Page 1


STELLA MARQUES Tradução: T E M P E S T A D E E S O F I A M . Revisão: S T E L L A Leitura Final: K A R O Formatação: D A D A Disponibilização:


Eu tinha um plano para minha vida. Até que ele a invadiu e roubou tudo. Meu captor me levou e eu me tornei um peão. Sua estratégia mudou e ele me enviou para a GUERRA , porque o dinheiro é tudo nesse mundo. Na minha GUERRA , porém, encontrei a paz. Eu não poderia imaginar, mas encontrei o amor onde menos esperava, com um homem que vivia uma batalha todos os dias de sua vida... tudo dentro de sua cabeça. Mas, então, meu captor voltou para mim. No entanto, desta vez, as linhas de batalha tinham sido elaboradas e eu estava protegida. Ou assim nós pensávamos. Mesmo que minha GUERRA estivesse no auge, meu captor iria lutar até a morte. Os mocinhos sempre ganham, certo? Nem sempre. Vale tudo no amor e na GUERRA , certo? Não dessa vez.


This is War, baby é um dark romance. Um muito escuro. Tão escuro que você vai desejar ter uma lanterna para ver a si mesmo até o fim, e alguém para segurar sua mão. Tráfico de seres humanos, consentimento duvidoso e fortes temas sexuais que podem desencadear problemas emocionais são encontradas nessa história. Esta história não é para todos. Ele vai cruzar as linhas. Ele vai quebrar as regras. Ele vai fazer você ficar doente. E isso vai forçar você. Mas… Há também a luz. Depois que a escuridão passar, você vai encontrar algo puro e inteiro. Algo agradável. Algo feliz. Você vai encontrar o amor. E vai valer a pena a viagem.


"Eles estĂŁo apaixonados. Foda-se a guerra." ~ Thomas Pynchon, O Arco-Ă?ris da Gravidade ~


Prisão


Três dias antes de... "MAIS BAIXO." Sua voz ecoa no meu quarto e eu fico tensa. Nossos olhos se encontram por um breve segundo antes que sua língua começa a voltar para mim novamente. Minha amiga Audrey diz que quando um cara te come, é a coisa mais incrível do planeta. No entanto, quando Brandon passa sua língua em todos os lugares, exceto na minha parte que parece em chamas com a necessidade, eu não posso ajudar, mas pergunto se ela estava mentindo. Ela sempre embeleza a verdade. E agora, quando meu corpo fica tenso com a vontade de explodir, eu não chego a atingir o clímax que estou atrás. Audrey certamente mentiu sobre esse pequeno detalhe. Brandon grunhi e seus gentis polegares acariciam o interior das minhas coxas enquanto ele me prova. A manobra em si é doce e é o que tenho vindo a esperar do meu namorado de um ano e meio. No entanto, apenas uma vez, eu gostaria que ele cavasse os dedos em minhas pernas. Chupasse meu clitóris que ele parece estar dançando ao redor. Para forçar seu caminho para dentro de mim e quebrar a barreira, eu ficaria feliz em me entregar, se ele tomasse em vez de perguntar. Eu mastigo meu lábio e reflito em meus pensamentos bizarros, em vez de incidir sobre o prazer que parece estar escorregando cada vez mais para longe. O que papai faria se ele chegasse aqui e encontrasse Brandon entre as minhas pernas? Eu abafei uma risadinha. Ele o arrancaria de cima de mim por seu cabelo e o arrastaria para fora da casa, é o mais provável, provavelmente daria um soco ou dois no seu rosto bonito antes de enviar Brandon em seu caminho. Minha diversão


morre quando penso sobre ele explicando o que aconteceu com ela. Minha mãe. Seus lábios pálidos enrugaram na mais leve careta e suas sobrancelhas loiras se uniram. Ela tinha se tornado instável e mais fraca do que já era com a preocupação. Esse pensamento me fez ficar completamente sóbria. "Mmm," Brandon gemi debaixo de mim, me arrastando de volta para a tarefa em minhas mãos. Eu roço o meu olhar sobre o cabelo castanho espetado e seus ombros nus. Ele não parou de evoluir para o menino quente que ele é agora, até o verão antes do nosso último ano. Seis meses depois do ano letivo e eu ainda me pego rindo. Eu não esperava estar em um relacionamento sério com a cara mais bonito da escola. Mas eu certamente não estou reclamando. Bem… Talvez esteja um pouco. Ele é um grande beijador e um namorado atencioso. Mas eu anseio por ele para possuir o meu corpo de uma maneira carnal, que coincide com a ardência do meu coração, que esmague a minha carne enquanto seus dedos cavam em mim, enquanto ele me leva de tal maneira que sugere que seu corpo precisa do meu como sua vida. "Eu te amo." Sua respiração murmurou contra o meu clitóris, me abalando e eu gostaria que ele dissesse novamente. Nós dois estamos aprendendo aqui, mas espero que ele aprenda um pouco mais rápido. "Eu também te amo. Não pare." Com uma recém fúria, ele aumenta a velocidade em que circula minha carne sensível. Tão perto e ainda tão longe. Eu gostaria de agarrar o seu cabelo espetado e segurá-lo exatamente onde quero que ele esteja. O pensamento envia uma emoção tremula na minha espinha. Ouço uma porta de carro bater e meus pensamentos vão imediatamente para o melhor amigo do meu pai, Gabe. Ele morou ao lado próximo de nós por quase dez anos agora eles têm sido


inseparáveis desde então. Imagens de seu cabelo escuro comprido, que às vezes esconde seus olhos castanhos—olhos que parecem cintilar sempre com prazer quando ele me vê—inundam minha mente. Ultimamente, penso muito sobre ele. Demais. Quando papai está estressado sobre a doença da mamãe, ele e Gabe passam horas bebendo cerveja e sussurrando coisas que é privado par eu ouvir. De certa forma, estou feliz por papai ter alguém em quem confiar. Eu só gostaria de poder ficar em torno deles como costumava fazer antes do meus seios crescerem e de começar a usar maquiagem. Uma vez que atingi a puberdade, a maneira que eu costumava subir em cima dele, como se ele fosse a minha árvore favorita, terminou tão rapidamente como tinha começado. Gabe agora parece agitado toda vez que estou por perto. Seus olhos escuros passam rapidamente sobre o meu corpo brevemente, e com um flash de algo que faz minha barriga doer, mas ele sempre o esconde em algum outro lugar e me encara com seu olhar irritado. O desprezo em seus olhos se intensifica quando Brandon está ao redor. Se olhares pudessem matar, temo pela vida de Brandon. Foi como se ele tivesse virado um interruptor um dia, e simplesmente não gostava mais de mim. Eu posso ser jovem, mas não sou estúpida. Eu sei que no fundo, há mais do que ele costuma mostrar na superfície, com relação a Gabe. Ele me quer. Brandon atinge um ponto que me tem sacudindo. Tão perto. Tão malditamente perto. Se ele voltasse e passasse um pouco mais de tempo lá, eu poderia encontrar este orgasmo indescritível. Eu me inclino para trás e descanso sobre os cotovelos para que possa vê-lo. Estou começando a perder a fé nas suas capacidades mais uma vez, quando algo passa pela janela aberta e me chama a atenção. Uma sombra escura.


Brandon furta sua língua quente por cima do meu clitóris e eu pulo como se tivesse um fio elétrico ligado. Mais, Brandon. Mais… Eu fecho meus olhos, na esperança de saltar sobre essa vantagem feliz. Meu cérebro me trai, assim que pensamentos de outro homem inundam minha mente, um homem com cabelo desarrumado e olhos cor de café. Um homem. Não um menino como Brandon. "Oh Deus", eu choramingo e mordo o lábio, tentando forçar as imagens do meu namorado sexy de volta para frente da minha mente. "Sinto-me tão perto." A língua de Brandon fica selvagem e eu contorço contra ele. Eu quero que sua língua me possua. Eu quero que ele afunde os dedos dentro de mim e sonde onde ninguém, além de mim, esteve antes. Estou pronta para muito mais do que temos em nossa inocente relação, quero que aconteça de uma vez por todas. Um rangido da tábua do piso no meu quarto me empurrou com os olhos abertos. Espero ver meu pai—ver o olhar furioso de meu pai. Mas não. Em vez disso, é algo mil vezes mais aterrorizante. E eu quase gozo, apesar do alarme que me torna imóvel. Eu sou uma menina doente. Um homem alto, vestido completamente de preto, vestindo uma máscara de esqui mantém um dedo sobre os lábios, enquanto ele vem por cima e por trás de Brandon. Terror se apodera de mim e sou incapaz de mover um músculo. Eu quero gritar. Quero correr para longe. Quero saber o que diabos está acontecendo. Mas não posso fazer nada além de olhar. Seus olhos escuros através da máscara travam nos meus enquanto ele anda mais perto. É claro que Brandon escolhe esse exato momento para atingir o ponto certo. Pontos escurecem minha visão e estou à beira de algo eufórico. Mas meu sonho está se tornando um pesadelo. Esta escuridão se encaixa, mas também é errado e sujo. Isso não pode ser real, isso não pode estar acontecendo.


Estou confusa, mas no momento que ele agarra o cabelo do meu namorado e puxa-o para longe de mim, a realidade me espirra fora do meu torpor sensual. Eu encontro minha voz e grito. Tudo parece em câmera lenta e estou enraizada com a minha bunda sobre a colcha que Nana fez para mim quando eu tinha doze anos. Brandon tenta lutar contra o homem, mas ele é muito lento, muito jovem, muito inocente. Crack! O punho do homem se conecta com o nariz de Brandon e o soco repugnante me deixa arfando. "Pai!" Brandon cai ao chão enquanto o sangue jorra de seu rosto. Eu preciso ajudálo. Não, preciso ir embora. O medo libera sua embreagem em mim e eu pulo da cama em direção à porta. Estou perto, quando um poderoso braço engancha em volta da minha cintura e me puxa de volta. Sua mão bateu sobre minha boca e meu corpo nu saltou nas suas garras. Eu tento se esquivar de suas mãos inflexíveis, mas ele é muito forte. "Você gozou?", Ele assobia contra a minha cabeça e liberta minha boca. O quarto está borrado com as minhas lágrimas e eu congelo. Eu conheço esta voz. "Gabe?" "Sua resposta é sim ou não, menina. Você tem três segundos para responder a porra da pergunta antes que eu corte a garganta daquele marica. " Sua ameaça me dá náuseas e um soluço pega na minha garganta. Onde está papai ?! "Três." Minha voz. Por que não funciona? Por favor Deus. Ajude-me! "Dois." Não! Não! Não!


"Um. Acabou o tempo." Ele chega por trás de Brandon e, em seguida, traz uma enorme faca na minha frente. A faca que mataria Brandon. "N-N-Não!" Um grunhido gutural vibra através de minhas costas. Se eu tivesse que adivinhar, diria que ele está satisfeito com a minha resposta. E pelo jeito que sua ereção pressiona em minhas costas, eu diria muito animado. "Boa resposta", resmunga. "Agora, diga adeus ao seu quarto e seu namorado idiota. Você nunca vai vê-los novamente." Sua mão cobre minha boca antes que eu tenha a chance de soltar o grito que agora está depositado na minha garganta. Certamente este é algum tipo de piada. Um plano para meu pai ter certeza que nunca vou tentar esgueirar-me ao redor com Brandon sob o seu teto. Sim, deve ser isso. Tudo um jogo. "Desculpe, querida, mas isso vai doer." Esse foi o único aviso que recebo antes que ele me bata em minha cabeça com um objeto duro, provavelmente, a coronha de sua faca. Escuridão me toma, e a última coisa que eu pego é um vislumbre do corpo ensanguentado, imóvel de Brandon. Você nunca vai vê-los novamente. Eu não posso lidar com a realidade de que o conceito e o pensamento me empurra para o esquecimento.


MINHA CABEÇA lateja. Thump. Thump. Thump. Onde estou? Que dia é hoje? Estou dolorida e desorientada e com frio. Mas isso não é o que me aterroriza. Nem a parte que eu não tenho comido. Também não é a parte que eu não tenho dormido. Não. O que é assustador é que não vi nada, apenas a mais completa escuridão, e ainda deve ser dia. Raiva borbulha no meu peito por ter sido sequestrada por meu vizinho. Eu não posso provar isso, mas conheço sua voz. Ele me levou direito do meu quarto. Meu Pai nunca veio. Brandon ficou gravemente ferido. E eu não tenho a menor ideia de onde estou. Acho que ouvi um barulho acima de mim e tenho meu coração acelerado. Por que Gabe me levou para prender-me em algum calabouço e me deixou para morrer? Não faz absolutamente nenhum sentido. Outro baque. Vários. Meu coração queima à vida e espero que talvez os policiais vieram para mim. Que meu pai está liderando um bando de policiais irados, determinados a me resgatar. Dezessete anos é muito jovem para morrer. Eu tinha planos—planos que envolviam ir para escola de medicina. Planos que eu esperava envolver, como me casar com Brandon e ter um monte de bebês. Estamos apaixonados. Deus, espero que ele esteja bem.


Uma dor aguda apreende meu estômago e eu choramingo. Eu quero gritar com ele para me alimentar com alguma coisa, qualquer coisa, mas já tentei isso. Os gritos caíram em esquecimento. Gritar não me alimenta—gritos deixam minha garganta rouca e seca. Os meus lábios rachados são os mais aparentes sinais da minha desidratação. A garganta porém, é horrível. Não importa quantas vezes eu tente evocar saliva para molhar a garganta, o máximo que consigo é uma pequena bola grossa de catarro, que só serve para me enjoar quando engulo. "Ajuda". O pequeno rugido pertence a mim, mas não é nada mais que um sussurro apenas. Eu estive em todo este espaço, sentindo o meu caminho através da escuridão, mas não encontrei nada aqui. Nem uma única maldita coisa. Já considerei um canto como meu banheiro. Minhas excreções corporais são o que decoram esse canto agora, não que haja muito, uma vez que estou morrendo lentamente de falta de nutrientes. "Por favor." Desta vez, minha voz é mais alta, mas ela nunca irá penetrar essas paredes de concreto. Estendendo a mão, eu mais uma vez tateio as paredes em busca de uma saída. Como é que um quarto não tem janelas ou portas? Como ele conseguiu me colocar dentro dessa tumba? Algo rasteja sobre a minha mão e eu grito. Deve ter sido uma aranha. A garota feminina e normal, a garota que fui a não muito tempo atrás, teria se escondido no canto. Esta que me tornei agora é uma prisioneira com medo, que está com fome. Pergunto-me se eu podia comer a aranha. Seria repugnante mas poderia fornecer proteína. Ou veneno. Mais uma vez, sinto-me derrotada. Com minha sorte, devoro a aranha desagradável e morro com o veneno que ela carrega. E então meu pai iria encontrar meu corpo horas depois decomposto, tarde demais ou algo assim. Ele iria perder a mãe e eu. Um soluço arranhado perfura o ar e eu tento angariar as lágrimas. Nada. Eu choro sem lágrimas por um minuto e depois engulo a emoção. Mamãe estava doente, mas ela parecia


esperançosa. Um fígado poderia vir a qualquer momento, ela disse. Papai, no entanto, não estava convencido. Ele pesquisou. Procurou por todo lugar. Ele enviou mensagens nas redes sociais pelo mundo. Tudo em um esforço para salvar o amor de sua vida. Mas o tempo está se esgotando. Para nós duas. Eu deveria ter dito a ela o quanto a amava antes de dormir. Em vez disso, eu estava muito preocupada em tomar esse salto final com Brandon, o que teria selado o nosso relacionamento. Sexo. Eu tinha o feito esperar, mas eu estava pronta. E agora… Deus, eu sou tão estúpida. Não tenho certeza exatamente quanto tempo estive aqui, mas isso está tomando um pedágio em minha sanidade. Gritei até que eu estava rouca e sem voz. Chorei até que meus músculos do estômago estavam doloridos e machucados. Valores impensáveis gasto com o tempo dedilhando cada fenda e fissura na escuridão, em um esforço para encontrar uma rota de fuga. Imaginado todos os cenários sobre o destino de Brandon, nenhum deles bom. Em um ponto, eu até tentei contar tão alto quanto possivelmente poderia—foi bem mais de seis mil quando fiquei entediada e desisti. Estive aqui uma eternidade. Horas ou dias ou meses, minha mente está ligada, um carretel preto aterrorizante e sem fim. Eu estou em um inferno eterno, escuro. Com ninguém para conversar. Sem comida, água ou banheiro. Com nada, além da escuridão e a insanidade lentamente se infiltrando pelas frestas da minha alma para me fazer companhia. Uma lasca de luz aparece pelo chão empoeirado na minha frente e eu olho para ele com os olhos apertados em estado de choque.


"Gabe. Por favor ". Um pequeno sussurro apelando. Eu quero gritar e chorar e implorar. Mas estou com frio e cansada. Estou desorientada e estressada. Eu só quero ir para casa. A fresta de luz torna-se um quadrado amarelo, distintamente suspenso cerca de 3 a 4 metros acima do solo. Eu pisco várias vezes na tentativa de proteger os olhos sensíveis à luz brilhante. Uma silhueta, ombros amplos e um desgrenhado cabelo—ocupa a maior parte do quadrado, protegendo-me da luz ofensiva. "Como você esta indo aí, criança? Ainda viva e chutando?" Sua voz profunda é um estrondo rouco que costumava me excitar. Agora isso assusta a merda fora de mim. "Eu quero ir para casa," digo a ele em um tom firme, apesar da oscilação na minha voz. Ele ri, embora seja um som sem humor. Escuro, mal, infernal... sim. Sem humor, absolutamente nenhum. Quem é este homem que conheci durante a última década? Eu o vi com outras mulheres, paqueráveis e desejáveis. Eu o ouvi sussurrar coisas sujas, promessas sexuais com namoradas ao longo dos anos e até mesmo ficar com ciúmes da atenção que ele regava a elas. Quer dizer, eu já fantasiei sobre essas fortes, mãos capazes de percorrer em cima de mim, enquanto ele me beijava e eu gemia de prazer. E todo esse tempo, sob as piadas e fachada simpática estava um demônio do inferno, esperando nas sombras pela oportunidade perfeita para tomar o que não era seu. "Baylee, baby, eu já te disse", diz ele em um tom seco e ameaçador, "você não vai a lugar nenhum." Desta vez, as lágrimas vêm. Pequenas, quentes lágrimas descem pelo meu rosto e pingam da minha mandíbula. "Por quê?" Se ele não está pensando em me deixar escapar, pelo menos me deve uma explicação. "Você está com fome?"


Seu flagrante desrespeito pela minha pergunta me irrita e eu rastejo até a luz que brilha debaixo dele. Minha carne está suja nua e exposta, mas quero que ele me veja. Eu quero que veja a menina que ele deveria cuidar. A menina que ele levou por suas próprias razões depravadas. "Por que você está fazendo isto comigo?" Eu não posso ver suas feições, mas posso dizer que ele está irritado comigo. Pelo que percebo—por sua frustrada mão correndo em seu cabelo desarrumado — muito irritado. O cabelo que sei que tem alguns fios grisalhos em sua têmpora. Cabelo que eu costumava sonhar em correr meus próprios dedos por ele. "Às vezes, querida, você tem que fazer sacrifícios. Você, boneca, é um sacrifício. Sua parte é pequena, mas é muito significativa." Seus enigmas me confundem. "Eu quero ir para casa, Gabe. Por favor, não vou contar a ninguém. Eu juro", eu juro. E é a verdade. Se ele me deixasse ir, eu levaria o segredo para o túmulo. Se isso significava recuperar minha liberdade, eu faria essa promessa a ele. "Baylee, você não vai contar para ninguém, porque não haverá ninguém para contar. Você foi iniciada em um mundo—um mundo novo que você não está preparada para lidar. Nem mesmo perto disso." Eu tremo e cruzo os braços sobre o peito. Deveria me envergonhar que ele me veja nua, mas não me importo em ser modesta. Eu me preocupo sobre como sair daqui. "O que você quer de mim?" Exijo com uma mordida desagradável na minha voz. Estou cansada de ser fraca e implorar. Eu quero ir para casa. "Ahhh, aí está a garota resoluta que conheço", diz ele, quase como se ele estivesse aliviado. "Se eu deixá-la sair, promete não correr?" Não. "Sim." Ele ri de novo e eu decido que odeio seu riso. "Eu não acredito em você."


Encolho os ombros e olho para ele. "Eu nunca lhe dei qualquer razão para não confiar em mim." Ao contrário de você, seu bastardo. Ele balança a cabeça, finalmente. "Bem. Vou aceitar sua palavra. Mas o que acontece se você me trair?" Você já me traiu. "Eu não vou," minto. "Você está certa", ele se encaixa. "Você não vai. Porque se você fizer isso, vou chicotear sua bunda com uma vara, para cada passo que você conseguir se afastar de mim." Os pelos em meus braços se arrepiaram em alarme e meu coração decola como uma centena de cavalos trovejando longe de mim. "Eu não vou correr." "Bom. Eu quero te limpar e alimentá-la. Você é minha para cuidar agora." Ele acena com a cabeça e depois desaparece. Temo que ele não vai voltar, mas poucos momentos depois, ele deixa cair algo na minha prisão. Uma corda. "Suba", ele instrui, a voz fria e indiferente. Eu tremo e oscilo até ele parar diante de mim. Às vezes, na aula de educação física subimos em cordas, mas não depois de ter passado fome por vários dias. A única razão que estou em pé é porque estou correndo em pura adrenalina neste momento. Pego a corda grossa e a agarro. É áspera em minhas mãos e uma compreensão triste toma conta de mim. Eu nunca vou ser capaz de subir esta coisa. "Escale!" Eu salto e chego mais alto na corda. Minha tentativa de subir, acaba comigo girando descontroladamente fora de controle, somente conseguindo sentir mais náuseas, ainda mais com meu estômago vazio. Soltando os meus pés para a sujeira, eu grito. "Eu não posso! É muito difícil!" "Você tem três minutos para chegar a sua bunda até aqui ou você vai morrer aí embaixo. Você vai apodrecer porque é


demasiado infantil para subir a porra de uma corda pequena. Se você quiser sobreviver, Baylee, vai ter que lutar por isso. Porra, lute por isso! " Lágrimas borram o mundo horrível em torno de mim, mas a raiva floresce em meu interior. Eu agarro a corda e tento novamente. Uma e outra vez. Às vezes fico alguns pés para cima apenas para cair e pousar minha bunda no chão frio e duro. Outras vezes, deslizo para baixo da corda e não só esfrego a pele de minhas mãos, mas o interior das minhas coxas também. Parece uma eternidade, mas ele finalmente fala as palavras que me enviam de vez, caindo ao meu inferno. "Acabou o tempo. Foi um prazer conhecer você, querida. Pensei que fosse mais forte, mas claramente eu superestimei sua força." Os porta bate para baixo e a luz se foi. A minha esperança, minha luz na escuridão está desaparecida. Com um gemido de derrota, me encolho no chão gelado e fecho os olhos. Espero que a morte venha logo para mim. Espero que seja rápido e me leve em meu sono. E eu espero que minha mãe me ache, onde quer que eu esteja, nem que seja do outro lado. Adeus mundo. Adeus, Baylee.

Dores. Por toda parte. Especialmente na minha cabeça e minha barriga. Gemendo, eu abro os olhos. Escuridão. Mais uma vez. Quanto tempo se passou desde que ele me fechou desta vez?


Cinco minutos? Cinco horas? Cinco dias? Sento-me e algo toca meu ombro. Um grito me escapa antes que eu perceba que é somente a corda. Ela ainda pende do teto. Meu coração bate para a vida quando me pergunto se sem a pressão de seu limite de tempo estúpido, talvez eu possa fazê-lo. Mas mal posso puxar meu corpo enfraquecido para uma posição sentada. Como eu poderia ser capaz de subir aquela coisa? Eu tenho que fazer, apesar de tudo. Eu não quero morrer aqui. Em pé com as pernas trêmulas, agarro a corda. Leva várias tentativas, mas logo descubro que, se eu torcer a corda ao redor da minha perna enquanto escalo, eu posso me impedir de escorregar de volta para baixo. Meus bíceps gritam de dor e eu puxo um suspiro de ar quando subo lentamente. Quando finalmente estou perto do topo, empurro o teto esperando resistência. Mas ela se move. Ela se move! Estou tão animada que quase perco a aderência e caio de volta para o chão de cimento sujo abaixo. Nesta altura, eu certamente quebraria uma perna ou um braço. Cair não é uma opção. Eu deslizo um braço através da abertura. A sala não está mais iluminada, está escuro, mas o luar brilha de algum lugar, o que significa que uma janela fica nas proximidades. Janela significa liberdade. Com determinação recém-descoberta, consigo levantar as ripas para cima e apoio meu cotovelo sobre o piso de madeira ao redor do buraco. Agora que a fuga está ao meu alcance, não estou mais fraca e encontro a força para conseguir meu outro cotovelo para cima. Quando chego em meu joelho para a superfície, quase choro de alegria. Quase lá. Agora que meus olhos se ajustaram, vejo que estou em uma cozinha. Eu lentamente arrasto meu corpo para fora do buraco e pelo chão. E uma vez que estou completamente fora e alguns passos me separando da liberdade, eu choro. Silenciosamente, todo meu corpo quebrando em soluços.


Tão perto. Uma porta está perto e eu posso escapar. Me levantando, tento manter o mínimo de tremor nas pernas. Cada passo é lento e doloroso, mas estarei livre em breve. Apenas um pouco mais. Meus dedos agarram o metal frio e eu torço. Livre. Finalmente. Eu sorrio, pela primeira vez em dias. Até o fogo lamber minha bunda. Um. Dois. Três. Quatro. Eu mal entendi de onde vinha a dor, quando um braço forte está em volta da minha cintura prendendo-me contra ele. Dor lancinante e quente marca as bochechas da minha bunda, e o meu momento de esperança é substituído pelo medo. O que está acontecendo? "Eu te disse. Para cada passo que você tentar fugir, eu irei chicoteá-la. E você deu quatro passos antes de eu pegar você. Dói, Baylee?" Seu perfume masculino me aquecia e confortava-me— e mais tarde, me deixou excitada—se infiltrava em meus poros. Agora ele só me dá ânsia de vomito. "Foda-se, Gabe," Eu rosno. Sua mão desliza para cima ao longo do meu peito e aperta meu mamilo brutalmente. "Eu certamente tenho a intenção de te foder, minha brava, menina doce", diz ele com uma voz grave. "Mas, primeiro, vamos puni-la por sua boca impertinente." Eu não posso fazer isso. Eu deveria ter morrido lá naquele buraco. Parece preferível do que estar nas garras de aço deste pesadelo. "É hora para aprender sobre este novo mundo que você está, querida."


Um tremor dilacera através de mim, enquanto seu polegar passa sobre meu mamilo, desta vez quase com reverência. Minha carne levanta com seu toque suave e eu quase vomito. "Eu gosto deles sujos. E você está tão suja como eles. Em breve, você vai ser muito suja por dentro", ele murmura contra o escudo da minha orelha, enviando arrepios sobre a minha carne. "Você vai gostar também. Na verdade, você vai adorar. Um dia você vai me agradecer. " Eu nunca vou agradecer-lhe. Nunca.


DOCE BAYLEE Tão inocente e pura. Era quase tarde demais. Aquele filho da puta tinha quase arruinado ela. Mas ela é minha para arruinar. Cada polegada de sua carne pálida, suja. Tudo meu. Eu esperei por tanto tempo. Tanto maldito tempo. E agora tenho uma desculpa. No verão passado foi a pior. Fodida agonia. Observando-a saltitando em seus minúsculos short e camisetas apertadas, foi doloroso. Tão maldito torturante que um dia quase puxei-a para fora da piscina pública e a levei muito tempo atrás. Mas ainda não era o tempo certo. As coisas ainda não estavam no lugar. No meu mundo, o tempo é tudo. O pássaro adiantado pode pegar a larva. Mas é a ave paciente que ganha a sujeira e todas as larvas nele. Baylee é a larva mais cobiçada de todos. Tão viva e livre. Ainda desconhecendo sua atratividade sexy para cada homem nesta terra, além de seu pai. Ela era para ser minha. E ela será.


A menina ainda não está pronta, mas vou ensiná-la. Arrastá-la através do inferno e, em seguida, mantê-la no outro lado. Nutrir sua alma de volta para a saúde e curar todas as partes quebradas. Eu serei o sol e a lua em seu mundo. Todos seus pensamentos irão se reverter a mim. Sempre. O treinamento será brutal. Para ela. Para mim, será a perfeição decadente. Eu irei possuir cada polegada sua, tanto dentro quanto fora. Vou foder com ela até o esquecimento. Eu vou ser a única coisa que ela anseia. Meu plano significará que vou perdê-la um pouco, mas quando tudo se instalar, vou tomá-la novamente. Ela vai me pertencer e ninguém vai dizer a porra de uma palavra. Seu pai vai me agradecer. Sua mãe vai me abraçar. Seu namorado vai me odiar. E ela vai me amar.


EU CHUTO minhas pernas para fora, em uma tentativa de fazer uma conexão com qualquer coisa que vai me impedir de voltar para dentro do buraco. A casa é tão escassa, porém, definitivamente não é a casa que ele possuiu ao lado da minha. Não há móveis na cozinha. Apenas pranchas de madeira entre mim e o inferno preto. Gabe é mil vezes mais forte do que eu, especialmente no meu estado debilitado, e não tenho nada contra seu aperto em torno de mim. "Guarde sua energia, querida. Você vai precisar dela." Sua advertência arrepia meus ossos e eu caio mole em seus braços. Neste ponto, a escuridão é preferível a tê-lo me tocando e me ameaçando. "Boa menina." Este é o ponto onde eu desisto. O quê quer que seja, será. Eu não estou em nenhum jogo contra um homem de quarenta e um anos. Meu pai era alguém que eu sempre contava para me proteger, porque ele era grande, forte e destemido. Gabe tipo caiu na mesma categoria. Até que ele me sequestrou. Em seguida, ele se tornou o vilão nesta história. Se meu pai soubesse que seu melhor amigo o traiu da pior maneira possível, ele o mataria com as próprias mãos. Eu vi o jeito que meu pai agrediu um cara uma vez. Ele tinha conseguido dar vários socos nele antes que os policiais aparecerem. Algum cara a


nossa volta e meu pai terminaram explodindo em fúria. "Você poderia ter matado a minha mulher!" Ela já estava morrendo. Minha mãe e eu gritamos e choramos enquanto meu pai socou o pobre homem implacavelmente. Ele nos defendeu—defendeu ela—com uma paixão tão furiosa que o mundo tremeu sob seus pés. Meu pai não era alguém que as pessoas sacaneavam. Com mais de 1,90m, ele se elevava sobre a maioria dos homens, incluindo Gabe. Não era a altura que assustava as pessoas. Era algo nos olhos do meu pai que piscavam com uma raiva mal contida. Mesmo quando eu era uma criança, sentia que ele estava meditando sobre alguma coisa. Essa raiva subia e descia abaixo da superfície. Não para mim ou minha mãe. Nem com Gabe. Só com o mundo. O mundo que estava sempre tentando enganá-lo e tirar algo dele. A vida era injusta... e meu pai odiava o fato. Se ele soubesse que Gabe tinha me levado, ele o mataria. Sem dúvida nenhuma. Mesmo que meu pai amava Gabe como um irmão, ele não se importava com ele como se importava comigo. Eu sou sua única filha. Seu mundo inteiro. A garota que se parece com sua esposa, mas tem a sua altura, embora não tão alta, e que tem a sua tenacidade. Ele iria arrancar o coração de Gabe e servi para mim e a minha mãe no jantar. Um riso enlouquecido me escapa e Gabe congela. "O que é tão engraçado?" "Nada", eu digo e, em seguida, falo. "Espero voltar e assombrá-lo até que meu pai te mate." Seu grunhido irritado me satisfaz até que ele fala. "Você passou no seu primeiro teste. Você não vai morrer agora. A pior parte é longa e demorada. É hora de treinar." Treinar? Minha mente se desvanece ao cinza quando reflito sobre o que ele quer dizer. Na escola, eu treino para corrida. Eu corro milhas e milhas sem ficar sem fôlego. O salto em altura é a minha


coisa favorita. Sem esforço, eu passo sobre a barra como se fosse a coisa mais fácil de fazer no mundo. Eu levanto pesos e como direito para que o meu treinador não me diga merda. Isso é o que treinamento significa para mim. Mas algo me diz que Gabe não está me treinando para correr uma maratona. Algo me diz que ele está me treinando para algo escuro e sinistro. Estou tão perdida em meus pensamentos que mal registo ser levada a um quarto. As paredes são feitas de madeira e percebo que estamos em uma cabana de madeira. Os pisos, o teto, as paredes, e até mesmo a cama são feitos de madeira que agora está permeando os meus sentidos. Estamos, provavelmente, no fundo da floresta. Ninguém nunca vai me ouvir gritar. Sou eu contra ele. "Está com sono, pequena?" Por um momento, sua voz carrega preocupação, e é familiar. Como o Gabe de antes. O homem que eu dependia para me ajudar a empurrar o meu carro quando ficava sem gasolina no caminho para o shopping, quando meu pai ainda estava preso no trabalho. O homem que havia ameaçado de brincadeira o meu namorado para não prejudicar um fio de cabelo na minha cabeça ou haveria um inferno para ele pagar. O homem que havia me abraçado apertado quando meu cão Molly foi atropelado por um carro e faleceu. Exaustão me oprime e eu cedo em seus braços. Estou tão cansada. Muito, muito cansada. "Conversaremos de manhã", ele sussurra, quase docemente no meu ouvido quando me orienta para a cama. "No café da manhã." Comecei a chorar e ele me acalma com golpes na minha pele encardida, que deveria me dar repulsa. Mas não o faz. Quero fechar os olhos e fingir que isso não aconteceu. Eu quero fingir que ele está aqui para me salvar. "Estou com medo," Eu sufoco.


Ele puxa as cobertas sobre a cama e sobe comigo. Só agora que percebo que ele está vestindo jeans, mas sem camisa. Minha pele reage e um suor frio irrompe sobre mim. Estou apavorada, e ainda assim, quero que ele me conforte. Eu quero que ele me prometa que isso é tudo um sonho mau e vou acordar de manhã na minha própria cama. Ele arrasta as cobertas sobre nós e, pela primeira vez em dias, estou quente. Gabe é um monstro e ainda assim estou torcendo em seus braços para me aproximar—para ficar mais quente. Meu braço envolve em torno de sua cintura e eu enterro meu rosto em seu peito nu. "Shhh", ele murmura contra o meu cabelo e depois me beija. "Eu tenho você agora. Você é minha, Baylee. Toda minha. Descanse agora e me deixe cuidar de você. " Suas palavras são o suficiente para me acalmar e a exaustão rouba-me. Depois do inferno que já sofri ao longo dos últimos dias, este é o céu. O diabo é meu salvador.

Bacon. Meu estômago resmunga e eu acordo. Piscando os olhos lentamente, olho nas paredes de madeira que me cercam nesta sala escassa. Onde estou? Estou no inferno. Eu me lembro agora. O aroma celestial de café da manhã flutua pelo quarto, isso é suficiente para afastar as minhas preocupações e me concentrar em recuperar minha energia em primeiro lugar. Cada músculo do meu corpo grita em agonia. Eu não tenho certeza se vou mesmo ser capaz de andar. O pensamento é alarmante. Eu tenho que tentar. Talvez estejamos perto de pessoas. Se eu puder sair pela porta da frente e correr para a rua, poderia acenar para um carro. Alguém poderia me salvar.


"Eu te disse. Para cada passo que você tentar fugir, eu irei chicoteá-la. E você deu quatro passos antes de eu conseguir pegar você. Dói, Baylee? " E se for uma centena de passos para a estrada antes que ele me pegue? Eu tremo com a ideia dele me chicotear. Meu traseiro ainda está dolorido de ontem à noite. Quando vou mover a minha mão ao local para ver se ele rasgou a pele, pânico ameaça afogar-me. Eu estou amarrada. Eu estou amarrada. Merda, eu estou amarrada. Um puxão das minhas pernas indica que meus tornozelos estão amarrados a cada poste no final da cama. Meus pulsos estão amarrados juntos e descansam na minha barriga, sob o cobertor que foi puxado para o meu queixo. Tento sentar-me, mas não tenho forças. "Socorro!" Algo faz barulho na cozinha. Ouço sons normais que seria suposto para ouvir enquanto alguém prepara o café da manhã. E é isso que me assusta ainda mais. Gabe continua como se isso fosse normal, como se isso fosse bom. Não é absolutamente certo. "Socorro!" Passos pesados trovejam pelo corredor em direção a mim e lágrimas correm para fora do canto dos meus olhos. Estou com medo. Eu quero o meu pai. Quero Brandon. Quero alguém que possa me ajudar. "Bom dia querida." Se eu não estivesse amarrada, se estivesse aqui debaixo pelos meus próprios desejos, eu estaria extasiada com a visão. O diabo disfarçado como um anjo, ele assemelha-se a uma combinação de ambos, beleza e maldade. Seu cabelo escuro ainda está molhado como se ele estivesse recentemente tomado banho e ele está mais uma vez sem camisa. O homem, apesar de estar em seus quarenta anos, ainda malha e tem um físico impressionante. Seus ombros são largos e braços fortes, enquanto


seu torso afunila para baixo para uma cintura mais estreita. Jeans escuro pendura baixo nos quadris e os pelos escuro desaparece dentro deles. Se as coisas fossem diferentes, eu quase diria que ele é quente. Mas eu sou sua prisioneira, não sua amante. Assim, apesar de seu corpo ser quente, os olhos são frios. Olhos cor de café, estreitados para mim e seu queixo talhado, está se movendo de forma furiosa, lembrando-me do meu pai quando fica irritado. "Hora do café da manhã", ele resmunga e vem em minha direção. Ele está carregando um prato e tem uma garrafa de água debaixo do braço. Estou chateada e com medo, mas tudo o que posso pensar é derrubar a água em minha garganta seca. Ele se senta ao meu lado e eu me contorço longe dele. Minhas ligações não permitem muito espaço para manobra, pelo que o calor de seu corpo me envolve. "Por que você está fazendo isso? É por sexo? Você me quer para sexo?" Exijo com lágrimas nos meus olhos. Ele coloca o prato para baixo na mesa de cabeceira e abre a garrafa de água. Eu espero que ele desaperte a tampa, o que ele faz, e penso que ele vai colocar na minha boca, o que ele não faz. Em vez disso, ele leva para seus lábios cheios e toma um pequeno gole. "Mmm, fresca." Eu fungo e sufoco um soluço. Ele provavelmente quer que eu chore e implore. Bem, ele não merece isso. "Quer beber, Baylee?" Com um suspiro de frustração, mordo meus lábios rachados e aceno. "Por favor." Ele me pisca um sorriso satisfeito que agita meu estômago. "Boa menina." Estou com raiva e quero chutar a garrafa de suas mãos, mas não sou estúpida. Eu preciso ser um pouco complacente, se tenho alguma esperança de deixar este lugar. Ele empurra alguns travesseiros atrás de mim para me sustentar, o que faz o cobertor escorregar para o meu estômago, expondo meus seios para ele. O homem que


sempre escondeu seu desejo por mim, os olhos descaradamente olham meus seios antes de correr os olhos para mim. Fome. Eu não sou a única. O flash de luxúria desenfreada em seus olhos me diz que ele tem planos para mim, planos que ele provavelmente já queria executar por algum tempo. "Beba." Abro a boca e graciosamente aceito o líquido frio. Um pequeno gemido escapa-me quando bebo a água com ganância. "Isso é o suficiente, Baylee. Você vai vomitar se beber demais. Por que você não faz uma tentativa em comer alguma coisa?" Seu tom doce enjoa-me e eu olho para ele. "Estou com sede." "E você terá mais. Você só tem que ir devagar agora." Com um aceno convencido, empurro o meu olhar para o prato na mesa. Alguns ovos mexidos, um par de morangos fatiados e um pedaço de torrada sem manteiga. "Onde está o bacon?" Eu faço beicinho. Ele ri e eu me encolho. Eu odeio o som. Odeio seu riso. "Oh, baby, você não está recebendo o bacon por alguns dias. Um passo de cada vez aqui." "Você age como se já tivesse feito isso antes." Meu tom altivo tira o sorriso de seu rosto. Bom. "Várias vezes, na verdade. Mas nunca gostei muito." Ele pisca e eu faço uma careta. Várias vezes? O que aconteceu com o resto das garotas? "Você pode me soltar?" Seus lábios elaboram um sorriso de lobo que me assusta até meu íntimo. "Baylee, eu gostaria de desatar-lhe. E após o treinamento farei, contanto que você seja uma boa garota, não só


desamarrarei você, mas vou deixá-la tomar banho também. Você gostaria disso?" A decepção em suas palavras é espessa. "Eu não acredito em você." Ele dá de ombros e segura um pedaço de pão em meus lábios. "Não é como se você realmente tivesse uma escolha. Se eu fosse você, iria dar uma chance e ver o que acontece. Obedeça e você será recompensada, isto é a minha promessa a você ". Dou uma mordida e mastigo a torrada seca. Eu prefiro beber toda a garrafa de água, mas estou tentando me comportar. "Boa menina."

Minha barriga dói da comida e eu me contorço na cama. Ele se foi do quarto e me deixou aqui. Gostaria de saber se ele vai voltar e fazer cumprir sua promessa. Mas, com seu retorno será a formação que ele está se referindo. Eu não tenho certeza se estou pronta para isso. Pratos fazem barulhos na cozinha enquanto ele limpa e eu fico mais irritada. Os pratos podem esperar. Eu gostaria que ele voltasse e fizesse o que ele planeja, em seguida, deixe-me tomar banho. O que ele vai fazer? A conclusão mais óbvia seria a de que ele queria fazer sexo comigo. Audrey me disse que dói a primeira vez, mas não é muito ruim. Certamente posso lidar com ele dentro de mim. Eu estava preparada para deixar Brandon fazer amor comigo. Isso é algo que posso fazer, algo que tenho que fazer. "Você está pronta?" Sua voz profunda vinda da porta empurra minha atenção para ele. Ele está lá segurando uma grande bacia de água com um pano ao lado.


Concordo com a cabeça e tento não encolher para longe dele quando ele se senta ao meu lado. A tigela é colocada na mesa de cabeceira e eu me esforço para assistir todos os seus movimentos. "Você vai me machucar?" A oscilação na minha voz evidencia meu medo e eu me odeio por isso. "Por favor, não me machuque." Seu sorriso é suave, quase confortando. "Querida, não vou machucá-la hoje." Um pedaço de medo forma na minha garganta e eu tento desesperadamente engoli-lo. Eu não vou te machucar hoje. Mas amanhã? Ou o próximo dia? Meu coração começa a galopar com suas palavras. "Por favor, me diga por que você me sequestrou, Gabe." Ele franze a testa. "Eu vou te dizer qual é o plano. Que tal isso? Será que vai satisfazer a sua curiosidade? " "Sim." "Eu vou. Logo após o treinamento e seu banho. Prometo." Ele absorve o pano na água e, em seguida, torce-o antes de trazê-lo para o meu corpo sujo. O pano é quente e eu suspiro quando ele começa a banhar-me com o pano. Seu movimento é reverente, quase de natureza paternal, e a bile sobe na minha garganta. Eu não quero que ele me toque. Ou me limpe. Ou mesmo olhe para mim. Ele leva o seu tempo, lavando meus seios em primeiro lugar, depois limpa a minha face, pescoço, axilas, e estômago. Quando ele vai mais para baixo, eu tento arrastar as minhas pernas abertas de volta juntas, mas elas estão imobilizadas devido a corda. "Eu tenho que lavar aquele bastardo de sua boceta doce. Isto não era dele para tomar", ele murmura, um brilho zangado nos olhos. Ele empurra o cobertor até os joelhos e olha entre as minhas pernas. Em seguida, ele leva o pano para baixo e me limpa. Ao longo dos lábios de meu sexo, ele esfrega gentilmente, mas de uma


forma determinada. Não é sexual e não me deixa ligada. Na verdade, isso me repele. Eu quero que ele saia de lá. O pano é devolvido a bacia e ele lava e torce a água, uma vez mais. Desta vez, quando volta entre as minhas pernas, suspiro de horror. Ele está limpando minha bunda—o buraco para ser exata. "Pare", eu imploro. Mas ele não para. Ele cuidadosamente limpa meu corpo uma polegada de cada vez. Felizmente, ele retorna o pano de volta para a água e desaparece com a bacia. Um ar frio corre sobre a minha carne e arrepios faz erupção em toda a minha pele. Quando seus passos batem forte de volta para mim, eu fico tensa. "Pronta?", Ele questiona da porta. Lágrimas enchem meus olhos e ele fica borrado diante de mim. Eu rapidamente pisco para que eu possa vê-lo. Eu não o quero fora da minha vista. "Por favor, não ..." Ele franze a testa. "Seus apelos não serão ouvidos. Eu posso amordaça-la, se você preferir. Você decide. Mas se você se mantiver implorando vou ficar irritado. Você não me quer irritado, Baylee. Você quer me agradar. Confie em mim." Eu começo a chorar, mas não me atrevo a pronunciar uma palavra. Ele parece satisfeito e arrasta o cobertor o resto do caminho de mim, depositando-o no chão atrás dele. "Você é tão perfeita", ele murmura e corre um dedo na minha pele em direção a minha coxa. "Você tem muito a aprender, por isso temos logo a necessidade de começar. Duas semanas vão entrar e sair muito rapidamente." Duas semanas? E depois? Seu dedo trilha preguiçosamente até minha coxa e eu tremo quando ele o arrasta ao longo do meu sexo. Eu não posso fazer isso. "A maioria dos homens não gosta de pelos lá. Logo, vou recompensá-la com uma navalha e você pode limpar isso." Ele puxa os pelos em meu osso púbico e eu grito. "Shhh, lembre-se o que eu disse sobre implorar. Eu poderia amordaça-la com o pano


que limpei sua bunda. Você gostaria disso?" Balanço a cabeça com veemência. "Não." ‘Por favor, não’, está na ponta da minha língua, mas ele provavelmente me amordaçaria por isso. "Ok, então. Eu posso ver que isto vai bem." Seus olhos se tornam predadores quando ele arrasta seu dedo para baixo da minha fenda e empurra entre meus lábios, conectando com meu clitóris. Ele não se move, simplesmente olha para mim. "Será que Brandon sabe como te tocar, Baylee? Alguma vez ele lhe trouxe ao orgasmo?" "N-não." Sinto meu peito como se fosse rasgar e libertar meu coração explodindo a qualquer momento. "Isso é porque ele é um menino. Você nunca teve um homem com a minha experiência dando prazer a você." A oscilação do meu lábio inferior é o meu único sinal de fraqueza. É claro que ele vê e sorri. "Veja, eu poderia tirá-lo com apenas este dedo", ele me diz em tom presunçoso. "Tudo o que teria que fazer é pressionar e massagear em um círculo aqui." Quando ele diz ‗aqui‘, eu fico tonta quando as estrelas dançam em volta de mim. Apesar de sentir medo e traída, meu corpo reage a isso. Isso me constrange e um vermelho vergonhoso aquece minha pele. "Sua pele está me dizendo que você gosta disso e eu estou muito feliz. Eu quero provar a você minha experiência sobre a dele. Naquela noite, quando vim para você, eu podia ver o olhar entediado em seus olhos. Posso lhe assegurar, quando estiver entre as suas pernas, você só estará pensando em mim." Eu engulo e fecho os olhos. Talvez eu possa fingir que estou em outro lugar. Por um momento, fingir que é Brandon em vez disso, para que eu possa suportar o castigo que ele está prestes a desencadear. A cama chia e eu a ignoro, apertando os olhos mais forte. Eu posso fazer isso. Pense no cabelo castanho espetado.


Pense no sorriso doce de meu namorado do colegial. Pense em outra coisa além do— "Oh!" Eu grito e arranco meus olhos abertos contra a minha vontade. Gabe levanta uma sobrancelha presunçosa para mim quando sua língua grossa, corre entre meus lábios, arrastando prazer no seu caminho. Seus polegares cavam brutalmente em minhas coxas e eu gemo. Eu não quero vê-lo, mas estou enlaçada em seu olhar. Tão faminto. Tão primitivo. Muito mal. Uma mão sai da minha coxa e ele empurra um dedo no meu corpo. É desconfortável, mas não desagradável. E com a forma como ele está lambendo e chupando em todos os pontos que Brandon não conseguiu encontrar, apenas alguns dias atrás, estou começando a perder o meu domínio sobre a sanidade. É difícil estar chateada e com medo quando meu corpo está sendo sobrecarregado com tais sensações inimagináveis. Concentre-se, Baylee! Ele é um monstro! Minha respiração engata em minha garganta quando ele curva seu dedo dentro de mim. Ele está sondando partes de mim que nunca foi tocada antes. Assusta-me, mas meu corpo estúpido está balançando contra ele, me traindo. Mais uma vez. Seus dentes pressionam para baixo no meu clitóris e eu grito de medo. Mas ele não me machuca. É como se ele soubesse exatamente como se sente bem e logo minha luta começa a enfraquecer. Meus pensamentos estão desordenados. Tudo o que posso focar é a maneira como ele me saboreia. As lambidas, os ruídos vorazes que vêm com ele. Quanto seu hálito quente me agrada. E a maneira como seus dedos possuem dentro de mim. Meus pensamentos maçantes assumem com as sensações. Eu já não sou capaz de compreender qual a parte racional da


minha cabeça, porque tudo o que posso pensar é o modo como meu corpo ganhou vida. Um sentimento estranho toma conta dentro de mim, a consciência de que é tão básico e simplista como macho e fêmea, noite e dia, predador e presa. Sim, estou apavorada. Mas há também esta corrente de outra coisa. Algo maior. Luxúria? Talvez. Eu fantasiava sobre esse cara, sonhei com ele me tocando. Tenho fome de seus olhos na minha pele nua. Imaginei sua boca nos meus seios. E agora, aqui está ele, me tocando. E não é nada como eu tinha imaginado. É muito. No entanto, não é suficiente. Há mais, posso sentir isso. Outra chupada no meu clitóris me faz gritar de prazer. Isto parece excitá-lo, porque ele rosna contra o meu corpo molhado e eu estremeço em resposta. Meu corpo se estende quando ele insere outro dedo. Tão cheio com ele. Tão esmagada por ele. Até mesmo seu perfume viril tem prevalecido ao aroma de bacon de mais cedo e faz raízes em meus pulmões. Estou completamente à sua mercê. Fundida sob seu feitiço. Sua saliva e sucos de meu corpo estão correndo para a rachadura limpa da minha bunda e eu quero estar envergonhada. Eu quero contorcer-me longe dele. Mas, agora, eu não posso. Meu corpo é egoísta por esse momento, depois de tantos dias de horror. O prazer é tão viciante como a água que eu avidamente consumi. Eu preciso disso. Eu preciso disso para sobreviver. "Oh Deus," Eu mio. "Oh Deus." E então acontece. Uma chupada mais forte no meu clitóris e parece-me rasgar. Um gemido sobrenatural derrama de mim quando minhas terminações nervosas ganham vida. Eu posso senti-las todos de uma vez, em toda parte, e elas se apoderam de mim. Todas e cada


uma delas tomam conta de mim, me apertando em êxtase. Minha cabeça lateja em uníssono com o meu coração selvagem e eu quase desmaio com o desejo. É impressionante. Mas por alguma razão doente, meu corpo responde como se ele precisasse desse prazer para a nutrição, apesar dos pensamentos horrorizados e enojados correndo pela minha mente. Quando meu corpo estremece, ele começa a sair tão rapidamente quanto chegou. Sua língua ainda trabalha em mim, mas ele acalmou como se soubesse que meu orgasmo é passageiro e que não vai durar para sempre. Lágrimas escorrem dos meus olhos quando chego a uma realização nauseante. Ele vai me dar mais destes. E eu quero eles. Eu quero muito isso. Que tipo de pessoa isso faz de mim?


ELE SE senta de joelhos entre as minhas pernas e sorri. "Eu sabia que você ia adorar isso." Com os dedos ainda dentro de mim, me sinto como se sou sua cúmplice em um ato contra mim mesma. Por alguns momentos breves, entrei para o seu lado e lhe permiti levar a cabo uma agenda contra mim. "Eu odiei isso", eu minto. Não é verdade, embora. Estou em conflito e confusa. Uma guerra se trava dentro de mim entre mente e corpo. Seu rosto brilha com sucos que vieram de meu corpo e constrangimento mais uma vez atravessa sobre mim. "Não minta, querida. Eu te conheço há muito tempo e posso dizer quando você está gostando disso. Eu tenho muito mais para te mostrar. Alguns dos quais você vai adorar—outras coisas que você não vai admitir que ama. Mas enquanto você estiver comigo, vai sentir unicamente prazer. " "Você é um porco estuprador!" Eu estalo. Estou furiosa comigo mesma por sucumbir tão facilmente a ele. Ele olha para mim antes de lançar-se em cima de mim. Eu grito e me contorço, mas ele me esmaga com seu peso. Sua boca paira sobre a minha. Minha essência está toda sobre ele e eu quero vomitar. "Eu não estuprei você", ele rosna. "Quando eu levá-la, você vai implorar por isso. Você quer o meu pau grosso dentro de sua boceta apertada. Você me entende, querida?" Sua ereção pressiona através de seu jeans contra meu sexo ainda molhado.


"Eu nunca mais vou querer você", eu assobio e cuspo nele. Ele resmunga, faz questão de lamber o cuspe do rosto, e então começa brutalmente a se esfregar contra mim. No começo dói e eu começo a soluçar de novo, mas logo a construção começa a queimar na minha pélvis. "Você acha que não quer isso, mas você quer. Olhe para você. Mal pode suprimir a sua necessidade por isso." Impulso. Impulso. Impulso. Eu me contorço e me movo, mas ele só intensifica a sensação. "Eu poderia retirar meu pau e empurrá-lo dentro de você agora. É isso que você quer? Sentir-me profundamente dentro de você, baby?" Eu balancei minha cabeça, mas fecho os olhos quando ele abaixa a boca na minha. Seu beijo é possessivo e estou impotente contra ele. Pobre Brandon, me beija docemente e sua pele é macia. Gabe me beija com promessa. Promessa de me ter e possuir. Isso só serve para me enlouquecer e me deixar ainda mais em conflito. Meu corpo não deveria responder tão facilmente. Ele deve reconhecer o erro de suas ações e tomar o lado com a minha mente. Mas isso não acontece. Seus lábios chupam os meus. Sua língua grossa dança com a minha. A sombra de pelo escuro que está crescendo em seu rosto arranha minha pele de uma forma agradável. Eu estou indo ao orgasmo novamente. Eu posso sentir isso. Sua dureza esfrega entre os lábios da minha boceta e eu suspiro de prazer, agindo contra a tempestade furiosa na minha cabeça. Meu corpo quer isso. A maneira como ele mói contra mim é doloroso mas viciante, como a bemaventurança da heroína surgindo através de suas veias depois de uma dose. Na sua cabeça, você sabe que é errado. Você sabe que, eventualmente, isso vai te matar. E ainda... seu corpo anseia por isso de qualquer maneira. Contra todo o pensamento racional. Sou depravada.


"Pare", eu respiro. Ele aprofunda o beijo com gosto antes de se afastar. "Eu não vou foder com você agora, mas preciso te sentir." Sua mão desliza entre nós e ele se atrapalha em seus jeans. Logo, sua ereção desliza para cima sobre o meu clitóris e eu grito. "Oh Deus!" Um grunhido satisfeito lhe escapa antes de sua boca me levar novamente. Estou tonto e perdida nele. E a maneira como seu suave, e grande pau desliza contra mim é a sensação mais bem-aventurada no mundo. Eu estou molhada de desejo— atualmente desejo loucamente— que ele realmente empurre dentro de mim. Ele tem razão. Gabe não terá que me estuprar. Eu vou implorar por isso. Eu sou tão estúpida e— "Merda!" Eu amaldiçoo contra seus lábios. Desta vez, o meu orgasmo se apodera de mim por mais tempo. Eu vibro meus olhos fechados e vivo o momento. Eu tento o meu melhor para mantê-lo por mais tempo. E ainda, como antes, ele se foi dentro de segundos. Quando desci do meu momento, sinto surtos de calor úmido entre nós. Eu me assusto e meus olhos descem para atender aos seus queridos olhos semicerrados que já não parecem assustadores. Eu já satisfiz o diabo, subjuguei-o em um estado sonolento. "Isso foi tão foda de perfeita, Baylee", diz ele, seus dedos escovando meus lábios. "Eu sabia que você ia ser a garota certa para isso. Em breve, você vai pendurar em cada palavra minha. Você vai implorar para os orgasmos que deixam você louca. Seu mundo vai girar em torno de mim". Terror, uma emoção indescritível, começa fazer uma reaparição. Não porque tenho medo dele, mas porque acho que ele está certo. Ele conhece meu corpo melhor do que eu e ele já comprovou como pode usá-lo contra mim. "Eu quero o meu banho agora." O tom áspero da palavra desagradável em minha voz o choca, e eu não perco a breve flash de dor em seus olhos, antes que ele saia de cima de mim.


"Muito bem. Você merece um, depois disso." E você merece ir para o inferno.

O chuveiro foi o paraíso. Esfreguei seu esperma do meu estômago até que eu estava limpa e dolorida. Com o chuveiro quente eu tinha permissão para me lavar sozinha, eu fui capaz de encontrar clareza. Para encontrar o meu caminho de volta à realidade. Ele me sequestrou. Ele é um monstro. E eu vou fazer bem em me lembrar disso. Uma vez que desligo a água, espreito para fora do chuveiro para inspecionar a janela. Talvez eu pudesse sair e correr. Mas, então, meus olhos encontram os seus entediados e escuros e eu estremeço. "Pensando em fugir?" Seu olhar viaja até a janela. "Seria insensato de você." Eu engulo e arrebato a toalha. Me secando por trás da cortina do chuveiro, longe de seus olhos maliciosos, tento me recompor. Eu preciso ser esperta sobre isso. Uma vez que a toalha é presa em volta do meu corpo, puxo a cortina aberta. Ele está sorrindo agora e estou mais uma vez com medo. "Não." Ele franze a testa, mas não me questiona mais. "Vamos, quero lhe mostrar uma coisa." Eu saio do chuveiro e o sigo. Ele não me disse para deixar cair a toalha e então eu a seguro como se isso fosse proteger o meu corpo fraco de seu toque especialista. Nós fazemos o nosso caminho de volta para o quarto. A cama foi arrumada com novos lençóis limpos. Um cobertor dobrado no final.


"Sente-se", ele diz e aponta para a cama. Eu ando mais e desço para a cama macia. Ele caminha até um armário e puxa para fora uma caixa. Depois que ele coloca no chão, ele puxa através do que parece ser fotografias e tira algumas. Uma vez que ele termina, faz o seu caminho até mim e senta-se perto o suficiente para que nossas coxas se toquem. "Esta é Sandy." Eu abro a boca em horror. Uma mulher, provavelmente na casa dos vinte anos, olha de volta para a câmera, desprovida de emoção. Ela está nua e deitada sobre a cama como eu estive, não menos de uma hora atrás. Pânico ondula através de mim, mas não consigo desviar o olhar. Seu cabelo é escuro, um forte contraste com os meus longos cabelos loiros, e seus olhos são verdes, ao contrário dos meus azuis. Mas ela está suja, como se ela tivesse passado três dias em um buraco. Como eu. "Isso é doente, Gabe. Você está doente." Ele dá de ombros. "Sim, eu sei." A foto seguinte que ele me mostra, faz com que a minha respiração acelere. Sua boca está na sua ereção, olhos vazios olhando diretamente para ele. Dói ver essa foto. Ela se foi. Quem quer que ela tenha sido antes, se foi. É este o seu plano para mim? "O que aconteceu com ela?" Ele envolve um braço em volta de mim, e apesar do fato de que ele é um monstro, eu me inclino para o seu abraço reconfortante. "Ela pertence a outro homem agora, para ele fazer o que quiser com ela. Eu a vendi." O mundo congela com as suas palavras. Eu a vendi. Eu a vendi. Eu a vendi. "Eu-eu-eu não entendo." Ele ri e eu me contorço longe dele. Seus dedos beliscam meu bíceps enquanto ele me mantém contra seu corpo. "Claro que não, querida. Ao contrário dessas mulheres, você é inocente." "Você vai me vender?" Ele suspira e meu coração esmaga. "Sim, vou."


A realidade me bate forte, batendo o ar para fora de mim. Uma onda de náusea aperta a boca do estômago e empurra a bile na minha garganta. A ameaça de vomito é iminente. "M-M-Mas e mamãe e papai? Gabe, você não pode fazer isso comigo! " As fotos vibram no chão e ele agarra meu queixo em um aperto brutal. Ele arrasta o meu rosto para encontrar o dele. "Você não tem uma escolha nisso. Temos apenas duas semanas. Então, se você quiser estar preparada para esse mundo, preciso que você preste atenção à sua formação." "Não, eu não posso-" "Você iria valer mais por ser virgem e tudo. E acredite em mim, tenho pensado sobre isso. Mas sou ganancioso, e se alguém tiver de tirar isso de você, esse vai ser eu. Além disso, eu te amo demais para lhe enviar aos lobos sem armadura. Eu vou te ensinar, Baylee. Eu vou fazer coisas terríveis a você, para que quando esses monstros ter suas mãos gananciosas em você, você estará preparada. Quando eles te foderem e feri-la, você pode olhar para eles como Sandy fez. Com olhos sem emoção. Em toda a honestidade aqui, eu sou seu salvador. Você deveria me agradecer. " Raiva explode em mim. Sua forma de ver os fato me faz querer arrancar seus olhos fora. "Foda-se, Gabe!" Ele me empurra de volta na cama e me segura antes mesmo que eu possa sequer pensar em me mover. "Oh, obrigado, querida", ele rosna, "Eu certamente vou. Eu vou foder cada buraco em seu corpo até você sangrar. E então vou fazer você me implorar por mais. É isso que você quer?" Lágrimas rolam para o lado do meu rosto e eu balancei minha cabeça. "Bem, muito mal. Essa parte, tenho medo, isso deve ocorrer, porque se eu não fizer, eles vão. Você pode imaginar o que seria a sensação de ser estuprada na bunda por um bastardo gordo, quando você nem sequer nunca foi tocada lá antes? Ele te rasgaria. Você iria sangrar, baby. Vou ensinar-lhe a desfrutar sexualmente de todas as partes escuras e até mesmo sujas. Então, quando eles a levarem, você vai gostar. Seu


corpo vai responder e você vai sobreviver. " Suas palavras deslizam sobre mim como petróleo e eu engasgo. Eu não posso fazer isso. Imagens de homens terríveis me machucando e tocando e fodendo, é demais para suportar. Gabe está errado. Eu não vou sobreviver a isso. Eu não pertenço aqui. Eu pertenço a minha própria cama, me preocupando com questões mais simples, como a escola ou a saúde da minha mãe. Não nas garras de monstros, me perguntando se vou viver ou morrer. "Eu quero ir para casa." Minhas palavras são nada mais que um sussurro. Seus lábios elaboram um sorriso de lobo e seus olhos escurecem. "Você nunca vai voltar para lá, baby. Aceite o seu destino." Eu nunca vou aceitar isso. Nunca.

"Eu preciso amarrá-la desta vez?" A voz profunda me arrasta das minhas férias mental. Eu tinha deslizado em algum poço sem esperança de desespero, algo que lembra o buraco em sua cozinha, que agora parece estranhamente mais seguro do que esta cama. Eu não posso fazer isso. Eu prefiro morrer. "Por favor." "Por favor, o que? Amarrar você? Dar-lhe mais orgasmos?" Tremo só de suas palavras. "Me deixa ir." Sua risada áspera me assusta. "Você não vai a lugar nenhum. Você vai ficar comigo por duas semanas. Então, nós vamos para San Diego, onde vou vendê-la pelo maior lance. Quanto melhor você se comportar—quanto mais você me deixar te preparar—


maiores as chances de que você vai ser vendida para alguém rico. Talvez alguém que vá cuidar de você. Você vai ser... mantida. Acredite em mim quando digo que você não quer ser vendida para alguns desses alimentadores inferiores. Eles compram muito, o que significa que seus escravos não duram muito tempo. " Eu fico olhando fixamente para ele. Escravos. Esta é a minha vida agora. "Eles morrem, querida. Esses bastardos ferem e eventualmente os mata. Eu ficaria muito fodido de furioso se ferirem o que é meu." Seu tom é feroz e protetor, o que me confunde. "Porque você não pode manter-me então?" A minha pergunta é honesta. Se eu tiver que estar presa neste mundo, prefiro estar aqui com ele do que um estranho, que poderia ser muito mais pior do que Gabe. Ele levanta o olhar para encontrar os meus e encolhe os ombros. "Eu preciso do dinheiro", diz ele em um tom áspero, desdenhoso. "Pronta para mais?" Minha mente está dormente. Esta não é a realidade. Isto é um pesadelo. "Não me machuque, Gabe." Ele pisca um sorriso torto. "Baby, vou te machucar, mas você vai gostar." Um arrepio percorre minha espinha, mas encontro o seu olhar com desafio. "Bem. Vamos fazer isto. Treine-me para ser uma boneca de foder. " A careta em seu rosto é imediata e percebo que minhas palavras atingiram um nervo. Bom. Uma entendimento começa a correr através de mim. Ele não deve querer me vender. Ele é cada bocado de um bastardo ganancioso, ele confessou ser, e se pudesse, iria me manter. Eu preciso ter certeza de que isso aconteça. Talvez se eu significar algo para ele, algo mais do que dinheiro, ele iria mudar sua mente. Ele iria baixar a guarda para mim, e eu poderia tentar escapar. Ele puxa a toalha para longe de mim e começa a se despir. Meus olhos roçam sobre sua estrutura ondulada e eu congelo ao ver sua ereção. É enorme. Seus dois dedos pareciam uma invasão—aquela coisa vai parecer como se ele está me espetando. "Alguma vez você chupou o pau insignificante de Brandon?", Ele questiona, em tom zombeteiro.


Eu arrepio e balanço a cabeça. "Eu o aliviei com a minha mão. E ele... ele me tocou. Nós realmente não fizemos muito." "E por que vocês não fizeram?" Eu não entendo o significado por trás de sua pergunta. "Eu não sei. Talvez porque eu tenho dezessete," Eu zombo. Ele ri—o idiota ri de mim. "Corte essa porcaria, querida. Já estive em cada uma das suas festas de aniversário desde que mudei para a porta ao lado. Você vai fazer dezoito anos em um par de meses. No grande esquema das coisas, isso não importa. Eu quero saber por que você ainda não liberou sua boceta para o menino foder." "Porque ele não tentou." Minhas palavras honestas parecia como uma traição tanto para mim como para meu doce namorado. Ele rasteja na cama ao meu lado e seus dedos desenham círculos preguiçosos no meu estômago. "Mas você queria que ele tivesse tentado?" Eu solto um suspiro choroso irregular. "Sim." "Por quê?" "O que quer dizer com por quê?" Eu exijo. Ele sorri e da forma como suas sobrancelhas sobem, lembra-me do olhar que ele me deu quando estava entre as minhas pernas. Isso faz com que a minha pélvis doa e eu me odeio por isso. "Quero dizer, Baylee, por que você quer ele? Foi 'amor'? " "Sim." Eu engulo, mas evito o seu olhar, e viro para a janela onde o sol do meio-dia aparece. "E porque eu queria saber o que sentia." Sua mão desliza para cima do meu seio, ao longo da minha garganta, para onde ele firmemente agarra minha mandíbula e arrasta o meu olhar de volta para ele. "Você quer saber quantas vezes pensei em subir em sua janela e fodê-la em sua cama?" Seus olhos escuros estreitam para mim e suas pupilas se dilatam, como se ele estivesse saindo na simples memória de sua fantasia. Com um movimento de sua


língua, ele lambe os lábios e, em seguida rosna. "Todas as noites desde o último verão. Você me provocou nessas roupas apertadas que sempre usava. Eu não sou estúpido, baby. Eu vi o jeito que você me observava. Como você se curva e me dá uma espiada do seu doce traseiro. Como você salta em torno da casa em uma camisola apertada sem sutiã, com seus peitos em plena exibição. Você estava jogando jogos que você não sabia jogar" Eu olhei para ele de boca aberta. "Eu não pedi por isso!" "Não, mas você queria." "Assim não." Seu sorriso se estende amplamente e revela seus dentes perfeitamente brancos que tenho certeza que vai me fazer em pedaços um dia. "Mas você admite que me queria. Bem, menina, você tem a mim. E eu vou possuir cada parte sua até o nosso tempo juntos acabar. " Tão presunçoso. Tanta certeza. Meus instintos me dizem para obedecer, mas quero sacudi-lo e agitar o próprio fundamento onde seu mundo é construído distorcidamente. "Se você falar muito durante o sexo, estou supondo que vai ser um festival de total soneca," Eu o insulto com uma aspereza na minha voz. Ele pega a isca e agarra em mim. "Jogar esses jogos vai te machucar." "Então me machuque." Eu sorrio com satisfação para ele. Foda-se, idiota. Mas a minha confiança dissipa no momento em que ele me dá um tapa. Foi com a parte macia da sua palma, mas ainda assim arde. "Ai!" Ele ruge de tanto rir. "Se isso dói, então temos muito trabalho a fazer. Aqueles homens vão te devorar, baby. Eles vão rasgar sua carne e esmagar cada parte de você. Você tem que endurecer, se quiser sobreviver."


Sua boca desce a minha clavícula e ele começa a me beijar suavemente. Isso quase me lembra de como Brandon me beija. Gostaria de saber se ele está bem. Tenho certeza de que metade da Califórnia está procurando por mim neste momento. Papai deve ter rasgado toda a nossa vizinhança. E com Gabe sumido também, ele vai ser o principal suspeito. Eu vi o crime se mostrar nos olhos do meu pai. Não vai demorar muito para a polícia assumir que Gabe me levou e, em seguida procurarem sobre o seu passado. Eles vão procurar seus registros telefônicos, descobrir propriedades que possua ou rendas. E eles vão me encontrar. É só uma questão de tempo. Sua língua se lança sobre o meu mamilo levantado e ele endurece com seu toque. Então ele morde. A dor lancinante rasga através de mim, mas antes que eu possa afastá-lo, sua língua está de volta massageando. Meu coração está batendo acelerado e não posso decidir se é por medo ou desejo. Isso não pode estar acontecendo. Não para mim. Ele mais uma vez está fazendo todas as coisas que parecem me deixar impotente. Sua boca trilha pelo meu estômago e eu suspiro quando ele mergulha-a em meu umbigo. Minha respiração torna-se quebrada, pesada. Meus dedos anseiam afundar em seu cabelo. Ou afastá-lo fora. "Fique de quatro." Eu quero chorar, quero gritar, quero fazer qualquer coisa, menos o que ele exige de mim. Ele rola para longe de mim e volta para seu armário. "Agora, Baylee." Eu me esforço para fazer o que ele mandou e olho para a cabeceira. Eu tinha assistido alguns filmes na TV a cabo tarde da noite. Eles nunca mostravam nada, mas às vezes o homem leva a mulher por trás. Nos filmes, eles parecem se divertir. Eu tento me convencer de que posso fazer isso. A cama afunda atrás de mim e suas mãos quentes apertam minha bunda. "Sua bunda é fodida de bonita." Muito em breve eu percebo, isso é diferente de tudo que já vi na televisão tarde da noite. Algo frio e úmido arrasta em meu buraco enrugado. Eu instintivamente me afasto, lutando contra o


inevitável. Sacudindo a cabeça sobre o meu ombro, estou horrorizada ao vê-lo me provocando com alguma coisa de metal. "O que é isso?" Ele sorri e pisca. "É um plug anal. Não se preocupe, ele é pequeno. Vamos trabalhar até chegar a algo maior." Eu já estou lutando fora quando seus dedos escavam em meus quadris e ele me puxa de volta para ele. "Não se mexa, baby, ou isso vai doer." Ele começa empurrando o objeto gelado em mim. "Por favor, não." "Relaxe e deixe-me fazer ou vou forçá-la. Você entende? " Eu choramingo e aceno. Esta não é uma parte minha feita para ser vista. É uma parte de mim que eu nunca vi. Percebo que meu medo decorre em partes iguais de constrangimento ensurdecedor ao ser tocada em um lugar tão secreto, combinado com a dor envolvida em ser penetrada lá. Fechando os olhos, tento evocar imagens de Brandon. Mas tudo o que posso pensar é nele. Gabe. Seus olhos escuros, cheios de luxúria me devorando. Seu cabelo rebelde quando se forma um véu sobre aqueles olhos malignos. Seus lábios cheios e boca quente quando ele me traz prazer, tão rapidamente como ele jorra as palavras que me trazem dor. Eu empurro duramente e grito de dor com a intrusão, mas ele me segura firme. É uma reação instintiva apertar com autopreservação, mas isso só parece piorar a situação. Eventualmente, tento relaxar e ele desliza-o em meu buraco. É estranho e indesejado e não pertence lá. "Parece tão bonito na sua bunda. De agora em diante, você usa isto o tempo todo, até que precise cagar ou quando eu estiver pronto para transar com você aí". Eu tremo e me encolho na cama em derrota. Realmente não machuca agora, mas é desconfortável. "Sua mãe me disse que recentemente você tomou a dose de controle de natalidade. Isso está certo?"


Estou horrorizada com as palavras dele. "O que? Por que ela te disse isso?" "Vamos apenas dizer que expressei minha preocupação com a probabilidade de que Brandon estivesse transando com você. Eu estava tendo certeza de que ela sabia que a possibilidade de gravidez estava lá. Acontece que, ela já tinha tomado conta disso." Tecnicamente meu pai fez. Ele me levou até o médico do sexo feminino e fez com que eu fosse examinada. É claro que ele esperou fora da sala de exame, mas depois, ele informou o médico da minha decisão para tomar a injeção de anticoncepcional. Adolescentes são irresponsáveis e esquecem de tomar pílulas, ele lhes disse assim. Uma questão tão pessoal e agora Gabe trouxe-a tão insensivelmente. É humilhante. "Eu te odeio." Ele me rola sobre minhas costas e o plug me empurra a partir do interior. "E eu te amo, baby. Deixe-me te mostrar. Sua primeira vez deve ser perfeita." Eu começo a chorar novamente, mas sua boca encontra meu pescoço e logo ele está me beijando de forma tão erótica, o que ele parece fazer muito bem. Ele beija minhas lágrimas. Suavemente. Suas mãos percorrem meu corpo e eu nem sequer tento lutar com ele. Quando sua mão desliza, passando meu osso púbico e se conecta com o meu clitóris sensível, esfrego de contra ele. Devo ter apertado minha bunda porque uma sensação de palpitação estranha cresce dentro de mim. Não é desagradável, de qualquer forma. "Sua primeira vez vai doer, mas só um pouco. Então, você vai me querer de todos as maneiras, Baylee. Por mais que você queira comer e beber, você vai me querer dentro de sua pequena e bonita boceta ". Eu choramingo, enquanto ele aumenta a pressão entre as minhas pernas. Ele me atrai cada vez mais para a borda, com cada movimento. Eu o odeio. Eu absolutamente o odeio. Ainda… "Você me quer dentro de você? Você quer gozar em todo meu pau, enquanto eu estico sua boceta? " Suas palavras sujas só parecem fazer-me louca por isso.


Sim. "Não." "Não minta, querida." O prazer está tão perto. Eu quero ele, assim como ele disse que eu faria. Antes que eu possa me parar, imploro. "Por favor." "Por favor, o que?" "Eu ..." Eu paro, incapaz de encontrar as palavras. "Você quer o meu pau grosso dentro de você?", Diz ele. Suas palavras me afrontam. Uma nova sensação de vergonha passa por mim. "Sim." A ponta de sua ereção cutuca minha abertura e eu me contorço. Eu deveria querer afastá-lo e sair correndo. Mas não faço. Uma parte doente de mim está curiosa e ansiosa por isso. "Eu quero seus olhos nos meus quando eu levá-la. Tá me ouvindo, baby? " Concordo com a cabeça enquanto as lágrimas vazam. "OK." A boca dele se apodera da minha por um momento e seu beijo é voraz—por uma fração de segundo, ele me beija como um homem iria beijar o amor de sua vida. Sua língua circula suavemente em minha boca. Ele geme ainda que levemente, um som que nunca ouvi sair dele antes. Tudo me consome e isso me ajuda. Isso me ajuda a lidar com a realidade da situação. Eu posso fazer isso. "Olhe para mim." Meus olhos voam para os seus e eles piscam de excitação. Eu também não perco seus olhos me adorando todo o caminho enquanto ele me inspeciona. Essa será a sua fraqueza no final. Pelo menos espero que seja. "Eu vou fazer amor com você neste primeiro momento, ok?" Um soluço sufocado me escapa. "Obrigada." Ele pega seu pau e deixa-o estável. Nossos olhos ficam colados juntos, quando ele começa a pressionar para dentro. A


princípio é desconfortável, como quando ele colocou os dedos dentro de mim. Mas quanto mais ele pressiona em mim, mais doloroso se torna. Sem aviso, ele bate plenamente em mim. Dor quente explode dentro de mim e eu grito. Sua boca cobre a minha para me acalmar, mas estou perdendo minha mente. Ele é muito grande. Parece que estou sendo dividida. "Pare!" Ele não para e em vez disso impulsiona em mim uma e outra vez. Parece que ele está usando uma faca afiada no lugar de seu pau. Eu estou amaldiçoando sua própria existência quando sua mão desliza para trás entre nós. Ele continua sua batida implacável, mas agora os dedos estão no meu clitóris novamente. Alguns dias atrás, eu era uma adolescente virgem e normal, que estava obcecada sobre seu namorado e preocupada com entrar em uma boa faculdade. Agora… Agora sou uma coisa para este homem usar e abusar. Só que agora, em vez de sentir pena de mim mesmo, estou ofegando enquanto ele toca meu clitóris que é tão facilmente dominado. A maneira como isso me machucou no início, agora está embotando com a sensação de ardor de outro orgasmo deliciosamente me provocando. Isso leva-me a felicidade e a única coisa que existe é ele. Exatamente como ele prometeu. Estou confusa—tão doente como ele é. "Oh Deus!" Seu baixo grunhido gutural é o único precursor para o seu próprio orgasmo. Pouco depois, seu pau parece crescer incrivelmente maior quando ele jorra seu calor dentro de mim. O calor do que escoa para fora e faz arder meu sexo dolorido. "Eu te amo, Baylee. Diga isso de volta." Um soluço pega na minha garganta enquanto ele mergulha para me beijar. Com ele ainda dentro de mim, parece que temos de alguma forma nos tornado uma pessoa. Quando eu não sou nada


mais do que uma extensão dele agora. O pensamento me aterroriza. Eu não quero ser uma parte dele. Mas agora… Agora ele é uma parte de mim. "Eu também te amo, Gabe." A mentira na minha língua é apenas isso, uma mentira. Mas temor me toma enquanto me pergunto se isso vai um dia se tornar verdade.


ELA É mais do que perfeita. Ela é toda minha. Por agora. Eu não tive que roubar sua virgindade, ela me pediu para levá-la. E, oh, quão apertado ela estava. Eu sabia que ela ia valer a pena... vale a pena esperar. Era como se nós fôssemos feitos para ser um do outro. Ela teria sido apertada simplesmente por ser uma virgem, mas juntamente com o plug anal dentro dela, era como a porra de êxtase enrolada no meu pau. Eu não consigo parar de pensar na nossa primeira vez. Digo primeira vez, porque peguei ela uma e outra vez por uns dias agora. Cada vez ela fica mais corajosa. Diz coisas sujas que ainda soam inocentes vindo de seus lábios. Ela se agarra em mim e morde de volta. Isso é quente para caralho. E ela me ama. Isso complica as coisas, mas isso não muda o plano. O plano é vendê-la em menos de uma semana. Eu preciso do dinheiro. Mas uma vez que eu estiver bem, vou pegá-la de volta. Baylee pode ser um peão, mas eventualmente vou ter de volta o que pertence a mim. E ela me pertence. Nenhum fodido menino pode tê-la. Nunca tive uma mulher que está em conformidade com tanta facilidade aos meus comandos. Nunca tive uma mulher que gozou tão facilmente com meu toque.


Ela não é mais uma menina. Eu roubei essa inocência quando quebrei através dela pela primeira vez. Agora, ela é completamente mulher. Um gemido do outro quarto me assusta dos meus pensamentos. O brilho do meu laptop é a única coisa iluminando a sala de estar. Ela tem pesadelos e não me engano pensando que eles não são sobre mim. Em breve, ela vai passar por isso. Depois que tudo isso acabar, vou traze-la de volta aqui e reclamá-la como minha esposa. Ela vai ter meus filhos e a vida vai continuar seguindo adiante. Outro gemido. Eu li o e-mail novamente do WCT ou White Collar Trade com a informação de localização da negociação. O agente imobiliário de rico em San Diego permite ao WCT manter suas operações mensais sob o disfarce de uma convenção de negócios. É uma reunião black-tie e o tema deste mês é "Innocent Flower". Para Sandy e Brianna e Callie e os outros, isso teria sido ridículo. Essas mulheres não eram em nada inocentes. As coisas sujas que prometeram fazer, iria assustar Baylee. Mas minha doce menina, ela vai roubar o show. Eu posso ter roubado sua virgindade, mas a inocência ainda irradia de seus poros. Vou vesti-la em um vestido recatado, branco e por gardênias em seu cabelo sedoso. Pureza e doçura. Alegria. Amor secreto. Essa flor é perfeita e vai chamar os olhos dos homens mais ricos do lugar. A maioria dos idiotas vai escolher lírios ou margaridas mas minha Baylee é especial e única. Ela choraminga novamente e eu gemo. Rapidamente, coloco um fim na loja de flores on-line para que eu possa ter certeza de que vai ter o que preciso antes de fechar meu laptop e ir com ela. Em seu sono, ela conseguiu chutar as cobertas e seus seios empertigados apontam para cima em direção ao teto. Eu tenho sido gentil com ela até agora. A mordida ou hematomas ocasionais adornam sua carne pura, mas eu ainda não a machuquei como prometi.


Eu precisava que ela se sentisse confortável com o sexo pela primeira vez. E agora ela está confortável. Hoje cedo, seus olhos azuis selvagens encontraram com os meus e ardiam de curiosidade quando eu disse a ela para montar meu pau. Apesar de estar insegura, ela fez. Era uma visão fascinante quando ela atirou a cabeça para trás de prazer. Eu me apaixonei mais ainda por ela naquele momento. Mas agora, com a lua cobrindo sua carne pálida através da janela, eu imploro para prepará-la. Esses filhos da puta vão machucá-la. Não há nenhuma decência neles. Mas eu vou deixa-la pronta para a dor. E quando tudo acabar, vou trazê-la de volta para mim, para que eu posso beijar e afastar tudo isso. "Baby, acorde", eu sussurro, quando tiro minha roupa e caminho até ela. "É hora de treinar." Seus olhos se abrem e ela olha para mim como se eu fosse todo seu mundo. Ela provoca uma dor atípica no meu peito, mas eu a afasto. Eu quero voltar atrás porque estou prestes a destruir o pedestal que ela construiu para mim. "Tire o plug anal."


EU OLHO para ele em confusão. Ele nunca me deixa tirar quando preciso ir ao banheiro, ele o remove para mim. Eu fiquei acostumada com a maneira como isso se sente por dentro e estou quase preocupada em removê-lo por conta própria. "Eu tenho medo de fazer isso sozinha." Minha admissão parece excitá-lo. "Finja que você está cagando", ele zomba. Eu olho de boca aberta para ele. "O que? Por que você está sendo tão cruel?" Seus olhos assumem esse olhar aborrecido que me enfurece. Os últimos dias eu estupidamente me induzi a um estado irracional de segurança. Eu me permiti cair na sua armadilha e assumi que ele estava realmente se apaixonando por mim. O suficiente para que ele fosse esquecer toda a sua ideia de vender-me. "Eu não estou sendo cruel. Você tem mais treinamento. Tira isso agora ou vou jogá-la de volta no porão. " Eu estudo o rosto por um momento mais longo e percebo que ele não está brincando. Medo agarra meu coração, mas sento-me de joelhos e os afasto. "Boa menina. Empurre-o fora. Seu corpo vai saber o que fazer." Fechando os olhos, tento focar em relaxar e logo posso sentir que está quase fora. Assim que cai na cama, eu suspiro de alívio. Ele resmunga a sua aprovação. "Você tem três segundos para começar a correr, menina."


Eu junto minhas sobrancelhas em confusão. "O que? Mas você disse-" "Eu sei o que disse. Considere essa permissão. Vou contar até três e, em seguida, estou indo para você." Nós mantivemos o olhar um no outro por meio segundo a mais. "Corre!" Sua ordem latida me empurra para a vida e eu embaralho a partir da cama. "Um!" Eu estive fora do quarto, mas nunca fora da casa. Eu não tenho certeza de para onde ele quer que eu corra, mas faço um caminho mais curto para a porta da frente. "Dois!" Porcaria! Eu me atrapalho com a fechadura e empurro a porta aberta. Hoje à noite, o ar de fevereiro está além do congelamento e meu corpo quer voltar no momento em que um vento frio me engole. "Três!", Ele grita de dentro da casa. "Pronta ou não, aqui vou eu!" Meus pés fazem o caminho da varanda de madeira e eu corro. Os passos que facilmente dou, em seguida, cortando toda a grama. Tendo sido alimentada e hidratada ao longo dos últimos dias, minha força voltou. Eu não tenho muito tempo para olhar ao meu redor, mas noto que estamos completamente cercados por bosques como eu tinha imaginado. Eu vou para a parte mais espessa do bosque esperando que eu possa perdê-lo nas árvores. Uma garota normal da minha idade poderia temer encontrar com ursos e coiotes. Não eu, temo pelo que Gabe vai fazer quando me pegar. Quando. Nós dois sabemos que vai acontecer. Nem um nem o outro está vestido para isso, e correr nu pela floresta não faz sentido, mas aqui estamos nós. Não tendo corrido em quase uma semana, minhas dores no peito e minhas panturrilhas queimam com cada grande salto em direção às árvores. Eu posso correr pela grama com facilidade, mas sei que uma vez


que corra na floresta, meus pés vão me odiar. Por que ele está fazendo isso comigo? Eu tolamente me permiti ficar presa na forma como ele tinha possuído meu corpo. Eu me permiti ser possuída por ele. Nesses momentos meu corpo tinha sido feito de pele e ossos. Eu já não tinha esquecido que tinha uma consciência, a capacidade de pensar, distinguir o certo do errado. Não. Meu corpo tinha sido reduzido a um conjunto de necessidades. Ele queria o que queria e não se importava como conseguiu. Isso é o quão bom Gabe me fez sentir. Agora, estou preocupada com o inferno que há para pagar. Uma pancada atrás de mim que está rapidamente se aproximando, acende um fogo debaixo de mim. Eu não posso deixá-lo me pegar. Encontrando minha fúria interior, eu corro através da beira das árvores e ignoro a fisgada de uma vara, uma vez que apunhala meu calcanhar. Não pare! Eu desacelero um pouco, somente o suficiente para não quebrar o meu tornozelo, e tento me esquivar de uma árvore caída. "Sessenta e sete, sessenta e oito, sessenta e nove, setenta!" Por que ele está contando? A entendimento literalmente me segura a um impasse. Não. "Boa menina", ele rosna antes de me abordar. Algo pica minha barriga e eu grito de dor. "V-V-Você me disse para correr", eu gaguejo enquanto luto para recuperar o fôlego. Seu corpo nu pressiona contra o meu e ele mói contra mim. "Eu sei." A raiva explode de mim. "Isso não é justo! Por favor, não me chicoteie! Você me disse para correr! " "Eu também lhe disse para não implorar. Uma menina tão impertinente. Vamos conseguir seu castigo por me desobedecer e, em seguida, você pode escolher sua recompensa por me ouvir."


Ele sabia que eu ia falhar de qualquer maneira. Eu estava indo para receber a punição de uma forma ou de outra. "Eu te odeio!" Sua risada sombria ecoa através dos bosques seguidos pelo estalo de um galho. "Fique quieta e mantenha as mãos a sua frente. Quanto menos você se mover, menos vai doer." Ele se afasta e cava um joelho nas minhas costas, o que faz a vara debaixo de mim me machucar ainda mais. A pele está rasgada, mas não faz mal, não gosto do que ele está prestes a fazer para mim. Crack! Um uivo mais carnal do que qualquer coisa rasteja na parte mais grossa das árvores e me rasga. Antes que ele possa entregar o próximo golpe, eu arranho a sujeira sem sucesso em uma tentativa desesperada de fugir da dor lancinante que surge a partir de onde ele me chicoteou. Crack! O mundo gira quando o próximo golpe é entregue. Ardência propaga como fogo na carne da minha bunda e eu sou impotente para apagar a dor. Crack! Várias chicotadas intermináveis e implacáveis depois disso, começam a diluir-se em um rugido que queima de agonia lancinante. "Pare! Por favor!" Eu grito para a floresta. Não há nenhum movimento. Ele é muito forte e está em uma posição onde tem uma vantagem sobre mim, prendendome no lugar. O próximo golpe é implacável e minha pele se sente como ele se estivesse rasgando. "Socorro!" Eu nunca conheci a dor assim antes. Nunca sonhei que este nível de dor fosse possível. Minhas mãos coçam para chegar de volta e esfregar o ferrão longe, quase involuntariamente, mas luto para segurá-las no lugar. "Ninguém", ele resmunga, "pode ouvi-la." Crack! Crack! Crack! "Eu vou parar se você me implorar para isso."


Outro jogo. Ele quer que eu implore, mas ele me disse antes não devia implorar. Eu tento ir para outro lugar na minha mente. Lembro-me de mais cedo esta noite, quando ele colocou sua língua, não só para mim, mas dentro de mim. Era lisa e firme, o que me deixou louca. Eu amei. "Implore!" "Não!" Crack! Crack! Crack! Quantas já foram, dez? Vinte? "Sua bunda está sangrando. Implore-me para parar! " "Não!" Ele resmunga e me chicoteia mais forte, até que ele fica mais lento. Eu posso ter setenta chicotadas em meu caminho, mas espero e rezo para que ele não tenha a força para realizá-las. Espero que ele canse. Suporte a dor e lamba suas feridas depois, Baylee. Crack! Esta chicotada dói tanto que eu desmaio. Estou sendo sugada para dentro do alívio, escuro, e de bom grado caio nele. Uma pessoa confortante está parado em minha mente. Brandon. Brandon. Brandon. "Ei." Eu sorrio quando meu namorado me arrasta para a minha cama e acaricia minha bochecha com uma mão gelada. "Você está bem?" Balançando a cabeça, eu vibro meus olhos fechados e aceito um beijo suave. "Não é comigo que estou preocupada." Ele suspira e afasta uma mecha de cabelo dos meus olhos. "Eu sei, baby. Há algo que eu possa fazer?"


Deixo escapar uma risada sombria sem humor. "Claro, você pode encontrar um fígado para minha mãe?" "Você sabe que eu faria se pudesse." E é verdade. Se isso não o matasse, Brandon é o tipo de cara que iria oferecer seu próprio país, se isso significava que ele poderia salvar alguém. "Mamãe é o meu mundo. Se eu perder ela..." As palavras morreram em minha garganta e eu engasgo com um soluço. "Eu não posso lidar com isso." Seus lábios encontraram os meus novamente e eu levei o conforto neles. Ele correu sua língua para fora com gosto de chiclete de canela em minha boca e me beijou com promessa. Promessa de estar ao meu lado não importa o resultado. Promessa de me amar através dos tempos bons e os maus. Promessa de me segurar quando eu não poder segurar tudo junto. "Baylee ..." "Baylee!" Sou empurrada acordada—longe do meu porto seguro—e empurrada para o meu presente doloroso. Eu tento fazer o balanço das minhas lesões, mas existem muitas para contar. Minha mente implora para apagar novamente e voltar para uma memória reconfortante. "Foda-se", ele rosna, sua respiração ofegante, o único som que nos rodeia. "Eu não posso bater-lhe mais cinquenta vezes. Eu não quero mais te machucar, baby. Eu preciso estar dentro de você. " A dor dele pressionando em minhas costas se foi quando ele puxa minhas pernas. Por trás ele entra no meu sexo e gemi. "Como você pode está molhada? Você gostou." Sua acusação me enjoa. Eu não sei como poderia estar molhada, porque odiei o que ele fez por mim. "Eu-eu-eu estou com frio. Isso dd-dói." As lágrimas sobre minhas bochechas esfriaram e meu dentes batem ruidosamente. Não há nenhuma maneira que eu posso suportar mais punição dele. Meu corpo está sendo desligado e


eu rezo para o alívio escuro que me foi concedido apenas um momentos atrás. Ele puxa todo o caminho para fora e espero que ele bata de volta em mim como ele ocasionalmente faz. "Isso vai doer muito mais." Seu pau empurra contra minha bunda e eu choro em agonia. Com cada movimento que ele rompe o anel apertado de músculos, lágrimas escorrem pelo meu rosto. Ele é muito grande, muito maior do que o plug anal. Eu agarro a terra para tentar mais uma vez me arrastar para longe dele. "Se você quiser que eu te faça se sentir bem, então quero que você implore por isso. Convença-me que você quer que eu enfie até minhas bolas profundamente em seu pequeno rabo apertado." Eu estou chorando, mas desisto de tentar jogar o seu jogo insano melhor do que ele. Em um jogo onde só ele conhece as regras, sou impotente em encontrar uma estratégia para vencer. "P-P-Por favor, faça-me sentir bem. N-não me machuque." Em vez de ir lento, ele dirige profundamente em mim, quase me dividindo em dois. Fogo enfurece dentro de mim quando me pergunto como vou me ajustar ao seu tamanho. O meu domínio sobre a terra abaixo de mim enfraquece quando desisto de ir contra o seu embrutecimento. Eu não posso viver assim. Não posso tomar isso. Eu estou chorando mais do que nunca na minha vida. A dor é insuportável. E o medo de que mais poderia seguir a isso, é pior. "Prepare-se para gozar tão forte você vai perder sua maldita cabeça, querida." Eu luto contra ele, mas de alguma forma ele consegue trazer os dedos entre mim e a terra. Eu estou chorando em agonia quando seu toque encontra meu clitóris. "Gabe, por favor!" A dor, em primeiro lugar, ofusca suas tentativas de me dar prazer. Mas o bastardo logo me toca de um modo expert, que me faz desejar por ele. Qualquer coisa para afastar a latejante dor na


minha bunda. Eu me concentro na maneira como ele me massageia, tornando-se quase delirante com a necessidade de gozar. Meus apelos aterrorizados rapidamente se transformam em gemidos necessitados. Estou congelando, suja e ferida e ainda estou me contorcendo para o orgasmo desejado que ele parece nunca falhar em dar-me. Com cada turbilhão de seus dedos, ele me deixa mais perto do limite. "É isso baby", ele resmunga, "empurre a dor para longe. Se eu continuasse suave, você não estaria pronta para algum idiota mais tarde. Esta noite, eu sou o idiota. Encontre o prazer, linda. " Suas palavras, juntamente com seus dedos hábeis enviam-me batendo duro. "Ahh!" Eu grito quando o orgasmo mais intenso até agora esmaga através de mim. Com ele na minha bunda, encontro-me apertando ao redor dele com o meu clímax, mas ele me empurra diretamente em um outro tipo de prazer que ressoa em outra parte do meu corpo, onde ele me enche. Meu corpo se debate com a intensidade e não para. Os orgasmo clintoniano e vaginal internos são intensos, mas este parece devorar a minha alma com êxtase. Eu odeio isso, mas adoro isso. É muito, e ainda alegremente me completa. "Sim", ele geme e esvazia-se em mim. Eu deveria estar horrorizada com a sensação de ter seu esperma derramado no meu traseiro e por baixo das minhas coxas, mas não estou. Estou com frio e insensível e rapidamente descendo do êxtase que ele me deu. A dor começa a ressurgir e eu começo a chorar histericamente. Ele é gentil quando desliza para fora de mim e sou grata. Eu deveria odiá-lo, mas tudo o que posso fazer é agradecer-lhe para não me ferir ainda pior. "Vem aqui, meu amor. Vamos levá-la de volta para a casa antes de você congelar. " Ele toca o meu corpo sujo, estremecendo a partir do solo e me puxa contra ele. Eu choro em seu pescoço e me aconchego contra ele por calor. "Shhh, baby. Eu vou cuidar de você agora. " Eu quero gritar com ele por me machucar, mas tudo o que posso fazer é rezar para o calor e dormir. Em breve. A viagem de


volta para a casa é curta e no momento em que entramos de volta no lugar quente, estou em choque. Eu acho. "Pode ficar de pé?" Sua voz é doce e preocupada. Ele me derrete como manteiga. Eu me apego à sua natureza amorosa. "Eu acho que não. Não consigo parar de tremer e isso dói. " Ele suspira e beija minha testa antes de me colocar no vaso sanitário. A tampa fria acalma meu bumbum dolorido e eu tento controlar minhas lágrimas. Gabe parece maior que a vida neste pequeno banheiro. Ele é cada pedaço de um leão feroz e eu sou seu pequeno pássaro engaiolado que ele quer comer. Eu tremo com a comparação realista. A banheira começa a encher com água quente. Eu almejo entrar e mergulhar abaixo da superfície. Para me ocultar do animal feroz que me machucou na floresta como se fôssemos apenas isso: animais. "Oh, querida, você se machucou. Você está sangrando. " Minhas lágrimas pararam de cair e os meus olhos encontram os dele. Eu não posso falar, então só olho para ele. Suas sobrancelhas vincam, quase com raiva, quando ele se ajoelha diante de mim. "Baylee, não posso te perder agora. Você é forte e uma sobrevivente, lembra? Eu estava tão orgulhoso de você lá fora. Você aceitou sua punição como uma campeã" Eu não digo nada. Eu não recuo. Eu não franzo a testa. Eu só encaro. "Relaxe, querida. Vamos te dar um banho e depois vou cuidar dos seus cortes. Então eu vou prendê-la em nossa cama quente, ok? " Nosso cama quente. Parece o céu. Um pequeno gemido me escapa e meus olhos rasgam novamente.


"Lá está ela. Vamos bonita", diz ele enquanto me ajuda a ficar de pé. "Eu estou indo mimá-la." Eu quero que ele cuide de mim. Eu quero que ele acaricie meu cabelo até eu adormecer. Eu quero que ele me segure enquanto tenho terríveis pesadelos com ele. Enquanto ele é o monstro dentro e fora da realidade, ele também é o matador desses demônios. De alguma forma, ele me protege de si mesmo. Isso me confunde. Eu o odeio. Não, eu não odeio ele. Meus olhos seguem até o espelho e eu bocejo em estado de choque. O cabelo loiro que eu costumava passar horas arrumando antes da escola, agora está uma selvagem confusão. Olheiras caem abaixo dos meus olhos. Arranhões no meu pescoço e no peito da queda na floresta. O sangue escorre de meus lábios carnudos e eu faço uma careta. Eu pareço terrível. Meus olhos aumentam para os escuros olhos que parecem fazer um buraco através de mim. "Você é a coisa mais linda que já vi na minha vida, Baylee. Eu quero viver dentro de você, do seu corpo e sua mente. Você afeta alguma parte carnal de mim mesmo que nunca soube que existia. Com você", diz ele e acena a mão no ar, "isto é tudo diferente. Poderoso e significativo. Você é única. " Concordo com a cabeça e tento sorrir. Dói o corte no meu lábio, então eu me seguro. "Então fique comigo, Gabe. Por favor. Eu prometo que vou te fazer feliz." Seus lábios encontram o meu pescoço. "Você já me faz feliz. E embora possamos nos separar, vou ter você de volta no final. Eu prometo a você, baby." Ele me consome. Seu perfume. Seu toque. Suas palavras. Eu acredito em cada palavra que ele diz.


"Melhor agora, querida." O choque se esgotou e eu estou exausta. Eu poderia dormir por dias. "Obrigada." Ele sorri para mim, quando coloca o kit médico longe e sobe de volta para a cama comigo. "De nada. Você é uma boa menina." Como um cão pequeno e idiota, eu me inclino para ele. Ele arrasta o cobertor sobre nós e seus braços vem em volta de mim de uma forma possessiva. Seus dedos acariciam os meus cabelos e eu fecho meus olhos. Isto eu posso suportar. "Como é que o seu traseiro está?", Ele questiona. Eu deslizo os dedos pelo peito e suspiro. "Isso dói." "Dentro ou fora?" "Principalmente por fora." "O creme que coloquei vai ajudar." Nós permanecemos em silêncio, mas logo ele está dentro de mim novamente, desta vez em que não faz mal e eu sonho acordada. Volto a pensar em apenas algumas semanas atrás, quando as coisas na minha vida eram quase perfeitas. Fora minha mãe morrendo, eu não poderia ter pedido muito mais na vida. Enquanto Gabe faz sexo comigo, penso sobre ele. Brandon Thompson. Meu namorado. Meu amor. Fecho os olhos e me perco em uma memória. "O que você quer para o seu aniversário, Baylee?" Olhei para cima do meu livro de história e franzo a testa. "Eu não sei. Eu não preciso de qualquer coisa, realmente." Ele suspira. "Eu te daria mais joias, mas você não usa muito a pulseira que te dei no ano passado. É impossível comprar algo para você."


Inclinando-se sobre a mesa da cozinha, eu lhe dou um sorriso malicioso e sussurro. "Você poderia me comprar um vibrador". Seus olhos se arregalam e ele desviou seu olhar para onde sua mãe Belinda, picava uma cebola. Eu bati meus cílios de forma inocente. "O que?" O canto de sua boca se curva em um sorriso—o tipo que mostrava sua covinha bonitinha. Eu amo o seu sorriso. Seus olhos brilharam com parte de diversão e parte desejo. O ligeiro rosa nas suas bochechas traiu seu constrangimento. Mas apesar de sua timidez sobre a nossa sexualidade crescendo, eu o conhecia melhor. Quando ficamos sozinhos, ele me tocava como se eu fosse a coisa mais preciosa nesta terra. Eu me alegrava com suas carícias doces e orava que ele desse o passo final em breve. Nós dois estávamos prontos. De fato… Saí da minha cadeira e me sentei em seu colo. Nossos estudos foram esquecidos enquanto eu me aconcheguei contra ele. No verão passado ele realmente cresceu mais e eu amo tocar seus músculos recém-definidos. Ele era quente e isso é parte das muitas razões pelas quais eu queria, finalmente, fazer amor. Eu fantasiava sobre isso muitas vezes. Meus lábios encontraram seu ouvido e sussurrei em minha voz mais sexy. "Você poderia me dar seu presente mais cedo." Ele endurece debaixo de mim e sua respiração acelera. Eu amo deixa-lo excitado, não importa o que faço, mas especialmente quando toco nele ou falo sujo com ele. "Você é tão má, querida. Talvez eu devesse dar-lhe umas palmadas de aniversário mais cedo, ao invés," ele murmurou sua ameaça. "Oooh," Eu provoquei com uma risadinha. "Pervertido". Ele me fez cócegas e eu grito. "Ok, vocês dois. Achei que vocês tinham uma prova de história para estudar," Belinda nos repreende do outro lado da sala. Eu gemo e deslizo fora de seu colo. "Contanto que eu receba uma fatia grande de bolo de chocolate com cobertura de chocolate, e um enorme copo de leite, e um beijo do meu amor, então meu aniversário será completo." Ele piscou para mim. "Eu posso fazer isso, querida. Você é tão fácil de agradar."


"Se você soubesse," eu disse com um sorriso cúmplice. Nós dois sabíamos o que eu realmente queria para o meu aniversário. "Eu vou cuidar de você, Baylee," ele deixou cair sua voz mais baixa, "em breve". Uma dor necessitada na minha parte inferior se forma e eu esperava que ele cumprisse sua promessa, que nós dois sabíamos que não tinha nada a ver com bolo. "Eu te amo." Eu tremo e encontro os olhos cheios de luxúria de Gabe com um olhar triste. Não era para ser assim. Era suposto que Brandon e eu passássemos nossa primeira vez atrapalhada, juntos. Deveria ter sido estranho. Deveria ter levado algumas rodadas de prática para aprendermos a fazer direito. Deveria ter sido um ato feito com amor. E não foi. Gabe entrou e quebrou meu mundo perfeito. Ele arruinou o que tive com Brandon e roubou ele de mim. Eu nunca vou ter uma vida com meu namorado da escola, porque Gabe planeja vender-me como um objeto. Eu nunca vou escapar dele, mesmo porque, ele é um psicopata que continuará me pegando. Ele é o inimigo aqui e é fácil de se engolida na sua presença intensa. Mas eu não vou. Eu me recuso a deixar que esse louco tire a minha esperança e as minhas memórias. Eu vou encontrar uma maneira de escapar. Vou a polícia. Gabe não me terá no final. Até então, porém, eu tenho que fazê-lo acreditar. "Eu também te amo", eu minto e deixo as lágrimas amargas caírem, para que eu possa passá-las como lágrimas de adoração e amor eterno. "Você não tem ideia de quanto..." Eu vou fazer você pagar.


"ONDE VOCÊ quer isso? "Eu questiono em um tom baixo, entediado. Seus olhos se alargam com medo, mas ela rapidamente força o olhar para longe e encontra o meu olhar com indiferença. "Na minha salada." Faz alguns dias desde que tomei seu rabo pela primeira vez na floresta. Naquela noite tinha sido incrível. Sua boceta é apertada, mas sua bunda? Era quase impenetrável. Depois de tê-la ali, é difícil querer voltar para sua boceta. Agora que ela me levou lá muitas vezes, ela está ficando muito acostumada com isso, o que só vai ajudá-la após a venda. "Espertinha. Eu deveria chicoteá-la por seu comentário." Ela engole e deixa cair seu olhar para o cobertor. "Na minha boceta." Eu sorrio, amando o som dessa palavra em seus lábios, e chego até ela. "Às vezes os homens vão querer usá-lo juntos de uma vez. Como você se sente sobre isso?" Um ruído sufocado vem dela e seus olhos frenéticos encontrar os meus. "Eu estou assustada." Rápido como um relâmpago dou um tapa em seu rosto. Ela tem que aprender. Estes homens não vão ser bons para ela como eu sou. "Não, vire-se." Ela balança a cabeça com raiva e detém uma palma em sua bochecha avermelhada. "N-N-não! Eu não entendo como isso poderia- " "Curve-se sobre a cama. Eu vou te mostrar."


Agora soluçando, ela desliza para fora da cama com pressa e dobra-se em toda ela. "Por favor, Gabe. Eu estou assustada." Ignorando-a, pego o lubrificante e abro a tampa. "Não há nada a temer. Você vai gostar disso. Não é diferente do que quando eu te fodo com o plug anal inserido." Ela relaxa com as minhas palavras e eu sorrio. "Fique quieta, baby. Isto vai ser bom. " Um silvo agudo de ar vem dela quando começo a deslizar o pepino, agora lubrificado, em sua boceta apertada. Eu tinha comprado um mais grosso que poderia encontrar e o tinha congelado. Embora não fique congelado por muito tempo, ele vai certamente fazer o trabalho. "Está frio", ela lamenta. "Eu vou deixar você quente." Ela ainda está tentando se ajustar ao tamanho dele quando lubrifico o meu pau e começo a empurra-lo em seu outro buraco. Eu mal violei sua entrada enrugada quando ela começa agarrando o cobertor. "Pare! Isso dói. Por favor." Foda-se. Ela precisa aprender. Eu agarro seus quadris e conduzo em seu buraco tão duro quanto posso. O pepino aperta mais profundo dentro dela com o impulso. "Ahhhhhh!" O grito dela é de outro mundo e eu adoro isso. A dor que precede ao prazer. O amor misturado com ódio. O consentimento versus não-consentimento. Todas as linhas são borradas e eu mal posso conter meu orgasmo. Ela se sente muito bem para caralho. "P-por favor!"


Eu a empurro para baixo no colchão e bato nela uma e outra vez. Cores rodam com o preto quando alcanço meu mais incrível orgasmo até agora. Foi ela, sempre será ela. Vou toma-la de volta muito em breve e podemos passar o resto de nossas vidas nesta cama juntos. "Oh, foda-me:" Eu gemo e explodo dentro dela. Ela está chorando, e percebo que eu estava tão envolvido no prazer que esqueci de fazê-la gozar. Deslizando para fora dela, eu franzo a testa para ver que o pepino está encravado no fundo e não há muito para agarrar. Merda. "Dói, Gabe", ela soluça e os joelhos curvam. "Shhhh," Eu a acalmo e pego em meus braços. "Eu vou tirá-lo de você. Deitese de costas no colchão e relaxe. " Ela balança a cabeça de uma forma louca e faz o que eu disse. Eu gentilmente abro suas pernas e pode-se ver a ponta arredondada saindo dela. Algumas tentativas de puxá-lo são inúteis por causa de quanto escorregadio ele está e a forma como sua boceta apertada agarra em torno dele. Eu não posso obter uma boa aderência sobre ele para puxá-lo para fora. "Feche os olhos", eu instruo Lágrimas escorrem deles, mas ela os aperta fechados. Eu começo a massagear círculos em seu clitóris na esperança de que se ela gozar, seu corpo irá contrair naturalmente e enviar o pepino para fora. No início, ela parece horrorizada, mas logo seus quadris começam a se contorcer em necessidade. "Quando você gozar empurre para baixo e ele vai sair por conta própria." Ela balança a cabeça e se prepara agarrando suas coxas. É como se essa mulher estivesse tendo um bebê—a determinação em seu rosto é linda. "Oh!", Ela suspira quando seu corpo começa a tremer. Ela usa seu orgasmo para coloca-lo fora, e em pouco tempo, ele desliza mais longe. Uma vez que posso segurá-lo, eu o tiro o resto do caminho e o coloco na cama, abaixo dela. Por um momento, sua boceta está aberta, brilhando com lubrificante e


vermelha brilhante de ser esticada. Faz-me perguntar o que mais pode caber lá. Tal como o meu punho ou uma berinjela. Talvez algum grande dildo1 grosso e preto. O pensamento é inebriante, mas sei que isso tem que esperar. Eu não posso fazer a minha menina sangrar antes de vendê-la. Amanhã, ela precisa estar pronta para o que aqueles homens vão fazer com ela. "Vamos tomar banho, baby. Você tem um grande dia amanhã", eu digo a ela com um sorriso. Seus olhos piscam com um olhar furioso antes dela piscar e dar-me seus doces olhos de corça. "O que acontecerá amanhã?" "Amanhã você vai ser a bela do baile. Amanhã vou fazer um monte de dinheiro."

"Este lugar parece sofisticado", diz ela em confusão enquanto olha pela janela para a construção de arranha-céus no centro de San Diego. Eu desligo o carro e dou a ela um olhar presunçoso. "Eu não iria vendê-la para lixo, baby. Essas pessoas são todos bem-sucedidos homens ricos. Só o melhor para você." Ela pega a maçaneta, mas eu a impeço, agarrando-lhe o pulso. "Mais um pouco de treinamento antes da hora chegar." Hoje à noite ela está usando um vestido branco simples, esvoaçante, sem mangas e o comprimento chega logo abaixo de sua bunda, mostrando suas pernas longas sexy. Eu também comprei-lhe um par de sapatilhas brancas, porque ela pareceria mais como criança na natureza assim do que de saltos. Meu objetivo é

1


passa-la como a pequena flor mais pura e inocente em todo o evento. Ela precisa me trazer mais dinheiro. Eu preciso desse dinheiro. "Mas eu poderia ficar confusa e então, ninguém vai me querer." Sua voz é suave. Preocupada. Seus cílios escuros piscam inocentemente para mim. Seus lábios rosados cheios, com nada mais que um gloss brilhante sobre eles. Ela é tão fodida de bonita. Se eu não precisasse deste dinheiro, me viraria e a levaria para casa agora. Ela é minha. Mas por pouco tempo, ela não será. "Baby, ainda há uma coisa que você não sabe como fazer. Deixe-me ensiná-la e depois vamos para dentro. Prometo não estragar seu cabelo", eu digo quando toca a concha de sua orelha, onde uma gardênia perfumada está escondida em seu cabelo. "E você terá mais brilho labial logo depois." Deixando-a de lado, eu abro minha calça e puxo meu pau já duro. Eu estive esperando por isso por um longo tempo e com ela tão bem vestida, sei que será perfeito. "Chupa meu pau. Eu quero que você seja criativa. Prova-me. Explore a mim. Mas não me morda ou vou bater na porra do seu crânio," Eu assobio para fora a última parte antes de virar meu charme novamente. "Quando você me sentir tenso, quero que você beba tudo. Será salgado e haverá muito, mas não quero que você perca nada disso. Você vai estragar minhas roupas se você fracassar. Não estrague isso, Baylee." Seus olhos se enchem de lágrimas, mas ela balança a cabeça com determinação. A menina está com medo do que está por vir, mas ela é resistente. Ela não terá que lidar com isso por muito mais tempo e vou levá-la de volta. Então, todos os seus boquetes pertencerão a mim. Sua boceta me pertencerá. Seu doce rabo apertado me pertencerá. Só eu. Para sempre.


Ela desliza os lábios rechonchudos para baixo sobre a ponta do meu pau e eu gemo de prazer. Com traços incertos, ela puxa meu eixo, enquanto gentilmente prova dele. Sua língua gira em torno de sua cabeça e balança para cima e para baixo ligeiramente. Ela está jogando pelo seguro, mais somente o simples não vai dar. "Às vezes Baylee, você terá os homens que fazem isso," Eu rosno quando agarro seu cabelo rudemente e a empurro todo o caminho até meu pau. "Você vai ter que aprender a se adaptar. Como controlar o seu reflexo da mordaça. Para fazêlo gozar sem mostrar fraqueza." Sua saliva corre para baixo e encharca minhas bolas. Eu a seguro lá, curtindo cada polegada apertada de sua garganta quente, até que ela se aperta em torno de mim, seu reflexo da mordaça assume. Empurrando-a de volta para fora de mim, eu a solto. "Não pare," eu estalo. Ela tosse e funga, mas volta a me chupar. Desta vez, ela está um pouco mais entusiasmada e leva-me mais profundo para que eu não precise forçá-la. "Boa menina," Eu elogio e acaricio seus cabelos, "você está fazendo direito." Minhas bolas apertam e sei que vou gozar em breve. Com Baylee, sonhei com este momento durante muito tempo, não há nenhuma maneira que posso conter minha emoção. A coisa educada a fazer seria de avisá-la que estou prestes a gozar. Mas não estou aqui para ser educado. Estou aqui para treiná-la. "Foda-se", assobio quando meu clímax explode de mim. Ela engasga e as unhas cavam meu pau, mas ela não sai. Com pequenos goles, ela deixa tudo drenar para baixo em sua garganta e não deixa nada escapar. "Jesus fodido Cristo," Eu resmungo. "Você é realmente muito boa nisso." Ela puxa fora e levanta-se para olhar para mim. Seus olhos estão cheios de lágrimas e vermelhos, seu rímel está manchado, e seu cabelo desgrenhado. Seu lábios rechonchudos viraram vermelho e parecem crus. Eu daria qualquer coisa para arrastá-la para fora do carro e foder com ela sobre o capô agora. Ela de alguma forma parece ainda mais inocente do que quando eu tinha ela toda arrumada.


Lágrimas são naturais. Luta é natural. O medo é natural. Os concorrentes vão dar uma olhada em sua aparência e ver não só uma menina inocente, mas uma coisa pequena aterrorizada e com esperança que ainda vive em seus olhos. Eles irão ansiar para roubar essa esperança. Eles vão querer usála como eu fiz e ganhar o seu medo. Eles vão querer suas lágrimas apenas como eu faço. "Esta na hora de roubar o show, Baylee."


EU TREMO enquanto estamos de pé em uma longa fila que se forma do lado de fora, fazendo o seu caminho para as portas da frente. O edifício é impressionante, toda frente de vidro e luzes brilhantes, e meu medo diminui um pouco. Quando Gabe tinha dito que ele estava me vendendo, eu tinha imaginado algum porão sujo com um bando de homens repugnantes, charutos saindo de suas bocas, e barrigas pairando sobre o topo de suas calças. Mas até agora, todos os homens da fila estão vestidos elegantemente em ternos pretos com mulheres bonitas vestidas todas de branco, em seus lados. Embora, a maioria das mulheres pareça drogadas, estão ostentando hematomas, ou tem um brilho de medo em seus olhos, o que espelha o meu próprio. Isso não é nada como os filmes. E eu sou grata. Estes homens parecem razoáveis. Minhas chances de ficar com um homem de negócios normal e fazer uma fuga precipitada são altas, muito maior do que ser presa em uma cabana isolada com Gabe. "Você está linda", diz ele com um sorriso. Eu sorrio e pisco meus cílios para ele, mas seu esperma na minha barriga me faz quase engasgar com desgosto. Apenas aguardando o meu tempo até o momento certo. Meu sorriso aumenta mais quando imagino o dia em que meu pai descobrir que foi ele quem me sequestrou. Eu vou assistir com prazer quando ele bater em Gabe, antes que os policiais o levem para a prisão pelo resto de sua vida.


E então vou rastejar na cama entre meus pais—deixá-los acalmar meu coração cheio de cicatrizes. Então, Brandon vai me curar com sua boca doce e palavras gentis. Eu posso fazer isso. Basta jogar este jogo um pouco mais. Nós lentamente fazemos nosso caminho para frente até que Gabe está recitando seu nome e sua menina, "Gardênia Lee." Somos em seguida, levados a um hall de entrada com teto alto e pisos de mármore branco. É bonito e aberto. Meu estômago torce com emoção e preocupação. E se eu não conseguir alguém bom? E se eu não puder escapar? O olhar de Gabe encontra o meu e por trás do brilho possessivo há uma promessa. Eu vou voltar para você. O pensamento deveria me enjoar, mas é um bom plano B, no caso da pessoa que me comprar ser um outro psicopata. Como Gabe. "Abobrinha e queijo de cabra?" Um garçom, vestido muito bem em traje black-tie, oferece-nos uma bandeja de impressionante obra de arte comestível. Nós dois pegamos um e por um momento posso fingir que estou em um encontro com um homem rico que me ama. Eu quase torço o nariz para o ridículo dos meus pensamentos e a coisa vira em minha boca em seu lugar. Isso não é amor e não vou fingir por um segundo que é, de ambos os lados. Ele pode dizer que me ama, mas as pessoas não machucam quem ama. "O leiloeiro ficará em silêncio desta vez, nós temos um convidado muito especial esta noite. Ele é um doador para a ala de câncer pediátrico que minha esposa dirige e deseja participar, mas de forma anônima." Uma voz sai a partir de um alto-falante do palco. "Então, para hoje à noite, vou anunciar as mulheres no programa, e cada uma delas vai fazer uma caminhada em todo este palco. Se você estiver interessado, por favor, venha para a frente e coloque os seus lances por meio de um pedaço de papel na caixa-preta que tem o nome da mulher sobre ele. Todas as propostas serão classificadas e determinadas logo após a última dama desfilar. Vamos ser cavalheiros sobre isto. No entanto, por favor, sejam generosos em seus lances como alguns dos mais


concorrentes certamente será substancial. Não haverá oportunidades para guerras de apostas, como tivemos no passado. Boa sorte, senhores. " Viro-me para ver Gabe com uma careta. Sua mandíbula aperta em fúria. Por um momento, espero que ele vá desistir e me levar de volta para casa. Mas então me lembro da maneira como ele empurrou o pepino em meu corpo. As muitas vezes que ele me surpreendeu. Em mais de uma ocasião me fazendo sangrar. A humilhação que ele amava me entregar. O sexo anal doloroso uma e outra vez. Tudo sobre meu tempo com ele foi doente e pervertido. O ódio que queima como fogo por ele nunca será extinto. Nunca. "Numero Um, Daisy Love2." A minha atenção é atraída para o pódio onde o locutor chamou o primeiro nome. A multidão vibra quando uma mulher, provavelmente dezenove ou vinte anos, timidamente desfila no palco em seu vestido brilhante de noite, saltos altos, e um sorriso forçado. Seu cabelo escuro estava torcido em um coque e ela é bonita o suficiente para ser uma modelo em um desfile, em vez de um caminho para a escravidão. Vários homens se apressam para a primeira caixa e começam a rabiscar lances. Ela é linda e parece forte, apesar de nossa situação. É claro que todo homem gostaria de ter ela. Eu vejo com crescente ansiedade enquanto muitas mulheres atravessam o palco. Todos com alguma variação de nome de rosa, lírio, ou margarida. Elas estão todas murchas de alguma forma. Quebradas e abusadas, tudo escondido atrás de maquiagem e cabelo bonito. Quando eu sou chamada, recuo. "Numero Dezessete, Gardênia Lee." Gabe me dá um tapinha na parte inferior, sem muita força, e eu tropeço em direção ao palco. Todos os olhos estão em mim enquanto subo os degraus com as pernas bambas. Ansiedade ameaça atravessar o meu peito e os abobrinha com queijo torce em minha barriga.

Todos os nomes dado as garotas do leilão são uma variação de rosa, lírio, margarida que traduzido não faz sentido, optamos em deixar os nomes em inglês. 2


Aperto o trilho lateral para apoio e tento manter a minha agitação na baia. Eu posso fazer isso. Basta contar os passos, não mais do que vinte, é tudo o que é preciso para passar por isso. Não olhe para eles. Apenas vá. Um. Dois. Eu conto cada passo, lanço um olhar nervoso para a multidão, e continuo caminhando. Três. Quatro. Cinco. Seis. Sete. Oito. Nove. "Devagar, Gardênia Lee", o locutor diz com um sorriso de lobo. "Dê uma volta para mim. Você é muito linda. Eu gostaria de tê-la para mim." Meu olhos pulam dele para a multidão que cresce em torno da minha caixa— provavelmente quarenta homens a cercam colocando lá suas propostas. Bile sobe na minha garganta e eu giro rapidamente diante dele. Então, estou de volta a contar os meus passos para o outro lado. Dez. Onze. Doze. Treze. Quatorze. Quinze. Dezesseis. Dezessete. Eu olho por um momento para os meus pés. Apenas dezessete anos. Apenas dezessete passos, e não vinte. Eu franzo a testa e faço o meu caminho descendo as escadas. Minha mente gira com os ‗se‘. E se um homem abusivo me comprar? E se um homem me comprar para me matar? E se ele quiser fazer as coisas mais depravadas do que Gabe? E se Gabe está mentindo e ele nunca mais vai voltar? Neste momento, minha mente está conjurando previsões de pesadelo que faz Gabe parecer um garoto inocente em comparação. A verdade é que, nesta sala cheia de sorrisos, pessoas bem sucedidas, eu estou totalmente apavorada. Com as pernas trêmulas, desço os degraus do palco em busca de Gabe. Ele é o monstro em minha vida, mas ele é o que eu conheço—o que estou familiarizada. "Eu ofertei 1.2 milhões," uma voz divertida diz ao meu lado.


Eu empurro meu olhar sobre um homem que me faz lembrar Brandon. Seu cabelo escuro é cortado curto e espetado no topo. Ele tem um sorriso encantador. "Isso é um monte de dinheiro", eu digo rangendo. Ele pisca. "É isso. E você vai valer a pena." Eu mastigo meu lábio e lanço outro olhar para fora na direção de Gabe. Ele não está em parte alguma. O meu olhar cai de volta para o homem que parece inofensivo em seu belo terno e sorriso desarmante. "Obrigada", murmuro. Ele dá um passo em minha direção. "E tão educada. Você vai ser um ótimo complemento para as minhas meninas." "Você tem mais de uma?" "Eu venho aqui todos os meses e compro mais. É um vício." Eu engulo. "O que você faz com elas?" Seus olhos piscam com algo escuro e mal. Ele não é nada como Brandon. "Eu as machuco. Assim como vou te machucar", diz ele em tom de fato consumado. Ele pisca e sorri para mim como se suas palavras não fossem terríveis. "Sua pele clara é tão perfeita e intocada. Estou prestes a gozar só de pensar em todas as palavras desagradáveis que vou esculpir em sua pele. Você vai usar meu nome e outras palavras como boceta e prostituta em sua carne para o mundo ver." Eu tropeço para trás longe dele e fico de boca aberta com horror. "Você é um monstro!" Ele zomba. "Onde você pensa que está, sexy? Na porra de uma festa beneficente? " "Eu, mas, eu ..." "Você está no antro com alguns dos maiores monstros da Costa Oeste. Você não é nada mais que uma refeição comprada para ser devorada com ganância e nenhuma restrição. Alguns de nós tem relações sexuais. Outros estão em atos mais pervertidos. Eu sou um pervertido com um lado de sexo. Eles não vão reconhecer sua beleza preciosa na hora que eu terminar com você. E então, será tarde demais. Você vai


sangrar por todo o meu tapete persa e vou arrastar o seu traseiro fora para despejála no maldito oceano." Lágrimas escorrem pelo meu rosto e eu começo a fugir dele. Seu aperto forte em meu braço me segura antes que eu possa me mover. "Meu nome é Edgar Finn. Lembre-se disso, porque você vai levá-lo para o seu túmulo", ele ameaça. "Até logo, Gardênia Lee." Ele me libera e eu empurro a multidão para longe dele a uma velocidade vertiginosa. Eu preciso fazer a minha fuga agora. Não há nenhuma maneira que estou indo para casa com aquele lunático. Com minha pressa para me afastar dele, tento não fazer contato visual com os homens ao longo do caminho. Eles são todos iguais. Monstros como Gabe. Eu tinha sido uma idiota por acreditar no contrário. Não há um lado bom deste mundo. A única coisa que preciso me preocupar é encontrar o caminho para sair disso. Agora. "Aí está você, baby", a voz profunda de Gabe tanto me acalma como me chocalha, em uma mistura contraditória de emoções. "As propostas estão loucas!" Eu tremo, mas deixo que ele me puxe para um abraço quente. "P-Por favor, não deixe que aquele homem me compre. Eu não posso ir com ele. Ele disse que vai me matar! " Gabe se afasta e olha para mim. Ele está chateado, mas felizmente não comigo. "Quem diabos disse isso para você?" "Edgar Finn." Sua fúria se dissipa e ele sorri. "Que pena. Você já foi comprada. Vamos lá, vamos encontrar quem possui essa bonita pequena boceta agora." Eu tento empurrar de seu aperto para evitar que ele me arraste para o meu destino horrendo. "Não! Eu não posso ir com ele!" Eu grito e ignoro os olhos arregalados daqueles que testemunham meu colapso. Várias das mulheres para serem vendidas olham para mim com lágrimas nos olhos e simpatia escrita em seus rostos. O olhar impaciente de Gabe me avalia, como se eu fosse uma criança petulante causando uma cena no supermercado. Ele suspira


em frustração e dá um passo mais perto de mim, me agarrando pelo cotovelo em um aperto brutal. Sou arrancada para a frente e envolvida pelo calor da sua respiração irritada, me sufocando. "Pare com essa besteira, Baylee. Vamos. Essas pessoas não vão te salvar. Eu não vou te salvar. Venha de boa vontade ou vou te bater e arrastá-la comigo para todos aqui verem. O que você vai escolher, baby? " Eu soluço em derrota e deixo que ele me guie através da multidão de corpos. Está acontecendo. Logo, estarei nas garras do homem que me comprou por 1.2 milhões de dólares, para que ele possa esculpir em mim como ele esculpe uma abóbora. Gabe mentiu. Ele não vai me salvar. Eu já estarei morta. "Para onde estamos indo?" Eu exijo uma vez que nós fazemos o nosso caminho em um elevador. Gabe aperta o botão para a garagem de nível mais baixo e se vira para mim. "Seu comprador está esperando por você em seu carro." Meu coração queima à vida e eu começo a entrar em pânico. "Espere? Como eu já estou prestes a sair? Gabe, por favor, não deixe que me levem!" Ele franze a testa e se inclina. Eu choro mais alto quando ele beija meus lábios. "Baby, eu prometo, estarei de volta para você. Você é forte agora e está pronta. Você pode se aguentar lá até que eu volte para você. Então, será só nós." Suas palavras me acalma delinquentemente. Edgar foi cruel e sério sobre querer me machucar. Ele parece o tipo que nem mesmo quer esperar até sair do estacionamento. Eu estou paralisada de medo. Os ding do elevador toca e abre para a garagem. Vários carros esporte caros alinham a garagem e caminhamos para um veículo preto sem placa, parado entre duas fileiras de carros. Um homem sai do lado do motorista e caminha em direção a nós. Ele é bem mais velho—me fazendo lembrar do meu avô e usa uma expressão cansada. Gabe dá um tapinha na minha bunda e me empurra para os braços do homem mais velho.


"Sr. McPherson precisa que você", diz ele em um sussurro, como se ele não quisesse que Gabe ouvisse o nome de seu chefe, "use isso. " Sr. McPherson? Não era Sr. Finn? Meu coração quase sai pela boca e esperança me atinge. Mas quando meus olhos estreitam sobre o tecido preto que o Sr. Mais velho segura, isso me empurra para longe dele, eu começo a entrar em pânico sobre o novo monstro que vou pertencer. "O-O-O que é isso?" "É um respirador especialmente fabricado, uma máscara de pano se você preferir. Nada tóxico entra ou sai. Você vai se acostumar com isso", ele assegura-me com um pequeno sorriso. É então que vejo que ele tem um igual puxado para baixo, em torno de seu pescoço. Ao vê-lo com um, me fez estender a mão para o que é meu. O homem que estou a ponto de encontrar é doente? Ele é velho e frágil? Eu tento não ficar muito esperançosa sobre a minha fuga, mas essas ideias certamente poderiam ajudar na minha causa. "Como uma boa menina", Gabe elogia e discretamente agarra minha bunda. "Sempre fazendo o que foi mandada." Eu deslizo a máscara sobre o meu rosto e espero para o que acontece em seguida. "Os cinco milhões já foram creditados na conta que você nos deu", diz o homem. "Agradeço pelos seus serviços." Meus olhos se arregalam. Cinco milhões de dólares. Puta merda. Se Edgar estava disposto a pagar um pouco mais de um milhão por mim e tinha tais planos deformados para mim, só posso imaginar que tipo de intenções esse lunático tem. "Adeus, Baylee." A voz de Gabe me traz de volta ao meu redor. Ele balbucia que me ama e raiva explode de mim. Antes que


eu possa me parar, eu me afasto dele e, em seguida, caminho em direção ao senhor mais velho. Gabe amaldiçoa por trás de mim, mas não tenta me tocar. Seus passos estão bem atrás em meus calcanhares e isso me faz tremer. "Meu nome é Edison. Prazer em conhecê-la", diz ele sobre seu ombro, mas não faz qualquer movimento para apertar minha mão. É então eu noto as luvas pretas em suas mãos, provavelmente mais fácil para me estrangular. "Por favor, coloque essas luvas também." Ele me entrega um par menor e eu as pego dele. Uma vez que as coloquei, ele abre a porta para o carro. É escuro lá dentro e posso ver o joelho de um homem sentado nas sombras do lado oposto do banco. Espero cheiro de charutos ou de bebidas, sexo ou sangue, mas em vez disso encontro um aroma limpo, esterilizado, com uma reminiscência de água sanitária. Terror ameaça me sufocar e me viro, preparada para correr. Longe deste inferno. Longe de monstros como Gabe, Edgar, e o Sr. McPherson. Longe da dor e da morte iminente. Mas o peito largo de Gabe me para e ele ri, um escuro som malévolo. Com um floreio da mão—uma grande mão que me trouxe a inúmeros orgasmos—ele gesticula para eu entrar na limusine. "Isto é War3, baby."

WAR significa guerra, logo a tradução correta é: Isto é guerra, baby. Mas também é o nome do protagonista (Warren), por isso ficou em inglês. Essa palavra/nome ficou com duplo sentido, então se traduzir perde. 3


War


"DEIXE OS sapatos fora do carro," eu grito. Do meu ângulo, tudo o que posso ver são as pernas longas pálidas e sedosas. Ela é uma visão. A visão que eu paguei cinco milhões de dólares. "Por favor, entre e sente-se. Posso te assegurar que não mordo." O desgosto na minha voz não pode ser escondido. Eu suprimo um tremor com o pensamento de ter sangue de outra pessoa dentro da minha boca. Flash de imagens passam em minha mente, eu rasgando seu pescoço com meus dentes—o sangue dela pulverizando todo o meu rosto e terno caro. Se fosse para entrar em meus olhos, isso seria a porra absoluta de pior para acontecer. Não há água suficiente no mundo para lavar os olhos disso. Eu estaria acabado, logo Edison me levaria para um cirurgião e teria os removido. Tirar os olhos arruinados direto do meu crânio. Mas esses bastardos não poderia ter tomado as devidas precauções. Os noticiários informam toda hora sobre a negligência com os instrumentos cirúrgico, não sendo esterilizados e, assim, infligindo pacientes com o caralho de doenças terríveis e infecções. E então, isso realmente seria hora de colocar uma bala no meu crânio de uma vez por todas. Mas onde eu faria isso? No hall de entrada? Não há nada que o sangue poderia arruinar lá. Certamente, Edison poderia limpar tudo.


E se ele perdesse um ponto? Será que meu sangue se expandiria e apodreceria em algo mortal? Será que meu pai se infectaria quando viesse para pegar minhas coisas? A própria imagem de meu pai e seus assistentes vasculhando meus pertences me teve puxando os freios em todo o plano de me auto prejudicar. Eles moveriam meus arquivos. Eles iriam manchar meu tapete. Esses filhos da puta iriam usar meu banheiro. Estou quase com raiva quando a jovem entra no carro. Sua presença me arrasta da minha angústia mental, e não consigo me segurar além de me embasbacar com ela. "Conheça o seu novo mestre," o homem diz a ela. Ela sacode a cabeça e vira os seus olhos para ele. Apesar de seu sorriso satisfeito, eu não perco o pesar em seus olhos. Ele devora-a com o olhar por um breve momento antes de recompor sua expressão facial. Mas estava lá, escondendose logo abaixo da superfície. Este homem a ama. Incrivelmente assim. Obsessivamente. Eu deveria saber. Mas ele nunca vai tocá-la novamente. Assim que eu tiver ela do jeito que quero, ela nunca vai sair. Edison fecha a porta do carro e dirijo-me a considerar a pequena coisa que comprei. Seus grandes olhos azuis encontram os meus bravamente, quase com curiosidade, e eu a vejo. "Cinto de segurança, por favor," Eu instruí em voz baixa, rouca, logo que o carro começa a se mover. Suas sobrancelhas se juntam em confusão, mas obedientemente o faz. Em seguida, ela dobra as mãos no colo. Eu gosto que ela não está tocando tudo, especialmente eu. Seus olhos

ela


permanecem nos meus. Por um breve segundo eu gostaria de ver sua boca, a mesma boca que me fez comprá-la quando a vi pelo vídeo. Será que ela teve essa boca naquele homem? E se ela comeu algo cru e sua boca se arrasta com algo que poderia me fazer mal? Essa boca vai ter que esperar. "Qual o seu nome?" Seu nariz fica rosa e ela funga. "Baylee." Eu a vejo piscar um, dois, três, quatro, cinco, seis vezes seguidas antes de falar novamente. Sua respiração ainda é irregular. Eu gosto da qualidade musical que eles fazem. "Eu gosto desse nome." Seu corpo relaxa com as minhas palavras e meu peito aperta. Eu gosto disso também. "Obrigada, Sr. McPherson." Sua voz oscila com medo e eu endireito as minhas costas para parecer mais ameaçador. Eu preciso estabelecer que estou no comando aqui. "Me chame de War." Ela balança a cabeça. "War, você vai me machucar?", Ela pergunta, indo direto ao ponto. Ela é valente. Já admiro isso sobre ela. Seus olhos azul-claro4 brilham com lágrimas não derramadas, mas ela levanta o queixo para mostrar força. Isso me fascina. Eu estudo seu cabelo desgrenhado e a gardênia que pende a partir dele e minhas narinas se alargam com nojo. Minhas mãos começam a tremer. O homem deveria ter escovado seus cabelos. Ele deveria ter puxado todos os fios em um coque de modo que não ficasse selvagem e incontrolável. Eu li sobre como a cabeça humana perdi cerca de trinta a cinquenta fios por dia, até mesmo cem em raras ocasiões. Uma mulher com o cabelo despenteado, como ela, provavelmente

4


está espalhando fios por todo este veículo. Faço uma nota para mandar Edison passar o aspirador assim que chegarmos em casa. Quantos cabelos ela perderia entre agora e a minha propriedade à beira-mar? Eu começo a calcular a sua perda de cabelo. Se ela perde uma média de quarenta fios por dia, então isso significa que ela vai perder um 1.67 fios por hora. Minha propriedade fica a pouco mais de uma hora, o que significa que ela poderia perder 2.9 fios. Mas, se ela perder mais ao longo da extremidade superior do que o perigo de cinquenta fios por dia, isso significaria que ela perderia— "War?" Meus cálculos chiaram no ar e eu pisquei para ela. "O que?" "Você vai me machucar?" Suas mãos tremem, mas quando meu olhar cai para elas, ela as obriga a parar. Eu franzo a testa. "Espero que não." A saudável mistura de medo e esperança brilha em seus olhos e meu estômago vira. Eu sinto pena da pobre mulher. Aqui está ela pensando que teve algum cavalheiro que a salvou de um mundo sujo do mal. Ela provavelmente acha que eu posso salvá-la disso—reza mesmo por isso. O problema é que não posso nem me salvar. Todos os dias, isso me enlouquece. Ao ponto de contemplar acabar com minha própria vida. Os germes estão em toda parte. A chance de coisas acontecendo de errado para mim a cada segundo de cada dia. Imagens de infinitas possibilidades de minha morte, pensamentos torturantes de infecção infiltrando minha vida em cada turno, e dolorosas ideias, terrível de como os outros podem morrer inadvertidamente, as minhas mãos voam por minha mente continuamente em um sangrento circulo, nojento. A solidão ameaça devorar a minha alma com suas chamas cruéis e deixar a minha vida cinzenta ficar para trás. Comprei-lhe na esperança de que ela iria me salvar. "Baylee", eu digo, em tom áspero, "meu mundo não é aquele que você está acostumada. Meu mundo é horrível—uma ameaça a


minha vida a cada segundo. Está vazio, detestável e desprovido de qualquer coisa alegre. Você está prestes a entrar nesse mundo, cheio de medo, ódio, escuridão e desgosto." Ela estreita os olhos cheios de lágrimas para mim. "Vou ouvi-lo. Eu prometo. Só por favor, não me machuque. Aquele outro homem, Edgar Finn, ele disse... ele ..." Ela funga. "Ele queria me matar." Eu suspiro e balanço a cabeça, forçando os pensamentos de sua morte sangrenta fora da minha cabeça antes que eu comece uma obsessão sobre isso também. "Eu não vou te machucar", eu prometo. "Escute, nunca tentei isso antes. Se não der certo, isso é tudo para mim. Eu estou no final da minha corda. Você segura todas as cartas agora." E ela faz. Todos as cinquenta e duas delas. Toda a escuridão dos paus e espadas. Todo o sangue dos corações e diamantes. Todos os escárnios dos palhaços maus. Ela é para ser meu alívio da escuridão que avança e recua, dentro de mim, sempre ameaçando me engolir. Ela olha para mim com um olhar nublado, os olhos indo distante—uma mistura de alívio, determinação e um ligeiro medo persistente. "Você não pode nunca sair, Baylee," eu digo através de uma rajada de ar exalado. Sua desconfiança por mim floresce novamente e seus olhos se arregalam. "Olha, me desculpe, mas preciso de você para minha própria sobrevivência. Prometa-me que você não vai tentar escapar, e juro que nunca vou prejudicar intencionalmente um fio de seu cabelo, fora dos cento e cinquenta mil que existem em sua cabeça. Bem, além dos mortos que continuam caindo de sua cabeça a uma taxa de 2.9 fios por hora. Eles estão mortos de qualquer maneira, por isso não importa. Edison irá removê-los do carro depois. Não é sua culpa. Seu corpo simplesmente os lança. E—"


"Eu prometo", ela interrompe com uma respiração sufocada. Preocupação brilha em seus olhos me lembrando de minha mãe quando eu era apenas um garoto e isso me dá um soco no estômago. "Obrigado." Edison vibra a partir da frente e sua voz vem no alto-falante. "Warren, parece que nós estamos encontrando um acidente na via expressa. O sinal digital diz que atrasos podem acontecer de umas duas horas. Eu sinto muito." Duas horas. Tudo o que posso pensar é no cabelo dela. Caindo e caindo e caindo. Duas horas adicionadas significa 5.43 fios no mínimo. Um rastreamento familiar começa a agitar minha carne quando o Town Car5 desenha a um impasse. Isso não pode estar acontecendo. Isso não pode estar acontecendo. "Você está bem?", Ela sussurra, os olhos azuis brilhantes me devoram. É claro que ela está curiosa sobre mim. Ela não vai encontrar respostas. Eu deveria saber, estive procurando por elas por mais de uma década. Eu pisco um, dois, três, quatro vezes antes de responder. "Não, realmente não." Ela inclina a cabeça para o lado e espreita para fora da janela. Uma careta traça sobre suas feições antes que ela puxa as sobrancelhas para cima. Aqueles olhos parecem dançar com um sorriso e eu sou atraído para eles. Bem, como desenhado para alguém como eu pode ser para alguém como ela. "Esses noticiários sempre dramatizam tudo. Não há muitos carros. Aposto que vai ser em bem menos tempo", ela me diz, num tom ainda assegurando instável. Os cantos dos olhos enrugam com o que espero seja um sorriso. "Você pode me dizer qualquer coisa sobre si mesmo? Estou realmente surpresa e sei que você disse que não vai me machucar, mas ainda estou com medo. Você não é um assassino em série, ou qualquer outra coisa, não é? "

5

Lincon Town Car é um sedan de luxo da Lincon.


As chamas coçam em toda a minha carne e eu imploro para arrancar o meu paletó fora e me afastar dele. Mas com ela no carro, sem ter sido descontaminada— há uma chance de alguma partícula ou germe em seu poder voar em cima de mim. O parasita iria enterrar o seu caminho para a minha carne e chocar ovos debaixo da minha pele. E se entrar na minha corrente sanguínea? Caos fodido iria acontecer, isso é o que é! "War?", Sussurra. "Diga-me quantos anos você tem ou onde vive. O que você faz para ganhar a vida que lhe permite pagar cinco milhões de dólares por uma garota?", Pergunta ela, embora seu olhar está fixo no meu antebraço que estou nervoso para coçar. Eu empurro meus dedos longe e fico de boca aberta para ela. Seu brilho dos olhos azuis acalmam meu espírito quebrado e eu puxo uma respiração profunda. "Tenho vinte e oito anos. Meu pai é dono de um conglomerado multinacional chamado MPE ou McPherson Enterprises. É uma empresa de tecnologia. Eu acho que você poderia dizer que sou o cérebro de sua operação. Ele nos garante ganhar dinheiro. Não há muito nisso." Ela balança a cabeça, mas as sobrancelhas estão franzidas com perguntas não ditas. "Parece que há muito, se você operar em todo o mundo. O que você gosta de fazer por diversão? Ou eu fui vendida para um psicopata cuja ideia de um bom tempo é devorando garotas?" Diversão. Diversão. Diversão. Eu pisco para ela três vezes mais do que a palavra salta ao redor em minha cabeça. Como uma criança, antes do meu mundo desabar sobre mim, eu costumava me divertir. Eu jogava jogos de vídeo e andava de bicicleta. Quando era um adolescente eu surfava e ia ao cinema. Um tremor ondula através de mim quando me lembro quantas vezes eu tinha caído e esfolado os joelhos, quando andava de bicicleta ou quanta água do oceano eu ingeria enquanto surfava. Felizmente isso foi antes. "Não seja tola, eu não ataco ninguém." Ela deixa escapar uma pequena risada e o som melódico vibra em torno de meu coração, agarrando-o ao ponto de dor. Como


um som pode ser tão decadente? Eu quero que ela faça novamente. De novo e de novo. Para colocá-lo em um loop e arrastá-lo para fora pela eternidade. Isso me distrai da minha escura chama para a luz. "Eu corro por diversão." Seus olhos azuis escurecem e seu olhar cai em seu colo por um momento. "Bem, eu costumava correr." Meu estômago se torce. O desânimo em sua voz me dá náuseas. Eu prefiro quando ela ri ou quando suas palavras carregam essa leveza em seu tom. Minha vida é deprimente o suficiente sem a minha contaminando os outros ao meu redor. Em um esforço para trazê-la de volta para um lugar melhor, eu deixo escapar minhas palavras. "Eu gosto de jogar xadrez." Ela levanta o queixo e seus olhos brilham mais uma vez com curiosidade. "Isso é como o jogo de damas?" Eu zombo. "Dificilmente. Xadrez é jogado sobre um tabuleiro quadrado, composto por sessenta e quatro quadrados menores, com oito quadrados em cada lado. Cada jogador começa com dezesseis peças: oito peões, dois cavalos, dois bispos, duas torres, uma rainha e um rei. O objetivo do jogo é cada jogador tentar dar xeque-mate ao rei do adversário. Xeque-mate é uma ameaça para o rei, visto que nenhum movimento pode parar. Ele termina o jogo." "Parece técnico. Você vai me ensinar?" A visão de seu dedos em minhas peças de marfim quase me envia em um ataque de pânico. Mas o pensamento dela no meu ambiente comigo, compartilhando o espaço, falando comigo, rindo na minha presença é suficiente para acalmar a fúria da tempestade travando na minha cabeça. "Se você prometer lavar as mãos e ser gentil com as minhas peças. Meu pai fez um set sob medida para mim. Foi criado por um homem indonésio que os esculpe a mão no marfim. Meu pai enviou-lhe instruções cuidadosas e o homem aderiu às regras. Elas são perfeitas e puras. " Ela pisca uma, duas, três vezes antes de falar. "Entendo. Soa maravilhoso." Eu sorrio.


Porra, eu sorrio. Meu coração começa a bater no meu peito. "Oh, olhe", ela respira fora quando olha pela janela, "as coisas estão se movendo novamente." Neste momento, Edison coloca o carro em movimento. Minha mente bobina com as memórias de sua risada, sorrisos por trás da máscara, olhos brilhantes. Isso é fácil para ela. Um pensamento me veio— ela é um mestre manipulador ou simplesmente está feliz que eu, um recluso louco, comproulhe? Ela está muito calma. Muito à vontade com a situação. "Você me distrai de propósito ou você realmente quer saber sobre mim?" A aspereza na minha voz a assusta e ela se vira para olhar para mim com olhos bondosos novamente. Eles parecem tão natural em seu rosto. "Você parecia chateado, então eu estava tentando distraí-lo, suponho." Suas palavras são uma traição à confiança que dei a ela tão facilmente. "Mas…" Eu procuro decepção em seus olhos jovens, mas apenas encontro sinceridade. "Mas, eu sinceramente queria saber mais sobre você. Queria saber onde estava prestes a mergulhar. Gabe tinha me preparado para o pior. Eu estava esperando", ela suspira e ondula suas mãos no ar, "Eu não sei. Abuso. Sexo. Humilhação. Assassinato." Meus olhos começam a piscar rapidamente para ela. Suas palavras confundem-me. Por que uma pessoa tão inocente espera algo tão horrível? Eu devo preocupá-la com o meu silêncio porque ela estende a mão para mim. E assim, o mundo que tento esquecer força o lembrete no meu rosto. "Não me toque!" Eu rujo e encaro sua mão como se estivesse pingando veneno invisível dela, queimando buracos no couro do banco, entre nós. Pelo que sei, ele faz. Ela sacode a mão e lágrimas vêm aos olhos dela. "Eu sinto muito. Eu só estava-" "Bem, não me toque. Você nunca tem permissão para me tocar. Nunca. Estamos entendidos?"


Seu corpo treme e ela assente. Um pedido de desculpas está na ponta da minha língua, mas eu o engulo. Eu nem sequer sei como me explicar a ela. "Por que você me comprou, então? Se você me comprou e não pretende me ferir ou dormir comigo, então o que exatamente você quer de mim?" Ela está tentando colocar uma bravura em frente sua coragem, mas o medo em suas palavras trai seu esforço. "Exatamente como o leilão declarou. Eu comprei uma companheira." Ela zomba e balança a cabeça. "Você realmente não acredita nisso, não é? Que era um leilão para comprar uma companheira?" Mas eu sim. Passei horas no site que encontrei em um servidor dos clientes mais ricos do meu pai. Isso me intrigou e eu o estudei por semanas. Eles deveriam ter uma festa beneficente de elite e os homens poderiam escolher companheiras, um glorificado site de namoro caro se você quiser chamar assim. Era temático e o que me atraiu foi o fascínio da pureza da flor inocente. Meios puros não contaminados, não poluídos, imaculados, saudáveis e limpos. Limpos. "Isso é exatamente o que era. Eu sou um homem solitário por causa da minha... por causa do meu..." Eu paro, deixando os horrores que me definem, morrer na minha garganta, "e você vai me entreter." Ela ri novamente, mas desta vez é quase cruel. "Entretê-lo? Como? Dançar em cima da mesa em minha roupa intima? E por quanto tempo? Para sempre?" Eu olho para ela. Nunca em um milhão de malditos anos ela irá por seus pés na minha mesa. "Foda-se, não! Fale comigo. Cante para mim. Coma comigo," Eu rosno. "E sim, para- sempre." Ela recua com meu tom e inclina-se tão longe de mim quanto ela pode estar, como se eu pudesse atingi-la. Não vai acontecer. Nem mesmo com as minhas luvas de couro pretas para me proteger.


"Senhor", ela tenta de novo em voz baixa, "você me comprou por cinco milhões de dólares. Essas pessoas estão administrando um círculo de sexo que você se inscreveu, não um site de namoro caro." Círculo de sexo? Eu olho furioso para ela. "Impossível." Mas será? "Diga-me." Sua voz cai para um sussurro. "Você achou que eu ia receber algum desse dinheiro para os meus serviços—de cinco milhões? Achou que eu tinha de alguma forma concordado com isto?" A dúvida se arrasta em minhas veias. "No site disse—" "O site estava errado", ela argumenta, a emoção espessa em sua garganta. "Por favor, deixe-me ir. Meus pais estão me procurando, eu tenho certeza disso." O que eu achava que ia acontecer? Que ela quer se casar com a minha bunda? Que ela iria querer aderir a toda a minha estranha fodida besteira? Que esta era uma transação legítima entre partes dispostas? "Eu não... eu não sabia..." Minhas palavras são ilegíveis e confusas. Confusão embaralha meu cérebro, os pensamentos correndo em todas as direções. Suas palavras suplicantes cortam minha neblina confusa. "Eu tenho apenas dezessete anos." Tudo nela parece jovem. Grandes olhos de corça. Voz suave e insegura. Merda! A pressão no meu cérebro surge e aumenta até que minha cabeça se sente como se estivesse prestes a explodir. O que foi que eu fiz? Isso é contra a lei. "Nós não vamos fazer sexo," eu asseguro com os dentes cerrados, tentando desesperadamente manter a minha enxaqueca enlouquecedora no lugar. "Eu nem mesmo quero que você me toque. Apenas fique comigo. Isso é tudo. Fique. Dinheiro? Carros? Diamantes? Casas? Eu vou te dar o que diabos você quiser."


O dinheiro fala. Eu vou suborná-la com qualquer coisa que for preciso para convencê-la a ficar. Não é ilegal se eu não dormir com ela. Certo? Minha mente zumbe com artigo após artigo que li ao longo dos anos. Nenhuma das notícias nunca mencionaram nada sobre um companheiro menor de idade disposto. Claro, havia muitos artigos sobre adolescentes sequestrados vendidas como escravas sexuais, mulheres jovens vitimadas por homens mais velhos, e outras coisas horríveis. Coisas que eu nunca iria fazer para ela, para qualquer pessoa. Mas nunca nada sobre um companheiro disposto a ficar. Ela não está disposta, War. Vou convencê-la. Estou certo disso. Posso convencê-la? Minha compra desta garota, ilegal ou não, brilhou com um lampejo de luz na escuridão que é o meu mundo. Um pequeno raio de esperança. E eu me apego a ele desesperadamente. Ela é a minha esperança. Eu absolutamente devo convencê-la a ficar. Eu gemo e belisco a ponta do meu nariz. A dor está se tornando insuportável. Com um acesso de raiva, eu trago meu olhar através dela. Se eu pudesse abrir a porra do meu crânio, eu o faria. Em seguida, ela poderia investigar a merda desagradável que é a minha cabeça. Ela podia ver as peças pretas, moldadas, de quem sou. A doença da minha mente seria evidente, uma vez que rasteja através do meu sangue. "Estou com medo de ficar com você." Seus dedos negros com luvas agarram a máscara e ela a puxa até seu pescoço. Pela primeira vez, não estou dominado pelo medo. Meu cérebro não está explodindo com galopantes milhões de ‗se‘. Desta vez, ele acalma. Seus lábios carnudos cor de rosa estão separados, revelando dentes brancos. Ela tem um nariz empinado que se alarga a cada respiração frenética que ela toma. E suas maçãs do rosto salientes estão cobertas de lágrimas, um desenho de rímel em seu rastro.


Ela é a coisa mais linda que já vi. "C-C-Coloque a máscara novamente." Minhas palavras são uma lama espessa em minha boca, facilmente recusando-se a sair. Eu estou em uma batalha comigo mesmo. Parte de mim quer forçar a máscara para trás sobre os lábios perfeitos assim sua respiração contaminada pode parar de infectar o meu ar. Mas uma parte antiga de mim, uma parte de mim que lembro quando era adolescente—luta. Ele quer puxar para baixo a minha própria máscara. Ele quer que eu incline para a frente e cheire ela. Ele quer beijá-la sem uma preocupação da morte que seu beijo me traria. Um último olhar para aqueles lábios e eu sei. Esta mulher vai me matar. Ela vai roubar o meu coração e cortá-lo em malditos pedaços. Vai ser uma matança do que resta do meu antigo eu. "Ok", ela diz com uma voz vacilante em meio às lágrimas. "Eu sinto muito." Eu cerro os olhos fechados, já memorizei o rosto perfeito. Flash, flash, flash. Sua imagem vira uma e outra vez dentro da minha mente obscurecida, iluminando toda a superfície. Dentro da minha cabeça, eu estou seguro e posso alcançá-la. Eu posso sentir suas bochechas rosadas e correr meu polegar sobre seus lábios inchados. Dentro da minha cabeça, posso fingir. Eu posso beijá-la e tocá-la. Trazendo meus olhos de volta abertos, franzo a testa enquanto me preparo para lhe dizer a verdade. Uma verdade que fará com que ela me odeie. Uma verdade que define a minha própria doença. "Eu nunca vou ser capaz de deixá-la ir", eu explico com um suspiro de desculpas. "Nunca. Eu não vou ser capaz. E, por isso, eu realmente sinto muito." Os soluços não são tão bonitos quanto sua risada, mas fecho meus olhos e os tomo em minha alma de qualquer maneira. Em minhas fantasias, posso sonhar com uma época melhor. Um dia talvez, ela vai rir comigo. Até esse momento, vou dançar com ela na minha cabeça a melodia que só ela pode criar.


EU FUI comprada por um lunático. Um louco, maldito doido. Isto é tudo culpa de Gabe. O fogo que começou a piscar dentro de mim alarga à vida. Quando eu escapar, vou fazê-lo pagar. Vou ter o FBI envolvido, mesmo se eu tiver que derrubar todos os idiotas associados a esse círculo de sexo. Incluindo War. Faz muito tempo desde que parei de chorar, mas ele ainda não abriu os olhos. Eu quase acho que ele está dormindo, mas posso ouvi-lo murmurando palavras, números, talvez, sob sua respiração. Ele é um vilão que vai manter-me presa longe em alguma torre. Contudo… Meu estômago aperta com náuseas. Ele não parece tão vilão em comparação com Gabe. Gabe e Edgar são monstros. Mas War age como se o ar que respiramos fosse nocivo e mal. Nós só estudamos um pouco de psicologia na escola, mas aprendi o suficiente para saber que algo está seriamente errado com ele. Ele está doente. Consideravelmente dentro de sua cabeça. Eu acho que ele é bonito, mas não vi direito seu rosto corretamente. De sua posição no banco, posso dizer que ele é alto e firme. Seus bíceps esticam sob seu terno quando ele se flexiona, quase como se fosse rasgar. Olho para suas calças e rapidamente admiro como elas se abraçam em suas coxas esculpidas, mostrando o seu ajuste.


Claramente ele tem uma coisa com germes. Que é muito evidente. Se isso está baseado em algum tipo de obsessão ou uma condição de saúde isso ainda vou descobrir. Mas há mais. Eu sei disso. Seus olhos azul escuro é como uma tempestade que o ataca a partir do seu interior. Com cada palavra que ele fala, mais mil lutam pela fuga. Embora elas nunca conseguem fugir e acabam por se juntar de volta no turbilhão de loucura que ele claramente lida, minuto a minuto. É triste, realmente. Para ele. Para mim, é aterrorizante. Isto significa que será impossível falar com juízo com ele. Sua cabeça ainda está caída, enquanto ele incessantemente divaga sob sua respiração, quando o carro estaciona para um caminho circular. Está escuro lá fora, então é claro que não posso ver nada, mas quando Edison abre a porta, quase choro de alegria. O oceano. Ondas quebram à distância e o cheiro de água salgada invade os meus sentidos. Eu acho que se vou ser uma prisioneira de War, pelo menos posso também estar perto da praia. Quando olho para trás para ele, seu olhar passa através de mim mais uma vez. Há um desespero em seus olhos que enfraquecem minha determinação para derrubá-lo, juntamente com todos os outros homens. Pena mais uma vez afasta minha raiva e eu suspiro. "Querido, estamos em casa." Seus olhos amolecem e ele ri. "Aqui estamos nós." A suave rouquidão de sua profunda risada me aquece. Não há engano na sua risada, é... honesta. Ao contrário de Gabe, que possuía vários tipos diferentes de risadas. A cruel. A maníaca. A ridicularizada. E a que beirava a soar verdadeira. Era a que eu mais odiava acima de tudo, porque essa a mais enganadora. A risada de War me lembra Brandon. Um soluço pega na minha garganta com o pensamento de meu namorado. Parece que há milhares de anos que eu estava sentada em seu colo e flertando com ele, não se importando com o


mundo. Mas em apenas algumas semanas antes, minha vida tomou um rumo escuro. Eu ainda estou tentando processar onde esta vida me leva. "Coloque isso. Uma vez lá dentro, você deve colocar um par diferente." Ele me joga um sapato descartável azul, como os que eu tinha visto usando em um laboratório ou hospital. Em lugares estéreis. Eu quero dizer a ele que prefiro ir com os pés descalços, mas a tensão em seus olhos sugere que eu ouça a sua ordem. Uma vez que coloquei as coisas tolas, sai do carro. A casa não é grande, realmente modesta considerando o quanto ele pagou por mim, mas é impressionante. A arquitetura é todas as linhas limpas e superfícies modernas. É atraente e eu adoraria vê-la durante o dia com o oceano atrás dela. War sai do carro e Edison e eu o seguimos. O homem tem que ser vários centímetros mais alto do que Gabe. Ele exala força. No entanto, sei que ele é fraco. Sentindo-me ousada, deixo escapar: "O que acontece se eu tentar fugir? Você vai vir atrás de mim? Enfrentar-me no chão e me prender?" Ele fica tenso e eu imediatamente me sinto como uma cadela por usar isso contra ele. "Por favor", diz ele, a ansiedade esticando sua voz, "não fuja." Ele não é exigente, mas em vez disso, era suplicante. Sua súplica se vira na minha cabeça e eu me pego vacilando. Gabe reduziu meu espírito ardente. Eu deveria lutar e gritar e correr. Talvez eu pudesse encontrar um telefone e ligar para meu pai para me salvar. Mas com pensar em papai me leva a pensar em mamãe. Seu sofrimento. Sua doença. Sua descida ao túmulo. Eu preciso deixar este lugar e voltar para ela. Ela provavelmente está preocupada comigo, como se morrer não fosse suficiente para se preocupar.


No entanto, o que acontece se eu escapar apenas para ser recapturada por Gabe, que prometeu vir para mim? Eu não vou ver mamãe e papai ou Brandon. Eu vou ser forçada a voltar para sua terrível cabana. Nesse caso, o que seria o menor dos dois males—a cabana terrível com um psicopata ou a propriedade na praia com uma pessoa estranha? Minha mente voa para a floresta e lembro-me de quando Gabe estuprou minha bunda. Eu tinha implorado e suplicado, mas ele fez isso de qualquer maneira. E mais tarde, quando ele empurrou o vegetal dentro de mim. Ele tinha humilhado e me violado de maneiras que eu nem sabia que era possível. Este homem diante de mim promete não me tocar. Parece que a propriedade perto da praia com uma pessoa estranha é a melhor opção. "Desde que você parece estar jogando seu dinheiro ao redor, tenho uma solução", eu digo com cuidado, escolhendo as palavras. "Eu não vou tentar fugir, prometo. Mas minha mãe... ela está doente." Ele franze a testa com a menção de minha mãe e cruza os braços sobre o peito largo. O luar dá ao seu cabelo castanho um brilho estranho. Mas ele não parece assustador, ele é algo como bonito, etéreo mesmo. "Doente como? Será que ela tem uma doença infecciosa? Você tem? É contagioso?" Balanço a cabeça em frustração. "Não, mas seu fígado está falhando. Ela está em uma lista para transplante, embora, neste ponto, as perspectivas são sombrias." Seu olhar desliza para cima, para o céu escuro e ele suspira. Dizer-lhe sobre a minha mãe parece perturbá-lo. Sua postura despenca quando ele olha em direção ao oceano, um olhar distante e abandonado. Deve haver uma história lá. Anoto mentalmente para perguntar a ele sobre sua própria mãe depois. "O que você quer?" Estou hesitante até mesmo em perguntar agora, com a mudança drástica no clima. "Bem... você tem muito dinheiro. Talvez você pudesse..." Eu gaguejo, sentindo-se tola. Eu odeio ser reduzida a minha necessidade. "Talvez você poderia me dar um pouco, em troca de minha companhia complacente, e posso subornar um médico ou uma família para ajudar a minha mãe. Você e eu sabemos que nunca vou ver o dinheiro que você deu a Gabe," eu digo a ele. War tem o dinheiro e meios para proteger-me de Gabe. Ele também tem a capacidade de ajudar minha mãe. Eu


posso fazer este trabalho até conseguir o que preciso para ajudá-la. Então, vou pensar na minha fuga. "Combinado. Vamos discutir mais sobre isso no café da manhã. Por favor, não se sinta como se fosse uma prisioneira em minha casa. Esta casa já me aprisiona. Eu não vou deixá-la manter seu aperto de ferro como faz comigo." Seu enigma faz com que meus olhos aumentem. "O que quer dizer com aprisiona você?" "Venha", diz ele em um tom ríspido, terminando nossas negociações e ignorando a minha pergunta. "Eu preciso respirar corretamente." Obediente, sigo atrás dele enquanto ele abre a porta e soca uma série de números para desarmar o alarme. Eu tento vê-lo digitar o código, mas ele faz isso rapidamente, enquanto seu corpo bloqueia parcialmente o teclado. As luzes acendem-se e ele imediatamente abre a porta, trancando-a imediatamente quando estamos no interior. Um duplo sinal sonoro soa a seguir e estamos dentro na segurança de sua casa. Tanta coisa para não se sentir como um prisioneiro... Eu suspiro e considero a minha prisão. As paredes são pintadas de um branco absoluto. Nenhuma imagem penduradas sobre elas. O mobiliário é escasso. Nada de decorações ou livros enfeitando a área, tão longe quanto o olho pode ver. A partir da pequena entrada, tenho acesso visual para a cozinha aberta, todas as bancadas em granito branco com azulejos, e combinando armários com utensílios de aço inox. A sala tem mobiliário de um mínimo sofá branco simples, uma poltrona, cadeira e mesa. A TV de tela plana foi montado e embutido na parede acima da lareira. Tudo é tão branco. Cegamente assim. E despojado. Como se um fantasma vivesse aqui. "Uau", eu digo tomando fôlego, "este lugar é incrível." Isso não é uma mentira. Incrivelmente estranho.


"Sinto muito, mas antes que você possa fazer-se confortável, Edison precisa ter certeza de que você está devidamente limpa. Encontre-me na sala de estar em uma hora. Eu vou preparar alguma coisa para comer." Ele sai sem olhar para trás deixando-me lá com Edison. "Vamos lá, meu anjo. Deixe-me mostrar-lhe o seu quarto", ele diz e começa a caminhar na direção oposta. "Ele não é um cara mau, uma vez que você começa a conhecê-lo. Mas, por favor se apegue a suas regras. Ele já é tão frágil com isso. Você poderia quebrá-lo, e eu me preocupo muito com ele para ver isso acontecer." "Ok." Não tenho mais nada a dizer sobre o assunto e o sigo para outra sala gritando esterilização. Esta, no entanto, tem alguma decoração. Como se ele realmente tentou preparar uma recepção calorosa para sua prisioneira. "Ele quer que eu a lave. War acredita que vou descontaminar você, Baylee." Ele franze a testa e puxa a sua máscara. "Mas você e eu sabemos que está tudo na sua cabeça. Vou esperar na sua cama e deixá-la tomar banho. Se ele perguntar, eu te limpei da cabeça aos pés, esfreguei-lhe totalmente. Há uma túnica dobrada sobre a bancada. Ele ficaria feliz se você pudesse amarrar o seu cabelo também. E certifiquese de que esteja seco. Pingos de água em todos os lugares vai deixá-lo louco. " Entro no banheiro com pressa. Este lugar limpo e novo e lindo, é uma versão bizarra do inferno. Posso realmente ficar aqui? Os olhos azuis da minha mãe olham para mim quando me olho no espelho. Quanto mais velha fico, mais e mais nos parecemos. Mas onde minha luz azul nos olhos brilham, os dela perdem o brilho a cada minuto. Puxando meu respirador para baixo, eu inspeciono minha boca. Meus lábios estão ligeiramente secos e espero que ele me deixe usar pelo menos brilho labial. Eu posso ficar aqui. Eu tenho que fazer isso, por ela. War parece ser um homem de palavra. Eu tenho que acreditar que ele vai enviar o dinheiro para eles. Quarenta e oito minutos depois, desligo o secador de cabelo que localizei e aliso meu cabelo loiro em um coque, conforme solicitado. Com o meu cabelo puxado para trás e meu rosto livre de rímel, pareço mais jovens e mais inocente do que meus quase 18 anos. Meus olhos arregalados revelam medo e determinação e o ódio


purulento que corre em minhas veias por Gabe. Ele fez isso para mim. Uma batida suave, mas persistente na porta me empurra a partir de minhas reflexões internas. "Ele vai ficar absolutamente frenético, se você não estiver lá em breve. Com War, é melhor chegar exatamente no horário. Não muito cedo e, certamente, não tarde demais", Edison me diz do lado de fora da porta. Eu dou de ombros e pego o robe branco de pelúcia e amarro o cinto em volta da minha cintura. O robe é macio e quente, e se sente como uma nuvem de boasvindas me engolindo. É uma mudança bem-vinda de estar nua, depois do jeito que passei as últimas duas semanas. Com um toque do botão, abro a porta para Edison. Isso é mais do que um trabalho para ele. Ele parece se preocupar com War, por alguma razão desconhecida. "Lidere o caminho." Eu sigo descalça atrás dele e vamos para a sala de jantar. War está por trás da mesa de vidro, com a cabeça indo e voltando entre dois pratos. Eu não posso tirar os olhos do homem bonito. Sem a máscara, estou a par de cada curva suave e ponta endurecida em seu rosto. Suas sobrancelhas são escuras e elas combinam uma sombra recentemente raspada em seu rosto. Completos lábios rosados se contorcem e se movem enquanto fala para si mesmo. Seu nariz é forte, bem como sua mandíbula, mas não há uma suavidade de suas características, apesar do desenho de seu rosto. Bondade. Incorruptibilidade. Sem refinamento. Sem mundanismo. Ele pode ter vinte e oito anos, mas ele é cada pedaço de um rapaz de dezesseis por esse ângulo.


Estou prestes a recebê-lo quando Edison coloca a mão no meu ombro, me parando. Ele retira a mão, mas eu ainda permaneço e observo War. Suas sobrancelhas franzem quando ele pinça e belisca um pedaço de alface de uma tigela, então, cuidadosamente, coloca-o em outra tigela. E depois volta novamente. Ele olha por vários minutos, inspecionando as taças. Não me atrevo a fazer um som enquanto o vejo. Estou curiosa para ver o que ele vai fazer a seguir. O que ele está fazendo? Cuidadosamente, ele pega um pequeno pedaço de alface e coloca-lo na outra bacia. Novamente, ele examina cada porção, olhando para o outro como se tivesse sob feitiço. Meus olhos viajam para longe de sua tarefa e eu observo sua aparência. Ele está vestindo uma lisa camisa cinza suave, que se estende sobre o corpo esculpido— eu sabia que ele se escondia debaixo de sua roupa que usava antes. Seus bíceps apertava com cada pequeno movimento que ele faz, como ajustando a uniformidade de seu peito. A pele que mostra em seus braços é livre de tatuagens e macia. Seus jeans está em perfeita forma e os pés também estão nus debaixo da mesa. Quando acho que ele não pode ficar obcecado sobre o alimento por mais tempo, eu anuncio a minha chegada. "Oi." Seus olhos azuis escuros voam para os meus e por um breve momento piscam com felicidade. "Bay." A maneira ríspida, quase reverente que ele diz meu nome, envia um formigamento na minha espinha e eu sorrio. "War." Atrás de mim, Edison pigarreia. "Se não há nada mais, vou voltar para minha casa", Edison diz. "Você sabe que Dorothy fica preocupada quando estou fora até muito tarde." War observa o homem mais velho de pé e quando vira sua cabeça, ele revela uma cicatriz desagradável de sua têmpora por todo o caminho ao longo de sua mandíbula até o queixo. É grossa e longa. O que aconteceu deve ter sido muito doloroso. Assim que Edison se foi, War reativa o alarme usando o teclado perto das


portas francesas com vista para o oceano perto da mesa da cozinha. Então, seus olhos estão de volta aos meus em um flash quando ele faz o seu caminho de volta para a comida. "Sente-se. Eu fiz um pouco de salada." Dou um passo em direção à mesa e bile sobe na minha garganta ao ver o pepino cortado sobre ela. Eu sou agredida com memórias de Gabe. Minha respiração é roubada quando me lembro do terror que me imobilizou quando o vegetal gelado instalou-se dentro de mim. A maneira que eu tive que empurrá-lo para fora. O horror e humilhação por ter Gabe entre as minhas pernas persuadindo a coisa estúpida. Eu tremo e tento afastar a lembrança nauseante. "Não", eu digo com um suspiro. "Eu não posso comer isso." Meus olhos se apertam fechados e eu me equilibro com as mãos nas costas da cadeira. "Você não gosta de salada?" Levantando os olhos marejados ao seus, eu mordo meu lábio inferior e balanço a cabeça. "Eu gosto... Eu quero dizer, não. Não é isso. Gabe. Ele fez coisas desprezíveis comigo com um pepino." Seus rosto fica vermelho e suas mãos começam a tremer descontroladamente. "Mas isso é comida. Você não pode... como poderia... Eu não entendo." Então seus olhos se arregalam em horror. "Ele não fez." Eu engulo e aceno. "Ele fez." Com um acesso de raiva, ele agarra as tigelas e passou como uma tempestades por mim. Em vez de raspar as tigelas, ele as despejou com garfos e tudo na lixeira com um barulho alto. Ele então vai para a pia onde tem três garrafas de sabão. Eu assisto com fascinação descarada enquanto ele gasta uns bons cinco minutos esfregando as mãos com todos os três sabonetes. Uma vez que ele secou-os, ele se vira para olhar para mim. Suas mãos estão vermelhas. Seus olhos devoramme por um momento antes que ele aperta os olhos fechados. "Eu nunca vou ser capaz de comer pepino de novo." Eu ri amargamente. "Você e eu." Seus olhos reabrem. "Um, existem outros alimentos... que ele..."


Eu o interrompo com um aceno de cabeça. "Não. Talvez pudéssemos pedir uma pizza ou algo em seu lugar." Ele se encolhe com as minhas palavras. "Você sabe como os restaurantes são nojentos? As pessoas que trabalham lá, eles não lavam as mãos. Você não pode confiar neles para cozinhar os alimentos a temperaturas adequadas. Eles usam carne!" Eu abro a boca para ele. "Ok ... o que você quer comer?" Ele começa a andar. Dá cinco passos em direção a pia, iguais e medidos, e então de volta para mim na mesa. Mais cinco passos. Igual e medido. Eu coço para chegar e pará-lo com a mão. No entanto, embora o conheço apenas por algumas horas, suspeito fortemente que isso irá enviá-lo para um colapso. Ele murmura rapidamente e puxa seu cabelo. Os músculos de seu pescoço apertam com cada movimento. "Eu poderia fazer espaguete com abóbora e molho vermelho e-" ele gagueja, mas depois amaldiçoa. "Porra! Não, isso parece com o pepino. Sem berinjela. Nenhuma cenoura. Sem abóbora. Sem abobrinha6. Droga!" Eu rio para difundir seu colapso. "Eu vou comer o que você quiser me oferecer. Podemos comer salada, se quiser, apenas sem pepino. O resto está bem. Eu juro. Por favor, eu não comi desde esta manhã. " Seu rosto se ilumina com determinação. "Certo, sente-se. Eu vou fazer para você algo delicioso e inofensivo." Sua preocupação parece se dissipar. Quem diabos é esse cara? Eu me inclino contra o balcão, ignorando sua ordem para eu sentar e assisto a este homem complicado obsessivo fazer a refeição. Seus cortes nos tomates são precisos e exatamente da mesma largura. Ele posiciona a faca em cima deles antes de pressionar para baixo. O tempo todo, ele murmura baixinho. No silêncio de sua casa, eu posso entender o que ele está fazendo. Ele está contando. Tudo. Pedaços de alface.

6


Fatias de tomate. Rodelas de cebola. Punhados de croutons. Segundos que passam. Respirações que damos. Quero gritar e dizer que ele pode muito mais, uma vez que ele é praticamente um gigante, mas eu não faço. É claro para mim que ele precisa que seja assim. Ele precisa passar por esses rituais para sentir-se bem em sua cabeça. Depois que ele termina com a salada—sem pepino—ele usa um copo de medição para nos dar a mesma quantidade exata de bebida. Em seguida, ele esfrega os pratos que usou. Ele gasta mais dez minutos lavando e secando a faca. Estou morrendo de fome, mas não me atrevo a interromper um processo que ele parecia ter aperfeiçoado. Eu me pergunto quanto tempo ele tem sido assim. E melhor ainda, o que o fez ficar desta maneira? Eu não posso ajudar, mas reflito sobre o que ele iria pensar sobre o porão que fui despejada quando Gabe me sequestrou. E a maneira como Gabe me usou na floresta. Será que ele se importa? Será que ele quer me proteger? Eu sei que não posso ficar aqui com ele para sempre, mas certamente posso ficar o tempo suficiente para fazer o que precisa ser feito para minha mãe. Apesar dos hábitos estranhos de War, aqui parece um pouco mais seguro do que quando eu estava com Gabe. Pelo menos ele não está me forçando a participar em atividades depravadas. "Lamento que levou tanto tempo," War diz, interrompendo meus pensamentos. "Eu tenho problemas."


Eu sorrio para ele enquanto nós tomamos nossos lugares. As saladas estão perfeitas... mesmo assim. "Isso parece incrível. Obrigada." Ele balança a cabeça e começa a cortar o alimento em pedaços médios. Eu, por outro lado, sou voraz e não tenho tempo para boas maneiras, então tudo que faço é tragar a minha comida. A vontade de lamber o prato depois é intenso, mas um som de asfixia me arrasta longe dos pedaços remanescentes. As feições do homem considerável estão torcidas em repugnância absoluta. "Você come como um cão faminto", ele sibila e, em seguida, segue com um tom de brincadeira. "Esta foi uma má ideia." Eu rolo meus olhos e sorriso. "Eu acho que lamber o prato está fora de questão então." Eu nunca vi um homem correr tão rápido na minha vida.


EXATAMENTE TRÊS minutos todos os dias. Isso é quanto tempo leva-me para tomar banho. Nem doze segundos menos, e nem quarenta e cinco segundos a mais. Sempre três minutos. Eu sei disso porque conto. Todo segundo. Todo minuto. Cada respiro. Um adulto com a idade média respira doze a dezoito respirações por minuto. Eu respiro vinte e duas respirações por minuto. Sempre. Nenhuma variação. Assim, em um chuveiro, eu tomo sessenta e seis respirações. Enquanto visto as calças, eu contemplo quantas respirações ela toma quando está no banho. Sua respiração é incomensurável, às vezes rápida, quando ela está com medo ou chateada e parecida com a minha quando ela está se comportando de uma forma calma. Calculando suas respirações em um chuveiro é um problema sem fim, insolúvel. E se ela toma banho em dez minutos? Ou banhos de quarenta minutos? Estou prestes a considerar diversas variações diferentes quando faço uma pausa para simplesmente observá-la no chuveiro. A própria imagem das gotas deslizando em sua lisa testa pálida e molhando suas pestanas escuras, é cativante. Seu cabelo loiro iria ficar mais escuro ao ser molhado e iria deslizar sem problemas pelas suas costas. E seu sorriso revelaria seus perfeitos, dentes brancos perolados e a bondade que se encontra em seus interior.


Se ela está sorrindo, ela respira mais lentamente. Talvez treze ou catorze respirações por minuto. Mas é variável, e ainda estou inseguro do tempo gastos em seus banhos. Vou ter de pedir-lhe para contar o tempo. Eu me olho no longo espelho na parede e faço uma careta. Por mais de dez anos, fui esse homem que não conheço. Desde que ... bem, de qualquer maneira, eu sou ele agora. E eu odeio a própria porra do ar que respiro. Todas as vinte e duas respirações por minuto. Hoje, eu estou vestindo um par de calças escura, sapatos pretos e uma camisa azul clara que coincide com os olhos quase que perfeitamente. Eu tinha pedido três on-line em cores semelhantes em uma tentativa de encontrar uma combinação perfeita. Se nenhum desses desse certo, eu teria que ligar para o fabricante e fazer um pedido especial. Normalmente, mesmo em casa, eu escorrego uma gravata em volta do meu pescoço e obedientemente dou um nó, assim como meu pai me mostrou quando eu tinha dez anos. Às vezes, desejo que o nó se transforme em um laço e eu me pendure nele. Eu penso quantas respirações tomaria antes do meu suprimento de ar ser completamente cortado. Três? Quatro? Vinte? A resposta me desafia e eu não consigo nunca empurrá-la da minha mente. Junto com os outros milhões de pensamentos desenfreados que acabam com a porra da minha vida. "Para o inferno com isso", eu estalo em desafio. Sou eu que luto para sobreviver em uma batalha contra mim mesmo. De vez em quando, meu eu verdadeiro ganha—mesmo que apenas momentaneamente. Eu jogo a gravata preta em cima da cama e começo a caminhar para fora do quarto. Eu mal chego à porta antes que estou indo de volta para ela. Cuidadosamente, eu a enrolo ordenadamente—leva duas tentativas para obtê-lo exatamente do jeito que gosto, e eu colocá-lo de volta na gaveta onde ele pertence. Minha respiração parece mais rápida, então eu desabotoo os poucos botões da parte superior em um esforço para respirar mais facilmente.


Todos os dias durante anos, eu tive o meu ritual da manhã. Chuveiro. Vestir. Comer. E depois trabalhar. Mas hoje, juntamente com o desafio descartado, tenho o desejo de correr como um mundano e espreitar onde ela dorme. Na noite passada, eu tinha saído em um acesso de raiva infantil ao vê-la comer como um porco. A parte humana de mim queria sentir pena dela, sentir pena por que estava com tanta fome que isso a forçou a comer dessa maneira. Mas o monstro que controla todos os meus pensamentos achou repugnante. Se eu não estivesse com medo do que o ácido do meu estômago faria com meus dentes, teria enfiado o dedo na minha garganta e jogado para fora tudo que comi, depois de ter procurado refúgio no meu banheiro. Eu não tenho ideia do que ela fez depois que saí. Será que ela passou o dedo em toda a superfície da minha casa? Faço uma nota para chamar a minha empregada, Greta, para fazer uma esterilização em massa. Ela odeia quando peço uma limpeza dobrada, mas quando eu triplico seu pagamento nesses dias, ela rapidamente se acalma. Minha mente anseia por considerar cada coisa que Baylee tocou, mas eu o forço a se afastar e saio do quarto. Estou chocado ao encontrá-la encolhida no sofá bebericando café. "O sofá é branco!" Eu assobio sem nenhum outro cumprimento, odiando instantaneamente assim que as palavras saíram. Ela sopra na caneca e arqueia uma sobrancelha perfeita para mim. "Eu sei que sou uma adolescente e tudo", ela murmura sarcasticamente, "mas não sou uma criança. Eu não vou derramá-lo. De qualquer maneira, Bom dia." Mais uma vez ela lança sua idade para mim, fazendo-me sentir mais como um bastardo do que já sou. "Bom dia," eu digo a ela bruscamente, desta vez menos irritado. "Você dormiu bem?" Ela franze as sobrancelhas e suspira. "Melhor noite de sono que tive em duas semanas para ser honesta. Com Gabe, eu realmente não conseguia dormir." Eu corro a mão pelo meu cabelo. Na noite passada, me virei na cama perguntando sobre o que o homem fez com ela. Quando ela mencionou o pepino, eu achei repugnante. E não porque era comida, mas porque ele a machucou. Eu posso ser fodido da cabeça, mas não sou virgem para a anatomia feminina. Antes de meu mundo fechar


sobre mim, eu gostei bastante de sexo. Se eu estou sendo realmente honesto e não me deter sobre a sujeira do ato, eu sinto muito falta de foder. Mas, em seguida, imagens da troca de fluidos corporais, fluidos que outra pessoa tenha compartilhado com outra e assim por diante, começa a apodrecer na minha mente. Eu não posso nem assistir filme pornô sem querer gritar. "O que ele fez?" Eu não quero saber os detalhes explícitos, e, no entanto, é por isso que comprei-a. Para me entreter. Para me acompanhar. Para conversar comigo. Ela coloca a caneca na mesa e fica de costas para mim enquanto enfrenta a parede de janelas com vista para o oceano. Minha mente gira momentaneamente sobre se a xícara vai ou não deixar um anel de mancha de café na madeira. Mas quando ela se estende, braços acima da cabeça, minha mente fica em branco. O robe branco que ela tem vestido se eleva e me recompensa com uma vista de suas coxas magras logo abaixo a sua bunda. Seus braços caem de volta e com ele, o robe cobre mais de sua carne. Meus dedos anseiam para levantar as bordas do tecido e revelar sua pele perfeita para mim novamente. Eu quero tocá-la. O pensamento me alarma. Eu não quero tocar em ninguém. Nunca mais. "O que não é que ele fez?", Ela murmura e caminha para perto das janelas. Eu tenho medo que ela vai colocar a ponta dos dedos no vidro e borrar a visão cristalina. Isso coloca meus nervos a flor da pele, mas eu seguro minha língua para não falar nada. O desespero na voz dela me distrai e eu encontro-me ansioso para saber mais sobre ela. "Depois que ele me sequestrou, me levou para alguma cabana remota. Por dias, ele me prendeu. Eu fui forçada a sair por conta própria, só para ele me bater e amarrar-me na cama." Um soluço brota de sua garganta e os ombros tremem. Eu tomo um, dois, três, quatro passos em direção a ela. Quando noto que a minha mão está estendida, alcançando-a para confortá-la, eu empurro de volta.


"Então o que?" "É um pouco confuso. Quer dizer, tenho um namorado e o amo muito", ela murmura e cruza os braços sobre o peito. Suas costas permanecem viradas para mim e gostaria de saber se é difícil para ela dizer essas coisas diretamente para mim. "Mas Gabe era meu vizinho. Eu tinha confiado nele por muito tempo. Na verdade, eu sempre tive um pouco de uma queda feminina por ele." "Ele machucou você?" Ela se vira para olhar para mim, como se eu tivesse feito a pergunta mais ignorante, especialmente após a admissão da noite passada sobre o pepino. Meu pescoço aperta com o estresse enquanto espero por ela para estragar o vidro intacto. Em vez disso, ela deixa cair a mão, deixando o vidro em perfeição cristalina. "Ele me deu orgasmos. Muitos deles. Eu não os queria, War, mas me senti muito bem. Eu não tinha controle sobre meu corpo e me odeio por isso." Eu dou outro passo. Seu aroma doce não me envenena. Ele me embriaga de uma forma que tem a minha cabeça girando. Eu gosto de seu cheiro. Gosto da maneira como ela enche meus pulmões e me purifica. "Isso não é culpa sua." Ela funga. "Então, ele tirou a minha virgindade. Doeu muito, mas depois ... " "Você gostou?" Um soluço perfura o ar. "Eu-eu-eu gostei. Eu traí meu namorado porque gostei quando Gabe transou comigo. Ele sempre foi claro sobre me vender. Depois que ele me fodeu uma e outra vez, eu tinha de alguma maneira esperado que ele me manteria. Que poderíamos ficar na cabana e eu ficaria com ele." Ela deixa escapar um suspiro profundo que embaça a janela na frente dela. Eu observo com uma mistura de horror e fascinação quando ela desenha um "B" com um coração em torno dele no vidro embaçado. Minha mente implora para limpar isso, mas algo mais forte dentro de mim quer que ela continue. E como o embaço desaparece, a mancha de sua letra continua um pouco perceptível. Ela adiciona calor ao meu espaço ridiculamente frio. Estou alarmado ao saber que gosto disso. Tentando não ficar obcecado


sobre sua obra, peço para ela continuar. "Então o que?" "Um dia... ele me disse para correr e quando o fiz, ele me pegou. Naquela noite, na floresta fria, ele me violou. Me roubou de outra primeira vez. " O rugido na sala nos assusta tanto que ela se vira para olhar para mim. Eu rapidamente entendo, o rosnado de proteção pertence a mim. Merda. Eu normalmente corro longe quando se fala sobre sexo anal, apesar do quanto me perguntei sobre isso quando era um adolescente, mas agora, tudo o que posso pensar é bater em Gabe por ter feito isso. Seus olhos tristes encontram os meus e ela dá um pequeno passo em frente, mas não me toca. Nós estamos a meros centímetros de distante. Eu não tenho estado tão perto de alguém por minha própria vontade desde a minha namorada do colegial. Por breves momentos, na sua presença quebrada, eu me sinto forte. Sintome como se eu fosse normal. "E o pepino", ela sussurra amargamente e eu tremo, "ele usou para penetrar meu sexo enquanto ele me estocava por trás. ‘Muitas vezes dois homens vai querer levála ao mesmo tempo. Você tem que estar preparada’, disse ele." Meu peito ameaça explodir de fúria. Um único fio de seu cabelo loiro escapou de seu coque e os meus dedos se contraem para acariciá-lo longe de sua testa. Não porque está fora do lugar, mas porque quero ver seu rosto melhor. Quero consolá-la. E eu não posso. Apertando minha mão, eu rosno a minha promessa. "Eu nunca iria machucála assim. Ele parece perturbado, Bay. " Lágrimas caem em seus olhos e eu me inclino em direção a ela. Eu quero que a sua presença me invada. Apesar de não tocar, minha carne reage à sua proximidade. Arrepios pinicam minha carne. Os pelos em meus braços parecem levantar e apontar para ela como se ela carregasse alguma corrente magnética que meu corpo é atraído. Dezessete. Eu engulo e olho sobre a cabeça em direção ao oceano. É bonito, e uma das poucas coisas que não vou permitir que minha


mente torne-se obcecada—ponderando as muitas criaturas e organismos que o infesta. Em vez disso, penso sobre ela. Minha mãe. A maneira como seu cabelo escuro voaria em torno dela com o vento, enquanto eu iria perseguir as ondas. Ela me empurrava para fora da água e para bagunçar meu cabelo e pressionar um beijo na minha testa. Às vezes, ela me entregava um biscoito para mastigar, para manter a minha energia para que eu pudesse continuar brincando. Não vou permitir que minha doença mental arruíne essas memórias. Elas permanecem virgens contra a capa escura de ódio e desespero que se trava continuamente na minha cabeça. Sempre ameaçando fazer mal. Mas não importa o quão fodido minha cabeça possa estar em um momento particular, eu posso sempre voltar a ela e os nossos dias na praia. Um dos poucos dias calmos nesta vida. E agora… Agora encontrei um outro. Lindos olhos azuis estão olhando para mim, brilhando com lágrimas, quando volto meu olhar para ela. Ela é tão linda, e por um momento, quase posso esquecer tudo e beijá-la. Esqueça os germes. Os números. Os e ‗se‘. O sangue. E me enterro na pura distração. Desta vez, a realidade, não a minha aflição, impede-me e eu forço as palavras da minha boca que eu desejo que não tivesse a coragem de dizer. "Você é apenas uma criança. Eu não vou te machucar como ele fez. Juro sobre o túmulo de minha mãe. "


Uma lágrima rola para fora, mas ela levanta o queixo em desafio. "Eu não sou uma criança, War. Eu vou fazer dezoito dia 21 do mês que vem. Além disso, depois do que aconteceu comigo, não sou mais inocente. Eu sou toda mulher. " Quarenta e oito dias. Seis domingos. Seis segundas-feiras. Sete terças-feiras. Sete quartas-feiras. Sete quintas-feiras. Sete sextas-feiras. Sete sábados. Dezoito. "Eu não me importo se você tem oitenta, Bay. Eu nunca vou te tocar sem a sua permissão." Seus olhos se arregalam e sua boca abre. "Mas você vai me tocar se eu te pedir para fazer?" Depois da minha exibição flagrante de minhas aflições na noite passada, eu tenho certeza que ela confundiu as minhas palavras. Inferno, estou fodendo com as minhas palavras confusas. "Depois de seu aniversário, talvez." Um pequeno sorriso puxa seus lábios, o que me frustra ainda mais. Como ela pode ficar tão satisfeita com a minha resposta? Eu não sou a porra de melhor do que aquele bastardo que sequestrou ela. Quer dizer, eu a comprei de qualquer jeito. "Vamos falar sobre a sua família," eu digo em um tom áspero antes de pisar longe dela. Meus olhos deslizam sobre o vidro e minhas mãos apertam mais ao ver o "B" na superfície novamente. O aperto é diferente de tudo que já conheci. É quase possessivo. Uma respiração irregular escapa dela. "Eu pensei que se talvez nós enviarmos algum dinheiro para eles e uma carta dizendo que eu fugi com você, eles poderiam acreditar nessa história o suficiente para ajudar minha mãe com esse dinheiro. Eu sei o que meu pai pensa. E ele não vai parar até que me encontre". Ansiedade explode dentro de mim. O pensamento de pessoas rastejando ao redor da minha casa em uma tentativa de levá-la me deixa lívido de raiva. Ela é o primeiro fragmento de felicidade neste mundo maldito que vi em mais de uma década. Eu não posso


deixá-los levá-la. "Mas ele não é o problema. Gabe é. Ele já prometeu vir me buscar em breve. Na verdade, eu não duvido que ele já não está nos procurando agora." Seu corpo treme e dói só em pensar em segurá-la. "Ele é meio obcecado por mim." Eu sou do tipo obcecado com você. Eu aperto meu punho em ambas as mãos e rosno. "Gabe nunca vai tocar em você novamente. Eu vou matar aquele filho da puta se ele pisar um pé na minha propriedade." As palavras são tecnicamente uma mentira—as imagens de sangue do homem ameaçando se espalhar em todos os lugares, me deixa doente. Mas, se isso servir para protegê-la dele, um pouco de sangue pode ser necessário. Greta realmente me odiaria muito então. "Eu vou ligar para o meu advogado para estabelecer um acordo de transferência de fundos para eles sem que possa ser rastreado para mim. Você precisa anotar o seu endereço e os nomes de seus pais. Eu vou ter certeza que eles receberam o dinheiro. " Ela balança a cabeça, mas franze a testa. "E como vou deixá-los saber que estou bem?" Essa parte é fácil. Eu sou um gênio do computador. Vou mandar um e-mail através de tantos servidores criptografados, que ninguém nunca vai saber de onde veio. "Eu vou dar-lhe um computador com um e-mail, se você prometer nunca divulgar o seu paradeiro." "Eu prometo. Mas War, Gabe sabe seu nome. Ele não é estúpido. " Corro os dedos pelo meu cabelo em frustração. "Não meu sobrenome. Apenas o leiloeiro tinha essa informação. Eu não vou deixá-lo levá-la de mim". Ela morde o lábio e balança a cabeça, mas ainda não parece convencida. Quero chegar mais perto e arrancar o lábio grosso de entre os seus dentes. Para correr a minha língua sobre ele, para aliviar os danos que ela causou com seu hábito nervoso.


Meu pau engrossa na minha calça e porra eu quase salto de alegria. "Vamos," eu digo com um grunhido, não revelando a felicidade que está correndo em minhas veias. Nestes poucos momentos com ela, eu me senti mais livre do que nunca. "Vamos comer nosso café da manhã e depois vamos começar."


HOJE FOI um dia longo. Estou exausta. A comida é uma porcaria. E eu ainda estou vestindo o robe estúpido. No entanto, ele também tem sido muito produtivo. Depois que eu tinha dado a War minhas informações, ele enviou um e-mail ao seu advogado e instruiu-o sobre a forma de canalizar o dinheiro para que parecesse ter vindo de um doador anônimo. Ele também tinha conseguido pedir para mim uma seleção de roupas online. O homem muda com o computador quando se senta em frente a ele. Todas as suas ansiedades parecem se dissipar quando ele joga-se em qualquer tarefa que está tentando realizar. Durante toda a tarde, eu fiquei sentada em uma cadeira confortável em seu escritório enquanto ele trabalhava. Seus dedos tinham dançado como códigos em cima do teclado do computador. Eu tinha ficado fascinada, mas após as últimas semanas de turbulência, meu corpo estava claramente exausto, porque em pouco tempo eu tinha adormecido. Quando acordei, ele não estava mais no lugar, mas ele me cobriu com um cobertor. A gentileza de sua parte não foi dispensada. Seu escritório, como o resto da casa, é quase sem mobília. Sem decoração. Sem tapetes. Sem cortinas. Apenas o mobiliário e tecnologia necessária. Ele tem um armário de arquivo simples que eu tenho certeza que está meticulosamente em ordem e uma foto emoldurada na mesa, parecendo fora de lugar na sala vazia. Enquanto ele trabalhava, eu não tinha bisbilhotado, mas agora que estou acordada e sozinha, estou ansiosa para vê-la. O quadro é simples e em preto—e nem um grão de poeira ou uma impressão digital no vidro.


Um menino pequeno com um tufo de cabelos castanhos e olhos azuis brilhantes sorri para a câmera. Seus pais, com sorrisos correspondentes, ficam atrás dele. O oceano está ao fundo e é uma imagem de felicidade. Então como é que este menino, que claramente é War, veio a ser o homem perturbado que tem pavor da vida? A imagem me lembra da minha própria família e as lágrimas começam a cair com o pensamento. Colocando a foto para baixo, eu limpo as lágrimas quentes do meu rosto com as costas das minhas mãos. Mamãe e papai estão provavelmente doentes de preocupação sobre mim. Provavelmente estou em todo noticiário agora. Deus, eu sinto tanta falta deles. "Tudo bem?" Uma voz rouca e ansiosa, pergunta por trás de mim. De modo nenhum. Tudo está uma merda. Encolho os ombros e fungo. "Eu sinto falta da minha família." Uma rajada de ar escapa dele e me viro para espreitar o homem. Hoje, ele está especialmente bonito e quase relaxado. Depois da noite passada, eu tinha assumido que teria que lidar com um germofóbico tenso 24-7. Mas então, esta manhã, ele veio e parecia mais humano. Como se estivesse tentando sair da sua bolha, mesmo se fosse apenas um dedo de cada vez. "Edison entregou algumas novas roupas limpas para você", diz ele em voz baixa. "Elas foram guardadas em seu quarto. Você deve estar ansiosa para sair desse robe." Eu aceno e forço um sorriso. "Obrigada. Quando posso entrar em contato com meus pais?" Sua mandíbula fica tensa e seus olhos se estreitam me encarando. Nós dois estamos indo com muito cuidado nesta situação frágil em nossas próprias maneiras distintas. "Eu criei uma conta de e-mail. Para sua própria segurança, eu vou lê-los antes de enviar. Eu também vou ler suas respostas. " Ele disse ‗lê-los‘ e ‗respostas‘, como em mais do que um.


Inicialmente, eu tinha assumido que enviaria um e-mail para que eles soubessem que eu estava bem. Mas agora... agora, esperança floresce em meu peito. "Posso enviar um e-mail agora?" A emoção na minha voz é evidente com cada oitava subindo enquanto eu falo. "Por que não se veste em primeiro lugar e, em seguida, vamos trabalhar nisso? Meu advogado também me garantiu que a primeira transferência foi feita." "Primeira transferência?" Eu questiono. "Eu não queria enviar tudo de uma vez. Só por segurança. Enviei um pouco para ajudá-los nesta primeira transferência. Se eu dar-lhes tudo o que precisam imediatamente, você não terá nenhum incentivo para ficar comigo." Sua voz é baixa e as sobrancelhas estão franzidas. O homem tem milhões de dólares e vai enviá-los "um pouco" de cada vez. Talvez ele não é melhor do que Gabe depois de tudo. Raiva explode dentro de mim e eu cerro minhas mãos em meus lados. "Eu prometi que ia ficar e você me prometeu um monte de dinheiro em troca. Minha mãe precisa dele, War. Ela está morrendo", eu o lembro com um olhar feroz. Ele estremece com meu tom e abaixa sua cabeça. Sua boca se move tão pouco com as palavras balbuciadas, números, absurdos, quem diabos sabe. Ambas as mãos deslizam em seu cabelo e ele aperta, como se pudesse arrancar respostas de sua cabeça. Eu quase sinto pena dele e de sua batalha interna que está travando. Mas isso não muda nada, porque ele ainda está fazendo as coisas difíceis para mim. "Que seja," Eu bufo e passo perto por ele. Ele tem sorte de eu ter autocontrole e compaixão pelos outros, mesmo se eles são indivíduos doentes. Eu sei que ele provavelmente iria desmaiar se o tocasse. E não importa quão zangada estou no momento, não sou cruel. Quando passo perto o suficiente para que nossos peitos quase se toquem, espero ele sair do caminho ou assobiar para eu ficar longe dele. Em vez disso, ele atira seu olhar selvagem ao meu. Meu furor se dissipa rapidamente quando sou arrastada para dentro de seus olhos tempestuosos. Suas pálpebras quase se fecham e ele se inclina para me inspirar, meros centímetros do meu rosto. A partir desta


proximidade, eu posso sentir seu cheiro e sabão. "Sabendo que você está nua aqui embaixo, impulsiona minha cabeça já louca para um novo plano de loucura e um que não entendo e não posso navegar", ele sussurra contra o meu cabelo, sua respiração me faz cócegas. "Portanto, é do seu melhor interesse encontrar roupas primeiro e depois vamos continuar essa conversa." Suas palavras torcem dentro de mim e meus joelhos oscilam. "Por que isso te deixa louco?" Eu não posso me segurar e o provoco. Estou curiosa para saber o que sobre mim perturba a sua vida normalmente estruturada. "Porque", ele geme e um estremecimento ondula através de sua estrutura maciça. "Eu quero tocá-la." "Meu corpo nu?" Um assobio de sua respiração envia um rastro de arrepios no meu pescoço. "Sim." "Envie aos meus pais o dinheiro que precisam para fazer isso acontecer e você pode me tocar onde você quiser," eu murmuro. Será que eu realmente estou tentando negociar mais dinheiro com o meu corpo? Eu estou doente. Ele rosna, o mesmo grunhido possessivo de hoje mais cedo, e empurra longe de mim, muito para a minha consternação. "Vá se vestir, Baylee." Eu bufo com sua rejeição clara e saio em disparada para longe. Não é até que eu esteja segura dentro do meu quarto que choro novamente. Gabe me preparou para o abuso sexual e dor. Não... para seja o que for que War é. É confuso e difícil para eu navegar. Felizmente, as roupas são simples e confortáveis. Por alguma razão, eu esperava ternos de negócio. Algo recatado e conservador. Itens que combinavam com o estilo puro e profissional de War. Em vez disso, acho várias calças jeans dobradas ordenadamente nas gavetas ao lado de umas calças de ioga. Muitas camisetas estão escondidas em outra gaveta. Também acho meias, sutiãs e calcinhas. As roupas são simples. Nada de ostentação. Nada sexy.


Apenas normal. E eu não poderia estar mais feliz. No armário, acho algumas coisas mais agradáveis, incluindo um par de vestidos, mas ainda sem sapatos. Por que ele não me deu qualquer sapato? Batendo a porta do armário, eu me viro de volta para o armário. Tenho certeza que ele prefere os vestidos, mas após sua exibição flagrante de controle, quero vestir algo pouco atraente, o tanto que eu puder evitar isto com ele. Com isso em mente, escolho um jeans justo e uma camisa rosa claro com decote em V. Puxo meu cabelo para fora do coque e faço uma trança solta longa na frente do meu ombro. Quando saio, um delicioso aroma enche a cozinha. Acho que algo está assando no forno. Eu não sabia que War sequer sabia o que era delicioso. "Estilo grego de lasanha vegetariana," uma voz profunda sussurra do fundo do corredor. Eu atiro meu olhar da cozinha para vê-lo parado vários passos atrás de mim. Seu cabelo escuro está agora ligeiramente despenteado como se estivesse correndo os dedos por ele. A camisa está completamente desabotoada, o que mostra seu tanque por baixo. Ele arregaçou as mangas azuis, mostrando belos antebraços e as mãos estão empurradas nos bolsos de sua calça. A expressão em seu rosto ainda é quase selvagem como a de mais cedo, e eu estou surpresa quando um tremor de excitação percorre minha espinha. Ontem, ele estava uma bagunça. Hoje, ele está mexendo com a minha cabeça. Hoje seus padrões e métodos obsessivos normais estão lá, mas um lado diferente dele pulsa por trás desses comportamentos compostos. Eu quero arranhar ele e liberar esse lado. "Eu estou pronta para o e-mail que você prometeu:" Eu digo e tento evitar de manter as minhas bochechas de ficarem vermelhas. Eu deveria estar com raiva dele, não babando por ele. "Vamos para a sala", diz ele em voz baixa, sedutora. A voz que você pode quase fazer amor. "Eu quero dar-lhe uma coisa."


Com as pernas trêmulas, eu o sigo para fora da cozinha. O sol está se pondo e estará escuro em breve. Ele me leva até o sofá e acena para eu sentar. Uma vez que estou sentada e tentando recuperar a compostura, olho para ele. Por um breve momento, a fome brilha em seus olhos, antes dele esconder isso. OK… Momentos depois, ele retorna e coloca um laptop sobre a mesa de café. "Isso é seu. Você terá acesso à Internet e a conta de e-mail que eu configurei para você. Contas de mídia social são bloqueadas para sua própria segurança. Eu tenho firewall para certificar-se de que você acidentalmente não divulgou a sua localização ". Nossos olhos se encontram e eu mantenha seu olhar. "Obrigada." Ele franze a testa, mas oferece um breve aceno de cabeça. "O jantar estará pronto em trinta minutos. Vamos jantar juntos, então envie o seu e-mail agora, enquanto tomo um banho rápido." Eu forço um sorriso quando ele começa a se afastar. "Oh", ele diz com uma voz tímida e vira-se para apertar seu olhar para baixo sobre meu corpo, "Eu quero que saiba que você está linda. O rosa é uma cor que se destaca contra a sua pele impecável. Com seu cabelo loiro derramando-se sobre si mesma, você me faz lembrar de um por do sol do outono atrás do oceano. Simplesmente linda." E depois disso, ele caminha a distância. Eu pisco depois que ele saiu por alguns momentos. Algo que ele disse em um capricho, foi possivelmente o mais bonito elogio que alguém já me deu. E aqui pensando que ele seria repelido por minha roupa simples e penteado bagunçado. Em vez disso, ele achou que sou tão bonita quanto o pôr do sol sobre o oceano que ele tão claramente ama. Com um grunhido irritado, mas secretamente satisfeita, me viro para abrir o sofisticado MacBook e abro o meu e-mail. Eu tenho uma mensagem não lida. De War.


Peace7, Sinto muito que tem que ser deste jeito. Me dê um tempo, e prometo que vou fazer isso dar certo para você. Sua luz já está se infiltrando nas partes escuras da minha alma e eu não vou deixar escapar nada por um segundo. Me chame de ganancioso. Me chame de inteligente. Seja o que for, sei que não posso viver sem essa luz. Eu tenho existido por tanto tempo na escuridão. Sozinho. Vinte e duas respirações por minuto. Embora hoje me esqueci de contá-las. War

Eu fico olhando para suas palavras e uma mistura de culpa e satisfação cai sobre mim. Eu sou uma distração em sua mente. O fato de que ele me chamou de Peace (paz) só prova ainda mais o que ele pensa de mim. War, Vou guardar essa promessa. Peace

Depois que clico em enviar, abro um novo e-mail. Papai não tem e-mail, mas a mãe tem, para ajudá-la a manter-se em contato com a nossa família em Indiana. Pergunto-me como exatamente War planeja que eu não escreva a verdade sobre onde estou. Mas, se ela soubesse poderia contar a Gabe. O que Gabe vai fazer para eles, se eles perceberem que ele estava por trás de tudo? Ele provavelmente vai matá-los. Depois de tudo que ele fez na cabana, não posso imaginá-lo fazendo qualquer coisa menos que isso. O homem é psicótico.

7

O nome War = Guerra, achei por bem deixar o apelido que ele deu a ela tbm em inglês. Peace = Paz


Mamãe, Peço a Deus que você esteja se sentindo bem. Espero que de alguma forma eles mudaram a lista de transplante. Me desculpe, eu saí sem dizer adeus. Eu conheci alguém e estamos apaixonados. Vou tentar entrar em contato quando puder. Felizmente, isso tudo vai acabar logo e eu poderei voltar para casa. Vou trazer-lhe uma concha de lembrança. Você sempre amou nos levar para as praias no sul da Califórnia. Eu a amo e sinto muito sua falta e de papai. Com amor, Baylee. P. S. Por favor, não mencionar este e-mail para Gabe. Este é um assunto de família privado e eu apreciaria que se mantivesse dentro da nossa família.

Satisfeita com o meu e-mail cheio de dicas para meus pais que Gabe provavelmente não iria pegar, eu clico em enviar. Eu franzo a testa quando ele fica na caixa de saída. Muitas tentativas depois, ainda não sai do lugar. Com um acesso de raiva, eu coloco o computador na mesa e sento no chão em frente a ele. Firewall. Isso realmente significava que ele ia monitorar cada e-mail antes de eu enviar? Eu olho para trás para baixo na tela quando vejo um flash de movimento. Estou estupefata quando o cursor move-se, abre o e-mail, e as minhas palavras mudam diante dos meus olhos. Mamãe, Peço a Deus que você esteja se sentindo bem. Espero que de alguma forma eles mudaram a lista de transplante. Me desculpe, eu saí sem dizer adeus. Eu conheci alguém e estamos apaixonados. Vou tentar entrar em contato quando puder. Um dia nós iremos para uma visita. Vou levar-lhe uma lembrança. Eu a amo e sinto muito sua falta e de papai. Com amor, Baylee.


PS ... por favor não menciono este e-mail para Gabe. Este é um assunto de família privado e eu apreciaria se mantivesse dentro da nossa família. Que diabos? Eu abandono o computador e corro em direção ao seu quarto. Quando entrou no quarto, eu tenho um momento para admirar a vista e quase esqueço por que estou lá. War senta-se na beira da cama, uma perna pendurada e a outra dobrada com um laptop apoiado nele. A toalha em torno de seus quadris estava perigosamente aberta perto do seu pau revelando uma coxa com pelos. Ele está afetado por mim assim como estou por ele. É meio difícil de esconder uma ereção quando tudo o que você está vestindo é uma toalha. Pingos de água estão correndo por seu peito esculpido a partir de seu recente banho. Seu cabelo escuro está molhado e grudado na cabeça. Ele é uma imagem de perfeição. Um deus cinzelado em um homem. Lindo. Minhas bochechas queimam porque não posso nem formular palavras para dizer a ele. Não estou mais com raiva, mas em vez disso enlaçada em seu olhar intenso. "Eu mudei algumas coisas", diz ele em um tom ríspido quando arrasta seu laptop sobre o colo dele cobrindo o que eu já tinha visto. "Isso foi invasivo, War." Estou feliz por ter finalmente lembrado a razão pela qual invadi o quarto em primeiro lugar. Foi para brigar, não cobiçar ele. "Eu não disse nada." Ele suspira e tira alguns cabelos de seus olhos. "Invasivo é ter uma frota da porra de agentes do FBI aterrorizando a minha casa. Eu posso ter problemas, Bay, mas não sou nada estúpido. Suas pequenas dicas seriam usadas para encontrá-la." Lágrimas vem aos meus olhos. "Eu só queria que eles soubessem que estou bem."


Ele passa rapidamente seu olhar sobre o meu corpo antes de fechar seu laptop. "E você está. Mas eu lhe disse, nós vamos ter que jogar isto juntos. Eu preciso de você, Baylee. Temos que fazer isso do meu jeito. " "Bem. Seja o que for, Mestre," Eu profiro sarcasticamente. "Mais uma vez, lembro-me que sou sua prisioneira. Quando é que podemos comer? Estou morrendo de fome e pronta para ir para a cama." Ele se levanta e eu não me seguro, mas passo um olhar sobre seu peito mais uma vez antes de encontrar seu olhar. A toalha branca acaba ficando muito reveladora nos pelos baixos e escuros, o que leva diretamente para a protuberância debaixo da toalha. Eu desvio os olhos para o chão, porque se eu continuar olhando para ele, vou perder o meu domínio sobre minha sanidade. Os pensamentos zunindo na minha cabeça não são naturais e são errados. "Você não é minha prisioneira", diz ele em voz baixa. Seus passos são lentos e inseguros, mas logo ele está elevando-se sobre mim apenas alguns centímetros de distância, o calor de seu corpo quase me derretendo no chão. "Mas você é como uma droga milagrosa, Bay. Por alguma razão, não estou obsessivo com números e germes e padrões. Cada vez que você abre a boca, estou firme em suas palavras. Sou atraído pela maneira como você as diz. Quando estou perto de você, eu não estou obcecado sobre meus problemas, porque estou obsessivo por você. " O homem é comprovadamente louco. Suas palavras e ações não são melhores do que as de Gabe, mas eu encontro meus lábios virando em um canto em um meio sorriso. Eu gosto de controlar a sua felicidade. Ele abre uma porta escura dentro da minha cabeça—uma que Gabe nunca me deixou ver. Gabe controlava todos os aspectos de mim. War não é o único no controle aqui, apesar de seus e-mails monitorados, refeições vegetarianas, e roupas que ele escolheu para mim. Não, ele sabe quem detêm o poder. Eu só gostaria de saber o que fazer com esse poder. "Por que você gosta tanto de mim?" Eu questiono, levantando os olhos para satisfazer seu olhar ardente. "Por que tenho a capacidade de fazer com que você não pense nessas coisas?"


Ele se inclina para a frente e respira fundo. "Eu não faço ideia. Mas quero explorá-la. Você não tem ideia de como relaxante é não ser agredido pelos demônios em sua cabeça, mesmo que apenas por alguns momentos. Estou exausto. Então, fodido de esgotado. E, pela primeira vez, no que parece ser sempre, eu estou vivendo um pouco fora da minha cabeça e é refrescante como o inferno. " Meus olhos encontram os seus e eu tremo. Seu olhar penetra dentro de mim e se desenrola com cuidado em cada coisa secreta sobre mim. Eu me sinto exposta na sua dissecação visual. Eu levanto a mão para sua bochecha, mas não o toco. Todo o seu corpo estremece com a sua proximidade perto de mim. Momentos antes, eu estava zangada com ele, mas quando ele abriu seu coração e expõe suas peças brutas, não posso deixar de ficar intrigada. Ele aperta os olhos fechados e range os dentes. Seu peito musculoso solta cada respiração que ele toma. Eu vejo como as sobrancelhas apertam e relaxam uma e outra vez como se ele estivesse lutando com sua mente mais uma vez. "Eu não estava tentando sugerir aos meus pais onde eu estava, na esperança de que você ia levar a culpa por algo que Gabe começou, você sabe," eu digo e solto minha mão. Seus olhos se abrem e ele franze a testa. "Eu sei. E não é com seu pai que estou preocupado. Você mesmo disse que Gabe vai encontrá-la se você não tiver cuidado. Eu só estou sendo cuidadoso, Baylee, não é loucura. " Um tremor ondula através de mim com o pensamento de estar nas garras ásperas de Gabe novamente. Eu vou fazer de tudo para não deixar isso acontecer novamente. Mesmo que isso signifique deixar War ter seu controle sobre os meus emails. "Ok, então. Vou ter mais cuidado", admito. Ele sorri para mim, como se minhas palavras tivessem o poder de fazê-lo feliz, e eu não posso ajudar, mas devolvo o gesto. "Como você fez isso de qualquer maneira, entrando no meu computador como se você fosse um fantasma? Se eu for honesta aqui, isto foi assustador," eu digo a ele com um aceno fingido de desgosto saindo do meu lábio.


Sua risada enche a sala—profundo e gutural e suaviza fora qualquer aborrecimento duradouro sobre ele ter entrado na minha mensagem para os meus pais. "Se eu dissesse a você, então teria que matá-la." Ele balança as sobrancelhas e faz um tentativa de um olhar feroz, o que me faz rir. "Eu vou me arriscar." Ele passeia até seu armário e desaparece. Eu posso ouvir o som de cabides que se deslocam enquanto ele procura algo para vestir. "Na verdade, isso é chamado de acesso remoto", ele diz do interior do armário. "Os computadores da casa estão todos associados ao domínio. A partir do servidor, como administrador, posso gerir qualquer computador em casa facilmente. Eu estava realmente conectado remotamente do meu laptop para o servidor e, em seguida, para o seu computador. Então eu-" "Oh meu Deus", eu gemo e volto para a porta para sair do quarto. "Você vai me matar de tédio. Esqueça que perguntei." Mais sua risada de garoto, abafada pelo armário, me faz sorrir, mas me apresso e deixo o espaço onde me pergunto sobre como ele deve se parecer sob a sua toalha. Estando tão perto com o cheiro dele, ouvindo-o, quase sentindo-o—é demais para o conforto. Meu corpo está super sensível quando estou perto dele e eu não tenho certeza se gosto disso em mim mesma. Eu deveria ter medo ou raiva, mas não no quarto de War o ouvindo rir, eu não posso. Estou longe de ser como deveria estar sentindo. Na verdade, pela primeira vez em algumas semanas, eu realmente me sinto segura e ouso dizer, feliz. E é isso que me assusta.


UMA SEMANA com Baylee e minha vida mudou drasticamente. Tudo parece mais suave. Mais silencioso. O martelar na minha cabeça—o constante golpear de números e cálculos, de possibilidades sangrentas, de repugnantes desastres e tudo se acalma quando ela está por perto. Eu perco o controle de tudo isso, e me concentro sobre ela. A voz dela. Seus movimentos. O cheiro dela. Nós dois estamos tentando descobrir esta situação. Ela, às vezes aparece na ponta dos pés em torno de mim, tendo cuidado com suas palavras, quando estou particularmente mal-humorado e os monstros em minha cabeça se aproximam de mim. E eu tento não ficar obcecado sobre ela. Ser obcecado por ela é fácil. Eu cronometro cada coisa que ela faz. Eu sei que ela mastiga cada mordida de comida quase a mesma quantidade de cada vez. Vinte e seis. Vinte e seis mastigadas. Sei também que ela pisca 24.480 vezes por dia. 17 vezes por minuto. 1200 piscada por hora. Esta é a média, mas a variação é nula, quase posso contar quando ela pisca as dezessete vezes a cada minuto. Eu sei disso porque olho para ela. Muito. Não apenas seus lindos olhos azuis, mas na maioria das vezes sua boca também. Seus lábios carnudos e rosa perfeito. É difícil desviar o olhar quando ela vem em meu caminho, para não olhar para seus lábios.


E a garota pode falar. Eu nunca imaginei, embora eu tivesse sido muito esperançoso, que o som da voz de alguém poderia embalar a maioria dos meus demônios para dormir. Demônios que rugem e cortam o interior da minha cabeça em pedaços fragmentados agora estão sendo silenciados. Como se ela empunha uma espada, em sua língua, e eles solenemente temem. Sua reverente e suave voz, quase sussurrada, histórias de sua mãe. Contando seus contos carinhosos e orgulhosos sobre seu pai e de como ela se sentia protegida por ele. Suas memórias felizes da escola e pista de corrida. E até mesmo seu namorado Brandon. Eu podia ouvi-la falar por toda a eternidade. Colocar sua voz em um loop infinito para passar a minha existência enlouquecedora. Com Baylee, minha vida tornou-se positivamente suportável. E Jesus Cristo, eu gostaria de ser espelhado por ela. Para revesti-la com as minhas palavras, mesmo que essas sejam muito menos em quantidade do que as dela. Para ter o seu olhar para a minha boca como se tivesse o poder de fazer milagres como os dela parece fazer. Para tê-la ouvindo as minhas histórias e memórias com intenso interesse. Mas isso está longe de ser o caso. Com cada careta que ela tenta esconder. Cada lágrima que ela deixa cair a distância. Cada e-mail sem resposta de seus pais, eu sei. Ela não é nada, além de uma prisioneira bem paga. Eu passei a maior parte da semana obcecado sobre como mudar isso. Sobre o que dizer e como interagir com ela na esperança de que ela vai começar a olhar para mim com olhos diferentes. Para não me considerar como o diretor de sua sentença, mas sim o sol no céu. Brilhante e cintilante e bonito. Porque é assim que eu a vejo. Ela me cega com sua inocência. Seu humor. Sua inteligência e charme. Eu sou um homem cego vendo pela primeira vez quando estou ao seu redor. Ela é minha salvadora.


"Ainda sem nenhuma resposta", ela pronuncia da porta da cozinha, seu lábio inferior trêmulo. Eu franzo a testa para ela. "Dê-lhes algum tempo." "Eu sei que eles estão preocupados. Achei que eles ficariam felizes em saber que eu estava segura e não fui sequestrada, mesmo que fui. Por que eles não respondem?" Uma única lágrima rola para baixo de sua bochecha e eu imploro para confortá-la. Apesar dos demônios me silenciando, eu ainda não consigo imaginarme a vontade em tocá-la. Essa é a parte que me suga. Eu quero abraçá-la em meus braços e beijar sua mágoa. Mas eu seria estúpido de acreditar que nunca seria capaz de fazer uma coisa dessas. "Qualquer coisa poderia ter acontecido. Talvez seu telefone foi desligado ou algo assim." Ela franze a testa. "Talvez. Eu gostaria de saber o que esta acontecendo. Aqui eu me sinto tão cortada do mundo." Desta vez, eu tenho aquele sentimento de culpa. Eu a tranquei em seu computador a partir de qualquer coisa que poderia dar-lhe acesso ao mundo exterior. Ela tem um aplicativo de clima—como se eu fosse deixar ela sair—e deixei aberto algumas lojas que o meu cartão de crédito está ligado, para que ela possa comprar o que ela quiser. Mas o noticiário. Mídia social. Fóruns. Nada. Todos bloqueados. Para sua segurança, é claro. "Eles vão responder em breve," eu asseguro. "Tenho certeza que eles estão preocupados com você e sentem sua falta. Poderia haver muitas razões pela falta de resposta. Nós vamos chegar até eles eventualmente." Eu me afasto dela para que ela não possa ver as minhas feições e olhar para baixo na água suja. Mentir não é um dos meus pontos


fortes. Mesmo quando era uma criança, eu não mentia sem me entregar. A verdade é que os pais não estão preocupados. E isso me preocupa. Nem uma única reportagem mencionou nada sobre a garota desaparecida chamada Baylee Winston. Nenhum relatório de pessoa desaparecida arquivado. Nem uma única menção em qualquer de suas contas de mídia social. Eu sei disso porque fui procurar sobre de onde veio, quem ela é, quem seus pais eram, que tipo de casa que ela cresceu. Todas as coisas para confirmar suas histórias e pintar um quadro mais detalhado da mulher na minha casa. A mãe dela não postava nada frequentemente e o último post foi mais de um mês atrás, ela e Baylee encolhidas na cama. Era bonito e isso me encantou com ela ainda mais. O problema é que, se sua filha está desaparecida, você não iria explodir essa informação em todo o lugar? Eu pesquisei a página de seu pai e ele publicou um par de imagens de um carburador que tinha vindo a trabalhar. A última mensagem foi esta semana. Essa merda tinha quase me dado ataques mentais durante toda a noite. Não há nenhuma maneira que eu posso lhe dizer que ninguém está procurando por ela. Apenas aquele maldito lunático, Gabe. Ela passa por mim e inclina seu quadril na borda do balcão, profunda em seus pensamentos, e olha para fora da janela, logo após a mesa da cozinha com vista para o oceano espumante. Hoje, seu longo cabelo loiro está úmido no meio das costas. Está despenteado e solto—uma noção de que normalmente me aterrorizaria. No entanto, aqui estou desejando que tivesse a força mental para puxá-la para um abraço reconfortante e acariciar seu cabelo sedoso. Para deslizar meus dedos em seus cabelos louros e beijá-la como se não houvesse amanhã. Um pequeno gesto normal entre um homem e uma mulher. Com Baylee, quase posso imaginar os gestos normais, que em uma vida normal seria semelhante. A vida onde ela é minha confidente e amante. Uma vida onde sou feliz e temos um futuro. Ao mesmo tempo, me senti assim sobre minha namorada de escola, Lilah. Isso foi antes.


Antes dos monstros. Antes do sangue. Antes da miséria que ele próprio ligou à minha alma. Eu deixei minha mente vagar para longe da visão em frente a mim e de volta para o passado, um lugar que eu não me deixo ir muitas vezes. "Eu não estou grávida." Eu estava andando em seu quarto do lado de fora da porta do banheiro por três minutos inteiros à espera do resultado. Quando Lilah tinha dito que seu período estava atrasado, eu fiquei fora de mim. Se eu a engravidasse meu pai me mataria. Eu nem sequer quero imaginar o que o pai dela faria para mim. "Venha aqui," Eu trovejei do outro lado da porta. Ela abriu a porta e suas bochechas manchadas de lágrimas, mostrou a prova de que ela estava chorando. Eu empurrei para dentro do pequeno espaço e a envolvi em um abraço de urso. Enquanto apertei ela, olhei para o teste e dei um suspiro de alívio ao ver que ela estava me dizendo a verdade. Eu não tinha dezoito anos ainda e ela tinha acabado de completar dezesseis anos. Nossa vida acabaria se tivéssemos de cuidar de um bebê. "Por que você está chorando?", Questionei enquanto acariciava seus cabelos castanho. Ela fungou. "Eu não sei. Eu meio que esperava que teríamos um bebê. Que poderíamos nos casar e ter uma família." Eu fiquei tenso com suas palavras. Por mais que amo Lilah, eu não estava pronto para ser um pai. Seu pai era um idiota, então eu sabia por que ela teria gostado de sair de casa e criar uma nova família. Mas, eu realmente gosto dos meus pais. Eu não tinha nenhuma pressa de crescer tão rápido. "Com o tempo," eu prometi, "Eu vou tirar você daqui." Ela agarrou a minha camiseta preta e começou a puxá-la de cima de mim. Eu não tinha estado de bom humor, mas no momento em que ela esfregou o meu pau através do meu jeans, eu endureci imediatamente. Nós acabamos de sair de um susto da gravidez e eu estava pronto para estar dentro dela novamente. Desta vez, porém, eu não esqueceria o preservativo.


"Faça amor comigo, Warren", ela implorou. Nós fizemos um rápido trabalho de arrancar nossas roupas e uma vez que meu pau estava seguro dentro da borracha, a ergui sobre a bancada, empurrando o teste longe, e entrei com força nela. "Sim", ela gritou e apoiou a cabeça contra o espelho enquanto eu impulsionava nela. Minha boca encontrou seu pescoço e eu suguei sua carne lá, amando o gosto dela. "War", um gemido doce, no entanto, um pouco familiar, arrasta-me da minha memória distante e eu congelo. Eu estou pressionado contra Baylee, meu pau moendo em sua barriga com meus dentes beliscando seu lábio inferior. Seus dedos são enfiados no meu cabelo e estão agarrando-me desesperadamente. Por um breve segundo, sou capaz de aproveitar o momento de tê-la apenas por um curto período de tempo, antes que os monstros que estavam dormentes, me assolarem. E se eu perder o controle e afundar os dentes em seu lábio? Será que o sangue vai pulverizar por toda a minha cozinha branca? Será que ela sangrará por todo o azulejo, saturando tudo no seu rastro? Merda! Eu bato meus olhos fechados e empurro para longe dela, ignorando a queimadura no meu couro cabeludo onde ela estava segurando meu cabelo. Meu pau pulsa dolorosamente, mas não é esta cabeça que está ganhando esta guerra. Toquei-lhe. Eu a beijei. Eu a provei. Eu quase a fodi contra a bancada na minha cozinha. Será que sua calcinha está molhada? "Foda-se", eu assobio fora e esfrego as palmas das mãos em minhas bochechas. "Porra!"


Sua voz preocupada tenta percorrer a escuridão na minha cabeça, mas quando se aproxima eu corto o ar na frente de mim levantando a mão. "F-F-Fique longe!" Eu tropeço para trás até que bato na borda do fogão atrás de mim. Minha mente grita para chegar ao meu banheiro para lavar a minha boca e minhas mãos e meu pau. Se eu pudesse lavar a minha alma, faria isso também. Que merda que eu fiz? War. War. War. Meu nome é um canto preocupado sendo pronunciado uma e outra vez na cozinha, mas grito para ele. Eu o esmago. Eu o ameaço. Com cada respiração que tomo, estou o afastando. O canto. Basta ficar longe. Seus soluços só alimentam a escuridão dentro de mim. Eu não entendo por que ela está chorando, mas isso me deixa mais louco. É muito. Eu tenho que ficar longe dela. Longe. Longe. Longe, até que estou no chuveiro de água quente no meu banheiro, esfregando-a longe mim. Todos os lugares que eu a toquei. Os lugares que ela me tocou. Eu quero que isso se vá. E não se vai até eu colocar uma roupa limpa é quando a tempestade negra se dissipa. Eu pisco meus olhos em confusão quando me pergunto por que lancei meu fodido problema sob ela. Eu estava com os lábios trancados com a mulher que tenho uma obsessão por uma semana e estou muito lunático para aceitá-la. Para ser normal. Para beijar e afastar a dor dela. Em vez disso, só inflijo mais sofrimento. Amarrações emocionais que ela não merece e não pode entender. Inferno, eu mal consigo entendê-los. Merda. Com um acesso de raiva e determinação crescente, sigo para seu quarto. Do outro lado da porta, eu ouço um fungar ocasional. Com um grunhido, eu empurro a porta, pronto para


enfrentá-la e pedir desculpas. Quando meu olhar corre plenamente na cena, eu quase esqueço tudo e a empurro para a cama. Baylee está ao lado da cama completamente nua, suas roupas descartadas em uma pilha ao lado dela no chão. Ela está trabalhando em trançar seu cabelo loiro desarrumado. Nossos olhos se encontram e o tempo congela. Eu esperava que ela recuasse ou me chamasse por nomes. Eu esperava que ela se cobrisse ou me dissesse para sair. Em vez disso, ela passa os dedos pelo cabelo para dividi-lo em três partes iguais e fala em voz baixa. "O que foi aquilo?" Lágrimas vêm aos olhos dela e a rejeição pintada lá me apunhalando. "Jesus," eu gemo e corro os dedos pelo meu cabelo. "Eu não sei!". E essa é a verdade. Eu não tenho a menor ideia do que deu em mim. O que me possuiu para bloquear a miséria constante nadando dentro de mim e me jogar em um beijo perfeito. Claro, a memória de Lilah despertou a minha bravura— lembrando de um tempo em que eu era capaz de fazer essas coisas, mas foi os lábios de Baylee que eu estava beijando. Perfeito. Rosa. Carnudos. "Você me quer." Eu arrasto o meu olhar de sua boca e franzo a minha sobrancelhas juntas quando me encontro com seu olhar choroso. Deus, eu mataria por beijá-la novamente. Para sentir a maneira suave que seus lábios acariciaram os meus. A forma como a língua, quente e escorregadia, sentia dentro da minha boca, dançando com a minha própria. Voltando antes de fazer algo estúpido, mais uma vez, inclino minha cabeça contra o batente da porta e rosno minha resposta. "Caralho, você não tem ideia do quanto a quero." "Eu estou confusa, War." Ela diz em voz alta. "Por que você fugiu de mim, então? Meu beijo foi tão ruim assim? Eu repeli você?"


Sim. "Não", eu minto, "Eu só ..." "Sua mente não pode suportar a ideia de me tocar, mas seu corpo é uma história completamente diferente." Eu puxo para trás e encontro seu olhar. Seu corpo é uma visão, e eu quero estar dentro dela. Eu quero foder como um homem que esteve preso por uma década. A liberação que ela detém é atraente como o inferno. Pena que minha cabeça de merda me odeia. "Isto não é fácil", murmuro, "estar em desacordo comigo mesmo." Ela pega uma das camisolas que eu tinha comprado e puxa-a sobre seu corpo nu. É rosa claro e feito de seda. Apesar de ser roupa de dormir, é sexy para caralho. O material colante abraça seus seios lindos e mostra seus mamilos duros. Quase me fez cair de joelhos, isso é a mais maldita coisa quente que já vi em uma mulher. "Não é fácil para mim também", ela sussurra. Seus olhos estão cansados e eu posso dizer que ela preferia ir dormir do que ficar conversando com esse louco. Frustrado, eu corro os dedos pelo meu cabelo e digo. "Eu estou tentando, Bay." Ela franze a testa e o olhar duro de antes se dissipa, dando lugar a um mais compassivo. "O que você quer então? Eu sinto como se estivesse pisando em cacos aqui, e não tenho certeza de onde ir. " A imagem de seus pés pisando em cacos afiados de conchas aperta o meu peito. Será que os pontos duros perfurariam sua pele? Será que ela sangraria por todo o maldito chão? Pior ainda, há uma possibilidade de que a concha poderia enterrar-se sob a pele? Ela poderia de alguma forma estar em risco de ter salmonelas se a bactéria entra em sua corrente sanguínea? Será que ela morreria? "War", diz ela com suavidade, seu tom calmante se aproxima de mim, hesitante: "o que você quer fazer? Assistimos a um filme? Conversamos?"


As palavras dela tira-me do show de horror em minha mente. Seus cílios batem contra seu rosto um, dois, três, quatro, cinco, seis vezes antes de eu encontrar as minhas palavras. "Na verdade, eu estava indo ensinar-lhe xadrez", murmuro. "É claro, se você quiser aprender ainda. Eu sei que você está entediada e isso poderia entretê-la". Um pequeno sorriso puxa os cantos dos seus lábios. "Eu quero aprender. Eu deveria lavar as mãos em primeiro lugar? " Baylee pode ter dezessete quase dezoito anos, mas ela é uma das mulheres mais maduras que já conheci. Sua alma é compassiva, como minha mãe era. Ela se preocupa com o bem-estar dos outros. De mim. Mesmo que eu tenha agido como um completo idiota depois do nosso beijo. A maioria das pessoas acha que sou uma aberração, por isso me escondo no meu lado da praia na minha propriedade. Meu pai me protege o melhor que pode, mas, ocasionalmente, meus problemas são explorados por outros. Devido ao sucesso da empresa do meu pai, eu sou às vezes arrastado para os olhos do público por curiosidade. Eles costumam desistir depois das recusas suficientes para entrevistas e assim me escondo por meses. Mas, mesmo com os meus escapes dos holofotes, muitas vezes me deparo com alguém que está horrorizado com os meus comportamentos. Quer se trate de um carteiro entregando um pacote ou um vizinho amigável aparecendo para dizer oi. Todos eles aprendem rapidamente que sou a porra de uma bagunça. Todos e cada um deles olham para mim com desgosto escrito em seus rostos. Lábios franzidos. Olhos arregalados, mandíbulas tensas. Deixe isso para trás. Está tudo na sua cabeça. Eu fico tão cansado da porra desses pensamentos. Está claro que isso está somente na minha maldito cabeça. Se eu soubesse como tirá-lo, já teria encontrado uma maneira de abrir meu crânio e arrancar essa merda. Jogá-la por toda a porra das paredes e tocar fogo em tudo. Vê-lo queimar até o chão de merda que tenho que andar sobre a cada dia. "War?"


Suas sobrancelhas estão juntas com preocupação. Mais uma vez ela me espanta com seu desprendimento quando se trata de mim. "Sim, por favor. Use o sabão na cozinha. Lave-as duas vezes apenas no caso. Às vezes, as bactérias podem ficar em suas mãos, mesmo após três minutos de lavagem com água e sabão. É por isso que eu lavo durante quatro minutos da primeira vez e, em seguida, quatro minutos mais a segunda vez antes de jogar xadrez. Até então, tudo deve ser removido." Eu recito as minhas palavras. "Deve ser a palavra-chave. Minhas peças de xadrez são preciosas para mim e precisam ser tratadas adequadamente. Assim, apenas no caso, lave as mãos duas vezes. Quatro minutos cada. " Seus olhos se arregalam e ela começa a morder os lábios. Todos os pensamentos terríveis de germes rastejando na ponta dos dedos e infectando minhas torres, bispos, peões, rainhas e reis correm da minha mente enquanto me concentro em sua boca. O lábio inferior é grosso e inchado. Feito para sugar. Trinta e sete minutos e dezesseis segundos atrás, eu tive a minha boca na dela. O monstro dentro de mim grita, lembrando-me da quantidade insana de microrganismos que mais do que provável, habitam sua língua e gengivas. Esses microrganismos são como doenças, são transferidos. Porra, pare agora. Eu pisco uma, duas, três vezes e lambo meus próprios lábios. Eu tinha estado em tal pressa para esfrega-la de mim, mas agora estou desejando que ainda pudesse sentir o gosto dela. Meu corpo acelera para beijá-la novamente, mas os demônios em minha cabeça riem na porra da minha cara. Vocês. Não pode. Fazer. Isto. "Como vou saber quanto tempo de quatro minutos é?", Ela questiona, agarrando minha atenção novamente. Eu franzo a testa. "Você conta. Isto é o que eu faço. Duzentos e quarenta segundos cada. Total de quatrocentos e oitenta segundos". Ela explode em um riso de menina que me distrai. É inocente e leve e eu quero me banhar ao som dele. Sua voz é uma que eu poderia ouvir durante todo o dia e nunca se cansar.


"Talvez você devesse me comprar um relógio para que eu não me atrapalhasse", ela finalmente diz uma vez que seu humor morreu. "Até então, você pode fazer isso comigo?" Eu já estou fazendo compras on-line na minha cabeça. Tamanhos e marcas e espessuras de relógios que vi, de passagem, filtram pela minha cabeça como um catálogo personalizado. Seu pulso é tão delicado e macio, mas seu espírito é forte. Vou ter que encontrar algo que aproveita ambos. "Warren. Foco." Eu pisco para ela e tento livrar-me dos pensamentos que estão me enlouquecendo. Ouro rosa? Isso seria impressionante contra sua pele clara e"War", ela se encaixa, passando por mim e quase roçando meu ombro. "Pense em tudo o que está passando pela sua cabeça mais tarde. Depois do nosso jogo de xadrez. Eu estou pronta para aprender. " Com um suspiro profundo, aceno e a sigo em direção à cozinha. O globo de sua bunda balança a cada passo que ela dá e meu pau reage quase magneticamente para ela. Pensamentos explosivos aborrecidos e desvanecem-se quando me concentro em sua figura linda. Ela obedientemente lava as mãos. A espuma ensaboando-se muito bem em sua pele perfeita e me tornando hipnotizado. Acho que é difícil se concentrar em qualquer coisa ao seu redor, qualquer coisa perto dela, qualquer coisa, além dela. E mais uma vez, eu perco a conta.


"SUA VEZ," eu digo quando deslizo sentado na cadeira o meu branco, bispo de marfim na diagonal. Suas sobrancelhas se unem juntas e eu assisto com fascinação enquanto seus olhos se dirigem por todo o tabuleiro, sem dúvida configurando muitos resultados diferentes com cada movimento possível que ele possa pensar. O homem é obcecado—nenhuma surpresa aí— com este jogo, mas eu nunca o vi assim no seu momento. Levou uns bons dez minutos para configurar o tabuleiro. Eu poderia dizer que após as duas primeiras peças, ele queria purificá-los todos com o seu pano macio, mas bastou um olhar vergonhoso do meu lado, para ele empurrar o pano e configurar o tabuleiro. Demorou um tempo para ele explicar as regras para mim, mas uma vez que tive uma compreensão decente, começamos. Com cada movimento, ele me perguntava se eu tinha certeza. Eu sei que ele estava tentando ajudar, mas isso me fez adivinhar cada colocação das suas peças de xadrez. Era como se ele tivesse o jogado por tanto tempo, que ele não podia suportar vencer tão facilmente. É evidente que não sou páreo para ele. "Tem certeza de que não pretende mover sua torre lá em vez daqui?", Ele aponta para um quadrado preto. Eu amasso meu nariz e inclino para a frente. A torre parece que protege meu rei, então não quero movê-la. Não há outros movimentos que parece possível, além do bispo. Tocando meu lábio


inferior com a ponta do dedo, considero que ele poderia ter planejado contra mim. "Eu acho que sim…" Ele resmunga e paira com mão sobre o tabuleiro. "Xeque-mate". Com delicadeza, ele levanta o cavaleiro e pula-o sobre um peão para atacar meu rei. Nossos olhos se encontram e ele sorri para mim, a satisfação estampada em seu rosto. É um olhar bonito nele. Eu sempre fui competitiva quando se trata de jogos de tabuleiro, mas com um olhar, quero perder todos os jogos para ele, apenas para ver sua sobrancelha levantar e o sorriso subir em um lado. "Você me enganou", eu digo, com uma risada. Seu olhar cai para minha boca e eu assisto seu pomo de Adão em sua garganta enquanto ele engole. Agora que o jogo acabou e ele não está fixado no tabuleiro, eu me tornei sua nova obsessão. Ele desliza sobre o material de seda da minha camisola, pairando sob os meus seios, e depois deixa cair os olhos para minhas coxas nuas. Eu poderia ter trocado para algo mais decente, mas meio que gostava de me sentir sexy para ele. O pensamento dele perder o controle novamente e beijar-me mais, me arrepiava. Sua boca na minha tinha sido decadente. War está perdida dentro de sua própria cabeça na maioria das vezes, mas por aquele breve momento, ele se perdeu em mim. E eu gostei. Eu mordo meus lábios, saboreando o sabor persistente dele lá, e ligeiramente arrasto minha camisola até minhas pernas, revelando mais pele das minhas coxas. Com meus olhos sobre ele, eu o observo para detectar quaisquer sinais que indicam que o que ele vê o excita. Ele limpa a garganta, mas seu olhar está sobre as minhas pernas. Eu não estou usando nada por baixo da camisola. A ideia de espalhar minhas pernas para mostrar a ele, me deixa molhada. Gabe pode ter sido um psicótico, mas eu meio que sentia falta do seu perito toque quando ele não estava me machucando. Se War, a alma gentil que ele é, me tocar, acho que gostaria de aproveitar um inferno inteiro e muito mais.


Sentindo-me corajosa, me inclino para trás contra as almofadas do sofá, e me estico de modo que minha camisola levanta ainda mais. Na minha frente sentado na poltrona, ele puxa uma corrente de ar. "Bay." Sua voz é um rosnado baixo, quase um aviso. Isso me excita e um arrepio de desejo faz cócegas em toda a minha carne. "Sim?" "Por favor, pare." Lágrimas de rejeição brotam em meus olhos quando suas palavras são proferidas e eu rapidamente arrasto minha camisola de volta para os meus joelhos. Calor arrasta-se até o meu pescoço de ser pega e não posso mais olhar para ele. "Sinto muito", eu sufoco, embaraço tomando minhas palavras. Eu dou um olhar de volta para ele. Ele está olhando para o teto e sua boca está se movendo. Contando e contando. Finalmente, ele arrasta os olhos do teto. Ele geme e seus olhos doloridos encontram os meus. Os músculos de seu pescoço apertam e ele parece como se tivesse se contendo fisicamente de pular em cima de mim. A ideia é confusa, considerando que segundos atrás ele me abateu após minha pobre tentativa para conseguir que ele me tocasse. Eu quero que ele me toque. Muito. Eu quero sentir sua pele suada pressionada contra a minha. "Você está me torturando." Eu junto minhas sobrancelhas e franzo a testa para ele. "Porque sou entediante para você? Você não me quer? " War é um oceano que nunca vou ser capaz de navegar. A cabeça de um mar de ondas inexploradas, agitadas. Eu me sinto como se fosse um nadador inexperiente em um barco afundando e ele é as águas traiçoeiras, tormentosas, ameaçando me puxar para baixo na escuridão com ele. Algo me diz que vou me afogar. Que nunca vou entender o que se passa dentro da sua cabeça. Eu vou perder minha mente tentando entendê-lo. "Jesus", ele amaldiçoa e passa os dedos pelo cabelo, "é claro que quero você. Eu seria um tolo se não quisesse".


Eu mordo meus lábios e lágrimas vêm aos meus olhos novamente. "Eu acho que não entendo, então." Minhas palavras parecem irritá-lo e não sei porquê. Além disso provando meus pensamentos, ele fecha a cara para mim. "Ela respondeu." Como se tivesse jogado água fria em cima de mim, eu empurrei de pé. "Espera? O quê?" Eu exijo. "Quem respondeu? Mamãe? Por que você não me contou antes? " Ele encolhe os ombros e sai da sala. Não perco a protuberância em suas calças. Ele estava excitado apesar da forma como agiu, como se eu fosse um aborrecimento, pela exibição de como me sentia. Um dia ainda vou entrar em sua cabeça. Apressadamente, arrasto o laptop sobre os joelhos e abro meu e-mail. Baylee, Onde diabos você está? Me dê sua localização para que eu possa buscá-la. Eu estive doente de preocupação. Papai Lágrimas borram a tela na minha frente e eu sufoco um soluço. Papai está chateado comigo porque ele assume que eu sou a culpada de tudo isso, por motivos egoístas. Se ele soubesse que foi aquele bastardo. Seu melhor amigo que me sequestrou e me colocou nessa posição. Pai, Por que você demorou tanto tempo para responder? Eu estou em algum lugar seguro. Não se preocupe comigo. Por acaso você recebeu qualquer dinheiro? Para ajudar com a mãe? Amo você, papai. Baylee


Eu limpo uma lágrima do meu rosto e me perco em uma memória do meu pai. "Você é muito jovem para ter um encontro, Baylee," Papai falou enquanto lavava a graxa de suas mãos depois de um longo dia na oficina onde trabalhava. Eu mordi meu lábio e olhei para a porta. Brandon estaria aqui a qualquer minuto para "estudar." Papai não sabia que estávamos namorando na escola. Demos as mãos e ele me acompanhou até todas as minhas aulas. Tecnicamente estamos namorando, embora nós não fomos a qualquer lugar ainda. Ele até me beijou muitas vezes depois da escola quando não havia professores ao redor. Eu senti sua ereção através de suas calças e ele, em mais de uma ocasião, tocou meus seios através da minha camisa. Eu definitivamente não vou dizer isso a papai. "Mas papai, todas as outras garotas da minha idade-" Ele bateu com o punho no balcão e me encarou com um olhar firme. "Eu não dou a mínima para essas outras meninas. Elas vão acabar grávida antes da formatura. Não a minha filha. " Lágrimas brotam nos meus olhos e meus ombros caem em derrota. "Oh, Tony," Mamãe disse quando entrou na cozinha, "deixe-a ter um encontro. Não se lembra de quando tinha a idade dela? Estávamos juntos desde a oitava série". A careta de meu pai se dissipou ao ouvir a sua voz suave. Ela entrou em seu abraço e beijou o topo de sua cabeça loira. "É exatamente por isso que não quero que ela namore. Eu sei o que fizemos e em que idade nós fizemos isso." Eu me encolhi com o pensamento do que meus pais fizeram. Eu não era ignorante e afastei os pensamentos que me faria vomitar. "Mas Brandon é um cara legal e-" Ding dong! Meus olhos se arregalaram quando papai gritou. "O seu parceiro de estudo é o cara que você quer namorar? De jeito nenhum." Minha pele aqueceu e eu olhei para minha mãe com um olhar horrorizado quando papai se afastou violentamente para atender a porta. Eu segui atrás dele e espiei os largos ombros do meu pai, para ver um Brandon assustado olhando para ele. Brandon era bonito, e hoje ainda


estava em sua camisa de beisebol. Seu cabelo escuro estava espetado perfeitamente. Alguém poderia picar seu olho se chegasse muito perto. "Tony," Mamãe avisou. De alguma forma, mesmo que meu pai fosse grosseiro, difícil de lidar, mamãe sempre parecia ganhar quando vinha para ele. Ela sempre foi minha aliada e melhor amiga. "Você quer namorar com a minha filha?" Papai rosnou. O pomo de Adão de Brandon balançou em sua garganta e ele conseguiu sair com uma resposta rouca. "Sim senhor. Eu gosto muito de Baylee". Papai grunhiu e acenou para ele entrar. "O que é exatamente que você ‘gosta’ da minha filha?" Brandon entrou em cena, seu corpo um pouco trêmulo e seus olhos correram sobre os meus. Ele tinha tão boa aparência. Um dia ele iria se transformar em um homem lindo. Sua altura se erguia sobre a minha, mas meu pai era ainda mais alto. Brandon era musculoso, mas não tão grande quanto meu pai, que malhava durante todo o dia na loja. A barba de Papai era grossa e os cabelos escuros pendurados em seus olhos, fazendo-o parecer um animal feroz em comparação com a aparência recentemente limpa de Brandon. Eu sabia que as mulheres achavam papai atraente, porque eu tinha ouvido em mais de uma ocasião minha mãe ficar com ciúmes excessivamente de algumas das nossas vizinhas. "Eu gosto de seu sorriso. Ela é uma das pessoas mais agradáveis que conheço," Brandon disse suavemente e seu olhar encontrou o meu. "Eu gosto que ela se preocupa com as pessoas na escola e faz questão de falar com todos, não importa se eles são legais ou não. E eu gosto que ela corra na pista como se estivesse fugindo do mundo, mas como se ela estivesse correndo em direção a ela mesmo, abraçando tudo o que a vida tem para lhe oferecer." Mamãe soltou um suspiro e eu não pude deixar de sorrir para o meu namorado secreto. "Tão poético", Gabe zombou com uma risada quando entrou através da nossa porta da frente aberta. Meus olhos rasgaram de Brandon para considerar o nosso vizinho e melhor amigo do meu pai. Seus olhos sempre pareciam me seguir de sala em sala. Era como se ele olhasse através de mim, na minha cabeça, e conseguia entender meus pensamentos mais secretos. Ele me enervava, ele era realmente quente para um cara mais velho.


"O que você acha, Gabe?", Perguntou papai. "Este garoto é bom o suficiente para sair com minha Baylee?" Brandon engoliu seus nervosismo aparente, mas endireitou as costas para atender o olhar de Gabe. "Contanto que eles não façam sexo, não vejo o mal ela ter um encontro com o garoto." Os olhos de Gabe passaram rapidamente pelo meu corpo e um calafrio correu através de mim. Meus seios cresceram e Brandon não foi o único que notou. Eu tinha pego Gabe me olhando em mais de uma ocasião. Eu meio que gostava que ele gostava do meu corpo. Isso me fez sentir mais adulta do que eu era. "Eles não estão fazendo sexo. Nunca," meu pai disse com firmeza. Brandon assentiu de maneira cortante, como se concordando com meu pai. Meu coração deu uma queda livre, porque eu já tinha tido muitas fantasias sujas envolvendo Brandon e eu. Mordendo meu lábio, corri meu olhar de volta para Gabe. Ele fez aquela coisa onde me deu um olhar que parecia implantar-se dentro da minha cabeça. Um olhar que disse, eu faria sexo com você porque sou um homem. Minha parte inferior começou a doer e eu tinha o desejo de correr para o meu quarto longe da situação embaraçosa. "Gabe, Tony," Mãe soltou de repente, "saiam daqui e acendam a churrasqueira. As crianças têm que estudar. Deixe-os sozinhos, e Brandon, espero que você se junte a nós para o jantar. " Brandon soltou um sopro de ar aliviado. "Eu adoraria, senhora." Gabe não parecia impressionado, mas eu estava muito impressionada. Brandon era um menino doce, sexy, mas ele com certeza se segurou mais entre esses dois homens ferozes. Eu pensei que me apaixonei por meu namorado um pouco mais. "Tudo bem," Papai gemeu, mas agarrou o bíceps de Brandon. "Mas se eu imaginar que você pensa em ferir minha filha, vamos ter você para o jantar, tudo bem." Com essa ameaça, ele soltou seu braço e saiu pela porta com um Gabe sorrindo em seus calcanhares. Um sinal sonoro do computador me alertou para um novo email, me assustando da minha memória. Eu pisco as lágrimas e abro o e-mail.


Baylee Sim, eu estou com o dinheiro. Dinheiro que não é necessário. O que é necessário é a minha filha. Venha para casa. Você é uma adolescente e se eu descobrir quem está com você, vou arruiná-lo por sequestrar minha filha e ter relações sexuais com uma menor. Papai Eu fico de boca aberta com sua resposta. Eu esperava que ele ficasse com raiva, mas ele está agindo fora do normal. Por um breve momento, me pergunto se Gabe que respondeu. Essa ideia envia um arrepio na minha espinha e eu balanço afastando o pensamento aterrorizante. Pai, Por que a mamãe não está respondendo para mim? Ela está no hospital? Será que eles encontraram um doador? E eu não estou dormindo com ele. Há mais alguém que deve ser arruinado—um monstro que está muito perto de casa.

Faço uma pausa e apago a última frase por medo, se Gabe realmente for a pessoa por trás do e-mail. Mesmo se ele não o escreveu, eu sei que vai ser apenas uma questão de tempo antes que ele leia. Ele e papai são próximos, e se papai pensa que fui sequestrada, ele vai, sem dúvida, usar a ajuda de Gabe e compartilhar com ele esta informação. Essa coisa toda é complicada e desgastante. Eu continuo o meu e-mail. Por favor, apenas aceite o dinheiro que enviamos e use-o para a mamãe. Eu prometo, quando as coisas estiverem melhores, vou ver vocês dois. As coisas têm sido difíceis, pai. Confie que ainda sou sua filha e só estaria fazendo coisas aparentemente dolorosas se não houvesse uma razão. Você me conhece melhor para não assumir o pior. Eu te amo e espere por mais dinheiro. Você pode deixar a mamãe responder? Baylee


Lágrimas enchem meus olhos e, em seguida, derramam sobre meu rosto. Menos de um mês atrás, eu estava gastando meus dias flertando com o meu namorado entre as classes de aula, a formação de uma reunião de trilha depois da escola, e ter longas conversas com a minha mãe sobre minha infância, minha relação com Brandon, e meu futuro. E muito rápido, algumas semanas depois, estou chamando a atenção física de um homem que me comprou para a companhia, me preocupando sobre se ou não Gabe vai voltar para mim, e tentando fazer meu pai compreender a minha situação sem avisá-lo. Como as coisas mudaram. Um ding no computador empurrou minha atenção de volta para minha caixa de entrada. Deixei escapar um pequeno suspiro de decepção ao ver que é de War, que está, sem dúvida, se escondendo de mim no outro quarto. Longe de meus avanços infantis. Peace, Você é mais do que eu jamais poderia ter imaginado. Eu sei que você não está feliz, mas acho que com o tempo você poderia ser. Por favor, perdoe-me por egoisticamente querer você só para mim por um par de horas. Eu sabia que o e-mail iria perturbar você e tudo o que eu queria era fazer você feliz. É o mínimo que posso fazer por tudo o que você tem feito por mim. War

Eu deixo cair minhas lágrimas e digito uma resposta. War, É difícil ser feliz quando sua vida é uma grande e confusa bagunça assustadora. Com certeza, eu não estou com medo em torno de você, mas estou com medo pelo simples fato de que Gabe ainda está lá fora. Para falar a verdade, ele está lá com os meus pais ou pelo menos em contato com o meu


pai. Eu me sinto desconectado com o mundo exterior. Eu poderia entrar em contato com a polícia, explicando aos meus pais sobre Gabe, qualquer coisa. Embora eu não vá. Eu pretendo ser uma companheira devotada a você. E enquanto jogo xadrez com você, como suas refeições vegetarianas super saudável, e conversando com você sobre cada única coisa que posso pensar para manter o tédio longe, para passar o tempo, eu ainda estou preso nesta caixa. Sua casa. Trancada. Longe de todos. Eu sei que você diz que não sou uma prisioneira. Bem, me mostre. Eu sei que você diz que seria um tolo por não me querer. Prove. Eu sei que você odeia Gabe pelo o que ele fez para mim. Então me ajude. Agora, sou como o seu cachorro pequeno e chato que você ficou preso. Você está com medo que vou soltar pelo de cão por todo seu sofá bonito ou fazer xixi no chão. Que vou latir muito alto e os vizinhos vão descobrir que você tem um cão que late muito. Você não quer que eu mastigue suas coisas, mas você não me dá nada para brincar. Eu não estou feliz, War. Eu sinto muito. Seu filhote de cachorro está sobrecarregado com tudo isso, Peace Sentindo-se satisfeita com o meu e-mail, eu o envio e brilho na tela. Meus dedos tocam com impaciência no dispositivo enquanto espero por uma resposta dele ou de meus pais. Minutos mais tarde, o meu computador faz barulho novamente. Peace, Eu poderia ter entendido sem a referência ao cachorro fazendo xixi. Jesus. Essa merda fode com a minha cabeça, só de pensar nisso. Olha, eu também sinto muito. Eu não sou um monstro, Bay. Eu cometi um erro—comprar você como fiz. Eu estava muito delirante para sequer pensar nas consequências ou resultados de um plano tão fantástico. Agora entendi. E isso foi à sua custa. Para isso, peço desculpas. Eu vou fazer isso por você, eu prometo.


Até então, saiba disso. Você não é um cachorro para mim. Na verdade, você está muito longe de ser chato como poderia ser um cachorro. Você é uma luz no meu mundo escuro. Eu não tenho vergonha de admitir isso. E você está certa, eu estou te segurando prisioneira assim como prometi não fazer. O seu acesso à Internet não está mais restrito. Descubra o que você pode sobre seus pais e Gabe. Faça o que te faz feliz. Mas por favor não crie uma trilha que vai levar de volta para nós. Isso significa sem mensagens no Facebook ou qualquer coisa do tipo. Por favor. War PS: o código para o alarme é 1200, o mesmo número de vezes que você pisca por hora. Meu coração troveja à vida. O código, embora estranho, não é mais um segredo. Acesso à Internet não está mais restrito. Finalmente, posso começar a fazer um plano. War, Obrigada. Peace

Pulando para a Internet, eu imediatamente digito: pessoa desaparecida, Baylee Winston. Outro sinal sonoro no meu computador me alerta para um e-mail. Alternando de volta para minha caixa de entrada, espero que seja dos meus pais. Infelizmente, é apenas um outro e-mail de War. Peace, Há algo que você deveria saber. Ninguém está procurando por você. Eu não sabia como lhe dizer mais cedo e não sei o que fazer com isso. Eu sinto muito, Bay. War


Balanço a cabeça em discordância e viro de volta para o meu navegador de Internet. Vários longos minutos de pesquisa provam que ele estava certo. Não há um único artigo de minha falta. Isso não faz sentido. Eu já fui levada há mais de três semanas. Apenas na semana passada meus pais foram notificados que não fui contra a minha vontade, mesmo que realmente tenha sido. Então porque é que ninguém está me procurando? Olhando por cima do meu ombro tenho certeza que ele não está vindo, e tento entrar no Facebook. Uma e outra vez, eu tento minha senha, mais está errada. Era Winston20. Ambos os meus pais e Brandon sabiam a senha. Será que um deles mudou isso? Rapidamente, preparo uma conta fake com o nome de Winnie Stone. Minha mãe e Brandon têm as suas páginas bloqueadas para pessoas que não são seus amigos, o do meu não parece existir, a página de papai está aberta. Fotos recentes. De peças do carro estúpidas. Não estou entendendo. Com lágrimas de raiva quentes nos meus olhos, eu disparo outra mensagem para a War. War, Por que eles não estão procurando por mim? Peace

Eu quero gritar para ele se livrar de sua covardia e parar de se esconder longe de mim, para que possamos discutir isso, mas estou muito sobrecarregada. Medo agita minha barriga e bile sobe minha garganta. Algo está errado. Eu existo, caramba!


Então, por que diabos é que parece que eu desapareci da face da terra e ninguém sequer notou. Peace, Eu não sei por quê. Mas vou descobrir isso. Eu prometo. War Estou cansada de suas promessas quebradas. E eu certamente nunca fui muito paciente. É hora de descobrir o que está acontecendo. Mesmo que isso signifique quebrar minha promessa com War. Esta noite, vou embora.


ELA NÃO respondeu de volta ao meu e-mail. Por que diabos ela iria? Quer dizer, eu tenho agido como um completo idiota para ela. Não cedia aos seus inocentes avanços. Retinha informação útil dela. Mentia para dela. Ela provavelmente me odeia. Como ela deveria. Eu paguei por ela. Porra que paguei por ela. Eu não sou melhor do que Gabe. Meu lado lógico tentou raciocinar comigo. Deixe ela ir. Leve-a de volta para Oakland e entregue-a aos pais. Pare com essa obsessão por ela. Siga em frente, caralho. No entanto, a parte irracional de mim luta. Mas eu não quero deixá-la ir. Se eu levá-la de volta, Gabe vai machuca-la. Mais uma vez. Se eu não cuidar dela, quem o fará? Seus pais certamente não dão a mínima. Que pais não informam quando a filha desaparece? Algo não está certo. Ignorando ambos os lados do argumento, por agora, eu verifiquei meu e-mail pela vigésima oitava vez desde a minha última mensagem. Nada. Estendendo-me na minha cama, eu vasculho através de documentos arquivados do tribunal da cidade dela, registros bancários de seus pais que eu invadi, relatórios policiais, artigos de notícias e qualquer coisa ligada ao nome de Winston.


Nem um único fragmento de evidência que indica que ela está desaparecida. Com relutância, eu digito o departamento de polícia de Oakland no meu navegador e examino através dos nomes dos detetives. Já que Baylee estava envolvida em exploração sexual, talvez ela esteja em um caso mais sigiloso. Faria sentido especialmente se os federais estivessem envolvidos. Há vários nomes de detetives que lidam com pessoas desaparecidas. Rita Stark é um deles. O nome dela me faz pensar em minha casa limpa e paredes brancas. O nome dela me chama atenção. Eu rapidamente copio seu endereço de e-mail e abro uma das minhas muitas contas de e-mail criptografadas. Talvez ela possa dar alguma luz sobre a situação de Baylee. Detective Stark, Peço desculpas antecipadamente por contatá-la você sob tais condições anônimas, mas eu tenho minhas razões. Haverá quaisquer circunstâncias para uma pessoa desaparecida não ser divulgada publicamente e sem relatórios? Talvez se estivessem envolvidos em um caso maior? Atenciosamente, Mr. Pacific

Pânico atravessa por mim quando eu passo o cursor sobre o botão enviar. Eu sei de fato que o Departamento de Policia de Oakland não será capaz de rastrear esta mensagem para conseguir chegar até mim. O medo de eles descobrirem por algum pequeno detalhe minúsculo como o último nome que inventei, fez-me editar o meu e-mail. Assim que eu mudei a minha assinatura para Sr. Atlantic, bati enviar antes que mudasse de ideia. Saí para fora da cama e comecei a caminhar pelo quarto. Dez passos para um lado e dez passos para trás. De novo e de novo até que eu tenho certeza que eu fiz um buraco no tapete. Quando eu verifiquei meu e-mail novamente, tem um na caixa de entrada.


Mr. Atlantic, Que pergunta incomum. Talvez possamos discutir sobre isso pelo telefone? 555.672.4359 Stark

Eu franzo a testa e escrevo uma resposta. Detetive, Enquanto eu entendo o que você pretende, isso não vai funcionar. Estou simplesmente tentando encontrar uma resposta para o meu problema. Se um pessoa, digamos menor de idade, desaparece, quais são as razões para alguém não denunciar? Isto é uma questão importante e eu apreciaria o seu feedback honesto, nada de tentativas para descobrir minha identidade. Isso, você nunca saberá. Mr. Atlantic Eu não tenho de esperar muito para sua resposta. Mr. Atlantic, Eu vou aceitar o nome anônimo, por agora. Não é um certo jovem que atirou meus arquivos da minha mesa em um acesso de raiva é? Ouça, meu filho. Vou dizer o que eu disse antes. Se ela desapareceu, seus pais teriam informado o seu desaparecimento. E verifiquei a sua dica sobre ela faltar a escola. Seu pai decidiu que tivesse aulas em casa e retirou-a da escola na tarde anterior antes de você ter dito que ela desapareceu. Sua fantástica história de alguém levá-la enquanto vocês dois estavam no meio de um ato sexual explícito é bastante criativo e detalhado, mas eu temo que não é suficiente. Você tem que entender uma coisa. Sua mãe está muito doente. Eu sei que você é o namorado dela, mas às vezes as famílias fazem coisas como


educar seus filhos, quando um parente está morrendo. A necessidade de viajar para consultas médicas fora do estado, especialmente encontrar um doador como no caso de sua mãe, e passar tempo com a pessoa amada antes de sua morte é importante. Eu entendo sua frustração, eu realmente entendo. Mas até que alguém, além de você, denunciar o desaparecimento dela, eu temo que nossas mãos estão atadas. Venha falar comigo novamente. Desta vez, deixe a raiva em casa. Eu quero ajudar você. Stark

Pisco várias vezes para o computador. Ela está se referindo a Brandon. Brandon sabe que ela foi roubada e a polícia não acreditou nele, porra. Engolindo a minha inquietação, eu respondo. Detetive, Não sou quem você pensa que é, mas você certamente já respondeu às minhas perguntas por agora. Estarei em contato. Mr. Atlantic

Desta vez, ela não responde. Eu provavelmente não deveria ter dito nada, mas eu odeio a ideia dos pais de Baylee afastarem-na por qualquer motivo. Não faz sentido e Stark precisa abrir os olhos para esse fato.

Fiquei tão tenso pesquisando a vida de Baylee que eu estou em um episódio de implodir. Desde que eu não posso fazer sentido ou colocar em ordem a sua situação, resolvi lidar com as coisas sobre quais eu tenho controle. Tipo o meu armário. Nas últimas duas horas, eu já tentei de tudo para me certificar que ele está perfeitamente arrumado, reorganizei as camisas por


ordem de novo para usado, inspecionei cada peça por imperfeições como costuras abertas ou rasgos, e amontoei roupas para doar. Eu também fiz uma lista de tudo o que eu preciso comprar para substituir os itens doados. Uma vez que terminei com o armário, eu organizei cada gaveta da cômoda. Em seguida, os armários do banheiro. E então todos os arquivos no meu computador. Eu não consigo acalmar a minha mente para parar e milhões de diferentes razões passando pela minha cabeça a respeito do porquê de seus pais não terem informado o seu desaparecimento. Talvez eles realmente achassem que ela fugiu com alguém. Com Gabe. Mas mesmo assim não se preocuparam sobre a sua filha desaparecer com um homem mais velho? Talvez sua mãe foi chamada por um doador. Mas eles teriam se apressado para a cirurgia e esquecido de comunicar que a filha estava desaparecida? Talvez eles saibam que ela está desaparecida e eles não se importam. Mas quem não se preocuparia com Baylee? Essa última opção é impossível. Talvez Gabe os matou. Mas por que é que ainda há atividade normal em seus registros bancários e por que inferno seu pai postava merda mundana em seu Facebook? Não estou nem perto de encontrar respostas que estão remexendo no meu cérebro. Preciso ligar para o meu pai. — Warren, — a voz rouca de meu pai crepita na outra linha. — Algo está errado? Você está bem? Eu esfrego a palma da mão da minha bochecha e para meu cabelo. — Sim, pai. Só queria ouvir sua voz. A linha fica silenciosa por um momento antes dele falar novamente. — Estou feliz que você ligou. Sobre o que você quer


falar? Quer que eu te aborreça sobre o cliente de Nova York com quem estamos finalizando um contrato? Eu sorrio e rastejo na cama. — Por favor. Pela próxima meia hora, com abundância de bocejos, papai enche-me com histórias um pouco embelezadas de seu novo cliente com a intenção de fazer-me rir. Eu rio e encontro minhas pálpebras caindo conforme a noite vai aprofundando. — Pai, — murmuro. — Eu estou indo dormi agora. Obrigado por me aborrecer até adormecer. Sua risada profunda me acalma, me lembrando de quando eu era um menino pequeno e rastejava em seu colo antes de dormir. — Sempre. Eu vou estar de volta em San Diego em três semanas ou mais. Vamos nós falar até lá. — Obrigado, pai. Desligamos e eu me deito na cama perguntando como irei explicar sobre Baylee a ele. Ele não vai ficar feliz, isso é certo. Adormeço com o meu pai no meu cérebro.

— Lilah está aqui. Eu vacilo ao ouvir o nome dela e arrasto o travesseiro do meu rosto para espiar o meu pai. O cabelo escuro dele estava mesclado com alguns fios brancos que não estavam lá há dois meses. Dois meses de inferno e meu pai estava rapidamente se tornando em um homem velho. — Diga a ela que eu não posso agora, — eu murmurei e comecei a cobrir o meu rosto com o travesseiro. Papai rosnou da porta. O momento em que ouço o ranger da porta abrindo, meu coração acelerou. Eu disse a ele uma e outra vez para ficar fora da porra do meu quarto. O travesseiro foi arrancado de mim e eu olhei para seus olhos furiosos enquanto ele pairava ao lado da minha cama.


— Levante-se e vá falar com aquela garota. Você tem que falar em algum momento. Então é agora, Warren! Eu vacilei com seu tom, mas eu já estava me afastando para o outro lado distanciando de sua proximidade. Minha carne parecia incendiar-se por causa dele estar no meu quarto e comecei a arranhar os meus antebraços que estavam em chamas. — Saia! — Eu assobiei. Seu olhar suavizou e ele apertou a mandíbula. — Rompa com ela então. Ela está aqui todos os dias como um filhote de cachorro perdido. Eu posso fazer quase tudo para você, mas isso é algo que não posso fazer. Termine e, em seguida, ela vai embora para sempre. O pensamento de perder a minha namorada, a que eu amava pra caralho me eviscerou. Mas como é que eu a manteria? Eu não podia nem mesmo deixar o meu quarto sem ter um maldito ataque de pânico. Sonhos daquela noite me assombravam. Tanto. Muito. Sangue. E isso envenenava meu cérebro. Eu não conseguia pensar direito. Tudo o que eu conseguia entender era a sujidade e doenças e toxinas que me rodeavam. Problemas repugnantes que eu desejava conseguir controlar ao me manter em meu quarto e tendo vários banhos por dia. Isso me ajudava. Isso acalmava uma tempestade furiosa dentro de mim. Parecia uma lasca de paz quando eu esfregava as mãos sob a água escaldante. Mas era momentos como agora, quando o mundo exterior caía em mim, que eu perdia minha mente. — Pai, — eu implorei, minha voz embargada de emoção e ameaçando lágrimas, — por favor vá embora. Diga a ela para ir embora também. Seus olhos caíram e seu lábio inferior puxou para baixo, um tremor leve nele. Eu odiava ver meu pai assim chateado, mas eu não sabia mais o que fazer. Eu não podia consolá-lo. Não emocionalmente. E certamente não fisicamente.


— Eu sinto muito. — Um soluço ilegível escapou antes que ele tropeçasse para fora da minha porta em uma incrível pressa. Lágrimas quentes queimaram meus olhos e eu prendi-as fechando os olhos. Cerrando os punhos ao meu lado, eu soltei um rugido de frustração. A raiva dentro de mim era explosiva e se não fosse por eu ter um colapso pelas consequências eu destruiria meu quarto com as minhas duas mãos. Socar em cada parede. Atirar tudo de todas as superfícies para o chão. Rasgar minhas roupas dos cabides. Rasgar meu edredom e lençóis em pedaços. Arrancar as bordas do tapete e puxá-las do chão. Esmagar o espelho em cima da minha cômoda. Qualquer coisa para coincidir com a maneira como eu me sentia por dentro. Perfurado até a morte. Impelido e impelido. Rasgado em pedaços. Dividido em dois. Sacudido ao redor. E esmagado até sangrar, ensanguentado em pedaços. Meu coração era o pior, eu nem sequer acho que batia mais. Eu gostaria de ter pego a minha faca do bolso e furar um buraco profundo sob minhas costelas, empurrado minha mão através da carne sangrenta, e agarrado o órgão preto no meu punho. Então, eu o arrancaria de mim, retirava-o da minha alma e inspecionaria o que tinha ficado. Meu palpite era, nada. Preto, podres pedaços, mas nada como era antes. Dr. Weinstein disse que estes pensamentos horríveis eram normais na minha condição. Que, através de terapia, poderíamos falar dessas imagens sombrias. Mas eu não quero falar sobre nada disso. Não o que aconteceu com eles. Não o que eu estava sempre pensando. Não como eu era um demasiado fodido lunático para abraçar a minha namorada ou sentar-me na cama ao lado de meu pai sem a minha cabeça ficar louca. Dr. Weinstein estava errado. Eu não tinha conserto. Você não pode consertar o que estava errado comigo. Não era mental, era porra tangível. Eu podia sentir as peças sinuosas e escuras infectando todas as células, membrana e osso do meu corpo.


Eu estava contaminado. Com o sangue dela. Sangue deles. E a doença do meu desespero. Não havia limpeza para algo tão contaminado. Este era quem eu era agora. Este era War.


OLHO PARA o relógio na mesa de cabeceira e quando atinge exatamente três horas da manhã, eu faço o meu movimento. Silenciosamente, eu rastejo para fora da cama. Ao longo do caminho para a cômoda, eu tiro o meu vestido e abro a gavetas, caçando a roupa no escuro. Tenho certeza de que poderia acender uma luz, mas eu não quero dar-lhe uma pista sobre o que estou fazendo. Uma lasca de luz poderia despertá-lo. Eu preciso de uma vantagem, se não ele vai me pegar no ato. Uma vez que eu localizo calça jeans e um suéter, eu me visto com pressa. Estou irritada, por que mais uma vez, eu não tenho sapatos. Fugir vai ser difícil sem eles. Frustração ameaça soltar um suspiro, mas eu sufoco-o para baixo. Em vez disso, eu arrebato dois pares de meias tendo que dobrar para proteção dos meus pés. Deslizar para fora do meu quarto é fácil e tranquilo. Eu consegui fazê-lo até a porta da frente sem ser detectada. Meus dedos pairam sobre o teclado do alarme. Pânico faz com que meu peito se contraia e meu coração bata quase para fora dele. Digitar esses números vai fazer som. Quão longe estarei antes que ele perceba que estou fora da porta? Eu espiei pela janela do meu quarto vezes suficientes para saber que a saída da garagem é cerca de uns metros até a rua. Do outro lado da rua estão bares, restaurantes e lojas. Se eu conseguir passar, eu posso me misturar e me esconder. Mas tudo estará fechado.


Eu engulo o medo de ficar sozinha ao longo das fachadas. Diretamente para os braços de Gabe. Cerrando os olhos fechados, eu balancei minha cabeça. Se Gabe estivesse aqui, ele não esperaria. Eu o conheço. Ele é arrogante o suficiente para vir diretamente pela porta da frente. Eu não vou correr para ele. Alguém vai me encontrar. Um carro passando. Alguém passeando tarde da noite. Bêbedos tentando ir para casa depois dos bares. Alguém. Eu forço meus olhos abertos e cerro os dentes juntos. Eu posso fazer isso. Eu sou uma rápida corredora, com sapatos ou não. War não vai contar meus passos, quero dizer, ele provavelmente vai, mas não em um esforço para me punir se ele me pegar. Ele não vai me pegar. Ele está com muito medo. Meus germes vão comê-lo vivo. O pensamento incita-me e eu tenho que segurar uma risada maníaca. 1-2-0-0. O barulho dos beeps enquanto eu pressiono as teclas são como explosões no ar na casa silenciosa. Um rugido surdo ressoa em meus ouvidos quando a adrenalina entra em ação. Corra, Baylee! Eu estou fora da porta e correndo para o caminho até ao portão antes mesmo de eu perceber o que eu fiz. Eu fugi. De War. Meu coração afunda e eu afasto a sensação incomum de perda enquanto eu me distancio da casa. Setenta e sete passos. Eu estive contando-os, uma memória persistente de Gabe me lembrando de cada passo que dou. Meus joelhos curvam e eu


quase paro. Mas, em seguida, uma voz me empurra de volta à vida. — Baylee! A voz de War troveja atrás de mim. Apesar da intensidade dela, eu sinto a pura ansiedade na maneira como ele disse meu nome. — Por favor! Uma palavra simples, e minhas pernas desaceleram até quase parar por sua própria vontade. Noventa e dois passos. Eu estou próxima da rua deserta. Arriscando um olhar por cima do meu ombro enquanto eu fujo dele, minha boca abre em surpresa ao vê-lo correr em minha direção. Se as coisas fossem diferentes, eu lhe perguntaria como ele conseguiu sair de casa sem o respirador ou sapatos. Seu peito nu, musculoso, magnífico e assustador sob o luar. E, no entanto... Eu gosto do que vejo. Mesmo se isso significa que o que eu estou vendo é um homem de olhos arregalados me perseguindo. Uma buzina explode para mim enquanto os veículos barulhentos passam próximo, tirando meu olhar do War e voltando a minha atenção. Eu arrasto o meu olhar para cima e para baixo ao longo da fileira de prédios em frente. Nada além de escuridão, além de um hotel acerca de 1000 metros abaixo da estrada. Eu consigo fazer isto. Eu consigo chegar lá. Minhas pernas finalmente acordam e começo a correr, atravessando a estrada. Não existem carros no momento então eu facilmente atravesso-a. Eu ainda tenho meu olho no grande hotel quando algo apunhala a parte debaixo do meu pé. A dor me mutila e tropeço para a frente. Algo agarra na parte de trás da minha camisa e eu sou puxada de volta para os meus pés. Eu giro minha cabeça sobre o meu ombro para encontrar os olhos selvagens de War. Suas narinas estão queimando de raiva e eu quase não reconheço seu estranho olhar. Ele está absorto. Um animal. E eu estou nas suas imprevisíveis mãos.


— Jesus, — ele rosna e apanha meu pulso. Ele não vacila. Ele não se preocupa com os germes. Ele simplesmente arrasta minha bunda mancando de volta para sua casa. E como uma tola ferida, eu manco atrás dele enquanto ele murmura números e palavras que não fazem sentido. Meu coração está acelerado, mas o meu foco está sobre onde ele me toca. Seu toque, é firme e suave, apesar da necessidade de me trazer de volta para sua casa. Eu quase me pergunto se eu conseguiria me puxar para fora do seu aperto. No entanto, eu não quero. Estou derrotada e ferida e tudo o que eu quero fazer é deitar-me debaixo de um cobertor. Lágrimas rolam pelas minhas bochechas frias e deixo escapar um soluço. Como ele vai me punir? Quando chegamos lá dentro, ele fecha a porta com força e libera-me. Eu choro mais forte quando suas mãos trêmulas passam ao longo dos números do teclado. Ele está mudando o código, eu sei disso. Meus olhos estão desfocados e fora de foco devido ao choro, então eu não consigo entender o novo código. — Eu tenho que tomar banho, — ele diz bruscamente para mim e vai embora como uma tempestade, deixando-me em uma bagunça, tremendo, soluçando na entrada. Um tremor dilacera através de mim no momento que eu vejo o sangue por todo o chão de mármore. Está encharcando através das meias e deixando um rastro com cada passo que dou. Eu deveria estar me preocupando com quão zangado War está sobre a minha fuga. Mas tudo o que posso pensar é quão horrorizado ele vai ficar ao ver o sangue. Saltando em um pé, eu faço o meu caminho para o meu quarto para tomar banho. Assim que eu conseguir ficar limpa e ter o sangramento do pé sob controle, eu posso limpar a entrada. O chuveiro está quente e o sangue abranda. Quando me sinto corajosa o suficiente para olhar para o dano, eu me sento e levanto meu pé até o meu joelho sob a água morna. Um corte longo, mas não necessariamente profundo corre ao longo da parte carnuda do


meu calcanhar. Eu uso o meu dedo indicador e o polegar para abrir o corte em busca de quaisquer fragmentos remanescentes de vidro ou metal, qualquer que seja a coisa que eu pisei. Nada está lá mas continua a sangrar. Quando eu estou limpa e finalmente abranda, eu saio do chuveiro e embrulho-me em uma toalha. Manco para fora do banheiro em busca de roupas e fico chocada ao encontrar um kit de primeiros socorros pousado em minha cama. Depois de enfaixar meu corte e me vestir, eu manco de volta para a porta de entrada, com o objetivo de limpar minha bagunça. War, como um homem possuído, está de joelhos esfregando o chão com água sanitária. Já não há rastro de sangue mas ele polia o chão como se ele estivesse livrando-o de toxinas invisíveis. Ele tinha seu respirador preto em seu rosto e estava usando luvas amarelas que atingiam até seus antebraços musculosos. Posso dizer que ele tomou banho devido ao seu molhado, bagunçado cabelo saindo em todas as direções, balançando enquanto ele esfrega. Ele está vestindo nada além de calças jeans e sua aparência parecia boa. Muito boa. Lágrimas enchem meus olhos novamente com a percepção que passou por mim. Corri de alguém que precisa de mim. Ele precisa de mim em seu mundo para que faça sentido. Eu posso não entender por que meus pais não vieram a público com o meu desaparecimento. Posso não compreender como poderei ser mais inteligente que Gabe. E eu certamente não entendo por que me sinto culpada por fugir de War. Mas eu sinto. Meu peito doí e eu anseio por seu toque possessivo ao redor do meu pulso. — Sinto muito, — digo-lhe, um tremor na minha voz, pisco os olhos para afastar as lágrimas. — Eu não deveria ter fugido. Ele murmura. Ele está contando. Cada vez mais esfregando para frente e para trás ao longo do mármore suave. Os números em centenas. — War, — eu digo mais alto. — Está limpo.


Ele sacode a cabeça sobre o ombro e, por um momento, seu olhar me assusta. Seus normalmente bonitos olhos viraram assustadoramente escuros. Com um puxão rápido, ele coloca o respirador para baixo e sua mandíbula cerra de forma irritada. Mas o olhar é passageiro. A escova faz barulho no chão quando ele olha para mim. — Eu estava fodidamente aterrorizado, Baylee. Culpa se espalha por mim e eu mordo o lábio inferior para não chorar. Seu olhar suaviza quando ele olha para a minha boca e depois de volta para mim novamente. — Você me prometeu, — ele sufoca enquanto fica de pé. — Você me prometeu que não ia me deixar. Eu deixo as lágrimas caírem novamente e olho para baixo para meus pés. — Eu sinto muito. Eu não pensei. Tudo o que eu queria era encontrar meus pais e descobrir por que eles não estão procurando por mim. Ele deixa escapar um suspiro e eu olho para ele. Sombras escuras sob seus olhos dizem que ele está exausto. Por minha causa. — Em quê você pisou? — Ele questiona, mudando de assunto. Eu dou de ombros. — Eu não sei. Vidro ou metal. Nada restou e eu limpei-o completamente. Ele geme e suas mãos começam a tremer. — Um metal, — amaldiçoa, — poderia contaminá-la. Envenenar você. — Eu tomei a vacina contra o tétano no ano passado e eu derramei metade da garrafa de álcool sobre ele antes enfaixá-lo. Eu vou mantê-lo limpo. Minhas palavras parecem acalmá-lo e ele relaxa um pouco. — Falaremos sobre isso amanhã. Descanse um pouco, Baylee. Vou tomar banho novamente e depois vou dormir. Sem outra palavra, ele se vira e caminha pelo corredor para longe de mim. — War, — eu chamo. Eu me odeio por fazer está pergunta, mas eu preciso saber a resposta. — Você vai me punir por sair?


Ele vira a cabeça por cima do ombro para olhar para mim, um olhar incrédulo no rosto. — Não, Bay. Eu nunca machucaria você. Eu não sou como ele. Quando você vai entender isso? E com isso, ele desaparece em seu quarto. Eu desligo as luzes e rastejo de volta para minha cama onde choro até dormir. E por alguma razão, eu estou chorando por ele. Por obriga-lo a fazer coisas que ele não consegue. Perseguir-me. Tocar-me. Enfrentar o mundo exterior. Limpar meu sangue. Eu choro porque apesar de tudo, eu já estou começando a me importar com ele e isso assusta o inferno fora de mim. Eu nunca machucaria você. Então por que eu sofro por você, War?


QUATRO DIAS é muito tempo para não falar com alguém que vive em sua casa. Quero dizer, nós falamos mas não conversamos, conversar realmente. Toda vez que eu penso sobre a forma como ela saiu naquela noite, o inferno desaba, eu fico com raiva mais uma vez. Eu confiava nela. Dei-lhe a merda do código da casa, pelo amor de Deus. Deilhe a oportunidade de abrir um pouco as asas e, diabos, ela voou. Ela voou diretamente para fora da maldita porta, para o tráfego em movimento, e diretamente para o perigo. Um tremor ondula através de mim quando me lembro quão apavorado eu estava naquela noite. Não só pela segurança dela, mas para o meu próprio bem. Eu não sou o tipo de homem que deixa sua casa. Apenas em casos de emergência. E mesmo assim, eu tomo todas as precauções para proteger-me. Mas naquela noite? Eu não consegui pensar direito. Tudo o que importava era trazê-la de volta para casa com segurança. Minha mente tinha zerado com ela e nada mais importava. Nada. Não foi até que ela estava novamente trancada na minha casa, que a raiva começou a tomar conta. Esta é a principal razão de não termos falado muito por vários dias. Cada vez que eu começo a falar disso, eu posso sentir o meu sangue praticamente ferver. Vou dar um ataque de coração a mim mesmo se eu não tomar cuidado. O horroroso pensamento de ter que fazer uma cirurgia, abrir o meu peito, as ferramentas sob a carne, quase me enviou ao limite. Felizmente, papai enviou alguns requisitos do programa para seu novo cliente de Nova York e queria saber se eu podia fazer


alguns programas personalizados para eles. Claro que eu podia. Levou toda minha energia e foco, mas eu finalmente consegui algo que eu tenho certeza que o cliente vai amar. E pelos quatro milhões de dólares, eles devem adorar. Eu estou afastando meu laptop no meu escritório quando uma batida suave na porta me distrai. Arrastando o meu olhar para a porta, eu franzo a testa ao ver Baylee parada lá. Não porque eu não quero vê-la, mas porque quando ela está por perto, tudo o que posso fazer é olhar para ela. Com raiva ou não. Ela é uma visão. Uma peça de arte. Algo muito bonito e puro demais para este mundo. Hoje, ela está usando um par de calças de yoga que abraçam as pernas tonificadas e um apertado suéter amarelo. Meu olhar se desloca sobre os seios empinados até os pés descalços, o pé ainda enfaixado. Disparo o olhar de volta para o dela. — Como está o pé? Você limpou-o hoje? As mesmas perguntas diárias. — Sim, — diz ela com uma careta. — O seu pai respondeu? Mais das mesmas perguntas diárias. Seus olhos encheram de lágrimas e ela estatela-se na cadeira do meu escritório. — Sim. Ele está muito estranho, War. Eu aperto meu queixo para não contar o fato de que eu estive em contato com o Departamento de Policia local de onde ela morava. Stark entrou em contato algumas vezes depois do nosso contato inicial, me atraindo para vir vê-la. Cada mensagem foi deixada sem resposta. Com a palma da mão, eu esfrego meu rosto e suspiro. — O que ele disse? Ela limpa uma lágrima e meus olhos fixam-se na parte molhada do dorso da mão. Essa parte brilha na luz e eu fico fixado nela, ignorando tudo o que ela está dizendo. —... E, basicamente, é isso.


Eu pisco uma, duas, três vezes antes de levantar o meu olhar para o rosto dela. — Então ele ainda simplesmente exige que você volte para casa ou que lhe diga onde você está? Nunca fala nada a respeito do porquê ele não denunciou o seu desaparecimento? Eu estou esperando que seja a mesma resposta dos últimos dias desde que eu não estava prestando atenção a outra coisa que não a macia, molhada carne de sua mão. — Não. Ele está me deixando no escuro. Seu tom áspero lembra-me de Gabe. Você encontrou qualquer coisa? — Ela questiona e, em seguida, olha de mim para a tela que está preenchida com um código complicado. — Deixa pra lá. Eu posso ver que você esteve ocupado com outra coisa. Ela se levanta rapidamente e sai apressadamente da sala. Com um gemido eu sigo ela. Seu cabelo loiro é a única trilha que ela deixa em sua pressa para chegar ao pequeno quarto que eu há muito tempo converti em um ginásio. Eu fico lá, enchendo a soleira da porta, enquanto ela pega dois pesos e começa a rodar, enrolando-os para os seios. Mais uma vez, eu sou atraído para olhar para o corpo dela. A forma como a calça preta abraça a bela bunda. Lá se foi o estar chateado com ela. — Quando você terminar de fazer beicinho, eu tenho algo para você. Ela endurece e me lança um olhar confuso. Suas sobrancelhas estão franzidas e ela está com raiva de mim, posso dizer que ela está curiosa sobre o que eu tenho para ela. Deixando-a, eu vou para o meu quarto e recupero a caixa da entrega que veio mais cedo esta manhã. Eu fiquei um pouco louco, e por um momento, espero que ela não pense que eu sou um porra de um lunático. — Terminei de fazer beicinho. — Sua voz divertida da porta aquece-me e vendo seu sorriso brilhante me faz esquecer tudo sobre o porquê de eu estar chateado com ela. Eu senti falta do seu sorriso. — Bom, — eu digo com um sorriso, — agora feche os olhos e não abra-os até que eu diga que você pode.


Ela arqueia a sobrancelha em questionamento, mas eu não cedo até que ambos os olhos estão fechados. Eu me aproximo e olho mais atentamente para ela. Seus lábios rosados estão ligeiramente entreabertos e eu anseio para passar o meu dedo sobre o lábio inferior. — O que você acha que é? — Minha respiração quente, a centímetros de seu rosto, assusta ela e seus olhos tremem. — Não os abra. Seu nariz faz um ruído e as sobrancelhas se juntam enquanto ela pensa. — Eu não sei, maquiagem? Perfume? Talvez eu devesse ter comprado algo feminino para ela em vez disto. Eu não considerei que ela gostaria de algo desse tipo. Será que ela realmente se sente como uma prisioneira abusada? Meu coração está batendo enquanto eu rapidamente repenso meu presente para ela. — Não. — Meu tom é áspero, agravado até. Ela franze a testa, provavelmente da minha mudança de humor, e não do fato de eu não ter comprado essas coisas, mas agora é tudo o que posso pensar. Eu vou fazer compras para ambos assim que eu puder. Arrastando-me de sua presença sedutora, eu faço o meu caminho até a cama e abro as abas da caixa. Então, carrego-a até ela e deixo-a em seus pés. Pânico espalha por mim. Espero que ela goste do que eu comprei para ela. — Abra-os. Seus olhos encontram os meus primeiramente e eles brilham com entusiasmo. É nesse momento que eu decido que quero comprar presentes para ela todo o tempo. Todo dia. Quando seus olhos caem para a caixa, ela franze a testa, mas vasculha dentro da caixa. Ela pega um par de chinelos rosa e quando seus olhos encontram os meus há lágrimas neles. — Você me comprou sapatos. Muitos deles. Desconfortável com sua falta de entusiasmo, eu mudo de um pé para o outro. — Eu pensei que talvez... eu assumi que depois, você sabe... que você… — Eu adorei eles.


Nós prendemos o olhar um do outro por 86 segundos, e então ela se afasta para experimentá-los. Cada par. O entusiasmo que eu assumi não existir, está em pleno vigor enquanto ela balbucia com alegria. Eu nunca estive tão cativado por ela. Tão completamente envolvido em tudo o que ela é. O cheiro persistente de seu gel de banho. A forma animada com que ela acena suas mãos no ar quando fala. O jeito fofo de como ela anda em sua passarela imaginária e faz pose como uma modela faria. — Por que você me comprou sapatos? Quero dizer, — ela diz baixinho enquanto ela se aproxima, — de qualquer maneira eu não posso ir a qualquer lugar. Eu cruzo meus braços sobre o peito e olho para fora da janela. A janela que aponta para a estrada para onde ela correu. Suprimindo um tremor, volto minha atenção de novo para ela. — O código ainda é 1200. Eu nunca mudei. Ela arfa para mim, seus lábios carnudos se separando e, em seguida, fechando novamente como se ela estivesse tentando desesperadamente formular palavras. — M-M-Mas você estava tão chateado. Eu traí sua confiança. Encolho os ombros. — E eu a comprei. Estamos quites. Mordendo o lábio inferior, ela contempla as minhas palavras. A mulher pode continuar pensando durante todo o dia se precisar, se isso significa que eu posso olhar para ela descaradamente. Eu adoro assistir a forma como seus olhos brilham de entusiasmo ou a maneira como suas bochechas viram rosa quando ela está envergonhada. Simplificando, ela é linda. — Ouça, — eu digo, minha voz rouca, — eu estava falando sério quando eu disse que não era minha prisioneira. Quero mantê-la segura daquele idiota e desfrutar da sua companhia. Mesmo a gente tendo um acordo de que você ficaria durante o tempo que eu mandasse dinheiro para sua mãe, isso não significa sob coação. Se você quer sair, você pode ir. Eu odeio isso mas entenderia.


Ela balança a cabeça com firmeza. — Não, o dinheiro é importante para minha mãe. Pode conseguir a cirurgia milagrosa que ela precisa com esse dinheiro. Meu pai pode estar agindo estranhamente e Gabe pode ter uma mão nisso, mas eu não vou comprometer o que você está fazendo por ela a fim de voltar para casa para eles. Francamente, eu estou lutando para entender como eles nunca denunciaram que eu estou desaparecida. Eu não acho que correr para casa vai me dar essa resposta. Na verdade, eu me preocupo se isso poderia ser prejudicial para mim no final, — diz ela suavemente e sorri. — Além disso, eu meio que gosto daqui. Agora que eu tenho sapatos, é claro. Meu coração sobe quando eu percebo que ela realmente não vai me deixar. No momento, de qualquer maneira. Ela está permanecendo por opção que significa que, mesmo com todas as minhas aflições bizarras, ela não está completamente aborrecida comigo. — Nesse caso, — eu digo a ela com um sorriso, — é melhor eu comprar mais sapatos.

— Você não vai mover a sua rainha? Ela olha para baixo para o tabuleiro e morde o lábio. As rodas estão girando conforme muitos movimentos diferentes passam por sua mente. — Eu não quero, — diz ela, finalmente, e levanta o olhar para o meu. Suas bochechas tingem de rosa e ela me dá uma expressão de embaraço. Eu estou começando a reconhecer cada uma das expressões em seu rosto bonito. As expressões desafiadoras quando ela não está no clima para tofu mas, em vez disso, insiste em qualquer coisa com manteiga de amendoim nele. A expressão feliz quando ela está lembrando histórias sobre seu passado ou histórias de como ela era invicta em sua escola no salto em altura. Mesmo as mais temerosas das expressões quando estava pensando profundamente, assombrada por Gabe e tudo o que ele fez com ela. Minha expressão favorita, porém, é quando ela está envergonhada. Seus dentes frontais superiores brincam com o seu


lábio cheio inferior. Aqueles lindos olhos azuis ficam escondidos, quase como se ela estivesse tentando esconder de mim a expressividade deles. E seu nariz e bochechas alteram de cor apenas o suficiente para revelar sua timidez. Ao todo, é uma porra de bonito. Por duas semanas, os nossos dias têm sido previsíveis. Nós passamos uma boa quantidade de tempo trabalhando juntos para tentar fazer sentido do que está acontecendo em Oakland. Seu pai ainda exige que ela volte para casa, embora com menos frequência e sempre sem qualquer menção de sua mãe. Ele confirmou que está recebendo os pagamentos, mas isso é tudo o que ele diz. Quando nós não estamos focados nisso, nós saímos. Razão original pela qual eu a comprei. Mas agora, está se tornando menos sobre a nossa negociação e mais sobre nós. A verdade é que, temos química. Pena que não posso fazer nada sobre isso. Tantas vezes eu desejei me esticar sob o tabuleiro de xadrez e acariciar a parte de trás da sua mão enquanto ela faz o seu movimento. Eu peguei meu olhar persistente em suas pernas nuas, lisas de manhã, enquanto ela ainda está usando sua roupa de dormir. E eu não posso tirar meus olhos da bunda dela quando ela se pavoneia em torno da casa em um par de jeans justos. É a boca dela, porém, que eu sonho todo o dia a dia. O único beijo que compartilhamos foi um acidente e quase me enviou para a borda, mas ultimamente, é tudo no que consigo pensar. Eu sou muito covarde para abordar o assunto, para ver se ela me deixaria tentar novamente. Eu sei que ela deixaria. Eu vejo o mútuo brilho de necessidade em seus olhos igualando os meus próprios. O problema é que eu não confio em mim mesmo. Não posso garantir que eu não vou ficar louco novamente. Desta vez, eu acho que machucaria mais seus sentimentos do que a primeira vez. E eu não quero machucá-la. Nunca. — Deixe-me pensar, — diz ela suavemente e move o peão de volta. — War? Sento-me na minha cadeira e observo sua nova expressão. Preocupada. Incerta. Algo na ponta da sua língua. — Sim?


— Isto terrivelmente vai parecer rude, mas eu preciso perguntar. Eu engulo o mal-estar se formando em minha garganta. Honestamente, estou surpreso que ela não perguntou mais cedo. — O que eles te diagnosticaram? Quando eu não respondo, ela move o peão, em vez da rainha e eu estou uma vez mais perplexo com a estratégia dela. Mas eu não fico para questioná-la. Com um bufo de frustração, eu me levanto e caminho em direção ao meu quarto. Estávamos nos divertindo. Eu estava focado nela. Não havia necessidade de começar a arrancar os meus esqueletos para dissecção. — War! Ignorando-a, eu piso no meu quarto e bato com a porta. Eu não tenho certeza do que eu estava esperando, mas com certeza não esperava que ela abrisse a porta e viesse atrás de mim. Quando ela agarra a parte de trás da minha camisa e puxa-a em sua direção, eu congelo. Que porra é essa que ela está fazendo? — Você não pode simplesmente fugir no meio de uma conversa quando você não gosta do rumo da conversa, — ela ferve. Minha pele irrompe em urticária invisível que começa a queimar e ter coceira, mas eu me seguro para não a arranhar. Por agora. — Me solte. — Não vai acontecer até que você me diga. Empurro sua mão para longe e giro ao redor para encará-la. Tenho certeza de que ela está surpresa com o meu olhar furioso porque ela tropeça um passo para trás. Andando em sua direção, eu fico satisfeito da maneira como ela recua até suas costas baterem na parede. O desejo de beijá-la novamente é intenso. Batendo as palmas das mãos na parede em ambos os lados de sua cabeça, eu baixo a cabeça perto dela e inalo seu aroma doce. Ela lambe os lábios e meu pau engrossa com necessidade. Minhas reações a ela estão se tornando mais e mais imprevisíveis. Eu não sou eu mesmo em torno dela e isso é uma coisa boa.


— Diga-me, — ela murmura, seu hálito quente sobre os meus lábios. Cada respiração é irregular e desigual. Quase impossível contar ou prever quantas vezes ela respira em um minuto. — Eu sou escuro por dentro. Feio. Quebrado. Arruinado. E não preciso que rótulos me digam isso, — eu assobio e inclino-me mais uns centímetros. Quero tanto pegá-la em meus braços e beijá-la como ela merece ser beijada. — Eu não acho que você é nenhuma dessas coisas, — ela sussurra. — Na verdade, eu acho que você é um bom homem. Lindo por dentro e por fora. Eu fecho meus olhos e deixo suas palavras espalharem por mim. Jesus, eu quero prová-la novamente. — Baylee. — O nome dela é uma oração grunhido em meus lábios. — Você vai me beijar de novo? — Meu pau se contrai e eu deixo minha mente ficar em branco. O turbilhão que ela é, suga-me facilmente e eu deixo-o. — Sim. Com sua resposta sussurrada, eu pego minha mão da parede e tentativamente corro meus dedos ao longo de sua mandíbula. Seus olhos azuis brilham com uma necessidade que coincide com a minha própria. Ela solta um suspiro quando eu corro meu polegar ao longo do outro lado e pego seu rosto na minha mão. Aqueles perfeitos lábios cor de rosa se dividem e seu olhos se fecham. Deus, ela é atraente como o inferno. Mergulhando para baixo, eu mal escovo meus lábios contra os dela. A ação envia um zumbido de excitação selvagem através de mim. Meu cérebro se esforça para pegar estatísticas sobre germes transferidos de boca-a-boca, mas eu expulso esses pensamentos. Ela é o meu foco. Meu único pensamento. Quando ela deixa escapar um pequeno gemido, eu dardo minha língua para fora e sinto o gosto dela. Ela é mais doce do que o suco de laranja que tivemos esta manhã e eu quero devorá-la. Colocar minha língua profundamente em sua boca e passa-la ao


longo de toda a superfície apenas para conhecê-la de dentro para fora. Eu quero meter os dedos em seu cabelo dourado e segurá-la indefinidamente. Mas e se eu puxo demasiado forte? Será que o cabelo será arrancado de seu couro cabeludo? Irá sangrar por todo o meu tapete branco? Permaneça no momento, War. Beije-a. Beije-a. Beije-a. Tento afastar os pensamentos enlouquecedores que agora estão surgindo em torno de mim como tiros em um campo de batalha, mas é demais. No momento em que uma das suas palmas toca meu rosto, eu empurro para longe dela. Meu coração está trovejando no meu peito, meu pau está orgulhoso e pronto nos meus jeans, mas meu cérebro extenuante. Vinte bilhões de micróbios orais. 700 ou mais possíveis estirpes de bactérias. 34 a 72 variedades diferentes em cada pessoa. Os dela misturando com os meus. As combinações são infinitas. Streptococcus mutans. Porphyromonas gingivalis. Staphylococcus epidermidis, Streptococcus salivarius, e Lactobacillus sp.8 Rastejando e rastejando e rastejando por todo o interior de sua boca, a mesma boca que eu tinha fantasiado lamber cada pedaço. — War, — diz ela em um tom firme que me acorda dos meus pensamentos. — Acalme-se. Escove seus dentes. Tome uma ducha. Faça tudo o que você faz e, em seguida, vamos terminar o nosso jogo de xadrez. Meus olhos encontram os olhos preocupados dela e eu relaxo, mesmo que seja apenas momentaneamente. Concentre-se em algo mais. Não na boca dela. Qualquer coisa.

8

Todos os nomes mencionados são bactérias


— Uh, — eu resmungo e corro os dedos pelo meu cabelo. Agarro-o mas não solto. — Por que você não moveu sua rainha, Bay? É o único movimento. — O xadrez sempre foi um bom ponto focal quando meu cérebro ameaça explodir. Posso me concentrar nas estratégias e me tornar obcecado com movimentos, não germes e sangue coagulando. Ela vira em direção à porta, mas me dá um sorriso terno. — Porque a rainha sempre protege o rei. — E então ela sussurra a última parte. — Mesmo que seja de si mesmo. Sua estratégia não faz sentido para mim... E, no entanto, uma sensação de calma passa por mim enquanto ela sai do quarto. Acontece que, eu não preciso de uma ducha depois de tudo. Basta um pouco de antisséptico bucal e um monte de xadrez vai trazer novamente equilíbrio ao meu mundo. Eu acho que eu meio que evitei um colapso, pela primeira vez. E isso foi exclusivamente por causa dela. Baylee.


— ISTO, — ELE sorriu e me deu uma pulseira fina de prata, — é para você. Algumas meninas nas proximidades riram, do tipo de riso de entusiasmo, da noção romântica de Brandon. Nós tínhamos saído desde o ano passado, quando éramos juniores e estávamos muito apaixonados. — É tão bonito. Eu amo rosa, — eu jorrei e bati meus cílios para ele quando ele fechou-a em torno do meu pulso. — Obrigado, Brandon. — O nosso aniversário de um ano é importante. Minhas bochechas avermelharam e eu olhei ao redor. Não havia professores ao redor, então eu deslizei meus dedos ao redor de seu pescoço e puxei-o para a frente. Nossas bocas se encontraram e ele me beijou docemente. — Deus, Baylee, — ele gemeu depois do nosso beijo. — Você faz com que isto seja muito difícil de controlar na escola. Ele arrastou a mochila em seu colo e me deu um sorriso tímido. Hoje, ele estava especialmente bonito porque seu cabelo normalmente perfeitamente espetado estava bagunçado por causa da chuva que pela qual corremos esta manhã do carro para a escola. Eu gostava quando ele não era todo perfeito e direitinho. — Eu gostaria que pudéssemos passar mais tempo juntos fora da escola. No entanto, você sabe o quão louco meu pai é. Ele ficaria mais feliz se eu não namorasse até que eu tivesse trinta anos!


Nós dois rimos e ele inclinou-se novamente para outro beijo. As gotas de chuva começaram bater em nós e o riso das meninas de mais cedo eram agora ruídos. Nós fomos deixados sozinhos no pátio. Brandon pareceu sentir isso e nosso beijo se tornou mais profundo. Sua mochila caiu para a grama e ele me puxou para o seu colo, então eu estava montada nele. Estava frio e estávamos a ficar encharcados, mas não consegui ter o suficiente dele. Esfreguei-me contra sua ereção e ele gemeu em minha boca. Eu estava pensando muito sobre sexo ultimamente. Se Brandon e eu pudéssemos ficar sozinhos, eu provavelmente o deixaria fazer sexo comigo. Eu o amava e ele me amava. Parecia certo. — Toque-me, — eu murmurei contra sua boca. Ambas as palmas das mãos encontraram meus seios através do meu capuz e ele apertou. Ele enviou um arrepio pelo meu corpo e eu continuei a pressionar contra ele a fim de encontrar alívio. — Eu quero fazer sexo com você, — eu soltei e olhei para os ardentes, famintos olhos dele. — Um dia nós vamos fazer, baby. Eu prometo, — ele me assegurou e depois riu. — Mas não aqui no chão da escola. Eu estou me esforçando para uma bolsa de beisebol... não expulsão. Eu ri e o beijei novamente. — Se eu fosse expulsa por fazer sexo na escola, meu pai me mataria. É melhor guardá-lo para outra momento. Seus olhos dançaram com humor quando ele afastava uma mecha encharcada de cabelo dos meus olhos. — Eu nunca o deixaria matá-la. Eu raptaria você e a manteria segura. Você é minha garota, Baylee Marie. Eu vou fazer você minha esposa um dia. Gah, se apenas as meninas pudessem ouvir meu namorado agora. Eu sorri para ele. — Eu te amo. — Eu também te amo, baby. Nós nos beijamos até que um professor gritou por nós.


Se fosse para ter uma detenção com meu namorado valia a pena beijá-lo na chuva. Afinal, nos deu mais tempo juntos. Mesmo que não pudéssemos falar ou tocar, estávamos lá. Juntos.

Um toque alto me sacode do meu sonho. O sol há muito tempo se está alto no céu.‘ E eu ainda estou enrolada no sofá, um cobertor me cobrindo. Eu tinha adormecido no sofá na noite passada depois de muitas horas no meu computador portátil. War, é claro, não pôde me colocar na cama, mas ele pelo menos tentou me deixar mais confortável. Eu me pergunto por que ele não apenas me acordou. Um sorriso brinca em meus lábios quando eu penso sobre como tínhamos vergonhosamente flertado durante o jantar. — Eu não sou uma beijadora tão terrível, sabe, — eu provoquei, mordendo meu espaguete. — Você não tinha que fingir que estava tendo um colapso mental. Ele sorriu e levantou uma sobrancelha. — Talvez não fosse a sua técnica. Talvez fosse sua respiração. Eu posso praticamente sentir o hálito de alho a partir daqui. — Hey! — Eu zombei e joguei meu guardanapo na direção dele. — Eu sou uma grande beijadora e meu sabor é como o céu. Seus olhos caíram para a minha boca e ele ficou sério. — Seu gosto é bem assim, Bay. Bem assim. Minhas bochechas queimaram com o seu comentário e eu olhei para além dele, em direção ao sol poente. — Você está bonita esta noite. Mais do que o habitual, — ele me disse suavemente. Um sorriso brincou em meus lábios enquanto nossos olhos se encontraram. — Eu estou vestindo uma camisa branca sem graça e jeans. Dificilmente bonita. — As mulheres que tem sabor de céu geralmente são anjos, — ele me disse, pensativo. — E você, vestida de branco, é cada pedaço que o céu enviou.


Suas palavras me derreteram. — Eu posso ser impertinente, — eu assegurei a ele com um sorriso malicioso. Ele revirou os olhos. — Se suas habilidades impertinentes não são nada parecidas como suas habilidades de xadrez, você ainda é 99% anjo. Você é um anjo que joga xadrez pessimamente. — Você é um idiota, — eu gemi, mas não pude deixar de sorrir. Eu gostava que ele me achava bonita. Ele me olhava como se eu fosse o sol em seu céu. Parecia que eu o coloquei sob um feitiço e para ser honesta, eu amei isso. Um som do telefone de War parou o nosso flerte e ele arrastou-o do bolso. Seu sorriso caiu e ele começou a digitar, quase com raiva. — O que é? — Eu questionei, minhas sobrancelhas franzidas em preocupação. Ele levantou o olhar para o meu e pela maneira como ele apertou a mandíbula, eu sabia que ele estava escondendo alguma coisa de mim. — Diga-me, — eu murmurei. Com o cenho franzido, ele inclinou-se para trás e olhou para tela. — Detetive Stark Pisquei várias vezes para ele em confusão. — Quem? — Rita Stark. Oakland PD. Eu estive, — disse ele e esfregou o rosto com a palma da mão, — em contato com ela sobre o seu caso. Ou a falta dele com mais precisão. Meu ritmo cardíaco acelerou. — O que você quer dizer? Por que você não está me contando tudo, War? — Eu queria ter mais informações antes de lhe dizer. E agora eu tenho. Eu fiquei boquiaberta como se ele fosse um idiota por parar. Ele rapidamente continuou. — Duas semanas atrás, entrei em contato com ela e perguntei-lhe por que alguém não iria denunciar o desaparecimento de uma filha. — E? — Ela pensou que eu era o Brandon.


Eu congelei com a menção do meu namorado. Com War era fácil suspender a realidade e brincar de casinhas em seu castelo no oceano. Mas momentos como estes, quando meu passado colidia com o presente, eu tinha dificuldade em fundir os dois mundos. — Ele está bem? War concordou e revelou o que sabia. Sobre como Brandon tinha ido vê-la. Como ninguém acreditou nele. Meus pais tinham me retirado da escola. Como Stark pensava que era tudo uma história elaborada por um garoto triste que odiava o fato de que sua namorada estava sendo educada em casa. — Então, por que você não me contou tudo isso, War? O que diabos está acontecendo? — Minha voz tinha subido vários oitavos e eu me levantei da mesa. Ele deu de ombros e soltou um bufo. — Porque não faria nada, Baylee. Nós sabíamos que algo estava errado. Agora, porém, as coisas foram de suspeitas para inacreditável. — O que aconteceu? — Stark respondeu. Disse que os pais de Brandon reportaram o desaparecimento do filho. Ele simplesmente desapareceu. Stark está bastante certa que ele se foi para procurar você. Ela não acha que ele foi levado nem nada. Mas ela me perguntou sobre minha identidade. E descaradamente perguntou se eu tinha você em minha posse. Minha carne ficou fria no meu rosto e meu queixo caiu ligeiramente. — O que você disse? — Eu disse a ela o nome de Gabe. Eu disse que ela precisa abrir um inquérito no que diz respeito a ele e algumas atividades ilegais que ele esteve envolvido, — disse ele e virou o telefone para mim. — Eu disse a ela para abrir os olhos e olhar para a exploração sexual na Califórnia. Agora ela parece estar preocupada com o seu paradeiro. Peguei o telefone dele e li todos os seus e-mails. — Você acha que ela vai falar com papai e mamãe? Eu simplesmente não posso acreditar que eles continuam com a vida deles como se eu nunca tivesse existido. — Lágrimas quentes se formaram nos meus olhos e transbordaram. Seu olhar caiu para minhas bochechas molhadas e ele franziu a testa. — Eu não sei. Obviamente ela estava sendo vaga em suas mensagens e, provavelmente, fazendo tudo em seu poder para descobrir quem está


enviando as mensagens para ela. Claro que nunca vão chegar aqui. Você está segura comigo. — Como podemos descobrir o que ela faz? Ela não vai apenas sair e contar-lhe o seu plano, quem ela vai questionar ou algo assim. Sinto-me tão impotente, War! Ele estendeu a mão para mim, brevemente, mas sacudiu a mão para trás como se ele se lembrasse que ele não era capaz de me confortar. — Você não é impotente. Você tem a mim e eu sou bastante engenhoso. Seus pais estão gastando o dinheiro que eu estou mandando. Cada centavo está sendo retirado. Estive pesquisando todas as pistas para descobrir o que está acontecendo. Nós vamos descobrir isso, linda. Assim como eu prometi. Minha ansiedade diminuiu com suas palavras. E então o quê? Depois que descobrir tudo? Depois que descobrirmos que os meus pais não se importam merda alguma comigo? Seus olhos encontram os meus e ele me olhou com um olhar sério. — Eu vou cuidar de você, não importa o quê porque eu me importo com você. Você é minha, Bay. Eu passei o resto da noite no computador ao lado de War no sofá. Tanto de nós carregando e clicando através da web em busca de respostas e só ficando com mais perguntas. Meus pensamentos voltaram para o nosso beijo no início do dia ontem. Começou tão carnal e necessitado. Por um momento, ele empurrou para longe seus demônios para me beijar. Embora tenha apenas durado segundos, foi bonito e perfeito. Mas é o meu sonho na noite passada sobre Brandon que ainda paira espesso no ar. Depois eu descobri que ele estava desaparecido e que tinha estado procurando por mim, eu pensei muito sobre ele. O que acontece se este detetive encontrar Gabe e leva-o para a cadeia? Brandon vai voltar para casa? Eu vou voltar para casa? Os meus pais ainda me querem? Será que as coisas vão voltar ao normal? Imagens de War sentado sozinho em casa, sem ninguém com quem conversar. Ninguém com quem comer. Ninguém com quem jogar xadrez. É tudo demais. Ele se tornou muito importante para mim para deixá-lo e correr de volta para casa. Mesmo se Gabe for para a prisão e todos voltarem ao normal, eu não acho que eu alguma vez poderia deixar War sozinho novamente. Isso iria esmagá-lo.


A campainha tocou novamente e eu pulo do sofá ignorando meus músculos rígidos. A memória do nosso beijo e meu sonho persistente de Brandon são momentaneamente colocados em pausa enquanto eu caminho para a porta. Mancando até a porta, eu questiono quem poderia estar aqui a esta hora. Talvez uma outra entrega de sapatos. A noção faz-me estender a mão para a maçaneta da porta com um sorriso no meu rosto. Mas assim que estou a chegar lá, uma voz profunda me assusta. — Não abra. Viro-me e encaro um War sonolento com sobrancelhas franzidas. — Por que não? Provavelmente é apenas uma entrega. Ele rosna e vem bruscamente até mim. — Porque, — ele sibila, — e se é ele? Você sequer espreitou? Eu tenho um alarme por um motivo, Bay. Para protegê-la. Os entregadores sempre deixam os pacotes na minha porta por instruções minhas. Quem está aqui não está entregando nada para mim. Medo de Gabe me atravessa e os meus joelhos se dobram. Eu poderia ter acabado de abrir a porta para ele. Eu me permiti ficar confortável na casa de War e esqueci como poderia ser se aquele homem me encontrasse novamente. Ele poderia ter me pegado e me levado para sua estúpida cabana antes mesmo que eu soubesse o que me atingiu. Eu congelei com as memórias que me perturbava. Pepinos congelados. Plugs anais. Seus grandes dedos sondando e alargando todos os buracos no meu corpo. Um tremor me dilacera. Minha mãe se foderia e eu viveria o resto da minha vida sendo torturada por aquele monstro sádico. Não, obrigado. — Sinto muito, — digo com lágrimas nos olhos. — Eu não pensei. Ele relaxa e eu posso ver que ele se coça para me confortar de algum jeito. O problema é que, com War, não há jeito algum.


Apenas palavras, sem abraços. — Tudo bem. Vá se vestir. Eu vou descobrir quem é. Apressando-me para longe da porta, eu caminho para o meu quarto. Localizo um par de jeans e uma camisa e me visto em velocidade recorde. Até o momento em que terminei, eu posso ouvir vozes alteradas na outra sala. Oh Deus. Ele está aqui. Pegando um alto, castiçal de metal da cabeceira, eu levanto-o e saio para fora do quarto, preparada para quebrá-lo sobre sua cabeça. War aparece em primeiro lugar, suas feições contorcidas em uma careta com raiva. Tenho um dedo nos lábios para avisá-lo. Seu rosto empalidece e ele levanta a mão. — Bay, não! Impulsionando do canto, eu fico pronta para matar Gabe. Estou furiosa pelos horrores que ele me fez passar e estou ansiosa para quebrar seu crânio. Então, isto pode tudo terminar. Estou prestes a balançar o castiçal quando War arrebata-o do meu aperto e tira-o para longe de mim. O homem na entrada não é Gabe. Ele se vira para me encarar com uma careta e eu posso ver que este homem é mais velho e tem cabelos grisalhos misturados com seu cabelo escuro. O homem é quase uma imagem exata de War. — Baylee, este é o meu pai, Loveland9 McPherson. — A mandíbula de War está cerrada em frustração quando ele pousa o castiçal sobre a mesa de entrada. Eu pisco para o homem mais velho várias vezes antes de responder. — Sou Baylee Winston, Sr. McPherson. Minhas palavras parecem arrastar o homem para fora de seu estupor e ele estica a mão para mim. — Chame-me de Land. E devo dizer, eu nunca soube de War deixar alguém ficar aqui. Nunca. Vocês dois estão... — ele parou como se procurasse as palavras certas, — juntos? Olhando para War, peço com os meus olhos para ele explicar.

9

Loveland é Terra do Amor em inglês. Decidi deixar esta notinha porque o nome é engraçado.


Ele assente e limpa a garganta. — Pai, Baylee Ê a minha, uh, namorada. Land franze as sobrancelhas para mim antes de rapidamente mudar seu olhar para War. — E, filho, quantos anos tem a sua namorada?


PORRA. Eu não esperava que o meu pai aparecesse em uma de suas visitas aleatórias. Quero dizer, eu sei que já passou algum tempo desde que ele me visitou pela última vez, então eu sabia que a sua aparição estaria próxima. Mas o momento é horrível. Ele não vai entender isto sobre Baylee. O lábio inferior dela treme e eu posso quase sentir o seu batimento cardíaco em meus ouvidos. Thump, thump, batendo. Eu anseio segurar seu corpo que ainda treme de medo por pensar que Gabe estava aqui. O homem é um fodido monstro. Eu não tenho certeza se eu ainda quero saber tudo o que ele fez com ela. Pode me deixar mais louco do que já sou. Ou homicida. — Ela tem dezessete anos. Eu estremeço e depois conto os segundos até ele explodir. Com meu pai, isso é certo acontecer. Um, dois, três, quatro… — VOCÊ ESTÁ BRINCANDO COMIGO, WARREN THOMAS MCPHERSON? Em um movimento natural, eu fico entre ela e ele. Meu pai não iria machucála. Nunca. Mas ainda assim não gosto dele perto dela enquanto está chateado. Ela, ultimamente, teve merda o suficiente para ter de lidar com a birra do meu pai também. — Pai, ouça… — Não! Você me escute, meu filho! Isto é in-


— Eu estou aqui por minha própria vontade! — Baylee grita sobre nós. — Land, eu estou bem. Eu prometo. E nós não tivemos relações sexuais, se é isso que você está preocupado. Estou aqui para fazer companhia a War. O corpo furioso do meu pai ondula com a raiva relaxando. — E seus pais? Será que eles sabem que você está aqui? Ela levanta o queixo bravamente. — Eu vou fazer dezoito anos em breve e tenho estado em contato com o meu pai. Ele sabe que estou com o seu filho. Eu prometo, não sou prisioneira de War. Ele está me ajudando, também. Meu pai esvoaça o olhar dela para mim. — Quanto você lhe pagou? — Podemos falar sobre isso depois? — Eu questiono entre os dentes. Ele balança a cabeça e eu solto uma lufada de ar em alívio. Virando-me para enfrentar Baylee, eu dou-lhe um sorriso. — Por que você não vai e toma uma ducha. Vou fazer-lhe o café da manhã. Ela parece hesitante em sair, mas finalmente se vira e salta em direção a seu quarto. Olho para a sua bunda perfeita, até que ela desaparece ao virar da esquina. — Diga-me tudo. Agora, Warren, — meu pai sibila. Eu suspiro e faço um movimento para ele me seguir. — Eu vou fazer o café da manhã. Vamos conversar na cozinha. Enquanto eu começo a puxar as coisas fora da geladeira, pai respeita as minhas necessidades gastando uns bons dez minutos na pia se lavando até aos cotovelos. Foi uma batalha no início, mas depois de desmaiar em várias ocasiões diferentes, de ele testar a minha vontade sobre o assunto, ele finalmente se rendeu as minhas necessidades. E eu não tenho sequer que olhar para ele para saber que deixou seus sapatos perto da porta e está usando as sapatilhas cirúrgicas azuis10. — Comece a falar, filho. Eu começo a cortar legumes para fazer omeletes vegan e suspiro. — Eu estou solitário, pai.

10


— Eu sei disso, — diz ele suavemente e começa pegar em copos para encher com suco de laranja. — Mas você tem estado sozinho desde Lilah. Você não teve uma única companhia feminina desde ela de fato. Eu não estou necessariamente chocado que você claramente paga a uma mulher para entretê-lo, mas o que eu estou furioso sobre a idade dela. Então eu vou pedir-lhe mais uma vez para me contar tudo. Meu pai e eu sempre fomos próximos, mas quando a mamãe morreu, sabíamos que só tínhamos um ao outro depois disso. Ele espera a verdade de mim e eu nunca tive um motivo para mentir. Incluindo agora. — Eu descobri um site on-line. Parecia profissional e legítimo. E estava fodidamente caro, — digo com um resmungo. — Eu liguei e falei com o coordenador. Eles mudaram o evento para um leilão silencioso para acomodar as minhas necessidades e até mesmo concordaram em manter a minha participação anônima. Do carro, vi todos se empilhar. Mas uma se destacou. Eu parei de cortar e me fixei em um pequeno azulejo no backsplash11. Há 746 azulejos no backsplash. Eu contei-os. 512 são puro branco e 232 estão um pouco danificados. E dois têm rachaduras perto da pia. O meu olhar viaja até os dois rachados. Perfeição de lado, a fissura corre bem no meio. Na maioria dos dias, eu imploro para obter uma ferramenta Dremel e tirá-los fora do backsplash. Mas outros dias, eu me concentro sobre os imperfeitos como um lembrete. Talvez eu possa encontrar uma outra pessoa, como eu, e que podemos existir em um mar de perfeição, quebrados mas ainda belos e necessários. — Filho… Eu pisco e continuo. — Ela contou seus passos no palco. Dezessete passos, pai. A boca dela movia enquanto ela contava e eu me fixei nela. Por um breve momento, eu tinha esperanças que ela era como eu. Diferente. Quando o homem entregou-a no meu carro e ela falou, eu sabia que não ia deixá-la ir. — Warren, eu não acho que isso é legal. Há muito mais para além disso, não há? Quanto você pagou por ela? Eu gemo e evito o contato com os olhos. — Cinco milhões.

Parte impermeável que fica na parede, geralmente na zona onde espirricha gordura e sujidade. É usado nos EUA. 11


— Jesus fodido Cristo, filho! — Ele sussurra. — No que você estava pensando? — Eu não estava. Eu estava cansado de estar sozinho. — Então, você paga a alguém de dezessete anos para ser sua companheira? Por que ela ainda está aqui? — Bem, é mais complicado do que isso, pai. Eu não entendia o que estava fazendo quando comprei ela. Era uma espécie de exploração sexual. Eu juro que eu não sabia, — eu digo-lhe, vergonha fazendo minha voz ficar rouca. — Olhe para mim. Eu arrasto o meu olhar para o dele e franzo as sobrancelhas. — Eu comprei-a de um idiota que fez merda sádica para ela. Coisas que foderam a cabeça dela. Um bastardo cruel. E a merda que ele fez com ela contra sua vontade... — Eu paro e estremeço. — Tão incrivelmente doente. — Então você sabe tudo isso e você ainda a manteve? — Eu estou fodidamente solitário! — Eu rugi e bato a faca na bancada. — Eu queria morrer. Mais uma vez. Esses pensamentos estavam fervilhando como eles costumam fazer. Eu estava me afogando neles. Mas então Baylee apareceu. Ela me faz esquecer, pai. Eu realmente quero tocá-la. Meu pai, depois de ter lidado com meus problemas por mais de uma década, relaxa e as sobrancelhas ficam franzidas. — Você quer tocá-la? Eu aceno e sorrio envergonhado. — Eu a beijei. Duas vezes. Seus olhos se arregalam e suas sobrancelhas voam para a linha do cabelo. — Você beijou? Então você realmente tocou alguém por vontade própria? Você não a forçou não é? — Não, eu não fiz. Na verdade, ela parecia chateada na primeira vez quando eu me afastei e tive uma merda de colapso. Eu tive que tomar um longo banho para lavá-la de mim. Mas… Papai não está mais com raiva. Ele parece esperançoso. — Mas então, logo que voltei para ela, eu queria novamente. Ela é viciante. Eu quero ouvir a voz dela, ver seus sorrisos e relaxar


sob o calor dela. Nas últimas semanas, eu me pergunto se eu tenho uma chance de curar minha fodida cabeça. Que talvez ela é a minha resposta. Ele balança a cabeça, pensativo. — Se você tem fé de que ela pode, então é certamente possível. Porém, prometa-me uma coisa, War. Prometa-me que não vai tocá-la até depois de seu aniversário. Você é um homem bom e eu não quero essa coisa menor de idade pesando em sua consciência ou enviar o meu único filho para a cadeia. Você não é como o homem que a machucou. Você é meu filho e nós temos moral. Eu me viro para voltar a cortar quando ele fala novamente. — Então ela é milionária aos dezessete anos, — diz ele, espantado. — Bem, não exatamente. Ele resmunga. — Mas você acabou de dizer— Gabe tem o dinheiro. O homem a quem eu a comprei. Arriscando um olhar para o meu pai, meus ombros caem em seu olhar furioso. — Depois de todas essas coisas que ele fez e… Eu xingo. — Eu sei. Mas o que é que eu vou fazer sobre isso? — Eu não sei, chamar a maldita polícia para ele! — Pai, não é assim tão fácil! — Eu grito e imediatamente me sinto culpado por ter gritado com ele. — Além disso, — eu amacio meu tom, — Eu estou em contato com uma detetive em Oakland. Eu estive dando-lhe informações, que não a trarão até a mim, na esperança de que eles vão pegar Gabe. Seus pais nunca queixaram-se de uma pessoa desaparecida. Alguma coisa está acontecendo e eu não vou mandá-la de volta para a cova do leão, onde esse imbecil vai voltar por ela. Ela está segura aqui. Além disso, nós fizemos outro acordo. Ele espera com expectativa. — Eu tenho enviado dinheiro para ajudar a mãe dela. Ela está doente. Um gemido ressoa de seu peito e ele se afasta de mim. Seu olhar cai nas janelas com vista para o Oceano Pacífico. Eu sei que


ele está pensando em mamãe. Nossos pensamentos sempre voltam para ela. Ela é a razão pela qual eu sou quem eu sou hoje. — Então você está despejando mais dinheiro apenas para manter essa garota? Você entende que você vai ser um pobre coração-partido quando tudo terminar. — Sua voz racha e eu gostaria de poder abraçá-lo. Eu não fui capaz de fazer isso desde que eu era um adolescente. — O que mais eu posso fazer? Eu estava desesperado. Com Baylee, a vida é diferente. Menos solitária. Eu sei que você pode não entender todo o meu raciocínio, mas confie que vou ser inteligente. Eu não vou machucá-la, mas eu também não vou deixá-la ir. Eu não posso. Agora não. Eu ouço alguém limpar a garganta atrás de mim. — Estou interrompendo? Virando, eu sorri para ela. Ela está de banho tomado, seu cabelo loiro puxado em um molhado e desarrumado coque no alto da cabeça. Os jeans escuros que ela está usando abraçam sua figura e a camisola azul clara não faz nada para esconder seus seios lindos. Meu pau reage ao vê-la, e eu rapidamente volto a minha tarefa de cozinhar para esconder minha ereção. — Não, nós estávamos falando sobre como eu adquiri você. — Você contou a ele? — Ela questiona como se estivesse chocada. Meu coração acelera ao vê-la a partir do canto do meu olho começando o ritual de lavar a mão. Ela tem que contar. Vou contar para ela. Mas depois de hoje, nenhum de nós terá que fazer isso. Outro presente para ela deve chegar em algum momento desta tarde. Eu pedi-o não muito tempo depois que ela chegou, mas estava sendo feito sob medida pelas minhas especificações. — Por que eu não diria a ele? — Eu digo com uma risada. — Ele é meu pai. Digo-lhe tudo. Você não diz tudo ao seu pai? Meu pai inclina-se contra o balcão e observa nossa conversa com interesse. — Bem, — ela diz lentamente e desliga a água, — nem tudo. Suas bochechas estão vermelhas de vergonha e eu rio. Mas quando ela desliga a torneira da pia, o meu riso morre na minha garganta.


— Não terminou. Mais 48 segundos, — eu digo um pouco mais duro do que pretendia. Papai resmunga atrás de mim, mas não diz mais nada sobre o assunto. A água volta a sair e ela continua a esfregar as mãos. — Agora? Começo a fritar os omeletes vegan e suspiro. — Ainda não. Os segundos passam, mas eu não lhe digo quando o tempo acabou. Mais alguns momentos lavando as mãos nunca fez mal a ninguém. — Baylee, — Papai diz em uma voz suave. — Sinto muito pelo que aconteceu com você. Você é uma vítima. E se você decidir que quer ir embora, pode me ligar. Eu vou te levar para casa. Ela desliga a água desta vez e eu não a impeço. — Eu estou bem agora. Obrigada, Sr. McPherson. — Por favor, me chame de Land. Você é forte e corajosa. Obrigado por tentar ajudar o meu filho, não importa quais são seus motivos para fazê-lo. Isso significa o mundo inteiro para mim e eu vou fazer o que eu puder para retornar esse favor. Em um movimento surpreendente, ela se apressa para ele e se joga em seus braços. Ele a abraça apertado, como eu gostaria de abraçar, e acaricia as costas de uma maneira que sempre me confortou quando era uma criança. Estou com ciúmes de ambos. Eles podem segurar um ao outro e eu não posso segurar qualquer um deles. Ele murmura garantias e eu termino de cozinhar, com cuidado para que cada omelete tenha o mesmo tamanho com porções iguais de vegetais e tofu nelas. Assim que adiciono algumas bananas cortadas ao lado, eu levo os pratos para a mesa. Ela finalmente rompe seu abraço e me pisca um tímido sorriso. — Então fale sobre si mesma, Baylee. Se você é alguém especial para o meu filho, então você é alguém especial para mim, — meu pai diz depois de nos sentarmos na mesa e começado a comer. Ela suspira e seus olhos se concentram no oceano como se ela estivesse recordando memórias felizes. — Eu pratico corrida e sou muito boa nisso. Meus pais Tony e Lynn são bons para mim e nós vivemos em uma modesta casa em Oakland. Estou pensando em ir para Berkley no próximo outono. Bem, eu fiz planos para ir para lá.


Meu pai faz uma careta e eu estremeço. Culpa me esfaqueia e eu encho minha boca com outra mordida enquanto ela continua. — Eu amo ler. A natação é algo que eu gosto, especialmente no oceano. Hum, isso é tudo o que eu acho. — Você sabia que War costumava surfar? Seus olhos se arregalam de surpresa e ela lança seu olhar para mim. Eu resmungo minha confirmação e ela sorri. — Eu não sabia disso. Eu não sei muito sobre o seu filho, temo. Quero dizer, — diz ela com hesitação, — além do óbvio. Ele não me diz nada. Papai olha para mim, tristeza e fadiga estragando suas feições. — Há muito sobre meu filho. A doença o afligiu mas ele ainda está lá. Eu vejo-o lutando até superfície, às vezes. Estou feliz que você é capaz de romper através dele um pouco. — Eu estou bem aqui, — eu reclamo e apunhalo a banana. — Ela não é minha psiquiatra. Ele franze a testa e eu estremeço. Eu não deveria ter dito isso. Meu pai tentou me ajudar desde que eu perdi a minha cabeça. Não é culpa dele que eu sou do jeito que sou. Ele tem feito tudo o que pode para me ajudar, suporta meus problemas e me ama o suficiente pelos dois pais. — O que você quer fazer quando você, hum, — papai diz com um grunhido, — crescer? Eu gemo com sua escolha de palavras mas ela não parece ficar afetada. — Se você quer dizer após o ensino médio, — diz ela com um sorriso, — então eu esperava ir para universidade com uma bolsa de corrida. Eu sempre fui intrigada por medicina por causa da minha mãe. Mas agora… Eu levanto o meu olhar e encontro-a compassiva. — Agora eu gostaria de entrar em psicologia. Suas palavras são verdadeiras e não para me machucar. Ela é curiosa sobre a minha condição e isso despertou um desejo de aprender mais. Eu deveria me sentir irritado por mais uma pessoa querer entrar no meu cérebro escuro.


Mas com Baylee? Eu quero ela lá. — Você já foi até ao oceano? — meu pai pergunta enquanto se levanta e leva o prato para a pia. Ela balança a cabeça. — Estamos no meio do inverno. A água está provavelmente fria... — Ela dá uma pausa, a tristeza não a deixa terminar o argumento. Ele se vira para mim, mas fala com ela. — Isso é um absurdo. Está quase 21º hoje. Claro, a água pode estar um pouco fria, mas você ficará bem em ter um pouco de sol. Se estiver tudo bem para você, — diz ele, e seus olhos encontram os meus, — eu gostaria de levá-la para um passeio ao longo da praia. — Pai, eu não sei se— Sério? Eu adoraria isso. Posso, War? — Seus olhos brilham em um azul bonito com uma emoção que eu ainda não tinha testemunhado. Ela é linda. E tão merecedora. Como eu poderia lhe dizer não? Mas a areia. O sal da água. O vento soprando detritos em volta dela, em sua boca e cabelo. — Uh, — eu começo e belisco a ponta do meu nariz. Ela pode tomar banho depois. Imagine quão bonita a ponta de seu nariz ficaria rosada do sol. E ela cheiraria memórias que não estão contaminadas. — Claro, Bay. Vou limpar enquanto vocês dois se divertem. Mas eu não posso prometer que não vou ficar uma porra de muito louco se você trouxer areia para minha casa. Na verdade, vou ter uma vassoura esperando por você na parte da frente na varanda. Certifique-se de limpar-se com a mangueira, também. Seu grito encantado enquanto ela se levanta de sua cadeira faz valer a pena e eu me vejo sorrindo.


EU NÃO acredito que ele me deixou sair da casa, especialmente depois da minha tentativa de fuga. Eu estou nervosa, temendo que Gabe possa estar escondido em qualquer lugar, mas com Land por perto, estou confortada. Ele faz me sentir segura, como o meu pai sempre fez. — Meu filho é um bom homem, sabe. Nossos pés rangeram na areia branca enquanto nós caminhamos em direção as ondas quebrando. Eu tinha me trocado para um vestido de verão que esvoaça no vento e eu percebo que é o mais livre que me senti em semanas. Devo a Land por isso. — Sim, — eu digo, provavelmente não tão convincente quanto ele gosta. — Há uma razão para ele ser dessa maneira, Baylee. E ele tem estado, — ele engasga, — tão solitário por tanto tempo. Lágrimas enchem meus olhos. Apesar de ter sido roubada por Gabe e depois vendida a War, as coisas parecem diferentes aqui. War não me machuca. As únicas vezes que meus sentimentos se machucam, é quando eu quero que ele me toque e ele não o faz. Bem, ele não pode. Sua mente não permite. Mas eu não perco o desejo mal escondido. Desejo que inflama uma chama dentro de mim. Vergonha se espalha em mim enquanto eu considero o que a minha mãe e o pai pensariam sobre a minha paixão sexual por um homem para quem fui vendida. O


que eles pensariam por eu desejar fazer amor normal com ele. E Brandon? O garoto que eu amava com todo o meu coração? Ele está se tornando uma memória distante, em vez de uma realidade de alguém com quem estarei. — É bonito aqui, — eu digo com um suspiro, na esperança de mudar de assunto. Andando na frente dele, eu agarro a barra do meu vestido e corro para a espuma do mar. A água está gelada mas congratulo-me com a maneira como envolve meus tornozelos. Sentindo-me mais corajosa, eu caminho até estar com água nos joelhos. — Merda, — Land pragueja, — está frio! Eu rio e giro para vê-lo andando nas pontas dos pés em direção a mim. — Bebê grande, — eu brinco. Sua risada me aquece e ele envolve um braço em volta de mim. Land é carinhoso e corta meu coração pensar em como ele nunca mais vai ter isto com seu filho. Eu me inclino em seu abraço e deixo-o me abraçar por um tempo. — Ele tinha uma namorada, — diz ele lentamente, quase melancolicamente. — Claro, eu não ligava muito para ela. Lilah era ríspida. Suponho que não era culpa dela. Seu pai era um maldito idiota, mas ainda assim. Mexeu com meus nervos saber que eles estavam juntos. Warren tinha potencial. Ele era extremamente inteligente e técnico. Mas ao redor dela, ele meio que andava com corações em seus olhos. Tento imaginar um War mais jovem. Um War que estava apaixonado por uma menina do lado errado da vida. — Na época, eu tinha sido egoísta. Tentei empurrá-lo sutilmente em outras direções, direções que ela não podia fazer parte. Minha Paula não estava feliz com minhas ações. Ela me lembrou que uma vez tínhamos sido jovens, idiotas e apaixonados. — Deve ter sido uma senhora adorável. Você fala com carinho dela.


Seu aperto na minha cintura aperta e sua voz fica rouca como se ele fosse chorar. — Ela engravidou, minha Paula. Aos 48 anos de idade. Foi um milagre e uma bênção. Eu sorrio para suas palavras. Mas, em seguida, ele passa a contar uma história horrível que agita o meu café da manhã na minha barriga. Uma história que pinta uma imagem vívida de como War tornou-se o homem que ele é hoje. A história da perda da sua esposa grávida faz com que Land engasgue com a emoção. Uma enorme onda bate em nossa direção e se Land não me tivesse agarrado no momento certo, ela teria me derrubado. Meu vestido, agora molhado, se apega a minhas coxas e eu tremo. — Vamos lá, — diz Land bruscamente e me guia para fora da água e para a areia quente. Juntos, sentamos e esticamos as pernas ao sol. — Era o quê? — Eu não devia perguntar mas estou curiosa. Ele engole e não fala por alguns instantes. — Uma garotinha. Constance era o nome dela. Era. Lágrimas parecem nos meus olhos e baixo meu olhar para meus dedos do pé que estão polvilhados com areia branca e ainda pingando água do oceano. Uma lágrima rola para fora e eu fungo. Ele parece sentir minha tristeza por ele e sua esposa, porque ele me puxa contra ele de novo em um abraço de lado. Eu gosto de Land e estou grata por sua presença. — Pobre War. Meu menino, meu doce menino. Suas palavras são ocas e tristes quando ele reproduz cenas tão horríveis envolvendo War que eu não tenho certeza se vou alguma vez tirar do meu cérebro. Tento acalmar meus soluços depois de ouvir os detalhes mas eles não param. — Depois... depois que as perdemos, — ele diz finalmente, a pior parte de suas palavras terminando, e eu me estico para segurar a mão dele. — Eu perdi War também. Não do jeito que as perdi mas ele se tornou uma casca de si mesmo. E em seguida,


tornou-se esta pessoa que eu não sabia como ajudar. Algo me diz que ele não conta esta história muitas vezes, se alguma vez contou. Nós dois ficamos em silêncio para além do nosso fungar. — Por que os médicos não puderam ajudá-lo? — A minha pergunta é quase um sussurro se perdendo no vento. Eu tremo e ele me abraça apertado, esfregando o braço para cima e para baixo no meu bíceps que está coberto de arrepios. — Eles tentaram. Acredite em mim, eles tentaram. Mas meu filho, — diz ele com uma risada chorosa, — é um teimoso. Um sorriso joga em meus lábios. Ele é. — Eu estou familiarizada, — eu brinco. — Ele passou cinco semanas na ala psiquiátrica após o acidente, suas obsessões aumentaram e aumentaram, apesar das constantes avaliações psiquiátricas e terapias. O psiquiatra me explicou que ele tinha PTSD, ansiedade, depressão e transtorno obsessivo-compulsivo entre outros novos problemas, incluindo um transtorno delirante. Ele parecia infeliz lá, então, eu finalmente o levei para casa, onde lutamos durante meses para tentar aprender como lidar com isso. Juntos. Eventualmente, quando sua obsessão sobre o sangue e germes se tornou demais, eu lhe perguntei se ele se sentiria mais confortável em sua própria casa. Uma casa onde ele poderia controlar o ambiente. Eu comprei esta casa em um esforço para fazê-lo se sentir perto da mãe e para lhe dar espaço. Conforme o tempo passava, eu fiquei com raiva dele por seu comportamento, como se tivesse algum jeito de mudar. Nós discutimos mas eventualmente eu decidi que ter meu filho era mais importante do que tentar obriga-lo a se curar quando ele não estava pronto. Viro a cabeça sobre o meu ombro e olho para a casa. Uma sombra escura está na janela. War. Aquela pobre, bonita, torturada alma. — E quanto a namorada dele? Ele geme. — Lilah? Ela só piorou as coisas. No desespero para que ele voltasse ao seu eu normal e voltar ou terminar com ela, eu a convidei enquanto ele estava hospedado comigo. Eu já tinha


aprendido a respeitar suas regras de não tocar, mas ela entrou e se jogou nele. O que ela não sabia ou entendia era que War não era mais o menino que ela conhecia. Quando ele a empurrou e gritou com ela para não tocá-lo, ela começou a chorar e vomitou palavras desagradáveis que não preciso repetir. É desnecessário dizer, eu acabei por arrastá-la para fora da minha casa e foi a última vez que a vi. War me disse que ela agora está casada e com três filhos. Voltando-me para olhar para o oceano, eu suspiro. — Eu me sinto tão mal por ele. Por você. Eu sinto muito. Ambos devem ter ficado tão devastados. Ele fica de pé e me puxa para cima também. Abraçamo-nos e eu enterro meu rosto no calor do seu peito. Eu gostaria de poder conseguir fazer mais para ajudálos. — Vamos lá, — diz ele, finalmente, — vamos levá-la de volta para dentro antes que você congele. Além disso, War parece estar a cerca de três segundos de sair de sua gaiola para vir busca-la ele mesmo. Aquele garoto gosta de você. O carinho com que ele fala de seu filho me aquece. É fácil esquecer meus problemas depois de ouvir a história de Land. — O que eu vou fazer? — Eu pergunto enquanto nós caminhamos para a casa. — Eu não posso ficar aqui para sempre. Assim que minha mãe receber a ajuda que precisa, eu vou precisar de ir embora para ficar com ela. Ou pior ainda, se Gabe descobre onde War vive, ele virá atrás de mim. De qualquer maneira, War ficará machucado. Land permanece calado por um pouco de tempo. — Basta dar-lhe uma chance de te amar. Mesmo que seja apenas por pouco tempo. Então, quando chegar a hora de você partir por sua própria vontade, eu vou estar aqui para ele, para pegar os pedaços mais uma vez. Ele merece uma lasca, ainda que seja breve, de felicidade em seu mundo escuro. E você é a pessoa certa para dar isso a ele. — O que acontece se a minha escolha for tirada de mim? Se Gabe me encontrar? — Eu tremo lembrando do terror de ser perseguida nos bosques dele e as coisas que fez comigo depois. — War e eu vamos protegê-la. Juro por cada centavo que possuo neste mundo.


Um bipe me acorda e eu me estico. Já faz mais de uma semana e meia desde que Lando nos visitou e meus sentimentos por War têm se intensificado. Eu não consigo mais manter as minhas mãos para mim. Em mais de uma ocasião, eu tive que me abster fisicamente de tocá-lo. Depois de saber sobre o que aconteceu com a sua mãe e irmã, eu imploro para confortá-lo. Para entendê-lo. Land tinha me dado uma visão sobre as questões que afligiam War. PTSD12. Depressão. Ansiedade. OCD13. Um transtorno delirante. Eu tenho sido uma testemunha de seus problemas há mais de um mês. Quando eu não estou tentando fazer contato com meu pai, eu estou pesquisando todas as suas condições até altas horas da noite. Eu quero entender ele. Eu preciso consertá-lo. Agora que eu estou começando a conhecê-lo bem, eu presto atenção aos seus sinais não-verbais para entender melhor o que ele não me diz. Às vezes eu peço-lhe para me contar histórias de sua infância ou da praia, momentos que eu sabia que ele tinha sido feliz. Jogamos xadrez todas as noites e todos os dias rimos até doer a barriga. Ele é engraçado, conquistador e incrivelmente bonito. Eu estou completamente encantada por este homem imperfeito. E eu sei que o sentimento é mútuo. O intenso desejo que ele sente por mim é evidente cada vez que nossos olhos se encontram e saber que ele me quer emociona-me sem fim. Eu gostaria que houvesse uma maneira de romper sua barreira

12 13

Posttraumatic Disorder – Transtorno de Estresse Pós-Traumático Obsessive-Compulsive Disorder – Transtorno obsessivo compulsivo.


mental para que pudesse acontecer. Papai ficou calado, o que me chateou. Nada de respostas. Nada de severas exigências para que voltasse para casa. Nada. Apesar de minhas tentativas para chegar até ele ou minha mãe, eu só encontro silêncio. Felizmente, como prometido, War continuou a enviar dinheiro para eles a cada dia. Meu pai pode ter suas razões para cortar contato comigo, mas mamãe merece toda a ajuda que pode conseguir. E eu conheço meus pais, meu pai morreria se alguma coisa acontecesse com ela. Ele fará tudo em seu poder para salvá-la. Eu aperto o botão no meu relógio para silenciar o sinal sonoro e não posso evitar o sorriso que brinca em meus lábios. Depois que Land me levou para a praia, War surpreendeu-me com um relógio. Ele disse que queria em ouro rosa, porque lembrava de mim, uma noção doce, mas depois decidiu que devia ser arrojado, rosa e impermeável. Ele revelou que se encaixava melhor comigo porque eu era corajosa e indestrutível. Um arrepio passou através de mim novamente com a lembrança de suas palavras doces. — Bay, — diz ele suavemente e entra no meu quarto, interrompendo meus pensamentos que estão por todo o lugar esta manhã. — Eu tenho algo que eu quero dar-lhe. Sento-me na cama e empurro o cabelo dos meus olhos. Seu olhar cai, por breves momentos, na camisa com a qual eu dormi antes de ele sorrir para mim. — Eu tenho café fresco esperando por você no seu lugar, — garante, em tom de brincadeira que me faz rastejar para fora da cama atrás dele. Seus olhos piscam com uma fome que muitas vezes pode ser vista em seu olhar. Eu passo por ele, inalando seu doce, viril perfume durante o caminho para o sofá que tem uma excelente vista do oceano. — O que é isso? — Eu pergunto, vendo uma caixa redonda pousada na mesa. Está amarrada com uma fita rosa vibrante. Sento-me no sofá e dou-lhe um olhar confuso. Ele sorri, quase como se estivesse envergonhado e senta-se, surpreendentemente, perto de mim. — Eu tenho um presente para você.


— Meu aniversário é só amanhã, — repreendo, mas não posso evitar a emoção borbulhando para a superfície. — Bem, nesse caso, acho que vou levá-lo de volta para o meu armário e guardá-la até— Não tão rápido, senhor! — Eu digo com uma risada e golpeio-o de brincadeira. Ele sorri para mim e eu adoro o brilho nos seus olhos. Virando-me, contra minha vontade, de seu rosto bonito, eu agarro a fita e puxo. Depois de levantar a tampa, eu suspiro. — Você odiou. Ignorando suas palavras, eu levanto o par Nike cor de rosa da caixa e olho para eles. Debaixo dos sapatos estão alguns shorts de corrida e um sutiã esportivo. Na parte inferior está um iPod rosa. — O que é tudo isso? — Minha voz está sem fôlego e eu largo os ténis. — Eu pensei que talvez você gostasse de correr ao longo da praia para se exercitar. Sabe, uma vez que isso significa muito para você. Da minha perspectiva, eu posso vê-la até ao restaurante, 1km para a esquerda, e o grande cais cerca de 1km para a direita. Seria um bom comprimentoSem pensar, eu me lanço para ele. Estou emocionada e envolvo meus braços em torno dele em um gracioso abraço. Não é até alguns instantes posteriores que eu percebo o que eu fiz. Separando-me dele, eu para e olho para ele. — Eu sinto muito! Oh meu Deus! — Deixo escapar uma respiração irregular com a percepção de que o toquei de um jeito que o chatearia. Sua mandíbula fica tensa e as mãos formam punhos ao seu lado. A batalha interna em sua cabeça está em força plena. Eu tenho que fazer alguma coisa. — Warren, olhe para mim. Os olhos permanecem fixos na mesa de café e ele não responde.


Fazendo a única coisa que eu consigo pensar, eu pego a barra da minha camisa e puxo-a do meu corpo. Minha minúscula calcinha preta é a única coisa que me mantém de ficar completamente nua. — Warren, olhe para mim. Leva tudo nele para arrastar seu olhar para o meu corpo, mas quando o faz, o relaxamento de seus músculos é quase instantâneo. Suas mãos não estão mais em punhos e ele passa-os através de seu cabelo castanho, de um jeito que me faz pensar que ele está se controlando para não me tocar. — Siga-me, — eu instruo. Ele pisca um par de vezes mas se levanta com as pernas trêmulas. — Eu não vou tocar em você mas você precisa tomar banho assim se sentirá melhor. Vamos. Eu ando na direção de seu quarto e fico grata por ouvi-lo atrás de mim. Quando chego no seu banheiro, eu empurro minha calcinha para baixo e ligo o chuveiro. Seu chuveiro é ótimo, com azulejos e muito espaço para nós dois. Quando o vapor começa a encher o banheiro, volto-me para ver a silhueta dele ocupando a soleira da porta. — Tire a roupa, Warren. Eu não vou te machucar. Ele engole mas dá ouvidos a minha ordem. Apertando a parte inferior de sua camisa, ele puxa-a para de seu corpo e por cima da sua cabeça em um movimento rápido. Eu mordo meu lábio quando vejo o peito musculoso dele ficar nu perante a mim. O que eu não faria para tocar aquele peito. — Eu estarei esperando, — eu digo, uma pitada de safadeza na minha voz, e entro para o jato quente. Minha esperança é que ele não vai me deixar esperando. Eu quero ele mais do que deveria. E ajudar ele é a minha prioridade. — Eu costumava ser capaz de correr 9km em seis minutos. Você acha que eu posso bater essa marcar com esses tênis? Eles parecem ser muito rápidos. — Minha esperança é distraí-lo com números. Deve funcionar porque ele entra no chuveiro e minha boca


abre. O corpo do homem é um belo espetáculo para ser visto. Sua altura combinada com a sua compleição física magra é excitante e minha pelve começa a doer com necessidade. — Eu acho que você pode bater esse tempo. Facilmente. — Sua resposta é mais do que eu esperaria e eu suspiro de alívio. Pego a barra de sabão e ensaboo o meu corpo de um jeito lento, provocante. Seus olhos nunca saem por onde minha mão viaja. É como se ele estivesse fixado no que vou fazer a seguir. — Sua vez. — Eu estendo o sabão e ele cuidadosamente o tira de mim. Com o mesmo nível de excitação, eu vejo-o a se lavar. Seu pau, grosso e longo, aponta para mim como se me acusasse por algum tipo de sedução. — Por que estamos tomando banho juntos? — Ele questiona, colocando o sabão na borda. Faço beicinho com suas palavras, pensando que talvez ele não sinta o mesmo desejo por mim, como eu desejo ele. — Eu pensei que talvez... Sua sobrancelha escura arqueia de um jeito divertido que envia calor para a minha carne. — Uma vez que este é um lugar seguro para você, — eu tento de novo, — que talvez eu pudesse tocá-lo ou você me pudesse tocar. Estamos limpos. Os olhos azuis-escuros encontram os meus e esperança pisca neles. Meu corpo anseia para subir seu peito firme e me afundar em seu pau endurecido mas eu sei melhor do que isso não vai acontecer. Em vez disso, eu espero por seu próximo movimento.


ELA ME OBSERVA com os olhos estreitos, o mesmo olhar competitivo que ela me dá quando jogamos xadrez. Com os olhos, ela calcula todos os movimentos e tem certeza que vai ganhar. Mas para mim, eu contei milhares de outras variações. Movimento após movimento após movimento de como as coisas podem e devem ser. Desta vez, ela talvez ganhe. Xadrez pode ser o jogo que eu domino. Mas isto? Isto é claramente o seu território. Meu coração bate no meu peito enquanto eu contemplo se tenho ou não força para fazer o que ela quer. É realmente assim tão simples? Espuma de sabão desce por seus seios atrevidos e meu pau parece que pode explodir uma liberação a muito esperada. Eu quero fazer tantas coisas com ela mas eu não sei se posso. — Posso te tocar? Tudo que você tem a fazer é me dizer para parar e eu paro, War. Confie em mim. O sorriso dela é doce, mas seus olhos estão famintos. Eu confio nela. O problema é que eu não confio em mim mesmo. E se eu empurro-a para longe de mim em um momento de colapso mental? Será que irá rachar a cabeça no azulejo? O sangue escorregaria e misturaria com a água aos nossos pés?


Eu fecho os olhos apertados. Eu não posso fazer isto. E se— Warren, olhe para mim. É quase doloroso ter que abrir meus olhos mas eu abro. Olhando para mim está a mais decadente mulher nesta terra. — Deixe-me sentir você, — diz ela com firmeza e meu pau contrai com as palavras dela. Seu braço se estende para mim e eu vacilo quando as pontas dos dedos tocam a carne sobre o meu coração. Nossos olhos se encontram e eu aceno. Ela está certa, eu quero que ela me toque. Parece seguro aqui. Quando suas mãos começam a se mover para baixo, eu gemo. Meu pau balança para cima e para baixo, implorando para ser acariciado a seguir. Mas ela ignora o meu ansioso pau e coloca um dedo no meu umbigo. O sorriso dela é mau e eu rio. — Tudo bem até agora? — Ela ronrona. Aquela voz, baixa e sedutora me mata. — Mais do que bem. Seus olhos brilham com orgulho e sua outra mão começa a me explorar. Eu deveria estar obcecado com todo o tipo de caos que normalmente me aflige, mas tudo o que posso pensar é cada célula do meu corpo acordando para a vida ao seu toque macio. Ela revive partes mortas de mim. Ela é o sol, água e terra. E eu sou uma semente que tem esperança de se transformar em algo forte e bonito. Por causa dela. Uma de suas mãos desliza para cima do meu ombro e segura o meu pescoço de lado. Seus olhos escurecem e sua outra mão se move propositadamente para baixo. — Jesus, Baylee, — eu digo com um rosnado.


Um suspiro sufocado é o único som que eu faço quando ela suavemente aperta minha ereção. Felicidade explode onde seus pequenos dedos me tocam. Eu esperava que a lenta sensação de coceira tomasse conta de mim a qualquer segundo. A ardência e inundação de pensamentos terríveis. Mas eles nunca vêm. Todo o meu foco está nos milhões de terminações nervosas no meu pau, todo ansioso para ela me acariciar até ao céu. — Meu Deus, — eu assobio quando ela começa a mover para cima e para baixo ao longo do meu comprimento. Meus olhos começam a fechar, mas eu forçoos a abrir. Neste momento, eu estou seguro. Com ela. Se eu fecho meus olhos, os demônios vão me sugar e tudo estará arruinado. — Isto é bom? Estou fazendo tudo certo? Eu cerro os dentes e aceno para ela. A cada poucas caricias, as unhas raspam nos meus testículos e eu quase me perco. — Eu não vou durar muito. Passou muito tempo e— Shhh, — murmura e puxa a mão do meu pescoço para que ela possa amassar seu peito. — Venha para mim, Warren. Eu quero que você goze e sinta o quanto eu quero você. O polegar e o dedo beliscam o mamilo rosa e eu gemo. Tão perto. A visão me excita ainda mais, como nada que eu já vi antes e eu não consigo me controlar mais. Uma queimadura no fundo do meu abdômen inferior se apodera de mim e eu gozo sem aviso. — Baylee! — Eu rosno mas nunca tiro o meu olhar do dela. Ela intensifica suas ações quando eu pulso a minha liberação. Ela respinga em sua barriga com espuma de sabão antes de escorrer em direção ao ralo. Quando eu não tenho mais espasmos, ela desliza a mão dela e se limpa. Como se ela soubesse que eu ia perder a minha cabeça sobre ter o meu sêmen nela. O que ela não sabe é que um fogo começou a queimar dentro de mim. Ver meu sêmen jorrando por todo o seu corpo acordou uma parte carnal em mim.


A parte que precisa de possuir e pegar o que é meu. Baylee é minha. Mas eu posso fazer isso? Eu realmente posso fazer amor com ela? — Eu quero tocar você, — murmuro. Gostaria de saber se as palavras foram faladas em voz alta. O meu olhar cai para os seios dela, não porque são bonitos, porque eles são, mas eu não posso olhar para ela. E se eu falhar? E se eu me acovardar e não conseguir lhe oferecer o mesmo prazer em troca? Sua controlada, melódica respiração me acalma e eu conto cinco respirações dela antes de ter coragem para olhar para ela de novo. — Tudo bem? Os perfeitos lábios rosados transformam-se em um sorriso doce e me pressiona. Vou ultrapassar quaisquer barreiras mentais que posso, a fim de tê-la. Vou fazer o que for preciso. Eu posso fazer isso. — Mais do que bem. Eu empurro uma palma contra o azulejo ao lado dela e me inclino. Ela engasga com minha proximidade mas não se move. — Abra suas pernas, — eu instruí como uma ameaça. Eu quero me comportar como um homem normal, não como um menino, inferno. — Eu não sei se eu posso fazer isto, mas eu realmente quero tentar, porra. Ela me pisca um sorriso travesso e faz o que disse. Em seguida, ela reúne os cabelos meios molhados em seus dedos e empilha em cima de sua cabeça. Minha menina é inteligente. Ela está mantendo seus dedos ocupados, para que ela não toque acidentalmente a mim e estrague o momento. Inclinando-me para perto dela, pairando acima de sua boca, eu faço a minha jogada. Com uma trêmula, hesitante mão, eu baixo-a para a sua boceta. Ela vacila com meu toque e deixa sair um pequeno suspiro satisfeito. — Quer que eu te toque? Ela balança a cabeça e morde seu lábio rosado inferior. Isso me deixa louco e meu pau já está engrossando novamente, pronto para brincar mais uma vez. Deslizando o dedo entre os lábios de seu


sexo, eu localizo o latejante clitóris e massageio. Passaram anos desde que toquei uma garota, Lilah tinha sido a última, por isso leva um minuto para descobrir o padrão certo. — Oh, Deus, — ela choraminga e seus olhos se fecham. — Sim, isso é bom, War. Meu nome em seus lábios me faz querer bater meus punhos no meu peito. Eu amo como soa. Eu não quero que ela murmure, mas que o grite. Intensificando meus movimentos, eu a atraio para mais perto da borda do êxtase. Eu nunca antes a vi tão bonita como agora, com a boca aberta e os olhos fechados. A coloração rosa tinge seu nariz e bochechas enquanto ela se aproxima do clímax. — Você pode me tocar por dentro, também? — Ela murmura e se move contra o meu toque. Eu resmungo, sem saber se vou ou não perder minha mente e decido, pelo menos, tentar. Deslizando o meu polegar para o clitóris, eu mergulho o dedo médio em seu quente, apertado centro. Jesus Cristo que foda. Eu não posso pensar em nada além da maneira como seu corpo aperta em volta do meu dedo, quase brutalmente. Imagens de como meu pau se sentiria enterrado dentro dela são as únicas coisas na minha doente cabeça neste momento. — Sim, — ela geme, — mais profundo! Sem pensar, eu deslizo minha mão livre da parede para agarrar sua coxa. Levanto-a e isso me dá um melhor acesso para dentro dela. Meu dedo roça a protuberância do tamanho de ervilha dentro dela e ela estremece descontroladamente ao meu toque. — Ahhhh! Eu massageio esse ponto dentro dela mais forte e forço-a a outro orgasmo antes de ela ter tempo para voltar a si do primeiro. Quando ela deixa escapar um soluço de dor, eu escorrego a mão para fora dela e pego-a antes que ela caia no chuveiro. Ignorando as imagens terríveis, eu atraso esses pensamentos e permaneço neste momento com ela. Segurando o seu ensaboado, lânguido corpo em meus


braços, eu puxo-a para mim, contra o meu peito firme e meu pau duro. Os nossos batimentos cardíacos estão agora competindo sobre quem chegará a linha de chegada em primeiro lugar. O momento não é arruinado por conversa ou reconhecimento de que isto não acontecia comigo a mais de uma década. Em vez disso, aproveitamos o momento congelado no tempo. — Você está bem? — Ela questiona depois de algum tempo. — Eu estou com medo de me mover. Eu consigo explicar quão bom é ter você me segurando. Eu fecho meus olhos, mas imagens de eu segurando-a até esmagar as suas costelas e perfurar os pulmões aterrorizam-me. Rapidamente, eu empurro os pensamentos para longe. — Eu estou melhor do que bem. Eu tenho medo de deixá-la ir. Mas a água começa a esfriar e eu sou forçado a separar dela para que nos possamos enxaguar antes que a água fique gelada. Depois de estarmos envoltos em nossas próprias toalhas e em pé no banheiro, ela fala novamente. — Para que servem esses? Você toma todos eles? — Fluoxetina, fluvoxamina, sertralina, clomipramina. Todos os antidepressivos prescritos para ajudar com OCD, — eu digo suavemente. Então, eu aponto para um outro grupo na bancada. — Zoloft, Prozac, Paxil, Klonopin, Valium. Eu tentei todos eles pelo menos uma vez. Eles nunca funcionam. Ela franze a testa e pega a clomipramina. — Eu li coisas boas sobre este. Um grande número de estudos diz que ajuda. — Foi com esse que eu tentei tirar crostas inexistentes na minha barriga. Aparentemente, em algumas pessoas, a ansiedade piora. Além disso, eu me sinto melhor quando eu não tomo nada. — Oh, — diz ela, uma pitada de decepção em sua voz, e coloca-a na bancada. — Entendo. Necessitando de alterar o humor, eu ando para fora do banheiro e para o quarto. — Por que você não coloca sua roupa nova? Vou fazer o café da manhã antes da sua corrida.


Eu me viro bem a tempo de ver sua reação. Seu sorriso de tirar o fôlego acende não só a alma dela mas a minha também. É um espetáculo para ser visto. Visão da qual nunca me vou cansar de ver.

Minha respiração quente contra o vidro revive suas manchas de quando ela chegou aqui. O B circundando o coração me aquece. Eu nunca vou cansar de vê-lo aqui. Minha empregada foi informada para que o deixasse ficar quando lavasse as janelas. Ela está correndo a duas horas, para trás e para a frente na praia. Eu sinto falta de sua voz e seu cheiro mas eu amo quão feliz parece estar. Um par de vezes ela para e bebe uma das três garrafas de água que ela levou com ela na bolsa. Outras vezes, ela para e se estica. E de vez em quando, ela vira para a casa e acena. Eu sei que ela não pode me ver de onde ela está, mas eu sempre aceno de volta. As coisas que ela faz ao meu coração chega a ser cruel. Desde que ela me deu a melhor punheta do mundo conhecido pelo homem, eu fui incapaz de expulsá-la da minha mente. Não que eu quisesse de qualquer maneira. Pela primeira vez em muito tempo, eu sou capaz de me perder em algo que não me traga dor ou dor de cabeça. Ela me dá algo pelo qual ansiar. Baylee me dá esperança. E é por isso… Que tomei a porra do Klonopin. Se isso ajudar, mesmo que um pouco, eu posso tocá-la mais. Beijá-la, talvez. Saboreá-la. O pensamento não é tão repugnante, como tinha sido há uma semana. Na verdade, é tudo o que consigo pensar. Minha boca se enche de água e quase babo por um gosto dela. Talvez esta noite, posso adormecer meus sentidos o suficiente para me perder dentro dela. O que eu não daria para ser capaz de empurrar para dentro de sua boceta apertada e chover


beijos de adoração por todo o seu pescoço e rosto. Deixar os meus dedos dançarem por todo o seu corpo em um esforço para lhe trazer orgasmos múltiplos. Eu posso fazer isso. Pelo menos eu espero que sim, porra. O temporizador apita e eu corro para desligar o forno com o bourgignon de cogumelos que eu tinha colocado para cozinhar nas últimas duas horas. Só mais dez minutos o purê de couve-flor com alho e cebolinha. Eu corri de volta para a janela e olhei para cima e para baixo para ela na praia. Nenhum rabo de cavalo loiro balançando para a frente e para trás enquanto ela corre. Nenhuma bunda perfeita em shorts pretos. Nenhumas pernas longas caminhando pela praia sem esforço. — Merda! — Eu assobio e meu pânico aumenta, ameaçando me sufocar. E se ele a levou? Será que aquele filho da puta veio a minha praia e levou minha linda Baylee? Com um grunhido, eu saio vou até a porta da frente. Abro-a, ignorando os meus medos e me preparo para correr atrás deles. Em vez de correr atrás dela, ela quase corre contra mim. — Jesus, eu virei minha cabeça por um segundo e pensei que ele tinha pegado você. Você me assustou, — eu digo a ela com um grunhido aliviado. O suor escorre por suas bochechas vermelhas brilhantes e ela sorri para mim. — Eu estava cansada e com fome. Eu engulo a minha inquietação e deixo a alegria me tomar, por tê-la de volta na minha presença, tomar conta de mim. Uma semana atrás eu estaria tendo um ataque de merda sobre todas as toxinas que ela está trazendo para a minha casa. Mas hoje, eu só quero ela em casa. — Por que você não corre para tomar uma ducha. O jantar está quase pronto.


Ela me dá outro sorriso bonito e se afasta saltitando. Depois de reativar o alarme, eu tento acalmar o meu coração acelerado. Será que vai ser sempre assim? Me preocupando sobre ela ao ponto de ser uma obsessão doentia. Eu já não posso trabalhar ou dormir. E a única razão pela qual eu como, é porque ela passa as refeições comigo. É como se tivesse que ter um momento sem ela, eu ficaria porra de deprimido com isso. Outro temporizador toca e volto para a cozinha. Enquanto ela toma banho, eu ponho a mesa, tendo o cuidado para deixar cada prato de um jeito perfeito. Nossas taças de vinho estão ambas cheias três quartos. Exatamente a mesma quantidade. Eu não sou de beber, mas eu mantenho-o a mão para os raros momentos em que eu não consigo lidar com as coisas e quero beber para afastar a minha loucura. Não deixo isso acontecer muitas vezes mas acontece. Hoje à noite, se eu conseguir beber um pouco de vinho por cima do Klonopin, talvez eu possa me acalmar o suficiente para fazer amor com ela. Eu espero, assistindo a porta, pelo que parece anos antes de ela finalmente aparecer. Ela está limpa mas seu rosto ainda está um pouco vermelho da corrida. Seu cabelo estava puxado em um daqueles coques que ela sabe que eu amo e colocou um vestido sem mangas envoltório preto que amarra de lado. É um pouco curto e me distrai momentaneamente. Seus pés estão descalços, do jeito que eu gosto que eles fiquem. — Você está incrível, — eu digo apressadamente, desejando puxá-la em meus braços. Ela cora com as minhas palavras e toma o seu lugar na mesa. — Isto está bonito, War. Ligo uma música que me acalma antes de me sentar com ela. Se tentarmos forte o suficiente, nós quase podemos imaginar que estamos em um encontro de verdade em um bom restaurante como pessoas normais. O entardecer desaparece e bebendo mais vinho, eu me sinto mais calmo como nunca. Eu não tenho certeza se é o


Klonopin, ou o vinho, ou apenas Baylee que me relaxa, mas o que for, eu estou muito feliz. Depois dos pratos estarem limpos e guardados, nós retirámo-nos para a sala de estar. Desta vez, ela ganha no xadrez e eu não me importo. Estou distraído e feliz. — Checkmate! Seu grito é alto e eu começo a rir tão forte que choro. — Não é engraçado! — Ela reclama. — Eu ganho! — Eu deixei você ganhar, — eu tento dizer a ela através das minhas lágrimas. Ela arrebata uma almofada travesseiro e atira para mim. — Idiota. Dou-lhe um sorriso sedutor que a ruboriza. — Você devia tirar esse vestido. Sua boca se abre em choque e então ela estreita os olhos para mim. — Você está bêbado, Warren McPherson? Sorrindo, eu encolho os ombros. — Talvez eu só quero ver seus lindos seios de novo. Meu pau esteve meio duro durante o nosso jogo de xadrez mas agora, quando ela se levanta, o seu olhar quente nunca deixando o meu, está praticamente rasgando através das minhas calças em um esforço para se libertar. — Você quer que me dispa para você? — Ela ronrona, batendo os cílios, balançado os quadris até ao estéreo. Ela se inclina e meus olhos caem para sua bunda perfeita, ao longo das costas de suas coxas macias e músculos. — Depende. Ela zomba e coloca as mãos nos quadris me lançando um olhar irritado. — Resposta errada. A resposta é sempre sim, quando uma mulher pergunta se você quer que ela tire a roupa para você. Eu rio e corajosamente esfrego meu pau através da minha calça. Seus olhos seguem a minha ação e ela morde o lábio. — Baylee, se você vai ser uma daquelas strippers que provoca e deixa ficar a calcinha, então eu não estou interessado. Quero ver sua bonita


boceta e essa linda bunda. Ela suspira, claramente constrangida por minhas palavras, e se vira para encontrar uma música. Logo, o baque de um baixo faz ela balançar com a batida. Seu corpo começa a se mover junto com Justin Timberlake enquanto ela dança ao som de ―brings the sexy back14‖. A música parece ser capaz de filtrar através de meus ouvidos e fluir ao longo de minhas veias com o meu sangue. Em questão de segundos, eu me sinto vivo como nunca. Meu pau dói para estar dentro dela. Minha língua baba por um gosto dela. Meu coração bate com o som em um esforço para galopar para fora do meu peito e para os braços dela. Ela encontra meu olhar e mantém enquanto ela puxa os laços de seu vestido. Ele abre para revelar nada além de pele da sua clavícula e a sua boceta agora molhada. Pisco várias vezes antes a tentar falar. — Oops, me esqueci de usá-las. Você ainda está interessado? Se não, eu posso amarrar este e voltar— Larga o vestido e vem aqui para que eu possa olhar para você corretamente, — eu ordeno em um tom baixo, sedutor. Minha pele vibra e eu acho que meu pau pode rasgar minhas calças a qualquer momento. Ela permite o vestido cair ao chão enquanto ela se move lentamente em direção a mim. Seu corpo é todo curvas suaves. Eu nunca quis tanto algo em toda a minha vida. Por muito tempo eu estive desligado do mundo e agora é como se a melhor no mundo fosse apresentada a mim no prato mais brilhante, porra. Eu seria um tolo por nem sequer tentar tomá-la. Eu vou ter a minha Baylee esta noite. Mesmo que isso me mate.

14

Sexy Back do Justin Timberlake. Traduzido fica ―Trazendo sexy de volta‖


A FOME queimava por trás de seus olhos e tudo o que eu quero fazer é adicionar combustível a chama. Com War, ele está sempre segurando, sempre vivendo dentro da cabeça dele, sempre com medo. Mas agora, talvez o vinho tenha entrado em seu sistema, porque ele está com fome. De mim. Sua língua sai e ele lambe os lábios como se ele quisesse molhá-los antes de os colocar no meu corpo. Eu estou molhada entre as minhas pernas, desejando que ele perca o controle e me tome. Com Gabe, ele esteve no controle e eu era uma vítima. Claro, eu desfrutei bastante do que ele me fez. Mas com War, eu quero tudo o que ele tem para oferecer. Esta manhã, no chuveiro, tinha sido o paraíso. Tocá-lo e ele me tocando foi erótico e viciante. Eu quero mais. — Você gosta do que vê? — Eu pergunto e finjo timidez enquanto me aproximo. Seus olhos escurecem e seu olhar está em chamas. — Você é a coisa mais linda que eu já vi. Meu primeiro instinto é ficar constrangida por suas palavras, mas seu sorriso de tirar o fôlego é convincente o suficiente para me fazer acreditar nele. Puxando meu coque, eu deixo o meu cabelo úmido cair em torno de mim em largas ondas em frente do meu ombro. Os seus olhos estão em cada movimento meu.


— E agora? Ele se levanta e dá passos lentos na minha direção como se ele tivesse medo de mim ou ele estivesse me perseguindo, é difícil entender. Mas pelo brilho voraz em seus olhos, eu diria que é o último. Quando se aproxima o suficiente para os nossos peitos se tocarem, ele levanta a mão e escova algum cabelo dos meus olhos. — Você me faz sentir vivo novamente, Bay. — Seus olhos estão estreitados, ele inspeciona de perto a minha expressão. Eu amo olhar para ele de perto, porque eu posso ver manchas verdes em seus olhos azuis. Eu posso ver a cicatriz prateada ao lado do seu rosto e agora sei que ele obteve depois do acidente que teve com a mãe. Eu também gosto de poder ver seus lábios cheios contraindo nos cantos como se ele pudesse dar outro sorriso a qualquer momento. — Você me faz sentir como se fossemos as únicas duas pessoas no mundo, — murmuro de volta. Ele levanta a mão e eu fecho os olhos enquanto ele corre o dedo ao longo do meu lábio inferior. — Tão perfeito, — ele diz em um sussurro ofegante que faz cócegas no meu rosto. — Eu quero beijar você. Abro os meus olhos e me inclino para ele. Seu aroma é sempre tão limpo, mas tão distintivamente masculino. E se eu soubesse que não iria assustá-lo, eu lamberia o pescoço para ver se ele tem gosto masculino também. — Então me beije, Warren McPherson. Quero isso agora. Seus olhos escurecem, sem dúvida lembrando o nosso primeiro beijo não há muito tempo depois que eu cheguei aqui e o segundo muito mais tarde. Ele surtou naquela primeira vez, como se estivesse recordando o seu passado, e me beijou como se ele quisesse me foder contra o balcão da cozinha. Na segunda vez, ele parecia estar com nojo, os demônios assumindo sua mente. Mas hoje, eu quero que ele me beije como se quisesse fazer amor comigo em sua cama. — Então mandona, — diz ele com um sorriso perverso. Ele emaranhou ambas as mãos no meu cabelo selvagem e me atrai para seus lábios. No momento em que roça os dele contra os meus, um incêndio inflama entre nós. Sua língua tentativamente degusta meus lábios antes de empurrar através deles e ganhando acesso a


mim. Deixei escapar um gemido satisfeito e felizmente encontro a sua língua com a minha. Enquanto ele me beija como se ele gostasse de devorar minha alma, eu começo a desfazer os botões de sua camisa o mais rápido que eu consigo. Eu queroo nu como eu. Eu quero que ele dentro de mim. — Isto está ok? — Murmuro, começando a empurrar a camisa de seus ombros largos. Ele geme e morde o lábio. — Melhor do que ok. Eu sorrio contra seus lábios antes de me afastar para me concentrar em suas calças. Ele desliza a camisa enquanto eu tento libertar seu pau grosso de sua prisão. Quando ele finalmente fica nu em toda sua glória diante de mim, eu sorrio. — Será que o vinho realmente ajuda? — Eu questiono, meus olhos pousando em seu orgulhoso pau. Ele rosna e me puxa para seus braços. Nunca perdendo o passo em direção ao seu quarto, ele me dá um sorriso maroto. — Parece estar ajudando. Vamos fazer amor antes que desvaneça. — Sua voz está entrecortada quando ele diz as palavras, sem dúvida temendo que o monstro em sua cabeça volte. Amanhã, eu vou pressioná-lo a beber mais vinho. Claramente, ele se solta o suficiente para perder as aflições, mesmo que apenas temporariamente. Vou pegar o que eu conseguir ter. Quando chegamos a sua cama, ele gentilmente me coloca para baixo e um flash de apreensão cruza suas características. Eu reconheço o olhar. E se? E se? E se? — Shhh, acalme a sua cabeça, War. Pegue um par de toalhas, eu vou deitar sobre elas, para não estragar seus cobertores, — digo a ele. Alívio espalha por ele e concorda. Eu recebo uma bela vista da sua bunda enquanto ele caminha para ir buscar toalhas. Saindo


do caminho dele, eu deixo-o obsessivamente cobrir sua cama não com uma mas seis toalhas. Acho que ele está esperando uma grande confusão. Eu rastejo de volta para a cama e me deito de costas. Com o meu melhor olhar provocante, eu peço-lhe para vir fazer amor comigo sem palavras. — Bay, — diz ele com um gemido e passa os dedos pelo cabelo. — Há certas coisas que acho que não posso fazer, certas coisas que eu acho que não posso deixar você fazer. Eu franzo a testa e me sento sobre os cotovelos. — Você vai fazer amor comigo? Ele balança a cabeça, mas mais uma vez os demônios lutam através dele. — Eu só... eu não posso colocar minha boca lá sabendo... sabendo... — Sua expressão horrorizada esfaqueia meu coração. Em sua mente, ele não vai ser o amante que eu preciso que ele seja. O que ele não entende é que... eu só preciso dele. — Warren, vem aqui e coloque seu pau dentro da minha boceta apertada, — Eu digo em voz baixa, sedutora. — Estou praticamente tremendo com a necessidade de ter você dentro de mim. Eu não me importo com as outras coisas. Eu só quero você. Ele deixa escapar uma lufada de ar e quase se lança sobre mim. — Obrigado, Bay. Muito obrigado por ser você. Sua boca cobre a minha e ele cobre o meu corpo com o seu corpo forte, quente. Eu prendo os meus tornozelos em torno de sua cintura e incito para mais perto. Cada vez que sua ereção grossa desliza entre os lábios do meu sexo, eu choramingo com o desejo. — Por favor, — eu imploro contra sua boca molhada. Ele leva uma mão entre nós e posiciona na minha entrada. — Nossos sucos vão se misturar, — diz ele com um tremer e retira um pouco, — e a probabilidade de-


— Nós vamos nos limpar logo após, — eu interrompo em um tom firme. — Eu prometo. Não me faça implorar por seu grande pau, porque eu vou. A noite toda. Suas sobrancelhas estreitam em determinação, a fome piscando em seus olhos e ele concorda. Lentamente, quase dolorosamente, ele empurra para dentro de mim. Eu quero gritar e implorar e chorar para ele empurrar com força, mas eu sei que isto tem que ser em seus termos. — Jesus! — Ele sibila, completamente encaixado dentro de mim. Eu posso sentir seu pau latejante e minha boceta contraindo com cada pulso. Nós quase não nos mexemos, nossos corpos sabendo o que fazer sem nós. — Você perdeu muito tempo, hein? — Eu murmuro e contorço meus quadris. Ele geme e começa um impulso lento dentro de mim. — Talvez eu estava apenas esperando a mulher perfeita. Feliz aniversário, Baylee. Meu relógio toca, indicando que é meia-noite e eu sorrio. É claro que o meu homem obsessivo saberia o segundo antes da meia-noite. Meu doce, perfeito homem contador. — Mais rápido, senhor, ou você não vai viver para ver o seu aniversário, — eu digo com um sorriso. É apenas o incentivo que ele precisa. Seus quadris batem contra mim, cada impulso ficando mais forte e mais forte. Tento beijá-lo, mas ele se levanta para que possa me ver enquanto ele faz amor comigo. — Você é tão apertada e perfeita, porra, — diz ele com um grunhido. — Nunca me senti tão bem. Eu sorrio e depois gemo quando ele empurra profundamente. Ondas de prazer em minha parte inferior do abdômen iniciam a dança e eu sei que não vai demorar muito antes de eu atingir o clímax com ele dentro de mim. — Eu gosto muito, War. War satisfaz uma parte de mim que eu nunca soube que existia. Ele parece possuir partes da minha alma que eu nunca soube que estavam disponíveis para os outros terem. Mas ele não


apenas tira de mim. Em seu lugar, ele me dá partes dele que eu vou guardar para sempre. — Eu não vou durar muito tempo, Bay. Faz tanto tempo. — Shhh, apenas venha. Quero isso. Estou perto, mas eu não me importo com a minha liberação. Eu quero que ele largue o stress dez anos de tristeza e desespero. Eu quero que ele despeje tudo dele e nunca deixe voltar para dentro. — Bay! — Ele resmunga o meu nome segundos antes de seu calor explodir dentro de mim. Ele não deixou de empurrar e eu segui logo depois. Estrelas dançam diante de mim. Milhões delas. Eu quero contá-las para ele. Dizer exatamente o quão feliz ele me faz em uma forma numérica que ele possa entender. — Oh Deus, — ele murmura e enterra o rosto no meu pescoço. — Você é tão bonita quando você goza. Eu quero fazer você ter um orgasmo uma e outra vez só para ver o olhar no seu rosto. Corro os dedos ao longo da pele nua das costas. Eu não sei quanto tempo ele vai me deixar entrar em seu coração e sua cabeça, mas eu vou ser egoísta e aproveitar enquanto posso. Depois de algum tempo, ele começa a ficar tenso. — Baylee, podemos... — Tomar uma ducha? Um pedaço de cabelo faz cócegas no meu pescoço. — Por favor. Eu aceno e sorrio. — Isso é normal, sabe. Portanto, não comece a pensar que você é um maluco porque você quer se limpar. Posso dormir em sua cama depois? Ele levanta-se e me dá um olhar de tristeza que me domina quase ao ponto de lágrimas. — Eu quero você na minha cama todas as noites. Eu quero você em meus braços cada segundo de cada dia. E hoje à noite, vou tomar você enquanto eu puder ter você Eu deixo as lágrimas alagar os meus olhos. Quando uma escorre por meu rosto, ele afasta-a.


— Mas me perdoe se minha mente assumir o controle e me fazer um fodido refém novamente. Prometa-me, bonita. Como se eu fosse fazer qualquer outra coisa. — Eu prometo. Eu ainda sou sua, mesmo quando você não me quiser. Seu rosto escurece. — Você é sempre minha e eu nunca vou deixar de querer você.

Enquanto ele dorme, eu olho para o seu bonito rosto. A luz do banheiro está acesa então seu contorno está sombreado. Mesmo no escuro. Nas sombras. Ele ainda é inocente e puro. Warren levou uma vida protegida por sua própria vontade. Sua mãe fez uma escolha que arruinou seu filho. Meus pensamentos se dirigem para minha própria mãe. Tenho tantas saudades dela. Houve momentos em que eu pensei chamar Land para pedir para me levar para casa. Não que eu planeje ficar lá mas para que eu pudesse ver mamãe. Mas uma vez em casa? Eu estaria bem nas garras de Gabe. O que ele faria desta vez? Eu tremo com os pensamentos dele encontrar mais objetos para usar em mim. Mais perseguições através dos bosques. Mais dor. Mais jogos mentais. Não, nunca mais posso voltar a isso. Eu pertenço aqui com War. Um sorriso brinca em meus lábios e eu acaricio seu cabelo. Seus cílios escuros sobressaem em suas bochechas e pálpebras, contorcendo enquanto ele sonha. Eu poderia me acostumar a olhar ele todas as noites, enquanto dorme.


Meu coração se sente entrelaçado com o dele de uma forma que nunca teve a chance de estar com Brandon. War e eu fizemos amor. Nossa conexão é um nível celular que eu temo que nunca poderá ser cortado. Não que eu queira. Temo que iria me sentir perdida e sozinha sem ele. A ideia de deixá-lo não é mais uma opção para eu considerar. Eu quero ver os meus pais, com certeza. Eu sinto falta de mamãe e papai, muitíssimo. Mas com Gabe no cenário, eu sei que vou viver com esse medo sempre pairando sobre mim. Com War, eu não tenho medo. Eu me sinto poderosa e acarinhada. Eu me sinto adorada. Eu até mesmo me sinto amada. Inclinando-me para a frente, eu pressiono um beijo em sua bochecha. Sua respiração acelera e ele franze a testa em seu sono. Eu seguro uma risada e aconchego para mais perto dele. Meus pensamentos derivam para mais cedo no chuveiro quando ele tinha mostrado os primeiros sinais do vinho a desvanecer. Seus olhos se mexiam freneticamente, como se estivesse tentando ouvir todas as vozes em sua cabeça ao mesmo tempo. Ele passou os dedos pelo cabelo molhado e estremeceu antes de encontrar meu olhar com um olhar intenso. — Deixe-me limpar você. Eu preciso de livrá-la das bactérias. Se você tiver uma infeção urinária ou infeção vaginal, eu irei me sentir horrível. — Meus olhos se arregalaram quando ele caiu de joelhos e eu me encostei no azulejo frio atrás de mim para me preparar. Ele ensaboou um pano com sabão e, em seguida, começou uma limpeza extremamente minuciosa nas minhas coxas, nos lábios da minha boceta, e até mesmo na minha bunda. Não era nada como Gabe me limpou. Isto era feito por pura obsessão pela minha saúde e bemestar. Em vez de tomar como ofensa as suas ações, corri meus dedos através de seu cabelo e massageei seu couro cabeludo. Uma vez que minha pele estava em carne viva, mas completamente limpa, ele se levantou. — É a minha vez, — eu disse a ele com um sorriso. Eu podia dizer que ele queria fazê-lo ele mesmo, tirar cada micróbio para fora de seu corpo, mas ele apertou a mandíbula e me entregou o pano.


Com vigor, eu ensaboei o pano e me ajoelhei como ele tinha feito momentos antes. Tomando meu tempo, eu esfreguei seu pau e bolas, como ele tinha feito a mim. Sua mão acariciou o meu cabelo molhado de lado e ele gemeu. O pau mole em minhas mãos estava ficando duro a cada segundo. — Talvez você me limpar seja uma má ideia. Eu olhei para ele e sorri. — Ou uma boa ideia. Depende a quem você perguntar. Ele me puxou de pé e depois me empurrou contra a parede de azulejos. — Eu estou limpo mas eu quero fazer amor com você de novo, — ele murmura contra os meus lábios, — antes de isto escapar de mim. Eu posso sentir isto escapando, Bay. Liguei meus dedos ao redor de seu pescoço e deixei-o me levantar. Um momento depois, ele afundou dentro de mim. A queimadura de sua obsessão por limpeza foi ofuscada pelo êxtase intenso ao tê-lo me alargando com a sua espessura. O nosso salto para o esquecimento foi rápido e depois de outra limpeza cuidadosa, desligamos o chuveiro e saímos. Eu não estava com nenhuma pressa para deixar seus demônios voltarem e o roubar de mim, por isso que eu tomei uma ducha com ele de dezoito minutos. Eu sabia disso porque ele cronometrou. Quando terminamos, eu estava preocupada que ele fosse me afastar e querer dormir sozinho. Em vez disso, ele não fez nenhum movimento para me mandar embora. Eu fiquei ao lado da cama e vi como seu corpo musculoso flexionava e apertava com cada toalha que pegava. Em seguida, ele descartou-as em um cesto e subiu na cama. — Eu preciso sentir você, — ele murmurou, puxou as cobertas e apontou para a cama ao lado dele. Com um enorme sorriso no meu rosto, eu subi para a cama e moldei meu corpo contra o corpo quente dele. Os seus dedos encontraram o meu cabelo enquanto ele olhava para mim com uma emoção que quase me levou às lágrimas. War tem olhos que às vezes permitem vislumbrar sua alma. E agora, eu tinha acesso total. — Sabia que você tem entre 120.000 e 150.000 cabelos na sua cabeça? — Ele questionou e torceu uma mecha molhada em torno de seu dedo. Eu sorri para ele. — Você me disse uma vez ou duas. Ele continuou a me contar, apesar de ter me dito antes, sobre quantos cabelos um ser humano em média perde, enquanto brincava com o


meu. Mesmo eu ter ouvido antes, ainda era fascinante e necessário que ele compartilhasse essa informação comigo. — Até cem fios por dia em casos raros, — eu disse, lembrando-me de uma conversa anterior. — Isso é muito. Ele gemeu, mas me deu um sorriso doce. — Nem diga nada. Se eu me deixar pensar sobre isso, eu enlouqueceria me perguntando quantos você já perdeu desde que você chegou aqui. Seus olhos começaram a se esforçar e eu sabia que ele estava calculando. Ele prospera nos detalhes. As forças que normalmente o possuem pareciam estar no controle enquanto ele me explicava. Eu também soube as médias das minhas respirações, os batimentos cardíacos e as piscadelas por minuto. Mas o que me surpreendeu foram os meus sorrisos. — Às vezes, seus sorrisos são juntos, — disse ele, pensativo e correu seu polegar ao longo da parte inferior do meu lábio. — Para alguém que gosta de contar, isso é difícil de calcular. Quando jogamos xadrez, você sorri uma vez. E dura todo o jogo. Eu vivo para esses longos sorrisos preciosos. Eu sorrio novamente recordando suas palavras, olhando para o bonito homem adormecido. Suas obsessões e compulsões podem horrorizar os outros, incluindo ele. Mas eu gosto de aprender sobre elas, porque elas são uma parte de quem ele é. Como correr são parte da minha vida, suas peculiaridades são uma parte dele. — Mamãe, — ele murmura em seu sono. — Mamãe, não. Franzindo a testa, eu inspeciono suas feições. Ele está chateado com algo com que ele está sonhando. Uma parte de mim quer acordá-lo. Mas a parte egoísta preocupa-se que ele voltará ao seu antigo eu quando ele acordar. Eu estou preocupada que ele vai surtar e me chutar para fora do quarto, onde eu não serei capaz de tocar e sentir o cheiro dele. Onde eu não serei capaz de beijar todo o seu rosto quando o humor mudar. Estendo a mão e pego seu pau flácido em uma tentativa de atraílo dos maus sonhos para uma realidade agradável. Com cada toque, ele endurece e logo seus quadris estão empurrando contra a minha mão.


— Shhhh, — eu sussurro virando-o de costas. — Eu cuidarei de você. Ele abre os olhos e eles se alargam. Eu reconheço o medo neles, o medo dos germes e das catástrofes e do meu toque. Mas eu não deixo-o recuar. Em vez disso, eu sento nele e afundo meu corpo no seu pau espesso. O choramingo de prazer rasga através dele e suas mãos encontram meus quadris. Seus olhos se fecham e eu sorrio, percebendo que eu ganhei a sua mente, mesmo que por um curto tempo. Eu nunca estive por cima antes, por isso estou sem saber o que fazer em primeiro lugar. Ele parece simplesmente bastante contente em me possuir. Mas logo, os seus dedos escavam em meus quadris e ele me pede para me mover. Demora um minuto para pegar o jeito dele, ajustando-me a sua espessura mas eu finalmente começo a mexer sobre ele com vigor. Nesta posição, ele está profundamente dentro de mim e me atingindo em lugares que me deixam louca. Meus seios saltam e o som da minha pele contra a dele só serve para me deixar mais molhada. Suas mãos deslizam para cima e começam a amassar os meus seios. Quando ele aperta os meus mamilos, minha visão fica negra com prazer e eu me perco para um orgasmo. — Oh Deus! — Eu grito e tenho espasmo em torno dele. Isso deve ter enviado para borda porque ele assobia e pulsa a sua liberação dentro de mim. — Minha Baylee. Minha doce, doce Baylee. Eu não saio de cima dele, mas, em vez disso descanso em seu peito e enterro meu rosto em seu pescoço. As palmas das mãos dele acariciam as minhas costas. Ele não me pede para sair. Estou relaxada e saciada. Warren é todo o meu mundo. E eu acho que eu sou o dele também. Por agora.


— QUANDO NOS casarmos, eu quero me mudar para Nova York, — Lilah meditou, fumando maconha. Ela tentou passá-lo para mim, mas eu recusei. É algo que não concordo, mas eu não pressiono-a para parar, apesar de suas muitas tentativas de me convencer a tentar. — Nossa família está aqui em San Diego, — eu disse com uma careta. — Mamãe está grávida. Não posso deixar minha pequena irmã ou irmão e me mudar para Nova York por um capricho, Li. Ela fez beicinho e eu imediatamente me senti culpado. — Warren, eu não suporto a minha família. Você sabe disso. Se nos casarmos e nos mudássemos para lá, minha idade não importaria mais. Nós podemos ser livres para fazer amor o dia todo e fazer qualquer merda que quisermos. O que eu queria era ter um diploma em engenharia da computação e entrar no negócio com meu pai como nós tínhamos falado em várias ocasiões. Ele tinha um plano de negócios e tudo. Tudo o que ele precisava era do meu cérebro para aprender mais e estaríamos no negócio. Seu plano era sólido para onde levar a companhia. E eu era suposto ser uma parte disso. Ir para Nova York com Lilah não era uma parte desse plano. — Nós podemos fazer amor o dia todo aqui, — eu disse, minha voz embargada. Ela estreitou os olhos para mim, entendendo minha hesitação, e deslizou para fora da cama para se sentar no chão a minha frente. Seu olhar ficou em mim quando ela começou a desabotoar as minhas calças jeans e puxou meu pau para fora. Esta era a coisa dela. A menina me daria boquetes durante todo o dia, desde que isso significasse que seria do jeito dela.


Assim que sua boca enrolou no meu pau, eu fechei os olhos com prazer. Eu odiava que ela podia me controlar tão facilmente com a boca. Enquanto ela balançava a cabeça para cima e para baixo, levando meu pau até ao fundo de sua garganta, eu me perguntava se o pai ficaria bem com a gente indo embora. Eu precisaria de seu apoio para uma mudança desse tipo eMeu telefone começou a apitar uma e outra vez com textos, ao ponto que eu não poderia ignorá-lo, apesar da necessidade tão desesperada de gozar. Lilah não para enquanto eu leio o texto do meu pai. Papai: VÁ PARA CASA AGORA! MAMÃE PERDEU O BEBÊ! ESTOU NO TELEFONE COM ELA, NÃO POSSO FALAR! Empurrei Lilah do meu pau e já estava puxando minhas calças para cima quando eu corria para a porta, mandando mensagem de volta para ele dizendo que eu estava indo — Que porra, War?! Ignorando-a, eu fechei meus jeans e peguei as minhas chaves. — Eu tenho que ir. Te amo, — eu soltei, correndo para a porta. Ela me xingou e chamou-me de veado. Suas palavras magoaram mas eu não tinha tempo para explicações. Eu precisava chegar a minha mãe. A viagem foi um borrão e tudo que eu podia sentir era a saliva pegajosa que tinha agora seca no meu pau. Se eu tivesse tempo, eu teria lavado. Lilah era porra de insana. Não havia jeito algum que eu pudesse deixar minha mãe e meu pai. Especialmente agora. Lilah iria superar isso e ficaríamos em San Diego. Parando o carro no estacionamento, eu pulei para fora e corri para dentro da casa. Eu podia ouvir gritos no andar de cima no quarto dela, por isso, subi dois degraus de cada vez em um esforço para chegar a ela o mais rápido possível. — Mamãe! Ela estava de costas para mim, mas tudo no que eu podia focar era o sangue. Tanto fodido sangue. E ela estava sentada no meio de uma escura, crescente piscina dele. — Eu te amo, Warren, — soluçou. — Por favor me perdoe. Olhei por cima do ombro dela e meu queixo caiu ao ver o bebê mais pequeno de todos em seu aperto. Tão sangrento. Tão inocente. Sem respirar. Meu coração deu uma guinada na minha garganta e eu oscilei com


tonturas quando vi mamãe levando a arma até a boca. Eu não tive tempo para impedi-la, quando uma explosão rugiu através do banheiro. O tempo parou. Meu olhos fecharam. O estrondo ecoou uma e outra e outra vez enquanto eu tentava encontrar a coragem para reabrir os olhos. Não foi até que eu senti algo escorrendo no meu nariz e sobre os meus lábios que meus sentidos me forçaram a enfrentar meus medos. Abrindo lentamente os olhos, eu olhei com horror para a cena. O sangue estava por toda parte. E revestindo toda a frente do meu corpo. Pedaços de carne estavam na minha garganta e rosto. Eu os afastei rapidamente. Cabelos escuros penduravam nos pedaços carnudos e eu gaguejo com a visão. Esta era a minha mãe. Esta era a minha mãe. Puta merda, eu tinha que levá-la para um hospital! Sem hesitar, eu comecei a recolher todos os pedaços maiores de seu crânio e cérebro e recolhi-os em uma toalha. Eu poderia jurar que ouvi meu pai me chamando, mas tinha que ser uma alucinação. Ele estava em Los Angeles. Eu era o homem da casa enquanto ele estava fora e era o meu trabalho corrigir isto. Salvar a minha mãe. Quando eu fui pegar o bebê do colo dela, eu percebi que tinha uma irmã. Seu cordão umbilical estava ainda preso dentro de mamãe. Eu tinha visto na TV que eles poderiam salvar o bebê, às vezes, desde que ele ainda estivesse conectado. Com determinação recém-descoberta, eu peguei minha mãe, minha irmã e a toalha cheia de pedaços que os médicos precisariam. Eu escorreguei no sangue dela mas consegui não deixá-la cair. A viagem para descer as escadas e sair de casa mais tarde se tornaram completas memórias negras. Eu não lembro como cheguei ao carro, no entanto, lá estava eu, apertando o cinto da minha mãe, então ela estaria segura. Subi para o banco do motorista e acelerei para fora da garagem. Quilômetros e quilômetros, eu dirigi a toda a velocidade tentando chegar ao hospital a tempo. Eu podia salvá-la. Eu podia salvar a minha mãe e irmã. Ela tinha que se tornar uma daquelas famosas histórias que o mundo inteiro descobriu. Um milagre médico. E eu seria o herói. Não havia nenhuma razão para ela pedir perdão por alguma coisa. Tudo ia ficar bem.


— Mamãe, — eu chamei, — se segure. Por favor. Eu preciso de você. O bebê precisa de você. Ela ficou em silêncio e não respondeu. Arrisquei um olhar para ela e meu mundo dilacerou. Este era um maldito pesadelo. Uma reprise de alguma história de horror que eu vi quando uma criança. O sangue não é real. O sangue é falso. Eu acordaria em breve. Meu estômago soltou quando percebo que metade do cérebro de fora pertencia a minha mãe. Não era uma pequena ferida. Metade de sua cabeça tinha desaparecido. Não havia nenhuma maneira que qualquer um pudesse sobreviver a tal explosão. Ela estava morta. Minha irmã estava morta também. Que porra é essa! Minha pele começou a arder e a fazer cócegas, onde seu sangue e massa encefálica se agarraram a mim. Comecei a entrar em pânico para coçar. — Tira isto de mim! — Eu gritei e larguei o volante para arranhar a minha carne. Mas em questão de segundos, nós batemos e houve um solavanco. O carro virou. Tentei agarrar o volante. Mas pela segunda vez naquela noite, eu cheguei tarde demais. Nós estávamos no ar. Meio segundo depois, nós batemos de cabeça no lado da estrada. O carro foi lançando uma, duas, três, quatro, cinco, seis vezes. Ou vinte. Ou uma vez. Tudo era um confuso, doloroso borrão. Quando finalmente paramos, tudo o que podia ser ouvido era o silvo do motor e minha respiração irregular. E quando comecei a desmaiar, eu contei-as. Uma.


Duas. Três… — War! Abro os meus olhos e empalideço que eu estou olhando para os mais bonitos olhos azuis que eu já vi. Rogo para que a minha mente me permita ficar lá. Com ela. Com um anjo. Mas eu tenho que tirar essa merda de mim. — Fique longe de mim! — Eu dou com o cotovelo. — Eu tenho que tirar isto de mim! Empurrando-a para longe de mim, eu tropeço para fora da cama e vou para o meu chuveiro. Com as mãos trêmulas, eu ligo o chuveiro tão quente quanto possível. Preciso do sabão e da água e do pano. Eu preciso tirar esta merda da minha pele. Oh Deus. Está na minha boca? Eu começo a raspar minhas unhas na minha língua até que eu estou engasgando. Atrás de mim, eu ouço choro e eu não posso dizer se pertence a mim ou minha irmã ou um anjo. — A-A-A água está muito quente, War! Um braço fino me atinge e ultrapassa para alterar a temperatura. Eu reflexivamente dou um tapa na mão. — Não toque nisto! Um grito seguido de soluços é tudo o que eu ouço quando começo a entrar no chuveiro escaldante. Eu preciso que desapareça. Eu preciso que o sangue esteja no ralo e longe dos meus orifícios. — Warren, por favor! Mãos seguraram nos meus bíceps e vejo preto com raiva enlouquecida. Girando para enfrentar meu atacante, eu empurro tão forte quanto eu posso até que estejam fora do banheiro. Minhas mãos trêmulas batem e trancam a porta.


O calor é a minha salvação. Vou queimar o sangue. Pisando no chuveiro, eu me encolho quando a água queima minha carne. Eu grito e bato com os punhos nos azulejos. Dor explode nos meus dedos e eu bocejo com o horror de ver sangue escorrendo deles. O sangue dela. O sangue dela. O fodido sangue dela. Pegando um pano, eu começo a esfregar meus dedos. Tenho que lavar todos os vestígios dela da minha carne. Isso pica e o sangue parece ficar mais espesso. Eu esfrego e esfrego e esfrego. Até… Uma batida me assusta. — Warren. — Uma voz profunda. Eu pisco e tremo. A água escaldante, de alguma forma se transformou em gelo. Estou confuso e desorientado. Eu poderia jurar que estava quente. — Hora de sair, filho. Meu pai. Viro-me para a voz e estremeço. Meu corpo dói e meu coração se sente vazio. Falta uma parte dele. Eu começo a agarrar o meu peito em um esforço para remendá-lo quando meu pai agarra a minha mandíbula. Eu mal tenho tempo para processar que ele está me tocando e luto enquanto ele empurra algo pela minha garganta abaixo. — P-P-pai, — eu digo com dificuldade, engasgando com o gosto amargo da pílula. — O que está acontecendo comigo? — Você só está tendo um ataque de pânico. Eu dei-lhe algo para se acalmar. Volte para a cama e durma. — Sua voz está calma e acalma meu coração batendo enquanto ele envolve uma toalha ao redor dos meus ombros.


Mas a dor em meu peito... É insuportável. — Pai, dói, — digo-lhe, um soluço na minha garganta. — Algo se foi. Procuro seus olhos e ele concorda. — Baylee está segura. Vá dormir e eu vou trazer ela quando você estiver se sentindo melhor. Baylee. Olhos azuis. Cabelo loiro. Sorriso de tirar o fôlego. Um anjo. Balançando a cabeça, eu tropeço na minha cama e subo para debaixo das coberta. Está quente e cheira bem. Como ela. Como a peça do meu coração que faltava. Ela está segura, ele tinha dito. Deixei escapar um suspiro de alívio e com ele espero expulsar a confusão, também. Três longas respirações mais tarde e eu estou me perdendo na inconsciência.

A batida na minha cabeça é intensa. E o sol brilhando em mim está praticamente me cegando. Eu olho de soslaio e tento me lembrar da noite anterior. Por que diabos eu me sinto horrível, como se parecesse que fui atropelado por um caminhão? Por que meus músculos doem como se eu tivesse corrida uma fodida maratona? E por que diabos eu me sinto tão cansado como se eu tivesse dormido por uma semana? Sento-me e olho os meus arredores. A porta do banheiro está aberta com a luz acesa. Uma toalha está no chão, metade entre aqui e a cama. E vozes. Uma rica, profunda, carinhosa.


Uma doce, suave e bela voz. Eu amo essas vozes e quero ouvi-las mais. Como propositado, eu ouço passos pesados trovejando na minha direção. Quando param, vejo que meu pai está na entrada. Ele está vestido de forma ocasional em um par de jeans e camiseta. Seu cabelo está bagunçado e ele tem olheiras sob seus olhos. — Olá pai. O que está fazendo aqui? Ele franze a testa e lança um olhar por cima do ombro antes de pisar até a cama. — Você teve outro episódio delirante. Estou aqui para me certificar de que você não se machucou e... Eu olho de soslaio para ele, sem entender suas palavras. — Baylee. Eu não quero que você machuque Baylee também. Meu coração palpita para a vida e começa a galopar por ele para fora da porta. — Eu preciso vê-la. — Eu já estou tropeçando para fora da cama e dirigindo meu traseiro nu para o meu armário. Ele começa a fazer minha cama sabendo que eu não vou sair deste quarto até que esteja feita. — Warren, você se lembra algo da noite passada? Lembro-me de jantar. Lembro-me do vestido. O corpo incrível de Baylee. Lembro-me de fazer amor com ela e abraçá-la apertado. Era o paraíso. — Fizemos amor, — eu admito, me vestindo. Ele permanece em silêncio até eu sair. Aperto minha camisa e olho para ele com uma sobrancelha levantada. — O que, pai? Você disse para esperar até que ela tivesse dezoito anos. Ela tem dezoito anos agora. E, — eu digo quase timidamente, — eu acho que eu a amo. Seu olhar cai para chão e ele aperta sua mandíbula. — Você se lembra de machucá-la? Eu arfo para ele. — O que? — Na noite passada, — revela ele, — você ficou gravemente paranoico e delirante. Você lhe bateu, Warren. E depois você empurrou-a.


O sangue drena da minha cabeça e tonturas se espalham por mim. — N-não. Você está enganado. Eu nunca faria mal a ela. Ele caminha até mim e franze a testa. — Filho, ela está ferida no braço e se encolhe quando ela anda. Ela está tentando disfarçar mas ela está ferida. Seja lá o que você fez com ela, machucou-a. Bati na minha Baylee. A mulher com quem eu fiz amor, não uma, mas três vezes. Isso não pode ser. — Eu preciso vê-la, — eu digo e saio com os pés descalços pelo corredor. Quando eu chego à sala de estar, ela está enrolada no sofá bebericando café. Seus olhos estão vermelhos e parece que ela esteve chorando. O olhar devastado que ela me dá esmaga minha alma. — Baylee. — Eu vou até ela mas paro pouco antes de chegar lá. Eu quero tocá-la e abraçá-la e beijá-la. Mas ao esticar minha mão, eu sei que não vou ser capaz. — Eu sinto muito. O que eu fiz? Lágrimas aparecem em seus olhos e ela olha de mim para o meu pai. — Você está com fome? Sua fraca tentativa de mudar de assunto me enerva. É claro que eu não estou com fome, caralho. Eu estou preocupado que eu abusei da única mulher que me cura. — Não. Jesus, Bay. O que aconteceu? Seja o que for, eu sinto muito. Uma lágrima escorre por seu rosto e ela assente. — Eu sei. Eu não estou chateada com você, War. Você não estava realmente em sã consciência. Correndo os dedos pelo meu cabelo, eu suprimo um grito cheio de raiva. — Você tem medo de mim? — Se ela tiver, vou arrumar sua bolsa agora e enviá-la de volta para casa dos seus pais em segurança. Ela balança a cabeça e as lágrimas continuam a derramar. — Estou com medo por você. As coisas estavam perfeitas e então... — ela para e deixa escapar um suspiro penoso, — você se foi. Eu aperto os olhos fechados e tento lembrar o que aconteceu.


Flashbacks de meu sonho com mamãe e Constance. Flashbacks da ducha escaldante. De Baylee tentando me ajudar. Eu bati nela. Eu empurrei-a para longe de mim. Eu sou pior do que Gabe. Eu sou a sujeira podre da terra. Estou doente e não sou merecedor de alguém tão perfeito como ela. Tudo o que custaria era uma bala. Foi tudo o que levou para a minha mãe. Nenhuma dor de ter um aborto espontâneo. Nenhuma depressão e tristeza por ter perdido um filho. Nada. Clique e boom. Sua vida terminou e ela não passava de sangue pegajoso pintado na minha camisa. Eu tremo. Eu poderia fazer isso novamente com meu pai? Espirrar meu cérebro em todas as paredes e deixá-lo limpá-las. O que isso faria a Baylee? De alguma forma, eu não acho que isso a faria feliz. Na verdade, eu acho que, talvez ela ficaria esmagada e em ruínas. O pensamento de arruiná-la rouba minha respiração. Ela é uma perfeita, pura, doce cheirosa gardênia. E tudo que eu faço é esmagá-la no meu punho. — Warren, estou com fome. Sua voz me traz de volta de meus pensamentos escuros e eu olho para ela. Ela está de pé e o sol a rodeia a partir das janelas, dando-lhe uma aura angelical. Que visão. — Eu estou com fome de pizza, — diz ela em um tom firme. — E ou você faz um pouco dessa porcaria vegan ou ligo para o Pizza Palace. Já que é meu aniversário, eu acho que você me deve. — Seus lábios se curvam para cima em um sorriso doce e eu não posso evitar além de retribuir. É claro que eu vou cozinhar algo para ela. Vou dar-lhe qualquer coisa que ela queira.


EU ERGO minha mão da água quente e suspiro. Hoje começou terrivelmente mas terminou bem. Quando War acordou nas primeiras horas da manhã pirando, eu não sabia o que fazer. Seus olhos estavam enlouquecidos e ele falava como um louco. Tudo que eu queria era acalmá-lo. Mas ele estava longe de ficar calmo. Ele me bateu quando eu tentei ligar o resfriador de água, mas isso não me impediu, apesar da força com que ele tinha me atingido. Agora estou ostentando uma grande mancha roxa. Quando ele me empurrou, porém, eu estava assustada. Eu caí com força na minha bunda e minha respiração fugiu de mim. Tudo o que eu conseguia pensar era chamar Land e obter ajuda. Acontece que, ele vive a menos de cinco minutos de distância e estava aqui antes que eu pudesse decidir o que fazer a seguir. Eu fiquei grata quando ele tinha ido lá, forçou War a tomar um Xanax, e colocou-o na cama. Land me fez sentir segura. Não é que eu tenho medo de War. Tenho medo do monstro que vive dentro da cabeça de dele. Um monstro que eu realmente não conheço ou entendo, mas ficaria feliz em matar qualquer dia da semana. War é uma vítima dessa besta que só conseguiu ficar longe pouco tempo antes de voltar em fúria com garras à mostra e uma sede por sangue. Isto é normal. Isto é o que ele é. Este é o War.


As palavras de Land continuavam repetindo mais e mais na minha cabeça. Eu egoisticamente gostaria de poder consertar o meu War. Ajudá-lo a curar e tornarse humano novamente. Esta tarde, ele voltou quase totalmente ao seu estado normal. Ele ficou obcecado por causa da pizza caseira e até mesmo teve um acesso de raiva quando Edison apareceu com um bolo de chocolate comprado em uma loja. Mas, para me fazer feliz, ele sofreu e observou com o cenho franzido enquanto eu comia. Não foi até que lambi meus lábios e lhe lancei um sorriso sedutor que ele relaxou sobre o bolo. Eu realmente gostei de passar o meu aniversário com War, Land, e Edison. Isso me fez sentir mais a falta da minha mãe e pai, mas meu pai não responde aos meus e-mails. Dizer que eu estou ferida é um eufemismo. O alarme soa quando ativa e eu suspiro. Land e Edison devem ter ido embora. Isso me deixa sozinha com War e eu não tenho certeza de como as coisas estão conosco. Eu gostaria de pensar que poderíamos esquecer sobre o seu episódio de ontem à noite, mas não tenho certeza. Tudo o que sei é que sinto falta dele. Eu ouço uma batida tímida seguida pelo som de sua voz. — Baylee? Posso entrar? Eu tremo e viro para ver a sua presença poderosa em pé na porta. Seu olhar cai para a água onde o meu corpo nu está escondido por debaixo de um mar de bolhas espumosas e não posso deixar de sorrir. Eu gosto que ele está distraído com pensamentos sobre meu corpo. — Sim. Ele desajeitadamente caminha pelo pequeno banheiro e se senta na borda da banheira. Sua mandíbula está cerrada enquanto seus olhos se arrastam ao longo da minha carne molhada. — Eu sinto muito. Eu levanto a minha mão da água e desenho corações na espuma. — O que aconteceu? Um suspiro alto foge dele e ele aperta a ponta de seu nariz. — Eu tenho um transtorno delirante. Quando meu OCD fica severamente fora de controle em algumas ocasiões, eu sou mais


propenso a episódios provocados pela paranoia e medo e meu passado assombrado. A mistura da pílula e do vinho juntamente com as memórias da minha mãe foram demais. Perdi o controle, — ele bufa e olha para mim com um olhar sério. — Se eu tivesse feito alguma coisa a você... Eu balancei minha cabeça. — Nem sequer pense nisso. Sim, você me machucou. Vou curar? Rapidamente. Mas para eu estar com você, eu preciso entender você. Quero ajudá-lo, War. Você tem que se abrir para mim. Seus lábios pressionam em uma linha firme. — Eu sei e eu estou trabalhando nisso. Odeio não estar no controle de mim mesmo. É embaraçoso você saber todas as partes quebradas, erradas de mim. Eu porra odeio o jeito como esta merda controla a minha vida. Eu junto minhas sobrancelhas e recordo algumas das coisas que eu aprendi enquanto pesquisava suas condições. — Você sabe que há psicoterapias que você poderia tentar. Um terapeuta pode ajudar. Ele resmunga mas acena com a cabeça. — Eu acho que com o tempo, com você, eu poderia tentar novamente. Eu quero ficar melhor por você, Baylee. Sentando-me na água, eu observo-o enquanto seu olhar recai sobre meus seios. — Nós vamos passar por isto. Você tem que saber isso, certo? Eu sei que nós vamos encontrar uma maneira de estar juntos. Um sorriso de tirar o fôlego se espalha por seu rosto. O homem é bonito e quando ele sorri, o mundo inclina-se sobre o seu eixo. — Você é linda. E eu tenho sorte que você não fugiu. Eu ri e jogo água para ele, amando o sorriso de criança que vejo. — Quem diz que eu não estou planejando fugir amanhã? — Eu provoco, mas asseguro-o seriamente. — Eu não estou indo a lugar algum. Eu estava esperando que você pudesse fazer amor comigo de novo. — Eu não tenho certeza se ele vai morder a minha isca, mas fico grata quando seus olhos escurecem. — Você ainda me quer? Mesmo depois... — a voz dele desvanece, vergonha transformando suas feições em uma careta.


— Eu não posso me parar de querer você. Quero dizer, olhe para você, — eu digo a ele de brincadeira, — você é quente. Ele me dá um sorriso perverso que faz o seu caminho direto para o meu núcleo. — Você é uma mulher incrível, Baylee. Não pense por um segundo que você é qualquer coisa menos, — diz ele em voz baixa. — Quando você sair, eu tenho algo para você. Assim que ele se foi, eu já estou de pé na banheira, ansiosa para descobrir o que ele quer me dar. Seus presentes sempre me fazem feliz. Eu visto meu roupão sem calcinha e abro um sorrio ao vê-lo estendido na minha cama. — Isso foi rápido, — diz ele com um sorriso. — Você e seu amor por presentes. Eu ri e salto para a cama ao lado dele com cuidado para não tocá-lo. Uma vez que eu estou pronta, ele abre a palma para mim. No interior estão dois brincos de ouro rosa na forma de um coração com um B no interior. — Isto é muito, — eu digo suavemente e abro minha mão para que ele possa coloca-los em minha mão. Ele sorri um sorriso tímido enquanto ele me dá os brincos. — No primeiro dia, quando você ansiosamente olhou para o oceano e escreveu sua inicial com um coração em torno dela no vidro nebuloso, eu fiquei um pouco fodido da cabeça por você estragar o meu vidro limpo. Mas então… — Eu nem me lembro de ter feito isso. Eu costumava deixar meu pai louco quando eu escrevia isso nas janelas do seu carro mas minha mãe sempre disse que eram pequenas notas que a Baylee deixava e que ele deve apreciá-las. — A minha voz oscila e eu engulo a emoção de pensar nela. — Bem, eu apreciei. Pela primeira vez, eu não procurei a perfeição, — diz ele, — Eu queria algo melhor do que a perfeição. Eu queria você. — Isso é tão profundo. Obrigado, War.


Ele dá de ombros. — Eu tirei uma foto para que o joalheiro fizesse exatamente igual. Pode parecer obsessivo mas eu realmente queria que ele— São lindos, War. Eu coloco-os em cada orelha e então fecho-os. — Escute, Baylee, — diz ele lentamente e traz o olhar de meus ouvidos para meus olhos. — Eu não vou tomar mais medicamentos. Os efeitos colaterais parecem sempre ser pior do que o problema real. Ele, mais cedo, tinha confessado ter tomado Klonopin antes do vinho, daí as reações incomuns. Meu coração afunda e me pergunto se aquela noite seria a única noite que alguma vez passaríamos juntos. — Mas, dito isto, eu não posso parar de pensar em você. Eu não posso parar de pensar sobre a maneira como é estar dentro de você. Beijar você. Fazer amor com você. Medicamentos ou não. Vinho ou não. Eu quero tentar estar com você de novo. — Ele suspira e esfrega o rosto com a palma da mão. — Eu não posso prometer que nunca vai haver outro episódio, porém, enquanto minha mente estiver limpa de drogas, eu me comprometo a nunca mais te machucar novamente. Eu posso não ser capaz de tocá-la mas eu nunca vou colocar minhas mãos em você com raiva enquanto você viver. — Sabe, esses comprimido estão destinados a ser tomados todos os dias e não esporadicamente. A maioria demora duas ou mais semanas antes de começar a fazer efeito. Eu estive lendo sobre maneiras de como ajudá-lo. Temo que você não tem dado tempo suficiente ao seu corpo para se ajustar a eles, — eu digo a ele com firmeza. Sua mandíbula aperta mas ele concorda. — Talvez a gente possa pesquisar juntos. Eu estou disposto a tentar se é isso que você quer. Eu aceno e empurro as lágrimas. Eu sinto falta do homem da noite passada mas eu também quero o homem nesta cama comigo. — E agora? Ele se inclina para a frente e puxa a corda do meu roupão. Ele abre e revela os meus seios. — Nós veremos o que acontece.


— Veremos o que acontece, — murmuro, escorregando para fora do roupão e atiro-o para longe. Ele sobe fora da cama e se despe. Estou maravilhada com a sua pura, masculina beleza. Todos os contornos e curvas. Lindo. Ele afasta-se e retorna com uma toalha. — Eu me sentiria mais confortável com isto por debaixo de nós. Eu sorrio e aceno. Meus olhos nunca deixando os dele, eu subo para a cama e me deito sobre a toalha. Seu corpo inteiro treme quando ele me olha com tanto medo e antecipação. A ânsia esmaga sua apreensão porque ele lentamente desliza entre as minhas pernas abertas. — Concentre-se em mim, War. Concentre-se no quão bom eu te faço sentir. Me beije. Não pense, apenas faça. Ele lança-se sobre mim e nossos lábios pressionam juntos. Deixo escapar um gemido que faz o seu pau ereto pressionar contra minha barriga. Correndo os dedos para cima de suas costelas, eu então os passo através de seu cabelo. Eu preciso deste homem. Desesperadamente. — Faça amor comigo. — Deus, Bay, — ele geme, posicionando seu pau contra a minha entrada. — Eu não consigo pensar quando estou com você. Eu choro quando ele empurra para dentro de mim. — Bom. Não pense. Apenas fique comigo. Nossas bocas se emaranham novamente e ele empurra em mim uma e outra vez. O tapa de nossa carne ecoa no meu quarto e com cada empurrão eu fico mais perto do orgasmo. Meu corpo vibra com o desejo que ele me toque, mas por agora, eu vou pegar o que posso ter. Sua boca na minha, seu corpo conectado dentro de mim, é o suficiente. — Tão perfeita, — ele canta uma e outra vez. Meu corpo se contorce sob o dele, aproximando-se a cada respiração de um orgasmo incrível que somente ele pode me dar. — Estou perto.


Ele resmunga e seu dedo encontra minha garganta. Sua mão forte envolve meu pescoço e me segura enquanto ele se perde em um clímax que estremece o seu corpo. Meu nome está em seus lábios, um violento sussurro quando ele libera mais do seu inferno interior através do prazer. O calor que derrama em mim pica mas sinaliza meu próprio clímax. Eu grito e me rendo ao êxtase com o qual ele me satura. Isto tem que ser amor. Trinta minutos mais tarde, nós estamos limpos, após uma ducha quase muito quente, estamos enrolados na cama dele desta vez. — Você é o sol no horizonte. Eu sofro por você, — ele diz com uma suave, aflita voz, seus olhos caindo para os meus lábios. — Eu não entendo, Bay. Se eu pensar muito sobre isso, começo a me obcecar com coisas idiotas; carnes contaminadas ou bactérias no ar. Isso me consome. Mas tudo o que preciso é olhar para você e a tempestade de raiva dentro de mim de repente se dissipa. Ele corre um polegar ao longo da minha bochecha e eu tremo com prazer. — Tudo o que importa é você, mulher. Você é a minha paz. — Então, faça amor comigo de novo, Warren. Tome-me uma e outra vez até que nos tornemos um só. E ele faz. Três vezes, na verdade. Mais três toalhas e mais três banhos mais tarde, estou exausta, mas feliz. Ele me mantém em seus braços fortes e derreto com seu toque. Mais nada existe com War. Só nós.

— Ainda nenhuma resposta? — War chama da cozinha. Estico minhas longas pernas e estremeço de dor. Cada músculo doi esta manhã. Bocejando, eu pouso o meu laptop sobre a


mesa e olho para ele. Ele está de costas enquanto corta vegetais para o café da manhã. — Nada. Isto é tão estranho. O meu pai pode ser um idiota às vezes, mas é estranho minha mãe nunca responder. Ela não é de ficar brava ou guardar rancor. Isto não faz sentido. Você acha que algo aconteceu com ela? Você acha que Gabe fez alguma coisa para eles? — Um arrepio dilacera através de mim com a possibilidade. Ele caminha da cozinha para a sala e me olha com um olhar severo. — O dinheiro continua sendo retirado de acordo com as minhas verificações. Eu não entendo por que eles não estão falando com você. — Eu me pergunto sobre os seus métodos de investigação, mas ao ver como ele voa através das telas do computador, posso apostar que são meios ilegais. — Quanto você tem enviado? Eu não vou deixar você, não importa o quê, então pode me dizer. Ele deixa escapar uma lufada de ar e lança seu olhar para o oceano. — Apenas cinquenta mil por dia. Eu pisco para ele e espero que ele ria. Que me diga que está brincando. Mas ele não o faz. — Espere, — eu digo com cuidado, — você disse que estava enviando um pouco de cada vez. Ele balança a cabeça e volta para a cozinha. — Isto é um pouco. Considerando que meu pai só faz quarenta e sete mil em um ano, eu diria que suas transferências bancárias são mais do que um pouco. Saltando do meu assento, eu me apresso para a cozinha atrás dele. — War, isto não é um pouco. É ridículo. Você me deixa gritar e reclamar com você, suborná-lo com o meu corpo. E em todo este tempo você estava enviando somas exorbitantes. Mamãe deveria ter sido mais do que capaz de pagar um transplante de fígado. Por quê eles não estão me respondendo? Ele se aproxima de mim e me puxa para ele. Eu nunca vou cansar de sua presença reconfortante. Eu inspiro e inclino minha testa em seu peito.


— Eu não sei. Eu não queria dizer a você mas vasculhei a Internet toda à procura de uma trilha deles. O que eles estão fazendo. Tudo parece normal. O cartão de débito está sendo usado. Contas estão sendo pagas. E minhas transferências estão sendo retiradas. Eu não tenho certeza do que está acontecendo, mas tudo parece estar na normalidade lá. Vou continuar a verificar, embora. Concordo com a cabeça enquanto ele se afasta e continua fazendo a nossa comida, mas minha mente ainda está voando através de um milhão de porquês. O pior porquê é... e se eles estão mortos? Esse pensamento é insuportável e não vou dar voz a ele. Em vez disso, vou focar no meu tempo com War e juntos vamos descobrir uma maneira de expor Gabe. Então, eu vou fazer as pazes com meus pais. Isto vai funcionar. War é o meu ‗felizes para sempre‘.


Dois meses depois… AQUELE FILHO da puta é inteligente. É como se ele soubesse que estou rastreando a bunda dele. Meu pai e eu temos trabalhado para encontrar provas contra o Comércio de Colarinho Branco de onde comprei Baylee e até mesmo passei informações para a Detetive Stark que me fez um bilhão de perguntas às quais eu não sei as respostas. Eu ainda tremo ao pensar no meu raciocínio e estupidez ao adquirir Baylee, em primeiro lugar. Mas eu nunca vou me arrepender por resgatála. Porque, no final, ela está longe desse bastardo ou qualquer outro bastardo. Ela está segura e nunca vou deixá-la ir. Eu suspiro enquanto verifico mais registros de imóveis em busca da cabana que Baylee falou. Gabe, deixou de viver ao lado da casa dela. Os registros indicam que uma nova família se mudou para lá não muito tempo depois que ele a raptou. Eu só preciso localizar para onde ele foi. — Não temos quaisquer bolachas? Eu saio dos registros de imóveis e giro em minha cadeira para olhar para a minha mulher. Espanta-me que ela foi capaz de me arrastar das profundezas infernais de minha mente de volta para a realidade. Eu ainda tenho dias difíceis ás vezes. Eu ainda não toco em carne, mesmo que fosse a única coisa restando no planeta para sobreviver. E, claro, eu não vou para a praia com ela ou em qualquer outro lugar.


Mas eu posso tocá-la. Eu até consegui dar o abraço mais estranho do mundo no meu pai no outro dia. Baylee gasta todo o dia pesquisando psicoterapias para TOC e me faz experimentar algumas delas já que ainda me recuso a ser visto por um terapeuta. Eu não estou pronto mas eu continuo assegurando-lhe que eu estarei um dia. Na maioria das vezes, as terapias que ela encontra, envolvem retratar meu cérebro e falar do que aconteceu com minha mãe. Eu posso não estar perto de estar completamente curado, mas eu estou mais feliz do que eu estive em toda a minha vida. Meu pai praticamente vive aqui, não só porque ele adora a minha garota, mas ele adora ser capaz de passar um tempo com seu filho livre de aflições. — Você olhou na prateleira inferior na despensa? Eu acho que ainda pode haver lá, — digo a ela. Ansiedade infecta meu peito e meu coração começa a acelerar quando realmente noto sua aparência. — Você está bem? Você está pálida, Bay. Ela faz uma cara e geme, cruzando os braços sobre a camisa que está usando. — Eu não me sinto muito bem. Eu vou ligar para Land para ver se ele vai me trazer um pouco de suco de gengibre. Eu me levanto da cadeira e caminho até ela. — Eu preciso chamar um médico? Papai é amigo de um que pode vir. — Não, — ela murmura e aceita o meu abraço. — Eu vou ficar bem. Apenas me sentindo um pouco sem ânimo hoje. Talvez eu tenha corrido muito ultimamente. Eu franzo a testa mais deslizo as mãos para sua bunda. Ela não está usando calcinha sob a camisa de grandes dimensões que ela me roubou e se ela não estivesse se sentindo tão doente, eu já a teria arrastado de volta para o nosso quarto para fazer amor com ela. Agora que posso tocá-la mais facilmente, é difícil manter as mãos longe dela. Há certas coisas que ainda não fui capaz de superar, a ideia de sexo oral, por exemplo, ainda me parece abominável para fazer ou receber, mas nós temos mais sexo do que a maioria dos seres humanos, eu tenho certeza. Recentemente fizemos na posição de cachorrinho também. Eu sinto que, com o tempo, vou pular todos os obstáculos entre nós e nada vai ficar no nosso caminho novamente.


— Vá chamar meu pai e coloque umas calças antes que eu tente deixá-la melhor com meu pau, — eu digo a ela com um rosnar. — Eu vou terminar aqui e então vou fazer alguma coisa para comer. Ela ri. — Tão provocante, Warren McPherson. Eu dou um sorriso torto para ela. — Eu te amo, Baylee. Eu só quero que você saiba disso. Na doença e na saúde, — eu prometo e meu sorriso cai. — Eu sei que você não acredita nisso, que vou correr no primeiro sinal da doença. Mas não vou. Eu estou aqui, linda. Sempre. Ela funga e pressiona um beijo contra o meu peito. — Eu também te amo. Com um sorriso, eu beijo seu cabelo e a solto. — Bom, agora vá pegar algumas bolachas. Uma vez que ela se foi e eu me sento em frente ao computador, começo a examinar os registros novamente. Alterno entre telas, procurando por cabanas remotas no exterior ou perto da área de San Francisco e as cruzo com os registros de imóveis. Nada. Com um suspiro, eu abro uma nova pesquisa e volto a procurar pelo site de exploração sexual. Você não pode simplesmente digitar Comércio do Colarinho Brando e encontrá-lo. Da última vez, tive pura sorte quando encontrei. Aparentemente, estas pessoas criam um novo Web site e terminam o anterior após o evento. Eu volto a trilha de quando encontrei Baylee em um dos servidores do cliente do meu pai. Não existem outros sites em seu computador e eu quero gritar. Até… Eu fico pensando no homem que dirigia o evento. Certamente há uma vantagem lá. Ele só se refere a si mesmo como "Buck" e nós nunca nos encontramos pessoalmente, mas ele mencionou que as receitas do evento iriam para a associação pediátrica de sua esposa no hospital. Eu me lembro o nome do hospital que ele tinha falado quando tínhamos falado por telefone. Algumas pesquisas mais tarde e eu encontro o hospital, seu nome e do marido.


Forrester "Buck" Whitehead. E a primeira coisa que aparece em sua página no Facebook é um link para seu obituário. Meu estômago cai quando sigo o link datado na semana passada. Assassinado. Em seu escritório. Itens roubados de seus arquivos. — Porra! Estou fora do meu assento e correndo para fora do escritório sem olhar para trás. — Baylee! — Eu chamo enquanto caminho pelo corredor. — Baylee, nós temos um sério problema! Quando viro na esquina, eu congelo. Minha Baylee, minha doce Baylee, está chorando lágrimas silenciosas. Seus olhos, que estavam felizes apenas momentos atrás, estão pedindo ajuda agora, enquanto o monstro que eu esperava conhecer somente no inferno está lá, no meu hall de entrada. Ele segura a mão sobre a boca dela com uma mão, o outro braço volumoso apertando ao redor da cintura dela, uma arma em sua mão. As costas dela estão contra o peito dele e ela respira pesadamente. — Solte-a, — eu rosno, formando punhos em meus lados. Contemplo brevemente o que eu poderia usar como arma. A minha avaliação rápida do que me rodeia produz nada e meu coração afunda. — Como você entrou aqui? Ele ri, um som escuro e maldoso e empurra a arma em suas costelas. — Eu bati na porra da porta. Meu bebê abriu para mim. Ela deve ter pensado que era meu pai. Jesus. Lágrimas rolam por suas brilhantes bochechas vermelhas e ela se desculpa com os olhos. Minha Baylee. — Deixe-a.


Ele balança a cabeça. — Na verdade, Warren McPherson, eu não vou deixá-la. Ela é minha. Sempre foi e sempre será. Começo a andar para ele mais ele me interrompe com suas palavras. — Dê mais um passo e eu vou colocar uma bala no crânio dela. Assim como sua mãe. Não é mesmo? Sua mãe explodiu os malditos miolos em cima de você. Foi isso que fez você um fodido maluco? Bile sobe na minha garganta e eu posso quase sentir o resíduo pegajoso na minha carne. — Gabe, por favor. Se você quer dinheiro, eu posso te dar a merda do dinheiro. Você pode ter tudo isso. Só, por favor, não machuque-a. Nos deixe e não vamos contar a ninguém. Ele arrastou o cano da arma ao longo da caixa torácica dela e, em seguida, entre os seios em direção a sua garganta. Ela choraminga mas ele não tira a sua mão da boca. — Eu não quero a porra do seu dinheiro. Eu já tenho milhões de você, idiota. Essa merda não se compara à sensação de aperto desta pequena bunda. Algumas coisas, o dinheiro não pode comprar. Acabou o tempo. Baylee está voltando para casa comigo. Eu começo a andar mas ele empurra o cano dentro da boca dela. Jesus fodido Cristo. Se essa arma dispara. Minha Baylee estará... Ela estará... Imagens de como uma bala poderia danificá-la me horrorizam. Agarro na minha cabeça em uma tentativa de puxar as imagens para longe da minha mente. Não haveria jeito dela sobreviver. O sangue dela iria esparramar na parede atrás deles, como o da minha mãe tinha revestido a minha frente naquele dia que ela teve um aborto espontâneo de Constance. Tanta. Porra. De. Sangue. — N-não... — Eu cerro os olhos fechados. Eu não sei o que diabos fazer! — Abra seus olhos, idiota. Você precisa ver isto.


Abro os olhos e olho para ele. Seus olhos permanecem no meu enquanto ela soluça. Eu nunca a vi tão aterrorizada, tão chateada. Isso assusta a merda fora de mim. Eu a quero sorrindo de novo, porra! — Chupe a arma, Baylee. Vamos mostrar ao seu namorado como você sempre me obedece, — ele murmura contra seu cabelo. — Como você é minha boa menina. Ela balança a cabeça, mas ele força a arma mais profundamente dentro contra os lábios dela. O sol da manhã derrama através das janelas e cobre-os, fazendo com que seu cabelo loiro brilhe na luz. Um anjo no aperto do diabo. Eu quero salvá-la. Salvar o meu anjo que me salvou. Eu quero agarrá-lo pela garganta e atirá-lo na varanda. Tirar a arma dele e pintar a areia da cor do sangue de sua cabeça. O som do rosnado sinistro de Gabe enche a sala, interrompendo o meu desejo de matá-lo. — Você vai chupar a maldita arma ou vou foder sua bunda com ela em vez disso. Eu sei como você gosta que brinquem com a sua bunda, baby. Ela abre a boca, aceitando plenamente a arma e mais uma vez me lança um olhar de desculpas. Que porra ela tem que se desculpar? Este bastardo está envergonhando-a, usando seu corpo para o seu próprio torcido divertimento. — Boa menina. Continue sugando. Mas um movimento em falso, Baylee e eu vou puxar o gatilho. Quando ele empurra o cano mais profundo em sua boca, fazendo baba escorrer do lábio e pelo queixo, eu vomito. Vomito como um veadinho. Os demônios estão se revoltando na minha cabeça, ameaçando a assumir e eu estou tentando desesperadamente mantê-los sob controle. Ele começa a deslizar o cano na boca dela pelo qual ela se contorce. Não se contorça, porra, Bay. Não faça isso. — Shhhh, — Gabe diz com um grunhido e belisca seu ombro. — Você está indo tão bem. Senti sua falta, baby. E eu assisto, incapaz de protegê-la, enquanto ele fode a boca dela com essa arma. Cada vez que ele retira a arma, que brilha com sua saliva misturada com baba, eu luto para me manter sem vomitar. Memórias da minha mãe, de Constance, me atingem e o quarto gira em torno de mim. Seus soluços ecoam em torno me fazendo sentir


menos que um homem por não ser capaz de ajudá-la. Eu gostaria de conseguir ajudá-la, porra. Eu poderia me atirar a ele. Mas ele parece ser o tipo que puxa o gatilho porque é um bastardo psicótico. Ele ri, um som escuro e revoltante para os meus ouvidos. — Ouça a sua respiração, — ele me diz com um sorriso. — Eu a conheço melhor do que você. Ela está curtindo cada segundo disso. Minha menina é depravada. Eu olho para ele. — Foda-se. Ele ri, mas quando ela começa a se mexer, ele rosna contra seu ouvido. — Não experimente, baby. — Ela deixa escapar um soluço, quase de raiva, quando ele mordisca seu ouvido. Suas lágrimas não param mas ela cede em seus braços. Minha Baylee é tão fraca. — Boa menina, querida, — ele diz e deixa cair um beijo em sua têmpora. — E para o próximo ato de nosso show, — ele me diz, ignorando seus gritos. — Você vai assistir minha menina engolir. Minha pele fica mais fria e eu começo a ficar tonto. Concentre-se, War. Não deixe que este imbecil ganhe. Quando ele estiver preocupado, faça a sua jogada. Atire-se a ele. — Vá para o inferno, — eu rosno para ele antes de falar com ela. — Bay, aguente. Eu te amo. Gabe pega um punhado de seu cabelo e obriga ela se ajoelhar na frente dele. — Seu cara quer que você aguente. Você pode aguentar, baby? — Ele provoca. — Chupe essa arma como se fosse a sua última maldita refeição. Quem sabe, talvez seja. Ou talvez você prefira chupar o meu pau no lugar da arma. Você quer que seu namorado assista? Eu rosno e tento ficar parado. Ela balança a cabeça em veemência e atende à sua instrução. No momento em que ela começa a sacudir a cabeça sobre a arma, meu mundo se inclina novamente.


Sugando e chupando. Risadas e gemidos escuros. Meu estômago se agita com o pensamento dele acidentalmente puxar o gatilho. Partes de seu cérebro explodindo em toda a minha casa, cobrindo cada polegada branca dela. Eu engasgo novamente. Pare de pensar nisso, caralho! — Como está a sua garganta ultimamente, baby? Ele empurra a arma tão longe possível, agora sendo ela que engasga. Alto, desleixado, molhado. Um engasgamento que ecoa nas paredes do hall de entrada antes dela vomitar nos jeans dele. Caindo de joelhos, eu agarro a minha garganta. Não vomite, também. Não vomite, porra. Esta merda vai ficar em toda parte. Nas paredes. No chão. Nas roupas dela e nas minhas. CONCENTRE-SE, CARALHO! Ele ri e liberta-a. — Sem mais delongas, o grande final... Eu levo meu olhar para o dele. — Você é um doente fodido. Sua arma levanta e ele aponta para mim. — E você é um fodido morto. Pop! Dor explode no meu peito. Nããão! Aperto meu peito e gemo quando sangue cobre meus dedos. Assim como a minha mãe. Assim como no dia que ela morreu. Tanto sangue. Não vai parar. Meus olhos piscam. Um. Quatro.


Ou era três. Preto e branco e preto. — WAR!!! Aquela voz. A voz dela. O meu oásis celestial embora pareça distante. Eu não quero fechar os meus olhos mas eles já estão fechados e eu estou em uma redemoinho de escuridão. — A Guerra acabou15. — A voz torcida doente esfaqueia através da minha escuridão. A guerra acabou. Se foi, foi, foi. Adeus, minha Baylee. Você me manteve feliz desde a primeira vez que eu coloquei os olhos em você. Eu abro os meus olhos e tenho um breve vislumbre dela se esticando para mim enquanto ele arrasta-a para longe. Fechados. E você me manteve feliz na última vez que eu coloquei os olhos em você. Onde quer que eu vá, só vou pensar em você. Minha Baylee. Minha Paz16.

Continua.

War é Guerra em inglês. Ele quis dizer que a guerra terminou e que o War morreu. Ele chama-a de Peace, que traduzido fica paz. Sendo ele War (guerra) ela é a Peace (paz) pois foi isso que ela trouxe a ele. 15 16


Quer ficar por dentro dos lanรงamentos? Siga nosso blog e curta nossa Fanpage no Facebook!


Where is My Mind – Pixies War Baby – Big Wreck Fix You – Coldplay Unsteady – X Ambassadors Control – Big Wreck What’s Up? – 4 Non Blondes Fire and the Flood – Vance Joy Snuff – Slipknot Stay With Me – Sam Smith

K webster 01 this is war  
K webster 01 this is war  
Advertisement