele se lembrou do único Natal de Blake. Podia ouvir o som da risada do filho. Ele engoliu em seco. Se ele fosse rude com a sua equipe por se sentir culpado pela morte de Blake, ele tinha o direito. Mesmo a sua equipe sabia disso. Sentir pena de uma mulher que ele mal conhecia? Isso não fazia sentido. O fato de ela fazê-lo sentirse mal por algo que ele não tinha o direito de se sentir culpado? Bem, isso também não fazia o menor sentido. Por que uma mulher que ele mal conhecia o afetava dessa maneira? Ele tinha que consertar isso. A melhor maneira seria encarar o relacionamento com Eloise como um acordo. Sem amizade e certamente sem romance. Simplesmente um acordo. UMA VEZ que era quarta-feira, véspera da próxima festa, ele apanhou o celular e ligou para Eloise a fim de informá-la sobre os próximos eventos. Ele não iria interrogá-la, mas, se o assunto de entrevistas surgisse, ele não iria desperdiçá-lo. – Eu quero que você saiba que a festa de quinta-feira será formal novamente. – Ah. Está bem. Ótimo. – Você não ouviu nada dos meus amigos, ouviu? – Não. – O que significa que não conseguiu um emprego. – Não. – Mesmo que alguém a contrate, o acordo é doze encontros por um emprego. Se não conseguir um emprego, pode desistir do acordo. – Ele fez uma careta, ainda mais frustrado consigo mesmo. – Desculpe. Eu não queria parecer tão rude. Ela suspirou. – Eu sei. Ele fez uma careta novamente. Ele quase disse a ela que tinha notado centenas de vezes nos últimos três dias como estava rabugento. Quanto era difícil para ele lidar com a situação. Ele sabia que isso era o resultado de perder uma criança. E subitamente, desejou desabafar com alguém. Compartilhar sua dor. Ou quem sabe ele tenha desejado contar a ela porque sabia que ela iria entender? Mas tudo o que ele disse foi: – Ótimo. – Então você quer que eu use um vestido de festa. – Sim. – Ricky deu uma pausa. – Você quer que eu telefone para os amigos para quem eu mandei o seu currículo? – Você pode fazer isso? – Eles são meus amigos. Mas também me devem um favor.


O silêncio o cumprimentou do outro lado da linha. Finalmente ela disse: – Embora eu aprecie a oferta, ainda tenho algum orgulho. Gostaria de arranjar um trabalho devido as minhas qualificações. – Você realmente não tem muitas. – Obrigada. Droga. Ele poderia não querer confiar nela, mas não havia motivos para magoá-la. – Viu? Aí vou eu novamente. Eu não tenho filtro na minha língua quando se trata de negócios, e algumas vezes sou honesto demais. – Acho que sua honestidade é sua maior qualidade. – Diga isso aos meus funcionários. – Por que você acha que seus amigos lhe pedem conselhos? – Por que eu digo a verdade a eles? – Algumas vezes de forma brutal. Ele deu risada. – Deixe-me telefonar para os meus amigos. – Não. Eu não quero ser aquela garota no escritório que conseguiu emprego por causa do namorado. – Faz muito tempo desde que alguém me chama de namorado. – Falso ou não, é isso o que você é. – E, desejando mudar o assunto, ela indagou: – Como foi o seu dia? Ele fungou. – Entediante. – É mesmo? – Sim, as coisas eram divertidas quando eu comecei a fazê-las. Agora viraram rotina. – Talvez você precise de uma nova aventura. – Uma nova aventura? – Você sabe. Em vez de escrever novos videogames, inventar um tipo diferente de pipoca de microondas. Tente levar isso ao mercado. Aposto que vai encontrar alguns desafios. Ele deu risada. – Pipoca de micro-ondas? – Ei, meu pai ama essas coisas... – Ela sentiu o estômago se apertar. Seus olhos se encheram de lágrimas. – Sinto muito. Alguém está batendo a porta. Tenho que ir. Vejo você na noite de quinta-feira. Ela não esperou pela resposta dele, apenas desligou o telefone e baixou a cabeça. Ela se recusava a ser patética, se recusava a deixar as lágrimas caírem pela perda de pessoas que não a queriam. Ela fizera isso muitas vezes em seus vinte e cinco anos. Tudo o que ela queria era um emprego, uma maneira de se sustentar. E uma vez que conseguisse, iria ficar bem.


CAPÍTULO 6

NA NOITE de quinta-feira Ricky subiu os quatro degraus que levavam ao apartamento de Eloise sentindo o corpo inteiro tremer. Cada decoração de Natal o fazia lembrar do seu filho. Querendo chorar por Blake, ele ficou tentado a terminar essa farsa. Ele poderia dispensar o restante das festas. Tudo o que tinha que fazer era ir para Jamaica ou Mônaco, e todos ficariam com inveja de suas férias. Ninguém iria se perguntar por que ele não estava atendendo a mais festas. Com exceção de que Eloise não tinha um emprego. Levá-la a esses eventos era a melhor maneira de apresentá-la aos amigos que poderiam contratá-la. Mandar e-mails não tinha resolvido. Incerto do que ia encontrar quando ela viesse até a porta, ele inspirou profundamente antes de bater à porta. Quando a porta foi aberta, ela apareceu a sua frente, estonteante em um vestido vermelho. – Você está linda. – Obrigada. Eles caminharam até a limusine e, quando Norman abriu a porta, eles entraram no veículo. Minutos depois, eles caminharam até o hotel. Pouco antes de entrarem no salão de baile, ele a viu mudar de humor. Ela exibiu um sorriso largo o bastante para remover a expressão triste dos olhos, mas ele não viu brilho nos olhos dela. Depois ela enlaçou um dos braços dele e eles entraram no salão. A culpa o dominou. Ela estava fazendo a sua parte do acordo e ele não estava fazendo nada por ela. Sentado com outro grupo de amigos, ele puxou uma cadeira enquanto fazia rápidas introduções, e a discussão imediatamente se voltou para o mercado de trabalho. Era por isso que ele nunca havia se preocupado que alguém que comparecia às festas pudesse contar a Eloise sobre Blake. Seus amigos não falavam sobre nada além de negócios. Ainda assim, com sua missão em mente, ele tentou levantar o assunto de recursos humanos, mas não pôde. A frustração o invadiu. Não era de se admirar que Eloise não pudesse encontrar um emprego. Ninguém parecia se importar com a administração de seus projetos. Tudo o que eles se preocupavam era com o projeto em si. Quando a dança começou, Ricky e Eloise caminharam para o centro do salão. Ele moveu a mão sobre o tecido liso que cobria as costas femininas. A atração que ele sentia era evidente. Cada parte do seu coração e da sua alma desejava puxá-la contra o seu corpo e apenas dar a ela o que ela precisava. Um pouco de afeição. Mas embora ele pudesse ser capaz de abraçá-la nesta noite, talvez beijá-la, quem sabe


como seria o dia seguinte? E se ele a beijasse nesta noite e depois não pudesse sair da cama no dia seguinte por causa da sua dor... não estaria machucando-a? Sim, estaria. E ele se recusava a fazer isso com ela. – É uma bela festa, não acha? Ela encontrou os olhos dele e sorriu. – Todos eles são maravilhosos. – Estou feliz que tenha gostado deles. Ela estava feliz em ter uma boa comida e uma taça de vinho, embora ele tivesse basicamente ignorado-a. Com exceção da dança, ele ficou ocupado com os amigos e o seu medo de se aproximar demais o impediu de realmente conversar com ela. – Mesmo com um homem rude como eu? Eloise deu risada. – Ah, você não é tão ruim. – Devíamos tomar tequila. Eloise deu risada novamente e se afastou levemente para poder encará-lo. – O quê? Ele tinha se surpreendido tanto quanto ela com a sugestão. Mas, agora que dissera, parecia fazer sentido. – Tequila. Esta festa pode ser boa, mas já fomos a seis festas desse tipo. Isso está começando a ficar entediante. A tequila iria animar esse lugar. – Tenho certeza de que os anfitriões ficariam animados. – Por que não? Não é esse o propósito de dar uma festa? Fazer os amigos felizes? – Sim. – Então, se pedirmos ao bartender para fazer drinques, talvez dezoito ou vinte, poderíamos provavelmente juntar essas pessoas para se unir a nós. Aposto que com cada tequila nossa equipe iria aumentar. – Nossa equipe? Está louco? – Ela meneou a cabeça, mas seus olhos brilharam. Ele a girou em seus braços. – Talvez. Mas eu vejo ao menos três de meus irmãos da fraternidade. Aposto que poderíamos ter esse lugar repleto de pessoas com três drinques. Ela deu risada. – Aposto que você teria um salão cheio de bêbados em pouco tempo. – Mas pense nas fotos que sairiam nas páginas sociais do jornal. Ela riu novamente. – Seria provavelmente o melhor assunto do jornal. A música parou e, como sempre, um dos amigos dele se aproximou. Após as introduções, ele pediu a Ricky uma opinião sobre a empresa que ele estava considerando a sociedade e enquanto Ricky respondia o olhar dele se voltou para Eloise. Ela estava ao lado de Ricky, sorrindo, fazendo o seu papel. Mas eles nunca se tocavam. Exceto o momento em que dançaram. Ou quando ela colocou a mão em um de seus cotovelos. Ou quando ela apertou sua gravata. Ele nunca a tocava com afeição. Nunca lhe segurava a mão. Nunca colocava o braço ao redor do corpo dela. Para uma mulher que vivia a vida sem família, sem afeição, a falta de toque dele


provavelmente deveria incomodá-la. Ricky alcançou uma das mãos dela. O olhar dela se voltou para ele. Ele sorriu. Ela sorriu. Ricky puxou-a para mais perto. E enquanto eles davam as mãos, a conversa continuou até a banda começar a tocar novamente. Desta vez quando ele a puxou contra os seus braços, ele a sentiu relaxar contra o seu corpo. Ele também relaxou um pouco. Ele não estava tornando isso real. Apenas sensato. E, tudo bem, ele também queria que ela se sentisse desejada. Ele poderia apenas precisar que ela o ajudasse a passar o feriado. Mas ele precisava dela, o que significava que ele a queria por perto. Quando a banda fez um intervalo, ele caminhou até a mesa deles e depois pediu licença. Quando retornou, ele estava com duas doses de tequila. Ela deu risada. Os amigos dele franziram o cenho. Ricky gesticulou para as doses, enquanto se sentava ao lado de Eloise. – É uma piada particular. Ele apanhou um copo e gesticulou para que ela fizesse o mesmo. – Pronta? – Acho que isso é loucura. – Faz muitos anos que não fazemos isso. Talvez esse seja o momento. – Uma noite de aventura? – Uma noite para se esquecer de tudo e apenas se divertir. Eloise apanhou sua dose. – Posso fazer isso. Eles sorveram a tequila. Ela estremeceu em repugnância, mas deu risada, e quando a banda começou a tocar novamente ambos estavam mais confortáveis. A música mudou para um ritmo lento e ele puxou-a contra os seus braços para uma dança. Ela se derreteu contra ele. Liberto pela tequila, ele repousou o queixo sobre o topo da cabeça dela e inalou a fragrância do seu cabelo. Pela primeira vez em dezoito meses ele se permitiu viver. Quando a banda fez um intervalo, eles tomaram mais uma dose de tequila. No momento em que retornaram ao apartamento dela, eles estavam embriagados o bastante para subir as escadas. O pedido de silêncio que ela fez para ele do degrau acima o fez dar risada. Quando eles pararam em frente à porta do apartamento dela, ela disse: – Vamos ser expulsos do meu prédio. Ricky repousou as mãos sobre os ombros dela. – Se você for expulsa do seu prédio por minha causa, eu encontro outro apartamento para você. Ela deu risada. – Laura Beth e eu mal podemos bancar o apartamento em que estamos. Ele sorriu. – Eu me diverti hoje. – Então suponho que você esteja pensando que devemos tomar doses de tequila em cada festa. – Bem, não queremos adquirir nenhum hábito ruim, mas... – Ele percorreu o olhar ao redor, procurando em seu cérebro adormecido pelas palavras que deveriam seguir aquele mas, e no final ele não pôde deixar de declarar o óbvio: – Foi bom nos soltarmos um pouco. Eu realmente me diverti. Eloise repousou as mãos no peito dele. – Isso não acontece muito com você, não é?


Ele meneou a cabeça. – Não mesmo. – Então estou feliz por você. Ricky recuou um passo. – Boa-noite, Eloise. – Você percebeu que essa foi a primeira vez que você disse o meu nome? – Eu digo o seu nome o tempo inteiro. – Sim, quando me apresenta às pessoas. – O olhar dela ficou preso ao dele. – Mas você nunca disse isso para mim. O desejo de beijá-la o invadiu novamente. Ela era tão linda, tão perfeita. Tão maravilhosa às vezes. E graças a Preston ele sabia que os lábios dela eram tão macios quanto uma nuvem, o interior da boca era como seda. Ele avançou um passo na direção dela. Eloise colocou as mãos nas lapelas do casaco dele novamente e depois moveu-as para o peito musculoso. Ele ansiava para que ela o abraçasse. Puxasse-o para mais perto. Em vez disso, ela endireitou a gravata dele e sorriu. Ela não iria dar o primeiro passo, mas estava dizendo claramente a ele que queria que ele a beijasse. O desejo o invadiu. Apenas faça isso. Apenas incline sua cabeça. Apenas beije-a. Sua respiração ficou presa na garganta. Quando o efeito da tequila passasse, ele iria se arrepender disso. E mesmo que não se arrependesse, ele iria deixá-la. Depois das festas ele iria parar de ligar para ela. Ele iria voltar para o seu próprio mundo silencioso e escuro porque a sua culpa não iria deixá-lo lidar com o mundo brilhante e otimista que ela queria. E ele iria se esquecer dela. Ele iria machucar uma mulher que já tinha sido machucada o bastante. Ricky fechou os dedos ao redor das mãos dela e afastou-as de seu casaco. – Boa-noite, Eloise. E então ele se virou e partiu, sua boca ansiando por um beijo, os membros desejando abraçá-la, o coração lhe dizendo que ele era um tolo. ÀS DEZ horas da manhã seguinte, Eloise se ergueu da mesa e caminhou até a sala de um funcionário, onde se dirigiu para o armário acima da pia até encontrar remédio para dor de cabeça. Apanhando água do bebedouro ao lado da geladeira, ela ergueu os olhos quando Tina Horner entrou na sala com a caneca vazia e se aproximou da cafeteira. – O que está acontecendo? – Nada. – Eloise colocou duas pílulas na boca, engoliu-as com água e rumou para a porta até o hall que levava ao seu escritório. Ela e Tina não deveriam deixar seus armários cheios de arquivos confidenciais para fazer. Um fato que Tina frequentemente se esquecia – ou ignorava – por que era uma funcionária de tempo integral com medo de ser despedida ou substituída. Alguns segundos mais tarde, Tina se aproximou dela. – Vamos lá. Você não pode me dizer que não há nada de errado. Eu trabalhei ao seu lado por semanas. Você nunca precisou de remédios para dor de cabeça. – Ricky e eu fomos a uma festa na noite passada.


Os olhos de Tina brilharam de curiosidade. – Outra festa formal? – Sim. – Em uma quinta-feira? – Pessoas ricas não precisam manter a mesma agenda que você e eu mantemos. Suponho que se há uma festa na quinta-feira, eles não trabalham na sexta-feira. – Então enquanto você está aqui cuidando da sua ressaca, o seu companheiro provavelmente ainda está na cama? – Sim. Tina estreitou os olhos. – Suponho que você tenha se divertido na noite passada. – Sim. Eu me diverti. Tina sentou-se e estudou o rosto de Eloise. – Vamos ver... O que é que você não está me contando? – Tina suspirou. – Você bebeu muito. Provavelmente dançou muito. – Ela ficou pensativa. – Mas você esteve fazendo isso o tempo todo. – Ela considerou isso por mais um segundo e desatou a falar. – Ele a beijou ontem à noite. – Quem me dera. Tina arfou. – Seu namorado falso está se tornando real! Eloise meneou a cabeça. – Eu disse quem me dera. Eu não disse que isso aconteceu. – Você realmente gosta dele, não é? Eloise fechou os olhos com força. Lembranças da noite anterior surgiram em sua mente. A alegria do simples contato humano tinha se transformado em felicidade, o que a fez perceber que ela o amava. – Algumas vezes eu acho que posso estar me apaixonando por ele. – Ah, querida! – Tina se inclinou na mesa de Eloise. – Uma coisa é querer beijar e sentir que você está vivendo um conto de fadas com um homem rico. Outra coisa é começar a acreditar que isso seja real. – Eu sei. – Você vai ficar com o coração partido. E isso não será como o outro rompimento que você teve na faculdade que a levou para a cidade de Nova York. Eloise franziu as sobrancelhas. – O que a faz pensar que algum rompimento me trouxe para a cidade de Nova York? Erguendo-se da cadeira, Tina deu risada. – O olhar triste que não sai dos seus olhos. – Eu tenho um olhar triste? – Parece um filhotinho perdido. – Eu pareço um cachorro? – Você parece alguém que precisa de um abraço. Você é uma pessoa maravilhosa e doce. Se alguém a conhecer e gostar de você, será difícil não querer lhe ajudar. – As pessoas querem me ajudar? – Nem todas. – Tina voltou para sua mesa e prestou atenção na tela do computador. – Mas não é fácil observá-la se esforçar todos os dias. Isso me faz querer ser boa para você.


Eloise ficou surpresa. Ricky Langley estivera vendo seu “olhar triste” por semanas. E na última noite ela esteve particularmente triste. Então, como Tina, ele quis alegrá-la. Ele não estava apaixonado por ela. Era por isso que ele não a havia beijado. Ele não queria ser romântico. Ele apenas queria que ela se alegrasse. Como ela era idiota! Não era de se admirar que não conseguisse um emprego. Sua habilidade de ler as pessoas e suas atitudes era inexistente. E as pessoas olhavam para ela e viam tristeza. Não competência. Não confiança. Tristeza. Ela tinha que consertar isso. RICKY LEVANTOU tarde e sem sinal de ressaca. Ele tomou uma ducha, parabenizou-se por ter se lembrado de se hidratar antes de ir para cama. Mas mesmo enquanto pensava nisso, ele se perguntou se Eloise tinha tomado água o suficiente... Seu coração perdeu uma batida. Eloise. Ele quase a havia beijado na noite passada. Bastou a lembrança de tê-la quase beijado que uma onda de desejo o invadiu novamente, apertando o seu peito. Ele tinha desejado desesperadamente beijá-la, mas conseguira se conter. Graças a Deus. Porque ele não era bom para ela. Ele vivia em um mundo de culpa e tristeza. Ele se recusava a trazê-la para esse mundo. Quando Norman chegou, Ricky entrou na limusine e tentou se concentrar nas reuniões desse dia, mas fracassou. Mesmo pensamentos sobre Blake se afastavam quando as lembranças das risadas com Eloise preenchiam sua mente. O barulho que fizeram enquanto subiam os degraus que levavam ao hall do prédio dela. Aqueles trinta segundos em que ele poderia tê-la beijado... Ricky franziu o cenho. Ele poderia ter evitado as tentações da noite anterior, mas e da próxima vez? A “próxima vez” que ele seria tentado não era daqui a uma semana, tempo suficiente para que ele erguesse suas defesas. Esta noite ele teria outra festa. E ainda podia sentir o sangue fervilhar. Uma sensação estranha que pressionava seu coração a cada vez que ele pensava no nome dela. Ele gemeu. Ela gostava quando ele dizia seu nome. Ele gostava de dizer o nome dela. Isso era ruim. Ricky entrou no elevador privado que levava ao seu escritório. Ele poderia lidar com esse desejo. Aquela doce necessidade de tocar os lábios nos dela era um instinto natural. Principalmente com uma mulher tão bonita quanto Eloise. Mas aquela ânsia por conexão que quase o afogou na noite passada? Isso era errado. Ele não precisava de conexões. Ele nem mesmo queria conexões. Estar sozinho era melhor para ele. Então ele não precisava se preocupar sobre gritar com os funcionários ou insultar os amigos. Desde que conhecera Eloise, sua vida inteira tinha ficado confusa. Mesmo sua vida no trabalho. Esse era o real problema. Ela o estava arrastando de volta para o mundo, como se ele pertencesse àquele lugar. Ela o fazia se esquecer de que ele tinha problemas na vida. Mas ele tinha. Tinha problemas que não iriam sumir com uma varinha mágica. Ele não poderia fingir que esses problemas não existiam. Ricky passou uma das mãos sobre a nuca. Se havia uma coisa que ele não tinha esperado desse acordo era começar a gostar dela.


CAPÍTULO 7

NAQUELA NOITE Eloise usou um vestido preto com uma joia prata. Sentindo-se estranho e desejando que tivesse telefonado e cancelado o compromisso, Ricky disse: – Como sempre, você está linda. Ela captou o olhar dele, seus olhos procurando os dele. Ele permaneceu imóvel sob a observação dela, esperando fazê-la acreditar que não tinha sido nada além da tequila que o havia tornado tão afetivo na noite anterior. Que ele não desejara realmente beijá-la. Que ele não queria nada dela exceto terminar o acordo. Eventualmente ela sorriu: – Como sempre, você é bom para o meu ego. Eloise entregou o casaco a ele e, fechando os olhos, ele repousou-o contra os ombros delicados, tão aliviado por ela estar lidando com isso com graça e discrição que ele não poderia nem mesmo colocar o sentimento em palavras. – Eu estava realmente empolgada em encontrar uma maneira de usar essa joia. Voltando em si ele percebeu que eles não haviam somente descido os quatro degraus da entrada como também ele tinha perdido grande parte da conversa. Ele abriu a porta do edifício para ela e ela saiu para a rua. – A joia combina com o seu vestido. Ela deu risada. – Boa-noite, Norman. Ele baixou o chapéu. – Madame. Eles entraram no veículo. – Você não tem que fingir que gosta de falar sobre joias. – Eu não me importo. – Mas ele não tinha ideia do que estava falando. – Algumas vezes gosto de usar acessórios. – Eloise suspirou. – Eu adoro me vestir. – Ela fez uma careta. – Isso faz com que eu pareça uma criança. Eu não tenho que adorar me vestir tanto quanto eu adoro a moda. Eu amo quando Olivia pede conselho. – Ela fez uma pausa e o encarou. – Você sabe que Olivia e Tucker estarão na festa desta noite.


Isso o surpreendeu. – É mesmo? – Sim. Um tempo depois, enquanto eles saíam da limusine em frente ao Ritz, Ricky procurou a mão dela. Seus dedos quentes envolveram-lhe a mão e ela sentiu o coração perder uma batida. Eles encontraram Tucker e Olivia no saguão. Eloise abraçou a amiga que estava linda grávida. – Estou tão feliz que estejam aqui. – Não poderíamos perder a festa de Fred Murphy – disse Tucker. Com a mão na base da coluna de Olivia, Tucker rumou para o elevador que dava acesso ao salão de baile, e Ricky inclinou-se e sussurrou em um dos ouvidos de Eloise: – Ele foi o primeiro banqueiro a dar dinheiro a Tucker. – Então toda essa festa é por causa de um empréstimo? Ele meneou a cabeça. – Um investimento. – Ah. Dinheiro que ele não tem que pagar de volta. – Sim. Mas é mais a confiança que ele tem em Tucker. – Entendi. Eloise e Ricky saíram assim que as portas do elevador foram abertas. Olivia e Tucker também saíram. Eloise entregou o casaco a Ricky, e enquanto ela se virava, ele viu as costas do vestido dela. Caminhando até o local onde deixaria o casaco, ele rezou silenciosamente por força. Ela estava fazendo-o se esquecer de si mesmo. Ele era apenas humano. Com a forte atração e a sensação de estar à vontade na companhia dela, Ricky sentia se aproximar cada vez mais o instante em que não conseguiria resistir em beijá-la. E amanhã ele iria se arrepender disso, se afastar e provavelmente iria machucá-la. Contudo, poderia não magoá-la. Não importava o quanto tivesse que lutar, ele faria de tudo para manter a distância. Ainda assim, depois do jantar, ele e Eloise foram um dos primeiros casais a irem para a pista de dança. Todos sabiam que ele amava dançar, mas, mais do que isso, Tucker e Olivia também estavam ali. Por mais que não fosse do tipo de enganar seus amigos íntimos, a farsa estava indo bem. Apesar de lutar contra os sentimentos por Eloise, Ricky não poderia terminar o acordo deles enquanto não tinha encontrado um emprego para ela. E ele não poderia dizer ao melhor amigo que ele não estava realmente namorando a melhor amiga de sua esposa, que tudo não passava de um acordo. Ambos iriam parecer loucos. Então ele puxou Eloise para os seus braços e ela descansou contra o corpo dele. Quando a maciez dos seios dela encontrou o peito dele, ele lutou contra o desejo de apenas fechar os olhos e apreciar o momento. Ricky baixou o olhar. Eloise ergueu os olhos para encará-lo. Seus olhares se encontraram e ambos reconheceram que a noite de tequila os havia aproximado. Mas ele não queria estar próximo. Ele queria que eles voltassem a ser estranhos educados, que pudessem fingir que gostavam um do outro. Então ele se afastou alguns centímetros, estabelecendo espaço suficiente entre eles para manter a sanidade. Ele se lembrou do brilho nos olhos dela na porta do apartamento na noite anterior. Como ela havia desejado que ele a beijasse. Como ele tinha desejado fazer isso. Mas ele também se lembrava de que estava sofrendo pelo filho, repleto de culpa e remorso pela morte dele. Eloise tinha seus próprios problemas. Nenhum dos dois estava em posição de ceder a uma


atração que pudesse terminar em mágoa. Ricky se manteve rígido pela primeira vez e ficou aliviado quando a banda fez um intervalo. Eloise conversou com Olivia sobre os clientes dela e artes em geral, e ele e Tucker trocaram ideias sobre o mercado de ações. Quando a banda voltou a tocar, ele estava um pouco cansado para se manter longe dela. Quando ela se derreteu contra os seus braços, seu corpo tentou resistir, mas foi inútil. Os seios dela encontraram seu peito. Suas coxas se tocavam enquanto eles se moviam com a música. – Acho que nunca vi tantos diamantes em minha vida. Ricky deu risada. – Algo estranho me ocorreu nesta noite – disse ela. – O que foi? – Minha mãe não tem um colar de diamantes. Ele riu novamente. – O quê? – Olhe todos esses colares. Ou apenas pense sobre aquele que está ao redor do pescoço de Olivia. Tucker adora a esposa então ele lhe deu diamantes. É assim que homens ricos mostram seu amor. Ele sorriu. – Ah é? – Claro. Se você não pode dizer as palavras, você compra um presente. Um colar. Uma pulseira. Os lábios dele estremeceram. Ele queria comprar uma joia para ela, mas isso não significava que ele a amasse. – Nem sempre se trata de amor. – Verdade. Pode se tratar de respeito ou gratidão. Ele tossiu. Era exatamente por isso que ele queria comprar um colar para ela. – Você parece tão certa. – As pessoas são transparentes. Mas nada disso é meu ponto. – Qual é seu ponto? – Minha mãe não tem um colar de diamantes. – Você acha que o seu pai não a ama ou não a respeita? – Eu acho que ele não tem centenas de milhares de dólares para gastar em joias. Ricky parou de dançar. Confuso, ele disse: – Todos aqui têm dinheiro. – O que é a conclusão do meu ponto. – Ela o encorajou a dançar novamente. – Meus pais têm muito dinheiro. Mas não estão nesta classe. Ele franziu as sobrancelhas, não entendendo direito o que ela estava dizendo. – Então? – Então talvez seja por isso que eles ficaram tão loucos por eu tê-los confrontado. – Talvez. – As poucas vezes que fomos a Nova York para os eventos do Natal, eles foram extremamente claros comigo e com meu irmão mais velho sobre não fazermos nada que pudesse embaraçá-los. Ele franziu o cenho, captando o olhar dela. – De onde está vindo tudo isso? Ela deu de ombros.


– Eu refleti um pouco hoje. Cheguei a algumas conclusões. Um pensamento feliz o preencheu com esperança. Ele poderia não ter encontrado um emprego para ela, mas talvez o fato de ela estar com ele tinha feito com que ela enxergasse algumas coisas sobre a vida, coisas que a ajudariam a parar de ser tão triste. – Então as últimas semanas com meus amigos têm sido boas para você? Ela meneou a cabeça. – Isso não importa. – É claro que importa. Você sente falta dos seus pais. Está tentando descobrir isso porque está tentando encontrar um motivo para ir para casa. Ela desviou os olhos para o outro lado. – Eu não acho. Ele queria desesperadamente que ela fosse capaz de ir para casa. Não apenas para se assegurar de que ela tirasse algo desse acordo, mas porque ninguém deveria ficar sozinho no Natal. Principalmente alguém tão bela e tão gentil. Ricky esperou um segundo, depois disse: – O que você teria que fazer para ser capaz de voltar para casa? Ela sorriu com ironia. – Comprar um colar de diamantes para minha mãe? Ele conteve um suspiro. – Estou falando sério. – Eu não acho que posso voltar para casa. – Por que não? – Eu encontrei mais amor e aceitação com Olivia e Laura Beth do que jamais encontrei com meus pais. E com a aceitação delas eu percebi o quanto a minha família é desequilibrada. Ele pensou sobre o fato de não ter estado em casa por quase dois anos. Ele nem telefonara. Não atendera às ligações da mãe. Porque tudo sobre a sua família o fazia se lembrar de Blake. – Toda família tem um grau de desequilíbrio. – Não dessa maneira. Meus pais não sabem como amar. Mesmo que magoe não ter ninguém, às vezes uma pessoa fica melhor sozinha do que por perto de pessoas que apenas a usam. – Talvez. – Certo, aqui está o meu melhor exemplo. Meus pais iriam amar me ver com você. Eles usariam isso como uma escada. Eles iriam me tratar como realeza para chegarem até você. E depois eles iriam usá-lo para fazer introduções ou ter informações ou qualquer outra coisa que eles achassem que pudessem conseguir. Mas, quando eu e você parássemos de nos ver, eles iriam me colocar em uma prateleira novamente. Como algo que eles pudessem apanhar quando precisassem. – Eloise meneou a cabeça. – Quando eu era criança, quando eles me colocavam de volta na prateleira, eu fazia de tudo para conseguir a atenção deles, o afeto. Eu me esforçava na escola ou me voluntariava para trabalhar em uma caridade. Algumas vezes eles me davam um tapinha na cabeça, mas na maior parte do tempo eles me ignoravam. Mesmo na casa deles, na mesa de jantar, eu estava sozinha. Solitária. Eu não quero voltar a sentir isso. Ele também não iria querer isso. Não importava o quanto ficasse longe, ele sabia que no segundo em que voltasse para casa sua família iria asfixiá-lo de amor. Uma tristeza familiar por ela o preencheu, mas ele impediu que isso o dominasse. Eloise tinha concluído isso sozinha. Ela era uma mulher forte. Uma


pessoa única, maravilhosa. Não era preciso ter dó dela. Ele poderia desejar que pudesse ajudá-la, mas ele nunca, jamais iria sentir pena dela. A banda fez um intervalo e Ricky e Eloise caminharam de volta até a mesa. Tucker e Olivia estavam sussurrando segredos um para o outro. A expressão de Olivia estava séria e Tucker estava com as sobrancelhas franzidas. Ricky ficou tenso. Eloise parou de caminhar ao lado da cadeira de Olivia. – Quer me dizer o que está havendo aqui? Ricky se sentou à mesa. – Achamos que Olivia pode estar em trabalho de parto – disse Tucker. Eloise arfou. – E ela pegou um voo? Você deixou que ela entrasse em um avião tão próximo da data do parto? – Ela deveria dar a luz só daqui a um mês. O médico disse que ela estava bem. Olivia suspirou. – É sério. Só devo dar à luz no próximo mês. Isso pode não ser trabalho de parto. Todos disseram que eu podia voar. – Você pode ter permissão para voar, mas não está bem agora – disse Eloise. Ela apanhou uma pequena bolsa de mão, retirou o celular e discou 911. – Aqui é Eloise Vaughn. Estou no Ritz com uma mulher em trabalho de parto. – Eloise, isso não é necessário – falou Olivia. – Ah, meu Deus! Tucker ficou tenso. – O quê? Olivia alcançou uma das mãos de Eloise. – Diga a eles para se apressarem. Quando Eloise terminou a ligação, Olivia pressionou os dedos dela. – Se for possível, eu quero descer até o saguão. Eloise arfou. – Saguão? – Não quero fazer uma cena. Leve-me para o andar inferior, me esconda em algum lugar. Não quero que ninguém veja se a minha bolsa estourar e se eu gritar. Não havia uma mulher no mundo que não fosse entender isso e Eloise não poderia recusar. – Você consegue andar? Olivia assentiu com a cabeça. Ela gesticulou para Ricky se aproximar delas. – Tucker vai ajudar Olivia a caminhar até a porta. Você e eu vamos andar atrás deles por precaução. Ricky assentiu com a cabeça. Eloise enlaçou um dos braços dele e o encorajou a caminhar atrás de Tucker e Olivia. A LIMUSINE de Ricky parou na rampa da entrada de emergência atrás da ambulância com Olivia e Tucker no interior. O par, Eloise e Tucker, apressaram-se em entrar na sala de emergência com Olivia. Ricky desceu da limusine e mandou Norman para casa. Em seguida, entrou na sala de emergência deu seu nome na recepção e mostrou sua identificação como um membro do quadro.


– Eu quero ser informado sobre a condição de Olivia Engle a cada etapa do procedimento. A recepcionista meneou a cabeça. – Sinto muito, senhor. Mas nossa política de privacidade impede isso a menos que você seja da família. – Ela lançou um olhar esperançoso, claramente não querendo entrar em uma batalha com o diretor do hospital. Apanhando o cartão-chave no bolso do casaco, ele a tirou do sofrimento. – Verifique com o sr. Engle. Ele irá lhe dizer que está tudo bem. Ela se afastou e, alguns minutos depois, retornou, disse a ele que Olivia tinha sido levada para o andar superior da ala da maternidade. Uma hora se passou. Ele se sentou. Andou de um lado para o outro. Sentou-se mais um pouco, descansando os cotovelos nos joelhos. Eventualmente, Ricky se erguia do banco. Abriu os primeiros botões da camisa e caminhou até a unidade intensiva de tratamento na ala das crianças, onde ficou próximo à janela e fitou os berços vazios. Se ele fechasse os olhos, poderia ver seu filho com curativos e o pequeno peito mal subindo e descendo enquanto um aparelho respirava por ele. Lágrimas encheram seus olhos e ele reviveu a aflição. Depois ele percebeu que o bebê de Tucker poderia ser muito pequeno, muito frágil, e o mais novo membro da feliz família Engle poderia ter que passar dias, semanas ou até mesmo um ano dele ou dela no mesmo berço de Blake. Seu sofrimento se transformou em medo. Um medo real de que Tucker e Olivia pudessem encarar a devastação de perder um filho. Ele podia sentir cada gota de tristeza que iria dominá-los e praguejou. Isso não deveria acontecer com ninguém. Mas Olivia e Tucker? Eles eram especiais. Não mereciam isso. O som de saltos altos interrompeu o silêncio e ele se virou para ver Eloise caminhando no corredor. – Oi. – Oi. – Ele franziu o cenho. – Essa é uma ala particular. Como entrou aqui? Ela mostrou um cartão-chave a ele. – Tucker me deu isso e disse para lhe encontrar. Como você entrou aqui? Ricky apanhou um cartão-chave igual ao de Tucker de dentro do bolso do smoking. – Uau! Vocês devem ser dois grandes doadores. – Estamos no quadro. – Ele inspirou profundamente. – Como está Olivia? Ela fez uma careta. – Não está em trabalho de parto. O médico irá mantê-la aqui esta noite apenas para se assegurar de que tudo fique bem, mas ela está bem. Ele soltou um suspiro de alívio. Finalmente, ele correu a mão pela nuca e forçou seus músculos e cérebro a relaxarem. – Isso é bom. Eloise percorreu o olhar ao redor da sala. – É tão quieto aqui. – Isso é normal no tratamento intensivo de crianças. Ele esperou uma pergunta ou duas. Ela ganhara o direito de lhe fazer perguntas. Ele sentiu a curiosidade dela. Ainda assim, ela não disse nada. Seu respeito por ela aumentou. Ele dissera a ela que não queria que ela soubesse do seu passado, sua dor, porque ele não queria que ela o tratasse de forma diferente... Ou pior, tivesse pena dele. – Boa-tarde, sr. Langley. – Regina caminhou até eles. – E quem é essa?


Ricky alcançou uma das mãos de Eloise. – Ela é uma amiga. Eloise sorriu. – Bem, está bem calmo aqui esta noite. Fiquem aqui o quanto desejarem – disse Regina. Não parecia certo estar ali com Eloise na janela do quarto onde seu filho tinha morrido. Ele não queria que ela visse o seu sofrimento. Além do mais, com Olivia e o bebê estando bem não havia motivo para ficar ali. – Na verdade estávamos de saída. – Boa-noite então. – Boa-noite, Regina. – Ele direcionou Eloise até o elevador. – Eu mandei Norman para casa. Teremos que pegar um táxi. – Um táxi! Você sabe o quanto os táxis são caros? Ele deu risada, depois percebeu que era exatamente isso que ela pretendia que ele fizesse. Mas as vistas e os sons do hospital o mantiveram presos à realidade e subitamente ele se sentiu culpado por aqueles três segundos de felicidade. Não importava o quanto Eloise animasse o seu espírito, em seu coração ele sabia que não merecia ser inteiro.


CAPÍTULO 8

ELOISE ROLOU na cama na manhã seguinte, incapaz de se levantar e encarar o dia. Ela não era do tipo de repensar as coisas, mas por que alguém iria escolher esperar na unidade de tratamento intensivo da ala das crianças em vez de aguardar na sala de espera da maternidade? Ela deixou as razões óbvias cruzarem sua mente. Talvez Ricky tivesse passado um tempo ali quando era criança. Ou talvez uma das irmãs dele. Ou talvez ele tivesse tido um filho que estivera ali. Talvez uma criança que nasceu prematura, como quase aconteceu com a criança de Tucker e Olivia na noite anterior. A última opção fazia tanto sentido que novos cenários começaram a rolar em sua mente. Cenários assustadores. Coisas que as esposas dos amigos dele poderiam chamar de uma tragédia. Coisas que ela não tinha bases para acreditar. Com um gemido, ela afastou as cobertas, ergueu-se da cama e caminhou até a cozinha. Laura Beth já tinha se sentado à mesa redonda e estava apreciando um chá. – Oi. – Oi. Você levantou cedo para alguém que esteve em uma festa ontem à noite. Eloise caminhou até o balcão e começou a fazer café. – Nós levamos Olivia para o hospital. Laura Beth arfou. – Na noite passada? Ela está bem? – Alarme falso. Ela está bem. E o bebê também. – Mas... Ela encarou Laura Beth. – Mas o quê? Você hesitou um pouco. Ela está bem, mas está na cama descansando ou algo do tipo? O que está havendo? – Nada. Foi apenas um alarme falso. Ela está realmente bem. – Eloise mordiscou o lábio inferior. – Mas meu namorado falso fez algo que me deixou confusa. – O quê? – Ele aguardou na unidade de tratamento intensivo infantil em vez de aguardar na sala de espera da maternidade.


– Talvez ele tenha achado que algo pudesse estar errado com o bebê, então resolveu aguardar ali. Ela arfou e fechou os olhos. É claro. Isso fazia muito mais sentido. A escolha dele em aguardar em um local que não se tratasse dele, mas do bebê de Olivia. – Não há uma unidade de tratamento intensiva neonatal? Uma apenas para recém-nascidos? Laura Beth deu de ombros. – Eu não sei. Não sei muito sobre hospitais, mas deve haver uma unidade especial para recémnascidos. Confusa de novo, Eloise inspirou profundamente. – Bem, ele também está no quadro do hospital, então talvez ele estivesse apenas olhando ao redor, verificando as coisas. Ela pensou na enfermeira que tinha falado com ele e fez uma careta. – Não. Não é isso também. Uma enfermeira se aproximou dele. Ela agiu como se o conhecesse. – Se ele está no quadro, é claro que ela o conhece. Eloise meneou a cabeça. – Não. Foi mais como se ela o conhecesse pessoalmente. Laura Beth fez uma careta. – Ela era jovem e bonita? – De meia-idade, mas muito bonita. Ainda assim, não é disso que se trata. A forma com que ela reagiu a ele foi mais como se ela estivesse acostumada a vê-lo. – Eloise tentou se lembrar da conversa deles. – Ela disse para ficarmos ali o quanto quiséssemos... Como se ele já tivesse ido naquela ala antes. Apanhando sua caneca vazia, Laura Beth se ergueu da mesa. – Acho que você está pensando mais nisso do que deveria porque está tentando descobrir a “tragédia” que aquelas mulheres lhe disseram. – Ela meneou a cabeça. – Pense nisso. A esposa do amigo dele estava no hospital, talvez em um parto precoce. Isso parou o meu coração. Então tenho certeza que também o assustou. Ele poderia simplesmente ter ido à unidade de tratamento intensivo para crianças sem se lembrar da unidade para recém-nascidos. Eloise franziu as sobrancelhas. – Talvez. – Seu cérebro poderia aceitar isso, mas seu coração discordava. Havia algo sobre a maneira com que ele tinha ficado na frente daquela janela, fitando o interior da sala. A decepção a invadiu. Ele a havia chamado de amiga na noite anterior. Ainda assim, ali estava ela, tentando adivinhar o que tinha acontecido na vida dele porque ele não confiava nela o bastante para contar a ela. – Bruce vai me levar para patinar no Rockefeller Center hoje. Sem querer ser vista como a garota triste mais uma vez, Eloise deu um sorriso para a colega de apartamento. – Legal. – Eu posso precisar do seu casaco azul emprestado. – Claro. – Você não vai usá-lo? – Não. – Ela suspirou. – Vamos a outra festa formal esta noite. Laura Beth deu risada. – Ei, eu “mataria” para ir a uma destas festas. Você deve ter ido a seis ou sete. – Bruce não a levou para nenhuma?


O rosto de Laura Beth ficou corado e ela se ocupou na pia. – Não. Percebendo o seu erro, Eloise disse tranquilamente: – Bem, fique feliz. Essas festas ficam entediantes depois de um tempo. Repetitivas. – Além do mais, quando eles dançavam, ela queria se derreter nos braços de Ricky, mas ele a mantinha a dois passos de distância. Contudo, ela não iria dizer isso a Laura Beth. Ela não iria ser mais a “garota triste” com o olhar de filhote de cachorro. – Normalmente, eu gastaria os finais de semana antes do Natal fazendo compras. Esse ano, estou tão ocupada com Ricky e as festas que não fiz nenhuma das coisas que gostaria de fazer. E, nesse dia, a necessidade de fazer algo normal, de ser ela mesma, a dominou. Ela estava se perdendo em um homem que não a queria. Quando ele partisse, e ele iria, ela ficaria ainda mais sozinha do que se sentia agora. Laura Beth meneou a cabeça. – Todos em Nova York podem fazer o que querem fazer. Este ano você vai a festas. Aproveite. Quando Laura Beth deixou a sala, Eloise fechou os olhos enquanto a verdade a bombardeava. A onda que a encheu de desejo não era de fazer algo sozinha. Era de fazer algo normal com Ricky. Ir ao shopping com ele. Ver a árvore do Rockefeller Center com ele. Ela queria fazer algo normal com ele porque queria que ele fosse normal com ela. Nos grandes bailes formais, ele poderia se esquivar das perguntas dela. E ela estava cansada de jantar com pessoas que não conhecia realmente. Cansada de não poder se permitir curtir o momento quando eles dançassem. Cansada de fingir que era feliz. Mas, mais do que tudo, ela estava cansada de fingir que estava tudo bem com o fato de todos saberem do passado dele, dos segredos dele, mas ela não saber por que ele não queria que isso afetasse a maneira com que ela o tratava. Ele já não a conhecia bem o bastante para entender que ela sempre iria tratá-lo com respeito? Por que ele não confiava nela? Naquela noite quando ele chegou para buscá-la, o insulto de ser a única no círculo social dele que não sabia sobre a tragédia da vida dele fez seus músculos se enrijecerem e acrescentou um tom frio a sua voz. Ele ajeitou o casaco dela sobre os ombros delicados, cobrindo o vestido prateado que ela usava. – Você está linda. Eloise o encarou e sorriu. – Obrigada. Ricky abriu a porta. Ela o guiou até o hall e depois até a escada. Eloise não disse nada enquanto eles desciam os degraus, através do saguão até o carro. Mas ela não poderia passar por Norman sem cumprimentá-lo. – Boa-noite, Norman. Ele tocou a aba do chapéu. – Boa-noite, madame. Eloise entrou no carro. Ricky sentou-se ao seu lado. Nenhum dos dois disse uma palavra. Ricky clareou a garganta. – Então... Teve um dia difícil hoje?


Ela continuou fitando a paisagem através da janela. – Não. Foi um dia normal. Fiz uma pequena faxina em casa. – Está certo. Um tempo depois o carro parou em frente a um edifício. Eloise o encarou. – Esta é uma residência privada? – Sim. Binnie e Dennis estão dando uma pequena festa. – Estou usando um vestido formal. Ricky a encarou. Seus olhos grandes e castanhos exibiam confusão. Eloise jogou as mãos para o ar. – Não vou em uma festa particular com um vestido formal! Lágrimas surgiram nos olhos dela e ameaçaram rolar por seu rosto. Ela estivera tão aborrecida com ele o dia inteiro que esse pequeno incidente a deixou com nervos à flor da pele. A última coisa que ela queria era que ele percebesse isso. Eloise percorreu o olhar ao redor. – Olhe, vá sozinho. Você vai ficar bem. E eu também. Posso ir para casa sozinha. Não tenho certeza de onde fica o metrô, mas posso descobrir. Antes que Norman ou Ricky pudessem reagir, ela abriu a porta do carro e saiu. Ricky a seguiu. – Ei! Espere! – Esqueça. – Eu cometi um erro por não ter lhe telefonado hoje para lhe dizer o que vestir. Sinto muito. Vamos para casa. Você poderá se trocar. Lágrimas rolaram pelo rosto dela. – Agora é tarde demais. Até voltarmos para casa, eles já estarão jantando. – Ela secou as lágrimas. – Apenas vá. Veja seus amigos. Divirta-se. Ricky agarrou-lhe um dos braços e puxou-a para mais perto. – Ao menos deixe Norman levá-la para casa. Mais lágrimas encheram os olhos dela. Em algum lugar no seu interior, ela esperara que ele fosse levá-la para casa. Mas era estupidez. Ele não gostava dela. Ele não queria gostar dela. Ela era uma companhia contratada. Não havia problema com o fato de ela estar aborrecida por estar usando a roupa errada, mas ela não poderia ficar aborrecida por ele não lhe dar algo que não fizesse parte do acordo deles. Mais uma vez, ela provavelmente pareceu insana para ele. Eles caminharam até o carro em silêncio. Quando alcançaram a limusine, Ricky abriu a porta para ela. Eloise entrou no interior do veículo e ele fechou a porta para ela. O que ela havia feito? Ao deixar de comparecer a esta festa com ele, ela estava provando que ele não precisava mais dela. Ele poderia ir sozinho. Eloise gemeu interiormente. Ela precisava do emprego que ele poderia lhe proporcionar. Ela precisava dos contatos dele. E agora estava jogando tudo fora porque havia colocado o vestido errado? Eloise se reclinou contra o banco. Não era isso. O fato de ele não ter lhe dito sobre a festa era um sintoma de algo maior que ele não iria lhe contar. Sua tragédia. Ele a havia chamado de amiga. Mas não compartilhava seus segredos.


E ela gostava dele. Mas na maioria dos dias ele apenas era gentil com ela porque ele tinha que ser. E ele não tinha se importado quando ela lhe contou seus segredos. Ainda assim ela gostava dele. Muito. Sentia algum tipo de ligação entre suas almas, algo que obviamente ele não sentia. Essa era a real humilhação. Desejar algo que ele não poderia enxergar. Subitamente a porta da limusine foi aberta. Ricky entrou no veículo. Ela se endireitou. – O que você está fazendo? – Vou levá-la para casa. Eu telefonei para Binnie e expliquei que você não estava se sentindo muito bem e que eu não poderia entrar na festa. – O quê? – Eu disse que não poderia entrar na festa. – Ele estudou o rosto dela. – Posso ver que algo está realmente errado. E ele se importava? Eloise fungou. A esperança tentou invadir seu coração, mas ela se lembrou da verdade e ignorou o sentimento. Se ele não se importava que o marido dela tivesse morrido e os pais a tivessem desertado, ele certamente não iria querer saber que ela se sentia rejeitada porque ele não confiava nela. E ela não iria dizer a ele que estava se apaixonando por ele. Essa poderia ser a maior das humilhações. Enxugando os olhos, ela se recompôs. – É muito ruim ser a única mulher usando um vestido formal em um jantar. Isso iria me fazer parecer estúpida... Ignorante sobre as reuniões sociais. Ele fez uma careta. – Sinto muito por isso. – Está tudo bem. Norman ligou o carro e o colocou em movimento. Ricky reclinou-se contra o banco. – Parece estranho voltar para casa. Não parecia estranho para ela. Quanto mais ela se afastasse dele, mais cedo ela poderia chorar. – Quero dizer, estou vestido e você não. – Ele se virou e capturou o olhar dela. – Parece um desperdício. – Posso usar esse vestido amanhã. – Ela fitou a janela, depois o encarou novamente. O choro poderia ter sido sua culpa. Poderia ter sido um exagero. Poderia tê-la feito parecer ainda mais tola do que ela já parecia para ele. Mas se esquecer de dizer a ela como se vestir? Isso era culpa dele. – Se formos a um jantar. – Vou verificar o convite quando chegar em casa e lhe telefono. – Eu agradeço. Ricky clareou a garganta. – Ainda não acho que deveríamos ir para casa. – O acordo foi doze festas. – Eu sei. Mas perder uma delas é como voltar atrás no acordo. – Ele a encarou. – Se você gosta das festas.


– Às vezes eu gosto. – Quando ele era ele mesmo. Um homem normal. O que ultimamente não era tão frequente. – Ao menos deixe-me lhe pagar um jantar. – Não estou com fome. Mas mesmo enquanto dizia as palavras seu estômago roncou. – Acho que está com fome. – Pare de sentir pena de mim! – O grito saiu de sua garganta antes que ela pudesse impedir. – Pelo amor de Deus! Você odeia que as pessoas sintam pena de você, deveria entender que eu também odeio quando as pessoas sentem pena de mim! Ele fez uma careta. – Já entendi. A vergonha a invadiu novamente. Ela não sabia por que estava tão emotiva esta noite, mas estava. E precisava se afastar dele. Eloise se virou para a janela e fitou a cidade decorada para os feriados, as luzes festivas que pareciam estar zombando dela. – Então se você quisesse ir a qualquer lugar que desejasse esta noite, onde seria? Ela fechou os olhos. – Você não vai desistir, vai? – Eu sempre tento reparar meus erros. Então agora ela era um erro? – Ótimo. – Para onde você iria... Se pudesse ir a qualquer lugar que quisesse? Ela ficou tentada a dizer Paris a ele apenas para silenciá-lo. Mas e se ele realmente a levasse para lá? Ela não iria se arriscar. Eloise procurou em sua mente por algum lugar razoável para dizer a ele, mas algum lugar que ele fosse recusar. Quando uma ideia surgiu, ela sorriu. – O que eu realmente gosto é de um passeio de carruagem no Central Park. Ele fungou. – Está chovendo. – Eu sei. Droga. Foi uma sugestão estúpida. – Ela suspirou. – É melhor irmos para casa. Ricky apanhou o celular de dentro do bolso da calça. – Agora, espere um pouco. Não vamos nos precipitar. – Ele pressionou um botão. – David? Você pode me fazer um favor e me arranjar uma corrida de carruagem? – Ele fez uma pausa, depois riu. – Agora, na verdade. – Ele fez outra pausa, esperando um minuto ou dois antes de dizer: – Entrada do sul? Ótimo. Obrigado. – E, virando-se para encará-la, avisou: – Então parece que vamos ter uma carruagem. Ela ficou boquiaberta. – Está chovendo! – Mas é o que você queria. Eloise suspirou. A única vez que ela realmente não queria que ele fosse gentil com ela, quando ela queria que ele se comportasse de forma egocêntrica como sempre para que ela pudesse apenas ir para casa e chorar, ele decidiu ser gentil.


– Eu quero um passeio de carruagem em um dia ensolarado ou em uma noite quente. – Agora ela soava como uma criança mimada. – Não em uma noite chuvosa. – Teremos uma carruagem com proteção. E eles têm cobertores. Ele parecia tão orgulhoso de si mesmo que ela teve que lutar para não revirar os olhos nas órbitas. – Obrigada. – De nada. – Ele bateu no vidro que os separavam do motorista e deu instruções a Norman. Em dez minutos a limusine parou. A rua inteira cintilava com as gotas de chuva. Embora não houvesse estrelas, a lua estava bonita. Nuvens brancas passavam, algumas vezes escondendo a lua, mas eventualmente ela aparecia novamente, como se estivesse sorrindo para Eloise, dizendo a ela para relaxar que tudo ficaria bem. Após uma breve conversa com Norman, Ricky a ajudou a se sentar no assento vermelho da carruagem, sentou-se ao lado dela e puxou as cobertas sobre o corpo feminino. – Você vai congelar com esse casaco. – Não me importo. – E subitamente ela não se importou. Ela queria uma dessas corridas desde que era uma garotinha. Ela não iria perder um minuto do passeio. Enquanto a carruagem seguia até o Central Park, Eloise se aconchegou debaixo das cobertas. – Então de tantos lugares para ir, coisas a fazer, por que isso? – Uma vez quando passávamos por aqui quando eu era criança, eu quase convenci meu pai a fazer um passeio desses. Mas minha mãe desistiu no último minuto. – Ah. Sinto muito sobre isso. – Não é culpa sua. – Ela riu. – Além do mais, estou aqui agora. – Eu também nunca fiz isso. Eloise virou-se para encará-lo. – Sério? – Embora eu tenha trazido meu filho aqui para o Central Park. Ricky fechou os olhos. Ele não deveria ter mencionado Blake. Tudo o que isso iria fazer era levantar questões sobre o seu passado. Mas o erro desta noite tinha sido grande o bastante para fazê-la chorar. Ela tentou esconder isso, mas perdeu a batalha e quase perdeu o controle. Ele daria cada centavo de sua fortuna para fazê-la parar de chorar. Um passeio de carruagem era um pequeno preço a se pagar. Antes que ela pudesse fazer perguntas que iriam levar a respostas que ele não estava pronto para dar, ele acrescentou: – Blake adorou o parque. Era verão. Eu o levei para o carrossel, mas havia campos de baseball próximo daqui, e ele ficou louco quando os viu. – Ele deu risada e meneou a cabeça. – É difícil dizer a um garoto de dezoito meses que ele não pode brincar com as crianças mais velhas. O olhar dela ficou fixo no rosto dele, sua expressão curiosa. Ela queria saber sobre as circunstâncias dele e ele se recusava a contar a ela. Ela iria reconhecer isso como uma enorme concessão. Ricky clareou a garganta. – De qualquer maneira, eu pensei sobre levá-lo em uma corrida de carruagem, mas, felizmente, ele ficou cansado e nós fomos para casa. – Você tem um filho? Ele deu de ombros, incapaz de dizer a ela que Blake tinha morrido, porque ele sabia que não iria conseguir lidar com a dor que a lembrança da morte do filho iria trazer.


Mas ele também se sentia estranhamente livre para que pudesse falar sobre o pequeno garoto. Porque todos estavam tão silenciosos sobre o assunto que algumas vezes parecia como se ele nunca tivesse existido. – Sim. Ela capturou seu olhar, examinou seu rosto e disse: – Você e a mãe dele estão juntos? Ricky meneou a cabeça. – Não. Éramos essencialmente estranhos que criaram uma criança. – Ele fez uma careta. – Parecemos ser pessoas terríveis. Mas não éramos. Eloise repousou a mão no braço dele. – Eu entendi. Não é preciso se explicar. – Então, de qualquer maneira, ela é parte do motivo da máquina de pesquisa que eu criei. O sistema já estava sendo testado quando ela me disse que estava grávida. A gravidez dela fez com que eu acrescentasse mais algumas regras a um algoritmo já elaborado. A confusão ficou clara nos olhos azuis dela. – Por quê? Ele deu de ombros. – Ela era uma mulher solteira vivendo sozinha em um condomínio caro em Nova York. – Ela devia ter um bom emprego. – Ela não tinha emprego. – Pais ricos? – Não. – Ah. – Exatamente. Ela havia recebido o condomínio do último homem que namorou. Depois que ela me disse que estava grávida, eu acabei fazendo compras para ela... Suprindo todas as despesas mensais. – Uau. – E quanto a você? – Ele quis saber. – Alguma má companhia em seu passado? Eloise se aproximou dele, envolveu as mãos ao redor do braço dele e fechou os olhos. Suas respirações se misturaram em meio ao ar frio. Ele sabia que ela o havia procurado pelo seu calor, mas seu peito relaxou. Ela não estava mais aborrecida. – No colegial eu apenas namorei garotos que meus pais aprovavam. Na faculdade... – Ela deu de ombros. – Você conhece essa história. – Sim. Eles caíram em um silêncio reconfortante. O som dos cavalos galopando preenchia o ar. O ar frio da noite os aproximou debaixo das cobertas. Tudo dentro dele pareceu parar. Pela primeira vez, em dezoito meses, ele estava calmo. Totalmente calmo. Após alguns minutos, ele percebeu que ela havia caído no sono. O choro dela deveria tê-la deixado exausta. Ele puxou as cobertas para mais perto do corpo dela e se inclinou, fechando os olhos e apreciando o fato de ele não estar trabalhando ou pensando no trabalho ou em uma festa conversando sobre trabalho. Após um tempo, o condutor virou a carruagem e começou a fazer o caminho de volta. O ar se tornou mais e mais frio e eles descansaram com os corpos colados debaixo das cobertas, compartilhando o calor.


Ricky estudou o rosto de Eloise, o nariz pequeno, os cílios escuros contra a pele clara. Ele nunca tinha conhecido uma mulher tão perfeita fisicamente. Uma princesa. Ele franziu as sobrancelhas. Uma princesa abandonada. Alguém que ninguém queria. Quando a carruagem parou, ele sacudiu-a gentilmente. – Está na hora de levantar. Os olhos dela se abriram. – Eu dormi? Ele deu risada. – Apenas por pouco tempo. – O desejo de beijá-la o invadiu novamente. Se alguém merecia amor, esse alguém era ela. Seus olhares se encontraram. Ele não tinha nada para oferecer a ela além de dinheiro e... de si mesmo. Um homem culpado, com o coração partido, que poderia acabar magoandoa mais do que os pais a magoaram. O motorista apareceu ao lado da carruagem, interrompendo o clima. – A corrida já foi paga, incluindo a gorjeta. – Ele exibiu um largo sorriso. Sem querer que Eloise soubesse que ele havia pagado o dobro para a corrida para assegurar um motorista feliz, Ricky retirou as cobertas de cima dela. – Vamos. Ele a ajudou a descer da carruagem e direcionou-a através da rua até a limusine que os aguardava. Norman abriu a porta enquanto Ricky e Eloise se aproximavam. – Tiveram uma boa corrida? – ele indagou a Eloise. Ela sorriu. – Muito boa. Ricky entrou na limusine ao lado de Eloise. Com o aquecedor ligado eles não tinham necessidade de se sentarem tão próximos. E ele sentiu falta disso. Ele sentiu falta de confortá-la. Nada o fazia se sentir normal da maneira prazerosa que ela tinha feito. Mas havia mais do que isso. Ele sempre sentiu uma conexão, um desejo quando estava com ela. Era como se eles pertencessem um ao outro. Mas ele sabia em seu coração que isso tinha que estar errado. Ele não pertencia a ninguém. Ele magoava as pessoas próximas dele e se recusava absolutamente a magoar Eloise. Em frente à porta do apartamento dela, Eloise sorriu. – Obrigada. Eu me diverti bastante. – Então está se sentindo melhor? – Sim, embora eu sinta muito por ter sido histérica. – Acredite ou não, eu não sinto. – Ele deu uma pausa. – Foi bom fazer algo fora do comum. Conversar sobre outras coisas além do trabalho. O olhar esperançoso dela encontrou o dele. – Você deveria fazer isso com mais frequência. Ricky desviou o olhar para o outro lado. – Talvez. – Bem, foi divertido. Ele capturou o olhar dela novamente. Viu o sorriso nos olhos dela. Sentiu o gelo ao redor do seu coração derreter. Um desejo de ser digno dela correu em suas veias, aquecendo o seu sangue. Um desejo de poder amá-la invadiu sua alma. Seu corpo inteiro vibrou como desejo de ser inteiro. De estar pronto. De ser


tudo o que ela precisasse que ele fosse. Eloise alcançou-o e envolveu os braços ao redor da cintura dele, puxando-o para mais perto. Ele sabia que ela estava fazendo isso como uma forma de agradecimento, mas seu corpo foi invadido por várias sensações. Confiança. Desejo. Elas eram tão fortes que ele não pôde resistir ao impulso de erguer os braços e repousar as mãos nos ombros delicados. Quando os braços dela se apertaram ao redor da sua cintura em resposta, os braços dele também se apertaram. Ele fechou os olhos, lutando contra o desejo de beijá-la. Ele se lembrou de que estava com o coração partido. Disse a si mesmo que ela merecia alguém melhor. Mas o passeio de carruagem, o olhar de satisfação no rosto dela, a forma com que ela o havia escutado sem fazer perguntas indesejáveis, sem julgamentos, tudo isso formou imagens claras em sua mente, bloqueando as negativas, até ele não poder mais lutar contra os instintos. Ricky abriu os olhos, inclinou-se e pressionou os lábios contra os dela. No começo ele não pensou que ela fosse responder, mas então os lábios dela se moveram lentamente, como se ela estivesse com medo dos sentimentos que eles pudessem ter um pelo outro. Algo escuro e possessivo se ergueu em seu interior. Ele aprofundou o beijo, e ela o seguiu, novamente lentamente. Suas línguas se encontraram e o coração dele transbordou com algo tão intenso que lhe tirou completamente o fôlego. Isso estava certo. Ele sabia que isso estava certo. Quando ele conseguiu parar de pensar sobre Blake, sobre seus erros, sobre sua estupidez, tudo o que ele sentiu por ela foi a certeza de que isso estava certo. Mas mesmo isso o assustou. Quando ele estava com ela, nada mais no mundo importava. Mas talvez essa fosse a coisa mais assustadora de todas. Ele poderia amar tanto alguém a ponto de se esquecer do seu filho? Estava certo amar tanto alguém que o fizesse se esquecer do seu filho? Seu bebê. Seu coração. Ricky se afastou. Ela sorriu. – Boa-noite. – Boa-noite. Ele tentou se virar, mas seus pés haviam ganhado raízes no local. O calor dela o atraía. Ele queria ficar próximo dela. Mas também não queria magoá-la. Ricky atravessou o hall antes que perdesse a convicção. Os efeitos posteriores do beijo o invadiram. Parte prazer, parte desejo, eles o levaram a acelerar o passo nas escadas sem tropeçar. Por melhor que isso o fizesse se sentir no momento, ele sabia que se envolver com ela – com qualquer uma – poderia ser o maior erro de sua vida. Ou dela.


CAPÍTULO 9

ELOISE ENTROU no apartamento, fechou a porta e reclinou-se contra a madeira. Ele me beijou. Eles não tinham tido apenas uma noite particular na carruagem que ela ansiava por andar desde criança, mas ele a havia beijado. Com uma emoção real. Ela caminhou no apartamento frio e silencioso, desejando que Laura Beth não estivesse namorando o vice-presidente de Tucker. O encontro noturno na cafeteria tinha se transformado em um emprego para Laura Beth. E agora Ricky a havia beijado e ela queria compartilhar a notícia, mas não havia ninguém para ouvi-la. O som de uma chave na fechadura da porta do apartamento soou em meio à sala silenciosa. Ela virou-se para ver Laura Beth e Bruce entrando no apartamento. Quando a viram, ambos congelaram. – Eloise? O que está fazendo aqui? Ela sorriu, esperando que seu rosto não estivesse cintilando de alegria. – Eu moro aqui. Laura Beth deu uma risada forçada. – Certo. Apenas pensei que a sua festa fosse durar mais tempo. – Ela encarou o namorado. – Você se lembra de Bruce? Eloise avançou um passo e trocou um aperto de mãos com ele. – Na verdade não fomos apresentados. Ele sorriu polidamente. – É um prazer conhecê-la. Laura Beth apontou para o hall. – Vou apenas apanhar algumas coisas do meu quarto, depois Bruce e eu iremos sair novamente. – Está bem. Laura Beth rumou para o quarto. Eloise se viu sozinha com Bruce, que a olhou da cabeça aos pés, como se estivesse julgando-a ou comparando-a com Laura Beth.


Ela pensou na mãe do filho de Ricky. Uma mulher que tinha ganhado um condomínio do primeiro namorado e usou a gravidez para ganhar suprimentos de Ricky. E subitamente tudo o que Ricky tinha feito nas semanas passadas, a hesitação dele, os medos, fizeram um sentido perfeito. Laura Beth entrou na sala de estar novamente. Com uma pequena sacola nas mãos, ela exibiu um largo sorriso para Eloise. – Vejo você pela manhã. Eloise assentiu com a cabeça e o casal deixou o apartamento. Um pouco da alegria ressurgiu em seu interior. Ricky era um homem bom e honesto. E ele gostava dela. Se aquele beijo fosse alguma prova, ele realmente gostava dela. Além do mais, ela apressara as coisas com Wayne. Se alguém entendia a razão por trás de levar as coisas lentamente e valorizar cada passo, esse alguém deveria ser ela. COM OS pés descalços e vestindo apenas um roupão, Ricky entrou na cozinha silenciosa na manhã seguinte. No balcão, ele pressionou o botão para ligar sua cafeteira. Ele preparou o café, lembrando-se de como Eloise ainda sentia falta da cafeteira que tinha sido roubada. Ele deu risada, depois fechou os olhos com força. Algo sobre ela sempre o fazia rir. Fazia-o se esquecer. Fazia-o se sentir normal. Bom Deus, ele gostava dela. Mas, na luz do dia, ele não estava certo de que começar um relacionamento real fosse uma boa ideia. Ele tinha mais dias escuros do que claros. Na verdade, estar com ela o ajudava a se esquecer de Blake, mas ele não estava certo de que isso fosse apropriado. E ele não queria magoá-la. Ainda assim isso parecia tão certo. Determinado a não pensar sobre isso e deixar a natureza tomar seu curso, ele alcançou as cartas acumuladas da semana e folheou-as. Um pequeno panfleto caiu no chão. O pleito anual de Natal do hospital. Ele apanhou o panfleto do chão, curioso não apenas porque ele era um diretor, mas também porque ele queria que o hospital ganhasse doações. Uma colagem de fotografias das crianças que estiveram no hospital por vários motivos preenchia a página principal. Ele gostou disso. Simples, mas eficaz, isso dizia a história de como o hospital salvava vidas. Muitas vidas. Principalmente as vidas das crianças. Mas quando ele viu a fotografia de Blake, uma pequena fotografia entre todas as outras, seu coração parou de bater. Mas o quê?! Eles não apenas não tinham pedido permissão para usar aquela fotografia, mas quem teria sido estúpido o bastante para pensar que ele iria querer a foto do falecido filho em um panfleto? Ricky apanhou o celular, pressionou um botão para o assistente e aguardou dois toques antes de David responder. – Quem autorizou a fotografia de Blake para ser colocada em uma colagem na frente do panfleto do hospital? – A foto de Blake está naquele panfleto? – O horror era evidente na voz de David. – Isso deve ser um erro.


– Telefone para o hospital. Tenha esses panfletos destruídos. E descubra quem deu permissão a eles para usarem essa fotografia. – Absolutamente. Com a conversa encerrada, Ricky apanhou o panfleto e o rasgou em mil pedaços. Quer erro mais estúpido!! Ele passou os dedos de uma das mãos entre o cabelo e apanhou o celular novamente, apenas para se dar conta de que estava prestes a telefonar para Eloise. Eloise. Por que ele automaticamente quis telefonar para ela? O que ele iria dizer? Que o seu filho estava morto? Que algum idiota colocou a foto de Blake em um milhão de panfletos? Que seu coração estava partido? Que tudo o que ele sentiu quando viu o filho lutar pela vida havia voltado em sua mente? Ricky fechou os olhos com força enquanto se lembrava de que essa era a sua vida. Isso era o que ele tinha a oferecer para Eloise. Dores que lhe penetravam o coração em momentos inesperados de lembranças. Depressões profundas que o arrastavam de tal maneira que ele nem mesmo conseguia falar por alguns dias. Que tolice era acreditar que ela iria querer isso? Quanto isso era egocêntrico? Ele inspirou profundamente, jogou o celular sobre o balcão, apanhou uma caneca de café e entrou no escritório. Ele considerou telefonar para ela e dizer que eles não iriam se ver mais. Não importava quanta dor ele ouvisse na voz dela, ele iria suportar aquilo, simplesmente porque sabia que uma pequena mágoa agora iria salvá-la de uma dor real no futuro. Mas ele não tinha feito sua parte final do acordo. Ele não poderia parar de vê-la até encontrar um emprego para ela. Sua decisão estava tomada. Ele tinha que protegê-la. Isso significava que ele precisava arranjar um emprego para ela. Depois ele poderia dizer a ela que havia mudado de ideia sobre comparecer ao restante das festas e desejaria boa sorte com o futuro patrão dela e ela estaria fora da sua vida. QUANDO RICKY bateu à porta de Eloise naquela noite, Eloise inspirou profundamente. Na noite anterior ele tinha falado sobre a sua vida pessoal, seu filho, e ele a havia beijado. Ele gostava dela. Ele precisava de tempo para confiar nela, e ela iria dar esse tempo a ele. Afinal, eles ainda tinham muitas festas para comparecer, e ela iria dançar com um homem que a havia beijado como um homem apaixonado. Essas próximas semanas poderiam ser as mais felizes da vida dela. Seu coração estremeceu com a expectativa. Eloise inspirou profundamente mais uma vez e abriu a porta. – Olá. – Olá. – Você está muito bonito. Ricky baixou o olhar para o smoking que vestia. – Eu estou normal como sempre. Ela deu risada. – Eu sei. Você fica bem de smoking. Ele suprimiu um som que foi quase uma risadinha... Quase. Eloise sentiu o coração se acelerar.


Ela entregou seu casaco a ele. Ricky repousou-o sobre os ombros delicados. – Você está bonita esta noite. Mas sempre está bonita também. – Obrigada. Ele abriu a porta e ela saiu do apartamento. – Então como foi seu dia? Ele não iria encontrar o olhar dela. – Meu dia foi muito longo – disse Ricky. – Como assim? – Projeto especial. Ela parou no topo das escadas. – Sim? Alguma coisa que quer falar a respeito? – Eu prefiro não falar, mas basta dizer que estou tendo problemas em descobrir um ângulo para um problema que eu tenho que resolver o mais rápido possível. – Tem certeza de que não é nada que eu possa ajudar? Ele hesitou, mas eventualmente disse: – Sim. Eles desceram as escadas e saíram para o ar frio da noite. – Precisamos de neve. Ele fungou novamente, um reconhecimento do comentário dela, mas não era bem uma resposta. Ainda assim, ela não estava atemorizada. O homem a havia beijado porque quis. Ela até mesmo tentara dissuadi-lo ao não beijá-la de volta, mas ele não tinha parado. Ricky havia aprofundado o beijo. Ele poderia ter medo de confiar, mas estava se apaixonando. Ela podia sentir isso. E se ela o quisesse, então teria que dar um tempo a ele. ENQUANTO ELES caminhavam debaixo da varanda da entrada da casa de praia de Santana Lawson’s Montauk, Ricky notou o quanto Eloise estava incrível naquele vestido pink. Ainda mais incrível do que ela ficava nos vestidos brilhantes que costumava usar. A sensação de que isso estava certo tinha acontecido ao menos três vezes dentro da limusine. Ele lutou contra todas, não por si mesmo, mas para protegê-la. Ainda assim, essa iria ser uma noite longa. Ricky a guiou até a entrada onde Santana estava cumprimentando os convidados. Vestindo um smoking preto, uma camisa preta e uma gravata preta, Santana fazia o seu papel de anfitrião. – Então, alguém finalmente fez esse homem voltar aos círculos sociais novamente. Eloise deu risada. – Não foi tão difícil. Santana beijou uma das mãos dela. – Não para alguém tão bela quanto você, tenho certeza. O ciúme fez com que Ricky sentisse o estômago se revirar, mas ele ignorou o sentimento. Ele não poderia gostar dela. Não tinha nada a oferecer a ela exceto anos de sofrimento. O ciúme não tinha lugar nesse acordo. Agarrando a mão de Santana, ele disse: – Obrigado por nos ter convidado.


Os olhos de Santana cintilaram com curiosidade. Ricky podia ver que ele queria fazer um milhão de perguntas, mas ele apenas disse: – O prazer é meu. – O anfitrião apontou para o hall. – O salão de baile fica à primeira porta à esquerda. Eloise enlaçou um dos braços de Ricky. – Pronto? Seus olhares se encontraram. Ele se lembrou de que o que sentia não importava. Ele tinha que pensar nela. No futuro dela. Na felicidade dela. – Sim. Estou pronto. Mas as lembranças não o fizeram se sentir melhor. A tristeza que o invadiu no momento não era a dor de ter perdido Blake. Era algo mais suave. Mais como um remorso do que um arrependimento. Ele caminhou até a mesa que estava reservada para eles e ficou surpreso em ver que o designer mundialmente conhecido, Bob Barbie, já estava ali. Ele apenas reconheceu Bob porque o designer tinha passado por problemas no ano anterior e Ricky tinha emprestado dinheiro a ele. – Não tenho certeza de que devo sentar com empresários como vocês – disse Bob, dando risada enquanto segurava uma cadeira para sua acompanhante. – Estamos felizes em ter você, Bob. – Ricky declarou, virando-se para Eloise. – Esta é Eloise Vaughn. – Ele sorriu. – Eloise, este é Bob Barbie. Os olhos dela se arregalaram. – Aquele Bob Barbie? Bob sorriu como se estivesse entediado. – Sim. – Ah, meu Deus! É um prazer imenso conhecê-lo. Eu adoro a sua coleção de inverno. – Todos adoram. – Os olhos dele se estreitaram enquanto ele estudava Eloise. – Humph. – E então ele se virou para sua acompanhante, encerrando efetivamente a conversa. Eloise se inclinou para mais perto de Ricky e sussurrou: – Não acho que ele tenha gostado do meu vestido. Ricky franziu as sobrancelhas. Seu olhar baixou automaticamente para o vestido eu ela usava. Ao vislumbrar o decote, ele sentiu a boca se ressecar. Nada sobre ela era imperfeito. Tentador. Seus dedos formigavam com o desejo de tocá-la. Ele engoliu a saliva, lutando com o desejo que ameaçava ultrapassar o bom senso. Eloise bateu os dedos contra a mesa. – Pink não é uma cor para o Natal. Talvez ele não goste de pessoas vestindo cores berrantes nos feriados. Ricky clareou a garganta. – Não seja tola. Ela deu risada. – Acho que isso é tolice o bastante. – Está bem. Eu desisto. – Quem você está vestindo? – indagou Bob. – Perdão? – De quem é esse vestido? Já pensei em todas as coleções que conheço e não consegui descobrir. Então me diga.


Eloise deu risada. – Você não iria adivinhar porque eu fiz esse vestido. Bob estreitou os olhos. – Você? Ela fez uma careta. – Sim. – Mas você comprou o padrão de alguém... Ela meneou a cabeça. – Não. Eu fiz o vestido sozinha. Ele levou uma das mãos à cintura. – Você está mentindo. A raiva enrijeceu a espinha de Ricky. – Espero que não tenha acabado de chamar minha companheira de mentirosa, Bob. Ele gesticulou com uma das mãos para o alto. – Apenas estou dizendo que esse vestido é muito bom. – Eu o fiz a partir de um vestido velho – disse Eloise. – Bem, agora você está zombando de mim e da minha profissão. Eloise poderia estar rindo, mas Ricky estava prestes a defendê-la novamente. Como se estivesse sentindo isso, ela colocou uma das mãos no braço dele e o acalmou enquanto encarava Bob. – Vou aceitar isso como um elogio. – E você deveria. Bom Deus, mulher, você tem muito talento! – Ele inspirou profundamente. – Espero que não tenha que jantar com a minha concorrência no próximo ano. Eloise deu risada, mas Ricky olhou de Bob para Eloise. Ele dirigiu o olhar para o vestido dela e depois de volta para Bob. Sua boca se abriu levemente. Ela poderia não ser boa o bastante para ser uma concorrente de Bob, mas algo surgiu em sua mente. Um insight. Uma intuição. Talvez ele devesse apresentá-la a designer em vez de presidentes. Ela poderia não ter nenhuma experiência de recursos humanos, mas tinha um talento nato com os vestidos. E ela poderia costurar. Era perfeita para um designer. De fato, ele já sabia as mudanças que iria fazer no currículo dela. Ele poderia se ver conseguindo um emprego para ela... Um trabalho que ela não apenas seria capaz de realizar, mas provavelmente também iria gostar mais do que ficar presa em um escritório. Seu coração se tornou leve, mas apenas por um segundo, depois afundou com a tristeza. Quanto mais cedo encontrasse um emprego para ela, mais cedo ele iria parar de vê-la. Mas ela precisava de um emprego. E precisava ficar longe dele. Ele poderia estar incrivelmente triste por perder os últimos encontros dele, mas sair da vida dela era a coisa certa a se fazer. RICKY PASSOU a primeira hora de dança procurando por designers. Ele conhecia presidentes de empresas. Ele não conhecia designer, exceto Bob. Além do mais, ele presumiu que ela quisesse trabalhar com um designer. E se ela não quisesse? Ele tinha facilmente chegado à conclusão de que era isso o que ela queria, mas até ela perceber isso, ele não poderia mudar o currículo dela ou mandá-la para entrevistas.


A preocupação com a sua missão o manteve muito ocupado para que ele se lembrasse da atração que sentia por Eloise, muito ocupado para se arrepender por não poder ter alguma coisa com ela. Mas, enquanto eles subiam os degraus para o apartamento dela no final da noite, seu peito se apertou. Quanto mais eles se aproximavam do local onde ele a havia beijado mais ele se lembrava do beijo. A maciez dos lábios dela e a sensação de que amá-la era a coisa certa lhe roubaram o fôlego. Ele parou após subir dois degraus. – Sabe de uma coisa? Ela o encarou com um sorriso. Ele se esforçou para devolver um sorriso. – Não vou subir as escadas hoje. – Ah. – Ele viu diversas emoções surgirem nos olhos azuis dela, mas ela apenas disse: – Está bem. Ainda assim, quando ele se virou para se afastar, ele sabia que não a havia enganado. Ela percebeu que ele estava se esquivando de um beijo. Um beijo que ela queria. Um beijo que ele queria. O desejo em puxá-la contra os seus braços aumentou. Ele poderia beijá-la loucamente em trinta segundos. Ele poderia tomar o comando, tomar o controle, amá-la da forma que ela desejava ser amada... E no final magoá-la. Ele continuou andando. ELOISE ENTROU em seu apartamento escuro, mais uma vez lamentando-se por não ter com quem conversar. Ele havia se afastado tanto dela que era como se o beijo deles nunca tivesse acontecido, e agora ela se perguntava sobre a sabedoria de não tê-lo chamado para entrar, exigindo que ele explicasse como ele podia ser tão afetuoso uma noite e tão distante na próxima. Ela caminhou até o quarto, seu espírito lutando para lembrá-la de que ela dissera que iria dar tempo a ele e que tinha um trabalho a fazer também. Precisava provar que era digna de confiança. Mas como uma pessoa poderia se provar digna de confiança em um mar de pessoas se divertindo? Ela não poderia. E quando seus encontros acabassem, ela iria perdê-lo. NA NOITE do sábado seguinte quando Ricky apanhou-a para outra festa formal, ele sentiu o coração perder uma batida. Ele não sabia o nome apropriado para o estilo do vestido dela e poderia apenas descrevê-lo como algo que ele tinha visto ser usado por uma deusa grega antiga nos livros de história. O cabelo dela preso no alto da cabeça, com cachos caindo sobre a nuca, também o lembravam de uma deusa. Se ele achou que teve problema tentando manter a distância antes, a maneira com que ela estava naquela noite ultrapassava as dificuldades de qualquer outra ocasião. Ele se viu em um grande apuro, exceto por ela estar tão linda em um vestido perfeito que na verdade funcionava para o seu plano. Em vez de tentar procurar designers, ele tirou a ideia de Bob enquanto estavam sentados à mesma mesa na semana passada. Naquela semana, ele tinha chamado seus anfitriões, os Connors, e pedido um favor. Ele a ajudou a subir os poucos degraus até o hotel. Eles sorriram para o porteiro e rumaram para o elevador. Eles deram apenas três passos no salão de baile quando Jason Grogin segurou um dos braços de Ricky.


– Olá! Ricky! Que bom lhe ver. Ele trocou um aperto de mãos com Jason, não tão feliz em ver Jason quanto o homem parecia feliz em vê-lo. Jason era uma das pessoas que Ricky tinha originalmente mandado um currículo. E nenhum deles tinha ouvido uma palavra dele... Apesar do fato de ele dever um grande favor a Ricky. Jason encarou Eloise. – E esta deve ser Eloise Vaughn. – Sim. – Eloise lançou um olhar inquisitivo para Ricky enquanto Jason trocava um aperto de mãos com ela. – Seu currículo chegou ao meu correio eletrônico há algumas semanas, mas devo me desculpar porque estava fora da cidade. O rosto dela se iluminou. – Você esteve fora da cidade? – Sim. Então não vi o e-mail de Ricky até ontem. – Ele sorriu. – Eu esperei que fôssemos nos encontrar nesta noite. – Ele capturou o olhar de Ricky. – Temos um emprego para você. Eloise pulou de alegria. – Você tem? Ele entregou um cartão de visita para ela. – Eu falei com o meu pessoal de recursos humanos hoje, e agendamos uma entrevista para você depois dos feriados. É apenas uma formalidade, principalmente sobre ter a papelada correta para os nossos arquivos. Até onde sei, você é nossa mais nova funcionária. Assistente da diretora, que, posso acrescentar, está com seus sessenta anos e provavelmente irá procurar se aposentar em quatro ou cinco anos. Eloise ficou boquiaberta. – Ah, meu Deus! Obrigada. Jason sorriu. – De nada. – Ele deu um tapinha nas costas de Ricky. – Aproveite a festa. Ricky agradeceu, mas um músculo em sua mandíbula se contraiu. – É típico dele vir até nós dois semanas depois e lhe oferecer um emprego. Eloise piscou. – Não me importo que seja tarde. – Ela agarrou um dos braços dele. – Você conseguiu! Você conseguiu um emprego para mim! Ele deveria estar feliz. Seu débito estava pago. Em vez disso, ele ficou aborrecido. Ele finalmente tinha visto o que estava bem diante dos seus olhos o tempo todo – que Eloise tinha escolhido a carreira errada – mas antes que pudesse levá-la para frente de um designer que ia realizar seus talentos, a oferta de Jason estragou tudo. Ele encontrou a mesa deles e segurou uma cadeira para que Eloise se sentasse justamente no momento em que Artie Best puxou uma cadeira do outro lado da mesa para a sua companheira, uma ruiva, sem dúvida uma modelo. Ricky sorriu. Os Connors ainda iriam se aproximar. A batalha ainda não estava ganha. Enquanto se sentava, ele gesticulou para Artie. – Eloise, eu gostaria que você conhecesse Artie Best. Os olhos dela se abriram, como ele esperava que iria acontecer. – Artie Best, dos Vestidos Artie Best?


Artie deu risada. – O próprio. Ainda tentando ficar tão popular quanto Jimmy Cho, dos sapatos Jimmy Choo. Mas meu nome não tem o mesmo impacto. – Ah, seu nome tem impacto para mim. – Ela suspirou. – Sua coleção de inverno me deixou simplesmente encantada. Os olhos dele se estreitaram. – Então por que está usando um vestido de outro designer? Eloise baixou o olhar para o seu vestido azul. Feliz por ele ter reagido da mesma maneira ciumenta que Bob Barbie, Ricky entrou no assunto. – Ela não está usando um vestido de outro designer. Ela é quem fez o design desse vestido. Ela está usando o próprio vestido. – Não brinca! – Artie se ergueu e gesticulou para que ela fizesse o mesmo. – Deixe-me dar uma olhada. Com um rápido olhar para Ricky, ela se ergueu cuidadosamente. Ricky afastou a cadeira para que Artie pudesse ter uma visão total. – Eu tenho que admitir que tinha lhe notado antes. Ela piscou para ele. – É mesmo? – Sim. Você usou dois vestidos que eram quase idênticos. – Ele sorriu. – Aqueles que não tinham costas. Ela deu risada. – O estilo é o favorito das mulheres. Ricky se ergueu. – Sabe, Eloise está procurando por um emprego. – É mesmo? – Ela tem um diploma em recursos humanos, e embora isso não se traduza em design, eu acho que está bem claro que ela tem talento. Eloise o encarou. – E sem experiência em moda ou design! Artie arregalou os olhos. – Ah, por favor. Você costurou isso? – Sim. – Então você tem experiência. – Ele girou-lhe o corpo para dar mais uma olhada no vestido azul. – Vou para Bahamas no feriado, mas adoraria conversar com você quando eu voltar. – Será muito tarde – disse Ricky, ajudando Eloise a se sentar novamente enquanto Artie também se sentava. – Ela tem uma entrevista com uma empresa para um emprego de recursos humanos e o aluguel dela já venceu. Eloise ficou boquiaberta, mas Artie deu risada. – Eu me lembro dos dias quando o aluguel era um problema. – Ele suspirou, apanhou um cartão e escreveu no verso. Depois, entregou-o a Eloise. – Esse é o telefone do meu escritório. Vou partir para Bahamas na tarde de amanhã, mas se você chegar ao escritório amanhã pelas oito horas, eu poderei entrevistá-la. Eloise piscou para ele.


– Eu... Eu… – Ela estará lá – falou Ricky. – Vou pedir para Norman levá-la. – Ótimo. ELOISE NÃO sabia se ria ou chorava. Ela o despendera dois anos passando fome, desesperada por um emprego, e quando finalmente tinha um emprego, Ricky não parecia querer que ela aceitasse. Assim que eles chegaram à pista de dança, longe da mesa cheia de designers com quem eles estiveram sentados, ela indagou: – O que está fazendo? – O que estou fazendo sobre o quê? – Eu consegui um emprego e você desconsiderou isso totalmente e conseguiu uma entrevista para mim. – Uma entrevista para um emprego que eu acho que você é muito melhor qualificada. – Design? – Sim. Você tem esse talento. Ela ficou boquiaberta. – A vida não se trata de talento. Trata-se de habilidade. – E você tem essa habilidade. – Ele baixou o olhar para ela. – Do que você tem medo? Com o olhar preso ao dele, ela sentiu a pulsação se acelerar. Eu tenho medo de você. Estou tão apaixonada por você que meu coração chega a doer. Mas você quer que eu prove que sou digna de confiança e eu não sei como. E nós estamos ficando sem tempo. É disso que eu tenho medo. Em vez disso, ela olhou para o outro lado e disse: – Eu já fiquei por conta própria antes, lembra-se? Segui meu coração. Casei-me com um homem que eu amava. E acabei na pior. – Sim, é verdade. – Ainda assim você quer que eu siga meu coração novamente? – Sim, eu quero. – Você já parou alguma vez para pensar que não conseguiu um voto? – É claro que não. Mas eu a conheço. E eu penso em você como uma amiga. O olhar dela encontrou o dele novamente. Era isso o que ele tinha dito na noite do hospital. Amizade. Não amor... Ah, Deus. Ela dera muita importância para aquele beijo? Ela sabia que ele tinha sentido alguma coisa. Ela pensara que apenas precisava provar a ele que era digna de confiança, mas e se ele realmente a visse apenas como uma amiga? – Você tem mais energia e entusiasmo do que minha equipe inteira junta. Mas não para negócios... – Ele fez uma careta. – Para suas roupas. Eu não quis insultá-la ou trivializar isso, mas acho que você teria mais diversão no mundo da moda. Eloise virou o rosto para o outro lado. O que ela havia esperado? Que ele fosse dizer: “Eu amo você. É por isso que eu quero que você fique com o emprego que mais se adapta. É por isso que eu quero que você seja feliz”? O homem estava magoado. Ele havia confiado em uma mulher que não merecia confiança. Ele poderia tê-la beijado com uma emoção real, mas depois disso ele tinha se fechado. Ela


pensou que tudo o que precisava era provar a ele que era confiável, mas e se ele tivesse se fechado porque simplesmente não a queria? E se aquele beijo não tivesse sido tão bom para ele quanto tinha sido para ela? E se era por isso que ele a estava chamando novamente de amiga? A decepção a invadiu, mas o orgulho surgiu para salvá-la. Ela não iria se fazer de tola na frente dele novamente. Embora cada fibra do seu corpo quisesse chorar, ela inspirou profundamente, se recompôs e disse serenamente: – Eu provavelmente teria mais diversão no mundo da moda. – Eloise se virou para ele novamente. – Mas eu seria capaz de comer? – Eventualmente. Ela deu risada. Bom Deus, o homem era honesto. Aqui estava ela pronta para cair em desespero e ele não se comovia com sua situação. É claro, ele provavelmente não percebeu que ela estava se afogando. Que ela se apaixonara e ele não. – Se há uma coisa que eu gosto sobre você, é que você é honesto. – Sim. Eu acho que um dia você poderá começar sua própria linha. – Minha própria linha? Não acha isso um pouco ambicioso demais? – Não se você tiver um investidor. Alguém que conheça o seu trabalho e goste de você. Os olhos dela procuraram os dele novamente. Ah, meu Deus. Ele havia acabado de admitir que gostasse dela? Que ele queria permanecer em sua vida? Com o acordo do Natal chegando ao fim, ele estava procurando uma forma de continuar vendoa? – Você o quê? – Teríamos que ver como você progrediria sob a instrução de Artie, mas sim, eu faria isso. Ela o encarou, seus olhos marejando. O peito inchando com a esperança. Fazer o design de sua própria linha era um sonho, mas a esperança de permanecer na vida dele era maior ainda. Ele não iria deixá-la. Ele estava arranjando um lugar para ela em sua vida. Eles tinham tempo. – Olhe. Vá para a entrevista amanhã ou não. É escolha sua. Mas ao menos saiba que você tem uma escolha. Ela umedeceu os lábios subitamente secos. – Sim. Eu sei. A música parou e o casal próximo a eles se aproximou. Ricky trocou um aperto de mãos com o homem e apresentou-o a Eloise como Steve Grant, um homem da Wall Street, e sua esposa, Amanda, uma advogada. Eloise sorriu polidamente, assentiu com a cabeça e concordou quando parecia apropriado, mas sua cabeça estava girando. No espaço de uma hora, sua vida inteira... Todos os seus objetivos... Tinham mudado, mas tudo o que ela podia se focar era no fato de que iria vê-lo novamente. Ele estava criando um espaço para ela em sua vida, um motivo para ambos verem um ao outro por quanto tempo ele investisse nela. Seu cérebro congelou. Por quanto tempo ele investisse nela? Ele tinha transformado o relacionamento deles em outro acordo comercial?


CAPÍTULO 10

ELES VOLTARAM para casa em um silêncio absoluto. Por um lado, ela não queria perdê-lo, e ficar conectado significava que eles continuariam vendo um ao outro. Por outro lado, se a oferta dele fosse apenas um acordo comercial, ela já poderia tê-lo perdido. Na porta do seu apartamento, ele disse: – Então, você está bem com a situação? Bem? Ela nem mesmo tinha certeza de que entendia disso. Mas queria a entrevista. E entendia que mesmo que Ricky não a amasse, ele fizera mais do que apenas providenciar oportunidades de emprego para ela. Ele a tinha ajudado a encontrar o que ela realmente queria fazer com o resto de sua vida. – Estou extática. Eu nunca tentaria conseguir um emprego de aprendiz com alguém como Artie Best. – Ela capturou o olhar dele. – Obrigada. De verdade. Ricky sorriu. – Vou mandar Norman amanhã de manhã para levá-la até o local da entrevista. – Você não precisa fazer isso. Eu pego o metrô. – É o trabalho de Norman saber como chegar aos lugares. Ele vai fazer a pesquisa esta noite e descobrir onde ficam os escritórios de Artie. Desta forma você pode relaxar e despender sua energia mental se preparando para a entrevista. Ela assentiu com a cabeça. – Obrigada. Embora a mão dele estivesse no seu ombro, ele não tentou puxá-la para mais perto para um beijo. Droga, ele não parecia nem um pouco com um homem que quisesse beijá-la. Ele apenas pressionou-lhe o ombro gentilmente e atravessou o hall. – Boa-noite. Eloise engoliu a saliva. O vazio comprimia seu peito. Mesmo que ela conseguisse uma posição com Artie Best e – anos depois – Ricky decidisse investir em suas roupas, ele poderia passá-la para seus assistentes. Esta poderia ser a última vez que ela o via, e ela estava olhando para as costas dele enquanto ele se afastava. Sua voz soou fraca como um sussurro: – Boa-noite.


– Vejo você amanhã à tarde. A respiração dela ficou presa na garganta. – Amanhã à tarde? Ele virou-se para encará-la. – Para a festa no meu escritório. Ela piscou. – Então você poderá me dizer como foi a entrevista. De fato, por que não pedimos a Norman para levá-la ao meu escritório depois da entrevista? Ela sentiu o coração afundar. Ele apenas queria ouvir sobre a manhã dela com Artie Best. – Mas eu estarei vestida para uma entrevista, não uma festa. Ele deu de ombros. – Meus funcionários irão para o escritório em uma tarde que não precisam ir, então é informal. Jeans. Suéter. Você vai ficar bem. Ricky rumou para as escadas e ela entrou no apartamento. Eles poderiam estar indo a outra festa, mas ele não quis beijá-la e tinha conseguido um emprego para ela. Mesmo se ele continuasse com o acordo, eles tinham apenas mais uma festa e um casamento. Como ela poderia se provar digna de confiança em dois eventos? Principalmente quando estava claro que ele estava se distanciando. COMO PROMETIDO, na manhã clara de domingo, Norman enviou uma mensagem de texto para Eloise dizendo que estava do lado de fora do edifício onde ela morava. Vestida com jeans, botas pretas e um suéter verde, ela saiu do apartamento e desceu as escadas. Norman a aguardava ao lado da porta da limusine. – Bom-dia. Ele sorriu. – Bom-dia. Eloise entrou no veículo e ele se posicionou atrás do volante. Quando o carro começou a se mover, Norman abriu o vidro que os separavam. – Espero que tenha sorte em sua entrevista. Ela deu risada. – Sim. Eu também. – Eu gosto de você. Você é diferente das namoradas que o sr. Langley costumava namorar. – Costumava? – Ele não namora há um longo tempo. Mas, quando namorava, as mulheres que ele escolhia eram ricas e mimadas, ou modelos e estrelas, mulheres acostumadas a receber atenção. – Ele sorriu e fitou-a pelo espelho retrovisor. – Você é o oposto delas. – Obrigada. – Não. Eu é que agradeço. E boa sorte. Embora o agradecimento dele tivesse deixado-a confusa, durante o restante da corrida ela concentrou sua atenção no que ela tinha dito a Artie Best. Desta vez, ela não iria a uma entrevista esperando pelo dinheiro do seu aluguel. Ela queria esse emprego. Queria essa carreira. Ela teria que dar o seu melhor para conseguir isso.


O escritório de Artie Best ficava no último andar de uma antiga fábrica. – Esse lugar é ótimo. Artie guiou-a até uma pequena sala nos fundos. – Nós gostamos daqui. Enquanto ele se sentava em uma cadeira atrás de uma grande mesa de metal, gesticulou para ela tomar o assento à frente da mesa. – Então você nunca esteve em uma escola de design antes? Eloise meneou a cabeça. – Não. Desculpe. Ele inclinou a cabeça. – Eu também não costumava ir. – Não? – Não, mas eu estagiei. – Ele reclinou as costas na cadeira. – Seu namorado é um homem muito rico e influente. O calor do embaraço a preencheu. Ela teve que lutar para não dizer a Artie Best que Ricky não era seu namorado. Mas, se ela admitisse a verdade a Artie Best, estaria traindo Ricky. – Estou aqui apenas porque você quer agradar Ricky? – Não. Você está aqui porque tem talento. O que eu estou lhe dizendo é que eu não faço favores a homens ricos. Se você acha que por namorar Ricky Langley vai receber um tratamento especial, então esta entrevista pode terminar agora. Se você acha que namorar Ricky Langley significa que você não tem que estagiar, você sabe o caminho até a porta. Mas, se quer uma real carreira nessa indústria, se não se importa em trabalhar duro, então eu realmente quero conversar. QUATRO HORAS depois, Eloise saiu do edifício de Artie e foi direto para a rua onde estava Norman, que a ajudou a entrar na limusine. – Conseguiu? Ela sorriu de alegria. – Sim! – Muito bem! Ele fechou a porta e se posicionou atrás do volante, ligou o motor e colocou o carro em movimento. Eloise reclinou-se contra o couro macio, seu coração batendo acelerado, seu espírito alegre de uma maneira que não estivera em cinco anos. Ela não tinha mais um objetivo. Tinha uma visão. Ela podia se ver trabalhando para Artie, aprendendo, e tendo experiências até um dia ser sua própria patroa. Ter sua própria linha. Sua própria linha. Mesmo o pensamento roubava sua respiração. Norman parou o carro próximo a uma esquina em frente a um edifício alto e branco. Ela entrou no edifício e pressionou o botão do elevador que levava ao andar da suíte de Ricky. As portas se abriram para uma área de recepção. Um segurança cumprimentou-a. – Posso ajudá-la, senhorita? – Sou Eloise Vaughn, amiga do sr. Langley. Estou aqui para uma festa de Natal. O homem estudou uma lista em uma tela e franziu as sobrancelhas.


– Desculpe. Não estou vendo seu nome aqui. Ela sorriu para o guarda. – Ligue para ele. Diga que Eloise está aqui e que não estou na sua lista. O homem hesitou. – Não tenha medo. Ele realmente me convidou. Cético, o guarda apanhou o fone do telefone preto que estava sobre a mesa da recepção. Em seguida, ele pressionou um botão. – Sr. Langley, sinto muito por incomodá-lo, mas há uma mulher aqui na recepção... Uma tal de Eloise... – Ele fez uma careta. – Sim. Obrigado. – O homem desligou o telefone e sorriu para Eloise. – Pode entrar. Ela rumou para as portas de vidro que levavam a uma sala, mas depois parou de caminhar. – E quanto a você? O guarda a encarou. – Perdão? – E quanto a você? Não vai à festa? – Assim que meu turno acabar. NO INTERIOR de uma grande sala de escritório, Ricky observou Eloise abrir a porta, depois parar e conversar com um segurança. A preocupação pelo jovem estava escrita no rosto dela. Ele meneou a cabeça. Ela era tão doce que o pensamento de perdê-la o deixava triste. Ela era diferente de qualquer mulher que ele tinha namorado, qualquer mulher que conhecia... exceto Olivia. Mas não faria sentido que Olivia e Eloise compartilhassem as mesmas características? Honestidade. Integridade. Gentileza. Ou talvez, conhecendo ela e Olivia, ele estava finalmente começando a perceber que todas as mulheres não eram como sua ex. Ele nunca tinha namorado uma garota de festa novamente, mas tinha muitas mulheres boas no mundo. Eloise sendo uma das melhores. Eloise se aproximou de onde ele estava. A julgar pelo brilho dos olhos dela, ele supôs que ela tivesse conseguido o emprego. Sem querer estragar o momento, Ricky disse: – Bem? – Eu consegui! – Eu sabia. Inesperadamente, ela se colocou na ponta dos pés e o abraçou com força. Ricky sentiu o coração bater forte dentro do peito. Ele ansiava por beijá-la. Intensamente. Mas isso iria apenas confundir as coisas. Ou fazê-lo desejar coisas que não poderia ter. Ele fechou os olhos com força e por alguns segundos apreciou a sensação de ter os braços dela em volta do seu corpo. Depois, ele recuou um passo. – O que vamos fazer quanto aos seus presentes? Ele ergueu o rosto para ver David dando a ele um olhar de curiosidade. E por que não? Nesta época no ano passado ele não conseguiu nem mesmo comparecer a esta festa. Esse ano, ele dobrou os bônus, veio à festa e tinha acabado de ser abraçado por uma mulher linda. Ainda assim, nenhum de seus assistentes tinha mencionado sobre presentes.


– Que presentes? – Bem, uma vez que isto é uma festa, pensei que pudesse ser uma boa ideia colocar os envelopes de bônus em pequenas caixas de presentes. Ele franziu o cenho, mas Eloise segurou-lhe um dos braços. – É uma boa ideia. – Está bem. David sorriu para Eloise e ela sorriu de volta como se eles tivessem compartilhado um grande segredo. – Acho que todos vão amar isso. – Então eu apenas tenho que entregar os presentes? David fez uma careta. – Bem, há outra coisinha que você poderia fazer para que esta festa fosse realmente divertida. Ricky suspirou. – O quê? David dirigiu o olhar para Eloise, depois olhou de volta rapidamente para Ricky antes de dizer: – Você se importaria em vestir uma roupa de Papai Noel? Ricky ficou boquiaberto. A única vez que ele se vestiu como um Papai Noel fora em uma festa de Blake. Eloise tocou seu braço novamente. – Acho que essa também seria uma boa ideia. Ricky capturou o olhar de Eloise novamente. Ela inclinou a cabeça para um lado e sorriu para ele, encorajando-o. Ele não estava pronto. Mas algo sobre a maneira com que ela o encarou o animou. Após dar os presentes, a festa chegaria ao fim. Seus funcionários iriam ao bar no final da rua. Não era como se ele tivesse que ser Papai Noel por horas. Apenas vinte minutos. Certamente ele poderia fazer isso? – Está bem. – Ricky olhou para Eloise novamente. – Mas ela tem que ser o elfo. – Elfo? – Eloise deu risada. David sorriu de alegria para Eloise. – Amei! Siga-me. Eles caminharam de volta até o escritório de David e ele apanhou duas caixas grandes do armário. Ele sorriu enquanto entregava a caixa do topo para Eloise. – Você pode se trocar no toalete que fica no final do corredor. – Ele entregou a outra caixa a Ricky. – Você pode se trocar aqui. Com isso ele deixou o escritório. Eloise o seguiu. Dez minutos depois, Ricky já estava vestido de Papai Noel quando Eloise voltou do toalete feminino usando calças verdes, um curto vestido vermelho por cima e um chapéu. Ricky apanhou o saco de presentes que David tinha deixado no escritório. – Não posso acreditar que concordei em fazer isso novamente. – Você já fez isso antes? Ele inspirou profundamente, perguntando-se porque sempre falava sem pensar com ela. – Uma vez. – Ricky meneou a cabeça, novamente desalojando memórias indesejáveis que preenchiam sua mente. Lembranças de Blake desta vez. Natal em sua cobertura. Tudo tinha sido


perfeito. Sua respiração ficou presa na garganta. O sentimento de tristeza voltou a invadi-lo. – Isso não é importante. O mais importante é que você conseguiu um emprego. – Uma carreira – corrigiu ela. – Como eu estava explicando para Artie por que ele deveria me contratar, percebi que mesmo que eu provavelmente ainda vá passar fome por alguns anos, isso será sacrificado com um propósito. Exatamente o que você me disse. – Ela capturou o olhar dele. – Como ficou tão esperto? Ele rapidamente olhou para o outro lado enquanto erguia o saco de presentes sobre um ombro. – Parte de ser um líder é saber onde as pessoas se encaixam. Fiquei surpreso por ter demorado tanto para descobrir onde você se encaixava. – Ele apontou para a porta. – Vamos. Precisamos dar os presentes a eles antes que deixem a festa. Eloise abriu a porta de vidro do escritório de David e direcionou-o até o hall. – Ho! Ho! Ho! Ao ouvir o som animado de Ricky, os setenta ou mais funcionários pararam de conversar. – Todos têm sido bons funcionários? Eloise deu risada. – Este é meu elfo, Eloise. Todos deram risada. Ricky começou a distribuir os presentes. Eloise entregou a ele a primeira caixa. Ele leu o nome e quando o funcionário abriu o presente – um relógio – ele também encontrou um envelope. O homem abriu o envelope, fez uma pequena dança de alegria, apanhou o casaco e saiu do salão. Vendo o olhar confuso no rosto de Eloise, Ricky se inclinou para mais perto dela. – Bônus, lembra-se? Ela se virou para ele e Ricky percebeu que havia se inclinado de tal forma que seus rostos estavam a apenas alguns centímetros de distância. – Oi? A tentação de beijá-la o invadiu. Porém, ele poderia amar tê-la por perto, mas ela era melhor sem ele. Ricky se afastou. – Alguns dos funcionários júnior ganham apenas o suficiente para se manterem. Este ano, graças a você, percebi que eles precisavam de um bônus melhor. Ela sorriu. – Você é um bom homem. A felicidade o inundou, não porque ele se considerava bom, mas porque ele sabia que ela genuinamente acreditava nele. Fazia tanto tempo desde que alguém o via como uma boa pessoa – desde que ele tinha pensado em si mesmo como uma boa pessoa – que estranhos sentimentos o invadiram. Se eles estivessem sozinhos, ele poderia ter contado a ela sobre Blake. Tudo em seu interior ansiava por contar a ela, mesmo que ele não pudesse ver um objetivo nisso. Em poucas horas ele jamais a veria novamente. Então talvez ele tivesse tido sorte por estar no lugar errado, na hora errada. Ricky entregou os presentes e a reação que surgiu no grupo o fez dar risada. Todos se aproximaram e trocaram um aperto de mãos com ele. Algumas pessoas disseram a ele o que pretendiam fazer com o


inesperado dinheiro extra. Outros apenas o abraçavam. O espírito de Natal aqueceu seu coração, e ele finalmente identificou o estranho sentimento que o invadia. Não era felicidade. Após dezoito longos meses, ele se sentia normal. Ele não tinha mudado. O mundo não tinha mudado. Ele estava simplesmente voltando para a terra onde vivia. Após a entrega dos presentes, os funcionários foram embora. Alguns sugeriram que ele se unisse a eles no pub. Educadamente, Ricky recusou. Uma vez que todos foram embora, ele caminhou através da sala, apanhando papéis de presente e copos vazios. Sem a roupa de elfo e de volta em seu jeans e botas pretas, Eloise sentou-se a uma das mesas, observando-o. – Então agora você faz a limpeza? – Minha mãe sempre me ensinou a recolher copos vazios. – Ele meneou a cabeça com uma risada. A lembrança de sua infância feliz era tão forte que ele não poderia se esquecer, e o desejo de estar em casa preenchia seu peito. – Antigos hábitos não morrem. – Parece-me que sua mãe lhe ensinou bem. Ela parece uma boa pessoa. Ele hesitou. – Ela é. – Aquele estranho sentimento, a sensação de que estava reentrando na terra dos vivos, o invadiu novamente. Ele podia ver os pais próximos à grande árvore de Natal na sala de estar da casa onde moravam. Ele podia ver as irmãs com seus filhos. Ele podia ver o local vazio em meio à multidão, próximo à lareira, onde ele deveria estar. – Ei! Terra chamando Ricky. Ele ergueu os olhos para encará-la. Ela estava sentada a uma das mesas, com as pernas cruzadas. Um copo de ponche em uma das mãos. O brilho de sucesso nos olhos. Ele sabia que tinha Eloise para agradecer pelo sentimento de normalidade que continuava invadindo-o. E, embora estivesse feliz agora, ela não tinha ninguém. Ele poderia ter conseguido um emprego para ela, mas ela estaria sozinha no Natal. Isso não era certo. Ricky correu uma das mãos pela nuca. – Dê-me dez minutos para me trocar. – Claro. Ele atravessou o hall. Após se livrar das roupas de Papai Noel, ele apanhou o celular e telefonou para David. O som do pub podia ser ouvido quando o assistente atendeu a ligação. – Sei que você está celebrando, mas tenho uma missão maior para você. – Após a promessa de outro bônus, Ricky explicou seu plano. David deu risada, mas Ricky disse: – Não leve isso na brincadeira. Essa missão vem com um prazo. Você tem apenas pouco mais de uma hora. NORMAN OS levou de volta ao edifício de Eloise. Ela não ficou surpresa por Ricky ter demonstrado nervosismo enquanto eles subiam os diversos degraus até o apartamento dela. Ele não tinha feito nenhuma menção do casamento que eles deveriam atender. E ela suspeitava que fosse isso. Os últimos minutos que eles iriam passar juntos.


Quando eles finalmente alcançaram a porta do apartamento dela, ele repousou uma das mãos sobre o ombro delicado. – Você se importa se eu entrar? Ela encontrou o olhar dele lentamente, incerta do porquê ele queria entrar. Ela iria ganhar um beijo? Uma explicação? Uma triste despedida? Ou ele queria alguns minutos para lembrá-la de que, em poucos anos, quando ela tivesse alguma experiência, ele iria patrociná-la? O espírito de coragem surgiu em seu interior novamente. Ela não iria deixá-lo ir sem uma luta. Se ele estava dando a ela cinco minutos do seu tempo, então ela iria usá-lo. – Eu adoraria que você entrasse. – Ela não tinha ideia do que iria fazer, mas não iria ficar simplesmente parada ali, deixando que ele partisse, permitindo que ele fingisse que não havia nada entre eles. Eloise se virou, destrancou a porta e a abriu. Cercando a sua pequena árvore de Natal de plástico havia diversas caixas. Ricky se inclinou, sobre o ombro dela. – Acho que Papai Noel esteve aqui. – Você é o Papai Noel. – Exatamente. – Vá. Abra os presentes. Incerta do que estava acontecendo, ela caminhou até a pequena árvore. Seu peito se apertou. Todo esse tempo ela estivera pensando que tinha que fazer alguma coisa para mantê-lo por perto. Mas talvez esses presentes significassem que ele estava tentando mantê-la por perto? – Abra os pequenos primeiro. Confusa, ela apanhou uma pequena caixa e encontrou um suéter pink de caxemira. Pink. A cor que ela mais gostava. Eloise dirigiu o olhar para ele. – Eu amei. Ricky sorriu. – Eu sabia que você iria gostar. Abra a próxima caixa. Ela abriu o presente. – Um relógio de diamante? Antes que ela pudesse dizer alguma coisa, ele gesticulou para a última caixa pequena. – Continue. Ela abriu o presente e encontrou um livro: Como obter o melhor da sua experiência interior. Eloise deu risada. – Vou precisar mais disso do que de um relógio de diamante. Ricky apontou para uma das caixas grandes. O interior continha um casaco. – É algo que eu acho que você vai ficar confortável. E olhe – ele disse apontando para o material debaixo do casaco. – É para noites bem frias. Eloise capturou o olhar dele. Ele sorriu de alegria para ela. Ela nunca o vira tão feliz. Por mais que quisesse perguntar o que estava acontecendo, ela não queria estragar a diversão dele. – É perfeito. Ricky apontou para a última caixa. – Agora, o último.


Eloise abriu o presente e descobriu uma brilhante cafeteira. Seu olhar se voltou para ele. – Tem um ano de suprimento de café também. – Obrigada. – Ele tinha comprado café para ela? Apenas uma pessoa que realmente a conhecesse, que prestasse atenção nela, iria saber o quanto ela sentia falta do café. Como isso poderia significar outra coisa exceto que ele a amava? Seus olhos se encheram de lágrimas. – Não gostou? Então por que ele simplesmente não dizia que a amava? – Tudo é perfeito. – Durante as últimas semanas você tem me dado muitos presentes. O maior deles foi a felicidade. Ela o encarou, seus olhos borrados com as lágrimas. Apenas deixe-o dizer. Por favor, deixe-o dizer! – Você me mudou. Eu estava preso. Não podia nem mesmo ver um feixe de luz no final do túnel. Tudo o que eu via era escuridão até conhecê-la. Eu comecei a ver as coisas de forma diferente novamente, e hoje percebi que me sinto normal. A confusão que ela sentia era visível. – Você se sente normal? – Sim. Não perfeito, nem bem, mas normal. – Então você me comprou todos esses presentes? – Presentes importantes. Coisas que sei que você vai precisar. Confusão e dor se colidiram para criar um aperto indescritível no peito dela. Ela estava esperando que ele fosse dizer que a amava e em vez disso ele lhe comprou presentes para mostrar a sua apreciação. Mas eram presentes importantes. Presentes que provavam que ele a conhecia e se importava o bastante com ela pare ter comprado coisas que ela realmente precisava. Ele tinha que amá-la. Nada mais fazia sentido. Lentamente ela encontrou os olhos dele. – Você tem que me ajudar aqui. – Ela ergueu o casaco novo. – O que isso significa? – Significa que você não tem mais que vestir o seu casaco de lã. Eloise meneou a cabeça. – Não. Não entendo. O verdadeiro significado desses presentes é que você me conhece. Você gosta de mim. Ricky assentiu com a cabeça. – Sim. – Então esses presentes significam que estamos namorando de verdade? – Ah, Eloise. – Ele meneou a cabeça. – Você não iria querer isso. Ela sentiu o coração perder uma batida com o medo. Depois de tudo o que eles passaram, como ele não poderia ver que eles eram feitos um para o outro? Como ele poderia acreditar que ela não iria querê-lo? – Eu iria! Eu quero! – Não quer. Eloise repousou a cafeteira sobre o sofá e se aproximou dele. Quando ele se virou para se afastar, ela agarrou-lhe um dos braços, forçando-o a encará-la. – Diga por quê. Depois de todas essas semanas juntos, por que você está me afastando? Ele nem mesmo tentou negar que estivesse afastando-a. – Porque eu não sou bom para você.


– É outra coisa que eu não entendo. Outro motivo vago que não explica nada! – Fique feliz por eu não estar deixando-a entrar na minha vida. – Ele gesticulou para os presentes. – O Natal me mata. – Ei, não é exatamente um passeio no parque para mim também. Estou sozinha. Perdi um marido e não tenho família. Você não pode me dizer que não ver o seu filho é pior. Ele a encarou. – Como pode dizer isso? – Sei que é doloroso. Acho que é inescrupuloso que sua ex o tenha levado embora... Ele ficou boquiaberto. – Minha ex não o levou embora. – Não? Ele fechou os olhos com força, depois os abriu novamente. – Não, Eloise. Ele morreu. Meu filho, Blake, morreu. Ela sentiu o cérebro congelar. Sua respiração ficou presa na garganta. A incompreensão parou seu coração. – Seu filho está morto. Ele não disse nada. A raiva ultrapassou a dor que ela sentia. – Seu filho está morto... E você não me contou? – Eu não queria sua piedade. – Piedade? – Eu sempre lhe disse isso. Eu queria que você se comportasse normalmente nessas festas. Para fazer parecer como se tivéssemos superado minha tragédia. E deu certo. Eu até mesmo pude me vestir de Papai Noel hoje. O choque e a dor pressionaram seu peito. Ela caiu sobre o sofá, sentindo-se uma completa tola. Mas, acima de tudo, ela se sentia triste. Ele não tinha confiado nela o bastante para lhe contar o fato mais importante de sua vida. Ele não a amava. Ela o amava, mas ele claramente não a amava. Ricky passou o dorso de uma das mãos sobre os lábios. – Olha, sinto muito. Mas eu precisava disso. Eu realmente, realmente precisava fingir que tudo estava bem por algumas semanas. Eloise não disse nada. A dor de saber que ele não a amava, que ele provavelmente não sentia nada por ela, era muito intensa. – Blake estava com dezoito meses. Ele e a mãe tinham ido a um churrasco. Ela bateu o carro, um conversível. Ela atingiu um poste... E Blake foi lançado para fora do carro. Ele viveu apenas por mais 48 horas. Ela passou de aborrecida para horrorizada tão rapidamente que sua respiração ficou presa na garganta. – Você quer saber o pior de tudo isso? Se Blake tivesse sido colocado na cadeirinha apropriadamente, ele teria ficado bem. – Ele inspirou profundamente e se virou para Eloise. – A mãe dele estivera bebendo. Ela não estava embriagada, mas o álcool no seu sangue estava acima do limite legal. E ela não o prendeu corretamente com o cinto. Ela não queria o filho. Nunca quis. Ela queria dezoito anos de


apoio à criança. Eu não tinha dúvida de que ela amava Blake. Mas ela não era uma mãe. Eu vi os sinais. – Ele fechou os olhos com força. – Eu vi centenas de sinais. E eu queria Blake. Eu tinha uma babá semanal que eu poderia ter contratado permanentemente. Eu tinha uma cobertura grande. Eu tinha o dinheiro. Mas sempre pensei em falar com ela sobre pegar minha custódia no próximo fim de semana ou no próximo ou no próximo. – Ele fitou a triste árvore de Natal dela novamente. – Agora Blake está morto e a mãe dele está cumprindo uma sentença de homicídio culposo. Eloise capturou o olhar dele enquanto a compreensão se formava em sua mente. A história dele não era apenas uma história de perda. Era uma história de fracasso. E culpa. Dor. Vergonha. Tormento. Ele acreditava que a morte do filho fosse culpa dele. Sua raiva se dissolveu em face do amor que sentia por ele. Incerta do que deveria dizer, ela se ergueu lentamente do sofá. – Você não pode mudar o passado. Mas isso não significa que tem que parar de viver. Ricky virou o rosto para encará-la. – Não? – Ele soltou uma risada áspera. – É mesmo? Porque há alguns dias que eu penso que parar de viver seria mais fácil. Meu filho está morto. É minha culpa. Eu lido com isso todos os dias. – É claro, você lida. Mas você acabou de me dizer que eu lhe dei onze encontros de felicidade. Você está no caminho certo. – Não estou no caminho certo. Eu levo um dia de cada vez, me enterro no trabalho. É tudo o que eu tenho. Tudo o que eu mereço. – Sei que é difícil enxergar isso agora, mas você merece mais. Muito mais. A voz dele suavizou. Ela podia quase ver a derrota instalada nos ombros dele. – Não. Não mereço. Ela inspirou profundamente. – Não importa o que você acha que merece porque eu já o amo. – Então você é uma tola. – Ele se aproximou dela e moveu as mãos sobre os braços dela, como se estivesse confortando-a. – Você é uma mulher maravilhosa, linda, que merece ser mimada e amada. Envolver-se comigo não seria nada além de tristeza para você. Antes que ela pudesse interrompê-lo, ele apanhou seu casaco que estava no sofá e saiu do apartamento. Eloise correu atrás dele, mas ele era muito mais rápido do que ela. No momento em que ela alcançou o saguão do edifício, Norman já estava virando a esquina. Ele nunca mais iria voltar. Ela nunca mais iria vê-lo novamente. Seu peito se comprimiu. Seus olhos se encheram de lágrimas. Como sempre com ele, ela não tinha sentido a sua própria dor. Ela sentira a dele. Apenas desta vez era algo mais forte. O filho dele estava morto. Ele se sentia responsável pela prisão de uma mulher que ele não deveria sentir pena. Ele tinha colocado muito peso em seus ombros. Não era de se admirar que ele não quisesse outra pessoa machucada em sua vida.


CAPÍTULO 11

NAQUELA NOITE Ricky não conseguia se acomodar. Ele estava com um copo com gelo e uísque na mão, mas não sentia vontade de beber. Ele não queria andar de um lado para o outro. Ele não queria se sentar e se lamentar. Ele estava com muita energia. Energia. Ele meneou a cabeça e levou o copo com uísque até os lábios. Mas não conseguiu sorver um gole do líquido. Tudo parecia fora de lugar, errado. Ele pensou sobre Eloise, triste em seu apartamento, e meneou a cabeça. Era pelo bem dela que ele a havia deixado. Desta vez, no próximo ano ela provavelmente estaria tão feliz que nem mesmo iria se lembrar de que ele existia. Seu peito se apertou com o pensamento, mas ele sabia que ela merecia algo melhor e forçou a mente a se desviar dela. Mas talvez Eloise estivesse certa. Talvez ela tivesse sido um bem. Ele poderia não ser capaz de ter um amor em sua vida, um compromisso, mas era o momento de deixar os pais entrarem em sua vida novamente. Ricky apanhou o celular e telefonou para sua mãe. Após uma conversa breve, ele ligou para o piloto e arranjou um voo para casa. No avião, ele colocou os fones de ouvido, reclinou o assento e ouviu aos sons calmantes do oceano por dez minutos antes do ritmo do avião colocá-lo para dormir. Ricky dormiu durante todo o voo. Assim que acordou, desejou um bom feriado para toda a equipe de voo e eles agradeceram pelos bônus que tinham recebido por trabalharem tão perto do Natal. Enquanto descia os três degraus do avião, ele viu a SUV do pai estacionada. Vestindo um casaco marrom e botas, o pai acenou para ele e uma onda de alegria invadiu Ricky. Ele se aproximou do pai e o pai o envolveu em um abraço. – Sua mãe está tão feliz por você ter vindo para casa que é melhor você nos dizer que esta não é uma visita de duas horas. Ele deu risada e agarrou os ombros do pai. – Não. Vou ficar uma semana. Preciso de um descanso.


O pai recuou um passo e estudou o rosto dele. – Você não parece cansado. Esperei que você fosse parecer cansado. – Dormi no avião. – Ah, sim – disse Jim Langley enquanto contornava o capô da SUV. – Entendi que você dormiu. Mas não estou falando sobre o cansaço do sono. Você esteve longe por muito tempo, eu esperei que você fosse estar exausto. Ricky abriu a porta da SUV, jogou a mala no banco de trás e se sentou no banco do passageiro. – Estou me sentindo um pouco melhor em relação às coisas. – Foi o que a sua mãe disse. – O pai ligou o motor. – O tempo cura todas as feridas. – Essa ferida não vai curar nunca. O pai ficou quieto por um minuto, depois disse: – Talvez você não queira que isso tenha cura. Você perdeu seu filho. Seu primeiro filho. Um dos nossos preciosos netos. Sempre iremos nos lembrar dele. – O pai tirou os olhos da estrada por um segundo para encará-lo. – Mas a vida continua. – Sim. Pode levar um tempo para que eu me sinta melhor. – Bem, estamos felizes por você estar em casa. Eles chegaram a casa conversando sobre os preços das uvas e a competição de uma nova vinha. Os olhos de Ricky embaçaram quando ele viu a casa. Luzes coloridas de Natal piscavam nas árvores que enfeitavam a entrada. O pai dele apanhou sua mala antes que Ricky tivesse desafivelado o cinto de segurança. No momento em que ele contornou o lado da SUV que estava de frente para a casa, ele pôde ver a mãe na varanda. Ela o encontrou nos degraus da escada, abraçou-o com tanta força que ele quase ficou sem fôlego, depois o afastou. – Deixe-me vê-lo. O pai disse: – Ele não parece cansado. – Não. Não parece. – Ela estudou o rosto dele novamente, depois enlaçou um dos braços dele para que ele a acompanhasse até o interior da casa. Lembranças de Eloise enlaçando o seu braço antes de eles entrarem em um salão de baile o invadiram. – Então? Café? Chá? Saindo dos devaneios, Ricky encarou a mãe. – Seu pai irá levar sua mala para o andar superior. – Ela exibiu um largo sorriso. – Já fiz o almoço e suas irmãs deverão estar aqui a qualquer minuto com as crianças. Ricky retirou o casaco. – Achei que elas não fossem vir até a manhã de Natal. – Está brincando? Elas mal podem esperar. Estão morrendo de vontade de vê-lo. – A mãe se inclinou e beijou-o na bochecha. – Você é o melhor presente que todos nós estamos recebendo neste Natal. Ele pensou em Eloise novamente. Se ela ousasse ir para a casa dos pais, ela teria uma boa chance de ser rejeitada. A mãe deu-lhe um tapinha em um dos braços. – Você diz que está melhorando, mas continua me ignorando. Ele sorriu.


– Estou pensando em algo. – É isso o que me preocupa. – Não é o que você suspeita. – E inspirando profundamente, ele revelou: – Tenho uma amiga. Na verdade é uma amiga de Olivia que precisava de ajuda para arranjar um emprego. Nós precisamos de um tempo juntos para... Bem, ajustar o currículo dela entre outras coisas, e enquanto fazíamos isso ela me contou sobre sua família. Curiosa, a mãe inclinou a cabeça para um lado. – Ela o ajudou a se sentir melhor? – Sim. – Isso ele poderia responder. – Ajudá-la foi uma grande parte do motivo de eu me sentir melhor. – E ela lhe contou sobre a família dela e como você precisava da sua família? É por isso que você decidiu subitamente voltar para casa? Ele fez uma careta. – Foi justamente o oposto. – Ele clareou a garganta. – Acho que ela me fez perceber o quanto sou afortunado. – E você deu um trabalho a ela? – Não. – Ele deu risada. – Ela disse que não iria aceitar trabalhar comigo porque não queria que todos no escritório pensassem que ela apenas tivesse arranjado o emprego por ter saído comigo. A mãe se sentou em uma cadeira próxima. – Você saíram? Da escada, o pai disse incrédulo: – Em um encontro? Vendo que eles estavam tendo a ideia errada, ele disse: – Em onze encontros. Mas não é como vocês estão pensando. Eu precisava de alguém para me acompanhar nos eventos para que todos pensassem que eu estava bem... que não estava mais sofrendo... e parassem de se preocupar comigo. Nós fizemos um acordo. Ela foi às minhas festas e eu me esforcei para encontrar um emprego para ela. Caminhando até o sofá, o pai deu risada. – Você saiu com a mesma mulher por onze vezes? O que havia de tão estranho nisso? – Sim. – Ele olhou da mãe para o pai. – Ela é muito bonita e gentil e nós nos demos muito bem. – Hum – disse a mãe. – Ela também teve uma tragédia na vida. Ela se casou nova e o marido faleceu. – Ele fez uma careta. – De câncer. Ela o ajudou durante os últimos meses de vida. O pai meneou a cabeça. – Ela parece ser uma mulher muito boa. – Ela é. Perder o marido realmente a machucou, mas, para piorar as coisas, a família a desertou porque o casamento dela os contrariou. O rosto do pai se contorceu com incredulidade. – Que tipo de família faz isso? – Como eu disse... uma família ruim. A mãe se endireitou na cadeira. – Então o que ela vai fazer no Natal?


Ricky engoliu a saliva. – Não estou certo. O pai franziu o cenho. – Deixe-me ver se entendi direito. Você saiu com uma mulher onze vezes. Uma vez que ela tinha um passado tão difícil quanto o seu, você conversou o bastante para que ela o ajudasse a superar a morte de Blake. Ainda assim ela lhe disse que tinha uma família ruim, provavelmente não tinha nenhum lugar para ir no Natal... – Ele capturou o olhar de Ricky. – E você a deixou sozinha? – É complicado. A mãe se ergueu da cadeira. – Não. Não é. – Ela avançou alguns passos e parou na frente de Ricky. – Você acha que consegue se abrir com qualquer uma? Ele franziu o cenho. O pai meneou a cabeça. – Filho, você ama essa mulher. – Não. Quero dizer, sim, nós nos damos bem juntos. Conversamos. – O que ela disse quando você contou a ela sobre Blake? Ele engoliu a saliva. – Que ela me amava. A mãe deu-lhe um tapinha no braço. – Bem, seu tolo! Ela disse que o ama. Você conversou com ela algo que nunca conversou conosco e você não acha que a ama? Ricky umedeceu os lábios subitamente secos. Ele podia ver o rosto de Eloise, a dor nos olhos dela quando ele se afastou. Mas ele também podia ver felicidade nos olhos dela na noite da tequila. A maneira com que ela olhou para ele na porta, implorando por um beijo... Os sentimentos que o invadiram enquanto ele lutava para não beijá-la. O desejo de ser amparado por ela. De pertencer a ela. Ah, meu Deus. – Eu... A porta foi aberta e suas duas irmãs, seus maridos e quatro crianças entraram na casa. Ricky foi envolvido em abraços. E o tempo inteiro sua boca continuou aberta enquanto a verdade se passava em sua mente. Ele a amava. Tudo fazia sentido agora. Foi por isso que ele quis contar a ela sobre Blake. Ela abrira uma porta para que ele entrasse. A questão era... Ele poderia? ELOISE ACORDOU ao som do toque do celular. Ela sentou-se na cama, percebeu que era Natal, e o silêncio do apartamento pesou sobre ela. Ela estava só. Ricky não a queria. A dor em seu coração se tornou como um grande peso. O celular tocou novamente. Talvez Ricky tivesse mudado de ideia? Ela tinha visto tristeza nos olhos dele quando ele partiu…


Eloise agarrou o celular. Mas a fotografia do casamento de Tucker e Olivia apareceu na tela. Seu coração se encheu de decepção. Mas ela se castigou. Esses eram amigos que realmente a amavam. E Laura Beth também iria ligar. Ela poderia não ter a pessoa que amava, mas ela não estava sozinha. Eloise clareou a garganta, depois engoliu as lágrimas antes de pressionar o botão. – Ei, Feliz Natal! – Feliz Natal! – Você pegou os cookies de Natal? – A mãe de Olivia indagou. – Sim! – Eloise fechou os olhos com força e engoliu as lágrimas. – Estão maravilhosos. Vou comer dois no meu café desta manhã. – Ah, querida! Você está chorando? Eloise piscou por várias vezes. – Eu acabei de acordar. Minha voz está um pouco rouca. Ela ouviu um clique e depois a voz de Olivia soou ao telefone. A amiga desligou o viva-voz. – Tem certeza de que está bem? – Sim. – Ela inspirou profundamente. – Eu amei o suéter que você comprou para mim. Mas queria que não tivesse feito isso. Laura Beth e eu não podemos trocar presentes. Nós nos sentimos estranhas. – Presentes são presentes, não obrigações. – Eu sei. – Tucker mandou o avião de volta para Nova York. Ele disse que você poderá pegar o voo para vir jantar conosco. Eloise comprimiu os lábios. – Obrigada. Mas tenho trabalho amanhã, lembra-se? Além do mais, estou bem. Vou encontrar alguns filmes de Natal na tevê e apenas relaxar com os cookies da sua mãe. – Ah, Eloise, venha para Kentucky. Não posso suportar ouvi-la tão triste. Ela quase disse a Olivia que ficar sozinha no Natal não era o seu problema. Ela quase disse a ela que seu coração tinha finalmente encontrado um lugar de repouso, mas Ricky não a queria. Em vez disso, Eloise engoliu a saliva e disse: – Estou bem. Tenho um emprego novo no primeiro dia do ano. É como eu lhe disse quando você telefonou ontem, algum dia vou ser uma designer. – Sim, você vai! – Eu vou ser alguém. – Sim! No próximo ano você irá fazer todos os meus vestidos de festas. – E em poucos anos você poderá me ajudar a comprar toda a arte para a minha cobertura. Olivia deu risada. Eloise sorriu. Era isso o que ela queria. Ouvir Olivia dar risada e saber que ela não tinha arruinado o Natal da amiga. – Vá. Comemore. Eu vou ficar bem. – Está bem. Feliz Natal. – Feliz Natal. Ela desligou o celular e recostou as costas contra o travesseiro. Talvez ela pudesse dormir durante o dia. Mesmo enquanto o pensamento cruzava sua mente, ela pôde ouvir uma batida na porta.


Eloise afastou as cobertas, vestiu um roupão e se apressou na direção da porta. Ela inspirou profundamente, vestiu um sorriso e espiou através do olho mágico. Parado em frente a sua porta e segurando uma árvore de Natal estava Norman. – Norman? Ela abriu a porta. – Você não tem família? Ele deu risada. – Sim, mas eu ganhei o salário de um ano para lhe trazer esta árvore. Ela deu um passo para o lado. – Isso é loucura. Ricky apareceu atrás dele. Após um rápido beijo na bochecha dela, ele disse: – Eu sei. Eloise sentiu o coração perder uma batida. – O que está fazendo aqui? – Estou tornando o seu Natal mais brilhante. Norman baixou a aba do chapéu que usava. – A menos que tenha outra coisa, estou indo embora. – Obrigado, Norman – disse Ricky. E então eles estavam sozinhos. A confusão a invadiu, mas também um pouco de orgulho. Nenhuma mulher queria ser o caso de caridade do homem que amava. Ela preferia estar só a ser vítima de dó. – Você não precisava fazer isso. – Eu sei. O orgulho dela pareceu aumentar. – Não quero sua caridade. – Também sei disso. Frustrada, ela soltou um suspiro. – Não fique tão irritada. Ajude-me a decorar a árvore para que eu possa explicar. Ele ergueu uma bola azul e brilhante. Com um suspiro, ela apanhou a bola. – Certo, então eu fui para casa pela primeira vez em um ano e meio. Meus pais ficaram empolgados em me ver. Minhas irmãs trouxeram as crianças. – Ah, isso é tão doce. – Foi. Ele não disse mais nada, apenas envolveu algumas luzes ao redor da árvore. Após ligar na tomada, a árvore cintilou. Eloise suspirou. – É lindo. – E nós mal começamos. Seu coração cantava com uma alegria que logo iria se transformar em tristeza quando ele partisse. Eloise alcançou uma das mãos dele. – Não posso fazer isso. Não posso fingir que nada está errado. Eu lhe disse que o amava e você me disse que não poderia me amar. Eu aceitei isso. Se você ficar, meu coração será partido novamente. – Mesmo se eu lhe disser que também a amo?


A respiração dela congelou. – É por isso que estou aqui. Eu pensei que finalmente estivesse pronto para ir para casa. Eu sabia que estar com você tinha começado a me curar. E acreditei que o próximo passo lógico era estar com a minha família. – Ele capturou o olhar dela. – Acontece que você tinha me ajudado a alcançar a cura. Contudo, não era da minha família que eu precisava. Era de você. – Ah. Ele abriu os braços. – Venha aqui. Ela avançou um passo para o abraço. – Sinto muito por tê-la machucado. Mas eu tinha que ir para casa para perceber que era de você que eu precisava. Eloise se afastou. – Diga a parte que me ama novamente e apenas me beije. Ele deu risada. – Eu a amo. É sério. Ela sorriu, e ele a beijou. Os braços dele a envolviam, apertados, seguros, como se ele nunca mais fosse deixá-la partir. Pela primeira vez em sua vida, ela soube o que era ser genuinamente desejada. Eles se distanciaram lentamente, seus olhares conectados. Ele sorriu. Ela sorriu. – Nunca pensei que eu fosse superar a morte do meu filho. Então você me ensinou que também nunca superou seus problemas, apenas seguiu em frente. Ela assentiu com a cabeça. – Foi isso o que eu tinha feito com Wayne. Ele afagou-lhe uma mecha do cabelo. – Eu já lhe disse ultimamente que você é linda? Ela deu risada. – Acho que você nunca me disse que eu era linda. Seus amigos disseram, mas você sempre se concentrou nas minhas roupas. Uma forma gentil e segura de me elogiar. Ele suprimiu uma risada. – Não vou mais ficar do lado seguro. Quero enfrentar a situação de frente. Os bons e os maus tempos. – É assim que deve ser. – Você concorda? Ela assentiu com a cabeça. – Bem, uma vez que você basicamente acabou de aceitar minha proposta de casamento... – ele recuou um passo e remexeu em um dos bolsos da calça – acho que você vai precisar disso. Ricky revelou uma pequena caixa preta de veludo. O olhar dela se voltou para ele. – É isso? – É isso. Ele apoiou um joelho no chão, abriu a caixa e mostrou um enorme solitário de diamante. – Você quer se casar comigo? Os olhos dela se encheram de lágrimas. – Sim!


Ele se ergueu e beijou-a novamente. Era o dia mais feliz da vida dela. Quando eles finalmente se separaram, ele declarou: – E tem mais uma coisa. Em meio aos olhos embaçados pelas lágrimas de alegria, Eloise olhou para a segunda caixa de joias que ele entregou a ela. – O que é isso? – Abra. Ela ergueu a tampa e uma coleção de diamantes piscaram para ela. Ela ergueu o rosto para encará-lo. – É um colar de diamantes. – Para sua mãe. Eloise franziu o cenho. – Para minha mãe? – Você disse que a única maneira de ser aceita em sua família seria se você comprasse um colar de diamantes para sua mãe. Ela arfou. – Eu estava brincando. – Eu pensei nisso. Acho que você está certa. Precisamos fazer um grande gesto para conseguirmos voltar para a sua família. – Se você se lembra da conversa, eu também lhe disse que não queria voltar para a minha família. – Todos precisam de uma família. Você apenas irá voltar com regras novas. Você irá aceitar o que eles podem lhe dar porque você terá o meu amor. Você nunca mais vai ficar sem amor novamente. De fato, eu irei lhe dar tanto amor que você terá de sobra para dar aos seus pais. Eloise piscou para conter as lágrimas e envolveu os braços ao redor do pescoço dele. – Isso é tão doce. – Não. Isso é um amor verdadeiro. Nenhuma família deve ser deixada para trás. Ela sorriu. – Ninguém deve ser deixado para trás. – Exatamente. Desta vez ela o beijou. Profunda e demoradamente. E ele finalmente teve a chance de fazer o que havia desejado fazer durante todo o namoro. Ele deixou suas mãos se moverem dos ombros dela, ao longo da espinha, para a curva das nádegas, e depois de volta nos ombros. Ela era dele. E ele era dela. Nenhum deles jamais ficaria sozinho no Natal outra vez. Todos os lugares escuros no coração de Ricky subitamente foram iluminados por uma gloriosa luz. Ele sempre iria sentir falta do filho. Sempre iria se arrepender dos seus erros. Mas ele sabia que mesmo alguém tão novo quanto Blake iria saber que todos mereciam uma segunda chance. Ele interrompeu o beijo e fitou a janela. Grandes flocos de neve caíam atrás do vidro. Ele sorriu. – Está nevando.


EPÍLOGO

ELES SE casaram alguns meses depois em um dia ensolarado de primavera na cidade de Nova York. A mãe dela se debulhava em lágrimas enquanto o pai parecia tão orgulhoso quanto qualquer pai que ela já tinha visto. Ninguém da família tinha sido deixado para trás. De mãos dadas com Ricky ela desceu as escadas que levavam à calçada. Eloise trajava um belíssimo vestido de seda projetado pelo seu chefe, Artie Best. Ricky beijou os nós dos dedos dela e eles se aproximaram da limusine onde Norman os aguardava. Norman sorriu enquanto abria a porta. – Posso levá-los a um hotel por algumas horas antes da festa. – Ou podemos ir buscar as fotos – disse Eloise com uma risada. – Sim, madame. Assim que eles entraram no carro, Norman fechou a porta e Ricky se inclinou para beijá-la lentamente. – Então, sra. Langley, como está indo? Ela deu risada. – Você queria ser o primeiro a me chamar dessa forma. – Gosto do som disso. – Eu também. – E nós vamos ser felizes juntos. – Sim. Horas depois, no final da festa, ela se preparou para jogar o buquê para um grupo de mulheres solteiras e esperançosas. Dois segundos antes de jogar as flores, ela notou que Laura Beth não estava no grupo. A amiga estava sentada a uma das mesas redondas ao lado da pista de dança. Ao ver isso, Eloise ficou um pouco confusa enquanto jogava o buquê, mas as flores não somente alcançaram as alturas, como também uma grande distância... E caíram no colo de Laura Beth Matthews.


UM PRESENTE INESQUECÍVEL Scarlet Wilson Carrie olhou pela janela. O sol havia desaparecido completamente, e as ruas cintilavam por causa da neve. Não a lama horrível que ela enfrentara horas antes – mas uma neve branca, fresca do céu. Do tipo que parecia quase convidativa dos confins de um apartamento quentinho. O estômago dela roncou, e ela colocou a mão sobre ele. Ainda bem que Sr. Meltzer morava em cima da loja dele. Todas as outras lojas estavam fechadas. Ela olhou para os suprimentos sobre a bancada. Leite, água, pão, queijo, macarrão e chocolate, de emergência. Comida divertida. Se ela ia ficar isolada pela neve em Nova York, ela iria pelo menos comer o que ela quisesse. Talvez isso fizesse bem para ela. Depois de todo o stress do ano passado, ela ainda não ganhara os quilos que perdera. Isso iria ajudá-la a preencher melhor suas roupas. Ela achava estranho que algumas mulheres quisessem fazer dieta até chegar a nada – enquanto que tudo que ela queria era recuperar suas curvas. De novo. O som estranho que a trouxe até a janela. O apartamento era cheio de sons peculiares – aos quais ela já se acostumara, na maioria deles. Canos que reclamavam por causa do ar preso, portas e pisos que rangiam, correntes de ar inexplicáveis. Mas este era diferente. Será que vinha de fora? Ela pressionou o nariz contra o vidro, sua respiração enevoando o espaço ao redor dele. A rua estava em silêncio mortal. Quem sairia lá fora em uma noite dessas? O canal de notícias 24 horas mostrava a mensagem constante “Fique em casa. Não saia a não ser que seja absolutamente necessário”. Qualquer pessoa com um pouco de juízo ficaria sã e salva em casa. Ela abriu um pouco a janela, deixando entrar uma lufada de ar frio. Prendendo a respiração, ela ouviu. Era como um miado. Seria um gato? Ela podia ouvir o som abafado de música vindo do andar de baixo. Devia ser o policial. Ele obviamente não ia conseguir ouvir nada. Carrie sequer sabia o nome dele, só que era da polícia, por causa do uniforme. Mas ele não havia sequer reparado nela desde que ela chegara. Quem deixaria o gato sair em uma noite como aquela? A consciência dela doía. O que ela deveria fazer? Talvez fosse um gatinho confuso, assustado pela neve e sem poder voltar para casa. Será que ela deveria descer e investigar? Ela olhou para as próprias roupas de dormir. Isso levaria apenas alguns segundos. Ninguém ia vê-la.


Ela poderia pegar o gato e trazê-lo para passar a noite no apartamento. Talvez dar um pouco de água, e deixar que ele se aninhasse diante do fogo. Um gato. A ideia acalentou a alma dela. Carrie nunca havia tido um gato. Talvez fosse lhe fazer bem salvar o gato de alguém, só por aquela noite. Pelo menos ela ia ter com quem conversar. Ela abriu a porta e olhou para o corredor. Todos estavam em segurança dentro de seus apartamentos. Com passos rápidos e silenciosos, ele logo chegou à porta, abrindo-a depois de destrancá-la. Não. Não podia ser. Ela piscou, e fechou a porta rapidamente. O coração dela bateu com força no peito. Uma. Duas. Três. Quatro. Cinco vezes. O cérebro de Carrie estava pregando peças horríveis nela. Talvez ela nem estivesse acordada. Talvez ela estivesse adormecida no sofá, lá em cima, diante da lareira crepitante, e logo iria acordar empapada no próprio suor. Um. Dos. Três. Quatro. Cinco. Ela girou a maçaneta novamente, da maneira mais lenta possível, rezando para que a imaginação estivesse sob controle. Coisas assim não aconteciam com pessoas como ela. Desta vez, a reação dela foi diferente. Desta vez o ar gelado foi inspirado para dentro dos pulmões dela com uma força que ela desconhecia possuir. Cada fio de cabelo de seu corpo eriçou-se instantaneamente – e não foi do frio. Era um bebê. Alguém havia deixado uma criança na soleira da porta.

E leia também em Corações entrelaçados, edição 107 de Harlequin Special, O herdeiro do castelo, de Scarlet Wilson.


107 – CORAÇÕES ENTRELAÇADOS – SCARLET WILSON Um presente inesquecível Depois de um ano difícil, a britânica Carrie McKenzie mudou-se para Nova York. Contudo, por mais que tentasse, não conseguia tirar um sorriso sequer de seu atraente vizinho, o policial Dan Cooper… Até um bebê ser abandonado à sua porta! O herdeiro do castelo Callan McGregor contrata a advogada Laurie Jenkies para o ajudar com uma herança. A personalidade dela logo abala as estruturas do controlado magnata. E, desta vez, ele está determinado a não virar as costas para a felicidade. Últimos lançamentos: 105 – OS IRMÃOS DEFIORE – JENNIFER FAYE Sabor inebriante O chef Dante DeFiore não tem tempo de alimentar os sonhos culinários da novata Lizzie Addler. Porém, não demora muito para que ela conquiste o paladar e o coração desse italiano sedutor. Sorriso cativante Enquanto planejava o casamento da irmã na Itália, Jules Lane percebeu que estava longe de encontrar o seu príncipe encantado. Ou era o que ela pensava, pois conhecer o padrinho, Stefano DeFiore, mudaria sua vida para sempre!


CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO NA FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ M447n Meier, Susan Noites de esperança [recurso eletrônico] / Susan Meier; tradução Rafael Bonaldi, Vanessa Mathias Gandini. - 1. ed. - Rio de Janeiro: Harlequin, 2015. recurso digital Tradução de: Single dad’s christmas miracle; The twelve dates of christmas Formato: ePub Requisitos do sistema: Adobe Digital Editions Modo de acesso: World Wide Web ISBN 978-85-398-2027-6 (recurso eletrônico) 1. Romance americano. 2. Livros eletrônicos. I. Bonaldi, Rafael. II. Gandini, Vanessa Mathias. III. Título. 15-26666

CDD: 813 CDU: 821.111(73)-3

PUBLICADO MEDIANTE ACORDO COM HARLEQUIN BOOKS S.A. Todos os direitos reservados. Proibidos a reprodução, o armazenamento ou a transmissão, no todo ou em parte. Todos os personagens desta obra são fictícios. Qualquer semelhança com pessoas vivas ou mortas é mera coincidência. Título original: SINGLE DAD’S CHRISTMAS MIRACLE Copyright © 2013 by Linda Susan Meier Originalmente publicado em 2013 por Mills & Boon Modern Romance Título original: THE TWELVE DATES OF CHRISTMAS Copyright © 2014 by Linda Susan Meier Originalmente publicado em 2014 por Mills & Boon Modern Romance Projeto gráfico de capa: Ô de Casa Arte-final de capa: Isabelle Paiva Produção do arquivo ePub: Ranna Studio


Editora HR Ltda. Rua Nova JerusalÊm, 345 Bonsucesso, Rio de Janeiro, RJ – 21042-235 Contato: virginia.rivera@harlequinbooks.com.br


Capa Texto de capa Rosto Sumário

MILAGRE INUSITADO Querida leitora Capítulo 1 Capítulo 2 Capítulo 3 Capítulo 4 Capítulo 5 Capítulo 6 Capítulo 7 Capítulo 8 Capítulo 9 Capítulo 10 Capítulo 11 Capítulo 12 Capítulo 13 Epílogo

ACORDO PERFEITO Querida leitora Capítulo 1 Capítulo 2 Capítulo 3 Capítulo 4 Capítulo 5 Capítulo 6 Capítulo 7 Capítulo 8 Capítulo 9 Capítulo 10 Capítulo 11 Epílogo


Próximos lançamentos Créditos

Susan meier hq special 106 noites de esperanca  
Susan meier hq special 106 noites de esperanca  
Advertisement