Page 1

GOVERNO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

INSTRUÇÕES GERAIS PARA AS AULAS PRÁTICAS DE ANATOMIA.

PROFESSOR: RANYERI DÁVILA A. COELHO MESTRE EM CIÊNCIAS DA SAÚDE NORMAS DE SEGURANÇA: 1) USO OBRIGATÓRIO DO JALECO DURANTE A AULA NO LABORATÓRIO; 2) USO DE LUVAS DE PROCEDIMENTO TRABALHOS EM QUE HAJA CONTATO CASUAL OU PREVISTO COM SANGUE OU QUALQUER OUTRO MATERIAL QUE OFEREÇA RISCO DE CONTAMINAÇÃO; 3) É TERMINANTEMENTE PROIBIDO NO LABORATÓRIO: FUMAR, COMER, BEBER USAR SAPATOS ABERTOS E ROUPAS INADEQUADOS AO LABORATÓRIO COMO CHINELO DE DEDO, SANDÁLIA ABERTA, BERMUDAS E SAIAS. CONCOMITANTEMENTE O USO DE CELULARES SEM PRÉVIO AVISO;


GOVERNO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

4) O USO DE EQUIPAMENTOS: APÓS O USO DEVE SER DEVOLVIDO IMEDIATAMENTE A SECRETARIA DO CURSO; 5) OS FERIMENTOS DECORRENTES DA AULA (PERFURAÇÕES, CORTES, ETC): POR MAIS SIMPLES QUE PAREÇAM DEVEM SER TRATADOS IMEDIATAMENTE; 6) LAVAR AS MÃOS ANTES E APÓS QUALQUER PROCEDIMENTO DESENVOLVIDO NO LABORATÓRIO; 7) AS PEÇAS DE TRABALHO DEVERÃO SER LIMPAS E ORGANIZADAS ANTES E APÓS O TÉRMINO DO TRABALHO PELOS MONITORES; 8) ELABORAR E LER OS ROTEIROS DE TRABALHO ANTES DE COMEÇAR A PRÁTICA; 9) QUEBRA DE MATERIAL: NOTIFICAR IMEDIATAMENTE O LABORATORISTA OU O PROFESSOR; 10) A LIMPEZA, A ORGANIZAÇÃO, O RIGOR CIENTÍFICO E O MÁXIMO GRAU DE OBSERVAÇÃO NOS FENÔMENOS QUE OCORREM SÃO INDISPENSÁVEIS EM TODOS OS TRABALHOS DE LABORATÓRIO; 11) EVITAR SAÍDAS DESNECESSÁRIAS, MONITOR E ALUNO, DO LABORATÓRIO, PODENDO ACARRETAR EM FALTA PARA O ALUNO,TODOS

TEM O DIREITO DE IR E VIR, PORTANTO ARCAMOS COM AS CONSEQUÊNCIAS; 12) RESPEITAR O HORÁRIO DAS AULAS; 13) ATUALIZAR O CARTÃO DE VACINAÇÃO.


GOVERNO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

ROTEIRO DAS AULAS PRÁTICAS: CONCEITOS BÁSICOS DE ANATOMIA HUMANA


GOVERNO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

PLANOS E EIXOS

1. Identificação dos planos de delimitação: Ventral Dorsal Laterais Cranial Podálico Medial 2. Identificação dos planos de secção: Sagital Frontal Transversal

3. Identificação dos eixos do corpo: Ântero-posterior Látero-Medial Crânio-podálico

4. Identificação dos termos de posição: Estrutura mediana Estrutura medial Estrutura lateral 5. Estrutura intermédia- média- proximal e distal


GOVERNO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

Sistema esquelético

Observe, perceba e estude seguindo o seguinte roteiro: 1. Examine e identifique o esqueleto axial, o esqueleto apendicular e as cinturas, bem como os seus componentes. 2.

Observe as peças de sua mesa e identifique: 2.1.

Os tipos dos ossos (longo, laminar, curto, irregular);

2.2.

As epífises e a diáfise dos ossos longos;

2.3. Os seguintes ossos do crânio: mandíbula (corpo e ramo), frontal, nasal, zigomático, maxilar, mandíbula, parietal, temporal, esfenóide e occipital; 2.4. O canal medular e as substâncias ósseas compacta e esponjosa, nos ossos cortados; 2.5. As diferentes vértebras: cervicais, torácicas, lombares, o sacro e o cóccix. Reconheça o corpo vertebral, o arco vertebral, os processos articulares, espinhoso e transversos, os pedículos e as lâminas e o forame vertebral; 3.

Ainda: 3.1.

O esterno e as costelas.

3.2. Identifique a escápula e a clavícula. Elas constituem a cintura torácica (ou escapular), que une o esqueleto apendicular do membro superior ao esqueleto axial. 3.3. Identifique o osso do quadril. Ele forma a cintura pélvica, que une o esqueleto apendicular do membro inferior ao esqueleto axial. Observe que, ao contrário das cinturas escapulares que não se unem, as cinturas pélvicas são unidas pela sínfise púbica, formando, junto com o sacro, a pelve óssea. 3.4. Identifique os ossos por sua classificação: Longos, curtos, irregulares, etc. 3.5. Identifique no membro superior: úmero, rádio, ulna, ossos do carpo, metacárpicos e falanges. 3.6. Identifique no membro inferior: fêmur (epífise proximal com cabeça e colo, diáfise ou corpo e eoífise distal com os condilos femorais), patela, tíbia, fíbula, ossos do tarso, metatársicos e falanges.


GOVERNO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

4. A superfície dos ossos apresenta depressões, aberturas e saliências (processos) articulares e não articulares. Muitos termos são usados para nomeá-los. 4.1. Depressões: incisura (entalhe na margem de um osso. Ex: incisura da mandíbula); sulco (ranhura rasa na superfície óssea que normalmente marca o trajeto de um vaso ou de um nervo. Ex: sulco do nervo radial), fossa (depressão profunda que pode ser parte de uma articulação ou local para inserção de músculos. Ex: fossa trocantérica do fêmur). 4.2. Aberturas: forame (abertura ou perfuração curta através da qual passam vasos sangüíneos, nervos ou ligamentos. Ex: forame magno, forame vertebral); canal (abertura longa e estreita em forma de tubo. Ex: canal vertebral); meato (tipo de canal ósseo. Ex: meato acústico externo); fissura (fenda estreita. Ex: fissura orbital superior); óstio (pequena abertura localizada geralmente na entrada de um órgão cavitário ou de um canal. Ex: óstio faríngeo da tuba auditiva); seio paranasal (cavidade cheia de ar dentro de um osso conectado à cavidade nasal. Ex: seio frontal). 4.3. Processos que participam de articulações: côndilo (proeminência grande e arredondada. Ex: côndilo medial do fêmur); cabeça (projeção arredondada que se projeta a partir de uma região estreitada que é o colo. Ex: cabeça do fêmur); face (superfície lisa e plana. Ex: face articular superior de uma vértebra). 4.4. Processos aos quais se fixam tendões, ligamentos e outros tecidos conjuntivos: tuberosidade (ou túber é um processo grande, arredondado, usualmente áspero. Ex: tuberosidade isquiática); tubérculo (pequena projeção arredondada. Ex: tubérculo púbico); processo espinhoso (ou espinha é uma projeção aguda e fina. Ex: espinha do esfenóide, processo espinhoso das vértebras); trocanter (projeção grande e romba encontrada somente no fêmur. Ex: trocanter maior); crista (margem ou aresta de uma superfície óssea. Ex: crista ilíaca do quadril).


GOVERNO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

DIVISÃO DAS ESTRUTURAS ÓSSEAS PELOS SEGMENTOS CORPORAIS I. ESQUELETO AXIAL

1. OSSOS DO CRÂNIO PARIETAL FRONTAL: - Face externa: - Processo zigomático; - Face interna: - Crista frontal; - Seio frontal. OCCIPITAL: - Forame magno - Côndilo occipital - Protuberância occipital externa: - Protuberância occipital interna: ESFENÓIDE: - Sela turca: - Seio esfenoidal - Asa menor: - Asa maior: TEMPORAL: - Processo mastóide; - Processo estilóide. - Poro acústico externo.


GOVERNO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

- Processo zigomático. - Fossa mandibular ETMÓIDE: - Lâmina cribriforme - Crista etmoidal - Lâmina perpendicular - Células etmoidais OSSO LACRIMAL OSSO NASAL OSSO VÔMER MAXILA: - Seio maxilar - Processo zigomático - Processo palatino - Processo alveolar PALATINO ZIGOMÁTICO: - Processo temporal - Processo frontal - Processo Maxilar MANDÍBULA: - Corpo da mandíbula: - Protuberância mentual; - Forame mentual; - Parte alveolar - Ângulo da mandíbula: - Forame da mandíbula. - Ramo da mandíbula - Processo condilar: - Cabeça da mandíbula;


GOVERNO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

HIÓIDE 2. COLUNA VERTEBRAL VÉRTEBRAS: - Corpo vertebral - Arco vertebral: - Forame intervertebral - Forame vertebral - Processo espinhoso - Processo transverso - Processo articular superior: - Processo articular inferior: VÉRTEBRAS CERVICAIS: - Processo espinhoso - Forame transversário Atlas: - Massa lateral do Atlas: - Arco anterior do Atlas: - Arco posterior do Atlas: Áxis: - Dente do áxis: VÉRTEBRAS TORÁCICAS: - Fóvea costal superior - Fóvea costal inferior - Fóvea costal do processo transverso VÉRTEBRAS LOMBARES: - Processo espinhoso - Processo costiforme SACRO: - Base do sacro: - Promontório; - Processo articular superior. - Parte lateral:


GOVERNO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

- Face auricular; - Tuberosidade sacral. - Crista sacral mediana; 3. ESQUELETO DO TÓRAX COSTELAS: - Costelas verdadeiras (I – VII) - Costelas falsas (VIII – X) - Costelas flutuantes (XI – XII) - Cartilagem costal - Cabeça da costela: - Colo da costela - Corpo da costela: - Tubérculo da costela: ESTERNO: - Manúbrio do esterno: - Corpo do esterno - Processo xifóide II. ESQUELETO APENDICULAR

MEMBROS SUPERIORES CÍNGULO DO MEMBRO SUPERIOR ESCÁPULA: - Face costal: - Fossa subescapular. - Face posterior: - Espinha da escápula; - Fossa supra-espinal; - Fossa infra-espinal. - Acrômio; - Margem: medial, lateral e superior - Ângulo: inferior, lateral e superior - Incisura da escápula - Cavidade glenoidal


GOVERNO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

- Processo coracóide CLAVÍCULA: - Extremidade esternal: - Corpo da clavícula: - Extremidade acromial: PARTE LIVRE DO MEMBRO SUPERIOR ÚMERO: - Cabeça do úmero - Colo anatômico - Tubérculo maior - Tubérculo menor - Sulco intertubercular: - Corpo do úmero: - Capítulo do úmero; - Tróclea do úmero; - Fossa do olecrano; - Fossa coronóidea; - Fossa radial. - Epicôndilo medial: - Epicôndilo lateral RÁDIO: - Cabeça do rádio: - Fóvea articular; - Circunferência articular. - Colo do rádio - Corpo do rádio: - Tuberosidade do rádio; - Processo estilóide do rádio - Tubérculo dorsal do rádio ULNA: - Olécrano - Processo Coronóide: - Tuberosidade da ulna; - Incisura radial.


GOVERNO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

- Incisura troclear - Corpo da ulna: - Cabeça da ulna: - Processo estilóide da ulna. OSSOS CARPAIS: - Escafóide: - Semilunar - Piramidal - Pisiforme - Trapézio: - Trapezóide - Capitato - Hamato: OSSOS METACARPAIS: - Base do metacarpal - Corpo do metacarpal - Cabeça do metacarpal FALANGES: - Falange proximal - Falange média - Falange distal: - Base da falange - Corpo da falange - Cabeça da falange

MEMBROS INFERIORES

CÍNGULO DO MEMBRO INFERIOR OSSO DO QUADRIL: - Acetábulo: Fossa do acetábulo; Incisura do acetábulo; − Face semilunar


GOVERNO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

− - Forame obturado Ílio: - Crista ilíaca: - Espinha ilíaca ântero-superior; - Espinha ilíaca ântero-inferior; - Espinha ilíaca póstero-superior; - Espinha ilíaca póstero-inferior; - Fossa ilíaca. - Face sacropélvica: - Face auricular; - Tuberosidade ilíaca Ísquio: - Corpo do ísquio - Ramo do ísquio: - Tuber isquiático. - Espinha isquiática - Incisura isquiática maior - Incisura isquiática menor Púbis: - Corpo do púbis: - Face sinfisial; - Tubérculo púbico PARTE LIVRE DO MEMBRO INFERIOR FÊMUR: - Cabeça do fêmur: - Fóvea da cabeça do fêmur. - Colo do fêmur - Trocanter maior; - Trocanter menor - Crista intertrocantérica - Corpo do fêmur: - Face poplítea; - Côndilo medial:


GOVERNO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

- Epicôndilo medial; - Côndilo lateral: - Epicôndilo lateral. - Fossa intercondilar PATELA: - Base da patela - Ápice da patela TÍBIA: - Face articular superior - Côndilo medial - Côndilo lateral: - Eminência intercondilar: - Corpo da tíbia: - Tuberosidade da tíbia; - Maléolo medial - Incisura fibular FÍBULA: - Cabeça da fíbula: - Colo da fíbula - Corpo da fíbula: - Maléolo lateral OSSOS TARSAIS: - Tálus: - Calcâneo: - Navicular: - Cuneiforme medial - Cuneiforme intermédio - Cuneiforme lateral - Cubóide OSSOS METATARSAIS: - Base do metatarsal - Corpo do metatarsal - Cabeça do metatarsal


GOVERNO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

FALANGES: - Falange proximal - Falange média - Falange distal: - Base da falange - Corpo da falange - Cabeça da falange SISTEMA ARTICULAR Observe as peças anatômicas e as estude seguindo o seguinte roteiro:

1. Identifique as suturas entre os ossos do crânio. Também identifique as gonfoses, entre os dentes e os alvéolos dentários da maxila e da mandíbula. 2.

Observe na pelve óssea a sínfise púbica, entre os ossos do quadril;

3. Na mão e no pé articulados observe ossos vizinhos e note como suas superfícies ósseas em contato são planas (articulações sinoviais planas). 3.1 Menbrana Interóssea entre Rádio e Ulna e entre Tíbia e Fíbula; 3.2 Discos Epifisários - Sincondroses 4.

No esqueleto articulado observe:

4.1. Os discos intervertebrais, entre os corpos das vértebras. Os discos intervertebrais são articulações cartilaginosas do tipo sínfise. 4.2. Como úmero e ulna se unem para formar a articulação do cotovelo, que é um gínglimo. 4.3. Como tíbia, fíbula e o tálus se unem para formar a articulação do tornozelo, que também é um gínglimo. 4.4. Como rádio e ulna se unem para formar as articulações rádio-ulnares proximal e distal, que são trocóides (ou cilindróides). 4.5. Como, na mão do esqueleto articulado (ou na mão articulada do grupo), o metacárpico do polegar se une ao correspondente osso do carpo para formar a articulação carpo-metacárpica do polegar, que é uma articulação selar. 4.6. Como a cabeça do úmero se articula com a cavidade glenóide da escápula para formar a articulação escápulo-umeral (do ombro), esferóide.


GOVERNO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

4.7. Como a cabeça do fêmur se articula com o acetábulo do osso do quadril para formar a articulação coxo-femoral, também esferóide. 5. Na articulação do joelho observe: (a) cápsula articular; (b) cartilagem articular; (c) meniscos lateral e medial; (d) ligamentos cruzados anterior e posterior. 6. Na articulação do ombro observe: (a) cápsula articular; (b) cartilagem articular; (c) lábio glenoidal.

SISTEMA MUSCULAR Observe as peças anatômicas e as estude seguindo o seguinte roteiro: 1. Nos vários músculos das peças anatômicas identifique: 1.1. Músculos de fibras paralelas ao eixo maior: longos e largos. 1.2. Músculos de fibras oblíquas maior: unipenados e bipenados. Existe algum músculo que possa ser classificado como multipenado? 1.3. Ventre e tendões. Todos os músculos vistos possuem ventre e tendões típicos? 1.4. Cada músculo é envolvido por sua fáscia muscular. Nas peças previamente dissecadas é possível encontrar músculos ainda com fáscia. Nos membros, além das fáscias individuais de cada músculo, existe a fáscia do membro, que envolve todos os músculos e os divide em grupos funcionais. Observe a fáscia do membro inferior e reconheça sua parte mais ampla e forte, a fáscia lata (da coxa). 2. Nas peças das mesas neutras observe que no abdome e no dorso muitos músculos se fixam de forma diferente da dos músculos dos membros. Eles são laminares e seus tendões também o são e recebem o nome de aponeurose. Identifique pelo menos uma aponeurose. Ainda no abdome, observe como o m. reto do abdome possui vários ventres. È um músculo poligástrico. 3. Realize em você mesmo (ou peça a um colega para realizar) os movimentos de flexão e extensão; abdução e adução; rotação lateral e medial; flexão plantar e flexão dorsal; eversão e inversão; pronação e supinação; elevação e depressão; protração e retração. Este é o momento para consolidar estes conceitos e resolver as dúvidas.


GOVERNO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

I- Músculos da Mímica/Expressão Facial  O aluno deverá identificar os seguintes músculos:  Occipitofrontal (epicraniano)  Orbicular do Olho  Orbicular da Boca  Levantador comum do lábio superior e da asa do nariz  Levantador do lábio superior  Zigomático Maior  Zigomático Menor  Depressor do ângulo da boca  Depressor do lábio inferior  Mentoniano  Bucinador  Platisma II- Músculos da Mastigação  O aluno deverá identificar os seguintes músculos:  Masséter  Temporal  Pterigóide medial  Pterigóide lateral III- Músculos do Pescoço  O aluno deverá identificar os seguintes músculos:  Músculos Superficiais e Laterais: esternocleidomastóide, platisma e trapézio.  Músculos Para-vertebrais: escaleno anterior, escaleno médio e escaleno posterior. IV – Músculos Tóraco-apendiculares  O aluno deverá identificar os seguintes músculos:  Que agem no Ombro:  Trapézio (descrito anteriormente)  Rombóide maior  Rombóide menor  Levantador da escápula  Serrátil anterior


GOVERNO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

 Peitoral menor  Subclávio        

Que agem no Braço: Peitoral Maior Deltóide Córacobraquial Latíssimo do Dorso Redondo maior e menor Supra-espinal e Infra-espinal Subescapular

 Identificar os músculos formadores do manguito rotador; V- Músculos que agem no Antebraço:  Bíceps braquial  Braquial  Tríceps braquial  Ancôneo  Braquiorradial VI – Músculos que agem nas mãos e dedos: Compartimento anterior (8)  Superficiais (5)     

Flexor radial do carpo Flexor ulnar do carpo Palmar longo Flexor superficial dos dedos Pronador redondo

 Profundos (3)  Flexor profundo dos dedos  Flexor longo do polegar  Pronador quadrado Compartimento posterior (12)


GOVERNO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

       

Superficiais (7) Braquiorradial Extensor radial curto do carpo Extensor radial longo do carpo Extensor ulnar do carpo Extensor comum dos dedos Extensor do dedo mínimo Ancôneo

 Profundos (5)  Extensor do indicador  Extensor longo do polegar  Extensor curto do polegar  Abdutor longo do polegar  Supinador 2


GOVERNO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

VII- Músculos que agem na articulação Coxo-femoral:  Flexores  Íliopsoas  Tensor da Fáscia-lata  Sartório  Reto Femoral  Pectíneo  Extensores  Glúteo Máximo  Semitendinoso  Semimembranoso  Bíceps da Coxa  Adutor Magno: porção extensora  Adutores  Pectíneo  Adutor Longo  Adutor Curto  Adutor Magno  Grácil  Abdutores  Glúteo Médio  Glúteo Mínimo  Rotação Medial  Glúteo Médio  Glúteo Mínimo        

Rotação Lateral Glúteo Máximo Piriforme Quadrado da Coxa Gêmeo Superior Gêmeo Inferior Obturatório Interno Obturatório Externo


GOVERNO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

VIII- Músculos que agem na articulação do Joelho:  Flexores  Semitendinoso  Semimembranoso  Bíceps da Coxa  Sartório  Grácil  Extensores  Quadríceps da Coxa Músculo mais volumoso e potente do corpo, constituindo a maior parte da massa muscular da região anterior e medial da coxa. Sua inserção é no tendão patelar, possuindo quatro cabeças na sua origem cada qual com um nome. São elas: Reto da Coxa, Vasto lateral, Vasto Medial e Vasto Intermédio. IX- Músculos que agem na articulação do Tornozelo:  Dorsiflexão  Tibial Anterior  Flexão Plantar  Tríceps Sural Músculo volumoso da parte posterior da perna. Formado por três cabeças em sua origem (Gastrocnêmios e Sóleo) se inserindo no tendão do calcâneo.  Tibial Posterior  Eversão  Fibular Longo  Fibular Curto  Inversão  Tibial Anterior  Tibial Posterior


GOVERNO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

X- MÚSCULOS QUE ATUAM NA COLUNA VERTEBRAL RETO DO ABDOME:  Bainha do reto: formada pelas aponeuroses dos três músculos da parede abdominal.  Linha alba: formada pelo entrelace das aponeuroses dos três músculos anterolaterais do abdome de cada lado formando uma costura (rafe) na região mediana.  Linha arqueada: linha abaixo do umbigo, lateralmente, marcando o encontro dos três músculos anterolaterais.  Linha semilunar: região onde ocorre o encontro das aponeuroses dos músculos anterolaterais na margem lateral do reto do abdome.  Intersecção tendínea: áreas de união dos ventres do reto do abdome que é um músculo poligástrico. OBLIQUO EXTERNO OBLIQUO INTERNO TRANSVERSO DO ABDOME

SISTEMA CIRCULATÒRIO

1. Reconheça os sulcos interventricular anterior e posterior e o sulco atrioventricular (ou coronário), a base e o ápice do coração. Identifique os átrios direito e esquerdo, as aurículas direita e esquerda e os ventrículos direito e esquerdo. 2. Identifique os vasos da base do coração: (a) tronco pulmonar que se bifurca nas artérias pulmonares direita e esquerda; (b) aorta, maior artéria do corpo, que inicialmente se dirige para cima e depois para trás, formando o arco aórtico; (c) veias cavas superior e inferior; (d) veias pulmonares. 3. Examine o coração aberto e veja os septos interatrial e interventricular (identifique as partes membranosa e muscular), os óstios atrioventriculares, guarnecidos pelas valvas tricúspide (à direita) e mitral (à esquerda). Nos orifícios de saída da aorta e do tronco pulmonar identifique, respectivamente, as valvas aórtica e pulmonar, formadas, cada uma, por três válvulas semilunares.


GOVERNO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

4.

Examine a superfície interna do coração e note:

4.1. O átrio direito tem sua parte lateral lisa (seio das veias cavas), enquanto a parte medial é marcada pelos músculos pectíneos. O limite interno entre estas partes é a crista terminal, a quem corresponde, na superfície do coração, o sulco terminal. 4.2. Observe no seio venoso os óstios das veias cavas superior e inferior 4.3. A parede septal do átrio direito é lisa, sem músculos pectíneos e apresenta uma ligeira depressão, a fossa oval, que resulta do fechamento do forame oval do coração do embrião. Ocasionalmente este fechamento não é completo. Pesquise se isto ocorreu no coração com o qual está a trabalhar (é a chamada permeabilidade do forame oval). Chame o professor se necessário. 4.4. O átrio esquerdo apresenta uma porção posterior lisa e que recebe as veias pulmonares e uma porção anterior, contínua com a aurícula esquerda e com músculos pectíneos (mais na aurícula). 4.5. A superfície interna de ambos os ventrículos é marcada por projeções de feixes musculares (cristas, pontes e pilares). Destas projeções as mais evidentes são os músculos papilares (três no ventrículo direito e dois no ventrículo esquerdo). Deles partem as cordas tendíneas, que se prendem nas cúspides das valvas tricúspide e mitral. Identifique o septo interventricular e suas partes membranácea e muscular. 4.6. Compare a espessura da parede do ventrículo esquerdo e compare-a com a do ventrículo direito. Qual é, na sua opinião, a explicação para esta diferença? 5.

Volte à superfície externa do coração e identifique:

5.1. As artérias coronárias direita e esquerda, responsáveis pela irrigação do coração e que se originam da aorta logo acima de sua emergência do ventrículo esquerdo. 5.2. Tente identificar os ramos interventricular anterior e ramo circunflexo da artéria coronária esquerda 5.3. Na artéria coronária direita tente identificar o ramo marginal direito e os ramos anteriores e posteriores para o ventrículo direito. 5.4. Reconheça o seio coronário, principal estrutura de drenagem do coração. É um tronco curto e calibroso, situado no sulco coronário e que desemboca no átrio direito. Tente identificar seus principais afluentes: veia cardíaca magna, veia cardíaca média e veia cardíaca pequena.


GOVERNO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

Roteiro de aulas práticas de anatomia  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you