Je vous garde 2009 cat

Page 1



Je vous garde Joana Villaverde

Museu da Cidade, PavilhĂŁo Branco



… I pass death with the dying and birth with new-wash’d babe… … I am not an earth nor an adjunct of an earth, I am the mate and companion of people, all just as immortal and fathomless as my self, (they do not know how immortal, but I know) Every kind for it self and its own, for me mine male and female… … Undrape! You are not guilty to me, nor stale nor discarded. I see through the broadcloth and gingham whether or no, And am around, tenacious, acquisitive, tireless, and cannot be shaken away.

Walt Whitman in Song of Myself



Je vous garde Podia ser o nome do projecto. São pessoas, pessoas pintadas, pessoas do tamanho real, de corpo inteiro, umas mais perto umas mais longe, umas mais escuras umas mais claras, todas olham para nós. Todas são pessoas que me apareceram, que me desapareceram. Quero tê-las todas na mesma linha, na mesma fila, como se fosse um retrato de família, uma fila de execução. Uma fila de apresentação. Uma fila de agradecimento. Em tempos diferentes, uns mais tempo que outros. Todos desaparecemos, todos aparecemos. Estão todas despidas, sem roupa. Sem artifícios. Pessoas que vi e que desapareceram da vida. Pessoas que vi e que apareceram na vida. São pintadas em barras de óleo sobre tela, a tela é do tamanho de um corpo e desenrolada até ter o comprimento de um retrato conjunto. Gostava que dessem a volta à sala. Não há nenhum ponto de vista ideal, todos são o ideal. Outra vez, como sempre no meu trabalho, este é também uma narrativa, uma história de sensações, contada numa só imagem, num só sítio. Como se se pudesse fotografar uma história. Joana Villaverde Lisboa, Junho de 2007

Esta foi a carta que enviei a pelo menos vinte pessoas que queria que estivessem nesta tela. Para que não me desapareçam.



Je vous garde Could be the name of this project? It shows people painted in full-body and in real size. Some are closer, others more distant, some are lighter and others darker, all of them hold our gaze. All of them are people who appeared to me and people who have disappeared. I want to see them all in a row, in line, like a family portrait, a shooting line. A line of people who are presented to us, a line of people whom we thank. In different times, some exist more than others. We all disappear, we all appear. They are all naked, without clothes, without artifice. People I saw and who have disappeared. People I saw who have appeared. They are painted in oil on canvas. The canvas is the size of a real life body, which can be unfolded to compose the portrait, around the room, without a privileged view point. They are all privileged. Again, like always in my work, this is also a narrative, a story of sensations, told in one single image in the same place, as if you one could photograph a story. Joana Villaverde Lisbon, June 2007

This was the letter I sent to at least twenty people I chose to paint for this work. So they don’t desappear to me.



Não sei porquê mas quando vejo este trabalho, vejo-o como uma homenagem ao teatro, ao teatro no momento em que os actores se despem dos personagens e nos olham quase nos olhos e nos agradecem por termos estado ali. Por os termos visto trabalhar, por os termos visto representar um personagem, uma vida. É o momento, em que nós espectadores, nós também nos expomos, actores espectadores na mesma cena. Duas cenas, dois palcos. No mesmo teatro.

Isto, querida Joana, dizes tu. Já nos cruzámos no teatro. Já sabia que nas tuas passagens pelo teatro não andavas à procura de personagens mas de gente, de pessoas. Ainda bem. O teu desassossego quando fazes um cenário é sinal de que andas no teatro à procura de mais do que comédias, dramas ou tragédias. Não gostas de ficções. O que te dá gozo é conhecer. E aposto que a tua pintura luta contra as ilusões em busca de uma matéria mais áspera, mais vital, mais violenta. Mas gostas da contracena, das brincadeiras, de te esconderes para mais te mostrares. E gostarás talvez mais de quem se esconde que de quem julga mostrar-se. Também passa por aí o meu gosto pelo teatro. Construir disfarces em nome da vontade de construir um verdadeiro encontro com os outros. Achei portanto graça à tua ideia de lutar contra a máscara expondo a nudez. Vou contar-te um segredo. Sempre que preparo uma ficção e invento uma personagem, dirias tu, atrás da qual me esconder, se a coisa corre bem e estou a conseguir inventar a personagem até ao fim, há sempre um momento em que me apetece aparecer nalguma cena todo nu: sinal de que consegui que a invenção da personagem estivesse para além do fato, que a máscara fosse mais longe que a nudez do corpo. Desisto sempre da ideia, claro. A máscara já está construída e já posso vestir-me outra vez. Mas não temos melhor maneira que a nudez para falar da verdadeira exposição perante os outros. Só que um actor que se preze sabe que é mais complicado do que parece isso de uma pessoa se expor. A minha “nudez”, onde se vê é na invenção, só minha, da máscara que inventei. Foi aí onde mais mostrei quem sou e como sou. A gente não é só corpo. Isso é os bichos. E mesmo assim não tenho a certeza.


O momento dos aplausos é, ao contrário do que julgas, o momento em que um actor menos se expõe, porque veste a máscara que não inventou, a que os outros lhe impõem e que usa cada dia. Ou o sorriso de circunstância que esconde uma pessoa toda. Só que falar nisso ajuda a falar da questão. A gente podia dizer da natureza da arte como, eu sei, os dois a entendemos: “é pôr-se nu perante os outros”. É, sem máscara, oferecermos aos outros aquilo que somos e o que fazemos da vida. Mas será que não te deixas reconhecer que, para a complicação que é um ser humano, só com artifícios, com máscaras, se chega lá? Eu acho que a ideia da tua “exposição” de pintura é afinal uma máscara, uma ostensiva e violenta “metáfora” do que, seja a pintar seja a representar, queríamos andar a fazer: viver com os outros. Creio que, no teu caso, sem nenhum desencanto. Só desejo de chegar mais longe. Ou mais fundo, pintando superfícies. Um abraço muito grande, Joana, do Luis Miguel Maio de 2009


I don’t know why, but when I think about this work, I see it as a tribute to the theatre. To the moment the actors, shed off their characters, look at us, the audience, almost in the eyes and thank us for being there, for watching them work, for watching them act as a character, someone else’s life. This is the moment, that we, as viewers, also expose ourselves, as actors, who watch the same scene. Two scenes, two stages. In the same theatre.

That, dear Joana, is what you say. Our paths have crossed before. And I realise now that your forays into theatre are not to look for characters, but to find people. I’m glad. Your disquiet when designing a set is a sign that you are trying to find something beyond comedy or drama or tragedy in the theatre. You dislike falsehood. You derive pleasure from knowing. And I’m willing to bet that your painting battles against illusion seeking a rougher, more vital and more vehement essence. But you enjoy the interaction and the hiding games, the better to show yourself. Perhaps you prefer someone who hides to someone who you think reveals themselves. My love for theatre is also like that. It’s about constructing disguises in the name of genuinely wanting to connect with other people. So I find your idea of fighting masks by exposing nudity, charming. I’m going to let you in on a secret. Every time I elaborate a fantasy and invent a character behind which to hide, as you would say, if all goes well and I think I have succeeded in really creating it, (manage to maintain the character to the end), there is always a moment during the process when I feel like appearing naked on the stage: a sign that I have managed to create a character that exists beyond its costume, that the mask does more than cloak body’s nakedness. Of course, I never give in to the urge. The mask is already made and I can put on my costume back again. But we have no better image than nudity to express genuine exposure to others. Though an actor worth his salt knows that being able to expose oneself is a lot more complicated than it seems. My “nudity”, where visible, is in the fabrication, mine alone, of the mask that I created. That was where I most revealed who I am and what I am like. People are not merely bodies. Only animals are. And even then, I’m not so sure. Contrary to what you might think, for an actor the moment of the curtain calls is the


moment of the performance where he least exposes himself, because that is the moment he must abandon his mask and wear a mask not of his own creation, the one that others have imposed on him, the social image he uses everyday, the mandatory smile that conceals the entire person. But, sure, mentioning that moment helps to address the subject. We can say about the nature of art as, I know, we both understand it that it: “is laying oneself bare in front of others”. It is, without masks, giving of ourselves to others and showing how we live our lives. But could it be that you won’t let yourself acknowledge that because human beings are complicated, it is only through artifice, and wearing masks that one is able to do that? I think that, in fact, that’s what you are doing. I think the idea of your “exhibition” of paintings is in the end a painter building a mask, a patent and vehement “metaphor” for what, whether it be painting or acting, we want to be doing: living with others. In your case, I think, with no disenchantment. Only desire to get further. Or deeper, painting surfaces. A big hug, Joana, from Luis Miguel May 2009




Não sei porquê mas quando vejo este trabalho, vejo-o como uma homenagem ao teatro, ao teatro no momento em que os actores se despem dos personagens e nos olham quase nos olhos e nos agradecem por termos estado ali. Por os termos visto trabalhar, por os termos visto representar um personagem, uma vida. É o momento, em que nós espectadores, nós também nos expomos, actores espectadores na mesma cena. Duas cenas, dois palcos. No mesmo teatro. É quase como se fosse um outro espectáculo, onde se lê, se sentem as mais diferentes reacções. É um momento onde se podem condensar todas as emoções. Este meu trabalho pode ser uma representação desse momento. É também uma homenagem a esse momento. Ao teatro, efémero como as pessoas. Estas pessoas são pessoas reais, são de carne e osso, quero-as despojadas de todos os artifícios que possam existir, quero-as cruas, quero-as de igual para igual, quero-as animais, quero-as seres vivos que acabam. Acabam por morrer. Quero guardá-las neste instante vivas e com corpo. Quero o gozo, a força de desenhar corpos nús. Quero trabalhar o meu reconhecimento de um corpo nú, do corpo da pessoa que retrato, sem que seja óbvio para todos. (não me interessa que quem veja este trabalho acabado, reconheça algum retratado), interessa-me sim que eu reconheça. Quero trabalhar com a memória, o tempo que passou, o tempo que vai passar. Todo ali no mesmo instante. Quero guardar um momento. Quero saber se é o fundo, a cor do fundo da tela que se funde nos corpos, se são os corpos que se fundem na tela, quero a sensação de tempo, quero ferro, a cor do ferro, a oxidação, quero a sensação de duração. Quero-os ali no presente Criar um diálogo. Reuni-los uns aos outros e guardá-los, lembrá-los. Joana Villaverde Lisboa, Março de 2008


I don’t know why, but when I think about this work, I see it as a tribute to the theatre. To the moment the actors, shed off their characters, look at us, the audience, almost in the eyes and thank us for being there, for watching them work, for watching them act as a character, someone else’s life. This is the moment, that we, as viewers, also expose ourselves, as actors, who watch the same scene. Two scenes, two stages. In the same theatre. It is almost like another play, another show, a moment which condenses all emotions at once. This work can represent that moment; it is also a tribute to that moment. These people are real, flesh and blood, I want them to be rid of all artifice, I want them raw, I want them on the same level, and I want them as animals, perishable human beings. I want to preserve them in this moment, alive and in their bodies. I want the pleasure of drawing naked bodies. I want to work in my own recognition of a naked body, the body I am portraying, without it being obvious to viewers. (I don’t care if they are, providing I can recognise them) I want to work with memory, time that has passed and time that will pass, all in a single moment. A moment I wish to preserve. I want to know if the canvas’s background colour will blend into the bodies or if it is the bodies that blend into the background. I want to convey the feeling of time, of iron, the colour of iron, of oxidising materials, the feeling of duration. I want them here, in the present time. To create a dialogue, gathering them together and keep them, remembering them. Joana Villaverde Lisbon, March 2008



















Joana Villaverde [Lisboa, 1970] exposições individuais 2009 2007 2006

2005 2003 2000

Je Vous Garde, Pavilhão Branco, Museu da Cidade – Lisboa, Julho, (Cat.) Ferro e Fogo, Galeria Formato Comodo – Madrid, Novembro, (Cat.) Drawings, Casa dos Dias da Água – Lisboa, Novembro E ela dança, Casa das Artes de Tavira – Tavira, Julho, (Cat.) Paintings / Drawings, Galeria Formato Comodo – Madrid, Março Drawings, Sala do Veado – Lisboa, Fevereiro Dentro das Gavetas, O Usuário – Lisboa, Junho Este Ano, Casa dos Dias da Água – Lisboa, Novembro Identidades / continuação 4, Fundação edp, snba – Lisboa, Abril (Cat.) 48 desenhos, Vila Simões – Lisboa, Junho exposições colectivas

2008, 2007, 2006 Iniciativa X, ArteContempo – Lisboa, Dezembro 2006 Scope Art Fair NY, Black & White Gallery – Nova Iorque, Março Drawings, Galeria Espacio Kubiko – Madrid, Janeiro 2005 A invenção do Mundo, Paço Episcopal de Faro – Faro, Dezembro (Cat.) 2004 Arte para Carlos Paredes, Cordoaria Nacional – Lisboa, Março Arte para Carlos Paredes, Casa da Animação – Porto, Junho (Cat.) 1999 Bienal da Maia – Maia, Janeiro 1998 Projecto Tabaqueira – Lisboa, Abril (Cat.) cenografia 2008 2007 2006 2004 2002

Leôncio e Lena de G. Büchner – Teatro do Bairro Alto (Cornucópia), Lisboa, Junho Direcção artística da exposição Borboletas Através do Tempo, mnhn, Lisboa, Maio Gata Borralheira de Robert Walser – Culturgest, Lisboa, Setembro César Anticristo de A. Jarry – Teatro do Bairro Alto (Cornucópia), Lisboa, Janeiro Duas farsas conjugais de G. Feydeau – Teatro do Bairro Alto, Lisboa, Novembro apoio institucional

2008, 2005, 2000

Subsídio de apoio à criação artística, Fundação Calouste Gulbenkian

publicações 2008 2007 2005 2004 2003

Malysse, Stéphane, O Nu Perdido, D’obras Magazine, São Paulo, Brasil Castellano, Teresa in Cat. Ferro e Fogo, Formato Comodo Martín, Luis, in Cat. V Mostra Portuguesa, Espanha Mendonça, J. Tolentino, “Joana Villaverde – Um Auto-Retrato de Deus”, in Cat. A Invenção do Mundo Villaverde, Joana, “Um homem do sul e dos livros”, in Público, 19 de Dezembro Villaverde, Joana + Cruz, Mafalda Ivo, Emma, Cavalo de Ferro Villaverde, Joana in Cat. Identidades-continuação 4, snba Pinharanda, João, “A quem possa interessar”, in Cat. Identidades-cont. 4, snba

Joana Villaverde está representada em numerosas colecções privadas em Portugal e Espanha.


Joana Villaverde [Lisbon, 1970] solo exhibitions 2009 2007 2006

2005 2003 2000

Je Vous Garde, Pavilhão Branco, Museu da Cidade – Lisbon, July, (Cat.) Ferro e Fogo, Galeria Formato Comodo – Madrid, November, (Cat.) Drawings, Casa dos Dias da Água – Lisbon, November E ela dança, Casa das Artes de Tavira – Tavira, July, (Cat.) Paintings / Drawings, Galeria Formato Comodo – Madrid, March Drawings, Sala do Veado – Lisbon, February Dentro das Gavetas, O Usuário – Lisbon, June Este Ano, Casa dos Dias da Água – Lisbon, November Identidades / continuação 4, edp Foundation, snba – Lisbon, April (Cat.) 48 desenhos, Vila Simões – Lisbon, June collective exhibitions

2008, 2007, 2006 Iniciativa X, ArteContempo – Lisbon, December 2006 Scope Art Fair NY, Black & White Gallery – New York, March Drawings, Galeria Espacio Kubiko – Madrid, January 2005 A invenção do Mundo, Paço Episcopal de Faro – Faro, December (Cat.) 2004 Arte para Carlos Paredes, Cordoaria Nacional – Lisbon, March Arte para Carlos Paredes, Casa da Animação – Porto, June (Cat.) 1999 Bienal da Maia – Maia, January 1998 Projecto Tabaqueira – Lisbon, April (Cat.) theater set design 2008 2007 2006 2004 2002

Leôncio e Lena by G. Büchner – Teatro do Bairro Alto (Cornucópia), Lisbon, June Art Direction exhibition Borboletas Através do Tempo, mnhn, Lisbon, May Cinderella by Robert Walser – Culturgest, Lisbon, September Caesar Antichrist by A. Jarry - Teatro do Bairro Alto (Cornucópia), Lisbon, January Duas farsas conjugais by G. Feydeau - Teatro do Bairro Alto, Lisbon, November institutional support

2008, 2005, 2000

Artistic creation grant, Fundação Calouste Gulbenkian

publications 2008 2007 2005 2004 2003

Malysse, Stéphane, O Nu Perdido, D’obras Magazine, São Paulo, Brasil Castellano, Teresa in Cat. Ferro e Fogo, Formato Comodo Martín, Luis, in Cat. V Mostra Portuguesa, Spain Mendonça, J. Tolentino, “Joana Villaverde – Um Auto-Retrato de Deus”, in Cat. A Invenção do Mundo Villaverde, Joana, “Um homem do sul e dos livros”, in Público, 19th December Villaverde, Joana + Cruz, Mafalda Ivo, Emma, Cavalo de Ferro Villaverde, Joana in Cat. Identidades-continuação 4, snba Pinharanda, João, “To whom it may concern”, in Cat. Identidades-cont. 4, snba

Joana Villaverde is represented in numerous private collections in Portugal and Spain.


organização | organization Câmara Municipal de Lisboa Vereação da Cultura – Maria Rosalia Vargas Direcção Municipal da Cultura – Francisco Motta Veiga Departamento de Património Cultural – Jorge Ramos de Carvalho Divisão de Museus e Palácios – Ana Cristina Leite

exposição | exhibition Joana Villaverde – Je Vous Garde Museu da Cidade – Pavilhão Branco, Lisboa 10 de Julho a 30 de Agosto produção e coordenação | production and coordination

Sofia Castro montagem da tela | canvas set-up

Jorge Esteves João Paulo Araújo assistência e montagem | assistants and setting-up team

Amilcar Belchior Porfírio Martins Rui Inácio divulgação | press officers

João Mourão Elsa Gonçalves

catálogo | catalogue edição | edition

c.m.l. – Divisão de Museus e Palácios – Museu da Cidade textos | texts

Luis Miguel Cintra Joana Villaverde design

Inês Nogueira fotografia | photography

Fabrice Ziegler Joana Villaverde (capa . cover) impressão | printing

Imprensa Municipal, Câmara Municipal de Lisboa tiragem | print run

250 cópias . 250 copies

trabalhos | works Barra de óleo e grafite sobre papel . Oil bar and pencil on paper – 120 x 150 cm (aprox.) Barra de óleo sobre tela . Oil bar on canvas – 750 x 220 cm (aprox.)


agradecimentos | acknowledgments Luis Miguel Cintra Maria Beatriz Rocha Trindade Isabel Rodrigues Manuel Villaverde Cabral Marília Villaverde Cabral José Pedro Croft Cristina Reis Inês Nogueira Fabrice Ziegler Melinda Eltenton Alexandra Bochmann


organização

apoio ao projecto


Issuu converts static files into: digital portfolios, online yearbooks, online catalogs, digital photo albums and more. Sign up and create your flipbook.