Page 1


Disponibilização: Eva Tradução: Equipe Sweet Club Book’s Revisão Inicial: Ana Paula Revisão Final: Vitória Leitura Final: Faby Formatação: Eva


Lily LeBlanc não nasceu para ter sexo casual, mas depois de sair de um relacionamento horrível de sete anos, ela definitivamente está disposta a dar uma chance. E o que é melhor do que experimentar isso com o melhor amigo do namorado da sua melhor amiga? O que poderia dar errado? Nada mesmo. O jogador da NHL, Randy Ballistic, vive como o seu último nome no gelo e no quarto (Balístico). Seu melhor amigo e colega de equipe, recentemente desistiu das Puck Bunnies e as trocou por uma namorada de verdade. Acontece que ela tem uma amiga muito quente se recuperando de um término de namoro. E Randy está mais do que feliz em ser uma aventura para Lily e a ajudar a voltar para a cena do namoro. O sexo casual é apenas casual, até que coisas como ligações e emoções se envolvam. Uma vez que isso acontece, alguém é obrigado a acabar com isso.


Prólogo Memórias, malditas sejam.

LILY

"Eu tenho uma faixa marrom em karatê." "E eu tenho uma faixa preta em chutar a porra da sua bunda." Estas são as palavras que se repetem mais e mais na minha cabeça. Junto com as promessas de Randy: "Eu posso fazer você esquecer os seus problemas se você quiser." E "Eu aposto que alguns orgasmos vão fazer você esquecer tudo sobre o otário do seu ex. Quer saber se eu estou certo?" Arrasto a minha mão no meu rosto e verifico o relógio. São quatro da manhã. Tenho tentado a dormir nas últimas cinco horas. Entre as duas e as três consegui não olhar para o teto ou para o meu relógio, mas acordei com a minha mão na minha maldita calcinha. Mais uma vez. Coloco a minha cabeça debaixo do travesseiro, como se fosse uma barreira entre meu cérebro e as memórias. Não estou surpresa com a minha falta de sucesso. Então desisto. Se parar de lutar contra as fantasias, talvez eu seja capaz de dormir esta noite. Rolo sobre as minhas costas, fecho os olhos e deixo vir as imagens. Sou imediatamente transportada para o passado. Ok, isso não é nem remotamente verdade, mas me lembro, com uma clareza surpreendente, a minha apresentação à superestrela da NHL Randy "Balls" Ballistic, a mais recente adição


à equipe de Chicago. Eu estava acampando no norte do deserto canadense com Benji, meu namorado bunda mole; Sunny, a minha melhor amiga; e Kale, o melhor amigo de Benji e o ex de Sunny. A experiência não tinha sido tão agradável. Depois de sete dias sem água corrente, estava desesperada para desaparecer na floresta e relaxar sob as maravilhas da ducha quente na casa de campo do irmão de Sunny, em Muskoka. Também precisava enfrentar a bagunça que era os meus pelos. Antes da viagem cancelei o compromisso com minha depiladora. Ela era o cara, e eu precisava do dinheiro para comprar mantimentos para a viagem. Também estava zangada com Benji, então deixei os meus pelos crescer para irritá-lo. Benji tinha deixado crescer um horrível, desigual e feio bigode, então eu tinha feito o mesmo nas minhas pernas, para ver se ele gostava quando eu esfregasse por todo o seu rosto maldito. Não que ele me tenha dado oportunidade para fazer isso muitas vezes. De qualquer forma, quando estava prestes a enfrentar o muppet1 peludo vivendo na minha vagina, a porta do banheiro se abriu. Eu esperava que os únicos a entrar fossem Sunny, ou talvez o babaca do Benji, Não era nem um nem outro. Em vez disso, me deparei com um homem amplo, bem construído, muito quente, com a mão em seu short. O seu cabelo escuro estava puxado para trás num daqueles pequenos e bonitos coques, e os seus olhos eram da cor de mel. Ele ostentava uma barba grande, mas era bonita, e funcionava nele. A mão dentro de seu short 1

Muppet são fantoches.


fazia parte de um braço com uma manga tatuada completa. Eu gritei, como parecia apropriado, considerando que um cara muito quente que eu nunca tinha visto antes na minha vida, somente na TV durante os jogos de hóquei, mas fora desse contexto, não o reconheci quando estava parado na porta do banheiro. A sua enorme estrutura bloqueou a minha única saída. Além disso, estava completamente nua, coberta de loção barbear do tornozelo à coxa, e a minha virilha extra peluda. Os seus olhos se arregalaram, provavelmente deveria trancar a porta."

me

observando.

"Você

"Quem diabos é você? Saia! O que está fazendo aqui?" Prendi a minha toalha para cobrir todas as minhas partes. Ele deu um passo para trás, as mãos levantadas como se estivesse pedindo desculpa, mas o seu sorriso engraçadinho dizia o contrário. "Calma, querida. Estava apenas procurando um banheiro." Ele se afastou da porta, rindo. Eu estava furiosa. Envergonhada e não completamente racional, me cobri com a toalha e procurei por uma arma no banheiro. O suporte de papel higiênico tinha uma extremidade sem corte se eu precisasse bater no intruso sexy. Por alguma razão, em vez de ficar na segurança do banheiro, eu o persegui, empunhando a minha arma improvisada, e consegui dar, mais uma vez, um lampejo da minha vagina. A sua diversão era irritante. Como se já não fosse mau o suficiente, menos de uma hora depois, me encontrei presa na cozinha com ele. Sozinha. Sunny e o seu atual namorado Miller "Buck" Butterson, tinham desaparecido na floresta para "resolver as coisas." Randy era amigo de Miller e seu companheiro de equipe da NHL. Então lá estava eu, forçada a me aproximar de um jogador de hóquei insanamente quente. Apesar do constrangimento anterior, estar presa com Randy era melhor do que acabar sozinha com Benji, que tinha passado de ser meu namorado para ser o meu ex ao longo


da semana passada e ainda não tinha tomado a dica e ido embora. Ele e eu tínhamos discutido sem parar enquanto estávamos acampando, uma viagem que supostamente era para ser relaxante. A situação vinha piorando por um longo tempo, mas, finalmente, ficou incontrolável. Eu estava feita de muitas maneiras. Depois de sete anos, a persistente e irritante negatividade de Benji havia se tornado uma âncora, me puxando para baixo, e me mantendo presa a uma história que não estava ficando melhor. Enquanto me debatia com o resultado das minhas pobres escolhas de vida, Randy tinha sentado à mesa, comendo tigela após tigela de Corn Pops e lendo a seção de esportes do jornal. Benji tinha me seguido por toda a casa, empurrando cada um de meus botões. Sem se importar com o nosso público, ele não desistia. Eu já tinha lhe dito de forma inequívoca que terminamos, mas, às vezes, ele era cabeça dura. Ou ele pensou que era um jogo. Nós tínhamos terminado antes. Várias vezes. E então Benji me chamou puta. Foi um golpe. Foi humilhante, pois ainda aconteceu na frente de um espectador. Randy tinha deixado cair a colher no seu prato. Salpicando o leite pela mesa e sua camisa. "Que porra você disse a ela?" Ele perguntou enquanto empurrava a cadeira para trás. Que caiu, fazendo barulho no chão. Randy limpou a boca com as costas da mão tatuada. E então ele caminhou até Benji e ameaçou chutar a bunda dele, mesmo que eu, mais cedo, tenha ido atrás dele com um suporte de papel higiênico. Então fiz o que uma mulher canadense de sangue quente faria quando um jogador de hóquei quente ou não, ameaça alguém com violência extrema em seu nome: Peguei o seu rosto e enfiei a minha língua em sua boca. Parecia que eu estava fazendo isso para


fazer ciúmes a Benji. Mas não foi isso. Eu, principalmente, queria beijar Randy pelo que ele tinha feito. Joguei um pouco de hóquei de amígdalas com ele. Aleguei insanidade por um minuto. A sua barba era suave onde ela me tocou nos lábios e queixo. A sua boca tinha sabor de Corn Pops. A sua língua, oh meu Deus, a língua dele. Apesar do meu ataque inesperado, ele me beijou de volta. Benji passou de fera para desaparecer no fundo. Sunny e Miller devem ter retornado de seu "passeio na floresta" em algum momento entre o insulto de Benji e o meu ataque a Randy, porque quando abri os olhos lá estavam eles, testemunhando o meu ataque. Mortificada, me tranquei num quarto pelo resto da tarde. Disse a Sunny que precisava ficar sozinha. Durante esse tempo, revivi o beijo mais e mais, querendo saber se foi tão elétrico porque Randy me defendeu, porque eu estava com raiva de Benji, ou porque Randy era tão malditamente quente. Prometi a mim mesma que eu não voltaria a atacá-lo como um leão faminto por um bife. Mas, no jantar, Benji tinha ido embora, e os seus textos furiosos cimentavam a minha convicção que tínhamos terminado e não voltaríamos. Chamar-me "puta traidora sem seios" não ganhava um ponto no meu livro. E ainda aqui estava Randy. Lindo. Pretensioso. Cavalheiresco. Talvez um pouco arrogante. Um excelente beijador e um flerte absoluto. Eu precisava de uma distração, e ele parecia ser uma boa. Acabamos dando uns amassos na cozinha. Mais tarde, ele veio ao meu quarto com promessas de diversão e orgasmos. Sem compromisso. Sem amarras. Apenas uma aventura casual. Com as inibições soltas pelas bebidas e hormônios em fúria devido a todo o flerte, eu não podia dizer não. Eu não queria, também. Randy manteve a sua promessa de me distrair dos meus problemas. Os orgasmos foram algo fora deste mundo. Intergalácticos. Mas não tivemos relações sexuais. Randy concordou em ser um substituto,


mas ele traçou a linha na porra da vingança. Não perguntei qual o critério de um para ou outro, mas receber muitos orgasmos sem penetração, eu mal podia reclamar. No momento. Os arrependimentos vieram mais tarde. Pensei que ele era tão doce. Até que ele e Miller foram para uma lavagem de carros de caridade na manhã seguinte, deixando Sunny e eu na casa de campo. Os caras ficariam ausentes apenas por algumas horas, e Randy prometeu mais orgasmos quando voltasse. E eu tinha planos de envolver penetração. Então as coisas se complicaram. Antes de eles voltarem, fotos de Randy e Miller com o que parecia serem modelos em topless se tornaram virais. Eu fiquei com um pouco puta. Puta porque fui enganada, peguei um marcador permanente preto e com a ira de mil mulheres com TPM, numa lua cheia. Desfigurei cada par de cuecas de Randy com a mesma mensagem: PAU PEQUENO. Era uma mentira. Uma invenção. Baseado no que tinha sentido na noite anterior, estava muito escuro para ver, ele possuía um pau enorme em seu short. Dei às suas camisas um tratamento semelhante, decorando-as com a palavra IDIOTA, então ele sabia como me sentia sobre a besteira que ele tinha feito. Como se eu fosse deixá-lo me dar mais orgasmos depois que alguma Puck bunny2 esteve por todo o pau dele, provavelmente montando-o, porque eu não tinha tido permissão.

2Puck

Bunny é mulher fã do Hóquei, e o único interesse no esporte é a atração sexual pelos jogadores, ao invés do jogo em si. Significa Coelhinhas do Hóquei.


Rolando na minha cama, suspiro e pisco para afastar as memórias. Afinal foi tudo um mal-entendido. Quando descobri a história real, já era tarde demais. O estrago já estava feito. Não poderia fazer nada sobre a destruição da roupa. Passou um mês desde que tudo isso aconteceu. Um mês revivendo as horas que passei na cama com ele. Um mês de constrangimento pela minha reação exagerada. Um mês horrorizada por deixar toda a situação acontecer em primeiro lugar. Hoje à noite há um jogo para a caridade e Randy vai jogar. Sunny está me obrigando a ir com ela porque o seu namorado, Miller, organizou tudo. Então tenho que ver Randy novamente. Não tenho certeza do que é pior: a minha mortificação residual ou o fato de que, pelo menos, duas vezes por semana eu acordo à beira de um orgasmo, com o rosto e o corpo impressionante de Randy queimado na parte de trás das minhas pálpebras. O meu corpo está claramente interessado em receber o prazer que ele generosamente disponibilizou de novo. E de novo. E de novo. Mas isso é muito ruim porque eu o odeio. Bastardo presunçoso. O odeio mais porque não posso satisfazer o meu corpo. Era suposto ele ser uma distração. Uma aventura. Transar pelo prazer e nada mais. Ele é o último homem que eu deveria querer. Ele é um jogador. Ele vive para o jogo. No gelo, fora do gelo, é tudo a mesma coisa. E não quero cometer o erro de enfiar a minha língua na sua garganta mais uma vez. Já me envergonhei o suficiente quando se trata de Randy Ballistic.


Capítulo 1 Corra, corra, corra!

LILY

O jogo acabou, e Sunny, formalmente conhecida como Sunshine Waters, a minha melhor amiga desde a primeira série, está neste momento projetada no telão para toda a arena ver. Miller a beija com vigor enquanto "Walking on Sunshine" explode no sistema de som em comemoração a vitória da sua equipe. Na verdade, o verdadeiro vencedor é um menino de doze anos de idade chamado Michael e a sua família. Os lucros deste evento de arrecadação de fundos vão para o seu tratamento. Michael tem um tumor no cérebro. A exposição de Miller e Sunny na tela é excessivamente carinhosa e seria bonita se eu não fosse uma vadia invejosa. Agora odeio todos que estão em relacionamentos felizes, incluindo Sunny. Ok, isso não é inteiramente verdade. Se alguém merece ser amada por tudo que ela é, é Sunny. Antes de Miller, o seu namorado era desagradável. Miller, contudo, é um grande cara. Eu não pensava assim no início, mas agora ele subiu no meu conceito. Olho para longe do telão enquanto eles continuam se beijando, examinando os jogadores que patinam no gelo. Estou à procura de um jogador em particular, apenas para me torturar. Eu localizo Randy a cerca de 20 metros


de distância, com o seu capacete debaixo do braço. Sua barba é grande e mágica, e seu sorriso é a coisa mais linda que eu já vi. Ele passa a mão suada pelo seu cabelo, tirando do seu rosto. Está molhado. Provavelmente encharcado de suor. Eu deveria achar isso nojento. Mas não. Em vez disso, começam umas batidas rítmicas no meu clitóris. Como se um DJ tivesse uma casa na minha calcinha e minha vagina é onde todos os batuques residem. Porraaaa! Porque é que ele tem de ser tão quente? Porque é que fui tão idiota da última vez que o vi? A pequena vibração no meu estômago se transforma em um enxame de borboletas. Calor se espalha da minha vagina para o meu corpo, explodindo nas minhas bochechas. "Vamos, Lily!" Daisy Waters, a mãe de Sunny e a minha "Mamãe dois", como a tenho chamado ao longo dos anos, agarra o meu braço. "Vamos lá para cima, para o bar comprar uma bebida antes de todos chegarem lá!" Afasto o olhar da gostosura insana, fechando os meus pensamentos antes de derreter no chão e perder a capacidade de falar. "Posso ter um refrigerante? E eu posso pedir alguma comida?" Brett, o meu primo de treze anos pergunta. A sua fome é infinita, e ele está comigo esta noite porque ele é amigo de Michael, e ele diria que é de Miller e Randy também, depois de ter frequentado o acampamento de hóquei em que eles foram voluntários neste verão. "Há toneladas de comida! Não se preocupe!" Daisy bagunça o cabelo dele. Brett sai de debaixo da mão de Daisy e apressadamente reorganiza o seu penteado. No mês passado, ele deixou de usar calças de treino desgastadas e não se importa de gastar quarenta e cinco minutos no banheiro, arrumando o seu cabelo e espirrando spray corporal. Poderia ser pior. Ele podia cheirar como a maioria dos meninos pré-adolescentes: mais porco do que humano. Daisy liga o braço dela ao meu, conversando sobre a festa de noivado que ela


vai dar em duas semanas para o irmão de Sunny, Alex, e sua noiva, Violet. Daisy divaga sobre o quão excitada ela está. Esta festa tem sido um tema constante de conversa durante o último mês. É praticamente o assunto que todos falam, isso e esta angariação de fundos. O irmão mais velho de Sunny também joga hóquei profissional. Alex é o central e o capitão da equipe do Chicago, a equipe onde Miller e Randy também jogam. Violet, a noiva de Alex, é, na verdade, meiairmã de Miller. É um círculo estranho do amor, quase como uma novela, mas com atletas e sem namoro coletivo ou troca de casais. Passei uma quantidade excessiva de tempo na casa de Sunny enquanto criança, e ela e eu irritávamos o inferno de Alex nas raras ocasiões em que ele estava em casa. Ele passou a maior parte da sua vida na arena. Alex é um pouco estranho, e eu o conheci antes da sua fama do hóquei, então estou ciente de seu status de nerd na escola. Acho Alex é quente, mas não consigo vê-lo mais do que um irmão substituto, que ajudava eu e Sunny com as lições de casa. Daisy ainda está falando, mas não estou prestando atenção. Estou muito preocupada com o fato de que estamos prestes a passar por todos os jogadores, e Randy ainda está lá, com um sorriso em seu lindo rosto suado. "Claro que você vem com a gente. você pode ficar de folga no fim de semana?" Daisy pergunta. "Ah, sim, com certeza." Eu aceno distraída. "Isso é uma notícia maravilhosa! Sunny não tinha certeza se você ira conseguir. Sei que você é muito ocupada com dois empregos e tudo, mas vamos cuidar da sua passagem para Chicago. Alex tem muito espaço em sua casa, assim você pode ficar com a gente lá. Vai ser um grande final de semana!" Ela aperta o meu braço. "Oh! Ali está Miller e os seus pais e Alex e todos os meninos! Vamos dizer olá! Sunny está com eles. Vamos!" Daisy começa a me arrastar em direção ao grupo de jogadores, que contém Randy. Afundo meus calcanhares no piso de


borracha e tiro os dedos dela do meu braço, tenho certeza que o meu corpo vai me trair quando chegar perto de Randy. Daisy sabe sobre a situação com Randy, ou pelo menos ela sabe a versão moderada, a versão para menores de idade3, mas eu não o posso explicar nada para ela. "Oh... uh... Eu preciso usar o banheiro. Vou encontrar vocês lá em cima, no bar." "Apenas vamos dizer olá, querida." Daisy me dá um de seus sorrisos de ‘a mamãe sabe tudo’. "Eu realmente preciso usar o banheiro, mamãe dois." "Ah, vamos lá, Lily. Michael está ali." Brett geme na sua desafinada voz que está ficando mais rouca. "Você vem comigo, Brett." Daisy coloca a mão no seu ombro e pisca para mim. "Nos encontramos lá em cima." Aceno vigorosamente. "Certo. Ótimo! Vejo-os em um minuto!" Passei a maior parte da minha vida patinando nesta arena, Alex usou as suas conexões aqui em Guelph para reservar o espaço para o jogo de exibição e agora eu trabalho aqui, dando lições de patinação. Sei onde estão todos os melhores banheiros, incluindo um secreto não muito longe do bar onde o pós-festa será realizada. Não sei no que estava pensando quando concordei em vir. Não posso lidar em ver Randy. Tenho muitas emoções conflitantes, como luxúria, constrangimento e autopreservação, se isto é uma emoção. Ignoro o elevador cheio e subo as escadas. Subo os degraus de dois em dois e vou para a direita, em vez de ir para a esquerda em direção ao 3

NR – Versão Parent Guided (PG) no original. Está relacionado com o sistema de classificação de filmes nos EUA.


bar, no topo, me dirijo para o banheiro secreto no final do corredor. Abro a porta, acendo a luz, e me tranco, exalando um longo suspiro. Ligo a torneira, e lavo as minhas mãos sob o jato frio, esperando que vá esfriar o resto do meu corpo. Randy porra Ballistic é um maldito problema. Há um milhão de coisas na minha vida de que me arrependo. Ficar com Benji durante sete anos é uma delas. Não ter Randy fodendo o inferno fora de mim, enquanto eu tinha uma desculpa decente para fazê-lo é outro. Agora, não posso ter certeza do que teria acontecido, se as coisas progredissem de forma diferente, mas agora eu tenho que adivinhar isso. A pior parte é que me atirei no Randy, oferecendo o meu corpo em uma bandeja de prata, o que totalmente não é a minha coisa. Sou responsável. Eu fico com o seguro e confortável. E então ele se recusou a fazer sexo comigo porque eu estava emocionalmente "vulnerável". Mas Randy mais do que compensou a falta de penetração, mas isso não nega o meu constrangimento, especialmente desde que eu destruí todas as suas roupas, o que provou que eu tinha ido de "vulnerável" à instável em questão de horas. Também não diminui o meu pesar. Aquele homem pode comer uma buceta como ninguém. Os seus dedos, e sua boca, e Jesus eu preciso parar de pensar nele quase nu e me tocando. Gemo e olho para o meu reflexo. Pareço um lixo. Quase nunca uso maquiagem e as únicas coisas que tenho são para as competições de patinação artística. Pensei em passar algo esta noite, mas não quero parecer como um palhaço de rua. Além disso, a porcaria em pó dá coceira na minha pele. O meu cabelo é liso assim como o meu peito. Olho para meu decote patético. Preciso ganhar cinco quilos, nos meus seios. Não há nada que eu possa fazer com os meus pobres coitados, que quase nem chegam ao tamanho médio. Vasculho a minha bolsa, em busca de algo além de protetor labial. Qualquer coisa com uma pitada de cor seria melhor do que a forma como pareço agora. Aposto que mamãe dois tem um


suprimento infinito de gloss brilhantes na bolsa. Ela usa uma quantidade insana de maquiagem. E spray de cabelo. Daisy tem usado o seu cabelo da mesma forma desde que me lembro. Não tenho certeza se ela simplesmente amou Dallas e não pode deixá-lo ir, mas seu cabelo é um tipo especial de moda infeliz. Encontro um batom no fundo da minha bolsa. A tampa saiu, e há todos os tipos de sujeira preso ao batom. Pegando alguns pedaços de papel higiênico do rolo, para remover a sujeira de flocos de barra de granola antes de passar nos meus lábios. É um tom claro, um rosa detestável. Passo o papel higiênico para tirar a maior parte da minha boca, mas tudo que faço é manchar ao redor da minha boca. "Droga." Pego mais papel do rolo. Passo-a debaixo de água, bombeio um pouco de sabão com espuma sobre ele e esfrego os meus lábios, tentando tirar a sombra rosa. O sabão entra na minha boca, o sabor químico quase me faz vomitar. Alguém bate na porta. Quase ninguém sabe sobre este banheiro. "Eu saio em um minuto!" Grito sobre a água corrente. Toda a lavagem deixou uma vermelhidão ao redor da minha boca. Agora tenho que me esconder num canto escuro até a minha pele acalmar. Passo um gloss transparente brilhante nos meus lábios que também está escondido no fundo da minha bolsa, desligo a água, e abro a porta. Sunny está do outro lado com os braços cruzados sobre o peito. Ela é bonita sem esforço. Ela pode rolar para fora da cama com seu cabelo loiro perfeito numa bagunça emaranhada, e ela ainda parece pronta para a passarela. Atualmente ela veste uma enorme camiseta de hóquei, um par de calças de ioga preta da Lululemon, é claro, porque é isso que o seu irmão lhe compra, e um par de chinelos. Ela é uma modelo. Se não a amasse, eu a odiaria. Violet, sua futura cunhada está ao lado dela. Ela chega somente ao ombro de Sunny. Ela é uma pequena coisa com peitos enormes e esse cabelo longo surpreendente que não é nem marrom, nem vermelho, mas em algum lugar no meio. Os


seus olhos são uma sombra fabulosa de verde. Nenhuma delas usa maquiagem, tanto quanto eu posso dizer, e ambas são lindas. Ao lado de Violet está outra garota. Eu a vi uma vez antes, mas não consigo me lembrar do nome dela. Ela também é impressionante. Todas elas são fabulosas. "Sabia que você estaria escondida aqui." Sunny joga seu cabelo sobre o ombro. "Não estou me escondendo." Sunny levanta uma sobrancelha. "O que aconteceu com seu rosto?" Violet pergunta, se inclinando mais perto. "Está todo vermelho." "Passei uma coisa. Estava tentando esfregá-la e só piorei.” "O que você colocou nele?" Violet fica ainda mais perto; ela está dentro do meu espaço pessoal. Já a encontrei algumas vezes. Ela é totalmente louca, no bom sentido, estou acostumada com as pessoas que evitam me enfrentar. Isso é provavelmente porque eu dou uma vibração mal-humorada ou o que quer que seja. Violet parece imune a isso. "Só..." hesito um segundo, tentando chegar a uma mentira. Não quero dizer que eu estava colocando batom, porque Sunny saberá que estou tentando ficar bonita para Randy. "… alguma coisa." "Coisa?" Violet pergunta. "Não é importante. Nós provavelmente devemos ir para o bar antes que esteja lotado." "Havia um cara lá com você? Você quer dizer esse tipo de coisa?" Violet passa por mim e abre a porta do banheiro. A menina, cujo nome eu não pude lembrar balança a cabeça. "Basta ignorá-la. Ela está perturbada."


"Eu não perdi isso, Char! É uma pergunta totalmente legítima." Violet olha para mim como se eu fosse confirmar a legitimidade de ter uma reação na porra do meu rosto. No meu silêncio, ela continua a sua explicação. "Às vezes, quando Alex come muitas asas de frango frita, a sua porra deixa o meu peito vermelho." Sunny se encolhe, porque Alex é seu irmão, eu assumo. "Acho que preciso de um mojito." "Ohh! Bom plano!" Violet enfia o braço pelo braço de Char e vai para o corredor. "Vamos, senhoras, vamos beber demais e compartilhar histórias de porra." "Ela é sempre assim?" Murmuro. "Ela está estressada sobre a festa de noivado. De acordo com Charlene, ela esteve bebendo durante todo o jogo." Sunny torce uma mecha de cabelo em torno de seu dedo. "Estou preocupada com ela." Ela vira a sua atenção para mim. "E quanto a você? Você está bem? Pensei que você disse que estaria bem em ver Randy." "Estou bem. Está tudo bem. Não é grande coisa." Aceno com a minha mão no ar um pouco histérica. "Nós nos divertimos. Nada mais." Sunny inclina a cabeça. "Lily." "Realmente, Sunny. Está tudo bem. Provavelmente devo me certificar que Brett está bem e não incomodando os jogadores.” "Você está usando gloss?" "O quê? Não. Vamos." Viro a cabeça para o lado e limpo a boca na minha manga quando nós seguimos Violet e Charlene para o bar. Isso é muito diferente do que a cena depois dos jogos reais. Há um monte de crianças correndo ao redor, porque este é um evento familiar. Eu estive em alguns jogos do Toronto com Sunny. As pós-festas habituais podem ser altas e avassaladoras. Há sempre um milhão de meninas nojentas tentando chegar aos jogadores. Não é assim esta noite.


Sigo Sunny até o bar e peço a mesma coisa que ela está bebendo. Porque ela é a namorada de Miller, e eles querem fazer uma comanda para ela, mas Sunny recusa, dando vinte dólares. Sei que ela não vai me deixar pagá-la, então vou comprar a sua próxima bebida e ficamos quites. Movo-me quando Sunny sai com a bebida na mão, fico um pouco atrás dela para que possa me esconder se necessário. Sunny está alheia a minha ansiedade, parando para conversar e me apresentando a todos que ela conhece que é um monte de gente. Fico quieta e bebo a minha bebida. É deliciosa. Hortelã e limão e a quantidade perfeita de doce. Olho ao redor do bar, vendo todas as pessoas atraentes e bem vestidas. É fácil de entender porque as mulheres se penduram em todos esses caras. Muitos deles estão levando a sério as carteiras recheadas. Alguns deles são quentes. Miller lembra-me um boneco Ken, mas ele é atraente. E depois há Randy. Eu suspiro, gemo, e tusso só de pensar nas tatuagens que cobre seu sólido braço, bem construído, em seu V profundo de músculo, e os abs... Faço um som de sorver terrível, que me tira dos meus pensamentos. "Ha! Eu devo ter estado com sede." Seguro o copo vazio, próximo ao meu rosto que está em chamas. "Vou pegar outra bebida. Tanta sede! Quer outra bebida?" "Estou bem por agora." Sunny mantém a sua bebida na metade. Deixo-a com os seus amigos e volto para o bar. Entraram mais pessoas e os jogadores juntos. Deslizo até o final do bar e peço outro mojito. Mantenho a minha cabeça baixa, deixando o cabelo cobrir o meu rosto. Ele só chega ao meu queixo, então não há muito para esconder. De vez em quando, observo aqueles enormes, homens bem construídos cumprimentarem a todos com sorrisos simpáticos. Hoje à noite nenhum deles parece se importar se estavam na equipe vencedora ou perdedora. "Ei! Aí está você!" Violet bate o seu


quadril curvilíneo contra o meu. Ela está usando a mesma camisa que eu, e a maioria das pessoas neste evento, exceto que ela a preenche muito melhor do que eu na região do peito. Violet joga o braço em volta do meu ombro. Ela está um pouco suada. "Vamos tomar umas doses!" "Eu realmente não..." "Que tal uns mamilos escorregadios e orgasmos estrondosos?" "Estou de acordo com esses!" Diz Charlene, andando ao seu lado. "Ainda se divertindo?" Violet pergunta. Concordo com a cabeça. Para não ter que gritar para falar. "Então, Buck me disse que você e Randy tinham uma coisa. Como foi isso? Ouvi todos os tipos de coisas sobre esse cara. Quer dizer, mais do que o grande jogador que ele é, como ele vai assumir a posição de Alex, e todas as outras merdas que as pessoas dizem." Ela acena a sua mão ao redor e me cutuca no ouvido. Ela está definitivamente bêbada. Porém, não acho que isso afeta as coisas que saem de sua boca. "De qualquer forma, ouvi dizer que ele faz jus ao seu nome, se você sabe o que quero dizer?" Violet diz dando uma piscadela. "Certo?" "Eu, uh..." "Aí está você!" Alex vem atrás de nós e coloca um braço em torno de ambos os nossos ombros. Ele me dá um aperto. "Ei, pequena Lily! Como você está? Já faz muito tempo!" Odeio esse apelido. Sinto-me com doze anos. "Estou bem. Bom... Bom jogo esta noite. Lamento que você perdeu para Miller." "Tudo certo. É tudo por uma boa causa." "Vou fazer você esquecer que você perdeu mais tarde, baby." Não acho que Violet quis dizer isto tão alto quanto disse isso.


Alex ri. "Shh. Nós não precisamos dizer a todos o que vai acontecer mais tarde." "Eu!" Violet levanta a mão. "Eu vou lá embaixo mais tarde." Ele coloca um dedo sobre os lábios, ainda rindo. "Quanto você bebeu, Violet?" "Apenas uma bebida." Alex olha para mim, como se eu soubesse de algo que ele não sabe. Eu encolho os ombros. Que é o momento exato em que o barman define duas fileiras de doses na nossa frente. Alex pega os de Violet antes que ela os possa beber. Pego o meu para impedir Violet de roubar. Tento pagar as minhas bebidas, mas Alex me dá um olhar. Não luto com ele. Ele é muito consciente da situação financeira da minha família. É apenas a minha mãe e eu, e às vezes isso é difícil. De vez em quando, encontro alguns milhares de dólares depositados em minha conta poupança. Sei que é ele. Alex nunca mencionou, e nem eu. Isso machuca o meu orgulho, mas ajuda quando as coisas ficam apertadas. Como no ano passado, quando precisávamos de um carro novo. Lembro-me que tenho o meu primo comigo, então me desculpo, não que isso é necessário uma vez que Violet passou a tentar apalpar Alex, e ele está ocupado impedido suas mãos de irem a lugares que não devem em público. Aperto meu mojito, me mantendo no canto do bar, enquanto procuro Brett. Encontro-o exatamente onde não quero que ele esteja: com Randy e Miller e Michael, o garoto para quem Miller criou este evento, sentado a uma mesa rodeada por pratos cheios de comida. Eles estão sorrindo e rindo e Miller tem seu braço sobre o ombro de Michael. Ele tem uma conexão pessoal com a situação de Michael; sua própria mãe morreu quando ele era um garoto, ela tinha um tumor inoperável. Fui uma verdadeira cadela para Miller quando ele começou a namorar Sunny. Os relatórios da mídia eram altamente desfavoráveis; ele foi negociado para Chicago na última temporada


por transar com a sobrinha do seu treinador anterior num banheiro. Eu estava preocupada com ela. Mas desde o pós-acampamento de fim de semana, e na casa de campo de Alex, vi um lado muito diferente dele que a mídia não conhece. Ele é apaixonado por Sunny, ele faria qualquer coisa por ela. Como nomear uma fundação com o nome dela. As camisetas que todos estão vestindo hoje? Eles dizem Sunshine Project. De acordo com Sunny e os meios de comunicação, Randy, que acontece de ser o melhor amigo de Miller, ajudou a organizar este evento. O envolvimento de Randy não muda o que sinto por ele, apesar de tudo. Só porque ele é bom para Michael não significa que ele não é um jogador prostituto. No entanto, pateticamente, ainda quero montálo como um touro de rodeio. No fundo, não acredito que Randy seja um cara ruim. Na verdade, estou inclinada a dizer o contrário. Um jogador? Definitivamente. Prostituto? Cento e dez por cento. Mas, sou a única que se jogou para ele, e não o contrário. O que mais me incomoda é que, apesar de saber disso, eu não me arrependo do que aconteceu na casa de campo, além de não ter tido relações sexuais com ele. O que lamento. A parte sem sexo. E odeio que lamento o meu pesar, porque me faz sentir como uma bunny, o que eu nunca quis ser. Deveria estar feliz que as minhas ações no mês passado garantiram que nada vai acontecer entre Randy e eu. Não só escrevi coisas terríveis em todas as suas roupas com um marcador permanente, mas o evitei todas as vezes que ele me ligou. Ele não deixou mensagem, então não tenho ideia do que ele queria. Porque todo o conflito sobre um jogador de hóquei? Volte para a minha concepção. O meu pai, que nunca encontrei, jogou hóquei profissional. Ele engravidou a minha mãe quando ela tinha dezoito anos e, em seguida, voltou para a sua boa vida: viajar pelo país, jogar o disco no gelo, e foder Puck Bunnies que estupidamente abrem as pernas para ele, deixando a minha mãe para me criar sozinha.


Ironicamente, a minha mãe se enquadrou na categoria Puck Bunny por um tempo muito curto. Ela nunca namorou outro jogador de hóquei, e ela me bate na cabeça com uma vara proverbial para eu não cair na mesma armadilha. No entanto, ela parece ser boa em encontrar caras em linhas de trabalho que o salário é enorme. Tem sido uma porta giratória de idiotas instáveis na minha casa toda a minha vida. Apesar disso, eu não sou cínica. Assusto-me de novo quando tudo o que encontro é ar no meu canudo, em vez de mojito. Olho para o meu copo, franzindo a testa com a falta de líquido. Como é que a bebida desapareceu tão rapidamente? Eu olho para trás, para Brett. Ah Merda. Randy me viu. Um sorriso maroto puxa os cantos de sua boca sexy. Ele diz algo a Brett e lhe dá um tapinha no ombro, em seguida, empurra a cadeira para trás. Finjo estar envolvida no meu celular. Sinto-me enjoada de tantas vezes que eu olhei a tela quando estava na mesa. Oh Deus. Ele está vindo até aqui. Não estou pronta para isso. Faço uma varredura no bar freneticamente à procura de Sunny. Não consigo vê-la em qualquer lugar, então faço a coisa mais lógica do mundo: fugir do bar, para longe de Randy. Há uma porta de saída que não deveria usar desse lado. O alarme deve estar desligado. Ela vai me tirar daqui e me levar para o banheiro, onde me escondi anteriormente. Posso me trancar lá e descobrir como gerir isso. Abro a porta contra fogo, aliviada que o alarme ainda esteja desligado, e corro rapidamente pelo corredor. Viro à direita rapidamente. Maldito seja. Randy está me seguindo. O que ele poderia querer? Sorrir para mim um pouco mais? Fugir deve ser um sinal que não estou interessada em qualquer tipo de confronto ou discussão, ou até mesmo ficar nua, se ele estiver pensando nisso. Ok, a última parte eu totalmente quero fazer. É por isso que deveria me manter em movimento. "Ei, Lily!" Randy chama. "Espere!" Os meus joelhos quase dobram ao som de sua voz. O que é que ele quer? Desvio de uma mancha úmida e evito cair de bunda. Randy


está logo atrás de mim. Empurro a maçaneta da porta do banheiro e derrapo, quase caindo novamente. Abrindo-a, eu me atiro para dentro de forma extremamente dramática. Mas antes que eu possa fechar a porta, Randy consegue deslizar o seu enorme corpo musculoso na abertura. "O que você está fazendo?" Eu guincho quando a porta se fecha atrás dele, nos trancando no escuro. "Não consigo ver nada!" Randy ri. A luz acende e pisco contra o brilho repentino. "Você não me ouviu chamando você?" Planto minhas mãos nos meus quadris. "Você não me viu correr de você?" Ele ri novamente. Isto é um belo som. "Uh, sim. Imaginei que talvez você realmente tivesse que usar o banheiro." "Eu fiz. Eu faço. Agora sai, ou vou fazer xixi bem na sua frente!" Estou gritando. É agudo e totalmente desnecessário, já que estou de pé a cerca de quatro centímetros dele. Poderia estar falando e cuspindo em seu peito. Seu peito muito musculoso. Suas mangas estão enroladas até os cotovelos, deixando todas as tatuagens no antebraço direito em exibição. E ainda tem uma tatuagem na parte traseira de sua mão. É quase tridimensional na forma como foi colocada na sua pele: a flor frisada deslumbrante com orvalho, com um pequeno crânio intrincado dentro da gota caindo. É tão durão. Lembro-me de quão incrível era os dedos ligados a essa mão, que está ligado ao braço coberto de tinta, estavam dentro de mim, bombeando até que eu gozei. Eu dou um gemido estrangulado. "Você gemeu?" "O quê? Não." Meus olhos se levantam para os dele. Aquele sorriso irritante faz os seus olhos diminuírem. Mesmo o seu piscar de olhos é quente. "Eu acho que você fez." "Foi um grasnar. Isso é muito diferente


de um gemido." Randy se inclina contra a porta, bloqueando a minha saída. "Oh sim? Quer explicar isso para mim?" "Não tenho de explicar nada para você. Agora saia para que eu possa usar o banheiro! Em particular. Sozinha." A minha voz ainda é super estridente. Preciso parar de agir como uma idiota. Também preciso que ele saia do banheiro antes de eu fazer algo que vá lamentar, mas provavelmente não. Ele não parece nem de perto de chateado como que pensei que ele estaria. Empurro o ombro dele numa tentativa de fazê-lo sair. Randy se move talvez uma fração de uma polegada. Ele tem um cheiro fantástico, como se ele tivesse tomado banho e passado um desodorante. O seu braço é tão sólido, nada como Benji era. Continuo a empurrar, e poderia ter dado ao seu bíceps um pequeno aperto. "O que há com você invadindo o banheiro?" Digo, não gritando agora. Sinto o meu rosto aquecer com a memória dele me vendo no banheiro na casa de campo, quando as minhas partes de garota estava em exposição e a sua mão em seu short. Droga. Agora eu estou pensando sobre o quase sexo que fizemos, novamente. Randy ainda está sorrindo como um idiota. Acho que ele disse algo e eu perdi muito ocupada estando mortificada. E ligada. "O quê?" Pergunto. A sua língua varre seu lábio inferior. Randy tem grandes lábios. Eles são cheios, suaves e excelentes para ser beijados. Ele escova o cabelo do meu rosto, seus dedos roçando a minha bochecha. Todos os meus músculos apertam. Eu tenho certeza que poderia gozar só de pensar sobre as coisas que ele fez para mim. O que é louco, porque eu sempre acreditei que reações como essas são besteira total. "Estava apenas dizendo que a última vez que estivemos juntos em um banheiro você


estava usando muito menos." O seu olhar vagueia por cima de mim e os seus olhos cor de mel, ou areia de praia, ou quem diabos se importa, caem abaixo da minha cintura. Randy aponta para a minha virilha. "Como está a sua depilação nesses dias? Você conseguiu a sua situação resolvida lá?" A minha boca fica aberta. Fecho-a rapidamente, em seguida, abro-a novamente, à espera de alguma resposta atrevida de retaliação, mas nada chega. Não tenho que ter uma boa resposta, ou qualquer coisa que dizer sobre isso, porque a resposta honesta é não. Não tive oportunidade de resolver o problema. Só depilei as minhas partes de menina no último mês. Não sou muito boa nisso. Quando tento passar uma navalha, a minha virilha constantemente fica com manchas de sombra em cinco horas. "Você não gostaria de saber!" "Quer me mostrar?" "Você é um porco!" Na realidade, meio que quero mostrar a ele, mesmo que não seja o melhor trabalho de depilação no mundo. Na verdade, gostaria de leválo de joelhos, deixar cair às calças, colocar uma perna em cima da borda da pia e empurrar o seu rosto direito para minha vagina, para que Randy possa ter uma visão de perto e pessoal do inferno que eu tenho que passar a fim de fazer a minha vagina apresentável para ninguém, porque sou a única pessoa que vai vê-la. Acho que posso precisar ter relações sexuais em breve. Com algo diferente do que meu vibrador. "Odeio seu rosto perfeito!" Eu assobio. Literalmente, soou como uma cobra. Pego as lapelas de sua camisa de botão. Então enfio a minha língua na sua boca. Merda. Este é o oposto do que deveria


acontecer.


Capítulo 2 O que acontece no banheiro permanece no banheiro. Ou não.

RANDY

Encontro-me pressionado contra a porta, a maçaneta espetando a parte inferior das minhas costas, enquanto Lily força a sua língua na minha garganta. Ela quebra o beijo, se você poderia até chamá-lo assim e se distancia de mim, mas ela ainda está segurando a minha camisa. As suas narinas se abrem um pouco, e os seus olhos, um tom de castanho tão escuro que quase não posso ver onde termina sua íris e começa sua pupila, estão vidrados. Não tenho ideia porque a segui para este banheiro. O meu único plano era ter algum tipo de discussão, uma vez que a última vez que tivemos algumas palavras acabou com ela me chamando idiota, bem como uma série de outros insultos criativos, e ela não respondeu às minhas ligações. Lily também escreveu em todas as minhas roupas com um marcador permanente. Eu meio que merecia. Gosto que ela é meu tipo de louca. Lily balança a cabeça e afasta o seu cabelo escuro na altura do queixo, que está caindo em seus olhos. O seu peito se ergue a cada respiração. Ela parece quente esta noite. Os seus jeans acentuam as linhas finas e magras do seu corpo. A camiseta do evento está acomodando sua estatura esbelta. Ela é muito bonita ofegante. Isso me


lembra muito da maneira como ela soou quando comi sua buceta na casa de campo de Waters. Isso foi há semanas. Não parei de pensar nisso. Não sei por quê. Quer dizer, eu posso comer uma buceta sempre que eu quiser. Chupar alguém é íntimo e as Puck Bunnies geralmente são rodadas. Não estou colocando minha boca onde um milhão de outros paus tenham estado. Hipócrita? De modo nenhum. Não deixo as Puck Bunnies colocarem a boca em mim também... Por muitos motivos. Mas Lily não é uma bunny, e ela precisava ser cuidada. Devidamente. Então eu fui para baixo nela. Coloquei limites em foder com ela, embora, porque não queria me sentir culpado se ela só me deixasse fodê-la para se vingar de seu ex-imbecil. Foi a coisa certa a fazer, mas ainda me arrependo. Especialmente desde que eu sei que ela não voltou com aquele inútil. Não que eu tenha perguntado ou qualquer coisa. Miller ofereceu as informações. E agora tudo entre ela e eu parece estar confuso. Ou estava até cerca de trinta segundos atrás. De qualquer forma, depois de ter tido meus dedos dentro Lily, posso dizer, sem dúvida, o sexo seria estelar. Ela é um pequeno foguete. Lily arrasta a minha boca para baixo e faz uma pausa quando nossos lábios estão quase se tocando. Sinto a maçaneta por trás de mim e a tranco. Não quero quaisquer interrupções no momento. Eu puxo-a contra mim, prendendo suas mãos entre nós. Então eu escovo a ponta do meu nariz contra o dela, de forma suave. Ela solta este pequeno gemido. Isto é apenas um som; Ela inclina a cabeça para cima, e empurra os seus quadris contra os meus. Lily tem que ser capaz de sentir o meu pau duro. Seria impossível não o sentir. Corro minha língua pelo meu lábio, sobre a cicatriz de um taco que levei no rosto há muito tempo. Lily segue o movimento. Quando ela levanta os olhos, eu tomo sua boca. Desta vez, quando Lily tenta empurrar a língua pelos meus lábios, eu forço de volta com a minha própria. As mãos dela deixam minha


camisa, os dedos fechando em torno de meus pulsos enquanto ela luta para entrar na minha boca. Não vai acontecer. Ainda não. É difícil dar um beijo e sorrir, mas eu consigo. Lily corre as mãos pelos meus cabelos. Arrancando o elástico que o prende, ela o joga no chão. Não tenho nenhuma ideia onde ele caiu, mas tenho certeza que não irei pegá-lo do chão do banheiro. Nos giro em torno de modo que ela está contra a porta e trabalho um joelho entre as pernas. Então começo basicamente a transar com ela ainda usando roupas. Não sei o que há de errado comigo. Este é um evento de caridade. Há famílias e crianças, e aqui estou eu, trancado em um banheiro com uma menina que escreveu PAU PEQUENO na maior parte das minhas boxers. Estou usando um par esta noite porque meio que esperava vê-la e que isto acontecesse. Seguro a bunda dela, aperto bem forte e a levanto. Lily tem, talvez, 1.68m ou, 1.70m na melhor das hipóteses, e eu tenho quase 1.90m, então sou mais alto do que ela e tenho provavelmente mais de 50 quilos a mais. Ela é esbelta, compacta, possui alguns músculos e com seus quadris estreitos até a sua caixa torácica. Lily envolve com força os seus pés ao redor da minha cintura, borbulhando mais um daqueles gemidos estrangulados. Se fosse possível um ser humano devorar o outro, nós estaríamos fazendo isso agora. Ela solta o meu cabelo e procura a barra da minha camisa. As suas unhas arranham os meus abs. Mordo a língua dela em retaliação. Lily afasta o rosto do meu, batendo a cabeça contra a porta. "Você está bem?" Pergunto. Ela aperta o meu mamilo, então eu mordo o seu pescoço. "Faça isso novamente e vou chupar até deixar uma marca." Advirto, separando os meus lábios contra a sua pele. É salgado e doce e muito, muito quente. "Você não faria isso." "Oh, eu definitivamente faria." Aplico um


pouquinho de sucção e ela suspira suas mãos voltando para o meu cabelo, e suas unhas cavando o meu couro cabeludo. Ajusto o meu aperto e moo contra Lily enquanto beijo ao longo de sua garganta para a sua mandíbula. Estou tão duro agora. Gostaria que ela estivesse usando algo diferente de jeans apertados. A única maneira de poder estar dentro dela é a virá-la e levá-la por trás. Não é a minha posição favorita. Sei exatamente como parece o rosto de Lily quando goza. Se irei transar com ela, quero os seus olhos nos meus quando se perder em todo o meu pau. De qualquer forma, um banheiro público provavelmente não é o melhor lugar para isso acontecer, mesmo que seja acessível a cadeiras de rodas e bastante limpo. Banheiros públicos são mais um movimento do Miller, ou um movimento de Miller-préSunny, de qualquer maneira. Continuo rolando os meus quadris e aqueles pequenos ruídos dela ficam mais altos, então cubro sua boca com a minha novamente. As suas mãos se transformam em punhos, agarrando o meu cabelo com tanta força que estou quase preocupado que ela vai arrancá-lo da raiz. "Meu Deus", ela geme contra os meus lábios. Afastome, verificando para ter a certeza que ela está bem. Lily joga a cabeça para trás, batendo na porta com um baque baixo. Nós estamos fazendo uma enorme quantidade de barulho aqui, mas pelo menos é um banheiro que está longe da festa. Empurro-a firmemente contra a porta, com os meus quadris, para que não tenha que usar as duas mãos para segurá-la. Dessa forma, posso impedir que a cabeça dela batesse contra a porta. Se Lily continuar assim, ela vai ter uma contusão. Se eu não soubesse melhor, eu acho que ela está quase gozando, o que deve ser impossível já que eu não fiz nada, mas me esfregar nela. "Lily?" Os seus olhos rolam para baixo para encontrar os meus, o seu choque substituído por êxtase. A sua boca cai aberta. "Isso não é...


Não posso..." "Você está gozando?" Apesar da falta de probabilidade, eu tenho que perguntar. Ela balança a cabeça furiosamente e gagueja um não. A sua expressão é suspeita. Eu não a comprei. Agarrando a sua bunda, eu oscilo em giro assim nós estamos olhando para a parede. Então eu a baixo para o chão. As suas unhas correm para o lado do meu pescoço, e ela agarra a minha camisa. "Porque você está parando?" Lily jorra o ar uma vez e oscila instável. Ando com ela para trás até que ela bate na parede. Lily imediatamente começa a esfregar a sua buceta na minha coxa. Há melhores lugares para ela fazer isso. Ela tenta puxar a minha boca de volta para a dela, mas tenho outros planos. Puxo a sua camisa sobre a cabeça e penduro-a na maçaneta. A sua bolsa está no chão perto dos meus pés, suas coisas espalhadas por todo o lugar. Não que isso importe agora. O seu sutiã não é provocador, cheio de laços, ou qualquer coisa especial. É simples, de cetim pálido. Posso ver o contorno dos seus mamilos através dele. Vou chegar a isso mais tarde. Enquanto Lily monta a minha perna, abro o botão dos seus jeans e puxo o zíper para baixo. A sua calcinha corresponde ao sutiã, cetim mais simples e pálido. Enfio a minha mão em sua calça. Ela cuidou das coisas. Encontro pele lisa e macia. Mas os seus jeans são tão apertados que não posso passar a minha mão na crista de sua pélvis. Posso sentir o quão quente ela está, mas não posso chegar a toda a sua umidade. Em minha defesa, as minhas mãos são grandes, de modo que isso só contribui para o problema. Lily se atrapalha com a minha fivela do cinto e depois o meu zíper. A minha ereção


força contra os meus boxers. Ela congela os olhos correndo para os meus em estado de choque. Não porque o meu pau é aterrorizante, embora, tipo, ele é, mas porque Lily pode ler o PAU PEQUENO, que ela escreveu sobre o material rosa quente em letras maiúsculas, com marcador permanente preto. Lily morde o lábio e faz uma careta, não tendo a certeza se ela quer rir, ficar constrangida ou pedir desculpa, ou talvez todos os três. Ela desliza sobre minha cintura talvez querendo enfiar sua mão dentro. "Por que você ainda tem isso?" "Ela é o meu par favorito." "Mas," Lily empurra o tecido e esfrega minha perna ao mesmo tempo. Os seus olhos rolam para cima e ela estremece novamente. "Acho que nós dois estamos bem conscientes de que é propaganda enganosa." Afasto a mão dela que está cobrindo o meu pau e dou um passo atrás. Então me ajoelho e arranco os seus jeans dos seus quadris, junto com a calcinha que está úmida. É como estivesse colada ao seu corpo. "O que você..." Deslizo a mão entre suas pernas, cortando as palavras que ela ia a dizer. Deslizo sobre o seu clitóris e empurro dois dedos dentro dela. Quero saber se estou certo sobre o espontâneo orgasmo sem tocar. Lily cai contra a parede e tenta separar suas pernas, mas os seus estúpidos jeans apertados torna impossível. O seu corpo inteiro treme, e ela grita quando eu enrolo os meus dedos. Foi quando eu o senti: o pulsar em torno da minha mão. "Você está gozando." Olho para ela, sem camisa, a alça de seu sutiã pendurada no braço em vez de estar no seu ombro, as palmas das mãos contra a parede atrás dela. "Sem merda..." Lily ofega. "Quase não toquei em você." "Estou tão confusa quanto você."


"Dobre os joelhos e afaste as pernas." Eu ordeno. "O qu..." Movo minha mão entre suas coxas, provocando um som desanimado. Agarrando-a pela cintura, eu passo sob seu joelho e enfio a minha cabeça através da abertura estreita por isso estou cara a cara com sua buceta. Não é fácil, mas eu consigo. Então a levanto de modo que ela está sentada nos meus ombros com as pernas penduradas sobre minhas costas. Agarro a sua coxa esquerda e deslizo a outra mão até ao seu estômago e sob o seu sutiã. Seus seios surgem, seus mamilos em picos, enquanto eu escovo o meu polegar sobre um. Cubro o inchaço macio com a palma da mão, apertando, enquanto a seguro contra a parede. Não tenho muito espaço para me mexer, mas ela já se trabalhou o suficiente, então eu chupo o seu clitóris, o circulando com a minha língua. "Santa merrrrrr-" As suas pernas apertam em torno da minha cabeça. Abandono seu seio e cubro a boca dela. Não acho que ela tem capacidade para controlar o seu volume agora, ou qualquer outra parte dela, considerando a forma como que está se debatendo. Não sei se já estive com uma garota que pode vir tão rápido e duro com tão pouco contato. Na última vez Lily gozou bastante, mas não foi assim. Talvez seja porque estamos num lugar público e ela esteja na coisa exibicionismo. Seja qual for a razão, estou fazendo isso acontecer novamente. Ela geme o meu nome na minha palma e morde a parte carnuda, contorcendo-se contra o meu rosto. O tremor começa de novo. É seguido por um barulho que quase soa como um soluço. Levanto a minha cabeça, a minha barba roçando seu clitóris. Vou precisar de xampu para lavar a porra mais tarde. Um tremor violento sacode o seu corpo inteiro dispara através dela. "Lily, querida, você está bem aí dentro?" A sua cabeça inclina para frente, a sua


respiração vem em rajadas curtas. Tudo o que ela faz é um som. Os seus olhos estão caídos e vítreos. Lily parece alta como uma pipa. "O quê?" "Você está bem?" Ela balança a cabeça e pisca um monte de vezes, como se estivesse tentando limpar a névoa. "Tanta coisa para vir." É meio confuso. Estou a ponto de voltar a comer sua buceta para que eu possa fazer isso acontecer de novo, quando uma batida na porta nos assusta. "Lily? Você está aí de novo?" É Sunny, a namorada de Miller. Ela e Lily são melhores amigas. Esta é uma situação interessante. Os olhos de Lily se arregalam, o seu pânico cômico. "Estarei aí fora em um minuto!" Ela se esforça para sair dos meus ombros, quase nos derrubando. Isso não seria tão ruim se não estivéssemos em um banheiro. É limpo, mas não tão limpo. Pego as mãos dela e mordo o interior de sua coxa, chupando duro a sua pele. "Ai!" "Está tudo bem aí?" Sunny pergunta. "Está bem. Estou bem. Só bati o meu dedo do pé!" Levanto uma sobrancelha, e ela sussurra o quê? Mas deixa de se mexer para que eu possa colocar os seus pés no chão e saio de entre as pernas desça. Ela quase perde o equilíbrio, mas eu seguro os seus quadris e a mantenho em pé. Antes de puxar para cima a sua calcinha pressiono um beijo acima da fenda de sua vagina, em seguida, adiciono sucção suficiente para deixar uma contusão fraca e roxa para combinar com o interior de sua coxa. "Pare com isso!" Ela sibila em meio a um sussurro, tentando empurrar o meu rosto.


Sou mais forte do que ela, porém, ela muda os seus quadris para frente, mesmo quando ela puxa o meu cabelo, como se secretamente buscando a minha língua novamente. Lambo o seu clitóris inchado uma última vez, assistindo sua pele tremer, em seguida, deslizo cuidadosamente a calcinha sobre os seus quadris. Lily sobe o seu jeans, conseguindo com muito mais facilidade do que eu quando os tirei. Lily ajusta o seu sutiã para que os seus mamilos estejam cobertos novamente e puxa a sua camisa sobre a cabeça. Seu cabelo é uma bagunça bonita. Uma vez que todas as melhores partes dela estão escondidas, mudo o meu pau duro e dolorido para o lado para que possa fechar a minha calça. "Oh, Deus." Lily estende a mão, em seguida, para. "Você está tão duro. Eu nem mesmo..." "Não se preocupe." Eu pisco. "Isso vai ser cuidado mais tarde." "Tenho de levar Brett pra casa." Encolho os ombros. "Eu posso esperar." Sua boca cai aberta, que parece ser uma reação que extraio dela com frequência. "Meu Deus! Você é um idiota arrogante!” "Você não acabou de gozar três vezes?" "Duas e meia, e não o forcei a comer a minha buceta!" "Você foi a única que me beijou, e você com certeza não parecia se importar comigo comendo você." Lily joga os itens caídos em sua bolsa e abraça-a ao peito. Dandome uma cotovelada nas costelas, ela me empurra para fora do caminho. Não entendo como ela pode ir da felicidade orgásmica para estar com raiva, mas também eu honestamente não a conheço muito bem. Talvez Lily tenha uma personalidade bipolar ou algo assim. "Qual é o problema?"


Ela destranca a porta e se vira para mim, em pânico. "Tenho de ir. Preciso ir embora..." Lily abre a porta e dispara para o corredor. "Aproveite o resto da sua noite!" Ela faz um gesto para a minha virilha. "Espero que a sua, uh, a situação se resolva!" "Eu ainda estava esperando por alguma ajuda com isso." Eu saio atrás dela, abotoando a calça. Sunny olha de mim para Lily e viceversa. Miller está atrás dela com uma expressão sombria. "Foda-se você e obrigada pelos muitos orgasmos." Lily bate uma mão sobre a boca, como não acreditando que ela disse isso. "Isso é a próxima coisa na minha lista de afazeres." Sou um burro tão antagônico. "Acho que você perdeu essa oportunidade. Novamente." Lily se encolhe e murmura algo mais. Estava sendo atencioso, não transando com ela no Chalé de Waters. Parece que talvez ela não apreciasse tanto assim. "Eu poderia corrigir isso, se você quiser voltar para o meu quarto de hotel." Estou sorrindo. Não consigo evitar. "Eu faria isso..." Seus olhos se fecham por um momento. "Preciso encontrar meu primo!" Lily gira nos calcanhares e corre para longe. "Um... Eu vou lidar com ela." Sunny aponta na direção de Lily e corre atrás dela, se cabelo loiro agitando-se. "O que diabos está errado com você, Ballistic?" Miller fala. Fecho as minhas calças e inalo bruscamente, quase prendendo a minha cueca no zíper. Agora quero encontrá-la novamente antes de sair. Não resolvi nada. Todo o ponto de segui-la era falar, não comê-la caralho. "Eu deveria ir atrás dela." Dou um passo na direção Lily, mas Miller me para com o braço. "Uh, cara. Não antes de você se limpar." Ele acena para o banheiro.


Balanço a cabeça, frustrado, mas volto para o banheiro e verifico o meu reflexo. Eu rio. "Oh, merda." O meu cabelo está uma bagunça; tipo, bagunçado em todas as direções. O meu rosto, bem isso é outra história. Definitivamente preciso lavá-lo, uma vez que Lily gozou sobre ele. Posso sentir o cheiro dela. Também tenho marcas de arranhões a partir do lado da minha mandíbula para a gola da minha camisa. Procuro no chão o elástico de cabelo que Lily arrancou. Acho-o ao lado do vaso sanitário. Não tenho nenhuma outra opção agora, assim que eu o pego do chão e amarro o meu cabelo. Vou precisar de um banho quando voltar para o hotel. "Não entendo cara. Você esteve fora da cena no último mês, e, de repente, você está de volta. De todos os lugares, aqui? Droga, isso é um evento beneficente, Randy, e não uma das festas de Lance." "Sei disso." Lance "Romance" Romero é outro de nossos companheiros. Ele é famoso por festas cheias de bebidas e Puck Bunnies. Abro a torneira e lavo Lily do meu rosto e da minha barba. "Sério? Porque parece que talvez você tenha esquecido. De todas as meninas que você decidiu que queria transar em um banheiro, por que é que tem de ser Lily?" "Não foi isso o que aconteceu." Ele cruza os braços sobre o peito. "É sério. Eu não a fodi aqui. Quero dizer, nós estávamos brincando, mas porra não aconteceu mais nada." Então acrescento. "Só tive um pouco de sobremesa é tudo." Miller esfrega o rosto com a palma da mão. "É melhor você tomar cuidado, Ballistic. Lily é muito ligada com a família Waters. Alex é como um irmão para ela, e se ele descobrir que você está enroscando com Lily, você vai ser o próximo no seu radar de nariz quebrado." "Não é assim." Fecho a água me viro para Miller. "Honestamente, Miller, tudo o que queria fazer era falar com ela. Vamos ver um ao outro


em um par de semanas na festa de noivado do Waters. Achei que seria bom para limpar o ar..." "Comendo a sua buceta num banheiro?" Dou-lhe um grande sorriso. "Aprendi com o melhor." Miller balança a cabeça. "Sim. Não é engraçado, idiota. Eu parei com esta merda, lembra?" "Sinto muito. E só que, nos deixamos levar." Faço alguns gestos aleatórios enquanto tento descobrir o que quero dizer. "Você não pode foder e chutar Lily da maneira como você faz com as Puck Bunnies, Randy. Não é legal." "Não vou fazer isso com ela. Estamos apenas tendo algum divertimento." "Vou em frente e dizer que não acho que a sua versão de diversão e a de Lily é a mesma coisa." "Vou ver como ela está e me certificar que estamos bem." O celular do Miller vibra. Ele tira-o do bolso e digita o código de desbloqueio. As suas sobrancelhas se unem quando ele lê tudo o que está na tela. Miller é disléxico, portanto, a leitura é trabalhosa para ele. Depois de alguns segundos, ele aperta o botão de função de áudio-texto e uma garota britânica lê a mensagem em voz alta: "Eu não consigo fazer com que Lily me diga o aconteceu. Ela está levando Brett para casa." "Vou encontrá-la." "Ela tem o seu primo pequeno com ela, o amigo de Michael. O que vai dizer com ele lá?" "Não sei, mas vou descobrir." Eu caminho para o bar. Sunny está de pé na entrada com seu celular na mão, enrolando uma mecha de cabelo em torno de seu dedo. "Onde está Lily?"


"Ela se foi." Sunny deixa cair o seu cabelo e suspira. "O que você fez com ela?" Não acho que a honestidade vai funcionar para mim aqui, então em vez de dizer que a comi com a língua até que ela veio no meu rosto, eu vou com: "Acho que houve uma falha de comunicação." Um garoto vem até mim, com um olhar familiar de idolatria. "Randy Ballistic?" Eu sorrio. "Sim, cara, como vai?" "Posso pegar o seu autógrafo?" Ele estende um daqueles livros de fotos caseiras. Ele até tem um dos meus cartões de estreante numa carteira especial de proteção. "Sim, claro, é claro." A sua mãe está de pé atrás dele, sorrindo. "Muito obrigado. Ele te ama. Ele quer ser como você quando crescer." Normalmente, isso é algo que eu gostaria de ouvir, mas agora isso não me faz sentir bem. Não com base no que aconteceu naquele banheiro.


Capítulo 3 Reação exagerada intencional

LILY

Ok, então o jeito que tratei aquela situação poderia ter sido melhor. Mas a insinuação de Randy que eu ia cuidar do seu pau mais tarde me assustou, mesmo que eu fui a única a tocar no assunto. Porque ele está certo. Eu teria, se o universo não intervisse, embora nada disso deveria supostamente acontecer. Especialmente com Randy. Depois, há toda a parte onde tive um orgasmo apenas me esfregando através de sua calça. Não houve sequer um toque. Não no começo. Isso nunca aconteceu antes. Posso ter tido um orgasmo, mesmo antes de ele começar a esfregar a perna nas minhas partes de menina. Aquilo foi uma coisa pequena, nada mais do que uma versão de espirro reprimido, mas ainda assim. Como é que isso aconteceu? Eu levo Brett fora da arena e ligo para a minha tia, que nos pega. Brett definitivamente não está feliz em sair, mas ele tem treze e já passa das dez e meia, que é mais tarde do que ele geralmente fica fora. Na volta para a casa estou totalmente distraída, o que é bom porque Brett não pode parar de falar sobre o quão incrível Miller e Randy são e como ele quer totalmente ser um jogador de hóquei profissional. A minha tia balança a cabeça e sorri e faz os comentários positivos apropriados, mas quando olha para os meus olhos no espelho, sei que


isso vai decepcioná-lo. Brett é um de seis filhos. A minha tia ficou em casa para criá-los, e meu tio tem um bom trabalho, mas tem um monte de bocas para alimentar. Quatro deles são rapazes entre três e quinze anos. As contas de mercado naquela casa tem que ser ultrajantes. A minha tia e o meu tio mal podem gerir os custos associados com o hóquei recreativo de Brett. O tempo que leva para assistir a todos os jogos fora de casa, para não mencionar o dinheiro, fará com que seja impossível para ele ir mais longe. Hóquei é um esporte caro. Assim como a patinação artística. O meu coração se parte um pouco. Conheço a sua decepção iminente pessoalmente. Quatro anos atrás, eu estava à beira da qualificação para os Jogos Olímpicos. Isso significava patrocínio e a oportunidade de avançar naquela carreira. A patinação artística era a única coisa que eu sabia e o meu maior sonho. Mas o meu pai, o idiota caloteiro que ele é, parou de pagar a pensão alimentícia. Ele deve a minha mãe algo como oitenta mil. Ele também me deve o meu maldito sonho de volta. Mas não sou amarga sobre isso. Em vez disso fui para a Universidade de Guelph. No momento em que minha tia me deixa em casa, já não estou tão tonta dos mojitos e doses, e o meu corpo já não parece que vai explodir. Procuro na minha bolsa a chave e entro no lobby do edifício de apartamentos. A minha mãe e eu vivíamos em uma pequena casa. Era pequena, mas era nossa. Quando o meu pai parou com o apoio à criança, tivemos que mudar. O apartamento não é ruim. É num bairro agradável, porque Guelph é geralmente uma cidade agradável, mas é pequeno, e eu sinto falta de ter um quintal. Chamo minha mãe quando entro no apartamento, mas sou recebida pelo silêncio. A minha mãe não está em casa, que pode ou não ser uma coisa boa. Ela tem a noite de folga, então ela pode estar com mais um de seus amigos ou ela pode estar num encontro. Vou para a cozinha. Preciso de água. Muita. Não bebo muito, não gosto de estar fora de controle, e não é preciso muito para me deixar bêbada. Talvez isso explique os orgasmos


espontâneos. Escavo nos armários por algo para comer. Preciso comprar mantimentos amanhã. Isto me deixa poucas escolhas. Acho um saco de pipocas de microondas com manteiga extra e vejo-o girar por noventa segundos. Uma vez pronto, derreto a margarina e despejo-a na pipoca. Tenho dificuldade em manter o peso, por isso quanto mais gordura consumir, mais provável é que fique onde eu deveria estar. Enfio a tigela debaixo do braço, encho o meu copo, pego a minha bolsa no balcão, e vou para o meu quarto. É pequeno; a cama de casal ocupa quase metade do espaço. Caio no colchão e abro o meu laptop, que é um dos mais antigos de Sunny. É muito bom. O meu telefone vibra dentro da minha bolsa. O pego e meu estômago faz alguns sapateados quando eu leio as mensagens. Tenho vários textos de Sunny, o que não é incomum. Nós somos muito próximas, exceto quando ela está na escola, ensinando yoga, ou no trabalho voluntário no abrigo de animais e eu não estou trabalhando num dos meus dois empregos. São as mensagens de Randy que fazem o meu estômago parecer como se estivesse tentando saltar para fora da minha garganta. Ignoro todos elas para testar a meu autocontrole e faço login no meu computador. Assim que o navegador abre, digito "orgasmos espontâneos." Não encontro informação útil. Na maior parte é um monte de bobagens e porcaria hipotética. Um artigo é sobre uma mulher que tem mais de cem orgasmos por dia. Soa terrível, e embaraçoso. Não posso imaginar o que seria se eu tivesse orgasmos não provocados cada vez que visse Randy. Ou talvez eu possa. Todo o meu corpo fica quente e os meus dedos do pé enrolam com a memória da sua boca em mim. Será que eu realmente o deixei me comer num banheiro? Na arena onde eu trabalho? Nunca vou ser capaz de usar esse banheiro novamente sem ter algum tipo de lembrança quente. Engulo a minha água e faço outra pesquisa, desta vez com "Randy Ballistic" e


"namorada." Estive perseguindo o cara virtualmente desde que arruinei a sua cueca e ele arruinou a minha buceta com os dedos e a sua boca. Aqui estão alguns fatos interessantes sobre Randy: ele é um pegador de curto prazo. A partir da pesquisa/perseguição que eu fiz, descobri um grupo online para as meninas que tiveram "encontros" com Randy e foram abandonadas. Quatro delas têm o seu nome tatuado em algum lugar em seu corpo. O quadril parece ser popular. Uma menina foi tão longe a ponto de ter seu rosto tatuado em seu seio, só que é uma tatuagem feia e ele se parece mais com uma caricatura daquele cara de Sons of Anarchy do que com o Randy. Eu me sentiria mal por ela, mas ela é uma bunny, por isso é sua própria maldita culpa. A mensagem é desconcertantemente consistente: Randy é incrível na cama. Ballistic é definitivamente um último nome apropriado. Ele tem um grande senso de humor. Ele tem dedos surpreendentes. Ele tem força impressionante. O seu pau é enorme, poderia haver algum exagero aqui. Não tenho certeza sobre isso desde que ainda tenho que ver isso. Com base nas minhas carícias, é substancial. Elas parecem ter perdido o fato de que a língua é uma arma de destruição sexual em massa. O mais interessante é este boato: ele só tem sexo com as luzes apagadas. Quando estávamos brincando no chalé de Alex, a luz no banheiro estava ligada, por isso não estava totalmente escuro, mas ele puxou as cobertas sobre nós. Pensei que era bonito, porque ele queria me manter aquecida. Em agosto. Agora tenho coisas a ponderar, será um fetiche? Ele está pensando em alguém em particular ao fazer sexo? Se sim, quem? São muitas perguntas para as quais não tenho resposta. Não que precise delas. Não vou ficar presa num banheiro com ele novamente. Pelo menos, a minha intenção é evitar aquele cenário no futuro. A minha falta de autocontrole é humilhante. Tenho duas semanas para me preparar


para a festa de noivado de Alex e Violet. Até lá deverei ter ganhado alguma força de vontade. Nada de bom pode vir em ser uma Puck bunnies, então vamos ter esperança. O meu telefone vibra novamente. É Randy.

Ainda chateada comigo?

Silêncio, hein? Você segura um longo rancor. Você tem que saber que a lavagem do carro foi um mal entendido. Eu queria explicar para você no banheiro, mas você pulou em mim, então eu não tive uma chance ;)

A carinha piscando me irrita quase tanto como ser acusada de saltar nele. E ser lembrada das fotos estúpidas da lavagem de carro que me fez perder as estribeiras. Eu decido ser insolente.

Quem é?

Os pontos digitando aparece imediatamente.

O cara cujo rosto você gozou mais cedo.

Cada músculo abaixo da minha cintura aperta. O sangue corre para o meu rosto e então se move mais baixo, seguido de formigamento. Mastigo a minha unha, sem saber se quero jogar este jogo com ele. Eu deveria dispensá-lo. A trilha de Puck bunnies emocionalmente rejeitadas com o seu nome tatuado em seus corpos deveria ser o


equivalente a fita de CUIDADO. Mas aqueles orgasmos... O meu telefone toca, me assustando. Eu respondo antes que possa adequadamente pesar em minhas opções. Não há nenhum Olá, apenas a voz profunda baixa e sexy de Randy no meu ouvido. "Ainda um pouco nebulosa, Lily? Tendo um tempo difícil para lembrar? Quer vir para o meu hotel para que eu possa refrescar sua memória?" Mordo os meus dedos para me impedir de dizer sim. De todas as más ideias, ir ao hotel definitivamente está no topo da lista. Eu estou acostumada em tomar todos os tipos de más decisões. Incluindo o que eu quero mais fazer, que é deixá-lo entrar em mim. Não sei se é normal estar assim tão atraída por outro ser humano. Eu vou com o desagradável, porque é seguro. "Então, suponho que você não encontrou uma bunny para montar o seu pau?" Randy ri. "Não. O meu pau me disse que não queria uma bunny. Ele está esperando por você." Rolo os meus olhos, mesmo que ele não possa me ver. "E essa coisa funciona?" "Não é uma coisa. Eu e meu pau estamos concordamos. Tivemos uma conversa muito séria." Eu rio. "Bem, você deve dizer-lhe para não prender a respiração. Ele vai ficar azul." "Ele já está azul. Você deve vir para o meu hotel e ver." "Você pode me enviar uma foto." Estou quase esperando que ele faça. "Não é o mesmo. E se eu for até aí em vez disso?" Não posso imaginar alguém como Randy num quarto como o meu. "Você é persistente, não é?" "Você está dizendo que sim?"


Hesito por um segundo, sabendo muito bem que, se concordar será uma rapidinha. "Não posso. Eu tenho que lavar o meu cabelo." "Oh, cara. A desculpa de lavar o cabelo? E eu aqui pensando que nos divertimos juntos. Bem, se não consegui convencê-la a vir me ver, eu vou cuidar do meu próprio problema. Noite, Lily. Vejo-te em algumas semanas." O lembrete de que nós vamos nos ver na festa de noivado é mais uma razão pela qual eu não deveria manter essa possibilidade de dormir com Randy. "Noite, Bolas Azuis." Eu atiro de volta. "Tão inteligente. Não por muito tempo. Vou pensar em você." Randy desliga. Eu envio-lhe um meme de uma velha senhora sem dentes com a legenda "Vamos curtir." Dez minutos depois, recebo uma de volta do seu dedo médio com a tatuagem. Esse dedo esteve dentro de mim recentemente. Ele tirou a foto enquanto estava deitado na sua cama de hotel com apenas um lençol cobrindo-o da cintura para baixo. O seu abs apertado e profundo, o V musculoso foi capturado lindamente. Posso ver muito claramente uma protuberância que se assemelha a forma de seu pênis sob o algodão branco. Também posso ver seu reflexo borrado no espelho. O seu cabelo está solto e confuso escovando seu queixo. Ele é a imagem de relaxamento absoluto. Não envio uma resposta. Em vez de isso, desligo o meu computador, bloqueio a porta, pego a minha varinha mágica4. Eu puxo 4

O vibrador dela.


as cobertas sobre a minha cabeรงa, e fico olhando para a droga da foto no meu celular.


Capítulo 4 O que no inferno é normal de qualquer maneira?

LILY

Na manhã seguinte o meu celular me acorda. Procuro-o na minha cabeceira. Não está lá. Encontro-o é debaixo do meu travesseiro, onde o deixei após me masturbar olhando para o dedo médio de Randy. Três vezes. Acho que tenho um problema. "Ei?" Murmuro. "Você ainda está dormindo?" Sunny pergunta. "Não mais." Sunny se levanta estupidamente tão cedo, mesmo nos dias em que ela não tem que trabalhar. Tenho sorte que ela esperou tanto tempo para me ligar. "Ótimo! Se vista. Estou te pegando em quinze minutos. Fiz bolinhos de canela, e nós estamos tendo um brunch5 de família. E 5

Brunch - É uma refeição de origem britânica que combina o café-da-manhã (pequeno-almoço; breakfast, em inglês) com o almoço (lunch, em inglês). É normalmente realizada aos domingos, feriados ou datas comemorativas, quando toda a família se reúne entre 10 e 14 horas (por tempo indeterminado) em volta da mesa.


certifique-se de trazer um maiô, uma vez que todos os meus ficam largos em você." "Está congelando lá fora." "Está quase congelando, Lily. Hoje vai fazer dezoito graus." "Isso não é um clima de piscina." "Nós ligamos o aquecedor de água. É como uma sauna." "Espera. E Randy? Será que ele vai estar lá?" A minha vagina fica toda animada com a ideia. "Ele voou de volta para Chicago esta manhã. Você vai me dizer o que aconteceu ontem à noite. Vejo-te em breve." Sunny desliga. Fico lá por um minuto e olhando para o teto, arranjando energia para sair da cama e tomar um banho rápido. Em vez disso, verifico as minhas mensagens da noite passada. Não só para olhar para o dedo do meio de Randy e peito nu, ou a sugestão do seu pênis sob o lençol branco. Embora isso seja parte da razão. Tenho uma mensagem dele. E outra foto. É um close-up do seu pescoço e mandíbula. Ele está vestindo uma camiseta. Linhas vermelhas viajam de sua orelha e desaparecem sob o seu colarinho. Foi enviada às seis da manhã.

Estou cobrando pelos danos na próxima vez que eu te ver.

Oh, cara. Esses são arranhões. Que eu fiz. Gostaria de saber exatamente o que ‘‘Estou cobrando pelos danos’’ implica. Também não tenho coragem de perguntar. Estou certa que a resposta vai me fazer se arrepender de não ter aceitado a sua oferta de fazer uma visita na noite passada. Lanço o meu celular para o lado e rolo para fora da cama. Cambaleio por todo o corredor para o banheiro. O apartamento está calmo. Obtenho um vislumbre de mim no espelho quando ligo


o chuveiro. O meu cabelo está espetado por todo o lado. Pensando bem, se Randy acordasse ao meu lado desse jeito, seria o último convite que eu receberia. Menos de dez minutos depois, estou de banho tomado. Abro a porta do banheiro e grito. Há um homem em pé no corredor com um par de, por favor, Deus, por quê?, cueca justa. Estimo que ele esteja entre o final dos trinta e início dos cinquenta anos. Ele está realmente em uma forma razoável, embora tenha alguns cabelos grisalhos e calvície de padrão masculino. Também tenho dificuldade em manter os olhos em seu rosto, porque na frente de sua cueca está uma proeminente ereção da manhã. "Que merda!" Grito quando ele está lá, de boca aberta. "Mamãe! Há um homem quase nu no corredor! ele é seu?" Ela sai do seu quarto em um de seus vestidos de cetim. Tento me manter calada, sabendo que provavelmente ela estava obtendo uma ação que eu deveria ter tido na noite passada. Ela passa a mão pelo seu cabelo de sexo. "Pensei que você fosse ficar na casa de Sunny na última noite." "Então ele é seu." Eu aponto para o homem silencioso de pé, a dois pés de mim. Ele ainda tem uma ereção, mas ele colocou as mãos para baixo para cobri-la. "Apenas verificando se algum pervertido louco seminu não estava passeando em nosso apartamento com um pau duro..." "Lily!" "O quê? É verdade. E isso aconteceu antes." "Sr. Van Winkle não é um pervertido. Ele é idoso. Às vezes, ele se esquece de onde ele vive." "Sim, bem, ele também se esquece de usar roupas." A julgar pelo que acontece em sua cueca flácida, o Sr. Van Winkle foi provavelmente um sucesso com as mulheres nos seus dias de glória. Viro de lado e deslizo pelo encontro da noite


passada da minha mãe. Felizmente, eu sou magra o suficiente para que não tenha que o tocar, já que ele parece ser incapaz de se mover para fora do caminho. Eu tranco a porta e visto um par de leggings e um moletom com capuz. Enfio um traje de banho na minha mochila e o meu equipamento de patinação limpo, uma vez que tenho aulas para dar esta noite. Estou apostando que Sunny será capaz de me levar para a pista. O meu telefone emite um sinal sonoro quando estou escovando o meu cabelo. É Sunny me deixa saber que está aqui. Ela sabe o suficiente para não chegar a menos que eu a convide. A minha mãe é faladora. Ela pode nos manter aqui por horas com chá e palestras sobre os homens. Embora isso não seja provável que aconteça hoje, por causa do seu amigo. Abro uma fenda da porta e espreito para fora. O hall está vazio. Ando nas pontas dos pés, enfio os pés nas sapatilhas, tiro as minhas chaves do gancho, e abro a porta. "Estou indo para Sunny e depois vou trabalhar. Volto mais tarde!" Deixo a porta fechar atrás de mim antes da minha mãe me parar com pedidos de mantimentos. A Sunny está esperando na frente do meu prédio em seu Prius. Foi um presente de aniversário do seu irmão. Eu não tenho o meu próprio carro. O transporte público e a minha bicicleta são os únicos transportes da minha escolha. Guelph não é grande, e não moro muito longe do trabalho. Além disso, os carros são caros; a minha mãe e eu compartilhamos necessidade. Escorrego para o banco do passageiro e espero até que Sunny entre no tráfego antes de verificar o meu celular tocando. Sunny olha para mim e depois de volta para a estrada, com as duas mãos no volante como elas deveriam estar. O GPS seguindo o nosso movimento, mesmo que ela foi ao meu apartamento pelo menos duas mil vezes. Sunny é uma motorista diferente. E ela é muito diligente em seguir as regras da


estrada. "Quem está ligando para você? Randy? E o que aconteceu naquele banheiro?" "É a minha mãe. Ela provavelmente quer me dar uma lista de coisas para levar para casa. Não sei por que ela não me manda texto." Deixei a chamada ir para o correio de voz e empurro-o de volta na minha bolsa. "Então, veja só, a minha mãe trouxe para casa o seu encontro." "Na noite passada? você o conheceu?" "Sim, esta manhã." "Não!" Os olhos de Sunny se arregalam. "Sim. Ele estava usando uma cueca apertada e mostrando o seu pau duro." "Oh meu Deus!" A mortificação de Sunny combina com a minha própria. "Tão elegante certo? De qualquer forma, a minha mãe pensou que eu estava em sua casa, então acho que ela achou que seria seguro levar ele." "Sinto muito, Lily." Encolho os ombros e faço uma piada com isso. "Acho que a coisa boa é, que há uma baixa probabilidade de voltar a vê-lo novamente." Sunny não entende o que é viver em uma casa com uma porta giratória de namorados. Os seus pais têm estado juntos desde sempre. Não tenho ideia se meu pai foi o primeiro atleta profissional que a minha mãe transou, mas ele foi o único que a engravidou. Assim, desde então, enquanto o cara não jogar hóquei, é um jogo justo. Acho que isso é louco, porque qualquer indivíduo pode ser um caloteiro, não apenas os jogadores de hóquei. Ainda assim, se alguma vez ela trouxer para casa um jogador


de hóquei, eu vou ouvir sobre isso. Daí a razão da minha mãe nunca saber sobre a minha brincadeira com Randy. "Como foi o resto da sua noite?" Pergunto a Sunny depois dela não ter respondido. Quero dizer realmente, o que há para dizer? "O evento foi tão bom. Miller fez bem. Como Michael estava sentindo no final?" Definitivamente é uma mudança sutil do tema, mas Sunny parece não perceber, ou talvez ela não queira me fazer infeliz em falar sobre o pau do encontro da minha mãe. "Foi incrível, não foi? Michael é um soldado. Embora, ele esteja cansado hoje. Miller ligou para ver como ele está. Ele realmente é maravilhoso, não é? Estou tão apaixonada por ele. Não posso nem explicar isso. Na noite passada, ele conseguiu driblar Titan para que pudéssemos ter algum tempo sozinhos. Eu não posso esperar que este semestre acabe." Sunny bate no volante e salta no seu assento. "Como é que ele conseguiu driblar o Titan?" O pequeno Papillon de Sunny é super protetor. "Cookies." Sunny ri. Esse é o apelido que Miller deu para vagina dela. Sunny acha que é hilário quando as pessoas se referem as outras com nomes de alimentos. Sunny mencionou mudar para Chicago mais de uma vez desde que o segundo semestre começou. Isso me deixa nervosa. Nós deveríamos mudar para um apartamento ou uma casa pequena depois que terminar a faculdade. Recebi o meu bacharel em cinesiologia em abril passado, mas os postos de trabalho na minha área não são os melhores se eu não continuar em um grau de mestrado, o que é caro. Também não quero desistir de ensinar patinação artística, isso tem sido minha vida desde que comecei a andar. De qualquer forma, Sunny trocou de curso no ano passado, por isso vai demorar mais para acabar, mas morar juntas tem sido um plano nos últimos três anos. Não sei o que vou fazer sem ela, se ela for para Chicago. Especialmente desde que terminei com Benji, e honestamente não quero voltar


para ele. Estivemos separados mais de um mês. Tenho evitado todas as suas ligações, além daquele dia onde eu disse que não estava brincando sobre ter terminado. Ele tinha algumas palavras escolhidas, muitas, nenhuma das quais foram agradáveis, e reforçou todas as razões pelas quais não quero estar mais com ele. O que cimentou tudo foi Benji ter dito que sou uma "vadia cretina que merece que o próximo perdedor me foda e me mande embora." De qualquer forma, Benji está fora, e se Sunny vai embora, outro laço se cortará. Não quero que a minha mãe seja a única coisa que me resta. "Sabe, Lily, nós poderíamos nos mudar para Chicago, no final do semestre de outono. Entre Alex e Miller, vamos ter um local resolvido no inverno. Seria a maneira perfeita de começar um novo ano." Sunny olha para mim antes de se concentrar na estrada novamente. "Alex está olhando para comprar uma casa pequena, e eu vou pagar aluguel ou algo assim. Ele acha que seria um bom investimento. Alex tem muitos contatos, e há todos os tipos de oportunidades em Chicago. Você poderia ensinar patinação pré-hóquei, ou patinação artística. Além disso, você tem dupla cidadania, de modo que não há nada prendendo você, especialmente desde que você e Benji terminaram de vez, certo?" "Não sei. Não posso simplesmente deixar a minha mãe aqui." Corro o meu dedo sobre uma protuberância na minha leggings. É uma desculpa esfarrapada, mas nunca fui muito boa em fazer mudança. Ficar com Benji, mesmo que ele fosse um terrível namorado, é um bom exemplo disso. Mudar-me para Chicago seria uma grande mudança. Além disso, Randy está lá. A minha vagina já está consciente e animada. "A sua mãe pode cuidar de si mesma. Não acho que seria uma má ideia para você, pelo menos, considere. Teríamos tanta diversão." "Por que você não vai morar com Miller?" Pergunto. "Nós não namoramos por muito tempo, e


quero viver sozinha pela primeira vez. Não quero mudar para a sua casa e apenas tentar me ajustar lá, sabe?" "Mas você vai, eventualmente, mudar para a casa dele." "Provavelmente, mas não precisa acontecer imediatamente. Alex é o único que gosta de apressar as coisas." "Ele está realmente empurrando para que este casamento aconteça, não é?" É estranho. Mas, em seguida, Alex é também. Sunny suspira. "Eu acho que ele pode empurrar Violet demais." Violet e Alex estão juntos, mais ou menos, há nove meses. Desde que ele colocou um anel no seu dedo neste verão, a mãe de Sunny os tem perseguido para marcar uma data. Violet não se comprometeu com nada ainda. A única coisa que ela permitiu até agora foi esta festa de noivado que eu, evidentemente, concordei em ir. Não que esteja reclamando. Na maioria das vezes. "De qualquer forma, você ainda não me disse o que aconteceu com você e Randy naquele banheiro na noite passada." "Nada aconteceu. Ele invadiu o banheiro como o idiota que é e me impediu de fazer xixi." "Não foi isso que Miller disse." "O quê?" O grito já é muito revelador. "Vamos, Lily. Sei que algo aconteceu lá dentro. Não é nada para se sentir mal. Quer dizer, os banheiros são tipo, nojentos, mas aquele é mais limpo do que a maioria. Contanto que você usou proteção e lavou as mãos depois, tenho certeza que estará bem." "Não fizemos sexo! Randy disse que tivemos relações sexuais?" "Não. Acho que eu assumi. Quero dizer, pela forma como você estava a enlouquecendo quando saiu." "Eu não estava enlouquecendo."


Sunny me olha. "Ok, eu estava enlouquecendo." Sunny estaciona na garagem de seus pais. Lá já estão cinco carros. Sunny não é a melhor motorista. Nem em estacionar. Ela parece que sempre acaba atropelando as flores de sua mãe, que é exatamente o que acontece. "Vamos falar sobre isso mais tarde." Passo encima de uma flor esmagada e caminho para a porta da frente. Sunny não tem opção a não ser me seguir. A casa tem um cheiro fabuloso; o aroma pungente de canela me dá água na boca. Tiro os meus sapatos, e Alex imediatamente me pega com um abraço. "Pequena Lily! Não consegui ver você muito na noite passada. Estou feliz por você estar aqui." "Você está me esmagando!" Eu rio e o abraço de volta de qualquer maneira. Sinto falta dele, como eu sentiria de um irmão real. Sunny e eu costumávamos irritar a merda de Alex quando ele era um adolescente. Provavelmente, eu mais do que Sunny. Ele patinou com todos os rapazes um nível acima do meu na patinação artística, e alguns deles eram tão bonitos. Prostitutos, mas bonitos. Eu estava constantemente à procura de razões para sair com o grupo de Waters. Uma vez eu fiquei com um deles, estava apenas na nona série e foi antes de começar a namorar Benji. Alex ficou louco quando descobriu, e tive um sermão sério do irmão mais velho. A minha mamãe dois sai da cozinha no seu avental de babados dos anos oitenta. Tenho quase certeza que a sua blusa tem ombreiras. O seu cabelo é puxado para cima num clipe de banana, e a sua franja foi esfumaçada para que se assemelhe a uma esponja de banho. Nem sabia que ainda faziam grampos de banana. Sou puxada para mais abraços calorosos. Não sou uma pessoa de abraços, mas a família


Waters é. E com Sunny é mais um hábito do que qualquer outra coisa. Ela é uma das poucas pessoas que não me importo de ter no meu espaço pessoal. Miller está na cozinha, sentado no balcão de café com o pai de Sunny, Robbie e Darren Westinghouse, ele é o melhor amigo de Alex e outro colega da equipe de Chicago. Robbie tem essencialmente preenchido o papel de pai ausente na minha vida. Ele é um maconheiro sério, mas ele é brilhante, e eu o adoro. Os meninos estão comendo frutas e falando sobre o treino. Miller gira no banco do bar e abre os braços com um enorme sorriso no rosto. "Lily!" Dou-lhe um rápido tapinha no ombro e faço o mesmo com Robbie. Ofereço-me para ajudar com o brunch, mas já está tudo pronto, por isso, colocamos a comida para a mesa e nos sentamos para comer. O brunch da família Waters é sempre um evento. Sunny é vegana, por isso há uma variedade de pratos preparados especialmente por ela. O resto da família Waters ama carne, então há pilhas de bacon e salsicha e ovos e os bolos de canela, waffles caseiros e panquecas de chocolate. Violet e Charlene se sentam à minha frente e Sunny e mamãe dois à direita de Violet. Ela ainda está falando sobre a festa de noivado. Depois que nos enchemos tolamente, as meninas colocam biquínis e caminham para fora. Honestamente não está quente o suficiente, mas estamos todos com roupões de banho, de modo que ajuda. Os caras vão para um jogo de golfe, então eles estão arrumando o carro e se preparando para ir. Daisy tem planos para se juntar a nós um pouco, uma vez que ela vai fazer o jantar. Esta mulher poderia passar toda a sua vida na cozinha. Ela é como uma edição dos anos oitenta de June Cleaver. "Isso é vapor?" Pergunto quando chego à piscina.


Violet mergulha o dedo do pé. "Isto é como uma banheira de hidromassagem. Não posso sequer imaginar o valor da fatura do aquecimento." "Alex diz que vai pagar." Sunny desata o seu roupão e o joga em uma espreguiçadeira. Ela treme e depois salta. "Oh! Uau! Isto é ótimo. Venham, meninas!" Violet desfaz o robe e esfrega sua barriga nua. "Veja isso! Não deveria ter colocado chantilly em meus waffles. Agora sabemos o que vou parecer com três meses após Alex me engravidar." Sunny volta do fundo da água, pegando apenas o fim do comentário. "Você está grávida?" "O quê? Deus, não! Não estou tendo bebês bonitos de Alex. Ainda não, de qualquer maneira. Primeiro temos que fazer a coisa do casamento. Então, preciso ser uma esposa por um tempo. Depois bebês. Nesta ordem. Com anos entre todas aquelas coisas." Ela empurra o estômago ainda mais. "Eu só estou apontando o stress que esta droga de festa de noivado está causando. Agora estou ostentando esta barriga de laticínios bruta." Charlene dá pancadinhas na barriga de Violet, e Violet a empurra para água, mas não antes dela agarrar a mão de Violet e a puxar também. Antes de eu entrar, vou para a casa da piscina e pego algumas boias. Deixo cair meu roupão em uma cadeira com uma daquelas lâmpadas de aquecimento ao lado dele, em seguida, me sento na beira da piscina. "Fala sério. Como isso é justo?" Violet se movimenta para mim. "O que é o justo?" Eu olho para mim mesma. "Você comeu tanto quanto eu. Onde está o seu bebê de comida?" Corro uma mão autoconsciente sobre a minha barriga. "Bebê de comida?" "Sim. Bebê de comida. Você não tem


um." "Humm..." "Não dê ouvidos a ela. Ela está de mau humor por causa da festa de noivado." "E Alex não transou comigo na noite passada. Não se esqueça dessa parte." Violet nada para agarrar uma boia. Exceto que ela para na minha frente e agarra os meus joelhos. "Puta merda!" Ela os afasta. "Isso é um chupão?" Acima no interior da minha coxa está uma marca grande púrpura avermelhada. Eu totalmente teria trazido o meu maiô com a tanga se eu tivesse pensado nisso. "É uma contusão." Feita pela boca de Randy. "Mentirosa!" Violet enfia a cabeça entre as minhas pernas e diz. "Isso é totalmente um chupão! Será que Balls6 lambeu a sua buceta? Você deixou Balls enfiar as bolas em você?" "Meu Deus! Você é a pior!" Estou rindo mesma estando envergonhada, porque Violet é o ser humano mais ridículo do mundo. Coloco a mão na testa dela, com a intenção de afastá-la. "Uh, Violet?" A voz profunda de Alex nos faz girar. As mãos de Darren estão enfiadas nos bolsos, e ele tem um sorriso secreto. Ele olha para Charlene e levanta uma sobrancelha. Ela faz o mesmo em troca. O que é isso? A expressão de Miller não tem preço. A sua boca está aberta. 6

O sobrenome de Randy é Ballistic (Balístico). Violet lembra que Balls em português é Bolas.


"Que merda vocês meninas fazem quando não estamos por perto?" "Pare de ser um pervertido, Buck! Ela tem um ch-" Eu aperto a mão sobre a boca de Violet. "Não posso ver isso. Sinto-me sujo agora. Estou esperando no carro." Miller se vira e caminha de volta para a casa. "Baby venha cá." Alex dobra um dedo e acena. Violet rema como um cachorrinho para ele, e Alex se agacha para encontrá-la. Os seus olhos imediatamente caindo para os peitos flutuantes dela. O seu olhar voltando para cima. "Existe alguma coisa que você acha que precisa me contar?" "Sobre o quê?" "Não sei; talvez você fizesse algumas experiências na faculdade?" "Oh meu Deus, você é tão mau como Buck! Lily tem um chupão! Perto de sua buceta!" "É uma contusão!" Violet olha sobre o seu ombro para mim. "Bem. É uma contusão. Feita por Balls de 'bolas batendo em suas coxas!" Alex olha na minha direção, com o cenho franzido. Aproveito a oportunidade para deslizar na água e evitar olhar para ele. Não preciso que ele saiba nada sobre o que aconteceu ou não com as bolas de Randy. Charlene vem em meu socorro. "Não a ouça, Alex. Ela está chateando Lily. E ela gosta de dizer bolas, embora eu tenha certeza que você está familiarizado com a boca dela. Nas suas." "Bom, Char." Violet se volta para Alex. "Dê-me beijos e depois vá bater algumas bolas com varas com cabeças gordas." Alex coloca as mãos debaixo dos braços e a levanta para fora da água até a cintura. Isto


é impressionante. Ele sussurra alguma coisa para ela. "Você pode deslizar o seu pau monstro entre eles mais tarde, se você acariciar minha Beaver7." Alex sorri e a deixa cair de costas na água. Violet mergulha e depois volta cuspindo. "Sem sexo e peitos para você mais tarde! A minha Beaver está escondida em sua caverna para o resto do fim de semana!" "Uh-huh. Isso nós vamos ver." Darren ainda tem aquele meio sorriso. Ele pisca para Charlene. "A gente se vê depois, sexy." Charlene sopra um beijo e morde o lábio enquanto ele se afasta com Alex. Darren está sempre tão calmo. Isso me faz pensar qual é o negócio dele. Violet desliza uma boia sob os seus joelhos e outra debaixo dos braços. Em seguida, ela fecha os olhos e inclina a cabeça para trás. "Esta festa de noivado está arruinando a minha vida sexual." Flutuo no meu estômago com uma boia debaixo dos meus braços, porque os meus peitos são nada em comparação com as montanhas de Violet. "Você não deveria estar animada com isso?" "Alex está mais do que animado por nós dois, e assim estão as nossas mães. É loucura. Quem já ouviu falar de uma festa de noivado com uma lista de convidados de mais de duzentas pessoas?" Violet aperta o seu braço. "Vou fazer alguma coisa para envergonhar a mim e 7

O nome que Violet deu a sua vagina.


Alex." "Você vai ficar bem, Vi." Charlene a tranquiliza. Violet lhe dá um olhar. "Sério? Você se lembra mesmo do casamento da minha mãe?" "O que aconteceu no casamento da sua mãe?" Sunny pergunta. "Oh, você sabe, o de sempre. Eu me humilhando na frente de todos os amigos dos meus pais." "Tenho certeza de que não foi tão ruim assim." eu ofereço. "Eu disse à minha mãe que não queria fazer um discurso, porque eu não me sinto confortável em falar na frente de muitas pessoas. Mas ela estava convencida de que ia ficar tudo bem porque conhecíamos todas as pessoas." Violet balança a cabeça. "Quando foi a minha vez, me levantei, tropecei na barra do meu vestido, e cai de cara no lixo de Buck. Desencadeei uma reação de desastre. Ele tropeçou no pódio e o derrubou, caindo no topo do bolo! Arruinei o casamento da minha mãe." "Você não o arruinou, Vi. Foi apenas um incidente." diz Charlene. Vi se vira para mim e Sunny. "Isso não foi mesmo a pior parte! O meu seio saiu do meu vestido e todo mundo viu! Havia cerca de três centenas de pessoas no casamento!" "Havia apenas setenta e cinco. Era pequeno." corrige Charlene. "Bem, pareciam trezentas!" Suspira Violet. "Toda a equipe está vindo para a festa de noivado! Todos eles. E todos eles me viram nua. Ou partes de mim nua. É embaraçoso. E se tiver outro acidente com a minha roupa? E se eu disser algo estúpido ou falar sobre o pau de Alex, que todos sabemos que é altamente provável." No ano passado circularam rumores que Alex tinha feito sexo no vestiário com uma menina desconhecida. As afirmações não foram fundamentadas. Todos nós sabemos a verdade, embora; Alex foi expulso de um jogo, e Violet


foi ver se ele estava bem. No final do terceiro tempo. A equipe entrou no vestiário logo depois que terminou, ou pelo menos é o que Sunny me disse. Aparentemente Miller e Alex quase lutaram ali mesmo. Não gosto muito de violência, mas pagaria para ver essa luta. Eu consegui ver Miller socar Alex na TV nacional, e então vi Alex devolver o favor na vida real, de modo que é alguma coisa. "Sim, mas você esteve em torno de todos eles uma tonelada desde então. Tenho certeza que eles nem sequer se lembram deste momento." diz Sunny. "Oh, eles se lembram bem. Esse cara, Kirk, menciona cada vez que o vejo." "O Kirk? Ele é um porco." responde Charlene. "Certo?" Sunny balança a cabeça. "Miller me diz para nunca estar em um quarto sozinha com ele." "Porque é que ele disse isso?" Pergunto. Não tenho nenhuma ideia de quem elas estão falando. "Kirk é um dos caras da equipe. Ele é um canalha. Ele está se divorciando porque ele não pode manter o seu pau em suas calças." explica Charlene. "Ele não virá para a festa de noivado, não é?" Sunny pergunta. "Oh, claro que vai. Alex não queria convidá-lo, mas nós não poderíamos deixá-lo de fora uma vez que o resto da equipe vem." Violet esfrega em um ponto em seu estômago. "Droga! Estou com urticária novamente. Precisamos conversar sobre outra coisa." Ela aponta para mim. "O que está acontecendo com você e o saco de tesão?" "Quem?" "Randy Balls. Vamos. Derrame. Ele claramente tinha o rosto em sua buceta. Alex está todo preocupado e merda, eu estaria com ciúmes se ele não se referisse constantemente


a você como a sua ‘outra irmãzinha’ e se os meus seios não fossem muito maiores do que os seus." Consciente, eu cubro os meus seios bem abaixo do tamanho normal. Benji sempre disse que eles não serviam para nada e que eu deveria arranjar um bom trabalho para que eu pudesse me dar ao luxo de pagar por uma melhora. Ele amava apontar meninas com mais decote do que eu. Violet preenche o top do biquíni de uma maneira que eu não poderia mesmo se usasse um daqueles sutiãs com super bojos. Comprei um desses uma vez e Benji riu de mim. Deus, ele era um idiota. "Eu não estou sendo cruel," acrescenta Violet depois de um momento, provavelmente porque eu não disse nada. "Apenas sendo honesta. Alex ama seios, muito. Ele tenta usar os meus como travesseiros todas as noites. Talvez ele tenha sido desmamado do peito muito cedo ou algo assim. Não sei. De qualquer forma, eu estava falando de quê? Oh, certo, Balls." Ela me olha com expectativa. "Não há nada acontecendo." "Vamos, Lily." Sunny me chuta na água. Eu suspiro. "Nós brincamos. É isso aí. Não é grande coisa." "Sua mentirosa!" Violet grita. "Você está da cor de um tomate. Como foi o sexo? Ouvi dizer que você estava fazendo no banheiro na noite passada." "Nós não tivemos o sexo no banheiro!" Gostaria de poder afundar na piscina no momento. Não gosto de falar sobre esse tipo de coisa com ninguém além de Sunny, muito menos pessoas que não conheço muito bem. Sou uma pessoa privada. Aparentemente, exceto quando estou trancada em um banheiro com Randy. "Não estou julgando. Fiz sexo em um vestiário e todos os companheiros de equipe do Alex ouviram os meus gemidos e orgasmos. Todo mundo precisa de um pouco de amor de vez


em quando. Às vezes é bom ficar com alguém apenas por ficar com alguém. Além disso, esse cara Benji com quem você estava antes parece ser um verdadeiro pau. Randy é um substituto perfeito: ele é quente, bem construído, e provavelmente pode meter como um garanhão." Só então, Daisy aparece em seu maiô rosa quente com enormes flores sobre ela, pondo um fim à conversa. Mas, talvez Violet esteja certa. Estive olhando tudo errado. Contanto que seja inteligente sobre o assunto, usar Randy como um estepe é exatamente o que eu e meus seios precisamos para esquecer Benji de vez.


Capítulo 5 Correndo em círculos

RANDY

Uma semana após o jogo de exibição, estou de volta a Chicago, sentado numa espreguiçadeira perto da piscina no pátio de Lance. Tem estado excepcionalmente quente, mas é provável que hoje seja a última vez este calor antes da queda de temperatura me levar de volta a calças jeans e mangas compridas. Então, estou curtindo o sol. ou pelo menos tentando. Lance convidou um monte de pessoas. Inevitavelmente, isso significa Puck bunnies. Ultimamente, ele tem estado melhor sobre isso, mas ele ainda é Lance, por isso há sempre, pelo menos, meia dúzia em volta, à espera de alguém para atirar uma cenoura, e por cenoura quero dizer pau. Há uma menina que está deitada na cadeira ao meu lado, zombando de quem... Porra se importa. Ela não vai parar de falar. O problema não é o seu fluxo constante de palavras, o que é irritante, mas tolerável porque posso ignorar. A verdadeira questão é que dormi com ela antes, e com base na maneira como ela mantém aproximando a sua espreguiçadeira da minha, ela deve achar que vai acontecer novamente. Não vou fazer isso. Ou ela. Claro, ficamos nus, mas eu não lhe liguei ou respondi a quaisquer comentários na minha mídia social depois, acho que a mensagem é muito clara. Foi o que foi, e agora acabou. Infelizmente, ela não está


recebendo a dica. Envio um texto a Miller para ver o que ele está fazendo. Ele se afasta de Lance, quando as bunnies estão ao redor. Isso significa que fazemos exercícios e em seguida, Miller vai embora, a menos que tenhamos guerras de Xbox. O que não acontece com muita frequência. Lance normalmente fica impaciente depois de algumas horas e chama reforços. A mensagem de Miller chega quase imediatamente, me falando que ele está na casa de Waters, em Chicago. Isto ainda é estranho para mim, uma vez que não há muito tempo esses caras estavam quebrando os narizes uns dos outros para defender a honra de suas irmãs. Eles resolveram as coisas desde então, mas ele estar na casa de Waters é um novo desenvolvimento. Com Miller ocupado, parece que tenho duas opções: ficar e deixar a bunny me irritar, ou ir para casa e estar no meu próprio quintal, sem piscina para me refrescar. Tenho um borrifador se existir um problema real... A segunda opção tem mais apelo do que a primeira, então me desculpo e vou para o banheiro. Uma vez lá dentro, pego o meu casaco e as chaves da prateleira da cozinha e me dirijo para a porta da frente. "Ei, cara, onde você está indo?" Lance pergunta, vestindo de novo seu short quando ele sai do banheiro do piso principal. Uma Puck bunny aleatória aparece atrás dele, ajustando o top do biquíni. Os seus olhos estão vidrados e as faces coradas. Ela parece bem cuidada. "Estou com dor de cabeça. Vou embora." "Há muitas curas para as dores de cabeça aqui." Lance dá um tapinha na bunda da moça enquanto ela passa por ele. Ela pula e ri, em seguida, volta-se para esperar. Ele levanta o queixo na direção da piscina. "Estarei fora em um minuto." Lance espera até que ela foi. "Está tudo bem com você?" "Sim, tudo bem. Estou acabado hoje. Tem sido uma semana agitada com a volta ao treinamento."


Há uma breve hesitação pelo lado de Lance, como se ele não tem certeza se acredita em mim. Então me dá um tapa no ombro. "Entendi. Vejo você amanhã." "Com certeza." Ele volta para a piscina e para a sua companhia. A minha caminhonete está estacionada ao lado de um Fiat. Aperto o botão de desbloqueio e ligo o motor. Então ouço uma voz. "Randy! Posso obter uma carona para casa?" É a menina da piscina. Ela ainda está em seu biquíni, mas ela tem uma bolsa enorme, ou mala, ou o que quer que é chamado pendurada no braço. As suas pernas são como varas, metade dos seus peitos estão pendurados para fora de seu top. Ela entrar no meu carro não é uma grande ideia. "Eu, uh, vou fazer algumas coisas." É uma desculpa esfarrapada, e ela não desiste. "O meu apartamento é, tipo, a cinco minutos daqui. Você não se importa, não é? Os meus amigos vão ficar, e eu meio que quero ir." Arranho a parte de trás do meu pescoço. "Já estou atrasado." "Sério, cinco minutos. Por favor? Não tenho dinheiro comigo para um táxi." Ela deixa cair a cabeça e morde o lábio, olhando para mim com os olhos lacrimejantes. "Sim, Ok, vou levá-la." Ela faz um pequeno gesto e corre para o lado do passageiro. A sua cabeça aparece na janela. Ela realmente é pequena. Exceto os peitos dela. Aqueles estão quase explodindo. "Posso ter um pouco de ajuda aqui? É alto." Sim. Aqui vamos nós. Posso sentir o arrependimento quando circulo a frente da minha caminhonete. Pego sua bolsa e a atiro no banco de trás, em seguida, toco no estribo com o pé. "Dê um passo para cima."


Ela faz o que eu peço, mas ela está de frente para mim, assim os seios dela estão em meu rosto. É preciso uma força infinita de controle muscular para não rolar os meus olhos. Depois de pegá-la e a colocar no banco, espero que ela balance as pernas para dentro da cabine. Quando tudo que ela faz é me dar um olhar vazio, ligo um dedo sob a parte traseira de seu joelho e o movo para que possa fechar a porta. Isso vai ser uma grande merda de diversão. Subo para o banco de motorista e desloco o caminhão em marcha à ré. A menina, acho que seu nome pode ser Mary, ou Miranda, definitivamente tem um M e um R, tenta se aproximar. Felizmente, o console central está no caminho, assim ela não pode se aproximar muito. Ela praticamente se arrasta sobre ele. Não noto o celular até que ela me beija na bochecha e um flash dispara. Coloco a mão para não me cegar. "É sério?" "Desculpa! Todas as minhas fotos da última vez ficaram escuras. Queria uma melhor. " "Estou dirigindo aqui! E é bom você perguntar primeiro." Tento não ser mal-humorado, mas a maneira como ela se encolhe me diz que fui mal sucedido. Porque concordei com isso? Sinto-me como Miller quando estava no começo do namoro. Isso só parece ruim. "Você quer que eu apague?" Os seus olhos estão largos e tristes. Talvez esteja sendo paranoico. Nada vai acontecer; Eu sei disso. "Está tudo bem. Só não esperava isso." Eu paro no final da rua. "Para onde é que vou?" "Oh, certo! Duh!" Ela me dá indicações para a sua casa. Não são cinco minutos; são quinze de acordo com o meu GPS, mas ela já está no carro. Ela brinca com o seu telefone por um minuto, provavelmente para postar a foto. Uma vez que termina, ela o larga no banco e passa a mão sobre o painel. "Este é uma boa caminhonete. É a única


coisa que você dirige? Você também tem um carro esportivo? Lance tem um monte de carros, não tem?" Ela não podia ser mais óbvia se usasse um sinal de “Puck bunny" no pescoço. "Tenho um Audi. E sim, Lance gosta de seus carros." Ele tem uma coleção. Não tenho certeza como ele faz as coisas funcionarem com todo o dinheiro que ele gasta, mas não é meu problema para gerir. A menina, cujo nome começa com M, fuça através de sua bolsamala e tira uma camisa. Penso que ela vai colocar em cima do seu biquíni. Isso não é o que acontece. Em vez disso, ela puxa o laço em volta de seu pescoço e das costas e o material cai em seu colo. Olho para ela e depois de volta para a estrada, segurando o volante apertado. Eu sabia que levar esta garota para casa era má ideia. "O que você está fazendo?" "Me trocando. Você não se importa, não é? O meu biquíni ainda está um pouco úmido, e não gosto da maneira como me sinto com ele." Tento manter o meu tom uniforme. "Mais uma vez, estou dirigindo Você não pode ficar nua no meu carro." "As janelas são matizadas. Ninguém pode ver." Ela puxa a camisa sobre a cabeça. É quase transparente, mas é melhor do que olhar para os seus mamilos. O meu pau começa a ficar com a ideia errada sobre o que vai acontecer aqui e começa o processo de ficar duro. Em seguida, a minha passageira tira a sua parte de baixo. Agora há buceta nua no meu carro. Diretamente no meu assento. Ela fuça ao redor da sua bolsa um pouco mais, procurando um short, talvez. Não faço ideia. Não como isso seja importante. Normalmente, este cenário não seria um problema, mas tenho enviado textos para Lily esta semana, e ela tem me respondido. Vou vê-la no próximo fim de semana, e com base no conteúdo dos nossos textos, tenho quase certeza que ela está disposta a ficar nua e ter algum divertimento. Lily já deixou claro para mim e para uma boa parte das minhas roupas que ela não gosta de compartilhar.


Agora é o seguinte: Não entro em relacionamentos sérios. Com base no que eu vi acontecer com os meus companheiros de equipe, e meu próprio pai idiota, é que todos os relacionamentos causam dor de cabeça. Viajo o tempo todo, e assisti toda a minha vida os relacionamentos de longa distância falhar. Eu tinha um lugar na primeira fila para o fiasco que era o casamento dos meus pais. O meu pai era um jogador de hóquei profissional, decente o suficiente para estar na equipe de fazenda* e jogar um par de temporadas como profissional. Mas ele não pôde manter o seu pau em suas calças quando estava longe de casa. Aparentemente sou exatamente como meu pai, onde o hóquei está em causa, só que eu sou um jogador melhor. Aos vinte e quatro anos, estou na minha sexta temporada da NHL. Ele conseguiu três temporadas, mas nunca na primeira linha. Ainda assim, foi martelado em mim que sou como o senhor Randy. Nós temos a mesma personalidade, o mesmo rosto, o mesmo conjunto de habilidades, o mesmo estilo no gelo, tudo o mesmo. E tenho passado tempo suficiente com ele para saber que é verdade. Então isso significa uma coisa: há uma boa chance que vou ferrar alguém como ele ferrou a minha mãe. Pode não ser intencional, mas isso vai acontecer. Então eu não me envolvo. Normalmente, saio com a mesma garota por um tempo, em vez de uma bunny. Nos divertimos até que ela fica muito envolvida e eu corto isso, e então nos

*

Equipe da fazenda: É geralmente uma equipe ou clube cujo papel é o de proporcionar experiência e formação para os jovens jogadores, com um acordo que todos os jogadores de sucesso podem passar para um nível mais elevado em um determinado ponto.


separamos e seguimos nossos caminhos. Na maioria das vezes, funciona bem. Mas algumas meninas se envolvem muito rápido. Houve algumas bunnys ao longo do caminho que queriam mais de mim, mas eu deixo bem claro que não é assim que as coisas vão rolar. Não é minha culpa que elas acreditam mais nisso do que deveriam. Houve uma que fez uma tatuagem do meu rosto em seu seio, e isso foi depois de eu cortar os laços. Assim que vejo isso, eu saio. Não quero ferir sentimentos ou quebrar corações; Só quero sexo incrível e algumas noites. Exceto que isto é, na verdade, um monte besteira, porque com toda a honestidade, se eu não estivesse em risco de estragar a porra da vida de outra pessoa, eu poderia querer uma namorada real. Posso ver o apelo. Mas, definitivamente não é esta garota atualmente ocupando espaço no meu carro. Com Lily, tenho que ser ainda mais consciente do que eu estou fazendo e com quem porque ela está ligada a Miller e Alex. Não quero fazer uma confusão de merda e fazer a minha vida ou a deles mais difícil. Ela é muito divertida, embora, ela parece gostar de mim, então estou pensando que podemos passar algum tempo a nos conhecermos um ao outro sem roupa. Rio com a memória da expressão de Lily quando viu a minha cueca no banheiro no último fim de semana. Pretendo usá-la no próximo fim de semana para ver como Lily reage novamente. A garota M deve confundir a minha risada como algum tipo de luz verde para começar a brincar com o meu pau. Ela ainda está sem calças. Ela ajusta a alça de seu cinto de segurança e se inclina tão longe quanto possível. A sua palma da mão na minha coxa superior se move devagar para o meu pau traidor que infla devagar. Olho para baixo e depois para ela. "O que você está fazendo?" "Pensei que talvez pudesse agradecer pela carona."


"Segurando o meu pau?" "Estava pensando mais em chupar." Exalo fortemente pelo nariz e movo a sua mão de cima de mim. Estamos a menos de dois minutos de sua casa agora. "Eu realmente não tenho tempo para isso." "Posso ser muito rápida. Dou boquetes surpreendentes." Quero dizer a ela que não é algo de que ela deveria estar se gabando. Faço a próxima curva um pouco rápido demais, quase derrapando. Ela desliza sobre o assento e esbarra na porta do passageiro. "Desculpa." "Está tudo bem." Ela volta para o lugar quando eu viro outra esquina. Preciso das duas mãos no volante, então ela aproveita a oportunidade para deslizar a sua mão no meu short. O seu lugar está a cerca de duzentos metros de distância. Eu paro em frente de sua casa, é um lugar agradável, e então ela faz um movimento para mim novamente. "Não!" Eu grito, agarrando seu pulso. Os seus olhos se arregalam, e ela puxa a mão como se tivesse sido mordida. Fecho os meus olhos por um segundo e respiro. Quando olho para ela de novo estou calmo. Já dei este discurso um monte de vezes, por isso não é nada novo. "Olha, você é uma menina agradável, e nos divertimos, mas a nova temporada está prestes a começar, e não posso entrar em qualquer coisa agora. Tenho que manter minha cabeça no jogo, você sabe?" "Oh." Ela torce as suas mãos. Merda. Espero que ela não comece a chorar. "Não é pessoal. Preciso manter o foco." Um boquete no caminhão à luz do dia não vai


acontecer (ainda uma novidade para o meu pau), mas pelo menos a desculpa é em grande parte verdade. "Certo. Certo. Eu entendo." Ela desata o cinto de segurança e se inclina como se ela estivesse esperando algum de beijo de despedida. Só passei uma noite com ela. Acho que fizemos sexo duas vezes. Foi decente se me estou certo, mas não tenho certeza. Levanto o meu queixo e, assim, alcanço a testa dela em vez de sua boca. Eu puxo para trás e sorrio. Ela devolve, mas tem aquela qualidade aquosa novamente. Ela estende a mão para a porta, que é quando percebo que ela ainda não está usando calça. "Ei." Ela para com a mão na porta, e sua expressão de esperançosa me faz sentir uma merda. Olho para baixo e tenho um vislumbre de buceta. "Você provavelmente deve colocar um shorts, querida." "Oh! Oh meu Deus!" Suas bochechas coram, e ela murmura um pedido de desculpas quando vasculha a sua bolsa. Leva uma eternidade para encontrar o seu short. Ela enfia os pés através dos furos e os puxa, em seguida, atirando todo o resto de suas merdas de volta. Ela abre a porta sem olhar para mim. "Obrigado pela carona." Minha garganta parece que tem algo. "Sem problemas." Ela desce muito bem sem qualquer ajuda. Quando está prestes a fechar a porta, eu noto o seu celular no banco. "Espere!" Ela levanta a cabeça, a mesma expressão esperançosa aparecendo novamente. Só que ela usa o dorso da mão para esfregar os olhos. Eu a fiz chorar. Não acho que esta situação poderia


ficar mais esquisita. Estendo o celular. "Você quase se esqueceu disso." "Merda." Ela sobe de volta para pegar. "Obrigado. Não quero que você tenha que voltar aqui ou qualquer coisa." Qualquer simpatia que eu tinha sentido se dissolve com a mordida afiada de seu comentário. Ela sai da caminhonete e bate a porta. Espero até ela entre antes de me afastar. Assim que chego em casa, verifico os meus feeds de mídias sociais. Ela postou a foto. O nome dela é Marcie. Ela também postou esta:

RBBRs: Beijos na testa são os piores.

Ela faz referência a um grupo chamado Puck Bunnies Rejeitadas por Randy Ballistic. Aparentemente, é onde as meninas com quem estive mais de uma vez trocam histórias. Fico longe dessa porcaria, mas sei que isso existe. Abaixo do post está uma série de comentários de outras meninas. Reconheço alguns de seus nomes e rostos de suas fotos de perfil. É estranho que a minha rejeição é como um rito de passagem. Pego uma cerveja na geladeira, retiro a tampa, e dou um longo gole. Está um clima muito bom me sentar no quintal, então vou para fora para a porta do fundo, coloco algumas músicas e relaxo. Dura somente três minutos. Não sou bom em ficar sentado por muito tempo. Também me sinto uma merda sobre o que aconteceu com Marcie. Não é minha culpa que ela tenha romantizado uma noite, mas nunca me sinto bem em fazer uma garota chorar. Fiz Lily chorar, mas isso era diferente, e acho que, neste momento, isso foi resolvido. Pesco o seu contato. Enviei mensagens para ela há alguns dias e ela respondeu que estava no trabalho. Não ouvi nada desde então. O próximo fim de semana estará


chegando em breve, então acho que é uma boa ideia começar algo um pouco mais consistente. Dessa forma posso obter um bom indicador sobre se Lily está no clima ou não.

O que você está fazendo?

A sua mensagem vem menos de dois minutos depois.

Arrumando-me para o trabalho. Você?

Isso é tudo que ela sempre parece fazer.

Bebendo cerveja em minha varanda, atrás de casa.

A próxima vem mais rápida. Há um emoticon franzindo a testa anexado a ele.

Não esfregue isso na minha cara.

Sorrio enquanto digito a próxima mensagem.

Consigo pensar em muitas coisas que eu gostaria de esfregar em você.

Há uma pausa mais longa, e me preocupo se empurrei longe demais ou rápido demais.


Estou prestes a enviar uma mensagem dizendo que estou brincando quando os pontos aparecem no meu feed.

Você está tentando fazer sexo por telefone?

Perfeito. Esta é a resposta exata que eu estou procurando.

Talvez. Você quer fazer sexo por telefone?

Não tenho que esperar muito tempo para sua resposta.

Estou prestes a dar uma aula. Não é um bom momento.

A minha próxima mensagem é carregada:

Quando você sai?

Ela ou perde a insinuação ou ignora.

22h.

Posso esperar.

Vou fazer sextexting com você mais tarde.


Infelizmente, bebo cerveja demais e tomo muito sol, assim acabo desmaiando no meu sofá muito mais cedo do que pretendia. Acordo à meia-noite e envio uma mensagem para Lily, mas não tenho resposta depois de dez minutos, assim suponho que ela já está dormindo ou me ignorando. Isto é legal, apesar de tudo. Tenho toda a semana para sextexting com ela, já me preparando para o fim de semana.


Capítulo 6 Sexo por celular

LILY

Gostaria de dizer não estava esperando por mensagens de sexo de Randy quando cheguei em casa do trabalho. Mas isso pode ser uma mentira. Enquanto vou para o meu quarto, não esperando por Randy, faço o que venho fazendo desde nós nos encontramos pela primeira vez: o persigo em mídia social. Não é difícil de fazer. O seu rosto está em todo o lugar. O seu lindo rosto e o seu corpo super quente. Novidades vieram à tona hoje, incluindo algumas dele descansando à beira de uma piscina em um par de shorts. Mesmo relaxado ele tem um pacote de seis. Há também um dele com alguma Puck bunny vagabunda sentada no que parece ser um carro. O seus peitos ocupam noventa por cento da foto. Ok, isso é um pouco de exagero, mas eles preenchem mais do que os meus fariam. O meu estômago faz aquela coisa estranha de cair. Isto é o mesmo sentimento que costumava ter quando Benji flertava com outras meninas na minha frente. Ele fazia isso de propósito para me irritar. Ele também apontava todas as meninas com melhores seios do que eu na praia. Eu tentei não o deixar chegar a mim, mas raramente fui bem sucedida. Geralmente acabamos por ter uma grande discussão. Eu terminava com ele, ele ameaçava namorar outra garota, eu diria a ele para ir em frente, ele iria embora. Às vezes eu o perseguia e chorava, outras vezes eu o deixava ir. Benji


eventualmente sempre se desculpava e voltávamos a ficar juntos. O que odiava mais era a parte do choro. Não gosto de me sentir fraca. Não estar com ele é muito menos estressante. Esta não é, de todo, a mesma situação. Randy não é meu; estamos fazendo o que estamos fazendo. Ele tem enviado mensagens um pouco, então ele parece ter aceitado a minha decisão de lhe dar uma tentativa. Casual brincando ao redor, eu acho. Possivelmente sexo casual, dependendo do que acontecer na próxima semana. Ele finalmente me envia mensagem à meia-noite. Olho para o meu celular por um bom tempo, debatendo se eu quero responder. Violet fez um bom ponto sobre Randy ser um substituto divertido. Com base em toda a minha investigação/ perseguição, sei o que está acontecendo entre nós não vai ser sério. Acho que posso lidar com isso. Quero ser capaz de lidar com isso. Estive com Benji durante sete anos, então não tenho ideia se posso lidar com isso. Mas vou tentar. Randy e eu temos uma química incrível, e ele me dá orgasmos incríveis, mas também não estou interessada em ser uma foda por celular após a foda da bunny. Sobras ainda são medíocres, mesmo se forem virtuais. Quando lhe respondo no dia seguinte, faço um ponto ligando enviando a foto dele com a menina dos peitos, para que ele saiba que não sou uma idiota. O meu celular toca imediatamente. O meu estômago vira quando atendo a chamada. "Oi." "Você está me perseguindo?" O toque de brincadeira em sua voz faz a sensação de aperto ainda pior. Merda. Talvez a perseguição na mídia social esteja ficando fora de controle. Eu vou com a indiferença. "Só é perseguição se eu tiver um santuário para você." Randy ri. Pergunto-me como seria essa sensação do som contra a minha vagina. "Aquela garota era uma das amigas de Lance." "Quem?"


"Um dos meus companheiros de equipe. Ouça, preciso que você tire uma foto de seu quarto para mim." A sua explicação inesperada e o pedido me atordoa. "Por quê?" "Para que eu possa ver o seu santuário." Posso praticamente ouvir a sua arrogância. É a minha vez de rir. "Não posso. Estou no trabalho." "Tire uma foto de qualquer maneira." "Qual é o ponto, se você não pode ver o meu santuário?" Eu mordo minha junta para parar o riso. A sua voz é baixa. "Então posso te ver." Meu Deus. Agora as minhas partes de menina estão pirando. Fiz um ponto enviando mensagens para ele quando eu sabia que não teria muito tempo para brincadeiras. "Tiro uma antes de eu chegar ao ringue." "Promete?" "Prometo." "Estou ansioso por isso. Falo com você em breve, ok?" "Ok." Randy termina a chamada e fico em frente do espelho no meu equipamento de patinação. É um simples collant preto contornado com meias neutras. Nada de espetacular. Seguro a câmera para o alto como Sunny, sorrio, tiro uma foto e envio sem olhar para ela. Tento não pensar na tempestade de borboletas no meu estômago. Ou no zumbido entre as minhas coxas. Lanço o meu telefone no meu armário, fecho-o, e vou para a arena. Tenho cerca de 15 minutos para aquecer antes de minhas meninas chegarem. Após esta sessão da manhã, vou passar a tarde trabalhando no café, em seguida, volto para fazer uma aula de noite na arena com as


crianças mais velhas. Tirar o próximo fim de semana para a festa de noivado tem sido uma dor na minha bunda. Estou trabalhando turnos extras em ambos os trabalhos esta semana para compensar que vou faltar três dias. É agitado, mas vai ser bom ter uma pausa. Faço algumas voltas ao redor do gelo para aquecer. O cara do som coloca na minha música, e eu pratico a rotina que estou trabalhando com as meninas hoje. É simples, porque elas são jovens, mas algumas delas são tão talentosas. Vê-las evoluir para dançarinas é tão doloroso como inspirador. Não tenho tempo para verificar o meu telefone novamente quando chego em casa naquela noite. Estou exausta, mas Randy enviou mensagens, então desabo na minha cama e percorro-as. A primeira é uma captura de tela da garota vagabunda que tirou a selfie com Randy, mas ele apontou o seu comentário, que eu não li antes, porque os seus peitos foram meu ponto focal. Ele a rejeitou. Isso me faz sentir melhor do que deveria. A próxima é uma foto do que é, obviamente, a mão de Randy na frente de sua cueca. É a boxer rosa de novo, com o meu lindo aviso: PAU PEQUENO.

Você se masturbou olhando o meu equipamento de patinação?

A resposta é imediata:

Sim.

Tenho certeza que ele está brincando:

Pervertido.


Rio de sua resposta:

Sim. Eu ainda quero um foto sua no quarto. Para ter certeza que você não é uma perseguidora.

Tiro a minha camisola, estou vestindo uma regata e leggings. Procuro no meu armário por qualquer coisa que eu tenho que seja redonda. Encontro bolas de golfe, mas não são grandes o suficiente. Eventualmente, encontro um conjunto de bolas de tênis que não combinam. As enfio na minha camisa, e faço pose em frente do espelho, e tiro uma foto do pescoço para baixo. Eu rio quando pressiono enviar. O meu telefone toca. "Olá?" "Você está me matando; você sabe disso, certo?" A sua voz profunda vai direto para a minha vagina. Caio para baixo no meu colchão. "Você gosta dos meus novos seios?" "Não mexa com seus seios. Eles são perfeitos do jeito que são. Especialmente quando eles estão na minha boca." A sua franqueza me desarma, e tudo o que posso fazer é fazer um barulho de gemido. "Você está lembrando como foi?" "Não." "Sim está." "Tenho de ir. Está tarde. Tenho de trabalhar na parte da manhã." "Quanto você trabalha?" "Muito. Tenho turnos duplos esta semana por causa da festa de noivado."


"Bem, isso é uma merda." Há algum farfalhar no fundo e o som de uma porta fechando. "Onde você vai ficar hospedada enquanto estiver em Chicago?" "Na casa de Alex." "Você acha que pode ficar uma noite longe da família Waters, enquanto estiver aqui?" "Não sei. Talvez. Por quê?" "Porque estava pensando que talvez pudéssemos ir jantar ou algo assim." "Uh... Hum..." Isso soa muito como um encontro. Ou talvez seja a maneira de Randy de me seduzir para ficar nua: jantar em primeiro lugar, em seguida, sexo. "A menos que você tenha tudo reservado. sei que vai ser um fim de semana ocupado. Foi só um pensamento." "Posso falar com você sobre isso depois?" "Certo. Não se preocupe se você não puder." Randy é tão fácil sobre isso. Não posso decidir se isso é bom ou mau até que ele fala novamente. "De uma forma ou de outra vou te pegar sozinha neste fim de semana, nem que tenha que te trancar em um banheiro." A parte nua está implícita.


Capítulo 7 Lições de Xbox

RANDY

O estado distraído de Miller está me permitindo chutar a sua bunda no Xbox. Além disso, sou melhor no jogo do que ele. Não que ele vá admitir isso. De qualquer maneira, a falta de concorrência é insatisfatória. O seu celular toca no meio de um nível, e ele pausa o jogo para atender a chamada. "Ei, baby! Como foi o voo? Isso é bom, não posso esperar para te ver. Você acha que vai estar na casa do seu irmão dentro de uma hora? Legal. Eu te encontro lá. Sim. Sim. Estou com ele agora. Ah, é?" Ele me dá um olhar de soslaio. "Isso está certo? Ok. Também amo você, Sunny Sunshine". Desligo o jogo sem o salvar e faço gestos de boquete para ele. "Eu estava ganhando naquele nível!" Miller aponta para a tela em branco. "Ganhei de você seis vezes seguidas," o lembro. "Nem é mais divertido. Além disso, ouvi que você está saindo em breve." Não pergunto sobre Lily, embora saiba que ela voou com Sunny. Ela não me respondeu sobre nos jantarmos. Também não insisti. Não preciso perseguir meninas. Se ela não está interessada, vou deixá-la sozinha. Amanhã saberei melhor, a menos que receba um convite para ir à casa dos Waters hoje à noite. Contudo, não estou contando com isso.


"Acho que precisamos falar sobre amanhã à noite." Miller se recosta contra o sofá e estica um braço. Pego minha cerveja. "A situação de Lily está sob controle. Tenho falado com ela desde o jogo de caridade. Estamos bem." "É com isso que estou preocupado. O que bem significa?" "Significa que temos conversado. Estamos bem um com o outro." Não tenho conversado totalmente com Miller sobre Lily, mas então, não há nada que precise compartilhar. Estamos apenas nos falando, e espero que este fim de semana estejamos fodendo. "Sunny diz que você tem lhe enviado mensagens toda a semana." "Bem, sim. Vou vê-la, por isso achei que seria uma boa ideia me certificar que estamos bem. E nós estamos. Então, problema resolvido. Ela não vai tentar me bater com um taco de hóquei ou arruinar mais as minhas roupas. Você não tem nada para se preocupar." Esqueci que as meninas falam. É claro que Lily vai dizer coisas a Sunny, que vai dizer a Miller. "Randy, cara, conversamos sobre isso; você não pode transar com ela e com outras." "Eu não vou transar ao redor. Estamos apenas nos divertindo. Ela vive no Canadá, pelo amor de Cristo. Quantas vezes posso vê-la?" Ele me dá um olhar. Sunny também vive no Canadá. "Sim, mas vocês têm um plano. A Sunny vai se mudar para cá e vocês estão todos sérios e toda essa merda. Isso não vai acontecer com Lily. Eu sou um substituto. Se eu achar que está indo em uma direção que não deve, vou recuar ok?" Miller coça a parte de trás do seu pescoço. "Só não fique muito confortável com ela se você vai fazer a rotina habitual." Eu nunca fico muito confortável." "Sim." Miller parece ter mais a dizer, mas


ele dá um tapa em suas coxas e levanta. "Tenho que ir. Tenho que pegar algumas coisas na minha casa antes de ir aos Waters. Obrigado pela hospitalidade, Balls." "Sempre que você quiser a sua bunda chutada, você vem me ver e o meu Xbox." Assim que ele vai, verifico meu celular para mensagens. Nada de Lily. Mando mensagem a Lance para ver o que ele está fazendo. Acontece que ele está em um bar, o que não é incomum. Não tenho nada melhor para fazer, então chamo um táxi e me junto a ele.

*** Acabei ficando na casa de Lance, graças às bebidas que consumimos. Ele não trouxe Puck bunnies para casa. É a primeira vez que isso aconteceu desde que eu me lembre, embora o tenha conhecido há apenas alguns meses. Lance e eu fomos para a academia à tarde num esforço para suar a bebida residual. Não ouvi de Lily durante todo o dia, com exceção de um texto rápido me dizendo que ela está em Chicago e vai me ver mais tarde. Miller continua a me enviar fotos da mãe de Waters. Ela tem o cabelo mais fodido que eu já vi. É insano. No fundo de algumas fotos que posso ver Lily e Sunny. Elas estão desfocadas, mas obviamente se divertindo. Se eu tivesse recebido um convite mais cedo, Lily e eu poderíamos ter encontrado um lugar privado para dizer oi, nus e com orgasmos. "Você precisa de um corte de cabelo, mano." Lance diz no caminho para casa, me afastando dos meus pensamentos pornográficos. "Não há nada de errado com o meu cabelo."


"Essa besteira homem-coque tem que ir. Parece que você tem um grosso rabo de Dobermann pendurado na parte de trás de sua cabeça." Eu rio. "As senhoras gostam." "Sim, bem, você parece um idiota." Na mesma nota útil, Lance me deixa em minha casa para que possa ficar pronto. Ele vai voltar para me pegar esta noite, já que estou no caminho para os Waters. Não é um evento formal, mas é suposto parecer decente, com a coisa toda de ter um jantar servido. Coloquei a minha cueca favorita que Lily decorou e a cobri com calças pretas e uma camisa. Não estou lidando com uma gravata esta noite se não for obrigatório, mas coloco uma no bolso apenas no caso. Lá pelas seis e meia Lance ainda não chegou. Ele é muito parecido com Miller a este respeito, então estou acostumado a ele estar atrasado, mas esta noite eu gostaria de chegar em ponto. Ou pelo menos perto da hora. Sento na minha varanda da frente e tamborilo no braço da cadeira. Já lhe enviei um par de mensagens. Lance garante que está a caminho e que Tash é que estava atrasada. Não vejo como isso é possível, Tash é quase tão sem vaidade como uma garota pode ser. Nunca tinha visto ela em outra coisa senão roupas atléticas e um rabo de cavalo. Passam outros quinze minutos antes deles finalmente chegarem aqui. Lance está dirigindo o seu Hummer. É verde limão. Ele gosta de fazer uma declaração. Tash sai do lado do passageiro, e, por um segundo, não a reconheço. Ela está com um vestido preto colado, não vagabunda, apenas justo. Abraça todas as curvas incríveis de seu corpo muito tonificado. O seu cabelo está ondulado e solto. E ela está usando maquiagem. "Puta merda." Ela me mostra o dedo do meio. "Mantenha as suas opiniões para si mesmo." Tash ajusta seu vestido e toca seu cabelo. "Você pode ficar no banco da frente. Há mais espaço para as pernas."


Balanço a minha cabeça. "De jeito nenhum. Fique parada. Há muito espaço na parte de trás no carro deste imbecil." Estendo minha mão, e me ofereço para ajudá-la a entrar. Ela esta usando saltos. Não tenho certeza que é algo que ela faz com frequência baseado na forma como ela agarra o meu braço. "Você está quente, Tash." Eu bato levemente sua mão. Ela me dá o olhar malvado; e então aparece uma sugestão de um sorriso. "Obrigado, Randy." "É melhor você proteger a si mesma esta noite, menina. Você vai precisar de todas as habilidades de luta ninja para manter os caras longe de você." "Entra no maldito carro, Ballistic. Já estamos atrasados." Lance diz. "Acalme sua bunda, mano. Isso não é culpa minha." "Também não é minha." diz Tash. Há algo lá em seu tom e a forma como ela olha para Lance. Um tempo atrás Miller perguntou se eu achava que estava acontecendo algo entre eles. Agora estou começando a me perguntar se ele estava sabendo de algo. Lance está olhando para ela, e não um olhar irritado, mas o olhar é de foda. Entro no banco de trás e deslizo para o meio para que possa pôr a minha cabeça entre eles e ser um pau. "Então, de quem é a culpa que estamos tão atrasados?" Tash olha para Lance, um sorriso tímido puxando seus lábios. Ele mantém os olhos na estrada. "Tash teve problemas de roupas." "Se você diz." ela vira o visor para baixo e verifica sua maquiagem. Leva trinta e cinco minutos para chegar à casa dos Waters. A entrada está lotada de


carros, e há um cara em um terno orientando na rua. Lance nos deixa sair e, em seguida, estaciona o carro para que Tash não tenha que andar um longo caminho nos seus saltos. Olho para ela de soslaio. Natasha faz aquela coisa inquieta que as garotas fazem quando sabem que você está olhando para elas e elas ficam autoconscientes sobre isso. "O quê?" Ela pergunta. Dou de ombros. "Nada. Você está um pouco inquieta esta noite ou algo assim?" "Não. Estou bem." Ela ajusta o seu vestido novamente. Tash tem sido treinadora da equipe por cerca de dois anos, de acordo com Miller. Só estou em Chicago há alguns meses, não a conheço muito bem. Ela é boa em seu trabalho, nos empurra duro, e é divertida para sair, mas esta noite ela parece fora. "Você quer esperar por Lance ou quer ir para dentro?" "Ele sabe onde estaremos. Vamos." Tash vira o cabelo sobre o ombro e começa andar na a entrada de automóveis. Garçons nos recebem na porta com cocktails. Cada um de nós toma uma e inspeciona a casa. Está cheia de pessoas, mas posso ver a partir do hall de entrada todo o caminho para as portas deslizantes que se abrem na parte de trás. Elas levam direto para o quintal, que também está cheio. "Santo inferno, Waters sabe como dar uma festa." Tash toma um gole de sua bebida. "Não me deixe ter muitas destas; Sou capaz de subir em uma mesa e fazer um striptease." "Não acho que você iria ter muitas queixas sobre isso. Exceto, talvez, a partir daquela ali." Aponto para uma velhinha sentada no sofá, segurando um copo de vinho com as duas mãos. "Oh Deus. Existem avós aqui. Espero que a equipe não faça nada para envergonhar


Violet." Eu ronco. "Certeza que ela pode fazer isso tudo por conta própria." Violet é difícil. Ela é provavelmente pior do que a maioria dos caras da equipe com o que sai da sua boca. Não tenho certeza se ela é uma pessoa nervosa ou meio louca, mas Violet é divertida de estar por perto. Como se ela nos ouvisse falando sobre ela, Violet vem perambulando pela multidão. Ela é todas as curvas com uma cintura minúscula. Ela está usando um vestido vermelho. É uma daquelas coisas sensuais, então tem um monte de decote. Violet tem um busto enorme, especialmente num corpo tão pequeno quanto o dela. É difícil não olhar. "Tash!" Violet grita e acena. Há um ligeiro desequilíbrio em seus passos. Quando Violet me vê, ela tem aquele mesmo olhar em seu rosto que ela sempre faz. Enfio as mãos nos bolsos e suprimo um sorriso. Já sei o que está vindo. Violet não pode lidar com o meu nome. Miller encurta o meu último nome para Balls, uma espécie de piada interna, que ele não tem permissão para compartilhar com ninguém ou vou matá-lo e o cérebro maluco dela transformou-o em algo sujo. Embora, eu acho que dada a minha reputação com as mulheres, não está tão longe. Violet para há três metros de nós. Ela fecha os olhos e toma algumas respirações profundas. O copo vazio que ela está segurando treme. Após mais alguns segundos, ela abre os olhos e sorri. "Oi, Randy." diz ela com os dentes cerrados. "Isto está te matando, não é?" Normalmente há alguma ação de empurrão que acompanha a pronuncia do meu nome. "Você não tem ideia. É garantido que esta noite vou dizer algo embaraçoso. Até agora só acidentalmente me referi ao pau de Alex uma vez." "Oh, Deus." Tash abafa uma risada.


Violet ergue uma mão reconfortante. "Está tudo bem. Não acho que a minha avó escutou; ela não está usando os seus aparelhos auditivos. Eu estou pensando antes falar para que eu possa controlar a minha boca o resto da noite, mas não é o meu forte." Um dos garçons vem para tomar o copo vazio. Violet pega uma nova bebida de sua bandeja e levanta um dedo para que ele não sair. Ela engole tudo em um só gole, entrega o copo e estende a mão para o outro. "Violet, baby, você está ai." Alex chega por trás dela e arrebata o copo antes que ela possa levar aos lábios. "Aqui. Você deve tentar isso." Ele dobra sua mão em torno do novo copo e nos reconhece. "Ei pessoal. Ainda bem que conseguiram vir. Natasha, você está deslumbrante." "Ooooh! O que é isso?" Violet mantém a taça de champanhe. A mistura é rosa, com pequenas frutas flutuantes. Um palito enfiado com doces está na parte superior. "Charlene disse que iria amá-lo." Violet toma um gole e lambe os seus lábios. Ela está definitivamente bêbada. Hoje a noite deve ser interessante. "Isso é maravilhoso. Você é o melhor, baby." Ela passa a mão no peito de Alex. Alex a pega antes que possa ir muito baixo. "Qualquer coisa para você, linda." Ela se inclina para dentro dele e agarra a sua camisa, puxandoo para baixo. Ele nos dá um olhar de desculpa antes que Violet diga, mais alto do que ela provavelmente pretendia, "Esta noite vou montar o seu pau como se estivéssemos no Calgary Stampede." "Shh," ele murmura. "Podemos falar sobre isso mais tarde." "Certo. Shh!" Ela coloca seu dedo sobre os lábios. "Falando de montar coisas..." Ela solta a camisa e aponta de Alex para mim. "Você pode querer encontrar Lily. Ela está quente esta noite. Se não estivesse me casando com este pedaço sexy de bunda, e não amasse o seu pau monstro, tanto quanto amo, poderia estar interessada nela. Só que ela é uma menina.


Então, não estou. Mas há um monte de caras com tesão que estão." Ela se vira para Alex e se encolhe. "Isso foi longe demais, não foi?" "Sim, querida." Ele balança a cabeça. "Você viu a linha e esmagou-a." "Eu disse que esta festa não era uma boa ideia. Precisamos fugir." Ela engole o resto de sua bebida. "Preciso de mais uma dessas." "Deixe-me cuidar disso para você." Alex leva o copo e coloca um braço em volta dela. "Vou falar com vocês daqui a pouco. Sintam-se em casa." Ele a orienta enquanto ela agarra a sua bunda. Tash e eu olhamos para o outro. "Tenho a sensação de que vai ser uma noite interessante." "Você pode dizer isso." Tash concorda. Lance ainda não chegou, então fazemos o nosso caminho através da multidão. Estou em uma missão para encontrar Lily, especialmente após o relatório de Violet. Embora ela esteja bêbada, então pode estar exagerando. Não vejo Lily em qualquer lugar, então envio um texto dizendo que estou aqui e pergunto onde ela está. Quando Tash e eu saímos para o deck no quintal, o seu salto fica preso entre duas placas. Eu a pego antes que ela possa cair. "Oh droga! Estes sapatos foram uma ideia estúpida." "Você está bem. Tenho você." Ela coloca a mão no meu ombro e se curva de modo que ela possa ver o que a está mantendo presa no deck. "Droga. Está realmente preso!" Tash empurra o pé um par de vezes. "Deixe-me ver se eu posso tirá-lo." Assim quando me curvo vejo Lily. Ela está usando um pequeno vestido azul, as pernas magras em exposição. Isso me lembra de suas roupas de patinação artística. É leve e


flutuante, cobrindo tudo, e não o suficiente ao mesmo tempo. E a porra do Kirk está falando com ela. Ele é um cão. Eu agarro o tornozelo de Tash e puxo. O seu salto se liberta, e o seu cotovelo sobe rapidamente. Não tenho tempo suficiente para reagir. Ele se conecta com o meu nariz. "Ah, foda-se!" Eu resmungo e dobro para frente. "Oh, merda!" Fora do equilíbrio e do inesperado golpe de direita, Tash tropeça em mim, a sua bebida espirra no meu sapato. Gostaria de me importar, mas o meu rosto está latejando, e meus olhos estão lacrimejando, assim que a bebida não importa. "Você está bem?" Tash me tira o copo e o coloca no deck. Estou surpreso que ainda o estava segurando. Tudo o que posso é fazer um som gemido. "Você tem palavras?" Ela o pega meu rosto em suas mãos. "Randy?" Desta vez, sai mais do que um ruído. "Pooooorra." "Sinto muito." Endireito-me e tento removê-la. "Estou morrendo." Ela ri, mas cara, um golpe direto no nariz dói. "Ei, caras." A voz de Lance permeia a névoa de dor. Viro-me para olhar para ele, processando a sua confusão, que rapidamente se transforma em raiva, que ele dirige para Tash. "O que diabos está acontecendo?" Tudo fica subitamente tranquilo no deck. Tash revira os olhos. "Acalme-se, Lance." Ele aponta uma mão na minha direção. "Por que está você toda encima do Ballistic?" "Eu bati nele."


Lance parece mais perturbado por esta revelação do que o necessário. "Você o quê? Quando?" "Como dois segundos atrás." responde Tash. "Como é possível?" Ele olha de mim para ela. "Você fez uma parada em um banheiro antes de vir aqui?" "O quê?" Tash parece confusa. "Huh?" Tudo que quero é colocar um saco de gelo no meu rosto. Estas pessoas são loucas. "Você é um verdadeiro pedaço de trabalho, Tash. Eu não posso deixá-la sozinha por cinco minutos sem que você salte em alguém." Os olhos de Tash se arregalam, e a sua boca cai. Sua mão se ergue no modo tapa. Fico na frente dela antes que ela possa seguir com a bofetada, que Lance pode realmente merecido. "Não foi isso que ela quis dizer com bater," digo a ele. "Por acidente, ela me deu uma cotovelada no nariz." "O quê?" Lance agarra a parte de trás do seu pescoço. Tash balança a cabeça. "Sabia que isso era uma má ideia." Ela empurra passando por ele e vai para dentro. "Porra. Merda. Tash espere!" Ele vai atrás dela. Bem, acho que Miller tem razão. Há algo definitivamente acontecendo. Ou estava.


Capítulo 8 O que há com banheiros?

LILY

Este cara assustador chamado Kirk não me deixa sozinha. Não sei onde Sunny foi. Ou Miller. Examino a multidão novamente quando ele fala sobre o quão incrível ele é. Ele é velho, ou mais velho de qualquer maneira. Ele tem alguns cabelos brancos nas têmporas e algumas rugas ao redor dos olhos. Eu acho que ele pode ser calvo, mas eu não tenho a certeza, porque sou muito mais baixa do que ele. Eu o colocaria nos trintas. Mas ele não está usando um anel de casamento, então também posso estar errada sobre isso. Neste momento eu grudaria em mamãe dois, se isso significasse ficar longe desse cara. A comoção no deck atrai a minha atenção, já dividida, para longe de seu monólogo. Randy está fora das portas francesas. Oh Deus. Ele parece tão, tão bom. Ele está vestindo calça preta e uma camisa de botão escuro. É azul, quase da mesma cor que o meu vestido. Nós combinamos, e nem sequer planejamos. Depois, há uma mulher alta incrivelmente construída, muito bonita, com as mãos no rosto dele. Ela parece preocupada. Ele parece, além de quente, intenso. A sua mão está no ombro dela, e eles estão próximos enquanto falam. Tenho essa sensação, a mesma que tenho quando eu cometo um erro em competição. Todo o meu corpo aquece e esfria ao mesmo tempo. O meu estômago dá nós.


"Sinto muito." Eu me viro para Kirk, que ainda está falando. "Você vai ter que me desculpar." Não espero sua resposta. Dirijo-me para a casa. Felizmente, não tenho que passar por Randy no caminho para dentro uma vez que há outra porta. Entro pela cozinha e corro para Sunny. "Aí está você! Estive procurando você em todos os lugares." Ela exclama. Miller está contra o balcão, enchendo a sua boca de aperitivos. Ele tem um olhar de satisfação no rosto. Aposto que eles desapareceram em algum lugar para transar. Eles têm feito isso o dia todo. "Randy ainda não está aqui?" Miller puxa o seu celular do bolso de trás e verifica as suas mensagens. "Ele diz chegou aqui, tipo, há dez minutos." "Sim, mas ele está com uma garota." Tento soar como se não importo, mesmo que pareça que alguém me chutou. "O quê?" Os olhos de Miller se estreitam. A menina com quem Randy estava no deck rompe pela casa. Eu aponto. "É ela." "Tash?" Agora Miller parece confuso. "Não sei o nome dela, mas eles tinham as mãos um no outro." Eu agito minha bebida. "É a treinadora da equipe." diz Sunny. Reconheço o jogador de hóquei, penso que o seu nome é Lance, nos calcanhares dela chamando-a. "Acho que talvez haja um mal-entendido, porque se alguém está com Tash, é Lance, não Randy." Sunny acena. "Totalmente. Randy está


todo sobre você nos dias de hoje." Miller olha para ela. "Não foi isso que você disse antes?" Ela torce o seu cabelo em torno de seu dedo. "Ei, Balls." O olhar de Miller levanta sobre a minha cabeça. "Ei." A sua voz profunda faz meu interior líquido, mas não líquido Ebola, líquido sexy. Posso praticamente sentir o calor do seu corpo atrás de mim. Ok, isso não é verdade, mas ele corre um dedo pela minha nuca todo o caminho até a base da minha espinha, e posso definitivamente sentir isso. O meu corpo aperta com antecipação. Todo o sangue parece ser sugado direto para o meu clitóris. Só a partir de seu dedo. Não entendo. Agora tudo o que quero fazer é saltar para ele, embora menos de cinco minutos atrás alguma garota o estava tocando. Respiro fundo e viro. O seu cabelo está puxado para trás em um coque. Normalmente, acho que homens de coques são estúpidos. Por alguma razão, nele é sexy. "Ei, Lily. Não vai fugir de mim desta vez?" O seus lábios se curvam em um meio sorriso. Sua barba é tão perfeita. Assim como o resto do corpo. Quero correr os meus dedos por ele. Acariciá-lo. Ele. Também posso querer montar seu rosto. Mais uma vez. Jesus. O que há de errado comigo? Percebo que estou olhando e ele fez um comentário sarcástico. Abro a boca e tudo o que sai é um suspiro. O seu sorriso se torna maior. Todo arrogante. "Sinto muito, o que disse?" Tomo um gole da minha bebida. Isto é forte, seja ela qual for. Viro a cabeça e tusso. Quando olho para trás de novo, estou um pouco mais composta. "Não vejo o ponto, pois você provavelmente vai me seguir de qualquer maneira."


"Há uma boa chance." Randy desliza sobre o meu ombro com a ponta dos dedos. "Isso é bonito." "Obrigada." A etiqueta ainda está ligada a este vestido. Ela está dobrada dentro, e a pequena coisa de plástico está me cutucando na axila. Custa mais de cem de dólares. Não posso dar ao luxo de mantêlo, por isso o meu plano é usá-lo hoje à noite, limpá-lo a seco, e devolvêlo à loja na segunda-feira. É desonesto e dissimulado, mas eu queria ter boa aparência esta noite. O último vestido formal que comprei foi para o meu baile de formatura e isso foi há anos. Paramos e ficamos olhando um para o outro por um tempo muito longo, sem dizer nada. Gostaria de ter o abraçado de imediato ou algo assim, mas parece estranho agora. Todas as mensagens que temos enviado durante a semana passada fazem a minha pele aquecer. É muito mais fácil flertar e ameaçar fazer sextexting quando não tenho que olhar para o seu rosto. "Então, o que está acontecendo com Tash e Lance?" Pergunta Miller. "Quem sabe. Eles estão agindo estranho. Não tenho certeza qual é o problema, mas Tash me deu uma cotovelada no rosto, e Lance entendeu mal, e agora eles estão chateados um com o outro." "Você está bem?" Sunny pergunta, parecendo genuinamente preocupada. "Estou bem, apenas um pouco ferido por alguns minutos. Obrigado por perguntar." Randy dirige o seu sorriso para mim. Miller toma um gole de sua cerveja e balança a cabeça. "Ainda não entendo por que ela estaria interessada nele. Ele coloca o seu pau em todos os lugares." "Você costumava colocar seu pau em todos os lugares." Sunny se intromete. Ela não está com raiva, apenas honesta. "Nunca fui tão ruim assim."


Randy levanta uma sobrancelha. Sunny faz o mesmo. "Fala sério. Eu não era tão ruim assim." Sunny lhe dá um tapinha no rosto, em seguida, substitui a mão dela com os seus lábios. "Está tudo bem, Miller. Só estou dizendo, eu ainda lhe dei uma chance, mesmo que você era um prostituto e olha o que deu certo? As pessoas mudam, ou pelo menos as coisas que eles querem poder mudar." Miller beija a ponta dos dedos dela. "Tive que trabalhar realmente duro para convencê-la que eu estava falando sério sobre você, baby." Sunny bate seus cílios. "Você fez um trabalho tão bom, também." Randy faz um barulho de engasgos. "Vocês são piores do que um filme de romance. Vocês precisam levar essa merda para outro lugar." "Eles estão levando isso para outro lugar durante todo o dia maldito." murmuro para o meu copo. Miller e Sunny se separam. "Não temos não!" A voz de Sunny é alta, como quando fica quando ela está mentindo ou envergonhada. "Está tudo bem, baby. Não se sinta mal em querer um pedaço disto." Miller aponta para si mesmo, mais especificamente para a sua virilha. "Estarei de volta em um minuto. Eu preciso usar o banheiro." Coloco o meu copo no balcão e me volto para Randy. "Mantenha um olho sobre estes dois; eles continuam desaparecendo." "E isso é um problema por quê?" Rolo meus olhos e ando para o banheiro. Preciso me recompor. Eu não gosto de quão territorial me sinto sobre Randy e nem sequer dormimos juntos. Lembro que isso não vai ser sério. Ele vive em Chicago. Eu vivo no Canadá. Nós estamos tendo um pouco de diversão. Preciso de uma pausa de coisa sério de qualquer maneira. Mereço isso e posso totalmente lidar com isso.


Tranco-me no banheiro, surpresa e um pouco desapontada que Randy não me seguiu desta vez. Ligo a torneira enquanto faço o meu negócio, em seguida, verifico o meu reflexo no espelho. Violet e Charlene me maquiaram. Não as deixei fazer muita coisa, mas estou usando rímel e sombra nos olhos. Desenhei uma linha com batom e enchi com gloss. Retiro um pacote de lenços de minha bolsa e o abro. Cheira a menta e pepino. Violet deu para mim hoje e disse para lhe agradecer mais tarde. Deixo cair a minha calcinha, que é feita de renda, e me dou um pouco de massagem. Quero estar preparada para tudo que acontecer, ou não, hoje à noite. A hortelã faz tudo formigar. Lanço o lenço no lixo, lavo as mãos, arrumo o meu cabelo novamente, e abro a porta. "Demorou muito tempo." Randy entra e nos fecha. "O que há com você e banheiros?" Respiro até que bato na parede. Ele dá um passo mais perto. "O que há com você sempre fugindo de mim?" "Não estava fugindo. Tive que usar o banheiro." Se pudesse cavar as minhas unhas no gesso atrás de mim, eu o faria. Estou lutando contra o impulso de correr as minhas mãos sobre o seu muito duro e muito grande corpo. Se arquear as minhas costas toda, partes de mim vai tocar partes dele. "Acho que talvez você estivesse procurando um motivo para me fazer segui-la." Randy estende o seu antebraço contra a parede ao lado da minha cabeça. A sua camisa se estende apertada sobre o seu bíceps. Deus, ele é quente. "Então e se eu estivesse?" "Isso é uma admissão?" "Você tem me enviado sextexting toda a semana; precisa de uma admissão?" deslizo as


mãos atrás da minha bunda, para não fazer algo estúpido, como pegar seu rosto e colocar a minha língua na garganta dele. Mais uma vez. O seu joelho repousa contra as minhas coxas, procurando ficar entre elas. Se ele fizer isso, garanto que vou começar a transar a seco. As mantenho apertadas juntas. Se ele ficar lá, eu perco este jogo. Realmente gostaria de ser capaz de me controlar até que possamos fazê-lo em um local que não seja um banheiro. "Você é a única a enviar todas as fotos picantes." Os seus olhos caem para a minha boca. O jogo começou. "Fotos picantes? Você quer dizer de mim vestida com a roupa de patinação?" "E a aquela de você fodendo a minha visão com aquelas bolas de tênis de baixo sua camisa." Selfies de decotes não são a minha especialidade. Especialmente em comparação com aquela cadela vagabunda da semana passada. Não que eu esteja fixada nisso, ou qualquer coisa. Estou tão ferrada esta noite. Qualquer esperança de tomada de decisão racional voou pela janela fora. Não que eu estivesse honestamente pensando em tomar decisões racionais e inteligentes. A pressão contra as minhas coxas aumenta, então eu aperto mais forte. A respiração de Randy o deixa com um suspiro pesado. Ele cheira vagamente a alguma bebida frutada. Inclino o meu queixo para cima; estamos tão perto e sinto que estivesse começando a desabar. "Essa roupa de patinação me deu horas de diversão." A sua boca desce na minha. Assim que os nossos lábios se conectam, abro os meus dou as boas-vindas a sua língua. Também separo as pernas e dou as boas-vindas à sua coxa moendo contra como se eu estivesse dançando pole dance. Randy não parece ter um botão de aquecimento. Ele acaricia o exterior da minha perna, chegando à barra da minha saia.


"Por favor, me diga que isso significa que estamos transando esta noite." ele geme em minha boca. "Uh-huh." Nós estamos nos esfregando um sobre o outro como gatos no cio. Nem sequer sei o que diabos está acontecendo. As suas mãos estão por todo o lugar: debaixo da minha saia a amassando minha bunda, por cima do meu vestido apalpando meus seios. "Preciso levá-la para uma cama." Randy murmura. "Eu tenho um quarto no andar de cima." "Porque estamos aqui, então?" "Porque você me seguiu como um assediador assustador." Randy para o nosso beijo. "Assediador assustador? É isso que você realmente pensa?" O seu olhar é intenso. Vejo a tensão em sua postura e passo uma mão macia no lado de seu pescoço. "Não." "Não?" Decido que agora é um bom momento para ser vulnerável. Não estou tentando tirar vantagem da situação, porque vamos enfrentá-lo, este homem sabe o seu caminho para o corpo de uma mulher. A minha experiência é limitada a Benji, que eu estou descobrindo não era impressionante, e os poucos caras com quem peguei enquanto estávamos em nossas pausas. "Eu estou desviando." "Desviando o quê?" "Não quero ser uma decepção." As mãos em meus seios continuam, juntamente com o joelho entre as minhas pernas. "Decepção? Como diabos isso é possível?" Eu tremo. "Não sei por que disse isso.


Você torna difícil pensar." Gostaria de poder parar de me envergonhar. "Você não precisa pensar em outra coisa senão o quão bem eu vou fazer você se sentir assim que chegar a uma cama." Randy acaricia a minha bochecha com a palma da mão, ela é áspera, quente e macia, tudo ao o mesmo tempo. "Onde está o seu quarto?" Digo o melhor que posso em frases cortadas e nervosas. "Encontro-te lá em cinco minutos." Randy me beija de novo, duro. Quando ele termina de possuir minha boca, ele abre a porta, verifica as coisas e me deixa sair primeiro.


Capítulo 9 Sem decepções

RANDY

Preciso de um minuto para me recompor. Assisto Lily virar a esquina enquanto ajusto o meu pau duro. O seu vestido está me deixando louco. Quando tinha dez anos tive um ano de patinação artística. Eu e Miller fomos juntos. Achamos que era estúpido. Nós já sabíamos andar de patins; Nós não precisávamos aprender a pular, a girar e rodopiar. Então, encontramos a nossa treinadora e paramos de pensar que era um desperdício de tempo. O nome dela era Deanna. Ela era muito rigorosa, e era quente como pecado. Ela provavelmente tinha apenas dezessete ou dezoito anos na época, mas era a primeira garota por quem eu tive uma ereção, e, eventualmente, ela foi a razão por trás do meu primeiro sonho molhado. Lily ainda é mais quente, e desta vez eu vou chegar a viver a fantasia, não apenas fazer uma bagunça em meus lençóis pensando nisso. Lily é um foguete, e ela tem sido tão legal em nossas mensagens durante toda a semana. Então vim hoje à noite com uma ideia preconcebida de como isso iria acontecer. E então ela deixa cair esta pequena joia: "Eu não quero ser uma decepção." É um momento que eu deveria travar os pneus. Não acho que já dormi uma garota, pelo menos não desde que fui concebido, que


parecia preocupada com a sua capacidade de me agradar, e muito menos expressar preocupação com me decepcionar potencialmente. Na maioria das vezes, as mulheres que se deitam comigo têm zero inibições. Elas ficam nuas e se oferecem de qualquer maneira que eu quiser. É um pouco fodido, para ser honesto. Lily não se encaixa no molde de uma Puck bunnies. Então, estou tendo algumas reservas sobre o que está prestes a acontecer, mas não o suficiente para voltar atrás, mas o suficiente para que eu precise reavaliar a minha estratégia. Não entendo como alguém que se parece com Lily e se move como Lily possa ter tão pouca autoconfiança como ela. A menos que ela esteja jogando jogos mentais. Eu não vejo Lily fazendo isso, apesar de tudo. Também sinto que talvez eu precise bater em seu ex-namorado um pouco. Ou muito. Aposto que ele está diretamente relacionado, a instável autoestima dela. Durante toda a semana eu estive fixado em chegar a este ponto: aquele em que ela está nua novamente. Mas desta vez eu vou ser privilegiado o suficiente para experimentar esse corpo pequeno apertado por dentro. Hoje à noite tem que ser mais do que um bom tempo. Lily precisa sair desta situação e se sentir como uma maldita estrela pornô, ok, talvez não uma estrela pornô, mas ela precisa se sentir sexy. Isso precisa ser bom para ela. E acima de tudo, isso precisa ser divertido. Verificando o corredor de novo, desligo a luz do banheiro e me dirijo para as escadas, faço uma curva no topo e contando as portas. Waters tem uma boa casa em Bridgeport. Quando eu chego ao quarto certo, olho por cima do meu ombro para me certificar que ninguém está no corredor antes de eu girar a maçaneta. "Psst." Viro-me e encontro Lily espreitando na porta do quarto no lado oposto do corredor. Oops. Ao mesmo tempo, ouço passos. Corro para a porta, e Lily agarra a minha camisa e me puxa para


dentro, fechando a porta com um clique silencioso. Em seguida, ela furtivamente gira a fechadura. Eu apago as luzes. "O que você está fazendo? Não consigo ver nada!" Sussurra. "Alguém estava subindo as escadas." eu sussurro de volta. "Oh." Suas mãos se movem sobre o meu peito. "Quem era?" "Não sei. Não esperei para descobrir." "Sunny pode estar procurando por mim." Lily murmura quando encontra a barra da minha camisa e a puxa das minhas calças. "Isso é li-" Ela passa a mão sobre o meu rosto e quase enfia o dedo no meu nariz. Lambo a palma da mão dela e sinto as suas unhas fazerem cócegas em minhas costelas. Agarro o seu antebraço antes que ela possa alcançar os meus mamilos, então Lily esfrega a palma da mão úmida sobre o meu rosto em seu lugar. Também pego a mão e agora ela não tem nenhuma livre. Juntando-as atrás das costas, deixo cair meu queixo e acerto o topo de sua cabeça. "Ai!" Ela sussurra e começa a me morder através de minha camiseta. Nos quinze segundos, ou assim, desde que as luzes foram apagadas, me acostumei com a escuridão. Do outro lado do quarto eu posso ver um conjunto de portas que parecem levar a um armário e outra porta suponho ser um banheiro. Eu giro Lily de volta, solto as suas mãos, prendo uma das minhas sobre a boca para impedi-la de arruinar os meus planos, e envolvo o outro braço em volta de sua cintura. Lily faz barulhos irados que poderiam ser palavras quando a levo por todo o quarto. Abro a porta com o ombro. O piso é escorregadio sob os meus pés me diz que adivinhei certo, de fato, estamos dentro de um banheiro. Lily morde minha mão, mas não a coloco no chão até que tenho a porta fechada,


e estamos mais uma vez submersos na escuridão. "Que diabos?" Lily tateia a parede até encontrar o interruptor de luz, nos cegando. "Isso era necessário?" "Você disse que Sunny podia vir procurar por você. Estou resolvendo o problema. Pensei que você que estaria grata, mas você tinha de ir e morder a merda da minha mão." Levanto a minha mão para que ela possa ver as marcas de dentes que deixou para trás. Estou sorrindo, porém, mesmo soando irritado. Não vou mentir. Acho que é muito quente. Agora, tenho uma grande ereção. As suas bochechas ficam vermelhas e Lily abaixa a cabeça. Leva três segundos para a rebeldia dela para voltar. "O que há com você sempre desligando as luzes?" Eu vou para p interruptor e apago a luz. "Define o humor." "E aqui estava eu a pensando que, assim, você poderia fingir que eu era uma supermodelo enquanto estamos transando." ela responde. Acendo as luzes novamente. Lily levanta as mãos para cobrir os olhos. "Pare com isso!" Eu as afasto de seu rosto. "Olhe para mim." Não quero que soe como uma ordem do que um pedido, mas eu quero Lily saiba, com certeza absoluta, que estou seriamente excitado sobre o que está acontecendo aqui. "Estava apenas b-" "Você estava apenas o quê?" Eu me dirijo para entre os seus joelhos. "Brincando." A resposta é quase inaudível. "Espero que sim." Libero as suas mãos e seguro no fundo de sua cabeça. "Você é malditamente linda, Lily."


Lily pisca como se não acreditasse. Inclino-me e coloco a minha boca na dela. Pela primeira vez, não é uma guerra completa de línguas no segundo em que os nossos lábios se conectam. Os seus dedos suaves e quentes apertam meus pulsos, e ela faz um pequeno o ruído plangente quando belisco seu lábio inferior. Fiquei assim, beijando, e me esfregando nela por um longo tempo. Eu abro os olhos e vejo o nosso reflexo no espelho. O cabelo escuro de Lily é curto, para que eu possa ver a nuca de seu pescoço fino e o arco de suas omoplatas com destaque para o V profundo na parte de trás do vestido. É tão baixo que eu não acho que ela está usando um sutiã. Lily coloca a mão no meu peito e me empurra, afastando as nossas bocas. "Você beija com os olhos abertos!" "Não, eu não." "Você acabou de fazer." "Bem, isso não significa que você beija com os olhos abertos, também?" "Você parecia distraído. Estava verificando para ter certeza de que você não estava entediado ou algo assim." "Entediado?" "Bem, não sei!" Lily acena com a mão ao redor. "Agora estou constrangida sabendo que você está me observando enquanto estamos beijando." Eu rio. "Não estava te observando. Bem, não o seu rosto." Gesticulo para o espelho atrás de nós. Ela olha por cima do ombro. "Você estava assistindo a si mesmo? Bom ego." "Na verdade," Eu movo um dedo da nuca para baixo dos cumes de sua espinha ao zíper. "Eu estava pensando que você não pode ter um sutiã sob este vestido."


"Oh." "E realmente gostaria de saber se estou certo." Lily senta ereta quando arrasto o zíper para baixo e se arrepia quando os meus dedos escovam a sua pele. "Parece que eu estou." Beijo o ponto sensível na base do seu pescoço, puxando a alça larga por cima do ombro. Lily treme, e sinto o calor de sua expiração na minha bochecha. Ela inclina a cabeça para o lado, então fecho a minha boca sobre a pele quente e adiciono um pouco de sucção. Não o suficiente para deixar uma marca, mas o suficiente para que ela sabia que eu podia. Eu beijo toda sua clavícula do outro lado, repetindo a mesma ação, deslizando o seu vestido para baixo dos braços. Os seus seios aparecem. Estou prestes a ficar animado, porque amo mamilos. Especialmente os agradáveis. Acho que cada homem tem o seu gosto. Alguns caras gostam de seios enormes, alguns caras não. Alguns caras se preocupam mais com as pernas, ou bundas, ou outras partes do corpo. Eu gosto de todo o pacote, e gosto de coisas proporcionais. Se Lily tivesse seios enormes, ela não ficaria bem. E os dela são inchados ou qualquer coisa. Lily é definitivamente uma mulher; eles ficam de pé por conta própria. Estamos falando de um bojo M sólido. Estou bem com isso. E, assim como todas as outras partes dela, os mamilos de Lily são delicados. Exceto que agora eles estão cobertos com band-aids. "Uh..." "Oh, merda!" Ela cobre os peitos dela. Eu puxo as mãos e vejo as suas bochechas corarem. "O que esta acontecendo aqui?" "Eu não queria ter meus mamilos como faróis acesos." Levanto uma sobrancelha, e ela levanta uma volta. "Mamilos duros." "Certo. Devo ter perdido essa lição na educação sexual."


"Tenho certeza que você não precisa de nenhuma dessas lições." Lily murmura e pega na borda de um Band-Aid. "Quer ajuda com isso?" "Eu consigo." Ela aperta a mão acima de seu peito e rasga o Band-Aid fora. Eu tremo. "Vá devagar com isso." "Está tudo bem." Lily aperta o seu mamilo. "Veja?" "Não seja tão rude. Estou tendo dores por simpatia." Empurro a sua mão para fora do caminho do seu seio, sussurrando: "Não se preocupe, vou mantê-lo seguro." Lily solta uma risada. "Você é ridículo." A sua risada se transforma num gemido quando cubro o mamilo com a boca e dou uma boa chupadela. As mãos dela vão para o meu cabelo, e ela puxa o elástico, libertando-o. Eu lambo e mordisco, em seguida, uso os meus dentes na ponta. Os seus dedos apertam no meu cabelo. "Não se atreva!" Olho para cima e coloco um pouquinho de pressão sobre o seu muito duro, e atrevido mamilo. "Randy." Soa como um aviso, mas também como se ela quisesse que eu a morda. Eu não. Beijo a ponta e dou a minha atenção para o outro mamilo ainda coberto de bandagem. Sou cuidadoso quando tiro o adesivo. Então vou em frente e chupo aquele, também. Eu verifico Lily. Os seus olhos têm aquele olhar suave, vítreo. Os seus lábios macios estão separados e os joelhos pressionam com força contra os meus lados. Aposto que se apertar um pouco mais Lily vai começar a esfregar em mim. Lambo ao redor do mamilo, em seguida, fazendo aquela coisa de quase mordida novamente. Sua mandíbula se fecha, e ela


move os seus quadris. "Nós vamos ter tanta porra de divertimento hoje à noite, Lily. Você nem sabe." "Oh, eu acho que poderia." Cubro a sua boca com a minha, rolando os mamilos entre os dedos. Aperto um pouco. Ela grita e agarra meus pulsos. A puxo para mais perto, e passo meus lábios em seu pescoço até sua orelha. "Você não gosta disso?" Mordo o lóbulo e moo os meus quadris contra os dela. Qualquer tipo de protesto morre. Lily travas suas pernas em volta das minhas costas e faz exatamente o que eu esperava: começa a esfregar contra mim, toda desesperada e quente. Lily pega o meu rosto com as mãos e me puxa para sua boca. Os meus dentes atingem o lábio, sinto o sabor de sal e cobre. "Você está bem?" Ela faz um barulho e empurra no meu peito, olhando ao redor do espaço. "É sério. Por que nós sempre acabamos em banheiros?" "Não faço ideia. Vamos ficar nus na cama, já que é a razão porque nos deixamos o outro banheiro." "Plano muito melhor." Abro a porta e apago a luz. Lily acende de novo, então eu desligoa novamente. "Nós estamos tentando estar incógnitos aqui, não estamos?" "Mas não consigo ver nada." "Os seus olhos vão se ajustar." Junto nossos dedos e dou alguns passos na direção da cama. E com o som de vozes no corredor faço uma pausa; é Lance e Tash. Ele parece irritado. "Alguém está discutindo?" Lily sussurra. Ela não parece muito preocupada e começa a


desabotoar a minha camisa. "É Tash e Lance. Aparentemente, eles estão fodendo um ao outro." sussurro de volta. Uma porta bate, em seguida há passos pesados se afastando. "A mulher quente que estava segurando o seu rosto antes? Aquela com peitos grandes?" Ela está no quarto botão. "Tash não tem peitos grandes." "Todo mundo tem peitos grandes comparados aos meus." Eu aperto os seios dela. "Veja isso?" Lily olha para baixo. "Eles eram tão impressionantes quando eu tinha doze anos." Os seus mamilos espiam entre os meus dedos indicador e médio. "Os seus seios são impressionantes. Você não tem que usar um sutiã, e não tem qualquer silicone para mantê-los para cima." "Isso é porque não há nada para manter." Inclino-me até que nossos lábios estão quase se tocando. "Aceite a porra de um elogio, Lily." Toda a bravata cai, e ela parece quase inocente. "Desculpa. Não estou acostumada a ouvir coisas agradáveis sobre os meus seios. Benji costumava tirar sarro da minha falta deles." "Esse cara é um idiota." Estou fora da minha zona de conforto. Puck Bunnies não ficam constrangidas. Percebo agora porque Miller era tão inflexível sobre ser cuidadoso. O ex-namorado dela fez algum dano. O meu trabalho agora é desfazer o que puder, sem ficar muito envolvido. Agora como está, estou feliz por ser o substituto de Lily. Podemos ter alguns momentos de diversão antes que ela encontre um cara que vai dar o que ela precisa, que é mais do que uma boa dose de pau.


Lily desata o último botão na minha camisa e a empurra sobre os meus ombros. Os seus dentes pressionam o seu lábio enquanto puxo as mangas e deixo cair no chão. Ela suspira e corre as suas mãos sobre meus abs para o meu peito, seguindo um caminho para os meus ombros e em seguida, pelos meus braços, parando naquele tatuado. "Eu malho." "Sério? Eu não poderia dizer. O seus seios são quase tão grande quanto os meus." Eu toco um peito. "Você quer dizer peitos de homem, né?" Lily segura os seus próprios seios e os balança, em seguida, faz o mesmo com o meu peito. "Quase o mesmo." "É isso aí. Eu tive o suficiente dessa boca." Nos jogo na cama, e monto suas pernas e corro as minhas mãos por seus lados. Lily grita e ri quando encontro um local de cócegas em suas costelas. Coloco a minha boca ao lado de sua orelha. "Shh! Alguém vai ouvi-la e arruinar o nosso bom tempo." Ela pressiona o rosto contra meu peito, abafando o riso. Afasto suas pernas com o joelho e me estabeleço entre elas, o meu pau exatamente onde quero. O humor fácil se torna intenso, em seguida, quente quando passo a minha mão acima da sua coxa, levantando a sua saia. Deslizo a mão sob sua bunda, sentindo o tecido de cetim. Lily toca os meus braços com as pontas dos dedos, em seguida, os enfia no meu cabelo, empurrando-o para cima para não fazer cócegas em suas bochechas quando eu a beijar. Moemos um no outro até que eu esteja cansado de ter muita roupa no caminho de todas as partes boas. Sento em meus joelhos e Lily se senta, indo direto para o meu cinto. Não a impeço. Planejei perder as calças de qualquer maneira, então


não há nenhum dano em ajudar. Ela desfaz a fivela, abre o botão abaixa minha calça. Antes que ela possa enfiar a mão na minha cueca, eu recuo e saio da cama. "Aonde você vai?" As suas mãos vão imediatamente para os seios, cobrindo-os. Incomoda-me que ela faça isso. "Pare de esconder seu corpo de mim." Os seus olhos se arregalam, e ela morde o lábio, mas afasta as mãos de seu peito e as enfia sob suas pernas. "Desculpa. É um hábito." "Por causa do ex?" Lily não precisa dizer nada; a forma como os seus olhos se abrem me diz o que preciso saber. "Se eu ver aquele cara de novo vou bater no seu maldito pau com o meu bastão de hóquei." Lily dá uma risada aguda. Puxando a minha carteira, abro-a e atiro um par de preservativos e dou para ela. Lily os pega e lê o rótulo. "Sério?" "Sério o quê?" Chuto as minhas calças e tiro minhas meias. Odeio sexo com meias. "Estes são os maiores?" "Você teve a sua mão no meu pau antes, isso não deve ser uma surpresa." "Ver e sentir não é a mesma coisa." "Você não acha?" Salto sobre o colchão antes de Lily poder pensar sobre acender uma das luzes de cabeceira. As persianas deixam iluminação suficiente para que possa vê-la sem ter que ficar acendendo luzes. "Ok, estou pronto." Fico em cima dela e começo a dançar, porque sou estúpido às vezes. E é engraçado.


"O que está fazendo?" Lily está rindo novamente. Eu gosto muito desse som. "Shh. Não tão alto." Nos rolo para o topo da cama, por isso, estou preso nos travesseiros, empurro as cobertas até metade e nos enrolo, nos mexendo até podermos entrar nas cobertas. Giro para colocar Lily em cima, abrangendo os meus quadris. A parte superior do vestido trava solta em volta da cintura, e a saia levantada. Encontro o zíper e puxo o resto do seu vestido. "Levante os braços, linda." Lily os levanta sob a cabeça, e puxo o vestido, escovando propositadamente os mamilos no caminho. Sou extremamente cuidadoso; O vestido parece ser frágil, então não quero destruí-lo. Estou certo sobre a calcinha; ela é definitivamente de cetim, ou algo parecido. Há uma linha de delicadas rendas em torno de todos os lados, e são claras. Bonita. Suave. Exatamente como Lily. Acaricio os seus lados, apreciando as linhas estreitas e curvas finas. Lily é magra e forte. Ela tem um pacote de quatro por baixo do vestido. Enfio um dedo no cós da calcinha dela, puxando-a para que possa espiar dentro. Está escuro, embora, e não consigo ver muita coisa, então chego mais perto. "O que você está verificando? Você teve os seus dedos em minha calcinha antes; você sabe o que está lá dentro." Eu olho para cima, vendo o olhar complacente em seu rosto radiante. "Tive muito mais do que os meus dedos lá dentro." Dirijo a palma da mão sobre seu estômago e deslizo a mão sobre a pele lisa, molhada e quente. "Parece que você visitou sua depiladora." "Você estava esperando pelo visual natural?" Lily está toda sarcástica até que esfrego o seu clitóris. Então o seu queixo cai, e solta uma


respiração ofegante. A empurro para trás de modo que ela está deitada sobre a pilha de cobertores entre as minhas pernas com a cabeça perto dos meus pés. A renda elástica de sua calcinha estica e um som rasgando fraco faz com que Lily agarre o meu pulso. "Não destrua a minha calcinha! Acabei de comprar!" Retirando a minha mão com cuidado, inclino para frente e beijo o seu estômago. "A comprou para mim?" "Não. Precisava de novas." "Não acho que acredito em você." Chupo a sua pele enquanto vou mais para baixo. "Isso é porque o seu ego é tão grande quanto o seu pau." As palavras saem um pouco sem fôlego. "Assim, agora você admite que eu tenho um pau grande? " "Seria estúpida não para amaciar o seu ego enorme, com seu rosto onde está." Rio e beijo o meu caminho até o laço da calcinha, em seguida, afasto o seu corpo do meu, para que possa ficar de frente para sua buceta. Deslizo minhas mãos sob sua bunda, forçando-a a levantar os seus quadris. Lambo um caminho lento ao longo de onde a calcinha encontra a junção da coxa. Lily agarra as minhas pernas através dos cobertores. Se não fosse pela cobertura de tecido, garanto que suas unhas teriam cortando minha pele. Ela levanta os quadris, buscando a minha boca. Deslizo um dedo sob o material e círculo o clitóris com a minha língua. Lily vira a cabeça para o ombro e abafa um gemido. Mantenho circulando, beijando o interior de sua coxa e chupando como eu faria se minha boca estivesse onde está o meu dedo. Lily dobra os joelhos, os dedos dos pés se enrolando em minhas costelas. Ela engancha os seus polegares em sua calcinha e os empurra


sobre os seus quadris. "Não acho que temos tempo suficiente para toda essa provocação. Alguém vai perceber que desaparecemos. Você provavelmente deve entrar lá e fazer a sua coisa." Olho para cima. O seu sorriso insolente vacila um pouco, e a sua garganta ondula com o que poderia ser um engolir nervoso, ou possivelmente antecipação. "Você está me apressando?" Pergunto. "Só estou dizendo." Ela puxa a sua calcinha para baixo um pouco mais, até que atinge o meu nariz. "Nós sempre podemos vir aqui novamente mais tarde. Não é como se esta fosse a única oportunidade. Certo?" "Assim espero."


Capítulo 10 Faça isso no escuro

LILY

Randy arranca a minha calcinha. A destrói apenas com as suas mãos. Ok, não, ele não o faz. Pedi para não o fazer. Mas ele me olha atentamente enquanto a remove, lentamente. É quase enervante. É também muito quente. Estou toda nua. Não há nada, a não ser pele e as mãos dele. As sombras se movem através da parede enquanto as luzes piscam no exterior, destacando todos seus músculos definidos, insanamente quentes flexionando em seus braços. Os ombros largos de Randy estão bem entre as minhas coxas, e aquela sua boca está prestes a atingir o meu local aquecido. Estou tão pronta. Também estou um pouco preocupada com o quão rápido eu vou gozar. Tudo já está começando a apertar, e tenho aquela sensação de formigamento familiar. Também não é dos lenços de hortelã e pepino. Não quero dar-lhe mais nada para se gabar. Randy é presunçoso o suficiente normalmente. Ele alisa suas mãos ásperas sobre o interior das minhas coxas. Deus, aquele braço tatuado é sexy como o inferno. Espero que os dedos desse braço sejam aqueles a entrar em mim. Aparentemente, Randy me leva a sério sobre o negócio de restrição de tempo; Ele não me incomoda me provocando mais. Em vez disso, levanta minha bunda e deixa cair a sua cabeça. Não sei o que esperar. Talvez um beijo


nos lábios em primeiro lugar, ou uma dessas lambidas de teste no local antes do ataque, ou até mesmo esfregar o nariz. Mas certeza que não é o que recebo. Randy fecha a boca sobre o meu clitóris e suga se ele fosse um rei do sexo oral. Tenho zero controle sobre a reação do meu corpo. Eu me sacudo como se tivesse sendo eletrocutada. E, honestamente, parece que estou sendo eletrocutada na buceta. Arqueio para fora da cama e luto para ficar pelo menos um pouco composta. A última vez que ele fez isso, contra a parede de um banheiro enquanto eu estava sentada sobre os ombros, não pude parar o orgasmo filho da puta que me golpeou pela magia de sua língua. Randy me levanta mais e faz um redemoinho louco com a sua língua. Já não tenho mais tração; os meus pés mal estão tocando o colchão. Mexo-me um pouco e viro a cabeça para as cobertas para que possa gemer sem deixar ninguém no corredor saber o quanto eu estou gostando de ser o jantar, ou sobremesa de Randy, ou o seu maldito buffet do sexo. Os seus dentes tocam o meu clitóris enquanto ele retoma a sucção. Não posso lidar com isso. Estou bem na borda no momento, batendo na porta do orgasmo. "Puta Mer..." Eu mordo o lado da minha mão para reprimir todos os sons. Que é quando o tremor começa. Cada célula do meu corpo está eletrificada. Gostaria que houvesse mais luz. A sua cabeça está principalmente na sombra e seu cabelo que continua fazendo cócegas em minhas coxas, aumentando a sensação. Não que isso importe agora, o mundo inteiro fica branco. O edredom enche em minhas mãos. Sei que me estou me contorcendo, provavelmente, o que torna difícil para Randy manter a sua boca em mim, mas não posso ajudá-lo. É o melhor orgasmo que já tive em toda a minha vida. Há movimentos na cama que não estão associados com o meu corpo vergonhoso. As pernas de Randy já não estão em ambos os meus lados, estão sob as cobertas, me impedindo de me atirar para fora da cama no meu zelo orgástico. Não se preocupe, porém, agora ele está bem no meu rosto. Randy passa as costas de sua mão na boca e, em seguida, os seus lábios


estão nos meus: duro, exigente e oh tão quente. Nem sequer tenho tempo para recuperar. Randy encontra o meu clitóris molhado e inchado, pelo menos suponho que está inchado com base na sucção dele e começa a esfregar novamente. Acho que nem mesmo terminei de ter um orgasmo e ele já ele está incitando outro. É insano. Apenas quando tenho certeza que não posso lidar com mais, Randy desliza um dedo dentro de mim. Depois de dois golpes lentos, acrescenta um segundo. Eu diria que é uma preparação desnecessária, mas com base nas camisinhas que está na embalagem, acho que é sábio deixar que ele enfie os dedos primeiro. Além disso, quem sou eu para dizer não a mais um orgasmo? Randy quebra o nosso beijo e se senta em seus joelhos. Mesmo com a abaixo da média, posso ver que ele está duro em suas boxers. E sim, ele estava usando os dedos do braço tatuado dentro de mim. Não sei por que é tão sexy. Nunca gostei de tatuagens antes. Ou barba. Ou homem de coque. Não odeio qualquer um dos acessórios mencionados acima, embora as tatuagens pareçam ter um monte de dor e um compromisso grande em tê-las. Mas todas as suas tatuagens torna o passeio do orgasmo muito melhor. Empurro para cima em meus braços, na esperança de obter uma melhor visão do que está acontecendo entre as minhas pernas. A maneira como o corpo de Randy está posicionado torna mais, e não menos, difícil ver o que está acontecendo. É melhor do que não ver nada, suponho. O que realmente quero fazer é alcançar a lâmpada de cabeceira, mesmo que isso signifique que as pessoas vão saber que estamos aqui. Em vez disso, vou para a outra coisa quero, quase tanto como uma boa visão: o pau de Randy. É estranho passar os seus boxers, mas estou determinada a colocar minha mão sobre Randy enquanto ele tem seus dedos em mim. Então, talvez uma tentativa de chupá-lo. Assim que toco sua cintura, Randy agarra o meu pulso gentilmente, mas com firmeza e balança a cabeça. "Não preciso de distração."


"Talvez eu precise." Tento novamente com a outra mão, mas ele também a pega. "Você vai ter o suficiente disso em breve." Randy tem esse olhar escuro e intenso em seu rosto. Então ele enrola os seus dedos e atinge esse ponto em que tenho de trabalhar tão duro para chegar sozinha. Desisto de tentar chegar ao seu pau em sua cueca e o deixo me dar mais um orgasmo enervante. Quando acabo de gozar, descubro que fui magicamente reposicionada na cama então a minha cabeça está sobre um travesseiro. Randy passa a mão sobre o edredom até que ouço farfalhar. Ele agarra um dos invólucros de ouro. "Você ainda está interessada nisto?" "Tenho certeza que é por isso que vim aqui." "Você é sempre tão sarcástica?" "Principalmente." Não menciono que em parte são os nervos e por estar fora da minha zona de conforto. Nenhum dos caras com quem estive no passado é qualquer coisa como Randy. Não tão quente, não tão bem dotado, não tão qualificado, não tão suave. "Gosto disso." Ele puxa as cobertas de algodão sobre nós, ou o que quer que estes lençóis muito suaves sejam feitos. "Na maioria das vezes." Ouço, em vez de o ver rasgar o invólucro. Randy deve ser um mestre em rolar o preservativo porque ele de repente está entre as minhas pernas. Não sei como ele perdeu suas boxers, mas sinto apenas pele quente contra pele quente. E látex, é claro. Randy corre a cabeça de seu pau ao longo da minha fenda algumas vezes. "Vou entrar." ele sussurra. Eu rio, depois expiro drasticamente à medida que a cabeça do seu pau se desloca para dentro, apenas a ponta, apesar de tudo. "Ok. Estou dentro."


Eu ronco. Randy empurra um pouco mais longe. "Isso é tudo o que eu tenho." Mordo o seu ombro, ou uma parte dele. Eu não posso ver uma vez estamos cobertos. "Sério, Ballistic? O que você fez, também colocou as suas bolas dentro do preservativo?" Ele faz um ruído reprimindo riso. "Você não está me sacaneando, enquanto estou fodendo com você, não é? Isso é um não vai acontecer no futuro novamente, na certa." Randy se apoia em seus braços. "Acho que você está esquecendo que eu tive a minha mão sobre esse pau. Sei que há mais do que um botão em um arbusto." Envolvo os meus braços em volta do pescoço e engancho os meus tornozelos em sua cintura. Essencialmente ele está fazendo uma flexão comigo presa ao seu corpo agora. Inclino os meus quadris e, apesar de estar suspensa no ar, consigo levá-lo a ir um pouco mais fundo. "Não tenho um botão escondido no arbusto." Tenho quase certeza que ele está rangendo os dentes. "É uma figura de linguagem." "É agora?" Tenho dezoito anos de patinação artística em meu cinto. Sou forte, apta e ágil. Posso fazer coisas com o meu corpo que a maioria das pessoas não pode, inclusive permanecer suspensa no ar por um período de tempo significativo. Também sou mais pesada do que pareço. Eu poderia ser o que as meninas chamam de "magra", mas sou cem por cento muscular. Ok, não exatamente, mas, sério, tenho baixa gordura corporal. E tenho de zero celulite. As meninas odeiam a minha bunda. Literalmente, ela é perfeita. Eu tenho uma bunda agradável, em vez de peitos agradáveis; é uma troca justa, acho. "Ok, talvez seja mais um eufemismo, mas não sei por que importa. Porque você não está me fodendo como tem falado em fazer no


último maldito mês?" Randy abaixa minhas costas, e atinjo o colchão novamente e o seu peito está pressionado contra o meu. Em seguida, ele muda os quadris para frente. "Você quer dizer assim?" E aí está. A razão para as... Santa Mãe de todas as coisas sagradas, ele já está preparado. Acho que poderia gemer. Não tenho certeza. "Ou você quer dizer mais como isto?" Ele começa a se mover me enchendo e recuando, mais e mais, mais e mais duro. "Oh meu Deus." É definitivamente mais um gemido do que palavras, não que isso importe. Tenho certeza que a maneira que estou me agarrando a ele é um indicador razoável do que exatamente eu quero dizer. Randy tira as cobertas, o que é um alívio porque eu estou ficando suada sob estes cobertores, e estou usando maquiagem. Não quero que comece a derreter. Pelo menos os cobertores são escuros, por isso não vai ter manchas da maquiagem. Randy se inclina para a esquerda, e o ângulo é além de espetacular. De repente sou cegada pela luz. Não a luz do orgasmo, mas a luz da lâmpada de cabeceira. Randy embala a minha cabeça, a palma da mão descansando na minha nuca. "Agora você quer as luzes acesas?" "Quero ver seu rosto quando te fodo." Não ouso fechar os olhos. Piscar quase não é uma opção. Qualquer comentário sarcástico morre quando Randy para de empurrar e começa a moer. Puta Merda. Não estou preparada para isso. Nunca mesmo. Nunca vi alguém tão... Primal? Como se ele quer... Devastar-me? Consumir? A mão que não está segurando a minha cabeça desliza para o meu quadril e se prende


atrás do meu joelho, puxando-o para cima até parar em suas costelas, fazendo-o ir ainda mais fundo. Acho que posso realmente explodir quando esse orgasmo vier. Posso sentir isso, percorrendo minha espinha, se espalhando como dedos elétricos em toda a minha pele. Acho que poderia muito bem ir um passo além e descansar o meu tornozelo em seu ombro. E aí está. As minhas células são granadas. As minhas terminações nervosas explodem como pequenas minas terrestres, centradas no meu clitóris. O tremor em meu corpo é incontrolável. É uma falha de todo o sistema. O gemido que sai de mim é tão alto que me assusto. Eu estou tentando manter os meus olhos abertos, mas nada se registra além do orgasmo. E Randy continua estocando, e retirando, e estocando, com os quadris me bombeando e os músculos esticando enquanto ele se mantém em cima de mim. Pelo menos posso ver de novo, por agora. A sua mandíbula está apertada, os olhos em chamas, a respiração jorra no meu rosto com determinação. Randy está tão perto, ainda me observando. Jesus. Este homem com certeza sabe como foder. Acho que estou totalmente recuperada do último orgasmo, até que o seu pau toca o meu clitóris. O seu nome sai todo ilegível. Seguro em seu cabelo, em seguida, me preocupo com a minha falta de controle que eu o vou arrancá-lo, então agarro os seus ombros em vez disso. Aqueles eu não posso arrancar. O seu impulso constante se transforma em irregular e duro, a coordenação hesita. Os seus olhos rolam e vibram, fechando brevemente quando este som sai dele, é exatamente o barulho que vou associar a orgasmos de homem para o resto da minha vida. Quando Randy abre os olhos de novo, eles estão pesados e cheios de luxúria. Ele afunda em mim, o seu peso empurrando-me para os travesseiros e colchão como se ele estivesse tentando se aprofundar no interior, o que não é possível, porque estou tão cheia como eu posso ficar. A Garagem buceta da Lily está com a capacidade máxima de pau.


A boca de Randy cai sobre a minha, a sua língua empurrando pelos meus lábios. Não tenho certeza se ele teve um sério longo orgasmo, ou ele está tendo, ou não quer parar, mas Randy ainda continua se movendo. Ele para de estocar para um lento movimento de quadril. Eventualmente, Randy para de se mover e quebra o beijo. Randy se apoia em seus braços, seus músculos se contorcendo. "Como foi isso?" Isso sai rouco. Mesmo a sua voz pós-sexo é quente. Eu limpo minha garganta. "Uh, bem bom." Suas sobrancelhas sobem. "bem bom?" Eu deixo sair um suspiro. Ele empurra o seu cabelo do rosto. É quase o mesmo comprimento do meu quando não está na sua coisinha de coque. Dou de ombros. Bem, tento, mas não é tão fácil com a maneira como estou deitada, a minha cabeça meio afundada entre dois travesseiros. "Sim, bem bom parece certo. Daria um sete em cada dez." "Sete?" Soa como um palavrão vulgar. Oh Deus. Ele olha parecendo irritado. Isto é muito divertido. Provavelmente deveria parar a tempo, mas não posso. "Sete ponto dois?" "Não se iluda, Lily. Isso foi um dez ponto zero. Sem perguntas. " "Você acha que é tão bom de cama, não é?" "Não estou falando sobre o meu desempenho; Estou falando sobre o seu." Ele põe a boca no meu ouvido. "Oooh, Raaandy..." Isto na verdade, é uma impressão razoável de mim, embora altamente constrangedora. "Mas, falando sério, você se divertiu?" Os seus dedos são suaves na minha bochecha. "Sim, me diverti." Randy sorri, e é lindo. "Bom. Isso é o que eu quero. Contanto que você esteja tendo um bom tempo comigo. Nós apenas estamos indo para


nos divertir um pouco, certo? Se isso mudar, ou, como, se o sexo cair abaixo de nove pontos, oh ou as coisas começarem a ficarem muito intensas ou o que quer que seja, você me avise. " Penso que isso já é intenso, mas entendo o que Randy está dizendo sem ter que soletrar. Estamos apenas curtindo um ao outro, só isso, o que estamos fazendo agora é o máximo do que vai acontecer. O que eu já sabia. Uma batida na porta me impede de responder. Randy abre a boca para falar, então faço a coisa mais razoável que posso fazer, agarro o seu cabelo e puxo o seu rosto para o meu. Ele ainda tenta falar, mas é muito mais difícil com a minha língua em sua boca. Randy não luta contra o beijo. Ao contrário, ele começa a responder com a transar novamente. Não estou tão cheia como estava antes, estou assumindo que é porque ele está ficando mole, mas ele ainda se sente bem. Esqueço que há uma razão para a tomada espontânea até que outra batida mais vigorosa me assusta. "Lily? Você está aí?" Randy se afasta e sorri. Coloco a mão sobre a sua boca para impedi-lo de falar. Depois de alguns segundos de silêncio Sunny diz: "Eles estão prestes a servir o jantar." Então ela está falando com alguém no corredor. "Não faço ideia. Eu a vi a última vez que você a viu. Estou ligando para ela." "Pelo menos ela esperou até tudo acabar." Randy sussurra através da minha mão. "Shh!" Ele enfia a língua entre os meus dedos. Puxo minha mão e pressiono o meu rosto em seu ombro, mordendo-o para não rir.


De repente o meu celular começa a tocar. Empurra o peito de Randy, e ele rola para fora de mim. Tropeço para o outro lado do quarto para obtê-lo, mesmo que seja tarde demais. "Sei que você está aí, Lily! Posso ouvir seu celular!" Sunny balança a maçaneta. Cortei a chamada, que é inútil. Olho para Randy e tenho a certeza que os meus olhos estão arregalados. Não sei por que estou tão preocupada. Não é como se Sunny não soubesse que estava planejando fazer algo sujo com Randy. Ela deu a sua opinião, o que é que eu deveria tratá-lo como uma aventura, porque, logicamente, é o que é, e Randy confirmou isso. Estou bem com isso. Não é minha coisa usual, mas estou vivendo um pouco. "Nos dê um minuto!" Randy grita em sua voz de sexo ainda rouca. "Balls?" Miller pergunta. "Sim." "É sério? Vocês dois não poderiam esperar até mais tarde para fazerem sexo? "Nós estávamos conversando." Randy responde de volta. "Mentira!" Miller balança a porta desta vez. "Miller! Você vai quebrar a maçaneta!" "Estou brincando, baby." Randy puxa sua boxers para cima e se afasta. Não tenho muito vislumbre do seu pau antes de Randy se vestir. Ele pega o meu vestido do chão, o seu olhar vagando sobre o meu corpo completamente nu. Randy se aproxima de mim e belisca um dos meus mamilos, enquanto as minhas mãos estão ocupadas. Chupo uma respiração, e ele sorri. Então ele destranca a porta. "O que você está fazendo? Estou nua!" Eu sussurro quase gritando, agarrando o seu braço. O único coberto de tatuagens. Aquele com os dedos que estavam dentro de mim há não


muito tempo. "Não vou deixá-los entrar. Só vou falar com Miller, não vou fazer isso através de uma porta." Nós estamos tão suados. O meu cabelo está úmido. Aqui cheira a sexo e látex. O cabelo de Randy está uma bagunça. Tenho certeza que a minha vagina está vermelha por causa da sua barba. Ele tem arranhões e marcas de mordida em seus ombros. Aparentemente sou agressiva durante o sexo. "Bem, espere até eu me vestir, por favor!" O vestido está do avesso, e à luz da lâmpada não torna mais fácil de descobrir como arrumar isso. Randy acende a luz do quarto para ajudar. "Isso ainda tem a etiqueta." ressalta. "Eu sei. Vou devolver quando chegar em casa." "O quê? Por quê? Você está gostosa nesse vestido." "Não é como se eu vou ter qualquer lugar para usá-lo novamente." Randy se aproxima e tira a etiqueta. "Você pode usá-lo amanhã à noite, quando eu a levar para jantar." Ele amassa a etiqueta no e vira a maçaneta, abrindo a porta. Enfio minhas mãos através das alças e puxo o topo para cima para que os meus seios não fiquem em exibição. Sunny pode tê-los visto antes, mas não preciso de Miller me verificando. "Cara!" Diz Miller. "Você não poderia nem mesmo colocar roupas? Sunny, não olhe." "Não é como se eu não o vi em cueca antes. Oh, uau. Você pode querer fazer algo com..." Ela faz um som e, em seguida, para de falar. "Onde está Lily?" Miller não parece feliz. "Estou bem aqui." Eu saio de trás de


Randy, ele é amplo e alto o suficiente para me esconder atrás. "Você pode subir o zíper?" "Claro que sim." Randy puxa o zíper, deslizando em minha espinha ao longo do caminho. Eu tremo na prensa suave de seus lábios entre os meus ombros. Miller faz um barulho impressionado. "Oh, não." Sunny bate uma mão sobre sua boca. "O quê?" "Seu cabelo!" "O que tem ele?" Eu o toco na frente. Agora está bagunçado em vez de suave, mas isso não é um grande negócio. Sempre posso o corrigir. "Não, a parte de trás!" Sunny empurra passando por Miller e Randy e pega a minha mão, me levando para o banheiro. Ela acende a luz, bate a porta fechada e a trava. Levando-me pelos ombros, ela me vira para enfrentar o espelho. "Oh, merda!" A parte de trás do meu cabelo é como um pavão. Ele dá um novo significado ao cabelo de cama. Há um monte de nós e bagunça. O estado do meu cabelo reflete isso. A minha pele está corada, e o resto do meu cabelo começou a enrolar para fora nas extremidades, embora, não pareço tão ruim, eu acho que não, de qualquer maneira. "Tudo bem aí, senhoras?" Pergunta Miller. Sunny abre a porta e aponta um dedo em direção a Randy. "Estou arrumando cabelo de sexo de Lily, não graças a você!" Ele já está de calças e está encolhendo os ombros em sua camisa. Está muito amassada agora. Sunny fecha a porta e a tranca novamente, em seguida, começa penteando os nós com os dedos. "Ai!" "Pare de choramingar e me ajude! O


jantar já começou e as pessoas estão se perguntando onde os dois estão." "Aposto que ninguém sequer notou." "Alex notou." Ela abre a torneira e abaixa a voz. "Você sumiu há mais de uma hora!" "Nós não sumimos." "Ah sim. Vocês sumiram. São quase oito horas." "De jeito nenhum." "Sim, verdade." Os seus dedos pegam no emaranhado, e ela se esforça para retirá-los. "Então?"

meu

cabelo

"E daí?" Ela abaixa a voz ainda mais. "Não diga e daí comigo. Como foi?" "Lembra que eu te falei do orgasmo espontâneo que tive antes?" "Será que isso aconteceu novamente?" Sunny diz isso mais alto do que deveria. "Shh!" Sunny se desculpa. "Aconteceu?" "Não, mas foi o mesmo tipo de orgasmo. Tão intenso. Nem sei como descrever isso. Deus, Sunny, o sexo foi incrível." "Melhor do que com Benji?" "Não há nem mesmo uma comparação." "Veja? Eu sabia que um caso era exatamente o que você precisava. Às vezes não há substituição para o sexo quente." "Sim. Totalmente." Sem compromisso. Sem apego. Apenas um monte de orgasmos impressionantes.


Capítulo 11 Todas as frustrações

RANDY

Miller está puto comigo. Não vejo o por que. Não somos qualquer pessoa, e é Lily que vai dormir naqueles lençóis de sexo. E ninguém se importa que nós desaparecêssemos. Não somos essenciais para a festa. "Acho que você podia esperar até o final da noite antes de se trancar com Lily em um quarto para ter o seu pau molhado, não é?" Miller resmunga quando descemos as escadas. Aperto o meu punho e aliso a mão pela minha camisa. Está amassada por ficar no chão, mas não sou o foco esta noite, por isso duvido que as pessoas irão notar. "Qual é o seu problema, cara? Lily diz que os dois desapareceram durante todo o dia. Se você tivesse me convidado para vir mais cedo, talvez eu lhe pudesse ter feito companhia." Ele range os dentes. "Sério, Ballistic, não estou com disposição para isso agora. Violet está bêbada, e estamos tentando deixá-la sóbria para que não diga algo mais estúpido do que ela normalmente faz. Não tenho tempo para policiar você e o seu pau. Lily é parte da família de Sunny. Alex é quase tão protetor com ela como é com Sunny. Você vê como você não está ajudando com as coisas?" "Alex tem uma coisa por ela?" Um sentimento quente dispara através da minha espinha.


"Pela Lily? Não." "Alguma vez ele teve?" "Como eu deveria saber? Isso não é relevante de qualquer forma, considerando que ele vai se casar com a minha irmã. O meu assunto agora é que vai ficar mal para Lily você estar fugindo para transar com ela por toda a casa. Alex não vai gostar. Trabalhei muito duro para acalmar as coisas com ele para você estragar por foder com Lily por perto." "Já lhe disse, não vou estragar tudo." Miller esfrega sua testa. "Sei que você não está tentando, é só ter um pouco de bom senso. Você está na casa dos Waters. Ele já está estressado. Ele não precisa de uma razão para explodir." Lily e Sunny saem do banheiro, terminando a nossa conversa. Lily parece tão linda como antes de eu a deixar nua e ter feito um ninho de rato em seu cabelo. Ainda está um pouco confuso, mas não acho que alguém perceba. Honestamente, tudo o que quero fazer é ir embora desta festa, levar Lily para a minha casa, e transar muito até que ela tenha que ir para o Canadá. Lily tem tudo o que gosto em uma mulher e mais, e ela patina. E está em recuperação. Então, não sou mais nada, só uma passagem para o próximo cara. É a combinação perfeita. Miller está ficando com as suas bolas em um nó por nada. Os olhos de Lily param nos meus. Eles têm perguntas. Lily provavelmente quer saber o que eu disse a Miller, enquanto ela e Sunny estavam no banheiro. Lily segura o braço de Sunny, enquanto ela desliza os seus pés nos saltos. Miller me dá um olhar, que ignoro. Ligo o meu braço no de Lily. "Pronta para o jantar?" "Onde está a minha calcinha?" Sussurra. Não faço ideia. Uma vez que sai não tinha interesse em colocá-la novamente. "Você não


precisa dela." "Mas eu-" "Precisamos chegar lá. Charlene continua enviando mensagem. Acho que Violet está tendo um tempo difícil." Sunny diz ao verificar o seu celular. "Nós vamos encontrá-los mais tarde." Aperto a parte de trás do seu pescoço e Lily se inclina contra mim, segurando o meu braço quando ela cantarola. Não sei do que se trata, mas eu gosto do jeito que a afeto. Aposto que poderia ficar duro novamente agora sem muito trabalho. O jantar vai ser muito divertido. Deixei Lily ir em frente com o Sunny e sigo Miller para fora da sala. Ele ainda está com um humor. Presumo que ele está preocupado com Vi. Aqueles dois são muito ligados por serem meio-irmãos. Eles são exatamente como os irmãos devem ser exceto que eles compartilham muito. E não o tipo que você quer saber de alguém que você está relacionado. Uma tenda coberta enorme com mesas e luzes brilhantes foi montada no quintal. Todos já estão sentados, por isso é um pouco chamativo quando nós chegamos à mesa que nos foi atribuída. Ganhamos alguns olhares quando fazemos o nosso caminho através do labirinto de convidados. Lance está na nossa mesa quando chegarmos lá. Tash parece menos do que impressionada agora. Ela está empurrando salada em torno de seu prato e conversando com uma menina que não conheço. A cadeira ao lado dela está vazia, embora pareça que alguém esteve lá com base na colocação do guardanapo. Tomo o assento ao lado de Lance e mantenho o outro para Lily. Ela passa as mãos no interior de suas coxas enquanto se senta, lembro que o tecido frágil é a única coisa que toca sua doce buceta quente. A puxo para mais perto da mesa e da minha cadeira. "O que você andou aprontando?" Lance


me dá um sorriso maroto. "Apenas uma excursão pela casa. Nós perdemos alguma coisa?" Estico o meu braço sobre o encosto da cadeira de Lily. Lily cruza as pernas e puxa sua cadeira um pouco mais perto, mas não olha em minha direção. Ela está focada em Sunny e seu celular. "Nada ainda, mas tenho uma sensação que algo está fermentando. A menina de Waters está bêbada." As suas sobrancelhas se levantam, como se estivesse animado para o show. Verifico a mesa principal, não muito longe de nós. Não é diferente do que a nossa. Violet e Alex, Darren e sua menina, se sentam com os pais. É uma coleção estranha de pessoas. A mãe de Violet parece exatamente como ela, apenas mais velha. Elas têm o mesmo corpo, o mesmo rosto, os mesmos maneirismos. Sidney, o pai de Miller, se parece muito com Miller, mas com o cabelo mais escuro e menor. Violet tenta se servir de um copo de vinho, mas a sua amiga muda a garrafa para uma diferente. Waters se inclina e diz algo e Violet lhe dá uma expressão triste. Quando Waters inclina seu queixo para cima, olho para longe. Miller expressou sua preocupação em várias ocasiões que esta festa de noivado poderia ser um pouco demais para Violet. Ele diz que ela fica nervosa na frente das pessoas. Deve haver uma história lá, mas ele não se ofereceu para contar. Miller derrama um copo de vinho para Sunny. Passo um dedo pelo lado do pescoço de Lily. Ela inala uma respiração trêmula e arrepios sobem ao longo de sua pele. "Frio?" Está quente para o final de setembro e lâmpadas de calor foram colocadas em todo o lugar, mas Lily não têm muita gordura corporal. Ela me dá um sorriso tenso. "Estou bem." "Você quer algo para beber?" "Está tudo bem. Eu posso pegar." Liga se inclina para pegar a garrafa de vinho no centro


da mesa. Quando ela se levanta, a parte de trás do vestido sobe. Levanto-me e me movo atrás dela para que ninguém tenha uma visão que não deveria. "Está tudo bem, baby, deixe-me fazer isso por você." Coloco as minhas mãos em seus ombros, os polegares alisam o topo de sua espinha, os dedos acariciando a sua clavícula. Lily cai para trás em sua cadeira, os seus dedos roçando com os meus, perto de sua garganta. Todo mundo está olhando para mim. Ou ela. Não sei por que é um negócio tão grande que sou atencioso o suficiente por pegar ao meu encontro uma maldita bebida. Sirvo-lhe um copo de vinho, então ofereço a todos para fazer um ponto antes de me sentar. Kirk cai no assento vazio do outro lado da mesa. Ele arrasta a cadeira para perto da menina loira que está sentada tão perto dele que ele pode usá-la como um apoio de braço. Ela quase derrama o vinho em todo o vestido. Felizmente, é preto, e ela não parece se importar. Ele descansa o cotovelo no encosto da cadeira. Ele tem manchas nas axilas. E sua testa está suada. "Vocês se perderam no banheiro ou algo assim?" Kirk pisca para Lily. "Eles estavam fazendo um tour pela casa." Tash diz, depois volta a conversar com a loira ignorando Lance. Aproximo a minha cadeira de Lily e coloco um braço ao redor dela. Não que eu sinta que ela é algum tipo de propriedade, ou a necessidade de uma reivindicação, ou que nós estamos tendo uma competição de mijo; Kirk é um total cara de pau. Ele é o tipo de cara que eu não quero nunca me tornar. Ele está se aproximando do fim de sua carreira. Ganhar a Copa do ano passado comprou-lhe uma temporada extra. Mas está quase acabado. Agora que sua esposa finalmente o deixou e levou os seus filhos, ele quer ter alguma ação com quase todas as Puck bunnies. Ele não cometeu um erro uma ou duas vezes; ele cometeu todo o maldito tempo. Como


se estar longe de casa fosse uma razão para foder alguém que não seja a pessoa com quem se casou. Lembro-me das discussões que os meus pais costumavam ter quando pensavam que eu estava dormindo. As noites em que o meu pai chegava em casa, dos jogos fora, foram sempre as piores. Quando eu tinha idade suficiente, poderia ter ficado na casa de Miller, mas então teria deixado a minha irmã para lidar com isso sozinha e ela era muito jovem. Foram muitos anos ouvindo disputas de gritos e lágrimas antes da minha mãe finalmente ter tido o suficiente da besteira. Não vejo muito o meu pai. Ele não tem muito uso para mim. A minha irmã se mudou para a Austrália no ano passado para a faculdade, então a vejo ainda menos. Lily coloca a mão na minha coxa e me puxa do espiral escuro dos meus pensamentos. Percebo que estou olhando furiosamente para Kirk e dou a minha atenção para ela. O seu sorriso é apertado, questionando. "Você está bem?" Lily sussurra. Movo a sua cadeira para que ela esteja bem ao meu lado e escovo o meu nariz contra sua bochecha. Ela treme. "Vou ficar melhor depois que o jantar acabar." "Você não está com fome?" Lily cutuca a sua salada. Acho que ela não comeu nada. Com base em quão magra ela é, ativa e incrivelmente flexível, não acho que é aconselhável que ela perca quaisquer refeições. "Estou com fome, mas não para isto." Esfaqueio um pouco de alface, então como um bom exemplo, e empurro em minha boca, mastigando devagar. Lily come uma folha solitária e me olha, pensativa. "De quem é que você está com fome?" "Você. Venha para casa comigo esta noite." Não considero as palavras antes delas saírem. Só as digo. Se ela fosse uma bunny a resposta seria sempre sim.


"Eu-eu-" Ela retira a mão da minha perna. "Não posso. O que iria dizer aos pais de Sunny?" "Você não tem de lhes dizer qualquer coisa." "Fui convidada para ficar com Alex e sua família no fim de semana. Temos algum tipo de coisa de compras que estamos fazendo amanhã." "Vou deixá-la mais cedo, em seguida, venho buscá-la para jantar depois." Você não acha que é meio rude sair para que possa ter o meu cérebro fodido?" "É isso que você acha que eu quero fazer?" "Não é?" Lily arqueia a sobrancelha. "E se eu só quiser conversar?" "Através de gemidos?" Eu rio. Lily é uma mulher engraçada. Realmente quero foder o seu cérebro, sem ter que me preocupar com qualquer interrupção ou qualquer um de nós ficarmos quietos. "Se você não se sentir confortável voltando para casa comigo esta noite, você deve pelo menos planejar passar a noite amanhã." "Você está determinado em me levar de novo para a cama." Lily apunhala outro pedaço de alface e dá uma mordida. "A cama não é a parte mais importante; É a parte de você ficar nua outra vez." Traço um dedo na parte de trás de seu vestido de ombro a ombro. Lily treme. "Não posso fazer uma festa do pijama. O meu voo será muito cedo na segunda-feira. E tenho que trabalhar no período da tarde." Ela olha para mim, o lábio inferior preso entre os dentes. "Você pode dormir aqui esta noite." "Eu não fui convidado."


"Ninguém vai notar." Passo o resto do jantar tentando colocar a minha mão debaixo da saia de Lily enquanto ela tenta comer. É quase impossível por causa de quão perto estamos sentados. É uma boa coisa é que sou canhoto e ela é destra, caso contrário teria que deixar mais espaço. Lily se desculpa para ir ao banheiro, e acho que vai ser a oportunidade perfeita a seguir para uma rapidinha, mas Sunny vai com ela. Nunca vou entender por que as meninas têm que ir ao banheiro juntas. Não faz sentido. E isso está mexendo com a minha capacidade de voltar para dentro de Lily. Tanto faz. Posso esperar até depois da sobremesa. Após a refeição haverá definitivamente oportunidade para desaparecer novamente. Infelizmente, quando o jantar acaba, todas as meninas desapareceram por causa de alguma emergência relacionada com Violet. Miller, Lance, e eu estamos em pé ao redor, bebendo cerveja enquanto esperamos por elas para descobrir qual é o problema. Miller continua recebendo textos de Sunny e passando o celular para mim. Apesar do fato de que eles estão namorando há quase seis meses, Sunny ainda usa um monte de gírias em seus textos, e isso não funciona para Miller. A maneira abreviada combinada com números e vogais ausentes torna a mensagem difícil para ele ler. Na maioria das vezes eu lhe envio mensagens de voz. É a maneira mais fácil. Ele tem uma memória de uma armadilha de aço se ele ouvir a informação ao invés de ter que a ler. "Diz algo sobre desarranjo." Eu passo o telefone de volta. "O que é desarranjo?" Pergunta Lance. "Violet não pode lidar com produtos lácteos; dálhe problemas." Miller me dá o seu celular novamente. Há mais mensagens de Sunny. "Problemas?" "Isso a faz sentir mal." diz Miller.


Lance faz uma careta. "Isso é nojento. Porque ela iria comer laticínios se a faz doente?" "Ela faz isso para se punir ou algo assim. As meninas são estranhas. Não entendo. Também não entendo porque ela iria comer laticínios hoje, de todos os dias. Talvez não tenha sido intencional." Ele esfrega a cabeça enquanto vejo os novos textos. Eles não param de chegar. O último é pessoal e se refere as atividades de mais tarde, então eu devolvo a mensagem deixando-a saber que estou a lendo por causa de toda a gíria. Ela envia de volta um oops e um rosto vermelho. "Violet está cheia de urticaria. Além disso, Sunny está ansiosa para comer cookies mais tarde." Miller puxa o seu celular da minha. "Isso não vai acontecer se não pudermos ter Violet sob controle. Quero saber quem lhe deu laticínios." Miller parece preocupado, o que tem sido a sua expressão na maior parte da noite. "Acho que preciso falar com Waters. Ele tem que parar de empurrar a porcaria de casamento para ela. Eles estão vivendo juntos. Ele precisa recuar um pouco e dar-lhe algum maldito espaço para respirar. Vi não está, obviamente, pronta para esta merda." Ele drena a sua cerveja e a coloca sobre a mesa mais próxima. "Eu vou encontrá-lo." "Eu vou com você." É mais para manter o dois longe um do outro do que qualquer outra coisa. Miller é protetor de Violet, mesmo que eles não estejam relacionados por sangue. Ele é assim, embora, muito leal. Miller não deixa ninguém mexer com as pessoas que são importantes para ele. "Você vem ou fica?" Pergunto a Lance. Ele dá de ombros. "Poderia muito bem ver o que está acontecendo." Miller lhe dá um olhar. "Afinal, há quanto tempo é que essa merda com Tash vem acontecendo?" "O que você está falando?" Lance fica


muito interessado em olhar para a sua cerveja. "Romero, vamos lá." diz Miller. "Um tempo." "É melhor ter cuidado. Se o treinador descobre ele vai ficar puto." eu digo, seguindo Miller pela casa. "Ele não vai. Tash está mais à procura de uma carona para sua carreira do que qualquer coisa." Ele drena o resto de sua cerveja. "Ela só quer toda a publicidade." Lance soa amargo, o que é estranho, porque Lance é provavelmente o maior jogador do campeonato. Após Miller ficar sério com Sunny, nós saíamos e ele constantemente pegava as garotas de um de nós. Lance sempre foi bom em tomar mais do que uma. Eu não gosto de ter minha atenção dividida. Encontramos Lily, Tash, e Alex do lado de fora de uma porta no topo das escadas. Sunny deve estar no quarto. Alex continua tentando a maçaneta, mas está claramente fechada. "O que está acontecendo?" Pergunta Miller. Lily se vira; o seu olhar para em mim por um segundo, e sua mão trêmula vai para sua garganta. "Violet não está se sentindo bem." "Eu sei. Sunny tem me enviado mensagens." Miller segura o seu celular. "Ela não vai me deixar entrar." Alex parece destruído. A gravata está meio pendurada. "Continuo dizendo a você, Waters, você está a empurrando muito. Vi odeia esse tipo de coisa, e você deixou a minha mãe e a sua correr com isso. Agora elas vão esperar algo ainda maior quando se tratar do maldito casamento." "Ela disse que estava tudo bem." Alex se defende. Miller zomba. "Você sabe mesmo com


quem você vai se casar? Você se lembra da primeira vez que você a conheceu e ela mostrou a cada membro da equipe o seu sutiã?" "Ela não fez isso de propósito." Eu só ouvi esta história em segunda mão, mas ao que parece foi épica. Miller joga as mãos para o ar. "Exatamente! Esse é o ponto. Porcaria embaraçosa acontece com ela o tempo todo. Vi não quer ser humilhada. Ela provavelmente acha que isso vai ser exatamente como o casamento da mãe dela." "Você quer dizer outro acidente de roupa?" Pergunta Lily. "Acidente de roupa? Do que você está falando?" Alex pergunta. Eu estou perguntando a mesma coisa. As sobrancelhas de Miller sobem. "Ela nem sequer lhe disse?" "Disse-me o quê?" Alex parece confuso e irritado. Miller deixa escapar um longo suspiro e balança a cabeça. "Gostaria que Vi malditamente aprendesse a falar sobre merda." Miller bate na porta. "Vi, abra. Precisamos ter uma discussão sobre não dizer ao seu noivo informações altamente importantes." Após um minuto ou dois, Sunny finalmente sai. "Ela diz que vai falar com você." Ela não está olhando para Alex, porém, ela está olhando para Miller. "Você pode me agradecer mais tarde." Miller desaparece dentro do quarto. Waters esfrega sua testa. "Tudo que deveríamos fazer era agradecer a todos por terem vindo." "Você tem certeza que quer passar por todo negócio de se casar?" Pergunta Lance. "Parece um tipo de dor na bunda." Tash revira os olhos. "Você é um babaca,


Romero." "Você parecia gostar bastante mais cedo." ele dispara de volta. A boca de Tash cai aberta. Lily levanta a mão e rebate: "Chega, vocês dois." Ela se vira para Alex. "Por que você não vai e agradece? A menos que você gostaria que eu fizesse isso em seu nome. Então podemos começar a arrumar as coisas e tirar as pessoas daqui. Isso pode ajudar Violet a ficar menos estressada." Ele bate na porta, olhando Lily por um longo tempo. "Eu queria que isso fosse divertido para ela." Lily esfrega seu ombro. "Você não pode fazer todos felizes, Alex. Eu amo a sua mãe, mas você tem que controlá-la se você não quer que Violet desmorone agora com este casamento." Sua cabeça cai e ele suspira. "Foda-se, eu sou um maricas." Lily ri. "Não, você não é. Você está tentando fazer muitas pessoas felizes ao mesmo tempo. Violet tem que ser sua prioridade número um o tempo todo agora. Acima de tudo." Eventualmente, eles conseguem convencer Vi a sair do quarto, mas ela está cheia de urticária. Alex desce as escadas para lidar com os convidados, e as meninas estão todas amontoadas no quarto para dar apoio moral, ou seja, o que for garotas fazem quando uma delas tem um colapso emocional e acaba com urticária. Ninguém parece questionar a ausência de Violet na festa. Lily me envia mensagem um pouco mais tarde para me deixar saber que vai ficar com Violet. Não me surpreende considerando a quão ligada ela é com a família Waters. Acabo pegando carona para casa com Lance e Tash. É estranho; ninguém realmente fala. Tash parece chateada, toda calma e meditativa no banco da frente. Lance me deixa em primeiro lugar, o que eu esperava. Ando até a minha entrada e pego meu


celular, digitando o código na minha porta e a desbloqueio. Definitivamente não era como eu pensei como esta noite ia acabar. Estou contente porque consegui um pouco de tempo sozinho com Lily. E pelo menos eu tenho amanhã. Estou em estado de alerta no segundo que entro na casa. A TV está ligada na sala de estar, e há um corpo no meu sofá, sapatos pendurados para fora. Garrafas de cerveja e meio litro de vodka na minha mesa de café. Uma das garrafas foi derrubada e a cerveja pinga no chão. Definitivamente não estou com humor para isto. O corpo no meu sofá geme e se empurra para uma posição sentada. É como se tivesse entrado numa máquina do tempo e eu estou olhando para uma muito menos apta, versão mais antiga de mim. Sem tatuagens. Randall Ballistic Sênior caiu no meu sofá. "Como você entrou aqui?" Não é uma saudação amigável, mas não gosto muito de meu pai. "Tentei o código em sua casa em Nova Iorque. Lugar agradável, garoto. Eles estão lhe pagando melhor do que a mim." Ele é um vagabundo bêbado. Não menciono que sou um jogador melhor do que ele. "Não sabia que você estava na cidade." Ele ignora a pergunta indireta. "Você está chegando em casa tarde." Ele se empurra para cima e tenta se levantar, mas acaba caindo de volta para baixo em sua bunda. Enfio as mãos nos bolsos. Agora, gostaria de ter sido convidado para ficar nos Waters. "Estava em uma festa." "E nenhuma bunny? Você está perdendo o seu toque?" "Não era esse tipo de festa." "É sempre esse tipo de festa." Ele pega uma garrafa da mesa e verifica se ainda tem há alguma coisa. Vou para a cozinha para lhe pegar um


copo de água e um pano para limpar a bagunça que ele fez. É a história de vida do meu pai. Ele é um perdedor em todos os sentidos da palavra. Voltando à sala de estar, limpo a cerveja derramada e defino a água sobre a mesa. Ele pega o copo e franze a testa. "Onde está a bebida?" "Não acho que você precisar dela." Recolho as garrafas vazias. "Olha, você é bem-vindo para ficar a noite e dormir, mas tenho planos para amanhã à noite, então você tem que ir embora de manhã." "Não vi você em seis meses, e é assim que você trata o seu pai? Não seja tão desrespeitoso." "É uma da manhã, e o encontro deitado no meu sofá, estragando a minha casa e você está falando sobre desrespeito?" "Preciso de um lugar para dormir por alguns dias. Tenho que deitar. Tenho alguns negócios que preciso resolver antes de ir para casa." "Você ainda está em Boston?" "Estou entre vários lugares agora." Corro a mão pelo meu cabelo. "Então, o que você quer dizer exatamente um par de dias?" "Uma semana, talvez duas, no máximo." Definitivamente não quero o meu pai aqui para a próxima semana, muito menos duas, mas ele está bêbado, de modo que discutir isso agora é inútil. Eu iria colocá-lo num hotel, mas da última vez que fiz isso, ele acumulou uma conta de serviço de quartos de dois mil dólares. Metade disso era pornografia. Não é que não tenho o dinheiro para pagar, é um maldito princípio. E ele é geralmente um pau. "Certo. Vamos falar sobre isso na parte da manhã. Tenho que dormir. Tenho um treino às dez." Isso é uma mentira, mas falar com meu pai neste estado não é produtivo. Também não é


tão útil quando ele está sóbrio. Parece que o resto do meu fim de semana foi para merda.


Capítulo 12 Medo de olhos oscilantes

LILY

À uma e meia da manhã, quando volto ao meu quarto na enorme agradável casa de Alex. Sozinha. A urticária de Violet finalmente melhorou depois de muito Benadryl, e todo mundo foi para a cama. Provavelmente para ter sexo incrível. Aposto que, até mesmo Violet e Alex estão fazendo sexo, embora ela ainda tenha algumas marcas no rosto. Odiaria estar assim tão estressada sobre casar. Coloco em um par de calças com um furo na virilha e uma das minhas camisetas do ensino médio. Ela ainda se encaixa exatamente desde que o meu corpo não mudou nem um pouco desde então em qualquer lugar. Não tenho de puxar para baixo os lençóis porque já estão desarrumados de mais cedo. Ainda não posso acreditar que fiz isso. Bem, eu posso. Era parte do meu plano, mas não tão no início da noite. Achei que seria mais tarde, como agora. Toco em algo meloso e grito. Saltando para trás, encontro o preservativo usado. "Tão nojento." murmuro para mim mesma. Pelo menos ele teve a cortesia de amarrá-lo em um nó, de modo que a porra não escorresse para fora e acabasse entre os meus dedos. Tiro uma foto disso ao lado do meu pé e a envio para Randy com um rosto carrancudo. Não recebo nada de volta imediatamente, o que é uma espécie de decepção.


Lanço o meu celular na cama e vasculho a minha bolsa, procuro por algo para lavar o rosto, que é a minha rotina noturna, ainda amarga que todo mundo está recebendo ação agora, menos eu. Deixo a luz acesa no banheiro e deixo a porta entreaberta, deixando um pouco de iluminação para me guiar para a cama. É claro que passo sobre o preservativo estúpido novamente. Caio no edredom, o invólucro do preservativo vazio está preso debaixo de mim. Rolo, o encontro e o lanço no chão. Agora tenho a porcaria de espermicida terrível em minhas mãos. Provavelmente deveria tomar um banho, mas não estou com vontade. Amasso o meu rosto nos travesseiros. O cheiro da colônia de Randy ainda persiste. Fecho meus olhos, e os arrepios começam quando penso sobre o sexo incrível. Infelizmente, agora eu sei o quão medíocre com era com Benji e como o seu pau médio parece em comparação. Não sei se todos os jogadores de hóquei têm varas de homem gigantes, mas parece ser o caso, a partir dos relatórios de Sunny e do que eu acidentalmente vi de Alex quando eu era adolescente. Quando estou refletindo sobre o tamanho do apêndice mais útil do homem, o meu telefone toca. Eu o pego e meu estômago faz aquela coisa oscilante. É Randy. Me ligando. Deixo tocar mais duas vezes antes de responder. "Obrigada pelo presente de borracha." "Desculpe, esqueci isso. Costumo me limpar depois, mas a interrupção me fez desleixado. Da próxima vez, vou ser o bom escoteiro que sou." Tento imaginar Randy como um escoteiro. Tudo que vejo é uma imagem dele aos doze anos com uma barba. "Bastante presunçoso assumir que haverá uma próxima vez." "Você não se divertiu?" "Foi bom." Esfrego as minhas pernas juntas, pensando sobre o quão bom tudo foi. Randy ri. "Você é terrível para o meu ego.


Você sabe disso, certo?" "Se ele é tão grande como o seu pau, você não precisa de ajuda nessa área de qualquer maneira." "Elogio agradável. Vou aceitar. Como está Vi?" "Ela está bem agora. Acho, de qualquer maneira. É difícil dizer como ela está. Alex está preocupado, mas isso é como ele é. Sinto muito que você teve que ir embora." "Sim, eu também." "Se quiser, ainda podemos sair para jantar amanhã." Falo isso como se fosse uma pergunta. "Sim, sobre isso-" O meu estômago afunda, e fico com aquela sensação de espessura na minha garganta. "Alguma coisa meio que surgiu." "Oh sim, é claro." Talvez Randy mentiu sobre o meu desempenho ser um dez ponto zero. "É coisa de família. Caso contrário..." "Você não tem que me explicar." "Não quero que você pense que estou te dispensando. O meu pai apareceu hoje à noite, e eu não estava esperando por isso." O meu alívio me preocupa. "Você não parece muito feliz com isso. Está tudo bem?" "Sim. Vai ficar tudo bem, uma vez que ele for embora. Ele é uma espécie de idiota, e não sei por quanto tempo vou ter que lidar com ele antes que ele vá, no entanto." "Sinto muito." "É o que é. Gostaria muito mais sair com você."


"Será que faria você se sentir melhor se lhe dissesse que teria sido difícil sair de qualquer maneira? Amanhã vamos ter algum tipo de terapia de compras para fazer Violet se sentir melhor e que provavelmente vai durar todo o dia." Randy ri. "Eu diria que sim, mas estaria mentindo. Acho que nós vamos ter de tentar novamente em outra hora." "Certo." "Talvez na próxima vez em que eu jogar em Toronto ou algo assim." "Isso seria divertido." "Não se sinta obrigada ou qualquer coisa. Estou tendo um bom tempo com você, Lily, mas se não gostar, ou achar que isso está começando a ser demais, me avise, ok?" "Demais como? Como, muitos orgasmos?" A minha boca fica seca, e as minhas mãos ficam úmidas. "Como, ficando sério ou qualquer outra coisa. Não quero fazer disto algo que não é, sabe?" "Certo. Claro." Tento não ficar ofendida pelo lembrete. "Legal." Randy é tão indiferente sobre isso. "Desculpe sobre amanhã. Vou ligar se alguma coisa mudar, ok?" "Certo. Sim." Não quero criar esperanças. "Boa noite, Lily." "Boa noite, Randy." É provavelmente melhor que ele não possa me levar para jantar. Isto se seria muito parecido com um encontro ao invés de ser essa coisa casual onde somente fodemos.


*** Passo todo o domingo no shopping com as meninas. É desgastante. Além disso, não tenho dinheiro para gastar em porcaria frívola, especialmente desde que não posso devolver aquele vestido. Violet compra para nós todas nós o almoço e esbanja dinheiro em garrafas de champanhe que custam mais de um mês do meu salário. Estou acostumada a estar perto da família de Sunny, mas isto é extravagante. Violet se recusa a entrar em quaisquer lojas de noivas. Ela começa a se coçar assim que estamos a cinco metros de qualquer loja com vestidos brancos. No caminho para a Victoria Secret, passamos em uma loja infantil com uma vitrine cheia daquelas bonecas que a minha prima está sempre falando. "Elas são tão caras para um plástico." murmuro. Violet olha para a loja e começa a gritar como se estivesse pronta para ser assassinada. "Meu Deus! Por que elas existem?" Ela coloca a mão sobre os olhos e grita para Charlene. "Tire-me daqui!" "O que está acontecendo?" Pergunto a Sunny, que encolhe os ombros com a doidice dela. "Talvez ela tenha realmente perdido o juízo?" "Pare de se debater, vou levá-la para longe destas bonecas." "Não diga essa palavra!" Violet esconde o rosto contra o ombro de Charlene. "Diga-me quando for seguro." Não tenho certeza se é cômico ou não. Sunny e eu seguimos Char e Violet para Victoria Secret. "Ok. Estamos bem. Vamos comprar sutiãs, calcinhas e coisas sensuais." Charlene garante a ela. "Não há olhos oscilantes?" Violet ainda


está cobrindo o rosto. "Não. Nenhum." Ela espia entre os seus dedos, os olhos se lançando frente e para trás, avaliando ao redor. Violet deixa cair sua mão tremendo. "Odeio essas coisas. São tão assustadoras." "Faça..." Charlene faz um movimento de corte, cortando Sunny. "Vamos lhe arranjar alguns sutiãs novos." Violet acena. Nós a distraímos com uma pilha de roupas sensuais. Enquanto ela está no vestiário, pergunto a Charlene o que era aquilo tudo. "Ela tem medo de bonecas. Acho que ela via muito Chucky quando era pequena. Buck usava isso para atormentá-la quando eram adolescentes. Ele as colocava ao lado da cama por isso, quando ela acordava de manhã, a boneca estava olhando para ela." Sunny faz uma carranca. "Isso não é muito agradável." "Eles eram crianças." Alex liga, enquanto Violet está no vestiário, e eles têm um batepapo de vídeo que todos estão a par. Sunny deixa o local, desinteressada em ouvir Alex dizer a Violet quão sexy ela está. Randy não liga, e enquanto estou decepcionada, não posso deixar de pensar que é definitivamente melhor assim. Se ouvir dele em uma base regular, não vai mais ser casual. É bom ter alguma distância. Sexo é apenas sexo. Sentimentos não tem que fazer parte de qualquer coisa. Voo de volta para Toronto com os Waters na segunda-feira de manhã. Tivemos que estar no aeroporto ridiculamente cedo, então estou malhumorada e cansada quando chego em casa. Estou no meu limite. Tenho um turno no café ao meiodia, e então vou direto para a arena às seis. Entro e saio rapidamente de casa em quinze


minutos e Sunny me leva ao trabalho. E depois vou sozinha para a arena depois disso, mas não é um problema. Os ônibus são frequentes nesta cidade. Verifico minhas mensagens no caminho para casa no final do meu dia. Randy enviou uma, verificando se cheguei bem em casa. Envio uma breve resposta, mas não convido para mais conversa. É perto de meia-noite quando chego em casa. Depois de um voo, um turno de cinco horas fazendo café para cretinos arrogantes, e quatro horas ensinando as crianças a andar de patins, estou exausta. Penduro as minhas chaves no pequeno gancho no corredor da frente, tiro os sapatos, e caminho para a cozinha. Preciso de um lanche saudável. Grito com a visão de um homem com cabelo para trás e um par de cuecas boxer cinza roendo um osso de galinha. "Quem diabos é você?" Eu luto para tirar minha mochila. Os meus patins estão lá. E mais nada, eles são pesados, por isso, se baterem seu rosto vai doer. Se puder tirá-los rápido o suficiente, vão ser uma arma decente. "Lily!" A minha mãe agarra a minha mochila da minha mão antes que eu possa bater no cara aleatório na cozinha. "Que diabos?" Dirijo-me a ela, gesticulando entre eles selvagemente. Percebo que é o mesmo cara da última vez, o que me pegou saindo do chuveiro ostentando ereção matinal. Merda. A minha mãe tem um novo namorado. Pergunto-me quanto tempo este irá durar. "Este é o Tim. Ele é um amigo meu." "Porque você está de cueca?" Ainda estou gritando. Neste momento, parece que meu coração estivesse prestes a bater para fora do meu peito. É então que percebo a minha mãe está vestindo seu roupão. Aposto que ela está nua. Eca. Estou velha demais para lidar com isso.


Não preciso saber quem fode com a minha mãe. Se Sunny não estivesse falando sobre se mudar para Chicago, eu diria que devíamos ter um apartamento agora. Não quero ficar presa aqui, testemunhando a minha mãe ter mais ação do que eu. Tenho o suficiente de economias para pagar o primeiro e o último mês do aluguel. Posso fazer isso sozinha se tiver que fazer. A minha mãe está falando enquanto eu estou pensando em um plano para me mudar. "Não achei que você estaria em casa até amanhã." "Eu disse que voltaria hoje. Está no calendário." Eu aponto para os gatinhos adoráveis que rolam no canteiro. Em vermelho estão marcados os dias estou fora. Hoje está marcado com um grande V que chego em casa. "Devo ter entendido mal as datas." "Tanto faz. Estou cansada. Estou indo para a cama. Prazer em conhecê-lo, Tom." "É Tim." minha mãe diz. "Noite, Tim. Por favor, use calças no futuro." "Uhhh..." Não espero por respostas. Pego minha mochila da minha mãe e a levo para o meu quarto. Se isso acabar por ser mais do que meia dúzia de encontros, vou ter que considerar as minhas opções. Não posso passar por outros ciclos de namorados da minha mãe. Os caras que ela escolhe fazem Benji parecer em um maldito santo.

***

Durante a próxima semana não ouço muito de Randy. Gostaria de dizer que não pensei


muito sobre isso, mas eu faço. E me masturbo muitas olhando para seu rosto bonito. Não é difícil encontrar uma foto dele na mídia social. Visito a sua página no Facebook, mas lhe pedir para sermos amigos nos levaria do casual para outra coisa. Não queremos fazer isso, até chegar o ponto de parar. Setembro transforma-se em outubro, e as folhas ficam em um belo tom de vermelho, seguido por laranja e amarelo. O outono é uma estação interessante. É linda, mas todas aquelas cores bonitas representam a morte das folhas depois. Realmente, é algo macabro. Entro em minha rotina normal: trabalho no café e dou aulas de patinação, saio com Sunny, quando eu não estou fazendo nenhuma dessas coisas e ela está disponível. Agora que o treino é longo e a estação de hóquei regular começou, Miller não consegue visitá-la muito. Sunny está falando mais e mais sobre se mudar no final de dezembro, depois de terminar o curso de seu programa de relações públicas. As colocações de estágio podem ser feitas em qualquer lugar, e ela já tinha ido ao coordenador do programa para discutir as opções nos Estados Unidos. Não sei se eu gostaria de mudar toda a minha vida por outra pessoa, mas a minha experiência relacionamentos tem sido limitado. Sobre meu ex-namorado Benji, ele começou a ligar novamente. Reconheço o padrão. O máximo de tempo que estivemos separados no passado foi oito semanas, o suficiente para eu ir a alguns encontros; algumas vezes ter sexo sem sentido e me sentir culpada depois, e, em seguida, voltamos a ficar juntos. Terminamos novamente. E depois fazemos tudo de novo. Tento tão duro não responder ou encorajá-lo, mas Benji tem uma caixa de sua porcaria na minha casa, e ele tem coisas minhas, incluindo o meu jeans favorito. Vê-lo é inevitável. Benji e eu passamos por muitas coisas juntos. Foram muitos anos, ele estava lá quando perdi meu sonho olímpico. No passado, foi o suficiente para me empurrar de volta para ele depois de uma de nossas brigas de rompimento. Mas não desta vez. Entre outras


coisas, agora que eu tive muito, muito e melhor do sexo, como do tipo extraordinário, a minha posição é menos vulnerável. Ainda assim, gostaria de evitá-lo por tanto tempo quanto possível. Hoje estou puxando oito horas no café e correndo para a pista para ensinar três horas de aulas. Estou no horário número seis, e há um intervalo entre os clientes. Faz o dia parecer muito mais longo. Os meus pés doem, e estou cansada. Também estou muito irritada. O meu telefone vibra contra a minha bunda, sinalizando um texto. Desde que sou por vezes, a gerente, não vou ficar em apuros por ir lê-la, mas tento evitar fazer isso na frente de outros empregados em caso que lhes dar a impressão de que está tudo bem para eles fazerem também. Faço uma varredura no café, uma vez que eu tenho certeza que ninguém está prestando atenção em mim, tiro o meu celular. Eu suspiro quando o nome do Benji surge, juntamente com três novas mensagens. Ele quer me encontrar, presumivelmente para me dar minhas coisas de volta, mas ele é vago. Cometo o erro de dizer que estou trabalhando, então não posso escapar. Meia hora depois, Benji aparece. O balcão é uma grande barreira, o impedindo de me abraçar. Ele parece o mesmo do que a última vez que o vi, que foi há quase um mês atrás, quando ele veio aqui com alguma garota. Fui para a parte de trás e fiz uma das outras meninas servi-lo. Benji mandou uma mensagem pedindo mil desculpas depois e disse que ela era uma de suas colegas de trabalho. Eu sei melhor. Ele fez isso para me fazer ciúmes. Ele continua a deixar crescer aquela horrível coisa que não é realmente uma barba. É um monte de pelos irregulares e desleixados. Não é atraente. Ele está vestindo uma camisa que lhe dá dois anos há mais. Benji não tem com ele um saco ou uma caixa ou qualquer coisa com ele, mas poderia estar em seu carro. "Ei, Lily." "Oi, Benji."


Ele enfia as mãos nos bolsos. "Você parece ótima." "Obrigada." Rolo para trás em meus calcanhares e espero. O silêncio constrangedor se arrasta e o seu rosto começa a ficar vermelho. "Acho que você pode fazer uma pausa?" "Já fiz." Ele suspira, e os meus dedos do pé enrolaram no meu lugar, como se eles quisessem o socar nos joelhos. "Você não é meio que a gerente? você não ter tomar uma sempre que você quer?" "Estamos com pouco pessoal." É uma mentira. Existem apenas três pessoas na loja e duas outras pessoas estão trabalhando comigo. Uma das meninas está na parte de trás fazendo verificação de inventário; e a outra está limpando mesas. Benji olha incisivamente para a garota do outro lado do café. "Vamos, Lily." "Não posso. A sua pausa será em cinco minutos. Ela tem que ter uma. De outra forma é injusto." "Bem, a que horas você sai?" "Em uma hora. Tenho que ir direto para a arena depois disso." "Vou levá-la." Benji sabe que não tenho um carro e que vai demorar quase uma hora de ônibus para chegar do centro da arena na universidade. "Ok. Certo." "Ótimo." Benji sorri. Eu costumava achar que era charmoso; agora parece mais falso. Benji acha que vai me convencer a voltar com ele. Ele pede um café e um bolinho e senta em um dos sofás. E me observa enquanto eu trabalho o que acho muito inquietante. Não


gosto disso hoje. Mas suponho que agora é um momento tão bom quanto qualquer outro para que ele saiba que, realmente, acabou. Às cinco horas bato o ponto. Benji está bem lá, abrindo a porta para mim, sendo todo doce. Ele é bom em fingir ser agradável, assim como em atribuir a culpa e em manipular. É um jogo que ele gosta de jogar. Acho que tinha ficado tão acostumada depois de sete anos, que parecia normal. Mas vendo Sunny e Miller juntos, e até mesmo Violet e Alex, eu estou ficando com uma noção muito melhor de quão disfuncional o meu relacionamento com Benji realmente era. Ele põe a mão em minhas costas, me guiando para fora do café. "Você ensina as seis, certo?" Ando um pouco mais rápido para ficar longe de sua mão. "Sim." O seu carro está estacionado no parque. Aqui está um fato interessante sobre Benji: ele se veste como se fosse sem-teto, mas a sua família está muito bem. Ele dirige um novo Jetta. E não pagou por isso, apesar de tudo. Os seus pais pagaram, assim como pagam todo o resto. Benji aperta o botão na chave e o desbloqueia. Pego a maçaneta antes que ele possa e deslizo para o assento do passageiro. Ele fecha a porta para mim, o seu sorriso vacilando um pouco enquanto caminha ao redor do carro. Então está de volta ao seu sorriso falso agradável, no momento em que ele chega no banco do motorista. "Como você está?" Pergunta, se afivelando. "Bem. E quanto a você?" "Ah você sabe, me mantendo ocupado." Isso é código Benji para comer outras meninas, ou tentando me fazer pensar que tenha. Não me importo se é verdade. "Isso é bom." Benji olha para mim, os lábios franzidos sob o bigode ralo. E estende o braço sobre as costas do meu acento enquanto dá ré para fora do


local. Ele quase atinge um cliente e tem a audácia de mostrar o dedo quando puxa para a rua. Encosto-me no meu lugar para que ele não possa me ver. É uma viagem de dez minutos para a arena no campus. Estou esperando que nós possamos nos controlar para não ter um jogo de gritos. "Você sabe, sempre pode me ligar se precisar de carona." Os seus dedos acariciam a parte de trás do meu pescoço. Eu vou para frente. "Obrigado. No entanto, provavelmente não é uma boa ideia." "Vamos, Lils. Quanto tempo você está planejando ficar com raiva de mim desta vez? Sei que não sou perfeito, mas nem você é. Tivemos uma briga. Acontece. Acabou agora. Sei que você estava com raiva de mim quando estávamos acampando, e é por isso que você beijou aquele imbecil do hóquei. Vou te perdoar por isso." É disto que estou falando. Este é o tipo de porcaria que Benji puxa, colocar toda a culpa em mim. Nem sempre foi assim. Benji foi um grande namorado nos primeiros quatro anos, amoroso, gentil e doce. Às vezes um pouco demais de todas essas coisas. Estávamos sólidos até o último ano; em seguida, houve um par de solavancos e separações curtas. Nada terrível. As coisas ficaram duras após o ensino médio. Fui para a universidade com bolsa integral em vez de perseguir o meu sonho. Benji foi para a faculdade para obter um diploma em vadiagem. Foi revelador estar em turmas com outros caras que manifestaram interesse em mim. Benji não gostou; ele tem problemas de insegurança. Percebi que ele os projetava em mim constantemente me dizendo que não era boa o suficientemente. Os golpes eram sutis no início, mas no final ele descaradamente me colocava para baixo. Não sei por que fiquei por tanto tempo. Talvez estivesse com muito medo de não ter ninguém além de Sunny, uma vez que a maioria dos nossos amigos deixaram Guelph após o ensino médio. Talvez estivesse com medo que terminaria como


a minha mãe, com uma porta giratória de namorados perdedores. Independentemente disso, é um ciclo que precisa ser quebrado, desta vez para sempre. "Não estou pedindo para ser perdoada por beijar Randy." "Bem. Então também não vou pedir para ser perdoado por trair você." "Trair-me? Benji, nós não estamos juntos. Você pode foder qualquer uma que bem entender. Não é da minha conta." Ele fica em silêncio pelo resto do passeio, chateado, eu acho. Seguro a minha mochila no meu colo, desejando que tivesse ido com o meu intestino e pegado o ônibus, mesmo que isso significasse ter que me apressar para chegar ao trabalho. Benji puxa em frente da arena. "Obrigado pela carona." "Então é isso? Isso é tudo que você tem a dizer?" À medida que a sua ira se expande, o mesmo acontece com o seu volume. "Não sei o que mais você quer que diga. Não nos falamos em dois meses além do tempo que você veio ao café com aquela garota com quem você aparentemente trabalha. Já dissemos tudo o que precisamos dizer um ao outro ao longo dos anos. Nós devemos estar bem neste ponto, não acha?" "Porque não pode admitir que cometeu um erro com o filho da puta? Porque está tão empenhada em se tornar em sua mãe?" E assim, ele me faz sentir com dois centímetros de altura. Tomo uma respiração profunda, me preparando para mais insultos. "Não traga minha mãe para isso." "Por quê? Porque você não gosta da verdade?" Não respondo; Não tenho tempo suficiente para brigar. E não quero. "Você tem as minhas coisas com você?"


"Coisas?" "As minhas roupas? As que estão em sua casa?" "Não achei que você ia jogar este jogo comigo, Lily. Pensei que íamos resolver as coisas." "Deixa pra lá. Tenho que ir." Estendo a mão para a maçaneta da porta, e Benji agarra meu pulso. "Deixe-me ir." Ele afrouxa seu aperto. "Vamos, Lily. Sinto Muito. Foi sem intenção. Você sabe que não quis dizer isso. Sinto falta de você. Estou preocupado com você." O meu celular toca. O tiro do meu bolso. São cinco e meia. Demora uns bons dez minutos para me trocar, e ainda preciso me aquecer antes das crianças chegarem para a aula às seis. "Não responda a isso, Lily." Estou farta de me dizerem o que devo ou não fazer. A tela se acende, o nome piscando em alerta. De todas as pessoas a ligarem neste momento. Puxo o meu braço do aperto de Benji, e abro a porta, e sou empurrada de volta pelo cinto de segurança. Bato o meu dedo no botão e caio para fora do carro, caindo com a minha bunda em uma poça. Nem sequer choveu, então não tenho certeza de onde a água veio. "Obrigado novamente pela carona." "Vamos, Li..." Aperto o botão verde e levo o celular para o meu ouvido, encontrando o olhar irritado de Benji. "Oi, Randy." Bato a porta, levanto do chão e caminho mancando em direção ao edifício. Isso era provavelmente uma péssima ideia. Nada como cutucar um ninho de vespas quando se está sentado ao lado. Benji aperta a buzina


e desce o vidro. Começo a correr e não estou interessada em ouvir o vômito verbal. O meu coração bate no meu peito enquanto empurro as portas de arena, deixando Benji irado. "Ei, gostosa. Como vai'?" "Ei. Bem. Ótima. E quanto a você?" Estou sem fôlego, por isso, cada palavra sai desgastada. "Excelente. Será que liguei em um momento ruim?" "Hã. O quê? Não. Não. Não é um mau tempo." A briga desagradável com Benji é imediatamente esquecida. ok, não esquecida, mas se tornou muito menos pior só pelo baixo e profundo timbre da voz de Randy. Faz minhas partes de menina formigarem como se tivessem sido mergulhadas em enxaguante bucal. "Tem certeza? Você parece sem fôlego." "Estou no meu caminho para a arena." "Isso é lamentável. Eu aqui pensando que talvez te pegasse com a mão em sua calça." Eu rio. "Provavelmente seria presa se fizesse isso agora." "Que pena. É uma imagem agradável." Randy faz um som, como um suspiro com um zumbido ligado a ele. "Então, estou supondo que você está mentindo sobre isso não ser um mau momento." Abro a porta do vestiário com o ombro. Está vazio além de mim. Coloco a ligação no viva-voz. "Tenho alguns minutos antes de dar aula." "Impressionante. Como tem estado?" "Bem. Você?" "Sim. Tudo certo. O meu pai abusou das bemvindas; Só me livrei dele há alguns dias." "Sinto muito por isso. Não soa como uma boa situação." "Não foi. Não é. Mas de qualquer forma.


Não o vi muito, então devo estar bem por mais seis meses antes que ele venha foder com a minha vida de novo." "Acho que é uma coisa boa?" "Sim." Quando Randy não elabora, mudo de assunto. "Como está indo a temporada?" "Estou me acostumando com a minha nova equipe. É bom, mesmo que seja diferente. Você sabe como é." "Posso entender isso. É como uma curva de aprendizagem, certo? Descobrir como todos trabalham juntos e outras coisas. É provavelmente, como se acostumar a um novo parceiro para dança, mas com muito mais pessoas envolvidas." Tiro minha camisa pela cabeça e chuto meus sapatos. "Sim. Essa é uma comparação razoável. O que você está fazendo? O que é todo esse barulho?" "Estou me trocando." "Não brinca. Você está nua?" Juro a sua voz reduz a duas oitavas. "Você não gostaria de saber." Cada parte de mim se aquece com a lembrança das coisas que ele fez para mim na última vez que estava nua. "Com certeza faria." Eu rio. "Você não vai me dizer?" "Você não pode me ver, então não tenho certeza se isso importa." "Pode ter uma possibilidade." "Bem. Estou nua."


"Não, você não está." "Não. Eu não estou." "Que pena. Olha, falando de ficar nu, tenho um jogo em Toronto no final da semana. Então você pode me ver. Posso lhe arranjar bilhetes, e então podemos passar a noite juntos." "Uau. Isso que é ir direto ao ponto." Não tenho certeza do que esperar não ter tido notícias dele há semanas. O seu pai estando lá pode ter tido algo a ver com isso, entretanto. Estou um pouco chocada com a sua ousadia, embora talvez não devesse estar. Poderia ser assim que isso funciona. "É no final de uma série, então posso ficar uma noite extra, se você estiver interessada. Podemos ficar muito nus. Vou até levá-la para jantar como era suposto da última vez." Oh Deus. Horas de tempo ininterrupto com Randy. Uma noite em uma cama, sem restrições e sem ninguém para nos interromper. Ainda assim, não quero dizer sim imediatamente e fazer parecer que se estou disposta a largar tudo por ele. "Vou ter que verificar o meu calendário." "Faça isso." "Certo. Vou deixar você saber logo souber." "Parece bom. Vou ter a certeza que as minhas boxers especiais de falsa publicidade estejam limpas para você." Eu tremo ainda envergonhada. "Você pode se livrar daquelas a qualquer momento." "Gosto mais delas agora do que antes de você as decorar." Não vou admitir, mas meio que gosto que ele as manteve. O alarme dispara no meu celular, sinalizando que preciso estar no gelo. "Tenho de ir. Tchau, Randy." "Mais tarde, Lily."


Desligo e começo a laçar os meus patins. Outra dose de Randy é exatamente o que eu mereço para finalmente conseguir Benji fora da minha vida para sempre.


Capítulo 13 Persistência para o pagamento

RANDY

É o meio do terceiro tempo, Nova York está na frente, e estamos com um ponto atrás. Nem sempre é fácil de ficar com um bom espaço livre durante os jogos fora de casa. Estar na estrada significa dormir em camas que não são a minha e falta de privacidade. Miller e eu dividimos quarto nos hotéis, como fizemos desde que jogamos hóquei amador e tínhamos torneios longe de casa. Normalmente, o pai de Miller nos levava desde que a minha mãe tinha que trabalhar e não podia se dar ao luxo de estar um tempo fora. Uma vez que fomos adolescentes, íamos com os nossos treinadores. Miller e eu não entrávamos em muitos problemas até o penúltimo ano do ensino médio. Estávamos jogando hóquei de rua, e um garoto acertou Miller bem no rosto com um disco. Bateu em seus dentes da frente e alguns outros. Acabou por ser uma coisa boa depois que ele conseguiu superar a dor. Miller tinha dentes ruins quando criança, e um monte de parafusos de titânio e implantes resolveram o problema após o acidente. Embora ele tenha que ser muito cuidadoso no gelo agora. Se qualquer um desses for nocauteado, Miller terá que usar dentadura até que a sua carreira de hóquei termine. Talvez para o resto de sua vida. De qualquer forma, Miller era um pouco tímido com as meninas até que o problema


com os seus dentes foi resolvido. Honestamente, elas provavelmente ficariam em cima de seu pau independentemente, mas ele é um pouco sensível sobre ter as suas deficiências percebidas. Tipo como eu sou sobre o meu. Todos encontramos formas de gerir, embora. Estou inquieto, esperando a minha vez de entrar no gelo. Ainda não tenho jogado muito, porque ainda estou me acostumando com a equipe e a aprender como eles interagem uns com os outros. Deixa-me louco. Waters está de mau humor com o placar do jeito que está e a defesa está fragmentada, o que torna difícil para manter o disco em jogo. Os árbitros são permissivos. Isso está me irritando. Waters acaba recebendo dois minutos por tropeçar*, o que me deixa fora do banco. Eles o trocam por mim, e eu voo pelo gelo, pronto para tomar de volta o disco. Tenho uma vantagem hoje à noite. Estamos jogando com a equipe de onde eu fui negociado na primavera. Conheço a maioria dos jogadores e como eles se movem. Alguns deles podem ser meus amigos, mas em termos de jogo e de vitórias, não faz diferença. Prendo o disco a partir do seu centro, patinando mais rápido. Teço através dos jogadores, o meu objetivo claro: levar o disco para a rede de New York. Faço a varredura para os jogadores perto de mim. Westinghouse está livre e à procura de um passe; envio o disco em sua direção pouco antes de New York tentar roubá-lo. Ganhando velocidade, faço o meu caminho em direção ao goleiro, mantendo um olho no disco. Patinando em torno atrás da rede, Westinghouse troca com o pé direito antes de levar um golpe. Patino ao redor do cara procurando me soltar, beijo o disco com a minha lâmina, e o envio *

Tropeçar: Tropeçar no hóquei de gelo é chamado pelo árbitro quando um jogador bate no adversário com a sua vara, ou usa seus patins contra os outros jogadores, fazendo-a perder o equilíbrio e cair ("pé de série").


navegando entre os patins do goleiro. Marcar contra a minha antiga equipe é um sentimento fantástico, especialmente com a gente tendo um jogador a menos por conta da penalidade de Walters. Westinghouse e eu tocamos as luvas e nos preparamos para a próxima jogada. Volto com tapinhas ao longo do caminho. Não posso conter o sorriso quando enfrento o meu velho capitão. Nada supera a emoção de marcar um gol. Esta é a emoção para qual eu vivo, a sensação de que sou invencível. O apito sopra e o disco cai. O afasto do centro de Nova Iorque. Westinghouse está sobre ele. Ele é um ala incrível. New York obtém controle, mas Miller é o dono da defesa, mantendo o disco longe do nosso gol. Waters está de volta no gelo uma vez que sua penalidade acabou, e eu estou no banco, mas estou bem com isso. Fiz a minha parte. Estamos amarrados, e temos três minutos para o fim do jogo. Waters é um escavador lá fora. Ele está em um tumulto, cortando o gelo com o disco, o seu foco singular. Ele engana a outra equipe, as suas habilidades de patinação é tão refinada, que ele pode fazê-los tropeçar sem sequer lhes tocar. O disco bate na rede novamente com apenas quinze segundos para o fim do jogo. E nós vencemos. Não há volta para Nova York. A energia é maníaca no vestiário. Há uma tonelada de emoção e muita aprovação dos meus companheiros de equipe. Paramos no bar depois para comemorar a vitória e comer. As Puck bunnies estão em todo o lugar, procurando fisgar alguém. Eu tomo o lugar ao lado de Miller. Ainda estou à espera que Lily me ligue, então não vou tão inclinado em pegar uma Puck bunnies. No entanto, eu poderia definitivamente me masturbar. Estou nervoso e reprimido pra porra. Não tive sexo desde a festa de noivado. Normalmente não iria me opor a uma ligação, depois de uma longa seca, especialmente desde que Lily não tinha me enviado mensagens por um par de dias, mas com ela sendo amiga


próxima de Sunny, preciso ser razoável sobre isso. Lance puxa uma cadeira vazia ao meu lado, girando ao redor, e cai nela. Ele olha Miller, Westinghouse e para Waters. "O que estes bucetas chicoteadas por cadelas estão fazendo aqui?" Ele me pergunta. "Que elegante Romero." Westinghouse lhe dá um olha e toma um gole de sua cerveja. "Há já alguns rumores interessantes flutuando por aí sobre você desde a minha festa de noivado." diz Waters. "Ah, é?" Lance gira a cerveja sobre a mesa. "Você pode querer se olhar um pouco melhor." Waters acrescenta. Lance franze a testa. "Não sei o que você está falando." "Se você diz." Waters encolhe os ombros. "Mas se o treinador descobrir, o melhor cenário é você ser colocado no banco. O pior caso é você acabar negociado. Isso seria uma verdadeira vergonha, deixando seu ego de lado você é um bom jogador." Ele baixa a sua cerveja e define a garrafa sobre a mesa. "Vou terminar a noite." Westinghouse deixa a sua cerveja meio cheia, empurra a cadeira para trás e acena para nós. "Vejo vocês no ônibus." Lance espera até que ele desapareça antes que se vire para nós. "Quem diabos disse a Waters?" "Disse o quê?" Inclino para trás em minha cadeira e olho para Miller, que está verificando o seu celular pela septuagésima quinta vez. Ele olha para cima e franze a testa. "Você está falando sobre o que está acontecendo com você e Tash?" "Sim cara. Você disse algo?" O seu sotaque aparece. Normalmente, o vago indício de sotaque escocês é indetectável, além de quando Lance está chateado com alguma coisa. Miller desliga o celular, que emite um


sinal sonoro e cruza os braços sobre o peito. "Por que eu iria dizer a Alex?" "Não sei. Vocês dois estão todos amiguinhos agora, ensaboam as costas um do outro no chuveiro." "Foda-se, Lance. Ele vai ser o meu cunhado. Estou saindo com sua irmã. Não tenho muita escolha a não ser que queira fazer a minha vida mais difícil. Além disso, ele é um cara bom. Uma pessoa estranha, mas isso não é muita surpresa, considerando que ele está com Vi e tudo." "Bem, alguém disse algo a ele." Lance gira a garrafa entre as palmas das mãos. "Não é como se fosse um grande negócio." "Se você diz, mas você deve ser cuidadoso. Tash não pode foder os jogadores que está treinando, se é isso que está acontecendo." O telefone de Miller toca, então ele o verifica. "Eu tenho que atender isso." Isto é, obviamente, Sunny. Ele atende a chamada e cobre o receptor. "Vou até ao quarto. Vejo vocês mais tarde." Lance o olha a sair. "Você acha que eu deveria estar preocupado?" "Miller tem um ponto. Não é profissional. E faz as coisas parecerem mal." Lance toma o resto de sua cerveja. "Acho que estou feito por esta noite." "Sim. Bom plano. Vamos acordar amanhã muito cedo." O ônibus sai as nove, e a viagem de Nova York para Toronto para o nosso próximo jogo é de cerca de oito horas mais as pausas. Vamos estar na estrada durante todo o dia. Lance e eu pegamos nossos caminhos separados. Quando chego ao quarto, Miller está no banheiro falando em seu celular. Digito na minha senha e encontro uma nova mensagem de Lily.


Belo gol.

Foi enviada há mais de uma hora atrás. Estou surpreso que eu perdi. Eu respondo a mensagem.

Obrigado. Você está acordada?

Deito-me na cama, que não está coberta com as roupas descartadas de Miller e espero por uma resposta. Estaremos em Toronto amanhã à noite e quero saber quais vão ser os meus planos. Já tinha reservado um quarto melhor do que aqueles em que normalmente ficamos durante jogos fora de casa, apenas no caso de eu precisar de privacidade. Estou esperando. O meu plano é exigir privacidade, tanto quanto eu possivelmente puder no pouco tempo que teremos. Tiro a minha camisa e perco as minhas calças, deixando-a cair no chão ao lado da cama. Estou cansado. E com necessidade de liberação. O meu celular vibra com uma mensagem.

Preparando-me para dormir.

Eu disparo uma de volta.

Foto por favor.

Recebo uma poucos segundos depois, uma da sua cama vazia. Parece pequena. Não


é suficientemente grande para as coisas que eu gostaria de fazer com ela.

De você. Não da sua cama.

Não espero muito tempo para sua resposta seca.

Não.

Eu sorrio.

Porque não?

Os pontos demoraram a aparecer.

O meu rosto parece horrível.

Uma imagem apareceu. Lily está usando um saco de papel sobre a sua cabeça com olheiras embaixo de seus olhos. Eu amo que ela não me envie automaticamente fotos nuas. Aperto o botão de chamada. Lily responde ao primeiro toque. Já está tarde. Depois da meia-noite. "Você pode pedir o que quiser. Não estou enviando uma foto." "Eu tenho um ingresso para o jogo na sextafeira. Não vou pedir nenhuma foto, se isso significa que vou te ver."


"Sobre isso..." Tenho este sentimento se afundando baixo no meu estômago. Isto não é algo a que estou acostumado. As meninas geralmente se curvam para mim, literalmente, para conseguir o que estou oferecendo. Eu decido perguntar. "Você não quer vir?" "Não é isso. Tenho que trabalhar. Não consigo me livrar dos meus turnos." "Ligue e diga que está doente." "Não posso." "Certamente você pode. É fácil. Você finge que tem gripe, e você liga. Então vem para o jogo. Então, ficamos nus e eu faço você gozar." Lily ronca quando ri. "Você faz parecer tão atraente. Eu queria que fosse assim tão simples." "Já tenho um quarto reservado. Posso alugar um carro e levá-la de volta na manhã seguinte para onde quer que você tenha de estar." "Você já reservou um quarto? Uau, isso é presunçoso." Não posso dizer se ela está ofendida. "É uma ilusão, não presunção. Vamos, Lily. Tive um monte de diversão última vez, você não teve?" "Bem, sim, mas-" "Mas o quê? Tenho esperado ansiosamente para te deixar nua novamente. Podemos até mesmo transar no banheiro, já que é a nossa coisa." Desta vez, recebo uma risada real dela. "Oh meu Deus, você é sempre assim?" "Bastante. Então você vai ligar e dizer que está doente. Vou enviar o ingresso por e-mail." "Eu adoraria, mas já pedi um tempo fora, e não vai funcionar. Eu tenho aulas para dar


que não terminam até às oito e meia da noite do jogo, e ensino novamente na manhã seguinte." Toda a emoção sobre o meu plano desaparece. "E depois das aulas no período da manhã?" "Também tenho um tuno no final da tarde." "Você trabalha demais." Eu não pretendo soar irritado. Lily é ágil em troca. "Não tenho escolha." "Desculpa. Isso foi idiota." Corro uma mão frustrada pelo meu cabelo. "Só queria ver você. A que horas são todos os seus turnos no dia seguinte?" "Ensino patinação das sete às onze e meia da manhã. O meu outro turno é das cinco às dez no café. " "E depois disso?" "Vou para casa dormir e me levantar para um turno às nove horas na arena. Então trabalho no café novamente à tarde." Eu deixo sair um sopro e esfrego uma mão sobre o meu rosto. "Porra." "Sinto muito, Randy. Parece que não vai funcionar desta vez. Talvez quando você estiver de volta em Toronto, se planejar adiantadamente e você ainda quiser que eu vá para um jogo..." A sua voz fica suave no final. "Isso é daqui a um mês." "Oh." Pelo menos Lily parece desapontada. "Nós vamos descobrir alguma coisa." digo a ela. "Sim. Certo. Eu provavelmente deveria ir. Tenho que levantar em menos de seis horas." "Certo. Ok. Falo com você em breve."


"Boa sorte na sexta-feira. Noite, Randy." E termina a chamada. Bato a cabeça contra a cabeceira e amaldiçoo. Miller sai do banheiro, com o rabo a mostra. "O que você está fazendo no quarto? E por que você está batendo a cabeça?" "Lily não virá para o jogo de Toronto." Ele meio que sorri antes de suavizar a sua expressão. "Lily dispensou você?" "Ela tem que trabalhar, a menos que seja uma desculpa." Miller tosse, joga o celular na cama e coça a perna, ao lado de suas bolas. "Provavelmente não é uma desculpa. Sunny mencionou que ela trabalha muito. Pega turnos duplos o tempo todo e outras coisas." "Você deve colocar uma boxer ou algo assim." Mantenho os meus olhos na tela da TV em branco. "Estou me arejando." "Nós não estamos no vestiário." "Você sabe, Balls, você pode fazer também. Ninguém dá à mínima se o seu pau é um pouco torto." "Foda-se, cara." "Não estou sendo um imbecil. Estou falando sério. As cicatrizes fazem você pareceu um gangster." "Não preciso de uma sessão de terapia sobre isso." Miller é sensível sobre a sua dislexia; Eu sou sensível sobre o meu pau. Mas, quase perder metade dele quando criança pode fazer isso com um cara. "Eu estava lá, homem. Vi tudo acontecer. Você não é o único que tem pesadelos sobre isso." "Esquece isso, Buck." Eu raramente o


chamo pelo apelido imbecil que as lhe deram na escola, então ele sabe que estou falando sério. Miller levanta as mãos. "Considere isso esquecido." Quando éramos crianças, costumávamos jogar hóquei na lagoa abaixo da estrada no inverno. Nunca usávamos capacetes ou coquilha ou qualquer coisa; estávamos apenas brincando sobre o gelo. Às vezes, participávamos de jogos com adolescentes mais velhos que jogavam como amadores querendo ficar olhado para os menores. O pai de Miller estava sempre à procura de novos talentos. Uma vez, estávamos jogando com eles e eu roubei o disco, mesmo pequeno então eu era melhor do que a maioria das crianças. Era uma das vantagens de ter um pai profissional. Ele conhecia caras que poderiam me treinar da maneira que eu precisava para fazer uma carreira no hóquei profissional. De qualquer forma, alguma criança não gostou e decidiu me colocar no meu lugar. Ele ficou um pouco mais áspero do que deveria, e acabei com um patins na virilha. Os apêndices vasculares sangram muito. Uma cirurgia de emergência reparou o dano, mas o resultado final foi muito foda perturbador. O meu pau parece que pertence a Frankenstein. Estive fora do gelo por alguns meses, enquanto me recuperava. Pontos no pau não são divertidos, especialmente com todo o negócio de início de puberdade quando as ereções são espontâneas e incontroláveis. Tudo ainda funciona, obviamente, mas há questões residuais de sensibilidade, muitas cicatrizes, e uma curva que de outra forma, não teria estado lá. O lado positivo: Ainda tenho todo o meu pau, em vez da metade. Mas não o balanço livre no vestiário porque não gosto de responder perguntas, ou fazer as pessoas desconfortáveis. Desligo essas memórias desagradáveis e volto a interrogar Miller sobre a situação do trabalho de Lily. "Ela ensina patinação artística. Não paga bem o suficiente? Porque ela precisa de um segundo emprego?" Está interferindo seriamente com a minha capacidade de vê-la.


"Há benefícios lá. Acho que ela ajuda a sua mãe. Sunny mencionou um par de vezes que as coisas são apertadas. Ela tem empréstimos estudantis e outras coisas. O seu pai é um caloteiro. Acho que ele foi um jogador profissional de hóquei, e ele engravidou sua mãe e foi embora." "Essa merda é séria." Isso também soa meio familiar. "Não é? Lily estava se preparando para as olimpíadas, mas não tinha dinheiro para apoiá-la, então ela teve que abandonar." "Como você sabe de toda essa merda sobre ela?" "Porque Sunny é minha namorada, e falamos tanto quanto nós fodemos." Interessante. Quando falo com Lily, que é principalmente fazer sextexting com ela, ou brincando sobre coisas estúpidas. Se as coisas fossem diferentes, eu poderia saber tudo isso também, sem ter que pedir a Miller. Miller pega o controle remoto e liga a TV, trocando os canais até que encontra os destaques do jogo de hoje à noite. "Talvez não seja uma coisa ruim, Lily não poder vir a Toronto." Olho para ele, esperando uma explicação. "Vamos, Randy. Você tem que saber que não vai acabar bem. Nunca acaba." "O que isso significa?" "Nada. Deixa pra lá. Esqueça que eu disse qualquer coisa. Oh, merda." Ele aponta para a tela. "Isso foi uma asneira séria por


Cockburn8. Acho que ele tentou se mover a cada maldito jogo e isso nunca funcionou." Sou sugado para os destaques e vejo os erros das outras equipes, como eles poderiam ter conseguido um defensor melhor, quem perdeu o gol, quem está fazendo as melhores jogadas, mas não esqueço o que Miller disse sobre as coisas que terminam mal. E isso me irrita, porque é verdade, e não quero que seja.

8

Cockburn significa garoto de origem escocesa.


Capítulo 14 Doce Balls

LILY

Gostaria de dizer que vou para o trabalho na noite seguinte e não desconto nas minhas meninas porque estou faltando a um jogo de hóquei e a uma oportunidade de ver Randy. No entanto, isso seria uma mentira. Quase fiz uma delas chorar. Foi quando eu controlei a indignação e parei de empurrá-las. Peço para o cara na cabine de som colocar alguma música otimista, e fazemos e estilo livre nos últimos quinze minutos de aula. Elas têm uma programação de treino para manter e passos para aprender, mas, às vezes, é importante patinar por puro prazer. Além disso, estou lutando para me concentrar, sabendo que poderia ter ido ao jogo que agora está quase no fim. Ainda mais importante é o fato de que, em vez de dormir no meu apartamento de baixa qualidade, poderia ter sido capaz de dormir em uma cama de hotel macia com Randy. Ou não dormir. Muito. E agora tenho que ir para casa lidar com a minha mãe e trabalhar na parte da manhã. Estou mal humorada. E talvez um pouco sexualmente frustrada. Ou muito. Repreendo-me por não ter uma espinha dorsal todo o caminho para casa. Deveria ter empurrado mais difícil para ter uma folga. Nunca tiro folga. Nunca. Então verifico as minhas mensagens para ver se Randy me enviou alguma coisa. Ele não


enviou, mas Sunny me enviou cinquenta fotos do jogo. Metade delas está borrada. A maior parte delas mostra Randy sobre o gelo. Elas não me fazem se sentir melhor. Tenho certeza que por não ser capaz de ir para o jogo, significa que perdi minha chance de voltar para sua cama, ou qualquer cama que esteja disponível. Ou banheiro. Os homens têm períodos curtos de atenção. Como resultado, tenho certeza que Randy vai foder alguma bunny esta noite. Coloco o meu celular no modo avião e me escondo debaixo das cobertas. Leva uma eternidade para adormecer, então me masturbo até que eu goze, então, finalmente, apago.

*** O meu humor não melhora na manhã seguinte. Durante a minha viagem de ônibus para a arena, persigo Randy nas mídias sociais como uma stalker obcecada. Todas as fotos são dele com Miller e Alex. Não há meninas exceto Sunny e Violet. Odeio como estou aliviada. E ciumenta. Também odeio que estou preocupada com o fato de que Sunny não tem me enviado mensagens desde a noite passada, e hoje tenho que trabalhar o dia todo em vez de gastar ficando nua com Randy. Droga. Lá se vai minha mente. Passo as próximas quatro horas sobre o gelo fingindo que amo ensinar as crianças como girar e rodopiar e ser tão impressionante, se não melhor do que eu há um par de anos atrás. A maioria dos dias eu amo o que faço. Hoje ainda estou mal-humorada. Desejo que eu não estivesse. As crianças podem sentir o meu humor como uma matilha de lobos. Eu fico controlada,


no entanto, porque a noite passada não estava, e não posso passar dois dias seguidos maus. Até o momento eu que chego às minhas meninas mais velhas, estou mais focada. O que é bom, porque elas são tudo sobre a competição, e precisam de mim para ajudar. Pelo menos uma menina está destinada para os Jogos Olímpicos. Ela tem apoio financeiro para conseguir, então eu a impulsiono. Às vezes, e difícil vê-las, sabendo que o meu sonho perdido é algo que elas podem ter e podem não querer. Estou no meio de mostrar as meninas o final da nova rotina quando elas se distraem. Corro através dos movimentos, terminando com o laço do dedo do pé, mas elas não estão olhando para mim. Em vez disso, elas estão focadas nas arquibancadas. Eu paro para ver o que as tem tão perturbadas. O meu estômago vira. Lá está um homem parece distintamente como Randy sentado. Ele levanta a mão e acena. As minha vagina quase desmaia. "Oh meu Deus!" Uma das minhas meninas dá um meio grito. "Aquele é Randy Ballistic? De Chicago? Por que ele está aqui?" "Eu já volto." murmuro e patino em direção a ele. As garotas estão pirando. Acho que eu também estou, só que eu sou melhor em me controlar. Pelo menos do lado de fora. Paro na frente dele, um pequeno jato de gelo soprando para fora da minha lâmina. Um sorriso faz os seus olhos se enrugarem. Randy tem uma pequena covinha perto de sua bochecha esquerda. Eu queria tocar nela, sua covinha parece ter um botão que faz as mulheres se despir. "Ei." Estou tranquila, apoiando a mão no meu quadril e inclinando a cabeça para o lado. Seria melhor, se não estivesse bufando de esforço. "O que você está fazendo aqui?" "Surpresa." Randy balança as mãos em um gesto desconsiderando, enquanto me olha de cima a baixo. Sinto-me nua. E quente. E sexualmente frustrada. "Com certeza é." Minha voz soa


rouca, como se eu tivesse tido um orgasmo. Seu lábio se revira. Quero lamber seu rosto depois de beijá-lo. Ou sua bunda. "Achei que, se você não poderia vir para mim, eu poderia vir para você." A sugestão é intencional. Eu ignoro. Por agora. "Como você sabe" Eu balanço minha cabeça. "Sunny disse que eu trabalho aqui?" "Ela me deu as direções na noite passada." "É um milagre que ela fez isso." Eu rio. Sunny não é uma mulher em dar direções. Às vezes ela se perde vindo para a minha casa. Olho por cima do ombro; as meninas estão girando em um pequeno grupo. Elas estão fazendo isso se aproximando de nós. Uma das meninas dá um passo na frente das outras. Ela balança o braço de sua amiga com os olhos arregalados e fascinados. "Você foi reconhecido. Prepare-se para as fãs." Randy acena às meninas. Eles estouram em risos. Dou-lhe um olhar. "Você não deve incentivá-las." "Por que não?" Uma das meninas finalmente toma coragem para se aproximar. Ela olha para Randy e depois para mim, torcendo as mãos, em seguida, jogando com a ponta do seu longo rabo de cavalo. "Senhorita Leblanc, hum... deveria, uh..." Ela olha para Randy novamente. "Devemos praticar mais uma vez ou nos trocar?" Olho para o relógio. São quase onze e meia. "Oh! Meninas podem se trocar." "Ok." Ela balança a cabeça freneticamente e depois dá a Randy um olhar de lado novamente. "A menos que todas queiram mostrar a Randy a nossa rotina. Ele não é um patinador artístico, mas ele joga hóquei para o Chicago."


"Oh meu Deus!" Ela olha para as outras meninas, que estão fingindo não nos ver, e guincham, a cerca de seis centímetros do meu ouvido: "Você estava certa!" Tremo ao guincho animado. Pelo os próximos dez minutos, Randy é bombardeado por meninas de treze anos. Ele é mais doce que as tortas de manteiga de bordo, enquanto ele assina pastas, cadernos e mochilas que as meninas pegaram no vestiário. Em seguida, os seus pais aparecem e fazem a mesma coisa. As mães são as piores. Especialmente as bonitas. Eles colocavam as suas mãos em seu braço e o elogiam sorrindo. Isso me faz querer vomitar. Isso também me faz querer perfurar um o seio de um par delas. Eu finjo me manter ocupada verificando a minha prancheta. Depois de um tempo, é claro que não vai a lugar nenhum, e ainda preciso de me trocar, tomar banho e agora que Randy está aqui. Normalmente, faço isso em casa, como os chuveiros de vestiário são questionáveis. Estou um pouco preocupada de qual será o plano. Não tenho carro, então teria que pegar o ônibus para casa, mas não quero levar Randy lá por uma infinidade de razões. A minha mãe não vai aprovar. Além disso, o cara de cueca tem está mais do que muito lá. Ele coloca calça agora, mas anda bastante sem camisa. É desagradável. Pego a minha mochila e começo a ir em direção ao vestiário. Randy agarra o meu pulso. "Espere um minuto, ok?" "Vou me trocar." "Tem alguém no gelo depois disso?" "Há outra aula em menos de meia hora." Randy franze a testa. "Isso é ruim. Eu queria ver você patinar." "Em outra hora. Estarei de volta em breve." Eu o deixo com os pais. Randy está acostumado a lidar com esse tipo de atenção, e não parece se importar com isso. Assim que estou no vestiário eu ligo para


Sunny, mas a ligação vai para o correio de voz. Eu ouço sua mensagem sobre chili e karma sendo seu amigo e espero pelo sinal sonoro. "Não posso acreditar que você não me avisou que Randy estava vindo aqui! Nem sequer depilei minha vagina, e agora vou ter que... nem sequer eu sei. Não é bom. A minha situação é terrível aqui. O meu jardim precisa ser podado. Não, não podado, cortado. Estou brava com você até a segunda ordem! Deus, ele está tão quente." acrescento no final. Desligo e ligo novamente para me desculpar. Isto não é tão ruim assim. Definitivamente preciso raspar tudo de uma vez só com uma navalha, mas não está uma selva ou qualquer coisa. Lanço o celular na minha bolsa e a vasculho. Não tenho condicionador ou sabonete. Nem sequer tenho uma toalha, o que é uma merda, mas as opções são limitadas. Não posso sair daqui sem tomar banho. Felizmente, encontro shampoo e uma navalha. É velha, com marcas de ferrugem, mas vai ter que servir. Ligo a água, tiro os patins, e tiras. Estou acabada ao fim de quatro horas sobre o gelo. A água é uma sensação fantástica, então fico sob o spray durante alguns segundos, aproveitando o calor. Tento manter o meu cabelo para fora da água, tanto quanto possível, de modo que não tenha que mexer nele. Jorro um pouco de xampu na minha mão e o esfrego por toda a minha vagina. As minhas pernas também precisam ser depiladas, mas a vagina é mais importante. Tenho melhorado um pouco desde o meu último trabalho de me depilar a casa. A navalha não ajuda em nada. É terrível. Não posso acreditar o quão pouco de pelo que removi na primeira passagem. Passo várias vezes e tiro a maior parte, mas podia definitivamente estar mais suave. Passo para as minhas pernas; a navalha piorou, e quase não faço progresso. Poderia muito bem estar usando uma faca de manteiga. Vou pedir para Randy parar em uma loja no caminho para onde estamos indo. Tenho que resolver o meu problema de pelos antes que ele


me veja nua. Desisto das minhas pernas, que agora estão vermelhas nos pontos onde raspei. Uso o shampoo para lavar o resto do meu corpo e me seco com um dos meus collants. É altamente ineficaz. Seco a maior parte, mas ainda estou úmida, o que torna se vestir uma merda. Tudo gruda. E não tenho um dos meus bons sutiãs, apenas um velho sutiã esportivo. Foi lavado tantas vezes que é cinza em vez de branco. Tão animada como estou por ver Randy, me sinto totalmente despreparada, além do fato de que minha buceta e pernas estão úmidas. Puxo as minhas calças, a única coisa que tenho além das minhas roupas de trabalho que cheiram como torrada queimada. Verifico o meu reflexo no espelho; Pareço como uma sem-teto. Tem buracos nos joelhos da minha calça. Se olhar de perto, posso ver a pele de uma ervilha no meu quadril. Espero que Randy não perceba. Visto o sutiã esportivo e a antiga camisa da Universidade de Guelph com manchas de água sanitária sobre ela, eu puxo o meu capuz. Gostaria de dizer que esta é uma melhoria na minha camiseta. Não é. Penteio meu cabelo, sem escova, é claro. Estou uma bagunça quente hoje. Jogo tudo em minha bolsa, consciente de que estou levando muito tempo. Meio que esperava encontrar Randy me esperando no corredor. Na verdade, estou um pouco surpresa que ele não acabou aqui comigo. Quando viro a esquina para encontrá-lo, me deparo com alguém que eu definitivamente não queria ver. "Benny!" Saio do caminho antes de acabar em uma colisão frontal. Benny é o irmão mais velho de Benji. Eles têm apenas um ano de diferença, e eles quase poderiam passar por gêmeos. Não tenho a menor ideia do que seus pais estavam pensando nomeandoos com nomes tão semelhantes. "Ei, Lily. Como vai?" Ele está carregado caixas pesadas. "Uh, bem." Digo olhando por cima do ombro dele. "Não sabia que você estava


trabalhando aqui." "Peguei um par de turnos esta semana, porque precisavam de alguma ajuda. Você parece..." Ele olha para a minha roupa horrível. "Bem." "Obrigado. Você também." Isso é tão estranho. "Então, estou supondo que, desta vez, terminou de vez com Benji, hein?" Eu sabia que a pergunta estava chegando. Não tenho visto Benny desde antes da viagem para o acampamento. "Sim." Benny balança a cabeça. Parece que ele está prestes a dizer algo, mas o seu walkie talkie toca. "Merda. Tenho que ir. Eles precisam disso no andar de cima, tipo, há dez minutos. Acho que vou vê-la por aí." Benny me dá um sorriso fraco e corre fora do corredor. Dou um suspiro de alívio que essa conversa foi breve. Eventualmente, vou ter que pegar minhas coisas no Benji, mas isso não é minha preocupação no momento. Há um jogador de hóquei seriamente quente esperando por mim. Randy ainda está falando com os pais quando volto para a arena. Agora ele está discutindo algo com um pai cujo filho, que não pode ter mais do que oito, está olhando para Randy como se ele fosse um deus. Eu entendo totalmente o sentimento só que de uma perspectiva muito diferente. Randy sorri para mim, em seguida, olha para o pai e filho. "Tem sido um prazer conhecê-los, mas temos que ir. Você mantém isso amigo, e eu vou vê-lo nos profissionais em poucos anos, hein?" Randy estende o punho, e o garoto bate nele, com um sorriso aberto. Uma vez que eles se foram, Randy se vira para mim. "Quer sair daqui?" "Sim."


Ele desliza um dedo sob a alça da minha mochila e a levanta do meu ombro. "Deixe-me levar isso para você." Tenho duas sacolas e uma bolsa, então o deixo ser um cavalheiro. Essa é a pesada de qualquer maneira, e é doce Randy se oferecer. "Vocês jogaram incrível na noite passada. O gol que você marcou foi impressionante." "Você assistiu?" "Eu vi os destaques. Estive no trabalho até tarde." "Certo." Randy balança a cabeça. "Gostaria que você pudesse ter estado lá. Nós teríamos tido um bom tempo na noite passada." O seu sorriso é lascivo. Tenho um arrepio de antecipação. Espero que hoje possamos ter a mesma quantidade de diversão, embora espere que a pós-vitória deve levar a algum sexo incrível. Dedos cruzados para desfrutar em algum momento no futuro. Casualmente, é claro. "Você tem um carro aqui?" Randy pergunta quando abre a porta. Sou atingida com uma rajada fria de vento. O fim de outubro deixa as temperaturas mais frias. Devia ter trazido a minha jaqueta de frio, mas pensei que hoje iria esquentar, não ficar mais frio. "Não. Eu planejo pegar um ônibus." "Isso funciona bem." Randy coloca a mão no bolso e tira um conjunto de chaves do carro de aluguel, girando em torno de seu dedo. "Claro que sim." O sigo até um jipe com janelas seriamente matizadas. Randy abre a porta e me ajuda. Ele nem sequer tentou me apalpar, embora haja crianças e pais no estacionamento, de modo que poça ser por isso. O interior é frio, mas, pelo menos, não há vento. Randy joga a minha mochila no console, em seguida, sobe e liga o motor. Música


country soa através dos alto falantes. Randy se apressa para abaixar e o ar condicionado liga, usando um sorriso tímido. "Sinto muito por isso." "Country, hein? Não imaginava que é o seu tipo." "Não?" Ele liberta o elástico de seu cabelo, em seguida, reúne os fios caídos, puxando-o de volta para um coque. "Que tipo de música você acha que eu iria ouvir?" "Eu não sei. Pop? Coisas animadas." "Sério? Huh." Randy move a minha bolsa para o banco de trás. "Por que você acha isso?" "Não sei. Você está sempre no bar, e é isso que eles tocam lá." "Não estou indo para o bar recentemente." Randy escava seu bolso de trás e joga sua carteira no assento ao lado dele. "Você não tem que trabalhar até cinco, certo?" "Certo." Randy estende o braço sobre o encosto de cabeça e passa os dedos pelo meu cabelo. Ele provavelmente parece uma merda. Muito parecido com o resto de mim. "Então nós temos algumas horas para matar." "Sim." O meu estômago está fazendo todos os tipos de acrobacias. Parece que há um parque de diversões lá dentro, e estou em todos os mais loucos brinquedos. Aquele que eu quero Randy sentado ao meu lado. "Você quer ir comer alguma coisa? Você deve estar morrendo de fome." Agora ele está desenhando linhas no meu pescoço, ou algo assim. Pequenas correntes de prazer como linhas de rádio estão passando pelo meu corpo. Ligadas a um satélite em minha calcinha se eu estivesse usando uma. Não estou muito focada em suas palavras. Em vez disso estou olhando para a sua boca.


"Lily? Você quer ir almoçar? Por minha conta." Pulo do meu transe induzido pela vagina, e olho para a minha roupa. "Certo. Nós podemos passar em um drive-thru ou algo assim." "Drive thru? Estava pensando em um restaurante real." Eu estou pensando no quão matizadas são as janelas no banco de trás deste Jeep. Randy nem sequer tentou me beijar ainda. Que tipo de negócio de sexo casual é este? "Não posso ir a um restaurante vestida assim, a menos que você queira um almoço de baixa qualidade. Então vou me encaixar com os vagabundos e maconheiros. Deve ter muitos desses lá." Randy me olha. Acendendo todas as minhas partes especiais. "Você parece ótima." Olho para o meu velho moletom com capuz e minhas calças com buracos e olho depois para ele. "Você não foi atingido na noite passada, não é?" "O quê? Não por quê?" "Você vê o que eu estou usando, certo? Não posso sair em público assim. Especialmente com você parecendo todo..." Eu aponto para a sua gostosura. "Parecendo todo o quê?" Dou um olhar zombeteiro. "Você está seriamente pescando elogios? Como se você já não tivesse um enorme ego de estrela de hóquei. Você precisa que eu também o acaricie agora?" A sua língua espreita para fora para tocar a cicatriz em seu lábio superior, a que gosto de correr a minha língua antes de beijá-lo. Estou tão excitada agora. Preciso comprar uma navalha e corrigir as minhas pernas estilo floresta. Além disso, preciso transar com este homem novamente. Estou tão ocupada pensando sobre o que eu quero fazer com ele, que quase perco a sua resposta mordaz.


"Eu tenho coisas que precisam ser mais acariciadas do que meu ego." Não deveria querer me lançar para ele por ser um bastardo arrogante, mas faço. Viro-me para me recompor o suficiente para não me oferecer para comer o seu pênis no almoço. Em vez de isso respondo com um sorriso, porque é mais aceitável. Para mim. "Você gostaria que o deixasse sozinho por alguns minutos para que você possa cuidar disso?" Randy sorri. "Eu estou bem. Posso esperar até depois do almoço. Então em sua casa, assim você pode se trocar, se não for muito longe." Nada em Guelph está longe. Tudo está mais ou menos a vinte minutos. Mas não há nenhuma maneira no saco de bolas peludas de Satanás que estou deixando Randy ver onde moro. Não tenho vergonha do meu apartamento, mas eu sei exatamente o quanto um jogador de hóquei profissional faz em um ano. É um monte de dinheiro. Randy veste roupas bonitas. Boxers caras, eu as arruinei sabendo disso. E aposto que ele dirige um carro de luxo com bancos de couro. Não preciso que Randy saiba que a minha vida não é tão fácil quanto a sua. Então, ele pode sentir que precisa "me salvar" ou "cuidar de mim" ou algo parecido. As coisas já estão estranhas com o sexo casual que, aparentemente, inclui encontros para almoçar. Preciso aprender mais sobre como isso funciona. Se começar a contar a Randy sobre a minha vida e as coisas de baixa qualidade, estão não vai ser um tempo divertido. Também não preciso disso. Além disso, não tenho ideia se minha mãe está em casa, e ela definitivamente não pode conhecer Randy. Nunca. E o fato de que estou com quase vinte e dois anos, terminei a universidade, e ainda vivo com a minha mãe é outra razão pela qual não quero parar para trocar de roupa, mesmo que preciso disso. Faço uma expressão que espero que seja convincente. "Moro do outro lado da cidade. Leva uma eternidade para chegar lá. Além disso, há obras, e você teria que ir pelo caminho mais


longo. Nem estou com fome." Randy bate no encosto de cabeça ao lado da minha orelha. "Nós poderíamos voltar para o meu quarto de hotel e pedir serviço de quarto." "Você tem um quarto de hotel?" Ele dá de ombros. "Achei talvez você gostaria de sair novamente depois do seu segundo turno, então tenho um quarto." "Sair para curtir? Em seu quarto de hotel?" Não posso dizer se o seu sorriso é tímido ou presunçoso. "Nós poderíamos ficar nus em uma festa do pijama, com uma luta de almofadas e tudo." "Essa é a minha opção favorita!" Bato palmas e salto no meu lugar. "Incrível." O seu sorriso se alarga. "A minha também." Mas, falando sério, se Randy quer ter uma luta de almofadas nu comigo, estou entrando isso. Após raspar as minhas pernas. Randy mexe com o seu celular e o GPS, e pega a estrada. Estou muito nervosa. Isso é diferente das sessões de amassos espontâneos no banheiro, seguidas por sexo. Isto é planejado. Por parte dele. Peço-lhe para parar em uma farmácia, o equivalente canadense de um CVS. Compro um pacote de três lâminas de barbear agradáveis, sabonete, óleo para as minhas partes sensíveis, desodorante, chicletes, um pacote pequeno de Listerine, uma escova de dente, um pacote desses insanamente enormes preservativos que Randy usa, uma escova de cabelo, e alguns doces, apenas porque sim. Se eles vendessem roupa íntima, eu estaria pronta. Passo pelas fraldas adultas e considero, por um segundo, se são melhores do que ir sem calcinha. Não. Nunca. Talvez possa lavar o meu par sujo na pia e os deixar secar durante a noite. Oh Deus. Estou tendo uma festa de


pijama com Randy. Duvido que vá dormir muito. Corro de volta para o jipe, a minha bolsa cheia de coisa importante. "Tem tudo o que você precisava?" Randy pergunta quando subo banco passageiro. "Sim." "Impressionante. Vamos para o hotel." A forma como Randy diz, combinado com a maneira como ele está olhando me olhando, me faz pensar que o serviço de quarto vai ser o último da lista de coisas a fazer. Guelph não é um lugar grande. Não se vangloria muito em hotéis de qualidade, por isso o melhor que pode ter é o Hilton, mas Randy conseguiu garantir o quarto mais bonito. Ele tem uma enorme cama king size e um sofá que não tenho certeza se vamos precisar, considerando a cama enorme e uma TV na parede em frente. Podemos assistir enquanto fizermos pausas na nossa maratona de sexo. O segundo em que a porta se fecha, Randy me tem pressionada contra a parede com meu rosto em suas mãos. A sua boca cai na minha, sua língua deslizando ao longo dos meus lábios. Ele geme um som profundo e necessitado. Doce mãe da vagina molhada, eu vou precisar lavar esse suar assim que nós terminarmos. Como é típico de Randy, seu joelho entra contra o meu, e ele imediatamente começa a fazer círculos lentos no meu quadril. Se não o impedir, Randy vai tirar a roupa. Eu estaria totalmente bem com isso se não tivesse necessidade de resolver os meus problemas nas pernas primeiro. Empurro seu peito. Ele recua imediatamente, saindo do meu espaço pessoal e exala uma respiração forte. "Merda. Desculpa." "Está tudo bem. Quer dizer, eu tenho meio que esperando que isso aconteça". Levou um tempo longo para ele me beijar. Imaginei que Randy teria pelo menos tentado transar comigo no


carro, ou agarrar os meus seios. "Só preciso usar o banheiro." "Posso ir com você se precisar de ajuda em segurar alguma coisa." "É uma oferta boa, mas eu posso lidar com isso sozinha. Só vou levar um minuto." Eu pego minha bolsa do chão, onde a deixei cair, graças à breve pegação. "Estarei esperando." Randy ajusta sua ereção, no caso de eu estar confusa sobre o que ele estava esperando. Fecho a porta, tranco-a e ligo o secador, mas ele não funciona. Droga. Como é que vou me arrumar se não tenho um segador? Ligo a água e despejo o conteúdo da minha bolsa. O pacote de lâminas de barbear é à prova de crianças, porque tenho de lutar para abri-lo. Não sei por que eles os tornam tão difíceis de abrir. Finalmente consigo tirar uma lâmina e tiro as minhas roupas. Acho que o meu melhor plano aqui é fazer a depilação e sair do banheiro nua. Isso vai me salvar de problemas com a minha falta de calcinha e sutiã esportivo feio. Não é o meu estilo tomar essa iniciativa, mas pareço ter problemas em manter os meus lábios e outras partes do corpo controladas quando Randy está em causa, e que me fez voltar a seu quarto de hotel e o propósito que temos de ter relações sexuais, então porque não ser de descarada sobre isso? Randy claramente já esteve aqui e configurou todas as suas coisas. Ele é um cara arrumado com base na linha organizada de produtos homem. Dou uma olhada em sua pequena caixa preta, e diz de creme de barbear. Bingo! Ele tem um desses recipientes de viagem pequenos. Agito o conteúdo e o aperto em minha palma. Verifico as minhas pernas antes de ensaboá-las. A velha lâmina de barbear que usei na arena deixou marcas vermelhas em minhas canelas. Estou quase com medo de verificar a minha vagina, mas ela não parece tão massacrada, felizmente. Podemos apagar as luzes (é claro), e espero que vá estar muito escuro para Randy


não ver o que eu fiz para as minhas pernas. Randy bate na porta. "Tudo bem aí? Tem sido mais do que um minuto." "Está tudo bem." Estendo a mão e lavo a navalha. "Vou estar ai num instante." Dois minutos mais tarde, Randy bate novamente. "A água correu por um longo tempo. Tem certeza que está bem?" "Só mais um minuto!" Consigo ter a perna direita feita e só me cortei duas vezes. Estou no meio da outra perna, quando a porta se abre. "Que diabos? É este o Dia da Marmota?" É exatamente como a primeira vez que nos encontramos, a não ser totalmente diferente, porque naquela época eu não queria fazer sexo com ele. Randy me olha por cima. "O que você está fazendo?" "Executando um ritual vodu. O que parece que estou fazendo?" Considero cobrir a minha nudez, e ser modesta, mas Randy já mencionou que é um fã de mim sem roupa, então não me incomodo. Ele enfia a mão no bolso e faz alguma reorganização. Então, estou pensando o fato de que uma das minhas pernas está coberta do tornozelo ao joelho com loção de barbear não é uma grande preocupação. "Você está usando o meu creme de barbear?" "Talvez." Eu arrasto a navalha pela minha perna e me corto novamente. "É por isso que paramos naquela loja?" Ele aponta para o meu monte de coisas que comprei. "Não estava esperando vê-lo. Achei que você gostaria de encontrar uma boa Puck bunny disposta a estar em sua cama na noite passada. A última coisa que eu esperava era você


aparecendo no meu trabalho e pedindo para passar a tarde nua em seu quarto de hotel. As minhas pernas estavam impróprias para ver ou tocar." "Tenho certeza de que não era tão ruim." "Eu te asseguro, era assim tão mau." Não foi tão ruim assim. Randy dá um passo mais perto. O banheiro é espaçoso, mas ele tem pernas longas, então ele está bem em cima de mim. "Eu gostaria de salientar que me ofereci para te levar a almoçar; o meu objetivo não era só sexo." "Você é a pessoa que começou a se esfregar em mim no segundo em que a porta se fechou." "Você é a pessoa que sugeriu vir aqui em primeiro lugar." "Eu não! Sugeri um drive-thru!" Randy pega a navalha de mim e franze a testa. "O que você está fazendo para as minhas pernas?" Ele toca um local onde o sangue brotou. Todas as minhas partes ficam animadas com a referência possessiva. "Elas são as minhas pernas, e eu estava em uma corrida graças a toda a sua pressa." Ele define a navalha para baixo e me levanta para o balcão. A porcelana está fria na minha bunda. Uma onda de arrepios irrompe através da minha pele. "O que você está fazendo?" "Ajudando." Randy puxa a camisa sobre a cabeça e joga no chão em cima da minha pilha descartada. Os seus olhos permanecem nos meus enquanto ele descansa as suas palmas nas minhas coxas, acima dos joelhos. Eu particularmente não me importo se nós tivermos sexo, enquanto ainda estou coberta de loção de barbear, mas vai ser


confuso. Não que não tenha um chuveiro aqui. Os seus olhos fecham, e ele dá minhas coxas um aperto, os dedos cavando. Eu me seguro. Randy está focado na minha vagina. Ela parece boa, sem os cabelos dispersos fazendo uma confusão. Tenho uma vagina linda quando cuidada. Ela tem um tom bonito de rosa, e apenas uma pequena amostra do clitóris espreita para dizer oi. Quando estou muito ligada, obviamente, ele fica pouco mais proeminente. Como agora. Os seus olhos se levantam pesados com a luxúria, ou necessidade, ou simplesmente velho desejo. De qualquer maneira que eu olhe, ele está excitado. A alternativa seria Randy me chupar muito. Por alguns segundos, acho que ele vai cair de joelhos e colocar o rosto entre as minhas coxas. O que seria totalmente bem-vindo. Em vez disso, Randy para o seu aperto e levanta a perna coberta de creme. Randy repousa a sola do meu pé contra o centro de seu peito. Estou um pouco confusa até ele pegar a navalha. Tento puxar minha perna, mas Randy agarra o meu tornozelo firmemente. "Você não confia em mim?" "Para acabar a minha floresta?" Aquele o seu sorriso faz os meus dedos enrolarem. Deus, ele é sexy. E estou nua, totalmente à mostra para ele. Quando foi que me tornei essa prostituta? "Sou bom em fazer a barba. Aposto que vou fazer menos danos do que você tem feito." "Você não precisa nem fazer a barba." Eu aponto para a barba. "Eu com certeza faço a barba e corto, muitas vezes." Randy me mostra o lado de seu pescoço e a linha perfeita, onde a barba termina e a pele começa. "Basta ter cuidado." Ele pressiona um beijo no meu tornozelo, onde não há creme de barbear. Em seguida,


ele coloca a lâmina na minha perna e lentamente desliza afastando da loção. Com o braço com a tatuagem. Não vou mentir. É uma espécie de quente ter este enorme durão jogador de hóquei, tatuado raspando a minha perna para mim. Randy por cima da minha canela em primeiro lugar, em seguida, levanta para que ele possa voltar. "Você é flexível, não é?" "É toda a patinação artística." "Eu amo patinação artística." Eu rio sem constrangimento. "É sério, é sexy. Eu teria gostado de ver. Talvez eu possa te assistir amanhã antes de sair." "Se você quiser. Eu ensino às nove." "Isso é meio cedo para um domingo." "É melhor do que às seis da manhã para jogar hóquei." Randy acena com concordância e faz outra passagem com a navalha. Terminando, ele a joga na pia e passa uma toalha sob a água morna. Em seguida, a passa sobre a minha pele, a limpando toda. "Acho que fiz um bom trabalho." Randy dá outro beijo no meu tornozelo. "Você não acha?" "Acho que você fez muito bem. Obrigado por não me cortar." Isso sai sem fôlego. Randy abaixa a minha perna e se encaixa entre minhas coxas. Infelizmente, ele ainda está vestindo calças e um cinto, de modo que, para ficar no mesmo estado de nudez vai me levar mais do que um puxão rápido. Randy desliza os dedos através do meu cabelo e inclina minha cabeça para trás. Ele não vai direto para um daqueles beijos de guerra de língua. Em vez de isso, os seus lábios tocam a borda da minha mandíbula, em seguida, no meu


queixo. É bom, doce, inesperado. Fecho os olhos e espero que os seus lábios alcancem os meus. Posso sentir a sua respiração no meu rosto; cheira a goma de canela. Sinto um leve escovar de lábios e depois... Nada. Os meus olhos se abrem. Ele já não está no meu rosto. Ao contrário, está de joelhos. Randy me puxa para frente até que estou oscilando à beira do balcão. O balcão faz um ruído de rangido fraco. Espero que quem o instalou tenha feito um trabalho digno ao anexá-lo à parede. Não tenho tempo para me preocupar com isso. Randy morde o interior da minha perna e suga com força. No meu suspiro, ele libera. Então ele beija a minha coxa, a barba fazendo cócegas na pele já sensível. Randy para por alguns longos segundos, suas costas expandindo e contraindo com respirações profundas pesadas, como se tentando se recompor. Não faço ideia. Tudo o que sei é que ele é sexy como o inferno de joelhos na minha frente. Puxo o elástico, soltando o seu cabelo. Seus beijos molhados fazem caminho mais perto de onde sua boca irá proporcionar mais prazer. A primeira lambida no clitóris é suave, seguida por um círculo de sua língua. Eu gemo. Isto é alto, ou talvez soe muito mais alto do que realmente é porque estamos, de novo, em um banheiro, e o eco é assassino. Os seus olhos levantam até os meus, e ele faz aquela coisa de sugar. Doce Senhor. Não posso nem imaginar quanta prática ele teve em comer buceta. Randy para o suficiente para dizer, "Não tanto quanto você pensa." "Eu disse isso em voz alta?" Faço uma expressão que é provavelmente pouco atraente. Não tenho certeza se deveria pedir desculpa por esse comentário ou não. "Não, eu posso ler mentes." Aperto as minhas pernas juntos e ele ri. "Estou surpreso que você ainda não gozou."


"Se você parar de falar e começar a lamber, vou chegar lá muito mais rápido." "Assim?" Randy me lambe. Quase dobro para frente, mas estou muito perto da borda do balcão, e vou cair, se o fizer. Em vez disso, fico grudada eu seu cabelo com uma mão e planto a palma da mão livre sobre o balcão. Gostaria de me deitar, mas as torneiras estão atrás de mim. Ele suga o meu clitóris, seguindo com os dentes raspando. E o show acabou. Venho com tanta força que tenho certeza que as minhas células cerebrais começam a morrer. Estou gemendo o seu nome e resistindo contra ele. O balcão faz um som correspondente. Gostaria de sair dele, mas não tenho controle da minha função motora, então estou contando com Randy para me impedir de quebrá-lo, enquanto venho por todo o seu rosto. Randy deve perceber que está colocando muita pressão sobre o balcão. De repente, não me sento mais. Estou de pé, bem, isso é falso. Randy está com um braço em volta da minha cintura, me impedindo de cair no chão. Desta vez, quando ele me beija é o tipo que espero dele: exigente, duro, dominante. Ainda não tenho capacidade para lutar com a minha língua. Ainda estou tremendo. Os meus músculos ainda estão se contraindo, como se eles estivessem agarrando um pau que ainda não está lá. Apalpo sua calça, à procura de seu cinto para que eu ou possa retribuir o favor, ou começar. Leva-me algumas tentativas para obter a fivela desfeita, mas estou determinada a abrir sua calça. Eu gerencio o botão e o zíper também. Antes que possa colocar a minha mão dentro de sua calça, Randy me gira de costas. E pressiona os seus quadris contra mim, o zíper cavando a bochecha da minha bunda. Ele aperta seu antebraço tatuado em meu peito e mordisca o meu ombro até o meu pescoço, encontrando o meu olhar no espelho. "Quer me assistir foder você?"


Tudo o que sai é um gemido. Aquele sorriso atrevido aparece por um segundo. "Eu quero me assistir fodendo você." Eu registro suas palavras depois de um momento. "Parece divertido." Agora recebo um sorriso real. "Eu gosto de diversão." Randy joga um preservativo sobre o balcão. "Abra isso para mim?" "Claro que sim, capitão Ballistic". "Odeio quando você faz um apelido com o meu sobrenome." Ele morde meu ombro. "Desculpa Randy." digo docemente e sem fôlego, como imagino que as Puck bunnies fazem para ele. Rasgo o invólucro, puxo o anel de látex para fora. "Posso colocálo, se quiser." "Eu tenho isso." Randy puxa a calça para baixo, mas não se incomoda em tirá-la. Ele ainda tem um braço preso em meu peito. E não me solta enquanto rola preservativo com uma só mão. Não entendo por que ele não vai me deixar fazer isso, no entanto, a sua habilidade é impressionante. Uma vez que o preservativo está onde deveria estar, ele retira o braço do meu peito e passa as mãos pelos meus braços. Os seus lábios estão na minha nuca quando ele pressiona as palmas das mãos contra o balcão. Olho por cima do ombro, na esperança de ter uma olhada… em alguma coisa. Ele cutuca a minha bochecha com seu nariz. "Mantenha os seus olhos nos meus, baby." Olho para cima e pego seu olhar quente. Santa mãe de todas as coisas úmidas, ele tem um inferno de uma combustão lenta acontecendo. Randy mantém uma mão em cima da minha e agarra o seu pênis com a outra. Espalhando os meus


joelhos, ele se inclina, e então o sinto: a cabeça de seu pau deslizando sobre o meu clitóris. Olho para baixo, uma vez que desaparece de vista. E então ele está empurrando dentro de mim, lento e controlado. É tão, tão bom. Risca isso. Bom não se encaixa. É mais como mágico de Oz. Eu arqueio, empurrando para trás, em busca de mais. E com certeza o obtenho. Randy se enterra completamente em um suspiro profundo. Os seus olhos tremem e ele geme. "Bom pra caralho." "Totalmente de acordo." Randy corre uma palma na minha espinha, os dedos enrolando em volta da parte de trás do meu pescoço. Posso considerar que está é uma ação altamente dominante, e todos os meus músculos ficam tensos. Ele segue esta indicação, usando o meu cabelo para puxar minha cabeça para trás. Não é duro, apenas com firmeza. Em seguida, pressiona o beijo mais suave, mais quente abaixo da minha orelha. Não há nenhuma maneira de saber o que está vindo em seguida. "Pronta, baby?" "Uh-huh." Aceno de cabeça, mas ele ainda está segurando o meu cabelo. O seu sorriso envia um arrepio na espinha e um tiro de puta merda ao meu clitóris. Randy puxa a minha cabeça para o lado para que tenha acesso à minha boca. Desta vez é a batalha de línguas é dos dois lados. Eu agarro o seu cabelo. Quanto mais o aperto, mais difícil ele beija. Mas ele ainda não está se movendo, embora. Estou repleta de seu pau, mas sem o atrito, não há nenhuma maneira de alcançar a terra da felicidade. Randy quebra o beijo em um grunhido e a foda começa. É uma experiência de vale tudo, que até os pequenos shampoos começam a caírem e rolarem para o chão. E Randy não desvia os seus olhos dos meus, além do olhar ocasional uma fração de segundo para baixo enquanto ele sai e empurra


para dentro de mim de forma lenta. Apenas adivinhar quando eu gozar, eu suponho. Eu estou perto de gozar. Algumas fricções e o orgasmo quase dispara pelo meu corpo. O problema é que estou com medo de levantar minha mão com a maneira como Randy está batendo em mim. A única razão pela qual ainda estou em pé é porque ele está segurando os meus quadris e os meus braços estão agindo como vigas de suporte. instáveis, mas estou conseguindo. Por agora. "Randy?" Sai bastante coerente, apesar do bater vigoroso. "Sim, baby?" O meu clitóris praticamente se acende em chamas. A voz dele parece como sexo. O seu próximo impulso é mais suave. "Você precisa que eu reduza a velocidade?" Balanço minha cabeça. "Eu preciso gozar." "Porra, com certeza você precisa." Ele solta um lado do meu quadril, e quase planto o rosto na pia. A sua ampla palma cobre o meu esterno, o polegar e o indicador se espalhando por toda a minha clavícula. Randy me puxa contra ele. A sua outra mão desliza para baixo na parte de trás da minha perna, enganchando sob o meu joelho. Não tenho a menor ideia do seu plano, mas ele é basicamente responsável por transportar todo o meu peso corporal. Seguro a parte de trás do seu pescoço, por isso tenho uma âncora. Estou de pé sobre ele. E posso ver o anel de látex na base do seu pênis no reflexo. E as suas bolas. Elas estão puxadas, apertadas. Há também uma longa cicatriz pálida na parte interna da coxa. Que definitivamente não é o meu ponto de foco, apesar de tudo. Esta posição é quase uma reminiscência de uma pose de patinação artística. Exceto que estamos nus e o seu enorme, fabuloso pau está dentro de mim, o que definitivamente não aconteceria no gelo.


Randy é um homem coordenado, porque ele é capaz de me masturbar e me segurar enquanto ainda me fode. É insano. E quente. Então, é claro que eu gozo. Isto é o apocalipse dos orgasmos. Eu lamento tão alto que coloco uma mão na boca. Caso contrário, eu estou preocupada que alguém que estivesse andando pelo corredor poderia pensar que estou sendo assassinada. Randy para com a mágica fricção no clitóris e move a minha mão da minha boca. "Nem fodendo. Quero ouvir você gozar tanto quanto eu quero ver. Torne os seus dedos úteis." Não tenho certeza se vou ser uma cadela sarcástica ou se ainda fico mais ligada. Estou principalmente o último. "As pessoas podem me ouvir." "Como se me importasse quem ouve você." Randy desloca até que o meu joelho fica em cima do balcão. Então, ele se move e bate a porta. "Agora você pode fazer todo o barulho que quero." Ele guia a minha mão entre minhas pernas, me incentivando a assumir a masturbação. Leva-me meio minuto para ter outro orgasmo. Randy volta para o agressivo, empurrando duro, e eu continuo esfregando e tentando não gritar o seu nome ou alimentar o seu ego mais do que eu já fiz. Não sabei como é possível ele aumentar mais a velocidade, mas ele faz. O balcão começa a ranger com cada impulso frenético. Gozo outra vez e desisto de me acariciar, apoiando uma mão no espelho em vez disso. Definitivamente vou deixar uma marca de mão suculenta para trás. Que tenho certeza Randy vai adorar. "Porra. Porra. Foda-se." A sua cabeça cai no meu ombro, e ele morde até o meu pescoço. "Durante toda a noite, Lily. Vou estar dentro de você cada porra de minuto que você estiver aqui comigo." "Soa como um bom tempo." digo, e, em seguida, porque não posso me ajudar, "Mas


isso provavelmente vai ficar um pouco estranho quando estivermos dormindo." "Tão, porra, atrevida." Desta vez, ele usa mais dentes, e eu suspiro. Um sorriso aparece em sua boca, mas é breve. Ele está muito perto de gozar para fazer mais piadas. Randy faz círculos com os quadris, e espalmada a mão sobre o peito que sobe um pouco mais alto, descansando abaixo da base da minha garganta. "A sua boca, Lily. Quero isso." Viro a cabeça e ele me beija profundo. A sua outra mão cai, me aconchegando. Randy faz o mesmo som que fez da última vez que ele gozou. Então nós gozamos. Estamos ambos respirando como se estivéssemos fugindo da polícia. E nós estamos suados. Eu já estaria tentando me mover agora, mas estou muito saturada pelo orgasmo para me importar. Randy tira cuidadosamente a minha perna do balcão. Tento usar o balcão para ajudar a me preparar, mas nós definitivamente fizemos algum dano. Ela está um pouco longe da parede. Pendurado. Seguro o seu braço. As minhas pernas estão seriamente instáveis após essa foda completa. "Olha o que você fez." Empurro o balcão com um dedo, e oscila. "Olha o que eu fiz? Olha o que você fez." Randy o sacode. Parece que pedaços de gesso caem no chão. E, possivelmente, um azulejo. "Pare! Você vai fazê-lo cair! Como você vai explicar isso?" "Por que estou explicando isso? É sua culpa." "Minha culpa? Como é minha culpa? Você é o único que me interrompeu. Como isso aconteceu, afinal? Eu tranquei a porta! Você foi algum tipo de delinquente juvenil quando era pequeno? Aquelas suas são tatuagens de prisão?" Randy ri.


"Pare!" Ele leva o meu queixo entre o polegar e o dedo se inclinando. "Você é tão bonita Não posso nem suportar isso." "Não sou bonita." Empurro sua mão. Ele deixa ir, se vira, e puxa para cima sua calça. Randy está todo dobrado dentro e escondido enquanto tenta se arrumar, embora sua boxer esteja baixa e as calças ainda estão desfeitas. Randy tem o que poderia ser uma cicatriz de apendicectomia, mas parece o lugar errado para isso. Ele joga o preservativo usado no lixo. Em seguida, se move em torno de mim para ligar a torneira, me prendendo contra o balcão. "E você também é sexy, então você não deve estar muito chateada sobre ser bonita." Bonito é um tutu rosa e filhotes de cachorro, não mulheres crescidas." "Mmm. Eu vejo." Randy acaba de lavar as mãos e pega o meu rosto entre as mãos molhadas. "Ah! Que inferno, Randy!" Ele não responde apenas me beija enquanto sorri. Paro de lutar e o beijo, mesmo que ele esteja molhando o meu rosto. Randy se inclina, e as rachaduras do balcão soam alto. "Você não me pode dizer que foi nada além de um sexo com qualificação excelente dez em dez." "Provavelmente até onze. Preciso de um banho." Ele me dá algum espaço. "Vou pedir algum serviço de quarto." "Você não quer se juntar a mim?" "Outra hora. Estou com fome, e você tem que estar morrendo de fome." "Mas você está todo suado." "Estou acostumado a ficar suado; mais


estou totalmente feliz cheirando assim." Randy me dá um tapinha na bunda e liga a água. Enquanto lavo o meu cabelo ele espreita através da cortina e lê para mim o cardápio. E demoro um pouco no chuveiro. Não tenho nada limpo para vestir, então uso um dos robes que o hotel oferece para os hóspedes que alugam os quartos agradáveis. Acho Randy estás deitado na cama, assistindo um canal de esportes. Ele Ainda está de calça jeans sem camisa. Randy dá um tapinha na cama. "Vem deitar comigo." Deito no monte de almofadas e ele desliza um braço atrás das minhas costas, me puxando para perto. É confortável, o que é um pouco enervante. Estou toda confortável ao seu lado e fecho os olhos. Estou tão cansada. Ter dois trabalhos é cansativo, e também orgasmos múltiplos e sexo incrível. Devo ter adormecido, porque de repente Randy está encima do meu rosto, usando os meus seios para me acordar. Abro os olhos com uma careta. Randy está sorrindo. "A comida está aqui!" "Agradável." Nos sentamos de pernas cruzadas sobre a cama, e devoro a pizza que ele pediu para mim. Eram apenas seis fatias. "Eu estou tão cheia." Me inclino para trás contra os travesseiros e esfrego a minha barriga através do robe. "Eu estou morrendo de sono." "Então, tire um cochilo." Verifico o relógio. Já são três e meia. "Tenho que sair em uma hora." Randy me olha com sobrancelha franzida. "E em que momento você sai?" "Não até dez." "Você deve ligar é falar que está doente."


"Não posso fazer isso." "Porque não?" "Porque não estou doente." "Sério? Ligue para eles." Randy se arrasta até o meu corpo e fica em frente de mim. "Não tenho outro jogo em Toronto por um mês, e duvido que você possa ter um fim de semana inteiro de folga para vir a um jogo de Chicago." Corro os dedos pelos cabelos, debatendo. "Você pode tirar uma soneca, e então podemos usar o resto da caixa de preservativos." Ele traça a borda do manto e o desamarra o cinto. "Eu prometo que vai ser mais divertido do que trabalhar." Ele abre meu robe e circula um mamilo com a ponta do dedo. Que endurece sob seu toque. Eu não deveria faltar. Deveria trabalhar o meu turno, mas ele está certo, não posso logicamente coordenar o tempo livre com os dois empregos, e não há nenhuma garantia de que Randy ainda vai estar interessado daqui a um mês. Isso poderia ser a minha última oportunidade de fazer sexo desinibido. Eu suspiro. "Ok." "Você vai ligar?" "Sim." "Vou pegar o celular." Randy sai da cama e corre para o banheiro. Ele volta com a minha bolsa e o saco de guloseimas que comprei. E segura a caixa de preservativos que comprei. "Você é uma garota escoteira, não é?" "É o guia para as meninas no Canadá." "Bom saber. É melhor ligar rápido para o trabalho. Temos vinte e três preservativos para gastar hoje à noite. Temos que começar a fazer isso imediatamente."


Espero até Randy abaixar o volume na TV antes de ligar. Uma vez estou ao celular com meu chefe, Randy passa as mãos em minhas canelas. Quando atinge os joelhos, eu chuto para ele. Ele agarra minhas pernas e as espalha me puxando para a borda da cama. Sussurro para ele parar, mas Randy me puxa apertado, moendo contra mim. Ele Já está duro. Posso ver e sentir através de seu jeans. "Sinto muito. Eu sei. Deve ter sido alguma coisa que comi. Peguei algo para a viagem na noite passada e estive doente durante todo o dia." Tusso para cobrir o meu gemido quando Randy esfrega contra o meu clitóris. "Pensei que já teria passado até agora, mas não acho que é uma boa ideia ir trabalhar em torno dos alimentos, se há possibilidade de ser contagiosa. Deveria ter ligado mais cedo. Sim, é claro. Vou ligar amanhã e o deixo saber. Ok, obrigado." Peço desculpa novamente. Eu desligo o celular. "Você não poderia ter esperado eu terminar antes de começar a transar?" "Que graça teria sido?" Randy pega o celular e o joga na cama, em seguida, sobe em mim. "Pensei que era suposto tirar uma soneca." "Foda em primeiro lugar. Dormir mais tarde." "Você é insaciável." Puxo sua boca para baixo na minha, e os únicos sons são gemidos de aprovação. Fiel à sua palavra, Randy me mantém a maior parte da noite acordada. Estou nua o tempo todo, e a única razão para sair da cama é para me lavar ou usar o banheiro. Randy encomenda vinho, queijo e frutas para nós lancharmos em entre o sexo. Acho que nunca fui tão saciada em minha vida, nem com sexo e nem com atenção. Randy

tem

alguns

hábitos

sexuais


interessantes que agora posso ver referências com os seus grupos de Puck bunnies: ele sempre começa com as cobertas e então as perdemos mais tarde. Randy gosta das luzes apagadas no início, e então ele gosta de ser capaz de me ver quando gozo. Randy também fica um pouco estranho sobre eu tocar seu pênis. Não tenho ideia porque, mas qualquer ação de mão, masturbando é de curta duração e sempre enquanto as luzes estão apagadas. E quando me ofereço para ir para baixo sobre ele, ele me diz uma e outra vez que ele está com o gosto de látex. Não estou a ponto de arruinar todos os orgasmos incríveis e sexo que estamos tendo fazendo perguntas pessoais, assim o deixo sozinho. É depois das cinco da manhã quando, finalmente, terminamos uma caixa de preservativos, menos uma. Preciso de pelo menos três horas sólidas de sono ou vou ser uma confusão na arena. Randy desliza um braço debaixo do meu travesseiro e me puxa para ele. Ainda estou nua, assim como ele, mas não tenho mais energia para sexo. A minha vagina vai cair do meu corpo. Randy parece ter terminado por agora, por isso, desta vez, quando adormeço, não sou acordada por sua boca junto ao meu ouvido, me perguntando se ainda quero ter mais diversão.


Capítulo 15 Apenas uma diversão

LILY

As oito horas da manhã chega horrivelmente rápido. Desligo o meu alarme e olho para Randy, ainda fora do ar. Os seus lábios cheios estão separados, o seu braço tatuado jogado para fora para o lado. Há uma cena de hóquei capturada em seu antebraço, e um emblema do Toronto, bem como um de Nova York. Ainda está muito escuro para que eu veja o resto. O deixo onde ele está e vou na ponta dos pés até o banheiro. O meu cabelo é uma confusão. Parece que transei todo o caminho daqui até o Polo Norte. Pareço frescamente como uma forma barata de prostituta bem usada e fodida. Também cheiro a uma grande pilha de sexo. Tomo um banho rápido e chamo um táxi. Não quero acordar Randy para ele me levar. Visto minha calça de baixa qualidade e moletom com capuz, grata que tenho o equipamento de patinação de reposição no meu armário. Não há nada que possa fazer sobre a falta de calcinha, desde que me esqueci de lavar a minha, mas já lidei com problemas piores. Pego a minha mochila e corro, sabendo que eu já estou ficando atrasada. Debato se devo ou não sair sem dizer adeus. Decido que não quero. Mas eu não gostaria se Randy fizesse isso comigo. Embora eu seja uma menina, e nós bem somos diferentes.


Rastejo do seu lado da cama. O meu plano é sussurrar um adeus e obrigado, mas noto os lençóis com uma tenda em sua cintura. Randy está dormindo com uma ereção. Levanto o algodão macio com cuidado, mas estou desapontada ao descobrir que ele está vestindo a sua boxers. É como o maldito monstro de Lago Ness. Todo mundo diz que é real, mas eles nunca provaram nada. Chego debaixo das cobertas, pronta para dar uma espiada, mas Randy arrebata a minha mão. "Se você quiser, tudo que você tem a fazer é pedir." Ele me puxa para baixo e rola em cima de mim. "Eu estava dizendo adeus. Tenho que sair para o trabalho." Randy fuça o seu rosto no meu pescoço e roça através dos lençóis e minhas roupas. "Não. Não vá." "Eu tenho." "Quero te foder um pouco mais." Eu rio. Ele está todo grogue, mas na moagem do quadril. Isso está muito coordenado. "Chamei um táxi. Ei tinha que sair, tipo, há dois minutos." "Vou levá-la." "Você nem mesmo está consciente." "O meu pau está. Ele vai dirigir." Empurro seu peito, mas Randy não se move. "Se eu estiver atrasada poderia perder o meu emprego." Randy para de moer e rola para fora de mim. "Agora tenho que lidar com isso sozinho." Ele dá um tapinha em sua ereção. "Basta voltar a dormir; ela vai embora." "Você sai a que horas?" "Uma, mas tenho um turno no meu outro trabalho às quatro." "Vou pegar você."


"Você não precisa voltar para Chicago?" "Vou voar ou algo assim." Ele enfia a mão na frente de seus boxers. "Vejo você, suja Lily." "Tudo o que você diz, raivoso Randy." Me dirijo para a porta. "Espere." "Hmm?" Randy toca a bochecha preguiçosamente. "Eu quero um beijo antes de sair." Eu me inclino e planto um lá, em seguida, deixo cair outro em seus lábios. "Obrigado por toda a diversão." "A qualquer hora."

*** Desde que Randy estava meio dormindo quando saí esta manhã, realmente não esperava que ele fosse aparecer no meu trabalho. Então, quando ele chega ás onze e meia com café e um saco e se senta nas arquibancadas, todas as borboletas do mundo passam a residir no meu estômago. Nós tivemos uma quantidade insana de sexo. Nunca em minha vida tinha utilizado uma caixa inteira de preservativos em uma noite. Três preservativos talvez, mas nunca mais do que isso. Todos os meus músculos doem, mas eu não me importo com a dor. No final da aula, patino até Randy. Ele parece fresco, limpo, e muito menos desgrenhado do que eu esta manhã. "Eu trouxe uma coisa." Ele me passa o saco. Eu dou uma olhada dentro. "Você me comprou roupas?"


"Acho que só temos um par de horas antes de você ter que ir para o trabalho, e você vai querer trocar de roupa. Imaginei o tamanho. Sei que o seu vestido era um quatro na festa." Randy enfia as mãos nos bolsos. Um cara lembrando o tamanho de um vestido parece épico. "Isso é doce, mas você não precisava fazer isso. Tenho as minhas roupas de trabalho. Estava indo trocar para eles." "Bem, pensei que eu poderia levá-la para almoçar, uma vez que isso não aconteceu ontem." "Você não quer voltar para o seu hotel?" Sou um pouco atrevida, e meio que não. "Eu tive que verificar." Randy cruza para trás seus calcanhares. "O banco de trás do jipe é espaçoso, apesar de tudo." Não posso dizer se ele está falando sério. Um dos pais vem me fazer um par de perguntas, e, claro, outra mãe reconhece Randy e começa a surtar. Ela tem que ter quase quarenta anos, e está definitivamente o despindo mentalmente. Eu conheço o olhar. Sorte para mim que não tenho que trabalhar para imaginá-lo sem roupa. Bem, exceto por uma parte. Ando para o vestiário, tomo uma ducha, e coloco as roupas novas. Randy é bom a adivinhar. E também tem um gosto caro. Um par de leggings cinza, uma camiseta longa em azul Royal, e uma nova calcinha cheia de laços, e muito delicada, e que custa mais de cento e cinquenta dólares, de acordo com a etiqueta de preço. O recibo não está no saco, então não há nenhuma maneira de devolvê-las. Randy leva-me a um bom restaurante. Tudo é caro. Benji e eu não saíamos em encontros muito frequentemente. Se o que fizemos, foi ver alguma banda hippie local. Ele iria comer batata frita e se queixar de seus pais não colocarem dinheiro suficiente em sua conta bancária. Era irritante, mas ele sempre pagava para mim, por isso, nunca disse nada. Benji gostava de jogar coisas como essa para mim


assim eu sentia que lhe devia alguma coisa. Ele também gostava de manipular por cavar em minhas inseguranças. Benji citava a nossa desigualdade, o que não funciona para mim. Eu não acho que não funciona para qualquer um. Randy apenas parece querer sair para um bom almoço. Ele pede uma cerveja e eu um copo de vinho, mesmo que eu tenha de trabalhar em algumas horas. Estou morrendo de fome, o que faz o almoço muito mais surpreendente. Provavelmente por causa de todo o sexo. Nós pedimos sobremesa, mas não vamos compartilhar porque eu quero a minha própria e assim Randy aceita. "Você trabalha muito, né?" Randy diz enquanto coloca um bocado de torta de pêssego em sua boca. A sua sobremesa é uma escolha é irônica. Pedi sorvete com banana frita. Também irônico. "Sim. Terminei a escola em abril. Gostaria de fazer um mestrado em fisioterapia, mas o programa é caro, então preciso poupar por um tempo. Trabalho no café desde o colegial. Não existem posições de treinador de patinação em tempo integral a menos que mude de cidade, então eu faço ambos por agora." "Mestrado, hein? Então você é inteligente." Balanço a minha cabeça. "Na verdade não. Quer dizer, acho que sou decente em ciência e essas coisas. Tive que trabalhar duro para manter a minha bolsa. A escola não foi fácil ou qualquer coisa." "Então, você tem uma casa por perto? Temos mais de uma hora antes de você ter que ir para o trabalho." Randy tem aquele olhar em seu rosto. Agora, mais do que nunca, desejava ter o meu próprio apartamento. Ou que partilhasse com Sunny para que pudesse levá-lo lá para uma última maratona de sexo e orgasmos antes de ter que ir trabalhar e Randy ter que partir para Chicago.


"Eu, uh... um... Não vivo sozinha." "Você tem uma companheira de quarto?" Estamos sentados ao lado um do outro. O seu braço está envolto em toda a parte traseira do meu assento, e ele continua correndo os dedos para baixo em ambos os lados da minha espinha, a meu couro cabeludo para a gola da minha camiseta. Posso sentir isso bem no meu sino magia. Que eu amaria que Randy me tocasse novamente. "Uh, sim." "Você acha que ela estará em casa?" Agora Randy está correndo um único dedo ao longo da gola da minha camiseta. Que ele comprou para mim. Então não tenho que lidar em vestir roupas sujas. Também não estou usando sutiã desde que tudo o que eu tinha era um muito feio esportivo. Os meus mamilos estão duros e óbvios através da minha camisa. Randy notou. Ele toca a cicatriz em seu lábio com a ponta da língua. Quase posso ouvir os seus pensamentos. E ele tem uma ereção óbvia em suas calças. Está inclinado em direção a minha vagina como uma seta direcional. Isso ajuda com a leitura da mente. "Eu não sei. Às vezes, ela trabalha em horários estranhos." Não é uma mentira total. O trabalho da minha mãe nem sempre é previsível, alguns dias ela trabalha em casa. Além disso, é domingo, então quem sabe o que poderia estar fazendo. "Bem, ela não vai se importar se voltarmos e usarmos o seu quarto, certo?" Randy se inclina e coloca a boca ao meu ouvido. "Você sempre pode morder o travesseiro se está preocupada em ser barulhenta." Imagino a cena que pode me obrigar a fazer isso. Qualquer uma das muitas posições de ontem à noite definitivamente se qualifica. "Por que não pago a conta e podemos sair daqui?" Randy fuça o meu pescoço e meu clitóris se acende como se fosse um outdoor piscando


uma pontuação vencedora. Gostaria de pular em cima dele agora. Nesta mesa. Independentemente da audiência. Porém eu tenho que falar a verdade. Não posso arriscar de trazêlo para o meu apartamento e minha mãe estiver lá. "A menos que você não esteja interessada." Era para sair como sarcástico ou arrogante, mas há um vacilo em seu sorriso, e o que posso dizer um pouco de insegurança. Estou experimentando um alto nível de constrangimento. É quase tão ruim quanto a primeira vez que eu o conheci, e estava pelada, com a minha buceta peluda à mostra, ou pior, um longo período de tempo depois que tirei a calcinha e antes dele me comer no banheiro. "Não é que não estou interessada; é só que..." Tento não fazer uma careta, mas posso dizer que sou mal sucedida. "Na noite passada foi demais para você?" Novamente Randy diz isso com o humor/sarcasmo. Não há nenhuma maneira de dizer isso, que não vai soar horrível, então deixo escapar: "A minha mãe é a minha companheira de quarto." Randy inclina a cabeça para o lado. Então faço uma pequena oração. É algo como isto: Querido Deus, sou eu, Lily. Eu provavelmente fiz isso três vezes no total na minha vida, e você nunca parece estar online quando eu estou, mas seria muito incrível se você batesse na cabeça de Randy para que ele não se lembre de todo este episódio. Obrigado. Isso não funciona. Em vez disso, Randy começa o olhar que estou acostumada agora: meio idiota arrogante, bastardo e metade quente. "Você vive com a sua mãe?" "Estou economizando para um apartamento." Não importa o quão boa é a razão, ainda me sinto uma perdedora. Estou muito consciente de que esta geração, dos vinte e poucos anos, às vezes fica em casa mais tempo do que era normal no passado, graças ao custo da educação e ao fato de que os empregos não são tão fáceis de arrumar. Há também


aquela pessoas como Benji, que está mais do que feliz em montar o trem de graça o maior tempo possível. Não é por isso que fico. Estou lá, principalmente, para manter um olho em minha mãe quando os seus relacionamentos inevitavelmente falham. E, de qualquer maneira, Sunny e eu temos um plano, que não vai acontecer agora que ela está pensando seriamente em Chicago. A não ser que eu vá com ela. Isso está parecendo cada vez mais atraente o tempo todo. "Então, é só você e sua mãe, né? Não há outros colegas de quarto?" Isto é uma forma indireta de fazer uma pergunta pessoal. Não tivemos muitas conversas sobre família, além do que ele disse sobre o seu pai. Mas, em seguida, nós estivemos muito ocupados fazendo nosso sexo casual para falar. "Não. Não há outros colegas de quarto." Randy balança a cabeça, pensativo, mas não empurra para mais informações. Se começarmos a falar de coisas sérias, a última rodada de eu montar o seu pau não vai acontecer. "Há um banheiro aqui." Já tinha considerado isso. Não vou lhe dizer apesar de tudo. "Tão clássico." "Podemos sempre encontrar um desses quartos de hotel por hora." "Essa é a pior ideia de sempre na história das ideias, Randy. Prefiro transar na parte de trás do jipe do que um quarto de hotel que


se parece com um teste de Rorschach* sob uma luz negra." Randy ri. "Banco de trás então." Não tenho certeza se Randy está brincando, mas ele paga a conta, e nós saímos para o jipe. Ainda tenho uma hora e meia antes do meu turno, e Randy não parece apressado para viajar, então sugiro darmos um passeio. Estacionamos no meio do nada em uma trilha que leva a quem sabe o quê. Aparentemente Randy está totalmente sério sobre o banco de trás, porque acabo com minha calça abaixada e minha camiseta empurrada para cima com Randy dentro de mim novamente. Pelo que o tempo em que terminou a nossa rodada maratona de sexo, tenho vinte e sete minutos para chegar ao café. Me troco para meu uniforme no banco de trás com Randy me ajudando, o que consiste, principalmente, em carícias e algumas apalpadas, e me leva para o trabalho. Estou nervosa sobre o adeus. Não sei o que esperar. Isto não é como qualquer um de nossos encontros sexuais anteriores. Ele estaciona o jipe no estacionamento e se vira para mim. As minhas mãos estão úmidas. Não vou o ver novamente por, pelo menos, um mês. É provavelmente uma coisa boa, me impede de ficar ligada, ou muito confortável. "Tive um monte de diversão com você, Lily. Definitivamente a melhor classificação de diversão dez ponto zero."

*

Rorschach: O teste de Rorschach (popularmente conhecido como "teste do borrão de tinta") é uma técnica de avaliação psicológica pictórica, comumente denominada de teste produtivo, ou mais recentemente de método de autoexpressão.


Ainda estou nervosa, mas sua brincadeira faz com que a tensão se dissipe um pouco. "Eu também." O seu sorriso de resposta faz minha calcinha querer sair novamente. "Vamos nos encontrar na próxima vez que eu ter um jogo de Toronto? Vou guardar a outra caixa de preservativos até lá." Eu mordo uma risada. "Contanto que eu consiga um tempo fora, com certeza." "Ótimo. Vou lhe enviar uma mensagem com a data que eu possa entrar em você de novo." Eu rolo meus olhos. "É melhor eu ir. O meu turno começa em dez, e pretendo aproveitar você por pelo menos cinco minutos antes de deixar este carro." Não espero por Randy fazer um movimento. Desato o cinto de segurança e planto a minha boca na dele. Randy segura a parte de trás do meu pescoço enquanto o beijo. Não é frenético, porque nós dois sabemos que isso não vai levar a nada, mas ainda faz os meus dedos dos pés enrolarem. Paramos depois de alguns minutos, ambos ofegantes. Randy exala um longo e lento suspiro. "Vou pegar um café para a viagem." "Certo. Ok." Randy sai do jipe e vem para me ajudar com a minha mochila cheia de roupas que cheiram a sexo. O Jeep também cheira a sexo, e estou certa que eu também. Ele abre a porta do café como se estivesse sendo todo cavalheiresco. Só que ele dá um tapinha na minha bunda. Entro no café e paro na porta. Que porra é essa? Sentada em uma das mesas está a minha mãe. Aqui é vai uma coisa, a minha mãe quase nunca vem me visitar no trabalho. Na maioria das vezes ela não presta atenção na minha agenda. Não que ela precise. Sou uma adulta; Posso controlar minha própria vida. Geralmente tentamos ficar


fora do negócio uma da outra. Então não tenho ideia do que iria trazêla aqui, hoje de todos os dias. Ela não está sozinha também. Ela tem um cara com ela. Ele está de costas para mim, então não tenho ideia de quem ele é, ou porque no mundo que ela teria um encontro no meu trabalho. O meu primeiro instinto é empurrar Randy de volta para fora da porta. Mas o sino maldito soou, alertando todos na loja a nossa chegada. A minha mãe olha para cima e faz um movimento na direção do café. Ela sorri e acena. "Ah merda." "Alguns clientes loucos?" Randy passa os dedos pela parte de trás do meu cabelo, pegando poucos nós ao longo do caminho. Nem sequer pensei em verificá-lo antes de sair do jipe. "Essa é a minha mãe. Não sei o que ela está fazendo aqui." "Oh merda. Aquele é o seu pai?" "Não. Meu pai é um pau. Nunca o vi." Não quero dar qualquer outra informação. "Hã. Bem, meu pai é um pau, também. Nós temos isso em comum." Randy me empurra para frente. "Devemos ir dizer olá." "Eu sinto muito." "Tudo bem. Só não gema o meu nome ou qualquer coisa quando você me apresentar." "O seu ego é o pior do mundo." Dou uns passos hesitantes, tentando descobrir o que vou dizer. "Passarinho Lily!" A minha mãe se levanta os olhos correndo atrás de mim para Randy e depois de volta, querendo claramente algum tipo de apresentação. Tenho certeza que dizer que ele é o cara


com quem estou casualmente transando e que fornece os melhores orgasmos que eu já tive não rolar. "Ei, mãe, que estranho você estar aqui agora. Este é meu amigo Randy." Eu movo a mão entre eles. "Randy, esta é a minha mãe, Iris." "Randy, oi! Prazer em conhecê-lo." Ela estende sua mão. Ele a sacode com o que tem estado dentro de mim na última hora. "Oi, Iris. Parece que eu estou cercado por todas as mais belas flores9." Isto foi uma cantada muito brega como um poutine, com queijo duplo e molho extra, mas minha mãe ri como se tivesse quinze anos. Rolo os meus olhos e Randy me dá um sorriso. "Puta merda!" O cara com a minha mãe grita. Eu quase tinha esquecido que ele estava aqui, graças ao meu medo em apresentar Randy para a minha mãe. Pelo menos ela ainda não o reconheceu. "Randy Ballistic?" O cara se atira para fora de sua cadeira e empurra a mão. "Ei." Randy aperta sua mão, e o cara que agora percebo é Tom, ou Tim, ou qualquer que seja o seu nome, tudo o que eu sei é que estou feliz que ele está usando mais do que cueca desta vez, e dá as pessoas apertos de mão entusiasmados. Ele continua a balançar a mão de Randy tanto que quase espero que a boca de Randy abra e espirre água para fora. "Iris, você sabe quem é este?" 9

Lily em português é Lírio, uma flor que simboliza a pureza e a inocência. E a mãe dela também.


A minha mãe levanta os ombros num gesto de desculpas. "Este é Randy Ballistic. Ele é o novo jogador do Chicago que costumava jogar pelo Nova York. Este jogo de sexta-feira foi assassino. Você realmente mostrou o seu valor para a equipe. " O seu sorriso congela. "Você é um jogador de hóquei?" O tom dela parece que Randy tinha cometido assassinado. "Uh, sim. É legal se você torcer para Toronto. Não vou usar isso contra você. Eu costumava jogar para eles, também." "Hum, eu adoraria conversar, mas eu tenho que começar meu turno." Eu aceno para trás de mim para o balcão, onde não há clientes atualmente esperando. "Eu preciso usar o banheiro das mulheres." a minha mãe diz entre dentes. Ela enfia o braço no meu, me agarrando duro quando me orienta em direção à parte de trás da loja. "Um jogador de hóquei, Lily? O que há de errado com você?" Eu não posso lidar com a minha mãe agora, então preciso de uma história um plausível e ninguém pode refutar. "Relaxe, mãe, ele é um amigo de Alex. Fiquei a última noite com Sunny, e Alex esteve em casa para uma visita. Ele trouxe um casal de amigos com ele. Randy estava saindo e me ofereceu uma carona." "Oh, eu tenho certeza que ele fez." "Mamãe, Randy me levou para o trabalho. Ele é legal." Ela olha para mim difícil por alguns segundos. "Eles todos parecem bons no começo." Eu amo a minha mãe, mas às vezes a hipocrisia dela é frustrante. "Eu preciso começar o meu turno. É esse cara Tom que estará em casa quando eu chegar lá hoje à noite?" "Seu nome é Provavelmente. Por quê?"

Tim.

Talvez.


"Você pode, por favor, se certificar que ele use mais do que cueca fora do seu quarto?" Minha mãe me dá um olhar azedo. "Tenho que ir. Eu deveria já estar trabalhando." "Vamos falar sobre isso mais tarde." "Não há nada para falar, mãe. Foi apenas uma carona." Quero dizer literalmente e figurativamente. A minha mãe vai para o banheiro, e eu largo a minha mochila no escritório do gerente e corro para obter o meu avental então estou fora antes da minha mãe ter saído do banheiro. Randy e Tim-Tom ainda estão falando. Bem, Tim-Tom está falando, e Randy está acenando com a cabeça. Tim-Tom segue Randy para o balcão e para de latir tempo suficiente para Randy pedir um café, um de especialidade. O meu estômago está em todos os tipos de nós. Preciso que Randy saia antes da minha mãe voltar, mas com base em Tim-Tom, isso não é provável que aconteça. Passo o café para Randy, junto com um saco de biscoitos, e tento não o deixar pagar, mas ele continua empurrando o dinheiro para mim. Randy cobre a minha mão com a dele ignorando descaradamente o falatório de Tim-Tom. A minha mãe volta no momento em que Randy me beija no rosto e sussurra: "Obrigado por toda a diversão." A minha mãe dispara feixes de laser dos seus olhos. Pelo menos nós estamos em público e ela não pode fazer uma cena.


Capítulo 16 Problemas com o treinador e outros problemas

RANDY

Faltei a uma sessão de treino, porque não voltei para Chicago até tarde no domingo. Depois de deixar Lily parei para ver Michael, o garoto para quem fizemos o jogo de exibição em setembro, antes de pegar um voo para casa. Miller tinha ido vê-lo ontem, como eu imaginei que faria. Não podemos estar tão perto e não o visitar. Falo com Michael no Facebook, mas não é o mesmo do que pessoalmente. É difícil visitar sempre um garoto doente de treze anos de idade, mas o seu tratamento está indo bem, e a cirurgia está prevista para o início de dezembro. Estou ignorado meu celular desde que saí de Toronto para Guelph. Porque o desliguei, tenho sete mensagens quando o ligo novamente. Três são claramente áudios de Miller porque não fazem sentido. O resto são mensagens de voz. Só tenho que ouvir uma para saber que ele está estressado.

"Cara. Você precisa me ligar. Merda está prestes a ir para baixo. O treinador está chateado. Quero dizer muito puto. Você não tem ideia. Onde diabos você está? Temos uma reunião de equipe ás oito amanhã. É melhor você não perder isso ou você vai ser suspenso. Você pode ser de qualquer maneira por faltar hoje."

Isso é cedo para um dia do jogo. É já é


depois das onze. E acabo de chegar em casa após voltar do Canadá. Deveria ligar para Miller para descobrir o que está acontecendo, provavelmente vai matar o zumbido que ainda estou sentindo. Em vez disso, eu jogo um pouco de comida no microondas e envio uma mensagem a Lily enquanto aquece.

Cheguei a Chicago. Eu prefiro estar em você.

Nós usamos uma caixa inteira de preservativos. Todos os doze, e o último no Jeep. Que recorde. Nunca tive muitas ereções consecutivas e conseguir transar o tempo todo. Se isto continuar acontecendo, vou desenvolver algum tipo de problema de dependência a Lily. Eu olho para baixo. Estou duro. Mais uma vez. Está tudo hipersensível depois de tanta ação em um curto período de tempo. Estou quase inclinado a imitar Miller e andar nu para manter o atrito longe. Se eu acabar batendo uma esta noite, vou precisar de algum tipo de lubrificante para impedir que seja desagradável. Os microondas apita, eu pego o prato queimando os meus dedos. Procuro um pano de prato ou algo assim e tomo e como na sala de estar para que possa assistir aos destaques esportivos. Também ligo para Miller na chance de ele ainda estar acordado. Provavelmente deveria saber para o que eu estou andando na parte da manhã. Ele responde no terceiro toque. "Foda-se por me chamar tão tarde, idiota." "O que está acontecendo?" "Temos uma reunião na porra da madrugada de amanhã, e um jogo amanhã à noite, e você está me ligando para me perguntar o que está acontecendo? Vai se foder, Balls. Você vai descobrir na parte da manhã." E desliga na minha cara.


Eu ia ligar de novo, mas ele parece irritado. Miller é geralmente um cara tranquilo. Ele não estava exatamente feliz sobre eu ir a Guelph para visitar Lily. Ele não disse nada, mas posso perceber pela sua atitude. Verifico as minhas mensagens de novo, mesmo que o celular não tenha apitado. Lily está definitivamente dormindo. Tenho certeza que é por causa deste fim de semana. Ela aguentou, apesar de tudo. É difícil encontrar alguém que possa gerir o meu apetite sexual. Eu meio que queria que ela morasse mais de perto. Desde então é tanto tempo entre vermos um ao outro, eu deveria ser capaz de esticar as coisas um pouco mais do que o habitual com ela. Que é fantástico desde o sexo é fora deste mundo. Além disso, Lily não é pegajosa. Normalmente, após uma maratona de sexo como o que tivemos, a garota começa a mandar texto sem parar, perguntando sobre a próxima noite. Lily não é assim. Eu aprecio e não aprecio isso. A sua falta de comunicação me faz adivinhar como ela está se sentindo sobre o que ela está sentindo. Esfrego as mãos sobre meu rosto e prometo parar de pensar em Lily e começar a me perguntar o que eu perdi na sessão de treino esta tarde. Provavelmente estou com problemas, mas tenho certeza que o treinador vai entender que o meu voo atrasou, o que não chegou acontecer, porque estou mentindo. Ligo para Lance, mas recebo o seu correio de voz. Não deixo mensagem. Tento uma última pessoa. Aperto o botão de chamada e me arrependo imediatamente. Waters e eu não somos próximos ainda, mas ele parece gostar muito de mim. Como o capitão da equipe, ele poderia estar disposto a me dar a informação que Miller não quer. Vou ter sorte se ele não estiver mentindo. Quando estou prestes em desligar alguém atende. "Saco de bolas, por que você está ligando para o meu noivo a esta hora?" É Violet. Eu não tenho certeza se deveria estar aliviado. "Eu sinto muito."


"Você tem estado dentro de uma canadense não é?" Ela pergunta. "O quê?" "Você está se desculpando, e você nem sabe por quê. Você definitivamente tem estado dentro de uma canadense." "Eu não-" "Se você me disser que não sabe do que estou falando, vou chutar o seu traseiro." Eu decido que não qualquer razão para mentir sobre isso. Além disso, não há nenhuma maneira de Violet poder chutar a minha bunda. "Miller me deixou uma mensagem e disse que alguma merda tinha ido para baixo. Ele não atende o celular agora, e não quero entrar às cegas na reunião de amanhã." "Você transou com Lily." Eu não tenho ideia do porque isso importa para Violet. Ela não é próxima de Lily, pelo menos não que eu saiba. "Eu não vejo como isso-" "Importa?" Violet não espera que eu responda. "Você não vê a importância de foder a melhor amiga da namorada de seu melhor amigo? Sério, Balls, eu pensei que você fosse mais esperto do que isso." "Mais esperto do que o quê? Como é que você ainda tem essa informação?" "Honestamente? Eu vivo com Alex. Sunny é sua irmã, e nós somos meninas. Nós falamos. Em detalhe. Às vezes até demais." "Não é grande coisa. Sou um caso. Eu e Lily estamos tendo um pouco de diversão." "Se você diz, Balls. Enfim, se você quer saber o verdadeiro problema aqui, você provavelmente deve conversar com Romero ou Tash, mas duvido que qualquer um deles vai atender o celular agora."


"O que aconteceu com Lance e Tash?" "Nada de bom. Você vai obter o relatório completo de manhã. Estou cansada, e meu noivo já está dormindo, então vou me aconchegar a ele e dormir um pouco. Boa sorte amanhã."

*** Estou adiantado dez minutos para a reunião de cedo. Estou cansado e no limite porque não sei o que está acontecendo. A maioria da equipe já está lá, e acho Miller sentado ao lado de Waters. Eles estão em uma conversa profunda, e seus joelhos saltando duro. Eu sento no banco ao lado Miller. "Que bom você aparecer, Balls." Ignoro o sarcasmo. "O que está acontecendo? Onde está Lance?" "É melhor ele chegar aqui em breve." diz Waters. Ele está de mau humor. Na maioria das vezes ele não é ruim de lidar. Mas quando Alex está chateado, é aconselhável ficar fora do seu caminho. "Acho que ele já está fodido de qualquer forma." Miller murmura. "Eu disse a ele para olhar a si mesmo, mas ele não fez. Agora ele ferrou toda a equipe." Alex responde. "O que aconteceu-" Um apito, e todo mundo para de falar. O técnico fica no meio da sala com Lance e algum cara novo. O treinador diz a Lance para sentar, e ele cai para baixo no final de um banco. Lance descansa os cotovelos nos joelhos e aperta as mãos, mantendo os olhos para baixo. Alguns sussurros começam, e o treinador pigarreia silenciando a sala. "Este é Evan Smart, o novo treinador da equipe. Ele vem treinando


atletas profissionais durante os últimos sete anos. Ele tem um grande histórico, e estamos felizes em tê-lo a bordo. Tudo o que ele diz acontece. Vocês vão trabalhar com ele como uma equipe. Se há um treino programado, você vai estar lá. A menos que tenha algum tipo de lesão, ou de uma situação de vida ou morte que eu e Evan estejamos cientes com antecedência, você vai estar em formação. Todo mundo entendeu?" Há um murmúrio de reconhecimento. "Qualquer um que perde uma sessão de treino sem notificar a mim e Evan será suspenso por um jogo." O treinador me dá um olhar duro. "Ballistic, você perdeu ontem, assim você estará esquentando o banco esta noite." "Sim, treinador. Desculpe treinador." Argumentar seria uma má ideia, com base no humor sombrio na sala. Além disso, o fato de Tash ter sido substituída é um choque. O treinador suspira, tira o boné, e corre a mão pelo cabelo ralo antes de colocá-lo de novo. "Todos vocês vão levar para casa um livro com as regras e regulamentos da equipe e lê-lo, para que eu possa ter certeza que vocês entendem o que significam. Haverá um teste. Se vocês vão agir como se estivessem na escola, vou tratá-los como se estivessem na escola. Gostaria que vocês prestassem muita atenção à política de confraternização com pessoal de apoio." Ele olha para Lance. "Romero, você está suspenso por três jogos." Lance olha para cima e lhe dá um breve aceno de cabeça. O músculo em sua mandíbula aperta. "Sim, treinador." O treinador bate as mãos. "Vistam-se e vão para o gelo." Quando Lance não se move, o treinador estala os dedos. "Você também, Romero. Você não joga, mas com certeza você precisa aprender a ser parte desta equipe, se você quiser permanecer nela." "Sim, treinador. Desculpe treinador." "Qualquer coisa que você quer dizer,


Romero?" Lance balança a cabeça. "Não, treinador." "Então se mexa." A sala está tranquila como quando estamos nos preparamos para jogar. Tenho dúvidas, mas não posso perguntar agora. A prática não é fácil. Estamos todos fora e isso aparece na forma que jogamos. Não tenho muita fé que vamos vencer o jogo hoje a noite. Lance vai embora depois sem falar com ninguém. Espero até ficar sozinho com Miller antes de fazer qualquer pergunta. "Como o treinador descobriu?" "Eles estavam transando no vestiário. O treinador foi quem os pegou, então Tash foi demitida e eles trouxeram esse cara novo." "Merda." "Sim." "Como está Lance?" "Nada bem. Ele não está respondendo as ligações. Eu acho que isso vem acontecendo a muito mais tempo do que qualquer um de nós percebeu. A carreira de Tash foi baleada, pelo menos em termos de trabalhar com qualquer equipe profissional." Miller para na frente de seu carro e gira as chaves em torno de seu dedo. "Isso é um desastre." "Sim cara. Lance tem sorte que não está sendo negociado. Ele vai ter que arrebentar a sua bunda agora. O treinador está seriamente chateado. Tash tem sido treinadora da equipe por dois anos. Esses caras tinham uma rotina, e agora eles têm que se acostumar com um novo. Não pode haver mais besteira como esta ou vamos ter mais do que questões de novo com o treinador." "Isso é meio hipócrita vindo de você, hein?"


Miller zomba. "Até mesmo eu sei que é melhor nunca começar a foder os funcionários." O seu celular toca. "Espere." Miller atende e se afasta de mim, com voz baixa. Eu posso dizer que é Sunny desde que ele a chamou de baby. Estou pensando que poderia ser uma boa ideia visitar Lance mais tarde, se ele ainda não responder as ligações. Lance não é bom quando fica chateado. Ele tem uma tendência de sair dos trilhos. E beber demais. Quero ter certeza de que ele não está caído no chão do banheiro ou qualquer coisa. Envio-lhe um texto enquanto espero por Miller terminar de falar com Sunny. Miller está fazendo um monte de gestos. Espero que as coisas estejam bem lá. A última coisa que eu preciso é de mais drama de garota com meus companheiros. Há mais do que suficiente para durar um ano. Esta é uma das razões pelas quais sou cauteloso sobre relacionamentos; eles mexem com a cabeça das pessoas. Vi isso acontecer com a minha mãe de vez em quando. Acho que ela tentou namorar um par de vezes, mas depois da forma como meu pai a ferrou, e, às vezes, ainda a faz se sentir uma verdadeira idiota, ela não confia em homens. Também não a posso culpar. Percorro as minhas mensagens. Não tenho nada de Lily. E sinto uma pontada na parte de trás do meu pescoço. Esfrego-o, mas não adianta. Deve ser bom que Lily não envie mensagens no dia seguinte. Isso significa que ela não está imaginando algo que não é. Guardo o meu celular quando Miller se vira. "Está tudo bem?" Pergunto. "Sim. Bem. Sunny está apenas preocupada. Acho que ela falou com Violet e ouviu a história dela. Agora elas estão falando com Tash e ela está toda chateada. Ainda não entendo por que eles estavam malditamente transando no vestiário." Miller solta uma respiração. "Esta situação está seriamente confusa." "Vou parar na casa de Lance e ver como ele está."


"Bom plano. Vou com você." "Comida primeiro, certo?" "Isso mesmo." Nós paramos em um restaurante e nos enchemos de carboidratos assim estamos prontos para a noite do jogo; então nós dirigimos para a casa de Lance. Sabemos o código para entrar, mas a trava de segurança está ligada, por isso não podemos passar pelo portão. Não importa quanto tempo nós tocamos à campainha; ele não está respondendo. "Vou escalar o muro." Miller anuncia. "Isso provavelmente não é o melhor plano." A cerca de Lance é um daqueles trabalhos em ferro forjado, coberta de hera e com coisas pontiagudas na parte superior. "Vai ficar tudo bem." Miller anda até o muro e salta para cima, pegando dois postes. Miller planta os seus pés nas barras, mas ele está usando sapatos patinadores, e eles não têm tração. Miller também é um cara grande. Ele é robusto, como um defensor normalmente é, e ele tem uns bons trinta quilos a mais do que eu, talvez um pouco mais. Eu tenho que trabalhar duro para aumentar minha massa muscular, e se não fizer acabo perdendo todo o peso que ganho na pré-temporada assim que começamos a treinar pesado. Miller luta um par de vezes e eu assisto, reprimindo uma risada. "Quer um impulso?" "Como se você pudesse levantar minha bunda. Vou dar um impulso para você." "De maneira nenhuma. Você vê como essa merda é pontiaguda?" Faço gesto para as pontas como espadas. As minhas bolas ficam doloridas só de pensar em estar perto delas. "Você vai ficar bem. Sério Balls, elas não são navalhas anexadas ao topo."


Miller está certo. Eu sei disso. Mas prefiro impulsioná-lo, mesmo que eu consiga pular. Ele entrelaça os dedos e dobra para baixo o suficiente para usá-los como degrau. Não posso discutir. Ele vai encher a merda fora de mim. Miller sabe que tenho medo irracional sobre o estado das minhas bolas. Ou talvez não considerando como eu quase as perdi, e metade do meu pau também, quando tinha onze anos. "Foda-se, Buck," murmuro e coloco o meu pé na sua ponte mão. "Espero que eu tenha pisado na merda de cachorro." "Vou limpá-lo em sua bunda quando içar você." "Você faz, e vou chutar o seu rosto." "E vou te encher de soco, por isso vamos estar quites." "Só me impulsione, imbecil." "Em três." "Sim." Miller conta até três e me lança. Consigo ter o meu pé em cima do trilho. "Bom trabalho! Agora para baixo e depois para cima." Miller pega o meu tornozelo. É mais fácil dizer do que fazer. Há talvez quinze centímetros entre as barras de ferro, ou qualquer que seja o regulamento para que as crianças não possam subir ou ter as suas cabeças presas. E não me dá muito espaço para manobra, não com um desses picos perto de minhas bolas, o outro quase na minha bunda. "Cara, é sério, vou quebrar os seus malditos dentes falsos." Miller me solta e anda para trás, o que seria bom se eu estivesse preparado, mas não estou, então quase acabo caio e fico balançando para ambos os lados. Há um monte de palavrões,


mas, eventualmente, eu pulo a cerca da morte e pulo no jardim de Lance, esmagando suas flores. Não que ele vai perceber ou se importar. Eu seguro minhas bolas pelo hábito enquanto me levanto. "Fodase, Butterson." "Porque você está com raiva de mim? Ajudei a sua bunda." "Você sabe o quê, quando você quase perde metade do seu pau, você não pode ser indiferente sobre essa merda. Mas até então você precisa ser um pouco mais sensível, porra." "Sensível?" Miller ri. "Você saiu com Vi ultimamente? Ou Waters? Você sabe como soletrar isso?" "Eu te odeio." Ando em direção ao portão do pátio. É melhor que estejam abertas. Eu paro no portão e o destravo para que Miller possa entrar. Então continuo a andar irritado. Puxo a maçaneta da porta, meio que esperando que ela esteja bloqueada, mas abre facilmente. "Oh, merda." Miller está atrás de mim, observando a mesma cena que eu. Isto não é bom. Claramente o nosso amigo perdeu sua mente com base no estado de sua sala de estar. "Lance? Cara? Você está aqui?" Eu chamo. Tenho que passar por cima de uma coisa quebrada e em torno de um monte de outras merdas esmagadas para andar através de sua sala de estar. "Tem certeza que está pronto para isso? Isso vai ser confuso." Miller segue atrás de mim, balançando a cabeça. Lance teve um colapso. Eles são épicos no gelo; fora do gelo são destrutivos. Checo a cozinha e depois o resto do piso principal e não encontro nada. Não tiramos os sapatos no nosso caminho para o segundo andar. Há vidro no chão e muita coisa quebrada. Música está tocando lá em cima. É pesada, e grita coisas com raiva.


Faço uma pausa no patamar. Há um monte de merda no corredor. Roupas de mulher. Algumas calcinhas. E um monte de buracos nas paredes. E mais vidro quebrado. Lance não é um cara mau. Ele é realmente uma pessoa decente sob todas as besteiras e brigas, mas ele tem um complexo. Ninguém sabe por que, ou o que ele está tentando provar, porque mesmo que ele nos convide para sua casa, para as festas, nenhum de nós está perto o suficiente para saber por que ele faz as coisas que faz. Tudo o que sei é que o seu relacionamento com sua família na Escócia não é bom. O resto deles está em Connecticut, e ele também não os vê muito. Miller passa na minha frente. "Romance? Você aqui em cima?" Lance tropeça para o corredor, com o ombro batendo na parede. Ele está segurando uma garrafa de bebida alcoólica, e os dedos estão sangrentos. Lance é definitivamente responsável por todos os buracos nas paredes, não que houvesse qualquer outra possibilidade. Miller corre para ele e agarra a garrafa antes que ele perca o controle. Lance aponta um dedo acusatório para nós. "Por que ninguém me avisou?" Tecendo na parede, ele vai em direção ao banheiro. Lance tropeça quando chega, e bate na pia. Deixá-lo sóbrio antes do jogo vai ser divertido.

*** Durante as próximas semanas, Miller e eu mantemos um olho em Lance. Ele não vai para os bares, e não está dando festas, o que é uma surpresa. Imaginei que ele com certeza ia foder as Puck bunnies para sair da depressão, mas, de qualquer maneira, Lance não está interessado em nada, além de treino e bebidas. Depois de sua suspensão de três jogos, eu tinha certeza que Lance iria se meter em brigas no gelo, mas ele conseguiu se


controlar na maior parte. Lance ainda leva alguns minutos de penalidade, mas pelo menos ele não está provocando tantas brigas. Não tenho ouvido nada de Lily. Deve ser uma coisa boa, mas me incomoda. Decido que vou ser o único a quebrar o silêncio, quando percebo que o nosso próximo jogo em Toronto está chegando. Desta vez eu a quero no jogo, e depois na minha cama para o resto da noite. Infelizmente, o jogo não é no final de uma série, então não tenho tempo para ficar. Mas pelo menos podemos ter a noite e o café da manhã ou algo assim antes de eu voar de volta para Chicago. Lily responde no quarto toque. "Olá?" Sua voz é rouca, como quando eu a acordei no meio da noite, repetidamente para voltar para dentro dela. "Ei, acordei você?" Lily faz um barulho que não é realmente uma palavra. "Vou tomar isso como um sim. Você quer que ligue amanhã?" Eu não quero, mas acho que deveria dar uma opção uma vez que é meio tarde. Nem sei se ela quer falar comigo. Talvez depois da última vez Lily não esteja muito interessada. Apesar de considerar que estava, eu ficaria surpreso. "Não, está tudo bem. Posso dormir mais tarde. Como você está?" Eu rio dela resmungando. "Você estava morta." "Deveria estar. Que horas são?" "Onze." "Uau. Eu estive fora por horas." As palavras são mais claras agora, não mais com o resmungo do sono. "Muito trabalho de novo?" "Sim. Bom gol no último jogo." "Você viu isso?" Sorrio. "Os destaques, mas sim. Como é o novo


treinador? Sunny me contou o que aconteceu com Lance. É meio que uma novela, não é?" "Sim. Eu acho. Estamos todos nos ajustando." Há alguns segundos de silêncio, então decido quebrá-lo. "Já que você mencionou jogos e marcar gols, estaremos em Toronto dentro de algumas semanas. Quer vir me ver jogar?" "Você quer me ver de novo?" Eu a coloco na viva-voz. "Bem, sim. Estarei em Toronto. Porque você parece tão surpresa?" "Não sei. Não ouvi de você desde a última vez." Lily está muito quieta. "Você não me mandou nenhuma mensagem." "Bem, eu não sei como isso funciona. Acho que é suposto ser tudo casual e outras coisas." Às vezes esqueço que isso é diferente. Ela não é uma Puck Bunny. "Você ainda pode enviar mensagem para mim e enviar fotos de si mesma. Eu gosto mais de nudes." Ajusto o travesseiro atrás da minha cabeça. "Na verdade, acho que você deve me enviar uma agora." "Não estou te enviando fotos nuas. Vão acabar na internet." "Prometo que vou mantê-las para mim." Eu não esperava que Lily me enviasse fotos nuas, embora já tenha tido muitas mulheres fazendo isso. "Ainda assim não." "Você não pode me culpar por tentar. Acho que você só precisa vir para o meu jogo para que possamos ficar pelados na vida real depois." Várias memórias, incluindo o sexo no banheiro do hotel, fazem o meu pau ganhar vida. "Não sei Randy. Acho que ainda estou me recuperando da última vez." "Três semanas depois?"


"Nós usamos uma caixa inteira de preservativos." A sua voz sai um pouco fraca, como se talvez esteja revivendo um pouco disso também. "Eu me lembro. Foi fantástico. Nós devemos definitivamente tentar quebrar esse recorde." "O que faz você pensar que eu quero fazer você gozar de novamente?" "Você me fazer gozar? Oh baby, tenho certeza que era eu fazendo você gozar, não o contrário." Lily bufa, e eu rio. "Se eu disser que você me fez, em vez do contrário vai me ajudar a deixar você nua?" "Talvez. Quando é o jogo?" "Não nesta sexta-feira, mas a próxima." "Deixe-me verificar minha agenda." O silêncio se segue, e em seguida, alguns segundos depois, "Randy?" "Ainda aqui. E esperando um nudes." "Ainda não vai acontecer. Tenho algumas más notícias." "Não me diga que você não pode vir." Eu não gosto da decepção. "Eu posso ir ao jogo. Acho que você deve saber disso agora." Minha voz abaixa. "Porra, eu tenho certeza que sim, e tenho planos para fazer isso acontecer várias vezes em menos de duas semanas." "Isso parece divertido, mas não vou ser capaz de ir depois do jogo." "Por causa do trabalho? Basta ligar e dizer que está doente." "Eu gostaria, mas temos uma performance de férias, e esse é o nosso ensaio geral. Não posso perder. Você pode fazer o que você fez da última vez e vim para Guelph." "Não posso. Temos um jogo no domingo, em Chicago. Tenho que voar de volta


com a equipe." "Oh." "Foda-se." Eu corro a mão pelo meu cabelo. "Eu quero te ver." "Quer dizer que me quer nua." "Isso também." "Bem, Sunny tem falado sobre mudar para Chicago, e Alex já fez uma oferta em uma casa para ela, por isso parece que eu poderia ter uma razão para visitar você, mais cedo ou mais tarde." "Miller mencionou isso." Ele mais do que mencionou. Miller está contando os dias. Ele já encontrou um estágio para Sunny, para que ela possa terminar a faculdade aqui em vez de no Canadá. Miller já pesquisou o que é preciso para obter a sua cidadania e tudo. A princípio, Miller pensou que ele tê-la executando a fundação que ele criou ajudaria, mas são muito mais coisas envolvidas do que qualquer um deles percebeu, então ele e Alex conseguiram garantir a Sunny algo em uma organização sem fins lucrativos. "Estou meio surpreso que ela não está indo morar com ele, com a forma que de como ele é chicoteado." acrescento. "Ela acabará indo. Sunny quer a sua própria casa por um tempo. E continua tentando me convencer a ir com ela." "Você deve. Isso seria muito mais conveniente para mim." Estou meio que brincando. Mas também estou pensando em ter acesso a ela mais vezes. Lily ri. "Sei sobre isso se tornar mais conveniente para você. Já vou começar a fazer as malas." "Agora é sério, embora, é difícil ter um visto de trabalho?" "Eu tenho dupla cidadania, de modo que não é realmente um problema."


"Sério?" "Sim. O meu pai não me deu muito, mas me deu isso." "Então, é perfeito; você se muda para Chicago com Sunny, e podemos transar todo o maldito tempo. Vai ser incrível." "Exceto pelo fato que não vou ter um emprego." "Você ensina patinação. Aqui é Chicago. As pessoas são loucas pelo hóquei aqui. Todo mundo quer ser profissional, e tem que fazer um ano de patinação artística para construir habilidades no gelo. Aposto que eu poderia fazer uma ligação e arrumar isso." Estalo os dedos. Então considero a ideia de Lily em um dessas pequenas saias de patinar com meninos pré-adolescentes babando em cima dela. Eles não vão ser o problema. E sim os pais. "Alex já se ofereceu para fazer isso." Eu tenho esse sentimento na parte de trás do meu pescoço novamente. "Então você deve aceitar." Lily ri. "Não sei." "O que você não sabe?" Não tenho ideia porque estou empurrando tão duro. Talvez seja porque não tive relações sexuais em três semanas e estou totalmente pensando em ter um monte na próxima sexta-feira. Com Lily. Acho que poderia estar desenvolvendo um pequeno problema, não que isso importe desde que não vou ter o que quero. "Não é como se Sunny fosse ficar naquela casa para sempre. Eu vou dar seis meses no máximo. Ou talvez Miller se mude, e vou ter que encontrar o meu próprio lugar. Além disso, realmente não conheço ninguém em Chicago." "Isso não é verdade. Você conhece Alex e Violet, e seu amigo Westinghouse, e o mais importante, você me conhece." A minha voz abaixo quando coloco a minha mão dentro da minha calça e ajusto o meu pau duro. "Pense em toda a diversão que nós poderíamos ter Lily."


"Oh, estou muito familiarizada com toda a diversão que poderíamos ter." "Então você deve definitivamente considerar isso. Quer dizer, o quão incrível seria se pudéssemos ter sexo no banheiro de casa, bem como em hotéis e arenas." "Nós poderíamos ter tido sexo de banheiro na cada do Alex." "É verdade, mas a cama era muito melhor. Porra. Temos que parar de falar sobre sexo em banheiros." "Por quê? Isso está te estressando?" "Está me fazendo duro." "Você deve enviar uma foto." "Vou desligar e ligar depois." Fala sério não tenho nenhuma ideia do que há de errado comigo. Não é como se não pudesse cuidar dessa merda sozinho. Ou eu poderia ligar para alguma garota aleatória e ter alívio, mas então teria que lidar com Miller e possivelmente Walters em cima do meu caso. "O quê? Por quê?" "Quero fazer uma vídeo chamada com você." "Vídeo chamada?" "Sim. Está tudo bem com isso?" "Sim. Sim. Uh-huh." Lily desliga primeiro que eu.


Capítulo 17 Mão na calça

LILY

Jogo o meu celular na cama e corro para o espelho para verificar o meu reflexo. Estou vestindo uma camiseta e um par de shorts. Mais sexy seria melhor, mas não há tempo. Abaixo o meu short e examino a minha calcinha. É horrível. O meu celular já está tocando. Aceito a chamada, em seguida, corro de volta até ao meu armário e arranco a gaveta superior com todas as minhas calcinhas. "Ei. Dê-me um segundo." Não tenho certeza o que exatamente Randy tem em mente, mas se vamos ter uma vídeo chamada, e sexo com mútua masturbação, preciso estar usando uma calcinha mais agradável. Também garanto que a minha porta está trancada e encontro os meus fones de ouvido. "Por que estou olhando para o teto?" Pergunta Randy. "Apenas espere." "Oh, já estou esperando." A onda de calor que inunda o meu corpo, se fixando abaixo no meu estômago. Tudo o que Randy tem que fazer é falar, e já fico ligada. Ele é um afrodisíaco humano. Remexo através da minha gaveta até encontrar o par que ele comprou pra mim. Verifico minha vagina. Eu cuidei dos negócios ontem, por isso, tudo está arrumadinho. Assim estão


as minhas pernas. Depois do primeiro incidente no banheiro com Randy, tenho estado mais regular em me depilar. Arrumo o meu cabelo com os dedos, acendo a luz na minha cabeceira, e desligo a luz sobre do quarto para ajudar a definir o clima. Então tenho uma ideia. Eu fui o Jason no Halloween deste ano. Foi um traje barato e fácil: uma máscara e um macacão azul. Também não é uma brincadeira, que é uma das coisas que me incomoda sobre esse feriado em especial. É como uma licença para se vestir como uma promíscua, em seguida, ficar toda chateada sobre os caras que esfregam o pau em suas bundas em bares. Eu não saio no Dia das Bruxas se puder evitá-lo, especialmente não em uma cidade universitária como Guelph. Remexo do meu armário para procurar a máscara. "O que está acontecendo no Canadá?" Randy pergunta do seu lugar na minha cama. Se ao menos ele estivesse aqui. E minha mãe não estivesse na sala assistindo algum programa de TV estúpido com Tim-Tom. Ele parece ter se tornado um novo elemento permanente. "Estou apenas começando a me arrumar para você!" Eu respondo. "Seriamente espero que isso signifique que você esteja nua." Deslizo a máscara sobre o meu rosto, respiro fundo e pego o meu celular. "Ei." Eu posso ver minha própria imagem na caixa de vídeo pequena no lado direito da tela. Tudo o que Randy atualmente pode ver é o meu rosto de filme de terror inspirado. "Merda porra, Lily. Você está brincando com isso?" Randy parece angustiado. Aperto o celular contra o peito para abafar a sua voz que explodiu em um ataque de risos. "Sério, Lily. Isso não é uma aparência sexy." "E quanto a isso?" Seguro o celular


mais longe para que ele possa ver o resto da minha roupa. Perdi os shorts quando eu troquei de calcinha. Randy geme. O som faz os meus mamilos ficarem duros e todos os meus lugares sensíveis formigar. "Você precisa tirar essa máscara. Ela está seriamente me enlouquecendo." Eu a atiro no chão, em seguida, caio no colchão, segurando o celular para o meu rosto. "Melhor?" Randy está deitado em sua cama, sem camisa, o seu braço tatuado escondido atrás de sua cabeça. Deus, ele é bonito. Há muito braço e peito e sexy em curso, é difícil não suspirar. O seu cabelo não está puxado para trás e está mais curto, atingindo as maçãs do rosto, em vez de seu queixo. Ele aparou a barba. Lembro-me de como o senti entre as minhas coxas a primeira vez que ele me chupou. Randy é lindo. "Você precisa me mostrar toda aquela roupa que você tem sem a máscara." diz ele com aquela voz rouca que faz a minha buceta piscar como uma árvore de Natal. Mostro o meu corpo, em seguida, o trago de volta para o meu rosto. "Isso é tudo o que você está recebendo." "Se você vivesse em Chicago, eu estaria em seu lugar em um minuto." "Você faria?" "Definitivamente. Portanto, você deve considerar seriamente se mudar para cá." Randy levanta a cabeça e passa a mão no peito, seguindo a ação com o seu celular. Ele está usando um par de cuecas que estraguei. E tem uma grande ereção. Eu posso ver o cume da cabeça através do algodão azul. "Imagine, Lily, tudo isso poderia ser seu, quantas vezes você quiser." Randy desliza a mão no cós da cueca, e eu gemo. Ele tem um problema sério. Eu sei o que ele está escondendo lá e como me sinto com isso dentro de mim. Repetidamente.


Randy move o celular de volta para seu rosto antes de eu ter um vislumbre de qualquer coisa boa. Bem, além de seu corpo seriamente quente. "Você gosta disso?" "Gosto mais quando seu pênis não está confinado por coisas estúpidas como cuecas. Também gosto mais quando ele está dentro de mim, em vez de centenas de quilômetros de distância em um quarto onde não posso chegar." "Então você vê como o meu argumento é sólido?" "Eu vi como algo estava sólido. Pelo menos parecia sólido. A menos que você tenha enfiado uma vareta em forma de pau na sua cueca. Você deve me mostrar de novo." "Vou mostrar o meu se você me mostrar o seu." Ele sorri e sua língua espreita para fora para tocar a cicatriz em seu lábio. "Já mostrei a minha." "Não sem alguma coisa a cobrindo. Você quer mais de mim, você precisa me dar mais de você." Randy tem aquele sorriso maldito de novo. Deixa-me louca. "Não vou ficar nua em uma vídeo chamada. Como eu sei que você não vai tirar um print?" Pergunto. "Como vou fazer isso com a minha mão em minha cueca?" Fico olhando para o seu rosto linda e observo que o seu braço está se movendo. De uma forma muito rítmica. "Você está se masturbando?" Minha pergunta sai toda baixa e ofegante. "Quer me ajudar se eu estiver?" Aqui está um fato interessante: nunca tive sexo por telefone, muito menos sexo por vídeo chamada. Com base no nível de conforto de Randy, estou supondo que ele já fez isso antes. Então, tão quente como isto é, estou me sentindo um


pouco fora do meu elemento. "Estou brincando com você, Lily garota. Só queria ver esse seu rosto lindo para ficar fresco em minha cabeça para mais tarde." "Mais tarde, como depois de desligar?" Aperto minhas coxas juntas. A pressão aumenta quando o imagino se acariciando com a mesma agressividade que Randy usa quando está perto de gozar, uma e outra vez. "Sim. Esse é o plano, de qualquer maneira." Tenho a sensação de que esse não era o seu plano em tudo, mas estou obviamente nervosa o suficiente para que ele esteja recuando. Gostaria de ter coragem de seguir adiante agora. Mordo meu lábio, considerando-o. "Vou deixar você ir para que eu possa cuidar das coisas. Certo Lily?" "Vou fazer o mesmo aqui." A minha mão já está se arrastando para baixo em minha calcinha. Na minha cabeça, eu digo: ‘ou podemos fazer isso juntos.’ "Deixe-me saber como isso vai." Os seus olhos são pesados e seu peito sobe e desce mais rápido. "Noite." "Talvez nós..." eu digo, mas Randy já desligou. "Porra. Merda." Tive a chance de ter sexo por celular sexy, e o arruinei por não ser ousada o suficiente. O que há de errado comigo? Poderia ter assistido Randy gozar. Poderia ter dito coisas sujas para ele. Exceto que eu nunca falei sujo a menos que, oooh, foda-me mais duro e isso não é uma conta tão boa. Não acho que isso vale. Decido fazer algo realmente ousado ou estúpido. Provavelmente, ambos. Enfio a mão na frente da minha calcinha e deslizo dois dedos dentro. Então tiro uma foto, mas apenas da minha mão em minha calcinha. E a envio para Randy. Quero levá-la de volta assim que o faço.


É assim que as pessoas acabam famosas por tirarem fotos nuas, estampadas nas capas de mídia social. Mas o meu rosto não está na foto. Ninguém pode realmente provar que sou eu. Bem, Randy poderia provar isso, e, possivelmente, Benji porque ele viu todas as minhas partes de perto, embora ele nunca foi muito um lambedor mágico de vagina, por isso, talvez não. Ele foi mais um cara de enfiar o pau, espirrar seu leite e terminar. Paro de pensar sobre Benji, porque ele é um idiota e não alguém que gostaria de imaginar, enquanto a minha mão está em minha calcinha. Eu recebo uma mensagem Randy um minuto depois.

Eu vejo como é. Agora você não estava tímida.

Isto é seguido por uma imagem. Não é uma foto do seu pau, mas é perto. O pulso de Randy espreita para fora do cós da cueca. Ele está claramente bombeando seu pênis, e a cabeça está espreitando para fora, bem, apenas um pouquinho. Está principalmente na sombra, mas está lá. Fale sobre oportunidades perdidas. Eu gozo com essa imagem. Não leva muito tempo, então vou para a segunda rodada. Uma vez que eu estou saciada, puxo um par de shorts, desbloqueio a porta do quarto, e espreito para o corredor para me certificar de que está livre para ir ao banheiro e lavar as mãos. Estou tão decepcionada que não vou conseguir ver Randy no próximo fim de semana. Talvez se eu pudesse pegar o carro para a noite e eu poderia dirigir a Toronto e me encontrar com ele depois. Não custa perguntar.

***


Na manhã seguinte encontro minha mãe na cozinha com TimTom. Ele está usando calças xadrez de pijama, e está sem camisa. Não preciso ver seu peito nu e peludo como a primeira coisa na parte da manhã. Ou nunca. Faço um bate-papo sem sentido por alguns minutos para aparecer social, mesmo que não estou na parte da manhã, especialmente com o cheiro de sexo velho no ar e Tim-Tom dando a minha mãe um olhar de cachorrinho. "Você acha que vai precisar do carro na próxima sexta-feira à noite?" pergunto, balançando o saquinho de chá em torno da minha caneca. "Trabalho no próximo sábado às sete da manhã." "E se eu pudesse trazê-lo de volta, então?" Estou tentando ficar indiferente. "Você não tem alguma coisa na patinação na sexta à noite? As suas meninas não estão se apresentando?" Ela olha para o calendário. Está marcado com um enorme quadrado vermelho, no sábado, já que é o dia da apresentação. "Sim, mas Sunny me convidou para ir Toronto, e pensei que talvez pudesse ir." "O que há em Toronto?" "Chicago não está jogando em Toronto? Esse jogo vai ser fantástico." Tim-Tom se intrometeu. Eu o odeio. "Isto é para você poder ver aquele rapaz? Aquele com as tatuagens?" "Já lhe disse, ele é um amigo de Alex, e ele me deu uma carona." Mão estabelece sua caneca. "Ele beijou


você!" "Na bochecha!" "Na minha frente. Aposto que se eu não estivesse ali a sua língua teria ido para baixo de sua garganta." "Ele é um jogador de hóquei, não um idiota brega, sem classe." "Tenho certeza de que é isso que ele quer que você acredite." Levanto minhas mãos para impedi-la. "Deixa pra lá. Esqueça que pedi." Não estou no clima para outra palestra sobre o quão sujos são os jogadores de hóquei profissional. Já tive mais de uma vez desde a apresentação de Randy. A suposição da minha mãe é que ele só quer uma coisa, e uma vez que ele receber vai me deixar de lado como um taco meio comido. Ela não usou esta analogia exata, não acho, mas parei de ouvir assim que ela começou. Ela não está exatamente errada. Mas o ponto é, também quero apenas uma coisa de Randy, e é esse seu impressionante pau dentro de mim. Mas não posso dizer isso a ela. Minha mãe acha que preciso de uma pausa depois de Benji. Ele ainda está ligando e isso a preocupa. Ele enviou alguns textos e deixou um par de mensagens de voz, o que já esperava vindo de Benji: as palavras eram doces, mas o tom não. Parece que estou sem opções, onde ver Randy está em causa. Tenho certeza que ele vai se cansar de me perseguir e acabará fodendo uma Puck bunny. Se ele já não estiver fazendo isso. Simplesmente não vi nada dele através de mídias sociais, ainda. Está destinado a acontecer. Não posso ser a única pessoa com quem ele está se fodendo, visto que há muito tempo entre as sessões de foda. E isso é parte da diversão casual, certo? Eu também poderia foder outra pessoa. Eu não quero que isso me incomode. Mas isso faz. Muito. Talvez se Benji não tivesse sido um namorado tão horrível, eu não estaria em risco de ficar ligada ao primeiro cara que é


remotamente bom para mim.


Capítulo 18 Planos desfeitos

RANDY

Estamos em Toronto, ganhamos o jogo, e eu deveria estar pelado, no meu quarto de hotel, com Lily debaixo de mim. Ou em cima de mim. Verifiquei mais duas vezes para ver se algo havia mudado, mas ela não conseguia encontrar uma maneira de fazer funcionar. Hoje, olhando uma foto dela em seu traje de patinação, não sei porquê, mas essa pequena saia me deixa tão duro. Então, ao invés de ter as bolas profundas dentro dessa doce buceta quente, eu estou sentado no bar, em uma mesa, com Lance. Ele agora já passou a fase, ou, pelo menos, está agindo como se já superou. Ele está levando as Puck bunnies casa ou para os quartos de hotel. E porque elas sabem, um par encontrou o seu caminho para a nossa mesa. Lance lhes comprou bebidas, o que significa que me sinto obrigado a ficar e conversar. Talvez eu devesse ter ido para Guelph esta noite. Poderia ter chamado um táxi, reservado um quarto de hotel por algumas horas e, em seguida, chamar um táxi para voltar a tempo para meu voo cedo. Mas não o fiz. Então, estou aqui ouvindo essas meninas conversar e falar sobre o quanto amam o hóquei. A que está sentada ao meu lado está vestindo um top decotado e tem um monte de maquiagem nos olhos. Acho que os cílios podem ser falsos, ou são apenas insanamente longos. Ela


continua movendo a sua cadeira mais perto até que está quase no meu colo, então ela coloca a mão no meu braço. "Uau! A sua arte é incrível! Onde você fez?" "Vou a um lugar no centro de Chicago." Estou acostumado a garotas sensuais. Normalmente não me incomoda, mas estou de mau humor. Queria Lily neste fim de semana, e não cheguei a tê-la. Eu sou um pirralho. "Sério? Tenho amigos em Chicago! Estive pensando sobre fazer uma nova tatuagem, e eu estou procurando por alguém bom. Como se chama o lugar?" "Inked Armor. Eles têm a agenda cheia então tem que marcar de seis meses a um ano de antecedência, e não fazem walk-in*. Faço com o Hayden. Ele é um artista mestre. Mal-humorado pra caralho, mas todo o seu trabalho é incrível." "Oh, Uau. Bom saber." Ela balança a cabeça como se isto significasse alguma coisa para ela. "Então..." Ela morde o lábio e me dá o que suspeito ser suposto ser um sorriso tímido. "Você tem alguma outra tinta que está escondendo?" Luto com um rolar de olhos. "No momento, só tenho a manga." "Será que percorre todo o caminho pelo seu ombro?" Os seus dedos deslizam sob meu braço. Ela está tentando seguir, e estou muito preocupado com o fato de que ela não é Lily e porque importa ou avaliar *

Walk-in: Um Walk-in é uma tatuagem onde o cliente literalmente entra na loja, sem compromisso, e sai com uma tatuagem.


o que está vindo. "Sim. É completo." Ela se inclina até os seus seios estarem pressionados contra o meu braço e seus lábios estão no meu ouvido. "Talvez você queira voltar para o seu quarto e posso lhe mostrar a minha tattoo?" Miller está muito longe com Sunny. Waters e Westinghouse estão juntos no quarto uma vez que suas namoradas estão em Chicago. Não há ninguém aqui para me dar qualquer sofrimento sobre como curtir. Lily e não somos nada. Não a vi em mais de um mês, e ela não parece se importar que não vá me ver. Não deve ser um problema para mim encontrar uma garota aleatória e liberar um pouco da tensão reprimida que fui acumulando desde o maldito mês passado. Não deveria. Então, não sei por que parar em vez de dizer sim imediatamente. "Está tudo bem se você tiver um companheiro de quarto. Eu não sou tímida." Ela pisca seus anormalmente longos cílios. "Não tenho um companheiro de quarto." "Ótimo. Então posso ter você só para mim." Ela conecta a bolsa por cima do ombro, olhando para mim com expectativa. Lance tem seu braço em volta da outra menina, a sua mão descansa perto dos seios dela. Ele olha para mim, depois para ela, em seguida, de volta para mim. "Você está fora, Ballistic?" "Uh, não." eu deveria sentir algo diferente de conflito, como talvez algum tipo de reação em meu jeans, mas não há nada. Nem mesmo uma pitada de ereção acontecendo. Os olhos de Lance estão nela novamente. "Você leu suas mensagens ultimamente?" Não sei por que ele está me perguntando isso. Tenho essa sensação estranha no estômago como se eu tivesse bebido demais. Isso poderia explicar a falta de ação em minha calça, exceto


que tive apenas três cervejas. Isso não é nada. Posso beber pelo menos seis antes de começar a sentir o zumbido. Mexo atrás de mim para o meu casaco e sinto em torno do bolso para o meu celular. A menina que pensa que vai transar comigo põe a mão na minha coxa e aperta. "Você pode verificar as suas mensagens no caminho para o seu quarto, certo?" Eu a ignoro e ela vaga sua mão, e olho para o meu celular. Verifiquei algumas horas atrás, após o jogo no caminho para o bar, mas não tinha nada, nem mesmo uma mensagem de boa sorte de Lily, esse tipo de merda. Agora há quinze novas mensagens, todas têm aparecido na última meia hora. Não sei qual é o problema com o sinal aqui no Canadá. Miller me avisou que pode ser instável, às vezes. É estranho como este país coloca o celular no limbo. Algumas das mensagens são de Miller, mas o seu contato é desconhecido, com outro número em vez de seu nome. Várias outras são de outro número que é vagamente familiar. A menina ao meu lado ainda está falando. A sua mão ainda está na minha coxa. Eu a movo porque é perturbador. "Me dê um minuto." Ignoro as mensagens de Miller e verifico as outras.

Responda-me quando você ver isso. Eu posso pegar um Uber para te ver.

Eu ñ sei qual hotel você está.

Sunny não está respondendo.

Vai direto para sua caixa postal.


Tenho o endereço de hotel. No meu caminho, ok?

"Foda-se." Um horrível sentimento bate em mim como um disco na virilha. "Foda-se, foda-se, Porra." Esfrego a palma da mão sobre meu rosto. A menina coloca a mão no meu braço. "Está tudo bem? Porque não podemos ir lá em cima?" "Você pode recuar?" Eu falei muito alto. E com raiva. Por uma série de razões que não entendo. Ela pisca algumas vezes, seus cílios falsos vibrando. "Qual é o seu problema?" O meu celular emite um sinal sonoro com outra mensagem:

Aqui.

"Eu tenho que ir." Empurro a minha cadeira para longe da mesa. "Pago a você as bebidas amanhã, sim?" digo a Lance. "Claro que sim, Ballistic. Você está bem?" "Não sei ainda." A menina, sem noção, se levanta como se estivesse pronta para vir comigo. Seguro-a, me preparado para dispensá-la, mas Lance a agarra pelo pulso e a puxa para perto. "Ele tem merda para cuidar. Você pode ficar aqui com a gente, linda." Ela faz aquela coisa de piscar de novo, mas parece muito atordoada ou talvez confusa para discutir. Lance a puxa para baixo na cadeira ao lado dele. Devo-lhe uma. Agarrando o meu casaco, faço o meu caminho para a saída. Não quero que Lily veja


Lance com as meninas. Nada aconteceu, mas isso não significa que não me sinto como merda sobre o que poderia ou não ter acontecido se eu não tivesse visto suas mensagens. Bato o botão de chamada e levo o celular para o meu ouvido. "Olá?" Sua enche o meu ouvido. Lily está no lobby, perto dos elevadores. Está usando uma saia e as suas pernas estão nuas. A sua camisa tem um brilho bonito e suave. O meu pau levanta como se tivesse sido eletrocutado. Atravesso o lobby, aperto o botão do elevador, e deslizo o braço ao redor de Lily por trás. E baixo a minha boca para sua orelha. "Você veio." Lily engasga e o seu celular cai no chão acarpetado. "Você assustou o inferno fora de mim!" Ela se vira e levanta as mãos como se fosse me empurrar, mas eu aperto forte, esmagando-a contra o meu peito. "Sério, por não-" Não lhe vou dar a chance de terminar a pergunta. Inclino a cabeça para trás e tomo a sua boca. Já que já está aberta, então não tenho que lutar para conseguir a minha língua para dentro. Ela tem um gosto doce, como se estivesse comendo doces. Lily para de tentar me afastar e se agarra à minha camisa. Não dou a mínima que estamos no meio do lobby e tenho a minha língua em sua garganta. Também posso ter a minha mão na bunda dela. Ouço o meu nome e vejo o flash de uma câmera, me lembrando que, enquanto estou bem com esta foto de exibição pública de afeto, as fotos de Lily postadas em todo os sites Puck bunnies, comigo a apalpando, não vai cair bem para Waters ou Miller. Estou mais preocupado com Waters. Movo a minha mão até a cintura e quebro o beijo, pressionando a minha testa contra a dela. "Oi."


"Oi de volta." diz ela, sem fôlego. "Você veio." "Bem, ainda não. Mas, com base neste cumprimento, provavelmente acontecerá em breve." A risada é instável, atada com nervosismo talvez, ou incerteza. O elevador apita. Apanho o seu celular, pego a mão dela e a puxo para dentro, batendo o meu polegar contra o botão de porta fechada várias vezes antes que alguém possa entrar em conosco. Nós quase compartilhamos o espaço com outro casal. Assim que estamos sozinhos, pressiono o botão para o vigésimo segundo andar. Então a prendo contra a parede com os braços. "Não achei que você viria." Não quero parecer chateado, ou como se fosse uma acusação, mas acho que eu faço. Não entendo o que diabos está acontecendo, ou porque estou me sentindo tão confuso. Não é como se tivéssemos alguma coisa. Lily não é minha namorada. Sou o cara que ela fode, ou eu fodo ela, de vez em quando. "Nem eu." Lily engole em seco. Suas mãos estão no meu peito, aqueles olhos castanhos escuros lindos presos nos meus. Os seus lábios cheios estão separados, sua respiração ainda é rápida. "Estou muito feliz que você veio." Me inclino para baixo, com intenção de beijá-la, mas o elevador apita. Um grupo de rapazes se junta a nós, me obrigando a recuar. Lily inclina a cabeça e olha para os seus sapatos. Ela está calçando sapatilhas. Os dedos estão arranhados. A manga de sua jaqueta tem um barbante pendurado nela, e um dos botões está faltando. Ela está carregando o que eu chamaria de uma


bolsa de tamanho de garota10. É desgastada ao ponto que parece que vai desmoronar. Lily nunca fala sobre dinheiro comigo, mas, em seguida, a maioria de nossas conversas não inclui um monte de fatos pessoais. Baseado em minhas discussões com Miller, sinto que a coisa de ter dois empregos é mais do que poupar a escola. Há empréstimos para isso. Lily teve que pegar um Uber para chegar aqui, e isso custa dinheiro. Que eu tenho muito, e claramente ela não tem. Mas Lily não disse nada sobre isso, nunca. Talvez ela não confie em mim, ou está envergonhada. Ambas as possibilidades me incomodam. Normalmente isto não é algo com o qual eu estaria preocupado, mas tornar as coisas mais fáceis para Lily tornaria as coisas mais fáceis para mim. É mais do que isso, porém, se eu for honesto. A quase ausência de Lily esta noite quase me levou a fazer uma escolha, a qual eu não gostei. Nem tenho certeza se deveria não gostar. Quero dizer que eu não teria feito isso, que não teria trazido aquela menina para o meu quarto e pegado ela. Mas não sei se é verdade, e, por algum motivo, isso está mexendo com a minha cabeça. Coloco um braço em torno do ombro de Lily e a puxo para mim, porque um dos caras continua olhando para ela, e eu não gosto. Olho para ele, e ele deixa cair o olhar para o chão. Felizmente, a próxima vez que o elevador para nós descemos; caso contrário eu seria responsável em começar algo que não deveria. Estou realmente ansioso, e não acho que vai ficar melhor até que esteja dentro de Lily. Verifico o cara por cima do ombro, porque ele é um idiota e não se moverá para tornar

10

Bolsa grande, onde que cabe de tudo.


mais fácil para Lily passar por ele. Pegando sua mão, a guio para o meu quarto. Insiro o cartão na porta e olho por cima do meu ombro. Lily está de pé atrás de mim, mexendo nervosamente na correia desgastada da sua bolsa. Os seus olhos se arregalam quando olha para mim, provavelmente por causa da minha expressão. Imagino que é bastante porra intensa. "Espero que você não esteja pensando em conseguir dormir esta noite." "E eu que pensava que íamos dar um cochilo." Um sorriso oscilante puxa seus perfeitos lábios deliciosos. As suas palavras são destinadas a ser sarcásticas, mas sua voz é suave. "Claro que não planejo dormir," Lily acrescenta. "Qual diabos seria o ponto de vir até aqui para isso?" Isto é o que eu preciso, a confirmação de que ela está aqui por uma razão e a única razão é: ser fodida.


Capítulo 19 Todos os incêndios do mundo

LILY

Dou três passos para dentro do quarto e salto ao ouvir o som da porta se fechando. Viro-me para encontrar Randy trancando a porta. Ele avança para mim, e eu dou um passo cauteloso para trás. Eu não sei por que, tudo bem, eu sei. Os seus olhos são queimando com a luxúria, mas por alguma razão Randy parece com raiva. Além disso, as suas mãos estão fechadas em punhos. Ele deve notar eu olhando para eles porque flexiona para liberá-los um par de vezes, então rola a cabeça em seus ombros. Não tenho certeza se sou a razão para o seu estado atual, mas há algo emocionante sobre ter um homem como Randy parecendo como se estivesse prestes a perder o controle. É também um pouco enervante. Tenho que fazer xixi, mas estou pensando que ele não vai estar interessado em me deixar ir agora. Aproximo-me da parede, e Randy para de vir em minha direção quando estamos a 15 centímetros de distância. O seu hálito quente de hortelã lava o meu rosto. "Tentei ligar para você esta tarde e ontem." As suas palavras são pesadas, saindo duras. "Tentei ligar também. E enviei mensagens." "O Canadá fode com meu celular." "Nós somos assim. Passivo do lado de fora, brincando com todos no lado de dentro." Estou nervosa, mais do que já estive antes com


Randy. Não posso ler seu humor e ele surgiu inesperadamente. Randy parece tão delicioso agora. Ele usando um par de jeans pretos com uma camisa de botão branca, os dois primeiros botões desabotoados. A sua gravata vermelha está solta, e as mangas estão enroladas até os cotovelos. Sua tatuagem me deixa louca. Olhar para ele é como dar um soco no rosto da Medusa. Ele é o tipo de beleza que faz com que as mulheres se transformem em Puck bunnies enlouquecidas por sexo. Agora eu entendi. Eu tive esse homem dentro de mim. Randy pode foder como um campeão. Esta é a razão pela qual eu vim de Uber até aqui. Tenho que sair em cinco horas, e estou certa que Randy não está brincando sobre não dormir esta noite. Não me importo. Posso lidar em ficar cansada. É para isso que o café e as bebidas energéticas foram criadas. O meu olhar se encontra com o dele, e fica preso lá. Sinto como se estivesse trancada em um quarto com uma pantera, não um homem. Randy se inclina um pouco mais perto e a sua língua desliza nos lábios, sua pele brilhando sob a luz fraca. Eu observo, mais uma vez, com a luz do quarto apagada, menos a luz do banheiro. Randy está sempre definindo o humor. Ajo por instinto e o ataco. Literalmente, como um gato, eu pulo nele. Enfio os dedos pelo seu cabelo, e ele vem facilmente desta vez, já que não está preso. É grosso, lindo e escuro. Segurando a parte de trás do seu pescoço, me impulsiono para cima, os nossos lábios colidindo e os dentes se chocando. Randy agarra a minha bunda e pressiona os seus quadris nos meus, me prendendo contra a parede. Sempre acabo presa contra alguma coisa. As camas são as mais gentis, desde que são macias. Randy geme e começa a balançar os quadris, como se estivesse planejando me foder através de nossas roupas, não que eu esteja vestindo muitas. As minhas pernas estão frias graças à saia estúpida. Esqueci-me de trazer leggings, mas não ia parar em casa para pegar alguma.


Ele espalma a minha bunda com uma mão e segura a parte de trás da minha cabeça com a outra. No começo acho que é para me proteger de qualquer tipo de impacto. Mas ele enrola os seus dedos no meu cabelo e puxa a cabeça para trás. Não é gentil, mas não é áspero também. Levanto meu queixo, e sua boca desce na minha garganta. Os seus lábios são tão suaves; os seus dentes me fazem tremer. "Eu preciso de você nua. Agora." "Não estou parando você." Randy me leva até a cama, o que é um alívio. Estive no gelo durante todo o dia e uma posição deitada é muito bem-vinda. Randy encontra a barra da minha camisa e a puxa sobre a minha cabeça. Os seus olhos perfuram o meu peito. Comprei um sutiã novo dois dias atrás, quando comecei a pensar na ideia de vir aqui de táxi. "Este parece novo." "Não tenho usado muito." "Será que ele ainda tem etiquetas?" Randy desliza um dedo sob a alça em minhas costas e beija ao longo da borda rendada. "Haha. Por que você não o tira e descobre." Randy olha para mim, ainda com aquela expressão ardente. Com experiência, ele abre o fecho. Faço um ruído que se transforma em um gemido quando ele tira a taça do caminho e imediatamente suga um mamilo na boca. Oh Deus. Tinha esquecido como é bom ter as mãos e a boca dele em mim. Ok, não, eu não tinha. Mas tenho tentado esquecer pelas últimas quatro semanas, porque não tenho tanta certeza se estou controlando essa coisa casual muito bem. Tenho morrido de vontade de vê-lo durante todo esse tempo, dolorida para ter a sensação dele em mim, perto de mim, dentro mim. Se fosse apenas sexo, eu estaria bem, mas não é. Acho


que poderia realmente gostar dele, como um ser humano. Uma pessoa. Um homem. Se ele não vivesse em outro país, eu poderia querer namorá-lo. E isso é uma coisa ruim de querer, porque Randy não namora. Eu sei disso. Quando minha mãe não me deu o carro para a noite eu fiquei chateada, e talvez um pouco aliviada. Mas então comecei a pensar sobre isso. E Randy. E como esta podia ser a última vez que eu ia ter uma oportunidade de ficar transar com ele. Randy parece estar acostumado nestes encontros que temos, mas ele poderia me tirar de sua lista a qualquer momento. O sexo é incrível. Não queria acabar lamentando não fazer novamente. Apenas no caso. É tão patético, mas não vou focar nisso agora. Em vez disso, vou me concentrar na sensação da boca de Randy no meu mamilo. Também estou indo trabalhar em deixá-lo nu. Enfio as mãos sob sua camiseta até chegar aos seus peitorais. Dou aos seus mamilos um aperto, mas não muito forte, porque não sei como ele vai reagir. Invertendo o movimento, corro as minhas unhas para baixo no seu estômago apertado. Todo o seu corpo faz esta coisa de vibrar, como se ele estivesse sendo eletrocutado, e quebra a sucção. "Os seus mamilos... Poooorra!" Não é uma grande explicação. Randy senta sobre os joelhos e trabalha em tirar sua camiseta. Ele não se incomoda com botões, apenas puxa a sua gravata pela cabeça. Eu vou para a fivela do cinto, mas ele chega lá primeiro. Ele é tão agressivo com isso, como estava com a camisa. Randy puxa o cinto. Olho para o cinto. Randy ainda está segurando. "Não gosto de espancamentos." "E se eu fizer?" Ele o desliza ameaçadoramente ao longo de sua palma. "Então você pode fazer isso, e depois eu vou fazer o meu melhor para não me sentir mal por bater em você com isso." Algo do clima pesado se dissipa, e


Randy racha um sorriso. "Não se preocupe, Lily gostosa, essa não é a minha coisa. No entanto, puxões de cabelo é uma história totalmente diferente." "Gosto disso, de puxar o cabelo." "Eu sei." Randy abre o botão na calça e a desliza sobre os seus quadris, chutando-a fora. Randy não está usando sua cueca favorita, talvez porque ele não estava me esperando. Antes que possa enfiar a mão em sua cueca e obter uma olhada nele, ele puxa a minha saia para cima. Sou recompensada com um dos seus gemidos surpreendentes. A minha vagina aplaude esse som, e o meu sino mágico11 se acende como se tivéssemos ganhado um prêmio de um milhão de dólares. E ter relações sexuais com Randy é quase tão bom que isso. "Você comprou isso para mim." Randy não está perguntando, e sim afirmando. Eu poderia mentir, mas é inútil. Além disso, reconheço que provavelmente vou ganhar o que quero mais rápido. Que é o seu pênis dentro de mim. "Eu fiz." "Prometo que não vou destruí-las com os meus dentes, mas realmente quero fazer isso." Randy balança a cabeça e olha para a minha buceta como se fosse uma sobremesa que ele está morrendo de vontade de comer, mas não pode. O que é ridículo, porque ele pode têla de qualquer maneira que quiser. Bem, quase de qualquer maneira. Não vou o deixar tentar enfiar a sua maldita mão inteira lá, ou qualquer

11

Lily chama o seu clitóris de Sino mágico.


coisa bizarra. Randy passa as mãos lentamente no exterior das minhas coxas, tomando algumas respirações profundas. Ele está resmungando para si mesmo algo. Talvez seja uma conversa de vitalidade. "Está tudo bem ai em cima?" Mais uma vez, estou sendo sarcástica, mas ainda estou um pouco desnorteada por quão intenso que ele está sendo, por isso é mais fácil ser sarcástica. "Tudo porra fantástico." Randy morde o lábio inferior e exala um par de respirações profundas. Os seus dedos deslizam sob o elástico da calcinha. Choramingo quando ele não fica lá, mas desliza de volta para baixo dos joelhos. Abro minhas pernas, dando-lhe mais espaço para Randy enfiar tudo o que quiser, os dedos, sua língua, seu pau. Qualquer um deles é bem-vindo na garagem da vagina de Lily. No próximo deslizar para cima faço algo para encorajá-lo, levantando os meus quadris para fora da cama para que a minha buceta fique mais perto de seu rosto. Estava preocupada do estado dele no elevador, ou como sua mandíbula estava fazendo aquela coisa tic de vez em quando. Agora Randy parece melhor. Talvez a minha nudez o acalme, como um sedativo. Lanço o meu sutiã para o lado da cama e empurro a minha calcinha sobre meus quadris, mas Randy cobre minhas mãos com as suas, me parando. "Ainda não." "Mas eu-" "Estou saboreando, Lily. Têm sido trinta e quatro malditos dias. Trinta e quatro dias desde que eu lambi sua buceta. Que estive dentro de você. Fiz você gozar. Não me apresse." Tudo o que Randy precisa é falar para me pôr perto da borda. Pergunto-me se isso é


normal. Não penso assim. Randy é como um encantador de serpentes, exceto que ele é o encantador de tirar orgasmos de mim, em vez de répteis. Na passagem seguinte, ele viola a calcinha. Randy vira a mão e arrasta uma única junta ao longo da minha fenda. Estou tremendo como uma viciada em crack procurando uma dose. É insano. Mordo meu lábio para reprimir todas as palavras. Alguns gemidos aleatórios escapam, mas mantenho as frases presas como "foda-me" e "oh Deus, quero gozar tão duro" e "Serei sua escrava sexual para sempre se você continuar a me dar orgasmos como este para o resto da minha vida" dentro da minha cabeça. Em vez de dizer qualquer uma dessas coisas, eu gemo seu nome e continuo com os ruídos incoerentes. Randy puxa a minha calcinha para o lado. Não tenho ideia por que ele não a arrancou ainda, provavelmente seria mais fácil, mas desde que ele continue a esfregar o meu clitóris, mesmo como isso deve ser difícil para ele. A sua ereção está cutucando a sua cueca boxer. Se meus braços fossem mais longos, e eu já não estivesse à beira de gozar, tentaria dar uma mão para ele. Randy cuida do problema, enfiando a mão livre na frente, ao mesmo tempo em que empurra dois dedos dentro de mim. Libero um daqueles suspiros agudos. Tudo que quero fazer é jogar a cabeça para trás e deixar ir, mas não posso tirar os olhos de sua mão se movendo, cursos rápidos agressivos atrás da sua cueca. Porque ele não os empurra para baixo para que eu possa ver melhor? Não posso nem gerir a pergunta para fazer isso acontecer. Noto a cicatriz novamente. A única em seu quadril é uma linha reta ao longo de sua pele perfeita até o V profundo. A sua mão se desloca, e tenho um vislumbre da cabeça do seu pau. O seu grande punho, os seus dedos longos e a tatuagem linda que cobre a parte traseira de sua mão, está apertado em torno da base. A cabeça, Oh Deus, é espessa, brilhante e lisa. E brilhante, embora não há muita luz para refletir a umidade que escoa a partir da ponta. Randy está quase gozando só em me fazer gozar, o que


é tão, tão sexy. Sei o suficiente para perceber que Randy é uma raça rara e especial de homem, que pode ser parte da razão de eu continuar a voltar para mais. Ele para de acariciar seu pau. Mantendo a minha calcinha puxada para o lado, ele enrola o dedo e abaixa sua cabeça. A sua boca está em mim, e estou perdida, perdida, perdida... Em espiral para baixo e flutuando para cima. É o mais incrível delírio. Assim que os meus sentidos e visão retornam, ele remove a minha calcinha e instala uma coxa entre as minhas. Estou nua. Ele não. Essa boxer estúpida ainda está no caminho. Randy rola os seus quadris, a sua ereção pressionada com força contra meu estômago. Quero tudo dele entre minhas pernas. Quero aquele pau duro e quente empurrando dentro de mim. Ele está apoiado em braço no colchão macio. Randy abre a mão sobre a minha barriga, a movendo para cima até entre os meus seios. A sua palma repousa abaixo do meu esterno, e o seu polegar e dedo indicadores espalhados por minhas clavículas. Randy está de volta com o olhar intenso. "Estou tão feliz por você estar aqui." Ele muda para o cotovelo e morde ao longo do meu ombro, passando sua língua quente e molhada na minha pele. Roço seu braço seguindo os contornos do músculo sobre o ombro. "Desculpe-me por não deixá-lo saber mais cedo." Randy faz um barulho, nem positivo nem negativo, e, finalmente se move então fica entre as minhas pernas. Todo o seu peso cai sobre mim. "Tudo o que importa é que você chegou a tempo." "A tempo do quê?" Uma inquietação vibra no meu estômago. Não posso controlar, no entanto. Estou muito consumida pela sensação dele. A sua língua percorre o lado do meu pescoço, e morde a ponta do meu queixo. Randy aperta o meu seio, fazendo um ruído de lamento. "A tempo de eu entrar em você."


Os seus dedos deslizam pelo cabelo na minha nuca, e ele embala a minha cabeça, amassando a parte de trás do meu crânio. Se apoiando em um braço de novo, ele levanta a cabeça, sua respiração o deixando rígidas e afiadas. Raios de luz fraca atravessam a fresta da porta do banheiro, criando uma linha pálida do outro lado da sala. Isso e uma pequena lacuna nas cortinas fornecem iluminação suficiente para eu ver o seu rosto fortemente sombreado. A sua mandíbula aperta, e Randy engole em seco. Coloco uma palma contra sua bochecha e sinto os músculos saltarem sob o meu toque. "Você está bem?" Randy vira o rosto para a minha mão. "Sim. Não, não sei. Apenas pensei... que você não viria, e agora você está aqui. Eu realmente precisava de você aqui." Uma terrível, sensação escura me toma, o medo empurrando o seu caminho em minhas cordas vocais, fazendo minhas palavras tremerem. "Bem, estou aqui agora, então isso é bom, não é?" "Sim. Eu quase, não pude-" Randy deixa cair o seu olhar e morde a parte carnuda da palma da minha mão. Todo o sangue no meu corpo corre para baixo enquanto ele se desloca contra mim. O nó em minha barriga se move para a minha garganta. "Randy?" Ele traz a outra mão de volta para o meu esterno e pressiona o polegar para baixo, varrendo para trás contra a base da minha garganta. "Eu preciso estar dentro de você agora, Lily." O desejo fervendo por trás de seus olhos e o aperto de todos os músculos do seu corpo me faz querer fazer mais perguntas. Mas não faço, porque algo me diz que eu não deveria. Estamos mantendo as coisas bem simples. "Então, é onde você deve estar." Trago a sua boca para a minha. O beijo não é uma união suave e lenta. É desesperado e intenso. A língua de Randy varre a minha


boca, e os seus quadris se movem duro entre minhas pernas. As suas ondulações com um arrepio, quando empurro a sua cueca para baixo. Randy levanta os quadris para me ajudar a fazer isso, e se instala contra mim, o seu pênis deslizando sobre o meu clitóris. Randy quebra o beijo. O nariz dele escova o meu, sua respiração sobre os meus lábios. Ele continua moendo contra mim, nu e suado e a sua boca quase me leva a um orgasmo. "Só quero ficar com você." O seu corpo inteiro está tremendo. "Só quero estar em você." Randy continua rolando seus quadris. É rítmico e implacável e oh Deus, eu quero. Tão delirante e necessitada como estou, há algo em suas palavras e sua expressão, na forma como ele está agressivo, mas suave, faz minha pele formigar. Não entendo o que está acontecendo, mas tudo está mudando, girando sobre o eixo. "Então fique comigo. Esteja em mim." Estendo minha mão na parte inferior de suas costas e movo para baixo para adicionar mais atrito. Randy se mova mais para baixo, e a cabeça cutuca a minha entrada. Ele hesita. Isto é compreensível. Sexo sem preservativo é um terreno perigoso e escorregadio. Isso indica tanto estupidez e uma crença que é mais do que duas pessoas fodendo às vezes. Estou preocupada que está se tornando mais do que deveria para mim. O pior é que eu o quero. Gostaria de culpar a minha falta de protesto em algo diferente de hormônios e desejo. Gostaria de dizer a Randy que precisamos parar porque é óbvio que algo está muito errado e esta é uma terrivelmente não inteligente má ideia. Mas eu não digo. Porque sou uma idiota, iludida com falsa segurança por tomar pílula. Não usar proteção com alguém como Randy é estúpido. Idiota. Ele dormiu com uma legião de mulheres. Mas, no momento, ele parece oh tão bom. E o olhar no seu rosto quando ele desliza um pouco mais fundo torna impossível dizer não ao que está acontecendo entre nós.


A sua boca se abre, e sua testa franze quando a dor se funde com euforia. Suas mãos tremem contra minhas bochechas e seus olhos rolam para cima. Randy exala uma respiração rápida, colocando o rosto em meu pescoço. "Preservativo." Randy fala. Ele sai de mim num piscar de olhos, varrendo o chão a procura do jeans. A perda repentina do seu calor me faz tremer e fechar as pernas. Mas não discuto com seu pensamento. O farfalhar de tecido acompanha algumas palavras bem escolhidas de frustração. Randy deve encontrar o que está procurando, porque não há um baque suave e a dobra distinta e a abertura de uma embalagem de preservativo. Alguns segundos depois, Randy se vira para mim, batendo nos meus joelhos, solicitando para eu abri-los para ele. Eu faço, o meu olhar fixo em seu pênis envolto. "Olhe para mim, Lily." "Eu estou." "Aqui em cima." Ele estala os dedos, em seguida, facilita entre as minhas pernas mais uma vez. Não há nenhuma transição lenta. Randy empurra para dentro, sua mandíbula aperta, seus olhos brilhando. Ele deixa cair sua cabeça, o cabelo macio fazendo cócegas no meu rosto. Descanso a minha mão na parte de trás do seu pescoço, esperando eu me ajustar à maravilhosa plenitude. Randy tem seus lábios abertos no meu ombro, sua língua varrendo ao longo da pele. O calor é substituído pela impressão dura dos dentes. E então ele começa a se mover. Randy levanta os meus quadris para fora da cama então começa a se mover. Ele me morde mais forte até que choramingo, e depois beija até ao longo do meu pescoço, Randy me morde e depois faz uma sucção até levantar sua boca para minha, tirando a minha respiração, que está quase no fim. Isso é duro e rápido. Randy me beija


com a necessidade frenética, gemendo em minha boca. Deslizando os braços sob os ombros ele o move para trás até minha bunda e repousar sobre minhas coxas. Randy me move sobre ele, observando o seu pau deslizando para dentro e para fora, mais e mais. Olho para baixo, querendo a mesma visão. Mais uma vez observo a linha espessa e pálida viajar todo o caminho para sua virilha. Quero saber que tipo de cirurgia Randy fez para adquirir isso. Mas então ele beija minha boca novamente e me pede para gozar. Eu caio no poço do desejo, e gozo enquanto ele engole os meus gemidos. Randy sussurra que ele vai me fazer gozar uma e outra vez até que eu seja a única pessoa que mais gozou na vida.


Capítulo 20 Quase Verdades

RANDY

Estou fodendo Lily como se fosse a última vez que estou fazendo sexo para o resto da minha vida. É como parece. Quase pensei em não usar preservativo. Ok, não quase. Totalmente pensei em não usar proteção com Lily, mas então eu teria que explicar sobre os exames de sangue e como eu nunca estive com ninguém sem proteção, nunca, nem mesmo na escola quando os caras tomam decisões notoriamente ruins, dizendo coisas como que não podem sentir nada com um preservativo. Isso é um monte de merda. Os caras podem se sentir bem através de látex. Será que a sensação é diferente? Sim, claro. Mas não é uma coisa ruim, considerando o quão rápido eu explodiria se não estivesse usando um. Pelo menos quando Lily está envolvida. Não sei o que há sobre ela. Não sei por que não paro de pensar nela, mas sei que ainda há uma tempestade de conflito acontecendo dentro de mim sobre essa garota estúpida no bar. Quase disse a Lily antes que estivesse dentro dela, o que provavelmente teria ferrado as coisas, prejudicaria o nosso caso. Paro de me preocupar com coisas que não aconteceram e me concentro na sensação de Lily em torno de mim. Lily está gemendo o meu nome e arranhando minhas costas e ombros. Ela está prestes a gozar. A onda de arrepios e seu aumento de


volume me dizem isso. Eu alcanço entre nós e belisco o seu clitóris. Lily joga a cabeça para trás e grita. Se eu tivesse uma mão livre, desenharia uma linha longa e suave em sua garganta. Mas a estou impedindo de cair para trás na cama agora. Eu a quero perto. Enfiando os dedos em seus cabelos, eu pego os fios de cetim, forçando o queixo para baixo. Os seus olhos estão vibrando de emoção, o seu som baixo de desejo me empurra para mais perto da borda. Sua buceta contrai em torno de meu pau, então esfrego o seu clitóris até que ela cobre minha mão em um pedido silencioso para parar. Mantenho uma mão agarrada em seu cabelo, pressionando a outra contra o sua clavícula. Movimento-a sobre mim, mais forte, mais rápido até que todo o universo chega a uma parada brusca com a força do meu orgasmo. É como um furacão maldito, explodindo através do meu corpo, me soprando para longe. Quando paro de gozar, pressiono o meu rosto em seu pescoço. Lily está suada, mas tem um cheiro doce. Ela empurra os dedos pelo meu cabelo, mais e mais. "Randy? Você está bem?" Sussurra. Estremeço e balanço a cabeça em vez de acenar com a cabeça como era suposto. "O que há de errado?" Lily afaga pelas minhas costas. Não sei como me sinto sobre sua gentileza. Eu quero isso. Gosto disso. E não estou acostumado a isso. Seguro-a com mais força. "Houve uma Puck bunny no bar." Todo o seu corpo fica rígido. Isto é compreensível. Ainda estou dentro dela. Não sei por que me sinto obrigado a revelar isso. "Ela viria para o meu quarto comigo." A sua resposta é calma e reservada. "Você não tem que me dizer." Soa quase como se Lily estava implorando para não dizer nada. Mas não


posso parar. "Nada aconteceu... Eu a ignorei. Então, finalmente recebi as suas mensagens." O meu rosto ainda está enterrado contra seu pescoço. "E então você chegou, e isso é tudo o que eu queria." A sua voz oscila. "Então estou feliz que pude vir." Ergo a minha cabeça e coloco o seu rosto em minhas mãos. "Eu também." Não digo as coisas que eu quero dizer: que não estive com ninguém desde que ficamos na casa de campo de Alex. Isso foi há meses, e nós nem sequer tivemos relações sexuais. Não digo a Lily que penso sobre nela o tempo todo e tenho que me controlar para não enviar mensagens de texto em uma base diária. Ou que, por um minuto, considerei dormir com aquela garota no bar porque estava com raiva que ela não poderia fazer esta noite funcionar. Não vou dizer que minhas quase ações me deixaram assustado, porque elas são outra maneira de eu ser como meu pai. Eu não digo nada sobre como quero que seja mais do que apenas diversão, mas não pode acontecer porque sou muito parecido com o meu pai. Uma noite, Lily não estará lá para me salvar de fazer a escolha errada, e eu vou fazer com ela o que meu pai fez com a minha mãe. Não quero ser responsável por destruir a vida de ninguém, a não ser a minha própria. Então, ao invés de beijá-la, pego outro preservativo, e faço o que deveria. O que combinamos. A mantenho acordada toda a noite, lhe proporcionando orgasmos múltiplos. As cinco e quarenta e cinco da manhã, Lily chama um Uber. Ela parece exausta. Ela tem olheiras sob os olhos. Deixei um monte de chupões em seu peito, pelo menos não é no seu pescoço. Visto um par de calças e uma camisa enquanto a assisto se vestir. Então decido que quero mais uma rapidinha. A dobro sobre a cômoda, levanto sua saia e puxo a calcinha para o lado o suficiente para que possa estar dentro dela, e fazê-la vir. Uma vez que termino de endireitá-


la, e a sigo pelo corredor. "Você não tem que descer comigo; Estou bem sozinha." "Eu sei. Eu não estou." "Oh." Lily parece confusa, o que é compreensível, já que não expliquei nada. No elevador, a puxo contra mim e descanso minha bochecha no topo da cabeça dela. Vou ficar mal-humorado com a falta de sono. Não me importo agora, embora. Uma vez que chego à recepção a levo para as portas da frente. "Pensei que você disse que não estavam saindo." Lily fala. Dou de ombros, segurando a porta aberta, e a sigo. Lá está um pequeno sedan com um cara encostado no capô. Abro a porta do passageiro, atiro sua bolsa para dentro, e a conduzo. Ela parece um pouco decepcionada, até que deslizo ao lado dela. "O que você está fazendo?" "Indo junto para que possa ficar mais tempo com você." "Você é louco. Você não está voltando para Chicago esta manhã?" "Não até mais tarde. Estarei de volta com tempo de sobra." "Você não precisa dormir?" "Vou fazer isso no avião. Vem aqui." Abro os braços, e Lily se aconchega em mim. A puxo para o meu colo me estico no banco de trás. Sei que isto é um problema. Quero fazer mais do que apenas sexo com ela. Quero fazer um problema pior. "Você deve se mudar para Chicago." Lily ri. É um som cansado e ela está só meio acordada. "Alex comprou a Sunny uma casa na semana passada. Ela está se mudando durante as férias."


"Você deve se mudar, também. Pense em todos os orgasmos livres que vêm junto com isso." Recebo outra risada. Lily se aconchega mais perto. "Estou cansada de orgasmos agora." "Eu sou capaz de distribuí-los regularmente em vez de tudo de uma vez, se você viver mais de perto." "Parece bom. Ainda preciso encontrar um emprego, apesar de tudo." "Estou feliz em fazer uma ligação. Como eu disse antes, há muita oportunidade em Chicago para instrutores de patinação. Você é incrível em habilidade olímpica." Lily faz esse barulho, com raiva. "É verdade." "Eu quase fui para as provas." Lily fala calmamente. "Quase? O que aconteceu?" Espero que ela me diga mais do que Miller. "É um esporte caro, como o hóquei. O meu pai parou de pagar a pensão alimentícia e não havia dinheiro para treinar, mesmo com patrocinadores." "Merda, Lily. Isso é só... Perder sua chance por causa de dinheiro parece uma merda." "Merda?" "Isso não é realmente uma palavra forte o suficiente. O que seria necessário para você voltar?" Me pergunto que tipo de cordas eu poderia puxar para fazer isso acontecer para ela. Lily ri e levanta a cabeça. "Estou muito velha, e não tenho um parceiro. Levaria anos para voltar para onde eu estava. Além disso, ainda há o dinheiro."


"Você não pode tirá-lo do seu pai? Onde ele está? Quer que eu o cace?" Lily ri. É ofegante e envergonhado agora. "Provavelmente, você pode procurá-lo nas listas de hóquei. Ele jogou para a NHL. A minha mãe teve um caso de uma noite e acabou grávida. Ela me manteve, e ele fugiu." "Qual é o sobrenome dele?" "Head. Jogou na Carolina do Norte por cerca de cinco anos. Ele era bom, mas não ótimo jogador substituto. A última vez que ouvi, ele estava vivendo em uma ilha em algum lugar, e ele tinha gastado a maior parte do seu dinheiro, daí a falta de pagamento." "Isso não está tudo bem." Estou com raiva que o seu potencial foi desperdiçado. "Nem todo mundo vive o seu sonho, Randy." Os seus olhos são suaves quando olha para mim. "Não sinta pena de mim. Tenho mais do que um monte de gente que já o faz. Estamos quase na arena, você deve me beijar até chegarmos lá."

*** Durmo todo o caminho de volta para o hotel. Tenho apenas tempo suficiente para pegar as malas e encontrar todos no ônibus. Miller se atrapalha, deixa cair sua bolsa, e suspira. "Preciso seriamente dormir." "Sim." Não sou capaz de conversar com palavras completas. "Não posso esperar até que Sunny esteja em Chicago permanentemente." ele murmura. "Não falta muito tempo agora." Ponho


as minhas mãos nos bolsos, pensando na conversa com Lily no carro. "Só mais algumas semanas. Como foi a sua noite?" "Ficou muito melhor quando Lily apareceu." "Definitivamente uma opção melhor do que a bunny que tirei de suas mãos." Lance fala. Miller olha para mim, sua expressão ficando dura. "Você ia foder uma Puck bunny?" Atiro a Lance um olhar. "Não. Ela era persistente e não poderia tomar uma dica." Miller belisca a ponte de seu nariz. "Você precisa observar a si mesmo, Balls." "Não estou tentando fazer a vida dela mais difícil, Miller. Lily veio se divertir. É isso aí." Miller toma um par de respirações profundas e passa a mão pelo cabelo, fazendo com que os fios curtos fiquem em pé. "Não é com a minha vida que estou preocupado. Estou muito cansado para lidar com isso agora." Ele me deixa de pé ali e vai se sentar. Não me incomodo em sentar ao lado dele, uma vez que temos muito espaço. Tomo um assento na frente. E tento dormir todo o caminho para o aeroporto, mas não posso. Tudo o que posso pensar é o que poderia ter acontecido se Lily não tivesse aparecido. Eu estava alterado na noite passada, mas hoje eu sei por quê. Enfio os meus fones de ouvido e toco o vídeo de trinta segundos que fiz ontem à noite, quando Lily adormeceu em mim. Então o defino em repetição. Não se trata apenas de diversão mais. Não para mim de qualquer maneira.


Capítulo 21 A briga

LILY

A porta do meu quarto está trancada e minha mãe está gritando comigo por isso. E batendo. Se ela quebrar a mão, não vou me sentir mal. Ok, vou me sentir um pouco mal, mas isso é ridículo. Sou uma adulta. Posso tomar as minhas próprias decisões, sejam boas ou más. Não falei que fui ver Randy após ensaio geral na noite passada. Os chupões e marcas de mordida que decoram meu peito me denunciaram. Eu não os notei, extremamente exausta da minha noite de sexo estelar, até que minha mãe os apontou em voz alta. Enfio um monte de roupa em uma bolsa e ligo para Sunny. Ela tem dificuldade de ouvir sobre discurso aos gritos da minha mãe. "O que está acontecendo? Essa é a sua mãe?" "Ela descobriu que fui ver o Randy." "E ela está enlouquecendo tanto assim? Uau." "Posso ir dormir em sua casa por alguns dias?" "Claro. Quer que a vá te buscar?" Sunny é uma amiga tão impressionante. "Seria ótimo." "Estarei aí em quinze minutos. Devo


entrar?" "Provavelmente não." "Ok." Termino a ligação e continuo empurrando roupas e coisas na minha bolsa. Não posso ir ao banheiro para pegar meus produtos de higiene pessoal, mas posso voltar mais tarde. Abro a porta e dou um passo para trás no caso de minha mãe decidir entrar voando. Ela coloca as mãos nos quadris. "Onde você pensa que está indo?" "Para a casa de Sunny. Vou ficar lá por alguns dias." "Oh, não, você não vai! Essa menina é nada além de problemas para você. Nunca deveria ter deixado você sair com ela quando eram adolescentes. Deveria ter visto isso chegando. É totalmente minha culpa. Você está se transformando em uma dessas vagabundas fãs do hóquei sem cérebro!" Eu recebo o meu talento dramático da minha mãe. Espero não ser assim tão má. "Fã vagabunda do hóquei sem cérebro? Eu não sou uma Puck bunny, mãe. Temos passado um tempo juntos." Ela aponta para o meu peito, mesmo que agora esteja coberto. "Passando um tempo nua!" "Sou uma adulta. Se eu decidir que quero dormir com alguém, eu posso. Estou me divertindo." "Diversão? Diversão? Você está se divertindo?" A repetição está ficando irritante. "Essa conversa não é produtiva, e você está sendo uma hipócrita total. Sunny não é uma má influência e nem todos os jogadores de hóquei são maus. Alex está noivo e o namorado de Sunny é provavelmente o ser humano mais doce sobre a face da terra." "Isso são dois em centenas! Milhares!" "Não posso acreditar em você. Você nem ouve o que está dizendo? Você mesmo percebe


o quão ridículo isso é? Não é como se você fosse um excelente modelo a seguir." Aponto para Tim-Tom sentado no sofá. Ele está usando com calça de pijama e é isso. Como sempre. "Você não possui camisetas?" Eu pergunto. Ele olha para seu peito nu. "Não fale com Tim assim!" E decido que é melhor sair antes de dizer algo que vou me arrepender. "Tenho que ir. Sunny está me pegando." "Bem. Vá! Saia! Só não vá ficar grávida e arruinar a sua vida como eu arruinei a minha." Ela suga a respiração, apertando a mão sobre a boca como se estivesse tentando empurrar as palavras de volta. "Eu não quis dizer isso, Lily." Quando minha mãe dá um passo para frente, dou um para trás, longe do seu toque, e o seu pedido de desculpas. Nesse momento, ela alimenta todas as minhas inseguranças, que não sou o suficiente, que nunca vou ser querida, que não valho a pena o esforço para amar. O seu arrependimento é uma marca que não posso apagar. "Essa é uma coisa infeliz sobre as palavras, mãe. Uma vez que você as coloca para fora, você não pode levá-las de volta." Minha mãe tenta agarrar o meu pulso quando a empurro passando por ela, mas me liberto. "Não quero que você cometa o mesmo erro que eu." "Que erro é esse? Aquele em que você ficou grávida, ou aquele em que você decidiu me manter?" "Você é o melhor erro que eu já fiz, Lily." "Mas ainda sou um erro." O meu celular vibra no meu bolso. Verifico a mensagem. É Sunny. "A minha carona está aqui." Ela não tenta me impedir de sair. O que é bom. Estou à beira das lágrimas, e odeio


quando minha mãe me vê chorar.

*** Duas horas mais tarde, Sunny e eu estamos deitadas em sua cama. Estamos na metade de uma garrafa de vinho branco que compramos na loja. Nós duas estamos já estamos bêbadas, desde que nós não estamos acostumadas a beber. Também encontramos o esconderijo de Cookies do seu pai. Robbie Waters é um químico. Ele trabalha para um laboratório de maconha aperfeiçoando estirpes para uso médico. Ele faz um monte de ‘Testes’. Eu chorei feio, e Sunny derramou lágrimas de das muitas razões porque a amo; ela é a melhor, a mundo. Sunny ri comigo, chora comigo, fica brava comigo, o que não é sempre, mas o pensamento está

simpatia. É uma melhor amiga do quando ela pode sempre lá.

"Você quer saber o que eu acho que você deveria fazer?" Sunny pergunta quando levanta as pernas para cima no ar e as deixa cair em direção à cabeça. Os dedos dos pés batem no colchão atrás dela, e as pernas ainda estão em linha reta. Sunny é mais flexível do que eu, e isso não é pouca coisa, porque sou muito flexível. Posso praticamente me dobrar ao meio para trás. "Fazer ioga para que possa ter sexo super flexível como você e Miller?" "Isso é uma coisa que você deve fazer. Só que você não pode ter relações sexuais com Miller, nem comigo. No entanto, você pode ter relações sexuais com Randy." Ela está definitivamente bêbada. Eu bato na bunda dela. "Ow!" Sunny sai de sua pose e rola em


seu lado. "Acho que você deveria mudar para Chicago comigo." "Já conversamos sobre isso. Não tenho um emprego lá." "Mas seria tão fácil para você para conseguir um. Alex diz que não vai ser um problema encontrar um lugar como treinadora de patinação, e que o dinheiro seria muito melhor do que aqui. Além disso, você receberia o pagamento em dólares americanos, e não canadenses, por isso, se você decidir voltar para cá, a sua economia valeria mais." "Gosto do meu trabalho aqui." Embora não o ame como costumava fazer. Ultimamente gosto cada vez menos. Sunny leva uma mecha de cabelo e esfrega a ponta sobre os lábios. Isto é algo que ela sempre fez quando está pensando, ou está nervosa. Sunny fez isso muito no início de seu relacionamento com Miller. Ainda me sinto mal sobre a maneira que eu o julgava antes que o conhecer. Ele é realmente muito, muito bom para ela. "Vou dizer uma coisa, e eu não quero que você fique com raiva de mim por isso, ok?" Eu rio. "Vou fazer o meu melhor." "Sei que você ama trabalhar com essas meninas, mas Lily, não sei se é a melhor coisa para você. Às vezes acho que deixa você tão triste do que feliz. É um grande lembrete do que você perdeu." Sunny está certa. Ensino patinação na mesma arena onde costumava me preparar para competições e às vezes dói. Talvez seja porque fico mais e mais longe do meu sonho, enquanto essas meninas se aproximam. "É uma grande decisão." "Eu sei, mas às vezes a mudança é boa. Eu amo a sua mãe, e ela te ama, apesar das coisas que ela disse, mas é meio como eu e minha mãe, sabe?" Eu concordo. Daisy é muito divertida, mas ela tem ideias arcaicas sobre relacionamento e trabalho. Nunca ocorreu a ela que Sunny iria querer uma carreira e todas as outras as


mulheres no século XXI se esforçam. "No mínimo, você deve tirar algum tempo fora do trabalho e vir comigo para Chicago durante as férias. Veja se você gosta." "Não posso fazer isso." É uma resposta automática. "Porque não? Você está autorizada a tirar férias, Lily, e, francamente, você precisa disso. Você trabalhou em dois empregos nos últimos três anos, e até abril você também estava na escola em tempo integral. Você precisa de uma pausa. Miller tem uma do dia treze ao dia dezoito. As suas alunas têm uma pausa na patinação, certo?" Há sempre um intervalo de duas semanas entre as sessões nesta época do ano. "Sim. Ainda tenho o café, apesar de tudo." "Não há nenhuma razão para que ele não lhe dê folga, e se ele não der, você deve parar. Você não deveria estar se matando por míseros doze dólares por hora que eles estão pagando." Sunny está certa. Mais uma vez. É só que eu trabalhei lá por um longo tempo, e é familiar. Mas acho que este é o problema. É como eu sempre fiz as coisas. Fiquei com Benji porque ele era familiar e eu sabia o que esperar, mesmo que não fosse bom. Continuei a viver no apartamento com a minha mãe, em parte, porque sinto que ela precisa de ajuda financeira e talvez emocionalmente, mas também porque é o que estou acostumada, e o mesmo com o trabalho na arena e no café. Sou chata e previsível. Exceto quando Randy está em causa. Com ele eu faço coisas que nunca pensei que em fazer na minha vida. Como deixá-lo me comer contra uma parede em um banheiro público, com a porta trancada, mas ainda assim. Ou pegar um Uber até um hotel em Toronto, para nos divertir por algumas horas. "Além disso, Randy vai estar por perto." "Ele veio viajou para Guelph comigo esta manhã." "O quê? Mas eles não voaram para Chicago hoje?"


"Foi cedo. Ele queria vir para um passeio, e então voltou para o hotel." "De jeito nenhum! Ele está tão em você." Sunny senta e derrama o vinho nela e no edredom. "Ele está tão querendo fazer sexo comigo, você quer dizer." Não vou admitir em voz alta que estou querendo mais do que devia. Especialmente se estou pensando em mudar para Chicago. Sunny me dá uma olhada. "Você está vindo para Chicago comigo. Alex diz que a casa estará pronta até lá, e estamos fazendo uma festa em sua casa, e você precisa de um tempo longe de tudo. Então você está vindo. Está decidido. Estou decidindo." "Bem desse jeito. Você é a minha chefe, né?" "Sim. Isso mesmo." Sunny incha o peito. "Veja quão maravilhosa eu posso ser?" Lanço um travesseiro, e ela desvia. Há uma batida na porta. Andy, o seu grande cão Dinamarquês, salta para cima de seu lugar no chão. Titan, o seu pequeno Papillon, se levanta uma orelha, mas pelo contrário, não se move. "Entre," Sunny grita. Daisy mete sua cabeça. Bem, é mais como apenas o seu rosto, porque seu cabelo não cabe na fenda da porta. "Só verificando para ver o que vocês meninas estão fazendo." Ela olha a garrafa de vinho. "Oh. Parece que está indo muito bem." Daisy estende um saco de batatas fritas. "Vocês provavelmente poderiam comer isso se estão planejando terminar aquilo." Daisy se convida para o quarto de Sunny para ficar com a gente. Nenhuma de nós se importa. Daisy é uma ótima mãe, mesmo se ela é um pouco antiquada. As suas histórias de namoro sobre Robbie são loucas. Além disso, olhar para o seu cabelo é sempre fascinante.


Passa da meia-noite quando tropeço pelo corredor até o quarto de hóspedes. Poderia dormir com o Sunny, mas às vezes ela tenta dormir de conchinha. Também quero verificar minhas mensagens. Não que espero ter uma de Randy. Ele é imprevisível com a sua comunicação. Puxo as cobertas e deslizo sob eles. O meu estômago faz um pouco de vibração estúpida por causa das três mensagens dele.

Estou em casa.

Mude-se para Chicago.

Eu tenho três banheiros em que eu posso foder você.

A última mensagem não foi enviada há muito tempo, talvez vinte minutos. Estou bêbada o suficiente para que ligar pareça ser uma ótima ideia. Randy responde no segundo toque. "Ei." Soa como se ele estivesse dormindo. A sua voz áspera desperta o meu corpo. "Isso poderia acontecer." "Você está se vendendo?" "Tão sedutor." Há um pequeno insulto em minhas palavras. Randy pega. "Você está bêbada?" "Não." "Você totalmente está." "Sunny e eu podemos ter tido um pouco de vinho. Vou ficar na casa dela por alguns dias." Não sei por que digo isso. É completamente


irrelevante. "Tudo bem?" "Sim. Bem. De qualquer forma, vou ficar na casa de Sunny durante as férias." "Quer dizer que você está vindo visitar os meus banheiros?" "Esses, também." "Vamos ter uma festa de pijama." "Festa de pijama com você até agora não incluiu muito sono." "Quanto tempo você vai ficar aqui? Alguns dias? Uma semana?" "Sunny disse algo sobre do dia treze ao dia dezoito, mas posso ficar mais tempo. Não sei ainda." "Você não vai passar o Natal com sua mãe?" "Nós não estamos exatamente nos olhando nos olhos agora. E ela provavelmente vai passar as férias com Tim-Tom." "Quem?" "O seu novo namorado." "Ele é a razão para a briga?" Pergunta Randy. "Parte disso." Porque não posso mentir como pessoas normais? "Qual é a outra parte?" "Não voltar para casa na noite passada." "Você está em apuros por não voltar para casa? Você está mentindo sobre sua idade ou algo assim? Você realmente tem dezessete anos e parece mais velha, porque você usa maquiagem, mas não parece que você está usando maquiagem?" Eu ronco. "Isso explicaria o meu corpo de pré-adolescente."


"Não fale merda sobre seu corpo. Porra, eu amo seu corpo. Especialmente quando você está nua e estou em cima de você, e ainda mais quando estou dentro de você. Merda. Agora estou duro. Mais uma vez. Você pensaria que depois da noite passada e esta manhã eu teria terminado com as ereções." "O seu pau está lhe dando problemas?" Isso é mais fácil do que conversar sobre a minha família. Toda a sua atenção não é porque ele quer me namorar. Nós apenas temos uma química louca, e Randy querer me dar um milhão de orgasmos. "As minhas fantasias são sobre você, é isso que está dando problemas no meu pau. Se você mudar para cá, não será preciso fantasiar; Vou começar a vivê-las todo o maldito tempo. Em seguida, o meu pau não seria um problema para mim." "Se eu estivesse em Chicago ia colocar o seu pau no bloqueio." Tenho que fazer uma pausa e sufocar uma risada. "Na minha prisão de vagina." "Em quanto tempo você pode chegar aqui?" "Não por mais duas semanas." "Droga. Prisão nunca soou tão acolhedora antes." "Eu vou mantê-lo trancado o tempo todo que estiver em Chicago, se quiser. Poderíamos realmente parar na prisão real, porém, se temos que sairmos em público. E isso pode tornar os nossos amigos desconfortáveis." "Miller e eu somos muito abertos. Tenho certeza que ele não vai se importar." Eu coro e rio silenciosamente. "De qualquer forma, já é tarde. Eu deveria ir." "Porque você tem que trabalhar cedo?" "Sim." "Certo. Vou enviar uma às fotos que


tirei de você enquanto você estava dormindo na noite passada." "Mentira! Não adormeci." "Você dormiu sim. Por cerca de dez minutos. Noite, menina Lily. Estou ansioso para passar um tempo na prisão de vagina." Menos de um minuto depois, recebo um texto. É uma imagem de mim com a minha cabeça no peito dele. Eu definitivamente estou dormindo. E nós estamos nus. A minha mão está enrolada embaixo do meu queixo, os meus lábios estão separados, e meu cabelo está úmido perto da minha testa. Randy está sorrindo, e seus deslumbrantes olhos cor de mel estão na câmera. Outra mensagem dele:

Olhe como você estava linda.

A minha barriga treme. Ele é um flertador sedutor. Chega outra mensagem. Desta vez é um vídeo. É exatamente a mesma cena da foto, só que não é uma foto. Com os olhos ainda na câmera, Randy arrasta um dedo pela minha bochecha. "Lily, Lily, Lily, acorde para mim." Lamento em meu sono, mas levanto a cabeça em direção à sua voz. "Vamos, baby, abra os olhos para mim." Assisto a minha pálpebra abrir, outro suave o som escapa. Randy não está mais olhando para a câmera, está focado em mim. "Aí está você. Eu não disse a você? Não há tempo para dormir esta noite." "Não há tempo." murmuro. "Está certa. Onde é que vou estar agora?" A sua voz é silenciosa, o seu peito


subindo e descendo rapidamente quando levanto a cabeça, piscando os olhos turvos para ele. Os meus lábios se curvam em um sorriso tímido. "Dentro de mim." O vídeo fica borrado quando sua boca encontra a minha. O gemido é a última coisa que ouço antes da tela ficar escura. Eu estou tão ligada agora. E um pouco mortificada. Mas, principalmente ligada. Santo inferno. Randy fez um vídeo enquanto eu estava dormindo. Ele poderia usá-lo para fazer chantagem. Só que não faz sentido. Não tenho nada que ele queira. Além da minha prisão de vagina. Acho que foi a terceira vez que fizemos sexo. Ou a quarta. Perdi a noção depois de um tempo. Foram todas incríveis. Mas uma vez, Randy foi realmente doce. Tão macio. Suave. Era diferente. Ele me colocou no topo. É tudo é tão nebuloso, e agora estou realmente excitada. Recebo outro texto:

Posso excluir se você quiser, mas queria que você se visse como eu vejo.

Deveria dizer para excluí-los. Definitivamente. Mas eu não posso. Em vez disso envio uma mensagem curta de volta:

Está tudo bem. Você pode mantê-los. Embora apenas para você.

A resposta é rápida:

Ninguém vê você nua, somente eu.


Eu deslizo a minha mão sob as cobertas e entre as minhas pernas e assisto ao vídeo várias vezes até que eu goze. Não quero imaginar coisas, mas tudo isso, as mensagens de Randy, as ligações e agora este vídeo, parece algo perigosamente real.


Capítulo 22 Patins desamarrados

LILY

Quatro dias depois da minha discussão com a minha mãe, ela aparece na casa de Sunny. Estive ignorando suas mensagens. No segundo em que nos vemos explodimos em lágrimas. Felizmente, ninguém está em casa para testemunhar a exibição épica de meninas. Nos sentamos no sofá na de sala de estar dos Waters, com as pernas cruzadas, em frente uma da outra. "Sinto muito, Lily." "Sei que você não quis dizer aquilo." Passo a palma da mão sobre a minha panturrilha. Estou usando a legging que Randy comprou para mim. "Mas eu disse, e não deveria ter dito. Não posso levá-lo de volta e desejo que pudesse porque tão forte como você é, sei que dói você se sentir como um erro." Ela enfia o meu cabelo atrás da minha orelha. "Você pode não ter sido planejada, mas você sempre foi a melhor escolha que fiz. A única coisa que lamento é não ter sido capaz de lhe dar mais. Não quero que você nunca sinta que não é amada." "Sei que você me ama mãe." Odeio esse tipo de conversas. Elas são difíceis. Emocionais. Fazemme sentir pior e melhor ao mesmo tempo. "Não foi sua culpa que ele não queria qualquer uma de


nós." Passei anos enviando cartas, fotos da escola, cartões de aniversário. A única resposta que já recebi foi o cheque da pensão alimentícia pelo correio antes dela ter sido cortada. Quando eu tinha dez anos, já tinha desistido. Mamãe acaricia o meu cabelo, com os olhos cheios de remorso. "Eu fiz um trabalho terrível tentando te dar boas figuras paternas." "De qualquer maneira, Robbie meio que sempre preencheu esse papel." "Também não quis dizer o que eu disse sobre Sunny. Sei que ela tem sido uma amiga incrível para você. E a família Waters foi tão importante. Sei que não pode ser fácil com o Sunny indo para Chicago e você rompendo com Benji." "Benji e eu estávamos feitos muito antes do relacionamento ter terminado." Ela balança a cabeça. "Eu sei. Eu podia ver isso. Ele não era bom para você há um longo tempo." É engraçado como é fácil ver algo errado do lado de fora. "Desejo que você tivesse dito alguma coisa. Talvez eu o tivesse chutado mais cedo para o meio-fio." Minha mãe me dá um daqueles sorrisos. "Você sabe que não é verdade. Tinha que ser a sua decisão, não influenciada por mim ou qualquer outra pessoa." Ela está certa. "Vou ajudar Sunny com a mudança para a sua casa nova em Chicago, durante as férias." Traço a extremidade do sofá, esperando. "Não posso dizer que estou surpresa." Ela põe a mão na sua bochecha. "Você também está pensando em se mudar para lá?" "Sunny quer que eu vá."


"O que você quer?" "Mudar, eu acho? Algo novo. Alex pode me arranjar trabalho, ensinando aulas de patinação. Um que paga bem." Espero por sua reação. "Ele é um bom garoto." "Ele não é mais um garoto, mãe. Ele vai se casar." "Hmm. Isso é verdade. O seu amigo do hóquei vai estar lá? Randy?" "Não em Sunny, mas ele vai estar por perto quando não estiver na estrada." "Então você vai vê-lo?" "Não sei. Talvez. É apenas casual, mamãe. Não é um relacionamento. Não estou querendo algo sério agora, não depois de Benji." Não sinto que as palavras são verdadeiras. A minha mãe suspira. "Você está se protegendo?" "Claro." Penso sobre aquela vez que quase não usamos camisinhas. Com pílula ou sem pílula, teria sido uma má escolha. "Ok." "Ok? É isso? Sem sermão?" A minha mãe ri. "Você está com quase vinte e dois. Já não posso te dizer o que fazer. Basta ter cuidado com o seu coração, Lily. Não o dê a alguém que não o merece e não sabe cuidar dele."

*** Mesmo que minha mãe e eu tenhamos resolvido as coisas, decido ficar na Sunny um pouco mais. Os seus pais estão fora em uma


conferência e é quase como viver por conta própria. Estou tratando isso mais ou menos como um teste. Randy e eu trocamos mensagens no próximo par de semanas. Ele envia muitos textos sujos e, às vezes, até mesmo de voz. Essas são as minhas favoritas. Muitas vezes eu as ouço durante as sessões de me tocar. Também coloco os meus fones de ouvido e repito o vídeo de trinta segundos. Eu consegui tirar duas semanas inteiras fora do trabalho. Não acho que tinha tido mais de dois dias de folga seguidos nos últimos três anos. Não sei como lidar com a liberdade. Sunny continua tentando me vender a mudança para Chicago. Estou começando a pensar que não é má ideia. Benji ressurgiu com a aproximação das férias. O que cara não faz sentido. Não estivemos separados para qualquer celebração significativa nos últimos sete anos. Parte de mim acha que eu deveria sentir falta dele, pelo menos um pouco. Mas não sinto. Estou muito animada para festa de pijama com Randy enquanto estiver em Chicago. Ele mencionou várias vezes que eu deveria aproveitar o sono enquanto puder. Ajudo Sunny a embalar o seu quarto, e enviamos o caminhão da mudança dois dias antes de nós irmos. Todas as coisas dela estarão lá quando chegarmos de avião na manhã do dia treze. Miller, Alex, Randy, e Darren não vão voltar do jogo fora, do outro lado do Canadá até mais tarde naquela noite. Eles estão no final de uma série, por isso aposto que eles estarão cansados, não que isso vá me impedir de saltar em Randy assim que tiver a oportunidade. Estou um pouco preocupada com o meu nível de excitação. Não era suposto os sentimentos estarem envolvidos, e eu sei que tenho que lhe dizer quando estivessem, mas não sou corajosa o suficiente. Não quero que Randy acabe com isso. Às vezes, me convenço de que ele deve ter sentimentos também, mas eu sei o seu padrão, e Randy tem sido muito claro com o que disse, não importa como ele age. De qualquer forma, vou ter que lidar com isso, mas quero esta semana com ele.


Sunny e eu levamos o meu primo Brett para visitar Michael, antes de partir para Chicago. A sua cirurgia foi bem sucedida, que é o melhor presente que qualquer um de nós poderia ter pedido. Miller e Randy têm planos para visitá-lo no ano novo, da próxima vez que estiverem em Toronto. Com um pouco mais de tempo de recuperação, eles estão esperando que Michael esteja de volta ao gelo em breve, fazendo o que ele mais ama. Violet nos pega no aeroporto dirigindo um carro esportivo vintage louco. É laranja brilhante com listras. Ela sai e nos abraça com entusiasmo. Os seus seios enormes significam que ela tem que se inclinar muito. "Oh meu Deus!" Exclama Sunny, Violet se esforça para encontrar uma maneira de abrir o porta-malas. "Não posso acreditar que Alex permite que você dirija o seu carro!" Violet enfia a cabeça pela janela e se atrapalha ao redor. O portamalas se abre. "Eu chupo o pau monstro dele regularmente e nem sequer reclamo sobre o reflexo de vomito ou o potencial bloqueio de mandíbula. Ele me deixa fazer o que eu quiser." "Uau. Você deve ser muito boa para colocar aquela coisa na sua boca." eu falo, em seguida, percebo como isso soou. "Você já o viu?" Violet pergunta. Ela me olha de cima a baixo, como se de repente eu fosse uma competição. "Por acaso, quando eu era adolescente." "Oh." Violet acena e relaxa. "Só pode tê-lo, tipo, até o meio do caminho, mas é a cabeça que conta e a ação da língua." Sunny não diz nada. Estou assumindo que é porque nós estamos falando sobre o pênis de seu irmão e sobre Violet colocá-lo na boca. Ela gira o seu cabelo loiro em torno de seu dedo e inclina a cabeça. "Posso conseguir quase todo pau de Miller na minha boca, mas não tenho reflexo de vômito, de modo que ajuda muito."


"Ok." Bato palmas. "Qual é o plano? Para onde estamos indo em primeiro lugar?" "Para casa, é claro!" Sunny diz. "Isso aí! Estamos pegando Charlene no caminho." Violet entra no banco do motorista. Sunny e eu entramos no banco de trás e, depois de meia hora, paramos em um edifício de condomínio muito bonito perto do lago. Charlene vem descendo as escadas da frente e salta para o banco da frente. "Você está tentando fazer que Alex peça de volta o anel?" "O quê?" Violet lhe dá um olhar. "Por que você está dirigindo O Coronel?" "Não é mais O Coronel. Eu mudei para Maxine, e Alex não sabe que eu estou dirigindo." Violet acena sua mão no ar. "Ele não vai estar em casa até tarde, o que é bom." "Pensei que você disse que ele permitia que você fizesse o que quiser?" eu digo. Violet me olha pelo espelho retrovisor. Não estou com medo dela. Violet late, mas não morde. Ela vira o seu rabo de cavalo por cima do ombro e abre a boca para falar. "Qualquer coisa, exceto conduzir este carro. Você não o riscou da última vez?" pergunta Charlene. "Aquilo não foi minha culpa! Aquele hidrante veio do nada." Violet vira e aponta uma unha bem cuidada para nós. "Não digam nada a Alex sobre eu dirigir este carro, a menos que vocês queiram que eu coloque laticínios em seu jantar hoje à noite." "Eu não sou vegana. Apenas Sunny." "E isso seria uma coisa terrível de se fazer, Violet. Não comi nada que vem de qualquer coisa com um rosto em cinco anos." Sunny cruza os braços sobre o peito.


"Eu realmente não iria fazer isso. Só estou dizendo, não diga Alex ou ele vai ficar puto, e então ele não vai me dar lambidas na minha Beaver12 nua, e isso é a minha coisa favorita." "Violet!" Charlene a segura pelo braço. "Ai! O quê?" "Sunny está aqui! Ela não quer ouvir o sobre seu irmão lambendo a sua Beaver." "A minha Beaver nua." "Ninguém se importa se a sua Beaver está nua, se tem um moicano ou se você o deixa crescer para participar no Movember*." diz Charlene. Não digo nada. Estou completamente entretida. Sunny não está mesmo prestando atenção. Ela está muito ocupada verificando por novas mensagens em seu celular. "Boo! Seu voo não chega até às cinco. Oh espere. Talvez seja duas. Miller mistura muito as coisas. Alguém pode verificar?" "Não importa a que horas eles chegam. Já temos planos para esta noite." diz Violet. "Planos?" Sunny e eu perguntamos ao mesmo tempo. "Nós estamos tendo uma noite de meninas e enviando os meninos 12

Nome que Violet deu para a sua vagina. Movember: Realizado em novembro, este é o mês em que as pessoas deixam os pelos crescerem e se reúnem para comparar os pelos. *


para fora por algumas horas." "Mas eles estão apenas voltando." "Há um jogo hoje à noite, e eles estão jogando com a equipe na próxima semana. Eles vão se sentar na frente da TV durante três horas e falar de estratégias como sempre fazem. Não estou interessada em ouvir essa porcaria. Assim, o plano é o seguinte: os caras vêm para casa, os enviamos para o pub durante o jogo-" "Ou para Darren, já que ele mora lá na rua." exclama Charlene. "Ou Darren. Onde quer que tenha cerveja e comida boa. Eles voltam após o jogo, e todos nós podemos desaparecer nos quartos e desfrutar de algum tempo sozinhas." Sunny levanta a mão. "Você não tem de levantar a sua mão, Sunny. Você é livre para falar a qualquer hora." Violet diz . "Não vi Miller em duas semanas. Gostaria de ter algum tempo a sós antes dele ir para o bar. Ou Darren." "Sem tempo sozinho antes do bar." diz Violet. "O quê? Porque não?" "Porque é isso que eles esperam. Olha, eu sei que você está toda animada sobre a mudança para cá, Sunny, e você está super apaixonada por Buck, ou Miller, ou o que você o queira chamar, mas confie em mim; você precisa fazê-lo esperar por isso." "Ela está certa." Charlene balança de acordo. "Só tenho um pouco mais de uma semana aqui, então não tenho certeza de qual é o sentido de fazer Randy esperar." eu digo. Violet para num sinal vermelho e aponta para mim. Suas unhas são realmente legais. "Você especialmente precisa fazê-lo esperar."


"Não vejo o porquê." "Porque você precisa ter certeza que Randy entenda que você não é um capricho dele, que sua Beaver é um floco de neve e deve ser tratada como tal." Violet não faz sentido agora. Paro de discutir e deixo com o seu discurso. Poucos minutos depois, chegamos a casa mais doce que já vi. São dois andares de madeira branca com jardins adoráveis que revestem a varanda da frente. Dois painéis solares estão ligados ao telhado. O quintal é modesto em comparação com o dos seus pais, em Guelph, e não há piscina, mas foi instalado um canil e uma pequena estufa de vidro que está na parte de trás da propriedade. Sunny chora. Violet lhe dá um tapinha nas costas e a dirige para dentro, onde estouramos uma garrafa de champanhe e fazemos uma excursão pela casa de quatro quartos. É acolhedora e exatamente o tipo de lugar que Sunny ama. Plantas vivas habitam em todas as janelas e camas caninas estão configuradas na sala de estar e no quarto de Sunny, que foi equipado com uma cama nova de dossel e com uma cortina completa. É romântico e lindo. "De maneira nenhuma que Alex escolheu este material." Sunny diz através de uma nova rodada de soluços. "Buck ajudou e assim como eu Charlene, porque você sabe como os rapazes são." O sorriso de Violet diz tudo. "Como você encontrou tempo para fazer isso?" Sunny não pode parar as lágrimas. Violet a abraça novamente. "Alex contratou alguém para decorar. Tudo o que fiz foi supervisionar, decidir sobre móveis e me certificar que tudo não terminasse com as cores da equipe de Chicago." "Vocês são os melhores." Quando Sunny para de chorar, retomamos a turnê. No quarto do fim do corredor, perco a batalha e me junto na brigada de colapso


emocional. Voltando para Sunny e Violet, eu olho para o quarto, mas não tenho palavras, então continuo apontando, esperando que elas consigam perceber o que eu não sou capaz de falar. "Eu queria estar preparada para o que você decidir," Sunny diz suavemente. "E você precisa de um quarto aqui, não importa o quê." "Onde você conseguiu tudo isso?" Ao longo de uma parede estão fotos minhas principalmente patinando. Minhas. Como adolescente à beira de entrar para na competição das Olimpíadas. Nunca fiz, é claro, mas as imagens são lindas, o movimento capturado de forma perfeita. "A minha mãe costumava tirá-las o tempo todo." Sunny esfrega minhas costas e coloca um braço em volta do meu ombro. O seu sorriso é triste. "Não quero fazer isso sem você." Estar aqui, nesta belíssima casa, sabendo da permanência de Sunny, e eu ter que voltar para Guelph no final das férias, me faz avaliar seriamente minhas opções. "Ok. Isto é muita TPM para mim," diz Violet. "Precisamos de mais bebidas!" "Totalmente!" Charlene concorda. Acabamos gastando muito mais tempo do que pretendíamos na casa nova de Sunny, em parte porque bebemos o resto do champanhe. Violet teve apenas um copo, mas ela está paranoica sobre conduzir o carro de Alex. Assim ficamos na sala de estar de Sunny enquanto Violet toma café e o resto de nós continua bebendo. Não é até que todos os celulares começam a tocar que percebemos que já é final da tarde. "Oh, droga!" Violet salta para seus pés. "Temos que ir! Os caras já estão em seu caminho para casa!" Charlene, Sunny, e eu engolimos o resto das nossas bebidas e as deixamos na mesa de café. "Por que é que o inverno é tão doloroso? Porque existem tantos zíperes!" Violet diz quando lutamos, tentando colocar as nossas botas.


"As nossas malas ainda estão no porta-malas." Sunny diz quando subimos para o banco traseiro. "Você vai passar a noite na casa de Alex de qualquer maneira. Todos nós vamos estar bêbados demais para ir a qualquer lugar." "Mas eu quero dormir na minha cama nova." "Vocês vão ter muitas oportunidades, confie em mim." Violet puxa e rasga descendo a rua. Ela é uma ameaça maldita na estrada. Sunny e eu nos seguramos firme todo o caminho para Alex. Recebo um texto no meio do caminho. É de Randy:

Eu não posso esperar para a prisão de vagina.

Os outros celulares começam a tocar dez minutos depois. Sunny confere as suas mensagens. "Eles já estão no Alex, Vi." "Santa Foda." "Sempre posso dizer a Alex que lhe pedi para nos pegar no carro divertido." Sunny sugere. "Ele não vai acreditar em você, e eu não posso mentir." Estou realmente interessada em ver como isso vai acabar. Às vezes, Alex tem um temperamento. Não posso vê-lo ficando muito chateado sobre o carro, mas então talvez seja um problema maior do que eu percebo. Ou Violet está sendo dramática. Qualquer opção é possível. Nós chegamos à entrada e Violet aperta o botão da garagem. Ela entra, verificando o lado do espelho um milhão de vezes. O carro sacode quanto ela bate os freios repetidamente, avançando para frente até quase bater na lata de lixo em frente do carro.


Violet estaciona e desliga o motor. Tirando o casaco, ela se agita. "Estou tão suada." Em seguida, abre os dois primeiros botões de sua camiseta xadrez preta e vermelha. "Vejam como se faz, senhoras." Alex abre a porta que dá acesso a garagem e Violet sai do carro. "Ei, baby!" Ela exclama. "Perdemos totalmente a noção do tempo. Estou tão feliz que você está em casa!" Violet corre até ele. Isto é estranho; ela tem os ombros para trás e os seios empurrados para fora. E quase tropeça três vezes no caminho para encontrar Alex quando ele se aproxima. Violet pula nele, jogando os braços em volta do pescoço. Ela está praticamente arrancando sua camisa. "Oi, baby." Alex não está olhando mais para o carro. Os seus olhos estão bem onde Violet os queria. Ele corre as mãos por seus lados e para em sua bunda. Talvez eles tenham esquecido que estamos todas aqui. Olho para Charlene e Sunny. Como de costume, Sunny está focada em seu celular. Charlene está sorrindo. Abro a boca para fazer uma pergunta, mas ela coloca seu dedo sobre os lábios, sinalizando para eu esperar. Violet beija a parte inferior do queixo de Alex, tão alto quanto ela pode chegar, mesmo na ponta dos pés. "Senti a sua falta." Alex faz um barulho, mas mergulha a cabeça e beija seus lábios. "Eu também. Odeio ter ido por mais que uma semana." Ele esfrega o nariz no dela. É tão doce que eu quero vomitar. "Você sabe que eu não dirijo O Coronel no inverno, baby." "Mudei de bolsa e não conseguia encontrar minhas chaves. Sinto muito." Violet empurra para longe dele e os olhos dele voltam para seus seios. "Oh, os botões nesta camisa são os piores. Vou tirar ela mais tarde." Ela pisca. "Eu posso ajudar." Alex coloca o dedo em seu decote.


Charlene me dá uma sobrancelha levantada e bate a porta do carro quando fecha. Alex salta, como se só agora percebesse que estamos todas aqui. "Ei! Oi!" Ele coloca as mãos no bolso e se vira para o lado. Alex não consegue esconder o que está acontecendo em suas calças. Então puxa a camisa para se cobrir. Há uma enxurrada de ação e abraços, em seguida, Alex grita por uma mão para ajudar para levar as malas para dentro. Quando estou na metade do corredor, sou atacada/abraçada por Randy. Ele me levanta até meus pés não atingirem o chão, e enterra o rosto no meu pescoço. "Oi." Eu rio ou gemo ao sentir sua barba e os lábios contra a minha pele. "Não posso esperar para ir para a prisão de vagina." Randy murmura no meu ouvido. E assim, eu estou pronta para tirar a roupa e fazer isso. Exceto que estamos em pé no corredor de Alex, e nossos amigos estão aqui. Randy gira ao redor e, por um segundo, acho que estou indo para acabar contra uma parede. Em vez disso, ele me leva pelo corredor. Todos estão olhando. Lance está de queixo caído. Miller tem uma carranca e a expressão de Alex corresponde. Darren ergue uma sobrancelha. "De jeito nenhum, Balls!" Miller grita. "Você e Lily não são permitidos a irem ao banheiro juntos!" Randy não ouve. Ele passa por uma porta. Não é um banheiro, embora; é uma lavanderia. Ele tenta fechar a porta, mas Miller está encostado nela. Ele faz Alex parecer pequeno e Randy magro, o que eles definitivamente não são. Randy se inclina para trás, com os braços tensos. "Preciso de um pouco de algo aqui." Randy me põe para baixo e bate seus lábios nos meus. Empurro os meus dedos em seus cabelos. Eles cresceram nas últimas duas


semanas, estão batendo abaixo de suas maçãs do rosto. Levanto-me na ponta dos pés e pressiono um beijo suave na boca. "Sério, Balls, você não pode esperar, tipo, cinco minutos?" Miller pergunta. "Só estou dizendo olá, e estou procurando um pouco de privacidade para fazer isso." Randy dá à porta um forte empurrão com o ombro. Miller grita e Randy tranca a porta. "E agora nós temos alguma." O seu sorriso não detém nada além de humor quando me levanta e me põe sobre a secadora. É a altura perfeita. Abro minhas pernas e inclino para frente para tentar sentir o seu pau duro, que está definitivamente duro. Randy deixa beijos molhados no meu pescoço enquanto faz o caminho até a minha boca. "Você é terrível." "Eu sei. Não podemos ficar muito aqui, talvez quinze minutos, e depois podemos voltar para a minha casa onde podemos brincar até você ter que voltar para o Canadá." Miller bate na porta. Ou talvez Alex. Não me importo. Tudo o que sei é que a língua de Randy está na minha boca, procurando algo para se emaranhar. "Por que você está vestindo calça? Elas são tão inconvenientes." Ele reclama. Rio contra sua boca e coloco minhas pernas em volta de sua cintura. Ele está me deixando molhada, e a costura da calça está atingindo o ponto certo. Como daquela vez no banheiro, no jogo de exibição, tenho o brilhante sentimento que, se continuarmos, provavelmente vou gozar. Randy encontra o seu caminho sob a minha camisa. Faz cócegas ao longo das minhas costelas, e desliza o dedo sob o meu sutiã até atingir o meu mamilo. "Eu seriamente preciso de você nua. Não é brincadeira."


Continuo me esfregando nele, a moagem fica mais difícil. Estou choramingando e puxando o seu cabelo. Randy quebra o beijo para olhar para mim. "Você vai gozar, não é?" "Uh-huh." Randy me dá aquele sorriso que eu costumava amar e odiar, e agora só quero sugar o seu rosto. Com a minha vagina. "Eu deveria estar dentro de você para isso." Isso é tudo que eu preciso, o atrito e a maneira como ele aperta o meu mamilo. O orgasmo bate em mim como um linebacker a cem por hora. É um ataque muito embaraçoso de entorpecimento mental e o meu corpo tremendo. Tento não fazer um som, porque há pessoas do outro lado da porta e se eu os posso ouvir eles certamente também me podem ouvir, mas eu falho. E sai um gemido agudo que inclui o nome de Randy. Não estou nem perto de me recuperar quando a porta bate aberta. Todos os meus músculos estão congelados como se tivessem sido mergulhados em nitrogênio líquido. Randy nem sequer se preocupa em olhar para elas, o seu foco é singular: Eu. Mordo o meu lábio, o tremor no meu corpo inteiro fazendo os meus olhos rolarem. "Oh, uau." Isso é Sunny. "Eles estão..." Charlene começa. "Oh, definitivamente," Violet interrompe. "Confira os dedos dos pés." O comentário mata o final do orgasmo. Olho para as três olhando para nós. Randy está totalmente imperturbável. Porra, na verdade ele está presunçoso. "Hum... É melhor você ficar ai. Vocês dois." Sunny segura sua mão para o lado. Lance colide com ela, e ela o empurra para trás. "Todos vocês." Violet admira. "Sinto que eu só assisti


um pornô." "Feche a maldita porta!" Finalmente resmungo, caindo contra o peito de Randy. Ele está rindo. Estou tão envergonhada que poderia morrer. "Isso é inútil agora, não acha?" Violet pergunta. "Sete minutos no acabou, Balls. Espero que as suas não estejam muito azuis agora. Ou isso, ou você precisa de uma mudança de calças, e eu preciso de uma bebida." Ela se vira. "Alex, baby, você pode me trazer aquela coisa que eu gosto? Os que você chama de removedores de calcinha?" céu13

Quando olho para trás, Sunny está girando o cabelo em torno de seu dedo e escovando em seus lábios. Randy me ajuda a descer da secadora. Deslizo para baixo na frente de seu corpo e sinto sua ereção contra o meu estômago. Não sei como ele ainda pode sorrir assim. Ele dá um tapinha na minha bunda quando saímos da lavanderia. Felizmente, a maioria da multidão já seguiu em frente. Estão apenas Miller e Sunny. Ele dá a Randy um olhar, em seguida, coloca o braço no ombro de Sunny e a orienta pelo corredor. O meu rosto parece como se tivesse a pior queimadura solar no mundo. Geralmente sou uma pessoa privada. Privada sobre sexo, sobre a minha vida, sobre praticamente tudo, saber que todas essas pessoas me ouviram no meio do êxtase, porque isso é exatamente o que era, é o auge do embaraço. Randy me levanta e coloca em um banco no bar café da manhã de Alex, então me abraça por trás. Não sei o que pensar sobre todo esse carinho. Aparentemente, nem ninguém, porque não 13

Sete minutos no céu é uma brincadeira feita por adolescentes em festas. Duas pessoas são escolhidas para passar sete minutos sozinhos em um local fechado e escuro. Durante este tempo, elas fazem o que quiserem. Beijar, conversar, fazer sexo, etc.


sou eu que estou recebendo olhares estranhos, apesar do meu orgasmo alto, é Randy. Talvez eu não seja a única pensando que essa coisa entre nós não parece casual. Alex faz doses para todos, e nós bebemos. Em seguida, os caras têm cervejas, e Violet nos oferece coquetéis ou vinho. Desde que nós já bebemos vinho, decidimos que é mais seguro ficar com o mesmo. Sintome um pouco mal por Lance, já que ele é o único sem uma garota, não que eu seja a garota de Randy ou qualquer coisa. Mesmo ele pensando um pouco que eu sou. Violet menciona seu plano para se livrar dos caras. Há alguns sérios protestos sérios, principalmente por parte de Randy, mas também de Miller. Violet sussurra algo para Alex e as sobrancelhas dele sobem. Ele dá um tapa em suas coxas e se levanta. "Tudo bem, rapazes, acho que vamos sair para assistir ao jogo desde que as meninas estão assistindo Magic Mike 2." "É o XXL." Violet corrige. "Não gosto muito de suas amigas agora." Randy murmura no meu ouvido. "Estarei aqui quando você voltar." Eu acaricio o seu rosto e saio do banco. Ele me dá uma olhada. "Sem dormir esta noite." "Eu estou de acordo totalmente." Uma vez que eles desaparecem, encomendamos comida, nos trocamos para roupas confortáveis e voltamos a beber vinho. Um pouco mais tarde, Violet está esparramada no chão, esfregando a barriga depois de devorar uma caixa inteira bolinhas de frango. "Espero digerir isso antes de Alex voltar, caso contrário eu poderia vomitar na hora do boquete desta noite." Charlene bufa. "Não é sexy quando você vomita em um pau."


"Isso já aconteceu com você?" Sunny pergunta com olhos arregalados. "Não. Graças a Deus." Violet faz uma careta. "Mas talvez se o meu estômago não se acalmar, acontecerá em breve. Você não acha que havia laticínios em nada disso, não é?" "É comida chinesa. Não acho que eles fazem com laticínios." Charlene responde. "Você comeu demais." "Eu totalmente fiz." Acena Violet. "Uma vez engasguei com um pelo do Kale." diz Sunny, enrugando o seu nariz. Qualquer coisa relacionada ao seu ex-namorado, Kale, justifica essa reação. Violet se apoia sobre um cotovelo. "Quer dizer um fio nas bolas?" "Ai credo. Não. Nunca teria colocado as bolas de Kale na minha boca. Eram muito peludas." "Então, o que você quer dizer, um arbusto? Será que ele não aparava?" "Não. Estou falando sobre o pelo no eixo. Ele ficou preso na parte de trás da minha garganta. Foi tão nojento." Falar sobre Kale me faz pensar sobre Benji e sua semelhante falta de preparação no departamento de pau. "Segure o celular." Violet levanta a mão. "Ele tinha pelos no eixo. Como cabelo no eixo do seu pênis." "Uh-huh." Acena Sunny. "Miller é tão bom em fazer manutenção dos pelos, apesar de tudo. Não me importo em chupar as suas bolas." Violet cospe o vinho. "Podemos não falar sobre bolas de Buck?" Sunny dá de ombros. "Estou apenas dizendo. É legal. E Miller ama o meu trabalho de boquete. Ele diz que sou incrível, e ele sempre come o


meu cookie14 depois, porque ele aprecia tanto." Charlene está rindo tão forte que está enrolada numa bola segurando o seu estômago. Violet parece um pouco verde, mas não posso dizer se é porque ela comeu demais, se bebeu demais, ou porque Sunny está falando de chupar Miller. Mais uma vez. "E você, Lily? Você gosta de chupar as bolas do Balls?" Violet está rindo tanto que o seu vinho espirra e aterra em seus seios. Ela franze a testa e a esfrega em seguida, olhando para mim com expectativa. "Uhhh..." "Vamos lá, você não tem que ser tímida. Todos nós já ouvimos você gozar." acrescenta. Acho que isso foi destinado a ser encorajador. Na maior parte é embaraçoso. Há muitas coisas que compartilhei com o Sunny ao longo dos anos, mas um lugar na primeira fila para o meu orgasmo não era uma das coisas que tinha que colocar na lista. Solto para fora uma respiração. "Bem... uh, nunca lhe dei um boquete." Todo mundo fica em silêncio. Levanto os olhos do meu copo para encontrá-las olhando para mim. Eu bebo o meu vinho. "Como você conseguiu fugir disso?" Charlene pergunta. "Não é como se não tivesse oferecido, ele só... Não sei... Talvez não seja a sua coisa?" Não tenho ideia do que dizer a isso. "Não é a sua coisa? Todo cara gosta de boquetes." Violet parece

14

Nome que Miller deu a vagina de Sunny.


mortificada. Charlene e Sunny acenam de acordo. Levanto um ombro e depois bebo o resto do conteúdo no meu copo. Salto para cima do sofá. "Preciso de mais vinho. Alguém precisa de mais vinho?" "Precisamos falar sobre isso." Violet fala. "Acho que todas nós precisamos de mais vinho," Charlene diz. "Especialmente se Violet acha que precisamos falar de boquetes." Charlene coloca a mão em Sunny. "Sinto muito pelas coisas que você está prestes a ouvir. Eu sei que pertencem ao seu irmão, e provavelmente vai ser perturbador. Tenho o nome de um grande terapeuta, se acontecer de você precisar mais tarde." "Tenho certeza que vai ficar bem. Alex e eu estamos ligados e Violet faz isso toda vez que nós saímos. Estou acostumada com isso." Charlene dá a Sunny outro tapinha lado simpático e se senta na cadeira, suas sobrancelhas levantadas em minha direção. "Então, como, você quer dizer que ele não gozou em sua boca? ele é mais um cara do tipo colar de pérolas?" Sunny levanta a mão. Penso que é uma reação inconsciente. "Hum. O que colares tem a ver com boquetes?" Sou grata que ela faz a pergunta, porque não tenho coragem de fazer. Violet olha de mim e para Sunny e vice-versa. Então ela olha para Charlene. "Você sabe o que um colar de pérolas, certo?" Charlene revira os olhos. "Claro." "Só verificando" O seu olhar volta para mim. "Vocês duas estão me dizendo que você não está familiarizada com colares de pérolas?" Sunny e eu acenamos. Sinto que perdemos muitos anos de conhecimento sexual


e formativo. Sunny está claramente retificando isso agora. Então só eu estou sozinha, com o meu amigo jogador de hóquei de sexo casual que aparentemente não gosta de boquete. Que agora suspeito que seja estranho, juntamente com algumas das outras peculiaridades sexuais, as luzes desligadas e as cobertas em cima. De qualquer maneira, porque ele quer encobrir toda a sua gostosura? Violet sorri. É um sorriso diabólico horrível em seu rosto bonito. Ela torce o seu rabo de cavalo em torno de sua mão. "Você começa a chupar e o cara goza no seu peito e garganta." Devo fazer uma careta. "Não julgue até você experimentar. Alex fica tão animado quando o deixo entrar em meus seios. Então ele me chupa; é incrível. E às vezes estou muito dolorida para lidar com o pau monstro. Além disso, porra tem gosto horrível, então o deixar gozar em todo o meu peito é uma opção decente." O horror de Sunny é compreensível. Não posso culpá-la. É um monte de informação sobre Alex que ela não precisava. "Então, supondo que Balls não é o tipo de cara de colar de pérolas. Hmm. Talvez ele pense que vai sufocá-la com seu pau se os rumores são verdadeiros." Na minha falta de confirmação ou negação, ela continua. "Com base em sua emissão após a sua sessão de amassos, estou supondo que é." Violet bate em seus lábios com uma unha brilhante. "Considero, que se você pensar sobre isso, ele não devia querer que você engasgasse com o seu pau." Dou de ombros. "Mas você não acha que é normal um cara não querer um boquete se é oferecido?" Mas sou respondida com mais silêncio e olhares. Violet pega o celular e começa a digitar. "O que pergunta.

você

está

fazendo?"

"Ligando para Alex."

Charlene


"O quê? Por quê?" Corro para impedi-la, mas ela rola sobre o encosto do sofá. Seria graciosa se ela não pousasse em sua bunda. Ela aparece de volta para cima, sorrindo. "Olá baby!" Violet fez uma vídeo chamada, para que todas possamos ouvir e vê-lo. "Você está bêbada?" Alex pergunta. "Pode apostar o seu grande PM que estou. Quando vocês voltarem de sua noite divertida, a minha beaver vai devorar sua madeira, tipo, muito." "Não acho que a minha irmã precisa saber disso." "Ela não se importa. De qualquer forma, eu tenho uma pergunta." "Dispara." "Você gosta de boquetes?" "Uhhh..." "Não é uma pergunta capciosa. Responda sim ou não. Você gosta boquetes?" "Claro que gosto boquetes." "Ótimo. Obrigado. Dê o celular a Buck." "Mas..." "Faça isso e eu vou fazer do seu pau um pirulito mais tarde." Há algumas conversas no fundo, em seguida, o rosto de Buck aparece na tela. "Buck. Pergunta rápida. Você gosta de boquetes?" "Foda-se, sim. A boca de Sunny é a melhor." Há um ruído alto. "Porra! Waters, sai fora! " "Coloque Lance no celular." Há um pouco mais de barulho e um ruído alto antes do celular ser finalmente passado para Lance. Violet tem que acalmar Alex, apontando que ele é um hipócrita em ficar bravo com


Miller por gostar de boquetes. O cabelo de loiro avermelhado de Lance aparece à vista. "Você não precisa mesmo repetir a pergunta. A resposta é definitivamente sim. Desistiria de pizza para o resto da minha vida se pudesse ganhar um boquete todo dia." "Boa sorte para encontrar uma noiva que corresponde e queira cumprir esse sonho. Coloque Darren no celular." Darren aparece. Violet faz a mesma pergunta. Darren está usando aquele escuro, sorriso secreto novamente. "Charlene pode responder a isso." "Impressionante. Já sabemos que você gosta de colar as pérolas na minha melhor amiga." Olho para Charlene, que está corando. "O que dizem sobre os mais quietos?" "Você não tem ideia." diz ela com um sorriso diabólico similar. Violet revira os olhos. "Passe o celular para Balls, Sr. Grey." Há uma rodada de risadas. Não quero nem sei se isso é uma piada. Saio de vista assim Randy não pode me ver, mas ainda posso vê-lo. "Balls." Violet pontua o seu nome com um único golpe de quadril. "Você gosta de boquetes?" Sua mão surge a passa no seu cabelo, seu antebraço e bíceps se movendo. "Eles são bons, eu acho." "Eles são bons? Só isso? Você está me dizendo que, ter os lábios de uma mulher envolvidos em torno do seu pênis enquanto você fode a boca dela não faz nada para você?" Randy se move para o lado por um segundo antes do rosto de Alex aparecer na tela. "Violet, baby, você não pode dizer coisas como esta para os outros caras. Nunca. Certo?"


Ouvimos Buck rir no fundo. "É sobre o seu Frankenstein, Ballistic?" Isso soa como Lance. "Cale a boca, cara!" Há um estrondo. "Isso é sob o cone de maldição." "Ei! Você vai nos fazer ser expulsos!" Alex grita. O seu rosto reaparece. "Tenho que ir. Ballistic e Romero estão prestes a arrancar a cabeça um do outro. Nos vemos daqui a pouco, querida." A tela fica escura, e todo mundo olha para mim. Violet levanta uma sobrancelha. "Frankenstein?" Dou de ombros. "Não sei o que isso significa." "Bem, você já viu o pau dele, certo? Será que parece normal? É grosso como o do Alex? Quero dizer, ele é monstruoso." Ela estende o braço e aponta para o seu pulso. "Mais grosso do que isso, certeza." "Violet." Charlene a chuta. "O quê?" "Sunny está aqui." "O que isso interessa? Tenho certeza que ela viu acidentalmente o pau dele em algum ponto. Quer dizer, sei como parece o de Buck, mesmo que eu não queira." Violet está bêbada. Ela fica mais alta quando fica animada. "Além disso, você não entrou no quarto de Alex e roubou o seu estoque de preservativos, Sunny? Você tem que saber que Alex está embalando um canhão." Sunny apenas dá de ombros. "De qualquer forma, não é o pau de Alex que importa; é o de Randy. Volte para isso. Então, o que é isso de Frankenstein?" Elas continuam me olhando atentamente. "Eu-eu não sei." "O que quer dizer você não sabe? A


cabeça tem um formato estranho? Meu Deus! Será que Randy tem um pau perfurado?" "Ele não tem um piercing no pau." Eu sentia isso. "Que pena, eu ouvi que são impressionantes. Então qual é o problema?" Violet aponta para eu continuar. Dou de ombros. "Nunca o vi." Recebo três pares de olhares em branco em resposta. "Está sempre escuro." "Escuro? Sério? Hã. Mas você, tipo, o segurou, certo?" "Bem, sim, é claro." "Então tem nódulos ou uma curva grave?" "Nódulos?" "Você sabe, como as porcas e parafusos que furam para fora da cabeça de Frankenstein esse tipo de coisa." "Não existem nódulos. Ele é definitivamente circuncidado, apesar de tudo." "Hmm." Violet torce os seus lábios. "Muito ruim sobre o prepúcio; ele é muito divertido de brincar. Sunny, você deve enviar um texto para Buck." "Por quê?" "Porque ele e Balls se conhecem desde sempre. Buck tem que saber do que se trata." "Porque você se importa?" Sunny pergunta. "Talvez seja pessoal. Talvez Randy seja sensível sobre isso." "Ele é um cara. Quão sensível ele pode ser?" "Alguns deles são muito." Sunny não puxa imediatamente o seu celular.


Violet olha ao redor da sala, em busca de apoio. "É sério? Não posso ser a única que está curiosa sobre isso. Aqui você tem esse jogador de hóquei gostoso, uma lenda em caçar Puck bunnies, desculpe Lily, mas é verdade, e se você é amiga de foda e nem sequer viu o pau dele. E não colocou os lábios em torno dele e chupou um pouco quando ele fica animado e vai muito profundo." "Nós não somos amigos de foda." "Você está fodendo ele, não é?" "Bem, sim..." "Seu castor come a sua madeira?" No meu silêncio ela acena com a mão em torno de sua virilha. "Menos de três segundos depois que você entrou pela porta ele a puxou em minha lavanderia e fez algum vodoo mágico para fazer você gozar completamente vestida." "Estamos apenas nos divertindo." digo sem jeito. "Então você está fodendo, mas você não está namorando." "Sim. Não. Mas nós... eu..." "Essa é a definição de um amigo de foda no século XXI. Não se sinta mal com isso. Não faz de você uma vagabunda. Quero dizer, merda, você passou sete anos namorando aquele imbecil Benji. Você merece a porra de um parceiro, ou sete." Ela aponta os polegares sobre o ombro para Charlene. "Se alguém é vagabunda aqui, é esta. Ela tinha três amigos acontecendo ao mesmo tempo no nosso último ano de faculdade." Charlene dá de ombros. "Foi uma fase. Estou muito além disso agora." "De qualquer forma." Violet se vira para mim. "Então vocês só fazem sexo com as luzes apagadas, você só teve a sua mão sobre seu pau, e ele não gosta de boquete. Qualquer outra pessoa não acha isso estranho?" "Acho

que

é

estranho."

Charlene


concorda. "Talvez ele seja tímido." Sunny diz. "Uh, você não leu nada sobre que as meninas dizem sobre Balls?" Violet pergunta. "Você sabe que eu não pesquiso nada na mídia social. Isso cria problemas." Sunny responde. "Verdade. Mas alguns têm mérito." Violet pondera enquanto toma seu vinho. "Quão grande é o seu pau? Sei o que as Puck bunnies dizem, mas todas gostam de exagerar." "É grande." "Como, um martelo ou um grande?" "Um, nós usamos os preservativos de ouro, não os regulares." "Bem. Isso é, uh..." Violet acena com a aprovação. "Toque aqui, namorada." Eu dou um high Five nela. "Então ele tem um pau grande, e estou supondo que ele funciona muito bem." "Nós usamos uma caixa inteira de preservativos a última vez que ele veio para Guelph." Eu poderia ser um pouco arrogante sobre isso. "Puta merda. Em quantos dias?" "Um." Violet coloca as mãos nos meus ombros. "Será que a sua Beaver tem super poderes? É feita de titânio?" "Hum, não." "Isso é insano. Como você conseguiu andar no dia seguinte?" "Cuidadosamente." "Ok, então vamos alinhar os fatos e ver o que sabemos." "Isto é como o jogo do indício, mas sobre


o pênis de Randy." Sunny diz. "Exatamente!" Violet exclama, batendo palmas. "Então, uma vez que a madeira está revestida, as luzes se acendem e as cobertas saem. Nenhuma oferta de boquete, mas sem problemas com a longevidade, e ele é bem dotado. Eu estou certa, Lily?" "Praticamente." Individualmente, estas coisas não pareciam muito estranhas. Mas agora, falar sobre isso com as meninas, particularmente Violet e Charlene, que parecem ter uma riqueza muito maior de experiência neste departamento do que eu, faz-me querer saber exatamente qual é o problema. Todos juntos, os caprichos sexuais de Randy adicionam um grande QUE PORRA É ESSA. "Existe alguma coisa que você pode pensar que possa nos fornecer pistas de qual é a verdadeira questão?" Violet pede. "Oh!" Me sento em frente. "Ele tem uma cicatriz. Parece que poderia ser de uma apendicectomia, mas muito baixa, e parece que ele teve um açougueiro do que um cirurgião. Randy tem outra cicatriz no lado de dentro da perna. Vi uma vez que... deixa pra lá, essa parte não importa." "Então, ele tem cicatrizes perto do pau, é?" Violet torce os seus lábios novamente. "Sobre o pau, mas isso não significa que um está relacionado com o outro." Sunny está em seu celular. Ela olha para cima e diz. "Acidente de hóquei." "Porque você pensaria isso?" "Porque é o que Miller disse. Eu enviei mensagens para sobre isso. Ele não vai me dar detalhes, mas disse que foi de um acidente de hóquei e que Randy não gosta de falar sobre isso." "Uau. Deve ter sido por causa do acidente que ele acabou com um apelido como


esse." Violet fala. "É um apelido bastante horrível." diz Sunny. "Sinto muito, Lily. Não teria feito uma piada se eu soubesse que Lance estava falando sério e não sendo apenas um idiota." Violet realmente parece arrependida. "Está tudo bem. Quer dizer, eu também estou curiosa. Não sabia que era algo tão..." "Sensível?" Diz Sunny. "Sim." Agora também me sinto mal. "Bem, mistério resolvido, eu acho." Violet se recuperou. Ela rola para fora do sofá e abre um conjunto de portas de armário. "Devemos jogar Scrabble!" "Eu odeio Scrabble." Sunny reclama. "Vamos jogar com parceiros." Eu ofereço. "E vamos fazer isso sujo. As únicas palavras que são permitidas são pervertidas." Violet define o jogo no chão porque a mesa de café está muito cheia de coisas. A primeira palavra de Sunny é prostituta. Ninguém diz nada sobre a ortografia. À meia-noite, os caras finalmente chegam bem, quase todos. Lance está ausente. Presumo que ele pegou uma bunny e voltou para sua casa. Randy é o último a entrar. Ele fica na parte de trás do grupo, com as mãos enfiadas nos bolsos. Ele olha para mim, me dá um pequeno sorriso tenso, e os seus olhos vagam em torno da sala. Estou bêbada, então não tenho muito filtro, mas Randy parece desconfortável. Alex examina a sala de estar. A mesa de café está coberta de garrafas de vinho vazias e tigelas meio comidas de batatas-fritas e pipoca. Pedaços de restos comida estão no chão. O


jogo Scrabble ainda está configurado e coberto de palavras sujas. "O que vocês meninas fizeram hoje à noite?" Alex se inclina para Violet e beija sua testa. Em seguida, ele ajusta a sua blusa para que ela não esteja mostrando muito decote. "Nós conversamos sobre paus e boquetes. O de sempre." Violet envolve seus braços em volta do pescoço e tenta ter um pé enganchado ao redor de sua cintura, mas ela está bêbada e desleixada. "Você deveria me levar lá em cima para que possa lhe mostrar um novo truque." Alex ri. "Shh, baby, voz baixa, lembra?" "Isso não foi um sussurro, hein?" "Nem de perto." disse Miller do outro lado da sala. Ele se estica e faz um grande show de bocejar. "Sunny, você quer vir se aconchegar comigo?" Sunny olha para mim, como se tivesse medo de me deixar sozinha. Não é como se ela precisasse de permissão. Estou esperando que tudo o que esteja acontecendo com o clima sombrio de Randy possa ser corrigido por alguma prisão de vagina. Dois a dois, todo mundo sobe as escadas para a cama. E então ficamos eu e Randy. E por alguma razão, é estranho. Talvez porque todo mundo é um casal, e nós não somos. Talvez por causa da conversa no início da noite, ou Violet o ter mencionado no segundo os caras entraram pela porta. Desdobro as pernas e empurro e me levanto do sofá. Assim que ele está perto o suficiente, eu abraço sua cintura. Randy está rígido. E não em suas calças. O seu corpo inteiro. Eu deslizo a mão pelo peito e até a parte de trás do seu pescoço. Ele não resiste quando o puxo para baixo. Não vou para um beijo; em vez disso, levo meus lábios ao seu ouvido e sussurro no que espero que seja a minha voz mais sexy: "Quer ir para a prisão?" Randy desliza as mãos o meu lado,


suave como asa de borboleta. Ele vira a cabeça e para que sua bochecha escove o meu rosto. A sua voz é um sussurro rouco. "Sim, por favor. Eu tenho esperado toda a noite pela prisão." Há um peso em suas palavras, a piada entre nós tem algo de mais escuro atado. Pego sua mão e o levo até às escadas familiares para o mesmo quarto onde fizemos sexo pela primeira vez. Randy apaga as luzes, logo que estamos dentro e tranca a porta. Não tento acender de novo. Nos movemos em direção à cama, e assim que estamos a um pé de distância, ele me agarra por trás e nós damos um grande mergulho sobre o colchão. Grito e rio, então suspiro quando os seus lábios encontram o meu pescoço. "Você se divertiu com as meninas hoje à noite?" Ele pergunta. "Uh-huh. Você se divertiu com os meninos?" "Eu preferia estar aqui com você. Ou na minha casa com você." "Você está aqui comigo agora." Os seus quadris estão pressionados contra a minha bunda. Posso senti-lo, mas Randy não parece duro. Pelo menos não acho que ele está. Não posso dizer por todas as camadas infelizes de roupas, e ele não está fazendo a sua rotina normal de moer contra mim. Tento virar debaixo dele para que eu possa ver o seu rosto, mas ele pressiona os seus quadris em mim, me mantendo o rosto para baixo. Agora posso senti-lo. Randy definitivamente não está tão animado como de costume. Ele senta novamente me abraçando, e desliza as mãos debaixo da minha camisa. As suas ásperas mãos quentes deslizam pesadamente em minhas costas. Ele dá à minha camisa um puxão, e eu levanto os braços sobre a minha cabeça para que possa tirar. A próxima coisa que sinto são os lábios na parte superior da minha espinha, seguido pela impressão de seu rosto entre as minhas omoplatas. É íntimo e doce e confuso. Não sei o que está acontecendo hoje à noite. Começamos bem ou, pelo menos, eu fiz e agora me sinto incerta sobre tudo. Randy beija


o caminho pelas minhas vértebras e segura, por um lado enrolado em volta do meu ombro, o seu polegar escovando para cima e para baixo ao longo da minha nuca. Deveria estar desfrutando deste contato macio, sem pressa, mas é incomum e estando em torno de três mulheres em relacionamentos altamente sérios torna muito óbvio que não é o que eu tenho. Ou não é o que temos dito que temos. Neste momento, estou perdida, porque o meu relacionamento anterior tinha muito pouco deste envolvimento. Não deve importar. Eu deveria apenas me divertir, mas não estou acostumada a esse tipo de status indefinido. Quanto mais o mantemos, é mais difícil é manter as minhas emoções separadas. Empurro para trás as preocupações sobre o que está vindo após este feriado e me concentro em estar com ele enquanto puder. "Randy?" Levanto para olhar para ele, mas tudo o que vejo é a sua mão tatuada na minha visão periférica. "Mmmm?" "Me solta." Ele congela. "O quê?" "Eu quero virar." Randy hesita. E suspira. Em seguida, levanta o suficiente para que eu possa me virar. Sou muito rápida, deslizando para fora como uma cobra antes que ele possa me prender novamente. Randy parece preocupado, e, pela primeira vez, vulnerável. Talvez se eu ficar nua em primeiro lugar, ele vai querer me seguir. Puxo minha calça sobre os meus quadris, em seguida a minha calcinha. Agora estou nua e ele ainda está completamente vestido. Os seus olhos estão em mim, quentes, necessitados. Este é o Randy que eu estou acostumada, aquele que é mais animal do que homem na cama. Eu posso trabalhar com isso. Levanto-me de joelhos, espelhando a


sua posição. Exceto que sou mais baixa que ele uns seis centímetros, então estou olhando para seu peito. O seu peito coberto pela camiseta. Resolvo esse problema, puxando-a por cima da sua cabeça. Randy assume quando chego aos ombros, puxando-a e jogando-a para o lado da cama. Gostaria de ir direto para o cinto, mas estou pensando que vou deixá-lo nervoso. Além disso, é hipócrita da minha parte, acho que posso abrir mão das preliminares, uma vez que Randy sempre é o primeiro a dar o passo. Corro minhas mãos pelo peito dele, circulo os seus pequenos mamilos com as minhas unhas e sigo com os meus lábios. Sou recompensada com um dos seus gemidos profundos. Agradável. Randy deve gostar muito isso. Quando o distraio com minha boca, consigo ter o seu cinto desfeito. Cuidadosamente aperto o botão de sua calça jeans e arrasto o zíper para baixo. Olho para cima, os dedos escovam a cabeça do seu pênis através do seu boxers. "Posso tirar isso?" Mais uma vez, há hesitação. Eventualmente, ele balança a cabeça, e empurro o seu jeans sobre os seus quadris, deixando a sua cueca boxer. Randy tenta me puxar para cima dele, mas eu desvio e coloco uma mão no centro de seu peito. Circulando os meus quadris, me inclino lentamente e escovo os meus lábios sobre os dele. "Randy." Ele aperta os meus lados. "Hmm?" Não sou uma faladora suja. Nunca me senti confiante o suficiente para falar. Vou tentar agora, no entanto. "Quero o seu pau na minha boca." Randy arregala os seus olhos que incendeiam com o pânico. "Você não precisa fazer isso." Isso sai brusco. "Eu sei, mas eu quero." Mordo meu lábio. Definitivamente estou me sentindo menos confiante com a maneira como Randy parece tão incerto. Não tenho certeza como vou me sentir se for rejeitada. "Isso realmente não é ne-"


"Por favor?" Se alguém me dissesse que eu ia implorar para dar um boquete, muito menos para um jogador de hóquei profissional, eu teria rido delas. Antes era a curiosidade que me fazia querer realizar esse ato, agora é um desejo genuíno de devolver todos os favores. Randy olha por cima no o banheiro, onde a luz filtra através, cortando uma linha sobre a cama. Quando ele não diz sim ou não, eu começo a beijar um caminho para baixo de sua garganta, indo mais baixo, parando em seus mamilos antes de continuar para a besta misteriosa em sua cueca. Alcanço sua cintura e olho para ele. A sua expressão é apertada, uma combinação de antecipação e o que parece ser terror. Não consigo entender o que seria aterrorizante sobre a ter cabeça do seu pau chupada, a menos que os dentes afiados estejam envolvidos. Eu beijo a cicatriz pálida a alguns centímetros de seu quadril esquerdo e empurro a sua cueca para baixo. Ele está semiereto. Cada outro músculo em seu corpo está tenso. Suas mãos estão fechadas em punhos ao seu lado. "Não sei se isso é uma boa ideia." Randy cerra os dentes e fecha os olhos, exalando um longo suspiro. "Você acha que eu chupá-lo é uma má ideia?" Estou contente que está escuro, porque estou corando com as minhas próprias palavras. Randy geme. Deixo dou um beijo molhado em sua cicatriz. Em vez de empurrar sua cueca mais para baixo, escovo o meu nariz ao longo ereção semiereta através do material. Quando chego à cabeça pressiono a minha língua contra o algodão e chupo. Os abs de Randy apertam, e as suas mãos flexionam no seu quadril. Repito a mesma série de movimentos, eventualmente, deslizando os dedos dentro da cueca para o tocar. Desta vez, Randy não protesta quando empurro o cós um pouco mais baixo e sigo a cicatriz. Ela para abruptamente alguns


centímetros de sua pélvis. "Lily." Randy fala. Pego sua mão antes que ele possa tomar a minha. Mordo os nós dos dedos, em seguida, a beijo, lambendo o dedo imitando o que pretendo fazer para o seu pau. Se ele me deixar. "Por favor, Randy?" Deito a minha bochecha sobre o tecido úmido, direto sobre a sua ereção. O barulho que Randy faz é doloroso, mas ele desliza o dedo na minha boca, então giro minha língua em torno dele. Empurro a cueca para baixo novamente até que a cabeça espreita para fora. Mantendo os olhos nos dele, eu beijo a ponta. Randy exala um suspiro trêmulo, e os seus olhos se fecham. Faço o que eu fiz para o polegar, rodando com a minha língua. Com a mudança de seus quadris, cubro a cabeça com a minha boca, aplicando a mais suave sucção. "Ah merda." Eu o deixo. "Tudo bem?" Randy assente. "Posso fazer isso de novo?" "Sim. Seria ótimo." Repito o mesmo padrão de beijar, fazer redemoinho, chupar algumas vezes antes de perguntar: "Posso tirar isso agora?" A sua expressão é de partir o coração. É óbvio que ele quer dizer que sim, mas está com medo. Alguém deve ter feito ou dito algo terrível para ele. A suas pálpebras estão fechadas no que parece ser renúncia, por isso, sussurro: "Olhe para mim, baby." Randy abre os olhos, focando em mim enquanto movo lentamente a cueca sobre os seus quadris. Coloco os meus lábios em sua


pele e mantenho a conexão. A ereção de Randy pula em seu estômago. Olho para baixo. Mesmo na luz fraca posso ver muito claramente a cicatriz que atravessa o seu abdômen inferior. Há uma lacuna de dois centímetros em seu estômago, onde a cicatriz deixa de existir. Foi quando eu noto a cicatriz muito pálida, muito significativa cortando uma linha que atravessa o centro de seu pênis. Os meus olhos levantam até o encontrar me olhando atentamente. É como se ele esperasse que eu pirasse ou algo assim. Não vou mentir, o meu estômago torce. Não de repulsa, embora; Estou atordoada. Esta lesão foi causada por um patins. E com base no dano, vou ter que assumir que Randy tem sorte de ter tudo ainda preso ao seu corpo. É um maldito milagre que ainda funcione. Voltando a olhar para Randy, aperto o seu pênis e pressiono um beijo suave no topo da cicatriz em seu quadril. Não tenho de olhar para ele para senti-lo debaixo dos meus lábios. Continuo beijando até o meu queixo bater em seu pênis. Então olho para baixo. Não quero pensar muito sobre o quão horrível deve ter sido. A linha através de seu pênis se parece com uma careta. Pressiono os meus lábios nela, e Randy estremece. "Se sente bem?" Eu sussurro contra a pele macia. "Sim." Randy pigarreia. As suas mãos estão em punhos novamente. De esta vez separo os meus lábios e lambo o seu eixo. Randy grunhe, o que tomo como um bom sinal. O seu pau palpita na minha mão, crescendo um pouco. Eu continuo beijando, me movendo da base à ponta. Circulando a cabeça com a minha língua, faço o meu caminho de volta para baixo. O seu cenho tornou-se uma linha reta. E Randy também está mais duro agora. Na minha próxima viagem, chupo toda a cabeça. Ele continua crescendo, ficando


mais duro a cada golpe. O solto e lambo ao redor da cabeça, em seguida, para baixo o eixo novamente. Acho que Randy pode estar totalmente duro agora. Ele se sente muito sólido. O levo de volta na minha boca e continuo indo até a cabeça bate no fundo da minha garganta. Randy enfia a mão no meu cabelo. Faço uma pausa e encontro o seu olhar quente. "Tudo bem?" Pergunto com a boca cheia de pau. Randy parece entender. "Bom pra caralho." grunhe. Sorrio, tanto quanto eu posso com um pau na minha boca.


Capítulo 23 Boquetologia invertida

RANDY

A boca de Lily é a felicidade. Aqueles lábios molhados estão esticados em torno de meu pau, e ela está chupando como uma maldita campeã. Não posso tirar os olhos dela enquanto me deixa guiá-la. Lily geme e o som vibra através do meu corpo. Continuo indo mais profundo, mais duro, mais rápido e ela não pareceu se importar nem um pouco. Ela aperta o eixo e acaricia minhas bolas. A sensação é muito mais intensa do que jamais me lembro, embora tenha sido muitos anos desde que tive um boquete, por isso as minhas memórias são vagas na melhor das hipóteses. Estou ficando perto de gozar, mais rápido do que o habitual. Uma das vantagens de ter perdido quase metade do meu pau é que eu posso transar por um longo tempo graças a alguma perda de sensação. Mas agora, ver a boca de Lily faz tudo hipersensível. "Lily, baby, eu vou gozar em breve." Acho que deveria avisá-la para que ela possa tomar uma decisão sobre onde ela quer que isso aconteça. O seu olhar vira encontra meu, e Lily me leva mais profundo, sugando mais difícil. Eu não aguento mais. O orgasmo me empurra para a borda. Estremeço violentamente com a sensação. E Lily engole, Deus a abençoe, o que torna ainda


melhor. Quando termino, Lily lentamente se afasta. O ar frio é um choque. Lily corre um dedo gentil em meu pau. Ela deve tocar a cicatriz, porque a sensação é suave. Ela ri. "O que é engraçado?" Ela repousa a cabeça no meu quadril. "Você sabia que quando você está mole a sua cicatriz parece com um olhar severo, mas quando você está duro é um sorriso?" "O quê?" "A cicatriz faz seu pau parecer feliz quando está duro." Eu dou uma risada. Lily levanta se apoiando pelo meu corpo e me beija na bochecha. "Obrigado por me deixar fazer isso." "Você está me agradecendo por deixá-la explodir o meu pau fodido?" "Não é fodido." "Com certeza não é bonito." Lily inclina a cabeça para o lado. "Quem disse? Faz você muito durão." "Você acha?" "Mmm-hmmm." Lily circunda o meu mamilo com a ponta do dedo. "Deve ter sido muito doloroso." "Foi." "Você não tem que falar sobre isso." "Está tudo bem. É uma velha lesão de hóquei. Éramos crianças brincando no lago. Briguei com um cara um par de anos mais


velho que eu. Não estava usando protetor, e, bem, quase tive o meu pau decapitado." "Deve ter sido terrível. Quantos anos você tinha?" "Onze." "Oh Deus. Deve ter sido traumatizante." "Eu estava muito assustado, ia ficar só com metade de um pau." Lily bufa. "Sua metade é a média da maioria das pessoas." "Estou feliz que eu tenho tudo então." Corro uma mão para cima e para baixo na sua coluna, pensando em como as coisas desabaram após o acidente. "A cirurgia foi brutal. A minha mãe ficou no hospital o tempo todo porque meu pai estava ausente. Ele só veio me ver uma vez e me apavorou. Ele estava menos preocupado com os meus sentimentos sobre a lesão e mais preocupado sobre como estava indo para impactar a minha capacidade de jogar hóquei. Quando saí do hospital, o meu pai tinha ido embora." Lily levanta a cabeça do meu peito, o seu desgosto quase calmante. "O quê?" "Não foi por causa do que aconteceu." Eu olho para o teto. Não sei por que estou dizendo isso, mas eu quero. "Ele teve um tempo difícil sobre colocar o seu pau onde não pertencia quando ele estava viajando. Acho que minha mãe teve o suficiente. O meu acidente foi uma boa razão para colocar finalmente um fim a isso." "Sinto muito. Deve ter sido difícil." "Ele era muito distante, de qualquer maneira, não o via muito. As coisas eram muito menos estressantes uma vez que ele estava fora de cogitação." Coloco o meu braço em torno Lily e a viro de modo que ela está debaixo de mim. Não sei como essa conversa ficou tão séria, ou porque me sinto compelido a falar toda essa merda pessoal. Não é algo que costumo fazer, mas, em seguida, boquetes também são


incomuns. "Nós deveríamos estar nos divertindo, não é?" "Pensei que estávamos nos divertindo." Lily passa os dedos pelo meu cabelo. "Devemos ter mais." Cubro a dela boca com a minha. Então a faço gozar com a minha boca antes de eu entrar nela como eu queria nas duas últimas semanas. Normalmente mantenho os meus olhos nos dela quando eu gozo, mas desta vez eu enterro o meu rosto contra o seu pescoço. É simplesmente demais.

*** No dia seguinte sequestro a Lily da casa do Waters e a levo de volta para a minha casa. Passamos o dia inteiro a fodendo nossos miolos. Lily me chupa no chuveiro e na sala de estar enquanto estou tentando assistir os destaques esportivos. Sinto que eu estou compensando todos os anos de boquetes perdidos em uma semana. Não fico com ela o tempo todo que está aqui, o que é uma merda, mas o tempo que temos é incrível e nem sempre estamos fodendo. Embora, estamos fodendo muito. Dois dias antes de eu estar programado para viajar para o próximo jogo fora, recebo uma mensagem de Miller dizendo que Waters tinha marcado um tempo no gelo, e precisamos começar mover as nossas bundas na arena e para levar Lily junto. Nós estamos na cama. Lily está descansando no meu peito, mudando de canais. Ela está nua. Como é a minha preferência. "Você trouxe seus patins com você, certo?" Pergunto, roçando o contorno de seu quadril. O pensamento dela em suas roupas de patinação me deixa instantaneamente duro. Eu faço uma tenda nas cobertas. Lily puxa as cobertas fora de meu pau,


e ele salta livre, esticado para cima. Bem, na maior parte em linha reta. Eu tenho uma curva na cicatriz. "Tenho um par reserva na casa da Sunny. Porquê?" Lily circula a cabeça com a ponta do dedo e o vê saltar. Ela acha que a minha cicatriz é sexy. É interessante como a reação de uma pessoa poderia mudar a minha perspectiva tão rapidamente. Lily beija do meu pescoço para o meu queixo. "Porque vamos patinar." Ela faz uma pausa na sua missão de enfiar a língua na minha boca. "Porque vamos fazemos isso quando podemos fazer o nosso exercício aqui? Deveríamos estar fodendo." Eu rio. "Waters marcou um par de horas no gelo hoje. Miller e Sunny vão estar lá. Vai ser divertido fazer algo diferente do que foder." "Foder é o mais divertido." "Vamos fazer isso de novo mais tarde." Tento rolar para fora da cama, mas Lily joga a dela perna sobre a minha. "Tudo bem, mas já que estamos nus, e você está duro, então devemos fazer algo sobre isso antes de irmos a qualquer lugar. Caso contrário, você vai se envergonhar com isso." Lily me acaricia um par de vezes. Tiro a caixa de preservativos do armário e jogo uma para cima da cama. Lily rasga aberto e a enrola. Eu a jogo de costas, fico dentro dela e a faço gozar como eu sempre faço. Depois nos vestimos. Convenço Lily a usar um dos seus equipamentos de patinação, porque acho que são quentes. E chegamos à arena cerca de 20 minutos mais tarde do que deveríamos. Mas Waters alugou por duas horas, então temos tempo de sobra. Miller me disse que Waters quer ensinar Violet a patinar, e ele imaginou que esta seria a única maneira de isso acontecer. Quando chegamos lá, Waters e Westinghouse já estão no gelo com Sunny e Charlene. Lily é rápida para colocar os seus patins e ir para a pista. Violet está sentada no


banco com Miller, que está ajustando os seus patins. "Ei, cara, você está atrasado." Ele diz. "Uma vez que Vi aprenda as coisas, vamos jogar garotas contra caras." Violet bufa. "Num dia frio no inferno." "Você vai ficar bem. É fácil. Você vai se casar com um jogador de hóquei. Você tem que aprender a andar de patins." "Não existem patins com lâminas duplas? Não posso aprender nesses?" "Esses são para crianças, Vi. Eles não os fazem para o seu tamanho." Miller dá um tapinha em seu ombro. "Você vai ficar bem. Vamos. Vamos fazer isto." "Me dê um minuto. Estou me preparando psicologicamente." "Isso é o que tem dito nos últimos vinte minutos." "Isso leva um monte de psicologia, Buck." Em seguida, ela bate e sua têmpora e mexe os seus pés. "Estou vestindo um conjunto de lâminas. Nos meus pés. É perigoso. Alguém poderia morrer." "Ninguém vai morrer." "Eu poderia dilacerar alguém." Miller olha para mim e se encolhe. "Talvez todos nós deveríamos usar protetores." eu digo, em grande parte brincando. "Pode não ser uma má ideia." Miller olha para Violet. "Estou enviando Waters aqui para buscar você se não estiver no gelo em dois minutos. Ele está sendo muito paciente, Vi. Você provavelmente está ferindo os seus sentimentos." "Tanto faz. Nada que um boquete não vá resolver." Miller aponta um dedo para seu rosto. "É muito para você compartilhar hoje. Não há


mais brindes." "Você ganhou o concurso de muita informação hoje, quando me disse que o seu pau estava muito esfolado pelo cookie da Sunshine." "Vocês dois perceberam que estou aqui, ouvindo isso." Ambos olham para mim. "E o seu ponto é?" Violet pergunta. "Só deixá-los saber que é uma conversa privada." "Miller vai pagar por suas contas de terapia." Ela se vira para seu irmão. "Vê? Eu usei o seu nome real. Me dê mais cinco minutos. Então eu vou sair." Miller dá de ombros, dá passos para o gelo e se vai. Sento no banco para que possa ajustar os meus laços. Violet tem patins de hóquei, em vez dos do tipo de patinação artística. Lily acena enquanto patina por nós, fazendo um pouco de giro e um salto. Violet faz uma carranca. "Fala sério. Não tenho nenhuma ideia de como ela faz isso." Nós a vemos fazer o seu caminho ao redor da pista, pulando e girando. Lily é graciosa e suave. Exatamente como ela é na cama. Porra, eu amo isso. "Você está pensando em ter relações sexuais com ela," sussurra Violet. "Eu posso dizer." Eu olho para ela. "Porque você pensaria isso?" "Seu pau." Ela aponta para a minha virilha. Olho para baixo, embora não esteja duro. Violet começa a rir. "Oh meu Deus, Balls, você é o mais engraçado." Ela o pontua com um de seus golpes de quadril. Ela tem tentando não o fazer muito ultimamente. Balanço a cabeça e amarro os meus


patins. "Qual é o seu rancor com a patinação?" "Não tenho rancor. Sou descoordenada. Não posso nem mesmo fazer ioga sem cair no meu rosto. Não sei por que Alex pensa que eu preciso aprender a andar de patins. Eu provavelmente vou cometer homicídio acidental e acabar na prisão. Eles nem sequer têm uma biblioteca, e se o fazem, só vai ter os clássicos e nenhum dos livros obscenos que eu gosto de ler por diversão. Não que vou querer ler obscenidades sem um pau por perto. Veja porque isso é uma má ideia?" Ela cruza os braços sobre o peito, olhando para todo mundo sobre o gelo. Eles estão no meio da pista. Miller desapareceu em algum lugar. De repente, a música explode através do sistema de som. Sunny bate palmas. "Oh! Alex e Lily, vocês se lembram da rotina que vocês faziam?" Lily e Waters compartilham um olhar. Não gosto da sensação quente no meu pescoço. Eles riem. Não posso ouvir o resto da conversa sobre a música, mas Lily e Waters enfrentam um ao outro. Parece que eles estão se preparando para dançar, mas depois começam a falar, movem os pés em pequenos círculos empolados, fazem gestos com as mãos. "O que está acontecendo lá?" Pergunta Violet. "Não tenho certeza." Me lembro de que Lily e Waters se conhecem suas vidas inteiras. Eles são como irmão e irmã, um pouco como Miller e Violet, exceto que eu espero que não sejam tão abertos. Waters estende a mão e Lily a pega. Eles patinam pelo gelo. Juntos. Ela não olha para mim quando passa; os seus olhos estão colados a Waters, quando eles iniciam uma rotina. Olho para Violet, que está olhando para mim com algo parecido com o pânico no rosto. Verifico o gelo novamente. Waters está definitivamente enferrujado. Ele é um patinador impressionante, mas ele tem estado no hóquei


profissional nos últimos seis anos, assim que todo o negócio artístico não foi muito uma prioridade. Mas ele ainda é mais elegante do que a maioria dos caras no gelo, e agora entendo o porquê. Na sua terceira patinação, ele encontrou o seu ritmo. Lily patina em círculos em torno dele e faz essa coisa de giro incrível. Então as coisas ficam sérias. Eles têm as suas mãos um sobre o outro. As dele estão na cintura dela e as dela no ombro dele. Não estou tão animado com eles se tocando. Os seus rostos estão próximos, e Lily acena de cabeça. Não sei o que significa até que Waters a joga no ar. O corpo dela arqueia numa pose perfeita. O conjunto de emoções me bate. De repente, estou triste, mais uma vez, porque Lily perdeu a chance de ir aos Jogos Olímpicos. Ela teria sido incrível. Estou em êxtase, porque ela é muito linda. Também estou irracionalmente irritado que Waters está tocando-a. Reconheço a emoção como ciúme. Não consigo pensar muito sobre isso, no entanto, porque de repente Violet dá cotoveladas no meu lado. "Talvez você deva ir lá. Vá buscar a sua garota." "Eles estão fazendo algum tipo de performance." Respondo de forma uniforme, apesar de sentir algum nível de pânico. "Observe quão íntima esta performance é. Observe como eles são bons nisso?" "Provavelmente porque eles já o fizeram um milhão de vezes." "Então, você não tem um problema com a maneira como eles estão se tocando?" Olho para Violet para ver se ela está séria. Parece. "Você?" "Eles cresceram juntos, por isso, provavelmente, está tudo bem, certo?" Violet os observa por alguns segundos antes de perguntar: "Será que Lily fode como patina?" Abro minha boca para lhe dizer que não vou responder isso, mas ela me corta com um


aceno de sua mão. "Deixa pra lá. Já sei a resposta para essa pergunta. Caras como você não repetem sexo se não for estelar. Aposto que ela fode como uma prostituta maldita com esteroides. Aposto que sua buceta é como Fort Knox. Você acha que Lily já transou com Alex?" "Duvido." "Você tem certeza?" Violet pergunta. A verdadeira resposta é que não. Estou supondo. E já, mentalmente, me fiz essa pergunta. Abro a boca, mas Violet dá uma de suas tangentes. "Preciso ter aulas de stripper para que possa me mover como ela. Lily pode ter seios pequenos, mas poderia colocar silicone para ter seios como os meus e tentar seduzir o meu homem." "Isso não vai acontecer e os seios de Lily não são pequenos." Violet me dá mais um dos seus olhares enquanto se levanta e oscila em seus patins. "Ela não vai. E eles são bons." "Bons e pequenos. Não há nada de errado com isso." Ela coloca a mão no meu ombro e me olha bem nos olhos. "Não pense por um segundo que eu compro que você não se preocupa com o que está acontecendo lá fora, Balls." Violet oscila, mas não cai. "Vejo como você olha para ela. Eu estava lá quando você transou a seco com ela na minha lavanderia, e vi a expressão no seu rosto quando você a fez gozar. Você quer fingir que o que está fazendo é ser amigo de foda, vá em frente, mas vejo através de você como água porra. Agora me ajude a chegar ao gelo, para que Alex possa me ensinar como andar de patins." Ela agarra o meu braço. "E eu estou segurando você, só para saber, não porque quero que ele fique com ciúmes, mas porque tenho certeza que, de outra forma, vou cair de cara no chão." Levanto uma sobrancelha. "Ok, quero que Alex fique um pouco


ciumento, mas não preocupado que eu quero transar com você nem nada. Porque eu não. Agora me ajude." "Não se preocupe. Eu tenho você." Violet puxa o meu ombro. Então enfio o meu nos dela. Não há nenhuma maneira de evitar escovar o lado de seu seio; é tão grande. Finjo que não aconteceu. Saio para o gelo em primeiro lugar e a dirijo para segurar a borda até que ela esteja em pé. "Você nunca patinou antes?" "Eu já patinei. Eu era uma criança. Tudo o que lembro foi que não gostei, e me machuquei e minha mãe não me fez fazer novamente. Eu evitava esportes. Em seu lugar, fiz acampamento de matemática. Ah, e aulas de culinária, porque eu amo comer." Uma vez que Violet põe os dois pés no gelo, ela congela. "Ok. Hora de deixar ir." digo a ela. "Sem você?" "Não, pela parede." Violet faz o que eu digo, mas a sua atenção está dividida entre eu, o gelo, Lily e Waters. Ele não consegue concentrar e tropeça, terminando em seus braços. Eles estão rindo, e Sunny bate palmas novamente. Se eu tivesse uma mão livre e uma câmera pronta, faria uma grande foto. Só que não quero fotos dela e Waters. Então Violet se agita, e os seus pés vão para direções diferentes. Ela realmente é a pessoa mais descoordenada que já conheci. Talvez os seus seios tirem o seu senso de gravidade. Ela me agarra com as duas mãos, me chutando na canela com um de seus patins no processo. Dói, mas já fui chutado muito pior, então tento não fazer uma careta ou qualquer coisa. A agarro sob os braços, enquanto ela grita e tenta obter os seus patins sob controle. Tudo o que consegue fazer é chutar os meus pés debaixo de mim. Rolo à minha volta quando vamos para baixo, me certificando que ela esteja em cima, então não a esmagarei quando pousar.


Waters coloca Lily para baixo, me atirando um olhar sujo. "Baby, o que você está fazendo? Eu teria ido buscar você!" "Eu quero que você me gire desse jeito!" Violet me deixa e me dá um sorriso diabólico. Ela abaixa a voz. "Só para você saber, eu estava totalmente fodendo com você. Não estou preocupada com Alex e Lily. Ele e eu somos sólidos. Mas a sua resposta me disse tudo o que eu já sabia. É muito óbvio que Lily é mais do que apenas sua amiga de foda. Talvez você deva ser um homem, se levante e faça algo sobre isso." Estou a ponto de rir quando Waters patina até nós e ajuda Violet, Lily logo atrás dele. Violet sorri quando Alex a mantém contra ele e Lily me um dá olhar de Puta merda, parando ao meu lado enquanto me levanto. As suas bochechas estão cor de rosa, e ela está respirando pesado. Lily pressiona o seu corpo ao meu. "Você está bem? Violet é uma ameaça." "Estou bem. Você parecia boa dançando." Não vou admitir que não gostei mãos de Waters sobre ela, ou que Violet pode estar ligada a algo. "Obrigado. Alex e eu praticamos juntos algumas vezes. Venha, vou te ensinar alguns movimentos." Ela me circula, pedindo para segui-la. E eu faço. Passamos a próxima hora no gelo. Lily é incrivelmente talentosa. Entre ela e Waters, que finalmente ensinou até ponto em que Violet pode patinar ao redor da pista sem cair. Ela ainda tem que se segurar a alguém, mas pelo menos não está caindo na bunda dela. Depois da patinação vamos para um restaurante buffet self service. É o único lugar para ir com jogadores de hóquei; opções ilimitadas e nenhum ponto de interrupção são o melhor. Lily e eu acabamos sendo convidados para voltar para casa de Waters, o que significa que não há sexo até mais tarde. E eu estou bem com isso. É um bom dia, mesmo que isso não inclua uma transa.


Estaciono na entrada da casa de Waters. Conseguimos chegar aqui primeiro, por isso temos que esperar que eles apareçam. Eu brinco com a mecha de cabelo de Lily que está saindo do fora. Ela sempre parece fazer isso. "Posso te perguntar uma coisa?" "A resposta é não. Sunny e eu nunca experimentamos uma a outra." Lily fala imediatamente. Eu engasgo com tosse. "De onde diabos veio isso?" "Era isso que você estava imaginando, não é?" Eu rio. "Não é resposta certa para isso, Lily." "Talvez você goste mais da ideia de eu e Violet. Os seus seios são enormes e temos quase a mesma altura." "Jesus." "Desculpa. Vou parar. Você tinha uma pergunta." "Isso significa que você já pensou em experimentar com Sunny?" "Ai credo. De jeito nenhum. Ela é minha melhor amiga. Violet, talvez, por causa de seus seios. Ok. Pergunta. Atire." Leva-me alguns segundos para me lembrar. É uma pergunta digna de qualquer maneira. "Já teve alguma coisa por Waters?" "Alex?" "Sim. Como quando você era adolescente, você alguma vez teve uma queda por ele? Você sabe, se apaixonar pelo irmão de sua melhor amiga ou qualquer outra coisa?" Tento parecer casual, mas tenho certeza que falho, com base na expressão de Lily. "Se eu já tive uma queda por Alex? Oh meu Deus, não! Ele era um idiota na escola. Quero dizer, ele sempre foi muito bom comigo, mas tão, tão nerd. Não posso mesmo explicar. Por quê?" Eu dou de ombros. "Apenas curioso." "Apenas curioso? Isso é por causa


daquela coisa da patinação?" "Vocês pareciam saber como cada um se move. Imaginei que talvez você soubesse mais sobre Alex do que apenas como ele é no gelo." "Eu cresci com ele, e Sunny é a minha melhor amiga. Eu nunca teria feito algo como isso com ela." Concordo com a cabeça. Principalmente estou aliviado. E reconheço que não é necessariamente uma coisa boa, mas senti algo muito parecido com ciúme esta tarde quando eles estavam no gelo. Isso significa que estou ficando ligado. Confortável. Não sei exatamente quando aconteceu. Eu disse a Lily para me dizer se as coisas ficassem muito intensas, mas não tenho ideia do que fazer comigo mesmo.


Capítulo 24 Uma facada no coração

LILY

Passei a maior parte do meu tempo em Chicago com Randy, além do feriado e as horas em que ele teve práticas ou treino. Tivemos um ótimo tempo juntos. E não apenas o sexo, o que ainda é tão, tão incrível. Mas esta semana passamos tanto tempo em grupo quanto sozinhos. Ele e Sunny se dão muito bem. Violet está quase se controlando quando diz seu nome, e ele, Alex, Darren e Miller são hilariantes estar ao redor. Ainda estou tentando descobrir sobre Lance. É véspera de Ano Novo. Sunny e eu estamos sentadas na sala de estar, pintando as nossas unhas. Charlene e Violet estão colocando sombra azul nos olhos e agindo como idiotas. "Alex diz que ele pode conseguir uma entrevista para uma posição de treinadora, se você quiser." diz Sunny. Eu paro de pintar e me sento, balançando os dedos dos pés. Estive pensando sobre isso toda a semana. Quero desesperadamente aceitar a oferta; mas estou preocupada que seja pelas razões erradas. "A sua mãe ficará bem sem você. É apenas uma hora e meia de voo. Você pode voltar quando quiser." "Eu sei." Sunny está certa. Esse cara TimTom realmente parece decente, além de ficar sem camiseta. Ele é dono de uma pequena academia, é bom para ela, e ela está feliz, mais feliz do


que esteve em um longo tempo. Minha mãe conheceu a família dele no Natal. Falou sobre ir morar com ele. Sei que ela vai dizer que está tudo bem para eu ir junto, mas já é hora de sair. "Então o que está prendendo você? Não as mensagens de Benji, eu espero." "Seu ex-imbecil?" Pergunta Violet. "Sim, esse ex, e não, ele definitivamente não é um fator na decisão." Benji enviou vários textos e deixou um par de mensagens de voz durante a semana passada. Mandei um texto de volta, porque não sou uma total cadela de coração frio, mas não sinto falta de estar com ele. Ainda tenho de lhe dar suas coisas de volta, embora neste momento eu não tenha me preocupado com as minhas. Seria fácil o suficiente largar o seu lixo em sua casa e terminar com isso. Já tive meu o encerramento. "Ok. Bem. Apenas verificando." Sunny desenha uma pequena taça de champanhe em seu dedão do pé em prata. Ela é incrível em desenhos nas unhas. "Você pode consertar o meu quando terminar?" Violet levanta um pé. Parece que há esmalte em todos os lugares, menos em suas unhas dos pés. "Claro. Você quer combine com a loucura que você está colocando em seu rosto?" Sunny pergunta. "Sim! Não posso esperar para enviar fotos para Alex do que ele está perdendo esta noite." Violet sorri, e tem batom vermelho em seus dentes. Ela é selvagem, o melhor dos tempos, mas esta noite está mais do que o habitual, com Alex e os caras em um jogo fora. Todas nós teríamos ido, mas eles estão voando de volta amanhã, por isso, decidimos adiar a celebração oficial. Os pais Sunny e de Alex também vieram para o feriado, e houve mais conversa sobre o casamento. Hoje à noite Violet e Charlene decidiram recriar a maquiagem de précasamento que Daisy sugeriu. Há garrafas de spray de cabelo na mesa. Sunny diz que Violet


não tem permissão para usá-las porque têm aerossol e são más para o meio ambiente. "Então é por causa de Randy?" Pergunta Charlene. Todas as três meninas olham, esperando. "Não." "Mentirosa!" Violet aponta para mim. "Randy não é a razão pela qual não tenho certeza." "Ele pode não ser a razão, mas aposto que ele é uma razão." Violet responde. "O seu sobrenome é Leblanc, certo?" "Sim." Não sei o que isso tem a ver com Randy, mas, em seguida, Violet não costuma se agarrar a uma linha de pensamento. "O sobrenome é da sua mãe ou do seu pai?" Pergunta. "Minha mãe. Eu nunca sequer conheci o meu pai. Não há nenhuma maneira que eu tenha o seu sobrenome." Não quero parecer mal-humorada. "Você nunca conheceu o seu pai?" Pergunta Violet. "Uau, isso é louco. Nem eu." "Sério?" Pergunto. "Sério." Violet acena. "Aparentemente, ele é um babaca. A minha mãe diz que foi um romance rápido. Acho que isso significa que ela teve uma fase de vagabundagem e não decidiu me dar para a adoção." "Uau." Sunny e eu dizemos em uníssono. "Não é nada demais." Ela encolhe os ombros. "A minha mãe me criou sozinha." "Assim como Sidney criou Miller." Sunny fala. E fica com um olhar melancólico em seus olhos. "É como se o destino tivesse juntado os seus pais."


"Na verdade, acho que ele acidentalmente roubou o seu café um dia, e foi como eles se conheceram, mas sim, eles se amam." Violet concorda. "Então, qual é a história com o seu pai?" "Ele era um jogador profissional de hóquei e minha mãe era uma Puck bunny que ficou grávida." Dou de ombros. "Ele pagou pensão alimentícia até que deixou de pagar." "Uau. Como se sente a sua mãe sobre você foder um NHL?" Pergunta Violet. "Considerando que ela não tem uma opinião sobre isso." respondo. "Justo o suficiente." Violet diz. As três ficam em silêncio por alguns segundos. "Espere! Então, você nunca conheceu o seu pai, e o pai de Randy é um ex-NHL que não pode manter o seu pau em suas calças? Não foram os seus pais que se divorciaram?" "Uh, sim." "Puta merda!" Ela define o seu copo para baixo e agarra a borda da mesa de café. "E se vocês os dois são parentes? E não como eu e Buck, meio irmão e irmã e outras coisas. Como, seria estranho, mas tudo bem se nós ficarmos juntos, mas vocês seriam irmão e irmã de verdade. Poderíamos fazer um reality show disto." "O pai de Randy não é o meu pai." "Como você sabe?" "Porque o seu nome não está na minha certidão de nascimento." "E se for uma falsa?" "Violet, você está sendo uma imbecil." Charlene diz. "O último nome do meu pai é Head." digo. "Qual é o seu primeiro nome? Dick?" Violet pede.


"Na verdade, o nome dele é Richard." "Você está falando sério? O nome do seu pai é Dick Head*?" "Se ele for por Dick, sim." Violet fica em silêncio por alguns segundos, então começa a rir histericamente. "Oh meu Deus, isto é inestimável." Quando ela se acalma um pouco, levanta um dedo. "Então, se você e Randy se casarem, o seu nome será Lily Leblanc Balls. (Lírio branco bolas!)" E cai na gargalhada. Quero achar engraçado, mas não consigo. Em vez disso estou triste. "Sim, isso nunca vai acontecer." Nós ficamos muito bêbadas e recebemos o ano novo com champanhe. Recebo duas mensagens à meia-noite: uma de Benji dizendo que sente a minha falta e outra de Randy dizendo que desejava estar dentro de mim. Não posso fingir que não faz o meu peito doer quando percebo, mais uma vez, que toda a coisa começa uma hora termina.

*** Acontece que Alex não me dá uma escolha sobre se vou ou não fazer a entrevista de emprego. Ele marcou uma entrevista para mim e me diz quando estou repugnantemente de ressaca que vou ter que estar *

Dick Head: Literalmente “Cabeça de Pau”, mas usado como: babaca, estúpido, idiota, retardado, paspalho e por ai vai.


na arena na manhã seguinte. Randy e eu passamos a maior parte do ano novo em sua cama. Não me senti muito bem, por isso não fizemos sexo. Em vez disso, bebo cerveja de gengibre, e nos abraçamos. As coisas parecem estar estranhas. Ou talvez eu esteja desligada, porque estou de ressaca. Na manhã seguinte, quando estou preparando para a minha entrevista, noto a boxer rosa estragada de Randy no chão do quarto. A pego e a empurro para a minha bolsa enquanto ele está no banheiro. Não sei por que, ou talvez eu saiba. Esta semana tem sido incrível, mas essa coisa com Randy está ficando muito grande. Eu quero mais do que ele diz ter para dar. Alex me pega para me levar para a entrevista, e Randy lambe e fode o inferno fora de minha boca antes que me deixe entrar no carro. Tenho que ir para casa amanhã, possivelmente para arrumar minhas coisas, então Randy está me levando para jantar hoje à noite. O que, para mim, parece como um encontro real. Eu não mencionei isso. "Eu sei que não é da minha conta..." Alex diz quando se afasta. "É apenas casual." "Você tem certeza disso?" "Tenho certeza. Não iria mudar para outro país por um cara, Alex. Eu estive com Benji por sete anos. Estou tendo um pouco de diversão e Randy é um cara divertido." As palavras soam automáticas. "E ele sente da mesma maneira." "Sim. Randy sente da mesma maneira." Eu puxo os dados pendurados no espelho retrovisor. "Você tem certeza disso também?" Eu penso sobre a mensagem de Ano Novo. E sobre meus sentimentos. Vou ter o meu coração arrancado. "Sim. Estou totalmente certa. Podemos falar de outra coisa? Como esta entrevista? Sinto-me despreparada."


Alex deixa o assunto morrer e me diz o que esperar na arena. Tem sido um longo tempo desde que eu estive em uma entrevista. Estou legitimamente nervosa, mas devo ter feito bem, porque eles me oferecem o trabalho no local. Em resultado, o plano de Randy de me manter para ele mesmo é anulado e acabamos saindo a um jantar para comemorar com todo o grupo. É quase uma coisa boa, porque agora que sei que eu estou vindo para Chicago, tenho que fazer algo que tenho adiado. Depois de comermos, Sunny e Miller voltam para a casa dele, que dá a mim e Randy toda a noite sozinhos na casa de Sunny. Será a minha casa também, em três semanas. É o tempo que tenho antes de começar o novo trabalho, na minha nova cidade. Exceto que não quero mudar para cá e continuar fazendo o que estou fazendo com o Randy. Não sou boa com sexo casual. Sei disso agora. Eu continuo a ver quão apaixonadas Violet, Sunny e Charlene estão. Posso convidá-lo esta noite, mas isto não vai ajudar em nada. Ainda vou me sentir da maneira que sinto, e ainda vou ser apenas a garota que Randy fode. Como um campeão. É o cenário perfeito para alguém que não sou eu. Eu deveria ter dito a ele que não estava funcionando para mim há muito tempo, mas a parte do sexo estava funcionando tão bem que eu não queria. Acho que vou vomitar. Randy estaciona em frente de casa e desliga o motor. Desafivelando o seu cinto de segurança, começa a abrir a porta e então percebe que não me estou me movendo. Ele inclina a cabeça. "E aí? Porque é que ainda está sentada ai? Aposto que posso ter você nua em menos de um minuto, quando chegarmos lá dentro. A menos que esteja sentindo que sexo na rua é mais a sua coisa esta noite." Dou uma meia risada, mas a torção no meu estômago torna o som falso. O seu sorriso cai. Olho para o meu colo, exalando uma respiração profunda. Eu deveria ter parado isto assim que a diversão começou a se transformar


em sentimentos. Mas não parei, e agora estou sentada aqui, engasgando com as minhas palavras, porque não as quero dizer o que eu quero. "Você está bem?" Randy estende a mão, escovando o cabelo do meu rosto. Eu quero me inclinar para aquele toque. Quero me enrolar em torno dele e nunca o deixar ir. Mas se eu continuar fazendo isso, ele vai quebrar o meu coração. Bem, isso já está prestes a acontecer, mas pelo menos tenho algum controle sobre esta decisão. Eu reprimo o desejo de pular em cima dele, o que agora sei que não é só porque Randy é muito incrível no sexo. Nós temos uma conexão quando estamos transando e quando não estamos. É mais do que orgasmos; Estou me apaixonando por ele. E não apenas as partes nuas dele; é o seu senso de humor, a sua doçura, sua generosidade. É tudo. Mas é apenas uma questão de tempo antes que faça para mim o que fez com todas as outras garotas antes. Ele vai se assustar e cortar os laços. Sei que isso está chegando. Estamos nos aproximando muito. Está se tornando muito real. Randy tem que sentir isso também. Esta estrada termina como um daqueles velhos desenhos animados dos coelhos: há um penhasco onde eu, eventualmente, vou cair. Só que eu não irei levantar e afastar a sujeira, como se nada tivesse acontecido. Se eu fizer isso agora, a queda não será tão profunda. Pelo menos é o que digo a mim mesma quando afirmo: "Não acho que você deveria entrar." Randy gira as chaves na ignição. "Você quer voltar para a minha casa em vez de ficar aqui?" "Também não acho que é uma boa ideia." Randy franze a testa. "Porque não?" A minha garganta se aperta e meu


estômago começa a rolar. O incrível jantar que comi parece querer fazer outra aparição. "Não acho que nós deveríamos fazer mais isso." Ele arranha a parte de trás do seu pescoço. "O quê?" "Isso." Eu faço movimento entre nós. "Não acho que esteja funcionando." Os seus ombros apertam e um meio sorriso aparece. "Você não está gostando mais dos orgasmos múltiplos? Pensei que estávamos nos divertindo." Randy está revidando com o sarcasmo, e pela primeira vez não retruco de volta. "Nós estávamos." "Então qual é o problema?" Ele foi pego desprevenido. Também fui pega com a guarda baixa. Só depois de ter arrumado um trabalho é que realmente percebi que estive me enganando. Tudo o que eu conseguia pensar era que viver em Chicago significaria mais tempo com Randy. Mas não apenas em sua cama, com os amigos, em encontros, nos divertindo. Todas as coisas que não estão sobre a mesa. Ou não era suposto estarem. Mexo em minha bolsa e respondo com suas palavras, do começo desta coisa que temos feito. "Não é apenas mais divertido para mim, Randy." "Não entendo." Ele passa as mãos em suas coxas. "Achei que você teve um bom tempo esta semana." "Eu fiz. Eu..." Tomo uma respiração profunda. Não quero chorar na frente dele. Não quero ser fraca. Randy me disse o que isto era. Não é culpa dele se não fui honesta antes de isso acontecer. "Isso é o que era suposto ser, certo? Apenas diversão. Parece que está ficando muito... sério. E eu não pude..." "Muito serio?" Eu torço as mãos, sem saber o que fazer com elas. "Eu deveria ter dito algo mais cedo." "O que você está falando?" Randy parece irritado.


"Não posso me mudar para cá e fazer esta coisa casual com você." "Porque não?" "Para mim já não é apenas sobre o sexo." "Mas eu sou só um substituto." A confusão dele me deixa triste. "Não posso fazer com que os sentimentos vão embora, Randy." Olho para ele, para o seu rosto lindo, o pânico e a raiva, e sei que estou certa. Era apenas uma questão de tempo. Pelo menos não me humilhei e disse sem rodeios que estou apaixonada por ele. "Você deveria ter me dito que estava começando a ser demais." Randy passa a mão pelo cabelo, a sua frustração evidente. "Não entendo. Você acabou de sair de um relacionamento de sete anos. Era para ser simples." "Eu não quis que isso acontecesse. Desculpe-me por não ter dito nada. Não queria que as coisas mudassem. Talvez pudéssemos ver-" Ele me corta antes que eu possa terminar a frase. "Eu não posso ser seu namorado, Lily. Eu quase transei com uma garota porque você não pode vir a um maldito jogo." "Mas você não o fez. E isso foi..." A sua raiva é uma onda em ascensão. Não sei se ela está dirigida a mim ou a si mesmo, mas suas palavras me atingiram como estilhaços de vidro. "A única razão porque não fiz foi porque você apareceu. Eu vou fodê-las. É isso que você quer?" "Não, Randy. Isso não é o que eu quero." Ele gira a chave na ignição e inicia o caminhão. "Então acho que é isso." "Eu acho que é. Eu diria que nós ainda poderíamos ser amigos, mas não tenho tanta certeza que isso iria funcionar muito bem". Deixo de fora o resto, o que seria algo como isso: porque estou apaixonada por você e vou definhar e chorar se


você dormir com outra garota. "Provavelmente não." Randy está olhando para frente. "Se deixei algo em seu lugar-" "Eu vou dar a Miller para lhe devolver. Ele vai estar por aqui o tempo todo." "Ok." Abro a porta para sair, mas mais uma vez, esqueci-me de desatar o cinto de segurança, que me puxa para trás. Randy se estica e o liberta com o polegar. Ele ainda não está olhando para mim. Inclino-me e pressiono os meus lábios contra sua bochecha. A sensação é elétrica. Ele congela. Afasto-me antes que tome mais decisões erradas, como o convidar para entrar para uma última sessão de sexo. Ou me despir em seu caminhão. "Tchau, Randy. Obrigado pela carona." "Todas elas, ou esta em particular?" É uma facada. O meu coração parece que é feito de arenito, e ele está se desintegrando em pó dentro do meu peito. Nunca me senti assim em nenhum dos meus rompimentos com Benji. "Todas elas, com exceção desta." digo. Escorrego para fora do caminhão. Randy espera até que eu abra a porta de casa. Em seguida, desce a rua sem um aceno de despedida. Entro dentro da casa vazia e fecho a porta atrás de mim. A ausência de Randy parece como se cacos de vidro estivessem enterrados no meu peito. Nem chego a tirar os meus sapatos. Sento no chão, coloco o meu rosto em minhas mãos e choro.


Capítulo 25 Diversão não é o meu nome do meio

RANDY

Fui para casa no piloto automático. Não me lembro de parar nos sinais ou entrar na minha garagem, mas estou sentado aqui, olhando para a minha porta da frente, então devo ter obedecido às regras de trânsito. Caso contrário, haveria sirenes piscando no meu retrovisor. Desligo o motor, mas não me mexo. A minha caminhonete ainda cheira a Lily, então quero ficar aqui um pouco mais. Não entendo o que aconteceu. Na minha cabeça, repito o tempo com Lily em Chicago, tentando descobrir onde eu errei, como perdi os sinais. Ou talvez não os perdi em tudo. Talvez tenha decidido não os ver, porque isso significaria admitir mais do que eu poderia. Fui um idiota para ela. Fico sentado aqui até que posso ver a minha respiração e começo a tremer. Marchando até minha porta, coloco o meu polegar no teclado e giro o botão. A primeira coisa que faço é tomar um tiro generoso de vodka. Tenho que voar às sete e meia da manhã para um jogo fora. A última coisa que devo fazer é ficar bêbado para gerir tudo o que aconteceu. Mas estou me sentindo uma merda sobre isto, assim o álcool é o agente anestésico de escolha. Eu fico bom e bêbado e assisto aquele pequeno vídeo que fiz quando visitei Lily em Guelph, quando a acordei no meio da noite para fazer sexo. Não o vejo, porque me quero


masturbar. Quero dizer, sim, isso me deixa duro mesmo tão bêbado como estou, mas é a forma como Lily está tão desprotegida. Ela está olhando para mim como se eu fosse mais do que apenas alguém com quem está passando um tempo e trocando orgasmos. Eu sabia que, mesmo assim, era mais do que o que era suposto ser, e eu deixei continuar acontecendo. Porque eu queria. Eu a queria. E agora não a tenho mais.

*** A batida em minha porta ecoa a sensação horrível na minha cabeça. Abro os olhos e gemo. "Balls! Temos que ir!" É Miller. Empurro-me do sofá e o mundo gira tanto que eu caio para frente sobre a mesa de café. Não tenho grande coordenação, a minha reação acontece, provavelmente porque ainda estou bêbado, e me assustei quando acordei. Bato o rosto no chão e sinto o gosto de sangue. Leva-me um par de tentativas para levantar a minha bunda. Tropeço para o saguão, e me atrapalho com o bloqueio, abro a porta da frente, que quase me bate na cara. "Ah Merda. O que aconteceu?" Miller olha por cima do ombro como se esperasse que alguém estivesse atrás de mim. Talvez a pessoa responsável pelo meu lábio partido. "Eu caí." Me inclino contra a parede. Miller franze a testa. "Você está bêbado?" "Você me acordou." "Você cheira a bebida." "Estou bem." O celular de Miller começa a tocar. Ele


olha para ele, depois para mim. "Pegue a sua merda. Precisamos estar no aeroporto. Você deve estar pronto para ir." Tento andar, mas não está funcionando. Eu bato na parede. "Sério Balls, qual é o problema? Baby, posso chamá-la de volta? O quê? Ela o quê? Não entendo; ela deveria estar aqui, não lá..." Eu sei que eles estão falando sobre Lily. Viro-me e caminho pelo corredor, deixando cair uma imagem no chão. "Vou chamá-la de volta em poucos... Eu também te amo, Sunny Sunshine." Estou desnecessariamente com ciúmes do seu relacionamento. Sei exatamente como não é fácil ser um jogador de hóquei profissional dedicado a uma pessoa. Assisti à luta de Miller com o Sunny. Vi Lance quase destruir sua carreira. Testemunhei o impacto sobre a minha própria mãe e irmã. Mas agora, tudo o que quero é alguém por quem lutar, e eu estraguei isso, também. Chego ao meu quarto e pego a minha mochila. A minha merda do hóquei deve estar na garagem. Eu espero. Tudo que preciso são roupas. Miller não está atrás de mim como imaginei que ele estaria. Ele apareceu alguns segundos depois com um copo de água e comprimidos. Miller estende o copo e a palma da mão. "Beba isso e tome-os." Eu faço o que ele me diz. Então olho em volta do meu quarto. A evidência da semana passada está em toda parte. Três caixas vazias de preservativos estão no meu criado mudo. Uma garrafa meio vazia de lubrificante caído pingou no meu tapete. A minha cama está desfeita. O meu quarto tem aroma distinto de sexo e Lily. Ainda posso ver o olhar em seu rosto quando eu disse a ela que eu iria fodêla. Esta devastação é exatamente o que não quero causar a alguém. Miller estala os dedos. "Cara, temos que ir." "Certo. Ok." Eu aceno, mas ainda não


me movo. Miller balança a cabeça e empurra três pares de calças, três camisas, um terno e um par de gravatas em minha bolsa. Em seguida, ele vai para o meu armário e joga em alguns boxers extras e meias. Uma calcinha de Lily deve ter acidentalmente acabado ali, porque ele os joga na cama. "Se troque Balls. Você cheira como um bar. Eles não vão deixá-lo entrar no avião, se souberem que está bêbado." Miller me passa um par de boxers, em seguida, vai para o meu armário e pega um par de jeans do chão. Eu tenho que sentar para que isso aconteça, mas consigo vestir roupas limpas. Pego a calcinha de Lily do edredom e a empurro no meu bolso. Não sei por que, mas preciso dela. Miller me força a ir para o banheiro e me faz escovar os dentes. Assim que pego a minha carteira, ele me leva de volta para o saguão. Tenho que me encostar à parede para colocar meus pés nos meus sapatos. Miller empurra o meu casaco para mim, balançando a cabeça, e me leva para fora da porta. Subo para o ridículo Hummer de Lance e me estico por todo o banco de trás. Verifico os meus bolsos pelo o meu celular, mas não está lá. "Espere. Não tenho o meu celular. Tenho que voltar." "Eu tenho." Miller o atira para mim. Tento desbloquear a tela inicial, mas ela permanece apagada. "Vocês dois demoraram muito. Porque demoraram? Você pegou Balls fazendo o que faz de melhor?" Lance coloca o veículo em marcha. "Você quer me dizer o que aconteceu? Sunny me ligou pirando sobre Lily." Miller fala. Fecho os meus olhos, com a esperança de fazer a náusea ir embora. "Lily terminou comigo." O carro para, e eu caio do banco de trás para o chão. "Que porra, cara?" "Terminou

com

você?"

Lance

está


olhando para mim como se eu lhe tivesse dito que aliens realmente existem. Consigo colocar a minha bunda de volta no banco. Desta vez eu me afivelo. "Ou eu terminei com ela. Não sei. Ela disse que não quer me ver mais." "Pensei que vocês dois estavam apenas se divertindo." Há uma mordida no tom de Miller. "Nós estamos." Balanço a minha cabeça. "Ou estávamos. Na noite passada, Lily disse que não era mais divertido. Que estava ficando sério. Então é isso. Está feito." Miller e Lance trocam um olhar. Miller se vira para que possa me olhar. "Então você está me dizendo que Lily terminou as coisas?" "Foi isso. Sim. A levei após o jantar, e eu ia passar a noite, ou o tempo que pudesse, mas ela disse que eu não deveria, e que não queria me ver mais, e foi isso. Podemos não falar sobre isso agora?" Deixo cair a minha cabeça contra o assento e fecho os olhos novamente. Estou deixando de fora um monte de detalhes, mas falar sobre isso não me faz sentir melhor. Nenhum deles diz qualquer outra coisa, então mantenho os meus olhos fechados. Tudo que eu quero é cair no sono novamente e desligar todos os pensamentos na minha cabeça, o embrulho no meu estômago, e estes sentimentos brutais que não sei como gerir. Antes de Lily, assim que as coisas começavam a ficar intensas eu caia fora. Mas com Lily, as coisas foram intensas desde o início, talvez por isso, levou mais tempo para eu perceber o que estava acontecendo. Ou talvez isso seja uma desculpa. "Ei, baby. Sim. Nós estamos no nosso caminho para o aeroporto. Uh-huh. Temos ele. Ele ainda está bêbado." Miller diz. "Eu posso ouvir você, Butterson. Você sabe disso, certo?" Eu abro um olho. Ele me mostra o dedo. "Balls diz que ela


foi a única a cortar as coisas." "Você quer encontrar uma forma diferente para nomeá-lo?" Murmuro. Lance solta uma risada. Miller dá um tapa em seu braço. "Desculpe, mano, você sabe que eu não quis dizer isso assim." Miller volta a falar com Sunny. "Não entendo, porque Lily está tão chateada se foi ela que terminou?" Miller fica em silêncio por um longo tempo, durante o qual a voz angustiada de Sunny é filtrada, mas as suas palavras são perdidas nos sons do tráfego. "Oh. Certo. Ok. Acho que faz sentido. Certo. Eu também te amo. Ligo quando aterrissar." Miller termina a chamada. "As mulheres são confusas." Lance bufa. "Elas são perversas. É o que são." Eu não digo nada, porque o que há a dizer? É provavelmente melhor que terminamos agora de qualquer maneira, especialmente com Lily se mudando para Chicago. Eu iria querer vê-la o tempo todo, e tentaria ser o namorado dela, e iria estragar tudo transando com outra pessoa. É todo o cenário da maçã não cai longe da árvore. No momento em que chego à segurança, eu estou sentindo a minha ressaca. Tenho os suores e acho que vou vomitar. Também não estou muito firme em meus pés. Tiro o meu casaco e os sapatos e os jogo numa das caixas. Sigo com o meu cinto e celular. Então esvazio o conteúdo dos meus bolsos, começando com a minha carteira. Eu encontro a calcinha de Lily enrolada. É o par que eu comprei a ela quando a surpreendi em Guelph. Lily parecia tão bem nela. E fora dela. Esfrego a renda macia entre os dedos. Lance está atrás de mim. E me dá uma cotovelada no lado. "Balls, ponha a sua lembrança longe." "Não é uma lembrança porra." Eu rosno. Ele coloca a mão no meu ombro. "Se recomponha homem."


Lanço a calcinha na caixa. A garota da segurança me dá um olhar, mas estou muito lento para me importar. Espero que o cara me libere, e em seguida, recolho todas as minhas coisas, empurrando a calcinha no bolso antes de qualquer coisa. Não falo com ninguém durante a viagem de avião, principalmente porque me sinto como um saco de merda, fisicamente e mentalmente. Estou grato pela hora de sono eu consegui. O cochilo me faz sentir um pouco melhor. No momento em que chegamos, a náusea passou na maior parte, mas toda a outra merda ainda está lá. Assim que chego ao hotel, sequestro o banheiro e o chuveiro para me livrar do cheiro da bebida. Miller está deitado em sua cama, observando os destaques esportivos. "O seu celular esteve tocando." Eu o verifico, mas não é Lily. É a minha mãe, me desejando boa sorte para o jogo. Sinto-me culpado que não a vi durante as férias, especialmente desde que a minha irmã não voltou para casa, mas eu estava com Lily. Acho que foi uma coisa boa não tê-la convidado para conhecer minha mãe. "Não era quem você queria que fosse?" Pergunta Miller. "Não." Eu Lanço o celular na cama. Deveria ligar para a minha mãe, mas eu não quero falar com ninguém. Esfrego o meu peito, irritado com a dor estranha. "Você poderia chamá-la, você sabe." Deixo-me cair no colchão e deito contra os travesseiros. "Qual seria o ponto? Não posso fazer disto algo que não é suposto ser." "O que isso quer dizer?" "Ela disse que não estava se divertindo mais, fim da história." Não quero dizer a ele o que eu disse. Como a fiz sentir uma merda. Como a culpei quando era a minha maldita culpa. "Lily disse o porquê já não estava se divertindo?" Pergunta Miller.


"Ela disse que estava ficando muito intenso. Olha, estou em um humor de merda. Sei que você está tentando ajudar, Miller, mas falar sobre isso me faz sentir pior. Só quero focar na estratégia para o jogo, ok?" "Sim, claro. Vou para o chuveiro, e depois podemos ir comer algo com a equipe."

*** Estou sentado no banco, esperando o apito para que eu possa entrar no gelo e soltar um pouco desta agressividade. Nós estamos com um ponto a menos e Waters tem algo no braço com que lança. Ele tem estado esfregando o ombro cada vez que fica fora do gelo. Assim que é a minha vez, corro para o gelo atrás do disco. Coloco todo o meu foco em me aproximar da rede. Westinghouse está paralelo a mim. Passo o disco, mas um dos caras do Colorado consegue fazê-lo tropeçar com uma jogada suja e ganha o controle. Contudo, ele não o mantém por muito tempo. Miller tem as coisas sob controle e consegue obter o disco de volta. Acampo em frente da rede, sabendo que se Miller o conseguir jogar de volta para Westinghouse, ele o passa para mim. A defesa do Colorado também sabe disso. O número sessenta e três está sobre mim, me cutucando na parte de trás com o seu bastão. Não estou no clima para bobagens esta noite. Fico atrás dele e dou um pequeno empurrão por trás. Então ele me acotovela, mudo o meu pé entre os seus e empurro a parte de trás do joelho, o desequilibrando. Nós caímos no gelo. Espero até que ele agarre a minha camisa antes eu pegar a sua. À medida caímos eu nos viro. Quando estou numa superfície lisa com lâminas em meus pés e estou perto de cair, há


uma regra essencial: estar sempre no topo. Ele está cuspindo obscenidades, chateado, porque eu puxei um movimento obscuro. Mas ele tem sido um problema todo o jogo. Apesar de tudo, o meu plano é não lutar. Tudo o que quero é tirá-lo das minhas costas. Mas ele começa a vir em minha direção, então não tenho escolha, mas desviar. Ele agarra o meu capacete. Há muito poucas coisas que realmente me irritam no gelo. Jogo agressivo é uma delas. Defesa idiota é outra. E agarrar o capacete me faz ver vermelho. Seguro o capacete com as duas mãos, prendendo a cabeça contra o gelo. Continuo tentando ter uma tração, mas ele ainda está segurando o meu capacete com uma mão, e tentando me dar um soco com a outra, então os meus pés continuam deslizando por debaixo de mim. Levo três tentativas para me levantar. A multidão está enlouquecendo. Os fãs do Colorado estão gritando com os árbitros para fazer algo. Os fãs do Chicago estão tão selvagens. Afasto o cara quando apito soa. Não estou surpreso com a penalidade, mas pelo menos Colorado recebe uma também. "Elevação no gelo agradável, Balls. Isso vai ficar impressionante nos destaques." Miller me dá um tapinha no ombro no meu caminho para o banco de penalidade. Acabamos por perder o jogo por um. No bar uma garota se oferece para me fazer sentir melhor. Ela tem o cabelo escuro como Lily, mas é mais longo. Os seus lábios são vermelhos e seus seios são maiores. Os olhos dela são azuis. Poderia tentar trepar um pouco da raiva e tudo o que está acontecendo dentro de mim, mas acho que iria ter o efeito oposto. Canso-me e me dirijo para o quarto lugar. Miller já está lá. Ele está deitado, fazendo o que sempre faz depois de um jogo: assistindo aos destaques. "Veja isto." Aponta para a tela. Lá estou eu, ferrando o cara do


Colorado no gelo. Não admira que ele estivesse tão louco. "Ele estava sendo um idiota; Ele mereceu." "Não discuto isso." Miller rola para fora da cama e vai ao banheiro. Dou de ombros fora do meu terno e o deixo cair no chão, muito preguiçoso para dar uma merda. Verifico o meu celular, mas não tenho quaisquer novas mensagens de Lily. Normalmente, depois de um jogo, ela envia uma. Puxo para cima o seu contato e ligo para ela. Toca um monte de vezes e vai para o correio de voz. Fecho os olhos ao ouvir o som de sua voz, dizendo para deixar uma mensagem após o sinal. Tomo uma respiração profunda após o sinal. No começo considero desligar, mas então acho que ela vai saber que sou eu a partir do número, e tudo que eu fiz até agora foi um respirar como um pervertido. Miller sai do banheiro quando começo a falar. "Uma garota queria transar comigo hoje à noite. Ela parecia como você. Bem, só o seu cabelo, mas não mesmo..." "O que diabos está errado com você?" Miller tira o celular da minha mão. "Estou deixando uma mensagem." Tento pegar o meu celular, mas Miller me empurra para fora do caminho. Bato na mesa de cabeceira, e a lâmpada cai. "Sobre estar com outra garota?" Ele grita. "Eu não fodi outra garota. Essa é a questão!" Miller pega o telefone e o coloca no ouvido. O levo para o chão, e lutamos, eu tentando obter o telefone enquanto ele tenta socar os botões. Ele coloca a mão no meu rosto. "Pare de ser um idiota, Balls. Estou tentando apagar a mensagem." "Vou excluí-la." O acotovelo nas costelas e, finalmente, obtenho o meu celular, mas devo apertar o botão errado, porque não tenho a opção de excluir ou enviar. "Merda."


"Não me diga que você enviou isso." Miller me empurra para fora. Eu deito no chão, ofegante. "Acho que enviei. Devo enviar mensagem e lhe dizer para excluí-la sem ouvir?" Miller balança a cabeça. "Você sabe, eu pensava que eu não tinha esperança com relacionamentos, mas você me faz parecer o maldito Einstein. Vou ligar para Sunny." "Que bem ligar Sunny vai fazer?" "Ela pode, pelo menos, falar com Lily." Miller soca em seu celular, as sobrancelhas franzidas em concentração. "Estou recebendo o correio de voz." Miller espera mais alguns segundos. "Ei, baby. Eu estou supondo que você está dormindo. Se você tiver uma chance, pode me ligar? Randy deixou uma mensagem estúpida para Lily, e seria melhor se ela não a ouvir. Te amo. Mal posso esperar para voltar para casa..." Ele abaixa a voz, então não posso ouvir o resto. Decido que, provavelmente, é melhor enviar mensagem a Lily, desde Miller não conseguiu falar com Sunny.

Se você receber uma msg de mim pode excluí-la? Não saiu do jeito certo.

Não recebo nada de volta dela. O sono foi uma porcaria. Na parte da manhã eu tenho uma mensagem.

Você não é meu, então você pode foder quem você quiser.

Esta não é uma conversa que quero ter por mensagens. Tento ligar de novo, mas vai


para o correio de voz. Não deixo outra mensagem desde que a última sugou as minhas bolas. Uma vez que estou de volta em casa, largo a minha merda na porta e vou para o meu quarto. Tudo que eu quero é deitar e cheirar Lily. É estranho, e talvez um pouco confuso. Mas, a governanta deve ter vindo, porque os lençóis estão limpos. As roupas que Lily deixou para trás estão dobradas em uma pilha em seu lado da cama. A maldita dor no meu peito está de volta. Esfrego o local, odiando a dor fantasma. É quando percebo que o que estou sentindo é desgosto. Estou sempre preocupado em ferir alguém; Eu nunca pensei em mim mesmo. E é minha própria maldita culpa. Mas tentar mais com Lily só vai acabar lhe causando dor no final.

*** "Porque você não vai vê-la,se ela não responde às ligações?" Lance está chutando a minha bunda no NHL Hockey no Xbox. Embora, não esteja tentando muito duro. "Não há nenhum ponto nisso." Passaram duas semanas e não ouvi nada dela. Ele me bate pela terceira vez, então passo o controle para Miller. "Você acordou." Devo tê-lo jogado com mais força do que pretendia, porque o controle bate em sua garganta. "Sério, cara." Miller esfrega o seu pescoço. "Desculpa." "Agora, você é pior que uma adolescente de TPM." "Não sou assim tão mau."


"Uh, sim, você é. Você teve penalidades em cada jogo nas duas últimas semanas. Você é quase tão mau quanto eu." diz Lance. Ele está certo sobre isso. Tenho sido muito mais agressivo do que o habitual. Quase fui expulso do último jogo por brigar. "Ver Lily não vai mudar isso." "Você não pode saber até que tente." diz Miller. Ele tem estado em cima de mim para arrumar esta merda, mas não há nada para arrumar. Lily não me enviou mensagens desde que mandei aquele correio de voz, e não tenho bolas para tentar novamente. Não sei no que eu estava pensando em primeiro lugar. Ela vai se mudar para Chicago em breve, mas não vou encontrá-la o tempo todo. A menos que ela vá aos jogos. Então vou querer falar com ela quando eu realmente deveria deixá-la sozinha. De acordo com Sunny, Lily voa para Chicago na próxima semana. Alex não queria que ela dirigisse uma van da U-Haul no meio de janeiro, então ele terá a sua mudança enviada para a casa. Odeio que estou com ciúmes de um cara com uma noiva. "Não é como se falar sobre isso fosse mudar alguma coisa." "Como você sabe disso?" Pergunta Miller. Frustrado, eu corro uma mão pelo meu cabelo. "Porque era suposto ser apenas diversão e agora não é para ela." "Você pode explicar isso?" Miller pergunta. "Estava ficando muito sério." resumo. "Para quem?" Miller coça sua barba de semanas por fazer. Já discutimos isso antes. Não vejo porque estamos tendo a mesma conversa novamente. "Para ela." "Então, tudo o que ela queria era um pau?" Miller pergunta. "Bem, sim. Tivemos uma conversa logo no início sobre que seria apenas diversão e


manteríamos as coisas leves." "Podemos voltar por um segundo, porque ainda estou confuso. Sunny diz que Lily está uma porra de uma confusão sobre isto. Não entendo porque ela estaria tão chateada se só estava nisso por um pau." "Eu sou o seu estepe. Não achei que ia se transformar num caso de sentimentos." "Sou o único aqui que está reconhecendo que você está falando de Lily como vocês estivessem em um relacionamento?" Lance pergunta. "Não, nós estávamos..." "Só se divertindo. Nós sabemos." Lance revira os olhos. "Bem, o que mais poderia razoavelmente ser com ela no Canadá e eu viajando a metade do ano? Além disso, ela acabou de sair de um relacionamento de sete anos." "A partir do som disso, aquele relacionamento já tinha terminado muito antes disso." diz Miller. "Não é como se importasse. É melhor assim. Terminar a merda antes foi inteligente antes de eu arruiná-lo fazendo algo estúpido." Merda. Eu sou uma adolescente de TPM. "O que você está falando?" Pergunta Miller. "Ela está se mudando para cá, e eu iria querer que isso fosse algo que não pode ser." Eu acho que deve estar claro agora quem eu sou. "Você quer dizer um relacionamento?" Pressiona Miller. Lance está olhando para o seu controle do Xbox. "Sim." "Não entendo porque não pode ser exatamente isso, especialmente com ela se mudando para Chicago. Essa é a maneira mais fácil de gerir do que com ela vivendo no


Canadá. Eu saberia. Parece ser isso que você quer." "Sim, mas eu vou foder com ela eventualmente." "Como você pode saber? Eles substituíram as suas bolas para umas de cristal? você pode ver o futuro?" Miller parece extremamente confuso. "Isso foi o que meu pai fez. Ele fodeu minha mãe. Repetidamente. Não quero nunca fazer isso com outra pessoa. Não quero machucar alguém assim." "Você não é seu pai." argumenta Miller. "Eu sou exatamente como ele." "Não, você não é." "Sim. Sou." "Uh, cara, eu cresci com você. Sei como é o seu pai, e enquanto você pode parecer como ele e pode jogar hóquei como ele fez, exceto que joga melhor, é aí que as similaridades terminam. Você passou a sua vida inteira tentando não ser como ele. Você nunca faria para outra pessoa o que ele fez com sua mãe. Você é uma pessoa melhor do que ele é." "Eu quase transei outra menina na última vez que estive em Toronto. A única razão porque não o fiz, foi porque Lily apareceu." "Você não teria pegado a bunny." Lance diz calmamente. "Você não sabe disso. Se você não tivesse dito alguma coisa, eu não teria verificado as minhas mensagens, e eu teria levado aquela garota para o meu quarto." "Não significa que você teria fodido ela. Eu não teria deixado isso acontecer." responde Lance. "Não vejo como você tinha sido capaz de me parar. E esse é o ponto, não é? Não tenho capacidade para estar com uma pessoa."


"Você nunca sequer tentou saber," Miller dispara de volta. "Você sempre cortou quando começa a ficar intenso, exceto que você não fez com Lily." "Olha quão bem tem funcionado! E quando ela me disse como se sentia, eu disse a ela que iria foder de novo. Porque diabos é que Lily iria querer ter alguma coisa comigo depois de eu ter dito algo assim?" Lance está balançando a cabeça agora, mas ainda olhando para o chão. Miller passa as palmas das mãos sobre as coxas. "Olha o quanto eu estraguei tudo com o Sunny no início, quando ainda estava indo a festas e havia todas essas fotos e merda. Tivemos discussões, e falamos. Seguimos e frente e fizemos funcionar. Você não pode saber qual é o negócio com Lily, a menos que você a veja e converse. E se ela já não estiver na mesma página, bem, pelo menos você tentou em vez de estar aqui no seu sofá, fazendo com que todos ao seu redor lidem com a porra da sua miséria." Ele não está errado. E isso é uma porcaria. "Nós todos te vimos com Lily," Lance entra na conversa, o sotaque escocês fica mais grosso quando continua. "Há sentimentos lá. De ambos os lados. Não deixe que as más escolhas de outra pessoa sejam a razão para você desistir de algo que poderia ser bom." "Ele tem um ponto." diz Miller. Não posso acreditar que estou prestes a aceitar um conselho sobre relacionamento de Lance.


Capítulo 26 Ansiando: Não apenas por árvores

LILY

Não sou uma coitada. Não me sento e chafurdo. Bem, não costumava sentar e chafurdar. Mas isso é o que tenho feito entre embalar e formar uma nova treinadora. Ela é fantástica e vai fazer um trabalho incrível. Mas deixar as minhas meninas é difícil. Tenho trabalhado com algumas delas há um longo tempo, as observei se tornarem belas patinadoras. A mudança deve ser boa, embora. Vai ser boa. Quando eu parar de suspirar. Continuo a ter momentos de puro pânico em que me vejo dirigindo para Randy, batendo em sua porta, e pedindo-lhe para me segurar/me foder/me amar. O cenário do meio não é o que mais prevalece. Chocante, eu sei. Continuo seguindo sobre a minha decisão de me mudar e me lembrando de que, agora, estou realmente fazendo isso pelas razões certas. Todo o ponto de acabar as coisas com Randy era porque assim teria alguma perspectiva, e para garantir que não estava a fazer uma enorme escolha de vida baseada em querer algo que não posso ter. Ainda o quero, mas pelo menos não estou fingindo e me segurando em algo que não era nem mais mesmo real. No final, não posso dizer que me estou me mudando por todas as razões certas, mas eu sei que não quero nunca voltar a ficar com Benji, e viver em uma cidade grande será


definitivamente uma experiência. Além disso, a minha mãe vai morar com Tim-Tom, então, de uma forma ou de outra, eu teria que encontrar um novo lugar para morar. Coloco minha mala na minha cama e a abro. É nova. A comprei há dois dias em uma expedição de compras com a minha mãe. Ela está bem com a mudança. Ela não está mesmo sabendo a totalidade da minha situação com Randy, embora isso possa ser, em parte, devido aos meus ataques épicos de soluçar quando terminei de me divertir. Eu aprendi algumas coisas sobre mim nos últimos seis meses: Não estou talhada para sexo casual. O meu exterior, por vezes, cadela é a minha armadura, alego contra o quão sensível eu sou. Se eu tivesse sido tão perspicaz antes de cair por Randy, eu poderia ter saído disto com um pouco menos de angústia. Ou talvez não. Havia um monte de sinais mistos, eu estou começando a perceber. Ele foi o único que insistiu que seria "divertido", mas aquela semana com ele em Chicago... Não posso deixar de sentir que não era só eu. Independentemente disso, acabou e estou triste com isso. Ordenadamente arrumo a minha mala, começando com as minhas meias. Descubro que tenho um monte de meias, e está faltando o par da metade delas. Considerando que parece bastante kármico. O fodido karma ás vezes é uma vadia. Coloquei uma música emo, é claro, para combinar com o meu humor constantemente flutuante, e passo para a minha gaveta de calcinhas. Metade das minhas calcinhas precisa ser substituída porque ou estão velhas ou caindo aos pedaços. Ainda tenho as que Randy comprou para mim durante as férias. Nós não trocamos presentes de Natal, mas trocamos roupas íntimas. Ainda falta o par bonito azul com o laço, mas tenho o par de boxer rosa que eu vandalizei. Um presente de despedida para me lembrar dele. É um pouco stalker assustador, mas eu estou bem com isso. Também sou culpada de pesquisar as suas contas de mídia social e vasculhar os grupos de Puck Bunnies prostitutas. Até agora não há relatos de Randy


ser “balistic” ou sobre quaisquer novas Puck Bunnies. É uma terrível forma de tortura, esperar que aconteça e me quebrar mais uma vez. Há uma batida na minha porta, e escondo a boxer de Randy sob uma pilha de meias. "Entre." A minha mãe enfia a cabeça para dentro. "Como está indo?" "Bem. Vou terminar esta em breve, e então eu posso ajudá-la com a cozinha." Fecho a gaveta vazia. Sinto algo molhado em meu rosto e percebo que estou chorando. Mais uma vez. As emoções do caralho explodem. E o fodão do Randy fica assustado pra caralho. Pensar nisso definitivamente não para as lágrimas. A minha mãe me dobra em seu abraço magro. Nós somos tão magras, por isso não é nada como abraçando digamos, Randy, que é todo homem de linhas duras e musculares e, merda, realmente preciso parar de pensar nele. A minha mãe acaricia meu cabelo, como costumava fazer quando eu era pequena. Isto é calmante. "É porque você está se mudando para longe de mim, ou porque você ainda está triste sobre o seu menino do hóquei?" "Não sei. Ambos, eu acho." Fungo. É patético. Ela me deixa ir e toma o meu rosto entre as mãos. O seu sorriso é triste. "Ele é um idiota por não querer você." "Ele me quer, não apenas da maneira que eu o quero." Tento sufocar um daqueles horríveis de soluços de meleca. Mas não tenho sucesso. "Você tem certeza disso?" Ela pergunta baixinho. "Randy deixou claro desde o início, sempre iria ser casual." "Os sentimentos podem mudar, Lily." "Os dele não." Eu penso sobre aquele correio de voz, sobre a menina no bar que se


parecia comigo. Em uma questão de horas Randy já estava pensando em me substituir. "Ele disse que, eventualmente, ia me machucar." A minha mãe suspira. "Às vezes, quando as pessoas estão com medo do que eles estão sentindo, elas afastam as pessoas." "Talvez. Não sei. Randy não tentou me ligar ultimamente nem enviou textos. Acho que acabou." Ela me dá outro abraço magro. "Não vou dizer que há uma abundância de peixe no mar, apesar de existir. E você encontrará aquele que é certo para você, no momento certo." No momento, não sinto como se fosse encontrar outro peixe. Eu fungo. "Você provavelmente não deveria desde que completou quarenta e o veredicto ainda está em Tim-Tom." "É Tim, querida, e ele é bom para mim." "No entanto, Tim-Tom soa bem para ele." A minha mãe ri, e, em seguida, fala séria. "Eu sei que cometi um monte de erros ao longo do caminho, e fiz um monte de más escolhas, mas quero que você saiba que eu não tenho arrependimentos quando se trata de você. Bem, isso não é verdade. Eu gostaria de poder te dar mais. Você merecia muito mais do que você tem, mas eu fiz o melhor que pude..." Ela engasga o resto das palavras. O que provavelmente é uma coisa boa. A minha mãe e eu, não temos essas conversas profundas, de coração, provavelmente porque acabamos chorando feio. A acaricio. "Você fez muito bem, mãe." "Sinto muito sobre o menino do hóquei." "O nome dele é Randy também. O sexo era realmente incrível." "Eu definitivamente não preciso saber disso." "Eu vi a ereção de Tim-Tom".


"Acho que devemos tomar uma bebida." Sigo-a até a cozinha, onde ela derrama um copo de vinho e vemos o jogo de hóquei. Toronto está jogando contra Chicago. A barba de Randy é linda. Ele parece fantástico. E marca um gol. O meu celular vibra cerca de meia hora depois que o jogo termina. Não vou mentir; todo o meu ser quer que seja Randy, dos meus folículos capilares à minha Garagem Vagina da Lily. Não é. É Benji. Eu devolvi as suas coisas há alguns dias. Correu um pouco melhor do que eu esperava. Ele tentou me convencer que eu estava cometendo um erro ao me mudar para Chicago, e que devemos voltar a ficar juntos. Apontei a ele definitivamente que não iríamos funcionar comigo me mudando. Benji ficou bravo e depois chorou. Poderia ter sido muito pior. Mas, na minha pressa para sair, eu esqueci a minha caixa. Eu gemo e verifico a mensagem. Ele está me deixando saber que Benny está passando pela manhã com as minhas coisas. Há algum alívio em não ter que lidar diretamente com ele de novo. Temos um monte de história, e estou um pouco triste com a forma como está terminando, mas também estou ciente que estarei de volta e, às vezes, o tempo e a distância torna mais fácil tornar amigos. Quem sabe se isso alguma vez vai acontecer com a gente. Vou dormir com a minha mala ocupando metade da minha cama, e acordo com o meu celular tocando. É Benny. Esqueci-me de definir o alarme. "Vou descer." digo a ele. Puxo um moletom com capuz sobre a minha parte superior da regata e enfio os pés em minhas pantufas. São enormes e pesadas, mas pelo menos são quentes. Sunny me deu no Natal. Não me incomodo em verificar o meu reflexo no espelho antes de descer. Francamente, não dou a mínima como


pareço. Fecho meus olhos para o passeio no elevador. Estou com dor de cabeça. Só tive um copo de vinho, mas foi um grande. O carro de Benny está estacionado na frente do meu prédio. Eu atravesso a calçada com neve em minhas pantufas de alces. Vou ter que as colocar para secar, mas não quero que Benny se ofereça para trazer as minhas coisas para cima. Benny sai do carro. Ele tem uma barba crescendo. É mais limpa do que a de Benji, mas quando ambos têm uma, eles poderiam passar por gêmeos. Ele levanta uma sobrancelha para a minha roupa. "Parece que eu acordei você. Eu poderia te encontrar na porta." "Está tudo bem. Eu precisava levantar de qualquer maneira. Muita arrumação para fazer." Não tenho muito assunto, mas ainda tenho algo a dizer. "Então você está se movendo para Chicago, né?" Enfio as mãos no bolso do meu moletom. "Sim." Benny balança a cabeça. "Sair de Guelph vai ser bom para você." "Acho que sim. Como está Benji?" Não pergunto por que me sinto obrigada; Sinceramente estou preocupada, especialmente porque ele enviou Benny em seu lugar. Benny dá de ombros. "Você sabe como ele é. Ele precisa começar a descobrir a vida. Você se mudar pode acabar também acabar sendo uma coisa boa para ele." Nós deixamos o resto não dito. Benji precisa crescer. "Espero que sim." "Eu também." Ele suspira. "Deixe-me pegar suas coisas. Tenho que começar a trabalhar e a neve está se tornando difícil hoje." "Sim, é claro." Estou aliviada que ele não pode ficar e conversar. Além disso, estou


congelando e os meus pés estão dormentes. Benny abre a porta do passageiro e tira uma caixa do banco. Está cheia de porcarias praticamente inúteis. Há uma foto minha e de Benji na formatura. Nós terminamos naquela noite depois um dos caras do time de futebol me ter pedido para dançar e Benji ter surtado. É incrível como sete anos de memórias podem ser reduzidas a uma caixa de papelão. Coloco-a debaixo do braço e dou a Benny um abraço desajeitado. Quando eu estou fazendo isso, noto um SUV dirigindo em marcha lenta. A neve range sob os pneus, enquanto para ao lado do carro de Benny. O homem no banco da frente faz contato visual enquanto me afasto de Benny. Sinto que poderia estar tendo alucinações, porque com certeza se parece Randy. O carro começa a andar novamente, como se prestes a sair. O que não faz sentido se ele dirigiu todo o caminho de partir de Toronto. Estou usando uma calça de pijama com estampa de alces, as minhas pantufas de alces, e um capuz com manchas. Não escovei os dentes e está congelando, mas não há nenhuma maneira que ele está saindo antes de eu descobrir porque veio todo o caminho até aqui. Se for Randy. Caso contrário, vou estar envergonhada com o que estou prestes a fazer. "Desculpe, Benny, eu tenho..." Deixo cair a caixa na neve, faço gestos descontrolados selvagens, e começo a correr. É tão escorregadio como uma piscina de lubrificante, mas estou determinada a pegar o cara antes que passe o sinal de pare Espero que não esteja ficando louca e que seja realmente Randy. Felizmente ele dirige com cautela devido à neve pesada, imprevisível. Nunca estive tão grata pela má manutenção da cidade. Ele chega a um impasse no sinal de pare, ao mesmo tempo em que me jogo sobre o capô. Agarro o para-brisa e olho para cima para encontrar o rosto chocado de Randy


olhando para mim. Deslizando para fora, abro a porta do passageiro e entro. Decido jogar com calma. Fecho a porta e me inclino contra ela, sendo casual, embora esteja respirando como se tivesse corrido uma maratona, a minha camisa está embebida em uma capa de neve, e eu estou usando pantufas de alces. "Ei." Randy parece sexo enrolado em bacon e mergulhado em xarope de bordo. O seu cabelo está seriamente fodido. Está mais longo outra vez, mas não está puxado para trás e a outra metade está pendurada em sua face. A barba é toda barba e tudo o que quero fazer é me enrolar em torno dele. "Você tem alguma ideia de como perigoso isso foi?" Ele aponta para o capô e depois para mim. "Você estava indo embora." Eu digo em uma defesa ofegante. "Você voltou com aquele imbecil?" Randy empurra o polegar na direção de Benny, exceto ele já está em seu carro, então Randy está apontando para o espaço vazio. "É o irmão de Benji, Benny. Eles são muito parecidos com a barba. E não, não há nenhuma maneira que eu iria voltar com ele." "O nome do seu irmão é Benny?" "Os seus pais são uns idiotas." "Obviamente." Nós olhamos um para o outro por alguns longos segundos, tempo em que eu considero todas as maneiras de ficar nua. Randy bate no volante, e eu paro mentalmente de despi-lo para que eu possa ouvir as suas palavras. "Então as coisas estão terminadas com ele?" pergunta. "Sim. Totalmente acabadas. Benny trouxe as minhas coisas que estavam com


Benji. Foi mais fácil do que vê-lo. Quer dizer, eu posso gerir em vê-lo, mas ele não consegue me ver. Benji ainda quer que voltemos a ficar juntos, e eu não, por isso é estranho." Mais ou menos como esta conversa. "Isso é bom. Você pode fazer melhor que esse idiota." Randy mastiga o interior de seu lábio enquanto balança a cabeça lentamente. "Ele é inseguro." "Não lhe dá o direito de te tratar como merda ou subestimá-la." Deus, ele é sexy, e a maneira como está falando me lembra de quando o conheci na casa de campo de Alex. Randy era tão arrogante, e me defendeu, e eu enfiei a minha língua em sua garganta. Não posso acreditar que foi há quase seis meses atrás. Não posso acreditar que sou apaixonada por ele, e ele está sentado aqui, e eu não tenho ideia do por que. "Então, o que você traz a Guelph às oito horas da manhã?" Pergunto, mais uma vez tentando ser casual. Randy estende o braço sobre o assento. "Você." Bem, isso é direto ao ponto. "Eu... uh..." "Não quero te ver mais." Randy deixa escapar isso como um vômito. "Hum..." Não tenho ideia do que isso significa. Se ele está aqui para uma rapidinha, eu acho que o poderia socar. Não vou ter sexo casual com ele, nem mesmo que eu queira. Randy passa a mão pelo cabelo. "Desculpa. Ontem a noite foi longa." "Eu assisti ao jogo." "Sim?" "Você esteve acumulando muitos minutos de penalidades recentemente."


"Estive de mau humor. Acontece quando a garota com quem eu quero estar rompe comigo porque já não sou divertido." Fale sobre colocar tudo para fora. "Eu não disse que você não era mais divertido. Espere. Romper com..." "Você disse que não era mais divertido para você. Isso não é a mesma coisa?" Isso é na verdade, muito, muito diferente, mas ainda estou obtendo a minha cabeça em torno do comentário “rompimento’’. Preciso dizer alguma coisa. Não posso olhar para ele, assim deixo cair o meu olhar no meu colo. Merda. Não estou vestida para esta conversa. Aposto que o meu cabelo está uma bagunça. Esta é a mais falhada reunião de sempre. Se é o que isso é. "Lily?" "O sexo não deixou de ser divertido..." "Estou feliz que o meu pau fodido é útil." Randy soa tão amargo. Olho para ele. "Eu amo o seu pau fodido." "No entanto, não o suficiente para querer montá-lo mais." Eu estou com raiva que ele veio até aqui e ainda estamos apenas falando de sexo. "Seu pau não é fodido, e isto é mais do que sexo, Randy!" Eu grito. Não quero, mas esta conversa não está indo em uma direção útil, e agora tudo o que posso pensar é montar o seu pau. Um carro dispara a sua buzina atrás de nós. Randy desce a janela e mostra o dedo à pessoa. Que no caso é Benny. "Estamos sentados em um sinal de Pare." Eu aponto para o sinal vermelho. Randy liga a seta e vira a esquina. Ele dirige em torno do bloco até parar mais na frente do meu apartamento e liga os pisca alertas. Ele acaricia a sua barba, com expressão pensativa. "Pensei que eu estava apenas sendo a sua aventura. Não


esperava que se transformasse noutra coisa." Volto a olhar para as minhas pantufas de alces. "Olha, talvez eu devesse ter dito algo muito antes, mas o sexo casual não funciona para mim, e você já deixou claro sobre o que você faz." Randy franze a testa. "Então você não é boa com casual, e isso é tudo o que você achava que isso era." "Sim." Finalmente, acho que estamos chegando a algum lugar. Suspiro e empurro as minhas mãos entre os joelhos. "Tudo estava bem no início, quando eu meio que odiava e gostava de você, e você comia a Garagem Vagina em banheiros públicos. Então você começou a me levar para almoçar, e me comprou roupas e brincou sobre eu me mudar para Chicago. Passar tempo com você durante as férias mudou as coisas, parecia que as coisas também tinham mudado para você. Comecei a sentir que era algo mais, mas você me disse que não era." Randy olha para frente, apertando e soltando o volante. "Foi toda a conversa sobre você se mudar para Chicago?" "Você brincando? Mudar-me não é a questão, Randy." Ele aperta a sua mandíbula. "Entendo." O seu queixo cai para o seu peito e ele fecha os olhos. "E se o que estávamos fazendo não era apenas casual?" "Acho que a palavra casual precisa ser banida do resto desta discussão. Pode me explicar o que você quer dizer?" "E se estivéssemos fazendo o que estávamos fazendo mas com sentimentos." "A maioria das pessoas chama isso de um relacionamento, Randy." Randy morde um dedo. Ele parece um animal encurralado. "Se você não pode mesmo dizer a palavra, não é algo para o qual você está pronto."


"Eu posso dizer isso." "Então faça." "Relacionamento." Ele ainda está mastigando o seu polegar, então sai tudo ilegível. Não sei se rio ou choro. Os meus estúpidos olhos decidem por mim e começam a encherem de água. Odeio chorar. "Eu não posso..." Eu alcanço a maçaneta. "Espere!" Randy agarra o meu pulso. É a primeira vez que ele me tocou desde que entrei no veículo. A sua pele é quente e áspera. Ainda é elétrica. O meu coração dói tão mal e o meu sino mágico está ficando louco. Ele lambe os lábios e engole em seco, os olhos correm para mim e se afastam. "Olha, toda a minha vida todo mundo me comparava com o meu pai. Como pareço com ele, falo como ele, como ajo, sou bom no hóquei como ele, sou mesmo como ele. E ele arruinou a minha mãe com todo o seu foder ao redor. Ela nunca superou isso e minha irmã se mudou para o outro lado do mundo para ficar longe dele. Eu não quero nunca fazer a alguém, o que ele fez para elas e para mim. Não quero fazer ninguém passar por isso." A dor que isso lhe causou é clara nos seus olhos, no conjunto rígido de seus ombros, no tremor em sua voz. Este homem, tão confiante no gelo e na cama, está se debatendo com seus sentimentos. Varro o meu polegar sobre os nós dos dedos dele. "Você não tem que repetir os mesmos erros, Randy. Você é a sua própria pessoa. Você controla suas ações." Randy diz calmamente, "Eu não estive com ninguém além de você desde que nós brincamos no verão. Ninguém." "Ninguém?" Eu estou meio atordoada. Ok, eu estou muito atordoada. "Houve uma menina no bar que ficava tocando o meu braço, mas tudo o que eu


conseguia pensar era em você, e então você apareceu. Fiquei tão aliviado e aterrorizado, ao mesmo tempo, porque sabia que eu era a sua aventura. Eu acho que eu queria que fosse algo mais, mesmo naquela época; Só não tinha percebido isso ainda. Ou não queria ver." Ele exala um longo e lento suspiro. "Eu não deveria ter reagido da maneira que fiz quando você disse como as coisas estavam ficando intensa, mas disse que iria dizer algo se fosse demais e você não fez, e nem eu, e entrei em pânico." "Vejo isso agora." "Não sei se você ainda tem esses sentimentos, ou se o que eu disse os fez desaparecer, mas eu ainda quero você. Quer dizer, eu quero estar com você e não apenas para o sexo. Se isso está se movendo muito rápido e você precisa que isso não tenha um rótulo, podemos fazer isso." Ele faz uma pausa, os olhos arregalados, e então balança a cabeça. "Isso não é verdade. Eu quero um rótulo. Quero estar em um relacionamento com você." "Um relacionamento?" Eu soo como uma idiota. Ainda estou cambaleando sobre o fato que, muitas vezes, passamos mais de um mês sem nos vermos e ele não esteve trepando com Puck bunnies. Quero dizer, é claro que eu esperava que ele não estivesse com elas, mas eu não esperava exclusividade, sendo casual ou não, aparentemente, de ambos os lados. "Sim." Randy acena com a cabeça uma vez. "Você não esteve com nenhuma Puck bunnies desde o verão?" "Nenhuma." "Por quê?" "Porque eu só queria estar com você. Desculpe, eu quero dizer quero, tempo presente. " "Uau. Que loucura, você esteve semanas sem sexo." "Mas me masturbei muito."


"Eu aposto." Olho para baixo em sua virilha. Ele definitivamente tem algo feliz acontecendo lá embaixo. E ainda está segurando o meu pulso, e seu polegar escova para trás sobre a pele, calmante, aquecendo. "Então você quer me namorar?" "Não, eu quero que você seja a minha namorada." "Você vai já para a arma grande de rótulos, né?" "Sim, arma grande ou ir para casa, certo?" Randy me puxa para ele. "Assim? Você quer me dar uma chance?" "Ok." "Ok?" "Sim. Definitivamente." O seu sorriso faz o meu coração derreter. Não percebo que ele está vindo para um beijo até que sua boca está quase na minha. Deslizo a mão entre nossos rostos assim Randy beije meus dedos, em vez dos meus lábios. "Não escovei meus dentes ainda." "Realmente não me importo." "A minha boca tem gosto de queijo de pau." "Como você sabe que gosto tem queijo de pau?" "Você viu Benji. A sua barba corresponde às suas bolas." Tenho certeza que arruinei o que é suposto ser o nosso primeiro beijo oficial de casal falando sobre o saco do meu ex com bolas desgrenhadas. Randy faz uma careta. "Porra, isso é desagradável." "Desculpe, finja que eu não disse isso." "Muito tarde." Ele puxa um pacote de balas do bolso, tira uma, a empurra uma minha boca. Mastigo um par de vezes esfregando todos os pedacinhos hortelã sobre a minha língua e engulo. Água seria bom, mas desde que eu não tenho nenhuma, vou


ter que gerir. Abaixo minha mão. "Certo. Pronta." Randy me dá aquele sorriso sexy que faz a minha calcinha querer rastejar fora de meu corpo e ir para seu bolso. Exceto que não estou usando uma. Todo o meu corpo formiga, assim que ele segura o meu rosto entre suas mãos. Randy passa o polegar ao longo do contorno do meu lábio inferior, limpando uma migalha de hortelã. Então se inclina. Não posso me ajudar. Eu ainda não entendo o que tem ele, mas tudo o que quero é pular encima dele no segundo em que começar a me tocar. Imediatamente enfio a minha língua em sua boca e gemo. O seu riso é abafado pelos meus impulsos de língua. Tanto faz. Isto Tem sido um par de semanas, e eu estive toda deprimida e de coração partido. Agora estou excitada e animada. Tenho um namorado quente, com um pau de cara feliz e durão. Seguro a parte de trás do seu pescoço e o acaricio através de seu jeans. Randy está duro, e o quero sentir entre as minhas pernas, desde que agora ele é meu. Exclusivamente. Lanço minhas pantufas e me preparo para qualquer ataque a ele ou o puxar para baixo. Ambos irão funcionar bem. A batida na janela me lembra de que estamos em um carro, e são oito da manhã, por isso não há cobertura da escuridão. Também estamos estacionados na frente do meu prédio. Afasto o meu rosto de Randy, pronta para xingar quem está interrompendo a nossa sessão de amasso. Exceto que é a minha mãe. Ao invés de xingá-la, rolo a janela para baixo. "Ei mãe." Ela aperta a mão contra o peito e solta o que parece ser um suspiro aliviado. "Por um segundo eu pensei que era Benji." "Uh, não." Eu aceno para Randy. "Como você pode ver, definitivamente não é Benji." A minha mãe olha-o enquanto ele limpa a boca com as costas da mão. "Não. Definitivamente não."


Randy acena. "Oi." O seu rosto está vermelho como beterraba. "Mãe, você se lembra de Randy. Randy, você se lembra da minha mãe, Iris." Uau. Fale sobre clima estranho. "Claro que me lembro de Randy. Que surpresa agradável. Vocês dois devem ir para dentro. Eu sei que o apartamento está um pouco confuso, mas está frio aqui fora." O jeito que ela fala não nos dá muita opção, então Randy desliga o motor, sub-repticiamente reorganiza a sua ereção, fecha sua jaqueta e sai. A minha mãe me dá um beijo na bochecha. "Prazer em vê-lo novamente, Randy. Espero que isso signifique que seremos capazes de nos ver outra hora." "Aonde você vai?" Pergunto. "Trabalho, mel. É segunda-feira." "Oh." "Vocês dois se comportem." Ela dá um tapinha no braço de Randy e nos deixa sozinhos. Randy pega a caixa que deixei cair quando o persegui e enfia debaixo do braço. Então entrelaço meus dedos nos seus. Randy me segue para o elevador. Somos as únicas duas pessoas dentro dele, então tiro vantagem da situação, fodendo a língua na sua boca novamente. Randy aperta minha bunda e puxa contra ele, fazendo o que faz de melhor: transar vestida. Nos afastamos quando o elevador apita. A porta abre e o pego pela mão de novo, arrastando-o pelo corredor. Atrapalho-me com a chave, lutando para colocá-la na fechadura. "Deixe-me fazer isso." Randy murmura. Deixo ir e ele assume, deslizando a chave na fechadura e abrindo a porta aberta. Assim que entramos estou em cima dele de novo, puxando a sua jaqueta, tentando abrir a calça.


Randy coloca as mãos sobre os meus ombros. "Lily." "O inverno obriga muitas camadas." Randy me empurra para trás. "Você ouviu isso?" "Ouvi o quê?" Eu deslizo o seu cinto livre do fecho. Ele põe a mão sobre a minha, como se isso fosse me parar. "Quê?" Eu não ouço nada, então dou uma resposta atrevida. "É o som da minha buceta chorando por seu pau." Randy ri, então geme quando eu abro no botão e deslizo a minha mão dentro de sua cueca, encontrando-o ereto. "Há água correndo." Faço uma pausa, ainda segurando seu pau, e ouço atentamente. "Merda." "Quem está aqui?" “Tim-Tom”. "Quem." "O meu outro namorado." A expressão de Randy fica sombria. "Desculpa. Desculpe isso foi uma piada terrível. Nunca, nunca vou dizer nada disso novamente. É o namorado da minha mãe. Achei que ele foi para casa ontem à noite." Ainda estou segurando o seu pau, e vou na ponta dos pés pelo corredor e espreito ao virar da esquina. Ele não tem escolha a não ser seguir. A água ainda está correndo, então podemos definitivamente chegar ao meu quarto, sem Tim-Tom saber que estamos aqui. Solto o pau de homem de Randy e movo a porta do outro lado do corredor do banheiro. Ando na ponta dos pés furtivamente e Randy anda pesadamente pelo chão de tacos com as suas botas. É inteligente para não deixar evidências de sua presença para trás, além de deixar impressões molhadas.


O puxo para o meu quarto pela sua jaqueta, tranco a porta e o dispo freneticamente. "O que está fazendo?" Pergunta. "Deixando você nu. Com o que se parece?" Tipo, duh. "O namorado da sua mãe está aqui." "E então? Eles transam o tempo todo quando estou aqui. Nós vamos ficar quietos. Se eu ficar escandalosa você pode colocar uma mão na minha boca; Eu meio que gosto disso." Randy fica lá piscando para mim como se eu talvez tenha enlouquecido um pouco, então puxo o meu moletom e a parte superior da regata sobre a minha cabeça e empurro as minhas calças de flanela de alces para baixo sobre os meus quadris. E pronto, estou nua. Isso faz o truque. Randy dá de ombros ao seu casaco e tira o capuz e camiseta. Puxo sua calça e cueca para baixo de suas coxas e caio de joelhos. "Olhe para ele! Ele está tão feliz em me ver, sorrindo como um bobo." Randy ri e inala quando traço a cicatriz com um dedo suave. Não me preocupo com um aquecimento. É desnecessário e um desperdício de tempo. Tudo que quero é lubrificar o seu pau e o ter dentro de mim. A melhor maneira de conseguir isso é babando todo ele. Ou colocar tanto dele quanto posso na minha boca e o sugo, o que soa incrível. Lambo ao longo do eixo e engulo a cabeça. Olho para ele. A boca de Randy cai aberta, e as suas mãos vão para o meu cabelo. Seguro o seu traseiro e ele embala a minha cabeça. Chupo como se o boquete fosse um evento olímpico e estou indo para a medalha de ouro. "Puta merda, Lily." Randy coloca uma mão na parede para se firmar. Os seus joelhos se curvam no meu barulho alto. Caras são tão engraçados sobre ter o seu pau na boca, e com base em experiências


anteriores de Randy, estou me transformando em sua deusa do boquete. Todo o meu corpo quente está se iluminando como uma máquina de jogos em Vegas, quando os punhos de Randy puxam meu cabelo. Uma série de saliva liga a cabeça ao fundo ao meu lábio. Da minha perspectiva é bruto, mas Randy é um cara, e por qualquer motivo, eles parecem gostar de todos os sons de sucção e fluídos corporais. Randy se inclina sobre mim, ofegante, comos músculos tensos. O seu pênis está a centímetros do meu rosto. Ele ainda segurando a parede com uma mão e meu cabelo com a outra. Não vou mentir. É muito quente. Posso estar de joelhos, mas eu sou definitivamente aquela com todo o poder. Corro as minhas mãos para cima em suas coxas e mordo o meu lábio inferior, sendo tímida. Sigo a linha branca em seu quadril, depois varro um único dedo todo o caminho até ao seu eixo, sobre a cicatriz de sorriso, para a ponta. Os olhos de Randy rolam para cima e ele estremece. "Você vai me foder agora?" Eu pergunto docemente. Randy me puxa para cima, pelos cabelos, e esmaga a boca na minha. Oh, cara. Isso vai ser um sexo sério agora que voltamos e sou sua namorada. Ele deve esquecer que sua calça ainda está em torno de seus tornozelos, porque ele tropeça e se embaralha para a cama. Caímos em uma pilha no colchão. O meu edredom é uma bagunça amarrotada e nem sequer me preocupei em colocar a minha mala no chão antes de ir para a cama na noite passada, então tive que dormir em um ângulo estranho. Nós deslizamos e caímos da cama, então metade dos nossos corpos está pendurada para fora. Randy está pesado em cima de mim. O seu pênis está aninhado entre as minhas pernas. E, claro, ele já começou com o empurra, empurra. Neste momento não deixei de ser surpreendida com a rapidez com que ele me faz vir. Acho que é apenas a maneira que nós estamos juntos. Com o próximo movimento de seus


quadris, a cabeça de esfrega o meu clitóris. Cavo as minhas unhas em sua bunda e arqueio. Randy desliza baixo. A cabeça viola porta da frente da Garagem Vagina. Randy quebra o beijo, e nós olhamos fixamente. Não precisamos de palavras reais para transmitir a pergunta que ambos estamos fazendo em silêncio. Está tudo bem? Podemos fazer isso sem camisinha? Randy não teve relações sexuais com outra pessoa em um longo tempo. "Eu estou limpo." Randy se encolhe, envergonhado. Diz mais do que o seu reassegurar. "Vou pegar um preservativo." "Está bem." "Você tem certeza." Ele afunda um pouco mais. "Eu tenho tomado a pílula desde sempre." As mãos de Randy estão no meu rosto. Ele vai profundo, talvez testando se sou séria ou não. Não o paro, então, Randy continua afundando. O gemido é alto e baixo. "Não me julgue se eu vier rápido." "Enquanto eu gozar antes que você, estamos bem." "Sem promessas." As suas costas se expandem e se contraem com cada respiração. Randy definitivamente não está no controle. O seu corpo inteiro está tremendo. Tranco as minhas pernas em torno de seus quadris e roço o seu rosto com meus dedos. "Ei." Seus olhos viram para os meus. "Fique comigo." Ele libera uma exalação afiada e começa a mover-se. Não é uma besteira gentil, do tipo vamos fazer amor. São estocadas duras, cama rangendo, sexo de reconciliação, foda completa. Não há nenhuma maneira de sermos tranquilos. Vou ficar surpreendida se não quebrar a minha cama. Felizmente, não preciso dela em Chicago.


Não podemos nos beijar porque a batida é muito vigorosa. Tudo o que posso fazer é segurar enquanto ele me fode. É incrível. Gozo duas vezes e mordo a merda fora de seu ombro. Nós estamos agitando muito a cama e a minha mala cai no chão com um estrondo. Randy retarda os movimentos com a batida na minha porta. "Tudo bem aí?" É Tim-Tom. Acho que ele saiu do chuveiro. "Está tudo bem. Deixei cair a minha mala!" Respondo. O rosto de Randy está enterrado em meu pescoço e os seus ombros estão tremendo. "Precisa de ajuda?" "Não. Estou bem! Obrigado, Tim!" "Ok. Estou indo ao trabalho. Vejo você mais tarde." Randy circula seus quadris, lento e apertado, enquanto esperamos que Tim saia, mas mesmo depois da porta se fechar, ele não volta para o bater vigoroso e intenso. Ao contrário, Randy permanece lento e me beija profundamente. Quando ele goza, é como se ele estivesse tentando subir dentro do meu corpo e ficar lá para sempre. Passo a mão pelas suas costas, sorrindo para o arrepio que eu crio. Randy levanta a cabeça na dobra do meu pescoço, com olhos suaves e quentes. "Isso foi muito divertido." Rio e toco os seus lábios, roçando a cicatriz. "Com certeza foi. Devemos fazê-lo novamente."


Epílogo Confissões de Sofá

LILY

Três meses depois

Deixo-me cair no sofá de Randy e jogo as minhas pernas sobre o seu colo, embalando a minha tigela. Ele se inclina e aponta para tigela. "Que diabos é isso? Por que está vermelho?" "São batatas fritas de ketchup." Randy faz uma careta. "Ketchup?" A minha mãe mandou um pacote de cuidados. Adoro viver em Chicago, mas há algumas coisas que sinto falta do Canadá. Batatas fritas de ketchup é uma delas, a minha mãe é outra, e bacon com sabor de bordo, completa a lista. Estalo uma em minha boca e faço um som semelhante ao que faço quando o rosto de Randy ou os dedos ou o seu incrivelmente pau está entre as minhas pernas. "Elas são tão boas." Randy olha para a minha boca, observando enquanto mastigo. Engulo, em seguida, tomo um gole do copo de cidra que ele serviu para mim. É o meu favorito, não muito doce, com o nível


perfeito de amargo. Assim que coloco o meu copo para baixo, Randy tira a tigela da minha mão, coloca sobre a mesa de café, e me aborda, me deitando no sofá para as almofadas. Randy tem algumas habilidades incríveis de ser capaz de ter o seu joelho entre as minhas pernas, sem eu perceber até que começamos a transar. Ele segura a minha nuca seus dedos me apertando. Eu não sei por que isso me faz tão quente; é como se estivesse me segurando, então não posso ficar longe de sua boca. Não que eu queira. Randy aperta os seus lábios nos meus, farejando. E recua, me oferece um olhar estranho. Então ele me dá outro beijo, um pouco mais desta vez. E suga o meu lábio, passando a língua ao longo dele e se afasta. "Ketchup?" Diz ele. "São as melhores." Randy volta a me beijar, e desta vez ele desliza a sua língua em minha boca. Depois de alguns segundos de exploração, ele quebra o beijo e balança a cabeça. "Não. Não gosto. Você precisa escovar os dentes. Tem gosto de merda." Randy ainda tem um joelho entre a minha perna e está empurrando contra minha pélvis. Posso sentir o seu pau duro. Não pode estar negativamente afetado pelo meu mau hálito. "Apenas tente um." Me movo e pego uma batata da tigela, trazendo-a a sua boca. Ele se inclina e cheira novamente, enrugando o seu nariz. "Coma" "Prefiro comer você." "Tenho certeza que o cheiro da batata de ketchup é melhor do que o cheiro de vagina." "Isso é discutível. Adoro o cheiro da sua buceta."


"Como se fosse feita de bordo?" "Exatamente." "Abra a boca." Pressiono o chip contra seu lábio inferior, mas Randy o mantém fechado. Continuo empurrando até quebrar a batata, que se desintegra na barba dele e no meu peito. Algumas migalhas caiem no V da minha camisa. "Oh! Olhe para isso. A minha camisa está suja agora; ela precisa ir para a lavanderia." Randy pega a parte superior e a puxa sobre a minha cabeça. Estou sem sutiã, o que é normal quando estou em casa, a sua ou a minha. "Pensei que estávamos assistindo a um filme." "Nós poderíamos fazer o nosso próprio." Randy levanta as sobrancelhas, com o seu sorriso diabólico. "Preciso de um novo para a próxima semana." Randy sai de manhã para uma série de jogos fora de casa. Ele vai ficar fora por dez dias. Vai ser a nossa separação mais longa desde que me mudei para Chicago. Passamos a maior parte do nosso tempo livre juntos. É quase uma coisa boa que ele tenha que viajar; caso contrário, eu sinto que nós estaríamos imersos apenas um no outro o tempo todo. Desta forma, posso estar com Sunny, Violet e Charlene. Randy puxa a camisa sobre a cabeça, de modo que o nosso nível de nudez se corresponde. Em seguida, se instala entre as minhas pernas. Em vez da guerra de língua, ele escova os lábios suavemente sobre o meu. "Quando eu voltar desta série, vamos falar sobre você se mudar." A mudança de tema me deixa surpresa, tendo passado de odiar batatas de ketchup, a querer sexo. "Você quer que eu viva com você?" Randy lambe os lábios e acena. "Miller vai pôr o condomínio dele no mercado no final da temporada, o que significa que ele vai se mudar para Sunny, então você deve mudar para cá."


Ele está tão certo. "Porque é lógico ou porque você me quer aqui?" Pergunto. "Opção dois. A menos que você não esteja pronta." Ele apoia o queixo sobre o punho, parecendo um pouco inseguro de si mesmo. "Você tem a certeza que me quer e o meu hálito de batata de ketchup no seu espaço o tempo todo?" "Vou lidar com o hálito de batata de ketchup se isso significar que você está aqui o tempo todo." Ele deixa cair um beijo quente em meus lábios. "Sabe o que faz os jogos fora suportáveis?" "Sexo por vídeo chamada?" Randy sorri. "Esse é o número dois na lista. O número um é saber que você vai estar aqui quando eu voltar." "É muito impressionante quando eu abro a porta nua, não é?" "Tão legal. Só que uma vez Lance estava comigo." Eu tremo. "Ele teve um olho cheio." Tudo o que eu estava usando era uma fita em volta do meu pescoço, amarrada em um pequeno arco. Após Lance ir embora, Randy me fez colocar a fita de volta, e tivemos um intenso sexo de vaidade no banheiro. Ele não gostou que Lance tivesse me visto nua. Randy faz um som, como um rosnado. A sua versão territorial é sexy combinada com vulnerável. "Então você vai mudar?" "No fim da temporada?" "Ou quando estiver pronta. Apesar de tudo, sem pressão." Seguro o seu rosto em minhas mãos e trago a dele boca para a minha. "Eu te amo." Randy sorri e pega o celular da mesa de café, em seguida, senta sobre os joelhos. "Pode repetir, por favor." "Eu te amo."


Ele passa o celular para mim, e o seguro, registrando a vasta extensão de músculo e tatuagem. Randy é tão impressionante. "Você é a coisa mais linda na minha vida." diz ele. Tremo quando ele puxa a calça para baixo e a joga para o chão. Inflamo quando ele abaixa a cabeça e coloca a boca em mim. Tudo sobre a minha relação com Randy é intensa, do sexo à nossa forma de amar um ao outro. Continuo esperando a novidade das emoções profundas desaparecerem, mas não aconteceu. Estar com Randy é como ter a primeira e última mordida da minha sobremesa favorita: é cheio de expectativa tonta e saciedade feliz. Não sei se vamos ser sempre assim, ou se as coisas vão mudar com o tempo e familiaridade, mas por agora, estamos vorazmente no amor.

RANDY & LILY

PARA SEMPRE.

Helena hunting 03 pucked over  
Helena hunting 03 pucked over  
Advertisement