Page 1

• MEIO AMBIENTE • ATITUDE • SUSTENTABILIDADE

Ano 2 • no 10 • Julho/Agosto 2011 • R$ 9,90

EMISSÕES DE CO2

É preciso diminuir e anular

Ano 2 • no 10 • Julho/Agosto de 2011 • R$ 9,90 •

VISÃO AMBIENTAL

Trocas e Empréstimos, economizam dinheiro e o planeta.

ETNOTURISMO Conhecer para preservar

ICMS ECOLÓGICO Imposto bem aplicado

01_Capa_RVA-10.indd 1

SANEAMENTO

Estamos longe do ideal

REGULAMENTAÇÃO DA PUBLICIDADE VERDE

Transparência na informação

25/07/2011 16:25:55


Assuntos como aproveitamento energético de resíduos e renovação das concessões elétricas em um formato único e exclusivo a você.

Blue Tree Premium Morumbi • São Paulo

08 de agosto / 1º dia Política Nacional de Resíduos Sólidos • Aspectos Jurídicos • Planos de Gestão e Gerenciamento • Acordos Setoriais • Logística Reversa • Mecanismos de Gestão e Financiamento • Estruturação Tarifária e Incetivos Fiscais Apoio

09 de agosto / 2º dia Desenvolvimento de Projetos de Cogeração de energia (Waste to Energy) - Modelagem e viabilidade Financeira - Tecnologias e Processos para geração proveniente de Biogás e Incineração de RSU.

Golden Tulip Paulista Plaza • São Paulo

10 de agosto • Cenários jurídicos e econômicos das possiblidades do processo de renovação das concessões elétricas. • Planos de ação e conduta diante da indefinição e da obrigatoriedade de cumprir os prazos estabelecidos pelo regulador. • Cenários de Tarifas e Modicidade Tarifária dos empreendimentos envolvidos em processos de renovação das concessões.

II FÓRUM RENOVAÇÃO DAS CONCESSÕES ELÉTRICAS BRASILEIRAS Apoio

O mundo da eletricidade em tempo real

• Procedimentos contábeis dos empreendimentos envolvidos nos processos de renovação.

Para maiores informações e inscrições (11) 5051-6535 atendimento@vxa.com.br Garanta seu desconto informando o código RVIEX renergy.indd 1

www.vxa.com.br 13/06/2011 16:08:10


fotomontagem: sxu/marina yoshie

SUMÁRIO

6.

CAPA

CONSUMO COLABORATIVO

10 Visão Legal 11 ICMS Ecológico Por Giovana Baggio

18 Festieco e Fimab

Evento Ambiental em Bauru

22 Sustentabilidade de Ponta a Ponta VISÃO AMBIENTAL •JULHO/AGOSTO • 2011

32 Saneamento

4

Estamos longe do ideal

28. CONSUMO CONSCIENTE

14. CASA SUSTENTÁVEL

44. ETNOTURISMO 38 Regulamentação da Publicidade Verde

Conhecer para preservar

Transparência na informação

54 Visão Ambiental

48 Visão Ecológica

56 Visão Florestal

50 Emissões de CO2

57 Green Talents

É preciso diminuir e anular

58 Visão Social


EXPEDIENTE

EDITORIAL 10 PUBLISHER SUSI GUEDES susiguedes@rvambiental.com.br EDITORA-CHEFE SUSI GUEDES susiguedes@rvambiental.com.br PROJETO GRÁFICO e DIREÇÃO DE ARTE FLORA RIO PARDO flora@rvambiental.com.br

JORNALISTAS ANA RODRIGUEZ, ARIELLI SECO, BRUNO VIÉCILI, MARINA ERBOLATO, MARCELO FARAHA, ROGÉRIO FERRO, SUSI GUEDES jornalismo@rbambiental.com.br REVISÃO CRIS BARBIERI , GIOVANA FRANZOLIN jornalismo@rvambiental.com.br COLUNISTAS DESTA EDIÇÃO ANA CAROLINA CONTE DE CARVALHO DIAS, ELOI FERNANDES, LILIAN REIS, MARIA ROSÍ MELO RODRIGUES, TADAYUKI YOSHIMURA COMERCIAL E PUBLICIDADE comercial@rvambiental.com.br PRODUÇÃO SONIA COSTA sonia@rvambiental.com.br SAC – atendimento@rvambiental.com.br JORNALISTA RESPONSÁVEL SUSI GUEDES (MTB 44.447/ SP) PERIODICIDADE – BIMESTRAL TIRAGEM – 8 mil exemplares IMPRESSÃO – GRÁFICA SILVAMARTS www.graficasilvamarts.com.br EDITORA BORBOLETA Rua Rio Grande, 308 – cj 32 – Vila Mariana São Paulo / SP CEP – 04018-000 Fone: 55-11- 2425.2326 Portal – www.rvambiental.com.br ASSINATURAS F- 55-11-8062.0070 e-mail: assinaturas@rvambiental.com.br ASSINATURAS EM EVENTOS Global Cultural – globalcultural@uol.com.br ATENDIMENTO AO LEITOR leitor@rvambiental.com.br As opiniões pessoais publicadas nos artigos autorais são de responsabilidade exclusiva dos colaboradores independentes. CAPA – CONSUMO SUSTENTÁVEL fotomontagem SXC/ Marina Yoshie Agradecimentos ao Instituto Akatu que nos cedeu generosamente a matéria Greenwashing em propagandas, www.akatu.org.br

PARA QUEM ACREDITA EM SOLUÇÕES SIMPLES Acreditar é um princípio básico para quem deseja operar mudanças, sejam elas quais forem, as mais simples que passam por cortes de cabelo ou cor do carro, ou as mais complexas como um novo trabalho ou o destino de sua família. Mas falamos aqui sobre questões ambientais, e também elas apresentam soluções simples ou complexas, algumas óbvias, outras inimagináveis. Nesta edição, falamos um pouco sobre soluções simples, como trocar ao invés de comprar, canos de PVC reciclado para obras de saneamento, e etnoturismo como forma de preservar florestas e costumes através de conhecimento e vivência. As mudanças de postura de indivíduo repercute em outras esferas e leva a conquistas ainda maiores, como a regulamentação da publicidade, que agora tem que tomar cuidado ao divulgar ações e produtos “verdes”, pois o Conar – Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária - está atento, e o que for considerado propaganda enganosa será punido. Em nossa 10ª. edição acreditamos estar conseguindo fazer nossa parte no incentivo de atitudes que ajudem na conscientização ambiental, e entendemos que ter atitudes simples no cotidiano pode representar um grande resultado. Convidamos nossos leitores a terem atitudes sustentáveis, não importa se pequenas ou não, a atitude é que conta! Boa Leitura! Susi Guedes

VISÃO AMBIENTAL • jULHO/AGOSTO • 2011

DIAGRAMAÇÃO, EDIÇÃO e TRATAMENTO DE IMAGENS MARINA YOSHIE designer@marinayoshie.com.br

5


CONSUMO COLABORATIVO

Consumo Colaborativo

VISテグ AMBIENTAL 窶「JULHO/AGOSTO 窶「 2011

Por Marina Erbolato

6

06_09 - Consumo Colaborativo.indd 6

25/07/2011 16:24:15


desconhecimento, vergonha, preguiça, desconfiança, ou tantos outros motivos que uma sociedade consumista nos impõe. Fatores como esses levaram ao “Boom” de consumo do Século XX. O que se tenta incentivar em tempos de consciência ambiental, e de ainda embrionários, mas consistentes indícios de convívio social menos competitivo e sociedade mais informada, é que deixemos o egoísmo e a falta de comunicação de lado para colocar em prática a solidariedade, a sociabilidade e as escolhas inteligentes.

Não se trata de abdicar o consumo, pois ele é bom para quem produz, vende e consome, se trata de fazer mudanças em relação ao que consumimos, levando em conta a real necessidade para impactos ambientais como, emissão de gases poluentes e descarte de resíduos. O conceito remete um pouco às décadas de 1960/70, mais ou menos dentro do “o que é meu, é seu”, evidentemente de uma forma renovada, onde o lúdico sentido de comunidade da época foi revisitado, reorganizado e apresenta resultados concretos, onde todos ganham de alguma forma.

VISÃO AMBIENTAL • JULHO/AGOSTO • 2011

divulgação

Consumo X impacto ambiental, uma equação complicada, e que muitos consideram sem solução. O ato de comprar é prazeroso e, normalmente ao fazê-lo não levamos em conta o impacto ambiental compra causa. Um conceito relativamente recente tem apregoado que o consumo consciente é possível ao fazer boas escolhas, e de forma mais abrangente, incentiva as trocas, locações e empréstimos. Quem de nós, movido pela necessidade, impulso ou até carência, já comprou um aparelho ou produto que só usou uma vez, ou que sequer usou? Ou então, optou por não compartilhar o carro nas chamadas caronas solidárias, com destino ao trabalho ou para levar os filhos à escola? Isso acontece porque normalmente preferimos adotar este código de conduta individualista, por ser uma tendência social, por

7

06_09 - Consumo Colaborativo.indd 7

25/07/2011 16:24:32


VISÃO AMBIENTAL •JULHO/AGOSTO • 2011

Trata-se da retomada modernizada do conceito de “escambo”, que remonta aos tempos em que não havia moeda, as trocas eram feitas entre os moradores dos vilarejos e cidades, e cada um, de acordo com seu ofício, oferecia o que tinha: produto agrícola, artesanal ou serviço, e recebia em troca o que necessitava. Em tempos modernos, a tecnologia facilita e amplia essas possibilidades, num tipo de “desmonetização” do consumo. A ideia é que haja uma rede, hoje muito facilitada pela internet, que permita trocar, emprestar, doar, compartilhar, alugar, fazer intercâmbio de praticamente tudo: objetos, casas de veraneio, horários ociosos de carros, quartos residenciais, a gama de opções é infinita. O site www.collaborativeconsumption. com explica bem o conceito e em seu livro sobre o tema, com o mesmo título, Rachel Borsman e Roo Rogers analisam este movimento como um fenômeno sem precedentes, aderido principalmente por jovens, e que em pouco tempo deve mudar as relações mundiais de consumo. Nos Estados Unidos e na Europa este movimento tem mais consistência e apresenta um crescimento espantoso, bem como soluções cada vez mais criativas que podem se tornar viáveis pelo grande número de adeptos, é possível alugar um carro por algumas horas e deixá-lo em qualquer lugar, uma vez que o cruzamento de dados de sites especializados o coloca em seguida à disposição de um outro usuário da região, hospedar-se em castelos ou mansões em locais paradisíacos deixou de ser um sonho, uma vez que locar apenas um quarto pode ser bem acessível, trocar aquele objeto que perdeu a utilidade por outro que está precisando, e usar aquela bolsa assinada por um estilista

famoso já pode se tornar realidade, nem que seja por uma noite. Alugar objetos que estão encostados ou temporariamente em desuso, um espaço no chalé das férias, ou uma vaga no carro a caminho de um destino turístico, tem se mostrado também uma fonte de renda alternativa, atraído a muitos e colaborado com o crescimento deste tipo de consumo, numa relação de ganha/ganha todos saem satisfeitos, e um novo nicho nos negócios do mundo virtual surgiu e vem se expandindo nos últimos tempos. Sites como www.frecycle.com, www.ecomodo.com, www.swap.com, fazem enorme sucesso ao ampliar as possibilidades de cruzamento de dados e permitir o contato entre seus usuários, aumentando as chances de viabilizar essas trocas, no Brasil o recém-lançado www.descolaai.com promete agitar este mercado por aqui. O site já tem a parte de aluguel funcionando e promete para breve a parte de trocas. De acordo com seus diretores, o portal foi desenvolvido para reunir, de forma segura, quem tem um objeto a emprestar para quem precisa de livros, CDs, até equipamentos esportivos, ferramentas, barracas de camping e outros objetos, podem ser disponibilizados ou procurados no primeiro portal brasileiro do gênero. Isso faz com que os produtos que integram o banco de dados do site possam ser usados por mais pessoas e mais vezes. “Várias vezes compramos coisas que usamos pouco, e que acabam até estragando por falta de uso”, comenta o diretor do portal, Gui Brammer. O DescolaAí.com aumenta a vida útil dos produtos. Ao acessar o portal e se cadastrar, o usuário pode procurar

divulgação

CONSUMO COLABORATIVO

“Várias vezes compramos coisas que usamos pouco, e que acabam até estragando por falta de uso”

8

06_09 - Consumo Colaborativo.indd 8

25/07/2011 16:25:50


Assim que a oferta e a demanda são identificadas, o sistema coloca os dois usuários em contato e gera um código de segurança que somente será conhecido por eles, para se identificarem. A negociação do valor, o tempo do empréstimo e a entrega serão definidos pelos usuários, nesta etapa do processo. Para garantir a segurança do dono do objeto que será emprestado, o sistema registra os dados do cartão

06_09 - Consumo Colaborativo.indd 9

da assessoria do DescolaAí, nos Estados Unidos, onde surgiu o conceito nos anos 2000, usando apenas um exemplo, podemos citar as ferramentas, naquele país há mais de 50 milhões de furadeiras no mercado e, em média, cada uma delas é usada em toda a sua vida útil, cerca de 6 a 13 minutos. A prática do Consumo Colaborativo combina com as atuais demandas da sociedade por ações sustentáveis. Para Gui Brammer, quando se empresta

“O DescolaAí.com possibilita que os produtos não fiquem parados na casa das pessoas e que elas possam ter lucro com eles” um produto, se deixa de comprar um novo e reduz a extração de novas matérias-primas. Além disso, o acesso aos bens também é um benefício social. “Mais que o livro em si, o acesso a ele é o real ganho à população”, completa o executivo, que gerencia a GreenBusiness, que é responsável pelo projeto e também gerencia as ações da TerraCycle no Brasil. Independente dos sites especializados, pode-se ver nas redes sociais um movimento em direção a esse tipo de consumo, de forma mais intimista, como uma ação entre amigos, ou apenas como manifestação de desejo e opinião, o Consumo Colaborativo vem ocupando um espaço antes reservado apenas ao consumismo voraz. Não se deseja que deixemos de consumir, o que se espera é a educação e que formas alternativas de consumo sejam também uma opção. Transformar consumo desenfreado em consumo colaborativo não é tarefa fácil, mas quem adere costuma se tornar ativista e contamina a muitos com este vírus do bem, afinal, o consumo passa a ser também parte de um modo de vida que gera economia, convívio social, e pode ser até bem divertido. Vamos tentar?

VISÃO AMBIENTAL • JULHO/AGOSTO • 2011

de crédito do locatário e estipula um valor – que será usado como caução, para o caso do produto ser devolvido danificado. Após a devolução, o sistema acusa o fim do empréstimo, libera o pagamento para o dono do produto e solicita - a quem emprestou e a quem tomou emprestado - que pontuem a atuação um do outro, de forma a criar um ranking com os usuários do portal mais confiáveis. “O DescolaAí.com possibilita que os produtos não fiquem parados na casa das pessoas e que elas possam ter lucro com eles”, comenta Brammer. Segundo informações

fotomontagem: sxu/marina yoshie

por um objeto que esteja precisando, como uma raquete, por exemplo. O sistema realiza uma busca baseada no CEP (Código de Endereçamento Postal) e identifica a pessoa mais próxima geograficamente que possa emprestá-la.

9

25/07/2011 16:26:03


VISÃO LEGAL

* Ana Carolina Conte de Carvalho Dias

10

Ao julgar o Recurso Especial nº 1128981/SP, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) posicionou-se no sentido de que o exercício do domínio sobre área de preservação ambiental situada dentro de empreendimento imobiliário urbano não exime o contribuinte da incidência do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). Baseado no critério meramente topográfico, o entendimento do STJ foi de que o fato gerador desse tributo permanece íntegro pelo simples fato de a propriedade imobiliária ser localizada em zona urbana de determinado município. Segundo a doutrina, o mencionado entendimento não se coaduna com o sistema jurídico no qual se insere esse tributo. O artigo 32 do Código Tributário Nacional (CTN), iluminado pelo princípio da função social da propriedade imobiliária (arts. 5º e 182 da CF/88), estabelece que os municípios somente estão autorizados a cobrar IPTU em áreas urbanizadas ou urbanizáveis. Nesse sentido, apenas é legitima a cobrança do IPTU quando presentes, no mínimo, dois dos elementos previstos taxativamente no art. 32, § 1º do CTN. Ou ainda, quando haja efetiva urbanização em progresso, conforme estabelece o art. 32, § 2º do CTN, que estabelece a necessidade de melhoramentos na área urbana ou urbanizável, sem os quais não haveria legitimidade para pagamento do IPTU. O art. 32 do CTN é comando negativo ao exercício da competência dos municípios de criar o IPTU.

10_Visão Legal.indd 10

Porém, municípios impõem a cobrança do IPTU em áreas de reserva ambiental, quando contíguos a áreas loteadas. Os municípios devem empreender uma organização mínima, de modo que possa a coletividade se beneficiar da infraestrutura e dos serviços disponibilizados. Apenas com tal infraestrutura e serviços é que a cobrança do IPTU é constitucional e legal. Não há necessidade de edição de lei municipal isentiva de IPTU para áreas de preservação ambiental, pois a ausência dos requisitos mínimos, por si só, constitui hipótese de não incidência do IPTU. Verifica-se que o critério topográfico, adotado pelo STJ, revela-se insuficiente e não se harmoniza com o sistema jurídico brasileiro. Tal critério não basta para dirimir a competência para cobrança do IPTU e do ITR (Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural), na medida em que, além de se observar a circunscrição das áreas - se localizadas em perímetro urbano ou rural -, é preciso atentar para a destinação econômica dada à propriedade. A vedação de urbanização de área ambiental pela União e pelos municípios impede a instituição e cobrança do IPTU, por ausência de elementos que afirmam sua materialidade. Assim, a instituição e cobrança de IPTU em áreas de preservação ambiental, onde a urbanização é vedada, é inconstitucional e ilegal.

divulgação

VISÃO AMBIENTAL •JULHO/AGOSTO • 2011

Incidência de IPTU sobre área de preservação ambiental é inconstitucional e ilegal

É advogada do Gaudêncio, McNaughton e Prado Advogados. Doutora em Direito Tributário pela PUC/SP e professora dos cursos de pós-graduação em direito tributário da PUC/SP Cogeae e do Ibet (Instituto Brasileiro de Estudos Tributários ).

25/07/2011 16:20:41


divulgação

ICMS ECOLÓGICO

O ICMS Ecológico em todo o Brasil A maneira que cada estado brasileiro implementou esse importante instrumento ambiental pode ser conferida no site www.icmsecologico.org.br

VISÃO AMBIENTAL • JULHO/AGOSTO • 2011

Por Giovana Baggio

11

11_13 - ICMS.indd 11

25/07/2011 16:20:11


as ações desenvolvidas em cada um deles. São apresentados casos de sucesso e os destinos conscientes que algumas cidades estão adotando com seu ICMS Ecológico. No estado do Paraná, por exemplo, os municípios de Antonina e Guaraqueçaba receberam juntos mais de R$ 6,5 milhões, referentes a 2010. Esses recursos são provenientes de 5% do ICMS e distribuídos anualmente entre os municípios paranaenses que mantêm unidades de conservação ou áreas de mananciais em seus territórios. Desse total, cerca de R$ 2,2 milhões foram arrecadados pela manutenção de quatro importantes ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) mantidas pela SPVS Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental em parceria com a TNC. “Os incentivos econômicos são fatores fundamentais no engajamento para a conservação ambiental”, reforça Giovana. As informações sobre o valor que cada estado destina para o ICMS Ecológico em seus municípios podem ser acessadas no link ‘Repasses’ do site. Até 2010, os estados que mais tiveram destaque nesse trabalho foram: Ceará, com aproximadamente R$ 53 milhões; Mato Grosso do Sul e Minas Gerais, com cerca de R$ 55 milhões, e São Paulo, com um pouco mais de R$ 92 milhões. Além destes, mais 14 estados possuem suas

VISÃO AMBIENTAL •JULHO/AGOSTO • 2011

divulgação

A ONG TNC (The Nature Conservancy) acaba de atualizar e expandir para todo o território nacional o portal www.icmsecologico.org.br. O site, lançado em 2009, em parceria com a Conservação Internacional e Fundação SOS Mata Atlântica, visa divulgar a situação do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) Ecológico em cada estado brasileiro, possibilitando ao público em geral acompanhar como o seu estado está trabalhando com essa questão. Também são apresentados os municípios que têm se destacado na utilização consciente do recurso.

12

“A importância do ICMS Ecológico é que seu repasse está baseado na performance ambiental dos municípios, trazendo benefícios para a população e estimulando investimentos em conservação da natureza, o que o torna uma ferramenta poderosa de melhoria da gestão ambiental municipal e valorização de áreas naturais, outrora consideradas um entrave ao desenvolvimento”, afirma Giovana Baggio, coordenadora de Conservação em Terras Privadas da TNC. Outro ponto importante é a seção do portal que apresenta as informações dos municípios e

11_13 - ICMS.indd 12

divulgação

ECONOMIA

informações publicadas.

Destino consciente Para que esse mecanismo seja efetivo é essencial o investimento não apenas em obras públicas e sociais, mas também em projetos ambientais que incrementem a gestão ambiental municipal e valorizem as áreas naturais protegidas, incluindo as RPPNs e as UCs (Unidades de Conservação) públicas pertencentes às esferas federal, estadual e municipal. “Esse mecanismo cria uma oportunidade para o estado influir no processo de desenvolvimento sustentável dos municípios. É um instrumento de inteligência administrativa em prol da conservação.” explica Flávio Ojidos, consultor jurídico que foi responsável pela pesquisa de dados legais do site. O município de São Miguel Arcanjo, no interior de São Paulo, por exemplo, possui cerca de 20% do seu território ocupado por Unidades de Conservação. Nos últimos cinco anos (2006 a 2010), a cidade recebeu cerca de R$ 2 milhões que vêm sendo aplicados em ações de educação ambiental

25/07/2011 16:20:21


divulgação

deve ser dividido na proporção de 75% para o estado e 25% aos municípios que o geraram. Para a distribuição desses 25%, o estado pode legislar criando critérios próprios até o montante de 1/4 deste valor, a exemplo de educação, saúde, meio ambiente, patrimônio histórico, entre outros. Os critérios ambientais inseridos nesse 1/4 são chamados de ICMS Ecológico ou ICMS Verde. O mecanismo, regulamentado por leis estaduais e municipais, é uma oportunidade para o estado influenciar o processo de desenvolvimento sustentável dos municípios, premiando a boa gestão ambiental e a prática de atividades ambientalmente desejáveis, como gestão de resíduos sólidos e tratamento de esgoto. Desenvolvido pioneiramente no estado do Paraná em 1991, o ICMS Ecológico é realidade hoje em mais de uma dezena de estados brasileiros, como o Acre, Amapá, Ceará, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rondônia, São Paulo e Tocantins, e envolve o repasse de aproximadamente R$ 600 milhões/ano para os municípios que abrigam Unidades de Conservação ou se beneficiam por meio de outros critérios ambientais.

realize ações de manutenção do patrimônio natural de sua reserva.

Sobre o ICMS Ecológico De acordo com a Constituição Federal, o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) arrecadado pelos estados

11_13 - ICMS.indd 13

Sobre a TNC A TNC é uma organização não governamental que desenvolve projetos de conservação em mais de 35 países. Atuando no Brasil desde 1988, a organização tem a missão de proteger plantas, animais e ecossistemas naturais, protegendo os recursos

necessários à sua sobrevivência. Desenvolve iniciativas nos principais biomas brasileiros (Amazônia, Mata Atlântica, Cerrado, Pantanal e Caatinga), com o objetivo de compatibilizar o desenvolvimento econômico e social com a conservação dos ecossistemas naturais. No programa de conservação para a Mata Atlântica e Savanas Centrais, estabelece parcerias com os diversos setores da sociedade a fim de proteger e restaurar áreas prioritárias dentro desses biomas. Atualmente, a organização e seus mais de um milhão de membros ajuda m a proteger 130 milhões de hectares em todo o mundo. Para mais informações, acesse: www. nature.org/brasil.

VISÃO AMBIENTAL • JULHO/AGOSTO • 2011

divulgação

divulgação

no Parque Estadual Carlos Botelho, junto ao governo do estado, na construção de novos pontos de coleta de lixo e de coleta seletiva na zona rural. Outra novidade que vem ganhando força nos últimos anos é a possibilidade do repasse dos recursos a proprietários de RPPNs e comunidades tradicionais. Essa iniciativa permite a possibilidade de parceria entre os gestores municipais e os gestores públicos e privados de Unidades de Conservação localizados nos municípios, com o objetivo de incrementar a gestão dessas Unidades. Essa ação já acontece em São Paulo e no Rio de Janeiro. Nesse contexto, o município recebe o recurso, elabora uma parceria com a associação local de proprietários de RPPN, que, por sua vez, repassa-o para o proprietário, para que ele

13

25/07/2011 16:20:32


Viviane Lopes/www.akatu.org.br.

CASA SUSTENTÁVEL EXPOSIÇÃO

Fonte / Texto – Assessoria de Imprensa

Casa itinerante mostra as mudanças no estilo de vida da família brasileira nas últimas décadas

14_17 - Casa Sustentavel.indd 14

Viviane Lopes/www.akatu.org.br.

Viviane Lopes/www.akatu.org.br.

Por Arielli Secco

Viviane Lopes/www.akatu.org.br.

14

Viviane Lopes/www.akatu.org.br.

VISÃO AMBIENTAL ••JULHO/AGOSTO JULHO/AGOSTO••2011 2011

A exposição foi criada pela Kraft Foods Brasil em parceria com a Evoluir

25/07/2011 16:17:01


divulgação

aspectos, levando em conta as questões sociais e ambientais dentro de uma abordagem singular e atraente, que instiga o visitante a passear pelo tempo numa análise da evolução destes aspectos. Cada ambiente tem um foco mais direcionado, levando em conta o uso mais comum dado a ele, numa abordagem ampla do viver em família e do que mudou na consciência ambiental nas últimas décadas. - Sala: consumo de energia em eletroeletrônicos, relações familiares; - Quarto: moda, consumo, vestuário, sonhos; - Cozinha: alimentação, reaproveitamento de alimentos e reciclagem; - Banheiro: uso racional da água e solidariedade; - Quintal: relação entre o homem e a natureza, reciclagem;

- Rua: convivência no espaço público. “Nossa intenção é mostrar para as pessoas as mudanças ocorridas nos hábitos das famílias ao longo dos anos, sugerindo reflexão, iniciativas e soluções acerca do consumo consciente e dicas para se levar uma vida mais saudável e equilibrada”, afirma a coordenadora de Responsabilidade Social Corporativa da Kraft Foods Brasil, Giselle Sigel. O objetivo da exposição é levar o visitante a refletir sobre como o acesso a novos bens de consumo transformaram os hábitos das famílias de classe média brasileira ao longo das últimas cinco décadas. A “Uma Casa, Mil Olhares” faz parte do programa “Uma Vida Sustentável”, criado pela Kraft Foods Brasil em 2009.

VISÃO AMBIENTAL • JULHO/AGOSTO • 2011

divulgação

Viviane Lopes/www.akatu.org.br.

Viviane Lopes/www.akatu.org.br. Viviane Lopes/www.akatu.org.br. Viviane Lopes/www.akatu.org.br.

Um jeito lúdico de entender a evolução na maneira como as famílias brasileiras habitam, usam e vivenciam seu cotidiano em suas moradias, é o interessante projeto desenvolvido pela área de responsabilidade social da Kraft Foods Brasil, em parceria com a Evoluir, Educação e Sustentabilidade, e o Instituto Akatu. A exposição “Uma Casa, Mil Olhares” conta com atividades interativas para crianças, jovens e adultos. O espaço com cerca de 100 metros quadrados mostra uma casa ambientada de acordo com os estilos de vida da família brasileira entre as décadas de 50 e 90, contrapondo os estilos de vida de cada época aos da atual por meio da reprodução de ambientes residenciais típicos. São seis ambientes, onde cada um abordará determinados

15

14_17 - Casa Sustentavel.indd 15

25/07/2011 16:17:12


VISÃO AMBIENTAL •JULHO/AGOSTO • 2011

Viviane Lopes/www.akatu.org.br.

divulgação

divulgação

EXPOSIÇÃO

16

Uma Vida Sustentável O programa foi desenvolvido pela Kraft Foods Brasil, em parceria com a Evoluir, Educação e Sustentabilidade via lei de incentivo fiscal com um aporte de R$ 2 milhões. Trata-se de uma plataforma permanente de projetos educacionais, sociais e culturais e de ações de comunicação, conscientização e engajamento que contribui para a melhoria nos padrões de consumo e qualidade de

14_17 - Casa Sustentavel.indd 16

vida da população brasileira. Em 2011, com o apoio do Instituto Akatu, o programa terá três grandes ações: mais de 100 escolas receberão o “Cantinho Faça Seu Dia Delicioso”, beneficiando mais de 10 mil alunos do ensino fundamental das escolas públicas participantes do projeto. Trata-se de um grande armário móvel contendo jogos, livros, DVDs e brinquedos educativos em que educadores e alunos aprendem e vivenciam a temática da qualidade de vida. Além

disso, cerca de 500 educadores passarão por um curso de formação para que possam desenvolver habilidades e conhecimentos para tratar o tema sustentabilidade nas escolas em que trabalham. O programa “Uma Vida Sustentável” passará por todas as cidades em que existam unidades da Kraft Foods Brasil como São Paulo (SP), Curitiba (PR), Bauru (SP), Piracicaba (SP), Recife (PE) e Vitória de Santo Antão (PE). A expectativa é que o programa atinja mais de 100 mil pessoas.

25/07/2011 16:17:35


Sobre o Instituto Akatu para o Consumo Consciente O Instituto Akatu é uma organização não governamental e sem fins lucrativos que vê o ato de consumo como um instrumento fundamental de transformação do mundo.

14_17 - Casa Sustentavel.indd 17

O Akatu completou 10 anos no dia 15 de março e trabalha para contribuir na conscientização e na mobilização dos cidadãos para consumir sustentavelmente – de modo a tornar o mundo mais justo e sustentável hoje e a deixar um mundo melhor para as próximas gerações – e consumir solidariamente, fazendo escolhas de consumo aumentar os

impactos positivos e diminuir os impactos negativos. Segundo o Instituto, consumir conscientemente não é não consumir. É consumir menos e diferente, tendo no consumo um instrumento para o bem-estar e não um fim em si mesmo. Basicamente, o Akatu investe em duas frentes de trabalho: comunicação e educação.

SERVIÇO - Exposição “Uma Casa, Mil Olhares” Bauru: São Paulo: Curitiba: Piracicaba: Recife: Vitoria de Santo Antão:

Bauru Shopping - 21/06 a 05/07 Shopping Eldorado - 15 a 31/07 Shopping Estação - 06/08 a 21/08 Shopping Piracicaba - 03/09 a 18/09 Shopping Recife - 15/10 a 30/10 Praça pública - 01/11 a 11/11

Patrocínio Conceito - realização - produção: Conteúdo Técnico: Cenografia e montagem: Ilustração: Apoio:

Kraft Foods Evoluir Cultural Instituto Akatu Candotti Cenografia Naná Lavander e Adri Meirelles Lei de Incentivo á cultura.

VISÃO AMBIENTAL • JULHO/AGOSTO • 2011

A Evoluir é uma empresa de educação e sustentabilidade que, há 15 anos, tem como missão promover a mudança de comportamento para uma sociedade sustentável. Assessora empresas no desenvolvimento de estratégias e programas de responsabilidade social e educação para sustentabilidade, além de trabalhar com escolas e governo no desenvolvimento de projetos educacionais, culturais e socioambientais. É reconhecida pela Unesco, Ministério da Cultura e por Secretarias Estaduais e Municipais de Educação e Cultura em todo o País.

divulgação

Sustentabilidade

Viviane Lopes/www.akatu.org.br.

Viviane Lopes/www.akatu.org.br.

divulgação

Sobre a Evoluir, Educação

17

25/07/2011 16:18:03


divulgação

FESTIECO e FIMAB

Por Susi Guedes

VISÃO AMBIENTAL •JULHO/AGOSTO • 2011

Duplo evento ambiental em Bauru teve 6 mil visitantes

18

Bauru, cidade sede da região central do estado de São Paulo, a pouco mais de 300 Km da capital, sediou um inédito e duplo evento ambiental, fruto de uma interessante parceria entre o setor empresarial e a administração municipal, o FESTIECO - Festival de Tecnologia e Inteligência Ecológica e a FIMAB- Feira Integrada do Meio Ambiente de Bauru. Os eventos simultâneos aconteceram nos dias 1, 2 e 3 de julho, no espaço de exposições do Recinto Mello Moraes, uma área de 11 alqueires onde tradicionalmente

18_21 - evento.indd 18

são realizados importantes eventos do interior do estado, administrado pela ARCO- Associação Rural do Centro Oeste. Um público de aproximadamente 6 mil pessoas participou das atividades, atrações, entretenimentos e visitação ao pavilhão de exposições que reuniu importantes empresários, profissionais, técnicos e pesquisadores envolvidos em ações de sustentabilidade. Entre os frequentadores, foram identificados visitantes de 7 estados e de 38 cidades diferentes. No decorrer de três dias

bastantes festivos e movimentados, milhares de famílias e jovens tiveram a oportunidade de visitar quase 50 estandes de expositores que apresentaram criativas ideias ecológicas, produtos sustentáveis e diversificados exemplos de atuação empresarial compatível com a preservação da natureza e com gerenciamento responsável de passivos ambientais. No pavilhão de exposições, além de empresas comerciais e indústrias, estiveram presentes representantes institucionais da área pública, entidades sem fins lucrativos e organizações não

25/07/2011 16:07:41


Grupo Cidade de Comunicação, com publicação diária e circulação regional, o evento ganhou nova dimensão e uma grande oportunidade para viabilizar sua segunda edição, comemorando uma significativa expansão, em todos os sentidos. Com foco institucional e abrindo espaço para a apresentação de iniciativas de órgãos públicos, entidades e Ongs com relevantes serviços e contribuições para a causa ambiental, a Feira Integrada do Meio Ambiente de Bauru, FIMAB, ao ser realizada ao lado do FESTIECO, Festival de Tecnologia e Inteligência Ambiental. Dentre as empresas participantes, tendo como principal parceiro a CGRCentro Oeste, um moderno centro de gerenciamento de resíduos, com base no município de Piratininga, que atenderá a todo o centro do Estado, estavam também a Sabesp, a Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL),m os fabricantes de acumuladores Ajax e Cral, a Concessionária Auto Raposo Tavares (CART), a USC (Universidade do Sagrado Coração) e até uma badalada loja de moda da região, a Tânia Boutique, que participou com a arquiteta Gisele Simão Aidar, apresentando o projeto de sua nova megastore, um projeto sustentável que inclui em seus requisitos a ênfase para a iluminação natural, o armazenamento de água de chuva, o uso prevalente da energia natural e de materiais reciclados em toda sua concepção.

Web Radio Ecológica e Exposição de Orquídeas Após a edição inaugural de 2011, o duplo evento ambiental já demonstrou fôlego de sobra para ser tornar uma atração anual do calendário estadual das

festividades relativas ao meio ambiente. Todo o sucesso foi obtido graças ao trabalho de uma equipe completa de profissionais motivados e idealistas que criaram o projeto e organizaram a produção em tempo recorde. Luciana Gonçalves, radialista e consultora de marketing e eventos e também fundadora do projeto de educação ambiental virtual Olhar Verde, foi uma das organizadoras do evento, ao lado de Renato Franco Zaiden que liderou as parcerias para viabilizar o evento proposto pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente. Sob a coordenação de Renato, da Projeto Cidade e com o empenho pessoal do Secretário Municipal do Meio Ambiente de Bauru, Valcirlei Gonçalves da Silva, de sua diretora Gilda Scalfi, dos profissionais da SEMMA, da 96 FM e do Jornal da Cidade, o FESTIECO e a FIMAB superaram todas as expectativas dos participantes, dos organizadores e do público. Durante os 3 dias dos eventos, uma Web Radio, a ECO96 FM, foi montada no local pela equipe da 96 FM, com transmissão ao vivo pela internet e transmissão imediata em todos os ambientes das instalações da feira. Com programação exclusivamente voltada para a temática da sustentabilidade, a ECO96 FM exibiu cerca de 20 horas de músicas relacionadas com o meio ambiente e centenas de programetes de um minuto, cujas edições tratavam de qualidade de vida, dicas de hábitos sustentáveis e filosofia. Além de toda pré-produção elaborada pelos profissionais da 96FM, a web rádio ecológica também apresentou o “Bons Ares”, um programa de entrevistas liderado pelos jornalistas da rádio que receberam no estúdio local todos os expositores, autoridades, ambientalistas, profissionais do segmento e pesquisadores

VISÃO AMBIENTAL • JULHO/AGOSTO • 2011

governamentais que atuam em projetos ambientais. Paralelamente a feira, e dentro de um espaço especial do pavilhão principal, dezenas de interessantes palestras e workshops foram apresentados para auditórios constantemente lotados por estudantes, empresários e profissionais em busca de reciclagem intelectual sobre a área. Durante a programação, oficinas de culinária sustentável e de brinquedos ecológicos foram oferecidas pelo SESI. Temas como: Gestão Ambiental para Empresas, Efeitos das Emissões de Gases, Lixo Eletrônico, Bolsões de Entulho para a Construção Civil, Educação Ambiental Virtual (www. olharverde.com.br) e Arquitetura Sustentável, entre outros, foram apresentados por palestrantes especialmente convidados. Na praça central do evento, foi montado um coreto ecológico criado a partir de madeiras de árvores descartadas, incluindo um velho tronco de Copaíba de duas toneladas que, apesar de cortada, ainda abrigava brotos vivos de orquídeas e bromélias em pleno desenvolvimento. O “coreto ecológico” tornou-se uma das atrações mais comentadas do evento servindo de palco para uma intensa agenda de shows de artistas regionais que desfilaram belíssimos repertórios da M.P.B. relacionados com a temática da natureza. Realizada em 2009 pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SEMMA), a FIMAB teve já naquele ano o incentivo e o patrocínio do Jornal da Cidade e recebeu em 2011 um grande incentivo graças à formação da parceria que tornou possível a sua realização. Tendo como um dos patrocinadores o Jornal da Cidade de Bauru, um veículo mantido pelo

19

18_21 - evento.indd 19

25/07/2011 16:07:42


(realizado em 2009), conseguiu viabilizar a participação de expositores comerciais que integraram comercialmente a iniciativa, custeando 100% dos custos organizacionais através do FESTIECO, que viabilizaram a FIMAB. Os custos de organização incluíram desde a locação do espaço, a montagem e a identidade visual dos estandes, a decoração do pavilhão

divulgação

para interessantes entrevistas. Graças à aceitação do seu projeto experimental, a ECO96 FM recebe mais um incentivo da emissora de origem que decidiu dar seqüência a idéia da web rádio ecológica. Além do pacote de 12 shows musicais e da Web Rádio, o FESTIECO e a FIMAB receberam importantes adesões tais como a participação da empresa produtora de games educativos, a Mother Gaia, que ofereceu treinamentos gratuitos para crianças e adolescentes, visando o acesso livre ao seu game Cidade Verde; de renomados orquidófilos que montaram uma belíssima exposição de orquídeas raras e do professor de artes e educação ambiental, o TIO GUI, que animou a garotada com suas oficinas de brinquedos recicláveis.

divulgação

FESTIECO e FIMAB

VISÃO AMBIENTAL •JULHO/AGOSTO • 2011

Parceria criativa Após um chamamento público, a SEMMA obteve a adesão do Grupo Cidade, através da empresa Projeto Cidade, que já tinha em seu portfólio o planejamento de um evento ambiental denominado FESTIECO. Atendendo ao chamamento, a Projeto Cidade se apresentou como viabilizadora da FIMAB através da parceria com seu evento, que nascia focado em empresas e instituições com interesses mercadológicos e de promoção de suas marcas em eventos focados no segmento ambiental. Comercializando patrocínios e estandes para o FESTIECO com sua expertise, a Projeto Cidade, que tem em seu currículo a comercialização, organização e produção de eventos do porte da Copa Davis (realizada em Bauru em 2010) e do EGAV-Encontro Geral de Aviação

principal e das áreas acessórias. Também o transporte, manutenção, a documentação burocrática, a assessoria de imprensa, a elaboração de todo o material publicitário promocional, o coquetel e o jantar de lançamento, os shows, o palco, o som e a iluminação, a segurança, a recepção, as promoters, o pessoal de recreação, a limpeza, a mídia em jornal, radio, TV, outdoors, hotsite, até a produção de materiais de apoio, camisetas e brindes foram possíveis graças a iniciativa. Dessa forma todos os expositores integrantes da FIMAB participaram sem pagar pelos estandes e pelos custos condominiais do duplo evento, que também foram bancados graças a ação mercadológica. Integraram o evento em 2011: ADN Biodiesel e Albagás, Aeroclube de Bauru, Acumuladores Ajax,

ASSENAG-Assossiação dos Engenheiros Arquitetos e Agrônomos de Bauru, Bauru Outdoor, Bebidas Fernandes, Blocos & Blocos, Brambilla, C.Canedo, CARTConcessionária Auto Raposo Tavares, CBC Ambiental, Cetric, CGR Centro Oeste, CIESP, COMTURConselho Municipal de Turismo, CPFL, Cral, Ebara, Ecotec, Elo Musical, EMDURB, ETEC-Rodrigues de Abreu, FERSS, Ecorreto, Expresso de Prata, Fórum Pró Batalha, Hospital Beneficência Portuguesa, Instituto Ambiental Vid’água, Jardim Botânico, Lixo Digital do Brasil, Grupo Lwart, Maisque.com Comunicação Digital, Laboratório Natron, Lume Light Comunicação Visual, Olhar Verde, Rádio Auri Verde, Revista Visão Ambiental e Global Cultural, Sabesp, SAGRASecretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento, SENAI, SESI, Sinduscon, Tânia Boutique e Gisele Aidar Arquitetura e Design, Tektron, Tilibra, Transurb, Tryor, TV FIB, Unesp, USC-Universidade do Sagrado Coração, ZOO Municipal de Bauru.

20

18_21 - evento.indd 20

25/07/2011 16:07:43


Contêiner inovador, ocupa pouco espaço urbano e coleta grandes volumes. Tecnologia alemã agora no Brasil.

C

M

Y

CM

Representante exclusivo no Brasil

MY

CY

CMY

K

Várias linhas de contêineres de coleta de lixo.

Entre em contato conosco e saiba mais.

Certificadoras:

www.guajara-ambiental.com.br guajaraambiental@uol.com.br


Fábio Tieri

SUSTENTABILIDADE Diretores das empresas fornecedoras

Fonte: Assessoria De Imprensa

Por Susi Guedes

Sustentabilidade de Ponta A Ponta VISÃO AMBIENTAL •JULHO/AGOSTO • 2011

Fábio Tieri

já consagrado no mercado. Para se enquadrar no projeto, os produtos passam por estudos e avaliações do Centro de Tecnologia de Embalagem – Cetea, entidade vinculada ao Instituto de Tecnologia de Alimentos - ITAL , os quais legitimam processos, procedimentos e resultados, para no destaque: Marcos Samaha final validar os produtos participantes como sendo Em parceria com grandes ambientalmente corretos, e com empresas, o Walmart dá continuidade ao melhorias consideradas relevantes. projeto de conscientização e consumo O que chega ao consumidor final sustentáveis. A ideia geral é incentivar é um produto com a mesma qualidade, empresas líderes a melhorarem, dentro mas aprimorado com pontos relevantes de conceitos ambientais, algum produto na questão ambiental, que podem ser

desde eficiência energética, diminuição de consumo de água em sua produção e redução de emissão de gases de efeito estufa, até embalagens inteligentes, tratamento e reaproveitamento de resíduos, capacitação, certificação e apoio a produtores e fornecedores de matéria prima, otimização de transporte e logística, e outros pontos que em geral o consumidor não se dá conta ao fazer suas compras, mas que numa escala cada vez maior, pode fazer toda a diferença para o futuro do planeta. A postura do Walmart é no sentido de que qualidade e sustentabilidade são totalmente compatíveis. “Optamos por focar produtos líderes de mercado por duas razões: o consumidor não precisa abrir mão do item de sua preferência e, ao mesmo tempo,

22

22_25 -Wallmart.indd 22

25/07/2011 16:05:23


Fábio Tieri

Fábio Tieri

acreditamos que podemos influenciar outros fornecedores a adotarem ações semelhantes, gerando um efeito multiplicador em todo o mercado”, afirma Marcos Samaha, presidente do Walmart Brasil. Só em resíduos, os 13 produtos desta edição representam redução de mais de 250 toneladas por ano, considerando a estimativa de venda em um ano no Walmart. Pelo mesmo critério, a redução do uso de água chega a dois milhões de litros e, de energia, mais de 19 milhões de Kwh. Além disso, em relação às emissões de gases de efeito estufa, houve redução de 3.171ton CO2 equivalente, o que corresponde a uma economia de 17,3 milhões de km rodados. Na primeira edição a empresa contou com 10 fornecedores e produtos que levaram às gôndolas a opção de uma compra consciente em prol do meio ambiente. Os itens participantes da primeira edição tiveram um crescimento médio de venda de 40%, após seu lançamento.

Os resultados demonstram uma clara aceitação e escolha do consumidor pela preservação dos recursos naturais, sem ônus para o seu bolso. “Essa segunda edição do Projeto é uma demonstração de que modelo deu certo. O desafio agora é mostrar aos consumidores que essa é uma iniciativa consistente, com critérios técnicos bem estabelecidos

faz questão de deixar claro que não quer exclusividade nas vendas destes produtos, pois tem uma missão maior, que é disseminar a ideia de produção e consumo conscientes. O lançamento foi precedido de apresentações e exposição de opiniões de representantes do setor público e privado com explanação de cases, ações e objetivos das empresas, e de um esforço comum no sentido de ampliar as discussões e ações efetivas no campo da sustentabilidade. A importância desta atitude se reflete no convite da Secretária de articulação institucional e cidadania ambiental do Ministério do Meio Ambiente - Samyra Crespo, para que o Walmart faça parte da mesa de discussões para o desenvolvimento André Trigueiro com CEOs. sustentável, e a preparação para o RIO + 20, entendimento pleno e uma tendência para o consumo de que é necessário o envolvimento consciente”, completa Samaha. de toda a sociedade para que se possa Produtos participantes da primeira pensar num crescimento que una lucro, etapa continuam à venda na rede, e cuidado com a sociedade, e preservação podem ser encontrados também em da natureza; a sociedade e o Planeta outras empresas de varejo. O Walmart agradecem.

O projeto usou tecnologia para utilização do PET

Destaque para os seguintes ganhos ambientais:

100% reciclado pós-consumo com aprovação para

• Redução de 60,7 mil quilos de material de

contato com alimentos e bebidas, implementou

embalagem por ano;

melhorias no processo produtivo e no transporte e

• Redução de 940 mil litros de água por ano;

reduziu massa de embalagem.

• Embalagem PET 100% reciclada pós consumo; • Assistência técnica aos agricultores de guaraná/ garantia de preço e compra da safra.

O projeto teve base nas melhorias no processo

Destaque para os seguintes ganhos ambientais:

produtivo, com destaque para redução no consumo

• Redução de 3280 KWh no consumo de energia;

de energia, na redução da massa da embalagem

• Economia de 943kg de embalagem primária ;

e na geração de resíduos de embalagem no pós-

• Redução de emissão de 635,5 kg de CO2

consumo.

equivalente; • Redução de 184,5L de combustível / ano.

VISÃO AMBIENTAL • JULHO/AGOSTO • 2011

PRODUTOS

23

22_25 -Wallmart.indd 23

25/07/2011 16:05:25


SUSTENTABILIDADE

O projeto contou com a operacionalização de

Destaque para os seguintes ganhos ambientais:

uma nova caldeira para queima de iodo gerado

• Economia de 455 mil litros de água por ano;

no processo, a redução das distâncias totais

• Redução de 30.200 kg de resíduo sólido

percorridas durante o transporte de aparas e

destinado a aterro sanitário;

a introdução de material reciclado no filme

• Redução de 58,2 ton na emissão de CO2 equivalente.

envoltório secundário do produto.

O produto sofreu alterações em seu processo

Destaque para os seguintes ganhos ambientais:

produtivo, aperfeiçoando o uso de recursos e

• Economia de 1.947kg em embalagens em um ano;

reduzindo emissões e geração de resíduos sólidos,

• Economia de 11.669kg de resíduos sólidos;

além da redução de materiais de embalagem.

• Redução na emissão de 6643 kg de CO2 equivalente; • Redução de 244L de água / ano.

Na linha de cabelos Elsève foram identificadas

Destaque para os seguintes ganhos ambientais:

oportunidades de apoiar ações de fornecedores,

• Redução de 4483 m³ de gás / ano;

reduzir o peso da embalagem do creme de pentear,

• Redução de 49317 KWh / ano no consumo de energia;

reduzir o uso de água e energia na planta produtiva

• Redução na emissão de 9675 kg de CO2 equivalente.

e divulgar conceitos ambientais na comunicação com o consumidor.

O produto teve melhor aproveitamento do material

redução da emissão de GEEs.

metálico da embalagem, redução do rótulo e de

Destaque para os seguintes ganhos ambientais:

tinta de impressão. O aperfeiçoamento do processo

• Redução no consumo de 879L de diesel / ano;

produtivo e a otimização de rotas de entrega de

• Redução de 384 kg / ano de resíduos (sucata de aço);

matérias-primas permitiram a redução do consumo

• Redução na emissão 2600 kg de CO2 equivalente.

VISÃO AMBIENTAL •JULHO/AGOSTO • 2011

de recursos naturais, insumos e energia elétrica e

O projeto teve como foco a eficiência energética,

Destaque para os seguintes ganhos ambientais:

redução no consumo de papel, dimensionamento

• Redução de 5042 kg de embalagem/ano;

do aparelho/embalagem e transporte 100%

• Economia de 35,5% de energia elétrica no uso;

marítimo.

• Redução na emissão de 822 ton de CO2; equivalente (98% no uso).

O projeto teve como base redução de massa de

Destaque para os seguintes ganhos ambientais:

embalagem, com destaque para o desenvolvimento

• Rótulos impressos com tinta à base de soja

de nova embalagem de PET de 2 litros e tecnologia

• Redução de 1.805kg de embalagem/ano;

para uso de embalagem 100% reciclada.

• Redução na emissão de 451 kg de CO2 equivalente.

24

22_25 -Wallmart.indd 24

25/07/2011 16:05:27


Foi desenvolvido um novo produto com melhorias

Destaque para os seguintes ganhos ambientais:

ambientais e sociais, com certificação FSC da toalha

• Redução de 1,06 ton/ano no consumo de adesivos

de papel, compactação do produto com mais folhas

e de 2,030 ton/ano de filme polietileno;

por rolo e otimização do transporte do produto.

• Economia de 6.640 kg de embalagens; • Redução na emissão 45 ton de CO2 equivalente.

O projeto teve como destaque a certificação do café

Destaque para os seguintes ganhos ambientais:

em critérios sociais, ambientais e de qualidade,

• Caixas com selo FSC e 100% recicladas;

bem como a redução da massa da embalagem e do

• Redução de 105,3 kg/ano de resíduos de

consumo de tinta de impressão.

embalagens; • 60% de café certificado com selo UTZ (comércio justo) Responsabilidade Social.

O projeto destaca a implantação do processo

Destaque para os seguintes ganhos ambientais:

produtivo em Manaus, bem como a redução

• Redução de 639 kg de embalagens/ano;

da massa da embalagem e da emissão de CO2

• 63% ganho de aproveitamento no frete;

equivalente devido à redução nas etapas de

• Redução na emissão 3632 kg de CO2 equivalente.

transporte, consumo de energia e resíduos de

O projeto teve como foco a forma de produção (plantio

Destaque para os seguintes ganhos ambientais:

direto) com menor erosão, menor consumo de recursos

• Redução de 1578 kg/ano de embalagem;

e aproveitamento de resíduos em toda a cadeia

• Redução de 208 toneladas/ano de resíduos

produtiva, além da campanha educacional com foco na

industrial;

sustentabilidade ambiental e ação de responsabilidade

• Redução na emissão 1105 toneladas de CO2

social na região de produção da aveia.

equivalente.

A eficiência energética, seleção de insumos

Destaque para os seguintes ganhos ambientais:

e

• Redução de 150 kg / ano de resíduos;

campanha

educacional

com

foco

em

sustentabilidade ambiental foram focos do projeto

• Economia de energia de 24,5% por ano no uso ; • Redução na emissão de 560 ton CO2 equivalente.

VISÃO AMBIENTAL • JULHO/AGOSTO • 2011

embalagem celulósica.

25

22_25 -Wallmart.indd 25

25/07/2011 16:05:28


Telefax: 19 - 3112.8700 / 3273.0637 • www.graficasilvamarts.com.br


C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K


CONSUMO CONSCIENTE A Dynasty lança o aparelho de fondue que mistura o inox e o bambu. Do ponto de vista ecológico, o bambu é um material perfeito, cresce espontaneamente em quase todas as regiões do mundo, é uma ótima opção de reflorestamento e suas características físicas são comparadas às da madeira. Uma peça contemporânea que promete esquentar as noites frias do inverno com elegância e sofisticação.

VISÃO AMBIENTAL •JULHO/AGOSTO • 2011

A Formato Design lança com exclusividade a mesa lateral modelo Genova. Prática, moderna e funcional, a Genova é confeccionada em madeira de tauari certificada, com tampo em cristal com 12mm. Para dar um ar ao mesmo tempo contemporâneo e sofisticado aos espaços, o design de sua base apostou na mescla geométrica de círculos - que remetem a cilindros de madeira cortados ao meio e sobrepostos decorados com formas retangulares. Por seu design diferenciado, esse modelo pode ser usado tanto para decorar salas de estar e jantar, quanto escritórios e quartos. www.formatomoveis.com.br.

28

28-31_Consumo.indd 28

25/07/2011 16:04:42


A grife de bijuterias artesanais que surgiu dos ideais de sustentabilidade e ecologia agora leva essas questões um pouco mais além, na coleção ‘O mundo que eu quero’. Desta vez as pequenas ações individuais - que em conjunto podem transformar a vida de todos - inspiraram a designer Mércia Stela. As peças, especialmente os pingentes, sugerem atitudes politicamente corretas, tanto do ponto de vista ecológico como social. Assim o símbolo da reciclagem com gravação dos três R: Reduzir; Reutilizar e Reciclar se transformam em placa; o globo terrestre vem em forma de despertador com a mensagem Desperte gravada; uma lâmpada com a palavra Apague ou uma torneira com um nó e a mensagem ‘Economize’ são alguns dos pingentes que também sugerem ações ecológicas, enquanto a formiga carregando uma folha com a frase ‘Seja Voluntário’ ou a placa com a mensagem ‘Gentileza gera Gentileza’ incentivam ações sociais. Vale lembrar que as embalagens também seguem o DNA da grife e são feitas com papel reciclado, algodão 100% orgânico e folhas de bananeira.

Entre os produtos sustentáveis em alta na arquitetura estão as esquadrias de PVC, que são consideradas ecologicamente corretas por diversos motivos. Entre eles estão a preservação das reservas naturais de madeira e minérios, pois utiliza em sua composição apenas 43% de derivados do petróleo e 57% de cloreto de sódio, obtido do sal comum. Os aditivos utilizados na composição do composto são insolúveis, não poluidores. O produto não é biodegradável, o que é fundamental para a utilização como material de construção. A longa vida útil do produto também garante a proteção do meio ambiente, pois permite a reciclagem. www. eurosystemesquadrias.com.br.

Para os cãezinhos que fazem xixi sempre no mesmo lugar, o EcoTapete Dog’s Care é uma ótima opção para manter o ambiente sempre limpo. Já para aqueles que não fazem xixi no lugar certo, a EcoFralda Dog’s Care evita que o pet espalhe xixi pela casa toda. Ambos são ecologicamente corretos e produzidos com plástico 100% oxibiodegradável. www.dogscare.net

VISÃO AMBIENTAL • JULHO/AGOSTO • 2011

O Boticário possui opções em várias linhas para quem quer aliar baixo custo com consumo responsável. Desde 2006, oferece produtos com refil, o que contribui para redução do impacto ambiental, além de ser uma opção em média 25% mais econômica para o consumidor, na hora da reposição do produto. www.oboticario.com.br

29

28-31_Consumo.indd 29

25/07/2011 16:04:44


CONSUMO CONSCIENTE A K3 Imports trouxe para o Brasil as lareiras ecológicas abastecidas com etanol. Muito difundida na Europa, África e Canadá, a lareira ecológica tem uma série de vantagens. A praticidade é uma delas, uma vez que a chama é produzida a partir da combustão do álcool 92,8%, produto facilmente encontrado. Outro ponto de destaque é o fato de não resultar cheiro, fumaça e não ressecar o ar enquanto a chama estiver acesa, pois a combustão do álcool produz H2O. Além disso, elas estão disponíveis em 17 modelos e cabem em qualquer ambiente, deixando os espaços muito mais atraentes e aconchegantes, sem a necessidade de instalação de chaminés ou dutos. www.k3imports.com.br

VISÃO AMBIENTAL •JULHO/AGOSTO • 2011

A Armando Cerello aposta em peças com design orgânico e moderno, como o aparador Shangai. O móvel possui design com linhas curvas trazendo leveza e movimento à peça. Sua estrutura é feita em apuí, planta amazônica resistente. As amarrações são de junco natural, fibra muito flexível e forte. O tampo (superior e inferior) é revestido com palha. Além do design contemporâneo e do elevado padrão de qualidade, os móveis da Armando Cerello estão ligados à questão da sustentabilidade por serem produzidos com fibras naturais extraídas da natureza, são plantas parasitas que apresentam um crescimento rápido e sua colheita não causa qualquer prejuízo ao meio ambiente. www. armandocerello.com.br

A Herman Miller mostra que além de design, é também referência em sustentabilidade. A cadeira Sayl Chairs, assinada pelo jovem designer Yves Béhar, recentemente foi finalista na categoria no prêmio Green Best. Seu processo de eliminação reduz o impacto sobre a Terra. O fato de a produção das cadeiras ser feita em três continentes diminui a distância entre a fábrica e o comprador. Cadeiras prontas para serem montadas sem o uso de ferramentas, são acondicionadas em caixas de tamanho médio que reduzem os resíduos. O design da cadeira também segue o protocolo de ‘design e desenvolvimento’ da marca, com base nos princípios de química, material, design para desmontagem e reciclabilidade. www.issoehermanmiller.com.br

30

28-31_Consumo.indd 30

25/07/2011 16:04:46


A Billabong, marca representante dos esportes de ação e do lifestyle da cultura surf, e a Água Schin, apresentam a nova fase da coleção Recycler Series no inverno, com peças masculinas elaboradas a partir da fibra de garrafa PET. A novidade da parceria é uma bolsa, primeiro acessório desenvolvido para a linha, que conta com uma pequena bolsa criada para agradar também as namoradas. www.billabong.com.br

A Resina Acrílica Base Solvente da Hydronorth chega ao consumidor com mais valor agregado: é a primeira resina acrílica à base de solventes menos agressivos, o que a torna a primeira resina ecológica do Brasil: menos tóxica, com menor VOC (composto orgânico volátil) e odor reduzido. Podem ser aplicadas em telhas (cerâmicas, de cimento e galvanizadas), pedras naturais, ardósia e tijolos, garantindo proteção ao meio ambiente e às pessoas. www.hidronorth.com.br

28-31_Consumo.indd 31

Concebida pela supermodelo e ativista ambiental Gisele Bündchen, a linha Sejaa Pure Skincare foi lançada no Brasil no início de 2011 com o objetivo de oferecer cosméticos eficazes, mas que respeitem o meio ambiente. Suas fragrâncias calmantes e aromaterápicas, embalagens recicladas e recicláveis remetem a uma filosofia de vida mais tranquila, ideal para aqueles que gostam de se cuidar, mas que também são preocupados com a preservação da natureza. A linha conta com cremes faciais dia e noite e um tratamento de barro. www. sejaabrasil.com.br

VISÃO AMBIENTAL • JULHO/AGOSTO • 2011

O pesquisador Florian Wittmann, do Inpa/Max Planck,lançou o livro “Manual de árvores de várzea da Amazônia” Central. A publicação reúne as principais espécies da várzea, cerca de 180, com base não apenas nas informações reprodutivas dessas espécies, o que é mais comum nos livros de botânica e ecologia vegetal, mas também com base nos caracteres vegetativos. O Instituto Mamirauá foi um grande apoiador dessa obra, já que 80% das espécies foram fotografadas nesta reserva, e aborda aspectos da taxonomia, ecologia e uso das espécies arbóreas da várzea estacional da Amazônia brasileira. Um dos destaques do livro é o estudo ecológico das várzeas, fatores ambientais como a inundação ou como o clima. www.mamiraua.org.br

31

25/07/2011 16:04:49


SANEAMENTO

Por Arielli Secco

Saneamento básico no Brasil: em pé estamos?

VISÃO AMBIENTAL •JULHO/AGOSTO • 2011

Valores ambientais e sociais passam a intermediar relações comerciais e geram oportunidades para comunidades menos favorecidas

32

32_37_Saneamento.indd 32

25/07/2011 16:04:04


divulgação

locais onde o esgoto passa por perto; redução de turistas nas cidades, o que acaba influenciando no comércio e no desenvolvimento do local. Além disso, segundo pediatras, a capacidade de aprendizado de crianças de até cinco anos é reduzida: as constantes diarreias atrapalham o desenvolvimento.

divulgação

acaba afetando, principalmente, as cidades de baixa renda. E os números não param por aí. Segundo Édison Carlos, presidente executivo do Instituto Trata Brasil, apenas um terço do esgoto produzido é tratado. “Muitos litros são jogados nos cursos de água, causando doenças e poluição ao meio ambiente”, explica. Quanto à água, 40% do total retirado da natureza se perde até chegar às casas. “O que acontece são vazamentos, roubos, falta de medição, entre outros”. Outro dado impactante é a quantidade de pessoas que tem conhecimento do que realmente significa um

Saúde em risco sistema de saneamento básico. “84% da população não sabe do que se trata e, por isso, não cobram nenhuma posição da prefeitura da cidade”, diz o presidente, que ainda completa que cabe a cada município desenvolver projetos para melhorias com planejamento e tecnologias. Alguns problemas surgem com a falta de saneamento em determinada região, como: perda de renda na família, uma vez que os provedores faltam ao trabalho para ir ao hospital; perda imobiliária, já que as residências valem menos em

A falta de saneamento básico pode ser considerada um problema de saúde pública. Isso porque o esgoto despejado em lugares inapropriados causa doenças e, consequentemente, aumentam o número de pacientes nos hospitais. Por isso, nada adianta a prefeitura da cidade investir na saúde da população, oferecendo melhorias nos atendimentos hospitalares, e não investir em saneamento básico – a quantidade de pessoas necessitando de tratamentos fará com que os hospitais públicos se tornem ineficientes e não tenham

VISÃO AMBIENTAL • JULHO/AGOSTO • 2011

No Brasil, um dos setores que se encontram em situação precária, é o de saneamento básico. De acordo com números oficiais fornecidos pelo Ministério das Cidades, somente 43% da população está conectada com um sistema de saneamento – esse dado

33

32_37_Saneamento.indd 33

25/07/2011 16:04:06


VISÃO AMBIENTAL •JULHO/AGOSTO • 2011

divulgação

divulgação

SANEAMENTO

mais da metade dos gastos em hospitais. Em cidades com melhor saneamento de esgoto, o índice de pessoas com diarreias é quatro vezes menor do que em cidades com piores índices. Mas não é somente a diarreia que é causada pela falta de saneamento. Esse estudo aponta diversas outras doenças, como: hepatite A, febre entérica, esquistossomose, leptospirose, teníase, helmintíase, micose, conjuntivite e tracoma. divulgação

capacidade de atender de forma correta todos aqueles que precisam. Uma pesquisa realizada de 2003 a 2008 em 81 cidades com mais de 300 mil habitantes comprova que lugares sem um sistema de saneamento causam maiores impactos na saúde de sua população e no Sistema Único de Saúde (SUS). Nas cidades analisadas, existe uma clara associação entre saneamento básico precário, pobreza e índices de internação por diarréias. Municípios com maiores porcentuais de esgotamento inadequado têm maiores taxas de hospitalização. Crianças de até cinco anos formam o grupo mais vulnerável à essa enfermidade: 50% das internações foram causadas por esse tipo de doença, que que também é responsável por

Situação atual Segundo o Instituto Trata Brasil, o País ainda está longe de alcançar a universalização dos serviços de esgotamento sanitário como o

“Nas cidades analisadas, existe uma clara associação entre saneamento básico precário, pobreza e índices de internação por diarreias.”

34

32_37_Saneamento.indd 34

25/07/2011 16:04:12


4% das obras foram concluídas até o final. Isso é o que revela um relatório da Trata Brasil nomeado de “De Olho no PAC”, que ainda acrescenta que se esse ritmo for mantido, muitas obras só serão finalizadas em 2015. O acompanhamento é feito sobre uma amostra de 101 obras entre redes de coleta e sistemas de tratamento em municípios com mais de 500 mil habitantes e que, totalizam R$ 2,8 bilhões. Essas informações são obtidas através de consultas e solicitações formais à Caixa Econômica Federal, BNDES, Siafi, relatórios oficias do PAC e Ministério das Cidades. Dessas 101 obras, quatro foram concluídas, 22 estão atrasadas e 11 ainda não foram iniciadas.

“Em 2008, segundo a pesquisa, a média de coleta de esgoto nas cidades não ultrapassava 56%.”

divulgação

Canadá e a Alemanha, por exemplo. Em 2008, segundo a pesquisa, a média de coleta de esgoto nas cidades não ultrapassava 56%. As 81 cidades analisadas de 2003 a 2008 formam um ranking que mostra a situação dos municípios brasileiros. Foi possível elencar as 10 melhores e as 10 piores cidades em vários quesitos relacionados a esgotamento sanitário. Em ordem, são eles: Os 10 melhores: Jundiaí (SP), Franca (SP), Niterói (RJ), Uberlândia (MG), Santos (SP), Ribeirão Preto (SP), Maringá (PR), Sorocaba (SP), Brasília (DF) e Belo Horizonte (MG). Os 10 piores: Porto Velho (RO), Duque de Caxias (RJ), Belford Roxo (RJ), São João de Meriti (RJ), Ananindeua (PA), Jaboatão dos Guararapes (PE), Rio Branco (AC), Canoas (RS), Belém (PA) e Nova Iguaçu (RJ). Pensando em tornar o sistema de saneamento mais eficaz, algumas prefeituras estão buscando parcerias com entidades privadas para atuar onde empresas públicas ainda não atuam. “Esse é o caso de cidades como Mogi Mirim e Andradina, que contam com os serviços de empresas privadas e da Sabesp”, conclui.

CODESAN

Congresso para o Desenvolvimento do Setor Nacional de Saneamento Pensando em proporcionar um rico ambiente para debates e exposição de conceitos que contribuam para a maturação do setor de saneamento, a Viex

32_37_Saneamento.indd 35

Americas realiza seminários abertos ao público e às empresas. Temas de extrema importância de ordem regulatória, financeira, ambiental, técnica e operacional são abordados durante o encontro. Mais informações: www.viexamericas.com.br/pdf/codesan2011.pdf’

VISÃO AMBIENTAL • JULHO/AGOSTO • 2011

Após quatro anos de PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), apenas 40% dos investimentos nas obras voltadas a esgotos foram liberados e somente

divulgação

Obras de melhorias

35

25/07/2011 16:04:13


SANEAMENTO XXII FENASAN – Feira Nacional de Saneamento e Meio Ambiente XXII ENCONTRO TÉCNICO AESABESP Informação e Negócios Ambientais Entre os eventos que tratam de saneamento e questões ambientais, a FENASAN se destaca. Originalmente criada por uma comissão organizadora da AESABESP – Associação dos Engenheiros da SABESP, após mais de 20 anos de existência, a feira serve como importante oportunidade para networking, promoção de negócios, vitrine para empresas do setor, e disseminadora de conhecimento. Realizada anualmente, reúne importantes empresas do segmento, e busca sempre diversificar os temas abordados no Encontro Técnico, bem como trazer palestrantes de destaque, neste ano estarão presentes: Fernando Almeida com a palestra - Qualidade de vida: perspectiva de 2011 a 2050 e Max Gehringer com seu jeito particular de abordar temas diversos, desta vez o tema será - Um banho de recursos para o bom profissional de saneamento.

VISÃO AMBIENTAL •JULHO/AGOSTO • 2011

Os temas do Congresso desta edição de 2011 são:

36

• • • • • • • • • • • • • • •

Desenvolvimento tecnológico e inovação Eficiência energética Gestão empresarial e empreendimentos Legislação e regulação Manutenção eletromecânica Meio ambiente Mudanças climáticas Produtos, materiais e serviços Recursos hídricos Redução de perdas Resíduos sólidos e reciclagem Saúde pública Sistemas de abastecimento de água/Tratamento de águas superficiais e subterrâneas Sistemas de coleta de esgoto/Tratamento de esgotos e efluentes Softwares e automação

A projeção internacional se evidencia quando analisados participação e visitação de outros países como: Alemanha, Argentina, Chile, China, Estados Unidos, Holanda, Índia, Israel, Itália, México e Portugal, sinal de que somos fonte e destino de informação, produção e tecnologia na área do saneamento. Esta edição apresenta crescimento impressionante desde a última, criando a necessidade de uma maior área para atender a demanda às necessidades de expositores e visitantes. Vale a pena conferir. Mais informações: www.fenasan.com.br

32_37_Saneamento.indd 36

25/07/2011 16:04:16


REVISTA • GESTÃO DE RESÍDUOS • TECNOLOGIA • SUSTENTABILIDADE

ade, d i l i b a t Susten ação preserv l e ta ambien ade bilid a s n o p s re uma social n ão caç comuni a integrad

Revista ntal: Visão Ambie ia opção de míd direcionada da e especializa

AGORA NAS BANCAS Conteúdo diferenciado e design mode rno valorizam nossos anunciantes

Para anunciar: (11) 2304-2102 (11) 8062-0070

UMA PUBLICAÇÃO DA

www.rvambiental.com.br comercial@rvambiental.com.br 57_An RVA.indd 57

2/25/11 10:25:36 PM


PUBLICIDADE VERDE

VISÃO AMBIENTAL •JULHO/AGOSTO • 2011

Conar define normas para combater “greenwashing” em propagandas

Por: Rogério Ferro, da equipe instituto Akatu

Objetivo é evitar publicidade enganosa de produtos comuns como se fossem “verdes”; medida começa a valer em 1º de agosto

38

38-41-Publicidade.indd 38

25/07/2011 16:02:35


variam de advertência à suspensão da campanha publicitária e divulgação pública do descumprimento da regulamentação. “Dependendo da gravidade do caso, o Conar pode agir por meio de medida liminar, o que tira o comercial de veiculação em poucas horas”, explica. A entidade não aplica multa em caso de infração. “O consumidor preocupado com a sustentabilidade do planeta, na hora da compra, tende a adotar critérios de sustentabilidade dos produtos como diferencial e a privilegiar empresas responsáveis social e ambientalmente. A publicidade é, em geral, o principal meio de informação sobre produtos e serviços de que ele dispõe”, diz Camila Melo, gerente do programa de educação do Instituto Akatu. Dados da pesquisa Akatu 2010 sobre a percepção do consumidor brasileiro em relação à responsabilidade social das empresas, apontam que apenas 13% dos brasileiros acreditam que as empresas realmente fazem aquilo que elas divulgam em termos de responsabilidade social e, 44% não acreditam. Outra parcela considerável dos co n s u m i d o re s (32%), disseram avaliar a empresa anunciante e, 8%, o meio de comunicação onde viu a propaganda. Os restantes 3% não souberam responder. Por outro lado, segundo a mesma pesquisa, 29% dos brasileiros afirmam que procuram repassar ao maior número possível de pessoas as informações

que aprendem sobre empresas e produtos e, entre o grupo dos consumidores considerados “mais conscientes”, esse percentual sobe para 64%. “Por isso, ele [o consumidor] é fundamental nesse processo de averiguação do que é verdade ou não”, afirmou Leifert, ressaltando a atitude do consumidor brasileiro de divulgar as informações que obtém sobre empresas e produtos. Segundo Leifert, o Conar tem uma área de monitoria que verifica rotineiramente os principais veículos de comunicação do país, “mas contamos muito com as denúncias de consumidores, além de autoridades, entidades e empresas”, diz. Leifer explica que o consumidor pode fazer a denúncia tanto pelo site da entidade como por carta sem precisar enviar o anúncio ao Conar. “Garantimos sigilo do denunciante e só exigimos que ele formule sua denúncia por escrito, identifiquese claramente e informe o dia, hora e veículo onde viu a peça, seja na TV, no rádio, jornal, na internet, inclusive, e-mail marketing, folhetos e ponto de venda”. Para denunciar determinada empresa ou produto, o consumidor pode acessar o site www.conar.org.br ou encaminhar carta para o Conar, que fica na capital paulista, na Av. Paulista, 2073 - Edifício Horsa II - 18º andar. CEP: 01311-940.

VISÃO AMBIENTAL • jULHO/AGOSTO • 2011

Greenwashing é um termo em inglês, que pode ser traduzido para algo como “maquiagem verde”, aquilo que parece, mas não é. Ou seja, propagandas enganosas que conferem atributos “verdes” a produtos, marcas e serviços, apenas com objetivo de ganhar admiração, aceitação e competitividade no mercado. E é o greenwashing que uma nova medida do Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) pretende combater, e evitar que o consumidor seja enganado por informações falsas relativas a produtos supostamente “verdes” , e práticas supostamente sustentáveis de empresas. Portanto, a partir de 1º de agosto, a publicidade veiculada no Brasil não poderá mais enaltecer características de sustentabilidade de determinado produto ou serviço se as empresas responsáveis não puderem comprovar tais qualidades. As novas determinações foram incorporadas por meio do acréscimo de um parágrafo e um anexo ao artigo 36 do Código Brasileiro de Autorregulamentação Publicitária. Na prática, o novo texto do código exige que as publicidades com apelo ambiental veiculem informações verdadeiras e que os respectivos benefícios ambientais salientados sejam comprováveis. Além disso, os impactos ambientais positivos dos produtos e serviços devem ser significativos e considerar todo seu ciclo de vida, ou seja, desde fase da extração da matéria-prima e produção, passando pela de uso e, finalmente, a de descarte. Segundo Gilberto Leifert, presidente do Conar, a proposta do conselho não é meramente punir as empresas, mas sim elevar “o nível da publicidade sobre sustentabilidade”. A empresa que descumprir as normas, fica sujeita a punições que

39

38-41-Publicidade.indd 39

25/07/2011 16:02:38


divulgação

PUBLICIDADE VERDE

VISÃO AMBIENTAL •JULHO/AGOSTO • 2011

40

NA visão de Leifer, o parágrafo foi acrescentado ao artigo 36 do Código brasileiro de Autorregulamentação Publicitária, por considerar “crescente a utilização de informações e indicativos ambientais na publicidade institucional e de produtos e serviços”. O texto original deste artigo fazia menção apenas ao combate a anúncios que estimulassem a poluição, desperdício e depredação dos recursos naturais e do meio urbano e a má conservação do meio ambiente, e foi complementado e ampliado, em função da nova realidade de consumo consciente. Segundo o presidente do Conar, a norma não pretendente boicotar a esse tipo de publicidade.

38-41-Publicidade.indd 40

“Queremos que um anúncio que cite a sustentabilidade contenha apenas informações ambientais passíveis de verificação e comprovação”, explica. De acordo com o Conar, cabe ao anunciante, em qualquer caso, comprovar as suas afirmações. O Conselho de Ética do Conar, formado por publicitários e representantes da sociedade civil, é responsável pela verificação das comprovações, uma a uma, e delibera sobre a validade delas, pedindo mais explicações ao anunciante, se assim considerar necessário. “Para casos mais complexos, os membros do Conselho de Ética poderão solicitar à direção do Conar que busque a opinião de especialistas na matéria para que se chegue a um veredito mais conciso”, diz Leifer. De acordo com as novas recomendações, as empresas divulgação

A Norma

também devem seguir critérios ao anunciar benefícios sociais e ambientais de determinados produtos. “Não serão considerados pertinentes apelos que divulguem como benefício socioambiental o mero cumprimento de disposições legais”, segundo os critérios.

“Não serão considerados pertinentes apelos que divulguem como benefício socioambiental o mero cumprimento de disposições legais.”

25/07/2011 16:02:40


Além de atender às provisões gerais deste Código, a publicidade deverá refletir a responsabilidade do anunciante para com o meio ambiente e a sustentabilidade, e levará em conta os seguintes princípios: 1. Concretude As alegações de benefícios socioambientais deverão corresponder a práticas concretas adotadas, evitando-se conceitos vagos que ensejem acepções equivocadas ou mais abrangentes do que as condutas apregoadas. A publicidade de condutas sustentáveis e ambientais deve ser antecedida pela efetiva adoção ou formalização de tal postura por parte da empresa ou instituição. Caso a publicidade apregoe ação futura, é indispensável revelar tal condição de expectativa de ato não concretizado no momento da veiculação do anúncio. 2. Veracidade As informações e alegações veiculadas deverão ser verdadeiras, passíveis de verificação e de comprovação, estimulando-se a disponibilização de informações mais detalhadas sobre as práticas apregoadas por meio de outras fontes e materiais, tais como websites, SACs (Seviços de Atendimento ao Consumidor), etc. 3. Exatidão e clareza As informações veiculadas deverão ser exatas e precisas, expressas de forma clara e em linguagem compreensível, não ensejando interpretações equivocadas ou falsas conclusões.

4. Comprovação e fontes Os responsáveis pelo anúncio de que trata este Anexo deverão dispor de dados comprobatórios e de fontes externas que endossem, senão mesmo se responsabilizem pelas informações socioambientais comunicadas. 5. Pertinência É aconselhável que as informações socioambientais tenham relação lógica com a área de atuação das empresas, e/ou com suas marcas, produtos e serviços, em seu setor de negócios e mercado. Não serão considerados pertinentes apelos que divulguem como benefício socioambiental o mero cumprimento de disposições legais e regulamentares a que o Anunciante se encontra obrigado. 6. Relevância Os benefícios socioambientais comunicados deverão ser significativos em termos do impacto global que as empresas, suas marcas, produtos e serviços exercem sobre a sociedade e o meio ambiente - em todo seu processo e ciclo, desde a produção e comercialização, até o uso e descarte. 7. Absoluto Tendo em vista que não existem compensações plenas, que anulem os impactos socioambientais produzidos pelas empresas, a publicidade não comunicará promessas ou vantagens absolutas ou de superioridade imbatível. As ações de responsabilidade socioambiental não serão comunicadas como evidência suficiente da sustentabilidade geral

da empresa, suas marcas, produtos e serviços. 8. Marketing relacionado a causas A publicidade explicitará claramente a(s) causa(s) e entidade(s) oficial(is) ou do terceiro setor envolvido(s) na parceria com as empresas, suas marcas, produtos e serviços. O anúncio não poderá aludir a causas, movimentos, indicadores de desempenho nem se apropriar do prestígio e credibilidade de instituição a menos que o faça de maneira autorizada. As ações socioambientais e de sustentabilidade objeto da publicidade não eximem anunciante, agência e veículo do cumprimento das demais normas éticas dispostas neste Código. Agradecimento ao INSTITUTO AKATU - www.akatu.org.br

VISÃO AMBIENTAL • JULHO/AGOSTO • 2011

REGRAS

41

38-41-Publicidade.indd 41

25/07/2011 16:02:41


da

ota

sg oe

içã

ed

Assine ! AGORA É POSSÍVEL ASSINAR A REVISTA VISÃO AMBIENTAL Cadastre-se em nosso portal e receba as informações sobre planos e formas de pagamento

www.rvambiental.com.br Exemplar avulso – R$ 9,90 + R$ 2,50 (postagem) Assinatura semestral (3 edições) – R$ 29,90 Assinatura anual (6 edições) – R$ 54,00 Assinatura bianual (12 edições) – R$ 100,00 (2x R$ 50,00) UMA PUBLICAÇÃO DA

Para assinar: 11 8062-0070

e-mail: assinaturas@rvambiental.com.br 47_Assin RVA.indd 47

2/28/11 8:47:57 PM


divulgação

ETNOTURISMO

Etnoturismo na Amazônia

Turistas poderão conhecer cultura e cotidiano de nativos de Rondônia

VISÃO VISÃO AMBIENTAL AMBIENTAL •• JULHO/AGOSTO JULHO/AGOSTO •• 2011 2011

Por Ana Rodriguez E Bruno Viécili

43 43

43-48 - Etnoturismo.indd 43

09/09/2011 10:24:50


TURISMO ETNOTURISMO

gasodasurui.blogspot.com

município de Cacoal, Rondônia. O projeto pretende receber pequenos grupos de turistas e oferecer opções de programas culturais e passeios ecológicos na região. “Agora estamos na fase de planejamento e implantação inicial, e nossas preocupações estão voltadas para a elaboração de um projeto sólido capaz de atender as necessidades do nosso povo. Diagnosticamos a região e fazemos levantamento de dados”, explica Suruí.

Tribos indígenas vêm buscando alternativas na busca de soluções sustentáveis que permitam manter natureza, cultura e integração, com a possibilidade de dividirem conhecimento, ao mesmo tempo em que geram renda para seu sustento e manutenção de suas tribos, etnias e tradições. A Tribo Suruí, em Rondônia, é um desses exemplos. Para ajudar na captação de renda e no aumento da oferta de emprego local, criou o projeto de etnoturismo , que consiste em levar visitantes para conhecer de perto como é a vida, a cultura, os hábitos e as relações sociais e com a

divulgação

VISÃOAMBIENTAL AMBIENTAL•JULHO/AGOSTO •JULHO/AGOSTO••2011 2011 VISÃO

Um novo conceito nas práticas de sustentabilidade, o etnoturismo se apresenta como mais uma alternativa entre as possibilidades de unir conscientização, renda e preservação.

natureza em uma aldeia indígena tradicional, além de investirem em reflorestamento. A ideia surgiu quando o então estudante de turismo, Gasodá Suruí, começou a pesquisar maneiras sustentáveis de desenvolvimento social e ambiental na Terra Indígena Sete de Setembro, reserva no

O povo indígena Suruí Paiter vem desenvolvendo diversos trabalhos voltados à preservação da fauna e flora, além do resgate cultural local. Tais atividades têm sido referência do desenvolvimento cultural indígena nacional, assim como um componente importante no processo cultural e social da tribo.

divulgação

“É essencial que tudo seja administrado de forma participativa pela comunidade e caberá a ela coordenar, receber e executar todas as tarefas”, explica Suruí. A primeira etapa deve levar até dois anos e meio para ser concluída. Segundo afirma o idealizador, ainda faltam, no entanto, recursos para a construção da infraestrutura do complexo turístico desejado, que deverá ser erguido em breve nas proximidades das aldeias. “Trata-se de um polo de conservação ambiental e valorização cultural”, ressalta.

Oprojetodeetnoturismoabsorverá mão de obra local e pretende contribuir com a valorização da comunidade. “Será um poderoso instrumento de educação ambiental para os indígenas e visitantes”, avalia Suruí. O povo indígena Paiter Suruí

44 44

43-48 - Etnoturismo.indd 44

09/09/2011 10:26:42


divulgação

posso dizer que o turismo em terras indígenas ou etnoturismo consiste no aproveitamento da cultura de uma determinada etnia, com todas as manifestações culturais de um povo que potencialmente podem ser como atrativos para os visitantes. A ideia do turismo nessas áreas é de aproveitar o potencial turístico e divulgar

divulgação

tem uma população de aproximadamente 1400 pessoas, distribuídas em 21 aldeias, todas pertencentes à Terra Indígena Sete de Setembro, localizada entre os estados de Rondônia e Mato Grosso, e somam uma área de 148 mil hectares.

desse conceito específico, ligado à preservação, seja exclusividade brasileira, porque os atrativos turísticos que o etnoturismo pode oferecer aos turistas são realmente realidades ligadas ao mundo indígenas brasileiro, atrativos naturais e culturais desses povos. Sei que a cultura indígena brasileira é diferente de outras culturas indígenas que possam ser encontradas pelo mundo.

a importância e a necessidade de conservação da riqueza amazônica, tanto em relação ao patrimônio natural, quanto aos tradicionais já existentes nessas áreas.

um pouco sobre o conceito geral de etnoturismo, e também sobre os projetos de sua tribo. Revista Visão Ambiental - Pode nos falar um pouco sobre o conceito geral de etnoturismo? Gasodá Suruí: Na minha visão como turismologo indígena

RVA - Há outras tribos e/ou grupos que participam ou adotam o etnoturismo? GS - Sim. Há projetos de turismo desenvolvido pelos indígenas brasileiros que realmente vêm dando certo, é o caso por exemplo, dos Pataxós do sul da Bahia, no município de Porto Seguro, em Coroa Vermelha. Um trabalho que já tem uma longa história e hoje vem demonstrando resultados importantes para aquele povo. RVA - Etnoturismo é algo brasileiro ou existe também em outros países? GS - Acredito que dentro

RVA - Esta nos parece uma opção bastante interessante dentro dos princípios básicos de sustentabilidade, com viés ambiental, social e econômico, mas suponho que talvez haja algum tipo de resistência e eventuais correntes contra. Se há, quais são os argumentos para os que se posicionam contra? E quais os argumentos que se tem em resposta a isso? GS - O etnoturismo, para que seja uma atividade turística mais adequada a ser desenvolvida nas terras indígenas sem causar impactos negativos aos aspectos culturais e territoriais, precisa ser organizada e planejada, e a sua gestão tem que ser de modo participativo e comunitário. Desta forma, promovendo a interação entre natureza e comunidade com vistas a uma utilização sustentável

VISÃOAMBIENTAL AMBIENTAL••JULHO/AGOSTO JULHO/AGOSTO••2011 2011 VISÃO

Em entrevista exclusiva, Gasodá Suruí nos fala

45 45

43-48 - Etnoturismo.indd 45

09/09/2011 10:26:51


RVA - Pode comentar mais detalhadamente sobre o seu projeto? GA - ideia começou a surgir entre os Paiter, também conhecidos como os Suruí de Rondônia. O povo é falante do tupi-mondé e habita a Terra Indígena Sete de Setembro, com uma população de 1.400 pessoas e um território de aproximadamenteo 248.000 hectares, entre os estados de Rondônia e Mato Grosso. Em 2000, eles decidiram fazer o diagnostico Etnoambiental Participativo do seu território para saber realmente que tipo de potencialidade que a Terra Indígena Sete de Setembro poderia oferecer ao povo indígena Paiter para que eles desenvolvessem projetos voltados ao desenvolvimento sustentável e econômico para o seu povo. Baseado no resultado do diagnóstico elaboraram um plano de gestão do seu território para 50 anos, entre muitos outros projetos que estamos desenvolvendo graças ao diagnóstico que pode nos

reuniões, cursos, capacitação e intercâmbio com outros projetos de turismo idênticos. Mas depois de terminar a primeira fase iremos partir para segunda fase do projeto que realmente será para implantar as infra-estruturas, sendo que na primeira fase já foi escolhido o local cênico para implantar o projeto. RVA - Há planos para ampliação / diversificação do projeto? GS - Sim. Como falei na questão anterior, projeto ainda se encontra

VISÃO AMBIENTAL

divulgação

46

ajudar a detectar a potencialidade turística encontradas na Terra Indígena Sete de Setembro e o Projeto de Turismo Paiter, que se encontra em fase de estudo e pesquisa desde o inicio de 2010, e tem previsão de concluir essa etapa no final de 2011. Dentro dessa fase, realizamos

43-48 - Etnoturismo.indd 46

Amazônica para o mundo através do nosso turismo. RVA - O que pode nos passar com relação a valores? Investimentos, receita, geração de renda para os participantes? GS - Como o projeto ainda se encontrar em fase de andamento, não tem nada definido em relação a essas questões. RVA - Quem são os parceiros, e como atuam? Que tipo de apoio dão, e o que recebem em troca? GS - Hoje as entidades que atuam diretamente junto com a Metareilá, que é a Organização Indígena que representa juridicamente o Povo Paiter, são as: Associação de Defesa Etnoambiental Kanindé, CSF – Conservação Estratégica, IIEB – Instituto Internacional de Educação no Brasil e a ACT - Equipe de Conservação da Amazônica. Os tipos de apoio que essas entidades oferecem ao projeto são acessórias para o desenvolvimento das pesquisas e do levantamento do potencial turístico na Terra Indígena Sete de Setembro, que é o local onde o projeto será implantado. E claro também o estudo de viabilidade divulgação

divulgação

•JU-

e conservacionista do patrimônio natural e cultural indígena, se pode proporcionar melhoria na qualidade de vida dessas comunidades.

divulgação

ETNOTURISMO

na fase de andamento. Ainda falta a segunda etapa para realizar, que é a fase de implantação das infraestruturas, que será um local apropriado (complexo turístico Paiter). Para que possamos mostrar e fazer da melhor maneira para satisfazer os nossos turistas, que poderão nos visitar e não voltar tristes, decepcionados. Temos que nos preparar e desenvolver o turismo Paiter com a cara do povo Paiter, e mostrar o melhor da nossa cultura e da realidade indígena

09/09/2011 10:27:03


VISÃO AMBIENTAL • JULHO/AGOSTO • 2011

divulgação

RVA - Há mais alguma coisa que deseje nos contar? GS - O que mais nos motivou e demonstrou o real interesse pela criação do projeto de turismo na Terra Indígena Sete de Setembro, foi o fato de muitas visitações que vínhamos recebendo das pessoas oriundas de várias partes do mundo ao nosso projeto de reflorestamento no qual estamos trabalhando desde o ano de 2005. É um trabalho que visa reflorestar as áreas degradadas pela retirada ilegal de madeiras pelos invasores no interior da Terra Indígena, com espécies de plantas nativas, que hoje aproximam de 100 mil mudas plantadas pelos indígenas. Além disso, novas parcerias e investimentos são bem vindos, estamos abertos a estudar novas propostas que se enquadrem no projeto.

divulgação

RVA - De que maneira as mudanças sociais, culturais e financeiras podem ser percebidas? GS - As mudanças acontecerão de várias formas: - Unir e organizar o povo Suruí a trabalharem de forma coletiva; - Valorizar e resgatar a cultura Paiter; - Geração de renda; - Benefícios e melhor qualidade de vida ao povo Paiter de Rondônia.

divulgação

econômica que o projeto pretende alcançar para que seja realmente uma atividade que trará desenvolvimento econômico e sustentável para o povo Paiter.

47

43-48 - Etnoturismo.indd 47

09/09/2011 10:27:17


VISÃO ECOLÓGICA

* Maria Rosí Melo Rodrigues

48

Aquecimento global, poluição atmosférica, poluição hídrica, poluição do solo, contaminação global! O que estamos fazendo com nosso planeta? É a ação do homem, querendo produzir, crescer, prosperar. Mas será que podemos crescer e prosperar sem agredir com tamanha gravidade nosso planeta? É claro que sim! E é com esse enfoque que falamos aqui da poluição hídrica, ou contaminação de nossas águas. A água é o nosso bem mais precioso e a estamos destruindo, achando que não terá fim, mas tem! Sabe-se hoje que a água é um bem finito e que, se não nos atentarmos em reduzir ou até mesmo eliminar os dejetos que jogamos em nossos rios, lagos e lençóis freáticos, estaremos comprometendo a vida na terra. Em toda atividade humana ou na maioria delas há um descarte de água contaminada com algum rejeito. Até mesmo os dejetos humanos, os esgotos, são capazes de destruir um corpo hídrico, se não forem tratados eficientemente antes de serem lançados na natureza. Até mesmo após a morte, o ser humano é capaz de gerar compostos contaminantes através da decomposição de seu corpo. Esse é um problema muito relevante e de saúde pública, e temse que despertar para esta realidade, verificando o que está sendo realmente realizado nos cemitérios de uma maneira geral. Um corpo quando enterrado, entra em estado de decomposição e através do trabalho de micro-organismos, um líquido é gerado nessa transformação, como também gases tipo gás carbônico. Tal líquido gerado é denominado de necrochorume. Sabendo que a referida decomposição leva em média de 2,5 a 3 anos, essa substância pode começar a ser eliminada durante um ano após o sepultamento.

48_Visão ecologica.indd 48

A sua principal característica é ter um escoamento viscoso, de coloração acinzentada, composta de 60% de água, 30% de sais minerais e 10% de substâncias orgânicas, sendo duas delas altamente tóxicas, a putrescina e cadaverina, que em contato com a água da chuva podem percolar pelo solo e atingir o lençol freático, podendo desta forma contaminar seriamente as águas subterrâneas e quem delas consumir. Desta forma, se verifica a necessidade urgente de se ter um maior e melhor controle desses cemitérios e seus sepultamentos, pois já foi constatado que em torno de 90% das necrópoles tidas como irregulares, 3/4 delas estão com solo e lençol freático comprometidos. As principais causas são o despreparo no sepultamento e a localização em terrenos inadequados. Segundo a Legislação Ambiental vigente (Conama 368 de 28 de março de 2006), o limite entre a cova e o lençol freático não pode ser menor que 1,5 metro. Mesmo com a existência de tal legislação, a fiscalização ainda é lenta e difícil, haja vista as condições de tempo e estrutura dos cemitérios existentes, os quais devem atender à população com visão social, incluindo assim os indigentes, enterrados sem qualquer critério de proteção ambiental. E que critério é esse? É necessário se realizar uma avaliação de condições geológicas (tipo de solo) e hidrogeológicas (profundidade do aquífero). E o mais importante, elaborar um projeto adequado das disposições dos caixões, instalando uma retenção ou uma captação do líquido gerado na decomposição do corpo, seguindo por sistemas de drenagem específicos para encaminhar o necrochorume captado a um sistema

de tratamento que permita tratar com eficiência suas toxinas, lançando no ambiente um líquido livre de compostos tóxicos para a saúde. Tal tecnologia pode ser desenvolvida e adaptada ao sistema de acordo com estudos específicos de cada empreendimento, verificando caso a caso as necessidades reais da região e das condições hidrogeológicas do terreno em que encontra, e sistemas anaeróbios, processos de desinfecção devidamente dimensionados para atender às reais necessidades de cada empreendimento. Implantando um sistema de tratamento de necrochorume, se estará prevenindo doenças com uma tecnologia que custa muito menos que tratar as enfermidades. Isso faz parte do comprometimento de todos, a priorização e prevenção da saúde da comunidade. Somos todos responsáveis por um meio ambiente mais limpo e próprio a uma boa qualidade de vida em nosso planeta.

divulgação

VISÃO AMBIENTAL •JULHO/AGOSTO • 2011

NECROCHORUME

É engenheira sanitarista da Tegeve Ambiental - www.tegeveambiental. com.br

25/07/2011 16:00:17


C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K


VISÃO AMBIENTAL •JULHO/AGOSTO • 2011

divulgação

EMISSÕES

Por Marina Erbolato

Por um planeta livre de CO2 Soluções sustentáveis para reduzir as emissões de gases na atmosfera podem ser simples, porém não menos eficientes

50

50_53_Emissoes.indd 50

25/07/2011 15:59:42


divulgação

emitem CO2 são: energia (21,4%), processos industriais (16,9%), transporte (14,1%), agronegócio (12,6%), produção de petróleo (11,3%), prédios residenciais e comerciais (10,3%), desmatamento (10%) e resíduos (3,4%). Como consequência, se destaca

a concentração de carbono na atmosfera, já que os reservatórios da biosfera não conseguem neutralizar as emissões humanas. Fenômenos como a seca, a cheia, o inverno e o verão, por exemplo, estão cada vez mais previsíveis e dia após dia, mais rigorosos.

Alternativas sustentáveis Não são somente as grandes empresas que podem fazer algo para minimizar o impacto sobre o meio ambiente. Ações simples partidas de pessoas comuns podem fazer toda a diferença e tornar o meio em que vivemos muito mais saudável. “A utilização de transporte coletivo em alguns dias da semana e o uso de sacolas retornáveis substituindo as de plástico já representam um ótimo primeiro passo em uma sociedade comprometida com o futuro”, sugerem. Outras opções que podem ser adotadas no dia a dia são reciclar sempre que possível, tomar banhos menos demorados e ensinar as gerações mais novas sobre a importância dessas pequenas ações. É importante que o consumidor considere pagar um pouco mais caro

VISÃO AMBIENTAL • jULHO/AGOSTO JULHO/AGOSTO •• 2011 2011

Brasil são provenientes da queima de combustíveis fósseis, como o petróleo, e das mudanças do solo, onde ocorrem queimadas e desmatamento. “Só as emissões pelo uso do solo representam 75% do total de emissões de CO2 no Brasil”, completam. Outros setores também colaboram com essa situação. As áreas que mais

divulgação

Muito se fala sobre as emissões de gases de efeito estufa (GEE) na atmosfera, mas poucos sabem o que realmente isso significa para a degradação – ou conservação – do meio ambiente. Como reduzir, controlar e ou até mesmo acabar com essas emissões? Algumas alternativas, por mais simples que sejam, se praticadas com consciência, acabam resultando em uma melhoria na sustentabilidade ambiental do planeta. O aumento da concentração de CO2 na atmosfera se deu basicamente pelo avanço da população e a modernização da sociedade. Para Mateus Bonadiman e Franscisco Gasparetto Higuchi da Hdom Engenharia e Projetos Ambientais, o aumento do número de pessoas nas cidades provoca a elevação do consumo de bens e serviços de todos os níveis. Mas, a principal consequência de uma cidade moderna é a maior utilização de combustíveis fósseis. “O desequilíbrio na troca de carbono entre a atmosfera e a biosfera é resultado do alto índice de consumo de combustíveis”, explicam. As emissões de carbono no

51

50_53_Emissoes.indd 51

25/07/2011 15:59:44


EMISSÕES

Empresas com foco Muitas empresas estão se preocupando com a situação atual e mudando suas práticas ambientais, visando dar um destino correto às suas emissões. É o caso da Natura. A maior fabricante brasileira de cosméticos e produtos de beleza tem também um compromisso de longa data com o desenvolvimento sustentável. Pensando nisso, implantou em 2007 o Programa

“Isso pode ser realizado de diversas formas, como por exemplo, adquirindo créditos de carbono no mercado, reflorestando áreas degradadas ou auxiliando um proprietário ou instituição publica a preservar uma região florestal”

Carbono Neutro, destinado a reduzir de forma contínua suas emissões de GEE, desde a extração de insumos para produção de matériaprima e materiais para embalagens, passando por processos internos e transporte dos produtos, até o seu descarte. O que não é possível reduzir nos processos de produção é compensado com a aquisição de créditos de carbono de projetos externos. Com o objetivo de minimizar ainda mais o impacto ao meio ambiente, a empresa abriu, em maio deste ano, o Edital Natura Carbono Neutro, que tem como objetivo selecionar novos projetos de redução e/ou remoção de gases que causam o aquecimento global. Serão aceitos projetos que buscam equilibrar os setores de energia e florestal.

divulgação

Além das atividades voltadas às pessoas comuns que visam reduzir o impacto ambiental, há também as chamadas neutralização e compensação. O objetivo é suavizar os efeitos das emissões por meio de processos específicos. É possível compensar essa atividade através de um serviço ambiental que a empresa presta à sociedade de forma voluntária. “Isso pode ser realizado de diversas formas, como por exemplo, adquirindo créditos de carbono no mercado, reflorestando áreas degradadas ou auxiliando um

divulgação

VISÃO AMBIENTAL •JULHO/AGOSTO • 2011

Neutralização e Compensação

proprietário ou instituição pública a preservar uma região florestal”, concluem os sócios da Hdom, que ainda completam dizendo que o importante é que haja um retorno positivo para o meio ambiente, mantendo o estoque de carbono em taxas semelhantes ou maiores do que foi emitido pela empresa. Processo simples e que pode ser efetuado de forma direta ou indireta, a compensação de carbono diminui as emissões de gases de efeito estufa. Seu funcionamento é de fácil compreensão: uma empresa contabiliza quanto de carbono emite e procura reduzir internamente, melhorando seu processo de fabricação. O que ela não conseguir reduzir, compensa com prestação de serviço ou compra créditos de carbono no mercado. Geralmente, a empresa em questão investe ou adquire o mesmo número no qual emitiu, sendo que um crédito de carbono equivale a uma tonelada de CO2.

divulgação

por um determinado produto cujo fabricante esteja comprometido com o meio ambiente, o que já ocorre em países europeus. Por outro lado, as empresas podem pensar em diminuir o consumo de bens primários através de aquisição de máquinas mais modernas elas consomem menos e são mais produtivas. No plano nacional, as principais práticas responsáveis são a troca da matriz energética e a redução do desmatamento na Amazônia. O governo federal também está envolvido nessa busca por um planeta mais sustentável, criando mecanismos que promovam essas iniciativas, uma vez que o setor produtivo ainda depende de incentivos fiscais e tributários para colocar em prática seus projetos de sustentabilidade ambiental.

52

50_53_Emissoes.indd 52

25/07/2011 15:59:46


Com simples gestos, você também pode contribuir e reduzir as emissões de CO2 na atmosfera Use com mais frequência o transporte público da sua cidade

Recicle, reutilize e reaproveite

Substitua as famosas sacolas plásticas por aquelas retornáveis, encontradas facilmente nos estabelecimentos

Prefira produtos fabricados por empresas adeptas a programas de sustentabilidade

VISÃO AMBIENTAL • JULHO/AGOSTO • 2011

O ser humano, juntamente às suas atividades, lança cerca de 35,5 bilhões de toneladas de CO2 por ano na atmosfera e esse é o principal gás que causa o aquecimento global. Para diminuir esses números, foram criados projetos de redução de emissões de gases que, após avaliados, podem gerar créditos de carbono e serem utilizados por países desenvolvidos integrantes do Anexo 1 do Protocolo de Quioto para alcançar suas metas de redução das emissões de gases do efeito estufa. Esse protocolo instituiu o mercado de carbono como um dos mecanismos para reduzir os custos no corte das emissões, assim como o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) e a Implementação Conjunta. O presidente da Target Engenharia e Consultoria, Mauricio Ferraz de Paiva, explica que, para normalizar esse mercado foi editada em 2011 a NBR 15948, que inclui os requisitos para elegibilidade das reduções de emissões, transparência de informações, e registro de projetos e de reduções verificadas de emissões (RVE). O mercado voluntário de carbono global, apesar de representar apenas 1% do tamanho do mercado regulado, já movimenta grandes quantias e desempenha um papel importante na redução das emissões de gases do efeito estufa e no desenvolvimento sustentável. Segundo dados de 2009, o mecanismo negociou 94 milhões de toneladas de dióxido de carbono (tCO2e) ao valor total de US$ 387 milhões. “Nesse cenário, a América Latina está representando em torno de 16%, sendo que o Brasil responde por 58% dos créditos gerados no continente. Essa participação pode aumentar ainda mais agora que finalmente o País dispõe de um padrão que pode ser seguido pelos desenvolvedores de projeto, investidores, compradores e demais envolvidos no mercado”, observa Paiva.

divulgação

O mercado voluntário de carbono

53

50_53_Emissoes.indd 53

25/07/2011 15:59:47


VISÃO AMBIENTAL

* Tadayuki Yoshimura

54

Após discussões que se prolongaram por mais de 20 anos, foi aprovada em agosto e regulamentada em dezembro do ano passado a Lei 12.305, que instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). A nova norma legal estabelece os princípios de responsabilidade compartilhada sobre a destinação dos produtos ao final de sua vida útil. O objetivo da legislação é garantir uma adequada gestão integrada dos resíduos sólidos, estabelecendo a responsabilidade compartilhada e fazendo com que toda a cadeia responsável pela produção de um bem ou produto de consumo se responsabilize pela destinação final do material, seja com o objetivo de reciclálo, reutilizá-lo ou rejeitá-lo, este último somente caso não haja mais como aproveitálo para uma finalidade produtiva. Assim, produtores, fabricantes, importadores, distribuidores, comerciantes, consumidores e os agentes de serviços e gestão da limpeza pública têm responsabilidade sobre a adequada destinação dos produtos que tiveram seu período de utilização encerrado. Foi e está sendo discutido o estabelecimento de metas para que o Brasil tenha uma política de destinação de resíduos sólidos ambientalmente responsável. Elas incluem prazos para reduzir o percentual de resíduos reutilizáveis e recicláveis enviados para os aterros sanitários, com o objetivo de diminuir o volume de material para ampliar a vida útil desses ambientes adequados de acomodação de resíduos e estimular o reaproveitamento de substâncias; para a adoção de sistemas de logística reversa, destinada a garantir o manejo e a destinação de materiais de descarte delicado, como pilhas, lâmpadas e pneus; para a viabilização de sistemas eficazes de coleta seletiva; e para a adequação dos ambientes em que são depositados os rejeitos sólidos, isto é, os materiais que não têm mais como serem

54_Visão ambiental.indd 54

reutilizados ou reciclados. Sobre o último item, decidiu-se como meta que, até agosto de 2014, todos os “lixões” (depósitos de lixo a céu aberto que não dispõem de sistemas de proteção ambiental adequados) sejam erradicados do País e substituídos por aterros sanitários, instalações ambientalmente adequadas para o manejo e depósito de rejeitos. Para contribuir na busca de soluções, a ABLP – Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública – já apresentou aos ministérios do Meio Ambiente e das Cidades um plano técnico de erradicação dos ”lixões” no País num prazo de quatro anos, com a implantação de 256 aterros sanitários regionais e de 192 aterros sanitários de pequeno porte, com um investimento total de R$ 2 bilhões de recursos federais para a aquisição de terrenos, projetos, licenciamentos e instalação de células para acondicionamento de resíduos e rejeitos por um prazo de cinco anos. Todos os investimentos necessários para a operação, manutenção e ampliação dos aterros por um prazo de 20 anos partiriam da iniciativa privada. O plano prevê a formação de consórcios de municípios e o regime de contratação por PPPs (parcerias público-privadas) para a gestão dos aterros. A entidade trabalha atualmente na formulação de uma proposta de abordagem jurídica para viabilizar o projeto sugerido de erradicação dos “lixões”. Essa proposta deve ser encaminhada como sugestão ao governo nos próximos dias, para dar base ao plano inicial. O que é certo é que, havendo vontade política e recursos federais no montante acima mencionado, o plano é plenamente viável, e permitirá que o Brasil entre em uma nova fase na gestão

responsável de seus resíduos e rejeitos. A erradicação dos “lixões” é um tema que julgamos de extrema relevância para elevarmos o nível do Brasil no cenário internacional em relação à destinação final de resíduos de forma ambientalmente correta. Portanto, é com convicção que afirmamos que a questão da gestão e destinação adequadas dos resíduos sólidos gerados no Brasil será bem equacionada com a participação conjunta e solidária dos vários representantes de nossa sociedade. Com educação, conscientização crescente e investimentos adequados e viáveis para a formação das infraestruturas necessárias, em poucos anos poderemos afirmar decididamente que nosso País terá condições de ser classificado como desenvolvido no trato de seus resíduos sólidos.

divulgação

VISÃO AMBIENTAL •JULHO/AGOSTO • 2011

Fim dos ‘lixões’ em 2014: uma meta factível

É engenheiro e presidente da ABLP – Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública.

25/07/2011 15:59:13


C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K


VISÃO FLORESTAL

*Eloi Fernandes

56

O crescimento do Brasil tem colocado as diferentes vertentes da engenharia ainda mais em foco. E, para muito além das áreas tradicionais, ligadas à construção civil e à mecânica, hoje já contamos com profissionais que lidam com temas de diferentes naturezas. Um bom exemplo dessa renovação da categoria é a figura do Engenheiro Florestal. Ainda que, se comparado a outros campos de estudo, a Engenharia Florestal venha a ser considerada nova – o primeiro curso no Brasil foi implantado em 1960, na cidade de Viçosa, Minas Gerais – a área já é avaliada como um dos alicerces que contribuirá diretamente para o desenvolvimento do país. E não é por menos. Responsável por estudar as diversas formas de utilização sustentável dos recursos naturais, esse profissional lida diretamente com a complexidade dos ecossistemas. Em termos práticos, ele pode desenvolver ações de recuperação de áreas degradadas, planejar o manejo de florestas nativas ou plantadas, bem como projetar os impactos ambientais provocados pela atividade humana, como instalações de indústrias. Uma carreira profissional que prevê o conhecimento científico aplicado à realidade e às necessidades sociais. O cenário da Engenharia no Brasil Neste mês em que celebramos o Dia Nacional do Engenheiro Florestal cabe reforçar que, ao tudo indica, temos tantos motivos para ficarmos preocupados quanto para comemorar. Isso porque aproximações do Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Confea) mostram que há um déficit de

56_Visão Florestal.indd 56

20.000 engenheiros/ano em nosso país. Para complementar, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) revelou que se tivermos um crescimento médio de 3.5% na economia, em 4 anos não teremos o número de profissionais necessários. E temos muito que fazer, pois em 2008 conseguimos formar cerca de 47 mil engenheiros, enquanto Rússia e Índia tiveram 190 mil e 220 mil, respectivamente. Uma profissão que tem a cara do Brasil Desde seu descobrimento, o Brasil tem sido reconhecido internacionalmente por suas riquezas naturais e, nos últimos anos, a gestão sustentável desses ativos tem se tornado um diferencial importante para as nações que querem alcançar um crescimento sólido. Nesse sentido, o Engenheiro Florestal aparece como engrenagem fundamental a serviço do desenvolvimento do país. E acredita-se no potencial das universidades e centro de estudos voltados à área florestal. Um grande exemplo é a Escola Superior de Agricultura “Luiz Queiroz”, a ESALQ, integrante da Universidade de São Paulo (USP), onde o curso de Engenharia Florestal, bem como em outras universidades, tem duração de cinco anos e prepara os alunos para a coordenação de projetos. Já em Botucatu, a Universidade Estadual Paulista (UNESP) oferece área extensa para a aplicação da teoria: são três fazendas experimentais, que totalizam 2.500 hectares, incluindo enormes áreas de reflorestamento, que abastecem com matérias-primas as

indústrias instaladas na cidade. Outros centros se destacam na Região Sul do país, onde as empresas de reflorestamento ampliam suas atividades, respeitando a conservação das áreas de florestas naturais e de preservação permanente. Neste cenário de preocupação ambiental e necessidade de manejo dos recursos naturais, o Engenheiro Florestal já se consolida como uma profissão-chave no crescimento sustentável brasileiro. Assim, torna-se premente incentivar a área para que, cada vez mais, esses profissionais possam desvendar as possibilidades do manejo florestal.

divulgação

VISÃO AMBIENTAL •JULHO/AGOSTO • 2011

Engenharia florestal: desvendando a complexidade da floresta

É diretor de Vendas – Brasil da Husqvarna, multinacional sueca líder global na fabricação de equipamentos para manejo de áreas verdes.

25/07/2011 15:58:45


GREEN TALENT

Como o crescimento “verde“ pode ser alcançado por todos? O que pode ser feito para implementar estratégias de sustentabilidade na sociedade? Jovens cientistas do mundo todo que buscam soluções para estas e outras questões urgentes relacionadas à sustentabilidade estão convidados a participar do prestigiado “Green Talents”, um concurso do Ministério Federal Alemão de Educação e Pesquisa (BMBF). Contando com o apoio da Ministra Federal Professora Annette Schavan, o prêmio está na sua terceira edição. Talentosos jovens pesquisadores (até 35 anos) de todo o mundo - especializados na área de desenvolvimento sustentável - estão convidados a se inscrever no “Green Talents – Fórum Internacional para Grandes Talentos em Desenvolvimento Sustentável”. A competição selecionará 20 cientistas de destaque e lhes dará a oportunidade de conhecer e trocar opiniões com os principais especialistas atuais no campo da sustentabilidade, na Alemanha. Um critério de seleção é decisivo: a contribuição efetiva da investigação do candidato a desafios globais, tais como as alterações climáticas, os recursos energéticos em declínio e a poluição ambiental. Os vencedores do concurso vão

participar de um fórum científico internacional de dez dias, no terceiro trimestre de 2011. Fazendo um tour pela Alemanha, os “Green Talents” vão visitar as principais universidades, instituições de pesquisa e empresas de destaque no desenvolvimento sustentável. Os participantes vão recolher informações específicas sobre atividades de pesquisa locais e conhecer as oportunidades de parcerias. O fórum incluirá também reuniões individuais com especialistas, bem como eventos culturais. A cerimônia de premiação está prevista para ser realizada no Parlamento Alemão, em Berlim. Em 2012, os vencedores do “Green Talents” serão convidados a retornar à Alemanha, para uma estadia de pesquisa adicional (até três meses). Tanto o fórum quanto a estadia de pesquisa serão inteiramente financiados pelo Ministério Federal de Educação e Pesquisa. A Alemanha é um dos principais destinos do mundo para a pesquisa sobre sustentabilidade e é um forte aliado na cooperação internacional. O país assume sua responsabilidade global promovendo o desenvolvimento

sustentável e o crescimento verde. O governo federal alemão está fornecendo investimentos importantes para a criação de inovações sustentáveis em pesquisa e desenvolvimento, além de crescentes parcerias com pesquisadores de destaque do mundo inteiro. O poder de inovação do país nesta área é especialmente atraente para os jovens pesquisadores internacionais que podem se beneficiar da troca com um forte colaborador. Saiba mais sobre o “Green Talents”, a competição e seus primeiros 35 vencedores em www.greentalents. de. Lá você também vai encontrar as diretrizes para as Inscrições 2011, além de um folheto com todas as informações relevantes sobre o programa. Documentos de candidatura devem ser enviados para: greentalents@dlr.de até 29 de Julho de 2011.

VISÃO AMBIENTAL •JULHO/AGOSTO • 2011

Competição internacional “Green Talents” 2011

57

57_ Green Talent.indd 57

25/07/2011 15:57:55


VISÃO SOCIAL

* Lilian Reis

58

Incredulidade, falta de confiança no poder público e na justiça, desconhecimento sobre a mecânica da desapropriação. Esses são os principais problemas detectados por quem trabalha diretamente com comunidades afetadas por obras e projetos. Muitas vezes, despejados à própria sorte, essas pessoas encontram a solidão em vez da solidariedade. Infelizmente, o bem maior e o benefício à coletividade, sacrifica duramente alguns. Idosos, casais, crianças, parentes de diversos graus dividem o mesmo espaço por anos. Ali constroem suas vidas, suas histórias e lembranças. Os frutos de anos de trabalho são ali empregados, promovendo melhorias contínuas para garantir mais conforto e segurança à família. Seria então possível imaginar tudo isso virando pó sob a força de um trator? Só quem vive essa situação é capaz de entender o que significa ter de deixar seu lar de maneira compulsória, abandonando todos os seus sonhos e desejos para trás. Talvez esta seja uma das dores do crescimento. O Brasil está no centro dos holofotes mundiais, como uma grande nação em desenvolvimento. O país que receberá os dois eventos esportivos mais importantes do mundo e vive um boom imobiliário está se transformando num verdadeiro canteiro de obras. Situação que tem aumentado o número de pessoas expostas a dilemas como esse. Mas a perda da propriedade por desapropriação e sua indenização justa está prevista no Código Civil art. 1275,V. o art. 1228. Lá está assegurado que o proprietário pode ser privado de seu bem, mesmo que seja contrário a essa decisão. Porém, quando somos finalmente surpreendidos por essa decisão, surge uma série de perguntas.

58_VIsão social.indd 58

Vou receber o valor justo? Conseguirei comprar outro imóvel nas mesmas condições antes de desocupar? As pessoas em processo expropriatório merecem, no mínimo, o direito à informação. Merecem apoio, pois não desejaram esta situação. Cabe ao empreendedor desempenhar este papel, seja ele público ou privado. A incredulidade reflete o medo, a insegurança de não se ter para onde ir. Lamentavelmente, muitos não conseguem fazer valer seus direitos. Por não terem dado importância à regularização de seus bens, acabam não recebendo um valor justo pelo imóvel. Afinal, não basta ser proprietário do bem em questão, é preciso ter a posse dele, ou seja, uma escritura e um registro. Entretanto, valendo-se da informação pontual e das técnicas de relacionamento, é possível estabelecer um vínculo de confiança com comunidades afetadas por processos expropriatórios ou reintegrações de posse. É necessário que desde o início da elaboração dos projetos, a sustentabilidade seja garantida. Isso quer dizer que é preciso levar em conta custos e critérios sociais, socioambientais, criar canais de comunicação adequados e utilizar suas ferramentas por profissionais habilitados para que estes processos sejam menos dolorosos à população e mais tranquilos ao empreendedor. Exemplos de desocupação pacífica existem apenas quando a informação chega antes, possibilitando que as pessoas tenham tempo para se organizar e se sintam valorizadas. É quando os trâmites judiciais, o porquê do

processo expropriatório e da razão da contratação de um advogado foram minimamente detalhados em diálogos francos e transparentes com as comunidades. Obviamente não é possível agradar a todos, mas é necessário minimizar angústias e realizar a ação social de forma justa. Para isso, é primordial que o ser humano seja respeitado. Coisa que, infelizmente, não tem sido vista com grande frequência.

divulgação

VISÃO AMBIENTAL •JULHO/AGOSTO • 2011

Desapropriação não sustentável: a visão da comunidade

É relações públicas e associada da Communità Comunicação Socioambiental.

25/07/2011 15:57:20


ANA AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS


ESTAÇÕES COMPACTAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

• ALTA TECNOLOGIA COM RESPEITO AO MEIO AMBIENTE • ATENDIMENTO PERSONALIZADO • EQUIPE TÉCNICA QUALIFICADA • PROJETOS EXCLUSIVOS PARA LOTEAMENTOS, CONDOMÍNIOS, INDÚSTRIAS, HOSPITAIS, ESCOLAS, ENTRE OUTROS

11 4411-0977

flipper@flipper.ind.br

RVA 10-2011  

Revista Visão Ambiental nº 10

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you